__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1


FICHAS TÉCNICAS

CATÁLOGO COORDENAÇÃO EDITORIAL

| Luís Sebastian Nuno Resende

COORDENAÇÃO CIENTÍFICA AUTORES DOS TEXTOS

| Nuno Resende

|Ana Sampaio e Castro Ana Cristina Sousa Célia Taborda David Ferreira Hugo Barreira Lúcia Rosas Luís Corredoura

EXPOSIÇÃO

Luís Sebastian

INICIATIVA

Maria Leonor Botelho

ORGANIZAÇÃO |

Manuel Pedro Ferreira

FINANCIAMENTO

Miguel Rodrigues

APOIO |

DESIGN GRÁFICO

| Cristina Dordio

FOTOGRAFIA | Ana  Sampaio e Castro

Museu de Lamego | Vale do Varosa

| DRCN / ON2, O Novo Norte | QREN | FEDER | UE

Liga dos Amigos do Museu de Lamego Escola de Hotelaria e Turismo do Douro-Lamego

Nuno Resende Salvador Magalhães Mota

| Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN)

DIREÇÃO

| Luís Sebastian (DRCN | Museu de Lamego) | Nuno Resende

COMISSARIADO CIENTÍFICO PROJETO MUSEOGRÁFICO

| Nuno Resende Luís Sebastian (DRCN | Museu de Lamego)

Biblioteca Nacional Digital APOIO À ORGANIZAÇÃO

Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E FINANCEIROS | Paula

Diocese de Lamego

DESIGN

Hugo Pereira. DRCN ©

FOTOGRAFIA

Instituto Geográfico do Exército

EXECUÇÃO E MONTAGEM

José Pessoa. Museu de Lamego. DRCN ©

TRATAMENTO AUDIOVISUAL

Luís Corredoura

TEXTOS

Luís Sebastian. Museu de Lamego. DCRN ©

TRADUÇÃO

Nuno Resende

SONOPLASTIA

Pedro Martins. DRCN ©

TEMA MUSICAL

Sofia Catalão. DRCN ©

IMAGENS

GESTÃO FINANCEIRA | Paula PRODUÇÃO EDIÇÃO

Duarte (DRCN | Museu de Lamego)

|Outros Mercadus

| DCRN | Museu de Lamego | Vale do Varosa

FINANCIAMENTO

| DRCN / ON2, O Novo Norte | QREN | FEDER | UE

| WGroup ISBN | 978-989-98657-9-2 IMPRESSÃO

DEPÓSITO LEGAL

| Alexandra Falcão (DRCN | Museu de Lamego)

Bruno Marques. DCRN ©

| 395817/15

Duarte (DRCN | Museu de Lamego)

| Cristina Dordio | Pedro Martins | Outros Mercadus, Lda. | Digitalframe, Lda.

| Nuno Resende | Paulo Vaz (Escola de Hotelaria e Turismo do Douro-Lamego) | Luís Sebastian (DRCN | Museu de Lamego) | Luís Sebastian (DRCN | Museu de Lamego)

| Museu de Lamego (Lamego, Portugal) Biblioteca Nacional de Portugal (Lisboa, Portugal) Morgan Library (New York, United States of America) Bodleian Library (Oxford, United Kingdom) Bibliothèque National de France (Paris, France) Bibliothèque de la ville de Troyes / Mediatheque Grand Troyes (Troyes, France) Österreichische Nationalbibliothek (Wien, Österreich) Bibliothèque Municipale de Toulouse (Toulouse, France)


4 ANA CRISTINA SOUSA | accsousa@letras.up.pt Professora auxiliar do DCTP – Departamento de Ciências e Técnicas do Património Faculdade de Letras da Universidade do Porto Investigadora do CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» ANA SAMPAIO E CASTRO | ana.sampaioecastro@gmail.com Doutoranda em Arqueologia Histórica – FLUP Bolseira da FCT DAVID FERREIRA DCRN - Direcção Regional de Cultura do Norte CÉLIA TABORDA Universidade Lusófona do Porto HUGO BARREIRA | hbarreira@letras.up.pt Assistente convidado do DCTP – Departamento de Ciências e Técnicas do Património Faculdade de Letras da Universidade do Porto Investigador do CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» LÚCIA ROSAS | lrosas@letras.up.pt Professora catedrática do DCTP – Departamento de Ciências e Técnicas do Património Faculdade de Letras da Universidade do Porto Investigadora do CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» LUÍS CORREDOURA Universidade de Évora


TÁBUA DE AUTORES LUÍS SEBASTIAN DCRN - Direcção Regional de Cultura do Norte Director do Museu de Lamego MANUEL PEDRO FERREIRA | mpferreira@fcsh.unl.pt Professor Associado Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa Presidente do CESEM MARIA LEONOR BOTELHO | mlbotelho@letras.up.pt Professora auxiliar do DCTP – Departamento de Ciências e Técnicas do Património Faculdade de Letras da Universidade do Porto Investigadora do CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» MIGUEL RODRIGUES DCRN - Direcção Regional de Cultura do Norte NUNO RESENDE | nmendes@letras.up.pt Professor auxiliar do DCTP – Departamento de Ciências e Técnicas do Património Faculdade de Letras da Universidade do Porto Investigador do CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» SALVADOR MOTA Professor Associado da FCS da UCP – CR. Braga Membro do CEFH e CITCEM

5


LUIS SEBASTIAN DRCN | MUSEU DE LAMEGO DIRETOR DO MUSEU DE LAMEGO

Na década de noventa do século XX assistimos em Portugal a um despertar para a importância e potencial do que podemos designar de herança monástica. Intervenções de recuperação e/ou adaptação de mosteiros como o de São Martinho de Tibães ou Santa Maria do Bouro, ou conventos como os de Santa Clara-a-Velha de Coimbra, foram em grande parte consequência deste movimento, mas igualmente seus impulsionadores. À mudança na forma como olhávamos então este património, juntou-se o desafio técnico e científico do seu estudo e recuperação patrimonial e turística, o que levou, por si só, a uma revolução na área, com o surgimento de termos tão sintomáticos quanto «Arqueologia Monástica». Já em 1998, no âmbito das comemorações dos 900 anos da Ordem de Cister, realizou-se no Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça o Colóquio Cister: Espaços, Territórios, Paisagens, pela mão do agora extinto Instituto Português do Património Arquitetónico (IPPAR). Deste resultaria a Carta de Alcobaça, documento onde ficariam definidas especificamente as principais linhas orientadoras de salvaguarda, recuperação e valorização do Património Cisterciense Nacional. É neste contexto que se iniciam diversas intervenções


em edifícios monásticos, entre os quais se inclui o

Já em 2012, com a afetação do Museu de Lamego

Mosteiro de São João de Tarouca, e mais tarde, o

à DRCN, este passa por sua vez a assumir a gestão di-

Mosteiro de Santa Maria de Salzedas.

reta do projeto Vale do Varosa, permitindo uma par-

Já com a extinção do IPPAR e a criação da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) em 2007, um

tilha de meios, potenciais e sinergias, pela primeira vez possíveis.

especial interesse é dado à região duriense, entre-

Nesta continuidade, o projeto «Cister no Douro»

tanto classificada pela UNESCO como Património da

nasce da dupla intenção de divulgar o património

Humanidade em 2001. Dentro da herança histórica,

cisterciense duriense e de contribuir para a conso-

e inclusive pelo papel direto que teve na construção

lidação da sua investigação. A persecução deste

do Douro vinícola, a presença cisterciense na região

duplo objetivo foi materializada em dois distintos mas

impôs-se novamente, e de forma natural, como ele-

complementares suportes: expositivo e editorial

mento de destaque.

O suporte expositivo materializou-se na construção

Neste âmbito, em 2009, a DRCN inicia o projeto Vale

de uma instalação multimédia itinerante, de formato

do Varosa, que apesar de transversal ao vale deste

versátil e adaptável, totalmente sustentada em ima-

pequeno rio afluente do Douro, incluía como princi-

gem impressa e projetada, de discurso acessível,

pais monumentos os mosteiros cistercienses mascu-

bilingue, tendo por alvo um público generalista e di-

linos de São João de Tarouca e de Santa Maria de

versificado, nacional e internacional, destinada a ser

Salzedas. Dando consequência a intervenções ante-

instalada em espaços públicos de grande afluência.

riores, entre as quais se destaca a integral escava-

O suporte editorial consubstanciou-se numa publi-

ção arqueológica do mosteiro medieval de São João

cação que, indo para além do convencional formato

de Tarouca, realizada entre 1998 e 2009, este projeto

de catálogo, procurou reunir um diversificado con-

Vale do Varosa veio não só tornar possível grandes

junto de investigadores que, no todo, contribuíssem

obras de recuperação do edificado, mas igualmente

para uma visão geral e multifacetada do fenómeno

apostar na maior divulgação deste património.

cisterciense na região, à luz do conhecimento atual.

7


8

MARIA ALEGRIA MARQUES

A presente obra assume-se como o repositório de mais uma das muitas e sedutoras experiências com que o Museu de Lamego tem brindado o público nos últimos anos. Com efeito, ela é, afinal, o Catálogo de uma exposição organizada por esse Museu e pela Direcção Regional de Cultura do Norte, sobre a presença cisterciense no Douro. Edita a obra o Museu de Lamego, em mais uma acção de relevo nos seus fins culturais. Comissionada por um jovem académico, de provas dadas, – Nuno Resende –, já de si, a exposição assumiu-se como um evento pouco comum, por vários aspectos. Em primeiro lugar, assinalemos o ineditismo da sua inauguração: na Cidade Invicta, tendo tido por local a estação da Casa da Música, do Metro do Porto, um local muito frequentado, mas pouco utilizado em matérias culturais. Em segundo lugar, sublinha-se a actualidade das técnicas utilizadas, imagem e som, bem de acordo com o sentido de inovação e modernidade que se liga à Ordem que se pretendia celebrar. Assumia-se, assim, quer pelo apelo do espaço, quer pelas técnicas utilizadas, como um convite ao cidadão que passava, atraindo-o e envolvendo-o numa mensagem em que a


imagem e o som projectados tinham um papel pri-

sou a região e os séculos, e outros a ficarem-se pelo

mordial.

nome pouco mais que circunscrito à região onde se

Pretendia-se, assim, que cidadão que passava,

implantaram.

«ouvia» e, acaso, «via», e «visitante» que «via» e «ou-

Não encontraremos, nela, uma história das citadas

via» se tornassem, afinal, um único, na interrogação

abadias. Antes, ela oferece uma reflexão sobre al-

de um passado e na fruição de uma herança.

guns aspectos, por vezes muito pouco conhecidos ou

Quanto à obra que ora se apresenta, como o nome

porque circunscritos, ou porque pouco estudados, o

indica – Cister no Douro –, ela debruça-se sobre o

que significa que a obra é compartimentada e muito

conjunto de mosteiros situados na bacia do Douro

diversificada nas suas temáticas.

que se ligaram a Cister, embora tenhamos de re-

No entanto, podemos achar também textos de

conhecer que é bastante alargado o conceito ge-

âmbito mais lato, enquadradores de problemáticas

ográfico em questão. Situados a Sul do Douro, mais

e de tempos, como o são aqueles que se debruçam

ou menos afastados desse rio, são eles, os mosteiros

sobre a extinção das ordens religiosas («O decreto

de S. João de Tarouca, Santa Maria de Salzedas, S.

de extinção das ordens religiosas: impacto nos mos-

Pedro das Águias, Santa Maria de Aguiar, São Pedro

teiros cistercienses do Douro») e nos elucidam sobre

e São Paulo de Arouca e Nossa Senhora da Assunção

o modo como os homens e, sobretudo, os poderes,

de Tabosa.

do século XX e já do XXI se posicionam acerca do

Como se conclui, constituem um conjunto alarga-

entendimento da herança cisterciense e do modo

do e heterogéneo, quer pela qualidade dos seus ha-

da sua preservação e transmissão aos vindouros («A

bitantes – homens ou mulheres –, quer pelo tempo em

classificação do património imóvel: do Estado Novo

que surgiram – a maioria surgiu na época medieval

aos nossos dias»), temáticas que, afinal, ultrapassam,

–, quer, ainda, pelo protagonismo que lograram no

até, a herança cisterciense.

contexto da história da Ordem de Cister em Portugal,

Especifiquemos alguns elementos da obra.

com alguns a granjearem uma fama que ultrapas-

Em primeiro lugar, realce-se que ela reúne a cola-

9


10

boração de 12 autores – Ana Sampaio e Castro, Célia

da Ribeira de Aguiar, respectivamente); do carácter

Taborda, David Ferreira, Hugo Barreira, Lúcia Rosas,

atractivo do mosteiro, com a existência de um burgo

Luís Corredoura, Maria Leonor Botelho, Manuel Pedro

à volta da casa monástica, prova do seu relaciona-

Ferreira, Miguel Rodrigues, Nuno Resende, Salvador

mento e interpenetração com a comunidade envol-

Magalhães Mota e Saul Gomes –, que assinam, indi-

vente, como em Salzedas.

vidualmente ou em conjunto, 23 entradas. Como se

Já a espiritualidade nos surge por via do tratamen-

conclui, constituem, um conjunto assinalável, na sua

to de temas específicos, ilustrados em textos acerca

maioria de jovens e promissores autores, ao lado de

do significado do claustro (ilustrado com a elegante

alguns nomes já consagrados nos estudos portugue-

realização em Tabosa); da apresentação e interpre-

ses, muito embora a sua ainda ou relativa juventude.

tação de programas iconográficos quer expressos

Quanto às matérias versadas, cingindo-se às casas

em pintura, quer em escultura, em casos diversos

cistercienses do vale do Douro ou a aspectos mui-

como Tarouca, Salzedas e Arouca; da consideração

to específicos delas, tornam a obra heterogénea, ao

da música nos mosteiros cistercienses, aqui represen-

mesmo tempo que atraente, porque diversificada.

tada pelo caso de Arouca; e, por fim, pela ilustração

Por opção ou por condição, as diversas casas mo-

do quotidiano dos monges, seja por via da reflexão

násticas apresentam uma cobertura bastante varia-

acerca da vivência do tempo nos mosteiros, seja

da, talvez até mais que o esperado, uma vez que al-

pela consideração das várias facetas do quotidiano

gumas temáticas se podem rastrear em todas elas.

num mosteiro.

De todo o modo, encontram-se assuntos clássicos

Contudo, e atendendo a que não há categorias

nos estudos cistercienses, sejam de natureza mate-

puras, alguns dos itens enunciados acabam por cru-

rial, do mundo das infra-estruturas económicas ou

zar-se com outras realidades. Assim, a espiritualida-

das realizações artísticas, sejam do campo da espi-

de linda com a liturgia e a simbólica, como no caso

ritualidade.

do estudo do anel de oração de Tarouca, da escultu-

Assim, são tratados problemas de implantação

ra de Santa Bárbara em Cimbres, ou dos programas

das abadias, aqui ilustrados através do caso de São

iconográficos de capitéis, cadeirais, decoração de

Pedro das Águias; da arte primitiva de Cister (capi-

coros, com os últimos e penúltimos a levarem-nos

tel de Salzedas, do século XII, ao que tudo indica da

também à descoberta da arte, seja na expressão

chamada abadia velha); da organização do domí-

da escultura e da pintura, seja, ainda, ajudando à

nio e das características e realizações da economia

compreensão das mentalidades, pois tais peças são

cisterciense (os coutos, com os respectivos marcos e

também o reflexo de um tempo e dos homens e não

outros sinais arquitectónicos, e as granjas, ilustrados

só daqueles que os realizaram, mas também e com

com o caso do padrão de Cimbres e da singular torre

mais interesse ao nosso intento, daqueles ou daque-

ou ponte fortificada de Ucanha, e da granja de Foz

las que as encomendaram.


Finalmente, há que considerar ainda outros dois

a fotografia» e «O mosteiro de Arouca e o cinema»).

importantes campos que o responsável pela obra

No ano em que se perfazem 900 anos sobre o reju-

houve por bem fazer considerar. Referimo-nos às ex-

venescimento que representou a fundação de Clara-

pressões literárias cultivadas ou suscitadas por estes

val por Bernardo de Fontaine, saúda-se a publicação

mosteiros, campo em que cumpre destacar o inte-

desta obra. Fruto de uma parceria entre duas institui-

ressante e importante artigo sobre o controverso «Frei

ções que, claramente, assumem o seu papel e a sua

Bernardo de Brito e os escritores cistercienses nos

responsabilidade em matérias culturais e na valori-

mosteiros do Douro», e, de um outro modo, também

zação e dinamização de uma região que a Ordem

um outro, intitulado «O romantismo literário e os mos-

de Cister moldou – ou ajudou a moldar – ao longo de

teiros cistercienses do Douro: uma voz feminina entre

séculos (salientem-se as reminiscências ainda pre-

ruínas», misto de história e memória. E, por considera-

sentes até na organização física do espaço durien-

se a memória, leiam-se os muito interessantes capí-

se), saúdem-se os autores e o Coordenador da obra.

tulos sobre pratos, ponto de partida para uma história

Pelo seu labor, Cister no Douro não é, apenas, uma

de família ligada a mosteiros cistercienses, no caso

memória, muito menos um slogan. Na expressão dos

Tarouca e Salzedas («Vasconcelos: história social de

artigos que se seguem, descobrem-se realizações

um prato»), bem como para apresentar uma ten-

multifacetadas, expressão de cultura e saber, de arte

dência individualizante entre as casas das diversas

e de técnica, que ajudaram ao moldar da persona-

ordens e congregações, bem como, in limine, en-

lidade única de um espaço, simultaneamente fautor

tre os seus membros («Tigela brasonada de faiança

da alma dos homens que o habitam e que, por isso,

coimbrã»).

ganha em dimensão na projecção de uma memória

E se estas peças são, elas próprias, retalhos de

ímpar do passado das suas terras.

vidas, exemplos de modas, expressões de técnicas correntes, são também a manifestação de memórias. De um tempo, de comunidades, de vidas. Nem se conceberia uma obra deste teor sem esta importante parte da vida dos homens, a memória e a consideração de algumas das suas diversas formas. Já apresentámos alguns estudos que representam também essa preocupação. Mas, num tempo de apelo constante a técnicas e tecnologias, não se pode admirar que os autores tenham considerado dois campos de certo modo inovadores nos estudos cistercienses, a fotografia e o cinema («Marques Abreu e

Pampilhosa, 30 de Abril de 2015

11


NUNO RESENDE | COMISSÁRIO CIENTÍFICO DE CISTER NO DOURO

CISTER NO DOURO: MODO TDE COMPOSIÇÃO


13 O que o leitor tem entre mãos é um catálogo de exposição. Este esclarecimento é necessário porquanto durante o último século as historiografias e a museologia nos habituaram à ideia dos conteúdos expositivos apresentados em listagens ou «filas» de objectos, por vezes descritos até à exaustão. Funcionalidade, materialidade e sequencialidade – como se a forma, o lugar e o tempo fossem sempre determinantes para um conhecimento que, na solidão de uma sala de museu, nos confronta violentamente com a obra de arte – esta por vezes apenas compreensível através de legendas ou de um percurso delineado na arquitectura. Não obstante tal experiência (nem sempre agradável e frequentemente redutora), entre o observador, a obra e o lugar, esta ideia serviu para desenhar a exposição temporária Cister no Douro, onde a morfologia do claustro, – espaço fechado – se transmutou em lugar de confluência, atracção e confronto. Assim nasceu, em 2014, este projecto expositivo o qual, através da simulação de um lugar claustral e recorrendo apenas à imagem e ao som, traçou uma viagem ao percurso da implantação e desenvolvimento da Ordem de Cister na região do Douro. O título, ainda que vago por associar duas realidades à partida dissemelhantes (uma histórica e humana e outra natural e geográfica) fundamenta-se nessa difusa articulação entre ambas. Cister, uma antiga mas obscurecida ordem religiosa que o liberalismo português votou ao esquecimento e o Douro, expressão supra-territorial que hoje constitui uma marca inegável de atracção turística, ainda que essencialmente reconhecida pelo seu valor paisagístico. Mas se a paisagem é uma construção (e é-o, naturalmente, quando mais não seja pelos olhos de quem a interpreta) Douro e Cister cruzam-se para narrar um percurso iniciado no século XII entre os habitantes das comunidades da região e os monges brancos que se instalaram a poucas léguas a sul do rio, num dos seus afluentes, denominado Varosa. A ordem não se restringiu, porém, à parte setentrional da bacia hidrográfica do Douro, acompanhando o movimento humano e político que ao longo dos séculos XII e XIII estendeu os limites do crescente reino de Portugal para além do Tejo. Mas a concentração de um conjunto notável de


edifícios cistercienses erguidos ainda durante a idade média ao longo da antiga fronteira cristã que foi o curso do Douro (Santa Maria de Aguiar, São Pedro das Águias, Salzedas, São João de Tarouca e Santa Maria de Arouca), não pode passar despercebida na geografia religiosa nacional. De resto, a vitalidade não se perdeu durante a medievalidade, porquanto na época Moderna, para além da renovação espiritual e arquitectónica dos velhos mosteiros, dois novos espaços nasceram no mesmo território, aumentando a presença e o testemunho cisterciense na «margem» sul do Douro: São Pedro das Águias e Nossa Senhora da Assunção de Tabosa, este um instituto de monjas bernardinas sujeito aos rigores dos planaltos beirões. Não é, pois, esta relação construída no anacronismo tantas vezes aproveitado pela moderna burocracia de gabinete que, longe de compreender (ou querer compreender) a importância de se preservar o espírito

14

das coisas no seu lugar original, subverte geografias e cronologias para servir os projectos turísticos. Não é o Passado, a História ou a Memória que se devem vergar às necessidades económicas do Presente, ou aos desejos futurísticos das comissões de planeamento, mas antes o desejável contrário – o de que o património possa contribuir, na sua autoridade temporal, para articular e proporcionar o bem-estar das comunidades ao seu redor e o conhecimento aos visitantes que nele procuram a individualidade perdida entre a dissolução estética da sociedade contemporânea. Constituem, pois, os termos Cister e Douro, uma feliz associação consolidada pelos estudos que ora se apresentam neste catálogo. Propício à construção de um reino o Douro, outrora fronteira, tornou-se território de acção para a vocação aculturadora da ordem de Cister – aculturação aqui aplicada no triplo sentido da palavra cultura, enquanto instituição espiritual (culto), fundada na matriz beneditina da oração e do trabalho (cultura) e cujo elementos se entregavam à construção do saber (Cultural). Confirmam-no os autores do presente conjunto de ensaios, alguns inéditos e reveladores, ora destacando expressões materiais da Ordem, através da sua missão edificadora que semeou, afora as igrejas e respectivas casas monásticas (cat. 1, 8), os marcos (cat. 5), as granjas (cat. 6) as pontes e vias (cat. 8) que são ainda o testemunho da transformação do território duriense; ora elencando a importância dos locais sob a sua jurisdição como centros de produção ou atracção artística (cat. 2, 9, 10, 13, 14), em que objectos, indivíduos, práticas sociais (cat. 15, 17) e culturais (cat. 4, 11) modelaram a expressão homogeneizante deste conjunto de mosteiros. Organizado cronologicamente (doutra forma não poderia ser, pois é impossível fugir ao curso do tempo), este catálogo procura elencar um conjunto de aspectos nem sempre presentes numa exposição convencional. Desde logo ao recusar entregar ao objecto a primazia do individual. Esse modelo de catalografia, centrado na descrição (por vezes exaustiva e exauriente) da peça, na elaboração de uma fortuna crítica e na indicação do percurso da mesma até ao seu plinto expositivo, reprime a compreensão das razões e das funções, dos meios e das práticas e, sobretudo, do seu significado total. Quando exposto numa vitrina o


objecto não respira e nós não respiramos com ele – ainda mais por que «prejudicados» pelas medidas preventivas e de salvaguarda que as boas práticas de conservação reservam (ainda bem, claro!) para que não haja contacto físico entre ambos. Neste catálogo não há somente objectos, há propostas, há ideias – umas fundadas na materialidade de um capitel (cat. 2), de um anel (cat. 3) ou na de dois pratos de faiança (15, 16), outras nas folhas de um romance (cat. 19), numa fotografia de ruínas ou nos fotogramas de um filme sobre um amor trágico (cat. 21). Mas se cada um dos exemplos indicados apresenta materialidade (e logo factualidade) - mormente através dos seus suportes (pedra, madeira, papel, cerâmica, película, etc.ª) – também acolhe leituras e interpretações diversas, mesmo quando apenas se dirige o olhar para parte desse objecto, como no caso aqui apresentado que revê com mais atenção a imagem (ou imagens) da pintura de um desaparecido conjunto de tábuas associado a Salzedas (cat. 10). Afinal de contas, não andaremos há muito a olhar para fragmentos e a apreciá-los sem os compreendermos? Aliás, não teremos já perdido demasiado tempo muito tempo a observar de perto o que ao longe se veria melhor? E sempre presos à ideia de criação (da obra) esquecemos a sua destruição que é também parte da sua materialidade, neste caso anulada ou transformada em ruína, por exemplo, para regressarmos ao fragmento que, no caso de Cister no Douro, constitui um dos tópicos mais relevantes da sua História (cat. 19). Espoliados do seu património humano logo depois de 1834 (cat. 18) os homens e mulheres dos mosteiros de Cister viram o seu acervo perder-se, em parte enquanto materialidade, mas anos e décadas o mesmo património reconverteu-se num conjunto de propostas que apontam para novos caminhos (cat. 22). Aos autores desta obra foi pedido que, no conjunto das suas aptidões e conhecimentos construíssem um diálogo com e entre os objectos, as ideias, as formas, os textos e contextos, no sentido de construir (ou reconstruir), entre palimpsestos, ruínas e fragmentos, não uma obra nova, nem definitiva, mas um alfobre de soluções para, de mais longe e com mais liberdade procurar desenhar uma imagem com maior definição do Passado, da Memória colectiva e do Património – que é, afinal, a súmula de tudo. E o Douro, na sua luminosidade característica, nos seus horizontes rasgados e na intemporalidade do seu lugar como encontro de caminhos, cremos, assim o permitiu.

NORMAS DE PUBLICAÇÃO Ao longo desta obra o leitor encontrará remissões para assuntos ou temáticas tratadas por outro autor ou autores através da indicação «cat.» seguida do número respectivo do verbete catalográfico. As referências bibliográficas e de fontes indicadas nos verbetes pela forma AUTOR, DATA: página ou fólio, remetem para a secção final «Fontes e referências bibliográficas», salvo indicação em nota final. Para a elaboração da secção «Fontes e referências bibliográficas» foi seguida a norma internacional APA com ligeiras modificações adequadas à referenciação de fontes primárias impressas portuguesas. Todos os artigos e respectivo conteúdo são da responsabilidade do(s) seu(s) autor(es), nomeadamente na utilização no Acordo Ortográfico em vigor.

15


01

SÉCULOS XII-XX

MOSTEIRO DE SÃO PEDRO DAS ÁGUIAS

MOSTEIRO DE SÃO PEDRO DAS ÁGUIAS MARIA LEONOR BOTELHO


Na margem sul do rio Douro, São Pedro das Águias

construído num local que apenas uma vocação ere-

(Tabuaço, Granjinha) afirma-se pelo carácter original

mítica pode justificar. Se o movimento eremítico já

da sua implantação (figura 1) na orografia das mar-

tinha alguma expressão entre nós no século XII (MAT-

gens do rio Távora. O carácter isolado deste eremi-

TOSO, 1972), ocorreu assim uma maior receptividade

tério e que os condes portucalenses, em comunhão

à nova forma de vida monástica, cujas afinidades ao

com a paisagem agreste envolvente, estava bem

nível de um «culto da solidão» e do despojamento,

de acordo com os preceitos ascéticos da Ordem

da auto-subsistência e da comunhão profunda com

religiosa de São Bernardo de Claraval (1090-1153). É

a natureza, se tornam evidentes.

de suma importância o facto de este templo ter sido 

Figura 1 | Implantação do Mosteiro de São Pedro das Águias. Foto Pedro Martins © DRCN

Tendo em conta as fontes documentais, só em 1205

17


18

é que o Mosteiro de São Pedro das Águias foi citado

cas, com as cabeceiras dirigidas para Oriente. Como

pela primeira vez e nas atas dos Capítulos Gerais de

se sabe, existem razões teológicas que justificam a

Cister (SOUSA, 2005: 113 e BARROCA, 2000: II, I, 603). A

orientação das igrejas cristãs e que permitem estabe-

sua filiação a São João de Tarouca deve ter ocorrido

lecer uma série de paralelismos com as mesquitas e

algures durante os finais do século XII. Todavia, sabe-se

sinagogas no que toca à relação dos edifícios com

que este mosteiro já existia no século XII, sob a forma

os pontos geográficos (GUERRA, 1986). Além disso, ao

de eremitério e que os condes portucalenses, D. Henri-

românico liga-se intimamente a teoria da «teologia so-

que e D. Teresa, o coutaram com um extenso território

lar», a importância simbólica do nascer e do pôr-do-sol

(PÉREZ, 2010: 257-270).

(figura 2). Ocupando toda a largura do socalco, a en-

Implantada num pequeno balcão, entre altas fragas

trada ocidental de São Pedro das Águias está a curta

e declive abrupto sobre a margem esquerda do rio Tá-

distância do maciço rochoso, quase esbarrando com

vora, esta igreja está assim perdida em isolamento e

este. A igreja de São Pedro das Águias assume, pois,

implantada no sentido do declive por imposição da

um lugar de destaque no panorama geral do româ-

regra de orientação das construções religiosas români-

nico português, não só pela sua original implantação,

Figura 2 | Alçado sul e implantação do Mosteiro de São Pedro das Águias. Foto Pedro Martins © DRCN


mas também pelo carácter cuidado de toda a sua fábrica construtiva e escultórica, esta última irmanada do eixo Braga-Rates (BOTELHO, 2013, 513-526). Característica abadia de montanha, São Pedro das Águias ergue-se num «vale perigoso» (MARQUES, 1998: 317), conforme classificação do visitador quinhentista Bronseval. No que à igreja concerne, único vestígio remanescente da estrutura monástica que no século XVI ainda mostrava ao visitador o dormitório e as ruínas do seu claustro(figura 3), só a implantação no sentido do declive pode justificar o desnível existente entre a capela-mor e o corpo da igreja, este último ocupando uma cota bem mais elevada do terreno. Deste modo, no acesso ao interior da nave única há degraus descendentes e o seu piso interior vai baixando progressivamente em direcção à cabeceira rectangular. O carácter de isolamento é cedo notado: em 1227 documenta-se um pedido do abade de São Pedro das Águias para mudar a respectiva abadia de local, qual abadia de montanha, edificada inicialmente em local quase inacessível (MARQUES, 1998: 53). Mais tarde, aquele que veio a ficar conhecido como «antigo mosteiro» foi abandonado pelos próprios cistercienses que acabaram por fundar um «novo» nas proximidades (Tabuaço, Távora), em finais do século XVI. Tendo em conta as características arquitectónicas e escultóricas, mas também a tipologia da epígrafe do portal lateral Norte (figura 4), propiciatória e apotropaica e que transcreve, adaptando, o texto do Salmo 121,8 – «O Senhor guardará a tua saída e a tua entrada, desde agora e para sempre» (apud BARROCA, 2000, II, I, p. 600-604), é bem possível que a igreja de São Pedro das Águias tenha sido edificada no século

Figura 3 | Portal principal (pormenor). Foto Pedro Martins © DRCN 

19


Figura 4 | Portal principal: pormenor dos capitéis e figuras guardiãs. Foto Pedro Martins © DRCN 

20


XII, muito embora a cabeceira possa ser, neste caso,

na encontramos uma nítida influência do românico do

mais tardia. A ser assim, na construção deste eremité-

foco bracarense, nomeadamente na composição de

rio não se seguiu a regra de construção de uma igreja

animais afrontados, feita no sentido das aduelas.

na época românica e que geralmente era iniciada

Em São Pedro das Águias materializa-se, assim, de

pela cabeceira. Tal facto apenas poderá ser justifi-

forma significativa, uma relação muito peculiar entre

cado pela reduzida proximidade entre a fachada

o território envolvente e a orografia que acolhe a ex-

ocidental e a escarpa abrupta, o que não invalidou,

pressão física dos vestígios remanescentes dos mos-

contudo, que no seu portal, composto por três arqui-

teiros que integraram a Ordem de Cister a partir do

voltas que se apoiam em leões-atlantes, quais figuras

século XII, assumindo-se, seguramente, como um dos

guardiãs (figura 5), se desenvolvesse uma profusa e

edifícios de mais original implantação neste contexto,

túrgida ornamentação escultórica. Na arquivolta inter-

não só em Portugal, como ainda no quadro europeu.

Figura 5 | Pormenor da inscrição do portal lateral norte. Foto Pedro Martins © DRCN

21


02

SÉCULOS XII-XX

MOSTEIRO DE SANTA MARIA DAS SALZEDAS

CAPITEL DE CLAUSTRO COM LEÕES AFRONTADOS LÚCIA MARIA CARDOSO ROSAS


Exemplar de exceção no românico português, dada

mânico de Salzedas. Apesar destas afinidades entre o

a raridade de peças com escultura figurativa prove-

românico do Poitou e o capitel de Salzedas, é sabido

nientes de claustros da época, e dada a qualidade

que as comparações formais nem sempre permitem

do seu desenho e fatura, o capitel com dois leões

estabelecer relações entre oficinas ou mesmo deter-

afrontados exposto no núcleo museológico de Santa

minar a origem de um modelo, tal a amplitude da dis-

Maria de Salzedas convida a uma reflexão sobre a

seminação dos temas e das formas.

arte românica portuguesa e, mais concretamente, sobre o sentido das imagens figuradas em capitéis.

O tema dos leões afrontados é, sem dúvida, um dos mais glosados na arte românica da europa ocidental.

Embora a cabeça esculpida no capitel de Salzedas

Encontramos este tema em capitéis de portal, arco

apresente alguma ambiguidade quanto à espécie

triunfal, colunas que dividem as naves, tímpanos, re-

animal que representa, já que pode figurar um qual-

levos encastrados nas fachadas ou capitéis de claus-

quer felino, a verdade é que a presença da juba,

tro. Além do significado simbólico e iconográfico que

apenas incisa na peça, não oferece dúvidas quanto

certamente tem, a figura do leão presta-se às cons-

à identificação de um leão. François de La Bretèque

tantes que melhor caraterizam a escultura românica:

notou, a propósito da ambiguidade de algumas repre-

o gosto pela simetria, o preenchimento do campo es-

sentações da época medieval que, por muito bizarra

cultórico com a comprida cauda que permite efeitos

que seja a anatomia do leão, a juba funciona como

visuais multímodos, como o prolongamento ornamen-

o signo principal da sua identificação (BRETÈQUE, 1985:

tal do corpo do animal, o desdobramento de uma

145). Cremos, no entanto, que em alguns casos a juba

figura com uma cabeça comum nas duas faces de

não seria esculpida mas unicamente pintada. Há re-

um capitel ou a disposição que vemos na peça de

presentações de leões que não a figuram, como a

Salzedas: dois leões com uma única cabeça, escul-

de um capitel da igreja de Saint-Pierre de Parthenay-

pidos na mesma face da imposta-capitel. Este tema

le-Vieux (Poitou-Charantes) onde a inscrição LEONES

é frequente em Castela, Leão e França, nomeada-

não deixa lugar para dúvidas sobre a identificação

mente na região do Poitou onde o tema do leão, aí

dos animais. Neste caso a solução formal das cabe-

particularmente glosado, já mereceu o estudo de M.

