Page 1

revista

issn 0103•572x

revista abigraf 252 março / abril 2011

a r t e & i n d ú s t r i a g r á f i c a • a n o x x x V I • m a r / a b r 2 0 1 1 • nº 2 5 2


Presidente da Abigraf Nacional: Mário César de Camargo Presidente da Abigraf Regional SP: Levi Ceregato Diretora Executiva: Sonia Regina Carboni Conselho Editorial: Cláudio Baronni, Egbert Miranda, Fabio Arruda Mortara, Flávio Tomaz Medeiros, Guilherme Granzote Calil, Levi Ceregato, Manoel Manteigas de Oliveira, Mário César de Camargo, Plinio Gramani Filho, Ricardo Viveiros e Sonia Regina Carboni Elaboração: Clemente & Gramani Editora e Comunicações Ltda. Rua Marquês de Paranaguá, 348, 1º andar 01303-905  São Paulo  SP Administração, Redação e Publicidade: Tel. (11) 3159-3010  Fax (11) 3256-0919 E-mail: gramani@uol.com.br Diretor Responsável: Plinio Gramani Filho Redação: Tânia Galluzzi (MTb 26.897), Ada Caperuto, Ângela Ferreira, Clarissa Domingues, Marco Antonio Eid, Ricardo Viveiros e Tainá Ianone Revisão: Giuliana Gramani Colaboradores: Álvaro de Moya e Claudio Ferlauto Edição de Arte: Cesar Mangiacavalli Produção: Rosaria Scianci e Livian Corrêa Editoração Eletrônica: Studio52 Impressão e Acabamento: Stilgraf Capa/Laminação: Soft Touch (aveludada): UVPack Hot stamping (com fitas Crown) e relevo: UVPack Assinatura anual (6 edições): Brasil: R$ 60,00 América: US$ 70,00 Europa: US$ 80,00 Exemplar avulso: R$ 12,00 (11) 3159-3010

Gravador de emoções

Carlos Oswald, um dos pioneiros da gravura no País, poderia ser chamado hoje de artista multimídia, por ter sido desenhista, pintor, gravurista e ilustrador. Além da atividade artística, ensinou com paixão o ofício da gravura.

Os profissionais de comunicação deixaram de enxergar a mídia impressa como uma plataforma engessada e começaram a explorar suas particularidades e possibilidades. Sergio Picciarelli Junior, da Editora Abril, com relação à inventividade na mídia impressa.

30

Obras concluídas

Depois de dois anos e meio o Sistema Abigraf retornou à sua sede, revitalizada e modernizada, no bairro do Paraíso, próximo ao centro da capital paulista.

75

Para nós é essencial desenvolver grandes clientes e trabalhar para eliminar tabus em relação a um produto que traz ganhos ambientais formidáveis e reduz custos. Marcelo Morgado, assessor de Meio Ambiente da Sabesp, sobre o fornecimento de água de réuso.

Uso racional da água

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

issn 0103•5 72x

A água de reúso começa a chegar à indústria gráfica através de empresas comprometidas com a diminuição do impacto ambiental em sua atividade, contribuindo também na redução de custos.

Seja qual for a tecnologia, nós estaremos utilizando‑a. E aproveito para externar que confio na continuação do papel como um dos bons veículos das minhas histórias. Mauricio de Sousa, quando perguntado sobre o fim das revistas e jornais em papel.

4

revista

arte & indús tria gráfica • ano xxxvi • m ar/abr 2011 • nº 2 5 2

revista abigraf 252 março / abril 2011

ISSN 0103-572X Publicação bimestral Órgão oficial do empresariado gráfico, editado pela Associação Brasileira da Indústria Gráfica/ Regional do Estado de São Paulo, com autorização da Abigraf Nacional Rua do Paraíso, 533 (Paraíso) 04103-000  São Paulo  SP Tel. (11) 3232-4500  Fax (11) 3232-4550 E-mail: abigraf@abigraf.org.br Home page: www.abigraf.org.br

Pedra da Gávea, RJ, 27,30 × 20 cm, 1925

REVISTA ABIGRAF

24

Capa: Igreja de Santo Antônio, Rio de Janeiro, RJ, gravura em metal (água‑forte em cores), 43 × 32,30 cm, 1930 Autor: Carlos Oswald Coleção: Teca e Oswaldo Vergolino


O pai da Mônica

Mauricio de Sousa fala com exclusividade à Revista Abigraf sobre sua carreira e o sucesso da Turma da Mônica, que ele atribui à renovação permanente dos temas, textos e grafismos.

O legado de Ildeu da Silveira e Silva

Mineiro da cidade de Ferros (MG), ele ajudou a ampliar os horizontes da Regional Minas Gerais e da Abigraf Nacional, defendendo valores como honestidade, ética e transparência.

As janelas da interatividade

18 60 88 96 108

Explorando as oportunidades proporcionadas pelas novas tecnologias, criativos desenvolvem anúncios impressos cada vez mais elaborados e exclusivos. Asfalto, tecido, tintas reagentes são alguns dos recursos utilizados.

Registro de época

Exposições no Instituto Tomie Ohtake ilustram os caminhos do design gráfico desde o início do século XX através de cartazes de bonde e rótulos de cachaça.

O mundo visto do alto

Especialista em fotografia aérea, Nilton Souza descortina a beleza dos espaços amplos, valorizando a harmonia e os contrastes entre a arquitetura desenhada pelo homem e a engenhosidade da natureza.

35

Stilgraf mira viabilização de negócios

Entender o cliente é pouco. A Stilgraf quer viabilizar seus projetos e fazer com que os clientes obtenham os melhores resultados com cada peça. Depois dos investimentos em equipamentos, gráfica atualiza o conhecimento de seus colaboradores.

Rotativa��������������������������������������������������������� 6 Aner/25 Anos����������������������������������������������28 Notícias Gráficas: Stilgraf������������������������������35 Aquarius/SP������������������������������������������������40 International Paper/Balanço 2010�����������������42 Gráfica PR/Magistral������������������������������������44 Kodak/ABTG – Evento����������������������������������46 Gráfica SP/Ibratec����������������������������������������48 Gutenberg/Open House��������������������������������50 Gráfica SP/MC Cartões���������������������������������52 Heidelberg/Ricoh�����������������������������������������54 Economia: Resultados de 2010���������������������56

Suzano/Balanço 2010����������������������������������58 Opinião/Roberto Carlos Moreira��������������������62 Deltagraf/Oceano�����������������������������������������64 Grupo Bignardi���������������������������������������������68 Hélcio Honda�����������������������������������������������72 Impressões/Claudio Baronni�������������������������74 Olhar Gráfico/ Cláudio Ferlauto���������������������80 Quadrinhos/Álvaro de Moya��������������������������84 Ilustração/Fabiana Shizue�����������������������������85 HP DSCoop/EUA����������������������������������������102 Sistema Abigraf�����������������������������������������112 Mensagem/Levi Ceregato���������������������������118

MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

5


Em 2011, o Sindigraf-RS completa 70 anos de trabalho dedicado à defesa do setor, à qualificação das empresas e à valorização dos impressos re­ gio­nais. Para comemorar a data, a entidade está organizando um projeto que conta com uma campanha ins­ti­tu­cio­nal, o lançamento da marca comemorativa, exposição em mídia, resgate histórico e um caderno alusivo à data. Fundado em 29 de agosto de 1941, o Sindigraf-RS despontou como um importante agente voltado para a promoção de ações capazes de atender às demandas da indústria gráfica do Rio Grande do Sul e, assim, se fazer presente no seu dia a dia. A ou­tor­ga da Carta Sindical pelo Ministério do Trabalho ocorreu no dia 28 de agosto e representou o pri­mei­ ro ato constitutivo de reconhecimento ofi­cial. Por um longo

pe­río­do a entidade fun­cio­nou dentro da ­Fiergs e, em 1994, adquiriu sede própria. Nesses 70 anos, foram presidentes da entidade os em­ pre­sá­rios José Bertaso, Henry Victor Saat­ kamp, Marco Aurélio Paradeda, Murilo Lima Trindade, Manfredo Frederico Koeh­l er, Pau­l o Roberto Borgatti Cou­ti­nho e Carlos Evandro Alves da Silva. A marca dos 70 anos, lançada no início do ano, agrega ao seu la­yout elementos da identidade vi­sual que nor­teou a logomarca do Sindigraf- RS, em que pingos representam a tinta. A sua concepção e linguagem foram trabalhadas para via­bi­li­zar a sua aplicação nos mais va­ria­dos tipos de ma­te­ riais. A  marca está sendo utilizada desde fe­ve­rei­ro de 2011 e permanecerá até 29 de agosto de 2012, um dia antes de a entidade completar 71 anos. www.sindigraf-rs.com.br

Suzano conclui aquisição da KSR No final de fe­ve­rei­ro a Suzano Papel e Celulose comunicou aos

6

seus acio­nis­tas e ao mercado a celebração do contrato para conclusão da aquisição das operações de dis­tri­bui­ção de papel da KSR junto à Fibria Celulose S.A. O valor ne­go­cia­do foi de R$ 50 mi­lhões. Com a aquisição da KSR, ­maior dis­tri­bui­do­ra do País, amplia-se a capilaridade e presença da Suzano em diferentes re­giões do Brasil, fortalecendo o canal e be­ne­f i­cian­do diretamente os seus clien­tes. A operação confere à empresa a liderança na América Latina em dis­tri­bui­ção própria. www.suzano.com.br REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

A

partir desta edição, a Revista Abigraf passa a contar com um novo Conselho Editorial, que se reú­ne a cada dois meses para analisar e definir os assuntos que compõem a pauta da publicação. Na foto acima, os membros do Conselho (E/D): Fabio Arruda Mortara, presidente do Sindigraf-SP e diretor da Paper Express; Plinio Gramani Filho, diretor da Clemente e Gramani e editor da Revista Abigraf; Egbert Miranda de Toledo, gerente de marketing da Abigraf; Ma­ noel Manteigas de Oliveira, diretor da Escola Senai Theo­bal­do De Nigris; Claudio Baronni, presidente

Foto: Roberto Loffel

Sindigraf-RS comemora 70 anos

Revista Abigraf tem novo Conselho Editorial

do Conselho Diretivo da ABTG e diretor de projetos da Abril; Levi Ceregato, presidente da Abigraf-SP e diretor da Gráfica Levi; Ricardo Viveiros, diretor da Ricardo Viveiros & As­so­cia­dos e assessor de imprensa da Abigraf; e Sonia Carboni, diretora executiva do sistema Abigraf. Flávio Tomaz Medeiros, diretor da FastPrint e diretor financeiro da Abigraf; Guilherme Granzote Calil, diretor da gráfica Dom Bosco e da Abigraf-SP e Mário César de Camargo, presidente da Abigraf Nacional e diretor da Gráfica Bandeirantes, participam também no Conselho mas não aparecem na foto.

Roland aposta na série VersaUV

A

Roland começou a vender em fe­ve­rei­ro no Brasil mais uma impressora da série Versa UV, que integra impressão UV e recorte. O modelo LEC-​­540 tem como di­ fe­ren­ciais a velocidade duas vezes ­maior no modo padrão em comparação ao modelo an­te­rior, o LEC-​­330, e saí­da de impressão de 1,37 m de comprimento. Mais versátil e veloz, suas aplicações são as mais va­ria­das: protótipos de embalagens e rótulos de bai­ xa tiragem, impressão de banners e adesivos para comunicação vi­ sual em geral, gráficos de decoração de in­te­r io­res em pequenos e grandes formatos, películas transparentes para janelas, texturas para personalização de pro-

dutos e pôsteres em papel ou em ou­tros ma­te­riais com ou sem tratamento. Com a LEC-​­540, o usuá­ rio pode, por exemplo, rea­li­zar a impressão, o vinco, o recorte e a aplicação do verniz UV no mesmo processo. “Ela permite a impressão direta em vá­rios tipos de ma­te­riais, entre eles placas de PS e PVC com até 1 mm de espessura, lona, vinil e tecidos, entre ou­tros. Além disso, inclui novas ferramentas para vinco em projetos de embalagens, facilitando a montagem do produto final, e corte pontilhado, para au­xi­liar a remoção de ma­te­riais em excesso”, explicou Wil­lians Lotti, coor­de­na­dor de produtos da Roland. www.rolanddg.com.br


Konica Minolta lança linha bizhub Press no Brasil

Calcgraf apresenta Webgraf Light N

A

Konica Minolta está trazendo para o Brasil a linha de mul­ti­fun­ cio­nais bizhub Press, com foco no fortalecimento de sua posição na área de impressão digital de alta produção. Os pri­mei­ros modelos da linha a chegarem são as bizhub Press C7000 e bizhub Press C7000P. Com maior qualidade de imagem, durabilidade, flexibilidade, con­f ia­bi­li­da­ de e capacidade de volume, os equipamentos trabalham com formatos máximos de papel de 330 × 482 mm, gramatura máxima de 300g/m² e atingem uma resolução de até 1.200 × 1.200 dpi. Além disso, ambos os modelos pos­suem o sistema de

cores Sead II, que combina um conjunto de inovações técnicas, garantindo a reprodução das cores com qualidade e alta velocidade. O di­fe­ren­cial dessa linha é a qualidade de imagem e bai­xa temperatura de fusão em papel espesso, permitindo ­maior flexibilidade com pa­péis diferentes. “Com a inclusão da linha bizhub Press no portfólio bra­si­lei­ro da Konica Minolta, consolidamos nossa posição no mercado de produção digital, que se mostra cada vez mais exigente”, afirma Fuzio Ymayo, gerente de novos projetos da Konica Minolta no Brasil. www.konicaminolta.com.br

Alphaprint comemora Bodas de Prata

A Alphaprint completou em mar-

8

ço 25 anos de atividade, atuando e desenvolvendo soluções para o mercado gráfico e de comunicação visual. A empresa representa no Brasil mais de 20 fabricantes internacionais, líderes de mercado, oferecendo serviços e produtos com tecnologia de ponta e soluções em equipamentos, consumíveis, assistência técnica e consultoria para pré-impressão, impressão offset e digital, acabamento e comunicação visual. Hoje, com uma equipe de mais de 200 profissionais, a Alphaprint

está sediada em São Paulo e possui filiais no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Recife. Para comemorar a data, a empresa desenvolveu um selo comemorativo que fará parte de toda sua comunicação. www.alphaprint.com.br

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

o início de março a Calcgraf lançou o Webgraf Light, o novo módulo de orçamento do soft­ware de gestão da Calcgraf. Ele promete ajudar as gráficas a tirarem o melhor pro­vei­to de seus contatos com clien­tes e pos­sí­veis clien­tes, agilizando a elaboração e o envio de orçamentos. Fácil de usar, o soft­ware permite que o gráfico faça orçamentos com rapidez, segurança e efi­ciên­ cia, am­plian­do assim sua força de venda. Através do aplicativo, o usuá­rio pode montar os orçamentos de qualquer lugar, a qualquer hora, utilizando-se de uma simples conexão de internet. In­tui­ti­ vo, não necessita de conhecimento prévio para sua operação. O custo para a aquisição da licença de uso, suporte e atua­ li­z a­ç ão do Webgraf Light é de R$ 180,00 por mês e não há custo de implantação. Caso o usuá­ rio deseje receber trei­na­men­to, poderá participar gra­tui­ta­men­te

dos fóruns men­sais de formação desenvolvidos pela Calcgraf ou, ain­da, assistir aos ví­deos dis­p o­ ní­veis no próprio Webgraf. Assim como na versão completa, a contratação do Webgraf é fei­ta pela internet, no site da empresa. O Webgraf Light já chega ao mercado preparado para atender também às empresas que ­atuam no segmento de comunicação vi­ sual. A ver s ão completa passa, igualmente, a in­cluir essas ferramentas. Além dos processos offset plano e de impressão digital, o soft­ware contempla a serigrafia e a impressão em plotters. Na lista de substratos entram agora mí­dias fle­xí­veis e rígidas como adesivos, lonas e tecidos. O  sistema está preparado para cálculos au­to­má­ti­cos envolvendo acabamentos específicos desse mercado, como emendas e colocação de ilhoses, varetas e molduras. www.calcgraf.com.br

Cresce oferta de papéis finos homologados para impressão digital A Arjowiggins Security recebeu em março os certificados de homologação dos pa­péis Opalina Lisa Digital e Markatto Stile Digital para impressão nos equipamentos di­gi­tais HP Indigo. Em novembro, a Arjowiggins Security já havia homologado a linha Digital Labels para impressão nestes equipamentos. No mês an­te­rior, a VSP anun­ciou o início da dis­tri­bui­ção dos pa­ péis es­pe­ciais do tra­di­cio­nal fabricante ita­lia­no Fedrigoni. A linha dispensa tratamento prévio com primer e é composta por pa­péis metálicos, com textura marcada a feltro, ve­ge­tais e cou­ché texturizados. www.arjowiggins.com.br  www.vsppapeis.com.br


Antilhas Ásia traz novidades em embalagens para o Brasil

A Antilhas, através de seu escri­ (E/D): Sergio Arruda, diretor regional do Senai e Odivan Cargnin, diretor administrativo-financeiro e de Relações com Investidores da Celulose Irani

Celulose Irani firma parceria com o Senai

A

unidade fabril da Celulose Irani localizada em Vargem Bo­ nita (SC) firmou parceria com o Senai de Caçador e Luzerna (SC) para a rea­li­za­ção de cursos téc­ nicos nas ­­áreas de Celulose e Papel, Mecânica, Elétrica e Qua­ li­f i­ca­ção em Manutenção In­dus­ trial, com o objetivo de po­ten­ cia­li­zar o crescimento pes­soal e pro­f is­sio­nal dos colaboradores da fábrica, além dos moradores da comunidade de Campina da Alegria (SC). Os cursos terão du­ ração de aproximadamente dois anos e estão sendo ministrados desde fe­ve­rei­ro na Escola de Educação Básica Ga­leaz­zo Pa­ ganelli, em Campina da Alegria, divididos nas seguintes turmas: três para o curso em Celulose e

Papel, uma para Mecânica, uma para Elétrica e uma para Qua­ li­f i­c a­ç ão em Manutenção In­ dus­trial. Os cursos técnicos em Celulose e Papel e de Qua­li­f i­ ca­ção em Manutenção In­dus­ trial serão di­re­cio­na­dos exclu­ sivamente para colaboradores e 70% deles serão sub­si­dia­dos pela Celulose Irani. Os  cursos técnicos em Mecânica e Elétri­ ca são di­re­cio­na­dos para os co­ laboradores e também para os moradores da comunidade e terão subsídio de 50% da em­ presa. A  Celulose Irani e o Se­ nai esperam que 175 pes­soas façam os cursos e tirem seus certificados de conclusão. www.irani.com.br www.sc.senai.br

tório na Ásia, ­criou o serviço Anti­ lhas Ásia, que está preparado para a prospecção e o desenvolvimen­ to de novos produtos e serviços, além de toda a operação logística necessária para atender os clien­ tes. A empresa possui duas uni­ dades na China, uma na cidade de Hangzhou (próxima de Xangai e Ningbo) e ou­tra em Hong Kong. O  escritório de Hangzhou con­ ta com pes­soal es­pe­cia­li­za­do no desenvolvimento de novos pro­ dutos e serviços. A  re­gião é alta­ mente in­dus­tria­li­za­da e atende as demandas da Antilhas com diver­ sos insumos, produtos e serviços, estando localizada estrategica­ mente próxima a grandes portos e um ae­ro­por­to in­ter­na­cio­nal e abri­ gando os maio­res operadores lo­ gísticos mun­diais. Desta forma, a Antilhas pretende am­pliar sua pre­ sença pelo mundo, disponibilizan­ do para os clien­tes com rapidez as novidades do mundo in­tei­ro. www.antilhas.com.br

Paper Express é destaque em competição internacional

A

10

Paper Express foi destaque no 2011 Na­tio­nal and Word Calendars Awards, promovido pela Calendar Mar­ke­ting As­so­cia­tion, em Chicago, Estados Unidos, em março. A gráfica conquistou prata nas ca­te­go­rias fotografia e impressão gráfica com o Calendário Planeta Água e bron­ ze na categoria design gráfico com a mesma peça. Essa é a décima pri­mei­ra vez que a parceria entre a Paper Express, o fotógrafo Fa­ bio Colombini, o designer Mau­ro Lima e os pa­péis Vivox é pre­mia­da. “É gratificante e revigorante saber que a busca constante da Paper Ex­ press pelo pio­nei­ris­mo e pela qualidade sem igual é reconhecida em di­ ferentes lugares do mundo”, festejou Fabio Mortara, diretor da empresa. www.paperexpress.com.br REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Andipa de casa nova A administração da As­so­cia­ ção Na­cio­nal dos Dis­tri­bui­do­ res de Papel (Andipa) está ins­ talada em nova sede, na Praça Silvio Romero, em São Pau­lo. A mudança visa favorecer a lo­ gística e otimizar a gestão da as­so­cia­ção e representa uma redução da ordem de 25% nas despesas men­sais com imó­ vel. A  economia, no entanto, não é o único ganho da enti­ dade, que passa a ter localiza­ ção bastante acessível a todos os seus públicos. A entidade representa as empresas de dis­tri­bui­ção de papel e a ­atual diretoria tem se empenhado em reforçar sua atua­ção junto aos gover­ nos, órgãos públicos e de­ mais entidades ligadas ao se­ tor, para que o mercado de papel tenha uma concorrên­ cia sau­d á­vel que garanta a sustentabilidade, não apenas da atividade de dis­tri­bui­ção, mas de toda a ca­deia. Associação Nacional dos Distribuidores de Papel Praça Silvio Romero, 132, 7-º andar, conj. 71, CEP 03323-​­000, São Paulo SP www.andipa.org.br Tels.: (11) 3044-​­2214 / 3044-​ ­2652 / 3849-​­9077 / 3845-​­3219


Fiesp/Ciesp dá curso sobre inclusão de deficientes

Em maio, o sistema ­Fiesp/­Ciesp

promoverá o curso “Inclusão das pes­soas com de­f i­ciên­cia no mer­ cado de trabalho”. O objetivo é transmitir conhecimento e con­ cei­tos sobre a obri­g a­to­r ie­d a­d e imposta pela Lei das Cotas, as­ sim como regras e implicações le­gais para a contratação de pro­ fis­sio­nais com de­f i­ciên­cia nas in­ dús­t rias e empresas bra­si­l ei­r as. Dividido em dois módulos, o cur­ so acontece nos dias 17 e 18 de maio (módulo I) e 24 e 25 de maio

(módulo II), das 9h às 17h30, na sede da ­Fiesp, em São Pau­lo. En­ tre os temas que serão aborda­ dos estão So­cio­lo­gia do Trabalho, Mercado de Trabalho e Normas Jurídicas, Acessibilidade e De­ senho Universal, Elaboração e Gestão de Projetos. Os as­so­cia­ dos da ­Fiesp terão um custo de R$  900,00 e os não as­s o­c ia­d os, de R$ 1.350,00. Mais informações e inscrições pelos telefones (11) 3549.3202 e 3549.3233 ou pelo e-​­mail cursos@ciesp.org.br.

Kodak agiliza entrega no Brasil

Com a abertura de uma nova operação de acabamento e emba­ lagem de chapas di­gi­tais no Brasil em fe­ve­rei­ro, a Kodak está incre­ mentando sua capacidade de atender o mercado. Com capacidade de produção local, a Kodak irá cortar, manter em estoque e fornecer todos os formatos de chapas di­gi­tais offset que possam ser solicita­ dos, sem a necessidade de importá-​­las dos Estados Unidos ou Eu­ ropa. Além disso, a operação local possibilitará melhora do serviço ao clien­te, reduzindo o prazo de entrega global e melhorando sua satisfação. “A demanda de chapas di­gi­tais offset na América Latina está crescendo forte e rapidamente. Nossos clien­tes precisam de agilidade, flexibilidade e um serviço de con­f ian­ça que atenda suas necessidades de produção e que mantenha suas impressoras ro­ dando com qualidade e consistência”, afirmou Gilberto Fa­rias, dire­ tor geral da Kodak para a América Latina, Re­gião Cone Sul. “Trazer a manufatura de chapas offset para perto dos clien­tes da América La­ tina é o pri­mei­ro passo e isso vai nos ajudar a ser mais competitivos, respondendo rapidamente de acordo com suas necessidades”. Novas gerentes – Também em fe­ve­rei­ro, a Kodak contratou duas novas executivas. Lara Venegas Vargas, com formação em Ar­ tes Gráficas e Mar­ke­ting, trabalhou em empresas como Hei­del­ berg, HP e Xerox e traz uma ampla ex­pe­riên­cia no mercado grá­ fico. Ela assumiu o cargo de gerente de Mar­ke­ting de Produto Brasil e seu principal objetivo é implementar es­tra­té­gias para to­ das as linhas de equipamentos e produtos Kodak nos diferentes segmentos da área gráfica. Já Patrícia Pi­nhei­ro, que é agora res­ ponsável pela gerência de Contas dos Dis­tri­bui­ção de São Pau­lo, tem 14 anos de ex­pe­riên­cia na área co­mer­cial da indústria gráfi­ ca e já ­atuou em empresas como Arjowiggins e Antalis. Sua meta é su­per­vi­sio­nar a ação dos dis­tri­bui­do­res de São Pau­lo e dar total suporte às suas necessidades.

12

www.kodak.com.br

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Artes Gráficas deixa de circular N

o mês de fe­ve­rei­ro circulou a última edição da revista co­ lom­bia­na Artes Gráficas. A pu­ blicação, existente desde 1967 e voltada para a indústria gráfi­ ca da América Latina, integrouse à revista Con­ver­sión, publica­ da pela mesma editora, a B2B Portales, desde 1992. A integra­ ção é parte de um plano da editora para enfocar e, portan­ to, atender melhor, determina­ dos setores de ne­gó­cios da re­ gião. A  Con­ver­sión, focada nos

processos de impressão e fa­ bricação de embalagens, con­ ti­nua­rá centrada nos provedo­ res de sistemas de impressão e nas tec­no­lo­gias, processos e modelos em­pre­sa­riais inovado­ res dessa indústria. Os pro­f is­sio­ nais da indústria gráfica latino-​ ­americana que re­ce­biam a Artes Gráficas e que participam do se­ tor de impressão serão transfor­ mados au­to­m a­t i­c a­m en­te em assinantes da Con­ver­sión. www.conversion.com

Rede AlphaGraphics cresceu 38% em 2010 A rede AlphaGraphics no Brasil registrou em 2010 crescimen­ to de 38% sobre 2009, atingin­ do faturamento de R$ 60 mi­ lhões, o que representa cerca de 12% do faturamento global da empresa. Em  2009, a rede bra­si­lei­ra obteve faturamento de R$ 41,47  mi­l hões e expan­ são de 5%. “Nosso di­fe­ren­cial de gestão em relação à concor­ rência, destacando novas tec­ no­lo­gias e mercados, foi talvez o principal fator desse cresci­ mento. Além disso, mesmo no pior momento da crise in­ter­ na­cio­nal, quando mui­t as em­ presas do setor gráfico re­traíam suas ações, mantivemos os in­ vestimentos em mar­ke­ting e co­ municação”, explicou Rodrigo

Abreu, vice-​­presidente in­ter­na­ cio­nal da AlphaGraphics. “Para 2011, esperamos um crescimen­ to de, no mínimo, 30%, paralela­ mente à cria­ção de 140 vagas de trabalho em nossas unidades”, completou o executivo. Com a inauguração das uni­ dades de Goiâ­nia (GO), São Ber­ nardo do Campo (SP) e Chácara Santo Antônio (SP), além da fi­ lial da Barnard & West­wood no Brasil, divisão de impressos de luxo da AlphaGraphics, todas no ano passado, a rede chegou a 21 lojas no País e 620 fun­cio­ ná­rios. Em 2011, serão inaugu­ radas quatro lojas: Fortaleza (CE), Gua­ru­lhos (SP) e duas em Campinas (SP). www.alphagraphics.com.br


quem mantém suas cores consistentes em todos os substratos e em todos os continentes? nós mantemos. Quando se trata de administrar a integridade das cores de suas marcas globais, as corporações deixam seus sistemas de gerenciamento de cores em nossas mãos. E isto não acontece somente pela alta qualidade das tintas e pigmentos que produzimos. Eles escolhem a Sun Chemical devido aos nossos contínuos esforços para inovar, promover formas diferenciadas para aumentar a produtividade e gerar novas oportunidades de lucro. Então, enquanto pudermos lhe assegurar que suas cores permanecerão as mesmas, poderemos também assegurar que nossa tecnologia – e seus negócios – continuarão avançando.

working for you. www.sunchemical.com/brazil


Metrics conquista novos clientes na América Latina A Metrics Sistemas de Infor­

Posigraf entra no mercado global de créditos de carbono

A Posigraf conquistou em março

a certificação ISO 14064, que vali­ da seu inventário de gases do efei­ to estufa de acordo com a meto­ dologia GHG Protocol. De acordo com Giem Gui­ma­rães, diretor ge­ ral, a conquista demonstra o com­ promisso que a empresa man­ tém com o meio am­bien­te. “Essa certificação complementa nossas ações em favor da conservação da bio­di­ver­si­da­de, que já são de­

senvolvidas há bastante tempo e vêm trazendo resultados cada vez mais fa­vo­rá­veis”. Com a obtenção da ISO 14064, a Posigraf poderá, a partir de projetos de redução de emissões de gases do efei­to es­ tufa, ofertar créditos de carbo­ no vo­lun­t á­r ios a ou­tras empre­ sas e organizações, uma vez que todo o seu processo obedece às normas in­ter­na­cio­nais.

mação está comemorando um pe­río­do de expansão de seus ne­g ó­c ios na América Latina. Presente em oito paí­ses da re­ gião, a empresa mantém, há quatro anos, um escritório pró­ prio no México, de onde coor­ de­na as vendas para os clien­ tes da América Central. Além de registrar crescimento nas ven­ das da ordem de 70% ao longo dos últimos dois anos, a ope­ ração in­ter­na­cio­nal da Metrics ini­ciou 2011 com a conquista de seu pri­mei­ro clien­te em El Salvador, a empresa La Pren­ sa Gráfica, ­maior do segmen­ to naquele país. No Equador, onde já vinha oferecendo ges­ tão integrada para o Grupo Grá­ fico Abad, a Metrics conquistou agora a gráfica Imprenta Maris­ cal, com mais de 200 fun­cio­ ná­rios e modernas plantas na capital, Qui­to, e em mais duas cidades. “A  exemplo do Brasil,

os de­mais paí­s es da América Latina estão prio­ri­zan­do a mo­ dernização de seus processos produtivos e começam a sen­ tir uma pressão cada vez ­maior para equilibrar custos e retor­ no sobre o grande investimen­ to que fazem em maquinário”, avalia o diretor geral da Metrics, Osmar Barbosa. Para dar suporte aos clien­tes do México e América Central, a Metrics mantém uma equipe de oito pro­f is­sio­nais de suporte no escritório do México, além de contar com o ­apoio da equipe do Brasil, onde pro­f is­sio­nais bi­ língues estão capacitados para atender os clien­tes de toda a América Latina. “Desde o ano 2000 a Metrics oferece cursos gra­t ui­tos de espanhol a seus colaboradores, sendo que hoje mais da metade dos técnicos da empresa domina o idio­ma”, assinala o diretor geral. www.metrics.com.br

www.posigraf.com.br

Nova solução em embalagens da Rigesa Em parceria com a Scholle Pa­

14

ckaging, a Rigesa apresentou em fe­ve­rei­ro uma nova solução para o acon­di­cio­na­men­to de óleo ve­ getal e líquidos em geral: a em­ balagem Jerribox, já utilizada na Europa. “A grande vantagem da Jerribox é que ela permite que os clien­tes con­ti­nuem utilizan­ do o seu ­atual sistema de enva­ se, não necessitando de adapta­ ção e investimento na linha de produção”, afirma Ailton Pupo, gerente de Desenvolvimento de Ne­gó­cios da Rigesa. Com pos­ sibilidades de capacidade entre

5 e 20 litros, a embalagem tem cartucho pré-​­montado com bol­ sas dobradas de forma es­pe­cial e embalagem de papelão ondula­ do de alta resistência. “ A Jerribox é uma solução que reú­ne a faci­ lidade de ma­nu­seio das embala­ gens fle­xí­veis e as vantagens das embalagens rígidas de papelão ondulado. Ela garante ao clien­ te um ­maior apro­vei­ta­men­to em armazenamento e logística, é de fácil lavagem e descarte, possi­ bilita enchimento em alta velo­ cidade, além de ser reu­ti­li­z á­vel e 100% reciclável”, conclui Pupo.

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Investimentos na MWV – No final do ano passado, a MeadWest­va­ co Cor­po­ra­tion, grupo do qual a Rigesa faz parte, anun­ciou inves­ timentos na expansão das ope­ rações da Rigesa com o objetivo de atender a crescente deman­ da por soluções de embalagens de alta qualidade. A empresa in­ vestirá cerca de US$ 480 mi­lhões em sua fábrica de papel locali­ zada em Três Barras, Santa Ca­ tarina, por meio da instalação de uma nova máquina de papel de última geração que dobra­ rá a capacidade dessa unidade.

O término da construção e ins­ talação da nova máquina está planejado para mea­dos de 2012. Ela tem capacidade de produção de 300.000 toneladas ­anuais de papel kraftliner para uso nas fá­ bricas de conversão da Rigesa, localizadas na maio­r ia das re­ giões do Brasil. O  investimento será fi­nan­cia­do por meio de uma combinação de recursos inter­ nos e externos. A MWV opera no mercado bra­si­lei­ro desde 1953 e atual­men­te emprega mais de 2.500 pes­soas no País. www.mwv.com


Papéis Lenzing Papier na Vivox

WG Papéis conquista selo FSC

T

ra­di­cio­nal dis­tri­bui­do­ra de pa­péis gráficos e edi­to­riais, a Vivox distribui desde março o papel Lenza Eco e o cartão Lenza Top, fabricados pela aus­tría­ca Lenzing Pa­pier. Produzidos com 100% de fibras recuperadas por processo de reciclagem, sem a utilização de alvejantes óticos ou quais­quer ou­tros componentes químicos, os pa­péis trazem certificação FSC, cor branca com alvura natural e lisura su­pe­ rior, pro­por­cio­nan­do sensação táctil agradável. A linha Lenza tem resolução de quadricromia e desempenho em máquina su­pe­rio­r e adequa-se à produção de livros, ma­nuais, re­la­tó­rios corporativos e ou­tros impressos O papel Lenza Eco está disponível para pronta entrega em 60, 70 e 80 g/m² e Lenza Top em 250 e 300 g/m². www.vivox.com.br

A

WG Pa­p éis, dis­t ri­b ui­d o­r a com sede em São Pau­lo, conquistou em fe­ve­rei­ro a certificação FSC, em apenas 39 dias, e teve como certificadora a As­ so­c ia­ç ão Portuguesa de Certificação (Apcer), acreditada pelo SQS no Brasil. A WG Pa­péis cresceu de forma significati-

Heidelberg China produz sua milésima impressora A

16

Hei­del­berg China atingiu a marca de 1.000 impressoras produzidas na linha de montagem de Qingpu, próximo à cidade de Xangai, no mês de dezembro. A impressora de número 1.000 é uma Speed­mas­ter CD 102, com quatro cores, em breve será instalada na gráfica Jinangxi Jinrui Print, de Nangchang. “Atual­men­ te a fábrica de Qingpu produz uma em cada três impressoras vendidas pela Hei­del­berg China. Nossa estratégia de estabelecer uma produção própria de equipamentos no país está gerando

resultados e nos permite fortalecer nossa posição no mercado local”, explicou Bernhard Sch­r eier, presidente mun­d ial da Hei­del­berg. A Hei­del­berg China emprega diretamente 310 fun­cio­ná­ rios. A próxima fase de am­plia­ ção, com entrega prevista para a metade do ano de 2011, au­ men­t a­r á a área produtiva total para 66.000 m² e con­tri­bui­rá diretamente para ­atrair a instalação de novos fornecedores na re­gião. www.heidelberg.com

www.wgpapeis.com.br

Burti apresenta primeira peça transmídia A

Burti lançou em março seu pri­mei­ro trabalho transmídia, em parceria com o Grupo Abril. O Projeto Camarim foi originado no Curso Abril de Jornalismo 2011 e possui um vídeo com dicas de ma­quia­gem. Nele, o in­ter­nau­ta tem a possibilidade de interagir com todos os cosméticos utilizados na gravação, solicitando mais informações sobre cada um deles e sendo di­re­cio­na­do para uma loja vir­tual, onde pode adquiri-lo. Com o novo serviço, a Burti dá à comunicação uma nova dimensão em abrangência de ­meios e contato com o público. Os alunos da Editora Abril foram res­pon­sá­veis pelo ro­tei­ro e a Burti via­bi­li­zou a produção do filme e a parte tecnológica, que possibilitou a interatividade e migração para ou­ tro meio. “A tecnologia da Burti pode ser aplicada em ro­tei­ros não li­nea­ res para peças pu­bli­ci­tá­rias ou em merchandising na dramaturgia. O modelo permite que a TV aberta seja um convite para ou­tras mí­dias di­gi­tais e interativas. Além disso, elas podem ser utilizadas si­mul­ta­nea­men­te em toda a plataforma, de acordo como a história está sendo contada”, destacou Ricardo Godoy, diretor de Transmídia da Burti. www.burti.com.br

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

va em oito anos de atividade. Em 2008, a empresa expandiu suas instalações, mudando para a sede ­atual, em uma área de 1.500 m² na zona leste de São Pau­lo, e ini­ciou também investimentos na am­plia­ção da linha de produtos.


