Issuu on Google+

Órgão Internacional dos Adventistas do Sétimo Dia

D eze m b ro 2013

Portuguese Replace Dezembro with: NOTE: unlock page layer & in «Find» box click symbol for «Include Master Pages»

O

Ventre Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro

Estéril ea

Esperança Sal é Realmente Perigoso? 11 O

14

A Contracultura

da Mordomia Bíblica

26

Pecado e Outras Pequenas

“Deficiências”


D eze mb ro 2 013

A R T I G O

16

D E

C A P A

O Ventre Estéril e a Esperança

Por Faminu Imabong

“Senhor, dá-me um filho!”, é a oração que permeia épocas e culturas.

8 “Qual Era o Costume do Mestre?” V I S Ã O

M U N D I A L

Por Ted N. C. Wilson

Mesmo estando sempre ocupado, Jesus encontrava tempo para orar.

Contrário à cultura que diz: “Tenha!”, o cristianismo diz: “Doe!”.

20 Graça Suficiente para Cada Desafio A

H I S T Ó R I A

Por Curtis Rittenour

Não importa quão densas sejam as trevas, a luz divina as expulsará.

A D V E N T I S T A

Por Ferdinand O. Regalado

Os adventistas da Divisão do Pacífico Sul-Asiático e sua dedicação missionária.

22

12 Um Raio de Luz

F U N D A M E N T A I S

Por Oliver Glanz

A R T I G O

D E V O C I O N A L

14

C R E N Ç A S

A Contracultura da Mordomia Bíblica

E s p ecial

Comprometidos com a Missão

Por Mark A. Kellner

Congresso internacional destaca os desafios e as oportunidades para o evangelismo.

SEÇÕES 3 N otícias

do M undo

3 Notícias Breves 6 Notícia Especial

11 S A Ú D E N O M U N D O O Sal é Realmente Perigoso?

25 E S P Í R I T O D E P R O F E C I A A Glória e o Mistério de Cristo R E S P O S TA S 26 

A P E R G U N TA S B Í B L I C A S

Pecado e Outras Pequenas “Deficiências”

27 E S T U D O B Í B L I C O As Perigosas Armadilhas da Condescendência 28

TROCA DE IDEIAS

www.adventistworld.org Online: disponível em 13 idiomas Tradução: Sonete Magalhães Costa Adventist World (ISSN 1557-5519) é editada 12 vezes por ano, na primeira quinta-feira do mês, pela Review and Herald Publishing Association. Copyright (c) 2005. V. 9, Nº 12, Dezembro de 2013.

2

Adventist World | Dezembro 2013

C a pa F o t o : © e r i k S t e n b a k k e n / L i c e n c i a d o p e l a G OOD S A L T . C O M


M

N ot í cias do M u ndo

Relatório Financeiro da

R o b e r t s / ANN

Associação Geral (AG)

B r a n d a n

inha avó era italiana e pertencia a uma família muito grande. Ao todo, dezessete irmãos e irmãs. Ela nunca sentiu falta da companhia de alguém para conversar. Ela se lembra de que nenhum dos filhos tinha sua própria cama e a hora das refeições, muitas vezes, era mais competitiva do que sociável. Por tudo isso, mesmo quando os tempos eram difíceis, o vínculo que mantinha unida a família Leonardo era uma realidade permanente do relacionamento de sangue que ligava um ao outro. Podia haver discussões, um irmão se recusando a falar com outro por uma semana ou até um ano, porém, com o tempo, eles aprenderam a se aceitarem uns aos outros, superando qualquer arrogância ou sentimentos feridos. A princípio, unidos apenas pelo parentesco, aprenderam a se respeitar mutuamente, cuidando um do outro e procurando a companhia um do outro. Tenho boas lembranças das noites do início do verão, quando comemorávamos os aniversários e as datas especiais. Eu os observava na varanda da frente, animados, sorrindo, bemhumorados, ouvindo e cantando músicas. Tinha orgulho de ser um deles. Ainda tenho orgulho de pertencer a essa família – porque partilhamos um conjunto indelével de memórias e esperanças. Você também é parte de uma família muito grande, aproximadamente dezoito milhões de irmãos e irmãs em todo o mundo. Você nasceu de novo em um ambiente com relacionamentos que lhe oferecem auxílio e companhia, enquanto caminha para a Casa do Pai. Alguns membros da família moram perto de você; e sim, às vezes as relações mais próximas ficam estremecidas por discussões, silêncio ou sentimentos feridos. Porém, a maior parte de sua família está espalhada pelo mundo. Ela adora a Deus de diferentes maneiras; canta em centenas de idiomas diferentes. Mas o traço familiar mais permanente é que cada um foi comprado pelo precioso sangue de nosso irmão mais velho – Jesus. Em Seu nome, nos reunimos para comemorar a história da família, suportar os sofrimentos, recontar as histórias e antecipar a alegria que virá. As Escrituras dizem que Jesus “não se envergonha de chamá-los irmãos”(Hb 2:11, NRSV). Ele tem orgulho de nos chamar de família – Sua família! Agora é um bom momento para reafirmar seu compromisso com a maravilhosa família mundial deste grande movimento adventista.

UTILIZEM OS JOVENS: Robert E. Lemon, tesoureiro da AG, sugere a inclusão de mais jovens nas decisões financeiras da Igreja ao apresentar relatório no concílio anual da AG.

■■ A Igreja recebeu 2,33 bilhões de dólares em dízimos no ano passado, disse o tesoureiro da AG, Robert E. Lemon, aos delegados do Concílio Anual no dia 14 de outubro. O dízimo na Divisão Norte-Americana em 2012 cresceu cerca de um 1% em relação a 2011 e totalizou 933 milhões de dólares. O dízimo das outras Divisões cresceu 4,4% ou aproximadamente 1,4 bilhão de dólares. Somente na Divisão Sul-Americana, os membros devolveram cerca de 530 milhões de dólares em dízimos. As ofertas para as missões fora da América do Norte também aumentaram, chegando a cerca de 60 milhões de dólares. Um acréscimo de 6% em relação ao ano passado. Por outro lado, as ofertas para as missões na América do Norte caíram 2,6% mas ainda totalizaram cerca de 23 milhões de dólares. Comentando os resultados, Lemon mencionou que a generosidade dos membros, guiada pelo Espírito de Deus, e não pelas posses, finalizará a obra da Igreja. Os jovens leigos, mais do que os administradores mais experientes, irão incendiar essa obra. Ele reconheceu que essa predição pode parecer sem propriedade – e até “fora de lugar” – no contexto de um relatório financeiro a delegados do Concílio Anual, mas, como tesoureiro mundial da Igreja, Lemon está convencido de que é tempo de realizar uma mudança radical na forma como a Igreja é mantida e dirigida. Primeiro, ele quer ver mais base de apoio para os projetos. “É histórico em nossa Igreja o pensamento de que se um projeto vale a pena, deve ter por trás milhões e milhões de dólares para financiá-lo. Todavia a obra não vai ser concluída com o dinheiro na conta bancária da Igreja”, disse Lemon.

Dezembro 2013 | Adventist World

3


One exemplo Um case in point dissoisé the o projeto Great ConO Grande Conflito, troversy Project, he comentou. said. TheO book projeto distribution para a distribuição project received do livroless recebeu funding from the menos recursos GeneraldoConference orçamentobudget da AG do thanaAdventist que quantia gasta world com church as despesas head- de quartersdos viagem spent delegados on travel para expenses participarem for delegates do Concílio to attend Anual. Annual Entretanto, Council. os memBut members bros que apoiaram worldwideo who projeto supported em todothe project o mundo, shared doaram more mais thande140 140million milhões copies livros. desses of the book, which was authored by church Lemoncofounder comentouEllen também G. White. que ele e outros Goinglíderes forward, financeiros Lemon said da Igreja he and other church gostariam de ver financial mais projetos leaders would que like to see more capacitem os membros projectsathat tomar empower iniciatilaypeople vas semelhantes. to take similar initiatives. “When God’s “Quando os filhos children de Deus get se excited animam about com alguma something, coisa,they tiram take dinheiro moneydo out of bolso”, theirdisse pockets,” Lemon. Lemon said. Meanwhile, Enquanto isso, church os recursos financial financeiros leaders will da Igreja continue continuarão to concentrate ajudando funding prioin ritariamente areas with little as áreas or no onde Adventist há pequena presence. ou nenhuma In Pakistan presença$300,000 adventista. willNo fund aPaquistão, shelter for300 at-risk mil dólares girls. In financiarão Myanmar $400,000 um abrigowill para paymeninas to reopen emthe situação Yangon Adventist de risco. Em International Mianmar, serão School. investidos Another $500,000 400 mil dólares will gopara toward reabrir building a Escola a center Adventista of influence Internacional and a vegetarian de Yangon. restaurant Outros 500 in Brunei, mil dólares where serão an Adventist empregados presence na construção is notde yetum established. centro de influência eDelegates restaurante alsovegetariano approved aem proposal Brunei, to onde send não $570,000 há presença to the adventista. MORE Project, which Os publishes delegados books também and aprovaram pamphlets a contextualized proposta de enviar for other 570 mil religious dólares para audiences. o Projeto MORE, Another que $4publica millionlivros will step e up folhetos production contextualizados at the media para center públicos in the de outras church’s religiões. MiddleOutros East and 4 milhões North Africa de dólares Union. apoiarão Currently produções the media no center centro de produces mídia da programming igreja na União in Norte Arabic, Africanabut – Oriente local leaders Médio.are Atualmente, eager to expand os centros to other de mídia languages. produzem programas It was emnoárabe, coincidence, mas os líderes then, when locais he asked estão ansiosos delegatespara to approve expandir a proposal para to outros use the idiomas. 2015 General Conference session Nãooffering foi coincidência, collected at então, the 2015 General quando ele Conference pediu aossession delegados as well que by the votassem world uma church proposta on threepara Sabbaths usar a in oferta 2014missionária and 2015 toa fund ser arrecadada outreach na and evangelism projects overseen by

4

Adventist World | Dezembro 2013

Adventist young people ages 25 and Assembleia da Associação Geral em under. Projects would receive evangelísapproval 2015 para financiar projetos from on which 75 percent ticos ecommittees sociais supervisionados por of the members beOs young adults. jovens de até 25 will anos. projetos “It’sser time that we tell young devem aprovados porour uma novapeople that we not only to do comissão formada portrust 75%them de jovens. the “Já work, thema to make estábut naalso horatrust de dizer nossos decisions to how to spend the money jovens queasnão apenas confiamos em of church,” Lemon said. confiaseuthe trabalho, mas que também how ourem perception mos“It’s nasinteresting decisões que farão como o of youth da hasigreja changed,” Lemon said, dinheiro deve ser usado.” noting that a studycomo of early church “É interessante nossa perhistory reveals most of the disse cepção sobre osthat jovens mudou”, church’s founders were or Lemon, enfatizando queteenagers um estudo 20-somethings. “Young people” when histórico do início da Igreja revela the wasdos established que church a maioria seus fundadores era 150 yearspor agoadolescentes were not thee late-30formada jovens de and are labeled vinte40-somethings e poucos anos.who Quando a Igreja “young” administrators today, foi estabelecida há 150 anos, os “jovens” Lemon said.trinta e tantos anos de não tinham He ou urged to take advantaidade, maisdelegates de quarenta, como os ge of upcoming opportunities to “leave administradores que são rotulados de young people a seat the table of “jovens” hoje em dia,atcomentou. decision-making.” In early 2014 Ele pediu aos delegados paraeach of the church’sas13 divisions willfuturas select deaproveitar oportunidades e legates to the General Conference “dar lugar aos2015 jovens na mesa onde as session. decisões são tomadas”. No princípio “We have young people. We de 2014, cada the igreja das treze Divisões have the women, who constitute selecionará seus delegados para a a majority of da our church. We have Assembleia Associação Geral dethe 2015. funds, although mostTemos of it isasstill in “Temos os jovens. mulheres, our own pockets. And weda have the que constituem a maioria nossa blessings of the Thisembora work isa Igreja. Temos os Lord. recursos, going be finished. The question is maior to parte deles se encontre em nossos Are we E, going to as bebênçãos a part ofdoit?Senhor. bolsos. temos Or wevai justser going to haveA to Essaare obra concluída. pergunta move of the way?” Lemon asked é: nós out vamos participar? Ou, simplesdelegates. mente, vamos ter que sair do caminho?” “We areLemon one church, one family, and perguntou aos delegados. we have a work to he said. Concluindo seufinish,” relatório, ele decla—reported Elizabeth rou: “Somosbyuma igreja,Lechleitner, uma família e Adventist Network temos umNews trabalho a terminar.” – Reportagem de Elizabeth Lechleitner, Rede Adventista de Notícias Young Austrian Seventh-

-day Adventist Finds Council “Interesting”

■■ He’s a 22-year-old university stu-

MMa ar rk k A A. . K Ke ell llnne er r/ A / Ad dv ve ennt ti s i st t WWoor rl ld d

NWot O Rí Lcias D R E do P O RMT u ndo

YOUNG DELEGATE: Stefan Giuliani, a 22-year-old university student from JOVEM DELEGADO: Giuliani, Graz, Austria, listensStefan to proceedings 22 anos, universitário em Graz, of the 2013 Annual Council at the Áustria, assiste às comissões do Seventh-day Adventist Church’s concílio anual da AG,inem world headquarters Silver Spring, Silver Spring, Maryland, Maryland, on October 15,EUA. 2013.

