Page 1

revista

issn 0103•572x

revista abigraf 249 setembro / outubro 2010

a r t e & i n d ú s t r i a g r á f i c a • a n o x x x V • s e t / o u t 2 0 1 0 • nº 2 4 9


F2C Propaganda

A Central Papéis remanejou o seu papel como empresa, pensando na vida de todo Mundo. Trabalhar o presente, preservar o futuro. Essa tendência mundial de mercado passou a ser seguida pela Central Distribuidora de Papéis, uma empresa que atua no setor de matérias-primas e respeita o meio ambiente, obtendo, assim, importante certificação que garante tal procedimento. A FSC (Forest Stewardship Council) – organização mundial que possui a missão de difundir e facilitar o bom manejo das florestas do Planeta, seguindo princípios e critérios ecológicos, sociais e econômicos – concedeu à Central Papéis sua certificação na categoria “Cadeia de Custódia”. A responsabilidade sobre a “Cadeia de Custódia” garante ao consumidor que o produto adquirido foi fabricado com matéria-prima de florestas certificadas e fontes controladas, segundo as normas indicadas para o correto Manejo Florestal. Dentre os produtos comercializados pela Central Papéis, as linhas Suzano e Papirus são certificados FSC e disponibilizadas ao mercado, sem diferenças de características físicas ou tributárias. Os produtos certificados FSC fazem da Central Distribuidora de Papéis uma empresa diferenciada, tanto por sua eficácia em estrutura e agilidade logística, como por seu comprometimento com a qualidade de vida do Planeta.

Central Distribuidora de Papéis, o nosso papel acaba de ficar mais verde.

Av. Henry Ford, 2.349 - Vila Prudente - São Paulo - SP PABX: (11) 2066 2600 / 0800 55 6623


22

Elaboração: Clemente & Gramani Editora e Comunicações Ltda. Rua Marquês de Paranaguá, 348, 1º andar 01303-905  São Paulo  SP Administração, Redação e Publicidade: Tel. (11) 3159-3010  Fax (11) 3256-0919 E-mail: gramani@uol.com.br Diretor Responsável: Plinio Gramani Filho Redação: Tânia Galluzzi (MTb 26.897), Ada Caperuto, Clarissa Domingues, Eduardo Cosomano, Fabio Mestriner, Marco Antonio Eid, Ricardo Viveiros e Tainá Ianone Revisão: Giuliana Gramani Colaboradores: Álvaro de Moya e Claudio Ferlauto Consultores Técnicos: Hamilton Terni Costa e Manoel Manteigas de Oliveira Edição de Arte: Cesar Mangiacavalli Produção: Rosária Scianci e Livian Corrêa Editoração Eletrônica: Studio52 Impressão e Acabamento: Editora Gráfica Bernardi (EGB) Capa/Laminação e Verniz: Aquarius Hot stamping (com fitas Crown) e relevo: Hot Color Assinatura anual (6 edições): Brasil: R$ 60,00 América: US$ 70,00 Europa: US$ 80,00 Exemplar avulso: R$ 12,00 (11) 3159-3010

Paulo Okamotto, presidente nacional do Sebrae.

32

Mercado aquecido

A OfficePaperBrasil Escolar atraiu 41 mil pessoas, das quais 12.552 compradores do Brasil e do exterior. Cenário econômico interno favorável impulsiona a indústria de cadernos.

60

Prêmios valorizam qualidade

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

Ricardo Amorim, economista, durante palestra na Conferência Anual da Abro.

Cobrindo praticamente todo o País, os prêmios de excelência gráfica funcionam como referenciais de qualidade, mostrando ao mercado o que as gráficas vencedoras são capazes de fazer.

É muito difícil saber se as vendas (dos e‑books) continuarão a crescer nesse ritmo. O livro digital é puro conteúdo, ao passo que o livro impresso tem também um valor enquanto objeto. Mesmo no mercado americano, os editores não sabem o que vai acontecer. John B. Thompson, autor do livro Books in the Digital Age.

4

Estou convencido de que as oportunidades no Brasil nos próximos 10 anos serão as melhores de sua história.

revista issn 0103•5 72x

arte & indús tria gráfica • ano xxxV • s et/out 2010 • nº 2 4 9

o 2010

Presidente da Abigraf Nacional: Mário César de Camargo Presidente da Abigraf Regional SP: Fabio Arruda Mortara Diretora Executiva: Sonia Regina Carboni Conselho Editorial: Egbert Miranda, Fabio Arruda Mortara, Mário César de Camargo, Plinio Gramani Filho, Ricardo Viveiros e Sonia Regina Carboni

Será sempre muito importante o empresário de pequeno porte adquirir e aperfeiçoar seu conhecimento empresarial e uma atitude empreendedora.

revista abigraf 249 setembr o / outubr

ISSN 0103-572X Publicação bimestral Órgão oficial do empresariado gráfico, editado pela Associação Brasileira da Indústria Gráfica/ Regional do Estado de São Paulo, com autorização da Abigraf Nacional Av. Cardoso de Melo, 1750, 6º andar (Vila Olímpia) 04548-005  São Paulo  SP Tel. (11) 3164-3193  Fax (11) 3842-0300 E-mail: abigraf@abigraf.org.br Home page: www.abigraf.org.br

O pintor italiano Alberto Magnelli sempre buscou novos caminhos, privilegiando a liberdade na expressão de sua arte. Em sua passagem pelo Brasil, ajudou Ciccillo Matarazzo na formação do acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo.

Pintura G-G, óleo sobre tela, 1935

REVISTA ABIGRAF

Doce revolucionário da pintura

Capa: Pintura n-º 0525, óleo sobre tela, 1915 Autor: Alberto Magnelli


O livro continua forte

A Bienal do Livro de São Paulo movimentou R$ 49,3 milhões, com 743 mil visitantes, no Anhembi. Em pesquisa do DataFolha, 93% dos entrevistados consideraram o evento ótimo ou bom.

Os desafios da área de rotativas

Contando com a presença de 350 profissionais, a 4-ª Conferência Anual da Abro discutiu temas como formação de mão de obra, produtividade, sustentabilidade e a convivência com as mídias digitais.

Amor incondicional às artes gráficas

O octogenário Pedro Fanelli, há 53 anos no setor, conta sua trajetória à frente da Editora Parma, construída com muito trabalho e amor pelas artes gráficas.

Gestão ambiental e certificações

Com dois eventos realizados no início de agosto, a ABTG fomenta a discussão do papel do setor gráfico em um cenário industrial ambientalmente correto, envolvendo o processo produtivo e a adoção de certificações.

Conexões infinitas

Roteirista, diretor de curta‑metragens e fotógrafo, Gilberto Perin vem expondo para o público gaúcho seu enquadramento primoroso e sua forma particular de mostrar o mundo.

Novos desafios

67

Depois de investir em uma nova planta fabril, a EGB pretende ampliar sua atuação na produção de livros, revistas e catálogos.

38

50

56 87 104 Rotativa����������������������������������������������������������6 Entrevista: Paulo Okamotto/Sebrae�����������������18 Mercado de Flexografia���������������������������������28 Fórum Livro Digital����������������������������������������42 Feira Movimat�����������������������������������������������44 Feira Serigrafia Sign��������������������������������������46 Ice South America�����������������������������������������48 Print City Alliance������������������������������������������54 Opinião/Valdézio Bezerra de Figueiredo (PE)����58 Gráfica Trindade/RS��������������������������������������74 Abraform/Nova Diretoria��������������������������������76 Gráfica Wäsche/SC���������������������������������������78

Abiea/Nova Diretoria�������������������������������������80 Cartonagem Jauense/SP�������������������������������82 Alphaprint�����������������������������������������������������86 Caderno Sustentabilidade������������������������������87 Economia�����������������������������������������������������92 Olhar Gráfico/ Cláudio Ferlauto����������������������98 Quadrinhos/ Álvaro de Moya����������������������� 102 Ilustração/Hiro Kawahara���������������������������� 103 Gravura/Fabio Mestriner����������������������������� 110 Avery Dennison/75 anos����������������������������� 112 Sistema Abigraf����������������������������������������� 114 Mensagem/ Fabio Arruda Mortara��������������� 122

SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

5


Plural conquista certificação na área de segurança VSP inaugura show­room em São Pau­lo A VSP Pa­péis Es­pe­ciais inaugu­

E

m setembro, a Plural anun­ ciou que, após au­di­to­ria rea­li­ za­d a pela ABNT, As­s o­c ia­ç ão Bra­si­lei­r a de Normas Técnicas, recebeu o certificado de confor­ midade com a norma ABNT NBR 15540:2007 – Sistema de Segu­ rança para Produção de Docu­ mentos Con­f i­d en­ciais. Para se adequar à norma, a Plural inves­ tiu na instalação de recursos tec­ nológicos que garantem a segu­

rança de seu processo produtivo e na qualificação técnica es­pe­ cia­li­z a­da de seus pro­f is­sio­nais. Além de representar a entrada da Plural num novo mercado, a certificação constitui mais um passo na construção de um sis­ tema di­fe­ren­cia­do de qualidade de serviços e produtos. No mês an­te­rior a Plural con­ quistou a certificação ABNT NBR ISO 9001, versão bra­si­lei­ra da nor­

ma in­ter­na­cio­nal ISO 9001 que es­ tabelece requisitos para o Siste­ ma de Gestão da Qua­li­da­de de uma empresa. O processo de au­ di­to­ria, rea­li­za­do pela Fundação Vanzolini, ocorreu no mês de ju­ nho. A implantação de um siste­ ma de qualidade é rea­li­za­da para poder identificar os processos do negócio, integrá-​­los e trabalhar para atingir os seus objetivos. www.plural.com.br

Oferta de Reformulando seu parque gráfico, a UV Pack está colocando à venda al­ de seus equipamentos, sobretudo os voltados à confecção de capas sistema de guns duras. Alguns deles são: montador capa dura da Kolbus, DAS 206; co­la­dei­ acabamento ra de guardas da Hunkeler, 520 KS; encadernadora de capa dura da Kolbus, BF 2000 523A /FE 600; sistema de costura da Aster, Astronic 150; al­cea­dei­ra

6

com 10 alimentadores duplos e um criss-​­cross da Müller Martini, 3661; e um sistema de corte trilateral da Wohlenberg, A43 DO. A empresa dá preferên­ cia para quem estiver interessado no conjunto das máquinas. Para mais informações, entrar em contato com José Carlos através do telefone: (11) 3838-​­1855 ou e-​­mail: jjesus@uvpackacabamentos.com.br.

rou em setembro sua nova uni­ dade, na zona leste de São Pau­ lo. O show­room apresenta mais de 700 opções de pa­péis com va­ rie­da­de de cores, texturas, toques di­fe­ren­cia­dos e acabamentos com efei­tos es­pe­ciais. Estão expostos na loja diversos trabalhos gráfi­ cos e ar­te­sa­nais, que inspiram a cria­ção e am­pliam a visão dos pro­ fis­sio­nais em relação à aplicação dos pa­péis. A  VSP completa qua­ tro unidades, sendo três na capi­ tal pau­lis­ta e uma no in­te­rior, em São José dos Campos. A nova loja está localizada na Av. Alcântara Machado, 2800, São Pau­lo, telefo­ ne 11 3524.4040. Outra novidade da VSP é a ex­ clusividade na co­mer­cia­li­za­ção da linha Metal Color em São Pau­lo. Voltada a designers e pro­f is­sio­nais do mercado gráfico, a linha pos­ sui revestimento que simula ma­ te­rial metálico nas duas faces do papel e traz alto valor agregado e inovação ao trabalho com pa­ péis es­pe­ciais. A linha possui efei­ to iridescente, que faz com que a superfície do papel mude de cor conforme a incidência da luz. A li­ nha Metal Color, fabricada pela Ar­ jowiggins, está disponível para co­ mer­cia­li­za­ção em todas as lojas da VSP no formato 66 × 96 cm, com nove opções de cores, dois acaba­ mentos su­per­f i­ciais (­smooth e rustic) e três gramaturas. www.vsppapeis.com.br

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010


INFORME PUBLICITÁRIO

Prol e Alphaprint: uma parceria de 20 anos A Prol, em parceria com a Alphaprint, investe em novas máquinas em sua unidade digital, Alternativa Digital. A Prol, empresa gráfica com mais de 30 anos no mercado, sempre se preocupou em agregar novas tecnologias à sua produção oferecendo ao cliente as mais variadas soluções. Os novos investimentos de Eduardo Neto, vice-presidente da Prol, foram na unidade digital localizada em Alphaville, a Alternativa Digital. Esta unidade é dedicada à produção de livros sob demanda, atendendo à crescente necessidade de pequenas tiragens no mercado editorial. Para Eduardo Neto, o investimento em uma gráfica digital foi necessário para seguir a tendência do mercado e a crescente demanda de seus clientes. Segundo ele, os desafios ainda são grandes. “Acreditamos que em médio prazo o resultado vai ser tão positivo quanto ao resultado de um investimento em um parque gráfico convencional. Estamos realistas e confiantes nesse novo negócio.” Dentre as mais novas aquisições da Alternativa Digital, destacamos o investimento na primeira HP Indigo 7500 para o mercado editorial brasileiro, em substituição a uma HP Indigo 5000, se-

gundo Neto, foi estratégico, pois visa à redução de custos: “A qualidade e tecnologia da HP Indigo são indiscutíveis e com esse novo equipamento, eu posso ter um custo mais competitivo dentro do mercado.”

rica Latina dedicada 100% para livros produzidos de forma digital, Áster Kristec. “Ainda não recebemos a máquina, mas a nossa expectativa é de que ela ofereça uma maior agilidade em acabamento de livros costurados.”

Outro investimento feito pela empresa foi a aquisição de mais uma OCÉ VP6320 Ultra, a exemplo da HP Indigo, também adquirida da Alphaprint, foi importante, pois é uma máquina P/B de tecnologia reconhecida e consolidada no mercado editorial e traz confiança para o cliente no resultado do produto final. “Editorialmente falando, no mercado de livro, não é possível fazer um projeto de gráfica digital somente com máquinas quatro cores. Uma máquina complementa a produção da outra, por isso o investimento foi necessário”, diz Neto.

A parceria entre a Prol e a Alphaprint existe há mais de 20 anos. “Temos plena confiança na empresa, pois ela traz sempre as melhores soluções em todos os segmentos gráficos. A Alphaprint é um provedor de serviços, qualidade e tecnologia.”

Neto já possuía uma encadernadora Duplo DPB500, comprada da Alphaprint, e recentemente adquiriu mais uma com o objetivo de manter a tecnologia e o excelente resultado no acabamento final. “A máquina tem um acerto rápido, é confiável e tem uma ótima qualidade”, diz ele. Além da Duplo, a Alternativa Digital adquiriu também a primeira máquina de costura da Amé-

Eduardo Neto Vice-presidente da Prol

www.digitalalternativa.com.br

www.alphaprint.com.br


Mattavelli participa do Green Festival Estoril 2010

KM Papel aposta em produtos de papel reciclado A  KM Papel deu início, em ju­

S

8

e­dia­da em São Pau­lo, a Matta­ velli Gráfica e Editora participou do ­G reen Festival 2010, evento referência na área de sustenta­ bilidade rea­li­z a­do entre 10 e 17 de setembro em Estoril, Portu­ gal. A Mattavelli, ao lado do Insti­ tuto Foco, integrou a exposição/ manifesto, assinando em con­ junto a obra “Abraço Bra­si­l ei­ro a Portugal”. Trata-se da exposi­ ção da escultura do artista vi­sual Odilon Cavalcanti intitulada “O Abraço”, produzida pela Matta­ velli com ma­te­rial reciclável e não tóxico. A  obra traz imagens dos ecofotógrafos bra­si­lei­ros Ma­louh Gual­ber­to, Armando Syllos e do próprio au­tor da obra. Por meio da dis­tri­bui­ção de ré­ plicas de “Abraços” (esculturas), o

Instituto Foco, a Mattavelli, os ar­ tistas, a Camera Press e empresas apoia­do­ras procuram promover a adesão à sustentabilidade atra­ vés da simplicidade, sensibilidade e so­li­da­rie­da­de como ­meios pos­ sí­veis de implementar a preserva­ ção da Natureza. Sai­ba mais sobre a obra em http://bit.ly/cQG8oL. O Centro de Congressos de Es­ toril recebeu cerca de 30 mil visi­ tantes durante o ­Green Festival, que este ano celebrou ini­cia­ti­vas nas ­­áreas so­cial, am­bien­tal e eco­ nômica para tornar o mundo me­ lhor. Cidadania, di­rei­tos huma­ nos, desenvolvimento sustentável, inovação so­cial, economia verde, educação e turismo foram alguns dos temas de destaque no evento. www.mattavelli.com.br

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

nho, à fabricação de artefatos de papel reciclado branco com o lançamento de vá­rios artigos produzidos a partir de aparas pré- e pós-​­consumo. Para essa nova linha de produtos, foi ar­ rendada uma fábrica em Pi­ rassununga, no Estado de São Pau­lo, que irá processar ini­cial­ men­te 300 toneladas de papel por mês. O objetivo é chegar ao final de 2010 consumindo 1.000 toneladas/mês na fabricação de itens como cut size, cadernos, for­mu­lá­rios con­tí­nuos e bobi­ nas de PDV, entre ou­tros. Na  pri­mei­ra fase, os produ­ tos serão destinados às classes B, C  e D, chegando ao consu­ midor final com preços compe­ titivos. Está prevista a dis­tri­bui­ ção em todas as re­giões do País, com foco no Nordeste, Minas Ge­rais e Rio de Ja­nei­ro. Em paralelo a essa verticali­ zação da produção, a KM Papel, que ini­ciou a fabricação de pa­ pel reciclado em 2006, está in­ vestindo na am­plia­ção de sua planta fabril no município de Volta Grande (MG). Já foram in­ vestidos R$ 40  mi­l hões nessa unidade e serão aplicados mais

de R$ 40 mi­lhões durante os pró­ ximos 12 meses, o que elevará a capacidade produtiva, atual­ men­te de 24 mil toneladas/ano, para 36 mil toneladas/ano. Do montante desse inves­ timento, R$  20  milhões foram destinados para o fi­nan­cia­men­ to de um equipamento que per­ mitirá a utilização de aparas mais sujas (tecnicamente denomina­ das apara 4 e apara de revista) para a fabricação de papel re­ ciclado branco para impressão. Esse processo atual­men­te só é utilizado na Europa. No Brasil, a apara 4 e a apara de revista são utilizadas quase que 100% na fabricação de papel hi­giê­ni­co e papel toa­lha. Com a importação do novo maquinário, fabricado pela alemã ­Voith Paper, a KM dis­ porá de matéria-​­prima mais ba­ rata, pois as aparas 1 e 2 que usa hoje têm preço médio de R$ 1/ kg, contra R$ 0,35 das aparas 4 e de revista. A expectativa da KM com a implantação desses pro­ jetos é elevar seu faturamento de 2010 para R$ 107  mi­lhões e, em 2011 e 2012, atingir as mar­ cas de R$ 152 e R$ 252  mi­lhões, respectivamente. www.kmpapel.com.br


Rotativa comercial de 16 páginas mais vendida no mundo

M-600™  Flexibilidade de producão  Ajuste rápido de maquina  Opcão troca automática de chapas  48,000 a 70,000 cph

Goss Brasil - Alameda Tocantins, 75 sala 1610, CEP 06455-020 - Barueri, SP Tel: +55-11-4689-6550 Fax: +55-11-4689-6551

www.gossinternational.com


Furnax investe em equipamentos asiáticos O

Facform ganha Prêmio Sappi International No dia 15 de setembro, foram anun­cia­dos os vencedores do Sappi In­ter­na­tio­nal Printers of the Year. A pre­mia­ção é rea­li­za­ da a cada dois anos e consagra impressores de diversos paí­ses. A  pernambucana Facform, de Recife, foi a grande vencedora na categoria Ca­len­dá­rios, com o calendário Renato Filho 2009. Em 2008, a gráfica também esteve entre os vencedores, nas ca­te­go­rias Calendário e Sacolas. Foram mais de seis mil inscritos

nas quatro competições re­gio­ nais clas­si­f i­ca­tó­rias, que ocorre­ ram na África, América do Norte, Europa e na re­gião que engloba Ocea­nia, Ásia e Américas Central e do Sul. No Sappi In­ter­na­tio­nal Printers of the Year concorre­ ram entre si os vencedores re­ gio­nais de cada categoria. Neste ano, foram cria­das as ca­te­go­ rias de Impressão Digital, Revis­ tas Fei­tas em Impressoras Planas e Revistas Fei­tas em Impressoras Rotativas. www.sappi.com

Stilgraf adota tintas certificadas pela Napim E

10

m mais uma ação focada na sustentabilidade, a Stilgraf, gráfica localizada em São Pau­lo, está trabalhando com 100% de suas tin­ tas certificadas pelo programa Napim – BRC, da as­so­cia­ção ameri­ cana de fabricantes de tintas (Na­tio­nal As­so­cia­tion of Printing Ink Manufacturers). Nas tintas certificadas pela entidade, boa parte da matéria-​­prima utilizada em sua fabricação é renovável, o que sig­ nifica menor emissão de componentes orgânicos vo­lá­teis (VOC) na atmosfera e tempo de bio­de­gra­da­ção dos re­sí­duos no meio am­bien­te menor que o de ou­tras tintas. O Napim – BRC é um programa que visa medir, registrar e co­ municar o teor de produtos bior­re­no­vá­veis nas tintas de impressão. O programa foi desenvolvido pelo Na­tio­nal Printing Ink Re­search Institute (NPIRI), composto por es­pe­cia­lis­tas da indústria de tintas. www.stilgraf.com.br REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

Grupo Furnax está trazendo para o Brasil uma nova linha de produtos, impressoras offset e equipamentos para acabamen­ to edi­to­rial de procedência asiá­ ti­ca. Para conduzir essa linha, a Furnax convidou Fabio Soa­res, que agora gerencia esse seg­ mento. Nos últimos quatro anos, Fabio dedicou-se a equipamen­ tos asiá­ti­cos, estando na Ásia e

na Europa para desenvolver for­ necedores e novos produtos. “Meu objetivo é seguir atenden­ do aos clien­tes e à nova fatia do mercado edi­to­rial com a mes­ ma qualidade, oferecendo pro­ dutos e serviços que atendam às expectativas dos mais exigen­ tes, fazendo jus ao nome Furnax para este novo segmento”. www.furnax.com.br

Produção de celulose cresceu 8,3% de janeiro a julho de 2010 S

egundo dados da Bracelpa, a re­cei­ta de exportações do setor de celulose e papel de ja­nei­ro a julho deste ano manteve a ten­ dência de recuperação, registrando 40,8% de au­men­to em relação ao mesmo pe­río­do de 2009. A va­ria­ç ão da re­cei­t a de exportações de celulose foi de 50,2%, enquanto a de papel manteve tendência de recuperação, com crescimento de 23%. Já o saldo da balança co­mer­cial do se­ tor é de US$ 2,86 bi­lhões, o que indica crescimento de 40,8% em relação ao mesmo pe­río­do do ano passado. Nos sete pri­mei­ros meses de 2010 a produção de celulose no Brasil cresceu 8,3% em relação ao mesmo pe­río­do de 2009, chegando a 8,1 milhões de toneladas. O volume das vendas do­ mésticas cresceu 18,5% e o volume de exportações, 2,8% sobre o acumulado dos sete pri­mei­ros meses de 2009. Em relação ao segmento de papel, a produção subiu 6,5% de ja­nei­ro a julho deste ano, se comparada ao mesmo pe­río­do de 2009. O crescimento do volume de vendas domésticas, nes­ se mesmo pe­río­do, foi de 8,4%, enquanto a va­ria­ção do volume de exportações foi de 11,2%. Vale ressaltar também o bom desempenho dos diferentes ti­ pos de papel. O destaque foi o papel-​­cartão, cuja produção cres­ ceu 18,2% de ja­nei­ro a julho, em comparação ao mesmo pe­río­ do do ano passado, e o volume de vendas domésticas au­men­tou em 28,5%. A produção de pa­péis para embalagens registrou au­ men­to de 6,5% e crescimento das vendas domésticas de 11,1%, se comparada aos sete pri­mei­ros meses de 2009. Os  resulta­ dos também são positivos em relação aos pa­péis de imprimir e escrever, para fins sa­ni­tá­rios e de imprensa. www.bracelpa.org.br


Instituto International Paper promove Projeto Educação Socioambiental 2010

No final de agosto, o Instituto In­ter­na­tio­nal Paper (IIP) apresen­ tou o Projeto EducAção So­cioam­ bien­tal aos estudantes de 4ª e 8ª sé­ries do Ensino Fundamental e 3º ano do Ensino Médio das es­ colas públicas e particulares de Estiva Gerbi, Mogi Gua­çu e Mogi Mirim, no in­te­rior de São Pau­lo. O objetivo é colaborar com a for­ mação de crian­ças e adolescen­ tes so­cial­m en­te res­p on­s á­veis e rea­li­z ar a conservação e res­tau­ ra­ção am­bien­tal de ­­áreas verdes nas re­giões de atua­ção da com­ panhia. O  projeto une três ações edu­ca­cio­nais e so­cioam­bien­t ais desenvolvidas pelo IIP, por meio do tra­di­cio­nal Concurso de Reda­ ção, que comemora a sua 35ª edi­ ção, do Concurso Literário, em sua 5ª edição, e do plantio de mudas em Estiva Gerbi pro­ve­nien­tes do

vi­vei­ro administrado pelo Projeto Guar­diões do Verde. Este ano, o tema de ambos os concursos será “Transformar o Pre­ sente para um Futuro Sustentá­ vel”, e traz novamente um desa­ fio: as escolas que participarem do concurso deverão levar seus estu­ dantes para rea­li­zar o plantio de aproximadamente três mil mudas nativas em ­­áreas que precisam ser recuperadas ou conservadas. Este ano, após um levantamento fei­to pelo IIP, o plantio foi rea­li­za­do em Estiva Gerbi, em dois lo­cais (no prolongamento da Avenida Mário Zara e na estrada da Minota) entre os dias 30 de agosto e 15 de se­ tembro. No ano passado o plantio de mudas nativas ocorreu na cida­ de de Mogi Mirim e em 2011 será rea­li­za­do em Mogi Gua­çu, man­ tendo um caráter itinerante.

Podem participar do Concur­ so Literário professores de todas as sé­ries e de qualquer disciplina, coor­de­na­do­res e diretores de es­ colas que ­atuem na Educação Bá­ sica da rede pública e privada nos referidos mu­ni­cí­pios. O Projeto EducAção So­cioam­ bien­t al é rea­li­z a­d o em parceria com a Secretaria de Educação de Mogi Gua­çu, a Secretaria de Edu­ cação e Diretoria de Ensino de Mogi Mirim, a Diretoria de Ensi­ no de Estiva Gerbi e a Secretaria do Meio Am­bien­te de Estiva Ger­ bi. Ao todo, cerca de 10 mil estu­ dantes serão diretamente impac­ tados com esse projeto.

Para participar do Concurso de Redação e Literário as escolas e professores deverão entrar em contato com as se­cre­ta­rias de Edu­ cação de seus mu­ni­cí­pios.

12

tor de papel do mundo. Segun­ do levantamento da consulto­ ria in­ter­na­cio­nal Risi, em 2009 o País superou a Itália e a Fran­ ça, subindo duas posições no ranking em relação à de 2008. A crise econômica provocou

não só a queda dos dois paí­ ses eu­ro­p eus, como também mudou a liderança do ranking. A China assumiu a pri­mei­ra co­ locação, dei­xan­do os Estados Unidos para trás. Apesar da queda de 0,4% na produção em relação a

A Suzano Papel e Celulose relançou em setembro o Pó­ len Bold, papel off-​­white vol­ tado para o segmento edi­to­ rial. O novo Pólen Bold possui como di­f e­ren­c ial um ­m aior corpo, pro­por­cio­nan­do uma ­maior lombada aos livros. Se­ gundo Adria­no Canela, geren­ te executivo de Estratégia e Mar­ke­ting da Unidade de Pa­ pel da Suzano, com essa nova versão do Pólen Bold a em­ presa oferece aos seus clien­tes um portfólio mais completo. Com o lançamento, a Su­ zano reforça sua posição no mercado edi­to­rial, apostando no Pólen como o carro-​­chefe nessa área. Os  pa­p éis Pólen compõem a pri­mei­ra linha de pa­p éis off-​­white desenvolvi­ da para atender as necessida­ des específicas do mercado edi­to­rial. Sua tonalidade di­fe­ ren­cia­da reflete menos luz e, assim, pro­p or­cio­na uma lei­ tu­ra mais agradável. O produ­ to é apresentado nas versões Soft e Bold (com ­maior espes­ sura), vendido em 70 g/m² e 80 g/m² (Pólen Soft) e 70 g/m² e 90 g/m² (Pólen Bold). www.suzano.com.br

www.internationalpaper.com.br

Brasil supera Itália e França na produção de papel

O Brasil já é o 9º ­maior produ­

Suzano apresenta o novo Pólen Bold

2008, o Brasil manteve o pata­ mar de 9,4 milhões de tonela­ das. No ano passado, a produ­ ção chinesa teve alta de 8,3%, subindo para 86,4  milhões de toneladas, enquanto a ameri­ cana caiu mais de 10%, para 71,6 milhões de toneladas.

Novo número de telefone na Ricall Empresa do grupo Alphaprint, a Ricall informa a todos os clien­ tes que desde setembro de 2010 o seu novo número de telefone é (11) 3349.4499. Para assistência técnica o telefone permanece o mesmo: (11) 2164.1910. www.alphaprint.com.br

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010


Novos executivos assumem na Kodak Ra­fael Sanchez Garcia (E), ex-​

Antilhas registra crescimento recorde no primeiro semestre A

14

Antilhas encerrou o pri­mei­ro semestre deste ano superando expectativas. A  previsão ini­cial de crescimento para 2010 era de 16%, mas já é registrado um desempenho mui­to su­p e­r ior, um crescimento de 29%, qua­ se o dobro do estimado para o ano. A  empresa está em rit­ mo acelerado: além do au­men­ to na produção provocado pelo Dia dos Namorados e Dia dos Pais, ela já ini­ciou a confecção de embalagens e sacolas para o Natal nos segmentos de cos­ méticos e ves­tuá­rio, que repre­ sentam o ­maior volume de sua produção. Para acompanhar essa demanda crescente do va­ rejo, a empresa rea­li­zou inúme­ ros investimentos em in­fraes­ tru­tu­ra. Menos de seis meses após ter adquirido dois novos equipamentos para seu par­ que gráfico, a Antilhas investiu novamente cerca de R$ 10  mi­ lhões na compra de mais três máquinas, que foram incorpo­

radas à sua linha de produção em junho e au­men­ta­ram sig­ nificativamente a capacidade produtiva da gráfica. Segundo o presidente Valter Baptista, a forte demanda acelerou tam­ bém os investimentos para a construção do segundo parque in­dus­trial. O executivo está em fase final de ne­go­cia­ção para adquirir um novo terreno, que provavelmente será em Itapevi ou Santana de Par­naí­ba, mu­ni­ cí­pios de São Pau­lo. “Nosso ob­ jetivo é duplicar até 2014 nos­ sa capacidade produtiva, que atual­men­te é de 50 milhões de embalagens por mês. O  pro­ jeto será executado em dois momentos: a pri­m ei­r a etapa acontecerá até o pri­mei­ro se­ mestre de 2012 e ele de­p ois será finalizado em 2014”. O  in­ vestimento para essa am­plia­ ção será de aproximadamente R$ 20 mi­lhões, sem considerar o valor do terreno. www.antilhas.com.br/algonovo

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

­ gfa, é o novo diretor de Expor­ A tação para o Cone Sul da Kodak. Sanchez, porém, não está focado somente na área co­mer­cial (grá­ fica) e irá ­atuar também na área de consumo, que hoje é com­ posta por seis divisões: câme­ ras di­g i­t ais, filmadoras de bol­ so, mul­ti­fun­cio­nais, quios­ques de impressão, Apex (DryLab da Ko­ dak) e pa­péis. Seu principal obje­ tivo na companhia é ope­ra­cio­na­li­ zar essas mudanças tecnológicas, implementando, desenvolven­

E

do e aprimorando as atividades no dia a dia. A gerência de Mar­ke­ting de Produto para o Cone Sul para so­ luções de pré-​­impressão também está sob nova coor­de­na­ção. Enio Zucchino (D) assumiu o cargo tendo como metas ­criar e imple­ mentar es­t ra­té­g ias de produto que con­tri­buam para a manuten­ ção e o crescimento da participa­ ção de mercado da Kodak para essa linha de produto nos paí­ses do Cone Sul. www.kodak.com.br

Premio Gravura Ibema é lançado em Curitiba

studantes de cursos su­pe­rio­ res e de escolas técnicas de ar­ tes gráficas do Brasil têm até o dia 10 de março de 2011 para inscreverem seus trabalhos no 1º Prêmio Ibema Gravura, lan­ çado pela Ibema, Cia. Bra­s i­ lei­r a de Papel, em setembro. As obras se­l e­c io­n a­d as serão exibidas em uma exposição iti­ nerante por vá­rios estados do Brasil, pre­m ian­d o-se os vinte melhores trabalhos. O  pri­mei­ ro lugar, Medalha de Ouro, re­ ceberá R$ 5.000,00; o segundo, Medalha de Prata, R$ 3.000,00; o

ter­cei­ro lugar, Medalha de Bron­ ze, levará R$ 1.500,00; do quarto ao 10º lugares, o prêmio será de R$ 500,00; e os classificados do 11º ao 20º lugares terão Menção Honrosa e participação no catá­ logo e nas exposições itinerantes promovidas pela Ibema. O prêmio tem como objetivo valorizar o setor, sua história e a con­tri­bui­ção que ele oferece ao desenvolvimento e o progresso da so­cie­da­de. Inscrições e mais in­ f o r m a ç õ e s h t t p : // w w w . premioibemagravura.com.br/


Nossos produtos são desenvolvidos visando garantir um futuro sustentável para as próximas gerações. Buscamos utilizar sempre componentes renováveis que não agridem a natureza e a saúde. Tintas para Impressão Offset Planas (Soja) Tintas para Impressão Offset Heatset (Soja)

Séries de tintas offset fabricadas pela Sun Chemical e certificadas pela American Soybean Association (ASA), designadas “Soy Ink” devido a composição à base de óleo de soja. Os materiais impressos com estas séries permitem o uso do selo “Printed with Soy Ink” sobre os impressos:

working for you Diminuindo o impacto de nossos negócios nas comunidades onde vivemos e trabalhamos.

Av. Justino de Maio, 100 - Guarulhos - São Paulo - Tel (11) 2462-2500 Av. Amâncio Gaiolli, 850 - Guarulhos - São Paulo - Tel (11) 2482-8100 Av. Viúva Claudio, 247/260 - Jacaré - Rio de Janeiro - Tel (21) 3278-9650

www.sunchemical.com


Morre em São Paulo Dorina Nowill

F

R

Deltagraf mudou‑se para sede nova

epresentante KBA e Baldwin no Brasil, a Deltagraf ini­ciou no mês de setembro suas operações em nova sede. A rápida expansão da estrutura interna da empresa e a aposta no crescimento do merca­ do gráfico no Cone Sul foram as prin­ci­pais razões para que a mu­ dança acontecesse ain­da neste ano. “Apesar de sermos uma em­ presa relativamente nova, com três anos de vida, nosso volume de vendas gerou a necessidade de uma estrutura onde pudésse­ mos am­pliar todos os departamentos, co­mer­cial, administrativo e assistência técnica, além do novo estoque de peças de reposição, que cresceu junto com nossa linha de equipamentos“, explica Luiz Cesar Dutra, diretor geral da empresa. A nova sede fica na Rua Bartira, 1294, no bair­ro de Perdizes, em São Pau­lo, telefone (11) 5051.5320

aleceu no dia 29 de agos­ to em São Pau­lo, aos 91 anos, Dorina de Gou­vêia Nowill, fun­ dadora e presidente eméri­ ta da Fundação Dorina Nowill para Cegos. A pedagoga dei­ xa cinco filhos, 12 netos e três bisnetos. “Dorina Nowill sem­ pre foi uma liderança entre os portadores de de­f i­ciên­cia vi­ sual e sou­be que só consegui­ ria fazer um trabalho de mul­ tiplicação de livros aces­sí­veis em conjunto com os editores, e não contra eles. Ela sempre trabalhou pela integração dos portadores de de­f i­ciên­cia vi­ sual nas escolas e para que os alunos tivessem livros com a mesma qualidade daque­ les fei­tos para as crian­ças que enxergam”, declarou Alfredo Weisz­f log, presidente da Fun­ dação Dorina Nowill. Para Ro­ sely Boschini, presidente da CBL, “é grande o legado que Dorina Nowill nos dei­xa e a sua obra continua. Cada um de nós deve levar adian­te o trabalho de modo a am­pliar o acesso ao livro pelas pes­ soas, inclusive aquelas por­ tadoras de de­f i­ciên­cia vi­sual”.

