Page 1

revista

issn 0103•572x

revista abigraf 247 maio / junho 2010

a r t e & i n d ú s t r i a g r á f i c a • a n o x x x V • m a i / j u n 2 0 1 0 • nº 2 4 7


Você tem o conteúdo. Nós, a tecnologia. Seja o autor desta obra. ACORO A5 Muller Martini 100% de qualidade no acabamento de livros de lombada quadrada Utilização da cola PUR-Melt, processo que substitui a costura em resistência e connabilidade Capacidade de 7.000 livros/hora, completamente on-line 17 estações de intercalação Guilhotina trilateral modelo MERIT

ISO 9001: 2008/ FM 550752

Brasília, São Paulo, Goiânia

Parque Gráfico: Polo de Desenvolvimento JK, Trecho 1, Conj. 9/10, Lotes 9/10/22, Tel: (61) 3262-1661, CEP: 72549-545 / Santa Maria-DF Escritório Sede: Tel - (61) 3262-1614 Escritório Goiânia: Tel - (62) 3434-5360 Escritório São Paulo: Tel - (11) 3045-6960 www.graficabrasil.net


Presidente da Abigraf Nacional: Mário César de Camargo Presidente da Abigraf Regional SP: Fabio Arruda Mortara Diretora Executiva: Sonia Regina Carboni Conselho Editorial: Egbert Miranda, Fabio Arruda Mortara, Mário César de Camargo, Plinio Gramani Filho, Ricardo Viveiros e Sonia Regina Carboni Elaboração: Clemente & Gramani Editora e Comunicações Ltda. Rua Marquês de Paranaguá, 348, 1º andar 01303-905  São Paulo  SP Administração, Redação e Publicidade: Tel. (11) 3159-3010  Fax (11) 3256-0919 E-mail: gramani@uol.com.br Diretor Responsável: Plinio Gramani Filho Redação: Tânia Galluzzi (MTb 26.897), Ada Caperuto, Augusto Diniz, Marco Antonio Eid, Ricardo Viveiros e Tainá Ianone Revisão: Giuliana Gramani Colaboradores: Álvaro de Moya e Claudio Ferlauto Consultor de Arte: Norberto Geyerhahn Consultores Técnicos: Hamilton Terni Costa e Manoel Manteigas de Oliveira Edição de Arte: Cesar Mangiacavalli Produção: Rosária Scianci e Livian Corrêa Editoração Eletrônica: Studio52 Provas Digitais, Imposição e Impressão: Atrativa Acabamento: UVPack Capa/Laminação: Soft Touch (aveludada), UVPack Hot stamping (com fitas Crown) e relevo: UVPack Assinatura anual (6 edições): Brasil: R$ 60,00 América: US$ 70,00 Europa: US$ 80,00 Exemplar avulso: R$ 12,00 (11) 3159-3010

4 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

22

Universo figurativo

A obra de Sergio Telles é marcada pela linguagem figurativa, na qual a apurada técnica dá espaço à emoção, transmitida através da intensidade de formas, cores e luz.

Os livros ampliam a minha visão, despertam para a busca de novos produtos, novas técnicas e, assim, vão tornando as receitas universais.

REVISTA ARTE & IN DÚSTRIA

Massimo Ferrari

GRÁFICA

sup lem ent o esp eci al da rev ist a ab igr af edi ção 247 par a os vis ita nte s

exp osi tor es pro dut os lan çam ent os ma pa do s est an des

ExpoPrint 2010

Junto a esta edição circula um suplemento especial com informações completas sobre 87 importantes expositores da feira. Em 36 páginas você poderá saber das novidades que serão mostradas, guiando‑se com facilidade pelo evento.

A ideia não é produzir impressoras digitais e sim completar nosso pacote de soluções. Stephan Plenz, responsável pela divisão Heidelberg Equipment, confirmando o interesse da empresa na tecnologia digital

75 O apelo da sustentabilidade Matérias‑primas essenciais à indústria gráfica, o papel e a tinta estão a cada dia mais comprometidos com a preservação do meio ambiente. Conheça os caminhos seguidos por esse insumos.

revista issn 0103•5 72x

arte & indús tria gráfica • ano xxxV • m ai/jun 2010 • nº 2 4 7

revista abigraf 247 maio / junho 2010

ISSN 0103-572X Publicação bimestral Órgão oficial do empresariado gráfico, editado pela Associação Brasileira da Indústria Gráfica/ Regional do Estado de São Paulo, com autorização da Abigraf Nacional Av. Cardoso de Melo, 1750, 6º andar (Vila Olímpia) 04548-005  São Paulo  SP Tel. (11) 3164-3193  Fax (11) 3842-0300 E-mail: abigraf@abigraf.org.br Home page: www.abigraf.org.br

Rua 13 de Maio (Bexiga), São Paulo, óleo sobre tela, 40 × 60 cm, 2005

REVISTA ABIGRAF

Capa: Orquídeas, óleo sobre tela, 80 × 60 cm, 2009 Autor: Sergio Telles


Perspectivas para o segmento digital

Entrevista com Flávio Medeiros, diretor do GE‑Digi, mostra uma visão geral sobre o mercado de soluções gráficas digitais, os desafios e expectativas para os próximos anos.

Gastronomia impressa

A Revista Abigraf visita com exclusividade a biblioteca do badalado restauranteur Massimo Ferrari. Com 11 mil volumes, guarda saborosas relíquias como um livro de 1393 que recomenda a comida ideal para reis e rainhas.

Estampas disputadas

20 34

38

O sucesso do álbum da Copa do Mundo é uma demonstração eloquente da força e atratividade do produto impresso. O estereótipo da roda de meninos jogando bafo foi derrubado e os álbuns invadiram os escritórios, conquistando principalmente os adultos.

João e as cidades

Duas visões do trabalho de João Luiz Musa, separadas por três décadas, foram transformadas em livros, mostrando o efeito do tempo na geografia das cidades e no olhar do fotógrafo.

100

Atrativa acompanha as mudanças no mercado

O Estado tem de assumir o recolhimento do resíduo sólido.

Reinventando‑se, a gráfica investe em tecnologia e recursos humanos para oferecer novos serviços, como armazenagem, manuseio e logística de materiais.

Alexandre Duckur, diretor comercial do Grupo Bignardi

Editorial: Mário César de Camargo�������������������������6 Rotativa����������������������������������������������������������������8 Conlatingraf������������������������������������������������������� 26 História Viva: Homero Villela e Horst Murrins�������� 30 Semana Internacional/Fiepag������������������������������ 42 Cards: cobertura������������������������������������������������ 46 Escolar: notícias������������������������������������������������� 48 Opinião: Roberto Carlos Moreira/MA�������������������� 50 Baumgarten Gráfica/SC�������������������������������������� 56 Congresso Livro Digital��������������������������������������� 58 Gráfica Cinelândia/SP����������������������������������������� 60 Bate‑Papo com a Tecnologia: Antilhas����������������� 62 Gráfica Mattavelli/SP������������������������������������������ 64

51

Gutenberg: inauguração Centro Técnico Komori��� 66 Economia: comércio Brasil x Argentina���������������� 68 Ferrostaal/Nova revenda Xerox���������������������������� 70 T&C: perfil e atuação������������������������������������������ 72 Impressões: Silvio Roberto Isola�������������������������� 74 Olhar Gráfico/ Cláudio Ferlauto��������������������������� 84 Quadrinhos/Álvaro de Moya�������������������������������� 88 Ilustração/ Attilio������������������������������������������������ 89 Heidelberg/ Apresentação da CX 102������������������ 90 Premiata/ 10 Anos��������������������������������������������� 94 Agfa/Serilon: parceria����������������������������������������� 96 Sistema Abigraf����������������������������������������������� 106 Mensagem/ Fabio Arruda Mortara��������������������� 114 MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

5


editorial

Mário César de Camar

go

Presidente da Abigraf Nacional

Computador não bate bafo

6

inha pri­mei­ra Copa do Mundo com absoluta cons­ciên­cia e memória foi a de 1966. Infelizmente, o Brasil não passou da pri­mei­ra fase, sendo eliminado pelo time de Portugal, numa fragorosa derrota por três a um, com atua­ção brilhante do moçambicano Eusébio, um dos grandes nomes daquela competição. A frustração, entretanto, não impediu a alegria do menino de nove anos e sua turma, motivada pelo caráter lúdico e a emoção dos álbuns de figurinhas dos jogadores, seleções e paí­ses. Apren­día­mos, com en­tu­sias­mo e sem que os pais tivessem de nos cobrar a lição de geo­g ra­f ia, sobre a localização, cores da ban­dei­ra, população, idio­ma e até um pou­co da história de cada nação participante do tor­neio, rea­li­za­do na Inglaterra. O melhor de tudo, entretanto, era a grande diversão nas rodas de bate bafo, com di­rei­to a discussões acaloradas. Tratava-​­se da chance decisiva, quando o di­nhei­r i­nho da mesada já acabara, para conseguir a figurinha der­ra­dei­ra de mais uma página. Claro que também ocorria o escambo, com as mais inusitadas trocas, como “dois Pelés por um Eusébio” (afinal, este foi o ar­t i­lhei­ro da competição….), ou “um Garrincha e um Manga pelo carimbado Bobby Charlton” (ídolo da seleção inglesa campeã). Naqueles mea­dos dos 60, sequer se cogitava transmissão direta pela TV dos jogos da seleção. Com sorte e se o voo da Europa no qual era transportado o vi­deo­ta­pe não atrasasse, con­se­guía­mos assistir à partida, em preto e branco, um dia de­pois de sua rea­li­ za­ção. A emoção, ao vivo, ficava por conta do rádio, nas vozes mágicas de Fio­re Gi­glio­t i e Pedro Luiz. Não havia computador, CD, DVD, Blu-​­ray e sequer DDD na telefonia bra­si­lei­ra, e o aparelho mais próximo do que hoje conhecemos como celular era o transcorder, o futuresco comunicador dos tripulantes da Enterprise, a bordo da qual o comandante James T. Kirk, o vulcano Spok e o dou­tor Leo­nard H. McCoy decolaram, em 8 de setembro de 1966, em pleno ano da Copa do Mundo, para o fulminante sucesso da séREVISTA ABIGRAF  MAIO/JUNHO 2010

rie Star Trek (Jornada nas Estrelas). Porém, existia a indústria gráfica, que garantia e emoção colorida e real dos álbuns de figurinhas! O futebol evo­luiu em suas táticas, preparo físico, bolas, uniformes e chu­tei­ras, cujos ma­te­r iais inovadores con­tri­buem para a boa performance dos atletas; a tecnologia eletrônica ­atual já quase torna obsoletos alguns equipamentos de bordo das naves da Federação dos Planetas; a internet foi uma revolução na comunicação globalizada; haverá transmissão ao vivo de TV tri­di­men­sio­nal para telões, em vá­ rios paí­ses, dos jogos da Copa da África do Sul… e, no intervalo da aula em uma escola de São Bernardo do Campo, meninas e meninos batem bafo, disputando com raça e disposição cada figurinha da competição que se aproxima. Ob­via­men­te, entre o “Pelé” de 1966 e o “Robinho” de 2010, há sensível diferença na definição dos traços, matizes, acabamento e corte. Ade­mais, o preen­chi­ men­to do álbum é facilitado pelo fato de as figurinhas já terem o verso colante. Entretanto, com as impressoras, substratos, ma­té­r ias-​­primas e toda a tecnologia hoje presentes em nossas in­dús­t rias, esses avanços são uma covardia em relação aos fabulosos gráficos dos anos 60, que im­pri­miam com a alma! Os álbuns de figurinhas da Copa do Mundo de 2010 são um absoluto sucesso, mobilizando a produção de numerosos impressores e a atenção de milhões de bra­si­lei­ros, meninas e meninos de todas as idades! O fenômeno mercadológico evidencia, em caráter definitivo, a in­si­piên­cia e inutilidade da polêmica quanto aos riscos da indústria gráfica na concorrência com a comunicação cibernética. Vivemos a plenitude da era da convergência, na qual são importantes e complementares todos os ­meios para receber e transmitir informação. É preciso, apenas, saber usar a mídia certa para a finalidade adequada, no mar­ke­t ing, no jornalismo, na escola, nas relações econômicas, na empresa e na vida. Assim, quando a Seleção Bra­si­lei­ra entrar em campo, fechem os álbuns, guardem as figurinhas, reú­nam as fa­mí­lias e os amigos, liguem a TV e torçam pelo Brasil. Ao fim da partida, acessem a web para conhecer as repercussões em tempo real, checar os e-​­­mails e/ou as ur­gên­c ias do trabalho. Apenas uma recomendação: não tentem bater bafo com o computador. Pode ser mui­to perigoso… mcesar@graficabandeirantes.com.br


Grupo Day Brasil fecha parceria com HP

O Grupo Day Brasil, dis­tri­

Antilhas recebe novas máquinas

A Antilhas Soluções Integradas

para Embalagens completou em abril a instalação de dois novos equipamentos em sua linha de produção. As máquinas consu­ miram investimentos da ordem de R$ 6 mi­lhões e a expectativa é de uma melhora significativa de performance na fabricação de vá­ rios tipos de embalagens, além de pro­por­cio­nar à empresa tranqui­ lidade para atender à crescente demanda do mercado. Adquirida no Brasil, a nova im­ pressora flexográfica gear­less está preparada para o dispositivo de cura por EB (electron beam), que pro­por­cio­na­rá aos produtos me­ lhor definição da imagem impres­ sa, menor emissão de compo­ nentes orgânicos vo­lá­teis (VOC) e bai­xo consumo de energia, quan­ do comparada ao sistema con­

bui­dor do segmento de artes gráficas, ofi­cia­li­zou em mar­ ço parceria com a HP do Bra­ sil para a revenda de impres­ soras de grandes formatos e tintas no mercado bra­si­l ei­ ro. A empresa co­mer­cia­li­za­rá as linhas de impressoras HP Designjet, além dos mode­ los recém-​­lançados HP L65500 e HP L25500, equipamentos com a nova tecnologia de impressão à base de látex. www.daybrasil.com.br

ven­cio­nal de impressão flexográ­ fica em banda larga. Da Ásia, a Antilhas importou uma máqui­ na au­to­má­ti­ca fabricadora de sa­ colas de papel. Será o sexto equi­ pamento desse tipo na fábrica, pro­por­cio­nan­do uma ­maior pre­ cisão e velocidade de fabricação na produção das sacolas, já que

8

ela incorpora os recentes avanços da tecnologia gear­less. A empresa também am­plia­ rá em 27% sua planta fabril. Lo­ calizado em Santana de Par­naí­ba (SP), o parque in­dus­trial da Anti­ lhas conta com 22  mil m² e nos próximos meses serão cons­truí­ dos mais 6 mil m², cujas obras de­ verão estar con­cluí­das até agos­ to deste ano. Com a am­plia­ção e modernização, a empresa, que atual­men­te atende cerca de 160 clien­tes e conta com mais de 600 fun­cio­ná­rios, pretende se anteci­ par às necessidades do mercado. Hoje, a Antilhas tem forte atua­ ção nos segmentos de cosmético e perfumaria, ves­tuá­rio e aces­só­ rios, alimentos e bebidas, papel cut size e papelaria e hi­gie­ne pes­ soal e ele­troe­le­trô­ni­cos, que rece­ berão ain­da mais investimentos durante 2010. www.antilhas.com.br

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Sun Chemical tem nova gerência de marketing para o Mercosul C

ristina Barros é a nova ge­ rente de mar­k e­t ing para o Mercosul da Sun Chemical. Ela agora atua junto às equi­ pes de cada unidade dessa re­ gião nas atividades de mar­ke­ ting e es­tra­té­gias de produtos e comunicação, reportando-​ ­se à presidência no Brasil e à corporação. Cristina, com MBA em Mar­ke­t ing pela FGV, in­ gressou na Sun Chemical em 1997 como secretária bilíngue e desempenhava a função de coor­de­na­do­ra de mar­ke­ting até ja­nei­ro deste ano. www.sunchemical.com


Posigraf investe em sistema de controle de poluição E

Paper Express é reconhecida nos Estados Unidos pela qualidade O Calendário Amazônia 2010 da Paper Express recebeu em abril dois prê­mios de ouro nas ca­te­go­rias melhor impressão e melhor fotografia e um de bronze em design gráfico, no 2010 Na­tio­nal and World Calendar Award, promovido anual­men­te pela Calendar Mar­ke­ting As­so­cia­tion, em Chicago, Estados Unidos. Diferentes cores, nuan­ces, texturas e formas são reveladas na Amazônia e nos detalhes dos seus bichos, plantas, frutos, águas e homens pelo olhar e registro fotográfico de Fabio Colombini e, pela arte do designer gráfico Mau­ro Lima, da Comdesenho, foram transformadas em um calendário e ma­te­ria­li­za­das pela impressão da Paper Express nos pa­péis Scheu­fe­len importados pela Vivox. O  resultado dessa parceria de dez anos é a conquista de medalhas, somando mais de 29 prê­mios neste concurso in­ter­na­ cio­nal. “Estas pre­mia­ções con­tri­buem para confirmar que a Paper Express é a digital mais pre­mia­da do Brasil”, festeja o diretor executivo Fabio Arruda Mortara. www.paperexpress.com.br

Nelson Falavina assume vicepresidência de vendas da Tetra Pak O executivo da Tetra Pak, Nelson Falavina, assumiu no final de março a posição de vice-​­presidente de Vendas de Soluções em Embalagens Cartonadas, com a responsabilidade de acelerar o desenvolvimento da empresa no mercado bra­si­lei­ro. Nelson Falavina, que até então atua­va como diretor executivo de Vendas para a Área Norte, retornou ao Brasil em 2008, após 10 anos atuan­do nas operações da Tetra Pak em vá­rios paí­ses.

10

www.tetrapak.com.br

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

mpresa do Grupo Positivo, a Posigraf, se­dia­da em Curitiba (PR), investiu mais de R$ 2 mi­lhões na compra do sistema ­Clean Switch Regenerative Thermal Oxidizer de controle de po­lui­ção, implantado em maio, para garantir mais efi­ciên­cia no descarte dos gases emitidos durante o processo de impressão da gráfica. O maquinário, que tem mais de 12 metros de comprimento e 9 m de altura, fica localizado na parte ex­te­ rior da gráfica. As  tubulações das máquinas são conectadas ao novo equipamento, permitindo assim que todos os gases emitidos durante o processo de impressão cheguem diretamente ao Oxidizer. O mecanismo passou por vá­rios testes e agora opera sem restrições. A máquina fun­cio­na por processo regenerativo, que consiste em quei­mar os po­luen­tes eliminados pelos fornos das rotativas. Com o novo sistema, os gases que saem desses fornos chegam até uma câmara de lei­to cerâmico superaquecido a temperaturas de até 1.600°C. www.posigraf.com.br

(E/D) Diego Hellmuthhauser, supervisor de vendas; Elaine Almeida, gerente de Marketing; Mario Barcelos, diretor presidente, da Ferrostaal.

Ferrostaal participa de treinamento na sede da Xerox Após firmar parceria com a marca Xerox para representar sua linha de impressoras di­ gi­t ais de uso co­m er­cial, uma equipe da Fer­ros­taal foi até a sede da companhia, em Rochester (Estados Unidos), no início de abril para adquirir know-​­how e estabelecer suas pri­mei­ras es­tra­té­gias de vendas. O workshop oferecido pela empresa — destinado a pro­f is­ sio­nais de par­cei­ras da América Latina — contou com a partici-

pação do diretor presidente da Fer­ros­taal do Brasil, Mario Barcelos, da gerente de mar­ke­ting, Elai­ne Al­mei­da, e do supervisor de vendas, Die­go Hell­muthhau­ ser. “Foi mui­to importante conhecer a fábrica e comprovar que a linha digital da Xerox indicada ao mercado gráfico é desenvolvida com tecnologia para tornar a produção competitiva em termos de qualidade e preço”, disse Mario Barcelos. www.ferrostaal.com


Plural avança no campo da sustentabilidade Em março a Plural Indústria Gráfica começou a utilizar a tinta Bio-​­Derived Renewable Re­sour­ce Content, produzida pelo Flint ­Group com o selo BRC, concedido pela Na­tio­nal As­so­cia­tion of Printing Ink Manufacturers (Napim). De acordo com a Plural, trata-​­se de uma ini­cia­ti­va pio­nei­ra entre as gráficas de rotativas heat­set no Brasil. Ecologicamente correta, a tinta foi es­pe­cial­ men­te desenvolvida para impressão em máquinas rotativas com forno. Boa parte da matéria-​­prima utilizada é renovável, emite menos componentes orgânicos vo­lá­teis (VOC, na sigla em inglês) na atmosfera e o tempo de bio­de­gra­da­ção dos re­sí­duos no meio am­bien­te é menor que o de ou­tras tintas. O sucesso da aplicação da tinta com o selo BRC também se deve ao resultado no produto, pois seu desempenho supera as exi­gên­cias

técnicas de impressão, oferecendo melhor fixação, durabilidade e cores mais vibrantes. Print School – No mês seguinte, os 34 jovens da pri­mei­ra turma do programa Print S­ chool receberam o diploma de Au­xi­liar Gráfico, validado pela Secretaria Municipal da Educação de Santana de Par­naí­ba e pela Plural. A formatura foi rea­li­za­da no au­di­tó­rio da Secretaria da Educação, no centro de Santana de Par­naí­ba (SP). A Print ­School é uma ação desenvolvida pela Plural, com o ­apoio do município. O  programa tem como objetivo gerar be­ne­fí­cios à comunidade, como a con­tri­ bui­ção com a geração de empregos e uma nova opção de futuro aos jovens, principalmente àqueles que não têm fácil acesso a ou­tras formas de desenvolvimento pro­f is­sio­nal. www.plural.com.br

Eleito conselho diretor da Andipa No dia 25 de março foram empossados os membros da nova diretoria da As­s o­c ia­ ção Na­cio­nal dos Dis­tri­b ui­ do­res de Papel (Andipa), elei­ tos para um mandato de três anos. Vitor Pau­lo de Andrade (Rio Branco Pa­péis) assume a presidência do Conselho Diretor, tendo Antonio Ma­noel de Mattos Viei­ra Neto (AMV Pa­péis), José Luiz Fi­guei­ra Jú­ nior (Sulpel Pa­péis) e Pau­lo Ri­ bei­ro da Cruz Mou­ra (Samab) como diretores. www.andipa.org.br

11 MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF


Alephgraphics Brasil agora é Solugraf Brasil No final do ano passado, a di-

Uma festa para abraçar o livro U

ma programação cultural rica e diversificada composta por mais de 700 atividades dis­tri­buí­das por pelo menos 400 horas durante 11 dias é o que encontrará quem for à 21ª Bie­nal In­ter­na­cio­nal do Livro de São Pau­lo, de 12 a 22 de agosto no Pavilhão de Exposições do Anhembi, zona norte da cidade. Nesta edição, novos formatos, grande interatividade e a presença de con­cei­tua­dos escritores bra­si­lei­ros e in­ter­na­cio­nais vão compor, em relação às edições an­te­rio­res, a grade mais pluralista dos 40 anos do evento. Rea­li­za­da pela Câmara Bra­si­lei­ra do Livro (CBL) e organizada pela Reed Exhi­bi­tions Alcantara Machado, a 21ª Bie­nal ocupará uma área de 60 mil metros quadrados (o equivalente a quase oito campos de futebol) do Pavilhão do Anhembi e a expectativa é reu­nir 350 expositores do Brasil e de fora, que representam mais de 900 selos edi­to­riais.

A

12

Uma ou­tra novidade já definida é o Espaço Gour­met, cuja temática será “Cozinhando com palavras”. Nesse espaço, renomados chefes de cozinha que já escreveram livros apresentarão ao público au­las práticas e interativas em cozinhas cenográficas, além de lançamentos nesse segmento. Os espaços já tra­di­cio­nais também receberão inovações. O Salão de ­Ideias, por exemplo, terá seu con­teú­do repensado e am­plia­do. A  expectativa é apresentar 40 mesas (quatro por dia), onde escritores na­cio­nais e in­ter­na­cio­nais discutirão temas diversos para pla­teias de 200 pes­soas. Estão previstas 13 mesas in­di­vi­duais e seis formadas por dois escritores cada, que discutirão um único tema. Planeja-​­se também a rea­li­za­ção de rodadas de debates no espaço. www.bienaldolivrosp.com.br

Fibria apresenta papel térmico

Fibria apresentou em abril o novo Termoscript KPR, papel térmico para au­to­ma­ção co­mer­ cial. O novo produto começa a ser fabricado na unidade de Piracicaba (SP) e estará disponível no mercado já nos próximos meses. Além da longevidade de sete anos, ele possui fibras rea­ gen­tes à luz UV. Diferentemente dos pa­péis amarelos ou brancos atual­men­te utilizados em cupons fis­cais, o novo produto tem cor palha. Essa di­fe­ren­cia­

ção no tom busca coi­bir a utilização de ma­te­riais inadequados, como os pa­péis para fax, de qualidade in­fe­rior e que duram cerca de dois anos. As novidades seguem as recentes exi­ gên­cias do Ato Cotepe 04/10, que regulará o padrão técnico das bobinas de papel para uso em equipamento emissor de cupom fiscal (ECF). Os produtos deverão passar por uma série de testes em laboratório homologado pelo órgão e só então es-

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

tarão aptos a serem fornecidos para uso em ECF. Em 2008, a fábrica de Piracicaba (SP) recebeu um investimento de R$ 115  mi­lhões em novas tec­no­lo­gias e no equipamento específico para a produção de pa­péis térmicos. A  capacidade de produção saltou de 15 para 40 mil toneladas por ano. A estimativa é que todo o volume para cupons fis­cais seja produzido com o novo Termoscript KPR. www.fibria.com.br

retoria da Alephgraphics Brasil, representante de empresas de insumos e equipamentos gráficos do País, rea­li­zou uma pesquisa externa de qualidade entre os seus clien­tes bra­si­lei­ros. A intenção, a princípio, era detectar o nível de satisfação a res­ pei­to dos produtos co­mer­cia­li­ za­dos e dos serviços prestados pela empresa. Porém, o levantamento de dados revelou um gargalo importante: o nome da empresa era difícil de lembrar e de pro­nun­ciar entre os clien­tes, apesar de a acei­t a­ç ão do público ser praticamente unânime em relação à qualidade dos produtos. A companhia, que já estava passando por transformações estratégicas, reu­niu sua diretoria para rea­va­liar sua posição no mercado e a proposta da mudança de nome e de marca foi amplamente acei­ta. Já  como Solugraf Brasil, a empresa estará presente na ExpoPrint Latin America 2010. Ainda neste semestre, a Solugraf Brasil amplia sua estrutura e área de atua­ção inaugurando o escritório em São Pau­lo para atender à demanda dos clien­tes da re­ gião, o que antes era fei­to via Curitiba. Estão também sendo contratados representantes em Porto Alegre, para atendimento ao Rio Grande do Sul, e em Fortaleza, para a cobertura das re­giões Norte e Nordeste.


Fundador da Copypress falece em São Paulo No dia 21 de maio morreu na capital paulista Ulysses Garavatti Ju-

IP no mundo e no Brasil N

o final de abril a In­ter­na­tio­nal Paper anun­ciou a assinatura do acordo definitivo para a aquisição do negócio de embalagem da SCA na Ásia por US$ 200 mi­lhões, estando su­jei­ta aos ajustes pós-​ ­fechamento. A  IP pretende con­cluir a aquisição no segundo trimestre de 2010, dependendo da aprovação regulamentar dessa transação na China. O negócio de embalagens da SCA na Ásia consiste em 13 fábricas de cai­xas de papelão corrugado e duas de embalagens es­pe­cia­li­za­das, localizadas principalmente na China, mas também em Cingapura, Malásia e Indonésia.”Estamos comprando boas instalações a um bom preço e também agregando uma equipe de 4.500 fun­cio­ná­rios”, afirmou Paul Brown, presidente da IP Ásia. “As instalações da SCA complementam nosso grupo ­atual de 12 fábricas de cai­xas, que estão principalmente na China. Essa combinação fará com que o negócio de embalagens da IP Ásia seja mais competitivo, mais lucrativo e capaz de atender melhor nossos clien­tes”. No  mês an­te­rior a IP lançou o quarto filme da série Os Guar­diões da Bios­fe­ra. Dis­tri­buí­do às escolas públicas e privadas de todo o Brasil, o desenho animado aborda a caa­tin­ga bra­si­lei­ra. O  kit contém um almanaque didático de ­apoio ao professor e um DVD com o novo episódio e os três filmes an­te­rio­ res, que in­cluem a Mata Atlântica, o Pantanal e o cerrado.

nior, presidente da Copypress, então com 63 anos. Em plena atividade à frente da empresa, o empresário sofreu um infarto fulminante em casa, na madrugada de sexta-feira. “Este é um momento muito difícil. Ele era para mim um misto de pai e melhor amigo, com quem aprendi muito com relação à simplicidade e paciência. Sua enorme alegria de viver estava nos pequenos gestos, como um abraço caloroso, um cumprimento amigo”, afirmou Paulo Schumacher, superintendente da Copypress. Numa trajetória bastante peculiar, Ulysses estava no auge de sua carreira como jogador de futebol, em 1971, quando decidiu, ao lado do irmão, René, abrir uma empresa de cópias. Atuando na Portuguesa de Desportos, jogava ao lado de figuras lendárias como Leivinha, Zé Maria e Félix. Cinco anos depois, as três lojas da Copy Service, localizadas nos Jardins, se transformaram em uma indústria gráfica. Com o aumento na demanda, em 1981 a gráfica mudou-se para um galpão industrial em Pinheiros. Em pouco tempo o espaço ficou pequeno e a empresa foi transferida para a Aclimação. Embora ainda sem máquinas quatro cores, a gráfica seguiu investindo em equipamentos folha inteira e já contava com 100 funcionários. A primeira impressora quatro cores chegou em 1988, três anos depois de Ulysses deixar definitivamente o futebol, aos 38 anos. Em meados dos anos 1990, a sociedade com René foi desfeita. O grande salto da empresa aconteceu no final daquela década, quando Ulysess e o diretor comercial Paulo Schumacher decidiram investir em tecnologia de ponta e profissionais qualificados, visando atender tanto o segmento editorial quanto o promocional. A empresa já estava, então, no bairro do Ipiranga, passando a chamarse Copypress. Nos anos seguintes a empresa não parou de crescer. Todo o setor de acabamento foi modernizado com a aquisição de novos equipamentos. No fim de 2008, a Copypress passou a atuar em seu atual endereço, uma área de mais de 26.000 m² no km 12 da Via Anchieta, contando com 250 funcionários.

www.internationalpaper.com.br.

Sindigraf-RS lança Cartilha Trabalhista O

14

Sindigraf- RS lançou em abril a Cartilha Trabalhista. O trabalho foi elaborado pelo consultor jurídico da entidade, Benoni Rossi, e pela advogada Da­nie­la Policarpo, do escritório Rossi, Maffini & Milman Advogados. O  ma­te­rial traz sugestões e REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

recomendações que objetivam au­xi­liar o empresário gráfico na contratação e no afastamento do colaborador, bem como em relação aos di­rei­tos e deveres existentes na duração do contrato de emprego. www.sindigraf-rs.com.br


m tem u os V o c e^ ntre e o s . omis junho e compr d 9 3 e 2 na dias 2 -nos e t i s i o V 1O, n O 2 t r rin Cente Expop o p x ca E ue a m e´r i s n a r por q T a r b u c es. e des erent f i d s somo

S i m p l e s m e n t e d i f e r e n t e.

11 X Rua Q a d ) Aveni d Q13 (Stan

F u n d a d a e m 1 7 2 5 , a B ö t t c h e r v e m a t u a n d o, c o m d e s t a q u e, n o s e g m e n t o g r á f i c o. Isso quer dizer que ela não pára de evoluir e traz sempre novas descobertas que a g r e g a m v a l o r a o p r o c e s s o d e i m p r e s s ã o. C o n h e ç a P R I N T + S Y S T E M S Po r q u e s u a e m p r e s a t a m b é m p o d e s e r s i m p l e s m e n t e d i f e r e n t e.

Rolos

Blanquetas

w w w. b o t t c h e r. c o m . b r

Químicos

d a B ö t t c h e r.


Arjowiggins lança papéis com efeito metalizado Ice South America 2010 E

N

16

a noi­te de 12 de maio, a Arjo­ wiggins Security apresentou em São Pau­lo sua nova família de pa­ péis es­pe­ciais. Trata-​­se da Metal Color, linha de alto valor agrega­ do que tem como característica o brilho dos me­tais nas duas faces do papel. O efei­to iridescente traz luminosidade e faz com que a su­ perfície do papel mude de cor con­ forme a incidência da luz, resul­ tando em um efei­to di­fe­ren­cia­do. Produzida pela Witcel, unida­ de do grupo na Argentina, a linha Metal Color já era co­mer­cia­li­za­da timidamente no Brasil desde 2007. Agora o produto passa a ser ven­ dido no formato adequado para o mercado na­cio­nal, 66 × 96 cm, acompanhado de um serviço de reposição de estoque. No início serão nove cores, dois acabamentos su­per­f i­ciais (­smooth e rustic) e quatro gramaturas, con­ forme a referência (120, 240, 250 e 300 g/m²). “A Arjowiggins Security coloca mais uma vez à disposição do mercado todo o seu know-​­how, qualidade e capacidade de inova­ ção aplicados no Metal Color para rea­li­zar os sonhos dos cria­ti­vos pe­ las mãos dos gráficos”, afirmou Ro­ nald C. Dutton, diretor de Pa­péis Finos para a América Latina. A apresentação da linha Me­ tal Color aconteceu por meio de um desfile com os melhores ­looks cria­dos pelos alunos do curso de

Desenho de Moda da Faculdade Santa Marcelina, fei­tos com exclu­ sividade para o concurso “Rou­pas de Papel”, desenvolvido pela em­ presa em parceria com a faculda­ de. O au­tor da melhor cria­ção, es­ colhido durante o evento por um júri se­le­cio­na­do de estilistas e for­ madores de opi­nião, foi pre­mia­ do com um troféu e uma via­gem com acompanhante à Argentina para conhecer a fábrica da Witcel.

vento dedicado in­tei­ra­men­ te à indústria de conversão de papel, filmes, folha metálica e não-​­tecido, a ICE ­South Ameri­ ca ocorrerá de 4 a 6 de agos­ to no Transamérica Expo Cen­ ter, em São Pau­lo. É a pri­mei­ra vez que o Brasil sedia uma fei­ ra destinada exclusivamente a estes segmentos. A  ICE é promovida pela em­ presa inglesa Mack ­Brooks, res­ ponsável pela organização da ICE Europe, que já teve seis edi­ ções. A última, rea­li­za­da na Ale­ manha, terminou com núme­ ro recorde de visitantes: 5.350, de 63 paí­ses diferentes. Os pro­ dutos foram expostos por 329 empresas de 21 na­cio­na­li­da­des — números que consagram o evento como o mais importan­ te em seu nicho e também ani­

mam os rea­li­za­do­res da versão sul-​­americana. A expectativa é que três mil pro­f is­sio­nais do se­ tor de embalagem visitem os estandes dos cem expositores confirmados até o momento. Prova da importância da fei­ ra para os setores in­dus­triais a ela re­la­cio­na­dos é o ­apoio dado pela Abigraf, Federação das In­ dús­trias do Estado de São Pau­ lo (­Fiesp) e As­so­cia­ção Bra­si­lei­ ra da Indústria de Embalagens Plásticas Fle­xí­veis (­Abief). Entre os produtos e serviços de conversão a serem exibidos na ICE ­South America estarão ma­te­riais para revestimentos e laminação, secagem/cura, tra­ tamento, controle e medição, corte e rebobinagem, acaba­ mento, máquinas de impressão e aces­só­rios.

Novidades na direção Brasil e Cone Sul da Kodak Gilberto Fa­rias é o novo dire­ As peças finalistas e a vencedo­ ra estão em exposição no Paper ­Point, show­room da empresa em São Pau­lo, e de­pois seguirão para a própria faculdade, além de se­ rem divulgadas no The NewsPaper News, jornal da empresa, dis­tri­buí­ do para agên­cias de propaganda, designers e gráficas. www.arjowiggins.com.br

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

tor geral da Kodak na re­gião do Cone Sul. Quem assume o cargo de diretor geral da empresa no Brasil é Emerson ­Stein, an­te­rior­ men­te diretor na­cio­nal da divi­ são de consumo. Com mais de 15 anos de ex­pe­riên­cia em ges­ tão nas ­­áreas co­mer­cial, logísti­ ca e de operações, Fa­rias é ago­ ra responsável por desenvolver

e dirigir as ini­cia­ti­vas estraté­ gicas de ne­gó­cios para todo o portfólio de produtos da com­ panhia na re­gião do Cone Sul. Emerson ­Stein, por sua vez, co­ manda a área de vendas e toda a in­fraes­tru­tu­ra no Brasil, que en­ globa as ­­áreas fi­nan­cei­ra, de re­ cursos humanos, TI e operações (logística) da Kodak.