TECNOLOGIA é a evolução constante dos processos gráficos. Konica bizhub press C7000 Impressora / Copiadora / Scanner - Tecnologia de impressão: laser eletrostático - Velocidade de impressão: 71ppm - Resolução de Impressão: 1200x1200 dpi - Tamanho de papel: até 330 x 482mm - Gramatura: até 300 g/m² - Duplex automático: até 256 g/m²

Guilhotinas Perfecta 115/132

- Guilhotinas

lineares com largura de 115, 132cm ou maiores; - Equipamentos reúnem as condições para responder as demandas do mercado. Equipadas com painel “Touch screen” com visualização gráfica. com memória para 30.000 programas de corte; - Disponíveis com sistemas totalmente automáticos de carga e descarga.

Corte e Vinco BaoDer 1050 C

- Máquina de corte e vinco automática operada por painel “Touch Screen” com todas as informações disponíveis. - Formato máximo de 1050x750mm e com velocidade de 7.500 folhas por hora. - Equipamento perfeito para trabalhar com cartões ou papel é o equipamento mais versátil com opção de configuração com destaque e sistema de aplicação de “Hot Stamp”.

Virador de pilha Bush

Viradores de pilhas com vibração e aeração para papeis, cartões e materiais especiais disponível a partir do formato 600x750mm. O resultado do equipamento além de virar a pilha aumenta a produtividade e qualidade da impressão das etapas posteriores. Antes da impressão: - Eliminação do pó; - Separação das folhas; - Climatização do material antes da impressão.

Depois da impressão: - Eliminação do excesso de pó; - Acelera a secagem; - Redução de odores; - Redução da carga estática.

Entre em contato com um representante Gutenberg Rua Conselheiro Nébias, 1131 - CEP 01203-902 São Paulo - SP telef.: 55 11 3225 4408 - fax: 55 11 3225 4342 Vendas regionais: Belo Horizonte - Curitiba - Porto Alegre www.gutenberg.com.br


ENTREVISTA Clarissa Domingues

Mauricio de Sousa

O homem de um bilhão de exemplares Mauricio de Sousa fala à Revista Abigraf sobre sua carreira e explica por que, há mais de cinco décadas, a Turma da Mônica conquista um mercado cada vez mais expressivo.

18 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

s 51 anos de uma história que começou nos quadri­ nhos foram co­roa­dos recen­ temente com uma demons­ tração de grande prestígio, um título para pou­cos, que denota seu detentor como “um dos guardi­ ões da língua portuguesa”. Com incentivo de amigos e a expressiva aprovação de seus colegas acadêmicos, Mau­r i­cio de Sou­sa pas­ sou a ocupar a ca­dei­ra número 24 da Aca­ demia Pau­lis­ta de Letras (APL). Ainda que não seja um au­tor de literatura con­ven­cio­ nal e mesmo sem ter ja­mais publicado ro­ mances, ninguém duvida que ele seja um grande escritor. Afinal, sua trajetória fala por si: são mais de um bilhão de exemplares publicados em cinco décadas. Amante dos livros, o eterno pai da Mô­ nica procura incessantemente sa­ciar, des­

de cedo, a fome que tem pela lei­tu­ra. Seu português invejável trou­xe a ele a possi­ bilidade de ­atuar como repórter na extin­ ta Folha da Manhã (­atual Folha de S. Pau­lo), fato que lhe abriu portas para o mundo dos quadrinhos no início de sua car­rei­ra. Mui­tos foram os seus grandes momen­ tos: a cada lançamento de um novo perso­ nagem ou título, Mau­r i­c io experimenta um gostinho renovado de orgulho pelo fi­ lho recém-​­nascido. Após tantos anos, seus personagens queridos por vá­r ias gerações estão mais vivos do que nunca. O segre­ do dessa longevidade vem do perfil agu­ çado de manter-se antenado com o que há de mais ­atual no universo infanto-​­juvenil. Sua equipe re­chea­da de jovens talentos ga­ rante uma linguagem acessível, de fácil identificação com os novos lei­to­res (e os antigos também). Assim, o novo “imortal”


da APL fala à Revista Abigraf sobre sua car­rei­ra e conta como a Turma da Mônica conquistou o mundo.

dis­tri­bui­do­ras americanas chama­ das de syndicates, para enfrentar a concorrência com alta produção.

Recentemente o senhor foi no­mea­ do membro da Academia Pau­lis­ta de Letras. O que isso representa, também pelo fato de ser a pri­mei­ra pessoa da APL que não é um au­tor de literatura con­ven­cio­nal? Mau­r i­c io de Sou­s a – Quan­d o fui convidado por alguns amigos escri­ tores para me candidatar a uma ca­ dei­ra na academia, a princípio, estra­ nhei. Não estava preparado para esse convite. Afinal, além dos gibis, ain­da que publicados aos milhões, não me acho um escritor con­ven­cio­nal. Es­ crevo crônicas. Alguns livros infan­ tis com uma narrativa propositada­ mente leve, textos curtos. Ainda não escrevi o grande romance da minha vida, por enquanto estou vivendo-o. Mas, de tanto insistirem, concordei. E para minha satisfação já faço par­ te da academia na qual fui acei­to com expressiva votação dos colegas.

O senhor ­atuou como repórter po­ li­c ial, um tipo de trabalho que nos expõe a uma rea­li­da­de dura do co­ti­ dia­no. De algum modo esse trabalho prévio in­f luen­ciou a cria­ção dos seus personagens? MS – O pe­r ío­do de repórter me en­ sinou a escrever com concisão, o que me ajudou para os textos “caberem” nos balões. Mas os personagens fo­ ram, no início do processo, ba­sea­dos em crian­ças que eu conhecia: filhos, principalmente, e amigos.

No início de sua car­rei­ra o senhor ­atuou na Folha da Manhã. Começar em um jornal de prestígio facilitou de algum modo sua consagração nesse tipo de literatura — tendo em vista que, es­pe­cial­men­te no Brasil, não existe mui­to espaço no mercado de trabalho para os pro­f is­sio­nais de quadrinhos? MS – Sem dúvida quei­mou etapas. Um gran­ de jornal nos expõe com mais força para con­ti­nuar­mos ou desistirmos de vez.

A que se deve atri­buir o sucesso de seus personagens mesmo após tantos anos de sua cria­ção? MS – Provavelmente à renovação permanente que temos utilizado nos textos, temas e grafismos, so­ mada ao importante trabalho de equipe em que todos con­t ri­buem com sua energia e cultura. Sem­ pre uma boa parte da equipe é mui­to jovem.

Além do senhor, temos alguns pou­cos nomes de destaque nos quadrinhos bra­si­lei­ros (sem contar os desenhistas na­c io­nais que estão trabalhando com a Marvel e a DC Comics, por exemplo). É mesmo difícil ser quadrinista no Brasil? MS – Abrir um novo caminho e firmar-se nele sempre é difícil. Em qualquer profis­ são. A dificuldade ­maior no meu caso foi competir com ma­te­rial es­tran­gei­ro que che­ gava, e ain­da chega, em grande quantidade a preços bai­xos. Tive que montar um pro­ cesso de produção com equipe e ­criar um sistema de re­d is­tri­bui­ção, nos moldes das

19 MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF


Alguns personagens seus remetem a uma manifestação de inclusão so­cial. O Humberto (surdo/mudo), o André (au­tis­ta), a Dorinha (cega) e o Luca (ca­dei­ran­te). Quan­do percebeu que poderia ­apoiar uma cau­sa por meio dessas cria­ções? Como surgiu essa i­ deia? MS – O lei­tor entende melhor uma men­ sagem passada por um semelhante. Se va­ mos falar com um ca­dei­ran­te, temos que entender o seu mundo, suas característi­

cas, an­seios e problemas. O mesmo para um de­f i­cien­te vi­sual ou para ou­tros casos semelhantes. Assim, resolvi preen­c her o mundinho da Turma da Mônica com mais alguns amiguinhos com algum tipo de de­ fi­ciên­cia. Não estava fazendo nada além de uma cópia da rea­li­da­de vivida pelas crian­ ças em todos os lugares. Eu mesmo, quando crian­ça, vivia brincando com amigos com um ou ou­tro tipo de de­f i­ciên­cia na minha

rua, na infância, em Mogi das Cruzes (SP). Por que não sugerir a inclusão também na turminha fic­cio­nal? E apro­vei­tar para fazê-​ ­los portadores de mensagens oportunas, ne­ces­sá­r ias, nas nossas revistas es­pe­ciais? Tem dado excelentes resultados. Existe a intenção de ­criar ou­tros personagens com essas características? MS – Vai depender de mais estudos e necessidades. Por exemplo, estou estu­ dando a cria­ç ão de um personagem com síndrome de Down. Mas ain­da não termi­ nei a construção de sua personalidade e do seu mundo. Qual tem sido a repercussão disso? MS – Mui­to positiva, por parte dos lei­ to­res próximos ou distantes de crian­ç as com de­f i­ciên­cia. Conte-​­nos ­quais foram os grandes momentos de sucesso da Turma da Mônica desde a pri­ mei­ra vez em que foi publicada. MS – Mui­to difícil falar de todos os bons momentos de crescimento da turma. Mas sem dúvida o lançamento das revistas de cada um foram momentos marcantes. De­ pois, foram emo­c io­n an­tes os momentos em que lançamos os pri­mei­ros desenhos animados no cinema ou na TV. A abertura para o li­cen­c ia­men­to também foi impor­ tante, pois nos permitiu a independência 

20 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011


econômica. As pri­mei­ras revistas ou jor­ nais publicando nosso ma­te­r ial no ex­te­r ior marcaram fundo. Fizeram-​­nos ver que as crian­ças são ­iguais no mundo todo na bus­ ca do lazer nos quadrinhos. E finalmente as ­­áreas tematizadas nos deram grandes ale­ grias. E algumas tristezas, quando uma de­ las tem que ser des­con­ti­nua­da. Finalmente, hoje, nossa atenção e busca de resultados está centrada no esforço que dedicamos ao tema educação, aqui e no ex­te­r ior. Julgo que é a matéria-​­prima com a qual temos que trabalhar cada vez mais e melhor. Como foi a conquista do mercado in­ter­na­cio­ nal? Existe algum projeto de in­ter­na­cio­na­li­ za­ção? ­Quais paí­ses publicam as his­tó­r ias? MS – Não considero que tenhamos con­ quistado o mercado in­ter­na­c io­nal. Esta­ mos longe disso. E nem é nossa pretensão. Temos, isso sim, um projeto em andamen­ to que prevê tiras nos jor­nais, revistas, de­ senhos animados em TVs e cinemas, atua­ ção em ­­áreas edu­ca­cio­nais, como na China e no Viet­nã, atual­men­te. E nesse proces­ so já atingimos dezenas de paí­ses com um ou ou­tro dos nossos produtos. Mas é um trabalho como o da “formiga chinesa”: de­ vagar e sempre, somando pequenas con­ quistas para formarmos o bolo. Mas, para se ter uma ­ideia do andamento de alguns dos nossos planos vivos, eu poderia falar do sucesso do personagem Ronaldinho Gaú­cho no mundo. Já é publicado em mais de 30 idio­mas. Qual a tiragem mensal de gibis da Turma da Mônica no Brasil? E no ex­te­r ior? MS – São dados que não posso fornecer por imposição de contratos. Mas já pu­bli­quei mais de um bilhão de exemplares nesses 51 anos de trabalho. A revista da Turma da Mônica Jovem é a publicação mais vendi­ da em bancas do País, por exemplo. No ex­ te­r ior há publicações de revistas, tiras em jor­nais e revistas es­pe­ciais.

22

Os gibis da Turma da Mônica seguem o “ formatinho”. Já hou­ve a ex­p e­r iên­c ia de publicar as his­tó­r ias em ou­t ros formatos, fazer algo mais elaborado graficamente, com ou­t ros tipos de pa­péis, acabamentos, recursos vi­suais? REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

MS – Hoje temos uma linha de es­pe­ciais que diferem em formato. Os livrinhos de tiras em formato de bolso, os livros infantis em diversos formatos, os es­pe­ciais da Turma da Mônica em formato americano e ou­tras possibilidades que estamos estudando. Por que a publicação da Turma da Mônica Jovem é fei­ta no formato de mangá? É uma questão de tendência? MS – Há anos venho percebendo o sucesso dos mangás com o público jovem, que es­ tava migrando de nossas revistas para esse estilo japonês de historinhas. Então cria­ mos uma espécie de “mangá caboclo” para atingir esse público. Deu certo.

Uma das grandes discussões do momento é sobre o fim das revistas e jor­nais em papel. Dá para ler gibi só na versão digital? MS – Não importa a plataforma onde se pu­ blica o quadrinho: o con­teú­do sendo bom e cria­ti­vo atrai o público lei­tor. O sucesso da Turma da Mônica Jovem demonstra isso. Foi lançada em plena era tecnológica, em que crian­ças têm celulares, computadores, MP3, jogos avançados e atingiu um público como não acontecia nos últimos 30 anos. Mas seja qual for a tecnologia, nós estare­ mos utilizando-a. E apro­vei­to para externar que confio na con­ti­nua­ção do papel como um dos bons veí­cu­los das minhas his­tó­rias. As plataformas vão conviver.


Cresça com a encadernadora Acoro.

Reginalvo Gama (à dir.), diretor-presidente da GRASB, e Cesar Del Nero, da Müller Martini, no novo parque industrial em Salvador.

A encadernadora em lombada quadrada Acoro oferece menor tempo de preparação, alta qualidade de encadernação e operação muito simples. Ideal para a produção de pequenas, médias e grandes tiragens, possibilita a produção de livros com espessura de 3 a 60 mm em vários tipos de encadernação: brochura suíça, Otabind, Repkower ou revista inglesa. O sistema de ajuste e troca automática torna o equipamento rápido e simples de operar. Disponível em duas versões, com velocidades de 6 mil e 7 mil ciclos por hora, a encadernadora Acoro é um sucesso comprovado com mais de 20 máquinas instaladas no Brasil.

www.mullermartini.com.br Telefone: 11 3613 1000

Flexibilidade nos sistemas de colagem A GRASB - Gráfica Santa Bárbara, a maior e mais moderna gráfica da Bahia, apostou na Acoro A5 para o acabamento de seus produtos editorias de altíssima qualidade. O equipamento, que opera com hotmelt e também PUR, é o terceiro da Müller Martini na empresa: uma máquina de costura Ventura MC para 12 mil cadernos/hora e a alceadeira-grampeadeira Prima Plus para 14 mil revistas/hora também estão no novo parque gráfico da empresa. Faça como a GRASB: Cresça com a Müller Martini.


Carlos Oswald 24 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011


Coleção Família Oswald

ARTE

Sob o peso do clima modernista, Carlos Oswald, um dos pioneiros da gravura no Brasil, optou por se manter acadêmico. Tornou-se um clássico, embora sendo mestre de importantes artistas, alguns deles inovadores e até mesmo revolucionários. E não apenas na temática, como também na técnica de gravar emoções. Ricardo Viveiros

1 Teresópolis, RJ, gravura em metal gravada em Petrópolis (água‑tinta, água-forte e ponta‑seca), 27,30 × 20 cm, 1925

MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

25


2

Um mestre da gravura 3

2 Última Ceia, Rio de Janeiro, RJ, gravura em metal (água‑tinta e água-forte), 40 × 62 cm, 1923 3 Pedra da Gávea, RJ, gravura em metal gravada em Petrópolis (água‑forte, água‑tinta e ponta‑seca aquarelada), 27,30 × 20 cm, 1925 4 Cristo Redentor (reprodução fotográfica de desenho feito por Carlos Oswald como ideia inicial para o principal monumento do Rio de Janeiro, inaugurado em 1931). 20 × 18 cm, s/d.

omo ou­tros artistas es­tran­gei­ ros que escolheram o Brasil para viver, Carlos Oswald, nascido em 1882 em Florença (Itália), cons­t ruiu aqui sua car­rei­ra de cria­dor e mestre. Na verdade, Oswald sempre foi bra­si­lei­ro. Seu pai, o pia­nis­ta, compositor e maes­tro ca­ rio­ca Henrique Oswald estudou e trabalhava na Europa, com bolsa do imperador Dom Pedro II, quando casou-se com a ita­l ia­na Lau­do­mia Gasperini. Ao nascer o filho, registrou Carlos no Consulado do Brasil. O músico, embora bem sucedido, ja­mais esqueceu sua terra natal. Carlos Oswald, morando na Europa, teve dois trabalhos pre­mia­dos na importante Expo­ sição Geral da Escola Na­cio­nal de Belas Artes do Rio de Ja­nei­ro, com Menção Honrosa (1904) e Medalha de Prata (1906). Os quadros foram en­v ia­dos pelo pai, que sempre apostou no seu talento para a pintura, embora tenha ensina­ do-​­l he música. Carlos, formado em Florença — estudou Matemática e Física no Instituto Ga­ lileu, Arte na Escola de Belas Artes e no ateliê de Edoar­do Gelli, onde também trabalhou —, veio ao Brasil pela segunda vez em 1913, para mostrar seus quadros. Com a 1ª‒ Guer­ra Mun­ dial, a família não retornou à Europa. Henrique Oswald, convidado para assumir a direção do Instituto Na­cio­nal de Música do Rio de Ja­nei­ ro, percebeu que era a hora de ficar no Brasil. No início dos anos 1900, os Oswald se radica­ ram aqui, com Henrique se tornando professor de pia­no, além de seguir compondo e regendo. O pioneiro

Seu filho Carlos — que na Europa havia tido a in­f luên­c ia do artista norte-​­a mericano Carl ­Strauss, filho de alemães — já fazia águas-​­fortes e gravuras. Com o domínio das chapas de co­ bre, buris, tintas, vernizes e até mesmo de uma prensa elétrica, não foi difícil montar a sua pri­

26 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

mei­ra “oficina” no Brasil. Pou­co tempo de­pois le­c io­na­va gravura, técnica não apenas desco­ nhecida naqueles tempos, como mui­to difícil. Carlos gostava de de­sa­f ios. A busca da per­fei­ ção, fundamentada em estudos técnicos per­ manentes e res­pei­to à estética, que aprendeu na arte clássica ita­lia­na, im­pul­sio­na­ram seu inegá­ vel talento para um pio­nei­r is­mo comprometido com qualidade e beleza na arte de gravar. Inte­ grado à efervescente vida cultural do Rio de Ja­ nei­ro, em 1914 inaugurou e dirigiu a Oficina de Gravura do Liceu de Artes e Ofí­cios. Nessa época, percebe-se na obra do artista grande cui­da­do com forma, estilo e linguagem. Em seus trabalhos está um traço firme que faz surgir volumes em contrastes de claro e escuro, valorizando, de ma­nei­ra sutil embora intensa, a expressão pretendida nas figuras humanas ou de ani­mais, nas pai­sa­gens e cenas do co­ti­ dia­no. Nessa fase, está a importância que Car­ los Oswald tem para um significativo momento da arte no Brasil. Além de uma presença mar­ cante do simbolismo, também havia uma bus­ ca de soluções acadêmicas como forma de não permitir a suposta morte do clássico. Perce­ be-se isso na tela a óleo de Carlos, Boi com Carro Vermelho (1918), e em algumas pai­sa­gens como a fachada da casa do pintor em Petrópo­ lis (RJ), produzidas no início dos anos 1920 — todas simbolistas. Por ou­tro lado, em grandes mu­rais para edi­f í­cios e também em obras de cunho re­l i­g io­so, retratos e gravuras mais for­ tes, está o vigor acadêmico mesmo sob visível, embora contida, emoção. O desenho e a gravura, nos anos 1940, to­ maram grande impulso no Brasil. Nessa altu­ ra, res­pei­ta­do como pio­nei­ro e mestre, Carlos 4


5

6

5 Pedra de Itapuca Icaraí, Niterói, RJ, gravura em metal (água‑tinta aquarelada), 18,50 × 27,50 cm, 1940 6 Supremo Esforço, Itália, gravura em metal (água‑forte), 37,90 × 41,60 cm, 1909 7 Carregando Madeiras, Itália, gravura em metal (água‑forte e água‑tinta), 22,20 × 54,40 cm, 1909

Oswald destacava-se entre artistas do passa­ do e do presente, como Eliseu Visconti, Hen­ rique Alvim Corrêa, Augusto Marques Jú­nior, Henrique Ca­val­lei­ro, Ra­fael Bordallo Pi­nhei­ ro, Álvaro Mo­rei­ra, Rai­mun­do Cela, Lasar Se­ gall, Oswaldo Goel­d i e Di Cavalcanti, mui­tos deles com importante trabalho gráfico. Vi­ riam mais tarde, nos anos 1950, Mira Schen­ del, Lizarraga, Evandro Carlos Jardim, Regi­ na Sil­vei­ra, Massuo Nakakubo, Romildo Pai­va e Fábio Magalhães. O mestre

Imagens: Acervo Museu Nacional de Belas Artes/Ibram/MinC 3•572 issn 010

x

revista

gráfica dústria arte & in

br i • mar/a • ano xxxV

252 2 0 1 1 • nº

Carlos poderia hoje ser chamado de “multimí­ dia”. Era desenhista (fez belos nanquins), pin­ tor (óleo, guache, água-​­forte), gravurista (pre­ dominância em metal), ilustrador, além de ter fei­to vi­trais e mu­rais. Em parceria com o en­ge­ nhei­ro ca­r io­ca Hei­tor da Silva Costa, o artis­ ta fez os desenhos do mais importante monu­ mento bra­si­lei­ro — uma das sete maravilhas do mundo moderno —, o Cristo Redentor, fixado no alto do morro do Corcovado, no Rio de Ja­ nei­ro. Seus croquis serviram para que o escul­ tor franco-​­polonês Paul Landowski, em Paris (França), pudesse fazer a estátua. Além da obra artística de Carlos Oswald, tem fundamental importância o seu exercí­ cio do magistério por cerca de quatro décadas.

Ele não apenas ensinava, mas despertava pai­ xão pela gravura. O mestre lutou contra as ad­ versidades, tendo que fechar e abrir lo­cais de ensino, além de perder parte da visão. Foram seus alunos Poty Lazarotto, Hans Stei­ner, Hen­ rique Bernardelli, João e Arthur Timótheo da Costa, Pedro Bruno, Orlando DaSilva e Fayga Ostrower, entre ou­tros. Carlos Oswald dei­xou um livro de me­mó­ rias, Como me Tornei Pintor, publicado em 1957. Seu acervo de gravuras está no Museu Na­cio­nal de Belas Artes do Rio de Ja­nei­ro. Em 2000 foi publicada Carlos Oswald (1882–1971): Pintor da Luz e dos Reflexos, de Maria Isabel Oswald Mon­ tei­ro (sua filha), obra re­fe­ren­cial editada pela Casa Jorge. Ba­sea­do no artista foi produzido em 2007 um filme de longa metragem, Carlos Oswald – O Poe­ta da Luz, com direção de Régis Faria. Em 2010, com curadoria de Pau­lo Leo­ nel Gomes Vergolino, o mestre Carlos Oswald, morto em 1971, mereceu justo resgate da sua importância para a arte bra­si­lei­ra com excelen­ te exposição que o levou aos públicos do Rio de Ja­nei­ro e de São Pau­lo, pela Cai­x a Cultural.

/ abril f 252 março revista abigra

2011

7

Capa

Igreja de Santo Antônio, Rio de Janeiro, RJ, gravura em metal (água‑forte em cores), 43 × 32,30 cm, 1930

27 MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF


Aner comemora o bom momento do setor de revistas Há 25 anos, a entidade batalha pela consolidação e fortalecimento das empresas do segmento de revistas, que permanece firme como o terceiro mais forte canal de comunicação do País.

M

28

esmo com a pulverização cada vez ­maior do público, e dian­te da dispu­ ta da au­d iên­cia com uma nova ofer­ ta de ca­nais de no­tí­cias — a exemplo dos tablets —, as revistas mantêm seu espa­ ço como o ter­cei­ro meio de comunicação na preferência do público e, melhor ain­da, dos anun­cian­tes. Elas detêm 7,37% de par­ ticipação no mercado, ficando atrás ape­ nas da televisão, com liderança absoluta de 63,11%, e dos jor­nais (com 12,48%). O fa­ turamento do setor foi de R$ 29,4 bi­l hões em 2009, de acordo com informações do Projeto In­ter­meios. Esses números são uma pequena amos­ tra de que as perspectivas con­t i­nuam apontando para um horizonte promissor. “Nos contatos com entidades similares fora do País, vemos que a produção na­cio­ nal não deve nada à es­tran­gei­ra em relação ao con­teú­do e co­mer­cia­l i­za­ção”, avalia Ro­ berto Muy­laert, presidente da As­so­cia­ção Na­cio­nal de Editores de Revistas (Aner). A defesa permanente da liberdade de expressão edi­to­r ial e co­mer­c ial é um dos grandes de­sa­f ios que a entidade enfren­ ta para con­ti­nuar crescendo neste merca­ do. Em 2011, a entidade sem fins lucrati­ vos que representa as editoras de revistas pe­r ió­d i­cas de consumo, completa 25 anos. “Representamos 70 editoras e estamos em­ penhados na discussão dos grandes proble­ mas políticos, econômicos e so­c iais re­l a­ cio­na­dos ao desempenho do setor”, reflete o presidente. “A entidade foi cria­da com o objetivo de promover e defender os inte­ resses comuns do mercado de revistas, edi­ to­r ial e co­mer­cial, nos seus mais diversos segmentos, seja na mídia impressa ou ele­ trônica. Ao longo desses anos, protegemos REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Roberto Muylaert, presidente

os interesses da classe, atuan­do intensa­ mente com as ins­ti­tui­ções go­ver­na­men­tais e em­pre­sa­r iais, as entidades se­to­r iais e as organizações co­mu­ni­tá­r ias”.

serviço de “impressos es­pe­c iais”, mesmo para pequenas quantidades. O acordo tam­ bém permite que o serviço de mala direta postal seja utilizado para quantidades de dois mil exemplares; editoras não as­so­cia­ das à Aner precisam de 5 mil exemplares para isso. Outra conquista apontada pelo presidente foi a rea­l i­za­ção, em São Pau­lo, da World Magazine Marketplace (WMM), a ­maior fei­ra de li­cen­cia­men­to e dis­tri­bui­ ção do setor, com a presença de mais de 200 editores do mundo in­tei­ro. Vá­r ios ou­t ros desempenhos positi­ vos foram registrados pela Aner nesses 25 anos, con­tri­buin­do para solidificar o setor, a exemplo da organização de eventos que se tornaram referência para a atua­li­za­ção pro­ fis­sio­nal do segmento e serviram para re­ presentar o mercado de revistas bra­si­lei­ras na­cio­nal e in­ter­na­cio­nal­men­te. “Nosso tra­ balho visa au­men­tar a participação do se­ tor no investimento publicitário dentro do conjunto dos ­meios de comunicação. De­sa­ fios não faltam, mas nosso empenho nes­ ta tarefa também é mui­to grande”, conclui o presidente da entidade.

Representatividade

Além dos serviços prestados aos as­so­cia­ dos, a Aner é a representante ofi­c ial dos editores em au­d i­to­r ias de circulação, pes­ quisas de lei­t u­ra e li­cen­c ia­men­tos. Tam­ bém mantém diá­lo­go com empresas dis­tri­ bui­do­ras, fornecedores de papel, in­dús­trias gráficas, agên­cias de publicidade, empresas de pesquisa, desenvolvedores de con­teú­do online e es­cri­tó­r ios de contabilidade e ad­ vocacia. “Uma das grandes rea­l i­za­ções da entidade foi a defesa do setor junto a de­ putados e senadores, resultando na inclu­ são de revistas no Programa de Cultura do Trabalhador (Vale Cultura), o que signifi­ ca um incremento de 50% na re­cei­t a do mercado”, relembra Muy­laert. Foi igualmente importante o acordo firmado com os Cor­reios, que trou­xe gran­ des be­ne­f í­cios às editoras as­so­cia­das. Por meio dele, o envio de exemplares das revis­ tas para assinantes passou a ser fei­to pelo

ANER – Associação Nacional de Editores de Revistas Tel. (11) 3030.9390 www.aner.org.br CONSELHO DIRETOR Presidente: Roberto Muylaert (RMC Editora) 1º Vice-​­presidente: Fernando Costa (Editora Abril) 2º Vice-​­presidente: Frederic Kachar (Editora Globo) Diretor Tesoureiro: Alfredo Nastari (Nastari Editores) Diretor Secretário: Paulo Houch (Editora On Line) Diretor Conselheiro: Rogério Ventura (Editora Escala), Marcelo Salles Gomes (Meio & Mensagem), Roberto Araújo (Editora Europa), Caco Alzugaray (Editora Três), José Roberto Maluf (Spring) Diretor Jurídico: Lourival Santos (Lourival J. Santos Advogados) Diretora Executiva: Maria Célia Furtado


Veja a impressão em outra luz A nova geração de impressoras: Speedmaster CX 102

Inovação inspira inovação. A nova Speedmaster CX 102 combina a inovação das soluções técnicas da Speedmaster XL 105 com a bem sucedida plataforma da Speedmaster CD 102. O resultado é uma impressão ultramoderna com um tempo de acerto muito menor e 16.500 folhas impressas por hora o que a torna um equipamento ideal para um mercado cada vez mais competitivo. Curioso? Saiba mais no telefone 11 5525-4483.

Heidelberg do Brasil Sistemas Gráficos e Serviços Ltda. Av. Alfredo Egídio de Souza Aranha, 100 - Bloco B - 12° Andar - 04726-170 - São Paulo - SP


Abigraf de volta ao Paraíso

Revitalização do edifício-​­sede traz mais conforto, segurança e qualidade de trabalho para funcionários e associados. Ada Caperuto

30 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011


Fotos: Roberto Loffel

A diretora executiva Sonia Carboni (à frente, de roupa preta), comanda a equipe responsável pelas atividades das entidades sediadas no Cigraf – Centro da Indústria Gráfica

m novembro de 2010, a Abi­ graf Na­c io­nal, a Abigraf Re­ gio­n al São Pau­l o, o Sindi­ graf-SP, a ABTG e a Abraform retornaram ao edifício Cigraf – Centro da Indústria Gráfica, um prédio de arquitetura di­fe­ren­cia­da que se sobressai no bairro do Pa­raí­so, na capital pau­lis­ta, e que pertence à Abigraf desde 1998. Foram quase 30 meses de afastamento, pe­r ío­do em que o Cigraf passou por com­ plexo processo de revitalização, coor­de­na­ do pela Space Planner Assessoria Em­pre­sa­ rial a partir de projetos da M2B Arquitetura e da TGK Engenharia, que respondeu pela execução das instalações elétricas. Horacio Fontes, diretor da Space Plan­ ner, lembra que a equipe foi contratada em maio de 2008, quando a sede da Abigraf foi pro­v i­so­r ia­men­te instalada em um con­ junto co­mer­cial no bair­ro de Vila Olímpia. De acordo com Sonia Carboni, diretora exe­

cutiva da Abigraf, o projeto foi desenvolvi­ do para regularizar o imóvel junto à pre­ fei­t u­ra, mas agregaram-se me­l ho­r ias não requisitadas que deverão trazer be­ne­f í­cios aos fun­cio­ná­r ios e as­so­cia­dos. Mário César de Camargo, presidente da Abigraf Na­cio­nal, ressalta como pri­mei­ro ponto positivo o fato de a documentação do edifício estar em dia, algo fundamen­ tal para uma ins­ti­tui­ção de classe patronal. “Este aspecto era uma grande preo­c u­pa­ ção da ­atual direção das entidades”, com­ plementa o presidente da ABTG, Rei­nal­do Espinosa. Segundo a arquiteta Midori Be­ nedik, da M2B Arquitetura, para adequar a estrutura às exi­gên­c ias da pre­fei­t u­r a quanto à metragem de área total cons­ truí­d a, dois pavimentos su­pe­r io­res foram demolidos — o 6 º‒ andar e o mezanino —, além de ter havido redução par­cial do tér­ reo e do 1º‒ andar. Também foram contem­ pladas ou­t ras intervenções ne­ces­sá­r ias,

como a melhoria do sistema de combate a in­cên­d ios e de elevadores. Em 2009, paralelamente às obras de re­ gularização, teve início a revitalização in­ terna para adequar a ocupação dos depar­ tamentos à nova metragem. Assim, a a­ tual disposição interna comporta no 2 º‒ subso­ lo a área técnica para o gerador e o sistema de exaus­tão de ar con­di­cio­na­do. No 1º‒ sub­ solo está localizada a entrada principal e a recepção. Neste am­bien­te a principal inter­ venção aconteceu na área do au­di­tó­r io, ago­ ra com capacidade para 80 pes­soas, onde foram instalados piso vinílico ma­dei­ra­do e carpete em placas. “Temos um espaço ex­ tremamente moderno, com novas poltro­ nas, ar con­d i­cio­na­do, sonorização e siste­ ma eletrônico de telão”, observa Sonia. Para o presidente da Abigraf-SP, Levi Ceregato, a reforma permitiu oferecer um benefício ­maior aos as­so­cia­dos, que contam com um au­d i­tó­r io climatizado, mais confortável.

