__MAIN_TEXT__

Page 1

Maio - Junho - Julho 2013 | Nº 4

Publicação Trimestral da Academia Brasileira de Ciências Contábeis.

2013: Ano da Contabilidade no Brasil. O Futuro chegou trazendo novos desafios. Palavra do Mestre Reflexões sobre o perfil da pesquisa em Ciências Contábeis no Brasil.

Conversa Afinada Entrevista com o presidente da Federação Internacional de Contadores (Ifac).

Perfil Personalidades em destaque na Contabilidade: Sérgio Approbato Machado Júnior.

SABER


Salve 2013! O ano temático, dedicado à Contabilidade no Brasil Analisada sob os três focos: Ciência,

tos, parte dos nossos contabilistas não

Classe e Profissão, pode-se afirmar com

tem sabido colher os resultados dos seus

segurança que a Contabilidade Brasilei-

trabalhos, na proporção dos relevantes

ra, como um todo, tem muitos motivos

resultados que geram.

a comemorar. O vetor Científico dá inequívocas provas de vitalidade, de pensa-

Caberia a cada profissional contábil,

mento inovador, de incentivo e apoio ao

apoderar-se, com mais intensidade, do

desenvolvimento das Ciências Contábeis,

riquíssimo cabedal de conhecimentos

a partir das ações da ABRACICON e da

científicos e tecnológicos ora disponíveis.

ampla movimentação das academias re-

Fazer mais uso do potencial de mobiliza-

gionais, que estão sendo revitalizadas,

ção e realização da Classe Contábil na-

no território nacional. Já o vetor Classis-

cional, participando ativamente das opor-

ta, através de suas múltiplas e legítimas

tunidades de capacitação, com Educação

entidades, com o decidido apoio do Sis-

Continuada. Agregar sempre mais valor

da Mulher Contabilista, tendo como lema:

tema CFC/CRCs, ganha força represen-

ao ‘fazer contábil’. Promover sua própria

“Mulher Contabilista: Bem-vinda ao futuro”.

tativa perante a economia globalizada e

visibilidade, focado na credibilidade para

O evento será a bordo do luxuoso transa-

demais setores da sociedade brasileira.

obter a consequente valorização como

tlântico MSC Preziosa, partindo de Santos-

Igualmente, dá transparência à Classe

profissional. Valorização tanto junto à

-SP, navegando por ‘mares de Almirante’

junto ao Setor Governamental, via mo-

clientela e demais profissões, quanto

até as praias do Rio de Janeiro e Búzios.

vimentos e eventos convergentes para a

à Sociedade. Felizmente, durante todo

Aceite o nosso convite. Venha participar

modernização da Contabilidade Pública.

este ‘Ano da Contabilidade’, estaremos

conosco de uma programação tão intensa

refletindo sobre esses relevantes temas;

e profícua quanto agradável; que cuida,

Entretanto, no vetor Profissional – a par

objetivando aumentar a autoestima e

igualmente, de autoestima e futuro.

das recentes conquistas regulatórias e da

construir um futuro compatível com a

crescente importância atribuída aos Con-

imprescindibilidade dos serviços contá-

Enquanto isso, o caro leitor pode obter

tabilistas brasileiros nos âmbitos nacional

beis e digno da competência dos seus

conhecimentos e informações altamente

e internacional –, ainda temos muitos

profissionais.

abalizadas e atualizadas, pertinentes ao

créditos a serem resgatados. Talvez por

Maria Clara Cavalcante Bugarim Presidente da ABRACICON

sucesso da profissão Contábil, contidas

cultivarem uma tradicional modéstia ou

A propósito, em novembro próximo tere-

nas matérias expostas neste quarto nú-

pouca disposição para divulgar seus fei-

mos a nona edição do Encontro Nacional

mero da nossa Revista ABRACICON Saber.

EXPEDIENTE Academia Brasileira de Ciências Contábeis (ABRACICON) Endereço:

Colaboração:

www.abracicon.org.br

SAS - Quadra 05 - Bloco J

Paulo Fernando Torres Veras Adriana Guimarães

Tiragem: 6 mil exemplares

4º andar, CEP: 70.070-920 – Brasília (DF)

Silvia Neves Presidente:

Periodicidade: Trimestral Projeto Gráfico, Redação e

Maria Clara Cavalcante Bugarim

Contato:

Diagramação: CQueiroz

Gestão 2009 a 2013

(61) 3314-9453 | abracicon@cfc.org.br

Comunicação – (81) 3429.5846

abraciconsaber@abracicon.org.br

Gráfica: Qualytá Gráfica e Editora

ABRACICON SABER

Editorial


SUMÁRIO | ABRACICON SABER

Matéria de Capa

14 2013: Ano da Contabilidade no Brasil. O Futuro chegou trazendo novos desafios. Jovem Contabilidade

Regionais

Academia

05 | Notícias relacionadas às Academias Regionais

11 | Solenidades

Palavra do Mestre

10 | Os desafios das Instituições de Ensino Superior (IES) para formar profissionais contábeis de excelência Perfil

Jovem Profissional 18 | Reflexões sobre o perfil da pesquisa em Ciências Contábeis no Brasil

24 | Formei-me...e agora?

Indicações

Conversa Afinada

22

25 | Sérgio Approbato Machado Júnior

Entrevista com o presidente da Federação Internacional de Contadores (Ifac) 26 | Livros


No mês de agosto, a APECICON estará

SÃO PAULO

Falece José Rojo Alonso, Detentor da cadeira de número 36, da Academia Paulista de Contabilidade

A

Academia Paulista de Conta-

Conselheiro efetivo do CRC-SP de 1961

bilidade perdeu no dia 15 de

a 1962, assumindo em 1972, a presi-

abril, o contador e administra-

dência do Conselho. De 1982 a 1984,

dor de empresas, José Rojo Alonso.

presidiu o IBRACON. Foi também pre-

Aos 81 anos, ele era detentor da ca-

sidente da Associação dos Peritos Judi-

deira de nº 36. José Rojo concluiu o

ciais do Estado de São Paulo (Apejesp),

curso de Ciências Contábeis em 1965,

nos períodos 1967-1968 e 1969-1970.

na Universidade de Taubaté e se es-

Exerceu ainda os cargos de diretor ti-

pecializou em Perícia Judicial. Foi

tular, pelo Brasil, da Associação Intera-

autor do livro Normas e Procedimen-

mericana de Contabilidade, de 1981 a

tos de Perícia Judicial, publicado em

1986, e foi membro do Comitê Execu-

1975, pela Editora Atlas.

tivo dessa Associação, de 1982 a 1985.

realizando assembleia para eleger um novo membro. A solenidade, ainda com data a ser definida, terá a finalidade de preencher a cadeira 22 da academia, que pertenceu ao contador, Miguel Borges, falecido em junho deste ano. O evento acontece no mês de aniversário da APECICON e de acordo com o presidente da Academia Pernambucana, Geraldo Queirós, assim como no ano passado, terá uma programação com diversas atividades. “É muito gratificante para nós da APECICON, poder realizar esse evento pelo segundo ano consecutivo. Ele mostra que o contabilista pernambucano está sempre buscando acompanhar a evolução constante da contabilidade”, comentou Queirós.

