Issuu on Google+

MUDE SUA VIDA.

AS LUZES BAIXAS Orientação à noite

Cantando no trem O acidente que mudou vidas

Conhecida por Ele O blog de Deus

MUDE O MUNDO.


Volume 15, Número 2

C O N TATO P E S S OA L ser um a migo Ao dizer aos Seus discípulos: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos”1, Jesus estava literalmente descrevendo como morreria para salvar a humanidade. Os eventos subsequentes provaram que Ele estava disposto a abrir mão de tudo por nós. O amor de Jesus é perfeito, assim como Sua amizade. Às vezes, pergunto-me o que faria se me encontrasse em uma situação em que pudesse salvar uma vida à custa da minha, mas não acho que algum dia serei testado de forma tão dramática. A probabilidade maior é que os desafios de abnegação sejam mais banais e as oportunidades de “dar minha vida” se manifestem de formas mais triviais. Passo tempo com um amigo que está vivendo um momento difícil e, por isso, não é a companhia mais divertida, ou arrumo uma desculpa e tento evitá-lo? Visito uma amiga doente —não apenas no início da doença, mas regularmente, se necessário? Se eu ganhar um ingresso para um jogo importante, será que estaria disposto a dá-lo a um amigo que gostaria muito de assistir à partida? Quando alguém tem uma chance excepcional de trabalho ou férias, fico feliz e entusiasmado por essa pessoa, ou tenho inveja da sua boa sorte? Quando meus amigos escolhem ir a um restaurante ou fazer algo que não é o que eu gostaria, sempre espero que eles se acomodem aos meus desejos? Oportunidades de sacrifícios “desprovidos de nobreza” surgem no cotidiano e são testes mais válidos do meu caráter do que alguma situação hipotética de vida ou morte. Certamente não atingi o grau máximo de abnegação e trabalhar nesta edição da Contato me inspirou a tentar com mais afinco ser o amigo que, como diz a Bíblia, “ama em todos os momentos.”2

Contamos com uma grande variedade de livros, além de CDs, DVDs e outros recursos para alimentar sua alma, enlevar seu espírito, fortalecer seus laços familiares e proporcionar divertidos momentos de aprendizagem para os seus filhos. Para adquirir nossos produtos, obter mais informações, ou se tornar um assinante da Revista Contato, visite nossos sites, escreva-nos ou ligue gratuitamente para nossa central de atendimento. Assinaturas, informações e produtos: www.activated.org/br www.contato.org www.lojacontato.com.br E-mail: revista@contato.org Endereço postal: Contato Cristão Caixa Postal 66345 São Paulo — SP CEP 05311-970

Editor Mário Sant'Ana Design Gentian Suçi Diagramação Angela Hernandez Produção Samuel Keating

© 2013 Aurora Production AG. www.auroraproduction.com Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. Tradução: Mário Sant'Ana e Tiago Sant'Ana

Mário Sant’Ana Editor

A menos que esteja indicado o contrário, todas as referências às Escrituras na Contato foram extraídas da “Bíblia Sagrada” — Tradução de João Ferreira de Almeida — Edição Contemporânea, Copyright © 1990, por Editora Vida.

1. João 15:13 NVI 2. Provérbios 17:17 NVI 2


AMIGOS DE VERDADE Theresa Leclerc

Na adolescência, eu achava

que sabia tudo. Tinha muitas inseguranças, mas nem por isso me faltavam opiniões — e fortes! Hoje sinto pena de meus pais. Tenho certeza que não foi fácil me educar, especialmente naquela fase. Como fazem muitos jovens, afastei-me deles porque não gostava do fato de serem mais rígidos que os pais de alguns dos meus amigos. Estava convencida de que não me entendiam, e era verdade! Nenhum de meus irmãos mais velhos fora como eu. Questionava tudo e tinha grandes dificuldades para obedecer às regras. Aparentava ser uma pessoa dura, mas, no fundo, tudo que eu queria era encontrar alguém que de fato me entendesse. Um dia, participei de um evento no qual eu era a única jovem.