Presidentes do Sistema Abigraf/Sindigraf-SP

Mário César de Camargo, presidente da Abigraf Nacional

Levi Ceregato, presidente da Abigraf-SP

Reinaldo Espinosa, presidente da ABTG

Fabio Arruda Mortara, presidente do Sindigraf-SP

MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

31


Departamento de Marketing

Departamento Jurídico

Secretárias da Diretoria

Departamento Econômico e Graphia

Departamento Administrativo

32

No mesmo pavimento, a recepção tam­ bém passou por me­l ho­r ias significativas, com o polimento do piso de mármore, ins­ talação de forro modular, iluminação e um novo balcão branco, que trou­xe­ram moder­ nidade à entrada principal. Uma parede de tijolos aparentes foi pintada de branco, o que am­pliou e deu luminosidade ao am­ bien­te. Nela foram afixados seis pai­néis de acrílico com uma linha do tempo da in­ dústria gráfica, composta pelos prin­ci­pais fatos dessa trajetória, com ênfase na intro­ dução da impressão no Brasil. “Também es­ tão registradas as datas de fundação de to­ das as entidades e das Re­g io­nais. Foi uma excelente ­ideia, pois ao mesmo tempo em que sintetiza essa história é um relato vi­ sual mui­to interessante”, comenta Espino­ sa. No contexto do resgate histórico, a re­ REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Processamento de Dados

cepção conta agora com uma impressora tipográfica Minerva do início do século XX , doa­da pela Oficina Tipográfica São Pau­lo, e a linotipo modelo Comet (cujos pri­mei­ros equipamentos surgiram em 1950), a qual foi doa­da pela Editora Escala. Conforto nos ambientes

Todos os departamentos estão mais bem adequados às novas instalações, com mo­ bi­l iá­r io e equipamentos de informática novos. No sistema de ar con­d i­c io­n a­do, os antigos aparelhos do tipo “janela” fo­

ram subs­ti­tuí­dos por ou­ tros mais modernos, tipo split, mais si­len­cio­sos, efi­ cien­tes e econômicos. Nos halls dos elevadores foram trocados os forros de ma­ dei­ra escura por gesso, o que tornou os am­bien­tes mais iluminados e moder­ nos. “Apesar de o mo­bi­l iá­ rio ter sido mantido e rea­ pro­vei­ta­do na maio­r ia dos departamentos como for­ ma de minimizar custos adi­cio­nais, as cores padro­ nizadas e os tons claros acen­t ua­r am a identida­ de corporativa”, esclarece Midori, da M2B. Com as modificações, além da área técnica (CPD) e arquivos, o 1º‒ andar foi transformado em um es­ paço para reu­niões, onde se destaca a troca do piso, da iluminação e do tecido dos pai­néis acústicos. Os departamentos de mar­ke­ ting e jurídico estão insta­ lados agora no 2 º‒ andar. Neste último, a principal melhoria foi a troca dos mó­veis e a otimização do arquivo de documentos, com a instalação de um arquivo deslizante. “A re­ forma no imóvel foi ne­ cessária para atender às exi­gên­c ias da pre­fei­t u­ra, mas as adequações trou­ xe­r am mui­t as me­l ho­r ias que poderão ser usu­f ruí­das pelos as­so­cia­ dos. Além disso, o retorno à Rua do Pa­raí­ so foi bom porque o acesso é mui­to melhor”, afirma a advogada Nílsea Borelli Rolim de Oli­vei­ra, gerente do departamento jurídico. No 3 º‒ andar, o Graphia (Graphic Arts Industry Al­lian­ce) teve sua área am­plia­da com a incorporação do espaço do departa­ mento econômico, além de receber novo piso e per­sia­nas. O gerente Wagner Silva cita a melhoria no sistema de refrigeração, que foi di­men­sio­n a­do de forma adequa­ da às necessidades dos am­bien­tes, além da


subs­ti­tui­ção dos carpetes e a renovação de parte do mo­bi­liá­r io, como as ca­dei­ras dos postos de trabalho. No mesmo pavimen­ to, o departamento administrativo teve o seu la­yout preservado, mas a gerente Fáti­ ma Sola do Nascimento destaca as me­l ho­ rias na circulação, com o novo elevador que atende do 4 º‒ ao 5º‒ andar. “Acredito que a re­ cepção também está melhor, com a insta­ lação de TV de LCD com sinal de TV a cabo, sincronizada com os computadores, para transmissão de mensagens e eventos”. O la­yout do 4 º‒ andar, que abriga a dire­ toria executiva e a presidência, também foi mantido. Já o 5 º‒ andar, ocupado pela sala da presidência, foi totalmente re­cons­truí­ do e, com isto, um novo espaço foi cria­do, além de ter sido agregada uma área externa que poderá tornar-se um espaço de convi­ vência. “O as­so­cia­do conta agora com mais uma sala de reu­niões, com todos os recursos de que necessitar”, declara Sonia. Beleza na fachada

Externamente, a reforma pri­v i­le­giou a afir­ mação da imagem corporativa. “O prédio dispunha de uma estrutura metálica de­ corativa, an­te­r ior­men­te cinza, que nada agregava. Para marcar a imagem de uma ins­t i­t ui­ção representativa do ramo gráfi­ co, propusemos a pintura desta estrutura em ‘vermelho bom­bei­ro’. Na entrada princi­ pal, uma estrutura tubular recebeu o mes­ mo tom para compor o restante do prédio”, explica a arquiteta Midori. “A repintura, com cores novas e mais modernas, a nova recepção, com uma mara­ vilhosa linha do tempo da nossa indústria e as duas máquinas antigas, além da nova identidade vi­sual em todo o prédio, fazem dele um local mais agradável e fun­cio­nal”, comenta Fabio Arruda Mortara, presidente do Sindigraf-SP. Além disso, a fachada pro­ por­cio­nou uma identificação vi­sual rápida para quem circula pelo bair­ro, mesmo à dis­ tância. “Com a reforma, mantivemos uma tradição e contamos com um edifício de ar­ quitetura di­fe­ren­cia­da que é praticamente um ícone. O prédio próprio, bem localiza­ do, de certo modo representa a pujança da entidade”, pontua Levi Ceregato. Além disso, com a demolição par­cial da área cons­truí­da, o andar térreo ficou desti­ nado apenas ao es­ta­cio­na­men­to, que agora

(E/D) Horacio Fontes, diretor da Space Planner, e Cássio Kalil, diretor da TGK Engenharia

disponibiliza mais vagas para os diretores da entidade. “Adequamos o prédio às limi­ tações de área, o que implicou a redução da área total, mas foi possível fazer um melhor apro­vei­ta­men­to”, afirma Mário César. Segurança na estrutura

Para Cassio Kalil, da TGK Engenharia, a principal melhoria do prédio, em termos es­tru­tu­rais, foi a reforma do sistema elé­ trico e da rede de comunicação de dados e de voz, para os ­quais foram elaborados projetos no sentido de atender as ­atuais e futuras demandas, contemplando, ain­da, as normas técnicas. “Foi cria­do um shaft

vertical para passagem dos ca­bea­men­tos elétricos prin­ci­pais, em um con­cei­to mui­ to mais moderno, o que facilita o acesso às instalações para manutenções e even­tuais implementos”, relata o en­ge­nhei­ro. Além disso, foram instalados sensores de presença nas escadas e ­­áreas comuns, o que contribui para economizar energia. Foi fei­ta também a instalação de um gru­ po gerador exclusivo para suprimento dos sistemas de emergência. No que tange à rede de comunicação de dados e voz, ocorreu, em um pri­mei­ro mo­ mento, a montagem de instalações especí­ ficas para o CPD, que foi estrategicamen­ te re­po­si­cio­na­do para uma área no centro do prédio, conferindo ­maior segurança e restrição ao acesso, bem como facilitando a dis­tri­bui­ção de todo o ca­bea­men­to. “Tí­ nhamos uma rede analógica, de­sa­tua­li­za­da tecnologicamente e cujo reparo era in­v iá­ vel. Agora, os as­so­cia­dos contam com um atendimento de qualidade. Tanto via tele­ fone quanto pela internet, a comunicação flui melhor”, salienta Sonia.

Na sala plenária no 1-º andar são realizadas as reuniões das diretorias do Sistema e também dos grupos empresariais

MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

33


Os equipamentos de segurança contra incên­ dio contam com um siste­ ma de pressurização nas escadas, o que garante que a rota de fuga principal do edifício fique livre de fu­ maça. Foi instalado tam­ bém um equipamento de exaus­t ão para as ­­áreas ocupadas do au­d i­tó­r io e foyer, além da re­ forma do sistema de detecção e de alarme, que atendem todas as exi­gên­cias do Corpo de Bom­bei­ros. “Atua­l i­za­mos a fia­ção, a in­ formática e as comunicações em padrões modernos. E, mais importante, au­men­ta­ mos a segurança do prédio, enquadran­ do-o nas nor­mais ­atuais dos bom­bei­ros”, ressalta Mário César. Fabio Mortara acrescenta que, nesse as­ pecto, a melhoria não é facilmente percep­ tível. “Mas todos estarão cons­c ien­tes de que o prédio agora cumpre as mais moder­ nas especificações de segurança, seja para o pes­soal que lá trabalha, seja para os vi­ sitantes e as­so­c ia­dos. O novo gerador de emergência, a revisão e os novos equipa­ mentos de prevenção fazem do prédio um local mui­to mais seguro. Além disso, a revi­ são da coleta de esgotos tornou nosso edifí­ cio adequado às normas. Também as câme­ ras de segurança melhoraram mui­to nossa proteção contra pos­sí­veis furtos”. Há, ain­da, ou­tro ponto importante, na opi­n ião do presidente da Abigraf Na­c io­ nal, que é o acesso. “Nossa sede está mui­ to bem localizada. Isto ficou evidente com a locação temporária na Vila Olímpia por dois anos. Apesar do charme do entorno, é

34

 História e modernidade estão conjugadas na entrada principal  Totalmente reformado, o auditório está dotado de novas poltronas, ar condicionado, sonorização e sistema eletrônico de telão

um local de difícil acesso, com transporte coletivo in­fe­r ior ao da re­gião do Pa­ raí­so e menos alternativas de re­fei­ção, alem de exigir mais tempo de desloca­ mento para quase todos os diretores. Se tínhamos dú­ vidas quanto à adequação de nossa sede, essa mora­ da temporária, no meu en­ tendimento, eliminou-​­as”, diz Mário César. Sustentabilidade

Outro aspecto a ser destacado é a série de medidas de sustentabilidade implantada no Cigraf. Uma delas foi a instalação de um elevador adi­cio­nal do tipo hi­dráu­li­co, que gera menos ruí­do, mais conforto e redução no consumo de energia. Outra foi a opção por um sistema de ar con­d i­cio­na­do de me­ nor consumo. Foram subs­ti­tuí­das as lâm­ padas incandescentes por ou­tras, “­f rias” e econômicas, além do acio­na­men­to au­to­má­ ti­co de lu­mi­ná­r ias por sensor de presença, em es­ca­da­r ias e ­­áreas comuns, para econo­ mia de energia. Um grande benefício para a economia de recursos na­tu­rais está no sis­ tema de apro­vei­ ta­m en­t o par­c ial de águas de chu­ va, para lavagem de calçadas e pá­ tio. “Além disso, todos os andares são agora atendi­ dos por elevado­ res, possibilitando acesso para porta­ dores de necessi­ dades es­p e­c iais”, Sonia Carboni, diretora executiva (3 -ª da esquerda para a direita), com os gerentes informa o en­ge­ Egbert Miranda de Toledo (Marketing), Fátima Sola do Nascimento (Administração) nhei­ro Cássio. e Nílsea Borelli Rolim de Oliveira (Jurídico) REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Sonia Carboni explica que, no processo de regulamentação do prédio, nada disso foi exigido. “Porém, sabemos que é importante, não só pela economia, mas porque é am­bien­ tal­men­te correto. Superamos as expectati­ vas e hoje contamos com um prédio moder­ no, com uma série de recursos tecnológicos, mui­to mais agradável para trabalhar”. “Posso dizer que este prédio, por sua localização e instalações, nos possibilita atender melhor nossos as­so­cia­dos. Os am­ bien­tes, alia­dos à localização em ponto central e de fácil acesso, não só permitem como facilitam a rea­l i­za­ção de diversos ti­ pos de ações. O prédio, de arquitetura arro­ jada e bem decorado, transmite a gran­d io­ si­da­de da indústria que representa. É, sem dúvida, motivo de orgulho para seus as­so­ cia­dos”, opina Egbert Miranda de Toledo, gerente de Mar­ke­ting. Programada para a data de 26 de abril, a reinauguração da sede contará com uma cerimônia de descerramento de placa co­ memorativa, pro­nun­c ia­men­to dos presi­ dentes das entidades e apresentação de au­d io­v i­sual sobre a reforma, eventos que antecedem um coquetel para as­so­c ia­dos e convidados. “Convidamos todos os grá­ ficos a participarem. Que­re­mos que ve­ nham conferir o resultado de um traba­ lho que exigiu grande dedicação de mui­tas pes­soas”, conclui Sonia Carboni.


ano XX  Nº 81  março/2011

Texto: Tânia Galluzzi

Você tem um projeto? A Stilgraf pode colocá‑lo em prática.

Criar condições para que seus clientes não só viabilizem seus projetos como atinjam seus objetivos com tais produtos é a estratégia da Stilgraf.


V

Fotos: Álvaro Motta

ia­bi­li­za­ção de ne­gó­cios é hoje a principal meta da Stilgraf com relação ao mercado. Não basta conhecer o clien­te e o mercado no qual ele atua. É preciso transformar essa informação em produtos que tragam resul­ tados efetivos, sentar ao lado do pro­f is­sio­ nal de cria­ção e encarar os de­sa­f ios dele

Antonio Sérgio Franco, diretor-presidente da empresa

como de­sa­f ios da gráfica. Em função dis­ so, a Stilgraf tem como uma de suas prio­ ri­da­des para 2011 o trei­na­men­to contínuo da mão de obra. Todas as ­­áreas estão re­ ciclando seus conhecimentos, inclusive o departamento de Engenharia de Produto, aquele que coloca a mão na massa quando o assunto é tornar rea­li­da­de os projetos dos clien­tes. E  atual­men­te isso significa con­ templar aspectos que vão muito além da beleza e fun­cio­na­li­da­de. Equacionar custo, sustentabilidade e interação com as mí­dias eletrônicas é uma operação cada dia mais presente na vida das gráficas. À disposição dos clien­tes, os 450 fun­cio­ ná­rios da Stilgraf — in­cluin­do as unidades do Rio de Ja­nei­ro e Brasília — contam com os mais modernos sistemas. Para garantir que a estratégia de inovação seja mantida, a empresa investiu cerca de dois milhões de eu­ros no segundo semestre do ano passa­ do. O  pri­mei­ro equipamento a chegar foi uma Varimatrix, linha au­to­má­ti­ca de corte e vinco da Hei­del­berg instalada em agos­ to de 2010, sendo que a pós-​­impressão está agora sendo incrementada com uma má­ quina de lombada quadrada da Kolbus, a


KM 600. Em dezembro aportou no parque

gráfico da Stilgraf, que fica no bair­ro da Bar­ ra Funda, em São Pau­lo, a impressora offset folha in­tei­ra Speed­mas­ter CX 102, lançada pela Hei­del­berg em junho do ano passado. “Com essas tec­no­lo­gias queremos am­pliar nossa participação no segmento que cha­

mamos de edi­to­rial corporativo, produzin­ do re­la­tó­rios e livros de arte”, comenta An­ tonio Sérgio Franco, diretor-​­presidente da gráfica. O pacote de investimentos in­cluiu ain­da uma impressora digital Kodak e ca­ beçotes de impressão para personalização em linha Versamark. O alvo da atua­li­za­ção


tecnológica não foi o au­men­to da capacida­ de, e sim a elevação da produtividade, se­ gundo o executivo. A expectativa é de que o retorno desse investimento aconteça em três anos. A capacidade produtiva ­atual da empresa é de 600 toneladas de papel por mês. A ­maior parte da re­cei­ta da empresa, 70%, vem de ma­te­riais pro­mo­cio­nais e o restante de revistas corporativas. A decisão da aplicação de recursos aconteceu, como comenta Antonio Sér­ gio, em um momento bastante positivo da economia na­cio­nal: “2010 foi um ano bas­ tante satisfatório para a Stilgraf. Crescemos 25% em faturamento quando comparado a 2009”. Os  pri­mei­ros meses de 2011 não acompanharam esse ritmo e, para o diretor, a demanda está acanhada. “Nossos clien­ tes são bastante pulverizados, mas posso dizer que o segmento fi­nan­cei­ro concen­ tra o ­maior número. Não sei se está re­la­ cio­na­do aos eventos in­ter­na­cio­nais recen­ tes, porém as ins­ti­tui­ções ban­cá­rias estão mais cau­te­lo­sas”. Neste ano de consolidação dos investi­ mentos rea­li­za­dos, a Stigraf se prepara para ini­ciar o processo de obtenção da certifi­ cação ISO 9001. O objetivo é que em 2012, ano de seu vigésimo aniversário, a empresa já esteja certificada.

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS PRÉ-​­IMPRESSÃO OO Estações de tratamento de imagens

e montagem eletrônica Macintosh e PC OO Estações de recepção de prepress

Macintosh e Pc

CD 102-4, 72 × 102 cm, verniz online OO Impressora 5 cores Heidelberg CD 102,

72 × 104 cm, c/ verniz à base d’água e sistema de racleta para verniz perolizado, saída longa

OO Provas digitais GMG

ACABAMENTO

OO Scanners Screen Cezanne (plano) e Hell DC

OO 4 Máquinas corte e vinco automática,

3.000 (cilíndrico) OO Visor para análises de cromos e originais

opacos Graphic Lite (GTI) OO Soft­ware Twist Pro 6 para geração de

arquivos em PDF preflight de arquivos digitais, gerenciamento de fluxo de produção e aplicação de perfil para mídias externas OO Soft­ware Sofia com gerenciamento

de arquivos em rede e servidores com capacidade de 8 teras bytes e backup em DVDs OO Soft­ware Stilnet: sistema de colaboração

corporativa para o processo de comunicação e envio de arquivos dos colaboradores para a Stilgraf OO Soft­ware Alwan de gerenciamento de cores OO Trendsetter CreoScitex 3244F para gravação

de chapas (CtP) processadora Kodak OO Trendsetter 800-II Kodak para gravação

de chapas (CtP)

100 × 80 cm OO Corte e vinco automático Varimatrix

Heidelberg, 75 × 105 cm OO 2 Grampeadeiras Miruna OO Grampeadeira Heidelberg Stitchmaster

ST 300 OO Máquina shrink automática OO Máquina de costura Áster 180 automática OO Máquina tri-​­lateral Wohlenberg OO Encadernadora para livros e brochuras

Heidelberg Eurobind 1200 PUR OO Dobradeira Stahlfolder ​­Heidelberg

TH 82 completa OO Dobradeiras de papel MBO K 72-A/4 KL

e T 500/44X OO Dobradeira Stahl T-78 com sistema

de alimentação RD OO Dobradeira de papel ­Stahl T-52 OO 3 Guilhotinas Digimatic Guarani

OO Processadoras Heidelberg

OO Guilhotina Polar Heidelberg

OO Visor para análise de materiais

OO Kolbus DA-36 para empastamento

OO Densitômetros / Espectofotômetros

automático de capa dura

IMPRESSÃO

DADOS VARIÁVEIS

OO Impressora 8 cores Heidelberg SM 102 8P

OO Impressoras para dados variáveis Xerox

completa, 72 × 102 cm OO Impressora 6 cores Heidelberg Speedmaster

CD 102-6+L, 72 × 102 cm, verniz online OO Impessora 5 cores Heidelberg CD 102-5+L,

72 × 102 cm, verniz online

Stilgraf Artes Gráficas e Editora R. Willy Heinrich Borghoff, 368 Barra Funda 01144-​­030 São Paulo, SP Tel. (11) 3611-​­9788 www.stilgraf.com.br

OO Impressora 4 cores Heildelberg Speedmaster

OO Impressora 5 cores Heidelberg SM 52-5+LX,

37 × 52 cm, verniz online

DT 6115 e 135 EPS OO Impressora jato de tinta Kodak Versamark OO 2 Impressoras para dados variáveis Xerox

Nuvera 288 OO Dobradeira de papel Stahl TD 78 Topline

+ impressão jato de tinta OO Impressora Kodak EX 300 – laser


Fotos: Álvaro Motta

Aquarius vive ano de consolidação da área de impressão Em três anos a empresa espera crescimento de 100% em comparação ao faturamento de 2010. Uma atualização constante para manutenção da eficiência plena é o grande desafio. Tânia Galluzzi

40

á pou­co mais de dois anos, o mercado colocou a Aquarius em xeque. Tendo cons­t ruí­do seu nome como fornecedor de serviços de acabamento, a empresa de São Pau­lo via-se pres­sio­na­da de um lado pelos investimentos das gráficas em sistemas de pós-​­impressão e do ou­tro pela falta de condições de atender à demanda por impressão gerada pelos clien­tes edi­to­r iais. Era preciso escolher entre seguir no trilho do acabamento ou incorporar definitivamente o processo de impressão. A decisão re­caiu na segunda alternativa. “Seguimos para onde o mercado estava nos levando. Com as gráficas incorporando sistemas de encadernação e enobrecimento, não dava mais para apostar só em acabamento”, diz Ju­l ia­no Chedid Del Bian­co, diretor geral. REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Essa escolha provocou uma mudança total na empresa, afinal é preciso coragem para instalar duas impressoras rotativas offset capazes de rodar, cada uma, 63 mil cadernos de 32 páginas por hora. Todas as ­­áreas foram encorpadas, desde as instalações elétricas até o estoque de papel, o prédio foi am­plia­do em 2.500 m², totalizando 12.000 m2 de área cons­truí­da, e o número de fun­cio­ná­r ios saltou de 170 para 260. A produção de livros não era pro­pria­ men­te uma novidade para a Aquarius. Desde o final da década de 1990, quando José Augusto Del Bian­co entrou para a empresa vindo do segmento edi­to­r ial, os olhos de editoras de livros didáticos voltaramse para a Aquarius. “Os livros vie­ram mesmo sem termos parque gráfico. Ter­cei­r i­zá­ va­mos a impressão em gráficas como R.R. Donnelley, Margraf, Grande ABC , entre mui­tas ou­tras, cui­dan­do internamente do acabamento. Administramos essa deman-

Juliano Chedid Del Bianco, diretor geral

da até 2006, quando a Prol, ao comprar a gráfica da Sa­rai­va, nos ofereceu duas rotativas. Topamos o negócio, mas dei­xa­mos as impressoras num par­cei­ro em Itu (in­te­r ior de São Pau­lo), que se tornou um fornecedor de impressão quase que exclusivo. Isso im­pul­sio­nou de tal forma a procura pelo serviço de impressão que fomos forçados a tomar uma decisão”, conta o diretor geral. Para os diretores da Aquarius não fazia sentido adquirir equipamentos dedicados à produção de livros em face da sazonalidade do segmento de didáticos e paradidáticos. Eles foram atrás de modelos fle­xí­veis, capazes de imprimir tanto livros quanto revistas e ta­bloi­des e, em 2009, já estavam sendo montadas as duas Harris M1000B. Como não poderia dei­x ar de ser, o segmento edi­ to­r ial aplau­d iu o incremento produtivo.


Resultados positivos

Mas e os clien­tes do acabamento, a maio­ ria gráficas? “Para 95% deles nada mudou, uma vez que são gráficas com impressoras planas, atendendo o mercado pro­mo­c io­ nal. No início, o pes­soal questionou nossa decisão, mas de­pois tiveram a oportunidade de vir aqui e entender nossa proposta. Mesmo assim, tínhamos uma expectativa de di­mi­nui­ção no faturamento da área de acabamento em 2010, porém não foi o que aconteceu. O número de clien­tes de pós-​ ­impressão au­men­tou. No final, podemos contar nos dedos de uma só mão as empresas que dei­xa­mos de atender”. Em 2010, os serviços de acabamento mantiveram o ritmo de crescimento de 15% ao ano no que se refere à re­cei­ta. No mesmo pe­r ío­do, o volume arrecadado com a impressão cresceu 43%, respondendo, no ano passado, por 70% do faturamento da Aquarius, que foi de R$ 54,5 mi­l hões. Isso em um ano de aprendizado com relação à impressão rotativa, de montagem de equipes, de ajustes da nova estrutura. Agora, com a operação madura, é hora de abrir as portas e buscar novos clien­tes, segundo Ju­ lia­no Del Bian­co. A meta para os próximos três anos é elevar o faturamento em 100% em relação à re­cei­ta do ano passado. “Para nós 2011 não é um ano de investimentos, e sim de consolidação”.

Por consolidação o diretor entende o fortalecimento das ­­áreas co­mer­c ial e de atendimento ao clien­te, inclusive com a expansão da rede de representantes, atual­ men­te concentrada nas re­g iões Sudeste e Sul, e da busca de oportunidades no segmento de revistas. Outro setor que está recebendo es­pe­cial atenção é o de controle de qualidade e processos, preparando a Aquarius para os procedimentos exigidos na obtenção da certificação ISO 9001. Nessa sea­ra, no início de 2010 a empresa recebeu o selo am­bien­tal FSC. Com essas ações, a empresa espera, até 2012, recuperar os R$ 15 mi­l hões investidos na montagem da gráfica, hoje capaz de converter 2.000 toneladas de papel por mês. De acordo com o diretor geral, o ­maior desafio da Aquarius é manter-se atua­li­za­ da para con­ti­nuar competitiva no segmento de impressão rotativa, no qual efi­ciên­ cia plena é imprescindível. “Brigamos por centavos, pelo giro da máquina, pelo caderno que conseguimos imprimir a mais para podermos vender ao preço que o mercado impõe e ain­d a mantermos uma operação rentável”. Apesar da ênfase na impressão, Ju­lia­no Del Bian­co afirma que a prestação de serviços de acabamento para ter­cei­ros também será am­plia­da, uma vez que continua havendo espaço nessa área junto às gráficas de pequeno porte.

& AQUARIUS SBC EDITORA GRÁFICA Tel. (11) 3623.6200 www.aquariusweb.com.br

41 MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF


IP quer crescer na  AL Comemorando os resultados de 2010, a International Paper quer, nos próximos três ou quatro anos, que 100% de sua produção de papel não revestido seja destinada à América Latina.

A

42

m­pliar sua presença na América Latina. Essa é a principal estratégia da In­ter­na­tio­ nal Paper América Latina, que no início de fe­ve­rei­ro chamou a imprensa para falar sobre seu desempenho no ano passado. No pe­r ío­do, a empresa registrou vendas lí­ quidas de US$ 1,09 bi­l hão, au­men­to de 13,5% em relação ao ano an­te­r ior. O volume de ven­ das de papel cresceu 7%, somando 976 mil to­ neladas, contra 912 mil em 2009. A co­mer­cia­ li­za­ção de celulose, por sua vez, caiu 23,1% em igual comparação, para 133 mil toneladas, de­ vido a paradas para manutenção ocorridas nas unidades. Em 2010, a sub­si­d iá­r ia bra­si­lei­ra do grupo norte-​­a mericano investiu US$ 88 mi­ lhões em suas uni­ d ades, prat icamen­ te o mesmo montante aplicado em 2009. Trabalhando com um sistema integrado de produção de celulo­ se e papel em três plan­ tas fabris — Luiz Antô­ nio (SP), Mogi Gua­ç u ( SP ) e Três L a­g oa s (MS) —, a IP tem 75% de sua produção ­atual destinada à América Latina e 25% à Europa. Do volume reservado à América Latina, 75% fica no Brasil e 25% é encaminhado para os de­mais paí­ses da Amé­ rica do Sul e Caribe. Jean-Michel Ribieras, presidente REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

A meta é destinar toda a produção para a América Latina. Quan­do isso acontecer, o que depende também da evolução do PIB na re­g ião, a companhia planeja o início das operações de uma nova máquina de papel. Porém, essa deci­ são terá de ser tomada, segundo Jean-​­Michel Ri­bie­ras, presidente da In­ter­na­tio­nal Paper para a América Latina, até ja­nei­ro de 2013, cumprin­ do um acordo com a Fibria, que fornece celulo­ se para a fábrica de Três La­goas. Diferente das unidades pau­lis­tas, essa planta produz exclusi­ vamente papel. “Pode ser uma nova máquina ou uma nova fábrica”, afirmou o executivo. Desafios

Durante o encontro com os jornalistas, Jean-​ ­Michel listou os prin­ci­pais de­sa­f ios da IP em 2011: a taxa de câmbio desfavorável ao fabri­ cante na­c io­nal, as importações de papel que vêm absorvendo o crescimento do mercado interno e a co­mer­c ia­l i­z a­ç ão ilegal de papel imune. “A pressão exercida pela importação de papel revestido, sobretudo da Indonésia, no mercado bra­si­lei­ro continua forte e eu não saberia dizer se já saí­mos do pior momento”, declarou o presidente. Há ou­tras medidas a serem tomadas para que a empresa atinja os objetivos traçados, além da am­plia­ção da presença na América Latina, onde já é líder em papel não revestido para im­ primir e escrever: au­men­tar as vendas domés­ ticas e o retorno sobre o investimento, traba­ lhar para a retenção de talentos, manter o foco em segurança e divulgar informações sobre a sustentabilidade do papel. Jean-​­Michel revelou ain­da que a IP América Latina pretende entrar no segmento de embala­ gens, apesar de não haver data definida. “Pode ser através da compra de uma unidade, de uma parceria ou mesmo começando do zero”. O que está fora de qualquer plano é a produção de papel cou­ché no Brasil.


A Furnax traz um novo conceito para o mercado Gráfico Editorial. Impressão frente e verso

simultânea sem reversão.

Impressora Offset Clarity 104 AL

EM FUNCIONAMENTO NO BRASIL • Impressão frente e verso simultânea sem reversão • Única pegada de pinça • Registro perfeito entre frente e verso • Economia de papel • Excelente relação custo benefício.

Agende uma visita 3277 5658 ou grafica@furnax.com.br


Projeto da nova sede

Magistral

Excelência em papel-cartão Tainá Ianone

44

stabelecida na capital pa­ra­ naen­s e, a Magistral Emba­ lagens é uma das prin­c i­pais empresas bra­si­lei­ras do seg­ mento de embalagens de papel-​­cartão em impressão offset con­ven­cio­nal. A trajetória como fabricante de embalagens em papel-​ ­cartão ini­ciou-se em 1986 e, desde então, a gráfica adota como estratégia em­pre­sa­r ial ­a liar serviço de qualidade a inovações tec­ nológicas. Com atua­ção predominante nos setores far­ma­cêu­t i­co e de cosméticos, os ­quais representam, respectivamente, 42% e 35% de toda a sua produção, neste ano a Magistral está implementando um dos maio­res projetos de modernização de sua história, com a aquisição de equipamentos para diferentes finalidades. “Estas máqui­ nas abrirão alternativas para os mercados que já atendemos e ou­tros novos”, afirma Marcus Conte, presidente da empresa. Como reflexo do crescimento da eco­ nomia bra­si­lei­ra, a Magistral também ex­ pandiu, registrando, em 2010, au­men­to de 41% nas vendas sobre o ano an­te­r ior. “O mercado como um todo am­pliou, mas nós tivemos um índice su­pe­r ior porque a REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

pou­co atendidos, como o alimentício e de hi­g ie­ne e limpeza. De acordo com Luiz Ge­ raldo, entre os equipamentos já encomen­ dados dois merecem destaque: a impressora KBA Rapida 105 híbrida de 6 cores + torre de verniz, com pacote UV de impressão de plástico, que ampliará a gama de produtos a serem impressos, e a máquina de foil, uma manroland 700 de sete cores, que tornará

média de consumo do papel-​­cartão au­men­ tou 17%”, conta Luiz Geraldo Bertolini Fi­ lho, diretor co­mer­cial, se­d ia­do na fi­l ial de São Pau­lo. Segundo ele, o grande impacto foi resultado do investimento em equipa­ mentos, tec­no­lo­g ias e desenvolvimento de produtos. “A embalagem é a mesma, mas com acabamentos di­fe­ren­cia­dos”. Modernização

Nos últimos meses foram adquiridos 16 novos equipamentos para os setores de pré-​­impressão, impressão, corte e vinco e colagem, além da am­plia­ção física do pré­ dio, que totalizará 22 mil metros quadra­ dos de área. A expansão do parque fabril possibilitou am­pliar a produção e garantir mais qualidade, oferecer serviços di­fe­ren­ cia­dos e atender segmentos com demanda de altos volumes, bem como nichos ain­da

Foto: Roberto Loffel

Investimentos na ampliação do parque gráfico e em modernos equipamentos possibilitarão um aumento de 125% na produção das embalagens cartonadas da Magistral.

Luiz Geraldo Bertolini Filho, diretor comercial

Marcus Conte, presidente

possível a laminação online e a impressão com efei­tos es­pe­ciais na embalagem. Con­c luí­do o processo de am­plia­ção, a expectativa de au­men­to da produtividade é de 125%, atingindo 2,5 mil toneladas/mês. Apenas nos últimos meses, o investimento em tecnologia foi de US$ 35 mi­lhões. “A am­ plia­ção vai nos permitir contar com um dos maio­res e mais modernos parques gráficos do País”, informa Marcus Conte.


Além da instalação de dois depósitos de matéria-​­prima em Curitiba (PR) e de um centro de dis­tri­bui­ção em São Pau­lo, já em fun­cio­na­men­to, a grande novidade é a cria­ ção de mais uma empresa para o grupo, a Magitech. Com foco na expansão de seus serviços, a proposta dessa nova em­prei­ta­ da está voltada para os acabamentos gráfi­ cos e ela oferecerá serviços em montagens

de kits pro­mo­c io­nais com uma estrutura moderna, equipamentos de ponta e mão de obra es­pe­cia­li­za­da. Outro di­fe­ren­cial que a Magistral está colocando à disposição de seus clien­tes é o Magistral Express, com uma linha de pro­ dução completa exclusiva para atender a demanda de produtos “urgentes”. A ­ideia é atender pedidos de itens que saem do planejamen­ to diá­r io, dentro de um curto pe­r ío­do de tempo. Responsabilidade com excelência

Veterana no Prêmio Bra­ si­lei­ro de Excelência Grá­ fica Fernando Pini, em 2010 a Magistral con­ quistou mais um troféu, desta vez na categoria Embalagens Semirrígi­ das com Efei­tos. A exce­ lência na produção so­ ma-se à participação em

projetos so­ciais e à adoção de con­cei­tos sus­ ten­tá­veis na produção. A gráfica ­criou um departamento de Garantia e Sustentabili­ dade, responsável pela instalação de um mecanismo de reú­so de água, pela cons­ trução de uma estação de tratamento de efluen­tes (ETE) e por todo o processo para implementar a certificação ISO 14000. & MAGISTRAL Tel. (41) 2141-0408 www.magimp.com.br

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS Pré -Impressão OO Plotter LaserComb ProDigi0813 OO CTP Kodak Trendsetter

Impressão OO Impressora offset Heidelberg, 6 cores

+ verniz OO Impressora offset Komori, 7 cores + verniz OO Impressora offset Komori, 5 cores + verniz OO Impressora offset Ryobi 750 G, 7 cores

+ verniz OO Impressora offset Ryobi 1050 ultravioleta,

7 cores + verniz OO Impressora offset manroland 700 com foiler

em linha, 7 cores + verniz OO Impressora offset KBA Rapida 105, 6 cores

+ torre de verniz, híbrida com kit para impressão de plástico

Corte e vinco OO 2 Máquinas automáticas de corte e vinco

Bobst VisionCut 106 OO 2 Máquinas automáticas de corte e vinco

SBL 1050 SE OO Máquina de hot stamping 780 automática

Colagem OO 2 Máquinas coladeiras Bobst Visionfold 80-A2 OO 4 Máquinas coladeiras Bobst Visionfold com

Braille 80-A OO 2 Máquinas coladeiras Autobox 650

MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

45


o ­atual cenário competitivo, as gráficas, dia após dia, trabalham mais para ganhar menos. Este panorama e pos­sí­veis alternativas para driblá-lo foram o mote do evento “O mundo da mídia impressa e digital — ten­dên­cias desse mercado em constante mudança e crescimento”, rea­l i­za­do pela Kodak, em parceria com a ABTG, no dia 10 de fe­ve­rei­ro. A principal pergunta do encontro foi “O que interessa a seus clien­tes?”. “Que o clien­te quer um bom serviço, alta tecnologia e preço bai­xo é senso comum. Mas, para conquistar o di­fe­ren­cial, é preciso que os gráficos entendam que não é a impressão que eles têm de vender para seus clien­ tes. Se querem se destacar, é preciso vender o que o seu clien­te vende, entrar no negócio e no produto dele, pois só assim saberemos como podemos ajudá-​­los a au­men­ tar suas pró­prias bases”, adverte German Sa­c ris­t ian, gerente de desenvolvimento para retorno de mar­ke­ting e investimento da Kodak. Segundo ele, a tarefa pode parecer simples e cor­r i­quei­r a; contudo, seu resultado não é percebido no mercado. “O desenvolvimento de campanhas de aproximação entre gráficos e seus clien­tes, em geral, segue a velha máxima: ‘a prática é bem diferente do discurso’, porque mui­ tos em­pre­sá­r ios afirmam saber como fazêlo, mas são pou­cos os que real­men­te dominam e, principalmente, desenvolvem, esta técnica”, comenta Sa­cris­tian.

Em palestra realizada na ABTG, especialistas apontam a importância de conhecer os produtos e serviços do cliente para ganhar competitividade e ampliar participação no mercado.

Fotos: Yuri Zoubaref

N

Entendendo o negócio do cliente

Anderson Chaves, diretor de vendas da Kodak

Mudança de atitude

46

Para Hamilton Terni Costa, consultor e sócio da ANconsulting, entender e trabalhar este discurso é importante. “A gráfica é uma indústria invisível, pois é vista através da utilidade dos seus produtos. Somente as pes­soas que trabalham neste meio é que veem o produto gráfico, por isto, para am­pliar sua produção, as gráficas precisam identificar o perfil e as necessidades do consumidor final deste produto”, analisa. REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

German Sacristian, gerente de desenvolvimento para retorno de marketing e investimento da Kodak

A interação com os sistemas eletrônicos é fundamental para desenvolver esta cumplicidade, na opi­nião de Costa. “A internet passa a ser, cada vez mais, a plataforma de comunicação de todos os sistemas. Exemplos disto são os mais de 500 milhões de cadastrados no Fa­ce­book, os 2 bilhões de ví­deos do YouTu­be e os twit­tei­ ros que estão chegando a uma média de 55 milhões de postagens por dia. A tendência é que a internet nos abrace em qualquer si­tua­ção. Tal constatação é importante, pois isto afeta e gera toda uma rede de possibilidades, que podem trazer novas oportunidades de trabalho”, complementa o sócio da ANconsulting. Ainda de acordo com o consultor, mais do que produtos e serviços ou novas tec­no­ lo­g ias, o que pode im­pul­sio­nar o setor gráfico são as mudanças de atitude. “A resposta para as empresas sobreviverem é a inovação”, enfatiza Costa. “A empresa existe para ­criar clien­tes e suas ferramentas são o mar­ ke­t ing e a inovação de modelos de ne­gó­ cios, de processos, de produtos e serviços. Contudo, o principal é a inovação de atitude, de modelo de pensar: mudar abordagens e repensar o negócio sob a perspectiva do clien­te”, acrescenta Sa­cris­tian. De acordo com a consultora da Gimble, Lois Ritarossi, “A melhor ma­nei­ra de conquistar esta parceria é se colocar no lugar de seu clien­te para poder ajudá-​­lo. Sabendo disto, você tem que pensar em ­quais serviços prover e que mudanças fazer na sua oferta. A estratégia é do multicanal para o di­re­cio­nal e você precisa ajudar seu clien­te a fazer esta migração. O desafio é ­criar a mensagem específica para cada canal”, avalia. “As pes­soas/consumidores estão sempre conectadas. Pare de pensar em campanha e pense em diá­lo­go. A impressão deve ser encarada como algo de valor e não como commodity, pois valor tem um con­cei­to mui­to além do preço”, finaliza Costa.


