Page 1

revista

issn 0103•572x

revista abigraf 259 maio/junho 2012

a r t e & i n d ú s t r i a g r á f i c a • a n o x x x VII • m a i o / j u n h o 2 0 1 2 • nº 2 5 9


Noite em Paris, óleo sobre tela, 1,80 × 1,40 m, 2008

REVISTA ABIGRAF ISSN 0103-572X Publicação bimestral Órgão oficial do empresariado gráfico, editado pela Associação Brasileira da Indústria Gráfica/Regional do Estado de São Paulo, com autorização da Abigraf Nacional Rua do Paraíso, 533 (Paraíso) 04103-000  São Paulo  SP Tel. (11) 3232-4500  Fax (11) 3232-4550 E-mail: abigraf@abigraf.org.br Home page: www.abigraf.org.br

Caminhos transversos

A arquitetura lhe atraiu na juventude, a medicina o cooptou por mais de 20 anos. Mas a arte, que o acompanha desde o berço, conseguiu se impor, colocando Rubens Ianelli na posição de artista plástico reconhecido.

Presidente da Abigraf Nacional: Fabio Arruda Mortara Presidente da Abigraf Regional SP: Levi Ceregato Gerente Geral: Lygia Flores Conselho Editorial: Cláudio Baronni, Fabio Arruda Mortara, Igor Archipovas, Levi Ceregato, Lygia Flores, Max Schrappe, Plinio Gramani Filho e Ricardo Viveiros Elaboração: Clemente & Gramani Editora e Comunicações Ltda. Rua Marquês de Paranaguá, 348, 1º andar 01303-905  São Paulo  SP Administração, Redação e Publicidade: Tel. (11) 3159-3010  Fax (11) 3256-0919 E-mail: gramani@uol.com.br Diretor Responsável: Plinio Gramani Filho Redação: Tânia Galluzzi (MTb 26.897), Ada Caperuto, André Mascarenhas, Marco Antonio Eid, Milena Prado Neves, Ricardo Viveiros, Sandra Rosalen e Tainá Ianone Revisão: Giuliana Gramani Colaboradores: Álvaro de Moya, Claudio Ferlauto e Hamilton Terni Costa Edição de Arte: Cesar Mangiacavalli Produção: Rosaria Scianci e Livian Corrêa Editoração Eletrônica: Studio52 Impressão e Acabamento: Stilgraf Capa: Laminação, Reserva de verniz, Hot Stamping e Relevo (com fitas MP do Brasil): UVPack

4

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2012

26

Planejar agora para sobreviver amanhã

Com a multiplicidade de tecnologias e tendências mostradas na Drupa 2012, especialistas no setor, o consultor Hamilton Costa e a técnica gráfica Sandra Rosalen evidenciam a fase de transição vivida pela indústria gráfica e a necessidade em investir em gestão, temas debatidos também em evento pós-Drupa organizado pela ABTG

revista issn 0103•5 72x

arte & indús tria gráfica • ano xxxvii • maio/junho

revista abigraf 259 maio/ju nho 2012

Assinatura anual (6 edições): Brasil: R$ 60,00 América: US$ 70,00 Europa: US$ 80,00 Exemplar avulso: R$ 12,00 (11) 3159-3010 Membro fundador da Confederação Latino-Americana da Indústria Gráfica (Conlatingraf)

22

Fundada em 1965

Capa: Mulher com véu, óleo sobre tela, 70 × 50 cm, 2004 Autor: Rubens Ianelli

2 0 1 2 • nº 2 5 9


Os 60 anos da ESPM

16 98 104 112 51

Para falar sobre o trabalho que vem sendo desenvolvido na ESPM, referência nacional no ensino de propaganda e marketing, a Revista Abigraf entrevistou o presidente da instituição, José Roberto Whitaker Penteado.

Cuidadora de livros

Inspirada pelo pai, Ana Duckworth sempre esteve cercada de livros. Bibliotecária há muitos anos em atividade no País, ela vem acompanhando as mudanças nas bibliotecas municipais e principalmente no público que as frequenta.

O menino de Safed

Nascido na Palestina em 1915, Jayme Kuperman dedicou quase 50 anos a uma das papelarias mais conhecidas de São Paulo, a Formosa, estrategicamente localizada no centro da capital. Já idoso, é exemplo de renovação.

Ao mestre com carinho

Livro e exposição comemoram o centenário de nascimento de um dos maiores nomes da história da fotografia mundial, o francês Robert Doisneau, que magistralmente retratou Paris.

Duas décadas de inovação e bom atendimento

A Stilgraf comemora seus 20 anos como a gráfica preferida do mercado publicitário, distinção creditada à busca contínua pela excelência, levada a cabo por uma equipe comprometida com o cliente.

Editorial/Fabio Arruda Mortara������������������������� 6 Rotativa��������������������������������������������������������� 8 Office PaperBrasil Escolar�����������������������������42 2-ª Conferencia Gedigi����������������������������������44 Congresso do Livro Digital����������������������������48 Ace BR��������������������������������������������������������50 Gráfica FacForm/PE�������������������������������������56 V Congresso Brasileiro da Comunicação��������58 Gráfica Adonis/SP����������������������������������������60 Renz do Brasil����������������������������������������������62 Gráfica Brogotá/SP���������������������������������������64 Economia/Desindustrialização�����������������������68 Opinião/Carlos Augusto Di Giorgio/RJ������������71 Embalagens Europeias/Assunta Camilo���������72 Olhar Gráfico/Cláudio Ferlauto����������������������76

Quadrinhos/Álvaro de Moya��������������������������80 Ilustração/Cris Burger�����������������������������������81 Anuário Abigraf 2012�����������������������������������82 Oki Data/Perfil���������������������������������������������84 Arjowiggins/35 anos������������������������������������86 Sustentabilidade/Prêmio Socioambiental�������87 Ricardo Viveiros/Prêmio ABCA�����������������������92 Educação/Walter Vicioni Gonçalves���������������94 Censo Bibliotecas Municipais����������������������101 Deltagraf/KBA do Brasil������������������������������102 Memória/José Cândido Cordeiro�����������������108 Memória/Manoel Carlos Camargo���������������109 Metrics-EFI������������������������������������������������110 Sistema Abigraf�����������������������������������������116 Mensagem/Levi Ceregato���������������������������122

MAIO/JUNHO 2012  REVISTA ABIGR AF

5


Editorial

E

o Na dúvida entre liberaplirism e key nesianismo, im ma!

ia um debate filosóf ico a essa análise — que perme Tod e ropa — mostra cido de que Estado trado na conjuntura da Eu cen ial nd Estou cada vez mais conven mu e cas as ciências organização antagôni ia é a mais inexata de todas nom eco a e mercado não são formas de qu a er la capaz de responder ento não sig nif ica defend irreconciliáveis. Tal pensam humanas, pois não há fórmu rx Ma rl Ka por s ado ine ldes del o da história e aos caprichos intervenção estatal nos mo perenemente ao dinamism a tin La po e a hora ca éri Am da o exceçã Cada teoria aplica‑se a tem as. nci stâ cun cir s e tampouco pelos reg imes de da mais adequado. os casos têm seus equívocos o meio termo parece cada vez nos anos 60, 70 e 80. Ambos e ia nom eco a uma premissa da destroçad todos os casos, contudo, há Em enfatizados nas memórias . ina ent proativa no exercício es brasileira e arg ável: a sociedade precisa ser xor soviética e das megainflaçõ ine do so exatamente a tempo nebulo acia participativa! Esta foi ocr Contudo, em especial neste dem da os, to à inesgotável o caso de considerarm e buscamos disseminar quan qu gem nsa capitalismo democrático, é me es. a o avanço ico John Maynard Keyn nosso setor em contribuir par de o içã pos sim, as propostas do britân dis am ma liberal do escocês Ad primeira Semana da Em 1926, desafiando o dog do Brasil, ao realizarmos a na ado Est do iva comemorou a nci a interferê áfica (Sigra 2012). A iniciat Gr ria úst Smith, ele ousou defender Ind Gráfica (24 de junho) e o mentos pertinentes. Seu economia, em ocasiões e mo o Dia Nacional da Indústria da un Seg a s apó ho), mas, sobretudo, rosos países rsário da Abigraf (18 de jun ive modelo, adotado por nume an el sáv pon res o s unicação impressa. erado por muito denciou a importância da com Guerra Mundial, foi consid evi cional e o capitalismo. , promovido pela Abigraf Na nto eve O pela rápida recuperação do iação Brasileira gatou a filosof ia SP, com o apoio da Assoc   raf O Brasil contemporâneo res dig Sin al atu o ), mobilizou nosso ticíclicas adotadas pel keynesiana. As medidas an de Tecnologia Gráfica (ABTG se cri da a ond ira me pri na to tude comprometida com o governo e seu antecessor, tan mercado e mostrou sua ati s ida lec abe bientalmente est as o 09, com o economicamente viável, am ent im olv env internacional, em 2008 e 20 des ssemos ao Brasil que, se perfeitamente como reto e socialmente justo. Di este ano, poderiam encaixar‑ cor ção edi al ntu eve idos numa keynesianismo, na dúvida entre liberalismo e exemplos práticos bem‑suced na a ist nom eco meio termo da do brilhante cia ou concordância com o dân cor atualizada da clássica obra dis da ma… ritmo, civismo, prego, do juro e estatal na economia, impri ça sen britânico, Teoria geral do em pre o açã conhecimento, a de que a flexibiliz tentabilidade, informação, sus ho, bal moeda. Af inal, não há dúvid tra e os todas as , a renúncia tributária , ética! É assim que vencerem nto me eni ret dos compulsórios bancários ent ído bu acia cada rta de crédito têm contri e construiremos uma democr qu m ssi É a ! ses previdenciária e a maior ofe cri o da economia nacional em para um desempenho positiv vez mais forte! iais. Também se mostraram fmortara@abig raf.org.br meio às desventuras mund s. iva lus inc as blic pú as positivas as polític s as não podem ser mantida É óbvio que essas estratégi ão, laç iam a gerar inf indefinidamente, pois passar da inadimplência e risco de ão desequilíbrio fiscal, explos é o que acontece na Europa, déficit. Em grande medida, s atal expressa nos benefício onde a exagerada tutela est crises da globalização. sociais parece não resistir às e compactuar com a teimosia Do mesmo modo, não se pod ante a nossa imensa carga do Estado, como no Brasil, az, os juros ainda altos e tributária, a burocracia ten s a do câmbio e os conhecido políticas autofágicas, como dução. ônus incidentes sobre a pro no País o mesmo que Nesses aspectos, fica claro e a partir dos anos 60, se constatou mundialment s pela reg ulação estatal fica com as dif iculdades criada Bra sileira da Indústria Grá o passou a ser confrontado Presidente da Associação ústrias Gráfica s Ind das to dica Sin exagerada. O keynesianism do e al) (Abigraf Nacion nde estrela foi a digraf-SP) pelo neoliberalismo, cuja gra no Estado de São Paulo (Sin . her atc Th ret rga Ma ica tân bri primeira‑ministra

F abio A rruda M ortara

6

REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012


RENZ Inline 360 Sistema integrado de perfuração e encadernação de alta performance

®

RENZ do Brasil Ltda Rua 13 de Maio, 474 - Vila Tarumã CEP: 83.323-170 - Pinhais - PR Fone: 55-41-3033-9500 Televendas: 0800-604-9500 vendas@renz.com.br www.renz.com.br

Participação da RENZ na DRUPA 2012

®


C

Senai SP Editora lança seu primeiro título para a indústria gráfica

Foi lançado durante o seminário Pós-​­Drupa 2012, organizado pela ABTG em maio, o livro Ma­nual do Gestor da Indústria Gráfica, de Flávio

8

Botana. Trata-se do primeiro livro voltado para a indústria gráfica publicado pela Senai SP Editora, cria­da em setembro do ano passado. Num texto ágil e de fácil assimilação, a obra apresenta uma série de conceitos que servem de guia para em­preen­de­do­res interessados em investir no ramo da produção gráfica, traçando um cenário animador para esse mercado. Além disso, o livro serve como uma referência para estudantes de tecnologia gráfica que desejam com­preen­der melhor a dinâmica do ramo onde pretendem ­atuar. Com formação em Engenharia Mecânica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo em 1981, desde 1999, Flávio Botana, colaborador da revista Tecnologia Gráfica, atua como professor na Faculdade Senai de Tecnologia Gráfica. Seis meses antes da Senai SP Editora, foi cria­da em março de 2011 a Sesi  SP Editora, objetivando preparar a publicação de livros re­la­ cio­na­dos às inúmeras atividades culturais e educacionais do Sesi SP. Este ano ambas participarão da 22ª Bie­nal In­ter­na­cio­nal do Livro, que acontecerá no Pavilhão de Exposições do Anhembi em agosto. Afora as atrações gratuitas que ocorrerão no estande, a Sesi  SP Editora também está preparando o lançamento de uma revista cultural. Planejada ini­cial­men­te para ser trimestral, a Revista de Cultura do Sesi SP terá ma­té­rias cobrindo a atividade cultural desenvolvida em todo o Estado, destacando algumas das obras que tenham sido recém-​­publicadas pelas duas editoras. O Ma­nual do Gestor da Indústria Gráfica está à venda por R$ 36,50 no site da distribuidora de livros Catavento www.cataventobr.com. br, no site www.senaispeditora.com.br, na ABTG e nas principais li­vra­rias. O livro faz parte da série Manuais Senai  SP. REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Programa da Suzano para distribuidores garante crescimento

ria­do pela Suzano em abril de 2010, o PED (Programa de Excelência em Distribuição) tem por objetivo uma atua­ção mais estruturada e di­fe­ren­cia­da no mercado brasileiro de distribuição de pa­péis e cartões. Em 2011, mais consolidado, o PED representou uma importante alavanca para a garantia de resultados su­pe­rio­res aos distribuidores de produtos Suzano, tanto na linha de pa­péis gráficos quanto na linha consumo, esta última

com produtos cut size. Participam do PED cerca de 60 distribuidores espalhados por todo o território na­cio­nal, que pos­suem executivos de vendas di­re­cio­na­d os para esta ini­cia­ti­va. Através do programa, a Suzano tem con­tri­buí­do com uma série de investimentos em estrutura e em ações de mar­ ke­ting, sempre com o objetivo de buscar melhores resultados para toda a sua cadeia de distribuição. www.suzano.com.br

ABTCP promove o 45ºCongresso em parceria com entidades ibero-americanas Principal evento do setor de celulose e papel, o ABTCP 2012 – 45º Congresso e Exposição In­ ter­na­cio­nal de Celulose e Papel é o maior da América Latina em seu segmento de ne­gó­cios e irá ocorrer entre os dias 9 e 11 de outubro no Transamérica Expo Center, em São Paulo, com expectativa de reunir mais de 200 expositores e receber cerca de 10 mil visitantes. No ano em que a As­so­cia­ção Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP) comemora seus 45 anos, o evento será rea­li­za­do em parceria com as congêneres Tecnicelpa (As­so­ cia­ção Portuguesa dos Técnicos das In­dús­trias de Celulose e Papel) e Ria­dicyp (As­so­cia­ção Ibero-​­Americana de Docência e Investigação em Celulose e Papel) e contará com a participação de fabricantes do setor e ações institucionais sobre a sua fundação em seu estande.

A novidade desta edição fica por conta do Cia­dicyp, Congresso Ibero-​­Americano de Investigações em Celulose e Papel, importante evento do setor já organizado an­te­r ior­m en­te na Argentina, Espanha, Chile, México e Portugal. Sob o tema “Grandes de­s a­f ios na pesquisa e tecnologia de materiais lignocelulósicos e de celulose e papel”, o congresso terá sessões técnicas sobre automação e controle de processo, celulose, engenharia e manutenção, meio am­bien­te, papel, recuperação e utilidades. ABTCP 2012 – 45º- Congresso e Exposição Internacional de Celulose e Papel Transamerica Expo Center: Av. Dr. Mário Villas Boas Rodrigues, 387, São Paulo, SP 9 a 11 de outubro/2012 (3ª- a 5ª-) Horários: Congresso – dias 9 e 10/10, das 9h às 17h30; e dia 11/10, das 9h às 16h Exposição – dias 9 e 10/10, das 13h às 20h; e dia 11/10, das 13h às 18h www.abtcp2012.org.br


Nova diretoria na Abrafoto A As­so­cia­ção Brasileira dos Fo-

O

tógrafos de Publicidade (Abrafoto) empossou no dia 19 de abril sua nova diretoria, que estará à frente da entidade durante o biê­nio 2012–2014. A presidência está agora a cargo de Cris­tia­no Burmester, que tem como vice-​­presidente Ricardo de Vicq de Cumptich, Henrique Lorca como secretário e Márcio Sallowicz como tesoureiro.

Papel Chamex ganha portal em inglês e espanhol

portal da marca de pa­péis Chamex, produzido pela In­ter­na­tio­nal Paper (IP), ganha novas versões e agora pode ser visto também em inglês e espanhol. A novidade é parte da estratégia da companhia de focar seus ne­gó­cios na América Latina, onde sua linha de pa­péis já está presente em mais de 85% dos paí­ses. Com um lay­out moderno e inovador, o portal Chamex (chamex.com.br) contém jogos,

ví­deos e animações sobre o processo produtivo do papel, o que permite uma maior interação com os internautas. Também é possível encontrar seções com foco nas mí­dias sociais, como a cria­ção de um blog com dicas e utilidades do papel, botões de interatividade com o consumidor (RSS) e ícones que levam os internautas para as páginas do Fa­ce­book e Twitter. www.internationalpaper.com.br

Cris­tia­no Burmester, presidente

www.abrafoto.org

Fiepi atua como parceira da indústria gráfica

O segmento gráfico piauien­

se está se equiparando em estrutura ao dos mais modernos parques gráficos do setor na re­ gião Nordeste. James Hermes dos Santos, presidente do Conselho Diretivo da Abigraf Na­cio­ nal e da Abigraf Re­gio­nal ­Piauí, afirma que um dos grandes de­ sa­f ios para a área é a qualificação pro­f is­sio­nal. Para enfrentálo, o presidente aposta no apoio da Federação das In­dús­trias do Estado do ­Piauí (Fie­pi) para o desenvolvimento e capacitação dos trabalhadores do setor. Segundo James Hermes, a federação, através do seu presidente Mo­raes Souza Filho, tem dado total apoio à indústria gráfica. “A qualificação pro­f is­sio­nal é uma carência na­cio­nal. A  indústria gráfica tem feito importantes investimentos em maquinário, porém a qualificação dos colaboradores é indispensável. Os  projetos rea­li­z a­dos nas escolas do Senai têm minimizado

10 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Moraes Souza Filho, presidente da Fiepi

esse problema e ainda este ano esses centros de formação passarão a dispor de máquinas ainda mais modernas e instrutores que ajudarão a capacitar os profissionais do segmento”. De acordo com James Hermes, a indústria gráfica piauien­se compete em tecnologia e credibilidade com empresas de outros estados. Esse fato é relevante, pois auxilia na construção de uma imagem positiva da área. www.sindindustria.com.br www.fiepi.com.br


SignsNordeste 2012 acontece em outubro

Atender as exi­gên­cias de um

mercado que está em constante desenvolvimento e crescimento é o objetivo da SignsNordeste – Feira de Equipamentos e Serviços para a Indústria de Impressão Digital, Sinalização e Serigrafia, que chega ao Cea­rá neste ano. A mostra será promovida pelo grupo FCEM entre 24 e 27 de outubro no Centro de Convenções do Cea­rá, em Fortaleza, reunindo profissionais e empresas de diversas ­­áreas de comunicação vi­sual, entre fabricantes de máquinas de serigrafia para comunicação vi­sual, quadros e rodos, tintas, substratos, complementos de pré-​­impressão, máquinas

de solda eletrônica, ponteiros e bastões, lonas e adesivos, importadores de substratos e tintas para impressão digital, máquinas de recorte e de impressão digital, além de publicações técnicas e prestadores de serviço do setor.

Ainda durante a feira acontecerá o I Seminário Norte-​ ­N ordeste da Indústria Gráfica, que tem como objetivo principal unir forças e interesses comuns aos diferentes segmentos da indústria gráfica para consolidar

e desenvolver novos mercados para as re­giões Norte e Nordeste, pro­por­cio­nan­do ao segmento alternativas de crescimento e desenvolvimento sustentado. Com a sua rea­li­za­ção, o Sindicato da Indústria Gráfica do Estado do Cea­rá (Sindgráfica) pretende promover a qualificação dos gestores do setor gráfico para o desenvolvimento de novos ne­gó­cios, em es­pe­cial nas ­­áreas de impressão, pré-​­impressão, acabamento, embalagens, serigrafia, impressão digital, sinalização, brindes, es­t am­p a­r ias, adesivos, etiquetas e vernizes especiais, além de editoras, jornais e revistas. www.signsnordeste.com.br

11 maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF


Thomas Greg Brasil duplica fábrica

Centroprojekt consolida atuação na área de papel e celulose

A

Centroprojekt do Brasil as­ sinou contrato com a Suzano Papel e Celulose para a cons­ trução de uma Estação de Tra­ tamento de Efluen­tes (ETE) em Imperatriz, no Maranhão. No ano passado, a empresa havia fechado contrato para o fornecimento de um siste­ ma de gra­d ea­m en­to meca­ nizado para remoção de sóli­ dos na ETE da Rigesa, em Três Barras (SC). Além disso, é res­ ponsável pela implantação de uma ETE na fábrica da Eldo­ rado, em Três La­goas (MS), e foi contratada recentemente pela Veracel, no sul da Bahia, para reposição total do siste­ ma de ae­ra­ção. Es­pe­cia­li­za­da em engenharia para sistemas de tratamento de água, esgo­ to sanitário, efluen­tes indus­ triais e controle da poluição atmosférica, a Centroprojekt, que está no Brasil há pou­ co mais de 10 anos, cresceu 142% nos últimos três anos e o resultado positivo se deve à expansão no mercado bra­ sileiro e à celebração de no­ vos ne­gó­cios em paí­ses que integram o Cone Sul. www.centroprojekt-brasil.com.br

N

12

Errata

a matéria “Carlos Oscar Nie­me­ yer, um cavaleiro da cultura”, pu­ blicada na edição nº 258, em 2007, a comitiva dos Cavaleiros da Cul­ tura partiu da cidade de Goianá, em Minas Gerais, e não Goiânia, como foi veiculado. REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Luiz Wilson Teixeira da Silva, presidente da Thomas Greg Brasil, na inauguração das novas instalações, no mês de maio, em São Bernardo do Campo

Após a conclusão das obras de am­plia­ção em São Bernardo do Campo (SP), a Thomas Greg pra­ ticamente dobrou seu espaço fabril e sua capacidade produ­ tiva no segmento de impressos de segurança. O evento de inau­ guração das novas instalações

em maio contou com a presen­ ça dos principais representantes do grupo Thomas Greg & Sons, só­cios da Thomas Greg, o prefei­ to e autoridades de São Bernar­ do do Campo e representantes dos sindicatos. www.thomasgreg.com.br

Abro une forças à Trends of Print U

nindo forças com a As­so­cia­ção dos Agentes de Fornecedores de Equipamentos e Insumos para a Indústria Gráfica (Afeigraf), a Asso­ ciação Brasileira de Empresas com Rotativa Offset (Abro) anunciou sua tra­di­cio­nal conferência, edição 2012, juntamente com a Trends of Print Latin America 2012, que acon­ tece nos dias 20 e 21 de setembro, no Complexo do WTC São Paulo. Cria­da pela Afeigraf, juntamen­ te com a ExpoPrint Latin America, a Trends of Print oferece um ci­ clo de palestras com temas refe­ rentes a mercado e tecnologia de produção gráfica para diferentes segmentos, cujo objetivo é atua­ li­z ar o mercado na­cio­nal e lati­ no-​­americano sobre métodos de produção, oportunidades e visões

de ne­gó­cios em voga em todo o mundo. Palestrantes nacionais e internacionais estão confirmados para compor esse amplo quadro de debates. Por sua vez, a Confe­ rência da Abro é um evento con­ sagrado por mostrar ten­dên­cias e aplicações para o mercado de rotativas offset, abordando, em seu ciclo de palestras, temas re­la­ cio­na­dos com a ma­croe­co­no­mia na­cio­nal e mun­d ial, tecnologia de impressão e formas efi­cien­ tes de gestão. Com a parceria, as palestras da Abro irão ocorrer si­m ul­t a­n ea­m en­te à programa­ ção da Trends of Print, debatendo ideias cujo objetivo é o crescimen­ to, com qualidade, do mercado gráfico latino-​­americano. www.trendsofprint.com.br

Maurício Groke é reeleito presidente da Abre

Em seu segundo mandato, que irá até março de 2014, Maurício Groke con­ti­nua­rá a trabalhar em prol da Associa­ ção Brasileira de Embalagem (Abre) e sua expansão, estan­ do à frente dos novos projetos que prio­ri­z am o desenvolvi­ mento do setor de embalagem em todos os elos de sua cadeia produtiva. Durante seus dois anos de mandato, o presiden­ te da Abre desenvolveu im­ portantes ações, fortalecendo ainda mais a representativi­ dade da as­so­cia­ção junto ao setor, como o Programa de Branding, que possibilitou o alinhamento da plataforma de valor da entidade frente ao mercado, alicerçando os qua­ tro novos pilares da as­so­cia­ ção, que nor­tea­rão suas ati­ vidades nos próximos anos: Integrar, Informar, Represen­ tar e Fazer Parte. Atual­men­te, o empresário atua por meio de consultoria junto às empre­ sas e in­dús­trias de todo o País, dando suporte em desenvol­ vimento de novos ne­g ó­cios e de tec­no­lo­gias em embala­ gem através da Integralle Con­ sultoria e Gestão de Ne­gó­cios. www.abre.org.br


Marcos Vasques, gerente comercial

Dieter Brandt, presidente

A

Afeigraf anuncia diretoria para o biênio 2012–2014

As­s o­c ia­ç ão dos Agentes de Fornecedores de Equipamentos e Insumos para a Indústria Gráfi­ ca (Afeigraf) anunciou sua nova diretoria, cujo mandato cobrirá o biê­nio 2012–​­2014. Die­ter Brandt, presidente da Heidelberg Améri­ ca do Sul, substituirá Karl Klökler na presidência. Klökler permane­ cerá como diretor da ExpoPrint Latin America 2014 e também assumirá um cargo no Conselho Fiscal. Os demais membros elei­ tos foram Cristina Barros (Sun­ Chemical), Eduar­do Sousa (Agfa), Klaus Tie­de­mann (Gutenberg) e Julio Coutinho (Q.I. Press Controls). A  nova diretoria assumirá no dia 1º de agosto.

E

Akad fecha parceria com a Stahls’ A Akad assinou contrato para co­mer­cia­li­za­ção de impressoras térmicas fabricadas pela norte-​ ­americana Stahls’ In­ter­na­tio­nal, lançando em junho no Brasil as impressoras para transferência de filmes termotransferíveis nos modelos OPP15, com 38 × 38 cm de área útil, e OPP20, com área útil de 40 × 50 cm. As impres­ soras térmicas Stahls’ são de fá­ cil manuseio, com visor digital

de temperatura que varia de 96° até 220° C, visor de indi­ cação de tempo e fácil ajus­ te da regulagem de pressão para transferência de estam­ pas. Os  equipamentos são in­ dicados para indústria têxtil, indústria de brindes, indús­ tria de produtos promocionais e para as áreas de sinalização e comunicação vi­sual. www.akad.com.br

www.afeigraf.org.br

N

14

o dia 29 de maio foi rea­li­z a­ da em São Paulo a cerimônia de pre­mia­ção do Sappi Trading Prin­ ters of the Year 2012. O desta­ que ficou para a chilena Fyrma­ gráfica, que levou 11 prê­mios de ouro. Rea­li­za­da a cada dois anos, a edição faz parte da pre­mia­ção in­ter­na­cio­nal Sappi In­ter­na­tio­nal Printers of the Year, focada na ele­ vação do padrão de excelência de impressão, reconhecendo os REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Novo gerente na Artecola

mpresa com mais de 64 anos de tradição na área de adesivos in­ dustriais, a Artecola tem novo ge­ rente co­mer­cial para o mercado de papel e embalagem. Há seis anos na companhia, o administrador de empresas com MBA em Mar­ke­ ting Estratégico Marcos Vasques, 46 anos, assumiu a nova função e o desafio de garantir a posição da Artecola entre os principais fabri­ cantes de adesivos aquosos para rotulagem. “O  mercado de pa­ pel e embalagem representa um dos nossos maiores potenciais de crescimento em adesivos. O obje­ tivo é fazer valer essa oportunida­ de, crescendo em todas as ­­áreas de atua­ção, es­pe­cial­men­te nas li­ nhas Artecola PVA para rotulagem e tissue e na linha Artemelt Supera para o segmento end of line”, des­ tacou Vasques. A  empresa tam­ bém está presente nos setores ali­ mentício, gráfico, de fechamento de caixas e bobinas, nos quais já atua com grandes contas. www.artecola.com.br

Sappi Trading entrega prêmios trabalhos rea­li­za­dos em pa­péis fi­ nos da Sappi, fabricante de celu­ lose química, pasta de celulose e

papel. Os prê­mios são oferecidos às gráficas das quatro re­giões da Sappi Trading (América Central,

América do Sul, Ásia e Australá­ sia), em onze ca­te­go­rias. As pre­ mia­ções têm distinção de ouro, prata e bronze, com os vencedo­ res de ouro convidados a concor­ rer no Sappi In­ter­na­tio­nal Printers of the Year em suas respectivas ca­te­go­rias. Entre as gráficas brasi­ leiras, a pernambucana ­FacForm foi a única ho­me­na­gea­da, com três pratas e um bronze. www.sappi.com


A Melhor Solução Para Economizar

Cortadeira de Bobinas em Folhas “Estamos muito satisfeitos com o equipamento. Ele nos permitiu melhorar o aproveitamento de material durante o processo produtivo e otimizar o espaço de nossos estoques, adequando-os assim às necessidades dos clientes”

Imagem ilustrativa

Ricardo Teles Calheiros - Gráfica Rami

Excelente Custo-Benefício A Cortadeira de Bobinas em Folhas com sistema de Faca Helicoidal possui uma característica marcante, seu excelente custo-benefício. Ao adquirir essa máquina, o rápido retorno do investimento é perceptível. Além disso, fornecedores de papel dão desconto na compra de papel em bobina, que é mais fácil de estocar, ou seja, economiza espaço, e também possui ótima printabilidade.

Para mais informações ligue 11 3277 5658 ou acesse www.furnax.com.br

30 equipamentos instalados nas mais importantes empresas do Mercado Gráfico brasileiro Alinhamento de pilhas direto para impressora Permite cortar o papel no limite do impresso Equipamento de alta precisão Largura de bobina de 1,60m Alta velocidade (300m/min) Faca de alta durabilidade Fácil de operar


Entrevista

José Roberto Whitaker Penteado

Investimento constante no desenvolvimento de novos modelos pedagógicos, no treinamento de professores e na infraestrutura de suas três unidades garante à ESPM o título de melhor escola brasileira de mar­ke­ting e propaganda. Texto: Tainá Ianone

ESPM celebra 60 anos de referência no ensino

I

naugurada em 1951, década de forte crescimento econômico e po­pu­la­cio­nal brasileiro, marcada pelo fluxo de investimentos estrangeiros, pela euforia do pós-​­guerra e pelo surgimento da televisão, a Escola Su­pe­r ior de Propaganda e Mar­ke­ting (ESPM) celebrou seus 60 anos em 2011. O ousado projeto do escritor e publicitário Rodolfo Lima Martensen foi possível graças ao apoio de dois importantes nomes: Pie­tro Maria Bardi e Assis Chateaubriand, fundadores do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Para conhecer um pouco mais sobre a estrutura da escola, que é referência no ensino de mar­ke­ting, comunicação e administração, a Revis­ ta Abigraf entrevistou o presidente da instituição, José Roberto Whitaker Pen­tea­do.

16 REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012


Há algum tempo, a ESPM tem deixado de ser uma instituição de ensino voltada exclusivamente para a propaganda e o mar­ke­ting e tem aberto outros cursos, como design, jornalismo e relações inter­ nacionais. Há previsão de incorporar novos cursos na grade da instituição nos próximos anos? Para os próximos cursos, temos projetos nas ­­áreas de tecnologia da informação, ciên­c ias sociais, artes e entretenimento, enfim, todas as ­­áreas contíguas ao que já vimos fazendo. Nosso pensamento de base é agregar comunicação e gestão. Não há boa comuTemos orgulho nicação se esta não for bem administrada e não há a posde manter contatos sibilidade de se administrar com mais de 40 uma instituição sem uma escolas em todo boa comunicação.

Quais foram as novidades implementadas na ESPM após o início e durante a sua gestão como presidente? Quan­do assumi a presidência da ESPM , em 2009, encontrei uma instituição dinâmica, com fun­cio­ná­r ios e professores motivados e alunos e fa­m i­l ia­res satisfeitos. Desde junho do ano passado, estamos empenhados em reor­ga­n i­ zar e modernizar algumas ­­áreas, para fortalecer ainda mais a instituição.

Quais são as es­t ra­té­g ias da ESPM para manter os padrões de ensino da escola e o per­cen­ tual de cerca de 80% dos pro­ fissionais formados efetiva­ mente atuan­d o no mercado de trabalho? o mundo. Só neste É importante mantermos o ano, 220 alunos da De que maneira a ESPM atua nosso nível de formação e ESPM farão cursos pesquisa nas ciên­c ias comnos quatro principais pontos portamentais e estarmos de sua missão ins­t i­t u­c io­nal: complementares sempre atentos às mudanSustentabilidade e Respon­ fora do Brasil. ças nos canais e nos chasabilidade So­c ial, Inovação, mados sistemas de entrega Geração de Conhecimento e e suportes. Temos de olhar In­ter­na­cio­na­li­za­ção? constantemente para o futuro, porém sem per- Sustentabilidade e responsabilidade so­c ial é der as nossas raí­zes. Hoje, o mercado de co- algo que procuramos fazer com que esteja premunicação explodiu e se fragmentou. O mar­ sente em todas as relações professor-​­a luno. ke­ting nos levou a aprimorar os nossos cursos A ESPM-So­cial é um departamento modelo, elo­ de gestão e a tecnologia que faz parte do nosso gia­d a pelo governo, ONGs e também recebeu co­ti­d ia­no é determinante. prê­mios, como o Mar­ke­ting Best. Inovação tem a ver com a cria­ti­v i­da­de, que orientou os passos Quan­do a ESPM começou a implementar uni­ desta escola desde a sua fundação, assim como dades em outros estados? Por que a instituição o reconhecimento da necessidade de absorção cada vez maior de tecnologia. Geração de conhedecidiu expandir para outras cidades? Em 1974, o presidente da As­so­cia­ção Brasileira cimento ocorre dia­r ia­men­te, por meio dos setode Propaganda (ABP), do Rio de Janeiro, Sani Si- res de pesquisa, como o Centro de Altos Esturotsky, quis retomar o seu curso de propaganda, dos da ESPM (CAEPM), o Instituto Cultural, e o ini­cia­do em 1937. Ele convidou o presidente da Instituto do Futuro. In­ter­na­cio­na­li­za­ção é uma necessidade para qualquer instituição de EnsiESPM, Otto Scherb, para ajudar no estabelecimento de uma unidade da ESPM na capital flu- no Su­pe­r ior. Temos orgulho de manter contaminense, ini­cia­ti­va que foi apoiada pela Rede tos com mais de 40 escolas em todo o mundo. Globo. Em Porto Alegre (RS), a si­tua­ção foi pa- Só neste ano, 220 alunos da ESPM farão cursos recida. O presidente da As­so­cia­ção dos Dirigen- complementares fora do Brasil. tes de Vendas e Mar­ke­ting do Brasil (ADVB) no estado, Nelson Pacheco Sirotsky, do Grupo RBS, A ESPM costuma promover par­ce­rias com as­so­cia­ convidou a ESPM para ministrar cursos de pós-​ ções para a organização de palestras para profis­ ­g ra­dua­ção. Devido ao sucesso dessa parceria, sionais do setor, como já ocorreu com a Abigraf, em pouco tempo foi necessário criar­mos uma com a apresentação de palestras sobre embalagens. Qual a importância disso para a escola? unidade nossa em Porto Alegre.

17 maio /junho 2012 REVISTA ABIGRAF


sendo extremamente prático e eficaz como veí­cu­lo. Desde o ano passado estamos mais comprometidos com a comunicação e a mídia em geral, com o início dos cursos de gra­dua­ç ão e pós-​­gra­dua­ç ão em jornalismo. Apesar de haver pes­soas que pre­veem o “fim do jornalismo”, nós vemos um futuro cada vez maior e melhor para todas as profissões que estejam ligadas à difusão da informação e do conhecimento. Para marcar este momento importante acabamos de lançar a revista ESPM /CJR de Jornalismo, em parceria com a Columbia University Gra­ dua­te ­School of Journalism, de Nova York (EUA). De que maneira a moderniza­ ção do setor gráfico contribuiu para a evolução dos anún­cios impressos e das embalagens no Brasil? Nós nascemos de uma parceria entre os anun­c ian­tes, A evolução dos setores gráfiagên­cias e veí­cu­los de comucos foi determinante para dar Apesar de haver nicação. Não há outra formais qualidade à cria­ti­vi­da­de pessoas que preveem ma de crescer e aumentar que já existia nas ideias dos o “fim do jornalismo”, a in­f luên­c ia de uma escola pu­bli­ci­tá­r ios brasileiros desvemos um futuro como a nossa, a não ser por de o século XIX , mas sofria cada vez maior e meio de parceiros, a exemplo com a falta de recursos técmelhor para todas as da Abigraf e muitas outras nicos. Algumas campanhas instituições dos setores de eram produzidas fora do Braprofissões ligadas à comunicação e gestão. sil. Quan­do eu era crian­ça, a difusão da informação maioria dos anún­cios de jore do conhecimento. nal usava ilustrações, porque Apesar do surgimento e do uma reprodução fotográficrescimento das novas mí­ ca fiel era quase impossível. dias digitais, ainda se consi­ dera a mídia impressa o principal meio de co­ As revistas semanais só tinham anún­cios em municação com o consumidor. A que o senhor cores nas capas internas e nas contracapas. atribui este fato? Os processos de reprodução da palavra estão Como está o Brasil, em relação a outros paí­ses, no em franca evolução e alguns tendem a tornar- que diz respeito ao trabalho dos profissionais de se totalmente digitais. Vamos con­ti­nuar a nos propaganda e mar­ke­ting? comunicar por meio de letras, números e sím- Na minha opi­nião, na linha de frente. Somos bolos durante muito tempo, mesmo que os “su- melhores do que muitos paí­ses, com exceção das portes” va­r iem. Neste sentido, o papel continua “su­per­po­tên­cias”, como os Estados Unidos.