Contemporânea Papéis anuncia mudanças Com a introdução da Linha Vita de papel-cartão no mix de pro-

A

Santa Marta passa a imprimir a revista Quem para o Nordeste

Gráfica Santa Marta começou o segundo trimestre de 2010 com a perspectiva de au­men­tar em 10% a capacidade de produção de revistas e folders, a partir do acordo firmado com a Editora Globo para a impressão dos 20 mil exemplares da revista Quem dis­tri­buí­dos no Nordeste. A decisão da editora veio após a ex­pe­riên­cia bem-​ ­sucedida com a revista Época, há quatro anos. A fim de dar suporte ao crescimento da demanda, a Santa Marta adquiriu a ter­cei­ra rotativa para reforçar a produção de grandes tiragens, passando a ser

APP promove prêmio de impressão O

18

Grupo Sinar Mas, que controla a Asia Pulp & Paper (APP), uma das maio­res empresas de papel e celulose do mundo, abriu as inscrições para a 4ª edição do Sinar Mas Print Awards, que tem como objetivo valorizar e incentivar trabalhos de impressão de alta qualidade produzidos com os pa­péis fabricados pela empresa. De  acordo com Geraldo Fer­rei­ra, diretor geral da Cathay, sub­si­diá­ria da APP no Brasil, o Si-

a única do Norte/Nordeste a pos­ suir três dessas máquinas. A empresa, com um parque gráfico de 20 mil metros quadrados, também investiu em uma nova máquina de al­cea­men­to e grampo que, somada a ou­tros três equipamentos de gram­pea­men­to, dará mais agilidade à produção de revistas e folders. E mais investimentos no valor de R$ 5 mi­lhões ain­da estão previstos para este ano, prio­ri­zan­do as máquinas de acabamento. Em  2009 foram empregados R$ 20 mi­lhões em quatro novas máquinas. www.graficasantamarta.com.br

nar Mas Print Awards está aberto às empresas e pro­f is­sio­nais do mercado bra­si­lei­ro que utilizam a linha de pa­péis cou­ché Nevia, produzido pela APP na China nas fábricas de Gold East e Gold ­Huasheng. Podem participar da pre­mia­ção empresas com trabalhos em onze ca­te­ go­rias, in­cluin­do livros, revistas e rótulos. As inscrições podem ser fei­tas até o dia 20 de agosto e os pre­mia­dos serão conhecidos no dia 20 de setembro. A entrega dos prê­mios acontecerá no dia 20 de ou­tu­bro em Xangai, China. http://www.cathay.com.br

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

dutos que distribui para gráficas, cartonagens e segmentos afins, a Contemporânea Pa­péis começou a mostrar ao mercado o plano de mudanças que está sendo implementado durante 2010, quando a empresa celebra 10 anos. As transformações ini­cia­ram-​ ­se no segundo semestre de 2009, com a mudança para uma nova sede, na Vila Prudente, em São Pau­lo, que com­preen­de 1.300 m², sendo 1.100 m² dedicados à armazenagem de produtos. Há investimentos também na modernização do sistema de gestão e na qualificação da equipe de vendas. Vi­via­ne Bachega, diretora da empresa, vê boas perspectivas para o mercado de papel neste ano. “Além dos acontecimentos de grande impacto na economia, como a Copa do Mundo e as elei­ções pre­si­den­ciais, existe uma forte preo­cu­pa­ção com o meio am­bien­te”. A Contemporânea Pa­péis atende principalmente ao Estado de São Pau­lo e planeja ganhar ou­tros mercados. Atual­ men­te ela distribui diversos tipos de papel-​­cartão, pa­péis gráficos, cartolina e papel au­toa­de­si­vo, dentre ou­tros produtos. www.comtemporaneapapeis.com.br

Regulamento do Prêmio Fernando Pini 2010 já está disponível Uma das mudanças do Prêmio Bra­si­lei­ro de Excelência Gráfica Fernando Pini para este ano refere-​­se à participação dos fornecedores. Para concorrer à 20ª edição do concurso, a empresa fornecedora, quer seja fabricante, detentora de marca ou representante exclusiva de marca, terá de se inscrever nas ca­te­go­ rias de seu interesse, 14 no total. O cadastro está disponível no site da ABTG (www.abtg.org. br) até o dia 20 de julho. Para as gráficas também há novidades. Agora, ao invés de descontos progressivos em função da quantidade de inscrições, elas ganharão inscrições gra­tui­ tas a partir de 15 produtos. O prêmio terá também uma nova categoria, “Embalagens em Papelão Ondulado”, que

contemplará produtos gráficos com a finalidade de acon­di­cio­ na­men­to, impressos como embalagens semirrígidas e impressos diretamente na superfície do papelão ondulado. Os produtos inscritos nessa categoria não poderão ser kits pro­mo­cio­nais ou embalagens sa­zo­nais. Além disso, a categoria “Impressos de Segurança“ passa a ter o descritivo técnico como item obrigatório da inscrição, assim como a categoria “Cadernos Escolares Espiralados, Costurados, Colados, Argolados ou Gram­pea­dos, com Capa Dura ou Capa Flexível, Conforme Norma 15733“, que ficou mais completa. As inscrições das peças vão de 2 de agosto a 10 de setembro e a festa de pre­mia­ção está marcada para 23 de novembro.


entrevista

cas con­ven­cio­nais estão incorporando a solução digital para oferecer uma gama ­maior de serviços aos clien­tes.

Foto: Roberto Loffel

E qual seria o principal foco para essas empresas? Eu diria que é generalizado, mas vale ressaltar alguns segmentos, como o edi­ to­r ial. Temos nos deparado com uma ­maior oferta de títulos de livros, mas em tiragens menores. Isso tem levado as empresas que já ­atuam no segmento a incorporar o digital para atender às bai­xas tiragens. Além disso, há o segmento pro­mo­cio­nal, que está cada vez mais utilizando a solução híbrida para a impressão de dados va­r iá­veis, ou simplesmente para produzir catálogos, também em bai­xa tiragem, amostras e quebra de produção.

Ada Caperuto

O

Flávio Medeiros A solução digital em questão

diretor se­t o­r ial do Grupo Em­p re­s a­r ial de Impressão Digital (GE -Digi) da AbigrafSP e diretor da Fastprint, Flávio Tomaz Me­dei­ros, nesta entrevista exclusiva concedida à Revista Abigraf, apresenta um panorama em­pre­sa­rial do mercado de soluções gráficas di­g i­tais, comenta a grande expansão do setor e fala sobre as perspectivas para esse nicho nos próximos anos.

20

A que o senhor atribui a expansão de 48% no volume de ne­gó­cios das gráfiREVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

cas di­g i­tais nos últimos três anos, como mostra a pesquisa do GE -​­Digi? Em pri­mei­ro lugar, tínhamos uma base pequena e assim o crescimento acaba sendo ex­po­nen­cial; em segundo lugar, am­pliou-​­se mui­to a venda de equipamentos di­g i­t ais para grandes corporações gráficas tra­di­cio­nais e isso certamente con­tri­buiu para alavancar o crescimento. Então, po­de­-se dizer que as gráficas mistas são uma tendência no mercado? Sem dúvida. Nos últimos dois ou três anos, isso vem se acen­tuan­do. As gráfi-

São, em geral, equipamentos caros. Talvez por esta razão, as empresas já estruturadas no mercado tenham mais condições de investir? Sem dúvida. Eu diria que as gráficas es­sen­cial­men­te di­g i­t ais têm mais dificuldades de adquirir equipamentos. Mas existem empresas de todos os portes nesse nicho, grandes e pequenas, porque há equipamentos cujo preço não é exorbitante. Claro que aqueles com tecnologia de ponta têm um custo mais alto. Por isso mesmo, eu acredito que mui­tos têm buscado o segmento con­ven­cio­nal. Para essas empresas, o investimento é relativamente mais fácil de encarar. Existe algum tipo de entrave para os investimentos? Hoje há fabricantes com fi­nan­cei­ra própria, ou­tros têm par­cei­ros para este fim, existe toda uma facilidade, até mesmo no início das operações. É normal que o fabricante dê a garantia total, não cobre pela assistência técnica durante alguns meses e isso acaba dando fôlego.


Isso também explicaria o crescimento do segmento digital? Na medida em que foram surgindo novas gerações de equipamentos, foi possível ter uma escala ­maior e uma redução de custos. Só que estamos em uma si­t ua­ção tal que a demanda não é su­ fi­cien­te para a oferta que você tem de serviço, e isso está derrubando os preços, gerando uma guerra. Eu falo de impressão em cores, porque isso também aconteceu lá atrás com a P&B. A pesquisa também mostrou que a aplicação de VDP é um nicho importante para o segmento. Ele poderia ser mais bem explorado? Sim, haja vista que participamos do case da Veja [em 2008, a Fastprint e a RWA uniram-​­se para produzir a capa da edição comemorativa dos 40 anos da revista]. Pelo que me consta, ain­da é o ­maior case de impressão de dados va­riá­veis em revista no mundo, com mais de um milhão de capas diferentes em quatro cores. Que tipos de aplicação estão sendo fei­ tas atual­men­te? Além de alguns casos de aplicação pura, como o da Veja, o VDP é mui­to usado em P&B, na impressão híbrida e em ações pro­mo­cio­nais. De um ano para cá, minha empresa tem sido cada vez mais procurada pelas gráficas que não têm digital para oferecer esse tipo de solução es­pe­cial­men­te em função dos substratos, cada vez mais pesados, em formatos di­fe­ren­cia­dos, nos ­quais os antigos equipamentos não conseguem produzir. O que se faz mui­to é a aplicação em “raspadinhas” ou impressos que mantêm a informação escondida, como um envelope lacrado com um código exclusivo para participar de uma campanha, que o consumidor remete por SMS. Então essas aplicações ain­da são fei­tas em pequena escala?

Não tem acontecido mui­to, eu diria, por conta do incremento cada vez ­maior do eletrônico, es­pe­cial­men­te ferramentas eletrônicas como o SMS e ou­t ras, que têm con­t ri­buí­do para que isso não tenha um desenvolvimento mui­to grande. O grande gargalo é o alto custo da postagem. Nós fizemos algumas campanhas com alto valor agregado, mas elas acabam não tendo uma con­t i­nui­d a­de. Assim, cons­cien­ti­zar os clien­tes, es­pe­ cial­men­te a área corporativa, sobre os recursos que a solução digital oferece é o que o segmento tem fei­to.

Estamos em uma si­tua­ção tal que a demanda não é suficiente para a oferta que você tem de serviço, e isso está derrubando os preços, gerando uma guerra. Em termos de novidades em substratos e insumos, os fabricantes estão atendendo o segmento com produtos específicos? Destinados especificamente para o digital, há pou­cos produtos. Antes, tínhamos que fazer a impressão em cores em um papel desenvolvido para o digital. Hoje, os novos equipamentos permitem o uso de papel comum, como fazemos no pro­mo­cio­nal. Porém, a ­maior parte desses pa­peis é vendida no formato gráfico e você precisa cortá-​­los. Como está o processo digital em termos de acabamento? Há cerca de quatro anos, você não con­ se­g uia fazer uma laminação, não havia papel em formato adequado para fazer capas de livros com orelha. Hoje, com os novos equipamentos, é possível atender os formatos, fazer laminação sobre capa

de livro, colocar verniz UV com reserva. Eu diria que praticamente todos os acabamentos voltados para o offset são pas­sí­veis de execução no digital. E qual é no momento a principal pau­ta de trabalho do GE -​­Digi? O principal objetivo do Grupo é, sem dúvida, a disseminação de informações sobre a solução digital para gerar demanda. Isso sempre foi nosso principal objetivo, atrelado a qualquer ação que fazemos. A própria pesquisa, que acabamos de divulgar, tem a função de medir o mercado, descobrir ten­dên­ cias e alguns números importantes que possam balizar qualquer ação. Isso serve tanto para o GE -Digi quanto para os consumidores e fabricantes de insumos e de substratos. Qual é a principal vantagem proporcionada pela pesquisa? Para as empresas que estão comprando a versão completa da pesquisa, oferecemos uma apresentação, fei­t a pelo Iemi, para todos os executivos. O grande chamariz, além de informações mi­ nu­cio­sas sobre o segmento, está no fato de que você tem ali uma base de dados das gráficas que pretendem investir em equipamentos di­gi­tais. Então, quem tem estas informações sai na frente. Há algum tempo ain­d a se discutia a questão da qualidade do digital em relação ao offset. Ainda existe algum tipo de ressalva? Se existe, isso é palavra de quem não conhece bem o digital. Falando em termos das novas gerações de equipamentos, à medida que os clien­tes passam a vi­sua­ li­zar as impressões, isso cai por terra, o argumento não se sustenta. Haja vista que vá­r ias gráficas fazem em digital os protótipos de livros para o PNLD, que é reconhecidamente bastante inflexível em termos de qualidade. MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

21


ARTE

Pintor, desenhista, gravador, escritor e diplomata, este artista universal revela com uma linguagem figurativa plena de emoção, a essência e os múltiplos mis­t é­r ios da vida. Ricardo Viveiros

Sergio Telles As cores do mundo

O

bair­ro do Estácio, no Rio de Ja­ nei­ro, é um conhecido reduto da boe­mia. Poe­tas populares, da li­ teratura à música popular, tive­ ram origem nessa re­g ião ca­r io­ca rica em con­teú­do artístico. Foi no Estácio que nas­ ceu em 1936 o filho único do casal ­Adail e Ju­lie­ta Telles. E não deve ter sido por acaso, o destino sabe o que faz. Sergio Barcellos Telles teve berço humil­ de, pais que lutaram mui­to para oferecer o melhor ao menino que viveu entre dois dis­ tantes su­búr­bios da Central do Brasil, o Ro­

cha e o Engenho Novo. Para estudar, “via­ja­ va” todos os dias na ida e na volta à escola pública. Em longas caminhadas ou de bon­ de se dei­xa­va envolver pela dura, mas poé­ ti­ca, rea­li­da­de de um ain­da tranquilo Rio de Ja­nei­ro, então Capital do Brasil. “As horas de caminhada por entre o casa­ rio, as praças e ruas do subúrbio abriram-​­me os temas de ver e sentir a minha gente em movimento, numa grande-​­angular partici­ pante da vida acontecendo. Os homens mis­ turando-​­se às pedras e ao cimento, às casas e aos bichos, à fábrica e ao armazém, aos recla­


1

mes da Padaria Estrela D’Alva, do Cine Mara­ já, do armarinho Flor do Orien­te. Mulheres, crian­ças, goia­bas, cabras, galinhas, porcos, cachorros, gatos e… tamborins”, recorda o artista. Essas impressões estão presentes em sua vigorosa linguagem figurativa. Sergio, como os de­mais meninos subur­ banos, brincava no quintal e na rua: jogava bola, empinava pipa, subia em árvores, sol­ tava balões. Aos sete anos teve suas pri­mei­ ras lições de desenho e, aos nove, descobriu os pin­ceis. O professor era firme nas críti­ cas: “Essa man­g uei­ra parece um repolho,

meu filho”, dizia Levino Fânzeres, cria­dor da Col­méia dos Pintores do Brasil, curso de pintura ao ar livre na Quin­ta da Boa Vista, parque no bair­ro de São Cristóvão.

1 Rua 13 de Maio, Bexiga, São Paulo, óleo sobre tela, 40 × 60 cm, 2005

A procura de si mesmo

Mas, seu ­Adail sonhava grande para o futu­ ro do filho: a car­rei­ra militar — segura, bem remunerada e de prestígio, ao menos naque­ le tempo. Porém, dona Ju­lie­ta, com sensi­ bilidade, apostava no talento do filho para a arte. Prevaleceu a preo­cu­pa­ç ão do pai, para quem “pintura não enche a barriga de

23 MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF


2

a cultura ganhou um artista: em 1954, no Sa­ lão de Belas Artes, Sergio foi pre­mia­do com uma via­gem à Bahia. No ano seguinte, rea­ li­za­va a pri­mei­ra in­di­vi­dual expondo na ga­ leria de arte da pre­fei­tu­ra ca­rio­ca. Dois anos mais tarde, abandonou a faculdade e via­jou para a Europa, visitando mu­seus em Portu­ gal, Espanha, Itália, França, Bélgica e Ho­ landa. Es­ta­g iou na Pinacoteca do Vaticano. De volta à América do Sul, foi trabalhar para sobreviver. Pri­mei­ro, como trai­nee na Sudantex, no Uru­g uai. De­pois, na fi­lial bra­ si­lei­ra da mesma empresa e, por fim, em ou­ tra indústria têxtil, no In­te­r ior de São Pau­ lo. Com sustento garantido, intensificou sua dedicação à pintura e ao re­la­cio­n a­men­to com mestres da arte. Estudou com Rodol­ fo Chambelland, Oswaldo Tei­xei­ra e Anne Marie Ni­vou­liès de Pier­re­fort. 3

2 Mesquita e Passantes em Sidon, Líbano, óleo sobre madeira, 50 × 40 cm, 2000 3 Retrato de Anne Marie Nivouliès de Pierrefort, Rio de Janeiro, óleo sobre cartão, 51 × 42 cm, 1962 4 Frutas e Toalha de Jaipur, Índia, São Paulo, óleo sobre tela, 54 × 73 cm, 2008

ninguém”. Sergio entrou no Colégio Militar. Formou-​­se em 1953 e, no ano seguinte, in­ gressou na Academia Militar das Agulhas Negras. Ficou apenas seis meses. Como estudar era preciso, Sergio matri­ culou-​­se no curso noturno de Di­rei­to, en­ quanto trabalhava durante o dia como cor­ retor de imó­veis. O escritório era uma mesa de bar no centro do Rio de Ja­nei­ro. Ganhava pou­co, mas dava para comprar telas, pin­ceis e tintas. Se a defesa havia perdido um ofi­cial,

4

Pintar é viver

Nascida em Tou­lon, França, Anne Marie embora descendente direta de nobres, teve origem humilde como a de Sergio. Mas, igualmente superando as adversidades, conquistou bolsa de estudos à Escola de Be­ las Artes, em Paris. Nessa época, frequen­ tou ate­liês de mestres do im­pres­sio­nis­mo, como Re­noir e Bonnard. Em 1938, a pinto­ ra veio para o Brasil e ficou até 1950, quan­ do retornou à França. Uma década de­pois, aos 80 anos de idade, voltou ao Rio de Ja­ nei­r o, onde viveu até a morte, em 1968.

24 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010


5

6

5 Conversa de Pescadores, Porto Seguro, Bahia, óleo sobre cartão, 20 × 30 cm, 1984 6 Mercado em Kelantan, Malásia, aquarela e guache sobre papel, 39,5 × 36,7 cm, 1996 7 Ateliê em Brasília com Samovar, óleo sobre tela, 94 × 73 cm, 1993

RETROSPECTIVAS EM 2010 Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro – 7 de julho a 30 de agosto Museu da República, Brasília – 3 de novembro a 5 de dezembro

Deixou belos quadros de paisagens do Bra­ sil, da França e da África do Norte, além de interiores, naturezas e flores. Anne Marie Nivouliès de Pierrefort mo­ rou na ilha de Paquetá, nas La­ran­jei­ras e na Glória. Foi neste último bair­ro que Sergio, então com pou­co mais de 20 anos, a conhe­ ceu. Os mais de 50 anos de diferença entre os dois não impediram uma grande amiza­ de. Anne Marie foi tão importante para Ser­ gio, quanto ele foi para ela ao escrever um livro re­fe­ren­cial sobre a vida e a obra da ar­ tista, editado pela Galeria Wil­dens­tein (se­ dia­da em Paris). A ini­cia­ti­va de Sergio ge­ rou mostras retrospectivas de Anne Marie na França, Argentina e Brasil. Ele pintou um retrato da artista que, hoje, integra o acervo do Museu de Arte Moderna de Pa­ ris. Mas, quando foi fei­to, esteve exposto na vitrine da Farmácia Rápida, no bair­ro ca­r io­ca do Leme, único espaço para a arte do então ini­cian­te. 7

3•572 issn 010

x

revista

a

/ junho f 247 maio revista abigra

2010

dústri arte & in

47 0 1 0 • nº 2 • mai/jun 2 • ano xxxV gráfica

Capa

Orquídeas, São Paulo, óleo sobre tela, 80 × 60 cm, 2009

Em 1964, Sergio prestou concurso públi­ co para o Ministério das Relações Ex­te­rio­res. Aprovado cons­truiu passo a passo a car­rei­ ra, sempre promovido por mérito até alcan­ çar o posto máximo: em­bai­xa­dor. Serviu por 40 anos em 13 paí­ses e dirigiu o Departa­ mento Cultural do Itamaraty. Em Portugal e na França (teve ate­liês em Montmartre e às margens do rio Sena) pintou bastante e conheceu artistas de renome. Mas, foi em Paris, Lisboa e no Rio de Ja­ nei­ro que encontrou sua principal temática. Produziu, no Rio, dentre outros temas, uma série de desenhos, aquarelas e ­óleos sobre a zona do meretrício no Mangue. O traba­ lho que mostra, com humor e lirismo, mu­ lheres de uma vida nada fácil, mereceu do poe­ta Carlos Drummond de Andrade inspi­ rado poe­ma: “A Festa no Mangue”. Os ver­ sos abrem o álbum, publicado pela fi­l ial londrina da Galeria Wil­dens­tein. Sergio Telles, aos 74 anos de idade e 66 de arte, vive em São Pau­lo e se divide en­ tre seus ate­liês no Jardim Pau­lis­ta e na Bela Vista. Sua pintura é marcada pela lingua­ gem figurativa. Em sua obra a apurada téc­ nica não impede a mais pura emoção. O ar­ tista sabe, com um estilo próprio, vencer os de­sa­f ios da tela branca com intensidade de formas, cores e luz. Seus quadros são um grito que nos alerta, sem amargura, para a rea­li­da­de da vida. Em es­pe­cial, destacan­ do simples encantos, como o menino Ser­ gio sentia ao ir para a escola, caminhando ou de bonde pelos su­búr­bios ca­r io­cas. MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

25


Conlatingraf reúne países‑membros durante a ExpoPrint 2010 A Confederação estará presente na feira, no estande da Abigraf Nacional, para debater propostas de interesse de seus integrantes, entre elas a capacitação de profissionais na América Latina.

C

26

om sua participação na próxima ExpoPrint, em São Pau­lo, de 23 a 29 de junho, a Confederação Latino-​­Americana da Indústria Gráfica (Conlatingraf) dá con­ti­nui­da­de à decisão tomada durante sua última As­sem­ bleia Ex­t raor­d i­ná­r ia, rea­li­za­d a em fe­ ve­rei­ro na Flórida (EUA). Na oca­sião foi decidido que a entidade participará ativamente de todos os eventos — fei­ras, se­m i­n á­r ios, con­fe­r ên­c ias e ou­t ros — de âmbito in­ter­na­cio­nal que possibilitem a integração dos paí­ses-​­membros. A resolução começou a ser colocada em prática na 20ª Fei­ra In­ter­na­cio­nal do Papel e Indústria Gráfica (Fie­pag), que integrou a 2ª Semana In­ter­na­cio­nal da Embalagem, Impressão e Logística, em São Pau­lo, de 22 a 26 de março. Na ExpoPrint, a principal pau­ta da Colantingraf será o temário do XXII Congresso Latino-​­Americano da Indústria Gráfica, que terá como tema “Transformação e Inovação” e será rea­li­za­do em Cancún, no México, de 1º a 4 de setembro, paralelamente à As­sem­bleia Geral Ordinária da entidade e ao XVII Concurso Latino-​­Americano de Produtos Gráficos Theo­bal­do De Nigris. REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Seguindo esta programação, a Conlatingraf estará presente, de 23 a 28 de ou­t u­bro, em ou­t ra fei­ra declarada ofi­ cial pela entidade, a 4ª Argentina Gráfica, Fei­ra In­ter­na­cio­nal da Indústria Gráfica e seus Fornecedores, que ocorrerá em Bue­nos Aires. Iniciativas de capacitação

Na ExpoPrint a Confederação ocupará uma área ins­ti­tu­cio­nal junto ao espaço da Abigraf Na­cio­nal. No evento acontecerá a XV Reu­nião do Conselho Diretor da entidade, agendada para o dia 25 de junho, e o 1º Encontro do Comitê de Capacitação do Cifag – Centro Interamericano para a Inovação, Formação e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria da Comunicação Gráfica. Embora a Conlatingraf conte com a participação de todos os paí­ses latino-​ ­americanos que a integram, é certo que os paí­ses da re­g ião sul-​­americana irão prevalecer. Igualmente, a expectativa é que estejam presentes todos os membros que integram seu Conselho Diretor e os membros de Comitê do Cifag, bem como os diretores dos institutos de formação es­pe­cia­li­za­da do continente.

A formação pro­f is­sio­nal e a capacitação dos colaboradores das in­dús­trias gráficas é um dos temas prio­r i­tá­r ios para a Conlatingraf. Por esse motivo, e com vistas à reu­nião do Cifag na ExpoPrint, a Confederação — por meio da ação conjunta com as as­so­cia­ções que dela fazem parte — está rea­li­zan­do um levantamento das oportunidades e necessidades existentes nos paí­ses-​­membros, com o objetivo de colocar em marcha um plano master dirigido a im­pul­sio­nar o desenvolvimento da formação pro­fis­sio­nal e da capacitação em todos os ní­veis, nas diferentes re­g iões do continente: América do Sul, América Central e Caribe, e América do Norte. Para difundir suas atividades globalmente e intensificar a comunicação entre as as­so­cia­ções dos paí­ses-​­membros, a Conlatingraf conta com uma ferramenta fundamental: seu portal ins­ti­tu­cio­nal (www.conlatingraf.com). No endereço eletrônico estão dis­po­ ní­veis informações atua­li­za­das sobre o XXII Congresso Latino-​­Americano da Indústria Gráfica e o XVII Concurso Latino-​­Americano de Produtos Gráficos Theo­bal­do De Nigris.


história viva

H

Foto: Roberto Loffel

Horst Murrins

Homero Villela

Homero Villela e Horst Murrins Eles foram mais escolhidos pelas artes gráficas do que propriamente escolheram esse ofício. Porém, juntos construíram uma das principais empresas do setor promocional e editorial do País. Tânia Galluzzi

á exatos 20 anos, a Revista Abigraf publicou o perfil de Homero Villela de Andrade. Ele contava 74 anos e, apo­ sentado desde 1976, re­jei­tou o es­te­reó­ ti­po do idoso de chinelos em frente à TV. Afirmava con­t i­nuar ativo, princi­ palmente pelo gosto em trabalhar como gráfico e pelo prazer de estar com a fa­ mília. O tempo mostrou que não era um discurso vazio. Duas décadas de­pois en­ contramos Homero Villela novamente na sede da empresa que fundou ao lado de Geor­ge Murrins, a Pancrom Indús­ tria Gráfica. Ainda hoje ele mantém a rotina de ir à gráfica toda quarta-​­fei­ra para estar com as pes­soas e partilhar da rotina in­dus­trial. Na entrevista ­atual Homero não está sozinho. Ao  seu lado o com­pa­n hei­ro de mais de seis décadas, Horst Orlan­ do Murrins — filho de Geor­ge —, que completava 15 anos quando a gráfica foi cria­da, em 1945. Embora bem diferen­ tes, vivificam a ­ideia do pro­f is­sio­nal de vendas falante e brincalhão e do in­dus­ trial contido e direto. Se Homero entrou para o setor grá­ fico seguindo seu senso de oportunida­ de, Horst não teve ou­tra opção. Na dé­ cada de 1940, Homero trabalhava numa empresa americana como um faz-​­tudo até o dia em que seu chefe, demitido, convidou-​­o para montar uma gráfica. “Meu pai disse que eu devia estar fican­ do lou­co, que devia era ser internado acei­tan­do entrar num negócio que des­ conhecia completamente”, lembra Ho­ mero. Ele conta que um dos pri­mei­ros trabalhos impressos pela Villela e Assis Ltda., instalada no porão de uma casa no centro de São Pau­lo, foi um papel de carta para um executivo do recém-​ ­fundado Banco Itaú. “Tivemos de impri­ mir mais do que o dobro do pedido para conseguirmos ma­te­r ial de qualidade que pudesse ser entregue”. Quan­do a produção começou a en­ grenar tiveram de sair do local em de­ corrência do barulho. Foram parar na Rua dos Alpes, no bair­ro do Cambuci, e, ao sublocar parte do galpão para a Fo­ tolito Genuma, de Geor­ge Murrins, en­ contraram a parceria que durou toda


1

1 (E/D): Damiro de Oliveira Volpe, 2-º secretário do Sigesp (Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo); Hasso Alfried Weiszflog, sócio-diretor da Cia. Melhoramentos; Theobaldo De Nigris, presidente do Sigesp; Homero Villela de Andrade, delegado do Sigesp no Conselho da Federação das Indústrias; e Ignaz Johann Sessler, presidente da ABTG (Associação Brasileira de Técnicos Gráficos), reunidos no jantar para o lançamento do I Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica. São Paulo, 28 de abril de 1965.

uma vida. Uma gráfica e uma empresa de fotolito juntas só po­de­riam se fundir. Desse encontro nasceu a Pancrom (Pan, do latim ­união, e Crom, cor). Seguindo a praxe da época, o filho mais velho de Geor­ge foi escalado para ajudar o pai. “Fazia de tudo, até entrega”, comenta Horst. Despertado, o interesse por tecnolo­ gia só au­men­tou. Nos anos seguintes, com o crescimento da empresa, a am­plia­ção da ca­ pacidade aconteceu com a aquisição de má­ quinas usadas, desmontadas e reformadas por Horst e seu pai. Essência da qualidade

Da Rua dos Alpes, a Pancrom foi para a Rua Sil­vei­ra da Mota, desta vez já num espa­ 2

ço próprio. Mantendo sempre uma ligação mui­to forte com os fun­cio­ná­r ios, Homero, com seu perfil ponderado e con­ci­lia­dor, con­ quistava a con­f ian­ça de seus colaboradores e também dos clien­tes. Na produção, Horst assimilava a postura do pai: tudo passava pelas mãos de Geor­ge e, se o impresso não estivesse com a quali­ dade esperada, o destino era o lixo. Esse elevado grau de exigência acabou fazendo da Pancrom uma formadora de ta­ lentos. “A Pancrom sempre foi uma escola”, comenta Horst. Com a marca já reconheci­ da pelo mercado publicitário, nos anos de 1970, em pleno “milagre econômico”, a grá­ fica contava com 80 fun­cio­ná­r ios e uma re­ cei­ta ­anual de US$ 733 mil. Nesse pe­r ío­do, 2 (E/D): Max Schrappe, Homero Villela, Guita Mindlin e seu esposo, o bibliófilo José Mindlin, na inauguração da sede da Abigraf, à Rua do Paraíso, em 24 de Junho de 1998.

31 MAIO/JUNHO 2010 REVISTA ABIGRAF


3

In­dús­trias do Estado de São Pau­lo (­Fiesp), na qual chegou a ser te­sou­rei­ro. A década de 80 começou com o faleci­ mento de Geor­ge, em 82. Mas seus descen­ dentes já ha­v iam sido impregnados por sua sua ex­pe­r iên­cia e apreço pela inovação — foi ele um dos pri­mei­ros a trabalhar com fo­ tolitografia no Brasil. A empresa manteve sua trajetória de crescimento e, nos anos se­ guintes, chegou a ter mais de 500 colabora­ dores. Hoje, a Pancrom possui um quadro de aproximadamente 400 pro­f is­sio­nais.

4

5

3 e 4 Homero Villela e George Murrins se associaram em 1947. Dois anos antes Homero fundara a Villela e Assis que, na entrada de George, passou a ser Villela e Cia. Dois anos depois mudou o nome para Fotolitografia Pancrom. Finalmente, em 1975, assumiu seu nome definitivo, Pancrom Indústria Gráfica. 5 Filho de George, Horst substituiu o pai e tornou-se o grande companheiro de Homero na direção da Pancrom.

32 REVISTA ABIGRAF  MAIO/JUNHO 2010

Geor­ge, Horst e Homero começaram a pre­ parar as bases para ascensão da nova gera­ ção das duas fa­mí­lias. O filho de Homero, Homero Villela de Andrade Filho, começou em 1972 o seu trabalho na área de custos e de­pois no setor co­mer­cial. Qua­tro anos de­ pois, ­K laus Murrins, filho de Horst, pôs os pés na produção, pri­mei­ro para aprender e de­pois para liderar a área. Além da atividade como empresário, Ho­ mero Villela não se furtou à militância as­so­ cia­ti­va. Mesmo antes da fundação da Abigraf Na­cio­nal, em 1965, na qual também se fez presente, ele já frequentava o Sindicato das In­dús­trias Gráficas no Estado de São Pau­lo. Foi delegado do sindicato na Federação das

Apesar de distante do dia a dia da gráfi­ ca, Horst também continua a frequentar a empresa. Talvez o grande prazer de Home­ ro e Horst seja admirar não só o que cons­ truí­ram, mas sim a atua­ção de seus filhos e netos na Pancrom. Casado em 1949, Ho­ mero tem quatro filhos, dos ­quais um está no comando da empresa, e 11 netos, entre eles Laís, que atua no Mar­ke­ting, e Lia, que cui­da da área administrativa ao lado do pai. Além de ­K laus, diretor in­dus­trial, dos três filhos de Horst também Karin está na Pan­ crom, na área de Recursos Humanos, e sua neta Bruna, na área co­mer­cial.


Transformando ideias em realidade. Ferrostaal Equipamentos e Soluções Ltda • São Paulo: (11) 5522-5999 • Rio de Janeiro: (21) 2537-8603 • Amazonas: (92) 3622-4026 • Bahia/Sergipe: (71) 3357-0671 • Ceará: (85) 3308-9898 • Espírito Santo: (27) 3254-1377 • Goiás/Distrito Federal/Tocantins: (62) 3232-8800 • Minas Gerais: (31) 3299-0500/9165-9196 • Paraná: (41) 7813-2937 - ID 85*220655 • Alagoas/Pernambuco/Paraiba/Rio Grande do Norte: (81) 3421-4379 • Rio Grande do Sul/Santa Catarina: (51) 3325-2346 • www.ferrostaal.com.br • graphic.br@ferrostaal.com


Fotos: Roberto Loffel

Um dos mais competentes restaurateurs do Brasil, conhecido e respeitado no País e no circuito internacional do setor, abre pela primeira vez a um veículo da imprensa sua rica biblioteca particular especializada em gastronomia. Ricardo Viveiros

34 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Os “deliciosos” livros de Massimo Ferrari ita­lia­ni­n ho Massimo, aos 10 anos, já acompanhava o pai ao Mercado Central, em São Pau­lo. Ficava feliz com aquele “mar verde”, tanto quanto com o car­ro­cei­ro que o dei­xa­va conduzir os cavalos. Nos anos 1950 não se falava em DNA, mas seu Felice já percebera a vocação do filho para o negócio da família: gastronomia. Ele e dona Maria, sua mulher, incentivaram Massimo a ter uma faculdade. Para os Ferrari, imigrantes oriun­dos de Pie­mon­te, norte da Itália, investir na educação é garantir um futuro melhor. Gastronomia ain­da não era um curso universitário, assim a opção de Massimo foi Economia. Formou-​­se pelo tra­di­cio­nal Colégio São Luiz. Seus trabalhos escolares sempre eram sobre temas gastronômicos. Felice e Maria gostavam de ler e Massimo cresceu com esse hábito. Foi com eles que também aprendeu a ser perseverante, buscar motivação e empenho para fazer sempre mais e melhor, res­pei­tar o próximo e ter fé em Deus.

O pri­mei­ro negócio de Felice — piloto da força aé­rea ita­lia­na que sobreviveu à guerra e desembarcou no Brasil em 1945 — foi uma oficina de cromação de me­tais. De­pois, montou uma churrascaria: Far­rou­pi­lha. Dessa ex­pe­riên­cia, se­g uiu-​­se ou­tra de sucesso: Cabana, no centro de São Pau­lo. Todos os dias, ao sair da faculdade, Massimo fechava o res­ tau­ran­te. Era uma churrascaria diferente, fora do padrão da concorrência. Mais tarde, acompanhando a clien­t e­ la que migrou para a re­g ião da Av. Pau­lis­ ta, novo polo de ne­gó­cios pau­lis­ta­no, a boa culinária dos Ferrari instalou-​­se na Alameda Santos. Surgia, em 1976, Massimo, considerado “o melhor res­tau­ran­te ita­lia­no fora da Itália”. Sofisticado ponto de encontro de em­pre­sá­r ios, políticos e artistas, pela qualidade da comida e charme de seu principal cria­dor, o res­tau­ran­te foi um sonho de consumo e tornou-​­se marca forte no universo da gastronomia.


