Page 1


Copyright2009 por Priscila Rodrigues Aguiar Laranjeira A. D. SANTOS EDITORA Al. Júlia da Costa, 215 80410-070 - Curitiba - Paraná - Brasil +55(41)3324-9390 www.adsantos.com.br editora@adsantos.com.br

Capa

Marianne Bettina Richter Dias Diagramação Manoel Menezes Impressão e acabamento: Reproset

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) LARANJEIRA, Priscila R. Aguiar ATIVIDADES RECREATIVAS PARA TODAS AS IDADES / Priscila Rodrigues Aguiar Laranjeira – Curitiba: A. D. SANTOS EDITORA, 2009. 96 p. ISBN – 978.85.7459-190-2 CDD – 790.1 1. Atividades recreacionais 2. Brincadeiras 3. Jogos recreativos 4. Recreação CDD – 220.07 1. Bíblia – Estudo e Ensino 2. Atividades Recreativas 1ª Edição: Setembro / 2009 – 2.000 exemplares Proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios a não ser em citações breves, com indicação da fonte.

Edição e Distribuição:


Agradecimentos

Aos meus pais, Maria Jesus Aguiar e Florisvaldo Rodrigues Aguiar – exemplo, apoio, incentivo e amor. Ao meu esposo Milton e à minha filha, Kennely Desirée, a quem amo incondicionalmente. Aos meus irmãos Patrícia, Aldrin, Rejane, Alexandre e Alex – amo vocês (família é tudo de bom)! Aos amigos e companheiros de trabalho na AD Santos Editora – cada dia com vocês é uma descoberta.

i.


Sumário

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 DINÂMICAS 1. Balões cheios de sonhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 2. Exércitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 3. Uma caixa cheia de surpresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 4. Relógios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 5. Portas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 6. Com as espadas na mão e a Espada da Verdade na ponta da língua . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 7. Iguais, mas diferentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 8. Cuidado onde pisa! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 9. O advogado de defesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 10. Uma herança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 11. Amor e arrependimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 12. O remédio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 13. Eu te conheço? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 14. Sem sal nem açúcar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 15. Um caminho bem melhor! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 16. Um casamento, uma aliança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 17. Soltando a imaginação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 18. Campeão pelo tato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 ii.


19. Haja luz!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 20. De onde vem? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 21. Morto ou vivo?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 22. Eu duvido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 23. Unidos!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 24. É proibido falar! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 25. Colheres que voam. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 26. Como ganhar balas e bombons . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 27. Papéis que abençoam . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 28. O desinfetante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 29. Olhando para o lado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 30. Completos!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 31. Doce ou amargo? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 32. Muito doce e delicioso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 33. Exame . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 34. O visitante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 35. Estou olhando... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 36. Amigo nota 10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 37. Se o seu armário falasse.... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 38. Se eu fosse um animal seria.... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 39. Qual é a profissão perfeita para você? . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 40. Distração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 41. Defensores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 42. Imitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 JOGOS E BRINCADEIRAS 1. Jogo da memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 2. Como cães e gatos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 3. Acerte o alvo! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 iii.


4. Nomes diferentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 5. Garçom ou garçonete: servos! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 6. Alongamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 7. Cadeiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 8. Circulando! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 9. A bandeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 10. Como polvos! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 11. Dançando com alegria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 12. Como flechas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 13. Com o mundo nas mãos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 14. Futebol diferente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 15. Cães e gatos 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 16. Não afunde o barco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 17. Desfile na passarela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 18. Tampinhas no lugar certo!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 19. Procurando as mensagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 20. Combatendo com lenços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 21. Todos juntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 22. Encontre o tesouro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 23. O tecido que se movimenta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 24. Até o final . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 25. Desenhando com o corpo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 26. Exercícios aeróbicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 27. Onde estão as chaves? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 28. Orientações preciosas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 29. Todo enrolado! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 30. TESTE – AUTORRETRATO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

iv.


