Page 1

REVISTA

ISSN 0103•572X

REVISTA ABIGRAF 266 JULHO/AGOSTO 2013

A R T E & I N D Ú S T R I A G R Á F I C A • A N O X X X V I I I • J U L H O / A G O S T O 2 0 1 3 • Nº 2 6 6


SINDIGRAF SÃO PAULO 90 ANOS REPRESENTANDO A INDÚSTRIA GRÁFICA PAULISTA

Em 1923, nascia o Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo - SINDIGRAF-SP, fundado por um um grupo de empresários visionários que acreditaram no potencial da Indústria Gráfica como um importante setor de desenvolvimento no Estado de São Paulo. Era o início de uma trajetória que completa 90 anos, que fez e continua a fazer de São Paulo referência em excelência gráfica, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo. Hoje o SINDIGRAF-SP representa mais de 7.000 indústrias gráficas que empregam 90 mil trabalhadores com um faturamento na ordem de R$ 18 bilhões. São 90 anos de uma entidade forte, unida e representativa, que se orgulha de estar presente no dia a dia dos brasileiros imprimindo revistas, livros, catálogos, jornais, envelopes, embalagens, cadernos e muitos outros produtos. Comemore conosco esta história de sucesso.

ANOS

UNIDOS IMPRIMIMOS TRANSFORMAÇÕES


São Paulo, acrílico sobre tela, 2008

REVISTA ABIGRAF ISSN 0103-572X Publicação bimestral Órgão oficial do empresariado gráfico, editado pela Associação Brasileira da Indústria Gráfica/Regional do Estado de São Paulo, com autorização da Abigraf Nacional Rua do Paraíso, 533 (Paraíso) 04103-000 São Paulo SP Tel. (11) 3232-4500  Fax (11) 3232-4550 E-mail: abigraf@abigraf.org.br Home page: www.abigraf.org.br

Assim Pietro Maria Bardi definiu Yugo Mabe: um observador da realidade, interpretada com sentimento poético próprio, afetivo e persuasivo, preferindo o eterno da paisagem e o fantasioso das flores.

58

Presidente da Abigraf Nacional: Fabio Arruda Mortara Presidente da Abigraf Regional SP: Levi Ceregato Gerente Geral: Wagner J. Silva Conselho Editorial: Cláudio Baronni, Fabio Arruda Mortara, Igor Archipovas, Levi Ceregato, Max Schrappe, Plinio Gramani Filho, Ricardo Viveiros e Wagner J. Silva Elaboração: Clemente & Gramani Editora e Comunicações Ltda. Rua Marquês de Paranaguá, 348, 1º andar 01303-905 São Paulo SP Administração, Redação e Publicidade: Tel. (11) 3159-3010  Fax (11) 3256-0919 E-mail: editoracg@gmail.com Diretor Responsável: Plinio Gramani Filho Redação: Tânia Galluzzi (MTb 26.897), Ada Caperuto, Juliana Tavares, Marco Antonio Eid, Ricardo Viveiros e Suzana Lakatos Revisão: Giuliana Gramani Colaboradores: Álvaro de Moya, Assunta Camilo, Claudio Ferlauto, Hamilton Terni Costa e Walter Vicioni Gonçalves Edição de Arte: Cesar Mangiacavalli Produção: Rosaria Scianci

Assinatura anual (6 edições): R$ 60,00 Exemplar avulso: R$ 12,00 (11) 3159-3010 editoracg@gmail.com

4

REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

A soberania do papel‑cartão

A especialista Assunta Camilo conta o que viu na Europa e no Oriente Médio no campo das embalagens que a fez se encantar ainda mais com as soluções em papel‑cartão.

A leitura e o clique

A CBL promoveu ampla discussão durante o 4-º Congresso Internacional do Livro Digital, realizado em junho em São Paulo. Tecnologia, educação e o perfil do leitor de conteúdo digital foram alguns dos temas debatidos.

Editoração Eletrônica: Studio52 Impressão e Acabamento: Stilgraf Capa: Laminação Soft Touch, reserva de verniz UV, hot stamping e relevo (com fitas MP do Brasil): UVPack

Membro fundador da Confederação Latino-Americana da Indústria Gráfica (Conlatingraf)

20

Um pintor‑pintor

86

51 Stilgraf mais próxima dos gaúchos

FUNDADA EM 1965

Através de parceria com estúdio gaúcho de premedia, gráfica finca pé na Região Sul e amplia sua atuação fora de São Paulo.


Profissionalismo e comprometimento

O novo presidente da Abap, Orlando Marques, fala com exclusividade à Revista Abigraf sobre as principais bandeiras de sua gestão e o desempenho do Brasil no 60-º Festival de Cannes.

Por onde começar a inovar

Se os desafios só se multiplicam, oportunidades pipocam aqui e ali. Entenda as principais tendências, caminhos alternativos e exemplos de quem está vencendo a batalha.

Tempos desafiadores

A Intergraf, entidade europeia da área de impressão, apresentou os números do setor gráfico na UE, expondo os problemas que a indústria vive hoje naquela região, alguns também enfrentados por aqui.

A máquina e ele

Sim, Valdir Sbampato ainda vive do ofício de linotipista. Sua relação com a Linotype 31 é intensa e completa, da qual fala com gratidão e satisfação por ter se mantido fiel.

Pé na estrada

Acompanhar as viagens fotográficas de Valdemir Cunha é descobrir um Brasil pouco visto e como sua diversidade geográfica tem influência decisiva na vida das pessoas.

16 32 36 66 92

REVISTA ISSN 0103•5 72X

O 2 0 1 3 • Nº 2 6 6

REVISTA ABIGRAF 266 JULHO/A GOSTO

2013

ARTE & INDÚS TRIA GRÁFICA • ANO XXXVIII • JULHO/AGOST

Capa: Flores, acrílico sobre tela, 2008 Autor: Yugo Mabe

Editorial/Fabio Arruda Mortara������������������������� 6 Rotativa��������������������������������������������������������� 8 Manifesto Abigraf�����������������������������������������26 Encontro EFI������������������������������������������������28 Inovação/ Negócios��������������������������������������32 Opinião/ Ângelo Garbarski����������������������������34 Prêmio Benny����������������������������������������������40 Gestão/ Hamilton Terni Costa������������������������44 Educação/ Walter Vicioni�������������������������������48 Kodak/ Novas Soluções��������������������������������50 Gráfica Rimoli/ MS���������������������������������������56 Winkler+Dünnebier – 100 Anos��������������������62 Goss Brasil��������������������������������������������������64

Manroland Sheetfed: Recuperação����������������68 Festival de Cannes���������������������������������������70 Sustentabilidade������������������������������������������71 Olhar Gráfico/Cláudio Ferlauto����������������������76 Quadrinhos/Álvaro de Moya��������������������������80 Ilustração/ Gilberto LeFrève��������������������������81 Anuário Abigraf 2013�����������������������������������82 Memória: Dorival Padilla�������������������������������84 4-º Congresso do Livro Digital������������������������86 Serigrafia Sign Future Têxtil��������������������������88 Sistema Abigraf�������������������������������������������98 Há 30 Anos�����������������������������������������������105 Mensagem/Levi Ceregato���������������������������106 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF

5


EDITORIAL

T

a desleal ci ên rr co n co a a tr n co a lh a at b Uma

produtos que tiveram suas a imprimir da lista de cem par de do luin inc , iro vadas pela Camex; adoção gráfico brasile alíquotas de importação ele Todas as entidades do setor iais o ter a ma par e de s ent pra sid ndo das com fui reeleito pre margem de preferência qua o Sindig raf‑SP, para o qual s s e coesas ida un is ma vez a incluindo as obras adquir ida , cad lico ão púb est ficos pelo setor grá período 2013‑2016, ro Liv or. do set do nal de cio Programa Na da competitivida pelo governo no âmbito do na luta em prol do resgate uzir os red uir seg con a o eficaz do uso indevido do par o açã orç aliz esf o fisc Didático (PNLD); Empreendemos todo ves gra is ma dos ção do ICMS e ISS. enf rentar um el imune; fim da bitributa pap custos de nossa produção e ade da s fica grá sil não abre mão da dig nid cia desleal das A indústria gráfica do Bra problemas, que é a concorrên ade ilid bio sab câm pon , res xos ores, de sua ários mais bai trabalhista de seus colaborad China, que transformam sal os eventuais com ão paç ocu ntos em tecnologia e de pre ime des est , inv ado ioambiental, dos soc artificialmente manej is. cia ren cor con el na economia globalizada. ios em vantagens correr de modo ético e saudáv con danos ambientais e subsíd os, ern int s ma sos proble seus pleitos para manter os Porém, se não fossem os nos Porém, precisa ser ouvida em s % 37 a or eri sup s nas mais de 20 mil gráfica ária brasileira 230 mil empregos existente a começar pela carga tribut de nto ste ime tra olv con o env s com o des rso dos Brics, e cumprir seus compromisso do PIB, a mais alta no unive o, a China lad um de tinuaremos passando o Se, . con , nor rio me trá ia nacional. Caso con competitividade ser as tiv rela is ona aci de autores brasileiros, mas intern strang imento de ver livros con exagera no desrespeito às nor às e tal ien mb ioa o governo para distribuição sabilidade soc inclusive os comprados pel ao trabalho dig no e à respon s uim çõe Peq tor de dis s aça tai do fum a ressos sob ir, converten escolas públicas, sendo imp subsidia o papel para imprim a par o is, ism cia em ren euf cor um triste vantagens con ao ritmo do dumping social, e em diferencial para auferir ! ria nto pát qua sa s nos bai agináveis em os padrões glo condições de trabalho inim o Brasil extrapola em muito a balhistas, tra os arg enc a, enf rentando com insistênci aci os ocr am bur est Por tudo isso, aos impostos, juros, lico de o púb nd er uzi pod red do o, resistência bio equivocad e incansável mobilização a insegurança jurídica e câm ças nufatura. ma sua de de ida fica. Precisamos somar for itiv grá pet ria úst com atender a ind em modo dramático a s nto me seg . há , ras ira dei ação brasile nossas ban Na indústria de transform e seg uir unidos na defesa de eles nos quais aqu al eci esp em , ros out mais afetados do que de e em que pequenas variações r há similaridade tecnológica o viç fmortara @abig raf.org.b ser do te tan tra das pelo con qualidade não são considera or to‑benefício. É o caso do set na avaliação da relação cus s imo últ nos nte iu pesadame gráfico nacional, que invest a nad , sos ces pro ipamentos e anos em atualização de equ do o isã dec a o, cas ndo. Nesse devendo aos melhores do mu ta tin a ito mu o and não import cliente é balizada pelo preço, ais dem dos s ade rid o), as peculia usada (se tem ou não chumb s ada tiv cul tas res flo el (se vem de substratos, a origem do pap ou ivas), se os profissionais têm ou é extraído de matas nat s ito efe dos um se trabalho ou não condições adequadas de l. nta bie é o dano am colaterais daquele produto ctiva pode condenar essa perspe se não o, No capitalism ado Est ao e cab do, ntes. Contu do preço nas decisões dos clie io érc com no o jog o a equilibrar adotar medidas eficazes par as. dor ula reg s lica íticas púb internacional, adotando pol gráfica brasileira tem ria úst ind a , Ante tal premissa o, cas reivindicações ao govern encaminhado alg umas pou o est nif ma um ou que motiv até agora não atendidas, o : ndo as medidas pleiteadas iza tet sin , fica do setor à Nação a Bra sileira da Indústria Grá par IPI do o nçã ise Presidente da Associação amentos; Indústrias Gráfica s das to dica Sin do e desoneração da folha de pag al) ion a (Abigraf Nac uota zero do PIS/Cofins par digraf-SP) no Estado de São Paulo (Sin os mater iais escolares; alíq éis pap s sei de da ira ret os; livr de o ssã pre a atividade de im

F abio A rruda M ortara

6 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013


Kodak se prepara para a fase de transição O montante de US$ 895 milhões obtido em acordo financeiro com o JPM organ, Bank of America e Barclays, será utilizado pela Eastman Kodak para saldar os empréstimos levantados para socorrer sua concordata, assim como para constituir um capital de giro. O plano apresentado pela companhia para atender o Capítulo 11 da legislação americana (lei de concordata) foi aprovado pela justiça em 25 de junho, ficando pendente a aceitação pelos credores. No dia 1º de agosto a empresa comunicou que, em consulta aos responsáveis pelo plano de emersão da Kodak, ficou definida sua equipe de liderança executiva após sua saída do Capítulo 11 nos registros complementares ao seu plano de reorganização. A equipe assegurará a continuidade da liderança da Kodak, para que ela siga, com sua experiência, implementando a transformação do negócio da companhia com foco na inovação do processamento de imagens. Os novos investidores aprovaram essa equipe de gestores, o que representa uma das condições do plano de investimento no processo de saída da concordata, declarada pela companhia em janeiro de 2012, época em que já tinha fechado 13 fábricas nos Estados Unidos e possuía apenas 19 mil funcionários, número que no passado chegou a 145 mil.

G

8

A equipe nomeada é constituída pelos seguintes executivos:

Antonio M. Perez continua como CEO e comporá o Conselho Administrativo, servindo a companhia reorganizada por até três anos a partir da saída da concordata.

Douglas J. Edwards permanece no cargo de presidente mundial de impressão digital e negócios empresariais, função que ocupa desde setembro de 2012

Brad W. Kruchten segue como presidente para o segmento gráfico, de entretenimento e filmes comerciais, incluindo pré-​­impressão,

FTD recebe certificação FSC

arantindo à gráfica a possibilidade de produzir e comercializar uma elevada gama de produtos com o selo da instituição, a Editora FTD, estabelecida em São Paulo, obteve em junho a certificação FSC (Forest Stewardship Council, Conselho de REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

imagens de entretenimento e filmes comerciais e ainda a fabricação global de consumíveis. ◆◆ Terry R. Taber continua como diretor técnico, cargo que ocupa desde 2009. ◆◆ Eric H. Samuels atuará como controller, depois de ter sido nomeado controller corporativo e diretor de contabilidade em julho de 2009. ◆◆ Patrick M. Sheller fica como conselheiro geral, secretário e diretor administrativo, posições que exerce desde 2012. Em virtude do acordo com a companhia AlixPartners, Jim Mesterharm vai continuar como diretor de reestruturação e Becky Roof, como diretor financeiro interino. Também seguirão exercendo suas funções os atuais gerentes gerais das operações regionais da Kodak: Philip Cullimore, Europa, Oriente Médio e África; Lois Lebegue, Ásia Pacífico; John O’Grady, EUA e Canadá; e Gustavo Oviedo, América Latina e países emergentes. Esses acordos de gestão estão sujeitos a certas condições, incluindo a aprovação da Justiça como parte da confirmação do plano de reorganização da Kodak e sua saída do Capítulo 11. A audiência de confirmação do plano foi programada para o dia 20 de agosto, com a saída da concordata prevista para o terceiro trimestre deste ano.

Manejo Florestal), emitida pela Control Union Certifications. O FSC é uma organização não governamental sem fins lucrativos, reconhecida internacionalmente e dedicada ao desenvolvimento de padrões para o manejo florestal responsável, que tem o apoio tanto do setor empresarial como de organizações ambientalistas e de grupos sociais. www.ftd.com.br

Mudanças na direção da Oki Brasil

U

ma das principais empresas de soluções de impressão do mundo, a Oki anunciou sua nova estrutura diretiva para as Américas. Masahiko Morioka assumiu a presidência e direção executiva da Oki Data Americas e Mitsuaki Takahara ficou com a vice-​­presidência executiva da região. Na empresa desde 1981, Morioka exerce a posição de vice-​­presidente da Oki Data Corporation — cargo que continuará ocupando —, ficando responsável pela formulação de políticas de gestão e pela implementação de uma estratégia global integrada de vendas e mar­ke­ting em 120 regiões de todo o mundo. Takahara começou na empresa em 1982 e atuou como vice-​­presidente sênior e conselheiro do escritório de planejamento corporativo da Oki entre 2006 e 2010. Atualmente ocupa a gerência geral adjunta de mar­ke­ting e vendas da Oki Corporation. Em sua nova função, vai supervisionar o desenvolvimento das operações de negócios internacionais em todas as á­ reas de produtos nos mercados latino e norte-​­americano e também desempenhará a função de presidente do comitê de gestão norte-​­americano da organização. Após a conclusão do seu mandato de quatro anos liderando as operações das Américas do Norte e Latina, o presidente Takabumi Asahi assumirá um novo cargo dentro da divisão de vendas e mar­ke­ting da Oki Data Corporation, no Japão www.oki.com.br


Contrato de Serviços Agora a sua Heidelberg fica 24 horas no ar

Quer saber mais? Entre em contato conosco: 0800 940 9008 • 4003 8502 • 11 5525 4577 contratos.servicos@heidelberg.com

Planejar os custos de manutenção, diminuir paradas inesperadas, aumentar a qualidade das impressões e ter todo o suporte da maior e melhor estrutura de peças e serviços do mercado; estas são as bases dos contratos de manutenção oferecidos pela Heidelberg. São 12 módulos que podem ser customizados para atender as suas necessidades específicas, com prazos de duração que atendem suas demandas. Seja qual for a sua dúvida ou necessidade, a Heidelberg poderá te ajudar. Entre em contato pelo telefone: 11 5525-4500 Heidelberg do Brasil Alameda África, 734/756 • Polo Empresarial Tamboré • 06543-306 • Santana de Parnaíba • SP Tel.: 11 5525-4500 • Fax: 11 5525-4501 • atendimento.hbr@heidelberg.com • www.br.heidelberg.com


Jofer Embalagens tem novo coordenador comercial

O administrador de empresas

Anunciada a disponibilidade mundial da EFI Vutek HS100 Pro aprimorar nossa capacidade de identificar necessidades específicas na cadeia e elevar a competitividade da empresa”, explicou Fiume. www.jofer.com.br

Gravação Geny. Qualidade que dá maior destaque ao seu produto.

BrainStorm

Valter Fiume assumiu no dia 20 de junho a coordenação comercial da Jofer Embalagens, sediada em Birigui, no interior de São Paulo. Fiume, que já atua na empresa há 15 anos na função de coordenador do sistema de qualidade, continuará mantendo suas atribuições nessa área, passando agora a responder também pelo departamento comercial. “O desafio inicial é começar pela reestruturação de alguns processos que estabeleçam canais e relacionamentos mais eficientes com os clientes,

N

o mês de junho a EFI comunicou que já está disponível em todo o mundo a sua impressora jato de tinta EFI Vutek HS100 Pro, que oferece alta velocidade de produção e imagens de maior qualidade com a tecnologia exclusiva Pin & Cure, que proporciona uma deposição precisa de tinta e ainda imagens em escala de cinza de pontos variáveis. Para Scott Schinlever, vice-​ ­p residente sênior e gerente de soluções jato de tinta da EFI, “as empresas de impressão não precisam mais se contentar apenas com a velocidade, elas podem ter a produtividade e a alta qualidade de imagem de que necessitam

para optarem pela impressão digital em um mercado de sinalização e de outras aplicações dominado pela impressão analógica”. No primeiro semestre, nos meses de abril e maio, quatro unidades da HS100 Pro já haviam sido instaladas nos Estados Unidos: em Portland, Oregon, na PVS In-​­Store Graphics; em Dublin, Califórnia, na AMP Printing; em Hayward, Califórnia, na Quad Express Printing; e em Rockford, Illinois, na Insterstate Graphics. A primeira instalação na Europa, feita na mesma época, foi para a empresa de produção de publicidade WTO, na cidade de Wiehl, Alemanha. www.efi.com

Ricoh apresenta multifuncionais Pro C5100S e C5110S Subsidiária do grupo japonês

Somos especializados em hot stamping e clichês de silicone e outras bases. Com quase 50 anos no mercado gráfico, estamos preparados para oferecer as soluções mais práticas e adequadas para seu produto.

10

Rua José Bento,144, Cambuci CEP 01523-030 São Paulo SP Tel. (11) 3277-6320 www.lemegg.com.br REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Ricoh Company, a Ricoh Brasil lançou as novas multifuncionais coloridas, modelos Ricoh Pro C5100S e Pro C5110S , com velocidades de 65 ppm e 80 ppm, respectivamente. Segundo a fabricante, os dois novos equipamentos de imagens são ideais para ambientes que exigem produtividade e versatilidade, com alta qualidade de

imagem e impressão a um preço acessível. Ambos os modelos incorporam uma nova formulação de toner, que aumenta a gama de cores para impressão em 10%, na comparação com outras impressoras da Ricoh, e possuem uma menor temperatura de fusão, o que representa um warm-​­up mais rápido e com menor consumo de energia. www.ricoh.com.br


A revista Gráfica ganha Prêmio Anatec Publicada e impressa pela Posigraf,

Weldotron passa a produzir na Argentina

C

om o propósito de aumentar a eficiência de suas operações, buscando a melhoria da produtividade e condições mais favoráveis para atender a seus clientes, a Weldotron do Brasil Sistemas de Embalagem estabeleceu parceria com a Edos S.A., da Argentina, para produzir suas máquinas naquele país. Com mais de 40 anos de experiência e altamente conceituada no mercado interna-

cional, a Edos, tal como a Weldotron, é fabricante de máquinas de embalagem encolhível. Esse posicionamento permite à Weldotron fortalecer e agilizar a área de serviços, com a instalação de máquinas, sua manutenção, o fornecimento de peças e componentes, assistência e consultoria técnica, reformas, e o treinamento de operadores. weldotron@uol.com.br

rs 2013 Night of colo

W+D 234d

11 VIP-TICKET 2

UMA MáqUinA – 1000 possibilidAdes / / / / /

hae l Sm ith, Pau la and MicL e3 · 19:00 · Table 12 Ma rch 19t h, 201 vel

1

entre em contato:

S

andr a

Tel.: +55 11 99557 1520 wd234d@w-d.de

San dra

Pe te

Ge sch

Brow n

· Mus terri

ng 106 · 2103 9

Typo -S r Bu ch

äfts füh

rer

pre pre

ho lz

chlic k

ss an d

S

mo re

Typo-S chlick MarcGmbH Chag all-Str. 10 · 565 Telefo 66 Ne n: 0 uwied 26 31/ Telefa 35 68 x: 0 92 26 31/ E-Mail: p.b@ty 35 68 91 Interne po-sc t: ww hlick.d w.typ e o-sch lick.de

andr a

interior

designe

r

B

B

rown

Chr

Ham burg

1

1 1 1 21 2 1 21 2 3 1 21 2 3 3 14 21 2 3 3 2 2 3 4 4 2 3 3 3 43 4 2 3 43 4 4 4

Crie seu próprio mercado!

Winkler+Dünnebier GmbH Sohler Weg 65 56564 neuwied – Alemanha

Level

Level Level L e v el Level Level Level Level Level Level Level L e v e l Level Level Level L e v el Level Level Level Level Level L Level Lev L e e le vel L e Level v l Leve Level Level Level Level Level Lev Level Level Level Level Level Level Leve Level Level Level

máquina de impressão em inkjet de Alta Performance Processa envelopes, cartão e papel Figuras individualizadas em cada produto Personalização e todos os tipos de códigos Perfeita para pequenas tiragens

www.w-d.de

gráfica do Grupo Positivo, de Curitiba (PR), a revista Gráfica – Arte Internacional recebeu no dia 13 de agosto, em São Paulo, o Prêmio Anatec na categoria “Circulação Internacional”, repetindo a conquista do ano passado. A direção de arte é do designer Oswaldo Miranda (Miran), que criou e lançou a primeira edição da revista em 1983. “Sem anúncios e comprometida livremente com as artes gráficas, a revista Gráfica – Arte Internacional mantém sua periodicidade no Brasil e no exterior graças ao respeito conquistado junto ao público em quase 30 anos de circulação”, declara Gilberto Alves, diretor da Posigraf.

Salesistine Pein Su

· Ger manpp or t y

e

WIN SohleKLER + Pho ne: +49 040 5656 r Weg DÜNNEB /38 X48 IERFax : Germ 4 Neuw 65 GMBH +49 040 ied any /3Y 647 E-M ail: san dra Phon bxx @im Fax: e: +49 ail. de E-M +49 2631 84 Mu ste rba nk www.ail: chris 2631 84 265 (BL w-d.d tine.p 57 7 Z 321 9P7 e eine@ B32 ) X93 w-d. 0Z2 6L7 de San

rown

dra Bro wn inte rior de sig ner USt -IdN r. DEZ UP3 Ste uer 21X YZ -Nr. LM K32 4XY Z12

Mu ste rrin g 106 • 210 39 Ge rm an Ha mb y urg Pho ne : +49 040 /38 X48 Fax : +49 040 /3Y 647 E-m ail: san dra bxx @im ail. de

11 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF


U

Números positivos para a ExpoPrint 2014

m ano antes de a ExpoPrint Latin America 2014 abrir suas portas, em julho, os organizadores da feira computam números bem superiores aos registrados na comparação com a edição passada, de 2010. A maior feira da indústria gráfica da América Latina, a 365 dias da sua 3ª edição, já tem 83% de ocupação de espaço confirmada, contra 72% no mesmo período na edição anterior. O número de expositores deve crescer cerca de 25%, ocupando uma área de 40 mil metros quadrados. São esperados 40 mil visitantes nacionais e 5 mil estrangeiros. O cadastramento pode ser feito gratuitamente através do link www.expoprint.com. br/pt/visitar/cadastro. O diretor da feira, Karl Klökler, afirma que “os números po-

A Klabin recebeu a certificação

FSSC 22000 (Food Safety System

Karl Klökler, diretor da feira

sitivos registrados pela ExpoPrint Latin America a um ano de sua realização nos deixam extremamente satisfeitos. A meta nos próximos 365 dias é seguir o forte trabalho que já vem sendo feito, visando à ocupação total do espaço e ao aumento do público em relação à edição passada”. www.expoprint.com.br www.facebook.com/ ExpoPrintLatinAmerica

APS e Fespa divulgam feira de sinalização digital em 2014

Primeira feira voltada exclusi-

País, com um avanço de 22,2% vamente à cadeia de sinaliza- em 2012, e está presente nas ção digital da América Latina, ­áreas externas das grandes cia Brasil Signage Expo será rea- dades, em substituição aos oulizada nos dias 9 e 10 de outu- tdoors, e também em estabebro de 2014, lecimentos no Pavilhão comerciais, Amarelo do escolas, resExpo Center taurantes, SIGNAGE expo N o r te, e m aeroportos, São Paulo, salas de espromovida através de uma par- pera, bibliotecas, bancos, suceria entre a APS Feiras & Even- permercados, shopping centers tos e a Fespa Association. A si- e muito mais. nalização digital é a segunda www.brasilsignage.com.br/pt mídia de maior crescimento no www.facebook.com/BrasilSignageExpo

BRASIL

12

Klabin conquista FSSC 22000

REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Certification, certificado de sistema de segurança de alimentos), uma das mais avançadas normas utilizadas para assegurar a procedência do papel para embalagem de alimentos. A nova certificação, inédita no setor de celulose e papel brasileiro, deve ajudar a expandir os nichos de atuação da empresa. Segundo Flávio Deganutti, gerente de qualidade da unidade Monte Alegre, a FSSC 22000 credencia a Klabin a ampliar

sua atuação em mercados de embalagens que exijam proteção contra contaminação. Maior produtora e exportadora de papéis para embalagens do Brasil, a Klabin possui, desde 2007, a NBR ISO 22000 (sistema de gestão de segurança do alimento), certificação que estabelece requisitos para identificar e eliminar qualquer perigo físico, químico ou biológico capaz de comprometer a segurança dos alimentos embalados a partir de papéis fabricados pela empresa. www.klabin.com.br

Faleceu Alice Brill

Nascida em Colônia, Alemanha,

em 1920, filha do artista plástico Erich Brill e da escritora Marte Brill, faleceu no dia 29 de junho, aos 92 anos, em Itu (SP), a consagrada artista plástica e fotógrafa Alice Brill Czapski, (veja Revista Abigraf nºs 221 e 244). Em fuga do nazismo, veio com a mãe para o Brasil em 1934. Após rápida permanência na Ilha de Paquetá (RJ), mudaram-​­se para São Paulo. Deu seus primeiros passos na pintura com o pai, que chegou depois ao nosso país. Entre 1940 e 1944 frequentou o Grupo Santa Helena, convivendo e aprendendo com vários pintores, entre eles Aldo Bonadei, Fúlvio Pennacchi, Yolanda Mohalyi, Volpi e Hansen Bahia. Em 1946 ganhou bolsa de estudos nos EUA, onde fez cursos de pintura, história da arte, literatura e filosofia. Valendo-​­se da experiência adquirida em um estúdio norte-​­americano, ao retornar para o

Brasil dedicou-​­se à fotografia profissional com grande sucesso desde 1948 até o final da década de 1950. Sua produção fotográfica foi de alta qualidade e em grande número, produzindo cerca de 14 mil imagens, cujos negativos pertencem hoje ao Instituto Moreira Salles. A partir da década de 1960 voltou-​­se integralmente à pintura e ao estudo das artes plásticas, participando de salões, exposições individuais e bienais. Realizou mais de 100 exposições, recebeu importantes prêmios e suas obras estão presentes em acervos nacionais e internacionais.


Dobradeira de Papel Rolaria produzida com borracha alemã Várias configurações entre bolsas e facas Equipado com abafador de ruído Stacker na saída (opcional)

1.

2.

Dobradeira de Orelha 1.

2.

3.

4.

5.

6.

Dois braços para movimentação da faca Ar expulsor de aparas Sistema de vinco antes da dobra Alimentação contínua sem interrupção da produção

A linha de Acabamento Editorial foi desenvolvida sob rígidos padrões de qualidade e se destaca pela construção forte e diferenciada. Os equipamentos desta linha são indispensáveis para editoras e gráficas que possuem alto volume de produção, pois possuem setup rápido e alta produtividade e precisão.

Entre em contato e conheça todas as soluções para o mercado editorial 11 3277 5658 | grafica@furnax.com.br | www.furnax.com.br/grafica


Laboratório de qualidade da Suzano é certificado

A Suzano Papel e Celulose é a primeira empresa do setor no Brasil a receber o Certificado de Acreditação emitido pelo Inmetro, reconhecendo a competência técnica do trabalho do seu laboratório de qualidade e meio ambiente. Esta certificação, que inclui o escopo de amostragem e ensaios gasosos e hídricos, está correlacionada à norma ISO 17025, que padroniza os testes para laboratórios de ensaio e calibração. www.suzano.com.br

Blog da Dugraf está de cara nova

Para facilitar a consulta a in-

formações técnicas sobre blanquetas para as gráficas dos diversos segmentos, dentro e fora do Brasil, a Dugraf reformulou no mês de junho o seu blog blanquetas.com.br. Segundo Thiago Pereira, gerente de vendas e mar­ke­ting da empresa, “o portal contará com a colaboração de parceiros formadores de opinião dos diferentes segmen-

tos do mercado gráfico, na geração de conteúdo técnico, alimentando constantemente o nosso blog”. Márcio Mendonça, sócio-​­proprietário da Dugraf, ressalta que, “por meio desse site, nossos clientes poderão comprar ou orçar diretamente com a equipe de vendas, proporcionando assim um atendimento mais rápido e dinâmico”. www.dugraf.com.br

Presidente da Abfiae é reeleito Rubens Passos, presidente da Tilibra, uma empresa da ACCO Brands, foi reeleito em julho para continuar na presidência da Associação Brasileira de Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (Abfiae) por mais dois anos. Criada em 2011, a entidade representa os interesses comuns da indústria dos fabricantes e importadores do ramo perante as instituições públicas nacionais e internacionais e também junto aos órgãos regulamentadores e reguladores, no sentido de promover conjuntamente medidas de combate a práticas desleais de comércio como fraudes, evasão fiscal e pirataria. “Estou feliz em poder trabalhar como presidente da ABFIAE mais uma vez. Nossas

14 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

prioridades continuarão sendo a redução de impostos em nossos produtos e a adoção, pelo governo, do Cartão Educação para estudantes de escolas públicas para substituir o atual sistema vicioso de oferta”, declarou Rubens Passos após a eleição. www.abfiae.com.br


Distribuidor Amsky Av. Valdemar Ferreira, 159 - 05501- 000 - S達o Paulo - SP - Tel. 11 2177.9400 - www.tecshopping.com.br


ENTREVISTA

Orlando Marques

Luta pela liberdade de expressão e valorização do publicitário são algumas das metas da gestão de Orlando Marques, novo presidente da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap). Texto: Juliana Tavares

A

Publicidade segura e inovadora

cumulando mais de 40 anos de experiência no mercado publicitário, Orlando Marques foi o escolhido, no início deste ano, para substituir Luiz Lara na presidência da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap). Graduado em Administração de Empresas pelas Faculdades Tibiriçá e em Propaganda pela Escola Superior de Propaganda e Mar­ke­ting, com extensão na IMD Business School, na Suíça, Marques iniciou sua trajetória profissional em 1971, aos 22 anos, como trainee de vendas do Grupo Abril. Esse foi o ponto de partida para uma carreira de sucesso na publicidade.

16 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Sua história na área publicitária acabou seguindo um caminho pouco convencional: até ser presidente da rede de agências Publicis (formada por Publicis Brasil, Salles Chemistri, Publicis Dialog, AG2 Publicis Modem, Publicis Red Lion, Razorfish e Digitais), em 2007, ele atuou somente em grupos de comunicação. Depois de mais de vinte anos na Abril, onde também foi diretor geral de publicidade e publisher da revista Veja, Orlando Marques foi para o jornal O Estado de S. Paulo para exercer a função de diretor comercial. Logo após, o currículo foi ampliado com outras grandes empresas, como Editora Globo, TV Bandeirantes, Brasil Mídia


e TV Globo, sempre ocupando postos de pri- envolvendo outras entidades que têm preocumeiro escalão e participando de lançamentos pações com as mesmas causas. Além disso, criamos um Comitê de Sustentabilidade, liderado editoriais e inovações de mídia. Com toda essa experiência, Orlando Mar- pela Lana Pinheiro, e um Comitê Digital, coques assumirá o desafio de defender, nos dois mandado pela Gal Barradas. Mas a gestão irá, anos de seu mandato, os interesses daqueles sim, dar continuidade ao bom trabalho do Lara. que fazem a propaganda acontecer. Nessa entrevista exclusiva concedida à Revista Abigraf, Após o V Congresso foram definidas cinco proposele relata quais serão os pilares de sua gestão e tas prioritárias. Uma das que já foram concretizadas é o sistema de depósito comenta o ótimo desempede tabelas de preços de veícunho do Brasil no 60 º‒ Cannes los do Cenp, chamado de BUP Lions – Festival Internacio(Banco Único de Listas de Prenal de Criatividade, um dos VAMOS TRABALHAR EM ços). Além desta, quais promais importantes festivais TODAS AS FRENTES PARA postas foram realizadas e/ou do mercado publicitário. AJUDAR O MERCADO A estão em andamento? SER MAIS PROFISSIONAL Quais são as principais meTemos um trabalho em conE MAIS COMPROMETIDO tas e os maiores desafios de junto com o Ministério das COM OS VALORES DA sua gestão como presidente Comunicações para ampliar da Abap? a banda larga nas escolas. LIVRE INICIATIVA E DA Vale citar a retomada do CoTravamos uma batalha diDEFESA DO NOSSO ária pela defesa dos nossos mitê de Continuidade e ImMODELO DE NEGÓCIO. valores empresariais, assim plementação, liderado pelo como da liberdade de expresMarcio Santoro, que tem o compromisso de trazer ousão comercial e da livre iniciativa. Além disso, lutamos pela implemen- tras propostas já consideradas para apreciatação das teses do V Congresso Brasileiro da ção da diretoria e que deveriam ser implemenIndústria da Comunicação, realizado em 2012, tadas em agosto. Temos também o Código de que devem ser colocadas em prática e para as Autorregulamentação para Proteção de Dados quais estarei sempre muito atento e atuante. Pessoais, que é imprescindível em virtude do Vamos trabalhar em todas as frentes para aju- acelerado avanço da tecnologia da informação, dar o mercado a ser mais profissional e mais principalmente o da internet. É preciso estacomprometido com os valores da livre iniciativa belecer normas legais, afinal a individualidae da defesa do nosso modelo de negócio. de deve ser garantida e protegida em relação à liberdade, privacidade, intimidade, honra e Em seu discurso de posse, em maio, o senhor afir- imagem, sem impedir a livre iniciativa comermou que fará uma gestão de continuidade do tra- cial e de comunicação. O projeto de lei do códibalho realizado por Luiz Lara nas últimas três go está sendo pilotado pela Abemd (Associação gestões. Nesse período ocorreram diversas con- Brasileira de Mar­ke­ting Direto). quistas para o setor, tais como a criação da Lei n º‒  12.232 (de licitações públicas), do guia das Um dos objetivos traçados pela atual diretoria é melhores práticas nas concorrências privadas e o de mostrar ao setor como lidar com as transforda plataforma “Somos Todos Responsáveis”, en- mações que a tecnologia proporciona ao mercado tre outras. O que será feito para dar prossegui- publicitário. Quais iniciativas têm sido realizadas pela Abap nesse sentido? mento a essas e outras realizações? Em primeiro lugar, temos de valorizar a pro- As novas tecnologias são essenciais para a copaganda e, por consequência, quem faz a pro- municação comercial e o mar­ke­ting. E a busca paganda. E retomaremos a campanha “Somos é pela integração. Para isso, nós criamos o CoTodos Responsáveis” no segundo semestre, mitê Digital. Uma das dificuldades das agências

17 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF


Orlando Marques, tendo ao lado (E/D): Bob Vieira da Costa, vice‑presidente de relações governamentais da Abap; e Armando Strozenberg, vice‑presidente de relações institucionais da entidade

hoje é trabalhar com todas as ferramentas e tecnologias de forma integrada. Queremos estudar isso de modo mais profundo para ver como podemos ajudá-​­las.

E já temos nessa área uma prática de muitos anos, que é o Conar, que regula e orienta tudo isso muito bem.

Neste ano, mais uma vez, o Brasil mostrou que Além deste, quais são os maiores desafios para o tem muitos talentos na publicidade ao conquistar 114 Leões no 60 º‒ Cannes Lions, um recorde futuro do setor, no médio e longo prazos? do País no festival. Em sua opiÉ muito importante bater nião, quais são os diferenciais na tecla da liberdade de exdos publicitários brasileiros? pressão comercial. A Abap PRECISAMOS DE LEIS é contra qualquer iniciatiO publicitário brasileiro está descobrindo, a cada ano, que va nessa direção. O históriQUE GARANTAM QUE o caminho é ampliar a capaco é perigoso e a proibição de A PRÓPRIA SOCIEDADE um anúncio pode refletir no cidade de produção de forPROCURE SUA direito de escolha do cidamatos em vários meios. Até AUTORREGULAMENTAÇÃO. porque, há alguns anos, um dão no futuro. Quem proíbe E JÁ TEMOS NESSA ÁREA simples anúncio ganhava um hoje pode também interferir UMA PRÁTICA DE MUITOS Leão. Hoje, você precisa criar nisso amanhã, o que fere os mais do que isso. A publicidaprincípios da democracia. ANOS, QUE É O CONAR, Na realidade, esses projetos de, atualmente, é vista como QUE REGULA E ORIENTA de lei são feitos para enfrauma solução para a comuniTUDO ISSO MUITO BEM. quecer as receitas dos veícação do cliente. E, para isso, devemos usar todas as ferraculos de comunicação. Precisamos, então, aumentar o mentas e todas as platafordiálogo com o governo, não apenas o Executi- mas. Quem andou fazendo isso muito bem foi vo, mas principalmente o Legislativo, porque a Ogilvy, com os cases “Retratos da Real Beletodo dia nasce um projeto de lei tentando inibir za”, para a Dove, e “Fãs Imortais”, para o Sport a livre iniciativa ou a liberdade de expressão e Recife. Os publicitários brasileiros, na verdaaté mesmo a livre comercialização de produtos. de, sempre se destacaram pela qualidade criaPrecisamos de leis que garantam que a própria tiva. Mas, agora, estamos aprendendo a fazer sociedade procure sua autorregulamentação. isso em várias plataformas.

18 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013


YUGO MABE 1


2

ARTE

Yugo Mabe expressa seu profundo respeito e amor pela natureza ocupando as telas com cores e texturas intensas, reverenciando as formas que compõem seu glossário iconográfico. Tânia Galluzzi 3


4

Talvez esses episódios não tenham sido assim tão frequentes, confessa Yugo, mas foram representativos o suficiente para fazê-​­lo apaixonar-​­se definitivamente pelo cromatismo da natureza e nunca mais abandoná-​­lo. Soma-​­se a isso a proximidade do pai, Manabu Mabe, referência do abstracionismo no Brasil e no mundo, e chegamos a um jovem nissei desde muito cedo interessado pela pintura, porém que se recusava a vender seus quadros, mesmo quando requisitados, até considerar-​­se um pintor profissional. 5

Natureza luminosa 1 ( página 20) São Paulo, acrílico sobre tela, 2005 2 ( página anterior) Sem título, acrílico sobre tela, 2012 3 ( página anterior) Sem título, acrílico sobre tela, 2010 4 Sem título, acrílico sobre tela, 2013 5 Cascavel, Ceará, acrílico sobre tela, 1982 6 Sem título, acrílico sobre tela, 2012

6

O

cenário não poderia ser mais idílico e impressionista. Um piquenique em família num domingo ensolarado, uma represa, crianças com varinhas de bambu brincando de pescar. Após o lanche, organizado em bentôs cuidadosamente preparados, os adultos descansam enquanto as crianças tratam de montar seus cavaletes para pintar. Exatamente assim Yugo Mabe deu os primeiros passos na arte decorativa. Em algum lugar perdido em sua memória, entre os municípios paulistas de Eldorado e Diadema, o menino começou a perceber por onde iniciar uma paisagem, a entender que um desenho podia ter vários planos e a decifrar a linguagem das cores.