dent from Graz, Austria, the country’s Jovem Austríaco Elogiadrive second-largest city and a 120-mile south and west of Vienna. And he’s a Concílio delegate to the Seventh-day Adventist ■■ Ele tem 22 anos, é universitário em Church’s 2013 Annual Council, his third Graz, Áustria, segunda maior cidade time at the world headquarters. do país, localizada a cerca de 190 quilôBut Stefan Giuliani is not a worker metros a sudoeste de Viena. É delegado for the church, nor is he even a member (representante) de seu país no concílio of the Austrian Union’s executive anual de 2013, sendo esta sua terceira committee. Instead, he’s a “lay delegate,” visita à sede mundial da Igreja. and, specifically, one of the younger Porém, Stefan Giuliani, não é obreiro delegates participating in the church’s nem membro da comissão diretiva da annual business sessions. União Austríaca. Ao contrário, ele é For Giuliani, however, the impact “delegado leigo”, e, especificamente, um of these meetings is more personal: the dos delegados mais jovens a participar sessions, he said, are “very interesting. numa assembleia anual de negócios da After all, coming here always is really Associação Geral. motivating. It gives you the feeling that Entretanto, o impacto dessas reuniões Adventists all over the world are acfoi mais pessoal para ele. “As assembleias”, complishing a lot. At home I tend to see


disse Giuliani, difficulties rather “foram thanmuito opportunities, interessanproblems tes. Afinal,rather vir aqui than é sempre successes.” motivador. Dá-nos And anot visão without do que reason: os adventistas Austria, likemundo do the restinteiro of Western estãoEurope, realizando is em struggling prol do evangelho. to find faith Em meu after país, decades tenho of asecularism. tendência While de ver the as dificuldades, Roman Catholic em Church vez das oportunidades; is the “traditional” problemas, religion in Austria, em vez de sucessos”. Giuliani—who said he’s unaware E nãoof é sem any family razão: A relationship Áustria, bem to the former como todo New o oeste York europeu, City mayor tem lutado of the sameencontrar para last name—says a fé, após hisdécadas peers view de religious activity secularismo. Embora as something a Igreja Católica alien to theiradaily seja religião lives. “tradicional” no país, Giuliani “Theycomentou don’t know quewhat seustoamigos do with religion,” he enxergam qualquer explained. atividade “It’s meaningless religiosa to them; como algo they muito haveestranho. no point of reference” from “Eles which não sabem they can o que discuss fazer com it. a religião”, At an explica age when ele.most “Nãoyoung faz sentido adults contemplate para eles, quetheir não future têm umand ponto the hope de of rising through referência a partirexecutive do qual possam ranks in a commercial discutir o assunto.” enterprise, Giuliani said thatNuma the corner idadeoffice em que isn’t a maioria his goal.dos Thoughplaneja jovens he hopes o futuro to complete na esperança his dual degrees de galgarinpostos business executivos administration em umaand political economics empresa comercial, Giuliani and have– aque career afirma as an accountant não ter nenhuma or company ligação familiar comptroller, com heex-prefeito o doesn’t dream de Nova of corporate York, com success. o mesmo Professionally, sobrenome “it–,would disse que be great não étoseu be able objetivo to serve ter um the escritório [Adventist]em Church, but qualquer lugar. there Embora are fewespere opportunities concluir to docursos: dois that,” he administração said. He is active de empresas in ethe economia 160-member política, Graz eleSeventh-day quer desenvolAdventist ver uma carreira Churchcomo and leads contabilista its youth ou group, where trabalhar em empresa 20 to 25 young fiscal eadults não sonha attend com o sucesso weekly. He corporativo. also helps the union’s youth “Profissionalmente, department. seria muito bom“Ipoder wouldn’t servir care a Igreja, for working mas há in poucas top management,” oportunidades”,hecomentou. added, since Giuliani that é would ativo narequire Igreja “60 de Graz, to 70 com hours 160 a week, memwith bros, no e dirige time oleft grupo for family, jovem, let frequentado alone church. por 20 a I25 want jovens time semanalmente. to be active toEle serve people.” também ajuda o departamento de jovens —reported da União. by Mark A. Kellner, news editor

“Não faço questão de trabalhar em função administrativa de ponta, pois requereria entre sessenta e setenta horas por semana, não sobrando tempo para a família e igreja. Quero ter tempo para servir as pessoas”, acrescenta. – Reportagem de Mark A. Kellner, Editor de Notícias

Academics, Pastors Unite in Chile for Theological No Chile, Acadêmicos e Symposium Pastores ■ ■ More thanse 400Reunem participants para spent Simpósio Teológico five days in August at Chile Adventist

University in Chillán, in intense Bible ■■ Aproximadamente 400 participantes study and discussion about da theDivisão book of do X Simpósio de Teologia Revelation, which presents the gospel Sul-Americana (DSA) estiveram reunimessage for the end times. dos durante cinco dias, no mês de agosto, meeting marked the tenth a em The Chillán, estudando intensamente edition of an academic symposium Bíblia e o livro do Apocalipse. uniting university professors, O encontro foi realizado na adUniversiministrators, pastors, and theology dad Adventista del Chile (Unach) e teve students South America. During a presençainde professores universitários, the inaugural session, JoeleLeiva, Chile administradores, pastores estudantes Adventist professor de teologiaUniversity da América do Sul.and Na event organizing-committee reunião inaugural, Joel Leiva,secretary, professor reminded that South da Unach eparticipants secretário da comissão America’s contributions global aos organizadora do evento,to lembrou Adventism not only included explosive participantes que as contribuições da growth and innovative evangelism, but América do Sul para o adventismo global also profound biblical and theological não se restringem apenas ao crescimenreflection. to explosivo e evangelismo inovador, 20 plenary sessions,reflexão presented by masIntambém a profunda specialists and invited speakers from bíblica e teológica. different regions of the world church, Nas vinte sessões plenárias, apresenparticipants were reminded that the tadas por especialistas convidados de book of Revelation not only a book diferentes regiões daisIgreja, foi lembrado of symbols eschatological aosprophetic participantes que oand Apocalipse não é perspective, but is truly the apenas um livro de símbolosgospel, proféticos given for a decisive moment in history. e perspectivas escatológicas, mas o More than 70 parallel sessions showcaverdadeiro evangelho enviado para um sed currentdecisivo researchdainto the apocalypse momento História. Mais in and apresentaram stimulated hearty de South setentaAmerica seminários discussions. Gluder Quispe, professor pesquisas atuais sobre o Apocalipse, at the Peruvian Union University in realizadas na América do Sul, e estiLima, Peru, providedrelevantes in his plenary mularam discussões ao tema presentation panoramic view about geral. GluderaQuispe, professor na how Adventists have interpreted this Universidad Peruana Union, em Lima, crucial biblical book throughout the

Peru, apresentou uma visão panorâmica history of the movement. Quispe noted da da interpretação thehistória transition from a mostlyadventista historical do livro. Eleto destacou transição da perspective a more atheological and posição tradicional exegetical approach.para uma abordagem maisOther teológica e exegética, plenary sessions mostrando focused sua evolução. upon the structure of the book of Nas sessões plenárias, Ranko Revelation, by Ranko Stevanovic, Stevanovic, de NovoAndrews Testaprofessor ofprofessor New Testament, mento na Universidade Andrews, destaUniversity; the historicist approach to cou a estrutura doof Apocalipse; Richard the interpretation the apocalypse, by Sabuin, Seminário Teológico Richard diretor Sabuin,do dean of the Theological do Instituto Internacional Seminary of Adventista the Adventist International de Estudos Avançados, nas Filipinas, Institute of Advanced Studies, Philifalou sobre a abordagem historicista da ppines; the important hermeneutic interpretação do Apocalipse; principle of recapitulation byEkkehardt Ekkehardt Müller, vice-diretor do Instituto de deputy director, Biblical ResearPesquisa Bíblica daGeneral Associação Geral, ch Institute of the Conference; expôs o princípio hermenêutico da to Ellen White’s significant contribution recapitulação; Timm, the study of theAlberto apocalypse, bydiretor Alberto associado do Patrimônio Literário de G. Timm, associate director of the Ellen Ellen White e ex-reitor do Seminário WhiteG. Estate and former rector of SeAdventista Latino-Americano de minário Adventista Latino-Americano Teologia (SALT), ressaltou a importante de Teología (SALT); and the use of Old contribuição de Ellen White ao estudo Testament texts, particularly of the do Apocalipse; e coube A. by book of Numbers, in thea Gerald apocalypse Klingbeil, editor associado da Adventist Gerald A. Klingbeil, Adventist World World, as editor. considerações sobre o uso associate de textos Antigo Testamento, Duringdothe Sabbath worship particularmente do livro de American Números, service Erton Köhler, South no Apocalipse. Division president, preached a sermon Durante othe culto defor sábado, o pastor highlighting need Adventist Erton Köhler, da Divisão universities to presidente prepare pastors who Sul-Americana, destacou a necessiare profound thinkers with a pastoral dade as universidades adventistas vision.deNoting the close links between prepararem pastores que sejam21 conheGenesis 1 and 2 and Revelation and cedores profundos [de profecias], 22, Köhler asserted that re-creationmas and que tenham também a visão pastoral. a new Jerusalem without belief in God’s Enfatizando a estreita relação entreany original creation would not make Gênesis e 2 e Apocalipse e 22, to sense. He1 encouraged those21 present Köhler que a recriação ea “use theobservou book of Revelation to bring Nova na criação hope”Jerusalém to a worldsem thataiscrença increasingly original de Deus, não faria more hopeless. Besides an nenhum

Continued on next page

Dezembro 2013 | Adventist World

5


N ot í cias do M u ndo por sua contribuição teológica à Igreja, na América do Sul. Antes da sessão plenária final, que enfatizou o evangelho eterno no Apocalipse, os participantes votaram uma declaração de consenso, afirmando dez elementos cruciais relacionados à interpretação e proclamação do livro do Apocalipse. Reinaldo Siqueira, atual reitor do SALT, informou que o próximo simpósio acontecerá em 2015, no Brasil, e será realizado no Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp 2, Engenheiro Coelho). O tema central abordará a vida, o trabalho e a missão de Ellen G. White. Miguel Ángel Núñez, pastor no norte do Chile, apreciou o espírito do simpósio: “Como sempre, foi uma oportunidade maravilhosa de renovar antigas amizades e nos atualizarmos com os estudiosos adventistas sobre o Apocalipse.” O diretor da faculdade de teologia da Universidad Adventista del Bolívia, Segundo Correa, sentiu que o simpósio despertou e promoveu uma pesquisa bíblico-teológica mais forte na América do Sul. Carlos Steger, diretor da faculdade de teologia da Universidad Adventista del Plata, Argentina, apreciou a qualidade e amplitude das palestras. “Estou voltando para casa enriquecido intelectualmente e motivado espiritualmente”, disse ele. Os participantes deixaram Chillán não apenas enriquecidos e inspirados, mas partiram prontos para compartilhar o evangelho eterno de Jesus Cristo. Todos os trabalhos apresentados no simpósio estarão disponíveis na internet. – Gerald A. Klingbeil, editor associado da Adventist World

6

A U C

SEMINÁRIO: Ranko Stevanovic, professor de Novo Testamento na Universidade Andrews, falou sobre a estrutura do Apocalipse durante o X Simpósio Teológico Sul-Americano, no Chile.

f o t o

sentido. Ele incentivou os presentes a “usar o livro do Apocalipse para levar esperança” para um mundo que está cada vez mais falto dela. Além da intensa programação, com excelentes seminários e devocionais desafiadores, os participantes desfrutaram de momentos de companheirismo, ajudado pelo ambiente hospitaleiro da universidade. No sábado à noite, quatro ex-reitores do SALT receberam homenagens em reconhecimento à sua contribuição para com a educação adventista na América do Sul. Entre aplausos calorosos, Mário Veloso, Enrique Becerra, Wilson Endruveit e Alberto Timm foram homenageados por sua liderança e condução do SALT na Divisão Sul-Americana. A seguir, a Unach outorgou o título de doutor honoris causa a Mário Veloso e Sérgio Olivares

Adventist World | Dezembro 2013

Delegados Revisam

Texto

28 Crenç N

o dia 16 de outubro, os delegados presentes no concílio anual da Associação Geral aprovaram alterações na linguagem das 28 crenças fundamentais da IASD a fim de torná-las mais claras e inclusivas. O estudo faz parte de um projeto a ser realizado em cinco anos (2010-2015). Teólogos da Igreja dirigiram os delegados na leitura da proposta editada, as quais foram preparadas pela Comissão de Revisão das Crenças Fundamentais da Igreja. Em 2011, um grupo foi nomeado para acompanhar a decisão tomada na Assembleia da Associação Geral de 2010, para fortalecer a interpretação da Igreja sobre as origens. Não foi nenhuma surpresa, então, que a crença fundamental número seis, A Criação, recebesse a maior atenção. Uma mudança recomendada substitui “Em seis dias, fez o Senhor” por “Em uma criação recente, em seis dias, fez o Senhor”. Outra, sugerida, especifica que a criação ocorreu dentro de um período de “seis dias literais”. A palavra “literal” fecha o que alguns adventistas chamam de brecha de interpretação, a qual poderia pressupor uma evolução teísta do relato de Gênesis sobre as origens. Ainda outra sugere substituir a citação do primeiro verso de Gênesis: “No princípio, criou Deus os céus e a Terra” pelo texto de Êxodo 20:11 “em seis dias [...] os céus e a Terra, o mar e


das

as Fundamentais M a n u e l

“Mesmo no Novo Testamento”, disse Stele, “a correspondência é clara dentro do propósito bíblico. O original grego da palavra ‘homem’ sempre foi neutro, em relação ao gênero ou sexo, e ela significa ‘ser humano’.” O projeto destaca também a posição tradicional da IASD sobre Casamento e Família, sugerindo que a frase “um homem e uma mulher” substitua a palavra atual “parceiros” para assegurar que nossa definição de casamento não pode ser aplicada à união entre pessoas do mesmo sexo. Mudanças na crença fundamental 23 incluem ainda remover a palavra “disciplinador” quando pede aos pais que, na criação dos filhos, imitem o relacionamento de Cristo com a humanidade. A proposta também visa atualizar o vocabulário em desuso. Por exemplo, “Gracioso” é usado para descrever a Deus, em lugar de “Beneficente”. Outra atualização substitui a palavra “frutificação” por “fruto”. Stele garantiu aos delegados que o Comitê de Revisão das Crenças Fundamentais só propôs mudanças que preenchem determinado critério. As únicas sugestões que sobreviveram ao escrutínio editorial foram as que “aprofundaram” a afirmação, abstendo-se da “elaboração de ideias pré-existentes” ou de apresentar adições “supostamente necessárias”, mas não inseridas até o momento. A comissão

E d w i n

tudo o que neles existe [...]”. As alterações permitem uma compreensão diferente sobre a criação do Universo, coincidindo com os seis dias da criação da vida na Terra. Alguns teólogos (adventistas) acreditam que Gênesis 1:1 pode se referir à criação num sentido mais amplo (veja Jó 38:7), enquanto Êxodo 20:11 “parece restringir o ato criativo ao que aconteceu durante os seis dias da criação”, disse Dr. Ángel Manuel Rodríguez, membro da Comissão de Revisão. No geral, “a versão sugerida não traz nada de novo à crença. Apenas declara com voz mais firme, ou com voz mais clara, o que sempre cremos”, disse Artur Stele, vice-presidente da AG e vicepresidente da Comissão de Revisão. Em suma, o projeto propõe mudanças mínimas, e em sua maioria de natureza editorial, a 18 das 28 Crenças Fundamentais. Stele sugeriu uma linguagem neutra em relação a gênero (sexo), que aparece consistentemente ao longo da proposta do documento. “Homem” agora se lê “humano” e “humanidade”. “Queríamos nos certificar se a sugestão era bíblica ou se apenas refletia o espírito do dia”, disse Stele. Após estudo minucioso do termo hebraico no Antigo Testamento, concluímos que “não se pode traduzir palavras como ‘homem’ apenas para se referir ao sexo masculino”.

G a r c i a / ANN

Por Elizabeth Lechleitner, Rede Adventista de Notícias

CONSEGUE OUVIR AGORA? Mais de um terço dos 350 delegados presentes ao Concílio Anual usaram dispositivos de tradução, permitindo que cada delegado ouvisse em sua própria língua. Isso proporcionou melhor compreensão das informações e mensagens apresentadas.

também acolheu sugestões editoriais destinadas a esclarecer ou condensar as crenças. Os membros rejeitaram qualquer sugestão que sentiam estar “promovendo, principalmente, uma posição particular”, disse ele. Ben Schoun, vice-presidente da AG que dirigiu a apresentação, lembrou aos delegados que o projeto “não é a cópia final”. Pediu para que não ficassem debatendo semântica. Convidou-os a estimular a discussão em suas respectivas Divisões e comparar com outras edições das Crenças Fundamentais, até 1º de junho de 2014. A Comissão de Revisão preparará uma segunda proposta do documento para o concílio anual de 2014 (setembrooutubro). Após isso, os delegados votarão se esta proposta será incluída ou não na agenda da Assembleia da Associação Geral em 2015, quando ocorrerá a votação final. n

Dezembro 2013 | Adventist World

7


V I S Ã O

M U N D I A L

P

orque um menino nos nasceu”, profetizou Isaías 700 anos antes do nascimento de Cristo (Is 9:6). Mais de 1.700 anos depois, o grande compositor, George F. Handel, usou essas palavras proféticas na letra do maravilhoso oratório musical O Messias. Durante o mês de dezembro, quando as pessoas comemoram o nascimento de Nosso Salvador, Jesus Cristo, essa obra de arte é apresentada incontáveis vezes em teatros, auditórios e igrejas em todo o mundo. Enquanto recordamos o miraculoso nascimento de Cristo e de que Ele realmente é “Emanuel [...] Deus conosco” (Mt 1:23), aproveitemos a oportunidade para não apenas nos lembrarmos do Seu nascimento, mas também para considerar como Ele cresceu em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens” (Lc2:52).

