Page 1


Copyright©2018 por Carlos Borrelli

Todos os direitos reservados por: A. D. Santos Editora Al. Júlia da Costa, 215 80410-070 Curitiba – Paraná – Brasil +55(41)3207-8585 www.adsantos.com.br editora@adsantos.com.br

Capa:  APS Diagramação e projeto gráfico:   Manoel Menezes Coordenação editorial:   Priscila Laranjeira Impressão e acabamento: Gráfica Patras

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) BORRELLI, Carlos. Caminhando com Deus – Manual Prático para Discipulado e Evangelismo / Carlos Borrelli – A.D. Santos Editora, Curitiba, 2018. 240 páginas. ISBN – 978.85.7459-503-0 CDD 230 1. Fé cristã   2. Teologia e Cristianismo CDD 248-4 1. Crença e dúvida   2. Fé e vida cristã

1ª Edição: Dezembro / 2018.

I. Título

Proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios a não ser em citações breves, com indicação da fonte.

Edição e Distribuição:


AGRADECIMENTOS

A

elaboração deste trabalho não teria sido possível sem a colaboração, estímulo e empenho de diversas pessoas. Gostaria, por este fato, de expressar toda a minha gratidão e apreço a todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram para que esta tarefa se tornasse realidade. Em primeiro lugar, agradeço ao nosso Deus Todo Poderoso, ao Seu filho Jesus Cristo e ao amado Conselheiro e Consolador, o Deus Espírito Santo, que colocou em meu coração o desejo de escrever sobre evangelismo e discipulado. Obrigado Senhor por confiar em mim e por me permitir colaborar com o Seu Reino. Agradeço à minha amada esposa Janice e aos meus filhos Roberta e Pedro, pelo precioso incentivo, aos quais peço desculpas por ter-lhes roubado horas de convívio para a elaboração deste livro. Agradeço ao meu amado Pastor Sebastião Brito Netto, exemplo a ser seguido, que tanto admiro pela forma humilde e paciente de compartilhar o seu amor com suas ovelhas, em nome de quem também agradeço a todo corpo pastoral da Igreja Batista da Alameda, da qual sou membro, por todo cuidado, ensinamento e carinho a mim dispensados. Aos meus irmãos, amigos e também incentivadores, Maurício Almeida e Celso Romão de Lima, que acreditaram nesse projeto quando apenas era uma ideia. Obrigado por me corrigirem e por me exortarem. Suas amizades são preciosas. Ao meu irmão, amigo, parceiro de tênis, colega de trabalho (chefe) e também incentivador, Altivo Augusto Alves Meyer, fundador da Meyer Advogados Associados, empresa da qual tenho uma ∙ 3


alegria incomensurável de fazer parte. Agradeço-lhe por permitir a viabilização deste conteúdo. Ao meu amigo de todas as horas, meu irmão e também incentivador, Marco Antônio Meyer, que de igual forma acreditou nesse projeto. Muito obrigado pela sua tão maravilhosa amizade. Agradeço, ainda, aos amados pastores Adjames e Elaine Sousa, pelo carinho, incentivo e pela amizade. Não posso deixar de registar o meu agradecimento à Lilian Sobreira Gonçalves, que fez toda revisão e correção dos capítulos, deixando-os melhor. Muito obrigado, minha irmã. Por fim, agradeço a toda as pessoas de direta ou indiretamente colaboraram para a realização deste trabalho.

Agradecimento especial Ao meu amado irmão, amigo, incentivador e orientador, Pastor Oswaldo Lôbo Jr., mentor desta obra. Eu gostaria de lhe agradecer pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou, pela sua capacidade de me olhar devagar, já que nessa vida muita gente já me olhou depressa demais. Carlos Borrelli

4 ∙


DEDICATÓRIA

A

os meus pais, Alceu e Regina, pelo dom da vida, por tudo o que eles são e, em especial, por terem me transmitido um caráter íntegro. Serei sempre devedor. Obrigado por tudo! À minha esposa Janice e aos meus filhos Roberta e Pedro, servos do Senhor, família preciosa que o Pai me deu. Amo vocês com todas as palavras, letras e pronúncias, em todas as línguas e sotaques, em todos os sentidos e jeitos, com todas as circunstâncias e motivos. Obrigado por tornarem a minha vida melhor e por me amarem, apesar de mim. A você, meu caro leitor(a), em que espero que este modesto trabalho possa, de alguma forma, contribuir para a sua formação espiritual. Finalmente, dedico, de forma bastante especial, a Jesus Cristo, para que Ele receba, ainda que de forma bastante simples, a recompensa por tudo o que fez na Cruz. Ele mudou a minha história, me deu a vitória, e hoje escrevo a Ele e dou glória. Estou firmado na rocha da minha salvação. Levantou-me, restaurou a minha vida, me deu esperança e mostrou a saída. Ele é o meu Rei e Senhor, dono do meu coração.

∙ 5


Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim. (Mateus 14.6) E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. ( João 8.32)

6 ∙


Prefácio

O autor dessa obra é um fiel amigo e companheiro de longa

jornada ministerial e que faz parte de uma nova geração de líderes que tem trabalhado eficientemente em prol da educação, da saúde espiritual e da qualidade do crescimento da Igreja. Seu Caminhando com Deus traduz a essência da dedicação e eficiência do seu ministério e traz uma rica contribuição para todos aqueles que primam pela excelência da educação bíblica e cristã. Esse livro é lançado em um tempo em que a Igreja de Cristo vem sofrendo diversos ataques às bases que sustentam a verdadeira sã doutrina e que têm conspirado contra a atividade da docência cristã, e que ainda experimenta, em quase todas denominações, a ausência de fontes de pesquisa confiáveis e de conteúdos programáticos relevantes ao processo ensino-aprendizagem de alunos de escolas bíblicas, bem como de formação de líderes cristãos. Além disso, vivemos num período em que testemunhamos a quase absoluta inexistência de um currículo mínimo bem delineado e capaz de nortear os objetivos gerais e específicos para que um aluno possa alcançar a maturidade da fé e do conhecimento de Cristo, sem falar de uma ostensiva falta de interesse e incentivo de algumas igrejas para com seus líderes e educadores, que vêm agravando o quadro do ensino religioso de corte cristão evangélico. Por essas razões, há tempos os educadores cristãos têm buscado instrumentos pedagógicos e materiais teológicos que os auxiliem na árdua tarefa de promover a educação dentro dos padrões bíblicos e contextualizados com a vida moderna. E foi neste sentido que o autor se dedicou para construir esta verdadeira ferramenta educacional que dará o suporte necessário para que professores possam ∙ 7


organizar suas atividades de ensino bíblico e sistematizar todas as ações necessárias ao objetivo final da educação, a aprendizagem. O livro “Caminhando com Deus”, de forma indelével, cumpre a tarefa de preencher esta lacuna na educação cristã e alcançou dois grandes méritos contra os óbices tratados anteriormente, ao descortinar de forma tremendamente inspirativa e bíblica os principais fundamentos da jornada espiritual de fé em Cristo e proporcionando uma ampla compreensão que renova a mente, empodera a vontade e nos alinha com os valores do Reino de Deus. O autor, em sua primeira obra, empregou sua larga experiência de anos à frente da cátedra e estabeleceu um conteúdo abrangente e capaz de atender o corpo docente e discente de nossas igrejas de forma notável. Esse livro compreende uma coletânea de ensinos contextualizados com os fundamentos da educação cristã e que deve atender à demanda de igrejas, convenções, alianças ministeriais e educadores das diversas denominações cristãs que aspiram por um rebanho saudável espiritualmente e livre de doutrinas estranhas ao Evangelho da Cruz. Ao empregar textos elaborados com muita clareza, conseguiu promover o ensino de forma simples e contextualizada com a doutrina de fé reformada, além de manter em cada linha o comprometimento de traçar uma trajetória que leve o aluno ao conhecimento de Cristo em absoluta concordância com as Sagradas Escrituras. Ao concluir a leitura deste manuscrito estou certo de que o leitor terá em suas mãos um livro formidável cujo conteúdo será uma ferramenta poderosa para suprir ministérios, igreja e professores a enfrentarem todas as carências educacionais cristãs contemporâneas. Pr. Oswaldo Lobo Jr Pastor Sênior da Igreja Batista de Bom Retiro em Curitiba – PR Diretor do Instituto Exodus de Libertação e Batalha Espiritual Autor dos Livros “Autoridade Sobre as Trevas”, “Blindagem Contra as Trevas”, “Sangue nos Umbrais” e “Estágio de Guerra Espiritual”. 8 ∙