ças apresenta semelhanças com o capitel de Salze-

I. Takeshita. Entre os vários modelos, o autor menciona

das. Num exemplar com policromia da igreja de Sain-

a solução que apresenta dois leões esculpidos num

te Radegonde (Poitou-Charantes) está representado

mesmo capitel com uma cabeça comum, indicando

um leão cuja juba é realçada a traços negros sobre

numerosos exemplares patentes nas igrejas do Poitou

fundo amarelo, assim como os olhos, o nariz e a boca,

(TAKESHITA, 1980: 43-45).

ou seja os elementos mais expressivos da figura. Este

O tema dos leões afrontados tem inúmeras varian-

exemplar tem igualmente semelhanças, tanto no re-

tes, ora apresentando leões com duas cabeças que

levo como no desenho, com o capitel do claustro ro-

se afrontam na esquina do capitel, como no exemplar

23


24

do interior da igreja de S. Pedro de Rates (Póvoa de

No românico português não é tarefa fácil entender

Varzim), ora se adossam na aresta e voltam as cabe-

o sentido das imagens e, muito menos, as possíveis re-

ças que ocupam as duas faces do capitel, ora ainda

lações temáticas entre os capitéis ou outros elementos

se mostram afrontados na mesma face de um capitel.

esculpidos presentes numa mesma igreja. O número

Noutros casos os leões engolem uma figura humana,

de capitéis românicos historiados com temas religiosos,

como no arco triunfal da igreja de S. Salvador de Bra-

míticos e profanos, não ultrapassará uma centena e

vães (Ponte da Barca) ou, em composição de mais

meia (ALMEIDA, 2001: 160) e poucos são os que apre-

claro sentido, integram a cena vetero-testamentária

sentam um claro sentido. A figuração não aparenta,

de Daniel na Cova dos Leões (charola de Tomar), um

na maior parte das vezes, fazer parte de um programa

dos temas mais comuns do românico do ocidente eu-

iconográfico.

ropeu.

As interpretações que a historiografia tem produzido


25

Figura 1 | Capitel do Claustro, Núcleo Museológico do Mosteiro de Santa Maria de Salzedas. Foto Luís Sebastian. © Museu de Lamego, DRCN

sobre esta questão são pouco conclusivas, ambíguas

cultura dos capitéis: a noção de programa que, apli-

e até forçadas. Contudo, há exemplares que mere-

cada à escala do décor da igreja, tende a sugerir que

cem uma renovada atenção à luz das noções propos-

praticamente tudo foi previamente definido, deven-

tas por Jérôme Baschet, Jean-Claude Bonne e Pierre-

do encadear-se com o objetivo de criar um discurso

Olivier Dittmar (BASCHET et al., 2012a). A noção de

contínuo e unificado, e a noção de que a distribuição

agencement destina-se a repensar a disposição dos

dos capitéis não corresponde a qualquer organização

capitéis, ou seja as relações das suas relações, com a

coerente. A noção de agencement pretende ser mais

configuração arquitetónica e funcional do lugar ritu-

ampla, mais rica e mais subtil do que as anteriormente

al. Esta noção pretende escapar aos dois postulados

referidas (BASCHET, et al., 2012b), fornecendo um esti-

opostos que habitualmente enformam a análise da es-

mulante modelo operativo.


Se a questão da dificuldade interpretativa se coloca relativamente aos capitéis, encontramos um problema semelhante no que diz respeito aos temas esculpidos nos portais (cat. 1). Sendo a escultura românica portuguesa muito marcada pelo gosto da escultura vegetalista e geométrica, fenómeno que radica na influência das pré-existências dos séculos da Alta Idade Média e da artesania moçárabe, não é muito frequente encontrarmos programas figurativos com a erudi-

26

ção, dimensão e complexidade dos exemplares dos outros reinos hispânicos. Os portais axiais de S. Salvador de Bravães S. Pedro de Rates e S. Salvador de Ansiães são, neste sentido, e de certa forma, excecionais no panorama do românico português, embora estejam longe de apresentar a mesma escala programática e figurativa, quando comparados com outros exemplares europeus. No entanto, a raridade de programas iconográficos com temas religiosos não significa a inexistência de um sentido das imagens nos portais. Uma grande parte da escultura românica portuguesa afirma a conceção do portal como Porta do Céu ou Pórtico da Glória e tem um claro sentido apotropaico expresso ora em signos como o nó de Salomão, o pentalfa ou os discos helicoidais, ora na presença de animais míticos, como as harpias ou terríficos como a serpente, o cão e o leão (ALMEIDA, 2001: 158-159). Animal de guarda, e símbolo mais erudito que o cão ou a serpente, o leão está presente com esse sentido no portal sul de S. Pedro de Rates, na fachada ocidental de Santa Maria Maior de Tarouquela (Cinfães), suportando o tímpano do portal axial de S. Pedro das Águias (Tabuaço), em mísulas de S. Fins de Friestas (Valença) e em S. Salvador de Ansiães (Carrazeda de An-

Figura 2 | Capiteis igreja. Foto Pedro Martins © DRCN 


siães), onde dois leões de olhos bem abertos servem

abade (DIAS, 1997) onde S. Bernardo pergunta o que

de gonzos na parte interna do portal principal, de-

fazem nos claustros, entre outros seres, os leões ferozes,

monstrando claramente o seu simbolismo de animal

e se refere aos capitéis esculpidos com uma só cabe-

de guarda. A propósito deste exemplar, C. A. Ferreira

ça e vários corpos ou um corpo com várias cabeças.

de Almeida refere que, conforme a crença de então,

Embora a arquitetura cisterciense tenha, em corres-

se acreditava que o leão, mesmo dormindo, estava

pondência com o texto de S. Bernardo, utilizado raras

sempre de olhos abertos (ALMEIDA, 2001: 159).

vezes a figura humana ou animal, preferindo os temas

Na simbólica medieval todos os animais são ambi-

geométricos e vegetalistas esculpidos de forma conti-

valentes, assumindo um caráter positivo ou negativo.

da, a verdade é que a escultura arquitectónica figu-

O leão pode simbolizar os animais hostis e ser a pró-

rativa surge nos mosteiros cistercienses, principalmente

pria imagem do demónio, conforme a mensagem de

a partir das primeiras décadas do século XIII. É disso

S. Pedro: sede sóbrios e vigiai, pois o vosso adversário,

exemplo, como demonstrou M. Aitana Monge Zapata,

o diabo, como um leão a rugir, anda a rondar-vos,

o mosteiro de Santa María de la Sierra (Segovia) cuja

procurando a quem devorar (1 Pe. 5, 8). A Bíblia, que

filiação em Cister foi realizada por monges vindos de

menciona o leão 157 vezes, projeta essa imagem am-

Cîteaux, em data anterior a 1219. Apesar de se encon-

bivalente. Nos salmos (Sal. 7, 3; Sal. 9, 9; Sal. 22, 13. 21;

trar em estado de ruína, mantém uma profusão de

Sal. 56, 5; Sal. 90, 13) e em outras passagens (2 Tm. 4,

capitéis animalistas. Sendo embora um mosteiro ante-

17), o leão é uma criatura claramente hostil e perigo-

riormente beneditino, a construção que se conserva

sa (GARCÍA GARCÍA, 2009: 34). Já a visão positiva do

deve corresponder a uma edificação já cisterciense

leão está presente tanto no Apocalipse, onde Cristo

(MONGE ZAPATA, 2011: 333.).

é aclamado como o Leão de Judá (Ap. 5, 5), como

A sagração de Santa Maria de Salzedas ocorrida

no Antigo Testamento onde o leão é visto como uma

em 1225, altura em que os monges terão abandona-

animal forte e valente. No Fisiólogo e nos bestiários o

do a Abadia Velha (cat. 8), mosteiro que ficou inaca-

caráter positivo do leão está relacionado com a sua

bado (CASTRO, 2014: 16-17), indica que a época da

própria natureza, sendo uma das suas virtudes a de

sua construção estava já distante dos rigores de auste-

dar vida às crias que nascem nado-mortas. Esta res-

ridade construtiva da Ordem de Cister. No interior da

surreição é interpretada à imagem do próprio Cristo,

igreja conservam-se capitéis figurativos, sob as pilastras

porque se realiza ao terceiro dia do nascimento (DUR-

da época moderna, que a recente intervenção reve-

LIAT 1985: 75).

lou. Certamente que um mais completo conhecimen-

Sendo Santa Maria de Salzedas um mosteiro da ordem cisterciense e tendo este texto como mote um capitel figurativo que pertenceu ao claustro, é inevitável referirmo-nos à célebre Apologia a Guilherme,

to das peças românicas de Salzedas merecerá uma renovada atenção.

27


03

SÉCULO XII

MOSTEIRO DE SÃO JOÃO DE TAROUCA

A SACRALIZAÇÃO DOS ESPAÇOS: O ANEL DE ORAÇÃO DO MOSTEIRO DE S. JOÃO DE TAROUCA

ANA SAMPAIO E CASTRO


Fundado em 1140, através da carta de couto

do Capítulo medieval, situada na ala dos monges, na

concedida por D. Afonso Henriques, o mosteiro cis-

continuação do transepto. Esta parede apresentava

terciense masculino de S. João de Tarouca (Tarouca,

uma técnica de construção similar a todas as outras

Viseu, Portugal) foi alvo de intervenção arqueológica

medievais: duas faces de silhares graníticos sobrepos-

entre 1998 e 2007, no âmbito de um amplo plano de

tos, com uma altura entre os 40 a 60 cm e com uma

reabilitação e musealização da responsabilidade da

espessura total entre os 100 a 112 cm. O espaço entre

Direção Regional de Cultura do Norte/Secretaria de

os silhares, tendo estes uma largura entre os 20 a 50

Estado da Cultura.

cm, era ocupado por pedra de média e pequena

O mosteiro encontra-se implantado no vale do

dimensão e argamassa de baixa aderência, sendo

rio Varosa, no cruzamento de duas linhas de água,

exatamente neste local encontrado o anel. Este po-

apresentando uma planta tipicamente cisterciense

sicionamento revela que a sua deposição ocorreu

(figura1). Até à sua extinção, em 1834, toda a área

após a colocação da primeira fiada de silhares e res-

monástica foi sofrendo várias alterações com a rea-

petivo enchimento com pedra e argamassa, depre-

daptação de espaços e construção de novos edifí-

endendo-se assim que a segunda fiada terá selado o

cios a norte.

anel no interior desta parede.

A intervenção arqueológica, direcionada para a

O anel em prata (figura 2) apresenta um diâmetro

identificação dos vários espaços existentes, permitiu

de 20 mm com 3 mm de largura e 0,7 mm de espes-

a identificação da função de cada uma das salas.

sura, tendo de peso 0,85 g. A altura máxima das letras

Neste contexto o anel de oração foi exumado em

é de 1,8 mm, encontrando-se gravadas através de

2001 aquando da definição da parede norte da Sala

punção e incisão, sendo a primeira técnica mais re-

Figura 2 | Anel de oração. Foto José Pessoa. © Museu de Lamego, DRCN

29


deste tipo de «legendas devocionais acrósticas». De

0,2 mm de profundidade. A segunda técnica foi ape-

facto os exemplares conhecidos já para o século XVI-

nas utilizada nos segmentos circulares das letras S, B,

XVII apontam para um valor apotropaico das letras

G, R e D e com uma profundidade inferior a 0,1 mm.

contra a Peste, sendo que no caso deste anel o seu

O conjunto de letras maiúsculas estão associadas

valor pode indicar a invocação de poderes contra os

em sete grupos e separadas por sete cruzes gre-

malefícios, os incêndios e as tempestades. Esta carga

gas potentadas: + Z + DIA + SAB + Z + MGF + BFRS.

simbólica leva-nos a considerar que aquando da sua

Tipologicamente podem ser classificadas dentro do

deposição possa ter existido uma pequena cerimó-

Alfabeto Carolino, sendo que este tipo de alfabeto

nia com um sentido apotropaico e esconjurador.

iniciou-se, entre nós, na primeira metade de século

Cronologicamente a análise gliptográfica do con-

XII, dominando a segunda centúria e parte do sécu-

junto monástico medieval sugere que a igreja terá

lo seguinte. A sequência das letras corresponde ao

sido a primeira construção edificada, seguindo-se a

início de um verso, representando uma oração im-

ala dos monges, calefactório e cozinha. É também

petratória ou propiciatória (figura 3)(cat. 1, 2). Este

de pressupor que a edificação do claustro se tenha

anel reveste-se ainda de extrema importância cultu-

efetuado ao mesmo tempo, embora não tenhamos

ral, visto que, até à data, é o exemplo mais antigo

quaisquer dados gliptográficos que nos permitam

E B E C H+ R S+

A+ 

N S+

I D+

30

presentativa e tendo secção em bisel com cerca de

B I +S +S +A B

Figura 3. Foto José Pessoa. © Museu de Lamego, DRCN

+ D – Deus absconditus, dives, destructor mortis I – Imago Dei, intellectus invisibilis A – Alpha et Omega admirabilis + B – Bonitas Bonus Messias mediator propheta(m) I – Iesus iustus procedens iudex vivoru(m) et mortuoru(m) + S – Salvator Sanctus splendor gloria(m) + S – Salvator salutaris Dei, seggregatus ab omni malo + A – Altissimus Agnus Dei qui tullis peccata mundi B – Benignus spiritus animaru(m) sanctarum N – Novissimus sacerdos + S – Serpens exaltatus in cruce vos q(ui) credis in ipso n(on) pereat s(e)d habeat vitam eternam + H – Homo, hostia, hostium C – Candor lucis eternae, Christus, creator, consolator E – Emanuel egenus B – Bona radix Jesse, bonus et fidelis E – Excelsior calis factus expectatio gentiu(m) R – Redemptor rex regnum + S – Sancte Deus, Sancte fortis, Sancte et immortalis misere nobis


31

Figura 4 | Panela votiva. Foto José Pessoa. © Museu de Lamego, DRCN


32


33

terior sugere que esta tenha sido depositada como

corroborar esta hipótese, pois a fundação original

preenchimento, resultando na fragmentação, sem

foi totalmente desmantelada dando lugar a um

deslocamento, das paredes da peça.

novo claustro de estilo maneirista. Contudo podemos

Esta deposição contrasta com a trivialidade do

apontar como baliza cronológica da construção

objeto: uma panela de fabrico comum com vestí-

destes edifícios, nomeadamente da Sala do Capítu-

gios de fuligem, fruto da sua continuada utilização.

lo, os últimos decénios de século XII e os primeiros da

A aparente banalidade poderá conter uma carga

centúria seguinte, corroborando assim a datação da

simbólica, uma vez que não serviu de recetáculo a

produção do anel de oração.

qualquer matéria orgânica então desintegrada, pois

A intencionalidade desta deposição poder-se-á re-

como foi verificado encontrava-se preenchida inte-

lacionar com um outro artefacto exumado durante a

riormente com terra. Embora a maioria das deposi-

intervenção arqueológica: uma panela de cerâmica

ções conhecidas em contextos de construção se re-

preta (figura 4) encontrada no alicerce da Sacristia

portem a moedas, têm vindo a ser detetados outros

original. Encontrava-se colocada na sua posição na-

objetos mais triviais, como por exemplo uma espinha

tural e no topo do aterro colocado para a elevação

de peixe colocada com um fragmento de cerâmica,

do piso lajeado da Sacristia. Para além do seu posi-

sob um dos ladrilhos de um piso de tijoleira relaciona-

cionamento perfeitamente vertical, o facto da terra

do com a reformulação da antiga casa da moeda

que se encontrava no seu interior ser idêntica à ex-

no Porto, em cerca de 1628.

Figura 1 | Planta do mosteiro medieval de S. João de Tarouca. Figura Luís Sebastian. © Museu de Lamego, DRCN


04

SÉCULOS XII - XIII

MOSTEIRO DE SANTA MARIA DE AROUCA

A MÚSICA NA ORDEM DE CISTER E OS ANTIFONÁRIOS DE AROUCA

MANUEL PEDRO FERREIRA


A música tem um papel central no culto cristão; ela

liturgia e à música religiosa. Isto foi facilitado por uma

projecta a palavra revelada, sacralizando-a e ajudan-

notação musical («notação aquitana») que represen-

do a modular o decorrer do tempo de acordo com o

tava espacialmente a posição das notas em torno de

ritmo da liturgia (FERREIRA, 2007) (cat. 13). O carácter

uma linha horizontal de referência, permitindo assim a

do antigo canto litúrgico é transversal aos vários ritos,

cada indivíduo aprender sozinho uma melodia nova.

quer do Oriente, quer do Ocidente latino. Na Penín-

Recordemos que a dimensão musical da liturgia ca-

sula Ibérica, após a unificação política imposta pelos

tólica era baseada no canto a uma só voz, ou seja,

Visigodos, impôs-se um rito «hispânico» de que há tes-

com uma única linha melódica, ainda que a execu-

temunho musical fragmentário no Palácio Episcopal

ção coral fosse dominante. No repertório romano-

de Lamego. Trata-se de um bifólio, que serviu durante

franco coexistiam então o canto gregoriano tradicio-

séculos como capa de livro, que inclui, entre outros

nal e peças de variada índole: melodias recentes para

itens, o «Sono» Refugium meum deus meus, a «Laudes»

o Ordinário da Missa, ofícios completos suscitados por

Laudate dominum a terra montes, e a leitura das La-

novas devoções ou festividades, hinos comemorativos

mentações de Jeremias (III, 1-3) para o quinto domin-

compostos em diferentes épocas, e um grande núme-

go da Quaresma (FERREIRA, 2010: 58-81). Atendendo a

ro de amplificações do canto gregoriano destinadas

que a Catedral de Lamego foi reestabelecida na sua

a solenizar ou sublinhar a sua inserção litúrgica, mor-

dignidade eclesiástica pelo rei de Leão e Castela, no

mente «tropos» e sequências de Aleluia com ou sem

terceiro quartel do século XI, é possível que este frag-

texto próprio («prosa»). Com a chegada triunfal, em

mento fosse originalmente parte de um livro de origem

meados do século XII, da Ordem de Cister, foi impor-

castelhana ou leonesa. Após 1080 deu-se a substitui-

tada e disseminada no ocidente da Península uma

ção do rito hispano-visigótico pelo rito romano-franco

versão sistematicamente depurada e bastante parti-

(o rito da cidade de Roma, reinterpretado e suplemen-

cular das melodias gregorianas e um hinário preten-

tado pelos clérigos do Império carolíngio aquando da

samente restaurado, baseado na tradição milanesa;

sua adopção na segunda metade do século VIII). As

a notação musical usada até ao início do século XIII,

antigas melodias hispano-visigóticas, registadas por

neumas do nordeste francês dispostos sobre pauta,

escrito através de neumas melodicamente imprecisos,

com características particulares, é sintomática da fi-

deixaram de ser ensinadas e foram esquecidas, com

liação em Claraval dos mosteiros cistercienses portu-

poucas excepções. Para que os clérigos pudessem

gueses (extensiva a quase todos os mosteiros galegos,

aprender as melodias romano-francas (o chamado

em contraste com o sucedido em Leão, onde Cîteaux

«canto gregoriano»), importaram-se livros, métodos de

estabeleceu o importante mosteiro de Carracedo, ou

ensino e professores, maioritariamente vindos do sul e

Castela, dominada por Morimond).

sudoeste de França (sobretudo da Aquitânia), que ti-

A Ordem de Cister distinguiu-se, nos primeiros séculos,

nha uma pujante tradição regional no que respeita à

pela definição, imposição centralizada e observância

35


36

estrita de regras em todos os campos da actividade

participarem regularmente no Capítulo Geral, reu-

monástica. Na definição dessas regras, os cistercienses

nido anualmente em Cister para discussão de casos

foram norteados pela vontade de regresso às fontes

particulares e aprovação de normas estatutárias. Por

primitivas. Assim aconteceu com a Regra de S. Bento,

vezes havia dispensas transitórias. Por volta de 1200, a

com a pronúncia do latim, com a selecção do hinos e

tolerância máxima de não-comparência para aba-

com a eleição da tradição melódica gregoriana.

dias distantes como as da Escócia era a presença a

É, de facto, sabido que na primeira metade do sé-

cada quatro anos, extensível a cinco por motivo de

culo XII a Ordem de Cister procurou chegar a uma edi-

força maior; mas já em 1211 a regra para o abade de

ção do canto gregoriano o mais fiel possível às origens;

Aguiar (então um dos mosteiros mais importantes do

para tal começou por adoptar a tradição de Metz, re-

reino de Leão) era a comparência ano sim, ano não.

putada a mais antiga, mas, perante a insatisfação de

Ora, em 1197 são desculpados pelo Capítulo Geral os

muitos monges (que recusavam admitir a autentici-

abades ibéricos que não haviam comparecido por

dade do seu idiomatismo germânico), a Ordem criou

causa das incursões muçulmanas ocorridas no centro

uma edição musical própria (FERREIRA, 2003).

da Península, mas encarrega-se o abade de Aguiar

Tal como explicado pelo próprio S. Bernardo no Pro-

de distingui-los dos que faltaram sem motivo, e que

logus in antiphonarium, os seus antecessores, por volta

devem, portanto, cumprir uma penitência (BORGES,

de 1110, decidiram que «nos louvores divinos devia

1998; CANIVEZ, 1933).

cantar-se segundo o que fosse mais autêntico»; de-

Neste contexto, a originalidade dos livros cistercien-

pois de se adoptar o antifonário da catedral de Metz,

ses copiados em Portugal é necessariamente limitada,

e tendo concluído que este era corrupto, os monges

mas pode ser identificada na adopção de tradições

continuaram a usá-lo até que num Capítulo Geral re-

locais (sobretudo relativas ao santoral), no desenvolvi-

alizado entre 1135 e 1140, «decidiram que devia ser re-

mento do culto mariano, na adição de hinos e mesmo

visto e corrigido» (GUENTNER, 1988: 152). Esta segunda

na composição polifónica (FORTU, 2014). O principal,

reforma, promulgada entre 1142 e 1147, foi preparada

senão único, centro de produção manuscrita de livros

sob a supervisão de S. Bernardo por uma comissão de

de coro em Portugal era Alcobaça. O repertório cis-

especialistas, provavelmente presidida por Guido Au-

terciense foi posteriormente adoptado pelos mosteiros

gensis, abade e autor de um detalhado tratado musi-

femininos de Lorvão e Arouca, refundados com patro-

cal, Regulæ de arte musica (MAÎTRE, 1995).

cínio real nas primeiras décadas do século XIII.

Os livros de canto, em qualquer parte da Europa

A adopção do uso Cisterciense implicava o recur-

onde houvesse mosteiros cistercienses, deviam copiar

so aos livros, ao conselho e à instrução providenciada

até ao mínimo detalhe o modelo centralmente apro-

por monges cistercienses. O mosteiro cisterciense mais

vado. As actualizações das rubricas e do repertório

próximo, S. João de Tarouca era, a par do mosteiro de

eram facilitadas pela obrigatoriedade de os abades

Alcobaça, um dos mais importantes mosteiros portu-


gueses. Os manuscritos de Arouca, contudo, nunca o

grande diversidade de opiniões, muitas vezes infun-

mencionam. Em contrapartida, o testamento da Rai-

dadas. A óbvia pertença deste par de antifonários a

nha Mafalda beneficia Salzedas, perto de Lamego, e

uma série de manuscritos musicais que inclui também

Alcobaça a sul. Dona Urraca Viegas de Tuías, dama

o Gradual de Lorvão (actualmente na Torre do Tom-

importante da região de Lamego, ligada ao mostei-

bo), o antifonário do mosteiro burgalês de Las Huelgas

ro de Salzedas, onde foi sepultada, havia educado

e o fragmento musical nº 11 da Biblioteca Nacional,

D. Mafalda como se fora sua filha, deixando-lhe em

faz com que a datação deva ter em conta toda a

herança grande parte das suas propriedades. Pela

série, bem como a produção manuscrita alcobacen-

leitura do testamento de D. Mafalda, tomamos co-

se que lhe serve de contexto, o que aponta para a

nhecimento de que Alcobaça lhe devia uma quantia

última década do século XII (FERREIRA, 2013). A análise

considerável, embora a tivesse presenteado com uma

das iniciais iluminadas revela a presença de um estilo

Bíblia. É assim provável que Alcobaça tenha fornecido

decorativo típico de Alcobaça — a avaliar pelos res-

livros litúrgicos a Arouca e ajudado a implementar as

pectivos Missais e Legendário —, e próximo daquele

suas novas rotinas monásticas.

que, desenvolvido ao longo do século XII, se encontra

Arouca conserva um importante grupo de manuscritos litúrgicos. Entre estes, avultam quatro códices

disseminado por volta de 1200 a norte e sul do Canal da Mancha (MIRANDA, 1995, 1998; FREILE, 2007).

que perfazem dois antifonários completos, compre-

Quanto ao par 22/23, o seu estilo decorativo, se

endendo cada um deles dois volumes; o conjunto

bem que relativamente rico, é claramente diferente

mais antigo — Mss. 21/25 (olim 1*/2*) — é datável dos

do par 21/25 (as iluminuras encontram paralelos, por

finais do século XII, e o restante — Mss. 22/23 (olim

exemplo, no Sacramentário de Fitero, de c. 1200); a

3*/4*) —, do primeiro quartel do século XIII (FERREIRA,

sua origem é possivelmente espanhola. Este não seria

2009). O facto de que um coro monástico requeria

caso único em Arouca, pois o seu Colectário, estu-

dois antifonários, um para cada lado do coro, e a

dado por Manuel Joaquim, foi importado da Galiza

circunstância de nenhum outro antifonário ter esta-

(JOAQUIM, 1957); neste manuscrito, a análise dos ín-

do, que se saiba, em uso em Arouca, sugere que am-

dices litúrgicos permite concluir que o conjunto das

bos os antifonários acima referidos estão em Arouca

capítulas e colectas e, provavelmente, a secção do

desde c. 1225; a análise interna dos mesmos aponta

Ofício de defuntos datam de c. 1228 ou copiam sem

para a mesma conclusão.

alteração um modelo desse ano, enquanto o calen-

Os volumes 21/25 são um dos mais brilhantes testemunhos da tradição manuscrita de Clairvaux, trans-

dário e as notas de cômputo que encabeçam o volume foram escritos em 1231.

plantada para Alcobaça primeiramente aquando da

Não são somente a impressionante qualidade artísti-

sua fundação, e novamente em finais do século XII.

ca, a data recuada e o bom estado de conservação

A sua datação e a sua origem têm dado azo a uma

que fazem dos antifonários 21/25 de Arouca testemu-

37


38

nhos artísticos e musicais de primeira ordem, mas tam-

duas peças a duas vozes acrescentadas ao Gradu-

bém a presença, no Ms. 25, de uma adição rara: um

al de Hauterive (Oxford, Bodleian Library, lat. liturg.

hino a São Bernardo, escrito para duas vozes por volta

d.5), que, embora incaracterísticas, se costumavam

de 1225, num estilo bastante arcaico para a época.

considerar o primeiro exemplo histórico conhecido de

O códice recebeu nova encadernação em 1483; um

polifonia cisterciense. O discante a S. Bernardo passa

bifólio solto, escrito nas páginas interiores, foi integrado

portanto a partilhar com estas peças o estatuto de

no volume e corresponde desde então aos seus fólios

mais antiga polifonia cisterciense, sendo ainda, das

2 e 3. No fólio 2v, vêem-se dois hinos em honra de S.

três composições, a única a ilustrar uma devoção ca-

Bernardo, copiados na primeira metade do século XIII,

racterística da Ordem de Cister (edição musical e gra-

provavelmente por altura da introdução em Arouca

vação em CD in FERREIRA, 2008).

do uso monástico cisterciense (FERREIRA, 2010: 212-54).

Apresentam-se de seguida alguns excertos do texto

O hino que encima o fólio, «Exultat celi curia», aparece

musicado, numa tradução semanticamente exacta,

com notação musical para duas vozes, dispostas uma

embora poeticamente aproximativa:

por cima da outra. Apesar do aspecto modesto, trata-

Exulta a corte do Céu, alegre com júbilo festivo;

se do documento polifónico mais antigo até hoje en-

folga a Santa Madre Igreja com o seu santo filho.

contrado em Portugal. Para além deste facto, que por

Bernardo, desde pequeno, grande virtude mostrou;

si só lhe asseguraria uma importância excepcional, o hino de Arouca é sensivelmente contemporâneo de 

do mundo, em virginal graça, vencedor desabrochou.

 Figura 2 | Arouca, Museu de Arte Sacra, Ms. 21 (Antifonário, c. 1195). Início do responsório Quadraginta dies et noctes. Fotografia Diogo A. Veiga © CESEM.

F igura 1 | Arouca, Museu de Arte Sacra, Ms. 21 (Antifonário, c. 1195). Início do responsório Angelus Domini descendit. Fotografia Diogo A. Veiga © CESEM.


[...] Amante da solidão, servir a Deus desejava;

XVII, sem cota, com encadernação mole de carnei-

palavras de admirável doçura escrevia, lia e ensi-

ra castanha. O volume transmite composições sacras normalmente a 4 vozes (por vezes a 5 ou a 3 vozes) de

nava. [...] Bernardo, que as tentações do mísero mundo

cem identificados incluem o célebre Cristóbal de Mo-

tinha desprezado, ofereceu, da vida, o perfume, como um perfumoso

rales (representado por um raro Magnificat), os compositores Manuel Mendes e Francisco Vellez, ligados a

nardo. [...] Maravilhosa era a sua simplicidade e grande a

Évora, e Aires Fernandes, ligado a Coimbra, todos do século XVI; e ainda músicos activos por volta de 1600,

sua paciência; enorme era a sua caridade e também a sua sapi-

como António de Oliveira, Simão dos Anjos de Gouveia e Frei João Leite Azevedo, também conhecido

ência. Em louvor da santa Virgem Maria, livros fez editar;

por D. João dos Mártires; completa a lista de autores

da Mãe de Deus e do Homem nos legou louvor

um enigmático «Brasil». O códice foi recentemente objecto de uma dissertação exemplar, que demons-

exemplar. Anote-se ainda a presença em Arouca de um livro de música polifónica da primeira metade do século

vários autores, muitos deles anónimos; os que apare-

trou a sua vinculação interna ao ambiente cisterciense (CARVALHO, 2012).

 Figura 3 | Arouca, Museu de Arte Sacra, Ms. 25 (Antifonário, c. 1195). Início do responsório Vidi speciosam sicut columbam. Fotografia Diogo A. Veiga © CESEM.

 Figura 5 | Arouca, Museu de Arte Sacra, Ms. 23 (Antifonário, c. 1220). Pormenor: iluminura com figura de rainha (D. Mafalda?). Fotografia Diogo A. Veiga © CESEM.

F igura 4 | Arouca, Museu de Arte Sacra, Ms. 22 (Antifonário, c. 1220). Cânticos para primeiro domingo do Advento e sábado anterior, incluindo o início do responsório Aspiciens a longe. Fotografia Diogo A. Veiga © CESEM.

39


05

SÉCULO XII

CIMBRES COUTO DO MOSTEIRO DE SANTA MARIA DE SALZEDAS

O COUTO DE SANTA MARIA DE SALZEDAS: O MARCO TERRITORIAL DE CIMBRES ANA SAMPAIO E CASTRO


Durante a Idade Média a delimitação de domínios

2 – Caminhos: «strada mourisca», «viam couam» e

era comummente demarcada fisicamente através

«viam antiquam» (AZEVEDO, 1958: 315-316; 354-

da colocação de marcos ou padrões de pedra. Os

355).

mais usuais são aqueles de secção circular e dispos-

3– Termos territoriais: «divisionem Sancti Felicis»,

tos verticalmente no solo, apresentando uma ins-

«cautum Palacioli et Sever», «cautum de Leo-

crição no topo relativa ao proprietário do domínio.

mir», «parte per Serzedo», «dividit per Sancto

Eram colocados em locais onde não existiam qual-

Martino das Caas», «Ceimada», «Lamego» e

quer tipo de elementos geográficos ou humanos que

«Hermamar» (AZEVEDO, 1958: 291-292; 315-316;

pudessem servir de limite, sendo escolhidas áreas onde poderiam ocorrer disputas territoriais com outros senhores ou populações.

354-355). Uma das primeiras notícias referentes ao couto de Argeriz data de 1135, onde Egas Moniz e Teresa Afon-

A fixação dos limites de um couto seguia pelo me-

so adquirem propriedades em S. Pedro e Cimbres1

nos dois tipos de elementos – geográficos e humanos.

(cat. 9). Argeriz agregava um vasto território, corres-

No primeiro podem-se incluir referências a linhas de

pondente, grosso modo, a cinco freguesias atuais:

água ou elevações. O segundo apresenta normal-

Ucanha, Granja Nova, Vila Chã da Beira e Salzedas

mente como limites monumentos funerários, cami-

do concelho de Tarouca e Cimbres do concelho de

nhos, termos territoriais de outros domínios ou estru-

Armamar, sendo detido por Egas Moniz e após a sua

turas antrópicas.

morte a sua segunda esposa, Teresa Afonso, herdou

No caso do couto do mosteiro cisterciense masculi-

metade (FERNANDES, 1984: 28).

no de Santa Maria de Salzedas observamos o recurso

Após a fundação do mosteiro de Santa Maria de

a elevações: «montem qui dicitur Aveis», «montis qui

Salzedas e doação do seu couto por Teresa Afonso, o

dicitur Maoes», «sumitatem de Lamelas», «Saxo», «Poi-

topónimo Argeriz desapareceu, sendo substituído por

jo», «Ledanarium», «montem de Almudafaz», «Montem

aquele de origem monástica.