A biblioteca

Mui­to antes de assumir com a mãe e o único irmão, Venanzio, os ne­gó­cios da família após a morte do pai (1974), em uma via­gem de aprimoramento ao ex­te­r ior, foi “garimpando” nas li­vra­rias em Paris que Massimo, aos 27 anos de idade, comprou o pri­mei­ro livro com o qual ini­ciou sua es­pe­cia­li­za­da bi­ blio­te­ca, hoje com 11 mil volumes. Ma Cui­si­ ne – Le Gui­de Cu­li­nai­re, de Auguste Es­cof­fier, é obra re­fe­ren­cial para a coor­de­na­ção, sob rígidos prin­cí­pios de ordem e disciplina, de uma cozinha ver­da­dei­ra­men­te pro­f is­sio­nal. Es­cof­f ier saltou do amadorismo de pa­lá­cios e ho­téis para ­criar a moderna culinária em res­t au­ran­tes de pri­ mei­ra linha. Trabalhou com o famoso ho­te­lei­ro Cesar Ritz. A obra segue emblemática para Massimo, embora não seja a mais importante de um rico acervo bi­blio­ grá­f i­co — que, além da Gastronomia, alcança ou­t ras ­­áreas afins, como Antropologia, Saú­de, Economia, Agricultura, Teo­lo­g ia, História, Geo­g ra­f ia, Administração, So­cio­lo­g ia e Artes. “Foi com esse livro que decidi começar a coleção”, relembra com um brilho de pai­xão no olhar. A bi­blio­te­ca “Felice & Maria Ferrari — Coleção Massimo Ferrari” inclui livros raros, cu­r io­sos, de todos os formatos e tamanhos, com um único tomo ou com mais de uma dezena deles, pou­cas ou mui­tas páginas, antigos ou con­tem­po­râ­neos, ilustrados ou não e até mesmo manuscritos de senhoras da so­ cie­da­de que as fa­mí­lias doa­ram carinhosamente ao co­le­cio­na­dor após a morte delas. Um exemplo é o Caderno de Re­cei­tas, de Patrícia E. Dessberg, escrito à caneta tin­tei­ro entre 1940 e 1950. O livro mais antigo do acervo é Le Mé­ na­g ier de Paris, cuja edição data de 1393 e foi impressa em Genebra, Suí­ça. Escrita em francês, a obra trata de pre­cei­tos mo­rais, registra algumas re­fe­rên­cias históricas, ensina como dirigir mansões, recomenda a

comida ­ideal para receber reis e rai­n has, orien­ta sobre jardinagem e cui­da­dos com os cavalos, traz economia doméstica e ou­tros detalhes. Já o mais recente livro da coleção, Sabor e Saú­de, de Miao Duo, foi editado em 2009 no Brasil. A obra tem as melhores re­ cei­tas ve­ge­ta­r ia­nas do res­tau­ran­te do templo Zu Lai, o mais importante monumento budista da América Latina, em Cotia, na Grande São Pau­lo. O ­maior livro em tamanho, é L’Hep­ta­me­ rón des Gour­mets ou les Délices de la Cui­si­ne Fran­çai­se, de ­Édouard Nignon, editado em Paris em 1914. O menor é Tea Time, de M. Dalton King, publicado na Filadélfia, EUA, em 1992. O  pri­mei­ ro contém re­c ei­t as dos melhores pratos da culinária francesa e o segundo fala sobre o ri­tual do chá da tarde. Já  a obra com a ­maior quantidade de tomos é a En­ ciclopédia Bom Apeti­ te, com 10 volumes e três  mil páginas, da Abril Cultural. E o livro com o menor número de páginas é L’Art de Fai­re le Café au Lait à l’An­cien­ne, de ­Louis Forest, editado em Paris. Este livrinho, com apenas 16 páginas, ensina a arte de fazer café com lei­te. O idio­ma que predomina nas obras desta bi­blio­te­ca é o ita­lia­no, seguido pelo francês, português, inglês, espanhol, alemão, castelhano, russo, japonês e chinês. Embora a ênfase temática seja a culinária no seu estado da arte, há livros que estabelecem interfaces so­cio­cul­tu­rais e com tradições e costumes étnicos. Há obras escritas em ita­lia­no ar­cai­co, o que obriga Massimo ao desafio de entender a intenção dos pa­trí­cios. “É maravilhoso observar o estilo poé­ti­co que os au­ to­res usavam há cem, duzentos anos para escrever uma re­cei­ta. E a comida tem, na sua elaboração e degustação, mui­to desse encanto”, filosofa o res­tau­ra­teur. Todo o acervo de nove mil títulos e mais dois mil deles repetidos, só que em diferentes edições ou idio­mas, está catalogado em

35 MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF


O renascer do mestre

sistema informatizado, cuja metodologia obedece aos fundamentos da bi­blio­te­co­no­ mia. Há cinco anos, quando já somava cerca de quatro mil livros, Massimo entendeu que não dava mais para cui­dar sozinho da coleção. Contratou a bi­blio­te­co­no­mis­ta Mara Cunha, que organizou tecnicamente os livros que, em breve, estarão num site disponível às consultas da so­cie­da­de. A bi­blio­te­ca Felice & Maria Ferrari não é aberta ao público, apenas em casos pon­tuais nos q ­ uais es­ tu­dio­sos, acadêmicos e jornalistas buscam re­fe­rên­cias, encontrando pronto ­apoio. Massimo, consumidor voraz sempre em busca de novidades, continua comprando livros. Há mais de 30 anos tem sacrificado prazeres da vida para adquirir novas obras. Visita sempre os sebos e li­v ra­r ias no Brasil e no ex­te­rior, além de assinar revistas sobre Gastronomia, nas ­quais lê as resenhas e vai atrás das obras. Amigo de vá­r ios li­v rei­ros, é procurado com a notícia de uma raridade encontrada ou de um lançamento. Quem o conhece, sabe que não há melhor presente do que uma nova “joia” para a sua coleção. “Os livros am­pliam a minha visão, despertam para a busca de novos produtos, novas técnicas e, assim, vão tornando as re­ cei­t as uni­ver­sais. Sem falar do sabor que podemos inovar em cada prato, mesmo sendo tra­di­cio­nal”, garante Massimo, com a sua marca registrada: um sorriso aberto, franco e pleno de felicidade. Ele evita falar sobre valores ma­te­r iais, entretanto descobrimos que a sua mais cara aquisição foi um livro raro, pelo qual pagou três mil dólares num sebo es­tran­gei­ro.

36 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Massimo, por um “descompasso” — como define com elegância — após a morte da mãe, separou-​­se do irmão e sócio, que ficou com o res­tau­ran­te da Alameda Santos. O res­tau­ra­teur passou um tempo apenas refletindo, embora angustiado: “Nesses anos em que estive distante do público faltou-​­me o chão. Era como se eu estivesse sozinho na lua”. Em setembro de 2009, além de prestar consultoria ao res­tau­ran­te da TV Globo, o mestre voltou mais forte do que nunca e abriu o Felice e Maria, per Massimo Ferrari, em uma bucólica praça da Vila Olímpia, zona sul de São Pau­lo. A casa, rotisseria inovadora, além de ser uma espécie de em­bai­xa­d a da tra­d i­cio­nal culinária ita­lia­ na — o resgate do sabor da infância —, recebe a clien­te­la em uma oficina de culinária, aberta à cu­r io­si­da­de de todos. O consumidor escolhe os pratos que deseja, degusta petiscos e experimenta vinhos, enquanto a encomenda é produzida sob o seu olhar. “Aqui oferecemos um balé gastronômico”, define o cria­dor. “É  uma homenagem aos meus pais, com quem aprendi tudo na vida. Um sonho que rea­l i­zei”, declara Massimo, com os olhos marejados pela sau­da­de. Há no local um cenário ita­l ia­no, com figuras em movimento e um toque de magia que diverte crian­ças e adultos. No futuro, Massimo quer montar um Centro de Referência e Formação de Pro­f is­sio­nais: “Vamos ensinar o res­pei­to ao clássico. Promover o culto à tradição, mas com modernidade. Modismos não sobrevivem, assim é preciso preparar as novas gerações para eternizar os fundamentos da boa cozinha. Só quem domina a técnica pode ­criar com qualidade”, garante o mestre. Para Massimo, aprender sempre — com clien­t es, fun­c io­n á­r ios ou livros — é fundamental para dominar qualquer matéria-​ ­prima e fazer as re­cei­tas com nuan­ces distintas, capazes de agradar aos co­men­sais. Ou seja, rein­ter­pre­tan­do a própria vida. Com esta rotisseria, que não é um res­tau­ran­te no qual se vai para comer, Massimo está con­tri­ buin­do para reu­nir, com alegria, a família em torno da mesa nas suas pró­prias casas. Como nos bons tempos de Felice e Maria…


ExpoPrint 2010 Visite a Heidelberg de 23 a 29 de junho de 2010 no stand F59 no Transamérica Expo Center www.expoprint.com.br

*

*

Alta produtividade. O mercado precisa de alta produtividade e excelente qualidade. O que determinará o seu sucesso no dia a dia é o volume de serviços aliado à qualidade. Combine velocidade, qualidade e confiabilidade para uma maior eficiência com a Heidelberg - porque produtividade é a sua maior vantagem competitiva. www.br.heidelberg.com


Fotos: Roberto Loffel

Celso e o filho Caue mostram com orgulho o álbum completo.

Figurinhas da Copa viram febre entre os adultos Resistentes ao tempo, gerações e tecnologias, os álbuns de figurinhas em papel permanecem na preferência dos colecionadores e conquistam ainda mais adeptos.

C

38

Tainá Ianone

omputadores, internet, vi­deo­ ga­me, televisores 3D e celu­ lares de última geração. Ne­ nhum desses equipamentos dotados de tecnologia de ponta supera o “velho” álbum de figurinhas, cuja his­ tória já tem mais de um século. Co­le­cio­ nar cromos ilustrados, que é considera­ da uma brin­ca­dei­ra por mui­tos, virou uma ver­d a­dei­ra mania entre pes­s oas de todas as idades, nas cinco re­g iões do Brasil, com o álbum Copa do Mundo Fifa 2010 – África do Sul. A febre para completá-​­lo é tanta que invadiu empre­ sas, escolas e universidades, crian­do até mesmo disputadas rodas de trocas pelas ruas das cidades. A produção dessa publicação no Bra­ sil, e em mais de 110 paí­ses, é fei­ta pelo Grupo Panini, com sede na Itália. O ál­ bum ofi­c ial, lançado em 11 de abril, teve uma procura acima do esperado, até mesmo pela Panini. Depois de pou­ REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

co mais de quatro dias, as 5 mil bancas do Estado de São Pau­lo ficaram sem uma única figurinha para atender os ávidos co­le­cio­na­do­res. Vendas aquecidas

Na opi­n ião do fun­c io­n á­r io da banca Moe­ma, Anselmo Juo­ciu­nas, as vendas deste ano estão mais fortes do que as da última Copa. Isso acontece, segundo ele, por in­f luên­cia de três fatores: parceria de exclusividade com o Grupo Estado, a liberação das vendas 60 dias antes do

início dos jogos e a ­maior participação das mulheres. “A cada dez pes­soas que compram os envelopes quatro delas são mulheres”, diz Anselmo. Os jor­nais O Estado de S. Pau­lo e Jornal da Tarde dis­t ri­buí­ram aos lei­to­res um álbum e cinco figurinhas, dois dias antes do lançamento nas bancas. Para o pro­prie­tá­r io da Banca Quei­roz, na Pra­ ça da Sé, José Quei­roz Rodrigues, essa parceria au­men­tou o consumo. A Panini não divulga números, mas revela que em 2006 foram vendidos em todo o mundo 1 bilhão de envelopes. A Alemanha, país sede do mun­dial, li­ derou o comércio, seguido pelo Brasil.

A presença de Ronaldinho Gaúcho, Adriano e André Santos na Copa limitou-se à foto nas figurinhas


Venha para a

Vão livre do Masp, um dos pontos de encontro dos colecionadores

“Neste ano estamos caminhando talvez para um novo recorde”, informa o dire­ tor co­mer­cial e de mar­ke­ting da Panini Brasil, Marcio Borges. Colecionadores de plantão

O perfil dos co­le­c io­n a­do­res é o mais vasto e diversificado que um único seg­ mento de mercado poderia concen­ trar. Crian­ças, adolescentes e adultos não encontram diferenças nem bar­rei­ ras na idade quando o assunto são as fi­ gurinhas dos jogadores das 32 seleções que ilustram o álbum. Diferentemente da última edição, nesta cada país tem uma página dupla, cromos in­di­vi­duais dos atletas, e algumas es­pe­ciais dos es­ cudos e fotos dos es­t á­d ios com glitter. Lou­co por futebol, o corretor de se­ guros Roberto Zecca, 27 anos, começou sua coleção da Copa em 1994. “Naque­ le ano, eu che­g uei a ter três álbuns, um era o ofi­cial e nos ou­tros dois eu cola­ va as repetidas. Meu empenho valeu a pena, pois consegui concluí-​­lo”, diz or­ gulhoso. O corretor afirma ter todos os exemplares mui­to bem guardados. Ex­ ceto o da Alemanha, todos os de­mais es­ tão completos. “Em 2006 eu não estava mui­to empolgado”, justifica. O clima da Copa neste ano e os ami­ gos do trabalho foram os grandes incen­

tivadores para o diretor co­mer­cial Rei­ nal­do Massini, 34 anos, comprar o seu pri­mei­ro álbum de figurinhas. “No nos­ so setor tem 12 pes­soas e todas estão co­le­cio­nan­do, inclusive as duas mulhe­ res”. A participação feminina nesta edi­ ção real­men­te au­men­tou. Uma delas é a mercadóloga Aline Cavalcante, 30 anos. Fun­cio­ná­r ia de um canal de televisão es­pe­cia­li­za­do em esportes, ela co­le­cio­ na figurinhas pela pri­mei­ra vez, esti­ mulada pelo am­bien­te pro­fis­sio­nal e por seu fanatismo pelo futebol. Aline revela que em seu departamento, das oito pes­ soas, apenas três não se renderam à fe­ bre. Empolgada, convenceu o marido a ter um álbum. O desenvolvedor de soft­ware Ronie Dias, 26 anos, é mais um dos milhares de bra­si­lei­ros que esperam an­sio­sos pe­ los jogos da Copa 2010, não apenas para torcer para o Brasil, mas para comprar seu álbum de figurinhas. Ele começou a co­le­cio­nar aos dez anos, em 1994. De lá para cá não parou mais e a edição des­ te ano já está prestes a ser finalizada. “Só falta a de número 342, um jogador da Holanda”, revela. Na empresa em que trabalha, metade dos cem fun­cio­ná­r ios está co­le­cio­nan­do, o que facilita a obten­ ção dos cromos faltantes. Para au­xi­liar nessa troca, um deles ­criou uma tabela, que mais tarde deu origem ao site Figu­ rinha da Copa (www.figurinhadacopa. com.br). A cria­ção era para ficar restri­ ta aos amigos, mas rapidamente se es­ palhou. “Com a grande procura eu fui aper­fei­çoan­do alguns aplicativos”. Qua­ se dois meses de­pois de lançado, o site tinha mais de sete mil usuá­r ios cadas­ trados, até o fechamento desta edição. Família reunida

Veteranos montam planilhas para controlar os cromos que faltam

Conseguir todos os atletas e es­t á­d ios, além da taça e da mascote dos jogos de 2010, requer mui­t o empenho. Al­ guns contam com o ­apoio dos pais, que se envolvem e se di­ vertem com a brincadeira, e até ajudam na troca dos cro­ mos. Existem mui­t os lo­c ais “ofi­ciais” para a permuta das repetidas, como o vão livre

As melhores marcas de papéis nacionais e importados para pronta entrega em todo o Brasil Couchés Suzano, Condat, Magno, R4 Chorus, Somerset, BVS, PhoeniXmotion, LWC Papéis Offset Alta Alvura, Samaprint, Extra Alvura, Chamois, Paperfect Papel Bíblia Primapage Papelão Capa Vivox Cartões Supremo, Royal Tech, Art Premium Tech, Sinar White, Papirus Vegetal Sihl Diamante Tecidos para revestimento Frankonia, Duo, Chromo

Preços imbatíveis e atendimento sem igual. Consulte já nossa equipe de vendas

papéis de qualidade tel (11) 3121 2259 DDG 0800 772 5200 www.vivox.com.br MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

39


do Museu de Arte de São Pau­lo (Masp), onde cer­ ca de 300 pes­soas reu­ni­ ram-​­s e em 1º de maio, como fazem semanal­ mente. É o caso de uma família in­tei­ra de co­le­cio­ na­do­res de car­tei­r i­n ha. Os pais do pro­f is­s io­n al em relações in­ter­na­cio­ nais Otávio Junco Braga, 24 anos, foram seus gran­ Família Braga: tradição dos álbuns de figurinhas está na quarta geração des incentivadores. O en­ge­nhei­ro Luiz quando as figurinhas vinham nos chi­ Pau­lo Braga, 54 anos, e a psicóloga Bere­ cletes Ping-​­Pong. Há quase três décadas nice Junco Braga, 53 anos — que acom­ comprando e colocando cromos, esta é panharam o filho no encontro —, tam­ a pri­mei­ra vez que ele troca os repeti­ bém co­le­cio­na­vam figurinhas quando dos. “Eu comprava até conseguir todas”, crian­ças e sempre estimularam os fi­ confessa. E, assim como a família Bra­ lhos. “Essa herança é de família”, revela ga, Celso passou a pai­xão para o filho, Otávio. Uma mania que, segundo Bere­ o estudante Caue, de 17 anos. Pai e fi­ nice e Luiz Pau­lo, vem dos avós. lho, que chegaram à procura de 70 e 20 Na vida dele, os álbuns de figuri­ cromos, respectivamente, conseguiram nhas estão presentes desde os quatro con­cluir seus álbuns no Masp. anos. Chegou a completar os de todos os cam­peo­na­tos mun­d iais de futebol, Trocando figurinhas mas ficou apenas com os de 1998 e Para completar os 640 cromos, os co­le­ 2006. Os  ou­t ros, ele vendeu para um cio­na­do­res não medem esforços. Par­ sebo por até R$ 50 cada exemplar. Ape­ ticipam de comunidades no orkut, se­ sar do valor se declara arrependido e guem perfis no Twitter e trocam, sim, promete ja­mais voltar a se desfazer das figurinhas no trabalho, na faculdade e, pre­cio­si­d a­des. Otávio, que chegou ao claro, com as crian­ças. Outra ma­nei­ra Masp precisando de nove cromos e com de conseguir os jogadores mais requi­ 150 para trocar, em uma hora e meia sitados é comparecendo aos men­cio­na­ con­se­g uiu os que faltavam. dos encontros aos sábados que ocorrem Apai­xo­n a­d o pelos álbuns das Co­ também na Praça Charles Miller, entre pas, o corretor de seguros Celso An­ ou­tros lo­cais da capital. dreta, de 41 anos, teve seu pri­mei­ro ál­ Para os “marmanjos” o am­b ien­t e bum no cam­peo­na­to mun­dial de 1982, pro­f is­sio­nal tornou-​­se um dos pontos

40

Agitação no Masp para a troca de figurinhas. As crianças... vejam só, são minoria

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

preferidos para essa “ne­go­cia­ção”. “O ál­ bum já virou uma diversão. Há algumas semanas nosso horário de almoço é sa­ grado para trocarmos figurinhas”, assu­ me o diretor co­mer­cial Rei­nal­do, que faz algumas barganhas com o sobrinho de dez anos. Na opi­nião do corretor Cel­ so, o orkut foi a ferramenta que permi­ tiu marcar tantos encontros. A psicó­ loga Berenice também utilizou-​­se das redes so­ciais para ajudar seus filhos a ter todas as figuras au­to­co­lan­tes. A fim de conquistar as que faltam, o corretor Roberto não se intimida e tenta encontrar as que procura com as crian­ ças de dez anos e os amigos de 30, e até mesmo com os filhos dos amigos. Tecnologia

A evolução tecnológica atinge até mes­ mo impressos tão simples como as fi­ gurinhas. Os pri­mei­ros cromos surgi­ ram em 1895, vinham nas embalagens de cigarro e precisavam ser colados com goma arábica. Hoje, além do grande de­ senvolvimento na impressão, as figuri­ nhas são au­to­co­lan­tes e embaladas em envelopes lacrados. Em meio a tantas evoluções, a ex­ tinção do papel é um dos assuntos mais discutidos. Porém, dian­te do sucesso do Álbum da Copa 2010, essa previsão está longe de acontecer. Se por um lado fica claro que as versões online de diversos tipos de publicações ja­mais subs­ti­tui­rão estes pequenos pedaços de papel, por ou­tro é impossível ignorar sua existên­ cia e os di­fe­ren­ciais que agregam. A própria Fifa — Federação In­ter­na­ cio­nal de Futebol, que organiza os jogos — ­criou um álbum ofi­cial online, que pode ser montado no portal www.fifa. com. Entretanto, nem de longe o vir­tual pode ser comparado à publicação real, a começar pelo con­teú­do, que é diferente. Se o processo de troca, ba­sea­do em um banco de dados, é instantâneo, a ferra­ menta não permite pequenos prazeres agregados somente à versão em papel, como colar os cromos. Carregá-​­lo para cima e para bai­xo para comparar com o dos amigos? Nem pensar. Só mesmo na telinha do computador e conectado à internet. E isso é muito pouco.


‘‘N

Semana Internacional da Embalagem, Impressão e Logística recebe 34 mil visitantes Com ênfase no segmento de embalagens, o evento, que congrega cinco feiras, reuniu na sua segunda edição 500 empresas, de 25 países. Tânia Galluzzi

42 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

ão adian­ta. Temos mesmo de vir para cá e visitar a fei­ra para saber o que está acontecendo, para ver as novi­ dades”. A declaração de Adria­na Car­ valho, sócia diretora da Gráfica e Editora Lince, de Belo Horizonte, assinala uma ob­ servação fei­ta pela maio­r ia dos expositores entrevistados pela Revista Abigraf: boa par­ te dos visitantes que estiveram na 2ª Sema­ na In­ter­na­cio­nal da Embalagem, Impres­ são e Logística veio de ou­tros estados e do in­te­r ior de São Pau­lo. Os números ofi­ciais confirmam parte dessa impressão. O total de pro­f is­sio­nais de ou­tros mu­ni­cí­pios pau­ lis­tas cresceu cerca de 30% em comparação à edição an­te­r ior. Com relação aos ou­t ros estados, não hou­ve alteração significativa. Rea­li­za­da de 22 a 26 de março, a mostra ­atraiu 34.397 visitantes ao Pavilhão de Ex­ posições do Anhembi, dispostos a conhecer os lançamentos de 500 empresas, de 25 paí­ ses. Na pri­mei­ra edição do evento, em 2008, o público foi de 43 mil visitantes e 800 expo­ sitores. O evento reú­ne cinco fei­ras: 7ª Bra­ silpack (Fei­ra In­ter­na­cio­nal da Embalagem), 20ª Fie­pag (Fei­ra In­ter­na­cio­nal do Papel e Indústria Gráfica), 3ª Flexo Latino America (Fei­ra In­ter­na­cio­nal de Flexografia), 3º Salão Embala Inovação e 2ª Brasil ­Screen & Digi­ tal Show (Fei­ra In­ter­na­cio­nal de Serigrafia e Impressão Digital). Um dos percalços que a mostra teve de enfrentar, além da crise econômica que se­ gurou os investimentos em 2009, foi a alte­ ração da data de rea­li­za­ção praticamente um mês antes do evento em virtude do GP São Pau­lo de Fórmula Indy, que ocupou a área de es­ta­cio­na­men­to. Contudo, para Li­lia­ne Bortoluci, geren­ te de eventos da Reed Exhi­bi­tions Alcanta­ ra Machado e responsável pela fei­ra, o con­ tratempo não afetou a mostra. “Tivemos um tempo mui­to apertado, mas conseguimos co­ municar os expositores, os ho­téis, os visitan­ tes pré-​­agendados e toda a in­f raes­t ru­t u­ra logística, promovendo inclusive uma nova campanha de mar­ke­ting para alertar o pú­ blico sobre a mudança. Não tivemos cance­ lamentos por parte de expositores nem de visitantes. Apenas algumas máquinas que já ha­viam sido vendidas e estavam progra­ madas para vir à fei­ra não puderam ser ins­ taladas por necessidade dos compradores”.


Mesmo menor, a fei­ra parece ter agrada­ do aos expositores. Um dos estandes mais movimentados foi o do Grupo Furnax, com 800 m². “A Semana In­ter­n a­cio­n al de Em­ balagens está sempre nos sur­preen­den­do. O grande número de visitantes das mais di­ versas localidades do Brasil e do ex­te­rior e o expressivo número de ne­gó­cios concreti­ zados superaram todas as expectativas”, co­ mentou Luís Flávio Lima, gerente da divisão gráfica. O sistema de corte com elevador, a mesa vibradora com expulsor de ar, a guilho­ tina 115, a nova série master de corte, vinco e hot stamping, assim como a impressora flexo­ gráfica Neo­f lex (com tecnologia gear­less, sem engrenagem), foram as prin­ci­pais novidades da empresa durante o evento. Glau­co Tarrone, gerente de vendas da Apolo Sistemas Gráficos, mostrou-​­se sa­tis­ fei­to. “Nossa expectativa está sendo cumpri­ da. Estamos recebendo um público qualifi­ cado e, entre sistemas que já vinham sendo ne­go­cia­dos e contatos ini­cia­dos aqui, ven­ demos 15 equipamentos”, disse o executi­ vo na quinta-​­fei­ra. A Apolo levou vá­r ias li­ nhas para a Semana, abrangendo as ­­áreas de pré-​­i mpressão, impressão, acabamen­ to e embalagem, com foco nas pequenas e mé­dias empresas. Voltados para esse perfil de clien­tes, que compõe a m ­ aior parcela de visitantes da Se­ mana de Embalagem, a Ra­dial Tecnograf mostrou seus três lançamentos mais recen­ tes: as envernizadoras Digipaper 460 e Ver­ nipaper Sister 760 e a termolaminadora de BOPP Lamiplus 780, com alimentação au­to­ má­t i­ca. “Não esperávamos mui­to da fei­ra e está melhor do que imaginávamos”, dis­ se Mau­r í­cio Maselli, gerente da Ra­dial. Ele confirmou a venda de três máquinas até o dia 25. “Recebemos mui­tas pes­soas de ou­tros estados e da América Latina e sentimos que, se estivermos competitivos, podemos levar vantagem com relação aos equipamentos chineses pela questão da proximidade”. Para a Zanatto & Schupp, dis­tri­bui­do­ra de insumos e equipamentos gráficos para impressão offset e f lexo, a procura pelos sistemas que oferecem foi boa, principal­ mente pelas soluções focadas na flexogra­ fia, como con­su­mí­veis, sistemas de prova e CtP. “Trou­xe­mos para cá o portfólio com­ pleto para uma clicheria”, comentou André

43 MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF


e à abrasão, sobretudo para impressão em PE, PP e BOPP, em rotogravura e flexografia.

Rezende, responsável na empresa pela área de flexografia. Na T&C, o evento excedeu as previsões. “Resolvemos participar da fei­ra na última semana, mas valeu a pena. “Tivemos um grande número de visitas e prospects, inclu­ sive nos novos mercados em que estamos atuan­do que são os de serigrafia e flexogra­ fia, além dos tra­di­cio­nais de provas e pré-​ ­impressão”, disse Gian­ber­to Monchini, ge­ rente administrativo e fi­nan­cei­ro. Durante a fei­ra, a T&C vendeu oito sistemas computer-​­to-plate e 12 impressoras Epson. No campo dos insumos, a Colacril procu­ rou enfatizar toda sua linha de produtos, en­ tre pa­péis, filmes e laminados. O enfoque, porém, foi ins­ti­tu­cio­nal. “Acredito que tive­ mos um au­men­to de cerca de 20% na fre­ quência do estande com relação à feira de dois anos atrás, mesmo porque estamos in­ vestindo mais na divulgação de nossa mar­ ca”, afirmou Elia­ne Carvalho, que cui­da da área de mar­ke­ting. Participando pela pri­mei­ra vez do even­ to, a Sieg­werk, mul­ti­na­cio­nal alemã es­pe­cia­ li­za­da em tintas para impressão, apro­vei­tou a oportunidade para consolidar sua entra­ da no mercado de embalagens fle­xí­veis no Brasil. “Nossa participação está sendo bas­ tante produtiva”, afirmou Rodrigo Braga, ge­ rente co­mer­cial para a área de embalagens fle­x í­veis. A equipe presente na fei­ra pro­ curou dar destaque para quatro linhas: Si­ cura Plast LM, Sicura Plast SP, NC-​­239 e NC-​ ­191. A pri­mei­ra é composta por tintas UV para impressão de embalagens ali­men­t í­ cias com bai­xís­si­ma migração e odor imper­ ceptível, enquanto a Sicura Plast SP é uma nova geração de tintas para impressão em substratos não absorventes. A  NC-​­239 traz tintas bio­com­pos­tá­veis para serem utiliza­ das em embalagens bio­de­g ra­d á­veis e a li­ nha NC-​­191 é dedicada à impressão exter­ na, onde é preciso alta resistência à química

44 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Ainda no campo dos insumos, a Gutenberg Máquinas e Equipamentos destacou em seu estande as chapas flexográficas japonesas Asahi, para sistemas con­ven­cio­nais e di­gi­tais. “Estamos trabalhando com essa representa­ ção desde abril de 2009 e nossa penetração vem sendo gradativa, mesmo porque disputa­ mos mercado com gigantes como a DuPont”, disse Osmar Rodrigues, da Gutenberg. Ele frisou o fato de a fei­ra ter di­mi­nuí­do e sentiu falta de uma presença ­maior das cli­che­rias. O objetivo da Antalis do Brasil foi fazer o pré-​­lançamento das quatro novas textu­ ras da coleção de pa­péis Rives, da Arjowig­ gins Crea­ti­ve Paper, marca da qual a Anta­ lis é importadora exclusiva. A linha Dots é inspirada na moda esportiva; Shetland traz o toque sen­sual da lã; Basane, a textura de uma raça es­pe­cial de cabras; e T ­ weed, a tra­ di­cio­nal trama do tecido de lã inglês. Ram­ maia­na Milen, coor­de­na­do­ra de mar­ke­ting, afirmou ter recebido a visita de mui­tos grá­ ficos e pes­soas interessadas em pa­péis finos durante a Semana. Alguns prestadores de serviço, como a pau­lis­ta HotGraf, figuraram na lista de expo­ sitores. Segundo a diretora Maria da Penha, uma das só­cias, a motivação é a entrada da empresa, es­pe­cia­li­za­da em acabamentos es­ pe­ciais, na área de embalagens. Com 16 fun­ cio­ná­r ios, a HotGraf está estendendo o ser­ viço de hot stamping, relevo seco e serigrafia aos fabricantes de embalagem. “Nosso di­fe­ ren­cial é o clichê e os efei­tos que consegui­ mos têm atraí­do pro­f is­sio­nais da indústria de cosméticos e os designers”. A Abigraf, uma das entidades que ­apoiam o evento, apro­vei­tou a fei­ra para rea­li­zar reu­niões de seus grupos em­pre­sa­ riais, como o GE -Cade e o GE -Enve, além de abrir espaço para encontros promovidos pela ­Abiea e Abraform. A ABTG também es­ teve na mostra, organizando seminário no dia 23 de março. Entre os temas, os pales­ trantes discutiram os de­sa­f ios da indústria gráfica na nova década e as novas tec­no­lo­ gias para a redução do tempo de setup. A Se­ mana de Embalagem contou ain­d a com o ­apoio da Abimaq, Abiplast, Abflexo-FTA Bra­ sil e ­Abief (As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra das In­dús­ trias de Embalagens Plásticas Fle­xí­veis).


Tecnologia amplia a presença dos cartões

Segundo maior evento mundial no segmento de cartões, a feira Cards 2010 reuniu 4.450 pessoas em três dias e mostrou que o setor está em expansão.

M

46

ais de quatro mil visitantes pude­ ram conferir na Cards ­South Ame­ rica 2010 as prin­ci­pais novidades em produtos, serviços e tec­no­lo­gias, exi­ bidas por 300 empresas de 13 paí­ses. O evento, que teve um público su­pe­r ior ao da última edição, é o ­maior da Amé­ rica Latina no segmento e foi rea­li­za­do no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Pau­lo, de 26 a 28 de abril. A tecnologia de ponta foi, dispara­ da, o grande destaque desta 15ª edi­ ção, organizada pela Informa Exhi­bi­ tions. O cartão de acesso via contactless já dava a dimensão das inovações que es­t a­r iam presentes na fei­ra. O  siste­ ma, desenvolvido em parceria por sete com­pa­nhias, possui um chip com trans­ missor em RFID (identificação por ra­ dio­f re­quên­cia, na sigla em inglês), res­ ponsável por armazenar os dados de cada visitante. As informações possibili­ taram à organização identificar o perfil REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

de cada participante dos sete workshops rea­li­za­dos simultaneamente ao evento. A Abigraf participou da Cards como apoia­do­ra, em estande próprio, para atender os pro­f is­sio­n ais da indústria gráfica. O integrante do GE -Card (Gru­ po Em­pre­sa­rial de Cartões Plásticos) da Abigraf Re­g io­nal São Pau­lo, Claro Pi­ nhei­ro Policarpo, informou que o Bra­ sil é um dos paí­ses mais desenvolvidos em termos de tecnologia de chips nos últimos cinco anos, em es­pe­cial com a inclusão da ferramenta no segmen­ to fi­n an­c ei­ro. “O processo de subs­t i­ tui­ção dos cartões ban­cá­r ios com tarja por chip ­cards, alia­do ao crescimento da indústria, fez com que ou­tros segmen­ tos também au­men­t as­s em o volume de compras”. Segundo Claro, o Brasil tem produzido cartões com altas tec­ no­lo­g ias, como textura, aroma e ­foils di­fe­ren­cia­dos para os gift ­cards. Panorama do setor

De acordo com o diretor da Informa Exhi­bi­tions, Thomas Steward, a última edição da Cards movimentou R$ 2 bi­ lhões. “Seguindo a curva ascendente, a estimativa de ne­gó­cios gerados por in­ termédio da fei­ra é de R$ 2,5 bi­l hões”. A expectativa de crescimento para o mercado neste ano está entre 17% e 20%, informa o executivo, tendo como base 2009, quando, mesmo com a crise, hou­ve uma expansão de 17%. “O Brasil possui 1,5 bilhão de car­ tões, entre ativos e inativos. Esse nú­ mero representa cerca de 11 cartões por

pessoa”, declara Thomas. Nessa estatís­ tica in­cluem-​­se os cartões de banco, as­ sistência médica, seguro do carro, ali­ mentação, transporte e ou­tros serviços. Nas exportações, o Brasil tem tido grande destaque com os cartões ban­cá­ rios que, segundo Policarpo, ain­da detém o ­maior volume exportado pela indústria. Entre os produtos com ­maior evo­ lução no mercado, Thomas destaca o private labels, pré-​­pagos e gift ­c ards. “O setor gráfico para cartões terá uma grande expansão. Devido às novas tec­ no­lo­g ias, esses produtos vêm sendo usados nas mais diversas modalida­ des”. Somente o segmento de pré-​­pagos movimentou em 2009 R$ 73 bi­lhões no Brasil, de acordo com o presidente do Grupo Se­to­rial de Pré-​­Pagos (GSPP) – Ca­ pítulo Brasil do Pre­paid In­ter­na­tio­nal Forum, Boa­ner­ges Ramos Frei­re. Com lançamentos de produtos que atendem às ­atuais necessidades do mer­ cado — como cartões bio­de­g ra­d á­veis, que armazenam informações bio­mé­ tri­cas, da Thomas Greg & Sons do Bra­ sil, ou um smart card que faz a lei­tu­ra do e- CNPJ, da Nonus, para citar só duas novidades —, a fei­ra, em síntese, está se tornando uma referência para o se­ tor a cada edição. “A Cards permite aos pro­f is­sio­nais encontrar em um mesmo espaço empresas de todos os setores da ca­deia produtiva de cartões, além das novas soluções e inovações apresen­ tadas e discutidas no evento”, pontua Claro Policarpo, do GE -Card.


Office PaperBrasil Escolar expande público‑alvo

E

A expectativa é de que a inclusão dos compradores corporativos entre o público prioritário garanta negócios ao longo de todo o ano.

m sintonia com os prin­ci­pais even­ tos in­ter­na­cio­nais do setor e na busca constante para acompanhar o dinamismo do setor, a Office Paper­ Brasil Escolar am­pliou seu foco de atua­ ção inserindo entre seu público-​­a lvo prio­r i­tá­r io, além dos varejistas, os com­ pradores corporativos, res­p on­s á­veis pelo abastecimento das empresas. Para a Francal, organizadora do even­ to, a inclusão dos compradores corporati­ vos é uma evolução natural do mercado e da própria fei­ra, uma vez que meta­ de do seu mix de produtos já é composta por ma­te­rial de escritório e tecnologia. Para os expositores, a mudança repre­ senta o incremento das oportunidades de ne­gó­cios, já que, diferentemente do ma­t e­r ial escolar, os produtos deman­ dados pelos compradores corporativos

não estão su­jei­tos à sazonalidade e os contatos rea­li­za­dos na fei­ra podem se estender por todo o ano. Outra novidade é o novo horário, com o objetivo de am­pliar o horário co­mer­cial e terminar mais cedo: nos três pri­mei­ros dias, de 30 de agosto a 1 de setembro (segunda a quarta-​­fei­ra), das 10 às 19 horas, e no último, dia 2 (quinta-​­fei­ra), das 10 às 17 horas. ­Maior evento das Américas de su­ primentos e aces­só­rios para es­cri­tó­rios, pa­pe­la­rias e escolas, a Office PaperBra­ sil Escolar apresenta anual­men­t e ao mercado milhares de lançamentos de produtos e ten­dên­cias do setor. Devem participar da edição 2010 mais de 400 expositores, que ocuparão 82 mil m² do Pavilhão de Exposições do Anhembi. Es­ pera-​­se um público de 40 mil pro­fis­sio­ nais do setor. A captação de po­ten­ciais comprado­ res na­cio­nais é fei­ta de forma contínua e agressiva, por meio de um plano de di­ vulgação que inclui anún­cios nos prin­ci­

pais veí­cu­los de comunicação e visitas aos grandes centros bra­si­lei­ros para le­ var informações sobre a fei­ra ao varejo, entre ou­tras atividades. Gerar condições para as exporta­ ções e o estabelecimento de par­ce­r ias com empresas es­tran­gei­ras é ou­tra das prio­r i­da­des da Office PaperBrasil Esco­ lar. Dentro desse propósito, a Francal coloca em prática uma estratégia in­ ter­na­cio­nal, envolvendo a participação nos grandes eventos mun­diais do setor, além do re­la­cio­na­men­to es­trei­to com as entidades representativas do segmento no Brasil e em vá­r ios paí­ses. Em parceria com o Graphia, progra­ ma de estímulo às exportações da in­ dústria gráfica promovido pela Abigraf em conjunto com a Apex Brasil, a Office PaperBrasil Escolar abriga projetos que am­pliam e via­bi­li­zam os ne­gó­cios in­ter­ na­cio­nais, como, por exemplo, o Proje­ to Comprador, responsável por patroci­ nar a visita à fei­ra para importadores de mercados estratégicos para o setor.

