Page 1

revista

issn 0103•572x

a r t e & i n d ú s t r i a g r á f i c a • a n o x x x v i i • m a r ç o / a b r i l 2 0 1 2 • nº 2 5 8


A disputa pelo Grand Prix da Indústria Gráfica já começou.

Faça o download do regulamento no site:

www.fernandopini.org.br

Realização:

Apoio Institucional:


Presidente da Abigraf Nacional: Fabio Arruda Mortara Presidente da Abigraf Regional SP: Levi Ceregato Gerente Geral: Lygia Flores Conselho Editorial: Cláudio Baronni, Fabio Arruda Mortara, Igor Archipovas, Levi Ceregato, Lygia Flores, Max Schrappe, Plinio Gramani Filho e Ricardo Viveiros Elaboração: Clemente & Gramani Editora e Comunicações Ltda. Rua Marquês de Paranaguá, 348, 1º andar 01303-905  São Paulo  SP Administração, Redação e Publicidade: Tel. (11) 3159-3010  Fax (11) 3256-0919 E-mail: gramani@uol.com.br Diretor Responsável: Plinio Gramani Filho Redação: Tânia Galluzzi (MTb 26.897), Ada Caperuto, André Mascarenhas, Clarissa Domingues, Marco Antonio Eid, Milena Prado Neves, Ricardo Viveiros e Tainá Ianone Revisão: Giuliana Gramani Colaboradores: Álvaro de Moya, Claudio Ferlauto e Hamilton Terni Costa Edição de Arte: Cesar Mangiacavalli Produção: Rosaria Scianci e Livian Corrêa Editoração Eletrônica: Studio52 Impressão e Acabamento: Cromosete Gráfica e Editora Capa: Laminação Soft Touch, Reserva de verniz texturizado, Hot Stamping e Relevo (com fitas MP do Brasil): UVPack

4

Assinatura anual (6 edições): Brasil: R$ 60,00 América: US$ 70,00 Europa: US$ 80,00 Exemplar avulso: R$ 12,00 (11) 3159-3010 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2012

26

Música e poesia na arte

Wega Nery sabia criar alma para movimentos, sons e texturas, usando a cor perfeita para cada informação, recontando o mundo à sua volta através de linhas e formas.

34

O desafio de criar valor

Agregar valor às relações comerciais deve ser uma das principais metas do empresário gráfico hoje. E não há como fazer isso sem conhecer muito bem as reais necessidades de seus clientes.

revista issn 0103•5 72x

arte & indús tria gráfica • ano xxxvii • março/abril

revista abigra f 258 março/ abril 2012

ISSN 0103-572X Publicação bimestral Órgão oficial do empresariado gráfico, editado pela Associação Brasileira da Indústria Gráfica/Regional do Estado de São Paulo, com autorização da Abigraf Nacional Rua do Paraíso, 533 (Paraíso) 04103-000  São Paulo  SP Tel. (11) 3232-4500  Fax (11) 3232-4550 E-mail: abigraf@abigraf.org.br Home page: www.abigraf.org.br

Hora da Tarde, óleo sobre tela, 60 × 80 cm, 1962

REVISTA ABIGRAF

Capa: Muralha de Sonho, óleo sobre tela, 65 × 80 cm, 1963 Autora: Wega Nery

2 0 1 2 • nº 2 5 8


Cruzada pela cultura

Carlos Oscar Niemeyer conta à Revista Abigraf como a Associação Cavaleiros da Cultura, liderada por ele, já entregou mais de 500 mil livros a 80 mil crianças, espalhadas por 80 municípios brasileiros.

Semana Internacional

Evento, que reuniu três feiras, a Brasilpack, a Expografica e a Flexo Latino América, atraiu 21 mil visitantes, que foram ao Anhembi para ver os lançamentos de 180 expositores.

Sustentabilidade

A Revista Abigraf traz nesta edição mais quatro cases que concorrem ao 2-º Prêmio Abigraf de Responsabilidade Socioambiental: Nova Mercante, Printbill, Rezen e Stilgraf.

Yusuru Ishihama, perseverança e generosidade

Da infância humilde, Yusuru tirou forças e ensinamentos para desenhar sua trajetória como gráfico e como filantropo, enxergando na dedicação ao próximo sua maior missão.

Construindo narrativas visuais

Especialista em fotografia de arquitetura, o prazer de Nelson Kon está em contar a história de como os espaços se coordenam, evidenciar suas várias dimensões, discutir os espaços urbanos.

Novos mercados

Há 25 anos em atividade dedicando-se ao mercado editorial, a Cromosete busca agora novos segmentos, em especial a área de embalagens.

51

22 32 71 88 96 Editorial/ Fabio Arruda Mortara������������������������ 6 Rotativa��������������������������������������������������������� 8 Millôr Fernandes������������������������������������������20 Abemd/ Código Autorregulamentação�����������30 Economia/ Produtividade������������������������������38 Circulação de Jornais�����������������������������������40 Pleitos Abigraf Nacional��������������������������������42 Artigo Drupa 2012���������������������������������������44 Opinião/ Tales Vinícius/ CE����������������������������50 Scortecci/ 30 anos���������������������������������������56 Ricargraf/SP������������������������������������������������58 Lamiprint�����������������������������������������������������60 Druck Chemie Brasil�������������������������������������64 Epson/ Sinalização���������������������������������������66

2-ª Conferência Gedigi����������������������������������68 Manroland���������������������������������������������������69 International Paper/ Balanço 2011����������������70 Central Distribuidora ������������������������������������76 EFI/ Coletiva������������������������������������������������78 Olhar Gráfico/ Cláudio Ferlauto ��������������������80 Quadrinhos/ Álvaro de Moya�������������������������84 Jean Giraud/ Moebius����������������������������������86 Ilustração/ Junião����������������������������������������87 Prêmio Idea Brasil����������������������������������������92 Vivox/ Filial Sul���������������������������������������������93 Multiverde/ linha de papéis especiais������������94 Sistema Abigraf�����������������������������������������100 Mensagem/ Levi Ceregato��������������������������106

MARÇO/ABRIL 2012  REVISTA ABIGR AF

5


editorial

P

Drupa, o autógrafo de Rowling e a fábulaci de Leonardo da Vin

às letras, em especial às Por isso, dedicou‑se também ho o ent adv o e ant sso do impre ou ao seu riquíssimo trabal fábulas, atividade que som Para os arautos da derrocada de , sta upa nti Dr cie a o, que eir ho enh eto, eng ecer estran como escultor, pintor, arquit das mídias digitais pode par ealhando tanta am ue tin ras especialidades. con out o, de nd s mu ena do dez diversas áreas e maior feira gráfica e nd gra no isso nardo da Vinci, em Reiteramos Ninguém melhor do que Leo atenção, público e prestígio. is propriedade ‑la itá vis sileiros em ta”, poderia explicar com ma tin a e el pap “O interesse dos empresários bra o, escritora J.K. Rowling Abigraf no evento deste an um livro autografado pela de quê por o e participar do estande da is. Ele def iniu com precisão á o centro gravitacional do custar mais de dois mil rea em maio. Nosso espaço ser s paí so nos de s visitante dos conteúdos impressos. cirúrgica o valor agregado apoio que estamos dando aos ira sile Bra ão iaç soc de Gutenberg, é muito da ABTG (As Para nós, gráficos, herdeiros e dos Safáris Tecnológicos a vez mais a profundidade e importante entender cada de Tecnologia Gráfica). ta exa mã a e ale a rec ofe feir da nos ade que ativid as naquela fábula, tid con ria edo Certamente, a persistente atr sab as na civilização algumas charmosas livrari nif icado de nossa atividade sig do ão ens dim é coerente com o fato de, em fila ncia, por um lado, implica numerosas pessoas fazerem contemporânea. Tal consciê de Londres, na Inglaterra, es um vol do un seg do e nto à qualidade e ao bom primeiro imensa responsabilidade qua para adquirir exemplares do por g, lin ow . R J.K , ora por outro, reforça a confiança pela aut atendimento aos clientes e, de Harry Potter autografados is ona aci ern int s site s ústria, de nossa arte! l reais. No na perenidade de nossa ind 860 libras, ou cerca de 2,2 mi s ore leit os cad isti endo o certo, não temos e mais sof Ou seja, se continuarmos faz de e‑commerce, os melhores is, s, are dól 200 computadores, livros digita prados por de temer a concorrência de eletrônicos podem ser com se do Tu a. ogi nol tec da tablets e outras maravilhas et, ern int algo em torno de 310 reais. , que ‑sucedida realização produtiva da comunicação Ao conjecturar sobre a bem soma na fantástica cadeia o açã os iliz livr civ dos da so ços cio pre pre opeia e os hecimento o bem mais con o na tor da Drupa em plena crise eur ro gênio, o brasileiro tânica serem sete vezes contemporânea. Segundo out autografados da escritora bri , da mo da s nto me dos equipa o instrumento irresistível Rui Barbosa, “a palavra é maiores do que os dos deseja a ros mo pri a um , e sua mais inexpugnável alogia com da conquista da liberdade” foi inevitável estabelecer an : ta” tin a isso, esta e el pap “O a ci, intitulad o, é a tinta sobre o papel. Por ent esc acr ã, rdi gua fábula de Leonardo da Vin as el que estava em cima de ógrafo de J.K. Rowling até Certo dia, uma folha de pap tem tanto valor, desde o aut , ela de a ção ais du igu e pro s, ent ista tam rev exa folhas jornais, maiores tiragens de livros, uma mesa, junto com outras ta, que pre s ta sso tin pre de im da os os lha tod mo ernos e a pena, embalagens, manuais, cad viu‑se coberta de sinais. Um toda a folha. em as avr tempo e lhe outorgam, pal seu de no ção no por ma a hu situam o ser havia escrito um ? ção lha mi hu sa des nia. pou — Por que você não me pou quando acessíveis, sua cidada ta. tin a a par el ha de pap fmortara@abigraf.org.br — perguntou, furiosa, a fol não estraguei eu , ta — tin a deu pon res — Espere — as. Agora você não é mais você. Eu cobri você de palavr mas sim uma mensagem. apenas uma folha de papel, ento humano. Você é a guardiã do pensam documento precioso! Você transformou‑se num , alguém foi arrumar E, realmente, pouco depois para jogá‑las na lareira. a mesa e apanhou as folhas na folha escrita com tinta Mas, subitamente, reparou outras, guardando apenas e então jogou fora todas as gem escrita. a que continha uma mensa em Vinci, perto de Florença, O grande Leonardo nasceu de 1452. Tinha três anos de ida na Itália, em 15 de abril de a, de Mogúncia, na Alemanh quando, em 1455, na cidade ra ntu ave da sta oni o protag outro talentoso e antológic os es Gutenberg, utilizou os tip ann Joh o nic mâ humana, o ger um r pela primeira vez, imprimi móveis que inventara para, no, lia ita ial gen o que e supor Bra sileira da Indústria livro, a Bíblia. Assim, pode‑s Presidente da Associação ias o fascínio que a pel ado nci lue inf se e do Sindicato das Indústr ha al) ten ion na juventude, Gráfica (Abigraf Nac re sob r P) rce af-S exe digr a a (Sin lo sar Pau ssa pas Gráfica s no Estado de São nascente comunicação impre à época. a rop Eu da s nte ita hab de os 50 milhões

Fabio Arruda Mortara

6

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012


Sistema Automático para o Controle de Papel Imune da ACE BR.

Porque tudo que é muito importante e requer total controle, merece estar nas mãos de especialistas.

O.RECOPI é a solução da ACE BR, empresa desenvolvedora de Sistemas para Gestão Empresarial, com excelência em obrigações fiscais. É um sistema fácil de instalar, fácil de usar, completo, totalmente automático, pois opera sem intervenção humana e integra-se a qualquer ERP disponível no mercado. Realiza:

Quem usa:

Extração de dados e elaboração de demonstrativos de estoque e transmissão ao SEFAZ, contendo as informações sobre aquisições, utilizações imunes ou não, saldos em estoques, destinações, resíduos, perdas, recebimentos ou envios para industrialização. Além disso, realiza diversas operações, como exemplo, o retorno de papel simbólico e a remessa por conta e ordem, o que garante sua aplicabilidade na Indústria Fabricante de Papel, além da Gráfica e da Editora.

“Escolhemos o O.RECOPI da ACE BR, pois foi a empresa dentre as quais pesquisamos, que demonstrou maior conhecimento na questão de obrigações fiscais. Utilizamos o sistema há 2 anos, e desde então, realizamos todas as operações de forma rápida e segura, com a garantia que estamos cumprindo na íntegra as exigências fiscais impostas.” Marcelo Cavalcante Gerente de TI da Editora Moderna

11 3019 1399 www.acebr.com.br comercial@acebr.com.br


EFI compra Metrics

A Electronics For Imaging, Inc.,

8

EFI, acaba de anun­ciar a aquisição da Metrics Sistemas de Informa­ ção, empresa brasileira es­pe­cia­ li­za­da em sistemas ERP (MIS) nos setores de impressão e embala­ gem. Embora os termos financei­ ros do negócio não tenham sido divulgados, não está previsto que a aquisição seja relevante para os resultados da EFI referentes ao exercício de 2012. Segundo Os­ mar Barbosa, um dos fundadores e diretor-​­presidente da Metrics, a estrutura da empresa será manti­ da e nada muda para os clien­tes. “Começamos a ne­g o­c iar há al­ guns meses e estamos trabalhan­ do para que a transição seja a mais tranquila possível”. Com sede em São Paulo, nos últimos 14 anos a Metrics desen­ volveu uma base de mais de 250 clien­tes no Brasil e na América La­ tina e passará a fazer parte da car­ teira de Aplicativos de Soft­ware (APPS) da EFI, da qual Osmar será o gerente geral. Seus clien­tes po­ derão tirar proveito de toda a car­ teira de produtos da EFI, já que os produtos da Metrics serão in­ tegrados às interfaces digitais de front-​­end ­Fiery da EFI, bem como às impressoras jato de tinta Vutek e Je­trion. “Com essa aquisição, se­ gundo nosso entendimento, pas­ samos a ser o maior fornecedor de MIS / ERP dos setores de im­ pressão e embalagem nas Amé­ ricas do Norte e do Sul, na Euro­ pa, Austrália e Nova Zelândia e África do Sul, com mais de 20.000 instalações em âmbito mun­dial”, afirmou Guy Gecht, CEO da EFI. A EFI pretende integrar o su­ porte e as operações da Metrics à organização APPS existente e, ao mesmo tempo, seguir aper­ feiçoando suas ofertas de produ­ tos. A organização da Metrics aju­ dará na localização da carteira de REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

Sustentabilidade ganha espaço em livro de embalagens

O Instituto de Embalagens –

Osmar Barbosa, gerente geral da EFI para a América Latina

produtos da EFI para os mercados brasileiro e latino-​­americano e re­ ceberá treinamento cruzado de modo que seus integrantes pos­ sam implantar e dar suporte aos produtos EFI PrintSmith, EFI Pace, EFI Monarch, EFI Radius e EFI Digi­ tal StoreFront em toda a América Latina. “A Metrics vê com en­tu­sias­ mo sua integração ao quadro de fun­cio­ná­rios de classe mun­dial da EFI e sua transformação em peça central do enfoque e investimento estratégico da EFI na América La­ tina”, disse Osmar Barbosa. “Além da nossa solução ­atual, os nossos clien­tes agora terão acesso a uma ampla carteira de tecnologia líder no setor, com mais opções para o crescimento de seus ne­gó­cios, enquanto con­ti­nuam a receber o mesmo suporte e atenção com que estão acostumados. Foi es­pe­ cial­men­te gratificante para nós ter sido possível manter toda a nos­ sa equipe intacta como parte da transição para a EFI, além da pre­ visão de que ela pretende aumen­ tar o nosso quadro fun­cio­nal nos próximos anos.” De  acordo com Marc Olin, vice-​­presidente sê­nior da APPS e gerente geral da EFI, ao disponibilizar sua base de clien­ tes na América do Sul e na Amé­ rica Central, a Metrics possibilitou à EFI estabelecer um grupo de soft­ware na re­gião.

Ensino & Pesquisa lançou no dia 14 de março, na Livraria Cultu­ ra em São Paulo, o livro Emba‑ lagens: Design, Materiais, Proces‑ sos, Máquinas e Sustentabilidade. A obra é pensada e desenvolvi­ da para ser acessível aos pro­ fissionais de todos os níveis de conhecimento, de estudantes a em­pre­sá­rios dos vá­rios seto­ res e elos da cadeia de embala­ gens. Com 400 páginas, a obra traz mais de 60 capítulos escri­ tos por 44 autores que são re­fe­

rên­cias em suas ­­áreas de atua­ ção. Na apresentação do novo livro, uma versão atua­li­za­da da publicação de 2010, Assunta Napolitano Camilo, responsá­ vel pela coor­de­na­ção do pro­ jeto, comenta que a mudança do nome, com a incorporação da palavra sustentabilidade, é um sinal da ­atual importância e relevância do tema. O con­teú­ do foi am­plia­do e revisto, capí­ tulos foram desmembrados e imagens incorporadas. www.institutodeembalagens.com.br

GCE Papéis em novo endereço

Desde o dia 12 de março, a

GCE Pa­p éis, detentora da pri­

meira marca brasileira de papel sulfite produzido com bagaço de cana (Ecoquality), está em novo endereço: Rua Barão do Triunfo, 520, sala 142, Brook­lin Paulista, em São Paulo. A mu­ dança para a nova sede, mais ampla e confortável, foi uma necessidade decorrente da evolução do ritmo de ne­g ó­ cios. Segundo Luiz Machado, diretor co­m er­cial, houve um crescimento de 119% no volu­ me de ne­gó­cios em 2011 em relação a 2010. Tendo como principais clien­tes empresas comprometi­ das com a preservação do meio am­bien­te e engajadas com os conceitos de sustentabilida­ de, a GCE recebe com frequên­ cia, além de clien­tes, pesqui­ sadores e outros profissionais

Luiz Machado, diretor comercial

interessados em conhecer o processo de fabricação do pa­ pel ecológico e outros detalhes sobre o produto. De acordo com Luiz Machado, a localiza­ ção é estratégica, facilitando o acesso também a visitantes que não são da capital paulis­ ta. Os  telefones para contato permanecem os mesmos: (11) 3628‑6617, fax: (11) 3892‑3275. www.gcepapeis.com.br


Druck Chemie. Química perfeita entre trabalho e crescimento. Hoje com cerca de mil clientes ativos e filiais em Minas

da companhia no mundo. Isso é resultado de um trabalho

Gerais e Porto Alegre, a Druck Chemie Brasil planeja a

sério, com tratamento diferenciado a todos os clientes,

modernização da sua sede e a expansão por outras regiões

investimento nos colaboradores e consciência ambiental

do país em 2014. Um desafio grande, mas perfeitamente

para oferecer o melhor serviço ao mercado.

aceitável para uma empresa que, em apenas 10 anos, saltou da 11ª para a 4ª colocação no ranking das filiais

Druck Chemie. Do início ao fim, uma boa impressão.


Oki reestrutura suas frentes de negócios no Brasil

Sergio Horikawa, presidente

Para suportar o crescimento da empresa nos últimos anos e con­ti­nuar expandindo seus ne­ gó­cios, a Oki anunciou no fi­ nal de março a rees­tru­tu­ra­ção de suas unidades de ne­gó­cios com a cria­ção de duas novas di­ re­to­rias: co­mer­cial canais e MPS (Managed Printing So­lu­tions). “Em todos esses anos, manti­ vemos o crescimento da em­ presa, gerando novos ne­gó­cios e, assim, consolidamos a mar­ ca Oki no mercado. Com essa rees­tru­tu­ra­ção, esperamos am­ pliar ainda mais a nossa atua­ção no mercado de impressão por meio de nossos canais es­pe­cia­ li­za­dos e projetos diretos, com a oferta das melhores soluções

e produtos de excelente quali­ dade”, afirma Sergio Horikawa, presidente da Oki no Brasil. A diretoria co­mer­cial de ca­ nais, que será comandada por Américo Ribeiro Neto, de vol­ ta à empresa após três anos, foi idea­li­za­da para unificar as ­­áreas de vendas da Oki e consolidar sua área de canais. Os de­sa­f ios dessa divisão estão concentra­ dos em fortalecer o nível de ne­gó­cios com os canais es­pe­ cia­li­za­dos em projetos de tercei­ rização de impressão, represen­ tados por 80 parceiros atuan­tes nesse segmento, am­pliar o nú­ mero de revendas ge­ren­cia­das de distribuição e aumentar a participação em ne­g ó­cios do governo através de revendas do setor. Já a diretoria de MPS, que ficará sob a responsabilidade de Luiz Carli, ex-​­diretor de planeja­ mento de produtos e serviços, tem o objetivo de estruturar os serviços de terceirização de im­ pressão da companhia com um time es­p e­c ia­l i­z a­d o, capaz de oferecer soluções planejadas e personalizadas, que atendam às necessidades de empresas de diversos segmentos. www.okiprintingsolutions.com/br

Edições Loyola traz primeira Eurobind Pro das Américas A Edições Loyola apresentou

10

ofi­cial­men­te no início de abril sua mais nova aquisição: a co­ ladeira de lombada quadrada Eurobind Pro, da Heidelberg. Com capacidade para proces­ sar até 6 mil livros por hora, o REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

equipamento é considerado o mais moderno de sua categoria e o primeiro a operar nas Amé­ ricas. A Eurobind Pro possui iné­ dito sistema de encadernação adesiva universal, flexível e com grande desempenho mecânico.

International Paper se destaca por atuação ética Pelo sexto ano consecuti­ vo, a In­ter­na­tio­nal Paper (IP) foi no­m ea­d a uma das em­ presas mais éticas do mun­ do. Reconhecida pelo Insti­ tuto Ethisphere, a edição 2012 do prêmio traz em sua lista empresas que estão há mais de 30 anos na indústria, in­ cluindo 40 com­p a­nhias se­ dia­das fora dos Estados Uni­ dos. A metodologia utilizada

para desenvolver o ranking das empresas éticas envolve itens como revisão do códi­ go de ética, dos históricos de li­t í­g ios e regulatórios, ava­ lia­ção dos investimentos em inovação e práticas sustentá­ veis de ne­gó­cios e estudo das no­m ea­ç ões de executivos sê­nio­res, pares da indústria, fornecedores e clien­tes. www.internationalpaper.com.br.

Concurso de monografia premia trabalho sobre provas digitais Em março foi anun­cia­do o resultado do 1º Concurso de Monografia Aldo Manuzio, promovido pelo Senai. O tra­ balho vencedor foi A utilização de provas digitais em conformi‑ dade com a NBR 12.647‑7 como critério qualitativo na compra de materiais gráficos, de auto­ ria de Cris­tia­ne Tonon Silves­ trin, aluna do curso de pós-​ ­gra­dua­ção em Planejamento

Ela utiliza o conceito de auto­ mação inteligente, com acerto rápido em quatro telas sensíveis ao toque, todas interligadas: es­ tação de intercalamento, cola­ deira de lombada quadrada, ali­ mentador de capas e trilateral. O equipamento possui esteiras de res­fria­men­to, saí­da de emer­ gência, módulo de refile fron­ tal (para processar livros com

e Produção de Mídia Impres­ sa, sob orien­ta­ção de Bruno Mortara. Como prêmio, am­ bos via­ja­rão à Drupa 2012 com todas as despesas pagas. O concurso foi cria­do pela Facul­ dade Senai de Tecnologia Grá­ fica com o objetivo de fomen­ tar o pensamento crítico, a análise e a pesquisa de temas relevantes para o setor gráfico. www.sp.senai.br

orelhas), trilateral e stacker na saí­da. “A Eurobind Pro está ins­ talada há pouquíssimo tempo, mas já foi possível sentir que ela possibilitará atender ao seg­ mento edi­to­rial com mais qua­ lidade, agilidade e produtivida­ de, o que, certamente, am­plia­rá nossa participação no merca­ do”, afirmou Ryad Adib Bonduki, diretor geral da Edições Loyola.


Ipsis conquista a ISO 9001 A

Ipsis Gráfica e Editora recebeu, em março, a certificação ISO 9001:2008, através da ABS Qua­lity Eva­lua­tions. De acordo com a gráfica, o certificado representa um grande avanço no atendi­ mento ao clien­te e na busca pela melhoria contínua.

Parceria EFI e Konica promete maior qualidade de impressão A

EFI, em parceria com a Konica Minolta, implementou a tecno­ logia ­Fiery à impressora colorida Press C 8000 bizhub, da Konica Minolta, oferecendo maior poder de processamento para am­ bien­tes de produção que pos­suem arquivos complexos, traba­ lhos em dados variáveis e cargas de trabalho pesadas. O servidor ­Fiery IC-​­3600 vem integrado a avançadas ferramentas de fluxo de trabalho de preparação de tarefas para aumentar a produtivida­ de e a capacidade de processamento. O ­Fiery IC-​­3600 oferece uma solução de impressão de dados variáveis robusta, aberta, flexível e di­men­sio­ná­vel, compatível com todos os formatos líderes de VDP, inclusive PPML 2.2 e VPS 1.5. A tecnologia ­Fiery otimiza PDF e PS para garantir a impressão nas velocidades do mecanismo e trabalhar com todos os soft­wares de composição de impressão de dados variáveis (VDP) para fluxos de trabalho de VDP.

www.ipsis.com.br

D

Possehl compra parte da Manroland Grã‑Bretanha

ona dos sistemas de impressão rotativa da Manroland na Ale­ manha, a alemã Possehl anunciou em março a aquisição da divi­ são de impressoras rotativas da Manroland da Grã-​­Bretanha. Essa divisão, comprada da MRGB Rea­li­za­tions Limited, foi incorpora­ da para facilitar as vendas e garantir a qualidade dos produtos, serviços e suporte oferecidos aos clien­tes. www.manroland.com

www.efi.com  www.countonkonicaminolta.com

E

Suzano amplia aproveitamento de resíduos sólidos

m abril a Suzano iniciou o pro­ jeto de compostagem na Unida­ de Mucuri, no sul da Bahia, onde serão geradas, anual­men­te, cerca de 400 mil toneladas de re­sí­duos, resultantes de diversas etapas da produção. Seguindo um processo que acelera a degradação do resí­ duo, o ma­te­rial transformado em adubo será utilizado pela unida­ de florestal no sul da Bahia. A ex­ pectativa é que a produção che­ gue a 20 mil toneladas por mês, o su­f i­cien­te para atender a empre­ sa e ainda ser co­mer­cia­li­za­do no mercado. A central de compos­ tagem de re­sí­duos sólidos indus­ triais da Suzano entrou em fun­cio­ na­men­to em 2008, instalada em uma das fazendas de plantação de eucalipto em Limeira, in­te­rior de São Paulo. Hoje, 52 mil m² abri­ gam os pá­tios de compostagem e armazenamento, todos com piso

12 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

de concreto im­per­meá­vel. Atual­ men­te, a Suzano tem capacidade de produção de cerca de 9.500 to­ neladas por mês. Os re­sí­duos sóli­ dos industriais são coletados dia­ ria­men­te e en­via­dos para a central de compostagem da Unidade Li­ meira, onde passam por um pro­ cesso de tratamento que dura, aproximadamente, 90 dias. Após esse pe­río­do, o ma­te­rial é utiliza­ do como adubo nas plantações de eucalipto da empresa. Isso evi­ ta o envio dos re­sí­duos para ater­ ros industriais, o que contribui para a redução de emissões de carbono (CO²) na atmosfera. Ou­ tro aspecto relevante é que a cen­ tral de compostagem da Suzano possibilita reduzir a aplicação de adubos químicos nas florestas, ou seja, elimina os impactos ao solo e suas camadas. www.suzano.com.br


CONCEITOS JTA

Transformandoideias ideiasem em realidade. realidade. Transformando Ferrostaal Equipamentos Equipamentos e Soluções Ltda Ltda Ferrostaal e Soluções • São Paulo: (11) 5522-5999 • Rio de Janeiro: (21) 2537-8603 Amazonas: 3622-4026 Bahia/Sergipe: (71)3308-9898 3357-0671 • Ceará: 3476-1021 • São Paulo: (11) 5522-5999 • Rio de Janeiro: (21) 2537-8603 • Amazonas: •(92) 3622-4026 •(92) Bahia/Sergipe: (71) •3357-0671 • Ceará: (85) • Espírito Santo: (85) (27) 3254-1377 • Espírito Santo: (27) 3254-1377 • Goiás/Distrito Federal/Tocantins: (62) 3232-8800 • Minas Gerais: (31) 3299-0500/9165-9196 • Paraná: (41) 7813-2937 • Goiás/Distrito Federal/Tocantins: (62) 3232-8800 • Minas Gerais: (31) 3299-0500/9165-9196 • Pernambuco: (81) 3421-4379 • Rio Grande do Sul/Santa Catarina: (51) 3325-2346 - ID 85*220655 • Alagoas/Pernambuco/Paraiba/Rio Grande do Norte: (81) 3421-4379 • Rio Grande do Sul/Santa Catarina: (51) 3325-2346 • www.ferrostaal.com.br • ferrostaal.brasil@ferrostaal.com • www.ferrostaal.com.br • graphic.br@ferrostaal.com


Metrics lança ferramenta de gerenciamento do Recopi A Metrics Sistemas de Informação

A

14

Heidelberg lança publicação sobre impressão ecológica

Heidelberg lançou em feve­ reiro a publicação HEI Eco – So‑ luções para impressão ecológica. Para Martina Ekert, gerente de mar­ke­ting da Heidelberg do Bra­ sil, o ma­te­rial vai permitir ao lei­ tor entrar em contato com o que há de mais moderno em tecno­ logia amigável ao meio am­bien­te no ramo gráfico. “O consumidor, no mundo inteiro, sabe distin­ guir quando há de fato ações no sentido de respeitar a eco­ logia. Ele prestigia a empresa que real­m en­te adota soluções sustentáveis em vez de fazer a penas propaganda”. Na publicação, de 33 páginas, o empresário gráfico vai poder aprender mais sobre o controle am­bien­tal e as três vertentes das ações da Heidelberg nesse sen­ tido: reduzindo e evitando o CO², emissões e perdas. O HEI Eco – Solu‑ ções para impressão ecológica está disponível para todos os clien­tes da Heidelberg no Brasil. Os  inte­ ressados podem ligar para Martina Ekert no telefone (11) 5525 4403 ou solicitar o ma­te­rial pelo e-​­mail martina.ekert@heidelberg.com. REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

apresentou no final de fevereiro sua nova ferramenta para automa­ tizar e agilizar o envio das informa­ ções ne­ces­sá­rias ao Recopi, pro­ grama cria­do pelo governo de São Paulo para controle da imunidade de impostos na compra de papel destinado à produção de livros, jornais ou tabloides. Para conce­ der os be­ne­fí­cios, é exigido das empresas cadastradas o envio ele­ trônico de informações à autorida­ de fiscal, tais como demonstrativo

de quantidade de pa­péis adqui­ ridos internamente, importados, remetidos para outras plantas ou efetivamente consumidos. Visando ajudar seus clien­tes a cumprir essa nova obrigação, a Metrics criou o módulo Recopi, in­ cluso em sua plataforma de ges­ tão integrada. A ferramenta per­ mite a extração automática de dados como saldo de pa­péis tri­ butados ou imunes e itens re­la­ cio­na­dos ao processo produtivo, como índice de re­sí­duos, perdas e

Fabricante espanhol de filmes de BOPP apresenta seus produtos no Brasil

Empresa espanhola com mais

de 20 anos de ex­p e­riên­cia na fabricação e co­mer­cia­li­za­ção de filmes de polipropileno bio­rien­ ta­do (BOPP), a Derprosa anun­ ciou em março que trará seus produtos diretamente para o Brasil. Entre eles estão itens como o Soft Touch, Soft Touch Metalizado, Anti-​­Scratch, Eco­ film e Digi-​­Stick, destinados ao enobrecimento do produto grá­ fico. A gama de filmes se des­ taca por sua maquinabilidade, grande aderência às tintas e faci­ lidade para outros acabamentos de pós-​­laminação. Todos os pro­ dutos podem ser se­le­cio­na­dos na versão oxi­bio­de­gra­dá­vel. Segundo a empresa, o Bra­ sil é um mercado-​­chave dentro dos seus planos de expansão. “Estamos convencidos de que o mercado latino-​­a mericano, e em es­pe­cial o brasileiro, tem um enorme po­ten­cial de cres­ cimento. Além disso, a deman­ da por produtos di­fe­ren­cia­dos

nessa re­gião vem crescendo a cada dia”, afirma o gerente geral José Ángel Medina. De acordo com o executivo, existe a possi­ bilidade da cria­ção de produtos específicos para a re­gião. “Esse é precisamente um dos pontos fortes da Derprosa: o desen­ volvimento de produtos adap­ tados às necessidades de cada mercado e clien­te”. Atual­m en­t e a companhia destina mais de 65% de sua pro­ dução (cerca de 30.000 tonela­ das anuais) a 50 paí­ses, dos cin­ co continentes. Para isso, conta com uma plataforma logísti­ ca interconectada em diversos pontos do planeta, que lhe per­ mite garantir o atendimento em toda a América Latina. Mesmo assim a empresa não descarta a possibilidade de se as­so­ciar a um parceiro local. O  repre­ sentante co­mer­cial da Derpro­ sa para o Brasil é Filip Sarka, filip.sarka@derprosa.es. www.derprosa.com

volume transformado em produ­ tos cobertos ou não pelo Recopi. As informações são transferi­ das eletronicamente para o site da Secretária da Fazenda e en­via­ das automaticamente ao Sistema de Reconhecimento e Controle de Operações com Papel Imune (Recopi). Isso elimina a necessida­ de de digitação de dados e dimi­ nui as chances de erros que po­ de­riam comprometer a concessão dos be­ne­fí­cios. www.metrics.com.br

MD fecha unidade de Cubatão A

diretoria da MD Pa­p éis anunciou no início do ano o encerramento das atividades da unidade in­dus­trial de Cuba­ tão, em São Paulo, que produ­ zia pa­péis para imprimir e es­ crever e pa­péis monolúcidos. A decisão da MD Pa­péis foi am­ parada nos resultados apura­ dos após quatro anos de ges­ tão da unidade, pe­r ío­d o no qual foram ava­lia­dos e execu­ tados diversos modelos de re­ duções de custos, de otimiza­ ção da efi­ciên­cia ope­ra­cio­nal e alterações no mix de produ­ tos, buscando sempre aqueles de maior valor agregado. Se­ gundo a empresa, apesar dos esforços, os resultados eco­ nômicos mostraram-se in­su­f i­ cien­tes para a continuidade da operação, levando-se em con­ ta fatores irreversíveis como a baixa escala de produção da unidade e o enfrentamen­ to no mesmo nível de pre­ ços dos produtores nacionais e internacionais integrados. www.mdpapeis.com.br


MWV Rigesa inaugura unidade em Araçatuba

I

Overlake lança verniz verde

mpacte seus clien­tes sem impac­ tar a natureza. Esse é o slogan da campanha de lançamento do Eco­ lake FR, novo item da linha de ver­ nizes da Overlake, apresentado ofi­ cial­men­te ao mercado durante a convenção de vendas da empresa, rea­li­za­da em fevereiro. Desenvolvido seguindo os pa­ drões das normas ISO 9001 e ISO 14001, o produto tem como di­ fe­ren­cial o fato de substituir, em sua formulação, derivados do pe­ tróleo por ma­té­rias-​­primas vege­ tais e de fontes renováveis, como resinas terpênicas derivadas da soja, cana-de-​­açúcar e car­naú­ba. O per­cen­tual desses componen­ tes vegetais no Ecolake varia en­ tre 11 e 25% na formulação direta, o que pode representar, no filme de verniz já seco no impresso fi­ nal, mais de 50%. “Nosso objetivo, em dois anos, é atingir uma mar­ ca próxima aos 92% no impresso final. Para chegar a esse recorde

dependemos de muitos testes e desenvolvimentos, mas essa é a nossa meta”, afirma Francisco Veloso, diretor da Overlake. Disponível nas versões à base de água, para uso em impresso­ ras offset com unidade de verniz à base de água em linha, e na ver­ são UV, destinada às impressoras offset com unidade de verniz UV em linha, além de envernizadoras e impressoras flexográficas e se­ rigráficas, o novo verniz é indica­ do como acabamento em capas, embalagens, impressos promo­ cionais e rótulos. Segundo o di­ retor, a estimativa é substituir de 25% a 35% de toda a linha tra­di­ cio­nal de vernizes UV e à base de água pelas versões “verdes” em dois anos. O produto já está dis­ ponível e a empresa está aberta ao desenvolvimento de itens cus­ tomizados para o atendimento de demandas específicas.