Isso só aconteceu aos 25 anos, já formado em Propaganda e Mar­ke­ting, após a mais longa conversa que diz ter tido com seu pai. Em 1980, ambos viajavam para o Japão e tempo não faltou para que Yugo falasse claramente sobre sua pretensão em viver da pintura. O pai enumerou todas as dificuldades enfrentadas por um artista plástico. Eventualmente a família que ele porventura formasse poderia sofrer com a sazonalidade das vendas de suas obras. Yugo rebateu com o argumento de que só se sentiria feliz se fizesse o que realmente gostava e então, pela primeira vez, Manabu, que acompanhava de perto a produção do filho, disse que Yugo tinha um dom para a pintura. De volta ao Brasil, Manabu cuidou de apresentar formalmente o filho ao mundo das artes, organizando sua primeira exposição individual na galeria Documenta, em São Paulo. Nus e paisagens compunham a mostra. Todos os quadros foram vendidos. ORIGEM DAS CORES

Yugo cresceu sentindo o cheiro da tinta. Caçula dos três irmãos, gostava de ficar ao lado do pai acompanhando seu processo criativo, testemunhando a facilidade com que duelava com as cores, compondo-​­as e confrontando-​­as, tentando imaginar o que eram todas aquelas formas. Mesmo adulto, Yugo mantinha-​­se muito próximo do pai. Nada mais natural do que 

22 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013


7

8

9

7 Rio Santos, acrílico sobre tela, 1982 8 Sem título, acrílico sobre tela, 2012 9 Nu, acrílico sobre tela, 1979 10 Veneza, acrílico sobre tela, 1999

& YUGO MABE Tel. 5011-5869 www.facebook.com.br/yugo.mabe

relacionar o seu uso das cores com a prática do pai. Só que Yugo refuta essa ideia, revelando que elas estão muito mais alinhadas com outro mestre da cor, Aldemir Martins. Aldemir era praticamente um tio para Yugo e naquele mesmo ano de 1980 guiou-​­o em uma viagem decisiva para seu repertório cromático, reforçando seu interesse pelas paisagens naturais. No Ceará, Yugo espantou-​­se com a intensa claridade nordestina, com a magia das cores das frutas, com a profundidade do azul celeste. Sua pintura ganhou novas dimensões. Seis anos depois, o projeto de uma exposição na Realidade Galeria de Arte, no Rio de Janeiro realinhou seu trabalho. A marchande Nilda Araripe propôs que ele desenhasse flores em telas de grandes dimensões. A liberdade de á­ reas maiores impulsionou-​­o a romper os limites da arte figurativa, aproximando-​­o do abstracionismo. Senhor de arte, Yugo viu sua obra florescer no mesmo estilo que consagrou seu pai. Isso não 10

REVISTA ISSN 010 3•572

A GRÁFIC A • ANO X XXVIII • J ULHO/AG

X

OSTO 201 3 • Nº 2 6 6

REVISTA ABIGRA F

266 JULHO/ AGOSTO

2013

ARTE & IN DÚSTRI

Capa

24

Capa: Flores, acrílico sobre tela, 2008 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

significa que deixou de visitar o figurativismo, permitindo-​­o vazar em suas paisagens. A representação da natureza, essa sim, não perde espaço, assim como os tons vigorosos. Há anos Yugo não expõe. Ele continua produzindo, pintando sobretudo à noite, mas o projeto do museu Manabu Mabe vem tomando seu tempo. Ele comenta que 85% da obra está concluída, contudo os ajustes para deixar o imóvel de 1911, tombado pelo Condephaat, em acordo com as normas de acessibilidade e ambientalmente amigável não são simples. O museu funcionará na Rua São Joaquim, no antigo Colégio Campos Salles, no bairro da Liberdade, e deve ser inaugurado em 2014. Se no início de sua carreira o fato de ser filho de quem é chegou a ser um fardo para Yugo, o tempo e seu próprio talento cuidaram de afastar essa ideia. Por 25 anos, o artista assinou apenas seu nome em suas obras. Marcando sua maturidade e suas bodas de prata artísticas, desde 2005 inclui o sobrenome em suas pinturas.


DOCUMENTO

Abigraf apresenta manifesto à Nação

Texto que contém os principais pleitos do setor foi elaborado em conjunto e assinado por 20 regionais da associação em todo o País e sindicatos da indústria de várias regiões.

26 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

A

situação é preocupante e está mobilizando os empresários de todo o País. De acordo com os números levantados pelo Departamento de Estudos Econômicos da Abigraf (Decon), no primeiro trimestre de 2013 a atividade teve recuo de produção de 7,2% em relação ao mesmo período de 2012. No acumulado do ano passado, já havia registrado desempenho negativo de 7,6% em relação a 2011, mais acentuado do que a média da indústria de transformação. Diante disso, representantes de associações de classe e de sindicatos de 20 estados brasileiros reuniram-​­se no dia 12 de julho na sede da Abigraf Nacional, em São Paulo. Do encontro, resultou o documento “Manifesto da Indústria Gráfica à Nação”, que relata as ameaças ao setor e reitera as reivindicações para o resgate de sua competitividade (veja a íntegra do documento na página ao lado). O presidente da Abigraf Nacional, Fabio Arruda Mortara, salientou que, num momento em que o cenário nacional deteriorou-​­se, a indústria gráfica vem enfrentando problemas

sérios, a começar pelo fato de não ser ouvida pelo Governo Federal. “Estamos enfrentando a concorrência desleal de importação de serviços gráficos, em especial da China, onde foram impressos até livros brasileiros, inclusive os didáticos comprados pelo governo para distribuição às escolas públicas. Há ainda a defasagem cambial”, salientou Mortara, acrescentando: “A situação foi-​­se agravando e, por isso, nossas bases empresariais de todo o País aprovaram e assinaram um manifesto, expressando nossa indignação ante a gravidade conjuntural do setor”. O presidente da Abigraf Regional São Paulo, Levi Ceregato, explicou que o mercado, não apenas no Brasil, está diminuindo devido à concorrência de outras mídias, como redes sociais e livros digitais. “Nesse cenário temos verificado com os empresários que ainda há um otimismo quanto à sobrevivência do setor, mas percebemos a insensibilidade dos órgãos governamentais quando apresentamos algumas demandas”, frisou o dirigente. “Um exemplo dessa indiferença refere-​­se à questão dos livros que estão


Manifesto da Indústria Gráfica à Nação

Somos 50 mil empresários, que represen tam 20 mil empresas e empregam 222  mil trabalhadore s diretos. Vimos manifest ar noss a prof unda preocupação, com o todos os bras ileiros, com a solu ção dos problema s nacionai s e com a retomad a do crescimento econômico. Estamos trabalhando com imensa dedi cação e muito esforço, dando nossa cont ribuição ao desenvolvimento de nosso país . Por isso, também queremos ser ouvidos, pois há questões graves, que culminam com a perda de competitividade de nossa indú stria, ameaçando a sobrevivência de nossas empresas. Por isso, nos dirig imos ao Governo Fede ral para reivindicar em uníssono: ◆◆ Desoneração, já, da folha de pagamentos dos segmento s da indústria gráf ica que ainda não foram contemplados com esta medida, em especial o editorial. ◆◆ Isenção do IPI para todos os materiais escolares. ◆◆ Alíquota zero do PIS/Cofins para as gráf icas brasileira s que impr imem livros. ◆◆ Restabelecimento imediato dos níveis anteriores do impo sto de importação dos seis tipos de papel de impr imir que tiveram suas alíquotas de importação elevadas pela Camex. ◆◆ Adoção imediata da Margem de Preferência em todas as compras de materiais gráf icos pelo setor público, incluindo as obras adquiridas pelo governo no âmb ito do Prog rama Nacional do Livro Didático (PNLD). ◆◆ Criação de meca nismos que proporcionem competitivida de às indústrias gráf icas de embalagens e livros, as quais vêm send o atacadas de maneira predatór ia por concorrentes estrangeiros, especialmente da China. ◆◆ Fiscalização efica z do uso indevido do papel imune. ◆◆ Fim da bitributa ção do ICMS e ISS. A indústria gráf ica brasileira exige uma resposta do poder público, pois é um setor intensivo em mão de obra e impr ime/ fabr ica itens essenciais para a sociedade , como livros, jornais, revistas, cadernos, emb alagens de alimentos e remédios! O setor, que está há 205 anos no Bras il, não pode resig nar- ​­se ao real risco de extinção, que seria uma perda irrep arável para o Bras il e para o sustento digno das famílias de 222 mil trabalhadores. Queremos ser ouvidos em nossas reivi ndicações, que são antigas e correntes ! Esperamos respostas!

sendo impressos na China, transferindo para lá a receita de impostos e a geração de empregos. O setor gráfico é composto em sua maioria por microempresas e está bastante atualizado tecnologicamente. Por isso, é essencial retomar sua competitividade”. De acordo com Mortara, todos os oito pontos do documento são importantes para coibir e mitigar os efeitos negativos no setor, mas o atendimento de qualquer um deles, a qualquer tempo, é bem-​­vindo. “Nos últimos meses conversamos com diversos ministros, deputados e senadores. O governo tem sido procurado e informado sobre essas questões, mas tem feito ouvidos moucos, não nos dá qualquer sinalização. Nunca obtivemos um ‘sim’, mas também não recebemos um ‘não’. É um absurdo que não se desonere o material escolar em um

país que se diz preocupado com a educação, que se compromete a destinar recursos do pré-​­sal para esta finalidade. Se o manifesto for atendido, poderemos ao menos minimizar os efeitos e resgatar alguma competitividade para a nossa indústria”, conclui.

27 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF


ENCONTRO

Presidente da EFI fala de janelas de oportunidade

C

28

erca de 100 pessoas, entre clientes, parceiros e imprensa, participaram do encontro promovido pela EFI na noite de 31 de julho, em São Paulo, com a diretoria regional da empresa e o presidente Guy Gecht. Esta é a sexta vez que o executivo vem ao Brasil. No comando da EFI desde 2000, ele aproveitou a oportunidade para aprePara Guy Gecht elas sentar sua visão sobre o futuro da imestão na personalização pressão digital e como a companhia de documentos e que dirige se encaixa nesse cenário. nos segmentos de Antes de Guy Gecht, Osmar Barsinalização, embalagens bosa, gerente geral EFI EPS América e cerâmica decoradas. Latina, fez um breve relato das operações da EFI no Brasil e no mundo, chamando a atenção para os investimentos da empresa em pesquisa e desenvolvimento, que giram em torno de 25% de seu faturamento, e para o esforço na criação de ferramentas que viabilizem a integração de processos. Centrando sua apresentação na importância de as gráficas enxergarem e saberem aproveitar as janelas de oportunidades que se abrem quando o mercado muda, Guy Gecht mostrou números e citou exemplos de como a indústria gráfica está vivendo as transformações. No universo da impressão, as oportunidades no curto prazo estão na personalização, nos segmentos de sinalização e embalagens, no uso de diferentes substratos e na busca incessante pela eficiência. REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Apostando nesse discurso, a EFI tem conseguido bons resultados, a julgar pelos números apresentados pelo executivo, mostrando que 2012 foi o terceiro ano consecutivo de crescimento na casa dos dois dígitos. No segundo trimestre de 2013, a empresa teve um faturamento recorde de US$ 180,3 milhões, 10% a mais do que no mesmo período do ano passado. Entre 2009 e 2012, a receita cresceu 63%, saltando de US$ 401,1 milhões para US$ 652,1 milhões, sendo que na América Latina essa elevação foi de 104%. Para a região, as estratégias estão centradas em ajudar os clientes a ter sucesso com a impressão jato de tinta, na evolução do sistema de gestão EFI Metrics — cujas ferramentas desenvolvidas no Brasil já estão sendo exportadas — e na difusão da impressão digital no segmento de cerâmica decorativa através das soluções EFI Cretaprint. Hoje, no mundo, a EFI contabiliza mais de 300 impressoras digitais de cerâmica decorada instaladas, quase 4 milhões de litros de tinta UV vendidos, mais de 5.000 impressoras jato de tinta de produção em funcionamento, 1,7 milhão de instalações do RIP Fiery e mais de 25.000 soft­wares implantados. & EFI METRICS Tel. (11) 2199-​­0100 www.efi.com www.metrics.com


RENZ MOBI 360 Máquina encadernadora semiautomática

RENZ AP 360 DIGITAL Perfuradora automática com ajuste automático de formato ®

RENZ do Brasil Ltda Rua 13 de Maio, 474 - Vila Tarumã CEP: 83.323-170 - Pinhais - PR Fone: 55-41-3033-9500 Televendas: 0800-604-9500 vendas@renz.com.br www.renz.com.br ®


! L E V Á S N E INDISP

O ÚNICO O D N A T N E S E ÊNCIA APR DADOS DO SETOR R E F E R E D OBRA BANCO DE O V I S U L C E EX Ad vendas Anuario 17v3 150.indd 2

20/08/13 11:46


INFORMAÇÕES ESSENCIAIS PARA O DIA A DIA DOS PROFISSIONAIS LIGADOS AO UNIVERSO GRÁFICO 1 Livro com 376 páginas em cores, em belíssima embalagem protetora 2 Desempenho do setor em 2012 3 Balança comercial 2010/2012 4 Tabelas para selecionar e localizar gráficas buscando-as através do serviço desejado 5 Dados de 2.202 gráficas de todo o Brasil contendo endereço, telefone, e-mail, site, certificações, número de funcionários, área instalada, formato máximo de impressão, processos, segmentos de atuação, produtos e serviços de cada uma, divididas por região, estado e município f ica Grá 6 Guia de Fornecedores com stria ú d In ra a a p informações sobre 554 empresas res cedo orne F e a d de equipamentos, sistemas, Gui matérias-primas, insumos e prestadores de serviços

1

ens de balag cionais to • Em Promo amen chos Catálogos • Bulas os / dicion Cartu Acon lcartão • • Folhetos s Divers a. Pape dários plemento ãos Ltd • Calen tes / Su zes s & Irm do, 585 car t rta En Ca se Tulli • nto ire s / lidero Pessini de Figue steres pleme presso na s icA is • Pô tes / Su dos / Im cais 48 olita Gráf ya Coelh é Martin bra tas Fis ciona • Encar 22.77 trop Andre ronel Jos ória ES (27) 32 Promo dários Papéis Tim es • No ão Me . Co 60 Vit 47 Fax br Calen rciais • • Envelop gens Av • zes regi m. / 3-0 .26 nsa ia Carta 2904 ) 3200 uol.co Come nizados is / Me res / péis Vitór o fia Tel. (27aliderset@m B1 Padro es Posta nt • Pôste ais • Pa gra is sA xo Fle a. 54 grafic 600 m² ito • Cartõ ciona Comerci ados na • espír Santo Ltd 140/1 Promotálogos Padroniz a g ESSOS Of fset Plae Vinco o ra, icA sa vas s PROC ssão • • Corte S Gráfca Espírit de Olivei Adesi tos / CaImpresso cais Empre 2.7817 Impre amento SERVIÇOJornais de amento Gráfi Américo ória ES (27) 321 • Folhe dos / tas Fis Acab UTOS / vistas • ondicion Rótulos R. Dr. 5-560 Vit 800 Fax Timbra rnos • No a. PROD riais • Re rios Ac lcartão • nais iVA ra Ltd 2904 ) 3212.7es.com.brom.br • Cade os 0 mm itorA criAt e Edito Edito / Anuá de Pape mocio / Catálogssos Tel. (27 raf ica ficaes.c 520 × 74 icA e ed ra Ltda. 4 ca 247 93 icA • Guiasbalagens esivas ProFolhetos s / Impre ww w.gaes@gra m² n 56 Gráf va Gráfi ldetário, ES ate 39.54 Gráf Edito iro, r-to -Pl t Plana • Em etas Ad rtazes • brado pios grafic g 3.200 Criati dolfo Va a Velha (27) 33 Gm áfica e rry Carne ute fse rdá • Etiqu res / Ca Papéis Tim c ESSOS o • Compssão • Of e Vinco o R. Ro -250 Vil 3023 Faxail.com GM Grrmes Cu ória ES0 os • Ca • Pôste rciais • Divers PROC pressã l Impre • Corte stificaçã 29110 ) 3391. a@hotm R. He 0-515 Vit 3.290 a.com.br Come nizados Pré-imva Digita • Relevo z UV • Pla Tel. (27racriativ m B2 2904 x (27) 332 grafic l Padro • Pro amento • Verni bra edito 130 m² Telefa fica@gm m A2 ate boA a. Digita 193 -Pl ing a va lis ab gra Do S g ra, m² • ais os Ac Stamp noa a gm 200 vei icA S a Ltd eratur uter-to ESSO o • Pro na a 2 merci nizad mping a Gráfca Lisbo el de Oli • Hot ada Ca SERVIÇOnicos / Lit vistas PROC pressãOf fset Plaada Cano a g ESSOS o • Comp na s Co s Padro s ad 4.922 Hot Sta do Gráfi fino Mano ória ES (27) 332 mento sso • Lomb UTOS / ros Téc ados • ReAnuários nais Pré-im ssão • • Lomb S PROC pressãOf fset Plae Vinco • lt • Lomb zes Suple s / Impre• Carbona R. Ru 5-700 Vit 100 Faxm.br PROD riais • Liv e / Ilustr Guias / Promocio / Impre amento SERVIÇO res / Carta / Pré-im ssão • • Corte ra • Hot Me do tes / s o 2904 ) 3212.4lisboa.co oa.com.brmm Edito de Art presa • Rótulos • Folhetos • Encar is Timbra tas Fiscai alizaçã Acab UTOS / is • Pôste • Encar tespéis Impre amento • Costu k ticos Tel. (27 raf ica icalisb 0 × 780 de Em ento • Displays ntos • Livros • Papé das • Nonners / Sin PROD ciona tálogos ais • Pa ados s Acab ficação • Shrin S ens radidá Arte / nais balag ww w.gcao@graf n 58 • Jor dicionamrtazes • Supleme ntos • Agen os • Ba Promo tos / Ca Comercis Padronizrbonado • Plastia • Dobra SERVIÇOáticos / Pa ros de -Plate Liv to • Em res / Af jo dos Sa recep 800 m² Acon res / Ca car tes / Divers • Folhementos Impresso cais • Ca Cano UTOS / ros Did tura • tas uter-to Ltda. amen is • Pôste itoGr Araú arm co b g ESSOS o • Comp na • Pôsteogos • En Suple dos / Notas Fis PROD riais • Liv os / Litera tis • Revis ogos na dicion ciona tos / escr Aristeu o, 1202 te Ch e Vin Verniz on ita A bra OC tál • Pla E ssã an tál ne mo as ito t nic rte Ac ol PR Ca An ho • Tim opes pre Of fse Ed Téc ros Inf tos / Ca s / ra lom • Co ndre Ribeir ES nais ssos o Pro • Folhe ntos trop font Lanc Pré-im ssão • • Relevo z Calandra• Capa Du Alexa i Braga a Velha • Envel ites / Dip Sema pelcartã lendários Supleme s / Impre • Livrosados • Livis • Folhe brado das icA laria e , 279 GsA ão Me Impre amento • Verni inação Gráfca Pape Azevedo Av. Ru5-170 Vil 40.5099 com • Conv de Pa zes • Ca car tes / brado endas Ilustr ciona Papéis Timos • Agen itorA Ltda. regi a ia / e ed tônio Acab Stamping o • Lam S Gráfi rcos de ória ES 2910 x (27) 33 otmail. Carta ogos • En Papéis Tim es • Ag Promo rciais • dronizad nados eratur An icA Vitór 30 • Hot PlastificaçãSERVIÇOnicos / Lit Av. Ma -035 Vit 23.6013 om.br Telefa _graf@h m A3 Gráfca Santo 81 Catál rciais • • Envelop Come ssos Pa s • Carbo .br 23.39 ica UV • UTOS / ros Téc Empresa os 29018 x (27) 32fontana.c tana.com escrito 120 m² Gráfi dro Botti, ória ES (27) 32 Come nizados Impre Fiscai a. na Mecân Vit Fax Pe PROD riais • Liv nais de Cartuch zes ra Ltd Telefa raf ica @grafon a g ESSOS Of fset Pla ernação rius R. 53 Padro • Notas 66 ito uA br 5-4 o • .12 Ed Aq s Ltda. 299 nc Edito tas • Jor ento res / Cartapéis ww w.gnistracao m A3 PROC ssão • • Encad S 2904 ) 3232 gsa.com. br e Vi Gráfica icA , / riu • Revis dicionamis • Pôste ais • Pa ados admi 140 m² Impre amento SERVIÇO EmpresaFolhetos dos / Tel. (27 raf ica .com. cort Vinco 212 Gráfca Aqua Azevedo .6090 xível .0595 na 33 22 niz Fle rci / w.g gsa on • ES S g Pla ES ab na tti, 32 rte 32 mm Ac a Ac UTOS nais de dários Timbra tas ww raf ica e FSC i: 4 Co dro Bo cio Gráfi rcos de ória (27) .br (27) ória Come s Padro ESSO Of fset • Capa 1.020 tos / Promo dários Impresso nados s PROC ssão • • Relevo S PROD riais • Joris • Calen • Papéis das • No as gsa@g 01:2000 ndo Pin 720 × R. Pe 5-640 Vit 154 Fax a.com.br Av. Ma -600 Vit.5222 Fax il.com va Folhe • Pro o • Calen dos / s • Carbo ra Festa Impre amento SERVIÇO dários • ntos Edito ciona merciais os • Agens / Diplom ISO 90 os Ferna m² n 2904 ) 3322.2 co@terr 29018 ) 3223 s@veloxma o ssos -Plate pressã l Timbra dinha dutos pa Acab UTOS / is • Calen Supleme s / Impre s Promoogos Co dronizad Convite Prêmi g 3.000 Tel. (27acortevin m A2 pressã Tel. (27aquariu m B2 cionana uter-to na • Im l Im nven • Raspa os • Pro PROD ciona car tes / brado tas Fiscai Catál ssos Pa nados • d ESSOS o • Comp fset Pla mping ra grafic 500 m² adm. 240 m² Digita Relevo ito Co fset Pla Divers Promoogos • En Papéis Tim es • No as Impre s • Carbo PROC pressã ssão • Of • Hot Sta • Costu a g ESSOS o • Prova ento • a g ESSOS o • Fotol ssão • Of ra lube a. jo Catál rciais • • Envelop s / Diplom Fiscai Pré-iml Impre amento pa Dura PROC pressã Acabam S PROC pressã l Impre • Capa Du a icA Ltd rAf m Araú Gráfca Lube , 17-A Come nizados • Convitensagens Digita l Acab Água • Ca • PUR Pré-im t Plana SERVIÇO Empresa merciais ados Pré-imva Digita • Relevo ada Cano be ES F fAobGLuiz Fa176 Gráfi é Vieira riacica tura Padro nados is / Me Digita z Base adrada S • Of fse UTOS / nais de dários Cos Padronizs • Pro amento • Lomb era rbo Ca .0041 sta ert rni el o, Lit Jos R. • Ca es Po Alb Branc rra ES • Ve ada Qu SERVIÇOnicos / vistas tura PROD riais • Joris • Calen presso rbonado pios Acab Flexív ento S 36 -280 IÇO / Litera amentonais 29151 x (27) 33 mail.com× 520 mm • Cartõ R. Rio -340 Se 8.5233 riAl a. • Lomb UTOS / ros Téc ados • ReAnuários nais dar Edito ciona dos / Imcais • Ca • Cardá • Capa • Alceam SERV nicos ion 1º an impe na Telefa alube@g n 400 29165 x (27) 332 com PROD riais • Liv e / Ilustr Guias / Promocio ogos Promo is TimbraNotas Fis Diversos • DobraUTOS / ros Téc Acondic Promocio os icA rial Ltd , 257, t Pla grafic 120 m² Gráfca Impe Monteiro ES Telefa f@gmail.m B2 Edito de Art presa • Sacolas tos / Catál • Papé opes • lomas .3573 PROD riais • Liv presa esivas / Catálog • Of fse ros de Em to • etas o Velha g SOS 3229 áfi raf ia ito de Em etas Ad lhetos ) lhe Liv im a ais Gr fabgra 80 m² os • • Envel ites / Dip Ed Fo (27 en S ES ôn • a rci ad na • Etiqu Tipog Fo nais qu nais PMnv PROC ssão • SERVIÇO Rótulos tos / dos / Av. Jer -001 Vil.0236 Fax m.br a g ESSOS Of fset Pla S • Jor dicionam• Displays veis tura os áficA • Jor os • Eti rtazes • s Comes Padroniz tes / zes 3:19• Co • lhe pre OS / co tul OC 123 ) 3229 Ca mento sso A Gr a. on dários s Variá IÇO / Carta os • Encar dos / IÇOS os / LiteraCartuch6/1na o• / ig. Im Ró 8/1is3 29 lt PR Ac • RV ento is • Fo Timbra tas RV l@ UT -A ssã res pre SE ple do res nic / SE cio D deGráfica Ltdrcia, 120ES nal to • nAr PROD dicionammociona • Papéis opes • No as Tel. (27a.imperia m A4 Impre UTOS / is • Pôste / Catálog is Timbra tas • Calen os • Da • Pôste tes / Su dos / Imcais encio UTOS ros Téc amen Promo os Ga rA lu Acon vas Pro merciais os • Envels / Diplom Encar is Timbra tas Fis Conv t Plana grafic 280 m² PROD ciona • Folhetos ais • Papé opes • No as Divers Delta edito riacica • PROD riais • Livondicion esivas / Catálogssos ito s ito No ed nto e Adesi ogos Co dronizad Convite a g ESSOS o • Fotol ia • Of fse Promo dários Comerci os • Envels / Diplom Av. Exp6-200 Ca 36.6340 com • Papé opes • Edito tas Ac quetas AdFolhetos s / Impre gens Ltda. icA uiar Sa rde Catál ssos Pa nados • PROC pressãTipograf e Vinco • Calenmentos dronizad Convite Gráf de Ag 2914 x (27) 33 hotmail. lA Ve la Verde • Envel • Revis os • Eti rtazes • brado / Mensa ne • -im • pre ne tul rbo is vid Tim ple s efa Ca ns Pa a@ cA ra Ca Im s • Ca Pré ssão • Corte S Su Da u, 49 Tel grafic • Ró res / Papéis ssos m B1 rra ES nado nsage Posta icA -Film ia d 1 61 Fiscai Impre amento SERVIÇO Rótulos ogos ssos A Impre s • Carbo is / Me R. Bre -035 Se 51.2052 com delta 350 m² Gráfca e Edito es, 872 ES • Pôste rciais • • Cartões ril.ind uter-to ograf 89.51 lu-r a. hamb Acab UTOS / ento • tos / Catáls / Impre s Fiscai es Posta 29179 x (27) 32 otmail. a g ESSOS o • Compssão • Tip l Gráfi o Mend a Velha (27) 33 br Come nizados Ltd icA m l 0 ste_c Ltda. Gráfca Lu-Ra s, 15 ES PROD dicionamis • Folhe brado tas Fiscai • Cartõ Telefa raf ica@h m A2 PROC pressã l Impre o Digitae Vinco Av. Joã5-200 Vil.3500 Fax de.com. gmail.co Padro ciona 6.710 -sude Ltda. ra XI rAf e Editora 215 nven gioes Gráfi túlio Vargariacica (27) 332 Acon ciona Papéis Tim es • No pios lunar.g 450 m² Pré-imva Digita • Impressã• Corte ura 2910 ) 3239 canelaver nceiro@ Aset ustrial 8, quad ito Co cio_re 8 9 C corafpiGGráficade Oliveira, R. Ge -231 Ca 859 Fax.br Promo rciais • • Envelop • Cardá formaset Ind s, lote a g ESSOS o • Fotol na • Pro t Plana • Relevo • Broch Tel. (27 raf ica erde.f ina anun 8.580 2.803 tolito sa -13C_ 29142 ) 3326.3lura.com m.br Come nizados Diversos Form nguinho rra ES (27) 332 PROC pressãOf fset Plae Vinco • Of fseamento inação S o • Fo ww w.gacanelav m B2 Copig Américo ória ES (27) 332 Empre 0013 inotip na IÇO is de zes Tel. (27 raf ica alura.co Padro nados Av. Ma8-001 Se.4100 Fax Pré-im ssão • • Corte S Acab z UV • Lam grafic 300 m² R. Dr. 5-560 Vit.0117 Fax .br F_INtolito SERV Jorna eria/L fset Pla Hot o • Fo ww w.ga@grafic m A2 a. • Carbo 2916 ) 3398 t.com.brom.br 420 mm Impre amento SERVIÇO Empresa ens de / • Verni UTOS / vistas • res / Carta To a g ESSOS o • Clich o • Of e Vinco • t Melt 2904 ) 3222 erra.com 241 , o Ltd n p fic (27 ha / ssã inotip ia co (27 Re . ssã R Ho ab ase Je s Sa gra 300 m² o Tel Ac UTOS nais de Embalag lhetos PROD riais • is • Pôste s PROC pressãl Impre • Corte ação • Tel. raf ica@t m B2 pre aset.c o ra JEP é Batal orm icA eria/L ograf Fiscai dutos l Im pressã RiTo a g ESSOS o • Clich o • Tip Corte e Vin Gráfca e Edito dor Jos ww w.f set@formm² m A0 PROD riais • Jor ento • nais • Fo Fiscais Edito ciona plemento Pré-imenciona • Relevo • Plastific copig 95 m² tter Digita ital • Im • Notas os • Pro na ssã to • a Plo s rga OC am eSpí ES mo cio ssã 00 Su va • ma áfi ito to nv S tas g Ta da / pre ba PR a UV os Gr sem for g 5.5 Ed dicion Promo • No Pro tes pre l Im Co amen rniz a en mbad óri o Dig Dura S Divers ESSO o • Pro -Plate iva Agen strad poLi Pré-imenciona Acabam Dura • Lo A R. De 1-530 Vit 8.1900 br c 420 mm Acon lcartão merciais veis • Encar rciais • lomas s • Bulas Acab ing • Ve SERVIÇOArte / Ilu PROC pressã • Impressãto • Capaeamento uter-to t Rotat Ria/MeTRo iAnç itorA Conv t Plana • Capa 2904 x (27) 319jep.com. om.br 20 mm oF ESSOS o • Comp na • Of fse • Corte Pape ogos Co dos Variá Come ites / DipCardápio Stamp UTOS / ros de Empresa ens de s Pré-im t Plana abamen bra • Alc ViTó A Al ão e ed a. icA • Of fseStamping bra presa Telefa raf ica ficajep.c 720 × 1.0 PROC pressãOf fset Pla amentoz UV Ador Catál os • Da • ConvFestas • PROD riais • Liv nais de Embalag • Etiquetartazes • Of fse l CD Ac noa • Do S zes Regi S w.g p@gra -im o • ers a. Gráf itora Ltd ita n ra ito Ca RVIÇO nais de Emento dern • Jor ento • Sacolas res / Ca • Hot rada • Do SERVIÇO res / Cartamentos ssos Acab • Verni a ww Pré Div Ltd pa ate Ed bA Dig cA Ed ssã m² ad aje tas fia -Pl ca SE am • na Jor áfi e en a Vieira A AbGráfica e Quad UTOS / is • Pôste / Suple s / Impre grafic g 2.000 Impre Flexogra Stamping lt • Revis dicionamRótulos is • PôsteFiscais • Lomb UTOS / vistas • ondicion uter-to fset Pla icA Af ES ssos tria Gr 145 PROD ciona • Encar tes brado c ESSOS o • Compssão • Of Fria • co • Hot • Hot Me S Gráf da Penh152 d’Gr Indús 3 Acon lcartão • mocionas • Notas PROD riais • Re rios Ac esivas s / Impre Abba rajó, 178 a Velha mo s Tim .br o , 2013 raf om Pro dário Papéis PROC pressã l Impre e Vinco chura e Vin ficaçã SERVIÇO Rótulos nuos / dinhas Clériao Pedro rra ES D’G é Pinto, rra ES Pape vas Pro Agenda Edito / Anuá quetas Ad brado endas R. Ma -125 Vil.4927 RAF fica.c ABIG • Calen rciais • Pré-imva Digita • Corte ção • Bro • Plasti UTOS / ento • rios Contí • Raspa / R. Sã -122 Se 41.0869 ail.com R. Jos -015 Se 8.4925 Adesi rciais • • Guias os • Eti Papéis Tim es • Ag lomas 29122 ) 3229 abbagra RIO :50 Come • Pro amento • Lamina ento PROD dicionamFormulá • Loterias gurança ros 29161 x (27) 33 hotm 29165 x (27) 332 ail.com Come • Rótul rciais • • Envelop s / Dip rAl Tel. (27grafica@ m A2 11:39 ANUÁ l .13 cent Ltda. os • Liv nais na Acab ficação • Alceam S Acon rciais • velopes ssos de Se dito / rras Telefa a-alianca@m B2 Telefa ica@hotmm A3 Come nizados s • Convite cionana abba 400 m² icA strad al 28.06 na sa nven fset Pla Duraa • Plasti • Dobra SERVIÇOArte / Ilu rios / Sema Come iler • En s • Impre es de Cré o de Ba grafic 160 m² dgraf 92 m² Gráfca Centr rgas, 23 ES Padro Fiscai a g ESSOS Of fset Pla S Empre s ito Co fset Pla Ltda. ia • Of • Capa • PUR UTOS / ros de nais Diá Jet Ma Fiscai les • Cartõtes • Códig a g ESSOS Tipograf mping a Quadrad a g ESSOS o • Fotol ssão • Of Gráfi túlio Va riacica • Notas itora PROC ssão • SERVIÇOJornais de• Etiqueta rtazes 3 ficA áfica e Edra, 215 PROD riais • Liv tas • Jor • Notasues / Va Inteligen veis PROC ssão • • Hot StaLombad PROC pressã l Impre e Vinco Av. Ge6-070 Ca 36.5422 com.br Impre UTOS / vistas • Rótulos res / Ca ssos16:3 rA Gr 9 pre Edito tis • Revis Cheq nicos / dos Variá Impre amento stura • Pré-imva Digita • Corte to 2914 x (27) 33 l@terra. × 730 mm copiG raf ica de Olivei PROD riais • Re ento • is • Pôstes / Im 2.803 12 efa entra pig érico nal 510 do 5/da esivas Infan na s gens Telefô os • Da a ES (27) 332 Acab chura • Co noa nais • Pro amento eamen S Tel Co cio Edito dicionammociona 22 /0 bra Ad n Pla óri S a.c ma Am en s t en nv fse Divers • Bro ada Ca SERVIÇO rios / Se icA Acab z UV • AlcSERVIÇO Etiqueta zes grafic 300 m² R. Dr. 5-560 Vit.0117 Fax .br Acon vas Pro Papé1is Tim es • Ag / Mensa se ito Co o • Of • Gráf Ltda. esivas • Lomb UTOS / nais Diá velop stais • Verni UTOS / ento • res / Carta / a g ESSOS o • Fotol pressã Verniz BaDura 2904 ) 3222 erra.com Adesi rciais o s Ad G Gmo & Moretirao, 35 os • En es Po me.pdf PROD riais • Jor presa Etiqueta PROD dicionamis • Pôste • Encar tespéis PROC pressã -Film Ime Vinco • • Capa Tel. (27raf ica@t m B2 pressãDigital Cook nizad • Cartõ l Im o A a. Morettônio Vie rra ES nor_Padro Fiscais Editonais de Em ento • Acon ciona tálogos ais • Pa ados Pré-im uter-to • Corte stificação em copig 120 m² ing Digita pressã tóri ços Ltd 0, loja 6 anme R. An -640 Se 38.3909om.br • Jor dicionam Promo tos / Ca Comercis Padroniz • Compamento UV • Pla velopag a g ESSOS o • ProvaSeco • Im Hot Stamp • Notas , 32 ics Vi Servi 984_ 29165 x (27) 33 erig.c Acon rAph rcio e s Neves • Folhementos Impresso cais Acab • Verniz noa • En S PROC pressã • Of fset e Vinco • as rios / l phAG Comé r Santo ES Telefa fica@supm A2 Suple dos / Notas Fis s / Diplom Água ada Ca SERVIÇOJornais Diá ciona 309 Pré-im t Plana • Corte S rios / s nven toAl kactive bargadodo Canto ) 3211.2 gmgra 110 m² Timbra opes • • Convitensagens • Lomb UTOS / vistas • Empresa • Etiqueta • Of fseamento SERVIÇOJornais Diá • Rótulos ito Co ab san TalAv. Desem55 Praia300 Fax (27ics.com.br a g ESSOS o • Fotol na chura OS / vistas • amento nais péis • Envel nados is / Me PROD riais • Re nais de Rótulos Ac o UT Bro 5-0 ph PROC pressãOf fset Pla xível • • Carbo es Posta Edito nais • Jor ento • PROD riais • Re ondicion mocio ais • Pa 2905 ) 3211.2 hagra .com.br írit itorA Pré-im ssão • • Capa Flebra • Cartõ Sema dicionam Esp Edito nais Ac esivas ProComerci ados Tel. (27 itoria.alpgraphics e ed os Impre amento noa • Do S Acon Sema etas Ad tálogos s Padroniznvites / ww w.va@alpha áficA o nais strad o ital Acab ada Ca SERVIÇOArte / Ilu mocio tos / diGrCoutinh bro, 58 ES • Etiqu tos / CaImpresso cais • Co riáveis vitori 00 e FSC m A2 va Dig de Banc • Lomb UTOS / ros de uários Prorios • Folhe Joel de Novemriacica • Folhe dos / Notas Fis Dados Va ISO 90 150 m² l r • Pro ento PROD riais • Liv ias / An Calendá ntos R. 15 6-270 Ca 36.5190 Timbra opes • ersos • a g ESSOS o • Plotte • Tratam o Digita ssos C .7335 Edito tas • Gu rtazes • Supleme s / Impre 2914 x (27) 33 com.br • Envel as Div PROC pressã trônica • ImpressãLaminação 5505 a. na • Revis res / Ca car tes / brado endas Telefa ica@bol. m A3 Diplom Pré-im sição Elepressão ação • ent . 11 ra Ltd M fset Plapa Dura bra Pôste os • En péis Tim es • Ag ........ • Edito digraf 150 m² Of • Impo dos Im • Plastific • Fulfillm e • .6615 el og Pa Ca • Do ia ca ........ Catál rciais • • Envelop 2694 a g ESSOS Tipograf e Vinco • a Canoa corp l Gráfi 327 de Da amento Hot Melt S ........ zes ..11 inlinePaulo SP Y Come nizados PROC ssão • • Corte Lombad Corpei Barbosa, rra ES s/ Acab Dura • SERVIÇO res / Cartatos / ........ ite .6000 esivas São Padro Impre amento stura • S ........ R. Ru 0-000 Se 47.2920 m.br • Capa UTOS / is • Pôste • Folhe das • Conv s Ad 2132 r ........ 55 . 11 Acab chura • Co SERVIÇO Etiqueta zes 2916 x (27) 33corpel.co m.br PROD ciona • Displays • Agen nsagens CM KaisePaulo SP .... .36 • rta / l.co mo s s efa .... Me ais 18 • Bro UTOS Tel 26 .... Pro dário merci stais / rdápio raf ica acorpe .0750 ento res / Ca ogos São ..11 nal ........ 2987 PROD dicionamis • Pôste / Catál ww w.gl@grafic m B1 • Calenogos Co rtões Po veis • Ca dak ........ encio ..11 99 SP.... MY tos on riá nv Ko Ca rpe .... na tál m² .... .56 • ulo lhe Ac co Ca .... cio • Fo .... as Pa 51 300 IÇÃO ito Co dos Va 5084 .0272 OS ldi er São G. G ........ ........ Promo dários ação a g ESSOS o • Fotol na Diplom os • Da MP 5084 Bera Paulo SP stick SP........ .....11 len CO DA PÁ OC pressã Pla rt Sinaliz CY Ca .... 05 .11 t co / • TO IR PR to Div/ers a. o ma .... .43 RT en FOers Sã Of fse e Vin .... ........ Paulo ra Ltd Bann A PA 3282 Pré-im ssão • • Corte • Alceam .8860 m São ........ ........ OTIPO• NAL ess ca e Edito pre ento Dobra ... 41 ESAS 2348 ids Paulo SP s/ syste SP........ .9880 LIN Im CMY .... PR pr / e 11 rio 23 . 00 áfi S CIO • am 69 o .... ms Paulo S EM 72 ERIA NVEN Artim ss Gr rinho, São Acab ficação SERVIÇOJornais Diá is PR 13.10 61 32 semc ............ S DA .5666 aq 1 36 Pinha São CLICH LITO CO -FILM Ar timprestião Tou a ES (27) 3222.77 .... wes ........ • Plasti UTOS / vistas • LETO 4615 K melmJosé dos óri ......1 y Bo ........ .7224 ........ 24 COMP ... 11 FOTO UTER-TO -PLATER. Seba-560 Vit.1788 Faxcom.br PROD riais • Re ni pitne Paulo SP ........ 3229 -tec ........ São 29.72 DOS ........ . 11 marti ............ .1881 multh a DF .... Edito 29010 ) 3223 ss@ig. São 11 32 COMP UTER-TO ller OS DA ........ 91 ........ . dg SP 3624 (27 pre síli d . mü TE .... .... .... .29 na Tel aar tim m A2 UL Bra .16 .... .... Paulo rolan SP ........ 3376 COMP TER .9647 sino ........ CONS São fset Pla el ........ ........ 00 grafic 4 m² DOS 2292 .... 41 new Paulo SP sino SP........ ia • Of pa Flexív .5505 ........ Cotia ser NIaCAg 19 DA 77.94 S 11 .... w PLOT AS raf . 44 85 .... RÔ SO ne Paulo .... SP 55 la .29 ES • Tipog o • Ca ET 11 21 O DE f ........ São . 11 o lev svC ão Preto ........ 5561 ...... PROC ssã 13 agra ........ PROV SIÇÃO EL DE BANC São ........ 58 . 11 ESS ento • Re raf ............ F 20 eir pre ........ .2477 quim a PR .... .... rg .... PR .29 RA Rib PO Im .... TO .... ER lve .... 47 IG 49 IM am 3662 sy Paulo SP 50 AB .96 raf ........ Curitib AMEN LETT Acab ........ ........ . 11 RIO . 11 iços t&C Paulo SP 2292 digigPaulo SP TRAT RAFIA / São ........ ........ 8 m ........ serv . 11 ANUÁ SP o 59 .... .1415 o rg .... A .... a/ 4 Sã ulo OG .... Sã .... .... AN 14 Pa Ur as 3362 187.8 FRIA TIP G 46 ........ São TE f . 41 ........ ........ min ET PL TIVA CostPÁGiNA 11 9.8 19 UniaxPaulo SP dsm Paulo SP rgra SP........ e lâ GiNA G 17 ........ AG 45 OFFS ROTA A QUEN 6 e SP ... lve s .... o 41 o 4-1 GiN Vid o sy ET .... Sã mp 14 TIV Sã s , PÁ 03.4 faCa Co, PÁ Paulo são dd OFFS ROTA tto ........ graf do Ca São pres 11 27 dora de CurA v4.in ET nCo/ e ViN Zana a PR .... equipBernardo ..... is/im deste OFFS SECO 11 CUraForNos e e vi Corte .1311 ........ AG Curitib A - BD Su ET São riáve CortFACAs de iços 5078 Vide ........ OFFS GRAVUR PÁGiN mas s va G 46 ica An17 serv riais .. 11 .4218 SP.... iAis, ra do Vide st ern o/ 26 A .... TO ulo ter FIA og da PÁGiN 33 .... nC RO l Pa mA indU .9219 .4253 ..11 OGRA São is/pr ........ Cyre CliChês/ e e vi G 46 Vide 2201 eias 2268 ........ FLEX RAFIA GITAL ........ riáve is/ CortPÁGiNA .1108 .. 11 . 11 Vide Corr r tos esko Paulo SP ........ 52 s va .7700 5070 ........ riáve 33 ........ 00 SERIG ESSÃO DI men so ........ ch Vide 06.23 3829 .. 11 São 13.91 s va tos ........ dado ........ aces Paulo SP 99.01 Uipa . 11 14 21 s ........ ntite ike IMPR 11 46 ........ 1 21 ........ dadopamen e/eq .4200 ........ l Co ........ ....... São fabr Paulo SP VO O amicaPaulo SP viço ......1 ........ .2958 Cort 3738 .4253 ........ ........ nenta ........ eqUi RELE E E VINC .8486 ........ sEr ........ 5049 .6225 00 .19 São São 2268 rip ........ Conti Paulo SP ........ . 11 2440 trics ............ ........ 3443 sE 99.01 . 11 ........ 77 akadPaulo SP res CORT AGEM alfB SP........ 8 . 11 ........ 1 21 São feva SP ........ ........ ........ 71 .....11 efi mePaulo SP 15.07 lado Ento 7.859 00 São ........ ........ O ......1 PING O ec G 51 Bauru 1 33 ........ ........ ........ 71.33 GOFR G.AM Cotia 9.818 ntro São pam 53.34 ........ GiNA ........ lor NT MINAÇÃ revit inas SP ........ PÁST ......1 1 33 m ........ ........ 11 ica SP Co 46 .... ui Co T .... ME ..1 .... PÁ cs SP ... ds DA .... .... 11 am Paulo tri .... SP .... Eq IR HO IZA / LA Paulo Camp er ........ flock lhos SP gmC Paulo SP NestA sos A G 12 ....... .2601 mpo .1151 ........ ........ PART ENVERN AÇÃO São efi mePaulo SP São issão sição, o t .5658 oCes , PÁGiN ........ 3566 hneid SP.... IC graf Guaru s 3225 ÚNCio do Ca ........ AS A Sã 77 rin sm o 66 pr .... sc 11 Po TIF AN .... uip ES . 45 os ulo 32 Sã rdo re .... ato .30 an de eq Berna Pa PR elh CompPaulo SP VeJA . 11 PLAS DURA ....... ........ 3016 São form SP ........ 40 S EM de tr/PeçAs de role le/APAr .1029 ........ São s EL 41 ........ ........ São S DA As 36.46 eias 3642 CAgrPAaphic Arujá ContCoNtro staal ........ ........ GiNA EXÍV........ ........ so LETO . 11 21 21 l PA FL........ CorrimPressor .6000 ax ferro Paulo SP ........ PÁ .9622 fega vel PR .... COMP Vide ........ ........ 2132 furn Paulo SP NestA ão em su CA........ RA 3273 de .0490 .1550 DOS Vide A G 26 São ........ Casca positiva ............ . 11 imag a PR ....BROCHU A ......... 11 Cart .1788 2693 af role temas São ANÚNCio 3644 OS DA ........ RADA .4555 RJ. o ........ PÁGiN . 11 2671 r . 12 hotgrPaulo SP as de ULTE Curitib Cont s/sis .4500 ........ QUAD VeJA STUR grup Janeiro lase ............ .. 11 ........ ........ CO 3308 k CONS 5525 ........ ADA adeir faca .5700 São ........ .... ........ tinta paint ba SP.... Rio de KodaPaulo SP LOMB .4575 ico LT ........ 85 graf Paulo SP n 3601 Cort hak ............ .....11 it ........ 13 ga gráfME s 2293 um 00 rofraPaulo SP ........ 73 as São .3501 .... .... 11 dubu monhan 67.47 T............ São terial HO Uina 40 .... 21 a. BaPaulo SP 64.19 o 09.21 1 35 2954 g/fit ........ da lberg ............ .... 21 ma .... .40 Sã áq 24 90 ..1 Pin .... 11 1 ide CE pin m . .... ln leza ..1 .09 he Paulo SP ..11 São .... 3750 ed 11 ........ ........ PVA ........ 00 Ur a/ stam 3959 . 11 ........ print RJ..... ........ Forta regm co SP .... ........ CANOA 3343.51 São ........ . 11 03.92 .7340 Cost rint ........ ........ nano Janeiro Cold ........ PU A ....R.... .0544 ........ ........ 3871 Osas trans ............ 11 49 ap n ........ pmC Paulo SP MBAD GE.... ........ M ... 51 Jato Paulo SP . 11 2915 Rio de ...... ........ alph Paulo SP no Crow lhos SP .... LO LO.... 04 PA.... d . 11 .9292 ........ São ........ ........ tech Paulo SP nas São 71.84 .4233 58 São 2101 VE.... ........ Guaru tidlanPaulo SP ........ ress EN.... oland SP........ áqUi 2475 19 38 São 21.42 ...92 ........ prep Alegre RS RINK ........ manr André . 11 São 1 56 as/m IA.... ....... 00 e Kurz Paulo SP ........ SH .... AF.... .... ........ os Porto ......1 .4305 00 X-rit Paulo SP ........ 77.94 Santo ssi adeir LOGR São to ........ relh 3282 ........ 17.86 ........ .7551 11 21 HO.... Cort f São l rymo us AM.... S ........ imen ...... ... 41 /apa ........ 3613 11 46 marcu os SP .... Wutz lhos SP ingra SP.... ..11 vest ........ ........ .1415 role LIVRO .... ........ linh Cil Mana PR .... 50 re 62 AS ulo nt .... aru Va is .... ST r/ 33 Pa .... .26 .... Gu Co aq pU ....VI .9400 Pinha . 41 São ........ il 3334 ........ is t&C Paulo SPRE 3724 melmJosé dos AIS ....UÁ RIOS S iros G 46 ........ Bras ........ 12 antal SP ........ ..... 11 . 11 AG JORN....S.... ColePÁGiNA day Paulo SP São CA AS São / AN GiN ........ cana ............ .0544 12 Cotia tto ....IA G ID FÔNI -RAÍG , PÁ .8486 s Vide São ........ 2915 ameri ........ MI Zana a PR ....GU S TEsLE SE GiN elhos 2440 rium ........ etro . 11 Casa Paulo SP TA ro GEos NS, PÁ AS rím le/APAr empoPaulo SP LIS Curitib ........ .....11 nas ímet Ar er LAelh NS RÍGID toEIS .0212 São ColoCoNtro ........ ........ Utiv EM .5658 AP áqUi São enÍV 2060 fornec a le/BA lis ........ s/m 3277 Color ............ am . 11 Vide FLEX CondCoNtro BALAGEein 01 Cora Paulo SP e em um . 11 dore flock lhos SP ........ trGENS EM eLA cia 66.26 ........ .3311 00 Vide São lizou-s je possui cia. pUta e) ........ arên oais, riaBA 11 35 Guaru 2694 ........ 93.60 dos toEM Com dWar Ho pecia & ap SP........ S ..... .... 11 pess ece 40 r Ul iza .. 46 ax .... LO .... 65 1 G Co Paulo .... ax es gráfico. a e excelên rn cias .64 Re al iRa furn Paulo SP (har al ........ ConsPÁGiNA RÓTU S ......1 IVACiSal ........ 57 enTos bRasile .1500 3031 do São ESer nt sta erên ire fo o Furn ........ ........ .50Tim São COLA SCo . 11 ADm 2692 ES Vide npel ............ ferro Paulo SP ica SA pref C Insp ientes. Grup ra o merca ia de po ........ 2605 ria/UETA 0 . 11 ........ enti to inves gR áf es) RTAZ maqtiPaulo SP e as og M 3– .445 cl ria o ia laur ma SP .... Ulto ETIQ ........ São 13 .....11 men ES / CA DISPLArtYSão ........ milhõ ico úsTR us $75 ia 3238 sobr os, o G s seus tech ........ de histó e Vinco pa m tecnol São ........ 67.47 ........ ER ConsnvolviG 46 .45 a gR áfla ind (em S / e CaGOS Dia o .11 S .... vânc s 35 .... ST 93 ões su IO 4 ci x hard Paulo SP 1 ex 3 .... co 3 do DO.... Pe 21 22 is LO 0 1.38 fle S 52 rte rele ..1 de no .... 1.81 os ........ 1.19 dese PÁGiNAPÔ LENDÁR 4 IZASP perflON TO.23 rmaç negó um ulo .445 do 1.39 papéCATÁ .... maq Paulo SP São ........ ade, s ........ longo entos de Co es produt da CAas de DRo Pa 81 info es de .2683 3238 OS / PLEMEN Vide alid balhan mídia Sã ........ ca o 2106 alpha SP........ ........ PA ir 71 .18 Ao ET er S Sã .... .11 qu ss .... , 14 55 48 SU R çõ LH m de un int Paulo / ....... SO .... de ILEC print RJ..... nta s ou ES78 , tra Web . 11 1 39 1.430 ........ adorFO RTES.... e re transa única PR.08 .1881 4 equipacompleta T MApm o Paulo SP nano Janeiro 2000 São Gara sultado como presso ........ ......1 ........ CA........RS tar 1.00 / IM89 Cont .5111 3624 99 EN.... ae S / JE s Sã pha ........ ........ ........ 0 da e cole OO Rio de c ADOS 180 .... 3343 e re anai eriais im 21 25ÍNUO 15.99 .....16 it al Paulo SP linha reskim ........ Ao o de vi mplet alfB SP........ tic OUTD TIMBR ate 1 32 ... 51 ........0 ........ NT pova Paulo SP ........ mul is, mat óveis. til pron Paulo SP 160 0 São o co rt PÉIS ........ IOS CO DAS 84.0272 ......1 00 ........ Bauru es ........ o Cos sã po ser .... 12 S .... m .57 PA .... 140 ÁR ri SP cia Sã vi la s o .... 01 EN 50 RJ. UL him fé so elho a Sã 2 VAsLE RS ........ 22.29 svC ão Preto 201 / AG ....0 .... peri 120 grap JaneiroFORM OS .... um 11 36 S /res .6465 .....11 ek ­ 1 11 41 prep apar 201 de ........ 1000 res/ 3031 RN EQUE ........ .... Ribeir Alegre ..... 419 rotat 71 riá C SP 0 m Rio 11 DE do SP .... .... CH ri rto va . 90 .99 S 201 / S as rue go A 9 syste CA mpo 0 : 800 ........ ........ PE pUta COPo ........ 2694 200 59.09 lon ac cutir Ba 10 mse Paulo SP ENVELO S RANÇ .41 .445 8 desco gmed ........ 283 11 39 do600Ca . 11 Com ch FÔNI ão ........ ntos) M ntos 200 te ao tom Bra le dis PIRE: 3238 SEGU 33/33 te 7 TELE AS re asco SP Convers ............ ..... 33 ipame ipame ........ rnardo 400 case São l, va .43 lmen ro Ben­ 200 00 C INS .11 192.... CaTEsRIA S DE .. 11 e equ e equ Os 6 hard Paulo SP .... GM .... a ao sil 0 digita 43 200 56.31 quinas quinas incipa SãAo so ....ÉDITO / DIPLOM ........ are rafaLO ESSO ....CR lexo& ........ 5 Assist 200 ........ por 8or,33pr - Bra d .445 411 Y ica São 200 11 40 s de má de má ues. ind ........ softw rotofPaulo SP ulo cos ....o..4 set Cont r IMPR....ÕE S DE NVITES 2914.4 SP.... 0 4 ........ 3238 raf. ) lan ulo mo alpha ........ 47oq CNItid 200 ...... ortaçõe tações .... o Pa de gráfi.... am .11 se áfi­ ....RT 90on/Abig .05est | Sã ( São ção inter ulo SP ..11 utiliza 51de utos....e.... ........■■ Imp ear (Impor81.89 a ogrPa de : Dec afila Paulo SPCA ÕES / CO afetar ........ 45ste que stria ústriSã aju -7746 lex portaCM o de Lin ........RR AS .1881 22 prod .... 38 oração qu ........ ileiro São Pa a sas iceers é o11 Indú ........ G 13 2337 ind soléfde é SC s: São de im da mã mo pre rais re. CART............ to ... 3624 DE BA VEIS 3273.96 índ SP .... ...MD19IC. Elab da na44 11) tünk na ph içãS)o o Josntu ........ ida.... s.05 ....EX/ 2013 Br as est ca.... as em na l oque BEtuÇA .... GO 33 posto médio is. Co ­ nd.... re. O estre ....SEC .....16 demaa it al Paulo SP Sã serviço . 11 l.: (55 um conju do RAF .br CoalaPaulo SPCÓDI S VARIÁ ico est 2915semest semDia Alg A- CA PM 75.42 do imo custo mos rea MYeste au sersemrta nte ........ ão Nacio de. 11 ........ os e ........ Fonte: s s. | Te o om ústrix ­ 08 veis un rDO ............ BR 24 áf rla ABIG do ut .... .... .... Sã íse nto o to do x.c se a, r r ind ão E .80 UE 11 po un 11:22 .... ter sta od pa .... Sã laDA ........ me . en en siv o. RIO (Q 23 na vema deraç reduç........segun SP SP .... urna lase do seg tia im oG os pr faca de 60 LES47 33 is int os SP .... do ........ pelo au setembr 5,6% em ­inten te. CY rta­ no seg 0,5% .... NS prim Um Confe nte.... 65 5/9/13 svC ão Preto ANUÁ Co cad noss .... FESTAS afica@f graf Paulo SPÁLBU iRo mais rta .... longo iu 2,4% apenas s foi ma Valinh a PUZZ dae ........ 2012) e lhlas s/sU e 31.64 em média traba lho cupan s impo co­ gr / eir .... po 63 er .... em m | .... br re S RA 30 fo ue .... Rib ao l pe rit o im SP ge te ca M ile .... 2PA de e GO te do oq os Sã da X- uvPa . 11 o um s SP.... dia em emde pa biu em mente o, preo nto da ess sen 46.90 5658 JOas Wutz ....UTOS ões so 201 CMY sid n­ ho ulolmen lanejado queda de est 0 hikico bR u­ | Pre pUta ....OD ........ mé Binsas 11 29 O 00de ter Gus aru 3277 tipos tria su relativa é, de fat o aume em impr aume inslho que Sãoincipa o/po/ rmaç 1 .445 grRap ntra o ajuste 527 ..... IZAÇÃ u SC201 fo 11 c.net .34 Com ch PR gR áf ........ po ús un do m do é é 38 Bo sã co 20. in na pr tiv u­ s 53 .... gm 55 69 , m .... do s o l, S .... SIN an os 32 AL te efeer uato seja, w. ca um e de alg46 da ind gráfica s ba lho gativ bé za .31 .... seToBlume0 K tivera lor, qu r mai ca | uenv ww 11 46 0213 anen 007PA G ra /2 tam . Os preç nto ac rt tra MA hard Paulo SP 201 a Uina ...ção ne .....11 ........ S .38 locali que 20. Co s do e po pul­GiNA ob 0 va estoq Para ER222 pao m ção. Ouca. ........du Ro45 11 F2920 ão 00 ústriáq cco007 ulo SP.....93NN .RA br/grafi , ime PÁ ara sto do l fator Uiçã seria lários), % no bia l, qu odu­ ........ 7 aume VCo me.4 uç lu 83 .... cu ma m. ind São .60 pro m .... mp .... em nú eq od ve BA 38 áfi cto IG a /m 10, 20. 12 .... 221 % s a gr ........ 90 co m de pr Pa era IPA/FG Vid 01 do e nsfor Co de possí o impa e .35 dos 32 ax.co alpha ........ tiv32 sto de r a pr. 11a21 atotri formu o ca São .796 o O AB diu io (17 ........ mo .11 59.09 , .furn inter Paulo SP e rismento tro de tra 11,09 .... RI 2 ........do cu timula....a.... form ús 220 o 29 ais54 importa preciaçã portado o impe gráfic undo de câ Resu 81 ........ 11 39 71mb al Corte átiCas Ou ste caso oc. 11 1: .... SP....UÁ $1, na ind já SP resin wwww mento deses ........ la.... ..... São ústri do, seg tax 24.18 .... ion lumse da de lor im mbial nã Ne .... 11,04 m be.... 8 AN 94a.99 anu 90 so Aru Paulo 9 O au k ave a .... $1,4 .... IS) 36 a ind o passa ste11da26 ....8,6.... pha Ta.... (prom no votoco nta ação .... ca ções. .... São 11 no va .... aUto s (RA.16 34.21 l­ch SPpara anão – $23 r it al Paulo SP Koveda 5% eciação de rciais de 6% maen ..... usTRial vari 90 6 1 ........ mento ulotes $1,4 d ........ noers pelo 3 19 35 Ria ........ o ....aju leci.... Paan paed po ão de de00 variáSãreloev pr úsT $298,1 ...... $294,5 açã abe.... tidlanPaulo –SP Uiqu Convente, Sãol .09 Jato Paulo SPme médio ind de 6% indd (RA IS) .81 ........ ão ind 3959 a raç 12 oRm eqva ser ero deSPest.... ....5 is o& 2 to o/era o 0,64 os nsf ários mos detof ....6,8 que x8.5. malex cont 11ar41 to 7 mi C la Núm ........ PRoduç Sã $269,3 São cion ) 44 ....$53 – $16 nCesp . 11deo TRa 0,5% SPelm e mento ão de Bi FOB átiC rou ovav ..cit ....ns C12.3 20.52 sosv 3 prulo ão Pre de fun pl at ladoro do elã ,Pa – ........ r 7 $88.64 ....age la 2: taç (US tom abeleci 26 e e vi se a vez ge....s.....Va....le s as, PaP com embal $248,9 ro SP$563,8 v& Ribeir Númeror-to/ est cioGM s) 51 AG (imporfico Tabe São el e % ........ su .7666 s aU . 11 siona Cort 2012 2 mil pe lizado Cla1 ....co dos grá PaP – 2,7 te ários anun Ria.... gráfi % 5188 Rio .... os .... $409,6 dore e a in­ios, PÁGiN land indSP úsT 66 i­ mpUFuncion entos realiza.... ........ ent.... tos 11 ral encerrou is de 22 ento rea AbCo – 3,7 a % ) iRa la fer . tid SP .76 fic 3,0 ipam ulo ge al Paulo ór ile FOB ro Pa gRá equ .... stim e .... , ........ 5188 leiro do ma tam s da $ Mi tra/Aqu nho Cessncia­ el Inve nas bR as São ....ica nsAs re–s1,0% .0734 Cont nsão % São SP.... ercial (US ) ..... 11 .99pap71 moor mpe o brasi egan levan ômico o IBGE 4,2o/ ag%fa Paulo máqui áf –sã 94s de pronu ........ deess te Xilia 1,7% 5093 gen .... 33 er is gR com o, 26 .... FOB a Dese or gráfic vas, empr ros do os Econsegundo de 2,7Sã bala 11 aU ca de o ia çã .... ão” . Mi ma nv os % 11 anç ay Paulo SPúsTR ma imPr 12.88 tu­ “ e.“Em maç 2 (US $.... eda ) ........ Ut – 4,1 %nversão grá.... O set esas ati m núme Estud ução, ração investi­ ca Bal ortação fica.... transfor 4T1Co a na . 1 34 nsforVider qu ........ .3655 Mi FOB de .... Sãoo da indrcentuais............ ia BCB...8 od Co ia de 2,4 aya, Paulo vista menor prod o& Exp SP ex,.... ústr .... de tra ao exibi (US $ 2618 empr ordo co mento a da pr uma ret ano os qued eg pe “Ind “Indústr em .... 2012 ção lex – o.... tria.4500 de o em n­ ..11 el ....Sec.... SP.... emPR BCBC Sãi­o E/Rais, SP deBC para / jeçã 25 espaç Importa E, MT tendo bens a dema ­ de ac Departa l. Na áre contra o. Nesse sensív máqu 3 (p)tof aulo indús 2– ........ 55eu ........ Paulo 00 201ro na.11 der vistate: IBG.... ico são Pa pro Focuspar São ........ 34.93 perd ústria. rpreen ca, que ica que stica, uti o pelo Naciona de 4,1%, formaçã istraram ção de contr Boaa Fon 2,7%....ca Sãrafo”; Boletim f Chapas gR áf .9522 PE .... o, ldi p – Abig su ind ........ o de........ 09 11 45 elão /Abigrade te­cife s graf e recuo de trans bém reg importa bilhã o exRe Bera Paulo SP .... ia gráfi dia da chega a tria gráfi que signifmenos elá sempenho à rgi­ çã e pap BGE pia ...... 1 24 1,2 ento lbede o o de araçã ........ Fonte:ICó dústr e a mé ......1 ........ A idees, houv ústria or tam 14% na o US$ comérci zaram São pam indús os, o, o helhõ ultad ico ou ulo SP ali mi 51 ........ ........ PÁGiN t da qu se res utos da supérflu onôm princípi comp últimos eqUi na ind s do set ição de alizand ação ao es tot o Pa m de 13.75 as Es ........ em s ec Bobs a SP ........ NestA o çõ od tot 6,85 Sã orde rel nco s SP.... 1 36 átiC s pr o e nã ao ciclo istas. Em s volátil vado no Cio mentoa diminu entos, 50 tib ..1 m ele . Em exporta US$ 53 ficit da do ÚN á­ Ita 11 a ad lho .... .60 to no el ser AN om rez agreg .... 55 a gr com equipamo em 20 cos, as rtações, um dé Guaru s aU VeJA sensívdos econ ria ser mesendo ob l ústri pel e 1 33 e ........ il po hã 7 va lor menos gráfi rcia nas o ve dora il ......7 Bras SP........ ha da ind s de pa s­ gã de y s 00 1,4 bil odutos es e as im come é .... pia vin $ jar de em ca que da Paulo 6 nto da do o en ça . US Co Bras ........ 78.20 gráfi 3 o de pr 6 milhõ ba lan 2012 os segme emba lag queda mo sem­ severo an­ 5 São r (%) lizan ústria ústria, apas BA........ 3 222 21 30 rior em qu nte de e re de dm do da anterio 298,1 AF 201 ........ dor basta re. En ação a 4 ano da ind da ind o ocorreu Dent ca­se o ução tev s desse há um US$ o no sal lhões. ABIGR .1881 Sa3 lva total ........ rel RIO meses ajuste semest de prod Por trá r escala ade da 3624 desta media, mas nã / 12 RJ..... xand 8,61 mi ANUÁ no r um undo 1,4% em queda ice .16 fice fica, lão, cuja 2012. ilid não 23 eiro os meses po me .... of $ ab e seg 2 u Jan 12 an e iu .... US s uv de pape 1,2% em rável em uma est o semi seg­ passo go do ão ca re ho GE . O índ u­ último Rio ........ 1 r vo dos est o IB áfica ao lon produç à red ução lase to SP .... ta de o desfa to de alg consum ente do de­ média m 0 C ição ) po en sv Prod ústria gr lmente re sua undo sem pela ão Pre penh ortam bens de rtante cliforma, grá­ do co ntrapos (FOB erior (%)emprego, –1 Ribeir A ind principa semest , no seg acor co ant mp po de tria ial sta US$ do