SUMÁRIO Agradecimentos_______________________________________ 3 Dedicatória___________________________________________ 5 Prefácio______________________________________________ 7 Introdução___________________________________________ 11

Capítulo 1 Bíblia, a Palavra de Deus_____________________________ 15 Capítulo 2 A Revelação de Deus_______________________________ 49 Capítulo 3 O Pecado_________________________________________ 71 Capítulo 4 A Pessoa de Cristo_________________________________ 89

Capítulo 5 A Obra do Espírito Santo__________________________ 107 Capítulo 6 Santidade_______________________________________ 127 Capítulo 7 A Igreja, o Corpo de Cristo_________________________ 147 Capítulo 8 A Eternidade____________________________________ 165 Capítulo 9 A Oração________________________________________ 195 Capítulo 10 As Duas Ordenanças: Ceia e Batismo_________________ 223 ∙ 9


10 ∙


INTRODUÇÃO

A

chegada de uma pessoa à igreja, vinda de outras confissões religiosas e desacostumada com o Cristianismo e seu vocabulário é, para ela, um novo e delicado momento, pois, chegam confusas em razão do pluralismo religioso. As pessoas, em sua maioria, são dotadas de grande dose de ignorância acerca do conteúdo da Bíblia e mais especificamente sobre a pessoa de Jesus e do Seu Ministério. Quase a totalidade desconhece o porquê da Cruz. Além deste aspecto, muitas igrejas travestidas de evangélicas, que são verdadeiras seitas, deixam-se seduzir por heresias, afastando-se diuturnamente da sã doutrina, oferecendo facilidades e soluções rápidas às mazelas sociais, manipulando as massas populares. Por essa razão, se o novo convertido não for cuidado e não ficar estabelecido um processo para o seu crescimento espiritual, ficará, com certeza, desorientado, estagnado e pouco provável cumprirá o seu papel no corpo de Cristo. Para que isso não aconteça, é necessário que se proporcione a ele um suporte para que possa se desenvolver espiritualmente. É mandamento do próprio Cristo que todo membro do seu corpo faça discípulos de todas as nações. No entanto, é inútil ganhar pessoas sem torná-las discípulas, sem ter condições de mantê-las no aprisco. A Bíblia compara o crescimento espiritual ao crescimento humano, pois, em 1 Pedro 2.2, nos diz que devemos desejar ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, nos seja dado o crescimento para a salvação. ∙ 11


Caminhando com Deus

Na sequência, em Efésios 4.1 e em 1 Coríntios 13.11, o Apóstolo Paulo fala do menino espiritual, que é a fase em que o discípulo passa a experimentar alimento mais sólido (Hebreus 5.14). Indo adiante, surge o homem espiritual (Efésios 4.11-13), aquele que é maduro ou completo. Jesus nos manda fazer discípulos, ou seja, ganhar almas e, uma vez assim feito, devemos ensinar-lhes afim de que possa crescer espiritualmente para perseverarem até o fim (Mateus 24.13). Nestes 20 anos de conversão e caminhada cristã, principalmente como líder de célula, tenho caminhado com inúmeras pessoas recém convertidas ou até mesmo vindas de outras denominações. Surge, então, o desafio de lidarmos com o secularismo e/ou com o pluralismo religioso, que nos manda toleramos as diferenças e que a “espiritualidade” é uma coisa boa. Porém, tenho observado que a igreja contemporânea se esforça para ganhar almas, cumprindo, assim, o “ide”, mas negligencia o ensino da Palavra, não proporcionando a firmeza necessária e devida ao novo convertido, mantendo-o por muito tempo um “bebê espiritual”, fazendo-o cuidar-se de si próprio. Portanto, se não receber o cuidado específico “morrerá” na caminhada. Então, o segredo para a evolução eficaz está no discipulado que, se corretamente utilizado, proporcionará ao novo convertido um crescimento automático, pois, nós somente obedecemos, já que quem faz a obra é o Espírito Santo. Os maiores líderes geram grandes líderes, pois, a transferência acontece através do discipulado. Deus nos chamou para o cumprimento dos seus planos, dos seus propósitos, que inclui ensinar outras pessoas, para que a caminhada cristã seja plena de conquistas. 12 ∙


Introdução

Ele deseja formar em você o Seu caráter para que o transfira a outras pessoas. Assim, se você está lendo este livro é porque sentiu o desejo em seu coração de crescer espiritualmente e, provavelmente, já percebeu que ser cristão, vai muito além de apenas crer em Jesus como seu Salvador. Nessa etapa, você terá a oportunidade de permitir que Cristo aperfeiçoe a boa obre que Ele começou em sua vida. Sendo assim, este material tem como objetivo proporcionar ao novo convertido a aprendizagem e consolidação dos fundamentos básicos do Cristianismo, como um verdadeiro antídoto contra as heresias, para ajudá-lo a se tornar um verdadeiro discípulo de Jesus, e multiplicador de novos discípulos. Creio profundamente que os novos convertidos somente estarão livres do pluralismo religioso através de um trabalho sério de integração e discipulado, onde sejam orientados através de um ensino sistemático da Palavra de Deus e debaixo da unção divina. Quando o novo crente descobrir a fonte (Palavra de Deus), através do discipulado, o assédio de Satanás não o fará se perder, pois ele estará edificado sobre a rocha (Lucas 6.48). Este livro não foi escrito com a intenção de ser a última palavra no uso do discipulado como ferramenta de ensino Bíblico básico. O meu objetivo é o de ajudar e facilitar no desenvolvimento e crescimento espiritual saudável do novo na fé, que poderá ser usado no estudo individual, em pequenos grupos e nos estudos Bíblicos das igrejas. Oro, de todo o meu coração, para que cada novo convertido que vier a estudar este conteúdo possa verdadeiramente ter um encontro com Deus. ∙ 13


14 ∙


CAPÍTULO

1

BÍBLIA, A PALAVRA DE DEUS Este capítulo tem por finalidade explicar o que é a Bíblia, qual a sua importância, quem é o personagem principal, quando foi escrita, quais são as versões de Bíblias existentes, qual é a sua estrutura e quem são os seus autores, e se ela é ou não confiável, além das suas principais características e como podemos aplicá-la em nossas vidas.

O que é a Bíblia?

Você se lembra de alguma ocasião em que recebeu um belo

presente de um amigo especial? Se sim, provavelmente tenha sido algo não só emocionante como animador. ∙ 15


Caminhando com Deus

Um presente sempre revela algo a respeito de quem o dá e que a pessoa valoriza sua amizade. Não tenho dúvidas de que você agradeceu o amável presente do seu amigo. Para nós cristãos, a Bíblia é um maravilhoso presente de Deus, pelo qual somos muito gratos. Ela nos revela coisas que jamais saberíamos de outra forma, dentre as quais a criação do Universo, dos céus, da Terra, do primeiro homem e da primeira mulher, do pecado, da queda do homem e, como consequência, do seu plano de salvação para todos nós. Devido ao Seu grande amor pela humanidade caída, o próprio Deus se encarregou de colocar vários princípios na Bíblia para nos ajudar a enfrentarmos nossos problemas diários, bem como as ansiedades da vida e, além disso, nos revela o seu maravilhoso plano de salvação. Que presente emocionante é a Bíblia! A Bíblia é o livro sagrado dos cristãos. É a Palavra de Deus revelada e registrada em uma coleção de livros escritos durante séculos. Também é conhecida como “As Escrituras Sagradas”. A Bíblia possui duas naturezas: uma humana e outra divina. A natureza humana significa que ela foi escrita por homens. Já a divina, quer dizer que ela, apesar de ter sido escrita por homens, foi integralmente inspirada pelo próprio Deus, letra por letra, palavra por palavra. Na versão aceita pelos evangélicos, é um conjunto de 66 livros, sendo que 39 deles fazem parte da divisão que se chama Antigo Testamento e 27 da parte denominada Novo Testamento, conforme veremos mais tarde com maiores detalhes. Mas, a Bíblia não é um livro comum, no sentido de unidade em seu conteúdo, ou seja, um livro único, como, por exemplo, um romance. Muitos pensadores têm debatido questões existenciais durante séculos! Será que surgimos por mera obra do acaso? Será que realmente há alguma razão para existirmos? 16 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Naturalmente, muitas respostas e teorias foram formuladas a esse respeito e, como não poderia ser diferente, a Bíblia também apresenta respostas para estas questões. Ela se diferencia dos demais livros por ser a Palavra viva do Deus vivo, Palavra que liberta o homem das garras do inimigo. A mensagem dos Profetas e dos Apóstolos equivale à fala direta do próprio Deus para o homem, conforme está escrito no Livro de Deuteronômio (Antigo Testamento, capítulo 18, versículo 19): “Se alguém não ouvir as Minhas palavras, que o profeta falará em Meu nome, Eu mesmo lhe pedirei contas.” Além de tudo, a Bíblia possui, inegavelmente, um poder de transformação e direcionamento para as sociedades. Não é por outra razão que os governos autoritários lutam veemente contra a influência que ela produz nas pessoas, ao ponto de proibir a sua leitura e divulgação. A origem da palavra bíblia é bastante antiga. Sabe-se que a forma mais primitiva de livro que se tem notícia era o rolo de papiro, usado pelos antigos egípcios, assim como pelos gregos e romanos para escrever. Originado de uma planta nascida às margens do Rio Nilo (Egito), o papiro é obtido da utilização da parte interna, branca e esponjosa do caule do papiro, cortado em finas tiras que eram posteriormente molhadas, sobrepostas e cruzadas, para depois serem prensadas. A folha obtida era martelada, alisada e colada ao lado de outras folhas para formar uma longa fita que era depois enrolada. A escrita dava-se paralelamente às fibras. A palavra grega para o papiro era biblos, nome de uma cidade da Fenícia que  possuía um  porto (atualmente a cidade chama-se Jubail, que fica no Líbano). Essa cidade era famosa pela exportação de papiro, devido à grande quantidade da planta existente em seu território.  ∙ 17