Enquanto os adultos conversavam em pequenos grupos, permaneci sentada em um canto, observando as pessoas, até que uma mulher que estava por ali, Joy, puxou conversa comigo. Por fim, abri-me com ela e lhe confidenciei todos os meus problemas. De certa forma, eu contava que ela me pregaria um sermão, mas não aconteceu. Limitou-se a escutar, importou-se comigo e pude sentir isso. Em nenhum momento, tentou me fazer “conhecer o meu lugar”, ou mudar minha opinião, apenas procurou me entender. Dessa conversa nasceu uma amizade que resistiu a grandes adversidades por sete anos, até que Joy faleceu. Costumávamos fazer longas caminhadas juntas e quando havia coisas difíceis de dizer face a face, trocávamos bilhetes. Mesmo depois

de ela se mudar para uma cidade distante, mantínhamos contato por telefone e pelo correio. Durante boa parte desses sete anos, sua vida esteve várias vezes ameaçada por graves problemas de saúde, mas jamais a ouvi se queixar. Estava sempre animada e tinha uma verdadeira paixão por gente. Joy me ensinou algo importante: ser eu mesma é bom. E no processo, também me ensinou a tentar entender as pessoas de forma mais profunda, a olhar além das aparências, escutar mais do que dizem e lhes mostrar amor incondicional. Quando alguém vê nossas necessidades e procura atendê-las, florescemos. Theresa Leclerc é membro da Família Internacional na África do Sul. ■ 3


Maria Fontaine, adaptação

AMOR além dos limites humanos É um desafio e tanto cultivar o hábito de pensar nos outros e tentar ajudá-los em suas

necessidades, especialmente quando isso envolve sacrifício pessoal! É bem mais fácil ser preguiçoso, egoísta e individualista. É nossa tendência natural. Nossas primeiras reações são, tipicamente, defender nossos próprios interesses: o que queremos fazer e o que nos fará feliz. Mas com a ajuda de Jesus podemos desenvolver hábitos e reações, os quais, com o tempo, nos ajudarão a ser mais amorosos, solidários e abnegados. É próprio da natureza humana buscar a autopreservação, os próprios interesses, a autossatisfação, atender primeiro às próprias necessidades e procurar a felicidade prioritariamente 1. 2 Coríntios 5:17 2. João 13:35 4

para si. Mas a Bíblia promete: “Se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram, tudo se fez novo”1. Jesus nos desafia a manifestar amor profundo, abnegado e imparcial pelos outros, apesar de saber que isso está além da capacidade humana. Contudo, pode nos ajudar a romper os limites naturais, mudar nossa maneira de pensar e sentir para que possamos atender a este chamado: amar os outros. Jesus disse aos Seus primeiros discípulos: “Se tiverem amor uns pelos outros, todos saberão que vocês são Meus discípulos”2. Naquela época, o amor que os discípulos de Jesus tinham entre si, pelos seus amigos e até pelos estranhos chamou muita atenção e foi um exemplo poderoso do amor de Deus. Para se tornar a nova criação na qual Ele quer transformar você, só é preciso boa vontade, fé, oração e muitos pequenos atos altruístas de amor. Logo

pensará mais nos outros, percebendo suas necessidades mais prontamente e tendo um interesse genuíno na felicidade e bem-estar dos demais. Doar-se, desdobrar-se para ser um amigo, parar para conversar com uma pessoa solitária, consolar alguém doente, ter empatia e ajudar um semelhante com problemas e fazer com que ele se sinta necessário são ações que lhe trarão tremenda satisfação e recompensa de espírito. Com esses pequenos atos de amor e altruísmo você será abençoado com uma felicidade que não pode ser obtida de nenhuma outra maneira, que nasce da certeza de que você foi uma bênção para alguém que precisava de apoio. Maria Fontaine e seu marido, Peter Amsterdam, são diretores da Família Internacional, uma comunidade cristã. ■


A POESIA DO AMOR Em todo o tempo ama o amigo; e na angústia nasce o irmão. —Provérbios 17:17 (NVI) O homem de muitos amigos deve mostrar-se amigável, mas há um amigo mais chegado do que um irmão. —Provérbios 18:24 (CRF) As muitas águas não poderiam apagar o amor nem os rios afogá-lo. —Cantares 8:7 Sobretudo, amem-se sinceramente uns aos outros, porque o amor perdoa muitíssimos pecados. —1 Pedro 4:8 NVI Não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade. —1 João 3:18 NVI O amor é uma paixão que nos impele a nos doarmos constantemente, não uma esperança mansa e persistente de receber. —Swami Chinmayananda (1916–1993)