& OFFICE PAPERBRASIL ESCOLAR 2010 24ª- Feira Internacional de Produtos, Suprimentos e Acessórios para Escritórios, Papelarias e Escolas Data: 30 de agosto a 2 de setembro Horário: das 10h às 19h (dia 2, das 10h às 17h) Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi Promoção e Organização: Francal Patrocínio: Abigraf SP Apoio: Brasil Escolar, Rede Nacional de Papelarias e Simpa, Sindicato do Comércio Varejista de Material de Escritório e Papelaria de São Paulo e Região Informações: (11) 2226-3100 www.officepaperescolar.com.br

48 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010


SYNCRO

O discurso do candidato vencedor ninguém ouviu ainda...

PARA CAMPANHA POLÍTICA

AUTOADESIVOS

COLACRIL

2010

Mas o adesivo usado para a campanha política todo mundo já sabe: é Colacril! Em tempos de campanha política sua empresa precisa contar com quem mais entende desse assunto. A Colacril conhece as necessidades do mercado gráfico e é especialista em fornecer as melhores soluções em folhas autoadesivas para campanhas políticas. Uma completa linha de folhas, base acrílica e hot melt, que atende as mais diversas aplicações. Sua empresa não precisa se preocupar! A Colacril junto com sua rede de distribuidores em todo o território nacional estão preparados para atender a demanda do mercado gráfico, com disponibilidade imediata de produtos para seus negócios em campanhas políticas. A Colacril tem sempre o produto certo, pelo valor adequado, para atender as necessidades de sua empresa. Procure o seu distribuidor de confiança e faça bons negócios!

55 (44) 3518.3500 w w w. c o l a c r i l . c o m . b r


O P I N I Ã O

­r Roberto Carlos Mo­rei

a

Presidente da Abigraf Maranhão

Presentes no futuro da indústria gráfica maranhense ouco mais de seis meses após sua reativação, a Abigraf Regional Maranhão continua conduzindo sua proposta de levar o desenvolvimento da indústria gráfica local para o interior do Estado. Nomeado presidente da entidade no Maranhão, assumi a responsabilidade de reorganizar esta representante da Abigraf Nacional. Em minha tarefa, percebo e reafirmo que não há dúvidas de que o apoio empresarial torna‑se imprescindível para o bom desempenho das ações que pretendemos implementar. A prova está no fato de que, logo ao reativarmos a Abigraf‑MA, 30 empresas, entre elas três jornais, associaram‑se à entidade, apoiando a iniciativa de buscar o fortalecimento do setor gráfico na região. Neste cenário, os dados apresentados no Estudo Setorial da Indústria Gráfica no Brasil, lançado em 2009 e realizado pelo Sebrae Nacional em parceria com a Abigraf Nacional, evidenciam a trajetória positiva do setor no Estado. A pesquisa aponta aumento de quase 15%, de 2005 para 2007, no número de gráficas, chegando a 176 unidades. É claro que ainda estamos distantes de estados como Bahia, Pernambuco e Ceará, que concentram o maior número de empresas da Região Nordeste. Porém, tal expansão é um resultado bastante expressivo. O aumento de postos de trabalho, mesmo em um ano de instabilidade econômica, é mais um item a ser mencionado. Em 2008, foi constatada a presença de 1.525 funcionários, contra 1.347 em 2006. As vagas correspondem a quase 6% do total da mão de obra empregada na indústria gráfica nordestina. 50 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Os números referentes ao faturamento de nosso parque gráfico também são animadores. Na comparação 2006‑2008 houve crescimento em torno de 39%. Além disso, as vendas mantiveram‑se elevadas. O Estado registrou aproximadamente R$ 20,7 milhões em 2008, contra R$ 14,9 milhões em 2006 — um montante de negócios que denota a captação de um volume de serviços de maior valor agregado. Em matéria de renovação do parque de máquinas, nossa região apresentou dados auspiciosos. De acordo com o estudo do Sebrae/Abigraf, o Nordeste registrou o segundo maior crescimento relativo dos investimentos realizados nos parques gráficos, com incremento de 317% de 2006 a 2008. As informações apontam para um segmento em plena expansão. Por esse motivo torna‑se essencial a presença de uma entidade de classe que possa representar os interesses do setor e, junto às empresas, buscar soluções para que esse desenvolvimento permaneça nos próximos anos. Acreditamos que este é um novo momento e, para acompanhar este movimento, estamos preparando um cadastramento das indústrias gráficas de todo o Estado. Porém, temos plena consciência de que tal ampliação das atividades maranhenses depende não somente da estrutura das empresas, mas de mão de obra qualificada. Nesse sentido, como já ocorre nas demais Abigrafs regionais, estamos organizando cursos e palestras para capacitação profissional, em especial na área de gestão. Com metas de atingir o mínimo de 100 filiados até dezembro deste ano, uma das missões da entidade que vem recebendo nosso total empenho por sua extrema importância é o combate à concorrência de empresas ilegais, que de forma desleal prejudicam a atuação daquelas que cumprem com as obrigações fiscais, bloqueando o seu crescimento produtivo. Todas estas ações da Abigraf Regional Maranhão, atreladas ao fundamental apoio das indústrias gráficas locais, irão culminar em um desenvolvimento ainda maior para o setor no Estado, deixando‑nos mais confiantes em relação aos números a serem apurados no próximo Estudo Setorial da Indústria Gráfica no Brasil. grafica@aquarela.ind.br


ano XIX  Nº 76  maio/2010

Atrativa busca novo posicionamento

Texto: Tânia Galluzzi

Interessada no potencial do segmento de marketing de relacionamento, empresa se prepara para atuar como uma provedora de soluções.


A

capacidade de se rein­ven­tar di­ ferencia as empresas. Em pe­río­ dos de instabilidade, como o que atravessamos no ano passado, é mais do que desejável, é imprescindível. E foi essa a opção da Atrativa, gráfica pau­ lis­ta fundada em 2004, voltada ao atendi­ mento do segmento pro­mo­cio­nal. Em julho de 2009, com a entrada de um novo gerente co­mer­cial, Marco Antonio Ti­ burcio, a Atrativa ini­ciou um processo de re­ po­si­cio­na­men­to: quer ser vista como uma empresa de soluções e não apenas uma gráfica. Isso significa dar conta de serviços como armazenagem, ma­nu­seio e logística de ma­t e­r iais, am­p lian­ do sua área de atua­ção. O alvo é a conquista do mercado de mar­ke­ting de re­la­cio­na­men­to. De acordo com Ru­ bens Marques, diretor da empresa, como o proces­ so digital possui peque­ no ganho de escala, a Atrativa vem trabalhan­ do para diversos clien­ tes, produzindo grandes volumes de ma­t e­r iais pré-​­i mpressos em off­ set, pro­por­cio­nan­do assim ganho de esca­ la, dei­xan­do-​­os armazenados para atender pon­tual­men­te ações menores de mar­ke­ ting direto. Essa é somente uma das so­ luções que a empresa oferece dentro do pacote de serviços que hoje disponibiliza aos seus clien­tes.

(E/D) Rubens Marques, diretor, e Marco Antonio Tiburcio: processo de reposicionamento no mercado projeta a Atrativa como empresa de soluções e não apenas como uma gráfica

O processo vem caminhando e a meta é o fulfillment, que pode ser entendido como a satisfação de todas as necessida­ des do clien­te, desde a gestão de ma­te­ riais, manufatura e dis­tri­bui­ção física, até chegar no ge­ren­cia­men­to de todo o fluxo de informações.

O pri­mei­ro passo foi rees­tru­tu­rar a equi­ pe co­mer­cial, uma vez que a tecnologia para a personalização, um dos pilares do mar­ke­ ting de re­la­cio­na­men­to, já estava disponível e com alta capacidade produtiva. Pro­f is­sio­ nais foram contratados e a equipe trei­na­da para vender soluções com a utilização da tecnologia digital. Na pau­ta, ao lado do investimento em mão de obra, estava a revisão dos proces­ sos produtivos e administrativos com foco na conquista do selo de certificação flo­ restal FSC, comprovando o cumprimento de pre­cei­tos am­bien­tais, econômicos e so­ ciais. “As exi­gên­cias do selo nos fizeram re­ ver uma série de procedimentos, aprimo­ rando nosso fluxo de trabalho. Além disso, essa conquista nos colocou em um ou­tro patamar, habilitando a Atrativa a entrar na disputa pelos grandes compradores de pro­ dutos gráficos”, comenta Rubens Marques.


Integração Como resultado do esforço em agregar inte­ ligência ao impresso, hoje a Atrativa tem em sua car­tei­ra de clien­tes montadoras de veí­ cu­los, ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras e grandes edi­ toras. “As corporações estão cada vez mais reduzindo o espaço destinado ao estoque de ma­te­riais impressos e ter um par­cei­ro

que armazene esse ma­te­rial significa a solu­ ção de um problema. Estamos produzindo con­ti­nua­men­te ma­te­riais pré-​­impressos, que vão sendo personalizados e acabados em pe­ quenos lotes a partir da necessidade das cam­ panhas de mar­ke­ting e de divulgação”, afirma Marco Antonio. A impressão sob demanda tem sido o prin­ cipal segmento atendido pelas seis impresso­ ras di­gi­tais da Atrativa, uma das ­quais colori­ da. Delas saem folhetos, catálogos e revistas com tiragens de até 700 exemplares, em mé­ dia. Rubens Marques conta que a grande maio­ria desses trabalhos é de clien­tes que entraram na gráfica pela via do offset e que a


com dobra, al­cea­men­to, au­toen­ve­lo­pa­men­ to, laminação, lombada quadrada e corte e vinco, a gráfica é capaz de imprimir mais de mil toneladas de papel e cerca de 19 mi­ lhões de folhas no formato A4 por mês com aplicação de dados va­riá­veis.

tecnologia digital continua a ter um papel de suporte à impressão con­ven­cio­nal. Mas o empresário aposta no au­men­to das solici­ tações por produtos di­gi­tais, tanto que esta­ va planejando, no início de 2010, a aquisição de uma nova impressora, pisando no ­freio quando percebeu que o mercado não esta­ va tão receptivo quanto o esperado. “2009 foi um ano mui­to ruim. Nos três pri­mei­ros meses desse ano sentimos uma recupera­ ção, mas o ritmo di­mi­nuiu.” Com 80 fun­cio­ ná­rios, três impressoras offset no formato folha in­tei­ra com verniz à base de água em linha e acabamento mecânico completo

Além do acabamento au­to­ma­ti­za­do, a Atrativa também investiu na capacitação de pro­f is­sio­nais do setor de acabamento para ma­nu­seios es­pe­ciais, uma vez que as campanhas de mar­ke­ting de re­la­cio­na­men­ to demandam embalagens específicas, pe­ quenas cintas, sacos es­pe­ciais e inserções de ma­te­riais fornecidos. Agora a prio­ri­da­de, assim que ventos fa­ vo­rá­veis começarem a soprar, é a área de acabamento. O objetivo é absorver alguns recursos de enobrecimento que atual­men­ te são rea­li­za­dos por ter­cei­ros. Um dos prin­ ci­pais focos da empresa é a au­tos­su­f i­ciên­ cia em todos os acabamentos nobres, pois a preo­cu­pa­ção do sigilo da informação é uma das premissas da Atrativa.

Atrativa Indústria Gráfica R. Cabo Romeu Casa Grande, 277 (Parque Novo Mundo) 02180-060 São Paulo SP Telefax. (11) 2954-6633 www.atrativagrafica.com.br atrativa@atrativagrafica.com.br


Bobst Group Latinoamerica do Sul Ltda. Av. Henri Bobst, 401 - 13251-716 - Itatiba/SP - Fone: +55 11 4534 9300 - Fax: +55 11 4524 0058


Baum­gar­ten

Ronald Baumgarten Júnior, presidente da empresa: “somos uma das poucas gráficas no mundo a dispor de todos os sistemas de impressão de rótulos”.

Da tipografia à impressão digital Inauguração do parque gráfico, máquinas novas e lançamento de produto marcam a comemoração de 129 anos da Baumgarten. Tainá Ianone

56 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

B

lu­me­nauer Zei­t ung — o nome ale­ mão para Jornal Blu­me­nauen­se — foi o pri­mei­ro pe­rió­di­co do Vale do Ita­ jaí, na re­g ião catarinense. Foi com esse jornal que, em 1881, o filho de imigran­ tes alemães Hermann Baum­gar­ten deu iní­ cio à Baum­gar­ten Gráfica, em Blumenau. A publicação em alemão — impressa duran­ te 64 anos — teve sua produção interrom­ pida por determinação federal em 1945 em decorrência da Segunda Guer­ra Mun­d ial. Os trabalhos tipográficos co­mer­c iais passaram, en­ tão, a ser a atividade prin­ cipal da gráfica, que três décadas mais tarde, acom­ panhando a evolução tec­ nológica, incorporou ao seu parque gráfico o sistema offset. Essa foi apenas a pri­mei­ ra transformação que marcou a trajetória da Baum­gar­ten. Com 129 anos de atua­ção e 315 fun­cio­ná­ rios, hoje a empresa dispõe de parque gráfi­ co em Blumenau e escritório em São Pau­lo para atender as demandas dos clien­tes em todo o Brasil e América Latina. Consolidada no ramo gráfico de emba­ lagens e com uma gama diversificada de sistemas de impressão, a gráfica oferece rotogravura, offset, serigrafia, letterpress, flexografia, hot stamping, cold foil, embossing

e digital. Os nichos prin­ci­pais são o de cos­ méticos e hi­g ie­ne pes­soal, e de alimentos, entre ou­tros. “A intenção é ­atuar mais for­ temente nos mercados com menor concen­ tração de vendas e fortalecer nossa presen­ ça no setor de cosméticos”, diz o presidente Ronaldo Baum­gar­ten Jú­nior. Os trabalhos desenvolvidos pela gráfica in­cluem rótulos au­toa­de­si­vos, ter­moen­co­ lhí­veis e in-​­­mould e bandejas em cartão ter­ moformado. “Somos uma das pou­cas gráfi­ cas no mundo a dispor de todos os sistemas de impressão de rótulos”. Manter-​­se estável no mercado há mais de um século é um ver­da­dei­ro desafio para a Baum­gar­ten. Vitória alcançada, segundo o executivo, pelo somatório de competitivi­ dade em preços, tecnologia, impressão di­fe­ ren­cia­da, qualidade de produto, atendimen­ to, pon­tua­li­da­de e par­ce­rias de longo prazo. “Nossos maio­res clien­tes estão conosco há 10 ou 20 anos”. Unidades de negócios

Vinda de um progressivo processo de ino­ vações, na década de 1980 a Baum­gar­ten ­criou sua pri­mei­ra unidade de ne­gó­cios no ramo de etiquetas para o segmento de em­ balagens, que, em pou­c o tempo, tornou-​ ­se independente da matriz e conquistou resultados significativos.


Dian­te desse sucesso, a gráfica ­criou ao longo dos anos ou­tras unidades: Carton, di­ re­cio­na­da a cartuchos impressos; Hermann, dirigida aos rótulos; Label, es­pe­cia­li­za­da em rótulos au­toa­de­si­vos di­fe­ren­cia­dos; Tray, para o desenvolvimento de bandejas com cartão termoformado; e Slee­ve, responsável pela produção de rótulos ter­moen­co­lhí­veis no sistema offset. “Em 2006 fomos a pri­mei­ ra empresa nas Américas a imprimir rótu­ los ter­moen­co­l hí­veis no sistema offset de impressão”, sa­lien­ta o presidente. Para acompanhar as ten­dên­cias do mer­ cado e atender com mais excelência seus clien­tes, a Baum­gar­ten aprimora constan­ temente sua tecnologia. Entre as aquisições mais recentes estão uma impressora digital HP Indigo WS 6000, uma máquinas offset pla­ na Hei­del­berg uma offset rotativa híbrida Nilpeter, uma máquina de acabamento para trabalhos di­gi­tais ABG Digicon Série 2 e duas termoformadoras de bandejas. Complexo gráfico

Mesmo com o sucesso no modelo de gestão adotado, há dois anos a gráfica rea­li­nhou sua

estratégia de atua­ção. Na nova estrutura, a Baum­gar­ten passou a ­atuar como empresa única e todas as plantas ficarão concentra­ das no mesmo parque gráfico, exceto a de cartuchos, que foi desmembrada do grupo Baum­gar­ten e tornou-​­se uma empresa inde­ pendente com o nome Cartondruck. No par­ que gráfico de 214.000 m² — com 18.000 m² de área cons­truí­da —, algumas plantas já es­ tão em fun­cio­na­men­to, mas a conclusão das obras será em dezembro. “Além de aper­fei­ çoar a produção, isso trará mais agilidade de decisão, sinergia com as diretrizes da em­ presa e otimização de custos”, diz Ronaldo. A modernização não está apenas na es­ trutura física do parque gráfico, mas nas so­ luções am­bien­tais. O projeto arquitetônico contempla um uso mínimo de ma­te­r iais e recursos energéticos, permitindo a redução do impacto no meio am­bien­te. Outra novidade da Baum­gar­ten em 2010 foi o lançamento da linha Roll Label, que permite diversos efei­tos e aplicações nos ró­ tulos de embalagens de alimentos e bebidas, entre ou­tros produtos. Impresso em offset atóxico, é livre de odores e reciclável.

& BAUMGARTEN Tel. (47) 3321.6666 www.baumgarten.com.br MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

57


CBL discute o futuro do livro

O

58

São Paulo sediou a primeira edição do Congresso Internacional do Livro Digital, que contou com a presença de cerca de 600 pessoas ao longo dos três dias de evento.

1º Congresso In­ter­na­cio­nal do Li­ vro Digital ocorreu entre 29 e 31 de março, durante o 36º Encontro de Editores e Li­vrei­ros, no Hotel Mak­soud, em São Pau­lo. O evento, di­re­cio­na­do a editores, li­vrei­ros, dis­tri­bui­do­res, gesto­ res de bi­blio­te­cas, universidades, escolas e ONGs, foi organizado pela Câmara Bra­ si­lei­ra do Livro (CBL) em parceria com a Frankfurter Buchmesse — promotora da Fei­ra do Livro de Frankfurt — e a Im­ prensa Ofi­cial do Estado de São Pau­lo. Qua­se 600 pes­soas participaram das palestras e workshops sobre o mercado edi­to­r ial e li­v rei­ro, com ênfase nas tec­ no­lo­gias di­gi­tais, ministrados por pro­fis­ sio­nais bra­si­lei­ros e convidados vindos da Alemanha, Canadá, Espanha, Ingla­ terra, Estados Unidos e Colômbia. A presidente da CBL , Rosely Boschi­ ni, que proferiu a palestra de abertura do congresso, enfatizou a importância daquele momento, cuja repercussão fi­ cou expressa no número de inscritos, o dobro do de um acontecimento tra­ di­cio­nal do setor. “O tema é de bastan­ te pertinência para o mercado. Além disso, é debatido pela pri­mei­ra vez no País por meio de um evento”. Falando em nome da Imprensa Ofi­cial, o presi­ dente Hubert Alquéres afirmou que “o REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

grande desafio, hoje, é a conquista do lei­tor e o livro digital pode ajudar nes­ ta missão”. Para o diretor da Fei­ra do Li­ vro de Frankfurt e um dos palestrantes mais aguardados, Juer­gen Boos, com a chegada do livro digital a questão da se­ leção de con­teú­do das obras li­te­rá­r ias tornou-​­se preponderante. O segundo dia do Congresso teve na grade de programação sete palestras in­ ter­na­cio­nais, sobre di­rei­tos au­to­rais, po­ der das redes so­ciais, dis­tri­bui­ção e no­ vos formatos. Em sua apresentação, o co­lom­bia­no Pablo Ar­r ie­ta reforçou que nenhuma nova mídia irá matar o livro tra­di­cio­nal, acrescentando que o mais provável é que as publicações impressas fiquem graficamente mais bonitas para concorrerem com as di­g i­tais. O último dia do evento foi reserva­ do aos es­pe­cia­lis­tas bra­si­lei­ros. Além de duas mesas de debates e palestras, hou­ ve a apresentação de uma pesquisa so­ bre livros e con­teú­do digital. O tema “O Futuro do Livro no Brasil” foi debatido por Sérgio Valente (agência DM9DDB), Fredric Litto (Fundação Bra­si­lei­ra de Educação a Distância), Anibal Bragança e Clau­dio de Mou­ra Castro (professores uni­ver­si­tá­r ios es­pe­cia­lis­tas em livros). Todos apontaram a necessidade de o li­ vro se rein­ven­t ar. A importância das editoras será preservada, mas com mu­ danças significativas do modelo de negó­ cio, na opinião de Guy Gerlach, diretor da editora Pear­son Edu­ca­tion, que parti­ cipou de uma das mesas redondas.

Livros e conteúdo digital

No dia de encerramento do Congresso, o Observatório da Lei­tu­ra divulgou uma pesquisa inédita sobre o consumidor de livros e con­teú­do digital no Brasil, rea­li­za­da pela CBL em parceria com a Imprensa Ofi­cial. O  estudo apurou que, em termos ge­rais — obras impressas ou não — o País possui 95 milhões de lei­to­res, sen­ do que cada bra­s i­lei­r o lê em média 4,7 livros por ano. Porém, um total de 77 milhões não têm o hábito de ler li­ vro algum. Em relação às obras di­gi­tais, 3% disseram já ter tido acesso a elas, o correspondente a 4,6 milhões de pes­ soas, sendo que 7 milhões de entrevis­ tados afirmaram bai­xar livros gra­t ui­ ta­men­te na Internet. Na  opi­n ião dos respondentes, o livro digital deve custar um quarto do preço ­atual de capa das obras impressas, desde que tenha valor agregado. Assim, um livro técnico que custe R$ 90,00 sai­r ia por R$ 22,50. A lição que a pesquisa dei­xa é que, para vencer de­sa­f ios e ganhar com as oportunidades do negócio do livro no Brasil, os setores envolvidos deverão acompanhar de perto a questão do li­ vro digital, assumindo o papel de pro­ tagonistas. Também precisarão ou­v ir mais constantemente os consumido­ res, am­plian­do a comunicação e a in­ teração com os lei­to­res e o mercado e, a partir disso, refletir sempre sobre os modelos de ne­gó­cios.


Plotter Laser Dobradeira de Lâminas

Shrink BOPP Termolaminável Filme Poliolefínico

Corte e Vinco Hot Stamping Coladeiras Acopladeiras Laminadoras Envernizadeiras

Serigrafia Letterpress Flexografia Rotogravura

Cortadeiras Guilhotinas e sistemas de corte

Rua Visconde de Parnaíba, 771 Brás - São Paulo - SP Tel.: 11-3277-5658

www.furnax.com.br

Venha nos visitar: 22-26 de Março de 2010

23-29 de Junho de 2010


Fotos: Roberto Loffel

A Gráfica Cinelândia tem uma história de 80 anos com impressos para as produções artísticas da capital paulista. Ada Caperuto

60 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Cinelândia A gráfica das estrelas F oi há exatos 80 anos, no centro da metrópole pau­lis­t a­na, que as fa­mí­ lias Salerno e Tiac­ci instalaram a Ti­ pografia Napoli. Na década de 1930, São Pau­lo ain­da era tranquila e aquele pe­ daço da cidade abrigava um ativo parque

Odilon Tiacci de Souza Mello dirige a empresa desde 1981

gráfico. Se, no correr dos anos, mui­tas em­ presas mudaram suas sedes para a perife­ ria ou até para ou­tros mu­ni­cí­pios, a opção das duas fa­mí­lias de imigrantes ita­lia­nos, a de José ­R aphael Firmino Tiac­ci e a de Francisco e Antonio Salerno, foi permane­ cer em sua sede, pri­mei­ra­men­te instalada na Bela Vista. Durante a Segunda Guer­r a Mun­d ial (1939–1945), o Brasil declarou guerra à Ale­ manha e à Itália, e o uso do idio­ma ita­lia­ no foi proi­bi­do no País. Assim, em 1939, a Tipografia Napoli adotou o nome que tem hoje: Gráfica Cinelândia Ltda., em referên­ cia a um dos apelidos do centro, que contava com um grande número de imponentes sa­ las de cinemas, frequentadas pela alta so­cie­ da­de pau­lis­ta­na. “Fomos in­f luen­cia­dos tam­ bém pelas dis­tri­bui­do­ras de filmes, como a de Oswaldo Mas­sai­ni, a Cinedistri, a Pam Filmes (do co­me­dian­te Mazzaropi), a Bra­ sil In­ter­na­cio­nal Filmes, a Embrafilme e a Alfa Filmes. Todas ficavam ao redor de nos­ sa sede”, conta Odilon Tiac­ci de Sou­za Mello, que assumiu a direção em 1981.


Classe artística

Durante 50 anos, José ­R aphael Firmino Tiac­ci administrou a empresa modernizan­ do máquinas e ins­t ruin­do seus fun­cio­ná­ rios em tudo aquilo que aprendera a fazer na prática. Odilon lembra que os impres­ sos ali produzidos — ingressos, panfletos, cartazes, revistas, programas e todo o ma­ te­r ial de promoção utilizado pela classe ar­ tística — “tinham tudo a ver com nosso ni­ cho de mercado, pois, desde a inauguração, trabalhamos para esta clien­te­la. Íamos da música clássica à popular. Das óperas que acon­te­ciam no Tea­tro Municipal, aos tea­ tros das vedetes, até cinemas e casas de es­ petáculos, atendendo diretamente o próprio artista ou as empresas”. Com as mudanças no cenário do centro e o início do declínio dos grandes cinemas, a partir dos anos 1970, a Cinelândia rapida­ mente transferiu sua es­pe­cia­li­za­ção para ou­ tros segmentos, como o edi­to­rial, com a pro­ dução de revistas, jor­nais e boletins, além de etiquetas adesivas e diversos tipos de im­ pressos co­mer­ciais, embo­ ra continue a atender os tea­t ros, ain­d a em grande número na re­g ião. Quan­do assumiu a ad­ ministração, Odilon se­ guiu a escola de seu avô, Firmino Tiac­c i, sempre pensando na moderniza­ ção da empresa e na qua­ lificação dos seus fun­cio­ ná­r ios. Ele revela que, antigamente, os cartazes e programas para shows, cinemas e ou­tros eram fei­tos no sistema tipográfico, usando clichês até a quatro cores, tipos de ma­dei­ ra e de chumbo, com composição ma­nual, um a um, além de linotipos. “Chegamos a ter quatro dessas máquinas impressoras, to­ das Hei­del­berg tipográficas planas e de le­ que. De­pois passamos a fazer os cartazes em silks­creen e offset e hoje usamos equipamen­ tos Xerox e computadores para pequenas ti­ ragens e as máquinas offset para as gran­ des”. Na atua­li­d a­de, no parque gráfico de 600 metros quadrados — agora localizado na Rua Vitória, no bair­ro de Santa Ifigênia —, são executados todos os processos, da pré-​ ­impressão ao acabamento, com impressão em offset plana, letterpress e serigrafia.

“Esta re­gião está passando por uma reur­ ba­ni­za­ção, para se transformar no bair­ro da Nova Santa Ifigênia. Estão sendo implanta­ das faculdades e vá­rias se­cre­ta­rias públicas”, diz Odilon. “Além de con­ti­nuar­mos atenden­ do a classe artística, trabalhamos para edi­ toras, sindicatos, clínicas, es­cri­tó­r ios jurí­ dicos, con­tá­beis e as mui­tas lojas do ramo eletrônico que são características do local”, diz o empresário, que acredita que o segre­ do dos 80 anos de consolidação e sucesso se deve a dois fatores: “acreditar na nossa es­ trela guia e trabalhar mui­to, acima de tudo”. Falar em estrelas é a metáfora per­fei­ta, es­ pe­cial­men­te quando se sabe que a Cinelân­ dia sempre foi e sempre será a gráfica dos espetáculos da metrópole pau­lis­ta­na.

& GRÁFICA CINELÂNDIA Tel. (11) 3222.1177 www.graficacinelandia.com.br MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

61


Gráficos debatem nova tecnologia para flexografia Número de empresas nacionais que estão aderindo à cura por Electro Beam pode superar a Europa em 2010.

O

consultor de empresas Pau­lo Rios ministrou a palestra Nova Tecnologia de Secagem de Tintas na Flexografia: Cura por Electro Beam. Além da ex­ plicação sobre o fun­cio­na­men­to do sistema, ele apresentou alguns números de merca­ do que mostram que é crescente o interesse das empresas na­cio­nais na nova tecnologia. O evento ocorreu no au­di­tó­r io da As­so­cia­ ção Bra­si­lei­ra de Tecnologia Gráfica (ABTG), em São Pau­lo, no dia 12 de maio e faz parte do projeto Bate-​­Papo com a Tecnologia. Em sua apresentação o consultor, com 12 anos de ex­pe­r iên­cia no desenvolvimen­ to de aplicações de ra­dia­ções io­ni­zan­tes na indústria de embalagens, explicou sobre o fun­cio­na­men­to do EB. “O Electro Beam age como um acelerador de partículas, no qual o fei­xe de elétrons é gerado no in­te­rior de uma câmara sob ultra-​­alto-vácuo. Ace­ lerado pela alta-​­tensão, este fei­xe atraves­ sa uma folha fina de titânio, onde deposita energia no produto a ser tratado.” O princí­ pio de fun­cio­na­men­to do EB pode se dar de forma direta (eletrostático), indireta, li­near e cíclica (eletrodinâmica) ou por ca­te­go­r ias de blindagem (au­to­blin­da­gem). Entretanto, o ma­nu­seio do titânio neces­ sita de cui­da­dos es­pe­ciais. As gráficas que optarem por esta tecnologia devem seguir as normas de utilização de ma­te­r iais ra­dioa­ti­ vos. O cumprimento das exi­gên­cias é segui­ do por meio de um Plano de Proteção Ra­dio­ ló­g i­ca, que acompanhará todas as etapas da “vida” de um acelerador. Apesar das pre­cau­ções que os fun­cio­ná­ rios precisam ter ao operar o titânio — como ficar exposto o menor tempo e à menor dose possível do elemento —, o consultor garante que a substância não gera re­jei­tos ra­dioa­ti­vos nem ativa o produto tratado. “Vale ressaltar que não há registro de um único acidente com o EB au­to­blin­da­do no mundo”.

62 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

De olho no mercado

Embora a gráfica Antilhas tenha sido a pio­ nei­ra no hemisfério sul a aderir ao Electro Beam na impressão, a tecnologia já está pre­ sente em ou­tras duas empresas. Há, ain­da, três parques gráficos fazendo testes e mais três em análise final de aquisição. Se to­ das aderirem ao EB serão nove empresas no Brasil utilizando o processo, contra apenas quatro em toda a Europa. Atenta a essa nova tendência do segmen­ to, a Tech­noSo­lu­tions Consultoria desenvol­ veu a EasyRad. A solução é um con­cei­to iné­ dito de qualidade e sustentabilidade para a aplicação prática do EB na indústria gráfi­ ca. De acordo com Wilson Pa­duan, sócio-​ ­diretor da Saturno Indústria de Tintas e da Tech­noSo­lu­tions, com o EasyRad o Electro Beam é usado apenas na saí­da, am­plian­do o po­ten­cial de fixação da tinta e reduzin­ do a porcentagem de partículas sólidas que evaporam durante o processo de impres­ são. “Com a termoplástica, após a secagem, restam 35% de partículas sólidas da tinta; com o processo termofixo, restam de 90% a 100%”, explica. Tal redução possibilita a produção de embalagens fle­x í­veis sem qualquer trata­ mento dos efluen­tes gasosos, fator que a torna acei­tá­vel até mesmo pelas rigorosas normas eu­ro­peias. As embalagens têm cada vez mais exer­ cido poder sobre a escolha dos consumido­ res por um produto. Frente à sua importân­ cia, a qualidade deve ser impecável. Porém, a responsabilidade so­cioam­bien­tal não pode mais ser ignorada, tendo em vista que os consumidores e clien­tes estão mais cons­ cien­tes neste aspecto. “Essa tecnologia nos permite usar menos energia e ma­t é­r ias-​ ­primas, colaborando para a sustentabildade e a preservação dos recursos na­tu­rais para as próximas gerações”, declara Wilson.


Já que estamos em momento de Copa do Mundo... nossa EQUIPE DE CRAQUES em pré-impressão, jogando num time como a LOG & PRINT e apoiada por um BOM TÉCNICO, só podia acabar em troféu mesmo... Alan Wigmir Alves, gerente da área técnica e desenvolvimento de novos produtos da Log & Print Gráfica e Logística S.A.

As coisas realmente não acontecem por acaso: qualidade, inovação e tecnologia são só alguns dos instrumentos que a Log&Print vem utilizando para despontar no mercado gráfico. Não bastasse todo o investimento e empenho para alcançar seus próprios interesses, a Log&Print também abre espaço para ajudar os seus parceiros. Foi junto com a Log&Print que a Premiata iniciou o desenvolvimento da escala ISO Bio-Reverse e recebeu apoio para homologar suas tintas com o selo SoyInk®. Os resultados não poderiam ser melhores: evolução para a Premiata, mais sucesso para a Log&Print e mais qualidade sustentável aos seus clientes finais. E para fechar o placar, a Log&Print fez mais um gol de placa: conquistou o Prêmio de Excelência Gráfica na inovadora categoria “Impressos em Conformidade à Norma NBR NM - ISO 12.647-2”.

Como disse um sábio do esporte: “Quanto mais treinamos, mais temos sorte”

Anos

ISO 9001

www.premiata.com.br


MatTavelli

Seis décadas de sucesso no segmento promocional

A Gráfica Mattavelli escreve sua história com inovação, criatividade e investimento contínuo. Ada Caperuto

64

Fotos: Roberto Loffel

Ao lado do pai, Osmar Mattavelli, Alessandra ajuda a transportar a empresa rumo ao futuro

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

A

Mattavelli Gráfica e Editora ini­ ciou suas atividades em 1947 com apenas dois clien­tes. Era o volume máximo de trabalho que o pequeno espaço do parque gráfico poderia comportar. Porém, isso foi com­ pensado pela relevância das empresas para as ­quais começou a produzir embala­ gens: a fabricante de chocolates finos Ko­ penhagen e a Jardim Indústria e Comér­ cio, ­atual Jardim Alimentos, produtora do café que leva seu nome. “São empresas

que, desde aquela época, já se destaca­ vam por seus produtos de alta qualidade. A Kopenhagen passou a encomendar suas embalagens conosco, enquanto a Jardim entregou-​­nos a responsabilidade de im­ primir sua linha de ma­te­riais pro­mo­cio­ nais”, relata o diretor Osmar Mattavelli. Decorridos 63 anos, a gráfica está consolidada no mercado pro­mo­cio­nal, que atende com exclusividade, e soma, em toda a sua história, o atendimento a mais de 200 mil ordens de serviço.


Os de­sa­f ios enfrentados não foram pou­cos, mas o relato desta trajetória é cu­r io­so e marcado pela inventividade e espírito de pio­nei­r is­mo. “Na década de 60, quando ain­da não havia tinta ul­ tra­vio­le­ta, desenvolvemos um processo que nos permitia imprimir sobre ace­ tato. Cria­mos então, na época, todas as embalagens de luxo da Kopenhagen, nas ­quais o consumidor podia, através da tampa impressa e transparente, ver o brilho e o desenho do chocolate. Foi um sucesso!”, lembra Osmar. Descoberta pelas agên­cias de pro­ paganda como a única gráfica que do­ minava essa técnica, projetos cada vez mais inovadores, com recursos inéditos, foram se sucedendo, in­cluin­do aquele que representou maior orgulho à gráfi­ ca: o ma­te­r ial pro­mo­cio­nal para o lan­ çamento do Condomínio Tamboré, no município de Ba­r ue­r i, em 1981. Nos dias de hoje, em que as empre­ sas contam com tec­no­lo­g ias e técnicas mui­to similares, para se di­fe­ren­ciar e manter-​­se no mercado durante tanto tempo a Mattavelli busca estar sempre atenta às necessidades do mercado. “So­ mos uma gráfica que pensa e apresen­ ta soluções. Podemos dizer que nosso ­maior di­fe­ren­cial é o re­la­cio­na­men­to e a interatividade que temos com nossos clien­tes”, reforça o diretor. Verniz e meio ambiente

Um dos recursos para esta estratégia, se­ gundo Osmar, é investir em novos pro­ dutos, como é o caso do verniz Opaque 832, recém-​­lançado para subs­ti­tuir a la­ minação fosca, com a vantagem de ser até 50% mais barato e ecologicamente correto. “Estamos também em constan­ te atua­li­za­ção do parque gráfico. No ano

passado adquirimos uma impressora Heil­del­berg Speed­mas­ter 72 × 102 cm, 5 cores + verniz, uma Eurobinder com cola PUR e mais do­bra­dei­ras”. Osmar avalia que em 2009, embora tenha sentido reflexos da crise in­ter­na­ cio­nal, a Mattavelli teve mui­to que co­ memorar. Além de lançar o verniz Opa­ que 832, rea­l i­z ou uma campanha de mar­ke­ting direto que abriu portas em clien­tes preo­cu­pa­dos com o meio am­ bien­te e que não co­n he­ciam a empre­ sa. ”O interesse na preservação do meio am­bien­te faz parte da rotina do nosso trabalho. Todas as tintas utilizadas são formuladas com ma­té­r ias-​­primas re­no­ vá­veis, à base de soja, com bai­xo VOC (si­ gla em inglês para Componentes Orgâni­ cos Vo­lá­teis), que detêm o selo SoyInk (à base de óleo de soja). Assim, recebemos no ano passado a certificação ISO 14001 e o selo verde Forest Stewardship Coun­cil (FSC)”, completa o diretor da gráfica. Para 2010, a Mattavelli tem excelen­ tes perspectivas de ne­gó­cios. “Tanto o campeonato mun­dial de futebol quan­ to as elei­ções impactam positivamente nossos ne­gó­cios. A Copa é uma ótima oportunidade para alavancar as vendas no segmento pro­mo­cio­nal, que é o nos­ so forte”, sa­lien­ta Osmar, acrescentando que a gráfica con­ti­nua­rá a fazer a cam­ panha amparada na questão am­bien­tal, es­pe­cial­men­te com foco no novo ver­ niz que, segundo ele, ain­d a tem mui­ to a ser explorado. E, claro, con­ti­nua­ rá envolvida no re­la­cio­n a­men­to com os clien­tes, buscando a cada dia estar mais próxima deles. & MATTAVELLI GRÁFICA E EDITORA Tel. (11) 2159.3000 www.mattavelli.com.br MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

65


Gutenberg inaugura Centro Técnico da Komori Aberto oficialmente em 14 de abril, o Centro Técnico da Komori na América Latina (KLT) é uma parceria da fabricante japonesa de equipamentos gráficos com a Gutenberg, distribuidora oficial da marca no Brasil.