Sede da empresa em Barueri, SP

Ibratec instala nova unidade Ganhadora de seis troféus do Prêmio Fernando Pini, a gráfica, especializada em embalagens, se prepara para inaugurar novo parque gráfico em Araçariguama (SP). Ada Caperuto

48

ra­d i­cio­nal empresa do setor gráfico, fundada em 1987 e se­d ia­d a em Ba­r ue­r i (SP), a Ibratec Artes Gráficas deverá inaugurar, em mea­dos de 2011, uma fi­lial no município de Araçariguama, também no Estado de São Pau­lo. O novo parque gráfico terá capacidade instalada su­pe­r ior a 36 mil toneladas/ano de embalagens em papel-​ ­cartão, micro-​­ondulado, blister, embalagens pro­mo­cio­nais e lâminas de papel. Com 25 mil metros quadrados de área total e 13.400 metros quadrados de área cons­t ruí­d a, a fi­l ial é vista pela empresa como um dos mais importantes projetos para 2011, que somada à matriz chega a 47 mil metros quadrados de área total e 24.000 metros quadrados de área cons­truí­ da. “Para a unidade de Araçariguama foram adquiridas duas linhas novas completas, REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

in­c luin­do impressão, corte e vinco e colagem, além de toda a in­f raes­tru­t u­ra necessária à produção”, informa o gerente de ne­gó­cios Renato Larocca. Segundo ele, o cenário de estabilidade da economia bra­si­lei­ ra e o consequente au­men­to do poder aquisitivo dos consumidores vêm con­tri­buin­do

para au­men­tar a demanda e a necessidade das in­dús­t rias por embalagens. “Mui­t as empresas desenvolvem projetos em conjunto com a Ibratec, justamente com o objetivo de atender a essa nova classe compradora. Em sua maio­r ia são produtos em porções e preços menores e de alto volume.


Venha para a Tudo que você necessita em papéis nacionais e importados para pronta entrega em todo Brasil. Couchés BVS, Magno, Burgo, Condat, entre outras marcas Offset, Offwhite, Reciclados Extra Alvura, Samaprint, Primapress, Chamois, Renova, Lenza

No ou­tro extremo estão os produtos chamados pre­mium, para os ­quais as prin­c i­ pais ten­dên­c ias no setor de embalagens são, atual­men­te, o uso de verniz fosco ou com brilho, laminação de BOPP e aplicação de hot stamping, dentre ou­tros. Transitando com facilidade entre estes dois polos, a gráfica mantém a qualidade em todos os tipos de impressos que elabora. Além da mais recente conquista, com a cai­x a “Gato da Purina Proplan”, a Ibratec já havia ganhado ou­tros cinco tro­féus no Prêmio Bra­si­lei­ro de Excelência Gráfica Fernando Pini, in­c luin­do o Grand Prix de 2004. “Conquistamos também 20 classificações como finalista nos últimos anos. É sempre uma alegria o reconhecimento e a valorização de um trabalho bem fei­to. O Prêmio Fernando Pini, principalmente por sua excelência, remete a essa condição”, comemora Renato. Certificações

Uma das pri­mei­r as gráficas da América Latina a utilizar o selo FSC (Forest Stewardship Coun­cil), desde 2006, a Ibratec prepara-se para obter a certificação am­bien­tal ISO 14000. Atual­men­te, a empresa conta com um dos mais modernos e completos parques gráficos, implantado em uma área de 22 mil metros quadrados — sendo 11 mil metros quadrados de área cons­t ruí­d a —, onde são produzidas embalagens semirrí-

gidas em papel-​­cartão, micro-​­ondulado e em chapas de PP e PET. Ali estão instalados equipamentos que imprimem em até sete cores com verniz e tinta UV em linha, com dupla secagem. “Podemos desenvolver, produzir e entregar embalagens com os mais diversos acabamentos gráficos, atendendo e mui­tas vezes superando as expectativas de nossos clien­tes. A Ibratec possui também uma equipe técnica preparada para desenvolver os mais diversos tipos de soluções, pri­v i­le­g ian­do o design, a alta produtividade e a efi­ciên­cia. É prática comum trabalharmos em conjunto com grandes clien­tes em projetos absolutamente focados em inovação”, declara Renato. No final do ano passado, a gráfica ini­ ciou a aquisição de duas impressoras Roland 700 com seis cores e verniz; dois equipamentos de corte e vinco com destaque au­to­má­ti­co e duas co­la­dei­ras com até seis pontos de aplicação, ambos da Bobst; um equipamento de hot stamping; e acoplamento de micro-​­ondulado, além de fazer investimentos em in­fraes­tru­tu­ra. Toda esta tecnologia será a base de produção da nova unidade de Araçariguama, que promete ser mais um acertado movimento de expansão de uma das mais destacadas empresas gráficas pau­l is­tas. & IBRATEC ARTES GRÁFICAS Tel. (11) 4772.8277 www.ibratecgrafica.com.br

Cartões Ningbo, Papirus, SinarRoyal, Safire Papéis especiais Linha Plus Arjowiggins, Adesivo Fasson, Vegetal, Papelão Capa Vivox Papéis de baixa gramatura Primapage (bíblia) Primapharm (bulas) Primagreen Materiais para Revestimentos Frankonia, Duo, Chromo, Couro Reconstituído

Ótimos preços e o melhor atendimento. Consulte já nossa equipe de vendas.

DDG 0800 772 5200 MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

49


Gutenberg incrementa showroom A estratégia é oferecer treinamentos continuamente, bem como permitir que as gráficas testem os equipamentos.

A

Gutenberg, tra­d i­c io­n al revendedora de equipamentos gráficos, promoveu no dia 10 de fe­ve­rei­ro seu pri­mei­ro open hou­se do ano para demonstração das impressoras offset planas Komori Enthrone 529, lançamento da fabricante japonesa, e Lithrone SX 429+C+IR . A 529 é voltada para gráficas de menor porte que buscam uma solução flexível alia­da a recur­ sos ecologicamente corretos e focados na eco­ nomia. As prin­ci­pais características do equipa­ mento são o design compacto, a saí­da de pilha se­mie­le­va­da, o novo PQCU – Print Qua­lity Con­ trol (para controle da qualidade de impressão),

racterísticas que tornam esse modelo adequado para o segmento de embalagens”. Duas Enthro­ ne 529 também já foram entregues no Brasil e o equipamento apresentado no open hou­se estava igualmente vendido. Treinamento

Mas a política agora é manter sempre pelo me­ nos uma impressora Komori no show­room, se­ gundo José Fernandez, vice-​­presidente da Gu­ tenberg. O objetivo é trei­n ar tanto técnicos da própria empresa quanto dos clien­tes, além de permitir que as gráficas façam testes dire­ to nas máquinas. Tanto é que foi programado para março o embarque de mais uma impres­ sora destinada ao show­room, uma Lithrone cin­ co cores mais verniz equipada com o novo sis­ tema de cura UV desenvolvido pela Komori, o H-UV, que leva um selo de am­bien­tal­men­te

Lithrone SX 429+C+IR

os cilindros de duplo diâ­me­tro e as funções de registro e de economia de energia. Com opções de duas, quatro e cinco cores, a impressora atin­ ge velocidade de até 13.000 folhas por hora em um formato máximo de 530 × 750 mm. Trabalhando com um formato ­m aior, 610 × 750 mm, e velocidade de até 16.000 fo­ lhas por hora, a Lithrone SX 429 com unidade de verniz e cura IR pro­por­cio­na brilho no impres­ so com secagem rápida e produtividade su­pe­ rior em tempo reduzido. O equipamento possui o sistema Semi-APC, que gerencia as mudan­ ças de chapa e a limpeza au­to­má­ti­ca dos rolos de tinta, estando disponível nas versões duas, quatro, cinco, seis, sete e oito cores. De acordo com Luis Sérgio Sou­sa, da área de mar­ke­ting da Gutenberg, duas Lithrone SX 429 já estão em fun­cio­na­men­to em duas gráficas da Re­g ião Sul, focadas na produção de cartuchos. “A ele­ vação na entrada e na saí­da do papel e a am­ plitude na espessura dos substratos acei­tos, de pa­péis de bai­x a gramatura até cartões, são ca­

50 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Enthrone 529

correto. Com uma única lâmpada montada na saí­da da máquina, o H-UV permite a redução da emissão de ozônio durante o processo de seca­ gem, afora con­tri­buir para a qualidade do am­ bien­te produtivo pelo fato de não usar pó e não liberar odores. “2010 foi um ano mui­to bom, com a venda de máquinas de formato grande e oito cores, e acreditamos que este será um ano ain­da melhor”, afirmou o executivo. & GUTENBERG MÁQUINAS E MATERIAIS GRÁFICOS Tel. (11) 3225.4400 www.gutenberg.com.br


MC Cartões

Cartões premiados Em doze anos de operações, a paulistana MC Cartões conquista seu primeiro troféu de excelência gráfica e segue ampliando seus negócios em um segmento de forte expansão.

undada em 1999 para ­atuar no segmento de identificação, a MC Cartões já surgiu com a pretensão de expandir seus ne­gó­c ios. Para atingir este objetivo passou a agregar valor aos impressos, a partir da incorporação de tecnologia. Assim, em 2007 a gráfica conquistou o pri­mei­ro contrato de ne­gó­cios expressivo: a produção de cartões para os programas so­ciais do governo federal. “Em 2011 passamos a fornecer produtos com chip de contato para certificados di­g i­tais. Estas duas conquistas, destacadas entre tantas ou­t ras, exemplificam a vocação da empresa para um crescimento sólido e sustentável”, afirma o gerente de produção Luis Antonio Soa­res da Costa.

Fotos: Roberto Loffel

Ada Caperuto

52

Luis Antonio Soares da Costa, gerente de produção

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Com a recente conquista do pri­mei­ro troféu no 20º- Prêmio Bra­si­lei­ro de Excelência Gráfica Fernando Pini, a MC Cartões enxerga um reconhecimento importante, uma distinção que a empresa pretende contabilizar, levando o prêmio ao conhecimento de clien­tes e par­cei­ros como um testemunho dos esforços e do acerto de suas decisões. “A repercussão do prêmio tem sido enorme, tanto interna quanto externamente, e isso é extremamente gratificante”, comemora Luis Antonio. Com 130 colaboradores, a MC Cartões está localizada em São Ma­teus, zona leste da cidade de São Pau­lo. Seu parque gráfico ocupa uma área de três mil metros quadrados, onde estão instalados equipamentos de impressão serigráfica e offset, bem como máquinas de corte, laminação, implantação de chips, personalização e envelopamento, além de impressoras di­g i­tais para a gravação de dados va­r iá­veis. A empresa adquiriu recentemente um sistema de envelopamento au­to­má­t i­co, que deu mais velocidade e con­f ia­bi­l i­d a­de ao processamento de cartões de benefício, além de reduzir a zero o número de in­con­sis­tên­cias e erros de postagem. “A área de desenvolvimento da empresa está em fase de testes de um tipo de PVC ecologicamente viá­vel, que pretendemos ofertar ao mercado como uma alternativa ao con­ ven­cio­nal. Por fim, para coor­de­nar tantos e tão diversos processamentos, a MC Cartões adquiriu e implantou, recentemente, um sistema integrado de gestão (ERP) junto à Totvs”, informa o gerente de produção.


Variedade de soluções

Luis Antonio diz que a empresa se destaca pela diversidade de produtos e soluções, com o atendimento a diferentes clien­tes. “Apenas para exemplificar, entre 2010 e 2011 fornecemos cartões pré-​­pagos para a telefonia celular, os magnéticos para todos os fins, e os chamados “inteligentes”, com ou sem chip de contato, além de cre­den­ciais para a Fórmula 1 e Fórmula Truck e uma infinidade de ou­tros produtos, todos com excelente resposta no pós-​­venda”. A MC Cartões procura se antecipar à concorrência na definição de produtos, métodos e processos que atendam novas expectativas. “Acredito que o melhor exemplo está no fornecimento de cartões do tipo smart card, com chip PKI, para armazenamento e geração de certificados di­g i­t ais no padrão da In­f raes­t ru­t u­ ra de Chaves Públicas Bra­si­lei­ra – ICP-Brasil. Com este produto, nossa empresa sur­preen­ deu o mercado ao fornecer uma solução completa para o programa de assinatura digital da Cai­x a Econômica Federal e para o e- CPF e eCNPJ do Banco do Brasil”, declara Luis Antonio. Para ele, o mercado bra­si­lei­ro de cartões ain­d a pode se expandir em todos os segmentos e tal vitalidade é per­fei­ta­men­te perceptível. As maio­res expectativas apontam, contudo, na direção dos smart cards, soluções em pré-​ ­pagos e, particularmente, os gift cards, um nicho ain­da in­ci­pien­te, devido ao pou­co hábito do bra­si­lei­ro em utilizá-​­los.

A inovação tecnológica é uma constante na indústria de cartões, que procura permanentemente acrescentar dispositivos de segurança aos seus produtos, para diferenciá-​­los. Para a direção da MC Cartões, as me­l ho­r ias de processo e utilização de ma­te­r iais alternativos, mais du­ ra­dou­ros e menos agressivos ao meio am­bien­ te, também são ten­dên­cias que visam aplacar a demanda so­cial por soluções ecologicamente sus­ten­tá­veis. “O mercado de cartões tem espaço para aqueles que estejam atentos às mensagens e dispostos a investir em tecnologia”. Por isso mesmo, a gráfica pretende, em 2011, dar con­ti­nui­da­de a uma trajetória de crescimento, que é sua principal marca.

& MC CARTÕES Tel. (11) 2014.4000 www.magiccontrol.com.br MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

53


N

Heidelberg e Ricoh selam parceria global

o dia 23 de fe­ve­rei­ro, a Ricoh Company e a Hei­del­ber­ger empresa em nossa tecnologia digital e a capacidade da Ricoh em Druckmaschinen AG anun­cia­ram uma parceria estraté­ satisfazer as necessidades da indústria gráfica. Juntos, estamos gica global. Como pri­mei­ro passo, o acordo prevê a dis­ em excelente posição para ajudar as gráficas que pretendem ad­ tri­bui­ção mun­d ial do portfólio de impressão digital de produção quirir novos equipamentos e melhorar seus ­atuais processos com uma solução digital”, disse o execu­ da Ricoh. Dessa ma­nei­ra, a Hei­del­ O acordo entre as duas empresas tivo. “Com a Ricoh, empresa que va­ berg está cre­den­cia­da a co­mer­cia­li­ loriza o setor produtivo gráfico, en­ zar o último lançamento da Ricoh tem como objetivo proporcionar contramos um par­cei­ro estratégico em impressão digital, a Ricoh Pro uma solução adequada para a impressão ­ideal para compartilhar nossos va­ C901 Graphics Art Edi­t ion, impres­ de dados variáveis e de tiragens lores focados nos clien­tes, na sus­ sora digital colorida de alta velocida­ curtas para a indústria gráfica. tentabilidade am­bien­tal, na inova­ de com toner PxP Chemical. O con­ ção, na qualidade e na prestação de trato, com início previsto para abril serviços. Ao completar nosso por­ de 2011, inclui prestação de serviços tfólio offset com um novo equipa­ e assistência técnica Ricoh. A Ingla­ mento de impressão digital, ofe­ terra e a Alemanha serão os pri­mei­ recemos a combinação da melhor ros paí­ses atendidos pela parceria, impressão offset e agora também que será pau­la­ti­na­men­te implanta­ a tecnologia de impressão digital. da nas ou­tras re­giões, com conclusão Ao utilizar as duas tec­no­lo­gias, nos­ prevista para a Drupa 2012. sos clien­tes estarão aptos a oferecer Com a alian­ça, Ricoh e Hei­del­ a impressão de dados va­r iá­veis com berg querem possibilitar aos clien­ tiragens mais curtas, além da reco­ tes a chance de incrementar seus nhecida qualidade e rentabilidade trabalhos de impressão offset, ofe­ da impressão offset”, afirmou Ber­ recendo ao mercado ­maior flexibi­ nhard Sch­reier, presidente da Hei­ lidade com as impressoras di­g i­t ais del­b erg, complementando: “Com da Ricoh. As duas empresas se pro­ essa nova parceria, também aten­ põem a apresentar uma oferta de deremos as necessidades de clien­ produtos com valor agregado que (E/D) Shiro Kondo, presidente da Ricoh, e Bernhard Schreier, presidente tes que querem am­pliar a gama de possibilite ­maior rentabilidade aos da Heidelberg, cumprimentam-se após fecharem o acordo clien­tes. Elas planejam também fazer a integração com a solução aplicações de impressões híbridas, ou seja, a combinação de de ge­ren­cia­men­to de fluxo de trabalho da Hei­del­berg, o Prinect, impressão digital e offset em um só produto impresso”. Com mais de 108.500 colaboradores em todo o mundo, a assim como desenvolver novas soluções em conjunto para futuras Ricoh, es­pe­c ia­l i­z a­d a em soluções para es­c ri­tó­r ios e impressão aplicações de impressão. Shiro Kondo, presidente da Ricoh, declarou que o clima ­atual digital de produção, possui operações na Europa, Américas e do mercado é propício para que as empresas da indústria gráfica Ásia. Suas vendas no mercado mun­d ial superaram US$ 21 bi­ disponibilizem ferramentas adequadas para melhorar a versatili­ lhões no encerramento do último ano fiscal, em março de 2010. dade e cumprir todo tipo de demanda de seus clien­tes. “A Hei­del­ Já o volume de vendas da Hei­del­berg, tra­d i­c io­nal fornecedora berg é uma fabricante referência de impressoras para os segmentos de impressoras offset, atingiu 2,306 bilhões de eu­ros durante co­mer­cial e de embalagem. Essa alian­ça demonstra a con­fian­ça da o ano fiscal de 2009/2010.

54 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011


ECONOMIA Texto e dados: Departamento de Estudos Econômicos da Abigraf

Resultados da indústria gráfica brasileira em 2010

D

e acordo com os números do levanta­ mento rea­li­za­do pelo Departamento de Estudos Econômicos da Abigraf Na­c io­n al, o setor gráfico bra­si­lei­ ro encerrou 2010 com aproximadamente 20 mil empresas ativas, empregando mais de 220 mil pes­soas. Na produção, hou­ve au­men­to de 4,5% no acumulado do ano, em relação a 2009, superando o bom nível de 2008, an­te­r ior à crise econômica in­ter­na­cio­nal, em 4,2%. Em 2010, os investimentos do setor re­ gistraram au­men­to de 40% em comparação com o ano an­te­rior, com US$ 1,4 bi­lhão apli­ cado pelas empresas na compra de máqui­ nas e equipamentos, contra US$ 1 bi­l hão despendido em 2009. No encerramento do exercício, as expor­ tações totalizaram US$ 248,97 mi­lhões e as importações, US$ 409,61 mi­l hões. O sal­ do da balança co­mer­cial ficou negativo em US$ 160,64 mi­l hões. Produção

Os dados do Índice de Produção Física da Indústria Gráfica, originados pela Pesquisa In­dus­trial Mensal de Produção Física (PIMPF) — fornecidos trimestralmente pelo

Dois números do setor chamaram a atenção no fechamento de 2010: o crescimento de 106% no déficit da balança comercial e o aumento de 40% no investimento em máquinas e equipamentos. IBGE à equipe do Departamento de Estudos

Econômicos da Abigraf —, e com as estima­ tivas da Web­se­to­r ial Consultoria, a indús­ tria gráfica bra­si­lei­ra fechou 2010 com au­ men­to de 4,5% na produção física, medida em volume de papel convertido/impresso, em relação a 2009. Já em comparação ao mesmo pe­río­do de 2008, a produção se mostra 4,2% su­pe­r ior. O resultado ficou abai­xo do índice acumu­ lado para a indústria em geral, que encerrou 2010 com crescimento de 10,5%. Entretan­ to, vale ressaltar que as bases de compara­ ção são diferentes. A indústria gráfica ha­ via sofrido menos com a crise do que o resto da indústria bra­si­lei­ra, pois não depende tanto das exportações. O declínio da pro­ dução da indústria em geral, no comparati­ vo 2008–2009, foi de 7,4%, e o da indústria gráfica de apenas 0,3%.

Tabela 1: Crescimento da produção nos segmentos da indústria gráfica brasileira – em Quantum

56

12 meses 2010/2008

2-º semestre 2-º semestre dezembro 2010/ 2010/ 2010/ dezembro 2009 2-º semestre 09 2-º semestre 08

Produção Física em quantidades (ton)

12 meses 2010/2009

Embalagens Impressas

5,6%

5,0%

– 0,6%

4,7%

– 3,4%

Embalagens Impressas de papel ou papelão de uso geral

7,0%

5,8%

3,3%

7,6%

1,1%

Embalagens Impressas de plástico

0,1%

1,2%

–15,7%

–7,4%

– 20,0%

Produtos Gráficos Editoriais

9,1%

15,0%

10,1%

17,4%

11,3%

Jornais

1,2%

–11,1%

– 0,3%

–13,2%

– 2,9%

Total Abigraf

4,5%

4,2%

2,3%

4,7%

1,1%

Fonte: Recorte Especial da PIM-PF/IBGE para a Abigraf. Elaboração: Websetorial

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Os dados de dezembro de 2010, em re­ lação ao mês an­te­r ior, mostraram queda na produção da indústria gráfica (13,3%), cau­sa­da principalmente pela contração sa­ zonal na produção do segmento edi­to­r ial (Tabela 1). Quan­do o parâmetro é o mês de dezembro de 2009, observa-se um cres­ cimento de 1,1%. Vale notar que, na com­ paração entre dezembro de 2010 e dezem­ bro de 2008, a expansão da produção foi de 8,2% (Tabela 1). O valor da produção, con­ solidado a partir da identificação das ati­ vidades da indústria gráfica na­cio­nal nas pesquisas in­dus­triais (PIA e PIM-PF) e de serviços (PAS) do IBGE, atinge o montante de R$ 29,7 bi­l hões em 2010 (Tabela 2). Segmentos gráficos

Na consolidação do valor da produção in­ dus­t rial gráfica, em conformidade com a Cnae 2.0, o segmento de embalagens im­ pressas em papel e plástico representa 39,4% do total do setor, e o valor da sua produção é estimado em R$ 11,7 bi­l hões. Logo em seguida vem o segmento edi­to­ rial, que representa 30% do setor. Este ni­ cho, que responde pela confecção de livros, revistas, jor­nais, ­g uias e ma­nuais, edita­ dos e impressos ou impressos sob enco­ menda, tem valor da produção calculado em R$ 8,98 bi­l hões. A edição pura desses produtos edi­to­r iais, que pertencem à ca­ deia produtiva do setor, não é considerada neste cálculo por não ser característica de uma atividade in­dus­trial. Emprego

Segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), no ano de 2010 a indústria gráfica bra­si­ lei­ra gerou 9.452 novos postos de traba­ lho, totalizando 220.707 fun­cio­ná­r ios, um crescimento de 4,5% em relação a 2009 (Gráfico 1) e de 1% deste sobre 2008.


Comércio exterior

Tabela 2 – Valor da produção da indústria gráfica brasileira em R$ milhões

Conforme os dados do Ministério do De­ senvolvimento, Indústria e Comércio Ex­te­ rior (MDIC/Secex), em 2010 as exportações bra­si­lei­ras de produtos gráficos totaliza­ ram US$ 248,97 mi­l hões, representando au­men­to de 13% comparado com o ano an­ te­r ior. Os segmentos que mais con­tri­buí­ ram para as exportações de produtos grá­ ficos foram: o de embalagens, que exportou US$ 79,90 mi­l hões, representando 32,1% do total; o de cartões impressos (US$ 78 mi­ lhões, 31%) e o de cadernos (US$ 31,1 mi­ lhões, 13%). As exportações desses segmen­ tos cresceram, respectivamente, 16,7%, 23,8% e 0,4%, em relação a 2009. Já as importações das in­dús­trias grá­ ficas bra­si­lei­ras foram de US$ 409,61 mi­

Segmentos

2008*

2009**

2010**

Cadernos

1.007

1.004

1.039

Cartões

1.663

1.658

1.717

Editoriais (livros, jornais, revistas, manuais e guias)

8.582

8.454

8.986

11.254

11.181

11.700

Envelopes

148

148

153

Etiquetas

1.074

1.067

1.117

Embalagens

Fiscais /Formulários

720

748

623

Promocionais

2.936

3.049

3.156

Pré-impressão

1.185

1.182

1.227

28.569

28.491

29.718

Indústria Gráfica

* Números extraídos das pesquisas do IBGE:PIA e PAS (o dado do segmento editorial inclui a impressão de jornais

e a edição acompanhada da impressão de livros, revistas e guias) – Classificação da Indústria Gráfica na CNAE 2.0.

** Dados de 2009 e 2010 estimados a partir do recorte especial enviado pelo IBGE para a Websetorial/Abigraf

da PIM‑PF – Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física e sujeitos à revisão anual em setembro de 2011.

Gráfico 1: Evolução do emprego na indústria gráfica brasileira 7

■ Mês/mês anterior (%) ■ Variação mensal do emprego, pela média dos últimos 12 meses / 12 meses ano anterior (%)

6 5 4 3 2 1 0 –1

Ja n 0 Fe 8 v0 M 8 ar 0 Ab 8 r0 M 8 ai 0 Ju 8 n 08 Ju l Ag 08 o 0 Se 8 t0 Ou 8 t0 No 8 v0 De 8 z0 Ja 8 n 0 Fe 9 v0 M 9 ar 0 Ab 9 r0 M 9 ai 0 Ju 9 n 09 Ju l0 Ag 9 o 0 Se 9 t0 Ou 9 t0 No 9 v0 De 9 z0 Ja 9 n 1 Fe 0 v1 M 0 ar 1 Ab 0 r1 M 0 ai 1 Ju 0 n 10 Ju l1 Ag 0 o 1 Se 0 t1 Ou 0 t1 No 0 v1 De 0 z1 0

–2

Fonte: Caged/MTE. Elaboração: Decon/Abigraf.

Gráfico 2: Participação dos segmentos gráficos nas exportações e importações em 2010

60

50 22%

40

21%

30

38%

■ Importação ■ Exportação

20 32%

1%

31% 10%

10

6%

11%

s

es En ve lo p

Fo rm

ul

ár

io

s ai Fis c

ue Et iq

is na oc io

Pr om

ta s

7%

ia is to r Ed i

Im C pr art es õe so s s

no s er Ca d

ba

la

ge n

s

13%

Em

lhões em 2010, destacando-se os seguin­ tes segmentos: edi­to­r ial (livros e revistas), que correspondeu a 38%, ou US$ 154 mi­ lhões; embalagens, que representou 22% do total importado, com o montante de US$  89,4  mi­l hões; e cartões impressos, que importou US$ 84,8 mi­l hões, represen­ tando 21% do total da indústria gráfica na­cio­nal. As importações destes segmen­ tos cresceram, respectivamente, 21,1%, 44,9% e 101,3%, em relação ao ano an­te­ rior (Gráfico 2). Em consequência desses números, a ba­ lança co­mer­cial da indústria gráfica apre­ sentou saldo deficitário em US$ 160,64 mi­ lhões em 2010. Este saldo, comparado com o ano passado (US$ – 77,86 milhões), repre­ senta crescimento de 106% no déficit da ba­ lança co­mer­cial do setor.

Fonte: MDIC. Elaboração Decon/Abigraf.

57 MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF


Suzano anuncia resultados consolidados de 2010 A fabricante de papel e celulose registrou recorde de receita líquida e de volume de papel vendido.

Com a venda total de 1,156 milhão de toneladas, em 2010 a re­cei­t a líquida de vendas de papel totalizou R$ 2,495 bi­ lhões, 6,5% su­p e­r ior à re­cei­t a de 2009. Apenas no quarto trimestre de 2010, as vendas de pa­péis para imprimir e escre­ ver representaram 80,8% do volume total e atingiram 256 mil toneladas, um au­men­to de 6,5% na comparação com o mesmo pe­ río­do do ano an­te­r ior. Já o volume de ven­ das total de papel-​­cartão co­mer­cia­l i­za­do no último trimestre de 2010 atingiu 61 mil toneladas, redução de 8,4% em relação a igual pe­r ío­do de 2009.

A

Suzano Papel e Celulose anun­c iou, no início de março, seus resultados consolidados, apresentando, no acu­ mulado de 2010, uma produção total de 2,745 milhões de toneladas de papel e de celulose de mercado, com volume de vendas de 2,763 milhões de toneladas. No pe­r ío­do, o Ebitda teve incremento de 46,7% em comparação com o ano an­te­ rior, atingindo R$ 1,7 bi­lhão. A re­cei­ta líqui­ da somou R$ 4,5 bi­l hões, 14,2% su­pe­r ior à registrada em 2009. No acumulado do ano, o lucro líquido alcançou R$ 769 mi­l hões, 18,8% in­fe­r ior ao do ano an­te­r ior. Em 2010 foram co­mer­cia­li­za­das 1,6 mi­ lhão de toneladas de celulose de mercado, 9,7% abai­xo do ano an­te­r ior. Porém, em 2009 os resultados foram impactados pela venda de estoques acumulados durante a crise fi­nan­cei­ra mun­d ial. As vendas do úl­ timo ano totalizaram R$ 2 bi­l hões, um in­ cremento de 25,5% na comparação com o exercício an­te­r ior.

Conpacel e KSR

Além da aquisição de controle da FuturaGe­ ne e da cria­ção da Suzano Energia Renová­ vel, em 21 de dezembro de 2010, a compa­ nhia anun­ciou a aquisição da participação detida pela Fibria nos ativos do Conpacel, que com­preen­de a fábrica de papel e celu­ lose com capacidade produtiva de 390 mil toneladas ­a nuais de papel e aproximada­ mente 340 mil toneladas ­anuais de celulo­ se de mercado, bem como terras pró­prias e ­­áreas de plantio (pró­prias e arrendadas).

Também foram adquiridas as operações de dis­tri­bui­ção de papel da KSR , importante canal para atendimento do mercado. Com isso, amplia-se a capilaridade e presença da Suzano em diferentes re­g iões do Brasil, fortalecendo o canal e be­ne­fi­cian­do direta­ mente os seus clien­tes. A operação confere à companhia a liderança na América Latina em dis­tri­bui­ção própria. No mesmo pe­r ío­do, a Suzano anun­ ciou que seu Conselho de Administração aprovou a contratação de operação de fi­ nan­c ia­men­to junto ao BNDES , no mon­ tante de aproximadamente R$ 2,7 bi­l hões. Os recursos serão utilizados na constru­ ção de uma nova unidade in­dus­t rial no Estado do Maranhão e, dentre ou­t ras fi­ nalidades, na implantação da in­f raes­t ru­ tu­r a e ­a poio ne­c es­s á­r ios à operação da nova unidade, construção de planta de co­ geração de energia de bio­m as­s a, capital de giro e aquisição de máquinas e equipa­ mentos na­cio­nais dentro do Programa de Sustentação de Investimento. SUZANO www.suzano.com.br

Cia. Suzano – VENDAS DE PAPEL E CELULOSE – 2009-2010 Composição das Receitas

3T10

4T09

2010

2009

K/ton

R$ MM

k/ton

R$ mm

k/ton

R$ mm

k/ton

R$ mm

k/ton

mercado interno

517

248

541

256

454

243

1.915

940

1.657

852

Celulose

92

77

104

80

67

74

355

297

232

261

Papel Total

425

171

437

176

388

169

1.560

643

1.426

591

Papel l & E não revestido

234

103

232

100

228

102

831

364

825

352

Papel l & E revestido

76

29

85

32

59

27

294

119

243

98

Papel-cartão

115

40

120

44

100

40

436

160

358

142

mercado externo

679

481

618

419

566

477

2.599

1.823

2.295

2.044

Celulose

409

334

406

309

344

339

1.663

1.310

1.377

1.519

Papel Total

269

146

212

110

222

138

936

513

918

524

Papel l & E não revestido

214

119

167

87

178

108

739

406

739

406

Papel l & E revestido

13

6

7

3

7

4

31

15

28

17

Papel-cartão

43

21

38

19

37

26

165

92

152

102

total

58

4T10 R$ MM

1.195

729

1.159

675

1.020

720

4.514

2.763

3.953

2.896

Celulose

502

412

510

389

411

413

2.018

1.607

1.609

1.780

Papel Total

694

317

649

285

609

307

2.496

1.156

2.344

1.116

Papel l & E não revestido

448

221

399

188

406

209

1.570

770

1.564

757

Papel l & E revestido

89

35

92

35

66

31

325

134

270

115

Papel-cartão

157

61

158

63

137

67

601

252

509

244

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011


história viva

I

Ildeu da Silveira e Silva Idealismo e perseverança

Tanto na vida empresarial quanto na associativa, Ildeu sempre defendeu valores como honestidade, ética e muita disposição para o trabalho.

Tânia Galluzzi

60 REVISTA ABIGRAF  MARÇO/ABRIL 2011

ldeu da Sil­vei­ra e Silva fez parte do grupo de líderes em­pre­sa­r iais que en­ tre as décadas de 1980 e 1990 muda­ ram o perfil da Abigraf. A entidade, que nasceu com uma postura rea­ti­va contra a estatização e as excessivas normas tri­bu­ tá­r ias, através de seu trabalho de cons­cien­ ti­z a­ç ão dos em­pre­sá­r ios gráficos sobre a importância do setor na economia do País e de sua representatividade na malha so­cial, assumiu uma posição de destaque, passan­ do a ser ou­v i­da e res­pei­ta­da. “Esse é o lega­ do que dei­x a­mos para os gestores que nos sucederam. Espero que os que hoje a con­ duzem con­t i­nuem e am­pliem nossos an­ seios de uma entidade representativa, com segura defesa dos interesses glo­bais da in­ dústria gráfica bra­si­lei­ra, nunca interesses localizados e setorizados”, afirma Ildeu. Nascido em 1940 em Ferros, pequena cidade do in­te­r ior de Minas Ge­rais, Ildeu mudou-se com a família para Belo Hori­ zonte em 1957, ocasião em que começou a trabalhar, ao lado do irmão João, em uma pequena tipografia de um de seus tios, da qual o pai era sócio capitalista. Na época a Arte Gráfica, que imprimia os mais va­r ia­ dos produtos, passava por dificuldades fi­ nan­cei­r as, as ­quais o jovem empresário con­se­g uiu superar com mui­to trabalho, comprando pos­te­r ior­men­te, em 1963, a parte de seu tio na empresa. Com o tempo, a gráfica cresceu e mo­ dernizou-se, unindo-se, em mea­dos da dé­ cada de 1970, a ou­tra empresa que atendia o segmento de embalagens, quando pas­ sou a se chamar Arte Gráfica Lara. Vie­ram tempos di­fí­ceis. No final dos anos 70 os en­ cargos eram altos — a gráfica contava com 110 fun­cio­ná­r ios —, o crédito com os for­ necedores havia sido cortado, as duplicatas eram pagas com atraso e, para completar, o mercado não vivia seu melhor pe­r ío­do. Po­ rém, os compromissos ja­mais dei­xa­ram de ser cumpridos. Para saldar as dívidas, a em­ presa foi obrigada a renegociá-​­las e vender máquinas. Do esforço para a construção e manutenção da gráfica Lara nasceu a Car­ tográfica Fênix, pertencente a Ildeu e João. Em 1988, a Fênix instalou-se em um imó­ vel alugado de 3.000 m², contando na época


com 50 fun­c io­n á­r ios. “Des­l i­g uei-me da Cartográfica Fênix há cinco anos, mas ela continua fun­cio­nan­do”, comenta Ildeu. Atividade associativa

A porta de entrada de Ildeu — formado em Di­rei­to e com pós-​­gra­dua­ção em Economia In­dus­trial — para o mundo as­so­cia­ti­vo foi o Sindicato das In­dús­trias Gráficas do Es­ tado de Minas Ge­r ais (Sigemg), de cujo conselho fiscal passou a fazer parte em 1976, mesmo cargo ocupado na AbigrafMG. Em 1980 foi elei­to secretário e de­pois para a vice-​­presidência. Três anos mais tar­ de tomou as ré­deas das duas entidades, ocupando a presidência. Em paralelo, em 1986, tornou-se diretor-​­secretário da Fe­ deração das In­dús­t rias de Minas Ge­rais, cargo para o qual foi ree­lei­to em 1988. No comando da Abigraf-MG, Ildeu to­ mou para si as cau­sas dos pequenos em­ pre­s á­r ios que como ele vinham de uma

estrutura em­pre­sa­r ial fa­m i­l iar, mas que desejavam evo­luir. Sem contar os congres­ sos, fei­ras e ou­tras ações, Ildeu e seus com­ pa­nhei­ros instalaram a sede da Abigraf-MG no centro de Belo Horizonte, em 1988, em um espaço próprio. Como presidente do

Conselho Diretivo da Abigraf Na­c io­n al, cargo que ocupou entre 1989 e 1992, Ildeu manteve-se na defesa da livre ini­cia­ti­va, da transparência e da honestidade. Casado com Vânia, com quem tem dois filhos e três netos, Ildeu ocupa-se hoje da família, de seu sítio em Igarapé, na re­ gião metropolitana de Belo Horizonte, e do au­x í­l io à esposa em sua obra as­sis­ten­ cial. Porém, essa aposentadoria parece es­ tar amea­ça­da. “Pretendo voltar à atividade com meu irmão Osvaldo, que possui uma pequena editora es­pe­cia­li­za­da em tiragens limitadas, a gráfica Impressões de Minas, na capital mi­nei­ra”. A tecnologia e o próprio mercado mu­ daram mui­to desde que Ildeu encerrou seu trabalho na Abigraf. Contudo, segun­ do ele, o modus operandi da entidade não pode mudar: ética, representação, parti­ cipação na construção de uma so­c ie­d a­de mais justa e rica. “Afinal, nós imprimimos ­ideias e sonhos”.