Rasum» (AZEVEDO, 1958: 291-292; 315-316; 354-355) e

Entre 1152 e 1164 sucedem-se vários documentos

a linhas de água: «fontem de Felmiro», «Barosa», «pe-

relativos ao couto de Argeriz, sendo referidos os seus

lago de Mauriano», «fontem de Salgueiro», «aquam

limites em três deles. O primeiro, de 1152, é a carta

de Torno», «fontem de Centanaes» (AZEVEDO, 1958:

de doação de D. Afonso Henriques a D. Teresa Afon-

291-292; 315-316).

so. No segundo, de 1155, D. Teresa Afonso recebe

Relativamente a elementos humanos existe a presença de: 1 – Monumentos funerários: «arcam de Mendo Hermezendiz» e «arcam de Pelagio Randis» (AZEVEDO, 1958: 315-316).

permissão real para a transferência do couto para o mosteiro de Salzedas. E o documento de 1161 onde D. Afonso Henriques outorga a carta de «firmidão» ao mosteiro com a isenção dos direitos reais. Analisando o trio documental e iniciando o percur-

41


so do término do couto a sul (figura 1), verificamos as

laciolo et revertitur in torno et quomodo dividitur

seguintes referências:

cum Sever atque cum seixas», correspondendo

1 – «per portum de Alvares», podendo ser atribuída

à divisão com o couto de Passô («palaciole»),

à passagem do rio Varosa, provavelmente de

sendo situada na junção do rio Torno com a ri-

poldras, junto à atual localidade de Dalvares

beira de Santiais. Este limite segue o curso do

(FERNANDES, 1985: 57).

rio Torno («per aquam de torno»), dividindo tam-

2 – «per illum montem qui dicitur Averiz» ou «et per

bém com o couto de Sever e por Seixas.

montem de Almudafaz», correspondendo à

9 – «et dividit per illum cautum de Leomir et parte

elevação junto à presente povoação de Val-

per Serzedo», «postea dividit cum Leomir per la-

devez.

ginam de seixa» ou «et cum Serzedas», refere-se

3 – «per illum fontem de felmiro» ou «fonte de Sal-

à partição pelo couto de Leomil e pela atual

gueiro», possivelmente alude a uma nascente

freguesia de Sarzedo (concelho de Moimenta

de uma linha de água que corre em direção ao rio Varosa.

da Beira). 10 – «et per sanctum Martinum de Cas», «deinde ad

4– «et quomodo dividitur cum summitatem illius

sartaginem», «postea ad fontem de salgueiro»,

montis qui dicitur Maoes», reporta-se à eleva-

«deinde per ledanarium» ou «et cum sancta

ção junto do atual sítio de Mões.

Maria de Lobazaim et cum sartagine et cum

5 – «et per illam divisionem sancti Felicis» ou «dein-

Sancto Martino per vallem de Cadellas et per

de ad cautum de cruzilada de sancto Felice»,

illum saxum de Ledenario». Limite pelo couto

refere-se a Sanfins, povoação com términos

de S. Martinho das Chãs, posteriormente in-

próprios nesta época (FERNANDES, 1985: 99).

tegrado no couto de Santa Cruz de Lumiares

6 – «per summitatem de Lamellas», corresponden-

(FERNANDES, 1985: 100), sendo «sartaginem»

do à elevação nas proximidades do lugar de

ou «sartagine» a fronteira oeste, entre os sítios

Lamelas.

de Lameira Longa e Carvalhos, do couto de

7 – «et vadit per illum furatorium», «deinde ad capi-

Santa Maria de Lobozaim. Este último, embora

ta de furadorio» ou «et per caput de furadoiro»,

tendo-se perdido o topónimo, corresponde-

embora presentemente não exista uma corres-

ria à localidade de Castelo, no concelho de

pondência para este topónimo podemos supor

Moimenta da Beira (FERNANDES, 1985: 58). A

tratar-se do cume («caput») de algum outeiro

referência a «fontem de salgueiro» provavel-

denominado de «furatorium».

mente relaciona-se com a nascente da ribeira

8 – «et dividit per illum cautum palaciole et Sever

de Temilobos e «per vallem de Cadellas» ao

et per illas sexae», «deinde per aquam de torno

vale formado por esta mesma linha de água.

cum palaciolo» ou «quomodo dividitur cum pa-

«Ledenario» ou «ledanarium» reporta-se ao

Figura 1 | Limite do couto do mosteiro de Sta Maria de Salzedas. Figura Ana Sampaio e Castro

43


monte Ladário, atual Senhora da Graça (Cim-

2) e 2 - que, possivelmente, aqui foram colo-

bres, Armamar), ainda assim denominado por

cados evitando disputas territoriais com estas

Fr. Baltasar dos Reis (2002a: 12) nos inícios de século XVII.

44

povoações. 12 – «et per illo poio et venit ad Barosam», «postea

11 – «et per illa strada mourisca et per Ceimada»,

per Laginam», «deinde per valem viridem», «di-

«postea per viam covam», «postea ad arcam

viditur cum Lamego per pelago de Mauriano»

de Pelagio Randis», «postea ad arcam de

ou «atque cum illa ficulnea de area petrina et

Mendo hermezendis», «deinde aqua vertente

cum Lameco per vallem viridem et intrat in Ba-

cum Queimada» ou «et cum sancta Cruce per

rosam». «poio» deverá corresponder ao monte

aucturas atque cum Hermamar et per illam ar-

onde se ergue a capela de S. Lourenço, iden-

cam de Pelagio Randiz et per illam viam anti-

tificando-se aqui também um marco (Marco

quam usque in montem rasum». A referência a

5). «per Laginam» adequa-se ao limite anterior

«strada mourisca», «viam antiquam» ou «viam

a este marco, entre o monte designado por

covam» corresponde a uma via que de Quei-

Raso e a capela de S. Lourenço. «vallem viri-

madela ligava a Santa Cruz de Lumiares (CAS-

dem», topónimo atualmente inexistente, pode

TRO, 2014: 46). «arcam de Pelagio Randiz» e

ser interpretado como o vale imediatamente

«arcam de Mendo hermezendis» sugere como

a seguir à elevação da capela de S. Louren-

limite túmulos de senhores que nesta época

ço, dirigindo-se para o rio Varosa. «pelago de

eram colocados em locais de passagem (FER-

Mauriano» é o atual Poço de Mourão, junto

NANDES, 1985: 59), tendo posteriormente sido

ao rio Varosa. «ficulnea de area petrina» é de

substituídos por marcos (Marco 3 e 4). «sancta

difícil interpretação, podendo contudo cor-

Cruce per aucturas», «Ceimada», «Hermamar»

responder à fronteira entre o monte Raso e a

e «montem rasum» refere-se aos términos de

capela de S. Lourenço, pois a linha posterior

Santa Cruz de Lumiares, Queimada, Armamar

é Lamego e «vallem viridem». O limite oeste

e monte Raso. Este limite está bem definido no

do couto era definido pelo rio Varosa até ao

terreno através de marcos - Marco 1 ( figura

primeiro ponto.

Figura 2 | Marco de Cimbres. Foto Luís Sebastian. © Museu de Lamego, DRCN 

1. «in termino de Argeriz subtus Ledanarium discurrentibus rivulis Torno at Barosa» (FERNANDES, 1995: 204).


45


06

SÉCULOS XII - XIX

MOSTEIRO DE SANTA MARIA DE AGUIAR

AS GRANJAS DE SANTA MARIA DE AGUIAR: O CASO DA FOZ DA RIBEIRA DE AGUIAR LUÍS CORREDOURA


A presença da Ordem de Cister ao longo das mar-

as separava. No entanto, dado o facto de a Granja

gens do Douro ocorreu em vários pontos, consoante

da Foz da Ribeira de Aguiar ainda hoje estar intima-

a localização do mosteiro (cat. 1) e a facilidade de

mente associada à maior riqueza local, i.é, à produ-

acesso ao curso de água. Em relação ao cenóbio de

ção vitivinícola, o presente ensaio incidirá sobre esta

Santa Maria de Aguiar , situado nas proximidades de

propriedade, em tempos património dos monges de

Figueira de Castelo Rodrigo, c. de 20km a sul do Dou-

Cister, uma das onze granjas que outrora estava asso-

ro, as propriedades que este complexo monástico

ciadas ao mosteiro em questão.

1

detinha junto ao grande curso de água poder-se-iam

Em termos de implantação, a mencionada granja

resumir, basicamente, a duas: Granja de S. Cibrão e

situava-se na freguesia de Almendra, concelho de

Granja e Pesqueira da Foz da Ribeira de Aguiar. Em

Vila Nova de Foz Côa, numa «península» bordejada

termos geográficos, não era grande a distância que

pelo rio Douro, a norte, e pela ribeira de Aguiar, a sul

47

F igura 1 |Granja e Pesqueira da Foz da Ribeira de Aguiar. Extracto da carta militar nº141 à escala aprox. 1: 50 000 -. Cerca de 3Km a nascente da actual «Quinta da Granja» localizase o monte Castelo, sítio onde se encontram as antigas ruínas da cidade de Calábria. (imagem a partir de cartografia do Instituto Geográfico do Exército).


e poente, encontrando-se alcantilada (figura 1) no alto de declivosas encostas que descem até ao leito destes cursos de água. O seu acesso realiza-se através de um caminho de terra batida que entronca na E.N. 322 e que também permite chegar às ruínas existentes nas imediações do antigo povoado conhecido como Calábria. Presentemente propriedade da empresa Sogrape, ligada à produção vinícola e comércio de vinhos, a «Quinta da Granja» – designação actual do local – estende-se por cerca de 80

48

hectares cobertos de vinha. Situada num local privilegiado, não obstante os sinuosos acessos, apresenta um grande potencial para exploração turística, graças à paisagem envolvente, e fundamentalmente vitivinícola. Das construções existentes, há a salientar o complexo de apoio à quinta, localizado no extremo poente da mesma, sobre o local de encontro das águas da ribeira de Aguiar com o rio Douro. Edificado num estilo puramente vernacular, não foi possível averiguar como é a distribuição dos espaços interiores, situação que também impediu um melhor discernimento quanto à antiguidade das construções, supondo-se que o existente remonta, quanto muito, ao século XIX – quiçá edificado sobre outras mais prístinas –. Uma série de construções avulsas, usadas como dependências pelos trabalhadores agrícolas junto à construção principal também desvirtuam o local, impedindo uma melhor percepção da verdadeira dimensão da (figura 2) implantação do edifício principal. Na margem oposta àquela onde se situam estas construções, existem umas ruínas interessentes cujo acesso se afigura quase impossível. Não se sabe se pertenceram ao complexo cisterciense e qual terá sido a sua função (figura 3). Em termos históricos, a Granja da Foz da Ribeira de Aguiar está indissociavelmente ligada à história da Granja de S. Cibrão, visto ambas terem sido a «ponta da lança» do Mosteiro de Santa Maria de Aguiar nas margens do Douro, rio sobremaneira impor-

Figura 2 | Ortofotomapa da actual «Quinta da Granja». A parte urbana da quinta localiza-se no extremo poente da propriedade. (Serviços Técnicos da C. M. de Vila Nova de Foz Côa) 


49


tante para o escoamento da sua produção agrícola.

concelho de Castelo Rodrigo, sendo a mesma en-

De igual modo, não se poderá olvidar a importância

dossada ao abade Raimundo, ao seu prior Hilário e

que as pesqueiras situadas nesta granja terão tido no

a todo o mosteiro de Aguiar, na qual é confirmada a

fornecimento de peixe aos monges de Aguiar, condi-

doação da granja da foz de Aguiar e anunciado que

cionados que estavam por uma dieta que lhes restrin-

ninguém poderá pescar nas suas levadas4. Outra referência digna de nota que surge na docu-

gia o consumo de carne.

50

Referênciada pela primeira vez no ano de 1176,

mentação do arquivo de «Aguiar» depois das men-

quando o rei Fernando II de Leão doa esta pesqueira

cionadas prende-se com o aluguer que o mosteiro

ao Mosteiro de Santa Maria de Aguiar, representado

fez, em 1466, desta pesqueira e dos seus moinhos a

pelo abade D. Hugo2, a doação da Granja da Foz

um tal Gil Fernandes5.

de Aguiar acabaria por ser confirmada em 1217 pelo

No «Tombo da Fazenda do Mosteiro de Nª Sra de

sucessor do rei de Leão, D. Afonso IX3.

Aguiar, 15436» é referido que «a foz de Aguiar é uma

Em 1222 é emitida uma carta pelos alcaides do

Figura 3 | Vista nascente da parte urbana da «Quinta da Granja» p

quinta que o Mosteiro tem no Douro a qual parte [a

p

F igura 4 | Vista panorâmica da encosta sul da «Quinta da Granja», repleta de vinhedo. A ribeira de Aguiar delimita este lado da propriedade.


ribeira de

descrição dos limites desta quinta foi truncada (figura

rias do Mosteiro de Santa Maria de Aguiar da Con-

4) na restante folha] (…). A Foz de Aguiar traz arren-

gregação de Santa Maria de Alcobaça da Ordem

dada Francisco Martins, morador em Almendra, por

de S. Bernardo», redigidas em 1785, refere que nesta

nove anos que se começaram por S. Marinho de mil

data «ainda o Mosteiro possui esta quinta que borde-

quinhentos e quarenta e dois anos e há-de pagar

ja os rios Aguiar e Douro6».

cada ano trinta fanegas de trigo e cem barbos de

Desamortizada aquando da extinção das ordens

dois palmos e duzentas e cinquenta bogas, um bode

religiosas em 1834 (cat. 18), passou pelas mãos de

e quatro perdizes e o pão por Santa Maria de Agosto

vários proprietários, até ter sido adquirida há alguns

e as perdizes pelo natal e o bode pela Páscoa e as

anos pela empresa Sogrape Vinhos. A actual «Quinta

bogas e barbos pela Quaresma».

da Granja», cujo nome demonstra bem ser uma remi-

Fr. Manuel de Figueiredo, «cronista dos cistercienses

niscência de outros tempos, é nos dias presentes uma

de Portugal e Algarves», nas suas «Abreviadas Memó-

das principais unidades produtoras de uvas para vinho desta empresa.

1. Fundado ou filiado algures entre 1171 e 1175. 2. In AN/TT, “Aguiar”, m.7, doc.12. 3. In AN/TT, “Aguiar”, m.1, doc.28. “Adefonsus dei grati Legionis Rex. Totis qui litteras istas uiderint Salutem et gratiam. Sapiatis quod/Ego Concedo et Autorgo Abbatj et fratribus de Aguilar illas pesqueiras de fouze de / Aguilar.ut habeant eas in pace et possideant.sicut unquam melius habuerunt.et possederunt./ liberius.De illa autem uinea que ibi est. Mando quod adueniant se cum suis dominis.et de / beneplacito eorum comparent eas si uoluerint comparare.Et defendo firmiter et incauto quod / nullus faciat predictis Abbatj et fratribus de Aguilar tortum nec forciam nec demagis.super / predictis pesquariis.Et qui inde aliud fecerit. iram meam habebit et quantum prendiderit dup / plabilt.et mihi.C.Morabitinos pectabit.Datum in Almeida.X.die Januarij.(…) ». 4. In AN/TT, “Aguiar”, m.3, doc.139. 5. In AN/TT, “Aguiar”, m.6, doc.15. 6. In AN/TT, “Aguiar”, m.12, doc. 31. 7. Cit. por Júlio António BORGES (2001: 215).

51


07

SÉCULO XV

UCANHA COUTO DO MOSTEIRO DE SANTA MARIA DE SALZEDAS

A PONTE FORTIFICADA DE UCANHA

ANA SAMPAIO E CASTRO


Classificada Monumento Nacional pelo decreto

apresenta balcões, assentes em cachorros, com ma-

de 23 de Junho de 1910 (DG, 1ª série, n.º 136) a ponte

tacães servindo para o lançamento de projéteis. Este

fortificada de Ucanha (Ucanha, Tarouca), construída

tipo de balcões surge no final de século XIII, durante

sobre o rio Varosa, constitui um dos raros exemplares

o reinado de D. Dinis, tornando-se popular durante

ainda sobreviventes deste tipo de construções (figura

todo o século seguinte e prolongando-se até ao iní-

1). A ponte, em cavalete, apresenta quatro arcos

cio de século XVI (NUNES, 2006: 56). Atualmente o

quebrados e dois talhamares triangulares a montan-

topo da torre tem telhado de quatro águas, obra

te. A torre, de planta quadrada, tem o piso térreo

realizada pela DGEMN nos finais dos anos 30 do sé-

vazado por arco de volta perfeita, sendo o interior

culo passado e enquadrada em várias intervenções

constituído por três pisos distintos. Os alçados oeste

aqui efetuadas por esta instituição, nomeadamente

e este do primeiro piso têm pequenas frestas para a

obras de demolição e reconstrução dos pisos interio-

entrada de luz. No segundo andar são observáveis

res. Em fotografia publicada em 1933 nas «Memórias

janelas geminadas de perfil gótico nas faces oeste

de Mondim da Beira» (VASCONCELLOS, 1933: 83, 85),

e este. O centro dos quatro alçados do terceiro piso

a torre ainda conserva as ameias originais, quatro em

F igura 1 | Vista geral da ponte fortificada de Ucanha. Foto Pedro Martins © DRCN

53


54

cada aresta e uma a meio de cada face, sendo lar-

bre o rio Côa, apresenta um tabuleiro em cavalete,

gas e altas, apontando para uma solução caracterís-

três arcos quebrados, dois talhamares triangulares a

tica do século XV (NUNES, 2006: 38-39).

montante e dois contrafortes escalonados a jusante,

Marcando a entrada no couto do mosteiro de San-

sendo constituída por silhares siglados. A torre, situa-

ta Maria de Salzedas e como se lê em inscrição loca-

da a sul, de planta retangular, atualmente só apre-

lizada na face exterior este, a torre foi edificada por

senta o andar térreo, não se entrevendo qualquer

iniciativa do então abade do mosteiro, D. Fernando,

silhar siglado. Alguns autores atribuem uma cronolo-

que ocupou o cargo entre 1453 e 1474 (VASCON-

gia anterior ao Tratado de Alcanices (1297), embo-

CELLOS, 1933: 84). Contudo, Fr. Bernardo de Brito (BRI-

ra ainda dentro do reinado de D. Dinis, motivando

TO, 1602: 292) aponta a data precisa de 1465 para

a sua construção o controle eficaz do trânsito nesta

a edificação da torre, embora não apresente dados

importante passagem entre dois reinos (BARROCA,

concretos que refiram este ano específico. Coloca-

2008-2009: 238). Para além desta só chegaram até

mos a hipótese da ponte atual já existir aquando da

nós representações iconográficas ou descrições,

construção da torre, pois como é observável no alça-

como no caso da ponte fortificada de Barcelos, que

do oeste a torre foi adossada à ponte (Figura 2), para

apresentava uma torre quadrada com três arcadas

além de que as marcas de canteiro presentes na torre são distintas daquelas encontradas nos silhares da ponte (figura 3 e 4). Até ao foral de D. Manuel (1504) que proíbe o pagamento de portagem, a torre serviria como depósito de géneros pagos pelos viandantes que a transpunham. Por aqui passava a via em direção a Lamego, para noroeste, e para sudeste para a zona de Vila Nova de Paiva e Moimenta da Beira, sendo provável a sua filiação romana, pois por aqui passaria uma estrada ligando Lamego à Beira Interior (CASTRO, 2013: 110). É assim possível a existência, no local da atual ponte de Ucanha, de uma travessia de cronologia mais recuada, ainda que não restem qualquer tipo de vestígios materiais, indicando contudo uma construção em materiais perecíveis. Em Portugal apenas subsiste mais um exemplo desta arquitetura, a Ponte de Sequeiros, no Sabugal. So-

Figura 2 | Alçado oeste da torre. Fotografia Ana Sampaio e Castro 


e associada ao Paço Condal (FLORES, 1999: 305). A

Em França os exemplares que ainda subsistem datam

de Ponte de Lima, com uma ponte constituída por 24

todos entre finais de século XIII e a centúria seguinte

arcos e uma torre quadrangular em cada extremida-

como a Ponte de Vieux (Orthez), Valentré (a oeste

de ou de Amarante, que exibia uma torre de defesa

de Cahors) e Sospel (Côte d’Azur). Na Grã-Bretanha

quadrangular situada na margem esquerda do rio e

restam duas construções deste género, a Ponte de

destruída em 1763 (SARDOEIRA, 2009: 8).

Warkworth, a norte de Newcastle, dos finais de sécu-

Na Europa são conhecidas em Espanha as pontes

lo XIV, inícios do século XV e Monmouth no País de

fortificadas de Besalú (Gerona), reformada no século

Gales, tendo aqui a torre sido adossada nos finais de

XIV e com a mesma cronologia a de Frías (Burgos).

duzentos, inícios de trezentos.

55

Figura 3 | Quadro com as marcas de canteiro mais comuns da ponte. Figura Ana Sampaio e Castro

Figura 4 | Quadro com as marcas de canteiro presentes em silhares e aduelas da torre. Figura Ana Sampaio e Castro 


08

SÉCULOS XVI - XXI

MOSTEIRO DE SANTA MARIA DE SALZEDAS

O MOSTEIRO E O BURGO

ANA SAMPAIO E CASTRO NUNO RESENDE


O lugar do Burgo, situado às portas da igreja e mos-

estava o dito lugar de Argeriz. A reforçar a hipóte-

teiro de Santa Maria de Salzedas (figura 1) constitui a

se de um povoado antigo neste local temos ainda

materialização urbanística das relações de indivídu-

as evidências arqueológicas. De facto, na encosta

os leigos ao serviço da comunidade cisterciense, ou

oeste da elevação da capela de Nossa Senhora da

dela dependentes, quase desde a sua fundação, no

Piedade, encontram-se numerosos vestígios de frag-

século XII, até à atualidade (figura 3 cat. 22).

mentos de cerâmica comum medieval e cerâmica

Aquando do início de construção do mosteiro, em

de construção. A este exemplo junta-se o do Burgo

1168, provavelmente existiria já um pequeno aglo-

próximo do mosteiro de S. João de Tarouca, situado

merado populacional nas suas proximidades. Como

a poucos quilómetros de Salzedas, que já existiria an-

refere A. de Almeida Fernandes (FERNANDES, 1995:

tes do estabelecimento monástico (SEBASTIAN et alii,

203) o território, designado por Argeriz, que se tornou

2008: 143).

couto monástico tinha como povoado principal Villa

É após a implantação do mosteiro que este núcleo

Plana de Argeriz, situado no sopé da elevação onde

se terá transferido para o local presente, designado

se ergue atualmente a capela de Nossa Senhora da

por Burgo (figura 2). Atualmente este pequeno aglo-

Piedade. Esta capela, edificada no século XVIII sob

merado, na sua maior parte desabitado, é constituí-

égide monástica, deverá ter substituído uma mais an-

do por um conjunto de estruturas justapostas, onde o

tiga, possivelmente a igreja de S. Salvador de Argeriz

espaço privado é mais representativo, originando um

a qual, segundo um documento datado de 1153, o

tecido denso e irregular com ruas estreitas, sinuosas e

seu presbítero trocou pela de S. Silvestre de Britiande

descontinuadas (figura 3).

(FERNANDES, 1984: 28).

De um modo geral este conjunto apresenta habi-

Uma das primeiras referências documentais onde

tações com dois pisos, paredes exteriores em alvena-

encontramos Villa Plana de Argeriz data de 1144

ria de pedra no andar inferior, normalmente utilizado

(FERNANDES, 1995: 204) e em 1150 é mesmo referida

para guarda das alfaias agrícolas e/ou de gado, e

a villa de Argeriz numa carta de venda de propriedades efetuada a D. Teresa Afonso (FERNANDES, 1984: 15). Fr. Baltazar dos Reis (2002: 23-24) no manuscrito Breve relação da fundação e antiguidade do Mosteiro de Santa Maria de Salzeda de início de século XVII menciona um local denominado por vinhas de Argeriz, localizado num vale, junto da igreja de S. Salvador de Argeriz, edificação então ainda existente, onde no dito sittio de Argeriz se achão oje alicesses e vestigios de edificios antigos, aonde parece que

Figura 1 | Fachada a igreja de Salzedas. Foto Pedro Martins © DRCN 

57


58

Figura 2. Ana Sampaio e Castro

Figura 3 | Arruamento do Burgo de Salzedas. Foto Luís Sebastian 

de tabique no piso superior e nas divisões internas.

deve-se a fatores como o clima ou a facilidade de

Esta técnica encontra-se, sobretudo, na designada

acesso a materiais autóctones, evitando um custo

arquitetura vernacular das regiões do Alto Douro,

acrescido na construção das habitações e paralela-

Trás-os-Montes e Beira Alta. Consiste na aplicação

mente criando um ambiente mais estável no interior

de terra argilosa, amassada com água e fibras ve-

das divisões.

getais (palha) como enchimento e sob elementos de

Até à época moderna o lugar parece indissociável

madeira que são colocados na vertical, horizontal

do mosteiro. No foral outorgado, em 1504, ao Cou-

ou inclinados. Embora só se encontre documentada

to de Salzedas ainda se não refere qualquer povoa-

entre nós a partir de século XVII, é contudo provável

ção nomeada como Burgo ou Salzedas, sendo ape-

que tenha uma cronologia mais recuada, uma vez

nas indicados os lugares de Granja Nova, Ucanha,

que na Europa terá sido utilizada desde a Idade Mé-

Cimbres, Meixedo, Murganheira, Vila Pouca, Formilo

dia (PINTO, 2013: 32). A popularidade desta técnica

e Valdevez (CASTRO, 2014: 36). Porém, no Numera-


mento de 1527 aparece referido o mosteiro da Cer-

século XVII, colhemos algumas expressões da vivência

zeda, com 14 moradores o que poderia incluir a co-

humana à sombra do Mosteiro. E a própria autonomi-

munidade monástica e eventuais leigos (COLLAÇO,

zação do lugar, revelada na alteração das designa-

1931: 130). Efetivamente se aos 14 moradores corres-

ções Burgo e Mosteiro, empregadas sistematicamen-

ponder um número entre os 60,2 e os 67,2 indivíduos

1

te até 1696 e depois substituídas definitivamente no

podemos calcular o número de habitantes do Burgo

formulário da documentação paroquial por Salzedas

através de uma indicação cronologicamente próxi-

(ADL, Paroquiais, Mistos 1690-1723, fls. 2-2 v.º).

ma. Trata-se da referência do visitador cisterciense

Titulava-se então a paróquia como do Bom Jesus

D. Edme de Selieu que, tendo passado em Salzedas

de Salzedas ou do Santíssimo Nome de Jesus de Sal-

em Janeiro de 1533, indicou para o mosteiro 23 pro-

zedas, sendo regida por um cura apresentado pelo

fessos e 3 noviços (BRONSEVAL, 1970). Subtraindo os

abade do mosteiro. Os livros paroquiais revelam-nos

ocupantes do mosteiro aos 60-67 indivíduos atrás re-

a inconstância dos ciclos curas nomeados, que se su-

censeados talvez possamos contabilizar pouco mais

cedem em pequenos intervalos – alguns de menos

de três dezenas de indivíduos a habitar o Burgo no

de um ano.

início do século XVI.

A cartografia antiga também não indica, quer

Infelizmente sabemos muito pouco sobre os ho-

gráfica, quer toponimicamente nem o Burgo, nem

mens e as mulheres que ali viviam que formariam

Salzedas. Na região, apenas a carta de Fernando

uma mescla de lavradores, oficiais mecânicos e,

Álvaro Secco (SECO, 1559-1561) assinala São Pedro

porventura, alguns comerciantes e serviçais com

das Águias e as de d’Abeville (D’ABEVILLE, 1654), F.

vínculos ao mosteiro. É provável que a edificação

de Wit (WIT, 1670) e de Jaillot (JAILLOT, 1711) sinalizam

do novo complexo monástico no século XIII enredas-

o topónimo Tarouca. Na cartografia de setecentos

se na sua órbita vários oficiais e obreiros, foreiros e

surge a Ucanha, indicada na Província da Beira por

outros colonos atraídos pela pujante atividade cons-

Carpinetti (CARPINETTI, 1769 - 1779). Mas em nenhu-

trutiva e humanizadora que implicava acalentar a

ma outra carta, até ao século XIX, surge o Mosteiro

formação de comunidades laboriosas, não apenas

ou o Burgo de Salzedas.

para a construção, mas para o arroteamento e cul-

É, contudo, um memorialista das luzes, o Padre Luís

tivo de terra bravia. Seriam talvez alguns destes ho-

Cardoso que, através do seu Dicionário Geográfico

mens que no dia 6 de Janeiro de 1533 assistiram à

de 1751 nos traz as primeiras notícias monográficas

sagração do novo abade de Salzedas, na presença

sobre o Burgo. Segundo a sua descrição era lugar da

do visitador D. Edme que, não obstante ter conside-

Provincia da Beira, Bispado, e Comarca de Lamego,

rado o lugar solitário e desabitado, se espantou com

Concelho, e Termo da Villa de Ucanha, sendo Dona-

a multidão assistente (BRONSEVAL, 1970: 517-519).

tarios delle os Religiosos do Mosteiro de Santa Maria

Dos registos paroquiais de Salzedas, iniciados no

de Salzedas (CARDOSO, 1751: 307). Tinha 75 vizinhos

59


e a paróquia, com um altar, estava dentro do lugar,

dos registos de casamentos, baptismos e óbitos no

com o orago Bom Jesus2. O cura era, como já refe-

lugar de Salzedas, entre 1690 e 1799, obtivemos o se-

rimos, da apresentação do Dom Abade. Para além

guinte gráfico:

da invocação patronal, cultuava-se dentro da igreja matriz S. Caetano e S. Sebastião. Na paróquia existiam ainda três irmandades, a do Rosario, das Almas, e do Bom Jesus e cura dela estendia a sua jurisdição pelos lugares de Meixedo, Cortegada, Murganheira, e Vila Pouca, em cujas aldeias erguiam-se as «Ermi-

60

das de S. Salvador, S. Barbara, S. Marinha, S. Antonio, S. André, S. Luzia, e Espirito Santo. Acrescentava ainda o memorialista que os frutos, que em mais abundancia recolhem os moradores desta Freguesia, são, trigo, milho painço, centeyo, azeite, vinho, e castanha em abundancia; tambem cria muita caça, de coelhos, lebres e predizes» (CARDOSO, 1751, II: 307). Sem dados estatísticos regulares disponíveis até ao

p

Fonte: Livros de Registos Paroquiais de Salzedas (Arquivo Diocesano de Lamego).

século XIX, apenas podemos comparar a indicação do Numeramento de D. João III que indicava os 14

O pequeno Burgo do século XVI converteu-se, pois,

moradores da Cerzeda com os 75 vizinhos referidos

ao longo dos séculos XVII e XVIII num lugar com no-

no Dicionário Geográfico de 1751. Naturalmente

tável vitalidade demográfica. Ao nível de nascimen-

notamos um incremento da população, que acom-

tos, o lugar de Salzedas manteve-se abaixo do regis-

panha a tendência nacional e até internacional.

to anual de 100 indivíduos para, a partir do primeiro

Contudo como se terá processado este movimento

quartel do século XVIII, evidenciar um considerável

demográfico localmente? Sob a jurisdição espiritual

aumento quer em número de casamentos, quer de

e temporal do mosteiro, como se reflectiria esta rela-

nascituros/batizados. E a progressão continua expo-

ção na demografia?

nencialmente até finais do século XVIII, em particular

Valioso documento do tipo qualitativo, os registos

a partir da década de 1770.

paroquiais são, também, fontes de teor estatístico

A que se deveu tal crescimento? Só um estudo

que permitem uma análise da demografia local,

mais aturado sobre a exploração da terra e dos seus

cujo movimento pode ajudar-nos a compreender a

recursos e a sua administração pela principal entida-

relação dos seus habitantes com o mosteiro sob cuja

de dominial local – o mosteiro – poderá explicar com

sombra habitavam. A partir de uma contabilização

rigor este aumento demográfico. Mas um aspeto, o


da proximidade a uma estrutura arquitetónica de

ção começou pela capela-mor.

grandes dimensões, explica, em parte, a fixação hu-

O documento contabilístico de 1750 explica a ra-

mana no local. A necessidade de assegurar o traba-

zão da obra: por ameaçar ruína a igreja necessitou de

lho braçal, a deslocação de matéria-prima e a sua

intervenções que começaram pelos fundamentos da

transformação – processo destinado a abastecer os

cabeceira – a qual e pela aspereza do terreno onde

habitantes do mosteiro e a sustentar a maleabilidade

se situava exigiu um gasto considerável. Para o proje-

arquitetónica do complexo, poderá ter contribuído

to foram chamados a Salzedas Gaspar Ferreira, para

para o incremento demográfico, sobretudo ao longo

fazer o risco da mesma capela e António de Andra-

do século XVIII.

de, para o desenho da tribuna e coro. A descrição

São conhecidos dois períodos de grande atividade construtiva em Salzedas: um no início da época

do decurso da obra é reveladora da complexidade e grandeza (a expressão é do redator) do projeto:

moderna que corresponde aos abadessados de D.

[…] Em quebrar pedraria para a Capela Mor, fac-

Brás de Cimbres e D. Damião Rodrigues e outro, já

tura della, e forro com muro arroda, materaes perten-

em pelo século XVIII de que é testemunho a estrutura

centes a ella, como madeira para andaimes, pregos,

actual da igreja. Embora nos centremos no espaço

varios ferros, Grades para as frestas, arame e feitio

eclesial, a atividade construtiva e reconstrutiva man-

das [...] Cal, tijolo para as abobedas, e factura dellas,

teve-se ao longo do século XVII, nomeadamente na

telha e Conducção aguço de picos, ferragem de

edificação da ala sul e segundo claustro (CASTRO,

Carros e para madeira para elles, Carpinteiros e as

2014: 34). Muitas destas intervenções, à falta de do-

muitas juntas de boys que se comprarão para condu-

cumentação são atestadas por cartelas datadas e

zirem a pedraria, e mais materiaes para a ditta obra

breves referências esparsas pela documentação

polvora e, chumbo, vidros que vierão do Porto para

(COSTA, 1984: 540).

as vidraças das frestas; e mas Couzas […] (TT, Mosteiro

No entanto a obra que definiu, cremos, uma rutura

de Alcobaça, 3.ª Inc., mç. 4, doc. 184, fl. 3)

com o edifício medieval foi a que marcou o abades-

Esta obra, quase fundacional, em nada reflete,

sado trienal de frei Pedro Castelo Branco (1747-1750)

portanto, o trabalho de Carlos Guimach que durante

– a quem José Leite de Vasconcelos indica como fi-

algum tempo foi indicado pela historiografia da arte

lho de Salzedas (VASCONCELOS, 1933: 399). Na folha

como o obreiro da nova igreja de Salzedas. De resto,

contabilística referente ao seu primeiro período de

a sua presença em Portugal a partir de, pelo menos,

governo assinalam-se várias intervenções dispersas,

o ano de 1690 (GOMES, 1996) não coincide nem com

quer pela cerca, quer fora dela (em moinhos, muros,

a cronologia de edificação da estrutura de Salzedas

etc.ª), quer nos dormitórios e celas (TT, Mosteiro de Al-

(iniciada por volta de 1747), nem com a linguagem

cobaça, 3.ª Inc., mç. 4, doc. 184). É, contudo, a igreja

arquitetónica do frontispício cuja construção deverá

que mereceu a atenção do abade, cuja reedifica-

ter ultrapassado os limites do século XVIII.

