Page 1


Copyright2012 por Priscila R. Aguiar Laranjeira

Capa: Adilson Proc

A. D. Santos Editora Al. Júlia da Costa, 215 80410-070 - Curitiba - Paraná - Brasil +55(41)3207-8585 www.adsantos.com.br editora@adsantos.com.br

Editoração: MANOEL MENEZES Fotos: www.sxc.hu Impressão e acabamento: GRÁFICA CAPITAL

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) LARANJEIRA. Priscila Rodrigues Aguiar.

Pequenos Grupos Dinâmicos e Criativos – Priscila R. Aguiar Laranjeira / Curitiba: A. D. SANTOS EDITORA, 2011. 152 p. ISBN – 978.85.7459-287-9 1. Bíblia - Estudo e Ensino CDD – 220-07 1ª Edição: Setembro / 2012 – 3.000 exemplares.

Edição e Distribuição:


Dedicatória

Ao Espírito Santo fonte inesgotável de criatividade. Aos meus pais – Maria Jesus e Florisvaldo Aguiar, por me ensinarem o caminho que eu devo andar – JESUS. Ao meu esposo, Milton, que me incentiva e apóia. À minha filha, Kennely Desirée, a quem amo incondicionalmente. À Patrícia, Aldrin, Rejane, Alex e Alexandre – meus irmãos, meu primeiro pequeno grupo, amo vocês. A Dindinha, que é minha avó Maria da Conceição Silva, que sempre acreditou em mim.

i


ii


Índice Dicas para os líderes dos Pequenos Grupos- - - - - - - - - - - - - - - - - - - 1

01. Com uma missão - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 21 02. Unidos com Deus - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 24 03. A Beleza do Caráter - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 27 04. Testemunho - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 30 05. O amor é o dom supremo - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 33 06. A igreja de Cristo 1- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 36 07. Páscoa – JESUS está vivo! - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 39 08. Se não tivesse amor - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 43 09. A igreja de Cristo 2- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 46 10. Morreu por amor - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 49 11. Sacrifício vivo - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 52 12. O Batismo 1 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 55 13. O Batismo 2 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 58 14. Família - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 61 15. Totalmente Grátis! - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 64 16. Deus conhece o ontem, o hoje e o amanhã - - - - - - - - - - - - - - - 67 17. Suporte - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 71 18. Uma boa notícia - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 74 19. A escolha certa! - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 77 20. A vida radiante dos justos- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 80 21. Família – Presente de Deus- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 84 22. Cristão – Um servo! - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 87 23. Graça e paz no Natal - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 90 iii


24. A garantia da Salvação - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 93 25. A garantia da vitória - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 96 26. Os amigos do Paralítico - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 99 27. Jesus morreu por nós - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 102 28. Ressurreição - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 106 29. Alegrias domésticas - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 109 30. Criados por Deus - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 112 31. Encontro com o Rei - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 116 32. Sob a ordem de Jesus - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 119 33. Nem ouro, nem prata - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 122 34. Comendo antes de quem tem fome - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 124 35. A oração de agradecimento - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 127 36. Pensamentos a respeito da vida - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 130 37. Semeie de manhã e também de tarde- - - - - - - - - - - - - - - - - - 133 38. Amor: o antigo e o novo mandamento- - - - - - - - - - - - - - - - - - 136 39. O Servo Escolhido de Deus! - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 139 40. Sede Espiritual - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 142

iv


Dicas para os líderes dos Pequenos Grupos 1. Bons líderes têm boas estratégias. ✦

Procure criar um ambiente descontraído e alegre. Grupos que riem muito se multiplicam mais facilmente do que grupos formais.

Já pensou em fazer uma noite inteira só de brincadeiras? Eventos assim são importantes para células que estão começando e cujos membros ainda não estabeleceram este vínculo. Use e abuse dos quebra-gelos. Há rico material com sugestões à disposição.

As células deverão organizar um rodízio para que não fique pesado tendo apenas um dos membros como anfitrião. O rodízio é uma oportunidade para que os vizinhos e amigos do dono da casa sejam convidados para o encontro. Eventualmente a célula poderá optar por manter o encontro em uma mesma residência, por um determinado período de tempo, para cuidar melhor daqueles que estão sendo evangelizados ou que você deseja alcançar para Cristo.

Experimente usar um filme secular para discutir com não-cristãos o que é o novo nascimento ou o sentido da vida. Vendo tais filmes, eles poderão se desarmar.

No dia da Ceia em sua comunidade de fé, convide os membros de sua célula para se sentarem juntos. Proceda a troca de cálices. Abrace a pessoa mais próxima, esteja orando com ela. Afirme sempre que possível que a Ceia é um dos principais memoriais cristãos, pois nela estamos relembrando o sacrifício de amor que Deus ofereceu em nosso favor.

Faça um cartão personalizado Do seu grupo. Dê uma quantidade para cada membro e peça-lhes que distribua entre os seus próprios amigos.

Programe para que todo o seu grupo vá com uma mesma camiseta, na celebração de domingo. Isto cria uma identidade própria na célula e um senso de grupo unido.

Se o seu grupo possui algum talento especial, programe uma apresentação na celebração de domingo. Pode ser uma música ou uma encenação breve. Isto gera unidade no grupo.

Muitos se sentem mais motivados a orar em vigílias. Programe vigílias eventuais para seu grupo. 1


2. Oração e liderança eficazes. ✦

Orar diariamente pelos membros do seu grupo transforma o seu relacionamento com eles. Eles o reconhecerão e seguirão a sua liderança, espontaneamente.

Se você orar diariamente, sentirá o seu próprio coração cheio de amor e paciência por eles.

Ore por todos os eventos do seu grupo – seja um culto, uma festa de aniversário ou um jogo de futebol. Esteja pronto para testemunhar em qualquer circunstância!

Tempo gasto “afiando o machado” para cortar as árvores não é tempo perdido. Uma hora gasta em oração fará com que uma hora de trabalho renda mais que uma centena delas sem oração. Desenvolva uma disciplina de oração!

Queremos ver uma geração de intercessores? Então precisamos ensinar as crianças a orar! Não deixe as crianças da célula indiferentes no momento da oração!

Todo líder precisa ser cheio do Espírito Santo! Busque poder e ousadia! Todos querem estar perto de quem está perto de Deus!

Faça um livro de oração! Registre nele os pedidos e as respostas de oração. Ore com ele em cada encontro do grupo.

Experimente fazer uma lista de alvos de oração do seu grupo. Entregue uma cópia para cada membro e ore nos encontros por cada pedido da lista.

Ore para que Deus manifeste sinais. Isto fortalece a fé dos irmãos a atrai os não-cristãos.

Qualquer cristão pode ser um “homem de oração”, mas você precisa se tornar um “homem de orações respondidas”.

Crie um relógio de oração na sua célula. Cada pessoa ora numa determinada hora e, no final, liga para o irmão que deve orar a hora seguinte.

