Page 1

revista

issn 0103•572x

revista abigraf 262 novembro/dezembro 2012

a r t e & i n d ú s t r i a g r á f i c a • a n o x x x VII • n o v e m b r o / d e z e m b r o 2 0 1 2 • nº 2 6 2


22

REVISTA ABIGRAF ISSN 0103-572X Publicação bimestral Órgão oficial do empresariado gráfico, editado pela Associação Brasileira da Indústria Gráfica/Regional do Estado de São Paulo, com autorização da Abigraf Nacional Rua do Paraíso, 533 (Paraíso) 04103-000  São Paulo  SP Tel. (11) 3232-4500  Fax (11) 3232-4550 E-mail: abigraf@abigraf.org.br Home page: www.abigraf.org.br Presidente da Abigraf Nacional: Fabio Arruda Mortara Presidente da Abigraf Regional SP: Levi Ceregato Gerente Geral: Wagner J. Silva Conselho Editorial: Cláudio Baronni, Fabio Arruda Mortara, Igor Archipovas, Levi Ceregato, Max Schrappe, Plinio Gramani Filho, Ricardo Viveiros e Wagner J. Silva

Realismo fantástico

A obra de Mário Gruber carrega um olhar erótico e debochado, livre dos limites impostos pela arte clássica, cujos personagens do povo mesclam realidade e fantasia.

Elaboração: Clemente & Gramani Editora e Comunicações Ltda. Rua Marquês de Paranaguá, 348, 1º andar 01303-905  São Paulo  SP Administração, Redação e Publicidade: Tel. (11) 3159-3010  Fax (11) 3256-0919 E-mail: editoracg@gmail.com Diretor Responsável: Plinio Gramani Filho Redação: Tânia Galluzzi (MTb 26.897), Ada Caperuto, André Mascarenhas, Marco Antonio Eid, Milena Prado Neves e Ricardo Viveiros Revisão: Giuliana Gramani Colaboradores: Álvaro de Moya, Claudio Ferlauto, Hamilton Terni Costa e Walter Vicioni Gonçalves Edição de Arte: Cesar Mangiacavalli Produção: Rosaria Scianci e Livian Corrêa Editoração Eletrônica: Studio52 Impressão e Acabamento: Vox Editora Capa: Laminação brilho, reserva de verniz texturizado, hot stamping e relevo (com fitas MP do Brasil): UVPack

Demanda e concorrência crescem no interior

Assinatura anual (6 edições): R$ 60,00 Exemplar avulso: R$ 12,00 (11) 3159-3010 gramanieditora@gmail.com

4

Membro fundador da Confederação Latino-Americana da Indústria Gráfica (Conlatingraf)

46

A região nordeste do Estado de São Paulo vai muito bem, obrigado. Para a indústria gráfica, contudo, o aumento da demanda dilui‑se na forte concorrência calcada na modernização dos parques gráficos locais.

Fundada em 1965

REVISTA ABIGR AF  NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2012


Os desafios da indústria paulista

Milton Luiz de Melo Santos, presidente da Desenvolve SP, Agência de Desenvolvimento Paulista, fala dos benefícios oferecidos pelo organismo à indústria gráfica do Estado.

Disseminando qualidade

A edição deste ano do Prêmio Brasileiro de Excelência Gráfica Fernando Pini amplia a participação dos concursos regionais, atraindo um número maior de empresas para o certame.

Trends of Print Latin America 2012

Realizadas conjuntamente, as conferências Trends of Print e Abro reuniram 368 profissionais para a discussão do atual cenário da indústria de impressão e as principais tendências da tecnologia e oportunidades de mercado.

Técnico por excelência

Ademar de Paula figurou como um dos principais técnicos gráficos do País por mais de 30 anos, colocando sua criatividade a serviço da produtividade e da eficiência dos processos.

Fotografar é dirigir

Renê de Paula acaba de lançar o livro Joia, fazendo uso de sua habilidade na direção de uma grande equipe para explorar o tema da brasilidade através da figura feminina.

18 28 60 66 98

revista issn 0103•5 72x

ezembro 201 • 2 nº 2 6 2

revista abigraf 261 novemb ro/deze

mbro 2012

arte & indús tria gráfica • ano xxxvii • novembro/d

Capa: Retratos, óleo sobre tela, 1951 Autor: Mário Gruber

Editorial��������������������������������������������������������������� 6 Rotativa��������������������������������������������������������������� 8 Finalistas Prêmio Fernando Pini�������������������������� 28 Sappi/Couché Magno FSC���������������������������������� 44 Gráfica Art Chik/SP�������������������������������������������� 52 Opinião/ Sidney Paciornik/PR������������������������������ 54 Gráfica Cristal/SP����������������������������������������������� 56 Comprint/30 anos���������������������������������������������� 58 Bernhard Schreier/Heidelberg����������������������������� 64 Manroland Brasil/Novo presidente����������������������� 70 Sustentabilidade������������������������������������������������ 71 Educação/Walter Vicioni������������������������������������� 76

T&C/Showroom������������������������������������������������� 78 Gestão/Hamilton Terni Costa������������������������������� 80 Comunicação Impressa/Antônio Carlos Navarro �� 82 Olhar Gráfico/Cláudio Ferlauto���������������������������� 86 Quadrinhos/Álvaro de Moya�������������������������������� 90 Ilustração/Marcelo Araújo ���������������������������������� 91 International Paper/Grupo Orsa��������������������������� 92 Grupo Santa Maria/PR���������������������������������������� 94 Trelleborg/Blanquetas����������������������������������������� 96 Sistema Abigraf�����������������������������������������������102 Coluna Há 30 Anos������������������������������������������105 Mensagem/Levi Ceregato���������������������������������106

NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2012  REVISTA ABIGR AF

5


Editorial

Q

Prêmio à qualidade Novo e um prenúncio para o Ano

tante no e gráfico é um exemplo impor rqu pa O , bro Brasil, ite de 27 de novem ústria de transformação no ind da to tex Quando anunciados, na no con ca crescentes o de Excelência Gráfi junto, vem sofrendo perdas con seu em os vencedores do 22 º‒ Prêmi e, qu de gargalos e aos custos l ref letir sobre o avanço competitividade, devido aos Fernando Pini, foi inevitáve de ela to an qu o e ira muito conscientes fica brasile duzir no País. As gráficas, pro se qualidade da indústria grá de io érc com no mano, mais confortável cia da tecnolog ia, capital hu tân por im poderia estar em situação da as investindo vantagens competitiv es e gestão adequada, vêm caz efi sos ces exterior, não fossem as des pro , especialmente se econômica nacional. nte em seu aprimoramento que lhe impõe a conjuntura sta ba as: vid dú xa dei o orte de recursos com a inscritos nã ntarmos os números do ap fro O alto nível dos trabalhos con r eja des a desde 2008. nada deixam versa da economia mundial ad a tur jun intramuros, nossas empresas con de de da ntos foram mundo. Sua capaci pra de máquinas e equipame com na nte aos melhores impressores do me So os, entre 2006 e 2011. ser minada nos juros alt dos cerca de US$ 7,5 bilhões concorrer, porém, começa a lica ap s, sta lhi ba tra celência Gráfica nos encargos 22 º‒ Prêmio Brasileiro de Ex O nos impostos exagerados e ca, ídi jur ho, fazendo e insegurança Pini ref lete todo esse empen o nd é agravada pela burocracia rna Fe vai es trajetória raestrutura e às vez or que, em 204 anos de sua set um a a tiç tropeça nos gargalos da inf jus do câmbio equivocado. pela busca da qualidade Brasil, sempre se destacou a nocaute na contundência no ca áfi Gr cia ên sos e produtos. Excel rimoramento de seus proces O 22 º‒ Prêmio Brasileiro de ap do e te. ran igo ano e elemento rev írito que vencemos mais um esp e ess om Fernando Pini, porém, é um É c de de superação do a certeza de que, mais Expressa a inf inita capacida avançamos para 2013 com vel ctí efe ind sua e ldades e obteremos iro a vez, superaremos as dif icu empresariado gráfico brasile um a e lho á cada vez mais o, o traba ultados. Nossa entidade est res s crença de que o investiment bon eis tív ba im contribuir de são virtudes e mobilizada no sentido de a rad pa confiança em sua capacida pre is is forte e dição de 2012 do ma indústria seja cada vez ma ssa no e qu do empreendedorismo. A e ra pa da da sociedade e do ero em toda a América nda de modo pleno à deman importante certame do gên ate e ica âm din da imprescindível temunho do pelo impresso, essa mídia rca Latina é um gratif icante tes me na rca ma a abeleceu-se um ânea. vibração de nosso setor: est da comunicação contempor tos du pro 00 1.5 de is ma os história da premiação, com istrado desde 2008. r inscritos, maior número reg fmortara @abig raf.org.b ados, que est 18 por s ída bu tri dis as, Foram 230 gráfic para concorrer ao prêmio. inscreveram seus trabalhos a Associação Brasileira Coordenado e organizado pel ), com o apoio da de Tecnolog ia Gráfica (ABTG ústria Gráfica (Abigraf Associação Brasileira da Ind ndo Pini é uma referência Nacional), o Prêmio Ferna lidade aos impressos no setor. Confere justa visibi qualidade. E não me ref iro cuja produção primou pela , mas a todos os produtos aqui apenas aos ganhadores s participam do certame inscritos, pois seus executore pressos são caracterizados com a certeza de que seus im o! pela excelência. E são mesm

F abio A rruda M ortara

fica Bra sileira da Indústria Grá Presidente da Associação ias Gráfica s ústr Ind das to dica Sin do e (Abigraf Nacional) digraf-SP) no Estado de São Paulo (Sin

6 REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012


Se expresse em cores com Magno TM

Agora 100% FSC ©

Sappi Magno é a receita perfeita para uma impressão de sucesso. A gama incomparável do papel oferece inúmeras possibilidades criativas, enquanto reproduz coloração extraordinária, intensidade e detalhe. TM

Saiba mais em: www.sappi.com/magno

Com Sappi Magno você tem todos os ingredientes certos para entregar uma impressão consistentemente extraordinária. Página por página. Repetidas vezes. TM

E agora também 100% FSC© para o mercado brasileiro. Ou consulte nossos distribuidores no Brasil: http://www.sappi.com.br/website/ distribuidores.html


Divulgados os vencedores do 2º‒ Prêmio Ibema Gravura Cria­do para valorizar as artes

Office Brasil Escolar 2013 tem 70% de renovação no lançamento

N

8

o início de outubro ocorreu em São Paulo o lançamento da Office PaperBrasil Escolar 2013 – 27ª Feira In­ter­na­cio­nal de Pro­ dutos para Papelaria, Es­cri­tó­rios, Escolas e Revendas de Informá­ tica. Na oca­sião foi co­mer­cia­li­za­ da 70% da área disponível para exposição. “A  feira está revigo­ rada e fortalecida pelos bons resultados que obtivemos em 2012”, afirma Abdala Jamil Ab­ dala, presidente da Francal Fei­ ras, promotora do evento. Ele comenta que neste ano a par­ ticipação das empresas cres­ ceu: em 2011, 6.097 delas es­ tiveram na Office PaperBrasil, contra 7.029 em 2012, represen­ tados por 16.686 compradores, o que significa um aumento na qualificação do público. Atendendo às solicitações do mercado, a feira será ante­ cipada em 2013, acontecendo

entre os dias 19 e 22 de agosto no pavilhão de exposições do Anhembi (São Paulo). O horário também muda: das 10h às 20h (dia 22, das 10h às 17h). A meta da Francal para a pró­ xima edição é am­pliar a área de exposição em 10%, atingindo um total de 25.000 m². www.officepaperescolar.com.br

Abdala Jamil Abdala

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

gráficas em geral e a cultura da gravura em particular, a segunda edição do Prêmio Ibema Gravu­ ra recebeu neste ano a inscrição de 119 trabalhos. No dia 30 de setembro, o júri, composto por Fabio Mestriner, designer grá­ fico e coor­de­na­dor do prêmio, pela artista plástica Uia­ra Barti­ ra, professora da Escola de Músi­ ca e Belas Artes do Paraná, e pelo presidente da Abigraf Na­cio­nal, Fabio Arruda Mortara, reuniu-se para analisar e se­le­cio­nar as 20 obras vencedoras. O primeiro lu­ gar ficou com Alexandre Cama­ nho, com a obra “A Memória”, uti­ lizando a técnica de gravura em metal, água forte, buril, ponta seca, água, tinta e lavis. Alexan­ dre Pyles do Amaral conquistou o segundo lugar com “Homem com Polvo”, xilogravura em duas cores. Carmem Salazar de Araú­jo ficou em terceiro lugar com “Pai­ sagem Oca­sio­nal”, obra feita com a técnica da serigrafia. No dia 5 de novembro, na sede da Embap, em Curitiba, re­ alizou-se uma vernissage para pre­miar os três primeiros co­ locados e também apresentar todas as 20 obras se­le­cio­na­das para a exposição e o catálogo ofi­cial. Pela sua importante con­ tribuição para a difusão da arte da gravura, a primeira edição do prêmio, no ano passado, foi agra­ cia­da com o prêmio Pulp&Paper In­t er­n a­t io­n al Award – PPI 2011, na categoria Campanha Pro­mo­cio­nal do Ano. Inauguração – No mês de ou­ tubro a Ibema inaugurou em Araucária (PR) o seu novo Cen­ tro de Distribuição Direta (CDD), que, a partir de agora, passa a concentrar e otimizar toda a

1-º lugar: “A Memória”

2-º lugar: “Homem com Polvo”

3 -º lugar: “Paisagem Ocasional”

operação de distribuição da em­ presa, antes espalhada entre Londrina, Paranaguá e Curitiba. Localizado próximo à saí­da da BR116, o CDD Araucária dispõe de uma área total de 12.100 metros quadrados, com capacidade de armazenamento de 6.000 tone­ ladas, entre bobinas e paletes, e ainda 1.700 metros quadrados para carga e descarga. www.premioibemagravura.com.br www.ibema.com.br


manroland.com

Não queremos entrar em detalhes sobre o que torna uma impressora melhor do que a outra...

Cabelo humano: Ampliação x 111 em 10cm

…mas, na verdade, entramos Quando se trata da melhor impressora do mundo, indiscutivelmente, são as pequenas coisas que importam. Como a fabricação de peças essenciais de nossas impressoras com uma tolerância de apenas 4 micra, que no caso, é mais preciso do que um relógio suíço e 30 vezes mais fino do que um cabelo humano.* Este é o nível de precisão necessário para se obter a lendária qualidade de impressão da impressora plana manroland.. Por esta razão, você pode contar com mais de 600 milhões de impressos perfeitos durante a vida útil da impressora plana manroland. E por esta razão, quando se trata do investimento mais importante de sua gráfica, não pedimos licença para entrar nos detalhes.

Nem todas as impressoras são iguais. Nem todas as impressoras são manroland. manroland do Brasil Serviços Ltda. Rua das Figueiras, 474, 3º andar, Bairro Jardim, Santo André, SP, CEP 09080-300, Brasil P +55 (11) 3092-8000 E atendimento.br@manroland.com * O cabelo humano normalmente tem um diâmetro de 40 -120 micra.


Projeto distribuirá gratuitamente 2,7 milhões de livros

Foto: Luiz Alvaro de Menezes/CBL

No dia 25 de outubro a Bi­blio­

P

Editoras brasileiras marcaram presença em Frankfurt

articiparam da Feira do Livro de Frankfurt, rea­li­za­da entre os dias 10 e 14 de outubro na Ale­ manha, 46 empresas brasileiras, com 2.596 títulos, em um estan­ de de 330 m², planejado para facilitar o contato com as obras e o universo edi­to­rial brasileiro, bem como o fechamento de ne­gó­cios e a confraternização

D

10

entre os visitantes. Foi monta­ do nesse estande um auditó­ rio para a rea­li­za­ção de pales­ tras culturais e técnicas sobre o setor edi­to­rial na­cio­nal. A pre­ sença brasileira na maior feira de livros do mundo valeu tam­ bém como um “ensaio” para 2013, quando o Brasil será o país ho­me­na­gea­do.

Produção de celulose e papel mantém mesmo patamar de 2011

e janeiro a setembro de 2012 a produção de celulose e papel per­ maneceu estável em relação aos níveis de 2011. No acumulado do pe­río­do, enquanto a produção de celulose totalizou 10,4 milhões de toneladas, a de papel somou 7,6 milhões de toneladas. O mercado interno segue com bom desempenho. Com 4 mi­ lhões de toneladas, as vendas domésticas de papel cresceram 3,5% de janeiro a setembro, na comparação com o mesmo pe­río­do do ano an­te­rior. Nas vendas domésticas de celulose, com 1,2 milhão de toneladas, o crescimento acumulado de 2012 foi de 6,3% em relação aos três primeiros trimestres de 2011. A receita de exportações somou US$ 4,9 bilhões de janeiro a se­ tembro, contra US$ 5,4 bilhões no mesmo pe­río­do do ano passado, acumulando um recuo de 9,2%. REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

te­ca Na­cio­nal abriu as portas do Auditório Machado de Assis para a rea­li­z a­ção do sonho de Darcy Ribeiro, professor, antropólogo, educador, escritor e imortal da Academia Brasileira de Letras. O lançamento da Coleção Bi­blio­ te­ca Básica Brasileira – BBB ho­ menageia os 90 anos de nasci­ mento desse mineiro de Montes Claros (1922–1997). E, como ima­ ginou o seu idea­li­za­dor, essa cole­ ção será destinada às bi­blio­te­cas públicas brasileiras. Darcy Ribeiro planejou a Cole­ ção Bi­blio­te­ca Básica Brasileira na década de 60, quando era reitor da Universidade de Brasília, para pro­por­cio­nar à so­cie­da­de um co­ nhecimento mais profundo de sua história e cultura. E  agora o seu projeto está sendo concretizado pela Fundação Bi­blio­te­ca Na­cio­nal (FBN), pela Fundação Darcy Ribeiro e pela Editora UnB. O livro América Latina: A Pátria Grande, de sua au­ toria, terá um relançamento es­pe­ cial para marcar o início do projeto e homenageá-lo. Ele abre a série dessa primeira coleção, que con­ tará com nomes como Rui Barbo­ sa, Euclides da Cunha e Machado de Assis, entre outros. Ao todo a coleção contará com 150 títulos, divididos em três par­ tes com 50 obras em cada. A pre­ visão é que a cada bimestre, a partir de janeiro de 2013, dez no­ vos títulos cheguem às pratelei­ ras das bi­blio­te­cas públicas brasi­ leiras ao longo dos próximos três anos, com o auxílio do Sistema Na­cio­nal de Bi­blio­te­cas Públicas da Fundação Bi­blio­te­ca Na­cio­nal (SNBP/FBN). Essa é a primeira das quatro fases do projeto.

A segunda fase é a cria­ção do site Cultive um Livro, no qual qual­ quer usuá­rio poderá se cadastrar e escolher um dos 50 títulos da lis­ ta ini­cial da BBB e sugerir seu en­ vio gratuito a uma escola, ponto de cultura ou pessoa física cadas­ trados no site. Serão nove mil co­ leções, distribuindo um total de 450 mil exemplares. Outras 1.800 coleções, somando 90 mil exem­ plares, serão destinadas aos patro­ cinadores e Ministério da Cultura, totalizando 540  mil livros dis­tri­ buí­dos nesta fase. Na fase seguin­ te, o SNBP e o site Cultive um Livro publicarão e distribuirão 50 obras de direito protegido (que não es­ tão em domínio público), num total de 15  mil coleções. Outras 3  mil coleções serão destinadas aos patrocinadores e ao Ministé­ rio da Cultura, somando 18 mil, to­ talizando 900 mil livros. Na quar­ ta e última fase, serão publicadas e dis­tri­buí­das 50 obras de direi­ to protegido por meio do SNBP e do site Cultive um Livro, perfa­ zendo mais 15  mil coleções. Ou­ tras mil coleções serão destinadas aos patrocinadores e ao Ministério da Cultura, completando 18 mil, totalizando 900 mil livros. Nas quatro fases do projeto serão publicados e dis­tri­buí­dos gratuitamente 2.700.000 exem­ plares (54  mil coleções). Destes, 900 mil livros (18 mil coleções) se­ rão para as bi­blio­te­cas cadastra­ das no SNBP e outros 1.260.000 livros (25.200 coleções) pelo site Cultive um Livro; 270  mil exem­ plares (5.400 coleções) serão des­ tinados ao Ministério da Cultura e 270 mil exemplares (5.400 cole­ ções) para os patrocinadores. www.bn.br


É possível prever o futuro. Pelo menos o nosso. A Druck Chemie Brasil não para de crescer. Com mais de

fábrica no Brasil e, assim, oferecer um serviço ainda mais

mil clientes ativos, ela vem conquistando cada vez mais

primoroso ao mercado. Um futuro melhor nos aguarda.

sucesso, tanto que saltou da 11a para a 4a colocação no

E somos nós quem vamos construí-lo.

ranking das filiais da companhia no mundo. Mas isso é

Druck Chemie. Do início ao fim, uma boa impressão.

só o começo, pois, em 2014, vamos modernizar a nossa


Agfa revela inovações para a área de jornais D urante a World Publishing Expo 2012, rea­li­za­da entre os dias 29 e 31 de outubro em Frank­ furt, na Alemanha, a Agfa reve­ lou suas novas soluções para edi­ tores e profissionais gráficos do segmento de jornais. A indústria jornalística procura hoje novas formas de otimizar o am­bien­te de produção, para encontrar um equilíbrio entre a impressão con­ ven­cio­nal e o digital publishing de modo lucrativo. Ba­sea­da em sua ex­p e­riên­cia com fluxos de trabalho de produção re­la­cio­na­ dos a impressão automatizada, a Agfa traz o mesmo foco in­dus­ trial à publicação em dispositi­ vos móveis com o Arkitek Eversify

e outros serviços de computação em nuvem. Os novos serviços e a in­fraes­tru­tu­ra em nuvem permi­ tem aos editores e profissionais gráficos padronizarem o fluxo de produção para papel e dispositi­ vos móveis. No  caso do Arkitex

Cloud, o soft­ware e hard­ware são oferecidos em nuvem para mini­ mizar custos operacionais e com in­fraes­tru­tu­ra de TI. Com o Arki­ tex Eversify é possível automati­ zar a publicação de con­teú­do em dispositivos móveis por meio da

tecnologia SaaS (Soft­ware as a Service) na nuvem. A Agfa tam­ bém revela pela primeira vez uma solução para aperfeiçoar a qualidade de impres­ são em equipamentos mais velhos que sofrem com erros de registro mecâni­ cos, o Arkitek PressRegister, so­ lução que corrige automatica­ mente dados de imagem para elaborar produtos com impres­ são de alta qualidade. A empresa também destaca as soluções Ve­ riPress de sistema de provas, as­ sim como o CtP Advantage N HS, para impressoras de jornais de alto volume. www.agfa.com.br

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Melhoramentos apresenta nova versão da NeoLux

F

undada em 1890, a Melho­ ramentos acaba de apresen­ tar ao mercado a nova versão da ­N eoLux, sua fibra de alto rendimento. A apresentação foi rea­li­z a­da durante o ABTCP 2012 – 45º Congresso e Expo­ sição In­ter­na­cio­nal de Celulose e Papel (rea­li­za­do no início de outubro em São Paulo) e o pro­ duto deverá ser utilizado como matéria-​­prima por fabricantes de papel-​­cartão, papel hi­giê­ni­ co, papel-​­toa­lha e cartonados. O ­NeoLux garante alto desem­ penho e economia aos usuá­ rios, além de ganhos visuais

12 REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

nos produtos nos quais é apli­ cado. A fibra foi desenvolvida pela própria Melhoramentos e possui alvura su­pe­rior a 75% ISO, sendo feita com 100% de eucalipto com certificação FSC. Com investimento no mon­ tante de R$ 43  milhões na fa­ zenda Levantina, em Camandu­ caia (MG), a empresa pretende inaugurar as novas linhas de produção na fábrica em abril de 2013, atingindo o volume de 90  mil toneladas/ano, au­ mentando, assim, em 50% a capacidade ­atual. www.melhoramentos.com.br


Sistema Automático para o Controle de Papel Imune da ACE BR.

Porque tudo que é muito importante e requer total controle, merece estar nas mãos de especialistas.

O.RECOPI é a solução da ACE BR, empresa desenvolvedora de É um sistema fácil de instalar, fácil de usar, completo, totalmente automático, pois opera sem intervenção humana e integra-se a qualquer ERP disponível no mercado. ABRANGENDO O RECOPI NACIONAL Realiza: Extração de dados e elaboração de demonstrativos de estoque e transmissão à SEFAZ, contendo as informações sobre aquisições, utilizações imunes ou não, saldos em estoques, destinações, resíduos, perdas, recebimentos ou envios para industrialização. Além disso, realiza diversas operações, como exemplo, o retorno de papel simbólico e a remessa por conta e ordem, o que garante sua aplicabilidade na Indústria Fabricante

11 3019 1399 www.acebr.com.br comercial@acebr.com.br

Quem usa: “Escolhemos a solução O.RECOPI ACE BR por ser uma solução simples e objetiva, possibilitando a automação de nossas operações e garantindo qualidade em nossos processos e o cumprimento com as normas de nossa legislação”. Leandro Lima Finance & IT Trainee da International Paper do Brasil


Impressão é agora o principal foco da Kodak

A

Kodak anunciou no final de agosto sua nova estratégia de ne­gó­cios. A empresa irá enfocar principalmente os ne­gó­cios de impressão gráfica co­mer­cial e de embalagens, impressão digi­ tal e fun­cio­nal e serviços corpo­ rativos. Decidiu-se dar início ao processo de venda das unida­ des de ne­gó­cios de impressão de fotos no varejo e de soluções para digitalização e microfilma­ gem de documentos, com a ex­ pectativa de que isso esteja con­ cluí­do até o primeiro semestre de 2013. A Kodak anunciou que con­ti­nua­rá a operar com os ne­ gó­cios de impressoras multifun­ cionais jato de tinta, filmes para cinema, filmes comerciais e de

14

químicos especiais. Para o chairman da empresa, Antonio M. Pe­ rez, “a ini­cia­ção do processo de vendas desses ne­gó­cios é um importante passo na reor­ga­ni­ za­ção da nossa empresa, focan­ do no mercado de impressão co­mer­cial gráfica, o qual permi­ tirá à Kodak antecipar o momen­ to para emergir como uma em­ presa lucrativa e sustentável”. LANÇAMENTOS – No início de outubro, durante a GraphExpo 2012, em Chicago (EUA), a Ko­ dak apresentou as suas últimas novidades. Uma delas, o Kodak Intelligent PrePress Manager 2.0 (IPM 2.0), oferece para gráficas

Antonio M. Perez

comerciais, editoras e impres­ soras de embalagens uma fer­ ramenta automatizada e con­f iá­ vel para ge­ren­ciar, mesmo que remotamente, fluxos de grava­ ção digital de chapas em equi­ pamentos CtP. O IPM 2.0 já está disponível para os sistemas Ko­ dak Magnus 800 e Magnus VLF, as­ sim como para o modelo Trendset­ ter 800 e a nova Kodak Trendset­ ter 1600. A  em­ presa prome­ teu, ainda para este ano, a am­plia­ção da linha de equipamentos compatíveis com o IPM 2.0. O outro lançamento ficou por conta das chapas digitais Sonora XP e Sonora News. Eli­ minando toda e qualquer espé­ cie de processamento, incluindo uso de químicos, água, ener­ gia e outros tipos de gastos li­ gados ao uso de processadora e reveladora, uma vez gravadas as chapas Sonora podem entrar ime­dia­ta­men­te em máquina. www.kodak.com.br

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

EFI adquire a Online Print Solutions

A EFI anunciou em outubro a

aquisição da Online Print So­lu­ tions (OPS), empresa que atua com soluções web-to-​­p rint e mar­ke­ting crossmedia. A empre­ sa tem uma década de ex­pe­riên­ cia no desenvolvimento e uso de aplicações desenvolvidas para ge­ren­ciar as necessidades de pontos de varejo e design online para dados variáveis e soluções crossmedia, contando com clien­ tes na América do Norte, Europa e Ásia. O soft­ware da OPS passa­ rá a fazer parte do portfólio de soft­wares de produtividade da EFI, sendo oferecido pela em­ presa além de seu Digital Sto­ reFront. A intenção é, no futuro, integrar fun­cio­na­li­da­des e tec­ no­lo­gias dos produtos da OPS à plataforma Digital StoreFront e à tecnologia ­Fiery da EFI. A OPS, composta pela aus­ traliana Da­t aC­rea­tion Pty Ltd. e pela irlandesa Online Print Mar­ke­ting Ltd., tem es­cri­tó­rios

D

em Dublin (Irlanda), em Boston (Estados Unidos) e em Sydney (Austrália). NOVO GERENTE NO BRASIL – Em setembro, a EFI apresentou seu novo gerente de vendas da linha Cretaprint no Brasil. O executivo Vladimir Martinez de Lima, en­ genheiro mecânico es­pe­cia­li­za­ do na área in­dus­trial, que já tra­ balha no setor de impressão há 12 anos, estará à frente da co­ mer­cia­li­za­ção dos equipamen­ tos da Cretaprint, empresa es­ panhola que atua no setor de impressão em cerâmicas e foi adquirida este ano pela EFI. www.efi.com

Gomaq tem novo coordenador de mar­ke­ting

anilo Munhos foi anun­cia­ do no início de outubro como o novo coor­d e­na­d or de mar­ ke­ting da Gomaq. O pro­f is­sio­ nal tem mais de seis anos de ex­pe­riên­cia na área de promo­ ção e é formado em Mar­ke­ting pela Faculdade Anhanguera. Munhos atua desde 2011 na Go­ maq, onde já ocupou o cargo de assistente de mar­ke­ting. “Meu objetivo é atender bem todas as necessidades e desejos da nossa companhia e dos clien­ tes, além de assegurar toda a comunicação interna e externa

da Gomaq, prio­ri­zan­do sempre a qualidade de nossos serviços”, afirma Munhos. www.gomaq.com.br


www.spzoom.com.br

Distribuidor Oficial Epson | Distribuidor Master Screen | Distribuidor Ipagsa | Distribuidor Scodix | Revenda Autorizada Konica Minolta Av. Valdemar Ferreira, 159 - 05501- 000 - S達o Paulo - SP - Tel./Fax 11 2177-9400 - www.tecshopping.com.br


Congresso de celulose e papel discutiu as perspectivas do setor

Executivos das maiores in­dús­

16

trias de celulose e papel par­ ticiparam de debates sobre importantes temas durante o congresso da ­ABTCP, rea­li­za­do em São Paulo no mês de outubro. O diretor co­mer­cial de pa­ péis kraft da Klabin, José Ger­ trudes Soa­res, alertou para a falta de investimentos em pro­ jetos destinados à produção de celulose de fibra longa, utili­ zada nos pa­péis para embala­ gens. Segundo o executivo, a ­atual capacidade só será su­f i­ cien­te para atender a demanda nos próximos cinco anos. “Prati­ camente todos os grandes pro­ jetos anun­cia­dos no Brasil con­ templam a produção de fibra curta bran­q uea­d a. Por conta disso, a indústria de papel kraft está tendo que rever seu mode­ lo de ne­gó­cios e reciclar muito mais”, explicou Soa­res, ao sa­lien­ tar que o País precisa investir em ativos florestais de pinus. Falando sobre a competitivi­ dade do setor, Francisco Valério, diretor in­dus­trial da Fibria, afir­ mou que será preciso dar saltos de produtividade. “Não dá para pensar em ganhos significativos utilizando os processos atuais. É fundamental investir em ex­ celência ope­ra­cio­nal para obter resultados sustentáveis”. Já Ernesto Pousada Jr., dire­ tor executivo de operações da Suzano, destacou a bio­tec­no­ lo­g ia como um caminho sem volta para garantir a competiti­ vidade do setor, assim como a consolidação em nível global. “Hoje as dez maiores empresas

representam apenas 40% do mercado, que é bastante pulve­ rizado. Nesse sentido, a consoli­ dação pro­por­cio­na­ria sinergia e reduções expressivas de custos”. O início de operações da pri­ meira fábrica da Eldorado Ce­ lulose e Papel, em Três La­goas (MS), previsto para o mês de no­ vembro deste ano, foi o tema abordado por Reginaldo Go­ mes, diretor co­mer­cial e de lo­ gística da empresa. Sua capa­ cidade de produção ini­cial será de 1,5 milhão de toneladas/ano e deverá chegar a 5 milhões até 2020. Um dos diferenciais com­ petitivos da Eldorado é a logís­ tica, combinando o transporte por meio de hidrovia e ferrovia, utilizando vagões e locomotivas pró­prios, além de 16 barcaças com capacidade para levar até 6 mil toneladas por via­gem. O 45º Congresso e Exposi­ ção In­ter­na­cio­nal de Celulose e Papel – A ­ BTCP 2012, foi rea­li­za­do no Transamérica Expo Center, em São Paulo, de 9 a 11 de ou­ tubro. Sob a responsabilidade da As­so­cia­ção Brasileira Técni­ ca de Celulose e Papel, o evento contou com a parceria da As­so­ cia­ção Portuguesa dos Técnicos das In­dús­trias de Celulose e Pa­ pel (Tecnicelpa) e da As­so­cia­ ção Ibero-​­Americana de Docên­ cia e Investigações em Celulose e Papel (Ria­dicyp). Paralelamen­ te, ocorreu o Congresso Ibe­ ro-​­Americano de Investigações em Celulose e Papel, evento do setor an­te­rior­men­te rea­li­z a­do na Argentina, Espanha, Chile, México e Portugal.