O vice-presidente da Fiesp, Roberto Della Manna (E), fez a entrega, em 2005, de troféus e livros aos atuais e ex-presidentes da Abigraf: (E/D) Mário César de Camargo, Antonio Carlos Navarro, Sidney Fernandes, Jacks Ubiratan de Faria, Max Schrappe e Ildeu da Silveira e Silva, na festa comemorativa dos 40 anos da Abigraf Nacional

MARÇO/ABRIL 2011 REVISTA ABIGRAF

61


O P I N I Ã O

­r Roberto Carlos Mo­rei

a

Presidente da Abigraf Re­gio­nal Maranhão

Uma nova visão do Maranhão

62

arece finalmente que a economia bra­si­lei­ ra (e também a do Maranhão) encontrou o caminho do desenvolvimento sustentável. Pelo menos é o que tem demonstrado o desempenho econô­ mico do País nos últimos três anos (2007–2010). Se a taxa do crescimento bra­si­lei­ro é significativa, a do Ma­ ranhão é ex­cep­cio­nal. Tal robustez permitiu ao Esta­ do alcançar dois fei­tos importantes. Pela pri­mei­ra vez, rompeu-se a casa do 1% de participação no PIB na­cio­ nal, meta há mui­to perseguida sem sucesso. O ou­tro fei­ to diz res­pei­to à renda per capita, que alcançou 80% da renda do Nordeste, quando há mais de trinta anos não ultrapassava o limite dos 55%. Sem dúvida, esse desempenho recente é de encher de esperança a todos, particularmente o establishment lo­ cal. Mas a questão que se apresenta é saber se é possível manter esse ritmo e, consequentemente, esse patamar al­ cançado, a médio e longo prazo. Para alterar o quadro es­ trutural em que se encontra a economia do Estado, onde a desigualdade e a pobreza so­bres­saem, um desempenho de curto prazo não é su­fi­cien­te, apesar de os dados ofi­ciais demonstrarem que a economia do Maranhão mudou qua­ litativa e quantitativamente, expressa por taxas de cres­ cimento do PIB e da renda per capita da economia acima da média do Nordeste e do Brasil. Este bom desempenho é produto de um esforço conjunto que passa, sobretudo, pela ação do Estado e pelo mercado. Qual a razão de ser dessa dinâmica que tem gera­ do mais e mais riqueza, mas não consegue dis­tri­buir de­ mocraticamente seus frutos nesta so­cie­da­de? A resposta pode estar no fraco desempenho do produto a longo prazo e no modelo de desenvolvimento adotado no que diz res­ pei­to à dis­tri­bui­ção do produto entre trabalho e capital. Assim, identificar a tendência de crescimento do pro­ duto que se manifesta, sobretudo, no médio e longo pra­ zo assume relevância na com­preen­são do estágio ­atual de “riqueza” desta unidade federativa. Além disso, essa e ou­ tras questões são do mais alto significado na com­preen­são da economia em termos de tendência e perspectivas. REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Por ou­tro lado, como nos diz Keynes, o grande pro­ blema de uma economia capitalista se encontra do lado da demanda e da sua sustentação para manter o nível de atividade e, portanto, a renda e o emprego. E isso passa, es­sen­cial­men­te, pela decisão de investir e, se­cun­da­r ia­ men­te, pela de consumir. Esta é a função, es­sen­cial­men­ te, da renda, e é estável no longo prazo, enquanto aquela é função de ou­tras va­r iá­veis, como a expectativa de re­ torno (taxa de lucro), o uso alternativo que tem o capi­ tal (ou seja, a efi­ciên­cia marginal do capital) e a taxa de juro de longo prazo. Os três cons­ti­tuem os prin­ci­pais fa­ tores levados em consideração na decisão de investir em uma ou ou­tra atividade econômica. Como a propensão a consumir é relativamente estável e varia de acordo com o comportamento da renda, é o investimento a va­r iá­vel-​ ­chave que explica a instabilidade do sistema capitalista; é ele que dá o caráter flu­tuan­te do nível de atividade eco­ nômica e, consequentemente, do produto e do emprego. A razão disso, segundo Keynes, reside no comportamento das va­riá­veis que interferem na decisão de investir. Gros­ so modo, é possível perceber que um conjunto complexo de va­r iá­veis de ordem econômica e psicológica é levado em consideração pelo investidor no momento de investir na am­plia­ção da capacidade produtiva, e assim qualquer indecisão significa postergar o início de uma atividade e, por conseguinte, o crescimento econômico. Partindo do princípio que é necessário pri­mei­ro in­ vestir e de­pois cobrar o au­men­to de demanda, vá­rios em­ pre­sá­r ios do ramo gráfico maranhense têm procurado am­pliar seus parques gráficos e seu pes­soal visando aten­ der este crescimento considerável no Estado, ocupando espaços e am­plian­do mercados. A re­g io­nal maranhense da Abigraf tem procurado dar esta visão a seus as­so­cia­dos, am­plian­do as informações dis­po­ní­veis e, em conjunto com o Sindigraf e a Federação das In­dús­trias do Estado, busca ­criar pontes que facilitem a capacitação em­pre­sa­rial como um todo. O Maranhão tem um longo caminho a percorrer na es­ trada do crescimento e bastante tempo a recuperar, porém as condições estão cada vez mais sólidas para este crescimento.

grafica@aquarela.ind.br


Todos podem ter mais agilidade para encarar grandes desafios. Todos podem Prolam. Encarar um grande desafio não é exclusividade de atletas radicais. Nós, do mercado gráfico, também nos defrontamos com grandes e diários desafios. É para resolvê-los com agilidade que a Prolam aprimora seus estoques e reduz seus prazos de entrega. Na hora de passar por cima de um novo desafio, pode contar com a agilidade Prolam.

• PROLAM FOSCO • PROLAM ALTO BRILHO • PROLAM PRATA • PROLAM 3D • PROLAM SOFT TOUCH 11 3616.3404 • 21 2580.9394 • 81 3242.4506

www.prolam.com.br


Alta competitividade

Oceano amplia capacidade com mais duas rotativas

O

nze milhões de páginas no formato revista por hora. Essa é agora a capacidade instalada da gráfica Ocea­no, que no dia 3 de março, em Cajamar (SP), apresentou ofi­cial­men­te ao mercado sua nova impressora offset rotativa com forno. Tratase de uma KBA Comet, capaz de imprimir 37.500 cadernos de 32 páginas por hora.

(E/D) Kai Trapp, diretor de vendas da KBA, e Luiz Cesar Dutra, diretor da Deltagraf

64

“É a pri­mei­ra a ser instalada na América do Sul”, disse Luiz Cesar Dutra, diretor da Deltagraf, representante da KBA no Brasil. Modelo idêntico está sendo montado na unidade de Cri­ciú­ma, a Ocea­no Sul, em Santa Catarina, compondo um parque gráfico rotativo total de oito máquinas, todas KBA . A estrutura de impressão conta com mais duas impressoras offset planas, uma KBA e ou­tra Komori. Os novos equipamentos vêm ao encontro do au­men­to na demanda tanto dentro REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Fotos/Divulgação

Os equipamentos, instalados em Cajamar e Criciúma, atendem a estratégia da gráfica de aumentar sua participação nos mercados de livros e tabloides.

(E/D) Hercílio de Lourenzi, diretor do Grupo Escala, e Alfried Plöger, diretor corporativo da gráfica Oceano

do próprio Grupo Escala (Editora Escala, Escala Edu­ca­cio­nal e La­rous­se), do qual a Ocea­no faz parte, quanto do mercado. Segundo Hercílio de Lou­ ren­zi, diretor do Grupo Escala, hoje 40% da produção da gráfica vem de produtos pró­prios. “Que­re­mos sair mais para o mercado. Uma boa composição é 30% de produtos pró­prios e 70% de ter­cei­ros”. A expansão dos produtos da casa se deu, sobretudo, com o avanço da Escala Edu­ca­cio­nal e da La­rous­se, além dos novos títulos da Editora Escala. Em 2010, a editora lançou, entre ou­tras, as revistas Decorar Mais por Menos e Cons­truir Mais por Menos, voltadas para a chamada nova classe média, publicações que já se en­cai­xam na lista dos 50 títulos mais vendidos em banca. Hoje, a revista de ­maior sucesso no portfólio da Escala é a Atrevida, que tem vendido 200.000 exemplares por mês. Entre livros, revistas, CDs, DVDs e presentes, o site da Editora Escala disponibiliza mais de quatro mil produtos.

Outro segmento no qual a Ocea­no marca presença é o de ta­bloi­des, mercado extremamente competitivo nas palavras do diretor. “Diferente dos livros, que exigem uma estrutura de acabamento adequada, é fácil competir na área de ta­bloi­des. Basta ter uma rotativa. Por isso, as margens são mui­to bai­x as. A briga é só por preço. Nem a estrutura logística faz a diferença, pois se eu monto algo hoje, na próxima semana meu concorrente está oferecendo o mesmo serviço”. As tiragens con­ti­nuam altas, porém cada vez mais quebradas. “Por exemplo, em um pedido de quatro milhões, que segue para vá­rias praças, tenho de fazer 40 acertos de máquina, pois cada re­g ião recebe um produto específico. É, na verdade, um pacote de quatro milhões de exemplares dividido em tiragens de 100 mil”. Quan­d o perguntado sobre as metas da Ocea­no, Hercílio filosofa: “O caminho se faz ao caminhar”. Completando, relembra a trajetória de crescimento da gráfica desde sua cria­ção, em 1997, que começou com a compra de um terreno de 20.000 m² no município pau­l is­ta de Cajamar, no qual foi erguido um prédio de 10.000 m². Atual­men­te, as instalações dessa unidade ocupam 36.000 m² de área cons­t ruí­d a, em uma área de 60.000 m², onde trabalham pou­co mais de 300 fun­ cio­ná­r ios. “Nos 19 anos de existência do Grupo Escala, somente em dois deles crescemos menos de 20%. Sabemos que vamos con­ti­nuar crescendo”. Durante o evento de apresentação da nova impressora, que contou com a presença de Kai Trapp, diretor de vendas da KBA , além de clien­tes e fornecedores, Kai e Hercílio ressaltaram a parceria entre as empresas. Em 14 anos de gráfica, foram adquiridas 14 impressoras offset, sendo nove rotativas e cinco planas. De acordo com o diretor do Grupo Escala, o custo das duas impressoras Comet, in­c luin­do os investimentos ne­ces­sá­r ios para sua instalação, chegou a cerca de 11 milhões de eu­ros. & OCEANO INDÚSTRIA GRÁFICA E EDITORA Tel. (11) 4446.7000 www.graficaoceano.com.br


Estamos vendendo equipamentos gráficos. Todos em ótimo estado!

LOMBADA QUADRADA (PUR E HOT MELT) • Modelo MÜLLER MARTINI / ACORO A5 • 16 Alimentadores + Manual • 6.000 exemplares / hora • Instalada 06/2008

ENCADERNADORA CAPA DURA • Modelo: BF 2000 523A / FE600 • Reformado pela Kolbus Alemanha em 2008

MONTADOR CAPA DURA • Modelo KOLBUS / DAS 206 • Formato Máx. (Capa Aberta): 660 x 405mm • Ano: 2000 (REVISADO)

Informações entrar em contato com: José Carlos, através do fone: (11) 3838-1855 ou e-mail: jjesus@uvpackacabamentos.com.br


Q uan.com.b r


Fotos/Divulgação

Grupo Bignardi

Rentabilidade é o alvo

Para o Grupo Bignardi, 15% é um bom número em se tratando do crescimento para 2011. Porém, a principal meta deste ano, perseguida nas três ­áreas de atuação do grupo — cadernos, papel reciclado e atacado — é a elevação da rentabilidade do negócio como um todo. Tânia Galluzzi

68

Unidade Jundiaí

Grupo Bignardi encerrou 2010 com uma re­c ei­t a de R$ 410 mi­l hões, cerca de 15% ­maior do que a registrada no ano an­te­r ior. Empregando 1.100 fun­cio­ná­r ios, o conglomerado conta com uma unidade gráfica em Caiei­ras para a produção de cadernos, a fábrica de papel em Jun­d iaí, ambas no Estado de São Pau­ lo, e a sede do grupo mais as instalações do REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

atacado de ma­te­r ial escolar e de escritório na capital pau­lis­ta. Tanto Caiei­ras quanto Jun­d iaí foram alvo de investimentos sig­ nificativos entre 2008 e 2010, perto dos R$ 90 mi­lhões, visando tornar-se referência em papel reciclado e acelerar ain­da mais a produção de cadernos, ambos acompanha­ dos por programas de trei­na­men­to e certi­ ficações voltadas às práticas de produção am­bien­tal­men­te sus­ten­tá­veis. Identificando uma oportunidade de mercado, a Bignardi Pa­péis mais que do­ brou a capacidade de produção de pa­péis reciclados para imprimir e escrever, sal­ tando de 25  mil para 55  mil toneladas ­anuais. Já na produção de cadernos o in­ cremento foi de 40% através da aquisição de uma nova impressora offset e de uma linha de acabamento. Hoje, a gráfica é ca­ paz de converter três mil toneladas de pa­ pel por mês. “Estamos concentrados no re­ torno dos investimentos, na melhoria do

mix das vendas objetivando incremento do preço médio e contínuo foco na otimização dos custos. Esse é o nosso desafio”, afirma Bea­triz Bignardi, diretora fi­nan­cei­ra. A empresa fabrica pa­péis reciclados des­ de o final da década de 1990, contudo não em larga escala. Em 2007, quando este pro­ duto tornou-se um ícone de sustentabilida­ de, tomou-se a decisão de colocar os dois pés nesse segmento, apoian­do-se em ca­ pacidade produtiva e qualidade. No ano se­ guinte o produto atingiu o pico de deman­ da, os preços subiram, a ca­deia produtiva desequilibrou-se e os grandes comprado­ res começaram a buscar alternativas, in­ clusive na importação de ou­t ros tipos de pa­péis. De­pois de um pe­r ío­do de crise eco­ nômica, de sequencial acomodação e de ajustes, 2010 mostrou-se um ano de recu­ peração, como comenta o diretor Ivan Du­ ckur Bignardi. “No ano passado, registra­ mos um incremento em nossas vendas da


Máquina de papel de Jundiaí

Foto: Roberto Loffel

ordem de 20%, mas a rentabilidade não se­ guiu o mesmo ritmo, em parte pela eleva­ ção nos preços da celulose e dos custos de fabricação e em parte pela oferta de papel importado, principalmente da Ásia”. Vale lembrar que a Bignardi Pa­péis não é uma indústria integrada de papel, comprando celulose do mercado. Um dos instrumentos dos ­quais ela lan­ çará mão para am­pliar o volume das ven­ das de pa­péis reciclados será investir na

(E/D) Ivan Duckur Bignardi, diretor de marketing; José Bignardi Netto, presidente; Beatriz Duckur Bignardi, diretora financeira e Ricardo Duckur Bignardi, diretor comercial

melhoria da divulgação dos prin­cí­pios da fabricação dos pa­péis que utilizam essa ma­ triz de fibras. “É preciso con­ti­nuar discu­ tindo sobre o papel reciclado. Por exemplo, nem todos os concorrentes usam o mesmo processo. Mui­to se fala que o papel recicla­ do consome mais energia que o de fibra vir­ gem na sua produção, grande parte decor­ rente do tratamento das fibras das aparas através dos processos de destintamento e bran­quea­men­to. Porém, no nosso processo produtivo, apenas inserimos as fibras reci­ cladas na composição total das fibras, pas­ sando-as por um processo de limpeza de contaminantes críticos como plásticos e ou­tros. Essa separação não exige recursos

Máquina de papel de Jundiaí

químicos nem alta demanda de energia e gera apenas um pequeno por­cen­t ual de perdas de fibras”, explica Bea­triz Bignardi. A empresa está estudando a aquisição de uma nova planta para tratamento da fi­ bra de aparas pós-​­consumo com a finalida­ de de au­men­tar o uso de fibras recicladas, superando a determinação da norma NBR 15755/2009 (que determina que o produ­ to reciclado deva conter pelo menos 50% de ma­te­r ial de fibras celulósicas recupera­ do). “Cabe destacar que um dos prin­ci­pais prin­c í­pios do papel reciclado é o alonga­ mento do ciclo de vida da matéria-​­prima que tem como origem a ma­dei­ra reflores­ tada”, ressalta a diretora. Segundo Ivan Bignardi, o papel off­ set reciclado, foco principal da estratégia da empresa, está agora em uma fase de MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

69


Máquinas de caderno Bielomatik

Unidade Caieiras

estabilidade e retomada de demanda. É um nicho de 60 mil toneladas a­ nuais, represen­ tando 5% do mercado de papel offset para imprimir e escrever, que ao todo consome 1,2 milhão de toneladas por ano. “Nossos maio­res clien­tes são órgãos públicos e cor­ porações que consomem o papel A4 reci­ clado nas suas operações administrativas. Temos também gráficas e empresas que utilizam esse papel na elaboração dos ma­ te­r iais de comunicação com seu público e mercado. Igualmente no segmento de ma­te­ riais escolares, o papel reciclado tem ganho con­t i­nua­men­te uma ­maior participação”. Mercado interno  × mercado externo

A Jan­daia, marca da empresa na área de ca­ dernos, também passou por ciclos recen­ tes de investimento, com foco no au­men­ to da capacidade e eliminação nos gargalos de produção.

Foto: Roberto Loffel

Sede do grupo e instalações do atacado de material escolar e de escritório, no bairro do Pari, em São Paulo

70 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Atualmente, todas as fases de produção de cadernos si­t uam-se dentro da fábrica em Caiei­ras. “Tivemos um incremento de 22% no volume de vendas para o mercado interno em 2010, sendo que no exercício an­te­r ior já ha­v ía­mos obtido elevação de 7%”, diz o diretor. Em contra­ ponto, o volume exportado sofreu queda de 20% no ano passado. Ivan Big­ nardi detalha que a exportação bra­ si­l ei­r a de cader­ nos atingiu o teto de 75  mil tone­ ladas ­a nuais em 2006 e agora está em 17 mil tonela­ das. A valorização do real, a de­pre­ cia­ção do dólar, a crise no mercado norte-​­americano,

principal destino do produto na­c io­n al, a retomada dos in­ vestimentos dos fa­ bricantes lo­c ais e a concorrência dos fabricantes asiá­t i­ cos estão entre os componentes mais re le v a nte s de s se cenário negativo. Mesmo dian­t e desse panorama, a Bignardi continua buscando ­meios para manter-se atuan­te e espera que as exporta­ ções de cadernos cresçam 17% em 2011, le­ vando em consideração os si­nais positivos da economia nos Estados Unidos. Soman­ do os resultados dos mercados doméstico e in­ter­na­cio­nal, a expectativa é de uma eleva­ ção de 12% na venda do produto. De acor­ do com o executivo, o segmento de cader­ nos no Brasil representa 150 mil toneladas ­anuais de papel, das ­quais, a Jan­daia par­ ticipa com 15%. E a diretora fi­nan­cei­ra en­ fatiza: “nosso ­atual objetivo não é apenas a disputa por market share, mas também a melhoria das margens de rentabilidade”. Da mesma forma, tornar a operação mais rentável encabeça a pau­ta das equi­ pes do Atacadão Jan­daia. Otimizar a ges­ tão dos recursos, implantar um site de co­ mércio eletrônico e aprimorar a divulgação dos serviços oferecidos pela dis­tri­bui­do­ra são as metas para 2011. BIGNARDI www.grupobignardi.com.br


Jurídico

D

72

esde 1988, o escritório Honda, Estevão Advogados atua no atendimento jurídico de empresas e entidades de classe, nas ­­áreas tributária, trabalhista, cível-​­so­cie­tá­r ia e de comércio ex­te­r ior. Um desses clien­tes é a Abigraf Na­cio­nal. “Temos um canal direto com o departamento jurídico da entidade para responder às questões de interesse da categoria/setor”, explica o advogado Hélcio Honda. Além disso, o escritório oferece alguns di­fe­ren­ciais no trabalho prestado, a exemplo dos assuntos relativos ao ex-​ ­tarifário. “Há possibilidade de di­mi­nuir o custo tributário na importação, bem como o custo legal”, diz Honda. Honda também comenta que o Brasil tem um grande problema de burocracia e carga tributária. “Para tentar so­lu­c io­nar este problema foi cria­do o Simples, que de simples ficou só no nome. O nível de cumprimento de obrigações é quase equivalente ao da grande empresa, o que muda é só a quantidade de documentos que você tem que entregar. Nesse aspecto, nós assessoramos vá­r ias entidades, além da Abigraf. Um dos trabalhos que fazemos perante o governo é justamente rea­l i­zar plei­tos para que possamos di­mi­nuir a insanidade tributária”, explica o advogado. Ele cita o exemplo de um diag­nós­ti­co, elaborado junto à Re­cei­ta Federal, para detectar os entraves e a demora para obter certidões e ou­tros documentos. “Levantamos os problemas e fizemos uma solicitação para humanizar o atendimento, para que o empresário não tivesse que ficar na fila, de madrugada, até conseguir uma senha e ser atendido”, revela Honda, sobre um dos mui­tos “melindres” da burocracia encontrada nos órgãos públicos. Ele ressalta que, nesse ponto, o papel de uma entidade de classe é fundamental, pois é ela quem pode levantar estes e ou­tros problemas. “Assim, juntos, poderemos encontrar, pelo campo jurídico, as formas adequadas para obter do poder público o atendimento aos an­seios e necessidades do setor”. Com uma ex­pe­r iên­c ia de mais de 20 anos, Honda está plenamente qualificado REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Questão legal Atuando como um canal a mais no apoio jurídico ao Sistema Abigraf, o escritório Honda, Estevão Advogados Associados oferece tabelas específicas para alguns serviços.

Hélcio Honda, sócio diretor da Honda, Estevão Advogados

para comentar os temas que estão no cerne dos entraves da atividade produtiva na­cio­ nal. Um deles é a reforma tributária, que, em sua opi­nião, “não sai do papel por conta de um grande problema: o ICMS, que é es­t a­dual e não deveria ser. Além da própria fron­tei­ra, pois hoje as operações das empresas ultrapassam os limites de vá­r ios estados e até do País”. A demora para as reformas, segundo ele, pode ser justificada pela alta arrecadação gerada por tal tributo. “O resultado é que temos 27 sistemas legislativos, com mais de 100 alíquotas diferentes. O  ICMS é um imposto sobre o produto e o produto é igual, não deveria ter uma carga diferente em função da localização da empresa. Isso é inconcebível”. Para o advogado, em nível cons­ti­tu­cio­ nal, os ajustes tri­bu­t á­r ios po­de­r iam ser mínimos. “Nem precisaria chamar de re-

forma, seria mui­to mais uma reen­ge­nha­ ria, que poderia, por exemplo, promover a unificação dos tributos”. Trata-se do que ele classifica de “pequenos avanços”, e que já significariam uma grande con­tri­bui­ção se fossem implementados. O advogado enxerga como positiva a adoção da tecnologia para algumas obrigações fis­cais, a exemplo da certificação digital para emissão da nota fiscal. “A informática mudou mui­to o co­t i­d ia­no das empresas e esta migração para a nota eletrônica, para o SPED contábil e fiscal e para a certificação digital é inevitável. Claro que isso acarreta algum tipo de custo, mas é bom para os dois lados: tanto para a Re­cei­ta, que recebe todas as informações por meio eletrônico, quanto para o empresário, que acaba informatizando a sua base. Quan­to mais informação e mais cruzamentos destas tivermos, menos espaço haverá para a informalidade”. No âmbito do comércio in­ter­na­cio­nal, Honda comenta sobre a concorrência entre os produtos na­cio­nais e os importados. Ele men­cio­na as medidas de salvaguarda do mercado, entre elas o antidumping. “É aí que, mais uma vez, a entidade de classe tem um papel fundamental, no sentido de fazer plei­tos específicos, que visem à manutenção da competitividade do produto bra­si­lei­ro”. Na questão trabalhista, o advogado destaca um dos serviços mais comuns do seu escritório, a au­d i­to­r ia, que ganha destaque nas empresas, con­tri­buin­do para esclarecer mais rapidamente li­t í­g ios nessa área. “O di­rei­to do trabalho deve ser enxergado pelo empresário como um alia­do e não como um entrave. ­A liás, para sobreviver, além de ter um bom produto, uma empresa precisa ter um ótimo ge­ren­c ia­ men­to total, no campo tributário, fiscal, trabalhista, con­tra­tual e so­cie­tá­r io. É necessário pensar a empresa de uma forma ampla, organizada e preventiva”, pontua o sócio do Honda, Estevão Advogados. HONDA, ESTEVÃO ADVOGADOS www.hon­daes­te­vao.com.br


2º Prêmio ABIGRAF de Responsabilidade Socioambiental

As nossas inscrições estão abertas. E as suas chances de ser reconhecido pelo mercado também. Para estimular, cada vez mais, as práticas conscientes para o meio ambiente e a sociedade, a ABIGRAF está realizando a 2ª edição do Prêmio Socioambiental. Em 2009 o prêmio foi um sucesso com a participação de gráficas de diversas regiões do país. Não perca as datas em 2011 e mostre seu “case para o mercado.

INSCREVA-SE. CATEGORIAS

INSCRIÇÕES

O Prêmio ABIGRAF DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL tem duas categorias:

De 17 de janeiro a 18 de abril de 2011

A – Responsabilidade Social

De 25 de abril a 27 de maio de 2011

B – Responsabilidade Ambiental

CERIMÔNIA DE ENTREGA

PREMIAÇÃO

Dia 07 de junho de 2011

As gráficas vencedoras nas duas categorias receberão os seguintes troféus: A – Responsabilidade Social – “Troféu ABIGRAF de Responsabilidade Social Hasso Weiszflog” B – Responsabilidade Ambiental – “Troféu de Responsabilidade Ambiental Orlando Villas Bôas”

Realização:

JULGAMENTO

Patrocínio:

REGULAMENTO E FICHA DE INSCRIÇÃO Estão à disposição no site www.premiosocioambiental.org.br


IMPRESSÕES

Claudio Baronni

Presidente do Conselho Diretivo da ABTG

Sustentabilidade, de novo? Não. Sempre! ssa palavra está sendo encontrada com frequência mais que desejada em toda a comunicação do planeta. Isso acontece pela importância de repensarmos nossa participação na sociedade atual. Vamos partir de um conceito básico que irá nos apoiar no desenvolvimento de nossa ideia. Sustentabilidade, em última instância, coloca a questão da nossa permanência — e da permanência de outras espécies — no planeta, em longo prazo. Considerando algumas situações dramáticas, como no caso das mudanças climáticas, a sustentabilidade não acontecerá sem desconfortos e poderá exigir de nós uma nova visão de mundo, traduzindo um novo esforço de desenvolvimento. Dada a grandeza do problema, temos a sensação de que nada do que pudermos fazer servirá para reverter essa situação. Não é verdade. A soma das pequenas contribuições individuais ou de pequenos grupos é que comporão as ações responsáveis por garantir as condições de sobrevivência necessárias. Devemos desmembrar essa contribuição em três categorias: social, ambiental e econômica. Na nossa indústria gráfica, composta por mais de 20.000 empresas, acumulando mais de 220.000 trabalhadores, devemos enfrentar a obrigação de contribuirmos de forma clara e firme. Seja na condição de proprietário, executivo ou gestor, temos responsabilidade sobre a qualidade de vida de nossos funcionários e, por extensão, de seus familiares e dependentes. A primeira grande contribuição é a atitude didática de inseri‑los nessas transformações, mostrando que, além das ações dentro da empresa, é preciso repensar a vida dentro de seus lares.

74 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Não nos esqueçamos do aspecto social. Próximo a nossas empresas há um entorno formado por pessoas com necessidades das mais variadas. Na medida do possível, devemos identificar e contribuir para seu atendimento. No aspecto ambiental, precisamos buscar meios de fazermos o mesmo com uma menor quantidade de recursos. Devemos minimizar constantemente o desperdício em todos os aspectos, providenciar reciclagem de tudo o que for possível e procurar zerar emanações gasosas ou efluentes líquidos que comprometam a qualidade do ambiente em nossa volta. Do ponto de vista econômico, temos de garantir em primeiro lugar a obtenção de lucro que garanta a sobrevivência longa de todos que dependem da empresa (proprietário, funcionário, fornecedor, cliente). Muita atenção na relação com os organismos governamentais. Obedecer a leis, regras, regulamentos, procedimentos é fundamental. Maus atos trazem, mais cedo ou mais tarde, consequências negativas. A maioria dessas proposições não é nova, mas reveste‑se de importância crescente e deve ser praticada permanente e incessantemente daqui para todo o sempre. Bom planeta a todos.

claudiobaronni@abril.com.br


Sustentabilidade

Água reciclada Empresas do setor gráfico investem em sistemas ambientais de reúso da água que, além de contribuir com a redução de despesas, ajudam a preservar o meio ambiente.

ados da Organização Mun­d ial da Saú­de (OMS) revelam que apenas 3% de toda a água existente na Terra é consumível — quantidade considerada in­su­f i­c ien­te para a demanda da população. Desse volume, o Brasil é detentor de 11,6%, dos ­quais mais da metade está no rio Amazonas. Se a disponibilidade de água para con­ sumo está aquém do ­ideal, a si­tua­ção se tor­

Tainá Ianone

Marcelo Morgado, assessor de Meio Am­bien­te da Sabesp

na alarmante quando se sabe que o uso ra­ cio­nal ain­da é pou­co praticado. Para se ter uma ­ideia da proporção do desperdício, no nosso país o consumo é cinco vezes ­maior do que o necessário. O quadro é grave e re­ quer ações ime­dia­tas para amenizar os efei­ tos presentes e futuros do uso desmedido deste recurso natural. Uma das medidas que vem sendo pro­ pagada mais fortemente é a da reu­t i­l i­za­ ção de água, prática adotada por empre­ sas res­pon­sá­veis e cien­tes da importância de promover ações am­bien­tal­men­te corre­ tas. Especificamente para esta finalidade, a Sabesp (Companhia de Sa­nea­men­to Bá­ sico do Estado de São Pau­lo) desenvolveu o programa Água de Reú­so, voltado para diversos setores produtivos. A ini­cia­ti­va teve início em 1997, a partir da Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) Jesus Netto, no bair­ro da Moo­ca, na capital pau­lis­ta, atendendo a indústria têxtil ­Coats Corrente, a qual consome 75 mil metros cú­ bicos de água ao mês. Doze anos mais tar­ de, a empresa con­se­g uiu adotar um siste­ ma que dispensava a ultrafiltração prévia, atestando a qualidade do líquido “recicla­ MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

75


Teddy Lalande, coor­de­na­dor de Sustentabilidade da Dixie Toga

do”, que passou a ser rea­pro­vei­ta­do em suas cal­dei­ras. De acordo com Marcelo Morga­ do, assessor de Meio Am­bien­te da Sabesp, a economia de custos gerada pelo reúso da água foi um dos fatores determinantes para a fábrica evitar a migração para polos têx­ teis do nordeste do País. Hoje, a companhia, responsável pelo abastecimento de 366 mu­ni­cí­pios no Esta­ do, fornece água de reú­so a partir de cinco estações de tratamento de esgotos na re­gião metropolitana, mas apenas 30% da capa­ cidade de produção é co­mer­cia­li­za­da, pois ain­da não existem empresas interessadas su­f i­cien­tes. “Por isso, para nós é es­sen­cial desenvolver grandes clien­tes e trabalhar para eliminar tabus em relação a um pro­ duto que traz ganhos am­bien­tais for­mi­dá­ veis e reduz custos”, declara Marcelo. A Sabesp conta atual­men­t e com 55 clien­tes ativos e a perspectiva, a partir do momento em que o trabalho de cons­cien­ti­ za­ção avance, é au­men­tar a adesão das em­ presas em todo o Estado. Para quebrar para­ digmas, são rea­li­za­dos encontros se­to­riais e promovidas campanhas de mar­ke­ting. En­ tre os prin­ci­pais setores que já aderiram ao projeto estão o têxtil, representando 50% dos clien­tes atendidos, o de papel e celulose e pre­fei­tu­ras mu­ni­ci­pais, respectivamente, com 30% e 15% do total, ficando o restante dis­tri­buí­do entre vá­r ios segmentos produ­ tivos. As empresas gráficas, informa Mar­ celo, ain­da não são usuá­r ias, apesar de al­

gumas delas adotarem técnicas similares em seus parques industriais. Segundo o assessor, um entrave à ­maior adesão pode ser o custo de frete, pois os ca­ minhões-​­tanque de água de reú­so são de­ dicados: não podem ser usados para fins po­tá­veis após utilizados no transporte de água de reú­so. “A Sabesp está elaborando, em par­cei­ra com a Sansuy, uma solução al­ ternativa na forma de um con­têi­ner flexí­ vel em PVC, cria­do para uso das tropas do exército bra­si­lei­ro no Hai­t i, que pode ser transportado em qualquer caminhão de carroceria aberta”, conta. Marcelo informa ain­d a que em Is­rael 80% do volume de água é pro­ve­nien­te do rea­pro­vei­ta­men­to, sendo aplicado, em es­ pe­cial, em atividades agrícolas. A Espanha é a segunda nação que mais utiliza o siste­ ma, com 12% do total consumido pelo país. “Por este motivo, firmamos termos de coo­ pe­ra­ção mútua com a Mekorot, estatal que fornece serviços de sa­nea­men­to em Is­rael, e com a Agbar (Águas de Barcelona), ­que é a maior companhia espanhola nessa área e a quarta do mundo”. O próximo projeto da Sabesp é o Aqua­ polo, em parceria com a Odebrecht. Segun­ do ela, será o ­maior programa de água de reú­so do hemisfério sul e um dos quatro maio­res do planeta. Com investimento de R$ 253 mi­lhões, produzirá mil litros por se­ gundo para o polo petroquímico de Ca­pua­ va, em Mauá (SP). O líquido será fornecido pela ETE ABC e exigirá um moderno trata­ mento de polimento, com a tecnologia de ultrafiltração e osmose inversa. Reúso nas gráficas

Estação de tratamento de efluentes da Dixie Toga

76 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Além de con­tri­buir significativamente para a preservação do meio am­bien­te, quem uti­ liza o sistema de reú­so tem redução nos custos decorrentes do consumo de água, be­ ne­fí­cios sentidos e comprovados por empre­ sas do setor gráfico, como a Dixie Toga, a In­ dústria Serigráfica Tekne, a Bignardi Pa­péis e a Valid S.A (antiga ABnote). Nesta última, na unidade de Sorocaba, in­te­r ior de São Pau­lo, o sistema que permite a reu­t i­l i­za­ ção da água está em fun­cio­na­men­to desde 2008. A solução, implementada como parte


do programa de gestão am­bien­tal, é utiliza­ da na área de gráfica e nos sa­ni­tá­r ios. Também em 2008, a Dixie Toga, fabri­ cante de embalagens, implementou a reu­ ti­l i­za­ção de água na unidade da Rodovia Dutra, em São Pau­lo. “Do estudo interno até a contratação, transcorreu cerca de um ano. Desde então, aprimoramos o sistema con­ti­nua­men­te”, diz Teddy Lalande, coor­ de­n a­dor de Sustentabilidade. A empresa trata e reu­ti­li­za, no próprio parque, todos os efluen­tes daquela fi­lial. “Usamos a água nas descargas dos ba­nhei­ros, nas torres de res­fria­men­to, na irrigação das ­­áreas verdes e na lavagem das ­­áreas externas”. A ini­cia­ ti­va teve o objetivo de reduzir os impactos am­bien­tais e, si­mul­ta­nea­men­te, minimi­ zar os custos. “Zeramos o lançamento de esgoto e reduzimos o consumo de água em mais de 40%”, afirma Teddy. A en­g e­n hei­r a civil He­l oi­s e Lunardi Cou­t i­n ho, diretora de Qua­l i­d a­de e Meio Am­bien­te da Indústria Serigráfica Tekne (Porto Alegre, RS) e es­pe­c ia­l is­ta em Ges­ tão da Qua­li­da­de e Am­bien­tal, relata que, em 2003, a empresa começou os estudos de aplicação do sistema Produção mais Limpa (P+L), mas a operação da ETE, com reu­ti­li­ za­ção par­cial da água tratada no processo de gravação e limpeza das telas serigráfi­ cas, começou a fun­cio­nar efetivamente em 2006. O programa foi elaborado em parce­ ria com o Sindigraf-RS, o Centro Na­cio­nal de Tec­no­lo­g ias Limpas (CNTL) e o Serviço Bra­si­lei­ro de ­A poio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A necessidade de adap­ tar as instalações a um sistema de rea­pro­ vei­ta­men­to de água, de acordo com He­loi­ se, surgiu após a constatação de que o envio dos efluen­tes líquidos para uma estação de tratamento tornaria a logística mui­to cara. “Foram fei­tos diversos testes em laborató­ rio cre­den­cia­do com o órgão am­bien­tal lo­ cal até termos certeza de que o nosso pro­ grama atenderia aos padrões”, diz ela. Buscando se consolidar dentro do mer­ cado de papel, com uma linha de reciclado atendendo a norma ABNT NBR 15.755:2009, a Bignardi Pa­péis entende que é importan­ te ter também em seu parque fabril ações e práticas sus­ten­t á­veis objetivando uma produção mais limpa com minimização de

Estação de tratamento de efluentes da Tekne

re­sí­duos. Por isso, desde 2008 foram in­ corporados equipamentos e sistemas res­ pon­sá­veis pela reciclagem de parte signi­ ficativa da água, reduzindo seu consumo. No último ano, a empresa também adqui­ riu uma nova ETE, a qual permite o retor­ no de parte dos efluen­tes in­dus­triais para a Estação de Tratamento de Água, di­m i­ nuin­do em cerca de 25% o volume capta­ do. “Estamos trabalhando para dar uma destinação nobre ao nosso efluen­te, trans­ formando-o em subprodutos: água para reú­so e o ma­te­r ial sólido composto princi­ palmente de fibras e cargas mi­ne­rais como matéria prima para ou­tros processos”, de­ clara Heraldo Salvador Bal­bue­na, coor­de­ na­dor de Qua­l i­d a­de e Meio Am­bien­te da indústria. A água é reu­ti­li­za­da no preparo de novas cargas de fibras de celulose ou de papel reciclado e em ou­tros pontos como refrigeração e chu­vei­ros.