18 REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012


Linha de Papelcartão Ibema: Speciala | Supera Pack Plus

Lizete Bonetti é Auxiliar Técnica de Controle da Qualidade. Colaboradora Ibema desde 04/03/2002.

l a i c Espe o o novo speciais com e s to u d la alta ro e p p lve aca que se destque suas ema desenpvo o Ib ã rt a a , ê lc c e p vo a r Po . Tudo para seus produtos. ciala - um Ibema Spencura em sua categoria quanto os is ia c ra rigidez e b s se tornem tão espe embalagen cê.

ma. Por Vo e Ib o ã t r a Papelc m.br 240-7400 w.ibema.co Fone: (41) 3 com.br • ww a. em ib @ g marketin

Spider

Aplicações do Ibema Speciala: Cosméticos Perfumaria Farmacêuticos Bebidas Chocolate Promocional Editorial


A disputa pelo Grand Prix da Indústria Gráfica já começou.

Faça o download do regulamento no site:

www.fernandopini.org.br

Realização:

Apoio Institucional:


Rubens Ianelli Linha, cor, luz: sonhos!


Foto: Edu Simões

ARTE

Primeiro ele desenha o esboço, depois cria o quadro. Ou, então, o que mais gosta: olha a tela branca e não pensa; liberta a emoção e pinta sem pretender nada, apenas deixando que tudo flua como a música de quem sabe tocar um violino sem partitura. Interpreta a sinfonia da emoção. Ricardo Viveiros (ABCA)


2

ser far­ma­cêu­ti­co ao brincar com vidrinhos nos fundos de uma antiga farmácia de manipulação. O envolvimento com a mística das linhas, cores e o brilho da luz marcaram sua infância, definiram seu futuro. Mas não sem antes deixá-lo experimentar a vida como ela é. O pai famoso sempre o incentivou para o bem. Por outro lado, talvez irônico excesso de zelo, nunca o ensinou nada de arte. Como o destino tem seus truques, os restos de telas e tintas jogados no lixo por Ianelli deram ao cu­r io­so menino a oportunidade de obter conhecimento artístico. Aluno do tra­di­cio­nal Colégio Dante Alighie­r i, foi lá que Rubens mostrou as primeiras obras e conquistou os primeiros prê­mios.

Fotos: Sheila Oliveira

OS SIGNOS

1 (página dupla anterior) Cidade, aquarela sobre papel, 15,5 × 20,5 cm, 2001 2 Noite em Paris, óleo sobre tela, 1,80 × 1,40 m, 2008 3 Cirquinho de Tarauacá, aquarela sobre papel, 32 × 41 cm, 2001

24 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

N

os anos 1950 não havia muitas oportunidades para ser artista plástico; sobreviver da arte era muito difícil. Arcangelo Ianelli, por exemplo, só vendeu o primeiro quadro depois de 20 anos de trabalho. Passando pela galeria onde expunha, um senhor adquiriu certa tela e, ao final da mostra, o artista foi entregá-la e receber o pagamento. Ao chegar à casa do co­le­c io­n a­dor, descobriu que ele havia morrido. Rubens Vaz Ianelli nasceu em 22 de abril de 1953, filho de Arcangelo e Dirce. Ele pintor, ela dona de casa. Pais responsáveis, desejaram que o filho fosse médico, carreira de sobrevivência mais garantida. Vo­c a­c io­n a­do e talentoso para a arte, e não apenas pelo DNA fa­mi­ liar, Rubens primeiro optou pela Arquitetura, caminho in­ter­me­d iá­r io entre o sonho e a rea­ li­da­de. Quan­do bem pequeno, até pensou em

O verdadeiro ponto de partida para uma sólida carreira está em 1962, quando o pai retornou de via­gem ao Peru trazendo cerâmicas e tecidos. Aquelas peças de origem primitiva, inspiradas na arte pré-​­co­lom­bia­na, foram impactantes no despertar de seus dons. O menino passou a fazer esculturas em barro e entalhes em madeira, adquiridos por vizinhos e amigos. Em 1964, quando Ianelli ganhou uma via­ gem como prêmio no Salão Na­c io­nal de Arte Moderna, a família seguiu para a Europa em um navio cargueiro da Lloyd Brasileiro. Rubens obteve conhecimento in­ter­na­cio­nal. Em cada porto do trajeto, visitava museus e ga­le­r ias. Na cabine transformada em ateliê, o pai registrava as imagens da via­gem. Na Europa, alugaram um carro e um trailer e percorreram o continente por dois anos. Rubens descobriu o auge da arte moderna, encantando-se por algumas de suas origens: os ita­lia­nos Giot­to, introdutor da perspectiva na pintura, e Pie­ro Della Francesca, outro inovador que usou a geo­me­t ria ainda no final da Idade Média. Também conheceu o contemporâneo: Miró, catalão sur­rea­lis­ta, e Paul Klee, suí­ço naturalizado 3


5

4

alemão, famoso por seus experimentos usando apenas linha e cor. Nessa época, o menino fez desenhos à caneta e a bico de pena. Tudo isso, na volta ao Brasil, levou Rubens a um estilo próprio e muito es­pe­cial, que não se subordina às escolas e ten­dên­cias. Com apurada técnica e plena emoção, o artista ressaltou o valor do traço seguro, do uso harmônico da cor e do favorecimento da luz em um conjunto de ações de inédita poé­ti­ca musical em temas ricos de emoção. Consolidou-se um excelente desenhista, pintor e escultor em vá­ rias técnicas: nanquim, carvão, grafite, pastel, guache, óleo, aquarela, extrato de nogueira, madeira, pedra e metal.

4 Candomblé, pastel, nanquim e café sobre papel, 50 × 70 cm, 1996 5 Inscrição, aquarela sobre papel, 32 × 41 cm, 2003 6 Lanças, óleo sobre tela, 50 × 41 cm, 2008

6

A LINGUAGEM

revista issn 010 3•572

arte & in dústri

a gráfic a • ano x xxvii • m aio/jun

x

ho 2012 • nº 2 5 9

2012

a tela, usar pin­céis, tintas e vernizes —, também soube retomar seu ofício de artista plástico e alcançar respeito e sucesso com láu­reas e trabalhos em importantes acervos no Brasil e no ex­te­r ior. A série “Cidades” é um dos pontos altos de sua instigante obra. Rubens em­preen­ de via­gem aos mais longínquos ter­r i­tó­r ios da memória, revelando paisagens com pertinente vir­tuo­si­da­de de metáforas e ale­go­r ias. Há no trabalho do artista um lúdico diá­lo­ go entre penumbra e luz, cores claras e escuras, sempre conduzido por um traço que estabelece um fio da vida. Uma visão onírica é latente em sua obra. Pode-se imaginar, perfeitamente, cada habitante dessas cidades e o que pensam e fazem em seus sótãos e porões. Rubens Ianelli é um médico da arte, receita sonhos e propõe saú­de in­te­lec­tual.

revista abigra f 259 maio/j unho

No final da década de 1960, quando o regime instaurado após o golpe militar de 64 recrudesceu, Rubens sofreu a repressão política e substituiu o figurativo pelo geo­mé­tri­co. Começou a expor em salões e a conquistar prê­m ios. Deixou a faculdade de Arquitetura e ingressou no movimento estudantil de combate à ditadura. No início dos anos 1980, ao mesmo tempo que desenvolveu colagens com temática política, entendeu não haver lugar para mais de um Ianelli na arte; e já havia o tio Thomaz. . . Estava instaurado o conflito: como crescer além do pai famoso? Resolveu estudar Medicina. Formou-se e obteve mestrado em Saú­de Pública. Exerceu a profissão ao longo de mais de 20 anos, clinicando junto aos povos indígenas da Amazônia. Viajou por toda a América Latina, viveu em paí­ses sob conflito re­vo­lu­cio­ná­r io. Em 2001, com o Brasil redemocratizado e homem de boa vontade que é, Rubens superou as vezes nas quais, de maneira mío­pe, ignoraram a qualidade de seu trabalho e o colocaram apenas à sombra do pai. Da mesma maneira que aprendeu arte sozinho — desde adolescente descobriu no fundo do quintal de casa como montar um chassi, esticar

Capa

Mulher com véu, óleo sobre cartão, 70 × 50 cm, 2004 maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

25


Sandra Rosalen

A Drupa da excelência em gestão Os vários caminhos apontados pela maior feira do setor gráfico evidenciaram a aceleração no processo de transformação do mercado e a urgência do gráfico em conhecer e saber divulgar seu próprio negócio.

26 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

S

e você acompanha a imprensa es­pe­cia­l i­za­da, conversou com profissionais que visitaram a feira, ou mesmo foi à Alemanha visitá-la pes­s oal­men­te, talvez tenha chegado à conclusão de que essa não foi uma Drupa fácil de classificar. Em última instância, a edição 2012 da maior feira sobre comunicação impressa do mundo deixou muitas dúvidas no ar. Certamente foi uma experiência proveitosa caminhar pelos pavilhões do evento entre os dias 3 e 16 de maio. A Drupa continua sendo o magneto que atrai as ten­ dên­cias, que co­le­cio­na recordes de vendas para seus expositores e desenha, desta vez com menos detalhes, como serão os próximos quatro anos para o nosso mercado.

O ser humano tem uma queda por exagerar na dificuldade e boicotar o sucesso, quando este não lhe pertence. Infelizmente, na maioria dos casos, é assim que ne­ go­c ian­tes e concorrentes se comportam. Crises em geral acen­tuam esse lado e, sim, nosso mercado passa por uma crise, em algumas ­­áreas. Mas vamos explicar isso em números e sair do patamar da especulação sobre o que aconteceu em Düsseldorf. A Drupa 2012 contou com 1.844 expositores de 52 paí­ses e pouco mais de 314 mil visitantes, o que significa uma queda de 18% na circulação de pes­soas. Destes, 40% eram da Alemanha e 60% do resto do mundo. Houve um aumento de visitantes brasileiros, tímido ainda, se compararmos com a elevação de visitantes in­d ia­nos, chineses e do Leste Europeu.


Os motivos para a queda no número de visitantes são múltiplos e eu não arriscaria apontar um único. Com certeza a lista contempla a crise de 2009, a redução mun­d ial no número de gráficas e as incertezas sobre o futuro do nosso mercado. E talvez pelo fato de a maior parte das informações sobre um evento como este estar quase que em tempo real disponível na mídia, há quem prefira não largar sua empresa. Sendo assim, os que visitam a mostra têm reais intenções de compra e se be­ne­f i­ciam com os preços praticados ou simplesmente desejam fazer contatos. No entanto, o que define o sucesso de uma feira é o volume de ne­gó­c ios, e pelos depoimentos dos expositores a esmagadora maioria ficou satisfeita. Segundo o Drupa Report, jornal diá­r io da feira, os grandes players do mercado não tiveram do que reclamar. Benny Landa, o homem que desenvolveu a Indigo e inseriu agora a nanotecnologia na impressão, fechou “centenas” de pré-​­contratos de venda. A KBA alcançou pedidos na ordem de três dígitos de milhões de euros, assim como HP, Duplo, Müller Martini e Heidelberg divulgaram números muito positivos. Essa é de fato uma boa notícia independente das consequências pós-​­Drupa, que va­r iam do aumento da oferta de equipamentos seminovos no próximo ano — pro­ve­nien­te de quem comprou no impulso — ao aumento da capacidade instalada em ­­áreas já saturadas. No fim das contas devemos enxergar isso com otimismo. Havia uma grande expectativa para essa edição. Claramente muitos visitaram a Drupa para entender em que ponto os fabricantes con­ti­nua­ram investindo na indústria gráfica e decidir fria­men­te se vale a pena con­t i­nuar nesse segmento. Pela quantidade de lançamentos e apesar da redução de investimentos em pesquisa e desenvolvimento devido à crise de 2009, o que os fabricantes de hard­ ware e soft­ware mostraram é que há ainda muito fôlego para nossa área. Basta entender como. Nesse sentido, divido aqui as impressões mais importantes da feira, tanto em tecnologia quanto em estratégia.

Que Drupa foi essa?

Toda Drupa tem um sobrenome. “Drupa do CtP”, “Drupa do Jato de Tinta”, “Drupa da Máquina Qua­tro Cores” etc. Este sobrenome é a tradução da tônica tecnológica apresentada no evento. A edição deste ano foi chamada por alguns da “Drupa da Integração”, um apelido palatável para crossmedia. O diretor da feira, Bernhard Schreier, chamou o evento da “Drupa do Modelo de Negócio de Sucesso”. Outros ainda denominaram a feira de “Drupa & Co.” (e companhia), ou seja, celulares, tablets, internet, redes sociais etc. E o último nome que ouvi foi “Drupa da Impressão Híbrida”, com foco na mistura de processos de impressão, predominantemente entre offset e digital. Eu humildemente prefiro chamá-la de “Drupa para quem tem Excelência em Gestão”. Explico. Como em qualquer área, o empresário gráfico se deparou até agora com decisões de investimentos que se pa­re­ciam com bifurcações: CtF ou CtP, máquina para cartão ou papel, pro­mo­cio­nal ou formulário contínuo, para citar alguns exemplos. Por mais complicadas que essas decisões fossem, havia clien­tes de sobra e menos canais de mídia para os clien­tes optarem. Nos últimos anos esse cenário mudou radicalmente, es­p e­c ial­men­te desde

a última Drupa. Hoje os compradores de produtos gráficos, sobretudo as agên­c ias de propaganda e as editoras, têm à disposição uma infinidade de mí­d ias e, por isso, alguns não escolhem mais o produto impresso como canal de venda. Do lado da gráfica o cenário também sofreu alterações. Os caminhos antes bifurcados tornaram-se tão múltiplos, tão complexos, que as decisões de investimento e estratégia demandam muito mais conhecimento de seu próprio negócio, ou seja, excelência em gestão. Não é a toa que tantos chamaram essa feira de “Drupa Confusa”, pois se nós não sabemos quem somos, raramente teremos clareza para onde seguir. Em resumo, a empresa que não conhece seus números a fundo, não faz apontamentos, não compara o orçado com o rea­li­ za­do e não procura reduzir custos de forma inteligente, otimizando processos através dessas práticas, terá muito mais dificuldades em lidar com essa multiplicidade. Como o professor José Pires citou no evento pós-​­Drupa rea­l i­z a­do pela ABTG logo após a feira, “quem não tem estratégia vira estratégia de alguém”. Essa foi a primeira lição clara da Drupa: sem uma estratégia definida, ficou muito mais complicado vi­sua­l i­zar o futuro da empresa. maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

27


Converse com eles

A Canon lançou na Drupa um estudo rea­ li­za­do através de pesquisa com 420 clien­ tes de gráficas que lançou luz sobre um assunto importante: comunicação. Dividido em quatro partes, The Bigger Picture apresenta, resumidamente, os seguintes números: 90% dos entrevistados reconhecem que a indústria gráfica tem um papel muito importante como mídia e 70% vi­ sua­l i­z am seu crescimento ou pelo menos uma con­t i­nua­ção do seu significado positivo para o mercado. Por outro lado, a análise também mostra a falta de conhecimento de es­tra­té­g ias de impressão sob demanda por mais de 30% dos entrevistados. Metade deles nunca ouviu falar de ferramentas de impressão di­re­cio­na­das para mar­ke­ting direto. Mais assustador: 50% nunca receberam informações de seus parceiros gráficos sobre novas tec­no­lo­g ias de impressão, em es­pe­ cial sobre impressão digital. Entre os entrevistados apenas 10% consideram o preço o fator mais importante na hora da compra. Para os compradores é fundamental que a gráfica ofereça uma venda consultiva e auxilie o clien­te. E ele, por sua vez, decidirá pelo produto que pro­por­c io­nar o melhor retorno sobre seu investimento.

28 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

A pesquisa mostra claramente que nós, gráficos, pouco ou nada informamos a nossos clien­tes sobre o que fazemos. Enquanto isso, gigantes da internet e outras ferramentas eletrônicas, além de informarem, também oferecem os números que comprovam que o investimento gerou resultados positivos. Ou seja, a mídia eletrônica não é um concorrente forte só porque o mundo está adotando iPhones e iPads como meio de comunicação e venda, mas também porque eles vendem esse peixe muito melhor. Alguém falou sobre redução do setor gráfico?

Sem dúvida. E essa previsão é antiga, mas deve ser relativizada. A configuração estrutural da indústria gráfica alemã, por exemplo, não difere muito do que vemos no Brasil e também no resto do mundo. Na Alemanha há 9.749 gráficas (2011) e apenas 11 pos­suem mais de 500 fun­c io­ ná­r ios — 70% das empresas têm entre um e nove colaboradores. Nos últimos 10 anos o número de gráficas caiu em 30% e, segundo a BVDM (federação da indústria gráfica alemã), o enxugamento do mercado tende a con­ti­nuar. A explicação é lógica. Cada nova geração de

máquinas traz ganho de efi­ciên­cia. Ao mesmo tempo que esse equipamento colabora com o aumento da produtividade, corrobora igualmente a elevação da capacidade instalada. Em um setor com conhecida ocio­ si­da­de, o avanço tecnológico (em parceria com a gestão) é o juiz que decide quem fica e quem sai do mercado. O tema China foi naturalmente recorrente, mas ao mesmo tempo as­so­c ia­ ções setoriais como a BVDM identificam a falta de u ­ nião do setor como um problema na hora de resolver questões de ordem econômica, pres­sio­nar decisões de proteção de mercado ou serem apenas ouvidas. Uma das mais importantes in­dús­trias do mundo, a indústria gráfica tem pouca in­ fluên­cia nos fatores externos que afetam diretamente seu negócio, em parte por falta de entendimento mútuo. A máquina do Landa

A maior expectativa da Drupa era sobre a máquina de Benny Landa. Não se trata de uma nova máquina, mas sim de uma tinta inovadora e um processo um pouco diferente do jato de tinta. Landa pendurou na principal entrada da Drupa banners que continham a promessa de um novo mains­ tream, uma nova forma de impressão. Seria uma impressão digital com qualidade offset, quase tão veloz quanto ele e com uma va­r ie­da­de de suportes maior. É claro que o estande lotou, porém pouco se viu de impressão de fato. O que vimos foram seis máquinas, três com alimentação a bobina e três com alimentação a folha, todas em formatos diferentes. O design do equipamento im­pres­sio­na. Ao invés de um painel de comando, uma tela sensível ao toque, que na máquina maior tinha cerca de dois metros quadrados e foi carinhosamente apelidada pelos visitantes de iPad gigante. Na tentativa de retirar uma amostra de impressão a resposta foi sempre a mesma: “ainda não está com boa qualidade, 


Versatilidade na dobra

Flexibilidade e qualidade são vitais para manter seus clientes satisfeitos, assim como a alta produtividade é também vital para o sucesso de sua gráfica. Seja para produzir flyers, folders, malas especiais, tiragens curtas ou longas, a linha de dobradeiras Stahlfolder da Heidelberg garante a dobra perfeita para qualquer tipo de trabalho no mercado. Heidelberg do Brasil Av. Alfredo Egídio de Souza Aranha, 100 • Bloco B • 12º Andar • 04726-170 • São Paulo • SP Tel. 11 5525-4500 • Fax 11 5525-4501 atendimento@heidelberg.com • www.br.heidelberg.com


30

precisamos resolver vá­rios problemas”. E então a expectativa foi compensada para alguns pelo mar­ke­t ing e encantamento de Landa em apresentar pes­soal­men­te, em seis shows diá­r ios com convite personalizado e hora marcada, seu equipamento conceito. Deu certo. Como já citado, ele fechou intenções de compra. A estratégia da empresa foi receber adian­ta­men­tos e cartas de intenção dos clien­tes. No fim de 2013, ou quando tudo ficar pronto, esses clien­tes terão prio­r i­da­de de entrega. O negócio parece tão bom que a Komori, que fabricou as pinças das máquinas planas, a Manroland e, por fim, já durante a feira, a Heidelberg fecharam contratos para co­mer­cia­li­za­ção da tecnologia, cada uma à sua maneira. O processo de impressão é simples e parece resolver um problema do jato de tinta: a água. Através de bicos de injeção, a tinta, que usa nanotecnologia, é projetada sobre um cilindro aquecido. Com esse cilindro, através do calor, é retido o excesso de água e apenas o polímero e o pigmento são transferidos para o papel, cartão ou plástico através de pressão. Sem a água, a tinta, feita de partículas muito pequenas, precisa de apenas uma camada muito fina para cobrir o suporte. Segundo a Landa Cor­po­ ra­tion, ancora sobre quase qualquer ma­te­ rial e não sai, pois se entrelaça ao substrato. REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Quan­do me perguntaram sobre o equipamento durante a feira, repeti a mesma frase que volto a dizer aqui: bem bonita a máquina, mas quanto a impressão não sei, vamos esperar. Quem sabe em 2013. Acabamento, esse processo curioso

Uma falha antiga da indústria gráfica é também culpa dos fabricantes de equipamentos, ou vice-​­versa. Sinceramente, com o aumento da oferta de sistemas para a área digital, eu esperava por mais integração, em linha, sem falhas ou problemas por resolver, por parte dos fabricantes de equipamentos de acabamento, principalmente os focados na impressão digital. Um di­fe­ren­cial importante nesse processo é a rapidez de entrega. Os clien­tes contam o prazo em horas e cada minuto a mais importa. Assim, de nada adian­ta imprimir livros sob demanda, catálogos ou ma­te­r ial pro­mo­cio­nal e depois colocá-​­los no mesmo acabamento fora de linha que atende a impressão offset. Toda a rapidez do processo será perdida. O que vi em vá­ rios estandes de impressão digital (não em todos, ainda bem) foram equipamentos de impressão rodando a três ou quatro mil folhas em formato A4 por hora e uma linha de acabamento que trabalha a mil ciclos

ou menos. Veja bem, no final sua linha produz de fato mil itens por hora. A Pitney Bowes apresentou uma solução que parece resolver esse problema. Voltada para produtos transacionais e transpromo, a Fábrica de Papel Branco, como foi chamada, une a produtividade das linhas HP jato de tinta e o acabamento 100% integrado da Pitney. No fim da linha, envelopes personalizados, que casam com o con­ teú­do impresso em digital, são produzidos na mesma máquina. Ou seja, o papel do impresso e do envelope entra branco e sai o produto totalmente pronto para envio. Naturalmente é uma solução voltada para grandes tiragens, como impressos para bancos, seguradoras ou empresas de cartão de crédito. Nesse setor o atraso ou o erro são fatais e o volume é adequado ao investimento em tal linha. O que o empresário interessado em impressão digital deve prestar atenção é nas alternativas de acabamento em linha, como elas fun­cio­nam e se há ainda pontos cegos de integração. Esse último decerto será motivo de dor de cabeça no futuro e a Drupa 2012 não fez a lição de casa corretamente nessa área. Resumindo…

Sem estratégia, conhecimento da própria operação, atenção não somente ao segmento gráfico, mas ao mercado de comunicação em que nossa indústria está inserida, não há caminho claro e definido para o negócio. Ganhará com esse natural recolhimento do setor quem entender o que os clien­tes querem, executando-o no tempo e qualidade certos, com o melhor custo-​ ­benefício. A máquina usada para tal deverá ser definida através desse conceito. Sandra Rosalen é formada em Administração pelo Mackenzie, é técnica gráfica pela Escola Senai Theobaldo De Nigris e docente do ensino a distância da Faculdade Senai de Tecnologia Gráfica. Atualmente faz Mestrado em Tecnologia de Impressão e Mídias na Bergische Univesität Wuppertal, na Alemanha.


Hamilton Terni Costa

A transição tecnológica em uma indústria em transformação A edição deste ano da maior exposição mundial do setor talvez possa ser considerada a “Drupa híbrida”, juntando o offset com o digital, interligando os processos de produção e reunindo tecnologias diversas em diferentes combinações.

H

istoricamente as edições da Drupa sempre foram marcadas por temas que as caracterizaram ao longo do tempo, mostrando, de alguma maneira, a tecnologia mais representativa daquele momento. Assim tivemos a feira da fotocomposição em 1982, a feira do JDF em 2004 e a do jato de tinta em 2008, só para citar alguns exemplos. Mas não pensem vocês que não há um esforço e uma verdadeira guerra mercadológica e de comunicação para que um tema prevaleça. O que pode significar muito em termos comerciais. Se os visitantes referendam e compartilham da visão ou do tema anun­cia­do, ele prevalece e se caracteriza. Pois mesmo nesse item essa última Drupa foi diferente. Houve até esforços tentativos de dizer que seria a Drupa do jato de tinta levado às alturas e a decretação do fim das offsets. Ou mesmo a Drupa do fluxo de trabalho, dos programas e dos sistemas operacionais, a da interação de mí­d ias ou mesmo a Drupa da definição de modelos de negócio. Nada disso, até um mês depois de seu término, prevaleceu. Há ainda uma discussão não con­c luí­da sobre qual o tema dominante e para mim há uma razão principal e vá­r ias aces­só­r ias que explicam isso. A razão principal foi o fator

surpresa e o verdadeiro show de mar­ke­ting de Benny Landa e seu re­vo­lu­cio­ná­r io processo de impressão nanográfico e sua tinta nanoink, pois deles não se tinha notícia — nem suas patentes ha­v iam sido registradas — até praticamente um mês antes da feira. Por outro lado, dizer que foi uma Drupa da nanografia — ainda que seja uma rea­li­da­de como impacto — é muito arriscado, pois ninguém pode assegurar, exceto o sr. Landa, que isso vai efetivamente fun­ cio­nar. Mas não há a menor dúvida a respeito de que ele roubou a cena. Incluindo o anúncio de suas par­ce­r ias com a Komori, Heidelberg e Manroland.

As razões aces­só­r ias foram as evoluções em vá­r ios sentidos das tec­no­lo­g ias existentes e a mescla entre elas, levando a novas possíveis formulações de processos, custos, novas cria­ções e a via­bi­l i­z a­ ção de novas páginas impressas, além das habituais. Muitas das páginas habituais estão sendo e serão subs­ti­tuí­das pelo eletrônico ou serão transferidas de uma produção massiva em rotativas e offset em folhas para processos digitais sob demanda e específicos. Mas muitas novas podem ser cria­das a partir da via­bi­l i­za­ção de volumes menores totalmente customizados como num fo­toál­bum de maior formato, ou mesmo latas de refrigerantes de marcas famosas personalizadas, ou ainda produções viáveis de malas diretas ou transpromos com geo­mar­ke­ting: aquele que muda a mensagem e sua relevância, seja no texto ou na propaganda colorida, de acordo com o perfil estatístico e geo­g rá­f i­co do recebedor a partir de códigos QR (códigos bidimensionais que, fotografados, levam a páginas web ou bancos de dados específicos) pre­v ia­men­te estabelecidos e em plena produção. Um verdadeiro campo fértil para a cria­ti­v i­da­de e para um mar­ke­ting efetivo, com medição de resultados online. Drupa híbrida

Dessa maneira talvez o que prevaleça como tema seja mesmo o da Drupa híbrida. A que juntou o offset com o digital, interligou os processos de produção e a que reuniu de maneira difusa diversos produtores de tecnologia em diferentes combinações. Mas não foi só isso. Foi a demonstração de que o toner líquido passa a ser uma alternativa maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

31


32

interessante e in­ter­me­d iá­r ia de produção entre as máquinas digitais de folhas em toner seco ou electroink e as cada vez mais velozes jatos de tinta. Os anun­cia­dos lançamentos da Xeikon, com sua tecnologia Trilium, e da Océ, com sua tecnologia In­ fi­nits­tream (na verdade mostrada fora da Drupa), entre outros, configuram esse quadro. O que não apaga de nenhuma maneira toda a nova plataforma de operações da Indigo com suas máquinas 10.000, 20.000 e 30.000 que trarão e incentivarão uma maior migração do offset ao digital e, como disse acima, a cria­ção de novas páginas — ainda que sejam latas ou rotulagens — ainda não existentes. As quase duas dezenas de máquinas digitais em jato de tinta de meia folha pulularam em todo o am­bien­te, muitas delas com o desenho e aparelhos de alimentação e saí­da típicos de offset. Esta foi também a Drupa da verdadeira fábrica digital com a integração cada vez maior da impressão e acabamento, on-​ ­line e off-​­line, como muito bem demonstraram a Xerox e seus parceiros. E foi a Drupa da integração do offset com o digital, no sentido de que não houve qualquer grande fabricante que não tenha apresentado sua parceria ou máquinas já operacionais como a KBA com um sistema jato de tinta da RRDon­nel­ley e uma linha de acabamento de livros, ou a Komori com a Kodak, ou a Kodak com a Ryobi, a Manroland com a Océ ou a Heidelberg com a Ricoh mais um REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

sistema de cabeçotes jatos de tinta pró­ prios. Deve ter até faltado alguém nessa minha lista. Nesse mundo das offsets uma atenção es­pe­cial deve ser dada à automação dos equipamentos, dos vernizes e acabamentos em linha e dos novos processos de secagem que eliminam tempos de espera entre impressão e acabamento. Sem falar nas máquinas com o sistema de tinteiro anilox da Heidelberg, que permitem acertos com poucas folhas e, com isso, podem competir com algumas das máquinas digitais em uma tiragem menor. Digital e os rótulos

Um capítulo todo es­pe­cial deve ser dedicado às embalagens, incluindo aí os rótulos de todos os tipos. A rainha da festa em termos de produto, com a participação cada vez maior no mix de produção gráfica, até porque sua substituição por meios eletrônicos é praticamente nula. Mas o que prendeu minha atenção, nessa área, foram máquinas como a Euclid, da Highcon, uma corte e vinco para folha inteira com corte a laser. A parte de vinco não é ainda uma maravilha, mas o corte é espetacular. Seu desenvolvimento deve ser acompanhado de perto. Na área digital o esforço de lançamentos que visam produzir embalagens e, em es­pe­cial, rotulagem mostra que a competição entre fabricantes irá se tornar cada vez mais forte. Kodak, EFI, Epson, Xeikon e vá­r ios outros, sem falar nas HP Indigos

que têm prevalência nesse mercado, mostram a força do crescimento do digital nessa área e a importância do segmento. Ao falar sobre embalagem, retorno ao tema da nanografia. Se cumprir o prometido será efetivamente uma revolução, com produção digital em formatos de até 70 × 100 cm girando a 11.000 por hora com impressão frente e verso. E uma cobertura de tinta formada por micropontos despejados por cabeçotes jato de tinta à base de água. Os pontos se solidificam quando aplicados por blanqueta no suporte formando uma finíssima camada altamente reflexiva a luz. Por sua secagem, permite a impressão em su­per­f í­cies plásticas, cartonadas e pa­péis com ou sem revestimento. Uma maravilha. As máquinas estavam lá, rodando sem imprimir, incluindo rotativas com papel e plástico. Lindas máquinas, interativas, com imensas telas como um tablet gigante. ­A liás, sua operação pode ser feita por tablets à distância. Sensacional! Só falta mesmo saber quando virá ao mercado co­mer­cial. Diz Benny Landa que em 18 meses. A expectativa na média dos analistas é de 24 a 36 meses. Veremos. Na verdade fiquei feliz de ver o anúncio de uma tecnologia de nanografia no setor gráfico, ainda que esteja em processo de desenvolvimento e evolução. Pois foi por aí que medi a feira olhando o seu todo. Primeiro pelo alto volume de investimento na evolução das tec­no­lo­gias atuais e nas novas, como a nanoink. É fantástico ver o que empresas de ponta como a HP, por exemplo, estão investindo na mídia impressa. Não tenho ideia ainda da soma total do investimento de toda a indústria, mas é algo considerável em um setor dito como decadente pelos profetas do amanhã onde seremos todos completamente digitais. Vamos por aí, mas a interação de mí­d ias é inevitável, incluindo a impressa. Acabo de ver o novíssimo relatório da consultoria P wC sobre a projeção do crescimento da mídia até 2016. Com uma previsão de um mercado mun­d ial de US$ 2,1 tri­l hões em cinco anos, crescimento de 31%, com as mí­


dias não digitais crescendo somente 2,8%, ainda assim elas representarão 67% do total, incluindo aí a impressão, televisão etc. O mais importante foi a constatação retratada no relatório de que estamos no “fim do começo” da era digital, transformando o mercado digital em mais um mercado, integrado aos demais existentes. O que não significa o fim da pressão sobre os impressos, mas sua resistência como meio para a maioria das pes­soas. E aí faz todo o sentido o investimento da HP, Xerox, Canon, Ricoh etc. Momento de transição

Olho de novo o quadro da feira e todo o conjunto mostrado. Olho para um ensaio recente da renomada revista The Economist saí­do há poucas semanas. Era sobre o que eles chamam da terceira revolução in­dus­ trial, na qual a manufatura irá se tornar digital ba­sea­da em es­pe­cial na nanotecnologia, na bio­tec­no­lo­g ia e na, pasmem, impressão 3D, as impressoras de objetos, algo já totalmente acessível. Leio também as pesquisas e os experimentos das novas embalagens inteligentes, em que, com a bio­tec­ no­lo­g ia embarcada, os invólucros dos alimentos carregarão micro-​­organismos que elevarão o tempo de validade dos produtos embalados, entre outras coisas. Vendo isso, imagino que essas embalagens também

terão elementos gráficos e que possivelmente a nanografia venha a ser o processo mais adequado, por não alterar e interagir com o suporte plástico ou cartão. Dessas observações pude concluir que a nossa indústria caminha passo a passo com a evolução tecnológica mun­d ial e que, junto com ela, sofre e sofrerá transformações rumo a produções mais flexíveis, customizadas às necessidades específicas dos clien­tes finais, sustentável por sua reciclagem e eliminação de des­per­d í­cios por produzir as quantidades exatas no momento e local certos, em qualquer ponto do planeta, usando as tec­no­lo­g ias mais atuais integradas nos novos processos digitalizados de produção. Que vai exigir também novos modelos de gestão, de integração permanente com os clien­tes e de medição ime­ dia­ta de aplicações técnicas e resultados. Nesse sentido, pois, essa Drupa me representou essa transição. Uma transição tecnológica gra­dual para uma indústria inteira em transformação. Hamilton Terni Costa, hternii@anconsulting. com.br, é diretor geral da ANconsulting, www. ansconsulting.com.br, ex-​­presidente da ABTG e Abraform e é também um dos criadores e coordenadores do curso de pós-​­graduação em Gestão Inovadora da Empresa Gráfica na Faculdade Senai Theobaldo De Nigris, onde ministra a matéria de Gestão Estratégica.