QUEBRA-GELOS 1. Debate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 2. O que está diferente? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 3. Ver e calar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 4. Acróstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 5. Desfile de modas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 6. Brincando de múmia ou “todo enrolado” . . . . . . . . . . . . . . . 74 7. Falando a verdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 8. Você seria capaz? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 9. Chaves . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 10. Num pé só. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 11. Testando a memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 12. Por amor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 13. Jóia ou bijuteria?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 14. Em ação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 15. Quem pode nos salvar? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 16. O nome é Jesus. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 17. Mensagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 18. Capitães . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 19. Pergunta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 20. Pergunta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 21. Significados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 22. Manchete! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 23. Corajosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 24. Coração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 25. Gratidão e louvor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 26. A data . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 27. O mestre mandou . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 v.


28. Tentativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 29. Talentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 30. Aquecidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 31. O Rei . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 32. O que tenho nas mãos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 33. O debate. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 34. Palavras sinônimas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 35. Escultura engraçada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 36. Com alegria!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 37. Eu O louvo! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 38. Como prefere? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 39. Quebra cabeça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

vi.


Introdução

Como enriquecer o encontro? Uma das maneiras mais simples e práticas de enriquecer um encontro de um grupo pequeno é por meio de dinâmicas, sejam elas do tipo “quebra-gelo” ou dinâmicas para mudar o ambiente, para melhorar a reciprocidade, para estimular a participação. “Mesmo pessoas com extensa formação acadêmica não são influenciadas por especialistas. Ao contrário, elas são influenciadas por amigos”. O que isso quer dizer? – Não espere que as pessoas sejam influenciadas por você. – Seja amigo delas. – Tome muitos cafés com as pessoas. – Lembre-se: construir relacionamentos leva tempo. – Seja um ouvinte atencioso. – Seja extremamente cuidadoso para não monopolizar. – Concilie em vez de recriar. – Aproveite as sugestões dadas. Diz o ditado popular que “ é brincando que se aprende” e essa é uma verdade que pode ser aplicada em quase todas as situações: no trabalho, na escola, em um encontro de amigos, em um retiro, em uma viagem com a turma.

1.


Uma brincadeira, um jogo, um teste ou uma dinâmica pode servir para descontrair o ambiente, para fixar uma ideia ou para demonstrar melhor algo que estamos tentando explicar. As horas que passamos em frente da tela da televisão ou do computador, podem ser consideradas por muitos, produtivas, mas o tempo que passamos com os amigos e familiares investindo em diálogo ou nos divertindo é muito mais significativo. Nem toda brincadeira precisa de alguém que a lidere, mas é bom ter alguém com iniciativa para “animar” o ambiente. Esse animador deve: – Favorecer a participação de todos, sem distinção. – Ser criativo. – Incentivar a colaboração. – Incentivar o respeito mútuo. – Exigir “ jogo limpo” com respeito às regras propostas. – Ser justo e imparcial. – Ter senso de humor. – Ser simpático com todos. Rinderknecht e Aguirre1 citam com muita propriedade os 10 mandamentos do animador ou da pessoa que se propõe a liderar ou coordenar uma atividade recreativa: 1. Conhecer bem sua função. 2. Conhecer bem s brincadeiras que sugere e explicá-las com clareza. 3. Ter a mão o material necessário. 4. Dar mais importância ao “ participar” do que ao “competir” 5. Comunicar-se com os participantes, sem jamais se expressar através de gritos. 6. Dedicar atenção integral ao grupo, evitando lideranças distorcidas ou negativas. 7. Entusiasmar os tímidos ou passivos, sem deixar de dar atenção aos restantes. 1 Patricia Rinderknecht e Luiz Perez Aguirre – Brincadeiras para toda hora, edições Paulinas, São Paulo, 1992.

2. | Atividades Recreativas


8. Usar toda a sua inventividade para equilibrar as equipes. 9. “Matar” a brincadeira antes que ela “ morra” (por falta de interesse). 10. Evitar as maneiras bruscas e o cansaço físico até a exaustão. As sugestões que apresentamos aqui não têm um estilo único, uniforme. Mas são sugestões práticas e diversificadas e, principalmente, facilmente realizáveis. Não inclui técnicas desportivas, pois não é esta nossa proposta. O que propomos são dinâmicas, jogos, brincadeiras e testes que visam a diversão, a descontração e, (por que não?), o ensino de algum princípio moral. Objetivamos tornar agradáveis e proveitosos os momentos de lazer e descontração. São dinâmicas despretenciosas e ousei relacioná-las após nove anos escrevendo roteiros para encontros de grupos pequenos e “quebrando a cabeça” para descobrir, semanalmente atividades para enriquecer estes encontros.