Os Hábitos de Jesus

Ao considerarmos a vida de Cristo durante Seu ministério público, percebemos certos costumes ou hábitos que, sem dúvida, foram desenvolvidos por ocasião de Sua infância. Em Marcos 1:35, vemos que pela manhã, “quando ainda estava escuro, Jesus levantou-se, saiu [...] para um lugar deserto, onde ficou orando”. Mais tarde (Mc 10:1), uma multidão se reuniu ao Seu redor e, “segundo o Seu costume, Ele a ensinava”. Lucas 4:16 descreve Jesus retornando a Nazaré, “onde havia sido criado, e no dia de sábado entrou na sinagoga, como era Seu costume. E levantou-se para ler”. Esses hábitos eram parte de Sua vida. Eles são registrados várias vezes em todos os Evangelhos. Hábitos são Poderosos

Hábitos – ou coisas que fazemos repetida e quase automaticamente – são tão poderosos que, de certa maneira,

8

Adventist World | Dezembro 2013

“Qual Era o

Por Ted N. C. Wilson

ostume C do Mestre?

Seguindo os hábitos de Jesus

nos fazem quem somos. Ao nos aproximarmos do fim de mais um ano, temos a oportunidade de fazer um balanço dos costumes e hábitos que guiam nossa vida – especialmente, os espirituais. Será que temos o hábito de falar com Deus todas as manhãs, por meio da oração? Temos o hábito de passar um tempo estudando a Palavra de Deus todos os dias? Temos o hábito de nos reunirmos com outros irmãos, estudar, adorar e ajudar os que necessitam de nós? Uma maneira que descobri de desenvolver esses hábitos em minha vida, foi participando da Escola Sabatina semanalmente. Creio que a Escola Sabatina é a parte mais interessante e interativa da adoração no sábado. Não estou diminuindo a importância do culto, mas os que perdem a Escola Sabatina estão perdendo o aspecto mais prático da participação na igreja – uma oportunidade dinâmica de incentivar o crescimento e maturidade da vida espiritual pela confraternização nas classes,

oportunidades missionárias, estudo bíblico interativo e oração. Em Contato com Nossa Família Mundial

Em um programa de Escola Sabatina bem planejado há tempo para enfatizar a missão da igreja e oferecer oportunidade de participar ativamente dela, quer em âmbito local ou mundial. Esse é um elo importante com a família mundial. Se nos concentramos apenas em nossa congregação local e não damos importância aos projetos missionários da Escola Sabatina, perdemos a conexão entre a igreja local e os 18 milhões de irmãos e irmãs nossos em todo o mundo. Mas quando as igrejas se envolvem com a missão mundial, dedicando tempo, atenção e ofertas para apoiar seus projetos, verão também que Deus abençoa abundantemente o trabalho local. “Nossos irmãos não têm compreendido que, auxiliando o avanço da obra nos campos estrangeiros, estariam


ajudando-a no próprio país”, escreveu Ellen White, “pois a prosperidade da obra em nosso país depende grandemente, abaixo de Deus, da influência resultante da obra evangélica nos países distantes. É agindo ativamente para suprir as necessidades da causa de Deus que pomos a alma em contato com a Fonte de todo poder”.1 Já vi isso acontecer várias vezes em nossa igreja local – ao doarmos generosamente para as missões, as ofertas para o orçamento e atividades missionárias da igreja (local) também aumentam. Com o objetivo de promover a missão da Igreja por intermédio da Escola Sabatina, em cada faixa etária, vários recursos estão disponíveis na página www.adventistmission.org. Comunhão e Estudo da Bíblia

O modelo das classes da Escola Sabatina é ideal para a comunhão e oração. Muitas vezes, os membros ficam mais próximos quando compartilham suas preocupações, adoram e oram juntos no início do estudo. Esse também é o momento para perceber quem está faltando e ligar ou fazer uma visita a esse irmão durante a semana. A classe da Escola Sabatina é o lugar apropriado para o estudo da Bíblia e a discussão da lição semanal. Dialogar sobre nosso estudo pessoal, realizado durante a semana, aprofunda a própria compreensão do texto bíblico. Seguindo o exemplo dos bereanos, que “receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo” (At 17:11), estaremos melhor preparados nesses últimos dias, para evitar os enganos de Satanás. Ao nos aproximarmos da Bíblia, é muito importante que compreendamos que ela é a autêntica Palavra de Deus, escrita por homens que “falaram da parte de Deus, impelidos pelo Espírito Santo”

(2Pe 1:21). A Bíblia transcende o tempo e a cultura, falando a verdade através dos séculos, mas infelizmente, essa verdade tem sido severamente testada hoje. “Em nosso tempo, como na antiguidade, as verdades vitais da Palavra de Deus são substituídas por teorias e especulações humanas. Muitos professos ministros do Evangelho não aceitam toda a Bíblia como a Palavra inspirada. Um sábio rejeita esta parte, outro dúvida daquela. Elevam sua opinião acima da Palavra; e as Escrituras que eles ensinam, repousam sobre a autoridade deles próprios. Sua autenticidade divina é destruída. Deste modo é semeada largamente a semente da incredulidade; porque o povo é confundido e não sabe o que crer.”2 Como adventistas do sétimo dia, cremos piamente na abordagem histórico-bíblica da interpretação da Bíblia em vez do método crítico-histórico, que coloca o ser humano na posição de decidir quais partes da Bíblia (se houver) são inspiradas, e quais não são. A Regra de Fé

A Lição da Escola Sabatina dos adultos, que é preparada trimestralmente pela Associação Geral para ser usada em todo o mundo, oferece uma maneira prática de estudar a Bíblia todos os dias e a oportunidade para a discussão, em classe, durante a Escola Sabatina. Dois trimestres, no ano, estudamos livros da Bíblia, e nos outros dois são apresentados tópicos temáticos para nosso estudo. Além da lição impressa, uma versão on-line também é oferecida no site www.cpb.com.br (clique em “serviços”). Por muitos anos, tenho tido a oportunidade de participar das classes da Escola Sabatina. Vejo professores que tomam tempo para incentivar os alunos a dizer como a lição da semana esteve relacionada com o que aconteceu em sua vida. Então, o professor conduz

uma discussão fundamentada na Bíblia, onde os participantes discutem a lição em seu contexto. Quando a discussão se desvia do assunto principal, o professor redireciona a classe ao exame das passagens bíblicas. Por outro lado, já participei de algumas classes onde o professor faz mais um sermão do que um estudo vibrante, interativo e, nesses casos, talvez o conselho de Ellen White possa ser especialmente útil: “Não torne as lições da Escola Sabatina secas e sem vida. Deixe a impressão na mente de que a Bíblia, e somente a Bíblia, é nossa regra de fé, e que os ditos e feitos dos homens não devem ser critério para nossas doutrinas ou ações.”3 Grande Luz

Entre tantas passagens maravilhosas das Escrituras, Hendel escolheu usar um tema muito comovente na sua obra O Messias, extraído de Isaías 9:2: “O povo que caminhava em trevas viu uma grande luz; sobre os que viviam na terra da sombra da morte raiou uma luz.” No próximo ano, ao procurarmos crescer na experiência cristã, aproveitemos toda oportunidade para andar na luz oferecida pela Palavra de Deus (veja Sl 119:105) e, ao estudar e compartilhar com nossos irmãos e irmãs em Cristo, façamos disso o nosso “costume” para que a Escola Sabatina seja parte integrante em nossa experiência a cada sábado! n 1 Ellen

G. White, Testemunhos para a Igreja, v. 6, p. 27. , Parábolas de Jesus, p. 39. , Counsels on Sabbath School Work, p. 84.

2 ___________ 3 ___________

*Todos os textos bíblicos foram extraídos da Nova Versão Internacional.

Ted N. C. Wilson é

presidente mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Dezembro 2013 | Adventist World

9


mab

a di, edito r

c

co ns r, editor ass

rv

oc ia

e en

Ba

ptist

e , EDITO RA AS S

Ric

hli, redator as so ci

Bl

ack

m e r , editora

as si

Sa

ra

te en st

nd

Cl

e ud

o ad

a

Ma

do

La

esa

c

A IAD OC

iro he el

e

a lC

he

Ra

ra Ge

n

lo

Wi d wa r d Z i n k e ,

ss o

K

a eir

E. E

ld

o ad ci

e nt te is

renteD i a ld , geo Ó r g ã o aIKanri t e r n aaassc i o n a l d o s liA deil, vediteor n t i s t a s d o S é t l Cihim fin ngb an a

Bi M

er

le P

ll

Desejamos a Você as mais Ricas Bênçãos

Kno

o ir i er, ger en te d

tt, EDITOR

CH EF E

ez av

, coordenado re di

St

ev

Ch

em eus D

l ria to

e

ões raç pe eo

de

2014 r

k

A.

Ke

llne

r , editor

de no t

ro Sha

ON -LI

Lez

eau , gerente d ep r os et oj

c Lu

n-

edle y, EDITOR

Jea

Ca

sM

NE

M

inle y, colabor ad kF or ar

o rl

n Te

ny

son

, assisten te de m g tin ke ar

n

Ma

h

yT

ditora de cor n, e re sp

Jud

be

se

ias íc

Kim

om

a nci dê on

y

r a n, edi tor e Ma st aa Lu e ent ist ss

rl

os Unidos d a t s E equipe d a Adventist World,


Por  llan R. Handysides A e Peter N. Landless

S aúde

no

M undo

O

Sal é Realmente perigoso? Meu médico sempre me alerta sobre o perigo do consumo excessivo de sódio (sal). No entanto, publicações recentes indicam que o “sal dietético” não é tão prejudicial. Como devo proceder?

C

ompreendemos seu dilema! Às vezes é difícil saber em que acreditar. Todavia, é importante considerar o quadro geral. O sódio é um eletrolítico vital para o funcionamento fisiológico do corpo. Associado ao potássio e cálcio, o sódio é essencial para o bom funcionamento dos nervos e músculos e auxilia na manutenção da saúde. Ele também é importante para o controle da pressão arterial e o equilíbrio dos fluídos do corpo. Fomos “assombrosa e maravilhosamente formados”, e a delicadeza do mecanismo para manter a acidez, alcalinidade (pH) e hidratação do corpo na proporção exata é um milagre de concepção e depende – entre outras coisas – do sódio. Entretanto, há forte relação entre o consumo excessivo de sal e o desenvolvimento da pressão arterial alta (hipertensão). Alguns grupos de pessoas são especialmente afetados pelo sal, principalmente no continente africano e nas populações afro-americanas (americanos de ascendência africana). Essa relação é referida como hipertensão “sensível a sal” que, muitas vezes, é mais difícil de tratar. Como em todos os casos de hipertensão, a mudança no estilo de vida é extremamente importante. As atitudes necessárias para cuidar da pressão alta incluem: alcançar o peso ideal, parar de fumar, abandonar o álcool, fazer exercícios físicos diáriamente (ex. caminhar ou realizar, pelo menos, 30 minutos de exercícios sete

dias por semana) e reduzir o consumo de sal. O sal está presente em muitos alimentos. Algumas pessoas têm o costume de acrescentar uma “pitada de sal” ao alimento já pronto, antes mesmo de prová-lo. O sal é adicionado em lanches (salgadinhos, snacks, etc.); está presente em grandes quantidades nos enlatados, picles e alimentos em conserva; é acrescentado até na preparação de sucos. Há alguns anos, verifiquei a porcentagem de sódio numa lata de suco de tomate, uma de nossas bebidas preferidas, e me assustei. Agora “a água” está no topo da lista de nossas bebidas preferidas! Ela não apenas reduz a quantidade de sódio, presente até mesmo nas bebidas sem açúcar, mas também diminui o excesso de calorias consumidas (até nos mais puros sucos de frutas). A água é a rainha das bebidas saudáveis! Assim, quanto de sal é suficiente? Recentemente tem havido alguma confusão a respeito desse assunto, em parte, porque um grupo de pacientes com insuficiência cardíaca que tinha a ingestão de sódio muito restrita, obteve piores resultados nos exames do que outro grupo com restrições menos severas. Porém, é preciso lembrar que esta é uma população especial, e que as recomendações gerais não são baseadas em tais grupos específicos. É comumente aceito que a ingestão “diária” de sódio (sal) não deve exceder a 2.300 miligramas; e 1.500 miligramas para os que têm maior risco cardiovascular.

Isso inclui pessoas com mais de 50 anos, africanos e afro-americanos e qualquer um que tenha pressão alta ou diabetes ou doença renal crônica. Para ter uma noção, 2.300 miligramas representam a quantidade de sal que cabe em uma colher de chá, e 1.500 miligramas, é metade dessa quantidade! Como está o seu consumo? Não há dúvida de que consumimos muito sal; menos é mais saudável. A pesquisa é clara: Dietas com restrição de sal (menos de 2.300 mg ou 1.500 mg) e rica em frutas, nozes, vegetais e alimentos magros (leite, derivados desnatados e proteínas), reduzem a pressão arterial e diminuem o risco de hipertensão, câncer, diabetes e doenças respiratórias. Precisamos fazer escolhas saudáveis em nossa dieta alimentar e em nosso estilo de vida, inclusive na redução do consumo de sal. Isso nos ajudará a ter mais condicionamento físico, ser mais saudáveis e servir melhor a Deus e ao próximo. Dessa forma, podemos, de fato, ser o “sal da Terra” acrescentando sabor e fazendo a diferença! n

Peter N. Landless, médico cardiologista nuclear, é diretor do Ministério de Saúde da Associação Geral. Allan R. Handysides, médico ginecologista aposentado, é ex-diretor do Ministério de Saúde da Associação Geral. Dezembro 2013 | Adventist World

11


D evocional

E

m janeiro de 1980, eu estava estudando na Universidade Walla Walla, no estado de Washington, EUA. No recesso do Natal, após visitar minha família no estado de Minnesota, eu queria economizar na viagem de retorno. Então, combinei um passeio de avião com outro colega de faculdade que tinha um avião monomotor de dois lugares. A manhã estava gelada e o ar tranquilo quando levantamos voo. Eu nada sabia sobre voar, mas meu amigo confiantemente acelerou o motor e disparou na pista. Logo estávamos pairando sobre os campos cobertos de neve. Nossa rota era muito simples. Seguiríamos sobre a estrada interestadual 90 atravessando o estado de Montana até chegarmos à cidade de Butte, depois voaríamos sobre as montanhas até a Walla Walla. De tempos em tempos parávamos para abastecer e meu amigo conferia a meteorologia. Em Butte, esperei enquanto ele ligou de um telefone público para ouvir a previsão do tempo. Após desligar, ele me disse que já havíamos enfrentado ventos mais fortes. “Voaremos sobre a Faixa de Bitterroot, em seguida passaremos sobre as Montanhas Azuis e chegaremos a Walla Walla antes do anoitecer. Acho que vai dar tudo certo”. Entretanto, ele me pareceu um pouco inseguro. Meu amigo era piloto novato. Não tinha experiência de voar à noite ou entre nuvens. Se fôssemos pegos em uma dessas situações estaríamos em apuros. Mas, éramos jovens e estávamos ansiosos para chegar ao colégio, portanto, decidimos “ir em frente”. Ao sairmos de Butte e começarmos a voar sobre as Montanhas Rochosas, deixamos de seguir a pequena fita cinza da estrada interestadual. Ela seguia para o noroeste e precisávamos ir para o oeste. Sem GPS, meu amigo puxou um mapa de papel e começou a traçar nossa rota identificando os picos das montanhas e conferindo em sua bússola. Depois de um tempo ele me deu o mapa, comemos sanduíches e conversamos sobre o colégio. Infelizmente, quando olhamos outra vez para o mapa para conferir nossa localização, os picos das montanhas não conferiam. Meu amigo tentou dirigir o avião na direção do que ele pensou ser o sinal de uma rádio reportando sobre a condição do tempo em Walla Walla. Virando o avião em direção ao sinal, explicou, iria aumentar sua força e era um recurso de direção. Percebi o medo no rosto de meu amigo. Ele ficou em silêncio e continuava a estudar o mapa e o terreno. Quanto mais longe voava, mais silencioso ficava. Estava escurecendo e meu amigo calmamente anunciou: “Estamos perdidos”. Disse que as montanhas abaixo de nós eram mais altas e mais pontiagudas que as Montanhas Azuis.