PERNAMBUCO

8ª Edição de certificação do PQEC – Programa de Qualidade de Empresas Contábeis

A

Academia Paulista de Conta-

Em 2013, 432 empresas conquista-

bilidade foi representada pelo

ram a certificação PQEC, sendo que

seu presidente, contador Irineu

53 receberam a certificação PQEC

De Mula, na oitava edição de certifica-

+ ISO 9001:2008, viabilizada gra-

ção do PQEC – Programa de Qualida-

ças a uma parceria firmada entre o

de de Empresas Contábeis, realizada

SESCON-SP e a ABNT - Associação

pelo SESCON SP e a AESCON SP, no

Brasileira de Normas Técnicas.

Credicard Hall, em São Paulo, no dia 02.05.2013.

5 | ABRACICON SABER

APECICON terá novo membro em agosto


6 | REGIONAIS

Academia paulista participa de solenidade comemorativa ao dia do Profissional da Contabilidade no CRCSP

A

Academia Paulista de Contabi-

o presidente da 5ª Seção Regional do

lidade esteve representada por

IBRACON Adelino Dias Pinho, o presiden-

intermédio do seu diretor, José

te do Sindicato dos Contabilistas de San-

Joaquim Boarin, na Solenidade Comemo-

tos e da Associação dos Contabilistas de

rativa ao dia do Profissional da Contabi-

Santos nas gestões 1993-2001, Fábio Oli-

lidade, realizada no dia 13 de maio de

veira Filho e o presidente do SINDCONT-

2013, no Teatro Hilário Franco, na sede

-SP, na gestão 2005-2007 e conselheiro

do CRCSP. Na ocasião, foram entregues

do CRCSP, Sebastião Luiz Gonçalves dos

as medalhas da Ordem do Mérito Con-

Santos.

SÃO PAULO José Maria Chapina Alcazar. Já a meda-

tábil, que são destinadas àqueles, cuja atuação foi de grande relevância para a

A medalha Pedro Pedreschi, conferida

lha Ernani Calbucci, destinada à perso-

profissão e a Ciência Contábil.

aos profissionais da contabilidade que te-

nalidade que tenha prestado relevantes

nham se destacado no exercício da pro-

serviços à classe contábil, foi recebida

Os agraciados com a medalha Joaquim

fissão, foi designada para o contador e

pelo vice-governador do Estado de São

Monteiro de Carvalho, destinada aos pro-

perito judicial Antônio Carlos Bordin e ao

Paulo e ministro da Secretaria da Micro

fissionais da contabilidade com relevante

presidente do SESCON-SP e AESCON-SP

e Pequena Empresa, Guilherme Afif Do-

atuação em entidades contábeis, foram

nas gestões, 2007-2009 e 2010-2012,

mingos.

3 Encontro de Profissionais e Acadêmicos de Contabilidade (EPAC) No dia 20 de maio de 2013, Irineu De Mula, presidente da Academia Paulista

ERRATA – Na página sete,

de Contabilidade esteve presente no 3º

da edição de fevereiro, mar-

Encontro de Profissionais e Acadêmicos

ço e abril de 2013, a revista

de Contabilidade (EPAC), evento reali-

Abracicon Saber publicou as

zado pelo Sindicato dos Contabilistas de

participações da APC-SP em

São Paulo (SINDCONT-SP), em parceria com a Universidade Cidade de São Paulo (UNICID). O evento, que teve o objetivo de estimular a educação profissional continuada, reuniu mais de mil participantes, entre profissionais, estudantes e lideranças da área contábil.

alguns eventos, cujo tema

SÃO PAULO

se referia a agenda movimentada da Academia. A revista retifica, que a entrega dos Diplomas de Mérito do CRCSP, aconteceu na sede do próprio Conselho, e não no 23º EESCON, como havia sido informado anteriormente.


7 | ABRACICON SABER

ACRE CRCAC traz o Museu Itinerante da Contabilidade para Rio Branco

O

Conselho Regional de Contabilidade

itinerante esteve disponível durante um

(ABRACICON), teve o apoio do Conselho

do Estado do Acre (CRCAC) levou

mês, de 8 de maio há 9 de junho, no

Federal de Contabilidade (CFC), da Fun-

para Rio Branco o Museu Brasileiro

nível IV da Faculdade da Amazônia Oci-

dação Brasileira de Contabilidade (FBC) e

da Contabilidade que possui como tema

dental (FAAO). A iniciativa, realizada pela

da FAAO.

“Um Balanço da História”. A exposição

Academia Brasileira de Ciências Contábeis

ACADERNCIC promove Fórum Internacional da História Contabilística: Portugal – Brasil

A

ACADERNCIC, presidida pela con-

bilidade Aplicada ao Setor Público, com

tadora Jucileide Ferreira Leitão,

o palestrante Inaldo da Paixão Santos

realizará o Fórum Internacional da

Araújo, conselheiro do Tribunal de Contas

História Contabilística: Portugal – Brasil. O

do Estado da Bahia. Já o tema Contabi-

evento, que acontece no dia 12 de julho,

lidade: Os Tax Alerts Preventivos, Corre-

no auditório da Academia Norte-Rio-Gran-

tivos e Repressivos a Serem Observados

dense de Letras, em Natal - RN, terá como

nas Operações e Negócios das Empresas

tema: Gestão e Cidadania. Palestras sobre

para Evitar Autuações, será ministrado

diversos assuntos serão apresentadas ao

pela pernambucana Mary Elbe Queiroz.

longo do dia, entre elas, IFRS e a Excelên-

Apresentação de painéis, Assembleia Ge-

cia Corporativa, ministrada pela contadora

ral Extraordinária – AGE – 02/2013 alusiva

e vice-prefeita da cidade de Salvador - BA,

aos 36 anos da ACADERNCIC, homena-

contadora Célia Oliveira de Jesus Sacramento. Ainda no programa, uma palestra sobre Os Tribunais de Contas e a Conta-

RN

gens, entre outras atividades farão parte da programação.


8 | ACADEMIA 8 | ACADEMIA

Solenidade de Outorga de Título de Cidadãos Paraenses No dia 18 de março de 2013 foi realizada, no auditório do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), uma Solenidade de Outorga do Título de Cidadão do Pará, concedido pela Assembleia Legislativa do Estado do Pará, de autoria da deputada estadual Nilma Lima, aos contadores José Martonio Alves Coelho e Maria Clara Cavalcante Bugarim.


A campanha de valorização da classe contábil “2013: Ano da Contabilidade no Brasil” foi lançada oficialmente na segunda-feira, dia 18 de março, em sessão solene do Congresso Nacional, ocorrida às 11 horas, no Plenário do Senado Federal, em Brasília-DF. A sessão solene do Congresso Nacional foi realizada por proposição do senador João Vicente Claudino (PTB-PI) e da deputada Iracema Portela (PP-PI). Presidiu a mesa o senador Luiz Henrique Claudino (PMDB-SC); o deputado federal Damião Feciciano (PDT-PB); o presidente do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), contador Juarez Domingues Carneiro; o presidente da Fundação Brasileira de Contabilidade (FBC), contador José Martonio Alves Coelho; a presidente da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (ABRACICON), contadora Maria Clara Cavalcante Bugarim; e o contador Valdir Pietrobon, presidente da FENACON.