Novas tintas para rotativa sem forno A Imprima Tintas lançou em

16

agosto, durante o 8º Congresso Bra­si­lei­ro de Jor­nais, organizado pela ANJ, a linha Horizonte, vol­ tada para impressão offset em rotativas sem forno. O produto passou por uma fase de um ano de testes no jor­ nal O Estado de S.Pau­lo e agora já está sendo utilizado por publica­ ções como o Todo Dia, de Ame­

ricana, e o Cor­reio da Pa­raí­ba, de João Pessoa. A linha Horizonte traz quatro versões: SNL, desti­ nada a impressoras de alta ve­ locidade e com sistema keyless; G, desenvolvida para impresso­ ras de bai­xa e media velocida­ de; S, ­ideal para impressoras de alta velocidade; e ED, que aten­ de às necessidades dos editores de livros, listas etc.

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

A base da Horizonte é im­ portada da Europa e a finaliza­ ção acontece na fábrica de Cam­ buí, MG, mas até o final do ano a unidade será transferida para o município mi­nei­ro de Extre­ ma, reduzindo em 50 km a via­ gem para entregas na Grande São Pau­lo. www.imprimatintas.com.br

Pitney Bowes Semco anuncia novo CEO J

oint venture do Grupo Semco com a norte-​­americana Pitney ­Bowes Inc, a Pitney Bowes Se­ mco anun­ciou em agosto seu novo CEO. O publicitário Fábio Neves, pós-​­gra­dua­do em Administração pela Funda­ ção Dom Cabral (MG), assume o comando da empresa após dei­xar o cargo de diretor exe­ cutivo do grupo de sistemas de produção na Xerox do Bra­ sil, empresa onde ingressou em 1998. “Nossas soluções facilitam o bom fluxo de in­ formação dentro das orga­ nizações. Estamos presentes em toda a ca­deia de comuni­ cação, desde a cria­ção e pro­ dução até o envio das infor­ mações, através de soluções integradas. Esse é um grande mercado no Brasil e as opor­ tunidades de crescimento são infinitas. Confio em um rápi­ do e consistente crescimen­ to da Pitney Bowes Semco”, comenta Fábio Neves. Presente em diversos paí­ ses, a empresa destaca-se no desenvolvimento de solu­ ções e na venda e manuten­ ção de sistemas inteligentes para processamento e au­to­ ma­ção de cor­res­pon­dên­cias, com vendas ­anuais de mais de US$ 6 bi­lhões. www.pitneybowes.com.br


ENTREVISTA

Foto: Agência Sebrae de Notícias

Tainá Ianone

Paulo Okamotto

Micro e pequenas empresas gráficas podem contar com o Sebrae

D

esde sua cria­ção há 38 anos, o Serviço de ­Apoio às Micro e Pe­ quenas Empresas (Sebrae) de­ senvolve, de modo crescente, trabalhos nos setores da indústria, agro­pe­ cuá­r ia, comércio de bens, serviços e turis­ mo. Em entrevista à Revista Abigraf, Pau­lo Okamotto, presidente na­cio­nal do Sebrae, fala sobre a atua­ção da entidade, bem como sua parceria com a indústria gráfica. Rea­li­ za­dor do Estudo Se­to­r ial da Indústria Grá­ fica no Brasil e patrocinador do Congresso Bra­si­lei­ro da Indústria Gráfica e do Prêmio Bra­si­lei­ro de Excelência Gráfica Fernando Pini, o Sebrae vem fortalecendo o re­la­cio­ na­men­to com a Abigraf para ajudar a fo­ mentar os ne­gó­cios das empresas pequenas, maio­r ia absoluta no setor.

18

Qual o número ­atual de empresas bra­si­lei­ ras consideradas de micro e pequeno porte? Pau­lo Okamotto: Ofi­c ial­men­t e, o Brasil conta com cerca de 5,8 milhões de micro e pequenas empresas inseridas nos seto­ res da indústria, comércio e serviços, re­ REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

presentando mais de 20% de participação no Produto Interno Bruto (PIB) na­cio­n al. Este grupo responde por 99,2% de um to­ tal de 13 milhões de pes­soas com empregos for­mais no Brasil. A missão do Sebrae é ­apoiar os pequenos ne­gó­cios. De que modo e com ­quais ações a ins­ti­t ui­ção vem colocando em prática esse trabalho nos últimos anos? Pau­lo Okamotto: São dois tipos de aborda­ gens: o atendimento in­di­vi­dual e o coletivo. No pri­mei­ro, o Sebrae atua por meio de con­ sultoria, orien­ta­ção, cursos pre­sen­ciais e a distância, palestras, e atendimentos de bal­ cão; disponibiliza publicações, pesquisas, informações, ­apoio e promoção de eventos, entre ou­tros. No coletivo, quase 800 proje­ tos estão sendo executados neste ano. A in­ terlocução com ins­ti­tui­ções públicas e pri­ vadas, na­cio­nais e es­tran­gei­ras, no sentido de efetivar par­ce­r ias, tornar viá­veis proje­ tos e ações que visam a um am­bien­te mais favorável aos pequenos ne­gó­cios, com inclu­ são em­pre­sa­r ial e acesso a mercados, bem


como políticas públicas mais com­pa­t í­veis com a rea­li­da­de e necessidades desse seg­ mento. Em agosto de 2010 ultrapassamos um milhão de atendimentos, a ­maior par­ te deles nos setores do comércio de bens, serviços e no turismo. ­ uais os prin­ci­pais objetivos da parceria do Q Sebrae com a Abigraf? Pau­lo Okamotto: O Sebrae tem apoia­do vá­ rios projetos do setor por meio do Procompi (Programa de ­Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas In­dús­trias), desde 2004. E tem patrocinado também as edições do Congraf (Congresso Bra­si­lei­ro da Indústria Gráfica), bem como o Prêmio Bra­si­lei­ro de Excelência Gráfica Fernando Pini. Em 2008, firmamos parceria com a Abigraf para rea­ li­zar o Estudo Se­to­r ial da Indústria Gráfi­ ca no Brasil, lançado em agosto do ano pas­ sado. Agora, estamos trabalhando em uma nova parceria que tem por objetivo fortale­ cer as micro e pequenas empresas do setor gráfico, promovendo a sua qualificação téc­ nica e a capacitação ge­ren­cial, mercadoló­ gica, adequação de processos produtivos às normas técnicas e am­bien­tais e o fomento à certificação neste escopo. ­ uais os be­ne­f í­cios para as empresas as­ Q so­cia­d as à Abigraf em decorrência dessa parceria? Pau­lo Okamotto: Elas podem dispor dos serviços prestados pelas prin­ci­pais ­­áreas de atua­ção do Sebrae, que são capacitação ge­ren­cial, inovação, modernização, acesso a serviços fi­nan­cei­ros e participação em am­bien­tes que favoreçam o acesso a mer­ cados. O atendimento direto às empresas de pequeno porte pode ser fei­to on line ou de forma pre­sen­cial, com ­apoio das diver­ sas unidades que compõem o Sistema Se­ brae. Outro ponto importante trabalhado é a cultura da coo­pe­ra­ção para que, atuan­do em conjunto, essas empresas possam supe­ rar suas fragilidades in­di­v i­duais, ou seja, buscar o au­men­to da competitividade. ­ uais aspectos o Sebrae leva em conside­ Q ração para firmar uma parceria com uma empresa ou entidade? Pau­lo Okamotto: Pri­mei­ra­men­te, a repre­ sentatividade da entidade junto às peque­ nas empresas do setor, seguida da identifi­

cação de pontos comuns em nossas missões, em es­pe­cial a preo­cu­pa­ção com o aprimora­ mento da gestão e o au­men­to da competiti­ vidade das empresas desse porte, para que possam acessar o mercado. Para o Sebrae, qual a importância do setor gráfico no sentido de dar sua con­t ri­bui­ção à geração de empregos e desenvolvimento da economia do País? Pau­lo Okamotto: Segundo nosso Estudo Se­ to­r ial, a indústria gráfica representa 1,5% da produção da indústria de transformação e emprega quase 3% da mão de obra. É um setor transversal, que se re­la­cio­na com to­ das as de­mais atividades produtivas, princi­ palmente por meio da impressão de ma­te­rial técnico, embalagens, ma­te­r ial de escritório e escolar, entre ou­tros. ­ u ai s foram a s Q Segundo nosso mudanças trazidas pela aprovação da Estudo Setorial, Lei Geral da Micro a indústria gráfica e Pequena Empresa em 2006? representa 1,5% da Pau­l o Okamotto: produção da indústria São resultados e impactos impor­ de transformação tantes, a começar e emprega quase pelo au­m en­t o da participação das 3% da mão de obra. pequenas empre­ sas nas compras de bens e serviços comuns pelo governo fede­ ral, que saltou de R$ 2 bi­lhões para mais de R$ 14 bi­lhões ­anuais. O número de em­preen­ di­men­tos optantes pelo Simples também subiu de 1,3 milhão, no início da vigência, para mais de 4,1 milhões até o começo de setembro deste ano. Qua­se dois mil mu­ni­ cí­pios já regulamentaram a Lei Geral, o que cobre 56% da população em­pre­sa­r ial bra­si­ lei­ra. Dezessete estados já regulamentaram o capítulo de compras go­ver­na­men­tais, fa­ zendo com que uma parcela ­maior de suas aquisições seja voltada para o desenvolvi­ mento local. Ainda como decorrência da Lei, o País tem mais de 520 mil em­preen­ de­do­res in­di­vi­duais formalizados, num pro­ cesso de registro rápido, eletrônico e isento de taxas. A meta é alcançar um milhão de formalizações até o final deste ano, em for­ te parceria com o Ministério da Previdência SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

19


e ou­t ras ins­t i­t ui­ç ões importantes, como bancos públicos e os mi­nis­té­rios da Fazenda e do Desenvolvimento. No âmbito do estabelecimento de políticas, o que pode ain­da ser fei­to? Pau­lo Okamotto: Existem de­s a­f ios, prin­ cipalmente na ope­ra­c io­n a­l i­z a­ç ão dos ca­ pítulos de acesso a serviços fi­nan­cei­ros e inovação tecnológica, que precisam ser agili­ zados. O ICMS cobrado por subs­ti­tui­ção tribu­ As micro e pequenas tária por alguns esta­ dos também se apre­ vão continuar recebendo senta como uma grave os impactos favoráveis distorção que precisa ser enfrentada e resol­ da crescente atividade vida, pois tem tirado econômica do País, parte importante das vantagens conquista­ impulsionada também das com o pagamento pela ascensão das de menos imposto por meio do Simples Na­ classes C e D. cio­n al. Ao longo dos anos, a lei vem sendo aper­fei­çoa­da. E, para este ano, está prevista a aprovação do Projeto de Lei Complementar nº 591, que aprimora ain­da mais a Lei Geral e tenta corrigir a distorção da subs­ti­tui­ção tributária fei­ta por alguns estados. ­ uais são os prin­ci­pais entraves encontra­ Q dos pelas empresas de pequeno porte? Pau­lo Okamotto: Um ponto importante é o entendimento da Lei Geral por parte dos mu­ ni­cí­pios bra­si­lei­ros. Nossa expectativa é de que as par­ce­r ias com as ins­ti­tui­ções na­cio­ nais de representação municipal nos ajudem a levar mais informação e capacitação a mi­ lhares de gestores públicos. Em ou­tu­bro, por exemplo, tivemos a Semana da Formaliza­ ção em todo o Brasil, com eventos e pontos de atendimento nas ca­pi­tais para informar e formalizar em­preen­de­do­res in­di­vi­duais.

20

O que um empresário de pequeno porte deve fazer para se consolidar em seu mercado de atua­ção? Pau­lo Okamotto: Será sempre mui­to impor­ tante adquirir e aper­fei­ç oar seu conheci­ mento em­pre­sa­r ial e uma atitude em­preen­ de­do­ra, bem como cui­dar da capacitação de seus colaboradores, qualificar ao máximo o atendimento aos clien­tes e buscar inovar na REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

gestão dos ne­gó­cios, aper­fei­çoan­do proces­ sos, produtos e serviços e au­men­tan­do sua competitividade no mercado. Com o Sebrae, ele dispõe de uma rede na­cio­nal es­pe­cia­li­ za­da no ­apoio aos pequenos ne­gó­cios e di­ versos projetos e soluções. Um exemplo é o Sebrae Mais, programa que oferece um con­ junto de soluções para quem tem interesse em expandir os ne­gó­cios, e o projeto Negó­ cio a Negócio, em que consultores visitam os em­pre­sá­rios. Para saber mais, vale conhecer o nosso portal (www.sebrae.com.br). Como as empresas de pequeno porte se man­ tiveram durante a crise econômica? Pau­lo Okamotto: Ao contrário da Europa e Estados Unidos, onde ocorreu di­mi­nui­ção de empréstimos, menor volume de ne­gó­ cios e perda de postos de trabalho, no Bra­ sil o crescimento econômico com dis­tri­bui­ ção de renda e inclusão so­cial, au­men­to da massa sa­la­r ial e do consumo são alguns in­ gre­dien­tes que resultaram num poderoso combustível que fez o País decolar, mesmo levando-​­se em conta os estragos fei­tos pelos impactos da crise. A cria­ti­v i­da­de, o senso de oportunidade e o ­maior conhecimento em­pre­sa­rial, bem como a ­maior flexibilida­ de e sua capacidade de respostas ­ágeis dian­ te de uma crise, também colaboraram para que os pequenos ne­gó­cios fossem os gran­ des alia­dos dos bra­si­lei­ros na superação da crise mun­dial. Como o Sebrae analisa o desenvolvimen­ to e atua­ção das micro e pequenas empre­ sas em todos os setores bra­si­lei­ros de­pois desse pe­río­do? Pau­lo Okamotto: Em 2009, quando hou­ve queda de 0,2% no PIB, o segmento foi o pi­ lar de sustentação da atividade econômica e da geração de empregos. Com o crescimen­ to esperado para este ano, micro e pequenas vão con­ti­nuar recebendo os impactos fa­vo­ rá­veis da crescente atividade econômica do País, im­pul­sio­na­da também pela ascensão das classes C e D. O crescimento incentiva a inovação e a busca por novos nichos de mercado. O País vive um grande momento, que deverá ter con­ti­nui­da­de nos próximos anos, e os problemas que aparecem, como os gargalos na in­f raes­tru­tu­ra, podem ser con­ siderados bons problemas, porque induzem a novos saltos qualitativos.


Veja a impressão em outra luz A nova geração de impressoras: Speedmaster CX 102

Inovação inspira inovação. A nova Speedmaster CX 102 combina a inovação das soluções técnicas da Speedmaster XL 105 com a bem sucedida plataforma da Speedmaster CD 102. O resultado é uma impressão ultramoderna com um tempo de acerto muito menor e 16.500 folhas impressas por hora o que a torna um equipamento ideal para um mercado cada vez mais competitivo. Curioso? Saiba mais no telefone 11 5525-4483.

Heidelberg do Brasil Sistemas Gráficos e Serviços Ltda. Av. Alfredo Egídio de Souza Aranha, 100 - Bloco B - 12° Andar - 04726-170 - São Paulo - SP


Alberto Magnelli Entre o signo e o sonho, a cor que faz pensar


ARTE

Hostil às teorias e limites impostos pelas escolas artísticas — tão livre e respeitoso quanto forte e sensível —, Magnelli foi um doce revolucionário em sua pintura que mesclou estética e magia levando‑nos à reflexão. Soube ser plural sendo singular. Ricardo Viveiros

1

4

2

5

3

6

1 A Espera, óleo sobre tela, 1917 2 Mundo Suspenso, óleo sobre tela, 1956 3 Visão Incômoda, óleo sobre tela, 1947 4 Homem que Fuma, óleo sobre tela, 1913–1914 5 Personagens Marinheiros, óleo sobre tela, 1930 6 Virgínia, óleo sobre tela, 1914


7

Para quem nascera vo­ca­cio­na­do para a arte, Magnelli mui­to jovem já havia defini­ do sua car­rei­ra. E não poderia ser diferente. Com o di­nhei­ro da venda do pri­mei­ro traba­ lho dei­xou seu ate­lier em Florença e foi para a Suí­ça, de­pois para a França. Em Paris montou novo ate­lier e fez amizade com importantes pintores, poe­tas e músicos. Passou a assinar revistas in­ter­na­cio­nais de arte e a frequentar os prin­ci­pais eventos das ga­le­rias e mu­seus. A arte e a guerra

N

8

7 Explosão Lírica n-º 12, óleo sobre tela, 1918 8 O Jóquei que Perde, óleo sobre tela, 1914 9 Pintura n-º 0521, óleo sobre tela, 1915

24

o mesmo ano em que nasceu Gior­g io de Chirico, em Vólos (Grécia), enquanto Vincent Van Gogh, em Arles (França), corta­ va parte de sua própria orelha esquerda — 1888 —, veio ao mundo em Florença (Itália) um pintor que, anos mais tarde, embora sob a in­f luên­cia de ambos, produziria uma arte única em sua forma de expressão: Alber­ to Gio­van­ni Cesare Magnelli. Ou simples­ mente, Magnelli. Filho de importantes co­ mer­cian­tes, perdeu o pai mui­to cedo e foi educado por um tio. Seu pri­mei­ro contato com a arte foi por acaso, ao experimentar o ma­te­r ial de um amigo pintor que o con­ vidara para um pas­seio ao ar livre no qual iria captar pai­sa­gens em suas telas. Apai­xo­ nou-​­se pela arte e não mais parou de pro­ duzir, fez pinturas, gravuras, colagens, es­ culturas. Experimentou inúmeros tipos de técnicas e ma­te­r iais. Autodidata na pintura, aos 21 anos Mag­ nelli teve sua pri­mei­ra exposição e, ain­da, participou da VII Bie­nal de Veneza. Voltou à importante mostra no ano seguinte, 1910, expondo na “Sala In­ter­na­cio­nal da Juventu­ de”. Sua pai­sa­gem “La Buca delle Monache” foi adquirida por um nobre russo, co­le­cio­na­ dor de arte, que pagou 1.000 liras pela obra. Uma fortuna para a época! Na verdade, cer­ to de que não iria vender o quadro, de brin­ ca­dei­ra com amigos, o artista havia coloca­ do um preço bem alto.

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

O destino colocou Magnelli na Pri­mei­ra Guer­ra Mun­dial. Impedido de estar na Fran­ ça, voltou à Itália, ao ate­lier de Florença. Foi recrutado pelo Exército, mas adoe­ceu e teve sucessivas licenças médicas que o mantive­ ram longe das armas e perto das telas. A esta altura Magnelli havia passado pela pintura figurativa que aprendera com os mestres renascentistas florentinos. Mesmo assim, suas pri­mei­ras pai­sa­gens já tra­ziam, talvez não in­cons­cien­te­men­te, algo de moderno. Na sua permanência em Paris, o artista co­ nheceu o futurismo, o cubismo e, por fim, o abs­tra­cio­nis­mo. Tornou-​­s e grande amigo de Chirico. E conviveu com Picasso, Gris, Matisse, Lé­ ger, Jacob e, mais tarde, Kandinsky, com quem integrou o grupo “Abstração-​­Cria­ção”. Magnelli foi um dos pio­nei­ros da arte abstra­ ta, dela tornando-​­se um dos mais importan­ 9


tes nomes em nível in­ter­na­cio­nal. Já casado, tendo exposto e sido pre­mia­do em destaca­ das mostras de vá­r ios paí­ses, in­cluin­do a América, enfrenta a Segunda Guer­ra Mun­ dial. Durante a ocupação nazista viveu, discretamente, com a esposa e amigos em Provença (França). Nessa época produziu gravuras de mui­ta força. No final dos anos 40, Magnelli tem mar­ cante presença no Brasil. Foi ele quem orien­tou Francisco Antônio Pau­lo Matara­ zzo Sobrinho, mais conhecido como “Cic­ cillo” Matarazzo, in­dus­trial e mecenas íta­ lo-​­bra­si­lei­ro, a comprar importantes obras de grandes mestres in­ter­na­cio­nais e ini­ciar a pri­mei­ra significativa coleção de arte mo­ derna no País. Ciccillo, ao lado de sua mu­ lher, Yolanda Pen­tea­do, mais tarde cria­r ia a Bie­nal In­ter­na­cio­nal de Arte de São Pau­ lo. Magnelli foi pre­mia­do em duas edições da mostra, 1951 e 1955.

10

10 Pedras nº 2G, óleo sobre tela, 1933 11 Pedras n-º 1, óleo sobre tela, 1933 12 Segurança Repetida, óleo sobre tela, 1941

3•572 issn 010

x

revista

a

49 0 1 0 • nº 2 • set/out 2 • ano xxxV gráfica

bro / f 249 setem revista abigra

outub ro 2010

dústri arte & in

Capa

26

Pintura nº 0525, óleo sobre tela, 1915

12

Abstratas emoções

Magnelli foi, sem dúvida, um artista que buscou sempre novos caminhos, pri­v i­le­ giou a liberdade para expressar sua arte re­ chaçando os limites das escolas, mas, com inteligência, incorporando o que cada uma delas oferecia de melhor em técnica e lin­ guagem. Entre seus mais belos e emo­cio­nan­ tes trabalhos estão os da fase ex­pres­sio­nis­ta abstrata, nos ­quais se nota a agressividade da palheta mesclando traços geo­mé­tri­cos e crian­do formas volumosas. Mas, em per­fei­ ta harmonia, permitindo uma presença poé­ ti­ca em sombras e contornos de mui­ta sua­

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

11

vi­da­de. Sua inspirada pintura é de intensa luminosidade e provocação. A cor é que de­ termina a luz, gera perplexidade e explode em emoção. “Eu penso que certa quantida­ de de cor, mesmo que totalmente unificada, não sozinha, mas cercada por ou­tras, se tor­ na iluminada e brilha como se tivesse sido fei­ta em pedaços em um sentido di­vi­sio­nis­ ta; portanto essa frie­za que pode aparecer só é válida quando as cores estão separadas, e desaparece cada vez que somos capazes de unir na retina, isto é, no olhar que abrange todo o conjunto, todas as cores na pintura”, con­cei­tuou Magnelli. A partir de 1954 e até a sua morte, em 1971, na cidade francesa de Meu­don, próxi­ ma a Paris, Magnelli foi ho­me­na­gea­do com mostras e retrospectivas que se multiplica­ ram pelo mundo. O artista mereceu salas es­ pe­ciais em Bie­nais, como a de Veneza, e em importantes mu­seus da Itália, Suí­ça, Alema­ nha e França. Ganhou o pri­mei­ro prêmio do Gug­ge­nheim Mu­seum, de Nova York (EUA), com o quadro “Conversa a Dois”, de­pois com­ prado pela Galleria Na­zio­na­le d’Arte Moder­ na e Contemporanea. Este ano, em nosso país, Magnelli teve sua obra exposta no Museu de Arte Contem­ porânea da Universidade de São Pau­lo (MAC-​ ­USP), no Parque do Ibi­ra­pue­ra. Dessa mos­ tra surgiu o livro “Magnelli”, organizado por Da­niel Abadie e Lisbeth Rebollo Gonçalves. Um consistente documento sobre um artis­ ta que ­criou Arte eterna.


ACCUBRAILLE

BRAILLE EXPRESS Nunca foi tão rápido gravar Braille em suas embalagens de cartão com o equipamento ACCUBRAILLE para as dobradeiras-coladeiras Bobst. Em apenas alguns minutos e com uma simples ferramenta de baixo custo você faz o ajuste do ACCUBRAILLE, mantendo o ritmo da sua máquina Bobst mesmo a 100.000 caixas por hora. Além disto, o ACCUBRAILLE pode ser aplicado em qualquer um dos quatro painéis da embalagem, próximo aos vincos ou às bordas. A aplicação do Braille nas dobradeiras-coladeiras ao invés da aplicação nas máquinas de corte e vinco significa um melhor acabamento da gravação e o fim da variação dos pontos durante a tiragem.

ACCUBRAILLE: a gravação revolucionária em Braille.

B O B S T G R O U P . C O M


Flexografia em expansão

Inovações em equipamentos e insumos promovem ganhos de mercado para um sistema versátil que, no Brasil, registra crescimento médio de 5% ao ano. Ada Caperuto e Tainá Ianone

28

O

sistema de impressão flexográfico tem seus pri­mei­ros registros históricos no ano de 1860, nos Estados Unidos. Desde então, a técnica empregada em diversos produtos gráficos, em es­pe­cial na conversão de embalagens, evo­luiu enormemente. Produtivo tanto em altas quanto em bai­xas tiragens, o sistema, de acordo com dados divulgados em abril deste ano pela FTA Japão (Flexographic Technical As­so­cia­tion), apresenta expectativas de crescimento fa­vo­rá­veis em todo o mundo. Apenas na China, a expansão de mercado foi de 177% no segmento de papelão ondulado de 1999 até 2004. De acordo com a As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra Técnica de Flexografia (ABFlexo/FTA Brasil) existem cerca de 1.800 empresas instaladas no Brasil, inseridas em um mercado que registra crescimento médio de 5% ao ano. O sistema passa por um momento de intenso desenvolvimento tecnológico, quando equipamentos são modernizados, novos insumos lançados e técnicas inovadoras agregadas aos processos produtivos. “Há uma contínua melhora na qualidade da impressão flexográfica dada a evolução de máquinas e insumos, o que permitiu à técnica entrar em mercados que antes não acei­ta­vam esse tipo de impressão”, avalia Wilson Pa­ duan, sócio-​­diretor da Saturno Indústria de Tintas e da Tech­noSo­lu­tions. Ele explica que o sistema apresenta excelente relação custo/benefício para mé­dias tiragens, tendo em vista que o armazenamento dos clichês é, em princípio, mais simples que a manutenção de cilindros de rotogravura gravados. Outro fator relevante é a celeridade na gravação dos clichês comparados à gravação externa de rotogravura. “A flexografia é o setor com ­maior evolução na indústria gráfica por mui­tos motivos desde os recentes avanços para gravação, passando por um forte progresso das impressoras e o advento da cura por fei­xe de elétrons das tintas, antes somente possível de forma economicamente viá­vel no offset”. Também são elencados como fatores da expansão a flexibilidade do processo, que pode ser utilizado em diferentes tipos de substratos — filmes, cartão, papelão, eti-

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

quetas, papel, alumínio, ráfia etc. — e a versatilidade e acompanhamento das ten­ dên­cias de mercado como, por exemplo, redução dos tempos de troca e redução das tiragens e das perdas por acerto, assim como as perdas geradas durante um trabalho. De acordo com Mei­re Melo, assistente de direção da Bobst ­Group La­ti­noa­mé­r i­ ca do Sul, uma das prin­ci­pais com­pa­nhias mun­diais do setor de equipamentos, o desempenho do segmento está dentro do esperado pelas empresas e entidades bra­si­lei­ ras e in­ter­na­cio­nais. “Dentre os fatores está a migração de vá­r ios produtos para diferentes tipos de invólucros, bem como a evolução dos filmes e das estruturas utilizadas, o que abriu a possibilidade de novos mercados e be­ne­f i­ciou o segmento de embalagens fle­xí­veis como um todo”. Os ganhos do sistema, para Rui Ma­ria­no dos Santos, gerente de vendas de Packaging Graphics da DuPont no Brasil, estão na capacidade de elevar a produtividade, na redução de desperdício e na melhora da consistência e da qualidade gráfica, bem como na queda no tempo de pré-​­impressão e impressão. Ele cita ain­da o avanço da tecnologia e do processo de impressão sustentável. “Vale destacar a flexibilidade, como o acesso rápido e gravação just in time das placas”. “Hoje a flexo é uma ótima opção para embalagens, rótulos e etiquetas au­toa­de­ si­vas. Algo que antes somente era possível em rotogravura, offset e letterpress”, relata Ana Carolina Fer­rei­ra, supervisora técnica da Avery Dennison. Para ela, a rápida am­plia­ção desse processo se deve à produção em grande escala, com boa qualidade e economia dos custos. “O Brasil está no mesmo nível dos melhores paí­ses da Europa em termos da qualidade de impressão flexográfica, que chega a ser su­pe­r ior à dos Estados Unidos”, afirma. Insumos: inovação e sustentabilidade

Para Pa­duan, nos últimos anos hou­ve uma consolidação de ten­dên­cias. Alguns substratos que antes eram exclusividade da rotogravura, agora abrem espaço para a f lexografia. Ele aponta a grande evolução das tintas, insumo que tem recebido


investimentos concentrados em seu aprimoramento. “O surgimento de novas tec­no­ lo­g ias de cura por ra­dia­ção, tanto UV como EB dará uma con­tri­bui­ção tão grande quanto à que a pré-​­impressão e a impressão têm dado para o desenvolvimento da flexo”, opina Rui Santos. Além das grandes vantagens de imprimir sobre uma ampla gama de substratos, desde ásperos e grossos até sua­ves e lisos, Ana Carolina, da Avery Dennison destaca como vantagem na flexografia as tintas líquidas, que têm rápida secagem, podendo usar substratos não absorventes. Também na flexografia existe preo­cu­pa­ ção em desenvolver insumos ecologicamente corretos, mas este ain­da é um desafio a ser superado neste ramo. “Precisamos fortalecer a cultura e obter novas leis em busca do incentivo ao uso da impressão à base de água ou que não cau­se tanto dano ao meio am­bien­te”, ressalta Ana Carolina. Mas já estão dis­po­ní­veis inovações como as tintas e vernizes cu­rá­veis, 100% sólidas, isentas de VOC (Composto Orgânico Volátil), com cura instantânea e redução significativa nas pro­prie­da­des de migração e chei­ro. “Hoje existem tintas adequadas a cada substrato, com resistência específica para as exi­gên­ cias de aplicação, além de serem ecologicamente corretas”, diz Kátia Dalama, gerente administrativa da Rotatek Brasil. Nesse sentido, Rui Santos destaca o desenvolvimento do sistema de processamento de chapas térmicas sem a utilização de solventes, CyrelFast. O resultado, segundo ele, é a redução na emissão de gases cau­sa­do­res do efei­to estufa e no consumo de energia. A chapa oferece ain­da uma alternativa ágil, limpa e econômica na gravação de clichês. “Há uma ampla va­rie­da­de de aplicações para impressão de embalagens, in­cluin­do os segmentos de rótulos, etiquetas, embalagens fle­xí­veis e papel”, conclui.

clichês, dupla-​­face e, claro, das máquinas. “As impressoras se adequaram às necessidades do mercado, como qualidade, tiragens menores, menor índice de perda, trocas rápidas, com destaque para o sistema gear­less sem engrenagens, e o sistema de camisas, tanto para os rolos anilox como para os porta-​­clichês, além de ­maior estabilidade e sistemas que permitem um melhor monitoramento durante a impressão”. Para Wilson Pa­duan são comuns os equipamentos que ajustam registro, pressão de entintagem e impressão sozinhos, com menos de 500 ou 300 metros de ma­te­rial. “Novas evoluções nos sistemas de gravação con­tí­ nuos dei­xa­rão o registro mais preciso, permitindo, em última instância, até mesmo a redução do número de cores”. De fato, a modernização nas últimas três décadas foi a grande responsável pelo ganho de mercado para a flexografia. “Este incremento pode ser notado nos supermercados, com a ­maior presença de embalagens fle­xí­veis, cai­xas de cartão, cartão corrugado e rótulos em geral”, aponta Kátia Dalama. “O per­fei­to sincronismo entre aspectos mecânicos e elétricos de movimento otimizam a ope­ra­cio­na­li­za­ção das máquinas, di­mi­nuin­do des­per­dí­cios, tempo de acerto e memória de parâmetros de cada trabalho, levando ao au­men­to da qualidade na reprodução de trabalhos”. A gerente da Rotatek Brasil classifica a tecnologia de servo-​­acio­na­men­to e comando numérico como res­pon­sá­veis pelos avanços na produção flexográfica, permitindo fazer vá­rias operações em linha com rapidez e precisão de registro. “Com as máquinas sendo controladas por tecnologia de microprocessamento (CPU) e comunicação através do bus do sistema integrado de sincronismo a possibilidade de combinação de processos e acabamento em linha são infinitas”.