Caminhando com Deus

Por isso, os gregos chamavam o papiro de Biblos, nome original de onde eles vinham. Os fenícios faziam parte de uma das mais importantes civilizações da Antiguidade – a civilização fenícia. Viviam no Norte da Palestina, entre o Mar Mediterrâneo e o território que hoje corresponde ao Líbano, Síria e Israel. Eram conhecidos como o “povo do mar”. Isso porque eles foram grandes mercadores marítimos e contribuíram para o desenvolvimento da Astronomia.

O plural de biblos em grego era ta bíblia, que significava literalmente livros. A partir daí, acabou entrando para o idioma latim1 eclesiástico para designar o conjunto de livros sagrados que compõem a Bíblia. Desta forma, “Bíblia”, na forma como a conhecemos hoje, vem do grego (biblion) e significa coleção, conjunto de livros sagrados. Além do papiro, a Bíblia também foi escrita por meio de tábuas de pedra, utilizada, por exemplo, por Moisés para registrar os Dez Mandamentos dados a ele por Deus, conforme descrito no livro de Êxodo, capítulo 24, versículo 12 (Antigo Testamento). 1

Língua indo-europeia falada pelos habitantes do Lácio e língua oficial do Império Romano, que hoje é morta.

18 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Outro material utilizado para escrita na época era o pergaminho, empregado na forma de rolo desde o século XVII antes de Cristo. Era feito de couro de animal curtido até que ficasse bem macio, sendo deixado numa espécie de cal para que ficasse branco, servindo de verdadeiro papel. O pergaminho media uns 7 (sete) metros de cumprimento e, quando costurados ou colados, chegavam a medir até 20 metros. Como as peles de cabras e ovelhas eram facilmente obtidas pelos israelitas, faziam uso desse material para posteriores cópias das Sagradas Escrituras. Por fim, existem os manuscritos. No ano de 1947, em cavernas de Qumram, próximas ao Mar Morto, no Deserto da Judeia, em Israel, foram descobertos um livro completo do Profeta Isaías e fragmentos de todos os demais livros do Antigo Testamento, com a exceção do Livro de Ester. Este achado fez com que os estudiosos se aproximassem mais de 1.000 anos dos textos originais do Antigo Testamento, a que se deu o nome de “autógrafo”, pois a sua data é de 100 a.C. (antes de Cristo). Para se ter uma ideia, até então, o manuscrito mais antigo conhecido à época, com a exceção do Papiro Nash (que representava o mais antigo manuscrito Bíblico em língua hebraica, descoberto em 1902 no Médio Egito), era o Codex Orientalis de Londres, composto apenas por fragmentos, datado da metade do século IX (ano 801 ao ano 900) d.C. (depois de Cristo). O Papiro Nash contém dois trechos de Êxodo e do Deuteronômio, dentre os quais os Dez Mandamentos, ambos pertencentes ao Antigo Testamento. Assim, a Bíblia pode ser definida como sendo o livro sagrado que é a Palavra de Deus, escrita por diferentes autores, mediante a revelação do Espírito Santo.

∙ 19


Caminhando com Deus

Qual é a importância da Bíblia e quais são os aspectos que a distingue dos demais livros? A importância2 da Bíblia é imensa pelas seguintes razões: a. É a revelação de Deus ao homem A palavra revelação significa desvendar, tornar conhecido aquilo que estava oculto. Assim, revelação é a manifestação que Deus fez de si mesmo aos homens, permitindo que todos nós conhecêssemos um pouco Dele e da sua vontade. Sem essa revelação, Deus jamais poderia ser conhecido. Deus se revela ao homem de duas formas, uma geral e outra especial. A revelação geral é aquela que Deus faz de si e de seus propósitos a todas as pessoas, em todos os lugares e em todos os tempos, e o faz através da sua criação, por meio da história e da consciência humana. A revelação especial é a revelação que Deus faz de si para certas pessoas, em tempos e lugares definidos, possibilitando que essas pessoas o conheçam um pouco melhor, o que se dá através de eventos históricos, palavras proféticas, milagres e, principalmente, Jesus Cristo. b. Com relação à salvação do homem Significa que toda a unidade da Bíblia (o seu conteúdo), gira em torno da salvação do homem. Ela nos mostra que Deus nos dá a salvação e nos aponta quem está apto a recebê-la, que são todos aqueles que, mediante a fé em Jesus Cristo, formam o povo de Deus, a Igreja de Cristo, conforme está escrito no Livro de Atos dos Apóstolos, capítulo 13, versos 16 ao 40 (Novo Testamento). A Bíblia ainda realça que Jesus Cristo é o caminho, a verdade e a vida, e que ninguém vai ao Pai senão por Ele ( João 14.6).

2

www. monografias;brasileiras.uol.com.br/religião-a-biblia.

20 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

c. Como referência à verdade Um dos assuntos da Bíblia é a revelação da verdade que o homem tanto deseja saber a respeito da vida. É através das Sagradas Escrituras que Deus nos mostra que a verdade acerca da existência e destino final do homem estão além da nossa capacidade de compreensão, e que somente Ele, em Sua Onisciência e Soberania, pode nos dar a conhecer. No Evangelho de João, capítulo 17, versículo 17, assim consta: “Santifica-nos na verdade: a Tua palavra é a verdade.” d. Porque apresenta Jesus Cristo como personagem central Através dos 66 livros que a compõem, desde Gênesis (primeiro livro – Antigo Testamento) até o Apocalipse (último livro – Novo Testamento), a Bíblia faz referência a Jesus Cristo, como sendo o agente usado por Deus para outorgar a salvação ao homem. No Antigo Testamento, este fato é mencionado por diversas e contínuas vezes, de forma explícita. Assim, é a pessoa de Jesus Cristo que facilita a coesão e unidade de todos os escritos Bíblicos. Por esta razão é que não há contradição na Bíblia. As referências acerca do plano de salvação são por demais claras nas Escrituras Sagradas, indicando que tal plano somente seria possível através de Jesus Cristo, de Seu ministério, de Seu sacrifício na cruz do Calvário e de Sua ressurreição, a fim de tornar justa a humanidade diante de Deus. Então, a Bíblia é importante porque conduz o homem pecador ao seu Redentor. Além de tudo isto, a Bíblia desempenha um papel fundamental no estabelecimento de valores sociais. Na família, por exemplo, o seu ideal é no sentido que o homem seja casado para sempre com uma única mulher, cujo objetivo é o de proporcionar um fortíssimo alicerce para qualquer sociedade. A Bíblia também proclama a dig∙ 21