(E/D) Klaus Tiedemann, diretor da Gutenberg, e Satoshi Mochida, diretor executivo e COO da Komori Corporation

66

& GUTENBERG Tel. (11) 3225.4400 www.gutenberg.com.br

O

novo Centro Técnico da Komori (KLT) no Brasil será utilizado para a presta­ ção de serviços, trei­na­men­to técnico para operadores e transferência de tecnologia para os dis­tri­bui­do­res da marca no País, além de permitir a demonstração de equipamentos aos clien­tes lo­cais. ­K laus Tie­de­mann, diretor da Gutenberg, explica que o espaço ocupado pelo KLT integra o show­room da empresa, mas a Komori en­viou um técnico japonês com ampla ex­pe­r iên­cia para residir no Brasil. Os trei­na­ men­tos serão rea­li­za­dos pe­r io­di­ca­men­te, para técnicos vindos de paí­ses da América Latina. “Uma das prin­ci­pais vantagens é que esses téc­ nicos, que em geral não dominam o idio­ma ja­ ponês, possam receber o trei­na­men­to num país de língua latina e próximo; ao final, esse trei­ na­men­to dos técnicos permitirá que os clien­ tes sejam mais bem atendidos”. Ao lado deles, dois técnicos bra­si­lei­ros formarão o núcleo que integra o centro de trei­n a­men­ to. A equipe fi­ cará 15 dias em São Pau­lo e 15 d i a s em v i a ­ gem pela América Latina. De  acordo com as diretri­ zes da Komori Cor­p o­ra­t ion, o objetivo é trans­ ferir para o Brasil a mesma filosofia aplicada em seu país de origem: o ge­ren­cia­men­to que busca a melhoria da satisfação dos clien­tes e o fornecimento de produtos e serviços de alta qualidade que ­criem impressão positiva nos clien­tes. Para a empresa, a cria­ção do KLT está pau­t a­d a no fato de ser a América Latina um importante mercado, com po­ten­cial de cresci­ mento. Por isso mesmo, a Komori concentra-​­se em ­criar a melhor assistência técnica possível e dar todo o suporte no pós-​­venda. “Ainda estou

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

me adaptando ao País, mas acredito que pode­ rei dar um grande ­apoio aos clien­tes bra­si­lei­ros, ajudar a corrigir ví­cios ope­ra­cio­nais e a elimi­ nar falhas, dando oportunidade para que todos apro­vei­tem melhor os recursos de suas máqui­ nas”, diz Masayuki Tanaka, que atua há 25 anos na fábrica da Komori, em Yamagata. Outro importante par­cei­ro da Gutenberg na inauguração do KLT foi a Toyo Ink, fabricante de tintas que acaba de abrir um escritório no País. Todas as tintas utilizadas nos equipamen­ tos expostos no KLT foram fornecidas pela Toyo — um acordo de dis­tri­bui­ção que deverá con­ti­ nuar em prática. Segundo o diretor co­mer­cial Sérgio Pera, este é um caminho natural, uma vez que, no Japão, a Komori e a Toyo fazem um trabalho de sintonia no desenvolvimento tec­ nológico de seus respectivos produtos. “A Toyo mantém, há tempos, uma parceria mui­to gran­ de com a Komori. Como a fabricante está se ins­ talando no Brasil, é óbvio que esta as­so­cia­ção iria se estender à Gutenberg. Vamos recomen­ dar as tintas para nossos clien­tes e fornecer um starter kit quando comprarem máquinas”, informa ­K laus Tie­de­mann. Também a Printverniz, empresa do grupo Printcor, colaborou para a qualidade dos im­ pressos durante a inauguração do Centro Téc­ nico da Komori, com seus vernizes Printover. Parceiros

A Gutenberg, fundada em 1967, tornou-​­se há dez anos dis­tri­bui­do­ra exclusiva da Komori Cor­ po­ra­tion, que tem sede em Sumida-​­ku, em Tó­ quio (Japão), onde fabrica e vende impressoras e equipamentos de impressão desde 1923. Além das vendas, a Gutenberg fornece serviços, pe­ ças e trei­na­men­to de operadores. A equipe de assistência técnica é formada por 58 técnicos, a maio­r ia com trei­na­men­to nas pró­prias fábri­ cas. O estoque de peças de reposição centrali­ zado em São Pau­lo garante o suporte a suas fi­ liais de vendas em Porto Alegre, Curitiba, Rio de Ja­nei­ro, Belo Horizonte e Recife.


ECONOMIA Texto e dados: Departamento de Estudos Econômicos da Abigraf

Estudo da Abigraf identifica oportunidades de negócios bilaterais Com base no cálculo do índice de comércio intraindústria de Grubel‑Loyd, da ABDI, análise evidencia os segmentos que podem oferecer complementaridades no comércio com a Argentina.

E

68

m 10 de março, a Confederação Na­cio­nal da Indústria (CNI) se­ diou a reu­nião “Brasil-​­Argentina: Integração e Coo­pe­ra­ção In­dus­ trial”, uma ini­cia­ti­va da Agência Bra­si­lei­ ra de Desenvolvimento In­dus­trial (ABDI). O encontro teve como objetivo congre­ gar os setores considerados estratégi­ cos para as relações Brasil-​­A rgentina, visando à integração produtiva entre os dois paí­ses. Serão identificadas as com­ plementaridades entre as in­dús­trias de ambas as nações, para que se estimule o incremento da produção e do comércio in­train­dus­trial, além da elevação do va­ lor agregado e do con­teú­do tecnológico das exportações re­g io­nais. A complementaridade da produção pode ocorrer quando componentes são fabricados em um país e os produtos fi­nais montados em ou­tro, e/ou quan­ do componentes e produtos fi­nais di­ ferentes são ori­g i­ná­r ios de vá­r ios paí­ REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

ses. Em ambos os casos, o resultado será o au­men­to dos fluxos de comércio in­train­dus­trial, ou seja, dentro do pró­ prio setor. A complementaridade pode também ocorrer no in­t e­r ior de uma mesma empresa, por meio da es­pe­cia­ li­za­ção de suas fi­liais nos diversos paí­ ses-​­membros do bloco re­g io­nal ou em consequência das relações de mercado entre empresas independentes. Em uma perspectiva que privilegie a competitividade, a complementarida­ de, vista dentro das ca­deias produtivas, permite identificar os elos fortes e fra­ cos da ca­deia, bem como aqueles pas­sí­ veis de serem fortalecidos, a partir da referida política de estímulo. Nesse sentido, as empresas trans­ na­cio­nais glo­bais ou re­g io­nais exercem um papel fundamental na organização dessas mesmas ca­deias produtivas. Para sub­si­d iar esse debate, a ABDI contratou estudos da Universidade Es­

ta­dual de Campinas (Unicamp) e da consultoria argentina Abeceb, que in­ dicaram hipóteses de ne­gó­cios com par­ ticipação de empresas dos dois paí­ses. No estudo apresentado foi calculado um índice que mede o comércio in­train­ dús­tria (CII) para vá­r ios setores e, a par­ tir dele, foram identificadas oportuni­ dades de complementaridade em áreas como petróleo e gás, ae­ro­náu­ti­ca, mine­ ração, indústria naval, ma­te­rial fer­ro­viá­ rio, au­to­pe­ças, bio­com­bus­tí­veis, soft­ware e construção civil. Os dois governos estão comprometi­ dos com o programa e em fase de con­ sultas junto aos setores privados de seus paí­ses. Nos próximos anos o eixo princi­ pal da estratégia de integração econômi­ ca deve ser a promoção de investimen­ tos bi­la­te­rais. Para tanto, será necessário identificar e divulgar oportunidades de ne­gó­cios nos dois paí­ses que possam ge­ rar investimentos de empresas na­cio­nais


e ­apoiar as ini­cia­ti­vas de ma­nei­ra coor­de­ na­da, evitando “guerras de incentivos”. Os prin­c i­p ais estímulos objetiva­ rão promover a competitividade, como investimentos bi­la­te­rais, participação acio­n á­r ia cruzada, con­s ór­c ios e re­ des para compartilhamento da logísti­ ca, acordos de fornecimento de longo prazo, em­preen­di­men­tos conjuntos de desenvolvimento tecnológico etc. Complementaridade no setor gráfico

Com o objetivo de identificar “pistas” so­ bre possibilidades de complementarida­ de entre Brasil e Argentina, no caso da indústria gráfica, o Departamento de Es­ tudos Econômicos da Abigraf calculou um índice que mede o comércio in­train­ dús­tria chamado de Grubel-​­Loyd (CII) O valor do índice que mede o comér­ cio in­train­dús­tria (CII) pode va­r iar no intervalo [0–1]; se o valor do índice for igual a 1, todo o comércio será do tipo in­train­dus­trial. Este é o caso da expor­ tação e importação de produtos simi­ lares por uma mesma indústria, como au­to­mó­veis bra­si­lei­ros por au­to­mó­veis japoneses. Por ou­tro lado, quando o va­ lor do índice for próximo de zero, o tipo de comércio prevalecente será o in­te­ rin­dus­trial. Isto acontece quando exis­ te em um país exportação de produtos pri­m á­r ios e importação de produtos manufaturados, por exemplo. Um setor pode ser classificado como in­train­dus­trial e como setor in­te­rin­dus­ trial. A existência de comércio in­train­ dus­trial não exclui o comércio do tipo in­te­r in­dus­trial. No mundo real, ambos são observados. No entanto, o comércio in­te­r in­dus­ trial é ba­sea­do na dotação de fatores, ou vantagens comparativas, ao passo que o comércio in­train­dus­trial é ba­sea­do nas eco­no­mias de escala e na di­fe­ren­cia­ção de produtos, podendo existir comércio mesmo que os paí­ses pos­suam dotações de fatores idênticas.

(CII) entre Brasil e Argentina, para o se­ tor gráfico evidencia que haveria espaço para estímulo a complementaridades in­ train­dus­triais nos segmentos de produtos edi­to­riais e de embalagens. Para os de­mais segmentos represen­ tados pela Abigraf evidencia-​­se uma pro­ pensão ao comércio in­te­rin­dus­trial, em que o Brasil demonstra fortes vantagens comparativas, provavelmente em função de acesso a ma­té­rias-​­primas mais baratas e da ­maior escala de produção.

Brasil e México Como o Brasil e o México estão ne­go­cian­do um acordo bilateral, a análise considera procedente efe­tuar o mesmo cálculo do índice de comércio in­train­dús­tria de Grubel-​­Loyd (CII) para a relação entre estes dois paí­ses. O resultado que evidencia haver espaço para estímulo a complementaridades in­train­dus­ triais no segmento edi­to­rial. Para os de­mais segmentos representados pela Abigraf ressalta-​­se a mesma propensão ao comércio in­te­rin­ dus­trial, em que o Brasil apresenta vantagens comparativas em relação ao México.

Líder mundial em tecnologia de corte e vinco O líder do mercado mundial em tecnologia de facas de corte e vinco e corte rotativo está expondo na ExpoPrint 2010 em São Paulo. A Marbach está trazendo inovações apresentadas desde a Drupa 2008 até os mais recentes desenvolvimentos mundiais. Com mais de 1.100 funcionários e numerosos parceiros em todos os continentes, a Marbach está exclusivamente representada na América Latina desde 1992 pela Spindler do Brasil. Faca Duramar, feita com fibras especiais e conhecida pela sua durabilidade e resistência.

Spindler do Brasil A MAIS ALTA TECNOLOGIA EM CORTE E VINCO E AUTOMATIZAÇÃO GRUPO NEUMA LASER SRL

Blade 300/400 semisealed

Única máquina no mundo Faca Marbaplex, com sistema de feita com madeira laser semi-fechado especial selada de fluxo rápido E com um resistente à umidade e preço imbatível! altas temperaturas. Máquinas automáticas e manuais Máquinas de corte a laser: de corte e dobra de aço: Cutlite Penta

Segundo maior fabricante mundial de máquinas laser

Software de gerenciamento:

Plotter para desenvolvimento e corte em geral:

• Para corte laser • Pertinax • Desenvolvimento de mostras • Biblioteca FEFCO, ECMA e CLICLOCK • Atualização tecnológica diretamente da Marbach Alemanha

Tecnologia completa em cilindros de corte e vinco rotativo.

A solução completa Contrachapa de para sua empresa: aço temperado para implantamos tecnologia ser usada com as facas aos seus equipamentos. Albert Spindler é diretor Analista em Novas Duramar e Marbaplex. Tecnologias no setor geral de Embalagens para a América do Sul.

A Spindler conta com equipe local para prestar assessoria técnica adequada ao perfil de sua empresa

TECNOLOGIA E SUPRIMENTOS PARA FACAS DE CORTE E VINCO

Brasil e Argentina

O resultado do cálculo do índice de co­ mércio in­t rain­dús­t ria de Grubel-​­Loyd

Av. São Gabriel, 201 Conjunto 1202 São Paulo SP 01435-001 Av. São Gabriel, 201 ConjuntoFone1202 São fax Paulo SP 01435-001 (11) 3704.7332 (11) 3704.6210 lasercomb@hipernet.com.br Fone (11) 3704.7332 fax (11) 3704.6210 lasercomb@hipernetelecom.com.br

MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

69


Ferrostaal é a mais nova revenda Xerox o dia 24 de março, tendo o estádio do Morumbi como pano de fundo, os presidentes da Xerox do Brasil e da Fer­ros­taal Equipamentos e Soluções, respectivamente Yoram Levanon e Mário Barcelos, sentaram-​­se lado a lado para assinar e anun­ ciar parceria na área de artes gráficas. A Fer­ros­taal passa agora a representar o portfólio de altos volumes da Xerox para todo o País. “Em agosto de 2009 lançamos o programa de ca­nais para equipamentos de grande porte. Formamos uma rede com 23 revendas espalhadas pelo Brasil e, hoje, 93% das vendas já acontecem através dessa estrutura. Mas nos faltava um par­cei­ro focado no segmento gráfico. Não haverá exclusividade, porém acreditamos que, naturalmente, por seu conhecimento e expertise, a Fer­ros­taal liderará as vendas para esse segmento”, afirmou Fábio Neves, diretor-​­executivo em sistemas de produção gráfica e impressão de altos volumes. Segundo Mário Barcelos, o acordo mostra a con­ ti­nui­da­de do trabalho que a Fer­ros­taal vem desenvolvendo no sentido de oferecer as soluções mais adequadas aos seus clien­tes. “Somos talvez o único fornecedor capaz de atender quem precisa imprimir desde uma cópia até 100 mil jor­nais por hora”. Aprendizagem

Tra­di­cio­nal fornecedora de equipamentos offset, a Fer­r os­t aal espera vender 60 sistemas di­gi­t ais nos próximos 12 meses.

“Sabemos que o conhecimento da Fer­ros­taal e a estrutura que podemos oferecer comporão um grande di­fe­ren­cial e temos certeza que no futuro a Fer­ ros­taal estará interessada em oferecer os serviços de pós-​­venda”, disse Fábio Neves, diretor-​­executivo da Xerox. Não haverá, contudo, um choque cultural dentro da Fer­ros­taal, nas palavras de seu presidente. “A Fer­ros­taal vem mudando há 10 anos e a grande alteração aconteceu quando passamos a vender também equipamentos japoneses. Precisamos nos adaptar às mudanças e esse acordo é a melhor forma de entrarmos no mercado digital”. A expectativa da Fer­ros­taal é a co­mer­cia­li­za­ção de 60 máquinas Xerox no pe­r ío­do de um ano. Fábio Neves citou as metas para 2010, que foram traçadas antes do acordo: elevação de 38% no número de máquinas instaladas em comparação a 2009. No ano passado, a divisão de altos volumes entregou 208 equipamentos. “Que­re­mos atacar as pequenas e mé­dias empresas, com foco na convergência entre o offset e o digital”. Por conta dessa parceria, a Xerox não terá estande próprio na Expoprint Latin America 2010. Ela estará presente com a linha de grandes volumes no espaço da Fer­ros­taal, compondo uma ilha digital dentro do estande de 1.100 m².

O acordo prevê que a Xerox não fará vendas diretas de equipamentos ao setor gráfico. Mas as duas empresas admitem que haverá um pe­ río­do de aprendizagem, durante o qual a Xerox apoia­rá a equipe de vendas da Fer­ ros­taal. Da mesma forma, até que se complete a curva de aprendizagem, a assistência técnica será fei­ta pela Xerox.

& FERROSTAAL Tel. (11) 5522.5999 www.ferrostaal.com.br Os presidentes da Xerox do Brasil, Yoram Levanon, e da Ferrostaal Equipamentos e Soluções, Mário Barcelos (E/D), assinam o compromisso de parceria entre as duas empresas. Em pé, Fábio Neves, diretor-executivo da Xerox do Brasil

70 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010


Estamos acostumados a deixar uma ótima impressão. Agora não só no acabamento. Ser uma gráfica completa significa deixar nossos clientes plenamente satisfeitos quanto a qualidade e agilidade na execução de seus trabalhos.Pensando nisso, a Aquarius investiu em 2 impressoras rotativas Harris M-1000B.

Com a chegada desses equipamentos, a Aquarius passa a ser uma das poucas gráficas do Brasil a imprimir e acabar internamente produtos com grampo canoa, lombada quadrada, capa dura e capa flexível.

Conheça nossas instalações!

Aquarius Gráfica e Editora Av. Alexandre Colares, 420 - Vila Jaguara - São Paulo - SP - (11) 3623-6200

www.aquariusweb.com.br


T&C aposta na diversificação

‘S

Seu principal produto continua sendo o CtP, mas a T&C estende sua atuação aos segmentos de impressão sob demanda e grandes formatos.

impressoras di­gi­tais da S­ creen, que decidiu entrar no mercado de impressão sob demanda em 2008: uma offset digital True­ press 344N; um sistema digital jato de tinta True­press Jet520 e uma True­press Jet2500UV, impressora de grande formato com tecnologia jato de tinta di­re­cio­na­da ao segmento de sinalização. “O setor de print on demand tem características pró­ prias e foi preciso contratar gente es­pe­cia­li­za­da para alavancarmos os ne­gó­cios nessa área”, comenta Gian­ber­to Monchini, gerente administrativo- fi­nan­cei­ro.

Fotos: Roberto Loffel

im, 2010 está sendo um bom ano. Mas está favorável para todo mundo e por isso temos de estar sempre presentes”. Essa é a lógica da T&C, es­pe­cia­li­za­da em insumos e equipamentos de pré-​­impressão, mantra repetido pelo diretor Renato Moccagatta para que todos de sua equipe mantenham o foco e continuem motivados. Lançamentos A meta é chegar ao final do ano A diversificação con­t i­nua­rá a ser comemorando a venda do 400º CtP, enfatizada. Para am­pliar sua paro que significa a entrega de 100 noticipação no segmento de sinalivos sistemas. A julgar pelo desemzação, a T&C está trazendo para a penho em ja­nei­ro, fe­ve­rei­ro e marExpoPrint 2010 a nova impressoço, trata-​­se de um plano bastante ra digital de grande formato Epviá­vel: 37 sistemas de gravação direson Stylus Pro GS6000. Trabalhanta de chapas foram ne­go­cia­dos nesdo com larguras de até 1,60 m e se pe­río­do. “Desde o início o clien­te alimentação rolo a rolo, o equipada T&C é a pequena e média grámento atinge velocidade de 91 mefica e hoje o CtP é uma rea­li­d a­de tros por hora na opção de qualipara esse perfil de empresa. Além dade máxima e o dobro no modo dos ganhos de processo com a adoprodução diá­r ia. Voltada sobretução da gravação direta, é cada vez do para a produção de protótipos mais difícil encontrar filmes para e provas para a indústria de embaalimentar as imagesetters”. lagens fle­xí­veis, estará igualmenO objetivo traçado representa te em exposição a Epson 7900 WT. praticamente o dobro do volume reCom largura máxima de impresgistrado em 2009, ensão de 60 cm, os di­fe­ren­ciais escerrado com a ventão na impressão do branco sobre da de 55 CtPs, suporte plástico e no custo do sisq u e d a d e (E/D) Gianberto Monchini, gerente administrativo-financeiro; tema. Completa o pacote de novi30% em Adriana Moccagatta e Renato Moccagatta, diretores gerais dades para a fei­ra o CtP térmico relação a 2008. Num ano de altos 8800ZX da ­Screen, série sucessora da PlateRite 8000. Neste índices de inadimplência, Renato equipamento, o destaque fica para a velocidade: 51 chapas no assinala um recuo de apenas 7% formato 1.030 × 800 mm por hora. na lucratividade da T&C em 2009. A  T&C usu­f rui­rá da mostra que acontece em junho tam“Fomos equilibrados no crédito, bém para consolidar a parceria com a Ipagsa, fabricante espatrabalhando com fi­nan­cia­men­ nhola de chapas, marca que começou a representar em 2009 to bancário e evitando o ris- com o in­tui­to de completar as soluções oferecidas aos clien­tes. co do crédito pes­soal. Mas, Hoje, a T&C vende cerca de 15 mil chapas Ipagsa por mês. quando 2009 começou, sa­ Para comportar tais acréscimos nas linhas de produto, bía­mos que te­ría­mos de tra- está sendo cons­truí­do um centro de dis­tri­bui­ção, que deve balhar o triplo para ain­ ser inaugurado no início de 2011. Uma área de 2.500 m² será da assim vender menos erguida em Cotia, na Re­g ião Metropolitana de São Pau­lo. do que em 2008”. O ano passado ficou & T&C marcado também pela Tel. (11) 2177.9400 venda das três pri­mei­ras www.tecshopping.com.br


A NeoBand mudou para melhor Livros • Revistas • Folhetos • Malas diretas

Banners • Frotas • Cenários • Backdrops

Mostruários • Vitrines • Totens • Balcões

vendas@neoband.com.br | tel. [11] 2199 1256 | www.neoband.com.br


IMPRESSÕES

Silvio Roberto Isola

Presidente do Conselho Diretivo da ABTG

Mais um passo em prol da sustentabilidade o dia 4 de maio, um encontro promovido pelo Grupo Abril reafirmou o compromisso da indústria gráfica com as questões ambientais e sociais. Sob o mote Diálogo: Sustentabilidade no Setor Gráfico, estiveram reunidos representantes da Cetesb, Suzano, Fundação Getúlio Vargas e Abigraf, que falaram para uma plateia formada por profissionais do setor. Além da alta contribuição da iniciativa, o encontro foi importante por abrir a possibilidade de reativação da Câmara Ambiental da Indústria Gráfica. No passado, cerca de oito anos atrás, quando a indústria começava a lançar luz sobre o assunto, esse grupo foi responsável por apresentar, de forma pioneira, o primeiro manual ambiental. Essas câmaras, colegiados da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, no âmbito da Cetesb, têm caráter propositivo e consultivo e objetivam a melhoria da qualidade ambiental através da interação permanente entre o poder público e os setores produtivos e de infraestrutura do Estado. Enxergamos a retomada desse trabalho como um ótimo caminho para ampliar a discussão sobre sustentabilidade, alavancando soluções ambientalmente corretas, economicamente viáveis e socialmente justas para o setor gráfico. Somos precursores no lançamento do guia ambiental, porém precisamos não só seguir em frente nessa seara quanto dar maior visibilidade a essas atividades. A existência de um fórum como a câmara ambiental permite também que as ações tenham continuidade, como exigem as atividades nessa área. 74 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Um benefício adicional da reativação da câmara ambiental, e hoje a Cetesb mantém 15 câmaras em funcionamento, é quebrar um pouco o aspecto de fiscalização da Cetesb, deixando de lado a função punitiva da instituição, trocando‑a pela imagem de um parceiro com o qual se pode discutir, debater e mesmo aprender. Nós da ABTG e do Sistema Abigraf estamos certos da qualidade e da repercussão que essa união pode representar e uniremos esforços para que a Câmara Ambiental da Indústria Gráfica seja retomada. srisola@gegraf.com.br


Sustentabilidade

Aumenta a oferta de tintas “verdes” Ainda estamos distantes do consumo de regiões como a América do Norte e Europa, mas a indústria aposta no rápido crescimento na demanda no Brasil por tintas offset menos agressivas ao meio ambiente. Tânia Galluzzi

H

á um movimento constante, so­ bretudo nas empresas que lide­ ram ou pretendem liderar seus mercados, para que seus esfor­ ços de inovação, pesquisa e de­ senvolvimento sejam nor­t ea­d os pelo tripé da sustentabilidade. Em mui­tos casos, essa trilha já ultrapassou a gera­ ção de produtos am­bien­tal­men­te menos agressivos. Os processos produtivos es­ tão sendo rea­va­lia­dos, caminhando para o que o físico e escritor aus­tría­co Fritjof Capra chama de bom crescimento. Di­ fusor da educação ecológica, ele acredi­ ta que o bom crescimento está re­la­cio­ na­do a processos de produção e serviços mais efi­cien­tes, com ener­g ias re­no­vá­ veis, emissões zero, reciclagem contí­ nua de recursos na­tu­rais e res­tau­ra­ção dos ecossistemas terrestres. Na indústria gráfica, essa ex­pe­r iên­ cia tem mui­tas vertentes e uma delas é o uso de insumos “verdes“, assim clas­ sificados por cau­sa­rem menor impac­ to ao meio am­bien­te. Na lista de ma­ té­r ias-​­primas utilizadas pelo setor, um item que vem avançando nessa sea­ra é a tinta de impressão, im­pul­sio­na­da pe­ los progressos da indústria química. A tinta para impressão offset em máqui­ nas planas ou rotativas normalmente é composta de quatro partes: resina, par­ te não volátil que serve para aglomerar as partículas de pigmentos e é respon­

sável pela transformação do produto do estado líquido para o sólido, conver­ tendo-​­o em película; pigmentos, ma­te­ rial sólido finamente dividido e insolú­ vel, utilizado para dar cor, opacidade e ou­t ros efei­tos; solvente, líquido vo­ látil empregado na di­lui­ç ão da tinta; e aditivos, que pro­p or­c io­n am carac­ terísticas es­pe­ciais às tintas, além de au­xi­liar na secagem. Mineral x vegetal

A princípio, tudo que não tem como ori­ gem fontes re­no­vá­veis está atacando o meio am­bien­te e um dos elementos que está nessa lista, entre os que compõem uma tinta, é o óleo mineral, empregado como solvente. Além de vir de uma fon­ te não renovável, o petróleo, o óleo mi­ neral libera no processo de secagem os

A nova tecnologia de tinta de baixo VOC não se limita simplesmente à substituição de óleo mineral por óleos de soja. Existe toda uma gama de novos insumos, como resinas, secantes e aditivos, que permitiram à Printcor aprimorar a formulação. Marco Zorzetto, gerente industrial da Printcor

compostos orgânicos vo­lá­teis, o famige­ rado VOC, que podem não só prejudicar a saú­de humana como con­tri­buir para a de­te­r io­ra­ção da camada de ozônio.

A presença de elementos de fontes renováveis também colabora para facilitar a reciclagem ou a compostagem do produto final. Cristina Barros, gerente de marketing da Sun Chemical Há mais de 40 anos, os fabricantes de tinta de impressão vêm procurando subs­ti­tuir o óleo mineral pelo óleo vege­ tal. A linhaça é uma fonte mui­to utiliza­ da, assim como a soja, que ganha cada vez mais espaço. O VOC pode estar pre­ sente em ou­tros elementos de uma tin­ ta. A ­maior pressão para que ele seja eli­ minado é exercida pelos convertedores de embalagem, es­pe­cial­men­te em res­ posta à indústria alimentícia, preo­cu­pa­ da com pos­sí­veis contaminações e com a migração de odores re­si­duais. Uma das pri­mei­ras in­dús­trias de tin­ tas gráficas a investir no óleo de soja e em amidos na­tu­rais na formulação de tintas para impressão offset plana foi a Sun Chemical. Segundo informações MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

75


da companhia, mais de 80% dos com­ ponentes das tintas para impressão pla­ na que fabrica são derivados de fontes re­no­vá­veis. Para impressão rotativa, a Sun Chemical au­men­t ou a utilização de óleo de soja e ou­tros bio­com­po­nen­ tes em produtos voltados para a produ­ ção de revistas e jor­nais. As tintas para impressão rotativa coldset são fabricadas utilizando ­óleos mi­ne­rais com alta tem­ peratura de ebulição e, por essa razão, com bai­xa emissão de VOC.

Hoje, produzimos mensalmente mais de 100 toneladas de produtos com essa concepção e acreditamos que em pouco tempo as tintas à base de óleos vegetais serão a maioria nas gráficas. Sandro Garbim, diretor técnico da Premiata

76

Nessa linha seguem as tintas Sunlit Dia­mond e Sunlit Exact PSO para o pro­ cesso offset plano, que serão apresenta­ das na ExpoPrint 2010. A presença de elementos de fontes re­no­vá­veis também colabora para facilitar a reciclagem ou a compostagem do produto final. O de­ sempenho dessas duas linhas é o mes­ mo das tintas con­ven­cio­nais, acrescido de melhor qualidade final no impres­ so e melhor performance na máquina em função da estabilidade entre água e tinta. O impressor, contudo, deve estar atento ao fato de que, com essas tintas, trabalha-​­se com menos água. Outros fabricantes, como a Printcor, destacam o fato de que, afora o apelo ecológico, as tintas com bai­xo con­teú­ do de compostos orgânicos vo­lá­teis e me­tais pesados apresentam vantagens no processo de impressão. A empre­ sa desenvolve tintas menos agressivas ao meio am­bien­te desde o ano 2000 e quem responde por essa proposta para o segmento offset é a linha Print Free, também novidade para a fei­ra. Em três versões, o produto atende aos segmen­ tos de embalagens (cartão), pro­mo­cio­ REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

nal (papel cou­ché fosco e brilhante) e heat­set (papel cou­ché, papel reciclado, LWC e papel offset). “A nova tecnologia de tinta de bai­xo VOC não se limita sim­ plesmente à subs­ti­tui­ção de óleo mineral por ­óleos de soja. Existe toda uma gama de novos insumos, como resinas, secan­ tes e aditivos, que permitiram à Printcor aprimorar a formulação, oferecendo tin­ tas de alta cura, brilho e menor ganho de ponto”, afirma Marco Zorzetto, gerente in­dus­trial. A linha Print Free chega ao mercado com um preço 5 a 10% su­pe­ rior às de­mais linhas para a mesma fina­ lidade. Mas, de acordo com Marco Zor­ zetto, há uma tendência de queda num curto espaço de tempo. Em patamar semelhante, de 10 a 20% mais caras que as con­ven­cio­nais, ficam as novas tintas “verdes“ da Pre­mia­t a. Na verdade, trata-​­se de desdobramentos de uma escala lançada em 2004, a Bio Re­ verse, tinta offset para pa­péis revestidos ou não. O di­fe­ren­cial, mais uma vez, é o uso de ma­té­rias-​­primas de fontes re­no­ vá­veis (entenda ­óleos ve­ge­tais). Na Expo­ Print, a Pre­mia­ta mostrará a família ISO Bio Reverse, desenvolvida es­pe­cial­men­te

para atender às normas ISO 2846-​­1 e ABNT NBR NM-​­ISO 12647-​­2. “Em al­ gumas formulações, a porcentagem de óleo de soja pode superar os 35%”, diz Sandro Gar­ bim, diretor técnico. Assim como em tan­ tos ou­t ros segmentos da economia, os fornecedores comentam que a demanda por produtos am­bien­tal­men­te mais ami­ gá­veis ain­da é ­maior em paí­ses de alto nível de desenvolvimento econômico e so­cial, até mesmo em função de leis am­ bien­tais mais rígidas. A subs­ti­tui­ção de tintas com base mineral para as de base vegetal foi ini­cia­da há bastante tempo

Podemos estimar que hoje nas empresas de referência aproximadamente 50% das tintas utilizadas em seus trabalhos sigam nessa linha. Daniela Silva, supervisora de marketing da Cromos nessas re­giões e hoje a proporção de tin­ tas mi­ne­rais é bem in­fe­r ior às ecológi­ cas, cenário oposto ao que ocorre aqui. O diretor da Pre­mia­ta comenta que, no plano das tintas gráficas, a Europa, com destaque para a Alemanha, está na dian­ tei­ra, mas que a procura no Brasil está crescendo ano após ano. “Hoje, produzi­ mos mensalmente mais de 100 toneladas de produtos com essa concepção e acre­ ditamos que em pou­co tempo as tintas à base de ­óleos ve­ge­tais serão a maio­r ia nas gráficas, im­pul­sio­na­d as pelas exi­ gên­cias de seus clien­tes”. A Pre­mia­ta já pesquisa uma linha totalmente isenta de óleo mi­ne­rais e com alto per­cen­tual de compostos de fontes re­no­vá­veis. A Cromos, que rea­li­za pesquisa na área de produtos menos nocivos ao meio am­bien­te há mais de 20 anos, está igualmente otimista quanto ao po­ten­ cial do mercado na­cio­nal. “Grandes grá­ ficas e editoras de porte estão migrando


para formulações menos agressivas. As com­pa­nhias estão utilizando esse ar­ gumento para se consolidarem no uni­ verso do crescimento sustentável. Po­ demos estimar que hoje nas empresas de referência aproximadamente 50% das tintas utilizadas em seus trabalhos sigam nessa linha, com um au­men­to crescente a cada dia”, afirma Da­nie­la Silva, supervisora de mar­ke­ting. Ganhos na cadeia produtiva

A con­tri­bui­ção que a indústria de tintas gráficas pode dar à questão da susten­ tabilidade vai mui­to além da subs­ti­tui­ ção de itens em suas formulações. Essa é a ban­dei­ra levantada por dois forne­ cedores, a Hostmann-​­Stein­berg Brasil, que faz parte do conglomerado de ori­ gem alemã Hu­ber­g roup, e a Overlake, es­pe­cia­li­za­da em vernizes gráficos. Eles têm em comum a certificação ISO 14000, conjunto de normas que estabelece dire­ trizes sobre a área de gestão am­bien­tal dentro das empresas.

A base das primeiras formulações de tintas gráficas sempre foram os óleos vegetais. A tinta utilizada por Gutenberg para imprimir sua Bíblia tinha sua fórmula baseada 100% em óleos vegetais. Marcos Bastolla, gerente técnico da Hostmann-Steinberg Brasil De acordo com Marcos Bastolla, ge­ rente técnico da Hostmann-​­Stein­berg Brasil, o uso de óleo ve­ge­tais nas formu­ lações das tintas representa uma peque­ na parte da preo­cu­pa­ção do Hu­ber­group com a ca­deia produtiva e o meio am­ bien­te. “A base das pri­mei­ras formula­ ções de tintas gráficas sempre foram os ­óleos ve­ge­tais. A tinta utilizada por Gu­ tenberg para imprimir sua Bíblia tinha sua fórmula ba­sea­da 100% em ­óleos ve­ ge­tais. O que ocorre é que, por interes­ ses co­mer­ciais e de forma equivocada, uma tinta formulada com óleo de soja, mesmo que par­cial­men­te, passou a ser

considerada mais ecológica”. Ele admite, porém, que em alguns mercados especí­ ficos, como o de tintas para impressão de jor­nais, a am­plia­ção do uso de óleo de soja foi um passo positivo para a re­ dução do volume de ­óleos mi­ne­rais (não re­no­vá­veis). “O uso de óleo de soja, as­ sim como o de ou­tros ve­ge­tais, é um con­ cei­to já utilizado há décadas pelo Hu­ber­ group e nossas linhas Mineral Oil Free são co­mer­cia­li­za­d as no Brasil desde o início de nossas atividades”. Para o técnico, a principal diferença de uma tinta ecologicamente correta é o impacto am­bien­tal de seu processo pro­ dutivo. A utilização de ma­té­r ias-​­primas re­no­vá­veis é uma das características que ajuda a classificar um produto como eco­ lógico, contudo não é a única. Ele alerta para o fato de que fábricas que não cole­ tam de ma­nei­ra adequada seus re­sí­duos serão infinitamente menos ecológicas que uma indústria que utilize somente óleo mineral na fabricação de seus pro­ dutos. Igual peso tem a emissão de ga­ ses pro­ve­nien­tes do cozimento do verniz no processo produtivo. “A quantidade de óleo presente em uma tinta de impres­ são para o processo offset plano oscila entre 10 e 45%, sendo que se pode utili­ zar somente ­óleos ve­ge­tais ou um blend. Mesmo assim, toda a indústria mun­dial de tintas gráficas, in­cluin­do heat­­set e cold­set, que são volumes mui­to maio­res, utiliza aproximadamente 0,02% da pro­ dução mun­dial de ­óleos mi­ne­rais, o que derruba a teo­ria de que a utilização des­ ses ­óleos prejudica o meio am­bien­te ou incentiva a extração desse produto”. A Hostmann segue pesquisando para melhorar a performance produtiva de seus produtos. A empresa, segundo Mar­ cos Bastolla, é a única no mercado na­ cio­nal que eliminou algumas etapas do processo produtivo de pigmentos e de

tintas. “Nossa produção utiliza até 60% menos energia. Isso porque não usamos o processo de secagem do pigmento após a sua obtenção.” Em uníssono, Francisco Veloso, dire­ tor da Overlake, diz que é preciso am­ pliar a discussão, analisando a ca­deia produtiva como um todo. “Falamos do produto em si, mas a embalagem da tin­ ta, por exemplo, também é mui­to im­ portante do ponto de vista ecológico”. A Overlake já instalou em três clien­tes um sistema au­to­má­ti­co de alimentação através de tanques, que são abastecidos diretamente pelos veí­cu­los de transpor­ te da Overlake, eliminando as embala­ gens. A empresa usa ain­da con­têi­ne­res de papelão tanto para exportação quanto para clien­tes internos.

