Issuu on Google+


Copyright2008 por Rawderson Rangel Todos os direitos em língua portuguesa reservados por: A. D. Santos Editora Al. Júlia da Costa, 215 80410-070 - Curitiba - Paraná - Brasil +55(41)3207-8585 www.adsantos.com.br editora@adsantos.com.br

Capa: Marianne Bettina R. Dias Diagramação: Manoel Menezes Impressão e acabamento: Editora Betânia

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) RANGEL, Rawderson. MANUAL PRÁTICO PARA O CULTO INFANTIL – Volume 2 Rawderson Rangel – Curitiba: A. D. SANTOS EDITORA, 2008. 112 p. ISBN – 978857459152-0 1.Bíblia

2. Educação cristã

3. Educação infantil CDD – 220

1ª Edição: Agosto / 2008 – 3.000 exemplares. Proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios a não ser em citações breves, com indicação da fonte.

Edição e Distribuição:

Sugestões envie para: cultoinfantil@adsantos.com.br


Dedicatória

Este livro é dedicado a você, que procura fazer o melhor no Reino de Deus, para a salvação e edificação de crianças... um prêmio lhe está reservado na Vida Eterna. Enquanto isso, aqui na Terra, que Deus lhe permita ver o resultado do trabalho de suas mãos.

i


Uma palavra... O pastor Manoel Xavier, co-autor do primeiro volume, já está na glória, certamente sendo ministrado pelo Senhor a quem buscou sempre honrar e servir. Sua vida e principalmente seus últimos meses aqui foram um testemunho do que Deus pode e faz quando nos colocamos à disposição para fazer a Sua vontade. Ele, mesmo tomado pelo câncer, ministrou à vida de milhares de pessoas. Quem teve o privilégio de ouvi-lo foi profundamente modificado e abençoado. O Pastor Manoel Xavier, era um bom amigo da A.D. Santos Editora e está fazendo falta! Nossas orações e coração vão de encontro à sua família: sua esposa Clenir e seus filhos Luana, Filipe e Rafael. Sabemos que a saudade e a ausência são imensas e intensas, mas rogamos a Deus que os conforte e abençoe. O Editor

ii


Apresentação O primeiro volume do Manual Prático Para o Culto Infantil foi uma agradável e maravilhosa surpresa, um verdadeiro presente de Deus. Foi bom também ter tido a oportunidade de trabalhar com o pastor Xavier. Alguém me disse certa vez: “Deus gostou tanto do que o pastor Manoel escreveu, que o chamou para o céu...”. A morte, para nós, salvos por Cristo, sempre é uma promoção... Foi também um tempo divertido de descobrirmos o que era importante compartilhar com pais, professores e educadores de crianças. A Bíblia ensina que devemos educar a criança no caminho que ela deve andar, para que mais tarde não se desvie dele. É nisso que acreditamos e por isso mesmo cada atividade proposta vem com princípios e valores cristãos. “Eduque a criança para mais tarde não ter que corrigir o homem”. Espero que este livro seja uma bênção para seu ministério. Coloco aqui talentos que Deus me deu ao serviço do Seu Reino, por que penso que assim deve ser. Mas acima de tudo, que este material lhe encoraje a descobrir, criar, produzir para o Reino. Esta é a minha oração. Pastor Rawderson Rangel

iii


iv


Introdução Muitas pessoas, entre elas pastores e líderes, dizem que o Manual Prático para o Culto Infantil as ajudou em seu ministério com crianças. Acredito que um livro com mensagens voltadas para o público infantil é sempre uma necessidade. No primeiro volume apresentamos muitas idéias sobre como preparar mensagens, mas também alertamos que eram apenas sugestões, que cada um deve ter o seu estilo próprio de pregação para crianças e que todos devem olhar ao redor para enriquecer e contextualizar o material que está sendo utilizado. Para nossa alegria muitos estão fazendo isso. Para que uma verdadeira troca de experiências aconteça, estamos disponibilizando um e-mail para que, quem desejar, envie sua mensagem. O endereço eletrônico é: cultoinfantil@adsantos.com.br. Apresente suas idéias e sugestões. Quem sabe elas farão parte de uma futura publicação? Mas como podemos continuar abençoando pessoas que trabalham com crianças? Como permitir que essas pessoas sigam no grande desafio de cuidar das crianças, contando-lhes histórias e preparando mensagens para elas? Este segundo volume é a resposta, pois contém mensagens essencialmente biográficas e histórias contadas na Bíblia, mas as novidades não páram por aí.