Reg

eSTe SUD ião

sa rito Espí

nto

2 Reg

eSTe SUD ião

rito

sa n

to

118

REG

E RIA VITÓ

DI CIO

ACON

NA IS

ICOS

OC IO

PR OM

GR ÁF

UT OS

PR OD

150,00

R$

RS OS

DI VE

stria indú 2012 s da em ado sileira lt u Res ica bra gráf

ção nica ais mu n e co los ca ia d tég múltip ra s est no Sua rada g inte

dd

M IÃO

TO

AM EN

AC AB

RIA IS

ED ITO

O

NT NA ME

5

OGO RESERmVE L PLAR M e O SEExceUlênciaEXE v2.in

NA LITA

OPO ETR

ES SO

S GR

ÁFIC

ores eced Forn PR OC

a de Gui

deste a Su

MPRE

PR É-I

O

ES SÃ

OS

IM PR

4

f ica Grá stria ndú I a para

Cruz

OS RVIÇ

BD

E SE

An17

S UTO

SS ÃO

D PRO

0 1% uo de a 201 Rec relação em 14% 1 uo de a 201 Rec relação em

CA RÁFI AS G RES EMP ES (144)

S

ESTE SUD

- +- -- -- -+ ++ -- -- -- +- -- -- -+ --- -+ -- -- --- -- +- -+ --- --- ---- -- --- --+ -++ +- --+ --+ -++ ++ --- --- -- -+- --- --+ -- --- --- -+- -+ --+ -- --+- -- --+ --- -++ -- --- --+ --+ -- --- --- +- -++ --- --+ +- --- +-- ++- --- --+- +- --- --+ --+ +- +-+ --- --- -- --- --- -- --- -++ --- +- --- --- ++-- ---- -- --+ --+ -++ -+ --- --- --- -- --- +-- -- --- -+- --+ -- --- ---- ---- +- --+ --- --+ ++ +-+ --- --- +- --+ --- -- --- +++ --- +- --- ---- -- --- --+ --- -- --- --- --+ +- --- +-- -- --+ --- --+ +-- ---- -- --- --+ --+ ++ --- --- --+ -+ --- --- -- --- +++ --+ -- ---- -- -+- --+ -+- ++ --+ --+ --- -+ --+ --- -- --- --+ -- ---- -- --+ --+ -++ -+ +-+ --- --+ +- --- --- -- ---- ---- +- --+ +-+ --+ -+ --- --+ --+ +- --- --- -- + -- +- --+ +-+ -+- -+ --- --- --- -- --- ---- ---- -- --+ --+ --- -+ +-+ --+ --- +- --- ---- +- -++ --+ --+ -- +-+ --- --+ +-- ---- -- --- --+ -++ -+ --- --- --+ -- ---- -- --+ +-+ -+- -- +-+ ---- ---- -- --- --+ --- ++ +-+ -- ---- -- --+ --+ --+ ++ + - -- -- --+ --+ -++ -- ---- +- --+ --+ + ---- +- ---- ---- --- ----- ----

4)

3

Velha o (14 Vila do Cant RA / EDITO / Praia ICA E TÓRIA S GRÁF ICS VI RC IAI CO ME ABBA RAPH -- ALPHAGPRESS (144) TIM (14 4) 4) -- -- ARCOPIGRAFFIC -- +-A (14 4) -- - COPIGRA / Serra (14 +- ++ (14 4) -- -EL -- -+ (14 4) cica -- --- CORPRTE VINCOICA / Caria -- -(14 4) ++ -+ cica -- +-- -- CO A GRÁF (144) / Caria -- --+ --- --- DELTGRAF / SerraE EDITORA lha (144) -- -+ -- --- +-- --- -D’ la Ve -+ --- -ICA -+ -+ +- -+- GRÁF AF / Vi 4) +- +-- --- -+-- -+-- -- DIESCRITOGRF / Serra (14 (144) -- ---- +++ - -+ --- -- ++ -+ --- -- BGRA / Serra (144) -- -+ - -- -- -- - -- - FA ASET / Serra (145) +- ---- +-RA RM + + A + (145) - -- -- -- -+ -- -- -- +- -- -- - FO GRÁFIC E EDITO 5) - -+ +- -- -+ -- -- -- GM ÁFICA RIUS (14 / Vila Velha -- --- -- +- -- ++ +- GM GR AQUA VERDE a (145) -- ++- --- ++ -- -- - ÁFICA NELA Cariacic (145) -- --- --+ -+ -- +-- --- +/ -- -+- --- --- -+- - GRGRÁFICA CACENTRAL / Vila Velha5) -- --- ++ ++ -5) +- --- --- --- --- --+ -- ---- +--- +-+ GRÁFICA CRIATIVA GSA (14 / Serra (145)A / Serra (14 -+ +--+ --+ -- ---+ --+ + + + +- --- -- -- -- +-- -- -- +- --- +- -+ --- +- ÁFICA EDITORA LUNAR A ALIANÇ -+ -+ - -- +- -- -- -- -- -- -- - -+ - GR ICA E ITORA ADOR +- --- +-- +- +- -- -- -+ -- -- -- GRÁF A E ED DERN O (145) -- -+- -+- ++ -- -+ -- -+ - +- -- -- -- GRÁFIC E ENCA SANT -- --- --+ -+ +- -++ --- -+- +- - ÁFICA PÍRITO 5) + -- --- --+ --+ -+ -+ -(145) + -- +-+ --- ++- -(14 -- -+ +- --- --- ++ +- --- -+ -- -- GRGRÁFICA ESFONTANAL / Vila Velha -- ---- ---- ---- --+- --+ +- -+-- ---- ---- +-+ -+ --+ A + + -- ++- +- ++ -- --- -- -- -- --- -+ -+ --+ --- ++ -- --- -+- -- -- --- GRÁFIC IMPERIA -- ++- - +-- +-+ -+- -- --- --- +-- -- --- --- +- ++- ++- +-- -- --- -+- --- -+ --- GRÁFICA JEP (145) T (145) -- ---- +-- +- +-- --+ +- -- --- --- -- +- -+- -- -+ +-- --- -- -- -++ --+ -- +- GRÁFICA LIDERSE 5) 5) +- ---- +--+ -- --+ +-+ +-- -- --- --- --- +- --- --- ++ --- --+ --- -- -+- --- --- -- GRÁFICA LISBOA (14 riacica (14(14 5) -- --+- ---+ +- +-+ +++ --- -- --- -++ -+- +- -+- --- -- ++- +-- --- -- -+- --- -+- -- GRÁFICA LUBE / CaCariacica lha (148) -- ---- +--- -- +-+ ++- --- -- --+ -++ --- -- --- --- +- --- --- --- -- -++ --+ --- -- GRÁFICA LU-RA / / Vila Ve lha (148) -- ---- +--+ +- +-- +++ --+ -- --- +-+ --- +- --- +-- -- -+- ++- --- -- -+- --- -+- -- GRÁFICA MANSUR I / Vila Ve -- ---- +--- +- +-+ --- --- -- --- +++ --+ +- --+ --- +- ++- -+- --- -- -+- --- --- ++ GRÁFICA MELOTT (148) - - -- ++ -- - -- +- -- + -- +- + -- -- -- - +- -- -- - ÁFICA PIROS 8) -- +--- --8) + (14 + + PA - -- -- +- -+ +- -+ -- -+ -+ -- -- -- --- -+ -- -- --+ -- +- -- ++- -- -- - GR ÁFICA ANETA arapari (14 8) -- -- --- +-- ++- -+ --+ -++ ++- -- --- ++- -- +-- --- -+- -- --+ --- --- -- ++- +++ +-- - GR ÁFICA PL IMOS / Gu (148) lha (14 +- -- --- -++ -++ -+ -++ -++ -+- -- -++ --- -- +-- --- --- +- --+ +-- --- -- +-- --- --- - GR ÁFICA PR NTA RITA CO / Vila Ve8) -- -- -++ --- --+ -+ --- -++ --- -- --+ --- -- --- --- +-- -- +-+ --- --- -- +-- -+- --+ - GR ÁFICA SA O FRANCISTADEU (14 (14 8) -- -- --- --- -+- -- --+ -+- +-- -+ --+ ++- -- --- --- --- ++ --- --- --- -- +-- --- --- + GR ÁFICA SÃ O JUDAS (148) cica -- -- --- --- --+ -+ -++ +-- --- -- -++ --- -- -+- --- --+ -- +-+ +-- --- -- +-- --- --- - GR ÁFICA SÃ IÂNGULO ÃOS / Caria -- -- --- --- --+ -+ --+ --- --- -- --- --- -- --- --- --- -- --+ +-- --- -- +-- -++ --+ - GR ÁFICA TR ICA IRM + ÁF + + - -- -- -- -+ -- -- ++ -+ -- -- ++ -- --- -- -- +- +-+ +- -- -- +-- -- -+ - GR AFIR GR - GR - - + - - -- - -- + + -- -

01.07

.13

11:44

:00

Espí

mais tarifa do Sedex

o de , em 11 usTR 2012 primeir de 20 aração, no ano ão ind to no período a comp de 4,1% oduç da PR estres igual na mesm ulado uçãodo 4 trim 6,5% tivo acum evol 1 – acumula ico nega gR áf

co ução ús pela e é im s. De da prod eis, qu ba lagen ão comindtivada ão do duráv de em e s bausrett.adraça neenms.t.mocosoam mentormaroqu s rm razitoriais e afi.bo foi ca ba lag em obestiga utos ed bens fi­ nã wwsew o fica ução de b , inv od são então de pr que ca. Nã od r@

pr s.bCabe, ução laria, a gráfi mas potri­a ús 012enda uo da prode de papela indústriodução, ind

–2

Jan 08 Fev 08 Mar 08 Abr 08 Mai 08 Jun 08 Jul 08 Ago 08 Set 08 Out 08 Nov 08 Dez 08 Jan 09 Fev 09 Mar 09 Abr 09 Mai 09 Jun 09 Jul 09 Ago 09 Set 09 Out 09 Nov 09 Dez 09 Jan 10 Fev 10 Mar 10 Abr 10 Mai 10 Jun 10 Jul 10 Ago 10 Set 10 Out 10 Nov 10 Dez 10 Jan 11 Fev 11 Mar 11 Abr 11 Mai 11 Jun 11 Jul 11 Ago 11 Set 11 Out 11 Nov 11 Dez 11 Jan 12 Fev 12 Mar 12 Abr 12 Mai 12 Jun 12 Jul 12 Ago 12 Set 12 Out 12 Nov 12 Dez 12

.

ência xperi de e rviço nos e 00 a a seu s 1 e d re Mais Semp

ês nsa s/m ■ Mê iação me ■ Var raf.