Amar é ter um vislumbre do Céu. — Karen Sunde (nascida em 1942) O amor não passa de uma palavra até alguém lhe dar sentido. —Autor anônimo A virtude do amor é amar o desagradável, caso contrário não é uma virtude. —G. K. Chesterton (1874–1936) Amar pode ter um preço alto, mas não amar custa muito mais. Os que têm medo de amar muitas vezes descobrem que a falta de amor é um vazio que rouba a alegria de suas vidas. —Merle Shain (1935–1989) O verdadeiro amor enobrece e dignifica a luta material da vida; e serviços desagradáveis feitos por amor possuem uma poesia imortal. —Harriet Beecher Stowe (1811–1896) Dizemos que a graça divina é um “favor não merecido”. E somos instruídos a amar como Cristo nos

ama. Ele nos dispensa graça, então devemos agir da mesma forma. O que isso significa? Significa que devemos ser ainda mais gentis do que achamos que a pessoa merece. —Autor anônimo Concede-me, ó Deus, rogo, do Teu espírito de amor para que eu deseje muito mais dar do que receber, entender do que ser entendido, pensar mais nos outros e esquecer de mim mesmo. —Frederick B. Meyer (1847–1929) Não existe surpresa mais mágica do que a de sentir-se amado. É como se Deus tocasse com o dedo o ombro da pessoa. —Charles Langbridge Morgan (1864–1958) Amar para ser amado é humano, mas amar por amor é angelical. —Alphonse de Lamartine (1790–1869) Se fizer uma retrospectiva da sua vida, perceberá que os momentos em que verdadeiramente viveu foi quando fez as coisas no espírito do amor.—Henry Drummond (1851–1897) ■ 5


CONHECIDA POR ELE Chalsey Dooley

Acho que tenho andado ocupada demais, tentando dar

conta de tudo que tenho de fazer como mãe, professora, esposa e tudo que isso implica. Não tenho tempo de postar coisas em blogs ou de escrever para meus amigos para falar de mim mesma. Não que não sinta falta disso. Há momentos em que simplesmente tenho vontade de estar com alguém que entenda o que estou passando, que possa rir comigo das coisas engraçadas, sorrir com as novas realizações das crianças, me dar um e-abraço e me motivar nos novos desafios com que me deparo, alguém para contar minhas dificuldades e acontecimentos do dia, e que esteja passando pelo mesmo que eu. Uma coisa é falar com alguém que tenta escutar —sem entender muito 6

bem—, mas é totalmente diferente conversar com quem sabe exatamente o que você está sentindo, tentando explicar e a importância que algo tem em seu coração. Nunca fui de ter muitos amigos. Minha maior angústia na adolescência era não saber fazer amizades. Acho que sou feliz e me acostumei a estar sozinha, a ponto de agora desfrutar disso. Não procuro nem tenho vontade de ir a grandes eventos sociais e festas. Desfruto da vida rica e plena com a qual fui abençoada, a meu modo. Tenho o melhor marido do mundo e adoro ficar com meus filhos. Posso contar muitas coisas ao meu marido e tento fazer isso em meio à nossa vida corrida. Mas nossas áreas de conhecimento, foco, modo de pensar, visões,

sonhos são todos bem diferentes. E isso é bom e necessário, para darmos conta de tudo que precisamos fazer em nosso lar, para criar um ambiente bem equilibrado para o cuidado e desenvolvimento dos nossos filhos. Certa vez, abri uma conta no Facebook … mas não tente procurar minha página! Se me achar, ficará desapontado ao se deparar com uma página em branco, vazia! Foi uma tentativa de reencontrar velhos amigos com os quais perdi contato ao longo dos anos, entre viagens, casamento, começar uma família e mudança de país. Mas em vez de me “sentir em casa”, me divertir e resgatar ternas amizades, tive a inesperada reação de depressão. Quando via flashes da vida de meus amigos, era como se um balde de água fria caísse


sobre mim. Eles continuaram suas vidas e pareciam estar bem sem mim. Realidade: a vida não parou porque me afastei. Independentemente de quão próximos éramos, de todos os segredos e sonhos, momentos de diversão, risadas e lágrimas que havíamos compartilhado, tudo ficara no passado e a vida seguira seu curso. Felizmente, um ou dois dias depois, apareceram inesperadamente alguns deles, no momento certo para me animar. Foi um e-mail aqui, um raro telefonema ali, uma notinha, uma visita, etc. Alguém “lá em cima” sabia e planejou tudo direitinho. Superei e voltei a ser feliz. E quase nunca visito o Facebook. Aprendi que não ter muito contato não implica no fim da nossa amizade. Se qualquer um desses