Alguns Pontos a Serem Considerados: a) Quanto a faixa etária: A maioria das atividades propostas não visa uma faixa etária específica, mas a diversidade de faixas etárias que podem estar reunidas em um encontro de um pequeno grupo. Porém, devido a maior complexidade de algumas, indicamos a faixa etária, mesmo assim é possível adaptar para que todos os presentes se envolvam. b) Quanto à duração: Não é fácil cronometrar a duração de uma determinada dinâmica ou brincadeira, mas o ideal é que ela dure enquanto perdurar o interesse dos participantes. Se é uma dinâmica do tipo “ quebra-gelo” deve ser realizada logo no início do encontro e visar o fim a que realmente se propõe, ou seja, promover conhecimento e descontrair o ambiente. Prolongue a brincadeira enquanto achar interessante e enquanto todos os participantes estiverem correspondendo. 3.


c) Material Propusemos apenas brincadeiras e dinâmicas fáceis, que possam ser realizadas com materiais simples e que normalmente temos à mão. Mas é sempre bom preparar-se com antecedência, lendo e aprendendo a atividade proposta e verificando qual material é necessário. Talvez você precise de um maior número de canetas esferográficas do que tem em casa, ou precise de cópias. Prepare-se separando o material antecipadamente, pois isso demonstra que você se interessa. d) Objetivos As atividades visam descontração, mas em algumas delas sugerimos uma aplicação, isso não significa que elas têm que ser profundas e que são de cunho psicológico. Os testes, por exemplo, são meras brincadeiras, que objetivam conhecer os participantes do encontro e testar conhecimentos gerais e conhecimentos sobre as pessoas presentes, por isso, sugerimos que os tratam pelo que são: brincadeiras. Grande parte dos objetivos são limitados, mas as atividades podem ser aprofundadas e ganhar novos contornos. Mas, por favor, não analise demais as propostas, É claro que algumas dinâmicas levam a introspecção, de acordo com o seu objetivo, e outras são emocionantes, mas o verdadeiro valor de cada uma delas está em proporcionar aos participantes momentos de lazer. e) Quanto ao desenvolvimento A maneira de realizar as atividades é a mais simples possível, sem linguagem rebuscada. Cada especificação é básica e direta e quem se propõe a realizá-las, facilmente alcançará seu objetivo, sem que precise recorrer a ajuda profissional. Dito isso, mãos à obra e que o seu grupo se divirta muito! Priscila R. Aguiar Laranjeira 4. | Atividades Recreativas


DINÂMICAS Esta é a minha oração: que o amor de vocês aumente cada vez mais em conhecimento e em toda a percepção, para discernirem o que é melhor, afim de serem puros e irrepreensíveis até o dia de Cristo, cheios de frutos de justiça, fruto que vem por meio de Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus. Filipenses 1:9-11


1. Balões cheios de sonhos Material: Balões coloridos, um para cada participante Faixa etária: Todas as idades. Objetivo: Aprender a depositar nas mãos de Deus os nossos sonhos. Desenvolvimento: 1. Forme um círculos com todos os participantes. 2. Entregue um balão para cada um. 3. Peça aos participantes para imaginarem que, ao encher os balões, estarão colocando dentro deles todos os seus sonhos, planos, anseios e desejos mais queridos. Diga-lhes para serem bem criativos e não ter vergonha d colocar tudo o que desejam: um brinquedo, um carro, passar no vestibular, a viagem dos sonhos, a casa própria, etc. 4. Quando os balões estiverem cheios oriente-os a amarrá-los bem. 5. Jogando os balões para o ar, como em uma partida de voley, os participantes deverão “ compartilhar” os seus sonhos. Atenção: não deixem os sonhos cair no chão! 6. Interrompa o “ compartilhar do sonhos” e peça para cada um ficar com um balão na mão. Pergunte: você está com os seus sonhos nas mãos ou são os sonhos de outras pessoas? Seja como for, os sonhos são muitos importantes. 7. Peça aos participantes para colocarem os “ sonhos” no chão e estourarem. 8. Pergunte: Onde estão os sonhos agora? Foram embora? Morreram? Perderam-se? Estão no ar? (Ouça as respostas). 9. Peça aos participantes para colocarem-se na ponta dos pés, erguerem as mãos para o alto e simularem um movimento de entrega. Aplicação: Nossos sonhos, planos, anseios e desejos mais queridos não devem estar guardados, não devem ficar apenas em nossas mãos e coração, eles devem ser entregues nas mãos de Deus. O melhor lugar para eles. 6. | Atividades Recreativas