Grupos eficazes fazem mais que orar, suprem, de maneira prática, as necessidades dos irmãos.

3. Nada de centralização. ✦

Delegue funções e responsabilidades para cada membro de seu grupo, mesmo que seja algo bem simples. Isto produz compromisso e seriedade entre todos.

Dê varias oportunidades às pessoas do seu grupo. Não rotule ou desista de alguém só porque falhou em trazer lanche no último encontro.

Acredite nas pessoas! Delegue responsabilidades para cada membro! Quando nos sentimos úteis, nos comprometemos mais. As pessoas aprendem fazendo; por isso, envolva todos os membros nas atividades do grupo. 2


Não seja um super controlador, nem um super protetor! Permita que os membros façam experimentações. Dê a eles liberdade de errar, enquanto aprendem.

Seja cauteloso para não se sobrecarregar com excesso de atividades! Zele para que os membros também estejam se dedicando a apenas um trabalho de cada vez na igreja.

O líder deve ser um facilitador; ou seja, alguém que faz o grupo acontecer; e não um chefe controlador que sufoca.

4. Influencie os seus filhos. ✦

Influencie os seus filhos! Estimule os membros de seu grupo para que façam o mesmo.

Antes de ensinar aos seus filhos a ser bem sucedidos, ensine-os a serem Filhos de Deus! Não há motivos para pensarmos que as crianças não possam aprender princípios bíblicos desde a primeira infância. Seja um exemplo para eles. Sua vida deve “falar”, eles a ouvirão.

5. Prepare os encontros com cuidado. ✦

O principal cuidado que devemos ter ao nos preparar para o encontro é estarmos em comunhão com Deus e em espírito de oração. Não estamos indo para um estudo bíblico, mas a Palavra de Deus será compartilhada. O texto bíblico é muito importante, pois é em torno dele que “gira” o nosso encontro. Mas seja sensível ao Espírito Santo; priorize os relacionamentos e a direção que sentir de Deus. Exemplo: pessoas chorando, sobrecarregadas de problemas, muito felizes, com grande bênção para compartilhar... Ore em favor; permita o compartilhamento; comemore o aniversário; etc. e depois prossiga.

Quando mencionamos ministração, estamos falando em compartilhar, respeitar a opinião pessoal de cada um, mas sempre à luz da Palavra de Deus. Não podemos deixar que os participantes do encontro saem dali com heresias e conceitos errados fixados em suas mentes. A verdade liberta e ela está clara na Bíblia.

Experimente usar um CD no louvor. Cantem junto com o CD. Isto pode melhorar significativamente o seu momento de louvor e adoração.

No período do louvor, escolha cânticos conhecidos e fáceis. É muito mais fácil e eficiente focalizar a atenção em Deus quando não temos que lutar com letras e ritmos. Providencie folhas com a letra dos cânticos para ajudar àqueles que não sabem as letras de cor. No caso de visitantes, isto se torna fundamental para que não se sintam excluídos.

Você nunca poderá levar os outros a níveis que você mesmo não atingiu! Antes de ministrar ao grupo, deixe Deus ministrar sua vida. 3


Tudo o que Deus faz, Ele o faz pela Palavra e pelo Espírito. Isto é tudo o que você precisa: uma palavra viva e apaixonada e a unção fresca do Espírito.

Ao ministrar, sempre fale de coisas práticas que podem ser úteis no dia a dia. Fuja das doutrinas estéreis e de teologias mortas! O roteiro é um “guia” da direção a ser seguida. Utilizando-o, você evitará grandes fugas do assunto em foco, ou seja, do tema principal.

O Espírito Santo de Deus é quem deve direcionar o encontro. Permita-se experimentar o poder da oração e de uma vida de comunhão com Deus. Não suprima os momentos de oração, sejam eles em favor da família ou em favor das necessidades uns dos outros. Reafirme sempre que demonstrar e expressar a gratidão a Deus por todos os seus cuidados fortalece e renova a fé de todos.

Deveria ser gostoso e divertido participar de um grupo pequeno. Experimente contar experiências engraçadas e deixe os membros rirem à vontade! Descontração combina com participação.

Quando as pessoas ouvem, elas podem estar ou não interessadas, mas quando elas falam, elas se interessam. Use e abuse das perguntas! Não deixe ninguém calado!

Estimule os membros a sempre dar o seu testemunho no encontro daquilo que Deus tem feito na vida deles. Isto fortalece a fé de todos e abre o coração do visitante.

5. Pequeno Grupo é pastoreio mútuo. ✦

Líderes eficazes procuram conhecer cada pessoa que entra no grupo. Ele dá atenção a todos, indistintamente, e não se limita a um pequeno grupo.

O bom líder visita, aconselha e ora pelos membros doentes. O líder que se vê como um pastor terá muitas ovelhas que se multiplicam.

Não se preocupe em se aprofundar no texto bíblico, preparando-se para ser um “doutor no assunto”; antes, priorize as ovelhas. Alimente-as, proteja-as, ouça-as e compartilhe de suas alegrias e necessidades; assim a sua célula crescerá saudável e naturalmente se multiplicará.

A sua função principal como líder de pequeno grupo não é dirigir um encontro, mas motivar pessoas, edificar vidas e aperfeiçoar os santos. Relacionamento é tudo!

Reconheça os membros sob a sua liderança, elogie-os e mostre-lhes o quanto são importantes para a igreja como um todo! Fazendo isso, você os estará motivando para o avanço da célula.

Pastoreio mútuo. Prestigie a profissão de fé e o batismo dos membros de seu grupo. Seja um discipulador. Seja um intercessor – quando nos interessamos genuinamente pelos problemas e pelas alegrias dos nossos irmãos, nossa vida de oração e de comunhão com Deus se torna mais intensa e sincera. 4


6. Atitudes diante do fracasso. ✦

Não tema o fracasso! Líderes bem sucedidos aprendem com as suas próprias falhas tornando-se, em consequência, muito mais fortes. Desafie o seu grupo a crescer. Para um homem de Deus o fracasso é momentâneo e a vitória é definitiva!

Para o líder bem sucedido, o fracasso é o começo – é o trampolim da esperança. Aprenda com seus próprios erros e nunca desista. Se você não atingiu o alvo, tente novamente – e novamente, e novamente...

O sucesso somente pode ser obtido por meio da confiança irrestrita em nosso Pai Celeste. Os fracassos acontecem, mas Deus renova as forças e nos ajuda a recomeçar sempre. Quando a decisão de ser bem sucedido no Reino de Deus é autêntica, o fracasso não será responsável pelo desânimo e pela desistência.

Admita fracassos diante do grupo. Não oculte os seus erros e desculpe-se sinceramente. As pessoas irão amá-lo por isso e se sentirão livres para ser autênticas.

Um dos maiores temas da Bíblia é que o fracasso nunca é o final. Em Deus, podemos nos levantar e tentar de novo. Se a sua célula não se multiplicou nesse ano, tente no próximo ano novamente.