33 maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF


A Drupa 2012 em números

D

34

epois da impressora digital apresentada por Benny Landa e que leva o seu sobrenome, um dos assuntos mais comentados da feira foi a queda no número de visitantes. Porém, não se trata de uma novidade. Esta é a terceira edição em que isso acontece, prolongando a curva descendente. Em 2000 foram 428.000 visitantes; em 2004, 394.0000; em 2008, 391.000; e agora a maior feira do setor atraiu 314.249 pes­soas de mais de 130 paí­ses. O que se reverteu em relação à mostra an­te­r ior foi a tendência na elevação de empresas participantes. A feira de 2008 contou com 1.971 expositores, superando a histórica edição de 2000, quando 1.943 com­pa­nhias levaram suas novidades para Düsseldorf. Em maio último tivemos 1.844 empresas, de 52 paí­ses, ocupando 165.988 m2 de estandes. Werner M ­ atthias Dornscheidt, presidente da Messe Düsseldorf, afirmou que o encolhimento do público não chegou a ser uma surpresa. “Só na Alemanha a indústria gráfica perdeu cerca de 3.900

Drupa 2012 Total de Expositores: 1.844 Total de Expositores Brasileiros: 11 Total de Visitantes: 314.249 Total de Visitantes Brasileiros: 3.819 Área Líquida: 165.988 m²

continuou alto. Chamou a atenção o elevado número de profissionais da Índia, que, atingindo cerca de 15.000 pes­soas, po­si­ cio­na-a como o país com maior presença depois da Alemanha (123.000 visitantes). Atrás desses dois paí­ses no ranking estão: Bélgica, França, Holanda, Reino Unido, Estados Unidos, Suí­ça e Itália. A presença da América do Sul e Central também se elevou de 7% na edição an­te­r ior para 8,8% neste ano. Dados fornecidos pela MDK Feiras Internacionais, representante na­cio­nal da Drupa, mostram que 3.819 brasileiros foram à Alemanha, soma pouco in­fe­r ior à expectativa de atingir 4.000 visitantes do nosso país neste ano, porém superior ao número registrado em 2008, que foi de 3.600 profissionais. Entre os expositores, depois da indústria alemã, com 611 empresas presentes, a China foi a bandeira mais forte, com 246 representantes, seguida pela Itália (157), Reino Unido (117) e Estados Unidos (107). Apenas três paí­ses da América do Sul levaram soluções para a feira: Brasil, com 11 expositores, e Colômbia e Peru, cada um com uma empresa. Que­bran­do a tradição do mês de maio, a próxima Drupa será rea­li­za­da entre os dias 2 e 15 de junho de 2016.

empresas, com mais de 61.000 empregados, entre 2000 e 2011. Nos Estados Unidos, no mesmo pe­r ío­do, mais de 7.700 empresas foram fechadas”. Ele argumentou que, se o tamanho das delegações diminuiu, o volume de gestores cresceu: 50,8% do público do evento foi composto por executivos com poder de decisão, contra 44,4% em 2008. Com mais de 190.000 visitantes estrangeiros, o foco in­ter­na­cio­nal da Drupa 

REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012


Alguns destaques

Agfa

A maior atração da Agfa foi a impressora flatbed M-​­Press Leo­pard, considerada a irmã menor da M-​­Press Tiger. Com 64

Esta edição da Drupa trouxe muitas inovações em equipamentos já conhecidos do mercado além de outros inéditos. Apresentamos aqui as novidades de alguns expositores.

vinco, um dos exemplos foi o Smart Fee­ der II. Outras novidades foram a Expert­foil 142, equipamento de hot stamping, e a Masterfoil 106 PR , equipada com Foil ­Touch System para garantir uma estampagem com menos calor e menos pressão. Böttcher

cabeças de impressão UPH2, foi es­pe­cial­ men­te desenvolvida para a Leo­pard. A elevada performance da tinta, alia­d a à alta pigmentação, oferece uma cobertura su­ pe­r ior sem grande consumo, imprimindo 200 m2 com um litro de tinta. O equipamento oferece mais flexibilidade, pois trabalha com uma gama maior de substratos. Foi apresentado ainda um sistema de alimentação automático op­cio­nal. A impressora é cerca de 40% mais lenta que a Tiger, que demonstra outro nível de aplicação. Na qualidade fotográfica, por exemplo, são 237 m2/hora e 720 × 540 dpi. Bobst

Voltados sobretudo para o segmento de embalagens, a Böttcher levou para a feira os rolos para impressão offset ProColora e Gol­denPearl, desenhados para aumentar a efi­ciên­cia na limpeza, reduzindo o tempo de setup. Na mesma linha apresentou o

Böttcherin Offset UV XL, produto usado na limpeza dos equipamentos, cuja nova versão promete acelerar a lavagem das unidades de impressão. A Böttcher demonstrou também itens para impressão flexográfica, rotogravura e digital. DruckChemie

A empresa lançou uma nova série verniz de embelezamento, a DC Varnish, com cerca de 20 versões diferentes, do neutro até

A Bobst mostrou inovações nos segmentos de corte e vinco, dobra e colagem e hot stamping. As novidades visam diminuir tempos de ajuste, aumentar saí­das de produção e reduzir custos. Para maximizar a produtividade nos processos de corte e

36 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012


o high gloss, produzindo resultados de alta qualidade visual. Além da nova série, a DruckChemie aproveitou a feira para divulgar as vantagens do DC Servicetour, serviço de coleta e destinação de resíduos. EFI

Com um grande leque de opções para grandes formatos, a EFI reservou em seu estande lugar para seus outros produtos como para ge­ren­c ia­men­to técnico (cores, processamento) e também ge­ren­cia­men­to de processo (Metrics). Entre os lançamentos

para expandir o mercado da empresa americana na América Latina — parte agora de uma única especificação do produto para gerar automaticamente toda a engenharia de produção. O IQuo­te, solução para elaboração de orçamentos gráficos, utiliza a tecnologia cloud computing, sendo capaz de, além dos cálculos de custos, indicar qual é a melhor alternativa de produção. Epson

Um destaque da Epson foi a linha de impressoras jato de tinta SureColor com diferentes características e aplicações. Três delas utilizam tecnologia mi­c ro­pie­z o e chegam a 1.440 × 1.440 dpi de resolução. A SC‑­S30600 tem baixo custo de produção

diferencial um novo portabobinas comportando uma bobina de maior dimensão, tanto na largura como no diâmetro, com sistema de funcionamento através de célula de carga eletrônica, controle de de­sen­ca­noa­ men­to do papel via painel, sistema pneumático de pressão na esteira de transporte, non stop na saída e aumento da velocidade para 350 m/min. Heidelberg

mais relevantes estava a HS100 Pro da linha Vutek, impressora jato de tinta que promete se aproximar da qualidade de impressão offset. O equipamento, com 3,20 metros de mesa, chega a produzir 100 placas/hora ou 50 em P-O-P mode (Point of Purchase), 600 dpi binário. No sistema de rolo, são 334 m2/hora. EFI Metrics

Novamente a Metrics marcou sua presença na Drupa com um soft­ware repleto de novidades e me­l ho­r ias. A empresa, recém-​­comprada pela EFI — estratégia usada

A Heidelberg levou mais de 60 novidades para Düsseldorf e como sempre lotou o Hall 1 da Drupa. E, um dado importante: mais de 50% do estande foi dedicado a soluções voltadas para o mercado de embalagens. Entre tantos equipamentos, a

e é voltada para sinalização interna e externa com boa relação custo-​­b enefício. A SC‑S50600 também opera em quatro cores e mais um cartucho de branco. Além desse di­fe­ren­c ial, a máquina é mais veloz e alcança 53,20 m2/hora no modo de alta produção. Por fim, a impressora rolo-a-​­rolo SC‑­S70600 foi apresentada nas versões oito cores (CMYK mais C ­L ight, M ­L ight, K ­L ight e Laranja) e 10 cores (mais o Branco e Metálico). Furnax

Dentro da linha de cortadeiras GMC, marca representada no Brasil pelo Grupo Furnax, despertou grande atenção o lançamento do modelo GMC-TC II, que apresentou como

principal novidade foi a nova linha de impressoras batizada de Speed­mas­ter SX. Trata-se de uma categoria in­ter­me­d iá­r ia entre os equipamentos básicos da linha SM/CD e os de alto desempenho da linha XL . A linha SX está disponível nos formatos 102, 74, 52 e 52 Anicolor e pode ser configurada de duas até 10 cores, com ou sem unidade de verniz. Vale citar a Speed­mas­ter XL 106, maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

37


com produtividade 30% maior que a an­te­ rior XL 105, e operando com velocidade de 18.000 folhas/hora. IBF

A Indústria Brasileira de Filmes aproveitou a Drupa para apresentar seus recentes desenvolvimentos, com tecnologia genuinamente na­cio­nal para os mercados gráficos

sistema de impressão inkjet na torre. Alcançando uma velocidade de 150 m/min, o que significa 3.000 A4/min ou um volume de 85 milhões de A4/mês, é claramente uma máquina de alta produtividade. A largura da bobina vai de 300 mm a 781 mm e a resolução alcança 600 dpi, impressos através de 56 cabeças de impressão por passada, no total 112. Kodak

A conhecida família de impressoras NexPress SX com tecnologia laser, da Kodak, foi apresentada agora com 650 mm de área de impressão, permitindo a produção de cadernos com seis páginas ou três repetições abertas do A4. Ela produz de 5.000 a 7.855 páginas/hora no formato A4 e tem saí­da UV em linha. Com resolução de 600 brasileiro e mun­d ial. A empresa mostrou as chapas verdes Ecoplate-T; a chapa che­ mistry free térmica negativa, que é revelada em uma unidade de lavagem e goma; e a Direct-T, chapa processless térmica negativa, revelada diretamente na impressora. KBA

Com um dos estandes com maior movimentação na feira, a KBA levou para a Drupa um portfólio de A a Z. Porém, respondendo às demandas do mercado digital, a novidade que atraiu muitos cu­r io­sos foi a KBA RotaJet 76, impressora a bobina, igual a uma máquina offset com uma cor, que tem no lugar de tinteiros e rolaria um

REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Ryobi

A Ryobi mostrou na Drupa uma rea­f ir­ma­ ção do que foi apresentado na Drupa 2008 com me­lho­rias. O ponto de convergência de todos os equipamentos é o apelo sustentável. Entre diversos equipamentos expostos, chamou a atenção a impressora offset Ryobi 1050 que foi apresentada com uma torre de impressão, uma de verniz e uma para aplicação do UV Casting e Foiling. Essa unidade independente, que trabalha no formato

dpi em todas as va­r ia­ções da série, a NexPress vem agora com cores opcionais: ouro, perolizado e pink, além do CMYK mais verniz que é padrão. Os formatos de impressão são 356 mm × 510 mm na SX 2700 e até 356 mm × 650 mm na SX3900. Müller Martini

Entre tantas novidades da Müller Martini cabe destacar a encadernadora Alegro, que substitui a antiga Acoro, sucesso de vendas no Brasil. Ela vem com avanços e em duas linhas: a A6 de 6.000 ciclos/hora e a A7 de 7.000 ciclos/hora. O equipamento é completo, mas também modular graças ao sistema de servomotor (motores independentes). As estações de co­le­cio­na­ men­to podem ser adi­cio­na­das em módulos

38

de três. A coladeira aceita tanto PUR como EVA . Outra novidade é a Ventura MC, equipamento já consagrado da Müller Martini que agora pode ser adquirido na versão de 160 ciclos/hora.

B1 (linha 1050) pode fazer holografia, ho-

lografia sobre foiling, chemical embossed, laminação fosca e brilhante. O sistema serve para materiais impressos em outras máquinas em que ela é usada apenas para be­ne­f i­cia­men­to, ou pode ser configurado em linha para operar na própria máquina de impressão, neste caso, da Ryobi é claro. 


Your Strong Partner

Bruno Müller: ‘‘Hoje é mais uma questão de sistemas completos do que máquinas individuais.’’ Em entrevista, Bruno Müller, CEO da Müller Martini, expressa a satisfação com a performance da empresa na drupa 2012. Com o fim da drupa 2012, como o senhor resume a performance da Müller Martini na feira? Bruno Müller, CEO da Müller Martini: Estou muito satisfeito com a performance da Müller Martini na drupa. A maneira como os nossos especialistas apresentaram as novas soluções para os visitantes foi muito bem vista. Nós recebemos visitantes de todas as partes do mundo, e avaliamos o resultado como extremamente positivo.

Em relação a feedback, você conversou pessoalmente com vários clientes. Surgiram algumas questões chave nessas conversas? Bruno Müller: Observei nas conversas, que os principais pontos tratados foram as necessidades do mercado de hoje. O foco estava mais direcionado para os sistemas completos do que para máquinas individuais, o que ficou muito claro no nosso estande. Eu também percebi que vários clientes não procuram soluções só para hoje e sim para o futuro. Nossos clientes estão à procura de segurança de investimento, principalmente nesse momento, em que o mercado está mudando constantemente. Os organizadores da drupa registraram uma queda de em média 20% do número de visitantes, quando comparada com 2008. Você também observou essa queda no estande da Müller Martini? Bruno Müller: Estamos extremamente satisfeitos com o número de visitantes. O nosso estande foi muito visitado, principalmente durante as numerosas demonstrações dos sistemas. O sucesso da feira pode ser medido tanto por número de visitantes como por vendas realizadas. Nesse quesito como vocês se saíram? Bruno Müller: Depois de nos empenharmos tanto para apresentar as inovações e lançamentos de mercado, é claro que queremos que isso tudo resulte em vendas. Efetivamos vendas em todos os continentes, e em mercados emergentes como o Brasil e a China, em particular. Mercados tradicionais, como a América do Norte e Europa, também investiram nos sistemas da Müller Martini. Ficamos muito felizes em ver que os nossos MM módulos Services, foram bem vistos pelos clientes, inclusive vários deles decidiram investir em um pacote de serviço.

Bruno Müller em entrevista no estande da Müller Martini: ’’Notei que vários clientes não procuram soluções só para hoje e sim para o futuro’’

Müller Martini Brasil Fone: +55 11 3613-1000 www.mullermartini.com.br / info@mullermartini.com.br

Acesse o site da Müller Martini e saiba mais sobre os lançamentos e inovações apresentados na drupa.


ABTG debate a Drupa 2012

Fotos: Eduardo Carvalho

retícula mais precisos, e o CtP Achie­ve Allin-​­One formato folha inteira. Na mesma linha, Cris­tia­no Freitas, gerente de produto para a América Latina da Esko, destacou as novas versões dos soft­wares da empresa, assim como a maior integração entre os aplicativos, como o novo PantoneLive, soft­ware de ge­ren­cia­men­to de padrões de cores que usa tecnologia de computação em nuvem, destinado a pro­prie­t á­r ios de marcas, de­ signers e profissionais da indústria gráfica.

Um grupo de profissionais e técnicos gráficos participou de evento promovido pela ABTG para transmitir suas observações, analisar e debater o que foi mostrado na Drupa 2012.

T

40

Tânia Galluzzi

reze dias após o término da feira, a Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica (ABTG) promoveu em São Paulo o Seminário Pós-​ ­Drupa 2012. Nas noites de 29, 30 e 31 de maio o auditório da entidade ficou lotado, com 95 participantes em cada dia, num total de 120 inscritos. Patrocinado pela Canon, Esko, Kodak e Müller Martini, o evento contou com 11 palestras e um debate. O primeiro dia foi dedicado às soluções para pré-​­impressão. Andrea Ponce, coor­de­na­do­ra técnica e consultora sê­nior da ABTG, destacou a evolução dos sistemas de gestão de fluxo de trabalho, muitos dos quais utilizando a tecnologia de REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

cloud computing, a flexibilidade dos novos RIPs e o incremento de velocidade nos CtPs. Chamou sua atenção também a presença de clien­tes finais na feira, como as Casas Bahia, que foram a Düsseldorf pesquisar novas opções para seus impressos. Enio Zucchino, diretor de produtos de pré-​­impressão para o Cone Sul da Kodak, realçou lançamentos como a tecnologia SquareSpot, que pro­por­cio­na pontos de

Péricles Sette

Andrea Ponce

Já Bruno Mortara, superintendente do ONS27 e professor de pós-​­gra­dua­ç ão na Faculdade Senai de Tecnologia Gráfica, falou sobre impressão digital. Do show apresentado pela HP, quebrando o paradigma do formato super A3 com as linhas Indigo 10000, 20000 e 30000, até os re­ vo­lu­cio­ná­r ios cabeçotes de impressão jato de tinta da australiana Memjet, passando pela nanografia de Benny Landa, Bruno sinalizou o amadurecimento da tecnologia, cada vez mais efi­cien­te, produtiva e efetivamente capaz de avançar em mercados como o de embalagens. Dian­te de tamanha capacidade de impressão, o es­pe­ cia­l is­ta questionou: haverá trabalho para todos esses equipamentos? Na quarta-​­feira o tema foi impressão. ­E néias Nunes, coor­d e­n a­d or técnico da


Flavio Botana José Pires de Araujo Júnior

Escola Senai, e Marcelo Sartori, técnico em artes gráficas, ressaltaram a forte tendência de integração dos processos através de impressoras offset com dispositivos de impressão digital, máquinas digitais com sistema de alimentação de equipamento offset e secagem UV e máquinas offset com arquitetura flexo, sem contar a incorporação de recursos de enobrecimento em linha. Mais do que falar de tecnologia, na palestra seguinte, Eduar­do Buck, gerente de grandes contas da Canon, enfatizou a necessidade de o gráfico investir em soft­wares de fluxo de trabalho e em ferramentas que o auxiliem a aprimorar a gestão da empresa, bem como em um bom orçamentista, que possa mostrar para o administrador onde e como a gráfica está ganhando ou perdendo dinheiro. A missão de Thia­go Justo, instrutor de pré-​­impressão da Escola Senai Theo­bal­do De Nigris, foi falar sobre a tecnologia apresentada por Benny Landa em sistemas jato de tinta. Ba­sea­da na nanoink, tinta à base de água com partículas entre 50 a 70 nanômetros, metade do tamanho ao qual o mercado está acostumado, a tecnologia, apresentada em seis impressoras digitais, três alimentadas a folha e três rotativas, promete alta velocidade de impressão (até 13.000 páginas por hora), nitidez su­pe­r ior, alta densidade de cor e uso de suportes celulósicos e não celulósicos sem tratamento prévio. Sem acesso ao ma­te­r ial impresso pelas máquinas Landa, Thia­go afirmou que há muito que melhorar em termos de qualidade de impressão.

Ju­lia­na Coe­lho e Jorge Castro, professores da Theo­bal­do De Nigris, cuidaram das novidades em flexografia, rotogravura e serigrafia. A ênfase foi o alto grau de automação dos processos em paralelo à consolidação das questões ambientais, com equipamentos mais versáteis, compactos e com maior efi­ciên­cia energética. Automação também foi a tônica da palestra de Jairo Alves, professor do Senai, que cobriu as inovações em pós-​­impressão. Ele salientou a maior proximidade das três etapas da produção, com controles de acabamento definidos já na pré-​­impressão e a automatização de etapas até então exclusivamente manuais, e as soluções em linha para impressoras digitais. Exemplificando, Péricles Sette, da Müller Martini, pinçou alguns lançamentos como a guilhotina trilateral Solit, que promete um tempo de configuração de apenas três minutos, a linha

de capa dura Dia­mant MC Digital, adequada para fotolivros por ser capaz de entregar produtos vendáveis desde o primeiro exemplar, e a Sigma Trimmer, apresentada como a primeira guilhotina trilateral com reconhecimento automático de formato, voltada para o segmento digital. Com a difícil tarefa de dizer se é hora ou não de investir em novas tec­no­lo­g ias, José Pires de Araujo Jú­nior, professor de gra­dua­ção e pós-​­gra­dua­ção na Faculdade Senai de Tecnologia Gráfica, alertou que, dian­te de todas as incertezas que caracterizam o mercado hoje, o mais importante é investir na organização da empresa. Para ele qualquer investimento tem de ser resultado de planejamento estratégico. Definindo qual será o mercado-​­alvo e como ele será atingido é possível então ava­liar qual a melhor solução tecnológica. O Pós-​­Drupa 2012 foi encerrado com um debate entre ­Enéias Nunes, Ma­noel Manteigas de Oliveira, diretor da Theo­ bal­do De Nigris, Hamilton Costa, consultor, Ricardo Coube, diretor presidente da Tiliform, Sandra Rosalen, docente de ensino a distância da Faculdade Senai, e Bruno Mortara. Em linhas gerais, eles endossaram as palavras de José Pires, assinalando pontos como excelência em gestão, retorno de investimento e formação de mão de obra técnica e de vendas.

(E/D) Sandra Rosalen, Ricardo Coube, Hamilton Terni Costa, Manoel Manteigas de Oliveiras, Enéias Nunes e Bruno Mortara no debate de encerramento do evento

maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

41


Feira

Office PaperBrasil Escolar 2012 acontece no final de agosto

Promovida pela Francal Feiras, a Office PaperBrasil Escolar – Feira Internacional de Produtos, Suprimentos e Acessórios para Escritórios, Papelarias e Escolas é o maior evento de negócios destes setores nas Américas e o segundo maior do mundo.

Abdala Jamil Abdala, presidente da Francal Feiras

42 REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012

A

trás apenas da Paperworld, que acon­ tece na Alemanha, a PaperBrasil Es­ colar chega em sua 26 ª‒ edição con­ sagrada em toda a América Latina, reunindo empresas dos segmentos de produtos para pa­ pe­la­r ias, es­cri­tó­r ios e escolas. Neste ano, a fei­ ra será rea­li­za­da entre os dias 27 a 30 de agosto no Anhembi, em São Paulo, onde reunirá numa área de 60 mil m2 cerca de 300 empresas, agru­ padas de acordo com o segmento em que ­atuam: office e produtos escolares, papelaria em geral, e pastas, mochilas e aces­só­r ios. “A segmenta­ ção do pavilhão por categoria de produtos con­ tinua, já que foi muito bem recebida pelos visi­ tantes, que puderam otimizar o tempo e visitar mais empresas”, afirma Abdala Jamil Abdala, presidente da Francal Feiras. De acordo com ele, neste ano, além de agre­ gar mais produtos ao mix da feira, como a am­ plia­ção das opções em tecnologia, por exemplo, a Francal está preparando um fórum para as pa­ pe­la­r ias, focado em modernização, crescimen­ to e novas oportunidades. Haverá ainda uma nova versão do Espaço de Lançamentos, com o objetivo de reunir em um só local as novidades que serão apresentadas na mostra, como uma vitrine gigante para as pa­pe­la­r ias. “As pa­pe­la­

rias estão em fase de mudanças e moderniza­ ção e estamos apostando nesse mote para ofere­ cer o melhor a elas, em diversidade de produtos e serviços”, comenta o empresário. Jamil Abdala enfatiza os esforços da Fran­ cal em fazer da PaperBrasil Escolar a feira que o mercado necessita. “Estamos alinhados com as demandas de todos os elos da cadeia desse se­ tor, promovendo encontros e reuniões, visitando empresas e pontos de venda, consultando es­pe­ cia­lis­tas, tudo para que a feira real­men­te atenda as expectativas do mercado e continue sendo o grande evento de ne­gó­cios que sempre foi”. & OFFICE PAPERBRASIL ESCOLAR 2012 – 26ª FEIRA INTERNACIONAL DE PRODUTOS, SUPRIMENTOS E ACESSÓRIOS PARA ESCRITÓRIOS, PAPELARIAS E ESCOLAS Data: 27 a 30 de agosto Horário: 13h às 21h (dia 30, das 13h às 20h) Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi Promoção e organização: Francal Feiras Patrocínio: Abigraf Regional São Paulo Apoio: Brasil Escolar – Rede Nacional de Papelarias; Simpa – Sindicato do Comércio Varejista de Material de Escritório e Papelaria de São Paulo e Região; e Adispa – Associação dos Distribuidores de Papelaria Informações pelo telefone: (11) 2226-​­3100 • Site: www.officepaperescolar.com.br  • Twitter: @paperbrasil • Facebook: feiraofficepaperbrasilescolar Entrada gratuita e restrita aos profissionais do setor. Proibida a entrada de menores de 14 anos, mesmo acompanhados.


Todos podem ter uma equipe especializada e ganhar novos ares. Todos podem Prolam. Inovar é um dos princípios do mercado gráfico. E, para inovar com eficiência e segurança, você pode contar com a equipe especializada Prolam. Do atendimento à entrega, mergulhamos de cabeça no seu pedido. Com a Prolam, você pode se lançar em novos projetos.

• PROLAM FOSCO • PROLAM ALTO BRILHO • PROLAM PRATA • PROLAM 3D • PROLAM SOFT TOUCH • PROLAM SCUFF FREE • 11 3616.3404 • 21 2580.9394 • 81 3242.4506

www.prolam.com.br • prolam@prolam.com.br


Fotos: Álvaro Motta

Impressão Digital

Estratégia em primeiro lugar Gráficos e especialistas se reuniram no começo de junho para discutir os caminhos da impressão digital no mercado brasileiro.

S 44

Tânia Galluzzi, com colaboração de Ada Caperuto

ucesso de público e de crítica, agradando tanto aos que foram ao Hotel Maksoud Plaza no dia 11 de junho para assistir às apresentações quanto aos palestrantes e fornecedores que participaram das table tops, a II Conferência In­ter­na­cio­nal de Impressão Digital Gedigi Abigraf 2012 repisou um tema levantado dias antes no seminário Pós-​­Drupa ABTG: a necessidade premente de o gráfico planejar seu negócio. Em função da multiplicidade tecnológica sobre a qual caminham as soluções digitais, do desconhecimento do mercado em relação às possibilidades abertas por elas e da questão da amortização do investimento versus a obsolescência dos sistemas digitais, o risco de insucesso nessa área é muito alto se não houver planejamento. Isso envolve não só o famigerado

REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012

retorno sobre investimento. Parece óbvio, mas o empresário gráfico tem de ser mais pro­f is­sio­nal no sentido de conhecer profundamente sua empresa, seu clien­te, o que pode oferecer a ele e onde quer chegar. As máquinas são um meio, e não um fim. Estão lá para fazer que a gráfica ajude seu clien­te a ganhar dinheiro e, assim, produzir mais e engordar seu caixa.

Flavio Tomaz Medeiros, diretor setorial do Gedigi

A catequização começou logo na abertura da conferência, quando a jornalista e consultora Cary Sherbourne e o também consultor Joe Webb (presente através de vi­deo­con­fe­rên­cia), abordaram a mídia impressa no futuro. Entre outros conselhos, a jornalista falou que o gráfico deve ser ágil no atendimento de seus clien­tes, sendo proa­t i­vo, e não rea­t i­vo. “Temos de ser evangelistas, mostrar tudo o que podemos fazer”. Joe Webb alertou para o fato de que os compradores de produtos gráficos estão investindo não só em tecnologia, mas em pes­soas e em mar­ke­ting. “É preciso entrar na estratégia de comunicação do clien­te, ajudando-o inclusive a medir o retorno que terá ao usar o produto impresso em suas campanhas, porque a mídia eletrônica já oferece vá­r ias formas de fazer isso”. Para Webb, um dos comentaristas mais conhecidos da indústria gráfica mun­dial, o gráfico tem de pensar não só em qual tecnologia investir, mas em buscar pes­soas com habilidade para lidar no novo cenário da comunicação. E Cary Sherbourne foi mais precisa: “as gráficas devem contratar pes­soas que entendam do mercado que elas querem atender”. “Para a área


comercial seria interessante contratar analistas de mercado, gente que possa ajudálo a interpretar os sinais do segmento que você quer atingir”, completou Joe Webb. A jornalista falou um pouco de suas impressões sobre a feira alemã. Segundo ela, a feira deste ano foi a Drupa híbrida, onde esse conceito atingiu um novo patamar. “Antes da Drupa 2012, quando pensávamos em hibridismo imaginávamos equipamentos que incorporavam processos de impressão, como offset e digital. Agora temos produção híbrida, aplicações híbridas, es­t ra­té­ gias híbridas de venda e até soluções híbridas em soft­wares, que rodam parte em cloud computing e parte hospedada no clien­te”. Fóruns estratégico e tecnológico

O público dividiu-se então entre os dois fóruns. “O mundo das impressoras digitais” foi abordado por Bruno Mortara, diretor da ABTG Certificadora e superintendente do ONS27, que discorreu sobre os grandes segmentos de mercado, as alternativas

Hamilton Terni Costa, da ANConsulting

para os diversos volumes de produção e as tec­no­lo­g ias que se consolidam em cada um deles. Vladimir Ma­ra­f iot­ti, da Agfa, e Nick Benkovich, da Kodak (EUA), discutiram os sistemas de fluxo de trabalho, cada vez mais ágeis, colaborativos e ba­sea­dos na automação das tarefas. No fórum estratégico, o primeiro tema envolveu “Os mercados de impressão digital”, apresentado por Hamilton Terni Costa, diretor geral da ANconsulting. Através de pesquisas e análises de mercado, o consultor sinalizou o forte crescimento da impressão digital no Brasil e no mundo, indicando os segmentos com maiores oportunidades. Dados da Pira In­ter­na­tio­nal apontam que o digital já representa 22% do faturamento da indústria de impressão. A previsão é de que até 2014 a tecnologia digital lidere os investimentos em processos de impressão, abocanhando 38% dos recursos, contra 28% em offset plana, 15% em rotogravura, 13% em offset rotativa e 5% em máquinas flexo. Entre as tec­no­lo­g ias digitais coloridas, a eletrofotografia deve con­ti­nuar

Entrevista de Bruno Mortara com Frank Romano foi apresentada em vídeo

Cary Sherbourne, jornalista e consultora

na liderança até 2015 (InfoTrends), porém com menor distância para o jato de tinta. Germán Sacristán, executivo da Kodak, foi certeiro na palestra “Onde está o dinheiro”: “Se vocês querem crescer, parem de vender impressos e passem a vender es­tra­té­g ias de comunicação. O valor está em dar ao clien­te o que ele quer. E aí a impressão digital se encaixa perfeitamente, sobretudo a personalização”. À tarde, o fórum estratégico discutiu as oportunidades de negócio nas mí­d ias sociais, com João Scortecci, da Scortecci Editora, e Paulo Addair, um dos coor­de­na­do­ res do Digitec, grupo de impressão digital da ABTG. A dupla falou sobre o papel das redes sociais como amplificadores da presença das empresas no mercado e exemplos de produtos que nascem nas mí­d ias digitais e im­pul­sio­nam a impressão, como os fotolivros. Em “Cases de sucesso em impressão digital”, Richard Trapilo, vice-​­presidente da CPB ourg (EUA), e Udi Gostain, da XMP ie (EUA), mostraram como as gráficas digitais podem ser lucrativas, efi­cien­tes e promissoras. “Web-to-​­print” foi o assunto da palestra da tarde no fórum tecnológico, com Norbert Frenzel, da Infowerk AG, primeira empresa na Europa a oferecer serviços de web-to-​­print e a produzir fotolivros através dessa plataforma, em 2001. O executivo detalhou os modelos de negócio da empresa. maio /junho 2012 REVISTA ABIGRAF

45


Bruno Mortara no lançamento do livro A Impressão Digital a Serviço da Indústria de Comunicação no Século XXI, durante o coquetel de encerramento

Hoje, 80% dos 15.000 pedidos diá­r ios da Infowerk entram via web. Wi­l ian Corrêa da Silva, um dos coor­ de­na­do­res do Digitec, e Ivy Sanches, consultora da ABTG, trataram das novidades em pa­péis e suportes e as novas alternativas de acabamento para impressão digital. A palestra de Wi­lian Corrêa girou sobre os be­ne­f í­cios do uso de pa­péis certificados ou homologados pelos fabricantes nas impressoras digitais, enquanto Ivy Sanches ressaltou as vantagens de ter linhas de acabamento desenvolvidas para as necessidades do fluxo de trabalho digital. No final da tarde o público voltou a se reunir para o debate pós-​­Drupa, com a participação de Márcio Matos, Xerox;

Fernando Alperowitch, da HP Marcio Matos, da Xerox

Os números da conferência

Germán Sacristán, da Kodak

Ricardo Muniz, da Epson

46

Leonardo Rodrigues, da Heidelberg

REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012

Fechando os trabalhos, foi apresentada a entrevista rea­l i­z a­d a por Bruno Mortara com o guru da indústria gráfica, Frank Romano. Durante o coquetel de encerramento houve o lançamento do livro A Impressão Digital a Serviço da Indústria de Comunicação do Século XXI, de Bruno Mortara, que aborda de modo didático as principais tec­no­lo­ gias de impressão digital, com um rápido olhar para a sua trajetória histórica e suas aplicações con­tem­po­râ­neas.

Fernando Alperowitch, HP; Luiz Carlini, Kodak; Eduar­do Buck, Canon/Océ; Ricardo Muniz, Epson; Leo­nar­do Rodrigues, Heidelberg; e Gustavo Lopes, Ricoh, além de Cary Sherbourne, Hamilton Costa e Bruno Mortara. Mais uma vez a ênfase não esteve nos lançamentos da feira alemã. Fornecedores e es­pe­cia­lis­tas cuidaram de enfatizar a importância de pensar o processo do início ao fim, em como convencer os clien­tes a utilizar a mídia impressa e no amadurecimento do diá­lo­go sobre a tecnologia digital. Mário César de Camargo, diretor da Bandeirantes, fez o balanço da conferência falando sobre a ex­pe­r iên­cia da gráfica com impressão digital, ini­cia­da em 1998.

A II Conferência In­ter­na­cio­nal de Impressão Digital, rea­li­za­da pelo Grupo Em­pre­sa­ rial de Impressão Digital, Gedigi, da Abigraf Re­g io­nal São Paulo, contou com 385 inscritos, de 14 estados. Destes, 231 responderam à pesquisa de satisfação ainda durante o evento. Desse universo: ◆◆ 112 são presidentes de empresa, 66 gerentes e 53 ocupam outros cargos ◆◆ 80% pos­suem ou trabalham em gráficas ◆◆ 70% trabalham com impressão digital ◆◆ 49% estão interessados em atua­l i­z a­ç ão tecnológica e 22% buscam soluções ◆◆ 47% pretendem investir nos próximos 12 meses. Patrocinadores Gold – Newview e MSE System (revendas autorizadas Xerox) e HP. Premium – Canon, Kodak e Ricoh. Master – ComColor/Gomaq, Epson e Heidelberg. Expositores – Agfa, Arjowiggins, Diginove e Konica Minolta. Apoiadores – Alphagraphics, ExpoPrint Digital, Virtual Bag e VSP.


Sistema Automático para o Controle de Papel Imune da ACE BR.

Porque tudo que é muito importante e requer total controle, merece estar nas mãos de especialistas.

O.RECOPI é a solução da ACE BR, empresa desenvolvedora de Sistemas para Gestão Empresarial, com excelência em obrigações fiscais. É um sistema fácil de instalar, fácil de usar, completo, totalmente automático, pois opera sem intervenção humana e integra-se a qualquer ERP disponível no mercado. Realiza:

Quem usa:

Extração de dados e elaboração de demonstrativos de estoque e transmissão ao SEFAZ, contendo as informações sobre aquisições, utilizações imunes ou não, saldos em estoques, destinações, resíduos, perdas, recebimentos ou envios para industrialização. Além disso, realiza diversas operações, como exemplo, o retorno de papel simbólico e a remessa por conta e ordem, o que garante sua aplicabilidade na Indústria Fabricante de Papel, além da Gráfica e da Editora.

“Escolhemos o O.RECOPI da ACE BR, pois foi a empresa dentre as quais pesquisamos, que demonstrou maior conhecimento na questão de obrigações fiscais. Utilizamos o sistema há 2 anos, e desde então, realizamos todas as operações de forma rápida e segura, com a garantia que estamos cumprindo na íntegra as exigências fiscais impostas.” Marcelo Cavalcante Gerente de TI da Editora Moderna

11 3019 1399 www.acebr.com.br comercial@acebr.com.br


E-book

Congresso discute a cadeia produtiva do livro digital

48

REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Fotos: Tânia Galluzzi

S

e na primeira edição do evento, em 2010, o livro impresso ainda era referência fundamental em vá­r ias das discussões, durante o 3 º‒ Congresso In­ter­na­cio­nal CBL do Livro Digital as atenções voltaram-se totalmente para sua versão eletrônica. Ao que parece, a apreen­são ini­cial e o temor dos possíveis impactos negativos trazidos pela nova plataforma deram lugar a preo­cu­pa­ções de ordem prática. As 450 pes­soas que participaram do congresso, rea­li­za­do nos dias 10 e 11 de maio em São Paulo, estavam interessadas em saber como aumentar suas Evento promovido vendas através do livro digipela Câmara tal e como produzir con­ Brasileira do Livro teú­d os específicos para os dispositivos eletrôevidenciou a inserção nicos. Que­r iam ouvir das empresas sobre a inserção desse de tecnologia no tipo de livro nas salas segmento editorial de aula, como fun­cio­na e a relevância uma bi­blio­te­ca digital das editoras e as novas plataformas de distribuição. A hora é como curadoras de arregaçar as mangas e de conteúdo de encarar o livro digital efequalidade. tivamente como um produto. Tânia Galluzzi Não foram só os temas das 16 palestras que demonstraram essa mudança de foco. Ela esteve refletida no próprio perfil do público que lotou o auditório da Fecomercio, a maior audiência das três edições. Diferentemente dos congressos an­te­r io­ res, quando a maioria dos presentes eram executivos das editoras, neste ano houve uma participação massiva de todos os profissionais envolvidos com a produção de livros, inclusive aqueles que só mexem com con­teú­ do digital, entre programadores, designers, editores, distribuidores, livreiros, desenvolvedores de aplicativos e profissionais do ramo de e-​­commerce, o que mostra que os projetos estão se tornando rea­li­da­de. O que não mudou foi a valorização do con­teú­do e, nesse sentido, também do papel do editor, como frisou Youngsuk Chi, presidente da In­ter­na­tio­nal Publisher As­so­cia­t ion (IPA) e do comitê de ge­ren­cia­men­to da editora El­se­v ier. Para ele, as editoras hoje são mais

Bill McCoy, diretor executivo do In­ter­na­tio­nal Digital Publishing Forum – IDPF

importantes do que nunca, uma vez que o con­teú­do de alta qualidade está perdido em meio às inúmeras possibilidades da internet. “Haverá uma guerra para ver quem fica com a curadoria desses con­teú­dos e as editoras de sucesso serão aquelas que conectarem o autor e o leitor, com agilidade e inovação em termos de formato”. E essa afirmação encerra outro grande desafio que permeou o congresso. O que continua importando é con­teú­do de qualidade; porém, como a internet vem permitindo o acesso gratuito a praticamente todos os con­teú­dos, o valor percebido desse con­teú­do está em declínio. O di­fe­ren­cial, aquilo que elevará esse valor, é a ex­pe­r iên­cia que o livro eletrônico pode pro­por­cio­ nar. Na opi­nião de Youngsuk Chi, as editoras precisam desenvolver ferramentas e aplicativos para aprimorar a ex­pe­r iên­cia de leitura, tornando o con­teú­do mais útil e passível de customização. “Não devemos nos di­vor­ ciar das palavras, pois isso seria a morte para nós, mas temos sim de agregar ex­pe­r iên­cias a elas”. Para que isso aconteça, a proximidade com empresas de tecnologia é condição primeira e estavam no congresso profissionais como Pedro Huer­ta, diretor de con­teú­do do Kindle para a América Latina, Bill McCoy, diretor executivo do In­ter­na­tio­nal Digital Publishing Forum (IDPF), e Eduar­do Melo, diretor da Simplíssimo, empresa que produz livros digitais para editoras.


Na opi­nião de Pedro Huer­ta os editores devem estar atentos a três aspectos para investir no digital: disponibilizar o con­teú­do completo dos autores, pensar nas vendas globalmente e desenvolver ações para promover o produto. Segundo informações do executivo, em 2011, 20% das vendas das grandes editoras nos Estados Unidos vie­ram do digital. “As principais oportunidades para os editores brasileiros no digital virão da dimensão continental do Brasil, uma vez que pelas li­v ra­r ias online é possível baixar qualquer livro, de qualquer lugar com acesso à web”. A bandeira dos soft­wares de código aberto (soft­wares livres) foi levantada por Bill McCoy, que enfatizou o dinamismo dos e-​­­books, que serão cada vez mais interativos e conectados. “Sou fã da Apple, da Amazon, quero ser clien­te deles porque eles têm os melhores autores. Mas espero que o futuro não se limite ao Kindle. Pergunte aos editores americanos como é ne­go­c iar com quem detém 70% do mercado”. Mantendo a discussão em torno de plataformas abertas, no caso o ePub (formato de arquivo digital padrão específico para livros digitais), Eduar­do Melo abordou uma questão cru­cial para que as editoras avancem no segmento eletrônico: a qualidade. “Ainda vemos leitores reclamando de erros elementares, como palavras cortadas e marcas de revisão. Como posso falar

Karine Pansa, presidente da Câmara Brasileira do Livro – CBL

Youngsuk Chi, presidente da In­ter­na­tio­nal Publisher As­so­cia­tion – IPA

de futuro, de interatividade, se eu não sei fazer o básico? Temos de tratar o livro eletrônico como tratamos o livro impresso. O consumidor quer qualidade”. O mercado digital

Os livros digitais tiveram um crescimento em vendas de 117% em 2011 nos Estados Unidos, segundo a As­ so­cia­ção dos Editores Americanos (AAP). No Brasil, não há dados atua­li­za­dos sobre a quantidade de títulos disponíveis e o volume co­mer­cia­li­za­do, mas alguns palestrantes do congresso afirmaram que em 2011 o número de títulos em versão eletrônica no País chegou a 11 mil. O segmento edu­ca­cio­nal deverá ser o grande propulsor do livro digital no Brasil, segundo a CBL . O Ministério da Educação definiu o uso de tablets na rede pública de ensino, começando pelos professores do Ensino Médio. A partir do segundo semestre, deve ter início a distribuição dos equipamentos para 598.402 docentes. Os primeiros da lista são os professores de escolas que já têm internet de alta velocidade (banda larga), que somam 58.700 unidades. A ideia é que o equipamento chegue a 62.230 escolas públicas urbanas. Para levar o plano adian­te, o MEC irá desembolsar de R$ 150 mi­l hões a R$ 180 mi­l hões para comprar até 600 mil tablets este ano. Em dezembro passado, o ministério abriu licitação para a aquisição de 900 mil aparelhos de fabricação na­cio­nal. maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

49


Papel Imune

Ace BR desenvolve solução para gestão do Recopi Automação do Recopi. Essa é a proposta da nova solução oferecida pela Ace BR, empresa especializada em sistemas integrados de gestão (ERP), com ênfase na área fiscal.