2012

ed/ MT

E. Elab

l

on/ Abig DecO ção :LD oraSA

.460 .751 9 – 29 8.82 9 2.05 09 rec rciais s pe de pr em PORT – 12 810.28 na 47.0 120 1. come oduzido níveis seu peso no de 6% co­EX 35.3 5.669 po en – 15 tor is pr lo 33 115 2 9 F F 2013 nahá dados disncluir pequeda emnaOtural dela substi­ 678 144. 7.92 5.54 e co IGRA GRA 682. SAiaLD ntos pe – 16 451 5.59 .840 110 11s a que houv tendênc 179. demo ) ARIBIO AB me 20 NUÁ da OAN 255. s seg .276 89 0 2 ém gráfic .RT EC un 22 61 105 Al 92 .5 7.20 12 S (D G 12 72.3 de alg OS 167. 20PO .879 IM 8 nto – 7.92 3.240 27.8 – 29 08.179 100 UM NÔMICO -duráveis vações 7.22 lhime S 70 .1 1. 9 0 0 IN ECO Gra 79 931 RT – 97 i e nãoução de 95 6.45 7.74 61.7 645. o sem EXPO 0 7.95 128 9 6.98 DOS sum e Reprod elão 36.7 7.248 67 12 con 0.50 4. TU – 90 s de 57 262. 59 ES ressão el e Pap 50 7 7 8 – 5.49 87 ■ Ben ção, Imp de Pap DE 122. 8.13 9.02 2.21 ns LDO 29.2 8 Edi 92.1 TO 50 26 – age 88 SA 4 1. 9. bal 6. EN 74 73 69 Em 15 4.51 raf. 7.36 AM 2010 13.8 31.3 99.0 6.15 .734 on/ Abig 2.27 068 ART 10.2 49 Dec 87 25.3 .417 .014 4. ção :RT DEP 92.7 0 oraPO 81.2 .846 .861 .538 IM 2.15 374 E. Elab 32.2 184 – 23 098 .290 AS – 14 – 23 27.215 ed/ MT 006. 08 723. 819. .916 62 TINT 39 .7 1. te: Cag 4. 0 2. 2 9 17 – 55 Fon 86 .9 56 22 RT – 8.80 3 30.4 81.4 55.4 .573 265. 3 AF 201 EXPO 3.45 333 25.3 3.582 15.0 3.169 28.9 2.973 – 16 .804 110. .373 ABIGR 9.66 4. – 70 31 RIO 97 04 64 97 .0 08 – UÁ 9 1. 8 7 97 24 – 8. 2 AN 425 038 412 107. .882 7.64 3.72 4.76 222 25.3 7. 220. 038. – 51 – 19 098 1.48 .398 0 1.99 .140 7 24.3 9.663 5.41 .078 169 136. LMES 6. 5.24 2.26 37 42 97 53 118. 94 FI – 55 .722 9 – 14 .864 3.79 567 18.1 82 649 03 20.3 .8 1.48 3. 51.8 5 197. 70.5 .005 .768 .612 0 7.75 4 5.45 807 0 25 098 – 37 25.7 O – 24 – 11 0.65 7. 2.54 8.29 73.8 556. 41 RIÇÃ 0 – 72 .702 9.49 37 1.06 347 0 63 18.9 94 .1 .8 .8 DESC 0. 85.6 49 53 57 12 .7 73 0 0 23.4 4.242 70.3 26.3 4.048 85 11.6 2.361 069 – 22 464 3.72 28.5 247. 73 – 97 .395 126. 6 1. 9.75 41 1.22 639 0 19 34 – 18.8 8.999 – 55 .0 7. 11 0. 42 43.4 32.4 – 19 678 1.58 .394 3 22.5 3.30 .071 13.4 9.983 1 33.3 29.4 7.795 6. 2.56 4.90 13 96 8 6.43 .024 – 59 .763 1.24 556 2 3.75 .003 78 2.28 986 16.1 APAS 4.63 8.73 82 0. 27.6 29 197. .100 9.09 029 CH AS 3 6.67 726 2 19.8 4.03 351 36.9 5.741 50.4 etas pressão 23 23 04 62 NT – 60 M pr – – 1. .5 9. TI 7. 2. o, NC 99 59 – 79 750 5.46 .419 0 essã de im TOTAL 6.44 39 44 82 914 17.6 – 1.08 .601 mm impr s tintas – 2. 93 54.3 43.1 91.2 974. 200 m .033 s de 5 4 42.3 22.6 7.951 77.5 535 24.1 0.960 239. 67 .621 to  – 24 outra m 2.94 Tinta 4,84 800. – 29 52.0 imen 200 ica 7 quer – 32 556 1.10 .069 38 – 5.99 .388 81 750 m 276 21.4 1.279 mpr mát to  .5 .3 3.38 2. .11.00 Quais m 0. ro co 5, en , 0 56 95 13 02 15 64 oc 88 m 6. 6 32  61 – 28 850 prim 27 1.09 .358 16.6 96 17.5 27.1 0m 539 mon 33.6 5.093 .19.00 9.50 3, 48.2  61 , com imento afia 36.9 140. 13 34 0 0 9 3215 s – 33 .643 pr 27 togr 8 gura 610 mm 34 11.5 77 487. 556 4.56 áfica ra fo 26.0  , com 0.46 m lar 32.5 49.8 285. 3 .468 1 0.84 3 13.9 es pa ar tes gr cas co largura 105 mm 9.63 .249 29.1 40.2 9.045 .308 .606 – 44 9.07 – 25 788.27 áfi Film ra 3.86 15  18 m gr 20 .3 pa 53 ra 33 co s 2. 0 ES – 5 8 5. 17 is – 20 .752 0 14 22 31 27 cas ar te largu L FILM .20.20 Filmes 5.10 49.4 nsíve – 7.83 88.9 AS 93.0 20.3 – 90 02 para tes gráfi s com 3701 2.32 883 TA .40 19.9 5.847 33 tosse íveis 45.7 24.4 5.424 965 77.6 S CHAP 13 ca .0 mes ar 25 .0 fo TO 9. .30 6. áfi Fil ra ns os 45 .704 79 – 44 15 pa s gr RA 2.29 .752 0 3701 3 9 tosse límer – 3.46 .607 34 – 25 – 1.741 504. ar te .42.10 Filmes OUT 52.177 8.83 0.53 90 22.8 9 os fo íveis 27 m po 07.4 para 48 .8 er .0 .2 .2 co 3702 2 1. 7 01 es 92 .10 31 76 21 14 32 .574 62 – .43 polím tossens entos adas 8.61 Film 3.36 47.2 90.8 0 58.6 .881 933. 7 fo com 3702 ibiliz im 7.28 .544 31.9 1.744 – 57 71 280 538. 998 055 .483 0.71 .44.21 sens ilizadas límeros proced .0 1. 6. o 32 73 02 35 11 s íni 3 9 37 ib po 9 4.28 67 – 2. 67 48.9 43 tros 21.5 PEL 38.7 7.943 ento .223 alum sens as com 3.19 – 24 723.74 66.6 – 1.30 0 65.2 0 14.6 ra ou PA edim .400 ster 3 6.24 9 as de 6 ad 58.4 1.018 3.81 .014 19.8 68 – 1. as pa s proc – 10 707 polié 6.50 Chap 1.72 ibiliz 09.6 29 tro ilizad 157. 5 2.73 303 3 – 12 .621 as de sens 5 0 17.1 8.896 nsib para ou 42.5 .230 245. – 32 1. .30.21 Chap chapas 5.09 3.95 4.72 18 o se 37 58 as 79 .5 24 .4 72 íni 5 0 s 1 3701 0 ad 2 1. 10 37 30 921 – 35 19.671 558. 666 6.73 .30.22 Outra de alum nsibiliz 1.28 1.69 62.8 t 173. 75 – – 42 145 748. 0 3701 1 .29 28 07 28.2 1.236 87 768 of fse APAS apas apas se .0 .9 .0 – 97 6. .6 .30 Ch ão CH 99 37 35 uç L .845 52 8.51 217 s ch 0 3701 8 71 39.6 12 87 085 350 prod – 66 236 525. .30.31 Outra TOTA 3.41 19.6 47.4 4 406. 09.1 427. ra re 991. – 2 s 4 .1 3 9 3701 2. pa 2 .39 28 – 77 90 45 44 64 .1 3.37 5.32 .30 – 66 lar 1.35 Outro /filmes 45.0 69.3 0 – 77 279. 50 .840 5.38 557 3701 as 0 4.18 alveo 66.8 1.350 19.8 350 558 291 AS – 12 5. .99.00 Chap .3 cha 5. 8. AP 01 45 rra 46 30 99 14 – 5 37 2. bo 0 69 13 372 S CH 16.8 0.626 669 .141 .10.00 – 31 as de lar 01.4 87.9 773. 2 39 .819 UTRA 0 3705 e tir 0 40 13.9 m 73 12.8 558 LO – 35 23.422 236 545. lhas alveo 1.70 49.3 0 57 g/ 62.6 305. – cha – 39 291 as, fo TOTA 0 so  315 .078 .340 .736 9. Chap de borra mm m pe 16 07 cm 47 26 0 .2 s .1 co 2 5. 8 15 0 8 s 22 43  36 43 – 64 964 .21.00 Outro ra  7.43 4.74 folha folhas lhas 23.4 462. 210. – 36 699 largu 4008 0 0 7 78 ou fo – 5.83 .721 ou em em .29.00 3. 2.60 cm 4.86 los de 16.0 rolos rolos ou – 10 29 – 29 4008 5.74 566  15 2 em ro 2 0 7.22 38 64.2 0.148 em .8 m m gura m em nal 70.7 384. 0m – 18 70 0 g/ nal 0 g/ l jor 5.84 .721 0 de lar 91 311 – s  36 mm Pape papel jor rolos 2 mas  15 2 mas  15 11.8 10 312. 297 folha ou 5 0 2 m 34 11.0 29 m× g/m .00.10 Outro tiras  40 g/ 3.03 m ou 5.40 17.1 5m 18.8  40 0 g/ 4801 l em – 23 385 0 12 adas 70 s  43 peso m peso 2 as  15 da .00.90 Pape 7. 18.6 dobr folha co oe 4801 2 ou l com 2.54 309 3 0 .10 não m m lo pe s l-m 02 g/ ro m .54 Pa 7. pe lha g/ tiras  40 298. s em 4802 – 49 .267 9 s 0 2 em ou fo de pa as  150 peso .55.10 Outro são 7.15 2 ânico s g/m 15 cm – 67 4802 pres l com m m mec 7.24 514 150 88 larg. .55.99 Pape para im sos ânico 40 g/ 2 mas  64.9 4 com 542. 14 mec s oces 4802 so  tiras g/m 15 cm s por pr ocessos .56.10 Outro com pe 4.54 m 67.3  40 g/m2 em gura  s 4802 0m 9.79 .205 fibra s por pr lar peso .56.91 Outro 150 por o  36 45 ra com 4802 l com peso  , lad uído por fib 47 .56.99 Pape rolos adas m nstit t.

IAL

ERC

COM NÇA

A

BAL

0a

201

2 v

Dez 02 Abr 03 Ago 03 Dez 03 Abr 04 Ago 04 Dez 04 Abr 05 Ago 05 Dez 05 Abr 06 Ago 06 Dez 06 Abr 07 Ago 07 Dez 07 Abr 08 Ago 08 Dez 08 Abr 09 Ago 09 Dez 09 Abr 10 Ago 10 Dez 10 Abr 11 Ago 11 Dez 11 Abr 12 Ago 12 Dez 12

6

te: Cag FonRT

IMPO

11 3159 3010

2222

editoracg@gmail.com

ANUÁ RIO ABIG RAF 2013

Ad vendas Anuario 17v3 150.indd 3

2 br s co 4802 es em m co los cons não do s .57.10 Outro cartõ  57 g/ ro m ânico 4802 is e em mm 7m mec peso .57.99 Papé a 29 360 m sos rtões 4802 l com e ca 435 mm a 297 m lados  r proces .61.10 Pape papéis m com s até s 4802 5m ras po folha s até 43 .61.91 Outro 15 cm por fib ra  4802 is em lha uídos largu .61.99 Papé com fo nstit com s 4802 es co .62.10 Outro em tiras rtõ 02 s 48 e ca .62.99 Outro papéis cm o s  15 4802 piativ .69.10 Outro gura toco 4802 l au de lar .69.99 Pape rolos s 4802 em .20.00 Outro cartão 4809 0.00 le Pape 9.9

20/08/13 11:46


NEGÓCIOS

O passo a passo da inovação um processo de transformação da gráfica. O grande choque para o setor é que, hoje, a empresa precisa saber gerar demanda e, consequentemente, mudar seus modelos.

Entenda as tendências, alternativas e as novas oportunidades que se pode vislumbrar para a indústria gráfica na atualidade.

A

IMPORTÂNCIA DO IMPRESSO

Cada vez mais, as gráficas só irão imprimir aquilo que for relevante. Apesar dos vários meios que temos hoje para nos comunicar, ainda existe um papel importante reservado à comunicação impressa. Há situações em que nada substitui o papel, pela credibilidade que traz, pela fluidez de leitura que proporciona e pela necessidade de ter nas mãos algo físico.

Texto: Ada Caperuto Consultoria: Hamilton Terni Costa / ANconsulting

lém dos problemas conjunturais e estruturais, a indústria de impressão mundial se vê afetada pela competição com os asiáticos (veja matéria na seção “Economia”). Para minimizar os efeitos negativos desse cenário, que pode ser percebido cada vez mais no Brasil, além de medidas político-​­tributárias, especialistas apontam o necessário caminho da inovação, do reposicionamento, da ampliação do leque de oportunidades e, principalmente, da criação de relevância para o produto impresso. Alguns expoentes desse processo de mudanças — e as recomendações feitas sobre os caminhos a seguir — podem ser encontrados neste levantamento feito pela Revista Abigraf, que traz também exemplos de casos bem-​­sucedidos no Brasil, Estados Unidos e Europa. MERCADOS MADUROS E CONCENTRAÇÃO DE NEGÓCIOS

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS: O GRANDE CHOQUE

32

Nos Estados Unidos de sete anos atrás o cliente procurava a gráfica, que ficava tranquila, esperando a demanda chegar. Eles precisaram mudar. Agora chegou a nossa vez. É preciso entender que existe REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Foto: AGB Photo Library

Nos mercados maduros — Estados Unidos, Japão, Canadá e Europa Ocidental — as empresas vêm buscando uma concentração de negócios. A ideia é unir para ganhar força e participação de mercado. Na Austrália, por exemplo, existem oito grandes gráficas que detêm 80% do mercado. Embora ainda não tenha força na América Latina e no Brasil, o fenômeno deverá se repetir por aqui.

ENTENDER PROFUNDAMENTE O CLIENTE

O gráfico precisa reagir, “entrar” na empresa do cliente para ajudá-​­lo a encontrar os melhores caminhos, inclusive para o material impresso. Precisa saber quais são os objetivos de negócios dele. Isso é uma mudança total de relacionamento, de forma de venda. OS DOIS CAMINHOS DA INOVAÇÃO

A inovação tem dois caminhos: a incremental, que se faz no dia a dia — melhora de processos, otimização de fluxo e de eficiência —, e a inovação por ruptura, que é aquela à qual se chega com determinado salto.


PENSE COMO OS

MAIORES DO BRASIL

INOVAÇÃO POR RUPTURA

Algumas empresas possuem mais recursos e preferem formar uma unidade à parte, experimentar novos formatos, outra formatação de negócios, maneiras alternativas de venda e, assim, sentir o mercado. Outras simplesmente especializam-​­se em nichos. ENCONTRANDO SUA ESPECIALIDADE

Um dos caminhos mais recomendados para quem escolhe se especializar em um nicho é se questionar “o que eu faço melhor?” e procurar reforçar esse campo. Tornar-​­se, por exemplo, a gráfica que melhor entende de material impresso para turismo; a que melhor faz qualquer tipo de material promocional; a que mais entende de mar­ke­ting, recursos humanos, finanças ou qualquer outra área dentro de uma empresa e procura providenciar (ou até criar) todo e qualquer impresso que este cliente poderia usar, de crachás a cartões de visitas, de materiais de treinamentos a relatórios de balanço. REFINAMENTO DA ESPECIALIDADE

À medida que a empresa avança por um determinado caminho, consegue enxergar o horizonte A, B ou C e pavimenta essa estrada passo a passo, construindo os diferenciais. A gráfica que hoje atua na área promocional pode se tornar um fornecedor de projetos de mar­ke­ting. A de embalagens pode se transformar em um fornecedor de soluções integradas. Uma gráfica da área comercial pode se tornar especialista em documentação: estuda mecanismos para baixar custos dos clientes em relação à utilização de papel, faz a gestão de documentos e assim por diante. ALTERNATIVAS DE IMPRESSOS

Se preferir, a gráfica pode buscar alternativas de impressão: tecidos, material de decoração, de sinalização etc. São caminhos muito interessantes dentro de mercados menores, mas que podem ser expressivos. QUESTÃO DE ATITUDE

As empresas maiores têm mais recursos para mudanças, mas fazer isso é muito

mais uma questão de atitude. Para sair dessa situação, como primeiro passo é preciso parar de se queixar. Segundo, ter atitude. E terceiro, buscar a inovação. CASOS CONCRETOS Arizona (Brasil)

Desde que foi fundada, em 1998, a Arizona vem modificando seu modelo de negócios e hoje oferece um amplo portfólio de serviços de produção cross media, responsabilizando-​­se pela execução das ideias e conceitos criados por uma agência para um anunciante. Ou seja: entrega uma campanha ou estratégia de comunicação de modo integrado, em todas as mídias, sejam impressas ou eletrônicas.

Imprima qualidade com as nossas blanquetas. Ruby Carat – Melhor relação custo-benefício do mercado para tecnologias UV / Led UV / H-UV. Produto desenvolvido com todas as tecnologias de ponta da Phoenix. Surpreenda-se com a nossa qualidade e durabilidade.

Ruby

UV

CARAT

Strategic Content Imaging (Estados Unidos)

Impressos que se comunicam, que cativam, que nos conectam. Este é parte do lema da Strategic Content Imaging, empresa de Nova Jersey (Estados Unidos). Com diferentes soluções em seu portfólio, a empresa tem a proposta de ajudar seus clientes a transformar o comum em extraordinário, usando personalização, interatividade e tecnologia de cross media. Atua também em estratégias de distribuição otimizada, de modo a maximizar o valor dos materiais impressos. Gramagraf (Espanha)

A Gramagraf, sediada em Barcelona (Espanha), é um provedor de serviços de impressão fundado em 1985 como uma cooperativa por funcionários de uma gráfica que faliu. A certa altura, o modelo de negócios que praticava havia 20 anos se tornou insuficiente. Em apenas dois anos, a empresa se transformou em um novo negócio, oferecendo serviços completos aos departamentos de mar­ke­ting de empresas e para agências de publicidade, com todas as formas de soluções gráficas, e não apenas um único produto. Assim, a Gramagraf pode produzir desde tiragens de 100 mil folhetos personalizados para exibição em uma única loja até impressos de grande formato, como banners gigantes.

Entre em contato e conheça o nosso portfolio completo de blanquetas.

(48) 3259

9495

DISTRIBUIDOR PARA O BRASIL

www.blanquetas.com.br Blankets Made in Germany

www.pxp.de

julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF

33


OPINIÃO

A

om muitas c ó S a. vo o p m te o , sa as p o p O tem mercado vo o n te es n s o em er iv v re b so s mudança uma reação já das nossas

Por isso, é importante ssa, pa po tem cada o e qu ia diz da existe uma fórmula mágica, o Nã as. fic Algum gênio da propagan grá ua ça Bamerindus contin caminho, que deverá ser o tempo voa, mas a poupan gráfica deverá achar o seu vê se e qu do “tu a para tantas gráficas. cantav . Não temos mais mercado numa boa. Já Lulu Santos ico ún o tud do, un ro de gráficas. há um seg os ter hoje metade do núme íam ver não é igual ao que a gente viu De s. nto Sa lu Lu mente com o”. Fico com o ito no processo de fusões. So mu ito muda o tempo todo no mund red Ac s ira gestão a criação das prime idade, máquinas modernas, tiv du pro de sca Como vem ocorrendo desde bu a a indústria gráfica está em perdícios teremos nossa impressoras de Gutenberg, alificada e controles de des qu de a vid dú ho ten vos ser viços, mas não ade de volta. A inovação, no ilid tab constantes transformações, ren cio sen pre desafiador que rão de volta à nossa que este é o momento mais encantamento do cliente tra fica. azul. nestes meus 45 anos de grá última linha do balanço a cor de an Gr Rio do as fic grá sempre na maior Em um recente encontro de Deveremos empenhar‑nos do rca me o re sob valorização do car ideias o possível da campanha de açã ulg do Sul, com o objetivo de tro div a ra pa do papel e antar sugestões sso. Todos nós dependemos pre im promocional/editorial e lev pel pa o ism sim te meio fica, senti um pes ito no futuro deste importan mu da ain fio valorização da impressão grá con é uma realidade, mas afiador para todos nós. comunicação. A era dig ital realista, preocupante e des de um com to fei desafio é enorme, informal acabar com a impressão. O  vai Seg undo um levantamento o nã iro me pri ste ne com uma delas tiveram no nosso futuro sustentável, io cre eu s grupo de 30 gráficas, 60% ma o com o res de reduzido se comparad e e criando dezenas de milha ad ilid tab ren ta semestre seu faturamento jus %, pende de nós e, claro, . A g rande maioria, 73,35 pregos em nosso país. Só de primeiro semestre de 2012 em ve nte ma se inuiu ou do. respondeu que seu lucro dim de uma ajudinha do merca teve um po gru do % 20 as en ap e estável neste semestre líquido, na minha opinião, br retorno sobre o patrimônio angelo@ impresul.com. siderar estes con de são ten pre a ho ten o aceitável. Nã grande indústria nacional. números como realidade da de importantes gráficas do Foi uma pequena amostra as conversas com colegas Rio Grande do Sul. Mas pel fornecedores nacionais, de outras reg iões e grandes não sejam muito melhores acredito que estes números no restante do País. cação da revista Se analisarmos recente publi es de 2013, Melhores e maior Exame na edição de julho veremos uma diminuição empresas do Brasil, também s (no geral caíram quase dos lucros em todos os setore tabilidade do patrimônio 50%). Mesmo assim, a ren oito setores analisados. foi de 9% na mediana dos dez uem trabalhar com 20 As melhores empresas conseg ealidade da indústria a 30% de rentabilidade. A r e estes últimos números. gráfica está bem pior do qu do investe seu capital O empresário gráfico, quan rcado, deveria ter fica e corre todos os riscos de me Bra sileira da Indústria Grá do. rca Presidente da Associação me de os jur aos ) or f‑RS eri igra (Ab uma rentabilidade sup Regional Rio Grande do Sul ade não tem sido esta. lid rea ssa no , nte me eliz inf Mas,

A ngelo Garbarski

34 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013


ginรกstica na empresa


ECONOMIA

Panorama da indústria gráfica europeia

A

Relatório da Intergraf revela números e cenários para os impressores que atuam nos 28 países-​­membros da União Europeia. Existem algumas semelhanças com o que está ocorrendo aqui. Texto: Ada Caperuto

presentado durante a assembleia geral anual da Federação Europeia de Comunicação Impressa e Digital (European Federation for Print and Digital Communication – Intergraf), realizada no dia 6 de junho em Amsterdã (Holanda) conjuntamente com a reunião de diretoria do Fórum Mundial de Impressão e Comunicação (World Print and Communication Forum – WPCF), o relatório A indústria gráfica europeia: fatos e números mostra a situação do setor gráfico na União Europeia (UE) em 2012. Para ter uma ideia das dimensões desse mercado, é necessário saber que, hoje integrada por 28 estados-​­membros que reúnem cerca de 500 milhões de habitantes (7,3% da população mundial), a UE registrou em 2012 um Produto

Interno Bruto (PIB) de € 12 trilhões (US$ 15,7 trilhões), ou 20% do PIB mundial (medido em paridade do poder de compra, € 25.000 per capita). Também em 2012 a UE teve inflação de 2,6% e 12,1% de desemprego. No que tange ao comércio internacional, a economia da região registra 63% de ações do comércio intracomunitário, sendo os principais parceiros comerciais de mercadorias para exportações os Estados Unidos, China, Suíça, Rússia e Turquia. São praticamente as mesmas nações das quais a região realiza importações, apenas trocando-​­se a Turquia pela Noruega. No que diz respeito à indústria de impressão, em 2010 a União Europeia era integrada por 121 mil empresas, que reuniam 714 mil funcionários e registravam faturamento de

GRÁFICO 1 – FATURAMENTO DA INDÚSTRIA GRÁFICA EUROPEIA EM 2010 (em milhões de euros) Alemanha Áustria Bélgica3 Bulgária Chipre1 Croácia4 Dinamarca1 Eslováquia Eslovênia Espanha Estônia Finlândia França Grécia2 Holanda Hungria Irlanda Itália Letônia Lituânia Luxemburgo3 Polônia Portugal Reino Unido República Tcheca2 Romênia Suécia União Europeia3

20.677

1.976 3.475 279 121 528 1.536 431 417 7.466 198 1.355 10.554 862 4.437 890 497 11.767 143 132 134 2.455 1.181 12.183 1.608 665 2.683 88.183

1. Dados de 2008  2. Dados de 2009  3. Estimativas da Intergraf  4. Integrou a União Europeia em 2013

36 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013


GRÁFICO 2 – NÚMERO DE EMPRESAS Por número de funcionários – 2010

GRÁFICO 3 – FATURAMENTO DAS EMPRESAS Em bilhões de euros, por número de funcionários – 2010

102.419

26,571

17,163

16,215

15,772 11,363

9.043

0–9

10–19

4.603

2.087

227

20–49

50–249

> 250

0–9

10–19

20–49

50–249

> 250

Fonte: Intergraf

€ 88 bilhões. O relatório produzido pela Intergraf informa que, na região, o setor gráfico não está configurado como um mercado homogêneo. Isso porque, quando analisado o faturamento por país, a Alemanha lidera o ranking com ampla vantagem sobre o segundo colocado, o Reino Unido. Os dois são seguidos, na ordem, por Itália, França e Espanha. Como

“lanternas” nessa escala estão Letônia, Lituânia, Luxemburgo e Chipre (Gráfico 1). Assim como no Brasil, a indústria gráfica na União Europeia está dominada por uma maioria de pequenas e microempresas (PMEs). A quantidade de indústrias gráficas que contam com no máximo nove funcionários (de acordo com parâmetros locais para enquadramento de PMEs)

GRÁFICO 4 – NÚMERO DE EMPRESAS (em milhares) 140 135 130 125 120 115 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Fonte: Eurostat

GRÁFICO 5 – NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS (em milhares) 1.000 950 900 850 800 750 700 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Fonte: Eurostat

37 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF


GRÁFICO 6 – FATURAMENTO (em bilhões de euros) 110 105 100 95 90 85 80 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Fonte: Eurostat

DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO POR PROCESSO DE IMPRESSÃO NOS PAÍSES DA UNIÃO EUROPEIA – 2012 Offset plana

21% Flexografia

20% Offset rotativa heatset

15%

Offset rotativa coldset

10%

Digital eletrofotografia

9%

Rotogravura

8%

Jato de tinta

4%

Serigrafia

2%

Leterpress

1%

Outros sistemas

10%

38

Pesquisa Infotrends – abril 2012

REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

representa praticamente 90% do total — pouco mais de 100.000 estabelecimentos —, sendo largamente superior à de gráficas com 10 a 19 funcionários, que vêm em seguida, com cerca de 9.000 empresas. Porém, também como se vê em nosso país, em faturamento o ranking mostra na primeira posição as gráficas com 50 a 249 funcionários, seguidas das empresas com até 9 funcionários (Gráficos 2 e 3). De acordo com o relatório da Intergraf, as empresas gráficas da União Europeia passam por “tempos desafiadores”. A afirmação é facilmente atestada ao analisar-​­se os gráficos de “número de empresas”, “número de funcionários” e “faturamento”, os quais mostram curvas descendentes, de um modo geral. Observando-​ o­ s isoladamente, é possível perceber que o número de empresas registrou queda acentuada entre 2001 e 2002, voltando a crescer até 2007, quando sofreu nova e drástica queda, até 2009, voltando a se recuperar em 2010 (Gráfico 4). Por sua vez, o gráfico que mostra o número de funcionários descreve uma linha descendente em 2002 e, após manter-se estável em 2003, caiu sensivelmente até 2010 (Gráfico 5). Finalmente, depois de registrar alguns picos de crescimento entre 2005 e 2007, os resultados de faturamento da indústria gráfica da UE entraram em decréscimo até 2009, quando a linha do gráfico voltou a se estabilizar (Gráfico 6). Para o superintendente da ABNT/ONS-27 e diretor técnico na ABTG Certificadora, Bruno Mortara, que participou do evento, é possível dizer que o mercado da UE parou de encolher, mas não que tenha se estabilizado. Por outro lado, o número de empregados continua em queda livre, indicando que existe maior investimento em automação. “Para analisar esses

número é necessário isolar os aspectos conjunturais e estruturais. No primeiro temos a questão de o próprio comércio internacional estar enfraquecido, e os países periféricos sofrem imediatamente os reflexos disso”, diz ele. Traçando uma comparação com o mercado brasileiro, o especialista também observa que, por aqui, as empresas gráficas atuam quase que exclusivamente no mercado interno. Por isso mesmo dependem totalmente de um cenário favorável no mercado doméstico. “No entanto, aqui entra o segundo aspecto: assim como ocorre na Europa, temos problemas estruturais no Brasil. O mercado mundial de comunicação impressa está em franca transformação, e nosso país, que ainda não é um mercado maduro, talvez precise de maior esforço para equacionar todas essas questões”, analisa Bruno. Ele também destacou que o recente fórum da Intergraf deixou claro um ponto importante. “Em nossas conversas, entendemos que esses problemas não são apenas nossos. Os europeus também vivenciam uma quebra de paradigmas em relação aos anunciantes tradicionais. Todos estão perplexos a respeito de que iniciativas devem ser tomadas, mas o discurso é idêntico: a indústria gráfica tem que passar a prover serviços mais complexos e abrangentes”, acrescenta. SEGMENTOS E NEGÓCIOS

O estudo elaborado pela Intergraf também revela as operações de comércio exterior realizadas em 2011 pela indústria gráfica da União Europeia, dando conta de que a balança comercial foi positiva em € 2,5 bilhões — guardadas as diferenças entre as nações, é claro. No entanto, a UE enfrenta um aumento intenso nas importações da China desde 1999. “As


importações chinesas somaram cerca de € 1 bilhão em 2011. Isso ainda não é nada perto da dimensão que pode atingir. No momento em que eles inundarem a UE com produtos será um verdadeiro inferno”, afirma Bruno Mortara. Em relação à participação de mercado dos produtos impressos, a UE apresentou em 2012 o seguinte quadro (Gráfico 7): embalagens e rótulos (42%), impressos comerciais e outros (18%), promocionais (15%), revistas (10%), livros e jornais (cada um com 4%), catálogos (3%) e artigos de papelaria e diretórios (cada um com 2%). “A expectativa é que os segmentos de embalagens e de rótulos e etiquetas, que já são responsáveis por quase metade do faturamento das empresas, tenham crescimento até 2017. E isso entra em conflito com o pessimismo demonstrado pela maioria dos empresários do setor”, comenta o especialista. A impressão offset continua sendo o principal processo empregado, mas o sistema digital está crescendo, em volume e em valores de serviços. A distribuição da produção por processo de impressão, no ano de 2012, ficou da seguinte forma: offset plana (21%), flexografia (20%), offset rotativa heatset (15%), offset rotativa coldset (10%), digital eletrofotografia (9%), rotogravura (8%), jato de tinta (4%), serigrafia (2%) e leterpress (1%), além de outros sistemas (10%). Nesse cenário, com base em pesquisa realizada pela norte-​­americana Infotrends em abril de 2012, a indústria gráfica da UE aponta

como principais ameaças nos próximos anos a pressão nos preços, fruto da competição entre as empresas (com 64,7% do total de respostas); a redução no volume de serviços (61%); a competição com outras mídias (42,3%); a crise econômica (31,5%); o custo de consumíveis (27%); os financiamentos/caixa (16,2%) e outros motivos (4,1%). A pesquisa também demonstrou as principais estratégias a serem adotadas pelos gráficos europeus nos próximos 24 meses: maior eficácia (43,6%), concentração nos nichos de mercado (35,3%), serviços ligados à impressão (31,1%), aumento da qualidade (29,5%), serviços não ligados à impressão (27%), controle/ redução de custos (20,3%), aumento de capacidade (17,4%), expansão geográfica (17%), aquisições (13,7%), certificação (10,8%), fechamento de negócios (5,85%), e outras medidas (2,9%). Neste aspecto, Bruno Mortara chama a atenção sobre uma demanda, a de capacitação. “Se a estratégia de recuperação europeia fosse aplicada ao Brasil, teríamos sérios problemas, já que a primeira medida apontada como solução é o aumento da eficiência. Você só consegue ampliar a qualidade com conhecimento. Se você tiver uma máquina supermoderna, como muitas gráficas têm, mas não treinar funcionários, de nada adiantará. E quando você vê empresários como os alemães dizendo que eles precisam aumentar a eficiência e a produtividade, a preocupação aumenta por razões óbvias”.

PRINCIPAIS MEDIDAS E ESTRATÉGIAS DOS GRÁFICOS EUROPEUS A SEREM ADOTADAS NOS PRÓXIMOS DOIS ANOS Maior eficácia

43,6% Concentração nos nichos de mercado

35,3%

Investimento em serviços ligados à impressão

31,1%

Aumento da qualidade

29,5%

Investimento em serviços não ligados à impressão

27%

Controle/redução de custos

20,3%

GRÁFICO 7 – PARTICIPAÇÃO DOS PRODUTOS IMPRESSOS NO MERCADO EUROPEU – 2012 Embalagens e rótulos 42% Artigos de papelaria 2%

Aumento de capacidade

17,4%

Expansão geográfica

17% Aquisições

13,7%

Diretórios 2% Catálogos 3% Jornais 4%

Certificação

Comerciais/ outros 18%

Livros 4% Revistas 10%

Fonte: PIRA, European market, 2013

10,8% Fechamento de negócios

5,85%

Promocionais 15%

Outras medidas

2,9%

Pesquisa Infotrends – abril 2012

julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF

39


PREMIER PRINT AWARDS

Gráficas brasileiras ganham Prêmio Benny Stilgraf, com dois troféus, Ipsis e Facform receberam a premiação máxima no mais importante concurso mundial do setor gráfico.

F

oram anunciados no dia 8 de julho os vencedores do Premier Print Awards, promovido pela Printing Industries of America (PIA), para o qual foram inscritos mais de 2.800 trabalhos. A premiação de “Melhor da Categoria”, conhecida como Prêmio Benny, teve 112 vencedores, complementados pelos prêmios de reconhecimento e certificados de mérito concedidos a empresas gráficas de todo o mundo. Entre as três empresas brasileiras que ganharam o Benny, o destaque foi a paulistana Stilgraf, que ficou com duas estatuetas atribuídas ao “Catálogo AB Mães” e à “Revista

40

Santa”, além de dois prêmios de reconhecimento (livros “Adélia Sonhadora” e “Valemax”) e cinco certificados de mérito. Para Robison Borges, diretor da Stilgraf, o feito é de grande importância para a empresa. “Assim podemos mostrar o quanto o nosso trabalho é recompensado e gratificante. Estamos muito orgulhosos pela nossa equipe e esperamos sempre produzir materiais com alto valor agregado, mantendo nossos clientes satisfeitos e a nossa filosofia que é de excelência em qualidade”. A Ipsi s, t a m bém de São Paulo, levou o troféu com o seu “Ipsis Litteris 8” e recebeu quatro REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

certificados de mérito. O presidente da gráfica, Fernando Steven Ullmann, afirmou: “Para nós da Ipsis, receber o Prêmio Benny é ter o reconhecimento internacional do fruto de um trabalho de muitos anos focado em qualidade e satisfação plena dos nossos clientes”. A outra vencedora brasileira do Benny foi a pernambucana Facform, com o “Calendário Facform 2013”, e ainda três prêmios de reconhecimento, concedidos para o “Catálogo Rio Ave”, o “Calendário Renato Filho 2013” e o cartaz “Coração”. A diretora Ailza Jardim, citando seu esposo e sócio, comemora: “É sempre com emoção que recebemos mais um Benny. Este é o sétimo, além de vários prêmios de reconhecimento e certificados de mérito. Todos os nossos produtos premiados ficam expostos permanentemente. Afinal, prêmios são para isso mesmo. Francisco e eu temos a utopia de que as artes gráficas e a mídia impressa continuarão apaixonando a todos por muitas gerações. Este prêmio tem o tamanho da importância de como lidamos com nossos impressos”. Com os livros “Marca de Chef” e “A Ideia Panamericana”, a paranaense Posigraf foi agraciada com dois prêmios de reconhecimento, recebendo com outro trabalho o certificado de mérito. “Reconhecimentos como os do Premier Print Awards inspiram nossa empresa a investir ainda mais em tecnologia e conhecimento, desenvolvendo produtos ainda melhores para nossos clientes. Sem dúvida, trata-​­se de uma premiação que reforça nossa posição de destaque no mercado gráfico-​­editorial brasileiro”, ressalta Gilberto Alves, diretor geral da empresa. Todos os vencedores receberão suas premiações em festa a ser realizada durante a feira Print 2013, em Chicago (EUA), no dia 8 de setembro.


manroland.br

Parabéns ! Você investiu no que muitos consideram ser a melhor impressora do mundo, o melhor da engenharia alemã. Você escolheu a lendária qualidade da manroland para sua gráfica e você escolheu sabiamente. Agora que você fez sua escolha, queremos certificar de que seu investimento gere os melhores rendimentos possíveis, ano após ano. Com nosso programa PrintValue®, os técnicos da manroland garantem que sua impressora rode com a máxima eficiência e por mais tempo possível. Com acesso direto aos nossos profissionais experientes aqui na Alemanha, a peças de reserva genuínas de fábrica e a consumíveis certificados e aprimorados como só nós sabemos, nosso serviço é completo. E com nossa rede mundial de mais de 40 subsidiárias, onde quer que você esteja, estaremos lá para lhe dar suporte.

aprimorando seu investimento manroland do Brasil Serviços Ltda. Rua das Figueiras, 474 - 3o andar, Edíficio Eiffel Bairro Jardim, 09080-370, Santo André, SP P +55 (11) 4903 9200 F +55 (11) 4903 9210 E atendimento.br@manrolandsheetfed.com


3º Prêmio ABIGRAF de Sustentabilidade VALORIZANDO E RECONHECENDO UM SETOR QUE A CADA DIA RENOVA SUAS PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS Em 2013, a ABIGRAF Nacional realiza a 3ª edição do Prêmio ABIGRAF de Sustentabilidade, com coordenação da ABTG. A premiação tem como objetivo reconhecer as empresas gráficas que desenvolveram as melhores práticas sustentáveis nos últimos dois anos. As categorias para inscrição no Prêmio serão definidas por porte de empresa, sendo: Pequena e Micro - 0 a 49 funcionários Média - de 50 a 249 funcionários Grande - A partir de 250 funcionários Os casos serão avaliados sob os aspectos que formam o “tripé” da sustentabilidade - Ambiental, Social e Econômico. As inscrições para o 3º Prêmio ABIGRAF de Sustentabilidade 2013 estarão abertas de 25 de agosto a 25 de setembro. A cerimônia de entrega dos troféus está marcada para a noite de 26 de novembro, durante o 23º Prêmio Brasileiro de Excelência Gráfica Fernando Pini.

Realização

Coordenação

Patrocínio


GESTÃO

AGB Photo Library

Hamilton Terni Costa

Um mercado em transformação exige uma nova visão e abordagem comercial. Mas que abordagem? E como se faz isso? Agregar serviços ou soluções que representem benefícios reais para o cliente é o caminho para diferenciar-se em um mercado em que os produtos se tornam a cada dia mais comoditizados, padronizados, iguais.

44 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

N

o ano passado escrevi um artigo para a Revista Abigraf com o título “Não existem mais vendedores na indústria gráfica?” com razoável repercussão. Só no meu blog já atingiu mais de 27.000 views (http://www.anconsulting. com.br/pt/entry/nao-ha-mais-vendedoresna-industria-grafica), o que não é nada mau. Acho esse interesse sintomático, representativo do momento de transição que vive a indústria gráfica, buscando caminhos, mas com a imensa maioria das empresas e de suas ­áreas comerciais agindo da mesma maneira que sempre agiram. Era a tônica do artigo, cuja ênfase estava no estímulo a uma venda de solução ao invés da venda tradicional, transacional. Muito bem, mas a questão é sempre: como fazer isso? E por que há tanta dificuldade de mudança para muitas empresas, em especial para aquelas que entendem que já praticam esse tipo de abordagem, quando na verdade estão reprisando atuações que sempre deram certo, mas que, segundo eles, por culpa do cliente que agora só quer saber de preços, do concorrente que não

sabe levantar custos, da economia que agora não anda, das manifestações e dessa indústria que está se acabando, não deixam a gente trabalhar e ganhar dinheiro como sempre fizemos? Vamos primeiro contextualizar. A postura comercial de muitas gráficas tem suas raízes na concepção da empresa industrial formada na técnica. Essa é uma característica que não se configura só na gráfica, mas em muitas indústrias focadas na produção de bens e serviços para outras empresas e indústrias cuja formatação está centrada na técnica de como fazer as coisas, na produção, em que o núcleo técnico é o centro da empresa, muitas vezes comandado pelo próprio dono e, no caso das gráficas, um ex-​­impressor ou mesmo ex-​­vendedor de gráfica, mas que conhecia tudo de impressão. O comportamento tecnológico está nas raízes. Mas, o compromisso maior é produzir e vender. Como escreveu Jeniffer Matt (norte-americana, especialista em web-​­to-print) em um artigo do WhatTheyThink: “A impressão era a forma dominante de comunicação e os gráficos só necessitavam ter um time de vendas sólido


e serem bons fabricantes para se saírem bem; eles responderam apropriadamente — focando em seu time de vendas, capacidade de produção, qualidade e atenção ao cliente. Aqui está a pegada — a maioria da indústria gráfica ainda está gerenciando seu negócio focada em ser a melhor fabricante (como se ainda fosse 2003). Muita coisa mudou em dez anos, não mudanças incrementais, mas mudanças tectônicas na conectividade geral do planeta”. COMODITIZAÇÃO

Ora, sair do mundo onde sempre vivemos é complicado, porém não sair pode ser ainda mais. Mas antes de explorar isso quero colocar outro ponto: a comoditização dos produtos gráficos. Essa é outra realidade inescapável e também não é nenhuma exclusividade desses produtos, pelo contrário. Hoje quase tudo se torna uma commodity muito rapidamente. E comoditizar é padronizar, é fazer igual. Tudo muito parecido, sem diferenças. E produtos não diferenciados entre si são comprados essencialmente em função do preço. Por outro lado, como nos diferenciamos quando os produtos estão comoditizados? Agregando serviços. Ou agregando o que chamamos de soluções. Por isso insistimos que um dos caminhos para a revitalização de empresas gráficas é a oferta de soluções que representem benefícios reais para os clientes, seja em suas comunicações, projetos de embalagem, gestão de processos, facilitação de compras, redução de estoques, logística etc. E por que mudar nossas vendas? Porque uma das grandes mudanças que vivenciamos hoje, mais do que na área de vendas, está na área de compras. As empresas estão mudando a forma de comprar produtos e serviços de outras empresas, não só se especializando mais, como entendendo que conhecem mais do produto a ser comprado. Com isso elas começam a chamar os fornecedores para participarem do processo quando, segundo estatísticas, quase 60% desse processo está cumprido, basicamente na hora de pedir preços. Ou contratam serviços de empresas especializadas em reduzir custos de compra e que ganham percentuais dessa redução, gerando os famosos leilões reversos. O resultado desse movimento, para a gráfica, vai desde o simples recebimento de arquivos não imprimíveis, pois foram feitos por “pilotos” de programa de editoração que não entendem nada de impressão, até uma verdadeira inadequação de preços e custos ao se pegar pedidos

de, por exemplo, um milhão de unidades de embalagens que serão compradas, na verdade, ao ritmo de 10.000 por mês . . . e tome prejuízo. VENDER SOLUÇÕES

Portanto, para aqueles que não têm vocação e estrutura para vender commodities não há outro caminho que não o de buscar um outro tipo de penetração no cliente para poder ensinar o que ele não sabe, ainda que pense que saiba, e procurar vender soluções para seus problemas. Dessa forma, minha sugestão é que se comece a perguntar algo que parece óbvio, porém poucos se perguntam: por que, afinal, os clientes compram de nós? As respostas, se levantadas com seriedade, podem trazer uma idéia de que soluções efetivamente podemos vender ou não. E se não as temos e não temos estrutura efetiva e financeira para vender commodity, acho que está mais do que na hora de mudar. Partindo, no entanto, da ideia de que temos algo a mais a oferecer ao cliente que não seja só papel pintado, temos que nos armar de muito planejamento para fazer uma venda menos empírica e mais objetivada, não desperdiçando tempo e oportunidades. Sempre digo, baseado no que já vivi em gráficas e que vejo em muitas outras, que muitos vendedores perdem grande parte do seu tempo com clientes que não vão comprar nada ou quase nada dele. Visitam porque têm acesso, orçam porque querem mostrar que estão trabalhando e perdem 95% do que orçam, mas justificam dizendo que a empresa não tem preço para competir. Na verdade basta perguntar para muitos orçamentistas gráficos que só de ver os produtos e os clientes sabem que aqueles produtos não servem ou não dá para produzi-​­los. Culpa da gráfica, que permite e não estimula um trabalho efetivo de prospecção e na busca do que chamamos de clientes válidos, aqueles com os quais temos possibilidade de construir valor efetivo. Algo que colocamos no nosso último artigo aqui na revista. Insisto, por outro lado, com muitas empresas que, mais do que pedir o preenchimento de inúmeros relatórios de vendas que ninguém vai ler, os vendedores, junto com seus gerentes, deveriam, sim, analisar cliente a cliente e instituir formulários de avaliação em que a cada período de tempo se decida se vale a pena ou não seguir com aquele cliente, se podemos ter um relacionamento frutífero ou mesmo de escalabilidade e construção de valor. Se vale a pena, ótimo,

POR QUE, AFINAL, OS CLIENTES COMPRAM DE NÓS? AS RESPOSTAS, SE LEVANTADAS COM SERIEDADE, PODEM TRAZER UMA IDÉIA DE QUE SOLUÇÕES EFETIVAMENTE PODEMOS VENDER OU NÃO. E SE NÃO AS TEMOS E NÃO TEMOS ESTRUTURA EFETIVA E FINANCEIRA PARA VENDER COMMODITY, ACHO QUE ESTÁ MAIS DO QUE NA HORA DE MUDAR.