61


62

Já quanto à presença em Salzedas do arquiteto

contabilística. A partir da década de 1730 registam-

Gaspar Ferreira esta é corroborada pela vasta obra

se várias alusões a mortes relacionadas com obras

que deixou nas regiões da Beira Alta e do Mondego

no convento: em 1734 Jerónimo, solteiro, carpintei-

tendo trabalhado como mestre entalhador e arquite-

ro da Província de Entre Douro e Minho faleceo de

to em projetos para Coimbra (Biblioteca, 1718), Viseu

um desastre no real mosteiro de Salzedas (ADL, Pa-

(1720 e 1733), Mangualde (1721), Santa Comba Dão

roquiais, Salzedas, Óbitos 1710-1739, cx. 3, l.º 1, fl. 80);

(1737), Arouca (Mosteiro, 1744 e 1746) e Montemor-

em 1750, José, solteiro, cahio das obras do convento,

o-Velho (Hospital, 1752-1754) estes últimos trabalhos

(ADL, Paroquiais, Salzedas, Óbitos 1739-177, cx. 3, l.º

registados contratualmente (ALVES, 2001, I: 335-341;

2, fl. 27); em 1755 Manuel de Araújo, cayo nas obras

FERREIRA-ALVES, 2008: 123), a que agora se acrescen-

deste Mosteiro de Salzedas, de que logo falleceo

ta a referência ao risco da capela maior de Salzedas,

(ADL, Paroquiais, Salzedas, Óbitos 1739-177, cx. 3, l.º 2,

executado por volta de 1750.

fl. 49). É de resto pertinente assinalar a proveniência

Os livros de registo paroquial são consentâneos

minhota destes e de outros oficiais que muito embora

com o frenesim atrás descrito pelo redator da folha

não tenham falecido nas obras do mosteiro viviam

Figura 4 | Sacristia da igreja de Salzedas: paramenteiro e pinturas de Bento Coelho da Silveira (1677-1685). Foto Pedro Martins © DRCN


em Salzedas nesta época, como Manuel Gomes, ofi-

Leal à época em que a obra foi suspensa acrescenta

cial de pedreiro natural de São Mamede de Ferreira,

às suas palavras uma importância que não podemos

arcebispado de Braga, falecido naquele lugar em

ignorar. Segundo ele, quando Junot invadiu Portugal

20-9-1754 (ADL, Paroquiais, Salzedas, Óbitos 1739-177,

em 1807, a obra da fachada de Salzedas parou, e

cx. 3, l.º 2, fl. 43). É, pois, natural que esta migração de

nunca mais, até hoje, se concluiu (LEAL, 1878: 373).

oficiais cuja mão-de-obra servia o estaleiro da nova

É provável que o conturbado clima político e eco-

igreja monástica influísse no crescimento da comuni-

nómico contribuísse para o abandono do projecto

dade de Salzedas dando expressão à vitalidade de-

arquitectónico. No entanto, as razões inerentes à pa-

mográfica a partir da década de 1730.

ragem das obras ou de, pelo menos, ao seu abranda-

Mão anónima assinalou, num códice pertencente ao espólio de Leite de Vasconcelos, a paragem das

mento em finais do século XVIII, são-nos ocultas pela documentação disponível e para já reconhecida.

obras durante o abadessado de Gregório Pereira

Não obstante, no início do século XIX constituía Sal-

(1796-1797), mas não o explica. Segundo o redator

zedas um núcleo urbano onde se registava a preva-

do dito códice, o abade Gregório Pereira, de Lisboa,

lência de mão-de-obra especializada nos ofícios da

continuou com o frontispício e o deixou no estado

cantaria, como testemunham as várias referências a

em que actualmente se acha e se não fora a sus-

pedreiros dali naturais a trabalharem em igrejas da

pensão que ouve de obras a deixaria completa por

região (ALVES, 2008: 48, 71).

que se conhecia nelle hu grande desejo de o mandar acabar […]3. Embora reconhecido pela ausência de referências

Em finais do século XIX Salzedas tinha 251 moradores, sendo o lugar mais populoso do termo da Ucanha (SERRÃO, 1970: 40).

à origem das suas fontes, a proximidade de Pinho

Figura 5 | Claustro novo de Salzedas e vista sobre o remate inacabado do frontispício da igreja. Foto Pedro Martins © DRCN

1. Para cálculo do número de habitantes por fogo adoptámos a proposta de J. José Alves Dias que afina a média anteriormente desenvolvida de 4/5 indivíduos para os valores coeficientes de 4,3 e 4,8 pessoas p/ fogo (DIAS, 1996, I: 39). 2. A esta igreja refere-se frei Baltasar dos Reis, nestes termos: Junto desta Igreja [a monástica] á porta principal della mandou esta Sñora [Dona Maria de Sousa] fazer hua Cappella para a gente secular poder ouvir missa, porquanto era Custume usado, não entrar pessoa algua Leiga nas Igrejas dos Mosteiros desta Religião como ainda oje se uza em alguns Mosteiros de outros Reinos, a qual Igreja oje serve de Capella E freguesia de alguns Lugares que tem aobrigação de virem a ella ouvir Missa. Tem esta igreja, da porta principal da Igr.ª do Mosteiro ata porta della sette varas E de largo tem quatorze (REIS, 2002: 22). A igreja paroquial teria, assim, sido mandada edificar em vida de D. Maria de Sousa (século XIV), assinalando a existência de um pequeno núcleo de habitantes que justificasse tal fundação. 3. M  useu Nacional de Arqueologia, Espólio de José Leite de Vasconcelos, Códice sobre a fundação do Mosteiro de Salzedas, fl. 25 v.º.

63


09

SÉCULO XVI

CIMBRES | COUTO DO MOSTEIRO DE SANTA MARIA DE SALZEDAS

ESCULTURA DE SANTA BÁRBARA EM CIMBRES

NUNO RESENDE


A escultura de Santa Bárbara da igreja matriz de

precioso e raro, tendo comunicado a «descoberta»

Cimbres(figura 1), até ao presente exemplar singular

num artigo publicado no Boletim da Casa Regional

conhecido no contexto de importação de arte reli-

da Beira Douro (CARVALHO, 1953). O primeiro autor

giosa em Portugal – única pela particularidade do

desenvolveu, posteriormente, em 1959, num opús-

seu recorte plástico e pela ausência de obras simi-

culo algumas questões iconográficas e de proveni-

lares conhecidas – constitui, no entanto, um registo

ência onde desenvolveu a sua análise ao trabalho

material das trocas comerciais e das relações diplo-

escultórico que admitiu pudesse ter sido executado

máticas do reino português com a europa nórdica

na Europa do norte, associando-lhe o trabalho gotici-

entre os séculos XV e XVI.

zante de Claus Sluter, escultor de circulação franco-

O seu reconhecimento enquanto peça escultórica

flamengo (CARVALHO, 1959: 21).

excepcional remonta a 1953, quando um médico e

Aludiu à notável peça, quase meio século depois,

investigador local, João dos Santos Carvalho, acom-

João Soalheiro no catálogo O Compasso da terra,

panhado do director do Museu de Lamego, João

em 2006 (SOALHEIRO, 2006, II: 120)1, sugerindo a sua

Amaral, ambos a reconheceram como espécime

incorporação no património local, dentro da esfera

F igura 1 | Escultura de Santa Bárbara de Cimbres: recorte a meio-corpo. Foto Luís Sebastian

65


66

das relações de um abade de Salzedas natural de

do devocionário medieval europeu, revela carac-

Cimbres, Dom Brás, a quem aludiremos mais adiante.

terísticas iconográficas e formais que a posicionam

Porém, as circunstâncias que levaram ao depósito

como tendo saído das mãos de um artífice contem-

desta escultura nesta pequena igreja rural são ainda

porâneo e próximo a mestres quatrocentistas e qui-

desconhecidas, tendo sido apenas afloradas em 1953

nhentistas flamengos e alemães.

e 1959 pelo citado articulista que, ao tentar reconsti-

De resto embora sem esculturas contemporâneas

tuir o percurso da peça, nos descreve uma situação

identificadas a que possamos buscar comparações

paradigmática das circunstâncias inerentes a muitas

directas quer a gravura, quer a pintura flamengas

obras de arte religiosas. Segundo o autor, abordando

e alemã, da transição do século XV para o século

a proveniência da escultura, refere:

XVI fornecem-nos pistas para a datação da Santa

Sabe-se somente que há poucos anos atrás era

Bárbara em Cimbres. Autores como o gravador ale-

pertença de uma obscura velhota de nome igual

mão Israel van Meckenem (1445-1503) (figura 3) ou

ao da Santa e que por morte dela passou à Capela

o Mestre de Frankfurt (1460-c.1533) (Colecção do

do Espírito Santo, onde hoje se encontra (CARVALHO,

Mauritshuis, Inv. 855, c. 1510-1520) revelam nas suas

1953: 72).

representações de Bárbara formas aproximadas à

Ora, o pequeno excerto é suficientemente expres-

que inspirou o autor da nossa escultura: a mártir, em

sivo para desejarmos rever algumas atribuições e até

pé, exibe numa das mãos o livro e na noutra a pal-

cronologias que na historiografia da arte portuguesa

ma sendo ladeada por uma torre cujas dimensões se

têm tomado como pretexto o local de depósito dos

aproximam à da figura. É sobretudo no tratamento

objectos. O próprio carácter móvel das peças obsta

das vestes, no arranjo dos cabelos e na arquitectura

a considerações absolutas, e por vezes demasiado

da torre que encontramos paralelos ao nível do de-

inflexíveis, sobre encomendas e autorias. Hoje con-

senho. Em dois dos seus trípticos o mestre de Frankfurt

servada na igreja de Cimbres (figura 2), em 1953 na

pinta uma Bárbara invariavelmente ataviada com a

capela do Espírito Santo e, anteriormente, na mão

mesma indumentária: manto, corpete cingido por

de um particular, a escultura de Santa Bárbara é, no

uma fita pouco apertada sobre o ventre e envergan-

entanto, um documento sobre uma época e, dentro

do uma luxuosa coifa.

desta, dos poderes que na região podem ter contribuído para a sua existência.

Na pintura Sagrada Família com anjo músico (15101520) do Museu do Prado, a Santa apresenta-se sen-

Produzida talvez em contexto oficinal desenvolvido

tada, com o livro sobre o regaço tendo atrás um

no território da actual Bélgica ou regiões periféricas

pano da torre cuja estrutura grandiosa é truncada

(tendo em consideração a florescente actividade de

pelos limites da tábua. Porém, num outro painel do

produção artística no eixo Antuérpia-Médio Reno),

mesmo período, hoje exposto no Mauritshuis (figura

esta imagem, a de uma das mártires mais afamadas

6), o artista representa a mártir em pé que, quase de


costas, deixa entrever o livro aberto sobre a mão esquerda. Acompanha-a uma torre cuja estruturação arquitectónica é muito semelhante à da escultura de Cimbres: três registos marcados por várias fenestrações rematados por campanário com cúpula esférica. O único elemento que distancia a Bárbara de Cimbres das do mestre de Frankfurt é o cabelo. No caso da primeira ressalta o trabalho da trança dupla que emoldura a face e cai sobre os ombros – tipo de apresentação feminina muito associada a um gosto germânico que pode afinar a área geográfica do centro de produção onde esta escultura poderá ter sido executada (figura 7). Devemos outrossim chamar a atenção para outras duas imagens que, em Portugal, se aproximam em modelo e composição à imagem de Cimbres. A primeira apareceu à venda em 1971, referida num leilão organizado pelos antiquários Dinastia. A breve entrada do catálogo da leiloeira descreve-a como escultura em pedra, da Escola Alemã, remetendo o autor da descrição para obras dos escultores alemães, muito especialmente Tilman Rimenschneider nas figuras do túmulo do Imperador Henrique II e de sua mulher Cunegundes, na catedral de Bamberg (S.a., 1971: 7) (figura 8). A segunda foi apresentada no catálogo No tempo das Feitorias (DIAS, 1992: 164165), como imagem depositada na igreja de Entradas do concelho de Castro Verde. Trata-se de uma escultura das oficinas de Malines que se aproxima em dimensão e recorte (embora distante na configuração da indumentária e atavios) à Santa Bárbara de Cimbres – modelo em voga na viragem do século XV para o século XVI, na Europa. 

Figura 2 | Escultura de Santa Bárbara (paróquia de Cimbres) Foto Luís Sebastian


68

Normalmente expedidas através da costa, por co-

ra formado pelos lugares do Mosteiro, Ucanha, Meixe-

mércio marítimo (recordemos a importância das Fei-

do, Murganheira, Vila Pouca, Valdevez, Granja Nova

torias Portuguesas na Flandres) estas imagens eram

e Formilo. Embora fosse na Ucanha a cabeça do dito

desembarcadas nos portos nacionais e daí transpor-

couto, era no mosteiro que se provia à administração

tadas até aos seus vários destinos: igrejas, oratórios

temporal do território que através dos abades e seus

particulares, mosteiros, etc2. Nesse sentido não é inu-

adjuvantes tratavam do recebimento dos dereitos

sitada a presença de uma peça desta cronologia

que particularmente a cada huu dos ditos lugares

em Cimbres, sobretudo no contexto religioso e ad-

sam cotheudos decrarados per seos contratos e es-

ministrativo da época: tratava-se de um curato filial

cripturas, como especifica o teor do foral manuelino

da importante igreja monástica de Salzedas, em cujo

outorgado em 1504. Neste ano já o lugar de Cimbres,

território se construíra como comunidade e paróquia

à semelhança dos seus congéneres vizinhos, estava

ao longo da Idade Média3.

devidamente povoado com todos os foros e liberda-

Cimbres, hoje freguesia do concelho de Armamar,

des, certamente ratificados por contratos firmados

foi uma das povoações do couto de Salzedas, outro-

quase imediatamente ao coutamento, pois seria ne-

Figua 3 | Gravura representando Santa Bárbara, de Israhel van Meckenem (1455 - 1503) (Rijksmuseum: RP-P-1955-523).

F igura 4 | Desenho do toucado de Santa Bárbara de Cimbres, publicado em CARVALHO, 1959.


cessário dar expressão à humanização do território,

da Igreja, como prova a sua condição de criado de

ora despovoado, ora acometido por crises agrícolas

D. Jorge da Costa. Referimo-nos, afinal, à ligação a

e sociais. De resto em 1527, no âmbito do primeiro

uma das mais importantes e influentes figuras da his-

registo estatístico nacional, já Cimbres apresentava

tória política e religiosa de Portugal quatrocentista:

um conjunto de 55 moradores, sendo o quarto maior

aquele que foi arcebispo de Évora, Lisboa e Braga e

núcleo urbano dentro do Couto de Salzedas, a seguir

ocupou os mais altos cargos na cúria romana entre

à Ucanha, à vila ou burgo e à Granja Nova (apud

1477 e 1508. Poderá ter sido, aliás, na companhia do

COLLAÇO, 1931: 130).

cardeal Alpedrinha que Dom Brás efectuou algumas

O facto de se lhe associar, já no século XIV o nome

das sete viagens a Roma, na última das quais, ao que

de um dos abades de Salzedas – D. Afonso de Cim-

parece em 1507, o consagrárão em Bispo de Biblion.

bres (abade de 1429 a 1456) –, é de certa forma reve-

Já detinha este título, juntamente com o de bispo

lador da existência de uma elite local – elite que pro-

de Osma, quando recebeu a mitra abacial de Sal-

duzirá, menos de um século depois daquele prelado,

zedas, que envergava (a acreditarmos em Baltasar

um outro abade, de nome Brás.

dos Reis), no ano de 1503 (REIS, 1943: 72). Embora não

Nascido talvez durante o último quartel do século

saibamos o seu apelido o Episcopologio Español cha-

XV, Brás de Cimbres provinha de uma família da pe-

ma-o Blas de Fernando (apud GUITARTE IZQUIERDO,

quena nobreza regional, cujo extraordinário percurso

1994: 24), pelo que, consideramos fosse o seu apelido

o genealogista Alão de Morais narrou, ainda que a

Fernandes, porventura de origem patronímica.

voo de pássaro, na sua Pedatura Lusitana.

O papel de Blasius Abba Salzedae não foi mera-

Embora, como explica o genealogista, lhe fosse im-

mente a de um amanuense, como sugere o cronis-

putada ascendência nobre paterna pelos Rebelos de

ta frei Baltasar dos Reis. O seu abadessado coincide

Caria, Brás seria filho de uma hua forneira pello que E

com um dos mais fecundos períodos de produção

por ser criado do Cardeal D. Jorge da Costa tomou

artística em Portugal e especificamente na região de

por armas o escudo partido ao 1.º A roda de S. Cata-

Lamego onde, durante os primeiros terços do sécu-

rina do Cardeal, E ao 2.º hu feixe de lenha aludindo

lo XVI laboraram vários artistas nas empreitadas do

ao officio de sua mãe e assi estão nas Salzedas (Mo-

retábulo maior da sé de Lamego (1506-1511) e nas

rais, 1948,III: 26). E, não obstante estas poucas linhas

obras da igreja de Ferreirim (1533-1534).

possam transmitir a ideia de uma inusitada ascensão

E dentre todos os abades perpétuos de Salzedas,

social em Portugal de quatrocentos, a sua condição

cuja informação biográfica é, como se sabe, es-

de ilegítimo não teria limitado o acesso a um lugar

cassa, devemos salientar as referências que lhe são

eclesiástico – o caminho para fulgurante carreira.

dirigidas, quer pelo já referido Alão de Morais, quer

Pelo contrário. De resto tudo indica que o percurso

por cronistas, nomeadamente Manuel Faria e Sousa

de Brás resulte das boas relações que possuía no seio

(1590-1649) que na sua obra Europa Portuguesa (ed.

69


1680) assinalou uma notável encomenda do abade

dos olhos, de tal modo, que sendo o retabolo de al-

de Cimbres:

tura muy grande, por onde as figuras, que ficavão no

El singular Retablo de la Iglesia de las Salzedas todo

alto houverão de parecer menores, de tal modo foy

de figuras de relieve, fabrica admirable de D. Blas de-

a industria do Artifice compassando a estatura das

cimo quinto Abbad de aquel Monasterio. Siendo de

imagens, e dando a cada uma dellas tanto mayor

mucha altura son las Imagens ultimas de lo alto a la

grandes, quanto a vista hia mais faltando, que ficáo

vista del proprio tamaño que las de abaxo: a imita-

todas juntas parecendo de hum tamanho (SILVA,

cion de las que serven en la Coluna de Trajana de

1725: 125). Importa acrescentar, ainda, outros dados à biogra-

Roma (SOUSA, 1680: 214).

70

Esta descrição, até ao presente ignorada pela his-

fia de D. Brás, nomeadamente alguns elementos para

toriografia, não só enfatiza o papel empreendedor

a reconstituição das suas relações pessoais. Efectiva-

de Dom Brás, mas adianta, outrossim, alguns ele-

mente, em nota à genealogia do abade, Alão de

mentos desconhecidos sobre a estrutura da igreja

Morais associa-lhe o nome de Luís Eanes, seu criado,

medieval. Efectivamente, no início do século XVI a

que D. Bras […] mandando o a França com 200 Urs.

igreja de Salzedas recebeu uma obra retabular que a colocaria entre o conjunto de grande empreitadas artísticas que então se executavam um pouco por todo o reino, nomeadamente em Coimbra, Lisboa e Funchal. E parece verosímil associar-se a esta obra a figura de Arnao de Carvalho que em 1510, na cidade de Lamego, emparceirou com Ângelo Ravanel, mestre borguinhão, como testemunha o acto público notarial de 29 de Janeiro daquele ano (apud CORREIA, 1924 110-111 e CORTEZ, 1957: 11). Virgílio Correia situou-o em 1523 em Salzedas, onde residia e onde provavelmente assistia à obra do retábulo, então em curso (CORREIA, 1924: 85). De tal forma foi a obra de Dom Brás marcante no panorama artístico português que, quer os homens do seu tempo, quer os que depois dele vieram ainda dois séculos depois se lhe referem: Fez na Casa hum retabolo de figuras de vulto, feitas com proporção, e grandeza conveniente à distancia

F igura 5 | Reprodução de escultura de Santa Bárbara (leiloada em 1971), pub. em S.A., 1971.


p.ª comprar ouro p.ª dourar o retabolo das Salzedas

raciocínio dos críticos amadores de 1953, nomeada-

se deixou ficar em Paris estudando levãtãdo-se cõ o

mente o conhecimento sobre a materialidade de

dr.º (MORAIS, 1948,III: 262).

um retábulo, dourado, de figuras de relevo – à seme-

Não obstante a inusitada acção do dito Luís (que

lhança dos que ainda se conhecem para Coimbra

o genealogista indica como filho de um abade de

ou Funchal – de resto ambas empreitadas de artistas

São João de Tarouca), o mesmo viria a casar com

nórdicos, não será a Santa Bárbara de Cimbres efec-

a filha de Dom Brás, chamada D. Guiomar Fernan-

tivamente uma remanescência daquela obra – pa-

des. O casal foi sepultado no mosteiro de Salzedas,

limpsesto da destruição setecentista que imprimiu ao

como consta do testamento comum que o genealo-

edifício o desenho actual?

gista em parte transcreveu: e mt.º desejamos nossos

Obviamente apenas a documentação nos pode-

corpos seram levados ao d.º Mostr.º (das Salzedas)

rá esclarecer esta questão, mas as pistas levantadas

pella criação q tivemos daquella casa, E amor q lhe

apontam-nos outros caminhos, nomeadamente os

temos, E obrigação que q lhe somos, E por hi iazarem

que cruzam o abadessado de Dom Brás e a sua (pre-

nossos paes. E avós e filho [...] (MORAIS, 1948, III:262):

tensa) interferência na encomenda dos quatro pai-

– dando assim expressão a estratégias nepotistas que

néis atribuídos a Vasco Fernandes e hoje desmembra-

dominariam ambos os mosteiros cistercienses.

dos (RODRIGUES, 1992, 2001, 2004). É provável que a

Apresentados os factos impõe-se agora colocar

escultura em Cimbres tivesse lugar naquele retábulo

uma questão, de resto já levantada no artigo de

– uma vez que, até como refere Frei Baltasar dos Reis,

1953: qual a proveniência desta escultura? A respos-

ao dito retábulo composto por vinte E hu paineis com

ta seguiu-se, no mesmo texto, quase impensada: É

figuras de vulto grandes se acrescentaram outras pe-

de crer que tenha vindo do vizinho mosteiro de Salze-

quenas que na obra se puserão (REIS, 1936: 20).

das. Às perguntas feitas e às respostas devidamente

Mas e quanto aos ditos painéis - teriam eles lugar

reflexionadas não se pode se não reproduzi-las. Mas

no seu imponente retábulo de figuras de vulto (cat.

tendo em consideração os dados que acrescem ao

10)?

1. O  autor designa-a por Santa Catarina o que naturalmente é lapso. 2. S erá pertinente destacar a origem e o percurso da imagem da Virgem do Leite, da igreja de Tarouquela (DIAS, 2000 e BOTELHO&RESENDE, 2014: 207) 3. Cabe aqui salientar a presença, geograficamente próxima (em Tarouca), de uma Santa Bárbara de influência flamenga identificada em 2006 por Rui Maurício na sequência da segunda fase de Inventário da Diocese de Lamego (MAURICIO, 2006, II: 102-103).

71


10

SÉCULO XVI MOSTEIRO DE SANTA MARIA DE SALZEDAS (ASSOCIADO)

SÃO SEBASTIÃO E SANTO ANTÃO: DUAS PINTURAS REVISITADAS. ANA CRISTINA SOUSA NUNO RESENDE

Figu


A primeira referência documental a esta pintura

Em Vasco Fernandes e Gaspar Vaz, sobretudo nes-

de São Sebastião é a que, com segurança, a situa

te último, é ainda manifesta a influência de um mes-

na igreja de Salzedas em 1919. Nesse ano, José de

tre flamengo, que é aquele cuja mão é dominante

Figueiredo, do Conselho de Arte e Arqueologia da

nos cinco painéis que restam do antigo retábulo da

1ª Circunscrição, requisitou que lhe fossem entregues,

capela-mor da Sé de Lamego, e a que chamaremos

afim de os estudar e beneficiar, os quadros do sécu-

«mestre de Salzedas» pois aí êle aparece-nos isola-

lo XVI, São Jorge [sic] e São Sebastião, existentes na

do nos dois paineis que há anos encontrámos nesta

Igreja de Salzedas1(figuras 1 e 2).

igreja; mas essa influência limita-se quási só ao ma-

Parece certo que os dois quadros foram levados

neirismo dos cabelos, vistos sob uma forma especial e

para Lisboa, onde José de Figueiredo os examinou,

acentuadamente linear, sem esquecer que êsse ma-

redigindo, em 1924, um artigo para a revista Lusitania

neirismo reveste já, nos dois pintores, um carácter sui

atribuindo a sua execução a um Mestre de Salzedas

generis e menos exótico, caldeado e transformado

e cuja obra individualizava em relação a Gaspar Vaz

na sua visão essencialmente nacional2 [sublinhado

e Vasco Fernandes – pintores cujas autorias causa-

nosso] (FIGUEIREDO, 1924a).

vam, então, polémica nos meios historiográficos:

Figura 1 | Pintura representando São Sebastião (Paróquia de Salzedas/ Diocese de Lamego). 

73

O mesmo autor acrescentou ao conjunto outros

F igura 2 | Pintura representando Santo Antão (Paróquia de Salzedas/Diocese de Lamego).


dois painéis depositados no Museu Municipal do Por-

tros compromissos na região, concretamente a res-

to – um, de Santa Catarina, o outro, de Santa Luzia,

ponsabilidade de fazer um retábulo para a igreja do

e ambos com a respectiva legenda em flamengo

mosteiro de Santa Maria de Salzedas. Não se conhe-

– atribuindo a autoria do hipotético políptico ao re-

cem quaisquer informações escritas. No entanto, a

ferido mestre de Salzedas (FIGUEIREDO, 1924b). Estas

partir de algumas associações, é possível dar à ideia

duas pinturas estariam no Museu do Porto desde 1908

alguma coerência (RODRIGUES, 2000, I: 198).

(SOARES&CARVALHO, 2004: 44-45)3.

74

Embora consensual esta atribuição não se firma,

A proposta de José de Figueiredo viria a ser rejei-

como já vimos (e como a autora refere) nem em

tada alguns anos depois por Luís Reis Santos que, em

qualquer referência documental nem em elementos

1946, associando aos painéis de Salzedas as repre-

que factualmente associem as duas tábuas de São

sentações femininas que integravam o acervo do

Sebastião e Santo Antão a Salzedas (pelo menos an-

MNSR, considerou serem as quatro pinturas típicas da

tes de 1919) e menos ainda, que as duas pinturas de

segunda época de Vasco Fernandes, afinando o pe-

Santa Luzia e Santa Catarina tenham tido a mesma

ríodo da execução dos «dois dípticos» para os anos

proveniência. Em suma, não existe qualquer prova

de 1511 a 1520 (REIS-SANTOS, 1946: 23)4.

que relacione as quatro tábuas com uma estrutura

Em Outubro de 1950, na Exposição de Arte Sacra

retabular destinada àquela igreja de Salzedas e to-

realizada no Museu de Lamego, as duas pinturas de

das as afirmações expostas pelos mais diversos auto-

Salzedas são já definitivamente atribuídas à lavra

res baseiam-se em meras suposições.

do notável artista Grão Vasco (VAZ, AMARAL&PIRES,

De facto, os inventários existentes para Salzedas

1950). E nesta condição continuaram a ser apresen-

são inconclusivos quanto à proveniência das tábuas.

tadas nas exposições e roteiros seguintes, onde figu-

No inventário de 1834, elaborado na sequência da

raram, em 1959 (S.A., 1959), em 1967 (S.A., 1967), 1968

extinção das ordens religiosas, são referidos doze al-

(S.A., 1968), em 1992 (RODRIGUES, 1992), em 2005

tares laterais todos ornados com imagens e costuais

(apenas o painel de S. Sebastião: SERRÃO, 2005) e

de pau e, na sacristia, quinze quadros grandes em

em 2006 (RESENDE, 2006).

volta da mesma samchristia (apud CASTRO, 2014:

Em 2000, a investigadora Dalila Rodrigues, que

95). O acervo sumariamente indicado nas fontes cor-

abordou e reviu a obra de Vasco Fernandes à luz da

responde ao trabalho pictórico associado à retabu-

historiografia nacional, reiterou a atribuição de Luís

lística (ainda existente ao longo das paredes laterais

Reis-Santos quanto à execução das tábuas de Salze-

da igreja) e ao conjunto que orna o paramenteiro e

das e a das do acervo do Museu Nacional Soares dos

a sacristia, obra documentada e atribuída a Bento

Reis, considerando o conjunto como obra retabular:

Coelho da Silveira (SOBRAL, 2006a; SOBRAL, 2006b).

Na sequência desta importantíssima empreitada

De resto, as grandes empreitadas seiscentistas e se-

artística de Lamego, [Vasco Fernandes] assumiu ou-

tecentistas teriam arredado o património medieval,


substituindo-o por intervenções ao gosto da época (cat. 8). Corresponderiam, efectivamente, as quatro pinturas a um primitivo retábulo de Salzedas? E seria este um retábulo-mor, um retábulo lateral ou um dos retábulos colaterais? A estrutura da igreja medieval de Salzedas persiste, ainda, sobre as reconstruções levadas a cabo nos séculos XVI, XVII e XVIII (figura 3). À parte os três absidíolos e a capela-mor original o templo apresenta

75

ainda parte da volumetria medieval, revelando-se na planta longitudinal de três naves - uma central e duas laterais – um edifício de grandes dimensões. Infelizmente o que arqueologia permitiu revelar a nível da estrutura e fundações (CASTRO, 2014a) não nos possibilita um conhecimento mais profundo sobre o património integrado. Nos altares e capelas colaterais (quatro, segundo o cronista Baltasar Reis) quais seriam as invocações aí cultuadas? Não o sabemos. Porém, não obstante esta ausência de informação sobre o corpo da igreja, convém elencar alguns dados sobre a estrutura da capela-mor medieval de que subsistem algumas descrições. Desde logo a referência a uma cerimónia de sagração, ocorrida em Janeiro de 1533, e à qual assistiu o cisterciense D. Edme de Salieu durante sua visita a este mosteiro (cat. 9). Este acto deve corresponder à inauguração de um novo retábulo ou até a profundas remodelações levadas a cabo na capela-mor. Tais obras coincidem com os abadessados de D. Brás de Cimbres (15031530) e de D. Damião Rodrigues (1530-1540). O primeiro, como já referimos (cat. 9) parece ter sido um activo reformador de Salzedas, a quem se imputa a p

Figura 3 | Igreja de Salzedas: nave central. Foto Pedro Martins © DRCN


edificação do retábulo mor da igreja, assinalado no

res contra a peste dando, como exemplo, o políptico

século XVII por Manuel Faria e Sousa como obra ad-

da autoria de Mathias Grünewald realizado entre os

mirável. Este retábulo era constituído por figuras de

anos de 1512 e 1516 e que actualmente se expõe no

vulto, como o descreveu frei Baltasar dos Reis:

Museu de Unterdinden em Colmar (França). Os dois

O Retablo da Capella mor he dos melhores que

volantes representam São Sebastião (à esquerda) e

se podem achar Em Espanha, tem vinte E hu painéis

Santo Antão (à direita) a ladear uma tábua central

com as figuras de vulto grandes, afora outras peque-

de maiores proporções que expõe uma rica icono-

nas que na obra se puserão (REIS, 1943: 20).

grafia do Calvário, obra com características plásticas

Obra escultórica, portanto, sem lugar para pintura,

76

e cromáticas que muito individualizam este autor.

como se infere das várias descrições colhidas entre os

A análise iconográfica da imagem de São Sebas-

séculos XVII e XVIII (cat. 9). De resto e dado o cuidado

tião sugere, de facto, outras leituras e outras proveni-

dos cronistas no elogio da fábrica, forma e dimensões

ências. O mártir é representado jovem, com cabelos

do retábulo, porque ignorariam o trabalho pictórico?

longos arruivados e imberbe, em pé, vestido como um

E mais ainda por que ignorariam o trabalho de pin-

rico cavaleiro com traje de viagem, mangas farpa-

tura de um autor cujo nome nunca deixou de firmar

das e soltas, capa e botas com esporas. A presença

interesse entre os memorialistas desde o século XVI?

da espada que sobressai por baixo do amplo manto

Vítor Serrão recorda esta mistificação do pintor pelos

e a correia e bainha aludem, ainda, à sua condição

seus principais mecenas ainda em vida do artista, re-

de soldado de que fala Réau (1998: 197). Na mão

forçada a partir do século XVII por rasgados elogios

esquerda segura a seta do martírio e na direita o que

que tocam o universo da credulidade e da supersti-

parece ser um chapéu de cavaleiro, embora apre-

ção colectiva. A viagem a Itália e a sua colaboração

sente um outro pousado na cabeça, negro, de abas

com Perugino contam-se entre esse fenómeno de

viradas para cima típico da indumentária deste perí-

glorificação do artista (SERRÃO, 2002:105-106).

odo5. Vítor Serrão refere que esta iconografia do san-

A ligação das duas tábuas de São Sebastião e San-

to é rara mas não inédita na arte portuguesa, recor-

to Antão é, de facto, indiscutível. A medida de ambas

dando o exemplo da predela do retábulo da autoria

(108,5x60 cm), a ausência de pintura nos rebordos su-

dos mestres Vicente Gil e Manuel Vicente, pintado

perior e inferior (lugar de antiga moldura), o enqua-

em data próxima (c. 1504-1515), para a Capela do

dramento das figuras no espaço rochoso, os muros

Hospital de Nossa Senhora de Campos da Misericór-

de separação entre os taumaturgos e a paisagem

dia de Montemor-o-Velho (SERRÃO, 2005: 74; CASIMI-

de arquitecturas de traça nórdica, associada ao fac-

RO, 2004, II: 1321-1323). No entanto, cremos que se

to dos dois santos serem antipestíferos, corroboram

trata de uma representação atípica na produção

a ideia de um conjunto pictórico. Louis Réau (1998:

artística portuguesa, na qual dominou o modelo do

197) acentua esta relação dual de santos protecto-

Mártir jovem, belo, desnudo e sagitado que surge a


partir dos séculos XIII ou XIV e que se impôs por toda

nel esquerdo, uma representação de São Sebastião

a Europa a partir de meados do século XV (LANZUE-

vestido como cavaleiro, com espada embainhada,

LA HERNÁNDEZ, 2006: 236). Esta iconografia convi-

arco e três flechas. A obra pertenceu à capela de

veu durante algum tempo com a do santo vestido

São João de Latrão, na Madeira, mandada edificar

como nobre cavaleiro, tal como a que se apresenta

por Nuno Fernandes Cardoso, rico mercador e pro-

na tábua em análise, mas a brutal representação do

dutor de açúcar e sua mulher Leonor Dias. A data da

suplício dramático do mártir cravejado de setas, ali-

encomenda ocorreu entre 1512 e 1515 tendo o co-

mentada pelas narrativas hagiográficas da Legenda

mitente determinado, em testamento, o programa

Áurea (séc. XIII) e mais tarde do Flos Sanctorum, aco-

iconográfico das principais representações. O histo-

lhiam maior atenção dos fiéis, comovendo o espírito

riador Eberhar von Bodenhausen atribuiu, em 1905, o

e despertando emoções (Hippolyte Delehaye cit in

Tríptico da Misericórdia ao pintor flamengo Jan Pro-

LANZUELA HERNÁNDEZ, 2006: 237).