9 | ABRACICON SABER

5ª Sessão Conjunta


10 | ACADEMIA

Encontro Nacional de Jovens Lideranças Contábeis incentiva formação de lideranças

A

bordo do Navio Preziosa, o Encontro Nacional de Jovens Lideranças Contábeis será realizado nos dias 28 e

29 de novembro de 2013, paralelamente ao IX Encontro Nacional da Mulher Contabilista. Sem dúvida, uma excelente oportunidade para que jovens lideranças contábeis possam conhecer o trabalho realizado pelo Conselho Federal de Contabilidade, pela Fundação Brasileira de Contabilidade e pela ABRACICON em prol da classe contábil. O

fada (ao invés de cadeira) para assistir as

Para participar ou saber mais sobre o pa-

evento será realizado na boate do navio,

palestras em total clima de descontração. Ao

cote, basta entrar no site http://jovens.

onde cada participante receberá uma almo-

todo serão quatro palestras que abordarão

cfc.org.br/. O roteiro do navio será Santos/

um tema principal: a liderança.

Búzios/Ilhabela/Santos.


11 | ABRACICON SABER

Porto Alegre receberá o VIII Encontro Nacional de Coordenadores e Professores do Curso de Ciências Contábeis

N

os próximos dias 22 de 23 de ju-

cias Contábeis. Além de buscar uma interação

Palestra e painéis com personalidades de

lho será realizado, em Porto Ale-

entre o perfil desejado para o futuro profissio-

renome do universo contábil irão fazer par-

gre (RS), o VIII Encontro Nacio-

nal de contabilidade, face as inovações intro-

te do evento. Entre os temas abordados,

nal de Coordenadores e Professores do

duzidas pelas normas contábeis, legislações e

estarão: Novas tecnologias no proceso de

Curso de Ciências Contábeis. O evento

diretrizes curriculares.

ensinar e aprender no Ensino Superior, o

tem como objetivo, desde sua primeira

desempenho dos estudantes do Exame de

edição, aproximar o CFC da realida-

Suficiência, A evolução da Contabilidade e

de das instituições de ensino superior

seus reflexos no Ensino Superior A progra-

(IES), discutir a qualidade do ensino e

mação completa e inscrições no link http://

as tendências da profissão e debater os

www.cfc.org.br/sites/viiiencccc/index.html.

principais desafios dos cursos de Ciên-


12 | ACADEMIA

IV Fórum Resgate da História Contábil do Rio Grande do Norte

N

o dia 15 de março aconteceu na

momento representou o encerramento da

Universidade do Estado do Rio

X Semana Universitária, realizada de 11 a

Grande do Norte (UERN), Campus

15 de Março de 2013, com a participação

Avançado de Patu, o IV Fórum Resgate da

média de 250 alunos dos cursos de conta-

História Contábil do Rio Grande do Norte.

bilidade, pedagogia, matemática e letras.

O evento teve a realização do Workshop:

Na ocasião tomou posse, como Membro

Educação financeira em Coaching para

Honorário da ACADERNCIC, o diretor da

Contadores e contou com a palestra de

Campus Avançado de Patu, professor Jo-

Maria das Neves Batista Santos Araújo. O

zenir Calixta de Medeiros.

Assembleia Geral Extraordinária em Parnamirim

A

Academia Norte-Rio-Grandense de

evento, entre elas, a presidente da Academia

O encontro representou a concretização da

Ciências Contábeis (ACADERNCIC)

Norte-Rio-Grandense de Ciências Contábeis,

parceria entre as academias, com a disponi-

realizou Assembleia Geral Extraor-

contadora Jucileide Ferreira Leitão e os aca-

bilização do auditório da Academia de Letras

dinária, na Câmara Municipal do município

dêmicos efetivos José Jeová Soares e Ronal-

do Rio Grande do Norte para a realização do

de Parnamirim. A iniciativa foi alusiva ao

do Santos da Cruz. Na ocasião, tomou posse,

Fórum Internacional da História Contabilís-

dia do contabilista, comemorado em 25 de

como Membro Benemérito da ACADERNCIC,

tica: Portugal – Brasil, que terá como tema

abril. Cerca de 100 pessoas prestigiaram o

a contadora Maria Laíde de Souza Araújo.

Contabilidade: Gestão e Cidadania.


Os desafios das Instituições de Ensino Superior (IES) para formar profissionais contábeis de excelência Por Adriana Fernandes de Vasconcelos

D

iante das diversas mudanças ocasionadas pela convergência às normas internacionais de conta-

bilidade, tanto no setor privado quanto público, além do avanço tecnológico e da internacionalização dos mercados, torna-se evidente a necessidade de adequação do contador a esta nova realidade. As IES assumem, nesse contexto, papel de destaque e responsabilidade. Em tempos de mudança, cabe uma reflexão sobre o que precisa ser modificado para que os futuros profissionais sejam capazes de se inserir em um mercado cada vez mais mutável e exigente. Talvez o maior desafio das IES seja adequar o processo de ensino-aprendizagem frente às redefinições das competências profissionais pelas quais passa a profissão contábil. Em tempos de normas baseadas em princípios (principles based) e não em regras (rules based), a principal competência exigida do profissional contábil é a capacidade de julgamento. O contador já não conta com “regras de bolso” definidas a priori, bastando-lhe

13 | ABRACICON SABER

Especializando-se


14 | JOVEM CONTABILIDADE

apenas aplicá-las num caso concreto.

elementos e laboratórios de qualidade

as pessoas integrantes (discentes, do-

Cabe-lhe, agora, analisar a situação e

que permitam que a parte prática possa

centes, IES) deste processo, assumindo

definir, dentro das possibilidades que a

ser bem desenvolvida.

seus papéis e suas responsabilidades,

norma prevê, a que melhor se adéqua ao

porque somente desta maneira estare-

caso, ou seja, as normas não dizem como

Também se constituem como fatores que

mos garantindo uma classe contábil que

fazer, mas apontam como decidir o que

merecem atenção das IES a ênfase na

possa de fato contribuir para o desenvol-

precisa ser feito.

formação interdisciplinar e a integração

vimento das entidades e do país.

entre ensino, pesquisa e extensão, funIsso traz sérias implicações no contexto

damentais para assegurar uma formação

do ensino, pois requer que este fuja dos

adequada aos futuros contadores.