Máquinas: evolução e flexibilidade

Toque final

As mais recentes evoluções na técnica de f lexografia con­t ri­buí­ram para que o sistema passasse a ser empregado por ­­áreas em que ele antes não oferecia qualidade. “O  aprimoramento pro­p or­c io­nou a acei­ ta­ção da tecnologia como uma alternativa competitiva, tanto na qualidade, quanto no custo”, diz Mei­re Melo. Ela cita a evolução da pré-​­impressão, das tintas, facas, anilox,

Em termos de acabamento, Ana Carolina enumera as novas possibilidades de aplicações, como o cold foil, o hot stamping e a serigrafia rotativa. “São recursos que permitem ao clien­t e final obter um rótulo atraen­te, com excelente qualidade e custo competitivo”. A  tecnologia de au­t o­m a­ç ão contribui para as impressoras flexográficas modulares SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

29


executarem tarefas com vá­r ias tec­no­lo­g ias de impressão em linha, destinadas à produção de trabalhos com alta exigência e complexidade, em que o acabamento em linha se justifica e enobrece o produto final, como o corte e vinco, relevos, cold e hot stamping, laminação e aplicação de verniz alto brilho, o qual pode ser localizado. “A possibilidade de combinar processos de impressão e acabamento é a forma mais promissora de melhorar a produtividade na elaboração de trabalhos complexos e ren­ tá­veis em uma única passagem”, conta Kátia. As máquinas flexográficas modulares ­atuais podem ­a liar acabamento em linha com os diversos processos de impressão, como rotogravura, offset, serigrafia e vá­rias tec­no­lo­g ias de impressão digital. Pa­duan acredita que a multiplicidade de acabamentos está ligada à área de flexografia de banda es­trei­ta, sendo que na banda larga existem equipamentos para papel com acabamentos es­pe­ciais. “­Creio que com o EB poderemos desenvolver novos con­cei­tos que dispensarão alguns acabamentos como a laminação, mas a médio prazo”. Concorrência digital

30

Os sistemas di­gi­tais de impressão po­de­riam ser vistos como concorrentes da flexografia, mas o que vem acontecendo é uma relação de complementaridade. “Uma grande tendência que promete promover ain­da mais o uso da flexo é a combinação de sistemas de impressão”, afirma Ana Carolina. Sua opi­ nião é a mesma de Kátia Dalama, que afirma que a impressão digital e a flexográfica se completam. “Existem ­­áreas e limites para cada um deles e quando não são res­pei­ta­dos, o negócio dei­xa de ser interessante para a empresa”, diz Mei­re Melo. A gerente da Rotatek enumera alguns exemplos de produtos que trabalham em linha e de ma­nei­ra eficaz usando os dois processos, quando é necessário, como a produção de loteria instantânea, extratos ban­cá­r ios, faturas billing, pro­mo­cio­nais do sistema bancário e transpromo. A supervisora técnica da Avery Dennison comenta que a flexografia ain­da é uma das mais indicadas e usadas em determinados mercados, mas que existe uma participação cada vez ­maior da impressão digital complementando o que os sistemas flexoREVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

Electron Beam O

sistema de cura por electro beam vem suscitando um crescente interesse nas gráficas que trabalham com flexografia. A nova tecnologia atua como um acelerador de partículas, no qual o fei­xe de elétrons é gerado no in­te­rior de uma câmara sob ultra-​­alto-vácuo. Acelerado pela alta tensão, o fei­xe atravessa uma folha fina de titânio, onde deposita energia no produto a ser tratado. De acordo com Wilson Pa­duan, as vantagens oferecidas pela cura por ra­dia­ção e em particular para a cura por fei­xe de elétrons (electron beam) serão crescentes, seguindo a evolução das diferentes tec­n o­l o­g ias, podendo resultar em processos completamente diferentes, com operação simplificada, mais qualidade e menores perdas. “Apesar dos contratempos ini­ciais, comuns a todo novo processo, a existência agora de diferentes alternativas ajudará am­pliar o mercado para as empresas fabricantes de tintas e resultará em uma ­maior liberdade de escolha para os clien­tes”.

gráficos não atingiram quanto a custo para tiragens pequenas e também flexibilidade para inserção de dados va­r iá­veis em rótulos e etiquetas. “A possibilidade de customizar produtos ou interagir com consumidores em campanhas pro­mo­cio­nais tem sido exemplos cada vez mais frequente em nossos mercados. No Brasil há mercados mui­ tos pequenos e re­gio­na­li­za­dos, o que significa que existem mui­tos produtos com bai­xas tiragens. Portanto, há pedidos que não justificam a impressão em flexografia, devido ao custo dos insumos, do setup e da impressão. Isso não deve ser enxergado como concorrência e sim como uma tecnologia complementar, uma nova possibilidade de ne­gó­cios e redução de custos. No  portfólio de produtos da Avery Dennison, oi­ten­ ta por cento dos ma­te­r iais são indicados para impressões em flexografia, além de também pos­s uir­mos substratos tratados para impressão digital”. Wilson Pa­duan vê a impressão digital como uma excelente alternativa para as curtas tiragens que ­criam altos custos para a roto e a flexo. “Os sistemas, como estão postos, são mui­to mais complementares do que concorrentes”, finaliza.


Educação a distância do SENAI-SP. Excelência que acompanha você onde você estiver. Frequente aulas de educação profissionalizante do SENAI-SP sem sair de casa. O SENAI-SP oferece recursos didáticos especialmente desenvolvidos para cada curso, além de acompanhamento on-line com professores altamente capacitados. Com 30 anos de tradição em educação a distância, o SENAI-SP tem tudo o que você precisa para encontrar um emprego melhor com todo o conforto e a comodidade de estudar onde e quando você quiser. Acesse www.sp.senai.br/ead, conheça nosso curso de Impressão Offset: Problemas e Soluções e também os demais cursos nas áreas de: • Automação • Construção civil • Educação

• Eletroeletrônica • Gráficas e editorial • Metal Mecânica

• Refrigeração • Saúde e segurança no trabalho • Têxtil e vestuário

www.sp.senai.br/ead • 0800 55 1000 • ead@sp.senai.br • (11) 3227 1009


Office PaperBrasil Escolar leva 41 mil profissionais ao Anhembi

32 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

O mercado interno aquecido fundamenta otimismo da indústria de cadernos, que apresentou na feira suas novidades para o período de volta às aulas. Mudança de horário da feira gerou controvérsia. Tânia Galluzzi


P

ara a indústria de cadernos e ma­te­ rial de papelaria, a venda de agendas é um termômetro do desempenho do setor. Assim sendo, o volta às au­las 2011 promete, uma vez que a Tilibra, uma das grandes fabricantes do segmento, estima fechar 2010 com um crescimento de mais de 10% na venda de agendas. No faturamento geral a expectativa é de que esse índice se repita, valor que pode ser ain­da mais expres­ sivo para os itens da marca Grafon’s, adqui­ rida em 2009. Esses dados foram revelados em entrevista durante a Office PaperBrasil Escolar 2010, Fei­ra In­ter­na­cio­nal de Produ­ tos, Suprimentos e Aces­só­r ios para Es­cri­tó­ rios, Pa­pe­la­rias e Escolas, rea­li­za­da de 30 de agosto a 2 de setembro em São Pau­lo. A 24ª edição da fei­ra ­atraiu ao Anhem­ bi 41.652 pro­f is­sio­n ais, dos ­quais 12.552 eram compradores bra­si­lei­ros e es­tran­gei­ ros. Tais números superam a visitação do ano an­te­rior (39.200 e 9.409 respectivamen­ te), prejudicada pelo temor da gripe suí­na e em razão da crise econômica. Segundo alguns dos expositores ou­vi­dos pela Revista Abigraf, a mudança de horário da fei­ra impediu a ­maior presença dos lojis­ tas. Até o ano passado o evento acontecia das 13 h às 21 h e, neste ano, esteve aberto das 10 h às 19 h. Eles argumentaram que mui­tos visitantes preferem ter a manhã livre. “An­ tes de implantarmos as mudanças, pesqui­ samos e conversamos com as empresas para adequar o formato da fei­ra às a­ tuais necessi­ dades do mercado. Quan­to ao horário, esta­ mos ou­vin­do os expositores e ava­lian­do os resultados”, comentou Abdala Jamil Abda­ la, presidente da Francal, promotora e orga­ nizadora da Office PaperBrasil Escolar, no último dia da fei­ra. Para ele, o objetivo de

tornar o evento cada vez mais pro­f is­sio­nal, cumprindo a missão de gerar oportunida­ des de ne­gó­cios, foi atingido, o que pôde ser observado pela qualidade dos visitantes. Além da ava­lia­ção do horário, para 2011 a Francal já anun­ciou a setorização da fei­ ra, dis­tri­buin­do as empresas no Anhembi se­ gundo o tipo de produto que oferecem, com o objetivo de dinamizar o acesso dos com­ pradores. Outra meta é retomar a participa­ ção da indústria de papel, cujas prin­ci­pais marcas estiveram au­sen­tes este ano. Mercado externo

A 24ª edição da Office PaperBrasil Escolar recebeu a visita de cerca de 500 importado­ res de vá­r ias partes do mundo, que vie­ram ao Brasil atraí­dos pela estratégia de divul­ gação in­ter­na­cio­nal. Além deles, pelo se­ gundo ano consecutivo, a fei­ra abrigou o Projeto Comprador, organizado pelo Gra­ phia, programa desenvolvido pela Abigraf

33 SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF


Nacional com a Apex-​­Brasil para estimular as exportações do setor. A convite desse projeto, 12 importado­ res vindos de Portugal, Peru, Ve­ne­z ue­la, Argentina, Pa­ra­g uai, Uru­g uai, Colômbia e Costa Rica estiveram no evento e participa­ ram de rodadas de ne­gó­cios com fabrican­ tes bra­si­lei­ros envolvidos com o Graphia. Ri­ cardo Côrrea Fonseca, consultor de ne­gó­cios do projeto, afirmou que os es­tran­gei­ros fi­ caram im­pres­sio­na­dos com a qualidade da fei­ra e dos estandes. Contudo, o principal comprador ex­ terno dos cadernos bra­si­lei­ros, os Estados Unidos, não participaram do Projeto Com­ prador. No ano passado, o país foi respon­ sável por 59% do total exportado, soman­ do US$ 18,37 mi­lhões. “Desde 2006, quando o faturamento com as exportações chegou

34 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

a US$ 80 mi­lhões, estamos assistindo a que­ das ­a nuais de 25 a 30%. Em 2009 hou­ve uma acomodação, a tendência negativa es­ tancou, mas neste ano não devemos chegar a US$ 30 mi­lhões, o que representa um vo­ lume aquém da capacidade instalada”, dis­ se Ivan Bignardi, diretor se­to­r ial do grupo em­pre­sa­rial da área de cadernos da Abigraf, GE -Cade, e diretor de Mar­ke­ting e Exporta­ ção do Grupo Bignardi, fabricante dos cader­ nos Jan­daia. “Estamos conversando com a ca­deia de produção de papel e com os pró­ prios ca­der­nei­ros no sentido de reu­nir es­ forços para que os fabricantes de cadernos mantenham sua saú­de fi­n an­c ei­ra na en­ tressafra, evitando uma oferta excessiva do produto no mercado interno”. Entre os fatores que provocaram esse cenário, o empresário aponta a valoriza­


Alalp tem nova diretoria A

Em reunião realizada no recinto da Office PaperBrasil Escolar a Alalp empossou sua nova diretoria, sob a presidência de Ricardo Monis

ção do real e a crise fi­nan­cei­ra mun­dial. Ele conta que a Jan­daia teve de reduzir em 20% o preço em dólar do caderno expor­ tado. A empresa chegou a vender 30% de seu volume de produção para ou­tros paí­ses, per­cen­tual que está agora em 20%. “Dificil­ mente retomaremos os volumes an­te­r io­res a curto prazo. Internamente, não há in­dí­ cios na alteração da política cam­bial e, com o dólar de­pre­cia­do, os fabricantes america­ nos estão retomando os investimentos para atender às suas necessidades. Por isso, é satisfatório manter posições”. Otimismo entre os lojistas

Já o mercado bra­si­lei­ro vive ou­tro cenário, como comentou o próprio Ivan Bignardi. Ele afirmou que o lojista está comprando, im­ pul­sio­na­do pelos ventos fa­vo­rá­veis da eco­

nomia na­cio­nal. “A Jan­daia vem investindo em produtos de ­maior valor agregado, acres­ centando marcas e processos de fabricação que correspondam ao au­men­to na procura por produtos mais sofisticados. O mercado está mais maduro. Mesmo os atacadistas e dis­tri­bui­do­res já sabem trabalhar com esse tipo de produto”. Na Tilibra, a renovação do portfólio para a volta às au­las chegou a 30%. São cerca de 700 itens na linha papel (cadernos, blocos, agendas etc), dis­tri­buí­dos entre 50 marcas li­cen­cia­das e 30 pró­prias. A sofisticação está não só no uso de hot stamping, vernizes es­ pe­ciais e ou­tros recursos de acabamento na capa, mas também em mio­los quatro cores e na inclusão de aces­só­rios como espelhos e cha­vei­ros. “O desafio é fazer produtos di­fe­ ren­cia­dos em larga escala”, comentou Sidnei

Abigraf valeu-​­se de sua presença na Office PaperBrasil Escolar para rea­li­zar algumas ações, entre elas a reu­nião da Aso­cia­ción La­ ti­noa­me­ri­ca­na de Artículos para Librería y Papelería (Alalp) no dia 31 de agosto. No encontro, do qual participaram representantes do Brasil, Argentina, México, Uru­ guai e Ve­ne­zue­la, foi elei­ta a nova diretoria da entidade. Assumiu a presidência Ricardo Monis, presidente da Cámara de la Industria de Artículos de Librería (Cial), da Argentina. O executivo substitui Fabio Arruda Mortara, presidente da Abigraf Re­gio­nal São Pau­lo, o qual ficou no cargo nos dois pri­ mei­ros anos de fun­cio­na­men­to da entidade. Foi ain­da discutida no evento a si­tua­ção econômica em diversos paí­s es da América Latina. A  mais preo­cu­pan­te é a da Ve­ne­zue­la, cuja economia apresenta elevado grau de instabilidade. Além de Ricardo Monis na presidência, a nova diretoria da Alalp tem os seguintes membros: vice-​­presidente, Fabio Arruda Mortara (Brasil); diretor administrativo, Abdala Jamil Abdala (Brasil); diretora de Mar­ke­ ting, Patrícia Moreno (México); e diretor fi­nan­cei­ro, Alberto Luchini (Argentina). “O  evento serviu para es­trei­tar o re­la­cio­na­men­to no setor de ma­te­rial de papelaria e escritório dos paí­ses que integram a Alalp, fortalecendo-​­os e suscitando oportunidades de negócio”, afirmou Abdala. Na oca­sião foi também apresentada a Campanha de Valorização do Papel e da Comunicação Impressa, bem como a rea­li­za­ção do Congreso de la Industria de Artículos de Librería, na Argentina, de 3 a 5 de novembro, quando acontecerá a próxima reu­nião da Alalp, e do Congraf, Congresso Bra­s i­l ei­r o da Indústria Gráfica, em Foz do Iguaçu, em ou­tu­bro de 2011. www.alalp.org

SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

35


Bergamaschi, gerente de Mar­k e­t ing da Tilibra. Atuan­do numa escala menor, a Con­ fetti também está sendo be­ne­f i­cia­d a pelo aprimoramento do mercado. “Sentimos a busca por produtos de ­m aior qualidade. Já vejo segmentos que não se propunham a trabalhar com nossos produtos, como os atacadistas, dispostos a conhecer nossas li­ nhas”, comentou Carlos Rettmann, presi­ dente da Confetti. A empresa lançou na fei­ra o caderno 360 ­g raus, que pode ser comple­ tamente dobrado sem que as folhas se des­ prendam, importado da Tai­lân­dia. “Nossa meta de crescimento para 2010 é de 35%”. Parte do público foi à Office PaperBra­ sil Escolar disposto a comprar, como afir­ mou Ga­brie­la Delazeri, coor­de­n a­do­ra de Mar­ke­ting da Cre­deal. “A participação nor­ malmente é ins­ti­tu­cio­nal, mas acabamos fe­

36 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

chando bons ne­gó­cios aqui na fei­ra”. Entre os novos recursos estavam os cadernos com efei­to 3D nas capas. Na mesma linha, Fer­ nanda Fa­r ias, diretora de operações da Óti­ ma Gráfica, assinalou vendas para cidades nas ­quais a empresa não tem representan­ tes. “Pa­pe­la­rias que não con­su­miam nossos produtos passaram a comprá-​­los”. O saldo positivo também foi relatado por João Antonio Cor­nia­ni, gerente co­mer­cial da São Domingos. “A meta de crescimento para o volta às au­las 2011 é de 20% e já es­ tamos superando esse objetivo”. O gerente foi um dos que se mostraram descontentes com o novo horário. “O movimento na fei­ra começou mesmo de­pois das 14 h”. A 25ª edição da Office PaperBrasil Esco­ lar já está agendada para acontecer de 22 a 25 de agosto de 2011.


SYNCRO

Sustentabilidade e responsabilidade socioambiental. Cultive essa ideia.

A Colacril pratica a sustentabilidade com absoluta responsabilidade. Em cada detalhe da sua cadeia produtiva existe a preocupação constante com o meio ambiente, os fornecedores, as matérias primas, os colaboradores e suas famílias, o impacto dos processos produtivos, a emissão de poluentes, a reciclagem, o desenvolvimento da comunidade, o futuro da indústria e do planeta. Tudo está interligado. Todos dependemos do desenvolvimento sustentável. A Colacril está fazendo a sua parte. E você?

Sustentabilidade e responsabilidade socioambiental.

Nós praticamos.

5 5 ( 4 4 ) 3 5 1 8 . 3 5 0 0 | w w w. c o l a c r i l . c o m . b r


b i en a l i n t er n ac i o n a l do l i v ro d e s ão pa u lo

Bienal atinge alto índice de aprovação Terceiro maior evento editorial do mundo em termos de público, atrás apenas da Feira do Livro de Frankfurt e da Feira Internacional do Livro de Turim, a Bienal do Livro de São Paulo movimentou R$ 49,3 mi­lhões. Tânia Galluzzi

A

21ª edição da Bie­nal In­ter­na­ cio­n al do Livro de São Pau­ lo superou a expectativa dos organizadores e levou ao Anhembi 743 mil pes­s oas. A média diá­r ia de visitas (pou­co mais de 74 mil pes­soas) não só recuperou o público perdido em 2008 (66 mil), quanto superou o volume registrado em 2006 (73,7 mil pes­ soas). Mais do que esse total, o grau de sa­ tisfação do público com relação ao evento, medido pela pri­mei­ra vez através de pesqui­ sa encomendada ao Instituto Datafolha, de­ monstra seu sucesso: fei­ra foi considerada ótima ou boa por 93% dos entrevistados. A pesquisa do Datafolha ou­viu 744 visi­ tantes com mais de 14 anos para apurar as in­

38 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

formações do levantamento principal de sua pesquisa. A maio­ria do público era formada por mulheres (58%); com predominância de jovens (33% tinha até 25 anos; 33%, de 26 a 40 anos; 25%, de 41 a 55 anos; e 8%, 56 ou mais); e renda fi­nan­cei­ra média (20%, com rendi­ mento entre três e cinco sa­lá­rios mínimos – SM; 27%, de cinco a 10 SM; e 23%, com ganhos de 10 a 20 SM). Quan­to à escolaridade dos vi­ sitantes, 74% pos­suía Ensino Su­pe­rior; 23%, Ensino Médio; e 3%, Ensino Fundamental. Em relação à venda de livros, pesqui­ sa apontou que 80% dos entrevistados com­ praram livros, com um gasto médio in­di­vi­ dual aproximado de R$ 90,00. O Datafolha projetou que foram movimentados cerca de R$ 49,3 mi­l hões com a venda de livros


Fotos: Agnaldo Pedro/ Ofício da Imagem

Emoção na abertura

Cerca de 500 pessoas participaram da cerimônia de abertura da 21-ª Bienal do Livro. O ponto alto do evento foi a interpretação de textos de Monteiro Lobato e Clarice Lispector, autores homenageados pela Bienal deste ano, pelos atores Paulo Goulart e sua filha Beth (fotos acima) e Maria Fernanda Cândido.

em 2010. Já as atrações cul­tu­rais específi­ cas promovidas durante a Bie­nal do Livro foram visitadas por 22% dos entrevistados. De acordo com o levantamento do instituto, um dos si­nais positivos referiu-​­se à indica­ ção de que 95% pretende voltar à Bie­nal do Livro em suas próximas edições. Vá­r ios expositores também se mostra­ ram sa­tis­fei­tos. Entrevistada três dias an­

tes do término do evento, Vanessa Bonomo, gerente co­mer­cial da Cosac ­Naify, afirmou que a editora já havia superado as vendas de 2008 e que deveria atingir a meta de ele­ vá-​­las em 150%. Nos estandes da Editora Se­ nac e da Livraria Sa­rai­va o au­men­to foi de 50% e, na Record, de 90%. “O custo para a editora que não participa da Bie­nal é mui­ to alto”, comentou João Scortecci, do Grupo SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

39


Foto: Agnaldo Pedro/ Ofício da Imagem

Edi­to­r ial Scortecci. Veterana de 10 edições, a empresa optou neste ano por se estruturar para atender o au­tor, promovendo cursos e discutindo o livro sob demanda. Proximidade com o editor

Debutando na Bie­nal, a intenção da Ipsis Gráfica foi justamente fortalecer sua ima­ gem junto aos editores. “Nos últimos anos a Ipsis vem se po­si­cio­nan­do como um forne­ cedor importante no segmento de livros de arte e estamos aqui para mostrar o trabalho

40 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

que estamos fazendo junto a esse mercado”, comentou o diretor Fernando Ullmann. Para a fei­ra, a gráfica preparou uma edição es­pe­ cial de sua revista Ipsis Litteris, com enca­ dernação em capa dura e projeto gráfico de Hélio de Al­mei­da. Da mesma forma, apro­vei­t an­do o con­ tato com os editores, a Prol Editora Gráfica lançou o Book Factory, plataforma de ges­ tão de acervos de livros em formato digital. Através desse aplicativo, a editora decide tudo o que quer fazer com seu acervo, des­ de a solicitação de impressão de forma con­ ven­cio­nal até a venda de livros em sites de comércio eletrônico. Complementada pelo soft­ware GD1, a solução permite a conversão do livro para o formato ePub, considerado hoje o padrão mun­dial para e-​­­books. O levantamento do Datafolha indicou, ain­d a, caminhos para que a organização — a Câmara Bra­si­lei­ra do Livro e a Reed Exhi­bi­tions Alcantara Machado — aprimo­ re o evento. O sucesso de público justifica o principal descontentamento dos visitan­ tes. Em resposta à pergunta “O que menos gostou nesta Bie­nal do Livro?”, 30% dos en­ trevistados se quei­xa­ram da lotação e das filas, 21% reclamaram da falta de estrutu­ ra/organização e 19% consideraram altos os preços dos produtos dis­po­ní­veis na fei­ra, entre ou­tros pontos.


O livro digital em discussão Especialistas apontam a valorização do conteúdo como ação premente para a sustentação das editoras. Texto e fotos: Tânia Galluzzi

“A

pesar de todo o ma­te­r ial es­ tar num arquivo digital, ain­ da tenho minhas anotações em papel”. Podemos usar essa frase, dita pelo es­pe­cia­lis­ta Mike Shat­ zikin em tom de brin­ca­dei­ra, quase que se desculpando enquanto tirava do bolso alguns papeletes no início de sua pales­ tra, como um espelho do que pode vir a ser a convivência entre o livro impres­ so e o livro digital. Para tentar desenhar pos­sí­veis ce­ná­r ios para essa coe­xis­tên­ cia, a CBL e a Imprensa Ofi­cial do Esta­ do de São Pau­lo promoveram, nos dias

Mike Shatzikin: “A cadeia de produção do livro foi drasticamente alterada”.

42 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

10 e 11 de agosto, o Fórum In­ter­na­cio­nal do Livro Digital, integrando a programa­ ção ofi­cial da 21ª Bie­nal In­ter­na­cio­nal do Livro de São Pau­lo. Es­pe­cia­lis­ta na ca­deia produtiva do livro e cujo blog é um dos mais consul­ tados no mundo sobre o impacto da mu­ dança digital nesse setor, Mike foi con­ vidado a falar sobre o futuro do livro impresso num mundo digital. Para ele, a versão que conhecemos desde Guten­ berg definitivamente perderá espaço para os livros di­g i­tais. Referindo-​­se ao mercado americano, o consultor afir­ mou que as vendas online (impressão sob demanda e e-​­­books) correspondem a 20% do total de vendas de livros hoje, fatia que crescerá para 50% em 2012 e para mais de 75% por volta de 2015. Ele acredita que dentro de 20 ou 30 anos todo o mundo lerá em telas. A partir do advento da internet, a ca­deia de produção do livro foi drasti­ camente alterada, sobretudo a relação au­tor-​­editor e o valor atri­buí­do ao con­ teú­do. Com a grande rede, qualquer um pôde tornar sua produção universal­ mente disponível. Mui­to con­teú­do ba­ rato foi disponibilizado, uma vez que seus au­t o­res estão mais interessados em au­diên­cia do que em di­nhei­ro. As­ sim, segundo Mike, será cada vez mais difícil para as editoras vender con­teú­ do. Cada livro tem de ser tratado como um case de mar­ke­ting e a habilidade de reter a au­diên­cia interessada em deter­ minados assuntos será a chave do ne­ gócio. “O formato não interessa mais e sim o con­teú­do, porém monetizar esse con­teú­do torna-​­se mais e mais compli­ cado”. De acordo com o consultor, uma vez que as novas ferramentas possibili­ tam aos au­to­res um contato direto com o lei­tor e a publicação de livros sem in­ ter­me­diá­r ios, o modelo de negócio das editoras, in­cluin­do a dis­tri­bui­ção através das li­v ra­r ias, está comprometido.


John B. Thompson: “A maior parte dos que compram e-books está comprando menos livros impressos”.

Forma x conteúdo

Uma visão menos apocalíptica foi apre­ sentada pelo inglês John B. Thompson, professor de So­cio­lo­g ia em Cambridge e au­tor de ­Books in the Digital Age (Li­ vros na Era Digital), ain­da não traduzido para o português. Apresentando pesqui­ sas do mercado americano, Thompson mostrou que o faturamento com a ven­ da de livros di­g i­tais saltou de menos de 10 milhões de dólares em 2002 para algo em torno de 170 milhões em 2009, se­ gundo o In­ter­na­tio­nal Digital Publishing Fórum (IDPF). Contudo, a participação dos livros di­g i­tais no mercado edi­to­r ial como um todo ain­da é pequena, cerca de 3% em 2009*. “É mui­to difícil saber se as vendas con­ti­nua­rão a crescer nes­ se ritmo. O livro digital é puro con­teú­ do, enquanto o livro impresso tem tam­ bém um valor enquanto objeto. Mesmo no mercado americano, os editores não sabem o que vai acontecer”. *Segundo dados divulgados em julho de 2010 pela As­s o­c ia­t ion of American Publi­ shers (APP), no acumulado do ano até o mês de maio as vendas de e-​­­books passaram a re­ presentar 8,48% do total do mercado de li­ vros nos Estados Unidos, em comparação com 2,89% no mesmo pe­r ío­do do ano passa­ do. O crescimento foi de 207%. De ja­nei­ro a maio, a venda de livros pelas editoras como um todo au­men­tou 11,6%.

Começam a surgir pesquisas sobre o perfil do comprador de livros di­g i­ tais. Segundo os dados apresentados pelo so­ció­lo­go, há uma li­gei­ra prepon­ derância do público masculino, sendo que boa parte ganhou como presente os e-​­rea­ders. ­Guias e ma­nuais compõem o gênero mais procurado, representan­ do 24% dos títulos adquiridos, seguidos de perto pelos livros de ficção em geral (23%), ficção cien­tí­f i­ca (19%), bio­g ra­f ias (18%) e mistério (15%), de acordo com pesquisa divulgada neste ano pelo Book Industry Study ­Group (Bisg). O mesmo estudo revelou que as prin­ ci­pais razões para a compra de e-​­­books são acessibilidade, facilidade de down­ load e de lei­tu­ra, acesso instantâneo aos

livros, portabilidade e facilidade de bus­ ca. A procura por livros di­g i­tais, como apurou a pesquisa, está provocando mudanças nos hábitos de compra des­ se consumidor. A principal alteração é bastante óbvia: a ­maior parte dos que compram e-​­­books, 27%, está compran­ do menos livros impressos. A segunda tendência é a preferência pela lei­t u­ra de alguns gêneros em formato digital e ou­tros na versão impressa (21%). Parte (17%) compra e-​­­books e também livros impressos e 15% adquire apenas a ver­ são digital, a menos que não haja e-​­book para o título desejado. Num cenário ain­da incerto, Thomp­ son afirmou que o pri­mei­ro passo que deve ser dado pelas editoras é a constru­ ção de um acervo digital, preparando os con­teú­dos para qualquer saí­da, seja ela a impressão sob demanda, e-​­­books, au­dio­ li­vros etc. Ele admite, porém, que esse é um processo complexo e que requer alto investimento, além de envolver os riscos de pirataria e de queda dos preços. A re­ produção indevida pode ser minimiza­ da por dispositivos de segurança como o controverso DRM, Digital Rights Ma­ nagement, e o monitoramento constan­ te. Para se proteger da deflação os edi­ tores precisam ter mui­to claro o valor de seus produtos, procurando os melho­ res con­teú­dos e a forma mais adequada de prover o mercado.

Abertura do Fórum Internacional do Livro (E/D): Rubert Alquéres, diretor-presidente da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Rosely Boschini, presidente da Câmara Brasileira do Livro e Richard Uribe, do Cerlalc (Centro Regional para El Fomento del Libro en América Latina y el Caribe)

SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

43


Balanço positivo na Movimat Expectativa dos expositores da 25 -ª edição da feira é de que 25% do lucro nos próximos meses seja reflexo do evento.

44

F

oi rea­li­za­da de 3 a 6 de agosto, no Expo Center Norte, em São Pau­lo, a 25ª Movimat – Fei­ra de Intralogística, Movimentação, Armazenagem, Embalagem de Ma­te­riais e Tecnologia da Informação e Serviços. Vinte e oito mil visitantes de todo o Brasil e de ou­tros paí­ses sul-​ ­a mericanos conferiram as prin­ci­pais novidades dos setores abrangidos pelo evento e puderam conhecer um pou­ co mais sobre a Campanha de Valorização do Papel e da Comunicação Impressa, exposta no estande da Abigraf, que participou pela pri­mei­ra vez do evento. De um modo geral, a ava­ lia­ção dos expositores — um grupo de 200 empresas — é

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

que 25% dos ne­gó­cios fechados nos próximos seis meses serão decorrentes dos contatos rea­li­za­dos durante a fei­ra, considerada a ­maior em ne­gó­cios em intralogística da América do Sul. “Praticamente 60% dos equipamentos que a Opuspac co­mer­cia­li­zou no último ano teve início na Movimat 2009. Por isso participamos desta edição com a expectativa de repetir o desempenho”, revela Victor Basso, diretor da Opuspac Indústria e Comércio Ltda. Nos três dias de evento foram também organizados se­m i­n á­r ios sobre logística, apresentados por es­pe­cia­lis­tas. Um deles foi o Encontro ­Argentina-​­Brasil-​­Chile: De­sa­f ios e Oportunidades na Logística, que possibilitou a discussão, entre representantes dos três paí­ses, dos métodos e medidas a serem adotados para o aper­fei­çoa­men­to do fluxo de ma­te­r iais e cargas na América do Sul. Em resposta ao sucesso do evento neste ano, 65% do espaço da edição de 2011 já foi co­mer­cia­li­za­do. “Mais do que uma exposição de equipamentos, a Movimat deste ano mostrou que o público frequentador tem a percepção da relevância das soluções avançadas de intralogística para o bom desempenho das empresas no mercado”, explica Eduar­do Banzato, diretor da Imam Fei­ras e Comércio, promotora da fei­ra.


Distribuidor Oficial Artes Grรกficas Epson | Distribuidor Master Screen Av. Valdemar Ferreira, 159 - 05501- 000 - Sรฃo Paulo - SP - Tel./Fax 11 2177-9400 - www.tecshopping.com.br


Feira Serigrafia Sign tem recorde de público A 20 -ª edição da feira realizada no Expo Center Norte, em São Paulo, recebeu mais de 43 mil pessoas de diferentes regiões do Brasil e do mundo.

46

Clarissa Domingues

o pe­r ío­do de 21 a 24 de ju­ lho, a 20ª edição da Fei­ra Se­ rigrafia Sign recebeu mais de 43 mil pes­soas de todo o Bra­ sil e também de ou­tros paí­ses, que pu­ deram conhecer, testar e adquirir pro­ dutos. Foram quatro dias com inúmeras opções de impressoras di­g i­tais, máqui­ nas de corte e gravação, impressoras serigráficas, máquinas tampográficas, aces­só­r ios, tintas e substratos. O público se dividiu entre ini­cian­ tes — em­p re­s á­r ios que buscavam fe­ char ne­gó­cios e investir em equipamen­ tos — e pro­f is­sio­nais que já ­atuam no ramo e buscavam atua­li­zar seus conhe­ cimentos. O evento teve a participação de aproximadamente 360 empresas ex­ positoras dos segmentos de serigrafia, comunicação vi­sual, impressão digital e sinalização e mar­ke­ting pro­mo­cio­nal. Diferentemente das ou­tras edições, neste ano a fei­ra foi separada em dois pa­ vilhões interligados, com entradas inde­ pendentes. Os pro­f is­sio­nais de serigra­ fia concentraram-​­se no pavilhão verde, enquanto os envolvidos com impressão digital reu­ni­ram-​­se no vermelho. Isso tornou mais fácil encontrar os estandes e otimizou a visitação. No espaço da Serigrafia, os equipa­ mentos e substratos de destaque foram os re­la­cio­na­dos a sublimação e bordado. Os pro­f is­sio­nais puderam conferir de perto o quanto a estamparia digital e têx­ til está se consolidando no mercado. Foi possível ver em vá­r ios estandes as garment print, impressoras que estampam diretamente em camisetas. REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

Expositores

Além da linha de tecidos Tecgraph, iné­ dita na fei­ra, a Day Brasil trou­xe no­ vidades desde impressoras para gran­ des formatos a fitas para acabamento. A empresa reforçou sua parceria com a HP e apresentou em seu estande os mo­ delos Scitex XP2750, Designjet L25500 e L65500, que utilizam tinta à base de lá­

Fotos: Fábio Muniz

N

Dos equipamentos expostos no pa­ vilhão vermelho, os destaques foram as novas opções em equipamentos UV, as impressoras com tinta à base de solven­ te, as novidades em impressão direta em tecidos, além de uma grande va­r ie­da­de de rou­ters, lasers e mesas de corte. Ênfa­ se também foi dada às soluções menos agressivas ao meio am­bien­te. Em paralelo ao evento ocorreu o con­ gresso Serigrafia Sign, em que 12 pales­ trantes com grande vivência de merca­ do compartilharam seus conhecimentos com quase 900 congressistas, abordan­ do temas como estamparia, transfer, impressão digital e serigráfica.

tex. Também foram expostas as fitas adesivas Tectape — para acabamento, embalagens e empacotamento —, tin­ tas para impressão digital TechInk, bem como mí­dias rígidas e fle­xí­veis para im­ pressão digital, envelopamento de frota e recorte, dentre ou­tras. “Nosso objetivo no evento foi demonstrar o po­ten­cial de soluções que a Day Brasil oferece para o mercado”, afirmou Jonathan Grai­car, diretor da empresa. A  HP, por sua vez, apro­vei­tou para fazer o lançamento da HP Scitex LX800, um produto de linha in­dus­trial que utili­ za a tecnologia de tintas látex, à base de água. Outra novidade foi a Scitex FB500, apresentada na ExpoPrint, em junho. A Agfa expôs em seu estande a :Ana­ purna Mw, que possui tecnologia inkjet UV, usada para produzir vir­t ual­men­te em qualquer substrato com qualidade de imagem e cor, e a :Anapurna M2, ­ideal para aplicações mais robustas e que também conta com sistema inkjet UV. No estande de seus par­cei­ros, a Serilon e a Suprimar­ke­ting, a Agfa apresentou,


Venha para a As melhores marcas de papéis nacionais e importados para pronta entrega em todo o Brasil Couchés Suzano, Condat, Magno, R4 Chorus, Somerset, BVS, PhoeniXmotion, LWC Papéis Offset Alta Alvura, Samaprint, Extra Alvura, Chamois, Paperfect respectivamente, os modelos :Jeti 1224 e :Jeti 3324 Aquajet, e a :Anapurna M4f. “Neste ano, nossa participação foi ain­ da mais forte, com o au­men­to do por­ tfólio de soluções di­g i­t ais e diversos lançamentos. Agora contamos com um portfólio de soluções completo e com o apoio de par­cei­ros extremamente capa­ citados e estruturados para atender ple­ namente o mercado de comunicação vi­ sual e sinalização”, afirmou o gerente de Mar­ke­ting Eduar­do Sou­sa. A Antalis apresentou uma ampla va­ rie­da­de de pa­péis es­pe­ciais produzidos pela Multiverde adequados à impressão serigráfica. Dentre as linhas que com­ põem o lançamento, foram demonstra­

das a Multiver (Vergê) e Multitex, nas versões telado, casca de ovo, chapisco e cou­ro. Cores fortes como o vermelho piranga, o azul oby e o preto una vêm sendo cada vez mais empregadas em trabalhos que exigem elevado grau de di­fe­ren­c ia­ç ão, como convites, car­d á­ pios, ca­len­dá­rios, capa e mio­lo de blocos e impressos pro­mo­cio­nais em geral. Presente na fei­ra como visitante, Da­n iel Gras­siot­to, da Filiperson, con­ siderou esta a melhor edição de todas já rea­li­za­das. “A fei­ra estava fantástica, cresceu de ma­nei­ra subs­tan­cial. A mar­ ca Filiperson esteve representada por al­ gumas empresas par­cei­ras e pudemos sentir o impulso dos ne­gó­cios”.