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

União Esko Senai completa 10 anos Com o objetivo de celebrar os 10 anos de parceria entre a Esko, fornecedor de soluções em soft­ wares para embalagens, impres­ são co­mer­cial, flexografia e digi­ tal, e a Escola Senai Theo­bal­do De Nigris foi rea­li­za­da no dia 4 de outubro, uma apresentação seguida de coquetel no audi­ tório ABTG, na escola. O even­ to contou com a presença de gráficos, técnicos e membros da equipe da Esko, incluindo Carsten Knudsen, presidente da Esko. Na oportunidade, Ma­noel Manteigas de Oliveira, diretor da Theo­bal­do De Nigris, ressaltou a importância das par­ce­rias para a instituição, colaborando de­ cisivamente para que a escola possa acompanhar a evolução tecnológica do setor. O  presi­ dente da Esko falou da neces­ sidade de adaptação às novas mí­dias e como os soft­wares po­ dem ajudar nesse processo, au­ tomatizando e conferindo maior efi­ciên­cia aos processos. Em se­ guida, Heysler Hey, gerente re­ gio­nal de soft­ware, apresentou as mais recentes inovações da empresa. Entre elas, o Au­to­ma­ tion Engine, sistema de fluxo de trabalho que permite a edição

Carsten Knudsen, presidente da Esko

de PDFs e a execução de scripts e as novas ferramentas para im­ pressão co­mer­cial como o Web­ Center 12, plataforma ba­sea­da na web que gerencia a apro­ vação de pré-​­produção, acom­ panhando todo o ciclo de um projeto. O executivo destacou também o desenvolvimento da versão em português do Ar­ tiosCAD 12, soft­ware para o de­ sign estrutural de embalagens. A partir da aceitação do merca­ do, podem ser lançadas versões em português do Plato 12, pro­ grama para cria­ção de lay­outs prontos para impressão de em­ balagem e etiquetas; do ArtePro 12, editor de pré-​­produção de embalagens para Macintosh, e do DeskPack 12, que transforma o Illustrator e o Pho­to­shop em aplicativos para embalagem.

Curso da NR-10 para técnicos do Grupo Furnax

Ministrado pelo engenheiro eletricista Ettore Attilio Menini, com 40 horas de carga horária, a Furnax disponibilizou para seus técni­ cos e mecânicos o curso da Norma Regulamentadora nº 10. A NR‑10 diz respeito às diretrizes básicas para a implementação de medidas de controles preventivos, destinados a garantir a saú­de dos traba­ lhadores que, direta ou indiretamente, interajam com instalações elétricas ou serviços de eletricidade. www.furnax.com.br


Entrevista

Milton Luiz de Melo Santos

Em entrevista à Revista Abigraf, o presidente da Desenvolve SP apresenta as linhas de crédito que o Governo do Estado de São Paulo disponibiliza para as empresas paulistas. Milena Prado Neves

O 18

A hora e a vez da indústria paulista

Indicador de Nível de Ativida­ de (INA), ferramenta desenvolvi­ da pela Federação das In­dús­t rias do Estado de São Paulo (­Fiesp), re­ gistrou queda de 0,3% em agosto de 2012 em relação ao mês an­te­r ior e despencou 5,3% no acumulado dos últimos 12 meses. Por sua vez, o Indicador Serasa Ex­pe­r ian de Fa­lên­cias e Re­ cuperações aponta 135 pedidos de fa­lên­cias no mês de setembro deste ano em todo o País, vo­ lume menor que os 192 requerimentos de agos­ to. Embora seja consequência de uma ampla

REVISTA ABIGRAF  novembro /dezembro 2012

gama de fatores, a queda nos índices de ativi­ dade do parque in­dus­trial paulista e o aumento no número de empresas que saem do mercado são si­tua­ções que, com certa frequência, decor­ rem da falta de investimentos, o que, por sua vez, esbarra na dificuldade de acesso ao crédi­ to que têm as pequenas in­dús­trias. Para apoiar e estimular a indústria paulista a superar de­sa­ fios atuais, o Governo do Estado de São Paulo criou o Desenvolve SP – Agência de Desenvol­ vimento Paulista, que oferece linhas de crédi­ to com juros e prazos especiais. Para levar estas


informações a seus as­so­cia­dos, em 9 de outubro a Abigraf promoveu palestra com o presiden­ te da instituição, Milton Luiz de Melo Santos. Economista com mestrado em Economia Rural e ex-​­fun­cio­ná­r io do Banco Central do Brasil, ele acumulou ex­pe­r iên­c ias nas diversas institui­ ções financeiras por onde passou. Com o vasto conhecimento adquirido sobre fi­nan­cia­men­tos, taxas de juros e, mais do que isso, desenvolvi­ mento de pequenos ne­gó­cios, Milton falou um pouco mais nesta entrevista sobre os be­ne­fí­cios oferecidos pela Desenvolve SP.

Os grandes diferenciais das linhas da Desen­ volve SP são os juros baixos, a partir de 0,41% a.m. (+IPC/Fipe) e o prazo de até dez anos para pagar. São condições únicas, pois acreditamos que crescimento planejado, por meio do crédito de longo prazo, é a melhor forma de estimular a competitividade e o desenvolvimento susten­ tável das pequenas e mé­d ias empresas paulis­ tas. É importante lembrar que a Desenvolve SP também oferece linhas de fi­nan­cia­men­to a ju­ ros zero. Nesse caso, contamos com a parceria do Governo do Estado na elaboração de progra­ mas focados no desenvolvimento de determi­ nadas re­g iões e setores da economia, possibili­ Como surgiu a Desenvolve SP? A Desenvolve SP – Agência de Desenvolvimento tando a oferta de condições ainda melhores que Paulista é a instituição financeira do Governo as já praticadas, mas com taxas sub­si­d ia­das ou do Estado de São Paulo cria­da para fi­nan­ciar pe­ amortizadas. Além disso, os em­pre­sá­r ios ainda contam com fundos garan­ quenas e mé­d ias empresas tidores, como o FDA (Fundo e também o setor público, buscando promover o de­ de Aval do Governo do Es­ Com pouco mais de senvolvimento econômico tado), para utilizá-​­los como três anos de atuação, e so­c ial. Com pouco mais garantia nos fi­nan­c ia­men­ já desembolsamos de três anos de atua­ção, já tos voltados ao agronegócio, R$  810 milhões em mais desembolsamos R$ 810 mi­ comércio, serviços e indús­ de 2.200 operações de tria. Estas são algumas das lhões em mais de 2.200 formas que encontramos operações de crédito para crédito para empresas para democratizar o aces­ empresas localizadas em localizadas em so ao crédito de longo prazo. 193 mu­ni­c í­pios paulistas, 193 municípios gerando emprego e renda. paulistas, gerando Com R$ 1 bilhão em capi­ De que forma fun­cio­na o proemprego e renda. tal próprio para fi­nan­c iar cesso de aprovação de linhas pequenas e mé­d ias empre­ de crédito? sas em todo o Estado, ofe­ O requisito mínimo para recemos linhas de fi­nan­cia­men­to com condi­ uma empresa obter fi­nan­cia­men­tos na Desen­ ções especiais de taxas de juros e prazos, a fim volve SP é possuir faturamento ­anual a partir de de colaborar para o crescimento sustentável das R$ 360 mil. Como não temos agên­cias ban­cá­rias, empresas, fortalecendo a economia paulista. o interessado pode entrar no site da instituição (www.desenvolvesp.com.br) e solicitar o fi­nan­ Quais são os diferenciais das linhas de crédito da cia­men­to diretamente no portal, por meio da Desenvolve SP, se comparadas às de outras insti- ferramenta “Ne­gó­cios Online”, tudo de manei­ tuições financeiras? ra segura e rápida. Outra opção é procurar uma A parceria que firmamos recentemente com a das mais de 60 as­so­cia­ções empresariais parcei­ Abigraf disponibiliza diversas linhas de fi­nan­ ras da Desenvolve SP ou, se preferir, se dirigir até cia­men­to aos em­pre­sá­r ios do setor, que vão a nossa sede, em São Paulo (Rua da Consolação, desde a compra isolada de máquinas e equipa­ 371). Após a entrega da documentação necessá­ mentos a projetos de investimento que visem ria exigida nas operações de crédito, como balan­ à implantação, am­plia­ção e modernização de ços e ga­ran­tias, e a aprovação do projeto, o em­ em­preen­d i­men­tos. Há, ainda, a possibilidade presário recebe o valor contratado diretamente de contratar uma linha com condições espe­ na conta bancária de sua preferência. Já para ciais para a abertura ou am­plia­ção de lojas e empresas que faturam acima de R$ 300 mi­ franquias re­la­cio­na­d as ao segmento. lhões ao ano, operamos com recursos do BNDES. novembro /dezembro 2012 REVISTA ABIGRAF

19


20

A maioria dos equipamentos utilizados pela in- de projetos sustentáveis que promovam signi­ dústria gráfica brasileira é importada e, muitas ficativa redução de emissões de gases de efei­ vezes, tem um alto valor. As linhas de crédito dis- to estufa e que minimizem o impacto no meio am­bien­te, a opção é a Linha poníveis estão adequadas a Economia Verde. Podemos este tipo de investimento de dizer, inclusive, que a pro­ custo elevado? A parceria que cura dos em­pre­s á­r ios pau­ Sim, as linhas de fi­n an­c ia­ firmamos com a listas por fi­n an­c ia­m en­t os men­t o da Desenvolve SP para projetos sustentáveis atendem a compra de má­ Abigraf disponibiliza cresceu ex­c ep­c io­n al­men­t e quinas e equipamentos no­ diversas linhas de nos primeiros oito meses vos (nacionais e importados), financiamento, que deste ano. Do montante de desde que correspondam às vão desde a compra especificações do contrato R$ 25,4 milhões desembol­ isolada de máquinas de fi­nan­cia­men­to. sados para projetos sustentá­ e equipamentos veis, quase 90% foi solicitado somente em 2012. As adequações e me­l ho­r ias a projetos de para atender a requisitos de investimento. Quais as expectativas da sustentabilidade muitas veagência para o encerramento zes também dependem do inde 2012 e para o próximo ano? vestimento em equipamentos. Quais as possibilidades oferecidas nesse sentido Mesmo com a desaceleração da economia, o pela Desenvolve SP? empresário paulista está con­f ian­te para in­ As empresas que buscam o desenvolvimento vestir e o nosso desempenho em 2012 revela sustentável por meio de processos produtivos isso. Somente nos primeiros noves meses do mais efi­cien­tes e modernos podem contar com ano desembolsamos R$ 320 milhões às peque­ a Desenvolve SP por meio de duas importantes nas e mé­d ias empresas, valor 116% su­pe­r ior linhas de fi­n an­c ia­men­to. Para me­l ho­r ias no ao fi­nan­cia­do no mesmo pe­r ío­do do ano an­te­ processo de produção e na prestação de servi­ rior. No acumulado geral, já atingimos a mar­ ços, garantindo a redução dos impactos ambien­ ca dos R$ 810 milhões. Para 2013 a expectativa tais de suas atividades, o empresário pode op­ é que possamos alcançar R$ 1 bilhão ainda no tar pela FIP-Meio Am­bien­te. Já para a execução primeiro semestre. REVISTA ABIGRAF  novembro /dezembro 2012


Mรกrio Gruber


ARTE

Artista de grande talento, inquieto pesquisador, homem sempre em busca de paixões, um ser angustiado por uma opção político‑ideológica que, à margem da vida, criou sonhos de liberdade, paz e justiça social. Ricardo Viveiros (ABCA)


Fotos: Lúcio Tamino Gruber

o ateliê de pintura. Seus primeiros trabalhos artísticos são, por ironia, as cabeças de Thomas Jefferson e Abraham Lincoln. Faz estudos de quadros de Visconti, Bonington e Sisley. Começa a pesquisar gravura em metal. Antônio Cândido se interessa pelo artista e o leva ao crítico de arte Sérgio Mil­liet. As portas de São Paulo abrem-se ao jovem Mário Gruber. Em 1946 ingressa na Escola de Belas Artes; logo abandona tudo e vai para as ruas pintar a vida — o ensino acadêmico não deve cer­cear a liberdade. Expõe gravuras no “Clubinho”, do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), então importante polo cultural. Mil­liet o convida para a exposição “19 Pintores”, na Galeria Prestes

Entre o homem e o mito, o real e o fantástico: a arte

M

arço de 1927. . . Na China os burgueses do Kuo­min­tang, em ação inesperada, fecham sindicatos, colocam o parceiro PCC na ilegalidade, prendem os comunistas. Na Rússia, Stalin, de­cep­cio­na­do, mergulha no re­v i­sio­nis­mo e disputa com Trotsky o comando bolchevique. No Brasil, depois de cruzar o País, a Coluna Prestes cai e seu comandante, o comunista Luís Carlos, exila-se na Argentina. Mário Gruber Correia nasce em Santos, litoral de São Paulo, em 31 de maio do mesmo ano, filho de um típico casal burguês. Ninguém seria capaz de estabelecer uma ligação entre o menino e os fatos nacionais e internacionais. Muito menos que ele viria a ser um engajado comunista e grande artista plástico. O HOMEM

24

Mário foi cria­do na praia de José Menino, ainda deserta e com vegetação. Essa paisagem solitária e bucólica inspirou os traços iniciais. Mas nem tudo era sua­ve e belo como em seus desenhos. Com o início da II Grande Guer­ra, os filhos dos japoneses da colônia da Ponta da Praia, com os quais brincava, foram presos e tirados dali com os pais. No início dos anos 1940, conhece Arrigo Bat­ten­d ie­r i, que lhe apresenta a argila e ensina a esculpir. Também conhece Nelson Andrade, com quem viria a compartilhar REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

Maia. Conquista o 1º‒ Prêmio de Pintura. Jurados: Lasar Segall, Anita Malfatti e Di Cavalcanti. Motivado pelo sucesso, estuda gravura com o mestre Poty. Na mesma época, trabalha com Di Cavalcanti em grandes paineis e começa a expor fora de São Paulo. Em 1948, bolsista do governo francês, vai estudar na École Na­t io­n a­l e Supérieure des Beaux-​­Arts, em Paris. Trabalha com Portinari, executando murais. Via­ja pela Europa e descobre Rubens, Goya, Rembrandt. Casa-se com Lea No­vaes e tem dois filhos: Gregório (também pintor) e Paulo Fernando. Volta ao Brasil e vai para Santos, onde cria o Clube da Gravura (depois Clube de Arte). A ARTE

Em 1953, a convite de Pablo Neruda, Ga­brie­ la Mistral e Die­go Rivera, é delegado brasileiro ao I Congresso Continental de Cultura, no Chile. No final de 1954, separa-se de Lea. Seus


O MITO

revista issn 010 3•572

a gráfic a • ano x xxvii • no vembr

o/dezemb

x

ro 2012 • nº 2 6 2

zembro 2012

arte & in dústri

261 novem bro/de

Mário foi além de si mesmo na busca determinada da perfeição, como homem e como artista. Era um ateu de fé inabalável em suas crenças, pai duro e intransigente, colega considerado chato pelo repetitivo discurso político e cobrança de posições. Ao colocar sua ideo­lo­g ia acima de tudo, escondeu a ternura que lhe movia na mais fraterna defesa do semelhante. Sua temática teve o ponto alto no figurativo, que, pelo caráter fantástico, salta das telas. São meninos pobres, robôs, anjos, personagens do carnaval, magos, jogadores de futebol e outras imagens, como peixes e balões, todos sempre retratados com a força de suas ra­cio­na­li­da­ des, mostrados com a luz de uma palheta rica em cores inventadas. Um traço mais que livre, capaz de de­li­near sentimentos nunca revelados. Algumas de suas figuras atarracadas pela opressão trazem a grandeza daquilo que gritam em nome da liberdade, paz e justiça so­cial. Mário Gruber morreu em 28 de dezembro de 2011, em uma casa de repouso na periferia de São Paulo. Deve estar em algum lugar do universo fazendo suas de­li­cio­sas sopas e a melhor musse de chocolate jamais experimentada pelos deuses. Mas, com certeza, agora sa­bo­rea­da pelo “Muleque Cipó”, sua mais emblemática cria­ção. Mário Gruber está feliz . . . Finalmente.

revista abigra f

trabalhos percorrem o mundo em vá­r ias exposições, conquistam prê­m ios e entram para acervos de grandes museus aqui e no ex­te­r ior. Mário estabelece relação com a arquitetura, crian­do murais sob encomenda de renomados profissionais da área, como Villanova Artigas. Conhece a so­cia­li­te Cecília Helena Décourt, sua aluna na Faap, com quem se casa em 1962. Passa a viver em um am­bien­te sofisticado que contrasta com o comunismo, um conflito permanente. Dizem que sofreu por nunca ter sido preso nos anos da ditadura militar, embora tenha resistido e abrigado perseguidos pelo Dops. Em 1965, Rubem Biá­fo­ra dirige o documentário Mário Gruber, filme pre­mia­do no Brasil, Alemanha e Itália. De 1973 a 1982, em diferentes endereços, tem ate­liês em Paris. Trabalha também em Olinda e Nova York. O artista faz vá­rios murais no Brasil e outros paí­ses. Em 1982, com direção de Nélson Pereira dos Santos, é rea­li­za­do o filme A Arte Fantástica de Mário Gruber. Nessa

mesma época apaixona-se pela decoradora Giuliana Michelino, com quem vive até a morte. Foi um dedicado investigador, que alcançou apurada técnica. Mário, por suas infindáveis pesquisas de ma­té­r ias-​­primas e ex­pe­r iên­c ias psicotrópicas (usava LSD), criou um caminho próprio do qual foi o pioneiro no Brasil: o rea­ lis­mo fantástico. Em sensível metalinguagem, fez uma ruptura com os padrões culturais europeus do passado. Há, na sua inovadora cria­ ção, o mesmo rigor estético, mas, também, claras in­f luên­c ias africanas e ame­r ín­d ias. Suas obras têm um olhar erótico e debochado, livre dos limites impostos pela inflexibilidade da arte clássica. Em seus personagens do povo, revelados pela preo­cu­pa­ção comunista em dividir riquezas, mesclam-se rea­l i­da­de e fantasia.

Capa

Retratos, óleo sobre tela, 1951

novembro /dezembro 2012  REVISTA ABIGR AF

25


O Grupo Furnax trabalha com a importação e comercialização de equipamentos e insumos para atender ao mercado de embalagens, gráfico, plástico, flexíveis banda larga, rótulos e etiquetas, termoencolhíveis (shrink), serigrafia e papelão ondulado. Desde 1994 a empresa tem se destacado por oferecer um atendimento especializado, contando com profissionais experientes, preparados para identificar e atender às necessidades dos clientes mais exigentes. Além disso, possui uma equipe técnica própria e estoque de peças, o que faz com que o atendimento seja mais eficiente.

Entre em contato pelo 11 3277 5658

|

Para conhecer nossos serviços e equipamentos acesse www.furnax.com.br


ACABAMENTO EDITORIAL

IMPRESSÃO

· Impressora Offset Fast 452 - 4 cores 1/4 de folha · Impressora Offset Clarity 1040 - Frente e Verso sem Reversão

ACABAMENTO CARTOTÉCNICO

· Corte e Vinco Automática · Corte e Vinco Automática c/ Hot Stamping · Corte e Vinco Manual · Corte e Vinco Manual c/ Hot Stamping · Coladeiras de Cartucho

· Guilhotinas e Periféricos · Envernizadoras Automáticas · Laminadoras de BOPP · Impressoras Serigráficas · Fornos UV

· Dobradeiras de Papel · Dobradeiras de Orelha de Livro · Máquinas de Costura · Cortadeiras de Bobinas

ACABAMENTO PROMOCIONAL

· Dobradeiras de Lâminas · Laser p/ Confecção de Facas · Acopladeiras · Janeleiras Automáticas

· Plotter · Encintadoras Automáticas

· Contadoras de Papel · Prensa Automática de Aparas


Fotos: Álvaro Motta

Qualidade

Com maior participação dos concursos regionais, a 22ª edição do mais importante prêmio da indústria gráfica na América Latina atraiu 230 empresas de 18 estados. Tânia Galluzzi

Prêmio Fernando Pini volta a crescer

C

28

aras novas devem ser vistas na festa que marca a entrega de tro­féus da 22 ª‒ edição do Prêmio Brasileiro de Excelência Gráfica Fernando Pini. É que neste ano o concurso registrou recorde de participantes: 230 empresas, de 18 estados, inscreveram 1.501 produtos. Além do desempenho entre as gráficas, o número de trabalhos inscritos também foi comemorado por representar um crescimento significativo em relação às últimas cinco edições. No ano passado, 164 empresas en­v ia­ram 947 trabalhos e, em 2010, 1.285 produtos foram inscritos por 175 gráficas. Para Francisco Veloso, coor­de­na­dor do prêmio, os bons resultados podem ser atri­buí­dos a dois fatores: a mobilização da própria equipe da ABTG, que intensificou o corpo a corpo de divulgação do concurso, e o fato de que agora as peças finalistas dos oito prê­mios regionais de excelência gráfica, e REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

não somente os vencedores, são automaticamente inscritas no prêmio na­c io­n al. Ao longo de 2012, os concursos de excelência gráfica rea­li­za­dos no Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro tiveram ao todo a participação de 287 empresas, com 3.211 produtos, das quais 121 sagraram-se vencedoras, recebendo 298 tro­féus. A decisão de am­pliar a representação das ini­c ia­t i­v as regionais, segundo Reinaldo Espinosa, presidente da ABTG, organizadora do concurso, está alinhada com uma meta que a as­so­cia­ção vem perseguindo há tempos: a disseminação da cultura da qualidade por todo o País. “Valorizar o produto gráfico e motivar as equipes em busca da qualidade sempre foram os principais objetivos do prêmio. E o amadurecimento e a consistência atingida pelos concursos regionais nos permitiu tomar essa decisão estratégica”, comentou Reinaldo. Parabenizando os finalistas, Fabio Arruda Mortara, presidente da Abigraf Nacional, afirmou: “A Abigraf


Nacional está muito orgulhosa com a efetiva e progressiva nacionalização do prêmio, que é brasileiro e, como tal, deve mostrar o que de melhor existe em nosso imenso país”. Sete Grands Prix

O conta-​­fios dourado está sendo disputado este ano por 106 empresas, de 14 estados, representadas pelos 303 produtos finalistas nas 63 ca­ te­go­r ias contempladas pelo Fernando Pini. Depois de São Paulo, com 51 gráficas e 172 peças, Paraná e Rio Grande do Sul são os dois estados com maior representação, cada um com 12 empresas na disputa, sendo que o Paraná concorre com 35 produtos e o Rio Grande do Sul com 27. Logo atrás vem Minas Gerais, com 10 empresas e 17 trabalhos. Espírito Santo, com cinco gráficas e 15 peças finalistas, e Pernambuco, com quatro gráficas e 21 produtos, vêm em seguida. Estão em jogo ainda os prê­m ios por Atributos Técnicos do Processo, chamados de Grands Prix, que neste ano pularam de três para sete. Agora, dentre os produtos finalistas serão indicadas peças com a Melhor Impressão Digital, Melhor Impressão Offset Plana, Melhor Impressão Rotativa Heat­set, Melhor Impressão Flexográfica, Melhor Impressão Rotográfica, Melhor Acabamento Edi­to­r ial e Melhor Acabamento Cartotécnico. Entre as gráficas com maior número de produtos finalistas, verifica-se uma repetição da disputa do ano passado. Ipsis, Facform, Log&Print e Plural encabeçam novamente a lista com 19, 17, 13 e 12 peças, respectivamente. “Vendo os produtos que passaram para a segunda fase do julgamento, percebemos que são muito parelhos. A qualidade está em todo lugar”, comenta o presidente da ABTG. O que mais chamou sua atenção foi o uso de novas mí­d ias e a pesquisa por aplicações di­fe­ren­cia­das. Isso demonstra, na opi­nião de Reinaldo, que a indústria está muito alinhada com as demandas do clien­te no sentido de tornar o produto impresso mais atraen­te para o mercado.

Os vencedores do Prêmio Fernando Pini serão conhecidos no dia 27 de novembro, em cerimônia que pela primeira vez será rea­li­za­da no Espaço das Américas, em São Paulo. A festa será comandada por Tadeu Schmidt, com show de encerramento do sambista Jorge Aragão.

Inscrições 1.501 produtos 230 empresas 18 estados Finalistas

Empresas Finalistas 19 produtos: Ipsis; 17  produtos: Facform; 13 produtos: Log&Print; 12 produtos: Plural; 9 produtos: Corgraf e Stilgraf; 8 produtos: Escala 7 e Posigraf; 7  produtos: Congraf, GSA e P+E; 6 produtos: Brasilgráfica, Primi Tecnologia e Vicente Pallotti; 5  produtos: Grafdil, Ótima e Tilibra; 4  produtos: Antilhas, Degráfica, Papéis Amália, Premier Spell e Rona; 3  produtos: Casa da Moeda, Compulaser, Corprint, Folha da Manhã, Inapel, J.  Andrade, Mais Artes, Makro Kolor, MMR Com., Múltipla BR, Ogra, Rami, São Francisco, Scribo Formulários e Tamoios; 2 produtos: Arte & Design, Brazicolor, Efeito Visual, Eskenazi, Formato, FTD, Gráfica Ed. Real, Gráfica Ipê, Grafiset, Grafitusa, Halley, Leograf, Multilabel, Nywgraf, O  Estado de S. Paulo, Rede Ed. Gráfica, Reúna, Sutto, Universal e UVPack; 1  prêmio: Aquarela, Art e Gráfica Potyguara, Bandeirantes, Bignardi, Bigráfica, Braspor, CGB Artes Gráficas, Charbel, Cia. da Cor, Comunicare Imprima Fácil, Comunicare Life, Contgraf, Contiplan, Delta Etiquetas, Demográfica, Engenho das Artes, Flamar, Foroni, Geo-​­Gráfica, GH Com., Graciosa, Gráfica Amparo, Gráfica Lisboa, Gráfica Print, Gráfica Panorama, Halt Gráfica, Hega, Ibratec, Imagem Digital, Impressos Portão, Impresul, Ingral, Kawagraf, LCR, Maxi Gráfica, Nova Gráfica, Pampulha, Plasc, Provisual, Qualigraf, Ready Rótulos, Rosset, Santa Inês, Sarapuí, Sonora, Suprimax, Tiliform, Villimpress e VS Digital.

303 produtos 106 empresas 14 estados Finalistas por estado Estado Empresas Produtos

CE

2

2

DF

2

2

ES

5

14

GO

2

2

MG

10

17

MT

1

1

PE

4

21

PI

1

2

PR

12

35

RJ

1

3

RS

12

27

SC

1

1

SE

2

4

SP

51

172

TOTAL

106

303

29 novembro /dezembro 2012  REVISTA ABIGR AF


Trabalhos finalistas classificados por categoria Os vencedores de cada categoria serão anunciados na cerimônia de entrega do XXII Prêmio Fernando Pini, no dia 27 de novembro de 2012

LIVROS Livros de Texto Facform Impressos Produto: Romance Olinda Abrasada Cliente: Waldenio Porto Corprint Gráfica e Editora Produto: Prudência Notorial Cliente: Quinta Editorial Corprint Gráfica e Editora Produto: O Mistério da Caveira de Cristal Cliente: Petit Editora e Distribuidora Ipsis Gráfica e Editora Produto: Contos de Imaginação e Mistério Cliente: Tordesilhas – Alaúde Editorial Geo‑​ Gráfica e Editora Produto: Coleção Guerra e Paz – volumes 1 e 2 Cliente: Cosac & Naify Edições Livros Culturais e de Arte Ipsis Gráfica e Editora Produto: Coleção “Raisonné Portinari” Cliente: Associação Cultural Candido Portinari Tamóios Editora Gráfica Produto: Livro Brasil Cliente: CNI – Confederação Nacional da Indústria Artes Gráficas Formato Produto: Livro Álvaro Apocalypse Cliente: V&M do Brasil Charbel Gráfica e Editora Produto: Brasília Vista do Céu Cliente: Governo do Distrito Federal Gráfica Santo Antônio – GSA Produto: Catálogo 2012 do Artesanato Capixaba Cliente: Setades

30

Livros Institucionais Ipsis Gráfica e Editora Produto: Theatro Municipal do Rio de Janeiro Cliente: Editora Colofon REVISTA ABIGR AF  NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2012

UVPack Comércio e Serviços de Acabamento Gráficos Produto: Livro do Exército Brasileiro, Braço Forte – Mão Amiga Cliente: Exército Brasileiro Ipsis Gráfica e Editora Produto: Theatro Municipal de São Paulo – 100 Anos Cliente: Dado Macedo Produções Artísticas Associadas P+E Galeria Digital Produto: Book Volkswagen Cliente: Volkswagen Artes Gráficas Formato Produto: Memória Ambiental da Cemig Cliente: Cemig Livros Infantis e Juvenis Ipsis Gráfica e Editora Produto: As Mais Belas Histórias das Mil e Uma Noites Cliente: Cosac & Naify Edições Editora FTD Produto: Charles na Escola de Dragões Cliente: Editora FTD Ipsis Gráfica e Editora Produto: As Aventuras de Pinóquio Cliente: Cosac & Naify Edições Ipsis Gráfica e Editora Produto: Uma Porta para um Quarto Escuro – Selo Tordesilhas Cliente: Alaúde Editora Companhia da Cor Studio Gráfico Produto: Coleção Diversidades: Tesouros do Olhar Cliente: Andrea Belo Produções Artísticas e Literárias Livros Ilustrados e Livros Técnicos Sociedade Vicente Pallotti Produto: Fernando Pessoa, um Poeta Predestinado Cliente: Cia Zaffari

Ipsis Gráfica e Editora Produto: Ameaçados: Lugares em Risco no Século 21 Cliente: Wisewood – Soluções Ecológicas Editora FTD Produto: A Megera Domada Cliente: Editora FTD Ipsis Gráfica e Editora Produto: Chapada Diamantina – Um Paraíso Desconhecido Cliente: Rui Rezende Rona Editora Produto: Interiores IV Cliente: DPI Editora Livros Didáticos Eskenazi Indústria Gráfica Produto: Atlas Histórico Geral e do Brasil Cliente: Editora Scipione Eskenazi Indústria Gráfica Produto: Marcha Criança Cliente: Editora Abril Gráfica e Editora Posigraf Produto: Prancheta Experimentação Grupo 2 Cliente: Editora Positivo Corprint Gráfica e Editora Produto: Kit Primavera 5 e 6 Anos – Professor Cliente: Edições SM Gráfica Bandeirantes Produto: Bio – volume único Cliente: Saraiva Guias, Manuais e Anuários Gráfica e Editora Posigraf Produto: VII Anuário CCPR Cliente: Clube de Criação do Paraná Ipsis Gráfica e Editora Produto: Revista Bamboo Edição Especial – Anuário 2012 Cliente: Editora Lumiere Ipsis Gráfica e Editora Produto: Anuário Oficial – Campeonato Brasileiro de GT Cliente: Editora Melro


Ipsis Gráfica e Editora Produto: Guia de História Natural do Rio de Janeiro Cliente: Instituto Cultural Cidade Viva Rona Editora Produto: Guia do Arboreto do Cerrado Cliente: Cia Brasileira de Metalurgia e Mineração

REVISTAS Revistas Periódicas de Caráter Variado sem Recursos Gráficos Especiais Facform Impressos Produto: Revista Mensch Cliente: Revista Mensch Sociedade Vicente Pallotti Produto: Revista Decor Cliente: Art Concept Editora Ipsis Gráfica e Editora Produto: Revista Bamboo 13 (maio 2012) Cliente: Editora Lumiere Ipsis Gráfica e Editora Produto: Revista Monolito – edição 10 (agosto/setembro 2012) Cliente: Editora Monolito Gráfica e Editora Posigraf Produto: Gráfica – Arte Internacional Cliente: Gráfica e Editora Posigraf Revistas Periódicas de Caráter Variado com Recursos Gráficos Especiais Stilgraf Artes Gráficas e Editora Produto: Revista Interyachts Cliente: Marzi Sociedade Vicente Pallotti Produto: Revista Lançamentos Moda Cliente: Grupo Editorial Sinos Gráfica e Editora Posigraf Produto: Medalhão Persa Cliente: Medalhão Persa Ipsis Gráfica e Editora Produto: Revista Unique Magazine nº2 – primavera/verão 2012 Cliente: Com Forward Marketing Ipsis Gráfica e Editora Produto: Revista Iate – Santos nº 19 (junho 2012) Cliente: Iate Clube de Santos

32

Revistas Infantis/Juvenis ou de Desenhos Corgraf Gráfica e Editora Produto: Caranguejo Cliente: Instituto Caranguejo de Educação Ambiental REVISTA ABIGR AF  NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2012

Graciosa Produto: Almanaque Horta&liça Cliente: Embrapa São Francisco Gráfica e Editora Produto: Moranguinho Cliente: Panini Brasil São Francisco Gráfica e Editora Produto: Disney Game Extra Cliente: Alto Astral São Francisco Gráfica e Editora Produto: Hot Wheels Cliente: Alto Astral Revistas Institucionais Ipsis Gráfica e Editora Produto: Revista Serrote nº 11 Cliente: Instituto Moreira Salles Log&Print Gráfica e Logística Produto: Revista Itaú Personalité 19 Cliente: Trip Editora e Propaganda Corgraf Gráfica e Editora Produto: Revista Pré‑​impressão Sigep – 9º Prêmio Cliente: Sigep / Abigraf‑PR Ipsis Gráfica e Editora Produto: Revista Absolut Word – Timbre 03 (maio 2012) Cliente: Cafeteria Marketing Editorial Ipsis Gráfica e Editora Produto: Revista de Fotografia Zum nº 02/2012 Cliente: Instituto Moreira Salles