É necessário obter conhecimentos e experiências fora da sala de aula, através de leituras, estágios, cursos de idiomas e participação em eventos, por exemplo. moldes tradicionais, onde o professor

Ressalto, no entanto, que a formação de

desempenha o papel de transmissor de

qualquer profissional de qualidade não é

conhecimentos e o aluno adota uma pos-

resultado apenas de sua formação den-

tura passiva, passando para uma abor-

tro da universidade. É necessário obter

dagem baseada em problemas, onde o

conhecimentos e experiências fora da

discente assume papel ativo no processo

sala de aula, através de leituras, está-

de aprendizagem. Além disso, demanda

gios, cursos de idiomas e participação em

do professor novas metodologias de ensi-

eventos, por exemplo. Por fim, um profis-

no, necessidade de atualização constante

sional de sucesso deve apresentar qua-

e domínio do conteúdo.

lidades como honestidade, organização, perspicácia, responsabilidade, ética, zelo,

Outro desafio diz respeito a desenvolver

motivação, proatividade, capacidade de

mecanismos que assegurem um equilí-

comunicação e de trabalhar em equipe,

brio entre teoria e prática, pois se ouve

portanto, o perfil pessoal também é parte

frequentemente dos discentes reclama-

fundamental para alcançar um bom “lu-

ções de que eles seguem caminhos dife-

gar ao sol” no mercado de trabalho.

rentes. Isso requer que as Instituições de Ensino Superior (IES) tenham projetos

Em resumo, o que garantirá profissionais

pedagógicos que contemplem esses dois

de excelência é o compromisso de todas

Adriana Fernandes de Vasconcelos é Bacharel, Mestre e Doutoranda em Ciências Contábeis, professora da Universidade Federal de Pernambuco e Coordenadora Estadual da Comissão de Voluntariado da Classe Contábil pelo Estado da Paraíba.


O apoio na criação de novas empresas Por Gaitano Antonaccio

H

á uma necessidade urgente de se

nesse terceiro milênio, como um fator de-

cooperação individual (mão de obra do

encontrar novas estratégias para

cisivo no crescimento das empresas.

proletariado), passou a agasalhar-se nas

aumentar o campo de atuação dos

grandes fábricas, causando profundas

contabilistas, promovendo-se o nascimen-

Quando houve a substituição do homem

transformações sociais e econômicas no

to de novas empresas, onde o mercado

pela máquina na segunda metade do

mundo empresarial.

passe a atuar com a utilização de novas

século XIX, e o esplendor da Revolução

ferramentas, como por exemplo, o acom-

Industrial1 começou a perturbar o sin-

Incontestavelmente, o capital continua

panhamento amiúde da vida desses pe-

dicalismo e a favorecer o capitalismo, a

minando as forças do trabalho humano,

quenos núcleos, sugerindo novas formas

antiga luta entre o capital e o trabalho

com a modernização de máquinas, equi-

de obter melhor rentabilidade, elaborando

passou a ser direcionada na busca de

pamentos, com a informática, onde os

relatórios fundamentados sobre incenti-

um equilíbrio que confortasse o homem

meios de produção adquiriram uma invul-

vos fiscais, isenções e imunidades, a fim

entre a riqueza e a produção. Esta, até

gar velocidade, os custos sociais descam-

de que a Ciência Contábil seja encarada

então, concentrada e fundamentada na

baram e a cada dia torna-se mais difícil a

1 - A Revolução Industrial do século XVIII começou na Inglaterra, em virtude das grandes reservas de carvão mineral em seu subsolo, funcionado como fonte de energia utilizada na movimentação das novas máquinas e equipamentos a vapor. País rico em minério de ferro, a Inglaterra passou a utilizar essa riqueza como uma das principais matérias primas para sua indústria.

15 | ABRACICON SABER

Praticando a teoria x Teorizando a prática


CONTABILIDADE PRIME 16 | JOVEM 16 | ARTIGO

estabilidade social da humanidade, que

No mecanismo dessa revisão de atitudes

Se a Contabilidade da maioria das em-

assiste perplexa ao progresso e a riqueza

modernas, os poderes se subdividem e

presas brasileiras, não sofrer as transfor-

de poucos contra o desemprego, a mi-

abrem espaços para outros setores, que

mações necessárias, e continuar sendo

séria e o caos social da grande maioria.

os servem e amenizam a concorrência,

desprezada, sob o patrocínio do poder

minimizam pressões, surgindo novos

público, usando o fisco federal para ex-

As riquezas são cada vez mais concentra-

núcleos produtivos no cenário econômi-

purgar o contabilista do processo ad-

das e por mais que alguns homens atuem

co. Entre esses núcleos, estão as micro

ministrativo das entidades, haverá um

com desprendimento, mesmo que as dis-

e pequenas empresas, estrelando na

crescimento sem controle, e a falta dos

cussões para melhorar as condições de

constelação de um novo universo, para

registros históricos da vida empresarial

vida da grande massa obreira se repitam,

melhorar as condições sociais da humani-

afetará, principalmente, o pequeno em-

o capital vem sempre superando a si pró-

dade. Incontestavelmente, responsáveis

presário, que jamais crescerá, e quando

prio na luta contra o trabalho.

pelo equilíbrio na produção, no consumo

o fizer, não será de forma ordenada e

e na oferta de mão de obra, as micro e

racional. Sem informações contábeis o

Mas essas transformações, somadas às

pequenas empresas estão partindo para

empresário não investe com segurança,

que ocorreram no final do século XX, não

o fortalecimento cada vez maior de suas

e não tendo certeza do seu negócio, ape-

foram ordenadas apenas por meio do

ações, provando a necessidade de se

nas arrisca; não pratica ato de comércio,

avanço tecnológico, da evolução da in-

incentivar a sua criação, como fazem os

mas especula e volta a barganhar sem

formática ou das descobertas científicas.

europeus e americanos.

rumo, vendendo sem saber se ganhou ou perdeu, porque não apurou os resultados

A insaciabilidade humana, também teve sua participação no processo de mudanças. O ser humano paga sempre um alto preço para tudo o que cria e promove. Muitas vezes o progresso, por uma ironia do destino tem sido o agente propagador do desconforto, da miséria, causando a intranquilidade na paz mundial, transformando a vida do indivíduo num cenário de violência e desespero. Crescer sem racionalizar, desenvolver sem controlar, ou projetar sem capacidade de realizar

Em certas conjunturas é melhor retroceder ao invés de avançar; é preferível reduzir e não crescer; é aconselhável desistir e não insistir.

com os números permitidos pela Contabilidade. Muitas vezes sonega impostos sem ganhar com eficiência, quando poderia cumprir suas obrigações tributárias e auferir maiores lucros de forma organizada.

pesquisas, têm sido alguns dos comportamentos que inibem o progresso e le-

Esse formidável pólo de incremento das

vam muitas nações ao caos social.

economias do mundo, contam com algumas formas de incentivos ainda inibidos

Em certas conjunturas é melhor retro-

e não praticadas no Brasil, que seriam

ceder ao invés de avançar; é preferível

capazes de engrandecer ações e definir

reduzir e não crescer; é aconselhável de-

a questão como alternativa indispensável

sistir e não insistir. As grandes empresas

na criação de empregos e no aumento do

exercem não raro, no mundo do poder,

nosso Produto Interno Bruto. É preciso

grande influência nas decisões políticas,

armar as defensivas contra a globaliza-

sociais, e começam a rever conceitos de

ção que não identifica os esmagados na

distribuição de renda, a filosofia de suas

evolução de suas ações. Nessa guerra, a

políticas de pessoal e tornam cada vez

figura do contabilista é de suma impor-

mais humanos os seus procedimentos.

tância na assistência tecnológica.