1


O Manual Prático para o Culto Infantil Volume 2 contém algumas das parábolas contadas por Jesus, além de outras histórias apresentadas de uma forma divertida e dinâmica, que serão um atrativo para o ouvinte. Os temas são variados e isso quer dizer que, uma vez definido onde você quer chegar, as histórias e mensagens que estão neste livro poderão auxiliá-lo a alcançar este fim. O encerramento e a aplicação de uma mensagem são tão importantes quanto a própria mensagem (leia mais em “Como preparar suas histórias”). Você encontrará maneiras diferentes de contar histórias. Precisa que elas estejam num papel? Há várias dicas para isso. Precisa de histórias para retroprojetor? Este livro é indicado também. Precisa de algo diferente, pronto para ser usado no projetor multimídia? Você encontra aqui! Parece um exagero, mas pensamos em diversas alternativas observando a variedade de meios disponíveis e, ao mesmo tempo, a realidade de diversas igrejas e lugares onde o trabalho com crianças é realizado. Faz parte deste livro um cd com figuras que podem ser usadas da maneira que você desejar e ainda sete histórias para serem usadas em projetor multimídia ou retroprojetor e com mais um recurso: elas podem ser pintadas no computador antes de serem usadas! Se desejar ou não tiver outro recurso, as mesmas histórias estão disponíveis para a impressão em papel também. Este segundo volume era fruto de um desejo meu e do pastor Manoel Xavier, hoje na glória, mas também era sonho de pastores, líderes e até de crianças. Algumas mensagens e atividades são fruto de sugestões recebidas de pessoas comprometidas com as crianças e com sua formação espiritual. Deus seja em tudo louvado e que sua vida e a das crianças a quem você ministrar sejam grandemente abençoadas. 2


Esboço do livro de mensagens para crianças 1. Por que mensagens tão “moderninhas”? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 2. Preparando as suas mensagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 3. Contando histórias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 4. Boletim – esse material para as crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 4.1. O conteúdo do boletim:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 4.2. Como pode ser um boletim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 5. Convidando crianças e a igreja para participar de sua mensagem . 19 5.1. A participação das crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 5.2. A participação da congregação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 6. Antes de preparar o seu sermão, dê uma lida nisto aqui!. . . . . . . . 21 6.1. O sermão infantil precisa ser interativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 6.2. O sermão infantil precisa ser bíblico e teológico. . . . . . . . . . . 21 6.3. Todo o apelo num sermão para crianças é difícil . . . . . . . . . . 21 7. Mensagens para Culto Infantil: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 7.1. Mensagens evangelísticas: Mensagem 1 – DEIXE DEUS CUIDAR DE SUA VIDA . . . . . . . . 23 Mensagem 2 – O NASCIMENTO DE JESUS . . . . . . . . . . . . . . . 27 Mensagem 3 – JESUS RESSUSCITA LÁZARO . . . . . . . . . . . . . . 32 Mensagem 4 – A CORRIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 7.2. Doutrinárias: Mensagem 5 – SÓ UM CAMINHO NESTE LABIRINTO. . . . . . . 39 Mensagem 6 – JESUS FAZ NOVAS TODAS AS COISAS . . . . . . 41 3