A

16

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

www.mwvrigesa.com.br

www.overlake.com.br

SPP‑KSR muda de endereço e amplia filial no Paraná SPP-​­K SR vai aumentar sua par­ ticipação no Paraná, fortalecendo o atendimento em Santa Catarina. Para isso, mudou de endereço e aumentou sua capacidade de ar­ mazenagem em 22%. A nova fi­

U

ma das principais empresas de embalagens do Brasil, a MWV Rigesa inaugurou em 27 de março a sua fábrica de embalagens de Araçatuba. A unidade opera desde julho do ano passado, mas só agora foi inaugurada ofi­cial­men­te. Para sua construção, a empresa investiu cerca de US$ 11 mi­ lhões. Essa, que é a quinta fábrica de embalagens de papelão on­ dulado da MWV Rigesa, tem 27 mil m² cons­truí­dos, numa área de mais de 100 mil m², e conta com 120 colaboradores. De acordo com Davis Bruscagin de Assis Ju­nior, gerente ge­ ral da unidade, a escolha pela cidade de Araçatuba foi estraté­ gica em função da in­fraes­tru­tu­ra do município, como o acesso ime­dia­to às principais ro­do­vias do Estado, os bons serviços pú­ blicos oferecidos e o alto nível de qualidade da mão de obra lo­ cal, alia­dos à logística para suprimento de matéria-​­prima e aces­ so a portos, mercados e clien­tes. “Temos boas perspectivas de crescimento. A produção da nova fábrica permitirá à MWV Rigesa atender prontamente aos clien­tes do in­te­rior de São Paulo, norte do Paraná e re­gião Centro-​­Oeste”, afirmou o executivo.

lial está localizada na Rua Para­ navaí, 1.769, no Jardim Atuba, em Pinhais, re­gião metropolitana de Curitiba. “Com a nova estrutura, aumentaremos a agilidade e am­ plia­re­mos o po­ten­cial de entrega

aos nossos clien­tes, principal­ mente para o in­te­rior do Estado do Paraná. Além disso, atendere­ mos aos clien­tes que não se re­la­ cio­na­vam com a empresa devido à necessidade do recebimento emer­gen­cial”, diz Fabio Almeida, gerente executivo da SPP-​­KSR. O modelo logístico será mantido e 18 colaboradores estarão à frente do atendimento da SPP-​­KSR local,

que, com a mudança, elevará o volume disponível armazenado e a quantidade de itens estoca­ dos. Os clien­tes terão à disposição um portfólio completo de produ­ tos e serviços com a personaliza­ ção do atendimento local. “Nos­ so desafio estratégico é crescer 28% em relação ao ano passado”, finaliza Almeida. www.sppksr.com.br


www.spzoom.com.br

Distribuidor Oficial Epson | Distribuidor Master Screen | Distribuidor Ipagsa | Distribuidor Scodix | Revenda Autorizada Konica Minolta Av. Valdemar Ferreira, 159 - 05501- 000 - S達o Paulo - SP - Tel./Fax 11 2177-9400 - www.tecshopping.com.br


Cesar Callegari é o novo secretário de Educação Básica do MEC

Em 26 de janeiro, a então se­

cretária de educação básica do Ministério da Educação e Cul­ tura (MEC), Maria do Pilar La­ cerda, adiantou no microblog Twitter que estava deixando o cargo para dar lugar a Cesar Callegari, que integra o Conse­ lho Na­cio­nal de Educação. Po­ rém, somente em 7 de feve­ reiro ele assumiu o cargo que o coloca à frente da secretaria responsável por programas li­ gados ao ensino infantil, funda­ mental e médio. Esta foi a pri­ meira mudança de um cargo de grande importância na pas­ ta após a saí­da do ministro Fer­ nando Haddad, pré-​­candidato à prefeitura de São Paulo, que foi subs­ti­tuí­do por Aloizio Mer­ cadante. Na mesma data do anúncio ofi­cial, o novo minis­ tro também informou outras mudanças no MEC: das seis se­ cre­ta­rias, quatro sofreram alte­ ração de comando, além de ter

sido no­mea­do o novo presiden­ te do Instituto Na­cio­nal de Es­ tudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Luiz Cláu­dio Costa. Autor de diversos livros téc­ nicos e com vasta ex­pe­riên­cia em serviços prestados à edu­ cação, a cultura, a ciên­cia e a democracia, César Callegari é gra­dua­do em So­cio­lo­gia pela

Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, com es­pe­ cia­li­za­ção em So­cio­lo­gia e Po­ lítica pela mesma instituição. Em seu currículo figura a presi­ dência da Câmara de Educação Básica do Conselho Na­cio­nal de Educação (CNE), do Instituto Brasileiro de So­cio­lo­gia Aplica­ da (Ibsa) e da Fundação para o Desenvolvimento da Educação de São Paulo (FDE). Atuou como secretário-​­executivo do Minis­ tério da Ciên­cia, Tecnologia e Inovação, secretário-​­a djunto da Secretaria da Cultura do Es­ tado de São Paulo, chefe de ga­ binete da Secretaria da Educa­ ção do Estado de São Paulo e secretário municipal de Edu­ cação de Ta­boão da Serra (SP). Exerceu dois mandatos (1995 a 2003) como deputado es­ta­dual em São Paulo. Seu último cargo foi o de diretor de operações do Serviço So­cial da Indústria (Sesi) de São Paulo.

Empresas anunciam novos executivos Pitney Bowes

18

C omo anun­cia­d o pelo jornal Meio&Mensagem em março, a ope­ ração da AlphaGraphics no Brasil é agora de pro­prie­da­de 100% na­ cio­nal. Até então sub­si­diá­ria da mul­ti­na­cio­nal, ela foi adquirida pelos executivos Rodrigo Abreu e Rogério Pinho, que já atua­vam na companhia. A empresa estará na posição de máster fran­quea­do in­ ter­na­cio­nal: con­ti­nua­rá sua atua­ ção de acordo com os padrões da rede mun­dial, mas com total autonomia na atua­ção na­cio­nal. Em balanço divulgado no mês an­te­rior, a divisão brasileira, que conta com 24 unidades no País, re­ gistrou faturamento de R$ 68 mi­ lhões em 2011, o que represen­ ta um crescimento de 20%, bem su­pe­rior aos 6% alcançados pela companhia no mundo. Com o re­ sultado, a AlphaGraphics Brasil se manteve no posto de segun­ do maior faturamento da empre­ sa no mundo, atrás apenas da ma­ triz americana. Além de Brasil e Estados Unidos, a AlphaGraphics também possui franquias na Chi­ na, Grã-​­Bretanha, México, Hong Kong e Arábia Saudita. www.alphagraphics.com.br

Heidelberg

No início de março a Pitney

A Heidelberg do Brasil reforçou

Bowes Semco comunicou a contratação de Julio Dantas como diretor co­m er­cial e de novos ne­gó­cios. O executivo já trabalhou com vendas e mar­ ke­ting em empresas como Xe­ rox, Gestetner e Medidata. Seu desafio na Pitney Bowes Semco será desenvolver novos ne­gó­ cios com as soluções easy­Trac­ king (de ras­trea­men­to de do­ cumentos) e pb­S ecure (para verificação online do con­teú­

sua equipe no início de março com a contratação de Ma­nuel Antônio Maria como super­ visor de vendas de impressão digital. Com formação em Ad­ ministração de Empresas, pós-​ ­gra­dua­ção em Finanças e Mar­ ke­t ing e MBA em Gestão de Ne­gó­cios, Ma­nuel atua no mer­ cado gráfico há mais de 10 anos e foi colaborador da Heidel­ berg de 2002 a 2004. O depar­ tamento conta também com o

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

AlphaGraphics 100% nacional

do em documentos físicos), lançadas no início do ano no Brasil. Ele também ficará res­ ponsável por desenvolver ne­ gó­cios para a Intellijet, linha de impressoras jato de tinta para grandes volumes. www.pitneybowes.com.br

es­pe­cia­lis­ta em aplicações Wil­ lians Von Dentz e está sob a responsabilidade de Leo­n ar­ do Rodrigues, gerente de pré-​ ­impressão e impressão digital da Heidelberg do Brasil. www.br.heidelberg.com


Foto: João R. Ripper/ Olhar Imagem

memória

O pensador que fez história “Quando eu morrer vão lamentar minha ausência. Ba˚gatela! Pra compensar o presente em que ninguém dá por ela”. Poeminha com saudade de mim mesmo. Millôr Fernandes (1923–2012). Texto: Ada Caperuto

Tô esperando um político honesto

F

oi um erro de cartório. A letra ruim do escrevente fez com que Milton Vio­la Fernandes, nascido em 16 de agosto de 1923, no bairro do ­Méier, Rio de Janeiro, se tornasse Millôr, um dos nomes mais célebres entre os escritores brasileiros. Embora fosse esta sua preferência, chamar Millôr de “um escritor” restringe a visão de sua ampla capacidade in­te­lec­tual, exercitada também na poe­sia, nas artes, tea­tro, cinema e no jornalismo. Talento que Ipanema e o Brasil inteiro perderam em 27 de março deste ano. Foi na praia mais badalada

Erudito é um sujeito que tem mais cultura do que cabe nele da orla ca­r io­ca que Millôr viveu desde o dia que comprou, em 1954, a famosa cobertura na não menos célebre Avenida Vieira Souto. De lá, dizem as boas línguas, ele observava tudo, como um sentinela que tem como inimigo maior a hipocrisia, alvo de seus combates verbais na coluna que assinava na Veja desde 2004. Foi naquele ano que ele voltou para a redação do semanário, do qual fora demitido em 1982, por, segundo a revista, defender a política de Leo­nel Brizola.

20 REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012


Base aliada

Ladrão, mentiroso, tarado, Fanático, covarde, traidor. Mas do nosso lado. Órfão desde os 11 anos de idade, cria­do por seus tios, Millôr abraçou uma carreira de ge­nial produção a partir dos 15 anos de idade e durante os 70 seguintes. Ele publicou seu primeiro cartum em O Jornal, em 1934, e, quatro anos mais tarde, conseguiu emprego na

Como dizia aquele presidente ao vender a sua ao FMI

Jamais diga uma mentira que não possa provar redação da revista O Cruzeiro, como contínuo, repaginador e factótum (o popular “faz tudo”). Aos 17 anos surgiu uma oportunidade como cartunista, na coluna que batizou de “Poste escrito” e assinou pela primeira vez com o famoso pseudônimo de Vão Gogo. O jovem cresceu e deixou o Liceu de Artes e Ofí­c ios em 1942, depois de quatro anos de estudos. Aculturouse e ganhou o mundo. Passou por diversos veí­c u­los

Chato… Indivíduo que tem mais interesse em nós do que nós temos nele da imprensa, pela TV, mas sua carreira é marcada por dois momentos históricos. O primeiro deles foi quando criou a revista quinzenal Pif-​­Paf, com Stanislaw Ponte Preta, Ziraldo, Jaguar e Claudius. Lançada em 1964 e censurada pelo governo militar, deixou de existir depois da oitava edição. Outro ex­poen­te é o semanário Pasquim, cria­do pelo cartunista Jaguar e os jornalistas Tarso de Castro e Sérgio Cabral, em junho de 1969. Ini­ cial­men­te um mero colaborador, em 1972 ele se tornou presidente da publicação, que circulou até 1991.

Em seu trabalho, Millôr criticou o poder, zombou da classe dominante, fez trocadilhos com a ordem estabelecida, caricaturou com seu traço único a política, a vida, o sistema. Traduziu diversas obras de autores clássicos. Foi ativo produtor de frases, versos, tiradas inteligentes e engraçadas. Consagrou-se na dramaturgia e na literatura. Tudo com muito humor, que por vezes era sutil e delicado, em outras direto e figadal.

Os nossos amigos poderão não saber muitas coisas, mas sabem sempre o que fariam no nosso lugar Com a saú­de fragilizada desde 2011, Millôr se foi, deixando o Brasil órfão de um talento singular, entregue aos poucos e cada vez mais raros talentos pensantes, para pesar de nossa cultura. março /abril 2012 REVISTA ABIGRAF

21


Entrevista

Carlos Oscar Niemeyer Um cavaleiro da cultura O neto de um dos maiores nomes da arquitetura brasileira divide seu tempo entre a profissão de administrador de empresas e a sela de um cavalo. Com seu grupo de amigos voluntários, Carlos Oscar cavalga pelas estradas do País para levar às crianças de pequenas cidades do interior a cultura em forma de livros impressos. Texto: Ada Caperuto

Em 2007, no centenário de Oscar Niemeyer, seu neto Carlos Oscar resolveu homenageá-lo com uma cavalgada reunindo um grupo de amigos. A ideia do avô de levarem um livro seu para entregar em cada prefeitura das cidades por onde passassem resultou na criação no ano seguinte da Associação dos Cavaleiros da Cultura

F

ormada ofi­cial­men­te em 2008, a As­ so­cia­ção Cavaleiros da Cultura re­ presenta uma ini­cia­ti­va bem suce­ dida de levar o livro e a leitura aos mu­n i­c í­pios de pequeno porte, por vezes ex­c luí­dos dos programas oficiais de fo­ mento às bi­blio­te­cas. Liderado por seu presiden­ te, Carlos Oscar Nie­me­yer, o grupo de 22 as­so­ cia­dos organiza via­gens a cavalo todos os anos para distribuir kits de livros e dar capacitação aos professores e bi­blio­te­cá­r ios dessas cidades. A comitiva partiu pela primeira vez em ju­ lho de 2007, quando 16 integrantes do grupo participaram da “Cavalgada do Centenário de Oscar Nie­me­yer”, idea­l i­za­d a por Carlos Oscar, neto do arquiteto. Já conduzindo a bandeira

22 REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

com a logomarca cria­d a pelo famoso avô, a ca­ ravana partiu de Goiânia (MG), percorrendo 813 quilômetros até a cidade de Barretos (SP), e distribuiu mais de 12 mil livros para 25 bi­ blio­te­cas e escolas públicas de cidades do in­te­ rior dos dois estados. Agora eles se preparam para prestar honras a outro célebre brasilei­ ro: o escritor Carlos Drummond de Andrade, que será patrono da próxima edição da Festa Literária de Paraty, em julho. Como surgiu a ideia de ­criar a As­so­cia­ção Cavaleiros da Cultura? Eu morava em Rio Novo, na Zona da Mata de Minas, e tinha um grupo de cavalgadas com quem fazia diversas via­gens desde mea­dos da


década de 1980. Em 1999 fui trabalhar com o leitura de uma maneira que ninguém fizera. En­ Oscar Nie­me­yer em seu escritório. Em 2007, tão cria­mos o estatuto e a As­so­cia­ção Cavaleiros ele completou 100 anos e brinquei com meus da Cultura passou a existir em 2008. companheiros, sugerindo fazermos uma home­ nagem com uma cavalgada maior. Eu queria ir Quan­tos livros a as­so­cia­ção já distribuiu ao todo, até Barretos, onde há uma obra dele (o parque desde o início de suas atividades? Já entregamos mais de onde é rea­l i­z a­do o rodeio 500 mil livros, que be­ne­f i­ ­anual). Acharam que eu era cia­ram diretamente mais de maluco por querer via­j ar 80 mil crian­ças, além de ou­ mais de 800 quilômetros a Nós que bancamos tras pes­soas indiretamente cavalo, mas comecei a con­ as despesas, mas atingidas, como os profes­ versar com vá­r ios amigos, fazemos porque sores e os demais leitores escritores, gente como Chi­ temos consciência que vão às bi­blio­te­cas. co Buarque, Zue­nir Ventu­ ra, e cada um sugeria uma da importância do Isso graças às doa­ções? coisa diferente. Até que o que realizamos. próprio Oscar me disse: Depois desse primeiro tra­ Fazemos por prazer, “Acho que uma cavalgada balho surgiu o apoio da sem interesse não. Eu nunca andei a cava­ Editora Paulus, que doou comercial ou político. lo, mas leve um livro meu e 10 mil kits de livros. Quan­ deixe um exemplar em cada do o ma­te­r ial chegou, eu prefeitura por onde passa­ fiquei apaixonado. Imagi­ rem”. E eu pensei: por que na poder levar seis livros não fazer algo diferente, conseguir mais livros novos e entregar na mão de cada crian­ça! e dar para as crian­ças dessas cidades? Como essas ações são articuladas hoje? Como é feita a capacitação? Como isso foi colocado em prática? Esses mesmos amigos começaram a doar, cada Hoje, trabalhamos basicamente com ma­te­r ial um entregou uma certa quantidade de livros. da Editora Paulus, que já entrega os kits de li­ Depois eu acabei en­v ian­do um e-​­mail para as vros novos. Começamos a fazer capacitação de editoras e algumas aderiram. A Ediouro respon­ educadores, ini­cial­men­te nas cidades de João deu dizendo que doa­r ia oito mil livros e vá­r ias Pinheiro e Paracatu (MG). Na época foram cer­ outras editoras fizeram o mesmo. ca de 90 professores. Em 2011 nós fizemos com que todos os mu­ni­cí­pios que re­ce­be­r iam ­Qual foi a rea­ção das prefeituras e bi­blio­te­cas os livros en­v ias­sem ao menos um professor que receberam os livros nessa primeira ação do grupo? Em um primeiro momento, quando entrávamos em contato, as pes­s oas queriam saber a contrapartida que es­ perávamos, mas eu só queria que as crian­ças participassem, que produzis­ sem algum projeto escolar sobre o Os­ car. E o desenvolvimento do trabalho foi de uma riqueza que você não imagi­ na. Elas fizeram poe­sias, redações e de­ senhos reproduzindo os projetos dele. E foi a partir dessa primeira via­gem que surgiu ofi­cial­men­te a as­so­cia­ção? Sim, o grupo se envolveu de tal forma que, ao retornarmos, decidimos am­ pliar essa ação, ajudar a promover a

23 março /abril 2012 REVISTA ABIGRAF


fazemos porque temos cons­ciên­cia da impor­ tância do que rea­l i­za­mos. Fazemos por prazer, sem interesse co­mer­cial ou político. ­ uem são os Cavaleiros da Cultura? Q São pes­soas de diversas ­­áreas de atua­ção. Temos médico, fisioterapeuta, co­mer­cian­tes, fun­cio­ná­ rios públicos. Compartilhamos a paixão pela cavalgada, mas ficamos mais unidos em torno do projeto, porque percebemos a necessidade de ajudar a levar cultura e também esperança. O cavaleiro mais jovem tem 29 anos e o mais velho, 72. Uma parte desse grupo já cavalgava desde o final da década de 1980. Quais são as cidades que os Cavaleiros da Cultura já percorreram? Já percorremos, no mínimo, 80 cidades de Mi­ nas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e ­Goiás. Costumamos viajar em mea­dos de junho, que é um bom pe­r ío­do, antes das fé­r ias escolares. para essa capacitação, que é feita por um pro­ fis­sio­n al contratado pela editora. Juntamos o pes­soal em três pontos diferentes e eles se deslocaram até lá. De que forma esses livros são transportados durante a cavalgada? Conseguimos, desde o começo, uma parceria com a Fiat, que cede uma caminhonete de apoio aos cavaleiros. Também temos apoio da Iveco, que nos dá um caminhão para levar os livros. Além da parceria com as empresas privadas, existem também contribuições por parte do poder público? Um parceiro que está conosco desde o início da atividade é a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Há também apoio das se­cre­ta­ rias de Educação, de Turismo e de Cultura do Estado. Mas o mais va­lio­so são os livros da Pau­ lus, nossa principal parceira, além de outros pa­ trocinadores importantes da ini­cia­ti­va privada. Quan­tos integrantes a as­so­cia­ção possui hoje e como este grupo está organizado? Hoje somos 22 cavaleiros as­so­cia­dos, mas par­ ticipam mais ativamente 20 pes­soas. Eles fa­ zem uma contribuição mensal para manter a estrutura mínima. Na oca­sião das via­gens, cada um dá uma parte para que se forme um caixa. Nós que bancamos as despesas, mas

24 REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

Como é a recepção aos Cavaleiros nas cidades que recebem os livros? É sempre uma admiração muito grande por par­ te das crian­ças. No ano passado estávamos em Santa Bárbara, cidade mineira que fica próxima a Ouro Preto, e as crian­ças olhavam para nós como se fôssemos seres de outro planeta, até que um amigo, o mais extrovertido do grupo, fez questão de mudar essa ideia. E, assim, foi ex­ plicando a elas que cada cavaleiro tem sua pro­ fissão, mas todos eles estão dedicando alguns momentos para tentar diminuir desigualdades. Quais ações a as­so­cia­ção prevê para este ano? Neste ano, vamos fazer um projeto em home­ nagem aos 110 anos de Carlos Drummond de Andrade, que será ho­me­na­gea­do na Festa Lite­ rária de Paraty (Flip). Estamos movendo meio mundo, porque decidimos que vamos chegar na Flip de qualquer jeito, saindo de Ouro Preto, que já é parte do projeto Estrada Real. Estamos fa­ zendo uma parceria com o Museu do Tropeiro, de Itabira, cidade natal do escritor, que, ­a liás, também conta com o Me­mo­r ial Carlos Drum­ mond de Andrade, um projeto do Oscar, que era seu grande amigo. Faremos uma saí­da simbó­ lica do Me­mo­r ial rumo a Paraty. Estamos bus­ cando apoio do governo, da secretaria de turis­ mo do Estado de Minas. Já temos boa parte dos livros, quase 20 mil kits, mas a Paulus contri­ buirá com, pelo menos, mais 60 mil livros.


Versatilidade na dobra

Flexibilidade e qualidade são vitais para manter seus clientes satisfeitos, assim como a alta produtividade é também vital para o sucesso de sua gráfica. Seja para produzir flyers, folders, malas especiais, tiragens curtas ou longas, a linha de dobradeiras Stahlfolder da Heidelberg garante a dobra perfeita para qualquer tipo de trabalho no mercado.

Heidelberg do Brasil Av. Alfredo Egídio de Souza Aranha, 100 • Bloco B • 12º andar • São Paulo • SP • Fone: 11 5525-4500 www.br.heidelberg.com


Wega Nery Trágico esplendor da vida

1 Figuras no Verde, óleo sobre tela, 26,5 × 34,5 cm, 1969

26 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012


ARTE

Se a obra de arte nasce de legítimas emoções, a criação do artista sempre terá muito a nos dizer. No caso de Wega Nery, suas telas são poesia e música que contagiam e fazem pensar na razão da vida. Um corajoso convite para mergulhar no mar do sonho e voar no céu da realidade. Ricardo Viveiros (APCA)

27 março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF


2

As descobertas

2 Dia do Mar no Mar, óleo sobre tela, 100 × 80 cm, 1978 3 Luz sobre o Verde, óleo sobre tela, 120 × 100 cm, 1986 4 Nanquin sobre papel, 1972

N

ada mais simples e rico, sá­ bio e verdadeiro do que a própria Wega Nery ao defi­ nir como captava o con­teú­ do de sua arte: “Os grandes acontecimentos estão den­ tro da gente. O mar está no lago, no céu, nas nu­ vens, nas pes­soas”. Wega era assim, presente em tudo. Em es­pe­cial, no âmago humano invadido respeitosamente para ser revelado muito além dos preconceitos. Ela sabia “­c riar” alma para movimentos, sons, formas, perfumes, texturas. Havia na sua palheta a cor perfeita para cada in­ formação, da pequena espátula que usava sur­ giam linhas e formas para recontar o mundo. Tudo em sua obra tem vida – passado, presen­ te e futuro se mesclam em clara de­so­be­d iên­cia à teimosa cronologia do tempo.

Nascida em 10 de março de 1913 na cidade de Corumbá, Mato Grosso do Sul, Wega passou a primeira infância na fazenda de sua aristocrá­ tica família na re­g ião do Pantanal. Mais tar­ de, foi matriculada pelos pais em regime de in­ ternato no tra­d i­cio­nal Colégio Sion, na capital de São Paulo. Optou, ini­cial­men­te, pela carrei­ ra de professora e desenvolveu o gosto pelo de­ senho. Em 1938 casou-se com Fausto Gomes Pinto, seu professor de inglês. No ano seguin­ te, nasceu o único filho, Se­bas­tião Rubens, ou como ficou conhecido ao se tornar respeitado jornalista, “Tão” Gomes Pinto. 3

4

Em razão de complicações cirúrgicas, no início da década de 1940 Wega ficou interna­ da por um ano. No hospital, retomou os de­ senhos e pintou os primeiros ­óleos. Em 1946 tornou-se aluna da Escola de Belas Artes de São Paulo e expôs pela primeira vez. Estudou com alguns mestres, entre os quais Yoshiya Ta­k ao­k a, diplomando-se artista plástica. Em  1950 conquistou seu primeiro prêmio, “Medalha de Bronze” no Salão Na­c io­n al de Belas Artes, ao qual somaria muitos outros em longa e profícua carreira. Integrou o Grupo Gua­na­ba­ra e o Ate­lier Abs­ tração, este último liderado por Samson Flexor, ar­ tista franco-​­romeno, pioneiro da pintura abstrata no Brasil. Foram membros do Abstração Arcange­ lo Ianelli, Abelardo Za­luar e Yutaka Toyota, entre outros. Sempre em constante evolução, Wega pas­ sou a ter presença destacada no panorama artísti­ co brasileiro, com exposições, prê­mios e aquisições

28 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012


5

que a colocaram em importantes acervos públicos e privados, no Brasil e no ex­te­rior. Do desenho a carvão aos ­óleos, passando por outros meios, Wega foi aperfeiçoando a técnica e libertando a temática. Desenvolveu um ex­pres­ sio­nis­mo abstrato sem compromissos com esco­ las, trazendo-​­nos a com­preen­são dramática do existir. Nesse sentido, o trabalho de Wega dei­ xou aflorar vasto repertório de signos com base em sua ex­pe­r iên­c ia in­te­r ior e, acima de tudo, como alguém que ama sua terra e seu povo, que é cons­cien­te da dívida so­cial a ser resgatada. As realizações

O trabalho único de Wega Nery determina uma linguagem própria, com definição ges­tual, in­ quietas sombras e provocadoras cores, sempre com muitas pe­cu­lia­r i­da­des. A ocupação do es­ paço é determinante, bem como o são o movi­ mento e a luz. Percebe-se em sua obra um diá­ lo­go perfeito entre o conhecimento in­te­r ior e o mundo real. O seu trabalho, de grande profun­ didade, é sempre inovador e traz uma ordenação livre e concisa das formas. Há equilíbrio e sere­ nidade nos prin­cí­pios básicos de sua geo­me­tria. Interessante observar a pintura que, na década de 1960, ela produzia. Era bem ges­t ual, com tons vibrantes e mostrando a natureza brasi­ leira em visão convulsiva. Uma arte angustiada em busca de expressar o rea­lis­mo com emoção. No final dos anos 1960 Wega ergue, na Praia de Pernambuco, no Gua­r u­já, litoral sul paulista, seu refúgio favorito. O crítico Geral­ do Ferraz sugere o nome de “Ilha Verde” para o lugar. Seu trabalho é exposto seguidamente

nas Bienais Internacionais de São Paulo, bem como, em outras importantes mostras aqui e em vá­r ios paí­ses. A menina do Pantanal matogrossense que guardou as imagens da alagada savana estépica, sua múltipla vegetação e seu ouro, e a mulher da metrópole paulista que viveu em meio de edi­ fí­cios, sob névoa cinza e ritmo frenético, estão presentes nas telas de Wega. E isso se pode ver, em es­pe­cial, nas magníficas “Pinturas Ima­gi­ná­ rias”. A forma, o estilo e a linguagem que a ar­ tista colocou nessa série cons­troem uma ponte segura entre razão e emoção. Wega trabalhava muitas horas diá­r ias, pesquisava, estudava, experimentava sempre. Que­r ia ter mais vidas para aprimorar sua arte. Pintou sonhos. Retratou mares muito além das praias, revelou almas muito além dos corpos. Por toda a sua vida fez o que mais gostava: pin­ tar. Wega foi uma pacífica re­vo­lu­cio­ná­r ia que retratou o trágico esplendor da vida. Morreu em 21 de maio de 2007 em sua “Ilha Verde”, tor­ nando-se uma estrela… do mar.