Gaitano Antonaccio é Técnico em Contabilidade e Advogado Tributarista. Acadêmico e membro efetivo do Conselho Fiscal da Academia Brasileira de Ciências Contábeis; membro da Academia de Ciências Contábeis do Amazonas e de outros sodalícios.


Ano da Contabilidade no Brasil. O futuro chegou trazendo novos desafios. Por Juarez Domingues Carneiro

M

uitas mudanças ocorreram na profissão contábil, principalmente; na última década, onde a Con-

tabilidade assume papel de importância e relevância junto às organizações públicas e privadas. Inúmeros são os motivos que levaram o Conselho Federal de Contabilidade, em ação conjunta com diversas entidades a dedicar 2013 como o “Ano da Contabilidade no Brasil”. A campanha “2013: Ano da Contabilidade no Brasil”, foi lançada oficialmente em Sessão Solene do Congresso Nacional, no dia 18 de março e seguiu com os lançamentos regionais nas Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais dos Estados e Municípios. Este marco importante da história da contabilidade, que promoverá a valorização da profissão contábil e do profissional, nos remete a uma breve retrospectiva de fatos significativos, de um passado não tão distante, mas que contribuiu para o atual momento. A partir da iniciativa do senador João Lyra Tavares que, no dia 27 de maio de 1946, sancionou o Decreto-Lei número 9.295, regulamentando a profissão e criando os

1717 | | ABRACICON ABRACICON SABER SABER

2013:


18 | ARTIGO PRIME

Conselhos de Contabilidade, com a missão precípua de registrar e fiscalizar o exercício profissional. A regulamentação permitiu a organiza-

A Contabilidade é hoje, sem dúvida, uma profissão de ponta com espaço conquistado dentre as principais em nosso País.

ção e o desenvolvimento da profissão. Ao longo dos anos, algumas leis foram decisivas nesse processo. Com a edição da Lei número 11.638, em dezembro de

sores de Normas de Informação Finan-

diversos meios de comunicação do real

2007, rompemos com os últimos vínculos

ceira – o GLENIF, que reúne 12 países

papel do profissional e da profissão junto

entre a Contabilidade para fins societários

da América Latina e Caribe. Nesses dois

à sociedade e às organizações públicas

e a Contabilidade para fins fiscais. Essa

primeiros anos de atuação do Grupo, o

e privadas.

lei fortaleceu o Comitê de Pronunciamen-

presidente do CFC é também o presiden-

tos Contábeis, do qual o CFC faz parte, e

te do GLENIF. Em junho passaremos o

Promoveremos ações de caráter edu-

colocou o Brasil no rumo da convergência

comando do Grupo à Argentina.

cativo e orientativo, visando valorizar a profissão e colocá-la no patamar que lhe

das normas contábeis ao padrão internacional, conhecido pela sigla IFRS.

No âmbito interno, vários são os fatores

é merecida.

que vêm contribuindo para incrementar Outra edição normativa importantíssima

a imagem do profissional da contabili-

Nossa imagem será reposicionada dentro

foi a Lei número 12.249, sancionada em

dade; podemos destacar, entretanto, os

de um cenário atual, com o objetivo de

11 de junho de 2010. Entre uma série de

programas de capacitação e qualificação

evitar distorções que, em algumas vezes,

mudanças promovidas na nossa Lei de

profissional, os exames de suficiência e

são frutos da falta de informação e de

Regência, este diploma legal atribuiu com-

de qualificação técnica, a convergência

conhecimento.

petência ao CFC para regular sobre o Exa-

adoção das normas contábeis brasileiras

me de Suficiência como requisito para a

(IFRS, IPSAS E ISAS) aos padrões inter-

A Contabilidade é hoje, sem dúvida, uma

obtenção do registro profissional. Tal ins-

nacionais e a incorporação da responsa-

profissão de ponta com espaço conquis-

trumento contribuiu e garantiu a entrada

bilidade social e ambiental.

tado dentre as principais em nosso País.

Diante de todas estas constatações - do

A Campanha, nesse contexto, revela-se

no mercado de trabalho de profissionais preparados para o exercício da profissão.

crescimento da contabilidade no Brasil e

orientativa e educativa, valorizando não

As iniciativas bem-sucedidas do Brasil,

no mundo -, com a marca de 500 mil pro-

só a profissão contábil; mas, seus alicer-

em relação à implantação das normas

fissionais registrados, o Conselho Federal

ces inafastáveis– a verdade, a transpa-

internacionais, levaram o IASB a nos

de Contabilidade (CFC), com o apoio de

rência e a ética.

lançar, em 2011, um outro desafio: unir

todas as entidades ligadas direta e indi-

as nações latino-americanas para que,

retamente à profissão, promove muito

como uma só voz, enviássemos contri-

mais do que uma campanha publicitária

buições àquele organismo internacional.

de valorização da classe contábil; mas um movimento social intitulado “2013:

O CFC abraçou essa tarefa, e assim sur-

Ano da Contabilidade no Brasil”, cujo

giu o Grupo Latino-Americano de Emis-

objetivo maior é a divulgação perante os

Juarez Domingues Carneiro é presidente do Conselho Federal de Contabilidade.


Por Carlos Renato Theóphilo

J

á se vão 15 anos desde que, cursando o mestrado, publiquei o artigo “Algumas reflexões sobre

pesquisa empírica em contabilidade”, no então Caderno de Estudos (atual Revista Contabilidade e Finanças). Na época, me incomodava o perfil da produção científica da área. Dentre outras características, o fato de ser formada, em quase sua totalidade, por estudos teóricos; a maioria deles, trabalhos bibliográficos. Na dissertação de mestrado, escrita dois anos depois, tornou-se possível atribuir números a essa constatação. Ao analisar a produção científica do Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade da FEA/USP, dentre outros resultados, foi observado que apenas um

quando que o número de trabalhos em-

tipos de programas na evolução do de-

percentual bastante reduzido de traba-

píricos passou a superar o de trabalhos

senvolvimento científico. O programa de

lhos apresentava alguma empiria.

teóricos.

investigação em superfície compreende o aumento de conhecimento rotineiro,

Um diagnóstico da produção dos pro-

Hoje, a publicações da área no Brasil

assim considerado aquele que, baseado

gramas de pós-graduação da área e dos

mantêm uma forte predominância de es-

nas crenças existentes, é voltado ao apri-

principais periódicos, ao longo de dez

tudos teórico-empíricos, sendo bastante

moramento de teorias tradicionalmente

anos, de 1994 a 2003, foi objeto da tese

raro encontrar algum estudo teórico.

aceitas dentro de uma comunidade cien-

de doutorado. Seccionando o período

tífica. Já o programa de investigação em

em dois subperíodos, foi possível reali-

Em Bunge, encontram-se duas impor-

profundidade consiste na proposição de

zar uma análise comparativa que atestou

tantes concepções para a discussão que

ideias a partir de novas visões e perspec-

uma grande mudança no perfil da pro-

ora se desenvolve. Na primeira, Bunge

tivas. O desejável é que ocorram ambos

dução científica. Inclusive, identificando

(1974) considera a existência de dois

os tipos de crescimento, levando ao que

19 | ABRACICON SABER

Reflexões sobre o perfil da pesquisa em Ciências Contábeis no Brasil


20 | PALAVRA DO MESTRE

denomina de crescimento em volume. O

utilizadas as terminologias abordagem

entre, de um lado, postura normativa

crescimento apenas em superfície é cego

positiva (linha de ‘o que é’) e abordagem

e crescimento em profundidade; e, de

e tende a paralisar-se por falta de ideias;

normativa (linha de ‘o que deve ser’).