Mensagem 7 – OLHE PARA VOCÊ MESMO. . . . . . . . . . . . . . . 44 Mensagem 8 – CONFIANÇA EM DEUS . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 Mensagem 9 – DEUS SEMPRE NOS VÊ . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 Mensagem 10 – SIGA AS INSTRUÇÕES E VIVA MELHOR! . . . . 50 Mensagem 11 – A BOCA QUE CONSTRÓI PODE DESTRUIR . 52 7.3. Bíblia: Mensagem 12 – UMA LANTERNA PARA ILUMINAR A VIDA . . 54 Mensagem 13 – UM FUNDAMENTO SÓLIDO . . . . . . . . . . . . . 57 7.4. A missão de Evangelizar Mensagem 14 – LEVANDO PESSOAS A JESUS . . . . . . . . . . . . 63 7.5. A Missão de servir Mensagem 16 – O BOM SAMARITANO . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 7.6. Igreja Mensagem 17 – TEM GENTE QUE SE ACHA . . . . . . . . . . . . . 70 Mensagem 18 – DEUS FICA FELIZ QUANDO ALGUÉM SABE SEUS ERROS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Mensagem 19 – CADA UM TEM A SUA FUNÇÃO NO CORPO DE CRISTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 Mensagem 20 – QUEM É A IGREJA? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Mensagem 21 – POR QUE JESUS VEIO AO MUNDO . . . . . . . 82 Mensagem 22 – O CHEQUE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 Mensagem 23 – DEUS USA A TODOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 Mensagem 24 – OBEDEÇA AOS SINAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 Mensagem 25 – A MALA DO MISSIONÁRIO . . . . . . . . . . . . . . 96 8. Desenhos para inserir no seu programa (figuras no CD em anexo que podem ser copiadas e ampliadas separadamente). . . . . . . . . . . . 99 9. Relação das mensagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

4


1. Por que mensagens tão “moderninhas”? No seu tempo era diferente, eu sei disso. Mesmo que você não seja uma pessoa tão “antiga”, acredito que a pregação da Palavra de Deus na sua infância não tinha tantos “apetrechos” como há hoje. Não discordo de você, porque no seu tempo: – Não havia a Internet tão divulgada, que hoje fascina as crianças; – Os desenhos animados não eram tão próximos da realidade como hoje são produzidos; – Os programas infantis não eram tão bem elaborados como os atuais. Apenas três argumentos numa lista infindável já nos dão uma visão da diferença de sociedades. Ainda assim você poderá se questionar a respeito de tanta “sucata” e materiais sem serventia cristã (lâmpadas e tênis de luzes) como objetos para o ensino da Palavra de Deus. Entretanto, preciso lembrá-lo que essa história da aplicação espiritual da realidade ao redor já era usada por Jesus há muito tempo. Cristo nos chamou para sermos “pescadores de homens”. Olhou para seus seguidores e com muita profundidade os chamou de “sal da terra”, “luz do mundo”. Falou do grão de mostarda, do fermento. Imagino que Jesus em um de seus sermões apontou para um trabalhador no campo e começou: “Um semeador saiu a semear...”. Ilustrações concretas para conceitos espirituais. 5


Rawderson Rangel

Você, que já leu Jeremias, conseguiu contar quantas comparações há nesse livro? Certa vez, numa leitura atenta descobri mais de cinqüenta ilustrações do dia-a-dia usadas por Deus e pelo profeta. Tem de tudo um pouco. Dentre as mais curiosas está: “Porque, como o cinto se apega aos lombos [cintura] do homem, assim eu fiz apegar-se a mim toda a casa de Israel e toda a casa de Judá, diz o SENHOR...” (Jeremias 13.11). Quando se pensa em uma ilustração atual, você está simplesmente repetindo uma das formas bíblicas de apresentar as verdades divinas. Olhar ao redor e pregar sobre o que viu é uma ótima maneira de fazer com que a mensagem fique guardada no coração da criança e também do adulto. Falar que o mais importante de todos os recursos é o principal que Deus irá usar – VOCÊ! O mais interessante, porém, é que Deus continua a se utilizar do instrumento que sempre usou: as pessoas. Eu e você podemos ser usados, assim como Moisés, Davi, Paulo e muitos outros. A nossa disposição faz a diferença. Mais do que os objetos diferentes da mensagem, as pessoas são o canal para a transmissão do que Deus quer falar aos corações, tanto de pequenos como de grandes. Permita-se ser esse instrumento.