5 Outono, óleo sobre tela, 81 × 68 cm, 1971 6 Barco ao Longe, óleo sobre tela, 24 × 17 cm, 1983

6

revista issn 010 3•572

a gráfic a • ano x xxvii • m arço/ab

x

ril 2012 • nº 2 5 8

revista abigra f 258 março /abril

2012

arte & in dústri

Capa

Muralha de Sonho, óleo sobre tela, 65 × 80 cm, 1963 março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF

29


Abemd

Regulamentado o uso de dados pessoais na comunicação direta

N

30

a última década, a tecnologia digital tem Por fim, o princípio da prevenção deve garantir con­tri­buí­do para aumentar o fluxo da comu­ a adoção de medidas suplementares que con­tri­buam nicação direta. Por isso mesmo, também a para evitar a ocorrência de danos em virtude do tra­ discussão sobre o tema da proteção de dados pessoais tamento de dados pessoais. Todas as informações de­ ganha nova perspectiva, es­pe­cial­men­te no sentido de verão ser mantidas em am­bien­tes seguros de maneira ­criar padrões normativos que regulamentem as ações do a terem seu sigilo protegido. chamado mar­ke­ting direto. De acordo com Efraim Ka­puls­ Esta foi uma das razões que le­ ki, presidente da Abemd, o setor Documento da Abemd varam a As­so­cia­ção Brasileira de recebeu o código da melhor ma­ estabelece parâmetros para Mar­ke­ting Direto (Abemd) a fun­ neira possível. “Nosso objetivo é o tratamento de informações damentar, em dezembro último, o pro­por­cio­nar regras que, em har­ particulares e tem como uma Código Brasileiro de Autorregula­ monia com o ordenamento jurí­ de suas metas assegurar a livre dico brasileiro, con­c i­l iem a de­ mentação para Tratamento de Da­ dos Pessoais. O documento tem fesa da privacidade, intimidade, iniciativa comercial do setor. como objetivo estabelecer ações de honra e imagem dos consumido­ referência para organizações que res com a necessidade de que tam­ executam atividades voltadas ao bém a atividade de mar­ke­ting di­ tratamento de informações pes­ reto possua meios para subsistir soais, de modo a garantir a digni­ sa­t is­fa­to­r ia­men­te. Os principais dade e os direitos fundamentais resultados que o código pro­por­cio­ do consumidor, ao mesmo tem­ na­rá são a manutenção da ativida­ po em que cria uma defesa à or­ de e uma maior pro­fis­sio­na­li­za­ção dem econômica e à livre ini­cia­ti­va das empresas que trabalham com co­mer­cial para o setor. dados pessoais”, declarou. A ini­cia­ti­va da Abemd está em sintonia com a atua­ção do Minis­ Princípios do código tério da Justiça, que, também em De acordo com o documento de dezembro, lançou a segunda edi­ autorregulamentação lançado ção do caderno de investigações pela Abemd, o tratamento de da­ cien­tí­f i­cas Proteção de dados pessodos pessoais deverá atender a qua­ ais: para além da informação creditítro prin­cí­pios básicos. O primei­ cia, por meio de seu Departamento ro deles é o de finalidade, para de Proteção e Defesa do Consu­ garantir que os dados do titular Efraim Kapulski, presidente da Abemd midor (DPDC). A publicação tem sejam tratados em concordância com seus legítimos interesses. O princípio da transpa­ como objetivo sub­si­d iar a reflexão sobre a titularidade rência deve assegurar que o titular tenha meios de ve­ do consumidor sobre seus dados pessoais. Em uma es­ rificar seus registros quando desejar. É direito do con­ fera maior, um anteprojeto de lei sobre a matéria pas­ sumidor saber quais são as informações armazenadas sou por debate público no ano passado, contando com em cadastro que lhe dizem respeito. mais de 800 contribuições da so­cie­da­de. A segurança física e lógica é outro princípio e deve & ABEMD promover no setor a adoção de medidas técnicas e ad­ Tel. (11) 3129.3001 ministrativas em conformidade com o ­atual estado da www.abemd.org.br tecnologia, para manter o sigilo de informação.

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012


TECNOLOGIA é a evolução constante dos processos gráficos. Konica bizhub press C7000

Impressora / Copiadora / Scanner

*Tecnologia de impressão: laser eletrostático *Velocidade de impressão: 71ppm *Resolução de Impressão: 1200 x 1200 dpi *Tamanho de papel: até 330 x 482mm *Gramatura: até 300 g/m² *Duplex automático: até 256 g/m²

Guilhotinas Perfecta 115 / 132

*Guilhotinas lineares com largura de 115, 132cm ou maiores; *Equipamentos reúnem as condições para responder as demandas do mercado. Equipadas com painel “Touch Screen” com visualização gráfica com memória para 30.000 programas de cores; *Disponíveis com sistemas totalmente automáticos de carga e descarga;

Corte e Vinco BaoDer 1050 C

*Máquina de corte e vinco automática operada por painel “Touch Screen” com todas as informações disponíveis. *Formato máximo de 1050x750mm e com velocidade de 7.500 folhas por hora. *Equipamento perfeito para trabalhar com cartões ou papel é o equipamento mais versátil com opção de configuração com destaque e sistema de aplicação de “Hot Stamp”.

Virador de pilha Bush

Viradores de pilhas com vibração e aeração para papeis, cartões e materiais especiais disponível a partir do formato 600x750mm. O resultado do equipamento além de virar a pilha aumenta a produtividade e qualidade da impressão das etapas posterores.

Antes da impressão:

*Eliminação do pó; *Separação das folhas; *Climatização do material antes da impressão.

Entre em contato com um representante Gutenberg Rua Conselheiro Nébias, 1131 - CEP 01203-902 - São Paulo - SP telef.: 55 11 3225 4408 - fax: 55 11 3224 0202 Vendas regionais: Belo Horizonte - Curitiba - Porto Alegre Recife - Rio de Janeiro www.gutenberg.com.br

Depois da impressão:

*Eliminação do excesso de pó; *Acelera a secagem; *Redução de odores; *Redução da carga estática.


Exposição

Semana Internacional leva 21 mil ao Anhembi

O

s tempos são absolutamente outros, mas a referência é inevitável. Lembrando o que já representou a Fie­pag para o setor gráfico brasileiro, chamou a atenção ver a feira ocupando somente três corredores da chamada ala nova do Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo. Desentendimentos entre os expositores e a organizadora, movimentações do mercado e o surgimento de novos eventos alteraram drasticamente o modelo original, que perdurou até a 18 ª‒ edição, rea­li­za­da em 2005, atraindo 52.431 profissionais. Em 2008 a Fie­pag uniu-se à Brasilpack e a outras feiras, no formato de Semana In­ ter­na­cio­nal, que se repetiu em 2010, e agora o nome que outrora marcou a principal mostra da indústria gráfica latino-​­americana não mais será utilizado. Espantando a nostalgia, vamos aos números da Semana In­ter­na­cio­nal de Máquinas e Equipamentos para Embalagem e Impressão, que aconteceu de 12 a 16 de março, reunindo Brasilpack, Expografica e Flexo Latino America: 180 expositores, 21 mil visitantes e fechamento de ne­gó­cios que correspondem, de acordo com a Reed Exhi­bi­tions Alcantara Machado, promotora do evento, a quatro meses de produção.

32 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

Em cinco dias de evento, expositores fecharam negócios que correspondem a até quatro meses de produção, segundo a organizadora Reed Exhibitions Alcantara Machado. Tânia Galluzzi

A participação de pro­f is­sio­nais que ocupam cargos de liderança teve significativo aumento em relação a 2010, segundo pesquisa par­cial rea­l i­za­d a pela Reed. Para Li­lia­ne Bortoluci, diretora do evento, as feiras que compõem a Semana In­ter­na­cio­nal têm representatividade se­to­r ial e econômica. “Por isso, elas fun­cio­nam como a principal ferramenta de vendas desse mercado, levando empresas a encontrar os seus principais compradores, o que gera bons negócios e competitividade para todo o setor.” O maior estande da feira, com 600 m2, foi ocupado pela Furnax, que avaliou positivamente o evento. “O que para o visitante foi uma frustração, para nós acabou sendo positivo. Como a feira está pequena, ele tem mais tempo para ficar no nosso estande e conhecer nossos produtos”, afirmou Fabio Soa­res, gerente de produto, no penúltimo dia da Semana In­ter­na­ cio­nal. “Tivemos uma boa movimentação e fechamos alguns ne­gó­cios gerados aqui na própria feira, inclusive a venda de um de nossos lançamentos, a impressora Fast 452”, afirmou Pammela Gouveia Buff Rente, gerente de mar­ke­ting. Edson Simões, gerente na­cio­nal de vendas da Miruna, também se mostrou satisfeito. “Mesmo compacta,


esta edição foi melhor que a an­te­r ior em termos de visitação. Recebemos gente qualificada de todo o Brasil”. Da mesma forma, o executivo demonstrou otimismo com as perspectiva da empresa para 2012. “Estamos investindo em um novo galpão, am­plian­do a fábrica em 2.000 metros quadrados com o objetivo de aumentar a produção. Compramos uma máquina para a fabricação de arame, eliminando um gargalo de nossa produção”. Durante o evento, o Senai ofereceu palestras gratuitas voltadas à indústria gráfica. Segundo Mário Pacheco, instrutor da Escola Senai de Artes Gráficas Theo­bal­do De Nigris, a intenção foi oferecer conhecimento e aprimoramento sobre o setor. “Além de assistir a palestras gratuitas com professores do Senai, os visitantes que compareceram às aulas receberam um certificado de conclusão do curso”. Novidades

Os destaques no estande da Furnax foram a máquina de sacolas, a impressora offset quatro cores Fast 452, a corte e vinco automática Hércules e um novo modelo de laminadora de BOPP. Com tecnologia japonesa, a máquina de sacolas atraiu atenções pelo fato de receber a folha impressa e entregar a sacola pronta, incluindo a dobra interna na parte su­pe­r ior e as alças. A linha atinge velocidade de 5.000 unidades por hora. Com troca de chapas semiautomática e saí­da alta e estendida, a Fast 452, a primeira offset que a Furnax co­mer­cia­li­za, destaca-se pelo rápido acerto. Com seu estande ocupando a segunda maior área da Semana In­ter­na­cio­nal, a Apolo foi outra empresa

que apostou no segmento de sacolas, apresentando a SuperBag S, linha automática para confecção de sacolas com velocidade de 4.500 unidades por hora. Com alimentação a folha, a linha faz o acabamento completo da sacola, ex­ce­tuan­do a inserção de alças. “Decidimos investir em equipamentos para a fabricação de sacolas em função da elevação na demanda do mercado interno. Vendemos vá­r ias unidades desse modelo aqui na feira, tanto para gráficas que já ­atuam na confecção de sacolas quanto para empresas que desejam complementar sua linha de produtos”, disse Michel Guttmann Ser­wac­zak, diretor presidente da empresa. A Miruna teve como destaque o lançamento da grampeadeira modelo 3 D2. Semiautomático, o equipamento atinge velocidade de 4.000 revistas por hora, trabalhando com dois cabeçotes de grampo. Possui alimentador automático de revistas e empilhador de produção na saí­d a da gram­pea­ção. No estande da Diginove os visitantes puderam ver a alceadeira por sucção DSC 10/20, fabricada pela Duplo, com velocidade de até 7.200 jogos por hora; a dobradeira Major, da Morgana, com velocidade de 27.500 folhas por hora; e a vincadeira Di­g iC­rea­ser, que vinca pa­péis com até 400 g/m2 a uma velocidade de 4.000 folhas por hora, desenvolvida pela Morgana para acabamento de impressão digital. Contabilizando um resultado melhor do que o esperado, segundo o consultor co­mer­cial Aloisio Silva, a T&C levou para a feira impressoras digitais da Konica, CtPs para flexografia da ­Screen e plotters para confecção de provas para flexografia e offset da Epson. março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF

33


Especial

Hamilton Terni Costa

A criação de valor perante o cliente é um grande desafio hoje para as gráficas. E a disputa pelo cliente se dá justamente através do valor que as gráficas conseguem gerar

34 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

Agregar valor às relações comerciais

U

m dos maiores de­sa­f ios que as empresas gráficas en­ frentam hoje em dia para alcançarem ou manterem um patamar adequado de rentabilidade é a cria­ção de valor no clien­te pela utilização de seus serviços, es­pe­cial­ men­te a impressão. Ou seja, o reconheci­ mento do ma­te­r ial gráfico pelo clien­te, não pelo seu custo unitário, mas pelo retorno do investimento do comprador. A verdadeira disputa co­mer­cial hoje se dá não pela conquista do clien­te, de uma nova conta. Ela se dá pela atratividade de clien­tes através do valor que geramos. Atra­ tividade é a chave dos ne­gó­cios hoje. Quan­ to mais valor geramos, mais atrativos so­ mos. Mas o que é valor e o que é gerar valor? E o que é valor percebido pelo clien­te? Valor é tudo aquilo que é importante para nós, nossos verdadeiros desejos. Para o clien­te é aquilo que real­men­te importa para ele, suas reais necessidades. O pro­ blema co­mer­c ial e até mesmo estratégi­ co é que o clien­te, de forma geral, não diz claramente o que deseja. O que falo aqui não tem nada a ver com as especificações do trabalho. Isso tem a ver com os be­ne­f í­ cios que esse serviço pro­por­cio­na ao clien­ te. A cria­ção do valor percebido pelo clien­ te é conseguir descobrir seus reais desejos e pro­por­cio­nar-​­l he ex­pe­r iên­cias positivas, relevantes, de forma a ­criar um re­la­cio­na­ men­to con­f iá­vel e mu­t ua­men­te benéfico. Esse é o âmago desse artigo. Como en­ tender esse processo e desenvolver um ci­ clo de venda de valor que nos leve a melho­ res resultados. No ano passado a as­so­cia­ção gráfica norte-​­americana NAPL fez uma de­ talhada pesquisa nas gráficas líderes e de maior rentabilidade nos Estados Unidos. Vale a pena examinarmos esse trabalho

para entendermos o que faz essas gráfi­ cas serem diferentes e terem um sucesso co­mer­cial acima da média: ◆◆ Em primeiro lugar, elas têm uma estraté­ gia diferente perante o clien­te. Elas abor­ dam o clien­te de maneira di­fe­ren­cia­da e vendem de maneira diferente. Para es­ sas empresas o seu sucesso é o sucesso do clien­te. ◆◆ Em segundo lugar, elas ajudam seus clien­ tes a alcançar resultados através de seus produtos e serviços e mostram o quanto con­tri­buem para isso. ◆◆ Terceiro, a conversação delas é diferente, a força de vendas é diferente, a aborda­ gem de vendas é diferente. Há mais ven­ da de equipe, não venda in­d i­v i­dual. Toda a abordagem pouco tem a ver com gráfi­ ca. Muitas vezes a palavra gráfica nem é citada nos encontros iniciais. ◆◆ O ciclo de vendas começa com um con­ junto de questões re­la­cio­na­das ao negócio do clien­te, seus objetivos e necessidades. A segunda etapa é estudar as questões apresentadas, formular um plano, vol­ tar ao clien­te e dizer: em nossa reunião escutamos isso e aquilo e essas são suas questões-​­chave, correto? Aqui está o que temos para so­lu­cio­nar seus problemas e ajudá-lo a maximizar suas oportunidades. É um outro tipo de venda. É uma ven­ da de solução, não de preço. Estendi-me um pouco mais nesse descritivo porque ele aborda bem, e resumidamente, a forma como podemos agregar valor às nossas ven­ das: através do entendimento das efetivas necessidades dos clien­tes para a oferta dos produtos e serviços adequados. Caminho fácil? Claro que não, pois entender essas necessidades intrínsecas — e não meramente os requisitos de im­ pressão — exige que conheçamos mais o


cliente, entendamos mais do seu negócio, nos re­la­cio­ne­mos com mais pes­soas, além de compras, e que, desse diá­lo­go e conheci­ mento, possamos ava­liar melhor seus pro­ blemas para que ajudemos a so­lu­cio­ná-​­los. Percebam que isso vai muito além de ir a um clien­te, perguntar se ele tem algo para orçar, preparar preço e brigar pelo pedido. Por mais difícil que pareça essa tarefa em um mercado onde muitos clien­tes di­mi­ nuem as portas de entrada de fornecedores e fazem extrema pressão sobre os preços fi­ nais, mais do que nunca as empresas hoje precisam de ajuda. Seja para baixar seus custos de processo, como a redução de in­ ven­tá­r ios; seja para comunicar-se melhor dentro do labirinto de mí­d ias que temos hoje, como melhor interagir o papel com o digital; seja para atingir objetivos de negó­ cio, como crescer em pontos de venda atra­ vés de embalagens bem projetadas, com materiais sustentáveis; e muito mais. A diferença desse entendimento é a diferença da nossa postura e abordagem. Somos simplesmente suporte para as ne­ cessidades do clien­te ou somos parte de seus processos? Se nos vemos e nos po­si­cio­na­mos como suporte ao clien­te, devemos estar prepara­ dos para atender a seus requisitos de com­ pra da forma mais efetiva e na melhor qua­ lidade possível. Toda vez que ele precisar de um fornecedor gráfico para suas impres­ sões, estamos ali para atendê-lo da me­ lhor forma. Essa é a postura tra­d i­cio­nal da maioria das empresas gráficas. Para ser bem sucedido nessa aborda­ gem é necessário ser o que chamo de pro­ dutor efi­cien­te, ou seja, minha competiti­ vidade está ligada à minha qualidade de impressão, alta efi­ciên­cia ope­ra­cio­nal e boa estrutura de cadeia de suprimentos para ter acesso à matéria-​­prima adequada, uma co­ nexão (se possível online) com os clien­tes para redução de custos operacionais, o má­ ximo possível de automação nos processos internos, equipamentos atua­li­za­dos e ino­ vações nos processos de reprodução com

vernizes especiais e rapidez de secagem de ma­te­r ial, entre outras coisas, e contro­ le apurado de des­per­d í­cios. Tudo isso para suportar as pressões de preço adjacentes. Se nos vemos e nos po­si­cio­na­mos como parte dos processos do clien­te, devemos es­ tar preparados para vender soluções. Pode ser através de produtos e serviços di­fe­ren­ cia­dos que tenhamos desenvolvido ao lon­ go do tempo e que somente nós pos­suí­ mos. Ou pode ser no desenvolvimento de serviços que ajudem o clien­te dentro dos seus processos administrativos, de produ­ ção ou de comunicação, tais como: ajudar a ­criar suas mensagens ou projetar seus ma­ teriais gráficos como embalagens e outros; oferecer alternativas de mídia além da im­ pressão; desenvolver mailings que permi­ tam a seus clien­tes conseguir novos clien­ tes, cuidar de parte da logística do clien­te ou, até mesmo, projetar equipamentos ou simplesmente colocar equipamentos nas de­pen­dên­c ias dos clien­tes e operá-​­los; e muitas coisas mais. ◆◆ A primeira abordagem, a de suporte, é a mais comum no setor e não vem acom­ panhada na grande maioria dos casos da efi­ciên­cia descrita, o que implica, muitas vezes, uma briga de preços sem respal­ do em custos. ◆◆ A segunda abordagem, a de ser parte dos processos dos clien­tes, em que o preço não é o fator decisivo, na maioria dos ca­ sos falha por não ter pes­soal adequado e o trabalho de venda em equipe estrutu­ rado para isso. O ciclo de vendas também é distinto. Vejamos: A prospecção de clien­tes bem feita é um ponto-​­chave. Definição clara de mer­ cados, segmentos e perfil de clien­te são as definições básicas para chegarmos aos clien­tes-​­a lvo de quem temos que conhe­ cer o máximo possível antes até da pri­ meira visita. E, após os primeiros conta­ tos, proceder a uma ava­lia­ção e definição se vale a pena con­ti­nuar­mos o trabalho de desenvolvimento ou não. Esse exercício de ava­lia­ção recomendamos também para os

clien­tes atuais. Até que ponto vale a pena manter determinados clien­tes na carteira? Não há como avançar em vendas de so­ lução se não tivermos acesso aos responsá­ veis pela tomada de decisão. Compradores podem ser um caminho, mas na maioria das vezes são impeditivos. Aqueles que to­ mam decisões são os que podem abrir as portas para as novas ideias se isso os aju­ dar a resolver seus problemas do negócio. Após isso, a análise da efetiva necessidade do clien­te ou diag­nós­t i­co dos problemas apontados é a base para a busca das solu­ ções a serem desenvolvidas. Esse é um tra­ balho de equipe que envolve vendas, produ­ ção, cria­ção ou o que mais for necessário. A apresentação da solução ao clien­ te requer, antes de tudo, a ênfase no que se pretende alcançar e nunca ser ba­sea­da ou discutida em termos de preço unitário. Se aprovada, as fases de desenvolvimen­ to, produção e implantação são vitais para que tudo saia conforme o combinado. Para isso a discussão com o clien­te sobre os re­ sultados que devem ser alcançados e a afe­ rição deles após a implantação ou entrega dos serviços é fundamental para que fique claro a todos o que se buscou, o que se con­ seguiu, e para que se crie uma relação de con­f ian­ça para novos trabalhos. Enfim, ainda que de maneira muito resumida, fica claro que a possibilidade de se agregar valor percebido pelo clien­te vem muito mais da venda de solução. Para isso o perfil da equipe de vendas é outro e a postura da gráfica é outra. Pense nisso. Voltaremos com esse as­ sunto em um próximo artigo com um maior detalhamento do ciclo de vendas consulti­ va e o perfil do vendedor de solução. Hamilton Terni Costa, hterni@anconsulting.com.br é diretor geral da ANconsulting, www.ansconsulting.com.br, ex-​­presidente da ABTG e Abraform e também um dos criadores e coordenadores do curso de pós-​­graduação em Gestão Inovadora da Empresa Gráfica na Faculdade Senai Theobaldo De Nigris, onde ministra a disciplina de Gestão Estratégica. março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF

35


QUEM QUER UM LUGAR DE DESTAQUE NO MERCADO DIGITAL VAI. Venha para a II Conferência Internacional de Impressão Digital GEDIGI-ABIGRAF 2012 11 de junho de 2012 | 08h00 às 19h30 | São Paulo

Os maiores especialistas internacionais e nacionais do mercado de Impressão Digital

Bruno Mortara

Cary Sherburne

Hamilton Terni Costa

Ivy Sanches

Prof. Frank Romano

Germán Sacristán

Dr. Joe Webb

A II Conferência Internacional de Impressão Digital GEDIGI-ABIGRAF apresentará uma série de painéis estratégicos e tecnológicos, entre eles “Cases de Sucesso em Impressão Digital”. O evento reunirá empresários, técnicos e especialistas do setor. Não perca a oportunidade que vai fazer a diferença na sua empresa.

Vlamir Marafiotti

Vagas Limitadas. Participe!

Informações e Inscrições: www.gedigi.org.br


PATROCÍNIO GOLD:

REVENDAS AUTORIZADAS

PATROCÍNIO PREMIUM:

PATROCÍNIO MASTER:

PATROCÍNIO EXPOSITOR:

PATROCÍNIO APOIADOR:

APOIO INSTITUCIONAL: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE FORMULÁRIOS, DOCUMENTOS E GERENCIAMENTO DA INFORMAÇÃO

Associação Brasileira a das Indústrias de Etiquetas Adesivas

APOIO DE MÍDIA: RE VISTA

ARTE E INDÚSTRIA GRÁFICA

PROMOÇÃO:

REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO:


ECONOMIA Texto e dados: Departamento de Estudos Econômicos da Abigraf

A produtividade na indústria gráfica brasileira Dados estatísticos revelam que, no período entre 2004 e 2009, a produtividade do trabalho da indústria gráfica nacional que apresentava um bom desempenho até 2007 registrou índices negativos nos dois anos seguintes.

A

produtividade, ou o rendimento de uma atividade econômica, mede a habilidade de converter insumos em produtos. Existem duas formas de medi-la. A mais usada é a produtividade do trabalho, em que procura-se auferir a produção por unidade de trabalho (por trabalhador ou por hora trabalhada). Em geral divide-se o valor adi­cio­na­do da economia ou de cada setor pelo nível de emprego correspondente. A outra forma de di­men­sio­ná-la é através da produtividade total dos fatores, que mede as mudanças no produto decorrentes da combinação dos fatores de produção (capital — vá­r ias classes de ativos, e trabalho). Dificuldades em obter dados de estoque de

máquinas e equipamentos em um setor dificultam as estimativas deste indicador. Em ambos os casos, os resultados serão melhores quanto melhor for a tecnologia adotada, o empenho dos trabalhadores, a habilidade do em­preen­de­dor em ge­ren­ ciar seu negócio e também do am­bien­te em que a empresa se insere. Outros aspectos, como práticas administrativas, treinamento, educação, máquinas, TI, P&D, a inovação em produto — que aumenta a receita por unidade de insumo —, aspectos ambientais e políticas governamentais também interferem sobre os mesmos resultados. Elevação nos níveis de produtividade de plantas industriais individuais se traduzem nos índices da produtividade se­to­ rial. No caso da indústria gráfica brasileira isso engloba as empresas do setor em todo o País. Partindo-se de uma comparação entre a produtividade do trabalho do setor gráfico e a da média da indústria de transformação, com dados da Pesquisa In­ dus­trial ­A nual (PIA), levantados pelo Instituto Brasileiro de Geo­g ra­f ia e Estatística (IBGE), o pico da produtividade do trabalho do setor foi atingido em 2007, quando registrou-se a geração de R$ 111,3 mil ao ano por trabalhador. Os  valores da 1 Produtividade do trabalho

– Valor da transformação na indústria gráfica brasileira por trabalhador Empresas com 30 ou mais pessoas ocupadas (em R$ de 2009 – INPC)

38

Foto: AGB Photo Library

ANO

2004

  86.375

2005

  92.182

2006

  95.748

2007

111.303

2008

  95.862

2009

  85.706

Fonte – PIA / IBGE

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

TOTAL


tabela 1 indicam o histórico da razão entre valor adi­cio­na­do no setor e o contingente de trabalhadores, atua­l i­za­dos para valores de 2009 pelo Índice Na­c io­nal de Preços ao Consumidor (INPC). A tabela 2 descreve os diferenciais de produtividade do trabalho entre os distintos segmentos do setor, também em valores de 2009, atua­li­za­dos pelo Índice Na­cio­nal de Preços ao Consumidor (INPC). Convertendo esses resultados para números índices (figura 3), verificamos que de 2004 para 2005 a produtividade no setor gráfico acompanhou o ritmo de crescimento da mesma na indústria de transformação como um todo. De 2006 para 2007 a produtividade do trabalho na indústria gráfica cresceu mais do que a da média da indústria. A da primeira cresceu 16,2%, enquanto que a da indústria de transformação teve um aumento de apenas 4,5% no mesmo pe­r ío­do. Os elevados

níveis de investimentos em máquinas gráficas importadas, estimulados pela valorização do real, que barateou essas importações, pode ajudar a explicar o aumento da produtividade do setor de 2006 para 2007. Entretanto, em 2008 e 2009 (dado mais recente disponível) os resultados de ambos os setores demonstraram desaceleração, sendo que a queda na produtividade do trabalho na indústria gráfica foi mais acen­tua­ da do que no restante da indústria. A crise de 2008 explica par­cial­men­te o declínio de 2007 para 2008 tanto para a indústria gráfica como para a de transformação. A queda adi­c io­n al nos resultados da indústria gráfica pode decorrer da mudança de hábitos de consumo da população, como, por exemplo, o uso de tablets e livros eletrônicos, que pode estar transferindo parte do valor agregado do setor para a atividade de prestação de serviços de edição, ficando a impressão à margem do processo.

2 Produtividade do trabalho na indústria gráfica brasileira por segmento gráfico Empresas com 30 ou mais pessoas ocupadas (em R$ de 2009 – valores ajustados pelo INPC)

Média do setor gráfico

  82.217

Embalagens impressas

139.736

Envelopes, etiquetas, cadernos, impressos de papelaria, formulários contínuos

  68.916

Produtos gráficos editoriais

  85.313

Cartões impressos e de segurança

116.835

Promocionais

  61.998

Serviços de pré-​­impressão

  61.998

Serviços de acabamentos gráficos

  40.369

quem tem os melhores papéis só pode ter o melhor atendimento Uma linha completa de papéis nacionais e importados para as mais exigentes aplicações. Suporte atencioso de profissionais experientes e treinados. Uma logística eficiente que permite entregas de até um único pacote em qualquer cidade do Brasil. Há 19 anos no mercado estas sempre foram as prioridades da Vivox.

Venha para a Vivox!

• Couchés • Papéis especiais • Offset • Offwhite • Reciclados trega • Cartões garantia deoenpaís em todo • Materiais para encadernação

Fonte: PIA / IBGE

3 Evolução da Produtividade do Trabalho na Indústria Gráfica Brasileira

Número Índice

120 110 100 90 80 70

2004

2005

2006

2007

2008

2009

  VTI – Transformação

100,0

107,0

101,2

104,5

107,1

93,1

  VTI – Gráfica

100,0

106,7

103,9

116,2

86,1

85,8

(11) 3259 2255 e 3121 2255 Demais regiões: 0300 772 5200

www.vivox.com.br

39 março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF


Mercado Editorial

Recorde histórico na circulação brasileira de jornais

I

40

nformações divulgadas em mea­dos de ja­ neiro pelo Instituto Verificador de Cir­ culação (IVC) indicam que a circulação brasileira do meio jornal aumentou 3,5% na comparação entre 2010 e 2011. Este índice di­ fere totalmente dos resultados apresentados no relatório da As­so­cia­ção Mun­d ial de Jornais e Editores de No­t í­c ias (World As­so­c ia­t ion of Newspapers and News Publishers), que indi­ cou uma queda de 2% na circulação mun­d ial de jornais na conta 2009 x 2010. O estudo do IVC revela que o segmento de publicações com preço de capa de até R$ 0,99 foi o que obteve melhor desempenho, com cresci­ mento de 10,3%. Os pe­r ió­d i­cos com valores en­ tre R$ 1 e R$ 2 tiveram leve alta de 0,3%. Já os veí­cu­los precificados acima de R$ 2 registraram avanço de 1,6% na circulação. O volume de ven­ das avulsas teve maior expansão, de 4,6%, en­ quanto o volume de assinaturas cresceu 2,4%. A média diá­r ia de circulação brasileira no ano passado foi de 4.443.836 exemplares, novo recorde histórico para a auditoria do IVC. O presidente da entidade, Pedro Martins Silva, explica que os jornais com preços po­ pulares têm índices mais altos em vendas por unidade, o que justifica o aumento das vendas avulsas. “Esse segmento está sendo im­pul­sio­ na­do pelo crescimento da classe C, que ganha corpo e traz um grande volume de pes­soas com melhora no poder de compra. Por sua vez, os editores estão aproveitando o momento, ofere­ cendo produtos adequados ao novo universo de REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

Segundo o IVC o crescimento foi mais forte nas publicações com preço de capa de até R$ 0,99.

leitores. A alta registrada em todo o meio solidi­ fica a curva favorável vista nos últimos quatro semestres”. Na opi­nião da presidente da As­so­ cia­ção Na­cio­nal de Jornais (ANJ), Judith Bri­ to, os números do IVC mostram que no Brasil, assim como em outras eco­no­mias emergentes, há grande espaço para crescimento dos jornais impressos. “Nos últimos anos, com a economia brasileira em expansão e o aumento do poder aquisitivo da população, as empresas jornalís­ ticas têm alcançado crescimento da circula­ ção sobretudo graças aos títulos mais popula­ res, que conquistam leitores sem prejudicar a circulação dos jornais mais tradicionais”. O mesmo estudo do IVC demonstrou que, entre os maiores diá­r ios nacionais, a circulação do jornal O Estado de S. Paulo aumentou 7,5%, segundo informações divulgadas pela própria publicação, chegando a uma média diá­r ia de 254.214 exemplares, 17.845 a mais que os nú­ meros de 2010. A nota do Estadão revela que os bons resultados também se devem à retomada, por parte das com­pa­nhias de comunicação, dos investimentos em modernização dos parques gráficos, que ha­v iam sido suspensos em 2008 e 2009, por conta da crise mun­d ial. De acordo com o presidente do IVC, também a busca por informação de melhor qualidade pode explicar o crescimento dos jornais. “Está havendo uma mudança de comportamento: as pes­soas con­ti­ nuam usando a internet, mas procuram nos jor­ nais um complemento da informação”, declarou o presidente do IVC ao Estado.


EXCELÊNCIA EM CORTE E VINCO Grupo Furnax. Há 17 anos as melhores soluções em Corte e Vinco Corte e Vinco Automática

Hércules 1060 Ao longo de sua história o Grupo Furnax, especializou-se em fornecer equipamentos para Corte e Vinco. Hoje possui uma linha completa de produtos com tecnologia de ponta e excelência para atender as diversas necessidades do mercado. O nosso portfólio é composto por Corte e Vinco Automática, Manual e com Hot Stamping.