outro, postura positiva e crescimento

por sua vez, crescimento exclusivo em

em superfície. Podemos deduzir dessa

profundidade conduz à especulação não

Bunge (1983) considera importante que

reflexão que dois tipos principais de

controlada.

a ciência social busque tanto o objetivo

estudos emergem dessas classifica-

cognitivo quanto o objetivo utilitário;

ções: estudos teóricos normativos em

mas é imprescindível que eles guardem

profundidade e estudos empíricos po-

entre si forte relação de dependência. Os

sitivos em superfície.

estudos cognitivos (o que é) devem

O crescimento apenas em superfície é cego e tende a paralisar-se por falta de ideias

se basear no arcabouço conceitual

Na produção nacional em ciências con-

gerado pelos estudos utilitários (o

tábeis ocorreu uma transição do primei-

que deve ser), seja como pre-

ro para o segundo tipo desses estudos.

missas teóricas que auxiliem

Essa reversão foi muito importante, pois

na definição de suas hipóteses

a ênfase antes adotada levava a um dis-

iniciais, seja como referência

tanciamento entre a investigação cientí-

teórica para suas explicações e

fica e o mundo real, denotando excesso

achados. Por sua vez, os estudos

especulativo. Embora, há de se destacar,

utilitários devem buscar, nos estu-

muitos estudos dessa primeira fase, em-

dos cognitivos, base para o aperfei-

bora teóricos, eram pretensamente nor-

çoamento, a ampliação ou inovação dos

mativos. E que grande número de tra-

seus projetos ou modelos, a partir das

balhos era apenas bibliográfico, tipo de

inconsistências, inadequações e falhas

estudo que não permite ser classificado

detectadas nesses estudos.

como normativo ou positivo.

Em outra concepção, Bunge (1983) consi-

Feliu e Palanca (2000) combinaram as

O perfil atual da produção científica na

dera que a investigação realizada em uma

duas concepções de Bunge, chegando

área, contudo, também suscita questões

ciência social deve atender a dois objeti-

a uma taxionomia composta de quatro

merecedoras de reflexão e necessárias

vos principais: o objetivo cognitivo ou in-

tipos de investigações possíveis; cada

de iniciativas de mudanças, tanto no que

trínseco, relacionado com a linha de inves-

uma dessas categorias de estudos for-

se refere à escolha da postura teórica fei-

tigação que analisa ‘o que é’; e o objetivo

mada pela combinação de um tipo de

ta pelos pesquisa-

utilitário ou extrínseco, identificado com a

programa de desenvolvimento científico

linha de investigação que estuda ‘o que

com um tipo de objetivo a ser atendido

deve ser’. Uma ênfase excessiva nos obje-

pela ciência. Consideraram, dessa forma,

tivos da linha de ‘o que deve ser’ provoca

as categorias: estudos cognitivos em su-

um distanciamento entre a atividade de

perfície, estudos cognitivos em profundi-

investigação e a prática real. A dedicação

dade, estudos utilitários em superfície e

muito maior aos estudos da linha ‘o que é’,

estudos utilitários em profundidade.

por sua vez, faz com que o resultado do esforço de pesquisa seja reduzido.

O que se observa é que a relação entre o tipo de estudo desenvolvido e a postura

Teóricos da Contabilidade – como Watts

teórica adotada é bastante estreita: estu-

dores,

e Zimermann; Hendriksen e Van Breda;

dos teóricos adotam, em regra, postura

no tocante às

dentre outros – tratam os objetivos a que

normativa e estudos teórico-empíricos

carências de al-

Bunge se refere como formas de enuncia-

têm, em geral, postura positiva. Por

guns tipos de in-

ção da teoria. Na literatura contábil, são

sua vez, há uma estreita identificação

vestigações.

quanto

+


+

dessa natureza. Pesquisas empíricas têm

são, aperfeiçoamento e validação dos

passaram a ser a escolha pre-

fundamental importância na confronta-

seus modelos; e que os pesquisadores

ferencial dos pesquisadores.

ção das teorias com a realidade, apon-

da linha positiva busquem, nas teorias

$$

Entendemos que esse tipo

tam para suas lacunas, suas fraquezas.

normativas, sustentação para as suas

de estudo deve ser preva-

Mas, se valem das teorias existentes. É

hipóteses de pesquisa ou para amparar

%%

lecente. Mesmo porque,

por meio dos trabalhos teóricos que se

explicações e achados do seu estudo.

40% 20%

bus (1996), em um pro-

++ $+

$$$$

como argumenta Iudícicesso natural, estudos normativos devem ser

0,0001111

50% 50%

desenvolvidos por pesquisadores mais experientes. Mas, é fundamental e necessário o incremento

R$ 123,98

na realização de estudos em

0,4444345

40%

profundidade,

que

visem à proposição de ideias, a

20% +++ $$$ 0 50% 5

É por meio dos trabalhos teóricos que se lançam novas concepções, até novas teorias. E essas novas luzes são fundamentais para a evolução do conhecimento.

partir de no-

lançam novas concepções, até novas te-

vas visões e

orias. E essas novas luzes são fundamen-

perspectivas.

tais para a evolução do conhecimento.

Desde

“o

Re-

Outro entendimento é que as pesquisas

da

baseadas em ambas as posturas teóricas

defesa às pesquisas empíricas, o enten-

tenham uma necessária inter-relação. É

dimento era de que uma área do conhe-

de se esperar que os pesquisadores da

cimento não demonstra maturidade cien-

linha normativa considerem a importân-

tífica se ficar limitada apenas a pesquisas

cia das pesquisas positivas para a revi-

flexões”,

apesar

Carlos Renato Theóphilo Mestre e Doutor em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP. Professor da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) – MG e da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi). Co-autor do livro: Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas.

Referências BUNGE, Mario. La investigación científica:

IUDÍCIBUS, Sérgio de. O verdadeiro sig-

______. Uma abordagem epistemológica

su estrategia y su filosofía. 5. ed. Barce-

nificado de uma teoria. Revista Brasileira

da pesquisa em Contabilidade. São Pau-

lona: Ariel, 1983.

de Contabilidade, v.25, n. 97, p. 21-23,

lo, 2000. Dissertação (Mestrado) - Facul-

jan./fev., 1996.

dade de Economia, Administração e Con-

______. Teoria e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1974.

tabilidade da Universidade de São Paulo. THEÓPHILO, Carlos Renato. Algumas reflexões sobre pesquisa empírica em

______. Pesquisa em Contabilidade no

FELIU, Vicente M. Ripoll; PALANCA, Mer-

contabilidade. Caderno de Estudos / Fun-

Brasil: uma análise crítico-epistemológi-

cedes Barrachina. Desenvolvimento cien-

dação Instituto de Pesquisas Contábeis,

ca. São Paulo, 2004. Tese (Doutorado)

tífico da contabilidade de gestão. Revista

Atuariais e Financeiras, v. 10, n. 19, p.