Caminhando com Deus

nidade do homem, da mulher e da criança. Homens e mulheres são iguais perante Deus. Na Epístola (carta) do Apóstolo Paulo aos Efésios (Novo Testamento), no capítulo 5, versículo 25, o Senhor adverte o marido a que ame a sua esposa, assim como Cristo amou a Igreja e deu a sua vida por ela. No capítulo 6, alerta os pais para não tratarem os seus filhos de forma que fiquem irritados, mas manda que os disciplinem com ensinamentos cristãos. Quanto à esposa, no versículo 33 do capítulo 5, há uma advertência para que respeite o seu marido. Por fim, na Epístola do Apóstolo Paulo aos Colossenses (também no Novo Testamento), no capítulo 3, versículo 19 e 20, há um mandamento para que o marido ame a sua esposa e não seja grosseiro com ela, bem como para que os filhos obedeçam sempre a seus pais, porque Deus gosta disso. No trabalho, a Bíblia nos ensina a fazer para os outros aquilo que queremos que nos façam. Ensina-nos, ainda, a respeito das responsabilidades dos patrões e dos empregados (Efésios 6.5-9 e Colossenses 3.22-24 e 4.1). Imaginem se os patrões e os empregados seguissem esses princípios, os conflitos trabalhistas iriam desaparecer. Nas questões raciais, a Bíblia descarta e abomina qualquer tipo de discriminação. O Apóstolo Tiago, irmão de Jesus, ao escrever a sua carta, no capítulo 2, versículos 8 e 9, diz que nós devermos amar uns aos outros como a nós mesmos e que se tratarmos as pessoas pela aparência estaremos pecando. Quanto às questões legais, a Bíblia teve influência bastante significativa em legislações penais de inúmeros países, a exemplo do Brasil, pois, o artigo 121 do Código Penal proíbe o homicídio; o artigo 155 proíbe o furto; o artigo 157 proíbe o roubo. Certamente o legislador brasileiro teve como base os Dez Mandamentos (não matarás, não roubarás, etc.). 22 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

No que se refere às questões humanitárias, a Bíblia nos ensina a cuidarmos das famílias, dos necessitados, dos famintos e dos que precisam de ajuda para sobreviver. Veja-se, como exemplo, hospitais, centro de apoios, etc. Nos governos, a Bíblia deixou a sua contribuição, a exemplo da Magna Carta (Constituição de um país – lei máxima) e da Declaração de Independência. Quanto à instrução e ao ensino, o Cristianismo é a religião da palavra escrita, e um dos seus ideais é a promoção do ensino para que as pessoas possam lera Bíblia. Referentemente às artes e na música, a Bíblia também influenciou a nossa cultura, tais como: • Michelângelo: paisagens bíblicas, Capela Sistina, escultura em pedra de Jesus morto no colo de sua mãe; • Leonardo da Vinci: a Última Ceia; • Rembrandt: Jesus sendo retirado da cruz após a sua morte; • Lutero: hino Castelo Forte. São nestes aspectos que a Bíblia se distingue dos demais livros. O seu personagem principal é JESUS CRISTO!

Atividades de autoavaliação 1. Que evidências você tem tido de que a Bíblia veio de Deus e é única? – Histórias:

∙ 23


Caminhando com Deus

– Na própria Bíblia:

– Pessoais:

2. Você hoje teria a confiança de afirmar para qualquer pessoa que a Bíblia é capaz de resistir a qualquer investigação ou questionamento? Por quê?

3. O que você diria se alguém lhe afirmasse que a Bíblia é um livro qualquer?

24 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Quando a Bíblia foi escrita?

Como vimos anteriormente, a Bíblia é uma coleção de livros que foram escritos em lugares diferentes, por vários autores e com vários objetivos distintos, em várias épocas. Neste momento, você pode estar perguntando: Como, então, estes livros foram unidos formando-se a Bíblia na forma como a conhecemos hoje? A Bíblia tem a sua origem sobre-humana no que se refere ao seu conteúdo, mas tem uma história humana no que se refere à sua escrita e preservação.3 Foi escrita ao longo de mais de 1.500 anos, entre 1.500-1.400 a.C. e 100 d.C. O Velho Testamento foi escrito nos tempos de Moisés (1.500 – 1.400 a.C.) e o retorno dos Israelitas do exílio na Babilônia (400 a.C.). O Novo Testamento foi escrito depois da morte e ressurreição de Jesus Cristo, o que aconteceu provavelmente entre 40 d.C. e 100 d.C. 3

https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1200002893 MANUSCRITOS DA BÍBLIA. Estudo Perspicaz das Escrituras, Vol. 2 Escritura-Mísia.

∙ 25


Caminhando com Deus

Atualmente, é considerada a obra mais vendida no mundo, disponível em 2.600 idiomas.

Quantos são as versões de Bíblia existentes? Você sabia que existem três tipos de Bíblia? São elas: a Hebraica, a Protestante (Evangélica) e a Católica. A Bíblia Hebraica é composta apenas pelos livros que compõem o Antigo Testamento. A bem da verdade, os judeus não a chamam de Bíblia, termos este usado apenas pelos cristãos, para designar “coleção de livros” sagrados. Os judeus a denominam de “TANAK”, que nada mais é do que uma abreviação das três divisões do Antigo Testamento que consideram autoridade. São eles: a Torá (Lei), o Neviim (Profetas) e o Ketuvim (Escritos). A Bíblia Protestante ou Evangélica é composta pelo Antigo e Novo Testamentos. Em relação ao Antigo Testamento, além dos mesmos livros da Bíblia Hebraica, contém outros tantos, com ordem diferente, conforme a tradição cristã. A Bíblia Católica, por sua vez, é igual à Bíblia Protestante no que diz respeito ao Novo Testamento e na mesma ordem. Porém, quanto ao Antigo Testamento, além dos mesmos livros da Bíblia Protestante, possui 7 Livros a mais, conhecidos como Deuterocanônicos. São ele: Tobias, Judite, 1 Macabeus, 2 Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico e Baruc, além de significativos acréscimos no Livro de Daniel e outros escritos.

26 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Atividades de autoavaliação: 1. Descreva quantas versões da Bíblia existem:

2. Quais os livros da Bíblia Católica que não existem na Bíblia Protestante (Evangélica)?

Qual é a sua estrutura e quem são os seus autores? Vimos acima as três espécies de Bíblias. De acordo com os propósitos deste livro, iremos no ater somente à formação da Bíblia Protestante (Evangélica). A sua estrutura assim está formada4: ANTIGO TESTAMENTO

O Antigo Testamento é formado pelo Pentateuco, pelos Livros Históricos, Poéticos, Proféticos e pelos Profetas Maiores e Menores, conforme segue: 4

Texto extraído do site: www.evangelização.blog.br/os-livros-da-bíblia-sagrada.

∙ 27


Caminhando com Deus

Pentateuco São os cinco primeiros livros que compõem a Bíblia. A autoria é atribuída a Moisés. Os judeus chamam esses livros de Torá, que é uma palavra hebraica que significa “ensinamento” ou literalmente “lei”. Neles são encontrados relatos desde a criação do mundo, do homem, da queda do homem, até a Lei de Deus dada por Moisés ao povo de Israel. Os livros são: Gênesis, Êxodo, Levítico, Número e Deuteronômio. Livros Históricos Os Livros Históricos contam a história do povo hebreu na conquista da Palestina, chamada de “A terra prometida”. Narram-se as histórias de grandes Reis como Davi, Salomão, as guerras envolvendo os israelitas e os povos inimigos de Deus. A grande importância do estudo e da compreensão destes livros é para termos uma clareza dos atuais conflitos existentes entre Palestinos e Judeus, bem como o que Israel representa para o mundo. Os livros são: Josué, Juízes, Rute, 1 Samuel, 2 Samuel, 1 Reis, 2 Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. Livros Poéticos Dá-se o nome de livros poéticos justamente por causa do gênero da sua escrita. Salmos, por exemplo, é composto por louvores que expressam a beleza e a grandeza do nosso Deus. Provérbios e Eclesiastes, por sua vez, apresentam ensinamentos e conselhos para a nossas vidas, sem contar com as poesias de Cantares de Salomão. Os livros são: Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cantares de Salomão. 28 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Livros Proféticos Os Livros Proféticos são divididos em Profetas Maiores e Menores. Essa divisão é feita não com base na sua relevância ou importância, mas no tamanho da obra. Também não se levou em conta o valor da mensagem, já que ambas foram devidamente inspiradas pelo Espírito Santo. Acontece que os Profetas Maiores profetizaram mais ou deixaram mais escritos sobre as suas profecias. Os livros são: Profetas Maiores: Isaías, Jeremias, Lamentações, Ezequiel e Daniel. Profetas Menores: Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias, Malaquias. NOVO TESTAMENTO

O Novo Testamento é formado pelos Evangelhos, pelo Livro Histórico (Ato dos Apóstolos), pelas Cartas do Apóstolo Paulo (Epístolas Paulinas), pelas Cartas de outros Apóstolos (Epístolas Gerais) e pelo Livro Profético (Apocalipse), conforme a seguinte classificação:5 a. Os Evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João), tratam da manifestação da salvação; b. O livro histórico (Atos dos Apóstolos) cuida da propagação da salvação; c. Os livros doutrinários (Romanos, 1 Coríntios, 2 Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1 Tessalonicenses, 2 Tessalonicenses, 1 Timóteo, 2 Timóteo, Tito, Filemon e Hebreus), que são as Epístolas Paulinas, ou seja, todas escritas pelo Apóstolo Paulo, tratam da explicação da salvação; 5

PEARLMAN, Myer – Através da Bíblia – Livro por Livro. Editora Vida, p. 190.