7. Preste contas. ✦

Você tem preenchido regularmente o relatório sobre o andamento do seu grupo?

Você participa dos cursos e treinamentos proporcionados por sua comunidade de fé?

Um líder independente está fora da visão.

Teste modelos de relatórios. Por que será que os líderes, aparentemente, não gostam de preencher relatórios? Será por que não consideram importantes os números? Os números são frios, mas são importantes, pois expressam uma realidade que gera estrutura .

5


8. Nunca desista de ninguém. ✦

A maioria das pessoas se converte aos poucos – gradualmente. Não desista se alguém parece retroceder. Crie um ambiente de liberdade e aceitação e a pessoa acabará se firmando.

Não permita membros ociosos em seu grupo. Se há alguém assim, desafie-o a mudar. Se resistir, exorte-o. Seja firme e não desista de fazer de cada membro um ministro.

Sempre teremos irmãos desanimados entre nós. Conforte-os e seja sensível às suas dificuldades. Dê a eles uma palavra de ânimo; não permita que eles percam a esperança.

Os irmãos mais fracos devem ser carregados pelos fortes. Os membros devem dar-lhes a mão, passo a passo, amá-los e conduzi-los até que se fortaleçam no Senhor.

Jesus disse que o bom pastor dá a vida pelas ovelhas. Caro líder, você é um pastor em seu grupo. Ame os seus membros a ponto de se dar por eles.

9. Invista em relacionamentos. ✦

Enfatize o compartilhamento transparente em seu grupo. O visitante pode ser tocado, se ele puder perceber que não somos perfeitos, mas apenas perdoados.

Uma pesquisa feita com os que estão fora da igreja mostrou que 70% deles saíram porque sentiam que ninguém se importava com eles. O amor é a chave para ganhar e consolidar!

Conhecer-se mutuamente e compartilhar as necessidades tem que ser alvos primordiais dos pequenos grupos. Em uma atmosfera de aconchego e amor, os visitantes serão impactados.

Estimule os membros a se convidarem mutuamente para almoços, jantares e lanches nas casas uns dos outros. Isto aumenta os vínculos do grupo.

Estabeleça um “parceiro de oração” para cada novo convertido no seu grupo, ou seja, um irmão mais velho para cuidar dele e consolidá-lo. Os parceiros de oração devem se falar freqüentemente e orar juntos.

Você não está adicionando membros, mas multiplicando discípulos. Priorize o compromisso na vida do grupo. Sem compromisso não é possível um grupo saudável e forte.

Valorize o momento do lanche. Ele pode ser a chave para consolidar o visitante. Estimule alguém a ficar em função do visitante nesse momento.

Você está comprometido com os membros do grupo, da mesma forma como espera que eles estejam com você? O compromisso é base da expansão! 6


Anime os membros a se edificarem mutuamente por meio dos dons espirituais que Deus distribuiu a cada um deles.

Oficialmente um pequeno grupo se encontra uma vez por semana. Mas, o grupo, em si, é um estilo de vida. Os vínculos acontecem durante toda a semana toda. Não queremos grupos grandes sem vidas transformadas! Qualidade é mais importante que quantidade.

Quando Jesus esteve aqui na Terra fez uma tremenda diferença na vida de milhares de pessoas. Penso que Ele começou a fazer algo especial em sua própria família, mesmo que seus irmãos tenham demorado a perceber. Após ser tentado no deserto, Jesus foi batizado por João e uma voz do céu testificou sua paternidade divina: “Este é o meu Filho amado em quem me comprazo” (Mateus 3.17), o povo estava, então, diante do Filho de Deus feito homem. O Mestre começou seu ministério e a primeira providência foi treinar e capacitar um grupo pequeno. Ele escolheu homens simples e os fez “pescadores de homens”. Como Jesus ensinou? Por meio de seu exemplo pessoal. Ele conhecia absolutamente tudo sobre a Palavra de Deus e praticava os ensinamentos nela contidos, por isso mesmo, ensinou o que a Palavra de Deus ensinava. Ele trouxe a linguagem bíblica para a realidade de seus seguidores. Algumas vezes eles precisaram de uma explicação mais detalhada, mas, na maioria das vezes, eles O compreendiam de imediato. Linguagem simples e acessível, rica em ilustrações, em história (parábolas) do cotidiano. Tudo o que Jesus falou, ele vivenciou e, já sabemos que uma “gota de exemplo, vale mais que uma tonelada de palavras”. Jesus amou aquelas pessoas, compadeceu-se delas, curou suas enfermidades e ensinou-lhes um caminho sobremodo excelente. O povo judeu acreditava que o local de adoração era o Templo. Que a cidade para adoração era Jerusalém e, que o dia para tal culto era o sábado. Jesus mostrou que TODO o tempo é tempo de louvar e adorar a Deus, que NÓS somos o templo do Espírito Santo de Deus. Mas como Jesus ensinou que pastoreio mútuo, trabalho relacional é mais importante que o templo, mais importante que a sinagogas? 1. Com trabalho duro e em constante oração – Jesus suou a camisa. No Novo testamento aprendemos que o próximo deve ser amado como amamos a nós mesmos. Jesus pregou e ensinou por meio de seu exemplo pessoal. Ele teve compaixão da multidão; ele curou os doentes, amou e cuidou das crianças; etc. Jesus orou diariamente, e muito, pedindo ao Pai Celeste força e orientação para fazer a sua vontade. A mudança começa de cima para baixo. Acredite, a mudança começa na vida do pastor, pois se o líder maior e todos os demais pastores não tiverem a visão de uma igreja onde pastoreio mútuo é essencial para um crescimento espiri7