F

50

(Sistema de Reconhecimento e Controle de Operações com Papel Imune) e o soft­ware da Ace BR rea­li­za o en­ vio eletrônico das informações à autoridade fiscal, des­ de quantidades de pa­péis comprados, consumidos ou en­v ia­dos para outras unidades, até controle de re­sí­duos. O tempo médio de implantação do O.Recopi é de 160 horas e a gráfica paga um valor pela implantação do sistema e mais uma quantia mensal pela licença de uso, que gira em torno de R$ 2.000,00.

ormada em março deste ano, a partir da fu­ são entre a Ace BR e a Tima Consulting, ambas cria­d as no final de década de 1990, a Ace  BR desenvolveu o O.Recopi, que promete atender de for­ ma completa as exi­gên­ Ampliação do sistema cias da Secretaria da Fa­ Ewaldo Leme alerta para zenda no que se refere o fato de que em outu­ ao prévio reconhecimen­ bro deste ano o Recopi, to pelo Fisco da não inci­ por enquanto restrito a dência do imposto sobre São Paulo, passará a vi­ o papel destinado à im­ gorar em mais oito esta­ pressão de livros, jornais dos: Rio Grande do Sul, ou pe­r ió­d i­cos. Paraná, Santa Catarina, Como explica Ewaldo Goiás, Minas Gerais, Rio Leme, analista de siste­ de Janeiro, Bahia e Pará. ma, es­pe­cia­lis­ta em TI fis­ As  empresas terão três meses para se cadastrar cal e sócio pro­prie­tá­r io da junto à Sefaz e em janeiro empresa, o O.Recopi inte­ de 2013 terão de passar a gra-se ao sistema de ges­ usar o sistema. Em janeiro tão da gráfica, que pode de 2014 a obri­ga­to­r ie­d a­ ser da própria Ace  BR ou de valerá para todo o Bra­ de qualquer outro forne­ sil. “O governo está cada cedor. Sem a ferramenta, Ewaldo Leme, sócio pro­prie­tá­rio da ACE BR. vez mais digital. É um ca­ no momento da emissão minho sem volta e as em­ de cada nota, no recebi­ mento de materiais, retornos de papel e envio de esto­ presas que investirem na automação da gestão de suas ques, a gráfica ou editora tem de acessar o site da Secre­ obrigações fiscais eliminarão riscos e ganharão em pro­ taria da Fazenda para solicitar ou informar o registro dutividade”, afirma Ewaldo Leme. Contando com clien­ daquele documento. Um número de 20 dígitos é gera­ tes como a Prol Gráfica e a Editora Moderna, a Ace BR , do no caso do trânsito do papel imune, número este que instalada na capital paulista, conta atual­men­te com 22 tem de ser inserido na nota fiscal que a gráfica está emi­ fun­cio­ná­r ios. Com o desenvolvimento de novas ferra­ tindo. E estas são apenas algumas das operações envol­ mentas e a maior aproximação com o setor gráfico, a vidas no Recopi. “Soubemos de empresas que tiveram meta é triplicar a equipe até o final do ano. de contratar 18 pes­soas só para cuidar do Recopi”. A ferramenta da Ace BR fun­cio­na como que por trás & ACE BR do sistema de gestão da empresa. O operador passa a Tel. (11) 3019.1399 emitir e receber suas notas como fazia antes do Recopi www.acebr.com.br

REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012


ano XXII  Nº 85  junho/2012

Texto: Tânia Galluzzi

Stilgraf, 20 anos comprometida com a satisfação do cliente

A Stilgraf completa duas décadas como a preferida do mercado publicitário. Inovação e bom atendimento são os alicerces dessa conquista.


Fotos: Álvaro Motta

U

ma grande festa no dia 27 de junho marcou o aniversário de 20 anos da Stilgraf. A celebração foi planejada há meses, porém adquiriu um colorido ainda mais vibrante com a divulgação da enquete promovida pelo jornal Meio & Mensagem e divulgada no início de abril, que apontou a Stilgraf como a gráfica preferida entre pu­bli­ci­tá­rios de 70 agên­cias, incluindo as maiores do País. “Esse resultado vem sendo cons­truí­do com muito trabalho e é a soma de excelência em qualidade, preços justos, cumprimento de prazos e logística efi­cien­te, postos em prática por uma equipe competente e comprometida. Mas isso é o que toda gráfica tem de oferecer. Então, acredito que o nosso di­fe­ren­cial mesmo está no atendimento”, afirma Antonio Sérgio Franco, diretor-​­presidente. Entenda-se aqui atendimento de forma ampla. Desde o início de suas atividades focada no segmento pro­mo­cio­nal, a Stilgraf esforça-se para antecipar as necessidades dos cria­ti­vos. O mais recente fruto desse empenho é a ferramenta que permite a saí­da de arquivos em formato compatível com o iPad. “Posso fornecer ao clien­te o mesmo anúncio

Robison Borges, diretor comercial

que ele está veiculando na revista Veja, por exemplo, para a plataforma da Apple, incluindo elementos de interatividade como ví­deos”, explica Robison Borges, diretor co­m er­cial. Hoje, essa preparação é feita pelas pró­prias revistas no momento em que produzem o con­teú­do de suas edições para tablets e dispositivos móveis.

O diretor-presidente, Antonio Sérgio Franco (D), conta com o suporte dos filhos, Rafael e Ana Sílvia, ambos formados em Administração de Empresas

Diversificação Assumindo essa tarefa, a Stilgraf abre novas oportunidades para as agên­cias e os anun­cian­tes, além de atingir uma de suas metas, a diversificação. “Tivemos um primeiro semestre irregular. Muita gente tirou o pé do acelerador, em todos os setores. E para enfrentar essas va­ria­ções, que são constantes, temos procurado diversificar ao máximo nossa carteira de clien­tes”, comenta Antonio Sérgio. Com os pés no chão e esse


norte definido, a Stilgraf tem conseguido evitar um problema que afeta todas as in­dús­trias, as demissões em pe­ río­dos de baixa demanda. “A perda de profissionais é custosa para a empresa. Investimos muito na formação da mão de obra”, afirma Robison Borges, que entrou na Stilgraf em 2004. Outra característica da empresa é a atua­li­z a­ç ão tecnológica constante. Quan­do foi cria­da, em 1992, tudo era produzido em uma impressora Catu monocolor. Dois anos depois chegou a primeira máquina importada, uma bicolor meia folha, e desde então não se passou um ano sem a aplicação de recursos em novos equipamentos.


A novidade é a impressora digital colorida HP 7500, instalada em novembro último, na qual estão sendo produzidas tiragens de até 2.000 exemplares e peças com dados variáveis. O alvo dessa aquisição são os materiais híbridos, combinando impressão offset e digital. “Entendemos que uma tecnologia não substitui a outra; agrega valor. Estamos acompanhando a evolução do mercado”, diz Antonio Sérgio. O próximo passo deve ser uma HP formato meia folha, neste momento em fase de análise. Se a renovação dos equipamentos é contínua, a Stilgraf já atingiu o ponto de equilíbrio com relação ao seu porte, na opi­nião de Antonio Sérgio. Seu objetivo agora é manter o investimento em automação de processos, enquanto prepara a sucessão. Não, ele não está pensando em parar, mas vem delegando tarefas aos dois filhos. O mais novo, Ra­ fael, 30 anos, está na empresa há cinco anos, e Ana Sílvia, 32 anos, começou um ano depois do irmão. Ambos formados em Administração, Ra­fael vem passando por todos os departamentos da gráfica e Ana Sílvia já se fixou na área de custos. “O que eu quero é o meu clien­te satisfeitíssimo e o que vem antes disso é muito trabalho”, resume o empresário.

Stilgraf Artes Gráficas e Editora R. Willy Heinrich Borghoff, 368 Barra Funda São Paulo SP Tel. (11) 3611-9788 e-mail: marketing@stilgraf.com.br www.stilgraf.com.br Certificação: FSC – Forest Stewardship Council

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS PRÉ-​­IMPRESSÃO OO Estações de tratamento de imagens

OO Impessora 5 cores Heidelberg CD 102-5+L,

72 × 102 cm, verniz online

e montagem eletrônica Macintosh e PC OO Estações de recepção de pré-impressão Macintosh e Pc OO Provas digitais GMG OO Escâneres Screen Cezanne (plano) e Hell Chroma Graph S 3.400 (cilíndrico) OO Visor para análises de cromos e originais opacos Graphic Lite (GTI) OO Soft­ware Twist Pro 6 para geração de arquivos em PDF preflight de arquivos digitais, gerenciamento de fluxo de produção e aplicação de perfil para mídias externas OO Soft­ware Sofia com gerenciamento de arquivos em rede e servidores com capacidade de 8 teras bytes e backup em DVDs OO Soft­ware Stilnet: sistema de colaboração corporativa para o processo de comunicação e envio de arquivos dos colaboradores para a Stilgraf OO Soft­ware Alwan de gerenciamento de cores OO Processadoras Heidelberg OO Densitômetros / Espectofotômetros

OO Impressora 5 cores Heidelberg SM 52-5+LX,

TECNOLOGIA GRÁFICA

OO Dobradeira Stahlfolder ​­Heidelberg

OO Sistema de publicação digital para tablets

CTP OO Estações de imposição eletrônica Mac Pro Intel

Xeon e iMac Intel Core OO Estações de manipulação de PDF Litho Advanced OO Impressoras de prova de imposição DuPont

Largo 4406 e HP Design Jet T1200 OO Sistema Prinergy Connect 5 com software de imposição 6 Pro e conexão direta com as gravações de chapas trendsetter OO Trendsetters CreoScitex 3244 e Kodak 800-II para gravação de chapas OO Processadoras Heidelberg Thermal Processor 85 e Heidelberg Ovit Sirio TH 85

IMPRESSÃO OFFSET OO Impressora 8 cores Heidelberg SM 102 8P

completa, 72 × 102 cm OO Impressora 6 cores Heidelberg Speedmaster

CD 102-6+L, 72 × 102 cm, verniz online

37 × 52 cm, verniz online OO Impressora 5 cores Heidelberg CD 102,

72 × 104 cm, c/ verniz à base d’água e sistema de racleta para verniz perolizado, saída longa OO Impressora Offset 5 cores Heildelberg CX 102, 72 × 104 cm c/ verniz online

IMPRESSÃO DIGITAL OO Máquina HP Indigo Press, 317 × 464 mm

ACABAMENTO OO Máquinas corte e vinco automática, 100 × 80 cm OO Corte e vinco automático Varimatrix

Heidelberg, 75 × 105 cm OO Grampeadeiras Miruna OO Grampeadeira Heidelberg Stitchmaster ST 300 OO Máquina shrink automática Smipack OO Máquina de costura Áster 180 automática OO Máquina tri-​­lateral Wohlenberg OO Encadernadora para livros e brochuras

Heidelberg Eurobind 1200 PUR RFH 82 completa OO Dobradeiras de papel MBO K 72-A/4 KL

e T 500/44X OO Dobradeira Stahl T-78 com sistema

de alimentação RD OO Dobradeira de papel ­Stahl T-52 OO Guilhotinas Digimatic Guarani OO Guilhotina Polar Heidelberg OO Encadernadora para livros Kolbus KM 600 OO Kolbus DA-36 para empastamento automático

de capa dura OO Laminadora Laminatec 850 mm

DADOS VARIÁVEIS OO Impressoras para dados variáveis Xerox

Nuvera 288 OO Impressora jato de tinta Kodak Versamark OO Dobradeira de papel Stahl TD 78 Topline

+ impressora jato de tinta OO Impressora Kodak EX 300 – laser


Gráfica/PE

Francisco de Assis, diretor da Facform, com três troféus conquistados no Prêmio Sappi International

Plantando a semente

A ­FacForm promove visitas técnicas de estudantes de toda a região Nordeste, que têm a oportunidade de conhecer e se encantar com os recursos técnicos utilizados pela gráfica em seus impressos. Texto: Milena Prado Neves

56

C

omo na literatura de cordel, quando o bem triunfa ao final de um enredo de grandes batalhas, a vida de Francisco de Assis, da esposa Ailza e dos filhos Marcelo e Renato é feita de superação de de­sa­ fios diá­r ios, com muito trabalho e cria­ti­v i­da­de. Fundada há 18 anos, a F ­ acForm é a cara do Nor­ deste brasileiro, com trabalhos que estampam cores e gravuras de um povo alegre, valorizan­ do suas tradições culturais e não se deixando abater pelos de­s a­f ios. A paixão pelo traba­ lho desenvolvido pela empresa inspira jovens da re­g ião a projetarem seus sonhos no papel. Há sete anos, a ­FacForm recebe em seu par­ que gráfico visitas de estudantes de design, pu­ blicidade, mar­ke­ting, jornalismo e futuros pro­ fissionais de mídia, assim como de estudantes de administração de empresas, buscando en­ tender a fórmula de sucesso de uma empresa

Estudantes acompanhados de monitores aprendem, passo a passo, o processo de produção.

REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012

fa­m i­l iar. “Apresentamos recursos nunca vis­ tos por muitos deles, como hot stamping, ver­ niz localizado e vá­rias técnicas de acabamento”, explica Francisco de Assis. Em uma re­g ião carente de cursos em artes gráficas, a ação fun­cio­na como uma espécie de aula prática, por meio da qual professores ca­ dastrados levam turmas de cerca de 25 alu­ nos para a visita. Os estudantes são acompa­ nhados por monitores da gráfica, que explicam passo a passo o processo de produção. O pas­ seio é encerrado com a apresentação de um fil­ me que conta a história de sucesso da ­FacForm. “Em um espaço dedicado aos nossos trabalhos pre­m ia­dos no Brasil e no ex­te­r ior, eles assis­ tem a um filme com o qual é impossível não se emo­cio­nar: ao som de Sivuca, importante mes­ tre da sanfona nordestino, destacamos nossas principais conquistas, dentro e fora do País”.


Francisco demonstra toda a sua satisfação ao receber grupo de estudantes em visita à gráfica

Os estudantes vão embora levando na me­ mória o encantamento com tamanha cria­t i­ vi­d a­de e a infinidade de possibilidades que a indústria gráfica pode rea­l i­zar. Nas mãos, car­ regam alguns dos impressos produzidos pela ­FacForm. “Isto é fundamental para a indús­ tria gráfica, pois reforçamos para as novas ge­ rações que não existem só mí­d ias eletrônicas”, comenta Francisco. “Possibilitamos aos alunos alçar voos mais altos nas suas futuras cria­ções e mostramos que a ­FacForm está pronta para rea­l i­zar o que eles sonharem”.

Os prê­m ios são a certeza de que estamos no caminho certo”, comemora Francisco. A qualidade dos trabalhos é possível graças ao investimento constante em novas tec­no­lo­ gias. Mas, para Francisco, este não é o único motivo. “Temos o que há de mais moderno em equipamentos, mas, acima de tudo, estamos sempre capacitando todo o nosso pes­soal para acompanharmos juntos estas mudanças”, expli­ ca sa­bia­men­te o diretor, que, comandando uma equipe de 60 colaboradores, mantém os pés no presente e a cabeça no futuro.

& GRÁFICA F­ ACFORM Tel. (81) 3339.6566 www.facform.com.br

Criatividade reconhecida

A empresa, que começou atuan­do com o serviço de fotolitos, passou a desenvolver soluções grá­ ficas para agên­cias de publicidade e designers. Pouco a pouco, ganhou a con­f ian­ça de clien­tes e o reconhecimento de pre­mia­ções mundiais. Nos últimos dez anos, a ­FacForm recebeu 185 tro­féus nacionais e internacionais. “Temos em nossa prateleira 51 ‘Fernando Pini’, 11 es­ ta­tue­tas de Gráfica de Ouro do prêmio latino-​ ­americano Theo­bal­do De Nigris, seis vi­tó­r ias no Pre­mier Print Awards (Benny) — concurso organizado pela Printing In­dus­tries of Ameri­ ca; também já conquistamos quatro vezes a se­ ção sul-​­americana do Sappi Trading Printers of the Year Award e somos a única gráfica da Amé­ rica do Sul a ganhar três Sappi In­ter­na­tio­nal.

57 maio /junho 2012 REVISTA ABIGRAF


Congresso reforça a importância da liberdade de expressão

Com a participação de 1.350 pessoas, o V Congresso da Abap contou com a presença do arcebispo Desmond Tutu, Prêmio Nobel da Paz de 1984.

M

58

anutenção da liberdade de expressão e a rea­l i­d a­de dos profissionais e do mercado em um am­bien­te tecnológico marcado pe­ los novos formatos de comunicação. Estes foram os pontos de convergência nos de­ bates travados de 28 a 30 de maio duran­ te o V Congresso Brasileiro da Indústria da Comunicação, que teve a participação de cerca de 1.350 pes­soas, representando 24 estados da ­união mais o Distrito Fede­ ral. O evento foi organizado pela As­so­cia­ ção Brasileira de Agên­cias de Publicidade (Abap), presidida por Luiz Lara, com apoio e coor­de­na­ção de con­teú­do do Fórum Per­ manente da Indústria da Comunicação (ForCom), presidido por Dalton Pastore. O congresso foi aberto com a pales­ tra “Liberdade de expressão e democracia”, apresentada pelo arcebispo sul-​­a fricano Desmond Tutu, Prêmio Nobel da Paz por sua luta contra o apartheid na África do Sul. Durante os três dias, treze comissões do ForCom — integrado por 38 entidades do setor, entre elas a Abigraf Na­cio­nal — de­ bateram as teses centrais da indústria bra­ sileira da comunicação. Na manhã do dia REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

30, estas teses foram revisadas e aprova­ das em reunião plenária, juntamente com a carta do evento. Entre as principais dire­ trizes apontadas pelos grupos de trabalho, a valorização dos profissionais e a inserção do setor no contexto in­ter­na­cio­nal foram os motes defendidos por duas das comis­ sões: “O Futuro da profissão” e “As empre­ sas de comunicação brasileiras, o mercado global e a marca Brasil”. Uma das definições da comissão “Co­ municação, crescimento econômico e de­ senvolvimento humano” foi a de tratar o con­teú­do da publicidade como parte da co­ municação so­cial protegida pela Constitui­ ção da República e compromissada com va­ lores históricos e culturais do País. ­Criar mecanismos com o objetivo de garantir e proteger, no âmbito da comunicação per­ sonalizada, a dignidade e os direitos fun­ damentais da pessoa foi um dos pontos definidos pela comissão “Comunicação one-to-​­one: personalização versus privaci­ dade” · A comissão “As novas tec­no­lo­g ias e as novas fronteiras da mídia” deu prio­r i­ da­de ao estabelecimento de mecanismos, nos âmbitos pro­f is­sio­nal, tecnológico e de mercado, que garantam pleno acesso ao uso e be­ne­f í­cios que oferece este novo ce­ nário de mídia. A comissão “Sustentabili­ dade e comunicação” se propôs a formar um grupo de trabalho para estimular e disseminar boas práticas de comunicação com foco em sustentabilidade.

Uma das medidas anun­cia­das pela co­ missão “Cria­t i­v i­d a­de e sucesso” é propor às faculdades de comunicação que a cria­ti­ vi­da­de seja incorporada ao currículo como disciplina da grade curricular. Já a comis­ são “O consumidor com a palavra”, defen­ deu a necessidade de passar a utilizar me­ to­do­lo­g ias e métricas de pesquisa em todo o ciclo de gestão de marcas e produtos, de­ cisão similar ao conjunto de medidas fir­ mado pela comissão “Novos caminhos para ­criar e fortalecer marcas”. O respeito aos di­ reitos constitucionais do cria­dor in­te­lec­ tual com a garantia ao direito de titulari­ dade exclusiva de suas obras foi uma das principais decisões firmadas pela comissão “Pro­prie­da­de in­te­lec­tual, legislação e ética”. A comissão “Re­gio­na­li­za­ção” propôs es­ timular a participação de agên­cias regionais nas contas pu­bli­ci­tá­rias das grandes empre­ sas e órgãos públicos com atua­ção na­cio­nal. Para a comissão “Grandes eventos: de­sa­fios e oportunidades”, uma das medidas ime­dia­ tas é a cria­ção de um ma­nual do mar­ke­ting pro­mo­cio­nal para empresas do setor. Final­ mente, a comissão “Liberdade de expressão e democracia”, defendeu a preservação dos direitos fundamentais de cria­ção, expres­ são e informação aos comunicadores e os de receber informação, livre de qualquer forma de censura, pelos cidadãos. As ínte­ gras das decisões estão no site do Conselho Executivo de Normas-​­Padrão (Cenp): www. cenp.com.br/teses_comissao.php.


A FCEM lança no Nordeste a SignsNordeste – Feira de Equipamentos e Serviços para a Indústria de Impressão, Sinalização e Serigrafia, que pretende reunir os profissionais e empresas das mais diversas áreas da Comunicação Visual, num dos mercados que mais cresce no país.

SEGMENTOS: • Plotter de Recorte; • Plotter de Impressão Digital; • Máquinas de Solda Eletrônica; • Fabricantes de Lona; • Fabricantes de Adesivos; • Importadores de Substratos e Tintas para Impressão Digital; • Fabricantes de Máquinas de Serigrafia para Comunicação Visual; • Quadros e Rolos;

• Tintas; • Substratos; • Fabricantes de Ponteiros e Bastões; • Complementos Pré-Impressão; • Fabricantes de Equipamentos de Formulário Contínuo; • Produção Gráfica; • Arte Final; • Processos Químicos e Fotográficos;

• Colas; • Rotogravuras; • Flexografia; • Sinalização; • Etiquetas e Brindes; • Celulose, Papel e Papelão; • Embalagens; • Publicações Técnicas; • Prestadores de Serviço.

I SEMINÁRIO NORDESTE DA INDÚSTRIA GRÁFICA

Seminário realizado pelo Sindgráfica, trazendo informação e conhecimento para o setor.

INFORMAÇÕES:

www.signsnordeste.com.br www.fcem.com.br FCEM SÃO PAULO: (11) 5589.2880 • saopaulo@fcem.com.br FCEM PORTO ALEGRE: (51) 3338.0800 • fcem@fcem.com.br FCEM FORTALEZA: (85) 3181-6002 • fortaleza@fcem.com.br

Apoio:

Empresa Associada:

Promoção:


Gráfica/SP

Sob as bênçãos de Santo Agostinho Fundada há mais de 50 anos, a Gráfica e Editora Adonis tornou-se uma das mais respeitadas empresas da região de Americana, interior de São Paulo.

60

C

onsiderado o padroeiro dos gráficos e editores, Santo Agostinho viveu entre os anos 354 e 430 e foi um dos grandes pensadores e teó­lo­gos do sé­ culo V, um dos mais in­f luen­tes da Idade Média. Já no século XX , outro Agostinho, o Comelato, foi o responsável pela rea­li­za­ção de um sonho de família e deu início à hoje denominada Grá­ Texto: Milena Prado Neves fica e Editora Adonis, na cidade de America­ na, in­te­r ior de São Paulo. Comelato, um apai­ xonado por tipografia, concretizou seu desejo de ter uma gráfica própria graças à so­cie­da­de estabelecida com um pri­ mo, em 1961, fundando a Gior­da­no & Comelato. No começo, havia ape­ nas uma impressora ma­nual, cinco cavaletes de tipos, uma picotadeira e uma grampeadeira, além de me­ sas para intercalação de notas fis­ cais. E o primeiro grande trabalho foi a produção de cinco milheiros de cartelas para mos­truá­r io de fitas de cetim. Após dez anos, a parceria desfeita levou Agostinho a assumir sozinho a empresa, que passou a ser chamada pelos clien­tes de Adonis, o nome de seu filho mais velho. O início do século X XI trouxe mudanças para a tra­d i­c io­n al grá­ fica, que se tornou também uma editora de livros infantojuvenis e Aquiles Berggren Comelato, diretor administrativo REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012

Magali Berggren Comelato, diretora editorial

adotou ofi­c ial­men­t e o seu nome ­atual. Em 2002 a empresa foi transferida para um imó­ vel planejado, em um dos distritos industriais de Americana, visando atender a demanda cres­ cente. Com o mesmo objetivo, também passou a capacitar vendedores para ter representação de norte a sul do País. Após o falecimento de seu fundador, Agos­ tinho Comelato, em 2005, seus filhos Ma­ gali, Aquiles e Márcia passaram a cuidar dos


Márcia Berggren Comelato, diretora financeira

negócios da família. “Oferecemos qualidade em impressão por meio de maquinário de úl­ tima geração”, comenta a gerente edi­to­r ial Ma­ gali, destacando o que considera ser o grande di­fe­ren­cial da empresa. Hoje, os 3.176 metros quadrados de área cons­truí­da abrigam o parque gráfico e es­cri­tó­ rios, onde trabalham 52 fun­cio­ná­r ios na pro­ dução de livros infantojuvenis, rótulos e emba­ lagens em papel-​­cartão. Em 50 anos, a Adonis tornou-se uma grande indústria gráfica, alian­ do tradição aos progressos tecnológicos do setor e, entre os investimentos recentes, destacam-se uma máquina de corte e vinco automática Bobst e uma impressora KBA de cinco cores. Embalagem é o carro-​­chefe

Com consumo mensal entre 80 e 100 tonela­ das de papel, a Adonis dedica cerca de 65% da produção aos serviços de impressão de embala­ gens. O restante divide-se entre rótulos, catá­ logos, livros, folhetos e outros serviços. A edi­ tora conta com cerca de 100 títulos publicados e rea­l i­za, em média, um lançamento por mês. “Os livros são impressos com pa­péis am­bien­ tal­men­te corretos”, ressalta Magali. Compro­ metida com os padrões atuais de excelência,

a Adonis possui certificação ISO 9001 e, des­ de o início dessa década, passou a investir em produção sustentável. “Não é mais possí­ vel pensar em desenvolvimento sem pensar em sustentabilidade”. No âmbito so­cial, a empresa entregou em 2011 um total de 107 mil livros a estudantes de escolas públicas. “Através do projeto ‘Como nas­ ce um livro?’, recebemos crian­ças que têm con­ tato com todas as etapas de produção de uma publicação. Além de ganharem um exemplar, elas são instigadas a escreverem suas pró­prias his­tó­r ias”, ressalta a gerente edi­to­r ial. Para celebrar os 50 anos da empresa e o legado de Agostinho Comelato, em dezem­ bro do ano passado foi lançada a bio­g ra­f ia Impressões de uma Vida Inteira – do Sonho ao Sucesso (Me­mó­r ias de Agostinho Comelato). “O livro, que traz também a história de Santo Agosti­ nho, tido como o padroeiro dos impressores, pode ser baixado gratuitamente no site www. gostinhodeleitura.com.br”, observa Magali. E, sob estas bençãos, neste ano a gráfica espe­ ra continuar mantendo a solidez já alcançada e conquistar novos segmentos no mercado.

& GRÁFICA E EDITORA ADONIS Tel. (19) 3471-​­5600 www.graficaadonis.com.br www.editoraadonis.com.br

61 maio /junho 2012 REVISTA ABIGRAF


Acabamento

Tecnologia Renz para o Brasil

C

62

Com 100 anos de história, a alemã Renz oferece aos clientes do País, há 10 anos, máquinas de acabamento e insumos de qualidade reconhecida mundialmente.

ontando com mais de 100 anos de ex­p e­r iên­c ia no desenvolvimento de sistemas de encadernação e plastificação, a Renz desembarcou no Brasil em 2002, abrindo sua primeira fi­l ial no País, em Pinhais (PR). Reconhecida por seus produtos de qualidade e alta tecnologia, a empresa ocupa posição de liderança no mercado mun­d ial do setor. Sediada na Alemanha, também possui fi­liais no Canadá, Estados Unidos, França, Grã-​ ­Bretanha, República Tcheca, Argentina, Austrália, Turquia e Itália. Com produtos segmentados nas linhas escritório, semi-​­pro­fis­sio­nal e pro­fis­sio­nal, a Renz fabrica, além de insumos e aces­só­ rios para acabamento, sistemas de perfuração, máquinas de plastificação e de inserção de espirais e fragmentadoras — disponíveis em diferentes versões, desde equipamentos elétricos de mesa até os totalmente automatizados de alto rendimento. Nos itens para encadernação, que também atendem a produção ma­nual e automatizada, o portfólio inclui arames duplo anel (wire-o), garras plásticas e espirais para dar acabamento a livros, ca­len­dá­r ios, agendas, re­la­tó­r ios corporativos e financeiros, manuais de operações, folhetos e outros, em diferentes tamanhos e espessuras. Nos sistemas de plastificação, a Renz oferece máquinas portáteis até as di­re­cio­ na­das a grandes formatos. “Nossa meta é con­ti­nuar buscando atender nossos clien­ tes com o que há de melhor em materiais e equipamentos para encadernação e plastificação, primando sempre pela excelência no atendimento e pela rápida assistência técnica em todo o território na­cio­nal”, informa o gerente geral da Renz do Brasil, Mário Roberto Hinrichsen. REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Estande da Renz na Drupa 2012

O principal projeto da Renz para o segundo semestre é concentrar ações na venda de máquinas. “Repercutindo o momento econômico ­atual, as expectativas se voltam para um crescimento modesto na área de insumos e de expansão representativa na área de máquinas, em virtude da falta de mão de obra es­pe­cia­li­za­da neste segmento”, afirma o gerente geral. Atuação mundial

Mário Roberto Hinrichsen, gerente geral

Soluções sob medida

Atendendo clien­tes na indústria gráfica e também no segmento corporativo, a Renz disponibiliza diferentes soluções, de acordo com o perfil de seus clien­tes. O prazo médio de entrega de seus produtos, importados diretamente da Alemanha, é de cerca de 90 dias para as máquinas. Já insumos, como filamentos para fabricação de espirais e arames duplo anel, estão disponíveis para entrega ime­d ia­t a. “A Renz investe constantemente no desenvolvimento de novos produtos, através do setor de engenharia, que conta com profissionais altamente qualificados”, informa Mário Hinrichsen, acrescentando que, no Brasil, a empresa oferece assistência técnica nas principais capitais e mantém compromisso de atendimento em até 24 horas em todo o território na­cio­nal.

A Renz começou como uma empresa de pequeno porte, fundada em 1908, na cidade de Stuttgart, pelo alemão Ch­r is­tian Renz. Funileiro cria­t i­vo, ele desenvolveu engenhosos inventos, como, por exemplo, um barco em linha cujo remador é capaz de sentar-se na direção do movimento, e um dos primeiros guindastes para construção. Os ne­gó­c ios de Ch­r is­t ian cresceram gra­dual­men­te até a década de 1960, quando foi fundada a primeira sub­si­d iá­r ia, nos Estados Unidos. Porém, a expansão mun­d ial ganhou grande impulso a partir de 1989, com a instalação da fi­l ial canadense, seguindo então para outros paí­ses e continentes, como a América do Sul. O Grupo Renz distribui seus produtos mun­d ial­men­te por meio de um sistema que combina vendas diretas e par­ce­r ias, alcançando com isso, representação em mais de 80 paí­ses. & RENZ Tel. (41) 3033-​­9500  www.renz.com.br


Gráfica/SP

Desenvolvimento com responsabilidade A Gráfica Brogotá, de Taboão da Serra (SP), se destaca pela produção de embalagens e bulas para o mercado farmacêutico, sem abrir mão da sustentabilidade. Texto: Milena Prado Neves

A

história da Gráfica Brogotá começou em 1958, em um pequeno espaço da Rua Oscar Freire — hoje referência em artigos de luxo na cidade de São Paulo. Francisco Casquel Rufino iniciou a empresa como tipografia, rea­l i­zan­do serviços de for­mu­lá­r ios, impressos comerciais, bulas e cartuchos. Mais de 50 anos depois, a gráfica está consolidada como uma das principais fornecedoras de embalagens em papel-​­cartão,

bulas e cartuchos para a indústria far­ma­cêu­ti­ ca e de cosméticos, atendendo, com cuidado e dedicação, às exi­gên­cias deste mercado. Passados quase dez anos, em 1967, a demanda havia aumentado e a empresa realizou a primeira mudança, instalando-se no bairro de Pinheiros. O novo espaço logo se mostrou pequeno para as necessidades e, novamente, a Brogotá se mudou, desta vez para o Morumbi, local onde permaneceu por 21 anos. Deixando os limites da capital, como muitas outras gráficas, hoje a empresa encontra-se localizada em Ta­boão da Serra, município da Re­ gião Metropolitana de São Paulo, em uma área total de 17 mil metros quadrados, com o parque totalmente planejado para abrigar os equipamentos de tecnologia de última geração. “Estamos próximos do Ro­doa­nel, importante ligação com São Paulo, e de outras estradas que levam a todo o Brasil”, acrescenta ­R aphael Casquel, gerente de mar­ke­ting da Brogotá. Tecnologia e sustentabilidade

64

(E/D) Francisco Casquel Rufino recebe de Ricardo Hiraishi, troféu da Premiação Sindusfarma de Qualidade, em 2012

REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012

Os investimentos em tecnologia são constantes na empresa. “Recentemente, compramos mais um equipamento de corte e vinco Bobst e uma dobradeira. Atua­li­za­mos a pré-​­impressão, instalamos um novo setor que conta com o mais moderno sistema de desenvolvimento de embalagens, uma plotter e soft­ware es­pe­cia­li­za­do.


Também renovamos e aumentamos nossa frota de veí­cu­los, melhorando, assim, toda nossa estrutura de logística”, enumera ­R aphael. Paralelamente aos investimentos está o comprometimento dos cerca de 150 fun­cio­ná­ rios que, segundo o gerente de mar­ke­ting, “gostam do que fazem e por isso seguem sempre o compromisso de fazer bem feito”. Com foco no desenvolvimento da empresa, mantendo padrões de qualidade e respeito ao meio am­bien­te, a Brogotá preza pela produção sustentável. “Praticamos algumas medidas para amenizar o impacto am­bien­tal: nossas aparas são totalmente separadas e destinadas a reciclagem, para serem transformadas novamente em matéria-​­prima. Cobramos de nossos fornecedores condutas que minimizem os impactos ambientais”, afirma o gerente. A empresa também utiliza matéria-​­prima pro­ve­nien­te de manejo certificado pelo FSC (Forest Stewardship Council, ou Conselho de Manejo Florestal) e obedece

a norma da G.M.P (Good Manufacturing Practice, ou Boas Normas de Fabricação). A Brogotá implementa, ainda, a coleta seletiva dos re­sí­duos produzidos em toda a gráfica, com o objetivo de aproveitar ra­cio­nal­men­te os materiais descartados, “Contamos com um laboratório equipado com instrumentos de precisão e tintas e vernizes atóxicos, com baixo teor de metais pesados. Os efluen­tes gerados são armazenados em local apro­pria­do e encaminhados para tratamento por empresas es­ pe­cia­l i­za­das neste processo”, explica ­R aphael. O resultado desta soma de esforços se mostra nos prê­mios conquistados. Desde 2000, a empresa é se­le­cio­na­da como uma das três melhores in­dús­trias gráficas no Prêmio Sindusfarma de Qua­li­da­de, que homenageia os principais fornecedores da indústria far­ma­cêu­ti­ca. & GRÁFICA BROGOTÁ Tel. (11) 4685.7011 www.brogota.com.br

65 maio /junho 2012 REVISTA ABIGRAF


VEM AÍ MAIS UMA EDIÇÃO DO GRANDE DIRETÓRIO DO SETOR 16º Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica


BRAINSTORM

Á J E V R E S RE R A L P M E X O SEU E O único e exclusivo banco de dados do setor. Tudo que você precisa saber sobre 2.218 gráficas e mais de 548 fornecedores de todo o Brasil. TENHA-O SEMPRE À MÃO Informações indispensáveis e atualizadas para planejamento, levantamento de mercado, seleção de gráficas e fornecedores e consultas nos 365 dias do ano

APENAS

150,

R$

00

(11) 3159.3010 editoracg@gmail.com

Distribuição julho/2012


ECONOMIA Texto: Ada Caperuto Fonte: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Depecon)

A ameaça da desindustrialização Processo que ocorre mundialmente, resulta de fatores distintos, específicos de cada país. No Brasil, alguns dos principais motivos são a alta carga tributária, as taxas de câmbio e de juros, a falta de investimentos em P&D e a inadequada infraestrutura logística de escoamento da produção.

O

68

Brasil, assim como os Es­ tados Unidos e alguns paí­ ses da Europa, está inserido em um cenário de retração da produção in­dus­trial, em detrimento da expansão do setor de ser­ viços. O estudo “O processo de de­sin­dus­ tria­l i­za­ção”, elaborado pelo Departamen­ to de Pesquisas e Estudos Econômicos da Federação das In­dús­trias do Estado de São Paulo (­Fiesp/Depecon), em junho de 2011, analisa o processo com foco na indústria de transformação, ressaltando os reflexos de declínio persistente na participação da produção no Produto Interno Bruto (PIB) e na geração de empregos formais. O relató­ rio mostra que a indústria de transforma­ ção brasileira vem diminuindo esta parti­ cipação no PIB na­cio­nal, fazendo com que os índices do setor retornem aos níveis iniciais dos chamados “Anos JK ”. Observando o gráfico ao lado, é possí­ vel notar que, no final da década de 1940, a participação da indústria de transforma­ ção no PIB era de 11,27%. Em 1956, quando Juscelino Kubitschek assumiu a presidên­ cia da República, seu programa de governo prometia condensar 50 anos de crescimen­ to em apenas 5, desdobrando-se em 30 me­ tas, agrupadas em cinco setores: energia, transportes, alimentos, indústria de base e educação. Tal política deu novo impulso à indústria, fazendo com que a participação do setor de transformação entrasse em rit­ mo crescente de expansão, partindo, naque­ le ano, de 13,75% de total do PIB na­cio­nal. Os incentivos à indústria tiveram con­ tinuidade durante o pe­r ío­do de regime mi­ litar, ini­c ia­do em 1964. O momento his­ tórico que vai de 1967 a 1973 é conhecido como o pe­r ío­do do “Milagre Econômico”. REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Ainda em 1964, a participação da indús­ tria de transformação no PIB na­cio­nal foi de 18,34%, chegando a 24,90% em 1979, quan­ do também teve início o processo de tran­ sição do governo federal, que retornaria à gestão de presidentes civis. O auge foi regis­ trado em 1985, com 27,20% de participação. Em 1990, com a instituição do Plano Verão, implantado pelo ex-​­presidente Fernando Collor de Mello, e a abertura às importações, a indústria de transformação entrou em rit­ mo de queda, saindo A Indústria de Transformação de 21,19% de parti­ diminuiu sua participação no PIB nacional… cipação para 18,62% Crise na Indústria do total do PIB na­ Participação do setor na economia brasileira cai e volta ao nível dos anos JK c io­n a l em 19 95, Participação da indústria de Abertura um ano depois da econômica transformação no PIB, em % instituição do Pla­ 24,90 Golpe militar no Real. Em 2011, Plano Real esse per­cen­t ual era 21,19 JK, com lema de 14,60%. Ao lado 18,34 18,62 50 anos em 5 18,02 disso, o setor de ser­ viços expandiu for­ 13,75 temente sua partici­ 14,60 11,27 pação no PIB, saindo de 58,30%, no final 1947 1956 1961 1964 1979 1985 1990 1995 2003 2011 dos anos 1940, para Sarney JK Ditadura Militar Sarney Collor FHC Lula Dilma chegar a 2011 com o Jânio Quadros (jan–ago.61) João Goulart (set.61–mar.64) índice de 67%. Vale Fonte: IBGE. Metodologia: Bonelli & Pessoa, 2010. Elaboração: Fiesp/Depecon destacar que, além

As decisões governamentais para a pauta de economia queriam fazer valer o slogan de “Ninguém segura este país”. O que se viu foi um aumento no consumo de eletrônicos, de eletrodomésticos e de automóveis. Em 1976, o PIB crescera a uma taxa ­anual de 11,30% e o produto in­dus­trial a 12,70% — as maiores do mundo. O País contava não apenas com uma completa indústria de bens de consu­ mo, mas também com um forte segmen­ to de bens de capital e de insumos básicos.