He­loi­se Lunardi Cou­ti­nho, diretora de Qua­li­da­de e Meio Am­bien­te da Tekne

Desafios e benefícios

Na opi­n ião de Teddy, o principal desafio na implementação do sistema na Dixie Toga foi encontrar uma empresa es­pe­cia­ li­za­da disposta a ­criar uma solução perso­ nalizada e a ne­go­ciar um contrato do tipo ­build-​­operate-​­transfer (BOT) — forma de fi­ nan­cia­men­to de projetos no qual a contra­ tada financia, projeta, constrói e opera uma instalação me­dian­te uma mensalidade fixa por um pe­río­do determinado, sendo o siste­ ma e sua operação pos­te­r ior­men­te transfe­ ridos para a empresa contratante.

77 MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF


Conscientização

78

Este caderno foi impresso em papel reciclado Eco Millennium 90 g/m², produzido pela Bignardi Papéis

Flotador instalado em 2010 na Bignardi para tratamento dos resíduos da fábrica

Heraldo Balbuena, coordenador de qualidade e meio ambiente da Bignardi

Carlos Affonso d’Albuquerque, diretor fi­nan­cei­ro e de relações com investidores da Valid

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Na Indústria Serigráfica Tekne hou­ve um complexo processo de testes e de de­ senvolvimento. “Elaboramos um plano com projeto de estação de tratamento de esgo­ to diferente das tra­d i­cio­nais do mercado, totalmente voltada para o nosso processo, como parte da implantação do P+L”, expli­ ca He­loi­se. Analisando o sistema de gestão am­bien­tal como um todo — afora a di­mi­ nui­ção nos custos ope­ra­cio­nais diretos e in­ diretos —, a en­ge­nhei­ra enumera como be­ ne­f í­cios prin­ci­pais a redução de riscos e do passivo am­bien­tal e de pos­sí­veis processos le­gais re­la­cio­na­dos, a melhoria da imagem da empresa, a di­mi­nui­ção da quantidade de re­sí­duos e a geração de empregos, por meio da disponibilização de re­sí­duos sólidos se­ gregados para serem reciclados. Na Bignardi, a nova ETE entrou em ope­ ração em setembro de 2010, e permite a se­ paração do ma­te­rial sólido, que fica suspen­ so na água do efluen­te. Heraldo Bal­bue­na explica que o ma­te­r ial sólido é separado da água por flotação — método físico/químico de separação sólido/líquido — e é desidra­ tado em decanters centrífugos para desti­ nação final correta. A Bignardi tem rea­li­za­ do testes para aplicação do ma­te­r ial sólido em in­dús­trias cerâmicas, de polpa moldada e na compostagem para produção de adu­ bo utilizado principalmente no cultivo de citros, eu­ca­lip­tos, cana-de-​­açúcar, flores e café. “As ações implementadas geraram um corte no consumo específico de água, de 2007 para 2011, de 35%”, diz o coor­de­na­ dor de Qua­li­da­de e Meio Am­bien­te da fa­ bricante de papel.

Entretanto, investir em sistemas e tec­no­lo­ gias não é o su­fi­cien­te para obter resultados significativos com ações am­bien­tais: é ne­ cessário cons­cien­ti­zar a equipe de fun­cio­ ná­r ios. A Dixie Toga coloca, por exemplo, mensagens nos quadros de aviso, promove conversas sobre o tema durante as paradas de produção e aborda o assunto nos trei­na­ men­tos de integração de fun­cio­ná­r ios. Carlos Affonso d’Albuquerque, dire­ tor fi­nan­cei­ro e de relações com investido­ res da Valid, conta que disponibilizar in­ formações aos colaboradores foi uma das prio­r i­d a­des na implantação do programa am­bien­tal. “Promovemos ações edu­ca­cio­ nais, com palestras e trei­na­men­tos, para que todos com­preen­des­sem a importância da nova política que passava a ser adotada”, diz Carlos Affonso. Esta técnica também foi adotada pela Bignardi no trei­na­men­to dos colaboradores. A Tekne promoveu a mudan­ ça de postura dos fun­cio­ná­r ios, com trei­na­ men­to sobre gestão am­bien­tal no momen­ to da contratação e em palestras pe­rió­di­cas. “Trei­nar as equipes internas para entrega­ rem as telas isentas de tinta, solventes e fi­ tas adesivas — algo fundamental ao sistema de reú­so de água — foi um grande desafio, mas hoje isto está totalmente absorvido pe­ las equipes”, afirma He­loi­se. Água premiada

Como forma de incentivar as empresas atuan­tes nas ações am­bien­tais, algumas en­ tidades ins­ti­tuí­ram prê­mios de reconheci­ mento nesse quesito. Um deles é o Prêmio Abigraf de Responsabilidade So­cioam­bien­ tal, rea­li­za­do desde 2009. A pre­mia­ção, de­ senvolvida pela Abigraf Na­c io­n al a cada dois anos, visa estimular práticas corretas nas ­­áreas so­cial e am­bien­tal, no âmbito de toda a indústria gráfica bra­si­lei­ra e também no contexto da so­cie­da­de. O concurso, aber­ to a todos, independente de serem as­so­cia­ dos ou não à entidade, lau­reou a Indústria Serigráfica Tekne na categoria Ambiental com o case “Imprimindo com cons­ciên­cia e ações am­bien­tais”, no qual constam diver­ sas ini­cia­ti­vas, entre elas a reu­ti­li­za­ção par­ cial da água tratada no processo de lavagem e gravação de telas serigráficas.


Mudar Conceitos.

Repense conceitos, considere o valor da reciclagem. A mudança começa com você.

José Bignardi Netto Presidente - Grupo Bignardi “Eu faço parte dessa mudança”. “Acredito que nossas escolhas no presente podem trazer ganhos para todos no futuro. Por isso, nós da Bignardi fabricamos o papel reciclado Eco Millennium seguindo a norma ABNT NBR 15.755:2009, que orienta a produção de papel reciclado no Brasil. Isso quer dizer que optamos pela produção mais limpa, minimizando a geração de resíduos para o ambiente. Eu já assumi esse compromisso e você pode fazer parte dessa mudança também. Questione seu fornecedor ou fale com a Bignardi e descubra o que ela pode oferecer para seus projetos”.

Solicite uma amostra do papel Eco Millennium pelo site: www.bignardipapeis.com.br ou pelo SAC 0800 109509.


Siga também o Olhar gráfico no blog em www.qu4tro.com.br/blog

OLHAR Revistas nascem e morrem

Revista inglesa, edição de outubro de 1973. Publicada desde 1945.

80

Revista norte-americana, edição de 1961. Publicada desde agosto de 1959, redesenhada e modernizada diversas vezes ao longo de sua existência. Mantém-se ativa com a versão impressa e edições digitais.

As revistas, como as estrelas e os humanos, têm seus ciclos de vida: nascem, crescem e um dia se vão. Para aumentar seus ciclos vitais muitas se renovam ou se transformam, em função das mudanças da sociedade – tanto tecnológicas como sociológicas. O redesign quase sempre é realizado para que elas sobrevivam num mercado competitivo e em transformação. Hoje em dia não podemos mais falar apenas em revistas impressas, pois, além das versões digitais com o formato tradicional – que são a maioria das versões existentes hoje para a internet ou para os tablets –, teremos brevemente revistas desenhadas levando em REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Revista inglesa, publicada até 1974 pelo Council of Industrial Design, edição de maio de 1971. Hoje edita o Design Council Magazine. www.designcouncil.org.uk

conta as mais amplas possibilidades dos recursos digitais. Ou seja: teremos revistas que acessarão vídeos, arquivos de Flash, MP3, dados das redes sociais e inúmeras outras coisas ainda não inventadas ou não prontas para consumo. Outras revistas que já existem em quantidade imensurável se chamam blogues. Não aqueles onde todos os textos começam com “Eu acho… Eu penso… Eu gostei…”, mas publicações feitas por equipes que envolvem vários profissionais como, por exemplo, os blogues especializados em design dos dois principais grupos de designers-intelectuais de Nova York: o Design Observer e o Speak Up. O primeiro reúne Michael Bierut, Jessica Helfand,


Primeiro

¶ Cannes Lions Jury President

Luciano Deos, diretor da GAD Branding Design, é o presidente do Júri de Design do Cannes Lions 2011 — Festival de Cannes —, que acontece todo ano em junho na Riviera Francesa. Ele é considerado o maior e mais importante festival de comunicação e criatividade do mundo, contando com a presença de mais de 7.000 delegados e 25.000 inscrições de diversos países.

GRÁFICO Mais um

Marilia Vianna, da Portfólio Design, e a Impresul, de Porto Alegre (RS), publicaram o calendário Rio Grande Rural, com imagens feitas por Fernando Bueno. O calendário tem a colaboração de Marcelo Jacobi e da Meca e apoia a instituição Instituto do Câncer Infantil RS.

Michael Bierut, 21 Grandes Designers e Suas Mentes Criativas considerado por Massimo Revista norte-americana, especializada em design de produtos, edição de setembro de 1970. Publicada de 1954 a 2009, usou nos últimos anos o título I.D.Magazine. Ver mais em www.aiga.org/content.cfm/caplan-id-magazine – 1954-2009

Rick Poynor e Bill Drenttel, e o segundo é dirigido por Armin Vit com a ajuda de personalidades como Debbie Millman e Stefan Sagmeister. Salvo o último, todos estes designers estão envolvidos com o mercado editorial, como autores e editores de livros, revistas, sites e, obviamente, de blogues. Por outro lado, estas experiências acabam gerando produtos impressos em coletâneas de textos, como o livro Seventy-nine Short Essays on Design, de Bierut.

em entrevistas para Debbie Millman, que trabalha na área de design há mais de duas décadas como apresentadora do programa online “Design Matters”, um fórum famoso para discussões e conversas sobre cultura visual. As entrevistas são instigantes, divertidas e revelam o lado escondido da produção de importantes e famosos designers norte-americanos.

Vignelli o maior dos designers norte-americanos dos dias de hoje, reuniu textos curtos do blogue Design Observer no instigante livro Seventy-nine Short Essays on Design. Texto econômico e escrita concisa são usados para fazer um mapeamento das atividades intelectuais e práticas dos designers: “Me considero um designer, não um escritor”, uma forma de dizer que não tem pretensões de dar lições para ninguém. Aproveitemos.

www.rosari.com.br

www.papress.com

81 MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF


Última oportunidade Mais uma vez, como diz Alexandre Wollner, perdemos o bonde da história e temos duas marcas ridículas para a Copa do Mundo e para as Olimpíadas a serem realizadas no Brasil ainda nesta década. A oportunidade permitia realizar um projeto brasileiro, baseado em algum tema e subtema da cultura nacional, mas o resultado são marcas que podem ser compradas embaciões como se compram bugigangas chinesas ou suíças. Hugo Kovadloff até explica o resultado em função de um briefing muito detalhado. Então o erro está em quem “brifa” ou no espírito consumista dos tempos atuais. ¶ A pesquisa poderia descobrir ou revelar um design brasileiro, e não apenas feito no Brasil por brasileiros. Um design que certamente já incorporou com talento e qualidade a escola suíça, as modas californianas, os macetes dos softwares alienígenas e toda e qualquer invenção da cultura visual contemporânea e futura. Este design está nas faixas de Procura-se cão perdido, nos panfletos da Madame Natália, que lê as mãos, nas paredes grafitadas, em nossos jornais e revistas, nos sites e blogues, onde milhares de designers expressam uma visão de mundo bem brasileira para brasileiros do mundo todo. ¶ Isto não quer dizer folclorização, banalização, ou soluções de senso comum, sem nenhum estofo cultural e, até mesmo, erudito. Um design que, como nos anos 1960, apontava para as possibilidades de um futuro interessante. Agora que chegamos ao futuro – e nunca dantes uma geração neste país teve essa oportunidade –, os sinais que emitimos são muito semelhantes aos de qualquer lugar do mundo. Não são simples. São tecnicamente competentes. Mas são vazios e atrelados a valores que não representam nossos anseios e vivências. E mais do que isso, não servem para nosso crescimento e para ampliar a visão sobre nós mesmos. Não, não advogamos usar confete e serpentina ou a caipirinha como sinais dessa cultura visual. Nem sabemos que sinais poderiam ser estes se não nos permitem a utopia da imaginação, da pesquisa, da especulação intelectual. ¶ Na década de 1970, poucos lembram, o México, aquele país do Chaves e Chapolin, que por muito tempo consideramos brega, subdesenvolvido como nós, tomou uma decisão estratégica importante para o design: “Não tendo designers preparados para missão tão complexa como havia nas Olimpíadas de 1964 em Tóquio e, depois, em 1972, em Munique, o México importou designers estrangeiros e os colocou sob a direção do mexicano Pedro Ramírez Vázquez. ¶ Ele soube introduzir no projeto dois aspectos contraditórios do México: as raízes pré-hispânicas, indígenas, e a ideia de uma nação moderna. Assim, a identidade do país foi fundida com a do evento: as Olimpíadas daquele ano tornaram-se México 68. O projeto reúne uma linguagem criativa comum: as linhas e uma sensibilidader para a cor. E estes contrastes formais denotam várias contradições da vida e da cultura mexicana: modernidade e antiguidade, desenvolvimento e subdesenvolvimento, machismo e admiração pelo feminino, magia e realismo, monoteísmo e idolatria”.

Depoimento de Daoud Sarandi e Carolina Rivas, na revista Eye.

Projeto de Pedro Ramírez Vázquez com Alfonso Soto Sorio e Eduardo Terrazas. Execução dos designers americanos Peter Murdoch, Lance Wyman, Bob Pellegrini, Michael Gross e Beatrice Trueblood.

¶ Não é o nosso caso: temos grandes profissionais, experiência internacional, escritórios com as mesmas capacidades e criatividade que qualquer “pentagram” do planeta. 82

Poderíamos fazer melhor e visualizar um futuro menos óbvio para nós. Claudio Ferlauto REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011


o s s e r p m I l e v á s n o p s e R o c i g Ecoló M Máquina IImpressora Im m Verde

Papel controlado e certificado (FSC)

Tinta ecoline dentro das exigências internacionais de produção

Verniz ecológico. Substitui o verniz cura U.V., plastificação e laminação

Papel 100% reciclável

www.leograf.com.br Matriz: (11) 3933-3888

Impresso ecologicamente correto


Quadrinhos

Álvaro de Moya Colaboração de Cesar Man­g ia­ca­val­li

X-9, o Agente Secreto Na década de 1930, povoada por valentes heróis na luta contra o crime, como Dick Tracy e Red Barry, a distribuidora King Features Syndicate criou X-9. A Devir acaba de lançar, numa edição de luxo, as aventuras completas do inesquecível detetive, publicadas de 1934 a 1935.

Formato: 27,5 x 20,5 cm Capa dura e brochura 216 páginas www.devir.com.br

84

Álvaro de Moya é autor do livro Vapt-Vupt. REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

jovem artista Alex Raymond, da equi­ pe de desenhistas do King, desenhou as pri­mei­ras tiras diá­r ias do personagem em ja­nei­ro de 1934, acumulando os capítulos do­ min­g uei­ros de Flash Gordon e Jim das Selvas. Para essa nova série, Raymond fez parceria com o inovador escritor de romances po­li­ciais que re­ vo­lu­cio­nou o gênero, ­Dashiell Hammett, au­tor

do livro O Falcão Maltês, imorta­ lizado no cinema pela inter­ pretação de Humphrey Bogar t. Hammett escrevia romances e contos crus, vio­len­ tos e rea­lis­tas, resol­ vidos na força e não pelo ra­c io­c í­n io sher­ loc­kia­no. ­Criou até um termo definitivo para descrever essas obras: “hard boi­led”.

Nas his­tó­r ias, X-9 luta numa selva metropo­ litana habitada por gigolôs, gangsteres e ban­ didos de toda espécie, ligados a uma fútil alta so­cie­da­de, numa atmosfera de cinismo e deca­ dência. O trabalho dos dois era tão im­pres­sio­ nan­te que o personagem, de­pois de ser aban­ donado pelos cria­do­res em 1935, con­t i­nuou existindo graças a vá­r ios artistas, como Austin Briggs, assistente de Raymond, Charles Flan­ ders, Mel Graff, Al Wil­liam­son e Geor­ge Evans. O sucesso do cul­tua­do detetive lhe valeu um se­r ia­do em 1937 e um filme com Lloyd Bridges em 1945. O personagem teve também um pro­ grama de rádio na BBC 7, com quatro capítu­ los. X-9 terminou sua car­rei­ ra na primavera de 1996. Eternizou-se, porém, como nome de es­ cola de samba no Brasil…


Galeria da SIB - Sociedade dos Ilustradores do Brasil

Autora: FABIANA SHIZUE Título: Ilustração para coleção de capas de cadernos, pastas e agendas. Cliente: Kalunga. Técnica: Ilustração vetorial/Freehand.

www.sib.org.br

Sociedade dos Ilustradores do Brasil


VEM AÍ MAIS UMA EDIÇÃO DO GRANDE DIRETÓRIO DO SETOR 15º Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica


BRAINSTORM

Á J E V R E S RE R A L P M E X O SEU E O único e exclusivo banco de dados do setor. Tudo que você precisa saber sobre 2.185 gráficas e mais de 500 fornecedores de todo o Brasil. TENHA-O SEMPRE À MÃO Informações indispensáveis e atualizadas para planejamento, levantamento de mercado, seleção de gráficas e fornecedores e consultas nos 365 dias do ano

APENAS

140,

R$

00

(11) 3159.3010 gramani@uol.com.br

Distribuição junho/2011


publicidade

88

ditado popular “uma imagem vale mais do que mil palavras” pode ser melhor traduzido na­ quele momento em que um anúncio publicitário bem elaborado desper­ ta interesse em uma expressiva parcela de consumidores. E, se falamos de imagens, não há dúvidas de que uma peça publici­ tária exibida em um canal de ­maior alcan­ ce, como a televisão, é extremamente forte na captação de clien­tes. Porém, ain­da que a tecnologia eletrônica tenha se aprimora­ do e ganhado reforços interativos nas últi­ mas décadas, quando os anún­cios impres­ sos empregam um número ­maior e mais cria­ti­vo de recursos di­fe­ren­cia­dos, eles ga­ nham um charme es­pe­cial, são atrativos e, claro, efi­cien­tes. “Um anúncio es­pe­cial im­ pacta mais do que um de página simples. Se tiver algo que aguce a cu­r io­si­da­de do lei­ tor, sem dúvida ele vai parar para ver de que se trata”, afirma Sergio Pic­cia­rel­l i Ju­nior, gerente da área de Desenvolvimento de Novos Produtos da Editora Abril. Ele informa que desde o início do século XX há registros de anún­cios di­fe­ren­cia­dos que buscaram alguma forma de interativi­ dade com o lei­tor. Entretanto, eles só come­ çaram a ganhar força na década de 1990, resultado de diversos fatores, entre eles a ­maior procura por formatos exclusivos e a evolução das tec­no­lo­g ias gráficas. “Os pro­ fis­sio­nais de comunicação dei­xa­ram de en­ xergar a mídia impressa como uma plata­ forma engessada e começaram a explorar suas particularidades e possibilidades”. Este tipo de peça publicitária também tem obtido reconhecimento do mercado, com a conquista de prê­m ios na­c io­nais e in­ter­na­c io­nais. Sergio cita que a pri­mei­ ra grande cria­ç ão bra­si­lei­ra nessa confi­ REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Sofisticação de recursos gráficos viabiliza a criação de anúncios impressos cada vez mais elaborados, diversificados e exclusivos. Tainá Ianone

guração, merecedora do Leão de Ouro no festival de Cannes de 1996, foi desenvol­ vida pela agência AlmapBBDO para o lan­ çamento do au­to­mó­vel Audi A8. No anún­ cio para revista, foi colado um pedaço de velcro que unia as duas metades do encar­ te e para abri-lo era necessário fazer um es­ forço extra. A mensagem visava divulgar o sistema exclusivo de aderência do novo modelo da montadora. O gerente da Abril comenta que o apri­ moramento do mercado gráfico bra­si­lei­ro con­tri­buiu para reduzir os custos desse tipo de publicidade. Antes, mui­tos efei­tos, como a aplicação de aroma às peças, tinham que ser executados após a impressão do mio­lo em ou­tro equipamento. Isso elevava os pra­ zos e o valor nos orçamentos. Hoje é possí­ vel fazê-​­los si­mul­ta­nea­men­te à impressão. “Neste sentido, o Brasil é um dos paí­ses mais inovadores. Só no ano passado, tive­ mos encartes produzidos com asfalto, teci­ do, tintas que rea­gem à água, 3D, com papel transfer e papel semente. Há casos cu­r io­ sos de peças que puderam ser utilizadas como bafômetro ou bolsa para compres­ sa”, descreve Sergio, men­cio­nan­do, respec­ tivamente, os encartes cria­dos pela Lo­ ducca para a CCR (revista Qua­tro Rodas) e pela Lew’Lara/TBWA para a Omint (revis­ ta Runner’s). Ele acrescenta que a desvan­ tagem do Brasil em relação a ou­tros paí­ses diz respeito à tecnologia, porém, este en­ trave mui­tas vezes é superado pela capa­

cidade de ­criar soluções alternativas e pelo conhecimento dos pro­f is­sio­nais gráficos bra­si­lei­ros. A construção do anúncio

Elaborar uma peça de propaganda com recursos di­fe­ren­cia­dos exige mais do que apenas a cria­ti­v i­da­de da agência e a apro­ vação do clien­te. Mui­tas vezes, por interfe­ rir no modelo tra­d i­cio­nal de impressão de uma revista, o boneco da proposta deve ser apresentado pela agência à equipe respon­ sável na editora, que au­to­r i­za­rá ou não sua publicação. Por ou­tro lado, há casos em que as ­ideias surgem da parceria entre editora e agência, ou a própria revista leva uma pro­ posta inovadora para a agência, como acon­ teceu com o papel semente usado pela Na­ tura, em encarte vei­cu­la­do na revista Veja. Mui­tos aspectos devem ser considera­ dos na elaboração de um anúncio bem suce­ dido. Rodrigo Castellari, diretor de arte da F/Nazca Saat­chi & Saat­chi, diz que o mais importante é a adequação do con­cei­to do produto. “Não adian­ta nada ter a mais re­ cente tecnologia gráfica se esta não for per­ tinente à mensagem específica”. Na opi­nião de Pau­lo Sant’Anna, diretor geral de Mí­ dia da Taterka Comunicação, os recursos es­pe­ciais têm que justificar o investimen­ to. “Quan­do cria­mos uma campanha, ras­ trea­mos todas as possibilidades que talvez ajudem na tradução do con­cei­to, ainda que para isso tenhamos que recorrer a ­ideias inéditas em termos de formatos”. Mesmo apresentando resultados ex­ pressivos, o diretor da Taterka faz uma ressalva de que o anúncio di­fe­ren­c ia­do não deve ser excessivamente intrusivo, pois pode resultar no afastamento do pú­ blico-​­a lvo. “Por isso, é extremamente im­ portante que o con­teú­do esteja agregado


à mensagem principal”. Mas há quem faça diferente e ultrapasse os limites impostos pelo res­pei­to à mensagem que deve estar embutida no anúncio de um determina­ do produto. Renato Fernandez, diretor de Arte da AlmapBBDO, revela que o traba­ lho da agência é atender a necessidade do clien­te de um jei­to diferente, crian­do um con­cei­to e mudando uma concepção. Algumas dessas propostas foram cole­ tadas no livro Encartes Es­pe­ciais – A Mídia Impressa em Busca de Novas Formas de Comunicar e no site “Anún­cios Di­fe­ren­cia­dos”, ambos produzidos por Sergio Pic­cia­rel­li e que reú­nem as prin­ci­pais propagandas bra­ si­lei­ras vei­cu­la­das com recursos es­pe­ciais. A seguir, selecionamos cinco dessas peças criadas para campanhas de sucesso.

Homem-​­Baiacu

(Revista Playboy, edição 426, novembro de 2010)

Desenvolvida pela F/Nazca Saat­chi & Saat­ chi, a campanha intitulada “Skol 360°”, co­ nhecida pelo con­cei­to de “cerveja que desce redondo”, quis mostrar ao público o estu­ famento cau­sa­do pela ou­t ras marcas (as “quadradas”). Além da mensagem, era pre­ ciso agregar irreverência e bom humor, ca­ racterísticos das propagandas da empresa. “Foi aí que surgiu a ­ideia de encartar um Homem-​­B aia­c u que inflava de verdade”, conta Rodrigo Castellari, diretor de arte da agência. A ­maior dificuldade para a con­ cretização foi encontrar o mecanismo cer­ to. “Precisávamos de algo que transmitis­ se a mensagem e pudesse ser produzido em grande escala”, diz Rodrigo. Após rea­li­zar vá­r ios testes com traqui­ tanas diferentes, inclusive com ma­te­r iais importados da China, a agência encontrou na Plastness Brindes Personalizados a solu­ ção. “Foi preciso descobrirmos um sistema com rápida expansão do personagem, pois se tratava de um efei­to inédito no mar­ke­ ting pro­mo­cio­nal”, explica Pau­lo Eduar­do Porlan, diretor da empresa. A peça foi fabricada em laminado de PVC flexível branco (inflável), envolvendo uma espuma de densidade 33 submetida a compressão. Pés e cabeça foram reforçados internamente com películas de PVC rígido. MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

89


O artigo final foi obtido por meio de uma operação de solda eletrônica. A opção pelo anúncio di­fe­ren­cia­do de­ correu da necessidade de alto impacto que ele deveria cau­sar, em es­pe­c ial por ser o lançamento de um produto relevante para o clien­te. “Se o recurso for bem utilizado, de ma­nei­ra pon­t ual, a chance de gravar a mensagem na cabeça do consumidor é mui­to grande”, comenta Rodrigo.

Plante essa ideia

(Revista Veja, edição 2145, 30 de dezembro de 2009)

Tendo como principal política em­pre­sa­r ial a preo­cu­pa­ção com a sustentabilidade, a Natura enxergou na proposta apresenta­ da pela editora Abril e pela Taterka Co­ municação uma oportunidade de inovar. Com o mote “Plante essa ­ideia”, o encarte con­fec­cio­na­do em papel semente pôde ser, efetivamente, cultivado pelo lei­tor: basta­ va destacar o papel, plantar e após alguns dias nascia uma flor. “Qui­se­mos passar a mensagem para o público-​­a lvo de ma­ nei­r a inovadora e impactante”, explica Pau­lo Sant’Anna. O grande desafio da ONG Papel Soli­ dário, produtora do substrato, foi a fabri­ cação de papel su­f i­cien­te para uma grande

90

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011


uma cara uma impress達o 4166 9600 www.grafica-aquarela.com.br 55 11


tiragem, tendo em vista que todo o proces­ so de confecção é artesanal e depende de condições climáticas. Com as mesmas ca­ racterísticas de um ma­te­r ial reciclado ar­ tesanalmente, o papel usado no anúncio recebeu sementes diversas durante o pro­ cesso de fabricação, as ­quais permitiram germinar plantas e flores.

Abaixo de zero

(Revista Veja, edição 2124, 5 de agosto de 2009)

92

Para o lançamento da cerveja duplamen­ te filtrada a menos 2°C, a Antarctica Sub Zero, a AlmapBBDO procurou por estímu­ los vi­suais capazes de mostrar que o pro­ duto era mais gelado do que os de­mais en­ contrados no mercado. A campanha, cria­da para dis­tri­bui­ção em vá­r ias mí­d ias, preci­ sava de uma solução marcante para os veí­ cu­los impressos. “Ao invés de colocar um substrato de tecido, que é a opção de mui­ tas marcas, colocamos uma tinta simboli­ zando uma camada de gelo”, conta Renato Fernandez, diretor de Arte da agência e um dos res­pon­sá­veis pelo projeto. A tinta, com aspecto de gelo, quan­ do raspada, permitia ao lei­tor vi­sua­li­zar a garrafa toda. Como não existia no merca­ do uma tinta para “raspadinha” — a mes­ REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

ma utilizada em lo­te­r ias — na cor branca, a AlmapBBDO, em parceria com a Burti, pre­ cisou desenvolver a tecnologia necessária. José Carlos Pie­r i­na, diretor de Qua­li­da­de da gráfica, relata que foi preciso ­criar uma massa raspável modulável e delicada, so­ bre uma grande área de impressão, porque, normalmente, as massas ras­pá­veis são apli­ cadas em serigrafia ou flexografia — resul­ tado que demorou um mês para ser alcança­ do. O encarte foi impresso em papel cou­ché 170 g/m² com tintas offset con­ven­cio­nais e UV. “A impressão foi fei­ta em offset, com aplicação de verniz UV antes da aplicação da tinta raspável”, descreve José Carlos. “Ao invés de fazer um anúncio que simples­ mente comunica o fato, quisemos chamar o lei­tor para interagir”, completa Renato.

Bolachas de chopp

(Revista Vip, edição 286, janeiro de 2009)

Mais conhecida como uma cerveja de con­ sumo in­d i­v i­dual, no lançamento de sua garrafa de 600 ml, a Hei­ne­ken trabalhou com a Fischer+Fala!, que optou por po­si­cio­ nar a marca como “a Hei­ne­ken para divi­ dir”, elaborando uma página com seis bola­ chas de chopp des­ta­cá­veis, comenta Ra­fael Merel, diretor de cria­ção da agência.

O encarte impresso pela gráfica Wäs­ che usou como substrato o cartão liner ex­ tra absorvente, produto exclusivo da em­ presa. Tadeu Luiz Fer­rei­ra Barsoti, diretor de Cria­ção da gráfica, conta que o entrave nesse trabalho foi o fato de não poder usar faca de corte e vinco normal, pois a página desmontaria. A saí­da foi desenvolver uma ferramenta de corte com extrator, que pos­ sibilitou a ­união das bolachas. Além da so­ lução alternativa, chamou a atenção a agi­ lidade da Wäsche: toda a produção levou apenas seis dias, tendo sido os produtos entregues na editora no sétimo dia.

Carro de brinquedo

(Revista Claudia, edição 579, dezembro de 2009)

A campanha da Chevrolet para o lança­ mento do modelo 2010 da Zafira foi inspi­ rada nos chamados paper toys, brinquedos de papel des­ta­cá­veis e do­brá­veis. “Procura­ mos traduzir o con­cei­to de que ‘cabe tudo e todos’, o slogan do au­to­mó­vel, em uma peça didática e divertida, mostrando as vanta­ gens de comprar o veí­cu­lo com o ­maior es­ paço interno da categoria”, explica Pau­lo Garcia, diretor de arte da WMcCann. Antes do resultado final, a agência e a gráfica Burti rea­l i­za­ram inúmeros testes, 


gráfica digital

As Melhores Tecnologias com os melhores preços Ao seu Alcance

Melhor preço do mercado em saída de prova contratual norma ISO Epson 7900

Preços Imbatíveis e qualidade em alta definição em sua impressão digital. Konica Minolta

HP 9500

HP 9000

Tel . ( 1 1 ) 3 9 7 8- 8 728 N e x t e l ( 1 1 ) 7 8 5 9 -8 8 6 6 I D 1 1 8 *17345 Ru a : J o ã o Co r d e ir o , 4 4 8 - F r e gu e s i a d o Ó - S ã o P a ulo E m a il: v e n d a s @ m e ga t o m gr a f i ca d i gi t a l .co m .b r w w w. m e g a t o m gr a f i ca d i gi t a l.co m .b r


até conseguir uma faca para um ajuste per­ fei­to no travamento da montagem do car­ ro. “A Burti, com pro­f is­sio­na­l is­mo impe­ cável, tornou viá­vel a nossa ­ideia”, revela Pau­lo. O paper toy foi impresso em papel cou­ché 230 g/m² e empastado com corte es­pe­cial no final. “Considero que anún­cios que geram interação do consumidor com o produto, da ma­nei­ra inovadora como a que conseguimos com a Zafira, terão sem­ pre um impacto ­m aior, pois prendem a atenção por mui­to mais tempo em com­ paração às propagandas tra­di­cio­nais”, diz o diretor da WMcCann. Mídias combinadas

94

Com a disputa cada vez mais ferrenha com as novas mí­dias eletrônicas, as publicações impressas procuraram se valer de todos os recursos dis­po­ní­veis para inovar e garan­ tir seu espaço. A comprovação pode estar em algumas ex­pe­r iên­cias com a integração entre analógico e digital que caracteriza alguns anún­cios di­fe­ren­cia­dos A edição de dezembro de 2009 da re­ vista Re­creio, da editora Abril, trou­xe a no­ vidade da rea­l i­d a­de au­men­t a­d a na capa. De acordo com Sergio Pic­cia­rel­li, o recur­ so não tem impacto na parte gráfica, pois é impresso apenas um código para acesso, via internet. O lei­tor aponta o código para a webcam de seu computador e vi­sua­li­za a animação. O recurso também foi utilizado REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

na capa e em diversas páginas de uma das edições da revista Veja, de junho de 2010. Outra inovação foi cria­d a e pa­ten­tea­ da pela empresa norte-​­americana Ameri­ chip: a tecnologia video-in-​­print (VIP), que permite a exibição de até cinco ví­deos em uma página de revista por meio de uma tela de LCD com 2,4 polegadas. A pri­mei­ ra publicação no mundo a aplicar o recur­ so foi a En­ter­tain­ment ­Weekly, em parceria com a Pepsi e a CBS. “O VIP não é tão usa­ do devido ao alto custo, uma vez que a tec­ nologia de chips, memória e LCD não são produzidas no País”, esclarece Sérgio. Mais uma marca da convergência entre as mí­dias foi mostrada em recente divulga­ ção da Volkswagen norueguesa. O pri­mei­ro test drive por meio de um encarte impres­ so foi possível graças à interligação com um aplicativo para iPhone. No anúncio im­ presso, com a imagem de uma pista, o lei­tor desliza seu celular com um aplicativo que reproduz a imagem do au­to­mó­vel e “expe­ rimenta” três características deste: o sen­ sor, que ajuda a mantê-lo na pista (o smart­ phone vibra quando o usuá­r io ultrapassa os limites), os fa­róis, que acompanham as cur­ vas do impresso, e o controle de segurança, que mantém o veí­cu­lo afastado dos que es­ tão à sua frente. A propaganda foi vei­cu­la­da em jor­nais e revistas norueguesas e permi­ tia até mesmo escolher pistas nas versões “verão” ou “inverno”.