45 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF


vamos seguir em frente. Se não vale, até logo, passe bem, não percamos tempo e foco. Para esses chamados clientes válidos, e se temos soluções que possam ser oferecidas a eles, só há um caminho: buscar os que decidem lá dentro, ir além do circulo restrito de compras, ou não vamos passar de cotações de projetos feitos por outros. INFLUENCIADORES

MUITOS VENDEDORES PERDEM MUITO DO SEU TEMPO COM CLIENTES QUE NÃO VÃO COMPRAR NADA OU QUASE NADA DELE. VISITAM PORQUE TÊM ACESSO, ORÇAM PORQUE QUEREM MOSTRAR QUE ESTÃO TRABALHANDO E PERDEM 95% DO QUE ORÇAM, MAS JUSTIFICAM DIZENDO QUE A EMPRESA NÃO TEM PREÇO PARA COMPETIR

Chegar aos decisores, por outro lado, implica o conhecimento mais aprofundado do negócio do cliente e quem são os influenciadores diretos ou indiretos de compras, intervenientes ou clientes finais dos nossos produtos. Despertar o interesse desse pessoal e até com sua ajuda, nos dá o caminho mais seguro para quando finalmente alcançarmos e nos comunicarmos com os decisores. Ainda mais porque, hoje em dia, para projetos mais complexos como transpromo ou comunicações 1:1 e cross-​­media, as decisões são cada vez mais por consenso dentro das empresas e a liberação de verbas pode vir de diferentes departamentos. Se não conhecermos as pessoas dessas á­ reas e não pudermos ter alguma influência nossas possíveis soluções ficam prejudicadas. Há vendedores que fazem esse caminho quase intuitivamente. Está em sua natureza. A maioria, no entanto, precisa e deve ser treinada para isso. Para irem além das vendas transacionais, que é o que predomina nas empresas gráficas. Vendedores que, junto com as outras pessoas da gráfica, sejam de atendimento, projetos, produção ou logística, precisam saber criar o que se chama de contextos de cooperação com os clientes e a empresa. Somente dentro desses contextos é que podemos construir lealdade, longevidade e valor efetivo para os dois lados. Entendendo as pessoas com as quais lidamos, compreendendo suas questões específicas e as ajudando a resolver problemas. AJUDAR O CLIENTE

46

Hamilton Terni Costa, hternii@ anconsulting.com.br, é diretor geral da ANconsulting, www. ansconsulting.com.br, ex‑presidente da ABTG e um dos criadores e coordenadores do curso de pós‑graduação em Gestão Inovadora da Empresa Gráfica na Faculdade Senai Theobaldo De Nigris, onde ministra as matérias de Gestão Estratégica e Marketing Industrial. REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Falei antes em ensinar o cliente. Pois é isso mesmo. Em um momento em que as empresas estão ampliando suas comunicações digitais em detrimento da impressão, sabemos explicar que a colocação do impresso nesse mix aumenta a taxa de resposta? Sabemos argumentar e mostrar as interações do material impresso com os meios digitais através de QR code, PURLs ou Realidade Aumentada? Ou que a interface do cliente com nossa produção através de plataformas web-​­to-print B2B evitam erros internos

do cliente e podem gerar novos negócios a esses mesmos clientes? Sabemos mudar a perspectiva do cliente em relação ao seu projeto de embalagem buscando, por exemplo, nova composição de materiais ou novos desenhos de facas e gramaturas de cartão? Em realidade a questão é: sabemos questionar os clientes e levá-​­los a pensar diferente em relação ao que resolveria seus problemas? Ou só aceitamos passivamente os requisitos de compras? A grande diferença na abordagem comercial é a possibilidade de ensinar o cliente. Ele, hoje, precisa de mais ajuda do que nunca para resolver os seus problemas de negócio. Ao contrário do pensamento comum. Para isso é necessária uma outra postura de vendas que precisa ser treinada e meticulosamente executada. Uma postura mais desafiadora, sem ser agressiva, mas que exige mais preparo e maior conhecimento, disse e repito, do negócio e das características dos clientes. A que usa o ciclo de vendas de solução, mas que estimula cada influenciador de compras do cliente através do ensino daquilo que quem faz é quem sabe. Claro que isso exige também uma revisão da postura interna que temos com vendas, do perfil de vendedores, da estimulação e participação da gráfica como um todo. Exige uma outra postura da empresa como um todo. Vender solução implica em desenvolver, implementar e acompanhar o resultado do que fizemos e, para isso, cada participante desse processo na nossa empresa tem que estar consciente e envolvido. Neste ano criamos o que chamamos de trilogia de vendas. Uma sequência de workshops que buscam gradualmente ensinar a gestores, executivos de conta e vendedores a galgar essa montanha. Não escrevo isso por autopromoção, mas simplesmente para mostrar a metodologia. No primeiro workshop falamos da formação do vendedor. No segundo esmiuçamos o ciclo de venda consultiva ou de soluções e, por fim, desenvolvemos a venda desafiadora, a que mostra como ensinar, modular e controlar a venda no cliente. Dessa forma, ou por qualquer outra metodologia que chegue nos mesmos objetivos, a realidade é uma só: hoje temos que saber gerar demanda nos clientes ensinando a eles o verdadeiro valor da impressão e do nosso conjunto completo de ofertas. Construindo com eles um valor real. Para seus negócios e para seus clientes. Há muitas e excelentes oportunidades embutidas nisso. Que tal pelo menos tentar?


Um impresso gráfico bem acabado vale mais. Com filmes para termolaminação Prolam, a beleza, durabilidade e, principalmente, a rentabilidade do seu trabalho são valorizados. E só a Prolam oferece soluções completas de filmes e equipamentos para termolaminação.

Conheça como valorizar mais seu negócio em: www.prolam.com.br/ovosdeouro PROLAM FOSCO • PROLAM ALTO BRILHO • PROLAM PRATA • PROLAM BIO PROLAM 3D • PROLAM SOFT TOUCH • PROLAM SCUFF FREE 11 3616.3404 • 21 2580.9394 • 51 3344.3842 • 81 3242.4506 | www.prolam.com.br


EDUCAÇÃO

Walter Vicioni Gonçalves

AGB Photo Library

A hora da mudança na educação

Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer “Pra não dizer que não falei das flores” GERALDO VANDRÉ

48 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

A

s manchetes tornam-​­se cada vez mais alarmantes: “Droga incita violência na escola, aponta pesquisa de sindicato”, “Pesquisa diz que 44% dos professores de SP dizem ter sofrido agressão em escolas”, “Jovens do País enfrentam bullying e solidão na escola — Problemas detectados por pesquisa do IBGE elevam risco de depressão no futuro”, “Educação de má qualidade

expulsa estudantes e cria defasagem escolar”. Problemas graves, que formam o mosaico que caracteriza a educação nacional. O diagnóstico está diariamente sendo incrementado e atualizado. A consciência de sua gravidade foi demonstrada nas recentes manifestações de rua, ao se protestar por um novo padrão de educação para o País — a busca por um modelo sem violência, com eficiência e excelência de resultados.

da mudança A hora


A imprensa divulga, como possíveis soluções para a violência nas escolas, propostas tais como instalação de mais câmaras nos ambientes escolares e redução da maioridade penal, medidas que podem ser consideradas pontuais e paliativas. A redução da maioridade penal pode fazer que se escolham adolescentes com menor idade para aliciar. Colocar câmeras na unidade escolar — criando um ambiente profeticamente descrito em 1984, romance clássico de George Orwell publicado em 1949, em que ninguém escapa à vigilância do Grande Irmão — significa a falência do diálogo e a renúncia do papel educacional da escola. No campo da educação, o que se vê hoje são propostas de implantação de mais matérias nos currículos, introdução de tablets nas salas de aula, utilização de autoinstrução através de vídeos disponíveis na internet, utilização de soft­ware de jogos e outras novas tecnologias de ensino. Medidas geralmente ligadas a opções da moda — porque viraram febre na rede mundial — e desconexas. É preciso olhar a educação como um processo que se estende por todo o período de infância, adolescência e juventude. Assim, deve ter como base um planejamento amplo de etapas contínuas e interrelacionadas. Nesse sentido, órgãos das diferentes esferas vinculados à educação (federais, estaduais e municipais) precisam atuar de forma articulada e complementar, não só para definir as diretrizes do ensino, mas também para disponibilizar os recursos essenciais à sua implementação, sem desvios ou desperdícios. Inicialmente, faz-​­se necessário redescobrir, na infância, a importância da brincadeira, dos jogos infantis, das oficinas de desenho e pintura, da música e da dança, dos círculos de leitura, da convivência com os amigos da mesma idade. É o conviver sem compromisso, é o cooperar sem

esperar retribuição, é o descobrir a partir de novas experiências, é o imaginar desenvolvendo criatividade, é o conhecer limites sem o medo da punição. No Ensino Fundamental e, principalmente, no Ensino Médio, é preciso rever currículos e programas de nossas escolas. Não mais por fragmentos, mas como resultado de planejamento preciso e abrangente de ensino, que tenha por base habilidades, atitudes e conhecimentos essenciais e pertinentes para o cidadão do século XXI. É imprescindível firmar princípios e consolidar valores. Para colocar em prática, é preciso que haja, em cada escola, uma equipe escolar coesa, que integre diretor, coordenadores pedagógicos e outros especialistas em educação, para que deem o suporte necessário aos professores, que, devidamente capacitados, assumirão a missão de transformar o currículo em ações. Assim, cada escola passa a ser única, dentro da diversidade da rede escolar. Educar é muito mais do que aumentar o grau de escolaridade. Educar é preparar uma pessoa para a vida, é viabilizar a aquisição de conhecimentos e habilidades necessários para a integração na sociedade e no mundo do trabalho. É o despertar para a sensibilidade estética, para reconhecimento e produção de bens culturais. Sobretudo, é formar a pessoa ética, capaz de seguir normas não por medo, mas por acreditar nelas, capaz de deixar de lado egoísmo e competitividade exagerados — caminhos para o crescimento de uma pessoa, como indivíduo e ser social. É a partir da concretização dessas mudanças no campo educacional que se tem como principal fruto a sociedade a que todos almejam. Walter Vicioni Gonçalves Diretor Regional do Senai‑SP e Superintendente do Sesi‑SP

49 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF


NOVAS SOLUÇÕES

Kodak renovada e atenta ao futuro Em meio à reestruturação da companhia, executivos demonstram confiança e anunciam o lançamento de soluções nas ­áreas digital e de embalagem.

O

50

scilações de mercado e crises financeiras podem ser fatais para empresas que não souberem tomar decisões inteligentes e reverter a situação. Para a Kodak, confiança e inovação são os principais fatores que podem mostrar a luz no fim do túnel. O resultado dessa atitude ficou em evidência na Conferência de Soluções da Kodak, realizada em 17 de julho no Golden Tulip Park Plaza Hotel, em São Paulo. Executivos da empresa, tanto do Brasil quanto do exterior, participaram do evento e apresentaram as novas soluções para impressão digital de alta demanda, impressão digital colorida de valor agregado, novas tecnologias de gravação de chapas, CtP produtivo e sustentabilidade. Doug Edwards, presidente mundial da Kodak para soluções de impressão digital e enterprise, discorreu sobre as novas oportunidades no segmento de impressão digital de alto volume, principalmente as transpromocionais e promocionais, utilizando como exemplo a linha Prosper da Kodak. O vice-​­presidente mundial para países emergentes, Gustavo Oviedo, por sua vez, ressaltou o quanto a empresa acredita no potencial do segmento gráfico — especialmente do brasileiro. “Muitos se perguntam sobre o futuro da indústria gráfica, mas eu afirmo: não há o que temer”, concluiu. Quando o assunto convergiu para o plano de reestruturação da Kodak — chamado REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Edwards adiantou também que alguns dos investimentos previstos visam à disponibilidade de formatos maiores para o sistema Flexcel Direct e nos projetos pilotos inteligentes para a área. O objetivo é claro: ampliar cada vez mais os horizontes. “Novos setores, como impressão em touch panels e impressão funcional, também farão parte de um futuro muito próximo”, informa o executivo. As necessidades e soluções para pré-​ ­impressão — com destaque para as tecnologias da série Achieve — ficaram a cargo do diretor mundial de mar­ke­ting para os segmentos de chapas e CtP, Derek Awalt. “Ambas [as Doug Edwards, presidente soluções] foram desenvolmundial para soluções de impressão digital vidas para oferecer qualie enterprise, e Barb dade, confiabilidade e rápiWilliams, diretora mundial de marketing, discorreram do retorno de investimento sobre os lançamentos e o através de uma maior ecoplano de reestruturação “A Nova Kodak” nomia e ciclos de produção mais curtos”, sintetiza Awalt. E nc e r r a nd o a conferência, Patrick Kerr, divulgador de produtos da Kodak, abordou especificamente as ferramentas do novo Kodak Pr inerg y 6.0, que proporcionam uma integração de processos e também a criação de fluxos de tra“Quando dizemos que não devemos ter balho híbridos consistentes e seguros (ou medo do futuro, falamos isso porque esta- seja, incorporando digital e offset). Kerr mos preparados para a nova impressão e as salientou que esses tipos de tecnologia são cruciais para agregar agilidade, mobilidade novas demandas do mercado”. e transparência às gráficas. EMBALAGENS: OPORTUNIDADE À VISTA Para 2013, as novidades preparadas Um dos focos importantes para o desen- pela empresa incluem itens como os CtPs volvimento de soluções na Kodak é o seg- Achieve e Trendsetter 1600 e os sistemas mento de embalagens. Quem fez essa afir- InSite Creative Work­f low 5.0, Prinergy 6.0, mação foi Doug Edwards, que destacou a Color Flow 2.0 e Preps 7.0, além da nova linha Flexcel NX — solução que possibili- versão da chapa ThermalNews PT. ta a formação otimizada de pontos e qua& KODAK BRASILEIRA lidade visual das imagens — como uma Tel. (11) 3932-​­6000 das apostas para atender aos empresários. www.kodak.com internamente de “A nova Kodak” —, Barb Williams, diretora mundial de mar­ke­ting, descreveu as diretrizes que norteiam o projeto. “Estamos calcados em alguns fatores-​ ­chave. Primeiro, inovação e desenvolvimento de novas tecnologias. Depois, a criação de um portfólio que nos possibilite estar em sintonia com o futuro e, por fim, oferecer suporte à lucratividade e crescimento de nossos clientes”. Assim como Oviedo, Williams enfatiza o otimismo da empresa com os resultados dessas implementações.


Stilgraf conquista dois prêmios Benny e credita premiação à qualidade em todas as etapas do processo.

Texto: Tânia Galluzzi

ANO 22  Nº 92  AGOSTO/2013

Esforço reconhecido


Fotos: Álvaro Motta

(E/D) Rafael e Ana Sílvia, com formação na área de Administração de Empresas, ajudam o pai, Antonio Sérgio Franco a conduzir os negócios da Stilgraf

A

busca constante pela excelência em todas as áreas é a marca registrada da Stilgraf. A preo­cu­pa­ção em responder e antecipar as demandas de seus clien­tes permeia todas as decisões tomadas por sua diretoria, desde os investimentos em atua­li­za­ção tecnológica até o treinamento das equipes, e tem con­tri­buí­do decisivamente para manter a gráfica entre as preferidas dos profissionais de cria­ção, segundo enquete promovida anual­men­te pelo jornal Meio & Mensagem. E essa expertise na lida com o mercado publicitário a Stilgraf está levando com sucesso para outros estados. Hoje, a unidade instalada na capital fluminense é responsável por 25% da receita da empresa, enquanto o escritório de Brasília já representa 7% de seu faturamento. O alvo agora é a Re­gião Sul. A gráfica fechou em abril uma parceria com a Flatten GGK , estúdio de tratamento de imagem e premedia localizado em Porto Alegre, crian­do a Stilgraf GGK . “Com esse acordo, estamos chegando de forma mais consistente ao mercado gaú­cho. O trabalho está apenas começando e as perspectivas são muito boas”, afirma Robison Borges, diretor co­mer­cial da Stilgraf. Soma-​­se o atendimento di­fe­ren­cia­do à alta qualidade e chega-​­se a uma empresa reconhecida na­cio­nal e in­ter­na­cio­nal­men­te. Vá­rias vezes vencedora do Prêmio Brasileiro de Excelência Gráfica Fernando Pini, a Stilgraf ganhou neste ano dois Bennys, a principal pre­mia­ção do Pre­ mier Print A ­ wards, promovido pela Printing In­dus­tries of America (PIA), tornando-​­se a maior ganhadora brasileira desta edição. Os  tro­féus vie­ ram com o catálogo de joias Robison Borges, diretor comercial


Prêmio Benny 2013 “Revista Santa”

Prêmio Benny 2013 “Catálogo AB Mães”


PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS PRÉ-IMPRESSÃO OO Estações de tratamento de imagens

alusivo ao Dia das Mães do joalheiro Antonio Bernardo, e com a Revista Santa (ver matéria na página 40). A gráfica ficou ainda com dois prê­mios de reconhecimento e cinco certificados de mérito. Tal conquista vem num momento importante, mostrando à sua equipe que o caminho escolhido é o mais acertado dian­te da ­atual volatilidade do mercado. “Estamos em um ano de demanda flu­tuan­te. A  verdade é que o faturamento do setor não tem acompanhado o crescimento das despesas”, comenta Robison Borges. Nesse sentido, a gráfica está constantemente revendo seus processos, buscando enxugar custos.

e montagem eletrônica Macintosh e PC OO Estações de recepção de pré-impressão Macintosh e Pc OO Provas digitais GMG OO Escâneres Screen Cezanne (plano) e Hell Chroma Graph S 3.400 (cilíndrico) OO Visor para análises de cromos e originais opacos Graphic Lite (GTI) OO Software Twist Pro 6 para geração de arquivos em PDF preflight de arquivos digitais, gerenciamento de fluxo de produção e aplicação de perfil para mídias externas OO Gerenciador de Arquivos: sistema de gerenciamento de arquivos para organização das tarefas e armazenamento inteligente dos ativos, tanto online como offline, usando servidores com capacidade de 16Tb. OO Sistema Stilnet: aplicativo que proporciona mais eficiência e agilidade no envio de materiais e aprovações, otimizando a comunicação entre o cliente e a Stilgraf e realizando todo o trabalho de premedia automaticamente, desde a aprovação virtual até a confirmação no veículo, além de permitir também o envio dos materiais para produção de pré-impressão para depois ser enviado à gráfica. OO Software Alwan de gerenciamento de cores OO Processadoras Heidelberg OO Densitômetros / Espectofotômetros

TECNOLOGIA GRÁFICA OO Sistema de publicação digital para tablets

CTP OO Estações de imposição eletrônica Mac Pro

Intel Xeon e iMac Intel Core OO Estações de manipulação de PDF Litho

Advanced OO Impressoras de prova de imposição DuPont

Largo 4406 e HP Design Jet T1200 OO Sistema Prinergy Connect 5 com software

Stilgraf Artes Gráficas e Editora Ltda. Rua Willy Heinrich Borghoff, 368 Telefax: (11) 3611.9788 01144-​­030 São Paulo SP www.stilgraf.com.br

de imposição 6 Pro e conexão direta com as gravações de chapas trendsetter OO Trendsetters CreoScitex 3244 e Kodak 800-II para gravação de chapas OO Processadoras Heidelberg Thermal Processor 85 e Heidelberg Ovit Sirio TH 85

OO Impressora 6 cores Heidelberg Speedmaster

CD 102-6+L, 72 × 102 cm, verniz online OO Impressora 5 cores Heidelberg SM 52-5+LX,

37 × 52 cm, verniz online OO Impressora 5 cores Heidelberg CD 102,

72 × 104 cm, c/ verniz à base d’água e sistema de racleta para verniz perolizado, saída longa OO Impressora 5 cores Heildelberg CX 102, 72 × 104 cm c/ verniz online

IMPRESSÃO DIGITAL OO Máquina HP Indigo Press, 317 × 464 mm

ACABAMENTO OO Máquinas corte e vinco manual, 100 × 80 cm OO Corte e vinco automático Varimatrix

Heidelberg, 75 × 105 cm OO Grampeadeiras Miruna OO Grampeadeira Heidelberg Stitchmaster

ST 300 OO Máquinas shrink automáticas Smipack OO Máquina de costura Áster 180 automática OO Encadernadora para livros e brochuras

Heidelberg Eurobind 1200 PUR OO Dobradeira Stahlfolder Heidelberg

RFH 82 completa OO Dobradeiras de papel MBO K 72-A/4 KL

e T 500/44X OO Dobradeira Stahl T-78 com sistema

de alimentação RD OO Dobradeira de papel Stahl T-52 OO Guilhotinas Digimatic Guarani OO Guilhotina Polar Heidelberg OO Encadernadora para livros Kolbus KM

600 Kolbus DA-36 para empastamento automático de capa dura OO Laminadora Laminatec 850 mm semiautomática OO Laminadora automática Voyager OO Máquina para arredondar capa dura SCS OO Escanteadeira automática SCS OO Encadernadora semiautomática para livros capa dura

DADOS VARIÁVEIS OO Impressoras para dados variáveis Xerox

Nuvera 288 OO Impressora jato de tinta Kodak Versamark OO Dobradeira de papel Stahl TD 78 Topline

+ impressora jato de tinta

IMPRESSÃO OFFSET

OO Impressora Kodak EX 300 – laser

OO Impressora 8 cores Heidelberg SM 102 8P

OO Impessora 5 cores Heidelberg CD 102-5+L,

completa, 72 × 102 cm

72 × 102 cm, verniz online


Fotos: J.Marques

GRÁFICA/MS

Receita de sucesso

A

Rímoli Formulários iniciou suas atividades com algumas poucas máquinas e o total de seis funcionários. Até aqui, nada difere das histórias de fundação de outras indústrias gráficas. Porém, neste caso havia um diferença: a vanguarda. Era o ano de 1985 e a cidade de Três Lagoas (MS) estava longe de ser o munícipio de intenso desenvolvimento econômico que é hoje. Mesmo assim, a empresa investiu em tecnologia offset, tornando-​­se a primeira a oferecer o que era, àquela época, uma inovação na região. “Fazíamos cartões de visita, convites de casamento, talões de nota, panfletos promocionais, dentre outros, trabalhando em um prédio alugado, onde funcionava anteriormente uma beneficiadora de arroz”, conta o diretor Réverton Rímoli, que recentemente passou a administrar a empresa, ao lado de seu irmão Rógerson Rímoli.

Antecipando-​­se às mudanças de mercado, empresa do Mato Grosso do Sul segue consolidada como uma das maiores de sua região. Texto: Ada Caperuto

Foi seu pai, José Paulo Rímoli, quem teve a iniciativa de instalar um negócio na área gráfica, depois de trabalhar durante anos como gerente de uma empresa do setor. Nos primeiros cinco anos de operação, a gráfica foi se consolidando no mercado, mas não via muita solidez no setor dos impressos planos. Foi quando, em 1991, a empresa investiu em um mercado novo, o de formulários contínuos, adquirindo novos equipamentos. De novo, a Rímoli saiu-​­se pioneira, desta vez à frente de todas as demais indústrias gráficas do Estado. Em 1995, adquiriu novos equipamentos para ampliar a produtividade. “Compramos também uma máquina para fabricar bobinas de cupom fiscal e voltamos nossos olhos integralmente para o mercado de formulários contínuos e bobinas”, conta Réverton. LARGA ESCALA

56

Ao centro, José Paulo Rímoli, fundador da empresa, ladeado pelos filhos (E/D) Rógerson e Réverton

REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Em 2006, mais uma vez se antecipando aos movimentos de mercado, a empresa adquiriu um novo equipamento da Rotatek para produzir rótulos e etiquetas adesivas em larga escala, combinando três tipos de impressão — offset, flexografia e serigrafia — em um só processo. O moderno parque gráfico da Rímoli está instalada em um prédio próprio de cinco mil metros quadrados, dotado de sete máquinas rotativas, duas rebobinadeiras, amplo estoque e equipamentos eletrônicos, dentre outros. A Rímoli atua no Brasil inteiro, no mercado de fabricação de formulários contínuos, bobinas de cupom fiscal, de cartão de ponto e na produção de rótulos e etiquetas adesivas. “Nosso diferencial é o comprometimento com o cliente. Fazemos questão


do acompanhamento da venda, produção e entrega do produto. “Teve caso de levarmos encomendas pessoalmente em cliente localizado a mais de mil quilômetros só para não deixar de atendê-​ ­lo. Em outra situação, interceptamos ônibus no meio do caminho para despachar caixas urgentes. Isso tudo é rotineiro. E quer saber a verdade? É tudo muito gostoso”, diz Réverton, com um sorriso. O executivo comenta que o setor gráfico tem passado por dificuldades. A principal delas é a redução do mercado em decorrência da virtualização de diversos segmentos, particularmente o de notas fiscais e conhecimento de transportes. “Com a queda sensível no segmento de formulários contínuos, temos nos concentrado em novos mercados, como o de Danfe e Dacte [Documento Auxiliar de Conhecimento de Transporte Eletrônico], bobinas de cupom fiscal, rótulos e etiquetas adesivas. Para isso, investimos não apenas em equipamentos, mas também na capacitação de colaboradores”, diz Réverton, destacando o apoio da Abigraf‑MS para superar desafios mercadológicos.

Nos planos da direção da empresa para 2014 está a meta de inovar para manter os clientes cativos e conquistar novos negócios, investindo cada vez mais em material humano e tecnológico. Esta é a receita de Réverton e Rógerson para que a Rímoli continue seguindo firme no mercado. & RÍMOLI & CIA. LTDA. Tel. (67) 2105-​­2682 www.rimoli.com.br

COMPRE SUZANO REPORT ®

NA SPP-KSR

SOMENTE NO SPP-KSR FACILIDADES.

Até 120 dias para pagar

E SURPREENDA-SE COM AS CONDIÇÕES

QUE PREPARAMOS PARA VOCÊ! CENTRAL DE VENDAS:

0300 777 6366

Faça seu pedido agora mesmo 57 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF


EMBALAGENS

Assunta Camilo

O encanto e a magia das embalagens de papel‑cartão

A Adler mostra que mesmo uma embalagem de presunto pode ser atrativa e elegante

Em recentes viagens pela Europa e pelo Oriente Médio, Assunta Camilo encontrou mais exemplos de embalagens que, com sua criatividade, valorizam os produtos da região.

58 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

N

enhum outro tipo de embalagem pode atender a tantas necessidades — entre elas a diversidade de formatos, aberturas diferenciadas, acabamentos elaborados e, principalmente, aquilo que se refere à sustentabilidade — como as embalagens de papel-​­cartão. Para os fabricantes dessas embalagens, em razão da multiplicidade de projetos e materiais empregados no processo de produção e diante da disputa acirrada para ganhar clientes e espaço no mercado, é importante que a categoria esteja preparada para superar o desafio de atuar num mundo totalmente globalizado, competitivo, e que possa oferecer aos seus clientes soluções de qualidade, criativas, relevantes e atuais. Todos os esforços estão concentrados em atender às expectativas dos consumidores que, ao mesmo tempo que se preocupam com a relação das embalagens com o meio ambiente, querem beleza, diferenciação e inovação.

A metalização é o detalhe que proporciona à embalagem da Calvin Klein um toque de sofisticação


Venha para a

com inúmeras outras opções, a embalagem deve mexer com a emoção do consumidor, destacando-​­se e chamando a sua atenção através da beleza, da praticidade e da forma de despertar nele o desejo de compra. Apresentamos, em seguida,

20 anos

A embalagem do chá Wissotzky é um luxo, utilizando com muita classe o contraste do preto fosco com o cobre mate

Para responder a todas essas exigências e conquistar o cliente, a ordem é superar a concorrência fugindo do lugar comum, do déjà-​­vu. É preciso surpreendê-​­lo com embalagens que possam atrair e cativar os consumidores, estabelecendo um vínculo de confiança destes com a marca, o que resultará em prestígio e fidelização junto ao fabricante, desde que, evidentemente, respaldado pela qualidade do produto embalado. Na gôndola, confrontada

O formato triangular associou-se definitivamente à imagem do chocolate Toblerone, tanto no produto quanto na embalagem

Os melhores papéis nacionais e importados ■

Para atrair a atenção do público infantil, o design tem de ser alegre e chamativo como na embalagem de Pic-Nic

algumas embalagens que encontramos nessas viagens e que preenchem todas as características aqui relatadas. A marca Toblerone se posiciona sempre como algo exclusivo: “apoderou-​­se” da forma triangular e usa isso quase como marca, é um diferencial da empresa. O formato transformou a barra triangular em bombons (também triangulares), numa embalagem triangular com janelas igualmente triangulares. O cuidado que eles têm com a forma das embalagens é exemplar. Em outro exemplo, o formato da caixa de bombons Elite – Mini Chocolad brinda as mulheres com uma decoração irresistível, bela, delicada, um design primoroso de quadradinhos coloridos e destacados com verniz brilho e fosco texturizado, criando um efeito único e com o detalhe do laço que se descola, encantando-​­as.

Linha completa editorial e promocional ■

Atendimento rápido, técnico e personalizado ■

Entregas em qualquer cidade do Brasil!

tels: (11) 3259 2255 (11) 3121 2255 demais regiões:

0300 772 5200 www.vivox.com.br

julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF

59


A Max Brenner optou por uma clássica embalagem flip top com grafismo forte para as suas lascas de chocolate

A cultura local também influencia nos projetos de embalagens de papel-​­cartão. A embalagem de doce israelense Ahoah – Chatich Haloah, por exemplo, é um estojo com abertura frontal adornado por desenhos que remetem à arte e à tradição do país, bem como o elemento gráfico no alto da tampa. A Maître Truffout, da Bélgica, oferece seus bombons trufados, da mesma forma, com um detalhe a mais: quando a embalagem é aberta, há impressão também por dentro da tampa, o que dá ainda mais importância aos detalhes e valoriza as informações do produto. A Max Brenner, de Israel, brinca com a frase “100% pure”, numa embalagem clássica flip top, semelhante à de cigarros, porém dentro há chips de chocolate. Uma sacada que mostra as infinitas possibilidades de inovar apenas trocando as embalagens entre as categorias de produtos.

Quem consegue resistir à visão das garrafinhas com licor de chocolate dessa linda embalagem da Anthon Berg?

60 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

A embalagem para chá Wissotzky valoriza o produto com o recurso gráfico de hot stamping, num equilibrado design e contraste do preto fosco com o cobre mate da tampa, um luxo! Há também o clássico “tampa e fundo”, que valoriza o momento do consumo, como no caso dos chocolates com marzipã da Niederegger, da Alemanha, e ainda chocolates entregues em cartuchos com faca especial para manter o produto em pé. As embalagens do tipo display como a dos doces israelenses ou da Anthon Berg, da Dinamarca, deixam as garrafinhas de chocolates com licor organizadas como numa prateleira, apresentando os produtos através de janelas e em pé. O segmento de perfumes continua apostando na sofisticação que a metalização confere, como podemos notar nos produtos da Calvin Klein ou Carolina Herrera versão Summer. Até um presunto pode ficar elegante numa caixa para presente estruturada de micro-​ ­ondulado, com a qualidade da impressão sobre a capa de papel-​­cartão. As crianças ocupam um papel cada vez mais importante na nossa sociedade, já que, progressivamente, as famílias vêm reduzindo o número de filhos. Elas têm suas demandas próprias, e a principal delas é se divertir. Então, a Hesta, da Itália, desenvolveu um copo mágico, com biscoitos e creme de chocolate na parte de cima e uma surpresa na de baixo! Qualidade, praticidade e um design atraente são sempre atributos indispensáveis para uma embalagem de sucesso. Assunta Napolitano Camilo, diretora da FuturePack – Consultoria de Embalagens e do Instituto de Embalagens – Ensino & Pesquisa, é integrante do Conselho Científico-​­Tecnológico do Itehpec e do Banco de Talentos da Faith Pop Corn.


visionCut 106 A máquinA que trAnsformA suA visão em reAlidAde

quando você tem a visão de alcançar mais no processo de corte e vinco, seja em obter mais caixa por folha, melhor qualidade, ou mais alta eficiência, a visionCut 106 corresponde às suas ambições. desde a sua platina acionada por came até seu sistema ótico dinâmico de registro lateral, visionCut está repleta de ideias inovadoras, cada uma delas projetada para melhorar seus produtos ou reduzir seus custos. visionCut 106 é a máquina que complementa sua visão.”

Bobst Latinoamérica do Sul Ltda. | Av. Henri Bobst, 401 | 13251 – 716 | itatiba/sP | fone +55 11 4534 9300 | fax: +55 11 4524 0058

www.bobst.com


A W+D, sediada na Alemanha, está completando em 2013 um século de atividades e ocupa a liderança mundial em equipamentos para a produção, impressão e inserção de envelopes.

WINKLER+DÜNNEBIER

Aos 100 anos, líder em soluções para o setor de remessas postais

E

62

m 1913, na cidade de Neuwied, Alemanha, Alfred Winkler e Max Dünnebier se associaram para fundar a Winkler+Dünnebier GmbH, começando uma história de sucesso que está completando 100 anos. No início, ba­sea­ram-​­se no princípio de rotação para equipamentos de envelope, cuja vantagem sobre a tecnologia tradicional da máquina de dobra estava na velocidade de produção e precisão significativamente mais elevadas. Com esta invenção, os fundadores da empresa adquiriram sua primeira patente. Sessenta anos depois, para atender diretamente ao rápido crescimento do mercado norte-​­americano, a W+D estabeleceu uma filial em Overland Park, no Kansas (EUA). Em abril de 2005 a empresa instalou um escritório de representação em Xangai, posicionando-​­se no crescente mercado chinês para um contato mais próximo com clientes da Ásia. Depois, em março de 2007, surgiu a subsidiária W+D Ásia Pacific, em Puchon, na Malásia. Com a aquisição da operação da Buhrs ITM GmbH em 2 de outubro de 2010, a W+D expandiu a sua linha de serviços na área de envelopes. Através da sua divisão W+D Direct Mar­ke­t ing Solutions, em Löhne, Alemanha, REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

a Winkler+Dünnebier tornou-se uma das líderes mundiais em inserção automatizada, oferecendo ao mercado soluções de sistemas eficientes e flexíveis. Os lançamentos mais recentes da empresa foram o equipamento de impressão digital W+D 234d, em 2011, na GraphExpo, em Chicago; e, na Drupa 2012, em Düsseldorf, a primeira solução de saída postal totalmente integrada, a Timos. Mantendo a sede e produção localizadas na Alemanha e uma rede global de vendas e serviços, a Winkler+Dünnebier ocupa a liderança na área de equipamentos para a indústria de envelopes e remessa postal, detendo 70% de participação no mercado mundial e 85% no europeu. Para essa área a empresa fornece sistemas de

Impressora rotativa para altas tiragens W+D 202 RE


mail solutions para a fabricação, impressão e inserção de envelopes convencionais e envelopes saco. Outra frente de atuação da W+D oferece soluções para a produção de lenços de papel dobrados e produtos de higiene. OLHAR VOLTADO AO BRASIL

Impressora para tiragens medianas W+D 320 BE

Em razão do crescente interesse das empresas de impressão em se engajarem na fabricação de envelopes por conta própria, o diretor de vendas para a America Latina, Sven Weissoertel, visitou no mês de junho o Brasil — onde a W+D atende clientes há décadas —, com o propósito de estreitar ainda mais as relações e dialogar sobre o planejamento de futuros investimentos, atualizando-​­os sobre as últimas inovações e, em particular, ofertas de soluções e serviços específicas para cada necessidade. Paralelamente, fez contatos com empresas interessadas em entrar no mercado de soluções postais. Após o seu retorno à Alemanha, Sven Weissoertel concedeu entrevista exclusiva à Revista Abigraf, que transcrevemos em seguida.

Como a W+D vê o mercado postal brasileiro? Na última Drupa a W+D apareceu com a assinatura “Dando poder ao envelope”. O envelope existe há muito tempo e foi declarado morto diversas vezes. Estudos atuais demonstram, porém, que a percepção de uma mensagem publicitária utilizando remessa postal física é muito maior do que em todos os outros canais de comunicação. O índice de “abrir e ler” é mais efetivo quando se utiliza um envelope clássico. Hoje em dia existe a possibilidade de aumentar o “índice de resposta” imprimindo mensagens de mar­ke­ ting direcionadas ao público-​­a lvo, personalizadas e individualizadas, diretamente no envelope e com qualidade em quatro cores. Por tudo isso, continuamos a acreditar no envelope e na sua importância no universo Quais são os equipamentos de impressão da da mala direta. A embalagem (envelope) enWinkler+Dünnebier? Sven Weissoertel, diretor de vendas da W+D dereçada individualmente como propaganA W+D possui qualidade e competência pro- para a América Latina fissional em impressão flexográfica e offset. Nossa gama de pro- da está se tornando mais valiosa. Vemos uma tendência de perdutos inclui impressão flexográfica multicores em linha em nossos sonalização e customização do envelope no Brasil e estamos bem equipamentos de envelopes a partir de bobinas e de folhas, bem posicionados para isso. Além disso, esta é uma grande oportunicomo equipamentos de impressão offset de duas e quatro cores para dade para impressores locais expandirem seus negócios. Porque a a impressão de envelopes convencionais e envelopes saco finaliza- tendência de que o “produtor de impressão” se transforme em um dos ou pré-​­fabricados. Para atender a crescente demanda por malas prestador de serviços é inequívoca. Em tempos que dependem de respostas e prazos de entrega cada vez mais curtos e com máxima exigência de qualidade, é cada vez mais importante que o consumidor final tenha um parceiro competente e confiável, que possa efetiva e economicamente satisfazer suas ideias e necessidades. Como é feito o atendimento aos clientes? Nossos produtos são conhecidos por sua confiabilidade e solidez no mercado. Naturalmente, nossos serviços incluem a possibilidade de manutenção preventiva dos Impressora digital W+D 234d equipamentos para assegurar sua disponibilidade e capacidade de produção no longo personalizadas e customizadas dispomos da impressora digital W+D prazo. Alem disso, dispomos de uma linha direta (hotline) com 234d, que permite a produção de pequenos lotes de maneira rentá- a nossa equipe, oferecendo aos clientes suporte e orientação sovel. Vemos um grande potencial para este produto no mercado bra- bre questões relacionadas aos serviços. Em nossa loja virtual os sileiro. Destinada à área de inserção, temos uma solução que permi- clientes podem solicitar peças e obter informações sobre nossos te imprimir envelopes digitalmente em linha com o equipamento serviços 24 horas por dia. Para & WINKLER+DÜNNEBIER insersor. Apresentaremos essas duas soluções de impressão digital atender aos clientes do Bra(11) 99557-​­1520 ao vivo na Feira Internacional da Indústria de Impressão (Print), sil mantemos um profissional www.w-​­d.de sediado em São Paulo. em Chicago, (EUA), no período de 8 a 12 de setembro deste ano. julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF

63


GOSS BRASIL

Desempenho positivo em quatro anos

SITUAÇÃO LÁ E CÁ

Nos últimos anos, a Goss International fez alguns ajustes bastante significativos no mundo e, para fazer frente à nova realidade, se viu forçada a fechar algumas fábricas, principalmente na França, transferindo suas plataformas de fabricação para os Estados nstalada no Brasil em 2009, no município de Barueri (SP), a Unidos, além de cortar um número significativo de funcionários Goss International se consolidou de modo independente de- ao redor do mundo. “Todos os nossos concorrentes também adepois de ser representada durante cinco anos pela Heidelberg quaram-​­se visando a uma redução de custos, preparando-​­se para do Brasil. Esse período pode parecer breve demais para que se uma fatia menor do ‘bolo’”, comenta o executivo. Segundo ele, a faça uma análise do desempenho da companhia, mas o diretor Goss está sempre buscando novos caminhos e produtos. Para isso, executivo Vitor Dragone avalia-​­o como extremamente produtivo adquiriu as empresas Vits e Jetweb e centralizou sua produção no que tange a ampliar a presença da na fábrica de Boxmeer, na Holanda. marca em todo o território nacional. No Brasil, a Goss International atinge No que diz respeito a novos pro“A Goss Brasil destacou-​­se em núme- plenamente suas metas de elevar o nível de dutos, no ano passado a Goss Internaro de novas instalações nos últimos atendimento técnico e concentrar os esforços tional lançou a V-​­Pack, uma máquiquatro anos, em todos os segmentos, na para o segmento de embalagem e comerciais nas suas linhas de produtos. sempre com equipamentos dotados rótulos para médias e grandes tirados maiores e melhores recursos tecgens, que trabalha com filme, papel nológicos do mundo”, sintetiza. Nos e cartão. “O lançamento foi nos Esúltimos 20 meses houve exemplos tados Unidos, com as duas primeiexpressivos da presença dos equiparas máquinas já vendidas, sendo a mentos Goss no mercado. A começar, primeira para impressão em filme em 2012, pela Log&Print, de Vinhee a outra para impressão em cartão. do (SP), que recebeu duas rotativas A  Goss espera ter grande sucesso nesse projeto e estamos aguardando de grande porte, de 64 páginas, com um sinal verde para oferecê-​­la tamopção de imprimirem, em conjunto, 128 páginas a cada giro em um únibém em nosso mercado”, diz Dragone. co setup. “Um projeto deste porte é Por aqui, as expectativas da comfruto de estudos fundamentados, espanhia em relação ao desempenho tratégias de mercado, posicionamenem 2013 são muito boas. “Devemos to e análises frente à concorrência. encerrar este ano dentro das metas A Log&Print é um dos grandes players estabelecidas com a Goss Internado mercado de impressão e, como tal, tional e com números positivos. Nasou acompanhava a tecnologia atual Vitor Dragone, diretor executivo da Goss Brasil cemos uma empresa enxuta e estraou perderia competitividade e sua posição”, ressalta o executivo. tegicamente utilizamos uma mão de obra bastante especializada Também no ano passado, o modelo M‑­500 entrou em ope- de nossa matriz, que foi de grande ajuda nos momentos de pico ração nas gráficas Bangraf, em São Paulo, e Print, em Cuiabá de mercado, servindo também para o desenvolvimento dos nos(MT). Neste ano, foi a vez da Leograf, com sede na capital paulis- sos técnicos”, opina o diretor. Uma das grandes apostas da fabrita, que recebeu uma Goss M‑ ­600 Folia, a primeira a ser implan- cante para o ano que vem é a realização da feira ExpoPrint Latin tada no Brasil e a terceira no mundo. “A Leograf viu uma oportu- America, marcada para 16 a 22 de julho de 2014. É nela que a Goss nidade de diferenciar-​­se no mercado. A M‑ ­600 Folia é a máquina Brasil apresentará algumas novidades, mas, por ora, Dragone não mais produtiva disponível atualmente, que permite um volume quer adiantar pistas. É esperar para ver. de produção e qualidade sem comparação. Para nós, é um orgu& GOSS BRASIL lho ter clientes que se diferenciam e buscam a excelência em seus Tel. (11) 4689-​­6550 segmentos”, declara Dragone. www.gossinternational.com Foto: Álvaro Motta

I

64

A mais recente instalação foi, neste mês de agosto, de mais uma Sunday 3000 de 32 páginas, com 90.000 iph e 1.830 mm de largura, na Posigraf, em Curitiba (PR) e, em seguida, será a vez de uma Goss Community no Grupo Mirante, em São Luiz (MA).

REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013


Sistema de Gest達o da Qualidade

ISO 9001:2008


HISTÓRIA VIVA

Valdir Sbampato é um dos últimos linotipistas em atividade. Persistente, ainda não pensa em aposentar sua Linotype 31.

Foto: Tânia Galluzzi

Texto: Tânia Galluzzi

Valdir Sbampato Herói da resistência

V

aldir nos recebeu com a máquina ligada. Estava trabalhando. Na pequena sala, um espaço delimitado por divisórias dentro da gráfica de seu amigo Carlos Guimarães, porções de chumbo preenchem irregularidades no piso. Uma estante, prateleiras de ferro e uma cômoda completam o cenário dominado pela Linotype 31, imponente e rumorosa, o tanque de fundição a 300°C, pronto para soltar a próxima leva de metal derretido. O objetivo de nossa visita é conhecer a história de Valdir Laurindo Sbampato, 67 anos, um dos poucos linotipistas ainda na ativa, mas não há como não se encantar pela engenhosidade de um sistema desenvolvido no final do século XIX , considerado uma das mais importantes contribuições para o avanço das artes gráficas desde os tipos móveis de Gutenberg. Sobretudo pelo fato de o equipamento estar funcionando, como se arrancássemos pelo menos 30 anos do calendário. E Valdir percebeu nossa admiração, mostrou a máquina com orgulho, sentando-​­se à frente do teclado para conversarmos. Eles estão juntos há 20 e poucos anos, desde que a recebeu como indenização quando

66 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

a gráfica Lastri encerrou suas atividades. Porém, seu relacionamento com as linotipos iniciou-​­se muito antes. Em 1960, aos 14 anos, começou como paginador no jornal A Gazeta, onde trabalhou por nove anos. Estava lá quando fez o curso de operador de linotipo no Senai. Em 1969 passou pelo rígido teste da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, conseguindo uma vaga como operador de linotipo no Diário Oficial, onde viveu um dos melhores períodos de sua vida profissional. “Éramos [os linotipistas] uma verdadeira família e uma classe bastante valorizada. O gráfico tinha paixão pelo que fazia, cuidava das máquinas como se fossem suas”. Às sextas-​­feiras, depois do expediente no Diário Oficial, Valdir cumpria a jornada noturna n’O Estado de S.Paulo, compondo os classificados para as edições de domingo. Em 1978, ao lado de outros 29 linotipistas, Valdir moveu um processo contra a Imprensa Oficial pelo recebimento de horas extras. Assim que a causa foi julgada favorável aos funcionários, o grupo foi demitido, sendo integralmente absorvido pelo Diário do Comércio e Indústria (DCI), que funcionava a poucos metros do Diário Oficial, na região central da capital paulista.


Não há amargura em sua voz. O tom está mais para gratidão e satisfação por ter conseguido manter-​­se fiel ao ofício que abraçou. Os filhos, Renato, Luciana e Roberto, acham que já está na hora de o pai parar de trabalhar. Valdir não partilha dessa ideia. “Ainda tenho muita saúde para ficar em casa fazendo companhia a minha mulher [Selma]. E vindo aqui esqueço que estou ficando velho”, dispara esse verdadeiro herói da resistência.

Valdir ficou pouco tempo no DCI, que migrou para a fotocomposição no ano seguinte. “Os linotipistas resistiam à mudança de sistema porque isso significava uma redução considerável em nosso salário”. Ele encontrou espaço para continuar operando linotipos na editora Irmãos Milesi, onde ficou por quatro anos. “A gente torcia para que não tivessem dois turnos, pois queríamos continuar a composição no dia seguinte no mesmo ponto da história para terminar de ler o livro”, ri Valdir. De lá seguiu para a Lastri, lutando para continuar na mesma área. Em 1991, com os equipamentos que recebeu da Lastri, montou, ao lado de Carlos José Guimarães, então encarregado da fotocomposição, a Gráfica Alpes, batizada com o nome da rua em que está instalada até hoje, no bairro do Cambuci, em São Paulo. “Com quatro linotipos e as impressoras Minerva, passamos a atender aos clientes que faziam revistas na Lastri”. RESISTINDO AO TEMPO

Aposentado desde 1985, aos poucos Valdir foi interessando-​­se menos pela gráfica e há algum tempo cuida apenas da produção dos tipos. Seu principal cliente é uma empresa de brindes, valendo-​­se das peças de metal na gravação personalizada de suas agendas. Encadernadoras também procuram seus préstimos. “Tenho trabalho quase todos os dias, pois sou um dos únicos a oferecer esse serviço em São Paulo. É uma atividade praticamente extinta, mas com ela sustentei minha família, formei meus três filhos”.

Foto: Tânia Galluzzi

Foto: arquivo pessoal

Sbampato atuando na oficina do jornal A Gazeta Esportiva, em 1962

67 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF


RECUPERAÇÃO

Manroland Sheetfed cresce 17% no primeiro semestre Em visita ao Brasil, o presidente da empresa, Rafael Peñuela, atribui resultado à recuperação da confiança do mercado na marca.

Q

Tânia Galluzzi

uando a Revista Abigraf conversou com Bruno Garcia em outubro do ano passado, momento em que ele assumia o comando da Manroland do Brasil, o executivo afirmou que 2013 seria um ano azul para a empresa. Nove meses depois, em visita à filial brasileira, Rafael Peñuela Torres, presidente da Manroland Sheetfed, não só confirmou a previsão de Bruno Garcia, como também anunciou números positivos: “Estamos fechando as contas do primeiro semestre. Esperávamos empatar, mas já sabemos que crescemos 17% em termos de volume”. Realista, e

organização sofreu muito com a insolvência. Junto aos funcionários, reconheceu que os ganhos do primeiro semestre foram alcançados com o esforço deles. Mérito ainda maior, uma vez que as vendas na América Latina estão em queda. “Há três anos, a demanda brasileira era duas ou três vezes maior do que a atual”. Os índices consolidados pela Abigraf não são tão dramáticos, embora ainda não contabilizem os números do primeiro semestre deste ano. Mesmo assim, confirmam o recuo: em 2010, a indústria brasileira investiu US$ 443 milhões na importação de máquinas planas. Em 2011 esse montante foi de US$ 403 milhões e em 2012 caiu para US$ 314 milhões.

Foto: Tânia Galluzzi

MERCADO MUNDIAL

Rafael Peñuela Torres, presidente da Manroland Sheetfed

68

surpreendentemente direto, Rafael Peñuela apressou-​­se em explicar que a elevação não está relacionada a uma recuperação do mercado. “O mercado continua caindo. Até 31 de março os fabricantes alemães e japoneses de impressoras offset venderam menos máquinas do que no mesmo período de 2012. O que acontece é que a Manroland teve um ano muito ruim e agora estamos recuperando a confiança do mercado”. Rafael Peñuela esteve em São Paulo em meados de julho, sua primeira visita ao nosso país depois da compra da divisão de máquinas planas da Manroland pelo grupo inglês Langley. Porém o executivo conhece razoavelmente bem a indústria gráfica nacional. Foi ele o responsável, em 2009, pela decisão de estabelecer a Manroland no Brasil, desvinculando-​­a da Ferrostaal. Desde então, tem vindo duas ou três vezes ao ano para cá. O executivo veio escutar os clientes, estreitar relações, transmitir segurança sem esconder que a REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

A China mantém-​­se, de acordo com Rafael Peñuela, como o principal mercado, consumindo cerca de 40% dos equipamentos fabricados pelos cinco maiores fabricantes. Depois do país asiático, todos estão em situação semelhante. Na Europa, as vendas decrescem; nos Estados Unidos e no Japão, os resultados estão estáveis; na América Latina, há recuo, com exceção da Argentina, onde se está investindo muito, segundo o executivo. Índia, Rússia e países do Golfo vêm apresentando ligeiro crescimento. “Hoje, quem está bem é a Austrália”. E a Manroland precisou passar pela insolvência para encarar essa realidade. “Todos os fabricantes de máquinas perderam dinheiro nos últimos anos. Desenvolvemos máquinas altamente produtivas, contudo a demanda por produtos gráficos caiu. Isso é fato. Podemos nos recuperar de problemas circunstanciais como a crise de 2008, mas os hábitos mudaram. Meus filhos não leem materiais impressos”. A indústria gráfica está lutando para adaptar-​­se a esse cenário, aproveitando oportunidades no segmento de embalagens, por exemplo. Cartão, micro-​­ondulado e substratos plásticos já são contemplados pelas impressoras Manroland e Rafael Peñuela não descarta a ideia de incorporar tecidos e outros insumos sintéticos, como fibra de carbono, na lista de materiais passíveis de receber impressão offset. “Isso é para o futuro, requer muito desenvolvimento, mas traria maior flexibilidade ao offset”. & MANROLAND DO BRASIL Tel. (11) 4903-​­9206 www.manroland.com


Há mais de 30 anos, a Silvamarts dá vida aos mais diferentes e criativos projetos gráficos com agilidade, ótimo atendimento, suporte técnico em todo o processo de impressão e preços altamente competitivos. Tudo isso sem falar da excelente qualidade de impressão e acabamento R. Flávio Telles, 15 • Jd. Sta. Genebra • Campinas-SP www.graficasilvamarts.com.br • 19 3112.8700


PUBLICIDADE

Impressão à moda brasileira em Cannes S

endo o carro-​­chefe da atuação do Brasil no festival, a categoria Press contribui com 25 Leões dos mais de 100 conquistados neste ano. Veja abaixo quais propagandas receberam os prêmios:

Ouro “Views”, “Test” e “Chart”, da AlmapBBDO para a Cafiaspirina (Bayer) ◆◆“Fox” e “Cat”, da AlmapBBDO para a Volkswagen ◆◆“Minas”, “Óculos” e “Charuto”, da F/Nazca S&S para a Leica ◆◆“Retratos da Real Beleza – Florence, Kela, Melinda, Jenise, Lani”, da Ogilvy para a Dove (Unilever) ◆◆“Paquistão”, “Mianmar” e “Israel”, da Ogilvy para a Associação Médicos sem Fronteiras ◆◆“Morena”, “Negra” e “Loira”, da Revolution Brasil para a Star Models ◆◆

Peça “Chart” da AlmapBBDO, para a Cafiaspirina (Bayer)

Impressos brasileiros se destacam em Cannes Dos 114 Leões recebidos neste ano, 25 foram para a categoria Press. As campanhas de Outdoor e Promo&Activation também contribuíram no resultado brasileiro que, nesta edição, superou o recorde de 2012.

A

70

s cores vermelha e branca presentes no logotipo da 60 ª‒ edição do Festival Internacional de Criatividade de Cannes, em Paris, poderiam ser substituídas pelo verde, branco, azul e amarelo da bandeira brasileira. Isso porque o País mostrou a capacidade e potencial de seu mercado publicitário, principalmente no tocante à criatividade e inovação, com os 114 Leões conquistados neste que é considerado o certame mais importante do setor. Foram 34 prêmios a mais, na comparação com a edição de 2012, na qual o Brasil registrou o nada modesto total de 80 estatuetas. Neste ano, um dos grandes responsáveis pelo novo recorde foi a categoria Press, uma das mais tradicionais, que destaca as melhores propagandas para a mídia impressa. Das 39 peças inscritas, mais da metade foram laureadas. Dos 25 Leões em Press trazidos para terras brasileiras, 6 são de Ouro, 9 de Prata e 10 de Bronze. Na comparação com a performance de 2012, a diferença é notável: foram 18 estatuetas, sendo que apenas uma era de Ouro. Esse resultado é reflexo de um trabalho que, mesmo com as incertezas que cercam a sobrevivência do papel, demonstrou sua qualidade em um meio de comunicação tradicional e rentável. Mas esse desempenho histórico também abrangeu outras categorias, como a de Campanhas de Outdoor e Promo&Activation, que adicionaram, respectivamente, 16 e 10 Leões na bagagem brasileira. O País só não se destacou nas categorias Innovation e Creative Effectiveness. Apesar do paradoxo, isso não tirou o brilho inovador e criativo dos publicitários brasileiros. Muito pelo contrário: se as produções continuarem no mesmo nível, o Brasil seguirá ultrapassando recordes ano após ano. REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Prata “Heroes” e “Band”, da AlmapBBDO para a Bauducco “Amplificador”, da JWT para a Coca-​­Cola ◆◆“Sallon” e “Work”, da AlmapBBDO para a Volkswagen do Brasil ◆◆“Psicose”, “Titanic” e “King Kong”, da Y&R para a LG ◆◆“Histórias em quadrinhos: Van Gogh, Renoir e Modigliani”, da DM9DDB para o Masp ◆◆“Minas”, “Óculos” e “Charuto”, da F/Nazca S&S para a Leica ◆◆“Coleção 1, 2 e 3”, da AlmapBBDO para a Audi ◆◆“Ex × Noiva”, “Yakuza × Homem” e “Granny × Sado”, da Y&R para Chez Restaurant ◆◆“F”, “N” e “R”, da Leo Burnett Tailor Made para a Fiat ◆◆ ◆◆

Bronze “Ex × Noiva”, “Yakuza × Homem” e “Granny × Sado”, da Y&R para Chez Restaurant ◆◆“Carregador Solar”, da Giovanni+DraftFCB para a Nivea Sun ◆◆“Crianças” e “Tubarões”, da Fischer & Friends para o Naldecon ◆◆“Water Pump”, da AlmapBBDO para a Volkswagen ◆◆“Girafa”, da Africa para a Suzuki ◆◆“Carro”, “Ônibus” e “Caminhão”, da Y&R para a Honda Motos ◆◆“Scout”, da AlmapBBDO para a Volkswagen do Brasil ◆◆“Einstein”, “Marilyn” e “Che”, da Ogilvy para a Miami Ad School ◆◆“Cachorro 1, 2 e 3”, da AlmapBBDO para a Pedigree ◆◆“Olhos” e “Coração”, da DM9DDB para a Beneficência Portuguesa ◆◆

Fonte: Meio&Mensagem


SUSTENTABILIDADE

PGR: implementação e operação

Nesta edição, apresentamos a segunda etapa do Plano de Gerenciamento de Resíduos, que pode ser aplicado a qualquer segmento industrial, incluindo o gráfico. Texto: Ada Caperuto

D

epois do planejamento, etapa apre‑ sentada na edição 265 da Revista Abigraf, um bom Plano de Geren‑ ciamento de Resíduos (PGR) deve conter as fases seguintes, que são: 2 º‒ – Imple‑ mentação e operação, 3 º‒ – Verificação e ações corretivas, e 4 º‒ – Revisão da gestão (melhoria contínua), de acordo com o Manual de gerenciamento de resíduos – guia de procedimento passo a passo (Sebrae‑RJ, 2006). Nesta edição, apresentamos a etapa da im‑ plementação e operação, que considera alguns itens. O primeiro deles, Estrutura e responsabilidade, obriga ter em mente que o PGR deve contemplar toda a estrutura proposta para a gestão dos resíduos e indicar claramente os responsáveis de cada atividade componente. Um segundo item é treinamento, consciência e competência, que indica a necessi‑ dade de avaliar cautelosamente as pessoas a

serem envolvidas nos processos inerentes à gestão de resíduos, as quais deverão ter a com‑ petência técnica necessária para conduzir os processos. Além disso, os envolvidos com o manuseio de resíduos devem ter conhecimen‑ to dos aspectos ambientais de suas atividades. O treinamento básico para o pessoal envolvido com o manuseio dos resíduos deve conter, no mínimo: informações quanto às características e os riscos inerentes ao trato de cada tipo de resíduo; orientação quanto à execução das ta‑ refas de coleta, transporte e armazenamento; utilização adequada de equipamentos de prote‑ ção individual (EPI) necessários às suas ativida‑ des; e procedimentos de emergência em caso de contato ou contaminação com o resíduo, tanto individual quanto ambiental. O terceiro item é chamado manuseio e acondicionamento e sua importância está re‑ lacionada a uma série de fatores. Apenas para

71


SUSTENTABILIDADE

citar um deles, a correta execução desta tarefa possibilitará a maximização das oportunidades com a reutilização e a reciclagem, já que determinados resíduos podem ficar irrecuperáveis no caso de serem acondicionados de maneira incorreta. Além de seguir o que estipula a Resolução Conama 275/01 sobre padronização da segregação dos resíduos, este processo precisa prever que: a separação deve ser realizada no local de origem; devem ser separados os resíduos que possam gerar condições perigosas quando combinados; e deve-​­se evitar a mistura de resíduos de classes distintas de periculosidade ou incompatíveis entre si. O PGR deve descrever em detalhes quais serão as formas de manuseio e de armazenamento

72

temporário para cada resíduo gerado. As normas NBR 12235, NBR 11564, NBR 7500 e NBR 11174 contêm as especificações necessárias. A etapa de pré-​­tratamento considera que, em muitos casos, os resíduos requerem algum tipo de preparo antes do seu encaminhamento. Por exemplo, latas de alumínio para reciclagem necessitam ser prensadas antes do transporte para redução de volume, processo que pode ser desenvolvido dentro ou fora das dependências da empresa geradora e deve ser especificado no PGR . Caso o pré-​­tratamento seja realizado dentro da empresa, é necessário verificar com o órgão ambiental sobre a necessidade de licença de operação para o processo em questão. Na etapa da destinação final, que dependerá de cada tipo de resíduo, deverá ser realizada uma análise de custo/benefício dentro de todas as possibilidades viáveis. As variáveis comumente avaliadas na definição da destinação final de resíduos são as seguintes: tipo de resíduo, classificação, quantidade, métodos, técnicas ambientalmente viáveis, disponibilidade, resultados de longo prazo e custos dos métodos de tratamento ou disposição. Por fim, para que o plano possa obedecer a procedimentos específicos para cada etapa da gestão dos resíduos, de forma padronizada, faz-​­se necessária a documentação do PGR, que abrange as atividades envolvidas em cada etapa. Essa documentação deve ser conhecida e de fácil acesso para todos os envolvidos nas atividades. Os documentos básicos de um PGR são os seguintes: a) objetivos e metas que atendam a conceitos gerais esperados, enquanto as metas apresentem números a serem alcançados e prazos; b) requerimentos legais e outros aplicáveis; c) procedimentos escritos, detalhando cada uma das atividades envolvidas no PGR e seus responsáveis; d) protocolos de auditorias internas e de terceiros; e) indicadores para acompanhamento do PGR; f) fichas de resíduos. Na próxima edição, concluiremos o tema PGR com a apresentação dos 3 º‒ e 4 º‒ passos.


Alunos do Sesi Catumbi, de São Paulo, conheceram na Escola Senai Theobaldo De Nigris os processos gráficos

Sustentabilidade foi o mote da Semana da Indústria Gráfica A edição deste ano da Sigra também proporcionou aos alunos do Sesi‑SP uma imersão no universo gráfico.

C

om início no Dia Nacional da Indústria Gráfica, a Abigraf Nacional promoveu em São Paulo, no período de 24 a 28 de junho, a 2 ª‒ Semana da Indústria Gráfica (Sigra). Como parte da programação, a ABTG ofereceu a oportunidade de reflexão sobre a postura ambientalmente correta na produção gráfica através do 6 º‒  Ciclo de Sustentabilidade, evento no qual nomes consagrados do setor mostraram as práticas utilizadas e equipamentos disponíveis atualmente. Com o mesmo intuito de promover a consciência ambiental, o Grupo Empresarial de Sustentabilidade da Abigraf Nacional (GE -Sustent) realizou, no dia 27, a palestra “Responsabilidade compartilhada pós-​­consumo” na sede da entidade, no bairro do Paraíso. Nesse caso, o público-​ ­a lvo foi o fornecedor químico da indústria gráfica e o objetivo foi debater e analisar os impactos da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) no setor, principalmente no tocante às embalagens, e de que maneira as gráficas poderiam contribuir nesse

processo. Os empresários e executivos participantes do GE -Sustent articularam e exemplificaram o que cada um pode fazer para garantir o cumprimento das normas descritas na PNRS. GRÁFICOS DO FUTURO

Repetindo uma iniciativa de sucesso da primeira edição, com foco na educação de jovens, a Sigra 2013 reuniu os alunos de uma unidade do Sesi‑SP para um atividade diferente. Em 28 de junho, para encerrar a programação, 75 alunos do 6 º‒ e 7 º‒ anos do Sesi Catumbi, localizado no bairro do Belenzinho, tiveram a oportunidade de conhecer mais de perto o que faz um profissional da área gráfica. Ao visitarem os departamentos e oficinas da Escola Senai Theobaldo De Nigris, na Mooca, os estudantes exploraram a fundo o universo gráfico, acompanhando todos os processos envolvidos, desde a pré-​ ­impressão até o acabamento. Não por acaso, a meta dessa ação é justamente estimular o interesse pelo ofício — uma semente para o futuro da indústria gráfica.

Participação + responsabilidade A

6ª edição do Ciclo de Sustentabilidade teve como mote “Sustentabilidade = participação + responsabilidade”. Durante três dias, os 179 inscritos, de 86 empresas, tiveram a oportunidade de discutir o assunto com nove palestrantes. No primeiro dia, Márcia Biaggio, gestora de qualidade e produtividade e consultora da ABTG , tratou da PNRS . Em seguida, a advogada e especialista em meio ambiente Erika Waisel também falou sobre a PNRS , só que do ponto de vista da logística reversa. Completando a programação, Priscila Boer Mazaro, especialista em reciclagem, discutiu o ciclo de vida dos resíduos industriais. No dia 25, os trabalhos foram abertos com o lançamento do Selo Qualidade Ambiental ABTG Certificadora e a adequação aos requisitos do selo, apresentados pela coordenadora de certificação da ABTG Certificadora, Aline Rodrigues. Seguindo a mesma linha, Claudio Baronni, presidente do conselho diretivo da ABTG , debateu os requisitos legais para saúde e segurança no trabalho, palestra complementada pela fisioterapeuta Suzel Ferreira, responsável pelo tema “Qualidade de vida não é custo, é resultado”. No terceiro e último dia do ciclo, André Luiz Moré, especialista em fisiologia do exercício, abordou como a saúde e a segurança no trabalho podem influenciar os resultados da empresa. A segunda palestra, sobre produtos e processos inovadores alinhados à sustentabilidade, foi ministrada pelo presidente e máster franqueado da AlphaGraphics no Brasil, Rodrigo Abreu. O evento foi encerrado com o debate sobre sustentabilidade na cadeia de valor, conduzido pelas consultoras Juliana Drezza e Milene Navarro.

73


SUSTENTABILIDADE

Este caderno foi impresso em papel reciclado Eco Millennium 90 g/m², produzido pela Bignardi Papéis

Processo sustentável comprovado

74

Lançado pela ABTG Certificadora durante o 6-º Ciclo de Sustentabilidade, em junho, o Selo de Qualidade Ambiental oferece uma alternativa viável para atestar o compromisso das gráficas com o meio ambiente. Texto: Juliana Tavares

O

s empresários que já possuem uma certificação ambiental sabem que o caminho para receber esse reconhecimento pode ser muito longo, com requisitos difíceis de serem atendidos e implementação que pode gerar um aumento significativo nos gastos da empresa. Para conciliar a seriedade da avaliação técnica com rentabilidade, a ABTG Certificadora lançou o “Selo de Qualidade Ambiental” para processos gráficos em offset, flexografia, rotogravura, serigrafia e impressão digital. O anúncio foi realizado no 6 º‒  Ciclo de Sustentabilidade, evento que discutiu a responsabilidade socioambiental nas gráficas durante a 2 ª‒  Semana da Indústria Gráfica – Sigra 2013, na sede da Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica (ABTG), em São Paulo. Criado pelo comitê de sustentabilidade do ONS27, gerenciado pela entidade, com base na norma ABNT NBR ISO 14024:2004 — que trata de princípios e procedimentos para rotulagem ambiental —, o selo tem por objetivo atestar as boas práticas ambientais de Produção Mais Limpa (P+L) no setor gráfico perante a sociedade e o consumidor final. A coordenadora de certificação da ABTG, Aline Rodrigues, explica um dos diferenciais do selo de qualidade na busca pela validação das práticas ambientais. “Por ser direcionado por processo de impressão, o selo se torna hoje uma opção mais rápida de sustentabilidade na gráfica, além de contribuir significativamente

para o cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos”, define. Com critérios que abrangem desde a utilização correta de substratos até o controle de processos e acabamento, a certificação auxilia, por conseguinte, na redução de custos da empresa, por oferecer uma maneira de eliminar desperdícios e de cumprir as obrigações legais específicas para a indústria gráfica. Para obter o selo, deve-se solicitar uma proposta no site www.abtgcertificadora.org.br, onde também pode ser consultada a lista completa de requisitos, ou pelo e-​­mail comercial@ abtgcert.org.br, preencher a check list e aguardar o agendamento da auditoria interna, que tem duração de dois a três dias. A empresa terá um prazo para adequação caso seja identificada alguma não conformidade. Feitos os ajustes, ou se a auditoria não constatar irregularidades, a gráfica poderá utilizar e divulgar o selo por dois anos — período de validade da certificação, o qual inclui uma auditoria de manutenção. Meios e justificativas não faltam para as gráficas adotarem práticas sustentáveis, e agora, com o selo da ABTG Certificadora, o caminho não tem mais obstáculos. Nas palavras da coordenadora Aline Rodrigues: “A conquista do Selo de Qualidade Ambiental comprova que a gráfica está dentro dos critérios que equilibram os pilares que norteiam a sustentabilidade, ou seja, é socialmente justa, economicamente viável e ambientalmente correta”.


www.leograf.com.br

(11) 3658-5000

leograf@leograf.com.br


Siga também o OlharGráfico no blog em www.qu4tro.com.br/blog

O u t r a s

p a l a v r a s

Teorias, previsões, imaginação e outros sonhos futuristas do tempo dos Jetsons, A maneira mais fácil de se imaginar o futuro da escrita – se houver continuidade da tendência atual em direção a uma cultura de tecnoimagens – é pensar aquela cultura como um gigantesco transcodificador de texto em imagem. Será um tipo de caixa-preta que tem textos como dados inseridos (input) e imagens como resultado (output). Todos os textos fluirão para esta caixa (notícias e comentários teóricos sobre acontecimentos, artigos científicos, poesia, especulações filosóficas) e sairão como imagens (filmes, programas de TV, fotografias). O que quer dizer que a história fluirá para dentro daquela caixa e sairá de lá em forma de mito e mágica. Do ponto de vista dos textos que irão para dentro da caixa, essa será uma situação utópica: a caixa é a "plenitude dos tempos" porque devora o tempo linear e o congela em imagens. Do ponto de vista das imagens que sairão da caixa, essa será uma situação em que a história irá se tornar um pré-texto para os programas. Em suma, o futuro da escrita é escrever pré-textos para programas enquanto acreditamos estar escrevendo por utopia. ¶ Não é importante para a compreensão desse tipo de futuro da escrita tentarmos esclarecer a caixa-preta, tentarmos entender como ela funciona. A tentativa de "desmistificar" o aparato de transcodificação do futuro é com certeza um dos desafios mais importantes da "previsão e planejamento de futuros". Mas isso não é indispensável quando o problema é a escrita. Podem-se desconsiderar as engrenagens e os parafusos que constituem o aparato (a incontável "mídia", os "programadores" e outros operadores humanos e quase humanos que compõem o aparato) e concentrar-se nas imagens que saem da caixa mantida preta se quisermos ver o que significará ser um "escritor" nesse futuro. Em outras palavras: não é preciso analisar todo o sistema desesperançosamente complexo que está por trás de um programa de TV se quisermos entender a atual crise do pensamento e das ações racionais. É suficiente analisar o programa. Vilém Flusser o futuro da escrita

76

O mundo codificado Cosac Naify, 2007

A cidade como um ambiente total é a escola sem sala de aula e sem estrutura in excelsis. Não admira o que disse o menino de Watts: ”Para que ir à escola e interromper nossa educação?” ¶ Hoje em dia, na lixeira muito maior do divertimento e da publicidade apresentados no rádio e na televisão, a criança tem acesso a todos os recantos das culturas do mundo, passado e presente. Vagando nesta vasta selva como “caçador”, a criança se sente como um nativo primitivo de uma espécie totalmente nova de ambiente. Quando ela encontra material educacional mais antigo (escolas e cursos estruturados), reage exatamente como sempre o fizera com os colonizadores e exploradores imperiais de sua "coisa" não estruturada. Ela [a criança] diz, com um olho posto no arco do proscênio do satélite: "O globo é meu teatro". Marshall McLuhan e Wilfred Watsons Do clichê ao arquétipo Record, 1973

Para os designers que cresceram e foram educados na época da web, alguns dos escrúpulos estéticos das gerações anteriores são incompreensíveis. Eu estava trabalhando recentemente com um jovem web designer que despreocupadamente me disse que não se importava com as viúvas no texto. Este tipo de designer que abraçou o mundo online sem qualquer conhecimento das gerações pré-web, entende a web como um lugar sem restrições e sem as convenções do formalismo do design gráfico e um lugar para colocar em prática as habilidades multimídia que são, para muitos como ele, tão naturais como uma segunda pele. No entanto, web design é um confuso campo de batalha sem perspectiva que vá mudar tão cedo. Os blogs de desenvolvedores da web e grupos de discussão online fervilham em debates acalorados sobre os méritos e deméritos das várias tecnologias concorrentes e da natureza do projeto online. Adrian Shaughnessy love the internet

Eye, revista #55, 2005

Vej a a seguir

K de KBUMM Estúdio de design ligado à economia criativa, Porto Alegre (RS)

REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

O homem não é feito para cumprir um trabalho de máquina. A máquina, criação do homem, é sua escrava, mesmo se ela trata sequencial ou globalmente bilhões e bilhões de bits por segundo. O indivíduo, na era do computador, liberto em parte dos trabalhos servis ou não promocionais, deve reconverter seus antigos objetivos. ¶ Na falta de uma aventura real – em que as noções de risco, de esperança, de estratégia em face da natureza, de superação contínua sem ponto de chegada ganham uma significação –, restará a aventura artificial. Aquela do espectador que se recusa a participar, que se contenta com ser e não quer mais ou não pode agir. Aquela da engrenagem utilitária. Atualmente existem centenas de milhões de receptores de televisão, amanhã serão necessários milhões de consoles, através dos quais poderemos consultar e transmitir nossas próprias intervenções. (Lembramos que se chamam consoles as instalações semelhantes a máquinas de escrever ou emissores de teletipos, a partir das quais pode-se comunicar à distância com os computadores). […] O homemreceptor deve ser também o homememissor. Aliás, o computador introduz o diálogo: por que esse diálogo seria reservado somente a alguns? Ora, para dialogar com estas máquinas, para fazer parte do sistema integrado, para participar, enfim, é preciso compreender esse sistema. Daí resulta a necessidade de educação permanente. A.Kaufmann a máquina de amanhã e o homem

A revolução da informática, Paz e Terra, 1970


O L H A R

G R Á F I C O

Buck Rogers, Jornada nas estrelas e Blade Runner

A world wide web, rede mundial de computadores (www ou simplesmente web), é um meio de comunicação global no qual usuários podem ler e escrever através de computadores conectados à internet. O termo web é usado erroneamente como sinônimo da própria internet, sendo a web apenas um serviço que utiliza a internet, assim como as mensagens de e-mail; a história da internet antecede bastante a da rede de alcance mundial. ¶ A parte que tem hipertexto da web tem uma história complicada; notáveis influências e precursores incluem o Memex, de Vannevar Bush 1, a Standard Generalized Markup Language (SGML), da IBM, e o Projeto Xanadu, de Ted Nelson. ¶ O conceito de um sistema de informações global/ doméstico é tão antigo quanto em "A Logic Named Joe", uma pequena história de 1946 criada por Murray Leinster. Nela, todas as casas possuíam terminais de computador, chamados logics. Embora fosse um sistema centralizado de forma autônoma, a história reflete o sentimento de ubiquidade da informação que veio com a web.

História da World Wide Web Wikipedia, a enciclopédia livre. Abril 2013

Quantos designers ao redor do mundo usam softwares como InDesign, Quark ou Photoshop? Vamos calcular. Para uma população mundial de 7 bilhões de humanos, quantos usam computador, 50%? Ou menos? Digamos que um terço da população mundial tenha acesso a um computador. Seriam, portanto, cerca de 2 bilhões e 300 milhões de usuários. Imaginemos que, desse total, um terço se utilize desses ou de outros softwares gráficos para desenhar, editar ou criar. ¶ Seriam cerca de 700 milhões de usuários ao redor do mundo. Desse total, quantos seriam designers gráficos ou web designers? Vamos calcular por baixo: talvez 10% deles precisem dominar o Projeto Viaduto do Chá InDesign e o Photoshop para trabalhar Arquivo Universidade Anhembi Morumbi ou para estudar; teríamos, então, 70 Autor: Eliziário Baiana milhões de "concorrentes" (mesmo que 1936 essas estimativas estejam equivocadas Tempos atrás ouvi Matthew Carter dizer e que fosse apenas a metade, ainda A mudança para uma memória social, assim seria um número gigantesco) que a tipografia é muito mais fácil de entretanto, é mais do que apenas utilizando a mesma plataforma, os ensinar com esta ferramenta, o comquantitativa. Estamos também, por mesmos recursos, os mesmos truques, assim dizer, conferindo vida à nossa putador. Eu não questiono isso. Nesse memória. ¶ Quando a memória social caso você está usando uma ferramenta produzindo as mesmices que vêm formatadas no default (padrão) de cada era armazenada nos cérebros humanos, altamente desenvolvida, e é a mesma uma dessas máquinas. E, portanto, "inera continuamente erodida, refrescada, que todos usam ao redor do mundo. ventando" coisas muito parecidas, bem agitada, combinada e recombinada em Você está ligado em uma corrente acabadas e com aquela "cara de coisa novas maneiras. Era ativa ou dinâmica. sanguínea de todo o mundo. Entretanto, de computador" em incontáveis línguas Era, no sentido literal, viva. ¶ Quando não acho que isso seja uma boa ideia. e com milhares de sotaques culturais a civilização industrial transferiu Deveríamos estar mais ligados ao local desse nosso mundão. a memória social para fora do crânio, em que vivemos; computadores dis¶ O que podemos fazer para se ela tornou-se objetivada em artefatos, cursam sobre o internacionalismo com diferenciar neste mar de adobices, livros, jornais, fotografias e filmes. a linguagem específica das empresas photoshopices, wordices e outras Mas um símbolo, uma vez inscrito numa norte-americanas de software, que idiotices? ¶ A primeira providência página, uma foto, uma vez captada não aspiram, em nenhum sentido, a é desligar os defaults de fábrica em filme, um jornal, uma vez impresso, metas de qualidade. ¶ O computador e regular, afiar, customizar, preparar permaneciam passivos ou estáticos. Só faz as coisas parecerem bem-acabadas. sua máquina para suas mãos, seu olhar quando estes símbolos eram novamente e sua sensibilidade. Ao mesmo tempo, Mas as coisas bem-acabadas não são introduzidos num cérebro humano eles olhar com muita curiosidade ao seu necessariamente boas soluções. adquiriam vida, para serem manipularedor – se dar conta de que "seu redor" Se o processo que nos levou até esse dos ou recombinados. […] O computahoje é o globo – e aprender com quem ponto é homogêneo, a possibilidade dor, porque processa os dados, cria uma sabe mais do que você e seu espelho de nos tornarmos um indivíduo está situação historicamente sem precedentes: digital. E urgentemente ter coragem para perdida. Design ou arte refere-se a torna a memória social extensiva fazer escolhas pessoais (cromáticas, criar o inimaginável. Isso não acontece tipográficas, de formatos, de enquadrae ativa. […] A ativação desta memória se todos escalarem a mesma árvore. mentos e grades) que estejam envolvinovamente expandida desencadeará John Maeda das com emoções e sensibilidades, indo novas energias culturais. Nenhuma reputations Eye, revista #37, além das tecnicidades e do domínio da biblioteca poderia "pensar" de uma 2000 linguagem visual. ¶ Então, poder sonhar maneira heterodoxa. O computador, com alguma originalidade, ao contrário, irá nos permitir pedir-lhe ou seja, ser fiel às suas origens que "pense o impensável" pessoais, sociais e culturais. e o previamente impensado. Alvin Toffler A terceira onda Record, 1980

Claudio Ferlauto outras palavras

Olhar gráfico 2013

julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF

77


apresentadas por este mundo em mutação. ¶ O estúdio KBUMM, estabelecido em Porto Alegre, é um desses casos. Formado ¶ Vivemos um tempo de mudanças aceleradas – frase que ouvimos pelos designers Egberto Esmerio e Sauê Ferlauto, faz parte do a todo momento para explicar as características dinâmicas de nosso tempo. Estas transformações estão por toda parte: na economia, Grupo Nômade, que recebe a colaboração de Aron Krause Litvin e Daniel Caminha. Está focado no que se convencionou chamar na política, na tecnologia, nas comunicações, na educação, nas profissões. O conhecimento não tem mais fronteiras (outra frase de economia criativa e em novos nichos do mercado, onde tem do senso comum atual), o que sugere duas atitudes: agarrar-se aos desenvolvido um trabalho de design sólido e integrado a este novo contexto. A qualidade de sua produção foi reconhecida territórios conhecidos ou explorar novos horizontes. A dinâmica do mercado de trabalho obriga os jovens (o grupo social dos mais pelos jurados da 10ª Bienal Brasileira de Design Gráfico "desempregados" do mundo) a projetar seus próprios caminhos, da ADG Brasil, que selecionaram seus trabalhos para a mostra realizada em junho, no Memorial da América Latina, em São Paulo. explorando com criatividade as novas condições e oportunidades

KBUMM, UM ESTÚDIO CONTEMPORÂNEO

Identidade visual Green Social Bioethanol, empresa que oferece soluções energéticas por meio de miniusina de bioetanol. Porto Alegre, 2012.

Identidade visual, ambientação e catálogos Mostra AGORA/ÁGORA Santander Cultural, em colaboracão com Tiago Taborda. Porto Alegre, 2011

78 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Identidade visual para Transvenção Lab o media lab pioneiro no Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2011.


Unipack, distribuindo filmes e vernizes de norte a sul do Brasil.

Com um atendimento técnico personalizado, a Distribuidora Nacional Unipack oferece filmes para termolaminação e laminação a frio, vernizes especiais, adesivos e outros produtos para acabamentos gráficos para todo o Brasil. Produtos de alta qualidade, serviços inovadores, e logística de distribuição estruturada e ágil, compõem um mix cujo objetivo é agregar valor ao seu negócio. Compre produtos para acabamentos gráficos com um especialista: Unipack.

Estrada de Vila Jaguara, 126 Vila Leopoldina - São Paulo - SP Tel: (11) 3647-4940 / (11) 3647-4942 www.unipackprodutos.com.br

Distribuidora de filmes e vernizes


QUADRINHOS

DOS QUADRINHOS PARA AS RUAS

Alan Moore e David Lloyd, ao criarem V de Vingança, não imaginavam que a máscara do seu personagem viria a ser usada nas ruas na luta contra a corrupção.