…enquanto o setor de serviços expandiu fortemente sua participação no PIB Brasil – Valor adicionado dos setores – participação no PIB (%) 100% 90%

67,0%

58,3%

80% 70%

Serviços

60% 50% Agropecuária

40% 30%

20,7%

Indústria

5,5% 12,9%

20% 9,7% 10% 11,3%

Indústria de Transformação 14,6%

0% 1947 1951 1955 1959 1963 1967 1971 1975 1979 1983 1987 1991 1995 1999 2003 2007 2011

Fonte: IBGE. Elaboração: Fiesp/Depecon


A partir de maio de 2006, as vendas do comércio cresceram 71,1% e a produção industrial 8,6%

210

208,5

Comércio Varejista e Produção Indústria de Transformação Séries dessazonalizadas (janeiro de 2003 = 100)

190

— Comércio  — Produção 170

Abigraf apoia “Grito de Alerta”

150 125,9

130

110

abr/12

out/11

abr/11

out/10

abr/10

out/09

abr/09

out/08

abr/08

out/07

abr/07

out/06

abr/06

out/05

abr/05

out/04

abr/04

out/03

abr/03

90

Fonte: PMC e PIM-PF, IBGE. Elaboração: Fiesp/Depecon

O descompasso produtivo: reversão da trajetória de recuperação da produção a partir do 2º trimestre de 2010 Índice de Produção Física da Indústria de Tranformação – Quantum (Janeiro de 2008 = 100) 105 102,7

103,7

100

98,8 Em abril de 2012, a produção era 1,2% menor que o nível de janeiro de 2008

95

90

85

Entre o máximo da recuperação da crise (março de 2010) até abril de 2012 a produção diminuiu 3,6%

abr/12

jan/12

out/11

jul/11

jan/11

abr/11

out/10

jul/10

abr/10

jan/10

out/09

jul/09

abr/09

jan/09

out/08

jul/08

abr/08

jan/08

out/07

jul/07

abr/07

jan/07

80

Fonte: PMC e PIM-PF, IBGE. Elaboração: Fiesp/Depecon

do segmento de transformação, a indústria como um todo registrou, também no ano passado, o índice de 12,90% de participação e o setor de agro­pe­cuá­r ia 5,50%. Com a queda de participação no PIB, também o índice de empregos na indús­ tria de transformação foi afetado. Os da­ dos de 1985 mostram que o setor respondia por 25,40% das vagas formais de traba­ lho. Em 2011, com a retração, a taxa foi de 17,70% — ou seja, no pe­r ío­do de pouco me­ nos de 30 anos, o setor registrou uma dimi­ nuição de 30,60% na geração de empregos. O perigo se tornando realidade

De acordo com o estudo da Fiesp/Depecon, a partir de maio de 2006, as vendas do co­ mércio cresceram 71,10% e a produção in­ dus­t rial apenas 8,60%. O descompasso produtivo pode ser observado na reversão da trajetória de recuperação da produção

a partir do 2 º‒ trimestre de 2010. O forte crescimento das importações, na medida em que ocupam o espaço dos bens indus­ triais produzidos internamente, está por trás deste cenário. No ­atual desequilíbrio entre a produ­ ção in­dus­trial e a demanda doméstica, cha­ mam a atenção os baixos índices de ativi­ dade in­dus­trial nos últimos meses em um contexto de demanda aquecida. Apesar do forte crescimento da demanda interna, re­ fletido nos indicadores de comércio vare­ jista, massa sa­la­r ial real e crédito, a produ­ ção in­dus­trial vem apresentando um fraco desempenho. O estudo da ­Fiesp também re­la­cio­na os principais obstáculos à indús­ tria de transformação, e avisa: caso esses entraves não sejam removidos, o processo de de­sin­dus­tria­li­za­ção pode se aprofundar. Entre esses fatores, está a taxa de câmbio, que, nos últimos anos, vem apresentando

A Federação das In­dús­trias do Estado

de São Paulo (­Fiesp) e o Centro das In­ dús­trias do Estado de São Paulo (­Ciesp) organizaram o manifesto Grito de Alerta — em defesa da produção e do emprego. A pas­sea­ta, que contou com a adesão de mais de 90 mil pes­soas, entre industriais, líderes sindicais e estudantes, aconteceu no dia 4 de abril, com início em frente ao edifício-​­sede da ­Fiesp e chegada na Assembleia Legislativa de São Paulo. A manifestação teve como objetivo alertar sobre o processo de de­sin­dus­tria­li­za­ção em curso no País. O encontro foi motiva­ do pelo fraco desempenho da indústria brasileira e a redução de sua participa­ ção no PIB — como mostra o estudo da ­Fiesp apresentado nesta reportagem  —, e o manifesto contou com a adesão de diversas cidades brasileiras. “Produzir no Brasil é mais caro do que na Europa, Estados Unidos e nos nossos paí­ses vizinhos. Isso é ruim para o emprego e para o País, por isso estamos promoven­ do o Grito de Alerta. Vamos cuidar da nossa competitividade e do nosso emprego, do bom emprego que é a indústria de transfor­ mação”, disse o presidente da ­Fiesp, Paulo Skaf, quando do lançamento da ini­cia­ti­va. O presidente do Sindigraf-SP e da Abi­ graf Na­cio­nal, Fabio Arruda Mortara, par­ ticipou do ato e endossou a ação. Para o dirigente e empresário gráfico, o momento deve ser de ­união entre o setor produtivo e trabalhadores. “A Abigraf Na­cio­nal e o Sin­ digraf-SP se sentem extremamente pri­vi­le­ gia­dos de fazer parte deste movimento em prol de medidas que tornem a produção mais barata, garantindo trabalho e emprego para a população brasileira”, disse Mortara. Outras informações sobre o ato estão disponíveis no site www.fiesp.com.br/ gritodealerta.

forte valorização. Entre a média do pe­r ío­do abril/03-​­março/04 e abril de 2012, a taxa de câmbio apresentou valorização de 35,20%. No Brasil, o custo do capital de giro é elevado devido aos juros e ao ­spread. E este é outro entrave apresentado no estudo do Depecon/­Fiesp, ao mostrar que, para o ní­ vel de renda per capita do Brasil, os juros de­ ve­r iam ser de 10,50% a/a. Também a car­ ga tributária não seria condizente com o desenvolvimento do País. Para a ­Fiesp, o maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

69


Nos últimos anos a taxa de câmbio vem apresentando forte valorização. Entre a média do período abril/03-março/04 e abr/12 a taxa de câmbio apresentou valorização de 35,2% Cotação Dólar Comercial (R$/US$) 4,0 Média abr/03 – mar/04: R$ 2,92

3,5 3,0

Conceito de Desindustrialização

2,5

Abril 2012 R$ 1,89

2,0 1,5 1,0

out/94 abr/95 out/95 abr/96 out/96 abr/97 out/97 abr/98 out/98 abr/99 out/99 abr/00 out/00 abr/01 out/01 abr/02 out/02 abr/03 out/03 abr/04 out/04 abr/05 out/05 abr/06 out/06 abr/07 out/07 abr/08 out/08 abr/09 out/09 abr/10 out/10 abr/11 out/11 abr/12

0,5

Fonte: Bacen. Elaboração: Fiesp/Depecon

70

percentual correspondente ao nosso nível de IDH (Índice de Desenvolvimento Hu­ mano) deveria ser de 21% do PIB. Porém, o patamar tributário ­atual do Brasil corres­ ponde a um IDH semelhante a paí­ses em nível mais avançado de desenvolvimen­ to in­dus­trial, como Reino Unido, Canadá, Espanha e Irlanda. Também é apontada no estudo uma face da ausência de isonomia tributária no Brasil, com a falta de incentivos fiscais à exportação. Porém, de acordo com a ­Fiesp, o aspecto mais crítico da “Guer­ra Fiscal” ocorre quando o benefício de ICMS é dado para o produto importado: portos que con­ cedem tais be­ne­f í­c ios geram competição des­leal e ferem a isonomia competitiva. Outro fator que prejudica a indústria brasileira é que, em comparação com ou­ tros paí­ses, as empresas nacionais apre­ sentam fraco desempenho nos dis­pên­d ios em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) como proporção do PIB. Em 2010, o per­ cen­tual do PIB na­cio­nal investido em P&D foi de 0,55%, de acordo com dados do Mi­ nistério da Ciên­cia e Tecnologia (MCT), en­ quanto a Coreia, no mesmo ano, investiu 2,68%. Outros paí­ses também investem pesado em inovação. Em 2009, o Japão de­ dicou 2,53% de seu PIB a este fim; a Ale­ manha, 1,87%; os Estados Unidos, 1,78%; e a China 1,22%. REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Em comparação com outros países, as empresas brasileiras apresentam fraco desempenho nos dispêndios em P&D como proporção do PIB

Países Japão

Último ano disponível

(em percentual do PIB)

Anos

Empresas

2009

2,53

Coréia

2010

2,68

Estados Unidos

2009

1,78

Alemanha

2009

1,87

Cingapura

2009

1,23

China

2009

1,22

França

2010

1,15

Canadá

2010

0,84

Reino Unido

2010

0,80

Brasil

2010

0,55

Rússia

2010

0,30

Média

1,36

Fonte: Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)

Por último, mas não menos importan­ te, a qualidade da in­f raes­tru­t u­ra por­t uá­ ria no Brasil é pior do que em muitos paí­ses que concorrem no mercado in­ter­na­cio­nal. Dentro de um índice do Banco Mun­dial que considera a qualidade da in­f raes­t ru­t u­r a por­tuá­r ia em 2011 entre subdesenvolvida (nota 1) e desenvolvida e efi­cien­te de acor­ do com padrões internacionais (nota 7), o Brasil atingiu nota 2,7, sendo que a Coreia tem o melhor índice, com nota 5,5.

De acordo com ma­te­rial divulgado pelo

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (Diee­se), a in­dus­tria­ li­za­ção representa o processo pelo qual a indústria aparece como o setor dinâmico de uma economia, aquele que agrega mais valores ao produto total e/ou cria maior número de empregos. Historicamente, a indústria surgiu na Europa no final do século XVIII e passou a ser a atividade mais importante de algumas eco­no­mias daque­ le continente, superando a acumulação de capital na agricultura e no comércio e tornando-se o setor com maior produ­ tividade e o maior gerador de empregos. O mesmo ocorreu no Brasil, a partir da década de 1930, pe­río­do em que o País iniciou, definitivamente, a fase de in­dus­tria­li­za­ção, batizada como Processo de Substituição de Importações (PSI ), que promoveu, até mea­dos de 1970, uma revo­ lução na estrutura produtiva, fazendo com que o produto agregado na indústria su­ perasse a secular e tra­di­cio­nal agricultura. No outro extremo, a de­sin­dus­tria­li­za­ção é o processo que provoca a reversão do crescimento e da participação da indústria na produção e na geração de empregos. Em um conceito mais abrangente, o pro­ cesso seria caracterizado como uma si­tua­ ção na qual tanto o emprego in­dus­trial como o valor adi­cio­na­do da indústria se reduzem como proporção do emprego total e do PIB , respectivamente. A de­sin­dus­tria­li­za­ção torna-se um pro­ blema quando ocorre em cir­cuns­tân­cias que amea­çam o crescimento da economia e a diminuição da qualidade de vida da população. Paí­ses em processo de in­dus­ tria­li­za­ção, em que a indústria de transfor­ mação, pelo menos na maior parte, ainda não atingiu es­tá­gios de produtividade e competitividade compatíveis com os níveis encontrados in­ter­na­cio­nal­men­te e a renda per capita da população ainda é baixa, são aqueles que se ressentirão de even­tual redução no valor agregado e no número de empregos gerados.


Opinião

A

O papel e a R io+20

e para a restauração tas contribui decisivament res flo o ent vim vol sen solo, protege a Unidas sobre De as deg radadas, conser va o áre de A Conferência das Nações ho, e capta, em média, 13 a 22 de jun idade e os recursos hídricos ers div bio Sustentável, realizada do dia l ita cap e a indústria o, nesse período, na mais CO2 da atmosfera do qu es vez s trê transformou o Rio de Janeir ida hec ir os efeitos . Popularmente con ite, contribuindo para diminu em or set mundial da sustentabilidade do ção u os 20 anos de realiza como Rio+20 (porque marco do aquecimento solar. re Meio Ambiente sob s ida io de ações eficazes e Un s çõe Na s da A sustentabilidade, por me da Conferência o com e tev ro ont ‑92), o enc iedade e o meio ambiente. e Desenvolvimento — a Rio verdadeiras, beneficia a soc el táv ten sus o ent im has difamatórias desenvolv podemos aceitar que campan o meta def inir uma agenda do Nã es. ent tin con log ia uma indústria para todos os transformar em vilã da eco tem para as próximas décadas e ten o r ova a o País e gera to é o de ren ser viços fundamentais par sta pre O objetivo desse megaeven e qu el, táv ten sus dif usão da desenvolvimento teriais e imateriais (como a ma as uez compromisso político com o riq na gresso e das lacunas história). por meio da avaliação do pro cultura e a per petuação da s pai nci pri as pel as tad de Janeiro está atenta ado A indústria gráfica do Rio implementação das decisões as tem de o ent tratam e está comprometida com cúpulas sobre o assunto e do a esta importante questão faz parte integrante novos e emergentes. a mesma. A sustentabilidade a par vel má sti ro é ine do Rio de Janeiro e, A importância desse encont s ações da indústria gráfica da e qu uro , no seg undo semestre do dia o fut exemplo desse engajamento o o nosso planeta e traz à luz com ou lev 20 io+ ia do Sistema cendentes. A R passado, por meio de parcer o an desejamos para os nossos des do s da dia rae/RJ e Sistema ade para o dia a raf‑RJ/Fung uten com o Seb big /A raf a discussão da sustentabilid Sig a pel a sas fluminenses em contato com o tem icamos um grupo de empre tif cer , jan pessoas, muitas das quais Fir todos a relevância do primeira vez. Despertou em com o selo FSC. log ia como agora; mos seja adotada eco em to tan ou fal se nca FSC, iniciativa que espera o sel O assunto e nu o, é a certif icação que to reunir os líderes e isso é tão importante quan pelas indústrias como um tod todas as fases do processo, ante a origem da madeira a mundiais no nosso Estado. gar se des ade u agressão ao meio oportunid icando dizer que não ocorre Mas não podemos perder a nif sig tam tribuição efetiva para s mitos que afe nte, ocorrendo, sim, uma con bie evento para desfazer alg un am a ais das comunidades fica, entre os qu olvimento social e econômico env des diretamente a indústria grá o o nã r mi pri ome disso é def initivamente im entorno das florestas. O n no s ada tal impressão em papel. Não, ins io me ao a boi dormir… e tampouco faz mal ade. O resto é conversa par ilid tab ten é uma atitude antiecológica sus a net rio: faz bem para o pla carlos@jdigiorg io.com.br ambiente. Muito pelo contrá ar conhecimento tom e dev de eda oci A s ia. e para a econom ssão papel utilizado para impre de que em nosso país todo s. Isso sig nif ica que 100% advém de florestas plantada el tem como origem da produção de celulose e pap e eucalipto. Quando florestas plantadas de pinus se transformar em uma árvore é abatida para é plantada em seu papel, imediatamente outra ntio/colheita. Desta lugar, per petuando o ciclo pla s de manejo sustentável, forma, atendemos aos plano ntais e promovendo o reduzindo impactos ambie e social das comunidades desenvolvimento econômico lantio. vizinhas às florestas de rep ia‑prima, o papel, tér ma ia Nossa mais notór sse talvez seja o melhor fica (Abigraf) é reciclável e renovável. E e Bra sileira da Indústria Grá ade pode nos trazer: ilid tab Presidente da Associação ten Indústrias Gráfica s sus das a to e dica qu Sin los do mp nte dos exe al Rio de Janeiro e preside ion io Reg me ao to pei res e . a eiro (Sigraf) progresso, qualidade de vid do Município do Rio de Jan o destas nti pla o se, tas bas o nã e ambiente. E s

rinho C arlos A ugusto D i Giorgio Sob

maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

71


Embalagem

Assunta Napolitano Camilo

Embalagens de papel-​­cartão europeias seguem inovadoras!

Com um visual atraente, o formato de cesta na embalagem dos biscoitos Paprenjak chama a atenção no ponto de venda

Assunta Camilo, que atua no mercado de embalagens há mais de 30 anos, descreve para os leitores da Revista Abigraf as novidades e inovações, algumas delas surpreendentes, que encontrou no acondicionamento de produtos alemães, belgas e croatas. 72 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

E

stivemos na Europa para visitar a Drupa 2012 e aproveitamos para fazer algumas visitas técnicas em cidades da Bélgica e da Croá­cia, lugares onde as artes gráficas são muito valorizadas. Encontramos as embalagens de papel-​­cartão como sempre muito elegantes e charmosas em lojas-​ ­conceitos, a exemplo da Nivea, em lojas de produtos orgânicos e de luxo, nos supermercados e também nos fast ­foods. Começamos pela cu­r io­sa e prática embalagem da Surf’n’ ­Fries, da Croá­cia, uma rede que oferece batatas fritas num cone com vincos que

tem, numa das abas, um local destinado para colocar o copo de refrigerante, e, na outra aba, dois espaços para colocar os molhos de maionese e ketchup! A empresa oferecia também como opção um “carrinho” que tinha na traseira uma aba para apoiar o copinho de molho. Falando ainda das novidades para delivery, encontramos “luvas” para as embalagens de frango assado, facilitando o transporte para o consumidor levar o prato pronto para casa. A luva tem sido uma aplicação crescente para o papel-​­cartão: encontramos as luvas, enobrecendo geleias com a possibilidade de agregar sofisticação. No caso de bisnagas e frascos de produtos de limpeza, a utilização é feita para via­bi­l i­zar lotes menores de produção para os quais seria improdutiva a decoração direta ou a litografia. Cresce também a utilização dos displays, em muitos casos acoplados ao micro-​­ondulado. Um exemplo a ser seguido pelo Brasil, onde as embalagens “shelf r­ eady packaging” (embalagens de transporte que podem ir diretamente para a gôndola, sem manuseio) começam a ganhar importância em função do crescimento dos “atacarejos”. Os acabamentos e enfeites conferem sempre elegância e distinção às embalagens. O formato de cesta na embalagem da Paprenjak, fabricante croa­ta de biscoitos, foi decisivo para a vi­sua­li­za­ção do produto no ponto de venda.

A aplicação de hot stamping sofistica a caixa do Kit Kat


picote central, possibilitando ao consumidor pegar uma trufa de cada vez. O DéliChoc, da belga Delare, também propôs uma abertura fácil e divertida. A Drupa exibiu muitos equipamentos de impressão digital, mas o mais interessante foi encontrar os produtos nas gôndolas, como o Klee­nex e a Coca Cola, que já utilizam a nova tecnologia que promete am­pliar o uso das embalagens de papel-​ ­cartão pois superaram o desafio dos lotes mínimos e poderão estar nas gôndolas em prazos antes considerados impossíveis.

quem tem os melhores papéis só pode ter o melhor atendimento Uma linha completa de papéis nacionais e importados. Suporte atencioso de profissionais experientes e treinados. Uma logística eficiente que permite entregas em qualquer cidade do Brasil. Há 19 anos no mercado, estas sempre foram as nossas prioridades.

Venha para a Vivox! Prática, a caixa do Schoko Drops tem uma lingueta de abertura na lateral

• Papéis • Couchés especiais • Offset • Offwhite • Reciclados ega • Cartões garantia de enpatrís o em todo • Materiais para encadernação

Enobrecimento

O recurso de metalização segue sendo utilizado para chamar a atenção e po­si­cio­nar os produtos como premiums, caso do absorvente hi­g iê­n i­co Platinum, da Procter & Gamble, e do cartucho do creme dental Olea Sensitive. Algumas embalagens de chocolate preferem usar o hot stamping, como o Kit Kat. Em tempos de crise todos querem vender mais. Não é diferente com a Toblerone, que inventou uma embalagem adequada para via­gem: uma “mala” de chocolate que, apesar de ter a cor marrom (referência ao couro da mala), manteve o formato que é sinônimo da marca. ­A liás, as fabricantes de chocolates e biscoitos con­ti­nuam explorando a nobreza e instigando o appetite ap­peal com embalagens sofisticadas. É o caso da Bel­g ian e da Kras (tra­d i­c io­nal fabricante croa­t a), que utiliza ouro e jogos de verniz brilho e fosco antes de relevos. A fabricante do Milka, a Kraft ­Foods, preferiu apostar em entregar con­ve­n iên­c ia no Schoko Drops, que abre na lateral por meio de uma lingueta que também permite o refechamento. O Bajadera, da Kras, apresenta um

Para facilitar a vida do consumidor, a embalagem do Bajadera tem um picote central, que permite pegar uma trufa de cada vez, enquanto a DéliChoc optou por uma abertura fácil e divertida, com corte irregular

(11) 3259 2255 e 3121 2255 Demais regiões: 0300 772 5200

www.vivox.com.br


O formato de copo, em papel-cartão, está sendo usada pela tintura de cabelo da Poly

Praticidade

74

A embalagem do refil do aromatizador de ambiente da Frosch explora a utilização do papel-cartão para transformá-la praticamente em um display

REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

É certo que as embalagens de papel-​­cartão têm uma característica intrínseca de “suportar” e manter os produtos em pé. A Frosch explorou isso em seu conceito de suporte para refil de aromatizador de am­bien­te. No caso do café a vácuo Jacqmotte, a solução foi híbrida: a parte metalizada proporcionou a barreira, o cartão a estrutura, e uma tampa es­pe­cial o refechamento do produto. A mesma solução foi aplicada num lançamento da Nestlé para a sopa Maggi, com o cartão fazendo as vezes da “tigela”, tornando o produto ainda mais con­ve­nien­ te e prático aos seus consumidores. É possível abrir a embalagem, adi­c io­nar a água quente, preparar a sopa e depois “montar” o suporte de cartão para acon­d i­cio­nar a refeição. Outra categoria que cresce muito são os copos de papel-​­cartão, não só para refrigerantes e cafés, mas também para inúmeras outras ca­te­go­r ias, entre elas, mel (L’apiculteur de Provence) e tinturas de cabelo da Poly (da alemã Schwarzkopf). A Sodebo criou até o PastaBox, um copo com fechamento reto. A Dia­ mant entrega aos seus consumidores de açúcar com canela, além de um açucareiro, um copo invertido, perfeito! Os produtos orgânicos ou re­la­cio­na­dos ao bem-​­estar estão crescendo na mesma medida que o estresse da vida urbana, sempre muito corrida. Nos mercados es­pe­c ia­l i­z a­dos encontramos muitos produtos de beleza, como

sabonetes, cremes e sais embalados em conjuntos ou isolados, sempre com belos cartuchos, como é o caso dos chás, destacando as seguintes marcas: Urban Tea Garden, em embalagem flip top com dez sachês e design e tampa di­fe­ren­cia­dos, e o Evo­lu­tion, em uma delicada caixa para um momento único. As opções para cartelas ou blísteres seguem inovadoras, por exemplo na Schae­bens, que co­mer­cia­li­za doses únicas para tratamento anti-​­idade e usa a metalização para atrair e convencer. A Rosal divulga os be­ne­fí­cios do protetor la­bial com relevo seco e brilhos, além de uma faca es­pe­cial. A melhor proposta, ao meu olhar, são as opções como a da marca Balea, da alemã DM, que traz uma solução de blíster sem a bolha plástica, reduzindo, com isso, o impacto am­bien­tal, já que usa ma­te­r ial de fonte renovável, reciclado, reciclável e mo­no­ma­te­rial, o que facilita a reciclagem. Embalagem melhor, mundo melhor.

O protetor labial da Rosal é acondicionado em blíster, e a impressão é valorizada pelo uso de relevo seco e brilhos, além de faca especial

Assunta Napolitano Camilo, diretora da FuturePack – Consultoria de Embalagens e do Instituto de Embalagens – Ensino & Pesquisa é integrante do Conselho Científico-​­Tecnológico do ITEHPEC e do Banco de Talentos da Faith Pop Corn.


visionCut 106 A máquinA que trAnsformA suA visão em reAlidAde

quando você tem a visão de alcançar mais no processo de corte e vinco, seja em obter mais caixa por folha, melhor qualidade, ou mais alta eficiência, a visionCut 106 corresponde às suas ambições. desde a sua platina acionada por came até seu sistema ótico dinâmico de registro lateral, visionCut está repleta de ideias inovadoras, cada uma delas projetada para melhorar seus produtos ou reduzir seus custos. visionCut 106 é a máquina que complementa sua visão.”

Bobst Latinoamérica do Sul Ltda. | Av. Henri Bobst, 401 | 13251 – 716 | itatiba/sP | fone +55 11 4534 9300 | fax: +55 11 4524 0058

www.bobst.com


Siga o Olhar Gráfico também no blog em www.qu4tro.com.br/blog

DESIGN CONTEMPORÂNEO Curso de Design Gráfico da Anhembi Morumbi

Fotos: Rodrigo Thomas

Revista VOX | Projeto interdisciplinar - Design editorial

Projeto Diluvio | TCC

CAROLINE AYUMI MORINAGA, FRANCISCO SORMANY DE SOUZA, ITALO DE SOUZA BARROS, LOUISE AZEVEDO, MARCIA REGINA LUVIZZUTTO.

ANA ELISA QUEIROZ, BEATRIZ VASCONCELLOS, GIAN PIERO, EVERTON SANTANA DE SOUZA, RAPHAEL SOUZA, THALES BARBOSA.

Projeto Sinalização do Zoo de São Paulo TCC

76

EDINEIDE BEZERRA DE OLIVEIRA, NATÁLIA DE SOUZA COSTA.

REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Projeto Sporro, a arte procura por você | TCC CAMILA SENA PIOVAN, FELIPE GARCIA JORDÃO, LEVI PINHEIRO DE CARVALHO, MARIO HENRIQUE NEVES, VICTOR DOURADO SIMÕES.

Cotidiano: Múltipla unidade no projeto de comunicação do Centro Cultural de São Paulo | TCC ANA LAURA SANTOS, CLAUDIO GARCEZ, FELIPE DE MARCHI, GUSTAVO CARLOS ALVES JUNIOR, TABATA JANES.


“No momento o curso trata sobre a identificação de questões contemporâneas do design gráfico, com vistas a propor soluções de comunicação visual baseadas em estratégias de comunicação condizentes com o atual momento do País. Assim, alguns dos trabalhos discutem a personalização e customização; outros, a exploração dos sentidos

Não fazia ideia que o Brasil contava com um legado de design tão antigo, nem que era tão rico em termos estilísticos e conceitualmente sofisticado. Steven Heller, in Linha do Tempo do Design Gráfico no Brasil, da Cosac Naify, 2011. ®

para provocar experiências; e por fim, alguns trabalham a construção de valores, por meio da investigação de referências históricas ou pela abordagem irônica e sarcástica”. Estas palavras de José Neto de Faria, coordenador do curso, referem-se aos projetos do 7º e 8º semestres da graduação, realizados na segunda metade de 1911.

Le Vite de’piú eccellenti architteti, pittore et scultore italiani da Cimabue insino a’ tempi nostri, descritte in lingua Toscana, da Giorgio Vasari Pittore Aretino. Con una sua utile et necessaria introduzzione a le arti loro. Lorenzo Torrentino, Florença, 1550. ®

MARINA KNOK, MELANIE MOSQUERA, THAIS BRASIL.

Coleção Nelson Rodrigues, pelo Buraco da Fechadura | Projeto editorial: CAMILA HERVE DE LIMA, FABIANO DA SILVA COELHO, JESSICA CARINE DA C. CAIRES, SYMONY DE SOUZA MONTEIRO, THIAGO OLIVEIRA LIMA.

histórico da arte histórias do livro

®

lado b olhargráfico

Coleção Ao Pé da Letra | Projeto editorial: GABRIELA CASELLATO, JESSICA MENDES, LUIZ H. LULA,

E mais:

Coleção Tenebre Projeto editorial: ALICE ABDUL MASSIH, ANDREIA A. AMORIM VICENTE, DIEGO ALVES PARANHOS, GUILHERME M. BALDIN, LUIZ GUILHERME CAMARGO, TAYRINE CRUZ CARVALHO.

Coleção A Cor da Música Projeto editorial: CAMILA CIANELLI, FELIPE MAROSTICA, JESSICA SIRAQUE, MICHELE BERNARDI, RICARDO MARTINS, ROSELI YAJIMA, SARA SANTANA.

Coleção Insano Projeto editorial: CAMILA GUIDELLI, FELIPE FRANCO, GISELLE PEREIRA, NADIA PIERALINE.

à esquerda: Box comemorativo Chico Science Nação Zumbi | TCC

GUILHERME CALLEGARI, LEANDRO ZAMONEL, VINÍCIUS AZISAKA.

77 maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF


&

biblioteca olhargráfico

Grande obra Obra grande

Elaine Ramos é a designer deste livro, na acepção plena do termo. É dela a eleição da sequência de apresentação das peças e das vizinhanças entre elas. […] Essas escolhas são fruto de uma leitura acurada que entra no mérito da linguagem, visando potencializar a força do conjunto e de cada peça. […] ¶ Com o texto [de Chico Homem de Melo] ocorreu um processo análogo. O esforço de comentar cada peça tornou mais nítidas suas forças e fragilidades. […] No balanço de cada capítulo, as tentativas de esclarecer este ou aquele aspecto de uma peça ou de um período trouxeram à tona lacunas […], gerando a necessidade de novas pesquisas […], exclusões e inclusões. ¶ Paginação e redação também se influenciaram mutuamente. […] Do cruzamento entre os dois LINHA DO TEMPO DO DESIGN GRÁFICO NO BRASIL resultou a forma final de cada uma Chico Homem de Melo/Organização e textos delas, assim como a relação definitiva Elaine Ramos/Organização e design das peças selecionadas. 740 páginas, 693 imagens. CosacNaify, São Paulo, 2011 Chico Homem de Melo

Clássico Sobre livros Publicado em Florença, Itália, em 1550, a obra Vidas dos Artistas, de Giorgio Vasari, faz parte do turbilhão do humanismo renascentista e das revoluções iniciadas no final do século XIV – das quais as mais conhecidas são a invenção da imprensa, da cartografia e do relógio – que entre muitas coisas, permitiram ao homem criar uma nova ideia de mundo e a grande aventura da era moderna. É um livro que trata das grandes artes – arquitetura, escultura e pintura – e dos grandes artistas daquele tempo na pena deste pintor e arquiteto. VIDAS DOS ARTISTAS Giorgio Vasari/824 páginas e nenhuma ilustração. Martins Fontes, São Paulo, 2011

MichAEl BiRD

Este é um livro com estórias da arte e suas mudanças ao longo do tempo. Não é uma linha do tempo histórica, mas perpassa essa manifestação humana desde o tempo das cavernas até as imagens luminosas da internet. Vai de a Duchamp, 100 IDEIAS QUEMichelangelo MUDARAM A ARTE Este é um livro estórias da arte em e suas cavaletes, sem dos afrescos à com pintura mudanças ao longo do tempo. Não é uma linha do tempo histórica, luminosa mas perpassa desmerecer a tela e seus pixels, essa manifestação humana desde o tempo das cavernas até as imagens da exemplificadas comluminosas excelentes imagens internet. Vai de Michelangelo a Duchamp, dos afrescoscom à pintura em cavaletes, sem selecionadas precisão e esmero. desmerecer a tela luminosa e seus pixels, exemplificadas com excelentes imagens Não encontraremos toda a arte humaselecionadas com precisão e esmero. encontraremos toda arte na nesta Não obra, pois ohumana próprio autor sabe nesta obra, pois o próprio autor sabe que númeronúmero arbitrário; poderiamarbitrário; podeque “cem“ceméé umum ter sido 73 ideias ou 151 […]”. E, de certa tenta responder a questão: riam ter forma sido 73 ideias ou 151 […]”. E, de afinal o que é mudança e quais são os seus agentes? certa forma, tenta responder à questão: afinal, o que é mudança e quais são os seus agentes?

MichAEl BiRD

DESDE A ARTE DAS cAVERNAS ATÉ A iNTERNET

100 IDEIAS QUE MUDARAM A ARTE

100 IDEIAS QUE MUDARAM A

ARTE

Claudio Ferlauto

Estórias da arte 100 IDEIAS QUE MUDARAM A ARTE Michael Bird ¶ Rosari, São Paulo, 2012 216 páginas, ilustrado em cores

78 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Todo obra sobre livros é também, e fundamentalmente, sobre leitura e tipografia. E é o caso desta obra de Martin Lyons, este londrino que é professor visitante ao redor do mundo, inclusive no nosso país. Belamente ilustrado, ele avança pelo tempo sem esquecer de nenhum período importante e chega perplexo aos nossos dias, diante das novas realidades do livro eletrônico, deixando o livro de lado e dedicando-se à ideia do acesso “cada vez mais amplo à leitura e à escrita”, além de restringir o debate sobre o fim do livro apenas ao mundo desenvolvido. O que é uma ideia que pode não ser (mais) verdadeira. LIVRO: UMA HISTÓRIA VIVA Martin Lyons/224 páginas e 220 imagens coloridas/Editora Senac, São Paulo, 2011


Quadrinhos

O “homem de marte” nos deixou

O livro “As Crônicas Marcianas”, cuja versão em quadrinhos acaba de ser lançada pela Globo, fez de Ray Bradbury um dos ícones da ficção científica, tornando-o conhecido como o “homem de Marte”.

AS CRÔNICAS MARCIANAS Formato 15,6 × 22,8 cm Globo Livros Graphics 60 páginas www.globolivros.com.br

Álvaro de Moya é autor do livro Vapt-Vupt.

oucos dias após o lançamento pela Globo Livros da adapta­ ção para quadrinhos do livro de contos “As Crônicas Mar­cia­nas”, do escritor americano Ray Bradbury, foi no­ ti­cia­da a sua morte, aos 91 anos, ocorrida em 6 de junho, em Los Angeles (EUA). Nascido em 1920, em Waukegan, Illi­ nois (EUA), fascinado por Marte desde a sua infância na década de 1940 no Arizo­ na, começou a escrever contos sobre o pla­ neta vermelho, narrando a história de fugi­ tivos da Terra que tentam colonizar Marte, onde encontram seres dotados de telepa­ tia. Estimulado pelo produtor e diretor de rá­ dio Norman Corwin, que se entusiasmou ao ler o primeiro conto, o jovem Bradbury prosseguiu crian­do seus contos nos anos seguintes, sem perceber que estava escrevendo um romance. Tentou vendê-​­los em Nova York. Foi ig­ norado pelos editores que procurou, até falar com Walter Bradbury (não era seu parente), da Doubleday, que não só gostou do que viu, como sugeriu o título e lançou o livro em 1950.

Ray tornou-se famoso. Escreveu mais de 50 livros. Juntamente com outros dois grandes es­ critores, foi o “B” do “ABC ” da ficção cien­tí­f i­ca: Asimov (­Isaac), Bradbury e Clarke (Arthur). Em encontro que teve com Aldous Huxley, autor de “O Admirável Mundo Novo”, Bradbury ouviu dele: “Você transformou Marte num lu­ gar real e todos nós vamos via­jar para lá e não vamos voltar, tudo por sua culpa. Você chegou lá primeiro, foi o primeiro mar­cia­no”.


Galeria da SIB - Sociedade dos Ilustradores do Brasil

Autor: CRIS BURGER cris@qu4tro.com.br Capa de cardĂĄpio para restaurante, Porto Alegre Cliente: Joomon. TĂŠcnica: Aquarela.

www.sib.org.br


Diretório

Nova edição do Anuário da Indústria Gráfica

O

levantamento das informações e atua­l i­za­ção de dados para a elabo­ ração do Anuá­rio Brasileiro da Indústria Gráfica demanda mais de seis meses de trabalho. A qualidade desse banco de dados é o bem mais pre­cio­so do produto, sen­ do determinada não só pelo empenho da equipe da Clemente e Gramani Editora, mas também pela fundamental contribuição das empresas através do preen­chi­men­to dos for­mu­lá­r ios via internet. Nessa tarefa, mi­nu­cio­sa e muitas ve­ zes repetitiva, com frequência a equipe envol­ vida com o Anuá­r io se depara com algo que de­ monstra que todo este esforço vale a pena: os co­men­tá­r ios que acompanham os for­mu­lá­r ios. Além de parabenizar pela qualidade do produ­ to, gráficos de todo o Brasil destacam o papel desempenhado pelo Anuá­r io, como Rubens

Fotos: Cesar Mangiacavalli

Publicação sem similar na América Latina, a 16-ª edição do importante diretório está mais ampla, marcando o dinamismo do setor gráfico brasileiro.

82 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Glück, da Gráfica Infante, de Curitiba (PR): “É o grande instrumento de divulgação da indús­ tria gráfica brasileira”. Na mesma linha, João Carlos Araú­jo, da Prisma Vi­sion, de São Paulo (SP), afirmou: “Excelente ferramenta de traba­ lho e pri­mor­d ial para o ramo gráfico”. Welling­ ton Magalhães, da KG Gráfica, de Ja­nuá­r ia (MG), foi categórico: “Anuá­r io Abigraf: o mais completo guia da indústria gráfica no Brasil”. E neste ano ele está ainda mais completo. O Anuá­r io traz agora 2.218 gráficas, si­tua­das em 561 cidades do País, e 548 fornecedores, que oferecem 575 itens, cobrindo 50 proces­ sos gráficos. Como comentou Alberto Dalla Rosa, da Dalla Rosa Indústria Gráfica, de Her­ val D’Oeste (SC), “os dados do anuá­r io atua­ li­zam e nos mostram os horizontes de nosso ramo de atividade”.


Inovação constante

Ao debruçar-se sobre as informações das em­ presas participantes, é possível perceber clara­ mente a evolução do segmento, tendo por base exclusivamente o banco de dados do Anuário. Na área de pré-​­i mpressão, o investimen­ to em sistemas de gravação direta de chapas continua alto. Em 2001, somente 57 empre­ sas pos­suíam CtP; no ano passado eram 509, e em 2012, 592 gráficas declaram possuir tal equipamento. O mesmo acontece com as pro­ vas digitais: se no início da década limitava-se a 446 gráficas, em 2011, 840 gráficas conta­ vam com ela, e neste ano já são 891. No campo da impressão, como não poderia deixar de ser,

DADOS COMPARATIVOS MOSTRAM A EVOLUÇÃO NOS PROCESSOS GRÁFICOS   Número de empresas atuantes em cada tipo de  processo, que constaram nos anuários de 2001 e 2012 PRÉ-IMPRESSÃO

2001

2012

237 120 57 122 180 66 446

120 248 592 252 89 17 891

IMPRESSÃO

2001

2012

Tipografia Letterpress Offset plana Offset rotativa fria Offset rotativa quente Impressão digital Flexografia Serigrafia

880 19 1.711 228 50 213 114 179

593 22 1936 194 52 618 199 266

ACABAMENTO

2001

2012

686 220 118 322 418 129 286 244 537 191 325 147 23 10 637 188 173 81

719 442 90 769 790 694 441 267 525 200 419 280 19 83 470 125 201 111

Fotocomposição Computer-to-film (CtF) Computer-to-plate (CtP) Plotter Prova de prelo Prova fotomecânica Prova digital

Relevo Hot stamping Verniz calandra Verniz UV Plastificação Laminação Capa dura Capa flexível Brochura Costura Lombada quadrada Hot melt PVA PUR Lombada canoa Encadernação mecânica Envelopagem Shrink

chama atenção a expansão do digital, que em 2001 estava em apenas 213 empresas. Na edi­ ção de 2011 do Anuá­r io esse número foi de 542, saltando para 618 neste ano. Mas é no acaba­ mento que se percebe a maior evolução, acom­ panhando a busca das gráficas pela di­fe­ren­cia­ ção através da diversificação do enobrecimento dos materiais impressos. Em pouco mais de uma década a presença do verniz UV cresceu quase 140%, saltando de 322 gráficas em 2001 para 769 em 2012. A laminação estava presen­ te em 129 gráficas e agora 694 empresas ofere­ cem o recurso. A capa dura passou de 286 em 2001 para 441 em 2012, e o processo de cola com adesivo PUR subiu de 10 para 83 gráficas no mesmo pe­r ío­do. Juntamente com o diretório da indústria gráfica, que apresenta os dados das gráficas, o Anuá­r io inclui o Guia dos Fornecedores e o pa­ norama geral do setor gráfico, com dados de mercado e a balança co­mer­c ial da indústria. Por tudo isso, o Anuá­r io Brasileiro da Indústria Gráfica é, como assinalou Tales Carvalho, da Fastprint, de Fortaleza, CE, “um excelente es­ paço para divulgarmos nossas empresas e ser­ viços em um veí­c u­lo com alto alcance entre clien­tes e fornecedores da indústria gráfica”. Consolidado no mercado como o grande dire­ tório e a con­f iá­vel fonte de referência da indús­ tria gráfica na­c io­n al, o 16 º‒ Anuá­r io começa a circular no final de julho.