JORNAIS Jornais Diários Impressos em Coldset Empresa Folha da Manhã Produto: Folha de S.Paulo – edição 16/04/2012 Cliente: Empresa Folha da Manhã Empresa Folha da Manhã Produto: Folha de S.Paulo – edição 22/08/2012 Cliente: Empresa Folha da Manhã Empresa Folha da Manhã Produto: Folha de S.Paulo – edição 29/08/2012 Cliente: Empresa Folha da Manhã S/A O Estado de S.Paulo Produto: O Estado de S. Paulo – edição 03/09/2012 Cliente: S/A O Estado de S.Paulo S/A O Estado de S.Paulo Produto: O Estado de S.Paulo – edição 09/07/2012 Cliente: S/A O Estado de S.Paulo

Jornais de Circulação Não‑Diária Gráfica e Editora Posigraf Produto: Le Monde Cliente: Le Monde Bigráfica Editora Produto: Orquestra Filarmônica de Minas Gerais (dezembro 2011) Cliente: Instituto Cultural Filarmônica Ingral Indústria Gráfica Produto: Trânsito Livre Cliente: Viação Águia Branca Ogra Indústria Gráfica Produto: Newspaper International Paper – edição 46 Cliente: International Paper Ogra Indústria Gráfica Produto: Newspaper International Paper – edição 51 Cliente: International Paper

PRODUTOS PARA IDENTIFICAÇÃO Rótulos Convencionais sem Efeitos Especiais Gráfica Rami Produto: Cerveja Clara Weltenburger Kloster anno 1050 Cliente: Cervejaria Petrópolis Gráfica Rami Produto: Cerveja Premium Bock Therezópolis Rubine 600 ml Cliente: Arbor Brasil Indústria de Bebidas Gráfica Rami Produto: Cerveja St Gallen Red Ale 750 ml Cliente: Arbor Brasil Indústria de Bebidas Degráfica Impressos Produto: Rótulo Cabernet Sauvignon Bianchetti Cliente: Adega Bianchetti Tedesco Brasilgráfica S/A Indústria e Comércio Produto: Rótulos Linha Fórmulas Infantis Nestlé 400 g Cliente: Nestlé Brasil Rótulos Convencionais com Efeitos Especiais Indústria e Comércio Gráfica Conselheiro – Congraf Produto: Rótulo Envoltório Cigarros Prado Cliente: American Blend Tabaccos Scribo Formulários Produto: Vinho Branco Espumante Natural Moscatel Cliente: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária


O CAMINHO MAIS RÁPIDO PARA O FUTURO A NOVA GERAÇÃO DE IMPRESSORAS

As demandas do mercado estão mudando o tempo todo. A Speedmaster SX, a nova geração de impressoras da Heidelberg, oferece a solução ideal para alcançar a produtividade. Combinando a tecnologia inovadora dos modelos Speedmaster XL com a bem-sucedida plataforma da série Speedmaster SM, a Speedmaster SX garante que você estará totalmente equipado para o futuro, venha o que vier. Saiba mais em: www.br.heidelberg.com


Scribo Formulários Produto: Cerveja Escura de Baixa Fermentação Dunkel Cliente: Imperial Premium Bier Brasilgráfica Indústria e Comércio Produto: Rótulos Campari Edição Limitada Cliente: Campari do Brasil Multilabel do Brasil Produto: Os Vingadores – The Avengers Cliente: Matrix / Habib’s Rótulos em Autoadesivo sem Efeitos Especiais Gráfica Ipê Produto: Apple Jack Cliente: Sanjocooperativa Agrícola Brazicolor Indústria Gráfica Produto: Member`s Mark Suco de Uva Tinto Integral Cliente: Cooperativa Vinícola Aurora Demográfica Impressos Produto: Rótulo Santa Colina Cabernet Sauvignon Cliente: Cooperativa Vinícola Nova Aliança Degráfica Impressos Produto: Rótulo Café Akbar Cliente: Cia Iguaçu Multilabel do Brasil Produto: Gini – Gran Reserva Cliente: Inaceres Rótulos em Autoadesivo com Efeitos Especiais Gráfica Reúna Produto: Rótulo Casa Valduga Reserva M Moscatel 750 ml Cliente: Casa Valduga Vinhos Finos Gráfica Reúna Produto: Rótulo Salton Gerações Cliente: Vinícola Salton Brazicolor Indústria Gráfica Produto: Duetto Casa Valduga Cliente: Casa Valduga Vinhos Finos Degráfica Impressos Produto: Rótulo Vinho Viapiana Green Cliente: Vinícola Viapiana Degráfica Impressos Produto: Rótulo Vinho Shiraz Casa Geraldo Cliente: LC Marcon Indústrias

34

Etiquetas Qualigraf Editora e Gráfica Produto: Tag Adesivos Zang’s Puro Surf Cliente: Iury Costa da Silva REVISTA ABIGR AF  NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2012

Grafdil Impressos Produto: Tag Revitart Erva Mate Cliente: Instituto Pasteur de Cosmiatria Grafdil Impressos Produto: Tag Rache Martini Cliente: Rachel de Martini Confecções Scribo Formulários Produto: Etiqueta de Segurança Cliente: Vila Velha Cartório do 1º Ofício 1ª Zona Suprimax Papéis e Suprimentos Produto: Peça Única Cliente: Pétxi Adesivos Delta Etiquetas Produto: Registro de Contato Cliente: Departamento de Trânsito de Curitiba / PR Ready Rótulos Produto: Botton Comemorativo de 25 Anos da Superminas Cliente: Agência da Casa Halt Gráfica Produto: Escola de Engenharia da UFMG – 100 Anos Cliente: Escola de Engenharia da UFMG Grafiset Gráfica e Editora Produto: Del Valle Kappo Cliente: Vonpar Gráfica Ipê Produto: Cartela Barbie Cliente: Indústria Gráfica Foroni

ACONDICIONAMENTO Embalagens Semirrígidas sem Efeitos Gráficos Antilhas Embalagens Produto: Caixa Premier Gatos Duo Cliente: Premier Pet Corgraf Gráfica e Editora Produto: Caixa de Bolo Fada Formiga Grande Cliente: Fada Formiga Indústria e Comércio Gráfica Conselheiro – Congraf Produto: Jequiti Sabores Sabonete Hidratante Vegetal (06 unid. 50 g) Cliente: Jequiti Gráfica e Editora Sarapuí Produto: Adoçante Dietético Pó Gold Sucralose Cliente: Gold Nutrition Brasilgráfica Indústria e Comércio Produto: Cartucho Bombons Grandes Sucessos Lacta 100 anos – FSC Cliente: Kraft Foods Brasil

Embalagens Semirrígidas com Efeitos Gráficos Grafdil Impressos Produto: Caixa Kit Vert Castanha do Brasil Cliente: Dimed Distribuidora de Medicamentos Grafdil Impressos Produto: Caixa Vert Romã Cliente: Dimed Distribuidora de Medicamentos Indústria e Comércio Gráfica Conselheiro – Congraf Produto: Cacau Fashion Morango (100 g) Vira Cenário Cliente: Ibac – Cacau Show Brasilgráfica Indústria e Comércio Produto: Cartucho Metalizado Sucrilhos 300 g – FSC Cliente: Kellogg Brasil Brasilgráfica Indústria e Comércio Produto: Cartuchos Trident Fresh com Cristais de Refrescância 7 unid. Cliente: Kraft Foods Brasil Embalagens Semirrígidas com Efeitos Gráficos Especiais Grafdil Impressos Produto: Caixa Secret Pink Fantasy Cliente: Dimed Distribuidora de Medicamentos Indústria e Comércio Gráfica Conselheiro – Congraf Produto: Cacau Show – Sexy 90 g Cliente: Ibac – Cacau Show Indústria e Comércio Gráfica Conselheiro – Congraf Produto: Trufas de Chocolate ao Leite 220 g (mais leite 28% de cacau) Cliente: Ibac – Cacau Show Indústria e Comércio Gráfica Conselheiro – Congraf Produto: Cacau Show – Poesia 190 g Cliente: Ibac – Cacau Show Makro Kolor Gráfica e Editora Produto: Pack Smirnoff Black Cliente: Diageo Brasil Embalagem de Micro‑Ondulados Sem Efeitos Especiais Antilhas Embalagens Produto: Cartucho Vinhos Expand Cliente: Expand Rosset Artes Gráficas e Editora Produto: Caixa Nespresso Essenza Cliente: Nespresso (Nestlé) Ibratec Artes Gráficas Produto: Display Knorr Temperado Cliente: Unilever


A tradição do

SENAI-SP,

agora em qualidade editorial

A entidade da indústria paulista entra na área editorial para levar ao mercado conhecimento e conteúdo técnico, tecnológico e educacional relacionados às diversas áreas em que atua. As séries de referência da SENAI-SP Editora têm como temas: educação, formação profissional, ciência, tecnologia, design e inovação, além de obras relacionadas à memória e à história da sociedade brasileira.

Um precioso guia para a modernização da indústria gráfica por meio de uma gestão moderna, planejada e eficiente.

R$ 36,50 168 pág. / 16 x 23 cm

À venda nas livrarias de todo o Brasil. ISBN 978-85-65418-10-2

9 788565 418102

Manual do Gestor da Indústria Gráfica

Manual do gestor da indústria gráfica

Flávio Botana

A empresa gráfica, para ter sucesso, não pode ser gerenciada amadoristicamente. Pragmatismo pode ser uma qualidade, mas precisa andar de mãos dadas com a gestão racional e com o planejamento estratégico. Este pequeno manual dará uma ajuda inestimável a quem pretende se aventurar nesse ramo de negócios ou para aqueles que já militam nele.

F L ÁV I O B O TA N A

Manual do Gestor da Indústria Gráfica


Escala 7 Editora Gráfica Produto: Embalagem Chocottone 4 kg Cliente: Pandurata Alimentos Escala 7 Editora Gráfica Produto: Caixa Green Label 2 unidades Cliente: Diageo Brasil Embalagem de Micro‑Ondulados Com Efeitos Especiais Facform Impressos Produto: Embalagem para Botões IBB Cliente: IBB Botões e Acessórios Metálicos Corgraf Gráfica e Editora Produto: Destinatário Laboratório Silgtz Cliente: Laboratório de Prótese Odontológica Silgtz Makro Kolor Gráfica e Editora Produto: Kit Pack White Horse Cliente: Diageo Brasil Escala 7 Editora Gráfica Produto: Caixa World Collection Cîroc 3 unidades Cliente: Diageo Brasil Escala 7 Editora Gráfica Produto: Caixa World Class Collection Gold Label Blue Label Cliente: Diageo Brasil Embalagens Sazonais Facform Impressos Produto: DVD Paulinho Leite Cliente: Paulinho Leite P+E Galeria Digital Produto: Caixa Heineken Cliente: Heineken Gráfica Santo Antônio – GSA Produto: Caixa Sinesia Karol Cliente: Ana Paula Castro Indústria de Embalagens Santa Inês Produto: Pack Diamond Cliente: Indústria Reunidas de Bebidas Tatuzinho – 3 Fazendas Brasilgráfica Indústria e Comércio Produto: Caixa Panettone Brasilgráfica 2012 Cliente: Brasilgráfica Indústria e Comércio

36

Embalagens Flexíveis Impressas em Flexografia Plasc – Plásticos Santa Catarina Produto: Protek Baby – Pom Pom 12 unidades Cliente: Hypermarcas Tiliform Indústria Gráfica Produto: Biscoito Maizena 400 g Cliente: Marilan Alimentos REVISTA ABIGR AF  NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2012

Papéis Amalia Produto: Natal Sadia Cliente: Sadia Papéis Amalia Produto: Feijoada Sadia Cliente: Sadia Papéis Amalia Produto: Image Light International Paper Cliente: International Paper Embalagens Flexíveis Impressas em Rotogravura Comunicare – Imprima Fácil Produto: Góes Jóias e Relógios Cliente: Góes Jóias e Relógios Inapel Embalagens Produto: Selo Philadelphia Original 150 g Cliente: Kraft Foods Inapel Embalagens Produto: Ovo Amandita 350 g Cliente: Kraft Foods Inapel Embalagens Produto: Ovo Grandes Sucessos 345 g Cliente: Kraft Foods Sacolas Facform Impressos Produto: Sacola Globo Nordeste Cliente: Globo Nordeste Facform Impressos Produto: Sacola Engenho de Gastronomia Cliente: Engenho de Gastronomia Antilhas Embalagens Produto: Sacola Atualidade Cosmética Cliente: Atualidade Cosmética Cartonagem Hega Produto: Sacola Petit Luxe Cliente: Petit Luxe Convites e Lembranças Gráfica Panorama Produto: Sacola Caixa Marcelo Lopes Cliente: Marcelo Lopes Design

PROMOCIONAL Pôsteres e Cartazes Facform Impressos Produto: Cartaz Doação de Sangue Cliente: Governo do Estado de Pernambuco UVPack Comércio e Serviços de Acabamentos Gráficos Produto: Cartazete Promocional da Budweiser – Campanha Great Times Are Coming Cliente: Ambev

VS Digital Produto: Cerveja Pilsen Slava Cliente: Cervejaria Abadessa Sutto Artes Gráficas Produto: Cartaz Raízen‑​ Shell Cliente: JWT Gráfica Editora Aquarela Produto: Cartaz Lenticular Fusion Cliente: Ambev Catálogos Promocionais e de Arte, sem Efeitos Gráficos Especiais Sociedade Vicente Pallotti Produto: Made in Brazil Magazine Cliente: Juliano Corbeta Sociedade Vicente Pallotti Produto: Havaianas Cliente: Alpargatas CGB Artes Gráficas Produto: Catálogo Iluminar Cliente: Estação da Luz Ótima Indústria Comércio Importação Exportação Produto: Mostruário de Carpetes Five Stars Cliente: Beaulieu Leograf Gráfica e Editora Produto: Catálogo 30 Anos Forum Cliente: Forum Catálogos Promocionais e de Arte, com Efeitos Gráficos Especiais Stilgraf Artes Gráficas e Editora Produto: Catálogo Abest Cliente: Abest Facform Impressos Produto: Catálogo Rio Ave Cliente: Rio Ave Rona Editora Produto: Talent Construções Cliente: Talent Construções Efeito Visual Serigrafia Produto: Catálogo Hercules Barsotti Cliente: Arte Impressa Comunicação e Imagem Efeito Visual Serigrafia Produto: Teatro no Escuro Cliente: Cor & Arte Desenhos Relatórios de Empresas Stilgraf Artes Gráficas e Editora Produto: Relatório Anual Bradesco Cliente: Bradesco Tamóios Editora Gráfica Produto: Portfólio Aterpa Cliente: Grupo Aterpa Rede Editora Gráfica Produto: Relatório Fidens Cliente: Fidens


Nossos mestres impressores revelam a natureza atĂŠ para quem jĂĄ faz parte dela

a arte de imprimir

T [11] 2172.0511 | www.ipsis.com.br Livros de arte, revistas e promocionais


Gráfica Santo Antônio – GSA Produto: O Contador de Histórias – Relatório de Gestão Cliente: Bandes Braspor Gráfica e Editora Produto: Relatório de Sustentabilidade Walmart Brasil Cliente: Walmart Brasil

MMR Comunicação e Produtos Promocionais Produto: Display Iron Man Extreme Cliente: Avon Cosméticos Gráfica Sonora Produto: Pirâmide Tridimensional Program Plus Cliente: Novartis Saúde Animal

Folhetos Publicitários Makro Kolor Gráfica e Editora Produto: Folheto Promocional Cliente: Alcon Laboratórios Gráfica e Editora Real Produto: Folder Porto de Galinhas Cliente: Prefeitura de Ipojuca Gráfica Print Indústria e Editora Produto: Folder Pizza Cliente: Programa VIP Premier Spell Gráfica Fotolito e Editora Produto: Broadside Johnnie Walker Cliente: Diageo do Brasil Mais Artes Gráficas e Editora Produto: Lançamento Honda City 2013 Cliente: F Nazca S&S Publicidade

Displays e Materiais de Ponto de Venda de Chão MMR Comunicação e Produtos Promocionais Produto: Display Chão Renew Genics Cliente: Avon Cosméticos Escala 7 Editora Gráfica Produto: Display Trenzinho Bauducco Natal 2012 Cliente: Pandurata Alimentos Escala 7 Editora Gráfica Produto: Display Portal Natal Bauducco Cliente: Pandurata Alimentos Escala 7 Editora Gráfica Produto: Display de Chão Johnson`s Baby Cliente: Johnson & Johnson Escala 7 Editora Gráfica Produto: Display de Chão McLanche Feliz A Era do Gelo 4 Cliente: Arcos Dourados Brasil – McDonald`s

Kits Promocionais Facform Impressos Produto: Embalagem para DVD, Plano Comercial dos Vinhos Cliente: Mercado Comunicação Compulaser Gráfica e Editora Produto: Kit Evolução do Papel Cliente: Compulaser Gráfica e Editora P+E Galeria Digital Produto: Caixa Bicicleta Itaú Cliente: Itaú P+E Galeria Digital Produto: Regras de Maquiagem Cliente: Quem Disse Berenice Indústria e Comércio Gráfica Conselheiro – Congraf Produto: Kit Blade N.O. Explode Darkness Cliente: Integralmédica Agricultura e Pesquisa

38

Displays, Móbiles e Materiais de Ponto de Venda de Mesa Gráfica Universal Produto: Refil Don Porfírio Cliente: B.B Tabacco Gráfica Universal Produto: Don Porfírio Cliente: B.B Tabacco MMR Comunicação e Produtos Promocionais Produto: Display Mesa Fergie Viva Cliente: Avon Cosméticos REVISTA ABIGR AF  NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2012

Calendários de Mesa e de Parede Facform Impressos Produto: Calendário Tecpel de Mesa Cliente: Tecpel Facform Impressos Produto: Calendário Tecpel Parede Cliente: Tecpel Compulaser Gráfica e Editora Produto: Calendário Fim do Mundo Cliente: Compulaser Gráfica e Editora Ótima Indústria Comércio Importação e Exportação Produto: Furnas Cliente: Furnas GH Comunicação Gráfica Produto: Uma Homenagem a J. Borges Cliente: DF Papéis Malas Diretas Stilgraf Artes Gráficas e Editora Produto: Look Agilitá Cliente: Estúdio Marcia Cabral Stilgraf Artes Gráficas e Editora Produto: Mala Direta Cabeça Cliente: Salem Marketing

Facform Impressos Produto: Mala Direta Controle Remoto Oi Cliente: Oi Leograf Gráfica e Editora Produto: Mala Direta Floratta Pop Up Cliente: O Boticário Mais Artes Gráficas e Editora Produto: Vitamina para Ideias Cliente: Router Trendntech Publicidade Ltda

COMERCIAL Cartões de Mensagem Stilgraf Artes Gráficas e Editora Produto: Cartão Caixa 2011 Cliente: Nova S/B Corgraf Gráfica e Editora Produto: Editora Nam – Núcleo de Apoio à Municipalização do Ensino Cliente: Editora Nam – Núcleo de Apoio à Municipalização do Ensino Gráfica Flamar Editora Produto: Cartão de Natal Chesf Cliente: Mart Pet Comunicações Gráfica Santo Antônio – GSA Produto: Cartão Feliz 2011 Cliente: Guido Pinheiro Gráfica Amparo Produto: Cartão Ano Novo Cliente: Marcos Naves Convites Facform Impressos Produto: Convite de Casamento Cris e Pedro Cliente: Cris e Pedro Pampulha Editora Gráfica Produto: Convite David e Débora Cliente: David Art e Gráfica Potyguara Produto: Convite de Casamento Smoking Padrinhos Cliente: Elisabete e Jefferson Gráfica Santo Antônio – GSA Produto: Convite Narrativa Visual Cliente: Emar Batalha Premier Spell Gráfica Fotolito e Editora Produto: Johnnie Walker Cliente: Diageo do Brasil Cartões de Visita Corgraf Gráfica e Editora Produto: Cartões de Visita Prismacolor Consultores Cliente: Prismacolor / PR Consultores


Gráfica e Editora J. Andrade Produto: Cartão de Visita Teaser Cliente: Agência Teaser Grafiset Gráfica e Editora Produto: Tudo para o Seu Chimarrão Cliente: Banca 2 Gráfica Santo Antônio – GSA Produto: Cartão de Visita – Fire Cliente: Agência Fire Gráfica Lisboa Produto: Vitória Editora Cliente: Vitória Editora Papelarias Comunicare – Life Produto: Tic Tac Dupla Cliente: Tic Tac Gráfica e Editora J. Andrade Produto: Pasta Teaser Cliente: Teaser Villimpress Indústria Comércio Gráficos Produto: Pastas Futsal EPTV Cliente: EPTV Ribeirão Preto TV Globo Halley Gráfica e Editora Produto: Bloco Prêmio Piauí de Reportagem 2012 Cliente: Coordenadoria de Comunicação Social do Piauí Tamóios Editora Gráfica Produto: Envelope Blue Banana Cliente: Blue Banana

40

Impressos de Segurança Casa da Moeda do Brasil Produto: Selo Comemorativo Série América Caixas de Correio Cliente: ECT – Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Casa da Moeda do Brasil Produto: Cédula de R$ 20,00 – 2ª Família do Real Cliente: Banco Central do Brasil Contiplan Indústria Gráfica Produto: Selo de Vistoria 2012 Cliente: Departamento de Trânsito Rodoviário do Estado do Rio de Janeiro Primi Tecnologia Produto: Ciat Cliente: SMTR – Secretaria Municipal de Transportes do Rio de Janeiro Primi Tecnologia Produto: Cupom de Segurança para Controle e Fiscalização Cliente: Secretaria Municipal de Finanças da Cidade de São Paulo REVISTA ABIGR AF  NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2012

Cadernos Escolares Espiralados ou Costurados ou Colados ou Argolados ou Grampeados, com Capa Dura ou Capa Flexível, conforme Norma 15733 Tilibra Produtos de Papelaria Produto: Caderno Capa Dura Universitário Top Monster Cliente: Tilibra Produtos de Papelaria Tilibra Produtos de Papelaria Produto: Caderno Capa Dura Universitário Top Menininhas Cliente: Tilibra Produtos de Papelaria Tilibra Produtos de Papelaria Produto: Caderno Capa Dura Universitário Top Plush Poison Cliente: Tilibra Produtos de Papelaria Ótima Indústria Comércio Importação Exportação Produto: Mosaico Vermelho Cliente: Ótima Gráfica Bignardi Indústria e Comércio de Papéis e Artefatos Produto: Caderno Espiral Universitário O Pequeno Príncipe Cliente: Bignardi Indústria e Comércio de Papéis e Artefatos Cadernos em Geral Stilgraf Artes Gráficas e Editora Produto: Caderno Supergasbras Cliente: SHV Gas Brasil Ótima Indústria Comércio Importação Exportação Produto: Furnas Cliente: Furnas Gráfica e Editora Real Produto: Caderno Porto de Galinhas Ipojuca / PE Cliente: Prefeitura de Ipojuca / PE Contgraf Impressos Gráficos Produto: Caderno Zagaia Cliente: Zagaia Rede Editora Gráfica Produto: Agenda Vale Cliente: Vale do Rio Doce Agendas Facform Impressos Produto: Agenda Rio de Janeiro Cliente: Marluce e Eurico Tilibra Produtos de Papelaria Produto: Agenda Espiralada Capa Dura Fadas 2013 Cliente: Tilibra Produtos de Papelaria

Tilibra Produtos de Papelaria Produto: Agenda Espiralada Capa Dura Capricho 2013 Cliente: Tilibra Produtos de Papelaria Ótima Indústria Comércio Importação Exportação Produto: Senac Cliente: Senac Indústria Gráfica Foroni Produto: Agenda Jovem Moranguinho Cliente: Indústria Gráfica Foroni Cardápios Facform Impressos Produto: Restaurante Nez – Conjunto Cardápio Cliente: Restaurante Nez Corgraf Gráfica e Editora Produto: Madero Burger & Grill Cliente: Restaurante Madero Durski Gráfica e Editora LCR Produto: Cardápios Coni Baa Cliente: Coni Baa – Facchine Comércio de Alimentos P+E Galeria Digital Produto: Cardápio Hotel Emiliano Cliente: Hotel Emiliano Grafitusa S/A Produto: Escritório Bar Cliente: Escritório Bar

PRODUTOS IMPRESSOS EM ROTATIVA OFFSET HEATSET Revistas Semanais Plural Editora e Gráfica Produto: IstoÉ Gente edição 671 Cliente: Editora Três Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Quem Acontece Semanal edição 626 Cliente: Editora Globo Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Quem Acontece Semanal edição 610 Cliente: Editora Globo Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Quem Acontece Semanal edição 620 Cliente: Editora Globo Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Época Semanal edição 733 Cliente: Editora Globo


Revistas em Geral Plural Editora e Gráfica Produto: GQ edição 09 Cliente: Editora Globo Posigraf Gráfica e Editora Produto: Warung edição 002 Cliente: Warung Promoções Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Vogue edição 398 Cliente: Edições Globo Condé Nast Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Vogue edição 403 Cliente: Edições Globo Condé Nast Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Casa Vogue edição 317 Cliente: Edições Globo Condé Nast Catálogos Promocionais Plural Editora e Gráfica Produto: Revista Natura Ciclo 12 Cliente: Natura Plural Editora e Gráfica Produto: Lilica & Tigor edição 07 Cliente: Trip Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Colheita Jequiti Ciclo 11/12 Cliente: SS Comércio de Cosméticos e Produtos de Higiene Pessoal Posigraf Gráfica e Editora Produto: Tok Stok Cliente: Estok Comércio e Representações Mais Artes Gráficas e Editoa Produto: Look Book 2012 Dzarm Cliente: Cia Hering

Plural Editora e Gráfica Produto: Jornal Metrô SP nº 1178 Cliente: SP Publimetro Plural Editora e Gráfica Produto: Jornal Metrô SP nº 1204 Cliente: SP Publimetro Plural Editora e Gráfica Produto: Jornal Metrô Black UFC 07/07/2012 Cliente: SP Publimetro Posigraf Gráfica e Editora Produto: Viver Bem Cliente: Gazeta do Povo

PRODUTOS PRÓPRIOS Kits Promocionais Facform Impressos Produto: Kit Promocional Facform 2013 Cliente: Facform Impressos Compulaser Gráfica e Editora Produto: Caderno Profissão – Gráficos & Designers Cliente: Compulaser Gráfica e Editora Halley Gráfica e Editora Produto: Kit Halley 2012 Cliente: Halley Gráfica e Editora Grafitusa Produto: Grafitusa 2012 Cliente: Grafitusa Gráfica Santo Antônio – GSA Produto: Kit GSA 2012 Cliente: Gráfica GSA

Encartes e Folhetos Promocionais Sociedade Vicente Pallotti Produto: Economizar é Comprar Bem Cliente: Cia Zaffari Plural Editora e Gráfica Produto: Revista São Paulo edição 110 Cliente: Folha da Manhã Plural Editora e Gráfica Produto: Serafina edição 47 Cliente: Folha da Manhã Plural Editora e Gráfica Produto: Serafina edição 46 Cliente: Folha da Manhã Plural Editora e Gráfica Produto: Serafina edição 51 Cliente: Folha da Manhã

Calendários Nova Gráfica Produto: Executive Cliente: Nova Gráfica Gráfica e Editora J. Andrade Produto: Calendário J. Andrade Cliente: J. Andrade Provisual Gráfica e Editora Produto: Calendário Provisual 2012 Cliente: Provisual Gráfica Imagem Digital Cópias Produto: Calendário Imagem Digital 2013 Cliente: Imagem Digital Impressos Portão Produto: Calendários Vidas Rurais 2012 Cliente: Impressos Portão

Jornais Plural Editora e Gráfica Produto: Jornal Metrô SP nº 1170 Cliente: SP Publimetro

Catálogos e Folhetos em geral P+E Galeria Digital Produto: Book Antalis Cliente: Antalis

Impresul Serviço Gráfico e Editora Produto: Catálogo Meca‑​ Impresul Cliente: Impresul Serviço Gráfico e Editora Rona Editora Produto: Palindromo Tempo Cliente: Rona Editora Maxi Gráfica e Editora Produto: Vinil Maxi Cliente: Maxi Gráfica Premier Spell Gráfica Fotolito e Editora Produto: Portfólio Bem‑​ vindo ao Mundo do Cold Stamping Cliente: Premier Spell Gráfica Fotolito e Editora Sacolas Próprias Facform Impressos Produto: Sacola Facform Encourados Cliente: Facform Impressos Antilhas Embalagens Produto: Sacola Antilhas Cliente: Antilhas Corgraf Gráfica e Editora Produto: Eu Sou uma Sacola de Papel Cliente: Corgraf Gráfica Corgraf Gráfica e Editora Produto: I`m a Paper Bag Cliente: Corgraf Gráfica

IMPRESSÃO SERIGRÁFICA Impressão em Serigrafia Engenho das Artes Produto: Convite Pintar o 7 é Bom Cliente: Iana Multipla BR Produto: Backlight Dia das Mães Cliente: Grupo O Boticário Multipla BR Produto: Cartaz Floratta Cliente: Grupo O Boticário Multipla BR Produto: Demonstrativo de Esmalte Cliente: Grupo O Boticário Sutto Artes Gráficas Produto: Cartazes Raízen –Shell Cliente: JWT

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Inovação Tecnológica Casa da Moeda do Brasil Produto: Cédula de R$ 10,00 – 2ª Família do Real Cliente: Banco Central do Brasil

NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2012  REVISTA ABIGR AF

41


Arte & Design Indústria Gráfica Produto: Embalagem‑​ Bula Smartpack Cliente: Arte & Design Indústria Gráfica Premier Spell Gráfica Fotolito e Editora Produto: Portfólio Bem‑​ vindo ao Mundo do Cold Stamping Cliente: Premier Spell Gráfica Fotolito e Editora Papéis Amalia Produto: Eco Every Day Red Box Cliente: International Paper Primi Tecnologia Produto: Selo de Vistoria Cliente: SMTR – Secretaria Municipal de Transportes do Rio de Janeiro Complexidade Técnica do Processo Kawagraf Embalagens Produto: 3M ESPE Impregum Soft Cliente: 3M do Brasil Arte & Design Indústria Gráfica Produto: Embalagem‑​ Bula Smartpack Cliente: Arte & Design Indústria Gráfica Primi Tecnologia Produto: Certificado de Vistoria Cliente: SMTR – Secretaria Municipal de Transportes do Rio de Janeiro Primi Tecnologia Produto: Ciat Cliente: SMTR – Secretaria Municipal de Transportes do Rio de Janeiro Primi Tecnologia Produto: Cupom de Segurança para Controle e Fiscalização Cliente: Secretaria Municipal de Finanças da Cidade de São Paulo

CONFORMIDADE COM A NORMA NBR NM – ISO 12.647‑2

42

Impressão em Offset Plana e Rotativa Offset Heatset Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Jequiti Cliente: SS Cosméticos Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Shape Cliente: Editora Alto Astral Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Sexy Cliente: Editora Rickdan REVISTA ABIGR AF  NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2012

Fornecedores Finalistas Blanquetas Bottcher Day Brasil Flint Group Heidelberg Real Graphics (Day International) Cartão Com e Sem Revestimento Papirus Suzano Chapas para Impressão Agfa Antalis (Fujifilm) Heidelberg IBF Kodak Equipamentos para Acabamento Gráfico Heidelberg Müller Martini Equipamentos para Impressão Digital Canon do Brasil HP Kodak Konica Minolta Xerox Equipamentos de Impressão Plana Heidelberg Manroland

Heidelberg Kodak Screen (T&C) Filme para Termolaminação Ecolam MBSet (Prolam) Papel Adesivo Artecola Henkel Papel Autoadesivo Auto Adesivo Paraná (Colacril) Avery Dennison Papel para Impressão – Não Revestido APP/Cathay International Paper Suzano Papel para Impressão – Revestido APP/Cathay Sappi Trading Suzano Sistema de Provas Canon Epson (T&C) Kodak

Equipamentos para Impressão Rotativa Goss Manroland

Tintas Cromos Flint Group Heidelberg Sun Chemical Toyo Ink

Equipamentos para Pré-Impressão Agfa

Vernizes Heidelberg Overlake

Log & Print Gráfica e Logística Produto: Revista Vogue Cliente: Edições Globo Condé Nast Nywgraf Editora Gráfica Produto: Cartaz Mirada Cliente: Sesc

CONFORMIDADE COM A NORMA NBR– ISO 12.647‑7 Provas Digitais Stilgraf Artes Gráficas e Editora Produto: Prova Digital Brilho Cliente: Stilgraf Artes Gráficas

Stilgraf Artes Gráficas e Editora Produto: Prova Digital Fosca Cliente: Stilgraf Artes Gráficas P+E Galeria Digital Produto: P+E Prova Digital Gloss Cliente: P+E Galeria Digital Ogra Indústria Gráfica Produto: Test Form em Conformidade com a Norma NBR 12.647‑7 Cliente: Ogra Indústria Gráfica Nywgraf Editora Gráfica Produto: Provas Digitais Cliente: Nywgraf Editora


Lançamento

Sappi anuncia novidades na linha de couché

A Sappi traz ao mercado brasileiro a linha Magno, totalmente certificada pelo selo FSC, que atesta a procedência de toda a cadeia de custódia. Os primeiros estoques estarão disponíveis no País no início de 2013.