voost (1662/5-1529), um dos mais reconhecidos da

Esta figuração de São Sebastião vestido como um

sua geração, que trabalhou em Antuérpia, cidade

jovem e rico cavaleiro surge, de facto, com frequên-

com forte presença portuguesa no primeiro quartel

cia, na pintura dos séculos XV e primeiro quartel do

do século XVI. O restauro da obra, com o recurso às

XVI, nas cidades italianas (Pietro Perugino (1476);

técnicas de reflectografia, estudo do desenho e aná-

Benozzo Gozzoli (1464-65); Rafael Sanzio (1501-2);

lise comparativa com outras obras do autor vieram

Gionvanni Antonio Boltraffio (dos finais da década

confirmar esta atribuição (CARVALHO et alli: 2012). A

de 90 de Quatrocentos); na Alemanha (Mathias Grü-

organização deste tríptico permite sugerir uma estru-

newald -1512-1516); nos Países Baixos (Jacob Corne-

tura semelhante para as duas tábuas associadas a

lisz van Oostsanen – 1509-1513); Castela (na obra

Salzedas que fariam, desta forma, parte de um con-

de Jorge Inglês , 1465), Aragão (na obra de Miguel

junto entretanto desmantelado e cuja tábua central

Ximénez, 1494)8 e Catalunha (Joan Mates9, cerca de

se perdeu ou se encontra dispersa. É possível que as

1417-1425; Jaume Ferrer10, cerca de 1450; Mestre da

tábuas dos dois santos antipestíferos estivessem as-

Sé de Urgell , cerca de 1495-1498); Retábulo de São

sociadas a uma invocação de Nossa Senhora, aten-

Sebastião e Santa Tecla da Catedral de Barcelona,

dendo à importância que o culto à Virgem assumiu

de 1486-98; Retábulo da Coroação e Retábulo do

em épocas de epidemias de peste: Imaculada Con-

Ecce Homo da Catedral de Teruel, do séc. XV e finais

ceição, Virgem da Piedade, da Graça ou da Miseri-

de XV/princípios do XVI respetivamente; São Sebas-

córdia (LANZUELA HERNÁNDEZ, 2006:249), tal como o

tião da igreja Santos Justo e Pastor de Villar del Cobo,

demonstra o exemplar do MNAA referido. Jean Delu-

Teruel, do séc. XV), entre outros.

meau referiu as constantes representações de Maria

6

7

11

O tríptico de Nossa Senhora da Misericórdia12 do

entronizada entre santos protectores da peste (e re-

Museu Nacional de Arte Antiga apresenta, no pai-

cebendo por sua mediação as preces dos enfermos)

77


78

na pintura europeia a partir do século XIV (DELUMEAU

descrições apresentadas obrigam-nos a recordar a

cit in LANZUELA HERNÁNDEZ, 2006:249). Se os comiten-

importância que a importação de obras de arte da

tes da Madeira optaram pela parelha São Sebastião

Flandres e de outros centros de produção artística as-

/São Cristovão, os do Douro escolheram a associa-

sumiu no período em estudo bem como a presença

ção São Sebastião/Santo Antão. Importa, igualmen-

de artistas de origem flamenga no nosso território, que

te, valorizar as características de representação des-

circulavam livremente pelo país. E se as duas tábuas

te santo taumaturgo. Santo Antão apresenta a sua

de Salzedas foram associadas às duas de Santa Ca-

iconografia habitual, um ancião de barbas grisalhas,

tarina e Santa Luzia guardadas no Museu Nacional

cabeça coberta, pés descalços e uma longa capa

Soares dos Reis, não se compreende também que

de lã, alusiva ao hábito da sua ordem (RÉAU, 1998:

as inscrições titulares das santas em francês (ou em

113), mas ricamente debruada com peles, mais con-

flamengo como refere José de Figueiredo em 1924),

forme à indumentária de um rico cidadão da Flan-

circunstância extravagante notada (mas ignorada),

dres do que à de um humilde eremita do deserto. Na

em 1946 por Luís Reis Santos, não tenham sido alvo de

mão esquerda o Tau e na direita uma pequena con-

reflexão. Basta salientar, novamente, o notável per-

ta ou bolota que aqui parece substituir o porco, um

curso do Abade D. Brás de Cimbres e o seu círculo

dos seus atributos mais correntes.

de influências e contactos na Europa da viragem do

O tríptico de Nossa Senhora da Misericórdia e as

século XV para o século XVI (cat. 9). Para a região em análise, importa igualmente refletir outrossim sobre a tão citada passagem da carta do Bispo de Viseu, D. Fernando Gonçalves de Miranda ao Cabido da cidade, datada de 22 de Setembro de 1500, relativa ao retábulo para a capelamor da diocese, que, neste contexto, serve apenas para confirmar o prestígio e a regularidade com que se recorria a obras forâneas: [...] mas ajnda me apreso muyto a poder acabar ho retavollo pêra esa see como vos tenho escripto já e escrepveime ho que vos parece se ho faremos de prata ou de tintas por que de qualquer maneira que quisermos de frandres se ha de trazer mylhor e mays barato [...] (apud RODRIGUES, 2000: 214-215). Não sendo possível, no atual estado da investigação, avançar com dados mais concretos sobre a au-

p

F igura 4 | «Fragmentos - Expressões de Arte Religiosa do Mosteiro de Santa Maria de Salzedas»: pinturas de Santo Sebastião e Santo Antão. Foto Pedro Martins © DRCN


toria e origem dos dois painéis ditos de Salzedas, pa-

século XIX e inícios de XX e que a atribuição ao pintor

rece ficar provado, no entanto, que o destino original

Vasco Fernandes assentou, desde o primeiro momen-

destas tábuas não foi a igreja do Mosteiro, que a sua

to, numa cadeia de suposições sem qualquer suporte

presença no cenóbio se ficou certamente a dever

científico (figura 4).

à problemática da mobilidade de obras de arte do

79

1. Cf. SGMF, CJBC/VIS/TAR/ADMIN/012, Proc. 5938, L. 10, fl. 388; proc. 5939, l. 10, fl.. 388.A designação São Jorge poderá ser engano ou gralha. Efectivamente nada na iconografia do santo que configura par com São Sebastião nos remete para o mártir da Capadócia, invariavelmente representado como um cavaleiro. No entanto a figura encapelada permaneceu por identificar até à década de 1990, sendo referida na catalografia como Santo Peregrino. Trata-se, naturalmente, de Santo Antão, acompanhado do tau e exibindo entre dedos da mão direita o que poderá ser uma bolota, um dos alimentos do porco, alusão à sua qualidade de patrono dos animais domésticos. 2. E acrescentava, em nota, no mesmo artigo: Embora nada possamos dizer de definitivo por agora quanto à identificação dêstre mestre, não podemos deixar de constatar desde já as suas afinidades com a obra averiguada de António de Holanda (FIGUEIREDO, 1924). 3. E  mbora sem registos sobre a sua aquisição, supõe-se que aquele coleccionador portuense as teria adquirido na região de Lamego, cf. obra citada no texto. 4. «Consideradas por José de Figueiredo, as dos santos, primeiramente da escola quatrocentista florentina e, depois, de mestre flamengo; e as das santas de um continuador português do autor dos dois painéis anteriores e, mais tarde, do próprio Mestre de Salzedas, estas quatro tábuas, apesar da ortografia das inscrições que se vêem nas duas últimas, são típicas da segunda época de Vasco Fernandes, e dir-se-á terem pertencido ao mesmo conjunto» (REIS-SANTOS, 1946: 23). O autor repete esta interpretação em 1962 (REIS-SANTOS, 1962). 5. Agradecemos a colaboração da Doutora Deolinda Carneiro, do Museu Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim na leitura e identificação dos elementos que compõem o traje de São Sebastião. 6. Oostsanen, Jacob Cornelisz van (1509-1513). https://www.rijksmuseum.nl/en/collection/RP-P-1887-A-12207 (240 mm × w 188 mm, digitalização de gravura sobre papel). [Amesterdão]: Rijksmuseum. Disponível em: http://hdl.handle.net/10934/RM0001.COLLECT.37436. 7.  Cf. Inglés, Jorge (1465 [ca.]). [Retablo de San Jeronimo]. http://ceres.mcu.es/pages/Viewer?accion=42&AMuseo=MNEV&Museo=MNEV&Ninv=CE0009&t xt_id_imagen=1&txt_rotar=0&txt_zoom=10&txt_contraste=0&txt_totalImagenes=13&dbCode=1&txt_polarizado=&txt_brillo=10.0&txt_contrast=1.0 (fotografia digital). [Valhadolide]: Museo Nacional de Escultura. Disponível em: http://ceres.mcu.es/pages/ResultSearch?Museo=MNEV&txtSimpleSearch=Retablo%20 de%3Cb%3E%20San%20%3C/b%3EJer%F3nimo&simpleSearch=0&hipertextSearch=1&search=simple&MuseumsSearch=MNEV|&MuseumsRolSearch=15&listaMu seos=[Museo%20Nacional%20de%20Escultura]. 8. Cf. Ximénez, Miguel (1494). [San Juan Bautista, San Fabián y San Sebastián] http://www.museunacional.cat/sites/default/files/015858-CJT.JPG (fotografia digital). [Barcelona]: Museu Nacional d’Arte de Catalunya. Disponível em: http://www.museunacional.cat/es/colleccio/san-juan-bautista-san-fabian-y-san-sebastian/miguel-ximenez/015858-cjt. 9. MATES, Joan (1417-1425). [Calvario; San Sebastián] http://www.museunacional.cat/sites/default/files/042340-000_16714.JPG (fotografia digital). [Barcelona]: Museu Nacional d’Arte de Catlunya. Disponível em: http://www.museunacional.cat/es/colleccio/calvario-san-sebastian/joan-mates/042340-000. 10. FERRER, Jaume (1450[ca]). [San Sebastián] http://www.museunacional.cat/sites/default/files/114745-000.JPG (fotografia digital). [Barcelona]: Museu Nacional d’Arte de Catlunya. Disponível em: http://www.museunacional.cat/es/colleccio/san-sebastian/jaume-ferrer/114745-000. 11. Maestro de La Seu d’Urgell (1495-498[ca]). [San Sebastián] http://www.museunacional.cat/sites/default/files/200469-000.JPG (fotografia digital). [Barcelona]: Museu Nacional d’Arte de Catalunya. Disponível em: http://www.museunacional.cat/es/colleccio/san-sebastian/mestre-de-la-seu-durgell/200469-000.


11

SÉCULOS XVI-XIX

MOSTEIROS DE SÃO JOÃO DE TAROUCA | SANTA MARIA DE SALZEDAS SÃO PEDRO DAS ÁGUIAS | SANTA MARIA DE AGUIAR.

FREI BERNARDO DE BRITO E OS ESCRITORES DOS MOSTEIROS CISTERCIENSES DO DOURO

NUNO RESENDE


1. Quando aquele que viria a tornar-se Cronista Mor da Ordem de Cister em Portugal, frei Bernar-

em 1536) e que traçam uma imagem exemplar da casa.

do de Brito, chegou a São João de Tarouca (figura

Conquanto os visitadores de 1533 (apud BRONSE-

1), em 1589, para ouvir as prelecções filosóficas de

VAL & COUCHERIL, 1970) sejam parcos em referên-

frei Teodósio de Lucena, o mosteiro era um impor-

cias, elogiosas ou de censura, ao estado do mosteiro

tante pólo cultural da região. Tal se infere da leitura

de São João (tendo a comitiva realizado uma incur-

das visitações que anos antes o visaram (em 1533 e

são pela igreja, sacristia, biblioteca, dormitório e re-

F igura 1 | Vista sobre o mosteiro de São João de Tarouca (2010). Foto Pedro Martins © DRCN


82

feitório) concluiu M. Alegria Marques – comparando

Bernardo de Brito (figura 2) chegou, portanto, a

esta visita com os apontamentos de outras contem-

São de Tarouca com 21 anos, depois de ter passado

porâneas – que São João seria mosteiro bem ordena-

por Roma e de ter tomado o hábito cisterciense no

do (MARQUES, 1998: 74). Esta organização espelha-

mosteiro de Alcobaça, em 1585, casa onde profes-

se na visita de 1536 (apud GOMES, 1998), quando as

sou, sendo o seu mestre de noviciaria frei Francisco

observações dos visitadores atentaram sobretudo

de Santa Clara.

em questões morais e menos ao funcionamento da

Nascido em Almeida, em 1568, com o nome secu-

casa, que parecia regular. Embora com menos reli-

lar de Baltasar de Brito, filho do militar Pedro Cardo-

giosos do que anos antes (chegara a ter 25 religio-

so de Andrade e de D. Maria de Brito de Andrade

sos e em 1536 havia apenas oito monges de cogula,

– ambos de famílias da nobreza regional – o futuro frei

quatro barbatos e três noviços) o capital humano

Bernardo cresceu em contexto de monarquia dual,

de Tarouca ainda serviu para suprir as ausências em

num território outrora fronteiriço que a união ibérica

Santa Maria de Aguiar e da Estrela que os visitadores

diluiu. É provável que proximidade a casas cistercien-

consideravam mosteiros menos providos de mãos e

ses como a de Santa Maria de Aguiar (figura 3) influís-

de vozes (apud GOMES: 316-319).

sem na família de Baltasar o desejo de encaminhá-lo

A acção reformadora do Cardeal D. Henrique à

para a ordem cisterciense, muito embora o seu bió-

frente de Alcobaça e da ordem de Cister em Portu-

grafo refira que o pai o mandou a Roma estudar para

gal alcançou S. João de Tarouca que, ao longo da

viver no Seculo herdeiro dos seus serviços militares (S.

primeira metade do século XVI, sofrera com as ques-

BOAVENTURA, 1827: 108). Religioso ou militar, a carrei-

tões comendatárias (fora tornada Comenda em

ra de Baltasar só poderia singrar na aproximação aos

1540) e com a interferência de D. João III no sentido

poderes da monarquia ibérica, num tempo em que

da sua extinção (GOMES, 2006)1. Depois da morte do

as centralidades se definiam no acesso, ainda que

monarca e com a anuência do papado, em 1559 D.

efémero e volátil, a certas instituições.

Henrique restabeleceu São João de Tarouca, Salze-

Nesse sentido, a Ordem de Cister com forte implan-

das e Santa Maria Aguiar dos direitos e posses de que

tação a sul do Douro assumia através das suas casas,

haviam sido desviados abrindo caminho aos aba-

uma rede privilegiada de expressão cultural e econó-

dessados trienais (GOMES, 2006: 389-390). Começou

mica, no momento em que a corte se trasladara ao

então um período de recuperação e prosperidade

centro da Península Ibérica. Embora a historiografia

para São João de Tarouca – mosteiro definitivamen-

de pendor nacionalista tenha insistido na ideia do

te restaurado em 1562 (cf. GOMES, 2006: 389, nota

esvaziamento social e económico de Portugal sobre

56) – para o que terá contribuído a fundação de um

o domínio dos Filipes a revitalização institucional de

colégio destinado ao ensino de latim, obra ou missão

ordens como a de Cister pode ter estimulado o de-

do já então regente D. Henrique (LOBO, 1840: 6).

senvolvimento de núcleos regionais de poder.

Figura 2 | Frei Bernardo de Brito: reprodução de pintura a óleo [produzida entre 1600 e 1650?] (Biblioteca Nacional). 


Iniciador de uma obra emuladora do poder régio – a Monarquia Lusitana – frei Bernardo de Brito tirou partido de um dos mais importantes recursos dos mosteiros cistercienses: a memória escrita preservada nos seus cartórios e bibliotecas. Como o próprio afirmou: nas horas que me ficavam livres das obrigações essenciaes, gastava em lição perpetua nos Livros antigos, notando em cada hum deles o que achava tocante aos Lusitanos […] (apud S. BOAVENTURA, 1827: 110). Em 1597 publicou o primeiro volume da sua Monarchia Lusitana, assinando-se Cronista Geral e Religioso da Ordem de S. Bernardo. Seguiu-se, em 1609, a segunda parte da mesma obra, intercalada pela Geografia antiga da Lusitania (1597) e pela Primeira parte da Chronica de Cister (1602). Existem, porém, vários registos dos seus escritos e obras começadas ou intentadas (apud S. BOAVENTURA, 1827: 131-136). De formação humanista, frei Bernardo de Brito procurou no passado clássico um presente glorioso, para que visse o Mundo as Obras da Nação Portugueza, e deixassem as Estrangeiras de nos tractar com o afrontoso nome de Bárbaros (apud S. BOAVENTURA, 1827: 110). E como acrescenta o citado biógrafo que, se para a redacção da primeira parte da Monarquia Lusitana não foi necessário a seu Auctor ver Cartorios, nem pergaminhos; porque daquele tempo tão antigo não havia outras Memórias, salvo as que se achão nos Historiadores Gregos, e Latinos já então impressos […] porem para continuar a Obra conforme o preceito d’ElRei, era necessário andar, e ver mais terras que Alcobaça […] (S. BOAVENTURA, 1827: 111). Embora não seja possível reconstituir o percurso de

83


84

investigação de frei Bernardo de Brito grande parte

J. Leite de Vasconcelos, próximo ainda ao tempo

da memória historiográfica certamente a colheu nos

do desmantelamento elaborou uma breve análise

acervos monásticos, nomeadamente nos de Arouca

sobre os cartórios e bibliotecas de Salzedas e São

(figura 4), Salzedas2, Santa Maria de Aguiar (figura 3)

João de Tarouca – que lhe eram familiares nascera

e São João de Tarouca, cujas bibliotecas e cartórios

nas proximidades de ambos os mosteiros. No seu livro

constituíam importantes repositórios de saber.

Memórias de Mondim da Beira alude ao percurso de

Efectivamente, não obstante o estado de aban-

certos manuscritos e ao destino de muitos livros das

dono de alguns mosteiros cistercienses da região

respectivas bibliotecas (VASCONCELOS, 1933: 154-

do Douro ainda durante o início da época moder-

170; 206-211; 339). Interessa-nos particularmente as

na (veja-se o caso de Santa Maria de Aguiar, cf.

notas que Vasconcelos coligiu a partir do documento

BRONSEVAL&COCHERIL, 1970), as suas bibliotecas

intitulado Inventario de toda a livraria typographica e

fundadas na Idade Média possibilitaram a forma-

manuscrita de São João de Tarouca, realizado em 21

ção, de um expressivo conjunto de escritores, com

de Julho de 1834, onde o autor assinala a referência

proveniências diversas mas que deixaram associa-

a obras de carácter eclesiástico (catequéticas, his-

dos os seus nomes aos mosteiros onde professaram

tóricas, hagiográficas, de parenética, jurisprudência

e (ou) onde viveram. Embora espoliadas pelo regime

e direito), mas também de filosofia e de medicina,

liberal as livrarias e arquivos dos mosteiros constituíam

retiradas a uma sala com cerca de doze estantes

expressivos acervos culturais, em parte dispersos, de-

preenchidas com um mais de um milhar e meio de

sintegrados depois de 1834.

volumes (VASCONCELOS, 1933: 339-340). Na livraria

Figura 3 | Mosteiro de Santa Maria de Aguiar. Foto Pedro Martins © DRCN

Figura 4 | Mosteiro de Santa Maria de Arouca. Foto Pedro Martins © DRCN


N

de Salzedas, segundo o autor inferior em volumes a

acervos bibliográficos permitiram a sistematização

São João de Tarouca, a repartição das obras fazia-se

de uma lista de nomes de monges cistercienses as-

por temas e assuntos similares (VASCONCELOS, 1933:

sociados aos mosteiros do Douro que deixaram obra

347-350).

publicada, inédita ou desaparecida. No intuito de

2. As fontes seis e setecentistas, impressas e manus-

organizar esta informação dispersa aqui deixamos

critas, algumas referenciadas nas livrarias dos mos-

breves notas biográficas e bibliográficas sobre cada

teiros de Salzedas e Tarouca e ainda disponíveis em

um dos referidos autores.

85

AUTORES DOS MOSTEIROS CISTERCIENSES DO DOURO3 Anastácio de Linhares Natural de Linhares Professou em Santa Maria de Aguiar Redigiu: [1] - Exposito moralis in sex alas Seraphin Isaiae [data desconhecida] Fonte: COD431 Baltasar dos Reis Fal. 1621 Professou em Santa Maria de Salzedas Redigiu [1] - Libro da fundaçam do Mosteiro de Salzedas (1612). Fonte: MUÑIZ, 1793 Basílio de Almeida Natural de Almeida Professou em Santa Maria de Aguiar Redigiu [1] - De verbo abreviato [data desconhecida]. Fonte: BN, Cod. Alc. 431 Benedito de São Bernardo N. Castro Daire Professou em Santa Maria de Salzedas Redigiu: [1] - Collecção Curioza de varias couzas pertencentes aos Religiozos Cistercienses de Portugal, por FR. Benedicto de S. Bernardo Monge Cisterciense Luzitano do Real

Mosteiro de Santa Maria de Salzedas [data desconhecida, século XVIII]; [2] - Fundação do Convento de S. Bernardo de Tavira [sem indicação de data]; [3] - Summario do Cartorio de Alcobaça [sem indicação de data]; [4] - Formulario de Varias Cartas, Alvaras, etcª [sem indicação de data]; [5] Summario do Cartorio de San Bernardo de Coimbra [sem indicação de data]; [6] - Radius Bibliothecae Alcobacensis [sem indicação de data]; [7] - Radiolorum raddi Bib. [sem indicação de data]; [8] - De Oratoris, Eremitis, seu Capellis Monachorum [sem indicação de data]; [9] - Indulta Apostolica pro Alcobaciensi Monasterio [sem indicação de data] (MUÑIZ, 1793: 307). Fonte: BN, Cod. Alc. 394; MUÑIZ, 1793 Bernardo de Castelo Branco N. em Guardão, 1655; fal. Alcobaça, 1725 Professou em São João de Tarouca (1671) Foi o responsável pela causa da beatificação das rainhas D. Sancha e D. Mafalda, graça que alcançou para a Coroa Portuguesa em 1705. Foi cronista-mor do reino e académico da Academia Real de História (PEREIRA&RODRIGUES, 1903: 23) Publicou: [1] - Discursos Sacros (Roma, 1706); [2] - Sermão do auto da fé, que se celebrou na cidade de Coimbra em 6 de agosto de 1713 (Coimbra, 1714); [3] - Sermão de acção de graças pela aclamação d’el-rei D. João IV, pregado no


collegio de S. Bernardo de Coimbra, etc (Coimbra, 1714); [4] - Resposta à invectiva que fez José da Cunha Brochado, sobre a pergunta que fizera, se nas Memorias Historicas que escrevia d’el-Rei D. Pedro I por ordem da Academia, havia de chamar a este principe Cruel ou Justiçoso (1722). Fontes: MUÑIZ, 1793 e PEREIRA&RODRIGUES, 1905.

86

Bernardo Figueiroa N. Melgaço Fal. 1708 Professou em Santa Maria de Salzedas Redigiu: [1] - Fundação do Mosteiro de S. Maria de Fiãens [sem indicação de data] (MUÑIZ, 1793: 143) Fonte: MUÑIZ, 1793 Cristóvão de Santiago Fal. 1615 Natural da Serra da Estrela Professou em Santa Maria de Salzedas Redigiu: [1] - Recopilação das Doações, privilégios, e mais noticias, pertencentes ao Convento de Salzedas (apud S.A., 1776: 311-312); [2] - Hum grande volume in Folio em que se copilou a Substancia das Doaçoens e Privilegios e Titulos principaes do dito Mosteiro [de Salzedas] (BN, Cod. Alc. 431) [sem indicação de data] Fonte: BN, Cod. Alc. 431/S.A., 1776 Feliciano Coelho Fal. 1636 (Alcobaça) Professou em Santa Maria de Salzedas Foi Geral da Congregação em 1627 Redigiu: [1] - Tractatus orandi, & Meditandi (Lisboa, 1624) (MUÑIZ, 1793: 95) Fonte: MUÑIZ, 1793 Francisco de Azevedo Professou em Santa Maria de Salzedas Redigiu: Desconhece-se a extensão e teor da sua produção escrita. Fonte: MUÑIZ, 1793. Gerardo das Chagas N. (Vilas Boas ou Touro); Fal. 1611 (Salzedas) Professou em Santa Maria de Salzedas Foi Doutor em Teologia pela Universidade de Coimbra e Geral da Ordem (1591) (MUÑIZ, 1793: 94) Redigiu: [1] - Desenção do direito que tem à Ordem de S.

Bernardo de Portugal no padroado dos Mosteyros da mesma Ordem (1594). Fonte: MUÑIZ, 1793 Hilário das Chagas Século XVI (1575, seg. MUÑIZ, 1793: 94) Professou em Santa Maria de Salzedas Redigiu: [1] - Memoria da Fundação de Alcobaça. Memoria de todos os Mosteiros de S. Bernardo que El rei D. Manoel mandou visitar: Lembrança de como foi fundado o Mosteiro de Cister. Catalogo dos Primeiros vinte Abades de Alcobaça [sem indicação de data] Fonte: MUÑIZ, 1793 Julião de Resende Professou em São João de Tarouca Redigiu: [1] - Ethimologiae nominum S. Scripture [data desconhecida]; [2] - Glossa in Evang. Mathei [sem indicação de data] (MUÑIZ, 1793: 276) Fonte: MUÑIZ, 1793 Lourenço de Lisboa N. 1620 (Sande); fal. 1673 (São João de Tarouca) Professou em São João de Tarouca (1620) Redigiu: [1] - Batalha de Montes Claros (verso) [em data desconhecida]; [2] - Descripção de Lamego até a barca da Regoa [sem indicação de data] (MACHADO, 1752:30)4 Fonte: BN, Cod. Alc. 431/MACHADO, 1752 Luís de São Bento N. Porto; fal. 1767 Professou em São João de Tarouca Redigiu: [1] - Diccionario Ministral de todos os Ministros que tem havido no Reyno [em data desconhecida]; [2] - Relação dos effeitos que produzio na Villa de Alcobaza o terremoto do I. de Novembro de 1755 [sem indicação de data] (MUÑIZ, 1793: 307) Fonte: MUÑIZ, 1793 Luís Lainez N. Sabugal Professou em Santa Maria de Salzedas Redigiu: [1] - Relação do Antigo Santuario de N. Senhora da Abbadia do seu principio ate ao prezente (1776); [2] - Historia Genealogia das Illmas Familias Souzas, e Fonsecas [sem indicação de data] (MUÑIZ, 1793: 185). Fonte: MUÑIZ, 1793


Luís Sá N. Óbidos Professou em Santa Maria de Salzedas Doutor em Teologia pela Universidade de Coimbra, Catedrático de Prima e Reitor da mesma instituição. Redigiu: [1] - Officia Virginis Bonae mortis. Verae Vitae. Inmaculate Conceptionis. Dolorosae Passionis Filli & Solitudinis matris (Coimbra, 1647); [2] - Serm. de Aclamaçam (Coimbra, 1641); [3] - Serm. pelo Bom Sucesso das Armas Portuguesas (Coimbra, 1641); [4] - Serm. pelo livramento de S. Magest. (Coimbra, 1647); [5] - Inauguratio de Stemate Lusitano [sermão pelas exéquias de D. Teodósio] (Coimbra, 1654); [6] Tres sonetos a Pancurpia, de Fr. Christovão de Osorio (Lisboa, 1628); [7] - Arbor meilor, fructus optimus [sem indicação de data]; [8] - Manoplia Catholicorum contra Jansenistas [sem indicação de data]; [9] - Diadema intellectuale [sem indicação de data]; [10] - Tonitrum Crucis [sem indicação de data]; [11] - Escudo Cisterciense [sem indicação de data]; [12] - De Gratiu & libero arbytrio [Coimbra, sem indicação de data] (MUÑIZ, 1793: 293). Fonte: MUÑIZ, 1793. Manuel da Conceição Professou em São João de Tarouca (1676) Redigiu: [1] - Fundação Real do Mosteiro de Alcobaça [sem indicação de data]5 (MACHADO, 1752: 225). Fonte: MACHADO, 1752. Manuel de Figueiredo N. Vila Real Professou em São João de Tarouca. Foi cronista da Ordem de Cister em Portugal. Redigiu: [1] - Relação das acçoens com que nos Real Mosteiro de Alcobaza se renderão a Deos as Graças pelos felicíssimos anos del Rey D. Joze I, Celebrandose no Mesmo Mosteiro a Inauguração da Estatua Equestre deste Monarcha [Lisboa, 1775]; [2] - Cartas a respeito da Heroina de Aljubarrota Brites de Almeida que com a Pa, do seu forno matou sete soldados do Egercito inimigo no dia 14 de Agosto de 1395 [Lisboa, 1776]; [3]- Dissertação Historica Critica em que claramente se mostram fabuloso os factos, com que está enredada a Vida de Rodrigo Rey dos Godos que este Monarcha na batalha de Guadalete morreo; que são apócrifas as peregrinações da Imagem milagrosa de N. Senhora venerada no termo da Villa da Pederneira; que não é verdadeira a Doação, que muitos crêm fez a mesma Senhora D. Fuas Roupinho, Gobernador de Porto de Mós [Lisboa, 1776]6; [4] - Res-

posta a um Togado da Corte sobre o mesmo assumpto [ver 3] [sem indicação de data]; [5] - Introdução para a História Ecclesiastica do Bispado Lamecense [Lisboa, 1787]; [6] - Dissertação Historia-Critica-Apologetica convincente da novíssima opinião que seguio que o Infante D. Luiz Duque de Beja fora deseherdado do Direito da sucessão do Reyno, pela desigualdade do Casamento [1788]; [7] - Descripção de Portugal, apontamentos e Notas da sua Historia antiga, e Moderna, Eclesiastica, Civil e Militar [1788]; [8] - Supplemento a Descripção de Portugal em satisfação da carta que hum Prelado do Reyno escreveo ao Author da mesma obra [1788]; [9] - Provas da votiva acção do primeiro monarca de Portugal, que na marcha para escalar Santarém prometteo à Deos a fundação de hum Mosteiro Cisterciense, se pelas intercessoens de S. Bernardo ficasse Senhor da Fortaleza que hia atacar [Lisboa, 1788]; [10] - Origem verdadeira do Conde D. Henrique Soberano independente de Portugal, e por Varonia da Casa de Borgonha, Ducado, terceiro neto de Roberto o Devoto, ofrecida a todos os Portuguezes [1789]; [11] - Dissertação Historica, e critica para distinguir D. Pedro Afonso filho do Conde D. Henrique, Religioso Cisterciense de Alcobaza, de D. Pedro Affonso filho do Rey Affonso Henriques [1789]; [12] - Mapa nominal de todos os Abades de Alcobaça, Geraes da Congregação de San Bernardo, com todas as declarações, e circunstancias, que os facem conhecidos, e respeitados [Lisboa, 1789]; [13] - Dissertação histórica e Critica, que mostra não deu o Senhor D. Affonso Henriques ao Mosteiro Real de Santa Cruz de Coimbra o domínio temporal de Leiria, nem na Jurisdicção Ecclesiastica, que lhe doou, foi compreendida à Villa de Aljubarrota, que não hé em parte alguma do seu termo sujeita as determinações do Foral de Porto de Mós [1790]; [14] - Vida da Augustissima Rainha Santa Teresa filha do segundo Rei de Portugal, e Religiosa Cisterciense; escrita por Joseph Pereira Bayão, suplementada com Dissertações, notas y documentos por Fr. Manoel de Figueiredo [Lisboa, 1791]; [15] - Satisfação aos reparos, e perguntas que fez hum Viajante Historiador Portuguez examinando os Retratos dos Antiquissimos Monarchas Portuguezes, que estan na Hospedaria do Real Mosteiro de Alcobaça [1792]; [16] - Carta a hum brigadeiro de Tras os Montes sobre a origem das pensoens vulgarmente chamadas: Votos de Santiago [sem indicação de data] [17] - Catalogo e Supplemento Chronologico-Historico e Critico dos Substitutos dos Esmoleres Mores dos Reis de Portugal, 4. gr. dos volum. Historia da Esmolaria Mor de Portugal, e Catalogo dos Propietarios e Substitutos do mesmo Emprego com 30 Documentos, que mostrão sempre os Abbades de Alcobaza tiverão a propriedade do