tual e numérico, provavelmente a implantação dos grupos pequenos não irá adiante. 2. Ele escolheu, treinou e capacitou seus líderes – Jesus escolheu seus doze mais próximos para discipular, ensinar pessoalmente. Depois ampliou o número para setenta ao enviá-los de dois em dois e, finalmente, os cento e vinte no cenáculo. 3. Jesus viveu com seus discípulos uma fase de protótipo – Antes de recrutar mais gente, Jesus trabalhou apenas com um grupo pequeno: seus discípulos. E aqui vale ressaltar que não há mágica no número 12. Um grupo pequeno pode ser iniciado com 3, 5 , 7 ou mais pessoas. Pode ser iniciado por interesse em comum, por afinidade ou por proximidade geográfica. Antes de implantar uma nova metodologia de trabalho, faça um teste. Escolha alguns líderes e durante alguns meses trabalhe com eles a nova estratégia. Não imponha, deixe o Espírito Santo de Deus agir livremente. Sempre que possível acate sugestões, mude o que for necessário, estabeleça um modelo que atenda a necessidade de seu grupo. 4. A visão é fundamental, mas os valores devem se ensinados em primeiro lugar – Jesus ensinou valores. E que valores! Amor, bondade, humildade, mansidão, serviço, fidelidade. Não adianta ficarmos falando da visão de uma igreja com grupos pequenos sem antes não afirmarmos e reafirmamos os seus valores. Muitos ouvem falar que a igreja do Novo Testamento funcionava nas casas e “torcem o nariz”. Não queremos este modelo, não queremos que nossa privacidade seja invadida. Mas por que encontros nas casas? Por quê encontros de grupos pequenos? É tão bom ser mais um na multidão... Assim não me comprometo. Falar muito da visão antes de viver os valores cria uma expectativa que leva à frustração. Não prometa antes de poder cumprir. 5. Não mudando as estruturas antes da hora – Jesus ensinou, demonstrou, viveu. Depois fez a mudança. Ele pregou em casas (quando curou o aleijado levado pelos quatro amigos), pregou nos montes, dentro de um barco. Muitos pastores entusiasmam-se com algo novo e saem correndo para mudar tudo. Acabam com os programas na igreja e frustram crianças, adolescentes, jovens, adultos e terceira idade. Na maioria das igrejas o maior medo é: os ministérios vão acabar? Os coros vão acabar? Com a estrutura dos grupos pequenos delineada e implantada esse medo passará. Algumas estruturas serão fortalecidas e, sim, outras deixarão de existir. “Como alguém tira um osso seco de um cachorro? Mostrando a ele um suculento bife.” O exemplo pode ser forte, mas deixa claro que apesar de existir algo melhor em vista não queremos abrir mão do que já conquistamos. “Seguro morreu de velho.” “Mas quem não arrisca não petisca.” A seqüência ideal dos acontecimentos deve ser: Valores Visão Estratégia Estrutura. (Ministério Igreja Em Células do Brasil) 8


6. Não desprezando e nem descartando quem ainda não entendeu e nem se comprometeu com pastoreio mútuo e evangelismo por amizade – Jesus não menosprezou e nem desprezou a ninguém. Desde doutores da lei até os mais humildes ele ensinou com amor, com respeito, aceitando-os apesar e por suas limitações. Alguns líderes não conseguem passar a visão e quando seus liderados não a entendem eles os menosprezam, os deixam de lado. Alguns fazem com que os liderados se sintam como se fossem de segunda categoria; isso não é justo, nem bíblico. “Não por força, nem por violência.” O Espírito Santo convence por meio do amor, da tolerância e serviço e não por meio da arrogância presunçosa. 7. Antes de começar, planeje – Nada de mudanças radicais sem planejamento estratégico. Quem falha em planejar, planeja falhar. – Sabemos que hoje, muitas igrejas estão preocupadas com mega templos e não temos absolutamente nada contra isso, desde que estas igrejas também estejam investindo em pessoas, em vidas. A igreja de Atos 2 era capaz de “vencer a perseguição, penetrar o mundo, preparar os santos, mudar a sociedade, adorar a Deus, edificar a si mesma, treinar líderes”. Mas como isso era possível? Com a presença de Cristo. Atos 2.17-21 e Atos 2. 25-28. A idéia de encontros nas casas não é nada nova. Foi assim que a igreja primitiva começou. A Bíblia relata algumas casas que foram usadas para encontros de cristãos: ✦

A casa de Jason em Tessalônica foi usada com este propósito. Atos 17.5

A casa de Tício, o Justo, situada estrategicamente do outro lado da sinagoga (com a qual Paulo rompeu) em Corinto era um local de encontro. Atos 18.7

A casa de Felipe em Cesareia parece ter sido um lugar onde visitantes, como Paulo e seus companheiros e peregrinos como Ágabo eram bem-vindos. Atos 21.8

A casa de Lídia em Filipos era tanto um local de encontro como um local para hospedar Paulo. Atos 16.40

Áquila e Priscila parecem ter mantido uma igreja em sua casa onde quer que eles morassem, seja em Corinto, seja em Roma. Romanos 16.3-5, Atos 18.3

A casa do carcereiro de Filipos era usada como um centro evangelístico depois de sua conversão dramática. Atos 16

Toda a família de Estéfanes foi batizada pelo próprio Paulo e ele aparentemente usava essa casa para o serviço dos santos. 1 Coríntios 1.16, 16.15

A sala superior de uma casa pertencente à mãe de Marcos em Jerusalém foi o primeiro local de encontros da igreja. Atos 12.12

9


A casa de Filemon também foi citada como local de encontro de cristãos. Filemon 1.2

Não deveria causar surpresa, em nossos dias, que a “igreja nas casas” torne-se um fator crucial no crescimento da fé cristã.1

Os valores do Reino e os Grupos Pequenos Jesus disse: “Eu sou a videira, vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; pois sem mim, vocês não podem fazer coisa alguma.” João 15.5 O que são valores? São prioridades internas que se expressam consistentemente em ações concretas. TODOS têm valores! A pergunta não é se você tem valores, mas quais são os seus valores? Os valores declarados freqüentemente não são os valores reais. Exemplo: “Nós valorizamos evangelismo, missões e oração”. A pergunta é: você está fazendo evangelismo?

As pessoas fazem o que elas valorizam e valorizam o que fazem! Quais são os valores chaves no reino? Em Mateus 22.35-39 Jesus responde a esta pergunta. “Jesus respondeu: Amarás o senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o primeiro e maior mandamento. E o segundo é semelhante a ele: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.” Os valores do reino são baseados em relacionamentos: • Amar o Senhor teu Deus. • Amar o teu próximo como a ti mesmo: expresso na vida de corpo e em evangelismo e missões. Como você pode discernir os valores? Não por meio de perguntas! Observando onde as pessoas gastam seu tempo, energia e dinheiro.

A necessidade de mudança de valores A prática cristã tem que ser direcionada para a presença de Deus! A base é Deus. Depois estão os seus princípios, seus valores, suas prioridades e finalmente a prática. 1. Institucionalismo e legalismo estão no nível das práticas. 2. Os princípios cristãos estão soterrados por camadas de práticas, prioridades e valores. Na história, Deus tem rompido periodicamente estas 1

Relação das casas sugerida por Michael Green, Evangelism in the Early Crurch – Hodder & Stoughton: London, 1970.

10


camadas, levando a sua igreja à rocha (o firme fundamento – Deus) para refazer valores, prioridades e práticas. 3. Cristianismo é viver na presença e da presença de Deus e não de práticas. Na igreja institucional vive-se na prática como se estivesse vivendo na teologia. As práticas devem refletir os ensinamentos bíblicos.

Entendendo a mudança de valores A mudança de valores é possível. Tenha em mente o grupo eclético com que Jesus trabalhou! Pessoas distintas, com suas personalidades e características próprias. É importante saber que a mudança leva tempo e que a mudança de valores da igreja deve começar com você! O poder de ser modelo. “Eu lhes dei o exemplo, para que vocês façam como lhes fiz.” João 13.15. “Irmãos, unam-se em seguir o meu exemplo.” Filipenses 3.17 “Tornem-se meus imitadores, como eu sou de Cristo.” 1 Coríntios 11.1.