Papel Bíblia Primapage Papelão Capa Vivox Cartões Supremo, Royal Tech, Art Premium Tech, Sinar White, Papirus Vegetal Sihl Diamante Tecidos para revestimento Frankonia, Duo, Chromo

Preços imbatíveis e atendimento sem igual. Consulte já nossa equipe de vendas

papéis de qualidade tel (11) 3121 2259 DDG 0800 772 5200 www.vivox.com.br SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

47


ICE ­South America

Mercado em ascensão

P

romovida tra­di­cio­nal­men­te na Eu­ ropa a cada dois anos, a ICE – In­ter­ na­tio­nal Converting Exhi­bi­tion rea­ li­zou no Brasil a sua pri­mei­ra edição sul-​­americana, no Transamerica Expo Center, de 4 a 6 de agosto. Único evento dedicado ao setor de conversão de papel, filme e folha metálica no continente, a ICE ­South America contou com a partici­ pação de 65 empresas da área, de 12 paí­ ses, entre eles Alemanha, Itália, Suí­ça, Estados Unidos e alguns asiá­ti­cos. Com ­apoio da Abigraf Na­cio­nal, Fe­ deração das In­dús­trias do Estado de São Pau­lo (­Fiesp) e As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra da Indústria de Embalagens Plásticas Fle­ xí­veis (­Abief), a exposição apresentou as prin­ci­pais novidades em ma­te­r iais

48 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

Com seis edições já realizadas na Europa, ocorreu em São Paulo a versão sul‑americana da Ice, exposição destinada à área de conversão de papel, filme e folha metálica. para revestimentos e laminação, seca­ gem/cura, tratamento, controle e medi­ ção, corte e rebobinagem, acabamento, máquinas de impressão e aces­só­r ios. De acordo com Candyce Costa, exe­ cutiva da Mack ­Brooks Exhi­bi­t ions — empresa inglesa responsável pela orga­ nização da ICE Europe —, o mercado de conversão no Brasil, embora tímido, está em ascensão. “O convertedor bra­si­lei­ro,

por ain­da não conhecer bem o segmento que o representa, às vezes participa de eventos que não são exatamente o seu foco, por isso acaba não obtendo o re­ torno esperado”. Candyce conta que as empresas eu­ro­peias também tiveram resistência ini­cial para entender a pro­ posta da ICE, mas hoje a fei­ra pro­por­ cio­na grande retorno para aquelas que dela participam. “Acredito que no Bra­ sil acontecerá o mesmo. Esta é apenas a pri­mei­ra edição aqui, lá fora acaba­ mos de fazer a sexta exposição”. O últi­ mo evento, rea­li­za­do na Alemanha, teve número recorde de visitantes, mais de 5 mil, de 63 na­cio­na­li­da­des. Candyce informou que 100% das em­ presas expositoras na ICE ­South Ameri­ ca são de origem es­tran­gei­ra. Sem fi­lial no País, 90% delas vie­ram ao Brasil ex­ clusivamente para o evento, prospectan­ do entrar no mercado bra­si­lei­ro. Dentre as com­pa­n hias de ­m aior representa­ tividade in­t er­n a­c io­n al estavam a BB, Polytype e Kampf Sch­neid. Os presiden­ tes Rai­ner Wolf, da Ungricht, e Martin Frank, da Bas­tian Winder Tech­no­lo­gies, que participaram da ICE alemã e chine­ sa, apostam no crescimento e desenvol­ vimento do Brasil, reforçando a impor­ tância de o País contar com um evento dirigido aos convertedores. A próxima edição da ICE está pro­ gramada para os dias 6, 7 e 8 de abril de 2011, em Orlando, na Flórida (EUA).


Após 15 anos de sucesso da

SBL,

Furnax está trazendo para o Brasil a Terceira Geração de Corte e Vinco a

2011

Maior robustez • Maior velocidade • Maior Formato 1060 x 760 mm Maior automação permitindo menor tempo de setup • Maior altura de pilha

Maior produtividade com o melhor custo benefício

Aguarde.

Mais informações ligue 11 3277 5658


4-ª Conferência Anual da Abro

Mesa composta por membros da diretoria da Abro (E/D): Rodrigo Ribeiro (Norske Skog), vice-coordenador do Conselho de Fornecedores; Rodney Casadei (Log & Print), diretor técnico; Claudio Baronni (Editora Abril), vice-presidente; Eduardo Costa (Editora Abril), presidente; Carlos Jacomine (Plural), diretor administrativo e financeiro; José Geraldo (Ibep), diretor de Marketing; Adhemur Pilar (Flint Ink), coordenador do Conselho de Fornecedores e Cláudio Cavargere (Antalis) mestre de cerimônia

Os desafios para a indústria de rotativas Formação de pessoas, ampliação da produtividade, sustentabilidade e a convivência com as mídias digitais estão entre as preocupações abordadas na conferência da Abro.

M

50

Tânia Galluzzi

ais uma vez o Novotel Cen­ ter Norte, em São Pau­lo, abriu seu espaço para a rea­li­za­ção da Conferência ­Anual da Abro, As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Empresas com Rotativa Offset. A quarta edição do encontro ocorreu no dia 18 de agosto, reu­nin­do cerca de 350 pes­soas. O evento foi aberto pelo presidente da as­so­cia­ção, Eduar­do Gândara Costa, da Editora Abril. Ele destacou os pilares que im­pul­sio­nam o desenvolvimento da indústria gráfica hoje, que são o au­men­ to na demanda e a busca das empresas por qualidade, produtividade e sustenta­ bilidade. Eduar­do Costa também citou as conquistas recentes da entidade, como a nova sede, a am­plia­ção do número de as­ so­cia­dos e a extensão da grade de cursos através da promoção de workshops. A pri­mei­ra e mais incitante pales­ tra foi conduzida por Ricardo Amorim, economista e um dos apresentadores do programa de televisão Manhattan Con­ nec­tion. Prometendo mudar a visão dos REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

Eduardo Gândara Costa, novo presidente da Abro

presentes com relação ao Brasil, ele apre­ sentou uma profusão de dados e estatísti­ cas para provar sua tese de que o País será ou­tro na próxima década. “Estou conven­ cido de que as oportunidades no Brasil nos próximos 10 anos serão as melhores de sua história”. Isso ba­sea­do na mudan­ ça do eixo de riscos e oportunidades no cenário econômico mun­dial, agora mui­ to favorável aos quatro paí­ses com m ­ aior crescimento do PIB: China, Índia, Brasil e Tai­lân­dia. “O mundo está sendo puxa­ do pela Ásia e o que o continente mais precisa é justamente daquilo no qual so­ mos bons: alimentos, ma­té­r ias-​­primas como ferro e aço e bio­com­bus­tí­veis”. Para o economista, a indústria gráfica tem a seu favor a elevação nos índices de esco­ laridade e seus efei­tos positivos, como o au­men­t o na demanda pelos livros. Após o pai­nel de Ricardo Amorim os participantes dividiram-​­se entre os fóruns estratégico, ge­ren­cial e tecnoló­ gico. O pri­mei­ro discutiu, pela manhã, o uso e o controle do papel imune, e, à tarde, de­sa­f ios na área de gestão. Aque­ les que optaram pelos temas ge­ren­ciais puderam conhecer diferentes pontos de vista sobre a formação da mão-​­de-obra e os de­sa­f ios da produtividade. As duas palestras do fórum tecnológico giraram em torno da sustentabilidade.


Formação de pessoas e produtividade

Cinco pro­f is­sio­nais participaram da pa­ lestra sobre os de­sa­f ios na formação da mão-​­de-obra: Ma­noel Man­tei­gas de Oli­ vei­ra, diretor da Escola Senai Theo­bal­ do De Nigris; Ja­naí­na Mackoweski, ge­ rente de Recursos Humanos da Editora Abril; Wilson Cer­q uei­r a, gerente de Gestão de Pes­soas da Posigraf; Adria­na Gasparini, gerente de Gestão Humana e Recursos So­cioam­bien­t ais da Plural; e Elai­ne de Sou­za, da área de Recursos Humanos da Ibep. Os representantes das gráficas mos­ traram como cada empresa incentiva e suporta a formação de suas equipes. Entre os caminhos apontados estavam par­c e­r ias com as­s o­c ia­ç ões e ins­t i­t ui­ ções de ensino, assim como progra­ mas internos de capacitação e am­plia­ ção de be­ne­f í­cios. “O desafio constante está em ­atrair, reter e desenvolver pes­ soas. Em Curitiba, com o aquecimento do mercado, é comum empresas de dife­ rentes setores disputarem o mesmo pro­ fis­sio­nal”, comentou Wilson Cer­quei­ra. O diretor da Theo­bal­do De Nigris en­ fatizou o trabalho desenvolvido pela es­ cola na formação de pes­soas para atua­ rem no setor gráfico. “O  Senai vem au­men­t an­do o número de vagas e de

Componentes da PrintCity Alliance falaram sobre tendências da área de revistas e catálogos (E/D): Tommi Hemmila, gerente técnico da UPM Kymmene Corporation, Finlândia; Albrecht Röser, representante de vendas na América do Sul da manroland AG; Michael Eich, diretor de vendas da Cofely, Alemanha

cursos em função da demanda. A pro­ cura em São Pau­lo se mantém alta, con­ firmando o interesse pela profissão de gráfico e a importância da parceria da escola com as in­dús­trias do setor”. Membros da PrintCity Al­lian­ce, ca­ pi­ta­nea­dos pelo seu presidente, Rai­ner Kuhn, participaram da apresentação co­ locando em pau­t a es­t ra­té­g ias voltadas para o au­men­to da produtividade (veja página 54). Sustentabilidade

Dois pai­néis tecnológicos discutiram sustentabilidade. Marina Grossi, presi­ dente executiva do Conselho Em­pre­sa­ rial para o Desenvolvimento Sustentá­

vel (CEBDS), e Roberto Strumpf, da FGV, coor­de­n a­dor do Programa Bra­si­lei­r o GHG Protocol, abordaram o assunto sob a ótica das certificações. A executiva apresentou o Vi­sion 2050, plataforma de diá­lo­go sobre o papel das empresas em um mundo com restrições de carbono, cria­da no âmbito do Conselho Em­pre­ sa­r ial Mun­dial para o Desenvolvimen­ to Sustentável (World Business Coun­cil for Sus­tai­na­ble Development). Segundo o grupo, em 2050 cerca de nove bilhões de pes­soas viverão dentro do limite do planeta no que se refere às emissões mun­diais de carbono. Marina, no en­ tanto, destacou a posição pri­v i­le­g ia­da do Brasil em função da disponibilidade

Ricardo Amorim destacou na sua palestra os efeitos positivos para a indústria gráfica com a elevação dos níveis de escolaridade no País

SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

51


(E/D): Tilson Casteluci, executivo de Negócios da Abro; Rodney Casadei, Carlos Jacomine, Eduardo Costa, Cláudio Baronni e Janaína Stevanato, coordenadora administrativa da Abro

52

de terras, abundância de água e condi­ ções climáticas fa­vo­rá­veis. Já Roberto Strumpf abordou o pro­ grama bra­si­lei­ro GHC Protocol, cria­do em 2008 com o objetivo de promover uma cultura permanente para elabora­ ção e publicação de in­ven­tá­rios corpora­ tivos de emissões de gases do efei­to es­ tufa. Segundo ele, em 2009, 35 empresas publicaram in­ven­tá­rios. “A produção de in­ven­tá­rios é o pri­mei­ro passo para uma economia de bai­xo carbono”. Os aspectos jurídicos da sustentabi­ lidade ficaram a cargo de Roberto Kishi­ nami, da NRG Consultoria em Energia e Meio Am­bien­te, e Lina Pimentel Garcia, coor­de­na­do­ra do Setor Am­bien­tal do es­ critório Mattos Filho, Vei­ga Filho, Mar­ rey Jr. e Qui­ro­ga Advogados. Kishinami citou as prin­ci­pais ini­cia­ti­vas regulató­ rias bra­si­lei­ras das emissões: certifica­ ção da redução, li­cen­cia­men­to am­bien­ tal, fundos e cri­té­r ios para aplicação de mudanças climáticas, metas de redu­ ção, licitação sustentável e incentivo às boas práticas. Lina destacou as ini­ cia­t i­vas das legislações es­t a­duais e os pontos importantes da Lei 12.305/2010, sobre a Política Na­cio­nal de Re­sí­duos Só­ lidos, que irá regular a produção, a dis­ REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

tri­bui­ção e o consumo, objetivando me­ lhorar a relação dos bra­si­lei­ros com o meio am­bien­te. O debate sobre a convergência das mí­dias impressa e digital encerrou a con­ ferência. Lado a lado sentaram-​­se Sér­ gio Dávila, editor executivo da Folha de S.Pau­lo, Fa­bia­na Zanni, diretora de Mídia Digital da Editora Abril, e Roberto Muy­ laert, presidente da As­so­cia­ção Na­cio­nal dos Editores de Revistas (Aner). O pri­mei­ro a falar, Sérgio Dávila, contou sobre o recente processo de in­ tegração das redações da Folha Online

e do jornal impresso. “A meta é fazer dessa redação única um centro produ­ tor de no­tí­cias, 24 horas por dia, com a qualidade da versão impressa e a agi­ lidade do digital. A plataforma na qual essa notícia será vei­cu­la­da, cinco minu­ tos de­pois através de SMS, uma hora na Folha Online ou no dia seguinte no im­ presso, será decidida de­pois”. Ele con­ corda que o meio jornal passa por pro­ fundas transformações, mas afirmou que a circulação de jor­nais no Brasil em 2010 deve crescer 5% e a re­cei­t a com publicidade, 19%. A diretora da Abril detalhou o case da revista Capricho, que se transformou numa marca forte junto ao público ado­ lescente e cujo site im­pul­sio­nou as ven­ das da versão impressa, enquanto Ro­ berto Muy­l aert defendeu os veí­c u­los impressos. “Há 10 anos discutimos ­quais mí­dias ­iriam morrer. Hoje, discutimos como podem conviver”.

Diretoria Executiva Abro Gestão 2009/2012 Presidente: Eduardo Gândara Costa, Editora Abril Vice-presidente: Claudio Baronni, Editora Abril Diretor administrativo e financeiro: Carlos Jacomine, Plural Gráfica Diretora administrativa e financeira adjunta: Adozinda Praça de Almeida, Bangraf Diretor técnico: Rodney Paloni Casadey, Log & Print Diretor de Marketing: José Geraldo Toledo Filho, Ibep


hbmkt 10/084

Floresta de eucalipto e mata nativa da Fibria na região do Espírito Santo.

O Couché OOCouché Couché Arte Arte Arte Fibria Fibria Fibria

O Couché OOCouché Couché Versátil Versátil Versátil Fibria Fibria Fibria

O Offset OOOffset Offset Pigmentado Pigmentado Pigmentado Fibria Fibria Fibria

O Offset OOOffset Offset Fibria Fibria Fibria

O objetivo da Fibria é produzir papéis com

Cada folha de papel produzida pela Fibria

Seguindo nesta direção, possuímos as

ecoeficiência. Isso significa que nossos

que chega a suas mãos tem uma história

duas principais certificações florestais do

processos são realizados com respeito ao

que nos orgulha e nos faz continuar

mercado: FSC e CERFLOR.

meio ambiente e de forma sustentável.

querendo melhorar sempre.

Escolha os Papéis Gráficos Fibria.


Rainer Kuhn, diretor da PrintCity

O objetivo da parceria entre as duas entidades é compartilhar conhecimentos sobre melhores práticas de impressão.

54

PrintCity Alliance firma acordo de cooperação com a Abro

A

PrintCity Al­lian­ce, grupo formado há 10 anos por mais de 20 fornecedores independentes da indústria global de impressão e embalagens, anun­ciou uma parceria com a As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Empresas com Rotativa Offset (Abro) du­ rante a Conferência ­A nual da as­so­cia­ção, em 18 de agosto. Rai­ner Kuhn, diretor pre­ sidente da PrintCity, declarou que “a coo­ pe­ra­ção com a Abro é uma parte integral da ini­cia­ti­va para trazer o conhecimento compartilhado dos membros da Alian­ça PrintCity ao Brasil e a ou­t ros mercados latino-​­americanos”. De acordo com Eduar­do Gândara Cos­ ta, diretor da Abril e presidente da Abro, a nova parceria oferece às gráficas de rotati­ vas offset um acesso único aos mais recen­ tes conhecimentos do processo de impres­ são rotativa, a exemplo da tradução para o português de re­la­tó­r ios e informações so­ bre equipamentos, que serão disponibili­ zados aos as­so­cia­dos. Tilson D. Casteluci, diretor co­mer­cial da Abro, acrescenta que “a colaboração ajuda a trazer ex­pe­r iên­cia in­ter­na­cio­nal e conhecimento das melho­ res práticas para serem compartilhadas com o mercado bra­si­lei­ro”. A PrintCity é reconhecida como a alian­ ça estratégica de “conexão de competên­ cia” em toda a ca­deia de valor de impres­

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

são, embalagem e publicação e promove a valorização da impressão e das embala­ gens. Sua proposta é passar conhecimentos aos clien­tes, trabalho rea­li­za­do por meio de se­mi­ná­rios, fei­ras, estudos de projetos, publicações e plataformas eletrônicas. Durante a conferência, afora o presi­ dente Rai­ner Kuhn, ou­t ros membros do grupo foram convidados a falar sobre ten­ dên­cias em revistas e catálogos: Tommi Hemmila, gerente técnico da UPM, Kym­ mene Cor­po­ra­tion; Albrecht Röser, da di­ visão de Rotativas na manroland; Bertin Sorgenfrey, diretor de Mar­ke­ting In­ter­na­ cio­nal da Dalim Soft­ware; Mi­chael Eich, diretor de Vendas da Cofely; e Bernhard Fritz, gerente de Produto da Sun Chemi­ cal Europa. A tônica foi a apresentação de exemplos de sucesso na área edi­to­rial e os insumos e sistemas que estão pro­pi­cian­do di­fe­ren­ciais competitivos a esses produtos. Em conjunto com a Abigraf Na­cio­nal e Abigraf- SP, a PrintCity Al­lian­ce partici­ pou do módulo “Impressão Plana e Emba­ lagens”, apresentado pelo GE-Emba (Grupo Em­pre­sa­r ial de Embalagens), com ­apoio da Escola Senai Theo­bal­do De Nigris.


Um ano valorizando suas ideias A Família Markatto acaba de completar um ano de mercado. E o melhor: um ano de sucesso! Um ano de cores, texturas, gramaturas, marcas d’água, revestimentos exclusivos e excelente performance em todas as técnicas de impressão. Markatto Originale, Markatto Stile, Markatto Finezza e Markatto Concetto: um ano proporcionando o melhor para suas concepções.

Obrigado por criar com os papéis da linha Markatto.

Paper Point: 0800 163 631 www.arjowiggins.com.br

olivercompany.com.br

Família


história viva

Fotos: Yuri Zoubaref

P

Pedro Fanelli Amor incondicional às artes gráficas Pedro Fanelli faz parte daquela geração de gráficos que literalmente dormiam na produção para que um trabalho saísse no prazo e com qualidade. Como diretor da Editora Parma, prepara-se agora para o processo de sucessão.

Tânia Galluzzi

56 REVISTA ABIGRAF SETEMBRO/OUTUBRO 2010

edro José Fanelli tem 80 anos e, desses, 53 foram dedicados às artes gráficas. O tempo vivido está nas linhas marcadas de seu rosto, as vi­tó­r ias e as decepções, no seu andar um tanto mais lento. Mas algo acontece com esse senhor altivo quando recorda a pri­mei­ra vez que entrou em uma gráfica. Os olhos brilham, um sorriso se abre ao relembrar a cena pre­cio­sa­men­te guardada em sua memória. “Fi­quei encantado”, descreve Pedro, com uma expressão terna. O episódio aconteceu na década de 1950, algum tempo de­pois de ele chegar a São Pau­lo. Natural da cidade pau­lis­ta de Pindorama, Pedro veio para a capital com 17 anos junto com o irmão, Luís Carlos, ambos preparando-se para prestar o vestibular. Para sobreviver, começou a trabalhar em vendas, ne­go­cian­do desde imó­veis até ações a espaços pu­ bli­ci­tá­r ios, algo que lhe trazia uma boa renda. São Pau­lo efervescia com as festividades de seu quarto centenário, e o País, de­pois do impacto do sui­cí­dio de Getúlio Vargas, entraria em um de seus pe­r ío­dos mais prósperos nas mãos de Juscelino Kubitschek. A captação de anún­cios o levou à produção de uma revista e a cena descrita aconteceu quando Pedro ficou encarregado de dei­xar o ma­te­rial da publicação na gráfica. Não demorou mui­to para que ele e o irmão comprassem uma linotipo e uma impressora tipográfica, crian­do, em 1957, a Gráfica e Editora Universo, que pou­co de­pois se tornou Editora Obelisco por uma questão de duplicidade de razão so­cial. Na pequena tipografia, instalada no bair­ro do Brás, Pedro vivia fascinado pelo processo de impressão, produzindo revistas e jor­nais. Dois anos se passaram até o ingresso dos ou­tros dois irmãos, Sérgio e Francisco, no negócio. Surgiu então a Editora Fulgor, em so­cie­da­de com Pau­lo Patarra, editor da Abril, que enveredou pelo campo das ciên­cias humanas. Entre seus au­ to­res havia nomes como Olímpio Gui­ lher­me e Gondin da Fonseca. “Aí veio a glo­r io­sa e nos pegou”, conta Pedro, referindo-se ao Golpe de Estado de 1964.


A Editora Parma mantém-se fiel ao segmento editorial.

O cunho político das obras que a Fulgor publicava levou Luís Carlos vá­r ias vezes ao Departamento de Ordem Política e So­cial, o temido Dops, órgão do governo cria­do durante o Estado Novo para controlar e reprimir movimentos políticos e so­ciais con­trá­rios ao regime no poder. “Nenhum de nós chegou a ser preso, mas foi um pe­r ío­do mui­to difícil. Tivemos vá­rios livros apreen­di­dos e, quando isso acontecia, os clien­tes não nos pagavam. A Obelisco era fiscalizada con­ ti­nua­men­te e a toda hora blo­quea­vam a gráfica”. Já nessa época a tipografia estava no bair­ro da Barra Funda.

Nasce a Editora Parma

A Fulgor sucumbiu e, para desvincular a Editora Obeslico do viés político, em agosto de 1970 foi cria­da a Editora Parma, tendo como só­cios Nancy Fanelli e Romeu de Lorenzo, irmã e tio de Pedro, respectivamente. Logo o tio se retirou da so­cie­da­de para a entrada de Pedro, Luís Carlos e Sérgio. Através de um trabalho produzido para a FTD, a Editora Parma tomou o caminho dos livros didáticos e deu um salto com a compra da pri­mei­ra impressora offset, uma bicolor. Apai­xo­na­ do que é pela produção, Pedro viveu in-

tensamente essa transformação, como conta Nancy: “Pedro revirava as máquinas, conhecia cada peça, acompanhava todos os trabalhos. Mui­tas vezes dormia na produção”. Ele mesmo confessa que sua esposa, Bernardete, chegou a acompanhá-lo em vá­r ias dessas noi­tes. A Parma prosperou, mudou-se para uma sede própria em Gua­r u­lhos e Pedro, que não teve filhos, con­ti­nuou dedicando-se à área in­dus­trial. Na década de 1980, Luís retirou-se da so­cie­da­de e Francisco voltou para o in­te­r ior, onde faleceu. Nos anos 2000, problemas administrativos abalaram a empresa, que agora está próxima da recuperação total.

2 1

Os Fanelli e a equipe de colaboradores da Editora Obelisco na década de 1960. (E/D): 1 Luís Carlos; 2 Sérgio; 3 Francisco; 4 João, o pai; 5 Pedro.

3

5 4

Pedro e a irmã, Nancy.

Atual­men­te, a gráfica conta com cerca de 300 fun­cio­ná­r ios e mantém-se fiel ao segmento edi­to­r ial. Pedro, que vai à empresa todos os dias, está preparando seu sucessor, o sobrinho Fernando. “Tenho sau­da­de da época em que me dedicava integralmente à produção. Mas, olhando para a evolução dos equipamentos, percebo o quanto era difícil o processo de impressão naquela época. Hoje é uma maravilha”. E completa: “Tudo o que conquistei no ramo gráfico foi com mui­ta dificuldade, mas ele me compensou enormemente com as pes­soas que conheci, as amizades que construí”. SETEMBRO/OUTUBRO 2010 REVISTA ABIGRAF

57


O P I N I Ã O

ueiredo aldézio Bezerra de Fig VPresidente da Abigraf Regional Pernambuco

No ritmo acelerado das mudanças

58

Estado de Pernambuco vive hoje um mo­ mento es­pe­cial na sua história econômi­ ca. Dados recentes apontam que, no pri­mei­ ro trimestre de 2010, o Produto Interno Bruto (PIB) es­ta­dual cresceu 7,8% em relação ao mesmo pe­r ío­ do de 2009. São números tão animadores que, se Pernambuco fosse um país, estaria entre os quatro melhores desempenhos do PIB no mundo em 2009, com 3,8% — ficando atrás apenas da China (8,7%), da Índia (6,8%) e da Indonésia (4,5%). E a tendên­ cia de crescimento se mantém, estimulando a ins­ talação de novas e sucessivas empresas, geração de mais empregos e au­men­to da competitividade no se­ tor. Tudo isso para exigir cada vez mais dos em­pre­ sá­r ios uma permanente atenção e atua­li­za­ção acer­ ca das ten­dên­cias do mercado, das inovações e dos novos paradigmas. É de olho nesta rea­li­da­de de profundas e ace­ leradas mudanças que a Abigraf‑PE tem pau­ta­do suas ações nos últimos três anos, sempre irmana­ da com o Sindusgraf‑PE. Com ações amparadas em nosso planejamento estratégico ­anual, instrumenta­ lizamos e capacitamos os as­so­cia­dos para que pos­ sam acompanhar esse novo cenário que redesenha as condições de competição em­pre­sa­r ial em nossas fron­tei­ras. Hoje, podemos afirmar que a gestão da Abigraf‑PE põe em prática todo o plano de trabalho de­li­nea­do no início do mandato, no ano de 2008. Com dinamismo, a nossa gestão soma um conjun­ to de rea­li­za­ções que ajuda a ­criar um setor mais forte e em­pre­sa­r ial­men­te maduro. O dia a dia da gestão também se pau­ta pela cons­ciên­cia do papel da Abigraf no cenário es­ta­ dual e re­g io­nal e de sua responsabilidade para com as questões na­cio­nais, inclusive as de ordem so­cioe­co­nô­mi­ca e o desenvolvimento sustentável. Ao assumirmos a presidência da Abigraf‑PE, propusemos a cria­ção de uma ime­dia­ta agenda de trabalho, com prio­r i­da­des estabelecidas pela direto­ REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

ria, visando alavancar de vez o setor e torná-lo um participante ativo do cliclo de desenvolvimento que já ali se vislumbrava. E assim foi fei­to. Destacando algumas das ações relevantes nes­ se pe­r ío­do, podemos citar, entre ou­tras, a rea­li­za­ ção de cursos, palestras, se­mi­ná­r ios e missões que buscam a capacitação em­pre­sa­r ial. Am­plia­mos e consolidamos o ­maior e mais importante evento do setor na Re­g ião Nordeste, o ­Graphium Show – Sa­ lão de Fornecedores de Equipamentos, Produtos e Serviços para a Indústria Gráfica. O mesmo foi fei­ to já em sua segunda edição, com o vi­to­r io­so Prê­ mio Nordeste de Excelência Gráfica José Cândido Cor­dei­ro, uma referência para o setor em toda a re­g ião. Ini­cia­mos a rea­li­za­ção de mais um Censo da Indústria Gráfica e implementamos um esfor­ ço contínuo para in­te­r io­r i­zar as ações das entida­ des, através de visitas aos prin­ci­pais mu­ni­cí­pios do in­te­r ior e implantação de nossa representação as­ so­cia­t i­va e sindical em Ca­rua­ru. Cria­mos o nosso plano de mídia, onde divulgamos as ações a serem rea­li­za­das durante o ano e convidamos os forne­ cedores a participar através de uma cota e divul­ gar sua marca em todos os eventos rea­li­za­dos pela Abigraf e pelo Sindusgraf‑PE durante aquele ano. Rea­li­za­mos sucessivos eventos de confraterniza­ ção e comemoração no setor, a exemplo do Grafor­ ró, festa junina da indústria gráfica; aniversário do Sindusgraf‑PE; o lançamento do plano de mí­ dia; e o jantar ­anual da família gráfica pernam­ bucana. Por fim, sempre ao lado do Sindusgraf e em parceria com a Fie­pe e o Senai, ini­cia­mos ges­ tões com vistas à implantação da Escola Gráfica do Nordeste, a ser instalada em nosso estado e a serviço da indústria gráfica da re­g ião. São algumas das ini­cia­ti­vas que visam, sobretu­ do, fornecer às empresas as­so­cia­das os instrumen­ tos e ­meios de competir de igual para igual e se ade­ quar aos novos paradigmas gerados pela revolução tecnológica e pelos ventos das mudanças que balan­ çam não apenas os altos co­quei­ros, mas também todo o perfil so­cioe­co­nô­mi­co do Leão do Norte. marketing@abigraf-pe.com.br


Qualidade e velocidade surpreendentes

Uma parceria bem construída entre profissionais da Indústria Gráfica Sul Ltda., mais conhecida como Gráfica Rex, e a Alphaprint resultou em um ótimo relacionamento que vem sendo cultivado há mais de 10 anos com diversos negócios realizados, o que culminou na aquisição de um CTP Kodak Trendsetter 800 e de uma moderna e sofisticada Shinohara de cinco cores mais verniz, de última geração. “Nossa expectativa era que ela substituísse duas

outras impressoras de marcas diferentes e gerações anteriores, mas tem superado o volume de produção de três impressoras, com qualidade e velocidade excelentes.” José Luiz Lermen Diretor Geral www.graficarex.com.br Alphaprint sempre as melhores soluções em: Pré�Impressão

São Paulo: Belo Horizonte: Porto Alegre: Recife: Rio de Janeiro:

Impressão�Offset

Impressão�Digital

Comunicação�Visual

(11) 2164.1900 / Consumíveis: (11) 3718.1850 (31) 3274.2425 (51) 3337.3947 vendas@alphaprint.com.br (81) 3427.1055 www.alphaprint.com.br (21) 2539.2413

Acabamento

Consumíveis

Peças

Serviços


Excelência gráfica nos estados

Qualquer empresa quando precisa decidir sobre a escolha de uma gráfica busca referências. Nesse sentido, prêmios que referendam a qualidade são considerados diferenciais importantes. Esse é um dos principais papéis dos prêmios regionais de excelência gráfica ao destacar os trabalhos das gráficas premiadas, mostrando ao mercado o que elas são capazes de fazer. Tânia Galluzzi

Qualidade diversificada

Distrito Federal

O mais antigo entre os prê­mios re­g io­ nais, o Prêmio de Excelência Gráfica Jorge Salim, promovido pela Abigraf-DF e pelo Sindigraf-DF, teve a festa da sua 11ª edição rea­li­za­da no dia 26 de março, no Clube do Exército. O evento contou com a presença de cerca de 600 convida­ dos, dentre em­pre­sá­rios gráficos, jorna­ listas e pu­bli­ci­tá­r ios, além de represen­ tantes do sistema produtivo do DF. A pre­mia­ção foi dividida em 32 ca­ te­g o­r ias, nas ­q uais concorreram 18 empresas, com 231 produtos. As que conquistaram mais tro­f éus foram a Atha­laia e a Gráfica e Editora Positi­ va, com sete prê­mios cada. “O Prêmio Jorge Salim é hoje uma grande moti­ vação para os em­pre­sá­r ios gráficos do DF. O nosso evento é aguardado e co­

Distrito Federal

60 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

mentado por todo o segmento gráfico do Distrito Federal e também de algu­ mas cidades vizinhas. Na minha ava­lia­ ção, porém, ele tem uma função ­maior do que promover uma festa e entregar tro­féus. Para mim, ele é o resgate da nossa memória, da nossa história. É o momento em que nos reu­n i­mos com os amigos, fun­cio­ná­r ios, convidados e clien­tes e mostramos que somos impor­ tantes, que temos valor. É o nosso gran­ de momento de confraternização”, afir­ mou o vice-​­presidente de Mar­ke­ting do Sindigraf-DF e coor­de­na­dor da comissão organizadora, Ubirajara Alves Costa. Em 2009, 300 peças disputaram o Jorge Salim, representando 24 gráficas. O evento também marcou o lança­ mento das novas logomarcas do Sin­ digraf- DF e do próprio prêmio, que


Paraná

ganharam traços mais modernos. Segundo Antônio Eus­t á­quio de Oli­vei­ra, presidente do Sindigraf- DF, o prêmio cumpre sua missão de estimular as empresas do Distrito Federal a produzirem trabalhos com ­maior qualidade técnica, o que consequentemente au­men­ta a visibilidade da indústria gráfica local. “Estamos, com o Jorge Salim, fomentando a concorrência sau­dá­vel, prio­ri­zan­do a excelência técnica do que é impresso aqui. O resultado disso tudo é um reconhecimento na­cio­nal do alto nível técnico dos trabalhos gráficos produzidos no DF ”.

Desta vez, fomos a gráfica com mais conquistas e, além disso, levaremos todos os produtos ganhadores para a 20ª edição do Prêmio Bra­si­lei­ro de Excelência Gráfica Fernando Pini”, declarou Giem Gui­m a­rães, diretor-​­geral da Posigraf.

Vicente Linares, diretor da Corgraf, que no ano passado havia sido a mais pre­m ia­d a, afimou: “Hou­ve um crescimento importante. Vie­ram novos participantes e produtos com qualidade melhor, o que dei­xou a disputa mais abrangente. As peças concorreram de igual para igual em termos de técnica, design e acabamento”. Aparecida Stucchi, gerente de operações da ABTG e coor­de­na­do­ra do Oscar Schrappe Sobrinho, elo­g iou a evolução dos ma­te­r iais na edição deste ano. “As notas ficaram bem altas e tiveram diferenças pequenas entre si. Percebemos que a cada ano os concorrentes estão se aprimorando e utilizando as novas técnicas que o mercado oferece. Isso só contribui para a melhoria do concurso”. Para Sidney Pa­cior­n ik, presidente do Sigep/Abigraf-PR , a pre­mia­ção é resultado de uma somatória de esforços, que envolvem investimentos não apenas em tecnologia, mas em inovação, trei­na­ men­to, re­la­cio­na­men­to com o clien­te e design. “Surgiram novidades este ano.

Minas Gerais

Paraná

A oi­ta­va edição do Prêmio Pa­ra­naen­se de Excelência Gráfica Oscar Schrappe Sobrinho, rea­li­za­da em 18 de junho na área VIP da Arena da Bai­xa­da, em Curitiba, foi marcada pela grande va­r ie­da­de de empresas vencedoras. Em 2010, dos 60 participantes — 15% a mais do que no ano passado — que inscreveram 553 produtos em 49 ca­te­go­r ias, 26 levaram pelo menos um troféu. A Posigraf, com oito prê­mios, juntamente com a Corgraf e a Comunicare, com cinco tro­féus cada, foram os destaques do evento organizado pela Abigraf-PR em parceria com o Sigep, sob coor­de­na­ção e au­d i­to­r ia da ABTG. “A Posigraf vem fazendo história no prêmio Oscar Schrap­pe Sobrinho.