E

44

stá chegando ao mercado brasilei­ ro a linha Magno de papel couché, 100% certificada com o selo Fo­ rest Stewardship Council (FSC), a princi­ pal garantia de que houve correto mane­ jo florestal em toda a cadeia de custódia. Em novembro, a Sappi apresentou ao mer­ cado a novidade, que é produzida es­pe­cial­ men­te para atender a crescente demanda brasileira por pa­péis com este selo — do qual o País é um dos maiores consumido­ res mundiais, de acordo com informações da própria empresa. O Magno é um papel fino couché, que reú­ne alta consistência e excelente qualidade de impressão, valori­ zando o trabalho desempenhado pelas grá­ ficas que o utilizam. O ma­te­r ial é apresen­ tado em quatro versões: gloss, que oferece a opção de uma folha com maior espessu­ ra; silk, que apresenta baixo brilho em ­­áreas não impressas; matt, caracterizada pelo re­ vestimento fosco; e natural, a exceção da li­ nha, já que se trata de um papel não reves­ tido para impressão offset. O diretor-​­e xecutivo da Sappi Trading do Brasil, Flavio Ignacio, informa que, a partir de janeiro, as primeiras remessas já devem chegar ao mercado na­cio­nal. “Toda a rede distribuidora está apta a co­mer­cia­li­zar estes e todos os outros pa­péis que produ­ zimos”, afirma o diretor-​­executivo, sa­lien­ tan­do o trabalho sério desempenhado por toda a rede. “Seguimos uma política rigoro­ sa com relação ao papel imune, nosso prin­ cipal artigo de venda”, declara. REVISTA ABIGRAF  novembro /dezembro 2012

Printers of the Year

A cada dois anos, a empresa promove o Sa­ ppi Trading Printers of the Year, a versão re­g io­nal da pre­mia­ção global da empresa, que se­le­cio­na os melhores trabalhos execu­ tados por gráficas da América do Sul elabo­ rados com produtos Sappi. Os vencedores desta edição foram anun­cia­dos em junho último, mas, desta vez, os brasileiros não foram finalistas, conquistando apenas o se­ gundo lugar, mérito da recifense ­FacForm. A gráfica, ­a liás, já sagrou-se vencedora por três vezes da etapa mun­d ial, o Sappi In­ter­ na­tio­nal Printers of the Year, assim como a Burti e outras empresas nacionais de desta­ que. Flavio Ignacio aproveita para convidar todas as gráficas brasileiras a participarem da próxima edição. “Aquelas que utilizam pa­péis Sappi podem inscrever seus proje­ tos gratuitamente desde já, valendo para a pre­mia­ção 2013/2014”, avisa ele. Da África do Sul para o mundo

Líder mun­d ial na produção de pa­péis cou­ ché, a empresa sul-​­africana Sappi tem polos industriais instalados na Europa, América do Norte, África do Sul e China. Presente

Flavio Ignacio, diretor-​­executivo da Sappi Trading do Brasil

em mais de 20 paí­ses com es­cri­tó­r ios lo­ cais, a empresa conta com fi­l ial no Bra­ sil desde 1999, mas, desde os anos 1980, seus pa­péis já vêm sendo co­mer­cia­li­za­dos aqui, através de distribuidores. Sua exten­ sa linha engloba pa­péis especiais para uso gráfico, edi­to­r ial, indústria de ves­t uá­r io, embalagens, alimentos, bebidas, cosméti­ cos, uten­sí­lios domésticos, artigos de luxo, moda e decoração. A Sappi mantém um intenso programa de sustentabilidade, sendo a primeira com­ panhia de papel da Europa a obter os cer­ tificados ISO 9001 e ISO 14001 para toda a companhia, além do OHSAS 18001, EMAS (Eco Management and Audit System), PEFC (Programme for the Endor­ sement of Forest Cer­ti­ fi­ca­tion) e FSC (Forest Stewardship Coun­ cil) — renovando os valores da empresa sustentável.

& SAPPI TRADING DO BRASIL Tel. (11) 2165.8250 www.sappi.com.br


ECONOMIA Texto: Ada Caperuto

A

46

O novo Eldorado paulista

re­g ião nordeste do Estado de São Paulo soma 85 mu­n i­c í­ pios, dis­t ri­buí­dos por onze re­g iões administrativas: Ara­ raquara, Bebedouro, Ituverava, São Carlos, Barretos, Franca, Orlândia, São Simão, Ba­ tatais, Taquaritinga e Ribeirão Preto. Esta última, cidade sede de uma Sec­c io­nal da Abigraf Re­g io­nal São Paulo, se destaca pela pujança econômica que vem registrando nos últimos anos. Composta por 25 mu­ni­cí­pios, a re­g ião ocupa uma área su­pe­r ior a 9 mil quilôme­ tros quadrados, conforme mostra o estudo Caracterização So­cioe­co­nô­mi­ca de São Paulo – Re­g ião Administrativa de Ribeirão Preto, ela­ borado pela Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Re­g io­nal do Governo do Estado de São Paulo. O documento traz re­ sultados de análise sobre o desempenho econômico da re­g ião no pe­r ío­do de 1996 a 2008, que apontam que o dinamismo municipal encontra-se atrelado principal­ mente à expansão do setor sucroalcooleiro. No entanto, a re­g ião desenvolveu im­ portantes cadeias produtivas, e a cidade de Ribeirão Preto tornou-se o principal polo na prestação de serviços e de comércio de todo o nordeste paulista. De acordo com a Companhia de Desenvolvimento Econômi­ co de Ribeirão Preto (Coderp), no setor in­ dus­trial, além da indústria sucroalcooleira, a cidade conta com uma considerável gama de empresas dos segmentos de alimentos e bebidas, produtos químicos, metalurgia básica, máquinas e equipamentos e produ­ tos far­ma­cêu­t i­cos. De acordo com a Rais 2008, em Ribeirão Preto o setor de servi­ ços emprega 33,42% da mão de obra, segui­ do pela indústria (24,61%) e pelo comércio (24,03%). No mesmo ano, o município res­ pondeu por 56,4% do Produto Interno Bru­ to (PIB) re­g io­nal, seguido por Sertãozinho (13,7%) e Jaboticabal (5,1%). Segundo o estudo de 2011 da Funda­ ção Sea­de, o dinamismo da re­g ião também REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

O interior de São Paulo vive um momento de expansão. Em muitas cidades a população cresce, os negócios se aquecem e o consumo está em alta. É o caso, por exemplo, da região nordeste do Estado, que abrange 85 municípios. Para o setor gráfico, no entanto, a mesma pujança que dá novas oportunidades de negócios acirra a concorrência. pode ser visto pelas taxas de crescimento po­pu­la­cio­nal (1,6% a.a.) e de migração (7,6 migrantes a.a. por mil habitantes) registra­ das no pe­río­do 2000-​­2010. Outra pesquisa, denominada Um Horizonte de Oportunidades para Ribeirão Preto, elaborada pelo Conselho de Assessoramento para o Desenvolvimen­ to Econômico e So­cioam­bien­tal de Ribeirão Preto — órgão da As­so­cia­ção Co­mer­cial e In­dus­trial de Ribeirão Preto —, revela que a cidade vem registrando crescimento po­ pu­la­cio­nal acima da média de outras loca­ lidades brasileiras. A taxa de crescimento foi de 14% no pe­r ío­do 2000-​­2010 e de, em média, 1,82% ao ano. Considerando estes dados e a expectativa para os próximos 20 anos, é possível estimar que, em 2030, Ri­ beirão Preto contará com aproximadamen­ te 900 mil habitantes, quase 300 mil a mais que as atuais 615 mil pes­soas. No ritmo da economia

Para o diretor do Instituto de Economia da As­so­c ia­ç ão Co­mer­c ial de Ribeirão Preto, Antonio Golfeto, o centro de gravidade da economia paulista, aos poucos, está sendo deslocado da capital para o in­te­r ior do Es­ tado (veja box). Neste cenário, Ribeirão Pre­ to assumiria o papel de protagonista, como centro da re­g ião nordeste paulista.

Para a indústria gráfica, no entanto, o po­ten­cial deste “novo eldorado” dos paulis­ tas ainda não está significativamente tra­ duzido em aumento na demanda de servi­ ços de impressão. Ou, se está, dilui-se na forte concorrência estruturada a partir do acesso à modernização tecnológica a que se assistiu nas últimas décadas. No entanto, o que se percebe com depoimentos de al­ guns em­pre­sá­r ios da re­g ião é que, para o setor gráfico, o ano de 2012 acompanhou o movimento de muitos outros segmen­ tos econômicos. É coe­ren­te, uma vez que a produção in­dus­trial em todo o País regis­ trou retração neste ano e o Produto Inter­ no Bruto (PIB), de acordo com alguns es­ pe­cia­l is­tas do mercado, não deverá atingir 2% de crescimento. Ao menos é o que afirmam os em­pre­ sá­r ios de diferentes mu­n i­c í­pios, a maio­ ria deles pro­prie­tá­r ios de pequenos e mé­ dios ne­gó­c ios, mas com pelo menos 20 anos de atua­ção no setor. Fábio Sarje, vice-​ ­presidente da Abigraf Sec­c io­nal Ribeirão Preto e diretor de mar­ke­ting da GCom Gráfica e Comunicação, empresa que tem mais de duas décadas de atua­ção no segmento de impressos promocionais e editoriais, avalia que, considerando a crise econômi­ ca global, a demanda no primeiro semestre foi boa, mas, ainda assim, “tímida” se com­ parada a anos an­te­r io­res. “Mas este é um efeito de uma retração natural do mercado como um todo”, diz ele. A opi­nião é a mesma de Elie­te Rosa, só­ cia-​­pro­prie­tá­r ia da Gráfica Rosa, de Cra­ vinhos, que está no mercado há 34 anos, atuan­do na impressão de materiais pro­ mocionais, convites, cartões e outros im­ pressos em offset, além de ter uma peque­ na parte da produção em sistema digital. Para ela, apesar de melhor que 2011, o mo­ vimento deste ano, ao menos até setem­ bro, con­t i­nua­va abaixo do esperado. “Foi bom, mas não um dos melhores anos”, de­ clara Dió­ge­nes de Almeida, sócio-​­d iretor


Os 85 municípios que compõem a região Nordeste paulista Municípios

População 2011

Municípios

População 2011

Altinópolis

15.607

Miguelópolis

20.573

Américo Brasiliense

35.156

Monte Alto

46.935

Aramina

Monte Azul Paulista

18.866

Araraquara

211.378

Morro Agudo

29.495

Barretos

112.901

Motuca

4.331

Barrinha

28.931

Nova Europa

9.500

Batatais

57.004

Nuporanga

Bebedouro

75.050

Orlândia

40.157

Boa Esperança do Sul

13.757

Patrocínio Paulista

13.160

Borborema

14.661

Pedregulho

15.759

Brodowski

21.524

Pirangi

10.680

Pitangueiras

35.722

Buritizal Cajuru Cândido Rodrigues Cássia dos Coqueiros Colina

5.186

4.092

Pontal

41.412

2.675

Pradópolis

17.899

2.606

Restinga

23.633

17.439

Colômbia

6.001

Cravinhos

31.999

Cristais Paulista Descalvado

6.866

Ribeirão Bonito Ribeirão Corrente Ribeirão Preto

6.682 12.219 4.313 615.576

7.693

Rifaina

3.443

31.249

Rincão

10.411 10.712

Dobrada

8.035

Sales Oliveira

Dourado

8.610

Santa Ernestina

Dumont

8.336

Santa Lúcia

Fernando Prestes

5.540

Santa Rita do Passa Quatro

26.430

Santa Rosa de Viterbo

24.116

Franca Gavião Peixoto

321.664 4.452

Santo Antonio da Alegria

Guaira

37.682

São Carlos

Guará

19.935

São Joaquim da Barra

Guariba

35.939

São José da Bela Vista

Guatapará

5.558 8.288

6.355 224.773 47.006 8.434

7.022

São Simão

14.406

Ibaté

31.147

Serra Azul

11.751

Ibitinga

53.806

Serrana

39.520

Igarapava

28.149

Sertãozinho

Ipuá

14.358

Tabatinga

Itápolis

40.281

Taiacu

5.917

Itirapuã

5.965

Taiuva

5.441

Ituverava

38.923

Jaborandi

6.601

Taquaral Taquaritinga

111.658 14.853

2.728 54.147

Jaboticabal

72.054

Terra Roxa

8.571

Jardinópolis

38.456

Trabiju

1.562

Jeriquara

3.154

Luiz Antonio

11.762

Matão

77.262

Viradouro Vista Alegre do Alto Fonte: Seade

17.430 7.135

da Gráfica Santa Cruz, que atua há 22 anos no segmento de impressos comerciais. Sander Luiz Uzuel­le, diretor da São Francisco Gráfica e Editora, empresa que está no mercado há 54 anos, atuan­do no segmento pro­mo­cio­nal e edi­to­r ial, diz que o ano de 2012 começou fraco, mas houve uma sensível melhora a partir de julho. Para Vilibaldo Faustino Ju­nior, diretor da Villimpress Gráfica, as eleições municipais fizeram a diferença para sua empresa, que tem 30 anos de existência. Porém, há casos específicos, como o de Elcio Carlos Beletti, pro­prie­tá­rio da Gráfica Sa­muel, que informa que o movimento foi o mais baixo dos últimos dez anos de atua­ção da gráfica, que está há duas décadas no mercado de impressos promocionais e convites de casamento. Já a Grafsetrp registrou 30% de queda no movimento, conforme relata Antonio Henrique Dadário, sócio-​ ­pro­prie­tá­r io da empresa, que atua há 20 anos com impressos comerciais em geral. Guerra declarada

Eleita a “vilã número um” dos em­pre­sá­r ios da re­g ião de Ribeirão Preto, a guerra de preços, infelizmente, parece que veio para ficar. O problema é apontado por exatamente todos os em­pre­sá­r ios entrevistados como o pior dos males para os ne­gó­c ios, responsável até mesmo pelo encerramento das atividades de algumas gráficas, como ressalta o diretor da GCom. “Sou otimista em achar que um dia haverá igualdade de condições e oportunidades para todos”, declara Fábio Sarje. Segundo ele, para que mudanças ocorram de fato, é necessário que os em­pre­sá­r ios se unam, sugerindo mudanças que be­ne­f i­cia­rão a pluralidade. “Dessa maneira, nosso mercado voltará a se solidificar. Por isso é válido lembrar que, se você é um as­so­c ia­do Abigraf e nunca compareceu a uma reunião, vá. Afinal, é o seu negócio que está sempre em pauta”, convoca o diretor da GCom. Porém, há também uma forte incidência de outros tipos de problemas, como a carência de pes­soal capacitado, a falta de incentivo à produção e o peso enorme dos impostos. “Além da concorrência, há falta de mão de obra qualificada”, ressalta Plauto Garcia Leal Filho, sócio-​­administrativo da Rochedo Gráfica e Editora, empresa novembro /dezembro 2012 REVISTA ABIGRAF

47


com 38 anos de atua­ç ão na área de im­ pressos promocionais. Com ele concorda Antonio Henrique Dadário, da Grafsetrp, que declara ser a qualificação de profissio­ nais um dos “problemas mais urgentes a se­ rem corrigidos”. Vilibaldo, da Villimpress Gráfica, também aponta a perda de espa­ ço dos impressos gráficos para outras mí­ dias, como as eletrônicas. “A mídia digital é

mais barata e mais direta”, diz Elcio Belet­ ti, da Gráfica Sa­muel. O diretor da GCom, no entanto, faz o alerta. “O impresso está passando por um pe­r ío­do de adequação no qual ganhará mais interatividade, verá re­ duzido seu consumo em alguns segmen­ tos e sairá ainda mais valorizado em ou­ tros, como nos de embalagem e edi­to­r ial. Portanto, nunca deixará de existir”.

Investimentos

Embora o ano tenha sido de altos e baixos, alguns em­pre­sá­r ios consultados aproveita­ ram para investir em tecnologia, seja para am­pliar e otimizar um processo já rea­li­za­ do ou para passar a oferecer novidades no port­fó­lio. Fábio Sarje, da GCom, revela que sua empresa agregou equipamentos de im­ pressão digital, além de fazer investimentos

Um novo centro de gravidade da economia paulista É preciso identificar a atividade econômica

entre os mu­ni­cí­pios. Pelo contrário. Os quatro vértices do que seria o quadrilátero do desenvolvimento do in­te­rior paulista são as capitais econômicas do Vale do Pa­raí­ba, localizada entre Taubaté e São José dos Campos; a cidade de Ribeirão Preto, centro do nordeste paulista; o nosso Vale do Silício, centrado em Campinas mas abrangendo toda aquela re­gião; e, por último, a re­gião de Sorocaba, com centro nesta antiga e dinâmica cidade. Este fato Índice percentual de participação no ICMS do estado pode ser mostradOs 21 mais populosos municípios paulistas do pelos índices População % variação de participação Municípios 1982 2011 2011 1982/2011 dos mu­ni­cí­pios Bauru 346.612 0,38137540 0,55551125 45,66 no produto da Campinas 1.091.946 2,36319310 2,69722375 14,13 arrecadação do ICMS , com um Diadema 388.745 1,21251190 1,05928593 – 12,64 arco de tempo Franca 321.664 0,40676890 0,39957755 – 1,77 de trinta anos. Guarulhos 1.236.506 2,91617090 3,58372691 22,89 A  análise (veja Jacareí 213.217 0,51341780 0,63404504 23,49 quadro ao lado) Jundiaí 374.962 1,28621990 1,72478394 34,10 abrange um Limeira 278.581 0,65724660 0,67115735 2,12 extremo que vai de 1982 até Mauá 422.592 1,28698440 0,84489209 – 34,35 2011. Tais índiMogi das Cruzes 392.969 0,76869370 0,76825262 – 0,06 ces mostram Osasco 667.348 1,60010380 1,35596376 – 15,26 as va­ria­ções de Piracicaba 368.298 0,93295330 0,95801579 2,69 renda e de riRibeirão Preto 615.576 0,72602590 1,37582547 89,50 queza de cada S.José do Rio Preto 676.135 0,37353300 0,66214378 77,27 um dos 21 mu­ni­ cí­pios paulistas Santo André 419.824 3,15398300 1,22051846 – 61,30 mais populosos, Santos 770.795 1,42867760 1,01820661 – 28,73 propositadaSão Bernardo do Campo 413.324 4,91830720 3,55543879 – 27,71 mente re­l a­c io­ São José dos Campos 636.298 2,22499920 2,36426225 6,26 na­das. À frente, São Paulo 11.324.102 37,46725010 22,87259981 – 38,95 Ribeirão Preto Sorocaba 595.615 1,04078560 1,49438430 43,58 com +89,50%, Taubaté 282.150 0,47037070 0,87399430 85,81 Taubaté com +85,81% e São Fonte: Site da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

de qualquer segmento — mi­croe­co­no­mia — considerando-se a rea­li­da­de mais ampla, a ma­croe­co­no­mia. E esta nos indica um fato. É  que o centro de gravidade da economia paulista, aos poucos, está sendo deslocado da capital para o in­te­rior do Estado. Quan­do falamos de in­te­rior, não estamos tratando de uma área geo­grá­fi­ca homogênea, com estágio uniforme de desenvolvimento econômico

48

José do Rio Preto com +77,27%. Não si­tua­ mos este município entre os mais dinâmicos porque São José do Rio Preto é mais rico do que a re­gião onde está localizado, diferente de outros — como São José dos Campos, Campinas e Ribeirão Preto — que são ricos mas a re­gião em que estão inseridos são mais ricas ainda. E, desta rea­li­da­de, claramente se be­ne­fi­ciam. Este fato mostra que, em economia, todo investimento é sempre uma aposta no futuro. Os em­pre­sá­rios, percebendo nitidamente este fato, se quiserem con­ti­nuar investindo no Estado de São Paulo, irão fazê-lo cada vez mais no in­te­rior. Agora, se a opção for por outros estados, então é bom verificar o mar, o que os gregos chamavam de talasso, tessalon. Atual­men­te, o ocea­no Pacífico está atraindo mais investimentos. E está explicando o maior desenvolvimento econômico relativo da Colômbia, da Ve­ne­zue­la, do Peru e do Chile. O Atlântico já está com cara de passado, assim como o mar Mediterrâneo já foi passado em relação ao ocea­no Atlântico, que dominou do século XVI ao século XX . O in­te­rior paulista, que fez quatro presidentes na República Velha (1889/1930), quer novamente transformar sua força econômica em prestígio político. Seria repetir Prudente de Mo­raes (de Itu), Rodrigues Alves (do Vale do Pa­raí­ba), Campos Sales (Campinas) e Washington Luiz (Batatais, re­gião de Ribeirão Preto).

Por Antonio Golfeto, diretor do Instituto de Economia da As­so­cia­ção Co­mer­cial de Ribeirão Preto 

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012


®

RENZ AP 360 Perfuradora automática com ajuste automático de formato.

RENZ MOBI 360 RENZ MOBI 500 Máquina encadernadora semiautomática para agendas, cadernos, calendários e livros

RENZ do Brasil Ltda Rua 13 de Maio, 474 - Vila Tarumã CEP: 83.323-170 - Pinhais - PR Fone: 55-41-3033-9500 Televendas: 0800-604-9500 vendas@renz.com.br www.renz.com.br


Gráficas filiadas à Seccional Ribeirão Preto da Abigraf Regional São Paulo

50

Art Chik Produtos Publicitários Edson Antonio Bianchi Rua Capitão Salomão, 919 14080-210 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 2111-1900 artchik@artchik.com.br Art Press Gráfica Mauricio Martins Loureiro Rua Sacadura Cabral,325 14085-170 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3612-9336 artpress@netsite.com.br Caderbrás Bico Internacional Rua Germano Dix,4800 13630-000 Pirassununga SP Correspondência: Rua Pe. João Manoel,755, cj. 91 01411-001 São Paulo Fone: (19) 2116-1400 nivaldo.ferreira@carvajal.com.br Center Cópias Fotocopiadora Nildemar Doin Palma Rua Américo Brasiliense, 665 14015-050 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3625-8586 Fax: (16) 3636-7459 centercopias@highnet.com.br Copium Gráfica Copiadora Sergio Marques / Janete Rua Luiz Da Cunha,189 14050-040 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3610-9661 copium@terra.com.br Cristal Impressos Ana Rita Gomes Rua Pe Anchieta, 1137 14400-740 Franca SP Fones: (16) 3711-0200 Digital: (16) 3721-6747 anarita@graficacristal.com.br Dadário Graf Set Antonio Henrique Dadário Rua Herminio Morandini,520 14085-220 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3612-5333 3612-9555 grafsetrp@uol.com.br ahdrp@uol.com.br Dom Bosco Grafica Relevo Guilherme Granzote Calil / Fuad Abrão Calil Rua São José, 84/86 14010-060 Ribeirão Preto SP Fones: (16) 3625-2291 3610-4168 diretoria@dombosco.cc Editora Coc Empreend. Culturais Chaim Zaher /Adriana B. Cefali Zaher Rua General Celso Mello Resende, 301 14095-270 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3603-9700 jm.ferracini@coc.com.br Editora Stilo Pirassununga João Batista Marques Rua Gal Osório, 432 13630-000 Pirassununga SP Fones: (19) 351-2668 /3561-4066 elaine@movimento.com.br

Four Collor Repres Graficas Odil Fernandes de Andrade / Elizabete Eduardo de Andrade Rua Cravinhos, 725 14090-110 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3967-5999 Fax: (16) 3234-6554 bete@fourcolor.com.br Gráfica O Comércio Edson Cyrilo Bortoletto Rua Cel. Manoel Leme, 885 13690-000 Descalvado SP Fone: (19) 3583-1051 /3583-5522 graficacomercio@terra.com.br Gráfica Belém Luiz Carlos Mufatto / José Antonio Mufatto Rua José Bonifácio, 266 13690-000 Descalvado SP Fones: (19) 3583-7145 /3583-7449 graficabelem@terra.com.br Gráfica Canavaci José Canavaci /Afonso Canavaci Rua Barão de Cotegipe, 789 14050-420 Ribeirão Preto SP Fones: (16) 3635-3920/ 3610-7460 graficacanavaci@netsit.com.br G Com Gráfica e Comunicação Fábio Sarje / Marcio Sarje Rua Thomaz Nogueira Gaia,1424 14020-290 Ribeirao Preto SP Fones: (16) 3623-6549/ 3623-2892 gcomgrafica@gcomgrafica.com.br Gráfica e Editora Brodowski Angelo Marcelo Fossa Rua D. Luiz Amaral Mousinho,591 14340-000 Brodowski SP Fones: (16) 3664-5655/ 3664-2900 graficabr@graficabr.com.br Gráfica Jornal Agora Felipe Felicio Rua João Borghetti,1472 14170-560 Sertãozinho SP Fones: (16) 2105-1100 diretoria@agorasertaozinho.com.br Gráfica Levi Levi Ceregato/ Levi Ceregato Junior Rua Florêncio De Abreu,199 14015-060 Ribeirão Preto SP Fones: (16) 3931-6161/3931-6162 leviceregato@terra.com.br Gráfica Máximo Fenili Marco / Dirceu Rua Dna. Balbina, 204 13660-000 Porto Ferreira SP Fones: (19) 3581-1102 /3581-1252 marinafenili@hotmail.com Gráfica Rosa Eber Nazareno Perossi / Eliete Perossi Rosa Rua Bernardino de Campos, 362 14140-000 Cravinhos SP Fones: (16) 3951-1600/ 3951-4800 grafrosa@metalnet.com.br

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

Gráfica Samuel Elcio Carlos Beletti Rua Joao Rossiti,112 14030-030 Ribeirão Preto SP Fones: (16) 3620-0244/ 3911-1180 elcio@graficasamuel.com.br Gráfica Santa Cruz Diogenes de Almeida Rua Piracicaba,816 14090-230 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3627-4585 gscruz@superig.com.br Gráfica Santa Filomena Pedro Ricardo Rigo Rua São José,133 14010-160 Ribeirão Preto SP Fones: (16) 3610-9493/ 3625-0725 graficasantafilomena@yahoo.com.br Gráfica Sta. Terezinha (Multipress) Mario Sergio Evaristo Ferreira Av. Carlos Berchieri,1.671 14890-200 Jaboticabal SP Fone: (16) 3202-2246 maria@graficasantaterezinha.com.br Graficor Artes Gráficas Vanderlei da Silveira Rua Pernambuco, 1.251 14085-570 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3612-7406 graficor@graficor.com.br Grafimel Artes Gráficas Paulo Eduardo Carosella / Carlos Emanuel Carosella Rua São Paulo, 226 14085-010 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3635-2859 grafimel@grafimel.com.br Graphoart Process. de Imagens Dorival Aparecido Correa Av. Antonio Diederichsen, 625 14020-240 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3514-8045 diretoria@graphoart.com.br J C Freitas & Cia. Rua Antonio Carotini,1.561 14170-170 Sertãozinho SP Fone: (16) 3942-3567 graficastarosa@netsite.com.br Maxicolor Gráf. e Editora José Carlos Tormena Rua Liberdade, 90 14085-250 Ribeirão Preto SP Fones: (16) 3636-1490/ 3636-1453 maxi@terra.com.br Gráfica Gotardo Mauro Celso Gotardo Rua D. Luiz Amaral Mousinho, 591 14340-000 Brodowski SP Fone: (16) 3664-5655 angelica@graficabr.com.br Qualigráfica e Editora Fernando Guide/ David Renato Av. José Antonio Angelote,475 14160-000 Sertãozinho SP Fones: (16) 3942-4397/ 3942-1571 qualigrafica@qualigrafica.com.br

Ribergráfica Wilson dos Santos Rua Camilo de Matos, 189 14085-340 Ribeirão Preto SP Fones: (16) 2133-9900/ 2133-9911 wilson@ribergrafica.com.br Rochedo Gráfica e Editora Plauto Garcia Leal Filho Av. Mogiana, 2.527 14075-260 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3797-4000 plauto@graficarochedo.com.br Spaço Artes Gráficas e Editora Osmar Rogério da Costa Rua Santa Rosa, 574 – Q Facci I 14051-180 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3969-4659 grafspaço@terra.com.br São Francisco Grafica e Editora Sander Luiz Uzuelle Rua Lafayete, 99 14015-080 Ribeirão Preto SP Fones: (16) 3632-4025/2101-4151 sander@saofranciscograf.com.br Suprema Grafica e Editora Bene Pedrino Rua Luiz Roher, 1.178/ Cx Postal 42 13570-002 São Carlos SP Fone: (16) 3368-3329 financeiro@supremagrafica.com.br Taquaritinga Artes Gráf. e Editora Mauro Henrique Bussadore Rua Gal Osório,168 15900-000 Taquaritinga SP Fones: (16) 3252-5275/ 3252-4768 tag@graficatag.com.br Villimpress Ind. e Com. Gráfica Vilibaldo Faustino Junior Av. Paschoal Innechi,1.675 14010-030 Ribeirão Preto SP Fone: (16) 3628-5696 Fax: (16) 3626-4813 vilibaldo@villimpress.com.br Associação Brasileira da Industria Gráfica Seccional Ribeirão Preto Sindigraf – Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo Rua Visconde de Inhauma, 489, 3º andar, sala 309 14010-100 Ribeirão Preto SP Fone/Fax: (16) 3610-7724/3632-0850 abigrafrp@abigraf.org.br Diretores: 1º vice-Presidente Seccional: Edson Antonio Bianchi 2º vice-Presidente Seccional: Fábio Sarje Diretor Administrativo Seccional: Sander Luiz Uzuelle Diretor Financeiro Seccional: Wilson dos Santos Diretor Administrativo Adjunto: Vilibaldo Faustino Júnior Diretor Financeiro Adjunto: Diógenes de Almeida Clementino


Estabelecimentos gráficos na Região Administrativa de Ribeirão Preto Município

2011

2010

2009

Barrinha

1

1

1

Brodowski

4

4

3

Cajuru

2

1

0

Cravinhos

4

4

4

Guariba

1

1

2

Jaboticabal

6

7

9

Jardinópolis

7

7

7

Luis Antonio

5

5

5

principalmente pelo respeito e presença político-​­econômica conquistados nos últimos anos, mérito principalmente do em­pre­sa­ ria­do brasileiro, que soube cobrar contrapartidas de seus governantes, justamente porque faz, e muito bem feita, a sua lição de casa, ainda que tenha um governo que o penalize com a corrupção e as altas taxas em tributos”, ensina o empresário. Funcionários gráficos na Região Administrativa de Ribeirão Preto Município

Monte Alto

8

8

7

Barrinha

Pontal

4

4

3

Brodowski

Pradópolis

1

2

2

Cajuru

132

132

136

0

1

1

Ribeirão Preto Santa Rosa de Viterbo

Cravinhos Guariba

2011

2010

2009

3

2

2

55

27

26

2

1

0

45

42

31

5

6

7

São Simão

2

1

1

Jaboticabal

85

82

78

Serrana

2

3

3

Jardinópolis

68

65

50

Sertãozinho

7

9

8

Luis Antonio

174

189

199

186

190

192

63

Monte Alto

70

65

Fonte: MTE/Rais. Elaboração: Decon/Abigraf.

Pontal

7

9

4

na estrutura, mais exatamente em tecnologia B2B. “Estamos buscando a integração com um novo mercado, que hoje está cada vez mais aberto a este tipo de ne­go­cia­ção. Para os próximos meses pretendemos investir em maquinário de acabamento com maior automatização, menor tempo de setup e menor espaço físico ocupado”, informa. Edson Antonio Bian­chi, diretor da Art Chik Gráfica, de Ribeirão Preto, afirma que o mais recente investimento rea­l i­za­do pela empresa foi a aquisição e instalação de uma impressora digital rotativa HP Indigo in­dus­trial, que veio preen­cher uma lacuna que existia no atendimento a solicitações de pequenas e mé­d ias tiragens, que não eram viáveis no processo flexográfico.

Pradópolis

1

2

6

1560

1338

1172

0

0

1

TOTAL

Dias melhores

Se a re­g ião de Ribeirão Preto vive um momento de expansão so­cioe­co­nô­mi­ca, Fábio Sarje, da GCom, acredita que, onde há consumo, há também oportunidades. “Fiquemos atentos à nova classe C, público com grande po­ten­cial de consumo. Há também mercados que ainda estão em plena ascensão, como o segmento edi­to­r ial e o de embalagens. O Brasil é um país em destaque no cenário mun­d ial, não só por se­d iar a Copa do Mundo e as Olim­pía­d as, mas

Ribeirão Preto Santa Rosa de Viterbo São Simão

9

1

1

Serrana

4

1

3

37

44

35

2.125

1.874

1.678

Sertãozinho TOTAL

Fonte: MTE/Rais. Elaboração: Decon/Abigraf.

Outra lição vem de Vilibaldo Faustino Ju­nior, da Villimpress Gráfica. “Ou os gráficos acordam para rea­li­da­de ou vamos ter sé­r ios problemas em nosso setor. O empresário precisa administrar melhor sua empresa e valorizar o seu produto”. Seja como for, o espírito positivo em relação ao futuro dos ne­gó­cios desde já contamina outros em­pre­sá­r ios, que acreditam que 2013 será diferente. “Tenho uma expectativa de que será um ano bem melhor que este”, declara Dió­ge­nes de Almeida, da Gráfica Santa Cruz. Essa é também a opi­ nião da diretora da Cristal Indústria Gráfica, de Franca, que há 30 anos atua no segmento. “O primeiro semestre de 2012 foi ra­zoá­vel, segundo nossos levantamentos e estatísticas. E a expectativa para 2013 é de melhora, almejando estabilidade de mercado até o fim deste ano”, diz, confiante, Ana Rita Gomes da Silva.