Linha Automática AutoCut 1050 Hércules 1050 Hércules 1060

Linha Manual Master Ultravinco Suprema

Para mais informações ligue 11 3277 5658 ou acesse www.furnax.com.br Visite nosso stand na Drupa 2012. Pavilhão 11, Stand 11 D69. De 3 a 16 de Maio

Linha Hot Stamping Man. Ultravinco c/ Hot Stamp. Master c/ Hot Stamping Suprema c/ Hot Stamping

Linha Hot Stamping Auto. AutoStamp c/ Hot Stamping AutoCut c/ Hot Stamping


Pleitos do Setor

D

42

Abigraf vai a Brasília com propostas para desenvolvimento do setor

irigentes nacionais e regionais da As­so­c ia­ indústria gráfica no Plano Brasil Maior foi sub­si­d ia­do ção Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf) por uma pesquisa feita pela Abigraf em âmbito na­cio­nal, reuniram-se no último dia 19 de abril com integrantes com o intuito de saber se a desoneração da folha de paga­ do alto escalão do Ministério do Desenvolvimento, In­ mento seria bem recebida pelo setor. “O mais importante dústria e Comércio Ex­te­r ior (MDIC), em Brasília, a fim é que contamos com o respaldo das gráficas, que foram de expor ao governo os obstáculos que impedem a ca­ ouvidas sobre a pertinência da medida”, completou. deia produtiva da indústria gráfica de crescer e apresen­ Também participaram da reunião no MDIC o asses­ tar os caminhos para “desatar os nós”, em busca de um sor político da Abigraf em Brasília, Roberto Nogueira, e desenvolvimento sustentável. a gerente geral da Abigraf Na­cio­nal, Lygia Flores. Além de apresentarem os principais gargalos en­ Da parte do governo, a equipe da Abigraf foi recebi­ frentados pela indústria, os repre­ da no MDIC pela secretária de Desen­ sentantes da Abigraf reivindicaram a Em reunião com o alto volvimento da Produção, Heloisa Re­ inclusão do segmento na medida no escalão do Ministério gina Guimarães Menezes, responsável Plano Brasil Maior, que desonera par­ pela formulação e proposição de polí­ do Desenvolvimento, te da folha de pagamento de setores ticas públicas para o desenvolvimento Indústria e Comércio industriais (MP563-­2012). A medida da produção in­dus­trial; pelo coor­de­na­ dor geral das In­dús­trias de Bens de Ca­ foi anun­c ia­d a no início de abril pela Exterior, representantes da entidade reivindicaram pital do Ministério, Ronaldo de Almei­ presidente Dilma Rousseff. da Melo Silva; e o coor­de­na­dor geral de O encontro, presidido por Fabio Ar­ a inclusão da indústria competitividade exportadora da Se­ ruda Mortara, presidente da Abigraf gráfica no Plano cretaria de Comércio Ex­te­r ior (Secex), Na­cio­nal, contou com a participação do Brasil Maior. Rodrigo Toledo Cabral Cota. presidente da Re­g io­nal de Minas Ge­ Os integrantes do governo federal se comprome­ rais, Vicente de Paula Aleixo Dias, do superintendente da Re­g io­nal do Distrito Federal, Antônio Carlos Navar­ teram a acompanhar o pedido dos gráficos. Para tan­ ro. A reunião aconteceu um dia depois da Assembleia to, a Abigraf deverá, agora, ofi­c ia­l i­z ar o pedido em Geral Ordinária da Abigraf Na­cio­nal, rea­li­za­da em Bra­ cartas aos ministros da Fazenda, Guido Mantega, e sília, na qual dirigentes das 17 regionais presentes ratifi­ do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Ex­te­r ior, caram a proposta de integrar o plano de desoneração da Fernando Pimentel. folha de pagamento do governo. Ini­cial­men­te, apenas os Como obstáculos ao desenvolvimento da indústria setores têxtil, de confecções, couro e calçados, móveis, gráfica na­cio­nal, os dirigentes da Abigraf apresenta­ plásticos, materiais elétricos, autopeças, ônibus, naval, ram aos integrantes do MDIC pleitos importantes, que bens de capital (máquinas e equipamentos), mecânica, balizarão políticas públicas para o desenvolvimen­ ho­téis, tecnologia da informação, call center e ”design to do setor, como a facilitação de acesso aos fi­nan­cia­ house” foram contemplados pelo projeto. Com a reunião men­tos, a adoção de alíquota zero de PIS/Cofins sobre no MDIC, o objetivo da Abigraf é que o setor gráfico seja a receita decorrente da impressão de livros, a não-​ ­cumulatividade dos tributos estaduais e federais so­ in­c luí­do em uma nova rodada de desonerações. Pela medida do governo, os setores contemplados bre investimentos produtivos e a redução da alíquota deixarão de contribuir com 20% sobre a folha de paga­ de IPI sobre embalagens de cartão, entre outros. Aten­ mento das empresas. Como contrapartida, eles passarão ta a todos os pedidos, a secretária de Desenvolvimen­ a pagar o equivalente a 1% de seus faturamentos brutos to da Produção deu as orien­t a­ções pertinentes para para o governo. “Estamos seguros de que a desoneração que o Ministério dê andamento a cada uma das de­ da folha de pagamento tornará a indústria gráfica bra­ mandas. Ela também verificará a possibilidade da Abi­ sileira mais competitiva”, disse Mortara após o término graf passar a integrar o Conselho de Competitividade do encontro. Ele ressaltou que o pedido de inclusão da da Indústria no MDIC.

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012


A mídia de maior impacto no setor gráfico Maior tiragem, maior qualidade, maior segmentação

revista issn 0103•5 72x

Revista Abigraf

arte & indús tria gráfica • ano xxxvi • s et/out 2011 • nº 2 5 5

O maior e mais importante veículo do setor gráfico brasileiro

revista abigra f 255 setemb ro / outub

ro 2011

• Alta qualidade gráfica e editorial: vários prêmios conquistados no Brasil e no Exterior • Distribuída para dirigentes das indústrias gráficas comerciais, editoriais, de embalagens e de conversão; agências de propaganda; diretores e gerentes de marketing e de produtos das grandes empresas • 36 anos de circulação ininterrupta • Bimestral. Tiragem: 12.000 exemplares • O menor custo por leitor

Anuário Abigraf

sileiro da Indús 15º Anuário Bra

• Exclusivo banco de dados, com informações sobre 2.175 indústrias gráficas de 558 cidades de todo o Brasil e 524 fornecedores de insumos, matérias-primas, equipamentos, sistemas e serviços para o setor • Consultado durante os 365 dias do ano por empresários, executivos e compradores da indústria gráfica; produtores das agências de propaganda; dirigentes de marketing e compras das 800 maiores empresas do País • Tiragem: 9.000 exemplares • Distribuição: junho

tria Gráfica 20 11

O único diretório do setor gráfico nacional

Anuário BrAsileiro dA in dúst riA GráficA 2011

Tecnologia Gráfica

ANO XV Nº 79 VOL. IV 2011 ISSN 1678-0965

O veículo técnico da indústria gráfica brasileira

(11) 3159.3010

SiStemaS integradoS de geStão

79

Automatize a adm de sua gráfica inistração eficiência e pro e ganhe dutividade

IA gRáfIc A

Anuncie

A REVIS TA TÉCN ICA DO SETOR GRÁF ICO BRAS ILEIR O

R E V I S TA T Ecnolog

• Artigos exclusivos dos mais destacados especialistas gráficos nacionais abordando todos os temas do setor, sua tecnologia, processos, sistemas, matéria-primas, equipamentos, etc. • Artigos exclusivos da Seybold • Chega diretamente às mãos dos diretores, gerentes e chefes de produção das gráficas de todo o Brasil • Bimestral. Tiragem: 7.000 exemplares

Seis Sigm a

Saiba mais sobr a famosa estra e que gera lucro tégia

Tipo graf ia Claudio Rocha apresenta o proc de fabricação dosesso tipos de metal

Tuto rial

Turbine seus gráficos no Illustrator


Drupa

A utilização de embalagens em pequenas tiragens para ações de marketing e versões especiais, somada a pedidos just in time e redução de estoques, estão abrindo caminho para a utilização da impressão digital nesse produto gráfico. Gareth Ward

A

44

s perspectivas para a impressão de embalagens de todos os ti­ pos em equipamentos digitais estão animando todos os fa­ bricantes de impressoras. Se a impressão digital em papel está cres­ cendo em um ritmo estável, nas embalagens ela mal deu os primeiros passos. E na área de embalagens não há riscos de a impressão ser subs­ti­tuí­da por mí­d ias eletrônicas. Até o momento, a impressão digital tem deixado de lado as embalagens enquanto expande no segmento edi­to­r ial. Nos pró­ ximos anos isso vai mudar, à medida que as tec­no­lo­g ias eletrofotográficas entrarem em conflito com sistemas jato de tinta para ganhar participação no mercado em um se­ tor no qual os argumentos em favor de ti­ ragens pequenas e da impressão feita sob demanda estão ganhando terreno. As po­ sições que cada fornecedor está tomando ficarão claras na Drupa 2012. A forma tra­d i­cio­nal de produzir emba­ lagens em grandes tiragens gera estoques e o risco de se perder até 20% do ma­te­r ial impresso, que pode ficar obsoleto antes de ser usado. Promoções frequentes e produ­ tos com uma vida útil mais curta apenas aumentam o problema, a não ser que as empresas possam fazer pedidos na hora ou mais perto da necessidade de uso em me­ nores quantidades. Isso abre campo para a utilização da impressão digital. E ainda a REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

Tecnologias digitais cada vez

mais presentes nas embalagens oportunidade apresentada pela persona­ lização como um meio de fidelizar o clien­ te, como a identificação em aplicações do setor far­ma­cêu­ti­co, por exemplo. A estratégia da Heidelberg é ba­sea­d a no desenvolvimento de máquinas e linhas de impressão em torno da tecnologia jato de tinta, que ela apresentou na Interpack. Lá, o principal membro da diretoria, Ste­ phan Plenz, declarou: “As embalagens di­ gitais mais do que triplicarão em quatro anos e suas taxas de crescimento devem ser maiores no futuro. A impressão jato de tinta UV está ganhando importância rapidamente graças à sua versatilidade na escolha de substratos e ao fato de que ela pode ser integrada diretamente às linhas de produção de embalagens”. Tamanho do mercado

Alon Bar-​­Shany, vice-​­presidente e diretor geral da divisão Indigo da HP, avalia que as

embalagens impressas digitalmente podem responder pelos mesmos 10% do mercado que a tecnologia digital ocupa na impressão de rótulos. Os equipamentos HP Indigo já estão sendo usados na impressão de emba­ lagens flexíveis e cartonadas, mas isso ain­ da está bem no começo. A  HP vai revelar passos importantes até a Drupa e terá ins­ talado impressoras em grandes gráficas de flexo e cartão antes disso. O esforço vale a pena por conta do preço. O mercado global de lâminas, cartão e rótulos impressos digi­ talmente foi ava­lia­do em apenas 2,5 bilhões de euros em 2009 e grande parte desse mon­ tante veio dos rótulos, enquanto o de em­ balagens vale atual­men­te US$ 429 bi­l hões, de acordo com a Pike Re­search, e deve supe­ rar a marca de US$ 500 bi­l hões em vendas nos próximos cinco anos. As embalagens de papel e as que o utilizam em sua com­ posição são os maiores setores, com mais de 40% do mercado global de embalagens. Linoprint, Heidelberg


WS6000, HP Indigo

Muitas empresas de embalagens tes­ taram a impressão digital ao longo da úl­ tima década, mas quase todas abandona­ ram esse caminho, alegando que o modelo de ne­gó­cios não existia ou que a qualidade não era adequada. Mas o problema de atender demandas para prazos mais curtos de execução con­ tinua fazendo com que fabricantes de im­ pressoras offset tenham de produzir equi­ pamentos com altos níveis de automação para lidar de maneira eficaz com pequenas tiragens. Isso significa acrescentar ferra­ mentas para monitorar a qualidade na im­ pressora e rejeitar folhas com problemas, usando escâneres para verificar se o que foi impresso está exatamente igual ao PDF que o clien­te aprovou, e usar todas as ferramen­ tas de mudança de chapa, pré-​­configuração e controle de cor tornou-se o procedimen­ to padrão para os impressores comerciais. Os impressores de embalagens com esse nível de equipamentos estão imprimindo confortavelmente uma tiragem de 100 fo­ lhas junto com outros trabalhos que podem precisar de alguns pallets de cartão. E o off­ set continua a oferecer vantagens, em ter­ mos de verniz e laminação em linha, que a tecnologia digital ainda não oferece. O mesmo é verdade para rotativas de banda estreita, que antes eram considera­ das impressoras de rótulos e são agora uti­ lizadas na impressão de caixas de papelão leves e pequenas usando tecnologia flexo­ gráfica UV, às vezes junto com a tecnolo­ gia jato de tinta para a inserção de datas, códigos e uma mensagem pro­mo­c io­n al. A demanda por maior qualidade e tira­ gens menores de embalagens flexíveis in­ seriu no cenário fabricantes como a Mül­ ler Martini, com sua impressora VSOP, capaz de imprimir em filmes com cura por electron beam para atender à demanda por prazos mais curtos do que é possível ob­ ter com as impressoras convencionais e flexográficas. No entanto, todo o interesse, seja de fa­ bricantes ou gráficos, está centrado no po­ten­c ial que o digital oferece. Se a qua­ lidade era um problema há alguns anos, isso está mu­ dando rapidamente, mas entregar a solução completa

continua tendo um obstáculo, principal­ mente na etapa do acabamento, que ainda requer inovação. O maior problema é que a maioria das embalagens cartonadas e em filme são pro­ duzidas em grandes quantidades, porque a produção de alimentos ou bens embalados depende de economia de escala e de gran­ des volumes. Contudo, uma forte compe­ tição pela atenção do consumidor em eco­ no­mias estáveis está fazendo com que os produtores de bens de consumo de alta ro­ tatividade usem mais elementos promocio­ nais no mar­ke­ting de embalagens e mais versões especiais, para desenvolver cada vez mais suas marcas em nichos e levar os produtos ao mercado com maior rapidez, visando prender a atenção do consumidor. Tudo isso acarreta tiragens menores e tempos mais curtos de execução, os mes­ mos fatores que levaram o mercado para a impressão digital em outros segmentos da indústria gráfica. Acrescente a isso uma ten­ dência a reduzir estoques em razão de cus­ tos, juntamente com o desejo de diminuir o impacto am­bien­tal, e veremos que as con­ dições são pro­pí­cias para tornar altamente viá­vel a impressão digital para embalagens. Com o incremento de produtores re­ gionais e artesanais de pequena escala de bebidas, móveis domés­ ticos, doces e pro­ dutos similares, surgem sempre novas empresas

querendo comprar embalagens que não es­ tão no foco dos grupos multinacionais. Isso cria uma oportunidade para impressores comerciais e digitais expandirem sua atua­ ção para oferecerem a impressão de em­ balagens integrada a ações de mar­ke­ting. Chocolates sob demanda

Foi com isso que a Irongate, empresa do Reino Unido de impressão digital e servi­ ços de mar­ke­ting que opera equipamentos da Xerox, obteve êxito. Ela montou um por­ tal web-to-​­print em parceria com a fabrican­ te de chocolates Thorntons. O clien­te pode entrar no site da Thorntons e personalizar uma caixa de chocolates para presente, se­ le­cio­nan­do os sabores e estilos e inserindo uma imagem e mensagem pes­soal. A ini­cia­ ti­va foi um grande sucesso, tendo sido pro­ duzidas 3.500 caixas na semana que ante­ cedeu o Natal e 1.000 unidades na semana antes do Dia dos Namorados. A promoção “crie sua própria caixa de chocolate” conti­ nua sendo uma peça central da oferta de comércio eletrônico da Thorntons. Este é um exemplo de como o uso de embalagens de qualidade personalizadas com a impres­ são digital podem sofisticar um produto. A Xeikon foi líder em impressão digital para embalagens e afirma que os produtos de confeitaria são ideais para ini­cia­ti­vas pro­ mocionais. “Eles permitem aos pro­ dutores ­criar caixas com a marca de suas lojas com versões diferen­ tes para datas especiais, como Dia

iGen4, Xerox

45 março /abril 2012 REVISTA ABIGRAF


das Mães e Páscoa, vendendo um produto premium, em que o preço da caixa é o me­ nos relevante”, diz Filip Weymans, gerente de desenvolvimento de ne­gó­cios. Na Drupa 2008 a Xeikon mostrou sua tecnologia alia­da a uma linha de acabamen­ to desenvolvida pela StoraEnso para a pro­ dução em linha de embalagens de CDs e DVDs. Embora o produto nunca tenha de­ colado, tendo sido lançado no pe­r ío­do em que as vendas de CDs caí­ram e foram subs­ ti­tuí­dos pelo down­load de entretenimento, a StoraEnso continuou a co­mer­cia­li­zar a li­ nha Gallop, mas em parceria com a Xerox, instalando um equipamento na Goldprint, impressora belga que atende a área far­ma­ cêu­t i­ca. “O segmento far­ma­cêu­t i­co é um grande propulsor das embalagens digitais”, acrescenta Weymans, “auxiliado por mu­ danças na legislação que levam as empresas a produzirem tiragens menores”. Uma proposta americana para que toda embalagem de re­mé­d ios fosse personali­ zada para o pa­c ien­te foi deixada de lado, mas a ras­trea­bi­l i­da­de para eliminar falsi­ ficações continua sendo importante para a produção digital. Entretanto, embora o seg­ mento far­ma­cêu­ti­co tenha sempre estado em destaque na lista de clien­tes em po­ten­ cial na conversão para o digital e alguns im­ pressores de embalagens cartonadas para esse mercado tenham instalado impresso­ ras digitais, logo se descobriu que tal tec­ nologia não conseguia produzir a qualida­ de de cor exigida e a resolução de impressão não alcançava o patamar necessário para reproduzir o texto curvado e os logotipos

46

:Dotrix Modular, Agfa

REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

com os quais a impressão tra­d i­cio­nal não enfrentava nenhuma dificuldade. Projeto para seguir adiante

Há agora um interesse renovado pela im­ pressão digital para esse fim. Simon Toke­ love, chefe da gestão de ativos na Che­sa­ pea­ke, produtora global de embalagens de cartão, afirma: “A Che­sa­pea­ke foi pioneira no desenvolvimento de tec­no­lo­g ias e pro­ cessos alternativos à medida que o tama­ nho das tiragens e dos pedidos di­mi­nuía. A impressão digital está de­sa­f ian­do a im­ pressão con­ven­c io­n al para certas aplica­ ções, mas ainda apresenta restrições em termos de formato de impressão, produti­ vidade e opções de acabamento”. Ele acrescenta: “A adoção da tecnolo­ gia digital para embalagens está evoluindo conforme os fabricantes oferecem forma­ tos de máquinas adequadas e uma maior produtividade de impressão. Contudo, uma adoção mais ampla do processo requer ou­ tros desenvolvimentos nas tec­no­lo­g ias de acabamento e uma maneira diferente de se pensar sobre a cadeia de suprimentos. Já investimos em sistemas digitais para ró­ tulos e agora estamos reestudando as apli­ cações finais. Por conseguinte, esperamos oferecer a nossos clien­tes uma solução digi­ tal totalmente integrada para embalagens dentro de um ano”. A inovação, diz Weymans, veio com uma melhor resolução de impressão, que no caso da Xeikon passou de 800 para 1.200 dpi, o que permitiu às impressoras digitais reproduzir as curvas sua­ves no texto e os

logotipos corporativos. Um dos principais clien­tes a dar esse passo adian­te foi a Odys­ sey Digital Printing, em Tulsa, Oklahoma (EUA). A Xeikon direcionou o Achushnet para essa empresa quando eles pergunta­ ram como imprimir pequenas tiragens de embalagens de bolas de golfe. Cada emba­ lagem contém três bolas e, há oito anos, só poderia ser solicitada em lotes de mais de mil. Com a passagem para a impressão di­ gital, isso mudou. Agora um campo de golfe pode pedir bolas com seu nome e vendê-​­las para eventos corporativos ou competições rea­li­za­dos no local. “É o tipo de aplicação que um negócio gráfico cria­t i­vo pode de­ senvolver para o mercado de embalagens”. Solução para a cadeia de suprimentos

Os impressores tradicionais de embalagens não estão acostumados a lidar com os pe­ quenos números oferecidos pela tecnologia digital, crian­do mais uma vez a oportuni­ dade de entrada de novos participantes no setor. Um deles é a irlandesa Me­dia­wa­re Di­ gital, que tem uma impressora Xerox conec­ tada a uma linha de acabamento Gallop, da StoraEnso. Ela produz embalagens perso­ nalizadas para a Microsoft, acrescentando o nome do clien­te a cada caixa e imprimin­ do apenas quando uma compra online é fei­ ta. O diretor Noel Candon explica: “A Mi­ crosoft precisava lidar com um problema na cadeia de suprimentos. Agora eles só pe­ dem o que precisam e nós imprimimos sob demanda. A qualidade é consistente, me­ lhor do que a obtida an­te­r ior­men­te, e nun­ ca tivemos nenhum problema, mesmo ten­ do impresso milhares de caixas para eles”. A produção digital, diz Candon, permi­ te a seus clien­tes se expandirem para mer­ cados que nunca te­r iam atingido antes por conta de tiragens pequenas recusadas pe­ los impressores tradicionais. Em suas pala­ vras, “uma empresa com a qual trabalhamos nunca havia rea­li­za­do vendas fora da Suí­ ça e agora imprimimos em 22 idio­mas para eles usando equipamentos digitais. Nos pequenos paí­ses que pretendem entrar na ­União Europeia, eles querem ler nas emba­ lagens o seu próprio idio­ma. Uma caixa im­ pressa em russo não será aceita nos paí­ses do leste europeu. A tecnologia digital nos permite imprimir nas 28 línguas da ­União Europeia, em idio­m as regionais como o 


catalão para a Espanha, e lidar com uma lis­ ta de in­g re­d ien­tes em constante mudança”. A iGen4 da Xerox imprime 2.200 fo­ lhas por hora com cerca de seis caixas por folha, uma capacidade de produção ra­zoá­ vel, caso o tamanho do produto seja restri­ to, porque uma das maiores limitações para a impressão digital assumir fa­tias maiores do mercado de embalagens tem sido o seu formato. Isso não é um problema tão gran­ de com o equipamento rotativo da Xeikon, assim como para as versões rotativas da In­ digo, que tiveram um grande impacto nos rótulos e que as empresas pretendem repe­ tir nas embalagens flexíveis e cartonadas. A tecnologia ElectroInk provou que pode lidar com uma vasta gama de subs­ tratos através de impressoras rotativas de rótulos. “Vemos essa oportunidade no seg­ mento far­ma­cêu­ti­co, nos testes de mar­ke­ ting e nas promoções em eventos, em que as versões es­pe­cia­li­za­das e personalizadas das embalagens são ne­ces­sá­r ias”, explica Bar-​­Shany. “Cremos que o formato é am­ plo o su­f i­cien­te para a maioria das aplica­ ções, então acreditamos que há uma opor­ tunidade considerável e que as embalagens impressas digitalmente estão hoje onde os rótulos estavam há alguns anos”. A questão do acabamento

48

Ao mesmo tempo, a HP está buscando uma maneira de entregar os formatos maio­ res com os quais os impressores de em­ balagens flexíveis costumam trabalhar. Ela também está firmando par­ce­r ias com empresas que fornecem equipamentos de acabamento. Bar-​­Shany cita a fabricante alemã de prensas Kama, fornecedora de sistemas B3 de rápido ajuste, que adaptou suas prensas para trabalhar com a impres­ são digital. Mas ela enfrenta a concorrên­ cia de outras empresas que também sabem que a impressão digital de embalagens pre­ cisará de sistemas de acabamento inovado­ res. Uma delas é a is­rae­len­se Highcon, que está desenvolvendo um sistema chamado Direct to Pack. Ainda não há muitos deta­ lhes, mas sabe-se que ele vai operar sem um molde con­ven­c io­n al, terá tempo de ajuste nulo e será uma tecnologia trans­ formadora para o setor de cartuchos. Ou­ tras estão trabalhando com laser para cor­ tar blanquetas em frações de segundo, mas REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

em beta e espera encerrar essa fase de de­ senvolvimento em breve. Da mesma for­ ma, a Agfa continua encontrando usuá­r ios de embalagens para sua impressora jato de tinta. Até a Drupa 2012 muitas linhas se­ paradas de desenvolvimento irão se desta­ car, atraí­das pelas possibilidades fascinan­ tes e lucrativas da transformação do setor de embalagens impressas. Menos será mais

Kongsberg i-XE52, Esko

há sempre a necessidade de equilibrar a es­ pessura do cartão com a potência do laser. O po­ten­cial do mercado con­ti­nua­rá a guiar os desenvolvimentos. “Uma solução para as embalagens digitais tem de ir além da mera impressão”, declara Bar-​­Shany. Jef Stoffels, diretor de mar­k e­t ing corporativo da Esko Artwork, concorda­ ria. Suas mesas digitais de corte da linha Kongs­b erg são frequentemente usadas junto com impressoras em linhas digitais para cartão, em configurações em linha ou near line. “O design estrutural pode ser en­v ia­do para a mesa de corte e o proces­ so pode ser automatizado e executado, de um pallet de alimentação de um lado para a entrega no outro. Isso já está acontecen­ do e pode ser feito se a indústria passar para grandes formatos. Quan­do o trabalho consiste em acrescentar um con­teú­do va­ riá­vel a uma caixa padrão, uma linha como a Gallop, da StoraEnso, é i­ deal, mas quan­ do a empresa está produzindo diversos formatos, um dispositivo digital de aca­ bamento é necessário. Isso já está aconte­ cendo no segmento de corrugados, no qual estamos cortando formatos di­fe­ren­c ia­ dos para displays no ponto de venda e nos quais o custo e a tiragem não permitem que um molde seja feito”. A tecnologia jato de tinta está come­ çando a ter um impacto em casos nos quais pequenos lotes de invólucros também po­ dem ser usados para levar mensagens pro­ mocionais em eventos especiais. A  Sun Chemical projetou uma máquina jato de tinta de uma única passada como substi­ tuta para corrugados impressos com flexo

A tendência é termos lotes de produção cada vez menores. Isso está de acordo com as necessidades dos departamentos de mar­ ke­ting nas empresas de bens de consumo, bem como com as necessidades de seus pro­ gramas corporativos de responsabilidade so­cial, uma vez que tiragens menores sig­ nificam menos desperdício e um menor im­ pacto am­bien­tal. Os consumidores em paí­ ses menores não querem receber a mesma embalagem que um consumidor na Améri­ ca do Norte; eles querem comprar algo em sua própria língua, com imagens compatí­ veis com seu estilo de vida. Tudo isso resul­ ta em uma guinada na direção de cadeias de suprimentos mais estreitas, com pedi­ dos de impressão menores. As tec­no­lo­g ias de impressão digital estão po­si­c io­n a­d as perfeitamente para satisfazer essas deman­ das, mas não terão tudo da mesma manei­ ra. Outras tec­no­lo­g ias e técnicas de produ­ ção também podem gerar lotes de produção menores. O que está claro é que as impres­ soras tradicionais e o estilo de gestão anti­ go não serão su­f i­cien­tes para dar conta das mudanças do negócio de embalagens.

& FEIRA MUNDIAL DE MEIOS DE IMPRESSÃO, EDITORIAL E CONVERSÃO 3 a 16 de maio de 2012 2-ª a 6-ª feira, das 10 às 18 horas Sábado e domingo, das 10 às 17 horas Recinto de Exposições de Dusseldorf Organizadora: Messe Dusseldorf Dusseldorf, Alemanha www.drupa.com Representante no Brasil MDK Feiras Internacionais Tel. (11) 5535.4799 www.mdkfeirasinternacionais.com.br


Opinião

A

Construindo uma nova competência empresarial gráfica

sibilidade de E para dar às empresas a pos al. eci esp nto iais ao atendimento rá vive um mome struir as competências essenc con A indústria gráfica do Cea e ade lid qua gráficos de qualidade, sistemática pela gente demanda por produtos exi da Após um período de busca que s, ido e gráfica produtiva tos aqui desenvolv como otimizar a capacidad bem competitividade dos produ o açã niz der mo af Ceará foi além e, mais na atualização e uirida pelo Estado, a Abigr adq incluiu forte investimento l soa pes de dro dgrafica Ceará, desenvolveu lificação do qua a vez em parceria com o Sin um do seu parque gráfico, na qua eça com ela is, na na aquisição de uma ações institucio ousado projeto que culminou um e no aperfeiçoamento das rel . tiva outros equipamentos acidade produ derna máquina 4 cores e de mo agora a ver testada a sua cap s, ica nôm eco s cia omática e máquina ntes instân o dobradeira, guilhotina aut Provocada pelas mais difere com ade lid agi m a Escola de Artes s, tem atuado com te e vinco, que transformara cor de políticas, culturais e sociai go lon Ao s. centro de referência em o experimentada ficas do Senai‑Ceará num Grá e competência até então nã a itiv pos ma lificada para o setor das pondido de for mação de mão de obra qua for das últimas décadas, tem res do rca me is sustentado do regiões Norte e Nordeste. ao crescimento cada vez ma e cionais, titu ins e s iai af Ceará é fazer com que est erc com is, na O próximo desafio da Abigr de impressos promocio s na ape to do vis ser ção ia, deixe de saudável amplia segmento, essencial à econom correspondendo à altura à o a ser entendido e aceito com se pas e fica al. como indústria grá mercado editorial loc va ati cri ria úst tem ind rá ional Cea produtiva da Neste processo, a Abigraf Reg elo fundamental da cadeia af vância. rele ma íssi trabalhando junto à Abigr alt de vem el to, pap tan a o um todo. Par com sido forte aliada, e com so ces pro um de r cia fun ini ABTG, possa af cearense se con Nacional, para que, com a Aliás, a trajetória da Abigr Estado do fica grá ria competência empresarial úst a ind nov a da e construção de um de com a história recent sta oni tag pro nologias disponíveis para os, ela tem sido fica, capaz de utilizar as tec grá e, nos últimos quarenta an que por es ampliar mercados já que o s e transformaçõ criar soluções inovadoras e em todas as lutas, conquista a o e a realidade virtual tende ndo está em transformaçã mu tem passado o segmento. af as a igr Ab par a ISS que do o ta tid o da alíquo E é nesse sen Foi assim na luta pela reduçã se sobrepor ao mundo físico. na conquista e eza tal For e capacitar seus associados, em s ar ent ada res tal rá irá sempre rep Cea indústrias gráficas ins os nov de ão isiç os vislumbrados. de ICMS para aqu s esses serão sempre os desafi poi do diferencial de alíquota . ado Est do s fica indústrias grá tales.carvalho@hotmail.com equipamentos e insumos por fica do Ceará grá ria úst ind a que a par s Fatores determinante que e na atualização do seu par pudesse investir maciçament o as, ogi nol tec as ipamentos e nov gráfico, trazendo novos equ e dad aci cap na tivo ento signif ica que culminaria em um aum de do setor. produtiva e da competitivida ústria Gráfica do Ceará Ind da ato Aliada ao Sindic o foi também responsável pel (Sindgrafica), a Abigraf‑CE de s ma gra ntação de pro desenvolvimento e impleme e de qualificação da a obr de capacitação de mão o forte articuladora junto produção gráfica, tendo sid o Sistema Fiec – Federação às instituições que formam ão Ceará, para a reestruturaç das Indústrias do Estado do do s de Artes Gráfica e modernização da Escola Centro de Formação no ada Senai‑Ceará, instal fica (Abigraf) o de Almeida. Bra sileira da Indústria Grá Profissional Antônio Urban Presidente da Associação es e mais ior ma dos um com ta con Se hoje o Ceará Regional Ceará sil, do Norte e Nordeste do Bra modernos parques gráficos a nas e equipamentos de últim dotado de centenas de máqui ido olv env des ho e ao trabal geração, isto em muito se dev pela Abigraf Ceará.

Tales V inicius X imenesC arvalho

50

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012


ano XXI  Nº 84  abril/2012

Texto: Tânia Galluzzi

Cromosete: 25 anos de solidez e fidelidade dos clientes

Após 25 anos de sucesso voltados exclusivamente para a produção de livros, a gráfica paulista estuda ampliar sua oferta de produtos.