Falamos do produto em si, mas a embalagem da tinta, por exemplo, também é muito importante do ponto de vista ecológico. Francisco Veloso, diretor da Overlake Mas o uso de compostos de fontes re­ no­vá­veis de matéria-​­prima também che­ gou aos vernizes da Overlake. Na Expo­ Print, a empresa mostrará três novos vernizes offset, sendo um UV e dois à base de água. Di­re­cio­na­do, sobretudo, ao segmento de embalagem, o novo ver­ niz UV tem em sua formulação compo­ nentes à base de óleo de soja. Também para o mercado de embalagens, um dos novos vernizes à base de água incorpo­ ra elementos advindos de fontes re­no­vá­ veis de matéria-​­prima, subs­ti­tuin­do os derivados de petróleo. Apresentando toque aveludado e acabamento fosco, o novo verniz à base de água soft ­touch pode ser uma alterna­ tiva am­bien­tal­men­te correta e mais eco­ nômica à tra­di­cio­nal aplicação de filmes plásticos, como o BOPP. Em tempo: tanto a Pre­mia­ta quanto a Printcor, que já possui a certificação ISO 9001, estão em fase de implantação da ISO 14000. MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

77


Sustentabilidade

N

Fotos: Roberto Loffel

o dia 30 de setembro de 2009 en­ trou em vigor a norma bra­si­lei­ ra 15755:2009. Fruto de mais de um ano de trabalho do Comitê de Celulose e Papel da ABNT, ela define o que é papel reciclado. Simples e objetiva, a norma ocupa singelas duas páginas, mas sua razão de ser encerra-​ ­se em pou­cas linhas. A norma especifica que “o produto reciclado (papel e cartão) deve conter pelo menos 50% de ma­te­rial de fibras celulósicas recuperado”. Esse montante pode ser alcançado com o uso tanto de aparas pré-​­consumo quanto pós-​­c onsumo e nesse ponto a ABNT também legislou. Nas longas dis­ cussões que envolveram os vá­rios mem­ bros da ca­deia produtiva, o con­cei­to de domínio público acabou prevalecen­ do. Apara pré-​­consumo é aquela gera­ da dentro da indústria de papel, assim como o ma­te­r ial impresso que sobra da produção de qualquer peça dentro de uma gráfica. Apara pós-​­c onsumo é o ma­te­r ial descartado pelo consumidor final. E a norma é clara: o produto re­ ciclado deve ter, obri­ga­to­r ia­men­te, no mínimo 25% de sua composição total de ma­te­r ial pós-​­consumo.

Papel reciclado Expansão consistente depende de uma cadeia mais bem estruturada Além de remeter imediatamente ao conceito de sustentabilidade, o papel reciclado tem uma forte função social, envolvendo uma ampla rede de personagens. Depois da explosão na demanda há dois anos, a procura pelo produto estabilizou-se e a indústria aposta na maior sensibilização da sociedade com relação à sustentabilidade para um incremento do mercado. Tânia Galluzzi

78 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Tinha até papel branco pintado para imitar o aspecto do papel reciclado. Alexandre Duckur, diretor comercial do Grupo Bignardi Apesar de mexer diretamente com os vá­r ios atores envolvidos na produ­ ção e transformação do papel recicla­ do, a norma chegou sem alarde, talvez porque a demanda por papel offset re­ ciclado já não fosse mais a mesma, dis­ tan­cian­do-​­se do ritmo de crescimento registrado até mea­dos de 2008. No afã de vincularem suas marcas e produtos à ban­dei­ra am­bien­tal, boa par­ te das grandes empresas do País correu para o papel offset reciclado. A aparên­ cia dele, pardo e com fibras aparentes, foi utilizada como símbolo de compro­


Taxa de Recuperação de Papéis Recicláveis em Países Selecionados

metimento com as questões am­bien­ tais. Abusos foram cometidos em nome de uma boa cau­sa, como o Projeto de Lei 2308/07, do deputado Elie­ne Lima (PP-​­MT), que pretendia obrigar as edito­ ras a utilizar pelo menos 30% de papel reciclado nas suas publicações. O setor produtivo argumentou que não estaria ope­ra­cio­nal­men­te preparado para tal e a ­ideia acabou sendo descartada. Excessos partiram também do seg­ mento fornecedor de papel: com a de­ manda aquecidíssima e os preços em alta, todos queriam seu quinhão, mes­ mo que não o merecessem. “Tinha até papel branco pintado para imitar o as­ pecto do papel reciclado”, conta Alexan­ dre Duckur, diretor co­mer­cial do Grupo Bignardi e um dos integrantes da equi­ pe responsável pela norma. Em meio às ofertas de matéria-​­prima e às especifi­ cações dos clien­tes, as gráficas esforça­ vam-​­se para oferecer os melhores resul­ tados, chegando a acei­t ar projetos nos ­quais o uso do papel reciclado não era a solução mais adequada.

As discussões sobre a norma de papel reciclado nasceram justamente da ne­ cessidade de os usuá­rios identificarem o que é papel reciclado. “Nem as normas in­ter­na­cio­nais de­f i­niam com clareza o papel reciclado”, afirma Silvio Isola, pre­ sidente do Conselho Diretivo da ABTG, diretor da Gegraf e ou­tro dos envolvidos na elaboração da norma 15755. O resultado ime­dia­to da norma foi a correção de des­vios de conduta e o favo­ recimento do diá­lo­go equânime no tri­ ângulo clien­te/gráfica/fornecedor. Mas a norma toca numa questão ain­da mais complexa, que é a ca­deia de fornecimen­ to de aparas.

As cooperativas sozinhas não têm qualidade e quantidade para brigar por melhores preços. Marcos Antonio de Lima, catador da Cruma e integrante do conselho administrativo da Cata Sampa Catador, primeiro elo da cadeia

Estudo rea­li­za­do pelo Instituto de Pes­ quisa Econômica Aplicada (Ipea) em parceria com o Ministério do Meio Am­ bien­te e divulgado pela imprensa em maio mostra que o Brasil poderia ter be­ne­f í­cios da ordem de R$ 8 bi­lhões por ano se fizesse a reciclagem de todos os re­s í­duos re­c i­c lá­veis que são encami­ nhados aos lixões e aterros. Esse estu­

França

80,7%

Japão

73,7%

Alemanha

72,8%

Rei­no Unido

70,9%

Espanha

63,8%

Estados Unidos

54,4%

Itália

51,8%

Malásia

50,7%

México

47,1%

Brasil (1)

43,7%

Finlândia

43,7%

China

37,9%

Argentina

35,5%

Rússia

32,8%

Índia

28,1%

Fonte: RISI – dados relativos a 2007. (1) Fonte: Bracelpa – dado relativo a 2008

do mostra que hoje a coleta seletiva gera be­ne­f í­cios que va­r iam de R$ 1,4 bi­lhão a R$ 3,3 bi­lhões a­ nuais. De acordo com dados da Bracelpa, em 2008 a taxa de recuperação de pa­ péis re­c i­c lá­veis no Brasil em relação ao consumo aparente de papel foi de 43,7%, com a recuperação de 3,828 mi­ lhões de toneladas de aparas. Em 2009, esse número ficou praticamente estável, com um consumo na­cio­nal de aparas de 3,848 milhões de toneladas. Na França, a taxa de recuperação é de 80,7%, no Ja­ pão, de 73,7% e na Alemanha, de 72,8%, só para citar alguns paí­ses que estão mais adian­ta­dos que o Brasil nessa ques­ tão. A elevação dessa taxa depende de uma série de fatores, passando forçosa­ mente pelo aprimoramento da coleta de ma­te­r ial passível de reciclagem. Há diversas estimativas sobre o to­ tal de pes­soas sobrevivendo da coleta de ma­te­r iais re­ci­clá­veis no Brasil. O Mo­ vimento Na­cio­nal de Catadores e Cata­ doras de Ma­te­r iais Re­ci­clá­veis (MNCR) trabalha com uma média de cerca de 800  mil catadores em atividade, en­ quanto o Ministério do Meio Am­bien­ te fala em um milhão. O MNCR divulga que apenas 7% das organizações de ca­ tadores são coo­pe­ra­ti­vas. A ­maior parte MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

79


As cooperativas

80

Mesmo representando uma pequena parcela no universo de catadores, as coo­pe­ra­t i­vas vêm conquistando espa­ ço na ca­deia produtiva e já são vistas por algumas in­dús­trias como par­cei­ros co­mer­ciais. É o caso da Coo­pe­ra­ti­va de Reciclagem Unidos pelo Meio Am­bien­ te (Cruma), na cidade de Poá, em São Pau­lo, que vende papel reciclável para a Suzano Papel e Celulose. Fundada em 1997, reú­ne 35 catadores e integra a Rede Cata Sampa, formada por 17 coo­ REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Foto: Ciro Benatti/ FFW Propaganda

está cons­t i­t uí­ da como as­s o­ cia­ção por con­ ta da alta carga tributária que incide sobre as coo­p e­r a­t i­v as, tornando o mo­ delo i n­v iá­v el para os catado­ res, que têm renda média na­cio­nal de R$ 140 ­reais men­sais (dados do MNCR , 2006). A ­maior parte dos catadores está concentrada nas re­g iões metropolita­ nas, principalmente no Sudeste. No en­ tanto, um grande número de catadores em ­­áreas ru­rais e cidades menores tra­ balha quase sempre diretamente dentro de lixões a céu aberto. Na cidade de São Pau­lo são cerca de 20 mil catadores (estimativa do Ins­ tituto Pólis) sobrevivendo e sustentan­ do suas fa­mí­lias da coleta de ma­te­r iais re­ci­clá­veis. Desses, apenas três mil tra­ balham de forma organizada em coo­pe­ ra­ti­vas e as­so­cia­ções. O restante atua nas ruas da cidade, expostos aos peri­ gos que uma atividade como essa apre­ senta, além de estarem submetidos à exploração dos ferros-​­velhos. Um car­ro­cei­ro coleta em média 600 quilos de ma­te­r ial reciclável por dia, 15 toneladas por mês. Informações divul­ gadas pelo Compromisso Em­pre­sa­r ial para Reciclagem (Cempre), as­so­cia­ção sem fins lucrativos dedicada à promo­ ção da reciclagem, dão conta de que, em 2008, apenas 405 dos 5.560 mu­ni­cí­ pios bra­si­lei­ros fa­ziam a coleta seletiva em escala significativa.

pe­ra­ti­vas e as­so­cia­ções de catadores de ma­te­r iais re­ci­clá­veis. “As coo­pe­ra­ti­vas sozinhas não têm qualidade e quanti­ dade para brigar por melhores preços”, diz Marcos Antonio de Lima, catador da Cruma e integrante do conselho administrativo da Cata Sampa.

Antes éramos vistos como sucateiros. Agora já nos veem como empresários que investem em equipamentos e tecnologia. Ronaldo Perissoto, membro da Associação Nacional dos Aparistas e diretor da Dionísio Recicláveis

pel impresso), jornal e TetraPak. O mais valorizado é o papel branco, que hoje é vendido pela rede por 53 centavos o quilo. O papelão atinge entre 38 e 40 centavos. “Em 2008, o quilo do pape­ lão despencou para 15, 17 centavos o quilo, sendo que antes era vendido por 48 centavos”, informa Marcos Antonio. Sain­do da celulose, os ma­te­r iais de mais alto valor são o alumínio, co­mer­ cia­li­za­do a R$ 2,60 o quilo (difícil de che­ gar aos catadores justamente por ter uma rede de logística reversa bem es­ truturada), e o mui­to raro cobre, que atinge R$ 14,00 o quilo. Os aparistas

Nem todo o papel que é recolhido pelas coo­pe­ra­ti­vas é passível de ser en­via­do diretamente para a indústria, mesmo porque mui­tas coo­pe­ra­ti­vas não conse­ guem rea­li­zar o be­ne­f i­cia­men­to exigi­ do. O ma­te­r ial é então ne­go­cia­do com os aparistas. O papel reciclável tem quatro gran­ des consumidores, como comenta Ale­ xandre Duckur. Em pri­mei­ro lugar está a indústria de papelão ondulado, segui­ da pelo fabricante de papel tissue (uso sa­ nitário), de­pois o de papelão e em quarto lugar a indústria de papel para imprimir e escrever. A mais seletiva com relação às aparas é esta última. A própria Big­ nardi compra papel reciclável dos apa­ ristas. “A coleta e tria­gem dos ma­te­r iais

A principal fonte da Cruma está nas re­si­dên­cias. Todo o ma­te­rial recolhido é transportado para a central de tria­gem, onde é separado, em alguns casos tritu­ rado e prensado. No final do Consumo Aparente de Aparas e de Pa­péis mês o ma­te­rial é co­mer­cia­li­ de Origem por Grandes Grupos de Aparas za­do, mui­tas vezes reu­nin­do em 2008 (mil toneladas) os volumes coletados pelas Consumo Consumo Aparente Família de Taxa de ou­tras coo­pe­ra­ti­vas. “Verifi­ Aparente Aparas de Papéis Recuperação de Aparas de camos quem oferece os me­ Origem lhores preços e condições Ondulados + Kraft 2.851 4.154 68,6% de pagamento e divulgamos para toda a rede”. Imprimir/Escrever   570 2.207 25,8% sem Pastas A Cruma faz a coleta de qualquer tipo de ma­te­r ial Imprimir/Escrever   271   651 41,6% com Pastas reciclável. Em se tratando de papel, o ma­t e­r ial é se­ Cartão   136   518 26,3% parado em vá­r ias ca­t e­g o­ Sanitários —   850 — rias: papelão (cai­x a­r ia em Outros —   375 — geral), papelão misto (cai­ xa de ovo, de sabão em pó, Total sem Papéis 3.828 7.530 50,8% Não Recicláveis ma­te­r iais de menor valor), papel branco, revista (pa­ Fonte: Bracelpa


A demanda por papel reciclado voltará a crescer?

re­ci­clá­veis de­ve­r iam ser fei­tas pelo Es­ tado, através dos mu­ni­cí­pios e das pre­ fei­tu­ras, assim como é rea­li­za­da a coleta do lixo. O be­ne­f i­cia­men­to poderia acon­ tecer nas coo­pe­ra­ti­vas de catadores, não só empregando essa mão de obra, como oferecendo educação con­ti­nua­da e as­ sistência médica. O Estado tem de as­ sumir o recolhimento do resíduo sólido. A Política Na­cio­nal de Re­sí­duos Sólidos poderia regular essa logística reversa”.

Nosso objetivo é garantirmos a aplicação correta do produto para empresas que valorizam os conceitos socioambientais. Adriano Canela, gerente executivo de Estratégia e Marketing da Suzano Tramitando há anos no Congresso, a Política Na­cio­nal de Re­sí­duos Sólidos trata de temas como regras para a cole­ ta seletiva e a responsabilidade sobre a destinação de re­sí­duos sólidos para in­ dús­t rias, construção civil, hos­p i­t ais, portos e ae­ro­por­tos. Assim como vem acontecendo com as coo­pe­ra­ti­vas e as­so­cia­ções de catado­ res, a visão da indústria com relação aos aparistas também mudou, na opi­nião de Ronaldo Perissoto, membro do conse­ lho da As­so­cia­ção Na­cio­nal dos Aparis­ tas (Anap) e diretor da Dio­ní­sio Re­ci­clá­ veis, de Ri­bei­rão Preto. “Antes éramos vistos como su­c a­t ei­r os. Agora já nos veem como em­pre­sá­r ios que investem em equipamentos e tecnologia”. No Estado de São Pau­lo existem atual­men­te cerca de 3.000 aparistas. A captação do ma­te­r ial é fei­t a nas in­ dús­trias, comércio, pequenos depósitos e nas coo­pe­ra­ti­vas de catadores. O papel

é se­le­cio­na­do por tipo, triturado e pren­ sado para a padronização em fardos de 900 a 1.000 quilos. Ronaldo Perissoto comenta que o preço da apara de fibra curta, utilizada na produção de papel reciclado para im­ primir e escrever, não sofreu mui­to com a crise de 2008, registrando leve queda naquele pe­r ío­do. O impacto aconteceu na apara de fibra longa, usada na produ­ ção de cai­xas. “O preço in­ter­na­cio­nal da celulose caiu, tornando-​­a mais atraen­te do que as aparas. Consequentemente, o preço da apara di­mi­nuiu, desestimulan­ do os catadores, que migraram para ou­ tros setores, como o da construção ci­ vil. Em mea­dos de 2009, esse cenário mudou com a retomada dos preços das aparas, cuja procura agora está aqueci­ da. Mas esse movimento ain­da não che­ gou aos catadores. A procura ain­da está ­maior do que a oferta”.

Desde o lançamento do pri­mei­r o pa­ pel offset bra­si­lei­ro 100% reciclado, em 2001, pela Suzano Papel e Celulose, o vo­ lume de vendas desse tipo de produto foi atingindo novos patamares ano após ano. O pico da demanda aconteceu em 2008, na fase an­te­r ior à crise, inflando o preço do produto. Cha­coa­lha­dos pelos problemas econômicos in­ter­na­cio­nais, os grandes consumidores de papel par­ tiram para uma revisão de custos, o que fez arrefecer a procura pelo papel reci­ clado, em paralelo à queda dos preços da celulose no mundo. De acordo com Adria­no Canela, ge­ rente executivo de Estratégia e Mar­ke­ ting da Suzano, a demanda hoje está estabilizada, porém constante. “Nosso objetivo é garantirmos a aplicação corre­ ta do produto para empresas que valori­ zam os con­cei­tos so­cioam­bien­tais”. Para ele, todos os segmentos são po­ten­ciais consumidores de papel reciclado, porém há uma ­maior concentração de consu­ mo nos setores pro­mo­cio­nal e edi­to­r ial, onde a comunicação é direta com o con­ sumidor final. “A impressão no Reciclato

Evolução do Consumo Nacional de Aparas (mil toneladas) 4.000  ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 3.800  ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 3.848

3.828

3.600  ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 3.642

3.497 3.400  ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 3.360

3.438

3.200  ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 3.000  ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������

3.017 3.005

2.800  ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������

2.777

2.600  ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������

2.612

2.400  ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������

2.416

2.200  ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 2.000  ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 1999  2000  2001  2002  2003  2004  2005  2006  2007  2008  2009 Fonte: Bracelpa

81 MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF


REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Esse aumento (no preço do papel) também alcança os reciclados, mas não vejo tendência de grande evolução dos preços do reciclado a ponto de estimular esse mercado. Marcus Vinicius Borba de Melo, gerente comercial da Multiverde Papéis através da reciclagem do papel signifi­ ca pou­par o solo, evitar a sua degrada­ ção, não disputá-​­lo com a produção de grãos e com o pasto. As empresas de­ ve­r iam ter os dois produtos para ofer­ tar ao consumidor final”. Em  2008, o Grupo Bignardi deu início a uma linha para produção do papel offset recicla­

do, o Eco­mil­len­nium, que utiliza 70% de aparas pré-​­consumo e 30% de aparas pós-​­consumo. Ele está disponível nos formatos A4 e resmas, além de forma­ tos es­pe­ciais. “O que induzirá à deman­ da pelo papel reciclado será o consu­ mo cons­cien­te. Outra fonte de estímulo virá de regulamentações e ações como a Política Na­cio­nal de Re­sí­duos Sólidos”, declara Alexandre Duckur. O caminho indicado pelo empresário parece estar sendo seguido por algumas com­pa­n hias, como a seguradora Map­ fre. Em 2009, cerca de 80% de seu ma­ te­r ial de folhetaria, 67 itens, foi con­fec­ cio­na­do em papel reciclado. O volume total de ma­te­r iais impressos em gráfi­ cas foi de 6.145.218 unidades. “A ini­cia­ ti­va de utilizar papel reciclado e branco com a certificação FSC em seus es­cri­tó­ rios e comunicações demonstra o com­ promisso do Grupo Mapfre com o de­ senvolvimento sustentável, reforçando o papel de liderança que a empresa vem desempenhando no assunto”, diz Fátima Lima, diretora de Sustentabilidade e da Fun­da­ción Mapfre. Na Empresa Bra­si­lei­ra de Pesquisa Agro­pe­cuá­r ia (Embrapa), órgão vincu­ lado ao Ministério da Agricultura, Pe­ cuá­r ia e Abastecimento, o papel reci­ clado é usado sobretudo na produção de livros. “Este ano já rodamos mui­ta coi­sa em papel reciclado, porém em papel que compramos em 2008, quando fizemos a última grande compra desse ma­te­r ial”, comenta José Alexandre da Silva Rocha, supervisor da área de Compras e Licita­ ções. Ele calcula que metade do ma­te­ rial que vem sendo produzido pela Em­ brapa utiliza papel reciclado. A empresa pretende con­ti­nuar usando esse tipo de papel e os estoques do ma­te­r ial devem ser repostos no final de 2010, quando são efe­tua­das as compras na Embrapa. Todas as lojas da C&A no Brasil usam sacolas oxi­bio­de­g ra­dá­veis, em subs­ti­tui­ ção às de plástico, e adotam o papel re­ ciclado nas embalagens de presente. De acordo com a empresa, o papel reci­ clado (com aspecto branco e reciclado) é utilizado também em todo o ma­te­rial de papelaria da companhia, principalmente no escritório central.

Este caderno foi impresso em papel reciclado Eco Millennium 90 g/m2

82

(o papel reciclado da Suzano) confere ao produto final todos os atributos de sus­ tentabilidade, extrapolando os limites da comunicação principal”. De­pois de lançar seu papel recicla­ do na versão cut size, em 2003, a Su­ zano apresentou em 2009 o Recicla­ to Branco, que, apesar da tonalidade mais clara, tem a mesma composição de aparas (75% pré-​­consumo e 25% pós-​ ­c onsumo). Sem revelar volumes — a Bracelpa igualmente não dispõe de da­ dos sobre esse mercado —, Adria­no Ca­ nela afirma que o papel reciclado tem participação considerável no volume to­ tal produzido na unidade de Rio Verde (São Pau­lo). O foco do produto é voltado ao atendimento do mercado doméstico, não sendo destinado à exportação. Já Marcus Vi­ni­cius Borba de Melo, gerente co­mer­cial da Multiverde Pa­péis, fabricante do Mul­tie­co (classificado na categoria de pa­péis es­pe­ciais), acredita que a procura pelo papel reciclado con­ tinua cain­do. “A indústria pa­pe­lei­ra vem desenvolvendo esforços para demons­ trar que também os pa­p éis produzi­ dos com fibras virgens são am­bien­t al­ men­te corretos e, gradativamente, esse con­cei­to de que todos os pa­péis são sus­

ten­t á­veis está se con­ solidando”. Ele afirma que, durante os qua­ tro pri­mei­ros meses de 2010, hou­ve uma certa retração no consumo de pa­péis em geral e os preços se mantiveram es­t á­veis. Desde abril, em razão da elevação dos preços da celulose, eles começam a ser re­ vistos. “Esse au­men­to também alcança os re­ ciclados, mas não vejo tendência de grande evolução dos preços do reciclado a ponto de es­ timular esse mercado”. O Mul­tie­co é composto por uma combinação de fibras recicladas e virgens, com 30% de aparas pós-​­consumo. Alexandre Duckur, do Grupo Big­ nardi, não vê espaço para antagonismos entre o papel de fibra virgem e o reci­ clado. “Alongar o ciclo de vida da fibra


Tudo me influencia, principalmente as letras do Terceiro Mundo, cunhadas de uma forma mais relapsa por falta de tempo ou de dinheiro. Do cara pálida Barry Deck, na Folha de S.Paulo, 1992. PE L O DE S C ON HE C IM E N TO OU PE L O C ON HE C IM E NTO?

Veja também o blog Olhar Gráfico www.qu4tro.com.br/blog

Com a chegada do computador, o uso e a possibilidade de se desenhar um alfabeto próprio se popularizaram. Recursos antes restritos aos profissionais do design gráfico, técnicos em tipografia ou em fotocomposição, complicados de usar ou com alto custo de produção, se ampliaram e deixaram de ser obscuros para qualquer usuário de um computador. […]. São milhares de tipografias recém-desenhadas […], manipuladas de tal ponto que se tornou quase imperceptível […] o limite que as distinguem de uma imagem. Porque tantas? A esta pergunta Adrian Frutiger respondeu: Por que tantos vinhos? Eliane Stephen, na Folha de S.Paulo, 1992

O U T R A S PA L AV R A S

Les linguistes seront’ils moins traditionalistes que les typographes? François Richadeau in TMI RSI STM #6, 2009.

A tipografia é a intermediária entre o leitor e o conteúdo. As letras são o sangue das palavras. […] Como trabalho com isso tenho noção do que funciona ou não em determinado meio. No caso do Estado adaptei outra fonte que já havia construído. Fiz modificações para a letra ficar mais harmoniosa e apropriada à língua portuguesa. […]

PE L O DE S C ON HE C IM E N TO OU PE L O C ON HE C IM E NTO? Um dos aspectos mais importantes é o entendimento de que as letras são resultado de uma história. Confuso discurso do tipógrafo português Mario Feliciano, autor da “adaptada” nova tipografia do Estadão. O Estado de S.Paulo, março, 2010.

84 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010


A propósito da Exposição dos Poetas e Pintores Concretos, disse ontem o poeta Carlos Drummond de Andrade: Acho que estou ficando velho. Ainda uso as conjunções, admito a existência do ABC e obedeço à gramática. O Jornal, fevereiro, 1957 n … pataquada de três ou quatro jovens engraçados. Saldanha Coelho, Diário Carioca, fevereiro, 1957. n Rock and Roll e poesia concreta são aspectos de um mesmo fenômeno: o de uma juventude desorientada. Mário Newton Filho, Diário de Notícias, março, 1957. n A Poesia Concreta pode ser colocada no mesmo plano da bomba de Horoshima. Nely Novaes Coelho, Diário de S.Paulo, setembro, 1974 n O que falta assim aos concretistas? “pat pa tri 3 patri ada patrida à AH OH IH patriamada. Brasil bra sil zinhoqueriDO. PETROBRÁS” Paulo Mendes Campos, Diário Carioca, fevereiro, 1957.

D es c o n s t r u t i vo . Pertencente ao método filosófico de interpretação cuja premissa está na ideia de que textos e imagens não revelam as verdades, mas criam significação, e de que ler esses signos através de modos diferentes produz conhecimentos que estão relacionados entre si, afirma Katherine McKoy. Entre muitas criações importantes do pós-guerra, ela relaciona a aliança para um proletariado internacional, o Esperanto, a tipografia universal de Herbert Bayer, e o design minimalista: todos propunham uma solução culturalmente comum, livre da opressão da tradição. O modernismo uniu de maneira eficiente produção em massa, socialismo e internacionalismo em uma linguagem de design universal, usando as cores primárias, a geometria e uma estrutura sem adornos. Revista Emigre #65, 2000

T IPO M ON OE S PAÇ AD O E esta máquina de escrever antiga está suja e emperrada. A cada batida tenho que limpar uma peça para que ela fffffff ffffffffffffuncione. Está um saco escrever. As crianççççççççççças estão bem. Agora batem boca por causa de um brinqqqqqqqqqqquedo qqqqqualquer. Então vou parar um pouco para exercitar minha paciência com a máqqqqqqqqqquina que não quer funcionar e portanto vai fazer minha cabeça piffffar. Planejamos editar um portfólio com o dinheiro que teremos que pagar de imposto de renda no ano que vem. Estamos com material saindo numa revista nos EUA e fomos convidados para enviar pelo menos 30 trabalhos para uma outra publicação de lá. No mais vou ficando por aqui, já que tu nunca apareces, pois a máquina está me deixxxxxxxxxxando maluco. Agora botei um pouco de óleo Singer para ver se consigo escrrrrrrever algummmma coisa decente. Sampa, 1978. Um abraço, A.

Repercussão na imprensa

às primeiras manifestações

da Poesia Concreta, publicadas

trinta anos depois, no Folhetim, da Folha de S.Paulo, em 1986.

O pior R do mundo da tipografia:

A letra Bodoni [acima] é o tipo mais ilegível jamais produzido até hoje. William Morris, no século XVIII. Meu próprio trabalho normalmente envolve coleções de coisas. Meu interesse na tipografia, por exemplo, encontra seu foco em grupo de letras que refletem formas do coletivo da sociedade, é um pequeno amontado de letras oriundas de escombros industriais: centenas de formas “tipográficas”, cujos diversos formatos, tamanhos e formas singulares nunca poderiam ser inteiramente padronizados. Paul Elliman, The word as a printing surface, in Karel Martens: counterprint, Hyphen Press, Londres, 2004.

Para Elliot Earls o design tipográfico, nos anos 1990, tinha seu foco em três áreas: o revival histórico, a interpretação vernacular e o desenvolvimento exclusivamente formal. Enquanto as duas primeiras áreas são autoexplicativas, o termo “desenvolvimento exclusivamente formal” exige alguma reflexão. ¶ Quando alguém está criando uma tipografia não diretamente gerada de um modelo existente, é preciso estabelecer um discurso do ponto de vista da Biologia em que se relacione olhar e desenhar —entre a retina e o córtex. ¶ O Programa de Fundamentos, da Escola de Design da Basileia, Suíça, coloca uma grande ênfase no conhecimento da forma por meio do desenho. É no espaço tradicional dos ateliês de desenho que se ensina como fixar o movimento da retina ao movimento da mão. ¶ Para se ter sucesso neste processo, aprende-se que é necessário que a mente esteja tranquila. A mão e a retina devem se movimentar simbioticamente em passos seguros que levam a produzir o traço físico, real. ¶ É por meio desse processo que podemos aprender a confiar não na mente, mas na retina. No olhar.

Arial.

No s’hi ven ni un arbre. Tot so’n prats i més prats. I de quina herba!… Gemada, tremoladissa, sempre esmaltada de floretes. Merce Rodoreda, Viatges i flors, Edicions 62, Barcelona, 2007.

Publicado em Emigre #65, 2003 Elliot Earls é artista residente desde 2003 e ex-aluno de Cranbrook. MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

85


O Salão Design de Bento Gonçalves (RS), que acontece durante a Movelsul Brasil e a Casa Brasil, alternadamente, é um dos principais concursos de design do País. Este ano deu especial ênfase aos projetos desenvolvidos pela indústria nacional, com destaque para o projeto do fogão Continental, que tem uma programação visual, impressa em serigrafia, relevante para o uso do produto.

Projeto de Leonardo Capelas Romeu e Marcos Antonio Batista, para Mabe Hortolânda Eletrodomésticos, São Paulo.

Tipógrafos como Aldus Manutius (Veneza, Itália, século XV), John Baskerville (Londres, Inglaterra, século XVIII) e Rudi VanderLans (Berkeley, Califórnia, século XXI) eram mais do que designers e empresários, eram editores. Suas oficinas tipográficas, suas foundries metálicas ou digitais eram também casas editoriais, tradição que se manteve ao longo dos últimos cinco séculos, tanto no Velho como no Novo Mundo. nnn Mesmo no Brasil, com seu atraso histórico de 300 anos em relação a Gutenberg, muitas gráficas ainda ostentam em suas razões sociais o título “gráfica e editora”, já que, principalmente no período metálico da tipografia, elas funcionavam como grandes casas editoriais ligadas ao poder dominante de cada período. Nos seus organogramas os compositores eram também revisores, muitas vezes tradutores e intérpretes, e sobretudo editores. nnn Na biografia de Wolfgang Weingart, (Basileia, Suíça, século XXI), sua formação como tipógrafo se inicia com três anos de treinamento como compositor em Frankfurt, Alemanha, antes de iniciar seus estudos com Emil Ruder e Armin Hofmann na Escola de Design, na Basileia. nnn A separação entre projeto design, edição e produção, típica da era industrial do século XX, distanciou o compositor/designer da função de editor. Ele perdeu sua hegemonia projetual e editorial oriunda da experiência dos escribas que os antecederam. Estes dominavam todo o processo —desde a leitura e interpretação dos originais, passando pelo trabalho de caligrafia e até a formatação/diagramação e decoração das páginas feitas a mão, assim como em grande parte do período inicial da tipografia metálica, quando os compositores dominavam os assuntos que imprimiam.n O designer como editor, Claudio Ferlauto

Projeto dos anos 1990 Em meados dos anos 1990 um executivo da Pantone, fabricante dos dicionários de cores conhecidos como Pantone Matching System/PMS, esteve em São Paulo e solicitou uma reunião com representantes do setor gráfico para tentar entender porque seus produtos não vendiam quase nada no Brasil. A Abigraf reuniu técnicos, empresários, jornalistas e designers para debater essas questões e ouvir as queixas da Pantone. Uma das dificuldades estava no sistema confuso e centralizado de comercialização no Brasil. Fora isso, o assunto mais discutido foi o custo: renovar os catálogos Pantone anualmente, como ele recomendava, não cabia nos orçamentos nem das gráficas nem dos escritórios de design. O produto era conhecido e caro, considerado importante para o especificador e para o industrial, mas era pouco usado. Muitas vezes era preciso trazê-lo de viagens ao exterior pois era muito difícil encontrá-lo a um preço razoável no País. O resultado da reunião foi o desenvolvimento de um catálogo para iniciantes, com um número reduzido de cores, do qual fomos planejadores e consultores. Foram selecionadas e escolhidas cores mais usuais, que abrangiam os principais produtos — ­ cores sólidas, cinzas, fluorescentes, pastel e metálicas. Para simplificar, o catálogo foi impresso apenas em papel couché. Para ele criamos capas com temas dirigidos aos mercados latinoamericanos, pois o produto deveria ter sido lançado originalmente no México, Brasil, Argentina e Chile. O produto foi lançado nos EUA em 1998 com o nome de Solid Start Guide, sem o design desenvolvido na QU4TRO Arquitetos, com ilustrações de Cristina Burger.

Lançamento Excelentes perfis de designers brasileiros [Rico Lins, Hélio de Almeida e Elifas Andreato, entre outros] enriquecidos por O Livro e o Designer II, segunda edição informações sobre da obra do designer Andrew Haslam, personagens da história Edições Rosari, é um guia e manual para da tipografia mundial. todos aqueles que trabalham com livros. Cultura Gráfica, 256 páginas, largamente ilustrado Norberto Gaudêncio Junior, e com um excelentes material sobre Edições Rosari.

grades/grids. www.rosari.com.br


Quadrinhos

Sessentão folgado N

Exposição em São Paulo comemora os 60 anos do Recruta Zero. As tiras do preguiçoso e enrolado personagem criado por Mort Walker satirizam o exército americano e já foram publicadas em mais de 1.800 jornais de todo o mundo. Álvaro de Moya

Figura constante nas tiras, o general Dureza não tira da cabeça Dona Tetê, sua insinuante secretária. Essa fixação provocou na década de 80 uma reação das feministas, que acusavam as tiras de sexismo.

A partir de 2002, Greg Walker passou a assinar as tiras em conjunto com seu pai.

88

Álvaro de Moya é autor do livro Vapt-Vupt. REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

o dia 4 de setembro de 1950 o King Fea­tu­res Syndicate, de Wi­ liam Randolph ­Hearst, lançou as tiras diá­r ias de Bee­tle Bai­ley, cria­do por Mort Walker, no dia do 27º aniver­ está rea­li­zan­do de 6 de maio a 27 de ju­ sário do au­t or. Bee­tle surgiu caracte­ nho, no Sesc Vila Ma­r ia­na, em São Pau­ rizado como um estu­ lo, alusiva aos 60 anos dante. No ano seguinte, de cria­ç ão do Recruta porém, vendo que os jo­ Zero. Filmes, ví­d eos, vens americanos esta­ palestras e debates fa­ vam se alistando para a rão parte dessa mostra, guerra da Co­réia, Mort que apresenta um gran­ fez o mesmo com o seu de número de ori­g i­nais personagem. Sucesso de páginas do­m i­n i­c ais ime­d ia­t o, inclusive no e tiras. As  mesmas ti­ Brasil, onde foi batizado ras que o jornal O Estado de Recruta Zero. de S. Pau­lo, que partici­ Uma censura do exér­ pa da ini­cia­ti­va, publica cito ajudou a impulsio­ desde o número um no nar o êxito de Bee­tle Bai­ Mort Walker desenhando a nanquim, com seu Caderno 2. Para a ley. Suas histórias eram bico de pena, uma tira de Beetle Bailey exposição, Mort en­v iou publicadas no jornal das forças armadas também quatro ori­g i­nais assinados e o (Stars and Stripers), dis­tri­buí­do aos solda­ Sesc e a Crea­ti­ve vão doá-​­los para quatro dos ianques. Até o dia em que um ma­ as­so­cia­ções beneficentes. jor assumiu a edição, achou que a tira Além de uma das tiras de ­maior su­ ridicularizava o exército e eliminou-​­a cesso no mundo, o au­tor ­criou o In­ter­ da publicação. Protestos gerais. Os lei­ na­tio­nal Mu­seum of Car­toon Art, com to­res nos States passaram a recortar as sede em Nova York, que tem um acervo tiras e a enviá-​­las aos soldados aquar­ va­lio­sís­si­mo de ori­g i­nais dessa arte tão telados. Isso fez crescer a repercussão popular em todo o planeta. das tiras. Sa­tis­fei­to, Mort declarou que a proi­bi­ção tinha sido a melhor coi­sa que o exército lhe fizera, desde a sua desmobilização como soldado. Exposição comemorativa

Mort Walker, hoje com 86 anos, ja­m ais pôde acei­tar os diversos convi­ tes que recebeu para vir ao nosso país. Desta vez, mandou uma sau­da­ção em vídeo para a exposição que a Crea­t i­ ve Licensing, representante do li­cen­ cia­men­to do King Fea­t u­res no Brasil,


Galeria da SIB - Sociedade dos Ilustradores do Brasil

Autor: ATTÍLIO Título: Histórias Curiosas da Cidade Maravilhosa. Cliente: Revista Veja Rio, edição 2050, Editora Abril Técnica: traço escaneado do papel e colorido no Photoshop.