51 novembro /dezembro 2012  REVISTA ABIGR AF


Gráfica-SP

Especializada no ramo de rótulos, etiquetas e adesivos há quase quatro décadas, a Art Chik sobressai na região de Ribeirão Preto e conquista clientes em todo o País. Texto: Ada Caperuto

Evolução consistente

H

á 36 anos, a Art Chik Produtos Pu­bli­ ci­tá­r ios imprime autoadesivos, rótu­ los e etiquetas em seu parque in­dus­ trial localizado no munícipio de Ribeirão Preto (SP). Acomodada em instalações pró­prias, em uma área de 1.600 metros quadrados, a empre­ sa detém o título de “uma das maiores forne­ cedoras de rótulos adesivos do País”. Além de forte presença re­g io­nal, a gráfica contabiliza clien­tes em todo o Brasil, atendendo os mais va­r ia­dos setores da economia. “Tal diversifi­ cação tem permitido manter e rea­l i­zar nossos planos de crescimento sem grandes dificulda­ des. E crescer, para a Art Chik, em tecnologia,

equipamentos, formação de mão de obra, é fundamental”, comenta o diretor e fundador, Edson Antonio Bian­chi. A expansão men­cio­na­d a já é uma rea­l i­d a­ de. A Art Chik co­mer­cia­li­za seus produtos para mais de 230 cidades, espalhadas por 18 esta­ dos do Brasil. Estes clien­tes são empresas das mais diversificadas ­­áreas, como a indústria de alimentos, cosmética, médico-​­veterinária, quí­ mica, far­ma­cêu­ti­ca e la­bo­ra­tó­rios, entre outras, com destaque para sua atua­ção junto ao agro­ negócio — um dos mais fortes segmentos eco­ nômicos da re­g ião de Ribeirão Preto. Por isso mesmo, é muito natural que a gráfica esteja ha­ bilitada a produzir impressos nos mais diferen­ tes substratos, desde pa­péis de todos os tipos até polímeros (BOPP, vinil, po­l ie­ti­le­no, po­l iés­ ter, laminados e policarbonato). Esta abran­ gência também demonstra a exigência de es­ tar qualificada para trabalhar com materiais e processos de fabricação distintos, dedican­ do es­pe­c ial atenção a cada projeto e buscan­ do a solução ­ideal para cada produto. “O mais recente investimento rea­l i­z a­do pela empre­ sa foi a aquisição e instalação de uma impres­ sora digital rotativa HP Indigo in­dus­trial, que veio preen­cher uma lacuna existente no aten­ dimento a solicitações de pequenas e mé­d ias tiragens, que não eram viáveis no processo flexográfico”, revela o executivo. Evolução

52

Edson Antonio Bianchi e a esposa Maria de Lourdes (ao centro), ladeados pelos filhos (E/D) Ricardo e Randal e suas esposas

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

Equipada com modernas impressoras flexo­ gráficas modulares e todos os demais equipa­ mentos complementares ao processo, inclusive


revisoras eletrônicas, a Art Chik de 2012 em nada lembra a de 1976, ano em que começou suas atividades, de maneira bastante modes­ ta, com apenas uma pequena impressora, uma cortadeira de papel e duas mesas de serigrafia. Desde o começo, Edson Bian­c hi dirige os ne­gó­cios da companhia. Nos dias de hoje, po­ rém, ele conta com a colaboração, nas ­­áreas ad­ ministrativa e co­mer­cial, de sua esposa, Maria de Lourdes, e os dois filhos, Randal e Ricardo, que, ao lado de suas atividades na área da saú­ de (um é médico e o outro dentista), têm pro­ fundo gosto pelas artes gráficas e pela empresa na qual praticamente cresceram. “Importante, também, para essa evolução segura e consisten­ te foi a formação e a manutenção da mão de obra qualificada. Hoje, vá­rios fun­cio­ná­rios do quadro da gráfica têm mais de uma década de vínculo com a empresa”, conclui Edson Bian­chi.

& ART CHIK Tel. (16) 2111.1900 www.artchik.com.br novembro /dezembro 2012 REVISTA ABIGR AF

53


Opinião

E

Maturidade e respeito

cia do trabalho nto, vale ressaltar a importân rta Po ca áfi Gr do ideias, iro de Excelência idades do País todo, trocan ent s da e red Em 2012 o Prêmio Brasile em 22 ª‒ edição e carrega lutando lado a lado em Fernando Pini chega à sua ajudando umas às outras, a e qu e ad ilid ra que assim possamos ponsab esa dos nossos interesses, pa consigo a maturidade e res def em o iad Cr os. va nas tomadas destes an nar mais fortes e ter voz ati tor premiação adquiriu ao longo s no u sce na o mi no futuro l e ABTG, o prê e irão ref letir diretamente qu es isõ dec 1991 pela Abigraf Naciona de ís Pa produção gráfica do com o intuito de valorizar a de nossas empresas. quistado con via ha já a Mortara, em seu o, açã cri de os Neste sentido, Fabio Arrud e, após dois an , nto me mo te artir des igraf Nacional, tem ato como presidente da Ab nd reconhecimento nacional. A p ma ‑se do ran em de acional, consag ra que as reg ionais particip pa ído bu tri ganhou notoriedade intern con a da indústria gráfic es que foram norteadas como uma das maiores festas maneira efetiva nas decisõ no os ad ent res ap s da gestão, integrando, balho o planejamento estratégico do mundo, sendo que os tra pel o pel e ent alm internacion de planos de trabalho concurso são reconhecidos assim, interesses. A criação visando ating ir antes de diversos estados, egr int alto nível de qualidade. com sas tos e 230 empre mplo de que a Abigraf Com 1.502 produtos inscri um único objetivo, é um exe ção edi ‒ ª 22 a s, iro sile bra envolver todos nós neste cional está preocupada em participantes, de 18 estados Na gem ssa pa a r s resultados para e irá marca so e, desta forma, trazer bon ces da premiação provavelment pro to tan o, açã liz a profissiona da fase de aprendizado para a indústria gráfica. anização, júri e org na incentivamos a u lui evo e qu si, em Também com esse objetivo, do evento a cad a e qu as, fic grá das as, mas principalmente critérios de avaliação, como rticipação de todas as gráfic pa . res lho Prêmio Brasileiro ainda me s empresas paranaenses, no ssa no ano apresentam trabalhos s da o ulh org s a conquista PR, tenho Gráfica Fernando Pini, poi cia ên Como presidente da Abigraf‑ cel Ex de rte pa paranaenses fazem a nacionalmente e até em afirmar que as gráficas de um troféu projeta a gráfic to jun s mo sce cre e e qu iro, dando visibilidade ao dessa história desde o início ra fora do território brasile pa o ad est do un seg o Brasil também é um je a ser o trabalho e mostrando que com o prêmio, chegando ho sso no tos du pro e sas inscritas fico. com maior número de empre s país competitivo no ramo grá féu tro 49 m Co . ulo Pa o Sã finalistas, atrás apenas de anos, o Paraná destaca‑se .br conquistados ao longo destes abigrafpr@ milenio.com ia do tór his na os ad mi pre is ma entre os estados ficas no ranking geral Fernando Pini, com 12 grá dos campeões do prêmio. da ABTG, que nos Além disso, graças ao apoio sultoria e auditoria, dá todo o suporte técnico, con celência Gráfica Oscar o Prêmio Paranaense de Ex e referência no mercado Schrappe Sobrinho tornou‑s a e lisura com que os nacional pela transparênci os e pela qualidade trabalhos inscritos são julgad penho em sermos dos vencedores. E o nosso em busca pelo crescimento do reconhecidos está ligado à é o objetivo de todos nós. setor gráfico no Brasil, que

Sidney P aciornik

Bra sileira da Ind Presidente da Associação Regional Paraná

54 REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

ústria Gráfica (Abigraf)


Your Strong Partner. Encadernadoras para Lombada Quadrada

AlceadeirasGrampeadeiras

Velocidades de 1.500 a 18.000 ciclos/h

Velocidades de 9.000 a 30.000 ciclos/h

Equipamentos para Livros de Capa Dura Máquinas de Costura: 12.000ciclos/h Acopladoras: de 2.100 a 3.600 ciclos/h Preparação de bloco de livro: 4.200 ciclos/h Guilhotinas Trilaterais: de 2.000 a 7.200 ciclos/h

Impressoras Rotativas Offset Velocidade max. 365 m/min Largura de banda 200 a 850 mm Altura de impressão 355 a 762 mm Espessura de materiais 12 a 760 µm

Insertadeiras de Encartes para Jornais Velocidade 18.000 a 45.000 cadernos/hora Formatos de 75 x 148 mm a 310 x 435 mm Paginação max. da entrada 64 pág. STD Espessura máxima na saída 25 mm

Diamant MC / Hybrid

AmigoPlus

AlphaLiner

VSOP

Presto II

Alprinta

Pantera

Ventura MC

FlexLiner

Primera

Alegro Tempo

Equipamentos para a Produção de Livros Impressos Digitalmente em Linha SigmaLine: sistema integrado para o acabamento de livros impressos digitalmente em linha.

Concepta

Supra Bolero SigmaLine

CORONA

Corona

Müller Martini Brasil Fone: +55 11 3613-1000 www.mullermartini.com.br info@mullermartini.com.br

A Müller Martini oferece as mais variadas soluções em acabamento editorial, impressoras rotativas inclusive para o segmento de embalagens e soluções de encarte para salas de expedição de jornais. São soluções versáteis para a produção de livros de capa flexível colados e/ou costurados e também em capa dura, além de soluções para embalagens, sala de expedição de jornais e acabamento em linha para livros e/ou revistas impressos digitalmente, atendendo uma variedade de formatos, larguras, quantidades e velocidades. A Müller Martini disponibiliza ao mercado as tecnologias inovadoras para que nossos sistemas possam garantir as demandas do mercado atual e futuras.

ProLiner


Gráfica-SP

Colhendo frutos

Fundada há mais de 30 anos no município paulista de Franca, a Cristal Indústria Gráfica aposta em gestão e novas tecnologias para conquistar clientes na América do Norte, Europa e África, através da participação no Graphia. Texto: Milena Prado Neves

L

ocalizada em Franca, a cidade conhe­ cida por ser um dos principais polos calçadistas do País, a Cristal Indús­ tria Gráfica é uma das poucas gráficas do in­te­r ior do Estado de São Paulo a fazer parte do Graphia, grupo de exportação do setor via­bi­ li­za­do por meio da parceria Abigraf-​­Apex. As­ sim como os sapatos brasileiros vêm ganhando o mundo, a Cristal, de médio porte, também de­ seja am­pliar seus horizontes. Para alcançar este objetivo, uma das es­tra­té­g ias é investir con­ti­ nua­men­te em modernização tecnológica, uma filosofia da administração conduzida por Ana Rita Gomes da Silva, que há cerca de 20 anos co­ manda a empresa fundada por seu pai, Adelmo Francisco da Silva, há mais de 30 anos. O primeiro contato com o grupo de expor­ tação da Abigraf se deu em 2011, durante o 15 º‒ Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica

Ana Rita Gomes da Silva, diretora geral da empresa

(Congraf), rea­li­za­do em Foz do Iguaçu, quan­ do Ana Rita pôde conhecer um pouco mais so­ bre o trabalho do Graphia, candidatando-se a ingressar no grupo. Ini­c ial­men­te, a empresa foi analisada e, em janeiro deste ano, aprova­ da, passando a integrar o grupo. Nos dez pri­ meiros meses de 2012, os ne­gó­cios da Cristal deram um grande salto. “Não somente conse­ guimos conquistar o primeiro clien­te fora das fronteiras brasileiras, mas também passamos

56 REVISTA ABIGRAF  novembro /dezembro 2012


Venha para a

a exportar nossos impres­ sos promocionais e edito­ riais para paí­ses da América do Norte, Europa e África”, revela a diretora. Ao longo de 2012, mais de dez produtos diferen­ tes foram exportados para paí­ses como África do Sul, Canadá, Estados Unidos e França. “En­v ia­mos para lá revistas, ca­ tálogos e artigos promocionais produzi­ dos pela Cristal. É gratificante poder co­ lher o fruto de muito trabalho, dedicação e investimento”, comenta Ana Rita. Administração, gestão e tecnologia

A chegada de Ana Rita à empresa coincidiu com o início de uma nova fase. Foi após o ingresso dela nos ne­gó­c ios que a Cristal passou a utilizar o termo “indústria grá­ fica” ao lado de seu nome. Administrado­ ra nata, ela se interessou pelos ne­gó­cios do pai e, aos 25 anos, passou a integrar o qua­ dro so­cie­tá­r io da gráfica. Ela lembra que o início foi repleto de de­sa­f ios e aprendiza­ dos, que a tornaram uma mulher rea­l i­za­ da no âmbito pro­f is­sio­nal. “Foco o traba­ lho da empresa em administração, gestão e tecnologia”. A gráfica conta atual­men­te com amplo espaço: são 4.000 metros qua­ drados de área cons­t ruí­d a, que abrigam mais de 100 colaboradores divididos en­ tre os setores administrativo, co­mer­c ial,

20 anos Os melhores papéis nacionais e importados ■

compras, financeiro, recursos humanos, pré-​­i mpressão, produção e acabamentos especiais. O parque gráfico passa por cons­ tante modernização desde o início dos anos 2000, com equipamentos de última gera­ ção, como a completa linha de acabamen­ to Heidelberg. “Apostamos em tecnologia de ponta para garantir mais qualidade aos nossos impressos”, explica a diretora. Nos últimos anos, a empresa vem exe­ cutando diversas adequações visando aten­ der as novas demandas do mercado. “Nossa grande conquista recente foi a certificação FSC, que comprova ao mercado o uso de pa­ péis pro­ve­nien­tes de fontes responsáveis”, sa­l ien­t a Ana Rita. Ainda no quesito am­ bien­tal, a gráfica utiliza tintas de impres­ são offset certificadas com o selo Soy Ink, que pos­suem em sua formulação os percen­ tuais de óleo de soja especificados pela ASA (American Soy­bean As­so­cia­tion). & CRISTAL INDÚSTRIA GRÁFICA Tel. (16) 3711.0200 www.graficacristal.com.br

Linha completa editorial e promocional ■

Atendimento rápido, técnico e personalizado ■

Entregas em qualquer cidade do Brasil!

tels: (11) 3259 2255 (11) 3121 2255 demais regiões:

0300 772 5200 www.vivox.com.br

novembro /dezembro 2012 REVISTA ABIGRAF

57


Comprint digital impressora deixou de ser uma alternativa economicamente interessante. No início da década de 80, a Comprint resumia-se a três linhas: Gie­be­ler (rotativa offset para formu­ lário contínuo), Bie­lo­ma­tik (acabamento) e Smyth (costura de cadernos e livros). Logo o portfólio expandiu-se para a área de máqui­ nas de impressão e acabamento de etique­ tas e embalagens flexíveis e insumos como blanquetas e chapas, sem contar a venda da impressora Roland Practica.

58

REVISTA ABIGRAF  novembro /dezembro 2012

Ch­ris­tian Vorlander, diretor da Comprint

Em 1986, a Comprint iniciou a produ­ ção das fotorrepetidoras Strobbe, fabri­ cadas através da subcontratação de uma planta fabril. Dois anos depois, trouxe para o Brasil a marca Vi­deo­jet, uma das princi­ pais fabricantes de sistemas inkjet para a marcação e codificação de produtos. Disposição para o novo

Confirmando a brincadeira repetida pelo empresário, em 2006 a Vi­deo­jet implantou seu próprio escritório em São Paulo. Rapida­ mente a Comprint reestruturou-se, ini­cian­ do a produção das rotativas flexográficas Gidue, des­con­ti­nua­da em 2010 em virtude da valorização do real frente ao dólar. A fa­ bricação das fotorrepetidoras Strobbe já

Reprodução

o decorrer das últimas três décadas, muitas foram as vezes que Chris­­ tian Vorlander, diretor da Com­ print, precisou manobrar estrategicamente a empresa no sentido de responder às mu­ danças do mercado. Observando esse his­ tórico, que começa em 1982, ano da funda­ ção da Comprint, e segue até hoje, é possível ter uma rápida visão do quanto a indústria gráfica mudou nesse pe­r ío­do. Do formulá­ rio contínuo à impressão digital, 31 mar­ cas, além das dez atuais, já foram defendi­ das pela Comprint perante o setor gráfico brasileiro, algumas tão efi­cien­te­men­te que acabaram abrindo filiais pró­prias no Bra­ sil, como brinca o empresário. “Digo para o pes­soal. Temos de encontrar o equilíbrio: se formos ruins o fabricante troca de repre­ sentante. Se formos bons demais ele acaba abrindo uma fi­lial”, diverte-se. A atividade de Ch­r is­t ian no Brasil na verdade começa dez anos antes, em 1972, quando ele chegou ao País. Por dez anos trabalhou como gerente geral da Intergra­ fica (grupo Roland/Fer­ros­taal). Em 1980, associou-se à Roland e à Intergrafica para a fabricação no Brasil de uma máquina que marcaria época, a impressora offset mono­ color Roland Practica. O equipamento era efi­c ien­te, porém caro, custo que se justi­ ficava em virtude das dificuldades de im­ portação que caracterizavam aquele pe­r ío­ do. Em uma década, 700 máquinas foram vendidas, afora 30 que seguiram para ou­ tros paí­s es. Com a abertura promovida durante o governo de Fernando Collor, a

Foto: Álvaro Motta

Forjada pelas demandas da indústria gráfica nacional, a Comprint comemora 30 anos alinhada com as novas tecnologias.

havia sido interrompida em 1995 em função da obsolescência da tecnologia. Em 2008 foi a vez da Bie­lo­m a­t ik vir para o Brasil. Há dois anos a Comprint voltou ao mer­ cado de marcação, codificação e identifica­ ção de produtos e embalagens com os sis­ temas Hitachi, Atlantic Zeiser, Konica Minolta, Macsa e Squid. Essa área já res­ ponde por aproximadamente 15% do fatu­ ramento da Comprint. A maior receita vem da co­mer­cia­li­za­ção das impressoras digitais HP Indigo e das linhas de acabamento di­ gital para etiquetas ABG. Ainda para o seg­ mento gráfico, a Comprint trabalha hoje com impressoras inkjet UV de alta resolu­ ção, máquinas para cartões da Atlantic Zei­ ser e os sistemas de confecção de cartões e etiquetas inteligentes (RFID) da Melzer. Acompanhando a guinada do mercado para o universo digital, Ch­r is­tian planeja investir no segmento de embalagens fle­ xíveis e de cartonagem em 2013. Segun­ do o empresário, a Comprint é uma das três distribuidoras HP Indigo do Brasil, atendendo principalmente o mercado de etiquetas. “Com a geração de equipamen­ tos lançada na Drupa procuraremos atin­ gir também os segmentos de embalagens flexíveis e cartonagem”.

Impressora offset monocolor Roland Practica, produzida no Brasil na década de 1980

& COMPRINT IND. COM. Tel. (11) 3371.3371 www.comprint.com.br


Linha de Papelcartão Ibema: Speciala | Supera Pack Plus

Lizete Bonetti é Auxiliar Técnica de Controle da Qualidade. Colaboradora Ibema desde 04/03/2002.

l a i c Espe o o novo speciais com e s to u d la alta ro e p p lve aca que se destque suas ema desenpvo o Ib ã rt a a , ê lc c e p vo a r Po . Tudo para seus produtos. ciala - um Ibema Spencura em sua categoria quanto os is ia c ra rigidez e b s se tornem tão espe embalagen cê.

ma. Por Vo e Ib o ã t r a Papelc m.br 240-7400 w.ibema.co Fone: (41) 3 com.br • ww a. em ib @ g marketin

Spider

Aplicações do Ibema Speciala: Cosméticos Perfumaria Farmacêuticos Bebidas Chocolate Promocional Editorial


Trends of Print / ABRO

Bernhard Schreier, presidente da Drupa

Universo em mutação No final de setembro, gráficos e fornecedores participaram da 2-ª Trends of Print Latin America e 6 ª Conferência da Abro, no World Trade Center, em São Paulo, para identificar as tendências e mudanças que estão ocorrendo na indústria de impressão. Tânia Galluzzi

O

presidente da Aner, Roberto Muy­ laert, fez a palestra de abertura da Trends of Print Latin Ameri­ ca 2012, conferência que aconte­ ceu nos dias 20 e 21 de setembro em São Pau­ lo. Depois de breves considerações sobre a dificuldade de monetizar as versões eletrôni­ cas das revistas, a maioria das quais continua a ser sustentada pelas publicações impressas, o jornalista disparou: “Não há coisa mais fura­ da do que fazer previsões para os próximos 20 anos”. Certamente ele estava se referindo não só ao fato de a futurologia em si ser uma prática de alto risco, mas sobretudo ao perigo de fazer

conjecturas neste momento, quando a evolução tecnológica no universo da comunicação apenas começou a mostrar seus efeitos. O futuro pode ser imprevisível, mas as 368 pes­soas que estiveram no complexo WTC ti­ veram a chance de discutir o presente para, a partir dele, identificar as principais ten­dên­cias para o segmento gráfico e fazer um planejamen­ to mais consistente. Nada mais ­atual, por exem­ plo, do que a edição de setembro da Vogue ame­ ricana, com suas 916 páginas, das quais 600 ocupadas por anún­c ios, mostrada pelo presi­ dente da Aner como símbolo do vigor da mídia impressa. Nada mais real do que o aumento de

(E/D): Dieter Brandt, presidente da Afeigraf; Ismael Guarnelli, presidente da APS Feiras & Eventos e Karl Klökler, expresidente da Afeigraf

60 REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012


Impressão rotativa offset espera faturar mais de R$ 5 bilhões em 2013 o consultor Alexandre Marques apresentou, na abertura da 6ª Conferência da Abro, a Análise Se­to­rial 2012, estudo que envolve a indústria gráfica brasileira com rotativa offset, com o objetivo de traçar o perfil e di­men­ sio­nar o segmento a partir de indicadores relativos à sua estrutura ope­ra­cio­nal e co­mer­ cial. O universo pesquisado envolveu gráficas que pos­suem rotativas offset com secador. Foram identificadas nesse perfil 64 empresas, das quais 15 se dispuseram a participar do estudo com dados individuais, grupo que responde por 52,02% de toda a capacidade instalada do setor. A análise revelou que o faturamento total do segmento em 2011 foi de R$  4,71 bilhões, correspondendo a um crescimento de 3,7% se comparado a 2010. Esse montante sig­ nifica 15,75% do total obtido pela indústria gráfica brasileira como um todo, que atingiu R$  29,9 bilhões no mesmo pe­río­do, segundo a Abigraf. As 64 gráficas identificadas no estudo equivalem a 0,31% do total de gráficas no País, que somam cerca de 20.000 empresas. As gráficas pesquisadas demonstraram uma percepção positiva em relação às previ­ sões de crescimento. A expectativa é encerrar 2012 com faturamento de R$  4,9  bilhões e, uma vez confirmadas as taxas de crescimento previstas, a receita das empresas que com­ põem o setor de rotativas deve ultrapassar o patamar de R$  5 bilhões em 2013. O mercado mais representativo para as empresas com rotativas offset continua sendo o de livros, com 35,8% de participação no faturamento dessa indústria, seguido pelo de revistas, com 25,1%. O segmento de catálogos manteve sua curva ascendente, alcançando 14,4%, conservando-se à frente do de tabloi­ des, que voltou a cair em 2011, com 10,6% de participação na receita.

Roberto Muylaert, Aner

12% na circulação de revistas no Brasil, que pas­ sou de 387,2 milhões de exemplares em 2005 para 434 milhões em 2011. Esta foi a segunda edição de uma conferên­ cia planejada para ocorrer a cada quatro anos, coincidindo com a Drupa. Neste ano, a Afeigraf, promotora da Trends, uniu-se à Abro para a rea­ li­za­ção conjunta da 6 ª‒ Conferência da Abro, que ocupou o segundo dia do evento. As palestras e mesas-​­redondas, rea­li­za­das por em­pre­sá­r ios e profissionais nacionais e in­ ternacionais, enfatizaram o fato de o impres­ so ter se tornado mais um dos elementos da ­atual comunicação multiplataforma, deixando o posto de peça central de uma campanha, como muitas vezes acontecia até pouco tempo atrás. E com tantas marcas e publicidade em volta dos consumidores, uma comunicação crossmedia precisará de con­teú­do cada vez mais relevante, segmentado e personalizado para se destacar. Isso implica a ascensão crescente da impressão digital e suas soluções de dados variáveis para agregar valor aos produtos. Porém, a adoção da impressão digital ainda passa por vá­r ios de­sa­f ios no Brasil. Um deles é a mão de obra es­pe­c ia­l i­za­d a. Uma importan­ te questão levantada na conferência foi a pos­ sibilidade de migrar a mão de obra da impres­ são offset para a digital. Outra forte corrente é a otimização das soluções, refletindo a Drupa 2012, focada em sistemas cada vez mais inte­ grados e fluxo de trabalho efi­cien­te para redu­ ção de custos. Nesse caso, os suportes digitais se mostram como alia­dos, permitindo o acom­ panhamento remoto e em tempo real dos pro­ cessos gráficos, sem contar as oportunidades abertas pela tecnologia web-to-​­print.

Péricles Augusto de Cenço, Grupo RBS

Fernando Alperowitch, HP Indigo

Dragan Volic, Müller Martini

61


Ralph Nappi, NPES

Cenários diversos Frank Steingleder, Heidelberg

Ricardo Horie Minoru, Bytes & Types

Paulo Sergio Rosa, consultor

62

Ricardo Amorim, economista

O primeiro dia da Trends of Print contou com nove palestras e um fórum. Além da discussão sobre a mídia impressa, a programação envol­ veu temas como as es­t ra­té­g ias de sucesso do Grupo RBS na área de jornais (Zero Hora, Diá­ rio Catarinense e mais seis pe­r ió­d i­cos); a visão da HP com relação à impressão digital; ten­dên­ cias tecnológicas e mercadológicas sob o olhar de Bernhard Schreier, presidente da Drupa, em um de seus últimos compromissos como pre­ sidente da Heidelberg (subs­ti­tuí­do por Gerold Linzbach); soluções de acabamento apresenta­ das pela Müller Martini; a abertura de oportu­ nidades sustentáveis através da impressão di­ gital, tema abordado pela Agfa; as soluções da Goss para a impressão offset rotativa; mar­ke­ ting direto na percepção da Kodak; e os movi­ mentos da indústria gráfica mun­dial sob a ótica da NPES. Fechando o dia, o debate sobre como aumentar a rentabilidade dos sistemas e a qua­ lidade dos produtos por meio das novas tec­no­ lo­g ias, do qual participaram representantes da ABB, GrafiKontrol, Nela e QIPress. O dia 21 teve dois programas distintos: dois fóruns e três palestras da Trends of Print,

e quatro palestras da Conferência da Abro. As discussões da Trends giraram em torno da convivência entre impressão digital e con­ven­ cio­nal e os próximos passos do segmento de embalagem, assuntos levantados pela Agfa, AlphaGraphics, Canon, Laborprint, Scortecci e Wifag, e Bobst, AlphaGraphics novamente, Pa­ pirus e SunChemical. As con­fe­rên­cias aborda­ ram produção gráfica, com a Heidelberg; webto-​­print, com Ricardo Minoru; e formatos na impressão offset, com a Fer­ros­taal. A Confe­ rência da Abro tratou da produtividade e inte­ gração através da automação em duas palestras, ministradas por representantes da Q.I. Press e EFI /Metrics; a comunicação como ferramen­ ta para o sucesso nos ne­gó­cios, tema discutido pelo consultor Paulo Sergio Rosa; e os de­sa­f ios na formação da mão de obra, com o mestre em educação João Carlos Wi­ziak. Para encerrar o evento, os organizadores convidaram o economista Ricardo Amorim, que detalhou o cenário econômico no Brasil e no mundo. A Trends of Print 2012 foi organi­ zada pela APS Feiras & Eventos, sob o patrocí­ nio da Agfa, Heidelberg, Henkel, HP e Kodak e apoio das entidades do setor.


A PRIMEIRA FEIRA DE IMPRESSÃO DE 2013 VOCÊ, NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! DE

13 A 16 DE MARÇO DE 2013 EXPO CENTER NORTE | PAVILHÃO AZUL | SÃO PAULO

• • • • • • • • • • •

Transpromo Mala-Direta de Alta Relevância Dados Variáveis Impressão Sob Demanda Baixas Tiragens Web-to-Print Outsourcing Soluções de Acabamento Embalagens e Rótulos Digital Publishing Softwares

O mercado gráfico evolui cada vez mais rápido. Por isso a AFEIGRAF lançou mais uma edição do maior evento da indústria gráfica da América Latina: a ExpoPrint Latin America agora tem a versão digital ExpoPrint Digital, o primeiro e mais importante evento de impressão de 2013. Saia na frente da concorrência e aproveite para fazer bons negócios. Visite a ExpoPrint Digital 2013! Cadastre-se online e concorra a um iPad. Acesse nosso site registre-se.

WWW.EXPOPRINTDIGITAL.COM.BR REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO:

APOIO:

EVENTO PARALELO:

VISITE A MAIS IMPORTANTE FEIRA DE IMPRESSÃO DIGITAL COMUNICAÇÃO VISUAL, GRANDES FORMATOS, SERIGRAFIA, ESTAMPARIA DIGITAL E SINALIZAÇÃO.

FESPA BRASIL 2013

DE 13 A 16 DE MARÇO DE 2013 | EXPO CENTER NORTE REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO:

PARCEIRO GLOBAL DE TECNOLOGIA:


Schreier despede-se do comando da Heidelberg

A

participação de Bernhard Schreier na ­Trends of Print 2012 foi um de seus últimos compromissos como CEO da Heidelberg. Seu contrato iria se encerrar apenas em mea­dos de 2013, mas a pedido do próprio Schreier o executivo foi subs­ti­tuí­do, entregando o bastão para Gerold Linzbach, que assumiu o cargo no dia 1º‒ de setembro. Foram 13 anos no comando da companhia, pe­r ío­do de extremos, no qual a empresa viveu sua melhor fase e seu pior momento. Veja a seguir os principais trechos da entrevista exclusiva que Schreier concedeu à Revista Abigraf no primeiro dia do evento. O que pode indicar o fato de a Heidelberg ter escolhido um executivo do mercado de capitais para substituí-lo? O investimento em novas ideias. Depois de tantos anos em um mesmo setor temos a tendência de achar que sabemos tudo sobre ele, o que pode ser bom ou ruim. A empresa traz agora alguém com outra bagagem, que pode avançar em novas es­tra­té­g ias no sentido de assegurar o retorno da companhia à lucratividade. Quan­tos anos o senhor tem? Completarei 59 anos em fevereiro.

64

O senhor começou na Heidelberg em 1975, certo? Qual foi a função exercida e a sua trajetória na empresa? Certo. Comecei como trainee enquanto finalizava o curso de engenharia mecânica. Três anos depois me tornei assistente de gestão na fábrica de Wies­loch, depois chefe do departamento de impressoras offset planas de médio porte, passando por alguns cargos até chegar à chefia da fábrica. Em 1990 fui se­le­cio­na­do para comandar a produção da fábrica da Harris, na França, adquirida pela Heidelberg, assumindo a direção geral da REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

divisão Heidelberg Harris no ano seguinte. Em 1995 entrei para o conselho de administração da Heidelberger Druckmaschinen AG, liderando entre 1996 e 97 a fusão com a Linotype-​­Hell, finalmente ocupando o cargo de diretor executivo da companhia e presidente do conselho de administração em 1999. Nesses anos em que esteve no comando da empresa, qual foi a melhor fase? E a mais crítica? Entre 1998 e o ano 2000 vi­vía­mos como se estivéssemos no pa­raí­so. No ano 2000 atingimos o topo da nossa performance, mas não posso dizer que foi o melhor pe­río­do, pois esse cenário foi colapsado pelo estouro da bolha da internet e, no ano seguinte, pelos problemas advindos do atentado de 11 de setembro. Depois, 2002, 2003 e 2004 foram anos muitos duros, porque tínhamos uma enorme capacidade produtiva face a uma demanda em declínio. Em 2004 vivi o pior pe­río­do em minha carreira até aquele momento, quando decidimos sair do digital e vender a divisão de rotativas. Desenhamos uma nova estratégia, concentrando-​­nos no offset plano e em soft­wares para pré-​­impressão. Em 2008 assistimos à queda em vá­r ios mercados e em 2009 passamos pela pior fase, que ficou conhecida como “the nightmare” [o pesadelo]. Nossas vendas caí­ram 50%, estivemos muito perto de cair. Além dos problemas econômicos, as mudanças tecnológicas aprofundaram-se, atingindo em cheio o setor gráfico. Felizmente conseguimos crédito, entramos numa fase de recuperação e agora podemos olhar para o futuro com con­f ian­ça. O senhor é casado? Tem filhos? Algum deles seguiu os seus passos na área gráfica? Sim, estou casado desde 1965 e tenho três filhos, um homem e duas mulheres. Meu avô e meu pai trabalharam no setor gráfico, mas nenhum dos meus filhos está atuando na área. O que o senhor diria para um jovem que esteja ingressando hoje no setor gráfico? É um setor fabuloso, com grandes de­sa­fios. Quan­do comecei não imaginava que seria tão fascinante. O que mais me atraiu em todos esses anos foi o contato com os clien­tes, quase como um casamento. Há poucas in­ dús­trias onde o re­la­cio­na­men­to do fornecedor com o clien­te é tão forte, sobretudo porque para a maioria dos clien­tes o negócio é a sua vida.


Um impresso gráfico bem acabado vale mais. Com filmes para termolaminação Prolam, a beleza, durabilidade e, principalmente, a rentabilidade do seu trabalho, são valorizados. E só a Prolam oferece soluções completas de filmes e equipamentos para termolaminação.