6


2. Preparando as suas mensagens Aqui você encontrará três possibilidades para que, de uma forma bem criativa e dinâmica, ensine a Bíblia às crianças: mensagens em papel, em transparência ou multimídia. Talvez seu sonho seja ter um projetor em sua igreja para poder pregar; talvez desejasse ter suas histórias em transparência, bem coloridas. De repente, em papel mesmo, já seria uma grande ajuda ou é o que a realidade lhe permite trabalhar. Antes de escolher o tipo de material que utilizará, preste atenção às vantagens e desvantagens de cada um deles, mas seja em papel, transparência ou multimídia, sua mensagem já está pronta no cd que acompanha este livro.

PAPEL

Vantagens

Desvantagens

Fácil manuseio

Amassa muito

Pode ser utilizada em qualquer lugar

Desgaste maior

Barato

É a técnica mais trabalhosa

Material fácil de ser encontrado

Material mais comum

Uma maior ou menor quantidade de figuras numa folha

7


Rawderson Rangel

TRANSPARÊNCIA

Vantagens

Desvantagens

Fácil de ser guardada

Requer iluminação adequada

Material atrativo

Necessita de alguns cuidados

Fácil de ser corrigido

Valor relativamente alto do material Requer retro-projetor e eletricidade

MULTIMÍDIA

Vantagens

Desvantagens

Bom para grandes auditórios

Necessita de componentes eletrônicos

Pode ser bem colorido

Nem sempre há o programa necessário no computador

Possibilidade de ajustar-se ao auditório

Exige tempo de antecedência para conhecer o computador ou o arquivo.

Material dinâmico

Requer cuidados extremos Requer iluminação adequada

A escolha do material não deve ser apenas pelo seu gosto: é fundamental perceber a realidade do lugar onde vai contar a história. Causar uma admiração excessiva sobre o material poderá fazer com que o conteúdo fique em segundo plano devido à forma que chama mais á atenção. Cuidado com isso. 8


Manual Prático para o Culto Infantil – Vol. 2

O material colorido para impressão em papel ou transparência está pronto. Num “clique” você poderá acessar a história que deseja. Lembro-lhe, porém, que as cores da impressão dependerão da quantidade de tinta que assinalou na impressora; os desenhos não têm nenhuma relação com o excesso ou ausência de cores da sua impressora. Caso tenha dificuldades nesse sentindo, poderá optar por imprimir em preto e depois você mesmo colorirá o papel ou a transparência. A opção é sua. Imaginemos que você imprimiu numa folha comum (chamada A4), mas as ilustrações estão pequenas demais. Bem, se for a um lugar que tira cópias, poderá pedir que aquela página seja ampliada para o dobro do tamanho (Peça formato A3). Se desejar, peça um tamanho maior. Em copiadoras especializadas, o tamanho poderá chegar até A0 (A zero).

9


Rawderson Rangel

10


3. Contando histórias: Agora que você já preparou o seu material, certamente ele está bonito e chamativo, mas ainda falta uma coisa: dar vida a cada personagem. Você pode e deve se envolver na narrativa a fim de que as crianças se envolvam também. Por exemplo: há vários personagens na sua história? Crie vozes, crie uma personalidade para cada um ou então para os principais. Não fique na mesma entonação, na mesma tonalidade. Se há perigo, mostre com os olhos e com a tonalidade da sua voz que há, sim, perigo! Se a noite chegou, fale baixinho, fale com calma. Os que trabalham com mímica mostram com muita eficiência atitudes e sentimentos usando apenas as expressões do rosto e do corpo, seja nas ruas, na televisão ou até mesmo em um grupo de coreografia. Usando apenas a fisionomia você sabe quando estão assustados, com medo, alegres ou preocupados. Você pode fazer o mesmo! Faça um esforço, pois tornará a história dinâmica e atrativa. Sempre que possível, observe o trabalho destas pessoas e poderá aplicar muita coisa no Reino de Deus. Aqui vale uma ressalva para você que é homem. Se na história houver uma figura feminina, cuidado com a sua maneira de encená-la. De acordo com o que vier a fazer, você estará dizendo a seus ouvintes que é engraçado um homem fazer papel afeminado e isso não condiz com a realidade. Normalmente quando conto uma história que envolve a figura de uma mulher, minha voz não muda e também não uso gestos femininos. E a história não fica prejudicada por isso! Você verá que na narrativa, a 11