∙ 29


Caminhando com Deus

d. As Epístolas Gerais (Tiago, 1 Pedro, 2 Pedro, 1 João, 2 João, 3 João e Judas), foram escritas para todas as pessoas de forma individual. e. O livro profético (Apocalipse) que cuida da consumação da salvação. A seguir, estudaremos a composição do Novo Testamento. Os Evangelhos São quatro o número de Evangelhos, cuja origem vem do grego euangelion (eu = bom – angelion = mensagem) e significa boa mensagem, boas novas, boa notícia. Originalmente, na língua hebraica, evangelho significava a boa notícia militar, ou seja, a notícia da vitória sobre o inimigo trazida de um mensageiro ao seu comandante. Em seguida os escritores do Novo Testamento escolheram essa palavra para descrever as “Boas Novas” de Jesus Cristo e a Sua Salvação. Os Evangelhos, de acordo com a sequência bíblica são: MATEUS: foi escrito para os judeus e tinha como propósito mostrar que Jesus era o Messias enviado por Deus. MARCOS: foi escrito para os romanos e apresenta Jesus como servo. LUCAS: foi escrito para os gentios e teve como propósito mostrar Jesus como o Salvador. JOÃO: foi escrito para a igreja. Este Evangelho é o mais recente, foi escrito no final do primeiro século (d.C.) e teve como propósito mostrar que Jesus é o Filho de Deus. O Livro Histórico O Livro histórico é um relato da igreja de Jesus Cristo na Terra. O Livro é Atos dos Apóstolos. 30 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Cartas de Paulo (Livros doutrinários) As cartas (Epístolas) de Paulo, também conhecidas como Cartas Paulinas, são ensinamentos valiosíssimos para a igreja atual. Nela encontramos um vasto ensino sobre a salvação, o papel da igreja e não poucas vezes exortações sobre como ter uma vida santa perante Deus. As cartas são: a. Romanos: tem como tema a justificação dos pecadores, a santificação dos justificados e a glorificação dos santificados, pela fé e pelo poder de Deus. b. 1 Coríntios: tem como propósito corrigir a desordem surgida na igreja de Corinto e para estabelecer aos fiéis um modelo de conduta cristã a ser seguida, tanto no lar, quanto na igreja e no mundo. c. 2 Coríntios: refere-se ao Ministério de Paulo, seus motivos, sacrifícios, responsabilidade e eficiência. Foi escrita, também, com o propósito de advertir a minoria rebelde, para aconselhar a igreja em relação aos falsos profetas, para resistir aos ataques feitos pelos falsos profetas contra o seu ministério e para consolar os membros arrependidos da igreja. d. Gálatas: Paulo escreveu esta carta, cujo tema é a justificação e a santificação, não apenas por obras da Lei, mas, sim, pela fé. e. Efésios: tem como tema central mostrar que a igreja tem que estar redimida e unida em Cristo, de sorte que deverá andar em unidade, em novidade de vida, na força do Senhor e com a armadura de Deus. f. Filipenses: trata da alegria da vida e do serviço cristão, manifestada em todas as circunstâncias. g. Colossenses: fala sobre a preeminência (superioridade) de Cristo. Mostra que Jesus é o primeiro na natureza, na igreja, na res∙ 31


Caminhando com Deus

sureição, na ascensão e na glorificação. Adverte a igreja que Jesus Cristo é o único mediador, salvador e fonte de vida. h. 1 Tessalonicenses: fala da vinda do Senhor, para que o crente fique cheio de ânimo, de consolo, esteja vigilante e santificado. i. 2 Tessalonicenses: retrata a segunda vinda do Senhor com relação aos crentes perseguidos. Trata, ainda, dos pecadores que não se arrependeram e da igreja apóstata (afastada da fé). j. 1 Timóteo: fala das qualidades e deveres do ministro cristão, bem como a sua relação com a igreja, o seu lar e o mundo. l. 2 Timóteo: refere-se à advertência da igreja quanto aos falsos profetas e suas doutrinas. Adverte a igreja para que permaneça leal a Deus, mesmo diante de uma perseguição. m. Tito: retrata a verdadeira igreja de Cristo, aquela que é fiel a Ele. n. Filemom: trata do poder do Evangelho na resolução dos conflitos e problemas sociais. Cartas de outros Apóstolos (Cartas Gerais) Com exceção de Hebreus, que alguns estudiosos acreditam ter sido escrita também por Paulo, essas cartas têm como autores os demais Apóstolos de Jesus Cristo, a saber: Pedro, João, Tiago e Judas. As cartas são: a. Hebreus: fala que a religião de Jesus Cristo é superior ao Judaísmo, justamente porque tem um pacto melhor, um sumo sacerdote melhor, um sacrifício e um tabernáculo melhores. b. Tiago: trata do Cristianismo puro. Foi escrita para consolar os judeus cristãos que estavam passando por provas severas. Também para corrigir as desordens em suas reuniões, bem como para combater a tendência de separar a fé das obras. 32 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

c. 1 Pedro: cuida da suficiência da graça divina e a sua aplicação prática com relação à vida cristã, bem como para suportar a prova e o sofrimento. d. 2 Pedro: relata o conhecimento completo de Cristo e da falsa doutrina e da vida impura. e. 1 João: cuida dos fundamentos da segurança cristã e da comunhão com o Pai. f. 2 e 3 João: trata do dever da hospitalidade para com o ministério e o perigo de uma direção ditatorial. g. Judas: refere-se à advertência contra os apóstatas dentro da igreja, que são aqueles que, embora tendo negado a fé, ficaram ainda como membros da igreja. O Livro Profético O Livro Profético foi escrito pelo Apóstolo João, o mesmo autor do Evangelho Segundo João e das três cartas 1, 2 e 3 João. Ele foi um dos três apóstolos mais ligados a Jesus e escreveu esse livro no final da sua vida, no término do primeiro século. O apóstolo mostra como será o final dos tempos, o julgamento de todas as nações, a salvação dos justos e a condenação dos pecadores. O nome do livro é Apocalipse.

A Bíblia é confiável? Querido(a) irmão(ã), alguma vez você já se deparou com alguém, um familiar, um amigo, ou um colega de trabalho dizendo que a Bíblia não é confiável porque foi escrita por homens e, portanto, não tem valor? Eu já! Assim que entreguei a minha vida a Jesus, há mais de 20 anos atrás, confessando-o como meu único e suficiente Senhor e Salva∙ 33


Caminhando com Deus

dor, ainda tomado pelo primeiro amor, falei da Bíblia primeiramente para uma pessoa. A sua resposta foi objetiva e implacável: “A Bíblia foi escrita por homens e, por isso, não é confiável”. Talvez, ainda, outras pessoas possam nos indagar da seguinte forma: se a Bíblia foi escrita por mais de 1.600 anos, por diferentes autores e em épocas e lugares distintos, como reunir todos os livros originais na forma como é apresentada hoje? Mas será que estes argumentos são suficientemente fortes para fazer com que você desconfie se a Bíblia é realmente ou não a Palavra de Deus, fonte de autoridade máxima para direcionar a sua vida? Será mesmo que ela foi escrita com base na própria experiência e inteligência de seus autores? Foi mesmo alterada, manipulada com o passar dos anos? Como visto, não é raro encontrarmos alguém colocando em dúvida a confiabilidade da Bíblia. Acontece que não há em nenhum outro livro da antiguidade, cuja autenticidade seja tão bem comprovada como ela. A quantidade de evidências é avassaladora. Creio que a principal razão, além do desinteresse pelo conhecimento de Deus, é que, segundo do Dr. Rodrigo Silva,6 “Não temos nenhum original do texto bíblico, mas apenas cópias posteriores que supostamente teriam sido alteradas. O que muitos não sabem, porém, é que existe um acurado e exaustivo trabalho crítico-textual empregado em torno do Texto Bíblico.” Acontece que os primeiros registros das Escrituras Sagradas foram feitos de forma totalmente manual, através de materiais rústicos, pois, como sabido, a imprensa somente foi inventada por Johannes Gutenberg somente no século XV (d.C.). 6 EVIDÊNCIA DE DEUS, https://noticias.adventistas.org/pt/coluna/rodrigo-silva/podemos-confiar-na-biblia/