12

Adventist World | Dezembro 2013

Por Curtis Rittenour

umRaio de uz

L

Ele nos guia em meio às trevas mais densas da vida. Não tínhamos equipamentos noturnos no avião. Devido ao frio, poderia formar gelo nas asas e impedir o voo. Finalmente, ele disse que o nível de combustível estava baixo! A essa altura, comecei a orar como nunca havia orado em toda minha vida. Estava com medo de que o avião caísse e morressemos. Enquanto o avião rasgava o céu, eu clamava ao Senhor, implorando que nos salvasse! Alguma vez você já enfrentou uma situação de vida ou morte como essa? É exatamente no meio da crise que ficamos abertos para ver quão perto Deus está. Trevas

Os discípulos de Jesus também estavam em apuros. Jesus acabara de alimentar uma multidão com apenas cinco pães e dois peixes (Mt 14:17-21). Milhares haviam testemunhado esse milagre. Estavam prontos para coroar a Cristo como rei. Os discípulos foram apanhados de surpresa. Jesus despediu a multidão, pediu que os discípulos entrassem no barco e se dirigissem para o outro lado do lago (Mt 14:22).


Imagino que os discípulos saltaram para dentro do barco e começaram a remar. Provavelmente ficaram por ali esperando que o Mestre fosse com eles. Finalmente, como estava ficando tarde, saíram dentro da noite. Eles estavam insatisfeitos com Cristo. Murmuravam entre si que deveriam tê-Lo coroado rei. À medida que caia a escuridão, suas críticas os levaram a águas turbulentas. A Tempestade

Uma violenta tempestade caiu sobre o Mar da Galileia. Os discípulos não estavam esperando. O dia perfeito, de repente, transformou-se em pesadelo. A viagem pelo lago deveria ser de apenas duas horas, mas a tempestade os levou para longe da margem (verso 24). Por horas, eles trabalharam duro. Altas ondas, terríveis relâmpagos e trovões ensurdecedores venciam aqueles pescadores experientes. Finalmente, desistiram. Estavam perdidos e desamparados. Precisavam de um Salvador. Um Raio de Luz

O olhar atento de Jesus nunca perdeu de vista os Seus discípulos. Podia vê-los lutando contra a tempestade. Quando gritaram de medo, o Mestre já estava a caminho (versos 25 e 26). Uma figura estranha caminhava sobre as águas na direção deles. Não sabiam que era Jesus, exatamente a Quem desejavam. O clarão de um relâmpago revelou Seus traços familiares. De repente, saíram da traseira do barco e foram para a frente, na Sua direção, gritando: “É um fantasma!” Jesus estava pronto. “Coragem! Sou eu! Não tenham medo! (verso 27). Saindo do Barco

Pedro se ofereceu para encontrar-se com Jesus – na água (verso 28). Muito feliz por ver seu Senhor, ele deu um tremendo passo de fé. Com os olhos fixos no Mestre, caminhou na direção de Jesus. Então, cometeu um erro quase fatal. Cheio de si, virou-se para olhar para os outros discípulos, como que dizendo: “Veja! Olhem para mim! Estou andando sobre a água!” Mas quando olhou para trás, para os discípulos, ele se afastou da Luz.* De repente, Pedro perdeu Jesus de vista e começou a afundar. No momento seguinte o discípulo orgulhoso gritou: “Senhor, salva-me!” (verso 30). Imediatamente Jesus agarrou a mão estendida de Pedro. Jesus sabia que Pedro estava cego quanto às suas próprias fraquezas. Na área da vida onde Pedro pensou que era mais forte, Cristo revelou quão fraco ele realmente era. Pedro confiou muito em si mesmo. Precisava, porém, aprender que só conseguiria atravessar as tempestades se desconfiasse de si e dependesse inteiramente de Cristo. Quando Jesus e Pedro entraram no barco a tempestade passou. Na tranquilidade após a tempestade, os discípulos se prostraram e adoraram a Jesus – “Verdadeiramente Tu és o Filho de Deus” (verso 33).

Outro Raio de Luz

Quando voamos sobre a Cadeia Bitterroot naquela noite escura há 32 anos, eu estava atravessando minha tempestade pessoal. Meu amigo e eu voamos noite adentro, em silêncio. Ambos estávamos imersos em nossos pensamentos. Eu continuava a orar e esperando o momento em que o motor do avião começaria a engasgar, tossir e desligar. A escuridão nos cercava. Enquanto eu olhava fixamente pela janela, vi estrelas piscando em todos os lugares. Lá em baixo raramente víamos qualquer luz, apenas das poucas casas bem longe uma das outras, no que parecia ser uma área deserta e remota. Naquelas montanhas não havia nenhum lugar onde pudéssemos pousar. De repente, ambos vimos um raio de luz à distância. Estava fraco e bem distante. Quando olhamos para a escuridão em frente, ele parecia um dedo de luz apontando para cima e fazendo círculos. Pude ouvir meu amigo sorrir no escuro enquanto falou duas palavras: “Um aeroporto”. Ele dirigiu o avião na direção da luz. Após rodear brevemente o aeroporto, pousamos em uma pista cheia de neve. Eu estava tão radiante por poder sair do avião que queria beijar o chão! Enquanto meu amigo piloto olhava um pequeno acúmulo de gelo nas asas, perguntei: “Onde estamos?” Era perto das 22 horas e o pequeno prédio no final da pista estava escuro. Uma placa de madeira pendurada do lado respondeu nossa pergunta: “Bem-vindo a McCall, Idaho!” Estávamos há várias horas ao sul do nosso destino. Evidentemente, meu amigo havia conduzido o avião na direção errada, tirando-nos da rota. Sem perceber, tínhamos sobrevoado algumas das áreas de selva mais remotas dos Estados Unidos. Mas estávamos vivos! Ficamos com o pastor local e sua família por alguns dias, e depois que o tempo clareou, finalmente chegamos ao colégio. Olhe para a Luz

Quando passamos pelas tempestades da vida, um raio de luz pode nos dar esperança e direção. Se seu casamento está ruindo ou suas finanças estão em frangalhos, olhe para a Luz. Como os discípulos, pode ser que não reconheçamos a Cristo no meio da tempestade. Mas Jesus está lá para nos levar em segurança para casa. Ao enfrentarmos as incertezas da vida, há esperança. Eu consigo ver um raio de luz no horizonte – e você? n *Veja Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 381.

Curtis Rittenour foi pastor nos estados do

Oregon, Nebraska e Washington (EUA). Atualmente, trabalha como escritor e orador freelance, apresentando seminários em toda a Divisão Norte-Americana.

Dezembro 2013 | Adventist World

13


C renças

F undamentais

A

Por Oliver Glanz

Contracultura da NÚMERO 21

Mordomia Bíblica

Transformando “propriedade” em “parceria”

H

á alguns anos, o mundo luta contra uma severa crise econômica. Os níveis de desemprego estão altos. As famílias estão perdendo suas casas porque não conseguem pagar as prestações. Os filhos têm que abandonar a faculdade. A situação nos faz pensar sobre qual é a perspectiva bíblica em relação à economia. A palavra “economia” vem do grego oikonomía, termo que também encontramos na Bíblia (1Tm 1:4). É uma palavra composta por oikos (“casa”) e nómos (“lei”), significando “casa da lei”. O “economista” (Lc 12:42), ou mordomo, executa as leis da casa. Mas, quais são as leis da casa? Depende de qual “casa” estamos falando. É um hospital, uma escola ou um banco? Cada uma dessas “casas” têm propósitos diferentes, assim, requerem leis específicas para proteger e ajudar a prosperar. O propósito mais importante de uma escola são seus alunos. As leis que governam uma escola são de natureza pedagógica, envolvendo métodos para melhorar a aprendizagem. O hospital cuida dos seus pacientes. As leis que o governam são de natureza médica, visando tratamentos para melhorar a saúde. O banco segue as leis monetárias a fim de economizar e

14

Adventist World | Dezembro 2013

multiplicar suas finanças. Os propósitos requerem leis específicas. A Contracultura Bíblica

A pergunta é: “Que princípio, ou valor, caracteriza a ‘casa’ em que vivemos?” A cultura moderna, contemporânea, responde a esta pergunta especificamente: o valor mais importante são os bens materiais que nos cercam. As leis que derivam do principal valor de natureza econômica e que nos guiam para o crescimento do nosso patrimônio material. A vida é boa quando ganhamos bastante dinheiro, quando podemos comprar um carro novo, quando possuímos uma casa própria confortável ou temos um iPhone do último modelo. A sociedade nos pressiona para nos tornarmos bons consumidores. Somos humanos porque somos consumidores. A Bíblia oferece uma resposta bem diferente à pergunta sobre os valores fundamentais que devemos ter na “casa” em que moramos. No relato da Criação, aprendemos que o lar onde Deus colocou nossos primeiros pais era enorme – abrangia toda a Terra (Gn 1:28). Fomos colocados em uma “casa” com rios, plantas e animais. Entretanto, qual era o principal valor dessa casa? As Escrituras nos dizem que o “capital” principal

de nossa casa não é medido por valor monetário, metais nobres ou grandes colheitas, mas é centrado na aliança da Criação – um relacionamento entre todos os seres vivos: (a) entre o homem e a mulher e, mais generalizadamente, entre as pessoas; (b) entre a humanidade e os animais; (c) entre a humanidade e Deus. A única vez que Deus mencionou que era “muito bom” foi após ter criado os relacionamentos entre o homem e a mulher, entre os seres humanos e os animais (versos 28-31). À humanidade coube a responsabilidade de cuidar dos animais como um rei cuida de seu povo. Deus ordenou que os animais fossem protegidos, e não consumidos. Na verdade, no plano original, tanto os seres humanos quanto os animais dividiam o mesmo tipo de alimento (frutas e vegetais). O Sábado e a Mordomia

A introdução do casamento e do sábado (Gn 2:1-3, 24, 25) ressaltou ainda mais a tríplice parceria como o princípio mais importante da Criação. O sábado não é governado por uma agenda econômica; trabalho e outras obrigações não mais atrapalham a intimidade, separando as pessoas umas das outras. Sábado é o momento no


tempo e no espaço em que podemos nos relacionar plenamente com as pessoas ao nosso redor – sejam eles membros da família, vizinhos ou estrangeiros – e, em última instância, com o próprio Deus. Essa é uma ideia radical para os nossos dias. Durante a semana, não trabalhamos para “ganhar dinheiro” ou adorar o ídolo do progresso material, mas queremos desenvolver e estreitar relacionamentos com os semelhantes. Somos seres humanos porque somos parceiros. O objetivo do sábado não é somente para que tenhamos um dia de descanso físico. Deus não precisava “descansar” quando o criou. A ideia é estabelecer prioridades e não trabalhar mais do que o necessário durante a semana, para que a exaustão, frustrações do trabalho ou sonhos materiais não comprometam o cerne de nossa casa humana, dada por Deus: intimidade, cuidado, compreensão e reconhecimento. A Bíblia é enfática sobre esse assunto, pois mostra que o sábado não é apenas o ápice da semana; é também o ponto principal de cada fase de nossa vida. A cada sete anos o povo era liberado do trabalho por um ano (Êx 23:10-13). Os pais podiam passar mais tempo com seus filhos, desfrutar do casamento e aprofundar sua caminhada espiritual com Deus. Mas, o sábado não é apenas

Somos humanos porque somos parceiros. o ápice de cada semana ou o ponto principal de nossa vida – ele tem um propósito para as gerações. Nenhuma pessoa em Israel deveria sofrer pelas decisões econômicas erradas de seus pais. Todo quinquagésimo ano era garantido a cada pessoa o direito de reaver sua propriedade, a fim de ser liberado do débito e reconstruir uma vida centrada nos relacionamentos – protegendo os animais, a criação de Deus e tendo a Ele como seu principal líder (Lv 25:8-13). Alguém pode dizer, o sábado é um sinônimo da “aliança da Criação”. O sábado é o princípio básico de nossa “casa”. É solicitado que cada ser humano seja um “economista” (ou mordomo) do sábado. Essa é a ideia básica da mordomia bíblica. As leis que dependem desse princípio são múltiplas. Deus transmitiu leis a Moisés, que mostram como deve ser a vida no sábado e como os relacionamentos podem florescer e ser protegidos. Infelizmente, a ideia sobre economia bíblica foi desafiada e corrompida durante a história humana. As pessoas