Rawderson Rangel

história está na terceira pessoa (ela viu, ela fez, ela limpou...); pense sobre este assunto e tome muito cuidado. Às vezes, porque o pregador dá uma ênfase exagerada na figura feminina na história, as crianças passam a achar engraçado como ele está dramatizando aquela personagem que, ao final, a graça está nos gestos afeminados e não na mensagem que a narrativa deveria apresentar. Pode acontecer também de determinada ênfase acabar com a sua mensagem. Cuidado com isso! Certa vez, em uma igreja, foi apresentada a história de Davi e Golias, com a encenação da batalha entre os dois. Ao final, uma criança, chorando, queria bater no Davi por que ele matou o Golias que “era bem legal”. O que havia acontecido? A pessoa que interpretou o filisteu mostrou-o de uma maneira alegre, bem humorada, divertida. Pronto! Foi fatal para o Davi... Assim, antes de encenar a história, responda a você mesmo: quem é o personagem principal? Que mensagem quer passar para as crianças? Lembre-se da frase do clássico para crianças de Charles Dodson: “Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve.” Muitas pessoas contam histórias para passar o tempo das crianças. Pensando e fazendo assim, qualquer história serve. Você pode ensinar valores totalmente diferentes baseados numa mesma história. Por exemplo: O Nascimento de Jesus pode falar do amor de Deus pela humanidade (Ele enviou seu filho por nos amar), da obediência de quem ama a Deus (Maria que se dispôs a servir ao Senhor); pode falar da proteção de Deus (o Senhor protegeu esta família de Herodes) e até mesmo da sua provisão (presentes valiosos foram entregues à família e certamente os ajudou na viagem e estada no Egito). Aonde você quer chegar ao contar uma história? Ao selecionar um tema, enfatize este assunto. As crianças entenderão o recado, certamente. Não esqueça: a conclusão e a apli12


Manual Prático para o Culto Infantil – Vol. 2

cação de sua história e mensagem são importantes para ensinar a lição às crianças e adultos. Sem essa conclusão e aplicação, previamente definidas qualquer história serve. E, certamente, não é isso que você quer.

13


Rawderson Rangel

14


4. Boletim – preparando esse material para as crianças Se você vai preparar um culto infantil, pense em também preparar um boletim para crianças. Os desenhos que estão no cd que fazem parte deste material o ajudarão a fazer um trabalho mais elaborado e bonito.

4.1. O conteúdo do boletim: Um boletim especialmente preparado para o culto infantil deve conter assuntos do interesse da criançada, como tirinhas bíblicas, de humor, jogos e passatempos. Na Internet existem muitos sites evangélicos que o ajudarão nisso1. Procure com antecedência. O boletim também pode ser enriquecido com cenas para eles pintarem e músicas para que sejam cantadas em casa. Ainda sobre as músicas: ao menos uma delas deve ter uma relação direta com o assunto a ser tratado (amizade, amor de Deus, ajuda ao próximo). Isso é importante e leva a alcançar mais fácil e didaticamente o objetivo proposto. No boletim as crianças poderão anotar os pedidos de oração para levar para casa e orar por aqueles assuntos também. Isso valoriza a oração da criança e ensina os pequenos a depositarem sua fé em Deus por meio da intercessão e da gratidão.

1

Se não tem Internet, poderá usar os marca-páginas como ilustração, por exemplo.

15


Rawderson Rangel

Se a sua igreja tem Culto Infantil Paralelo (aquele que acontece simultaneamente ao dos adultos), o boletim poderá ser utilizado durante todo o mês na classe, com o tema mensal devidamente apresentado. Na Igreja onde fui pastor das crianças, havia o boletim mensal. O tema do mês era o assunto do editorial e as músicas eram ensinadas a partir dele. Os avisos também eram escritos no boletim. Semanalmente mandava imprimir novas cópias porque sempre havia crianças novas e também porque algumas perdiam os exemplares recebidos na semana anterior. Isso valoriza a criança e o seu ministério.