34 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Os materiais mais utilizados à época eram7 os tabletes de barro, as pedras, os ossos, madeira, vários metais, cobre e cerâmica, além do pergaminho e do papiro, materiais mais sofisticados. No que se refere à questão da inspiração, existem inúmeros livros escritos que tratam sobre as evidências da fonte inspiradora divina da Bíblia, mas infelizmente não são muito lidos. Na realidade, muitas pessoas tendem a aceitar e absorver a crença popular de que a Bíblia foi escrita pela própria inspiração do seu autor, ou seja, o homem. Ao contrário dessa afirmação, os próprios escritores das Sagradas Escrituras afirmaram, repetidas vezes, de que a Palavra de Deus é infalível e tem autoridade em si própria. Não consigo imaginar, nem tampouco entender, que um conjunto de livros que contém a mais bela literatura e o mais belo e perfeito código moral já imaginado, tenha sido escrito pela própria mente e imaginação dos seus autores, na maioria pessoas comuns. O Poder Judiciário hoje tem como a principal função a pacificação social, através da resolução dos conflitos existente entre as pessoas. A Bíblia, como Palavra de Deus, nos apresenta um plano infalível e eficiente para o devido relacionamento com as outras pessoas. Perceba, que ela não somente nos diz e nos ensina como nos relacionarmos com a nossa própria família (pais com filhos, filhos com os pais, marido em relação à esposa e vice-versa) como, também, com os amigos, vizinhos e, principalmente, quanto aos tratamentos que devemos dar aos nossos inimigos. Além de tudo isto, a Bíblia nos orienta como tratarmos com nossas mazelas (consciência de culpa e rejeição, solidão e frustrações causadas por derrotas), curando-nos e nos mostrando que a vida tem sentido.

7

ile:///C:/Users/Carlos/Downloads/Introducao_Biblica_-_Apostila.pdf – FABAPAR

∙ 35


Caminhando com Deus

Se assim não fosse, haveria alguma esperança de encontrarmos sentido e propósito para nossas vidas? Existiria esperança para o ser humano? Quanto à inspiração, há mais de 3.000 registros na Bíblia de que ela foi divinamente inspirada, conforme as seguintes evidências: a. Profecias cumpridas: não se pode duvidar da inspiração divina porque um dos maiores indícios são as profecias que se cumpriram, a exemplo a de Daniel acerca de Jesus Cristo, registrada no capítulo 9, versículos 24 a 27. b. A exatidão de uma história única: as confirmações arqueológicas que dão conta dos registros Bíblicos são inúmeras. Dezenas de achados confirmam em detalhes as declarações histórias narradas nas Sagradas Escrituras. c. Exatidão Científica: então, se Deus realmente criou todas as coisas, dentre elas as leis da natureza e, se a Bíblia é mesmo a Palavra de Deus, é preciso que ela deva ser exata quando faz alguma afirmação científica. Veja, a seguir, uma amostra destes fatos8: • A redondeza da terra (Isaías 40.22). • A quase infinita extensão do universo (Isaías 55.9). • A lei da conservação da massa e energia (2 Pedro 3.7). • O clico hidrológico (Eclesiastes 1.7). • O vasto número de estrelas ( Jeremias 33.22). • A lei do aumento de entropia (conceito de termodinâmica que mede a desordem das partículas de um sistema físico – Salmos 102.25-27). • A importância extrema do sangue para a vida (Levítico 17.11). • A circulação atmosférica (Eclesiastes 1.6). 8 www.jesuscristoemnos.or/cursos-formacao-de-discipulos-de-cristo-fundamentos-da-fe/a-bliblia-e-confiavel.

36 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

• O campo gravitacional ( Jó 26.7). • E muitos outros... d. Estrutura única: embora tenha sido escrita em 66 livros, por cerca de 40 homens ao longo de um período de 1.500/1.600 anos, ainda assim forma um só livro, em perfeita unidade e consistência. Qualquer pessoa que se dedique ao estudo profundo da Bíblia irá de deparar com padrões estruturais e matemáticos, com uma complexidade e simetria (semelhança entre duas ou mais situações – correspondência) que não podem ser explicadas pelo mero acaso ou coincidência. e. Efeito único: de todos os livros escritos até hoje (e certamente os que ainda serão escritos), nenhum outro teve um apelo universal ou chegou a produzir efeitos tão duradouros igual a Bíblia. Um dos maiores sinais que ela é realmente verdadeira e confiável são os testemunhos que as pessoas, que nela acreditam, dão a seu respeito, de que seus conselhos são bons e verdadeiros, de que seus comandos e restrições são sábios e, principalmente, de que a sua maravilhosa mensagem de salvação satisfaz a mais profunda necessidade humana para todo o tempo e eternidade.9

Quais são as suas principais características? As principais características da Bíblia são: • Iluminação • Inspiração • Revelação • Exatidão • Unidade • Interesse 9 www.christiananswer.net/portuguese.

∙ 37


Caminhando com Deus

• Extraordinária circulação • Atualidade • Preservação • Profecias cumpridas É essencial que você entenda a importância da Bíblia para a sua vida e daqueles que você ama. Procure conhecer com bastante profundidade aquilo que o Senhor tem para você. É indispensável o seu fortalecimento espiritual para que, mais adiante, Deus o use para fortalecer outras pessoas.

Como posso estudar a Bíblia com proveito? Três são as chaves para um estudo eficaz e prazeroso da Bíblia: • Observação: “O que diz?”. Além disso, devemos mergulhar no texto, fazer anotações e observar os detalhes. • Interpretação: “O que significa?”. Devemos entender os propósitos, os pensamentos e as atitudes das passagens. • Aplicação: “O que significa para mim?” Temos que questionar como a nossa vida pode mudar em função da passagem que estamos estudando.

Como podemos interpretar a Bíblia com exatidão? Talvez a pergunta que você queira fazer é essa: por que a Bíblia é de difícil interpretação? Que ajuda posso obter para interpretar as Escrituras? Na realidade, a interpretação não é difícil, mas precisamos ficar atentos aos princípios existentes para isto. 38 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Como exemplo, quando Jesus diz que Ele é a porta, o caminho, não podemos aplicar uma interpretação literal. Assim, a interpretação é necessária porque nem sempre fica claro o que o autor bíblico quis dizer, pois, existem passagens que são claras, mas outras não. Para isto, devemos considerar o tempo em que passou a história, a cultura da época, a geografia e a língua local. Então, temos que estudar o contexto de cada livro, e nunca um texto isolado.

Como podemos aplicar a Bíblia em nossas vidas? Por fim, é possível aplicar a Bíblia em nossa vida diária? Certamente a resposta é sim, mas, para tanto, devemos fazer as seguintes perguntas: • Há um exemplo a seguir? • Um pecado a evitar? • Uma promessa a reivindicar? • Uma oração a repetir? • Um mandamento a obedecer? • Uma condição a satisfazer? • Um erro a destacar? • Um desafio a enfrentar?