- Faculdade de Economia, Administração

de Administração,v.35, n.1, p. 98-106,

09-15, set./dez., 1998.

e Contabilidade da Universidade de São

jan./mar. 2000.

Paulo.

21 | ABRACICON SABER

23

1 R$

Os estudos positivos em superfície

,98


22 22|| CONVERSA AFINADA

Entrevista com o presidente da Federação Internacional de Contadores (Ifac).

Warren Allen O presidente da Federação Internacional de Contadores (Ifac), Warren Allen, concedeu entrevista, no último dia 29 de maio, para a revista Abracicon Saber. Em uma conversa com a jornalista, Maristela Girotto, ele falou sobre a convergência às Normas Internacionais de Auditoria (ISAs) e às Normas Internacionais de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (Ipsas), emitidas pela IFAC, e como o Brasil pode contribuir nesse processo. Com relação à campanha “2013: Ano da Contabilidade no Brasil”, Warren explicou a surpresa positiva que teve ao saber da iniciativa do CFC em dedicar um ano inteiro a causa. Em recente entrevista, Warren Allen comentou a importância da profissão contábil, ressaltando que, quando algo dá errado, ganha de modo injustiçado os holofotes e nesse sentido, a IFAC estará sempre empenhada no trabalho de educação sobre qual é o real papel do contador e do auditor, através dos comitês independentes que compõem a entidade. Ele afirmou que o Brasil está sob olhar do mundo e a profissão contábil está crescente e preparada para acompanhar o crescimento do país. Veja a entrevista:

1) Qual a percepção do sr. sobre as ações desenvolvidas pelo Brasil a respeito da convergência às Normas Internacionais de Auditoria (ISAs) e às Normas Internacionais de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (Ipsas), emitidas pela IFAC? W.A - A Ifac apoia e parabeniza o Brasil por esses esforços de convergência. É muito importante para um país como o Brasil, com forte desenvolvimento da sua economia, implantar as Normas Internacionais de Auditoria e as Normas Internacionais de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público. A adoção dessas normas contribui para que a contabilidade sirva, de forma eficiente, ao interesse público. 2) Em sua opinião, como o Brasil pode contribuir, especialmente em relação aos países da América Latina, nesse processo de convergência às ISAs e Ipsas? W.A - Muitos países da América Latina precisam de auxílio nesse processo de adoção das ISAs e das Ipsas, e o Brasil, com suas conquistas e experiências, está em posição ideal para assistir as outras


W.A - A campanha 2013: Ano da Con-

esta campanha, o mundo estará de olho

ses são receptíveis à ajuda do Brasil nes-

tabilidade é uma iniciativa maravilhosa e

no Brasil e, a partir da conquista dos seus

se processo de implementação das nor-

que me surpreendeu, porque é um ano

objetivos, poderemos, na Ifac, agir como

mas internacionais. Eu encorajo o Brasil a

inteiro dirigido ao alcance dos seus ob-

um veículo para compartilhar esta experi-

continuar com seus esforços nessa área.

jetivos. Sabemos que outros países já

ência do Brasil com outros países.

3) Depois desta visita ao Brasil, quais são as suas impressões a respeito da profissão contábil no País? W.A - Minhas expectativas foram superadas em relação ao profissionalismo da classe contábil no Brasil. O País tem entidades com estruturas específicas, as quais eu desconhecia, para apoiar a profissão. Essas estruturas auxiliam os profissionais a servir ao interesse público, independentemente de onde estejam empregados, seja no setor público, na iniciativa privada ou atuando na área de

Muitos países da América Latina precisam de auxílio nesse processo de adoção das ISAs e das Ipsas, e o Brasil, com suas conquistas e experiências, está em posição ideal para assistir as outras nações

educação. Para mim, tem sido uma expe-

Sobre Warren Allen Tornou-se presidente do IFAC em novembro de 2012 depois de atuar como vice-presidente durante dois anos. Atuou como membro do Conselho IFAC desde 2006 e foi na Comissão de Educação (hoje Contabilidade Educação Standards Board) há mais de 10 anos, inclusive como presidente 1998-2004. Mr. Allen foi sócio da Ernst & Young na Nova Zelândia e serviu no

riência muito boa entender essas estru-

dedicaram dia, semana ou mês à con-

Conselho de Administração da

turas, como por exemplo, os Sescons, e

tabilidade, mas um ano inteiro eu ain-

empresa durante mais de seis

como elas funcionam. Também fiquei im-

da não conhecia. Esta é uma excelente

anos. Ele ocupou vários outros

pressionado com a força dos Conselhos

oportunidade para divulgar o trabalho

cargos de liderança na empresa

Regionais de Contabilidade (CRCs).

dos profissionais da contabilidade, para

da Nova Zelândia, incluindo o

convencer a sociedade do trabalho es-

Líder Nacional de Práticas de

4) Sobre a campanha 2013: Ano da

sencial que realizam e para informar que

Auditoria e Diretor Nacional de

Contabilidade no Brasil, a Ifac pre-

a atividade dos profissionais é essencial

Auditoria. Ele também é sócio

tende apoiar alguma iniciativa se-

para o crescimento econômico, pois atu-

vitalício e ex-presidente do

melhante em outros países?

am a serviço do interesse público. Com

Instituto da Nova Zelândia de Revisores Oficiais de Contas, onde atuou em e presidido vários conselhos e comitês. Mr. Allen tem sido o destinatário de vários prêmios, incluindo o valioso contributo para a Profissão Award em 2001. Ele é o autor de inúmeros artigos em revistas e jornais e apresentou diversos artigos em importantes conferências internacionais, incluindo quatro Congressos Mundiais de Contabilistas, principalmente sobre temas de educação contábil. Com informações: IFAC

23 | ABRACICON SABER

nações. Tenho certeza de que esses paí-


24 | JOVEM PROFISSIONAL 24|

Formei-me... e agora? M

uitas dúvidas passam pela cabeça

Contábeis está entre as dez carreiras

ao futuro profissional, é claro, se ele tiver

dos jovens formandos e recém-

mais procuradas pelos jovens no Brasil.

um planejamento de sua carreira.

-formados.

Nos Estados Unidos, uma pesquisa apon-

E agora... O que fazer?

tou que a profissão contá¬bil está em

Um bom começo será a participação no

segundo lugar, entre as melhores para se

Encontro Nacional de Jovens Lideranças

conseguir emprego em 2013.

Contábeis, que o Conselho Federal de

Os jovens e futuros profissionais devem

Contabilidade (CFC) está promovendo,

inverter a prática hoje aplicada na busca

Só a graduação não garantirá uma boa co-

através da Comissão Nacional de Jovens

da inserção no mercado de trabalho. Os

locação no mercado de trabalho. Por isso,

Lideranças.

caminhos a trilhar devem ser traçados ao

é necessário que os jovens estudantes pla-

adentrar na instituição de ensino no início

nejem o quanto antes sua própria carreira.

da graduação, e não após a obtenção do diploma.