61 SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF


Excelência gráfica nos estados

Rio Grande do Sul

O prêmio está sempre melhorando e en­ chendo de orgulho toda a indústria grá­ fica pa­ra­naen­se, cujos representantes devem fazer bonito no Fernando Pini”. Minas Gerais

Neste ano, o 6º Prêmio Mi­nei­ro de Ex­ celência Gráfica Cícero registrou um empate técnico entre os vencedores. Duas empresas lideraram a pre­mia­ção: a Rona Editora, que em 2009 levou 10 tro­féus, ficou com seis prê­m ios, mes­ mo número da Bigráfica Editora, que conquistou quatro prê­m ios mais dois Grand Prix. A cerimônia de entrega foi rea­li­za­da no au­di­tó­r io da CDL , em Belo Horizonte, no dia 16 de julho, reu­nin­do 500 pes­soas. “Neste sexto ano do Prê­ mio Cícero os em­pre­sá­r ios gráficos mi­ nei­ros buscaram aprimorar a excelên­ cia e a competitividade sau­dá­vel. Mais uma vez a pre­mia­ção atingiu seu obje­ tivo ­maior, que é fortalecer o mercado gráfico mi­nei­ro”, disse Vicente de Pau­la Alei­xo Dias, segundo vice-​­presidente da Abigraf-MG e coor­de­na­dor do certame.

Espírito santo

O Prêmio Cícero foi dividido em 35 ca­te­go­r ias e recebeu em 2010 a inscri­ ção de 379 trabalhos, produzidos por 33 empresas. No ano an­te­rior concorreram 339 produtos, elaborados também por 33 gráficas. Em 2010, 25 empresas foram pre­mia­das por 32 peças.

Além do anúncio dos vencedores, hou­ve intervenções durante toda a ce­ rimônia de pre­mia­ção. O poe­ta e conta­ dor de “cau­sos” Tadeu Martins deu um show à parte, recitando poe­mas de au­ to­res diversos e relatando his­tó­r ias en­ graçadas e bem típicas de Minas Ge­rais. Dois atores do Grupo Fuzuê também interagiram com os vencedores e fize­ ram performances diversas, além da apresentação musical do Quin­ti­nin do Bandolim e Chorinho Travesso. Espírito Santo

Cria­do com o in­tui­to de estimular a pro­ dutividade da indústria gráfica capixa­ ba, o Prêmio de Excelência Gráfica Pa­ dre José de An­chie­t a contabilizou em sua ter­c ei­ra edição a participação de 13 empresas, que inscreveram 160 tra­ balhos. Os vencedores foram conheci­ dos no dia 27 de julho, no MS Buffet, em Vitória. Aproximadamente 230 pro­f is­sio­nais compareceram à cerimônia de pre­mia­ ção, que serviu também para marcar a posse do novo presidente do Siges/ Abigraf-ES, João Batista Depizzol Neto. “Embora tenha apenas dois anos, a pre­ mia­ção já está consolidada como o mo­ mento de comemoração e confraterni­ zação dos pro­f is­sio­nais que ­atuam no segmento”, comentou Tullio Samorini, então presidente do Siges/Abigraf-ES. 

62 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010


Excelência gráfica nos estados

Nordeste

“A expectativa é de que na próxima edi­ ção tenhamos um número ain­da ­maior de trabalhos inscritos”. A  noi­t e foi muito es­p e­c ial para a Gráfica e Editora GSA , que conquis­ tou nove tro­féus, sendo a mais pre­mia­ da, repetindo o ano passado. Outras seis gráficas foram pre­mia­das, com 24 produtos vencedores. Rio Grande do Sul

Mais uma vez a Impresul e a So­cie­da­de Vicente Pallotti, ambas de Porto Alegre, foram as estrelas do Prêmio Gaú­cho de Excelência Gráfica. Cada uma conquis­ tou sete tro­féus. Destacou-se, em segui­ da, a Edelbra, de Erechim, com quatro tro­féus. Nesta sexta edição, 48 trabalhos e 22 gráficas foram pre­mia­dos, das ­quais cinco apareceram pela pri­mei­ra vez en­ tre as vencedoras e 10 estão localizadas no in­te­r ior do Estado. Dos 48 tro­féus, 17 foram para cida­ des do in­te­rior. A persistência marcou a trajetória da Contgraf, com sede na pe­ quena cidade de Eldorado do Sul. De­ pois de três anos consecutivos lutando

Rio de Janeiro

por um prêmio, ela venceu nas ca­te­go­ rias Jor­nais de Circulação não Diá­r ia e Revistas Pe­r ió­di­cas de Caráter Va­r ia­do com Recursos Gráficos Es­pe­ciais. “É um marco nesses 19 anos de atua­ção e uma satisfação dividir essa vitória com a nossa equipe”, assinala Mi­lei­ne Vargas, diretora in­dus­trial da Contgraf.

A cerimônia de pre­mia­ção ocupou a sede da Sogipa, em Porto Alegre, no dia 30 de julho, atrain­do cerca de 700 pes­ soas. No total, 467 peças, produzidas por 63 gráficas gaú­chas (20 concorrendo pela pri­mei­ra vez) participaram da seleção fi­ nal do júri. Em 2009, o concurso regis­ trou a inscrição de 647 peças, fei­tas por 52 gráficas. Além da pre­mia­ção para as gráficas, foram ho­me­na­gea­dos 11 forne­ cedores, entre fabricantes de insumos, prestadores de serviços e dis­tri­bui­do­res instalados no Rio Grande do Sul. Entre eles, a Hei­del­berg, que pelo sexto ano consecutivo é agra­cia­da como destaque em equipamentos de impressão. Para Carlos Evandro Alves da Silva, presidente da Abigraf-RS, promotora do evento, o grande desafio para o próximo ano será manter índices crescentes de participação e motivação do setor. “Esta­ mos mui­to con­fian­tes de que as peças pre­ mia­das nesta edição serão fortes candi­ datas à vitória no Prêmio Fernando Pini”. Nordeste

A segunda edição do Prêmio Nordes­ te de Excelência Gráfica José Cândido Cor­dei­ro registrou crescimento de 50% no número de inscrições. Em 2009, 284 produtos concorreram e, neste ano, 425 trabalhos candidataram-se ao troféu, con­fec­cio­na­dos por 47 gráficas. “É mui­ to gratificante constatar o crescimento

64 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010


do Prêmio Nordeste já neste segundo ano e motivo de emoção conhecer as ver­da­dei­ras obras de arte em forma de produtos gráficos, uma prova definitiva da força e da cria­ti­vi­da­de da indústria gráfica nordestina, capaz de produzir em volume e qualidade semelhantes às de­mais re­g iões do País”, diz Valdézio Fi­ guei­re­do, presidente do Sindusgraf e da Abigraf-PE. A festa de entrega aconteceu no dia 26 de agosto, quando cerca de 500 pes­soas estiveram presentes ao Centro de Convenções de Pernambuco. Das 47 gráficas participantes, 14 le­ varam tro­féus para casa, através de 35 produtos vencedores. Como no ano pas­ sado, a Gráfica Editora Flamar, de Per­ nambuco, foi a grande vencedora, com 12 prê­mios. Para Roberto Lei­te Ri­bei­ro, diretor presidente da Flamar, “a pre­ mia­ç ão é resultado do trabalho cons­ truí­do com o esforço co­ti­dia­no de toda a equipe e representa mais um elemen­ to motivador para seguirmos crescendo”. O diretor co­mer­cial, Flávio Ri­bei­ro, destaca a importância do prêmio como elemento im­pul­sio­na­dor das vendas e ne­gó­cios, enquanto o diretor in­dus­trial, Márcio Ri­bei­ro, diz que é um reconheci­ mento pela capacidade técnica, responsa­ bilidade e compromisso da empresa com a qualidade. “Estamos mui­to orgulhosos com o resultado dessa segunda edição, na qual inscrevemos produtos em 16 ca­ te­go­r ias, sendo pre­mia­dos em 12 delas.”

lidade, a cria­ti­vi­da­de e o compromisso da indústria gráfica do Rio de Ja­nei­ro”. Com 29 gráficas participando e 414 peças inscritas, o prêmio, em sua séti­ ma edição, consagrou 16 empresas por meio de 30 produtos, mais duas menções honrosas. No dia 27 de agosto, a mais pre­mia­da foi a Sol Gráfica, que ganhou seis prê­mios. A Arte Cria­ção levou qua­ tro tro­féus e a Holográfica foi pre­mia­ da três vezes. A cerimônia de entrega foi rea­li­za­da no Centro de Convenções

Alta Tecnologia em corte e vinco

A Spindler do Brasil está trazendo as mais modernas facas, contrachapas e cilindros de corte e vinco rotativo apresentadas desde a Drupa 2008 até os mais recentes desenvolvimentos mundiais. Insumos e matéria-prima de corte e vinco em geral como assistência técnica e serviços

Faca Duramar, feita com fibras especiais e conhecida pela sua durabilidade e resistência

Spindler do Brasil A MAIS ALTA TECNOLOGIA EM CORTE E VINCO E AUTOMATIZAÇÃO GRUPO NEUMA LASER SRL

Blade 300/400

semisealed Faca Marbaplex, Únicacom máquina no mundo feita madeira com sistema de especial selada laser semi-fechado fluxo rápido resistente de à umidade E com um preço imbatível! e altas temperaturas

Rio de Janeiro

Para Carlos Augusto Di Gior­g io Sobri­ nho, presidente do Sistema Sigraf, Abi­ graf-RJ e Fundação Gutenberg, o Prêmio de Excelência Gráfica Werner Klatt re­ presenta o co­roa­men­to do trabalho que as empresas gráficas fluminense vêm rea­li­zan­do. “Mui­to mais do que uma pre­ mia­ção, é um estímulo contínuo do setor na busca pela excelência gráfica. Apesar de novo, o prêmio já conquistou credi­ bilidade e maturidade e rompeu as bar­ rei­ras na­cio­nais: este ano, peças vence­ doras da edição de 2009 foram expostas na Fei­ra In­ter­na­cio­nal de Milão, o mais importante evento mun­dial de design. O Prêmio Werner Klatt comprova a qua­

da Firjan, que recebeu 230 pes­soas para o evento. Em 2009, 37 empresas dispu­ taram o certame, com 441 trabalhos. A festa fez parte do encerramento do GrafRio 2010 – Semana Gráfica, que aconteceu de 23 a 26 de agosto também no Centro de Convenções da Firjan. A programação do evento in­cluiu o 11º Ciclograf – Ciclo de Palestras Gráficas e a 3ª Rodada de Ne­gó­cios do Setor Gráfi­ co, com ­apoio do Sebrae/RJ e da Secre­ taria Es­ta­dual de Desenvolvimento. 

Máquinas de corte a laser:

Cutlite Penta

Máquinas automáticas e manuais de corte e dobra de aço:

Segundo maior fabricante mundial de máquinas laser

Software de gerenciamento:

Tecnologia completa em cilindros de corte e vinco rotativo

Plotter para desenvolvimento e corte em geral:

• Para corte laser • Pertinax • Desenvolvimento de mostras • Biblioteca FEFCO, ECMA e CLICLOCK • Atualização tecnológica diretamente da Marbach Alemanha

A solução completa Contrachapa de para sua empresa: aço temperado para implantamos tecnologia ser usada com as facas aos seus equipamentos. Albert Spindler é diretor Analista em Novas Duramar e Marbaplex Tecnologias no setor geral de Embalagens para a América do Sul.

A Spindler conta com equipe local para prestar assessoria técnica adequada ao perfil de sua empresa

TECNOLOGIA E SUPRIMENTOS PARA FACAS DE CORTE E VINCO

Av. São Gabriel, 201 Conjunto 1202 São Paulo SP 01435-001 Av. São Gabriel, 201 ConjuntoFone1202 São fax Paulo SP 01435-001 (11) 3704.7332 (11) 3704.6210 lasercomb@hipernet.com.br Fone (11) 3704.7332 fax (11) 3704.6210 lasercomb@hipernetelecom.com.br

65 SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF


Excelência gráfica nos estados

Vencedores dos prêmios regionais de excelência gráfica 2 prêmios: Gráfica Amaral, Halt Gráfica, Rede Editora ◆ 1 prêmio: Editora Orion, Formato, Gráfica Brasil, Gráfica 3 Pinti, Imprimaset, Label Artes Gráficas, O Lutador, Primacor, Todi Ind. de Embalagens, VP Impressos Fornecedores: Heidelberg, IBF, Light Fotolito, Marprint, Muller Martini, Plastific, SPP‑Nemo, Sun Chemical, Suzano ◆

11º Prêmio de Excelência Gráfica Jorge Salim – DF Gráficas Premiadas: 7 prêmios: Athalaia, Gráfica e Ed. Positiva ◆ 4 prêmios: Cidade Gráfica ◆ 2 prêmios: GH Com. Gráfica, Ideal, Qualidade, Teixeira Gráfica ◆ 1 prêmio: Alpha, Charbel, CTIS Tecnologia, Fórmula Gráfica, Querubins, Santa Clara Fornecedores Premiados: Agfa, Bottcher, DF Papéis, Goethe, Heidelberg, Hostman, Photo Image, Votorantim

Prêmio Padre José de Anchieta de Excelência Gráfica – ES Gráficas Premiadas: 9 prêmios: Gráfica e Editora GSA ◆ 6 prêmios: Grafitusa ◆ 3 prêmios: Gráfica e Editora Jep ◆ 2 prêmios: Gráfica Melotti, Scribo ◆ 1 prêmio: Gráfica e Ed. Formar, Gráfica Espírito Santo Fornecedores Premiados: KSR, Record Print, Sistema Findes

66

6º Prêmio Mineiro de Excelência Gráfica Cícero – MG Gráficas Premiadas: 6 prêmios: Bigráfica, Rona, Tamóios ◆ 4 prêmios: Gráfica e Editora 101 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

2º Prêmio Nordeste de Excelência Gráfica José Cândido Cordeiro Gráficas Premiadas: 12 prêmios: Flamar ◆ 6 prêmios: MXM Gráfica ◆ 3 prêmios: LCR ◆ 2 prêmios: CCS, IGB, Qualygraf ◆ 1 prêmio: A Única, Diário de Pernambuco, Info Graphics, J. Luiz Vasconcelos, Jaraguá, Kroma Gráfica, Nuck Gráfica, Santa Bárbara Fornecedores homenageados: Agfa, Epson, Heidelberg (2), IBF, Sun Chemical, Suzano

8º Prêmio Paranaense de Excelência Gráfica Oscar Schrappe Sobrinho – PR Gráficas Premiadas: 8 prêmios: Posigraf ◆ 5 prêmios: Comunicare ◆ 4 prêmios: Corgraf ◆ 3 prêmios: Serzegraf, Kingraf ◆ 2 prêmios: Alpha, Exklusiva, Gráfica Ipê, Hellograf, Midiograf, Ótima ◆ 1 prêmio: Delta, Editare, Estética, Fotolitos DP, Grafset, Gráfica Nova Fátima, Imagem Brasil, Ind. Gráfica Serena, J Bortoto,

Lisegraff, Magistral, Maxi Gráfica, Nova Gráfica, Visare Fornecedores premiados: Agfa (3), Epson, Heidelberg (2), Müller Martini, Quimagraf, Rio Branco Papéis, Sun Chemical, Suzano

7º Prêmio Werner Klatt Excelência Gráfica – RJ Gráficas Premiadas: 6 prêmios: Sol Gráfica ◆ 4 prêmios: Arte Criação ◆ 3 prêmios: Davanzzo, Holográfica ◆ 2 prêmios: Casa da Moeda, Ediouro, Markgraph, Prosign ◆ 1 prêmio: Colorset, Fascination Gráfica, GM Minister, Imos Gráfica, MasterPrint, Onida, Reciclar, Santa Cruz

6º Prêmio Gaúcho de Excelência Gráfica – RS Gráficas Premiadas: 7 prêmios: Impresul, Sociedade Vicente Pallotti ◆ 4 prêmios: Edelbra ◆ 3 prêmios: ANS Fotolitos, Cartonagem Hega ◆ 2 prêmios: Algo Mais, Box Print, Contgraf, Demográfica, Elemento Design, Grafdil, V S Digital ◆ 1 prêmio: Automação, Cia. Jornalística J.C. Jarros, Garten Sul, Grafiset, Gráfica e Ed. Com. Impressa, Hotprint, Lupatini, Martigraf, Print Paper, Tekne Fornecedores homenageados: Agfa, Cromos, Heidelberg, Imagem Sul, Kodak (2), Müller Martini, Presgraf, SPP‑Nemo, Suzano, VS Digital


ano XX  Nº 78  setembro/2010

Texto: Tânia Galluzzi

EGB busca novos mercados

Fundada pelos irmãos Bernardi, a gráfica completou 10 anos nas novas instalações em Guarulhos, planejando crescer no segmento editorial


anos), ex­ce­tuan­do uma impressora monocolor da década de 1970, considerada a mascote da gráfica. Tudo chei­ra a novo, principalmente as impressoras oito cores com reversão que começaram a rodar neste ano de aniversário. As instalações foram inauguradas há sete meses. Os só­cios da empresa, os irmãos Zulmiro, Nestor, Jardelino e Ari Bernardi, investiram cerca de R$ 20 mi­lhões na construção da sede própria e na am­plia­ção da capacidade produtiva, tanto na pré-​­impressão e impressão quanto no acabamento. Hoje, a EGB pode converter aproximadamente 600 toneladas de papel por mês. A  fábrica conta com sistema de abastecimento de tinta e de captação de aparas direto das máquinas, visando à sustentabilidade e atendendo a todos os requisitos da certificação FSC, da qual é detentora.

Fotos: Roberto Loffel

Família de gráficos A gráfica é recente, mas os quatro irmãos sempre trabalharam no setor, começando mui­to jovens. Nascidos em Ca­xias do Sul, no Rio Grande do Sul, vie­ram para São Pau­lo na adolescência como seminaristas para estudar na Pia So­cie­da­de de São Pau­ lo. Em função das atividades da Pia, da qual faz parte a Editora Pau­lus, aproximaram-​­se

A gráfica é comandada pelos irmãos Bernardi E/D: atrás, Nestor e Ari; à frente, Jardelino e Zulmiro.

O

prédio im­pres­sio­na, sobretudo quando se descobre que a empresa está em atividade há apenas 10 anos. Localizado próximo à Via Dutra, em Gua­ru­lhos, re­gião metropolitana de São Pau­lo, o parque gráfico da EGB, Editora Gráfica Bernardi, ocupa uma área de 11.500 m², sendo 9.500 m² cons­truí­dos. Por lá trabalham 120 pro­f is­sio­nais, dos ­quais 80% dedicam-​ ­se à produção, operando máquinas modernas (o equipamento mais antigo tem oito


do ramo gráfico e cons­truí­ram suas car­rei­ ras na área, atuan­do em empresas como as editoras Loyola e Parma. Em 2000, os irmãos Bernardi alugaram uma área de 1.000 m² perto do Shopping In­ter­na­cio­nal de Gua­ru­lhos e lá instalaram uma impressora bicolor 1/2 folha. Alguns clien­tes já atendidos por eles os acompanharam e apostaram na sua se­rie­da­de e capacidade. No  dia 1º- de agosto de 2000 a EGB começou a produzir livros e revistas. Com a expansão dos ne­gó­cios, ­­áreas la­te­ rais foram sendo anexadas, até a decisão por um novo espaço.


PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS Pré – Impressão OO CtP Luxer, 2004 – 10 chapas p/h OO CtP SupraSet 105, 2009 – 20 chapas p/h OO 3 Processadoras de chapa OO 2 Prensas para gravação de chapa

convencional

Impressão OO 2 Impressoras Komori, 8 cores,

72 × 102 cm, 2009, 15.000 giros/h OO Komori, 4 cores, 72 × 103 cm, 2005,

16.000 giros/h OO Komori, 4 cores, 52 × 72 cm, 2003,

máximo de transparência”. Os investimentos têm sido altos, porém os só­cios afirmam estar com os pés no chão. Nesses 10 anos, a EGB cresceu produzindo livros didáticos e paradidáticos, que compõem 95% de sua produção, com tiragens mé­dias entre 3.000 e 5.000 exemplares. Investindo em tecnologia de ponta, a EGB pretende expandir sua atua­ção na confecção de revistas e catálogos. Para isso, a equipe co­mer­cial está sendo rees­tru­tu­ra­da. Já se pensa, também, em impressão digital, porém nada ime­dia­to. Está previsto um crescimento de 40 a 50% no faturamento da gráfica em 2010.

15.000 giros/h OO Heidelberg Speedmaster CD, 2 cores,

72 × 102 cm, 2007, 13.000 giros/h OO Heidelberg Sord, 1 cor, 64 × 92 cm, 1970,

8.000 giros/h

Acabamento OO Costura Áster 180, 2009, 180 pontos

p/minuto OO Costura Ventura, 2008, 200 pontos

p/minuto OO Encapadeira / alceadeira / trilateral Acoro

Müller Martini, 2009, 6.000 p/h, 24 gavetas OO Encapadeira / alceadeira Müller Martini

Tigra, 2006, 3.500 p/h, 16 gavetas OO Dobradeira MBO Rotary, 2007, 40.000 p/h OO Dobradeira Guk Rotary, 2004, 30.000 p/h OO Dobradeira Ulderigo I, 2002, 10.000 p/h OO 2 Dobradeiras Stahl, 2009, 40.000 p/h OO Trilateral automática, 2003, 5.000 p/h OO Guilhotina Perfecta, 2004, 115 boca OO 2 Guilhotinas Perfecta, 2009, 135 boca OO Guilhotina Polar, 2007, 115 boca

Zulmiro credita o crescimento da EGB à habilidade da equipe em lidar com os clien­tes. “Usamos a ex­pe­riên­cia adquirida no trato com o mercado para nor­tear nossas ações. Conhecemos as necessidades dos clien­tes e procuramos trabalhar com o

OO Grampeadeira Müller Martini, 1996,

8 gavetas

Rua Antônio Rodrigues Filho, 198 (Cumbica) 07170‑325 Guarulhos SP Fone/Fax (11) 2431‑5577 www.egb.com.br

OO Grampeadeira Miruna, 1998, manual OO 2 Empilhadeiras, capacidade 2.500 kg OO 2 Perfuramax para espiral, 2009, 500 p/h OO Raultech Shrink, 2002, 2.000 pacotes p/h


VO C Ê S A B E O QUE ACONTECE CA DA V E Z QU E U M L I V RO, UM CADERNO, UMA EMBALAGEM, UMA REVISTA OU UM FOLHETO

É IMPRESSO?


Imagem de eucalipto


U M A N O VA Á R V O R E

D A E D U C A Ç Ã O, D A I N F O R M A Ç Ã O, E DA DEMOCRACIA

É P L A N TA D A. A cadeia produtiva do papel e da comunicação impressa inicia uma campanha de informação sobre o que produz para a sociedade. Vêm esclarecer dúvidas e, principalmente, trazer à luz da verdade algumas questões ligadas à sustentabilidade. A principal delas é deixar claro que, as árvores destinadas à produção de papel provêm de florestas plantadas, e que essas são culturas, lavouras, plantações como qualquer outra. Somos uma indústria alinhada com a ecologia e a natureza, ou seja, as nossas impressões são extremamente conscientes porque utilizamos processos cada vez mais limpos. E, mesmo assim, buscamos todos os dias novas tecnologias de produção que respeitem ainda mais o equilíbrio do meio ambiente. Somos uma indústria que traz prosperidade para o País e benefícios para todos os brasileiros. Temos imenso orgulho de saber que cada vez que imprimimos um caderno, um livro, uma revista, um material promocional ou uma embalagem, estamos levando conhecimento, informação, democracia e educação a todos. Imprimir é dar veracidade, tornar palpável. Imprimir é assumir compromisso. Imprimir é dar valor. Principalmente à natureza.

IMPRIMIR É DAR VIDA.

ENTIDADES PARTICIPANTES: ABAP, ABEMD, ABIEA, ABIGRAF, ABIMAQ, ABITIM, ABRAFORM, ABRELIVROS, ABRO, ABPO, ABTCP, ABTG, AFEIGRAF, ANATEC, ANAVE, ANDIPA, ANER, ANL, BRACELPA, CBL, FIESP E SBS. CAMPANHA DE VALORIZAÇÃO DO PAPEL E DA COMUNICAÇÃO IMPRESSA.

A c e s s e e s a i b a m a i s : w w w. i m p r i m i re d a r v i d a . o r g . b r


Fotos: Felipe Ramalho / Haluz Photo Studio

Trindade

(E/D) Marco Aurélio Lima Trindade, gerente de produção, e Felipe Lima Trindade, gerente comercial

Um elo de qualidade entre promocional e editorial Consolidada no ramo promocional, a Gráfica Trindade completa 34 anos, moderniza-se continuamente e amplia sua participação no segmento editorial. Tainá Ianone

Murilo Lima Trindade e sua filha Tatiana (executiva)

74

E

m junho de 1976, no bair­ro Cidade Bai­xa, em Porto Alegre (RS), a Trindade Indústria Gráfica deu início à produção de seus pri­mei­ros impressos tipográficos, com apenas duas máquinas e o trabalho de quatro fun­cio­ná­rios. Gradativamente a empresa fortaleceu-se como marca de referência em trabalhos gráficos para o segmento pro­mo­cio­nal. Apenas cinco anos de­pois de fundada, suas instalações, em um prédio alugado, foram subs­ti­tuí­das pela sede própria, no mesmo local em que está si­tua­ da até hoje. Com 2.800 metros quadrados de área cons­truí­da e 60 fun­cio­ná­r ios, a empresa é administrada por Murilo Lima Trindade, seus filhos Felipe Lima Trindade (gerência co­mer­cial), Ta­tia­na Lima Trindade (executiva) e seu irmão Marco Aurélio Lima Trindade (gerência de produção). A Trindade tem no comprometimento com os clien­tes o m ­ aior trunfo para sua consolidação no mercado, de acordo com Murilo. “Embora a competitividade no mercado gráfico gaú­cho seja bastante forte, a tradição do nome da empresa, alia­da a um firme

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

po­si­cio­na­men­to da área co­mer­cial, tem con­ tri­buí­do para vencermos a concorrência”. Tra­d i­cio­nal fornecedora de impressão para o segmento pro­mo­cio­nal, a Trindade mantém atendimento es­pe­cia­li­za­do para as agên­cias, orien­tan­do-as em relação aos aspectos técnicos envolvidos na elaboração do produto gráfico. “Prestamos assessoria para as agên­cias de propaganda e produzimos protótipos dos projetos para demonstração aos clien­tes. Analisamos antes desde os tipos de pa­péis até os even­tuais problemas de uso, resistência e fun­cio­na­li­da­de que a cria­ção não tenha previsto”. Livros de arte e eleições

Nos últimos anos a empresa vem am­plian­do e incrementando a participação no segmento edi­to­r ial, que antes representava uma pequena parcela dos ne­gó­cios. São produzidas revistas e principalmente catálogos e livros de arte. “São impressos de grande valor agregado, com mui­tas imagens em alta resolução, o que é exigido nas reproduções de obras de arte. Hoje as prin­ci­pais ga­le­r ias


de arte são nossos clien­tes”, revela Murilo. Se no pro­mo­cio­nal a empresa abrange uma vasta gama de clien­tes, a ex­pe­r iên­cia acumulada com os ma­te­r iais fei­tos para o edi­ to­r ial certamente vem sendo transferida para a confecção de catálogos mais elaborados, para lançamentos imo­bi­liá­r ios de alto padrão, por exemplo. Pri­mei­ra empresa em seu segmento a conquistar a certificação de qualidade ISO 9002, e igualmente pio­nei­ra ao implantar o sistema computer-to-​­plate no Rio Grande do Sul em 2001, a Trindade segue trajetória de

modernização tecnológica constante. Somente no último ano foram investidos cerca de R$ 3 mi­lhões em equipamentos, mas aderir ao digital ain­da não está nos planos — até mesmo por conta do tempo de maturação necessário às recentes aquisições. Murilo, porém, enxerga que alguns recursos pro­por­ cio­na­dos por este sistema, como a personalização, estão em crescimento, ain­da mais em seu nicho de atua­ção. “Ainda não temos uma grande demanda de impressão de dados va­r iá­veis, mas será, futuramente, um ­apoio importante ao offset, talvez a partir do segundo semestre de 2011”. Recentemente, o parque gráfico recebeu o reforço de uma impressora offset Hei­ del­berg XL 75‑4+L‑C e uma encadernadora de livros Hei­del­berg Eurobind cola PUR , além de um incremento no setor de pré-​ ­i mpressão. Os  investimentos foram fun­ da­men­tais para dei­xar bem longe os reflexos da recente crise econômica mun­d ial. “O momento coin­ci­diu com a chegada dos equipamentos e, com isso, acabamos conquistando ou­tras ­­áreas de ne­gó­cios que não fa­ziam parte da nossa car­tei­ra”. Um desses novos nichos veio com as elei­ ções na­cio­nais. Neste ano, pela pri­mei­ra vez, a Trindade executou um trabalho mais forte para os candidatos, o que permitiu considerável movimentação positiva nos orçamentos. O resultado — de inovações tecnológicas e novos ne­gó­cios — está expresso na expectativa de um crescimento de 35% neste ano, na comparação com 2009.

& TRINDADE INDÚSTRIA GRÁFICA Tel. (51) 3341.2077 www.graficatrindade.com.br

SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

75


Abraform tem nova diretoria Acima (E/D): Ernesto Odilon Simões, Pedro Henrique Ismael Bonilha, Manolo Hermida (representando Luis Fernando Borri), Rene Naves, José Paulo Rimoli, Luís Carlos Gouveia, José Eduardo Ferrari, Marcos Mazzetti, Vladimir Aparecido Casa Grandi, Itamar Pezani Jeronymo, José Luiz Souza, Miguel Aguero e José Eduardo de Assis Cassetari. Abaixo (E/D): Roberto Llanos de Avila, Antonio Leopoldo Curi, Thiago Fábio Pereira, Alceu Malucelli Júnior, João Luiz Junqueira Caires, Gelson Tomita, Sergei da Cunha Lima e José Arthur de Paula. Ausentes na foto, Caurê Leite Simões Cerri e Cláudio Marcos Carneiro Barbosa

Miguel Aguero assume pela primeira vez a presidência da associação, comandando a diretoria eleita para o triênio 2010/2013.

N

76

a tarde de 4 de agosto tomou posse a nova diretoria da As­so­ cia­ç ão Bra­si­lei­ra da Indústria de For­mu­lá­r ios, Documentos e Ge­ren­ cia­men­t o de Informação (Abraform). O evento, rea­li­za­do no au­di­tó­r io da Es­ cola Senai Theo­bal­do De Nigris, no bair­ ro da Moo­ca, em São Pau­lo, contou com a presença de 140 pes­soas, entre as­so­ cia­dos, convidados e representantes de ou­tras entidades. A nova diretoria, presidida por Mi­ guel Aguero, foi elei­ta em 22 de junho. Os diretores permanecerão na coor­de­ na­ção das atividades da as­so­cia­ção por três anos (2010–2013). Entre as metas para a sua gestão, Miguel cita a preo­cu­ pa­ção e as ações desenvolvidas tendo em vista o presente e o futuro. Como atividades ime­dia­tas, a Abra­ form lançou, em agosto, um driver para a impressão de Danfe em for­mu­lá­r ios con­tí­nuos nos equipamentos ma­tri­ciais já existentes no mercado. “É um gran­ de desafio, porque a Abraform desen­ volveu a plataforma e disponibilizará o con­teú­do gra­t ui­t a­men­te”, revela Mi­ guel. O sistema estará disponível no site da as­so­cia­ção (www.abraform.org.br) e pode ser facilmente instalado. O presi­ dente ain­da informa que será disponibi­ REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

lizada manutenção do driver a todos os as­so­cia­dos, também sem custos. Com o pensamento voltado para o futuro, Miguel anuncia que estão sen­ do desenvolvidas algumas ações re­la­cio­ na­das às etiquetas inteligentes RFID e, em termos de fortalecimento do setor, busca-​­se a aproximação com ou­tras as­ so­cia­ções, em es­pe­cial as que represen­ tam empresas do setor de tecnologia. Uma das mais novas par­cei­ras é a As­ sespro (As­so­cia­ção das Empresas Bra­ si­lei­ras de Tecnologia da Informação, Soft­ware e Internet). Miguel Aguero, formado em admi­ nistração de empresas pela Faculdade Senador Fláquer e em contabilidade pelo Instituto de Ensino Barão do Rio Bran­ co, ini­ciou sua car­rei­ra na indústria grá­ fica em 1968. Seu trabalho na Abraform começou em 2001, ocupando o cargo de diretor fi­nan­cei­ro.

Miguel Aguero, novo presidente da Abraform

Diretoria Abraform Gestão 2010 / 2013 Diretoria Executiva Presidente: Miguel Aguero (IGF Indústria Gráfica e Editora) 1º vice‑presidente: José Luiz Souza (PC Print Informática) 2º vice‑presidente: Itamar Pezani Jeronymo (Center Form’s Indústria e Comércio) Diretor administrativo: José Arthur de Paula (Formatho Impressos) Diretor administrativo adjunto: Gelson Tomita (Contiplan Indústria Gráfica) Diretor financeiro: João Luiz Junqueira Caires (Avaron Informática) Diretor financeiro adjunto: Vladimir Aparecido Casa Grandi (Casagrande Formulários Contínuos) Diretoria Alceu Malucelli Júnior (Gráfica Ipê), Caurê Leite Simões Cerri (Cauta Formulários), Cláudio Marcos Carneiro Barbosa (Thomas Greg & Sons), José Eduardo de Assis Cassetari (Tiliform Informática), José Eduardo Ferrari (Gráfica Ferrari), José Paulo Rimoli (Rimoli & Cia), Luís Carlos Gouveia (SPP Agaprint Industrial Comercial), Luis Fernando Borri (Intergraf Indústria Gráfica), Marcos Mazzetti (Genoa Informática), Pedro Henrique Ismael Bonilha (Albert Gráfica), Rene Naves (Supriforms Indústria Gráfica), Sergei da Cunha Lima (Gráfica e Editora Lima) e Thiago Fábio Pereira (Jelprint Formulários). Conselho Fiscal Antonio Leopoldo Curi (Ibitirama Formulários), Ernesto Odilon Simões (Arjo Wiggins) e Roberto Llanos de Avila (Formprint Indústria de Formulários Contínuos).


ESTA VOCÊ NÃO PODE PERDER ! Edição histórica

Em novembro circulará a edição nº 250, comemorativa dos 35 anos da revista-símbolo da indústria gráfica brasileira, com matérias especiais sobre os setores editorial, de embalagens e promocional.