RADIOGRAFIA DO 16º ANUÁRIO

384 páginas 2.218 gráficas 561 cidades de todo o Brasil 548 fornecedores 575 itens de equipamentos,

matérias-primas, insumos, produtos e sistemas

50 processos gráficos,

entre pré-impressão, impressão e acabamento

Para adquirir exemplares:

& 11 3159 3010 editoracg@gmail.com

83 maio /junho 2012 REVISTA ABIGR AF


S

Oki planeja ampliar presença no setor gráfico

e você não está fa­mi­lia­r i­za­do com a marca Oki, não se preo­cu­pe. Daqui para frente você vai ouvir falar cada vez mais sobre ela. É que a empresa, ao com­ pletar 15 anos no Brasil, pretende estar mais próxima do mercado gráfico. Apesar de hoje representar apenas 10% de seu faturamento, em termos de retorno para a empre­ sa esse é o segmento de maior rentabilidade em função da qualidade exigida e dos volumes envolvidos. O alvo dessa estratégia é bem claro: gráficas que ne­ cessitam de soluções flexíveis para baixas tiragens e pro­ vas de cor. Para tanto, há dois anos a Oki vem capaci­ tando sua equipe de vendas, acostumada a lidar com o mercado corporativo, para entender as necessidades da indústria gráfica, sobretudo no que tange ao uso da cor. Se as opções se resumem a dois modelos de impres­ soras, por enquanto, as vantagens representam o gran­ de atrativo: custo de aquisição imbatível, nas palavras de Sergio Horikawa, presidente da Oki no Brasil, assim como a quantia gasta em manutenção, graças ao peque­ no número de intervenções que as impressoras exigem. O fortalecimento da Oki no segmento gráfico vai ao encontro do perfil da empresa em outros paí­ses. Cada re­ gião, como comenta o executivo, tem sua pe­cu­l ia­r i­d a­de. Nos Estados Unidos a marca está arraigada no mercado office. Já no Japão e na Itália a força está na indústria grá­ fica. “Estamos estudando a possibilidade de trazer para o Brasil outros equipamentos voltados para as gráficas. Mas só isso não basta. É preciso desenvolver com­pe­tên­

Foto: Álvaro Motta

Soluções de Impressão

Sergio Horikawa, presidente da Oki no Brasil

Depois de preparar sua equipe para responder às demandas da indústria gráfica, empresa já pensa em trazer novos modelos para o Brasil.

cias internamente, formar pes­soas que possam dar suporte aos clien­tes que optarem pelas nossas so­ luções”. E Sergio Horikawa não está falando apenas das equipes de vendas e suporte técnico. A empre­ sa está intensificando o treinamento junto aos seus reven­ dedores. Dos 75 espalhados pelo País, 15 têm competência na área gráfica. Além de capacitá-​­los, existe a necessida­ de de uma maior cobertura geo­g rá­f i­ca. Sul, Sudeste e Cen­ tro-​­Oeste estão bem preparados; Norte e Nordeste nem tanto. O investimento da Oki no Brasil segue em parte a atratividade que o País tem gerado mun­d ial­men­te. Con­ siderado pela companhia como a força motriz da Améri­ ca Latina, o País é responsável por mais de metade da re­ ceita da empresa na re­g ião. No ano fiscal entre abril de 2011 e março de 2012, o faturamento no Brasil cresceu 7%, um número ra­zoá­vel em função da turbulência na economia mun­d ial, porém bem abaixo dos 20% registra­ dos no exercício an­te­r ior. Para este ano a meta é de 12%; contudo, Horikawa admite que não será fácil cumpri-la. Em termos mundiais, a receita ­anual da empresa é de US$ 1,9 bi­l hão, com presença em mais de 120 paí­ses. Com mais de 30 anos de ex­pe­r iên­cia em soluções de impressão, a Oki possui uma base instalada de 30 milhões de equi­ pamentos, entre impressoras matriciais, laser/LED mo­ nocromáticas e laser/LED em cores, além de multifuncionais monocromáticas e em cores. A companhia faz parte do grupo Oki Electric Industry, fundado em 1881 e com­ posto por empresas dos setores de teleco­ municações, informática, ele­troe­le­trô­ni­cos e componentes. O grupo emprega direta­ mente mais de 18.000 fun­cio­ná­r ios e fatura mun­d ial­men­te US$ 4,7 bi­l hões. & OKI Tel. (11) 3444-​­6747 www.oki.com.br

84 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012


Papéis Especiais

Arjowiggins,

35 anos de Brasil A empresa está iniciando no País a produção do papel Opalina e promete novidades para o segundo semestre.

P

86

ara uma indústria, nada como co­ memorar uma data festiva com in­ vestimento. É o que está aconte­ cendo com a Arjowiggins, que, ao completar 35 anos de Brasil, passa a produ­ zir no País uma de suas linhas de maior su­ cesso, os pa­péis com padrão Opalina, da fa­ mília Evenglow. Muito usado na produção de convites, mas também adequado para a confecção de revistas e ma­te­r ial pro­mo­cio­ nal, desde o início de junho o Opalina está sendo fabricado na unidade de Salto, in­te­ rior de São Paulo. Até então o mercado na­ cio­nal desse papel era abastecido pela fábri­ ca da Arjowiggins na Argentina. Quan­do estiver con­c luí­d a a transferência da pro­ dução, ainda em 2012, serão 900 toneladas anuais, entre as versões lisa e texturizada. “A demanda pelo produto vem crescendo e ele precisa estar mais perto do consumidor”, afirma Ronald Dutton, diretor da divisão de pa­péis finos para a América Latina. Não há números oficiais sobre o seg­ mento de pa­péis especiais no Brasil, po­ rém, segundo estimativas da Arjowiggins, ele gira em torno de 7.000 toneladas anu­ ais, das quais cerca de 60% correspondem a produtos com sua marca. Esse volume é es­ coa­do através de uma rede de 16 distribui­ dores que conseguem cobrir 90% do terri­ tório na­cio­nal. A linha Color Plus de pa­péis coloridos na massa, lançada há 25 anos, continua sendo a mais vendida, e o “pre­ tinho básico”, o Color Plus Los Angeles, é a REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Ronald Dutton, diretor da divisão de pa­péis finos para a América Latina

referência número um, seguida pelo bran­ co metalizado Aspen, da família Color Plus Metálico. “O papel es­pe­cial acompanha as ten­dên­cias da moda e agora, após 12 anos, atendendo às solicitações dos clien­tes, vol­ tamos a fabricar o lilás São Francisco”, co­ mentou Dutton. Justamente por esse perfil di­fe­ren­cia­do, o segmento de pa­péis espe­ ciais está sofrendo menos com a instabili­ dade provocada pela crise europeia, como afirma Ronald Dutton. “As empresas estão mais seletivas no momento de investir em publicidade, buscando atingir públicos es­ pecíficos com mensagens di­fe­ren­c ia­d as. E aí o papel es­pe­c ial se encaixa perfeita­ mente”. O mesmo vale para a concorrên­ cia com as mí­d ias digitais, que segundo o executivo afeta diretamente as com­mo­di­ ties. “O papel es­pe­cial não é suporte da co­ municação. Ele é parte da comunicação, conferindo maior valor à mensagem ”.

Disseminar esse conceito integra o de­ safio de crescimento da Arjowiggins e para tanto a empresa mantém mar­ke­ting ativo junto aos designers e usuá­r ios finais, assim como programas de treinamento tanto para as gráficas quanto para os distribuido­ res. Além de estimular a demanda, é preci­ so responder às expectativas do mercado, o que constitui o segundo grande desafio para a empresa: oferecer produtos inovado­ res a um custo que corresponda aos be­ne­fí­ cios apresentados por eles. Nesse sentido, no início deste ano a empresa reincorporou as linhas Rives, Pop’Set e Keaykolour e vol­ tou a trabalhar com a gama Curious Col­lec­ tion. “Teremos mais novidades no segundo semestre”, antecipa o diretor. Acompanhando o desenvolvimento de novos produtos, os 35 anos da Arjowig­ gins no Brasil estão sendo marcados pelos projetos socais junto à comunidade de Sal­ to. É o caso do Clássicos em Cena, série de concertos gratuitos de música comentados pelo maes­tro Parcival Módolo, e o Fazenda Esperança, que leva às escolas informações sobre a preservação dos recursos naturais e a importância da produção dos alimentos de forma sustentável. Além dos pa­péis finos, a fábrica de Sal­ to, com seus 410 fun­cio­ná­r ios, produz pa­ pel-​­moe­d a, pa­péis de segurança, formu­ lário de segurança para emissão de nota fiscal eletrônica (Danfe de contingência) e soluções em papel para passaporte.

& ARJOWIGGINS Tel. (11) 4028-​­9652 www.arjowiggins.com.br www.security.arjowiggins.com


Sustentabilidade

Ciclo completo de sustentabilidade Cases da Tiliform, Valid, UV Pack, Vox Editora e WP Gráfica encerram a divulgação dos trabalhos inscritos na segunda edição do prêmio socioambiental da Abigraf Nacional. Ada Caperuto

N

esta edição, a Revista Abigraf conclui a publicação da série dos projetos que concorreram ao Prêmio Abigraf de Responsabilidade So­cioam­bien­tal em 2010. Completa-se, assim, o ciclo de cases que demonstraram as práticas adotadas pela indústria gráfica na­c io­ nal para implantar ou aperfeiçoar ini­cia­ti­vas que garantam que suas operações sejam rea­li­za­das de acordo com as normas de respeito ao meio am­bien­te, atendendo, ao mesmo tempo, os prin­cí­pios da ética e do desenvolvimento sustentável.

Grupo Tiliform

O Grupo Tiliform, de Bauru (SP), participou da pre­mia­ção na categoria Am­bien­tal, com o case “Sustentabilidade – uso responsável dos recursos”. O programa teve início em 2008, com um diag­nós­ti­co dos processos das fábricas do grupo, a fim de otimizar o uso de recursos, como

(Acima) Premiação do Programa Criação. (Ao lado) EMEI Nidoval Reis, apoiada pela Tiliform

matéria-​­prima, fontes de energia e o processo produtivo. Através de diferentes ações foi possível, por exemplo, reduzir o índice de consumo de água em 20% e o consumo de energia em 14%, representando uma economia de mais de R$ 50.000,00 em todo o grupo. Foi am­plia­do o uso de produtos biodegradáveis, pro­ve­nien­tes de fontes renováveis, e rea­li­za­das ações de treinamento e cons­cien­ti­za­ção com todos os colaboradores para o uso responsável dos recursos e coleta seletiva, além da certificação FSC (Forest Stewardship Council). Com os treinamentos e a modernização dos equipamentos, os índices maio /junho 2012 REVISTA ABIGR AF

87


Sustentabilidade

de re­sí­duos de aparas apresentaram uma redução significativa em relação aos outros anos. Todos os re­sí­duos sólidos e líquidos são coletados e encaminhados a empresas homologadas, que pos­suem a Certificação de Aprovação de Destinação de Re­sí­duos Industriais (Cadri). Na categoria So­c ial, a empresa inscreveu o case “Sustentabilidade – incentivo ao capital humano e comunidade”, vinculado ao seu programa de responsabilidade so­cial que apresenta todos os be­ne­f í­cios concedidos aos colaboradores e as ações voltadas à comunidade. Destacase no projeto o Programa Cria­ção, que premia os colaboradores pelas propostas que visam à melhoria do fluxo de trabalho. A empresa oferece ainda o Programa Educação para o Trabalho, em parceria com o Serviço Na­ cio­nal de Aprendizagem Co­ mer­c ial (Senac-​­B auru), que tem o objetivo de contribuir com jovens que se preparam para o mercado de trabalho. Além disso, a Tiliform recebe visitas técnicas de alunos de cursos de gra­dua­ção, pós-​ ­gra­dua­ção e técnico. O Grupo Tiliform também patrocina a cultura, os esportes e promove ações, rea­li­zan­do doa­ções de diversos materiais para diferentes grupos que apoia. UV Pack Acabamentos

Inscrita na categoria Am­bien­ tal com o “Projeto UV Pack”, a empresa paulista apresentou uma alternativa para reciclagem da película de polipropileno bio­r ien­t a­d a (BOPP), processo complexo e de alto custo. A solução apresentada foi a película Clarifoil, da Inglaterra, produzida com polpa de madeira ou de algodão (dia­ce­ta­to de celulose), capaz de de­te­r io­rar-se em poucas semanas e feita com madeira

88 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

pro­ve­nien­te de plantações renováveis. Desenvolvida a partir da parceria com o fabricante inglês, a película Clarifoil foi aprimorada pela UVPack, que realizou testes e aplicações, ajustando o produto às necessidades e ao clima na­ cio­nal. O ma­te­r ial pode ser incinerado de modo seguro em geradores que produzem energia através de re­sí­duos, resultando em dió­x i­do de carbono e água sem re­sí­duos, podendo estes serem dispostos em aterros, sem risco tóxico. O produto possui as certificações EN 13432 e ASTM D6400, que garantem que ele é bio­de­g ra­ dá­vel em sistemas de processamento de reciclagem orgânico, em escala in­dus­trial de re­sí­duos em estado de compostagem.


A Valid participou do 2-º Prêmio Abigraf de Responsabilidade Socioambiental com os cases “Redução na fonte de emissões atmosféricas” e “Campanha de endomarketing – norma SA 8000”

Valid S/A

Com o case “Redução na fonte das emissões atmosféricas”, a Valid S/A, se­dia­da em São Paulo e presente em 18 estados do território na­cio­nal, inscreveu-se na categoria Am­bien­tal. Para ate­ nuar as emissões geradas no processo in­dus­ trial, de modo a reduzir o porte do sistema de lavagem dos gases a ser futuramente instalado na gráfica geral de Sorocaba (SP), a Valid realizou um estudo e identificou as quatro principais fontes passíveis de me­l ho­r ias, obtendo resultados que podem representar pelo menos 82,5% de redução, ou 47,4 toneladas/ano a menos de emissões. Estas soluções, utilizadas no processo, foram subs­t i­t uí­d as por outras com menor ou nenhuma toxicidade, menor carga de VOCs e não inflamáveis. Além da preservação e da oferta de um am­bien­te de produção mais seguro, a ini­cia­ti­va trouxe vantagens econômico-​­financeiras decorrentes de todo um conjunto de redução de custos. Para a categoria So­c ial, a Valid inscreveu o case “Campanha de endomar­ke­ting – norma SA 8000 ”, cria­d a para divulgar a meta de ajustar todas as políticas de gestão de pes­soas à regulamentação in­ter­na­cio­nal que visa aperfeiçoar as condições de trabalho e os direitos da pessoa humana. Com o propósito de atingir

um público diversificado, em um momento em que não havia disponibilidade de investimentos expressivos, a Valid adotou ini­c ia­t i­v as cria­ti­vas. A campanha de comunicação interna, de caráter pro­mo­c io­n al, contou com personagens lúdicos para facilitar o entendimento das principais regras da norma e uma gincana premiou aqueles que se destacaram em um quiz. Como resultado concreto, em 2008, as unidades do Centro Corporativo e Caju receberam a certificação. No ano seguinte, foi a vez da unidade de Sorocaba receber o selo SA 8000. Vox Editora

Com o case “Pioneirismo na correta destinação dos re­sí­duos gráficos”, inscrito na categoria Am­ bien­tal, a Vox Editora, de São Paulo, apresentou seu projeto para atingir o patamar de 100% de re­sí­duos destinados ao reaproveitamento sustentável — meta alcançada em 2010, graças à parceria com a Druck Chemie Brasil, empresa es­pe­cia­li­za­da nesta área.

89 maio /junho 2012 REVISTA ABIGR AF


Sustentabilidade

Este caderno foi impresso em papel reciclado Eco Millennium 90 g/m², produzido pela Bignardi Papéis

WP Gráfica e Editora

Coleta dos panos sólidos, que são utilizados com óleo

Se­d ia­da em Natal (RN), a WP Gráfica e Editora inscreveu o projeto “Bi­blio­te­ca sem fronteiras” na categoria So­cial. Em 2008, a empresa implementou uma bi­blio­te­ ca em suas instalações, que está disponível para fun­cio­ná­r ios, fa­ mi­l ia­res e comunidade residente no entorno da gráfica, para fins de leitura, pesquisa e acesso à internet. O acervo da Bi­blio­te­ca sem Fronteiras foi formado a partir de ações conjuntas da direção, fun­ cio­n á­r ios, clien­t es e amigos da empresa. O local fun­cio­na durante o horário de ex­pe­dien­te e o controle é feito pelos pró­prios colaboradores. Apenas em 2010 foram recebidos aproximadamente 15 visitantes/mês, sendo 20% deles membros da comunidade e fa­mi­ lia­res de fun­cio­ná­r ios. Como principal resultado, além do desenvolvimento do hábito da leitura e da melhoria no clima or­ga­ ni­za­cio­nal, percebeu-se o aumento do interesse pelo aperfeiçoamento contínuo. Destaca-se a expansão no número de fun­c io­ná­r ios interessados em retomar seus estudos, participar de cursos e treinamentos profissionais.

Nos três últimos anos, desde que os padrões foram estabelecidos e os processos de trabalho implantados, foram coletadas cerca de 28 toneladas de re­sí­duos líquidos e 16 toneladas de descartes sólidos. Este ma­te­rial é rigorosamente controlado, de acordo com a norma NBR 12.235 da Companhia de Tecnologia de Sa­nea­men­to Am­b ien­t al (Cetesb), desde o armazenamento até a destinação final. Como alternativa à destinação de descartes em aterro sanitário, que provoca a contaminação de solos, o serviço consiste na destruição térmica dos re­sí­duos pelo método de coprocessamento em fornos de cimento, com o pos­te­r ior aproveitamento energético do resíduo como matéria-​ ­prima para a indústria A biblioteca instalada na WP Gráfica fica disponível para os funcionários, familiares da construção civil. e a comunidade próxima

90 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012


Premiação

Ricardo Viveiros recebe Prêmio ABCA 2011, na categoria “Mídia Cultural” Eleição feita com votos de todo o País reconheceu e premiou a trajetória do colaborador da Revista Abigraf, contemplando também as suas matérias sobre artes plásticas para outras mídias no Brasil e no exterior, além de livros e curadorias, ao longo de 46 anos de carreira.

O 92

jornalista e escritor Ricar­ do Viveiros recebeu, na noi­ te de 22 de maio, no Tea­tro do Sesc Vila Ma­r ia­n a, em São Paulo, o Prêmio ABCA 2011, na cate­ goria “Reportagem de Mídia Cultural”, láu­ rea conferida pela As­so­cia­ção Brasileira de Críticos de Arte (ABCA), organismo perten­ cente à As­so­cia­ção In­ter­na­cio­nal dos Críti­ cos de Arte (Aica). Por sua “contribuição à arte e à cultura brasileira”, Viveiros recebeu o Prêmio Antonio Bento, distinção entregue aos críticos, jornalistas ou veí­cu­los que te­ nham dado efetiva contribuição ao divulgar as artes visuais na mídia do Brasil. Além de reportagens sobre artes plás­ ticas veiculadas principalmente em jor­ nais e revistas de todo o País ao longo de 46 anos, Viveiros produz textos sobre artes REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012

há 18 anos para a Revista Abigraf, editada pela Clemente & Gramani. Esta importan­ te contribuição também deu origem ao li­ vro Da Arte do Brasil, lançado em 2009 pela mesma editora, obra re­fe­ren­cial sobre arte que compila ma­té­r ias sobre a vida, a obra e a análise crítica de artistas plásticos pu­ blicadas no veí­cu­lo da As­so­cia­ção Brasilei­ ra da Indústria Gráfica. Viveiros, que sem­ pre ajudou artistas em busca de pa­tro­cí­nios para exposições, cursos e via­gens, também soma à carreira uma atua­ç ão de 25 anos como professor universitário e vá­r ias cu­ra­ do­r ias de arte, incluindo seu trabalho como presidente do Conselho Consultivo do Sa­ lão In­ter­na­cio­nal de Humor de Piracicaba, o maior evento do gênero no mundo. “Sou um simples jornalista que gosta muito de arte e, por isso, aprendeu a escre­ ver sobre o assunto com os críticos e os ar­ tistas. Gostaria de agradecer aos editores e publishers que, ao longo da minha carrei­ ra, permitiram-me fazer esse trabalho com respeito aos artistas e à arte. Gostaria tam­ bém de agradecer ao editor da Revista Abigraf, Plinio Gramani Filho, e ao diretor de arte Cesar Man­g ia­ca­val­li, bem como à co­ ragem dos em­pre­sá­r ios gráficos brasilei­ ros, por me apoiarem nesta trajetória hoje generosamente reconhecida pela ABCA”,

declarou Viveiros ao receber o troféu cria­ do pelo conceituado escultor grego Nicolas Vla­v ia­nos, radicado no Brasil desde 1961. Assim como Ricardo Viveiros, o Prêmio ABCA já distinguiu os nomes de Siron Fran­ co, Maria Bonomi, Renina Katz, Fayga Os­ trower, Tunga, Lygia Pape, Lívio Abramo, Milu Vilela, Ema­noel Araú­jo, Pie­t ro Ma­ ria Bardi, Joseph Safra, Gilberto Chateau­ briand, Roberto Marinho e Ruy Mesquita, entre muitas outras personalidades, como o pintor Arcangelo Ianelli, que foi lembrado por seu filho Rubens, também artista plás­ tico, em mensagem en­v ia­da a Viveiros. “Al­ gumas vezes tive a oportunidade de viver os momentos em que meu pai foi laurea­ do pela ABCA . A imagem que ficou comi­ go foi de um homem que havia conquista­ do algo que era fruto do seu trabalho sério,

“Você merece o prêmio muito justamente outorgado pela ABCA, pelo seu excelente caráter, nobre simplicidade, conduta ética e muito talento profissional” Carlos Eduardo Moreira Ferreira

Empresário e ex-presidente da Fiesp/Ciesp e da CNI

“Parabéns, Ricardo, nós te merecemos!” Frei Betto

Jornalista e escritor

“Parabéns! Mais do que merecido pela sua trajetória de sucesso” Gilberto Kassab

Prefeito de São Paulo

“Você merece, pela ética e simplicidade com que nos ajudou sempre. Só lendo a história dos laureados para saber a importância deste prêmio” Cárcamo

Artista gráfico, caricaturista, cartunista e ilustrador chileno

“Bom saber que o prêmio foi para quem merece, poeta” José Nêumanne Pinto

Editorialista do Grupo O Estado de S. Paulo e comentarista do SBT

“Meus parabéns, querido Viveiros. Você merece!” Felipe Patury

Colunista da revista Época

“Ao enviar caloroso abraço, peço que me considere presente na entrega do importante prêmio que o amigo recebe” Laudo Natel

Ex-governador do Estado de São Paulo e membro do Conselho do Bradesco


Outros premiados

Leonor Amarante

Annateresa Fabris

João Spinelli

Maria Amélia Bulhões

Daisy Peccinini

Sergio Lucena

João Candido Portinari

Yara Tupynambá

Agnaldo Farias

Alberto Beuttenmüller

atuan­te no meio artís­ tico), Yara Tupinambá (trajetória do artista), Agnaldo Fa­r ias (cura­ doria de exposições), Itaú Cultural (institui­ ção cultural) e a ex­ posição “Joaquín Tor­ res García: Geo­me­tria, Cria­ç ão e Proporção”, Itaú Cultural Exposição Joaquim Torres Garcia rea­li­za­da na Fundação cons­truí­do durantes anos, com dedicação Iberê Camargo (melhor exposição do ano). firme e raro talento. Assim o vejo neste Além de uma homenagem a Frederico Mo­ momento, atingindo uma conquista que rais, por documentário sobre sua trajetória é também fruto de um belo e importan­ crítica, a ABCA destacou a obra do poe­ta, te trabalho, que trouxe e que con­t i­nua­rá jornalista, curador e crítico Alberto Beut­ trazendo contribuições generosas para as tenmüller; do crítico de arte Luiz Humber­ artes plásticas e para a cultura brasileira”, to Morgan da Motta; a 6 ª‒ VentoSul – Bie­ declarou Rubens Ianelli. nal de Curitiba; e o espaço cultural V&M do Brasil Centro de Cultura (MG).

Critérios da ABCA

Diferentemente de todas as demais entida­ des que rea­li­zam pre­mia­ções, a ABCA se­le­ cio­na os vencedores por meio de votação que considera as rea­li­za­ções de cada indicado no ano an­te­rior, neste caso, em 2011. A escolha de apenas três indicados por categoria é fei­ ta por todos os críticos, acadêmicos, artistas e jornalistas as­so­cia­dos, em nível na­cio­nal, a partir das vá­r ias sugestões que todo sócio pode en­v iar para discussão e aprovação em assembleia geral da entidade. Depois, já em uma espécie de segundo turno, acontece a votação, com a escolha dos vencedores. “Fi­ quei muito honrado, porque são apenas dez ca­te­go­r ias e três indicados em cada uma de­ las. Ser um dos indicados, em qualquer das ca­te­go­r ias, já é um grande mérito no cená­ rio da arte brasileira. Conquistar o prêmio, então, nem se fala”, comentou Viveiros.

A cerimônia

Com abertura de Ivan Gia­ni­ni, superinten­ dente de comunicação so­cial do Sesc SP, e de Lisbeth Rebollo Gonçalves, presiden­ te da ABCA , a cerimônia premiou outras nove ca­te­go­r ias. Ao lado da jornalista Leo­ nor Amarante, que também conquistou o Prêmio Antônio Bento, os demais eleitos na edição de 2011 foram: Annateresa Fa­ bris (prêmio destinado a crítico as­so­cia­do da ABCA), João J. Spinelli e Maria Amélia Bulhões (para crítico e pesquisador), Daisy Peccinini (pela trajetória de crítica de arte), Sergio Lucena (artista contemporâneo), João Candido Portinari (personalidade

93


Educação

Walter Vicioni Gonçalves

Os caminhos para a efetiva

democratização da educação

A

94

educação, no Brasil, é um dos tên­cias complementares, mais avançadas, assuntos mais comentados do por meio do Ensino Médio e Su­pe­r ior, além momento. Tra­gé­d ias e crimes do ensino pro­f is­sio­na­li­zan­te. podem ser manchetes por al­ Ainda, com a base desenvolvida no En­ guns dias, mas logo saem do no­t i­c iá­r io. sino Fundamental, o crescimento da pes­ Já a educação é um assunto perene, sem­ soa poderá extrapolar a escola. Políticas pú­ pre alimentado por novas opi­niões de es­pe­ blicas devem prover condições para que a cia­lis­tas, teses de intelectuais, propostas do pessoa cresça durante toda sua vida, inde­ setor público. Apesar de tanta dis­ pendentemente se frequenta ou cussão, a cada ava­lia­ção vol­ não escola. E, nesse sentido, ta-se a divulgar o horror é es­s en­c ial a disponibi­ Só a efetiva de pouco (ou nada) terlidade de fontes de lei­ se avançado nos re­ tura e pesquisa, para articulação das sultados dos alunos. formação e atua­l i­ políticas públicas poderá Ao invés de ali­ za­ç ão permanente. mentar mais ainda Essa importância não democratizar o acesso essa polêmica entre tem sido reconhecida. efetivo à educação para diferentes posições e As informações dispo­ todos os brasileiros. opções, proponho que níveis não indicam que se volte para uma ques­ esteja crescendo o hábi­ tão simples, que possa dar to da leitura e da pesquisa, foco a políticas públicas e prio­r i­da­ nem que haja um incentivo real de à aplicação de recursos: o que se quer da para pro­por­cio­nar a todos, jovens e adul­ educação no mundo de hoje? tos, fontes adequadas e su­fi­cien­tes para um Antes de tudo, a educação tem que pro­ processo de educação contínua. pi­ciar a oportunidade de comunicação, lei­ Em sentido contrário, pode-se citar a tura e interpretação de textos, no sentido pesquisa “Retratos da leitura no Brasil”, rea­ de se estar apto a fazer deduções, in­fe­rên­ li­za­da pelo Instituto Pró-​­Livro por meio do cias e conclusões. Precisa pro­pi­c iar o de­ Ibope. Tal pesquisa mostra que diminuiu de senvolvimento de ra­cio­cí­nio lógico mate­ 36%, em 2007, para 28%, em 2011, o per­cen­ mático, além de ra­cio­cí­nio lógico cien­tí­fi­co. tual de pes­soas que gostam de, em seu tem­ Ao mesmo tempo, deve promover o desen­ po livre, ler jornais, revistas, livros e textos volvimento de atitudes pessoais e sociais, na internet. Revela, também, que o hábito no sentido da ética, disposição para traba­ da leitura está estreitamente re­la­cio­na­do ao lhar em equipe, enfrentamento de novas grau de escolaridade, classe so­cial e am­bien­ si­t ua­ções e solução de problemas. Esse é te fa­mi­liar. Assim, quanto mais escolarizado o cerne do ensino fundamental: ensinar a ou mais rico é o entrevistado, maior é a pe­ pensar, julgar, pesquisar e ­criar. netração da leitura e a média de livros lidos A partir dessa base, o jovem estará nos últimos meses. Tal condição é coe­ren­te pronto para gerir sua aquisição de conheci­ com a informação de que cerca de metade mento. Poderá, então, desenvolver com­pe­ dos que leem depende da compra de livros. REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Tal si­tua­ção não é consequência da fal­ ta de bi­blio­te­cas públicas. Conforme levan­ tamento do IBGE rea­li­za­do em 2007, bi­blio­ te­cas públicas estão presentes em 89,1% dos mu­n i­c í­pios brasileiros. Apesar dessa presença, tudo indica que essas bi­blio­te­ cas públicas não têm cumprido o papel de estimular e via­bi­l i­zar a leitura e, mesmo, possibilitar acessos mais amplos, como ví­ deos, internet, CDs, DVDs etc. Como o pró­ prio estudo do IBGE ressalta, “o fato, por exemplo, de um município declarar que possui bi­blio­te­ca pública não nos permite deduzir sobre a quantidade dos livros exis­ tentes, sua temática, ou ainda sobre as con­ dições em que se encontra esse equipamen­ to”. Não permite, também, deduzir que há um pro­f is­sio­nal para so­lu­cio­nar dúvidas, incentivar e orien­tar leitura e pesquisa. Os órgãos governamentais de­ve­r iam, então, cons­cien­ti­zar-se da importância de articulação de suas políticas, es­pe­cial­men­ te nas ­­áreas de educação, cultura, ciên­cia e tecnologia, am­plian­do, atua­li­zan­do e esti­ mulando a leitura e a pesquisa. Por sua vez, a indústria terá que prover recursos que ­criem condições para que essas políticas se concretizem em curto prazo. A democratização das oportunidades de educação não pode se restringir à cria­ ção de vagas em escolas ou à am­plia­ç ão dos conhecimentos e informações inseri­ das em currículos escolares. Só a efetiva articulação das políticas públicas poderá democratizar o acesso efetivo à educação para todos os brasileiros. Walter Vicioni Gonçalves Membro titular do Conselho Estadual de Educação de São Paulo, diretor regional do Senai SP e superintendente operacional do Sesi SP


Pensando no futuro? Nós podemos ajudá-lo.

Pós-graduação e extensão universitária

Novos cursos da faculdade SENAI Extensão universitária (ensino a distância):

Gestão da produção na empresa gráfica Pós-graduação:

Desenvolvimento e produção de embalagens flexíveis Extensão universitária Otimização do processo offset para a qualidade e produtividade Controle de processo na impressão offset Gestão da qualidade na indústria gráfica Green Belt estratégia lean-seis sigma Gestão estratégica da indústria gráfica Gestão estratégica de pessoas Marketing industrial

Pós-graduação Tecnologia de impressão offset : qualidade e produtividade Planejamento e produção de mídia impressa Gestão inovadora da empresa gráfica

Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica e Escola SENAI Theobaldo De Nigris Rua Bresser, 2315 - Tel: 2797-6300/6301/6303 - www.sp.senai.br/grafica


BENEFÍCIOS

ABIGRAF-SP. QUEM RESOLVE

TER, RESOLVE MUITO. Para resolver de vez os seus problemas, são mais de 80 benefícios que você possui, entre consultorias, descontos, créditos, treinamentos, infraestrutura e divulgação da sua gráfica. Associe-se

já.

Acesse e saiba mais www.abigraf.org.br Ligue para (11) 3232-4521


• Colônia de férias • Plano odontológico • Descontos na compra de veículos GM • Assessoria jurídica • Convênio Cartão BNDES

• Descontos em cursos da ABTG • Desconto para o Prêmio Fernando Pini

• Revistas ABIGRAF e Tecnologia Gráfica

• Consultoria gratuita

• Assessoria gratuita na importação de equipamento • Auxílio para o cálculo do crédito acumulado de ICMS • Convênio com a Caixa Econômica Federal

A PARTIR DE 35,00/MÊS.*

*O valor de R$ 35,00 mensais é válido para gráfica de 0 a 5 funcionários.

ABIGRAF-SP


Fotos: Álvaro Motta

Biblioteconomia

Apaixonada pelos livros Com experiência internacional, Ana Duckworth, uma das bibliotecárias há mais tempo em atividade, relata os desafios e os prazeres da profissão. Milena Prado Neves

98 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

D

izem que o hábito da leitura vem do exemplo dado pela fa­ mília. E este é mesmo o caso de uma das bi­blio­te­cá­r ias há mais tempo em atividade em São Paulo, Ana Duck­ worth, 61 anos, cuja paixão pelos livros foi des­ pertada bem cedo. Ela credita este amor ao seu pai, um homem que lia muito e de tudo. Mas os “culpados” pelo contágio do “bichinho da leitu­ ra” — como ela diz — são também Hans Chris­ tian Andersen, os irmãos Grimm e Monteiro Lobato, por encantarem a garotinha que lia e relia as his­tó­r ias cheias de aventuras e fadas. “Como a produção edi­to­rial de literatura infantil na década de 1950 e 60 era muito pequena, não havia tanta va­r ie­da­de de livros como hoje”. Nos anos 1970, ao ingressar na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São

Paulo (ECA /USP), Ana sequer imaginava cur­ sar Bi­blio­te­co­no­mia, já que a opção de carrei­ ra era feita apenas a partir do terceiro ano da gra­dua­ção. “Achava o curso por de­ma­sia­do téc­ nico e sem muitos atrativos frente ao jornalis­ mo e à televisão. Mas, a convite da então coor­ de­na­do­ra da bi­blio­te­ca da ECA , fiz um estágio voluntário e gostei da ex­pe­r iên­cia”, relembra. O início de seu trabalho se deu em 1974, em uma bi­blio­te­ca es­pe­cia­l i­za­d a na área de ener­ gia atômica, uma das pioneiras na informati­ zação do acervo, onde trabalhava com plani­ lhas, cartões perfurados e um computador que ocupava uma sala imensa. A partir daí, ela passou por diversos locais e construiu um currículo extenso e va­ria­do. “Para acomodar a vida pes­soal, com filhos pequenos, à vida pro­f is­sio­nal, ingressei na rede de bi­blio­


te­cas públicas e passei a trabalhar mais próxi­ mo de casa. No início foi bem difícil me adap­ tar, pois os recursos, o contexto do trabalho e as demandas eram muito diferentes”, comenta. Ela revela que, no início da década de 1990, tra­ balhou em uma bi­blio­te­ca pública da zona sul de São Paulo que atendia dia­r ia­men­te mais de 800 estudantes de mais de 350 escolas públicas. “Havia filas enormes na porta, senhas eram dis­ tribuídas e as crian­ças chegavam a desmaiar na fila em dias de sol quente. Era im­pres­sio­nan­te, mas o serviço em massa não tinha qualidade. Não havia possibilidade de fazer uma orien­ta­ ção adequada. Os estudantes co­pia­vam ou ti­ ravam có­pias reprográficas dos livros e preci­ savam sair rápido para dar lugar ao próximo. As escolas não pos­suíam bi­blio­te­cas escolares e as bi­blio­te­cas públicas aten­d iam quase que exclusivamente esta demanda”. A realidade americana

em línguas diversas (inclusive na língua de si­ nais americana) para atender aos usuá­r ios lo­ cais e moradores imigrantes e, no verão, ofe­ recem programação infantil para pais e filhos até as 20h, porque esse é o horário em que os pais que trabalham podem levar seus filhos à bi­blio­te­ca. E olha que lota de gente!”. Ela, porém, reconhece as dificuldades de aplicar o conhecimento adquirido no ex­te­r ior ao contexto brasileiro. “Principalmente quan­ do se depende de políticas públicas, às vezes não existe a com­preen­são, o interesse e o eco necessário para que as coisas aconteçam. Mas isso nunca pode ser motivo de desânimo, e sim um desafio constante”, declara. A partir da ex­pe­r iên­cia no ex­te­r ior, ela pas­ sou a prestar serviços para um laboratório de pesquisas ligado à USP. Depois de concluir ou­ tro mestrado, em Letras, na Faculdade de Fi­ losofia, Letras e Ciên­cias Humanas (FFLCH/ USP), cuja pesquisa era voltada à análise de web­sites sobre temas da surdez, retornou ao serviço público, desempenhou funções de bi­ blio­te­cá­r ia, chegando à coor­de­na­ção re­g io­nal

Em 1983, Ana concluiu o mestrado em Libra­ ry In­for­ma­t ion Scien­ce (Ciên­cia da Informa­ ção em Bi­blio­te­cas), na cidade de Boston, capi­ tal de Massachusetts (EUA), onde prestou serviços vo­lun­t á­r ios em algumas bi­blio­te­cas públicas. “En­ contrei profissionais de diversas ­­áreas de gra­dua­ç ão, com pós em Bi­blio­te­co­no­mia e vocação para o serviço público e comunitário”, sa­ lien­t a. Segundo ela, nos Estados Unidos os espaços de leitura sem­ Autor de clássicos da literatura brasileipre foram considerados um direi­ ra, Mário de Andrade foi o responsável to do cidadão. “Em vá­r ios estados pela democratização do acesso à leitura. existem leis que regulamentam a Em mea­dos dos anos 1930, teve a ideia construção de bi­blio­te­c as segun­ de estender o alcance do livro a toda a do o adensamento po­pu­l a­c io­n al. população e criou os ônibus-​­bi­blio­te­cas. O cidadão americano tem o direi­ O projeto, que ini­cial­men­te atendia apeto de ter uma bi­blio­te­c a pública, nas o Largo da Concórdia, Jardim da Luz que pode ser muito grande, mé­ e Praça da República, conta atual­men­te com 12 unidades que circulam em toda a dia ou bem pequenina, mas pró­ cidade de São Paulo, levando arte e eduxima o su­f i­cien­te de sua residên­ cação aos locais onde não há bi­blio­te­cas. cia de forma que ele possa ir a pé. Com acervo composto, principalmente, E isso é muito bom”. por literatura infantojuvenil, os veí­cu­los Outra ex­pe­r iên­c ia recente de adaptados percorrem mais de 70 localidaAna foi a visita a bi­blio­te­cas públi­ des de todas as re­giões da capital. Em juscas ecológicas, no estado de Michi­ ta homenagem, a mais importante bi­blio­ gan (EUA), que se preo­cu­pam com te­ca do Estado de São Paulo e segunda a reutilização da água da chuva. maior do País leva seu nome: Bi­blio­te­ca “Muito atentas ao perfil da comu­ nidade que atendem e suas altera­ ções, as bi­blio­te­cas promovem aces­ sibilidade e disponibilizam acervo

“A internet é um recurso que mudou a vida das pes­soas para melhor, mas ela não compete com o livro, não tira o seu lugar.