87


88

mesmo Ministerio, regalia de aprezentarem aos Monarchas quem os servisse nos seus impedimentos, fol. Segunda Parte da Alcobaza Ilustrada7 [sem indicação de data]; [18] - Catálogo dos Arcebispos, e Bispos Cistercienses de Portugal e memorias de Alguns Monges ilustres que professárão o mesmo Instituto. Fundação do Collegio de Espirito Santo de Coimbra, e Catálogos dos Dons Abbades reitores Lentes da Universidade e Doutores do mesmo Collegio [sem indicação de data]; [19] - Catalogo dos Monges de San Bernardo que forão Chronistas Mores do reyno de Portugal [sem indicação de data]; [20] - Catalogo dos mesmos Monges da mesma Ordem, que desta forão Chronistas [sem indicação de data]; [21] Catalogo dos Monges da mesma Ordem que forão Deputados, e Qualificadores do Santo Officio [sem indicação de data] [22] - Serie dos Monges, que tiverão na dita Ordem os Privilegios de Ex Geraes [sem indicação de data]; [23] Serie dos Lentes de Artes da dita Ordem [sem indicação de data]; [24] - Fundação, e catálogo dos Abbades do Mosteiro de Ceiza [sem indicação de data]; [25] - Fundação, e Catalogo dos Abade do Mosteiro do Desterro [sem indicação de data]; [26] - Fundação e Catalogo dos Abbades Reitores do Collegio de nra. Senhora da Conceição de Alcobaza [sem indicação de data]; [27] - Catalogo dos Priores de Odivellas, Creação da sua Abbadia, e Catalogo dos seus Abbades [sem indicação de data]; [28] - Correçoens, e Adiçoens dos 4 Tomos da Bibliotheca Lusitana no que he respectivo aos Cistercienses [sem indicação de data]; [29] - Colleção dos Escriptores Cistercienses omitidos nos 4 Tomos da Bibliotheca Lusitana; e dos que escreverão depois de impressos os mesmos volumes [sem indicação de data]; [30] - Catalogo dos Presidentes da Congregação de Alcobaza por falecimiento do Rmos. Geraes [sem indicação de data]; [31] - Memorias dos Comendatarios de Alcobaza D. Jorge de Almeida, D. Jorge de Ataide, e D. Fernando de Austria, que não tiveram jurisdição no Mosteiro [sem indicação de data]; [32] - Memorias do Arcebispo de Braga D. Fr. Alexandre de Portugal Commendatario do Mosteiro de Ceiza [sem indicação de data]; [33] - Memorias para a Historia do Cardeal Monarcha D. Henrique I Geral da Congregação de Alcobaza, divididas por épocas das suas Dignidades, e Soberania E inscripçoens para os novos retratos dos Abades perpétuos, Commendatarios, e Triennaes do Mosteiro de Alcobaza de 1152 até 1789 [sem indicação de data]; [34] - Principio e renovação do Laus Perenne do Mosteiro de Alcobaza, e memoria abreviada do Monge Cistercienses Portuguez Fr. Thomaz de Brito, que aplicou muitos bens para mayor solemnidade do mesmo Laus Perenne, e culto do Santissimo Sacramento; com o

catalogo dos Priores de Alcobaza que administrão os mesmos bens de 1660 até 1789 [sem indicação de data]; [35] Resposta, e satisfação a hum Amigo mostrando que foi o Mosteiro de Alcobaza ate o Reinado de D. Affonso 4 Archivo Real, ou Torre do Tombo [sem indicação de data]; [36]- Duas cartas que mostrão como exemplos, Historiadores e Juristas, obtiveram os Reys de Portugal, Castella, e mais Monarchas de Hespanha Bullas Apostolicas para perceberem os Dicimos das terras conquistadas e os doárão a muitas Cathedraes, Igrejas, e Mosteiros [sem indicação de data]; [37] - Dissertação Historica, e Critica que faz certa a existência, e os efeitos da segunda Doação que D. Affonso Henriques faz ao Prelado, e Monges de Alcobaza no anno de Christo 1183 abalizando as terras já doadas na primeira doação, e doandole os Dizimos das suas produçoens [sem indicação de data]; [38] - Historicas reflexoens com as quaes se explicão as letras do Caliz preziozo de Alcobaza, mostrando quem deu esta peza ao Mosteiro; seguindo em tudo diversa idea das estampadas por alguns Autores Portuguezes [sem indicação de data]; [39] - Principio do Anniversario de D. Alffonso Henriques que celebrão os Monges de Alcobaza com ornamento festivo no dia 7 de Dezembro [sem indicação de data]; [40] - Instituição da Capella de D. Pedro I no Mosteiro de Alcobaza, e aplicação da hipoteca por el Rey D. Fernando, com tudo o mais que respeita a este assumpto [sem indicação de data]; [41] - Principio e circunstancias do Anniversario que celebrão os Monges de Alcobaza no I de Fevereiro pelo Cardeal Monarcha [sem indicação de data]; [42] - Reflexoens, e fundamentos que desmanchão quanto se oppoz contra a Doação que o Conde D. Henrique fez ao Mosteiro de Lorbão doandole quazi todas as terras, e Padroados, de que he Donatario. Collecção de Apontamentos históricos para convencer o Memorial do Cabido de Leiria, que pertendia lhe pagasse do Mosteiro de Alcobaza a terça parte dos Dizimos de muitas terras que possuía no Bispado Leiriense [sem indicação de data]; [43] - Duas Cartas históricas, e Juridicas respondendo ao dito Cabido [de Leiria] sobre o mesmo assunto. Collecção de apontamentos territoriais, e divisórios do Patriarchado de Lisboa, e do Bispado de Leiria para instruir Engenheiros que formarão o Mapa dos Confins, e divisoens das mesmas Dioceses, para se juntar a cauza que correo sobre o mesmo objecto da terça dos Dizimos [sem indicação de data]; [44] Collecção de Apontamentos históricos, que servirão de base ao Memorial que acabou de convencer a pouca justiça da mitra Patriarchal que obrigava o Mosteiro de Alcobaza a pagarlhe a terça dos Dizimos das Quintas, que possue no destrito do mesmo Patriarchado [sem indicação de data]; [45] -


Discurso histórico, que aponta as partes, figuras e Cores de que devem ser formadas as Armas Cistercienses [sem indicação de data]; [46] - Títulos, e Arvores de muitas Familias de Portugal [sem indicação de data]; [47] - Parecer histórico e jurídico, em que sustenta não hé obrigado o Alcaide Mor de Alcobaza a concertar a Cadea da mesma Villa [sem indicação de data]; [48] - Mapa de todos os Monges da Congregação de Alcobza, feito en todos os Triennios decorrentes de 1762 até 1789. Resposta a um Prelado regular sobre os Contratos que Felipe I fez com alguas Congregaçoens respectivos aos Padroados de alguns Mosteiros, que ficarão pagando pensoens a Capella Real [sem indicação de data]; [49] - Instituição e prezente Estado dos Lugares do Religiozos do Padroado Real nos Mosteiros de Odivellas, Esperanza, Santa Anna de Lisboa, Chagas de Villaviçoza, Santa Monica de Evora, e nuestra Senhora da Graza de Abrantes, conforme a disposição da Rainha D. Catherina, e compromisso do Cardeal Rei, e confirmação de Clemente 8 [sem indicação de data]; [50] - Resposta a pergunta se os Dons Abbades Geraes Esmoleres Mores são Conselheiros dos Monarchas Portuguezes como Esmoleres Mores, ou como Abbades de Alcobaza, em que se mostra quando principiárão a ter a mesma honra, e pela Collecção dos documentos do Cartorio de Alcobaza as occazioens em que os mesmos Monarchas tratarão com o titulo de seus Conselleiros os Abades Perpetuos, e triennaes do mesmo Mosteiro [sem indicação de data]; [51] - Mapa dos Monarchas, e Princepes sepultados no Cruzeiro de Alcobaza, para onde os treladou o Abbade Fr. Jorge de Mello: e requerimento a sua Magestade pedindo Licença para serem trasladados os mesmos Corpos Reaes a nova Caza feita pera seu deposito [sem indicação de data]; [52] - Voto histórico em que mostra não há Ley, ou preceito regio que prohiba dentro das Igrejas de S. Julião da Villa da Pederneira; Estado de possuidores da Quinta do mesmo nome; e parecer sobre o direito; e parecer sobre o direito de quem pretendia suceder na mesma Quinta ao ultimo possuidor [sem indicação de data]; [53] - Principio dos Capitulos Geraes Cistercienses de Portugal, origem, e numero dos seus vogaes; dos que forão casados em alguns tempos, e dos que se concederão, e os que actualmente os tem; Ordem das suas Eleiçõens, e declarazão das alternativas dos Geraes, Diffinidores, Abbades, e Procuradores Geraes [sem indicação de data]; [53] - Explicazão de Thomar sobre as antiguidades, e Profissoens dos Leigos nas Ordens Monasticas, e cores dos hábitos, resposta a hua Personagem sobre antiguidades, e posse da oferta, que Senhor D. Affonso Henriques fez, e paga a Coroa Portugueza a nuestra Senhora de Claraval, que deu

fundamento para o Cisterciense Caramuel nos Philipus Prudens ventilar, e os Reino ficava devoluto ao mesmo Mosteiro por morte do Cardeal rey? [sem indicação de data]; [54] Parecer histórico sustentando que a carta da mesma oferta a Senhora de Claraval, e de proteczão ampla aos Cistercienses, não foi privilegio Grazioso, mas acto remuneratório, e assento das Cortes de Lamego [sem indicação de data]; [54] - Livro Mestre do Mosteiro de Alcobaza com declarazão de todas as suas Officinas, e trastes, que nestas existem; de todos os seus prédios rústicos, e urbanos, alfaias, e moveis, que a todos os respeitão, origens, e actuaes estados das suas rendas [sem indicação de data]; [55] - Livro Mestre do Mosteiro de Cos, feito com a formalidade dos antecedentes [sem indicação de data]; [56] - Regulamento para governo do Celleireiro Mor de Alcobaza no pagamento das vestidorias, viáticos, pitanzas, Lavapes dos pobres em quinta feira Santa, e otras despezas certas da mesma Officina [sem indicação de data]; [57] - Critica do Kalendario Cisterciense de 1771 mostrando estava em muitos pontos contrario aos preceitos dos Usos de Cister, Leys, Rituaes, e costumes da Ordem [sem indicação de data]; [58] - Allegazão Historica Critica e Juridica feita no litigio, em que se disputaba o Paadroado [sic] da Igreja de S. Maria de Porto de Mos, para mostrar, que: Ecclesia Sanctae Mariae Portus Molarum, he a Igreja de Santa Maria de Puerto de Mos, que foi doada ao Mosteiro de Alcobaza por D. Affonso 3; assim se julgou [sem indicação de data]; [59] - Parecer histórico, e jurídico sobre a duvida de pertencerem os Expedientes, e os Emolumentos das Provizoens dos Eleitos em Capitulo Geral de Alcobaza ao Secretario deste Corpo, ou aos do Rmo. D. Abbade Geral [sem indicação de data]; [60] - Index de 7 Tomos de Cartas escriptas pelos Monarchas Portuguezes aos Prelados de Alcobaza8 [sem indicação de data]; [61] - Reforma e adicionamento para o Expediente de todas as merces, e mais dependências, que respeitarão a Real Abbadia de Alcobaza [sem indicação de data]; [62] - Formulario para as Vicitas dos Padres Geraes, e Vizitadores; e para processar as cauzas crimes da Congregazão [sem indicação de data]; [63] - Mapa Historico de todas as facendas, que possue o Real Mosteiro de Alcobaza, com declarazoens, e citas dos títulos das suas aquiziçoens, e tempos das posses, apprezentado ao Corregidor da Comarca de Liria para satifazão des Ordens Regias [sem indicação de data]; [64] - Regulamento para o Expediente da Meza de Facenda de Mosteiro de Alcobaza, cobranza de suas rendas, e distribuição de todos os seus ramos [sem indicação de data]; [65] - Parecer Historico-Juridico refutando os votos contrarios, e mostrando não devião ser alienados os Paosaes

89


90

[Passais] das Igrejas de Evora, Turquel, e Cella, pelo não compreender a Ley de 4 de Julho de 1768 [sem indicação de data]; [66] - Instruczoens históricas, e Juridicas para serem tratadas na Junta das Confirmazoens de D. Joze I as dependências da Congregazão de S. Bernardo, cum hum Mapa de todos os títulos desta Congregazão, apprezentados na mesma Junta, datas, e declarazoens substanciaes das cautelas dos ditos títulos [sem indicação de data]; [67] - Discurso Historico, e Juridico mostrando não devia Mosteiro de Alcobaza pagar anualmente quarenta mil reis ao Seminario de Santa Catherina de Lisboa [sem indicação de data]; [68] - Memorias das Vida, e Governos dos Rmos. Geraes da Congregação de S. Bernardo Fr. Pedro de Mendonza, Fr. Joze Cardozo, Fr. Manoel de Barboza, Fr. Luiz Pereira, Fr. Caetano de Sampayo, Fr. Nuno Leitão, Fr. Manoel de Mendoza, Fr. Antonio Caiado, Fr. Antonio Caldeira, Fr. Alexandre Vasconcellos, Fr. Antonio da Mota, e Fr. Antonio de Magalhaens [sem indicação de data]; [69] - Assento de todos os Religiozos que falecerão na Congregação no decurso de 10 Triennios [sem indicação de data]; [70] - Memorial Historico, e Juridico apprezentado a Coregidor de Leiria para mostrar que o D. Abbade Geral Esmoler Mor pode apprezentar todos os Officios das terras de que he Donatario, não se encartando os apprezentados no tempo que determinão as Leys [sem indicação de data]; [71] - Mapa de todos os Padroens de Juro Real da Congregação de S. Bernardo, com declaraçoens dos seus capitães, antiguidades, venzimentos dos seus reditos, libros, e folhas, em que estão registrados na Torre do Tombo [sem indicação de data]; [72] - Mapa de todos os Cazamentos, Baptizados, Obitos, e indivíduos que vivião na Comarca de Alcobaza nos anos de 1773, 74, 75 e 76 [sem indicação de data]; [73] - Parecer Historico, e Juridico Expondo os fundamentos para serem revindicadas as facendas da Coroa que os Corpos de mão morta alienarão, com o pretexto da Ley de 4 de Julho de 1768 [sem indicação de data]; [74] - Colleczão de todos os Epitaphios abertos em muitas Igrejas, Capitulos, e Claustros da Congregação de Alcobaza [sem indicação de data]; [75] - Serie de todos os Ouvidores com alzada, que houve na Comarca de Alcobaza de 1521 até 1644. E provas das suas Jurisdizoens [sem indicação de data]; [76] - Mapa, e Notas de todos os Padroados nas Igrejas da Congregação de S. Bernardo; [77] - Memorias do Mosteiro Cisterciense de S. Christovao de Lafoens, que conthem a Vida do seu Fundador D. João Peculiar Arcebispo de Braga [sem indicação de data]; [78] - Dissertação que mostra não foi o mesmo Prelado Eremita Augustiniano: Notas respectivas a vida do mesmo Veneravel Fr. João Cirita Abbade da mes-

ma Caza [sem indicação de data]; [79] - Descripção do Concelho de Lafoens, e do dito Mosteiro com o Catalogo dos seus Abades Vitalicios, e Jurisdiçoens que tem [sem indicação de data] [80] - Descripção do sima Coa, no Estado actual, e seculos antecendentes, e do Mosteiro Cisterciense de Santa Maria de Aguiar, com o Catalogo dos seus Abbades Vitalicios, Triennaes, e Jurisdiçoens, que tem [sem indicação de data]; [81] - Resposta historica, e critica ao D. Abbade de Aguiar sobre a Doação que Affonso Rey de Leão filho de Fernando 2 e Urraca de Portugal fez ao mesmo Mosteiro doandolhe as terras, e jurisdiçoens da Villa de Bouça situada no mesmo Reino [sem indicação de data]; [82] - Index da Pologia do Padre Mestre Cisterciense Vasques respectiva a conservação dos Ritos, e Ceremonias da mesma Orden [sic] [sem indicação de data]; [83] - Relazão da hospedagem, que a N. Augustissima Soberana D. Maria I fizeram o Prelado, e Monges do Mosteiro de Alcobaza no dia 14 de Outubro até dia 18 do dito mez, em que sua Magestade, e Real Familia fizeram Corte o mesmo Mosteiro [sem indicação de data]; [84] - Historia Corographica da Comarca de Alcobaza com exacta descripção de todas as partes do Mosteiro, Jurisdiçoens, e Regalias, e de quanto respeita a suas terras no Ecclesiastico, Civil, e Militar: Com hua descripção das fundaçoens dos Mosteiros que forão, e ainda estão subjeitos aos Abbades Geraes de Alcobaza [sem indicação de data]; [85] Mapa de todas as espécies de tributos que pagão ao Rey os moradores da Comarca de Alcobaza [sem indicação de data]; [86] - Descripção da sepultura do Conde de Barcellos D. Pedro, que jaz no Mosteiro Cisterciense de S. João de Tarouca [sem indicação de data]; [87] - Mapa de todos os foros que os moradores da Comarca de Alcobaza pagão a particulares; [88] - Mapa de todos os Religiozos Cistercienses Portuguezes falecidos de 1700 até 1784 [sem indicação de data]; [89] - Critica branda do Diario Ecclesiastico vulgarmente chamado Folhinha de Algibeira, apontando os seus erros Historicos nos Catalogos dos Reys, e Rainhas de Portugal [sem indicação de data]; [90] - Dissertação histórica-critica sustentando foi verdadeiro o triunfo do Abbade João Governador de Monte Mor o Vello, e o milagre de resucitarem todos os que forão mortos com os golpes do mesmo Abbade, e seus Soldados [sem indicação de data]; [91] - Mapa de todos os Monarchas de Europa em 1787 dividido as partes de sua maioridade, nomes, e Soberanias [sem indicação de data]; [92] - Arvores genealógicas que mostrão por muitas Linhas, e Cazas de Borbon, e Palatina os parentescos, que tem os Principes noivos de Portugal, e Hespanha com os Monarchas, e Principes da Europa [sem indicação de data]; [93]


- Critica de pequeno Libro: Demetrio moderno [sem indicação de data]; [94] - Primeira, e segunda Resposta a hum Censor regio, que mostrou em hua larga Dissertação he fabulosa a origem da Familia de Tavora; e que esta não foi Padroeira do Mosteiro Cisetrciense de S. Pedro das Águias [sem indicação de data]; [95] - Resposta ao mesmo tempo Censor, e duvidas que propoz sobre a filiação Regia do Carmelitano Calzado D. Fr. João Manoel Bispo de Tiberiades, de Ceuta, e Guarda [sem indicação de data]; [96] - Memorias Geographicas, e Historicas da Comarca de Alcobaza, escriptas a instancia do sargento Mor do Regimento da Cavalaria de Almeida João Bernardo Real da Gama, que pertendia formar hum Dicionario Geographico de Portugal [sem indicação de data]; [97] - Creação de Procurador Geral Cisterciense na Cidade do Porto, com o mais que lhe respeita, e Catalogo dos que occuparão o mesmo lugar até 1783 [sem indicação de data]; [98] - Fundação dos mosteiros Cistercienses de S. Bernardo de Portalegre, e S. Bento de Evora; e Catalogo dos Confessores desta Caza [sem indicação de data]; [99] - Respostas a 193 Perguntas respectivas a Culturas, e outros assumptos, remetidas pelo Intendente Geral de Policia; addiccionadas com apontamentos, e notas para maior clareza das mesmas Respostas [sem indicação de data]; [100] - Origem, diversos Estados, e descripção do mosteiro de Cos; Catalogo das suas Abbadessas, e Confessores [sem indicação de data]; [101] - Mapas Cronologicos, e Nominaes de todos os Geraes, Deffinidores, Abbades, Vizitadores, Secretarios, Vogaes, Doutores, e Confessores, Mestres de Noviciado, Procuradores Geraes, e Priores de Alcobaza; da origen [sic] dos Capitulos Cistercienses de Portugal até 1780 Cister Purpurado; Vida, e acçoens dos Papas, e Cardeaes Cistercienses [sem indicação de data]; [102] - Titulos com Grandeza, e sem ella, que existem, e acabarão em Portugal. Vida do Cisterciense Bispo, e Arcebispo D. João Caramuel [sem indicação de data]; [103] - Vida do Arcebispo de Braga D. Lourenzo Vicente da Lourinhã [sem indicação de data]; [104] - Chronologia Bernardina, escripta por Mavillon, vertida em Portuguez, e adicionada com advertencias e notas [sem indicação de data]; [105] - Mapas dos Mosteiros de Cos, e Alcobaza, com declaração das suas fundaçoens, numero de indivíduos, rendimentos, encargos, e dividas, para serem apprezentados a N. Soberana, na conformidade das suas Ordens. Relação da Cheya, que indundou Alcobaza, na noute de 23 para 24 de Fevereiro 1774 [sem indicação de data]; [106] - Reparos, e Notas do Almanak de Lisboa de 1788 e advertências para o do anno de 1789; [107] - Catalogo dos Vice Reys, e Gobernadores da Asia Portugueza de D. Francis-

co de Almeida até o prezente [sem indicação de data]; [108] - Catalogo nominal dos Infantes, e Infantas portuguezes que casarão fora do Reyno, com as noticias respectivas aos Consorcios, e sucessoens [sem indicação de data]; [109] Catalogo dos Reys, e Rainhas de Portugal, e de seus filhos e filhas, emendado nos erros, e descuidos com que ate agora tem corrido, com hum dilatadíssimo Prefacio, em que se illustrão muitos dos substanciaes pontos de Historia Portuguezas [sem indicação de data]; [110] - Diccionario Fluvial Portuguez principiado; e Collecção total das notícias para a mesma obra [sem indicação de data]; [111] - Reparos dos 5 Tomos da Bibliotheca Lusitana [sem indicação de data]; [112] - Entrada, e progressos da Tipographia em Portugal [sem indicação de data]; [113] - Catalogos dos Vice Reys, e Governadores de Portugal no Governo Filippino [sem indicação de data]; [114] - Catalogo dos Secretarios de Estado dos Monarchas Portugueses [sem indicação de data]; [115] - Catalogo dos Regentes do Reyno de Portugal na menoridade, e impedimentos dos seus Monarchas; [116] - Index de todas as regalias dos Chefes Cistercienses de Portugal, como Esmoleres Mores do Rey, Geraes da Ordem, e Abade de Alcobaza [sem indicação de data]; [117] - Historia de Santa Mafalda Raynha de Castella, na qual por documentos se provão as acçoens da sua Vida, e Virtudes9. Prefacio do Libro da Receita, e despeza da Bibliotheca do Mosteiro de Alcobaza, que contem hua instrução para os Bibliothecarios: A Historia da mesma antiga, e moderna Bibliotheca, e Catalogo dos seus Bibliothecarios de 1657 ate 1789. Vida do Barão de Laudon e descripção de Belgrado, vertidas de Castelhano, e supplementadas com grandes, e pequenas notas10 [sem indicação de data]; [118] - Vida do Chronista Mor Fr. Bernardo de Brito, e a sua Geographia antiga de Lusitania, notada [sem indicação de data]11. Fonte: MUÑIZ, 1793. Matias da Conceição N. 1629; fal. 1687 (Tavira) Natural da Vila de Pombal Professou em São João de Tarouca (1646) Foi Abade de Santa Maria de Aguiar (1683)12 Redigiu: [1] - Viridiario poético [sem indicação de data]; [2] - Fundação do Real Mosteiro de Alcobaça em Outava [sem indicação de data]; [3] - Rithma em 7 cantos em 8.º anno de 1676; [4] - Vida e Morte do Veneravel P.e Antonio da Conceição Religiozo da Congregaçam de S. João Evangelista em Verso Anno de 1678; [5] - Vidas das Rainhas S. Isabel, do Infante S. Fernando, da Princesa S. Juana, e do Card. D.

91


Henrique [sem indicação de data]; [6] - Historia das Imagens de N. Senhora em Portugal, e da Procissam dos Nus [sem indicação de data]13 Fonte: BN, Cod. Alc. 431/MUÑIZ, 1793/MACHADO, 1752. Pôncio de Pinhel Natural de Pinhel Professou em Santa Maria de Aguiar Redigiu: [1] - Sermones Divi Augustini in Epistolam Joannis; Expositio Joannis Constantinopolitani […]. Fonte: BN, Cod. Alc. 431.

92

Teotónio de Condeixa Natural de Condeixa Professou em Santa Maria de Aguiar Redigiu: [1] - De verbo abreviato. Fonte: BN, Cod. Alc. 431.

Excluímos desta listagem os religiosos naturais da Diocese de Lamego que nasceram à sombra ou na proximidade dos mosteiros cistercienses a sul do Douro, ou que noutros institutos, mais distantes, se formaram, como os casos de frei Bernardino Soutomaior, natural de Britiande (MUNIZ, 1793: 325); e ainda os de vários escritores e professores que transitaram por aquelas casas (o exemplo de frei Manuel da Rocha)14. Porém a relação apresentada é representativa das redes de circulação de saber entre os mosteiros cistercienses e do grau de intelectualidade de alguns dos seus religiosos. Tendo em conta a amostragem (21 autores e 165 obras) e a janela cronológica (séculos XVII e XVII) devemos salientar as temáticas e assuntos mais abordados pelos escritores, tendo à cabeça da lista as questões de crítica histórica (40), ligadas a aspecto de direito e jurisprudência (nomeadamente associadas à posse de património e jurisdições - obras na sua maioria manuscritas); obras memorialísticas, referentes à história fundacional das casas monásticas (26), biografias e róis biográficos (22) claramente laudatórios sobre figuras-chave da ordem (escritores, e da história nacional (normalmente figuras régias); trabalhos de carácter diplomático e arquivístico (19), parenética e teologia (note-se o notável conjunto de panegíricos e sermões nacionalistas do período restauracionista) (12), cronística (12) e, curioso apontamento, obras poéticas (5), algumas de teor satírico. Assinala-se também a ocorrência de alguns escritos sobre genealogia familiar nobiliárquica e heráldica institucional (6)15 e direito (1). Nesta amostragem a média de 2-3 obras redigi-


das por cada autor é anulada pela vasta produção

e arquivista propugnando pela defesa da memória e

de frei Manuel Figueiredo (118 obras) produzida até

do património cistercienses, procurando refutar ale-

1789, em cujo ano vivia como atestava o autor da Bi-

gações que contrapunha com o acesso a um vasto

blioteca Cisterciense Espanola (cf. nota 11). Pouco se

alfobre de informações disponíveis nos cartórios e bi-

sabe sobre a sua biografia, para além de que nasceu

bliotecas monásticos.

em Vila Real e que a sua actividade literária foi profí-

Embora, frisemo-lo novamente, esta breve relação

cua a partir da década de 70 do século XVIII. Homem

não possa constituir um elemento de mediação do

de luzes, e fadigas, digno por certo de mais larga

contributo intelectual para a cultura portuguesa da

vida, e melhor fortuna, pela imparcialidade do seu

época moderna e, em particular, do Antigo Regime,

caracter, como o descreve Fr. Joaquim de S. Agosti-

a apresentação dos elementos supra parece contra-

nho numa Memória sobre os Códices Manuscritos de

dizer a vox populi oitocentista que, acicatada pela

Alcobaça (S. AGOSTINHO, 1793: 301), estaremos pe-

propaganda liberal, chamava bernardice a frase

rante um dos mais laboriosos cronistas da Ordem de

equivoca ou mal construída, como assim no-lo escre-

Cister, com uma obra marcadamente polemista em

ve D. Maria do Pilar (OSÓRIO, 1872a: 21) (cat. 19).

que o autor intervém como historiador, memorialista

1. A extinção de São João de Tarouca, ainda que temporária chegou a acontecer e incluiu Salzedas, ambos incorporados noutros patrimónios; o primeiro mosteiro no domínio dos freires da Ordem de Cristo de Coimbra e o segundo no dos freires de Avis. Cf. VASCONCELOS, 1933: 361-362. 2. M  osteiro onde viria a falecer. Em 1927 ainda era visível a epígrafe da sua campa rasa na capela-mor, cf. COUTO, 1927: 31. 3. Esta lista é constituída por verbetes com os seguintes campos: Nome (secular ou religioso), naturalidade ou lugar de nascimento e data (N.), lugar de óbito e data (Fal.); Mosteiro onde professou (e data, caso exista registo); Obra(s) que redigiu (publicada e manuscrita e datas, caso existam); Fonte(s). Respeita-se a grafia dos títulos, segundo os autores das fontes consultadas. Informações adicionais são acrescentadas entre parêntesis rectos. 4. Diogo Barbosa Machado acrescenta que frei Lourenço terá redigido certas poesias satíricas pedindo que as reduzissem a cinzas, depois da sua morte (MACHADO, 1752: 30). 5. Diogo Barbosa (MACHADO, 1752: 225) transcreve as primeiras estrofes do poema, cujo manuscrito escreveu encontrar-se na Biblioteca do Marquês do Louriçal. 6. Sobre esta obra o autor da Biblioteca Cisterciense Espanola diz ter havido uma segunda parte (MUÑIZ, 1793: 129). 7. Segundo o autor da Biblioteca, a obra constaria de 37 capítulos, estando «incompleta» (MUÑIZ, 1793: 143). 8. O autor dá-nos a indicação de existirem dois volumes desta obra (MUÑIZ, 1793: 143) 9. O autor diz que «Está incompleta» (MUÑIZ, 1793: 143) 10. «Está en las licencias» - referência do autor (MUÑIZ, 1793: 143) 11. «Está en las licencias» -referência do autora, que acrescenta: «Todas estas obras se conservam en poder del Autor, que hoy vive», (MUÑIZ, 1793: 143). 12. Cf. a lista dos abades de Aguiar, publicada em COUTO, 1927: 49 ss. 13. Diogo Barbosa (MACHADO 1752: 453) acrescenta a este título a indicação […] Procissão dos Nús em Coimbra e esclarece que todas as obras do autor se encontravam na Biblioteca do Mosteiro de Alcobaça. 14. Frei Manuel da Rocha, natural de Castelo Branco (onde nasceu em 1676), professou em Alcobaça em 1692 mas ensinou Teologia em Santa Maria de Salzedas e São João de Tarouca (MACHADO, 1752: 352). 15. Dado que não nos foi possível reconhecer e consultar as obras elencadas, apenas o título nos serviu para aferir do teor das mesmas. Desconhecemos a temática ou assunto de 29 obras.

93


012

SÉCULOS XVII-XVIII

MOSTEIRO DE NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO DE TABOSA

O CLAUSTRO DO MOSTEIRO DE NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO DE TABOSA: UMA ARQUITECTURA «SENZA TEMPO»

ANA CRISTINA SOUSA


Construído nos primeiros anos do século XVIII, o

de casas monásticas, muitas de instituição tardia,

claustro do antigo Mosteiro de Nossa Senhora de Ta-

este mosteiro constitui (figura 1) a última fundação

bosa apresenta-se no contexto artístico da época da

feminina cisterciense em Portugal.

sua construção como uma arquitectura «senza tem-

Situado na freguesia de Tabosa do Carregal (conce-

po» e impõe-nos a necessária reflexão sobre crono-

lho de Sernancelhe), as características do mosteiro de-

logias, linguagens artísticas e periferias. Instalado na

vem ser analisadas em função do lugar ermo, inóspito

região sul duriense, com uma elevada concentração

e isolado, onde os invernos, gerados pelo Diabo «para

Figura 1 | Claustro. Foto Pedro Martins © DRCN

95


tormento da Serra», são rigorosos e se prolongam, mar-

A 22 de abril de 1692 é assinada, em casa de D.

rijas como penedos», pela «neve de cantaril» que vem

Maria Pereira, a Escritura de Doação, Dotação e Fun-

da Serra da Estrela, «mais sólida que muralha de bron-

dação do Mosteiro de Nossa Senhora da Assunção,

ze, pelas trovoadas vindas das serranias, Montemuro,

acto que resulta de uma série de diligências previa-

Estrela, Santa Helena e Lapa [...], que despem os seus

mente desenvolvidas junto do rei D. Pedro II, Diocese

raios e troncos como numa batalha», por cima das po-

de Lamego e Congregação de Alcobaça, onde se

voações, «e abate árvores, derrota telhados, estoira a

regista a «Relação de Bens» dotados pela fundadora

madre às nascentes e alaga tudo» . Local muito pou-

para a sua criação (SANTOS, 2002: 44). Estiveram pre-

co povoado no século XVII (a fundação do mosteiro

sentes no acto de fundação a própria D. Maria Perei-

dará origem ao nascimento do pequeno povoado

ra, como primeira outorgante, e os Abades D. Diogo

de Tabosa), as condições do terreno obedeciam aos

de Castelo Branco e Manuel Coelho, dos Mosteiros

preceitos de isolamento, solidão, recolhimento e co-

de São Pedro das Águias e de Santa Maria de Sal-

munhão com a natureza determinados pela Ordem

zedas respectivamente, como comissários e procu-

(MARTINS, 2007: 194). A iniciativa da sua construção

radores do Abade Geral da Congregação de Alco-

deveu-se a um voto pio de D. Maria Pereira, benemé-

baça, que declararam aceitar «todos os encargos,

rita devota de Nossa Senhora da Assunção, de S. Ben-

cláusulas, condições e obrigações» registados (SAN-

to e S. Bernardo, cuja Regra foi seguida no Mosteiro,

TOS, 2002: 45). A fundação do mosteiro surge, neste

perpetuando uma determinação presente desde os

sentido, como a última das novas fundações vincu-

tempos de formação e expansão da Ordem de Cister,

lada à Abadia de Alcobaça desde a sua instituição

a de dedicar todas a igrejas «a Santa Maria, Rainha

enquanto Congregação Autónoma, em 15672. Os

do Céu e da Terra» (MARTINS, 2011: 100). O mosteiro

terrenos destinados pela piedosa senhora para edifi-

seguiu a reforma espiritual do movimento das «Religio-

cação do imóvel respeitavam aos da Quinta da Rua,

sas Recoletas», iniciado em Valladolid por Santa Tere-

seu local de residência, que herdara de Diogo Ribeiro

sa de Ávila, no século XVII, que procurou recuperar as

Homem, seu primeiro marido3.

1

96

encerramento (SANTOS, 2002: 35, 37, 47 e 64).

cados pelo «vento que corta», por «pancadas de água

práticas de recolhimento, austeridade, simplicidade

A construção do conjunto monástico iniciou-se

e rigor da vida claustral, práticas que distinguiram e

com a edificação da igreja em 1685, ainda em vida

marcaram a vida das freiras em Tabosa (COCHERIL,

do segundo marido de D. Maria Pereira. A Escritura

1986: 111; SANTOS, 2002: 41). A clausura impedia-as de

de Doação, Dotação e Fundação do Mosteiro su-

passar a cerca e colocava-as na dependência dos

gere que a sua construção já avançava à data da

mosteiros masculinos mais próximos, neste caso São

formalização. De acordo com a vontade expressa

Pedro das Águias, que dispunha de Confessor, Feitor e

pela fundadora, o Mosteiro deveria acolher 25 reli-

alguns religiosos, relação que se manteve até ao seu

giosas, incluindo quatro conversas e oito noviças.


Conhecem-se os dados de 30 religiosas que viveram

giosas a rezar nelas no «dia de Sam Louren-

no mosteiro entre 1694 e 1760, todas de estirpe privile-

ço» (10 de Agosto); no mesmo ano deu-se

giada (SANTOS, 2002: 56-57). D. Maria Pereira faleceu

início ao douramento da capela-mor, obra ter-

a 1696 e de acordo com a sua vontade e conforme

minada em janeiro do ano seguinte:

consta no documento da fundação, foi sepultada

Acabouse de Dourar a Tribuna e Tecto da Ca-

«em uma sepultura na capela-mor do dito seu mos-

pella Mor em Janeiro de mil e Seis Sentos e noven-

teiro, para que especialmente as religiosas delle, lhe

ta e Seis; e posce o Santissimo no Sacrario novo

acomodassem a sua alma» (SANTOS, 2002: 60), o que

do Retabulo dia da Converção de Sam Paullo da

confirma a sua iniciativa como um ato pio de carác-

mesma hera [25 de Janeiro] (BN, Cod. 1254 – Mic

ter perpétuo.

813 – Códices Alcobacenses, fol. 75).