Sociedade dos

Ilustradores Revista Abigraf  setembro 2005 89 www.sib.org.br do Brasil


Empresa deve entrar no segmento digital ainda em 2010

O

Heidelberg traz nova folha inteira para a ExpoPrint A nova CX 102 promete ser a atração no maior estande da feira. A empresa espera garantir pelo menos 25% de seu faturamento com o evento.

Q

90

ua­t or­ze equipamentos, 1.500 m², 150 pro­f is­sio­nais, R$ 4 milhões in­ vestidos só na estrutura de partici­ pação, ex­ce­tuan­do o maquinário. Esses são os números preliminares da partici­ pação da Hei­del­berg na ExpoPrint Latin America 2010. Em 2006, na pri­mei­ra edi­ ção do evento, a fei­ra representou 25% do faturamento da Hei­del­berg naquele ano fiscal e a expectativa é de que esse valor se repita ou seja superado. Para ­atrair a atenção do visitante, a empresa mostrará na fei­r a a nova Speed­mas­ter CX 102. Por uma diferen­ ça de pou­c as semanas o lançamento mun­dial não será aqui. O equipamen­ to fez seu début na Inglaterra, duran­ te a Ipex, em maio. “Nos últimos meses mui­ta coi­sa tem sido dita sobre a si­tua­ ção da Hei­del­berg e esse lançamento mostra que con­t i­nua­mos investindo. Ele chega num momento inesperado e mui­to feliz para nós”, afirmou Die­ter Brandt, presidente da Hei­del­berg Amé­ rica do Sul, durante entrevista coletiva rea­li­za­da no final de abril. REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Adquirida pela Congraf, gráfica pau­ lis­ta voltada para o segmento de papel-​ ­cartão, a CX 102 é apontada como um modelo in­ter­me­d iá­r io entre a Speed­ mas­t er SM/CD 102 (15.000 folhas por hora) e a Speed­m as­ter XL 105 (18.000 folhas por hora). O modelo a ser ex­ posto virá configurado com seis co­ res e verniz em linha. Trabalhando no formato folha in­tei­ra, a impressora offset atinge velocidade de 16.500 fo­ lhas por hora, integrando componen­ tes da XL 105 como o pente de pinças, pulverizador AP 500, ­f reios de folha di­ nâmicos e a entrada e saí­d a Preset Plus. A CX 102 que estará na ExpoPrint contará com o console das Speed­mas­ ter, o Prinect Press Center com In­ tellistart e Walls­creen, tela de LCD que permite uma melhor vi­sua­li­za­ção do trabalho pelo operador. O estande da Hei­del­berg, réplica re­ duzida do que foi montado na Drupa 2008, será dividido em soluções de pré-​ ­i mpressão, impressão e acabamento. Isso sem contar a atenção para a divi­ são Serviços Hei­del­berg — con­su­mí­veis Saphira, Peças Ori­g i­nais, Systemservi­ ce, SemiNovos e Prinect — divisão con­ siderada estratégica para a empresa nes­ te novo ano fiscal, ini­cia­do em abril.

s acertos fi­n ais da participação da Hei­del­berg na ExpoPrint 2010 foram con­cluí­dos com a vinda de Stephan Plenz, membro do Conselho de Administração da Hei­del­ber­ger AG. Em visita de três dias, o executivo passou por São Pau­lo e Recife, onde visitou as gráficas Eskenazi, Ibep, Nilpel, Formags, Flamar e MXM. Responsável pela divisão Hei­d el­b erg Equipment desde abril deste ano, o executi­ vo afirmou, em entrevista exclusiva à Revista Abigraf, que, passado o pe­río­do agudo da crise, a Hei­del­berg espera au­men­tar o giro do estoque para o próximo ano em todos os mercados, atingindo o ponto de equilíbrio entre re­cei­ta e despesa. Uma das es­tra­té­gias é fortalecer a presença da empresa em mer­ cados emergentes como China e Brasil, não apenas vendendo produtos, mas também os serviços que os cercam, com es­pe­cial atenção às pequenas empresas. “Oferecendo soluções, serviços e con­ su­mí­veis podemos ajudar esses clien­tes a crescerem. Para eles é mais do que a simples compra de um equipamento. É es­pe­cial­men­ te como gerir uma gráfica, como incrementar ain­da mais a oferta aos seus clien­tes. Acredi­ tamos que o nosso pacote de soluções aten­ de per­fei­ta­men­te aos mercados emergentes”, afirmou Stephan Plenz. Ques­tio­na­do sobre as ne­go­cia­ções entre a Hei­del­berg e um possível par­cei­ro na área de impressão digital, o executivo afirmou que o que a Hei­del­berg pretende é dar aos clien­ tes as soluções que eles precisam. “Estamos sim conversando com fornecedores da área digital, analisando os produtos e a integração com nosso workflow. A ­ideia não é produzir impressoras di­gi­tais e sim completar nosso pacote de soluções.” A  Hei­del­berg espera fechar essa parceria ain­da em 2010.

& HEIDELBERG DO BRASIL Tel. (11) 5525.4500 www.heidelberg.com.br


Chegou!

14º Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica

210 */%Á45

3

180

270 industry yearbook brazilian printing 300 0 24

12 th

11 th brazilian printing industry yearbook

11º anuário brasileiro da indústria gráfica • 2006/2007

12º ANUÁRIO BRASILEIRO DA INDÚSTRIA GRÁFICA • 2007/2008

13º Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica 2009

0 15

*"

120

E ditado por

30

90

2010 0

330

11 th brazilian printing industry yearbook

60

DA INDÚSTRIA GRÁFICA

11º anuário brasileiro da indústria gráfica

(3«'*$" /

200

ANOS

2006/2007

#3"4*-

E D ITA D O PO R

14º

13º Anuário ANUÁRIO Brasileiro da Indústria BRASILEIRO Gráfica

0

14º Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica 2010

Sem similar ! Exclusivo diretório da indústria gráfica nacional

E DI TA DO P O R

12 Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica 2007/2008 º

12th Brazilian Printing Industry Yearbook 2007/2008

2009

5/5/09 11:12:08 AM

30.03.10 17:25:51

3/19/08 11:25:14 AM


O maior banco de dados do setor. Tudo que você precisa saber sobre mais de 2.000 gráficas e mais de 500 fornecedores de todo o Brasil. TENHA-O SEMPRE À MÃO Informações indispensáveis e atualizadas para planejamento, levantamento de mercado, seleção de gráficas e fornecedores e consultas nos 365 dias do ano.

ANUÁRIO BRASILEIRO DA INDÚSTRIA GRÁFICA 4

Á J A R I U Q D A INDISPENSÁVEL AR L P M E X E Circulando O SEUhá 13 anos, o Anuário Abigraf

130,

é fonte confiável e obrigatória de consulta do mercado. Seus produtos e serviços serão lembrados o ano inteiro.

APENAS

R$

00

Brazilian Printing Industry Yearbook

dição Vem aí a 14ª e (2010) (11) 3159.3010 gramani@uol.com.br


Anos

Investimentos em estrutura e alta tecnologia na industrialização de tintas e vernizes para o setor gráfico garantiram rápido crescimento à Premiata.

Pre­mia­ta

Tainá Ianone

Uma década de inovação

A

Fotos: Roberto Loffel

o comemorar dez anos de atua­ção no segmento de tintas e vernizes gráfi­ cos, a Pre­mia­ta dei­xa evidente que o sucesso e a consolidação de uma em­ presa estão atrelados a prin­cí­pios bem mais consistentes do que apenas o tempo de ex­pe­ riên­cia no mercado. É preciso investir con­ti­ nua­men­te. E foi o que fez a empresa ao ins­ talar, nesta breve trajetória de atividades, nada menos que três unidades fabris. Cien­te da acirrada concorrência que en­ contraria ao se estabelecer no setor gráfico,

94

Novas unidades

Edson Zanetti, diretor comercial e de marketing

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

a empresa percebeu a importância de agre­ gar à sua estrutura e à produção caracterís­ ticas de um fornecedor de pri­mei­ra linha. “Qua­li­da­de de produção, agilidade e flexi­ bilidade co­mer­cial são ain­da atributos mar­ cantes nas empresas que buscam fidelizar seus clien­tes e se destacar. Para nós, estes aspectos não são vistos como di­fe­ren­ciais e sim como fun­da­men­tais. E os resultados obtidos não dei­xam dúvidas sobre o êxito deste trabalho. O market share que atingi­ mos e o retorno dos nossos clien­tes indi­ cam que conseguimos cumprir nossos ob­ jetivos”, afirma o diretor co­mer­cial e de mar­ke­ting Edson Zanetti. A esta visão de ne­gó­cios, a Pre­mia­ta agrega investimentos constantes no sistema de gestão da quali­ dade, na in­f raes­tru­tu­ra fabril, no aper­fei­ çoa­men­to dos produtos e no trei­na­men­to da equipe de 160 fun­cio­ná­r ios. A empresa começou suas atividades com a unidade da Barra Funda, zona oes­te da ca­ pital pau­lis­ta, local que concentra os depar­ tamentos administrativo, co­mer­cial e de as­ sistência técnica. “Este parque in­dus­trial é de extrema importância para as nossas ope­ rações, pois sua localização estratégica ga­ rante agilidade na captação de pedidos e na produção de pequenos e mé­dios volumes de todas as linhas de tintas”, declara Zanetti. Visando à expansão física, que possibilita­ ria o crescimento da produção in­dus­trial, a empresa inaugurou em 2007 a Pre­mia­ta


Industrial de Tintas. A planta, localizada no bair­ro de Tamboré, em Ba­rue­ri, recebeu in­ vestimentos destinados à aquisição de equi­ pamentos de produção e instrumentos de laboratório, bem como à contratação e trei­ na­men­to de pro­f is­sio­nais. Nesta unidade são produzidos grandes volumes de tintas de escala, bases e vernizes UV. Um ano mais tarde foi fundada a Pre­ mia­t a Es­pe­cia­li­d a­des Quí­m i­cas. A fábrica foi instalada em Osasco, Grande São Pau­ lo, com o objetivo de suprir as in­dús­trias de embalagens metálicas e oferecer, de acordo com Zanetti, o mais alto grau de excelência em esmaltes, vernizes e vedantes. “Já atuá­ va­mos nesse exigente segmento de merca­ do como líderes no fornecimento de tintas metalgráficas con­ven­cio­nais e UV, com as nossas ou­tras unidades fabris”. Linha diversificada

Entre a gama de produtos elaborados nas três unidades fabris da Pre­mia­ta, que jun­ tas somam uma área de 6.500 metros qua­ drados, estão tintas offset (con­ven­cio­nais e UV); tintas Pantone e de­mais itens es­pe­ ciais; produtos com tecnologia UV que aten­ dem diferentes processos de impressão e tipos de substratos (papel, cartão, plásti­ co, metal etc.). Para quadricromia são 12 escalas diferentes, destacando-​­se as eco­ lógicas Bio-​­Reverse e ISO Bio-​­Reverse, uti­ lizadas principalmente em máquinas re­ ver­sí­veis oito cores. Além disso, a família de tintas Bio-​­Reverse, formulada à base de ­óleos ve­ge­tais, obedece aos requisitos esti­ pulados pela ASA (American Soy­bean As­ so­cia­tion), órgão que certificou a Pre­mia­ta

Cláudio Rodrigues, diretor industrial

para au­to­r i­zar os seus clien­tes a usarem o selo Soy Ink, em res­pei­to aos apelos ecoló­ gicos e de sustentabilidade, temas de vital importância nos dias de hoje. “Não pou­pa­re­mos esforços para prolon­ gar nossa jornada. Nosso desafio não se re­ sume a fabricar o melhor produto, somos uma fábrica de soluções. Res­pei­ta­mos nos­ so clien­te e procuramos a todo momento en­ tender como ele pensa e age”, conclui Zanet­ ti, para explicar as razões de sua empresa ter crescido tanto em tão pou­co tempo.

& PREMIATA Tel. (11) 3611.1140 www.premiata.com.br

Venha conhecer as noVidades em máquinas e equipamentos

. Geo Graphics Spegram/ Eua

• Avaliação de equipamentos e projetos

Druckmaschinenfabrik Gmbh/ alemanha

• Assessoramento financeiro

. Zirkon

. Leo-Tech/ Eua . NbG Printographic Machinery/ India

• Assistência técnica em impressoras rotativas • Venda de impressoras rotativas novas e usadas, com e sem forno

Rua Albertina, 256 02372-160 São Paulo SP (011) 3569.5566 3876.4700 (011) 9233.2172 gscomercial@graficoschubert.com.br www.graficoschubert.com.br

95 MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF


Parceria para grandes formatos

E

A Agfa faz parceria com a Serilon e demonstra a linha de equipamentos digitais Jeti. As duas empresas unem-se para ampliar a presença no segmento de comunicação visual.

m 12 de maio, durante coletiva de im­ prensa, a Agfa Graphics e a Serilon anun­cia­ram ofi­cial­men­te a parce­ ria firmada para buscar a consolidação de ambas no segmento de comunicação vi­sual, com impressão jato de tinta em grandes formatos. A partir de agora a li­ nha de equipamentos Agfa Jeti será co­ mer­cia­li­za­da no Brasil pela Serilon, uma das prin­ci­pais dis­tri­bui­do­ras de produ­ tos para comunicação vi­sual do Brasil, com 28 unidades de ne­gó­cios instaladas nas prin­ci­pais cidades do País. De acordo com a empresa, este movi­ mento de mercado resulta da aquisição da Gandi In­no­va­tions em novembro do ano passado. No evento foi demonstrado o modelo Agfa Jeti JetS­peed 3348 para impressão em quatro cores, com 48 ca­ beçotes Spectra, largura de 3,20 metros de boca e velocidade estimada em até 232 metros quadrados/hora. A impres­ sora é voltada à produção digital de ma­ te­r iais para aplicações externas, dentro

96

de uma nova relação rapidez-qualidadecusto. O equipamento conta com siste­ ma de cura UV Pre­mium, com tintas es­ pe­cial­men­te formuladas para produzir uma ampla gama de cores, com su­pe­ rior aderência sobre uma grande va­r ie­ da­de de ma­te­r iais, como tecidos, telas, vinil, filme plástico, papel e po­liés­ter, in­cluin­do os 100% re­ci­clá­veis. Segundo Pau­lo Amaral, diretor co­mer­ cial da Agfa Graphics do Brasil, foi perce­ bida uma nova oportunidade de trabalhar com equipamentos que complementam seu portfólio, es­pe­cial­men­te pelo fato de poder contar com a estrutura de dis­tri­ bui­ção e assistência da Serilon. “Estamos rea­li­zan­do grandes investimentos no seg­ mento de impressão digital. A combina­ ção dos produtos da Gandi In­no­va­tions e da Agfa Graphics resultará em um forte crescimento de nosso negócio em inkjet”. “Este é um importante passo dado na implementação de nossa estratégia de crescimento nesta área. Como nos­ sa própria car­tei­ra consiste de sistemas básicos e avançados, os sistemas in­ter­ me­diá­r ios da Gandi In­no­va­tions en­cai­ xam per­fei­ta­men­te com nossa tecnolo­ gia já existente”, completa o gerente de mar­ke­ting Eduar­do Sou­sa.

(E/D): Carlos Henrique, gerente da divisão de grandes formatos da Agfa; Paulo Amaral, diretor comercial da Agfa; Flávio Mazaro, diretor corporativo da Serilon; Eduardo Sousa, gerente de marketing da Agfa; Rafael Machado, gerente comercial de equipamentos da Serilon; Giovani Lima e Junior de Morais, consultores técnicos de equipamentos da Serilon.

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Para Flávio Mazaro, diretor corpora­ tivo da Serilon, a parceria será o cami­ nho para am­pliar a presença no mercado de grandes formatos, com a dis­t ri­bui­ ção de equipamentos para todo o Bra­ sil. “Isso faz parte de um trabalho para alinhar a marca no Brasil. A combina­ ção da família Jeti, com a enorme cre­ dibilidade, capacidade de investimentos e abrangência em termos de atendimen­ to ao clien­te, além de um trabalho em pesquisa e desenvolvimento, acelerará o lançamento de novos produtos, gera­ rá mais oportunidades de ne­gó­cios e ex­ pandirá ain­da mais a gama de serviços que oferecemos aos nossos clien­tes”. Soluções

Atual­men­te, na área de impressão digi­ tal, a Agfa possui portfólio para cobrir praticamente todas as aplicações em grandes formatos, impressão sob de­ manda e personalização. “A impressão digital é uma tendência mun­dial e gran­ de parte das empresas está olhando para essa tecnologia com intenção de inves­ timento. Sendo assim, o que queremos comunicar ao mercado é que a empre­ sa também está preparada para atender clien­tes interessados em equipamen­ tos di­g i­t ais, seja de ­quais tec­no­lo­g ias forem”, explicou Eduar­do. Pau­lo Amaral informou que, ape­ sar da novidade, por questões de tem­ po, a linha Jeti não será exibida na ExpoPrint. A  Agfa mostrará a linha Anapura, igualmente di­re­cio­na­d a aos mercados de comunicação vi­sual e si­ nalização. Em estande temático, com foco em tecnologia sustentável, a em­ presa apresentará a nova linha de CtP’s térmicos e vio­le­tas, ambos com forte re­ dução no consumo de energia e ain­da mais produtivos e au­to­ma­ti­za­dos, além da nova versão do sistema de gestão de workflow Apogee 7.0. & AGFA GRAPHICS DO BRASIL Tel. (11) 5188.6444 www.agfa.com.br


18ª

PESQUISA DE SALÁRIOS E BENEFÍCIOS NA INDÚSTRIA GRÁFICA PAULISTA

A PESQUISA É SOBRE O MERCADO, MAS OS RESULTADOS VÃO APARECER NA SUA GRÁFICA. A Pesquisa Salarial é a melhor ferramenta para a administração de cargos, salários e benefícios da Indústria Gráfica Paulista. São 58 empresas participantes, 166 cargos setorias descritos e pesquisados, 6 segmentos analisados, cerca 13.659 profissionais na amostra, relatórios com apresentação e metodologia, relação das empresas participantes distribuídas por segmento e porte, gráficos analíticos, medidas estatísticas por cargo, segmento empresarial e porte, além de análise da política de RH. Associada SINDIGRAF-SP/ABIGRAF-SP: R$ 500,00

Informações: 11 3164-3193

EXECUÇÃO

Não Associada: R$ 1.200,00.

REALIZAÇÃO


18ª PESQUISA DE SALÁRIOS RELAÇÃO DOS CARGOS PESQUISADOS ÁREA DE PÓS-IMPRESSÃO (ACABAMENTO) SUPERVISOR DE ACABAMENTO LÍDER DE MANUSEIO OPERADOR DE MÁQUINA OPERADOR CORTE E VINCO AUTOMÁTICO OPERADOR CORTE E VINCO MANUAL OPERADOR PROCESSO INTEGRADO OPERADOR MÁQUINA COSTURA OPERADOR DE ALCEADEIRA OPERADOR DE DOBRADEIRA OPERADOR MÁQUINA COLAGEM (EMBALAGEM) OPERADOR DE GRAMPEADEIRA OPERADOR GUILHOTINA OPERADOR MÁQUINA MONT. CAPA AUTOMÁTICA PLASTIFICADOR OPERADOR MÁQUINA COSTURA (1/2 OFICIAL) OPERADOR MÁQ. ACAB. PROC. INTEGRADO (1/2 OFICIAL) AJUDANTE GERAL / AUXILIAR DE ACABAMENTO BLOQUISTA 2º AJUDANTE MÁQUINA INTEGRADA PAUTAÇÃO AJUDANTE DE ACABAMENTO OPERADOR DE SOLDA GERENTE DE ACABAMENTO

CÓDIGO 3101 3201 3301 3018 3302 3303 3304 3306 3307 3308 3309 3310 3313 3315 3401 3402 3403 3501 3502 3601 4025 8003

ÁREA DE IMPRESSÃO GERENTE DE PRODUÇÃO GERENTE DE IMPRESSÃO SUPERVISOR IMPRESSÃO LÍDER DE IMPRESSÃO OPERADOR IMPRESSÃO ELETRÔNICA / DIGITAL IMPRESSOR FORM. CONTÍNUOS - 4 A 6 CORES IMPRESSOR FORM. CONTÍNUOS -6 CORES OU MAIS IMPRESSOR OFFSET PLANA MONOCOLOR (OFICIAL) IMPRESSOR OFFSET PLANA BICOLOR (OFICIAL) IMPRESSOR OFFSET 4 CORES (OFICIAL) IMPRESSOR OFFSET PLANA 6 CORES (OFICIAL) IMPRESSOR OFFSET ROTATIVA - MONOCOLOR IMPRESSOR OFFSET ROTATIVA 4 CORES IMPRESSOR OFFSET ROTATIVA 6 CORES OU MAIS IMPRESSOR FLEXOGRAFIA IMPRESSOR FLEXOGRAFIA (1/2OFICIAL) IMPRESSOR OFFSET PLANA (1/2 OFICIAL) IMPRESSOR OFFSET ROTATIVA (1/2 OFICIAL) IMPRESSOR OFFSE 6 OU AMIS CORES (HEAT SEAT) 1º AJUDANTE IMPRESSOR OFFSET PLANA 1º AJUDANTE IMPRESSOR OFFSET ROTATIVA 2º AJUDANTE IMPRESSÃO OFFSET REBOBINADOR BOBINADOR COLORISTA IMPRESSOR DE SERIGRAFIA

8001 8002 2101 2201 2301 2302 2303 2304 2305 2306 2307 2308 2309 2310 2311 2312 2401 2402 2403 2501 2502 2601 2602 2603 2604 2606

ÁREA DE APOIO GERENTE DE MANUTENÇÃO GERENTE DE PCP GERENTE DE TI SUPORTE PRODUÇÃO INSTALADOR DE MÍDIA OFICIAL SUPERVISOR CONTROLE QUALIDADE INSTALADOR DE SANCAS/PROPAGANDA ENCANADOR DE MANUTENÇÃO ADESIVADOR IDER DE MERCEARIA SOLDADOR DE LONA AJ. DE SOLDADOR DE LONA EMBALADOR MONTADOR PINTOR SUP. PLANEJAMENTO CONTROLE PRODUÇÃO - PCP SUPERVISOR MANUTENÇÃO MEC./ELÉTRICA/ELETRÔNICA SUPERVISOR DE ALMOXARIFADO SUPERVISOR ORÇAMENTOS GRÁFICOS LÍDER DE MANUTENÇÃO ELETRÔNICO LÍDER MANUTENÇÃO MECÂNICA TÉCNICO ELETRÔNICO ELETRICISTA MANUTENÇÃO (OFICIAL) MECÂNICO MANUTENÇÃO (OFICIAL) OPERADOR DE EMPILHADEIRA PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO LUBRIFICADOR INSPETOR DE QUALIDADE TÉCNICO GRÁFICO APONTADOR DE PRODUÇÃO EXPEDIDOR PRODUTOS ACABADOS MECÂNICO MANUTENÇÃO (1/2 OFICIAL) ELETRICISTA MANUTENÇÃO (1/2 OFICAL) AUXILIAR DE MANUTENÇÃO ANALISTA DE SISTEMA DE QUALIDADE AUXILIAR DE PROCESSO QUALIDADE COORDENADO PROCESSO QUALIDADE

8004 8005 8006 4101 4031 4033 4028 4034 4037 4038 4039 4040 4041 4042 4102 4103 4409 4410 4201 4202 4203 4204 4205 4206 4207 4208 4210 4211 4301 4302 4303 4304 4401 4402 4403 4404

ÁREA DE APOIO TÉCNICO MEIO AMBIENTE COORDENADOR ATENDIMENTO TÉNCNICO MATERIAIS ANALISTA IMPORTAÇAÕ/EXPORTAÇÃO

CÓDIGO 4411 5023 5041 5042

ÁREA DE PREPARAÇÃO E PRÉ-IMPRESSÃO SUPERVISOR DE PRÉ-IMPRESSÃO LÍDER MONTAGEM ELETRÔNICA LÍDER DE TRATAMENTO IMAGEM DIGITAL LÍDER DE MONTAGEM CONVENCIONAL LÍDER CTP (GRAVAÇÃO ELETRÔNICA - FORMAS DE IMP.) RECEPCIONISTA DE PRÉ-IMPRESSÃO (OPER. DE TRÁFEGO) OPERADOR MONTAGEM ELETRÔNICA OPERADOR TRATAMENTO IMAGEM DIGITAL OPERADOR RETOQUE ELETRÔNICO OPERADOR DE CTP (GRAV. ELET. DE FORMAS DE IMP.) OPERADOR DE SCANNER OPER. SIST. PROVA ANALÓGICA (PRELO CONVENCIONAL) OPER. SIST. PROVA ANALÓGICA (PRELO AUTOMÁTICO) OPERADOR DE MONTAGEM CONVENCIONAL COPIADOR (CHAPAS, CLICHÊS, ETC.) ARQUIVISTA DE FILMES E/OU FORMAS DE IMPRESSÃO REVISOR DE FOTOLITO PROJETISTA GRÁFICO DESIGNER GRÁFICO OPERADOR DE SISTEMA DE PROVA DIGITA OPERADOR DE IMPOSIÇÃO ELETRÔNICA ASSISTENTE DE PRÉ-IMPRESSÃO PROGR. VISUAL GRÁFICO / PROD. GRÁFICO AUXILIAR DE PRÉ-IMPRESSÃO LÍDER DE PROVA LÍDER DE SCANNER GERENTE DE PRÉ-IMPRESSÃO

1101 1201 1203 1204 1209 1301 1303 1304 1305 1306 1307 1308 1309 1310 1311 1312 1313 1314 1315 1317 1318 1319 1320 1401 1402 1403 8000

ARÉA ADMINISTRATIVA GERENTE COMERCIAL (MKT. E VENDAS) GERENTE DE VENDAS GERENTE DE SISTEMAS GERENTE DE SUPRIMENTOS GERENTE DE RECURSOS HUMANOS GERENTE ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO CONTROLLER GERENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE MÉDICO DO TRABALHO (4 HORAS) SUPERVISOR DE RH SUPERVISOR CONTABILIDADE SUPERVISOR EXPEDIÇÃO SUPERVISOR VENDAS SUPERVISOR FINANDEIRO LÍDER DE EXPEDIÇÃO COORDENADOR DE ATENDIMENTO ANALISTA DE RECURSOS HUMANOS ANALISTA DE PESSOAL ANALISTA CONTÁBIL ANALISTA DE SUPORTE ANALISTA DE SISTEMAS ANALISTA DE CUSTOS ANALISTA FINANCEIRO TÉCNICO DE MATERIAIS COMPRADOR TÉCNICO COMPRADOR (MATERIAL NÃO PRODUTIVO) ORÇAMENTISTA GRÁFICO SECRETÁRIA DE DIRETORIA MOTORISTA DIRETORIA MOTORISTA VEÍCULOS LEVES MOTORISTA VEÍCULOS PESADOS AUXILIAR DE PESSOAL AUXILIAR DE CONTABILIDADE AUXILIAR DE CUSTOS AUXILIAR DE ENFERMAGEM DO TRABALHO FATURISTA AUXILIAR ADMINISTRATIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO RECEPCIONISTA TELEFONISTA (6 HORAS) ANALISTA DE VENDAS ANALISTA IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO SUPERVISOR IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO ASSISTENTE ATENDIMENTO-VENDAS ASSISTENTE CRÉDITO COBRANÇA ASSISTENTE FINANCEIRO ASSISTENTE RECURSOS HUMANOS ASSISTENTE SUPORTE SUPERVISOR COMPRAS SUPERVISOR DE FATURAMENTEO EXECUTIVO DE CONTAS ANALISTA FISCAL

8007 8008 8009 8010 8011 8012 8013 8014 5101 5102 5103 5104 5105 5106 5107 5108 5201 5202 5203 5204 5205 5206 5207 5208 5209 5210 5211 5212 5213 5214 5215 5301 5302 5303 5304 5305 5306 5307 5308 5309 5310 5311 5312 5313 5314 5315 5316 5317 5318 5319 5321 5322

TOTAL: 166


1

3

4

Jo達o Luiz Musa


F OTOG R A F I A 2

Separadas por 30 anos, duas séries de fotografias, que agora ganham livro, mostram o exercício de João Musa na descoberta das cidades. Tânia Galluzzi

1 Basiléia, Suíça, 1973 2 Veneza, Itália, 1973 3 Versailles, França, 1974 4 Bruges, Bélgica, 1974 5 Pompéia, Itália, 1973

5


Do olhar à revelação

D

6 Avignon, França, 2009 7 Paris, França, 2009 8 Rio de Janeiro, 2008

ois momentos es­pe­ciais na tra­ jetória do fotógrafo João Luiz Musa, 58 anos, acabam de ser transpostos para páginas impres­ sas. Fechando exposição que ficou em car­ taz no Instituto Tomie Ohtake, em São Pau­ lo, estão sendo lançados Um Inverno e De­pois do Inverno, revelando seu talento ímpar em ex­trair a mais alta qualidade da fotografia a partir de cenas, arquiteturas e pai­sa­gens, combinando raro apuro técnico e poe­sia. Um Inverno, edição conjunta da Impren­ sa Ofi­cial e da Edusp, com texto do crítico de arte, curador e professor Agnaldo Fa­ rias, reú­ne imagens captadas pelo fotógra­ fo em Paris, Londres, Roma, Lisboa, Madri, Bruges, Hamburgo, Genebra, Oslo, Estocol­ mo e ou­tras cidades eu­ro­peias em uma via­ gem feita durante o inverno de dezembro de 1973 a ja­nei­ro de 1974. Segundo o texto de Agnaldo Fa­r ias, “homem, cidade e natu­ reza” se encontram e o fotógrafo mostra a forma sutil de como se avizinham e se aco­ modam. “Só fui perceber que estava fazen­ do meu pri­mei­ro en­saio quando voltei e no­ tei que havia uma unidade entre as fotos”, afirma João Musa. 7

6

8

102 REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Algumas fotos dessa via­gem estiveram em exposição no Masp, em 1974, e ou­t ras que, segundo o fotógrafo, dia­lo­ga­vam com trechos dos Cadernos de Malte Lau­r ids Brig­ ge, de Rai­ner Maria Rilke, foram expostas em 1993, no MIS. Novas possibilidades

Num salto de três décadas no sentido da cor, o livro De­pois do Inverno traz fotos captadas em Paris e Avignon na França, Nova York e cidades bra­si­lei­ras — São Pau­lo, Rio de Ja­ nei­ro, Parati, Cubatão e Ita­nhaém. Geradas por câmeras di­g i­tais, as imagens foram tra­ tadas com recursos de interpretação sobre a luz e sobre a cor graças aos novos progra­ mas de manipulação. “Hoje, cada canal de cor pode ser tratado separadamente quanto à sua qualidade tonal, sua saturação e sua luminosidade. A possibilidade de mexer na paleta de cores nos aproxima novamente


9 Paraty, Rio de Janeiro, 2009 10 Paris, França, 2009 11 Nova York, EUA, 2005 12 Louvre, Paris, França, 2005

& JOÃO LUIZ MUSA Tel. (11) 9214.3611

do processo de construção da imagem im­ pressa, recuperando o que fa­zía­mos no la­ boratório com as fotos em preto e branco”. A obra, uma parceria da Imprensa Ofi­cial do Estado de São Paulo com o Instituto To­ mie Ohtake, tem texto do artista plástico e professor Luiz Armando Bagolin. Para João Musa, o grande prazer da fo­ tografia está na impressão. Bendizendo as oportunidades pro­por­cio­na­das pelas ferra­ mentas di­g i­t ais, destaca o fato delas apro­ ximarem ain­da mais a fotografia da pintu­ ra. “Podemos pensar nos ­azuis, nos verdes, abrindo espaço para vá­r ias versões da mes­ ma imagem”. Essa referência revela o cami­ nho que o fotógrafo trilhou desde o início. A vocação começou quando cursava o pri­ mei­ro ano da Escola Politécnica da Univer­

sidade de São Pau­lo e conheceu o laborató­ rio de fotografia do grêmio, o qual ajudou a organizar e fazer fun­cio­nar. Formado, che­ gou a exercer a Engenharia por oito meses, mas, de volta ao Brasil após uma via­gem ao Peru e Amazonas, já estava no laboratório de fotografia da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, onde ficou por três anos e meio. Na década de 1980 passou a cui­dar da divi­ são de iconografia e mu­seus da Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo. Com uma intensa vida acadêmi­ ca, João Musa foi professor de fotografia no Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da USP. Além do trabalho em seu estúdio, conti­ nua envolvido com a pesquisa e sistematiza­ ção de arquivos, tanto para ins­ti­tui­ções como o Masp quanto para a ini­cia­ti­va privada.

9

10

11

12

103 MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF


TEM UMA INFORMAÇÃO

MUITO IMPORTANTE

S O B R E TO DA A INDÚSTRIA GRÁFICA QUE VOCÊ PRECISA SABER:

Imagem de eucalipto


Q U E U M A R E V I S TA

É IMPRESSA U M A N O VA Á R V O R E

DA INFORMAÇÃO A cadeia produtiva do papel e da comunicação impressa inicia a campanha de informação sobre o que produz para a sociedade. Vêm esclarecer dúvidas e, principalmente, trazer à luz da verdade algumas questões ligadas à sustentabilidade.

A principal delas é deixar claro que, as árvores destinadas à produção de papel provêm de florestas plantadas, e que essas são simplesmente culturas, lavouras, plantações como qualquer outra. Somos uma indústria alinhada com a ecologia e a natureza, ou seja, as nossas impressões são extremamente conscientes. Hoje, temos processos mais limpos do que a grande maioria das indústrias. E, mesmo assim, buscamos todos os dias novas tecnologias de produção que respeitem ainda mais o equilíbrio do meio ambiente. Somos uma indústria que traz prosperidade para o país e benefícios para todos os brasileiros. Temos imenso orgulho de saber que cada vez que imprimimos um caderno, um livro, uma revista, um jornal, um material promocional ou uma embalagem, estamos levando conhecimento, informação, democracia e educação a todos. Imprimir é dar veracidade, tornar palpável. Imprimir é assumir compromisso. Imprimir é dar valor. Principalmente à natureza.

S

IMPRIMIR É DAR VIDA.

ANO

`

É P L A N TA D A.

w w w. i m p r i m i re d a r v i d a . o r g . b r

CADA VEZ


Sistema Abigraf Notícias

Abigraf Nacional elege o vice-presidente do Conselho Deliberativo Durante a 46ª Assembleia Geral Ordinária foi anunciado o nome de Julião Flaves Gauna para ocupar o cargo, vago desde o último encontro nacional da entidade.

R

106

ea­li­za­da no Hotel Pestana São Luis, na capital maranhense, a 46ª As­sem­bleia Geral Ordiná­ ria da Abigraf Na­c io­n al ocor­ reu em 17 de abril, das 9 às 20h. A abertura dos trabalhos foi fei­ ta pelo presidente da entidade, Mário César de Camargo, em mesa composta pelo presiden­ te do Conselho Diretivo, Vitor Zanetti, o diretor administrativo e presidente da Abigraf São Pau­ lo, Fabio Arruda Mortara, e o pre­ sidente da Re­gio­nal Maranhão, Roberto Carlos Mo­rei­ra, anfitriã do evento e última representan­ te es­ta­dual a ser cria­da. Participaram presidentes e representantes de 14 Re­gio­nais da Abigraf, dos estados do Cea­ rá, Espírito Santo, ­Goiás, Pa­raí­ba, Paraná, Pernambuco, ­Piauí, Rio de Ja­nei­ro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catari­

na, São Pau­lo e Sergipe, assim como do Maranhão. A diretoria da Abigraf Na­cio­nal foi também representada pela diretora exe­ cutiva Sonia Regina Carboni, a gerente do Departamento Jurí­ dico, Nílsea Borelli R. de Oli­vei­ ra, e a gerente fi­nan­cei­ra Fátima Sola do Nascimento. Na oca­sião o empresário Ju­ lião Flaves Gau­na foi elei­to vice-​ ­presidente do Conselho Diretivo da Abigraf Na­cio­nal, na gestão 2008/2011, cargo que estava vago desde a última as­sem­bleia da entidade. Foi também a opor­ tunidade de anun­ciar o nome de Fabio Arruda Mortara como su­ cessor do ­atual presidente exe­ cutivo para a próxima gestão. Ainda no âmbito as­so­cia­ti­ vo, foi explanado o trabalho de incentivo à fundação de novas Re­gio­nais. Mário César de Ca­

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

margo sugeriu a cria­ção de re­ presentantes nos Estados de Tocantins, Rondônia, Ro­rai­ma, Amapá e Acre. Em termos de atua­ç ão re­ gio­nal, o presidente da Abigraf Piauí, James Hermes dos Santos, informou que o convênio fir­ mado pela Re­gio­nal com o Se­ brae, por dois anos, conta atual­ men­te com a participação de 25 empresas. Abordando a questão do Pa­ pel Imune, Fabio Arruda Mortara levou informações sobre o Siste­ ma de Reconhecimento e Con­ trole das Operações com Papel Imune (Recopi), que teve o pra­ zo para cre­den­cia­men­to pror­ rogado até 30 de junho (veja matéria nesta edição). Também foram discutidos assuntos como o conflito tributário e novas me­ didas de combate à atua­ç ão

das gráficas es­ta­tais, com des­ taque para a ini­cia­ti­va da Abi­ graf-PE, que atual­men­te está en­ volvida em uma campanha de orien­t a­ç ão para que os clien­ tes lo­cais comprem somente de empresas as­so­cia­das. Após a apresentação e apro­ vação das contas referentes ao exercício de 2009, a diretora da Francal Fei­ras, Wanira Salles, fez uma breve explanação sobre a fei­ra Office Paper Brasil – Es­ colar 2011, com o objetivo de estimular a participação dos estados no evento. O próximo encontro de abrangência na­c io­n al da en­ tidade será realizado em São Pau­lo, no dia 24 de junho, no au­di­tó­r io da ­Fiesp, logo após o lançamento da Campanha de Valorização do Papel e da Comunicação Impressa.