4.2. Como pode ser um boletim: O boletim das crianças pode ter diversos formatos, mas o mais usual é uma folha A4 dobrada em duas partes, ficando bem pequeno. Por fora, na página 1, o editorial ou um desenho. Na página 2, avisos e algo sobre missões, por exemplo. Na página 4, escalas. Quando se abre o boletim, ali estão os cânticos a serem entoados. Observe o modelo abaixo:

16


Manual Prático para o Culto Infantil – Vol. 2

17


Rawderson Rangel

18


5. Convidando crianças para participar de sua mensagem 5.1 A participação das crianças: Chamar uma criança para ajudar você é sempre complicado. Algumas não querem por vergonha, mas a maioria pede e aí fica aquela confusão! Algumas sugestões para resolver o impasse: 1) Pergunte quem quer ajudar. Se só uma levantar a mão, um milagre aconteceu e a questão está resolvida! 2) Se mais crianças quiserem ajudar (o que é muito natural), diga: – Bem, vamos ter que resolver de outra maneira. Quem faz aniversário hoje? (esse pode ser o seu auxiliar) Às vezes acontece de uma criança dizer que é ela a aniversariante; se não for, não se preocupe, há sempre alguém que vai dizer que não é verdade. Se ninguém estiver fazendo aniversário naquele dia, então pergunte: Quem fará aniversário neste mês? Ou: - Quem aniversariou neste mês? 3) “– Vou pedir ajuda de uma criança que começa com a letra ‘A’”. Ou então: “vou pedir ajuda de quem tem seis anos”. E por aí vai... É importante você deixar bem claro que não está manipulando a escolha ou dizendo que é porque aquele menino se comportou, pois isso é relativo. É uma questão de nome, de idade ou de data de aniversário. Quando não se conhece o grupo, é a proposta ideal, pois mostra imparcialidade. Se conhecer bem as 19


Rawderson Rangel

crianças e mais de uma quiser participar, um “par ou ímpar” dos que quiserem colaborar já resolve. Muitas vezes o constrangimento de um líder de crianças à frente de uma atividade na igreja é visível quando ele pergunta: “Quem quer orar hoje?” E nenhuma criança levanta a mão. Resolvo essa questão de uma maneira muito simples: antes do culto começar, converso com quem sei que é desinibido, que está acostumado a falar em público e pergunto a esses se querem me ajudar na oração. Mas é possível dar a oportunidade a outros também! Procedendo desta maneira, a criança sente-se incentivada, prepara-se e na hora da oração não tem nenhuma dificuldade.

5.2. A participação da congregação: Dá para envolver crianças e adultos em sua mensagem? Certamente. Um exemplo: Quando preciso falar de uma tempestade, separo os ouvintes em três grupos. O grupo um fica batendo o pé no chão; o grupo dois fica batendo as mãos nas pernas e o grupo três fica soprando com a boca (esse não faz sempre, por que podem passar mal); o grupo 4 fica batendo palmas. Combino que se levanto a minha mão, o grupo deve intensificar a sua ação. Proceda da seguinte maneira: – Começou um vento (dou sinal para o grupo três, que sopra) bem de leve, depois começou a aumentar, começaram a cair algumas gotas de chuva (grupo dois) que foram aumentando e caiu muita chuva! (dê ênfase, enquanto aponta para o grupo quatro). Era uma chuva tão forte, que chegou a fazer até trovoada! (grupo um) E era muita, muita chuva! (Faça desta maneira, pois com todos envolvidos, fica muito melhor!)

20


6. Antes de preparar o seu sermão, 2 dê uma lida nisto aqui: 6.1. O sermão infantil precisa ser interativo Algumas vezes as circunstâncias mudam um pouco o desenrolar da mensagem e isso é bom, porque muito do conteúdo do sermão acontece a partir desta interação. O pastor deve levar em consideração que o seu sermão e ilustração para crianças devem ser flexíveis. No caso de haver adultos é preciso incluí-los e envolvê-los na hora da mensagem e da aplicação, a fim de que eles entendam que o que está acontecendo é um culto e que deve falar a eles também.