Conheça como valorizar mais seu negócio em: www.prolam.com.br/ovosdeouro PROLAM FOSCO • PROLAM ALTO BRILHO • PROLAM PRATA • PROLAM BIO PROLAM 3D • PROLAM SOFT TOUCH • PROLAM SCUFF FREE 11 3616.3404 • 21 2580.9394 • 81 3242.4506 | www.prolam.com.br


História Viva

De engraxate a diretor técnico de um dos maiores birôs de fotolito do País, Ademar de Paula conta sua trajetória de 56 anos de dedicação ao setor gráfico. Tânia Galluzzi

66

N

Ademar de Paula Espírito inventivo

os idos de 1973, o computador era visto pelos poucos que sa­biam o significado dessa palavra como algo caro e complicado. E a fama tinha mesmo razão de ser. Tratava-se de máquinas grandes, intrincadas e nada amigáveis aos não ini­cia­dos, absolutamente diferentes do que vemos hoje. Mas a complexidade não assustava Ademar Antônio de Paula. Atraia-o. Ele buscava a solução para um problema vivido por todas as empresas que aten­diam o mercado pro­mo­cio­nal: a disparidade entre os originais entregues pelos clien­tes e agên­cias de publicidade, o que, na produção dos fotolitos, gerava uma série de conflitos, sobretudo na interpretação das cores. Enxergando uma saí­da na computação, Ademar passou três anos trabalhando em um projeto que sistematizasse o processo, crian­do o Reprocompur, que levou o nome da empresa na qual ele trabalhava desde 1956. Grosso modo, geravam-se calibrações em curvas a partir da leitura dos originais através de densitômetros e as informações de tais curvas alimentavam os outros sistemas envolvidos na

preparação dos filmes. Por dez anos o Reprocompur foi utilizado, elevando a qualidade, a produtividade e a con­f ia­bi­l i­d a­de do trabalho da Repro, po­si­cio­nan­do-a definitivamente na vanguarda da pré-​­impressão. O invento de Ademar de Paula seria depois subs­t i­t uí­do pelos escâneres eletrônicos. Essa história ajuda a ilustrar a contribuição de Ademar de Paula à indústria gráfica. Es­tu­d io­so e sempre disposto a dividir seu conhecimento, ele figurou como um dos principais técnicos gráficos do País por mais de 30 anos, tornando seu nome e o de sua empresa, a Laserprint Edi­to­r ial, sinônimos de excelência. Nascido em 1941 na cidade de Paraguaçu Paulista (SP), Ademar chegou à capital em 1950. Aos dez anos começou a ajudar no sustento da família. Foi engraxate, vendedor ambulante e entregador de tinturaria, até conseguir uma colocação na tipografia que fun­cio­na­va em frente à sua casa, no bairro da Ponte Pequena. Mas a vida só entrou mesmo nos eixos em 1956, mais precisamente no dia 23 de março, como faz questão de lembrar, quando ele entrou para


o Senai, que na época chamava-se Escola de Artes Gráficas. “Aprendi muito mais que um ofício. O Senai foi minha segunda casa. Foi lá que, aos 14 anos, fui saber o que era um dentista, uma assistência médica”. No Senai conheceu Josef Brunner, técnico e empresário suí­ço, figura fundamental para o início da difusão da tecnologia gráfica no Brasil, que se tornou um modelo para o jovem Ademar. Parcerias

Também em 1956 Ademar entrou para a Repro como aprendiz, empresa de vanguarda que estimulou seu interesse por modernas tec­no­lo­g ias e da qual saiu como diretor técnico em 1979.

Nos anos 60, retocando fotolitos

Em 1968 outro encontro decisivo: Ademar foi convidado por Mario Carramillo Neto, então representante da Agfa, para fazer alguns cursos na Bélgica e na Alemanha. Desde então, passou a via­jar constantemente para atua­li­zar seus conhecimentos. Foi o início de sua amizade com um dos precursores do ensino das artes gráficas no Brasil, re­la­cio­na­men­to que perdurou até o falecimento de Carramillo, em 2004. Im­buí­do da ideia de disseminar o conhecimento técnico, Ademar deixou a Repro para montar um centro de treinamento e consultoria, chamando Mario Carramillo para ­atuar como professor. No ano seguinte foi cria­da, em parceria com mais dois técnicos, Cyro Del Cistia e Luiz Armando de Souza, o birô de fotolito Lasercom. “Éramos três técnicos nessa so­ cie­d a­de. Faltava alguém com re­la­cio­na­men­to co­mer­cial”, admite. Tal carência fez que Ade-

mar des­con­t i­nuas­se o centro de treinamento para dedicar-se ao contato com os clien­tes, mantendo apenas a consultoria. Mas o técnico queria ir além da pré-​ ­i mpressão, montando em 1988 a Laserprint Edi­to­r ial, es­pe­cia­l i­za­d a na produção de livros e peças para o mercado de arte. A primeira obra impressa pela gráfica foi Escravos Brasileiros do Século XIX na Fotografia de Ch­r is­tia­no Jr, para a editora Ex-​­Libris. Ademar passou a ter mais contato com artistas como Aldemir Martins, Arcangelo Ianelli, Maria Bonomi e Inês Sadalla, e fotógrafos como Marcos Piffer e Emidio Luisi, e o cuidado na reprodução de obras de arte e fo­to­g ra­f ias levou o nome Laserprint às ga­le­r ias de arte. “Nos anos 90, metade das ga­le­r ias de São Paulo fazia seus catálogos, fôlderes e convites com a gente. Foi assim que conheci o Jacob Klintowitz [crítico de arte], com quem tive o prazer de produzir uma dezena de livros”. No início da década de 90 a Laserprint chegou a ter mais de 100 fun­cio­ná­r ios, porém a empresa foi bastante impactada pelo Plano Collor, reduzindo paulatinamente seu quadro de colaboradores e sua atua­ção. Um dos principais legados de Ademar de Paula nasceu pouco antes disso, em 1989.

Palestrando no 1-º Seminário Brasileiro de Reprografia, em 1982

Seu invento ajudou a sistematizar a produção dos fotolitos

67 novembro /dezembro 2012 REVISTA ABIGRAF


Do desejo de resgatar a história do setor gráfico, principalmente através de imagens, universo que Ademar de Paula e Mario Carramillo co­nhe­ciam tão bem, surgiu o livro Artes Gráficas no Brasil – Registros 1746–1941, título até hoje obrigatório quando se fala da trajetória da indústria gráfica na­cio­nal. Cien­te da importância do livro, Ademar está projetando uma ree­d i­ção. A Lasercom encerrou suas atividades em 1997. Sem sucessores na família para comandar a empresa, há cinco anos, quando sua esposa, Elena, tornou-se sua única sócia, Ademar decidiu não ter mais equipamentos pró­prios de impressão, área assumida pela Microprint, que a convite dele divide o espaço com a Laserprint no centro da capital paulista. A empresa mantém parceria também com a Input para utilização de máquinas de impressão. Hoje, a Laserprint atua como um centro de produção gráfica, oferecendo pacotes completos, incluindo lay­out, fotografia digital, tratamento de imagens e outros serviços, ou apenas impressão e acabamento.

68

Durante o Prêmio Fernando Pini, em 1995

Contudo, Ademar, cujos filhos Gustavo e Aline têm outros ramos de atua­ção, não pensa em parar. Ele está cada vez mais focado em caminhar como editor, atuan­do na edição de livros, pôsteres e produtos pró­prios, algo que lhe dá mais liberdade para aproveitar o tempo presente. Começou a reduzir o ritmo há dez anos. Em um autoexílio programado, desligou-se da vida as­so­cia­ti­va (participou da ABTG desde a década de 60), deixou de ir a feiras e congressos e também de dar cursos e palestras. “Consigo via­jar, não trabalho mais aos sábados, sobrando bem mais tempo para viver”. Ele pode escolher o que fazer. Seu nome já está muito bem impresso na história da indústria gráfica.

Participando de debate no 8º Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica, em 1990. (E/D): Pedro Teixeira, Richard Strimber, Roberto Takara, George Hall, Ademar de Paula, Bruno Cialone, Daniel do Prado e Josef Brunner

REVISTA ABIGRAF  novembro /dezembro 2012


A mídia de maior impacto no setor gráfico

BRAINSTORM

Maior tiragem, maior qualidade, maior segmentação

revista issn 0103•5 72x

Revista Abigraf

arte & indús tria gráfica • ano xxxvii • maio/junho

2 0 1 2 • nº 2 5 9

O maior e mais importante veículo do setor gráfico brasileiro

revista abigra f 259 maio/j unho 2012

• Alta qualidade gráfica e editorial: vários prêmios conquistados no Brasil e no Exterior • Distribuída para dirigentes das indústrias gráficas comerciais, editoriais, de embalagens e de conversão; agências de propaganda; diretores e gerentes de marketing e de produtos das grandes empresas • 37 anos de circulação ininterrupta • Bimestral • O menor custo por leitor

Anuário Abigraf indústria gr brasileiroda

16º anuario bra sil da industria gr eiro afica

16º anúario

• Exclusivo banco de dados, com informações sobre 2.218 indústrias gráficas de 561 cidades de todo o Brasil e 548 fornecedores de insumos, matérias-primas, equipamentos, sistemas e serviços para o setor • Consultado durante os 365 dias do ano por empresários, executivos e compradores da indústria gráfica; produtores das agências de propaganda; dirigentes de marketing e compras das 800 maiores empresas do País • Distribuição: julho

áfica

O único diretório do setor gráfico nacional

2012

Tecnologia Gráfica

ANO XVI Nº 82 VOL. II 2012 ISSN 1678-0965

O veículo técnico da indústria gráfica brasileira

(11) 3159.3010 AN16 - Anuncio C&G 2012.indd 3

Sacolas plástic

as

82

Há bandidos e história? Entra mocinhos nessa mos na polêmica do banimento das supermercados sacolas nos de São Paulo

IA gRáfIc A

ANUNCIE

A REVIS TA TÉCN ICA DO SETOR GRÁF ICO BRAS ILEIR O

R E V I S TA T Ecnolog

• Artigos exclusivos dos mais destacados especialistas gráficos nacionais abordando todos os temas do setor, sua tecnologia, processos, sistemas, matéria-primas, equipamentos, etc. • Artigos exclusivos da Seybold • Chega diretamente às mãos dos diretores, gerentes e chefes de produção das gráficas de todo o Brasil • Bimestral

Tutorial

Efeito Bauhaus no Photoshop

Entrevista

Eduardo Buck, da Canon, fala a presença na sobre empresa no mercado gráfic o.

Gestão

Não venda preço . Venda valor.

Normalização

O uso de XML para controle de processos em tecnologia gráfic a

05.10.12 10:48:13


Em casa nova, no município de Santo André (SP), filial brasileira segue concentrada em equipamentos customizados e assistência técnica diferenciada.

Foto: Álvaro Motta

Reformulação

Redesenhada, Manroland parte para sede própria

‘D

70

ois mil e treze será um ano azul para nós”. Este é o cenário desenhado por Bruno Garcia, diretor-presidente da Manroland do Brasil, que assumiu a fi­lial em julho. O executivo espera estar, então, colhendo os frutos da rees­tru­t u­ra­ção promovida ao longo de 2012 objetivando recuperar não só a saú­de financeira da empresa, mas também sua imagem perante o mercado gráfico. Bruno Garcia, engenheiro por formação, chegou à Manroland através do grupo inglês Langley Holdings plc, que adquiriu o setor de máquinas planas da Manroland em fevereiro deste ano, poucos dias após a alemã L. Possehl comprar a área de impressoras rotativas e praticamente três meses depois de a Manroland AG entrar em insolvência. Além das atividades na Manroland do Brasil, Bruno é o responsável pelas operações da Claudius Peters do Brasil, fabricante de equipamentos pesados para a indústria de cimento e siderurgia que faz parte do grupo Langley desde o final de 2001. “Fui escolhido por estar familiarizado com a política administrativa da Langley e saber o que a diretoria quer em termos de rentabilidade, o que facilita a reor­ga­ni­za­ção”, afirma o executivo. Para Alexandre Magno, gerente de produto da área de máquinas planas, o engenheiro de 32 anos trouxe ra­cio­na­li­da­de e pragmatismo à gestão da Manroland, gerando resultados com um grupo mais enxuto. Mesmo com todos os problemas enfrentados em 2012, a Manroland do Brasil deve fechar o ano contabilizando a venda REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

de 34 castelos de impressão, impressoras que começam a ser instaladas em dezembro. Uma postura que pode ter colaborado nesse sentido foi a estratégia adotada no Brasil com relação ao atendimento às máquinas em garantia, como explicam Bruno e Paulo Sérgio Raimundo, gerente de serviços. “A Langley comprou apenas os ativos da Manroland, e não os passivos de garantia. Mas a Manroland do Brasil decidiu honrar os compromissos an­te­r ior­men­te assumidos, cuidando de todo o processo, desde o desembaraço dos equipamentos”, afirma Bruno. “Nove máquinas estavam nessa si­tua­ção, sendo a última finalizada agora em novembro”, diz Paulo Sérgio. A fase de ajustes será encerrada no início de dezembro com a inauguração da sede própria. Uma laje corporativa de 400 m2 foi adquirida em Santo André, na re­g ião metropolitana de São Paulo, para a qual será transferida a equipe que atualmente ocupa um espaço no bairro do Butantã. Com relação à política co­mer­cial, o foco não muda muito, como comenta Alexandre Magno: equipamentos customizados para a produção de peças di­fe­ren­c ia­d as, seguindo os valores cons­t ruí­dos em torno da marca Manroland. Isso se traduz em máquinas incrementadas, por exemplo, com dispositivos para a aplicação de verniz, voltadas sobretudo para o segmento de embalagens. A ideia também é con­ti­ nuar investindo na assistência técnica. “Mesmo durante a insolvência não deixamos de atender um só clien­te”, ressalta Paulo Sérgio.

(E/D) Alexandre Magno, gerente de produto da área de máquinas planas; Bruno Garcia, diretor-presidente e Paulo Sérgio Raimundo, gerente de serviços

De 600 milhões para 1 bilhão O grupo Langley foi fundado em 1975 por seu ­atual presidente, Tony Langley. É  composto por quatro divisões, se­dia­das princi­ palmente na Alemanha, França e Reino Unido, além da presença nos Estados Unidos. Estas divisões são apoiadas por uma rede mun­ dial de sub­si­diá­rias nas Américas, Europa, Extremo Orien­te e Aus­ tralásia. O grupo é independente financeiramente e permanece in­ teiramente sob a pro­prie­da­de da família fundadora, empregando cerca de 2.300 pes­soas em todo o mundo. Em 2001, o grupo adqui­ riu pela primeira vez uma empre­ sa fora da Inglaterra, investindo na Babcock In­ter­na­tio­nal plc, da qual fazia parte a alemã Claudius Peters. Anos depois, comprou a também alemã Piller, voltada para a fabricação de no-​­­breaks de grande porte, e posteriormente a francesa ARO , es­pe­cia­li­za­da em sistemas de solda para a indústria automobilística. Mas a compra da Manroland foi a mais vultosa e deve provocar um salto no fatu­ ramento de 600 milhões de euros em 2011 para 1 bilhão em 2013. MAN ROLAND www.manroland.com


Sustentabilidade Milena Prado Neves

Compromisso com o futuro

Oferecendo serviços de gerenciamento de resíduos e educação ambiental ao mercado gráfico, a Druck Chemie se consolida como uma das empresas líderes nesse segmento.

N

o trabalho diá­r io de produção de impressos, as in­dús­trias gráficas de qualquer porte ou segmento ge­ ram materiais de descarte sólidos e líquidos que devem ter atenção e destinação específica. Nos processos gráficos são gerados resquícios de líquidos como reveladores, fixa­ dores, tintas e soluções aquosas pro­ve­nien­tes da limpeza das máquinas. Chamados de re­sí­ duos Classe I, eles apresentam características como inflamabilidade, corrosividade, rea­t i­v i­ da­de, toxicidade, patogenicidade e exigem um gerenciamento adequado. Já entre os sólidos es­ tão embalagens plásticas, panos, pa­péis, filmes de po­liés­ter e blanquetas. Há mais de dez anos no Brasil, a Druck Che­ mie, empresa de origem alemã, trabalha especi­ ficamente com a prestação de serviços de ge­ren­ cia­men­to de re­sí­duos da indústria gráfica. Mais do que apenas efe­tuar o correto descarte do lixo perigoso, a empresa oferece acompanhamento de todas as etapas deste complexo processo.

O trabalho começa com a identificação, clas­ sificação e análise de elegibilidade de todos os re­sí­duos gerados ao longo dos processos de pro­ dução dos clien­tes. Isso permite que os pró­prios fun­cio­ná­r ios da gráfica façam a coleta e separa­ ção ini­cial. A etapa seguinte, a cargo da Druck Chemie, é a de transporte — rea­li­za­do em fro­ ta própria e assegurada — até o local de segre­ gação, acon­d i­c io­n a­men­to e armazenamento. A empresa também se responsabiliza por toda a parte burocrática, fazendo a solicitação do Ca­ dri (Certificado de Movimentação de Re­sí­duos de Interesse Am­bien­tal), o Parecer Técnico da Cetesb que autoriza a coleta, transporte, trata­ mento e a disposição final dos re­sí­duos. Após todas estas etapas, a empresa finalmente emite o certificado de reciclagem e recuperação ener­ gética de tudo o que foi coletado em seu clien­te. Os certificados emitidos ao final do proces­ so de ge­ren­cia­men­to de re­sí­duos atendem a le­ gislação vigente, principalmente agora, com a Política Na­c io­nal de Re­sí­duos Sólidos, que, a

71


Sustentabilidade

e pode e deve ser usado nas notas fiscais, cor­ res­pon­dên­cias e afins, divulgando que aquela é uma empresa séria e comprometida com um futuro melhor”, comenta a analista am­bien­tal. Casa de ferreiro, espeto de . . . ferro!

partir de 2014, tornará obrigatório o tratamen­ to adequado do lixo produzido pelas empresas. “Além disso, estes documentos comprovam que a empresa está atuan­do de maneira correta nes­ te sentido, atendendo a requisitos básicos para as certificações ISO 9001 e 14001, por exem­ plo”, declara Renata Burin, analista am­bien­tal da Druck Chemie. Muito além do descarte correto

72

O trabalho oferecido pela Druck Chemie vai muito além do descarte correto dos re­sí­duos ge­ rados, como explica Renata Burin. O contato no dia a dia, as análises e a troca de informações acabam auxiliando a empresa no desenvolvi­ mento de suas pró­prias es­tra­té­g ias de susten­ tabilidade, além de am­pliar a cons­ciên­cia am­ bien­tal de todos os fun­cio­ná­r ios. “Nosso foco é o clien­te, não o resíduo. Porque não queremos que as empresas aumentem o volume dos seus descartes, mas que saibam controlá-​­los. Acom­ panhar este desenvolvimento e ver que nossos clien­tes passam de um início com alta geração até chegar a um estágio em que mantêm uma linha sustentável é o que nos gratifica”, comen­ ta a analista. O trabalho de educação am­bien­tal também é oferecido aos clien­tes, com palestras que explicam a maneira correta de trabalhar a questão da sustentabilidade. “O ge­ren­cia­men­ to de re­sí­duos não ocorre se não houver o en­ volvimento de todos os colaboradores, ou seja, dos três níveis da empresa: a diretoria, o ad­ ministrativo e o ope­ra­cio­nal”, ressalta Renata. Os clien­tes que mantêm a documentação em dia, rea­l i­z am a segregação corretamen­ te e comprovam sua atua­ção no âmbito so­cial — como o apoio a entidades beneficentes, por exemplo — recebem o Selo Verde da Druck Che­ mie. “Este selo comprova o comprometimen­ to do clien­te na questão da sustentabilidade

Cria­d a na Alemanha nos anos 1970, a Druck Chemie chegou no Brasil em 1998 com o ob­ jetivo de ­atuar no fornecimento de produtos químicos, mas foi agregada ao seu portfólio a prestação de serviços ambientais. Com três fi­ liais cons­ti­tuí­das e semi-​­independentes, a em­ presa atende todo o País. “Nossa fi­l ial em Va­ linhos está entre as três maiores do mundo em faturamento”, informa Eduar­do Franklin, diretor executivo da empresa. O departamento am­bien­tal da Druck Che­ mie oferece treinamento para todos os seus co­ laboradores, com ênfase nas informações re­ levantes sobre o trabalho desempenhado e a importância da participação de cada um neste processo. “Explicamos para o pes­soal responsá­ vel pela segregação, por exemplo, o porquê des­ sa atividade e o quanto é importante desempe­ nhar seu trabalho corretamente, para que ele também possa com­preen­der o ciclo do nosso trabalho”, exemplifica Renata Burin.

Entre matriz e filiais, a Druck Chemie no Brasil conta com cerca de 60 fun­cio­ná­r ios, que trabalham alinhados à cultura e ­ideal da com­ panhia. “Eles são essenciais para o sucesso do nosso trabalho, pois não vendemos produtos, fornecemos serviços”, sa­l ien­ta Eduar­do. O di­ retor explica, ainda, que este trabalho de cons­ cien­ti­za­ção, tanto do clien­te quanto de seus co­ laboradores, é feito no dia a dia das empresas. “Temos 600 clien­tes e tentamos manter o mes­ mo nível de qualidade, garantindo a excelência no que fazemos”, complementa.  DRUCK CHEMIE www.druckchemie.com.br


Embalagens vão, produtos novos vêm Invólucros da linha cut size da Suzano são coletados e transformados em objetos de qualidade, com alto valor agregado, principalmente pelo fator ambiental.

P

reo­cu­pa­da com o destino das embala­ gens de seus produtos, a Suzano Papel e Celulose iniciou, em 2011, uma par­ ceria pioneira no setor de celulose com a TerraCycle, empresa in­ter­na­cio­nal de upcycling (vide box). Com o acordo, foi cria­da a Brigada Suzano Report, cujo principal papel é convidar os consumidores do papel cut size da empresa a recolher as embalagens e dar a correta desti­ nação aos itens, neste caso, o envio aos desig­ ners da TerraCycle, que, com sua habilidade e empenho, transformam o que iria para o lixo em novos produtos. Através da Brigada Suzano Report, os consumidores podem coletar emba­ lagens usadas do papel e en­v iar gratuitamen­ te para a TerraCycle, onde serão reutilizadas e transformadas em produtos ecoamigáveis, como bolsas e estojos. Essa ini­cia­ti­va amplia o ciclo de vida de uma embalagem do dia a dia, já que diminui a necessidade de extrair novos recursos e matéria-​­prima do planeta, evitando, também, o descarte ina­pro­pria­do. Produtos úteis

O ma­te­r ial recolhido se transforma em um dos oito itens presentes no portfólio fixo da Briga­ da Suzano Report: três tipos de estojos, bolsa, cesto, nécessaire, porta-​­lápis ou capa para laptop. Também já foram desenvolvidos produtos espe­ cíficos para a campanha da Suzano no Carnaval de Salvador deste ano, quando foram produzi­ dos coletes, viseiras, colares, bandanas, tia­ras, gravatas, vestidos e flores. As embalagens reco­ lhidas que estiverem muito danificadas e ras­ gadas serão en­v ia­das para a recicladora. Neste caso, serão transformadas em placas compensa­ das, semelhantes em aparência e resistência às feitas com madeira, e igualmente utilizadas na construção civil ou na fabricação de móveis. O desenvolvimento de produtos é coor­de­na­do pela TerraCycle, responsável pelos materiais recolhi­ dos pelos times de coleta da Brigada, que atua

com uma equipe de designers e técnicos prepa­ rados para encontrar novas soluções que com­ binem com cada tipo de ma­te­r ial coletado. Po­ rém, a empresa doa­do­ra dos materiais também pode sugerir novos usos, de acordo com algu­ ma campanha ou ação ins­ti­tu­cio­nal específica que esteja elaborando.

Todos ganham

A Brigada Report da Suzano é benéfica tan­ to do ponto de vista am­bien­tal quanto so­cial. Para cada embalagem en­v ia­da, o coo­pe­ra­dor re­ cebe R$ 0,02 da Suzano e da TerraCycle. Cabe ao responsável pela doa­ção definir uma orga­ nização sem fins lucrativos para ser bonificada com o valor. No caso das embalagens coletadas dentro das unidades da Suzano, o montante arrecadado é destinado à As­so­cia­ção Amigos da Pastoral da Crian­ça de Mucuri, na Bahia. Os demais times de coleta podem escolher uma instituição so­cial específica. Para participar da Brigada, recolhendo e re­ passando as embalagens, basta fazer o cadastro no site da TerraCycle (www.terracycle.com.br) e começar o trabalho. A Brigada Suzano Report já conta com 878 equipes, formadas por forne­ cedores e clien­tes da empresa, além de escolas e outras instituições e empresas de todo o País. Em outubro de 2012 o grupo atingiu a mar­ ca de 200 mil embalagens recolhidas. O volu­ me arrecadado até o momento equivale a 3,2

73


Sustentabilidade

TerraCycle E

toneladas. Com esse montante é possível pro­ duzir 200 mil estojos, 100 mil nécessaires ou 111 mil cestos trançados de papel. Desde o ano passado, a Brigada Suzano Report foi responsá­ vel por arrecadar mais de R$ 4,5 mil — valor re­ passado para instituições beneficentes.

Este caderno foi impresso em papel reciclado Eco Millennium 90 g/m², produzido pela Bignardi Papéis

Focada no futuro

74

Práticas de sustentabilidade fazem parte do DNA da Suzano, que reforça essa preo­c u­pa­ ção no desenvolvimento de produtos alinha­ dos com suas políticas de responsabilidade so­cioam­bien­tal. Neste ano, a empresa lançou uma linha de papel-​­c artão de três camadas, com 30% de aparas pós-​­consumo recuperadas a partir de embalagens longa vida. A Suzano re­ aproveita aparas pré-​­consumo obtidas em suas pró­prias unidades para a fabricação do papel Reciclato, primeira linha de papel 100% reci­ clado produzido em escala in­dus­trial no Bra­ sil, composto por 75% de aparas pré-​­consumo

Upcycling U

pcycling é o processo de transformar o que iria para o lixo em algo útil, ou seja, dar nova serventia ao que era resíduo. Diferentemente da reciclagem, que usa energia e processos físicos ou químicos para destruir um objeto e então transformá-lo em algo novo, no upcycling o objeto é usado como ele é e a cria­ti­vi­da­de é o motor gerador do processo de mudança. Por exemplo, roupas podem ser transformadas usando este princípio para ganhar um novo formato, embalagens podem ser transformadas para se tornarem outros objetos.

m 2011 um calouro de 19 anos da Universidade de Princeton, uma das mais conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos, iniciou sua carreira de em­preen­de­dor abrindo uma empresa de fertilizantes orgânicos. Ao longo dos anos, o jovem Tom Skazy teve a ideia de trabalhar também com re­sí­duos, crian­do novos produtos com o que antes ia para o lixo. Tinha início a história da empresa presente em cerca de 20 paí­ses, a TerraCycle, que inaugurou sua fi­lial brasileira em 2009. Com o apoio e participação de grandes com­pa­nhias mundiais, que patrocinam a reciclagem do resíduo de seus produtos, a TerraCycle utiliza como matéria-​ ­prima as embalagens, transformando-as em novos e inusitados itens, que são vendidos em grandes redes varejistas. Juntas, estas grandes empresas compartilham a ideia de que não há lixo, tudo pode ser reaproveitado. Nos Estados Unidos, a TerraCycle possui par­ce­rias com importantes empresas, como Kraft Food, Frito Lay, Stony­field Farm e Mars Wri­gleey. Com mais de 50 produtos disponíveis nas maiores redes varejistas do mercado norte-​­americano, como WalMart, Target, The Home Depot, OfficeMax, Petco e Whole ­Foods Market, a TerraCycle é uma das cria­do­ras de produtos verdes que mais cresce no mundo. Na fi­lial brasileira, são produzidas bolsas, carteiras, estojos, mochilas e guarda-​­chuvas com embalagens de alguns produtos da Suzano, Pepsico, Kraft ­Foods, Nestlé e Brasil ­Foods. Os objetos são co­mer­cia­li­za­dos nos sites da WalMart, Gift Express e Green­va­na.

e outros 25% de aparas pós-​­consumo adquiri­ das diretamente de coo­pe­ra­ti­vas de catadores de ma­te­r ial reciclável. Por estas e outras ações, neste ano a Suzano recebeu o reconhecimen­ to da maior rede am­bien­t a­l is­t a do mundo, a WWF (World Wildlife Fund), sendo escolhida a melhor empresa, dentre as dez fabricantes de pa­péis, com as melhores práticas ambientais do mundo. Esse ranking atesta o alinhamen­ to da empresa com as práticas e certificações internacionais, como o FSC (Forest Stewar­ dship Council, Conselho de Manejo Florestal), presente em 100% da linha de papel-​­cartão e papel para imprimir e escrever da Suzano.  SUZANO www.suzano.com.br


PRECISÃO EM PRECISÃO NAS NAS CORES EM TRABALHOS TRABALHOS COMPLEXOS?

IMPRESSÃO DE DE LIVROS ARTE? LIVROS DE ARTE?

pela qualidade qualidade Ipsis, pela em todas as etapas do do processo processo etapas

IMPRESSÃO REVISTAS IMPRESSÃO DE REVISTAS EE RELATÓRIOS QUE QUE SEDUZAM SEDUZAM OS LEITORES?

Ipsis, pelo profissionalismo e atenção profissionalismo aos mínimos mínimos detalhes detalhes aos

Ipsis, pelas pelas imagens imagens Ipsis, que saltam aos olhos

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL?

Ipsis, pelas certificações 9001 ®, ISO 9001 FSC FSC®, pelo uso uso responsável responsável ee pelo de insumos insumos de

PENSOU PENSOU QUALIDADE, QUALIDADE, PENSOU IPSIS. Gráfica brasileira brasileira premiada premiada internacionalmente. internacionalmente.

ISO 9001:2008

Cert. 47246

Telefones: 2272.0511| |www.ipsis.com.br www.ipsis.com.br Telefones: [11] 2172.0511 ee 2272.0511


Educação

Walter Vicioni Gonçalves

e� r � � � � f � r p Car�� ̕

E

trao im­pe­r ia l que dro I, um decret Pe os nt om D su r as po a o, torgad a respeito o de 1827 era ou tar; ta l lei dizi , br en es tu tr em ou es El m de e no s 15 si Em ao En essore eração dos prof lei gera l relativa un s ra m ei no re , A im . no pr as si in da en tava s men ização do res e escolas da eles descentral são de professo is m va­r ia­dos, entre putado paulista ad de o, do im a ín i de autori rr ículo m le cu , de uo o como út et oj m pr no ensi ano, um 15 de outubro Brasil republic ins­ti­tuía o dia m 1, /5 nu rde, 47 ta e, s 19 rd ai ta to M s . da mai man ulista Sa lles Fi lho, no em terr itório pa de s s re eto, rlo so oj es Ca pr of io o pr m on s A nt o do mes agem ao 55/59, aprovaçã ativa em homen 19 or to em da m an co m ta da uiria, no federa l, conseg eiramencomo deputado . al n ­ o, quer ia, pr im io br c ­ tu na a ou ci de ên 15 ng e r-​­lhes então em abra enageá-​­los nest do Senai. E dize entá-​­los e hom colas do Sesi e es s ria o na se s am re z i­ Para cumpr im l so a­ ho que re sem profes al la ab co tr es lo a pe m U es . os te, ag radecer-​­lh na vida dos alun de seu trabal ho o alimenta. o ad ão de e ic if qu gn ua si ág do fazer minha liç ua sem a ág d’ o nh oi erecem, fui eu m m e um e qu unos. al qu ra o tu us m al se à es m inspiram imentos r, nt na se s si eu en m de r sa ém que, al um granPara ex pres bre professores a lembrança de so ia as ór ei id em m de a na o, após arda casa, em busc ainda lá conosc um de vocês gu ua da in ca e nt co qu o ra in gu os mais o e essa fi Como eu, imag tarmos por qu m nos lembrem un ne rg ez pe lv s Ta no . as se divers lugar de de mestre e, razões as mais cada em algum os ar m m , re lá ri u ob co sc fi de ensinar o fa ­ziam tantos anos, sina. A  pa lavra maneira como en a e qu m ré le po ue , aq m sor é r va lores que ensinava simples, profes o dentro, coloca ra ei gn si an r m ca lo de co s, r rmação er dize nosso ser. ­A liá participar da fo literalmente, qu de e, e qu ad , lid no bi sig sa en pelo qual a respon vem do latim do, um mundo grande med ida, un m em s, vo cê no vo um de r dentro de. É  hão de constr ui s cidadãos que do e s en e dos cam ho s do a multiplicidad am tr os . m os s ei m ­ ív ia s ­ esquec para semtodos nós an m a andar; os in e de caminhar na ad si nt en vo s a re os so es un seus al contrarem Bons prof , deixando em descober tos, en da a vi a nd ai am m re rm se fo hos a sores deiminhos que ados, por camin ças. Bons profes be ilh tr ca já as s ri p ho ó­ in pr suas um deles, pre, por cam , pensarem com sucesso de cada os ri do p e ó­ -s pr m us ta se en e abrirem os os br ilhem, alim ra que seus alun são vocês, xam o pa lco pa nossos alunos e mpr ido. em cu r re ve or de oc e do qu rmados! ormação da satisfação ra da escola, fo veis pela transf bo sá on em sp o re vã os es s el São você xergam quando ng uém, que a en mais do que ni


Na minha lição de casa aproveite i para rever algu professores. En contrei Mr. Hol ns fi lmes que co land, o adorável ntam his­tó­r ias saber como faze professor de m sobre r a garota tocar úsica que, dese bem a clar ineta, do se ol hava no sp er ad o, sem pe rg unta-​­lhe do qu espelho. Respo nde ela seus ca e mais gostava lembravam o pô be qu lo ans, pois seu pai lh r do sol. Mr. Hol e dizia que eles land lhe pede si por encanto, o se m m pr pl e esmente que to som sai de seu que o pôr do so instrumento m Minha lição sess l. Como e­lo­d io­so e plen ão de cinema co o de harmonia. ntinuou com Ao So­cie­da­de dos Po Mestre com Carin e­tas Mortos, m ag nífico, passan ho, inesquecível Rita e Mentes Pe do pelo Clube do , com rigosas. Neste úl Imperador, O D timo, a professo aos alunos um es pe rt ar de ra , vivida por M concurso cham ichelle Pfeiffer ado “D ylan–D yl ças entre poe­sia , pr an op ”, õe de­sa­f ian­do-os s de D ylan Thom a descobrir sem as e letras das descobrir a bele el ha m núsicas de Bob D za inerente à po ylan, de­sa­f ian­d e­sia. Terminei lições de vida do o-os a minha sessão mestre Yoda, de da ta rde rememoran St ar W Do cinema, pa ars. Aprender a do as ssei para os liv ser. ros, nos quais fessora Mar ia en Eugênia Castan contrei, entre outros, relatos ho, que co­le­cio branças de seus da pro­na depoimento professores. “A s de professore literatura edu­ o professor, sobr s so br c e lema­ c io n ­ al apresenta m e as caracter ísti uitos trabal hos cas que o tornam memór ia de se sobre um us alunos”. Para a presença impo ela, os mestres rtante na vida que “amavam o in e na es qu que fa ­ziam”, qu ecíveis são desc e “valor izavam ritos como aque a matér ia”, que o al les un “motivavam as o”, que “sa­biam au las”, que eram ex plicar muito Pedro Demo m “s be er m es humanos ímpa e lembrou que res”. “cuidar da apre dade do proces nd izagem trad so de aprend iz uz, ademais, a agem, que nunc em jogo a form integralia se reduz ao as aç ão da person pecto ra­cio­nal-​­ al id ade hu m an nossa responsa lógico. Está a como um to bi lidade! do”. Veja m a ex Minha lição de tensão de casa não poderi a terminar sem muitas vezes, qu qu e me tomam qu e eu men­cio­nas ando visito um ­se a aleg ria, em nhos de of icinas a unidade do Se oção do Senai. Lá, cr si, quando perc ian­ças em plen tos aprendendo or ro ca o mide se uma prof issão nvolvimento; ne que os conduzir stas, jovens e ad vocês, professo á pela vida afor ulres, fazendo o a. E  em todos os moinho girar! Não sou ingênu es pa ço s, o. Sei na pele as adversidades en são por vocês ab contradas no de raçada. Por favo sempenho da pr r, não desistam ­los, sempre. O S of is! E saibam que esi e o Senai sã estamos aqui pa o grandes, graç li­zam! Vocês sã ra apoiá-​ as ao trabal ho o a ág ua que m que vocês, prof ove este grande alunos a tocar essores, rea­ moinho! São vo o pôr do sol. cês que ensina Para terminar, m nossos deixo-lh ​­ es um conv ite torna a vida de . Con­ti­nuem, co seus alunos ex m en­tu­sias­mo, ­traor­d i­ná­r ia! Q este trabalho qu ria! Tenham m ue torna a vida e uito orgu lho de de vocês todos sua missão! ex ­traor­d i­ná­ Meu s ag ra de ci mento s si nc er os e m in ha s sa Professor. ud açõe s m ai s cord ia is pe lo D ia do

Walter Vicioni Go nçalves Membro titular do de Educação de Conselho Estadual Sã regional do Sena o Paulo, diretor i SP e superintend operacional do ente Sesi SP.