Mude seus valores. • Arrependa-se! • Admita sua necessidade de Deus e de relacionamentos próximos com pessoas! • Fale a respeito de soluções e passos de ação específica com as pessoas que estão mais perto de você na sua família e no seu ministério.

Recursos para a mudança Lembre-se: • Trabalhe o material primeiro com seus líderes. • Muitos deles podem ser usados nas classes existentes na igreja. • Informações muito raramente causam mudança de valores. • Oração. • Evangelismo por amizade. • Vida de Corpo. • Intensivo de Reciclagem. • Leitura diária da Palavra de Deus. • Enriquecimento espiritual por meio de leituras que edificam.

11


Os Itens do Roteiro • Tempo de reconhecer a PRESENÇA de Cristo • Tempo para orar e refletir no PROPÓSITO do encontro • Tempo da PALAVRA de Deus • Tempo de vivenciar o PODER edificador de Cristo • Quebra-gelo

PRESENÇA DE CRISTO Com a melhor das intenções, há o perigo de que um grupo se torne o grupo-de quem-resolve-problemas-espirituais em vez de ser um grupo edificado por Cristo. A Bíblia claramente diz: “Onde estiver dois ou três reunidos em meu nome, ali estarei eu”. No primeiro grupo, todos querem apresentar suas habilidades, querem se sobressair, falar mais, saber mais, conhecer mais da Bíblia ou do assunto abordado. No segundo grupo a preocupação é diferente: busca-se a presença de Cristo, Sua orientação, Sua sabedoria e os recursos de Deus. Jesus quer abençoar e edificar a sua célula, a vida de cada um. Alguns pontos importantes a serem considerados: 1.Como Jesus vai resolver o problema? 2. Qual é o problema? 3. Aonde Jesus vai resolvê-lo? 4. Quando Ele vai resolver? 5. Será que o problema é realmente tão grande quanto achamos? Como Deus vê o nosso problema? Confiar na Presença de Cristo em nosso encontro é: • Submissão a Cristo, mesmo que as minhas feridas e necessidades pareçam enormes. • Ouvir o que Deus está falando por meio de sua Palavra. • Ser submisso às orientações das autoridades constituídas por Deus em nossa comunidade de fé. • Permitir o agir de Deus em nossa vida. Permitir que Ele nos molde de acordo com a Sua vontade.

OS CÂNTICOS Talvez a pergunta seja: Tudo isso é a Presença de Cristo em nosso encontro? Certamente. Jesus está presente e quer nos edificar. Podemos entrar em Sua Presença, porque quando Jesus morreu na cruz o véu foi rasgado e Ele nos deu livre 12


acesso ao Pai. Os cânticos “abrem as portas” dos nossos corações para permitir a ação de Deus. Sabemos que o louvor liberta e por meio de cânticos de louvor, de adoração, de gratidão podemos elevar nossa mente e coração ao Pai, nos afastando dos problemas, deixando, ainda que momentaneamente nossas ansiedades, angústias e preocupações de lado.

O PROPÓSITO Ray Stedman em seu livro Igreja Corpo Vivo de Cristo, diz: “A igreja primitiva se valia de um duplo testemunho como meio de alcançar e impressionar um mundo cínico e incrédulo: Kerigma (proclamação, anúncio) e Koinonia (comunhão). Era a combinação destes dois testemunhos que tornou o testemunho da igreja tão poderoso e eficiente. A igreja atual tem conseguido se livrar da Koinonia quase que por completo, reduzindo o testemunho a kerigma (proclamação)”. Você deve pensar: “Mas o evangelismo é o mais importante para o crescimento da igreja!” É fato que o evangelismo é importante, mas é preciso que haja também comunhão, relacionamento. O ser humano carece de relacionamentos e muitos se aproximam de uma comunidade de fé em busca de relacionamentos – com Deus, com o próximo. O propósito da vida em comunhão é desenvolver relacionamentos e anunciar a salvação àqueles que ainda não conhecem a Jesus (evangelismo). Por isso mesmo, ao encontrar esse item em um roteiro ele não deve ser menosprezado. O item diz que devemos orar em favor dos amigos, parentes, colegas de trabalho, de escola, vizinhos afim de que eles venham a conhecer e aceitar a salvação que só é encontrada em Cristo Jesus.

A PALAVRA “O Novo Testamento coloca uma ênfase substancial sobre as necessidades que os cristãos têm de conhecer uns aos outros, confessar pecados uns aos outros, repreender, exortar, admoestar uns aos outros, ministrar uns aos outros com a palavra, pelos cânticos e pela oração, a fim de compreender com todos os santos, como diz Paulo, qual é a largura, comprimento, a altura e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo que excede todo o conhecimento”. (Efésios 3.18,19) Ray Stedman Compartilhar a Palavra de Deus traz conforto, traz respostas, traz paz, traz orientação... O apóstolo Paulo nunca escondeu seu pensamento de como uma igreja deveria funcionar e ele jamais se desviou de sua opinião de que a igreja é uma grande família – a família de Deus, muito além de uma instituição religiosa ou pessoal. Deus nos fez integrantes de sua família, enviando-nos “O Espírito de Seu Filho aos nossos corações, que clama Abba, Pai!” Ele nos chama para entrarmos

13


num relacionamento real uns com os outros para que amemos “uns aos outros com amor fraternal ”(Romanos 12.10). A verdade contida na morte de Jesus na cruz do Calvário nos mostra de forma dramática até que ponto Deus chegou para nos libertar. “Deus nos amou de tal maneira que deu seu Filho Unigênito, para que todo aquele que Nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna.”. (João 3.16) Deus derramou Seu Espírito (Romanos 12.10) porque nos ama e Jesus prometeu o consolador. A Palavra de Deus diz: “Deus tomou aqueles que eram de pouca importância e os transformou em algo majestoso (1 Coríntios 1.26-30)”. O momento da Palavra no encontro é para enriquecimento e crescimento na graça e no conhecimento. Não é um tempo reservado para estudo bíblico (este devem ser realizados na Escola Bíblica, nos grupos de estudinhos, etc.), mas compartilhar e aperfeiçoar a Palavra em nossas vidas. E os visitantes? O que fazer com eles? Quando em seu encontro o número de visitantes não crentes for grande, ou o visitante demonstrar total falta de conhecimento do assunto, explique e demonstre na prática que mesmo sem conhecer a Bíblia é possível conversar sobre um texto bíblico e ser edificado pela mensagem da Palavra de Deus. Sem “achismos” o visitante pode contribuir com sua opinião e com sua maneira de encarar a vida. “Meditar na Palavra de Deus é um ótimo antídoto contra a fofoca santa, que pode acontecer quando estamos em célula, quando visitamos socialmente um irmão ou quando conversamos pelos corredores do templo. A Bíblia nos aconselha claramente a fugirmos destas situações. Não use a desculpa da oração para contar algo que lhe foi confidenciado”.