amigos das antigas pedisse minha ajuda, certamente os ajudaria. Não há dúvida disso. E estou certa de que fariam o mesmo por mim. Vi que precisava ajustar minha maneira de pensar e não me limitar à ideia de que um amigo se resume a alguém que está pronto para me escutar e me fazer sentir que sou importante para a felicidade dele. Nossa amizade está em outra fase e não há nada de errado com isso. Esta manhã ocorreu-me um pensamento muito animador: Deus mantém um blog de minha vida! Mesmo que eu não tenha tempo de manter um diário, blog, escrever cartas pessoais ou contar os últimos acontecimentos da minha vida, Ele sabe e está registrando tudo que acontece comigo. Cada movimento,

pensamento, ação, palavra, decisão, lágrima, sorriso, emoção, doença, aventura, arranhão, arrepio, ideia e sonho foi e está sendo gravado. Acho que pensar assim pode causar desconforto em alguns casos. Mas hoje, me fez bem e estou grata por isso. Mesmo que eu nunca tenha tempo de escrever sobre minha vida, isso está sendo cuidado. Tenho um amigo que se dedica 24x7 a me ouvir, que sabe como meu coração se sente a cada momento do dia. Jesus é o melhor! Chalsey Dooley é escritora de literatura inspiracional para crianças e educadores. Mora na Austrália. Confira seu site em www.nurture-inspire-teach.com para descobrir mais sobre seus livros. ■ 7


1900

1920

1959

1970

Scott McGregor

Cantando no trem Sentado no vagão gelado do trem, Jack puxava o chapéu

para cobrir bem as orelhas. Ele e os outros passageiros já estavam ali parados havia várias horas. A locomotiva a vapor e o primeiro carro do expresso noturno tinham descarrilado no meio do nada. Agora só lhes restava esperar pelo socorro. Era madrugada, em pleno inverno de 1959. Não havia energia, aquecimento nem luz, exceto a de algumas lanternas que o maquinista e alguns passageiros tinham. Jack sabia que ia demorar até notarem o atraso do trem expresso. Mobilizariam equipes de busca e as avisariam que procedessem com cautela. Poderiam mandar um trem vindo da direção oposta, mas com muito cuidado, para não 8

colidir contra o acidentado. Muito interessado em assuntos ferroviários, Jack bem sabia que o sistema de alarme naquela parte da ferrovia era ultrapassado e imaginou que a busca “para valer” só começaria na manhã seguinte. O trem parara aos solavancos. A locomotiva e o primeiro vagão saíram do trilho, capotaram e tinham despencado por um barranco de pedras, parando na vertical. Mesmo assim, ninguém havia morrido, apesar de o maquinista e o bombeiro terem se ferido gravemente na cabeça. Foram trazidos até um dos outros vagões onde passariam a noite enregelados junto aos passageiros, muitos dos quais também estavam feridos. Era angustiante e amedrontador saber que havia

pouquíssimas chances de serem resgatados antes do amanhecer. De repente, alguém no vagão de Jack começou a cantar. Era uma música de Vera Lynn, da época da Segunda Guerra Mundial, The White Cliffs of Dover (Os brancos penhascos de Dover). Não demorou, todos estavam cantando. Depois que terminaram, alguém puxou outra canção. “Passamos a noite cantando” —lembra Jack. “Não importava a música. Cantamos músicas conhecidas, as antigas, hinos religiosos e até cânticos de Natal. Cantar foi animador. Os passageiros de outros vagões foram para lá e nos amontoamos, tanto quanto possível, para nos mantermos aquecidos. A maioria não se conhecia, mas naquele


1980

1985

2000

2005

2014

Amigo fi el é prote ção pode quem o e rosa, e ncontrar, terá enco um tesou ntrado ro. — Ecle siástico 6 :14 Para o m undo, vo cê é apen pessoa, m as uma as pode significa para um r o mundo a pessoa . —Anôn imo

momento de adversidade, tornamo-nos camaradas, um tentando animar o outro. “Era um grupo bem variado: soldados voltando para casa, jovens famílias e pessoas de mais idade, até uns caras que eu normalmente não gostaria de encontrar à noite. De alguma forma, as barreiras sociais sumiram. Havia um sujeito enorme —o qual depois descobri se chamar Clifford— que logo após o acidente não parava de xingar. Eu nunca tinha ouvido tantas obscenidades e blasfêmias. Mas foi ele quem carregou o maquinista até o vagão e cuidou dele, como se fosse uma mistura de anjo e enfermeiro, pelo resto da noite. Acho que ele foi o exemplo mais típico de “diamante bruto” que já vi na minha vida.