∙ 39


Caminhando com Deus

Aprenda a manusear a Bíblia Para aprender a manusear a Bíblia, é preciso saber o que são capítulos e versículos. Os capítulos normalmente aparecem em números grandes. Os versículos, que aparecem em números menores e em negrito, são as divisões que encontramos dentro dos capítulos, conforme segue, por exemplo, no capítulo 4 do Livro de Gênesis:

Normalmente os versículos aparecem em números pequenos, que estão obrigatoriamente no meio do texto bíblico, sua função é de auxiliar na localização das frases bíblicas. A pontuação é a forma que encontramos para manusear a Bíblia com maior facilidade. As principais pontuações bíblicas são as seguintes: • A vírgula a separa capítulo de versículo. Exemplo: Dn 3,5 (Livro de Daniel, capítulo 3, versículo 5) • O hífen é equivalente ao “até”. 40 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Exemplo: Dn 3,1-5 (Livro de Daniel, capítulo 3, versículo de 1 até 5) • O ponto mostra versículos alternados. Exemplo: Dn 3,1.3.5 (Livro de Daniel, capítulo 3, versículo 1, versículo 3 e o versículo 5) • O “s” mostra a continuação de um versículo. Exemplo: Dn 3,1s (Livro de Daniel, capítulo 3, versículo 1 e 2) • O “ss” mostra a continuação de dois versículos. Exemplo: Dn 3,1ss (Livro de Daniel, capítulo 3, versículo 1, 2 e 3)

Existem, ainda, outras formas de pontuação, que são10: • Os dois pontos (:) separam o capítulo dos versículos; • O hífen (-) indica uma sequência contínua de capítulos ou de versículos; • A vírgula (,) indica uma sequência não contínua de versículos; • O ponto-e-vírgula  (;)  indica um novo capítulo do mesmo livro ou de outro livro caso seguido de nova abreviação. Exemplos: • Rm 11.18 = Carta de Paulo aos Romanos, capítulo 11, versículo 18. • Gn 3.1-15 = Livro de Gênesis, capítulo 3, versículos 1 a 15. • 2 Ts 2.2-12 = Segunda Carta de Paulo aos Tessalonicenses, capítulo 2, versículos 2 a 12. • Dn 9.25,27; 11.3-43 = Livro de Daniel, capítulo 9, versículos 25 e 27; capítulo 11, versículos 3 a 43. • Mt 24-26; Ap 1.1-8 = Evangelho de Mateus, capítulos 24 a 26; Apocalipse, capítulo 1, versículos 1 a 8. Observação: Esta última forma é a que adotamos para ser usada neste livro.

10 https://www.internautascristaos.com/blog/como-citar-versiculos-biblicos

∙ 41


Caminhando com Deus

Segue abaixo as abreviaturas de cada Livro constante do Antigo e do Novo Testamento, com os respectivos números de capítulos: Antigo Testamento Livro

Gênesis Êxodo Levítico Números Deuteronômio Josué Juízes Rute 1 Samuel 2 Samuel 1 Reis 2 Reis 1 Crônicas 2 Crônicas Esdras Neemias Ester Jó Salmos Provérbios Eclesiastes Cantares Isaías Jeremias Lamentações 42 ∙

Abreviatura Gn Ex Lv Nm Dt Js Jz Rt 1 Sm 2 Sm 1 Rs 2 Rs 1 Cr 2 Cr Ed Ne Et Jó Sl Pv Ec Ct Is Jr Lm

Capítulos 50 40 27 36 34 24 21 4 31 24 22 25 29 36 10 13 10 42 150 31 12 8 66 52 5


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Ezequiel Daniel Oséias Joel Amós Obadias Jonas Miquéias Naum Habacuque Sofonias Ageu Zacarias Malaquias

Ez Dn Os Jl Am Ob Jn Mq Na Hc Sf Ag Zc Ml

48 12 14 3 9 1 4 7 3 3 3 2 14 4

Novo Testamento Livro

Mateus Marcos Lucas João Atos dos Apóstolos Romanos 1 Coríntios 2 Coríntios Gálatas Efésios Filipenses Colossenses

Abreviatura Mt Mc Lc Jo At Rm 1 Co 2 Co Gl Ef Fp Cl

Capítulos 28 16 24 21 28 16 16 13 6 6 4 4 ∙ 43


Caminhando com Deus

1 Tessalonicenses 2 Tessalonicenses 1 Timóteo 2 Timóteo Tito Filemon Hebreus Tiago 1 Pedro 2 Pedro 1 João 2 João 3 João Judas Apocalipse

44 ∙

1 Ts 2 Ts 1 Tm 2 Tm Tt Fm Hb Tg 1 Pe 2 Pe 1 Jo 2 Jo 3 Jo Jd Ap

5 3 6 4 3 1 13 5 5 3 5 1 1 1 22


1. Bíblia, a Palavra de Deus

Exercícios de revisão para verificação dos objetivos 1. Complete o seguinte quadro:

Histórico

Evangelhos

Área

Livro

Mateus

Data

Destinatário

Peculiaridades

Marcos Lucas João

Atos Romanos

1 Coríntios 2 Coríntios Epístolas paulinas

Gálatas Efésios

Filipenses

Colossenses

1 Tessalonicenses 2 Tessalonicenses 1 Timóteo 2 Timóteo Tito

Filemon ∙ 45


Caminhando com Deus

Hebreus Epístolas gerais

Tiago

1 Pedro 2 Pedro 1 João 2 João 3 João

Profecia

Judas

Apocalipse

2. Por que a Bíblia deve ser autoridade máxima em sua vida e ter a total influência sobre as suas decisões?

3. Cite algumas consequências positivas para a sua vida, quando você buscar crescer no conhecimento e prática da Palavra de Deus a cada dia?

46 ∙


1. Bíblia, a Palavra de Deus

4. Por que podemos afirmar que o efeito da Palavra de Deus depende da atitude de cada um?

5. O que fazer para que a Bíblia venha a ter um efeito real em sua vida, de forma a influenciar aqueles que estão à sua volta?

∙ 47


Caminhando com Deus

Guia para leitura da Bíblia em um ano Janeiro

1. Mt 1 2. Mt 2 3. Mt 3 4. Mt 4 5. Mt 5.1-20 6. Mt 5:21-48 7. Mt 6.1-18 8. Mt 6.19-7:6 9. Mt 7:7-29 10. Mt 8.1-27 11. Mt 8:28-9.17 12. Mt 9.18-38 13. Mt 10.1-23 14. Mt 10:24-42 15. Mt 11.1-30 16. Mt 12.1-21 17. Mt 12:22-50 18. Mt 13.1-23 19. Mt 13:24-43 20. Mt 13:44-14.12 21. Mt 14.13-36 22. Mt 15.1-28 23. Mt 15:29-16.12 24. Mt 16.13-17.13 25. Mt 17.14-18.14 26. Mt 18.15-35 27. Mt 19.1-15 28. Mt 19.16-20.16 29. Mt 20.17-34 30. Mt 21.1-32 31. Mt 21:33-22.14

Gn 1-2 Gn 3-5 Gn 6-8 Gn 9-11 Gn 12-14 Gn 15-17 Gn 18-19 Gn 20-22 Gn 23-24 Gn 25-26 Gn 27-28 Gn 29-30 Gn 31-33 Gn 34-35 Gn 36-37 Gn 38-39 Gn 40-41 Gn 42-43 Gn 44-45 Gn 46-48 Gn 49-50 Êx 1-2 Êx 3-5 Êx 6-7 Êx 8-9 Êx 10-12 Êx 13-14 Êx 15 Êx 16-17 Êx 18-19 Êx 20-21

                              

                           

Êx 22-23 Êx 24-25 Êx 26-27 Êx 28 Êx 29-30 Êx 31 Êx 32-33 Êx 34-35 Êx 36-37 Êx 38-39 Êx 40 Lv 1-3 Lv 4-5 Lv 6-7 Lv 8 Lv 9-10 Lv 11-12 Lv 13-14 Lv 15 Lv 16-18 Lv 19-21 Lv 22-23 Lv 24 Lv 25 Lv 26-27 Nm 1-2 Nm 3-4 Nm 5-6

                           

Fevereiro

1. Mt 22.15-46 2. Mt 23 3. Mt 24.1-35 4. Mt 24:36-51 5. Mt 25.1-30 6. Mt 25:31-46 7. Mt 26.1-30 8. Mt 26:31-56 9. Mt 26:57-75 10. Mt 27.1-26 11. Mt 27:27-44 12. Mt 27:45-66 13. Mt 28 14. Mc 1.1-20 15. Mc 1:21-45 16. Mc 2.1-22 17. Mc 2:23-3.12 18. Mc 3.13-35 19. Mc 4.1-20 20. Mc 4:21-41 21. Mc 5.1-20 22. Mc 5:21-43 23. Mc 6.1-29 24. Mc 6:30-56 25. Mc 7.1-23 26. Mc 7:24-8.13 27. Mc 8.14-26 28. Mc 8:27-9.13

48 ∙

Março

                              