O PODER No roteiro este item é o momento de orar em favor uns dos outros; apresentar a Deus necessidades, ansiedades, dificuldades; motivos de gratidão; de louvor e de adoração. No encontro do pequeno grupo este deve ser o momento para: ✦

“Integração: comunidade é como uma salada em que a diversidade é integrada num sabor distinto, mas muito agradável.”

Confissão “assumo que sou um pecador e confesso os pecados”. Esta confissão deve ser apresentada aos irmãos se for para edificação. Exemplo: alguém se indispôs com um dos membros do grupo, confessa, se arrepende e pede perdão.

Unidade: “decisões” na comunidade são alcançadas por consenso, todos são líderes em potencial. Exemplo: passeio em dia de feriado. Todos podem ir? 14


Onde? Todos têm condições de chegar até o local? Podem levar o que foi solicitado? ✦

Comunidade: é uma realidade divina. Deus nos transformou em uma família. Podemos compartilhar nossas necessidades, anseios, nossas alegrias, etc.

Cura: Deus pode curar nossas emoções físicas e espirituais.

Segurança: temos em nosso grupo responsabilidade ilimitada uns para com os outros. O sentimento que deve imperar é: “nunca me senti tão desnudado, mas também nunca me senti tão seguro”. Esta segurança advém da confiança de que nossa família ao compartilhar problemas e dificuldades tratará o assunto com o devido respeito e sigilo.

Poderíamos falar horas a respeito deste item, mas cremos que já deu para se ter uma noção do quanto é importante estarmos, não apenas orando uns em favor dos outros, mas nos colocando como verdadeiros intercessores (sofrendo com quem sofre e alegrando com quem se alegra). Uma frase muita conhecida deixa bem clara a necessidade de oração e busca do poder de Deus: “Nenhuma oração, nenhum poder. Pouca oração, pouco poder. Muita oração, muito poder” Quando oramos estamos nos comunicando com Deus e Ele gosta de falar conosco e que ouçamos a sua voz. Priorize a oração. Não deixe que os momentos de oração se percam.

CONCLUSÃO Quando esses itens são desenvolvidos naturalmente durante o encontro, não sendo considerados uma imposição, é porque já foi assimilada a importância de cada um deles. O roteiro é um norteador. Durante o encontro compartilhamos o texto bíblico, assuntos contemporâneos, conversamos a respeito, esclarecemos dúvidas, enfim, vivenciamos a Palavra de Deus e o seu amor demonstrado a nós na pessoa maravilhosa de Jesus Cristo.

QUEBRA-GELO Este é um momento à parte no encontro de um determinado grupo. Dinâmicas chamadas de quebra-gelo têm como principal motivação “enturmar” quem está fora do grupo ou diminuir a distância inicial quando da implantação de uma célula. Por que chamamos de quebra-gelo? Por que é assim que deve acontecer: calor humano derretendo o gelo, criando vínculos, estabelecendo relacionamentos. Na formação de um grupo o quebra-gelo serve para conhecermos melhor uns aos outros. Neste momento são importantes brincadeiras, conversas, perguntas cujas respostas sejam curtas e objetivas. Exemplo: qual a sua cor preferida? E a comida que você mais gosta? Como se sente ao se defrontar com um elefante vestido de roupas de bolinhas coloridas?

15


No caminhar do grupo o quebra-gelo funciona como uma maneira agradável de começar o encontro e pode, inclusive, estar relacionado com o tema bíblico a ser compartilhado. O quebra-gelo também pode ser usado quando as pessoas estão vivendo momentos específicos: alegria por conquistas pessoais; tristeza devido à perda de um ente querido... É preciso que o líder seja sensível ao Espírito Santo de Deus para adotar um direcionamento diferente daquele sugerido pelo roteiro.

Quebra-gelos com Recursos Simples 1. Coloque pedacinhos de papel colorido dentro de um saco de papel pardo, tipo aqueles de padaria. Encha o saco de ar. Pergunte aos participantes: “Que cores a vida tem para vocês”? Dê-lhes tempo paras as respostas. Em seguida, estoure o saco com as mãos e peça a cada participante para pegar um dos pedacinhos de papel que caiu no chão. A cor que eles tiverem à mão deverá ser utilizada para responder a pergunta: “E se a vida fosse azul, verde ou rosa para você”? Dê-lhes tempo para a segunda resposta. Encerre este momento com uma oração de gratidão a Deus pelo dom da vida. 2. Coloque uma cadeira no centro do local do encontro. Escolha dois ou três participantes para serem os convidados de honra. Um por vez, eles deverão assentar-se na cadeira. Os demais participantes do encontro deverão dizer por que é um privilégio a participação de cada um no encontro. Essa é uma excelente oportunidade para apresentar visitantes ou homenagear aniversariantes. 3. Coloque uma luva em uma das suas mãos. Pode ser qualquer tipo de luva. Converse com os participantes. Pergunte: “O que está dentro desta luva? A minha mão não é mesmo? A luva foi feita para conter a minha mão. Para que fomos criados? (Para o louvor da glória de Deus.) Quem é que habita em nós? (O Espírito Santo de Deus). De que maneira o Espírito Santo de Deus habita em nós? Como nós o convidamos para morar em nosso coração?” Ore agradecendo a Deus pela salvação. 4. Utilizando um calendário peça aos participantes para, no mês corrente, marcar todas as datas que consideram importantes. Converse com eles a respeito das datas escolhidas: “O que as torna tão especiais? O que podemos fazer para tornar a data de hoje tão especial quanto as demais? Você gosta de feriados? Vamos olhar em nosso calendário e verificar as datas dos próximos feriados. O que podemos fazer juntos nestas próximas datas? 5. Você precisará de copos plásticos cheios de água, suco ou refrigerante e uma bandeja simples. Peça a um dos participantes para servir o conteúdo a todos os demais. Inventem maneiras criativas de servir. 6. Você precisará de um objeto qualquer para esconder, de tamanho proporcional ao ambiente e que possa ser visto.Todos os participantes se retiram, por 16