“Sempre tive a mania de julgar pela aparência, mas devo admitir que no caso desse cara eu estava errado, como provavelmente estivera tantas outras vezes. Em muitos sentidos foi a noite mais incrível da minha vida, e fiz amizade bem rápido com um monte de gente. Quase fiquei chateado quando a equipe de resgate nos localizou na manhã seguinte.” Naquela noite terrível, longe de tudo, Jack e os outros passageiros fizeram amizades que perduraram pelo resto da vida. Decidiram se reunir todos os anos no dia do acidente. Jack foi ao casamento de alguns e ao enterro de outros. Clifford se tornou enfermeiro, foi trabalhar em um hospital e passou a fazer parte do Corpo de Ambulâncias de Saint John. Pelo que fiquei sabendo, ele tinha saído

da cadeia algumas semanas antes do descarrilamento e viajava aquela noite para acertar contas com alguns velhos “amigos”. “Aquele acidente me impediu de destruir minha vida” —confidenciou a Jack tempos depois em um de seus encontros anuais. Jack prosseguiu com sua vida, fazendo muitas coisas. Ser meu pai foi uma delas. Algumas pessoas diriam que a vida dele não foi nada excepcional, mas naquela noite aprendeu uma lição que o acompanhou por toda a vida e que fez questão de me transmitir. Às vezes, nossas experiências mais difíceis se tornam as melhores e por elas fazemos nossos melhores amigos. Scott McGregor é escritor e comentarista. Mora no Canadá. ■ 9


As luzes baixas   Virginia Brandt Berg, adaptação 

Quando meu marido estava mal de saúde e eu o visitava no hospital onde ficou internado,

via os outros pacientes em salas de espera ou em seus leitos e pensava no sofrimento que estavam passando. Alguns, principalmente os mais idosos, ficavam ali deitados sozinhos, dia após dia. Por um mês, todos os dias, fui àquele hospital e nunca os vi recebendo uma visita sequer. Ninguém se importou o suficiente para ir até eles. Da janela do quarto de meu marido, eu olhava a estrada movimentada com carros em disparada de um lado para o outro e pensava na pobre humanidade perdida! Tanta gente solitária e sofrida; tantos corações partidos. Percebi então quanto todos —à morte ou correndo pelas estradas da vida— precisam do amor e da misericórdia de Deus. Vi também quanto o Senhor precisa que nós mostremos 1. “As Luzes Baixas”, “The Lower Lights” letra e música de Philip P. Bliss, 1838–1876 10

o caminho para Seu coração de amor. Fez-me pensar em um hino, o qual, às vezes, cantava para meu marido, ao lado de sua cama: Como facho de luz vem a misericórdia do Pai De Seu farol, eterna candeia Mas a nós confia a guarda Da luz que da praia clareia. Ó, faróis que aqui em baixo brilham, Enviem sua luz onde são fortes as vagas. Para que o marujo e o pescador em sua lida, Possam voltar à terra com suas vidas salvas. A noite escura do pecado já caiu, As ondas bravias o mar espraia; Enquanto olhos ansiosos observam, Em busca das luzes baixas na praia. Irmão, ajuste sua fraca luz, Pois em meio a uma tempestade Algum marinheiro procura o caminho, E só, nas trevas, de certo perder-se-á. 1

Deus, Seu Filho Jesus e o Espírito Santo são os faróis elevados e nós somos as luzes baixas, brilhando nas praias. Deus nos confiou certas responsabilidades sagradas, às quais devemos dar prioridade em nossas vidas. Muitas coisas competem pela nossa atenção e o tempo para todas é cada vez menor. Se não formos cuidadosos, protelaremos ou negligenciaremos o que de fato é importante. Que bênção você poderia ser para sua família e para seu próximo, ou seja, qualquer pessoa que Deus coloca em seu caminho que precise do amor dEle e do seu, qualquer pessoa a quem Ele queira ajudar e a quem deseje demonstrar o Seu amor. Virginia Brandt Berg (1886– 1968) foi uma evangelista e pastora americana. ■

O que mais nos ajuda não é o auxílio que nossos amigos nos dão, mas a confiança de que com eles podemos contar. —Epicurus (341–269 a.C.)


amor sem limite

Querido Jesus, obrigado por morrer por mim para que eu possa ter vida eterna. Por favor, entre em meu coração, ajudeme a aprender mais sobre Você e sobre o amor de Seu Pai. Amém.