Mordomia Somos despenseiros de Deus, responsáveis a Ele pelo uso apropriado do tempo e das oportunidades, capacidades e posses, e das bênçãos da Terra e seus recursos que Ele colocou sob o nosso cuidado. Reconhecemos o direito de propriedade da parte de Deus por meio de fiel serviço a Ele e a nossos semelhantes, e devolvendo os dízimos e dando ofertas para a proclamação de Seu evangelho e para a manutenção e o crescimento de Sua igreja. A mordomia é um privilégio que Deus nos concede para desenvolvimento no amor e para vitória sobre o egoísmo e a cobiça. O mordomo se regozija nas bênçãos que advêm aos outros como resultado de sua fidelidade. (Gn 1:26-28; 2:15; 1Cr 29:14; Ag 1:3-11; Ml 3:8-12; 1Co 9:9-14; Mt 23:23; 2Co 8:1-15; Rm 15:26, 27.) – Crenças Fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia, Nº 21

começaram a matar umas às outras (Gn 4:8, 23). Começaram a matar os animais (iniciando com Ninrode, o grande caçador e fundador de Babel; cf. Gn 10:9). Tentaram usurpar o papel do seu principal parceiro, Deus (veja a história da Torre de Babel em Gn 11:1-9), e construir cidades como centros de produção para melhorar a produtividade e o progresso material. A ideia do sábado, como princípio mais importante da vida, foi ignorada e substituída. Nos últimos dias (tempo do fim), Deus instituiu o movimento adventista. A exemplo dos três anjos de Apocalipse 14, cumpre-nos proclamar a mensagem ao mundo e lembrar seus habitantes, tanto as vítimas como aos originadores de nossa enorme crise financeira e econômica, sobre o Criador, a “casa” na qual vivemos e o principal significado da vida humana. O terceiro anjo nos convida a ser corajosos, investir mais tempo, dinheiro, dons e talentos em nossa família, no próximo, na natureza e na igreja, do que na aquisição de coisas e bens que nos levarão somente a subir na posição social do mundo babilônico (cf. Ap 13:15-17; 14:9-12). O clamor do segundo anjo anunciando que “caiu Babilônia” (Ap 14:8), adverte-nos de que o fim está próximo. A economia de Deus em breve será restaurada! n

Oliver Glanz, professor na Free University of Amsterdam e Protestant Theological University da Holanda, foi convidado recentemente para o Seminário Teológico da Universidade Andrews, EUA. Dezembro 2013 | Adventist World

15


A rtigo de C apa

O

entre V stéril e a Esperança Por Faminu Imabong

ESede de Deus em um poço vazio S

enhor, dá-me um filho”. Essa oração de apenas cinco palavras é tanto antiga quanto atual. Ela ultrapassa culturas, continentes, grupos étnicos, raças, religiões, tribos e línguas. Não existem fronteiras. Em muitas aldeias, cidades, países e regiões do mundo, quando as pessoas se casam, espera-se que o próximo passo seja a chegada dos filhos. Há casais que esperam ansiosamente por eles, tanto as mães como os pais, os avós e até outros membros da família. Nas cerimônias de casamento, geralmente, logo após os votos, vem a oração pelo casal e pelos futuros filhos. Embora uma gravidez imediata ou a qualquer tempo, já não faça parte dos planos dos casais “modernos”, ainda é verdade que quando nasce uma criança, ela traz alegria a todos. A maioria das pessoas crê que é Deus quem dá os filhos. Eles estão corretos. Deus fez a anatomia humana e instruiu homem e mulher, sob a instituição do casamento, a multiplicar-se,

16

Adventist World | Dezembro 2013


O poço da minha vizinha está cheio

Olho com inveja,

De água fresca e clara.

Pois meu poço está seco,

Ela tira a água cantando de alegria

A água é salobra.

E sua família também.

Não consigo tirar água e ela não é boa.

Seus filhos brincam felizes

Espero o dia em que meu poço vai se encher,

E o balde de sua mãe transborda.

Quando também puxarei o balde cantando

Logo os recipientes estão cheios

de alegria.

E ela descansa à sombra.

encher a Terra e sujeitá-la (Gn 1:28). Deus chama de abençoados os que têm filhos (Sl 127:5). Os filhos são descritos como herança do Senhor, fonte de orgulho e demonstração de força (versos 3 e 4). Também são considerados bênção de obediência e recompensa pela integridade (Dt 28:4, 11; Pv 20:7). Deus não é preconceituoso nem reticente sobre este assunto. As Escrituras relatam Sua promessa expressa de que não haveria nenhum estéril no meio de Seu povo (Dt 7:14). E, segundo a Bíblia, praticamente todas as culturas consideram os filhos uma bênção e os recebem com entusiasmo. Estéril e Envergonhada

Infelizmente, muitas mulheres que não conseguem engravidar são condenadas ao ostracismo, perseguidas, caluniadas e, até mesmo, mal amadas. Algumas culturas consideram tais mulheres, amaldiçoadas. O inevitável estigma é um fardo pesado ao qual elas e as famílias são forçadas a carregar. F o t o :

©

e r i k

S t e n b a k k e n / L i c e n c i a d o

Sei que esse dia virá. Então, vou esperar e esperar.

Além desse desprezo público, há a insuportável pressão e mágoa que a mulher, como esposa, tem que suportar por não conceber. A maldição parece começar e acabar com ela. A ciência médica tem constatado que o estresse, a preocupação e pressão emocional são elementos opressores até para as mulheres férteis. Sendo assim, imagine quão debilitante é isso para aquelas que vivem com sentimento de culpa por serem estéreis. Inúmeras são as histórias de maridos que procuram ter descendentes fora do casamento, por meio da poligamia, roubando ou comprando crianças e utilizando outras práticas repugnantes, tudo na tentativa de conseguir ter filhos. A Vontade de Deus

O que Deus tem a ver com tal agonia? Será que Ele se importa com isso? A Bíblia mostra que há momentos em que o Senhor, em Sua sabedoria detém esta bênção para um tempo específico e para que cause um efeito notável. Podemos ver vários desses casos. Sara, mulher p e l a

G OOD S A L T . C O M

de Abraão, é um exemplo. Embora Abraão fosse um homem muito rico e Sara muito bonita, não tinham filhos. Abraão recebeu promessas pactuais de Deus com respeito a ser o pai de muitas nações. Deus foi específico quando disse que o filho da promessa viria dele e de Sara, dando-lhes nomes que indicavam este fato (Gn 17). Outro exemplo é Ana, esposa de Elcana. Ana era sua primeira esposa. Penina, a segunda esposa, deu-lhe filhos. Ana era estéril. Deus havia lhe cerrado a madre (1Sm 1:5). Penina a provocava até as lágrimas. Houve um ano em particular, quando, com peso no coração, Ana viajou com a família para a Casa do Senhor. Ela estava tão infeliz que se recusou a comer. Seu marido tentou consolá-la. No tabernáculo, derramou sua amargura e o peso de seu espírito diante de Deus de tal forma que Eli, o sacerdote, pensou que ela estivesse bêbada (1Sm 1:13, 14). Houve também Mical, filha de Saul, rei de Israel, que deu sua filha em

Dezembro 2013 | Adventist World

17


A rtigo de C apa

Deve haver uma maneira de explicar a causa da dor. casamento a Davi. Um caso diferente de esterilidade, talvez, com o envolvimento de malícia e maldade (2Sm 6:14-23), mas não menos angustiante. A vergonha de Sara e a humilhação de Ana, também foram a miséria de Mical. O mesmo aconteceu com Isabel. Ela e o marido, Zacarias, sacerdote do Templo, não tinham filhos. A exemplo de Sara e Abraão, os dois eram avançados em idade (Lc 1:7). Provavelmente tivessem desistido de tentar. Chorando no Escuro

Por que, às vezes, o Céu se mantém em silêncio quando o desespero já chegou ao extremo? Quando é tão insuportável que você não aguenta mais? Quando você não sabe mais o que fazer ou para onde ir? Quando tudo leva a crer que somente Deus pode solucionar e parece que Ele não se importa? Esse desespero não é exclusivamente das mulheres estéreis. Certamente elas não são as únicas a sofrer, quebrantadas pela vida. Considere o clamor de Davi: “Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? (Sl 42:5, 11)*. Davi sabia que a dor não era necessariamente física. Uma pessoa pode passar por turbulência física, psicológica e emocional tal, que nenhum remédio físico alivie ou cure. A dor pode ter uma causa explicável, mas o caminho para a cura, alívio e paz pode ser longo e doloroso. Os que

18

Adventist World | Dezembro 2013

compreendem esse tipo de dor podem ter sofrido a perda de um ente querido, sido profundamente ferido, sofrido rejeição, passado por depressão, sido traído, tratado injustamente ou sido maltratado pelas circunstâncias da vida. Em algumas situações pode ser que não haja cura, mas espere em Deus. Às vezes, é necessário passar pela dor. Se a dor do patriarca Jó fosse colocada na balança, seria mais pesada do que a areia do mar (Jó 6:2, 3). “Porque as flechas do Todo-Poderoso estão em mim cravadas, e o meu espírito sorve o veneno delas; os terrores de Deus se arregimentam contra mim” (verso 4). “Ao deitar-me, digo: quando me levantarei? Mas comprida é a noite, e farto-me de me revolver na cama, até à alva” (Jó 7:4). Era mais do que ele podia suportar em silêncio: “Por isso, não reprimirei a boca, falarei na angústia do meu espírito, queixar-me-ei na amargura da minha alma” (verso 11). Para Jó parecia que Deus permanecia propositalmente afastado dele (Jó 23:3, 8, 9). Os velhos e queridos amigos também tinham se esquecido dele ou o estavam evitando (Jó 19:13-15, 19). Jesus e a Dor

No Getsêmani, não houve cura para a dor de Jesus. Imagine orar até suar sangue. Ana orou com tanto sentimento que Eli pensou que ela estivesse bêbada (1Sm 1:13, 14). Alguns chamaram essa

experiência de “gemidos do espírito” ou “deserto da alma”– mas o nome pouco importa. Somente a graça de Deus oferece ajuda, paz ou cura para tais situações. Como Davi respondeu a si mesmo por todas as estéreis, quebrantadas e as que choram silenciosamente durante as noites de dor: “Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a Ele, meu auxílio e  Deus meu” (Sl 42:5). Deus está conosco em nossa fragilidade, Davi compreende. Ele está conosco em nossa esterilidade. A ajuda de Deus é a visão do Seu amorável rosto, a bênção pessoal de Sua presença, seja qual for a causa de nossa solidão. Jesus e o Ventre que Espera

Deus, em Jesus, assegurou Sua constante presença conosco em todos os momentos de dor. Também deu respostas específicas à solitária maldição da esterilidade. Quando parecia que Isabel e Zacarias haviam perdido a esperança e aceitado sua sorte, Deus viu o seu interior. Ele conhecia seus mais profundos anseios. E quando já não tinham mais nenhum recurso, nada mais a tentar, nada, senão uma face corajosa e um coração sangrando, o próprio Deus tinha planos para eles. Planos no momento exato em que deviam ser apresentados no Santo dos Santos. Esse casal idoso e estéril teria um filho. Ele prepararia o caminho para o mais importante filho da humanidade, o Filho


os ventres estéreis irão cantar, e proclamar a alegria de gerar sete filhos (1Sm 2:5). Conclusão

do homem, o nascimento transcendente que responderia à angústia, acabaria com a vergonha e aliviaria toda a miséria dos corações oprimidos, das almas quebrantadas e dos ventres estéreis, de todas as idades. Dois milênios antes de Isabel, Sara riu quando Deus declarou Sua soberania sobre os ventres que esperam (Gn 18:9-12). “Por que Sara riu?” perguntou o Senhor a Abraão (verso 13). “Acaso, para o Senhor há coisa demasiadamente difícil?” (verso 14). O Senhor da vida é o Senhor da esterilidade e do desejo secreto. Agora Gabriel trouxe uma santa alegria a Isabel. Por cinco meses, ela não deixou que ninguém a visse em público, dizendo: “Assim me fez o Senhor, contemplando-me, para anular o meu opróbrio F o t o :

©

e r i k

S t e n b a k k e n / L i c e n c i a d o

perante os homens” (Lc 1:24, 25). Aquele nascimento seria o clímax das bênçãos e orações de Eli por Ana. Ana, cujo ventre era “fechado”, foi lembrada e se tornou a mãe de Samuel, um dos maiores profetas de Deus. Depois, teve ainda mais cinco filhos (1Sm 2:21). Deus deseja que todas as Suas filhas estéreis, de todos os lugares, saibam que Ele é seu Deus também. Isabel provou isso quando a ciência médica e a idade a consideraram incapaz e impossível de conceber; mas ela pôde, pela ordem dAquele que mantêm as chaves do Céu e do inferno, que é o Senhor do início e do fim, Senhor da vida, ela ainda pôde gerar a João, o precursor do Ungido de Deus. Ele desfaria todo o flagelo do mundo, tornando-Se maldição (Gl 3:13). E, por causa dEle p e l a

G OOD S A L T . C O M

O Senhor, por meio de Isaías, incentiva Suas filhas e filhos ansiosos: “Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel” (Is 7:14). “Deus conosco”, explica Mateus (Mt 1:23). Em Jesus, cumpriu-se a profecia de Isaías (verso 22). A virgem concebeu e Jesus veio. E porque Ele veio, salvou Seu povo de seus pecados, restaurou-nos de nosso quebrantamento, curou nossas doenças, acabou com nossa esterilidade, não choramos mais na escuridão e a noite não é mais silenciosa. Não! Chegou o dia e o ventre não mais espera: “Canta alegremente, ó estéril, que não deste à luz; exulta com alegre canto e exclama, tu que não tiveste dores de parto; porque mais são os filhos da mulher solitária do que os filhos da casada, diz o Senhor” (Is 54:1). n

Faminu Imabong mora

em Lagos, Nigéria, com o marido e dois filhos. É escritora aspirante, e diz que sua inspiração surge da fusão entre a fé e as experiências da vida.

Dezembro 2013 | Adventist World

19


A

História Adventista Divisão

do

Pac í f i c o

S ul - As i á t i c o

A

maravilhosa diversidade na Divisão do Pacífico Sul-Asiático (SSD) abrange aproximadamente 18 países desde Bangladesh até o Vietnã,1 com mais de um milhão de adventistas.2 Em sua diversidade de cultura e idiomas predominam mulçumanos, hindus, budistas e animistas, sendo que somente as Filipinas têm maioria cristã. A grande variedade de dialetos soma-se aos dez idiomas reconhecidos oficialmente pela Divisão.3 Só nas Filipinas são usados cerca de 170 desses dialetos,4 o que torna ainda maior o desafio de evangelizar os diferentes grupos étnicos. A despeito dessa realidade, o número de membros tem crescido significativamente em algumas áreas. As histórias a seguir, ilustram a presença e o poder de Deus em nosso trabalho.