Fotos: Álvaro Motta

(E/D): David Alexandre, gerente de vendas; Osmar Mendes, sócio-diretor; Elizabeth Loureiro, gerente administrativa e Vinicius de Morais, assistente de PCP

O

s de­s a­f ios do mercado edi­to­r ial são bem conhecidos: população com baixo índice de leitura, redução contínua das tiragens, custos elevados de distribuição, convivência com as mí­dias digitais e, mais recentemente, a elevação da importação de serviços gráficos, sobretudo dos paí­ses asiá­ti­cos. Não há fórmulas

52

prontas para lidar com essas questões e o caminho escolhido pela Cromosete sempre foi o de po­si­cio­nar-se como uma extensão de seus clien­tes, ma­jo­ri­ta­ria­men­te editoras. “Procuramos atender cada editora de forma única, personalizada. Essa postura, que caracteriza nossa atua­ção, nos rende clien­tes ­fiéis, vá­rios deles conosco desde o início”, afirma David Alexandre, gerente co­mer­cial. O começo aconteceu em 1987, quando os irmãos Osmar e Roberto Mendes, que já atua­vam no setor gráfico, decidiram ­criar uma empresa própria. Juntaram cinco colaboradores, uma impressora, uma máquina de costura, muita perseverança e abriram as portas da Cromosete no bairro paulistano da Moo­ca. Por oito anos permaneceram por lá, até que a evolução da gráfica exigiu um novo espaço. Eles então seguiram um pouco mais adian­te na zona leste da cidade, encontrando uma área de 5.000 metros quadrados no bairro de Vila Ema. O processo de expansão da Cromosete continuou com Roberto e Osmar se revezando na direção das ­­áreas administrativa, in­dus­trial e de vendas. Ao lado do respeito do mercado cresceu também o número de máquinas e de fun­cio­ná­ rios. Hoje, a Cromosete emprega 175 profissionais e opera com oito impressoras offset planas


— a mais nova adquirida em 2010, uma Komori quatro cores —, e uma rotativa, assim como linhas completas de acabamento, incluindo capa dura e hot stamping. O fantasma da importação Imprimindo livros de arte, literatura em geral, didáticos e paradidáticos, mesmo com as oscilações do segmento edi­to­rial, a Cromosete permanece sólida devido a sua principal característica que sempre foi a qualidade, envolvimento e dedicação em cada projeto de seus clien­tes. Para con­ti­nuar crescendo, a gráfica estuda novos mercados. “Ao longo dos anos a

53


Cromosete vem registrando crescimento, no entanto temos metas mais ousadas. Por este motivo, além da expansão no mercado edi­to­ rial, buscamos também a am­plia­ção de nosso leque de serviços”, comenta David Alexandre. Mais do que a competição com o e-​­book, que para o gerente é mais uma percepção do que

54

ainda está por vir do que uma amea­ça real, as gráficas editoriais estão sofrendo muito com a concorrência externa. “É assustador. Um clien­ te assíduo, por exemplo, imprimiu apenas um de seus livros conosco este ano. O  restante produziu fora. Se os patamares atuais do câmbio e a política de importação se mantiverem, alia­dos aos custos de mão de obra que temos aqui, é praticamente impossível concorrer com os paí­ses asiá­ti­cos. É responsabilidade dos nossos governantes zelar pelo emprego dos brasileiros, pois sem emprego nosso país fica sem poder de compra e a indústria brasileira vem sofrendo com esse regime de livre importação de serviços e produtos de outros paí­ses.” Além da luta diá­ria para a elevação da produtividade e redução dos tempos de acerto de máquina, a Cromosete aposta na qualificação de suas equipes para reverter esse jogo. Treinamento contínuo e planos de carreira fazem parte da agenda, sem contar o auxílio de uma empresa de consultoria, chamada para ajudar a empresa a pro­f is­sio­na­li­zar o processo de sucessão da gestão.


Impressão sob demanda

Grupo Scortecci, 30 anos

pensando em pequenas tiragens

Exemplo de sucesso no segmento de impressão digital, a editora comemora três décadas de atuação voltada à valorização do livro e apoio ao autor.

H

á 30 anos não se ouvia falar em pequenas tiragens no Brasil. O País contava com 400 editoras e o mercado festejava a produção de 160 milhões de livros em um ano, superando a marca de um livro por habitante. A expressão “impressão sob demanda” nem existia, mesmo porque ela decorre do desenvolvimento da tecnologia digital. Mas uma tendência mun­dial chegava para sacudir o mercado edi­to­r ial, a segmentação por gênero literário, levando editoras e li­vra­rias a es­pe­cia­li­za­rem sua atua­ção. Nesse cenário, João Scortecci criou a Scortecci Editora em uma sexta-​­feira 13, em agosto de 1982. No DNA da casa publicadora estavam os livros em pequenas tiragens, gene que não só não foi abandonado como se transformou em vá­r ios ne­gó­cios.

A força do digital

Fotos: Satoru Takaesu

Tânia Galluzzi

56

João Scortecci, diretor do Grupo Editorial Scortecci

REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

Em pouco tempo João Scortecci percebeu que precisava de algo mais para abrir espaço para suas edições. “A editora trabalhava o con­teú­do, mas não conseguia multiplicá-​­lo”. Veio então o parque gráfico, em 1986, e depois a livraria Asabeça, em 1999, hoje apenas como loja vir­t ual. Porém, o editor não estava satisfeito. “Há oito anos descobri que o ponto fraco era o autor e cria­mos a Escola do Escritor, que atua na formação e apoio ao escritor e às pes­soas que trabalham nessa área”. No esforço de valorizar o livro e o próprio autor, João Scortecci montou uma estrutura completa, que vai desde os primeiros passos para quem quer publicar seus escritos até a organização de eventos para o lançamento das obras. Além da editora, fazem parte do Grupo Edi­to­r ial Scortecci a Fábrica de Livros, selo que atende autores com edição e impressão de livros sob demanda e em pequenas tiragens; o selo infantil Pingo de Letra, lançado neste ano; a Escola do Escritor; a Livraria Asabeça e a Gráfica Scortecci. Suportam e ajudam a divulgar tais ini­cia­ti­vas os portais na internet Amigos do Livro e Portal do Escritor, a TV Livro e concursos e prê­mios li­te­rá­r ios. Em média, a Scortecci edita 1,5 título por dia. São mais de seis mil autores, 45 mil livros impressos por mês, entre tiragens iniciais e impressão sob demanda, e um total de oito milhões de livros vendidos nesses 30 anos de atua­ção.

A tecnologia digital é o alicerce em praticamente todas as operações do grupo. Sem contar a difusão através dos portais, toda a produção é co­mer­cia­l i­za­da pela internet, por meio dos sites da Asabeça e da Livraria Cultura, responsável por 40% das vendas


da Scortecci. “Estamos estudando acordo com duas outras redes de li­v ra­r ias. Precisamos am­pliar nossos horizontes de co­mer­ cia­l i­za­ção para o Nordeste e para o Sul do Brasil”, comenta João Scortecci. Na gráfica, desde o início de 2012 só rodam impressoras digitais, fruto da parceria com a Canon. “Há cinco anos fechamos o acordo. Na época a Canon queria mostrar ao mercado que seus equipamentos eram capazes de fazer muito mais do que có­pias. Daí nasceram a Fábrica de Livros e o Pingo de Letra, bem como o Prêmio Canon de Poe­sia, que já vai para seu quinto ano”. Em 2011, as duas partes sentaram para discutir o projeto de expansão da capacidade da gráfica, o que resultou na chegada de uma imagePress C6010VP, a quinta máquina digital da Scortecci, e o descarte das últimas offset. As linhas de acabamento, antes utilizadas em parceria com outras gráficas, estão agora concentradas na própria Scortecci, e ainda neste

ano um sistema de capa dura para pequenas tiragens deve ser instalado. “Não imprimimos mais trabalhos de terceiros”, diz o editor. Cerca de 45 títulos são produzidos mensalmente. A tiragem ini­cial pode ser de 250, 500 ou 1.000 exemplares. Uma vez esgotada, a obra entra na lista de impressão sob demanda, legitimando a teo­r ia da cauda longa. Mas o que faz essa equação dar certo e a divisão gráfica ser responsável pela maior fatia do faturamento do Grupo Scortecci não é a impressão sob demanda, e sim todos os serviços agregados oferecidos aos autores. “Faz-se muito barulho em torno da impressão sob demanda, mas, se você olhar só para ela, a conta não fecha.

O editor que pensar só nesse segmento está falido, porque não há volume”. João Scortecci aponta a segmentação e a personalização como caminhos para a impressão digital. Cita como exemplo um nicho que a Scortecci começa a explorar: livros infantis customizados, con­fec­cio­na­ dos como lembrança para a maternidade, ani­ver­sá­r ios e outros eventos. “Precisamos cada vez mais tornar o livro um produto legal, que atinja a classe C. E não me fale em demanda reprimida. Isso não existe. Tudo é uma questão de oportunidade”. Prático e objetivo, o editor já traçou os planos para o Grupo Scortecci. Uma vez que seus três filhos optaram por outras carreiras, ele pensa em ­criar uma fundação para que, ao completar 35 anos, o grupo possa ser repassado aos fun­cio­ná­r ios. & GRUPO EDITORIAL SCORTECCI Tel. (11) 3032.1179 / 3032.6501 www.scortecci.com.br março /abril 2012 REVISTA ABIGRAF

57


Fotos: Álvaro Motta

Gráfica/SP

As três etapas decisivas da

Ricargraf A Ricargraf começou pequena, cresceu com a impressão de rótulos, expandiu ao ingressar no segmento promocional, mas hoje está consolidada na produção de impressos editoriais. Texto: Ada Caperuto

F

undada em 1978 por Ricardo Cruz, no bairro do Ipiranga, em São Pau­ lo, a Ricargraf começou como mui­ tos outros ne­gó­c ios do setor gráfi­ co: atendia pequenos clien­tes com a oferta de impressos em geral. Hoje ocupan­ do um edifício de oito mil metros quadrados, em área total de 25 mil metros quadrados e com 160 fun­cio­ná­r ios, está instalada em Co­ tia e conta com um moderno parque gráfico e alta capacidade de produção. A etapa ini­cial da expansão foi pro­pi­cia­da pela abertura à im­ portação de máquinas, no final dos anos 1980,

quando foram adquiridas as primeiras impres­ soras Heidelberg, revela o diretor co­mer­c ial, Rodrigo Cruz. “Isso ajudou a alavancar os ne­ gó­cios, mas acredito que um marco tão impor­ tante quanto este foi a estabilidade econômica alcançada com o Plano Real, após 1994”. Voltada es­s en­c ial­men­t e à impressão de rótulos, a partir da segunda metade daque­ la década a Ricargraf mudou seus horizontes comerciais. “Nos primeiros 15 ou 20 anos per­ manecemos como grandes fornecedores para as principais multinacionais, mas o valor agregado era pequeno. Nossa força de vendas começou a mirar o mercado pro­mo­cio­nal, o que nos trouxe um forte crescimento”, conta o diretor. A terceira expansão: editorial

58

Ricardo Cruz com os filhos (E/D): Maurício, diretor administrativo; Juliana, diretora financeira e Rodrigo, diretor comercial

REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

O ano de 2003, quando a empresa entrou de­ finitivamente no mercado edi­to­r ial, pode ser considerado o terceiro marco em sua expansão, talvez o mais importante. As novas exi­gên­cias produtivas refletiram-se na compra da primei­ ra impressora oito cores da Komori na América Latina. Nos últimos anos, foi incorporado à pré-​ ­impressão um CtP Heidelberg capaz de gravar 27 chapas/hora; à impressão foi agregada uma segunda 8 cores, esta com verniz em linha; e o acabamento ganhou uma máquina de costu­ ra automática Aster 200 para 10 mil cadernos/ hora e uma Müller Martini Acoro A7 com 21 es­ tações, para lombadas quadradas. Instalado em


outubro de 2008, o equipamento conta com setup totalmente automatizado, oferecendo velo­ cidade de produção de sete mil livros/hora (hotmelt ou PUR), mais que o dobro da an­te­r ior, que era de 2.800 livros/hora. “Estamos muito satis­ feitos em relação à produtividade e segurança. Por se tratar de um equipamento em que todos os cadernos são monitorados através de câme­ ras, elimina-se o risco de troca. Triplicamos nos­ sa capacidade de produção, superando um antigo gargalo da empresa”, diz o diretor. Concorrência asiática

Hoje ge­ren­c ia­d a por Rodrigo Cruz e seus ir­ mãos Maurício, diretor administrativo, e Ju­ lia­na, diretora financeira, a Ricargraf atende as principais editoras do mercado na­cio­nal e dedi­ ca um grande volume de sua produção ao Pro­ grama Na­cio­nal do Livro Didático (PNLD). Por­ tanto, faz parte de um grupo de empresas que sofre reflexos da disputa de mercado com gráfi­ cas não só da Ásia, mas também da América La­ tina, que têm atendido boa parte da demanda interna, gerando um forte desequilíbrio. “Uma quantidade cada vez maior de impressos das editoras é transferido para a Ásia. A matéria-​ ­prima lá fora é muito mais barata. Além disso há a alta carga de tributos e do custo de nossa mão de obra. Temos encargos, como PIS e Co­ fins, que oneram nossos custos, mas que as edi­ toras, ao importar, não precisam pagar. É um grave problema de concorrência des­leal, mas o governo pouco faz para proteger a indústria brasileira”, declara o diretor. Ele ressalta, ainda, que a produção de livros feita fora do País não está restrita às compras do governo, mas afeta o segmento edi­to­r ial como um todo. O volume da importação de livros didáti­ cos aumentou muito nos últimos cinco anos, de acordo com ele. “Isso fez muitas gráficas dedi­ cadas a este tipo de trabalho fecharem as por­ tas”. E não foi apenas a disputa com os importa­ dos que afetou os ne­gó­cios no ano passado, mas também uma concorrência interna predatória e o modesto resultado do PIB. “Apesar disso, con­ seguimos manter o faturamento e um nível sa­ tisfatório de ocupação. Esperamos, no entan­ to, que o Brasil retome o ritmo de crescimento. É nisso que ba­sea­mos a nossa crença de que 2012 será um ano melhor”, avalia Rodrigo Cruz. & RICARGRAF GRÁFICA E EDITORA Tel. (11) 4615-8655 www.ricargraf.com.br

59 março /abril 2012 REVISTA ABIGRAF


Acabamento

I

novação contínua é uma das bases de atua­ção da La­ Novidades e expansão miprint, que atua no segmento de acabamentos grá­ A Lamiprint conta com equipamentos para aplicação ficos e laminação, no bairro da Moo­ca, zona leste da de verniz con­ven­cio­nal, UV, high gloss, laminação BOPP capital paulista. Desde o início de suas operações, a em­ fosca e brilho e plastificação. Wagner destaca que, neste presa vem acompanhando ten­dên­cias, desenvolve solu­ ramo, a atua­li­za­ção do parque fabril e a busca contínua ções e investe em renovação tecnológica para atender por novas soluções de acabamentos é imprescindível. um nicho de mercado ávido por “Temos uma política de inves­ novidades. E era exatamente isso timentos constantes em máqui­ Atenta às oportunidades e o que significava a laminação em nas e tecnologia, pois o merca­ tendências, a Lamiprint 1998, ano em que a Lamiprint foi do exige produtos cada vez mais se consolidou e em pouco fundada: uma das principais ino­ sofisticados”, revela. Um exem­ vações em acabamento naque­ plo destas inovações é a tinta se­ mais de dez anos se le pe­r ío­do, o processo era pouco rigráfica stamping ouro e prata, destaca entre as empresas empregado pela indústria gráfi­ em substituição ao processo de que atuam no segmento ca. O diretor geral Wagner Belluci hot stamping, e o BOPP soft toude acabamentos gráficos. comenta que, assim como aconte­ ch, cujas aplicações têm crescido. ce com tudo aquilo que é um lan­ Em termos de soluções em acaba­ çamento no mercado, é necessá­ mentos, a empresa conta com es­ rio antes conquistar a con­f ian­ça pe­c ia­l is­tas habilitados a desen­ dos clien­tes. “No início desenvol­ volver propostas que atendam as vemos um trabalho quase didáti­ mais complexas exi­gên­c ias dos co, pois precisávamos mostrar as cria­ti­vos de agên­cias. vantagens dos laminados e con­ A empresa também trabalha vencer as gráficas a usar a nova com produtos inseridos no con­ técnica. Para isso pro­du­zía­mos texto da sustentabilidade, como os materiais, para que elas apre­ explica Wagner. “Acompanhan­ sentassem a proposta aos seus do a necessidade de uso de ma­ clien­tes”, conta Wagner. té­r ias-​­p rimas am­b ien­t al­m en­ A persistência deu certo. Wagner Belluci, diretor geral da Lamiprint te corretas, temos à disposição Em pouco mais de uma década, de nossos clien­tes uma linha de a Lamiprint, que iniciou suas ati­ vernizes UV verde, um insumo vidades com apenas dois fun­cio­ que utiliza em sua formulação ná­r ios, conta atual­men­te com um per­cen­tual de subs­tân­cias ve­ 70. Embora atenda os segmentos getais e de fontes renováveis, as edi­to­r ial e de embalagens, hoje, quais geram menor impacto am­ o grande fluxo de trabalho se bien­tal”. De acordo com o diretor concentra no pro­mo­cio­nal, com geral, vem sendo rea­li­za­dos tes­ 60% do volume de encomendas. tes, em parceria com o fornece­ “São os produtos que, cada vez dor, do filme ­BIO, um BOPP pro­ mais, buscam acabamentos di­ duzido com aditivos que podem fe­ren­cia­dos para se destacar en­ ser absorvidos pelo meio am­ tre os concorrentes”, explica o bien­te em menor tempo que os diretor. Além destes, um novo convencionais. Inovações mais nicho de atua­ção é o de impres­ do que ne­ces­sá­r ias em um seg­ são digital. “Há uma demanda mento de mercado que pode se crescente para estes trabalhos, expandir fortemente. Mas este em es­pe­c ial das gráficas que já espaço, garante Wagner, deverá são nossas clien­tes, e que, além ser ocupado apenas por empresas da produção offset, passaram que entenderem esta necessidade a oferecer o digital”. de investir con­ti­nua­men­te. Fotos: Álvaro Motta

60

Tecnologia para inovar na laminação

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012


4166 9600 www.grafica-aquarela.com.br 55 11

toda impress達o tem uma cara


BENEFÍCIOS

ABIGRAF-SP. QUEM RESOLVE

TER, RESOLVE MUITO. Para resolver de vez os seus problemas, são mais de 80 benefícios que você possui, entre consultorias, descontos, créditos, treinamentos, infraestrutura e divulgação da sua gráfica. Associe-se

já.

Acesse e saiba mais www.abigraf.org.br Ligue para (11) 3232-4521


• Colônia de férias • Plano odontológico • Descontos na compra de veículos GM • Assessoria jurídica • Convênio Cartão BNDES

• Descontos em cursos da ABTG • Desconto para o Prêmio Fernando Pini

• Revistas ABIGRAF e Tecnologia Gráfica

• Consultoria gratuita

• Assessoria gratuita na importação de equipamento • Auxílio para o cálculo do crédito acumulado de ICMS • Convênio com a Caixa Econômica Federal

A PARTIR DE 35,00/MÊS.*

*O valor de R$ 35,00 mensais é válido para gráfica de 0 a 5 funcionários.

ABIGRAF-SP


Expansão

Empresa objetiva elevar o ritmo de crescimento, adequando-se ao projeto que prevê a modernização da fábrica no Brasil em 2014.

Fotos: Álvaro Motta

Tânia Galluzzi

A

64

Druck Chemie se prepara para novo salto

meta é clara e nem por isso menos de­sa­f ia­ do­ra. Faturamento de 15 milhões de euros até 2014, justificando a modernização e am­plia­ção da fábrica no Brasil. Isso sig­ nifica que a sub­si­d iá­r ia brasileira da Druck Chemie terá, em pouco mais de dois anos, de elevar em qua­ se 40% sua receita ­anual. Não é pouco, sobretudo con­ siderando que o crescimento em 2011 com relação ao ano an­te­r ior foi de 6%, porém factível para uma uni­ dade que em 10 anos saltou da 11ª‒ para a 4 ª‒ colocação no ranking de filiais da companhia, num universo de 24. Hoje a Druck Chemie Brasil está atrás apenas da Alemanha, França e Suí­ça. Desde 2009, quando atingiu esse patamar dentro do grupo, a fi­lial brasileira tornou-se o que eles chamam de componente de controle, assumindo um novo pa­ pel. Responsável pelo envase de químicos usados pela indústria gráfica, além do serviço de ge­ren­cia­men­to de re­sí­duos industriais com destinações am­bien­tal­men­ te adequadas, a Druck Chemie Brasil alimenta par­cial­ men­te as unidades mexicana, co­lom­bia­na e argentina, cobrindo 50% de suas necessidades. O restante é supri­ do pela matriz alemã. Dos 750 mil litros manipulados REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

mensalmente na unidade de Valinhos, in­te­r ior de São Paulo, 75% atendem o mercado interno e 25% seguem para a América Latina. O objetivo ex­pan­sio­nis­ta implica também mudan­ ças estruturais. Eduar­do Rodrigues Franklin, hoje no comando das operações e responsável pela implanta­ ção da Druck Chemie no Brasil, contará em breve com o apoio de novos membros na diretoria. A organização dos departamentos será igualmente revista, além da am­plia­ção em 2.500 m2 do estoque de produtos aca­ bados, já em andamento. Depois do ano difícil que foi 2011, Eduar­do Franklin se mostra otimista. “O mer­ cado está estável e nossas metas estão sendo atingi­ das. Em fevereiro registramos crescimento maior do que o esperado e devemos fechar o primeiro trimestre superando nossa expectativa”, afirmou. Atual­men­te, a Druck Chemie conta com cerca de mil clien­tes ativos, dos quais 80% estão concentrados no Es­ tado de São Paulo. Esse contingente compra da empresa solventes, que cons­ti­tuem 26% de sua receita; químicos auxiliares, responsáveis por 22%; ál­cool isopropíli­ co, com 16% de participação; e soluções de fonte, com 11%. Essa composição faz com que a Druck Chemie seja


mé­d ias ou grandes, e de sempre valorizar seus fun­cio­ ná­r ios. “Apostamos em gente e por isso oferecemos o melhor serviço ao mercado”. Ela quer os 100 milhões de euros

Eduardo Rodrigues Franklin: "Apostamos em gente e por isso oferecemos o melhor serviço ao mercado".

líder no segmento de solventes em São Paulo e Minas Gerais. “A intenção é aumentar nossa presença no seg­ mento de soluções de fonte, visto que os solventes já es­ tão consolidados no mercado”, disse o diretor. Os outros 25% do faturamento vêm da DC Service, braço respon­ sável pela coleta e destinação de re­sí­duos industriais. Eduar­do Franklin atribui o crescimento da empre­ sa nos seus 14 anos de atua­ção ao fato de dedicar o mesmo tratamento di­fe­ren­cia­do a todos os clien­tes, sejam eles gráficas pequenas,

Fundada em 1971 por Rolf ­Georg e Karl Dengler em Ammerbuch, na Alemanha, a Druck Chemie fabrica atual­men­te mais de 4.000 produtos. Conta com apro­ ximadamente 300 fun­c io­n á­r ios, espalhados por 24 unidades, sendo representada em mais de 50 paí­ses. Em 2010, o faturamento da empresa, que faz parte da holding alemã 3I, alcançou os 75 milhões de euros e a ex­ pectativa é chegar aos 100 milhões de euros neste ano. Em 1998 a Druck Chemie Brasil iniciou suas ativida­ des, com sede em Valinhos (SP), que hoje atende todo o território brasileiro. A unidade conta com duas filiais, em Minas Gerais e Porto Alegre, e uma frota própria composta por 15 caminhões.

& DRUCK CHEMIE Tel. (19) 3869.2943 www.druckchemie.com.br


Grandes Formatos

Sinalização é a próxima fronteira para a Epson utilizadas pelas gráficas para fazer provas de con­teú­ do e de imposição, enquanto fotógrafos as usam para álbuns promocionais. Já as impressoras com solven­ te são empregadas pelas gráficas para fazer banners e materiais promocionais autoadesivos.

Líder no Brasil e no mundo em impressoras de provas de cor e de fotografia, a empresa quer avançar em comunicação visual e CAD lançando seis impressoras até 2013

Nova geração à base de solvente

Tânia Galuzzi

O mercado mais promissor para a Epson em 2012 será o de sinalização, segundo o gerente de ne­gó­cios, e o pri­ meiro lançamento por aqui, programado para maio, se­ gue essa trilha: a nova geração de impressoras à base de solvente, representada pela SureColor S30670. “Até o ano passado tínhamos somente a GS6000, que é uma impressora de oito cores, alta resolução e alta velocida­ de. E a S30670 está sendo considerada uma inovação por se tratar de uma impressora de entrada com alta reso­ lução, be­ne­f i­cian­do aqueles que querem começar nesse segmento e estão procurando equipamentos com menor custo”. A S30670 está equipada com quatro cores, reso­ lução de 1.440 × 1.440 dpi, velocidade de até 50 m2/h, largura máxima de impressão de 64 polegadas e alta du­ rabilidade da tinta quando exposta a in­tem­pé­r ies (três anos em média). Outro mercado promissor, apontado por Evelin Wanke, es­pe­cia­lis­ta de produtos de grandes formatos da Epson do Brasil, é o de sublimação. Ela co­ menta que praticamente todas as impressoras utilizadas

66

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

Fotos: Satoru Takaesu

A

bola está mesmo nos pés da impressão digi­ tal jato de tinta e a Epson começa a mostrar seus trunfos para aumentar sua penetração nos segmentos mais promissores para tal tecnologia nos próximos anos. De acordo com Ewerson Matos, geren­ te de ne­gó­cios de grandes formatos da Epson do Brasil, até 2013 pelo menos nove equipamentos serão lançados nessa área: três impressoras com tintas à base de sol­ vente, três para CAD/GIS e três com tintas sublimáticas originais. “Os três pilares da Epson na linha de grandes formatos são maior qualidade de impressão, maior pro­ dutividade e menor custo de impressão. Nosso objetivo é sempre apresentar o menor custo de produção por me­ tro quadrado. Este custo envolve de­pre­cia­ção do equi­ pamento, custo com tinta, consumo de tinta por metro quadrado, custo com trocas de cabeças de impressão e custo de manutenção do equipamento”. A Epson fabrica impressoras de grande formato para provas de cor e fotografia há mais de 10 anos, po­ rém apenas em 2009 começou a lançar produtos para outros segmentos, como comunicação vi­sual e CAD. Naquela época, a empresa identificou a demanda de engenheiros e arquitetos por impressoras de alta reso­ lução, porém com uma gama de cores menor do que as impressoras de fotografia e proo­f ing. Surgiu então a li­ nha Stylus Pro 9700/7700. No segmento de comunica­ ção vi­sual, a Epson estava presente, mas através de suas cabeças de impressão, utilizadas em equipamentos de outros fabricantes. Com a evolução das cabeças de im­ pressão para tintas à base de solventes, a empresa de­ cidiu lançar soluções com marca própria, empregando as tintas ecológicas Ultra Chrome, livres de solventes pesados e de metais pesados. Ewerson Matos comenta que os mercados gráfico e fotográfico também se be­ ne­f i­cia­ram dessas inovações. As impressoras CAD são

Ewerson Matos, gerente de ne­gó­cios de grandes formatos


Evelin Wanke, es­pe­cia­lis­ta de produtos de grandes formatos

para sublimação pos­suem cabeças de im­ pressão Epson, com tecnologia mi­cro­pie­ zo/pie­zo. “A Epson ainda não possui tintas sublimáticas, porém é parceira de empre­ sas que as fornecem. No pe­río­do de um ano, teremos novidades visando am­pliar nossa participação no mercado para 2013”. Esse desenvolvimento traz a marca da equipe brasileira. A Epson vem pesquisan­ do nessa área porque os fun­c io­ná­r ios da fi­lial brasileira conseguiram mostrar para a matriz no Japão a importância desse ni­ cho. “Temos um grande número de eventos e ações como Carnaval, Festa de Parintins e blocos com ­trios elétricos, que ocorrem

& EPSON DO BRASIL Tel. 0800 880 0094 www.epson.com.br

durante o ano todo. Esses eventos elevam a produção de camisetas e brindes feitos em tecidos e cerâmicas através do processo de sublimação. A cultura brasileira fomen­ ta um mercado amplo, muito maior do que a demanda pela tecnologia de sublimação nos Estados Unidos e na Europa”. Os dois profissionais estão otimistas também por 2012 ser um ano marcado pe­ las eleições municipais, que, por suas con­ tas, devem provocar um crescimento de 20% nos segmentos de comunicação vi­sual e gráfico. Isso sem esquecer a Copa do Mun­ do e os investimentos em in­f raes­t ru­t u­ra im­pul­sio­nan­do a área de CAD/GIS.

Impressora à base de solvente, representada pela SureColor S30670

67 março /abril 2012 REVISTA ABIGR AF


Impressão Digital

O futuro do impresso em debate

E

68

stá programada para 11 de junho a 2 ª‒ Conferência In­ter­na­cio­nal de Impressão Digital Gedigi-​­Abigraf 2012, uma rea­li­za­ção da Abigraf Re­g io­nal São Paulo em parceria com o Grupo Em­pre­ sa­r ial de Impressão Digital (Gedigi), com apoio da Abigraf Na­cio­nal, do Sindigraf SP e da ABTG. A conferência acontecerá no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, e terá como tema “A mídia impressa no futuro”. O encontro tem a proposta central de manter a discussão, troca de ideias e otimizar recursos para o desenvolvimento das aplicações com esse sistema de impressão no mercado gráfico brasileiro. “A conferência é a principal ação que o Gedigi oferece aos interessados no sistema digital. O objetivo do grupo sempre foi, desde sua cria­ção, fomentar a utilização deste tipo de impressão. Lógico que para atingir essa meta passamos pela difusão de conhecimento, construção de encontros de líderes do setor, tanto de fabricantes quanto de prestadores de serviços de impressão e formação de mão de obra técnica para melhoria das operações, entre outros aspectos”, declara Flavio Tomaz Medeiros, diretor se­to­r ial do Gedigi e diretor financeiro da Abigraf Na­cio­nal. A abertura do evento, às 9 horas, homônima ao tema central, “A mídia impressa no futuro”, será feita por Cary Sherburne, seguida pela vi­deo­con­fe­rên­cia com Joe Webb, da What They Think. Em seguida, o programa se divide em dois fóruns: estratégico e tecnológico. No primeiro, serão apresentados os seguintes temas: “Os mercados de impressão digital”, com Hamilton Terni Costa; “Onde está o dinheiro?”, com REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

Foto: Álvaro Motta

Especialistas do Brasil e do exterior reúnem-se em evento que tem o objetivo de promover o intercâmbio de informações sobre a impressão digital.

Flavio Tomaz Medeiros, diretor setorial do Gedigi

Germán Sacristán, da Kodak (EUA); “Mí­ dias sociais – oportunidades de ne­gó­cios” (palestrante a definir); e “Cases de sucesso em impressão digital”, por Udi Gonstain, da Xerox (EUA). No fórum tecnológico, os congressistas poderão assistir às seguintes palestras: “O mundo das impressoras digitais”, com Bruno Mortara, da ABTG e Digitec; “Workflow: a importância da automação”, com Vlamir Ma­ra­fiot­ti, da Agfa (EUA), e Nick Benkovich, da Kodak (EUA); “Webto-​­print – porta digital da gráfica” (palestrante a definir); e “Soluções para impressão digital”, por Wi­liam Correa e Ivy Sanches, ambos da ABTG e Digitec. A programação comportará ainda uma mesa de debates com o tema “Pós-​­Drupa”, da qual participarão es­pe­cia­lis­tas da Xerox, Canon, HP, Kodak, Heidelberg, Epson e Ricoh. “Como a conferência acontecerá logo após a Drupa, haverá novidades na apresentação para quem não foi à feira e precisa se atua­li­zar. No fórum tecnológico serão apresentados equipamentos disponíveis e suas aplicações, como também as automações voltadas à segurança da qualidade da impressão digital. No fórum estratégico, o foco serão os ne­gó­c ios, mostrando o que está disponível em vá­r ios segmentos. Será

muito útil ao empresário para identificar em quais nichos há oportunidades, quais remuneram melhor e quais têm perspectivas de crescimento, entre outros pontos relevantes”, comenta Flavio Medeiros. Para fechar o programa, um balanço sobre a conferência, comandado pelo empresário Mario César de Camargo, com mensagem e depoimento em vídeo do professor Frank Romano. Ao final, os congressistas participarão do lançamento do livro Futuro da Impressão Digital – Drupa 2012. “Com base na ex­pe­r iên­cia da 1ª‒ Conferência, podemos afirmar que o público deve ser composto principalmente por em­pre­sá­r ios do setor gráfico, em es­pe­cial aqueles que já têm instalada essa tecnologia em suas empresas, ou que estejam analisando a possibilidade de agregá-la. Além desses, devemos ter a presença de profissionais de agên­c ias de propaganda, uma vez que vem crescendo o uso da impressão digital em aplicações de mar­ke­ting, além, é claro, de estudantes. Já recebemos consultas de entidades regionais que manifestaram interesse de em­pre­sá­r ios e diretores de gráficas de outros estados. Com isso, devemos chegar a 400 congressistas”, informa o diretor se­to­r ial do Gedigi.