alguns instantes, do local do encontro, de maneira a não tomar conhecimento do que se passa nele. O líder ou facilitador esconde então o objeto. Procedimento: A um sinal do líder ou facilitador, os participantes entram novamente no local do encontro e começam a procurar o objeto. À medida que cada qual vai vendo o objeto, diz baixinho ao líder ou facilitador onde ele está, senta e permanece calado. Prossegue-se desta maneira até restar apenas um participante que não viu o objeto. Este pagará uma prenda (falar um versículo, cantar um cântico). 7. Posicione-se à porta do local do encontro. Quando você abrir a porta todos deverão, ao mesmo tempo, falar um versículo bíblico, quando você fechar a porta eles deverão cantar cânticos de louvor. Vá aumentando o ritmo de abrir e fechar a porta. 8. Providencie com a devida antecedência sementes de alguns diferentes tipos de grãos. Providencie também pratinhos plásticos e algodão. Ensine como plantar as sementes no algodão. Incentive as crianças a plantar e a cuidar das sementes durante a semana e trazê-las para mostrar seu desenvolvimento no próximo encontro. 9. Você crê que Jesus pode realizar, ainda hoje, milagres como este? Já presenciou um milagre? Que milagre você gostaria de pedir a Deus hoje? 10. Elabore uma lista com as 5 prioridades de sua vida: 1............................................. 2............................................. 3............................................. 4............................................. 5............................................. 11. Qual a pessoa de sua família que você mais gosta? Por quê? Distribua papel e lápis de cor e dê tempo aos participantes para fazer uma caricatura da pessoa que eles mais gostam ressaltam suas qualidades no desenho. Por exemplo: se a pessoa é boa ouvinte, desenhá-la com um ouvido ENORME... 12. Você precisará de pedaços de papel e canetas para anotar os resultados. Teste: Você vai ao Shopping com os amigos. Como se prepara? 1) Coloca um tênis, calça jeans e mochila. 2) Só vai se tiver roupa de marca. 3) Não vai com os amigos, só com a família. No shopping você: 1) Compra um lanche e divide com os amigos. 2) Nem come nada para não ter que dividir. 3) Compartilha o lanche com todos, em sua família é assim. No cinema você: 17


1) Mostra as cenas que o estão empolgando. 2) Comenta o filme inteiro atrapalhando os demais. 3) Liga o celular e conta para quem está em casa o que está assistindo. Na lanchonete, você: 1) Compra o lanche e não oferece para ninguém. 2) Compra tudo o que vê pela frente, mas não divide. 3) Pergunta se todos podem comprar lanches e divide as despesas. Observe suas próprias respostas, pois elas dizem muito ao seu respeito. Caso elas demonstram egoísmo e individualismo, peça perdão a Deus e comece agora mesmo a ter atitudes mais altruístas. 13. Escolha um dos participantes do grupo, que deverá se afastar enquanto os demais escolhem um determinado objeto para ser descoberto ou “adivinhado” pelo que se afastou. Chame de volta o participante que se distanciou. Com a simples pergunta “como prefere”, feita a cada um dos demais, terá de acertar o objeto. Se o objeto for, por exemplo,um lápis, ao perguntar “como prefere?”, os outros responderão: apontado, preto, colorido, com a ponta fina, etc. 14. Distribua pequenos pedaços ou balas de chocolate para os participantes. Peça-lhes para saborear o doce e pensar em uma frase que possam dizer sobre o amor de Jesus por nós. 15. Você precisará de um lenço ou um pedaço de tecido que servirá de venda para os olhos. Os participantes formam um círculo, ficando um deles no centro com os olhos vendados. O líder da brincadeira caminha ao redor do circula e toda vez que tocar em alguém, aquele que foi tocado perguntará: “quem fala?” Quem estiver no centro, com os olhos vendados, tentará acertar o nome do participante que falou. Se não acertar, passa a ocupar o lugar dele e ele passa para o centro do círculo.Mas, se reconhecer a voz e pronunciar corretamente o nome do companheiro. Mantém-se em seu lugar e a brincadeira recomeça. 16. Distribua folhas de papel sulfite para todas as crianças. Peça-lhes para desenhar seus três melhores amigos e em seguida desenhar ou escrever o que eles precisam que Deus faça em suas vidas. Exemplo: Marco Antônio – salvação (desenho de cruz), Mariana – ficar curada (desenho de uma ambulância), etc. 17. Distribua revistas usadas para que os participantes possam procurar figuras de pessoas ou animais. Dê-lhes tempo para recortar duas ou três de sua preferência. Em seguida, eles deverão desenhar em volta das figuras maneiras de como aquecê-las. Você precisará também de lápis, folhas de papel sulfite e tesoura. 18. Complete as palavras abaixo com alguns dos títulos ou nomes de JESUS: E....a .... o ....l ....a ....v......d....r 18


F...l.... o de D....u.... S....e....h....r A ....i.....g..... A ....i....n....a .... x....m....l.... ..... a .....e....d....t.... E...e...n... M....n.... a....g....m S....c...i......í ....c.....o Emanuel, amigo, exemplo,mensagem, sacrifício, eterno, sacerdote, aliança, Senhor, Filho de Deus, salvador O nome de Jesus é considerado um nome sem igual. Sabem por quê? Porque Jesus, o Filho amado de Deus, veio a este mundo como homem, viveu, foi tentado, não pecou, morreu em uma cruz em favor dos pecados de toda a humanidade e ao terceiro dia ressuscitou! Jesus vive! Ele voltará! O que nós podemos fazer para demonstrar que honramos a Jesus? Ter uma vida cristã que agrada a Deus. É difícil? Claro que sim. Mas nós podemos recorrer a Jesus e Ele mesmo nos auxiliará. 19. Que palavras conseguem criar com as letras da palavra SOCORRO? E com as letras da palavra REFÚGIO? E se unir as letras das duas palavras, que novas palavras surgirão? Anote-as em um pedaço de papel. 20. Você precisará de uma sacola ou bolsa que não seja transparente. Dentro dela uma Bíblia. Pergunte aos participantes qual o tesouro de Deus para nós? A maioria deve responder a salvação. Então pergunte: Qual a carta de amor eu Deus escreveu para nós? 21. Com uma tesoura em mãos, peça um dos participantes do encontro para ser um voluntário para um novo corte de cabelos. È quase certo que ninguém acertará. Pergunte-lhes o motivo da recusa (ou da aceitação, caso haja alguma). Diga-lhes: Tenho aqui o instrumento para o corte de cabelos. Por que não querem permitir que eu o faça? Porque não estou apto para tal função, não é mesmo? Então para qual função estou preparado (a)? Dê-lhes oportunidade para compartilhar e em seguida ore agradecendo a Deus por suas profissões. 22. Escreva em uma cartolina ou em uma grande folha de papel um versículo bíblico não muito conhecido. Escreva também a referência. Recorte os pedaços de cartolina e improvise um quebra-cabeça. Dê oportunidade aos participantes para montar o quebra-cabeça e em seguida incentive-os a memorizar o texto. 23. Se for possível, faça uma sequência de exercícios simples, tais como polichinelo, pular em um pé só, dar uma corridinha pelo local do encontro ou ainda, providencie uma bola e brigue de rebater.

19


24. Distribua pedaços de papel colorido para os participantes do encontro. Dê-lhes também lápis de cor, giz de cera ou canetinhas. Peça-lhes para confeccionar um pequeno cartão onde desenharão e escreverão palavras de motivação para o amigo do lado. Mas atenção: certifique-se que cada participante receba um cartão. Depois deixe-os compartilhar as mensagens recebidas. 25. Formem duplas. Um de frente para o outro brinquem de “espelho”. Procedam da seguinte maneira: Um dos parceiros da dupla faz algum gesto e o outro copia. Depois inverta. Tente reproduzir os gestos o mais fielmente possível. Pegue um espelho e mostre o reflexo dos participantes, um por vez. Orem agradecendo a Deus pela maneira como Ele nos criou.