Buscando as Ovelhas Perdidas

O Pastor Regalado visitava regularmente os membros de sua igreja, especialmente os inativos. Ele os ouvia, lia a Bíblia e orava com eles. Às vezes, quando convidado, também participava de uma refeição. Para eles, era uma honra que o servo

de Deus, seu pastor, abençoasse seu lar e comesse com eles. Alguém lhe disse: “Porque o senhor veio me visitar e orou por mim, decidi frequentar a igreja e me tornar um membro ativo, outra vez”. Pela graça de Deus, os pastores comprometidos da SSD estão fazendo a diferença. Ganhando com a Educação Adventista

Ela estava sempre sentada à frente em minhas aulas de religião, mais de doze anos atrás, ansiosa por ouvir cada tópico abordado. Era visível que era mais velha do que seus colegas de classe, mas eu sabia pouco sobre ela até sua última prova. Na prova, perguntei aos alunos que assunto estudado em classe mais os havia interessado e por quê. Ela escreveu que o assunto mais interessante para ela foi “O Pecado Imperdoável”. Então, expôs sua alma ferida. Ela escreveu: “Honestamente, não sou casada, mas tenho dois filhos. No primeiro dia, quando recebi o roteiro de suas aulas, vi esse assunto e aguardei ansiosa por sua exposição”. E continuou: “Desde 1994, quando aquele homem entrou em minha vida, um sentimento de culpa passou a me consumir”. E acrescentou: “Devo pedir perdão a Deus por ter vivido e tido filhos com um homem casado?” Para expiar seus pecados, ela deu ofertas ao Senhor. Como fiel católica, fez a novena5 várias vezes, pedindo a Deus que lhe perdoasse os pecados. “Quando aconteciam os problemas em nossa vida, eu perguntava a Deus se aquilo era castigo

Por Ferdinand O. Regalado

Graça Suficiente para Cada

Desafio

Divisão do Pacífico Sul-Asiático 20

Adventist World | Dezembro 2013


Nessas aulas, realmente senti o amor de Deus . pelo que eu havia feito. Eu me ajoelhava e gritava pedindo perdão, até que o senhor abordou esse assunto”, disse ela. “A sua explicação, com a ajuda da Bíblia, de algum modo diminuiu o peso da minha culpa. Por meio de suas aulas, realmente consegui sentir o amor de Deus”. Essa ex-aluna também escreveu: “Quando me matriculei nesta escola, sempre ouvia os não adventistas dizendo: ‘Você se matriculou naquela escola? Lá é muito chato, eles sempre usam a Bíblia’. Agora sei que eles estão errados, que através desta matéria compreendi que Deus me ama, mesmo sendo pecadora”. Suas palavras “Deus me ama, mesmo sendo pecadora” são o meu testemunho de que a educação adventista impacta. Dentro e fora da sala de aulas, digo aos meus alunos: “Seu professor de religião não é um santo; é apenas alguém que foi perdoado. Diariamente, tento viver e compartilhar as boas-novas da graça de Deus”. Charlie

Eu estava esperando por Charlie naquela noite. Ele queria saber se eu pregaria no culto de compromisso do retiro espiritual no fim de semana. Convidei-o a entrar. Ele tinha olheiras, bolsas sob os olhos e o cabelo despenteado. Pude ver o alívio em seu rosto quando disse que pregaria. Ele estava procurando desesperadamente um pregador. Charlie usava uma bermuda jeans desbotada que mostrava seus joelhos e pernas salpicadas de cimento. “Desculpe, Pastor, por estar vestido assim; vim direto do trabalho.” Charlie tinha outro interesse além do meu compromisso. Ele queria conversar. Quando o fizemos, ele começou a se abrir. Charlie começou a trabalhar quando estava na quarta série. Seu pai, ancião da igreja, havia atirado e matado um delinquente em sua barangay (aldeia). Acusado, ele confessou o crime e foi preso. Sendo o filho mais velho, Charlie se tornou o homem da casa. Trabalhou duro para ajudar a mãe, que ganhava 200 pesos filipinos (4,59 dólares) por mês fazendo roupas para bebês para sustentar os três filhos. Com um salário de 500 pesos filipinos por mês (11,50 dólares), o salário de Charlie não era ruim para uma criança.

Mas o trabalho de produzir carvão para cozinha, proveniente de cascas de árvore, fez com que contraísse tuberculose. Disseram-lhe que precisava repousar para recuperar a saúde. Ele se afastou do emprego e recuperou a saúde. Continuou trabalhando e lutando até terminar o ensino fundamental e o médio. Qualquer faculdade seria muito cara. Mas em 1996, Charlie se matriculou na Universidade Adventista das Filipinas (AUP) como aluno bolsista. Quando a tuberculose voltou, ele parou de estudar por quatro anos. Então Charlie retornou. Queria estudar teologia para ser pastor e trabalhar para o Senhor. Para isso, teria que trabalhar por vários anos, ganhando 15 pesos filipinos (0,35 dólares) por hora e tendo de pagar as despesas de moradia e estudos. Porém, ele encontrou um quartinho estreito, uma estrutura semelhante a uma caixa com uma janela pequena. Parecia sela de prisão, mas era grátis. Minha esposa preparou uma refeição, e depois, eu orei com ele. Charlie nos agradeceu e partiu com semblante pensativo, talvez ainda preocupado com suas responsabilidades para o retiro. Ele podia morar em uma caixa e passar fome, mas era responsável para com as obrigações da igreja. Muitos alunos se formam em teologia nas Filipinas, mas há poucas vagas disponíveis para pastores. Charlie abriu mão do seu sonho de infância de ser pastor e se graduou na faculdade em 2006, com habilitação em língua filipina. Deus o abençoou dando-lhe uma boa esposa, professora do ensino fundamental, a qual ele conheceu na universidade, e dois lindos filhos. Encontrar um bom emprego continua sendo um desafio. Todavia, apesar disso, ele continua atuante na igreja local e sendo um fiel cristão. Há muitos “Charlies” na SSD que enfrentam os desafios da vida e mantêm a visão inspirada por Deus. Em meio às duras provas, a graça e o amor de Cristo estão sempre presentes. Na SSD, todos os dias, confirmamos a promessa de Jesus: “E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século” (Mt 28:20). Sua graça é suficiente para cada desafio! n 1 www.ssd.org/territories/countries.html. 2 www.adventiststatistics.org/view_Summary.asp?FieldID=D_SSD&Year=2013&submit=Change #main. 3 www.ssd.org/territories/countries.html. 4 www.ethnicgroupsphilippines.com/people/languages-in-the-philippines/. 5 Novena é um ritual de oração de nove dias, muitas vezes dedicado a um anjo, santo, ou membro da Trindade.

Ferdinand O. Regalado, nativo das Filipinas,

é professor na Walla Walla University, Washington, D.C., EUA. Foi professor na Universidade das Filipinas e de Montemorelos, no México.

Dezembro 2013 | Adventist World

21


A RT I G O E S P E C I A L

comprometidos com a Missão

Por Mark A. Kellner

“Eis-me aqui. Envia-me a mim!” Na Ilha de Jeju, centenas de membros respondem ao desafio.

M

uitos cristãos falam a respeito das missões e a ordem de Jesus para evangelizar o mundo. Porém, existem os que realmente fazem alguma coisa sobre o assunto e os dedicados membros da Divisão do Pacífico Norte-Asiático (NSD), que estão firmes nesse propósito. Fiz essa descoberta recentemente, em um evento inteiramente centrado na missão. Sinceramente, é impossível chegar a outra conclusão após testemunhar a participação entusiasta de aproximadamente 4.300 membros que se reuniram para o Congresso Internacional sobre Missão, realizado nos dias 28 a 31 de agosto, em um dos lugares mais pitorescos do mundo, a Ilha de Jeju, na Coreia do Sul. Os participantes não foram lá para fazer turismo, mas para compartilhar sua experiência missionária e receber motivação. A população total dos países que formam a NSD é de aproximadamente 1,6 bilhão de pessoas. A China é o país mais populoso, acima de um bilhão de habitantes. Cerca de 800 participantes chineses foram ao congresso às suas próprias custas. Levando-se em conta que a renda média per capita na China em 2012 era de 6.091 dólares ao ano, o custo dessa viagem representou um profundo comprometimento desses irmãos. Ao mesmo tempo, Jairyong Lee, presidente da NSD, disse que os adventistas chineses, os quais, em sua maioria, se encontraram pela primeira vez com membros de outros países, estavam ansiosos para voltar, caso o evento aconteça novamente. “Eles ficaram isolados por muitas décadas em seu país. Agora, puderam sair da terra natal e ver milhares de pessoas de diferentes partes do mundo adorando juntas, falando sobre missão – e, essa é a Igreja Adventista do Sétimo Dia!”, disse Lee em entrevista para a Adventist World. “Penso que

22

Adventist World | Dezembro 2013

essa experiência é animadora para muitos deles. Eles se emocionaram quando viram a atuação da Igreja no mundo. ‘Esta é a igreja de Deus’, disseram. Na China, eles pensavam que era uma pequena Igreja. Saíram confiantes de que esta é a igreja remanescente e que Deus está trabalhando por meio dela em todo o mundo.” Lee comentou ainda de que ele tem certeza que ao voltarem para a China, esses congressistas relatarão e inspirarão centenas de outros membros. “Aqueles 800 se multiplicarão e muitos outros sairão para falar com o mesmo entusiasmo.” Os temas gerais do congresso abordaram vários aspectos do evangelismo. Cinquenta e três estandes de exposição representando instituições de educação, a obra missionária, ministérios de publicação, instituições de saúde e companhias de alimentos apresentaram vários recursos para a missão. Cartazes coloridos formavam um arco de “boas-vindas” na entrada do Centro Internacional de Convenção de Jeju. Centenas de cartazes iluminados e bem decorados saudavam os participantes nas ruas e em toda área ao redor. No discurso de abertura, Siyoung Kim, coordenador do evento, declarou: “Estamos aqui para renovar nossa visão da missão e realizar a grande comissão”. O trabalho de Kim em organizar o evento foi amplamente elogiado por sua eficácia e sucesso. Uma tela gigante, formada por 600 telas de LCD unidas, exibia o “coral virtual”, vídeos individuais de adventistas da região cantando “Breve Jesus Voltará” e um hino de compromisso. Além disso, o belo grupo musical da Divisão, Golden Angels (Anjos Dourados), participou durante todo o evento, acompanhado por um grande coral. Na região que engloba “um quarto da população do mundo, temos a responsabilidade de espalhar o evangelho”, era o que se lia num slide na cerimônia de abertura. Na sequência,


ENVIA-ME!: Membros presentes no Congresso Internacional sobre Missão seguram lenços e proclamam: “Eis-me aqui. Envia-me!” F o t o

p o r

M y r o n

A

VOZ DE UM ANJO: Cantora juvenil do grupo musical “Golden Angels” durante apresentação.

Is e m i n g e r

PRESIDENTE DA NSD: Jairyong Lee, presidente da Divisão do Pacífico Norte-Asiático, à esquerda, dá as boas-vindas aos delegados do Congresso Internacional sobre Missão. outros slides em inglês, coreano, chinês e japonês, países que compõe aquela Divisão, projetavam a frase: “Deus Se lembra das lágrimas da Coreia do Norte”, enquanto eram mostradas imagens daquele país. Os participantes foram cativados pelos trajes tradicionais e leques usados pelas mulheres na coreografia folclórica tradicional durante a apresentação cultural da primeira noite. Foi notória a prosperidade da China e o comentário de que os cristãos têm um fardo “mais pesado para carregar” em uma nação cuja economia está em expansão. Como contribuição cultural, os congressistas chineses apresentaram uma música tendo como acompanhamento a flauta tradicional. O Japão, apelidado de “a terra de Mamon, o deus do dinheiro”, onde os homens seculares fecharam o coração ao evangelho, mostrou-se entusiasmado na cerimônia de abertura. Os líderes da União Missão Japonesa usaram camisetas estampadas com “Jesus@Tokyo”, slogan da campanha de evangelismo das grandes cidades do país. Membros do conjunto masculino cantaram um arranjo do hino “Preciosa Graça” como apresentação cultural. Os participantes de Taiwan e da Mongólia foram recebidos calorosamente, especialmente pelas centenas de representantes da China que estavam sentados bem na frente, no piso principal do centro de convenção. Na apresentação da NSD foi destacado o imenso “deserto gelado”, presente em boa parte da Mongólia, e a necessidade do crescimento da “fé e cultura cristã”, em Taiwan. G. T. Ng, secretário executivo da Igreja, foi o orador principal da noite de abertura. Ele pregou sobre o capítulo 15 do livro de Lucas, mencionando que as parábolas apresentadas por Jesus descrevem “três tipos de perda: a ovelha perdida, a moeda perdida, e o filho perdido, ou filho pródigo – porque Jesus quer enfatizar quão perdida está a humanidade”. Ele falou sobre a necessidade de alcançarmos os que não conhecem o evangelho: “Não é divertido estar perdido”, declarou ele. F o t o s

p o r

M a r k

A.

K e ll n e r / A d v e n t i s t

W o r l d

TESTEMUNHO NO SALÃO DE BELEZA: Bokyung Kang usa seu salão de beleza para testemunhar do Senhor.

O programa “Mission Live” (Missão Viva) apresentou vídeos e testemunhos do Movimento Missionário Suas Mãos, Missão para a Coreia do Norte, Movimento Pioneiro de Missão e Movimento dos 1000 Missionários, todos exclusivos da NSD. Baek To Jung e Grace Lee relataram sua experiência como missionários em uma aldeia de leprosos na China, onde cuidaram de 2.500 pessoas, em 49 bairros só de leprosos, resultando em 677 batismos. Jong Suk Han, membro do Movimento dos 1000 Missionários, falou a respeito de sua visão de missão e do batismo de mais de mil pessoas durante o ano em que trabalhou nas Filipinas. Durante os segmentos diários do “Mission Talk Show”, vários participantes contaram a respeito de suas atividades missionárias atuais. Foram incluídos os testemunhos de jovens japoneses e o de Yong Sun Lee, ex-presidiário e agora pastor adventista, que trabalha em tempo integral no ministério das prisões na Coreia. Em outras partes da Divisão, o serviço ao próximo tomou uma forma diferente. Jane Lin é diretora executiva da Fundação Adventista de Taiwan, uma instituição de caridade em funcionamento na ilha e que ajuda sua população mais carente, incluindo agricultores indígenas que muitas vezes são explorados por grandes empresas agrícolas ao comprar seus produtos, estudantes e os pobres de Taiwan, cujas casas, muitas vezes, estão em ruínas. “Nossa visão é motivar e capacitar as pessoas da sociedade de Taiwan a viver uma vida mais saudável e promissora”, disse Lin. Isso é feito por intermédio do patrocínio de projetos para ajudar os necessitados. “Deus nos tem abençoado ricamente”. Para os agricultores significa ajudá-los a chegar diretamente aos consumidores em feiras livres e incentivá-los a plantar produtos orgânicos. Isso “cria outro mercado” que, conforme explica Lin, evita a exploração desses agricultores quando vendem para grandes empresas.

Dezembro 2013 | Adventist World

23


MÃOS AJUDADORAS: Jane Lin, da Fundação Adventista de Taiwan, segura um kit de artesanato que é distribuído em escolas com dificuldades financeiras.

ORGANIZADOR: SiYoung Kim foi o responsável pela preparação do Congresso Internacional.