6.2. O sermão infantil precisa ser bíblico e teológico É preciso explicar os versículos do texto aos poucos, para que as crianças possam guardá-los. Geralmente lemos o texto antes ou depois da mensagem, e quando é apenas um versículo ele pode ser decorado e repetido primeiro pelas crianças, depois com toda a igreja.

6.3. Todo o apelo num sermão para crianças é difícil A criança, juntamente com a congregação, vem acompanhando com muita atenção o que você está dizendo. A criança, 2

RANGEL, Rawderson; Xavier, Manoel - Manual prático para o Culto Infantil. 2 ed. Curitiba: A. D. Santos Editora, 2006. 120 p. P. 19-23.

21


Rawderson Rangel

porém, sente quando você não se dirige a ela diretamente e sim aos adultos que estão com você. Isso ocorre no momento final do seu sermão, quando está levando a congregação a uma resposta à sua mensagem (apelo). Em breves segundos, olha para os adultos e os faz refletir a respeito do que ouviram. Pronto! Segundos, apenas, são suficientes para que as crianças dispersem. Sendo assim, duas considerações devem estar em sua mente: primeiro, seja breve e objetivo no seu apelo. Segundo, tenha paciência quanto à reação das crianças, pois isso é normal. Seja claro quanto ao que pretende. “– Se você já convidou Jesus para limpar o seu coração e ser o seu Salvador, você não precisa fazer isso de novo. Uma vez só é suficiente”. “Você vai convidar Jesus para limpar o seu coração, só se você nunca fez isso.” Procure deixar bem claro que a criança que já aceitou a Cristo como o seu Salvador não precisa repetir o gesto de levantar a mão. Quanto ao momento de levar as crianças à frente, convém que diga: “– Gostaria que as crianças que levantaram a mão viessem à frente. Somente as que levantaram a mão. Se você, criança, levantou a mão, então venha aqui à frente”. Ah! E não diga que tem uma surpresa para aquelas que estão indo à frente, pois isso levará todo o auditório à frente. A criança deve ir à frente dizendo que está aceitando a Jesus e não para dizer que quer a surpresa.

22


7. Mensagens para Culto Infantil 7.1. Mensagens evangelísticas Mensagem 1 Tema: DEIXE DEUS CUIDAR DE SUA VIDA Texto: Salmos 37.5; 1 Pedro 5.7 Objetivo geral: Evangelístico/ Doutrinário Material necessário: um carrinho que anda com controle remoto, dois controles (sendo um deles do próprio carrinho). Uma pessoa para ajudar. Opcional: um balde.

Antes da mensagem: faça um teste com a pessoa que vai auxiliá-lo. Treinem os dois. Veja se do local onde seu ajudante ficará escondido, ele consegue manipular bem o carrinho. É importante observar também se não haverá interferência dos microfones (microfone sem fio, por exemplo) no controle do carrinho. Mensagem: você já viu como funciona este carrinho? Olhe bem. Com o controle faço com que ele ande para a frente e para trás (importante: este controle não movimenta o carrinho. Isso é 23