2ª Conferência Internacional de Impressão Digital Gedigi-​­Abigraf 2012 Data: 11 de junho de 2012, das 9 às 19h30 Local: Hotel Maksoud Plaza, São Paulo (SP) Inscrições*: R$ 472,00 (para pagamentos até 30 de abril), R$ 531,00 (até 31 de maio) e R$ 590,00 (após 31 de maio) Descontos especiais (não cumulativos): ◆◆Associados da Abigraf,  ABTG e Sindigraf SP – 10% sobre o preço vigente ◆◆Associados de empresas apoiadoras – 7% sobre o preço vigente ◆◆Três ou mais inscritos pela mesma empresa – 5% de desconto *Inclui almoço e coffee break Informações Abigraf Regional São Paulo Tel.: (11) 3232 4509  Fax: (11) 3232 4507 atendimentogedigi2012@abigraf.org.br www.apsfeiras.com.br/gedigi


aquisição

Subsidiária brasileira é agora manroland sheetfed

N

50%, o presidente da manroland do o dia 18 de abril, a man­ Brasil afirmou que continua exis­ roland do Brasil reuniu Após a compra da área de tindo mercado para os produtos da a imprensa es­p e­c ia­l i­z a­ impressão plana pelo grupo empresa. “Se a Langley resolveu in­ da para falar sobre a rees­t ru­t u­ra­ inglês Langley, que dedica‑se vestir, é porque acredita que o mer­ ção da empresa. A apresentação foi à produção de bens de cado vai se recuperar e na força da feita pelo diretor presidente, Nuno capital, a manroland do Brasil marca manroland. A empresa foi Costa, e pelo diretor de serviços, re­d i­men­sio­na­d a para o que será o Ricardo Raimundo. olha com otimismo para o mercado e está ajustada para as no­ Depois do anúncio da concor­ segmento de embalagens. vas necessidades”. Esse enxugamen­ data da manroland AG no dia 25 de to significou a demissão de metade novembro de 2011, data lembra­ dos fun­cio­ná­r ios. Dos 5.000 profis­ da por Nuno Costa como a sexta-​ sionais empregados até novembro, ­feira negra, a empresa tinha, pelas permanecem nas fábricas 2.500, leis alemãs, 60 dias para apresentar sendo 850 em Offenbach, 1.400 em uma solução para a crise. Depois do Augsburg e 250 em Plauen. desmembramento da companhia, Para os clien­tes, es­pe­cial­men­te a primeira decisão aconteceu com os brasileiros, nada muda, segundo a venda da área de rotativas para a Nuno Costa. O executivo afirmou alemã L. Possehl, ofi­cia­li­za­da no dia que a manroland do Brasil quer es­ 2 de fevereiro, envolvendo as fábri­ tar po­si­cio­na­da no segmento de em­ cas em Augsburg e Plauen. Poucos balagens e que o ponta de lança é a dias depois foi divulgada a venda impressora Roland 600. “Em fun­ do setor de máquinas planas para ção do bom momento econômico e o grupo inglês Langley, abrangen­ do aumento do consumo, entende­ do a unidade de Offenbach e 40 sub­ Nuno Costa (acima),diretor presidente da mos que o segmento de embalagens si­d iá­r ias da manroland no mundo, manroland do Brasil, e Ricardo Raimundo, diretor de serviços é o mais promissor. Nosso objetivo incluindo a brasileira. é crescer mais de dois dígitos em As transações fazem surgir 2012”. Ele adiantou que a impressão duas novas empresas: a manro­ digital não é o foco da manroland land web systems, comandada por sheet­fed. “Mas não podemos falar Uwe Lüders, e a manroland sheet­ pela manroland web systems”. fed, presidida por Alfred Roth­laen­ der. Mesmo independentes, as duas Ricardo Raimundo reforçou o ce­ com­pa­n hias permanecem interli­ nário otimista ao comentar que, mes­ gadas. Assim como está acontecen­ mo logo após o pedido de concordata, do com a fi­lial brasileira, as demais todos os clien­tes que vinham ne­go­ unidades espalhadas pelo mun­ cian­do a compra de máquinas manti­ do, que fazem parte da manroland veram seus projetos, planos que ago­ sheet­fed, representarão as linhas ra estão sendo retomados. “Durante de impressoras rotativas em suas o processo chegamos a vender má­ re­g iões. Apenas duas filiais foram quinas”, disse o diretor de serviços. compradas pelo grupo Possehl, Ín­ A expectativa dos diretores aponta dia e Austrália, justamente pela maior afinidade com para o fechamento de ne­gó­cios na Drupa 2012. A man­ a linha de rotativas. roland sheet­fed e a manroland web systems estarão em De acordo com Nuno Costa, executivo que está há um mesmo estande, numa área de 2.000 m2. 10 anos na manroland e desde 2009 no Brasil, o que le­ & manroland sheetfed Brasil vou a empresa à insolvência foi uma crise de liquidez. Tel. (11) 3092-8000 Mesmo admitindo que desde 2008 a demanda caiu www.manroland.com março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF

69


balanço

E

IP cresce na América Latina

m coletiva de imprensa rea­l i­z a­ da em fevereiro, a In­ter­n a­t io­n al Paper (IP) América Latina anun­ ciou os bons resultados das suas opera­ ções da América Latina. Ultrapassando mais de um milhão de toneladas de pa­ pel não revestido em volume de vendas no pe­r ío­do, a empresa realizou vendas lí­ quidas de US$ 1,19 bi­l hão e lucro (ebitda) de US$ 169 mi­l hões, respectivamente, um aumento de 9% e 6,2% na comparação com 2010. De acordo com Jean-​­Michel Ri­bie­ras, presidente da IP na América Latina, contri­ buíram para tais índices a volatilidade do câmbio e a força da moe­da brasileira. Para a fabricante, além de bons resul­ tados, o ano de 2011 foi também de gran­ des investimentos: cerca de US$ 117,8 mi­ lhões foram aplicados em suas fábricas no País. Somente para a unidade de Mogi Gua­ çu destinaram-se US$ 32 mi­l hões, ou cerca de um terço do total orçado para concluir a instalação de uma nova caldeira de bio­ mas­sa — e, igualmente, 30% da estrutura física do projeto já está con­cluí­da. Com esta construção, a IP terá um sistema integrado de produção — composto por sua área flo­ restal e as três unidades fabris, localiza­ das em Luiz Antônio (SP), Mogi Gua­çu (SP) e Três La­goas (MS) — com 90% de energia renovável. Além destes investimen­ tos que contemplam o viés da produção sustentá­ vel, a empresa

70 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

Ano novo, planos novos

Com vendas líquidas superiores a US$ 1 bi­lhão e mais de um milhão de toneladas de papel produzidas no Brasil, empresa planeja ampliar sua presença na região.

Com os bons resultados de 2011 nas mãos, a IP planeja agora a estratégia para am­pliar sua presença no mercado de papel da Amé­ rica Latina. Para tanto, está investindo na revisão e melhoria de processos internos, no aumento da produtividade, na gestão de custos fixos e na retenção de talentos. “Também pretendemos entrar no segmen­ to de embalagens na re­g ião. O projeto ain­ da não tem prazo, mas a ideia é comprar uma empresa ou rea­li­zar uma joint venture para ­atuar também neste setor”, revelou Ri­bie­ras. A empresa enxerga alguns de­sa­ fios em 2012, e dentre os principais estão a questão do desvio de finalidade do papel imune, a restrição de compra de terras por empresas brasileiras de capital estrangeiro e a taxa de câmbio. Expansão do mercado

O reafirmou, durante a coletiva, que a ma­ deira utilizada para a produção de seus pa­ péis é certificada. “Infelizmente, apenas 10% do que circula no mercado tem certifi­ cação. O interessante seria se conseguísse­ mos inverter estes números”, ressaltou Ri­ bie­ras, reforçando que “papel é bom e tem que ser consumido”. Outro grande investimento rea­l i­za­do no último ano, de US$ 2 mi­l hões, foi vol­ tado para a reformulação das embalagens da linha Chamex. A linha de pa­péis Cha­ mequinho também ganhou uma ver­ são exclusiva para o mercado latino-​­americano.

crescimento da IP no Brasil e na América Latina reflete o aumento do consumo de papel na re­gião, onde previsões de curto prazo projetam uma expansão de 4,1% em 2012, ao lado de um índice de 4% na Ásia — os locais com as maiores taxas de crescimento esperadas. “O consumo per capita de papel na América Latina é de cerca de seis quilos, índice que não para de crescer. O uso do nosso produto vai con­ti­nuar a aumentar, porque a impressão agrega valor, os brasileiros estão consumindo mais livros e revistas, e, além disso, o papel é um ma­te­rial muito barato. Acreditamos que ele con­ti­nua­rá em expansão, principalmente nos mercados emergentes”, afirmou Nilson Cardoso, diretor co­mer­cial da IP . Ribieras esclareceu ainda que o Brasil representa 50% do papel produzido pela empresa, as Américas do Sul e Central e o Caribe somam 25% e o restante se divide entre Ásia e África.


AGB Photo Library

Sustentabilidade

Os trinta e cinco projetos inscritos por empresas brasileiras no 2º Prêmio Abigraf de Responsabilidade Socioambiental denotam a presença cada vez mais destacada da indústria gráfica nas ações em prol de uma sociedade mais justa e ambientalmente correta. Nesta edição, a Revista Abigraf destaca o trabalho de quatro empresas que participaram do concurso, realizado no mês de junho de 2011. Ada Caperuto

Ajudando a mudar o

A

mundo

distribuidora de pa­péis Nova Mercante e as gráficas Print­bill, Rezen e Stilgraf são quatro das 26 empresas do setor gráfico que se inscreveram na mais recente edi­ ção do Prêmio Abigraf de Responsabilidade So­cioam­ bien­tal, promovido pela Abigraf Na­cio­nal com o obje­ tivo de revelar e incentivar práticas corretas da indústria nesse sentido. A próxima edição do prêmio será rea­li­za­da em junho de 2013. Em bre­ ve, a Abigraf Na­cio­nal divulgará as novidades sobre as mudanças no regulamento e a data de abertura das inscrições. 71 março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF


Sustentabilidade

Detalhe do cartaz promovendo a “Campanha de apoio às vítimas das enchentes da Região Serrana do Rio de Janeiro”, promovida pela Nova Mercante em conjunto com a Suzano com o objetivo de angariar doações à Cruz Vermelha em benefício da população atingida

NOVA MERCANTE DE PAPÉIS

Inscrita na categoria So­cial da pre­mia­ção, a dis­ tribuidora de pa­péis Nova Mercante, se­d ia­d a em São Paulo, concorreu com o projeto “Cam­ panha de apoio às vítimas das enchentes da Re­ gião Serrana do Rio de Janeiro”. Rea­li­za­da em conjunto com a Suzano Papel e Celulose, a cam­ panha atuou em prol das vítimas das enchentes que ocorreram naquela localidade no primeiro semestre de 2011, quando mais de 900 pes­soas foram atingidas pela catástrofe natural. A estratégia adotada consistiu em doar à Cruz Vermelha parte do ganho arrecadado com as vendas de produtos da Suzano. Além de ser sua principal parceira em atividades comer­ ciais e sociais, a fabricante de papel foi escolhi­ da por compartilhar os mesmos prin­cí­pios da Nova Mercante, de praticar ações ecologicamen­ te corretas e de benefício so­cial. A campanha foi rea­l i­z a­d a no pe­r ío­do de 18 a 31 de janeiro de 2011, durante o qual as equipes de mar­ke­t ing e comunicação — em colaboração ao departamento co­mer­c ial da empresa, que estava à frente das atividades

72 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

— mobilizaram-se na divulgação em diferen­ tes mí­dias, para anun­ciar a ini­cia­ti­va aos clien­ tes e outros fornecedores. Foram utilizados recursos como e-​­mails mar­ke­t ing, um cartaz alusivo e publicações ativas nas redes sociais da empresa, como blog, Twitter e Fa­ce­book. To­ dos aqueles que con­tri­buí­ram receberam, jun­ to com a nota fiscal da compra, uma carta de agradecimento assinada conjuntamente pela Nova Mercante e Suzano. Ao todo, foram revertidas mais de 750 to­ neladas de produtos da Suzano, que equiva­ leram a mais de R$ 12 mil em doa­ções à Cruz Vermelha, montante que somou-se aos mais de 661,47 toneladas de recursos arrecadados pela instituição, be­ne­f i­cian­do milhares de pes­soas que necessitavam de recursos como kits básicos, compostos de água potável, alimentos, roupas, produtos de limpeza e de hi­g ie­ne pes­soal. A campanha foi con­cluí­da em 16 de feverei­ ro, quando representantes da Nova Mercante participaram de uma cerimônia cívica nas de­ pen­dên­cias da Cruz Vermelha para receber uma homenagem pelo projeto desenvolvido.


REZEN ARTES GRÁFICAS

Com sede em Campo Grande (MS), a Rezen Ar­ tes Gráficas inscreveu o projeto “Sustentabili­ dade impressa”, composto por diferentes ações destinadas a despertar a cons­ciên­cia so­cial so­ bre a preservação dos recursos ambientais. Diferentes parceiros vêm tornando rea­l i­ da­de as mais distintas ini­c ia­t i­vas, a exemplo da impressão de 80 mil manuais Etiqueta sustentável, da Editora Abril. Tendo como um de seus apoiadores a Abigraf, a Rezen produz o informativo O Tipógrafo, com temas culturais e ambientais. Ao lado da artista plástica Carol Jordão, a gráfica coloca em prática o projeto Amigos da Natureza, com a confecção de blocos de rascunho que trazem frases educativas sobre sustentabilidade e consumo cons­cien­te.

A Printbill participa semestralmente do Projeto Nosso Bairro, com atividades de recreação para os moradores de bairros carentes de Birigui (SP). Com o projeto Reflorestar a gráfica desenvolve programa que visa ao reflorestamento de áreas degradadas da região

PRINTBILL INDÚSTRIA GRÁFICA

Com o projeto “Reflorestar”, a Printbill Indústria Gráfica, de Birigui (SP), participou da categoria Am­bien­tal, apresentando uma ini­cia­ti­va que visa ao reflorestamento de ­­áreas degrada­ das da re­g ião com es­pé­cies da flora nativa, com­preen­den­do o plantio de mudas e palestras de educação am­bien­tal para instituições do Ensino Fundamental. Para isso, a empresa conta com um viveiro em suas de­pen­ dên­cias, onde são produzidas mais de 80 es­pé­cies, chegando a uma meta a­ nual de 4 mil unidades plantadas. Além deste, dois outros projetos ambientais são rea­li­za­dos: o “Reciclagem”, que reutiliza ma­te­r ial descartado em peças artesanais, e o “Gar­ rafas squeeze”, que compreendeu a entrega de 130 garrafas do tipo squeeze aos colaboradores da empresa, resultando na redução de mais de 40 mil copos anual­men­te. Também inscrita na categoria So­c ial, a Printbill apre­ sentou o projeto rea­l i­za­do pela Comissão Printfest, integra­ da por 15 colaboradores que trabalham em prol de grupos específicos, rea­li­zan­do ações de cultura, lazer e apoio so­cial. Em 2010, a comissão empreendeu diversos programas, como o Visita ao Hospital, com a distribuição de brinquedos e livros educativos para as crian­ças internadas, e o Projeto Nosso Bairro, com atividades de re­crea­ção para os moradores de bairros carentes da cidade.

(E/D) A esposa, Sônia; a cliente Ana Paula (Farmácia Vide Vida) com seu marido Marco Aurélio; as filhas Gisele e Erika e a neta Juliana; com Jânio Rezen, durante a campanha sobre o consumo consciente

No âmbito so­c ial, a atua­ção da Rezen in­ clui ações como o fornecimento gratuito de impressos a entidades filantrópicas que aju­ dam comunidades carentes e jovens químico-​ ­dependentes, como a Fazenda da Esperança e a As­so­cia­ção Cedro – Amor Exigente. Outra ação a ser destacada é a impressão de blocos para receitas médicas do Projeto Sorria, da Paróquia Cristo Luz dos Povos, que atende pes­soas carentes com consultas médicas e psi­ cológicas, além da doa­ção de medicamentos. Em oito anos de projeto já foram atendidas aproximadamente 20 mil pes­soas. março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF

73


Sustentabilidade

Este caderno foi impresso em papel reciclado Eco Millennium 90 g/m², produzido pela Bignardi Papéis

A Stilgraf obteve uma economia de 50% no consumo de água, com melhorias na utilização da filtragem na recirculadora de água no setor de gravação de chapas (Abaixo) Na área social, a Stilgraf promove a integração de seus colaboradores por meio de atividades esportivas e culturais

74

STILGRAF ARTES GRÁFICAS

Inscrita na categoria Am­bien­tal, a Stilgraf, empresa instalada em São Paulo, que possui a Certificação de EcoE­f i­ciên­cia (Fibria Celulose e Papel) e o Selo FSC (Forest Stewardship Council), apresentou o projeto “Gestão am­bien­tal Stilgraf”, que consiste na implan­ tação de medidas para buscar efi­ciên­cia nos aspectos ar, água, energia, terra e pes­soas. No aspecto do “ar”, a opção implementada foi a adoção do soft­ware Stilnet, para ge­ren­ciar o sistema de tráfego de arquivos por meios digitais, o que co­ laborou com a redução de via­gens por motocicletas e na consequente redução nas emissões atmosféricas em cerca de 6,96 toneladas de CO₂/ano. No que diz respeito à “água”, a Stilgraf buscou me­ lho­r ias na utilização da filtragem na recirculadora de água no setor de gravação de chapas. A ação resultou em uma economia de 50% no consumo, na compara­ ção 2009–2010. Ainda neste escopo, foi modificada a tecnologia de impressão de fotolito no setor de pré-​ ­impressão, o que permitiu reduzir em 100%, no mes­ mo pe­r ío­do, a destinação de efluen­tes deste setor, e em 69% na empresa como um todo. Em relação à “energia” foram introduzidos in­ terruptores em 23 ­­áreas e adotada a rotina de des­ ligar as lu­m i­n á­r ias nos horário de intervalos de descanso. A medida proporcionou uma redução de 3.657 KWh/ano no consumo. REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

No quesito “terra” ocorreu a substituição da solu­ ção de molha em duas das impressoras offset, visando à melhoria na compra e consumo de químicos. Deste modo, reduziu-se a destinação de embalagens plásti­ cas em 725 kg/ano e a compra de ál­cool isopropílico em 21% no ano. A mudança no sistema de impressão de fotolitos também contribuiu neste sentido, com a redução de 100% no consumo de embalagens de re­ forçador e revelador desta área no ano de 2010. Foi ainda implementada uma rotina de coleta seletiva de lixo em todas as ­­áreas produtivas da Stilgraf. Finalmente, no quesito “pes­soas”, a empresa vem melhorando con­t i­nua­men­te sua gestão, promoven­ do maior segurança para seus colaboradores duran­ te o trabalho. A Stilgraf apoia, promove, incentiva e colabora com a integração de seus colaboradores por meio de atividades sociais, esportivas e culturais.


Produção Gráfica Informações: 11 2797-6300 Rua Bresser, 2315 Mooca São Paulo SP senaigrafica@sp.senai.br

09/04 a 09/05 www.sp.senai.br/faculdades


Distribuidora

Fotos: Satoru Ta

kaesu

É hora de aparecer

André Guper, diretor presidente e seu filho Rafael Guper, responsável pela área de marketing da Central

Com a participação da nova geração da família nas atividades da empresa, a Central inova e se prepara para incrementar sua comunicação com o mercado de olho na meta de crescimento de 11% para 2012. Tânia Galluzzi

R 76

a­fael Guper tem 23 anos e, como ele mesmo diz, muita vontade de mexer com papel. Filho de Ana Cristina e André Guper, e bisneto de Leon Feffer, fundador da Suzano, há três meses ele assumiu a área de mar­ke­ting e comunicação da Central Distribuidora de Pa­péis, prometendo revitalizar o diá­lo­go da empresa com clien­tes, parceiros e até com seus pró­prios colaboradores. “Estamos planejando uma série de ações, tanto de forma independente quanto em conjunto com a Suzano e com outros fornecedores, para aumentar a visibilidade da Central. Um dos caminhos será levar informação ao mercado, falando sobre responsabilidade so­cial e acabando com os muitos mitos que existem em relação ao papel”, afirma.

REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

Cria­da há 13 anos, a Central está hoje entre as três maiores distribuidoras de papel do País, segundo informações da empresa. Instalada na zona leste da capital paulista, a distribuidora mantém seu estoque em um espaço com capacidade para armazenar cerca de 4,5 mil toneladas de papel, área que agora está sendo am­plia­da para abrigar mais mil toneladas. E a primeira ini­cia­ti­va pro­mo­cio­nal coor­de­na­da por Ra­fael Guper já está perto de se encerrar. Trata-se da campanha de incentivo “A Central leva você para a Drupa”, que cus­tea­rá a via­gem de cinco clien­tes à Alemanha em maio, a partir do cumprimento de metas de compra e de sorteios. A promoção envolve não só os clien­tes, como também os vendedores da Central, que recebem prê­mios por seu desempenho.


Fabricante e distribuidor unidos

Essa e outras ações integram uma estratégia maior, que é o Programa de Excelência do Distribuidor (PED). Cria­ do pela Suzano em 2010 com o objetivo de fomentar o crescimento e a sustentabilidade desse canal, o PED representa a chance de o distribuidor trabalhar junto com o fabricante, de dividir seus problemas com o fornecedor, como afirma André Guper, diretor presidente da Central. “Há a percepção de que, se a fábrica ajudar a gente a vender, o volume comprado por nós também aumentará”. A expectativa é que a Central atinja um crescimento entre 9% e 11% em 2012 através das oportunidades abertas pelo PED. Hoje, mais de 80% do papel co­mer­c ia­l i­z a­do pela Central é fabricado pela Suzano. Em função disso, ela fechou o ano passado com números até razoáveis dian­ te do cenário que se desenhava em mea­dos do pe­r ío­do. “O primeiro semestre foi ruim, mas, pelo fato de trabalharmos basicamente com papel na­cio­nal, o segundo foi bom, em função do aumento do dólar e das dificuldades

de importação. Não conseguimos crescer o que ha­v ía­ mos planejado, porém o resultado foi aceitável”. A expectativa para 2012 é mais positiva tanto na esteira da nova política da Central quanto da movimentação do mercado, que deve agitar-se com as eleições municipais. Contudo, o empresário sabe que a importação deve crescer, sobretudo a de papel revestido. “O que balizará a importação será a va­r ia­ção cam­bial”. Procurando flexibilizar sua carteira de clien­tes e visando a uma maior expansão das vendas, um dos objetivos deste ano é elevar a penetração junto ao segmento edi­to­r ial. “Nesse mercado, os volumes são representativos e a concorrência é agressiva. Quem está atendendo esse setor são empresas real­men­te competitivas e por isso sentimos que podemos atingir uma gama maior de clien­tes”. & CENTRAL DISTRIBUIDORA DE PAPÉIS Tel. (11) 2066.2600 www.centralpapeis.com.br

77 março /abril 2012 REVISTA ABIGRAF


Crescimento Presidente da EFI vem a São Paulo para falar das estratégias de crescimento da empresa para a América Latina.

N

Agora é a vez do Brasil

o ano passado, a EFI investiu fortemente na Ásia e Ocea­nia e os resultados foram um aumento de 70% na receita da re­g ião (ex­ce­ tuan­do o Japão). Agora, os olhos da empresa estão vol­ tados para a América Latina e, para enfatizar essa estra­ tégia, Guy Gecht, CEO da empresa, esteve em São Paulo entre os dias 5 e 9 de março. Em sua passagem visitou 10 empresas, entre elas usuá­r ios de suas soluções como Artfix, Fusão, Artcenter e Fotosfera. Em encontro com a imprensa, clien­tes e parceiros rea­l i­za­do em 8 de março, o executivo afirmou que o Brasil representa para a EFI cerca de 40% do mercado latino-​­americano. Os ne­gó­cios vêm sendo im­pul­sio­na­ dos, segundo Guy Gecht, pelo sucesso das impressoras Vutek, marca representada por aqui pela Alphaprint, e a ideia é oferecer a gama completa de impressoras na re­g ião. A  EFI também pretende alavancar a linha de servidores de impressão digital ­Fiery, aumentan­ do a presença de seu sistema de ge­ren­cia­men­to (MIS) na América Latina. Outra medida é trazer para o Bra­ sil a impressão digital em azulejos, segmento no qual a EFI entrou através da compra da Cretaprint, es­pe­

78

cia­l i­z a­d a em impressoras jato de tinta para impres­ são em azulejos de cerâmica, negócio formalizado em janeiro deste ano. Entre os lançamentos para 2012 em grandes for­ matos está a EFI R3225, impressora jato de tinta, rolo a rolo, com formato máximo de 3,2 m, velocidade de até 100 m² por hora e resolução máxima de 1.200 dpi. Na linha Vutek Série GS, o destaque fica por conta da 3250 LX Híbrida, com tecnologia LED, que promete me­ nor consumo de energia, menos desperdício e a possibi­ lidade de se trabalhar com substratos de menor espes­ sura. Para o segmento de etiquetas a EFI trará a Je­trion 4900, que combina impressão digital e acabamento em um único equipamento. Em 2011, a EFI registrou crescimento de 17%. A re­ ceita foi de US$ 592 mi­lhões, contra US$ 504 mi­lhões do ano an­te­r ior, sendo que a maior parcela do faturamento vem dos sistemas ­Fiery (US$ 270,1 mi­lhões), seguidos pe­ las impressoras jato de tinta (US$ 240,3 mi­lhões) e pelos soft­wares de impressão (US$ 81,2 mi­lhões). “Inovar é es­ sen­cial. Investimos 20% de nossa receita em pesquisa e desenvolvimento no ano passado”, disse Guy Gecht.

(E/D): Manuel Valente, gerente geral da EFI Brasil; Guy Gecht, CEO da EFI; Javier Rodriguez, diretor de vendas inkjet da EFI na América Latina e Manuel Faria, gerente de vendas da linha inkjet para o Brasil

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

& EFI BRASIL Tel. (11) 3266.3263 www.efi.com


O FILME DE LAMINAÇÃO QUE NÃO RISCA, MESMO. Laminação que NÃO RISCA, efeito fosco que oferece mais proteção contra riscos e durabilidade para o impresso. Ideal para materiais com muito manuseio.

Estrada de Vila Jaguara, 126 - Vila Leopoldina - São Paulo - SP (11) 3647-4940 | 3647-4942 vendas@unipackprodutos.com.br • www.unipackprodutos.com.br


Design editorial Os jovens designers começam a entender que seu ofício, no mundo editorial, vai além da diagramação e da direção de arte.

Designers – gráficos ou digitais – são editores

que devem ter a capacidade de dialogar com outros editores e com os profissionais envolvidos no processo editorial, como redatores, técnicos da área de fotógrafos etc.

TI e de marketing,

Para tanto, precisam ter uma ampla compre-

ensão de suas competências e responsabilidades. editorial trata de textos e narrativas.

O design

Textos precisam ser

editados e desenhados, ocupando o plano gráfico com tipografia, imagens e vazios.

Narrativas devem associar as imagens

com o texto e o contexto estruturado pelo projeto.

Ou seja, precisam entender os textos para tornar o projeto tipográfico e o design compreensíveis e comunicativos.

Para Wolfgang Weingart, “um de nossos problemas enfrentados no curso é a ocupação quase exclusiva com os problemas sintáticos e semânticos do design tipográfico.

Mas isso é apenas uma expressão externa de algo completamente diferente. Isto é o verdadeiro problema do texto.

Na minha

opinião, não se pode fazer realmente boa tipografia sem o conhecimento exato e a compreensão precisa do texto”.

Imaginar um projeto editorial como a busca por belas formas e layouts é reduzir nosso trabalho ao dos operadores de

softwares, ou se limitar ao desenvolvimento de uma estrutura de grids e normas hierárquicas de uso dos elementos projetuais.

O design editorial vive de ideias e de pensamento

interpretativo e crítico.

Enfim, pensar é fundamental.

E é preciso pensar antes de desenhar. E pensar desenhando.

Redesenho de revistas

Siga também o Olhar Gráfico no blog em www.qu4tro.com.br/blog

Curso de Design Gráfico Centro Universitário Belas Artes, VI semestre, Graduação, 2011 Coordenação: Anibal Folco 80 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

À esquerda Recreio Camila Barbosa Braz, Érica Yumi Nagai, Jessica Vitucci Herling Bravo Laura Kim, Leonardo Maino, Patrícia Kurtani, Yasmin Klein Projeto Design Isabela Ruffino, Pedro Pedrosa, Talyta Lago, Verônica Bertacchini

À direita Trip Felipe Romão , Leandro Monteiro, Leonardo Fonseca, Fábio Souza, Gabriel Furukawa, Marcus Felliputi Skin Denise Azzi, Igor Alvarez, Ingrid Muniz, Leandro Negro, Ligia Ruas, Vitor H. Ribeiro O Cruzeiro Arthur Sanches, Thomaz Schmidt, Victor Fischer


Projeto experimental

Capa de livro

Natália Tokuda

Raphael Grizilli

Adelita Muscovicchi

Amanda Oliveira

Daniela Taira

Weberson Santiago

Felipe Kaiser

Flávio Camargo

Barbara Bustolin

Maricy Rabelo

Ungrid Bugarin

Carol Mello

Sauê Ferlauto

Pós-graduação em Design Gráfico FAAP SP, Lato sensu, 2011 Coordenação: Carlos Perrone

Pós-graduação em Design Gráfico Ceuma – Centro Universitário Maria Antonia Lato sensu, 2011, coord.: Mª Argentina Bibas

81 março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF


Dias&números As folhinhas, como as do Coração de Jesus, distribuídas antigamente pelas paróquias católicas, em que cada dia tinha sua folha, muitas vezes eram belos impressos tipográficos, que utilizavam tipos móveis de metal e madeira. Você pode encontrar belos espécimens nos grandes oráculos da internet, digitando “Folhinhas”. ¶ Nos calendários tradicionais dias são vistos como sequências de 7, 15 ou 30 dias, que formam medidas de tempo e de compromissos. Organizar um calendário que contemple informação e atração visual é sempre um projeto interessante.

Mas você pode argumentar que ninguém mais consulta folhinhas e calendários: olha o celular, o laptop, a tablet. ¶ Mas por que os grandes

Janeiro 2012

01

Tipografia é transformar um espaço vazio num espaço que não seja mais vazio. Isto é, se você tem uma determinada informação ou um texto manuscrito e precisa dar-lhe um formato impresso com uma mensagem clara que possa ser lida sem problema, Mas essa definição isso é tipografia. tem o defeito de ser muito curta. Tipografia pode ser também algo que não precisaser lido. Se você gosta de transformar partes dessa informação em algo mais interessante, pode fazer algo ilegível, para que o leitor descubra a resposta. Isso também é possível, e isso também é tipografia. Ela pode incluir cor, que dá um outro significado à palavra.

Se voce imprimir algumas partes em vermelho, elas se transformam numa outra informação.

Ak zidenz Grotesk H.Berthold AG, 1896 Günter Gerard Lange, 2003 Texto Wolfgang Weingart Basileia, Suíça

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 FEVEREIRO

fabricantes de papel e as gráficas insistem em imprimir belos calendários?

Porque o distribuidor de gás lhe manda um, assim como seu contador e seu merceeiro? ¶ É que o tempo e os números têm um encanto irresistível: a expectativa de um novo ano, o planejamento das férias, as datas especiais, os aniversários, os compromissos futuros. ¶ Muito bem, mas estas peças viraram agendas de mesa, diárias, semanais, nas quais o acupunturista marca as consultas, o marceneiro agenda a entrega da cozinha. E tentam substituir as folhinhas. Mas, de repente, quando você vai trocar pneu, na porta do borracheiro, lá está ela, a folhinha gigante, com uma mulher em corpo inteiro, retocado por aquele programa transformador e milagroso, anunciando um novo dia. ¶ Este Olhar Gráfico mostra um projeto que explora algumas famílias tipográficas importantes – Akzidenz Grotesk, Bodoni, Caslon, DIN, Verdana, Helvetica –, em layouts que ora permitem identificar os dias à distância, ora revelam belas formas tipográficas: uns convencionais, horizontais, verticais. Outros mais atrevidos, cheios de viço e assimétricos, como a vida. ¶ Projeto Uns Tipos, novembro 2011. Claudio Ferlauto

eMaildoRafic

O

e Bodoni— resultado da geometrização radical do desenho das romanas, seriam para a tipografia o equivalente aos primeiros edifícios

A

Segunda Terça

modernistas de Walter Gropius e Peter Behrens: austeros, verticais e puros, mas ainda com pequenos ornamentos em suas fachadas. Essa elegânca formal pode ser entendida como uma ponte entre ao Renascimento e o mundo Moderno

Quarta Quinta

e antecipa as transformações que a Revolução Industrial vai provocar na sociedade, Devemos olhar para essas letras com respeito e curiosidade para entender que todo design representa com precisão a sensibilidade de seu tempo.