Reserve já o seu espaço REVISTA

Reservas até: 29 de outubro Arquivo digital até 4 de novembro Circulação: 23 de novembro

ARTE & INDÚSTRIA GRÁFICA

(11) 3159.3010

gramani@uol.com.br

Tiragem: 14.000

(2.000 exemplares serão distribuídos na festa do 20º Prêmio Brasileiro de Excelência Gráfica Fernando Pini)


Bolachas de chopp,

sinônimo de Wäsche

Máquinas exclusivas e materiais especiais são diferenciais na liderança da catarinense Gráfica Wäsche em seu principal segmento de atuação. Ada Caperuto

78

P

ara quem não é do ramo, a impressão de uma bolacha daquelas que colocamos sob o copo de chopp pode parecer mui­to simples. Não é. Basta pensar na natureza da matéria-​­prima e em sua finalidade. Pa­péis e líquidos, definitivamente, não são os melhores amigos. Por isso mesmo uma bolacha de chopp pode durar uma única vez ou ser utilizada como ­apoio para até 20 copos em sequência. A resistência depende do ma­te­r ial em que é con­fec­ cio­na­da, da ma­nei­ra como é impressa e até mesmo do modo de uso. As duas pri­mei­ras partes — a matéria-​ ­prima e a impressão — são uma es­pe­cia­li­da­ de da Wäsche, fundada em Blumenau (SC), em 1991, por Tadeu Barsotti e sua esposa, Sandra Barsotti. Das máquinas, no começo, saía um volume mui­to mais representativo de embalagens em grandes formatos, impressas em papel-​­cartão. Há quatorze anos, um clien­te mudou completamente a história da gráfica: uma cervejaria encomendou uma

tiragem alta de bolachas de chopp. O pedido foi atendido com tal qualidade que ou­tros clien­tes começaram a chegar. Assim, a Wäsche se tornou o ­maior fornecedor deste item em todo o País, com 90% do mercado. Máquinas patenteadas

A grande dificuldade de imprimir bolachas de chopp está em encontrar equipamentos robustos o su­f i­cien­te para suportar o pesado trabalho de rodar a matéria-​­prima com até 2,5 milímetros de espessura. Por isso mesmo, a manutenção das máquinas é mui­to mais frequente do que a das utilizadas para ou­tros fins. ­Matheus Barsotti, filho de Tadeu e diretor co­mer­cial da Wäsche, explica que eles já experimentaram diversos tipos de matéria-​­prima, mas que o melhor é mesmo o papelão de massa única, para evitar problemas de empastamento, delaminação ou envergamento. Os  resultados vie­ram, em boa parte, graças ao bom re­la­cio­na­men­to que Tadeu

Tadeu Barsotti (sentado) e o filho Matheus. Unidos no comando de um negócio que detém 90% do seu mercado

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010


mantém com os fornecedores — de papel e de máquinas —, que desenvolvem os dois itens em parceria com a Wäsche, tudo devidamente pa­ten­tea­do. No que diz respeito à gestão, ­Matheus aplicou seus conhecimentos para elaborar um fluxo de trabalho e um mapa de custos detalhado. “Levei uns dois anos para fazer tudo fun­cio­nar per­fei­ ta­men­te. A qualidade au­men­tou e a produção ficou li­nea­r i­za­da, mas quero enxugar e au­to­ma­ti­zar cada vez mais”, diz ele. As bolachas da Wäsche ganharam fama e invadiram não apenas o mercado bra­si­lei­ro, como também a América Latina. As tiragens oscilam mui­to, de milhões de unidades até as mínimas, cerca de mil. ­Matheus fica responsável por estes clien­tes de mé­dias e pequenas tiragens. “A tendência é de tiragens cada vez menores e nós representamos uma opção para este pequeno clien­te que deseja um ma­te­r ial de qualidade”. Projetos especiais

A limitação de recursos nos pri­mei­ros anos de sua empresa fez Tadeu Barsotti pegar gosto por “resolver problemas”, nas palavras de seu filho. Os problemas, so­lu­cio­na­dos, viraram projetos es­pe­ciais para clien­tes. A maio­ ria foge do padrão e, mui­tas vezes, até do escopo de trabalho de uma gráfica. Em geral, são agên­cias que desejam desenvolver toda a sinalização e programação vi­sual de uma marca, bar ou casa noturna. A va­r ie­da­de de produtos implica o uso de ma­te­r iais diversificados e métodos de impressão híbridos. Com novos ne­gó­cios em fase de concretização, a Wäsche acaba de con­cluir uma am­ plia­ção no parque gráfico para instalar um setor de serigrafia. Os planos para 2011 in­ cluem colocar em fun­cio­na­men­to a produção em sistema digital e serigráfico para atender os projetos es­pe­ciais e, claro, o novo produto, cuja implantação está em andamento.

A “culpa” é da Revista Abigraf e não da tradição bra­si­lei­ra de gráficas fa­m i­lia­res. Ainda garoto, ­Matheus puxou uma edição da pilha de revistas na recepção da empresa de seu pai. A figura de um personagem de desenho animado, em um anúncio, despertou-​­o para a lei­tu­ra, mas ele já trazia a bagagem adquirida nas visitas aos fornecedores, ao lado de Tadeu. A tinta entrou no sangue e não teve jei­to! Da faculdade, ­Matheus trou­xe mais do que conhecimento: veio junto a cons­ciên­cia de que o negócio gráfico precisa de gestão pro­f is­sio­nal. E de ­apoio também. Acabou convencendo o pai a se as­so­cia­ rem à Abigraf. De volta à terra natal, o jovem gráfico juntou o que aprendeu à profunda ex­pe­r iên­cia de Tadeu. “Desde pequeno ouvi meu pai dizer que eu poderia escolher qualquer profissão, mas que teria que ser o melhor, o mais ético naquilo que escolhesse. Não me vejo trabalhando sem ele. É uma equipe, uma ­união mui­to grande, e meu pai é quem passa essa segurança para todos”. & WÄSCHE INDÚSTRIA E COMÉRCIO Tel. (47) 3340.6006 www.graficawasche.com.br

Tinta no sangue

Formado no curso técnico de Pré-​­Impressão e no su­pe­r ior de Tecnologia Gráfica, ambos pela Escola Senai Theo­bal­do De Nigris, ­Matheus tem apenas 23 anos, mas já descobriu que, “se a tinta entra no sangue, não sai mais”. Ele poderia ter sido um nu­ tri­cio­nis­t a ou um músico de sucesso — e esta última opção passou mui­tís­si­mo perto. Escolheu ser gráfico.

79 SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF


Novo biênio na Abiea

F

80

oi empossada em 31 de agosto a nova diretoria da As­s o­c ia­ç ão Bra­s i­lei­ra das In­dús­t rias de Etiquetas Adesi­ vas (­Abiea), elei­ta no dia 12 do mesmo mês para o biê­nio 2010–2012 e presidida por Eduar­do Quar­tim Chede, diretor co­ mer­cial da Art Print Color Adesivos e da Marte Rótulos e Etiquetas Adesivas. Após quatro gestões alternadas, Eduar­do retorna à presidência da as­so­ cia­ção que ajudou a fundar há 24 anos. “Assumo essa quinta no­mea­ç ão bus­ cando am­pliar nossa representação no setor”, declara. Comunicação, cursos, eventos, in­ter­na­cio­na­li­za­ção e ins­ti­tu­ cio­na­li­za­ção são os cinco prin­ci­pais pi­ lares desta diretoria. A revista e o site da entidade serão modernizados para aper­ fei­çoar o canal de comunicação direto com os as­so­cia­dos. O programa de apri­ moramento em­pre­sa­r ial, que inclui os cursos, será dividido em duas vertentes. “Para o con­teú­do técnico, procuraremos uma parceria com o Senai e, para aque­ les re­la­cio­na­dos à gestão, buscaremos ­apoio do Sebrae”, diz o presidente. Do projeto de in­ter­n a­cio­n a­l i­za­ç ão faz parte a presença da ­Abiea no Label 8, grupo in­ter­na­cio­nal formado pelas prin­ci­pais entidades do mercado de au­ toa­de­si­vos do mundo. Nas ações volta­ das à ins­ti­tu­cio­na­li­za­ção, o presidente almeja elevar o corpo as­so­cia­ti­vo — ten­ do em vista o crescimento do número de empresas de etiquetas adesivas nos últi­ mos anos — e desenvolver atividades em conjunto com os fornecedores. “Temos um trabalho mui­to inten­ so a ser fei­to em nossa ca­deia produti­ va, a fim de fortalecermos o segmento”. Eduar­do revela que esta será uma ges­ tão dedicada a valorizar os fornecedores REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

e convertedores de produtos e da ca­deia de adesivos como um todo. Abiea no Label 8

Em dezembro de 2009, durante a Label­ Expo Asia, a Finat (Federação In­ter­na­ cio­nal dos Fabricantes e Transforma­ dores de Adesivos e de Termocolantes) ofi­cia­li­zou a cria­ção do grupo Label 7, responsável pelo desenvolvimento de ações em favor do meio am­b ien­t e e da sustentabilidade nas empresas de rótulos e etiquetas adesivas. A ini­cia­ti­va, recentemente transfor­ mada no Label 8, reú­ne as oito prin­ci­ pais entidades do setor nos cinco conti­ nentes. As entidades uniram-​­se com o objetivo de estudar as melhores alter­ nativas para o segmento e manter seu crescimento sem dei­xar de atender aos cri­té­r ios de sustentabilidade. Representando a América do Sul, a ­Abiea foi convidada a fazer parte do L8 há três meses. O Brasil passa a inte­ grar o grupo já formado por entidades da Austrália, China, Europa, Índia, Ja­ pão, Nova Zelândia e América do Nor­ te. Estima-​­se que esses lo­cais, juntos, representam cerca de 70% da produção global de etiquetas au­toa­de­si­vas. Se­d ia­d a na Holanda, a Finat orga­ niza reu­niões pe­r ió­di­cas nas q ­ uais são discutidas técnicas de produção, ­ideias e soluções para enriquecer o panorama do setor. O L8 também deseja ­apoiar as medidas colocadas em prática pela in­ dústria para reduzir o impacto am­bien­ tal e estimular o uso de ma­te­riais e pro­ cessos de produção mais sus­ten­tá­veis. A reu­nião de apresentação da ­Abiea como integrante do L8 aconteceu duran­ te a LabelExpo Americas, em Chicago

Foto: Alair Barbosa

Eduar­do Quar­tim Chede, novo presidente da Abiea

Associação empossa diretoria e comemora inserção no grupo Label 8, da Finat, como representante da América do Sul.

(EUA), de 14 a 16 de setembro. “É imen­ surável o orgulho de fazermos parte des­ se grupo tão seleto e termos a respon­ sabilidade de representar a América do Sul”, diz Eduar­do Chede. Diretoria Abiea Gestão 2010 / 2012 Diretoria Presidente: Eduardo Quartim Chede (Art Print Color Adesivos). 1º vice‑presidente: Sérgio Botteselli Valério (Visionflex Soluções Gráficas). 2º vice‑presidente: Fernando A. Martins (Premium Flex Papéis). 3º vice‑presidente: Rubens A. Lage (Ready do Brasil Indústria e Comércio). 4º vice‑presidente: Andréa Bayer Vieira (Herrbaier Indústria e Comércio Etiquetas). 1º secretário: Vanderlei Scalli (CCD Etiquetas e Rótulos Indústria e Comércio). 2º secretário: Fabiano Giordani (Goldlabel Etiquetas). 1º tesoureiro: Francisco Sanches (Adesão Etiquetas e Rótulos Adesivos). 2º tesoureiro: Marcos Tomita (Contiplan Indústria Gráfica) Diretores Suplentes José Carlos Drager (Multilabel do Brasil), Antônio Paulo Sanches de Andrade (Grafcola Etiquetas Adesivas), Valéria S.F. Piedade (DRW Distribuidora de Produtos Gráficos), Carlos Alberto de Barros (Inferteq Indústria e Comércio de Etiquetas), Laércio Strange Warmeling (Flexoprint Etiquetas), Luiz Alfredo Mayer (Etima Etiquetas), Dionísio Marianelli (Scribo Formulários), Luis Felipe Glufke (Indusgraf Indústria Comércio Serviços Gráficos), Adhemur Pilar Filho (Apiflex Indústria e Comércio) Conselho Fiscal Marco César Cabrini (Saint Paul Indústria e Comércio); Derli de Araujo Krassuski (Master Print Impressos); Francisco E. Quintino (Quincolor Etiquetas Adesivas e Artes Gráficas) Suplentes do Conselho Fiscal Roberto Antonio Jaeger (Automação Comércio e Indústria de Impressos); Sandro Santos (Cromia Rótulos e Embalagens); Sérgio Barboza de Mesquita (Makton Indústria de Auto Colantes)


Passo a passo até a consolidação

I

Edwar Sávio, presidente do Grupo Jauense

Edward Sávio, fundador da Cartonagem Jauense, primeira gráfica de embalagens do centro-​­oeste do Estado de São Paulo, viu na indústria calçadista o caminho para o sucesso. Tainá Ianone

82 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

mportante polo de desenvolvimento in­dus­trial, Jaú — município do in­te­r ior pau­lis­ta — destaca-​­se pela grande concentração de fábricas de sapatos, atividade que lhe confere o título de “capital do calçado feminino”. Em 1959, operário de uma dessas empresas, Edward Sávio enxergou uma oportunidade no alto consumo de embalagens para os produtos. Assim nasceu a Cartonagem Jauen­se, a pri­mei­ra gráfica do segmento na re­g ião. Nos pri­mei­ros anos, a falta de equipamentos, de insumos, matéria-​­prima e a carência da mão de obra tornaram o em­preen­di­men­to de­sa­f ia­dor. “Até mesmo as chapas de impressão offset precisavam ser gravadas em São Pau­lo”, conta Edwar Sávio, presidente do hoje Grupo Jauen­se e filho do fundador. Porém, essas mesmas dificuldades im­pul­sio­na­ram o desenvolvimento da gráfica, já que para os clien­tes também havia escassez de fornecedores de embalagens. “Na época, o mais próximo ficava em Jun­diaí, e a distância encarecia os produtos”, diz o empresário. Esse cenário teve uma mudança significativa em mea­dos da década de 1980, quando a produção praticamente artesanal foi subs­ti­tuí­da pelas pri­mei­ras im-

pressoras bicolores importadas da Alemanha. Em pou­cos anos o investimento em máquinas e em sistemas de qualidade, alia­do ao desenvolvimento de novos produtos, permitiu à Jauen­se am­ pliar seus serviços para os mais diversos segmentos in­dus­triais. Retração e expansão

Apesar da consolidação conquistada no mercado, a década de 1990 começou trazendo novos de­sa­f ios, decorrentes basicamente de três fatores: a necessidade de modernização imposta pelo grande aprimoramento das máquinas à época, a abertura do mercado externo e, principalmente, o Plano Brasil Novo, que, dentre vá­r ias medidas de intervenção na economia, blo­queou os saldos das contas correntes, cadernetas de pou­pan­ça e de­mais investimentos dos bra­si­lei­ros. “Resistimos a essas adversidades graças ao empenho do meu pai, que se desfez de bens particulares para investir na gráfica. Porém, também trabalhamos forte na conquista de novos mercados, na produção efi­cien­te e na gestão rigorosa dos recursos fi­nan­cei­ros, fatores que possibilitaram uma recuperação rápida, estruturada e du­ra­dou­ra”, relata Edwar.


PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS Cartonagem Jauense OO Impressora offset Roland 800 4 cores OO Impressora offset Roland 806 OO Impressora offset Roland Policolor OO Impressora offset Roland 700 OO Impressora offset Roland Bicolor OO Impressora flexográfica Thunder

Comat BB4900 OO Envernizadora

Retomado o crescimento da empresa, em 1998, pai, filho e mais três só­cios mi­ no­r i­t á­r ios abriram a gráfica Suprema, incorporada pela Jauen­s e três anos de­p ois. Também focada na produção de embalagens em micro-​ ­ondulado, a Suprema é di­re­ cio­na­da às tiragens menores. Buscando ­maior proximidade com os clien­tes, a empresa ­criou o projeto Jauen­se do Nordeste, fundado em 2002 e instalado no município de Lau­ro de Frei­tas, na Bahia. O parque gráfico de 10 mil metros quadrados mantém uma produção mensal de quase dois milhões de folhas impressas. “Mesmo tendo participado efetivamente da decisão, meu pai não teve a oportunidade de ver o projeto finalizado”, comenta Edwar, referindo-​­se ao falecimento de Edward dois meses antes da inauguração. Em sua homenagem, a Câmara dos Ve­rea­do­res

OO Corrugador micro‑ondulado OO Conjunto Asitrade corrugado OO Conjunto corrugador Milko OO Acopladora automática Sanwa OO Corte e vinco automática SP 142‑E OO Corte e vinco automática SP 102‑E OO Corte e vinco automática SP 130‑E OO Coladeira Vegga 100 OO Coladeira Vegga 115 OO Coladeira Bobst Media 100

e a pre­fei­tu­ra de Jaú deram seu nome ao recém-​­inaugurado Centro de Trei­na­ men­to Pro­f is­sio­nal – Escola Edward Sávio, mantido por meio de convênio entre o município e o Serviço Na­cio­nal de Aprendizagem In­dus­trial (Senai).

Jauense do Nordeste OO Impressora offset Ultra OO Impressora offset Roland Policolor OO Corrugador micro‑ondulado OO Acopladora manual OO Coladeira Bobst Media 100

Suprema

Consolidação

OO Impressora offset Roland Bicolor

Uma das maio­res produtoras na­cio­nais de embalagens em papel-​­cartão micro-​­ondulado e onda “B”, a Cartonagem Jauen­se possui um parque gráfico com mais de 22 mil metros quadrados de área cons­truí­da. Na opi­nião de Edwar, a

OO Impressora offset Roland Policolor OO Acopadora automática Aspire OO Acopladora semi‑automática Radial OO Coladeira Bobst Ambition OO Coladeira Bobst Media 100

valorização do capital humano — as três unidades somam 650 fun­cio­ná­r ios —, o processo de logística di­fe­ren­cia­do e os equipamentos con­ti­nua­men­te atua­li­za­ dos con­tri­buem para o fortalecimento e consolidação da gráfica. Para 2011 a expectativa do empresário é consolidar os investimentos rea­li­ za­dos nos últimos anos, principalmente na modernização do parque gráfico que está se efetivando em 2010. As perspectivas de au­men­to na produção e no faturamento são de 10%, es­pe­cial­men­te na unidade do Nordeste. “Temos visto grandes possibilidades de incremento e expansão naquela re­g ião”. & CARTONAGEM JAUENSE Tel. (14) 2104.6077 www.cartonagemjauense.com.br SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

83


Se a sua empresa tem

de 2 anos de 9 funcionários

Estas soluções são para você:

Estratégias Empresariais

Gestão da Inovação

Empretec

Gestão Financeira

Você será capaz de fazer uma análise completa do seu ambiente empresarial, identificando pontos fortes e fracos, redefinindo missões e metas corporativas. Também irá elaborar e implementar um plano de ação estratégica.

Um seminário desenvolvido pela ONU que lhe motiva a promover mudanças no seu comportamento, aperfeiçoando suas habilidades de negociação e gestão, proporcionando maior segurança nas decisões e aumentando a chance de sucesso da sua empresa.

Descubra que inovação não é só tecnologia. E, sim, uma nova forma de pensar e gerir o negócio: fazendo diferente.

Compreenda todas as informações financeiras da sua empresa e transforme-as em ferramentas para decisões seguras e eficientes. Método prático: você aprende enquanto aplica o conteúdo na empresa.


Internacionalização

Prepare sua empresa para conquistar o mercado global, tornando seu produto ou serviço mais competitivo dentro e fora do País.

Encontros Empresariais

Aprenda com a experiência de empresários do seu ou de outros setores. Compartilhe soluções já testadas e amplie sua rede de parceiros e de contatos.

www.sebrae.com.br


Alphaprint aposta na convergência de tecnologias

Alphaprint apresentou na Ex­ poPrint, rea­li­za­d a em junho deste ano, a HP Indigo 7500, destaque da linha de equipamentos di­ gi­t ais, com alto índice de au­to­ma­ção. “A máquina foi mostrada pela pri­mei­ ra vez na América Latina. É um equi­ pamento capaz de imprimir mais de 3,5 milhões de páginas A4 quatro cores por mês”, informou o diretor de Plane­ jamento e Mar­ke­ting, Ha­dria­no Domin­ gues. Além da HP Indigo 7500, foram ex­ postos ou­tros três modelos da HP Indigo: a 3550, a 5500, e a 7000. Embora o equipamento seja voltado à impressão digital, Ha­dria­no é categórico ao afirmar que acredita na convivência desta com o offset. “As campanhas cus­ tomizadas, as malas diretas com perso­ nalização e a redução das tiragens são ten­dên­cias de mercado. Neste contexto, é preciso saber quando usar a impressão digital e quando usar o offset. Em mui­ tos casos, a convergência pode ser a melhor opção, tanto do ponto de vista de custo, como de resultado”, explica. O diretor esclarece, porém, que ain­da

é preciso quebrar paradigmas. “A tecno­ logia de impressão digital é relativamen­ te nova, tornou-​­se rea­li­d a­de em 2000. Qua­tro anos de­pois se consolidou e, em 2008, alcançou padrão chamado ‘offset digital’, termo usado como referência à equivalência de qualidade”. A tecnologia digital que a Alphaprint oferece aos seus clien­tes permite que estes se aproximem mais do seu públi­ co, sabendo suas necessidades e fazen­ do do conhecimento obtido um di­fe­ren­ cial. “Você vai até uma con­ces­sio­ná­r ia ver um carro. Alguns dias de­pois chega à sua casa uma mala direta com fotos do veí­cu­lo de todos os ângulos, ou­tra foto do vendedor e uma oferta di­re­cio­na­da es­pe­cial­men­te a você. Em ou­tros tem­ pos, isso sai­r ia mui­to caro. Hoje temos tecnologia para prestar esse tipo de ser­ viço a custo acessível, tendo em vista a margem de retorno, que é mui­to ­maior”. Nova parceria EFI Vutek

Também durante a ExpoPrint, a Al­ phaprint anun­c iou a am­p lia­ç ão dos trabalhos junto à EFI , líder mun­d ial em inovações para impressão digital. As empresas já eram par­cei­ras na área de soft­wares há algum tempo e o acor­ do passou a englobar equipamentos das linhas EFI Vutek e EFI Rastek para im­ pressão digital de grandes formatos em

Fotos: Roberto Loffel

Com perspectivas de crescer 25% neste ano, a empresa mostrou na ExpoPrint as últimas novidades em equipamentos digitais da HP e anunciou a ampliação do acordo com a EFI.

Hadriano Domingues, diretor de Planejamento e Marketing

substratos f le­x í­veis a exemplo de lo­ nas, vinil adesivo e substratos rígidos, tais como chapas PS, MDF, acrílico, car­ tão micro-​­ondulado, com tecnologia de tinta com cura ultra-​­v io­le­t a e tecnolo­ gia de tinta à base solvente. São equi­ pamentos com largura de impressão desde 1,37 metros até 5 metros de lar­ gura e com velocidade de impressão de 20 m²/h a 300 m²/h com resolução foto­ gráfica. Na ExpoPrint foram expostas a GS3200, QS3250r e QS2000, da Vutek e a H700 da Rastek. Solução como negócio

Segundo Ha­dria­no, o con­cei­to de trazer sempre as melhores soluções aos seus clien­tes se aplica em cada uma das uni­ dades de negócio da empresa. São elas: soluções em equipamentos, con­su­m í­ veis, assistência técnica e consultoria para pré-​­i mpressão, impressão offset, impressão digital, acabamento gráfico e comunicação vi­sual. “Trata-​­se de um pacote que cobre todo o caminho e, para alcançar nossos objetivos, temos de ofe­ recer as melhores opções ao mercado”, fi­ naliza. De­pois de um ano de 2009 atípi­ co, Ha­dria­no prevê que a empresa atinja crescimento de 25% neste ano. “Dois mil e oito vinha bem até a crise chegar. Em ja­nei­ro de 2009, os índices mais oti­ mistas eram, no mínimo, assustadores, mas a economia bra­si­lei­ra como um todo se saiu melhor do que o esperado. E agora conseguimos encontrar um bom ritmo”. Atendendo há 24 anos o mercado gráfico, a Alphaprint conta atual­men­te com 250 fun­cio­ná­r ios dis­t ri­buí­dos na sede de São Pau­lo e nas fi­liais do Rio de Ja­nei­ro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Recife. & ALPHAPRINT Tel. (11) 2164.1900 www.alphaprint.com.br


Sustentabilidade

Gestão ambiental e certificações na indústria gráfica Palestra apresentada no auditório da ABTG pela empresária e consultora ambiental Heloise Lunardi Coutinho destacou a importância do licenciamento e da gestão ambiental para as indústrias gráficas.

F

Tainá Ianone

oi rea­li­za­da na manhã de 10 de agosto, pela Abigraf Re­ gio­n al São Pau­lo, a palestra “Planejamento na Área Grá­ fica: Implantação de Gestão Am­bien­ tal e Certificações na Indústria Grá­ fica”, no au­di­tó­r io da ABTG, no bair­ro da Moo­ca, em São Pau­lo.

O evento, ministrado por He­loi­se Lunardi Cou­ti­nho, consultora em­pre­ sa­r ial de meio am­bien­te, qualidade e certificações e en­ge­nhei­ra es­pe­cia­li­ za­da em meio am­bien­te, teve como ob­ jetivo au­xi­liar os gráficos bra­si­lei­ros a conhecerem mais sobre gestão e pro­ blemas am­bien­tais, con­cei­tos, legisla­ ção, li­cen­cia­men­to am­bien­tal e certi­ ficações, como a ISO 14001 e os selos FSC, Cerflor e Ecológico. Durante o encontro foram abor­ dadas também questões referentes à correta segregação, armazenamento e transporte de re­sí­duos, tratamento e disposição final. A consultora orien­ tou os participantes sobre como con­

solidar um sistema maduro, que pro­ por­cio­ne oportunidades de melhoria tanto fi­nan­cei­ras quanto am­bien­tais e so­ciais para a empresa. Além do respeito à natureza

Comparadas às gráficas espanholas, suí­ças e alemãs, as bra­si­lei­ras estão atrasadas nas questões am­bien­t ais. Um dos prin­ci­pais fatores que contri­ bui para isso é a co­mer­cia­li­za­ção de produtos há mui­to tempo proi­bi­dos no ex­te­r ior, mas ain­da le­gais no Brasil. Segundo He­loi­se, as empresas de­ vem entender os con­cei­tos envolvi­ dos na gestão am­bien­tal. “Não basta ter apenas a certificação, as in­dús­trias SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

87


Sustentabilidade

gráficas precisam ter ações am­bien­ tal­men­t e corretas, como economia e uso ra­cio­nal dos recursos na­tu­rais, prin­cí­pios declarados como um dos objetivos da nova Política Na­cio­nal de Re­sí­duos Sólidos”.

“Não basta ter apenas a certificação, as indústrias gráficas precisam ter ações ambientalmente corretas, como economia e uso racional dos recursos naturais.” Os lucros para as com­pa­nhias que incorporam esse processo são inúme­ ros, dentre eles redução de des­per­ dí­cios, di­m i­nui­ção de alguns custos fixos, prevenção de acidentes am­ bien­tais, multas e possibilidade de fi­ nan­cia­men­to a taxas reduzidas. “Sem men­cio­nar a melhoria da imagem da empresa perante o mercado ao de­ monstrar sua cons­ciên­cia am­bien­tal”, reforça a consultora. Entretanto, implementar a ges­ tão am­bien­t al requer alguns cui­d a­ dos, como monitoramento pe­r ió­di­co do sistema, reu­niões de acompanha­ mento, controle das datas das docu­ mentações envolvidas e atenção às mudanças nas legislações e às novas tec­no­lo­gias. No caso de contratação de empresas ter­cei­ri­za­das, He­loi­se acon­ selha a pedir informações e a acompa­ nhar as mesmas, pois há mui­tas sur­ gindo nesse mercado e nem todas com a ex­pe­r iên­cia necessária.

trei­na­dos e mui­t as ­ideias, pois, sem o ­apoio da direção, a equipe fica des­ motivada”. Além disso, são ne­ces­sá­ rias a rea­l i­za­ç ão de trei­na­men­tos e uma mudança cultural. “Nos paí­ses desenvolvidos a preo­cu­pa­ç ão ecoló­ gica é mui­to mais forte. Os consumi­ dores cobram das empresas medidas sus­ten­tá­veis”, explica. A falta de cons­cien­ti­za­ção torna-​ ­se um grande entrave para as gráficas aderirem à gestão am­bien­tal. Grande parte delas acredita que o processo é caro e sem retorno do investimento, consumindo mui­to tempo e esforço da equipe. “As in­dús­trias precisam enten­ der a importância e necessidade do li­ cen­cia­men­to e da gestão am­bien­tal”. Nas empresas maio­res, com pla­ nejamento estratégico, o processo deve ser incorporado; nas menores, as reu­niões de planejamento desem­ penham papel es­sen­cial na cria­ção de equipes de trabalho com res­pon­ sá­veis. Na opi­nião da consultora to­ das devem oferecer ­apoio fi­nan­cei­ ro, humano e técnico para terem a gestão am­bien­t al implementada de forma satisfatória. A cons­cien­ti­za­ção dos colaborado­ res também é imprescindível. He­loi­se

Nova cultura

88

O investimento na cons­c ien­t i­z a­ç ão dos gestores é pri­mor­dial, pois, segun­ do He­loi­se, eles devem ser um espe­ lho e incentivo para os de­mais fun­cio­ ná­rios. “Não adian­ta ter colaboradores REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

Heloise Lunardi Coutinho

recomenda explicar o motivo e impor­ tância de cada ação para os fun­cio­ná­ rios, pois eles precisam com­preen­der as orien­ta­ções que estão recebendo. Indústria Serigráfica Tekne

A ex­pe­riên­cia de He­loi­se não é apenas como consultora, mas também como sócia-​­diretora da Indústria Serigráfi­ ca Tekne, vencedora do Pri­mei­ro Prê­ mio Abigraf de Responsabilidade So­ cioam­bien­tal, na categoria Am­bien­tal. O programa vencedor foi “Imprimin­ do com Cons­ciên­cia e Ações Am­bien­ tais”, o qual trata das questões am­bien­ tais, fazendo um trabalho constante de cons­cien­ti­za­ção e orien­ta­ção com os colaboradores.

“Nos países desenvolvidos a preocupação ecológica é muito mais forte. Os consumidores cobram das empresas medidas sustentáveis.” A  conquista não foi por acaso. A pro­f is­sio­nal relata que hou­ve mui­ to trei­na­men­to tanto com a diretoria quanto com os colaboradores desde 2001, além de diversos estudos e par­ ce­r ias com o Sindigraf-RS e SebraeCNTL. “Sempre procuramos conhecer novas tec­no­lo­g ias, rea­l i­z ar pesqui­ sas de fornecedores habilitados e ca­ pazes, além de pesquisas e ex­pe­r iên­ cias com novas ma­té­rias-​­primas para trocas nos processos para produtos melhores”, relata. Instalada em uma área de mil me­ tros quadrados em um bair­ro in­dus­ trial de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, há 25 anos a empresa oferece ao mercado serviços de impressão se­ rigráfica e, há dois anos, impressão digital para pequenos formatos. Todo o trabalho é desempenhado por dois diretores e 19 colaboradores.


Sustentabilidade

Ser sustentável é ser competitivo O 3 -º Ciclo de Palestras: Sustentabilidade na Indústria Gráfica, realizado pela ABTG, mostrou caminhos para que as empresas do setor adotem medidas ambientalmente corretas no processo produtivo — algo que, mais do que necessário à preservação do planeta, se mostra como exercício fundamental para a sobrevivência nos negócios.

R

Ada Caperuto

eduzir ma­te­riais, adotar me­ didas de produção que eco­ nomizem insumos e utili­ zar ma­té­rias-​­primas que não agridam o meio am­bien­te. Estas po­ de­r iam ser as três regras-​­síntese da nova ordem que segue não apenas a indústria gráfica, mas toda a so­cie­da­ de, em qualquer atividade. O 3º Ciclo de Palestras: Sustentabilidade na In­ dústria Gráfica, rea­li­za­do pela ABTG

em 11 e 12 de agosto, no entanto, trou­ xe conhecimentos aprofundados para quem já entendeu que seguir as re­ gras desta nova ordem mun­dial é tam­ bém uma questão de sobrevivência no mercado. O evento, patrocinado pelo Sindigraf- SP e pela Fibria, com ­apoio da Abigraf Na­cio­nal e da Abigraf- SP, reu­niu cerca de 100 participantes nos dois dias. E estes pro­f is­sio­nais — em­ pre­sá­r ios e fun­cio­ná­r ios da indústria gráfica, designers e cria­ti­vos de agên­ cias de publicidade, pro­f is­sio­nais da área de meio am­bien­te e de ou­t ros segmentos — tiveram a oportunida­ de de acessar conhecimento pri­v i­ le­g ia­do, transmitido por experts com ampla ex­pe­r iên­cia no tema. Gente como Carlo Bulgarelli, coor­ de­n a­d or de Gestão de Produtos e Mar­ke­ting da Fibria, que falou sobre “Ecoe­f i­ciên­cia em Celulose e Papel – a Ma­nei­ra Inteligente de Programarmos o Futuro”, mostrando os caminhos que

segue o ciclo de produção de celulose e papel. A proposta de Bulgarelli, com sua apresentação, reforçou o con­cei­to da Campanha de Valorização do Papel e da Comunicação Impressa, lançada recentemente pela Abigraf com o ­apoio de 21 entidades. Com os estudos apre­ sentados, ele foi claro: o papel não pode ser visto como o vilão no processo de degradação am­bien­t al. Ao contrário, as florestas plantadas com a finalida­ de de produção de celulose e papel re­ presentam hoje uma alternativa de cul­ tivo sustentável, que gera trabalho e renda para as comunidades. Mais que isso, altera até mesmo a sistemática de exploração de terras, que não adota qualquer medida de preservação, ain­ da existente em mui­tas re­giões do País. Se as florestas de eu­ca­l ip­to vêm dando sua con­tri­bui­ção ao meio am­ bien­te, o que as empresas estão fazen­ do para minimizar os efei­tos gerados pela produção in­dus­trial? Esta respos­ SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

89


ta foi dada, em parte, por Teddy Lalande, es­pe­cia­lis­ta da Dixie Toga e con­ sultor da ABTG. Seu tema, “Pegada de Carbono da Mídia Impressa”, trou­xe es­ clarecimentos sobre como as empresas gráficas podem não apenas reduzir os efei­tos negativos da produção, como também agregar valor aos seus produ­ tos a partir desta prerrogativa. Tudo começa no “Carbon Trust Label”, que, es­pe­cial­men­te na Europa, é utilizado em produtos para indicar o quanto se emitiu de CO² em sua fabricação. Junto com o selo, mui­tas empresas prestam informações sobre como o consumidor pode reverter esta emissão, seja reci­

“As florestas plantadas com a finalidade de produção de celulose e papel representam hoje uma alternativa de cultivo sustentável, que gera trabalho e renda para as comunidades.” Carlo Bulgarelli

Coordenador de Gestão de Produtos e Marketing da Fibria

90

clando a embalagem ou adotando me­ didas que evitem des­per­dí­cios na con­ servação e uso daquele determinado item. Lalande mostrou que é per­fei­ta­ men­te possível aplicar esses con­cei­tos à indústria gráfica, calculando a “pega­ da de carbono” dos impressos, de acor­ do com os tipos de ma­te­riais utilizados no substrato, no acabamento e ou­tros elementos da produção, como tintas, solventes e adesivos. As sugestões gi­ ram em torno de ini­cia­ti­vas simples, como reduzir a gramatura dos pro­ dutos, tornar a ca­deia produtiva mais ecoe­f i­cien­te, incentivar a reciclagem pós-​­c onsumo e captar e valorizar o metano dos aterros, entre ou­tras. Para encerrar o pri­mei­ro dia do evento, Milton Norio Sogabe, pro­f is­ REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

sio­nal que atua no setor de Ar, Ruí­do e Vibrações da Companhia Am­bien­ tal do Estado de São Pau­lo (Cetesb), deu uma ver­d a­d ei­r a aula sobre as “Leis das Emissões Atmosféricas”, trazendo dados históricos e estatísti­ cos da po­lui­ção atmosférica e das re­ gulamentações no Brasil e no mundo e explicando como ­atuam os órgãos controladores dos índices de po­lui­ção. Produtos sustentáveis

O Ciclo de Palestras: Sustentabilidade na Indústria Gráfica teve con­ti­nui­da­ de em 12 de agosto, com a palestra de Rogério Ruschel, presidente da Rus­ chel & As­so­cia­dos Mar­ke­ting Ecológi­ co. “Produtos Mais Sus­ten­tá­veis e os Impactos na Indústria Gráfica – Pro­ jeto End-​­to-end: Sustentabilidade de Ponta a Ponta (Programa Walmart Bra­ sil)” é o título do pai­nel que mostrou as ten­dên­cias dos supermercados que afetam a indústria gráfica. A regra é economizar na emissão de CO². E nis­ so o exemplo da rede Walmart foi bas­ tante claro. Se as lojas não têm a ­maior parte da responsabilidade nesta tare­ fa, é claro que fica para os fornecedo­ res dos produtos vendidos a incum­ bência de oferecer alternativas. Com casos de diversas marcas que aderi­ ram à norma do Walmart, Ruschel mostrou, em números, que é possível reduzir sensivelmente as emissões de gases do efei­to estufa (GEE). Como? Usando menos papel, tintas e acaba­ mentos es­pe­ciais nas embalagens é uma das respostas. Neste ponto, Rus­ chel lembra: “O melhor do filé mignon da indústria gráfica está sendo reduzi­ do. As empresas têm que pensar em como atender um mercado que exi­ ge cada vez mais em termos de em­ balagens, com menos matéria-​­prima, com ma­te­riais re­ci­clá­veis e atendendo todas as certificações exigidas”. Para quem tem dúvidas sobre os efei­tos dos GEE nas mudanças climá­ ticas, a palestra seguinte, de Laér­cio Ro­mei­ro, da empresa Ciclo Am­bien­

tal, dei­xou claros todos os pontos de relevância. “Desempenho Am­bien­tal Aplicado a Produtos Frente ao Aque­ cimento Global” mostrou como a fabri­ cação e o uso de determinados produ­ tos podem interferir na ­maior amea­ça para a sobrevivência humana no pla­ neta. Ele esclareceu de que forma se apresentam as cau­sas e os efei­tos do uso dos recursos na­tu­rais sem plane­ jamento. “A boa notícia é que o Brasil está aprendendo mais rápido, porque tem condições de evitar os erros co­ metidos pelos paí­ses desenvolvidos”. É indiscutível que o ­m aior objetivo de todos os setores produtivos hoje, e também da so­cie­da­de, é reduzir as emissões de carbono, o que pode ser fei­to em todas as atividades, sejam elas in­dus­triais, co­mer­ciais, de serviços e até no agronegócio. Finalizando o ciclo de palestras, Renata Motta, diretora do Instituto Sérgio Motta, falou sobre “Lixo Ele­ trônico”. Ela apresentou o projeto “e-​ ­lixo maps” (www.e-​­lixo.org), site que indica os lo­c ais mais próximos, de casa ou do trabalho, que coletam o lixo eletrônico. O projeto é uma par­ ceria entre a Secretaria do Meio Am­ bien­te do Estado de São Pau­lo e o Ins­ tituto Sérgio Motta. O “e-​­lixo maps” associa a plataforma do Goo­gle Maps com um banco de dados dos postos de coleta de “e-​­lixo”, abrangendo ini­ cial­men­te o Estado de São Pau­lo. As­ sim, a informação fica disponível e pode ser vi­sua­li­za­da de forma mais fun­cio­nal e lúdica. Com o final do evento, registre-​­se a importante con­tri­bui­ção dada pela ABTG e seus par­cei­ros no sentido de trazer um importante esclarecimen­ to aos as­so­cia­dos e de­mais pro­f is­sio­ nais do setor e de ou­tros correlatos. O volume de informações e conhe­ cimento foi amplo, o que é es­sen­cial para um aspecto que hoje caminha a passos rápidos e largos: a sustentabi­ lidade am­bien­tal. Melhor correr para não ficar para trás.