2. Exércitos Material: Pedaços de papel colorido para a confecção das braçadeiras Lápis de cor ou giz de cera, lantejoulas,cola Faixa etária: Até 12 anos. Objetivo: Aprender a guardar algo que lhe foi confiado. Desenvolvimento: Prepare braçadeiras coloridas de acordo com o número de participantes. Diga-lhes que eles serão divididos em duas ou três equipes que serão os exércitos. Dê para cada exército um tesouro para guardar (pode ser um valor em dinheiro, uma Bíblia, um papel com uma mensagem importante escrita, etc.). De maneira criativa eles deverão lutar para pegar o tesouro que está sob a guarda do exército adversário. Aplicação: O que foi preciso para que a equipe fosse vitoriosa? Foi difícil guardar o tesouro? O que foi mais difícil? O que foi que aconteceu durante a atividade? Qual foi a maior dificuldade: guardar o tesouro ou conquistar o tesouro do adversário? ¶

Em nossa vida, quando estamos enfrentando uma grande dificuldade o que devemos fazer? Quando alguma pessoa de sua família está doente, o que você faz? E quando acontece uma briga na família, qual é a sua atitude? Vencendo ou perdendo o importante é não desanimar. ¶

Dinâmicas | 7.


3. Uma caixa cheia de surpresas Material: Caixa de papelão com objetos diversos dentro (brinquedos, livros, doces, etc.) Atenção para que não haja objetos cortantes ou que possam machucar as crianças dentro da caixa. Faixa etária: Todas as idades. Objetivo: Desenvolver a criatividade, firmar laços de amizade. Desenvolvimento: Providencie com antecedência uma caixa de papelão com diversos objetos dentro. Não deixe de incluir uma Bíblia. Peça aos participantes para colocar a mão dentro da caixa e retirar um dos objetos. Assim que cada participante estiver com um dos objetos nas mãos. Peça-lhes para falar à respeito do referido objeto, mas contextualizando-o com o motivo do encontro. Por exemplo: se elas estiverem com um vidro de perfume vazio ou cheio na mão. “O perfume é uma agradável surpresa pela manhã, uma leve lembrança à tarde e um suspiro à noite. Sentir o cheiro de perfume me faz lembrar de nossa amizade, que é perfeita em todos os momentos do dia!” Aplicação: Esta é uma atividade muito simples, mas eficaz. A pessoa que estiver liderando as atividades, pode usar os muitos objetos da caixa para “ conversar” sobre situações diversas. Exemplo: Final de curso (tire um objeto e utilizando-o fale da importância dos colegas de curso); despedida de solteiro; chá de bebê, etc. ¶

8. | Atividades Recreativas


4. Relógios Material: Diversos modelos de relógios: despertadores, relógios de pulso, etc. Caso não tenha alguns modelos bem interessantes, improvise um grande relógio em E.V.A com ponteiros móveis ou em cartolina ou papelão. Pedaços ed papel sulfite e canetas. Faixa etária: Até 12 anos Objetivo: Ensinar a importância de administrar o tempo. Desenvolvimento: Os participantes deverão em 30 segundos escrever o que se propõe. Ao término dos 30 segundos quem estiver liderando a atividade deverá dizer: TEMPO! 1. Nome de 3 cidades iniciados com a letra A 2. Nomes femininos iniciadoscom a letra G 3. Nomes de animais iniciados com a letra B 4. Nomes de 2 políticos 5. Nomes de seus pais 6. Nomes de 5 amigos 7. Nomes de seus passatempos favoritos 8. Nomes de países iniciados com a letra C 9. Nomes de frutas iniciados com a letra D 10. 5 números de telefones completos Aplicação: O tempo não pára,por isso precisamos aprender a administrá-lo com eficácia. Quanto menos tempo for definido para a realização da atividade proposta mais interessante ela ficará. Alguns conseguirão lembrar os nomes e anotá-los rapidamente, ouros terão dificuldades, mas todos aprenderão a importância e o valor de cada segundo. ¶