Desbravando a Pauliceia desvairada Mário de Andrade. Foi o primeiro espaço público dedicado à leitura e, apesar de ter sido inaugurado em 1926, somente em 1944 teve o setor circulante instaurado. Ini­cial­men­te, o local disponibilizava um acervo de 2,5 mil volumes para empréstimo, permitindo que os visitantes levassem livros para serem consultados em outros locais. Em 1975, por conta de reformas em seu espaço, a seção foi transferida. Nos anos que se passaram, a bi­blio­te­ca circulante esteve em diversos espaços pro­vi­só­rios e, somente em 2011, pôde retornar à Mário de Andrade já reinaugurada. Atual­men­te, estão disponíveis ao público 42 mil títulos em todas as ­­áreas do conhecimento, com ênfase em literatura e ciên­cias humanas (www. prefeitura.sp.gov.br/mariodeandrade).

99 maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF


de bi­blio­te­cas públicas. Hoje, Ana atua na Bi­ blio­te­ca Malba Tahan, fundada em 1987 e lo­ calizada na re­g ião de Capela do Socorro, zona sul da capital paulista. Apesar de ser uma ins­ tituição de pequeno porte, seu acervo de apro­ ximadamente 35 mil exemplares é totalmente informatizado, e o local conta com laboratório de línguas e ofere­ ce d i ve r s i f ic ad a programação para as crian­ças do bair­ ro e escolas locais, para pro­p or­c io­n ar aos usuá­r ios maior contato com a cul­ tura e a informação. Impressões

A melhoria da educação da população brasileira, e nisso o Brasil precisa avançar rápido, também deve ser meta de ação das bibliotecas públicas.

100 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

Ana revela que, ao longo desses anos de uma trajetória de diversificadas ex­p e­r iên­c ias, pôde acompanhar mu­ danças significati­ vas nas bi­blio­te­c as municipais e, mais do que isso, no pú­ blico que a frequen­ ta. Ela avalia que, com os recursos da internet, as bi­blio­ te­c as de bairro es­ tão voltando seus acervos à promoção da leitura. “Os li­ vros informativos têm seu lugar, mas os didáticos ocupam agora espaço bem menor, já que são principalmente dirigidos ao uso es­ colar. Além disso, muitas das bi­blio­te­cas pas­ saram a ser temáticas, tornando-se referência”, pontua. Para ela, a tecnologia foi benéfica tam­ bém por permitir a informatização dos acervos. “Agora, o cidadão pode consultar o catálogo di­ gital e localizar o livro que procura na bi­blio­te­ ca mais próxima. Foram mudanças muito im­ portantes e positivas”. Ana comenta, ainda, que as escolas procuram ­criar bi­blio­te­cas e acervos para seus alunos e disponibilizar fontes de in­ formação pela internet “É um recurso fantás­ tico, muito utilizado. Evidente que é necessá­ rio saber se as informações são confiáveis, mas hoje não sabemos como conseguimos viver sem

a internet durante tantos anos!”. Porém, ela aposta que a internet e as bi­blio­te­cas virtuais ainda irão am­pliar seu espaço na rede pública. “Há muito a ser rea­l i­za­do e os investimentos precisam ser constantes”, diz. Na opi­nião da bi­blio­te­cá­r ia, os livros digi­ tais representam apenas uma opção a mais de leitura, sem jamais subs­ti­tuí­rem os impressos. E ainda que reconheça os be­ne­f í­cios trazidos pela rede mun­d ial de computadores, defende que o livro jamais perderá seu espaço como fonte de conhecimentos. “A internet é um re­ curso que mudou a vida das pes­soas para me­ lhor, mas ela não compete com o livro, não tira o seu lugar. O que fazer com o tempo depen­ de da opção de cada um e existem vá­r ios ca­ nais para se chegar a um objetivo. Não dá nem para recriminar quem fica o dia inteiro no Fa­ ce­book. Precisa ver o que a pessoa vai fazer de produtivo com isso. A vida passa e se qui­ sermos ­atuar como pes­soas produtivas preci­ samos saber se­le­cio­nar como vamos gastar o nosso pre­cio­so tempo”, reflete. Por outro lado, Ana pondera que existem al­ guns importantes obstáculos. “Acho que exis­ te o desafio constante de procurar atender da melhor forma possível a população. É preciso ser flexível e estar atento às demandas e ne­ cessidades dos cidadãos. A melhoria da edu­ cação da população brasileira, e nisso o Brasil precisa avançar rápido, também deve ser meta de ação das bi­blio­te­cas públicas. Existem pro­ blemas e necessidade de readequações. O nú­ mero de fun­cio­ná­r ios tem di­mi­nuí­do muito e é preo­cu­pan­te”. Mas ela aponta ações promis­ soras. “Há pré­d ios sendo reformados, os acer­ vos são constantemente atua­li­za­dos e informa­ tizados, e existe preo­cu­pa­ção com a formação e a qualificação de pes­soal”. Certa de que as bi­blio­te­c as públicas têm muito a contribuir no desenvolvimento do há­ bito da leitura e na educação informal dos ci­ dadãos, Ana deixa seu ensinamento: “Para ad­ quirir o hábito da leitura, a crian­ça precisa não apenas ter acesso aos livros, mas ter por per­ to pes­soas que gostem de ler e real­men­te va­ lorizem a leitura. Elas captam esse amor no ar e passam a se interessar. Esse é sempre o primeiro passo para uma leitura crítica, para aprender a ler o mundo. Se a família não é de leitores, professores e fun­cio­ná­r ios de bi­blio­ te­c as que real­men­te gostem de ler, que co­ nheçam bons livros e autores, podem fazer a maior diferença”, conclui.


Censo

R

Radiografia das bibliotecas brasileiras

ealizado em 2009 pela Fundação Getúlio Vargas, sob encomenda do Ministério da Cultura, o 1º‒ Censo Nacional de Bibliotecas Públicas Municipais revela dados da realidade das bibliotecas públicas municipais (BPMs) brasileiras. Divulgado em abril de 2010, o estudo aponta que 79% dos municípios contavam com pelo menos uma biblioteca em funcionamento, o que corresponde a 4.763 espaços de leitura em 4.413 municípios. Em 13% dos casos (420 municípios), as BPMs ainda estavam em fase de implantação ou reabertura e em 8% estavam fechadas, extintas ou nunca existiram. Considerando os locais que estavam em funcionamento no período da pesquisa, são 2,67 bibliotecas por 100 mil habitantes no País.

O levantamento aponta que, no período, as BPMs emprestavam 296 livros por mês e contavam com acervo de dois a cinco mil volumes (35%). Quase a metade possuía computador com acesso a internet (45%), mas somente 29% ofereciam este serviço ao público. Os usuários frequentavam o local cerca de duas vezes por semana e utilizavam o equipamento preferencialmente para pesquisas escolares (65%). Quase todas as bibliotecas funcionavam de dia, de segunda a sexta (99%), algumas aos sábados (12%) e poucas aos domingos (1%). No período noturno, somente 24% afirmou abrir para o público. A maioria dos dirigentes das BPMs eram mulheres (84%) com nível superior (57%).

Informações do 1-º Censo Nacional de Bibliotecas Públicas Municipais (2009) Presença feminina No nível gerencial, as mulheres são a grande maioria. Brasil: 84% • Norte: 80% • Nordeste: 82% • Centro-Oeste: 82% • Sudeste: 85% • Sul: 88% Onde estão as bibliotecas Em 2009, 4.763 cidades já tinham pelo menos uma biblioteca. Nos 5.565 municípios: 79% tinham ao menos uma aberta 13% estavam implantando ou reabrindo 8% tinham fechado ou extinguido. Fonte: Boletim Fundação Editora Unesp Nº‒ 29

Bibliotecas / 100 mil habitantes nas regiões • Sul: 4,06 • Centro-Oeste: 2,93 • Nordeste: 2,23 • Sudeste: 2,12 • Norte: 2,01

Bibliotecas / 100 mil habitantes nos estados – melhores colocados: • Tocantins: 7,7 • Santa Catarina: 4,5 • Minas Gerais: 4,1 • Rio Grande do Sul: 4,0

Acervos significativos Mais da metade das bibliotecas tem um acervo superior a 5 mil livros. Aquelas com mais de 10 mil livros concentram-se no Sudeste.

Circulação dos livros Média mensal de empréstimo de livros no Sul e Sudeste é maior que a média nacional. Brasil 296 • Sudeste: 421 • Sul: 351 • Centro-Oeste: 157 • Nordeste: 118 • Norte: 90

Funcionários por biblioteca (média) Brasil: 4,2 • Nordeste: 5,7 • Norte: 4,5 • Sudeste: 4,1 • Centro-Oeste: 3,5 • Sul: 3,0

Livros por biblioteca • Mais de 10 mil: 25% • 5 a 10 mil: 26% • 2 a 5mil: 35% • até 2 mil: 13%

101 maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF


Reformulação

KBA consolida atuação no Brasil KBA aproveitou os primeiros dias da Drupa 2012 para comunicar a instalação de sua sub­s i­d iá­r ia no Brasil, através da aquisição da participação majoritária na sua representante, a Deltagraf, localizada em São Paulo. Como conta Luiz Cesar Dutra, ex-​­diretor geral da Deltagraf, cargo que passa a exercer na nova empresa, a ideia de a KBA fazer algo no Brasil vem desde 2009, quando a representante, fundada dois anos antes, passou a trabalhar com as máquinas planas de mé­d ios e grandes formatos. Até então, a Deltagraf estava focada na co­mer­cia­ li­za­ção de impressoras rotativas. “O principal motivo da aquisição é mostrar que a KBA enxerga a importância e a representatividade do mercado gráfico na­ cio­nal e quer investir no re­la­cio­na­men­to direto com os clien­tes”, afirma o executivo. Os valores envolvidos no negócio não foram divulgados. O nome da empresa ainda não foi escolhido. O mais cotado é KBA Latina do Brasil. Encerrada a etapa burocrática de acertos contratuais, a primeira medida será o incremento das equipes co­mer­cial e de assistência técnica, bem como a abertura de canais de representação no Norte/Nordeste, Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. A empresa está igualmente absorvendo a linha de impressoras meia folha, que deixa de ser responsabilidade da Global Sistemas Gráficos. Na nova estrutura de ne­gó­cios, a Global será um canal de vendas como outros que serão cons­t i­t uí­dos, atendendo sua carteira de clien­tes.

Comprometimento

102

Outra medida já definida é a am­plia­ção do estoque de peças. Na estrutura administrativa, a gerência da linha de impressoras folha inteira permanece inalterada, sob a coor­de­na­ção de Die­go Hellmuthhauser. Está sendo escolhido agora o novo gerente para o segmento de meia folha. “Para nós é muito relevante o fato de o vice-​­presidente da KBA para máquinas planas, Ralf Sammeck, ser um dos membros do conselho da KBA no Brasil. Isso sinaliza o grau de envolvimento do grupo com a fi­lial”, observa Luiz Cesar. O executivo comenta que a estratégia de anun­ciar a criação da sub­si­d iá­r ia durante a feira alemã deu certo, REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

gerando cu­r io­si­d a­de entre os visitantes brasileiros. O estande esteve cheio todos os dias e quem o visitou encontrou vá­r ias novidades, de aprimoramentos e novos dispositivos em máquinas já consagradas a lançamentos efetivos. O maior deles foi a impressora digital rotativa de alta performance RotaJet 76. Com jeito de offset, o equipamento utiliza tecnologia jato de tinta pie­zoe­lé­tri­ca, atingindo velocidade de 3.000 páginas coloridas por minuto no formato A4 ou 85 milhões de páginas A4 por mês. O alvo é a produção de livros, revistas, folhetos e malas diretas, mas, por suas características, o equipamento pode imprimir embalagens e jornais. Foram destaques também as impressoras offset planas Rapida 106, folha inteira, oito cores, com aplicação de verniz base d’água frente e verso em linha; o novo formato da Rapida 145, 1.060 × 1.450 mm, com velocidade de 17.000 iph e alto grau de automação; e a Rapida 105, com unidade de impressão jato de tinta. Para Luiz Cesar, a KBA mostrou na Drupa que o offset ainda está presente e forte, seguindo em paralelo o desenvolvimento das máquinas digitais. “A fronteira que divide o offset e o digital é cada vez mais dinâmica e ambas tec­no­lo­g ias seguem complementando-​­se”. & KBA / BRASIL Tel. (11) 5051.5320 www.kba.com

Luiz Cesar Dutra, diretor geral da subsidiária da KBA no Brasil

Foto: Álvaro Motta

A

A notícia da instalação da filial atraiu a atenção dos brasileiros na Drupa e ajudou a equipe regional a superar em 20% a meta de vendas para máquinas planas.


Web2print: uma realidade!

Mais que uma loja virtual, automação e integração para impulsionar suas vendas e otimizar sua produção. No atual ambiente competitivo, os clientes exigem prazos de entrega cada vez mais curtos para as suas impressões personalizadas, independentemente da tiragem, por isso, sua empresa deve ser eficiente e estar sempre disponível. O Digital StoreFront® é uma ferramenta que vai possibilitar que os seus produtos estejam disponíveis 24 horas por 7 dias da semana. Você pode criar diversas vitrines totalmente personalizáveis com uma seleção ilimitada de produtos e serviços. Seus clientes simplesmente navegam através de categorias, selecionam os itens desejados e os adicionam aos seus carrinhos de compras. Além disso, o EFI Digital StoreFront oferece módulos opcionais para expandir os seus serviços online, aumentar a sua produtividade e gerenciar sua empresa de forma mais eficaz. Estes módulos suportam campanhas personalizadas com impressão de dados variáveis e muito mais! O Digital StoreFront, permite que os usuários requisitem, editem e visualizem todas as seleções em uma única página. Além disso, o EFI PrintMessenger converte os arquivos dos clientes em PDF prontos para a impressão - criando um fluxo de trabalho com base em PDF, o que acelera o processamento das tarefas e melhora a sua qualidade. O Digital StoreFront é uma ferramenta robusta que se integra com o seu sistema de workflow Fiery®. Diferencie-se de seus concorrentes e aumente sua receita com o Digital StoreFront.

Entre em contato e solicite uma demonstração.

Promoção de Lançamento A EFI Metrics está oferecendo condições especiais às empresas que adquirirem o Digital StoreFront até o dia 31/07/2012. Consulte-nos!

Mais informações: Tel.: 55 11 2199 0100 | 55 11 3266 3263 info@metrics.com.br www.metrics.com.br | www.efi.com


Foto: Álvaro Motta

História Viva

Jayme Kuperman O menino de Safed que conquistou São Paulo

Ele dedicou quase 50 anos de sua vida ao setor gráfico e de papelaria. Aos 97 anos, Jayme Kuperman mantém-se ativo, com memória de dar inveja em gente com metade da sua idade. Tânia Galluzzi

104 REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012

J

ayme Kuperman tem uma história exem­ plar. Tanto é que já virou livro e tema para muitas ma­té­r ias jornalísticas, pu­ blicadas tanto em revistas segmenta­ das quanto em jornais de grande circu­ lação, ora enfocando sua trajetória, ora pinçando aspectos específicos. Quer falar sobre a transformação da cidade de São Paulo em uma megalópole? Ele é testemunha e pode contar his­tó­r ias de­l i­cio­sas das quais foi perso­ nagem ou sobre as quais estudou. Precisa de re­ fe­rên­cias sobre a colônia judaica? Pode bater à sua porta que ele irá recebê-lo com a mesa pos­ ta, combinando petit fours, frutas frescas e tâ­ maras secas da Tunísia. O tema é ensino para terceira idade? Ele é aluno-​­símbolo. Enfim, está procurando um modelo de superação e autorrenovação? Acabou de encontrar. A memória perfeita, o bom humor, a deli­ cadeza e a inteligência cativam quem conhe­ ce Jayme Kuperman logo nos primeiros minu­ tos de conversa. Na manhã em que estivemos

juntos em seu apartamento, nos Jardins, Jay­ me se recuperava de uma queda que sofreu na calçada pertinho de sua casa. Com o braço na tipoia, desculpava-se pela desorganização de seus arquivos. Modéstia pura. Seu acervo, e não há palavra melhor, pois guarda pre­cio­si­da­ des como uma edição do jornal argentino La Na­ ción de 1922, alusiva aos 100 anos da indepen­ dência do Brasil. Tudo está separado em pastas e caixas, divididas por temas, ocupando ar­má­ rios e prateleiras em dois cômodos. Sobre uma escrivaninha, entre vá­r ios livros sobre impres­ são, papel e produção gráfica, reparo num pe­ queno caderno, capinha vermelha, ma­te­r ial de apoio dis­tri­buí­do em 1965 durante o Primeiro Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica, em Águas de Lindoia, onde nasceu a Abigraf. “Dei para minha mulher e olha só, ela usava para anotar receitas”, diverte-se. A ligação de Jayme com o setor gráfico teve início em 1949, quando começou a trabalhar na Tipografia e Papelaria Formosa, que não por


Jayme Kuperman é recepcionado por Henrique Nathaniel Coube, diretor da Abigraf Regional SP, durante evento da entidade. O último à direita é Damiro de Oliveira Volpe, presidente da Abigraf São Paulo e do sindicato paulista da indústria gráfica, c. 1970

acaso ficava na Rua Formosa, ao lado do Vale do Anhangabaú, no coração de São Paulo. Mas até aí ele já tinha passado por muita dificuldade. Da Palestina ao Brasil

Chain Siche Kuperman, seu nome de batismo, nasceu em Safed, na Palestina, em 21 de março de 1915. Não havia completado um ano quando seu pai faleceu. Sua mãe casou-se novamente e veio para o Brasil, deixando-o sob os cuidados da avó. Jayme só voltou a ver a mãe aos 10 anos de idade, quando veio morar com ela e o padras­ to em Belo Horizonte. Mudou-se para São Pau­ lo alguns anos depois para tentar a vida. Ven­ deu quadros com estampas de santos feitos por um alemão que encontrou no Parque São Jor­ ge, trabalhou em uma loja de peças e aces­só­r ios para carros e antes do fim da década de 30 já era dono de uma loja de roupas na Vila Ma­r ia­ na. Em 1941 conheceu Amélia, com quem se

Na comemoração dos seus 80 anos, abraçado por Leon Feffer, que o levou para coordenar a Papelaria e Gráfica Formosa, no centro de São Paulo, onde atuou por 47 anos. José Schechtman, sobrinho de Leon Feffer, é o primeiro à esquerda e Isaak Pesso, genro de Feffer, é o primeiro à direita

Jantar em Águas de Lindoia (SP), durante o 1º Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica, no qual foi fundada a Abigraf. À esquerda de Jayme, a esposa Amélia e o casal de amigos, Ilza e José Bignardi Neto. Junho de 1965

105 maio /junho 2012 REVISTA ABIGRAF


Líbano Síria

Safed

Tel-Aviv Jerusalém israel

Vista de Safed, na Palestina, cidade onde Jayme nasceu em 1915

casaria cinco meses depois. Foram 56 anos de ­união, dois filhos, cinco netos e um bisneto. Uma semana depois de vender sua loja, Jay­ me conheceu Leon Feffer através de seu cunha­ do. O pa­triar­ca da família Feffer, fundador da fábrica de papel que daria origem ao grupo Su­ zano, precisava de um subgerente para a pa­ pelaria Formosa. Cria­d a na década de 20, em 1949 a Formosa já era referência em guias e li­ vros fiscais. Sua formação como guarda-​­livros no Colégio Batista e sua disposição para estu­ dar im­pul­sio­n a­r am sua ascensão na empre­ sa. “Além de me aprofundar nas leis, lia os três

jordânia egito arábia saudita

Foto: Álvaro Motta

Em outubro de 1985, durante o X Congresso Latino-Americano da Indústria Gráfica, em Brasília, tendo à sua direita Antonio Martins Nogueira (que no futuro ocuparia a presidência do Sindicato do Comércio Varejista de Material de Escritório e Papelaria de SP). O último à direita é Rubens Amat Ferreira (presidente da Abigraf entre 1971 e 1980)

106

A coleção de selos de Jayme Kuperman, uma de suas paixões, foi exibida na Galeria de Arte A Hebraica, em fevereiro de 2012

REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012

Diá­r ios Oficiais e com isso comecei a ­criar im­ pressos fiscais. Nenhuma gráfica no Brasil pro­ duziu tanta va­r ie­da­de”. Foram 47 anos de dedi­ cação à Formosa, nos quais Jayme dividia seu tempo entre a coor­de­na­ção da papelaria e da gráfica. Ele revela em sua autobiografia, O Sa­ bor da Goiabada, que sempre gostou do serviço, tinha autonomia, porém não era reconhecido. “Eu ficava satisfeito quando via aquelas filas de gente querendo adquirir um impresso nos­ so e, nesses momentos, sentia que meu esforço estava valendo a pena. Recebi vá­r ios convites, mas nunca pensei se­r ia­men­te em sair. Ter uma gráfica própria, por exemplo, era uma respon­ sabilidade que eu não queria assumir sozinho”. Em 1981 Jayme decidiu que era hora de aposentar-se, descanso que durou sete anos. Em 1988, a Formosa chamou-o de novo, pois precisavam de alguém de con­f ian­ça, e em 1996 Jayme definitivamente parou de trabalhar. Nesses quase 50 anos, participou não só do con­ gresso de fundação da Abigraf como da cria­ção do Sindicato do Comércio Varejista de Ma­te­r ial de Escritório e Papelaria de São Paulo e Re­g ião (Simpa), do qual foi diretor. Há 14 anos Jayme frequenta os cursos da Universidade Aberta à Maturidade da PUC , onde estuda de econo­ mia, so­c io­l o­g ia e geo­ gra­f ia a história do Bra­ sil e música brasileira. “Lá aprendo coisas que não sei e relembro ou­ tras que já tinha esque­ cido”. Além das aulas, depois de alguns anos afastado da prática re­ li­g io­s a, Jayme voltou a dedicar-se às reuni­ ões na sinagoga da Rua Madre Teo­d o­r a, onde certamente também é fonte de inspiração.


Memória

Nordeste perde um líder Um dos mais importantes industriais gráficos de Pernambuco, José Cândido Cordeiro faleceu no dia 16 de abril, aos 88 anos.

N

ascido em 1924, no município de Moreno, PE, Cordeiro cursou, na adolescência, três anos de artes gráficas na Escola Pro­f is­sio­ nal do Estado, si­mul­ta­nea­men­te ao curso gi­na­sial. Gos­ tou muito do que aprendeu sobre tipografia, linotipo, encadernação e acabamento. Passou um tempo traba­ lhando como representante co­mer­cial de uma empresa inglesa distribuidora de ma­te­r ial de escritório, até que, em abril de 1947, resolveu mergulhar de vez no mundo gráfico, quando ingressou na Indústria Gráfica Moura e Cia., uma das melhores gráficas na época, localizada no bairro de São José, em Recife. Em janeiro de 1952, Cordeiro foi trabalhar na Im­ prensa In­dus­trial Nery da Fonseca. Em 1958, foi convi­ dado pelo empresário Hermínio Áureo de Queiroz para participar da so­cie­da­de da Gráfica São José, que teve o nome mudado para Áureo, Cordeiro & Cia. Cordeiro, que foi ho­me­na­gea­do em vida ao empres­ tar seu nome ao Prêmio Nordeste de Excelência Grá­ fica, participou da consolidação do Sindicato das In­ dús­trias Gráficas do Recife (Sindusgraf), fundado em 1939, ocupando inclusive a vice-​­presidência da entida­ de. Ele estava presente também no 1º‒ Congresso Brasi­ leiro da Indústria Gráfica, rea­li­za­do em junho de 1965, na cidade de Águas de Lindoia (SP), no qual foi funda­ da a Abigraf Na­cio­nal, em cuja diretoria foi empossa­ do como presidente do Conselho. Qua­tro anos depois, no dia 30 de abril de 1969, teve participação ativa na fundação da Abigraf Re­g io­nal Pernambuco sob a pre­ sidência de José Maria Rodrigues da Silva, co­roan­do os esforços desenvolvidos por um grupo de abnegados

108 REVISTA ABIGRAF  maio /junho 2012

empresários durante três anos. Orador ofi­cial na so­ lenidade de posse e um dos principais artífices dessa conquista do setor gráfico pernambucano, Cordeiro assumiu a vice-​­presidência da entidade. O empresário dizia que sempre trabalhou muito, mas nunca fez questão de cargos, preferindo trabalhar sem tal distinção. Mesmo assim, também integrou a di­ retoria da Federação das In­dús­trias do Estado de Per­ nambuco (Fie­pe) e foi conselheiro do Senai. No pe­r ío­do em que foi dirigente do Sindusgraf, a entidade ampliou sua base sindical para todo o Estado. Cordeiro deixou sua inseparável companheira, Ma­ ria do Carmo, e a filha Márcia Regina da Silva. Nos últi­ mos anos ele dedicava-se ao romance ba­sea­do em suas me­mó­rias, caminhava dia­ria­men­te no calçadão da praia em Recife e acompanhava com interesse as mudanças na indústria gráfica, uma de suas maiores paixões.


Memória

Setor gráfico se despede de Manoel Carlos de Camargo

Em 23 de abril, vinte dias depois de completar 50 anos, faleceu em São Paulo Manoel Carlos Martins de Camargo, diretor industrial da gráfica Bandeirantes.

Foto: Roberto Loffel

M

ais novo dos três filhos de Mário de Camargo, funda­ dor da gráfica, Mané, como era chamado por todos, começou o tra­ balhar na empresa em 1987, aos 25 anos, cuidando do atendimento das principais contas da Bandeirantes. Mesmo sem formação acadêmica na área, Mané herdou do pai uma sensibilida­ de rara para as questões industriais, o que o levou ao comando da produção quando, em 1992, Mário de Camargo promoveu a divisão do grupo com os filhos. O pa­triar­ ca ficou com a unidade de Campinas, An­ tonio de Pádua Camargo com o birô de pré-​­i mpressão e Mário César de Camar­ go e Mané com a planta de São Bernardo do Campo (depois transferida para Gua­ ru­l hos). “O Mané tinha uma capacidade es­p e­c ial para captar informações técni­ cas, para entender o fun­c io­na­men­to dos equipamentos”, lembra Mário César, dire­ tor da Bandeirantes. O empresário conta que, entre as vá­r ias mudanças provocadas pela rees­tru­tu­ra­ção, ao assumir a produção Mané imprimiu um ritmo mais dinâmico à atua­li­za­ção tecnológica do parque fabril. “Ele gostava de manter o pioneirismo que carrega o nome Bandeirantes, não se preo­ cu­pan­do muito com o mercado. Às vezes dava certo, outras não”. Em uma dessa in­ vestidas, perseguindo a alta qualidade na reprodução da cor, apostou na possibilida­ de de imprimir com li­nea­tu­ras mais finas através da tecnologia waterless. Porém, o alto custo inviabilizou o processo. Num outro momento, seu fee­ling foi preciso. “Estávamos em uma feira em Mi­ lão, em 1994, e o Mané conversava com

um dos gráficos que admirei, Wilson Si­v ie­ ro, na época na Hamburg. Naquela conver­ sa eles decidiram que de­ve­r ía­mos comprar uma linha de lombada quadrada com cola PUR , algo in­ci­pien­te no Brasil. Deu certís­ simo e hoje é padrão de mercado. Ele era assim, sempre atrás de uma nova técnica, um novo substrato, algo que pudesse se transformar num di­fe­ren­cial para nós”. Amigos de longa data como Luiz Nei ­A rias, vice-​­presidente da IBF, lembram o convívio com Mané. “Além do carinho que dedicava à família, Mané deixou o reconhe­ cimento de toda a indústria gráfica devido ao seu conhecimento técnico e pro­f is­sio­ na­l is­mo”. “Mané era muito justo, correto, um gráfico que sabia exatamente o que es­ tava fazendo”, afirma Noel Garcia Filho, representante do setor de papel. Atuan­do em ­­áreas complementares, o respeito foi a linha mestra para os 25 anos em que Mané e Mário César trabalharam juntos. A leal­d a­de foi a marca dessa rela­ ção. “O Mané foi o sócio, irmão e compa­ nheiro mais leal que tive na minha vida. Ele

era transparente, incapaz de simular emo­ ções ou sentimentos”. O grande mote para os irmãos, nas palavras de Mário César, era o fazer gráfico. “Nunca discutimos so­ bre dinheiro, partilha de lucros. Po­d ía­mos discordar sobre muitas coisas, e o Mané era muito firme em suas ideias, quando punha uma coisa na cabeça era difícil tirar, mas nunca brigamos por questões financeiras. Ele foi o melhor sócio que eu poderia ter”. Mané sofria de atrofia de múltiplos sis­ temas, desordem neurológica degenerati­ va. Há dois anos, quando precisou parar de dirigir por conta da doen­ça, a esposa, Sil­ via Regina Portescheller de Camargo, pas­ sou a levá-lo à gráfica, assumindo gradati­ vamente a área de compras, da qual Mané também cuidava. O casal teve dois filhos: Pedro, 23 anos, formado em Administra­ ção, trabalha na Artex/Coteminas, e Vitor, 20 anos, que está cursando Tecnologia em Produção Gráfica na Escola Senai Theo­bal­ do De Nigris e es­ta­g ian­do na Bandeiran­ tes. Mário César acumula agora a diretoria co­mer­cial e in­dus­trial da gráfica. maio /junho 2012 REVISTA ABIGRAF

109


Fusão

EFI amplia presença na América Latina A Metrics é incorporada pela EFI e passa a fazer parte do portfólio de produtos em sistemas de informação da empresa americana.

A

EFI – Electronics For Imaging, fa­

110

bricante de impressoras indus­ triais, soft­wares para impressão digital e sistemas de comércio eletrônico de impressão, anunciou a aquisição da Metrics Sistemas de Informação, empresa na­c io­ nal de sistemas ERP (Enterprise Resource Planning)/MIS (Management In­for­ma­tion System), nos setores de impressão e emba­ lagem. De acordo com Marc Olin, diretor-​ ­geral da carteira de aplicativos da EFI, o in­ teresse pela companhia surgiu há três anos. Entretanto, a aceitação da proposta de com­ pra só ocorreu no início de 2012. “Fizemos uma pesquisa para saber qual era a empre­ sa referência na área de sistemas de gestão para a indústria de impressão e a Metrics foi considerada pelos nossos fornecedores e clien­tes a melhor empresa”. A EFI pretende integrar o suporte e as operações da Metrics à organização APPS (aplicativos de soft­ware) existente e, ao mes­ mo tempo, seguir aperfeiçoando a oferta de produtos. “A EFI está comprovando que te­ mos produtos inovadores, comparados aos de outras nações. Este fato é mais uma pro­ va de que no Brasil há excelentes empresas na área de soft­ware”, disse o cofundador e diretor-​­presidente da Metrics, Osmar Bar­ bosa, que assume a posição de gerente geral da EFI APPS Brasil para a América Latina. A marca brasileira continuará denomi­ nando os produtos nacionais que passarão a integrar o port­fó­lio da EFI. “Além de nos­ sas soluções, os clien­tes terão acesso a uma ampla carteira de tecnologia, com mais op­ ções para o crescimento de seus ne­gó­cios, enquanto con­ti­nuam a receber o mesmo su­ porte e atenção a que já estão acostumados”, afirmou Osmar Barbosa. REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

(E/D) Osmar Barbosa, gerente geral da EFI APPS Brasil para a América Latina e Marc Olin, diretor-geral da carteira de aplicativos da EFI

EFI em números

fi­cas e tecnológicas — que obtiveram maior expansão. “No último ano investimos cer­ ca de 20% do faturamento de US$ 592 mi­ lhões em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos. Esse crescimento é mui­ to expressivo, tendo em vista que as gran­ des empresas gráficas estão com problemas financeiros”, declarou Marc Olin. Essa sólida estrutura permite rea­li­zar investimentos constantes em equipamen­ tos, tec­no­lo­g ias e serviços para todas as etapas dos processos de impressão. Para al­ cançar este objetivo, a EFI conta com uma equipe mun­dial su­pe­r ior a 2.300 fun­cio­ná­ rios, sendo quase mil engenheiros e, des­ tes, 300 dedicados exclusivamente à cria­ ção de sistemas de gestão. Além disso, os 31 es­cri­tó­r ios instalados em todo o mun­ do e os centros de desenvolvimento nos Es­ tados Unidos, Europa, Brasil, Nova Zelân­ dia e Índia fazem com que a produção seja praticamente ininterrupta para oferecer solução integrada de alta tecnologia.

Atrás apenas da Apple (43%), a EFI (17%) está entre as 12 empresas do Vale do Silí­ cio — re­gião na Califórnia (EUA) onde estão instaladas com­pa­nhias de inovações cien­tí­

& EFI METRICS Tel. (11) 2199-​­0100 www.metrics.com.br

Na opi­nião de Guy Gecht, CEO da EFI, a América Latina é um mercado vibrante, com oportunidades de crescimento para toda a carteira da companhia. “A missão é expandir nossa presença na re­g ião, e para isso temos metas agressivas de crescimen­ to. Nesse sentido, um de nossos focos será aumentar os recursos e nossa atua­ção no segmento de grandes formatos”. Com a aquisição da Metrics, a EFI passa a figurar como a maior fornecedora de soft­ wares de automação para os setores de im­ pressão e embalagem na América do Norte e do Sul, Europa, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul, com mais de 20 mil insta­ lações em âmbito mun­d ial. A fusão contri­ buiu, ainda, para a americana tornar-se a principal empresa de MIS/ERP na América do Sul e Central, com destaque no Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, México e Peru.


A ABTG CERTIFICADORA ESTÁ COM NOVOS SERVIÇOS, VENHA NOS FAZER UMA VISITA.

CERTIFICAÇÃO ISO 14001 (ACREDITADO PELO INMETRO) A indústria gráfica nacional ganhou um Organismo Certificador, especializado no setor, a ABTG Certificadora. O Organismo, que já conta com as certificações ISO 9001 (Qualidade), ISO 12647-2 (Qualidade no processo gráfico), certificação de qualidade de máquinas novas e usadas e outros, foi recentemente acreditado pelo INMETRO para certificar ISO 14001 para o mercado gráfico brasileiro. Venha nos visitar e descobrir como a certificação independente e especializada na nossa indústria pode ajudar a alavancar a qualidade e gerar diferencial competitivo para sua empresa gráfica.

SEDE Rua do Paraíso, 529 - Paraíso - São Paulo / SP Telefone: (55 11) 2618-2024 E-mail: comercial@abtgcertificadora.org.br Site: www.abtgcertificadora.org.br


Robert Doisneau O poeta das periferias


F OTOG R A F I A

“Robert Doisneau é antes de tudo um morador da periferia maravilhado por Paris. Sua lente soube iluminar com discrição, pudor e ternura o povo da capital e das suas cercanias”. Yann Lorvo, diretor geral da Aliança Francesa do Brasil

Tânia Galluzzi


2

evolução da so­cie­d a­de. Do seu jeito, humano e perspicaz, ele foi testemunha pri­v i­le­g ia­da de um tempo em que Paris se expandia para cima da periferia, a qual também devorava o campo, urbanizando o camponês contra sua vontade. Seu contato com a fotografia aconteceu em 1929. Depois de estudar gravação e litografia na Escola Es­tien­ne, es­pe­cia­l i­za­d a na aprendizagem das artes gráficas, Doisneau conseguiu emprego no ateliê Ullmann, estúdio que produzia etiquetas e propagandas para a indústria far­ma­cêu­ti­ca. Em razão de uma mudança radical nos hábitos e na concepção vi­sual da propaganda, recorria-se cada vez mais à fotografia e Robert Doisneau, fascinado pela nova mídia, tornou-se rapidamente assistente e depois responsável pelo estúdio de gravação e laboratório montados no ateliê. 3

1 (página dupla anterior) O carro derretido, Paris, 1944 2 O repouso do soldado da Resistência Francesa aos invasores alemães, Paris, 1944 3 Emboscada diante da catedral, Notre Dame, agosto de 1944

O livro “Simplesmente Doisneau”, no formato 20,3 × 25,5 cm, com 180 páginas, foi impresso pela Gráfica Santa Marta (PB)

114 REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

E

ste é o ano do centenário de nascimento de um dos maiores nomes da história da fotografia mun­d ial, Robert Doisneau. Para celebrar, a Alian­ça Francesa trouxe para o público brasileiro uma exposição inédita no País com a obra do lendário fotógrafo cujos retratos foram eternizados como postais e até hoje estão presentes na vida dos franceses. Acompanhando a mostra, que ficou em cartaz no Rio de Janeiro até o final de junho, foi lançado o livro Simplesmente Doisneau. Impresso pela gráfica Santa Marta, a obra apresenta as 152 imagens que compuseram a exposição ca­r io­ca. Nascido na cidade de Gentilly, em abril de 1912, Robert Doisneau, desde o início da carreira, se mostrou apaixonado pelas ruas. In­f luen­cia­do pelos trabalhos de Henri Car­tier-​­Bresson, Eugène Atget e André Kertész, ganhou fama por fotografar a vida so­cial de Paris e dos arredores, sem distinção de classe so­cial: uma visão da fragilidade humana e das contradições da vida. No livro Simplesmente Doisneau, Agnès de Gouvion Saint-​­Cyr, que durante mais de 30 anos foi a encarregada pelo Ministério da Cultura da França por divulgar a fotografia pelo mundo, escreve que Doisneau foi cronista infalível de uma época em que a banalidade do co­ti­ dia­no competia com a lenta, porém obcecante,

Respirando Paris

Deixando sua lupa e as ferramentas de gravador de lado, Doisneau passou a frequentar os ate­ liês de Montparnasse para trabalhar, em aulas noturnas, naturezas mortas ou desenhos com modelos vivos. Lá observava os hábitos e modos de vida da Paris dos anos loucos. Empurrado pelo senso de urgência ele começou a em­ preen­der uma fotografia sistemática da cidade e sua periferia. Em 1931 tornou-se assistente de André Vigneau, fotógrafo de moda, desenhista de publicidade, rea­li­za­dor de desenhos animados, pintor, escultor e vio­lon­ce­lis­ta, in­f luên­cia es­sen­cial para Doisneau. O fotógrafo ainda estava com Vigneau quando publicou sua primeira reportagem, uma série sobre o mercado de pulgas. Depois do serviço militar, foi trabalhar no estúdio de propaganda da Renault, entre 1934 e 1939. Seu


4

trabalho amadureceu con­ti­nua­men­te. Sua audácia vi­sual se impôs de maneira permanente para servir um pensamento so­cial rigoroso, como no seu hino à infância, em imagens que trazem as crian­ças do asfalto e do concreto. Quan­do a Segunda Guer­ra Mun­d ial o alcançou, ele viveu a ocupação de Paris sem fotografar muito, pois os filmes eram caros e raros. No fim da guerra, com o reen­con­t ro da imprensa com seu dinamismo, Doisneau participou desse frenesi através de numerosas reportagens, que aos poucos fizeram com que o fotógrafo deixasse o mundo pes­soal para tender para o universal. Os anos de 1950 testemunham sua consagração. Em suas imagens ele 4 As criancinhas do leite, Paris, 1934 5 O pato de Monsieur Dassonville, Paris, 1950 6 A vitrine de Romi, Paris, 1948 7 O beijo do Hôtel de Ville, Paris, 1950

5

6

7

perseguia o humor, evocava a narração, questionava a ambiguidade, imobilizava o movimento ou cons­truía sequências. Ao longo da carreira, o trabalho de Doisneau foi publicado em mais de 20 livros. Ele foi tema de cerca de nove filmes, incluindo o curta-​­metragem Le Paris de Robert Doisneau (1973) e Bonjour Monsieur Doisneau (1992). Entre os prê­mios que conquistou, destacam-se o Grand Prix Na­tio­nal de la Photographie (1983), o prêmio Kodak (1947), o prêmio Balzac em 1986 e o Prêmio Niép­ce em 1956. Robert Doisneau morreu em Paris em 1994. maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

115


Sistema Abigraf Notícias

Regional DF sedia Assembleia da Abigraf Nacional Sistema Recopi, Adin, Campanha de Valorização do Papel e da Comunicação Impressa e Semana da Indústria Gráfica foram alguns dos assuntos abordados durante a 48ª Assembleia Geral da Abigraf Nacional.