O graduando deve desenvolver sua capacidade empreendedora. Essa capacidade

A grande dificuldade que a maioria dos

de transformar a própria realidade é fun-

jovens encontra ao sair de sua faculdade,

damental na empregabilidade do futuro

universidade, é a falta de emprego em

profissional.

sua área de formação. O principal é entender como funciona o Este é um fato. Não é regra. Mas, é a

mercado para o qual está se formando.

realidade de muitos estudantes de nível superior no Brasil.

Então, participar de projetos acadêmicos, voluntariado, estágios, atividades que as

Em contabilidade, o mercado de trabalho

entidades da classe promovam, são for-

para o profissional está em evidência, de-

mas de se criar uma vivência profissional,

vido às alterações que vem acontecendo,

antes mesmo de se formar ou de arranjar

tanto no setor privado quanto no setor

emprego na área.

público e, ao patamar de importância que a profissão alcançou nos últimos anos.

A experiência é adquirida também por estes modelos de atuação. Não se pode

De acordo com dados do Ministério da

desconsiderar nenhuma forma de apren-

Educação, em 2012, o curso de Ciências

dizado. Todas são válidas e acrescentam

Brunno Sitonio Fialho de Oliveira é secretário-adjunto de Finanças do município de João Pessoa na Paraíba, formado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), conselheiro do Conselho Regional de Contabilidade da Paraíba (CRC-PB) e membro da Comissão Nacional de Jovens Lideraçãs do CFC.


25 | ABRACICON SABER

PERFIL

SÉRGIO APPROBATO MACHADO JÚNIOR

N

ascido na cidade de São Paulo,

empresas e adquirindo ainda mais co-

de excelência para que os empresários e

Sérgio Approbato Machado Jú-

nhecimento. Após algumas experiências,

profissionais da área contábil, e de ou-

nior estudou nos colégios Liceu

ingressou na empresa da família, estando

tras também, possam enfrentar todos os

à frente dos negócios até hoje.

desafios que vêm pela frente. “Quando

Pasteur, na Vila Mariana e Objetivo Integrado, no bairro da liberdade, ambos

nos aproximamos das entidades de clas-

na capital paulista. A sua história com a

Em 1998, Sérgio foi convidado para par-

se, percebemos que o benefício é mutuo:

administração teve início logo cedo, uma

ticipar de uma comissão de estudos no

nós nos beneficiamos com todo o apren-

influência do seu pai, que na sua infância

CRC-SP. O desafio originou outro convi-

dizado adquirido e podemos contribuir

já era empresário contábil em uma orga-

te, desta vez para integrar a diretoria do

também para o crescimento de outros

nização fundada pelo avô de Sérgio há

SESCON-SP, que seria comandada pela

profissionais e da classe como um todo”.

quase 70 anos.

empresária contábil, Aparecida Terezinha Falcão. Neste período, ao lado de diver-

Para Sérgio, a inciativa do Conselho Fe-

A admiração pelo trabalho foi um estímu-

sos presidentes e diretores que passaram

deral de Contabilidade (CFC) é mais uma

lo para Sérgio enxergar a área contábil

pelo Sindicato, teve a oportunidade de

oportunidade de reafirmar a importância

como parte da sua vida profissional. O

contribuir com grandes ações na defesa

da ciência contábil para o desenvolvi-

seu pai sempre foi um exemplo de amigo,

e valorização da categoria, assim como

mento das empresas e do País. Contabi-

de profissional e de liderança de segmen-

por um melhor ambiente de negócios no

lidade que tem sido percebida como vital

to contábil. As qualidades do Sr. Sérgio

País. Após 15 anos passando por diversos

não apenas para a prestação de contas

Approbato Machado, refletiam na carreira

postos da entidade, Sérgio assume em 18

ao Fisco, mas também para a gestão e

profissional pautada pela ética, transpa-

de janeiro, a presidência do SESCON-SP e

tomada de decisões empresariais. “Para-

rência e responsabilidade, além de visível

da AESCON-SP para a gestão 2013-2015.

benizamos o Conselho Federal de Con-

amor pela profissão, que foi um impulso

tabilidade por esta grande campanha, o

para ele e incentivo para outras pessoas.

Com mais de 25 anos de carreira, uma

SESCON-SP e a AESCON-SP estarão du-

Nessa época, Sérgio já era formado em

das bandeiras que Sérgio Approbato le-

rante todo o ano ao lado do CFC, do CRC-

Administração

mesmo

vanta é a da educação, pois ele acredita

-SP e das demais entidades da categoria

assim, decidiu entrar para o curso de

de

Empresas,

que só assim, o Brasil será próspero e

em todo o território nacional, participan-

graduação em Ciências Contábeis pela

desenvolvido. Por meio da Universidade

do e divulgando todas as iniciativas”, con-

Pontifícia Universidade Católica de São

Corporativa (UNISESCON) do SESCON-

cluiu. Ao ingressar em uma grande or-

Paulo (PUC-SP), em 1988. Aos poucos

-SP, ele pretende junto aos seus colabo-

ganização de auditoria, ele passou a ter

foi desenvolvendo trabalhos em outras

radores oferecer alternativas de ponta e

contato direto com a contabilidade.


Livros indicados por Tânia Moura, Ma. em Integração Latino-Americana, contadora, profa. 26 | INDICAÇÕES

universitária, perita, palestrante, juíza arbitral, integrante da Comissão Nacional da Mulher Contabilista, do Conselho Editorial da RBC e PVCC. Colaboradora na elaboração das provas do Exame de Suficiência.

Nietzsche para Estressados Allan Percy - Ed. Sextante

O Monge e o Executivo James Hunter - Ed.Sextante

Criado por Allan Percy, este breve curso de filosofia

Uma história criada por James C. Hunter para

cotidiana nos auxilia nos momentos em que precisa-

ensinar de forma clara e agradável os princí-

mos tomar decisões, recuperar o ânimo, encontrar o

pios fundamentais dos verdadeiros líderes. O

caminho certo e relativizar a importância dos fatos da

Monge e o Executivo é, sobretudo, uma lição

vida. Um manual inteligente e estimulante que reúne

sobre como se tornar uma pessoa melhor.

99 máximas do gênio alemão, Friedrich Nietzsche, e sua aplicação a várias situações do dia a dia.

Análise de Demonstrações Contábeis Governamentais: Instrumento de Suporte à Gestão Pública Cezar Volnei Mauss - Ed. Atlas No livro, Cézar Volnei Mauss busca apresentar uma revisão geral das técnicas de contabilização, elaboração das demonstrações contábeis públicas e os conceitos e conteúdos básicos que podem determinar a qualidade da informação contábil.

Análise de Custos: Uma Abordagem Quantitativa Sergio de Iudicibus e Gilmar Ribeiro de Mello Ed. Atlas. Para realçar o aprendizado, todos os capítulos contêm como parte integrante do texto resumo conceitual, o enunciado do caso, a solução e, às vezes, uma conclusão formal. No final, há as referências e a sugestão de um ou dois textos para leitura complementar.


Profile for Academia Brasileira de Ciências Contábeis

Revista ABRACICON Nº4  

Revista ABRACICON Julho2013

Revista ABRACICON Nº4  

Revista ABRACICON Julho2013

Profile for abracicon
Advertisement