T&C inaugura centro de distribuição

Para atender a ampliação de seu portfólio, empresa constrói galpão de 2.770 metros quadrados no município de Cotia, região metropolitana de São Paulo.

O

nome T&C está intimamente ligado aos sistemas de gravação direta de chapas, os conhecidos CtPs, que encurtaram definitivamente a distância entre pré-​­impressão e impressão. Em 10 anos foram mais de 450 platesetters vendidas. Mas a empresa vem am­plian­do seu mix de produtos. Em 2009 começou a apostar em equipamentos digitais para impressão sob demanda e no ano seguinte para o segmento de grandes formatos. De lá para cá a gama de serviços oferecida pela T&C para as gráficas e empresas de comunicação vi­sual vem se diversificando, na esteira dos lançamentos de suas principais marcas: ­Screen, Epson, Konica Minolta e, mais recentemente, a is­rae­len­se Scodix e a belga Summa. Por conta do maior número de produtos, a empresa investiu em um novo centro de distribuição, que começa a fun­cio­nar em dezembro. Dos atuais 830 metros quadrados, o estoque de insumos e peças, bem como a área de apresentação dos equipamentos e o laboratório de reparos, estão sendo instalados em uma área de 2.770 metros quadrados em um conjunto co­mer­ cial na cidade de Cotia, a 33 km do centro da capital paulista. “Temos agora condições de montar um show­room de máquinas maiores, no qual os clien­tes poderão fazer testes e onde rea­li­za­re­ mos cursos e treinamentos”, afirma Gian­ber­to Monchini, diretor financeiro. Permanecem no escritório do Butantã, re­g ião oes­te de São Paulo, inaugurado em 2007, os departamentos administrativo e de vendas, além do estoque de insumos para entrega ime­d ia­ta.

Tecnologia Scodix

Distribuidor consolidado dos equipamentos ­Screen e Epson, a T&C é atual­men­te a terceira da lista na venda de máquinas de alta produção da Konica Minolta e a primeira para o setor gráfico, de acordo com o executivo. Em função do ineditismo da tecnologia, os olhos voltamse agora para as impressoras digitais da Scodix, mostradas pela primeira vez ao mercado na Ipex de 2010. Trata-se de sistemas de enobrecimento do impresso que, através da tecnologia jato de tinta, aplicam um polímero de alta transparência em ­­áreas determinadas, crian­do uma série de efeitos como relevo e brilho. Durante o processo de cura UV, o polímero acaba encapsulando partículas que even­tual­men­te tenham sido adi­cio­na­das, como glitter, aumentando significativamente a resistência do efeito sobre o papel. Uma das aplicações mais festejadas é a impressão frente e verso em braille. Os sistemas podem trabalhar com papel, cartão, PVC e outros materiais. A limitação fica por conta da tensão su­per­f i­cial do substrato, que precisa ser su­f i­cien­te para que o polímero não escorra. Focados no acabamento de peças impressas em sistemas digitais, a tecnologia Scodix pode ser usada no enobrecimento de produtos fotográficos como fotolivros, materiais promocionais, convites, cartões, etiquetas e embalagens. Para divulgar a tecnologia, a T&C está visitando agên­cias e usuá­r ios finais, acompanhada de seus clien­tes, apresentando os diferenciais. Segundo o diretor financeiro, a T&C deve encerrar 2012 — ano marcado por certa dificuldade na obtenção de linhas de crédito por parte dos clien­tes — com um ligeiro crescimento. “Com a am­plia­ção do portfólio durante 2012, acompanhamos as ten­dên­c ias do mercado de artes gráficas e comunicação vi­sual, mantendo nossa participação no mercado”. Em relação a 2013, o executivo espera consolidar as vendas de equipamentos das novas marcas dis­tri­buí­das pela T&C e dos lançamentos de todos os parceiros. & T&C Tel. (11) 2177-​­9400 www.tecshopping.com.br

78 REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012


A UVPACK acaba de lançar a novidade que vai além dos tradicionais acabamentos, o PROMOTION 3D. O PROMOTION 3D traz ao seu impresso o efeito tridimensional perfeito sem a utilização de óculos, e o efeito pode ser percebido acima ou abaixo do impresso.

Telefone: (11) 3838-1855 | Fax: (11) 3838-1843 vendas@uvpack.com.br Estrada de Vila Jaguara, 126 | Vila Leopoldina | 05089-100 | São Paulo – SP.


GESTÃO

Hamilton Terni Costa

A indústria gráfica vive um momento de grande transformação, principalmente nos segmentos editorial e promocional, com a necessidade de rever conceitos e inovar para coexistir e usufruir do desenvolvimento das novas mídias digitais.

80

R

Rompendo o futuro

ecentemente terminamos a tradu­ ção e pre­fa­cia­mos um livro chamado Disrupting the Future, cujos autores, Joe Webb e Richard Romano, em es­ pe­cial o primeiro, são proe­mi­nen­tes gurus da indústria gráfica nos Estados Unidos. Com o título de “Rompendo o Futuro”, ele será lança­ do brevemente pela ANconsulting através da­ agBooks da AlphaGraphics, que nos deu tam­ bém suporte na tradução. O livro, ainda que ancorado no mercado norte-​­americano, mostra de uma maneira ins­ trutiva e reflexiva o processo de transforma­ ção do setor gráfico, particularmente nos seg­ mentos promocionais e editoriais, a partir do desenvolvimento das novas mí­d ias digitais e seu poder disruptivo, ou seja, o de substituir tec­no­lo­g ias dominantes por novas tec­no­lo­g ias que prevalecem sobre as an­te­r io­res. A obra conta com brilhantes tiradas e for­ tes constatações como a questão das publica­ ções: “ . . . uma publicação (uma revista, por exemplo) nunca foi ma­te­r ial impresso embora pareça ser.  . . . Uma publicação anexa uma marca que representa algo para um público em particular.  . . . Uma publicação é uma distribuição de ideias; sua relação com a impressão é uma questão de circunstância e de falta de alternativas por séculos, sendo assim, é mais fácil assumir que eles são uma coisa

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

só”. Ler isso quando vemos o anún­cio do fim do Jornal da Tarde e o anúncio da revista News­week de que ela sairá só em formato digital nos faz, sem dúvida, refletir. Ainda que vá­r ias informações contidas no livro sejam fortes do ponto de vista gráfi­ co, elas tocam nas feridas abertas de um setor em transformação; mas, antes de ser apocalíp­ tico, o livro mostra as oportunidades embuti­ das nas novas formas de comunicação e traça um roteiro para que as gráficas possam se re­ pensar e focar no seu negócio estratégico, mais do que focar somente em impressão, em es­pe­ cial na incorporação das novas mí­d ias dentro do seu escopo de ofertas. Pre­fa­cia­mos o livro mostrando as diferen­ ças entre o mercado norte-​­americano e brasi­ leiro, no qual, por um lado, o processo de subs­ tituição de ma­te­r ial impresso se dá em ritmo distinto, principalmente pelo porte que a mí­ dia impressa tem naquele país, sendo, por via de consequência, um alvo mais visível, e, por outro, pelo crescimento da nossa massa de consumo que ainda im­pul­sio­na materiais grá­ ficos tradicionais como tabloides, manuais de carros, extratos ban­cá­r ios, contas de tele­ fone, cartões de crédito etc. Bem entendido: ritmos diferentes, mas não ne­ces­sa­r ia­men­te ten­dên­cias diferentes.


Como dizia antes, não é objeto do livro e muito menos o nosso sermos apologistas do fim, ao contrário. ­A liás, bem ao contrário dos muitos que hoje assim se manifestam sem considerar toda a extensão do setor gráfico e as inúmeras oportunidades nele embutidas e, mais que tudo, do poder de inovação que ve­ mos em vá­r ias empresas do setor aqui mesmo no Brasil. Dentro dessa linha são muito inte­ ressantes os caminhos apontados pelos autores para novos po­si­cio­na­men­tos das empresas que se focam nas novas necessidades dos clien­tes e se renovam ao ­criar ofertas que tragam solu­ ções que ultrapassam a simples reprodução de originais, como, por exemplo, os que buscam oferecer o que os autores chamam de logísti­ ca de comunicação do clien­te através da cria­ ção, implantação, ge­ren­c ia­men­to, medição e coor­de­na­ção de informações. Saindo da esfera do livro e trazendo essas questões à nossa rea­l i­d a­de, o que mais temos discutido com muitos em­pre­sá­r ios gráficos é o choque de conceitos enraizados na indústria e que são agora questionados pelo uso das no­ vas tec­no­lo­gias e pela diversidade de volumes e tiragens das demandas atuais dos clien­tes. Uma dessas questões é a quebra da equa­ ção volume versus preço. Toda a nossa formação nos diz que para termos preços baixos é preci­ so ter volume. Aumente a quantidade que eu abaixo o preço, dizemos. Pois bem, como fica­ mos com os equipamentos digitais que não têm custo fixo de acerto e podem produzir a par­ tir de uma unidade? Claro que fica mais caro se compararmos com o mesmo produto im­ presso em volume, mas, por outro lado, mon­ tamos outra equação. Vale a pena pagar esse preço se ele me reduzir custos de processo, que se traduz em custos de estoques zero, rapidez de chegar ao mercado, não obsolescência de informações, e por aí afora. Pois bem, isso faz parte de uma nova rea­ li­d a­de in­dus­trial que vem sendo denominada a terceira revolução in­dus­trial: a chamada di­ gitalização da produção em que equipamentos se autoajustam, se autoarrumam e até se au­ torreproduzem. Onde a participação de mão de obra é reduzida nas linhas, mas se qualifi­ ca nos comandos de fluxos de trabalho com­ putadorizados. Linhas de produção flexíveis, como as novas plataformas que a Volkswagen está implantando em diferentes fábricas aptas

a produzir qualquer veí­c u­lo da marca, cada um diferente do outro, se necessário. Fábricas onde peças inteiras são feitas em impressoras 3D, máquinas cada vez mais colocadas no cen­ tro de produção para as mais diferentes apli­ cações. Custos fixos de acerto zero. Volume versus preço? Indiferente. Estou falando de gráfica? Não, estou falan­ do das ten­dên­cias mundiais das manufaturas, o que implica também um caminho natural para muitas gráficas em seus processos produtivos interligados digitalmente, a partir das vendas e sua interconexão com os clien­tes. Como as­ sim? Pois saiba que hoje mais de 20% das ven­ das gráficas nos Estados Unidos são feitas por sistemas de web-to-​­print usados não somente para e-​­commerce, mas para conexão direta com os clien­tes preferenciais, ganhando-se tempo, precisão e controle. A previsão para 2014 é que esse volume ultrapasse os 30%. In­ci­pien­te ainda no Brasil, mas outra tendência irreversível. Eu falava sobre rever conceitos. Pois bem, romper o futuro é rever conceitos arraigados e repensar formas de atendimento e oferta de serviços. É inovação em todas as suas vertentes. Inovação incremental através da melhoria con­ tínua, o que significa ter produções e fluxos de trabalho efi­cien­tes com baixo desperdício, ou­ tra imensa e carente necessidade nas gráficas brasileiras. A maioria delas tem equipamentos subutilizados em suas linhas e nem sequer se dá conta disso. Inovação por ruptura, em que novas soluções redefinem a forma de prestar serviço e ­criam novos canais de comunicação aos clien­tes. O que fez, por exemplo, a agDi­ rect com a Mapfre Seguros. Veja no site deles: www.agdirect.com.br. Para mim uma metáfo­ ra entre o velho e o novo conceito de produção gráfica. A troca de altos volumes de papel im­ presso com baixa margem por menos impres­ são de alto valor e um sistema de TI em que o clien­te modifica toda a sua forma de se comu­ nicar com seus clien­tes, em um sistema do for­ necedor gráfico. Gráfico? Não, do seu fornece­ dor de soluções de mar­ke­ting. Romper o futuro é isso. Se Peter Drucker, por um lado, dizia que a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo, por outro lado ele afirmava que a empresa exis­ te para ­criar clien­tes e que para isso há duas funções essenciais: mar­ke­ting e inovação. Inovemos, pois, para “romper o futuro” cria­ do por nós.

Hamilton Terni Costa, hternii@ anconsulting.com.br, é diretor geral da ANconsulting, www. ansconsulting.com.br, ex-​­presidente da ABTG e Abraform e é também um dos criadores e coordenadores do curso de pós-​­graduação em Gestão Inovadora da Empresa Gráfica na Faculdade Senai Theobaldo De Nigris, onde ministra a matéria de Gestão Estratégica.

novembro /dezembro 2012  REVISTA ABIGR AF

81


ESPECIAL

Antonio Carlos Navarro

Comunicação impressa versus digital Ao analisar a evolução do mundo desde que o homem passou a ser sapiens, nos deparamos com dados importantíssimos que nos levam a identificar os principais momentos que foram os divisores do desenvolvimento.

U

82

m dos principais momentos do desen­ volvimento humano, senão o mais im­ portante, foi a cria­ção do tipo móvel por Gutenberg, na Alemanha, por volta de 1450. Esse invento possibilitou a disseminação do conheci­ mento na reprodução de textos impressos que até então eram produzidos por escribas. Até essa data todo o conhecimento existente se concentra­ va em pouquíssimas pes­soas e não era acessível à grande maioria da população. Se pararmos para analisar e observar, veremos que os produtos impressos fazem parte dia­ria­men­ te de nossa vida. O dinheiro que nos remunera, o cartão de crédito que facilita as compras, o papel que embrulha o presente, a embalagem que prote­ ge o produto, a bula que orien­ta, o folheto que di­ vulga, o jornal que informa, a revista que analisa, o livro que educa e diverte, o ma­nual que ensina, enfim, todas essas e muitas outras ferramentas de que, graças a Gutenberg, hoje podemos usufruir e que tornaram nossa vida mais efi­cien­te e divertida. Gutenberg foi, há 560 anos, o Steve Jobs da época. Na era da tecnologia digital, inúmeras são as sentenças lançadas por pseudofuturólogos de que tudo isso acabará. Volto a reportar à história e nos lançamos ao início do século XX , quando o único veí­cu­lo de comunicação existente era o jornal, a maioria não diá­r io. Entre as décadas de 1920 e 1930, com a invenção do rádio, as mesmas figu­ ras apareceram, dizendo que com isso o jornal

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

desapareceria. O mesmo fato ocorreu na déca­ da de 40. Quan­do surgiu a televisão, disseram que o rádio acabaria, e assim com todas as ferra­ mentas da comunicação cria­das pos­te­r ior­men­te. Entretanto, todos coe­x is­tem até hoje! Com o desenvolvimento da internet e dos meios digitais, surgiu o e-​­book. Decretaram, en­ tão, a extinção do livro impresso, sentença dada pelos mesmos futurólogos de plantão. No primei­ ro momento a novidade causou grande discussão e os adeptos da mídia eletrônica foram os primei­ ros a exaltar essa nova ferramenta. Grandes de­ bates foram acontecendo, na Feira de Frankfurt, na Bie­nal do Livro, se­mi­ná­r ios, workshops e tantos outros eventos, inclusive com ampla discussão na internet e nos grupos sociais. Recentemente começaram a surgir os dados reais sobre o livro eletrônico. As últimas pesqui­ sas detectaram que mais da metade dos leitores desses livros não frequentavam li­v ra­r ias. Em ra­ zão da facilidade e preço, passaram a consumir os livros digitais. O resultado disso é que muitos desse grupo passaram, então, a frequentar as li­ vra­r ias, consequentemente am­plian­do o núme­ ro de leitores de livros impressos. Editores e au­ tores, principais atores da comunicação impressa, começam a se po­si­cio­nar de forma mais aberta, sem contestar as novas tec­no­lo­g ias, adotandoas, mas ao mesmo tempo reforçando mais ain­ da sua posição em relação ao livro impresso. Re­ conheceram, como era esperado, que ambas são ferramentas de leitura e que estarão conviven­ do e coe­x is­tin­do definitivamente, cada uma na escolha do leitor e na con­ve­niên­cia do editor. Antonio Carlos Navarro é diretor superintendente da Abigraf e Sindigraf-DF. acnavarro@lereditora.com.br


A SUA PARTE PODE PARECER PEQUENA, MAS FAZ TODA A DIFERENÇA NO MUNDO

O Prêmio ABIGRAF de Responsabilidade Socioambiental foi criado para estimular e reconhecer práticas corretas e inteligentes nas áreas social e ambiental para toda indústria gráfica brasileira.

REALIZAÇÃO

INFORMAÇÕES www.abigraf.org.br


1919-21. Erich Mendelson, Observatório Albert Einstein.

1914. Antonio Sant’Elia, usina elétrica.

Em 1955, inauguraram em St. Louis um imenso conjunto habitacional chamado Pruit-Igoe. O projeto era de Minoru Yamasaki, arquiteto do World Trade Center [as torres gêmeas, Nova York] […]. Yamasaki desenhou-o nas linhas clássicas de Le Corbusier, concretizando a visão do mestre de altas colmeias de aço, vidro e concreto, separadas por

1911-13. Auguste Perret, teatro Champs-Élysées.

[…] Existia agora a teoria inviolável do telhado plano e da fachada lisa. Decidira-se, na batalha das teorias, que os telhados e cornijas representavam as “coroas” da antiga nobreza, a qual a burguesia passava a maior parte do tempo imitando. Portanto, dali em diante só haveria telhados planos; telhados planos formando impecáveis ângulos retos com as fachadas dos edifícios. Nada de cornijas. Nada de beirais. Esses jovens arquitetos trabalhavam e construíam em cidades como Berlim, Weimar, Roterdã, Amsterdã, aí pela altura do paralelo 52, que também passa pelo Canadá, Ilhas Aleutas, Moscou, Sibéria. Nessa faixa do globo, com neve e chuva suficientes para deter um exército, como a história demonstrara mais de uma vez […]. Na verdade é difícil imaginar onde tal construção poderia ser considerada funcional, a não ser no Deserto Pintado.

1910-11. Walter Gropius e Adolf Meyer, fábrica Fargus.

Arquite cultura

1905-11. Josef Hoffmann, palácio Stoclet, Bruxelas.

in Da Bauhaus ao nosso caos

1900-14. Antoní Gaudi, Parc Güell, Barcelona.

Tom Wolf

Para saber mais sobre o design arquitetônico

86

Da Bauhaus ao nosso caos, Tom Wolf, escrito em 1981 e editado no Brasil em 1990, pela Rocco.

Nova York delirante, Rem Koolhaas, 1978, editado no Brasil em 2008, pela CosacNaify.

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

Movimientos modernos en arquitectura, Charles Jenks, 1983, editado em espanhol pela H.Blume Ediciones, 1983.

Aprendiendo de Las Vegas. Robert Venturi, Steven Izenour, Denise Scott Brown, 1978, editado pela Gustavo Gigli, 1978, e em português, 2003, pela CosacNaify, São Paulo.


1991. Frank Gehry, com Claes Oldenburg, edifício Chiat-Day, EUA.

1951-57. Le Corbusier, Parlamento Chandigarth, Índia. 1951-55. Capela Ronchamp, França.

1934-37. Frank Lloyd Wright, Fallingwater, EUA. 1938-41. Alvar Aalto, Vila Mairea,Finlândia.

1958-70. Oscar Niemeyer, Catedral,Brasília.

1927. Robert Mallet-Stevens, Paris.

Siga o Olhar Gráfico também no blog em www.qu4tro.com.br/blog

áreas gramadas. Os operários de St. Louis, naturalmente, não corriam perigo de se deixarem apanhar em Pruit-Igoe. Já tinham levantado acampamento para os subúrbios […]. Pruit-Igoe foi ocupado principalmente por migrantes vindos do sul rural. Mudaram-se para os blocos de quatorze andares vindos de áreas dos EUA onde a densidade demográfica era de quinze a vinte habitantes por 2,5 km2, onde a pessoa raramente chegava a mais de três metros do chão a não ser que trepasse numa árvore. Em cada andar havia passagens cobertas, em harmonia com a ideia de Le Corbusier de “ruas suspensas”. Uma vez que não havia no conjunto nenhum outro lugar onde “pecar” em público, tudo que talvez acontecesse normalmente em bares, bordéis, clubes, bilhares […], montes de feno, cocheiras, agora se desenrolava nas ruas suspensas. […]

1975-78. Charles Moore, Piazza d’Italia, EUA.

As pessoas decentes bateram em retirada, mesmo que isso significasse viver em buracos nas calçadas. Milhões de dólares e incontáveis reuniões […] foram gastos numa tentativa de tornar o Pruit-Igoe habitável. Em 1971 a força-tarefa final convocou uma reunião geral com todos que ainda habitavam o conjunto. Pediram sugestões aos residentes. Foi um momento histórico por duas razões. A primeira porque pela primeira vez nos cinquenta anos de história de conjuntos habitacionais alguém finalmente pedira dois tostões de opinião ao cliente. A segunda, um coro. O coro começou imediatamente: “Explodam… o conjunto! Explodam… o conjunto! Explodam… o conjunto! Explodam… o conjunto!” Outros monumentos americanos em homenagem aos conjuntos operários da Europa Central da década de 1920 começaram a desmoronar por No dia 15 de julho de conta própria. […] A neve foi demais 1972 o Conjunto para eles – mas sofreram um colapso Habitacional Pruit-Igoe piedoso, prestando, ao ruírem, foi implodido. Esta data é considerada por alguns homenagem ao ditado de que “os historiadores como o dia telhados inclinados eram burgueses”. final do modernismo. C.F.

Para saber o que os alemães pensam da Apple Oba! O novo iPad está na praça. Sim, ele é fininho e tão rápido quanto o anterior. Sim, existem milhões de pessoas que irão comprá-lo. Com todo este barulho em torno do iPad, a filosofia do design da Apple será celebrada uma vez mais. ¶ Ele é bonito e compacto e, por isso, particularmente bom. As seções de arte [e tecnologia] de jornais do mundo inteiro e usuários aficionados do estilo do iPad, iPhone e companhia estarão celebrando um suposto design de vanguarda e minimalista. ¶ Tanta euforia levanta suspeitas. Por outro lado há razões suficientes para submeter o design da Apple a um olhar crítico, que pode ser feito […] sob as lentes do texto

“Ten principles for good design” ☛ [Dez princípios do bom design], de Dieter Rams. Não que ele esteja acima de críticas enquanto designer, mas porque Jonathan Ive, o atual diretor de design da Apple, se apropriou do design moralizador oriundo de Kronenberg como parte de seu modelo. Friedrich von Borrien, arquiteto, curador e pesquisador, em A MENTIRA DO DESIGN DA APPLE.

Porquê o design da Apple não é bom, nem minimalista. Apple Design Editado por Sabien Schulze e Ina Grätz, Museum für Kunst und Gewerbe Hamburg, 2011.

novembro /dezembro 2012  REVISTA ABIGR AF

87


Dez princípios do bom design

Marcas que precisam de redesign

Segundo Dieter Rams

BOM DESIGN É

01 — inovador 02 — fazer produtos úteis 03 — estético 04 — fazer produtos compreensíveis 05 — discreto 06 — honesto 07 — duradouro 09 — completo até o menor detalhe 08 — ambientalmente correto 10 — minimalista

O Banco do Brasil fez uma reforma bem feita na identidade, mas manteve este símbolo (escolhido em um concurso público aberto a não profissionais), que fica muito bem no mundo do Tio Patinhas. Pela semelhança, vale também para o Grupo Silvio Santos (ao lado).

Uma marca longeva em um mercado dinâmico ficaria renovada apenas com um design tipográfico mais atualizado.

No universo do futebol, conservador e retrógado, encontramos muitas marcas que ganhariam com um bom banho (de loja e) de design.

Rádio (1958) e calculadora (1977) desenhados por Dieter Rams para a Braun, Kronenberg, Alemanha.

Essa grande operadora de negócios de turismo ainda usa uma marca do tempo em que era moda usar elipses do Corel Draw para desenhar marcas. Está na hora de olhar para a imagem da concorrência.

O sinal gráfico como estrela do branding

88

“A palavra logo é derivada da palavra grega logos, que significa palavra e razão. Portanto, é até um paradoxo que o significado de logo geralmente aceito em inglês, e em outras línguas, seja “um signo pictórico”, normalmente associado a uma marca. Até mesmo uma marca, como a maioria das invenções humanas, é inicialmente comunicada por um nome e, posteriormente, por imagens. ¶ Um logotipo funciona verdadeiramente como um signo ou um pictograma, uma marca visual mais ou menos abstrata, referindo-se a uma palavra. ¶ Antigamente, o nome de uma empresa era escrito à mão, de uma maneira bem distinta, como uma assinatura, e esta abordagem ainda é utilizada hoje em dia. ¶ Enquanto que um triângulo, um círculo ou uma estrela, quando isolados são meramente ícones, quando ligados a algum nome eles formam algo muito mais significativo. Um ícone é transformado em logotipo a partir do momento em que ele adquire significado em nossas mentes, pela sua associação com o nome Botafogo, de alguma marca, e tudo que ela nos representa. Este processo do Rio de Janeiro, de unir um símbolo, imagens e palavras para representar a essência Estrela Solitária que merece estar da marca de uma empresa, produto ou serviço é o ponto central nos melhores do branding. Matthew Healey, in Design de logotipos, Rosari, 2012. anuários de design REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

A instituição comprou anos atrás, da Landor (grande escritório internacional), gato por lebre quando aprovou a marca “da arvorezinha”. Seja lá o que ela signifique, está precisando de mudancas para enfrentar a concorrência. Mesmo tendo se livrado das listras coloridas do arco íris, esta maçã (que pode significar a maçã envenenada de Alan Turing, ou da Branca de Neve, talvez aquela que ajudou Newton, ou a que Eva ofereceu para Adão) está precisando de reposição. Está ficando velha e vai acabar apodrecendo. Esta foi desenhada recentemente pela FNazca. Mas já nasceu precisando de redesign.


SUA GRÁFICA PODE ESTAR SAUDÁVEL, MAS É SEMPRE BOM FAZER UM EXAME.

A ABTG está lançando o Exame Nacional de Avaliação para Capacitação dos Profissionais Gráficos - ENAC, uma ferramenta que tem como objetivo revelar o nível de aptidão das atividades que os profissionais de sua gráfica exercem. Com os resultados do ENAC, sua gráfica poderá: aumentar a produtividade, promover treinamentos para melhoria dos pontos fracos identificados, contratar assertivamente e muito mais.

Fale com a ABTG, e saiba como aplicar o ENAC em sua gráfica. Afinal, uma impressão só é boa quando passa pelas mãos dos melhores profissionais.


Quadrinhos

Clássicos de Terror A Caça às Bruxas, durante o macartysmo nos Estados Unidos, perseguiu os quadrinhos, em especial, as histórias de terror. Mas, como não há mal que dure para sempre, os “horror comics” renasceram, tal como Fênix, com qualidade ainda maior.

os anos 50, a editora EC Comics, de Wil­l iam (“Bill”) Gaines, tornou-se uma lenda com quadrinhos de terror. Havia grandes roteiristas e desenhistas de primeira. Mas o efeito das sangrentas his­tó­r ias foi tão grande nos jovens leitores que os “moralistas” da imprensa, que já ha­v iam chamado os super-​­he­róis e qualquer forma de quadrinhos de “assassinos culturais”, tinham agora um prato cheio nas mãos. O mais famoso inimigo dos

quadrinhos foi o psiquiatra Fredric Wertham, que escreveu vá­r ios artigos para jornais e revistas, mesmo sem nenhuma prova cien­tí­f i­ca, assegurando absurdamente que as his­tó­r ias eram a causa da doen­ça psicológica de seus pa­cien­tes. A publicação de seu livro “Se­duc­tion of the Innocent” foi a gota d’água para que o Subcomitê de Investigação da Delinqüência Juvenil do senado norte-​­americano vies­se a chamá-lo a depor. O resultado foi o banimento dos cinco títulos da editora e a quase falência de Bill Gaines. A EC , no entanto, se salvou com o lançamento da irreverente revista Mad, cria­d a por Harvey Kurtzman. Em 1964, James Warren criou a revista ­Creepy, considerada uma das mais ­fiéis herdeiras da EC Comics, reunindo um

CREEPY – CONTOS CLÁSSICOS DE TERROR Formato: 20,7 × 27,3 cm Devir Livraria 256 páginas www.devir.com.br/hqs

90

Álvaro de Moya é autor do livro Vapt-Vupt. REVISTA ABIGRAF  novembro /dezembro 2012

grupo seleto a começar pelo editor de texto da revista, Archie Good­w in, e os artistas Al Wil­ liam­son, Joe Orlando, Alex Toth, Neal Adams, Gray Morrow, Steve Ditko, entre outros. Uma qualidade da série era o senso de humor. A Devir Livraria teve a feliz ideia de editar no Brasil a coleção cronológica de ­Creepy desde o número um, com o volume ini­cial apresentando os primeiros cinco gibis. E um caderno em cores com as deslumbrantes capas ilustradas pelo mestre Frank Frazetta. Prepare-se para começar a ler estas co­le­tâ­ neas à meia-​­noite . . .


Galeria da SIB - Sociedade dos Ilustradores do Brasil

Autor: MARCELLO ARAUJO marcelloaraujo@amaiscomunicacao.com.br Ilustração para calendário Cliente: OZ Design. Técnica: Desenho a lápis, finalizado utilizando FreeHand e Photoshop.

www.sib.org.br


Embalagens

(E/D): JeanMichel Ribieras, presidente da International Paper América Latina e Sergio Amoroso, presidente do Grupo Orsa

IP e Jari anunciam joint venture Multinacional líder mundial na produção de papel firma acordo com a divisão de embalagens de papelão ondulado do Grupo Orsa.

E

m 25 de outubro, a In­ter­na­tio­nal Paper (IP) e a Jari Celulose, Papel e Embalagens S/A , empresa pertencente ao Grupo Orsa, convocaram a imprensa para anun­ciar o acordo firmado entre ambas para a cria­ção de uma nova empresa no mercado de embalagens. Com investimentos de aproximadamente US$ 470 milhões, ou aproximadamente R$ 952 milhões no câmbio ­atual, a IP passa a ter participação de 75% nessa nova companhia, enquanto a Jari responderá por 25%. A ­união da maior fabricante de papel do mundo com uma das maiores produtoras de embalagens de papelão coloca, automaticamente, a nova empresa formada no terceiro lugar no mercado de embalagens no País. A conclusão da transação ocorrerá em 2013, em razão de condições pré-​­estabelecidas e aprovações públicas ne­ces­sá­r ias.