V DE VINGANÇA Panini Books Formato: 17 × 26 cm 306 páginas, 4 cores

80

Álvaro de Moya é autor do livro Vapt-Vupt. REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

N

o início dos anos 1980 o desenhista Warrior 17, em 1983, e teve há poucos anos David Lloyd procurou o escritor Alan uma versão para o cinema. Moore, com quem havia trabalhado A máscara de “V” tem aparecido nas grananteriormente, para desenvolver um projeto. des manifestações de rua em várias partes A partir de uma ideia de Modo mundo, como no movimenore de um personagem chamado to Occupy Wall Street, nos EUA . Vendetta, a história foi criada sob No Brasil, foi usada por alguns o título V for Vendetta. Lloyd teve na onda dos protestos de junho então uma grande sacada. Por que em São Paulo e outros estados. não retratar o herói como um Guy A iniciativa tem sido deturpada Fawkes ressuscitado, com máspelo grupo anarquista Black Bloc, cara, capa e chapéu cônico? Pervestido de negro, que, com os rossonagem real, Guy Fawkes, em 5 tos escondidos, promove atos de de novembro de 1605, havia sido vandalismo, distorcendo o sencapturado no porão do parlamentido da luta dos jovens contra os to inglês com grande quantidade A imagem de Guy Fawkes políticos corruptos. de explosivos. Católico extremis- inspirou David Lloyd na Alan Moore fez um roteiro ta e herói militar em Flandres, em criação da máscara de “V” criativo, com diálogos, cheios de conluio com outros católicos descontentes, pre- citações (Shakespeare, Proudhon, Koestler, tendia explodir o parlamento, matando o rei Ja- Rolling Stones etc), em identificação com os mes I. Fawkes foi torturado e executado em 31 anseios de um mundo democrático, que não de janeiro de 1606. Seu rosto inspirou Lloyd a precisará mais de máscaras. criar a máscara de “V”. Numa crítica à então ministra Margareth Tatcher, a história, protagonizada na Inglaterra de um futuro imaginário entregue ao fascismo, fluiu rapidamente. Desenvolvida em três tomos, a publicação original de V de Vingança saiu pela primeira vez na revista


GALERIA DA SIB - SOCIEDADE DOS ILUSTRADORES DO BRASIL

Autor: GILBERTO LEFRÈVE gilberto.lefreve@terra.com.br Título: Série Circo. Portfólio, 2012 Técnica: Digital Sketchbookpro.

www.sib.org.br


DIRETÓRIO

e es­pe­cia­li­za­ções. Parte integrante, o Guia de Fornecedores fornece informações de 554 empresas fabricantes ou distribuidoras de equipamentos, ma­té­r ias-​­primas, insumos e componentes, assim como de desenvolvedoras de sistemas e prestadoras de serviços. Com seu elevado nível de informação, qualidade gráfica e edi­to­r ial, o Anuá­r io representa uma fonte geradora de difusão e ne­gó­cios, contribuindo para a valorização da atividade gráfica em nosso país.

DADOS COMPARATIVOS MOSTRAM A EVOLUÇÃO NOS PROCESSOS GRÁFICOS Foto: Conrad Morbitzer

  Número de empresas atuantes em cada tipo de  processo, que constaram nos anuários de 2001 e 2013

Está circulando a edição 2013 do Anuário da Indústria Gráfica

L

82

A 17-ª edição do único diretório do setor gráfico nacional traz informações abrangentes sobre os estabelecimentos gráficos e seus fornecedores de todo o País.

ançado em 1996, o Anuá­r io Brasileiro da Indústria Gráfica consolidou-​­se como a obra de referência e consulta de toda a cadeia produtiva do setor gráfico na­cio­ nal nesses 17 anos de circulação, prestando um relevante serviço ao mercado. Único em seu con­teú­do, o Anuá­r io é uma fonte provedora de informações e geradora de ne­gó­cios tanto para as gráficas quanto para os seus fornecedores. Além disso, auxilia os clien­tes a encontrar os estabelecimentos adequados para os serviços gráficos que necessitam, seja por es­pe­cia­li­za­ção ou por localidade. O leitor encontra neste livro um verdadeiro “raio-​­x” de 2.202 gráficas de 565 cidades de todo o Brasil, com endereço completo, telefone, e-​­mail, site, certificações, número de fun­ cio­ná­r ios, área instalada, formato máximo de impressão, processos gráficos disponíveis REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

RADIOGRAFIA DO 17º ANUÁRIO

384 páginas 2.202 gráficas 565 cidades de todo o Brasil 554 fornecedores 594 itens de equipamentos,

matérias-primas, insumos, produtos, sistemas e serviços

50 processos gráficos,

entre pré-impressão, impressão e acabamento

PRÉ-IMPRESSÃO

2001

2013

Fotocomposição Computer-to-film (CtF) Computer-to-plate (CtP) Plotter Prova de prelo Prova fotomecânica Prova digital

  237   120    57   122   180    66   446

  113   210   652   250    77    17   913

IMPRESSÃO

2001

2013

Tipografia Letterpress Offset plana Offset rotativa fria Offset rotativa quente Impressão digital Flexografia Serigrafia

  880    19 1.711   228    50   213   114   179

  570    23 1.923   191    53   683   189   274

ACABAMENTO

2001

2013

Relevo Hot stamping Verniz calandra Verniz UV Plastificação Laminação Capa dura Capa flexível Brochura Costura Lombada quadrada Hot melt PVA PUR Lombada canoa Encadernação mecânica Envelopagem Shrink

  686   220   118   322   418   129   286   244   537   191   325   147    23    10   637   188   173    81

  697   461    87   790   798   740   454   255   517   196   424   292    17   100   459   126   196   109

PARA ADQUIRIR EXEMPLARES:

& 11 3159 3010 editoracg@gmail.com


MEMÓRIA

Setor gráfico despede‑se de Dorival Padilla

N

Sucedendo ao seu pai, fundador da gráfica Padilla, Dorival, com o apoio dos filhos, impulsionou-a e fez dela um dos símbolos de qualidade da indústria gráfica nacional nas décadas de 1980 e 1990.

o dia 10 de julho faleceu em São Paulo, aos 83 anos, Dorival Padilla. Filho de João Padilla, fundador da Padilla Indústrias Gráficas, o empresário foi responsável pela transformação da empresa de uma tipografia para uma das mais importantes gráficas do País. Formado em Economia pelo Mackenzie, aos 16 anos Dorival começou a ajudar o pai na tipografia criada em 1937 na garagem da casa da família, no bairro do Belenzinho, na capital paulista. Nas três primeiras décadas, a Padilla evoluiu consideravelmente, contudo atrelada ao processo tipográfico. Esse cenário começou a mudar em 1967, na esteira das transformações do próprio mercado. A mídia impressa reinava soberana e era responsável pela maior parte do faturamento das agências de publicidade. O segmento gráfico passava por uma importante mudança com a expansão da impressão offset e, aproveitando a oportunidade, Dorival investiu em equipamentos de ponta, atraindo clientes do segmento promocional. “Meu pai era extremamente empreendedor e norteava suas ações na busca pela excelência”, afirma Sérgio Padilla, que sucedeu ao pai no comando da empresa, até a gráfica ser comprada pelo Grupo Escala, em 2002. No final dos anos 80, Dorival decidiu ampliar os serviços da gráfica, apostando no segmento de revistas e encartes e em máquinas offset quatro cores de grandes tiragens. Como comenta

84 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Sérgio, mesmo ciente da importância da tecnologia para a indústria gráfica, Dorival nunca perdeu o foco no ser humano, priorizando os funcionários como elementos fundamentais dentro da empresa. “Ele era um gestor antenado, fez vários cursos para manter-​­se atualizado, e tinha em mente que os funcionários eram a alma da empresa”. Otimista, espelhava-​­se no exemplo das multinacionais que atendia para incorporar novas práticas. A decisão de Dorival mostrou-​­se certeira e a Padilla viveu um período de grande expansão, conquistando a confiança do mercado editorial e tornando-​­se uma das líderes no segmento de revistas e impressos promocionais. Na esteira desse crescimento, delineou-​­se, em 1996, o projeto Padilla 2000, do qual Dorival participou ativamente. O  plano envolveu um grande investimento na construção e aparelhamento de uma nova planta fabril em um terreno de 30 mil com 15 mil metros quadrados de área construída, às margens da Rodovia Raposo Tavares. No final de 1998 o projeto estava consolidado. Já sob o comando da terceira geração, Sérgio e a irmã, Mônica, o novo parque gráfico funcionava em plena capacidade, alinhado com o trabalho de 260 funcionários. “Meu pai acreditava no Brasil, confiando que o dia seguinte seria sempre melhor”. Mesmo delegando o controle da empresa aos filhos, Dorival esteve presente na gráfica até 2002.


A mídia de maior impacto no setor gráfico

BRAINSTORM

Maior tiragem, maior qualidade, maior segmentação

revista issn 0103•5 72x

Revista Abigraf

arte & indús tria gráfica • ano xxxvii • maio/junho

O maior e mais importante veículo do setor gráfico brasileiro

revista abigra f 259 maio/j unho 2012

• Alta qualidade gráfica e editorial: vários prêmios conquistados no Brasil e no Exterior • Distribuída para dirigentes das indústrias gráficas comerciais, editoriais, de embalagens e de conversão; agências de propaganda; diretores e gerentes de marketing e de produtos das grandes empresas • 37 anos de circulação ininterrupta • O menor custo por leitor

Anuário Abigraf O único diretório do setor gráfico nacional • Exclusivo banco de dados, com informações sobre 2.202 indústrias gráficas de 565 cidades de todo o Brasil e 554 fornecedores de insumos, matérias-primas, equipamentos, sistemas e serviços para o setor • Consultado durante os 365 dias do ano por empresários, executivos e compradores da indústria gráfica; produtores das agências de propaganda; dirigentes de marketing e compras das 800 maiores empresas do País • Distribuição: julho

Tecnologia Gráfica

ANO XVI Nº 82 VOL. II 2012 ISSN 1678-0965

O veículo técnico da indústria gráfica brasileira

A REVIS TA TÉCN ICA DO SETOR GRÁF ICO BRAS ILEIR O

• Artigos exclusivos dos mais destacados especialistas gráficos nacionais abordando todos os temas do setor, sua tecnologia, processos, sistemas, matéria-primas, equipamentos, etc. • Artigos exclusivos da Seybold • Chega diretamente às mãos dos diretores, gerentes e chefes de produção das gráficas de todo o Brasil

Sacolas plástic

(11) 3159.3010

R E V I S TA T Ecnolog

ANUNCIE

IA gRáfIc A

82

as Há bandidos e história? Entra mocinhos nessa mos na polêmica do banimento das supermercados sacolas nos de São Paulo

Tutorial

Efeito Bauhaus no Photoshop

Entrevista

Eduardo Buck, da Canon, fala a presença na sobre empresa no mercado gráfic o.

Gestão

Não venda preço . Venda valor.

Normalização

O uso de XML para controle de processos em tecnologia gráfic a

2 0 1 2 • nº 2 5 9


Leremos em 2020? Provocativa, a pergunta foi feita na abertura do 4-º Congresso Internacional CBL do Livro Digital pelo pesquisador Silvio Meira. Realizado nos dias 13 e 14 de junho, o evento levou 570 pessoas ao Centro Fecomercio de Eventos, em São Paulo.

A

pergunta que o professor de Engenharia de Soft­w are e História e Futuro da Computação na Universidade Federal de Pernambuco, Silvio Meira, fez no início de sua palestra no 4 º‒ Congresso Internacional CBL do Livro Digital na verdade não foi formulada por ele. Saiu da boca de seu filho, pré-​­adolescente, no dia anterior ao evento, quando soube que o tema da palestra do pai seria “como leremos em 2020”. Silvio Meira mostrou que sim, leremos em 2020, mas de formas cada vez mais diversas, inusitadas e colaborativas. O pesquisador questionou os formatos tradicionais de linguagem

86

Silvio Meira, professor de Engenharia de Software e História e Futuro da Computação na Universidade Federal de Pernambuco

REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Tânia Galluzzi

— “o livro em papel terá o mesmo destino do disco de vinil” — e reforçou que o digital se destaca por não funcionar de maneira excludente, permitindo que o leitor interaja e participe de seu constante processo de mudança. O congresso, que apresentou cases de sucesso e premiou trabalhos científicos, contando com 21 palestrantes, trouxe um panorama atual sobre diversos assuntos que cercam o universo do livro digital, do seu papel fundamental na educação até soluções para questões envolvendo direitos autorais, empreendimentos da área de tecnologia e acessibilidade. A questão do acesso à informação pautou o painel sobre direito autoral do livro digital conduzido por Magdalena Vinent, diretora geral do Centro Espanhol de Direitos Reprográficos, Rainer Just, do grupo Ernst Klett, uma das principais editoras educacionais da Alemanha, e Victoriano Colodrón, diretor sênior de relações globais do Copyright Clearance Center. Juntos, eles pontuaram que, apesar de acessível, o conteúdo digital não pode ter custos eliminados e que os autores precisam dos editores para que tenham seus lucros garantidos.


TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO

Os papéis da escola, do educador e dos métodos de ensino também foram abordados em painéis e palestras durante os dois dias de congresso. Patrícia Konder, fundadora da Escola Parque, falou sobre o que acredita ser um momento fundamental para que escola e pais discutam como se adaptar a uma geração de nativos digitais e para que inovem seus próprios métodos de ensino. O pensamento acabou reforçado por Marcelo Tas, jornalista e apresentador, que sublinhou que “as escolas devem receber as mudanças com humildade”. Luciana Allan, diretora do Instituto Crescer, discutiu como as tecnologias digitais podem alavancar mudanças na educação. Segundo a educadora, a chegada do aparato tecnológico às escolas ainda não alterou a prática pedagógica. “Continuamos presos ao formato tradicional, dentro do calendário agrário, com a mesma preocupação de dar conta de um currículo extenso em função do vestibular”. Ela argumentou que é necessário repensar o papel do professor, posicionando-​­o como mediador do processo educacional, e não como detentor único do conhecimento. “Precisamos tirar o foco do conteúdo para colocá-​­lo no desenvolvimento de competências e habilidades”. Na pauta de negócios, os temas foram diversos, dos desafios enfrentados por pequenas e médias livrarias diante do advento digital, tema tratado por Javier Celaya, vice-​­presidente da Associação de Revistas Digitais Espanholas, até o perfil do leitor do conteúdo digital, em painel apresentado por Sergio Herz, presidente da Livraria Cultura, e Ricardo Garrido, especialista em estratégia de mídia e responsável pelo projeto de desenvolvimento e lançamento do Iba. David Langridge, diretor sênior

David Langridge, diretor sênior de desenvolvimento de parcerias da Microsoft

de desenvolvimento de parcerias na Microsoft, por sua vez, falou sobre a importância dos acordos com produtores de soft­ware e sobre o que acredita ser uma revolução de conteúdo. Já Harald Henzler, especialista em publicações digitais e presidente da Smart Digits, ressaltou que é importante que os editores saibam quem são seus clientes e como acompanhá-​­los em um patamar cada vez mais digital. A presidente da CBL , Karine Pansa, falou após um dos intervalos do segundo dia de congresso e ressaltou a importância do evento para o segmento editorial. “Com a complexidade atual, nós, editores, professores, educadores e pais, precisamos ter o discernimento e a responsabilidade do conteúdo e das informações que estão disponíveis nesse mundo cada vez mais virtual. As histórias e as emoções que elas nos trazem não podem se perder”, concluiu.

87 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF


O grande momento da comunicação visual

C

88

onsiderada a maior feira de equipamentos, produtos e serviços para os segmentos de comunicação visual e serigrafia, a Serigrafia Sign FutureTextil encerrou sua 23 ª‒ edição em 13 de julho com balanço positivo. O evento, que agrega também os segmentos de impressão digital e sinalização, superou as expectativas do setor em relevância estratégica, números de expositores e lançamentos, bem como de Lançamentos, prêmios e parceria público. Mais de 45 mil visitanmundial foram alguns dos destaques tes passaram pela área de 40 mil da feira Serigrafia Sign FutureTextil, metros quadrados do Expo Cenque acolheu, de 10 a 13 de julho, ter Norte, na capital paulista, onde público recorde na sua 23-ª edição. foram apresentadas novidades de 650 marcas expositoras. Equipamentos, substratos e suprimentos para a produção digital em grandes formatos; emulsões, tintas e equipamentos automatizados para preparação de matrizes e demais etapas da impressão serigráfica. Estes foram os principais focos de interesse dos profissionais da indústria gráfica que passaram pelo evento. Durante a feira foi realizado o 1º‒ Simpósio de Impressão em Grandes Formatos. A parceria com a ABTG, através do Digitec, levou a centenas de profissionais novas ideias e transformou a Serigrafia Sign FutureTextil em um grande palco de discussões sobre os possíveis e lucrativos caminhos para o setor nos próximos anos. “A impressão em grandes formatos e a tecnologia envolvida no mercado, apesar de estar presente há certo tempo, é uma temática incrementada constantemente através de novas tecnologias e técnicas. É por isso que se fez necessária a vinda de um grupo para discutir e compartilhar essas novidades. A tecnologia tem avançado em termos de velocidade, REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

qualidade e variedade de aplicações”, comentou João Paulo Picolo, diretor da feira. Na programação do simpósio destacaram-​­se palestras como “Evolução da sublimação digital e as tendências do mercado”, “Oportunidades e tendências na serigrafia”, “Special print: novas oportunidades da impressão digital (decoração, têxtil, arquitetura, moda, imobiliário)”, “Como vender de maneira mais eficiente o envelopamento de veículos” e “Formação de custo para impressão digital”, dentre outras. A feira também sediou o 3 º‒ Campeonato Brasileiro de Envelopamento Automotivo (Cambea), idealizado pela Alko. Foram vinte e sete participantes, que tentaram apresentar a melhor qualidade na adesivação de um veículo em menor tempo e dentro dos parâmetros pré-​­estabelecidos pelos jurados. Na modalidade Cambea Pro, a equipe Playart Adesivos, de Uberlândia (MG), foi a vencedora, seguida pelas equipes Pimenta Adesivos, de Santo André (SP), e DBS, de São Leopoldo (RS). A 23 ª‒ Serigrafia Sign FutureTextil teve parceria exclusiva firmada com a Associação Internacional de Sinalização (ISA). Segundo o acordo, a ISA irá fornecer toda a parte de conteúdo do evento em 2014. Além disso, cada organização patrocinará e promoverá a outra nos próximos eventos, bem como fornecerá um espaço, com estande, na área de exposição e ainda organizará as delegações oficiais para cada feira. “Temos o prazer de anunciar esta importante parceria e a enxergamos como uma excelente oportunidade. Acreditamos fortemente que os mercados dos Estados Unidos e do Brasil irão se beneficiar, agregando valor a todos os profissionais envolvidos na indústria”, disse João Paulo Picolo.


A pesquisa é sobre o mercado, mas os resultados vão aparecer na sua gráfica. Está disponível a melhor ferramenta para a administração de cargos, salários e benefícios da Indústria Gráfica Paulista! O material contém apresentação, metodologia, relação das empresas participantes e distribuídas por porte e segmento, gráficos analíticos, medidas estatísticas, além de análise de política de RH. São 67 empresas participantes, 266 cargos setoriais descritos e pesquisados (veja relação no verso), 6 segmentos analisados, cerca de 16.789 profissionais de amostra.

Investimento Não-Associados - R$ 1.300,00 Associadas SINDIGRAF-SP e ABIGRAF-SP - R$ 650,00 (Desconto de 50%) Execução

Realização

Para mais informações ligue para (11) 3232-4500 ou escreva para sindigraf@sindigraf.org.br www.sindigraf.org.br

RAZÃO SOCIAL/ EMPRESA CNPJ BAIRRO SOLICITANTE

ENDEREÇO CIDADE

PREÇO POR EXEMPLAR ASSOCIADAS SINDIGRAF-SP/ ABIGRAF-SP (e demais regionais) NÃO-ASSOCIADAS RECIBOS EM NOME ( ) DA EMPRESA ( ) SOLICITANTE BANCO Nº AGÊNCIA

UF

( ) R$ 650,00 ( ) R$ 1.300,00

CHEQUE Nº

CARTÃO DE CRÉDITO ( ) VISA ( ) MASTERCARD Nº DO CARTÃO

VÁLIDO ATÉ

ASSINATURA PREENCHA, DESTAQUE E ENVIE PELO FAX 11 3232-4507 OU PELO CORREIO PARA: RUA DO PARAÍSO, 529 – PARAÍSO – SÃO PAULO – SP – CEP 04103-000 – BRASIL


RELAÇÃO DOS CARGOS PESQUISADOS ÁREA DE PRÉ-IMPRESSÃO GERENTE DE PRODUÇÃO, GERENTE DE PRÉ-IMPRESSÃO, SUPERVISOR/COORDENADOR DE PRÉ-IMPRESSÃO, LÍDER DE PRÉ-IMPRESSÃO, OPERADOR DE TRÁFEGO, OPERADOR MONTAGEM ELETRÔNICA, OPERADOR TRATAMENTO IMAGEM DIGITAL, OPERADOR DE CTP E/OU CTF, OPERADOR DE SCANNER, OPERADOR DE MONTAGEM CONVENCIONAL, COPIADOR (CHAPAS, CLICHÊS, ETC.), ARQUIVISTA DE FILMES E/OU FORMAS DE IMPRESSÃO, REVISOR DE PRÉ-IMPRESSÃO – FOTOLITO/DIGITAL, PROJETISTA GRÁFICO, DESIGNER GRÁFICO, OPERADOR DE SISTEMA DE PROVA DIGITAL, OPERADOR DE IMPOSIÇÃO ELETRÔNICA, AUXILIAR DE PRÉ-IMPRESSÃO, LÍDER DE SCANNER OPERADOR IMPOSIÇÃO ELETRÔNICA, MONTADOR DIGITAL. PREMEDIA GERENTE DE PRODUÇÃO (PREMEDIA), LÍDER DE RECEPÇÃO DE FOTOLITO, RECEPTOR DE PRÉ IMPRESSÃO JR. RECEPTOR DE PRÉ IMPRESSÃO PL., RECEPTOR DE PRÉ IMPRESSÃO SR., AUXILIAR DE PRE IMPRESSÃO (PREMEDIA), LÍDER DE OPI, REVISOR DE PRE IMPRESSÃO (PREMEDIA), OPERADOR DE SCANNER, FINALIZADOR, LÍDER DE MONTAGEM ELETRÔNICA, OPERADOR DE MONTAGEM ELETRÔNICA JR.,OPERADOR DE MONTAGEM ELETRÔNICA PL., OPERADOR DE MONTAGEM ELETRÔNICA SR., ASSISTENTE DE MONTAGEM ELETRÔNICA, OPERADOR 3D, ASSISTENTE DE CRIAÇÃO 3D, OPERADOR DE TRATAMENTO DE IMAGEM JR., OPERADOR DE TRATAMENTO DE IMAGEM PL., OPERADOR DE TRATAMENTO DE IMAGEM SR., OPERADOR DE RETOQUE ELETRÔNICO JR., OPERADOR DE RETOQUE ELETRÔNICO PL., OPERADOR DE RETOQUE ELETRÔNICO SR. ÁREA DE IMPRESSÃO GERENTE DE IMPRESSÃO, SUPERVISOR/COORDENADOR DE IMPRESSÃO, LÍDER DE IMPRESSÃO, ANALISTA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS JR., ANALISTA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS PL., ANALISTA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SR., ANALISTA DE DADOS VARIÁVEIS JR., ANALISTA DE DADOS VARIÁVEIS PL., ANALISTA DE DADOS VARIÁVEIS SR., OPERADOR IMPRESSÃO ELETRÔNICA / DIGITAL, IMPRESSOR FORM. CONTÍNUOS - 4 A 6 CORES, IMPRESSOR FORM. CONTÍNUOS - 6 CORES, IMPRESSOR FORM. CONTÍNUOS - 8 CORES, IMPRESSOR FORM. CONTÍNUOS - 10 CORES, IMPRESSOR OFFSET PLANA MONOCOLOR (OFICIAL), IMPRESSOE OFFSET PLANA BICOLOR (OFICIAL), IMPRESSOR OFFSET PLANA 4 CORES (OFICIAL), IMPRESSOR OFFSET PLANA 6 CORES (OFICIAL), IMPRESSOR OFFSET PLANA 8 CORES (OFICIAL), IMPRESSOR OFFSET PLANA 10 CORES (OFICIAL), IMPRESSOR OFFSET ROTATIVA – MONOCOLOR, IMPRESSOR OFFSET ROT. 4 CORES (H. SET/SEC.QUENTE), IMPRESSOR OFFSET ROT. 6 OU MAIS CORES (C.SET/SEC.FRIO), IMPRESSOR FLEXOGRAFIA, IMPRESSOR FLEXOGRAFIA (1/2 ODICIAL), IMPRESSOR OFFSET PLANA (1/2 OFICIAL), IMPRESSOR OFFSET ROTATIVA (1/2 OFICIAL), IMPRESSOR OFFSE 6 OU MAIS CORES (HEAT SEAT), 1º AJUDANTE IMPRESSOR OFFSET PLANA, 1º AJUDANTE IMPRESSOR OFFSET ROTATIVA, 2º AJUDANTE IMPRESSÃO OFFSET, REBOBINADOR, BOBINADOR, COLORISTA, IMPRESSOR DE SERIGRAFIA, OPERADOR DE GUILHOTINA. ÁREA DE ACABAMENTO GERENTE DE ACABAMENTO, SUPERVISOR/COORDENADOR DE ACABAMENTO, LÍDER DE ACABAMENTO, OPERADOR CORTE E VINCO AUTOMÁTICO, OPERADOR CORTE E VINCO MANUAL, OPERADOR PROCESSO INTEGRADO, OPERADOR MÁQUINA COSTURA, OPERADOR DE ALCEADEIRA, OPERADOR DE DOBRADEIRA, OPERADOR MÁQUINA COLAGEM (EMBALAGEM), OPERADOR DE GRAMPEADEIRA, OPERADOR GUILHOTINA, OPERADOR MÁQUINA MONT. CAPA AUTOMÁTICA, PLASTIFICADOR, OPERADOR MÁQUINA COSTURA (1/2 OFICIAL), OPERADOR MÁQ. ACAB. PROC. INTEGRADO (1/2 OFICIAL), AJUDANTE GERAL / AUXILIAR DE ACABAMENTO, BLOQUISTA, AJUDANTE DE ACABAMENTO, OPERADOR DE ACABAMENTO, 1/2 OFICIAL DE ACABAMENTO. MANUTENÇÃO GERENTE DE MANUTENÇÃO, SUP. MANUTENÇÃO MECÂNICA/ELÉTRICA/ELETRÔNICA, LÍDER MANUTENÇÃO ELETRÔNICA, LÍDER MANUTENÇÃO MECÂNICA, TÉCNICO ELETRÔNICO, ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO (OFICIAL), MECÂNICO DE MANUTENÇÃO (OFICIAL), MECÂNICO DE MANUTENÇÃO (1/2 OFICIAL), ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO (1/2 OFICIAL), AUXILIAR DE MANUTENÇÃO, ENCANADOR DE MANUTENÇÃO, LÍDER DE MARCENARIA, MARCENEIRO, AJUDANTE DE MARCENEIRO, SOLDADOR DE LONA, AJUDANTE DE SOLDADOR DE LONA, PINTOR, SERRALHEIRO. PRODUÇÃO/PCP GERENTE DE PCP, SUPERVISOR/COORDENADOR DE PCP, ANALISTA DE PCP JR OU I, ANALISTA DE PCP PL OU II, ANALISTA DE PCP SR OU III, ASSISTENTE DE PCP, PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO, APONTADOR DE PRODUÇÃO, GERENTE DE TI SUPORTE E PRODUÇÃO, OPERADOR DE EMPILHADEIRA GARFO, OPERADOR DE EMPILHADEIRA CLAMP, LUBRIFICADOR, EMBALADOR. CONTROLE DE QUALIDADE GERENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE, SUPERVISOR/COORDENADOR DE CONTROLE DE QUALIDADE, ANALISTA DE SISTEMA DA QUALIDADE JR., ANALISTA DE SISTEMA DA QUALIDADE PL., ANALISTA DE SISTEMA DA QUALIDADE SR., INSPETOR DE CONTROLE DE QUALIDADE. ALMOXARIFADO SUPERVISOR/COORDENADOR DE ALMOXARIFADO, ALMOXARIFE JR., ALMOXARIFE PL., ALMOXARIFE SR., AUXILIAR DE ALMOXARIFADO.

COMERCIAL GERENTE COMERCIAL, SUPERVISOR/COORDENADOR COMERCIAL, ANALISTA DE VENDAS JR., ANALISTA DE VENDAS PL., ANALISTA DE VENDAS SR., EXECUTIVO DE CONTAS JR., EXECUTIVO DE CONTAS PL., EXECUTIVO DE CONTAS SR., ASSISTENTE DE VENDAS, SUPERVISOR/COORDENADOR DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO, ANALISTA DE IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO JR., ANALISTA DE IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO PL., ANALISTA DE IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO SR., ASSISTENTE DE IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GERENTE DE SISTEMAS, SUPERVISOR/COORDENADOR DE SISTEMAS, ANALISTA DE SISTEMAS JR. ANALISTA DE SISTEMAS PL., ANALISTA DE SISTEMAS SR., ANALISTA DE SUPORTE JR., ANALISTA DE SUPORTE PL., ANALISTA DE SUPORTE SR., ASSISTENTE DE SUPORTE. FINANCEIRO GERENTE FINANCEIRO, SUPERVISOR/COORDENADOR FINANCEIRO, ANALISTA FINANCEIRO JR., ANALISTA FINANCEIRO PL., ANALISTA FINANCEIRO SR., ASSISTENTE FINANCEIRO, AUXILIAR FINANCEIRO, ANALISTA DE CRÉDITO E COBRANÇA JR., ANALISTA DE CRÉDITO E COBRANÇA PL., ANALISTA DE CRÉDITO E COBRANÇA SR. ASSISTENTE DE CRÉDITO E COBRANÇA, AUXILIAR DE CRÉDITO E COBRANÇA. SUPRIMENTOS GERENTE DE SUPRIMENTOS, SUPERVISOR/COORDENADOR DE COMPRAS, COMPRADOR TÉCNICO JR., COMPRADOR TÉCNICO PL., COMPRADOR TÉCNICO SR., COMPRADOR (MATERIAL NÃO PRODUTIVO) JR., COMPRADOR (MATERIAL NÃO PRODUTIVO) PL., COMPRADOR (MATERIAL NÃO PRODUTIVO) SR., TÉCNICO DE MATERIAIS. RECURSOS HUMANOS GERENTE DE RECURSOS HUMANOS, SUPERVISOR/COORDENADOR DE RECURSOS HUMANOS, ANALISTA DE RECURSOS HUMANOS JR., ANALISTA DE RECURSOS HUMANOS PL., ANALISTA DE RECURSOS HUMANOS SR., ASSISTENTE DE RECURSOS HUMANOS, AUXILIAR DE RECURSOS HUMANOS, ANALISTA DE PESSOAL JR., ANALISTA DE PESSOAL PL., ANALISTA DE PESSOAL SR., ASSISTENTE DE PESSOAL, AUXILIAR DE PESSOAL, MÉDICO DO TRABALHO (4 HORAS), ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO, TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO JR., TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO PL., TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO SR., TÉCNICO DE ENFERMAGEM DO TRABALHO, AUXILIAR DE ENFERMAGEM DO TRABALHO. MEIO AMBIENTE SUPERVISOR/COORDENADOR DE MEIO AMBIENTE, ANALISTA DE MEIO AMBIENTE JR., ANALISTA DE MEIO AMBIENTE PL., ANALISTA DE MEIO AMBIENTE SR., TÉCNICO DE MEIO AMBIENTE. CONTABILIDADE GERENTE DE CONTABILIDADE, SUPERVISOR/COORDENADOR DE CONTABILIDADE, CONTROLLER, ANALISTA CONTÁBIL JR., ANALISTA CONTÁBIL PL., ANALISTA CONTÁBIL SR., ASSISTENTE DE CONTABILIDADE, AUXILIAR DE CONTABILIDADE, ANALISTA FISCAL JR., ANALISTA FISCAL PL., ANALISTA FISCAL SR., ASSISTENTE FISCAL, AUXILIAR FISCAL, ANALISTA DE CUSTOS JR., ANALISTA DE CUSTOS PL., ANALISTA DE CUSTOS SR., ASSISTENTE DE CUSTOS, AUXILIAR DE CUSTOS. ORÇAMENTOS SUPERVISOR/COORDENADOR DE ORÇAMENTOS GRÁFICOS, ORÇAMENTISTA GRÁFICO JR., ORÇAMENTISTA GRÁFICO PL., ORÇAMENTISTA GRÁFICO SR., ASSISTENTE DE ORÇAMENTOS, AUXILIAR DE ORÇAMENTOS. EXPEDIÇÃO/FATURAMENTO SUPERVISOR/COORDENADOR DE EXPEDIÇÃO, LÍDER DE EXPEDIÇÃO, ASSISTENTE DE EXPEDIÇÃO, AUXILIAR DE EXPEDIÇÃO, SUPERVISOR/COORDENADOR DE FATURAMENTO, FATURISTA JR., FATURISTA PL., FATURISTA SR., ASSISTENTE DE FATURAMENTO, AUXILIAR DE FATURAMENTO. LOGÍSTICA GERENTE DE LOGÍSTICA, SUPERVISOR/COORDENADOR DE LOGÍSTICA, ANALISTA DE LOGÍSTICA JR. ANALISTA DE LOGÍSTICA PL., ANALISTA DE LOGÍSTICA SR., ASSISTENTE DE LOGÍSTICA, AUXILIAR DE LOGÍSTICA. ATENDIMENTO AO CLIENTE GERENTE DE ATENDIMENTO AO CLIENTE, SUPERVISOR/COORDENADOR DE ATENDIMENTO, ANALISTA DE ATENDIMENTO JR., ANALISTA DE ATENDIMENTO PL., ANALISTA DE ATENDIMENTO SR., ASSISTENTE DE ATENDIMENTO. ADMINISTRATIVA ASSISTENTE ADMINISTRATIVO, AUXILIAR ADMINISTRATIVO, SECRETÁRIA DE DIRETORIA, ASSISTENTE DE DIRETORIA, RECEPCIONISTA, TELEFONISTA (6 HORAS), MOTORISTA DE DIRETORIA, MOTORISTA DE VEÍCULOS LEVES, MOTORISTA DE VEÍCULOS PESADOS.

TOTAL 266 CARGOS

Execução

Realização

Para mais informações ligue para (11) 3232-4500 ou escreva para sindigraf@sindigraf.org.br www.sindigraf.org.br


Inscrições cursos regulares

SENAI

“Theobaldo De Nigris ”

Pós-graduação - Inscrições abertas permanentemente Desenvolvimento e produção de embalagens flexíveis. Planejamento e produção de mídia impressa. Gestão inovadora da empresa gráfica. Técnico em pré-impressão, impressão offset, rotogravura e flexografia Candidatos da comunidade Inscrições:14/10/2013 a 11/11/2013 Superior de tecnologia em produção gráfica Inscrições: 01/10/2013 a 25/11/2013

Aprendizagem industrial - Auxiliar de produção gráfica - inscrições gratuitas Candidatos da comunidade, nascidos de: 20/01/1998 a 20/01/2000 Inscrições: 09/10/2013 a 16/10/2013

Inscrições pelo site:

www.sp.senai.br/processoseletivo

Escola SENAI “Theobaldo De Nigris” Rua Bresser, 2315 | Tel: (11) 2797-6333/6301/6302/6303 http://grafica.sp.senai.br | formacao.continuada.grafica@sp.senai.br


2

3

Valdemir Cunha 1

92 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013


4

5

F OTOG R A F I A

Fotógrafo, jornalista e editor, Valdemir Cunha corre o País documentando-​­o e redescobrindo-​­o. Tânia Galluzzi

93 julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF


6

7

Nas entranhas do Brasil

E

1 ( fundo da página dupla anterior) Lençóis Maranhenses, 2010 2 Canudos, BA, 2012 3 Foz do Rio São Francisco, SE, 2013 4 Rabecas produzidas no Speragui, PR, 2013 5 Monte Roraima, lado venezuelano, 2009 6 Foz do Iguaçú, PR, 2009 7 Produção de farinha em Piciguaba, SP, 2013 8 Crianças em Jericoacoara, CE, 2004

m outubro circulará o novo livro de Valdemir Cunha, Brasil Litoral, segundo da série Lugares do Brasil, iniciada em 2011 com Brasil Natural. A meta é, em 10 ou 12 anos, cobrir 49 microrregiões pouco conhecidas ou isoladas do território nacional, sete em cada edição. O primeiro da série trouxe os sete parques nacionais mais visitados e o segundo apresenta sete trechos da costa, do Paraná ao leste do Maranhão. Não bastassem os cenários deslumbrantes de um Brasil pouco visto, a câmera de Valdemir Cunha, 47 anos, aponta para as comunidades que teimam em subsistir nessas ­áreas, sobretudo com o objetivo de mostrar como a diversidade geográfica tem influência decisiva na vida das pessoas. 8

Esse é o norte do trabalho de Valdemir desde o ano 2000, quando o jornalista e fotógrafo criou a Editora Origem, mirando a viabilização de projetos ligados à temática brasileira, sua geo­gra­fia, população e cultura. O primeiro livro demorou um pouco a sair. Retratos do Brasil, coletânea de cenas brasileiras, foi publicado pela Editora Origem em 2006. No ano seguinte foi a vez de Pantanal: O Último Éden. Em 2008, O Brasil Genial da Oficina de Agosto e Mão Preciosa: O Artesanato do Ceará. Em 2009, mais dois: Tietê: Um Rio de Várias Faces e A Paisagem e o Olhar. Paraíba do Sul: Um Rio de História foi o projeto de

94 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

2010, seguido por Brasil Natural, em 2011, Brasil Invisível, no ano passado, e agora Brasil Litoral. Em maio de 2014 será lançado Revisitando o Rio Tietê, cujos recursos já foram captados e atualmente está em fase de pesquisa e produção das imagens. Antes dele, em março, está programada a publicação de Minha Pequena Alemanha, título provisório, sobre a influência da cultura alemã no Brasil. A editora busca recursos para outros projetos: Vaqueiro das Águas, sobre o homem pantaneiro, e para a série que tratará das monoculturas que modelaram a economia nacional — cacau, cana-​­de-açúcar e café. O fôlego para essa produção intensa e estruturada vem do terceiro papel exercido por Valdemir, o de publisher. A desenvoltura nesse campo ele adquiriu nos oito anos que atuou como editor executivo na Editora Peixes, além de acumular o cargo de editor executivo da revista Caminhos da Terra. “Uma das grandes dificuldades dos fotógrafos na produção de livros está em ligar todos os pontos”. Inspirando-​­se nos passos de Araquém Alcântara, fotógrafo de natureza com mais de 40 livros publicados, Valdemir pensa em projetos consistentes, que cada vez mais extrapolam o livro em si. “No Brasil Litoral, por exemplo, realizarei oficinas fotográficas em quatro localidades retratadas no livro, atendendo 600 crianças. O Brasil Invisível gerou um aplicativo para tablets e os livros têm seus respectivos sites para que o conteúdo seja democratizado”. 


CHEGOU A HORA COPA DO SEU TIME ENTRAR EM CAMPO

PINI

A Copa PINI - 23ª Edição do Prêmio Brasileiro de Excelência Gráfica Fernando Pini – convoca estes craques para entrar em campo com talento, ousadia e garra e fazer parte da seleção que contará com o melhor que o mercado gráfico tem a oferecer na atualidade.

CRONOGRAMA Julgamento 1ª fase: 1ª quinzena de Outubro Julgamento 2ª fase: 1ª quinzena de Novembro Premiação: 26 de Novembro

INSCRIÇÕES Com desconto até 6 de Setembro

Associados adimplentes da ABTG/ABIGRAF/ANJ/SINDIGRAFS/SINGRAFS Associados das Entidades de Apoio Não Associados

R$ 315,00 R$ 315,00 R$ 415,00

Sem desconto de 7 de Setembro a 13 de Setembro

Associados adimplentes da ABTG/ABIGRAF/ANJ/SINDIGRAFS/SINGRAFS Associados das Entidades de Apoio Não Associados

R$ 365,00 R$ 365,00 R$ 450,00

REGULAMENTO E MAIORES INFORMAÇÕES: www.fernandopini.org.br Todos os produtos inscritos nos Prêmios Regionais terão 20% de desconto nas inscrições do Fernando Pini. Realização

Patrocínio Diamante

Patrocínio Bronze

Patrocínio Ouro

Patrocínio Prata


9 10

 9 Campeiro na Serra Catarinense, 2008 10 Guarás no Superagui, PR, 2013 11 Pescador na Ilha dos Lençóis, MA, 2013

11

IMAGENS DE UMA ÉPOCA

96

& VALDEMIR CUNHA Tel. (11) 3645-​­0301 www.valdemircunha.com.br REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Valdemir tem convicção de que o Brasil dos pequenos núcleos populacionais vivendo de forma tradicional, em sua maioria do extrativismo, não tarda a desaparecer. “O Brasil precisa ser fotografado. As transformações também estão chegando nesse Brasil e sei que o que estou documentando hoje virará história”. Fotografando o País há 25 anos, ele afirma ser testemunha do impacto dos programas de inclusão social sobre populações que antes viviam abaixo da linha de pobreza. “Hoje, o menino que mora na Serra do Divisor, no Acre, vai à escola. As dificuldades de acesso não mudaram, mas já há famílias que entendem a importância da educação”. Testemunhar e buscar essas mudanças positivas nutre o olhar otimista sustentado por Valdemir, explicitado no Brasil Invisível, seu livro de maior repercussão. Fruto de 10 anos de trabalho e inúmeras viagens por todos os estados, o

livro mostra o cotidiano de gente que luta por uma vida melhor para seus filhos e é feliz a despeito de suas privações. Essa gente está igualmente presente no Brasil Natural, o mais vendido, cuja tiragem de 3.000 exemplares esgotou-​­se em seis meses. O sucesso Valdemir atribui ao fato de ser este um livro para viajantes, com dicas para pessoas que gostam de conhecer lugares novos. Ambos, assim como Brasil Litoral, foram impressos na Pancrom. Parceria ainda mais longa foi construída com o jornalista Xavier Bartaburu, com quem Valdemir trabalha há 10 anos. Chegando a viajar 20 dias por mês, o que ainda falta ver em terras brasileiras? “Conheço muito bem o litoral, mas estou tateando a Amazônia”. O fotógrafo deve se aprofundar na região por conta do Projeto Água, que mostrará pessoas que convivem com a abundância do recurso e outras com a absoluta falta dele, contrastando a floresta equatorial com o sertão nordestino.