Sexta Sábado Domingo

Bodoni Giambattista Bodoni, 1798 Adobe, 1996 Te x t o C l a u d i o F e r l a u t o S ã o P a u lo , B ra s i l

15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

Farah

Olá, Claudio. Na semana passada meu olhar percorria capas em uma livraria e li numa delas O tipo da gráfica. Dei uma foleada e surpreendi-me a ler meu nome. […] Agora estou cá a me meter em arquitetura e tenho insistido com os arquitetos de nossa Escola da Cidade que a arquitetura não é um fim, mas mais um dos meios de transformação. Um ofício de humanistas. E tenho proposto que nosso primeiro ano dê uma formação eclética, uma visão geral de mundo, de culturas, de histórias. Depois de aberto o horizonte, começariam a caminhar pelos cortes, elevações e perspectivas; isso é fácil, bastaria um ano bem dado. Isto tudo para lhe contar qual é minha briga neste momento com os ensimesmados arquitetos da arquitetura paulista, que só se referencia nela mesma. Ao ler seu texto, percebo que persegui isso no design, disciplina que nunca estudei, mas cheguei a viver no país de Aloísio Magalhães. Enfim, ouvir […] é bom, […] ajuda a localizar-me, situar-me num momento em que sinto falta de ambientes de debate inteligente. Obrigado, Rafic.

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

O uso da Caslon pode sugerir que o autor pode ter tido, de repente uma recaída. Sua finalidade, no entanto, é demonstrar a diferença entre o “quê” e o “como”. Embora a Caslon seja estilisticamente

ABRIL ABRIL ABRIL

06 30 30

tradicional, a forma como ela é utilizada por mim, não é. Se tivesse usado uma sans serif, ela teria sido diferente no sabor, mas não na substância, como a diferença entre chocolate e baunilha. Paul Rand, 1993.

c

c Sexta-feira c Segunda-feira Segunda-feira

[01] 02 o3 o4 o5 o6 o7 [o8] o9 1o 11 12 13 14 [15] 16 17 18 19 2o 21 [22] 23 24 25 26 27 28 [29] 30

junho. 2012 domingo

segunda

terça

quarta

quinta

sexta

sábado

03 10 17 24

04 11 18 25

05 12 19 26

06 13 20 27

07 14 21 28

01 08 15 22 29

02 09 16 23 30

corpus christi

82

V

Domingo Os tipos didone —uma classificação aceita para os padrões de Didot

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 12 13 14

Se você tem algo a dizer, você pode dizer melhor com ela: em qualquer lugar, em qualquer momento, em qualquer mídia

H elvética M a x M ied inger e Ed ou a rd Hof f ma n, 1 9 5 7 H e lve tica Ne ue , Lino ty p e , 1983 Te x to Lars Mü lle r B ad en , Suíça


Quadrinhos

A reinvenção dos quadrinhos Livro de Álvaro de Moya assinala pioneirismo da primeira exposição internacional de quadrinhos, realizada no Brasil em 1951.

Foto: Cesar Mangiacavalli

Tânia Galluzzi

84 REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

C

om o objetivo de marcar os 60 anos da primeira Exposição In­ter­na­cio­ nal de His­tó­r ias em Qua­d ri­n hos, foi lançado em março o livro A Reinvenção dos Qua­dri­nhos, de Álvaro de Moya. Tratase de uma ree­d i­ção de obra publicada em 2001, por conta dos 50 anos da exposição, agora com texto revisto pelo jornalista Gonçalo Jú­nior. Como afirma Álvaro de Moya, a primeira edição foi feita na correria, sob a pressão de não perder o cinquentenário da data, com o objeti­ vo de provar, com documentos e testemunhos, que o Brasil foi mesmo o primeiro país no mun­ do a fazer uma exposição sobre comics visan­ do ressaltar o seu valor como arte. “O Gonça­ lo Jú­nior melhorou muito o livro. O resultado

ficou bem su­pe­r ior, com as informações apre­ sentadas de forma mais ordenada”, diz Álvaro de Moya. Além do texto, as imagens também foram revisadas com o acréscimo de novos re­ gistros. Seguindo a linha da editora Cria­ti­vo, a obra ganhou mais um capítulo, o décimo, que aproveita a ex­pe­r iên­cia de Álvaro de Moya para ensinar ao leitor o caminho das pedras de como fazer uma exposição. A capa merece destaque: com ilustração de Alexandre Jubran, retrata os principais quadrinistas da década de 50 e mos­ tra os organizadores da exposição (Jayme Cor­ tez, Reinaldo Oliveira, Sylas Roberg e Álvaro de Moya) em uma televisão da época. O autor lembra que quando o primeiro li­ vro foi publicado não havia informação de uma exposição de quadrinhos an­te­r ior à organizada em junho de 1951, no Centro Cultura e Progres­ so, em São Paulo. “Descobrimos depois, através do Wikipedia, dois eventos an­te­r io­res ao nosso. Porém, por suas características, não podem ser consideradas exposições internacionais. Uma aconteceu nos Estados Unidos, com os perso­ nagens do King Fea­t u­res Syndicate, portanto com cunho co­mer­cial, e outra em Paris, na es­ teira do pa­trio­tis­mo francês, como uma crítica aos quadrinhos norte-​­a mericanos. A nossa já trazia a percepção de como os quadrinhos se­ riam vistos no futuro, entendidos como arte, como um fenômeno de comunicação de mas­ sa”, comenta Álvaro de Moya. Ele conta que a primeira Exposição In­ter­na­cio­nal de His­tó­r ias em Qua­dri­nhos, que conseguiu reunir cria­ções de Al Capp, Alex Raymond, Roy Crane e Milton Caniff e outros, já fazia ligações entre os comics, a literatura e o cinema. “Hoje Holly­wood fatura com adaptações de quadrinhos e o New York Times publica, ao lado da lista dos livros mais ven­ didos, as graphic novels mais populares”. O autor acredita que o lançamento de A Reinvenção dos Qua­dri­nhos reforça a importância do Brasil na vanguarda do reconhecimento dos comics como uma linguagem do século XX .


A arte dos grandes mestres A

Primeira Exposição In­ter­na­cio­nal de His­tó­rias em Qua­d ri­n hos também está sendo lembrada através da Exposição Qua­dri­nhos’51, cria­da para ho­me­na­gear os grandes mestres do desenho de his­tó­rias em quadrinhos das décadas de 40 a 70 e lembrar aquela que é considerada a primeira expo­ sição didática in­ter­na­cio­nal de comics do mundo. A mostra fica aberta ao público até o dia 26 de maio no Museu Belas Artes de São Paulo (M uBA ), onde estão expostos desenhos originais de alguns dos mais importantes artistas desse pe­río­do, além de esboços e de publicações raras editadas nessas décadas. O público tem a chance raríssima de ver de perto a técnica e o talento de desenhistas que produziram obras inesquecíveis numa época em que as his­tó­rias em quadrinhos eram perseguidas vio­len­ta­men­te por setores da so­cie­da­de que in­sis­ tiam em desqualificar essa arte com argumentos preconceituosos. Mas, a despeito de toda intole­ rância, os quadrinhos se impuseram como uma

nova linguagem através da força dessa geração de profissionais. Dentre os trabalhos se­le­cio­na­dos es­ tão artes-​­finais de nomes como Jayme Cortez, Gu­ temberg, Álvaro de Moya, Primaggio, Shimamoto, André Le Blanc, Antonino Homobono Balieiro, José Lanzelotti e Miguel Pen­tea­do. A exposição Qua­dri­ nhos’51 também mostra originais de desenhistas estrangeiros como Will Eisner, Jerry Robinson, Jim Davis, Mort Walker, Leo­nard Starr e Ser­pie­ri.

Os organizadores da exposição (E/D): Jayme Cortez, Reinaldo de Oliveira, Syllas Roberg e Álvaro de Moya, examinando cartaz feito à mão para o evento. Não aparece na foto Miguel Penteado, que também fez parte do grupo. 1951

assine e garanta o recebimento no seu endereço das melhores publicações da indústria gráfica revista abigraf

a revista técnica do setor gráfico nacionaL

arte & indús tria gráfica • ano xxxvi • m ai/jun 2011 • nº 2 5 3

Leitura indispensável para acompanhar e entender o que está acontecendo com a tecnologia gráfica, seus sistemas e processos

opçÃo a ASSINE

1 ANO

(6 edições)

apenas

r$

60,00

opçÃo b ASSINE

2 ANOS

(12 edições)

EspEcial

E-books, desafios e oportunidades Produ ção gráfic a

O admirável mundo da fotografia realista

Tutori al

apenas

r$

108,00

opçÃo c ASSINE

1 ANO

Distorça e ajuste imagens com o Warp, do PhotosPuppet hop

Entrev ista

O designer e profess or Fabio Mestriner a valorização do discute cartão e a funçãopapel da embalagem. social

apenas

r$

(6 edições)

54,00

opçÃo d ASSINE

2 ANOS

(12 edições)

apenas

r$

96,00

ASSINANDO AS DUAS REVISTAS, VOCÊ ECONOMIZA AINDA MAIS

revista

revista abigraf 253 maio / junho 2011

A REVISTA TÉCNICA DO SETOR GRÁFICO BRASILE IRO

R E V I S TA T Ecnolog

revista abigraf 253 maio / junho 2011

Informação completa sobre o setor apresentada com muita arte e conteúdo

ANO XV Nº 77 VOL. II 2011 ISSN 1678-0965

77

issn 0103•5 72x

IA gRáfIc A

Há 36 anos, a maior e mais importante revista gráfica da américa Latina

tecnoLogia gráfica

revista

+

A REVISTA TÉCNICA DO SETOR GRÁFICO BRASILEIRO

EspEcial

E-books, desafios e oportunidades Produção gráfica

O admirável mundo da fotografia realista

Tutorial

Distorça e ajuste imagens com o Puppet Warp, do Photoshop

Entrevista

O designer e professor Fabio Mestriner discute a valorização do papel cartão e a função social da embalagem.

=

opçÃo e

ASSINE 1 ANO (6 edições de cada)

opçÃo f

ASSINE 2 ANOS (12 edições de cada)

r$ r$

apenas

96,00

Você economiza r$ 18,00

apenas

180,00

Você economiza r$ 24,00

(11) 3159.3010

editoracg@gmail.com 85 março /abril 2012 REVISTA ABIGRAF


As bandes dessinées perdem Moebius Mestre na arte do desenho e da ilustração, Moebius, que povoou o imaginário de milhares de leitores de todo o mundo, com suas histórias, personagens e cenários surreais, transpôs os limites dos quadrinhos para encantar também os fãs do cinema.

N

o dia 10 de março des­ te ano faleceu em Paris um dos mais impor­ tantes nomes dos quadrinhos, Jean Henry Gaston Giraud. Nas­ cido na França em 8 de maio de 1938, seu primeiro grande su­ cesso nos quadrinhos foi com a série western Blue­b erry, em 1963, sob o pseudônimo de Gir. Já assinando Moebius, nome com o qual se tornou mun­d ial­ men­te reconhecido, em 1975 foi um dos fundadores da revista Metal Hurlant, juntamente com

Starwatcher

86 REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

Major Grubbert, protagonista de “A Garagem Hermética”

Tenente Blueberry

Phi­l ip­pe Druillet e Jean Pier­re Dion­net, para a qual criou Arzakc, uma história feita só com dese­ nhos. Realizou clássicos como A Garage Hermética, Surfis­ ta Pra­t ea­d o (com Stan Lee), Starwatcher, entre tantos ou­ tros. Com o amigo, escritor e ci­ neas­ta Jodorowski criou a série John Di­fool e a saga de ficção cien­tí­f i­ca O Incal, de grande re­ percussão nos anos 80. Ilus­ trou, em 1995 “O Alquimis­ ta”, de Paulo Coe­l ho. O cinema também se rendeu ao seu talento. Participou de grandes sucessos crian­do os story­boards para os filmes “O Caça­ dor de An­drói­des”, de Ridley Scott, e “Duna”, de David Lynch. Sua arte inova­ dora inspirou os filmes “O Quinto Ele­ mento”, de Luc Besson, e “O Abismo”, de James Cameron. Participou, ainda, de outras produ­ ções, como “Tron”, além das animações “Mai­ tre des Temps” e “Little Nemo no Japão”. Em 1998, no Salão Internacional do Livro de Paris, Jean Giraud concedeu entrevista exclusiva à Revista Abigraf, publicada na edição 176 (maio/junho).

Starwatcher


Galeria da SIB - Sociedade dos Ilustradores do Brasil

Autor: JUNIÃO jrjuniao@uol.com.br Capa de fascículo do projeto “Época na Educação”. Cliente: Editora Globo, 2011. Técnica: Pincel e nanquim sobre papel e cores via Photoshop.

www.sib.org.br


Foto: Satoru Takaesu

história viva

Apoiando e sendo apoiado pela colônia japonesa, Yusuru construiu uma vida plena de realizações como gráfico e colaborador em instituições filantrópicas. Tânia Galluzzi

União, tenacidade e dedicação ao próximo

A

persistência é uma qualidade comumente as­so­cia­d a ao povo japonês. Dotada dessa virtude, a família de Yusuru Ishihama faz mesmo jus às suas origens. Sua irmã mais velha, Mitiko Nakatani, 80 anos, maratonista, tem uma coleção de tro­féus em casa, incluindo o da Maratona In­ter­na­cio­nal de Paris, sendo que começou a correr apenas aos 57 anos. Já em Yusuru a perseverança manifestou-se na esfera pro­f is­sio­nal, ajudando-o a erguer e manter viva sua empresa, a Graftipo.

88 REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

Yusuru nasceu no município paulista de Gua­ra­ra­pes, em 1939. Com um ano de vida, sua família mudou-se para uma pequena colônia de japoneses em Gua­r u­l hos. O objetivo da comunidade era, pela proximidade com São Paulo, facilitar o acesso aos estudos para os filhos dos imigrantes. Onze anos depois o grupo foi desfeito e os pais de Yusuru foram para outra comunidade em Bragança, mas o menino foi acolhido por uma família em São Paulo para completar seus estudos. Foi então que Yusuru conheceu o Senai, entrando para a Escola


de Artes Gráficas, em­brião da Theo­bal­do De Nigris, onde concluiu o curso de aprendizagem aos 16 anos. Antes disso já havia es­ta­g ia­ do em gráficas e seguiu no setor até surgir a oportunidade de voltar ao Senai, só que desta vez como artífice, já que aos 19 anos não podia ser admitido como instrutor. Foram mais de 20 anos colaborando na formação de mão de obra para o setor gráfico, sendo que na primeira década Yusuru dedicou-se exclusivamente ao ensino e na segunda compartilhou o papel de instrutor com o de gráfico. No início dos anos de 1970, Yusuru foi convidado para organizar o setor de impressão de uma indústria de cadernos, tarefa que o segurou por dois anos. Após uma rápida passagem como chefe de acabamento na Lastri, em 1973, Yusuru ainda era instrutor do Senai no pe­r ío­do noturno, mas a essa altura já tinha uma família para se preo­cu­par — em 1964 havia se casado com Noriyo, com a qual teve quatro filhos: Cecília, Selma, Emílio e Rosana. O cunhado incentivou-o a montar sua própria gráfica, que nasceu em 1973 na garagem de sua casa, no bairro da Saú­de, com a compra de uma impressora Minerva. O primeiro ano foi muito duro e a família chegou a passar por dificuldades. Yusuru emo­cio­na-se ao lembrar essa época e o apoio de Noriyo. “Dava aula das sete às dez, três vezes por semana, e muitas vezes deixava o acabamento dos trabalhos para ela fazer. Ela tinha de cuidar da casa, das crian­ ças e também me ajudava na gráfica. Apesar das dificuldades, nunca reclamou”. No próprio Senai Yusuru conheceu aquele que viria a ser seu sócio, Jaciro Tiveron. Tipógrafo, Jaciro estava fazendo o curso na Theo­

bal­do De Nigris e, em meio a uma conversa com Yusuru, seu instrutor, ofereceu-se para ajudá-lo na gráfica nos finais de semana. De colaborador even­tual passou a fun­cio­ná­r io e depois se tornou sócio, ligação que permanece até hoje.

Na inauguração da sede própria da Graftipo, em 1982, vemos Yusuru Ishihama (de terno claro), tendo à sua direita a filha Cecilia e a esposa Noriyo. À sua esquerda, aparecem o irmão Shinobu; o engenheiro/ arquiteto Francisco Tori, responsável pela obra; o pai de Yusuru, Yutaka Ishihama; Maria Aparecida e o esposo Jaciro Tiveron; e o padre Cosmo

Parcerias

Em 1978 a Graftipo mudou-se para um pequeno armazém, sendo transferida em 1982 para o espaço ­atual com a compra de um terreno na Saú­de. Oito fun­cio­ná­r ios acompanharam a montagem da primeira impressora offset, uma Multilith, na qual Yusuru começou a produzir as apostilas para uma instituição de ensino que ini­cia­va suas atividades no País, o Kumon. Tal parceria representou um salto na história da empresa, que no final da década de 1990 chegou a ter 25 fun­cio­ná­r ios. O fim desse re­la­cio­ na­men­to, há três anos, obrigou Yusuru a cortar

Yusuru na sede da empresa em 1997

março /abril 2012 REVISTA ABIGRAF

89


90

Ao fundo: Jaciro Tiveron e o filho Gerson Luis. Na frente: Yusuru Ishihama, ladeado pelos filhos Selma e Emílio

REVISTA ABIGRAF  março /abril 2012

Foto: Satoru Takaesu

Maria Aparecida Tiveron,Noriyo Ishihama, Yusuru Ishihama e Jaciro Tiveron, na inauguração das instalações, em 1982, junto a um grupo de funcionários

custos, reduzir a equipe e repensar o negócio. Atual­men­te a gráfica conta com 13 fun­cio­ná­ rios, operando três impressoras offset, sendo uma quatro cores e duas máquinas bicolores. Cien­te de que a gráfica precisa se modernizar, Yusuru, que sempre foi comedido em seus planos, há um ano investe em uma consultoria voltada para a sucessão na empresa. Dois de seus filhos, Emílio e Selma, junto com Gerson, filho de Jaciro, que há tempos trabalham na gráfica, estão sendo preparados para assumir o controle. “Talvez, em 2013, eu consiga reduzir meu ritmo”. Com isso, Yusuru terá mais tempo para dedicar-se a algo que adora: cuidar das pes­soas. Há 25 anos ele faz parte da diretoria do Conselho da Igreja Evangélica Holiness do Bosque e há 22 anos é tesoureiro da As­so­cia­ção Cultural e Esportiva Saú­de, que reú­ne a colônia japonesa. Mas seus olhos hoje brilham ao falar do Projeto de Integração Pró-​­Autista (Pipa), que é mantido pela Beneficência Nipo-​­Brasileira de São Paulo, o qual Yusuru está empenhado em divulgar. “Que­re­mos que o Pipa se transforme em referência na­cio­nal no ensino do autista. Para isso precisamos que se torne conhecido, atraindo investimentos que permitirão que o projeto evolua e se expanda”. O Pipa está há dois anos no Parque Novo Mundo, ao lado do Hospital Nipo-​ ­Brasileiro, e atende crian­ças através da Terapia de Vida Diá­r ia, na qual, sem a utilização de medicamentos, os pequenos são estimulados tanto na parte física quanto in­te­lec­tual. Se depender de persistência, o Pipa vai longe.


A ABTG CERTIFICADORA ESTÁ COM NOVOS SERVIÇOS, VENHA NOS FAZER UMA VISITA.

CERTIFICAÇÃO ISO 14001 (ACREDITADO PELO INMETRO) A indústria gráfica nacional ganhou um Organismo Certificador, especializado no setor, a ABTG Certificadora. O Organismo, que já conta com as certificações ISO 9001 (Qualidade), ISO 12647-2 (Qualidade no processo gráfico), certificação de qualidade de máquinas novas e usadas e outros, foi recentemente acreditado pelo INMETRO para certificar ISO 14001 para o mercado gráfico brasileiro. Venha nos visitar e descobrir como a certificação independente e especializada na nossa indústria pode ajudar a alavancar a qualidade e gerar diferencial competitivo para sua empresa gráfica.

SEDE Rua do Paraíso, 529 - Paraíso - São Paulo / SP Telefone: (55 11) 2618-2024 E-mail: comercial@abtgcertificadora.org.br Site: www.abtgcertificadora.org.br


concurso

Momento de premiar o design brasileiro

A

té agosto, a As­so­cia­ção Objeto Brasil rea­li­za a 5 ª‒ edição do Prêmio Idea/Brasil, em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex – Brasil) e patro­ cínio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empre­ sas (Sebrae) e da Agência Brasileira de Desenvolvimen­ to In­dus­trial (ABDI). Neste ano, o Idea/Brasil conta com jurados interna­ cionais, como o designer da Nokia Rhys Newman e a di­ retora do programa de design in­dus­trial da Universidade de Houston, Eun­sook Kwon. Além destes, importantes nomes do setor representam o design brasileiro, como Ma­noel Manteigas de Oliveira, diretor da Escola Senai Theo­bal­do De Nigris e conselheiro da ABTG.

Vencedores da 5ª edição do Prêmio Idea/Brasil serão conhecidos em agosto. Os trabalhos expostos em São Paulo e Curitiba participarão da versão americana do projeto, competindo com os melhores do mundo.

Devido ao sucesso, as inscrições para o prêmio deste ano tiveram que ser estendidas. Em março, fo­ ram rea­l i­z a­d as a primeira e segunda fases de sele­ ção. Os vencedores só deverão ser conhecidos no se­ gundo semestre, durante a cerimônia de pre­m ia­ç ão agendada para agosto. Os vencedores do Idea/Brasil são finalistas auto­ máticos no Idea Awards, através da parceria com a So­ cie­d a­de dos Designers Industriais da América (IDSA , na sigla em inglês), concorrendo com participantes do mundo inteiro. Os pre­mia­dos nas ca­te­go­r ias ouro, prata e bronze terão seus trabalhos expostos em São Paulo (SP) em julho, e depois em Curitiba (PR), em comemoração aos cinco anos do prêmio. Cinco anos de sucesso

Com um histórico de sucesso, o Idea/Brasil, já em sua primeira edição, em 2008, contou com 53 inscrições, número que praticamente dobrou no ano seguinte, alcançando a marca de 103 trabalhos participantes, pre­m ian­do projetos estudantis que representaram instituições de todo o País. A terceira edição, com 400 inscritos, consolidou o prêmio e trouxe reconhecimento in­ter­na­cio­nal à ex­ celência do design brasileiro: dos 78 vencedores, nove representaram o Brasil na versão americana. No ano passado, o Idea/Brasil teve um grande nú­ mero de inscritos e 87 pre­mia­dos. Ques­tio­na­dos, doze por cento dos vencedores afirmaram que conquistaram novos clien­tes depois de receber a láu­rea. Outras informações sobre o concurso podem ser obtidas no site www.ideabrasil.com.br.

92 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012


inauguração

Vivox abre filial no Sul

M

europeu mostrou a que veio, transmitiu con­ ercado atrativo e logística fa- A distribuidora de cilitada. Na esteira desses dois papéis para a indústria fian­ça ao mercado brasileiro, sem contar os fabricantes asiá­ti­cos, que têm investido muifatores a Vivox inaugurou em gráfica e editorial acaba to, apostando em máquinas efi­cien­tís­si­mas”. dezembro sua primeira fi­l ial. A nova uniPor outro lado, a atua­ção das distribuidade fica na cidade de Pinhais, na re­g ião de abrir uma filial em doras continua limitada em razão da ilegametropolitana de Curitiba, contando com Pinhais (PR), de olho lidade que prevalece no setor, na opi­nião do escritório de vendas e estoque. nas oportunidades diretor da Vivox. “Não dá para pensar em De acordo com Wolf Schön, diretor da Vi- e facilidades locais. grandes projetos, em sofisticar nosso porvox, há bastante tempo o Sul do País é um mercado importante para a empresa, representando entre tfolio ou nossa operação por conta da ação de agentes pou20 e 25% de seu faturamento, sobretudo no Paraná e San- cos éticos”. Para Wolf Schön todas as ini­cia­ti­vas do governo ta Catarina. Agora com a presença efetiva, a expectativa é em coibir a venda ilegal de papel imune, incluindo o Recopi de que as vendas para esses estados cresçam até 20% nos (Sistema de Reconhecimento e Controle das Operações com próximos três anos, diferentemente do que deve acontecer Papel Imune), são inó­cuas. “Este é um problema que não se em São Paulo, onde está a sede da Vivox, em função da alta resolve com regulamentação e sim com fiscalização efetiva, concorrência e da maior maturidade do mercado. “O aten- rea­li­za­da com inteligência. E os governos estaduais, assim dimento que rea­li­za­mos aqui e no Sul é o mesmo. A princi- como o federal, têm todos os elementos para fazer isso”. pal diferença é que fora do eixo Rio-​­São Paulo a participação das editoras é menor. Praticamente todos os clien­tes da fi­lial são gráficas”, comenta o empresário. Outra particularidade refere-se à organização da unidade de Pinhais. A inexistência de gargalos de trânsito e de restrições de horário para circulação de caminhões reduz os custos da operação. Também influiu na decisão a proximidade com os portos de Paranaguá, Itajaí e Navegantes, alternativas mais efi­cien­tes e baratas do que o porto de Santos.

Im­pul­sio­na­da pelos bons resultados no Sul, a Vivox planeja abrir uma segunda fi­lial ainda em 2012, desta vez no Nordeste. A escolha da cidade será igualmente em função das oportunidades de mercado e da proximidade de portos importantes. “Estamos moderadamente otimistas em relação a este ano. Para nossa surpresa, janeiro e fevereiro foram meses de bom movimento e teremos eleições municipais, o que significa alto consumo de ma­te­r ial gráfico, mais até do que em eleições federais”. O diretor prevê também a continuidade no crescimento da importação de papel couché. As razões são simples: preço e demanda crescente. “A produção na­cio­nal, concentrada em um só fabricante, não atende à demanda doméstica. Hoje, 50% do consumo de papel couché wood­f ree no Brasil é coberto pelo produto importado, o que representa 250 mil toneladas por ano. Se há quatro, cinco anos alguns clien­tes demonstravam certa resistência ao produto importado, isso já não acontece. O produtor

Foto: Álvaro Motta

Próxima etapa, o Nordeste

& VIVOX COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Tel. (11) 3121.2265 www.vivox.com.br

Wolf Schön, diretor da Vivox

março /abril 2012 REVISTA ABIGRAF

93


Lançamento

Lumicor, uma das categorias da linha Imaginário

Multiverde amplia linha de papéis especiais Evento realizado no Buffet Colonial, em São Paulo, apresentou a linha Imaginário, lançada para atender à crescente demanda por produtos diferenciados.

94 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

N

o dia 9 de fevereiro a Multiverde Pa­péis Especiais promoveu o lançamento da linha Imaginário, coleção de pa­péis offset coloridos e texturizados produzidos em até 32 cores. A linha foi desenvolvida pela empresa, com fábrica instalada em Mogi das Cru­ zes (SP), que em 2008 introduziu em seu mix de produtos a linha de pa­ péis especiais para impressão. “A demanda por produtos di­fe­ren­cia­dos só tem crescido. Um dos fatores que tem con­tri­buí­do para isso é a pró­ pria evolução das mí­dias eletrônicas, que vem exigindo dos materiais im­ pressos elementos que os coloquem em evidência. Já os distribuidores enxergam nos pa­péis especiais uma alternativa à acirrada disputa que acontece no segmento de com­mo­di­ties”, comentou Marcus Vinicius Melo, presidente da Multiverde. Para conquistar as agên­cias de publicidades e as gráficas, o produ­ to chega ao mercado com um custo no mínimo 10% menor do que seus concorrentes, segundo o executivo. A fábrica, cuja capacidade de produ­ ção é de 25 mil toneladas de papel por ano, está preparada para produzir seis mil toneladas da coleção Imaginário por ano. “Já temos um volume de 150 toneladas/mês. Em seis meses queremos alcançar 300 toneladas mensais, encerrando o ano com uma venda total entre quatro e cinco mil toneladas”, afirma Marcus Vinicius. A linha Imaginário é composta por cinco ca­te­go­r ias: Cria­cor, papel colorido na massa, com 27 tonalidades, produzido a partir da composi­ ção de celulose bran­quea­da de fibras curtas; Vergecor, papel com textura vergê, produzido a partir da composição de celulose bran­quea­da de fibras curtas, com 32 cores diferentes; Textato, gofrado em 27 cores e quatro texturas; Ecocria, produto fabricado a partir da composição de celulose bran­quea­da de fibras curtas e 30% de fibras recicladas em duas tonali­ dades; e Lumicor, papel colorido na massa, produzido a partir da com­ posição de celulose bran­quea­da de fibras curtas, com cinco cores fluo­ res­cen­tes. Os pa­péis Cria­cor, Vergecor e Textato têm gramaturas entre 80 e 240 g/m². Na Ecocria, elas va­r iam entre 50 e 240 g/m², enquanto os pa­péis Lumicor são vendidos nas gramaturas 75, 90 e 180 g/m². Toda a linha permite impressão offset, flexográfica, serigráfica, tipográfica e acabamento em hot stamping.


Em 2012, coloque mais 50 anos de experiência em sua empresa. Um dos grandes diferenciais da Consultoria ABTG são os mais de 50 anos de know how no mercado gráfico. Seus consultores especializados estão preparados para oferecer o que há de melhor em serviço de consultoria para a sua empresa. Agende uma visita.

Consultorias técnicas: pré-impressão,

Pareceres técnicos: avalia processos produtivos,

impressão e pós-impressão.

capacidades técnicas e sigilo da informação.

Consultorias em gestão: PCP, custos

Homologação de Indústrias Gráficas: quando

e orçamento, planejamento estratégico.

compradores e fornecedores se entendem.

Implantação da norma NBR15540:

Diagnóstico de processo industrial: saiba quais

bons negócios são feitos na base da segurança.

são os problemas e as soluções para sua a empresa.

Implantação da certificação FSC: o planeta

Aplicação de Teste Form: análise mecânica

precisa, o cliente exige e a ABTG implanta.

e de qualidade de sua impressora offset.

Implantação das certificações ISO: 9001, 14001, 18001 e 27001.

COMERCIALIZAÇÃO E IMPLANTAÇÃO. PARCERIA COM A

ESTAT BRASIL

Para saber mais sobre estes serviços ou agendar uma visita, entre em contato: Núcleo de Consultoria e Treinamento ABTG Tel.: (11) 2797 6702 E-mail: Andrea: aponce@abtg.org.br www.abtg.org.br

Treinamentos e palestras In Company: os melhores consultores dentro de sua empresa.