1. Mc 9.14-32 2. Mc 9:33-50 3. Mc 10.1-31 4. Mc 10:32-52 5. Mc 11.1-26 6. Mc 11:27-12.17 7. Mc 12.18-44 8. Mc 13 9. Mc 14.1-26 10. Mc 14:27-52 11. Mc 14:53-72 12. Mc 15.1-20 13. Mc 15:21-47 14. Mc 16 15. Lc 1.1-25 16. Lc 1:26-56 17. Lc 1:57-80 18. Lc 2.1-20 19. Lc 2:21-52 20. Lc 3 21. Lc 4.1-13 22. Lc 4.14-44 23. Lc 5.1-16 24. Lc 5.17-39 25. Lc 6.1-16 26. Lc 6.17-49 27. Lc 7.1-35 28. Lc 7:36-50 29. Lc 8.1-21 30. Lc 8:22-39 31. Lc 8:40-56

Nm 7-8 Nm 9-10 Nm 11-13 Nm 14-15 Nm 16-17 Nm 18-19 Nm 20-21 Nm 22-23 Nm 24-26 Nm 27-28 Nm 29-31 Nm 32-33 Nm 34-36 Dt 1-2 Dt 3-4 Dt 5 -7 Dt 8-10 Dt 11-12 Dt 13-15 Dt 16-17 Dt 18-21 Dt 22-24 Dt 25-27 Dt 28 Dt 29-30 Dt 31-32 Dt 33-34 Js 1-2 Js 3-4 Js 5-6 Js 7-9

                              

                             

Js 10-12 Js 13-15 Js 16-19 Js 20-22 Js 23-24 Jz 1-2 Jz 3-4 Jz 5-6 Jz 7-8 Jz 9 Jz 10-11 Jz 12-13 Jz 14-16 Jz 17-18 Jz 19-21 Rute 1Sm 1-2 1Sm 3-7 1Sm 8-10 1Sm 11-13 1Sm 14-15 1Sm 16-17 1Sm 18-19 1Sm 20-22 1Sm 23-25 1Sm 26-28 1Sm 29-31 2Sm 1-3 2Sm 4-6 2Sm 7-8

                             

Abril

1. Lc 9.1-17 2. Lc 9.18-36 3. Lc 9:37-62 4. Lc 10.1-24 5. Lc 10:25-42 6. Lc 11.1-13 7. Lc 11.14-36 8. Lc 11:37-54 9. Lc 12.1-21 10. Lc 12:22-48 11. Lc 12:49-59 12. Lc 13.1-21 13. Lc 13:22-35 14. Lc 14.1-24 15. Lc 14:25-15.10 16. Lc 15.11-32 17. Lc 16 18. Lc 17.1-19 19. Lc 17:20-18.14 20. Lc 18.15-43 21. Lc 19.1-27 22. Lc 19:28-48 23. Lc 20.1-19 24. Lc 20:20-21:4 25. Lc 21:5-38 26. Lc 22.1-38 27. Lc 22:39-65 28. Lc 22:66-23:25 29. Lc 23:26-49 30. Lc 23:50-24.12

Maio

                              

1. Lc 24.13-35 2. Lc 24:36-53 3. Jo 1.1-18 4. Jo 1.19-51 5. Jo 2 6. Jo 3.1-21 7. Jo 3:22-36 8. Jo 4.1-26 9. Jo 4:27-54 10. Jo 5.1-30 11. Jo 5:31-47 12. Jo 6.1-24 13. Jo 6:25-59 14. Jo 6:60-71 15. Jo 7.1-24 16. Jo 7:25-8.11 17. Jo 8.12-30 18. Jo 8:31-47 19. Jo 8:48-59 20. Jo 9 21. Jo 10.1-21 22. Jo 10:22-42 23. Jo 11.1-16 24. Jo 11.17-57 25. Jo 12.1-19 26. Jo 12:20-50 27. Jo 13.1-30 28. Jo 13:31-14.14 29. Jo 14.15-31 30. Jo 15.1-17 31. Jo 15.18-16.16

                              

2 Sm 9-11  2 Sm 12-14  2 Sm 15-17  2 Sm 18-19  2 Sm 20-21  2 Sm 22  2 Sm 23-24   1Rs 1 1Rs 2-3   1Rs 4-6  1Rs 7-8 1Rs 9  1Rs 10-11  1Rs 12-14  1Rs 15-17  1Rs 18-19  1Rs 20-21   1Rs 22 2Rs 1-3  2Rs 4-5   2Rs 6-7  2Rs 8-9 2Rs 10-12  2Rs 13-15  2Rs 16-17  2Rs 18-19  2Rs 20-22  2Rs 23-25   1Cr 1-2 1Cr 3-4   1Cr 5-6

                             

1Cr 7-8 1Cr 9-10 1Cr 11-13 1Cr 14-16 1Cr 17-19 1Cr 20-22 1Cr 23-25 1Cr 26-29 2Cr 1-4 2Cr 5-7 2Cr 8-11 2Cr 12-15 2Cr 16-19 2Cr 20-22 2Cr 23-25 2Cr 26-28 2Cr 29-30 2Cr 31-32 2Cr 33-34 2Cr 35-36 Ed 1-3 Ed 4-6 Ed 7-8 Ed 9-10 Ne 1-3 Ne 4-6 Ne 7-8 Ne 9-10 Ne 11-13 Et 1-4

Junho

1. Jo 16.17-33 2. Jo 17 3. Jo 18.1-27 4. Jo 18:28-19.16 5. Jo 19.17-42 6. Jo 20.1-18 7. Jo 20.19-31 8. Jo 21 9. At 1 10. At 2.1-21 11. At 2:22-47 12. At 3 13. At 4.1-31 14. At 4:32-5.11 15. At 5.12-42 16. At 6 17. At 7.1-53 18. At 7:54-8:8 19. At 8:9-40 20. At 9.1-31 21. At 9:32-43 22. At 10.1-23 23. At 10:24-48 24. At 11.1-18 25. At 11.19-30 26. At 12 27. At 13.1-12 28. At 13.13-52 29. At 14 30. At 15.1-21

                             


CAPÍTULO

2

A REVELAÇÃO DE DEUS Este capítulo tem como finalidade o aprendizado acerca da existência de Deus, da Sua natureza, da natureza da Trindade, da criação, bem como ensina a conhecer a Deus de forma mais pessoal.

Quando você pensa em Deus que imagem vem à sua mente?

Compreender Deus está totalmente fora do nosso alcance. Somente pela Sua graça e revelação de Si mesmo é que é possível sabermos alguma coisa sobre como Ele é. Portanto, não tente descobri-lo, mas deixe-o mostrar-se a você o que precisa saber sobre Ele.

∙ 49


Caminhando com Deus

A existência de Deus Você já se perguntou por que as pessoas creem na existência de uma divindade? Na realidade, a crença em alguma divindade é um fenômeno universal, pois todos os povos manifestam, de uma forma ou de outra, crença em algum ser sobrenatural e supremo. Alguns creem na existência de um ser ultra inteligente, outros numa energia positiva. A divindade surge na alma (pensamento) das pessoas. Por isso, Deus mostra a Sua existência por meio da natureza e da consciência do homem. Então, a crença tem duas naturezas, uma instintiva e outra racional. O objetivo da Bíblia não é o de provar a existência de Deus, porque o homem e o Universo são provas suficientes da Sua existência. Em Gênesis, capítulos 1 e 2 e, também, no Salmos 19, versos 1 ao 4, há o registro de que Deus é o Criador de todas as coisas. O sistema solar com seus bilhões de estrelas, incluindo a Terra, revela ser verdadeira essa afirmação. Então, diante de toda a criação, temos que decidir se cremos nele ou não.

Os atributos de Deus Atributos de Deus11 são, “características distintivas da natureza divina, inseparáveis da ideia de Deus, e que constituem a base e apoio das suas várias manifestações às suas criaturas”. Em outras palavras, atributos são as qualidades de Deus que constituem aquilo que Ele é. São elementos inseparáveis do “ser” de Deus. 11 STRONG, A. H. – Teologia Sistemática. São Paulo: Hagnos, 2007. Volume 1, página 430.

50 ∙

Profile for A.D.Santos Editora

Caminhando com Deus | Manual prático para Discipulado e Evangelismo  

Carlos Borelli (autor) Um livro surpreendente. Muito didático para usar como base curricular para discipulado (um a um) ou em pequenos gr...

Caminhando com Deus | Manual prático para Discipulado e Evangelismo  

Carlos Borelli (autor) Um livro surpreendente. Muito didático para usar como base curricular para discipulado (um a um) ou em pequenos gr...

Advertisement