As primeiras religiosas chegaram ao Mosteiro a 10

Esta informação refere o douramento mais tar-

de Setembro de 1692, oriundas da casa de Nossa Se-

dio do retábulo em relação à sua colocação na

nhora da Nazaré do Mocambo (Lisboa): 24 religiosas

igreja, como seria frequente no tempo, e o acres-

do coro e três conversas (SANTOS, 2002: 68). Segundo

cento de um novo sacrário.

o relato da Madre Brites do Menino Jesus4, os traba-

• 1696 – Em setembro do mesmo ano foi colocado

lhos de construção não se encontravam concluídos

um retábulo no coro, «com todas as mais miude-

à data, como prometera a fundadora; só a igreja se encontrava acabada, dispondo o conjunto de onze celas inacabadas: […] encontramos um começo de convento, nu, desprovido de comodidade, [...] não tinha uma úni-

zas de Santos e Peanhas»; • 1697 – Foram colocadas as grades de separação entre a capela-mor e a nave, prática corrente que procurava evitar o acesso dos leigos a este espaço sagrado «e doirou­se o Arco de fora».

ca cela para nos recolhermos, tudo o mais parecia

A mesma fonte permite-nos acompanhar cronoló-

um cortelho para animais que um convento para reli-

gica e espacialmente as principais fases de constru-

giosas [...] como não tínhamos outro local, instalamo-

ção do Mosteiro. A natureza do terreno determinou

nos no coro, ali rezávamos, comíamos e trabalháva-

a organização da planta, explicando as diferenças

mos» (SANTOS, 2002: 70-71).

perceptíveis em relação a outros conjuntos monás-

A igreja e o respectivo coro continuarão a merecer

ticos daquela ordem. A estrutura foi construída so-

os maiores cuidados por parte da comunidade ao

bre terreno granítico de forte inclinação, definindo a

longo da última década do século XVII, tal como se

igreja um eixo horizontal na parte mais baixa e não

pode avaliar pela descrição contida no Livro da Re-

no ponto mais elevado do vale como era habitual

lação e das Couzas Memoravens [...]:

(MARTINS, 2011: 332). E tal como, nas proximidades,

• 1695 – 1696: execução das «cadeiras» do Coro

a Virgem milagrosa da Lapa escolheu uma «penha

e respetiva colocação, começando as reli-

bruta, que daria para construir uma aldeia» (RIBEIRO,

97


1983: 243) para aí repousar e ser alvo de devoção,

nhos de Hieronymus Cock (c. 1510 - 1570) e Hans Vre-

também em Tabosa foi necessário quebrar a pedra

deman de Vries (1527 - c. 1604) (VREDEMAN DE VRIES,

dura e transformar a antiga fraga num terreiro, tra-

1604), tão caro ao maneirismo do norte de Portugal e

balho iniciado em 1698 e terminado em Abril de 1702

cujo gosto se prolongou no tempo: é delimitado por

(figura 2) . No lado Norte estava já concluída, desde

duas pilastras de fuste canelado, capitéis toscanos,

1697, a capela térrea de São José, construída por ini-

arco de volta perfeita ao centro, formado por cin-

ciativa da primeira abadessa Madre Antónia de San-

co aduelas e apoiado em dois pilares, entablamento

ta Maria. A qualidade dos elementos arquitectónicos

constituído por friso decorado com motivos geomé-

é atestada pelo portal que se conserva, antecedido

tricos intercalando ovas, losangos e círculos concên-

por um vestíbulo de onde arrancam as escadarias de

tricos, suplantado por cornija avançada. Na continui-

acesso ao sobrado e coro alto, a escada das ma-

dade e sobre este edificado, construi-se o «Dromitorio

tinas, cuja porta se encontra hoje emparedada. O

que Vaij para o Coro», obra terminada em 1701. Ma-

portal da capela (figura 3), construído em granito de

dre Brites do Menino Jesus acrescenta que a cape-

grão mais fino do que o usado nos muros, apresenta

la ficava «muito perto da sua cela e aí comungava

uma estrutura sóbria mas bem desenhada, na linha

cada oito dias» (CARVALHEIRA, 2004: 76-77).

5

98

da tratadística nórdica, versão simplificada dos dese-

As obras de pedraria do claustro começaram nos

Figura 2 | Fachada sul do mosteiro de Tabosa: terreiro, escadaria e mirante e portal. Foto Pedro Martins © DRCN


«primeiros Dias de junho da hera de mil e Sete Sen-

disium Claustralis, no dizer de Bernardo de Claraval,

tos e três e estavam terminadas no Ultimo Dia de

constitui o epicentro do Mosteiro, determinando a or-

junho da hera de mil Sete Sentos e Coatro, Sendo

ganização dos seus espaços de vida espiritual e física

Abbades[s]a a Madre Eugenia de Santa helena» (BN,

mas permitindo, também, a antevisão do Paraíso Ce-

Cod. 1254, Códices Alcobacenses, fol. 73 Vº), tendo-

leste (MARTINS, 2007: 197-199). Esta condição impõe

se escavado parte da fraga que existia no terreno

o silêncio, a reflexão e a meditação a todos os que

para o efeito. A obra foi benzida apenas em 1724

obrigatoriamente circulam neste «interface de aces-

(CARVALHEIRA, 2004: 73).

sibilidades» que constitui o legado cisterciense (AL-

Do que resta das dependências do antigo conjun-

MEIDA, 2001: 82), um ponto de encontro privilegiado

to conventual, o claustro continua a impôr-se como

e lugar de leitura, fonte vital de luz natural para os

espaço de memória e de coesão entre os seus ele-

espaços que naturalmente o envolvem. Respeitando

mentos, «unique» segundo Maur Cocheril entre tudo

a habitual planta quadrangular com galerias porti-

o que visitou, «svelte, élegant, avec ce quelque cho-

cadas, o claustro de Tabosa une-se à igreja pelo lado

se de gracieux, pour ne pas écrire: de féminin, qui en

Este, posição pouco habitual mas explicada pelas

fait tout le charme au milieu des fleurs qui tapissent le

condições topográficas6, a Sul a Sala do Capítulo, a

préau» (COCHERIL, 1986: 122-123). Verdadeiro Para-

Sala de Visitas e o Locutório, a Oeste o calefatório, re-

F igura 3 | Vestíbulo e entrada para a capela de S. José. Foto Pedro Martins © DRCN

F igura 4 | Claustro. Foto Pedro Martins © DRCN

F igura 5 | Claustro. Foto Pedro Martins © DRCN

99


F igura 13 | Portal sul (pormenor do remate e pedra de armas da Ordem de Cister). Foto Pedro Martins © DRCN

sendo o sobreclaustro constituído por balaustrada de recorte quadrangular semelhante à de São Mamede de Lorvão, que suportava colunas e um entablamento reto com cobertura em madeira que se perdeu (figuras 5 e 6). A solução aproxima-se das observadas em desenhos de perspectiva de Hans Vredeman de Vries, 1527 - ca. 1604) (VREDEMAN DE VRIES, 1604), de Hendrik Hondius (HONDIUS, 1647, fol. 21) e nos de Jacques Androuet du Cerceau (Androuet du

100

Cerceau&cock, 1549), nos quais observamos a repetição do uso da ordem toscana, o emprego da arquitrave corrida em detrimento do arco, coberturas de madeira e as balaustradas sobre os entablamentos feitório e latrinas e a Norte a Capela de São José e o

pontuados por colunas ou obeliscos no alinhamen-

dormitório já analisados. Constitui, neste sentido, um

to dos tramos. E não podemos ignorar a herança de

símbolo da vida orgânica interna, unindo a comuni-

Sebastiano Serlio (1475-1554), Andrea Palladio (1508-

dade à igreja, e constituindo um espaço funerário pri-

1580) e Giacomo Barozzi da Vignola (1507-1573),

vilegiado. O claustro de Tabosa assumiu, como todos

cujas obras serviam de «uso pessoal» a «curioso[s] e

os outros, este carácter multifuncional, encontrando-

engenheiro[s] ou architeto[s]» deste período como

se aí sepultadas algumas das freiras que ali viveram

demonstrou Manuel Joaquim Rocha em relação a

e que conquistaram fama de santidade, passando

Carlos Gimac (ROCHA, 2011: 395) (figuras 7-13) .

«para a outra vida com opinião de Santas e todas

O jardim claustral, quadrangular e a céu aberto, é

com signaes de bem aventuradas seja Deus louva-

separado das galerias por um muro baixo onde as-

do» (CARVALHEIRA, 2004: 198).

sentam as colunas, acedendo-se ao seu interior por

O claustro segue a organização de dois pisos que

pequenas aberturas. Obedece a um esquema de de-

se impôs a partir de Quinhentos apresentando, no

senho geométrico com lajedo e espaços para can-

entanto, uma tipologia única em relação aos restan-

teiros. À semelhança dos demais claustros, o espaço

tes mosteiros cistercienses portugueses, formado por

central é ocupado por uma fonte mais cenográfica e

uma estrutura arquitravada assente sobre colunas

plástica do que a traça envolvente. É composta por

de ordem toscana, que se conservam na totalida-

uma taça de planta irregular, com um elemento ver-

de (MARTINS, 2011: 315-316) (figura 4). As aberturas

tical ao centro e repuxo para a água, organização

e as mísulas que se conservam nos muros recordam

idêntica à de outros claustros cistercienses (MARTINS,

a armação de madeira que separava os dois pisos,

2011: 328) mas de debuxo próprio. Também para a


fonte podemos encontrar eco na tratadística fla-

reia Borges, nomeadamente à entrega de alimentos

menga e francesa dos séculos XVI e XVII, como o

como sopa e pão (cit. in MARTINS, 2011: 394). O piso

Second livre d’architectvre de Jacques Androuet du

superior estaria ocupado pelo «Dormitório da Enfer-

Cerceau, no qual se pode observar múltiplos dese-

maria», construído em 16989, local certamente esco-

nhos para pavimentos, fontes, poços, lareiras e vãos

lhido pela boa exposição solar que apresenta. Esta

(CERCEAU, 1561).

fachada voltada a Sul é a mais monumental e ceno-

No lado Sul do claustro distingue-se uma sequên-

gráfica do conjunto. O portal nobre preserva ainda

cia de três salas pelo qual se acede directamente: a

uma sequência decorativa de gosto barroco: ladea-

sala do Capítulo, espaço de reunião da comunidade

do por pilastras caneladas, sobreposto por varandim,

monástica terminado em 17457, o parlatório ou locu-

nicho com uma estátua de São Bernardo e remate

tório, a partir do qual as religiosas poderiam contac-

com frontão de linhas ondulantes, delimitado por pi-

tar com o exterior e onde se distribuíam tarefas e se

náculos e apresentando ao centro o brasão com as

conversava, ouvia ou transmitia mensagens verbais

Armas da Congregação de Cister em Portugal (figura

ao Abade. Segundo Nelson Correia Borges (cit. in

14). Na sequência desta ala, na parte mais alta do

MARTINS, 2011: 364), as grades, também assim desig-

terreno, como é frequente nestas casas, construi-se

nadas nos mosteiros femininos por ser este o local de

o Mirante, dependência específica dos conventos

contacto com o exterior, ficavam sempre contíguas

femininos. Apresenta a forma de um torreão avan-

à portaria. É nesta sala que se encontra igualmente

çado, com dois pisos, amplas janelas rasgadas para

o Torno ou Roda, artifício exclusivo dos conventos fe-

o terreiro no sobrado, espaço de recreação das re-

mininos e aberta para a portaria, permitindo a troca

ligiosas que permitia o olhar discreto para o exterior

de bens com o exterior e a entrega de crianças . O

(MARTINS, 2011: 408). A construção deste edifício e

último destes compartimentos seria a sala de visitas.

respetiva escadaria foram concluídos em Abril de

Nos mosteiros femininos a portaria destinava-se à ca-

170210.

8

ridade, à esmola da porta no dizer de Nelson Cor-

As características topográficas e físicas do terre-

Figuras 6 a 12 - Reproduções de gravuras de tratadística da arquitectura pub. em VREDEMAN DE VRIES & HONDIUS, 1604; ANDROUET DU CERCEAU & COCK, 1549;

101


102

no determinaram, desta forma, a organização e

Lamego, cidades que conheceram um grande de-

distribuição dos elementos no espaço. Os cursos de

senvolvimento artístico nos séculos XVII e XVIII (CAR-

água, a Poente parecem ter determinado a constru-

VALHEIRA, 2004: 72). As dificuldades levantadas pela

ção das dependências funcionais como a Cozinha,

toponímia, a dureza do granito britado e aproveita-

os Lavabos e o Refeitório. Esta realidade reafirma a

do para o levantamento das obras e alguma mão-

importância deste elemento na escolha do local e o

de-obra menos qualificada, poderão justificar muitas

respectivo impacto no edificado. A documentação

fragilidades e irregularidades observadas na cantaria

atesta também a existência de rouparias, oficinas e

de fustes e outros elementos arquitectónicos. No en-

celeiros que podem ter sido, igualmente, construídos

tanto, o equilíbrio demonstrado na planta domina-

deste lado do quadrilátero, respeitando uma práti-

da pela quadratura do claustro ao centro, pelo eixo

ca corrente nas edificações cistercienses, ou seja, as

da igreja definido a Levante e pela emblemática

áreas de serviço ocuparem em toda a sua extensão

fachada a Sul, apontam para um risco de carácter

o lado oposto ao da igreja (CARVALHEIRA: 2004: 75).

erudito, estando o seu autor familiarizado com a tra-

A Hospedaria dava continuidade a estes dois apo-

tadística quinhentista e seiscentista que adaptou às

sentos confinando com o Mirante.

exigências de contenção e simplicidade impostas

Desconhece-se a autoria do projecto e o nome

pelas recolectas. A singularidade da arquitectura de

dos responsáveis pela sua concretização. Ana Car-

Tabosa reside, de facto, no equilíbrio e harmonia do

valheira sugere que

conjunto.

os seus execu-

Em 1771, D. Manuel de Mendonça, por alegada

tantes terão

pressão do Marquês de Pombal, mandou encerrar o

vindo de

Mosteiro de Tabosa, determinando que as religiosas

Viseu

e as rendas da instituição fossem transferidas para

o

u

o Colégio de São Francisco Xavier de Setúbal e os

de

seus bens para a Coroa11. Abandonado, o Mosteiro entra numa primeira fase de ruína, tendo sido alvo de pilhagem. A ascensão de D. Maria I ao trono proporcionará, no entanto, a inversão deste processo, com a reabertura da casa e o regresso das religiosas a ela afectas, agora sem rendas e sem dotes (SANTOS, 2002: 128). O edifício monástico conheceu uma reedificação a partir de 1777 mas não é possível determinar o nível de degradação anterior e o volume de obras necessário para o retorno das religiosas.


Consideramos que o essencial da planta e organi-

Inventário dos bens do Mosteiro de 1844, realizado a

zação do mosteiro se manteve. A responsabilidade

pedido de D. Maria II, sabemos que então residiam

das obras ficaram a cargo de Frei José da Fonseca e

aí cinco religiosas e uma pupila. Cinco anos volvidos,

Castro, do Mosteiro de Salzedas, nomeado Intenden-

este número caíra para apenas uma religiosa, Tho-

te de Obras pelo Capítulo Geral, que foi «morador na

mazia Rita, «adiantada em anos, doente», a cargo

dita casa, enquanto as religiosas de Tabosa se não

de uma «engeitada […] que a dita freira criou por ca-

recolhe[ram] ao seu mosteiro» (SANTOS, 2002: 163).

ridade», que administrava os bens e que ia vendendo

As dificuldades sentidas pela comunidade agra-

«alguns trastes». Através deste documento, ficamos

varam-se entre 1810-1825, sendo as religiosas susten-

igualmente a saber que o Mosteiro tinha capacida-

tadas pela «Arca da Caridade» criada pela Con-

de para acolher 35 religiosas12 (cat. 19). Thomazia

gregação de Alcobaça e para a qual contribuíam

Rita faleceu a 27 de Março de 1850. O estado de

os mosteiros mais ricos, no concreto, neste caso, os

abandono e a inexistência de uma autoridade que

de Arouca e de Lorvão (SANTOS, 2002: 64). Com a

o protegesse, conduziram à sua rápida degradação

extinção das Ordens Religiosas em 1834 (cat. 18), na

e destruição, servindo os seus elementos arquitectó-

sequência do Decreto de 28/05, assiste-se à apro-

nicos como matéria-prima para o levantamento das

priação do seu património por parte do Estado, pro-

casas vizinhas do povoado. Só a igreja e os seus per-

cesso marcado pelo litígio com os herdeiros da fun-

tences foram preservados, entregues à população e

dadora, que reivindicavam esses bens, alegando o

à Paróquia de Tabosa, Diocese de Lamego.

estabelecido na escritura da fundação. Segundo o

1. As palavras e expressões entre aspas correspondem a expressões soltas de Aquilino Ribeiro em Terras do Demo constituindo, todo o texto, uma paráfrase de vários momentos da obra do autor. RIBEIRO, 1983: 40, 45, 47, 103. 2. Depois do nascimento da Congregação Autónoma de Alcobaça e da desvinculação portuguesa relativamente a Cister, foram criados os Mosteiros de Nossa Senhora da Piedade de Tavira (1530), Nossa Senhora da Nazaré de Mocambo (1653), Nossa Senhora da Assunção de Tabosa e a filiação de Nossa Senhora da Nazaré de Setúbal (MARTINS, 2011: 124). 3. Casou em segundas núpcias com Paulo Homem Teles, fidalgo da Casa Real, do quem igualmente ficou viúva e sem descendência, o que motivou a fundação do mosteiro no terreno da Quinta da Rua. 4. Madre Brites do Menino Jesus ingressou no Mosteiro a 13 de Julho de 1696 e foi secretária da comunidade até à data da sua morte (30 de Abril de 1761). SANTOS, 2002: 89. 5. « […] neste mesmo Anno [1698] se Comesou a tirar a fraga para se fazer o Terreiro», cf. BN, Códices Alcobacenses, cod. 1254 (mic. 813), fol. 74. 6. A  s igrejas dos mosteiros situam-se normalmente a Norte do conjunto monasterial. 7. «Acabouse de fazer o Cartorio em Vespor do Apos=/tollo S. Bertolomeu, anno de mil e Sete Sentos e qua=/renta e Sinco Custou de ofesial que fes, e pintor / Sesenta mil Reis, sendo feitor o muito Reverendo padre frei jos / de Almeida, e Confessor o muito Reverendo Padre frei Bento de Afonseca” /FGBNL, Cod. 1254 - Mic 813, Códices Alcobacenses, Couzas / memoravaens da Fundação deste / Convento de Nossa Senhora da Assunpção / do lugar de Teoboza, de Recole/as da ordem de Nosso Padre S. Bernardo / O segundo que se Fundou neste Reino de Portugal, na hera de 1692 a», cf. BN, Códices Alcobacenses, cod. 1254 (mic. 813), fol. 74. 8. A Roda continuou a funcionar depois da extinção do mosteiro, a cargo da Igreja (SANTOS, 2002: 207). 9. « Fesce o Dormitorio da Enfermaria / na hera de mil e Seis Sentos e no/venta e outo», cf. BN, Códices Alcobacenses, cod. 1254 (mic. 813), fol. 74. 10. Fesce a Escada para a grade e aos / Cazas das grades e acabou-se o Te/rreiro em o mês de Abril de mil e / sete Sentos e Dous; Sendo ainda a / primeira Abbadesa a Madre Antonia de Santa Maria. /, cf. BN, Códices Alcobacenses, cod. 1254 (mic. 813), fol. 74. 11. D. Manuel de Mendonça foi mais tarde destituído do cargo e acusado de traição em relação ao governo da Ordem de Cister em Portugal (SANTOS, 2002: 64 e 124). 12. Documento datado de 1849 da Repartição da Fazenda do Governo Civil de Viseu (apud SANTOS, 2002:

103


013

SÉCULO XVIII

MOSTEIRO DE SÃO JOÃO DE TAROUCA

ESPELHOS DE MODELOS: A PINTURA HAGIOGRÁFICA DO CORO DA IGREJA DE SÃO JOÃO DE TAROUCA NUNO RESENDE


Reconhecida já a autoria das obras do coro e

(SMITH, 1968: 68), por tratar-se de um coro médio

caixa do órgão da igreja do mosteiro de São João

– implantado a meio da nave central da igreja – o

de Tarouca, da lavra do entalhador Luís Pereira da

cadeiral de São João de Tarouca compõe-se de 28

Costa, do Porto, e do imaginário Ambrósio Coelho,

assentos em pau-preto, dispostos em duas ordens,

de Serzedelo (SMITH, 1968), importa olhar com mais

num total de 56 cadeiras distribuídas por dois andares

atenção para os retratos que assomam de entre o

e dois lanços. Sobre o cadeiral 16 telas com retratos

faustoso trabalho de talha.

de meias figuras masculinas, emoldurados por traba-

Como o descreveu Robert Smith, caso único en-

lho de talha dourada que apresenta características

tre as peças principais que sobrevivem em Portugal

formais do barroco joanino (por exemplo nas mísulas

Figura 1 | Ala norte do cadeiral da igreja de São João de Tarouca. Foto Pedro Martins © DRCN

105


106

quarteladas que separam as molduras dos retratos)

do nos colocamos frente ao conjunto. Confrontados

(figura 1), mas ainda presa a uma linguagem nacio-

com o brilho flamejante do ouro que insufla vida nas

nal documentada pela abundante escultura figura-

figuras representadas, somos impelidos a escutar os

tiva que marca o ritmo ornamental da composição.

diálogos que parecem sussurrar a partir das janelas

Neste sentido urge repensar as balizas cronológicas

abertas na floresta de talha.

definidas por R. Smith e outros autores em relação

Nas clareiras assomam, pois, 16 figuras masculinas

aos estilos do barroco da talha portuguesa (cat. 14).

recortadas pela cintura, cujas posições e gestos nos

R. Smith que, transcreveu excertos do contrato da

impelem a compará-las a uma dramaturgia. Todos os

obra, datado de 4 de Abril de 17291, aludiu também

actores compartilham o mesmo cenário e figurino: o

à alteração do plano inicial que implicava, segundo

alvo hábito cisterciense que contrasta com o fundo

o risco de frei Luís de São José2, a execução de pai-

escuro e inerte de onde assomam os actores para

néis em meio relevo em lugar das actuais pinturas.

nos indicar, através da gestualidade das mãos e dos

Poderá ter sido a desistência de Ambrósio Coelho,

olhares uma linguagem que é tudo menos estática,

hipotético responsável pelos painéis, que determinou

não obstante as feições quase inexpressivas que o

a preferência pela pintura como suporte narrativo.

artífice ou artífices plasmaram em cada um dos re-

Porém, a escolha da pintura a óleo em detrimento

tratados. De resto, comum neste género de pintura

do relevo constitui solução idêntica a outros cadeirais

hagiográfica, o autor ou autores da mesma não atin-

setecentistas de igrejas da ordem, nomeadamente

gem o nível de individualização recorrendo à busca

a nível regional, como em São Pedro das Águias e

pelo verismo facial ou anatómico, se não através da

Santa Maria de Arouca (cat. 14)3.

inclusão de elementos que identificam, acentuam ou

Não datadas, não assinadas, nem referidas na documentação – que apenas alude à obra da talha

destacam a figura e a sua importância ou função na hierarquia eclesiástica da ordem.

e do cadeiral do coro (cujo contrato de obrigação

Encontramo-nos ante um programa iconográfico

data de 6 de Abril de 1729)4 –, as pinturas são, pelo

pensado para um espaço particularmente importan-

seu traço, pelo tratamento da cor e da luz e pelo

te em contexto eclesial. Aqui cantavam-se os ofícios

desenho fisionómico e anatómico das figuras, quase

litúrgicos, numa organização não apenas melódica,

contemporâneas das obras de marcenaria.

mas humana, em que cada indivíduo ocupava o

Frente a frente, num registo paralelo (ver quadro 1)

seu lugar hierárquico (cat. 4). Assim o especificam os

exibem-se oito telas emolduradas pela riqueza e vi-

cerimoniais monásticos e os livros de usos e ofícios,

vacidade da talha dos caixilhos, que em caprichosas

com as suas normas sobre tempos, gestos e acções.

curvas e sobrepujanças rodeia os retratos, tornando

Como na pauta de um antifonário tudo estava regra-

o conjunto cada vez mais plástico e complexo (Smith,

do e o coro era o espelho da organização social de

1968: 68). Esta apreciação de Smith é oportuna quan-

um mosteiro (cat. 17).


Nesse sentido, a presença de retratos de santos

nos mosteiros cistercienses do Douro as representa-

ou figuras reverendas da ordem nos espaldares dos

ções dos santos cistercienses, exceptuando, claro,

cadeirais poderá revelar-se não apenas como uma

os amiúde replicados irmãos espirituais São Bernardo

forma de propaganda catequética, tão necessária

e Santa Umbelina, São Bento e Santa Escolástica. In-

numa ordem vincadamente internacional, mas tam-

variavelmente estes encontram-se ainda hoje repre-

bém como um manual comportamental. De resto, a

sentados nos retábulos das ermidas, capelas e igrejas

distância cronológica e cultural das figuras dos gran-

monásticas e paroquiais da região - nomeadamente

des cistercienses – entre veneráveis, beatos, santos,

nas que integravam o conjunto dos padroados dos

santas e mártires – espalhados por uma Europa me-

mosteiros cistercienses.

dieval, escapava (pelo menos visualmente) aos mon-

O espírito reformista do século XVIII aproveitou as

ges que em setecentos os apenas conheciam atra-

grandes renovações arquitectónicas para exaltar as

vés das hagiografias manuscritas ou impressas. Quem

figuras maiores da ordem, nomeadamente os seus

eram, portanto, aqueles heróis fundacionais que ha-

santos e patronos, destacando o papel espiritual (e

viam ajudado a erguer a «civilização» cisterciense?

até político) dos seus homens e mulheres, através dos

O que os distinguia mas, sobretudo, o que os aproxi-

respectivos modelos de santidade e de intelectuali-

mava dos comuns monges que diariamente deviam

dade. Esta afirmação é clara em São João de Tarou-

cumprir as funções e ofícios dentro do mosteiro?

ca, onde o coro médio constituiu um dos elementos

Implantado num território marcado por devoções de forte atracção popular, como São Sebastião,

mais notáveis das grandes obras reformistas que o barroco produziu nesta igreja.

São Brás ou Santa Luzia (cat. 10), cujas iconografias

Voltemo-nos, portanto, para os dezasseis retratos e

eram largamente disseminadas através de esculturas

passemos à sua identificação. Estes organizam-se em

e pinturas em templos comunitários, escasseavam

duas filas conforme a seguinte disposição e legenda:

[ALA NORTE] S. P CAS.To

S. BERME.v

[NAVE CENTRAL]

[ALA SUL] S. BADU.NO

S. THEOB.DO

S.GERARDO

[oculto]5

S.MAVRI.co

S.ALBERICO

S.GVLHERME

S.THOMAS

S.P.A BENEDI.To 12

O S.P. ALEX.3º

O S.Pe. URBANO 4.º

O S.P. EUF. 3.º

S. ESTEV.º

N.P.S BND

107


 

Figura 2 | Santo Estevão e Papa Urbano IV. Foto Pedro Martins © DRCN 

Figura 3 | Papa Eugénio III e São Bernardo de Claraval. Foto Pedro Martins © DRCN

É provável que, no século XVIII, um qualquer monge habitante do mosteiro de São João, conhecedor da história da Ordem de Cister entendesse imediatamente a organização das figuras no espaço do coro. Caminhando entre os cadeirais, fazendo o percurso a partir da porta dos monges o religioso seguido, de um lado e de outro pelos olhares de abades, mártires, santos e veneráveis monges, quatro sumos

108

pontífices ligados à fundação da comunidade e pelas figuras de Santo Estêvão Harding6 (figura 2) e São Bernardo de Claraval7 (figura 3) (pedras angulares no projecto de consolidação da instituição cisterciense) compreenderia a lógica subjacente a tal disposição. O percurso assinala uma organização hierárquica do programa iconográfico (num plano horizontal, de oriente de para ocidente) de acordo com a memória histórica da ordem, em que cada figura, a norte, espelha outra, a sul, correspondente ou próxima nos atributos hagiográficos e nas características espirituais ou temporais. Efectivamente cada indivíduo contribui, individualmente, com a sua hagiografia, revelada visualmente por certos atributos, para uma mensagem particular sobre o seu múnus na ordem, mas o conjunto do programa revela preocupações de ordem propedêutica que nos remete para a afirmação de características comuns entre os representados. Estamos perante uma escolha pensada sobre um conjunto de homens que marcaram a Ordem de Cister, quer pelo seu trabalho como líderes de comunidades (abades como São Balduíno de Rieti8 (figura 4), São Teobaldo9 (figura 4), Santo Albérico10 (figura

 

Figura 4 | São Balduíno e São Teobaldo. Foto Pedro Martins © DRCN

Figura 5 | [São Roberto de Inglaterra?] e S. Albérico. Foto Pedro Martins © DRCN


Figura 5 | [São Roberto de Inglaterra?] e S. Albérico. Foto Pedro Martins © DRCN  Figura 6 | São Maurício e São Gerardo. Foto Pedro Martins © DRCN 

5), São Maurício11 (figura 6), São Bartolomeu de Firmitate12 (figura 8) e São Guilherme de Rielvaux13 (figura 7), ou da própria Igreja (os Papas Benedito XII14, Urbano IV15, Alexandre II16, Eugénio III17 e o arcebispo Tomás Becket18) (figuras 2, 3, 7 e 9), quer ainda como doutrinadores, confessores e mártires entre cujas figuras se destaca São Pedro de Castro19 (figura 8), morto às mãos dos hereges e que certa memorialística cisterciense considera o primeiro Inquisidor – lugar dispu-

109

tado com São Domingos de Gusmão. Este sentido de abnegação e sacrifical dos representados impõe-se naturalmente como formulário normativo de santidade, mas assume na comunidade de São João de Tarouca um papel particular enquanto mostruário de modelos a seguir pelos monges. De resto a presença de homens que preteriram a mundanidade, como o próprio São Bernardo ou o seu irmão São Gerardo20 (figura 6) ou ainda São Teobaldo (gerados numa época de ideal cavaleiresco) documentam uma característica da vocação religiosa medieval que se estende culturalmente a São João de Tarouca do século XVIII - casa que então albergava grande parte dos filhos de uma nobreza regional (cat. 15) consciente do seu passado linhagístico. Compõe-se, portanto, esta galeria, de retratos que transpõem um conjunto de indivíduos maioritariamente originários da sociedade medieval dos séculos XII-XIII para um palco onde poses e gestos virtuosos os transportam para um num plano de missão espiritual e temporal marcadamente barroco, acentuado pela presença cenográfica de elementos representativos dos poderes (espiritual, temporal, cultural): mitras, báculos, tiaras pontifícias, livros e papéis que os

Figura 7 | Papa Benedito XII e São Guilherme. Foto Pedro Martins © DRCN 

Figura 8 | São Bartolomeu e São Pedro de Castro. Foto Pedro Martins © DRCN 


figurados exibem ou para os quais apontam em ges-

Mas, ainda que auditivamente silencioso, o diálo-

tos teatrais. Esta dramaturgia é acentuada pela posi-

go neste programa iconográfico exibe expressões

ção das cabeças dos figurados que, a ¾ se articulam

metafóricas sobre a palavra – seja a palavra escrita

num quase-diálogo ou são entrecortadas com ma-

testemunhada nos alfarrábios que acompanham as

nifestações do divino, patentes em alguns quadros

figuras ou os gestos que traduzem percursos exem-

através da representação de feixes de luz diagonais

plares que recordam, por exemplo, a carta de São

que atraem e posicionam o olhar dos representados

Bernardo a Balduíno de Rieti dissertando sobre as

em miradas místicas.

obrigações de um prelado (apud MUNIZ, 1793: 52).

110

Figura 9 | São Tomás e Papa Alexandre III. Foto Pedro Martins © DRCN

Figura 10 | Perspectiva do coro, nave central e capela maior da igreja de São João de Tarouca. Foto Pedro Martins © DRCN 


Convocar à acção e propor que a palavra proferida, falada ou cantada, tornasse expressão material de um ideal espiritual seria, com certeza, o mote desta composição de pinturas hagiográficas do cadeiral de São João de Tarouca (figura 10).

1. D. Domingos de Pinho Brandão documentou todo o processo contratual do coro e cadeira no terceiro volume da sua Obra de talha dourada […], cf. BRANDÃO, 1986: 152-159. 2. A frei Luís de São José atribui-se participação nos riscos na igreja de São Vicente de Braga (1713), na capela do Desterro na cerca de Alcobaça (1717) e da bacia e varandim do órgão de Santa Maria de Arouca (1738) e duas caixas, cf. SOBRAL, 2000 e ALVES, 2008: 177. 3. Registavam-se pinturas (hagiográficas?) no cadeiral de São Pedro das Águias (mosteiro novo) que foi transplantado na década de 1940 à capela-maior da igreja de São Cipriano, no arciprestado de Resende da diocese de Lamego. 4. Veja-se a publicação do contrato em BRANDÃO, 1986: 156. 5. E  mbora oculta sobre o douramento a legenda desta figura, pode tratar-se de Roberto de Inglaterra, abade cisterciense do século XIII. 6. Com Roberto e Albérico (ver adiante) Estêvão de Harding fecha o trio que se tornou o alicerce da ordem cisterciense, marcada pela cisão de Molesmes e que conduziu à fundação de Citeaux em 1098. Os três religiosos foram abades da casa-mãe de Cister. 7. Bernardo, nascido em Fontaines-les-Dijon ingressou em Cister em 1113, tornando-se um dos mais activos representantes desta nova ordem. Foi importante doutrinador, tendo deixado vasta obra parenética e epistolográfica onde disserta sobre as fundações da Igreja e dos seus problemas à luz do seu tempo. 8. Balduíno, de Rieti, viveu no século XII e foi, em 1140, apresentado por São Bernardo para abade de São Pastor. Comemorado a 24 de julho nos santorais cistercienses. 9. T eobaldo, nascido em 1200, era neto de Luís VI e foi abade de Vaux de Cernay. Era afamado orador e evangelizador. Comemorado a 7 de Julho. 10. Albérico, sucessor de Roberto, foi o segundo abade de Citeaux e a sua memória comemora-se a 26 de Janeiro. 11. Maurício, da Bretanha (século XII). Fundou a abadia de Carnoet. Comemora-se o seu dia litúrgico a 13 de Outubro. 12. Bartolomeu, que as fontes cistercienses chamam santo e dizem ter sido irmão de São Bernardo, foi terceiro abade de Firmitate (MONTALVO, 1602: 72) 13. Guilherme era natural de Inglaterra. Foi abade de Rielvau e fundador de várias abadias. Viveu no século XII e a sua memória litúrgica é recordada a 2 de Agosto. 14. Com o nome secular de Jacques Fournier, foi papa de 1334 a 1342 (em Avinhão) tendo sido anteriormente religioso cisterciense nos mosteiros de Boulbonne e Fontfroid. 15. Jacques Pantaleón subiu ao trono pontifício como Urbano IV em 1261, tendo regido a Igreja até 1264. É tido como religioso cisterciense. 16. De nome secular Anselmo da Baggio foi papa de 1061 a 1073. Apoiou a Reconquista ibérica. 17. Foi o primeiro papa cisterciense, nascido em Pisa em 1115 e falecido em Tivoli em 1153. Durante o seu pontificado promoveu a Segunda Cruzada e a ele se dirigiu São Bernardo com o tratado De consideratione (1148-1153). Beatificado em 1872 por Pio IX era já considerado venerável. Comemorado a 8 de Julho nos calendários cistercienses. 18. Originário da Normandia, Tomás encarna a figura de um cavaleiro medieval chamado à religião pela vocação e pelo estudo. Tornou-se uma das figuras mais proeminentes da Igreja em Inglaterra, tendo encabeçado o arcebispado de Cantuária em 1163. A sua oposição ao poder régio valeu-lhe o martírio, que o colocou entre os mais importantes da sua ordem e da sua época. 19. A este respeito veja-se o que escreve frei António Brandão (BRANDÃO, 1632: 37). Sobre o mártir (noutros autores dito beato) São Pedro de Castro Novo, o mesmo autor refere: «O segundo sujeito da Ordem de Cister foi o insigne Mártir S. Pedro de Castro novo, a quem os hereges matarão andando neste sagrado ministério com cargo de Legado Apostólico [...] estando um dos hereges a este santo Legado (que ia bem fora de lhe suceder semelhante caso) uma cruel lançada a traição, voltou o Santo pera seu homicida, vendo que era perigosa a ferida e a exemplo do grande Protomártir S. Estevão lhe disse com muita piedade e paciência: Deus te perdoe irmão, que eu te perdoo, fazendo despois a Deus algumas deprecações devotíssimas repousou o Santo Mártir em o Senhor» (BRANDÃO&BASTO, 1945: 92). Uma representação deste mártir encontra-se no retábulo da capela de São Pedro do Torno, próximo ao mosteiro de Santa Maria de Salzedas (SOALHEIRO, 2006). 20. São vários os veneráveis, beatos ou santos ligado à Ordem de Cister com este nome. Cremos, contudo, que a representação presente no coro de São João de Tarouca se trata de Gerardo, irmão de Bernardo. A sua memória litúrgica recorda-se a 14 de Junho.