Estas possibilidades de coe­x is­tên­c ia e o investimento em tecnologia de produção fei­to por gráficas de todo o mundo podem ser a prova ­maior de que a publicidade im­ pressa está longe da extinção. No entanto, o relatório State of Media An­nual, do Poynter Institute (EUA), divulgado em março, con­ firma a tendência de migração dos ­meios offline para o online. No ano passado, pela pri­mei­ra vez, o faturamento da publicida­ de online superou o dos jor­nais impressos. O setor cresceu 13,9% entre 2009 e 2010, com um volume total de US$ 25,8 bi­lhões. Por isso mesmo, Sergio Pic­cia­rel­li avalia que será inevitável uma migração da au­diên­cia e da verba das comunicações impressas para o digital. “As duas mí­d ias conviverão lado a lado por um bom tempo, a grande questão será manter o anúncio impresso competiti­ vo e atraen­te perante as mí­dias di­gi­tais”, diz. Os pu­b li­c i­t á­r ios Rodrigo Castella­ ri, da F/Nazca Saat­c hi & Saat­c hi, e Re­ nato Fernandez, da AlmapBBDO, ressal­ tam que existe um forte desejo, por parte dos clien­tes, de que seus produtos so­bres­ saiam em anún­cios engenhosos e diferen­ tes. “Não adian­ta fazer o básico e virar pai­ sa­gem”, pontua Rodrigo. Ra­fael Merel, da Fischer+Fala!, também acredita na con­ti­nui­ da­de dos impressos e, para ele, a publicida­ de di­fe­ren­cia­da terá um papel fundamental. “Através dela podemos rein­ven­tar o meio. A cria­ti­v i­da­de é o limite”, declara.


Sabe aquelas noites que você perdeu o sono, pensando como aumentar as vendas, reduzir erros nos orçamentos e atender seu cliente com mais eficiência? A Metrics é uma empresa dedicada a desenvolver soluções para ajudá-lo a resolver esses problemas. E agora uma inovadora solução está ao seu alcance.

Metrics IQuote - Conheça e surpreenda-se Mais inteligente, mais completo, mais automático, mais bonito, mais fácil de usar, e tudo pela internet. Muito mais benefícios para sua empresa. O Metrics IQuote é um componente integrante do Metrics Printware, sistema de gestão de processos especialista para as indústrias gráfica e de embalagem, que abrange as áreas Comercial, Produção e Admnistrativa. Está implantado em importantes empresas no Brasil e na América Latina.

Para conhecer mais sobre esta ferramenta visite o site da Metrics - www. metrics.com.br


Arte e história da indústria gráfica em bondes e garrafas Cartazes de propaganda e rótulos de cachaça foram temas de mostras do Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, com a proposta de apresentar os caminhos do design gráfico até os dias de hoje. Ada Caperuto

96 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

á foi dito certa vez que os impressos gráficos são uma espécie de presença invisível em nossas vidas. Estão por toda a parte, mas quase não percebemos a sua importância. Mais do que isso, o mundo gráfico também tem sua dimensão de arte e de história. Estes dois aspectos são o foco de exposições promovidas pelo Instituto Tomie Ohtake, na capital pau­l is­ta, com a série “Anônimos e artistas”,

que será con­cluí­da em 2012 e tem o objetivo de apresentar diferentes formas de produzir peças gráficas, desde as mais in­gê­nuas e ar­te­sa­nais até os dias de hoje, com o que chamamos de design. Em 10 de abril encerraram-se duas dessas mostras: “Veja ilustre pas­sa­gei­ro: o Ate­lier Mirga e os cartazes de bonde” e “Caprichosamente engarrafada: rótulos de cachaça”. A pri­mei­ra reu­n iu cerca de 300 cartazes de bonde cria­dos pelo Ate­l ier Mirga, de Henrique Mirgalowski, que, no pe­r ío­do entre 1928


e 1970, produziu mais de oito mil impressos desse tipo. A mosta teve curadoria de Norberto Gau­dên­cio Ju­nior, designer gráfico, professor do Istituto Europeo di Design e da Universidade Mackenzie e coor­de­na­dor de con­teú­do do curso de pós-​­gra­dua­ção em Produção e Planejamento de Mídia Impressa da Escola Senai Theo­bal­do De Nigris, além de au­tor de livros e de dissertação sobre o tema. A mostra remete à época dos “reclames” e retrata a passagem de uma publicidade ain­d a empírica para uma prática que se pretendia pro­ fis­sio­na­li­za­da, principalmente a partir do estabelecimento das agên­cias norte-​­americanas em nosso país. É como está no célebre anúncio que dá nome à exposição, fei­ to para o Rhum Creo­so­ta­ do, uma espécie de xarope, cujo texto dizia: “Veja ilustre pas­sa­gei­ro, o belo tipo fa­cei­ro que o senhor tem ao seu lado. E, no entanto, acredite, quase morreu de bronquite. Salvou-o o Rhum Creo­so­ta­do”. Era, de acordo com Norberto, uma propaganda improvisada, que anun­c ia­v a de tudo e que ganhou o in­te­ rior dos bondes por volta de 1908, quando a Companhia Light and Power decidiu co­ mer­c ia­l i­z ar o espaço para a vei­cu­la­ção de publicidade. Ela

cedia o di­rei­to de exploração às agên­c ias ou empresas de publicidade, sendo a mais destacada delas a Companhia dos An­ nun­cios em Bonds, que reu­nia um grupo de artistas che­f ia­dos pelo polonês Henrique Mirgalowsky. “Mirga”, como era conhecido, trocou a intenção de migrar de seu país natal, a Polônia, então vivendo os horrores da Pri­mei­r a Guer­ra Mun­dial, para os Estados Unidos, após uma breve parada no Rio de Ja­nei­ro. Encantado

97 MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF


com a cidade, ele decidiu montar ali uma grá­ fica. No final da década de 1920, os problemas com o sócio no em­preen­d i­men­to o levaram a acei­tar o convite para assumir a chefia de arte da Companhia dos An­nun­cios em Bonds, com a qual colaborava pe­r io­d i­c a­men­te. O artista foi o responsável pela formação de pro­f is­sio­ nais que são considerados os pri­mei­ros pu­bli­ ci­tá­r ios bra­si­lei­ros, como Wilson Limongelli, que se tornou seu aprendiz mais próximo e por um pe­r ío­do mais longo. Afinal, como eram os cartazes de bonde? Em termos vi­suais, segundo Norberto, de um modo geral, havia duas ten­dên­cias prin­ci­pais. A  pri­mei­r a era o modernismo eu­ro­p eu, so­ bretudo a escola francesa, com cartazes ex­ tremamente “gráficos”, com traços simples e pou­cos elementos vi­suais, em que as figuras chegam ao limite da abstração. A segunda ten­ dência ­apoia-se na antiga publicidade anglo-​ ­americana, em que o texto, ain­d a que se trate apenas de um cartaz, cum­ pre um papel tão importan­ te quanto a imagem. Ele revela que o Ate­l ier Mirga contava com uma ótima estrutura, sempre com cerca de 8 a 10 de­ senhistas com diferentes ní­veis de es­pe­cia­l i­za­ções. Havia, também, um de­ partamento de prospec­ ção na companhia, com os corretores que ­saíam para vender os anún­cios aos clien­tes mais diver­ sos, de grandes marcas para estabelecimentos co­mer­c iais instalados nos trajetos dos bon­ des. De uma ma­nei­ra geral, o corretor tra­ zia o pedido, algumas vezes com a cria­ç ão já “fei­t a” pelo clien­ te, principalmente os textos (não havia na companhia uma equipe de redatores). Era então rea­l i­za­do um croqui, reduzi­ do, a guache para a pri­mei­ra aprovação. Fei­tos os ajustes ne­ces­sá­r ios, se­g uia-se a arte-​­f inal,

98 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

também a guache, mas com um pre­cio­sis­mo e detalhamento ­maior do que o do croqui e já no tamanho real do cartaz. Essa arte final era en­ via­da para a litografia contratada — a Compa­ nhia Lithographica Ypiranga foi um dos prin­ ci­pais fornecedores —, que transpunha a arte para as pedras. Tudo dependia do talento dos artistas litógrafos que interpretavam a arte-​ ­f inal da ma­nei­ra mais fiel possível. “Segundo testemunho dos desenhistas do Ate­l ier Mirga que entrevistei, não havia nenhum processo fo­ tográfico para esta tarefa. A partir da década de 1960, a litografia foi gra­dual­men­te subs­ti­tuí­da pela serigrafia”, informa Norberto. De acordo com o curador, o substrato pare­ ce ser um papel tipo monolúcido de bai­xa quali­ dade. “Deve-se a isso o precário estado de con­ servação dos pou­cos cartazes sobreviventes”. Os anún­cios de bonde di­v i­d iam-se em diver­ sas ca­te­go­r ias, de acordo com seu po­si­c io­na­ men­to e formato. Havia o cartaz de platafor­ ma, externo, localizado abai­xo do condutor, e os cartazes internos, com diversos formatos e medidas: moldura (28 × 108 cm), lateral (35 × 50 cm), coluna (15 × 87 cm), quadro (35 × 50 cm) e meio quadro (14,5 × 58,5 cm). Despedida

Em 27 de março de 1968 foi fei­ta a última via­ gem de um bonde pau­lis­ta­no, cobrindo um tra­ jeto da Praça da Sé até o bair­ro de Santo Ama­ ro. Naquele ano faleceu Henrique Mirgalowsky, vitimado por um atropelamento. Os cartazes de bonde migraram para os ônibus da CMTC – Companhia Municipal de Transportes Coleti­ vos (empresa pública que, desde 1947, assumi­ ra o controle de toda a operação de bondes de São Pau­lo). Porém, em 1970, a Companhia dos An­nun­cios em Bonds encerrou suas atividades e dispensou seus desenhistas. Foi o fim desse tipo de publicidade. “Em minha opi­nião, havia na am­biên­cia do bonde, em seu vagar, certa per­ mea­bi­li­da­de com a vida urbana da cidade, que tornava essa mídia mais efetiva, captando e ca­ tivando a atenção do pas­sa­gei­ro. O ônibus já re­ presenta uma fase mais agressiva do transporte urbano”, diz Norberto. O curador destaca como mais interessante de toda a produção do Ate­lier Mirga a produção 


J

QU E

15 ºC

11 20

ES ICA ÁF

ro de

gra on

.

011. RAF 2 G N CO BERTAS AS INS A O CR TÃ IÇ M I X S A O R SU R E P A AG Õ Á O DO FUTU R VÃ R O a 11 de outu b f-8

CRESC EN D O C OM O B R A SIL

Foz d o Igu açu

Inscrições: www.congraf.org.br Confira os valores para participar do evento mais aguardado da Indústria Gráfica, que neste ano acontece em Foz do Iguaçu considerado um dos pontos turísticos mais visitados do país. Descubra as facilidades para você realizar um investimento certo e trazer grandes resultados para sua empresa e para sua carreira. INSCRIÇÕES

Pagamento até dia 30/04

Pagamento até dia 30/07

Pagamento até dia 01/08

*Associados

R$ 490,00

R$ 590,00

R$ 690,00

*Não associados

R$ 670,00

R$ 790,00

R$ 920,00

*Estudantes

R$ 245,00

R$ 295,00

R$ 345,00

**Associados

R$ 150,00

R$ 175,00

R$ 200,00

**Não associados

R$ 200,00

R$ 230,00

R$ 265,00

Acompanhante

(*) 3 dias de evento, coquetel de abertura e almoço de encerramento. (**) Somente coquetel de abertura e almoço de encerramento. Não dá direito as palestras

Realização:

Apoio técnico:

Patrocínio:


ini­cial, nas décadas de 1930 e 1940, quando Henrique Mirgalowski se envolvia mais dire­ tamente na cria­ção e no desenho, como as pe­ ças fei­tas para o Café Paraventi, Café da Metró­ pole, Assucar Leblon e Óleo Vida. “São cartazes ‘gráficos’, com figuras sintetizadas, algumas ca­ ricatas ou próximas da abstração. Com o avan­ ço da estética publicitária norte-​­a mericana, mais afei­t a à ilustração rea­l is­t a de pes­soas, perde-se um pou­co desta ‘pegada cartazística’, e aproxima-se de uma uniformização vi­sual encontrada nos anún­cios de revista”. Caprichosamente engarrafada

Bebida ofi­cial do País, ela tem mui­tos nomes, mas “cachaça” é estabelecido por lei — ins­t i­ tuí­da pelo Decreto n º‒ 4.851, de 2003. Porém, os vá­r ios nomes pelos ­quais a “marvada” é co­ nhecida Brasil adentro é que permitem a sin­ gularidade de alguns rótulos que integraram a mostra “Caprichosamente engarrafada: ró­ tulos de cachaça”, cuja proposta foi apresentar

100 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

as va­r ia­ções gráficas e de design dos pequenos retângulos de papel que convidam ao consumo da bebida, presente nos mais diversos círculos urbanos e ru­rais do País. Foram expostos cer­ ca de 400 rótulos, além de pedras litográficas, que fazem parte das coleções do designer grá­ fico e pesquisador ca­r io­ca Egeu Laus, curador da exibição e do extenso acervo da Fundação Joaquim Nabuco, órgão federal se­dia­do em Re­ cife (PE), o ­maior centro de estudos so­ciais do nordeste bra­si­lei­ro. Com uma provocante reu­nião de rótulos, im­pres­sio­n an­tes por sua capacidade de cha­ mar do mais rico ao mais pobre a comparti­ lhar um gole, a exposição buscou com­preen­der o bra­si­lei­ro, sua identidade e sua relação com a modernidade. Mui­tas vezes o rótulo era idea­l i­za­do pelo próprio dono do alambique e a gráfica apenas o imprimia; nou­t ras, a gráfica desenvolvia e apresentava o desenho final já impresso com tipos mó­veis ou na matriz que seria impressa. No entanto, o importante e interessante de se notar é que, ao contrário do que vemos em ou­ tros produtos, os rótulos de pinga são uma cria­ ção na­cio­nal que, imitando nosso próprio meio so­cial, acei­ta in­f luên­cias distintas e as reú­ne de ma­nei­ra harmônica em uma fala única de sedu­ ção. Na mesa de desenho dos inúmeros res­pon­ sá­veis pelos rótulos de cachaça es­coou e ain­da escoa um pensamento que se apropria livremen­ te de santos em imagens e ti­po­g ra­f ias, assim como de cores chamativas e mulheres es­te­reo­ ti­pa­das em trocadilhos para comunicar a toda a população, e, nesse ínterim, articular o que hoje cha­ma­r ía­mos de “uma certa brasilidade”. No texto do catálogo da mostra, Laus, hoje secretário adjunto da Cultura de Nova Iguaçu (RJ), afirma que, em uma sobreposição de ima­ gens e ­ideias, algumas vezes até mesmo es­te­ reó­ti­pos, o rótulo de cachaça parece falar sobre algo que percorre o País de norte a sul: o imagi­ nário bra­si­lei­ro, com todas as suas se­reias, ín­ dios, ani­mais, santos e brin­ca­dei­ras. “Se pres­ tarmos atenção, cada um desses rótulos será uma pequena linha do barroco bra­si­lei­ro que sobrevive em nossa vida e se mostra de ma­nei­ ra in­tui­ti­va nessas peças tão simples, resulta­ do direto das máquinas litográficas, serigráfi­ cas e de prensas tipográficas. Estes rótulos têm origem puramente bra­si­lei­ra e harmonizam imagens e textos tão diferentes entre si, numa fala única de sedução.”


Pensando no Futuro? Nós podemos ajudá-lo. Cursos de Formação Inicial e Continuada Pós graduação em Planejamento e Produção de Mídia Impressa

Pós graduação em Planejamento e Produção de Mídia Impressa Neste curso o aluno será capaz de: Identificar, planejar e monitorar todas as etapas que compõem o fluxo produtivo, adequadas à fabricação dos mais importantes produtos da indústria gráfica; Interpretar as tendências de evolução tecnológica dos processos de produção gráfica; Avaliar a adequação de matérias primas e insumos para o projeto de produtos gráficos; Realizar análise de custos e de viabilidade econômica de projetos de produtos gráficos.

Formação Inicial e Continuada Encadernador manual de livros Impressor em serigrafia Gravação eletromecânica Problemas, causas e soluções de impressão offset Pré-impressão digital para flexografia Montador de faca de corte e vinco Tecnologia de embalagens celulósicas Tecnologia de embalagens flexíveis Tecnologia de impressão flexográfica banda larga Preparação de tintas pastosas Gerenciamento de cores Montador de Fotolito Copiador de chapas offset Impressão offset em máquinas monocolores com comandos eletrônicos

Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica e Escola SENAI Theobaldo De Nigris Rua Bresser, 2315 Tel: 2797-6300/6301/6302/6303 www.sp.senai.br/grafica

Impressor offset em máquinas com dispositivos de cura por radiação UV


HP começa a trazer para o Brasil impressoras rotativas jato de tinta

Q

Empresa anuncia a chegada da linha Inkjet Web Press durante conferência de cooperativa de clientes, realizada em Orlando (EUA).

uan­do um grupo de clien­tes se reú­ne para discutir boas práticas e o desenvolvimento do mercado, qual o papel do fornecedor que serve de elo entre esses clien­tes? Se sou­ber apro­vei­tar oportunidades apoia­rá in­con­d i­cio­nal­men­ te tal ini­cia­ti­va, colaborando decisivamen­ te para seu sucesso. Pelo que se conhece do perfil da HP, a empresa não costuma dei­xar as chances escaparem. Tem sido assim com a Ds­coop (Digital So­lu­tions Coo­pe­ra­ti­ve), comunidade global de gráficos usuá­r ios de equipamentos HP, que rea­l i­zou sua sexta conferência ­anual entre os dias 17 e 19 de fe­ve­rei­ro em Orlando, nos Estados Uni­ dos. A coo­pe­ra­t i­va foi fundada em 2005 com o objetivo de disseminar conhecimen­ to e conectar seus membros entre si e com a HP, visando ao crescimento do negócio, efi­ciên­cia e rentabilidade. Hoje conta com 5.500 membros, que arcam com 55% dos custos da entidade, sendo o restante ban­ cado pela HP e seus par­cei­ros. Nas con­fe­ rên­cias ­anuais, apesar do espaço para ex­

Texto e fotos

Tânia Galluzzi*

D u a s m i l e quatrocentas pes­ soas par ticipa­ ram da Ds­coop 6, sendo 260 latino-​ ­americanos, entre eles 85 clien­tes e pos­sí­veis clien­tes bra­si­lei­ros. Mas a preo­c u­pa­ç ão dos diretores da Ds­ coop não é com a quantidade, e sim com a qualidade das informações, (E/D) Fernando Alperowitch, diretor da HP Indigo e Soluções InkJet para a América como comentou Latina; Sérgio Vieira, diretor de Marketing de Artes Gráficas e Juan Miguel B, gerente de Soluções InkJet para a América Latina S u s a n M o o ­r e , posição de produtos, tanto a HP quanto os membro da diretoria do grupo, durante al­ de­m ais fornecedores estão proi­bi­dos de moço com a imprensa. Uma das fundadoras rea­l i­zar vendas. Por isso, o evento é enca­ da coo­pe­ra­ti­va e presidente da Digital Prin­ rado como uma “poderosa ferramenta de ting & Image, empresa de 26 fun­cio­ná­r ios e desenvolvimento de mercado, e não de ven­ quatro impressoras HP localizada no estado das”, nas palavras de Fernando Alperowi­ da Geór­g ia (EUA), ela afirmou que educar o tch, diretor da HP Indigo e Soluções Inkjet clien­te ain­da é o ­maior desafio para quem se dedica à impressão digital. para a América Latina. A conferência já rompeu as bar­rei­ras norte-​­americanas. No ano passado, além de Is­rael, onde fica a sede da HP, a Co­reia foi escolhida para acolher a pri­mei­ra Ds­coop Ásia. E a diretoria re­g io­nal da HP apro­vei­ tou o evento em Orlando para lançar a Ds­ coop América Latina. “A Ds­coop é au­tô­no­ma e vai além da conferência, envolvendo fó­ runs e trei­na­men­tos, entre ou­tras ativida­ des. A decisão de quando, onde e como será rea­li­za­da a conferência será do grupo”, disse Alperowitch. Um pri­mei­ro núcleo com seis integrantes está sendo formado, dos ­quais dois são bra­si­lei­ros e dois mexicanos. No encontro com a imprensa, a dire­ toria re­g io­nal da HP anun­ciou também o início das vendas de sua linha de impres­ soras rotativas jato de tinta na América La­ tina, composta pelos modelos T200, T300 e


Avanço da impressão digital O programa da Ds­coop 6 ofereceu aos par­ ticipantes mais de 120 palestras e work­shops, além da área de exposição, com a participa­ ção de 94 empresas. Fora a HP , estiveram lá fornecedores de soluções para impressão co­mer­cial, mar­ke­ting direto, grandes forma­ tos, rótulos e embalagens, fotografia, para o segmento edi­to­rial e de substratos. Entre os palestrantes, um bra­s i­l ei­r o, Hamilton Terni Costa, diretor geral da AN­ consulting, que fez duas apresentações debatendo como aprimorar o processo de venda da impressão digital e as ten­dên­cias e oportunidades na América Latina. Uma das sessões com ­maior au­diên­ cia foi a apresentada por Alon Bar-​­Shany, vice-​­presidente e gerente geral da HP In­ digo, que falou sobre o futuro da indústria

gráfica. Embasado por uma série de pesquisas, para o executivo esse cenário será ocupado pela impressão digital e orquestrado pelos que hoje são chamados de paí­ses emergentes. De­pois de lembrar os prin­ ci­pais acontecimentos mun­ diais no passado recente, Bar-​ ­Shany apresentou um panorama da indústria gráfica norte-​­americana. Ele mostrou que os preços praticados pelo setor con­ti­nua­ram a cair em 2010, em um movimento que teve início do final de 2008, enquanto a renta­ bilidade das gráficas começou lentamente a se recuperar no início do ano passado. Apesar do impacto da crise, a ocupação da

Alon Bar-​­Shany, vice-​­presidente e gerente geral da HP Indigo

T350. A linha oferece impressão sob deman­

da com qualidade e bai­xos custos, voltada para os segmentos edi­to­r ial, trans­pro­mo­ cio­nal e de mar­ke­ting direto. A co­mer­cia­li­ za­ção será fei­ta através dos ca­nais de ven­ da já existentes e a assistência técnica será prestada pela própria HP. De­pois do lançamento na Drupa 2008, as pri­mei­ras instalações de equipamentos desta linha foram fei­tas nos Estados Uni­ dos e na Europa, com um total de 26 im­ pressoras T300 co­mer­cia­li­za­das até agora. A expectativa da HP para 2011, segundo

Fernando Alperowitch, é a venda de pelo menos duas unidades da família Inkjet Web Press para clien­tes bra­si­lei­ros e uma máqui­ na para o México. A T200 é um equipamen­ to quatro cores, formato 521 mm, que im­ prime até 821 páginas por minuto em A4. A T300 tem largura de 762 mm e velocida­ de máxima de 122 metros, enquanto a T350 imprime até 182 metros por minuto. Ques­tio­na­dos sobre a possibilidade de canibalização da linha Indigo, que usa tec­ nologia de toner líquido, pelas impresso­ ras rotativas jato de tinta, os diretores da

capacidade instalada manteve-se alta entre 2007 e 2010, com pico de 100% em 2007 e 77% de ocupação no ano passado. A parti­ cipação da impressão co­mer­cial do país na economia mun­dial, em contrapartida, tende a cair 37% nos próximos cinco anos. Abrindo o foco para o mundo, nesse mesmo intervalo de tempo, os clien­tes HP dobraram o número de páginas impressas em equipamentos Indigo. Em  dezembro de 2010 atingiu-se o recorde de três  bi­ lhões de impressões. Encabeça a lista de aplicações o segmento trans­pro­mo­cio­nal, no qual as páginas impressas em máqui­ nas Indigo subiram 46% em 2010; o de fotografia, com 35% de au­men­to; rótulos e embalagens, com 31%; edi­to­rial, com 21%; e impressão co­mer­cial, com 20%. Tendo ao fundo a citação de Benny Landa, fundador da Indigo, que afirmou nos pri­mór­dios da tecnologia digital que “tudo que pode se tornar digital vai se tornar digital e a im­ pressão não é uma exceção”, Bar-​­Shany projetou que em 2016 o volume de páginas impressas por clien­tes HP Indigo chegará a impressionantes 100 bilhões.

HP América Latina descartaram essa i­ deia.

“Para nós uma tecnologia complementa a ou­tra e tudo vai depender do produto que se quer imprimir”, disse Sérgio Viei­ra, diretor de Mar­ke­ting de Artes Gráficas. “Se existe um ponto de intersecção entre os mercados atendidos pelas duas linhas, ele é peque­ no.” Produtos que exigem alta qualidade, per­fei­t a cobertura da tinta e flexibilida­ de no uso de substratos es­ta­r iam destina­ dos às impressoras HP Indigo. Quan­do se pensa em altos volumes e grandes forma­ tos, a indicação seria a linha jato de tinta. MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

103


T400, a primeira impressora digital colorida de 42 polegadas do mundo Exatamente um mês de­pois da Ds­coop 6, no dia 16 de março, a HP lançou, em um evento para a imprensa em Los Angeles (EUA ), mais um modelo da linha Inkjet Web Press, apre­ sentada como a pri­mei­ra impressora digital colorida co­mer­cial do mundo com formato de 42 polegadas (1.066,8 mm). Com velocidade de 183 metros por minuto, a HP T400 imprime até 5.200 páginas no formato carta por minu­ to, cerca de 44% mais do que a solução mais

E

*A jornalista foi a Orlando a convite da HP.

“O próprio consumidor é quem dirá: eu quero mudar”

m sua apresentação na Ds­coop 6, um dos prin­c i­pais nomes da HP, Vyomesh Joshi, vice-​­p residente executivo da Divisão de Imagem e Impres­ são, afirmou que a cada ano 200 bilhões de páginas estão migrando dos processos analógicos para os di­g i­tais. Esse foi o pri­ mei­ro assunto da entrevista coletiva con­ cedida pelo executivo durante a Ds­coop 6. Veja a seguir os prin­ci­pais trechos.

104

próxima oferecida pela concorrência, segundo a própria HP . “Com mais de 25 instalações em todo o mundo, nossos sistemas de impressão rotativa jato de tinta estão mudando a dinâmica de ne­gó­cios de aplicações como publicações, malas diretas e transpromo”, disse Christopher Morgan, vice-​­presidente sê­nior de Soluções Gráficas da HP . “Com a significativa capacida­ de produtiva que a T400 oferece, os clien­tes podem agora entrar em um mundo de perso­ nalização em massa, tirando pro­vei­to do cres­ cimento subs­tan­cial de novas oportunidades”.

A HP T400 utiliza as novas tin­ tas HP A50 , que trabalham com os também novos cabeçotes de impressão HP A10 , cujo design compacto traz 1.200 nozzles por polegada. Novos controles de tensão do papel e de secagem prometem garantir produtividade con­fiá­vel, rápida e consistente. O equipa­ mento é capaz de rodar substratos entre 40 e 200 g/m², com configuração op­cio­nal para até 350 g/m². Para a T400 , a HP tem como alvo os segmentos de livros, jornais, malas diretas, impressos transacionais e impressão comercial de alto volume.

Como a HP vê o mercado latino-​­americano e, mais especificamente, o Brasil? VJ – Eu considero que o Brasil representa uma grande oportunidade para a expan­ são dos ne­gó­cios. A Indigo já é extrema­ mente bem sucedida no Brasil e vai con­ ti­nuar a ser. Um fator positivo sobre o

no­lo­g ias ultrapassadas. É como um celu­ lar. Você não precisa mais de um aparelho fixo. Você passa por cima disso. É isso que acho que vai acontecer na América Latina. Os paí­ses vão pular etapas.

Qual a sua projeção com relação à subs­ti­tui­ ção dos sistemas analógicos pelos di­g i­tais? Vyomesh Joshi – Essa é uma previsão pe­ rigosa. O que posso dizer é que o processo analógico continua a cair, certo? E o digi­ tal vai con­ti­nuar a crescer. Em 100 anos, meu palpite é de que tudo será digital. No prazo de vinte anos, a mudança já será sig­ nificativa. Afinal, não há dúvidas de que o digital veio para ficar.

Como o senhor vê a parceria entre fornece­ dores tra­di­cio­nais de impressão e de tecno­ logia digital? VJ – Uma das ­­áreas mais afei­tas a par­ce­ rias é a de acabamento. Não é só imprimir a etiqueta, é preciso cortá-la, por exemplo. Existe uma necessidade real de parceria entre a impressão digital e o acabamen­ to. É necessário acompanhar a produti­ vidade, pois o processo digital será mui­to mais rápido do que o acabamento em si. Outra área em que pode haver par­ce­r ias é em soluções híbridas, como a colocação de dispositivos jato de tinta em sistemas analógicos de impressão.

O volume de 200 bilhões de páginas por ano é um grande número?. VJ – Sim, é mui­to grande. Posso garantir esse número para a impressão digital ro­ tativa. Toda impressora digital rotativa pode fazer de 25 a 70 milhões de páginas por mês. Se fizermos uma média de 50 mi­ lhões por mês, são 600 milhões de páginas por ano. E isso com apenas uma impres­ sora. Porém, o mais importante é come­ çar pelo consumidor. É preciso enxergar as oportunidades. O próprio consumidor é quem dirá: “eu quero mudar”.

A HP planeja par­ce­r ias com fabricantes de impressoras offset em um futuro próximo? VJ – Estamos sempre abertos a par­ce­r ias. De qualquer forma, tem de ser um acordo de ganho mútuo. Mas estamos mais fo­ cados na área de acabamento. Temos vá­ rios par­cei­ros nesse setor e vamos con­ti­ nuar estabelecendo par­ce­r ias. Essa é uma exigência dos consumidores. Para a im­ pressão podemos usar as soluções híbri­ das. Mas para um processo que vai além disso pensamos que a melhor alternativa é usar o sistema digital.

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Vyomesh Joshi, vice-​­presidente executivo da Divisão de Imagem e Impressão

Brasil é que é um mercado que se expres­ sa emo­c io­n al­men­te e as fotos são uma boa ma­nei­ra de contar his­tó­r ias. Então, se pensarmos em álbuns de fo­to­g ra­f ias e fotolivros, por exemplo, temos um mer­ cado imenso. Uma vantagem nesse ramo de imagem é o fato de ser possível pular etapas. Não é necessário investir em tec­


Contar com 50 anos de experiência é a melhor forma de ver sua empresa 50 anos à frente. Um dos grandes diferenciais da Consultoria ABTG são seus 50 anos de know-how no mercado gráfico e seus mais de 50 consultores especializados. Todos preparados para oferecer o que há de melhor em serviço de consultoria para sua empresa. • Aproveitamento do tempo • Foco na otimização dos processos. • Treinamento durante a implantação. • Consultoria da implantação a certificação. • Atendemos a necessidade especifica do cliente. Veja como ABTG pode ajudar sua empresa:

Consultorias Técnicas: Pré-impressão, Impressão e Pós-impressão.

Pareceres Técnicos: avalia processos produtivos, capacidades técnicas e sigilo da informação.

Consultorias em Gestão: PCP, Custos e Orçamento, Planejamento Estratégico.

Homologação de Indústria Gráficas: Quando compradores e fornecedores se entendem.

Implantação da Norma NBR15540: Bons negócios são feitos na base da segurança.

Diagnóstico de Processo Industrial: Saiba quais são os problemas e soluções para sua empresa.

Implantação da Certificação FSC: O planeta precisa, o cliente exige e a ABTG implanta.

Aplicação de Teste Form: Análise Mecânica e de qualidade da sua impressora offset.

Implantação das Certificações ISO: 9001, 14001, 18001 e 27001.

Treinamentos e Palestras In Company: Os melhores consultores dentro da sua empresa.

Parceria com a ESTAT BRASIL

Para saber mais sobre este serviço ou agendar uma visita, entre em contato conosco: Núcleo de Consultoria e Treinamento ABTG Tel.: (11) 2797 6702 E-mail: Andrea: aponce@abtg.org.br ou Cristiano: csouza@abtg.org.br


C a m p a n h a d e Va l o r i z a ç ã o d o Pa p e l e da Comunicação Impressa.

TEM MUITA GENTE

Z E , V EM A D A G O ? ADA. A AL S NT C B S LA el E M RE A É P ap a C E I o p ess P C a d pr T E M A I M CRA tiv im e du ção ha qu . N O o U o e pr a an O O , O É DEM ia nic p bre ad e, de mu am so cied as luz es id õ ca o a c o A C R N E T E DA A da c um açã a so dúv er à est . E O e icia orm ara cer traz s qu de D E L H AÇÃ in inf z p re te, ma ilida de odu scla en lgu tab tas s C A F O ORM re es pr m e alm de a ten vo lor F Vê incip rda sus ár e f , as m d ras pr ve s à U M DA IN , u e ê da ada qu rov vo U ÃO, lig ro l p , la

DU

CA

Ç

QUE AINDA NÃO C

O

N

H

E

C

I

A,

AGORA TEM MUITO MAIS

la e as ia o r c ap ur log sã ixa e p ult . co es de o d ão c utra a e sõ os s é uçã as s er o m pres am o la iz d c u s e im util a l d pro es alq s em ad as e ipa s à ue qu nh ss qu dia eit inc a e q omo ali s no por os. os esp . pr ad , a r te tria a es p os ar A stin das es c ús eja, ient lim tod que bien ep d de nta çõ is s s c o ad s. pla nta a in ou ns ma mo çã am rid iro , um za, e co vez sca rodu eio pla pe sile s s t m e ez ista u r ro ra mo tu en da , b e p do a v rev zp sb So a na am s ca sim s d rio ad a , ra o e c um em e trem sso as gia uilíb e t os qu vro, alag ão, qu tod ex oce smo nolo eq r li b e ç tria ra pr me tec is o ab um m ma ús pa E, vas ma e s o, a e for ind ícios o d ern um , in no da l. ma nef . ve ulh ad ou nto . ain s u be rg m c nal ime dos za lpá o o re e m pa so s u ocio hec a to atu So País ar n o en o F, , rn o. àn im imim prom co açã o o t e CP , RA s t s o r l c IG BT A e, is en mo p ia nd u LP AB O, A ad rom alm Te e im ater leva e ed A, CE P cid p AB BRA BIE qu m os cia ra om cip , A RO, L, ve ir c Prin D . um tam cra N r B M A a um r. ,A ,A d D es mo BE R S lo I s A E V P, RO , AN de ir é as va R BA ELIV A im ir é dar :A R pr DIP DA ES , AB Im prim ir é AN É NT M E, Im prim IR IPA FOR NAV IC M Im T A A I . , R R C A PA , AB PR TE S ES IM S NA IM AD E BIT AF, A R TID Q, A R P . EN IG A S IM FE IM SB AB G, A P E T S ÃO b r AB , FIE . L AÇ g CB IC or N . U a M id O v C A ar D E ed L ir E m P ri PA p O m D .i w ÃO w w AÇ : IZ s R ai LO m VA a E b D i A sa H N e PA M se A C es

VO QU C Ê S U M E UM A B A LIV E UM R E AN V I R O, OV ST AÁ A RV OR O E

QUERENDO DIVULGAR .