Este caderno foi impresso em papel reciclado Eco Millennium 90 g/m²

Sustentabilidade


Sua atitude pode ajudar, e muito. Esta matéria que você acabou de ler foi impressa no papel Eco Millennium. E não é à toa, o papel reciclado permite todas as possibilidades de impressão encontradas nos demais papéis, mas carrega consigo princípios básicos da sustentabilidade. Ao imprimir sobre ele, você ajuda diretamente na inclusão social de milhares de colaboradores das cooperativas de resíduos, contribui na redução do lixo urbano e pratica uma atitude sustentável a favor da preservação do nosso planeta. Não espere os outros, comece por você.

A Bignardi Papéis produz o Eco Millennium porque acredita que pode ajudar a mudar o mundo. Você também pode fazer sua parte: imprima no papel reciclado Eco Millennium. Solicite uma amostra pelo site: www.bignardipapeis.com.br ou pelo SAC: 0800 109509


ECONOMIA Texto e dados: Departamento de Estudos Econômicos da Abigraf

Desempenho do setor aponta para números positivos

O 92

Departamento de Estudos Econômicos da Abigraf elaborou uma síntese do desempenho da indús‑ tria gráfica nos últimos doze meses. A análise está ba­sea­da em dados do índice de produção física da indústria gráfica, originados pela Pesquisa In­dus­trial Mensal de Produção Física (PIM‑PF) — fornecidos trimestralmente pelo IBGE à equipe do Departamento Econômico da Abigraf. É interessante notar a va­r ia­ção dos índices de desempenho, de acordo com os pe­r ío­dos em que as comparações são fei­ tas, in­f luen­cia­das por características sa­zo­nais do setor, já que os picos de produção na indústria gráfica ocorrem nos meses de ou­tu­bro a dezembro e de março a maio. Com base nessas análises, até o final de 2010 a Abigraf prevê au­men­to de 6,5% no volume de produção do setor, de 2,1% no emprego, de 12,7% nas exportações e de 13% nas importações em relação ao desempenho registrado em 2009.

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

Produção

Em termos da produção da indústria gráfica bra­si­lei­ra, medida em quanti‑ dade de papel convertido/impresso, o acumulado dos últimos doze meses — julho de 2009 a junho de 2010 — teve um crescimento de 5%, índice in­fe­r ior ao observado para a indústria em ge‑ ral no mesmo pe­r ío­do (6,5%). No  en‑ tanto, na comparação do pri­mei­ro se‑ mestre deste ano com o mesmo pe­río­do de 2009, a produção gráfica acumula crescimento de 8%. O  segmento que mais con­t ri­buiu para esse resultado foi o de embala‑ gens impressas, com um au­men­to na


Tabela 1 – Crescimento da produção nos segmentos da indústria gráfica brasileira – em Quantum Crescimento acumulado últimos 12 meses ABR 09 a MAR 10 (%)

Produção Física em quantidades (ton)

Embalagens Impressas

jun 10/ mai 10

jun 10/ jun 09

9,6%

14%

13,2%

2,1%

– 5,2%

9,8%

11%

10,9%

4,8%

– 4,9%

9,5%

17,8%

27%

23,9%

– 7,8%

– 6,7%

11,1%

Produtos Gráficos Editoriais Jornais

2-º Trimestre 2-º Trimestre 2010/ 2010/ 2-º Trimestre 1-º Trimestre 2009 2010

7,7%

Embalagens Impressas de papel ou papelão de uso geral Embalagens Impressas de plástico

1-º Semestre 2010/ 1-º Semestre 2009

7,7%

9%

10,1%

– 2,1%

– 4,7%

18,9%

– 5,7%

3%

0,7%

0,7%

– 5,8%

– 3,0%

5,0%

8%

7,1%

– 0,9%

– 3,8%

7,8%

Total ABIGRAF

Fonte: Recorte Especial da PIM-PF/IBGE para a Abigraf. Elaboração: Websetorial

Gráfico 1 – Índices Especiais de Produção Física da Indústria Gráfica Índice de Base Fixa (Base: média de 2002 = 100) 180 160 140 120 100   80 01/2006 02/2006 03/2006 04/2006 05/2006 06/2006 07/2006 08/2006 09/2006 10/2006 11/2006 12/2006 01/2007 02/2007 03/2007 04/2007 05/2007 06/2007 07/2007 08/2007 09/2007 10/2007 11/2007 12/2007 01/2008 02/2008 03/2008 04/2008 05/2008 06/2008 07/2008 08/2008 09/2008 10/2008 11/2008 12/2008 01/2009 02/2009 03/2009 04/2009 05/2009 06/2009 07/2009 08/2009 09/2009 10/2009 11/2009 12/2009 01/2010 02/2010 03/2010 04/2010 05/2010 06/2010

  60

 Embalagens Impressas 

07/2010

05/2010

03/2010

01/2010

11/2009

09/2009

07/2009

05/2009

03/2009

01/2009

11/2008

09/2008

07/2008

05/2008

Em termos da geração de empregos, segundo dados recentes do Ministério do Trabalho e Emprego e da Relação ­A nual de Informações So­c iais (MTE/ Rais), o setor gráfico bra­si­lei­ro conso‑ lidou o ano de 2009 com 19.694 empre‑ sas ativas, empregando um contingente de 211.255 pes­soas. Na pri­mei­ra análi‑ se, do acumulado de julho de 2009 a ju‑ nho de 2010, o setor chegou a 217,4 mil postos de trabalho, um crescimento de

7 6 5 4 3 2 1 0 –1 –2

te, 125 mil pes­soas, praticamente a me‑ tade do que o setor gráfico emprega. O gráfico 2 descreve a retomada da empregabilidade no setor no pós-​­crise da economia mun­dial, a partir da evolução das taxas de crescimento de empregos.

Gráfico 2 – Evolução da Taxa de Crescimento de Empregos na Indústria Gráfica Brasileira Em percentuais %

03/2008

Emprego

 Total Abigraf

3,7% ou o equivalente a um saldo posi‑ tivo de 6.150 empregos diretos. Só para se ter uma ­ideia da importân‑ cia do número de postos gerados pela in‑ dústria gráfica bra­si­lei­ra, as montadoras au­to­mo­bi­lís­ti­cas empregam, diretamen‑

01/2008

sua produção de 14,2%, seguido pelo de produtos gráficos edi­t o­r iais, com 9% (Tabela 1). Já na comparação dos dados de ju‑ nho de 2010 com os de junho de 2009, hou­ve um crescimento de 7,8%, lem‑ brando que a expansão da produção na indústria em geral foi de 11,1% consi‑ derados os mesmos meses, segundo o IBGE (Gráfico 1).

 Produtos Gráficos Editoriais 

 Mês/mês anterior (%)   Média do ano/média no ano anterior (%)  Variação mensal do emprego, pela média dos últimos 12 meses no ano anterior (%)

93

Fonte: Caged/MTE. Elaboração: Decon/Abigraf.

SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF


Tabela 2: Investimentos realizados pelo setor gráfico brasileiro Importações de máquinas e equipamentos gráficos

Investimentos

Em relação aos investimentos rea­li­za­ dos de ja­nei­ro a julho de 2010, as im‑ portações de máquinas e equipamentos gráficos totalizaram US$ 805 mi­l hões, um au­men­to de 38% em relação a igual pe­r ío­do de 2009. Apesar do crescimen‑ to nas importações de máquinas e equi‑ pamentos gráficos nestes sete meses, as compras estão di­m i­nuin­d o desde 2008, refletindo esforço ­maior de utili‑ zação da capacidade já instalada. Isso se deu especificamente no pós-​­crise, já que nos anos an­te­r io­res os investi‑ mentos po­d iam ser considerados até excessivos, estimulados pelo câmbio e pelas expectativas bastante otimistas sobre a economia.

DESCRIÇÃO

2008

2009

2009*

2010*

760,13

455,33

259,42

428,02

45,22

67,60

49,63

23,42

Flexografia

395,99

141,27

75,97

120,25

Offset plana

318,92

246,46

133,81

284,35

0,00

0,00

0,00

0,00

132,45

129,83

86,63

81,25

Impressão Offset rotativa

Tipografia rotativa e plana Acabamentos Pré-impressão Diversos

94

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

9,43

6,73

4,19

5,32

910,57

411,58

232,25

290,68

0,00

0,00

0,00

0,00

1.813

1.003

582,48

805,27

26,7%

–  44,6%

— 

38.2%**

Outras impressões TOTAL Variação percentual %

Fonte: Secex/ Aliceweb. Elaboração: Decon/Abigraf. *Dados referentes ao período de Jan/Jul. **Variação de Jan/Jul de 2010 em relação a igual período de 2009.

Comércio exterior

De acordo com os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Co‑ mércio Ex­te­r ior (MDIC), no pe­r ío­do de ja­nei­ro a julho de 2010, as exportações bra­si­lei­ras de produtos gráficos totaliza‑ ram US$ 149 mi­lhões, 15% a mais do que no mesmo pe­río­do do ano an­te­rior. Já as importações somaram US$ 187 mi­lhões, o que representou um au­men­to de 27% na mesma comparação. Assim, o sal‑ do da balança co­mer­cial ficou deficitá‑ rio em US$ 30 mi­lhões. Na comparação final, o au­men­to do déficit na balança co­mer­cial foi su­pe­r ior a 300%. O crescimento de 15% registrado nas exportações no citado pe­río­do foi im­pul­ sio­na­do pelos segmentos de embalagens e cartões impressos, com um total de US$ 45 mi­lhões. A participação de cada um deles no total exportado pela indús‑ tria gráfica bra­si­lei­ra foi de 30%, porém no segmento de cartões impressos hou­ ve um crescimento de 36% no mesmo pe­r ío­do enquanto na área de embala‑ gens o au­men­to verificado foi de 21%. Por ou­t ro lado, o segmento de cadernos continua em curva descenden‑

VALOR (US$) Milhões

Gráfico 3 – Balança Comercial Brasileira × Taxa Média do Câmbio Valores em US$ Milhões FOB 2006–2010* 400

2.0

300

2.0

200

1.5

100 0

1.0 2006

2007

2008

2009

2010*

– 100

0,5

– 200

0

 Exportação 

 Importação 

 Saldo Comercial 

 Taxa de Câmbio

Fonte: MDIC. Elaboração Decon/Abigraf. * Jan10/Jul10.

te na pau­t a de exportações do setor e registrou, nesses pri­mei­ros sete meses de 2010, 4% a menos em relação a igual pe­r ío­do de 2009 (com US$ 23 mi­lhões). Entre os US$ 187 mi­lhões de importações de produtos gráficos destacaram-se os edi­to­riais (livros e revistas), que re‑ presentaram 37% do total (US$ 68,7 mi­ lhões), com au­men­to de 8%, quando se considera o mesmo pe­r ío­do. Vale destacar que o segmento de cartões impressos importou US$ 44 mi­

lhões, o que representa 23% do total e um crescimento de 85% também na comparação com o men­cio­na­do pe­r ío­ do. As exportações de US$ 45 mi­l hões dos produtos desse segmento foram, portanto, quase que totalmente neu­tra­ li­za­das pelas importações. Para completar o panorama do co‑ mércio ex­te­r ior do setor gráfico, o seg‑ mento de embalagens correspondeu a 18% do total importado, ou US$ 34 mi­ lhões, e o au­men­to foi de 24%.


PARA SEU ANÚNCIO APARECER DE VERDADE VOCÊ PRECISA PRIMEIRO, ESCOLHER O LUGAR CERTO. Acesse: www.abigraf.org.br

Anuncie Máquinas e Equipamentos no Banco de Negócios da Abigraf.


Chegou!

14º Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica

210 */%Á45

3

180

270 industry yearbook brazilian printing 300 0 24

12 th

11 th brazilian printing industry yearbook

11º anuário brasileiro da indústria gráfica • 2006/2007

12º ANUÁRIO BRASILEIRO DA INDÚSTRIA GRÁFICA • 2007/2008

13º Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica 2009

0 15

*"

120

E ditado por

30

90

2010 0

330

11 th brazilian printing industry yearbook

60

DA INDÚSTRIA GRÁFICA

11º anuário brasileiro da indústria gráfica

(3«'*$" /

200

ANOS

2006/2007

#3"4*-

E D ITA D O PO R

14º

13º Anuário ANUÁRIO Brasileiro da Indústria BRASILEIRO Gráfica

0

14º Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica 2010

Sem similar ! Exclusivo diretório da indústria gráfica nacional

E DI TA DO P O R

12 Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica 2007/2008 º

12th Brazilian Printing Industry Yearbook 2007/2008

2009

5/5/09 11:12:08 AM

30.03.10 17:25:51

3/19/08 11:25:14 AM


Abaixo, os projetos de Leandro Daniel, Ana Basaglia e Fabiana Campos Martins.

Os designers em geral, e os visuais em particular, e aqui estão incluídos os gráficos e os webdesigners, estão cada vez mais envolvidos em relações com profissionais de

98

muitas áreas. Não só para tratar dos conteúdos, de argumentos ou de narrativas, mas também por motivos técnicos envolvidos na produção e no funcionamento dos sistemas. Além disso os designers devem dominar o verbal não apenas para o diálogo, mas sobretudo para organizar a criação. ¶ O curso de

pós-graduação em design gráfico da FAAP, coordenado por Carlos Perrone, trabalha vários aspectos paralelos e fundamentais da vida cultural e tecnológica essenciais ao desenvolvimento profissional dos designers. Os projetos nesta página foram desenvolvidos no primeiro semestre de 2010.

De cima para baixo, os projetos de Andrea Simão, Raquel Orlando e Fabíola Greco.

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010


A ARTE DA TIPOGRAFIA

Este é um texto relevante sobre a arte tipográfica, cuja pertinência transpassa as três mais importantes fases da tipografia ao longo dos seus quinhentos anos de vida. É leitura fundamental para quem inicia seu aprendizado profissional a partir da fase dos computadores. Zapf, nascido em 1918, é considerado um dos mais influentes designers de tipos de todos os tempos. Atualmente trabalha na Linotype, na Alemanha, digitalizando suas criações e em novos projetos. Claudio Ferlauto

A Trienal Nacional do Design dos EUA, cuja quarta edição foi intitulada Why Design Now?, segue a linha já tradicional em seus títulos (Design Culture Now, Inside Design Now e Design Life Now) e, como nas anteriores, mostra uma vasta gama de produtos, incluindo o mundo virtual e o real, produtos e arquitetura, design de superfícies e design de grandes estruturas. Aberta no início do mês de junho, esta edição, ao contrário da onda consumista global, exalta a funcionalidade em detrimento das inovações formais criadas pelas políticas de obsolescência indecente do sistema vigente. Para Holland Cotler, do New York Times, “algumas funções são bastante esotéricas. Há, por exemplo, uma blindagem corporal para uso na limpeza de campos minados; um debulhador manual de ❧ grãos, atualmente sendo testado no Mali, feito “Os estilos e as tecnologias que os afetam evoluíram com uma roda de bicicleta, e uma lâmpada LED drasticamente durante os 450 anos desde que Claude Garamond desenhou os seus tipos. alimentada com lixo”. ¶ A arquitetura As letras da composição tipográfica do passado tem presença muito forte nas mostras do foram feitas para servir ao espírito de sua época Cooper-Hewitt National Design Museum e isso e da tecnologia então em uso. Griffo e Garamond se explica pelo fato de que lá a arquitetura está cortaram (esculpiram) seus tipos à mão — tipos que eram projetados para serem impressos em papel sob o guarda-chuva do design, e os arquitetos umedecido através de prensas de madeira. As serifas não veem nenhum problema nisso, ao das fontes originais foram reforçadas para resistir contrário do Brasil, onde “uns boicotam os à pressão então necessária para se imprimir sobre outros e outros boicotam os uns” e nem se o rústico papel feito à mão e se gravar as ousadas sabe bem o porquê. ¶ O crítico completa: e diretas xilogravuras do século XVI”. “Como todo design, a arquitetura é uma arte ❧ social. Trata-se de compartilhar e moldar o mundo, e a trienal tem o seu momento mais inspirado na mostra de projetos arquitetônicos. A nova arquitetura pública de Medelin, na Colômbia, é a história de uma revolução social em curso”. Os grandes e inovadores prédios erguidos nos bairros pobres e violentos rapidamente expulsaram as quadrilhas e os traficantes dessas áreas.

TRIENAL USA

OLhAR

USA DESIGN

GRá FICO

COPA

Uma releitura do cartaz da Copa de 1950 por Geraldo Dalla Valle, designer da Artgraf Design Corporativo, de Porto Alegre, RS. www.artgraf.art.br

99 SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF


Design para quem não é bobo

OLhAR

chão; [...] mas isso também significa que o cabo e o transformador do modelo antigo [...] são agora Deyan Sudjic é diretor do Design absolutamente inúteis. ¶ O design Museum, de Londres, como é usado para moldar percepções informa lacônicamente a quarta de como os objetos devem ser capa do livro A Linguagem das compreendidos. [...] Essa é uma Coisas (Editora Intrínseca, Rio de linguagem que evolui e modifica Janeiro, 2010). # A obra é uma seus significados tão depressa como crítica ao consumo inconsciente e à qualquer outra. Pode ser obsolescência planejada, aos quais manipulada com sutileza estamos nos acostumando como e inteligência, ou com obviedade ovelhas e cordeiros manipulados canhestra. Mas é a chave para por pastores do mercado e dos entender o mundo feito pelo homem. governos. Quem se incomoda ou quem se acomoda com Bobagem as contínuas atualizações de boleiro (quase sempre) inúteis em seu laptop, em seu Vou ser o melhor jogador da copa tocador de música ou em da África. Robinho. seu automóvel precisa ler Deyan para compreender o que se passa na sua vida: Futebol coisa que vai muito além para bobos: do fato de mexer no seu bolso. ¶ E os designers o maior deveriam ser obrigados espetáculo a ler para entender como da Terra estão deixando de ser agentes transformadores O gol é o ponto mais alto do futebol. Menos para o da sociedade para Parreira, para quem ele “é aptornarem-se marionetes enas um detalhe”. Mas Parreira manipuladas por controles é o que é, e faz anos que temos muito remotos... E muito de engoli-lo. A Copa do Mundo mais. ¶ Alguns trechos: é o maior espetáculo da Terra e deveria realizar sempre sua O uso exagerado da grande final no Coliseu, em palavra designer a Roma, para fazer jus à sua esvaziou de significados, grandiosidade. Entretanto, no ou a transformou em seu dia maior, jogam-se quase sinônimo de cínico duas horas de ludopédico e manipulador (ler e acontece apenas um gol. É estupendo como temos também Villém Flusser, a capacidade de sermos O Mundo Codificado, Cosac manipulados e enganados por um Naify. ¶ Nossa relação com nossas empreendimento comercial, onde quem posses nunca é direta. É uma mescla perde chora muito... apenas porque seus complexa de ciência e inocência. Os negócios serão prejudicados financeiramente. objetos estão muito longe de serem Se as coisas continuarem assim, onde ganha tão inocentes [...]e é isso que os torna quem fica mais tempo com a bola, é melhor logo organizar uma copa onde só sejam interessantes demais para serem permitidas embaixadinhas. Quem ficar mais ignorados. ¶ Também decepcionante tempo sem deixar a bola cair leva o caneco, [...] é a introdução feita pela Apple e chega de sofrimento. Está tudo tão chato de uma peça magnética que liga a que, como disse o filósofo Tostão, na Folha de S.Paulo, “o drible de corpo, a finta, o drible em máquina ao cabo de alimentação. que o jogador vai para um lado e depois vai Sem dúvida ela impede que, sem para o outro, o elástico e todos os tipos de 100 querer, derrubemos a máquina no dribles são cada vez menos frequentes. […] REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

No futuro o drible vai ser tão raro que poderá ser considerado uma falta, uma atitude antiética”. E não estamos longe disso: basta lembrar o que aconteceu com Kerlon, o jogador que inventou o drible da foca, lá em Minas Gerais.

Games sem bobagens Tom Bissell, em seu livro Extra Lives Why Video Games Matter (Pantheon Books, Nova York, 2010), põe o dedo na ferida da maior indústria mundial de entretenimento: Os games são sim uma forma de arte, embora ainda precisem ir além das narrativas tradicionais e melhorar muito os diálogos capengas de seu jogos. […] Não me importo com gráficos, cabelo e todas essas coisas se o game tiver imaginação, consistência e estilo. […] Provavelmente jogar games, na verdade, não ajudou em nada minha literatura. Jogar videogame usa uma parte da sua mente completamente diferente de quando você lê um livro. De fato, quando eu jogo muito, tenho que treinar minha mente para que ela se concentre em livros de novo, o que às vezes leva alguns dias. Na Folha de S.Paulo, julho de 2010.

Leituras

Atualmente lemos ligeiramente menos narrativas e argumentos longos do que 50 anos atrás. […] Mas e o outro lado da balança? Estamos lendo mais textos e escrevendo com maior frequência do que na época áurea da TV. ¶ Estamos ligeiramente menos concentrados e exponencialmente mais conectados. É uma troca que todos deveríamos nos alegrar em fazer. Steve Johnson, no New York Times.

E ele não é nada bobo Não sou internauta. Não compro nada pela internet. Aliás, se a economia dependesse de mim como consumidor, o mundo quebraria. As redes sociais, para mim, são um atraso de vida. Prefiro ler um livro ligado a negócios. Ubirajara Spessotto, executivo do setor imobiliário, São Paulo.


Lombada Quadrada - Hot Melt e PUR.


Quadrinhos

Um grande herói que nunca existiu No final da década de 1930, era de ouro dos quadrinhos, surge um novo super‑​­herói que alcança grande sucesso de vendas nas bancas. Só que…

D

ois jovens primos, Joe Ka­va­lier & Sam Clayman, con­tem­po­râ­neos de au­to­res da importância de Jerry Sie­gel & Joe Schuster (Superman) e Bob Kane (Batman) resolvem apro­vei­tar a “onda” e lançam um novo herói, O Escapista, mestre do subterfúgio e inigualável na arte da fuga. Mesmo enfrentando a forte concorrência dos grandes super-​­he­róis, a cria­ção dos novos au­to­res sur­preen­de e torna-se uma sensação de vendas nas bancas de revistas. Só que… isso tudo era apenas fictício. Essa história nasceu da fértil imaginação do escritor americano Mi­chael Chabon no seu livro “As In­crí­veis Aventuras de Ka­va­ lier & Clay”, lançado nos EUA em 2000, que recebeu o Prêmio Pulitzer no ano seguinte. Fã dos quadrinhos, Chabon faz da sua obra uma homenagem aos grandes nomes dos comics. A trajetória de Ka­va­lier & Clay praticamente se inspira nas aventuras e desventuras da vida real de Sie­gel e Schuster. Asas à imaginação

Tanto a dupla de au­to­res quanto o personagem, existiram somente no livro de Chabon. Na época, a Dark Horse ­Books publicou um gibi com as aventuras do Escapista, sem sucesso. Durou apenas oito edições. Em 2007, a Dark Horse resolve ho­me­ na­gear o au­tor e lança o livro “As In­crí­veis Aventuras do Escapista”, reu­nin­do destacados nomes dos quadrinhos que cria­ram suas

Álbum em cores 192 páginas Devir Livraria www.devir.com.br

102

Álvaro de Moya é autor do livro Vapt-Vupt. REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

pró­prias his­tó­rias sobre o herói. Nesta obra, publicada em maio no Brasil pela Devir Livraria, figuraram 15 au­to­res/artistas, entre os ­quais Howard Chaykin e Will Eisner. O cria­dor do “Spirit” foi convencido pela sua editora, Dia­na Schutz, a participar, mas demorou para fazê-lo. Um dia de­pois de entregar o trabalho, Eisner foi hospitalizado e faleceu em pou­co mais de duas semanas, no dia 3 de ja­nei­ro de 2005.


Galeria da SIB - Sociedade dos Ilustradores do Brasil

Autor: HIRO KAWAHARA Título: Programa Pró Menino/ 2010. Cliente: Fundação Telefônica Técnica: Corel Painter 11 e Photoshop.

www.sib.org.br

Sociedade dos Ilustradores do Brasil


Gilberto Perin

104 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010


Foto: Marilaine Castro da Costa

F OTOG R A F I A

“A fotografia tem um começo, um meio e não necessariamente um fim. O fim está nos olhos do observador” Tânia Galluzzi

Instantes de emoção

105 SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF


saís­sem de seu computador e ganhassem as paredes das salas de exposição. O pri­mei­ro en­saio aconteceu em 2009, com a mostra “Conexões Infinitas”, no Cen‑ tro Cultural CEEE Erico Verissimo, em Porto Alegre. Em 37 fo­to­g ra­f ias, registrando pai­ sa­gens urbanas em vá­r ios pontos do globo, Gilberto revelava as idios­sin­cra­sias desses grupos, ora em pai­sa­gens, ora em retratos. Aqui, uma característica pe­cu­liar. Corajo‑ so, o fotógrafo expõe-​­se ao chegar bem per‑ to daqueles que vai fotografar, que rea­gem com indiferença, cu­r io­si­d a­de, medo e até mesmo agressividade. “Uma foto é o menor longa- metragem, fei­to com a menor equipe. Tem de trazer uma carga dramática”.

G

ilberto Perin sempre transitou com desenvoltura pelo univer‑ so das imagens. Formado em Co‑ municação So­cial pela PUC‑RS em 1976, já foi diretor de cena, gerente de produ‑ ção, ro­tei­ris­ta e diretor de curtas-​­metragens. Desde 1995 está na direção do Núcleo de Es­pe­ciais da RBS‑ TV do Rio Grande do Sul. Nesses 30 anos, o que Gilberto mais fez foi trei­nar seu olhar em busca do enquadra‑ mento primoroso, de formas particulares de mostrar o mundo. Mesmo assim, ele reluta‑ va em revelar a expressão estática de suas ex­pe­r iên­cias. A fotografia acompanhava-​ ­o, mas não chegava ao público. Foi preciso a intervenção de um amigo, o artista plás‑ tico Alfredo Aquino, para que as imagens

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

A ex­pe­r iên­cia lhe rendeu a participa‑ ção em uma exposição coletiva em Paris e o estímulo para novas incursões. Dessa vez tudo aconteceu de caso pensado. “Gosto de futebol, mas não sou fanático. Resolvi então mostrar algo que não vemos mais porque é proi­bi­do. Os ves­tiá­rios, as emoções contidas naquele espaço pou­co gla­mou­ro­so”. Além das quatro linhas

Apesar da dificuldade de driblar essa proi­bi­ ção (repórteres não podem mais transmitir 


diretamente dos ves­tiá­rios), Gilberto queria retratar um time com uma conexão direta com o Brasil. O escolhido foi o Grêmio Espor‑ tivo Brasil, da cidade de Pelotas (RS), que me‑ ses antes havia perdido parte de sua equipe num acidente ro­do­viá­r io. Por três meses Gilberto acompanhou o time. “Fiz-​­me invisível. Nunca conversa‑ va com os jogadores durante as fotos, dis‑ tância es­sen­cial para a es­pon­ta­nei­da­de das

& GILBERTO PERIN Tel. (51) 9981-​­6059 www.gilbertoperin.com

imagens”. Nas fotos está o leque de emoções que escorre do campo para os ves­tiá­r ios, a dor literal do contundido, a solidão do ex‑ pulso, o res­pei­to pelo trei­na­dor, a re­li­g io­ si­da­de sincrética. “É um en­saio fotográfi‑ co incomum, prio­r i­zan­do a estética, com o

108 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

olhar voltado para os bastidores, não para o campo do jogo, não para a ação do fato esportivo. Tam­pou­co é sobre o futebol mi­ diá­ti­co do megaespetáculo televisivo e sim sobre os bastidores profundos e secretos do futebol mais popular e um tanto mais sim‑ ples do que aquele que todos veem na te‑ levisão”, escreveu Alfredo Aquino, curador da exposição. A mostra, intitulada Camisa Bra­si­lei­ra, também ocupou o Centro Cultu‑ ral Erico Verissimo, entre junho e julho des‑ te ano. A meta agora é a produção de um li‑ vro, reu­nin­do cerca de 100 imagens e texto do escritor Aldyr Garcia Schlee. Gilberto tomou gosto pela coxia: já está fotografando os bastidores do Carnaval. “É de­sa­f ian­te mostrar com magia algo nor‑ malmente desprovido de magnetismo, re‑ velar a poe­sia daquilo que está por trás da cena principal”.


Fabio Mestriner

A importância cultural da gravura para a indústria gráfica “A diferença dos grandes profissionais é que eles sabem mais sobre a profissão a que se dedicam”.

A

frase ao lado foi a resposta dada pelo ci­r ur­g ião real da Coroa britânica quando per­ guntado qual era a diferença entre o ci­r ur­g ião real e os de­ mais ci­rur­giões. Em sua resposta ele afirmou que o grande ci­r ur­g ião, além de executar com precisão as ci­r ur­g ias, deve saber mais sobre cirurgia que os ci­r ur­g iões comuns. O conhecimento sobre a profissão torna mais qualificado o trabalho do pro­f is­sio­nal e amplia os horizontes de sua atua­ção. Aque­ les que desejam ir mais longe em seu tra­ balho precisam conhecer a história, a evo­ lução e as grandes conquistas da atividade que escolheram e precisam conhecer o tra­ balho dos grandes mestres que ajudaram a forjá-​­la. Só assim se tornarão parte do gru­

110 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

po que faz com que a profissão permaneça viva e em constante evolução. Uma vez me disseram que os pilotos dos ­aviões da Lufthansa passam por trei­na­men­ tos pe­r ió­d i­cos onde reciclam e atua­li­zam seus conhecimentos para se manterem no topo de sua atividade. Nestes trei­na­men­tos eles também voam em planadores para não perderem a capacidade de conduzir uma ae­ ro­na­ve sem motor, afinal, mesmo com toda a tecnologia disponível, um piloto de ­avião ain­da deve saber voar. Neste momento em que o setor gráfico atravessa grandes transformações tecnológi­ cas, os pro­f is­sio­nais do setor estão enfren­ tando novos de­sa­f ios, pois cada vez mais os equipamentos estão repletos de dispositivos eletrônicos e a impressão digital veio para ficar. A introdução deste artigo serve para lembrar que um gráfico, mesmo trabalhando com equipamentos eletrônicos e di­gi­tais, não deve abrir mão do conhecimento fundamen­ tal que fez desta uma das mais importantes profissões para o progresso da humanidade. O conhecimento da gravura e de sua con­t ri­bui­ção para a cultura, tanto das ar­ tes gráficas quanto da so­cie­da­de como um todo, deve estar entre as preo­cu­pa­ções da­ queles que desejam se tornar grandes pro­ fis­sio­nais, pois é ela que está na matriz de tudo o que é fei­to no setor. Gravar uma ma­ triz, entintá-​­la e transferir a imagem nela gravada para o papel constitui a essência desta atividade. Este procedimento resistiu à passagem dos séculos e chegou até nos­ sos dias com pou­cas alterações, pois seus fundamentos permanecem. Desde que os monges budistas na China começaram a produzir impressões com uma matriz de ma­dei­ra gravada por volta do ano 670 até as mais modernas impressoras de hoje em dia, ain­da gravamos uma matriz, aplicamos sobe ela a tinta e a pres­sio­na­mos contra uma folha. A gravura em ma­dei­ra, pedra ou metal, desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento da arte e


Fabio Mestriner é professor e coordenador do Núcleo de Estudos da Embalagem ESPM. Professor do curso de pós-​graduação em Engenharia de Embalagem da Escola de Engenharia Mauá. Coordenador do Comitê de Estudos Estratégicos da Abre, Associação Brasileira de Embalagem. Autor dos livros Design de Embalagem: Curso Avançado e Gestão Estratégica de Embalagem.

na difusão do conhecimento que transfor­ mou a so­cie­da­de e o mundo em que vive­ mos. Sua história riquíssima em aconteci­ mentos e personagens merece ser conhecida e suas práticas artísticas precisam ser pres­ ti­g ia­das tanto pelo setor quanto pelos pro­ fis­sio­nais que o cons­ti­tuem, pois é ela que mantém viva a alma das artes gráficas. As escolas pro­f is­sio­nais, as escolas de design, artes plásticas, arquitetura e dese­ nho, ain­da mantêm ate­liês que ensinam as técnicas básicas da gravura, mu­seus e pi­ nacotecas mantêm alguns cursos e ate­liês, existem clubes de co­le­cio­na­do­res e ga­le­r ias de arte ain­da ativos no segmento, mas esta atividade precisa ser promovida para se manter viva e para con­ti­nuar evo­luin­do. Uma gravura artística, assinada por um artista reconhecido, é a forma de m ­ aior va­ lor que uma folha de papel pode alcançar, pois existem gravuras que alcançam valores de dezenas de milhares de dólares. Nem o di­nhei­ro impresso em papel moe­da alcança valor semelhante. A cultura da gravura é importante para o setor e deve merecer de todos os que nele ­atuam, ou dos que têm afinidade e amor pelas artes gráficas, uma grande considera­ ção e res­pei­to, pois o futuro desta atividade passa pela valorização da sua história e de sua con­tri­bui­ção para o desenvolvimento da cultura da so­cie­da­de humana. A essência de uma atividade contém o DNA que permite que ela se reproduza; ati­ vidades e profissões extintas começaram a morrer quando abriram mão de sua histó­ ria e dei­xa­ram de cultivar os fundamentos que a fizeram existir.