“Se os agricultores receberem melhor remuneração para seus produtos, terão melhor qualidade de vida”. E acrescentou que o grupo também está ajudando os agricultores a postar fotos de suas plantações no Pinterest, uma rede social que ajuda a criar demanda para os produtos. Embora o sistema educacional de Taiwan seja altamente reconhecido, alguns estudantes ali, como em outras partes do mundo, incluindo nos Estados Unidos, têm menos recursos do que seus colegas nas grandes escolas. Para ajudar esses alunos, a Fundação Adventista de Taiwan oferece o “Kit Feliz de Artesanato” com vários novelos de lã colorida. Os materiais se transformam em apoios para colocar garrafas e copos na mesa, dando a eles um tipo exclusivo de artesanato e a sensação de que fizeram algo diferente com suas mãos. “As crianças gostam de fazer coisas com as mãos, mais tarde, elas usarão as mãos para cuidar dos outros”, comentou Lin. Foram apresentados seminários por missionários e líderes da Igreja que servem em várias partes do mundo e oferecidos mais de 15 seminários sobre missão, como por exemplo: A Vida Familiar dos Missionários, Oração Radical, Missão Mundial e Crescimento de Igreja. Durante as noites, os presidentes das Uniões e Missões do território da NSD, que inclui China, Japão, Coreia, Taiwan e Mongólia, apresentaram o relatório missionário de suas regiões. Ted N. C. Wilson, presidente da Associação Geral, teve participação importante, marcando presença nos eventos públicos bem como nas reuniões com os pastores da NSD. No sábado, 31 de agosto, Wilson fez um grande apelo para a missão. “Tudo isso aponta para o chamado que Deus faz a você e a mim, pessoas que aceitam os mandamentos de Deus e têm a fé em Jesus, para avançar pelo poder do Espírito Santo, avançar nos campos maduros”, disse Wilson. “Tivemos uma tremenda exposição da atividade e criatividade humana durante este congresso, e agradecemos a Deus pelo dom da criatividade, mas quero dizer-lhes, irmãos e irmãs, que nada disso seria possível sem o poder do Espírito Santo”, acrescentou. Wilson considerou as três mensagens angélicas de Apo-

24

Adventist World | Dezembro 2013

calipse 14 e sua ligação com o mundo de hoje. Instou com os ouvintes a compartilhar carinhosamente essa mensagem com outros, ajudando a “chamar” os que estão atentos à Palavra de Deus no tempo do fim. No sábado à tarde, foi realizado o culto de “Dedicação à Missão”. O Pr. Lee, presidente da NSD, realçou a vida do pioneiro adventista, Abram LaRue, que foi a Hong Kong como missionário voluntário, identificou-se com seus moradores e morreu trabalhando. Ele disse aos presentes: “Precisamos nos encher do Espírito Santo a fim de levarmos as três mensagens angélicas aos confins da Terra.” O culto de dedicação à missão foi preenchido com o sentimento da presença da graça de Deus, Sua palavra, os louvores e as orações do Seu povo. Para os presentes, houve um sentimento renovado de chamado para o serviço missionário ativo. Líderes da Associação Geral, das Divisões, Uniões e Associações da NSD foram convidados ao palco para confirmar sua resposta. Eles seguraram lenços vermelhos estampados com as palavras do profeta Isaías: “Eis-me aqui. Envia-me a mim!” (Is 6:8). Essa atitude foi repetida pela congregação, que também levantou os lenços vermelhos. No encerramento da cerimônia de dedicação, cada participante levantou uma vela acesa, expressando seu compromisso e desejo de levar a luz da verdade a todo o mundo. Lee mencionou que esse apelo foi intencional e disse aos participantes: “nós que vivemos no tempo do fim fomos escolhidos por Deus para uma missão especial. Somos um povo especial por causa da missão que Ele nos deu: completar a obra do evangelho no mundo.” E acrescentou: “Nossos pioneiros saíram, como missionários para regiões difíceis do mundo, e realmente se sacrificaram. Agora, é a nossa vez. Deus espera que tomemos o lugar deles [...] Apelo para que ao retornarmos para nossas regiões, façamos o trabalho com o mesmo espírito que tiveram nossos pioneiros.” Perguntei se havia uma mensagem para as outras Divisões da Igreja e Lee respondeu: “Enfatizemos a missão, pois essa é a razão da existência da Igreja. Se perdermos a missão, perdemos tudo. Missão é ação. Cada membro, em cada igreja, deve participar na sua missão. Espero que as outras partes do mundo deem ênfase à missão.” n *De acordo com o Banco Mundial

Mark A. Kellner é editor de notícias da

Adventist World. O artigo contém reportagem adicional da Divisão do Pacífico NorteAsiático. Algumas partes deste artigo foram publicadas na seção de notícias da Adventist Review.


E S P Í R I T O

Glória e o Mistério A

Por Ellen G. White

de

Cristo Contemplar a Jesus

A

fim de compreender a missão de Jesus é necessário que Sua luz divina ilumine nossa mente, pois o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; nem pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Jesus está constantemente nos atraindo como única esperança e refúgio. “Diz ainda o Senhor: No tempo aceitável, Eu te ouvi e te socorri no dia da salvação; guardar-te-ei e te farei mediador da aliança do povo, para restaurares a terra e lhe repartires as herdades assoladas” (Is 49:8)*. “Cantai, ó Céus, alegra-te, ó Terra, e vós, montes, rompei em cânticos, porque o Senhor consolou Seu povo e dos Seus aflitos se compadece. Mas Sião diz: O Senhor me desamparou, o Senhor se esqueceu de mim. Acaso, pode uma

mulher se esquecer do filho que ainda mama, de sorte que não se compadeça do filho do seu ventre? Mas ainda que esta viesse a se esquecer dele, Eu, todavia, não me esquecerei de ti. Eis que nas palmas das minhas mãos te gravei; os teus muros estão continuamente perante mim” (versos 13-16). As marcas da crucifixão nas mãos e pés de nosso Senhor são evidências de que Cristo não esqueceu Seu povo. Ele o comprou, o resgate foi pago. Jesus, o Redentor do mundo, conhece todos os Seus filhos pelo nome, e sobre aqueles que creem, virá a glória de Deus. O Sol da Justiça surgiu com restauração em Suas asas. Por meio da fé em Cristo, o filho da Terra é feito um herdeiro de Deus e coerdeiro com Jesus Cristo. Aqueles que

D E

P R O F E C I A

contemplam a Jesus se transformam à Sua imagem e assimilam Sua natureza, e a glória de Deus, que resplandece na face de Jesus, é refletida na vida dos Seus seguidores. Mais e mais o cristão é transformado de glória em glória pelo Espírito do Senhor, e se torna luz no mundo. Quanto mais olha para Cristo, mais anseia continuar olhando, e quanto mais luz, amor e glória ele vê em Cristo, mais aumenta sua luz e se transforma em dia perfeito. “E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito” (2Co 3:18). É pela fé que o olho espiritual contempla a glória de Jesus. Essa glória está escondida até que o Senhor concede a luz da verdade espiritual, pois o olho da razão não pode vê-la. A glória e o mistério de Cristo permanecem incompreensíveis, obscurecidos por seu brilho excessivo, até que o Senhor ilumine seu significado diante da alma. João exclama: “Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus. Por essa razão, o mundo não nos conhece, porquanto não o conheceu a Ele mesmo. Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando Ele se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque haveremos de vê-Lo como Ele é” (1Jo 3:1, 2). n *Todos os textos bíblicos foram extraídos da versão Almeida Revista e Atualizada.

Esse texto foi extraído do artigo “O Alto Chamado de Deus em Cristo Jesus”, publicado na Review and Herald de 7 de outubro de 1890. Os adventistas do sétimo dia creem que Ellen G. White (1827-1915) exerceu o dom de profecia bíblico durante mais de 70 anos de ministério público.

Dezembro 2013 | Adventist World

25


R E S P O S T A S

O que é pecado

A

P E R G U N T A S

Pecado e Outras Pequenas

involuntário?

“Deficiências”

Os principais termos bíblicos para pecado não intencional no Antigo Testamento são o substantivo shagagah (engano, erro) e o verbo shagag/shagah (errar, enganar ou induzir ao erro). O significado desses termos é, de certo modo, uma questão de debate. Examinaremos o uso tanto do substantivo como do verbo e comentaremos a frase “pecado arrogante”. Isso pode ajudar a esclarecer o significado de pecado involuntário. 1. Shagagah: Esse substantivo tem sido traduzido de diferentes formas: “ignorância” (ARA), “inadvertência” (BJ e AA), “sem querer” (NTLH), “sem intenção” (NVI). A tendência é compreendê-lo como expressando a ideia de ignorância ou falta de intenção. Essa interpretação encontra apoio em algumas expressões paralelas usadas juntamente com a palavra. Em alguns casos, dizem que a pessoa não sabia (Lv 5:17), não tinha conhecimento (Js 20:3), não tinha consciência do pecado cometido (Lv 5:2) ou que ele ou ela souberam mais tarde (verso 3). Mas o substantivo shagagah é usado no contexto do pecado consciente; quando a pessoa tem consciência de que pecou (e.g. Lv 4:22, 23). O elemento da intencionalidade pode estar presente nesse caso em particular, mas não em outros (Nm 35:11; Dt 19:4, 5). Isso sugere que esse substantivo designa pecado involuntário ou cometido por ignorar a lei, pecado involuntário ou mesmo inadvertido. Necessariamente, isso não exclui consciência e intenção. 2. O Verbo Shagag/Shagah: Esse verbo se refere ao pecado inconsciente (Jó 6:24; 19:4; Ez 45:20). Porém, designa mais frequentemente o pecado como um erro que, embora evitável, não foi evitado. Isaías usa esse paralelo com o verbo “cambalear”, descrevendo o cambaleio da pessoa bêbada (Is 28:7, NVI). Essa é uma conduta involuntária porque, como resultado do efeito do álcool, a pessoa é incapaz de andar ereta. Em outro caso, pela falta de pastores ou líderes, o rebanho de ovelhas se desvia do caminho e se dispersa (Ez 34:5). Elas não têm autocontrole e orientação. O livro de Provérbios declara que a falta de disciplina faz com que a pessoa cambaleie (Pv 5:23; cf. 19:27). Isso também acontece

(Lv 4:2).

26

B Í B L I C A S

Adventist World | Dezembro 2013

quando uma pessoa é indiferente para com Deus (Sl 119:67; cf. verso 21). Esses textos parecem descrever a condição comum do ser humano que só pode ser melhorada mediante autodisciplina. Em certo sentido esse tipo de comportamento é involuntário; por nós mesmos só nos perdemos e fazemos o que é errado. Esse tipo de pecado não é apenas um pecado de ignorância. Saul, após saber que Davi havia poupado sua vida, tentou se reconciliar com ele e confessou: “Pequei [...] não tornarei a fazer-te mal; […] tenho procedido como louco e errado [shagah] excessivamente” (1Sm 26:21, ARA). Ele chamou sua tentativa de matar Davi de erro, embora tenha intencionalmente procurado tirar sua vida. A falta de autocontrole levou Saul a atacar Davi. 3. Pecado Arrogante: O pecado “involuntário” é contrastado com o pecado arrogante (Nm 15:30, 31), representado pela atitude rebelde e desafiadora contra Deus, manifestada pelo total desrespeito por Ele e por Sua vontade. Para esse tipo de pecado não há expiação e a pessoa é desconectada permanentemente do povo de Deus. Ele pode ser intencional ou não, mas o principal significado do verbo é o fato de que a pessoa errou e necessita de expiação. O pecado “involuntário” parece designar pecados cometidos como resultado de uma natureza humana que é fraca e incapaz de controlar-se. A pessoa não estava rompendo com o Senhor, pois o pecado foi resultado da fragilidade humana. Nessa condição, eles pecaram sem saber, sem querer, sem saber o que estavam fazendo. Talvez possamos nos referir a eles como pecadores involuntários. A falta de autocontrole ou intencionalidade, e até mesmo ignorância, não é desculpa para esse pecado, mas o perdão está sempre disponível para ele (cf. 1Jo 2:1, 2). O Senhor pode nos dar vitória sobre nossa natureza caída: “Eu Te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie [shagah] dos Teus mandamentos” (Sl 119:10, NIV). n

Ángel Manuel Rodríguez atuou como diretor do Instituto de Pesquisa Bíblica da Associação Geral por muitos anos. Hoje, aposentado, mora no Texas, EUA.


E studo

B íblico

As Perigosas

Por Mark A. Finley

Armadilhas da

Condescendência

E

stamos numa jornada de estudos sobre as sete igrejas do Apocalipse. Ao examinarmos a condição espiritual de cada uma dessas igrejas, descobriremos princípios espirituais que se aplicam à nossa vida atual. Embora essas mensagens abranjam a trajetória histórica da igreja cristã desde o primeiro século até o tempo do fim e tenham sido originalmente destinadas a cada uma das sete igrejas, elas contêm lições transformadoras de vida para os cristãos de todos os tempos. Neste mês, nosso estudo se concentrará na igreja de Pérgamo. A palavra “Pérgamo” significa “elevação, acrópole, exaltação”. A cidade de Pérgamo foi a capital da província de Roma por algum tempo. Ali, foram levantados templos aos deuses romanos. A cidade era caracterizada por sua riqueza, seu amor pelo prazer, sua população sofisticada e sua elite educada. Tinha uma biblioteca famosa, menor apenas do que a de Alexandria, no Egito. Evidentemente, havia uma pequena igreja cristã em Pérgamo, porém ela enfrentava condescendência com as influências materiais e ateístas que a cercavam. Após a morte dos discípulos e perseguição aos cristãos nos primeiros séculos, Satanás mudou sua estratégia. No quarto e quinto séculos, o estado e a igreja romana se uniram. Muitos estudiosos da Bíblia identificam esse período como o período Pérgamo da história da igreja. A condescendência invadiu o cristianismo. Vejamos como permanecer firmes ao lado de Jesus e de Sua verdade, quando enfrentamos esse grande mal.

1

O que tinha na mão o Ser que deu ao anjo a mensagem para a igreja de Pérgamo? O que representa a espada de dois gumes? Leia Apocalipse 2:12 e Hebreus 4:12. Moldada pela cultura em torno de si e imersa na condescendência, certamente, a igreja de Pérgamo necessitava da influência corretiva da Palavra de Deus. Como uma espada de dois gumes, a Palavra penetra nosso coração. Ela ainda fala conosco hoje, levando-nos da loucura de nossos próprios caminhos para o “bastião” da verdade divina.

2

Em Pérgamo, Deus tinha seguidores fiéis que não negaram Seu nome? Leia Apocalipse 2:13. O fato de haver em Pérgamo alguns que não haviam negado a fé em Jesus, revela uma poderosa verdade: por meio do poder de Cristo você e eu podemos ser fiéis onde quer que estejamos. A fidelidade a Deus não depende do ambiente em que vivemos; depende de nossa confiança nEle.

3

Liste as duas doutrinas falsas mencionadas em Apocalipse 2:14 e 15. Balaão era um profeta falso que, contrário às instruções de Deus, levou Israel a se desviar e se unir com Balaque, um rei pagão. A aliança feita entre Balaão e Balaque representa uma união ilícita, a qual fatalmente resultará no enfraquecimento espiritual do povo de Deus. Os Nicolaítas, evidentemente, introduziram a falsa ideia de que a espiritualidade os permitia ignorar a lei de Deus e não obedecê-la. A graça não leva à desobediência; ela nos motiva a amar mais a lei de Deus e desejar obedecer-Lhe.

4 O que o apóstolo João ensina no Evangelho e em todo o livro do Apocalipse sobre a obediência? Leia João 14:15 e Apocalipse 14:12 e 12:17. 5

As mensagens a cada uma das sete igrejas têm um refrão em comum. Qual é? Veja a primeira parte de Apocalipse 2:17. Cada uma das mensagens às sete igrejas contém uma promessa aos vencedores. O anjo assegura aos crentes que não importa a situação que enfrentem, é possível vencer.

6 Leia Apocalipse 2:17. Liste as promessas do anjo aos vencedores, e reflita no significado de cada promessa. O maná escondido representa Jesus, o Pão da Vida. Ele satisfaz os mais profundos anseios do coração e nutre a fome oculta de nossa vida espiritual. Pode também representar Jesus suprindo todas as necessidades físicas da mesma maneira que Ele cuidou das necessidades do povo de Israel no deserto. A pedra branca representa a libertação da escravidão e servidão do pecado. O novo nome representa o relacionamento íntimo com Deus, conhecido apenas pelo crente em Cristo.