Dinâmicas | 9.


5. Portas Material: Chaves diversas, um cartaz onde deverá estar escrita a frase: “ Disse Jesus: Eis que estou à porta e bato, se alguém abrir a porta, entrarei e cearei com ele” Você quer ter JESUS em seu coração?. Faixa etária: Todas as idades Objetivo: Ensinar que a Porta que nos conduz a salvação é Jesus e que única chave que abre esta porta é a aceitação de seu sacrifício na cruz do calvário. Desenvolvimento: Recolha o maior número possível de chaves, incluindo as chaves que os participantes trouxeram de casa. Para ficar mais interessante retire-as dos respectivos chaveiros (não esqueça de certificar-se que todos reconhecerão suas chaves soltas). Inclua entre elas a chave de uma determinada porta do local onde estiver acontecendo o encontro, no cômodo que será aberto pela chave, antecipadamente coloque bem à vista o cartaz que você preparou. Misture bem as chaves e coloque-as dentro de uma caixa ou pote plástico escuro. Peça aos participantes para escolheram uma chave, aleatoriamente. Diga-lhes: “ Uma destas chaves abre uma porta onde se encontra uma mensagem muito importante. Vocês terão apenas um minuto para testar a chave que está em suas mãos em todas as portas. Mas lembrem-se: apenas a chave certa abrirá a porta onde a mensagem está” . Aplicação: Esta dinâmica pode ser especialmente realizada em uma celebração de aniversário, ou quando quiserem parabenizar alguém por uma conquista (aprovação no vestibular, nascimento de um filho, um prêmio, etc.) Aproveite a oportunidade para falar sobre o assunto da mensagem.

10. | Atividades Recreativas


6. Com as espadas na mão e a

Espada da Verdade na ponta da língua Material: Um par de “espadas” com bolas de isopor nas pontas (as espadas podem ser dois espetos de churrascos ou dois pedaços bem finos de madeira onde as bolas deverão ser encaixadas). Faixa etária: Todas as idades Objetivo: Firmar que nossa luta “não é contra carne e sangue, mas contra o inimigo de nossas almas”. Dependendo da situação, ao invés de textos bíblicos os participantes poderão falar poesias, declarações de amor, de amizade, contar uma anedota, etc. Desenvolvimento: Forme um circulo com todos os participantes. Escolha duplas para o duelo. Cada integrante da dupla deverá ter uma espada na mão. A outra mão deverá ficar nas costas. Enquanto simulam um duelo eles deverão falar versículos bíblicos. Ganha o integrante que mais textos memorizados souber. O vencedor desafiará outro participante para o próximo duelo. Aplicação: Assim as armas são muito importantes para os soldados, conhecer a Palavra de Deus é essencial para nós que estamos em uma verdadeira batalha espiritual enquanto estivermos neste mundo. ¶

7. Iguais, mas diferentes Material: Estojo de maquiagem, ou ao menos um batom de cor forte, um lápis para contorno de olhos e uma base para o rosto. Faixa etária: 9 até 15 anos. Objetivo: Ensinar aos participantes, que apesar de diferenças na aparência, somos todos iguais. Dinâmicas | 11.

Atividades Recreativas para Todas as Idades  

Para emocionar, para divertir, para promover entrosamento e para alegrar os encontros dos pequenos grupos com dinâmicas, quebra-gelos, jogos...

Atividades Recreativas para Todas as Idades  

Para emocionar, para divertir, para promover entrosamento e para alegrar os encontros dos pequenos grupos com dinâmicas, quebra-gelos, jogos...

Advertisement