Peter Amsterdam, adaptação

O Senhor é bom para todos; tem compaixão de todas

as Suas obras. Os olhos de todos esperam em Ti, e Tu lhes dás o seu mantimento a seu tempo. Abres a Tua mão, e satisfazes aos desejos de todos os viventes. —Salmo 145:9,15–16 O amor de Deus se estende a todos. Desde que criou os seres humanos, os amou. E os ama indiferentemente da relação que tenham com Ele. Ele os ama, mesmo que não acreditem na Sua existência, ou creiam que Ele exista, mas O odeiem e não queiram ter nada a ver com Ele. Seu amor, bondade e desvelo lhes são ofertados simplesmente por serem parte da humanidade. 1. Ver Romanos 3:23.

Seres humanos são criados à imagem de Deus. Ele ama cada um de nós e Seu amor por nós se manifesta em ações amorosas de Sua parte — Seu cuidado e bênçãos para todos. O amor de Deus pela humanidade é mais claramente visto na maneira como atende à necessidade que todos têm de salvação. Todos falhamos1 e precisamos de ajuda para nos reconciliarmos com Deus. Este, de tal forma ama cada ser humano que engendrou um plano de salvação, em que Deus Filho veio à Terra, viveu sem pecar e morreu, levando sobre Ele nossos pecados e recebendo o castigo em nosso lugar. Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça,

mas tenha a vida eterna. Deus prova o Seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. —João 3:16; Romanos 5:8 Em Seu amor, Deus criou uma forma para as pessoas evitarem a justa punição pelo pecado e se reconciliarem com Ele em um relacionamento amoroso. Enviou um substituto, Seu Filho, para receber o castigo pela humanidade. Não despeja Seus julgamentos e Sua ira sobre o pecador porque Jesus já os recebeu. Agora basta cada um acreditar para seus pecados serem perdoados, expiados. Esse é o amor de Deus, Sua dádiva para você e para mim. Peter Amsterdam e sua esposa, Maria Fontaine, são diretores da Família Internacional, uma comunidade cristã. ■ 11


Baldes de rosas Paloma Sridhar

As coisas vão de mal a pior,

Senhor, e acho que sei por quê — pensei enquanto cobria os olhos com meus óculos de sol e enfiava as mãos nos bolsos. Devo ter feito algo muito errado, porque não acredito que Você ainda me ame! Claro que amo— soou uma voz em meu coração. Não… Acho que não. Mas Eu amo, Prove, então! Muito bem. O que quer que Eu faça? O que seria difícil de encontrar naquela estrada desértica, barulhenta e poeirenta? Se Você me mostrar uma rosa vermelha, saberei que Você ainda me ama. Só uma? Pensei ouvi-lO rir. Para você, eu daria um balde cheio de rosas! Pensando melhor depois, percebi a 12

tolice do meu pedido. Deus não tem de provar Seu amor. Ele existe, quer o reconheçamos, quer não. Naquela tarde, encontrei uma amiga em seu escritório. Enquanto tomávamos café e conversávamos, meu pensamento estava longe. Eu dissera para Deus que Ele não precisava me provar coisa alguma porque eu sabia que Ele me ama e que sempre cuida de mim. Contudo, ainda queria ver aquela “prova”. Ao fim da conversa, quando me levantei para sair, vi um pequeno vaso de cerâmica na escrivaninha, com um pequeno arranjo feito com samambaias e… uma rosa vermelha! Meu coração se alegrou. Obrigado, Jesus! Não Me agradeça ainda! —pareci ouvi-lO dizer. Eu tinha algo para lhe mostrar na curva da estrada quando você entrou no escritório de sua amiga,

mas você estava tão ocupada que não notou. Olhe com atenção. Quando saí do prédio, a primeira coisa que vi não foi um, mas quatro baldes cheios de rosas “sorrindo” para mim! Não parou aí: atrás deles havia prateleiras tomadas por rosas vermelhas. Era uma loja de flores. Em qualquer outro dia, a mesma sequência de acontecimentos poderia ter sido uma coincidência, mas naquela ocasião, aquilo foi totalmente inesperado e aconteceu logo após a conversa que tivera com Deus. Isso me deixou mais segura de que Ele Se importa comigo de uma forma muito pessoal e que Seu amor jamais falhará. Ele nos criou e fará maravilhas em nossas vidas. Paloma Sridhar é geradora de conteúdo e editora para uma empresa de web design em Mumbai, Índia. ■