E

116 116

m 18 de abril, na sede da Abi­ graf Re­gio­nal Distrito Fede­ ral, o presidente da Abigraf Na­ cio­nal, Fabio Arruda Mortara, e o presidente do conselho dire­ tivo da Abigraf Na­cio­nal, James Hermes dos Santos, ao lado de João Batista Alves dos Santos, presidente da re­gio­nal anfitriã, conduziram a abertura da 48ª Assembleia Geral Ordinária da Abigraf Na­cio­nal. O encontro em Brasília reuniu representantes de 17 Abigrafs regionais e de quatro sindicatos de in­dús­trias gráficas. Um dos assuntos abordados foi o Sistema de Reconhecimento e Controle das Operações com Papel Imune (Recopi), medida que visa combater o uso inde­ vido do papel imune, em vigor desde a data de sua publicação (fevereiro de 2010). Levi Cerega­ to, presidente da Abigraf Re­gio­ nal paulista, informou que, em São Paulo, o projeto reduziu sig­ nificativamente a co­mer­cia­li­za­ ção do papel imune. Nove esta­ dos (Bahia, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo) já assinaram convê­ nio com o Conselho Na­cio­nal de Política Fazendária (Confaz) para a adesão ao sistema. Durante o encontro foi cria­da uma comissão composta por Ju­ lião Flaves Gauna (MS), Eduar­do Carneiro Mota (PE), Levi Ceregato REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

(SP), Vicente de Paula Aleixo Dias (MG) e Walter Castro dos San­ tos (SE), sob a coor­de­na­ção da Abigraf Re­gio­nal Minas Gerais, para estudar um novo modelo de contribuição as­so­cia­ti­va da Abigraf Na­cio­nal. Outra comis­ são, para analisar a reforma es­ tatutária, foi formada por James Hermes dos Santos (PI), Eduar­do Carneiro Mota (PE), Roberto Car­ los Moreira (MA), José Fernando da Silva Rocha (SC), Levi Ceregato (SP), Marcone Reis Fagundes (MG), Ju­lião Flaves Gauna (MS) e Nílsea Borelli de Oliveira, assessora ju­ rídica da Abigraf Na­cio­nal (SP), coor­de­na­da pela Abigraf Re­gio­ nal ­Piauí. As primeiras ideias des­ se projeto serão apresentadas em 15 de junho em Teresina (PI). Estudo feito pela Consulto­ ria Dom Cabral sobre a medida para desoneração da folha de sa­lá­rios (MP 563/2012) também foi apresentado na assembleia. A pesquisa, rea­li­za­da nas regio­ nais de SP, SC, PR, PE, CE, RS, MA e RJ, revelou que os em­pre­sá­ rios destes estados são favorá­ veis à desoneração da folha em 1% sobre a receita bruta. Desta forma, ficou decidida a entre­ ga de um pleito para o Minis­ tério da Fazenda, por uma co­ mitiva da entidade, que poderá contar com o apoio da relatora da norma, a deputada federal Rebeca Garcia (PP/AM).

Visando am­p liar a atua­ç ão da Campanha de Valorização do Papel e da Comunicação Impres­ sa, foi cria­do um grupo de traba­ lho para a ini­cia­ti­va. A propos­ ta dessa equipe é rea­li­zar uma pesquisa nos principais centros urbanos do País, buscando en­ tender como as pes­soas enxer­ gam a comunicação impressa, o papel e a sustentabilidade. Em relação à programação da 1ª Semana da Indústria Gráfi­ ca (Sigra), que será rea­li­za­da em São Paulo de 24 de junho a 1º de julho, foi informado que o vice-​

­ residente da República, Michel p Temer, será laureado, no almoço do evento do dia 28 de junho, com a primeira edição do prêmio Personalidade do Ano. Na as­ sembleia definiu-se, ainda, que a es­ta­tue­ta entregue ao ho­me­na­ gea­do receberá o nome do ex-​ ­presidente da Abigraf Na­cio­nal e da Conlatingraf, Max Schrap­ pe. Na  semana de comemora­ ção do Dia Na­cio­nal da Indústria Gráfica também serão rea­li­z a­ dos eventos técnicos, esporti­ vos, educacionais, institucionais e de sustentabilidade.

Participantes Composição da mesa

Presidente da mesa: James Hermes dos Santos, presidente do conselho diretivo. Secretário ad hoc: Osvaldo Lu­cia­ni, diretor. Abigraf Na­cio­nal: Fábio Arruda Mortara, presidente da diretoria executiva. Regionais da Abigraf Nacional presentes no encontro

Cea­r á: Tales Carvalho, presidente. Distrito Federal: João Batista Alves dos Santos, presidente; Pedro Henrique Verano, diretor financeiro; Antonio Carlos Navarro, diretor superintendente. Espírito Santo: João Baptista Depizzol Neto, presidente; Maria Ângela Demoner Colnago, tesoureira. Maranhão: Roberto Carlos Moreira, presidente; ­Raphael Abdalla Leal, 1º vice-​­presidente. Minas Gerais: Vicente de Paula Aleixo Dias, presidente. Mato Grosso do Sul: Ju­lião Flaves Gauna, presidente. Pará: Carlos Jorge Lima, vice-​ ­presidente. Paraná: Sidney Pa­cior­nik, presidente; Jair Leite, vice-​­presidente; Ma­noel­ la Pinheiro Machado, mar­ke­ting; Rubens E. Campos, executivo. Pernambuco: Eduar­ do Carneiro Mota, presidente. ­Piauí: James

Hermes dos Santos, presidente; Luiz Gonzaga de Andrade, diretor. Rio de Janeiro: Carlos Augusto Di Gior­gio Sobrinho, presidente; Marcus A.C. Lopes, vice-​­presidente. Rio Grande do Norte: Carlos Vinicius Costa Lima, presidente. Rio Grande do Sul: Carlos Evandro Alves da Silva, presidente; Silvio L. Santos, vice-​­p residente; Henrique Pup­ per, vice-​­presidente; Angelo Garbarski, vice-​ ­presidente. Santa Catarina: José Fernando da Silva Rocha, presidente; Karoline Ferreira Franza, secretária executiva. São Paulo: Levi Ceregato, presidente. Sergipe: Walter Castro dos Santos, presidente. Tocantins: Sérgio Carlos Tavares, presidente. Sindicatos

Sindicato das In­dús­trias Gráficas de Blumenau: Osvaldo Lu­c ia­n i, presidente; Luiz Henrique Rosa Gonçalves, tesoureiro Sindicato das Inds. Gráficas do Distrito Federal: João Ferreira dos Santos, presidente Sindicato das In­dús­trias Gráficas de Pelotas: Gilmar M. Leusen, presidente Sindicato das In­dús­trias Gráficas de Teresina: Luiz Gonzaga de Andrade, presidente.


Abril obtém certificação de qualidade no processo de reprodução gráfica (E/D) Fabio Arruda Mortara, presidente da Abigraf Nacional e do Sindigraf-SP; Lygia Flores, gerente geral do Sistema Abigraf; e Manoel Manteigas de Oliveira, diretor da Escola Senai Theobaldo De Nigris

Abigraf completa 47 anos Para celebrar a data, associação realizou a Semana da Indústria Gráfica.

D

e 24 de junho a 1º de julho, a Abigraf Na­cio­nal realizou a primeira Semana da Indús­ tria Gráfica (Sigra), evento em comemoração ao Dia Na­cio­nal da Indústria Gráfica (24 de ju­ nho) e aos 47 anos da Abigraf Na­c io­n al, fundada em 18 de junho de 1965. A programação incluiu o Aç ã o n a Pr a ­ ça, evento com foco am­b ien­t al, voltado ao pú­ blico infantoju­ venil, rea­l i­z a­d o em parceria com o Sesi SP, Institu­ to Verde Escola e Praça Victor Ci­ vita. Com o mesmo di­re­cio­na­ men­to, o 5º Ciclo de Sustentabi­ lidade, rea­li­za­do pela ABTG, teve como tema “Passo a passo para ser uma gráfica sustentável”. A Sigra também fez home­ nagens às ini­cia­ti­vas que se des­ tacaram em 2011, com a entre­ ga do Prêmio Personalidade do Ano e dos tro­féus de Desta­ que Sustentabilidade na Cadeia

Produtiva, que contemplou ini­ cia­ti­vas nas ca­te­go­rias “So­cial” e “Am­bien­tal”, entre as gráficas, seus fornecedores e a imprensa. A programação foi encerra­ da em 1º de julho, com a Cor­ rida dos Bombeiros, tra­di­cio­nal circuito de rua, rea­li­za­do na zona sul de São Paulo, que contou com a participação de 50 profis­ sionais do setor, entre gráf icos e fornecedores. Com os even­ tos, a Abigraf Na­ cio­nal celebrou ini­c ia­t i­v as que se destacaram no camp o da política e da sus­ tentabilidade, além de traba­ lhar a ­u nião do setor através do esporte, cons­cien­ti­zan­do e orien­tan­do sobre a importân­ cia da implantação da respon­ sabilidade so­cial e am­b ien­t al nas gráficas brasileiras. A co­ bertura completa da 1ª Sema­ na da Indústria Gráfica será publicada na próxima edição da Revista Abigraf.

Editora é a primeira empresa a receber a certificação da ABTG Certificadora.

A

Editora Abril, com sede em São Paulo, é a primeira em­ presa do setor a obter, pela ABTG Certificadora, o selo de conformidade com a norma ABNT NBR 15936-1 – Qua­li­da­ de no processo de reprodu­ ção gráfica, que inclui requisi­ tos da norma ABNT NBR NM-­ISO 12647‑2 . A certificação ates­ ta que uma gráfica é capaz de produzir impressos a par­ tir de arquivos digitais norma­ lizados e de simular condição de impressão pública, aceita mun­dial­m en­te e dentro das to­le­rân­cias especificadas nas normas internacionais. A norma NBR15936‑1 se aplica aos processos gráficos desde a recepção de arqui­ vos digitais até a confecção de provas físicas e processos de impressão offset plana ou rotativa heat­set. Contempla a preparação de dados, ilumi­ nação, provas vir­tual e física, gravação de chapas e impres­ são em processo offset. Entre os be­n e­f í­cios obti­ dos estão a melhoria do siste­ ma no processo produtivo e a garantia de repetibilidade, que dá mais segurança e transpa­ rência no re­la­cio­na­men­to com o clien­te. O  processo de pro­ dução, quando ba­s ea­do em

parâmetros públicos, além da ras­trea­bi­li­da­de e consistência do processo, coloca a gráfica em linha com os padrões de impressão in­ter­na­cio­nal­men­ te reconhecidos. Analisando provas físicas, virtuais e de impressão, a au­ ditoria para obtenção da cer­ tificação verifica as ­­áreas de ava­lia­ç ão de cor e o uso de arquivos no formato PDF/X-1a no fluxo de trabalho. A vali­ dade do certificado é de três anos e as auditorias de super­ visão devem ser rea­l i­z a­d as uma vez por ano. A ABTG Certificadora é um Organismo Certificador es­ truturado para oferecer certi­ ficações técnicas às in­dús­trias gráficas alavancando e corro­ borando a execução das polí­ ticas de qualidade e na ado­ ção de normas nacionais e internacionais. O conjunto de certificações — quatro delas voltadas ao sistema de ges­ tão, qualidade e monitora­ mento e oito aos processos — forma um sistema consistente e coe­so, capaz de garantir di­ ferenciais competitivos às em­ presas. Mais informações no site www.abtgcertificadora. org.br ou pelo telefone (11) 2618-​­2024. maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

117 117


Sistema Abigraf Notícias

Aracaju reuniu regionais do Nordeste Comunicação fortalecida O sistema Abigraf cria novos canais de comunicação com os associados.

C

118 118

om a preo­cu­pa­ção constan­ te de informar o as­so­cia­do e demais profissionais da indús­ tria gráfica sobre as rea­li­za­ções da entidade e outras no­tí­cias da indústria gráfica, a Abigraf está crian­do novos canais de comu­ nicação. Os sites das entidades que representam o setor ganha­ ram novos espaços de interação, que deverão aprimorar o re­la­ cio­na­men­to e a comunicação. A coluna “Minha história”, nos sites da Abigraf Na­c io­n al, Re­ gio­nal São Paulo, ABTG e Sindi­ graf  SP, traz, quinzenalmente, o perfil de uma empresa gráfica, relatando sua história, de­sa­f ios, conquistas e atua­ção no merca­ do. Os  as­so­cia­dos podem par­ ticipar do espaço en­vian­do sua sugestão por e-​­mail. Outra novidade é o “Espaço fornecedor”, nas páginas online da Abigraf Na­cio­nal e Re­gio­nal São Paulo. Este canal foi desen­ volvido para aproximar os só­ cios-​­colaboradores de clien­tes atuais e potenciais e destina-se aos anúncio de produtos, servi­ ços, eventos e campanhas. A di­ vulgação é gratuita e permanece no ar durante duas semanas. Mais um importante ca­ nal de diá­lo­go é o “Fale com o REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

presidente”, disponível nos sites das entidades, que tem o ob­ jetivo de aproximar os em­pre­ sá­rios gráficos dos presidentes de cada instituição. É possível en­viar mensagens com suges­ tões e dúvidas sobre qualquer assunto referente ao setor ou às as­so­cia­ções e ao sindicato. Para participar, os interessa­ dos podem entrar em conta­ to pelo e-​­mail dmark@abigraf. org.br ou pelo telefone (11) 3232-​­4510. Já nas publicações impres­ sas, a novidade é a seção “Voz do gráfico” no boletim Impressões. Trata-se de um espaço exclusi­ vo para os profissionais tirarem dúvidas, en­v ia­r em sugestões ou falarem com as entidades sempre que precisarem. A Abigraf Na­cio­nal também está presente nas redes sociais. Para curtir a página no Fa­ce­ book o endereço é facebook. com/abigrafnacional. No  Twit­ ter, o perfil da entidade pode ser seguido em twitter.com/ abigrafnacional. No  LinkedIn, o caminho é linkedin.com/in/ abigrafnacional. Também estão disponíveis no YouTube ví­deos dos eventos rea­li­za­dos: youtube. com/abigrafnacional.

A capital de Sergipe recebeu os dirigentes locais e das regionais de Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte

F

oi rea­li­za­da no dia 20 de abril, na sede da Federação das In­ dús­trias de Sergipe, em Aracaju, a 10ª Reunião das Regionais da Abigraf no Nordeste, com a par­ ticipação de representantes das regionais de Pernambuco, ­Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. Ini­cia­da às 8:30 horas, a reunião, que contou também com a pre­ sença de 20 em­pre­sá­rios locais, foi encerrada com um almoço. Na mesma data, a partir das 19 horas, no Sebrae, ocorreu o I Encontro das In­dús­trias Gráficas

do Estado de Sergipe congre­ gando cerca de 120 em­pre­s á­ rios gráficos. Durante o evento, Valdézio Bezerra de Figueiredo, vice-​­presidente da Abigraf Na­ cio­nal para a Re­gião Nordeste, falou sobre “As­so­cia­ti­v is­mo” e “Dificuldades do setor gráfico e como combatê-​­las”, cabendo a Mário César Martins de Camar­ go, diretor da Abigraf Na­cio­nal, discorrer sobre “Amea­ças e opor­ tunidades da indústria gráfica brasileira”. Ao final foi servido um coquetel aos presentes.

Interior paulista recebe SAGs Nos meses de abril e maio, as cidades de Araçatuba e Bauru receberam a Semana de Artes Gráficas, com palestras e seminários direcionados aos profissionais do setor.

E

m­pre­sá­rios da área gráfica do in­te­rior paulista recebe­ ram a Semana de Artes Grá­ ficas (SAGs) em grandes cida­ des da re­gião oes­te do Estado. O evento de cunho edu­ca­cio­ nal é uma rea­li­za­ção da As­so­ cia­ção Brasileira de Tecnologia Gráfica (ABTG), com o patro­ cínio da As­so­cia­ção Brasilei­ ra da Indústria Gráfica – Re­ gio­nal São Paulo (Abigraf-SP) e do Sindicato das In­dús­trias Gráficas no Estado de São Pau­ lo (Sindigraf-SP). Somente em 2011 mais de 4,6  mil pes­soas

participaram das onze SAG s rea­li­za­das na­cio­nal­men­te. Em maio, entre os dias 14 e 18, foi a vez de Araçatuba se­ diar o programa, que foi rea­li­ za­do no Hotel Ri­vie­ra. Na cida­ de, a SAG reuniu em­pre­sá­rios e trabalhadores das in­dús­trias da cidade e re­gião em se­mi­ná­ rios sobre gestão, produção e vendas na área gráfica. O mu­ nicípio de Bauru, que conta com cerca de 130 gráficas, re­ cebeu o evento entre os dias 21 e 25 de maio, na unidade local do Senai.


Sindigraf-SP inaugura biblioteca em Avaí A cidade do interior do Estado recebeu cerca de 600 livros doados pelo Sindigraf-SP e Abigraf-SP, dentro do projeto “São Paulo: Um Estado de Leitores”.

O

s moradores de Avaí, cida­ de de aproximadamente cinco mil habitantes no in­te­ rior de São Paulo, comemora­ ram em 30 de maio a revitali­ zação de sua bi­blio­te­ca, com a doa­ção de 600 títulos, além de um computador, pelo Sin­ digraf-SP, com apoio da Abi­ graf Re­gio­nal São Paulo. A  ini­ cia­ti­va faz parte do programa “São Paulo: Um Estado de Lei­ tores”, do Governo do Estado de São Paulo, que tem como objetivo estimular o acesso ao livro e à leitura. Localizada a 40 quilômetros de Bauru, Avaí foi a 13ª cidade contemplada pelo projeto, que, em oito anos, já doou 7,8  mil livros. Na visão da Abigraf-SP, o engajamento pela democratização do acesso ao livro e à leitura deve ser um compromisso das entidades

vinculadas à indústria da comu­ nicação impressa. “A leitura é o combustível do conhecimen­ to. E  o conhecimento é a por­ ta de entrada da ciên­cia e do bem-​­estar”, declarou durante o evento o presidente da AbigrafSP, Levi Ceregato, que anun­ ciou para setembro a doa­ção de mais 600 livros para a cidade de Santa Cruz da Esperança, na re­gião de Ribeirão Preto. O primeiro vice-​­presidente da sec­cio­nal de Bauru da Abi­ graf-SP, Ricardo Carrijo, lem­ brou que as bi­blio­te­cas, além de espaços dedicados aos es­ tudos e à leitura, costumam es­ timular o convívio so­cial. “Esta­ mos aqui para inaugurar uma bi­blio­te­ca de verdade. Nós não temos nada contra a tecnolo­ gia, mas temos tudo a favor do livro impresso”, afirmou.

Integrantes da sec­cio­nal de Ribeirão Preto e da Abigraf-SP também pres­ti­gia­ram o even­ to, que contou com a presença do prefeito e de ve­rea­do­res do município de Avaí. Represen­ tando Fabio Arruda Mortara, presidente da Abigraf Na­cio­nal e do Sindigraf-SP, o diretor da sec­cio­nal Bauru, Ricardo Cou­ be, lembrou que as crian­ç as serão as principais be­ne­f i­cia­ das pelo investimento. “É uma grande satisfação para nós que as crian­ças tenham acesso ao conhecimento”. O prefeito de Avaí, Paulo Sérgio Rodrigues, se compro­ meteu a colocar a bi­b lio­te­c a para fun­cio­nar dia e noite, para que também os adultos que trabalham durante o dia pos­ sam usufruir dos livros à dispo­ sição. “Esse deve ser o começo

ASSINE a revista abigraf

para quem quer ter um futuro pela frente”, disse. A cerimônia de inauguração foi também marcada pela pre­ mia­ç ão promovida pela Abi­ graf Sec­cio­nal Bauru de duas estudantes de Areal­va, última cidade be­ne­f i­cia­da pelo proje­ to e também vizinha a Bauru. O prêmio “Cam­peãs de Leitu­ ra” foi entregue a duas leito­ ras que retiraram o maior nú­ mero de livros da bi­b lio­te­c a municipal desde que o Sindi­ graf-SP e a Abigraf-SP rea­li­z a­ ram doa­ção semelhante para a cidade, em setembro de 2011. Pre­mia­da com uma bicicleta, a estudante Thais Aparecida Bento da Silva, de oito anos, leu 14 títulos no pe­río­do. Maria Fernanda Pas­chio­la­ti Pen­tea­ do foi a segunda colocada na competição, com 12 livros.

revista issn 0103•5 72x

arte & indús tria gráfica • ano xxxvii • maio/junho

2 0 1 2 • nº 2 5 9

a maior e mais completa revista do setor gráfico

A p e n as

ASSINE

1 ANO (6 edições)

R$

60,00

A p e n as

ASSINE

2 ANOS (12 edições)

R$

108,00

revista abigr af 259 maio/ junho 2012

Informação completa sobre o setor apresentada com muita arte

(11) 3159.3010  editoracg@gmail.com

119 119 maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF


Sistema Abigraf Notícias

Prêmio Fernando Pini: Grand Prix cresce, valorizando os processos de impressão A 22ª edição do Prêmio Fernando Pini traz várias alterações, com novas categorias e a exclusão de outras. Agora serão sete, e não mais três, os prêmios de Melhor Atributo Técnico.

A

cerimônia de entrega do Prêmio Fernando Pini, sem­ pre rea­l i­z a­d a em novembro, fun­cio­na como uma festa de encerramento das atividades do setor gráfico no pe­r ío­d o. Quem tem contato com o con­ curso apenas nessa época mui­ tas vezes não sabe que a orga­ nização do certame trabalha praticamente o ano inteiro para que o prêmio aconteça, boa parte do tempo rea­va­lian­do e ajustando o regulamento para que ele acompanhe e reflita a evolução da indústria gráfica. E não foi diferente neste ano. O regulamento da edição 2012 traz algumas alterações impor­ tantes, fruto da análise crítica do evento an­te­rior e da incor­ poração de sugestões tanto da equipe interna quanto do próprio mercado. Para a 22ª edição foram eliminadas três ca­te­go­rias: For­mu­lá­rios Con­tí­ nuos, Cartões Laminados e Re­ vistas Pró­prias. A  exigência de

registro no ISSN e ISBN para a inscrição de revistas e livros em qualquer categoria foi também suprimida, até então utilizada para estabelecer os limites en­ tre os dois produtos. “Além de aumentar a possibilidade de inscrição, passamos a pri­vi­le­ giar a configuração técnica da peça, e não a regulamentação legal”, comenta Francisco Velo­ so, coor­de­na­dor do concurso. Maior abrangência foi igual­ mente o objetivo da alteração na categoria Cadernos. Antes restrita aos itens em conformi­ dade com a norma ABNT NBR 15733, que determina padrões para o produto, a categoria foi dividida em duas, uma envol­ vendo apenas os cadernos es­ colares que se encaixam na norma e outra os cadernos em geral. Uma das alterações de maior visibilidade será a am­plia­ ção dos prê­mios por Atributos Técnicos do Processo, chama­ dos de Grand Prix, visando valo­ rizar os processos de impressão. Neste ano, dentre os produtos

finalistas serão indicadas pe­ ças com a Melhor Impressão Digital, Melhor Impressão Off­ set Plana, Melhor Impressão Rotativa Heat­s et, Melhor Im­ pressão Flexográfica, Melhor Impressão Rotográfica, Melhor Acabamento Edi­to­rial e Melhor Acabamento Cartotécnico. O novo regulamento reto­ ma a categoria Malas Diretas e nele as ca­te­go­rias Inovação Tecnológica e Complexidade Técnica do Processo estão pela primeira vez separadas. “Pode­ mos ter uma peça que traz uma inovação, por exemplo a utili­ zação de um substrato inusita­ do, porém com processo pro­ dutivo con­ven­cio­nal. Ou um produto com maior comple­ xidade ope­ra­cio­nal, mas sem inovações efetivas. Acredita­ mos que a separação abrirá nova oportunidades”, afirma o coor­d e­n a­d or. Completam as mudanças a inclusão da cate­ goria Car­dá­pios e a readequa­ ção da categoria Jornais, no segmento Produtos Impressos

Abigraf participa da Expo Embala A entidade deu apoio institucional ao evento.

E

120 120

ntre os dias 24 e 27 de abril, São Paulo recebeu a Expo Embala, feira que apresentou as principais novidades para a indústria de embalagens, no Centro de Exposições Imigran­ tes. Os mais de cinco  mil visi­ tantes puderam conhecer as novidades do setor presentes nos 8.120 metros quadrados ocupados pela exposição. Com apoio ins­ti­tu­cio­nal da Abigraf, a REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012

mostra reuniu 96 expositores, entre fabricantes e fornecedo­ res de serviços, que demonstra­ ram as mais recentes inovações em ma­té­r ias-​­p rimas, automa­ ção in­dus­trial, artes gráficas, re­ ciclagem e logística. A Abigraf participou também como ex­ positora, em estande próprio, estruturado em papelão micro-​ ­ondulado, elaborado com apoio da Escala 7 Editora Gráfica. Além

da exposição, a Expo Embala contou com a conferência es­ tratégica Pack Summit, que dis­ cutiu assuntos ligados a ma­cro­ ten­dên­cias, à competitividade nos ne­gó­cios, sustentabilidade,

em Rotativas Heat­set, que pas­ sa para Jornais e Informati­ vos, abrangendo pe­r ió­d i­cos e informativos com produção contínua diá­ria ou não. As inscrições abrem no dia 1º de agosto, estendendo-se até 14 de setembro, e as que fo­ rem efe­tua­das até 6 de setem­ bro terão desconto. As empre­ sas podem inscrever produtos gráficos impressos no Brasil a partir de 1º de outubro de 2011 em 63 ca­te­go­rias. Também po­ dem concorrer fornecedores da indústria gráfica, divididos em 16 ca­te­go­rias. A primeira fase de julgamento será na primei­ ra quinzena de outubro. De 15 a 26 do mesmo mês os produtos finalistas estarão em exposição no Senai Ba­rue­ri, onde aconte­ ce a análise das peças. No  iní­ cio de novembro será rea­li­za­do o segundo julgamento, com os vencedores anun­cia­dos na fes­ ta do dia 27. O prêmio é orga­ nizado pela ABTG com apoio da Abigraf Na­cio­nal. www.fernandopini.org.br

segurança e inovação, reunindo executivos de importantes em­ presas como Ambev, Nestlé e Pão de Açúcar, além de acadêmicos e representantes do Ins­ tituto de Tecnologia de Embalagem (Ital), da Agência Brasileira de Promoção de Exportação e In­ vestimentos (Apex) e do Centro de Tecnologia de Embalagem (Cetea). O evento foi promovido pela Cla­rion Events e ­GreenField Business Pro­mo­tion.


Mídias sociais, compras públicas e embalagens foram temas de palestras Eventos promovidos pela Abigraf-SP e Sindigraf-SP levaram conhecimentos sobre tendências de mercado, com o objetivo de mostrar aos empresários novas oportunidades de negócios.

N

o último trimestre, o setor gráfico contou com pales­ tras gratuitas rea­li­z a­das pela Abigraf Re­gio­nal São Paulo e Sindigraf-SP em sua sede. Em­ bora os assuntos abordados sejam distintos, prevaleceu o objetivo de apresentar aos em­ pre­sá­rios as oportunidades de ne­gó­cios mais atuais do mer­ cado. Em 16 de maio, o tema foi “Mí­d ias sociais: gerando ne­g ó­cios para sua empresa”, apresentada por Pedro Waen­ gert­ner, publicitário com ex­pe­ riên­cia de mais de dez anos em mar­ke­ting digital e tecnologia, sócio diretor do Grupo Conectt e coor­de­na­dor do núcleo de estudos e ne­gó­cios em mar­ke­ ting digital da Escola Su­pe­rior de Propaganda e Mar­k e­t ing (ESPM). No evento, promovi­ do pelo Sindigraf-SP, Federa­ ção das In­dús­trias do Estado de São Paulo (­Fiesp) e ESPM, foram apresentadas as formas de ge­ ração de ne­gó­cios via­bi­li­za­das pelo uso das mí­dias sociais, as possibilidades de utilização por pequenas e mé­dias empresas (PME s) e casos de sucesso na aplicação da tecnologia. Waen­gert­ner ressaltou que as mí­dias sociais ainda são pou­ co utilizadas por gráficas e que, por este motivo, é possível tes­ tar, errar e acertar até encontrar o que real­men­te fun­cio­na para o segmento. Dentre os exem­ plos citados, destaque para as start ups que utilizam o Fa­ce­ book na produção de álbuns

fotográficos físicos para clien­ tes. Segundo ele, ­criar e manter páginas vivas e interessantes para seu público são de­sa­f ios diá­rios. Deve-se, ainda, monito­ rar as menções, conversas e in­ fluên­cias que o con­teú­do pro­ duzido tem gerado. “É preciso ­criar advogados da marca que, mais do que falar, defendam sua empresa”, concluiu. No mesmo mês, no dia 29, o Sindigraf-SP realizou a palestra “Compras públicas”, na qual o

consultor jurídico do Sebrae-SP, Marcio Bertolini, mostrou o que as micro e pequenas empresas (MPE) devem saber para parti­ ciparem com eficácia das com­ pras governamentais. Ele abor­ dou os três principais aspectos que regem esse mecanismo: a lei de licitações no âmbito mu­ nicipal (nº 8.666/1993), as nor­ mas do pregão es­ta­dual (lei nº 10.520/2002) e o estatuto da mi­ croem­pre­sa e empresa de pe­ queno porte (lei nº 123/2006).

Fabio Mestriner, em sua palestra, falou sobre “Oportunidades para a indústria gráfica no segmento de embalagem”

“Mídias sociais: gerando negócios para sua empresa” foi o tema da palestra de Pedro Waengertner

Segundo o es­p e­cia­lis­t a, para vender para o governo as em­ presas devem, primeiro, estar atentas à regularização do seu negócio. “É também necessá­ rio verificar as condições reais de fornecer para o governo, co­ nhecer sua capacidade produ­ tiva. Recomendo uma análise de risco antes de apresentar as propostas, considerando pra­ zo, recurso, custos, qualidade, preço mínimo, atraso para rece­ ber do poder público, logística, impostos. Não adian­ta vender, por exemplo, para o governo do Amazonas se você não pu­ der entregar no prazo. Para tra­ fegar nesse nicho, você precisa entendê-​­lo”, disse Bertolini. No dia 13 de junho, o tema apresentado foi “Oportunida­ des para a indústria gráfica no segmento de embalagem”, pa­ lestra promovida pela AbigrafSP e apresentada por Fabio Mestriner. O  professor, coor­ de­na­dor do Núcleo de Estudos da Embalagem da ESPM e do Comitê de Estudos Estratégi­ cos da As­so­cia­ção Brasileira de Embalagens (Abre), apresentou a embalagem como uma pode­ rosa ferramenta de mar­ke­ting que a indústria gráfica precisa conhecer melhor para poder ajudar seus clien­tes a compe­ tirem de maneira mais efi­cien­ te. O es­pe­cia­lis­ta mostrou tam­ bém as oportunidades para as in­dús­trias gráficas que desejam am­pliar sua participação nesse segmento gráfico. maio /junho 2012  REVISTA ABIGR AF

121 121


Mensagem

T

Onde está o mercado?

nossa criatividade pressos agregam o valor de im ar fic a eça realidade. E isso pode economia com hecimento de nossa própria con e Toda vez que o horizonte da s ven nu s da em decorrência erença! nublado, como ocorre agora — e deve — fazer muita dif rte, No rio sfé mi oportunidades He do s çõe na s olhar com mais atenção as os vem De carrancudas que pairam na o cçã spe te ano e as ocupação relativa à pro a frente, como as eleições des pel os tem e é natural o aumento da pre qu voto costuma as quanto à possibilidade e a dádiva democrática do qu já , 14 20 do mercado. Surgem dúvid de uma zona de conforto para nossas empresas. de estarmos acomodados em gerar uma demanda extra a ític ocr aut a a ent deputados, senadores, ados, aum nto com o pleito para eleger propiciada por clientes fideliz Ju s na e g tin pública, daqui a dois a no marke ernadores e presidente da Re quando à ausência de ousadi gov o, óci neg do uro ndo da Fifa, em sobre o fut emos também a Copa do Mu ter os, vendas e campeiam ref lexões an e for al qu a m 2016, quando novament empreendedor, sej naturais na mente de todo doze cidades brasileiras. E e o s, ore em prefeitos e veread o porte de sua empresa. formos às urnas para votar a tas egações de pos res s da ia ior ma estará recepcionando as del tor den Re o Muito provavelmente a ist Cr a s do Rio de ito mais acessível e próxim e disputarão as Olimpíada qu o nd mu o o essas indagações esteja mu tod o esporte já emos imaginar. O mercado o é mercado. Estima‑se que iss do Tu o. eir de nosso alcance do que pod Jan globais de marketing/ , a despeito de ser sempre enha mais de 70% das verbas do produto gráfico brasileiro det é o, açã ort exp de este trinômio está presente sibilidades rocínio/publicidade, e onde importante explorar as pos pat de ões ilh 0 m e oportunidades. s mais de 19 unicação gráfica tem espaço com o nosso próprio país, com seu a V FG da o ud est choque de sta de recente mento de promovermos um mo o É habitantes. Prova disso con o an ric me País, como e BID (Banco Intera enfatizando as virtudes do o, sm mi oti (Fundação Getúlio Vargas) s nçados do mundo, lado O emergente do onegócio, um dos mais ava agr sso no de Desenvolvimento), intitu ser viços. ilhões de indivíduos e nosso competente setor de ria úst ind ssa no emergentes: cerca de 53 m . 03 capacidade de vencer mente no Brasil desde 20 É oportuno reafirmar nossa ascenderam socioeconomica a eir int ha an Esp a do um a crescente sinerg ia entre obstáculos e estabelecer um É como se tivéssemos agrega erno e toda a sociedade, balhadores, empresários, gov tra à sociedade de consumo. em e qu do is ma ssão —, ade e justiça social. torno da meta da prosperid No nosso negócio — a impre em o com , em dev res devemos repudiar os consumido rcado! Mais do que nunca, me o Eis diversas outras áreas, todos o pel só o lência e a como cidadãos. Nã , a falta de escrúpulo, a vio ção rup cor a premissa, ser identificados , pio ncí pri s pessoas honestas, humano merece por ade e valorizar a conduta da lid na mi cri respeito intrínseco que o ser tes ren mas. São estas as e todos os direitos ine lizadoras, famosas ou anôni rea e cas éti mas também pelo fato de qu envolvimento. à comunicação gráfica. s de nosso tão almejado des sta oni tag pro à cidadania são correlatos ar‑se, estudar, adquirir lceregato@abig raf.org.br Af inal, ler, escrever, inform produtos são re sob o açã ent ori r ebe rec conhecimento e , que as pessoas somente prerrogativas, dentre outras is, livros, revistas, cadernos, exercitam graças aos jorna ros impressos e mídias. embalagens, manuais e out o é algo frio e intangível; Ou seja, nosso mercado nã seus rostos, sonhos, é um universo de gente, com sonalidade. anseios, necessidades e per ldades como os juros ainda Sei que enf rentamos dif icu e o Custo Brasil e o câmbio, qu altos, os impostos elevados, o, de de nossas empresas, com prejudicam a competitivida l. na cio na o transformaçã aliás, de toda a indústria de o diferencial da identidade tem Contudo, nosso produto , e cotidiana com o brasileiro cultural, da interação direta r era sup antador, capaz de se Gráfica (Abigraf) esse povo tão peculiar e enc em Presidente da Associação Brasileira da Indústria vê se o nd mu o e qu em s nto al São Paulo sempre, inclusive nos mome ernacional. Nossos Region int se cri a our rad du a um polvorosa com

L evi C eregato

122

REVISTA ABIGR AF  maio /junho 2012


IBF NA VANGUARDA DO CTP

SR

A MELHOR CHAPA TÉRMICA DO MERCADO! NOVA MILLION SR:

- MAIOR TIRAGEM!

. 500.000 impressões sem fornear . Acima de 1.000.000 quando forneada

S

- MAIOR RESISTÊNCIA! -

olvent

R

esistant “

. À químicos em geral: soluções de fonte, limpadores...

- MAIOR EFICIÊNCIA!

. Alta resolução . Segue imprimindo com qualidade mesmo após paradas de máquina

- MAIOR BENEFÍCIO SOBRE CUSTO!

. Não precisa de forno para a maioria dos trabalhos . Menor custo de químicos com Eco Replenisher

Consulte seu representante IBF A M E L H O R O P Ç Ã O E M C H A P A S E M 7 0 P A Í S E S.

Revista Abigraf 259  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you