Rawderson Rangel

combinado com a pessoa que está ajudando). Com o controle, o carrinho pode ser movimentado para onde a pessoa quiser. É claro que eu preciso cuidar com os acidentes que podem acontecer. Por exemplo: em cima da mesa, preciso tomar cuidado para que ele não caia; no chão, preciso tomar cuidado para que ele não bata em nada. (O pregador diz: “Olhe, ele vai pra frente!” e a pessoa com o verdadeiro controle aciona o carrinho pra frente. O pregador diz: “Agora, ele vai dar a ré!” e o carrinho vai de ré, pois a pessoa com o verdadeiro controle, aciona o carrinho para trás.) Querem fazer uma experiência? (chame uma criança para ajudar). Olhe, pegue este controle e mande o carrinho para a frente (a criança vai apertar o controle e o seu auxiliar vai mandar o carrinho pra trás). Não, pra frente! (o mesmo vai acontecer). Tá bom, tá bom, então mande o carrinho pra trás (o seu auxiliar manda o carrinho pra frente). Tudo errado! Obedeça ao que eu lhe digo, menino! Troque de criança e o mesmo vai acontecer. Isso vai gerar uma inquietação muito grande no auditório. Peça ajuda de adultos também. O mesmo vai acontecer: você vai dizer para o carrinho ir para a frente e ele vai para trás e vice-versa... Importante: Em alguns momentos, o carrinho sobre a mesa quase cai no chão, ou então ele bate em jarros que enfeitam o templo. Isso será importante na aplicação da mensagem. Você vai concluir que parece que o carrinho tem vida, tem vontade própria, faz o que quer... Sabem, esse carrinho faz lembrar certas pessoas. É... algumas se parecem com este carrinho. Muitas vezes, Deus quer dirigir a nossa vida, mas nós não deixamos. Queremos fazer do nosso jeito. E, sabe o que acontece quando fazemos da nossa maneira? Muitas vezes acidentes acontecem. Vocês viram que o carrinho quase caiu

24


Manual Prático para o Culto Infantil – Vol. 2

da mesa? Viram que ele batia nos vasos de plantas? Pois é, assim também acontece com a gente. Muitas vezes queremos cuidar da nossa vida porque queremos resolver tudo logo. Da nossa maneira. Não deixamos Deus tomar conta das coisas. E aí, problemas acontecem... Muitas pessoas têm medo de entregar a sua vida para Deus cuidar. Mas em 1 Pedro 5.7 está escrito: “Entreguem as suas preocupações a Deus, pois ele cuida de vocês”. O texto está dizendo que se Deus dirigir a minha vida tudo vai acontecer como ele quiser. (Pegue o controle novamente e mostre: pra frente, e o carrinho vai pra frente, pra trás, e o carrinho vai pra trás... diga bem alto, para seu auxiliar saber que é você quem está com o controle). Há outro texto que fala muito bem sobre isso: Salmo 37.5: “Entrega teu caminho ao Senhor, confia nele e ele tudo fará”. Sabe o que quer dizer este versículo? Deixe Deus tomar conta de sua vida, e todas as coisas serão dirigidas por ele. Há muitas pessoas que não fazem o que Deus quer que elas façam. Acham que será melhor do jeito delas. Às vezes, do jeito de Deus, dá muito trabalho. Tem que esperar Deus cuidar, responder, fazer o que a Bíblia ensina, ficar sempre orando, esperando que ele dê a resposta... Para muita gente, isso dá muito trabalho. Aí eles dizem: “Quer saber? Eu mesmo vou dirigir a minha vida!” E aí... (dê o controle para uma criança e diga para ela andar pra frente. O carrinho vai andar pra trás e vai bater em alguma coisa) muitas vezes vai se dar mal. Há outras pessoas que fazem as coisas erradas (mande a criança andar com o carrinho pra frente. O carrinho vai andar pra trás e vai cair no balde) e depois dizem: “Puxa vida, por que isso aconteceu comigo? Por que é que Deus deixou que isso acontecesse comigo?” O Salmo 37.5 diz: “Entrega teu caminho ao Senhor, confia nele e ele tudo fará”. 25


Rawderson Rangel

Conclusão: que tal deixar Deus tomar conta da nossa vida? Pode dar mais trabalho, mas é sempre a melhor decisão. Deus já tem o controle da sua vida? Jesus é o Senhor da sua vida? Por que o medo? Você tem mais receio de entregar e confiar do que andar correndo o risco de se arrepender depois? Pense nisso! Observação: No final, pode mostrar às crianças a outra pessoa, se quiser. É uma forma de não enganá-las. Explique que fez isso para apresentar-lhes a mensagem. Esta ilustração se aplica também ao texto de Paulo que está em Romanos 7.19: “Pois não faço o bem que quero, mas justamente o mal que não quero fazer é que eu faço”. É um pouco complexo para as crianças, mas os adolescentes e jovens, certamente entenderão.

26


Manual Prático para o Culto Infantil – Volume 2