Estrutura

92

A nova empresa formada pela joint venture passa a contar com a estrutura da Jari: três fábricas de papelão e quatro unidades de produção de embalagens de papelão ondulado. Com esta ação, a IP reforça a estratégia mun­dial de crescer neste segmento, indo além do papel. “A In­ter­na­tio­nal Paper, uma das maiores empresas globais de embalagens e papel no Brasil, pos­suía até então unidades voltadas à produção de papel branco para imprimir e escrever. Este acordo vai ao encontro das metas da companhia, que é a cria­ção de uma plataforma sustentável de crescimento na América Latina nos setores REVISTA ABIGRAF  novembro /dezembro 2012

de papel e embalagens”, comentou Jean-​­Michel Ri­bie­ ras, presidente da In­ter­na­tio­nal Paper América Latina. Os ne­gó­cios florestais e de celulose do Grupo Orsa permanecem com a companhia. “Temos como filosofia apostar em par­ce­r ias estratégicas como ferramenta de desenvolvimento. Essa joint venture fortalece o negócio de embalagem ao trazer novas tec­no­lo­g ias e inovações, refletindo em uma empresa com po­ten­cial de crescimento acelerado”, afirmou Sergio Amoroso, presidente do Grupo Orsa. Os dois lados

A IP emprega aproximadamente 70 mil pes­soas em mais de 24 paí­ses, atendendo clien­tes em todo o mundo. O faturamento em 2011 foi de US$ 26 bilhões. No Brasil, a companhia conta com aproximadamente 2.600 profissionais e seu sistema integrado de produção é composto por três fábricas: duas no Estado de São Paulo e uma no Mato Grosso do Sul. Seus produtos, que incluem as linhas de pa­péis para imprimir e escrever Chamex e Chamequinho e a linha gráfica de pa­péis Chambril, são produzidos a partir de florestas 100% plantadas, renováveis e certificadas. Completamente alinhado aos conceitos de sustentabilidade, o Grupo Orsa é uma das principais organizações brasileiras no setor de madeira, celulose, papel e embalagens, com atua­ção também em produtos florestais não madeireiros. Tornou-se referência mun­dial em manejo sustentável de floresta tropical nativa por suas operações na re­g ião amazônica do Vale do Jari, localizado entre os estados do Pará e do Amapá. Sua unidade produtora de celulose de fibra curta é certificada em toda a cadeia de custódia pelo FSC (Forest Stewardship Council – Conselho de Manejo Florestal).


Automação e Integração são alguns dos itens que oferecemos através das nossas soluções de Sistemas de Gestão, Web-to-Print e Cross Media. Aumente suas vendas comercializando seus produtos através da Internet, faça orçamentos de forma automatizada, gerencie sua produção e tenha dados atualizados para tomada de decisões acertivas. Diminua o custo eliminando processos que serão realizados pelos sistemas, minimizando erros e desperdícios causados pela falta de integração entre as áreas da sua empresa. Entre em contato e conheça nossas soluções

EFI Metrics e EFI Digital StoreFront.

Mais informações: Tel.: 55 11 2199 0100 info@metrics.com.br | metrics@efi.com www.metrics.com.br | www.efi.com


Grupo Empresarial

Com cinco décadas de atividade completadas no dia 31 de março deste ano, o grupo paranaense Santa Maria iniciou a produção de papel em 1974 e possui hoje uma capacidade produtiva de 105 mil toneladas/ano, sustentada pela energia gerada por duas usinas hidroelétricas próprias.

O

Grupo Santa Maria

Harmonia entre capital e meio ambiente

Grupo Santa Maria iniciou suas atividades em 1962, na cidade de Gua­r a­p ua­v a (PR ), com atua­ç ão na­c io­n al, sob a denominação de Madeireira Santa Maria. Diversificando suas atividades, em 1974 colocou em fun­cio­na­men­to sua primeira máquina para produção de papel, assim como uma hi­droe­lé­tri­ca para geração da energia necessária ao processo produtivo. O sucesso desse em­preen­d i­men­to levou-a a instalar no final de 1982 sua segunda máquina, triplicando o volume produzido de papel, que veio acompanhada de outra hi­droe­lé­ tri­ca para atender o novo salto na demanda de energia. Poucos meses depois, em 29

(E/D) Marcelo Podolan Lacerda Vieira, diretor executivo; e seu pai Manoel Lacerda Cardoso Vieira, diretor presidente do grupo

de abril de 1983, o grupo assumiu o nome de Santa Maria Cia. de Papel e Celulose e, a partir de 1993, passou a converter parte de sua produção em formulário contínuo. A organização investe maciçamente em pesquisas, buscando melhor rendimento e desenvolvimento de suas florestas. Através da Reflorestadora São Ma­noel produz desde sementes e mudas até a manutenção e plantio de florestas, garantindo a matéria-​­prima de qualidade em suas diversas e extensas ­­áreas de reflorestamento. Os re­ sí­duos de madeira gerados no decorrer desse processo são transformados em energia, com um aproveitamento ra­cio­nal em toda a cadeia produtiva. A capacitação e envolvimento desta equipe é resultado da perfeita harmonia entre o capital e o meio am­ bien­te, com grande respeito pela natureza.

94 REVISTA ABIGRAF  novembro /dezembro 2012


Responsabilidade socioambiental

Respeitada como um sólido grupo em­pre­ sa­r ial autossuficiente em recursos produtivos, a Santa Maria, além de atender o mercado na­c io­nal e in­ter­na­c io­nal de papel, atua nas ­­áreas de reflorestamento e energia. Sua linha de pa­p éis é composta por produtos offset, monolúcido, kraft monolúcido, kraft apergaminhado, offset laser e apergaminhado. Além das duas hi­

droe­lé­t ri­c as pró­prias, a empresa possui um parque florestal com 13 mil hectares de florestas plantadas de pinus, nas quais a colheita é feita de forma exclusivamente mecânica, e 7 mil hectares de mata nativa, que configuram as áreas ­­ de preservação permanente e reservas legais. Paralelamente aos investimentos em tecnologia e à preo­cu­pa­ção com a preservação do meio am­bien­te e utilização de

Linha de papéis Santa Maria SaMa Print: linha de papel alcalino offset, utilizado para imprimir e escrever ◆◆ SaMa Gloss: papel alcalino monolúcido, com brilho em uma das faces ◆◆ SaMa Kraft Monolúcido: papel alcalino monolúcido, com brilho em uma das faces, apropriado para sacos e sacolas de alta qualidade ◆◆ SaMa Kraft Apergaminhado: papel alcalino apergaminhado, com fibras longas e curtas branqueadas na composição celulósica, que proporcionam maior resistência mecânica ao papel ◆◆ SaMa Laser: papel alcalino offset laser com elevada resistência superficial e reduzido teor de umidade ◆◆ SaMa Bond: papel alcalino apergaminhado, com resistência superficial limitada e boa maquinabilidade ◆◆

recursos renováveis, a Santa Maria reserva es­pe­cial atenção ao aprimoramento e bem estar dos seus fun­cio­ná­r ios. Mais de 600 colaboradores, com vínculo empregatício, recebem programas con­tí­nuos de capacitação, programa de reconhecimento e be­ne­fí­ cios, me­lho­r ias em condições e am­bien­te de trabalho, segurança e lazer. Para o diretor presidente do grupo, Ma­noel Lacerda Cardoso Vieira, “o ser humano é o di­fe­ren­cial, a mola propulsora para o desenvolvimento e crescimento da organização”. & GRUPO SANTA MARIA Tel. (42) 3621.4000 www.santamaria.ind.br novembro /dezembro 2012 REVISTA ABIGRAF

95


Blanquetas

Companhia sueca concluiu a aquisição da fábrica de blanquetas da Printec, em Jandira, e inaugurou uma planta industrial em Santana do Parnaíba, ambas no Estado de São Paulo.

Grupo Trelleborg amplia negócios no Brasil

A

96

América Latina é o mais novo capí­ tulo na expansão do Grupo Trelle­ borg em sua meta de atingir o equi­ líbrio geo­g rá­f i­co, ou seja, estar presente em paí­ses ou re­g iões que forem economi­ camente ajustadas às suas projeções de ne­ gó­c ios. A companhia, fundada em 1905 na Sué­cia e que atua no desenvolvimento de soluções e aplicações ba­sea­das em uma tecnologia de polímeros, tem como uma de suas mais recentes ­­áreas de investimentos a indústria de impressão gráfica. Em 2006 foi dado o primeiro passo nesse sentido, com a compra da norte-​ ­americana Ree­ves Brothers Inc. Dois anos mais tarde, foi a vez da MacDermid Offset Printing Blankets, também dos Estados Unidos. Em setembro de 2012, a Trelleborg concluiu a aquisição da Printec, a fábrica de blanquetas pertencente ao Grupo Day Bra­ sil instalada em Jandira, no Estado de São Paulo. De acordo com Ma­nue­la Re, diretora de mar­ke­ting e comunicação do Grupo Trel­ leborg, as duas primeiras aquisições permi­ tiram ganhar es­pe­cia­li­za­ção e ­criar a divi­ são Printing Blankets. A área de produtos para a indústria de impressão faz parte da Trelleborg En­g i­nee­red Sys­tems, uma das frentes de atua­ção do grupo, e seus ne­gó­ cios estão dis­tri­buí­dos em 80% na impres­ são offset, 10% no sistema digital e 10% na flexografia. Além desta, o grupo conta com outras duas ­­áreas de ne­gó­cios: a Trel­ leborg Sea­l ing So­lu­t ions, divisão que fa­ brica pneus e rodas para máquinas agríco­ las e florestais, empilhadeiras e máquinas REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

Peter Nilsson, CEO da Trelleborg

industriais, e a Trelleborg Sea­l ing So­lu­ tions, que produz soluções completas de ve­ dações hi­dráu­li­cas, estáticas, pneumáticas, para eixos rotativos e óleo. A aquisição das fábricas nessas locali­ dades se justificam. Segundo Ma­nue­la, os Estados Unidos ainda são, hoje, o maior mercado para o segmento gráfico em todo o mundo, mas o Brasil também está em cres­ cimento. “O que ocorre no mercado ameri­ cano é que ele está mudando, de uma prio­ ri­d a­de de impressão de livros, revistas e jornais para a de embalagens”. Ma­nue­l a Re também veio ao Brasil para acompanhar um importante even­ to da divisão de sistemas de engenharia. Em 9 de outubro, com a presença do presi­ dente mun­d ial, Peter Nilsson, a Trelleborg

inaugurou as instalações do parque fabril de Santana de Par­n aí­ba, na Grande São Paulo. A área de 41 mil metros quadrados será compartilhada com as operações da Printing Blankets (blanquetas para im­ pressão) e da Trelleborg Marine Hoses, esta última es­p e­c ia­l i­z a­d a em manguei­ ras de óleo para aplicações marítimas, na extração marítima de petróleo e gás.

Manuela Re, diretora de marketing e comunicação do Grupo Trelleborg

TRELLEBORG www.trelleborg.com.br

Atuação mundial

A Trelleborg possui vá­r ias instalações de produção no Brasil: em Macaé (RJ), além de Santana de Par­naí­ba, São José dos Campos, Gua­r u­l hos, Taubaté e, agora, Jandira — to­ das em São Paulo. Essas plantas produzem uma grande va­r ie­da­de de itens e soluções ba­sea­das em tecnologia de polímeros. Com as inaugurações, as operações do grupo es­ tão sendo am­plia­das no País. As vendas lí­ quidas aumentaram em 49%, para cerca de R$ 388 milhões, entre 2006 e 2011, e o número de fun­c io­ná­r ios saltou de 900 para cerca de 1.000. No mundo, com ven­ das anuais da ordem dos US$ 3,3 bilhões, o Grupo Trelleborg mantém aproximada­ mente 15.500 fun­cio­ná­r ios em mais de 40 paí­ses. A companhia também detém 50% da Trelleborg Vibracoustic, líder mun­d ial em soluções an­t i­v i­bra­tó­r ias para veí­c u­ los leves e pesados, com vendas anuais de US$ 2 bilhões e cerca de 8.000 fun­cio­ná­r ios em mais de 17 paí­ses.


Pensando no futuro? Nós podemos ajudá-lo.

Pós-graduação e extensão universitária

Novos cursos da faculdade SENAI Extensão universitária (ensino a distância):

Gestão da produção na empresa gráfica Pós-graduação:

Desenvolvimento e produção de embalagens flexíveis Extensão universitária Otimização do processo offset para a qualidade e produtividade Controle de processo na impressão offset Gestão da qualidade na indústria gráfica Green Belt estratégia lean-seis sigma Gestão estratégica da indústria gráfica Gestão estratégica de pessoas Marketing industrial

Pós-graduação Tecnologia de impressão offset : qualidade e produtividade Planejamento e produção de mídia impressa Gestão inovadora da empresa gráfica

Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica e Escola SENAI Theobaldo De Nigris Rua Bresser, 2315 - Tel: 2797-6300/6301/6303 - www.sp.senai.br/grafica


RenĂŞ de Paula


F OTOG R A F I A

“Deixar-se fotografar é uma autorização da alma, que só é dada àquele que tem o desejo de produzir uma imagem quando consegue trocar verdades fundamentais com a pessoa retratada”. Renê de Paula

Texto: Tânia Galluzzi


2

1 ( página dupla anterior) Juliana Martins em ensaio para o livro Joia 2 Renata Fasanella em campanha para Yael Jewelry NY 3 Cris Noronha em campanha para O.C. 4 Editorial de joias para a Revista Riviera 5 Loris Kraemerh em ensaio para o livro Joia

100

Perfeição da forma humana

D

irigir e fotografar. Fotografar e dirigir. Renê de Paula não sabe o que vem primeiro. Sabe que em seu trabalho as duas atividades caminham juntas, conectadas, sob pena de arruinar dias de dedicação em caso de dis­so­cia­ção. O centro de atenções de Renê é o ser humano. Fotografar gente é a sua vida, seu sustento, seu prazer. E conviver com os melindres desse ofício, seu desafio. Não demorou muito para que ele descobris­ se do que gostava. Em mea­dos da década de 80, depois de fotografar festivais de música, tea­ tro e dança, começou a fazer capas de disco, descobrindo que as pes­soas ­atraíam mais suas lentes do que os objetos. O paulistano Renê entrou como sócio em um estúdio e resolveu fazer ensaios e levá-​­los para editoras. Autodi­ data é a palavra que vem à sua cabeça? “Não”, diz ele. “Autocondutor de ensino”, classifica-se, encarnando o neo­lo­g is­ta. Além dos livros, Renê educou seu olhar mi­ rando quem valia a pena seguir, como Miro, um

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

dos maiores nomes na fotografia de moda e na publicidade brasileira, sua grande referência. Junto com os editoriais de moda vie­ram a pu­ blicidade, o apuro técnico e a habilidade para dirigir pes­soas. “Fotografar gente é direção, é trabalhar com uma equipe grande, é como um diretor de cinema, que tem de fazer com que todos acreditem no projeto e con­f iem nele”. Con­f ian­ç a é o porto seguro para Renê. “Se não houver con­f ian­ça, a dúvida vai apare­ cer no olhar”. E quando o santo não bate? “O fo­ tógrafo pro­f is­sio­nal sou eu. Tenho de cativar o fotografado”. Tranquilidade e pa­ciên­cia são bons alia­dos e o portfólio também ajuda. No caso de modelos profissionais, a estrutura de suporte conta pontos, além de um projeto crível e viá­vel, no qual as pes­soas percebam valor. Independente do esforço de quem está atrás da câmera, na fotografia de gente entra em cena outro fator, a fotogenia, que Renê define como “autorização da alma”. “Não tem nada a ver com beleza. Tem muita gente bonita que não foto­ grafa bem e vice-​­versa. Tem a ver com a von­ tade de a pessoa ser fotografada, com o quão confortável ela se sente dian­te da câmera”. Joia

O resultado de toda essa bagagem está estam­ pado no livro Joia, lançado no dia 16 de outu­ bro na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, fru­ to da ­união do fotógrafo com a Stilgraf. A obra transpira brasilidade ao contar a história de Ma­ ria das Graças, conhecida como Gracinha, e de­ pois Joia, que nasce no Morro de São Carlos, no Rio, tornando-se passista de escola de samba. 3


4

Para não perder seu poder de sedução, vai à Bahia, encontrando no candomblé o encanta­ mento que será sua glória e sua maldição: uma mulher irresistível, porém incapaz de amar. “Sempre acreditei que a nossa cultura é muito poderosa. Identifico-me com a diversidade, com a heterogeneidade, e há muito tempo penso em fazer algo que mostre isso tudo”. Renê conta que seu primeiro contato com a Stilgraf foi em 2005, através da produção de catálogos de moda para clien­tes diretos. “En­ contrei uma relação de entendimento dife­ rente. O que a gente fala é levado a sério, sem contar o respeito com a qualidade. Virou uma relação de amizade”. Os laços se estreitaram há dois anos, quando Robison Borges, diretor co­mer­cial da Stilgraf, comentou sobre o dese­ jo de fazer um livro que marcasse os 20 anos da gráfica. Renê delineou o projeto, conseguin­ do atrair a fabricante alemã de máquinas fo­ tográficas Leica e modelos de renome, como Ema­nue­l a de Paula e Ju­l ia­na Martins. Mais de 30 locações foram usadas em Salvador, Rio de Janeiro e no litoral paulista, am­bien­tan­do modelos e pes­soas comuns. Tratado como um projeto cinematográfico, que envolveu uma equipe de quase 40 pes­soas, Renê cuidou de cada detalhe, inclusive para que as imagens fossem resolvidas no momento da captação, dispensando a pós-​­produção. “Não excluo os be­ne­fí­cios do digital. Acho que o equi­ líbrio é a melhor saí­da, mas o que emo­cio­na é o ser humano, não a tecnologia”.

Desde 2010 Renê não se dedica a outra coi­ sa e, lançado Joia, o fotógrafo está agora repen­ sando sua carreira, flertando com o cinema e projetando novos livros. O caminho do tra­ balho autoral não é simples, mas Renê parece disposto a enfrentá-lo.

5

& RENÊ DE PAULA Tel. (11) 97234.6002 www.renedepaula.com.br novembro /dezembro 2012  REVISTA ABIGR AF

101


Sistema Abigraf Notícias

Bauru promove prêmio de excelência gráfica A Abigraf Seccional Bauru promoveu a primeira edição de seu concurso de qualidade gráfica, destacando os melhores trabalhos produzidos por empresas da região.

N

a noite de 20 de setembro, a Abigraf Sec­cio­nal Bauru reu­ niu em­pre­sá­rios do setor e convi­ dados para celebrar a qualidade dos impressos gráficos produzi­ dos por in­dús­trias da cidade e re­gião. Verdadeiro marco para o in­te­rior do Estado, o I Prêmio Re­gio­nal de Excelência Gráfica Vinicius Viot­to Coube — nome escolhido para ho­me­na­gear o empresário da Tilibra, morto no ano passado — abrangeu mais de 200 empresas dos 89 mu­ ni­cí­pios que formam a re­gião. A pre­mia­ção foi rea­li­za­da no Buffet Mantovani, seguida por um jantar. A diretoria da sec­cio­ nal foi representada pelo primei­ ro e segundo vice-​­presidentes, respectivamente, José Ricardo Carrijo e Luiz Edmundo Coube, e também pelos diretores finan­ ceiros da entidade, Marcelo de Freitas e Flávio Della Coletta. Ou­ tras autoridades participaram do evento, dentre os quais Reinaldo Espinosa, presidente executivo da ABTG, Domingos Malandrino, diretor titular do Centro da In­

102 102

dús­trias do Estado de São Paulo (­Ciesp), de Bauru, e Ademir Re­ dondo, diretor da Escola Senai João Martins Coube. No total, o prêmio recebeu a inscrição de 65 trabalhos, de 12 empresas, estando dividido em nove segmentos, subdivi­ didos em 27 ca­te­go­rias de pro­ dutos, entre elas impressos pro­ mocionais, cartazes, cadernos, livros, jornais e revistas. Tam­ bém foram contempladas seis ca­te­g o­r ias para fornecedores.

Diretores da Abigraf Seccional Bauru (E/D): Luiz Edmundo Coube; Flávio Della Coletta; Marcelo de Freitas e José Ricardo Carrijo

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

Os trabalhos passaram por ava­ lia­ção de comissão julgadora in­ tegrada por professores da Fa­ culdade de Artes e Comunicação da Universidade Es­ta­dual Paulis­ ta (Unesp), dos cursos de Design e Publicidade da Universidade Sagrado Coração e do curso de Artes Gráficas do Senai Bauru. Os  juí­zes analisaram os proje­ tos considerando cri­té­rios como pré-​­impressão, acabamento, fun­ cio­na­li­da­de e cria­ti­vi­da­de. Graças ao sucesso da primeira edição, a Sec­cio­nal já começou a plane­ jar a do próximo ano. Por esse motivo, estudantes de Design

das universidades de Bauru e re­ gião serão convidados a partici­ par de um concurso para a ela­ boração do cartaz de divulgação da segunda edição.

1º Prêmio Regional de Excelência Gráfica Vinicius Viotto Coube Gráficas 3 prêmios: Tiliform 2 prêmios: Graphpress 1 prêmio: Empório Bauru, Encape, Joarte, Jornal da Cidade de Bauru, NSA e Tilibra Fornecedor 1 prêmio: Heidelberg


Familiarizada com a linguagem do profissional gráfico, a ABTG Certificadora está altamente capacitada para atender às especificidades do setor, oferecendo avaliações que resultam em produtividade e rentabilidade. Conheça as certificações: • Sistema de Gestão da Qualidade (ABNT NBR ISO 9001) • Sistema de Gestão Ambiental (ABNT NBR ISO 14001) • Sistema de Segurança em Conformidade com a Norma ABNT NBR 15540 • Certificação da Qualidade no Processo de Reprodução Gráfica (inclui requisitos da ISO 12647-2) • Tintas Gráficas em Conformidade com a Norma ABNT NBR ISO 2846-1 • Papel em Conformidade com a Norma ABNT NBR NM - ISO 12647-2 • Sistemas de Iluminação em Conformidade com a Norma ABNT NBR ISO 3664 • Sistemas de Prova Física em Conformidade com a Norma ABNT NBR ISO 12647-7 • Sistemas de Prova Virtual em Conformidade com a Norma ABNT NBR ISO 12646 • Papel para Prova Digital em Conformidade com a Norma ABNT NBR ISO 12647-7 • Certificação de Máquinas Impressoras Offset Novas e Usadas

ABTG Certificadora Tel.: (55 11) 2618-2024 comercial@abtgcertificadora.org.br www.abtgcertificadora.org.br


Sistema Abigraf Notícias

Biblioteca de Santa Cruz da Esperança recebe 600 livros Cidade próxima a Ribeirão Preto foi a nova contemplada pelo programa “São Paulo: Um Estado de Leitores”, uma realização da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo, que recebe apoio da Abigraf-SP e do Sindigraf-SP.

E

m 2012, quando completa 15 anos, o pequeno município de Santa Cruz da Esperança, lo­ calizado no in­te­rior do Estado de São Paulo, a 47 quilômetros

104 104

de Ribeirão Preto, recebeu mais um reforço para incentivar os es­ tudantes e moradores a adquiri­ rem o hábito da leitura: a con­ clusão da revitalização de sua

(E/D): Edson Antonio Bianchi, presidente da gráfica Art Chik, de Ribeirão Preto; Fabio Arruda Mortara, presidente da Abigraf Nacional; Wagner Silva, gerente geral da  Abigraf Nacional; Levi Ceregato, presidente da Abigraf Regional São Paulo; e Maria  de Lourdes Coelho de Araújo, secretária de Educação de Santa Cruz da Esperança

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012

bi­blio­te­ca, que também recebeu 600 títulos de livros doa­dos pela Abigraf-SP e Sindigraf-SP. Em 27 de setembro, a ins­ tituição foi inaugurada em

cerimônia ofi­cial, com a parti­ cipação de Fabio Arruda Morta­ ra, presidente da Abigraf Na­cio­ nal; Levi Ceregato, presidente da Abigraf Re­g io­nal São Pau­ lo; Edson Antonio Bian­chi e Fá­ bio Sarje, respectivamente, 1º e 2º vice-​­p residentes da Abi­ graf Sec­cio­nal Ribeirão Preto; Wagner Silva, gerente geral da Abigraf Na­cio­nal e em­pre­sá­rios gráficos da re­gião. Representan­ do o município, participaram o ve­rea­dor Laér­cio Se­bas­tião de Freitas, a servidora da Secreta­ ria Municipal de Administração, Finanças e Planejamento Adria­ na Aparecida Rodrigues dos Santos e a secretária municipal de educação Maria de Lourdes Coe­lho de Araú­jo. Cerca de 300 alunos da esco­ la E.M.E.B. Olympio Pereira Con­ ceição, da E.E. Profa. Rita Fer­ raz Caselli e do Projeto Cuca – Centro Unificado para Crian­ ças e Adolescentes estiveram presentes. Professores, coor­ de­na­do­res e diretores das ins­ tituições de ensino organiza­ ram uma comemoração alusiva ao importante acontecimento para a cidade, com mensagens e apresentação de danças.


há trinta anos Nesta edição, a Revista Abigraf dá início à nova coluna “Há 30 anos”, que tem a proposta de resgatar fatos históricos de importância para a indústria gráfica brasileira. A partir de agora, dedicaremos uma página ao resgate de no­tí­cias sobre as ações da Abigraf, a evolução tecnológica e os momentos mais marcantes vi­ven­cia­dos pelo mercado gráfico, entre outros aspectos relevantes. Esta “via­gem no tempo” começa com os fatos que ocorreram durante o ano de 1982, no que sobressai a rea­li­za­ção da oitava edição da Drupa.

Gráficas estatais U

Tendências tecnológicas O ano de 1982 foi de Drupa, en­ tão rea­li­z a­da a cada cinco anos. No edi­to­rial de abril, a presidên­ cia da Abigraf afirmava que “bem sabemos as grandes dificuldades que temos na importação de no­ vos maquinários”, mas de qual­ quer modo advogava que “nestas horas de grandes dificuldades é que o empresário tem que tomar grandes decisões e procurar as­ similar a tecnologia mais desen­ volvida. Precisamos saber o que acontece lá fora, para que tam­ bém possamos informar, pleitear e discutir junto ao Governo”. O evento foi rea­li­za­do de 4 a 17 de junho de 1982, com cerca de 1.100 expositores. A oitava edição da feira alemã contou com a pre­ sença do diretor Rubens Amat Fer­ reira e do presidente da Abigraf Sidney Fernandes. Uma das gran­ des novidades da Heidelberg foi a primeira rotativa de bobina para imprimir 8 páginas em offset. Na época, o gerente da As­so­ cia­ção Alemã de Máquinas e Ins­ talações (VDMA) e representante

da comissão da 8ª Drupa, Klaus E. Lickteig, comentou: “Os com­ putadores ( . . .) acabarão por ser os instrumentos mais importan­ tes de comando na composição, reprodução, impressão e acaba­ mento”. Aquele foi também ano de Fie­pag, onde foram apresen­ tados lançamentos de “( . . .) má­ quinas e equipamentos gráfi­ cos até então não fabricados no Brasil ( . . .), todos eles de gran­ de importância para o setor, de­ monstrando avançado grau de tecnologia da indústria de máqui­ nas e equipamentos gráficos na­ cionais”, como retrata o texto da Revista Abigraf.

ma das ações mais importantes da Abigraf em 1982 ocorreu em 27 de janeiro, quando o presidente da Abigraf Na­cio­nal, Sidney Fernandes, recebeu um te­ legrama do ministro da Desburocratização, Hélio Bel­ trão, informando que o presidente da República as­ sinara o Decreto nº 86.873, que “proí­be a cria­ção de unidades orgânicas de artes gráficas na administra­ ção federal direta e indireta, bem como fundações ins­ti­tuí­das ou mantidas pela ­União. A medida se in­ sere por inteiro no programa na­cio­nal de desburocra­ tização, que tem entre seus objetivos o de impedir o crescimento desnecessário da máquina administrati­ va federal, me­dian­te o estímulo à execução indireta, utilizando-se, sempre que praticável, o contrato com empresas privadas capacitadas”. No edi­to­rial da edição nº 80 (junho), Sidney Fer­ nandes, afirmou que “( . . .) A Abigraf e o sindicato têm juntos conseguido memoráveis vi­tó­rias políticas jun­ to ao Governo. ( . . .) A proibição da instalação de no­ vas gráficas, o Convênio ICM nº 11, do Confaz, por­ta­ rias e leis de anistia fiscal, es­pe­cial­men­te no âmbito da capital de São Paulo, trouxeram uma relativa fol­ ga na outrora vio­len­ta carga tributária que re­caía sobre o setor. ( . . .) Conquistamos assim o respeito e nossas ini­cia­ti­vas repercutem favoravelmente até nos demais paí­ses da América Latina, como pionei­ ros na desestatização e na diminuição da carga tri­ butária da indústria gráfica”. No final do ano, o em­ presário Max Schrappe assumiu a diretoria da Abigraf, substituindo Sidney Fernandes.

Ec onomia

n­ ti­nua­va em asce de inflação con­ xa ta a 8% , 4, 82 ra 19 m o de 1982 pa 7% em setembr ei­ são, saindo de 3, o. Nos dez prim an quele mesmo da a o br ou tu eg ou ch em umulada o, a va­ria­ção ac an r do rra es ce es en m ros o iria se o era que o an isã ev pr a e , % 79,2 . com quase 100%

E

105 novembro /dezembro 2012  REVISTA ABIGR AF


Mensagem

O

Rumo ao interior

ta Revista rme mostra a reportagem des nfo Co u izo bil via atuo no brasileiro, que ade de Ribeirão Preto, onde cid a , af igr O recente avanço econômico Ab , o mais país de classe média 1970, por exemplo, é, hoje, de des o fic grá o nossa consolidação como um ram ser viços e comércio econômicas sig nif icativas implicou em mudanças geo portante polo prestador de im os pel as tad on semelhante de m a ser ap o nordeste paulista. Padrão o tod que, somente agora, começa de IPC da o em outras estudo recente ento começa a ser observad vim vol en institutos de pesquisa. Um des s nte ssa em São Paulo, das faces mais intere iras. Como Ribeirão Preto, sile bra s iõe Marketing identificou uma reg o, aproveitou mico: o crescimento da do Rio Verde, em Mato Gross deste “novo milagre” econô cas Lu o sum con — a cidade é s estados no tividade de seu agronegócio du participação do interior do pro a do es a do País açõ rtir de inform 1% de toda a produção de soj por el sáv pon total das famílias. Feito a pa res ), E IBG mico, por afia e Estatística ( nar seu seg undo ciclo econô lsio pu im ra Instituto Brasileiro de Geogr pa — s para a instalação de e, nos últimos dez anos, io da concessão de incentivo o levantamento apontou qu me o atr qu de is ma território. is recuou rias de transformação em seu úst a participação das 27 capita ind . ção na a tuosos de consumido pel semelhantes de círculos vir s plo em Ex pontos percentuais no total do ento econômico tes vistas como “pouco Em São Paulo, o desenvolvim crescimento em cidades an . tes den en pre sur is ma da e podem ser observados interior trouxe resultados ain nif icativas” economicament sig ião reg a a, tin La s, como Pernambuco, América ios outros estados brasileiro vár Uma das áreas mais ricas da em do r ido dos estes rcado consum á, Espírito Santo etc. Em to ran Pa , está se tornando o maior me ará Ce . ulo Pa o fica não ste ano, a Grande Sã bilidades para a indústria grá ssi po as s, are Brasil, superando, ainda ne lug or eri ectativa é de que o int lusive, por acreditar na Seg undo a consultoria, a exp deriam ser melhores. É, inc po o tod de ,2% (50 iação Brasileira da em 2012 do interior, que nossa Assoc ça consuma R$ 382,3 bilhões for (ou es lhõ  bi ‑se como entidade os R$ 379,1 Gráfica (Abigraf ) config ura ria úst o consumo do Estado), contra Ind . na ita pol is espalhadas por ra a reg ião metro a, com reg ionais e secciona tiv era 49,8% do total) previstos pa fed ou meu ado com o s. Af inal, como bem observ iro sile bra os Tal fenômeno, que, se observ ad est 22 om, em reportagem resenta aspectos positivos Fábio Sarje, da gráfica GC igo distanciamento devido só ap am s cia gên tin con unidades”. País, resulta de , “onde há consumo, há oport ção edi ta para o desenvolvimento do des os ad tal interior. os empresários ins as oportunidades estão no is, ma vez a nem sempre agradáveis para cad E,  tantes dos terrenos, o nas capitais: os preços exorbi a saturação das vias de r alto custo da mão de obra e lce regato@abig raf.org.b os. gal gar s tro ou re ent , escoamento da produção onde há desafios A boa notícia é que, sempre unidades. Muitas empresas existem, igualmente, oport res e maior competitividade têm procurado custos meno de desenvolvimento, migrando para novos polos interior dos estados. muitos deles localizados no ente, uma melhoria na O resultado é, invariavelm crescimento da massa qualidade dos empregos, o ro, uma multiplicação salarial, mais consumo e, cla ios. nas possibilidades de negóc ção de empresas e Em algumas cidades, a migra ado conta, ainda, com o círculo virtuoso por elas ger pode, e não deve, ser um estímulo extra, que não o público a importância desprezado. É de conheciment mia brasileira. Embora os do agrobusiness para a econo e apenas alguns poucos críticos insistam em dizer qu ta atividade, o fato é que a Indústria Gráfica produtores se beneficiem des da Associação Bra sileira da do campo é um importante PresidenteSão os óci ) neg os f‑SP pel igra a (Ab ad lo ger Pau a riquez Regional s setores da economia. fator de estímulo para outro

L evi C eregato

106

REVISTA ABIGR AF  novembro /dezembro 2012


IBF NA VANGUARDA DO CTP

Ecoplate T

-Chapa: Térmica Negativa de Fácil

Processamento não Ablativa

-Platesetters: Térmicas 830 a 850 nm -Processamento: em “Gomadeira” IBF ou similares -Goma

de revelação: IBF ECOGUM ou similares

-Energia de trabalho: 150mj/cm²

( necessita 25% menos energia que a concorrência)

-Resolução: de 2% a 98% em 200LPI -Solução de Acabamento: Não Necessária -Contraste da Chapa: excelente se for revelada

na Gomadeira ( baixo contraste para revelação em máquina )

-Condições de Armazenamento: 23C e 65% de umidade relativa, transporte suporta 50c até 24 horas

-Espessuras disponíveis: 0,30 e 0,15mm -Tiragem: até 100.000 dependendo

das condiçoes da impressora

A M E L H O R O P Ç Ã O E M C H A P A S E M 7 0 P A Í S E S.

Revista Abigraf 262  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you