Os espa莽os arquitet么nicos de

Nelson Kon


F OTOG R A F I A

“Ao falarmos de fotografia de arquitetura não estamos nos referindo apenas ao registro ou à ilustração do trabalho de um arquiteto, não estamos apenas falando da forma, mas também de cultura, de meio ambiente, de antropologia, da nossa vida nas cidades, nas metrópoles e de como nós vivenciamos essas experiências”. Simonetta Persichetti, jornalista Tânia Galluzzi


2

1 (página dupla anterior) Intervenção urbana na Praça do Patriarca, São Paulo, SP (arquiteto: Paulo Mendes da Rocha) 2 Hospital Sarah Kubitschek Lago Norte, Brasília, DF (arquiteto: Lelé – João Filgueiras Lima) 3 Vista noturna da Avenida São João, São Paulo, SP 4 Edifício Copan, São Paulo, SP (arquiteto: Oscar Niemeyer) 5 Indústria Mahle Metal Leve, Jundiaí, SP (arquiteto: Roberto Loeb)

4

P

ara Nelson Kon, a fotografia de arquitetura é a construção de uma narrativa. Não lhe interes­ sa clicar cada um dos am­bien­tes de uma determinada obra, e sim contar a história de como os espaços se coor­de­ nam, evi­den­ciar suas vá­r ias dimensões. É assim há mais de 20 anos, desde que se formou na Faculdade de Arquitetura e Urba­ nismo da Universidade de São Paulo (FAU-​­USP). Até ingressar no curso su­pe­r ior, a fotografia não representava nada para ele. Foi ao conhe­ cer o laboratório da FAU e, principalmente, as figuras que por lá circulavam que Nelson iden­ tificou sua vocação. Não era para menos: no co­ mando do laboratório estava Cris­tia­no Masca­ ro, referência em se tratando de fotografia da arquitetura da capital paulista, e ao seu lado os não menos aclamados João Musa, Sérgio 5

98 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

Burgui e Raul Garcez (falecido em 1987). “Nun­ ca fiz um projeto. Passei os cinco anos da facul­ dade fotografando e quando saí, em 1983, já ti­ nha decidido o que queria fazer”. O que ele não sabia era que praticamente inexistia no Brasil a figura do fotógrafo de arquitetura. A alternati­ va foi encarar a fotografia de publicidade. Mon­ tou um estúdio em so­cie­da­de com Fábio Sam­ paio e partiu para o mercado. Mas sua alma não acompanhou tal decisão. Clamava pelos 3


6

Brasília houve um declínio da importância da arquitetura na­cio­nal e, quando Nelson come­ çou, a percepção era de que nada de interessan­ te era produzido por aqui, o que não deixava de ser verdade. “Acabei tendo uma atua­ção militan­ te. Uma visão passadista, me­dío­cre, rea­cio­ná­ria, tomava conta do mercado imo­bi­liá­r io e eu acha­ va que a boa arquitetura tinha de ser mostrada. Fotografava de graça ou por muito pouco”. Um outro olhar 7

6 Centro de Artes e Educação do Pimentas, Guarulhos, SP (arquiteto: Biselli + Katchborian Arquitetos) 7 Passagem de pedestres na Rua 25 de Março, São Paulo, SP 8 Hotel Fasano Boa Vista, Porto Feliz, SP (arquiteto: Isay Weinfeld) 9 Vista a partir da cobertura do Edifício do Congresso Nacional, Brasília, DF

8

espaços amplos, cortes secos, formas estrutu­ rais. Depois de quatro anos resolveu encarar a in­ci­pien­te fotografia de arquitetura, traduzida em duas publicações: as revistas Projeto e Arquitetura & Urbanismo. “Era tudo muito amador. Para mostrar as obras, às vezes chamavam fo­ tógrafos de casamento, noutras os pró­prios ar­ quitetos registravam os projetos. Os es­cri­tó­r ios de arquitetura não in­c luíam esse custo”. Nem sempre foi assim. Nelson conta que entre os anos 40 e 60 a arquitetura brasileira teve uma forte expressão, atraindo inclusive o interesse de publicações internacionais, ala­ vancando a fotografia. Depois da construção de 9

& NELSON KON Tel. (11) 3231.4868 www.nelsonkon.com.br

Por dominar o repertório da arquitetura, saber o que era e o que não era relevante, Nelson ofe­ recia um serviço di­fe­ren­cia­do, sendo então mui­ to requisitado. Através da Projeto, seu trabalho ganhou visibilidade e ele passou a atender, além dos fotógrafos de sua geração que estavam co­ meçando, as empresas que anun­cia­vam na re­ vista. “Muitos pagavam em espécie. Construí minha casa assim”, diverte-se o fotógrafo. Esse cenário mudou muito. A demanda pela fotografia de arquitetura cresceu significativa­ mente, provocando até o surgimento de uma nova figura, o caçador de projetos, fotógrafo que vai atrás das obras para oferecer seu traba­ lho para as revistas. Inversões acontecem na ou­ tra ponta, com arquitetos crian­do projetos para serem fotografados, vistos em revistas. “Nem sempre o que fica bem na revista é bom para ser vi­ven­cia­do no dia a dia”. Em contrapartida, há gente pensando além da lógica “mais reais por metro quadrado”, dis­ cutindo os espaços urbanos, crian­do soluções como a Praça das Artes, na re­gião central de São Paulo, e a rede de hospitais Sarah Kubitschek, presente em oito cidades. Essa é a arquitetura que atrai hoje o foco de Nelson Kon.


Sistema Abigraf Notícias

Abigraf Nacional define metas para 2012

Em reuniões da diretoria executiva, os representantes da Abigraf Nacional definiram as principais ações da entidade para este ano.

Fotos: Álvaro Motta

Hermes dos Santos, presidente do conselho diretivo da Abigraf Na­cio­nal e da Re­gio­nal ­Piauí. Ainda em relação aos eventos da área gráfica, a diretora da Reed Alcântara Machado, Li­lia­ne Bor­ toluci fez uma apresentação so­ bre a ExpoGráfica (antiga Fie­pag), que seria rea­li­za­da de 12 a 16 de março (veja página 32), em São Paulo, com apoio ins­ti­tu­cio­nal da Abigraf Na­cio­nal. Participantes Abigraf Nacional James Hermes dos Santos, presidente do conselho diretivo; Fabio Arruda Mortara, presidente da diretoria executiva; Ricardo Marques Coube, diretor administrativo; Max H.G. Schrap­pe, parceiro honorário.

C

100 100

om o objetivo de deliberar sobre as pautas e propostas de atua­ção da entidade neste ano, a Abigraf Na­cio­nal realizou sua primeira reunião da direto­ ria executiva em 23 de janeiro. Os encontros dos dirigentes da entidade, entre eles os presiden­ tes de diversas regionais, con­tri­ buí­ram para definir as principais diretrizes na promoção do de­ senvolvimento da indústria grá­ fica na­cio­nal. Abrindo os traba­ lhos, o presidente da entidade, Fabio Arruda Mortara, convidou todos a participarem do Planeja­ mento Estratégico da Na­cio­nal, que ocorreria em São Paulo nos dias 16, 17 e 18 de março. Na oportunidade foram apre­ sentados os novos presidentes do Sindicato das In­dús­trias Grá­ ficas do Rio Grande do Norte, Carlos Vinicius Lima, e da Abi­ graf  CE, Tales Vinicius Ximenes Carvalho. Eleito para o triê­nio 2011–2013, Tales destacou os de­ sa­f ios que vêm sendo enfrenta­ dos pela indústria gráfica local e na­cio­nal. “Venho para dar mi­ nha contribuição e, sobretudo, para levar os aprendizados que REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

ABTG Aparecida Soares Stucchi, gerente de operações; Claudio Baronni, presidente do conselho diretivo; Reinaldo Espinosa, presidente.

forem sendo conquistados para o nosso estado”, disse. Visando à capacitação de mão de obra para o setor, o pre­ sidente da Abigraf Pernambuco, Eduar­do Mota, sugeriu, em uma das reuniões, um ma­p ea­m en­ to na­cio­nal das escolas volta­ das ao setor. O empresário tam­ bém defendeu a inauguração de uma unidade de ensino gráfico em seu estado, que seria uma re­ ferência para atender estudan­ tes dos estados vizinhos do Rio Grande do Norte e da Pa­raí­ba. “Em  Recife, estamos perdendo mão de obra para o Sua­pe”, dis­ se ele, referindo-se ao Complexo In­dus­trial Por­tuá­rio de Pernam­ buco, que tem atraí­do os jovens

trabalhadores. “Se não fizermos uma ação como esta em todas as regionais, em breve teremos problemas com falta de profis­ sionais qualificados em âmbito na­cio­nal”, conclui Eduar­do. O encontro das lideranças do setor também foi a oportunida­ de de discutir a comemoração do Dia Na­cio­nal da Indústria Grá­ fica, celebrado em 24 de junho, com a rea­li­za­ção da Semana da Indústria Gráfica (Sigra), quando serão organizados eventos cul­ turais, técnicos, esportivos e de sustentabilidade, em parceria com as regionais. “Somente com o apoio das regionais podere­ mos mostrar a força da indústria gráfica na­cio­nal”, alertou James

Regionais da Abigraf Nacional Alagoas: Floriano Alves da Silva Junior, presidente; Ceará: Tales Vinicius Ximenes Carvalho, presidente; ­Goiás: Antônio de Sousa Almeida, presidente; Maranhão: Raphael Abdalla Pires Leal, 1º vice-​­presidente; Roberto Carlos Moreira, presidente; Paraná: Jair Leite, 1º vice-​­presidente; Pernambuco: Eduardo Carneiro Mota, presidente, Luizandes da Silva Barreto, diretor administrativo; Piauí: James Hermes dos Santos, presidente; Rio de Janeiro: Marcus A.C. Lopes, vice-​­presidente; São Paulo: Sidney Anversa Victor, 1º vice-​­presidente da Regional SP; Tocantins: Sérgio Carlos Ferreira Tavares, presidente. Sindicatos – Singraf RN: Carlos Vinícius Aragão Costa Lima, presidente. Colaboradores do Sistema Abigraf Fátima Sola, gerente administrativa e financeira; Lygia Flores, gerente geral; Nílsea Borelli Rolim de Oliveira, gerente do departamento jurídico; Patrícia Marrone, coordenadora do departamento econômico; Wagner Silva, gerente do Graphia.


Abigraf promove a primeira Semana da Indústria Gráfica Evento acontecerá de 24 de junho a 1º de julho e incluirá palestras, premiações e corrida de rua.

E

m comemoração ao Dia Na­ cio­n al da Indústria Gráfica e aos 47 anos da Abigraf Na­ cio­nal, será rea­li­z a­da a Sema­ na da Indústria Gráfica (Sigra), de 14 de junho a 1º de julho, em São Paulo, com a propos­ ta de valorizar a indústria gráfi­ ca brasileira, evi­den­cian­do sua importância para a so­cie­da­de e sua atua­ç ão so­cioam­bien­t al responsável. Serão vá­rios even­ tos acontecendo durante esta semana, di­r e­c io­n a­d os aos in­ dustriais e profissionais gráfi­ cos, representantes do governo,

lideranças empresariais de ca­ deia produtiva, personalida­ des políticas e empresariais. O evento contará com o 5º Ciclo de Sustentabilidade, pro­ gramado para os dias 26, 27 e 28 de junho. Com o tema “Pas­ so a passo para ser uma gráfi­ ca sustentável”, a série de pales­ tras tem o objetivo de discutir e disseminar o conceito da sus­ tentabilidade entre as in­dús­trias gráficas, através de boas práti­ cas ambientais e sociais. O ci­ clo terá os seguintes módulos: O que é uma gráfica sustentável;

Como implantar ações sustentá­ veis em sua gráfica; Requisitos legais ambientais; Ma­pean­do os re­sí­duos sólidos da sua gráfica; Como destinar os re­sí­duos apli­ cando os 3R’s (Reduzir, Reutilizar e Reciclar); Produção mais Lim­ pa (P+L); Responsabilidade social na gráfica; Requisitos legais para saú­de e segurança; e Como tor­ nar uma gráfica economicamen­ te sustentável. Em uma homenagem às ini­ cia­ti­v as de destaque no cam­ po da política, a Sigra 2012 tam­ bém comportará a entrega do Prêmio Personalidade do Ano em cerimônia que ocorrerá em 28 de junho, no São Pau­ lo WTC Hotel. A láu­rea simboli­ za uma nova etapa da indústria gráfica brasileira, que será ain­ da mais proa­ti­va no tocante ao exercício da responsabilidade

dos setores produtivos perante seus clien­tes, a so­cie­da­de, a Na­ ção e os pressupostos da sus­ tentabilidade so­cial, econômi­ ca e am­bien­tal. A es­ta­tue­ta da pre­mia­ção será con­fec­cio­na­da em re­sí­duos sólidos da indús­ tria gráfica pelo Senai  SP De­ sign. Na mesma data, serão ho­ me­na­gea­dos representantes da empresas gráficas, fornecedores e imprensa com o troféu Des­ taque Sustentabilidade na Ca­ deia Produtiva, nas ca­te­go­rias “Sócio” e “Am­bien­tal”. Para encerrar a Semana da In­ dústria Gráfica, em 1º de julho o setor participará da Corrida dos Bombeiros, circuito de rua de 10 quilômetros, com saí­da do Par­ que da Independência, no bair­ ro do Ipiranga. Informações Tel. (11) 3232.4500

A mídia de maior impacto no setor gráfico Maior circulação, maior qualidade, maior segmentação

Revista Abigraf

Anuário Abigraf

Tecnologia Gráfica

revista issn 0103•5 72x

ANO XVI Nº 81 VOL. I 2012 ISSN 1678-0965

Gráfica 2011

2 0 1 2 • nº 2 5 8

15º Anuário Bras

revista abigraf 258 março/abri l 2012

ileiro da Indústria

arte & indús tria gráfica • ano xxxvii • março/abril

A REVISTA TÉCNICA DO SETOR GRÁFICO BRASILEI RO

Qual será o tema da Drupa 2012?

Anuário BrAsileiro dA in dúst riA GráficA 2011

• O maior e mais importante veículo do setor gráfico brasileiro • Alta qualidade gráfica e editorial: vários prêmios conquistados no Brasil e no Exterior • Distribuída para dirigentes das indústrias gráficas comerciais, editoriais, de embalagens e de conversão; agências de propaganda; diretores e gerentes de marketing e de produtos das grandes empresas • 36 anos de circulação ininterrupta • Bimestral. Tiragem: 12.000 exemplares • O menor custo por leitor

• O único diretório do setor gráfico nacional • Exclusivo banco de dados, com informações sobre 2.175 indústrias gráficas de 558 cidades de todo o Brasil e 524 fornecedores de insumos, matérias-primas, equipamentos, sistemas e serviços para o setor • Consultado por empresários, executivos e compradores da indústria gráfica; produtores das agências de propaganda; dirigentes de marketing e compras das 800 maiores empresas do País • Tiragem: 9.000 exemplares • Distribuição: junho 2012

Tutoria l

Aumente a nitidez das imagens com o filtro High Pass

Produç ão Gráfica

Quais os cuidados que você deve tomar no desenvolvimento rótulos termoenc de olhíveis

Entrevi sta

Para o especiali sta em tipografia Claudio o designer gráfico Rocha, é um tradutor visual

• O veículo técnico da indústria gráfica brasileira • Artigos exclusivos dos mais destacados especialistas gráficos nacionais abordando todos os temas do setor, sua tecnologia, processos, sistemas, matériasprimas e equipamentos • Artigos exclusivos da Seybold e Spindrift • Chega diretamente às mãos dos diretores, gerentes e chefes de produção das gráficas de todo o Brasil • Bimestral. Tiragem: 7.000 exemplares

(11) 3159.3010 gramani@uol.com.br março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF

101 101


Sistema Abigraf Notícias

Informações atualizadas, em publicações especiais Guias lançados pela Abigraf Nacional e Abigraf-SP apresentam o perfil da indústria gráfica brasileira e mostram os benefícios oferecidos às empresas do setor.

C

102 102

om o objetivo de promover a integração na­cio­nal e fa­ cilitar a aproximação do setor gráfico com os mais va­ria­dos públicos, a Abigraf Na­c io­n al elaborou o guia O Brasil Gráfico, que traz um breve histórico e uma síntese das ações desen­ volvidas pela Abigraf Na­cio­nal. O Guia também apresenta bre­ ve perfil econômico do parque in­dus­trial brasileiro e de cada uma das suas regionais instala­ das em 21 estados e no Distri­ to Federal, bem como uma sín­ tese da sua atua­ção, o nome do ­atual presidente, o endereço e os meios de contato. Outra publicação lançada pela Abigraf Na­cio­nal é o Guia de Be­ne­fí­cios As­so­cia­dos Abigraf Na­c io­n al Sócio-​­c olaborador 2012. Em suas páginas são apre­ sentados serviços disponíveis aos as­so­cia­dos, como mecanis­ mos de publicidade das empre­ sas, dentre os quais sobressai a divulgação dos dados no Anuá­ rio Brasileiro da Indústria Gráfica e o recebimento gratuito do mesmo e das revistas Abigraf e Tecnologia Gráfica. No âmbito mercadológi­ co, o Guia apresenta as opor­ tunidades de participação nos Grupos Empresariais e no Pro­ jeto de Exportação (Graphia), que visam, respectivamen­ te, promover diferentes seg­ mentos gráficos e as expor­ tações nacionais do setor. A publicação mostra as vanta­ gens re­la­cio­na­das à melhoria da gestão em­pre­sa­rial, como o acesso às informações eco­ nômicas do setor, a assesso­ ria jurídica e o envio pe­rió­di­co

das Normas Técnicas do Orga­ nismo de Normalização Se­to­ rial de Tecnologia Gráfica da ABTG (ONS27). Na capacitação, os be­n e­f í­cios in­cluem even­ tos, palestras, cursos e con­sul­ to­rias, rea­li­za­dos pela Abigraf Na­cio­nal e ABTG. Outras vantagens impor­ tantes são os descontos na compra de produtos e servi­ ços de empresas parceiras, o uso gratuito do auditório e das salas de reuniões localizadas na sede da Abigraf Na­cio­nal e as tarifas especiais na colônia de fé­rias de Praia Grande (SP)

e demais es­ta­dias disponíveis no Club de Fé­rias. Benefícios da Abigraf-SP Também com o objetivo de reu­ nir em um único ma­te­rial os mais de 80 be­ne­fí­cios que disponibi­ liza, a Abigraf Re­gio­nal São Pau­ lo elaborou o Guia de Be­ne­fí­cios e Serviços As­so­cia­dos Abigraf-SP. O Guia apresenta os caminhos de acesso aos serviços ofereci­ dos por meio de par­ce­rias firma­ das com instituições financeiras, que facilitam a obtenção de fi­ nan­cia­men­tos e demais linhas de créditos. Também destaca

be­n e­f í­cios como os mecanis­ mos de acesso a informações relevantes, que abrem oportu­ nidades de ne­gó­cios e facilitam o ge­ren­cia­men­to das empresas. E, ainda, os programas de me­ lhoria da capacitação e da ges­ tão oferecidos gratuitamente ou com descontos. A publicação revela como utilizar todos os be­ne­fí­cios da Central de Serviços da ­Fiesp e de parceiros como o Senac SP, a Escola Paulista de Direito (EPD) e o Senai SP, que garantem pre­ ços especiais ou gratuidade em diversos cursos, de nível téc­ nico até a formação su­p e­rior. Além de informações eco­ nômicas e assessoria jurídica, os as­so­cia­dos têm descontos nas compras de diversos produ­ tos e serviços, como soluções de impressão, soft­wares, auto­ móveis, cestas básicas, ingres­ sos para programas de lazer e muito mais. Estendendo estas vantagens aos fun­cio­ná­rios das empresas, o Guia apresenta as par­ce­rias firmadas para garantir valores di­fe­ren­cia­dos na aquisi­ ção de diversos planos de be­ ne­fí­cios e, também, os descon­ tos para a colônia de fé­rias de Praia Grande (SP) e nas diá­rias dos ho­téis do Club de Fé­rias. Para divulgar todos estes be­ne­fí­cios, a Abigraf Na­cio­nal e Abigraf-SP dis­tri­buí­ram exem­ plares impressos de seus guias, mas as publicações podem ser baixadas nos sites www.abigraf.org.br e www.abigrafsp.org.br. Outras informações pelo telefone (11) 3232-​­4521 e e-​­mail rcamilo@abigraf.org.br (Rogério Camilo). 

REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012


Sistema Abigraf Notícias

Semana de Artes Gráficas é realizada pela primeira vez no Espírito Santo e Tocantins

Presença da Abigraf e ABTG na Drupa Profissionais da indústria gráfica contarão com apoio da entidade para aproveitar os 14 dias do maior evento do setor.

E

104 104

m­pre­sá­rios, gestores, técnicos e demais profissionais da in­ dústria gráfica brasileira que visi­ tarem a Drupa 2012, de 3 a 16 de maio, contarão com o apoio da Abigraf Na­cio­nal e da ABTG, que participam da feira em estande próprio. “Nossa presença tem como objetivo central auxiliar a visitação de nossos as­so­cia­dos e demais gráficos brasileiros”, afirma Fabio Arruda Mortara, presidente da Abigraf Na­cio­nal. Rea­li­za­do a cada quatro anos na cidade de Düsseldorf, Alema­ nha, o evento é o mais impor­ tante do mundo para o setor. Esta edição contará com quase dois mil expositores, dis­tri­buí­dos em 17 pavilhões. Para visitá-​­los os brasileiros poderão recorrer ao Safari Tecnológico, desenvol­ vido e lançado na Drupa de 2008 pela ABTG . O  programa propi­ cia visitas práticas e objetivas, monitoradas em português por consultores da entidade, nas di­ ferentes ­­áreas com­preen­di­das pela feira e de acordo com um determinado foco de interesse. Com visitas pré-​­agendadas e assessoria dos consultores, o Sa­ fari Tecnológico facilita o con­ tato dos brasileiros com os ex­ positores. Para usufruir deste serviço, os interessados devem entrar em contato com a ABTG REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012

e inscrever-se no programa. “Essa ini­cia­ti­va é es­sen­cial, pois otimiza o tempo dos profissio­ nais no evento, pro­por­cio­nan­do que eles tenham contato direto com os produtos de seu interes­ se”, informa Reinaldo Espinosa, presidente da entidade. De acordo com estimativas de mercado, neste ano cerca de quatro mil brasileiros visita­ rão a feira alemã. Se a expecta­ tiva se concretizar, este número será 25% su­pe­rior ao da última edição, em 2008. “A  participa­ ção da Abigraf na Drupa será im­ portante para que em­pre­sá­rios de outros paí­ses tomem conhe­ cimento do alto grau de desen­ volvimento da indústria gráfica brasileira, bem como de nos­ sos centros de capacitação de mão de obra em todo o País”, complementa Fabio Mortara. Para os profissionais que não comparecerem à Drupa 2012, a ABTG promoverá um ciclo de palestras com temas re­la­cio­na­ dos às ten­dên­cias do universo gráfico apresentadas no even­ to. O  programa, que visa man­ ter atua­li­z a­dos os em­pre­s á­rios do setor, será apresentado em regionais da Abigraf Na­cio­nal a serem definidas em breve. Informações Tel. (11) 3232.4500

As cidades de Vitória e Palmas inauguraram a programação 2012 do projeto realizado pela Abigraf Nacional e Sebrae Nacional, com apoio da ABTG.

D

e 5 a 9 de março, a capital do Espírito Santo, Vitória, foi a primeira a receber uma Se­ mana de Artes Gráficas (SAG) em 2012. Rea­li­za­do no Golden Tulip Hotel, o evento reuniu 125 participantes de 25 empre­ sas. De 16 a 20 de abril, a SAG ocorreu em Palmas, capital do Tocantins, também pela pri­ meira vez. O projeto é resulta­ do da parceria entre a Abigraf Na­c io­n al e o Sebrae Na­c io­ nal com o objetivo de aprimo­ rar as qualificações dos pro­ fissionais gráficos brasileiros. A  organização e elaboração

da grade de se­mi­ná­rios e pa­ lestras ficou a cargo da ABTG. Durante os cinco dias da SAG, os participantes de am­ bos os mu­ni­cí­pios assistiram se­mi­ná­rios sobre vendas, pros­ pecção de clien­tes, elaboração de mapas de custo, entre ou­ tros temas. Também puderam conhecer mais sobre o Sebrae e o Graphia (projeto de ex­ portação do setor gráfico), em palestras especiais. Em 2011, mais de 4.600 profissionais da área gráfica participaram das onze SAG’s rea­li­za­das durante o ano.

Em Vitória (ES), 125 pessoas de 25 empresas participaram da SAG


Vantagens competitivas Garantia de qualidade e confiabilidade, melhoria da eficiência, redução de despesas, maior valor de mercado e operações em conformidade com as normas técnicas são alguns dos benefícios oferecidos às empresas gráficas pela ABTG Certificadora.

C

om sede em São Paulo e apta a aten­ der todo o Brasil, a ABTG Certifica­ dora é um Organismo Certificador es­ truturado para atender as demandas técnicas das in­dús­trias gráficas de cer­ tificação das políticas de qualidade ba­ sea­das na adoção de normas técnicas nacionais e internacionais. Como Orga­ nismo Certificador a ABTG Certificado­ ra tem o papel de auditor neutro, ca­ paz de verificar e confirmar o sucesso de implantações de boas práticas na indústria. O diretor técnico Bruno Mor­ tara explica que o conjunto de certi­ ficações — quatro delas voltadas ao sistema de gestão, qualidade e moni­ toramento e oito aos processos produ­ tivos — forma um sistema consistente e coe­so, capaz de garantir diferenciais competitivos às empresas que trilham o caminho da qualidade. Embora as certificações sejam independentes en­ tre si, a certificação do sis­ tema de gestão da qualida­ de (ABNT NBR ISO 9001) é a recomendada para as em­ presas que estão ini­cian­do a normalização da produ­ ção. “Em geral, este é o pri­ meiro passo, pois prepara a gráfica para trabalhar em conformidade com normas e padrões e facilita o cami­ nho para obtenção das demais”, enfatiza o diretor. A certificação ISO 9001 é uma ferramenta destinada às empresas que necessitam demonstrar a capacidade que têm para fornecer produtos ou ser­ viços que atendam de forma consisten­ te às especificações do clien­te, além de requisitos legais. “Nossos produtos não estão ne­ces­sa­ria­men­te conectados uns aos outros. Começar pela ISO 9001 e, na sequência, obter todas as certificações

ambientais seria uma espécie de ‘gol de placa’ para uma gráfica”. No âmbito da qualidade, outra im­ portante certificação está voltada ao processo de reprodução gráfica, co­ nhecida mun­dial­men­te como ISO 126472, mas no Brasil apoiada na norma na­ cio­nal NBR 15936-1, que engloba, entre outros, os principais requisitos da ISO 12647-2. “O ONS 27 criou esta norma, que atesta que a empresa trabalha com boas práticas em todos os aspectos, desde a entrada do arquivo na gráfica até o produto final impresso”. Fazem parte dos serviços da ABTG Certificadora duas importantes cer­ tificações ambientais: a ABNT NBR ISO 14001 e o Sistema de Manejo Florestal – Cadeia de Custódia (Cerflor). Além das vantagens competitivas e da redução

de custos, as certificações con­tri­buem para uma atua­ç ão am­b ien­t al­m en­te responsável, valorizando a imagem da empresa. “No negócio gráfico, o Cerflor é mais do que necessário. Um dos de­ sa­f ios mais presentes na indústria grá­ fica é justamente demonstrar que seu produto é am­bien­t al­m en­te correto”, observa o diretor. Além dos sistemas de gestão e de meio am­bien­te, a ABTG Certificadora oferece oito certificações de proces­ so, todas elas em conformidade com

Bruno Mortara, diretor técnico

as normas ABNT NBR: sistema de segu­ rança; tintas gráficas; papel; sistemas de iluminação; sistemas de prova física; sistemas de prova vir­tual; papel para prova digital; e de máquinas impres­ soras offset novas e usadas. São tam­ bém oferecidos cursos para o aperfei­ çoamento de profissionais das ­­áreas de gestão, através de me­ todologia específica para o segmento gráfico. A ABTG Certificadora, um organismo independen­ te de entidades setoriais, está atendendo empresas de todo o Brasil. Além da equipe fixa de es­pe­cia­lis­tas que ficam em São Paulo, ela conta com a as­so­cia­ção de consultores de diferentes localidades brasileiras. “Sem dúvida, isso será um grande ganho para que tenhamos con­ dições de am­pliar e estender o trabalho a todas as empresas, de qualquer por­ te, em todo o território na­cio­nal. Isso, com certeza, só trará vantagens para a nossa indústria de impressão gráfica”, declara Bruno Mortara. ABTG Certificadora Telefone: (55 11) 2618-​­2024 E-​­mail: comercial@abtgcertificadora.org.br www.abtgcertificadora.org.br

março /abril 2012  REVISTA ABIGR AF

105 105


MENSAGEM

O

Metas e sonhos

onde o crescimento Podemos, sim, ter um país . hos son e fica seja consequência direta entre metas rcadológico da indústria grá me O empresário gráfico navega is ma são o, orç tura de nossa sociedade e de do imenso esf alto grau de educação e cul do As primeiras, embora exigin em nd pre se pra de mais livros, jornais, s, à medida que poder aquisitivo para a com seu factíveis de serem cumprida o ent am nej pla de embalados em papel‑cartão à capacidade revistas, cadernos, produtos a números frios, suscetíveis ção du pro de o ssão. Por isso, sonhamos rcado, aument outros bens análogos à impre e e gestão, prospecção do me por o, ric oní o (Produto Interno Bruto) das. O univers a destinação de 10% do PIB com e incremento da força de ven sa s ma os, pic utó e defendido isso em toda a nos aparentement ao setor do ensino. E temos sua vez, nos coloca desafios so a nos ític pol rar ão igo rev zaç sa mobili idianamente, comunicação oficial e em nos que devem nos motivar cot barreiras de ção era sup os. à r uíd na stit sio con pul s perante os podere entusiasmo e nos im país no qual os veis. Também sonhamos com um aparentemente instransponí 1 201 em fico setor grá tecnologia e a qualidade estimentos, a boa gestão, a Os números consolidados do inv a bor Em . tas s para garantir a os cumprir me sejam parâmetros suf iciente demonstram que conseguim , ura fat nu ma à ria; uma nação em que e desfavorável competitividade da indúst num cenário absolutament do, agu do mo de elevados e, e o câmbio irresponsável os custos para se produzir premida por juros e impostos o an o hou fec or correncial de nossas bial, nosso set o nivelem a capacidade con nã pela sobrevalorização cam 0,4 os am Fic . quais salários indignos, sua produção fábricas com a de países nos com crescimento de 0,7% em ria úst ind da al l e descompromisso com expansão ger despreocupação ambienta ponto percentual acima da ar am pat o sm me petitivos. ntivemos no lidade são diferenciais com qua de transformação e nos ma de o ent scim a pátria mais segura, pregos, com cre Sonhamos, ainda, com um no tocante à geração de em ximos de zero, trabalho. índices de criminalidade pró com 2,3% no volume de postos de s s ore had bal tra 221.937 bidade e ética sejam dogma Nosso setor fechou 2011 com e na qual os exemplos de pro a no do ís an  pa der Um nsi es. Co instituiçõ s gráficas. inexpugnáveis das próprias empregados formalmente na ília, estamos fam por cumpridas e no qual ros mb nte me me tro tiva efe qua qual as leis sejam média brasileira de il s m nta ece nov . te de quase a impunidade seja extirpada nos referindo a um contingen tas me sas nos de el. É com essa perspectiva de sív nto pos me im pri da cum na Difícil, mas pessoas, às quais o brar ho bal tra ao o Brasil que devemos vislum eito cidadã transformação positiva do empresariais propiciam o dir a pel ia os rad em mo ter o que com ais as as dem ser humano, as eleições municipais e tod e a tudo o que ele oferece ao são al ari sal de a ssa vid ma e e a s relativo , lazer, cultur frente. Câmbio, juros, preços digna, saúde, escolaridade do de crescimento, tas me as entado, educado, desfrutan r pri alim cum a bem o Par . muitas metas; pov melhor qualidade e sab em s Qu . fico hos grá son ios sár cos os, os empre ureza e feliz são pou nat ada nço abe da enfrentando cenários advers s r e conciliar tudo isso. É no o investimentos signif icativo um dia consigamos concretiza têm trabalhado muito, feit , os objetivos tão ges na do a, se aplica acia que podemos viabilizar ocr dem da io rcíc exe em equipamentos e tecnologi ital maiores dos gráficos e sobretudo, valorizado o cap aprimorado o marketing e, . sas pre em as as de todo o povo brasileiro ônio de tod humano, o principal patrim o feit ser e ent am quanto à construção de cisará nov Em 2012, imenso esforço pre dos des lda icu dif um país verdadeiramente Apesar de as para garantir crescimento. um os tem as, desenvolvido. em as mesm juros, impostos e câmbio ser pre sem que es, içõ chamado ele diferencial mercadológico or. O direito ao voto livre e set so nos o acaba estimuland ficos e ser vislumbrado pelos grá soberano, contudo, não dev os nov ger ele er/direito de simplesmente como um dev ial de ou a oportunidade comerc s tivo ele candidatos a cargos ial ter ma os”, nh nti “sa pressão de ampliar os lucros com a im ssos pre im ros out e os etos, panflet promocional, cartazes, folh ente ral. É aqui que está claram típicos da campanha eleito hos. son sos nos e tas (Abigraf) nossas me sileira da Indústria Gráfica delimitada a fronteira entre sidente da Associação Bra

L evi C eregato Pre Regional São Paulo

106 REVISTA ABIGR AF  março /abril 2012


IBF NA VANGUARDA DO CTP

SR

NOVA MILLION SR

- MAIOR TIRAGEM! - MAIOR RESISTÊNCIA! - MAIOR EFICIÊNCIA! - MAIOR BENEFÍCIO SOBRE CUSTO!

T NOVA ECOPLATE T - PRIMEIRA CHAPA ECOLÓGICA IBF! - TECNOLOGIA TÉRMICA PROCESS LESS! - LANÇAMENTO NA DRUPA 2012!

VISITE A IBF NA DRUPA HALL 9-C62 A M E L H O R O P Ç Ã O E M C H A P A S E M 7 0 P A Í S E S.

Revista Abigraf 258  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you