GESTÃO

Sistema de Gestão EFI Metrics

Fiery

IMPRESSÃO

y

Web-to-Print

XF

Controle de Produção

Cross Media

Digital

Controlador de Produção

er Fi

Planejamento

F

Orçamento

ie ry

C

Digital Store Front OPS

PRÉ-IMPRESSÃO

en tr al

AQUISIÇÃO

Grandes Formatos VUTEk

Finanças e Materiais Informações Gerenciais

Venda mais usando a Internet

Administre com eficiência e controle

Automação Workflow Automatize a produção reduza custos e aumente a qualidade

Offset, Rotativa, Flexo

Integre Tecnologias

EXISTE UMA SOLUÇÃO COMPLETA PARA SUA EMPRESA?

D

FINITIVAMENTE SIM.

Tenha todas as ferramentas de sucesso com a EFI Os produtos da EFITM oferecem à sua empresa uma solução completa do início ao fim, controlando todos os processos desde o momento em que o cliente realiza um pedido até o recebimento do mesmo. Seja mais rentável e competitivo com a EFI. Conheça nossas soluções: web-to-print, cross media, sistema de gestão Metrics, controladores Fiery, impressoras de grandes formatos VUTEk e as impressoras de rótulos e etiquetas Jetrion.

Ligue, acesse ou escaneie para saber mais 55(11) 2199.0100 | br.marketing@efi.com efi.com | metrics.com.br ©2013 EFI. Todos os direitos reservados.


SISTEMA ABIGRAF NOTÍCIAS

Posse das diretorias do Sindigraf‑SP e da ABTG Cerimônia oficial também marcou homenagem à Companhia Melhoramentos, sócia número 1 do sindicato patronal paulista. ois importantes eventos marcaram a reunião das diretorias executivas da Abigraf em 30 de julho. O primeiro foi a posse formal das diretorias eleitas para o triênio 2013-​­2016 do Sindigraf‑SP e da ABTG, seguida de homenagem à empresa que é a sócia número 1 do sindicato: a Companhia Melhoramentos de São Paulo. Como anfitrião das solenidades, o presidente da Abigraf‑SP, Levi Ceregato, fez a apresentação dos novos presidentes e desejou que suas gestões sejam pautadas pela busca de proximidade com os associados. Ele também fez comentários sobre o presidente reeleito do Sindigraf‑SP, Fabio Arruda Mortara, elogiando a simplicidade, eficiência e transparência da gestão que se encerrou. “Tenho consciência da importância e do peso da caneta do

Fabio Arruda Mortara, reeleito para nova gestão à frente do Sindigraf-SP

98 98

Sindigraf‑SP, cujas ações são referência nacional para o setor”, agradeceu Mortara. Para a gestão que se inicia, ele destacou três bandeiras: a modernização do estatuto do sindicato, a valorização da sindicalização e a implantação de um encontro nacional dos sindicatos gráficos no calendário setorial. O primeiro deles acontecerá em 16 de

Fotos: Álvaro Motta

D

Durante reunião das diretorias executivas das entidades, foi realizada a posse formal das diretorias eleitas do Sindigraf-SP e ABTG para o triênio 2013 a 2016

setembro, antecedendo a cerimônia comemorativa de posse. Nessa continuidade ao trabalho desenvolvido, o líder sindical reforçou sua política de combate aos problemas que impedem o crescimento do setor. “No mundo inteiro a indústria gráfica passa por transformações, e a brasileira e paulista não são exceções. A propalada popularização das mídias eletrônicas é uma das impulsionadoras das mudanças, mas não explica sozinha as crescentes dificuldades do setor. Basta lembrar que, nos últimos anos, os salários da indústria gráfica paulista cresceram acima da inflação e dos ganhos de produtividade, comprimindo ainda mais as já precárias margens de lucro do setor”, comentou Mortara, ressaltando também a importância da entidade no sentido de compreender esse cenário e auxiliar as gráficas a se adaptarem.

REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

mão de obra, dos produtos e da impressão no País (veja matéria na página 100).

Claudio Baronni foi empossado como presidente executivo da ABTG

Dando sequência ao evento, o ex-​­presidente executivo e atual presidente do Conselho da ABTG, Reinaldo Espinosa, agradeceu o legado de aprendizado diário com as pessoas e projetos que capitaneou na entidade e reafirmou sua disposição de seguir contribuindo para que “a ABTG de amanhã faça sempre melhor do que fez ontem”. Seu sucessor, Claudio Baronni, elogiou o avanço da instituição na gestão de Espinosa e garantiu que daria continuidade à busca contínua de aprimoramento da

HOMENAGEM Em seguida, Levi Ceregato fez uma homenagem à Cia. Melhoramentos. Em seu discurso, lembrou momentos de pioneirismo da empresa, criada em 1890. Recordou ainda que a empresa é sócia número 1 do sindicato (na época denominado Associação dos Industriais e Comerciantes Gráficos), de cuja fundação, em 1923, foi articuladora ativa. Como reconhecimento, apresentou a placa comemorativa que será instalada na entrada da sede. Para recebê-​­la, foram convidados o atual presidente da Melhoramentos, Alfredo Weiszflog, e seu diretor Alfried Karl Plö­ger, que foi presidente da Abigraf Nacional e da regional paulista. “As nossas entidades da indústria gráfica orgulham-​­se de


Companhias Abertas (Abrasca), além de integrar o grupo fundador da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). “O mundo gráfico é pequeno. Nele todos se conhecem e essa é uma homenagem que muito nos emociona”, comentou Weiszflog. Em sua g es t ã o como presidente da Alfredo Weiszflog, presidente da Cia. Melhoramentos de São Paulo, filiada número 1 do sindicato, Abigraf Nacional, Alexibe a placa comemorativa juntamente com Alfried Karl Plöger, diretor da empresa, ladeados por fried Plö­g er criou o Fabio Arruda Mortara e Levi Ceregato Prêmio de Responsacontar com sua presença como Sears, em São Paulo. Tanto ele bilidade Socioambiental e, anassociados e de tê-​­los em nos- quanto Weiszflog frisaram que tes disso, quando foi diretor fisa galeria de dirigentes”, disse a tradição de prestigiar as enti- nanceiro, organizou a geração Ceregato em seu discurso. dades de classe está no DNA da de recursos a ponto de estruEm agradecimento, Plö­g er Melhoramentos — que é sócia turar as finanças para a compra contou que sua ligação com a número 1 também da Associa- da atual sede. “Temos como filoindústria gráfica vem desde a ção Comercial de São Paulo, da sofia que ninguém faz nada soinfância, quando acompanhava Câmara Brasileira do Livro (CBL) zinho. Só o espírito associativo o pai nos jantares da Abigraf, na e da Associação Brasileira das constrói”, disse Plö­ger.

DIRETORIA EXECUTIVA – Presidente: Fabio Arruda Mortara ◆ 1º Vice‑Presidente: Ricardo Marques Coube ◆ 2º Vice‑Presidente: Sidney Anversa Victor ◆ Diretor Administrativo: Umberto Giannobile ◆ Diretor Administrativo Adjunto: Paulo Gonçalves ◆ Diretor Financeiro: Beatriz Duckur Bignardi ◆ Diretor Financeiro Adjunto: Moacir J. Bérgamo ◆ Diretor de Marketing: Alexandre Tadeu dos Santos ◆ Suplentes: José Carlos Christiani de La Torre, Ricardo Cruz Lobato, Rodney Paloni Casadei, Valdomiro Luiz Paffaro, Fábio Sarje e Jorge Águedo J. Peres de Oliveira Fº ◆ CONSELHO FISCAL: Carlos Roberto Jacomine da Silva, Marina Romitti Kfouri e Edson Antonio Bianchi ◆ Suplentes: Antonio Carlos Brusco, Sander Luiz Uzuelle e Flavio Tomaz Medeiros ◆ DELEGADOS – FIESP: Fabio Arruda Mortara, Mário César Martins de Camargo ◆ Suplentes: Levi Ceregato e Ricardo Marques Coube

que tem por objetivo disponibilizar ferramentas de gestão para o fortalecimento dos sindicatos patronais. O curso capacita gestores e oferece um programa que dialoga com os mais avançados modelos de gestão e peculiaridades do processo sindical. Ao todo, foram 22 profissionais graduados na turma

inaugural. Participaram da solenidade de graduação o presidente da Fiesp, Paulo Skaf; diretores da entidade; o presidente da Trevisan, Antoninho Marmo Trevisan; coordenadores e professores responsáveis pelo projeto; presidentes e executivos dos sindicatos, além dos formandos e seus familiares.

Apoio ao ensino O Sindigraf-SP se destaca pela contribuição dada aos jovens estudantes, desde o ensino técnico até o superior.

D

esde sua criação, há 90 anos, o Sindigraf‑SP tem como uma de suas missões contribuir com a capacitação dos profissionais da indústria gráfica. Uma das ações promovidas pelo sindicato neste sentido tem sido o custeio do curso superior em tecnologia gráfica para alguns estudantes. Em 2013, dando continuidade a este trabalho, o sindicato manteve oito alunos cuja renda familiar é inferior a um e meio salário mínimo nacional. São eles: Andressa Pereira Nunes, Edvânia Cavalcanti da Silva, João Batista Leodônio, Lucas Alves de Brito Vieira, Luciely Clarice Santos de Franca, Rodrigo Caetano Bertolino Rosa, Rodrigo Freitas Bitencourt e Roseli Aparecida Gualdevi, alunos

regulares do curso superior de Tecnologia em Produção Gráfica, da Escola Senai Theobaldo De Nigris, na capital paulista. GESTÃO SINDICAL Também recentemente, Priscila Miranda, colaboradora do Sindigraf‑SP, que atua na área administrativa financeira há aproximadamente dois anos, integrou a turma de formandos do curso de pós-​­graduação em Gestão Sindical, realizado pela Central de Serviços (Cser) da Fiesp, em parceria com a Trevisan Escola de Negócios. A cerimônia de entrega de diplomas, realizada a 18 de junho, no prédio da Fiesp, celebrou também a formatura da primeira turma de um projeto pioneiro no Brasil,

DIRETORIA DO SINDICATO DAS INDÚSTRIAS GRÁFICAS NO ESTADO DE SÃO PAULO (SINDIGRAF‑SP) Gestão 2013 / 2016

(E/D): Marcos Hiller, paraninfo da turma; Irani Cavagnoli, coordenador do curso; a colaboradora Priscila Miranda e o diretor da Cser, Paulo Henrique Schoueri.

julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF

99 99


SISTEMA ABIGRAF NOTÍCIAS

Claudio Baronni é o novo presidente da ABTG Reinaldo Espinosa entrega a presidência da diretoria executiva a Claudio Baronni, assumindo seu lugar na presidência do conselho diretivo da entidade.

100 100

Foto: Álvaro Motta

N

o dia 30 de julho tomou posse a nova diretoria da ABTG, eleita para o triênio 2013/2016. Reinaldo Espinosa e Claudio Baronni trocam de lugar. “O grande desafio da nova gestão é dar continuidade ao bom trabalho desenvolvido nos últimos três anos”, afirma Claudio Baronni. Nesse período, a ABTG caminhou no sentido da renovação, objetivando entender as novas plataformas para apresentá-​­las aos associados como oportunidades de negócio. “A ABTG fez a lição de casa. Desde o Congraf, em 2011, insistimos que é preciso um olhar além do papel, integrando a impressão às mídias digitais”, comenta Reinaldo. Porém, para ele fica a sensação de que mais poderia ter sido feito, sobretudo na comunicação dos eventos e iniciativas da associação. “Precisamos ampliar nossa cobertura, contudo, mesmo que tivéssemos êxito nessa área, não sei se atrairíamos um público maior. A audiência vem crescendo, mas o que vejo em eventos que percorrem várias cidades são sempre as mesmas pessoas e empresas, ávidas por informação de qualidade”. Justamente por atingir um grupo carente de informação, formado pelas micro e pequenas gráficas, Reinaldo destaca, entre as atividades da entidade em sua gestão, a ABTG Junior. Focada nesse nicho, a ABTG Junior é uma consultoria modular, gratuita, na qual em um único dia, o técnico faz uma análise dos processos industriais, emitindo um relatório que revela pontos fortes e fracos na operação. “Até o final deste ano atenderemos cerca de 90 empresas e, depois de algum tempo, é muito gratificante ver, por exemplo,

Invertendo os cargos que exerceram na gestão anterior, para o triênio 2013/2016 Claudio Baronni (E) assume a presidência executiva da ABTG e Reinaldo Espinosa a presidência do conselho diretivo

gráficas com até 20 funcionários recebendo a certificação ISO”. Outra meta, ampliar a abrangência do Prêmio Fernando Pini, foi igualmente atingida. Com maior participação dos DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA GRÁFICA (ABTG) Gestão 2013 / 2016 CONSELHO DIRETIVO – Presidente: Reinaldo Espinosa ◆ 1º Vice‑Presidente: Bruno Cialone ◆ 2º Vice‑Presidente: Carlos Suriani ◆ Conselheiros: Fabio Arruda Mortara, Levi Ceregato, Mauro Jorge Melli Carvalho Jr., Maurício Montoro Groke, Francisco Sanches Nogueira Neto, Cristina Barros, Rodrigo Schoenacher Pacheco, Jair Leite, Valdézio Bezerra de Figueiredo, Julião Flaves Gaúna, Vicente de Paula Aleixo Dias e Francisco Veloso Filho ◆ Suplentes: Valter Marques Baptista, José Pires de Araújo Jr., Alexandre T. dos Santos e Luiz Edmundo Marques Coube ◆ CONSELHO FISCAL: João Élcio Luongo Júnior, Paulo Gonçalves e Murilo Lima Trindade ◆ Suplentes: Beatriz Duckur Bignardi, Max Heinz Günther Schrappe e Flavio Tomaz Medeiros ◆ CONSELHO DE CERTIFICAÇÃO: Presidente: Mário César Martins de Camargo ◆ Conselheiros: Eduardo Gândara Costa, José Ricardo Scareli Carrijo, Carlos Alberto Cardozo e Enéias Nunes da Silva ◆ DIRETORIA EXECUTIVA – Presidente: Claudio Baronni ◆ Vice‑Presidente: Ricardo Marques Coube ◆ Diretor Técnico: Manoel Manteigas de Oliveira ◆ Diretora Técnica Adjunta: Eufemia Paez Soares ◆ Diretor Financeiro: Carlos Roberto Jacomine da Silva ◆ Diretor Financeiro Adjunto: Luiz Gornstein

REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

concursos regionais, a edição nacional atraiu 230 empresas de 18 estados em sua 22ª edição. O número de trabalhos inscritos, 1.501 produtos, também foi comemorado por representar um crescimento significativo em relação às últimas cinco edições. Dentre os novos projetos, a menina dos olhos é o Exame Nacional de Avaliação para Capacitação dos Profissionais Gráficos (Enac), lançado no final do ano passado. “Estamos convictos de que a produtividade está diretamente relacionada à educação e à capacitação das pessoas, o que torna o Enac uma poderosa ferramenta”. E o empresário estende esse benefício à própria ABTG, que paulatinamente formará uma base de dados consistente sobre o setor em todo o País, na qual poderá fundamentar suas ações. “Vamos amadurecer como indústria quando conhecermos profundamente nossa força de trabalho”. A gestão de Reinaldo promoveu também o realinhamento da Semana de Artes Gráficas, que completou oito anos. Percorrendo o Estado de São Paulo, os temas do evento passaram a contemplar o tripé gestão, tecnologia e inovação. “Em 205 anos de atividade no Brasil, essa é a primeira vez que a indústria

Experiência de liderança

C laudio Baronni, novo presidente executivo da ABTG, integra as diretorias da ABTG e da Abigraf desde 2010. Formado em Engenharia Mecânica pela Poli (USP) em 1968, ingressou no setor gráfico em janeiro de 1969, na montagem de uma fábrica de envelopes. Em 1971 entrou na Abril como subgerente de manutenção, alcançando o posto máximo de superintendente da divisão industrial. Em 41 anos, protagonizou modificações que marcaram não só a Abril, como toda a indústria. A Gráfica Abril foi a primeira no mundo a adotar a gravação direta de chapas e cilindros, para offset e rotogravura, no final dos anos 80. O endereçamento automático da revista Veja para seus mais de um milhão de assinantes em meados da década de 90 foi igualmente um marco importante. Mais recentemente, Baronni implantou o sistema de gerenciamento da produção, desenvolvido pela Abril em parceria com a Metrics. Baronni conta que uma de suas preocupações sempre foi a comunicação interna. Para ele, a qualidade depende da participação de todos. “Chegávamos a parar a gráfica para falar dos resultados e objetivos da empresa, e com a participação ativa dos funcionários alcançamos o patamar de cinco melhorias sugeridas por eles implantadas por ano.” O executivo leva essa experiência para a ABTG, dispondo-​­se a profissionalizar ainda mais a gestão da entidade. gráfica enfrenta uma experiência de transformação com impacto direto nos volumes. Vencer essa fase vai depender da capacidade do empresário de gerir, transformar e inovar”.


SISTEMA ABIGRAF NOTÍCIAS

Regionais têm diretorias renovadas Entidades que representam a indústria gráfica no Mato Grosso do Sul e no Rio Grande do Sul elegeram suas diretorias para o triênio 2013–​­2016.

A

Abigraf‑MS e o Sindigraf‑MS têm novas diretorias, desde março, para as quais Julião Flaves Gaúna foi reeleito presidente, com a solenidade de posse realizada em 18 de maio. Assumindo seu segundo mandato, Gaúna afirma que o planejamento estratégico será o fio condutor dessa gestão. “Queremos mostrar oportunidades para o setor, como a diversificação para atender as novas demandas e outros mercados. Pretendemos incentivar a exportação e fortalecer o sindicato, com suporte da Fiems, CNI , ABTG e Abigraf Nacional, além de criar

um ambiente político favorável”, afirmou. Na regional do Rio Grande do Sul, a cerimônia de posse da nova diretoria ocorreu no dia 28 de junho. Angelo Gar­bars­ ki, presidente eleito, salienta uma das principais preocupações do empresário gaúcho: a concorrência com empresas que se autodenominam “gráficas convencionais”. “Duas de nossas grandes preocupações são a desmoralização do setor, com as chamadas ‘gráficas de pasta’ concorrendo igualmente com as empresas sérias, oferecendo preços absurdos e sem recolher os devidos

impostos, e a desoneração da folha de pagamento”, comenta Gar­bars­ki, acrescentando que, no tocante à concorrência desleal, o governo do Estado analisa a publicação de decreto que exija um atestado de capacidade fornecido pela própria Abigraf‑RS, que poderá, inclusive, ser estendido a outros setores, em parceria com entidades das respectivas ­áreas. EXPECTATIVAS Questionados sobre as perspectivas que têm para o setor em 2013, os presidentes recém-​­ e mpossados mostraram visões opostas: enquanto

Gar­b ars­k i não vislumbra um resultado positivo, Gaúna mantém um olhar mais otimista. O representante dos gráficos gaúchos ressalta que a forte concorrência externa, carga elevada de impostos — principalmente aqueles aplicados na importação de papéis — e a não desoneração da folha de pagamento são os principais impasses para a indústria gráfica brasileira neste ano. Já no entender de Julião Gaúna, um meio de superar as dificuldades do setor gráfico é buscar o aprimoramento profissional com foco em inovações e nas suas peculiaridades.

AS NOVAS DIRETORIAS DAS REGIONAIS E SINDICATOS DOS ESTADOS DO MATO GROSSO DO SUL E RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA DO SINDICATO DA INDÚSTRIA GRÁFICA NO RIO GRANDE DO SUL Gestão 2013 a 2016 DIRETORIA Presidente: Ângelo Garbarski ◆ 1º vice‑presidente: Arthur Adalberto Schabbach ◆ 2º vice‑presidente: Silvio José dos Santos ◆ 3º vice‑presidente: Lourival Lopes dos Reis ◆ 1º diretor administrativo: Roque Noschang ◆ 2º  diretor administrativo: José Roberto Lobraico da Silva ◆ 1º diretor financeiro:Osni Tadeu dos Santos ◆ 2º diretor financeiro: Alexandre Shoeler Recktenwald ◆ Diretores plenários: Lademir dos Santos Pacheco, Davenir José Behench Hendler, Evandro Hendler Brambilla, Gustavo Andre Schneider, Matheus Martins, Juarês da Rosa, Lucas Schmitt Petry e Varlei Mesquita CONSELHO FISCAL: Marco Aurélio Vieira Paradeda, Murilo Lima Trindade, Luiz Carlos Mussulini ◆ Suplentes: Roberto Antônio Jaeger, Alfredo Oliveira de Oliveira e Nelson Ferreira Alves

102 102 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA GRÁFICA – REGIONAL RIO GRANDE DO SUL Gestão 2013 a 2016 DIRETORIA Presidente: Ângelo Garbarski ◆ 1º vice‑presidente: Arthur Adalberto Schabbach ◆ 2º vice‑presidente: Silvio José dos Santos ◆ 3º vice‑presidente: Henrique Purper ◆ 1º diretor administrativo: Roque Noschang ◆ 2º diretor administrativo: Albert Feser ◆ 1º diretor financeiro: Osni Tadeu dos Santos ◆ 2º diretor financeiro: Ricardo Kalfelz ◆ Diretores plenários: José Mazzarollo, Felipe Lima Trindade, Robson André Machado de Jesus, Claudio Gilberto Dias, Ricardo Noal Vieira da Cunha, José Luis Lermen, Adair Angelo Niquetti e Gilmar Moscarelli Levien CONSELHO FISCAL: Gilberto Bammann, Paulo Blazejuk, Alexandre Nunes dos Santos ◆ Suplentes: Paulo Francisco Assum e Roberto Llanos de Avila

DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA GRÁFICA – REGIONAL DE MATO GROSSO DO SUL Gestão 2013 a 2016 DIRETORIA Presidente: Julião Flaves Gaúna 1º Vice‑Presidente: Altair da Graça Cruz ◆ 2º Vice‑Presidente: José Paulo Rímoli ◆ 3º Vice‑Presidente: Renato de Matos Pedroso ◆ 4º Vice‑Presidente: Jairo de Osti ◆ 1º Secretário: Bernardo Lino de Menezes ◆ 2º Secretário: Francisco Maximiano de Arruda ◆ 1º Tesoureiro: Maria Mitico Honda ◆ 2º Tesoureiro: José Carlos Zanela Júnior ◆ Suplentes: Ademir Matos Paim Lemes, Duprê Garcia Coelho, Edna Maria Soares da Silva, Edson Pinto Batista, Cristiane Santos Silva Costa Carnelutti, Wagner Ferrari, José Luiz de Oliveira Penedro, Almerindo Izabel Viana e Naur Teodoro Pontes CONSELHO FISCAL: Anníbal Teixido, Irinaldo Aparecido Marques de Souza e Geremias Vieira Vasconcelos ◆ Suplentes: Dóris Estela Rojas de Abdulahad, Eder Vieira Correa e Thanis Alessandro Vasconcelos Nespolo

DIRETORIA DO SINDICATO DAS INDÚSTRIAS GRÁFICAS DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Gestão 2013 a 2016 DIRETORIA Presidente: Julião Flaves Gaúna ◆ 1º Vice‑Presidente: Euclides Gibin ◆ 2º Vice‑Presidente: Clóvis de Matos Pedroso ◆ 1º Secretário: Valton Moreira Pael Júnior ◆ 2º Secretário: Francisco Maximiano de Arruda ◆ 1º Tesoureiro: Altair da Graça Cruz ◆ 2º Tesoureiro: Osmar Herculano Diniz Neto ◆ Suplentes: Maria Mitico Honda, João Noadir Dadalto, Edna Maria Soares da Silva, Mário Akatsuka, Wagner Ferrari, Wladimir Santos da Silva e Naur Teodoro Pontes CONSELHO FISCAL: Anníbal Teixido, José Paulo Rímoli e Edson Pinto Batista ◆ Suplentes: Antonio Carlos Lacera Madrid, Geremias Vieira Vasconcelos e Nilson Aparecido dos Santos


A INDÚSTRIA GRÁFICA ESTÁ

CADA VEZ MAIS VERDE

A ABTG Certificadora acredita em um futuro mais sustentável para a indústria gráfica. Por este motivo, acabamos de lançar o Selo de Qualidade Ambiental ABTG Certificadora, um símbolo de diferenciação e reconhecimento às empresas cujas práticas contribuem para a preservação do meio ambiente e melhor qualidade de vida desta e das gerações futuras.

FALE CONOSCO E SAIBA O QUE SUA EMPRESA PRECISA PARA OBTER ESTA CERTIFICAÇÃO. (11) 3232 4539 | certificacao@abtgcert.org.br


SISTEMA ABIGRAF NOTÍCIAS

Palestras com especialistas da Trevisan Crescimento empresarial e planejamento tributário foram os temas apresentados por consultores associados da Trevisan Gestão e Consultoria, em parceria com a Fiesp.

E

m 20 de junho, o Sindigraf‑SP promoveu, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), duas palestras apresentadas por consultores associados da Trevisan Gestão & Consultoria ( TG&C ). O tema “A crise do crescimento empresarial” foi conduzido pelo engenheiro e especialista em estratégia Edison Cunha.

Vagner Jaime Rodrigues discorreu sobre “Planejamento tributário”

O tema abordado por Edison Cunha foi “A crise do crescimento empresarial”

104 104

De acordo com ele, as mudanças no mundo empresarial estão ocorrendo de modo acelerado e em três níveis: pessoal, tecnológico e organizacional. O palestrante destacou que o crescimento da indústria da informação fará que o conhecimento se transforme numa ferramenta essencial para as empresas. “A tecnologia veio para reformular os negócios e dar uma dimensão estratégica ao conhecimento do mercado. Deverá haver uma convergência entre as indústrias de entretenimento, editoriais e de mídias eletrônicas”, declarou o especialista. Todas essas mudanças trazem para o mundo empresarial

o desafio de repensar estratégias e flexibilizar os modelos organizacionais. Para contornar possíveis obstáculos, seria preciso investir em planejamento orçamentário, em tecnologia, em inovação, na marca, na criação de novos canais de vendas e no desenvolvimento de talentos. Também se faz necessário repensar a estratégia dos negócios, firmar alianças ou parcerias e lançar novos produtos ou serviços, prospectando até mesmo a expansão regional ou geográfica. Por fim, é necessário praticar a chamada gestão integrada. “É a combinação de processos, procedimentos e práticas de gestão adotadas por uma organização, para implementar suas políticas e atingir seus objetivos de forma mais eficiente, permitindo alinhar sua estratégia às operações”, explicou Cunha. PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO A segunda palestra do evento teve como tema “Planejamento tributário” e foi ministrada por

REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013

Vagner Jaime Rodrigues, mestre em Contabilidade e professor universitário. Ele abordou os aspectos complexos do sistema tributário, informando que no Brasil existem 87 tributos, segmentados em 43 contribuições, 12 impostos e 32 taxas, que giram em torno de 100 instrumentos tributários (obrigações acessórias) — de acordo com dados de 2012 do Portal Tributário e do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). “A cada 1,41 hora, em dias úteis, é emitida uma nova norma tributária no Brasil. Na média, cada empresa com operações mercantis simples, sem transações comerciais interestaduais, deve obedecer a aproximadamente 3.507 normas no exercício de suas funções”, esclareceu. Segundo o palestrante, analisando-​­se o histórico do sistema tributário brasileiro, percebe-​­se a influência de fatores políticos, e não econômicos, na sua estruturação. “Esses fatores contribuiram para que o sistema acarretasse uma carga elevada de injustiça social, que leva a informalidade a patamares insustentáveis, assim como à busca por meios ilícitos de redução da carga de impostos. Uma reforma tributária inicia-​­se pela discussão da capacidade contributiva do cidadão e finaliza-​­se pela análise da qualidades dos gastos governamentais. Mediante tudo isto percebe-​­se que para uma efetiva reforma necessitamos de vontade política por parte dos nossos governantes”, declarou Rodrigues.

Na introdução ao tema central da sua palestra, Rodrigues falou sobre a estrutura, aplicabilidade e planejamento da governança tributária — o conjunto de políticas e procedimentos visando à mitigação de riscos contingenciais, à redução do custo tributário e principalmente à maximização dos lucros.

Faleceu o vice-​ ­presidente da Abigraf‑MG e do Sigemg

N

o dia 4 de agosto faleceu o empresário gráfico David Gonçalves Lara, diretor da Rede Editora e Gráfica, de Belo Horizonte (MG). Natural da capital mineira, onde nasceu em 8 de setembro de 1957, David sempre teve participação marcante no mercado gráfico e nas suas entidades representativas, sendo 1º vice-​­presidente da Abigraf Regional MG e do Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de Minas Gerais no triênio 2010/2013.


HÁ TRINTA ANOS Notícias publicadas na Revista Abigraf de julho e agosto de 1983

O

Novos horizontes na Abigraf‑SP

edi­to­rial da edição nº 89, de julho/setembro de 1983, da Revista Abigraf, assinado pelo então presidente da entidade paulista, Max Schrappe, anun­cia­va os “novos horizontes da Abigraf”, dando conta da intenção da diretoria de transformar a Abigraf Re­gio­nal São Paulo em uma entidade viva e dinâmica, capaz de apresentar respostas às expectativas do setor gráfico. E o presidente explicava que, em nome dessa meta, a entidade estava atuan­do em vá­rias frentes, a exemplo da formulação de um código de ética capaz de reger as transações entre produtor e comprador na área de embalagens. Schrappe também anunciou medidas como a am­plia­ção do quadro as­so­cia­ti­vo e diferentes ações de impacto se­to­rial junto ao governo do Estado.

NOVA REGIONAL

Em solenidade conduzida pelo presidente na­cio­nal da

Abigraf, Sidney Fernandes, foi instalada, em julho daquele ano, a Abigraf Re­gio­nal Mato Grosso do Sul, cuja diretoria ficou cons­ti­tuí­da por David Ba­la­niúc (presidente), Clóvis de Mato Pedroso (vice-​­presidente), Vera Lúcia Mo­raes de Oliveira (secretária) e Abdo Elcarim Cheker Pimentel (tesoureiro).

Mudanças nas diretorias

Em cerimônia rea­li­za­da em 23 de setembro de 1983 na sede da Federação das In­dús­trias do Estado de São Paulo (­Fiesp), tomaram posse as novas di­re­to­ rias do Sindicato das In­dús­trias Gráficas no Estado de São Paulo (então Sigesp) e da Abigraf Na­cio­nal, tendo como presidente de ambas as entidades o empresário Sidney Fernandes. A Abigraf Minas Gerais também havia empossado nova diretoria em 22 de junho, tendo assumido a presidência Ildeu da Silveira e Silva.

Quando a China não competia

H

á 30 anos, após inverter, em 1978, a posição de dependência externa no setor, a indústria de celulose e papel conquistou para o Brasil o quinto lugar de maior exportador de celulose (era, então, o oitavo produtor mun­dial desse produto e o 12º de papel-​­cartão), suplantando a No­rue­ga e o Japão e sendo superado, na ordem, pelo Canadá, Sué­cia, Estados Unidos e Finlândia. Apesar disso, o consumo de papel per capita, de 29 kg/habitante, ainda era dez vezes menor que nos Estados Unidos, mas estimava-​­se uma expansão para 35 kg nos próximos anos.

REFORMULAÇÃO DA REVISTA

Pouco antes de completar oito anos de circulação, a Revista Abigraf (na época conhecida como Abigraf em Revista) foi reformulada para melhor atender os objetivos da Abigraf‑SP. A partir da edição nº 89 (julho/setembro 1983), a publicação passou a ser editada sob a responsabilidade da Clemente e Gramani Editora e Comunicações, que introduziu na pauta novas seções com um no­ ti­ciá­rio abrangente sobre o setor e temas como análises de mer-

cado, ava­lia­ções de desempenho das empresas e dos grupos setoriais, um painel das atividades da as­so­cia­ção e do Sindigraf‑SP e uma discussão abrangente dos possíveis rumos da indústria gráfica. A edição nº 90 também seria trimestral (outubro/dezembro), ini­c ian­d o- ​­ s e no primeiro número de 1984 a pe­rio­di­ci­da­de bimestral da revista.

Guerra perto do fim? A matéria “ICM ou ISS: o impasse perto do fim”, publicada na edição 89 da Revista Abigraf, dava como certo que a controversa questão da incidência desses impostos na produção gráfica estava próxima do fim. Isso porque, em agosto daquele ano, uma comissão de representantes do setor, liderada pelo presidente da Abigraf‑SP, Max Schrappe, e pelo presidente da Abigraf Na­cio­nal, Sidney Fernandes, esteve reunida na Secretaria da Fazenda com membros da Divisão de Fiscalização de ISS da prefeitura de São Paulo e com o consultor tributário do Estado, Alvaro Reis Laranjeiras. A reunião trouxe um consenso: é preciso redefinir o dispositivo legal que determina a cobrança dos impostos, de modo que fique perfeitamente claro quando deve ser cobrado o ICM ou o ISS.

VI Congresso Brasileiro

O principal destaque da edição nº 89 foi a cobertura do VI Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica, rea­li­za­do em Recife de 7 a 10 de setembro, com a participação de 300 em­pre­sá­rios. O centro das atenções do evento foi mesmo a questão das gráficas estatais. Na oportunidade, os industriais gráficos de todo o País aprovaram a tese da delegação pernambucana “Desestatização — fator de desenvolvimento”. No debate que se seguiu à apresentação, chegou-​ ­se à conclusão que “a estatização retira de boa parte dos brasileiros a sua liberdade e isto não é condizente com o estágio político-​­so­cial do País; a contínua estatização do ramo gráfico gera a in­via­bi­li­za­ ção da ini­cia­ti­va privada, o que poderá oca­sio­nar uma paralisação desse setor econômico: a estatização da indústria gráfica atinge, maleficamente, tanto o empresário como o ope­ra­ria­do gráfico”. julho /agosto 2013  REVISTA ABIGR AF

105


MENSAGEM

E

ria gráfica st ú d in a a ar p a v ti si o p a d en Uma ag

entivar a responsabilidade ABTG). Seu objetivo é inc ( nia de des ida ente nesta edição, a cerimô a de nossas ent ioambiental. Excepcionalm soc Em paralelo à incansável lut da que ão em raç a upe dat , rec de novembro destinadas à de premiação será no dia 26 classe em defesa de medidas áfica ental nos dam fun é , fica Brasileiro de Excelência Gr grá mio ria Prê úst º bém ocorre o 23 ‒ tam competitividade da ind não lo. e ang Pau abr São e em tud , das Américas positiva. Tal ati Fernando Pini, no Espaço dedicarmos a uma agenda ional do, como o rca me do o cçã spe a vez mais valorizado, nac pro cad a é e s, s Este prêmio, aliá só a gestão das gráfica s dos nto nta eve ese de apr o ári hos bal end el dos tra encial do cal internacionalmente, pelo nív e aproveitamento de todo o pot a nci elê exc lar. de o ticu etr âm so setor, em par onhecimento amplo como par do Brasil, em geral, e de nos r as ponderações e o rec bra barreira de 1.500 lem a e ent peu tin rom per Já é . , iro tão impresso brasile No tocante à ges do , o re sob ura rat certificado ISO 90 01:2008 endações da lite produtos inscritos e tem o de especialistas e as recom ho pen nia em mô des o eri re A c . sob de premiação antamentos que avaliza o seu processo tema: distintos estudos e lev nômicas eco ses cri das o a das maiores festas da ent um da tam era ren de entrega é consid das empresas no enf is ma s ela aqu por s res resultado o. Também se realiza, em indústria gráfica no mund indicam a obtenção de melho to, tan por e, ant ort maior feira do continente . É muito imp sto, a Of fice Brasil Escolar, ago avançadas quanto à gestão ho pen em des escritórios, escolas bom s essenciais do produtos para papelarias, em o can eri am observar os cinco elemento Trata‑se de um evento de custos, processo e risco. São e revendas de informática. empresarial: controle, caixa, al, e pod se não is qua af, dirigido ao varejo nacion requisitos dos negócios, apoiado pela Abigr eles que indicam os itens e es dor pra com , ino ições de ens . mercado cor porativo, institu prescindir em tempo alg um s. as gráficas que a par ito fissionais desses seg mento mu ão pro uir os os trib tod Tais cuidados con internacionais e s poi que a, s itiv ade pos nid agenda lhor as oportu É importante investir nessa se superem e aproveitem me de 2014. ndo Mu do ermos as adversidades pa ert Co rev a a pel s par r rta bui ela poderá contri certamente serão abe s ado nci lice os dut ra, superação e imensa anda de pro mercadológicas. Afinal, gar Deverá eclodir toda uma dem l. ebo fut ao marcas indeléveis do livres ligados capacidade de trabalho são ou simplesmente com temas s aço esp gir sur o iro! sileiros deverã empresariado gráfico brasile Em todos os municípios bra s, embalagens, nai jor e ns eti bol , iais erc para impressos com rio envelopes, material de escritó r cartazes, puzzles e baralhos, o lce regato@abig raf.org.b ndo era esp r fica . Não vamos e outros impressos temáticos proativo e propor ideias. cliente pedir. É hora de ser mercado é a realização Outro fator de estímulo ao presidente da República, de eleições, em 2014, para . erais e estaduais e senadores governadores, deputados fed a and dem am ent res rep eleitorais Como se sabe, as campanhas ctiva bém é sig nif icativa a perspe extra para as gráficas. Tam , ade rid ola esc da crescimento mercadológica atrelada ao os, crescimento da compra de livr ial enc pot redundando num me for con , 12 gicos. Em 20 cadernos e materiais pedagó Câmara Brasileira do Livro da sa qui acaba de indicar pes el), nal dos Editores de Livros (Sn (CBL) e do Sindicato Nacio e os nic téc s, fico ntí títulos cie verificou‑se crescimento dos investindo em conhecimento ão est s soa pes profissionais. As  as. Obviamente, a indústria para incrementar suas carreir a que os dessa tendência à medid gráfica terá ref lexos positiv am sej os livr os que buam para as políticas públicas contri no exterior. não e sil, impressos no Bra ntos idades, o calendário de eve ent sas nos No âmbito de contribui para estimular o fica Bra sileira da Indústria Grá do seg undo semestre também Presidente da Associação stentabilidade, Su de af igr Ab ) mio f‑SP Prê º igra 3 ‒ o (Ab lo Regional São Pau mercado. Teremos áfica Brasileira de Tecnologia Gr coordenado pela Associação

L evi C eregato

106 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2013


AgfA grAphics

Menos é Mais com

:Azura

Gerando muito menos resíduos e desperdícios, a chapa :Azura, livre de substâncias químicas, torna sustentável o processo de impressão desde as primeiras etapas, indo além da utilização do papel certificado e tinta ecologicamente correta. Ela elimina as diversas variáveis do processo, resultando em uma operação mais simples, estável e previsível, resultando em mais produtividade. Você economiza custos na compra de químicos e no descarte dos resíduos e, principalmente, minimiza o impacto ambiental, com uma forte redução no consumo de água e energia. Com tantos benefícios para o seu bolso e ao meio ambiente, a chapa :Azura é a mais utilizada hoje no mundo e agora 100% fabricada no Brasil! Recicle suas ideias. Utilize chapa sustentável. Agfa Graphics marketinggs.br@agfa.com www.agfa.com.br Tel.: 11-5188-6444 ISO 14001 . ISO 9001 . OHSAS 18001

Se todos exigirem, todos ganham e o planeta agradece.


IBF NA VANGUARDA DO CTP

SR

A MELHOR CHAPA TÉRMICA DO MERCADO! NOVA MILLION SR:

- MAIOR TIRAGEM!

. 500.000 impressões sem fornear . Acima de 1.000.000 quando forneada

S

- MAIOR RESISTÊNCIA! -

olvent

R

esistant “

. À químicos em geral: soluções de fonte, limpadores...

- MAIOR EFICIÊNCIA!

. Alta resolução . Segue imprimindo com qualidade mesmo após paradas de máquina

- MAIOR BENEFÍCIO SOBRE CUSTO!

. Não precisa de forno para a maioria dos trabalhos . Menor custo de químicos com Eco Replenisher

Consulte seu representante IBF A M E L H O R O P Ç Ã O E M C H A P A S E M 7 0 P A Í S E S.

Revista Abigraf 266  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you