CASADA COM UM ASTRO Victoria Olivetta

Nos filmes românticos que assisti na minha infância e adolescência, todo o universo

parecia parar quando o mocinho encontrava a mocinha. A partir daí, aparentemente a única coisa necessária para viver eram aqueles momentos em que ficavam se olhando e se abraçando, de preferência em algum lugar exótico e paradisíaco. Como muitas garotas, imaginava que isso era a verdadeira representação de apaixonar-se. Mas a vida real não é bem assim. Nunca encontrei o “mocinho perfeito” —pelo menos não da espécie que parece habitar Hollywood—, mas tenho meu próprio astro de cinema. Meu marido não é necessariamente uma pessoa romântica. Nunca apareceu sobre um cavalo branco, trazendo na mão uma rosa vermelha, jurando 1. Ver Eclesiastes 4:9–10.

que eu seria para sempre sua princesa. Ele não me leva para fora para olhar a lua cheia e jamais escreveu um rosário de versos. Mas sempre esteve comigo nas dificuldades, quando fiquei doente e sobreviveu às minhas mudanças de humor, sem se queixar. Somos diferentes e sabemos que precisamos um do outro. Quando desanimo, ele ora por mim.1 Quando durmo no sofá enquanto assisto à televisão, baixa o volume até eu acordar e ir para cama. Se as coisas ficam difíceis, pedimos juntos a orientação divina. Quando encontramos uma solução, agradecemos a Deus. Enquanto escrevo isso, ele saiu na chuva para comprar o que precisamos para fazer o almoço. Não, ele não é um astro do cinema, mas acho que merece um prêmio! É um cara genuíno que provou que ficará comigo nos tempos bons e ruins,

aconteça o que acontecer. Ama Deus e nossos filhos. Para mim, esta é a melhor história de amor já contada. Dou graças a Deus que Ele me permitiu encontrar o meu “mocinho”. Ele é o astro do filme da minha vida. Victoria Olivetta é administradora, escritora e conselheira familiar na Argentina. ■

Não existe relacionamento, comunhão ou amizade mais bela, amiga ou encantada que um bom casamento. —Martinho Lutero (1483–1546) Um bom casamento é aquele que dá espaço para a mudança e crescimento dos indivíduos e na maneira como cada um expressa seu amor.—Pearl Buck (1892–1973) 13


O único “você” que existe QUATRO DICAS PARA MELHORAR A AUTOESTIMA Gloria Cruz

É difícil “amar o próximo como a si mesmo”1, se sua

autoestima está baixa. Deus fez cada um de nós como criações únicas e nos dotou de uma combinação exclusiva de pontos fortes e fracos. O problema começa quando nos comparamos com os outros e suas situações, ou nos medimos pelos padrões de sucesso da sociedade, pois isso costuma gerar um estado de infelicidade constante. Se você se sente assim às vezes, considere as seguintes sugestões que, para mim, são excelentes para aumentar a autoestima: 1 Analise seus principais valores pessoais e, se necessário, faça mudanças. Pergunte-se o que é mais importante: sua saúde ou sua imagem? 1. Mateus 22:39 2. Salmo 139:14–16 NTLH 3. Romanos 12:6 NVI 4. Douglas Meador 14

Ganhar dinheiro ou ter paz de espírito? Seu trabalho, ou o tempo com sua família? E assim por diante. Reconhecer o que é mais importante para você lhe dará metas claras para atingir. 2 Acredite que você é muito especial para Deus. O Senhor conhecia você mesmo antes de você nascer. “Tu viste quando os meus ossos estavam sendo feitos, quando eu estava sendo formado na barriga da minha mãe, crescendo ali em segredo. Tu me viste antes de eu ter nascido. Os dias que me deste para viver foram todos escritos no teu livro quando ainda nenhum deles existia.”2 3 Relacione seus pontos fortes. O que você gosta com relação a si próprio? Não se concentre nas suas deficiências ou fraquezas, mas nas suas virtudes, talentos e traços positivos. Talvez você seja criativo, gentil, alegre, inteligente, fácil de conviver,