111 SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF


Da Califórnia para o mundo

F

oi no ano de 1935 que o inventor Stanton Avery cons­t ruiu seu pri­mei­r o engenho para produzir etiquetas au­ toade­si­vas. O projeto, fei­to com motor e peças de máquina de lavar e de costura, custou apenas cem dólares — um patrocínio da professora Dorothy Durfee, que futuramente viria a ser sua esposa. A ini­cia­t i­va modesta, mas vi­sio­ná­ ria, deu início à trajetória da empresa. Em apenas dez anos, o negócio prosperou de tal modo que foi cria­da a marca Fasson de etiquetas. Na década seguinte, foi estabelecida a pri­mei­ra sub­si­diá­ ria no ex­te­r ior, na cidade de Lei­den, Holanda.No final dos anos 1960, com ações na Bolsa de Valores de Nova York, a Avery começou a colocar no mercado uma série de inovações que culminaram em sua inclusão no ranking das 500 maio­res corporações in­dus­triais dos Estados Unidos, publicada pela revista Fortune. São desse pe­río­do produtos pio­ nei­ros como os adesivos para vedar fraldas e os ma­te­r iais sen­sí­veis à pressão, empregados na produção dos pri­mei­ros selos au­toa­de­si­vos dos Estados Unidos. Nos anos 1990, início do processo de formação da economia globalizada, a Avery fundiu-​­se com a Dennison Manufacturing, marcando a expansão mun­d ial da empresa. Com vendas na casa dos 6 bi-

Com mais de 200 fábricas e escritórios em 60 países, a Avery Dennison chega aos 75 anos e continua inovando em substratos e materiais autoadesivos. lhões de dólares em 2009, a companhia se­dia­da em Pasadena, Califórnia (EUA), emprega aproximadamente 33 mil fun­ cio­n á­r ios em mais de 200 fábricas e es­c ri­t ó­r ios em 60 paí­s es da América Latina, Europa, África do Sul e Ásia, servindo clien­tes em 89 nações. O movimento trans­na­cio­nal não tirou a tradição da empresa. Em todo o mercado, a marca Fasson é sinônimo de pa­péis revestidos, filmes e folhas de alumínio, au­toa­de­si­vos e não adesivos amplamente utilizados nas mais diferentes aplicações por convertedores de rótulos, designers de embalagem e fabricantes de bens de consumo. Para mostrar os be­ne­f í­cios das aplicações em au­toa­de­si­vo, a Avery Dennison lançou este ano o site www. enhanceyourbrand.com/, exclusivo para o mercado de usuá­r ios fi­nais. Trajetória no Brasil

No País há 40 anos, a Avery Dennison mantém uma planta e um centro de dis­tri­ bui­ção em Vinhedo, in­te­r ior de São Pau­ lo, e ou­tro em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Em  setembro, mês de seu aniversário de 75 anos, a companhia participou de dois grandes

eventos do setor. O pri­mei­ro deles foi a LabelExpo Americas 2010, em Chicago (EUA), onde foram apresentados recentes desenvolvimentos tecnológicos e inovações em ma­te­r iais para rotulagem. Dentre as novidades destacam-​­se o Polyphane Fit, filme ter­moen­co­lhí­vel em bobina. Com taxa de encolhimento su­pe­rior a 50%, o ma­te­rial permite uma extensa va­r ie­d a­de de formatos, sendo ­ideal para a produção de embalagens para envase de bebidas. Outra novidade apresentada foi a Fasson Superfine, que integra a linha pre­mium de fron­tais para garrafas de vinho. O ma­te­rial não revestido foi cria­do para explorar as técnicas e recursos de impressão, maximizando efei­tos de grafismos. A linha é certificada pelo Forest Stewardship Coun­cil (FSC) e pela HP Indigo para os processos de impressão offset e flexográfico. A empresa também apresentou na fei­ra o portfólio Fasson de substratos para o segmento digital, com ma­te­r iais específicos para impressoras de bobina, que in­cluem filmes rígidos e mol­d á­veis, ter­moen­c o­l hí­veis, embalagens fle­xí­veis e du­rá­veis. No mesmo mês, a Avery Dennison esteve ain­d a no Pentawards 2010, em Xangai, na China. Dentre as diversas ca­ te­go­rias que pre­miam os melhores designers de embalagem do mundo, a empresa patrocinou a de “Vinho, Champagne e Destilados”, com a proposta de reconhecer e encorajar a cria­ti­vi­da­de e a excelência dos pro­f is­sio­nais. Cu­r io­sa­men­te, assim como a Avery Dennison, o Pentawards nasceu de uma ini­cia­ti­va em­ preen­de­do­ra e da parceria de um casal: os designers norte-​­americanos Jean e Brigitte Evrard, ganhadores, eles pró­prios, de 50 tro­féus de mérito na área. & AVERY DENNISON Tel. (19) 3876-​­7600 www.averydennison.com.br


Sistema Abigraf Notícias

Foz do Iguaçu se prepara para receber 15ª- edição do Congraf

D

O principal congresso do setor gráfico brasileiro ocorre em outubro do ano que vem, mas a Abigraf Nacional já trabalha na organização e composição da grade de atividades do encontro.

e­p ois de duas décadas, o Congresso Bra­si­l ei­ro da In­ dústria Gráfica (Congraf) está com data marcada para voltar a Foz do Iguaçu. Entre 8 e 11 de ou­tu­bro de 2011, pro­f is­sio­ nais do setor gráfico de todo o Brasil irão se encontrar no Ho­ tel Mabu, localizado no cami­ nho das famosas cataratas, com

lestras e workshops. O objetivo é trazer au­to­ri­da­des na­cio­nais e in­ter­na­cio­nais do segmento”, revela. No  entanto, ele pontua que é preciso cau­te­la. “Temos de abordar temas e tec­n o­l o­ gias de acordo com os interes­ ses de nossa indústria. Hoje em dia tudo é mui­to rápido, então é possível que três meses antes

de produtividade do Paraná es­ tão entre os mais altos do País. Sua indústria é bem diversifi­ cada, abarcando os segmentos au­to­mo­bi­lís­ti­co, agroin­dus­trial, de papel e celulose, alimentí­ cio, ma­dei­rei­ro, químico, têxtil, de cimento e ele­troe­le­trô­ni­co, entre ou­tros. Essa diversidade tem se convertido em ne­gó­cios

do evento surja alguma novida­ de que terá de ser incorporada à grade de atividades. Estamos atentos aos movimentos para oferecer um encontro altamente produtivo”, pondera.

para a indústria gráfica da re­gião — são mais de 1.400 empresas atuan­tes no setor, que, há mais de uma década, tem apresenta­ do superávit considerável, mo­ vimentando anual­m en­te cer­ ca de R$ 1,2 bi­lhão, sendo um dos quatro prin­ci­pais polos do segmento no País. “O Paraná tem história no se­ tor, inclusive como um estado que deu sua con­t ri­b ui­ç ão na fundação da Abigraf Na­cio­nal. Nossa indústria gráfica é moder­ na, bem equipada e preparada

O elegante e confortável Mabu Thermas & Resort hospedará os participantes do 15 -º Congraf

114

o objetivo de discutir as novas tec­no­lo­gias e os rumos do mer­ cado gráfico. O en­tu­sias­m o é grande. “Será um prazer para nós receber um dos mais con­ sagrados eventos do segmen­ to. É um momento mui­to es­pe­ cial. Desde já, todos os colegas estão convidados”, afirma o presidente da Abigraf Re­gio­nal Paraná, Sidney Pa­cior­nik. Cien­te do desafio, Pa­cior­nik já trabalha no desenvolvimen­ to do congresso, que terá como tema “Crescendo com o Brasil”. A  cerimônia ofi­cial de abertura e o coquetel de boas-​­vindas aos congressistas estão marcados para 8 de ou­tu­bro do próximo ano, a partir das 20h. As  pales­ tras ocorrerão nos dias 9, 10 e 11, no pe­río­do das 9 às 13h. O even­ to será encerrado com um almo­ ço de confraternização no dia 11. “Além do planejamento do salão de ne­gó­cios, estamos rea­li­zan­ do alguns contatos para as pa­

Além das cataratas A escolha de Foz de Iguaçu para se­diar a 15ª edição do Congraf não foi por acaso. Vá­rios pontos foram determinantes para a de­ finição, a começar pela ampli­ tude e va­rie­da­de de ne­gó­cios presentes no Estado. Os índices

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

para a alta competitividade do mercado”, afirma Pa­cior­nik. Com mais de 320 mil habitan­ tes, Foz do Iguaçu está localiza­ da no extremo oes­te do Paraná. É o segundo destino mais procu­ rado no Brasil por turistas es­tran­ gei­ros, perdendo apenas para o Rio de Ja­nei­ro, segundo o Insti­ tuto Bra­si­lei­ro de Turismo (Em­ bratur). A cidade é conhecida in­ ter­na­cio­nal­men­te por abrigar as Cataratas do Iguaçu, considera­ das “a oi­ta­va maravilha do mun­ do”. Localizadas no Parque Na­ cio­nal, suas 280 quedas d’água produzem um belo espetácu­ lo da natureza. Outro local que merece uma visita é a usina hi­ drelétrica de Itai­pu, a ­maior do planeta em produção de ener­ gia. A  cidade dis­ põe ain­da de atra­ tivos cul­t u­r ais e, claro, das pontes da Amizade, na di­ visa com o Pa­r a­ guai, e Tancredo Neves, na fron­tei­ra com a Argentina. Além dos atra­ tivos, Foz do Igua­ çu possui notável in­f raes­t ru­t u­r a para rea­li­z a­ç ão de competições esportivas, en­ contros cul­tu­r ais, convenções e fóruns de empresas dos mais va­ria­dos segmentos. Aeropor­ to in­ter­na­cio­nal, confortável e acessível rede ho­te­l ei­r a e di­ versas opções gastronômicas são alguns dos pilares que sus­ tentam a “cidade das catara­ tas” como uma referência para a rea­li­za­ção de eventos de su­ cesso no Brasil. Informações: tel. (11) 3164‑3256, e-​­m ail: gzorzi@abigraf.org.br.


Estamos acostumados a deixar uma ótima impressão. Agora não só no acabamento. Ser uma gráfica completa significa deixar nossos clientes plenamente satisfeitos quanto a qualidade e agilidade na execução de seus trabalhos.Pensando nisso, a Aquarius investiu em 2 impressoras rotativas Harris M-1000B.

Com a chegada desses equipamentos, a Aquarius passa a ser uma das poucas gráficas do Brasil a imprimir e acabar internamente produtos com grampo canoa, lombada quadrada, capa dura e capa flexível.

Conheça nossas instalações!

Aquarius Gráfica e Editora Av. Alexandre Colares, 420 - Vila Jaguara - São Paulo - SP - (11) 3623-6200

www.aquariusweb.com.br


Sistema Abigraf Notícias

MANUAL DOS GRUPOS EMPRESARIAIS E DE TRABALHO : O DESAFIO DA UNIÃO.

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA PARA ADEQUA INTERAÇÃO SA REN COM A IMP

Abigraf‑SP firma parceria com a IBSolution Empresas filiadas à Abigraf têm benefícios na impressão de dados variáveis.

Realização:

cartilha_grupo

s_a5_final.indd

1

Realização:

09/09/10 11:12

31/08/10 12:10 dd 1

nsa_a5_final.in

cartilha_impre

P

116

Abigraf lança novas cartilhas orientativas Com dois títulos já disponíveis, entidade prepara novo material para 2011.

reo­cu­pa­dos em informar e am­pliar os conhecimentos dos pro­f is­ sio­nais da indústria gráfica, a Abigraf Na­cio­nal e a Abigraf Re­gio­ nal São Pau­lo estão elaborando novas cartilhas sobre diversos te­ mas pertinentes ao setor e ou­tros correlatos, como dicas de boas práticas com a imprensa. O pri­mei­ro título lançado é o Ma­nual dos Grupos Em­pre­sa­riais e de Trabalho: O Desafio da ­União, que tem o objetivo de con­tri­buir para aprimorar o trabalho dos Grupos Em­pre­sa­riais e dos Grupos de Tra­ balho da Abigraf‑SP e defender, perante o setor, a ­ideia da coo­pe­ ra­ção mútua como con­cei­to-​­chave para o pleno desenvolvimento das atividades produtivas. A cartilha de onze páginas traz as prin­ci­pais informações sobre as propostas dos grupos, seus objetivos, integrantes, plano de trabalho e temas abordados em reu­niões e se­mi­ná­rios. O segundo título já lançado é o Ma­nual de Orien­ta­ção para Adequada Interação com a Imprensa, com con­teú­do elaborado pela as­ sessoria de imprensa da Abigraf, a Ricardo Vi­vei­ros & As­so­cia­dos. A  publicação aborda, basicamente, os mecanismos para utilizar a força da imprensa em benefício das organizações. São 28 páginas que orien­tam os em­pre­sá­rios do setor sobre o papel da assesso­ ria de imprensa e a importância de se po­si­cio­nar de acordo com os diferentes veí­cu­los de comunicação. O ma­te­rial mostra a rotina dos jornalistas, que é regida pela pres­ são do curto prazo para apuração das no­tí­cias, e explica como as em­ presas devem se preparar para atender prontamente as solicitações de entrevistas. Outro aspecto mostrado é como detectar um tema que pode virar notícia, bem como as ações preventivas de comuni­ cação, dentro da empresa, para identificar assuntos que envolvem a empresa e que poderão repercutir negativamente na imprensa. A publicação mostra ain­da como fun­cio­na o media trai­ning, que prepara porta-​­vozes para falar com jornalistas, indicando desde a postura correta perante o entrevistador até as boas práticas para transmitir as informações. REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

A

Abigraf Regional São Paulo firmou parceria com a IBSolu­tion, empre­ sa que oferece soluções para impressão de dados va­r iá­v eis, utilizados no mar­ke­ting direto como forma de comunicação personalizada. As­so­cia­ dos à Abigraf‑SP terão vantagens na aquisição de soluções IBSvdp. A tecnologia pode ser aplicada também à impressão de notas fis­cais a laser, extratos, boletos, propostas de seguro, holerites e for­mu­lá­rios eletrô­ nicos. Nessa moda­ lidade, os soft­wares são customizados e instalados em cada clien­te da empre­ sa in­d i­v i­d ual­m en­ te. O pacote de ser­ viços inclui arquivo de demonstração, trei­na­men­tos téc­ nicos e co­mer­ciais. Entre as van­ tagens do siste­ ma IBSvdp estão: trabalho com dados va­riá­veis de qualquer origem; ferramenta server-​­based, que permite a im­ pressão a partir de qualquer equipamento; arquitetura simples; independência de velocidade de hard­ware; linguagem aber­ ta; número de usuá­rios ilimitado e sem vínculo com fabrican­ tes; e suporte e equipe de desenvolvimento. Adi­cio­nal­men­te, o sistema incide na redução de custos e em oportunidades de au­men­to de faturamento. Informações sobre os serviços da IBSo­lu­tion podem ser ob­ tidas pelo site www.ibsolution.com.br ou pelos telefones (11) 3877.0047 e 2367‑6680.


Sistema Abigraf Notícias

Eventos reúnem mais de 800 profissionais gráficos Semana de Artes Gráficas beneficia empresários e colaboradores das cidades de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, São José dos Campos e Campinas.

E

118

m con­ti­nui­da­de à proposta de levar para o in­te­rior do Esta‑ do de São Pau­lo um programa que promova o conhecimen‑ to e contribua para aprimorar a formação pro­f is­sio­nal na área, a ABTG, Abigraf‑SP e o Sindigraf‑SP rea­li­za­ram, em agosto e setem‑ bro, a quinta edição da Sema‑ na de Artes Gráficas em quatro cidades pau­lis­t as. Sonia Regi‑ na Carboni, diretora executiva das entidades, explica que os cursos são voltados a todas as ­­áreas: pré-​­impressão, impressão, acabamento, gestão, manuten‑ ção, qualidade e meio am­bien­ te. “Como o objetivo é levar sem‑ pre novidades sobre o mercado aos gráficos, anual­men­te a ABTG rees­tru­tu­ra o programa”. Parte do calendário ­a nual de atividades da pre­fei­tu­r a, a SAG de Ri­bei­rão Preto, organi‑ zada de 2 a 6 de agosto, é uma das que reú­n e ­maior número de participantes, pois envolve oito re­giões administrativas do Estado. No total se inscreveram 385 pro­f is­sio­nais nos seis cursos oferecidos. “Sou obcecado pelo desenvolvimento humano. E to‑ dos os cursos da SAG envolvem a prática. É  mui­to importante investir em pes­s oas”, destaca Wilson Santos, vice-​­presidente da Sec­cio­nal Ri­bei­rão Preto da Abigraf‑SP. O  executivo ressal‑ tou, durante um dos eventos, para um grupo de aproxima‑ damente 80 participantes, que o trabalho em equipe e a vi‑ são de ação conjunta são fun­ da­men­tais “para aprender con­ ti­nua­men­te e entregar soluções adequadas ao clien­te”. De acordo com Sander Uzuel­ le, empresário gráfico que já co‑ mandou a Sec­c io­n al, a capa‑

cia­ti­va contou com a presença de quase 300 participantes. A última Semana de Artes Gráficas do pe­río­do aconteceu em Campinas, de 13 a 17 de setembro. O município é o se‑ gundo ­maior polo gráfico do Estado, formado por 820 gráfi‑ cas, as ­quais empregam mais de 10 mil pro­f is­sio­nais. Ribeirão Preto

São José do Rio Preto

Campinas

citação traz vantagens para a empresa e os fun­cio­ná­rios. “An‑ tes havia resistência dos empre‑ gados em participar. Hoje eles nos procuram para se inscrever”. Em São José do Rio Preto o encontro entre os pro­f is­sio­nais do setor foi rea­li­za­do na sema‑ na de 16 de agosto. O pri­mei­ro dia da programação, inaugura‑

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

da com a palestra do presidente da Abigraf‑SP, Fabio Arruda Mor‑ tara, contou com 50 pes­soas, do total de 208 inscritos nos cinco dias de duração do evento. De 31 de agosto a 3 de se‑ tembro foi a vez da SAG pas‑ sar por São José dos Campos. Na re­gião, formada por 39 mu­ ni­cí­pios e com 155 gráficas, a ini­

Programação 2010 A edição 2010 da SAG teve seu programa ministrado por pro­fis­ sio­nais qualificados e de atua­ção reconhecida no setor, que apre‑ sentaram temas como: “Desen‑ volvendo Equipes de Desempe‑ nho Su­pe­rior”, “Qua­li­da­de com Foco no Resultado”, “Controle e Padronização de Processos na Impressão Offset”, “Qua­li­da­de no Acabamento Gráfico”, “Pro‑ dução Gráfica” e “Gestão Co­ mer­cial para Indústria Gráfica”. Os  eventos têm sido abertos com a palestra “Desafio da In‑ dústria de Comunicação Gráfi‑ ca na Nova Década”, por Fabio Mortara. Na  apresentação, ele demonstra os números do mer‑ cado da indústria gráfica bra­si­ lei­ra e ressalta a importância de as empresas investirem em tec‑ nologia, qualificação de mão de obra e no re­la­cio­na­m en­to com os clien­tes. De acordo com os dados dis­ po­ní­veis, o setor registra 215 mil pes­soas empregadas em todo o País. As empresas na­cio­nais já compraram R$ 618  mi­lhões em máquinas nos pri­mei­ros dez me‑ ses de 2010. “Os  investimentos maciços demonstram a vontade do setor de aprimorar os serviços oferecidos e estar cada vez mais competitivo”, revela o presiden‑ te da Re­gio­nal São Pau­lo.


Contar com 50 anos de experiência é a melhor forma de ver sua empresa 50 anos à frente. Um dos grandes diferenciais da Consutoria ABTG são seus 50 anos de know-how no mercado gráfico e seus mais de 50 consultores especializados. Todos preparados para oferecer o que há de melhor em serviço de consultoria para sua empresa. • Aproveitamento do tempo • Foco na otimização dos processos. • Treinamento durante a implantação. • Consultoria da implantação a certificação. • Atendemos a necessidade especifica do cliente. Veja como ABTG pode ajudar sua empresa:

Consultorias Técnicas: Pré-impressão, Impressão e Pós-impressão.

Pareceres Técnicos: avalia processos produtivos, capacidades técnicas e sigilo da informação.

Consultorias em Gestão: PCP, Custos e Orçamento, Planejamento Estratégico.

Homologação de Indústria Gráficas: Quando compradores e fornecedores se entendem.

Implantação da Norma NBR15540: Bons negócios são feitos na base da segurança.

Diagnóstico de Processo Industrial: Saiba quais são os problemas e soluções para sua empresa.

Implantação da Certificação FSC: O planeta precisa, o cliente exige e a ABTG implanta.

Aplicação de Teste Form: Análise Mecânica e de qualidade da sua impressora offset.

Implantação das Certificações ISO: 9001, 14001, 18001 e 27001.

Treinamentos e Palestras In Company: Os melhores consultores dentro da sua empresa.

Parceria com a ESTAT BRASIL

Para saber mais sobre este serviço ou agendar uma visita, entre em contato conosco: Núcleo de Consultoria e Treinamento ABTG Tel.: (11) 2797 6702 E-mail: Andrea: aponce@abtg.org.br ou Cristiano: csouza@abtg.org.br


Sistema Abigraf Notícias

Licitações de serviços gráficos

Todos juntos pelas embalagens

A

120

GE‑Emba e Bracelpa unem-se e desenvolvem projeto para incentivar o uso da embalagem de papel‑cartão.

embalagem desempenha funções que vão mui­t o além do simples fato de envolverem um produto. Por meio dela é possível identificar o con­teú­do, conhecer suas características e comparar as diferenças entre itens ­iguais, mas de marcas distintas. No setor de alimentos e bebidas, responsável por 60% do mercado, elas têm, também, a imprescindível fun­cio­na­li­da­de de protegê-​­los, além de garantir a qualidade dos medicamentos, ou­tro segmento que é grande consumidor de embalagens. Visando ressaltar a importância deste segmento gráfico e incrementar a participação das empresas do nicho no mercado, o Grupo Em­pre­sa­rial de Embalagens da Abigraf‑SP (GE‑Emba) ­criou, no segundo semestre de 2009, o projeto Grupo de Embalagens de Papel‑Cartão. A ini­cia­ti­va, desenvolvida em parceria com a As­ so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Celulose e Papel (Bracelpa), tem como objetivo incentivar o consumo dos invólucros fei­tos em papel‑cartão, promover e fortalecer o setor. Para disseminar o con­cei­to e propagar a informação na so­cie­da­de, as entidades contarão com ações de comunicação de assessoria de imprensa. “Estou extremamente feliz por uma ação tão fundamen-

tal como essa estar se concretizando”, conta Sidney Anversa Victor, diretor do GE‑Emba e da Congraf – Indústria e Comércio Gráfica Con­se­lhei­ro. O GE‑Emba tem entre suas propostas defender os interesses da categoria, promover a integração das empresas e estimular a propagação do conhecimento. “A ­união sempre fortalece. Por isso, as ações em conjunto são importantes e obtêm resultados mais significativos. Juntos temos força perante o poder público e fornecedores, a fim de buscar as melhores soluções para todos”, revela Sidney. Uma pesquisa da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Embalagens (Abre) sobre o mercado de embalagens, referente a 2008, apurou que, dos R$ 36,2  bi­lhões movimentados pelo segmento, o papel foi responsável por 28%, o equivalente a R$ 10,1 bi­lhões. O papel é o insumo de menor interferência no meio am­bien­ te. Além de a matéria-​­p rima para sua fabricação ser pro­ve­ nien­te de florestas 100% plantadas, ele pode ser totalmente reciclado. “Esse é o momento para incrementar a produção e o consumo das embalagens cartonadas, pois prevalece a cons­ciên­cia da cau­sa am­bien­ tal”, diz Sidney. Outro aspecto relevante tem caráter econômi-

REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

co, pois a produção de celulose e papel no Brasil é fonte de renda e geração de emprego para mui­tas fa­mí­lias. Para ele, a população precisa ser mais bem informada sobre a origem do papel. “Quan­do ficar claro que as árvores utilizadas para fazer papel são plantadas para esse fim, o consumo terá uma melhora significativa”. E a so­cie­da­de começa a ganhar esta cons­ciên­cia. “Noventa e cinco por cento dos artigos co­mer­cia­li­za­dos em supermercados não têm propaganda, então a embalagem é o grande chamariz para ­atrair o público. Seu design fun­cio­na como um out­door para seduzir o clien­te”, diz o empresário. A impressão em offset também agrega ao papel qualidade incomparável. “As fotos são sempre em alta resolução. Não haveria ou­tra ma­nei­ra, por exemplo, de retratar a exata cor de uma tintura para cabelos, não fosse sua embalagem impressa neste processo”. Os vernizes UV, a aplicação de hot stamping e laminação fosca, crian­do relevo e textura, são as grandes apostas do setor para enriquecer o acabamento no segmento de produtos de luxo. “A  laminação fosca é excelente para embalagens de presente, dá um toque es­pe­cial”, completa Sidney.

A Abigraf‑SP amplia os serviços prestados aos associados fornecendo informações sobre licitações públicas em aberto.

O

s as­so­cia­dos da Abigraf Re­ gio­nal São Pau­lo passaram a receber, em agosto, dia­ria­ men­te, por e-​­mail, a relação das licitações de serviços gráficos abertas no Estado de São Pau­lo. Cien­te da dificuldade das empresas de acompanhar dia­ria­men­te as licitações abertas pelas ins­ti­tui­ções vinculadas aos governos municipal, es­ta­dual e federal, a as­so­cia­ção desenvolveu mais esse serviço de au­xí­lio aos afi­lia­dos. O  objetivo da ini­cia­ti­va é ­criar ­maior proximidade entre as empresas gráficas as­ so­c ia­d as e o setor público, um clien­te de grande po­ten­ cial, dada a diversificação e o expressivo volume de produtos impressos adquiridos pelos governos. Um  bom exemplo está nos livros didáticos comprados pelo Programa Na­cio­nal do Livro Didático (PNLD), do Ministério da Educação e Cultura (MEC). Dian­t e de tal demanda, cujos edi­tais de compra nem sempre chegam ao conhecimento de boa parte das empresas gráficas, a Abigraf‑SP percebeu ser importante prestar este serviço. Divulgando para um ­m aior número de empresas as licitações públicas em andamento, au­men­ tam-​­se as oportunidades de novas gráficas participarem deste mercado concorrido e, mui­tas vezes, restrito. Mais informações podem ser obtidas no portal www. abigrafsp.org.br.


Prêmio Abigraf de Responsabilidade Socioambiental abre inscrições em janeiro de 2011 A premiação, que contempla as melhores práticas sociais e ambientais empreendidas pelas empresas gráficas, terá seu regulamento para a próxima edição reestruturado.

E

xercício de cidadania, de res­ pei­to ao planeta e ação fun­ damental para po­ten­c ia­l i­z ar o desenvolvimento das em­ presas, a responsabilidade so­ cioam­bien­tal ganha cada vez mais força no cenário global. A organização que opta por in­ serir tais práticas em sua roti­ na de trabalho ganha com re­ dução de custos, melhora sua imagem perante a opi­nião pú­ blica e consumidores e, ain­ da, contribui para a evolução de tec­no­lo­gias ecologicamen­ te corretas. Como forma de reconhecer publicamente as ações de em­ presas do setor gráfico, cons­ cien­tes da importância deste tipo de ini­cia­ti­va, a Abigraf Na­ cio­nal ­criou em 2009 o Prêmio de Responsabilidade So­cioam­ bien­tal. Rea­li­z a­da a cada dois anos, a pre­mia­ção tem por ob­ jetivo estimular práticas cor­ retas nesta área e contempla as ca­te­go­rias Am­bien­tal, com

o troféu Orlando Villas-​­B ôas, e So­cial, com o troféu Hasso Weizs­f log. Para a edição de 2011, a láu­rea terá seu regula­ mento reformulado, após o tra­ balho de alinhamento fei­to por uma au­di­to­ria contratada. A partir de 17 de ja­nei­ro do ano que vem, estarão aber­ tas as inscrições de projetos, com prazo final em 22 de abril.

Os jurados, es­p e­c ia­l is­t as nas duas ca­te­go­rias, já estão sendo escolhidos para o trabalho de seleção de finalistas e vencedo­ res no pe­río­do de 25 de abril a 28 de maio. A solenidade de en­ trega dos tro­féus aos vencedo­ res será rea­li­za­da no dia 5 de ju­ nho no Centro So­cio­cul­tu­ral da As­so­cia­ção dos Procuradores do Estado de São Pau­lo.

A primeira edição Em sua edição de lançamento, o Prêmio Abigraf de Responsa­ bilidade So­cioam­bien­tal reu­niu cerca de 200 pes­soas na ceri­ mônia de pre­mia­ção. Na  oca­sião, a Indústria Se­ rigráfica Tekne levou o troféu na categoria Am­bien­tal, com o projeto “Imprimindo com Cons­ ciên­c ia e Ações Am­b ien­t ais”. O case apresentou as posturas adotadas pela gráfica para mi­ nimizar os impactos no meio am­bien­te, como a redução, reu­ ti­li­za­ção e reciclagem de ma­te­ riais, além de mecanismos de economia de energia e água. Pela categoria So­cial, a AB­ note foi a vencedora com o case “Políticas e Práticas: Cida­ dania Em­pre­sa­rial”. A  empresa atua nas comunidades si­tua­das próximo a suas unidades ope­ ra­cio­nais, con­tri­buin­do para a melhoria da qualidade de vida dessa população. www.premiosocioambiental.org.br

Edição histórica Em novembro, a Revista Abigraf completa 35 anos de circulação Anuncie na edição comemorativa Fechamento publicitário: 29 de outubro

Arquivo digital até 4 de novembro

Circulação: 23 de novembro

(11) 3159.3010

gramani@uol.com.br

SETEMBRO/OUTUBRO 2010  REVISTA ABIGR AF

121


MENSAGEM

Fabio Arruda Mortara Presidente da Abigraf Regional São Paulo

O dilema de Matusalém uan­do os povos da Mesopotâmia, no Orien­te Médio, cria­vam a linguagem escrita, há quase cinco mil anos, do ou­ tro lado do mundo, mais precisamente nas Monta­ nhas Brancas da Califórnia, florescia um pi­nhei­ro da espécie Pinus Lon­gae­va, hoje uma portentosa ár­ vore, considerada por mui­tos es­tu­dio­sos o ser vivo mais antigo do Planeta. Matusalém, como foi cari­ nhosamente apelidada, testemunhou como a capa­ cidade de dar significado lógico a caracteres impres­ sos mudou o destino da humanidade. Sim, pois o progresso nesses cinco mi­lê­nios foi radical e infinita­ mente ­maior do que nos milhões de anos an­te­r io­res. A  velha árvore assistiu ao f lorescimento do Egito e da Grécia Clássica, contemplou a ascen­ são e queda do Império Romano, foi suserana de sua linda montanha no pe­r ío­do me­die­val, vi­ven­ ciou o Renascimento, a Idade Moderna e a Con­ temporânea. Chorou  mil guerras, emo­c io­nou-​­se com a grandeza e a sabedoria e se chocou ante a mesquinhez e a lou­cu­ra do bipolar homo sa­piens sa­piens. Ar­re­piou-​­se de medo quando eu­ro­peus e norte-​­americanos devastaram florestas in­tei­ras nos séculos 19 e 20, à revelia da preo­cu­pa­ção am­bien­ tal. Revigorou-​­se de otimismo ao perceber a au­ro­ ra da cons­ciên­cia sobre a sustentabilidade, meta que anima parcela cada vez mais expressiva dos seres humanos e suas ins­t i­tui­ções. Aos seus jovens vizinhos e primos, pi­nhei­ros de apenas mil anos com os ­quais vive nas altitu­ des das Montanhas Brancas, a velha árvore teria confessado, um dia, o seu drama de cons­ciên­cia: “Os pergaminhos dos escribas, o papel dos livros e revistas e de todos os impressos advêm de matéria-​ ­prima vegetal. Não haveria como con­ci­liar a indis­ pensável comunicação gráfica com a preservação das florestas nativas?”. 122 REVISTA ABIGR AF  SETEMBRO/OUTUBRO 2010

A resposta a Matusalém está no con­teú­do da Campanha de Valorização do Papel e da Comuni­ cação Impressa, da qual são sig­na­tá­r ias 22 enti­ dades de classe bra­si­lei­ras integrantes dessa gran­ de ca­deia produtiva e a Federação das In­dús­trias do Estado de São Pau­lo (­F iesp), que se soma à de­ fesa de um setor fundamental para o desenvolvi­ mento. Como tem sido amplamente difundido, o propósito da ini­cia­t i­va é dei­xar claro que cem por cento do papel produzido no Brasil para ativida­ des de impressão procedem de florestas cultivadas. Ou seja, não se derruba um arbusto nativo sequer no País para que nossas crian­ças tenham livros e cadernos e possamos ler jor­nais e revistas, acon­ di­cio­nar produtos em seguras e cria­t i­vas embala­ gens de papel-​­cartão e desfrutar de todos os be­ne­ fí­cios com os ­quais a mídia impressa contempla nossa civilização. Portanto, se depender da indústria gráfica e da ca­deia produtiva da comunicação impressa no Bra­ sil, a flora amazônica, a da Mata Atlântica e a de nossas matas ci­lia­res sobreviverão para testemunhar a aventura do homem nos próximos mi­lê­nios. Ante a assertiva resposta, a velha árvore norte-​­americana faz sua fotossíntese ali­via­da. Nada é mais efi­cien­ te do que a informação correta para que se pos­ sa entender melhor o mundo e defender crenças e convicções com base em elementos ver­da­dei­ros. O dilema de Matusalém é o mesmo de numerosas pes­soas. Afinal, todos entendem a sua importância para a so­cie­da­de e amam livros, revistas, jor­nais, cadernos e ou­tros produtos impressos. Ao mesmo tempo, preconizam a preservação e a sustentabili­ dade das florestas. Por isso, é lamentável a desin­ formação sobre o tema que se dissemina no País, tornando es­sen­cial a campanha de esclarecimen­ to que estamos rea­li­zan­do. Esta é uma luta na qual não devemos esmorecer um segundo sequer, inclu­ sive porque a cons­ciên­cia ecológica, consentânea da informação e da cultura difundidas na comunicação gráfica, é imprescindível para que a ­atual e as futu­ ras gerações selem in­dis­so­ciá­vel compromisso com a preservação do Planeta. presiar@abigraf.org.br


Tecnologia de Chapa Livre de Produtos Químicos

Agora já são mais de 119 sistemas instalados no Brasil.

Nossos clientes falam por nós: Já percebemos algumas vantagens bastante relevantes com a :Azura TS como: facilidade operacional, menos tempo de paradas, forte redução de custos com químicos, diminuição drástica no consumo de água e energia elétrica, além, dos benefícios de um processo ecologicamente correto.” Vicente Linares, sócio-proprietário da Corgraf.

Agfa Graphics marketinggs.br@agfa.com Tel.: 11 5188.6400 www.agfa.com.br ISO 14001 • ISO 9001 • OHSAS 18001


Revista Abigraf 249  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you