INSTITUINDO UM RELÓGIO Todo bom encontro deve ter início, meio e fim. Quando nos encontramos é bom sermos objetivos. Nossa sugestão é que os tempos sugeridos em cada item do roteiro sejam seguidos, durante algum tempo, para que todos os envolvidos no encontro saibam que ele não é longo e tem um fim proveitoso. Quando convidamos alguém. É confortável poder dizer que nosso encontro ou reunião tem uma duração pré-estabelecida. Assim, ao término da reunião, na hora do lanche, todos podem optar entre sair mais cedo ou ficar mais um pouco.

20


Roteiro

01

Com uma missão.

1. Devocional (5 min)

Aparentemente inútil e muito incomodativo, parece que ao pó não cabe nenhum papel de importância em nossa vida e, para as donas de casa e domésticas ele é um transtorno diário. Mas, você sabia que até pó tem o seu valor? Sem ele, não existiriam algumas das belezas mais extraordinárias que contemplamos. A atmosfera é composta de diversos gases que têm determinadas proporções de vapor d’água. Esse vapor, quando se refrigera, condensa-se e forma partículas de nuvens. Até 1860 julgava-se que esta condensação se fazia quando as moléculas de vapor se combinam com as outras, mas foi descoberto que não é assim. Os vapores da atmosfera só se condensam em torno de um núcleo sólido ou líquido. Geralmente este núcleo é uma partícula de pó. Fica claro, que sem o pó não haveria as nuvens. Os cientistas ainda firmam que, se não houvesse este núcleo central, o resfriamento teria que ir a um ponto mais baixo, antes que os vapores se condensassem. Parece difícil entender? Mas só para deixar clara a importância do pó, se ele não existisse ao invés de chuvas só teríamos tempestades violentas. Se não fosse o pó as paredes viveriam a lacrimejar gotas d’água e nossas roupas estariam constantemente úmidas. O pó pode parecer insignificante, mas se ele não existisse não contemplaríamos a beleza do pôr do sol que explode em cores deslumbrantes nas nuvens. Sem ele a vida, provavelmente, seria mais incômoda do que é, porque realmente é mais simples tirar o pó dos móveis do que enxugar as paredes todos os dias. 21


O salmista diz algo precioso: Não há como contar as inúmeras manifestações da bondade do nosso Deus. Se alguém tentasse enumerá-las, chegaria à mesma conclusão do salmista: “contaria, contaria, sem jamais chegar ao fim” (Sl 1.39:18). A maior bênção, a mais relevante e a mais importante é a SALVAÇÃO. O mais impressionante em relação à salvação é que é “um dom gratuito de Deus”. Deus quer que você leve, anuncie a SALVAÇÃO a todos, a tempo e fora de temp. Você é mais que o pó e tem uma missão. Está pronto para cumprir o seu chamado?

2. Quebra-gelo (5 min) Você precisará de uma bandeira do Brasil (de qualquer tamanho). Converse com os participantes sobre as cores da bandeira e o que cada uma delas significa. Pergunte-lhes: O Brasil é um país missionário? Em sua opinião o que o qualifica como tal? Você tem vocação para missionário? Qual a mensagem gostaria de levar para alguém? Por quê?

3. Reconhecendo a PRESENÇA de Cristo em nosso encontro. (15 min) “Somos convidados para adorar ao único e verdadeiro Deus. Como pai gracioso veio nos amar, preocupado com os que são seus.” Que as palavras desse cântico tornem-se realidade em sua vida! Vamos cantar louvores a Deus que nos ama e se importa conosco!

4. Tempo de Oração (10 min) Forme duplas de oração. Cada dupla deve escolher um país que precisa experimentar a salvação que há em Cristo ou um missionário que conheça para orar em seu favor.

5. Tempo da Palavra – Com uma missão. (35 min) 1. Depois de dizer estas coisas, Jesus olhou para o céu e disse: Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho para que ele te glorifique. 2. Pois tem dado ao Filho autoridade sobre todos os seres humanos para que ele dê a vida eterna aos que lhes deste. 3. E a vida eterna é esta: que todos conheçam a ti, que és o único Deus verdadeiro; e conheçam também a Jesus Cristo que enviaste ao mundo. 4. Eu mostrei a tua glória ao mundo e terminei o trabalho que me deste para fazer. 5. Meu Pai! Agora dá-me glória na tua presença, a mesma glória que eu tinha contigo antes de existir o mundo. 22


6. Eu mostrei quem tu és àqueles que tirastes do mundo para me dares. Eram teus e tu os destes a mim. Eles têm obedecido a tua mensagem 7. e sabem que tudo o que tens me dado vem de ti. 8. Pois eu lhes dei a mensagem que mandaste dar e eles a receberam e conheceram que é verdade que eu vim de ti e acreditaram que tu me enviaste ao mundo. 9. Eu peço em favor deles. Não peço em favor do mundo, mas por aqueles que me deste, pois pertencem a ti. 10. Tudo o que é meu é teu, e tudo o que é teu é meu, e a minha glória é vista por meio daqueles que me deste. 11. Agora estou indo para perto de ti. Eles continuam no mundo, mas eu não estarei mais no mundo. Pai Santo! Guarda-os pelo poder do teu nome, que me deste para que sejam um, assim como tu e eu somos um. 20. Não peço somente por eles, mas também em favor dos que vão crer em mim por meio deles. IMPORTANTE: O texto que acabamos de ler é a oração de Jesus. O Filho de Deus orou por nós, que ainda haveríamos de crer. Louvemos a Deus por esta preciosa oração!

Compartilhando 1. Qual trabalho você está desempenhando em sua comunidade de fé? Você o tem desempenhado como uma verdadeira missão? 2. O que você entende por missão? 3. Jesus cumpriu a sua missão. Ele foi obediente ao pai Celeste. Você tem perseverado na missão para a qual Deus o chamou? 4. Compartilhe uma experiência vivenciada por você durante o exercício da sua missão.

6. Tempo de vivenciar o PODER edificador de Cristo. (10 min) Orar, ir e enviar são maneiras de desempenharmos a missão para a qual Deus nos chamou. Talvez você nunca saia de sua cidade, mas sempre pode orar em favor das pessoas, dos povos que ainda não conheceram e nem experimentaram a maravilhosa graça de Cristo Jesus. Vamos orar em gratidão a Deus por tudo que Ele é e faz por nós.

23


Pequenos Grupos, Dinâmicos e Criativos  

Para ser usado em encontros de Pequenos Grupos, grupos familiares, reunioes em empresas, escola e cultos domésticos. Didático, prático e fác...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you