generoso… Devemos admitir nossas fraquezas para mantê-las sob controle, mas é também importante reconhecer nosso potencial. “Temos diferentes dons, de acordo com a graça que nos foi dada.”3 4 Esteja agradecido pelas coisas boas que tem. Em qualquer situação em que se encontrar, tente identificar algo positivo pelo que estar grato, lembrando que os “problemas são o aço estrutural da formação do caráter.”4 Quando aprender a entender e cuidar das suas necessidades emocionais, poderá alcançar os outros e ser uma influência positiva ainda maior para aqueles ao seu redor. A mudança começa com você. Deixe a luz e o amor de Deus entrar no seu ser e na sua vida. Gloria Cruz é coach cristã para mulheres, na Espanha. ■


OIA

N

AP

DO-SE

Momentos de quietude Abi May

É hora do jantar. Não é exa-

tamente uma festa, mas é um evento especial. Eles reservaram um salão, pediram a comida e estão sentados conversando, comendo e bebendo. O líder desse grupo heterogêneo se mostrava desejoso por aquele momento. Até ajudou a começar os preparativos. Mas agora parece muito sério. Em meio ao barulho de pratos e copos, diz algo surpreendente: anuncia que alguém o decepcionará, que um deles o trairá. Naquele grupo, um homem parece gostar de falar alto e dizer o que pensa. Parece ser um líder ali. Como os demais, fica surpreso com o que ouve e quer muito saber quem 1. Tiago 4:8 2. Ver João 13:21–29. 3. João 13:23 NVI 4. Ver João 19:25–27. 5. João 21:7

nEle será o traidor, mas entende que não seria muito sensato perguntar aos gritos desde o outro lado da mesa. Por ali havia também um sujeito mais quieto e mais próximo do líder. Há quem se pergunte por que, pois não fez nada de extraordinário. Contudo, sempre que o líder fazia algo importante, lá estava o rapaz ao seu lado. Não foi diferente naquele jantar importante. Estava tão próximo do líder que sua cabeça quase se apoiava no ombro daquele homem ilustre. O colega mais barulhento faz sinal para ele dando uma mensagem clara: “Descubra quem é o traidor.” Pergunta baixinho para o líder. Ninguém no salão consegue entender a resposta. Ninguém está próximo o bastante para ouvir o que ele diz. Somente quando nos sentamos quietos ao lado do Salvador ouvimos Sua voz. Somente quando ficamos quietos e nos aproximamos dEle

é que recebemos as respostas que buscamos. Ele promete “Chegai-vos a Deus, e Ele se chegará a vós.”1 No relato da Última Ceia,2 lemos que João “a quem Jesus amava, estava reclinado próximo a Ele."3 A proximidade que o discípulo tinha de Jesus também se revela em outras passagens. Ele estava entre os leais que permaneceram com Jesus quando foi crucificado.4 Posteriormente, quando alguém apareceu na praia, convidando os discípulos a sair de seus barcos e se juntarem a ele, João foi o primeiro que reconheceu o Salvador que havia ressuscitado e exclamou, "É o Senhor!"5 Abi May é escritora freelance e educadora na Grã-Bretanha. Também é ativa como voluntária na defesa da saúde das crianças. ■ 15


Com amor, Jesus

A DÁDIVA DE UM AMOR MAIOR O amor pelos outros é parte da minha natureza divina. Ao Me receber, passou a fazer parte de você também. Mesmo sendo concedida gratuitamente, você tem a responsabilidade de exercitá-la. Como? Um passo de cada vez, um ato de amor de cada vez. Você pode manifestar Meu amor aos demais de muitas maneiras: pelo perdão, misericórdia, bondade, consideração, compreensão, encorajamento, louvor e dizendo palavras de amor; parando para conversar, para ouvir, tendo empatia, ajudando alguém em suas 1. Lucas 6:38

dificuldades, dando de si mesmo quando menos se espera ou menos for merecido. Sempre que demonstra interesse pelos outros e traduz isso em atos de amor, torna-se um pouco mais como sou. Toda vez que compartilhar o Meu amor, receberá amor. Conforme der mais amor, Eu mais que retribuirei. Derramarei o Meu amor sobre você em uma medida maior, para que você tenha ainda mais para desfrutar e mais para compartilhar. “Dê e lhe será dado”1. Esse é o Meu plano para conceder bênçãos. Quanto mais você der, mais receberá.


Contato, edição de fevereiro de 2014: Amor e amizade