Imprimir é dar vida A Campanha de Valorização do Papel e da Comunicação Impressa conta com a participação da Abigraf, ao lado de outras 18 entidades de classe.

A

Campanha de Valorização do Papel e da Comunicação Impressa, rea­l i­z a­d a em ação conjunta com os representan­ tes da ca­deia produtiva do pa­ pel e da comunicação impressa, será ofi­cial­men­te lançada no dia 24 de junho, às 9h00, na sede da Federação das In­dús­trias do Es­ tado de São Pau­lo (­Fiesp). Com o slogan “Imprimir É Dar Vida”, a campanha almeja informar a so­cie­da­de sobre suas práti­ cas de produção e seu compro­ misso com o meio am­b ien­te. O evento de lançamento con­ tará com uma apresentação so­ bre a produção sustentável do papel e da celulose no Brasil, com um dos maio­res es­pe­cia­ lis­tas na área, Se­bas­tião Renato Valverde, professor do depar­ tamento de Engenharia Flo­ restal da Universidade Federal de Viçosa (MG). No  lançamento será apre­ sentado o manifesto de ­apoio à campanha, assinado pelas se­ guintes entidades: Abap, ­Abiea, Abemd, Abimaq, Abitim, ABPO, Abraform, Abrelivros, Abro, ABTCP, ABTG, Afei­graf, Anatec, Ana­ ve, Andipa, Aner, Bracelpa e CBL, além da Abigraf. A meta da campanha é di­ fundir, de modo amplo e para vá­rios públicos de interesse, os con­cei­tos corretos da produção de papel destinado à impres­ são, mostrando que essa maté­ ria-​­prima não tem relação com a des­trui­ção de florestas e devas­ tação am­bien­tal. Isso porque, no País, a produção da celulose e do papel tem origem em florestas plantadas em ­­áreas destinadas exclusivamente para este fim, ou seja, culturas como tantas ou­tras presentes na agricultura.

A campanha pretende escla­ recer que o plantio de árvores para uso in­dus­trial, na fabrica­ ção de papel e celulose, é abso­ lutamente sustentável. Na ver­ dade, traz um benefício para o meio am­bien­te, uma vez que o correto manejo de florestas cul­ tivadas, sobretudo na fase ini­cial de seu desenvolvimento, é res­ ponsável pela retirada de signifi­ cativa quantidade de CO² (­maior cau­s a­d or do chamado efei­to estufa) da atmosfe­ ra. No  Brasil, estas flores­ tas absor­ vem 1  bilhão de toneladas de carbono da atmosfera por ano, de acordo com a As­s o­cia­ç ão Bra­s i­l ei­r a de Celulose e Papel (Bracelpa). A ca­d eia produtiva da co­ municação impressa é compos­ ta por cerca de 83 mil empresas, que empregam juntas 588  mil pes­soas, representando um fa­ turamento bruto de 85  bilhões de ­reais. De  acordo com infor­ mações da Bracelpa, o setor de celulose e papel no Brasil é re­ presentado por 220 empresas. Responsável por uma área total de 5  milhões de hectares, dos ­quais 2  milhões são plantados para fins in­dus­triais, o setor pre­ serva 3 milhões de hectares de florestas e gera 110  mil empre­ gos diretos e 500  mil indiretos. Divulgação A  oca­sião também comporta­ rá uma exposição da campa­

nha e suas ações, que in­cluem site de esclarecimento (www. imprimiredarvida.org.br) e pe­ ças pu­bli­ci­tá­rias — que, ini­cial­ men­te, serão disponibilizadas às mí­dias da rede participan­ te da campanha. No ar desde abril, o site foi implementado pela Abigraf Re­gio­nal de San­ ta Catarina e Abigraf Na­cio­nal, sob a coor­de­na­ção do presiden­ te da Re­gio­nal, Fernando Rocha, registrando, no pe­r ío­d o de 5 a 16 de abril, a visita de mais de 500 pes­soas. O endere­ ço eletrôni­ co apresen­ ta artigos, v í ­d e o s s o ­ bre os mitos e verdades a res­p ei­to das florestas de eu­ca­lip­to; Certificação Flores­ tal (FSC); livro digital; papel pro­ duzido com cana-​­de-açúcar; e compensação am­bien­tal a par­ tir de florestas plantadas. Com­ porta também um mural de recados dos in­ter­nau­tas, cujas mensagens têm demonstrado o ­apoio à campanha, a exem­ plo da assinada por Ivo Paz Folha: “Parabéns aos gráficos em­p reen­d e­d o­r es, que amam nosso papel. Ler nosso jornal e nossas publicações seguran­ do o papel nos dá prazer, e sa­ ber que é um produto limpo que vem de fontes sus­ten­tá­veis e re­no­vá­veis nos dá satisfação. Vamos divulgar isso”. É possível ain­da fazer down­ load das peças da campanha publicitária, como anúncio, spot

de rádio e assinatura para men­ sagens de e-​­mail. Para informa­ ções, o e-​­mail é campanha@ imprimiredarvida.com.br Bracelpa manifesta apoio em carta No final de março, a Bracelpa en­v iou carta de prin­cí­p ios ao presidente da Abigraf Na­cio­nal, Mário César de Camargo. O do­ cumento, assinado pela presi­ dente da entidade, Elizabeth de Car­v a­lhaes, e pelo presidente do Conselho Deliberativo, Ho­ racio Lafer Piva, dei­xa claro que o compromisso com o desenvol­ vimento sustentável sempre foi prio­ri­da­de para as in­dús­trias de celulose e papel. A  carta reú­ne práticas e de­ sa­f ios a serem perseguidos pe­ las empresas em relação à ética, re­la­cio­na­men­to com os públi­ cos de interesse, compromissos na busca da inclusão so­cial e do equilíbrio das diferenças cul­tu­ rais e so­ciais, meio am­b ien­te, normas e legislação. Entre ou­ tros pontos, contempla ques­ tões re­la­cio­na­das à excelência no processo produtivo da celu­ lose e do papel, tais como a uti­ lização de ma­d ei­r a originária de fonte certificada e exclusiva­ mente de florestas plantadas e o incentivo ao manejo florestal sustentável para assegurar a uti­ lização das melhores práticas na base florestal. O documento, que reforça a preo­cu­pa­ção com a preserva­ ção da bio­di­ver­si­da­de e com a redução dos efei­tos do aqueci­ mento global, pode ser lido in­ tegralmente no site da Campa­ nha de Valorização do Papel e da Comunicação Impressa.

MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

107


Sistema Abigraf Notícias

Impressão digital cresce 143% em três anos GE-Digi revela resultados da segunda edição da pesquisa sobre a expansão deste segmento no Brasil.

O

108

Grupo Em­p re­s a­r ial de Impressão Digital da Abigraf São Pau­lo (GE-Digi) e o Instituto de Estudos e Mar­ke­ting In­dus­ trial (Iemi) divulgaram a segunda edição da pesquisa sobre este segmento gráfico no Brasil. O evento, rea­li­za­do no au­ di­tó­rio da ABTG, em São Pau­lo, no dia 5 de maio, contou com a presença de 200 pes­soas. De acordo com o diretor se­ to­rial do GE-Digi, Flávio Me­dei­ ros, o estudo foi desenvolvido entre fe­ve­rei­ro e março de 2010, com a participação de 759 gráficas, sendo 206 di­gi­tais e 553 con­ven­cio­nais. A pesquisa, organizada a cada três anos, tem como objetivo oferecer estatísticas detalhadas do setor. Em um panorama geral, entre 2007 e 2009, a indústria gráfica, composta por 20  mil empresas em todo o País, movimentou R$ 22,8  bi­lhões em vendas e investiu R$ 1,3 bi­lhão em máquinas e equipamentos. No  nicho digital — que engloba gráficas puras e mistas — o montante em vendas neste pe­río­do de três anos foi de R$  3,7  bi­l hões, enquanto que os investimentos totalizaram R$ 182  mi­lhões. Além disso, a quantidade de empresas nesse segmento au­men­tou de 246 para 364. No faturamento, as gráficas di­gi­t ais tiveram expansão de 48%, enquanto o setor como um todo registrou uma elevação de 8%, resultando em R$ 3,7 bi­lhões e R$ 22,7 bi­lhões, respectivamente. A co­mer­cia­li­ za­ção de produtos no setor digital também apresentou au­

Marcelo Prado, do Iemi, divulgou e explicou o conteúdo da pesquisa

men­to expressivo, de 143%. Esses índices refletiram na am­ plia­ção das re­cei­tas do mercado gráfico digital, que passou de 3,4% em 2006, para 7,4% em 2009. O investimento em máquinas e equipamentos nos três anos totalizou R$ 3,9 bi­lhões; esse foi o item com ­maior elevação, 170%. Porém, no segmento de impressão, que foi o foco da pesquisa, essas aquisições somaram R$ 466 mi­lhões, au­men­to de 69%. Os produtos com ­maior demanda con­ti­nuam a ser os pro­ mo­cio­nais e co­mer­ciais. Entretanto, o segmento que foi o foco do estudo tem grande representatividade nos nichos de dados va­r iá­v eis e livros, com 27% e 17% do mercado, respectivamente, seguido de apostilas, revistas e etiquetas. A solicitação de pedidos também está disparada nas gráficas di­gi­tais: é 76% ­maior do que nas con­v en­c io­n ais. ­A liás, o volume de trabalho nestas últimas caiu 17,2% em relação à pesquisa an­te­rior, enquanto que nas pri­mei­ras cres-

Flávio Medeiros, diretor do GE-Digi

ceu 13,7%. “Apuramos que os clien­tes que optam por esta solução têm trabalhos praticamente todas as semanas”, diz Marcelo Prado, diretor do Iemi. Apesar de o fluxo de trabalho ser mais intenso nesse nicho, a gráfica tra­di­cio­nal é a que concentra maio­res tiragens, sendo que estas correspondem ao dobro, em geral. Panorama 2010 Após um ano conturbado economicamente, o setor tem grandes expectativas para 2010. A pesquisa do GE -Digi mos-

tra que 33% dos parques gráficos di­gi­tais e 23% dos con­ven­ cio­nais pretendem investir em equipamentos. Além disso, 247 empresas almejam au­m en­t ar seu portfólio com os serviços di­gi­tais. A maio­ria das empresas (84%) afirma não ter estratégia definida para os próximos três anos. Entretanto, as que já têm um planejamento prio­ri­ zam a inovação e incorporação destes recursos tecnológicos. A  análise é que este segmento seguirá em franca expansão, acima das taxas de crescimento do mercado gráfico como um todo. Com esta perspectiva, mais de 72% das empresas deste nicho projetam au­men­to na produção até 2012. De acordo com o estudo, a am­plia­ção da impressão digital pode ser dificultada pelo valor elevado do equipamento, manutenção e operação das máquinas, e também pela rápida evolução da tecnologia. “Mui­ tas gráficas compram o equipamento parcelado e quando terminam de pagar ele já ficou obsoleto. Por este motivo os investimentos devem ser constantes e ininterruptos”, aconselha o diretor do Iemi. Entre os próximos cinco a dez anos, 17% das empresas deverão incorporar as tec­no­ lo­gias di­gi­tais aos sistemas de produção. Na pesquisa fica claro que as empresas mais jovens são mais atentas e receptivas às novas tec­no­lo­gias. Porém, as gráficas reconhecem que, apesar de protelarem as inovações, terão que ceder às ten­dên­cias do mercado. 

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010


SERVIÇOS PRESTADOS PELA ABIGRAF SÃO PAULO AOS SEUS ASSOCIADOS • Valores especiais em hospedagem, através do Club de Férias. Opções no site: www.clubdeferias.com.br • Descontos em produtos Johnson&Johnson através do site da Labcarter • Planos de saúde com valores especiais. • Descontos especiais na compra de veículos GM e FORD. • Desconto na compra de alguns produtos SERASA. • Colônia de férias (Praia Grande) • Acesso irrestrito às informações econômicas do setor. • Assessoria jurídica: atendimento às consultas, divulgação da legislação e acompanhamento dos projetos de lei. • Elaboração de pleitos. • Palestras exclusivas para associados. • Desconto no aluguel do auditório da ABTG. • Sala de reuniões gratuita. • Desconto nas inscrições de produtos para o Prêmio Fernando Pini e nos preços dos ingressos para a festa. • Assinatura Gratuita das Revistas ABIGRAF e Tecnologia Gráfica. • PESQUISA SALARIAL GRATUITA (para empresas participantes). • Divulgação da empresa no Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica. • Acompanhamento para visitas técnicas à DRUPA.

(11) 3164-3199

LIGUE PARA www.abigraf.org.br

• Descontos na compra de softwares da CALCGRAF. • Assessoria gratuita na importação de equipamentos. • Parceria com o IEL – Instituto Euvaldo Lodi – para intermediação de contratação de estagiários. • Possibilidade de participação no GRAPHIA – Projeto de exportação da Indústria Gráfica. Oferece suporte de profissionais especializados em comércio exterior, e a participação em feiras e missões internacionais. • Convênio com a Caixa Econômica Federal para linhas de crédito para capital de giro e antecipação de 13º salário. • Descontos em cursos e palestras. • Desconto na compra de manuais técnicos. • Desconto em consultoria técnica da ABTG. • Associação automática à ABTG – Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica. • Consultoria gratuita pela ABTG Junior para empresas com até 20 funcionários. • Receber informações atuais sobre normas elaboradas, revisadas ou em estudo pelo Organismo de Normalização Setorial de Tecnologia Gráfica da ABTG (ONS27). • O associado da ABIGRAF São Paulo também tem a extensão dos benefícios oferecidos pela FIESP.


Sistema Abigraf Notícias

SAG iniciou programação 2010 em Sorocaba e Araçatuba Em março e abril os dois municípios receberam as atividades e cursos, que abordam questões relacionadas às áreas administrativa, produtiva e comercial.

C

ria­da em 2006, a Semana de Artes Gráficas (SAG), rea­li­z a­ da pela ABTG com ­apoio da Abi­ graf-SP e do Sindigraf-SP, é uma das mais importantes ini­cia­ti­vas em prol do desenvolvimento do setor gráfico do in­te­rior do Esta­ do de São Pau­lo, no âmbito da qualificação pro­f is­sio­nal. A atividade teve sua progra­ mação de 2010 ini­cia­da nas ci­ dades de Sorocaba, de 15 a 19 de março, e Araçatuba, de 12 a 16 de abril. As  re­giões pos­ suem 251 e 105 gráficas, res­ pectivamente. A  área adminis­ trativa sorocabana é formada por 79 mu­ni­cí­pios, res­pon­sá­veis

pelo emprego de pou­co mais de 3 mil pro­f is­sio­nais gráficos. Já a re­gião de Araçatuba soma cer­ ca de 1.500 trabalhadores nas 43 cidades que abrange. Cumprindo o objetivo de levar trei­na­m en­to qualificado para as empresas gráficas des­ tes mu­ni­cí­pios e cidades próxi­ mas, o programa está estrutu­ rado em seis cursos ministrados por es­pe­cia­lis­tas. Na área de im­ pressão, o tema “Novas Tec­no­lo­ gias para Redução do Tempo de Acerto da Impressão Offset” foi apresentado por Pedro Cassoti, que elo­giou a participação ativa dos pro­f is­sio­nais. “Eles levam os

problemas de suas gráficas para discutir em sala. É importante conhecer suas dúvidas para di­ re­cio­nar o trei­na­men­to, porque as tec­no­lo­gias aplicadas va­riam de cidade para cidade”. Para falar sobre temas cen­ trados na área de gestão, a ABTG programou três cursos: “As Sete Ferramentas de Qua­li­da­de Apli­ cadas à Indústria Gráfica”, com Márcia Biag­gio; “Elaboração do Mapa de Custos e Correto Pre­ ço para Vendas”, com Gui­lher­ me D’Assunção; e “Formação de Líderes de Produção”, com Cristina Simões. As Semanas que ocorreram neste pri­mei­ro quadrimestre do ano também in­cluí­ram os temas “Problema e Soluções de Acaba­ mento”, com Jai­ro Alves de Oli­ vei­ra, e “Como Conquistar Clien­ tes e Aumentar suas Vendas”, com Auro Aldo Gorgatti. Em ambas as oca­siões, o pre­ sidente da Abigraf-SP, Fabio Ar­ ruda Mortara, ministrou a pa­ lestra de abertura: “De­sa­f ios na Indústria de Comunicação Im­ pressa na Nova Década”. Segun­ do ele, as duas cidades estão localizadas em pólos gráficos importantes e “faz-​­se necessá­ rio trazer conhecimento técnico para cá. Nossa expectativa para

esse ano é atingir mais um re­ corde de participantes nos cur­ sos. Os mu­ni­cí­pios têm se mos­ trado mui­to receptivos ao nosso programa de capacitação”. Oito re­giões administrativas do Estado participam dos cur­ sos e palestras rea­li­za­dos den­ tro da Semana de Artes Gráficas. Nos próximos meses, a progra­ mação terá sequência em Bau­ ru, São José dos Campos, Ri­bei­ rão Preto, São José do Rio Preto, Campinas e Ba­rue­ri. Parceria com o Sebrae-SP As  atividades de in­te­rio­ri­za­ção da Abigraf-SP vão além da Se­ mana de Artes Gráficas. É o caso do Projeto de Fortalecimento do Setor, apresentado pelo SebraeSP (Serviço Bra­si­lei­ro de ­Apoio às Micro e Pequenas Empresas) em março, com ­apoio da Sec­cio­nal Vale do Pa­raí­ba, na cidade de São José dos Campos. O  even­ to teve como objetivo promo­ ver o crescimento de empresas gráficas do Vale do Pa­raí­ba, lito­ ral norte e Serra da Man­ti­quei­ra. O encontro levou atua­li­za­ção às pequenas e mi­croem­pre­sas da re­gião em relação às ­­áreas de gestão, inovação tecnológica e de mar­ke­ting.

Cadastramento no Recopi é prorrogado Prazo para as empresas efetuarem o cadastramento no sistema Recopi foi prorrogado até o dia 30 de junho.

F

110

oi prorrogada a entrada em vi­ gor das de­mais regras referen­ tes ao prévio reconhecimento da não-​­incidência do ICMS sobre as operações com papel destinado à impressão de livros, jor­nais ou pe­rió­di­cos, previstas na Porta­ ria CAT 14, de fe­ve­rei­ro de 2010, que também ins­ti­tuiu o Sistema de Reconhecimento e Controle das Operações com Papel Imu­ ne – Recopi. O cre­den­cia­men­

to no Recopi pode ser rea­li­za­do até o dia 30 de junho, indepen­ dentemente do tipo de papel, no portal www.fazenda.sp.gov.br/ recopi. As novas regras passam a valer a partir do dia seguinte. A Portaria CAT 46/2010, que al­ tera a an­te­rior e prorroga o pra­ zo, foi publicada em 1º de abril, após reu­niões dos representan­ tes do Sindigraf-SP, Abigraf-SP, Câmara Bra­si­lei­ra do Livro (CBL),

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

As­so­cia­ção Na­cio­nal dos Edito­ res de Revistas (Aner) e As­so­cia­ ção Bra­si­lei­ra das Empresas com Rotativas Offset (Abro) com a Se­ cretaria da Fazenda do Estado de São Pau­lo, em 12 e 23 de março. O pedido de prorrogação da entrada em vigor da Portaria CAT 14 foi solicitado com base na complexidade da medida, que tornava impraticável a adoção das regras a partir da data an­te­

rior­men­te prevista (1º de abril). Além disso, foi plei­tea­da a cria­ ção de uma comissão de traba­ lho, com a participação de téc­ nicos da Secretaria da Fazenda e das entidades, tendo como ob­ jetivo a revisão da sistemática do controle de papel constante na citada portaria, visando evi­ tar o engessamento das ativi­ dades das empresas. Esse plei­to também foi acolhido. 


» www.abtg.org.br

Não basta parecer preparado, tem que estar. abtG. cursos que preparam você de verdade.

• os meLHores proFessores estão aquI • os meLHores aLuNos estão aquI • reFerêNcIa No mercado Problemas e Soluções na Impressão Offset - Data: 03 a 05 de Maio

Formação de Líderes de Produção - Data: 23 a 25 de Agosto

Mecânica Básica para Impressores Offset - Data: 24 a 26 de Maio

Produção Gráfica - Data: 20 a 23 de Setembro

Problemas e Soluções de Acabamento Gráfico- Data: 07 a 10 de Junho

Como Reduzir o Tempo de Acerto na Impressão Offset Data: 04 a 06 de Outubro

Custos e Formação de Preço - Data: 12 a 15 de Julho

Custos e Formação de Preço - Data: 16 e 23 de Outubro*

Gestão Interna de Resíduos na Indústria Gráfica – GIR Data: 26 a 28 de Julho

Ferramentas da Qualidade - Data: 08 a 11 de Novembro

PCP – Segmento de Embalagens - Data: 03 a 05 de Agosto

Os cursos são realizados das 18h45 às 21h45. *Os cursos de sábados são realizados das 9h às 16h.

Vagas limitadas para 45 alunos por curso Inscrições pelo telefone: 11-2797.6700 - Fax: 11-2797.6716 ou E-mail: curso@abtg.org.br Local: Rua Bresser, 2315 – Mooca (dentro da Escola SENAI “Theobaldo De Nigris”) Descontos: 5% de desconto para pagamento até 30 dias antes do curso • Consulte-nos sobre pacotes para empresas. Patrocínio

ANO

S

Apoio

Apoio Editorial

Realização


Sistema Abigraf Notícias

Cartão BNDES financia a compra de mais de 130 mil itens Limite de crédito foi ampliado para R$ 1 milhão em 2010 e pode ser utilizado para financiar capital de giro.

A

112

s in­dús­trias gráficas de todo o Brasil, consideradas de micro, pequeno e médio por­ tes (MPMEs) e que registrem fa­ turamento bruto ­anual de até R$ 90  mi­lhões, podem contar com os be­ne­f í­cios do Cartão BNDES para aquisição de bens de produção e uma série de itens. Desde que o cartão foi cria­d o, em 2003, até abril de 2010 ha­viam sido emitidos mais de dois  mil cartões para em­ presas gráficas de todos os es­ tados da Federação, de acordo com informações da Gerência de Cre­den­cia­men­to. Entre os cinco estados que lideram o ranking de emissões estão São Pau­lo, com 752 so­ licitações, Minas Ge­rais (233), Rio Grande do Sul (170), Para­ ná (151) e Rio de Ja­nei­ro (123). Do  total de cartões emitidos, a maio­ria das gráficas (91,8%) é considerada micro empresa; 7,63% são pequenas e 0,57% são mé­dias gráficas. O  Cartão BNDES pode ser utilizado para fi­nan­ciar capi­ tal de giro ou para adquirir os mais de 130 mil itens ofertados por cerca de 22.000 fornecedo­ res cre­den­cia­dos, que vão des­ de máquinas e equipamentos, mó­veis e uten­sí­lios até motos e caminhões. “No setor edi­to­rial, o cartão financia a encomenda de tiragem de livro impresso rea­li­za­da por editoras a empre­ sas gráficas. Além disso, per­ mite a compra do papel para impressão de livros”, informa Vitor Hugo J. Ri­bei­ro, gerente de Fomento do Cartão BNDES.

Também até abril deste ano foram rea­li­za­das 3.451 compras com o uso do cartão, perfazen­ do um valor total próximo de R$ 36 mi­lhões, com valor médio de tíquete de cerca de R$ 10 mil. Os  produtos mais comprados pelas gráficas são papel para impressão e edição de livros; do­b ra­d ei­r as, numeradoras e ou­tras máquinas au­xi­lia­res; im­ pressoras; veí­cu­los co­mer­ciais leves; guilhotinas, ser­ri­lha­dei­ ras e ou­tras máquinas para cor­ te de papel, exclusivamente de fabricação na­cio­nal. Para solicitar o cartão, as grá­ ficas devem estar em dia com as obrigações fis­cais e trabalhistas (INSS, FGTS, RAIS e tributos fe­ de­rais) e cadastradas no Portal de Operações do Cartão BNDES por fornecedores devidamente cre­den­cia­dos. Para encontrar os itens pas­sí­veis de fi­nan­cia­ men­to, basta acessar o ende­ reço www.car­t aobn­des.gov. br. “A empresa precisa ter con­ ta no banco emissor (Bradesco, Banco do Brasil, Cai­xa Econô­ mica Federal, Banco Nossa Cai­ xa ou Banrisul), pois a definição do limite, a concessão do crédi­ to e a cobrança são de respon­ sabilidade destas ins­ti­tui­ções fi­ nan­cei­ras. Ela poderá solicitar o cartão enquanto providencia a abertura da sua conta corren­ te, caso ain­da não tenha con­ ta em um dos bancos emisso­ res. É  possível, ain­da, solicitar um Cartão BNDES em cada ban­ co emissor e somar seus limites para rea­l i­z ar compras. Como são estes bancos que fazem a

REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

emissão do cartão, não há ne­ cessidade de o empresário se dirigir diretamente ao BNDES para obter esta linha de fi­nan­ cia­men­to”, esclarece Ri­bei­ro. Limite ampliado O Cartão BNDES é uma linha de crédito rotativo e pré-​­aprovado, com limite de até R$ 1  mi­lhão por banco emissor, com pres­ tações fixas, prazo de paga­ mento de 3 a 48 meses, além de taxa de juros bastante atrati­ va (0,97 % ao mês, em abril/10). “Em  2009, am­p lia­m os o pra­ zo máximo de pagamento de 36 para 48 meses. O limite má­ ximo saiu de R$ 250  mil para R$ 500  mil e, agora em 2010, para R$  1  mi­l hão por banco emissor. Some-​­se a isso a inclu­ são de novos itens fi­nan­ciá­veis, in­cluin­do serviços de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I)”, diz o gerente. Desde o seu lançamen­ to, foram emitidos mais de 260 mil cartões BNDES, soman­ do R$  10,6  bi­l hões em limite de crédito pré-​­aprovado para investimentos. Somente em 2009 foram rea­li­za­das mais de 174 mil transações, perfazendo R$ 2,5 bi­lhões em fi­nan­cia­men­ tos, com crescimento de cerca de 200% em relação ao ano an­ te­rior. Para 2010, espera-​­se al­ cançar R$ 4 bi­lhões, em mais de 260 mil transações. A diretora executiva do sis­ tema Abigraf, Sonia Carboni, informa que está sendo ne­ go­c ia­d a a inclusão de algu­ mas ma­té­r ias-​­p rimas e insu­

mos para pagamento com o cartão. E acrescenta que será in­c luí­d o um link do BNDES no site da Abigraf Na­c io­n al, para ­maior facilidade de aces­ so às informações por parte dos seus as­so­cia­dos. CARTÕES EMITIDOS, POR ESTADO UF

CARTÕES EMITIDOS

AC

     1

AL

     7

AM

    13

AP

     5

BA

    96

CE

    55

DF

    46

ES

    36

GO

    48

MA

    12

MG

  233

MS

    30

MT

    36

PA

    19

PB

    28

PE

    56

PI

     9

PR

  151

RJ

  123

RN

    20

RO

    19

RR

     2

RS

  170

SC

  104

SE

    11

SP

  752

TO

    16

SOMA

2.098


Capacitação para deficientes auditivos na área gráfica

CARTÕES EMITIDOS, POR PORTE DA EMPRESA PORTE DO COMPRADOR

CARTÕES EMITIDOS

Média Empresa

    12

   0,57%

Micro Empresa

1.926

  91,80%

Pequena Empresa

  160

   7,63%

SOMA

2.098

100,00%

COMPRAS REALIZADAS E TÍQUETE MÉDIO – R$ UF

Nº de compras

Valor autorizado

Tíquete médio

AL

    15

     51.858,13

  3.457,21

AM

    24

   459.479,84

19.144,99

AP

     5

     69.739,98

13.948,00

BA

  121

  1.274.296,11

10.531,37

CE

    91

   844.969,34

  9.285,38

DF

    41

   425.462,58

10.377,14

ES

    46

   519.349,91

11.290,22

GO

    81

   604.785,61

  7.466,49

MA

    14

   153.562,75

10.968,77

MG

  362

  3.764.179,07

10.398,28

MS

    23

   403.384,63

17.538,46

MT

    42

   514.033,59

12.238,90

PA

    24

   174.458,03

  7.269,08

PB

    55

   944.775,13

17.177,73

PE

    84

  1.228.914,48

14.629,93

PI

     7

   105.567,00

15.081,00

PR

  330

  2.515.087,82

  7.621,48

RJ

  158

  2.674.620,05

16.927,98

RN

    40

   426.015,15

10.650,38

RO

    16

   266.787,29

16.674,21

RR

     2

     12.796,03

  6.398,02

RS

  154

  1.774.487,62

11.522,65

SC

  153

  1.473.909,95

  9.633,40

SE

     6

     46.688,96

  7.781,49

SP

1.541

15.818.800,38

10.265,28

TO

    16

   227.918,70

14.244,92

SOMA

3.451

36.775.928,13

10.656,60

COMPRAS, POR PORTE DA EMPRESA – R$ PORTE DO COMPRADOR

VALOR AUTORIZADO

Média Empresa

  1.051.598,93

   2,86%

Micro Empresa

26.829.237,70

  72,95%

Pequena Empresa

  8.895.091,50

  24,19%

36.775.928,13

100,00%

Sindigraf-SP e Senai-SP firmam convênio com o Instituto Seli para capacitar e colocar deficientes auditivos no mercado de trabalho.

U

m convênio firmado entre o Sindigraf-SP, o SenaiSP e o Instituto Seli está pro­ por­cio­nan­do capacitação na área gráfica a pes­soas surdas. De  acordo com o diretor da Escola Senai Theo­b al­d o De Nigris, Ma­noel Man­tei­gas de Oli­vei­ra, serão oferecidos todos os programas, nos ní­veis de Formação Ini­cial e Con­ti­ nua­da. “São cursos livres, que levam à ini­cia­ção pro­f is­sio­nal ou à qualificação em um tempo relativamente curto. Estamos falando de um universo de cerca de noventa modalidades. No  entanto, a oferta efetiva, es­p e­cial­m en­te para os de­f i­cien­tes au­di­ti­vos, será formatada de modo a am­ pliar suas oportunidades de empregabilidade e de acordo com a disponibilidade das oficinas da escola. Nesta pri­mei­ra etapa serão capacitados 30 estudantes nos cursos para bloquista, preparador de tela para serigrafia e desenho de faca de corte e vinco. Em  uma nova etapa serão oferecidos os cursos de encadernador ma­nual de livros, impressor de serigrafia, montador de corte e vinco, operador de guilhotina e operador de do­bra­dei­ra. De acordo com Man­tei­gas, para oferecer os cursos a estes alunos é necessário contar com um intérprete de Libras (Linguagem Bra­si­lei­ra de Si­nais) durante todo o tempo. “O  instrutor orien­t a os alu-

nos como faria normalmente, apenas de forma mais pau­sa­ da, dando tempo para que as instruções sejam traduzidas. Todos os estudantes desse programa aprenderam Libras no Seli”. A escola, es­pe­cia­li­za­ da no ensino para de­f i­cien­tes au­di­ti­vos, é responsável por encaminhar os estudantes e de cui­dar da preparação básica destes, além de prover os intérpretes necessários. O Sindigraf-SP e a Escola Senai vão divulgar às empresas a disponibilidade dos alunos con­cluin­tes dos cursos. “Existem leis que determinam a manutenção de cotas de vagas para pes­s oas com de­f i­ ciên­cias no quadros de fun­cio­ ná­rios das empresas. Mui­tas vezes, estas têm dificuldades em cumprir a lei porque não há pes­soas capacitadas para preen­cher as vagas dis­p o­ní­ veis. Nosso objetivo é con­tri­ buir para melhorar a empregabilidade destas pes­s oas”, conclui o diretor. O Instituto Seli tem como missão formar e educar cidadãos surdos, com cons­ciên­ cia e capacidade crítica para atua­rem na so­cie­da­de em geral e na comunidade de surdos, permitindo, ao mesmo tempo, a livre expressão de suas in­di­ vi­dua­li­da­des. Oferece cursos em diferentes ní­veis de ensino, capacitação para o trabalho, projetos de inclusão so­cial e clínica de fo­noau­dio­lo­gia. Tel. (11) 2097-6866

MAIO/JUNHO 2010  REVISTA ABIGR AF

113


MENSAGEM

Fabio Arruda Mortara Presidente da Abigraf Regional São Paulo

Copa do mundo, eleições e os gargalos do Brasil

114

epois de vencer a crise mundial, com invejável performance em relação à maioria das nações, o Brasil precisa aproveitar o bom momento para solucionar antigos problemas. A sociedade e os setores produtivos têm plena consciência desse desafio. Tanto assim que, paralelamente às medidas anticíclicas adotadas pelo governo em 2008 e 2009, empresários e trabalhadores também foram protagonistas da epopéia voltada à sobrevivência e recuperação econômica em meio a grave crise mundial. Assim, às vésperas de mais uma campanha eleitoral, é pertinente perguntar: será que o setor público está devidamente conscientizado sobre as prioridades do Brasil e preparado para atendê‑las? O retrospecto histórico, lamentavelmente, é desfavorável. Há muito tempo, Executivo e Legislativo mostram‑se resilientes ante alguns diagnósticos e sugestões dos setores produtivos. É o caso das reformas estruturais do arcabouço legal que rege a economia, que carece de uma visão mais progressista. Parece incrível que, 22 anos após a promulgação da Constituição de 1988, continuemos reivindicando sua necessária revisão. O Brasil, precisa parar de empurrar a realidade com a barriga até as próximas eleições. O bom momento de nossa economia não dispensa a adoção de medidas profundas e sólidas para remover os gargalos nacionais, a começar pela redução efetiva das despesas do setor público (fator que volta a pressionar as taxas inflacionárias). Não basta o superávit primário, do qual tanto se gaba o governo. É preciso superávit nominal, viabilizando mais investimentos, inclusive em nossa combalida infraestrutura, e o controle da inflação sem o recurso recessivo dos juros. REVISTA ABIGR AF  MAIO/JUNHO 2010

Igualmente, é impreterível implementar nova estratégia comercial, pois é preocupante a queda de nossas exportações, especialmente de itens com maior valor agregado. Crise mundial à parte, é preciso mais foco no comércio exterior e atuação mais equilibrada da diplomacia. Algumas posições políticas que vêm sendo adotadas, na contramão do mundo e do bom senso, podem prejudicar o País comercialmente, e a Nação continua à espera das imprescindíveis reformas política, trabalhista, tributária e do judiciário. Mais do que nunca, os candidatos aos cargos eletivos em 2010 precisam comprometer‑se com essas metas. Empresas, trabalhadores e a sociedade reconhecem os avanços do Brasil, o processo de inclusão social, a ampliação da classe média e a retomada do crescimento. No entanto, é preciso avançar muito mais. Nesse sentido, as entidades de classe, representantes dos setores produtivos, fazem reivindicações pertinentes, com a autoridade de quem tem cumprido a sua parte e prestado sua contribuição. Em 2009, foi essencial a sua mobilização no combate à crise mundial. Do mesmo modo que não podem ser ignorados os resultados positivos das medidas de contingência adotadas pelo governo, é importante reconhecer a superação e estoicismo de empresários e trabalhadores. Para a indústria gráfica, assim como outras atividades, o calendário de 2010 é favorável, incluindo as eleições e a Copa do Mundo, fatores de estímulo ao crescimento. Porém, não se deve alimentar a ilusão de que conseguiremos continuar crescendo sem rever as causas do custo Brasil e os demais empecilhos, anteriormente citados. É preciso enfatizar que, a despeito da bem‑sucedida empreitada nacional contra a crise, ainda nos deparamos com cruciais demandas, como a erradicação da miséria, combate à criminalidade e à violência, gargalos imensos em nossa infraestrutura, melhoria da educação e da saúde, mais segurança jurídica e menos burocracia. O êxito no enfrentamento de tais desafios, sem desprezar a alegria do hexacampeonato mundial em gramados sul‑africanos, seria a maior vitória brasileira! presiar@abigraf.org.br


Tecnologia de Chapa Livre de Produtos Químicos

Agora já são mais de 96 sistemas instalados no Brasil.

Nossos clientes falam por nós: “Nossos clientes cada vez mais procuram por produtos impressos sustentáveis. Atualmente, as grandes corporações solicitam impresso em papel certificado ou reciclado, mas não sabem que têm alternativa de chapa mais sustentável, mas estamos trabalhando fortemente em toda a cadeia produtiva.” Paulo Marangoni, diretor da Gráfica Aquarela.

Visite a AGFA na

Agfa Graphics marketinggs.br@agfa.com Tel.: 11 5188.6400 www.agfa.com.br ISO 14001 • ISO 9001 • OHSAS 18001


Revista Abigraf 247  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you