7

Ao estudar a mensagem para a igreja de Pérgamo, que lições falaram ao seu coração? Que princípios você pode aplicar à sua vida? Condescender com o mal é tremendamente perigoso. A igreja de Pérgamo teve alguns crentes que sucumbiram a uma condescendência funesta e se perderam. Outros permaneceram fiéis a Cristo e venceram. O apelo de nosso Senhor para sermos leais sob qualquer circunstância ecoa ao longo dos séculos. A graça de Deus ainda é “suficiente” para nós. n

Dezembro 2013 | Adventist World

27


T R O C A D E ID E I A S

Cartas

Edição que Abriu meus Olhos

Apreciei a leitura da Adventist World do mês de setembro. As realidades dessa edição, que acessei on-line, abriram meus olhos. Para mim, essa revista é um sermão completo, real e muito bom. Titus Branda Nairobi, Quênia Onde Está o Equilíbrio?

Escrevo sobre o artigo de Merlin Burt, “Ellen G. White e as Crenças Fundamentais Adventistas” (AW-setembro). Burt tem razão – a maior parte de nossas crenças foi estabelecida pelo estudo da Bíblia, e não “originada” pela Sra. White. Em alguns casos, entretanto, quando nossos pioneiros falhavam em seus estudos e conclusões, a Sra. White recebia uma visão. Ela escreveu: “Os irmãos sabiam que, quando não em visão, eu não compreendia esses assuntos, e aceitaram como luz direta do Céu as revelações dadas. Os principais pontos de nossa fé os quais cremos até hoje, foram firmemente

estabelecidos. Ponto após ponto foi claramente definido, e todos os irmãos entraram em harmonia” (Este Dia Com Deus, p. 317). Não foi apenas o estudo da Bíblia. Ellen White acrescenta: “os fundamentos que, mediante estudo da Palavra feito com oração, e por meio da revelação, foram postos no princípio de nossa obra” (Obreiros Evangélicos, p. 307). Eko Wahjudi Gold Beach, Oregon (EUA) Mapas da Vida

Muito obrigada por publicarem a história de Gerald A. Klingbeil, “Mapas da Vida” (AW-julho). Mesmo sendo uma jovem cristã que está crescendo na igreja, preciso seguir os passos de Klingbeil, pois Deus também Se importa com meu futuro. Esse artigo é um desafio para que todos nós, jovens, ouçamos o gentil chamado de Deus e O aceitemos, fazendo o que Ele espera que façamos. Essa história foi uma bênção. Mais uma vez, obrigada! Becky Moraa Nairobi, Quênia Primogênito

Muito obrigado pela edição de maio da Adventist World. Apreciei, especialmente, a seção de Ángel Manuel Rodríguez “Primeiro ou Primogênito?”. Ajudou-me a compreender melhor quem são os “primogênitos”. Também fiquei emocionado de ver meus companheiros jovens marchando nas ruas da África do Sul em comemoração ao Dia Mundial dos Jovens (veja nas notícias “Dia Mundial dos Jovens:

Oraçãow

Utilizando a Mídia Social da Igreja”). Que Deus os abençoe! Wycliffe Marasi Kisii, Quênia Daniel Lisulo

Li no artigo de capa de Andrew McChesney, a história de Daniel Lisulo, “Escolho o Sábado” (AW-fevereiro 2009), e confesso: Enfrento o mesmo problema aqui no Brasil. No entanto, sinto-me motivada a permanecer firme no propósito de nunca transgredir o Dia do Senhor. Estarei orando pelos universitários adventistas que enfrentam esse problema. Muito obrigada pela publicação da experiência de Lisulo. Marleize da Silva Ferreira Brasil Contem-me Algo Mais

Li a edição da Adventist World de outubro e fui profundamente tocado pelos artigos, pelo estudo bíblico e devocional que claramente explicam a Bíblia e as crenças da Igreja Adventista. Sou cristão, mas não adventista. Gostaria de saber mais sobre a Adventist World. Shybu Juga Mangochi, Malaui A Adventist World é uma revista produzida pela Igreja Adventista do Sétimo Dia. Ela também está disponível na internet e pode ser acessada através da página www.adventistworld.org. Somos gratos a Deus por a revista estar suprindo essa necessidade. – Os Editores

GRATIDÃO

Estou cursando o último ano da universidade. Devido a isto, não posso dedicar tempo aos meus familiares. Eles estão afastados da igreja. Conto com suas orações em favor deles. Tumusiime, Uganda

28

Adventist World | Dezembro 2013

Por favor, ore por minha família, especialmente pelo filho primogênito, parece que ele sempre faz escolhas erradas na vida. Mwale, Zâmbia

Necessito de um notebook para o trabalho, mas não tenho condições de comprar. Peço a Deus que toque o coração de alguém. Tuan, Mianmar


Adventist World

Aqui, no sul do Chile, sempre lemos a Adventist World. Temos, também, lindos testemunhos de pastores comprometidos. Espero que, algum dia, possamos enviar notícias e artigos para a revista. Envio um grande abraço e meu muito obrigado pelo maravilhoso trabalho que realizam e pela esperança que tão fortemente nos une – a segunda vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo. Deus abençoe toda a equipe! Abel Enrique Núñez Bustos Los Angeles, Chile

Que

Lugar é

Esse?

Mantenha a Fé

Correção

Usamos equivocadamente a foto de R. F. Andrews no artigo “Ellen G. White e as Crenças Fundamentais Adventistas”, por Merlin Burt (AW-setembro). Aqui está a foto de John Nevins Andrews, mencionado na história. Como enviar as Cartas: Por favor envie para letters@ adventist world.org. As cartas devem ser escritas com clareza, contendo, no máximo, 100 palavras. Inclua na carta o nome do artigo e a data da publicação. Coloque, também, seu nome, a cidade, o estado e país de onde você está escrevendo. As cartas serão editadas por questão de espaço e clareza. Nem todas as cartas enviadas serão publicadas.

RESPOSTA: A ADRA Espanha está envolvida em serviços na Etiópia há 25 anos. Essa mulher é uma dentre centenas de outras pelas quais a ADRA tem trabalhado para melhorar a condição social e econômica. Saiba mais sobre a ADRA Espanha, visitando www.adra-es.org.

Muito obrigada por publicarem a Adventist World. Que bênção é fazer parte dessa grande missão. Sempre oro pelo dia em que todos nos encontraremos no Céu, para morar com o Senhor para sempre. Mantenhamos a fé! Elicia Reid Por e-mail

Reavivados por Sua Palavra Uma Jornada de Descobertas através da Bíblia Deus nos fala por meio de Sua Palavra. Junte-se a outros membros em mais de 180 países que estão lendo um capítulo da Bíblia todos os dias. Para baixar o Guia de Leitura da Bíblia, visite: www.reavivadosporsuapalavra.org, ou inscreva-se para receber diariamente o capítulo por e-mail. Para fazer parte desta iniciativa, comece por aqui: 1 DE Janeiro DE 2014 • Salmos 147

Por favor, ore para que eu tenha sucesso na vida. Nthati, Lesotho Peço orações a respeito da minha vida profissional. Recebi uma proposta mas não posso começar a trabalhar

até que verifiquem meus antecedentes. Orem para que a verificação seja concluída rapidamente e eu possa trabalhar, pois sou a única fonte de renda na minha família. Samuel, Índia

Oração & Gratidão: Envie seus pedidos de oração ou agradecimentos (gratidão por orações respondidas) para prayer@adventistworld.org. As participações devem ser curtas e concisas, de no máximo 50 palavras. Os textos poderão ser editados por questão de espaço e clareza. Nem todas as participações serão publicadas. Por favor, inclua seu nome e o nome do seu país. Os pedidos também podem ser enviados por fax, para o número: 1-301-680-6638; ou por carta para Adventist World, 12501 Old Columbia Pike, Silver Spring, MD 20904-6600, EUA.

Dezembro 2013 | Adventist World

29


T R O C A D E ID E I A S

25Anos A inauguração e dedicação do Seminário Teológico Zaoksky (Zaokskaya Seminariya Advetistov) aconteceu no dia 2 de dezembro de 1988. Na década de 1980, início da perestroika na ex-União Soviética, os líderes da Igreja na Rússia enviaram ao Conselho para Assuntos Religiosos um pedido para construir uma escola de ensino por correspondência. Esse pedido foi negado mais de 75 vezes, bem como a solicitação para construir no terreno de propriedade da Igreja, em Tula. Após adquirirem uma propriedade em Zaoksky, o então presidente da Associação Geral, Neal C. Wilson, encontrou-se com Konstantin Dharchev, na época, presidente do Conselho para Assuntos Religiosos. Durante os protestos dos funcionários públicos e com a ajuda do pastor adventista, Mikhail M. Kulakov, finalmente, a permissão para construir uma escola foi concedida no dia 27 de janeiro de 1987. Voluntários de toda a Rússia e Ucrânia construíram o prédio em tempo recorde. Em 1990, graduou-se o primeiro grupo de alunos da ex-União Soviética. O colégio foi registrado em 1991, pelo governo russo, como a primeira instituição cristã de ensino superior desde a Revolução Bolshevique de 1917. Fonte: Robert E. Costa

Você Sabia?

David Livingstone, explorador, missionário e ativista antiescravagista do século 19, está enterrado na Abadia de Westminster, em Londres. Entretanto, onde está seu coração?

RESPOSTA: Zâmbia. Livingstone morreu em maio de 1873. Antes que o corpo fosse enviado para a Inglaterra, seus amigos lhe anexaram uma nota: “Vocês podem levar seu corpo, mas seu coração pertence à África”. O Memorial Livingstone, em Ilala, marca o local onde seu coração foi enterrado.

maıs Divisões com o maior número de Desbravadores (2012):

1 Divisão Sul-Africana-Oceano Índico 606.901

2 Divisão Sul-Americana 186.026

3 Divisão Centro-Leste Africana 169.547

4 Divisão Interamericana 99.625

5 Divisão do Sul do Pacífico 67.481

Fonte: Departamento de Jovens da Associação Geral

Descoberta

Biólogos do oeste da Índia identificaram 12 novas espécies de sapos e redescobriram 3 outras espécies que não se vê há 75 anos. Fonte: National Geographic

Durma Mais, Coma menos Em média, os homens que dormem pouco, consomem 300 calorias a mais por dia, quando comparado aos que dormem nove horas. Fonte: Men’s Health

30

Adventist World | Dezembro 2013


“Eis que cedo venho…”

ATÉ

5O

PALAVRAS

Meu

Personagem Bíblico Preferido

Meu personagem bíblico preferido é Moisés. Sua história me lembra que devo estudar e aprender com meus erros. Deus nunca vai desistir de mim. Será que devo desistir de Deus?

n

– Fanny, Semarang, Indonésia

José é meu personagem bíblico preferido. Sua vida reflete a vida de Cristo. Ele foi invejado e vendido pelos irmãos. Foi falsamente acusado e preso. Ele perdoou os irmãos e se tornou o salvador da família .

n

– Manuel, Cebu City, Filipinas

O rei Manassés, filho de Ezequias, assassino infame, foi o motivo de Judá ter ido para o cativeiro babilônico. Ele foi capturado como um incrédulo e, pela misericórdia de Deus, foi convertido e restaurado ao trono para exercer um dos reinados mais longos (55 anos). Isso mostra para mim quão profundo é o amor e o perdão de Deus.

n

– Pat, West Virgínia, Estados Unidos

Jó é meu personagem bíblico preferido. Sua história me abriu os olhos quanto à proteção de Deus. O testemunho deixado por esse patriarca e homem de fé motiva-me a confiar em Deus todos os dias, mesmo nas adversidades.

n

– Restituta, Canadá

Nossa missão é exaltar a Jesus Cristo, unindo os adventistas do sétimo dia de todo o mundo numa só crença, missão, estilo de vida e esperança. Editor Adventist World é uma publicação internacional da Igreja Adventista do Sétimo Dia, editada pela Associação Geral e pela Divisão do Pacífico Norte-Asiático. Editor Administrativo e Editor Chefe Bill Knott Editor Associado Claude Richli Gerente Internacional de Publicação Chun, Pyung Duk Comissão Editorial Ted N. C. Wilson, presidente; Benjamin D. Schoun, vice-presidente; Bill Knott, secretário; Lisa Beardsley-Hardy; Daniel R. Jackson; Robert Lemon; Geoffrey Mbwana; G. T. Ng; Daisy Orion; Juan Prestol; Michael Ryan; Ella Simmons; Mark Thomas; Karnik Doukmetzian, assessor legal.  Comissão Coordenadora da Adventist World Lee, Jairyong, presidente; Akeri Suzuki; Kenneth Osborn; Guimo Sung; Chun, Pyung Duk, Han, Suk Hee Editores em Silver Spring, Maryland, EUA Lael Caesar, Gerald A. Klingbeil (editores associados), Sandra Blackmer, Stephen Chavez, Wilona Karimabadi, Mark A. Kellner, Kimberly Luste Maran Editores em Seul, Coreia do Sul Chun, Pyung Duk; Park, Jae Man; Kim, HyoJun Editor On-line Carlos Medley Gerente de Operações Merle Poirier Colaborador Mark A. Finley Conselheiro E. Edward Zinke Administrador Financeiro Rachel J. Child Assistentes Administrativos Marvene Thorpe-Baptiste Comissão Administrativa Jairyong Lee, chair; Bill Knott, secretary; P. D. Chun, Karnik Doukmetzian, Suk Hee Han, Kenneth Osborn, Juan Prestol, Claude Richli, Akeri Suzuki, Ex-officio: Robert Lemon, G. T. Ng, Ted N. C. Wilson Diretor de Arte e Diagramação Jeff Dever, Brett Meliti Consultores Ted N. C. Wilson, Robert E. Lemon, G. T. Ng, Guillermo E. Biaggi, Lowell C. Cooper, Daniel R. Jackson, Geoffrey Mbwana, Armando Miranda, Pardon K. Mwansa, Michael L. Ryan, Blasious M. Ruguri, Benjamin D. Schoun, Ella S. Simmons, Alberto C. Gulfan Jr., Erton Köhler, Jairyong Lee, Israel Leito, John Rathinaraj, Paul S. Ratsara, Barry Oliver, Bruno Vertallier, Gilbert Wari, Bertil A. Wiklander. Aos colaboradores: São bem-vindos artigos enviados voluntariamente. Toda correspondência editorial deve ser enviada para: 12501 Old Columbia Pike, Silver Spring MD 20904-6600, EUA. Escritórios da Redação: (301) 680-6638 E-mail: worldeditor@gc.adventist.org Website: www.adventistworld.org

Da próxima vez, escreva com até 50 palavras, sobre a sua promessa bíblica preferida. Envie para letters@AdventistWorld.org. No assunto, escreva: “Até 50 Palavras”.

Adventist World é uma revista mensal editada simultaneamente na Coreia do Sul, Brasil, Argentina, Indonésia, Austrália, Alemanha, Áustria e nos Estados Unidos.

V. 9, Nº 12

Dezembro 2013 | Adventist World

31


A revista que refrigera nosso espĂ­rito

w w w. a d ve n t i s t wo r l d. o rg Curta nossa pĂĄgina no Facebook


Aw portuguese 2013 1012