K

A

DA

ED

UC

C M Y CM MY CY CM

Y

K

A Campanha de Valorização do Papel e da Comunicação Impressa trabalha para conscientizar a população sobre a procedência do papel, que CA

Ac

MP

es

AN

se

HA

DE

vem de florestas plantadas, tornando mais digna e e

sa

VA

ib

a

LO

c

sustentável toda a comunicação impressa. Uma prova

R

So ea extr pro e E, ce no mesm v ain as te da ma i So o P mos aís uma eb i en Tem ef qu os im um e imp ens esta mate rimim o or de mos rial p os u mo m cra leva romo cia ndo c Im p e e co Im rimir du n p ca Im rimir é da çã pri r mir é as vera é d sum cid IM ar a PR valoir com de IM r. P pro IR EN TID rin É cip AD DA AB ES IMA R P AR Q, VI AB TIC AB DA TG IP IT AN , AF IM, . C T

IZ m a AÇÃO BL ES , FIE EIGRA ABRA :A is FO BA F, A SP : w DO R P, A ES NA BE TEC M, AB BS w w PA P . RE , AN LIV . i m EL E AV RO E, A pr DA ND IPA im CO , ire MU da NI CA rv id ÇÃ a. O or I g . MPR br ES SA

disso é tudo que está sendo feito para sua divulgação e crescimento. No Brasil todo, diversas publicações setoriais e revistas como Veja, Claudia, Vida Simples, Bons Fluídos e muitas outras destacaram a campanha. Divulgue essa ideia.

w w w. i m p r i m i r e d a r v i d a .o r g . b r

.


O Q , U UE M AC O U CA O U M DER N T CA F O N O, E C E ÇÃ O, U LH DA E T MA C A D INF EM OR O A MA É ÇÃ I M BA L A V E Z O ED PR G AD E S EM EM OC SO , RA CIA ? ÉP

LA

NT

Ac AD e d adeia A. inic a co pro m de ia um unic dutiv pro inform a ca ação a do aç mpa imp pape Vê duz ã Ap pri m es para o sob nha ressa l ri c n de cip da ncipa larec a soc re o pla stinad al d liga verd lmen er d ieda que pla ntad as à elas da ade te, úvid de. nta as, tr sà pro é de a a e çõ sus lgum azer s e, es que duçã ixar ten as à lu c om co tab qu z mo essa o de laro o s ilid estõ an u qu s sã pap que ad atu ma alq , e o e. es in ue cult l pro as á em rez d ro ura vêm rvore am a, o ústr u ia ess en us tra s, la d s . eja alin os te vou e flo mo cad cons , as hada ras res c tas , ec assima vez iente noss com no as a s m , is o logia busc ais li porq impre ecolo eq s de amo mpo ue u ssõ gia uilíb pro s tiliz es s. am sã rio du todo o ind os do ção s o ú s me fício stria io a que re dias s p que mb sp ara tra ien eite te. tod z pro m rgu os lh os speri m o de d b ras ade c ileir cio adern sabe rq n os. para o nh al ou , um ue c ec a u li ão imen ma e vro, u da ve a to to, mb ma z do info alag rev s. rm aç em, ista, e, ão to , om rnar is p pa so. alpá lme vel. nte àn atu rez a.

EM D, AB IE OS , AB A, AB IGR RO , AN , AB AF, PO ER , AN , AB L, B TC P, RA CE LPA ,


1

Nilton Souza 3

108 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011


2

Foto: Maria Teresa

F OTOG R A F I A

“Uma cidade nasce plantada no chão com seus fogos, gentes e labirintos, mas é aérea do bojo de um helicóptero e o olho da câmera de Nilton Souza”. Trecho do poema Suspiração, de Fernando da Rocha Peres. Tânia Galluzzi

1 Igreja e Mosteiro de São Bento, 2007 2 Bairro do Comércio e Forte São Marcelo, 2007 3 Cidade do Salvador, 2010

109 MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF


4

Técnica e emoção

D

uas coi­sas chamam de ime­d ia­ to a atenção quando se olha para uma fotografia de Nilton Sou­za: a qualidade da imagem e a emo­ ção que ela provoca. Não há um único ponto no qual a definição não seja abso­ luta, as cores são vívidas, cristalinas, a técnica apurada mostra a que veio. Em uníssono, a be­ leza dos espaços amplos pro­por­cio­na­dos pela fo­ tografia aé­rea im­pres­sio­na, impacta 5 ao tirar o véu que limita nosso olhar co­ti­dia­no, revelando harmonia e con­ trastes entre a arquitetura do homem e a engenhosidade da natureza. Fotógrafo pro­f is­s io­n al há 35 anos, o baia­no Nilton Sou­za, 60, co­ meçou a se interessar por fotogra­ fia aos 16. Aos 22 anos trabalhava na parte administrativa do escritó­ rio de uma construtora quando con­ quistou seu pri­mei­ro clien­te. “Fui re­

4 Saveiros, 2009 5 Pesca em Praia de Piatã, 2007 6 Igreja de Nossa Senhora da Penha de França, Cidade Baixa, 2007

110 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

6

ceber uma quantia e vi na parede algumas fotos da construção de uma plataforma para explora­ ção de petróleo. Disse que podia fazer melhor, eles pagaram para ver e acabei acertando um contrato de dois anos e ­adeus emprego”, conta Nilton. De­pois disso veio o polo petroquímico de Camaçari (BA), via­gens para obras e proje­ tos em vá­r ios pontos do País e a es­pe­cia­li­za­ção na fotografia aé­rea, in­dus­trial e de arquitetura. “Não há ou­tra ma­nei­ra de retratar a gran­d io­si­ da­de de obras como uma hidrelétrica no Mato Grosso, uma refinaria no Recôncavo Baia­no ou uma estrada de ferro na Serra dos Carajás a não ser a mui­tos metros de altura”. No começo, os pequenos ­aviões Cessna asa alta eram os ­meios mais usados. Janela aber­ ta ou mesmo a porta retirada, lá ia Nilton ver o mundo do céu. “A concentração tem de ser tão grande que não dá tempo para ter medo”, diz o fotógrafo. Principalmente décadas atrás, quan­ do a hora de voo era caríssima e o processo ana­ lógico mais limitante. Hoje, a ­maior parte do trabalho é fei­ta de helicóptero e as condições ­ideais dependem do tempo e da fina sintonia com o piloto. “Não suporto marcas de nuvens no chão. Por isso só fotografo com dia claro, quando o horizonte está com sua linha nítida, limpo. Prefiro sair logo pela manhã ou à tarde, quando consigo grande projeção de sombra das construções e formas na­tu­rais”. Liberdade

Há alguns anos Nilton a­ liou cria­ti­v i­da­de ao do­ mínio total da técnica, despertando seu olhar


7

8

7 Corredor da Vitória, parte do bairro do Canela e Campo Grande à direita, 2006 8 Forte São Marcelo (séc. XVII) na Baía de Todos os Santos, 2007 9 Recifes de Coroa Alta, Cabrália, 2007

& NILTON SOUZA www.nil­ton­sou­za.com.br www.imagemcerta.net

9

para novos ângulos e possibilidades. O pri­mei­ ro fruto desse exercício surgiu em 2009, com a publicação do livro Salvador Aérea, com o selo da editora da Universidade Federal da Bahia, Eduf­ ba, cujos cinco mil exemplares foram impressos com recursos do próprio fotógrafo pela gráfica Santa Marta. Uma segunda edição, já pela edi­ tora montada por Nilton e também produzido na Santa Marta, acaba a sair.

A obra traz 122 imagens da capital baia­na, da área urbana ao litoral, evi­den­c ian­do suas múltiplas faces e formas, algumas desconhe­ cidas para o observador que circula na cidade, como descreve a arquiteta e pesquisadora Ange­ la Gordilho Sou­za em texto do livro. “De forma inusitada, [Nilton] apresenta a diversidade de relevos que marcam o sítio urbano, oferece um leque de texturas e formas do am­bien­te cons­ truí­do, pro­por­cio­na a riqueza de cores e nuan­ces es­pa­ciais que são acen­tua­das pela exímia cap­ tação de luz, provocando ao mesmo tempo for­ te emoção e uma percepção am­plia­da da nossa visão da cidade real”. Nilton trabalha agora em dois livros, um sobre os 930 quilômetros do litoral da Bahia e ou­tro tendo os sa­vei­ros como tema. Para o pri­ mei­ro, ain­d a faltam 25 horas de helicóptero na maré bai­x a, quando é possível mostrar os co­rais e recifes que caracterizam a re­ gião. Para os sa­vei­ ros, embarcações à vela mui­to usadas no passado para transporte de car­ ga e de pes­soas, ele já fotografou seis regatas. “Quan­d o não havia estradas, os sa­vei­ros eram o principal meio de transporte na Baía de Todos os Santos. Mui­tos estão sen­ do recuperados por apai­xo­na­dos colaborado­ res e devolvidos aos seus mestres sa­vei­r is­tas”, afirma o fotógrafo. Com três livros publicados, Nilton acredita que terá projeção para ­atrair os investimentos que naturalmente virão através dos eventos esportivos programados até 2016. A ­ideia, então, será romper os limites da Bahia e retratar ou­tras cidades. A pri­mei­ra da lista? O Rio de Ja­nei­ro. MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

111


Sistema Abigraf Notícias

Três regionais têm nova diretoria Distrito Federal, Paraná e Rio de Janeiro deram início a um novo período de trabalho, empossando lideranças comprometidas com o fortalecimento do setor em seus estados.

M

112

ais três re­gio­nais da Abigraf acabam de dar posse às suas novas di­re­to­r ias para o próxi­ mo triê­nio. Assumiram o cargo Sidney Pa­cior­nik, presidente da Abigraf Re­gio­nal Paraná, e Car­ los Augusto Di Gior­gio Sobrinho, da Abigraf Re­gio­nal Rio de Ja­nei­ ro, ambos ree­lei­tos para o car­ go. Na Abigraf Re­gio­nal Distrito Federal, a liderança passa a ser ocupada por João Batista Alves dos Santos, escolhido para subs­ ti­tuir João Fer­rei­ra dos Santos. Pa­cior­nik destaca como con­ quistas importantes de sua pri­ mei­r a gestão o fortalecimen­ to na representação do setor e a am­plia­ção de par­ce­rias com empresas da ca­deia produtiva, visando ao amplo intercâmbio de informações para a melhoria contínua. Na Abigraf-PR uma das prin­c i­p ais preo­c u­p a­ções des­ te ano é o 15º Congraf. “É  um momento importante, de rece­ bermos com­pa­nhei­ros de todo o País para repensarmos nos­ so negócio”, declara. Porém, as metas são de longo prazo e, en­ tre elas, está o objetivo de ­atuar fortemente na am­plia­ção do nú­ mero de as­so­cia­dos. O presiden­ te cita ain­da a proposta de me­ lhorar a participação do setor gráfico pa­ra­naen­se em prê­mios de excelência, além de investir nas par­ce­rias já existentes e am­ pliar serviços aos as­s o­c ia­d os. “Promoveremos mais debates na busca de soluções comuns para os problemas que afligem o em­pre­sa­ria­do gráfico, com ên­ fase na busca da resolução de­ finitiva de conflitos tri­bu­tá­rios e no controle efetivo do papel imune”, ressalta Pa­cior­nik.

Na Abigraf-RJ, de­pois de en­ cerrar um ano em que a atua­ção esteve calcada na formação pro­ fis­sio­nal e na mobilização dos em­p re­s á­r ios gráficos do Esta­ do, a presidência dará con­ti­nui­ da­de a um trabalho que trou­xe excelentes resultados. A entida­ de estará empenhada na rea­li­za­ ção de eventos de capacitação, sempre buscando atender as de­ mandas do mercado. “No  ano

João Batista Alves dos Santos Abigraf Regional Distrito Federal Gestão 2011–​­2013 Presidente: João Batista Alves dos Santos. 1-º Vice-​­p residente: João Ferreira dos Santos. 1º-   Secretário: Antônio Eustáquio de Oliveira. 1º-  Tesoureiro: Pedro Henrique Achcar Verano. 2-º  Tesoureiro: Raimundo Alves da Silva. Conselho Fiscal: An­ tônio Manoel de Mattos Vieira Neto, Roberto Bezerra de Melo e Luiz So­ ares de Oliveira. Conselho Fiscal Suplente: Petrônio Arraes Nunes. Abigraf Regional Paraná Gestão 2010–2013 Presidente: Sidney Paciornik . 1 -º   Vice-​­p residente: Jair Leite. 2 -º   Vice-​­p residente: Giem Raduy Guimarães. Diretor Financeiro: Abi­

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

passado, isso foi uma constan­ te, em que se sobressai o ­apoio à modernização do parque grá­ fico da Escola de Artes Gráficas do Senai”, diz Di Gior­gio. Também hou­ve a preo­cu­pa­ ção de es­trei­tar o re­la­cio­na­men­ to com as entidades congêneres e de mobilizar o setor em defesa do mercado. “Uma atua­ção ob­ jetiva, rápida e que envolveu vá­ rios ou­tros setores evitou a redu­

Sidney Paciornik

lio de Oliveira Santana. Diretor Financeiro Adjunto: Lúcio Novaki. Diretor Administrativo: Cesar An­ tonio Lise. Diretor Administrativo Adjunto: Renato Höft Junior. Diretoria Plenária (Suplentes): Rafael Woehl Thur, José Antonio Karam, Wagner Costa, Edson Benvenho, Ur­ bano Rampazzo e Itagiba Fortunato Junior. Conselho Fiscal (Efetivos): Braz Bezerra, Augusto Carlos Dalla Vecchia e Vicente Donizete Ruiz Li­ nares. Conselho Fiscal (Suplentes): Alceu Malucelli Junior, Julio Schune­ mann e Luiz Gonzaga Dionysio. Abigraf Regional Rio de Janeiro Gestão 2011–​­2014 Presidente: Carlos Augusto Di Gior­ gio Sobrinho. 1º- Vice-​­presidente:

ção de alíquota para importação de rótulo de papel para cerveja, o que demonstrou a forte atua­ ção dos em­pre­sá­rios gráficos do Estado em defesa de seus plei­ tos”, afirma o presidente. Entre as propostas e metas da Abigraf-RJ está a intenção de dar con­ti­nui­ da­de a todas as atividades rea­li­ za­das nos anos an­te­rio­res, com ênfase à questão do conflito tributário entre ICMS e ISS.

Carlos Augusto Di Giorgio Sobrinho Marcus Antônio Cosme Lopes. 2 -º Vice-​­p residente: Antônio Ivo Daflon dos Santos. Diretor Administrativo: Rogério Fara de Vita. Diretor Administrativo Adjunto: Márcio Vitória Amorim. Diretor Fi­ nanceiro: Osmar D’Almeida Santos Filho. Diretor Financeiro Adjunto: José Carlos Fassarella Meneghetti. Suplentes: Ruy Sérgio Lopes de Car­ valho, Vicente de Paulo Di Giorgio, Sergei da Cunha Lima, André Luiz da Silva Teixeira, Sandro dos Santos Meneghetti, Maurizio de Vita Neto e Massimo Antônio Pericle Panajjot­ ti. Conselho Fiscal (Efetivos): Celso Lund, Roberto da Rocha Salgado e Múcio Matheus Capobiango. Conselho Fiscal (Suplentes): Fernando Ernesto Borsato, José Magno Vargas Hoffmann e Dalton Carestiado.


VEM AÍ AS SEMANAS DE ARTES GRÁFICAS.

2

1 1 0

QUEM PERDER ESSES 5 DIAS PODE ACABAR PERDENDO OS OUTROS 360. As Semanas de Artes Gráficas, agora com o apoio do SEBRAE foram estendidas para outros estados como Rio Grande do Sul, Pernambuco e Minas Gerais.

Durante 5 dias profissionais da Indústria Gráfica, técnicos do setor e de áreas correlatas tem a chance de aprofundar seus conhecimentos em seminários de grande valor para o mercado, focado nas áreas de Gestão, Técnica e de Vendas, contando com a presença dos melhores profissionais do setor. As vagas são limitadas. IMPERDÍVEL. 1ª edição Semana de Artes Gráficas de Pernambuco - 21 a 25 de março 5ª edição Semana de Artes Gráficas de Sorocaba - 28 de março a 01 de abril 1ª edição Semana de Artes Gráficas de Minas Gerais - 11 a 15 de abril 5ª edição Semana de Artes Gráficas de Araçatuba - 25 a 29 de abril 1ª edição Semana de Artes Gráficas de Rio Grande Sul - 09 a 13 de maio 6ª edição Semana de Artes Gráficas de Bauru - 23 a 27 de maio 6ª edição Semana de Artes Gráficas de São José dos Campos - 27 de junho a 01 de julho 6ª edição Semana de Artes Gráficas de Ribeirão Preto - 25 a 29 de julho 6ª edição Semana de Artes Gráficas de São José do Rio Preto - 22 a 26 de agosto 6ª edição Semana de Artes Gráficas de Campinas - 26 a 30 de setembro 3ª edição Semana de Artes Gráficas de Barueri - 24 a 28 de outubro

Para obter mais informações ou realizar sua inscrição online acesse www.abtg.org.br ou entre em contato pelo Telefone: (11) 2797 6700 Fax: (11) 2797 6716 – E-mail: sag@abtg.org.br. No caso de não comparecimento, o inscrito deverá comunicar a ABTG no mínimo 48 horas antes do evento, ou arcará com multa de R$50,00.

Realização:

Parceria:

EVENTO GRATUITO


Sistema Abigraf Notícias

Escolhidos os jurados do 2º- Prêmio de Responsabilidade Socioambiental Até o fechamento desta edição, treze jurados haviam confirmado a participação no concurso que reconhece as boas práticas sociais e ambientais da indústria gráfica nacional.

E

114

mpresas gráficas de todo o Brasil partici­ pam do 2º Prêmio Abigraf de Responsa­ bilidade So­cioam­bien­tal, cujas inscrições se encerram em 18 de abril. A partir dessa data tem início o processo de julgamento dos cases das ca­te­go­rias “Responsabilidade Am­ bien­tal”, que reconhece o mérito de ações ou conjunto de ini­cia­ti­vas na área am­bien­tal, e “Responsabilidade So­cial”, que premia inter­ venções externas, isoladas ou conjuntas das empresas gráficas, nos campos edu­ca­cio­nal, cultural e esportivo, na inclusão so­cial, na ini­cia­ção pro­f is­sio­nal ou nas campanhas em prol da melhoria das comunidades. O concurso cria­do pela Abigraf Na­cio­nal em 2009 chega consagrado à sua segunda edição. “O prêmio divulga ações so­ciais e isso serve de multiplicador para o mundo corpo­ rativo. É também uma forma de informar a so­cie­da­de do esforço que se faz para colabo­ rar com o desenvolvimento do Brasil”, afirma o jornalista Heródoto Bar­bei­ro, que participa novamente do corpo de jurados da catego­ ria “So­cial”. Nesta categoria está confirmada a presença também de Eduar­do de Al­mei­da Car­nei­ro, presidente da As­so­cia­ção de As­ sistência à Crian­ça De­f i­cien­te (AACD); Ivana Boal, gerente de comunicação do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec); Maria Celina Cattini, diretora geral do Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I; ­Thais Iannarelli, jornalista responsável pela revista Filantropia; e José Luiz Goldfarb, ex-​­secretário da Cultura do município de São Pau­lo; e Max Schrappe, ex-presidente da Abigraf Nacional. Um dos nomes confirmados para o júri da categoria “Am­bien­tal” é o de Luiz Mace­ do, assessor do Programa de Responsabili­ dade So­cial e Sustentabilidade no Varejo da

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

Fundação Getúlio Vargas, professor de pós-​ ­gra­dua­ção e co-​­au­tor de livros e artigos sobre responsabilidade so­cial em­pre­sa­rial, susten­ tabilidade, varejo sustentável e comunica­ ção. “Desde 2003 venho colaborando com esse tipo de pre­mia­ção se­to­rial, pois acredi­ to que os pro­f is­sio­nais da área precisam for­ talecer a atua­ção sustentável das organiza­ ções”, declarou ele. Sobre a pre­mia­ção da Abigraf Na­cio­nal, Macedo avalia que a enti­ dade está con­tri­buin­do de uma ma­nei­ra im­ portante para estimular as empresas a ino­ varem em tecnologia e a melhorarem seus processos, buscando reduzir e ge­ren­ciar o impacto de suas atividades na so­cie­da­de e no planeta. “As gráficas real­men­te precisam ser reconhecidas pelo que já fazem para que os exemplos positivos possam, cada vez mais, ser replicados em um setor que representa uma grande ca­deia produtiva de suprimen­ tos com po­ten­cial para oferecer produtos e serviços sus­ten­tá­veis”. A categoria “Am­bien­ tal” conta, ain­da, com os seguintes jurados: Ma­noel Man­tei­gas de Oli­vei­ra, diretor da Es­ cola Senai Theo­bal­do De Nigris; Eloí­sa Elena Cor­reia Garcia, vice-​­diretora e gerente da área de embalagens plásticas e de meio am­bien­ te do Centro de Tecnologia de Embalagem (Cetea); Haroldo Mattos Lemos, superinten­ dente do Comitê Bra­si­lei­ro de Gestão Am­ bien­tal da ABNT (CB38); Rogério Ruschel, pre­ sidente da Ruschel & As­so­cia­dos – Mar­ke­ting Ecológico; e Se­bas­tião Valverde, professor da Universidade Federal de Viçosa. A cerimônia de entrega dos tro­féus do Prêmio Abigraf de Responsabilidade So­ cioam­bien­tal será rea­li­za­da na Semana do Meio Am­bien­te, no dia 7 de junho de 2011, a partir das 19 horas, na As­s o­cia­ç ão dos Procuradores do Estado de São Pau­lo.

Heródoto Barbeiro

Luiz Macedo


• Colônia de férias • Plano Odontológico • Descontos na compra de veículos GM • Assessoria Jurídica • Convênio cartão BNDES

• Descontos em cursos da ABTG • Desconto para o Prêmio Fernando Pini

• Revistas ABIGRAF e Tecnologia Gráfica

• Consultoria gratuita

• Assessoria gratuita na importação de equipamento • Auxílio para o cálculo do crédito acumulado de ICMS • Convênio com a Caixa Econômica Federal

BENEFÍCIOS ABIGRAF.

QUEM RESOLVE TER, RESOLVE MUITO. Para resolver de vez os seus problemas, são mais

de 30 benefícios que você possui,

entre consultorias, descontos, créditos, treinamentos, infraestrutura e divulgação da sua gráfica. Associe-se

já.

A PARTIR DE 35,00/MÊS.*

O valor de R$ 35,00 mensais é válido para gráfica de 0 a 5 funcionários.

Acesse e saiba mais: www.abigraf.org.br Ligue para (11) 3232-4500


Sistema Abigraf Notícias

Conheça a programação do 15º- Congraf Mídias sociais, sustentabilidade, convergência, mercados e oportunidades são alguns dos temas de destaque na 15ª edição do mais importante evento do setor gráfico nacional.

A

programação do 15º Congres­ so Bra­si­lei­ro da Indústria Grá­ fica (Congraf) já está sendo di­ vulgada pela organizadora do evento, a Abigraf Na­cio­nal, com ­apoio da Abigraf Re­gio­nal Para­ ná e ABTG. Com o tema “Crescen­ do com o Brasil”, o evento aconte­ cerá na cidade de Foz de Iguaçu, Paraná, de 8 a 11 de ou­tu­bro de 2011. Com expectativa de reu­ nir cerca de 800 pes­soas, o Con­ gresso ocorrerá no Hotel Mabu – Thermas & Resort e será aberto ofi­cial­men­te no dia 8, às 19h. Esta pri­mei­ra noi­te do evento contará com palestra de abertura, segui­ da de coquetel e show musical. As palestras serão realizadas nos dias 9, 10 e 11, no pe­río­do da manhã. Além da programa­ ção diá­ria (veja detalhes no qua­

dro abai­xo), o congresso será encerrado com o pai­nel “Brasil: apro­vei­tan­do a melhor década da história”, que precederá um grande debate, com todos os

participantes, para uma ampla dis­ cussão do impac­ to do temário na indústria gráfica.

O 15º Congraf contará, ain­ da, com uma fei­ra de produtos e serviços gráficos, rea­li­za­da no espaço Salão Atlântico do ho­ tel. Para facilitar a participação neste que é o mais importan­ te evento de atua­li­za­ção merca­ dológica para os pro­fis­sio­nais do setor gráfico, a Abigraf firmou uma parceria com a operadora de turismo Must Tour Via­gens e Turismo, que oferece condições es­pe­ciais aos congressistas.

Programa (*) 8 de outubro de 2011 (1º- dia)

116

19 às 19h45 – Abertura oficial/ composição da mesa e pronunciamento dos presidentes 19h45 às 20h45 – Palestra de abertura (**) 21 às 23h – coquetel

10h50 às 11h10 – Coffee 11h10 às 12h10 – Tendências Tecnológicas: Convergências de Mídias ou Substituição? Bruno Mortara (Sala 1) 12h10 às 12h30 – Perguntas e respostas

10h50 às 11h10 – Coffee 11h10 às 12h10 – Sustentabilidade: Estratégia para o Mundo e para o Negócio (Sala 1) (**) 12h10 às 12h30 – Perguntas e respostas

9 de outubro de 2011 (2º- dia)

10 de outubro de 2011 (3º- dia)

11 de outubro (4º- dia)

8h30 às 10h30 – O Perfil do Novo Consumidor – Geração Y, Sidnei Oliveira (Auditório) 10h30 às 10h50 – Perguntas e respostas 10h50 às 11h – Coffee 11h10 às 12h10 – O Poder das Mídias Sociais para os Negócios, Mariela Castro (Auditório) 12h10 às 12h30 – Perguntas e respostas 9h30 às 10h30 – O Futuro da Gráfica e a Construção de Valor nas Relações Comerciais, Hamilton Terni Costa (Sala 1) 10h30 às 10h50 – Perguntas e respostas

9h30 às 10h30 – Economia Criativa, Sustentabilidade e Futuros, Lala Deheinzelin (Auditório) 10h30 às 10h50 – Perguntas e respostas 10h50 às 11h10 – Coffee 11h10 às 12h10 – Copa do Mundo e Olimpíadas: Oportunidades de Negócios (Auditório) (**) 12h10 às 12h30 – Perguntas e respostas 9h30 às 10h30 – Planejamento de Investimentos: Estruturando o Seu Crescimento de Forma Economicamente Sustentável, Flavio Botana (Sala 1) 10h30 às 10h50 – Perguntas e respostas

REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

9h30 às 10h30 – Educação de Qualidade como Fator de Sustentabilidade do Desenvolvimento, Cesar Callegari (Auditório) 10h30 às 10h50 – Perguntas e respostas 10h50 às 11h10 – Coffee 11h10 às 12h10 – Perspectivas para um Brasil Melhor (Auditório) (**) 12h10 às 12h30 – Perguntas e respostas 12h30 às 13h – Encerramento oficial (Auditório) *Programação sujeita a alterações até a data do evento **Palestrante a confirmar

15º- Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica Data: 8 a 11 de outubro Abertura: 8 de outubro, a partir de 19h Palestras: 9 a 11 de outubro, das 9 às 13h Feira: dias 9 e 10, das 8 às 17h; dia 11, das 9 às 12h Local: Hotel Mabu Thermas & Resort, Avenida das Cataratas, 3.175, Foz do Iguaçu (PR) Pacotes para congressistas: Must Tour Viagens e Turismo. Tel (11) 3284.1666 ou www.musttour.com.br Informações e inscrições: www.congraf.org.br ou (11) 3164.3193


Convênio Abigraf/Sebrae visa ao incremento da competitividade das empresas gráficas Iniciativa da Abigraf Nacional para as empresas do setor gráfico levará a sete estados brasileiros seminários e palestras focados no desenvolvimento de estratégias para melhorar a difusão tecnológica e de gestão empresarial nas micro e pequenas empresas.

C

om vistas a fomentar a com­ petitividade do setor gráfico por meio da coo­pe­ra­ção técnica, o convênio assinado pela Abi­ graf Na­cio­nal e o Sebrae Na­cio­ nal terá início com um programa de se­mi­ná­rios e palestras que se­ rão desenvolvidos através das Semanas de Artes Gráficas, entre ou­tras ações a serem desenvol­ vidas nos estados de Minas Ge­ rais, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Pau­lo. Os se­m i­n á­r ios e palestras apresentarão temas de relevân­ cia e interesse para a melho­ ria dos processos produtivos e de gestão das micro e peque­ nas empresas. Também serão apresentadas palestras sobre in­ter­na­cio­na­li­za­ção, através do “Programa Sebrae de In­ter­na­ cio­na­li­za­ção” e “Graphia – Pro­ jeto de Exportação do Setor Gráfico”. A atividade visa disse­ minar métodos para melhorar o conhecimento tecnológico e de gestão em­pre­sa­rial de micro e pequenas empresas do setor gráfico, bem como aprimorar habilidades para ope­ra­cio­na­li­ za­ção de seus ne­gó­cios. Eduar­do Mota, presidente da Abigraf Re­gio­nal Pernambuco, considera a ini­cia­ti­va de grande importância para a área, como fonte de difusão da comunica­ ção. “Esta é uma oportunida­ de de nos reciclarmos e nos de­ senvolvermos junto com o setor. Por meio dessas palestras tere­ mos acesso a importantes infor­ mações sobre o mercado ­atual e suas ten­dên­cias. Além de trocar­

mos ex­pe­riên­cias sobre gestão, poderemos identificar o desem­ penho do setor gráfico bra­si­lei­ ro em relação a ou­tros paí­ses”, constata o executivo. Para Carlos Evandro, presi­ dente da Re­gio­nal Rio Grande do Sul, o projeto traz boas ex­ pectativas para os pequenos ne­gó­cios. “Parceria e projetos que estimulem a competitivi­ dade do setor sempre são bem-​ ­vindos. Este convênio da Abigraf Na­cio­nal com o Sebrae certa­ mente trará bons frutos. Espe­ ramos ­maior participação das organizações de menor porte no mercado, uma vez que elas representam 75% das empresas do Rio Grande do Sul. Tudo que vem para difundir informações e impactar o mercado de ma­nei­ra positiva é fundamental”. O presidente da Abigraf Mi­ nas Ge­r ais, Vicente de Pau­l a, acrescenta que a parceria será

excelente para as empresas da re­gião: “Com o mérito de garan­ tir trei­na­m en­to e transmissão de informações a fun­cio­ná­rios e em­pre­sá­rios gráficos as­so­cia­ dos, este ensejo é ex­cep­cio­nal. Para mim é um privilégio, sobre­ tudo neste começo de manda­ to, contar com ini­cia­ti­vas para o fortalecimento do setor como esta que acontecerá durante a Semana de Artes Gráficas de Belo Horizonte”, em abril. Paralelamente à rea­l i­z a­ ção das SAGs, o tema Certifica­ ção FSC , tão importante para a competitividade das empre­ sas, será apresentado em pa­ lestras específicas, nas ­quais os participantes terão a oportuni­ dade de conhecer os prin­ci­pais processos de desenvolvimen­ to para a obtenção desta Certi­ ficação, objetivando ­maior par­ ticipação das empresas no ­atual mercado gráfico.

Semana de Artes Gráficas – 2011 Local

SAG

Palestra FSC

Recife (PE)

21 a 25/3

5/4

Sorocaba (SP)

28/3 a 1/4

19/4

Belo Horizonte (MG)

11 a 15/4

4/5

Araçatuba (SP)

25 a 29/4

18/5

Porto Alegre (RS)

9 a 13/5

1/6

Bauru (SP)

23 a 27/5

8/6

São José dos Campos (SP)

27/6 a 1/7

13/7

Ribeirão Preto (SP)

25 a 29/7

10/8

São José do Rio Preto (SP)

22 a 26/8

14/9

Campinas (SP)

26 a 30/9

19/10

Barueri (SP)

24 a 28/10

9/11

Sobre o convênio Com duração de 24 meses, o Projeto de Incremento da Com­ petitividade do Setor Gráfico está pau­ta­do na disseminação do conhecimento, informação e tecnologia, para me­l ho­r ias nos processos produtivos e de gestão das micro e pequenas empresas. As ações do projeto serão efetivadas através das Se­ manas de Artes Gráficas, com a apresentação de se­mi­ná­rios e palestras, certificação FSC, aces­ so a mercados através da in­ter­ na­cio­na­li­z a­ção, campanha Im­ primir é dar Vida, apresentando temas de relevância e interesse dos pro­f is­sio­nais/empresas do setor, com o objetivo de imple­ mentar me­lho­rias ge­ren­ciais e au­men­tar a competitividade das empresas do setor. Consulte o calendário e participe! Inscrições online: www.abtg.org.br. A progra­ mação dos eventos para 2012 está sendo definida e será amplamente divulgada. Para mais informações: www.abigraf.org.br / www.abtg.org.br.

MARÇO/ABRIL 2011  REVISTA ABIGR AF

117


MENSAGEM

Levi Ceregato

Presidente da Abigraf Regional São Paulo

O diferencial do conhecimento Semana de Artes Gráficas (SAG), nascida na Abigraf Regional São Paulo, no âmbito do bem‑sucedido processo de interiorização dos benefícios e projetos da entidade, cresceu e se multiplicou. Depois de se consolidar em oito regiões administrativas paulistas como um eficaz programa setorial de seminários e palestras sobre gestão, produção e vendas, ela ganha, agora, expressão ainda mais ampla. Graças a uma parceria da Abigraf Nacional (Associação Brasileira da Indústria Gráfica) e do Sebrae Nacional (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), com a chancela técnica da ABTG (Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica) e apoio do Sindigraf‑SP (Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo), o evento será realizado este ano em Pernambuco, Minas Gerais e Rio Grande do Sul e, em 2012, contemplará outros estados. A iniciativa é muito importante, pois responde a uma das demandas mais recorrentes da indústria gráfica, a exemplo do que ocorre em outros campos de atividade, que é a formação profissional, inclusive de gestores, e a educação continuada. A possibilidade de acesso a esses fatores diferenciais para o sucesso de pessoas e empresas é fundamental num mundo que se recicla e se transforma em velocidade cada vez maior. A indústria gráfica é um dos setores nos quais a necessidade de constante atualização é mais premente, dado o grau fulminante do avanço tecnológico e das mudanças do mercado. O advento das mídias digitais, estabelecendo irreversível tendência de convergência, somado às infinitas soluções técnicas e de processos à disposição das gráficas, mudou o chão de fábrica, o atendimento ao cliente, as estratégias de vendas e os modelos de prospecção de negócios.

118 REVISTA ABIGR AF  MARÇO/ABRIL 2011

É preciso, portanto, manter‑se sempre em dia no contexto dessa dinâmica efervescente que permeia o universo corporativo contemporâneo. Atender a essa demanda é a missão que a Semana de Artes Gráficas tem cumprido no interior paulista e, a partir de agora, em âmbito nacional. Nós, da Abigraf São Paulo, sentimo‑nos gratificados em constatar que uma iniciativa que nasceu na entidade contribui de maneira ampliada para que mais gráficas brasileiras sejam beneficiadas por uma consistente grade de conteúdos, seminários e palestras. Seguiremos cada vez mais empenhados no atendimento às necessidades de nossos associados e na valorização do parque gráfico paulista, sempre abertos a compartilhar as boas ideias. Esse é um exemplo do quanto o trabalho associativo é útil e relevante para cada um dos setores de atividade, a sociedade e a Nação. As entidades de classe, ao propiciarem o acesso de empresas, profissionais e gestores a informação, formação e conhecimento, ajudam o Brasil como um todo a avançar e a agregar competitividade. O mesmo se aplica às ações voltadas ao aprimoramento do mercado, prospecção das exportações, produção limpa, defesa setorial perante as distintas instâncias do setor público e da sociedade e gestões permanentes em prol do crescimento sustentado e do desenvolvimento brasileiro. Felizmente, as entidades de classe representativas da indústria gráfica incluem‑se entre as mais engajadas do País no processo de fortalecimento setorial e na mobilização em prol de um Brasil melhor, mais próspero e socialmente justo.

presiar@abigraf.org.br


Revista Abigraf 252  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you