111


014

SÉCULO XVIII

MOSTEIRO DE SANTA MARIA DE AROUCA

O CORO DO MOSTEIRO DE SANTA MARIA DE AROUCA: UMA LEITURA ICONOGRÁFICA

ANA CRISTINA SOUSA


[...] choro e mais choro; pois de continuo estão no choro, pois das vinte e quatro horas que tem o dia natural, as três partes se gastão no choro como se exprimenta, com tanto Amor asistindo a divina Magestade que no gosto com que estão conhecem o quanto se agrada [...]. Porque as vozes por não disermos que cada hua he milagre, será clima do lugar mais não se negará que algua he vox de milagre da sancta Rainha que enleião os sentidos quando se ouvem a saber he tão profundo que a madura da musica só ellas a alcanssão, com tanta gala de cantar que se o mesmo Orpheu cantar as ouvira aprenderia com tão bom ar de cantar [...].” Religiosa de Arouca, finais do séc. XVII (apud AA.VV, 2009: 21).

113 Em 1702, a primitiva igreja medieval do Mosteiro

nasceram a nova igreja e o coro, espaços separados

de Arouca encontrava-se num estado avançado

pelas grades de clausura, divisão reforçada pelas

de degradação, como se infere do relato dos visi-

cortinas que impediam todo o contacto entre as re-

tadores de Alcobaça que então a inspeccionaram. Tendo começado a sua reedificação a partir desta data, o projeto ficou a dever-se a Carlos Gimac, o melhor arquitecto do reino (AA.VV., 2009: 30; ROCHA, 2011: 322). D. Maria Baldaia de Miranda, cantora-mor do coro em 1718, deixou-nos um testemunho desta atribuição no memorial da bênção da nova igreja. Apesar de Paulo Varela Gomes considerar que os documentos de que dispomos não são suficientes para garantir a autoria do projecto a Carlos Gimac, defendendo que as características da obra não se ajustam à dos documentos (GOMES, 1996: 145-146), o texto de 1718 expõe, de forma clara, que de Italia era o insigne architecto Carlos Gimac que della fes a planta e a Senhora D. Margarida de Miranda que Deus tem sendo Prelada se animou a chama-lo de Lisboa aqui a dar principio a tão eroico templo (…) (ROCHA: 2011, 322). A investigação aturada e as reflexões desenvolvidas nos últimos anos por Manuel Joaquim Rocha clarificam esta autoria. Do risco de Carlos Gimac

Figura 1 | Coro da igreja do mosteiro de Santa Maria de Arouca. Foto Pedro Martins © DRCN 


114

ligiosas e os fiéis, excepto nos períodos previstos para

et cônsul Hispaniarum […] Olisipone fecit anno Domi-

a observação do Santíssimo Sacramento.

ni 1739. Vários documentos referem os pagamentos

A singularidade do espaço interior da igreja e do

efetuados entre 1738 e 1743 ao seu executor. Consta

coro reside na relação harmónica de cada um dos

de varandim, zona de teclado, espaldares dos tubos,

elementos no seu todo, os princípios de harmonia e

sendo decorado com talha joanina e pinturas mar-

proporção que marcaram continuamente a discus-

moreadas. A data de 1743 parece respeitar à data

são teórica e o paradigma da arquitectura clássica.

do acabamento das pinturas (BRANDÃO: 1986: 359).

A luz actua como elemento definidor e hierarquizante

O cadeiral, executado entre 1722 e 1725, domina o

do espaço, abundante ao nível da capela-mor e do

corpo central do coro, devendo-se a sua execução

coro, tornando-se mais sombria na nave (Figura 1). A

aos entalhadores António Gomes e Filipe da Silva,

nave central do coro, uma verdadeira caixa de luz

dois dos mais reconhecidos mestres da escola do Por-

branca, é profusamente iluminada por duas grandes

to (FERREIRA-ALVES, 1992: 380; FERREIRA-ALVES, 2001,

janelas que proporcionam um efeito de luz total e um

57 e 65). O primeiro, ao Paraíso e o segundo junto à

ambiente único (ROCHA, 2006: 575-576, 578 e 580).

Fábrica do Tabaco, extramuros, da cidade do Porto

O coro, com três naves, tendo a central cerca do

(BRANDÃO, 1985: 616). É considerado um dos mais ri-

dobro da largura das laterais e cobertura em abóba-

cos e cenográficos exemplares do mundo português,

da de berço, foi continuamente enriquecido, ao lon-

pela qualidade da talha e pelos originais remates

go da primeira metade do século XVIII, com um novo

que expõem meninos com cartelas e fitas, efeito úni-

mobiliário litúrgico que o nobilitou e o converteu num

co no entender de Robert Smith, que contribuiu para

dos mais emblemáticos conjuntos barrocos do mos-

acentuar o verticalismo dos espaldares (SMITH, 1968:

teiro. A presença do órgão à entrada do coro reforça

53) e impõe uma leitura contínua e ritmada ao con-

a ideia da música como um caminho de ascese e de

junto (FERREIRA-ALVES, 2001: 69) (figura 2). Apresenta

aspiração ao divino. Todos os ofícios eram cantados!

104 assentos em pau-preto sendo, assim, o segundo

Vários documentos relativos a pagamentos e uma

maior de Portugal depois do de Lorvão, com 108

escritura de quitação publicados por Domingos Pi-

(SMITH, 1968: 53).

nho Brandão (28.04.1741) permitem-nos situar a obra

Os espaldares são preenchidos com pinturas nar-

no tempo. Da autoria do organeiro de Valladolid

rativas, de autoria desconhecida. Atendendo às

residente em Lisboa, Dom Manuel Benito Gomes de

características da indumentária das personagens re-

Herrera (ou Dom Manuel Bento Gomes Ferreira como

presentadas, Robert Smith considerou que as pinturas

também assinava), o órgão foi executado em Lisboa,

acusam uma data algo posterior à talha do espaldar,

em 1739, conforme se pode ler na legenda encon-

defendendo que o cadeiral de Arouca serviu de mo-

trada no interior da peça durante o restauro de 1982-

delo ao de São João de Tarouca, realizado quatro

1983: D. Emmanuel Benedictus a Gomez ex-hispanus

anos mais tarde (cat. 13). Natália Ferreira-Alves su-


geriu também o carácter mais tardio do programa

da dita estante, e nela se fará uma só entrada no

pictórico em relação aos restantes elementos artís-

meio, em cada lado, para subirem para o coro de

ticos do coro (FERREIRA-ALVES, 1992: 380). Manuel

cima (BRANDÃO, 1985: 616).

Joaquim Rocha, partindo da análise detalhada do

A descrição detalhada do texto parece apontar

processo de Beatificação de D. Mafalda, redigido

apenas para o trabalho do cadeiral propriamente

em meados do século XVIII, e no qual se regista in-

dito e não para a talha dos espaldares que o so-

formações recolhidas junto das religiosas relativas

brepõe. O documento descreve, igualmente, de

a representações da Rainha existentes no Mosteiro,

forma pormenorizada, o fornecimento da madeira

chama a atenção para a ausência de referências

do «Brasil» e de castanho e a alimentação dos tra-

sobre as quatro pinturas da vida da Benfeitora nos es-

balhadores durante a obra por parte do Mosteiro,

paldares do coro, concluindo que à data ainda não

bem como a responsabilidade dos pregos, ferra-

existiam (ROCHA, 2011: 353). O autor sugere, por isso,

gens e outros elementos da obra, mas é totalmente

que o programa iconográfico dos espaldares poderá

omisso quanto à talha dos espaldares e respectivas

ter sido totalmente refeito à data da sua beatifica-

pinturas (BRANDÃO: 1985: 616-617). A descrição feita

ção, em 1792. A análise da documentação relativa à

em meados do século XVIII, no âmbito do processo

encomenda da obra de talha do coro permitiu-nos,

de beatificação da rainha Mafalda, é muito precisa

de facto, pensar em novas hipóteses. O contrato e

em relação a todos os elementos constitutivos deste

obrigação, realizado entre o Mosteiro na pessoa do

espaço, desde a estatuária, retábulos, estante e ca-

Padre Fr. Simão de Almeida e os entalhadores Antó-

deiral com duas ordens de cadeiras primorosamente

nio Gomes e Filipe da Silva, é bastante detalhado no que diz respeito à distribuição do cadeiral no espaço e aos elementos decorativos, descrito na forma que se contém nos riscos: […] e todo há-de ficar guarnecido de cadeiras até chegar à porta que está no fim do coro, de uma e outra banda, as quais se repartirão pelo modo que melhor parecer, as quais cadeiras levarão assim nos respaldos, assim por baixo como por cima, suas almofadas encaixilhadas e lisas, e as ante-claves levarão sua talhinha holandesa pelos lados e fronteira, e no coro ou cadeiras de baixo levará sua estante com suas quartelas ou metas na melhor forma que parecer, correspondendo as ante-claves e sustentação

Figura 2 | Cadeiral do coro. Foto Pedro Martins © DRCN

115


feitas com seu ornato e espaldares, tudo de talha

mente pensados e que obedecem a um programa

dourada (ROCHA, 2011: 337) mas não faz qualquer

coerente com objectivos catequéticos muito claros.

alusão às pinturas dos espaldares. Conclui-se, portanto, que em meados do século XVIII os espaldares,

116

PINTURAS DOS ESPALDARES

executados em data posterior à do cadeiral mas já

Consideramos, para esta leitura, as 26 telas dos es-

existentes nesta data, ainda não apresentavam pin-

paldares do cadeiral mais as quatro pinturas emol-

turas e que o programa que hoje aí vemos é mais

duradas pela talha da entrada cerimonial do coro,

tardio, certamente do terceiro quartel de Setecentos

destinada às procissões e cerimónias mais solenes,

como se pode inferir pelas vestes usadas por algumas

para a qual todos os olhares necessariamente se

das personagens do programa pictórico. A talha dos

voltavam. A leitura iconográfica deve ter em conta

espaldares, que Robert Smith elegeu como modelo

o usufruto do local, destinado exclusivamente às re-

de originalidade do «Estilo Nacional», influenciando

ligiosas que habitavam o cenóbio. Alvo de insistente

outros cadeirais portugueses como o de São João de

observação e contemplação nas muitas horas que

Tarouca, poderá ter sido executada uns anos mais

estas passavam no coro, o programa pictórico deve,

tarde em relação ao cadeiral, integrando já o gosto

por isso, ser entendido na sua componente pedagó-

joanino que então se afirmava (cat. 13).

gica, enquanto exemplo de virtude e de orientação

Quanto ao programa iconográfico das pinturas

espiritual. Considerando tratar-se, sobretudo, de ca-

dos espaldares, Robert Smith considerou tratar-se de

deirais pensados para monges e freiras que expõem

uma selecção aparentemente arbitrária, como ilumi-

filas de santos e santas, Robert Smith estabeleceu,

nuras num livro de horas medieval (SMITH, 1968: 53). A

desde logo, a relação entre os temas e a ordem de

exposição que se segue pretende demonstrar, pelo

Cister (SMITH, 1968: 14). De uma maneira geral, as

contrário, que os temas escolhidos foram cuidadosa-

pinturas do espaldar repetem temas recorrentes no

LADO DO EVANGELHO

LADO DA EPÍSTOLA

Coração com coroa de espinhos – Amor de Cristo

Coração trespassado por flecha – Amor de Maria

Última Ceia

Lava-pés

S. Bernardo e S. Gerardo

Santa Umbelina e S. Bernardo

Nascimento de Nossa Senhora

Nascimento de Cristo

S. José

S. Cristóvão

Entrada da Rainha Mafalda no Mosteiro

Vinda da Rainha Mafalda para Arouca

Nossa Senhora da Conceição

Nossa Senhora do Pilar

Rainha Mafalda lançando o hábito branco às religiosas

Morte da Rainha Mafalda

Santo António

S. Marçal

Baptismo de Cristo

Adoração dos Reis Magos

Samaritana

S. Roberto

Santa Maria Egipcíaca

Adultera

Conversão de S. Paulo

Conversão de Madalena

São Bento

São Francisco

Santo Amaro

São Bernardo


conjunto monacal. A análise do conjunto pictórico

a humanidade do pecado original, com o diadema

permitiu-nos agrupar os temas em núcleos temáticos

de doze estrelas à volta da cabeça, túnica branca e

e coerentes em termos de mensagem.

manto azul, descalça, envolta em nuvens e rodeada por querubins. Ocupa, com Nossa Senhora do Pilar, o

ICONOGRAFIA MARIANA:

centro das 26 pinturas do cadeiral determinando, no

NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

nosso entender, a organização e leitura dos restantes

E NOSSA SENHORA DO PILAR

temas.

Os temas marianos não são estranhos num espa-

O culto a Nossa Senhora do Pilar consolida-se, em

ço cisterciense. A devoção à Mãe adoptiva, que faz

Portugal, na década de quarenta de Seiscentos, mas

com que todos os monges sejam irmãos de Jesus, foi

ganha sobretudo força após a Guerra da Restaura-

intensa desde a instituição da Ordem (BORGES, 1994:

ção. Em 1642, quatro anos antes da iniciativa de D.

264). Maria, cheia de Graça, Mãe do Salvador, inter-

João IV, Saragoça havia proclamado a Virgem do

cessora privilegiada dos fiéis junto do seu Filho e que

Pilar padroeira da cidade (MOREIRA, 1985: 45). A sua

os livra de todo o mal… é representada, no conjunto

escolha traduz a mensagem de solidez e proteção

das pinturas dos espaldares, na iconografia da Se-

da Salve Regina, clemens, pia e dulcis Virgo María,

nhora da Conceição, Virgem puríssima concebida

sólido pilar da Igreja, símbolo de união entre o Céu e

sem pecado, que deu à luz sem «mancha» perma-

a Terra e intercessora privilegiada junto do seu Filho.

necendo imaculada. Tema fundamental da pintura

Vestida de túnica rosa, manto azul e coroa na cabe-

peninsular de Seiscentos, a sua afirmação em Portu-

ça, está pousada sobre um robusto pilar de mármore

gal foi reforçada pela aclamação da Virgem como

róseo, rodeada por nuvens e querubins, segurando o

Padroeira do Reino, por D. João IV, nas Cortes de

Menino no colo.

1646, confirmada por breve de Clemente X, datado de 1671. A importância teológica, dogmática e con-

EPISÓDIOS DA VIDA DE MARIA E DE CRISTO

sequentemente artística do tema levou à definição

Centralizando as pinturas do cadeiral, as pinturas

de uma iconografia própria fixada no século XV e re-

de Nossa Senhora da Conceição e do Pilar abrem o

tirada da passagem do Apocalipse: uma Mulher ves-

caminho para os temas marianos e cristológicos. O

tida de Sol, com a Lua debaixo dos pés e com uma

Nascimento de Nossa Senhora, a que veio ao Mun-

coroa de doze estrelas na cabeça (Ap 12, 1). Esta

do para redimir a Humanidade do Pecado Original,

imagem conheceu uma grande popularidade entre

a nova Eva concebida sem pecado, ocupa natural-

pintores do barroco espanhol e foi especialmente

mente um lugar privilegiado neste programa. A com-

eternizada por Murillo: Maria sobre o globo terrestre,

posição segue a iconografia tradicional, com Santa

suspensa nos céus, com o crescente aos pés com os

Ana, num segundo plano, deitada na cama auxilia-

quais pisa a serpente do mal, redimindo desta forma

da por uma serva que lhe leva alimento, e no primei-

117


118

ro, as parteiras e serviçais que preparam o banho de

Festejado no Calendário Litúrgico no dia 6 de Ja-

Maria, verificando uma delas a temperatura da água

neiro, o Baptismo de Cristo insere-se nas “Festas das

com a mão. Do lado oposto, a Natividade de Cristo

Luzes” e da Teofania do Senhor, o que explica a re-

e respetiva adoração pela Virgem em flexis genibus,

presentação da Epifania ou da Adoração dos Reis

e pelos pastores. O sentido religioso e místico está re-

na tela fronteira, a primeira manifestação de Cristo

forçado pela luz que cobre o Menino e pelo anjo que

aos homens como Verbo encarnado, símbolo da Re-

segura a filactera onde se lê Gloria in excelssis Deo, o

denção e da Salvação e convite claro à meditação

Glória a Deus nas Alturas e paz na terra aos homens

fundamental num espaço de oração. A composição

por Ele amados (Lc 2, 14). O cordeiro, de pernas ata-

reflete, na generalidade, uma iconografia definida

das em frente à manjedoura, anuncia o Sacrifício do

nos finais da Idade Média: os três Reis, ricamente

Salvador para a remissão dos pecados, recordando

vestidos, apresentando idades diferenciadas, símbo-

as palavras de João Baptista – Eis o Cordeiro de Deus,

lo das três idades do Homem, com a negritude de

que tira o pecado do mundo! (Jo 1, 29) –, constituin-

Baltazar (o mais novo) a aludir ao carácter universal

do igualmente um convite à reflexão sobre o mistério

da Fé em Cristo. Gaspar, o mais velho, ajoelha-se

da Encarnação.

perante o Menino, cabeça descoberta em sinal de

A cena do Baptismo de Cristo reforça a presença

humildade e respeito, coroa, toucado e ceptro no

das duas figuras principais: Cristo ao centro, nas águas

chão. O Menino, envolto nos seus panos e sentado

baixas do Jordão cujo caudal se perde de vista, des-

na manjedoura, brinca com o ouro que lhe oferece

nudo e com cendal, a perna esquerda apoiada numa

o Rei, símbolo da sua condição régia, sendo susten-

rocha, em postura humilde e compenetrada; São João

tado por Maria que o olha de forma meiga e mater-

Baptista à direita, com o corpo parcialmente coberto

nal. José, atrás, rejuvenescido, observa com ternura

por uma pele de cabra e longo manto vermelho, cruz

a cena que é composta também pelo séquito dos

de madeira e filactera com a habitual inscrição Ecce

Reis e pelos pastores.

Agnus Dei, vertendo sobre a cabeça de Cristo a água

A cerimónia do Lava-pés associa-se ao episódio da

que recolheu do rio. Na margem esquerda, um anjo

Última Ceia e recorda o momento em que, Jesus, sa-

ajoelhado observa atentamente a cena de mãos ve-

bendo bem que tinha chegado a sua hora da passa-

ladas em sinal de respeito. A pomba branca do Espírito

gem deste mundo para o Pai, levou o seu amor pelos

Santo, envolvida num resplendor de luz, desce sobre a

discípulos até ao extremo, levantou-se da mesa, atou

cabeça de Cristo, fonte da nova luz e do renascimento

uma toalha à cintura, deitou água na bacia e lavou-

espiritual, entendendo-se o baptismo como um incen-

lhes os pés, secando-os com uma toalha (Jo 13, 1-5).

tivo à conversão através do Poder do Espirito Santo, re-

O pintor seguiu de perto o texto de João e representou

cordando as palavras de João: Ele há-de baptizar-vos

Jesus a lavar os pés de Pedro que gesticula, eviden-

no Espírito Santo e no fogo (Lc 3: 16).

ciando o diálogo ocorrido entre os dois (Jo 13, 6-10),


enquanto os demais apóstolos aguardam. Acto de

vida relacionadas com o mosteiro. Os temas que ne-

humildade, que Cristo quer deixar como exemplo aos

las têm lugar devem ser entendidos como registos de

discípulos, o Lava-pés anuncia também a traição de

memória da benfeitora enquanto modelo, exemplo

Judas, pois vós estais limpos, mas não todos (Jo 13, 10),

de resignação e entrega espiritual para todas as mu-

tema que parece igualmente constituir uma mensa-

lheres que escolhem o caminho da fé e da renúncia

gem de reflexão para os que frequentavam o espaço

aos bens terrenos. Mulher de vida santa, protagoni-

do coro.

za uma nova fundação da comunidade e eleva-se

Em frente a esta cena, o artista representou a Últi-

ao prestígio dos santos fundadores, trocando a regra

ma Ceia, tema fulcral do Cristianismo por represen-

beneditina pelos hábitos brancos de Cister (COELHO,

tar a instituição da Eucaristia, o mais importante dos

1989:19).

Sacramentos após o Concílio de Trento. A legenda

Do lado do Evangelho e a ladear a imagem da

Cea Sacramental na base da tela reforça a ligação

Imaculada, foram representados os temas A Entrada

do tema com a Divina Eucaristia. Os doze apóstolos

da Santa Rainha em Arouca e A Rainha Santa dei-

rodeiam uma mesa redonda e Judas, à direita, de

tando o Hábito Branco às Religiozas. No primeiro, Ma-

costas para o espectador e com o rosto voltado para

falda, ricamente vestida e coroada, acompanhada

fora do cenário, contrário à direcção de Cristo, es-

por duas servas, apresenta-se em frente de um grupo

conde atrás das costas o saco da traição. Distingue-

de religiosas vestidas com o hábito negro dos bene-

se igualmente dos companheiros pelo tom acasta-

ditinos, entre elas a abadessa com o seu báculo. Na

nhado das suas vestes e por parecer estar ausente

segunda tela a rainha, sentada e vestida com cogu-

da cena, absorto nos seus pensamentos. Cristo, ao

la branca e véu preto na cabeça, está rodeada por

centro, segura o pão com a mão direita, abençoa

um grupo de religiosas. As três primeiras albergam já

com a esquerda e olha fixamente em frente, refor-

o hábito branco de Cister e as outras quatro, vesti-

çando a solenidade do gesto que sobreviverá muito

das ainda com o hábito negro, aguardam a sua vez.

para lá do espaço físico onde a cena se insere: Tomai

Símbolo exterior de uma renovada exigência na vida

e comei, este é o meu corpo.

de oração, meditação e trabalho imposto à comunidade (COELHO, 1989: 27), que as religiosas quiseram

EPISÓDIOS RELACIONADOS COM A RAINHA MAFALDA

desta forma recordar. Em frente, do lado da Epístola, a ladear a imagem

A Rainha Mafalda marcou durante séculos a me-

de Nossa Senhora do Pilar, representou-se A morte

mória do mosteiro, determinando também a função

da Rainha Santa no mosteiro de Tuias (Marco de Ca-

dos espaços e consequentemente os programas ar-

naveses), deitada no seu leito, vestida com o hábito

tísticos do conjunto monástico. Quatro das 26 telas

branco da ordem, segurando um crucifixo na mão e

dos espaldares do coro envolvem passagens da sua

dirigindo-se com a outra para o grupo numeroso de re-

119


120

ligiosas chorosas que o rodeiam. Trata-se, certamente,

segurando com a mão esquerda o báculo e aben-

de uma referência ao crucifixo de marfim que Mafal-

çoando com a direita. Tal como na tela de São Ber-

da segurava quando expirou, objecto de grande ve-

nardo, apresenta uma mitra exatamente igual a seus

neração e por isso colocado nas maons das noviças

pés, por evidente afinidade compositiva. Entendido

quando professavam, segundo o relato de D. Joana

como o mestre espiritual de todo o monacato oci-

Teresa (ROCHA: 2010: 355). Um exemplo de boa morte,

dental (DUCHET-SUCHAUX, 2009: 89) e patriarca entre

serena e confiante para os cristãos como a descreve-

os cistercienses, a sua imagem consta repetidamen-

ram os cronistas (COELHO, 1989: 37). Do outro lado da

te nos cenóbios da Ordem. Com uma representação

imagem A vinda da Rainha Santa para Arouca, o epi-

de todo idêntica à de São Bento, Santo Amaro, mon-

sódio da trasladação do corpo de Mafalda de Tuias

ge beneditino companheiro do patriarca, reforça o

ou de Rio Tinto, de acordo com a tradição. Segundo

simbolismo fundador e a valorização da vida monás-

a lenda, a mula que transportou o corpo da rainha

tica neste programa.

ajoelhou-se várias vezes durante o percurso, tendo

O mesmo simbolismo fundador explica certamente

sido construídos nesses locais ilustres monumentos. O

a integração de S. Roberto (1024-1110) neste con-

pintor representou um desses momentos, já junto ao

junto temático, representado com uma iconografia

mosteiro de Arouca, estando a mula prostrada rodea-

atípica, de joelhos perante a imagem de Maria com

da por quatro monges brancos de Cister.

o Menino sentada numa nuvem, que lhe entrega um cinto, materialização do compromisso entre a nova

OS FUNDADORES

Ordem e o Divino, proclamando a força e os pode-

O local escolhido para a representação dos fun-

res de que está investido o seu portador (CHEVALIER,

dadores foi a parede da entrada cerimonial do coro,

1982:198). Uma estranha vassoura repousa aos pés

local privilegiado valorizado pela imagem da Rainha

do grupo, símbolo provável da renovação espiritual

Mafalda que encima o portal de acesso. São Bernar-

de Cister e da casa arrumada pelas mãos puras do

do está representado com o manto branco da Or-

seu Fundador, directamente apoiado pela Mãe de

dem, tonsurado e nimbado, empunhando o bácu-

Deus.

lo na mão direita e abençoando com a esquerda.

A presença da iconografia de São Francisco é co-

Como é habitual na sua iconografia, a mitra e res-

mum noutros espaços cistercienses, como em Lorvão,

pectivas fitas repousam no chão a seus pés, simboli-

onde consta num dos relevos do espaldar do coro. É

zando as repetidas recusas da dignidade episcopal.

também um santo Fundador, da Ordem dos Frades

São Bento foi representado numa composição idên-

Menores, instituição protegida pelos reis da primeira

tica, de corpo alongado na tela, amplo hábito negro

dinastia, nomeadamente D. Afonso II e D. Afonso III

da Ordem que fundou e cogula com capuz que lhe

e pelas infantas Sancha e Teresa. A sua rápida ca-

cobre a cabeça, com tonsura, imberbe e nimbado,

nonização em 1228 é bastante expressiva da popu-


laridade e da fama de santidade que rapidamente

Episódio igualmente recorrente nos cenóbios cis-

conquistou, o que explica a grande devoção que

tercienses, exemplificado pelo trabalho de Bento

acolheu em meios civis e religiosos. Entendido como

Coelho da Silveira na igreja de Salzedas, o pintor re-

um modelo de ascetismo no período barroco, o seu

presentou na tela fronteira a esta, a visita de Umbe-

culto foi reforçado em muitas instituições monásticas

lina, irmã de São Bernardo, ao mosteiro de Claraval.

como em Lorvão e em Arouca. A sua integração nas

Num ambiente exterior, Umbelina, ricamente vestida,

molduras do topo da entrada do coro, junto de São

revelando a sua vida de excessos e futilidade, cho-

Bento, São Bernardo e Santo Amaro, figuras basilares

ra após a recusa do irmão em a receber. No ar pa-

do monaquismo ocidental e da vida contemplativa,

recem ficar as palavras proferidas pelo cronista da

denuncia o prestígio do seu culto entre as religiosas

ordem, Bernardo de Brito: Oh, pouco venturosa de

desta comunidade de Cister. Envergando o hábito

mim! E se eu sou pecadora, não veio Cristo ao mun-

da ordem e prostrado de joelhos em terreno aber-

do para redenção dos tais?, desabafo de humilda-

to, é representado no momento da Estigmatização,

de que abrandou o coração descontente do irmão.

perante a imagem de Cristo que surge no céu, cru-

Exemplo de uma pecadora arrependida, Umbelina

cificado e envolto por seis pares de asas seráficas,

seguiu posteriormente a vida monástica, tendo pro-

segundo a visão do Poverello, paralelismo directo do

fessado no mosteiro beneditino Jully-les-Nounains, do

santo com a vida do Salvador.

qual foi superiora (SOBRAL, 1998: 314 e 324). A figura de Umbelina reaparece numa das imagens do coro,

SÃO BERNARDO

no lado da Epístola.

E OS IRMÃOS GERARDO E UMBELINA A origem social de São Bernardo, nascido na Borgonha no seio de uma família nobre e piedosa, não

OS CHRISTOPHOROI: SÃO JOSÉ, SÃO CRISTÓVÃO, SANTO ANTÓNIO

foi esquecida pelos comitentes do programa pictóri-

A inclusão de São José entre as pinturas dos espal-

co. No lado do Evangelho, depois do Nascimento da

dares do coro é explicada pela importância que o

Virgem, o artista representou os dois irmãos Bernar-

seu culto conheceu na Época Moderna, fortemente

do e Gerardo ricamente vestidos com típicos trajes

impulsionado por Santa Teresa de Ávila, Santo Inácio

barrocos. Tratando-se de um conjunto iconográfico

de Loiola e pelos cistercienses em particular (BOR-

que obriga à reflexão sobre o despojamento e os

GES, 1994: 276). Esta valorização do pai adoptivo nas

valores da vida monástica, inclui-se aqui a presença

comunidades de Cister encontra já eco no período

de Gerardo, o valente cavaleiro que mais resistiu ao

medieval, nomeadamente em São Bernardo de Cla-

abandono da vida mundana e a ingressar na vida

raval, que valoriza a relação de protecção, afecto e

monástica, conforme o relato de Vorágine na Legen-

ternura de São José para com o Menino que abra-

da Áurea (VORÁGINE, 2004, II: 513).

ça, alimenta, conduz pela mão ou pega carinho-

121


122

samente nos braços. Tal como refere Francisca Pires

com que o santo segura o Menino e o olhar de ternu-

de Almeida, citando Caroline Walker Bynum, esta

ra que pousa sobre Ele. O ramo de açucenas floridas

espiritualidade afectiva surge no século XII entre os

que prende no peito reforça esta leitura de pureza e

cistercienses, conferindo características maternais de

bondade do bom velho José (SANTOS OTERO, 1963:

carinho e afecto a figuras masculinas e, em particu-

334) escolhido para esposo da Virgem Mãe.

lar, a São José, enaltecendo-se, desta forma, as suas

O nome Cristóvão, o portador de Cristo, espelho

qualidades humanas e o verdadeiro amor paternal

de São José nos espaldares, segue a mesma linha de

enquanto imitador de Maria… Imitatio Mariae (PIRES

reflexão. Cristóvão, o gigante errante que na sua in-

ALMEIDA, 2015: 114-115 e 119). Esta afectividade é

cessante busca do amo mais poderoso do mundo, se

evidenciada na pintura do espaldar pelo cuidado

coloca ao serviço de viajantes e peregrinos ajudandoos a fazer a travessia de perigosos rios. Numa dessas passagens transporta uma criança cujo peso se vai tornando sucessivamente mais pesado, o que o obriga a apoiar-se num tronco seco, atributo que passa a fazer parte da sua iconografia e que aqui está presente na forma de uma palmeira porque justus ut palma florebit (Sl, 92-12). Entre os seus atributos comuns usa também a túnica curta até aos joelhos, a capa pelas costas, aqui de vermelho intenso, apoiando-se na palmeira como se de um cajado se tratasse. A tradição popular atribui-lhe a protecção contra a morte súbita. A presença do santo entre os temas escolhidos na pintura dos espaldares demonstra quão frustradas foram as tentativas do Concílio de Trento em apagar o culto de um santo tão associado à superstição e à magia. (MANZARBEITIA VALLE, 2009: 45). A escolha de São António explica-se igualmente pela sua iconografia protectora de Cristo, que segura com meiguice ao colo. Mas também pode ser entendida, como considerou Nelson Correia Borges, pelo facto de ter sido contemporâneo das Santas Rainhas e conhecer grande devoção entre as religiosas dos mosteiros por elas fundados, como em Lor-

 Figura

3 | Pintura do coro representando a introdução do hábito de Cister em Arouca pela mão de Santa Mafalda. Foto Nuno Resende


vão, constando nas lendas de Vida de Santa Teresa

mem funções de exemplo e de ética. Mas recordam

e em relatos de intervenções miraculosas (BORGES,

igualmente os princípios fundamentais do Cristianis-

1994: 271). É representado com o habitual hábito dos

mo como a tolerância e o perdão e a sua conquista

franciscanos e cordel com três nós evocativos dos

através da fé e do arrependimento. Os episódios das

votos de Pobreza, Castidade e Obediência, com

mulheres adúlteras, os mais populares na iconogra-

o Menino ao colo sentado sobre o livro. Trata-se de

fia medieval e moderna, foram os temas escolhidos

uma iconografia popularizada a partir do século XVI

para os espaldares junto à porta do coro. A conver-

(REAU, 2000: 127), que Murillo reforçou no seguinte

são de Madalena surge em frente à conversão de

(DUCHET-SUCHAUX, 2009: 50). Na mão direita expõe

São Paulo, memória alusiva à primitiva designação

a cruz, símbolo do martírio de Cristo, cuja palavra ex-

do mosteiro dedicado aos Santos Pedro e Paulo,

pandiu pelo mundo. São Marçal, localizado em frente a Santo António e a ladear o episódio da morte da Rainha, é representado com vestes episcopais e mitra na cabeça, a apagar um incêndio com o báculo, milagre póstumo divulgado a partir do século XV (REAU, 2001: 321). O tema substitui, de forma clara, o mesmo milagre propiciado pela Beata Mafalda no Mosteiro de Arouca; trata-se de uma narrativa muito divulgada na iconografia da rainha antes ainda da sua beatificação, que se encontra representada no cadeiral de Lorvão (BORGES, 1994: 277). O tema repetia-se igualmente em duas telas que existiam no interior do coro, referidas pela Madre Maria Luísa Teresa Bernarda em 1753, com a Serva de Deus vestida de Religioza com titulos de Beata e em acção de apagar o fogo miraculosamente, um ainda em vida e outro depois de morta (ROCHA, 2010: 353-354). AS MULHERES ADÚLTERAS E AS CONVERSÕES EMBLEMÁTICAS Enquanto espaço de oração e reflexão de um cenóbio feminino, as pinturas dos espaldares assu-

Figura 4 | Pintura do coro representando a Conversão de Santa Maria Madalena. Foto Nuno Resende 

123


124

homenagem àquele que é entendido como um

eterna, os três caminhos escolhidos por Madalena de

dos pilares da igreja e um dos fundadores da Igreja

que fala Vorágine (VORÁGINE, 2004, I: 382), iluminada

Universal. A conversão de São Paulo repete a icono-

pelo Espírito Santo e transbordando essa luz sobre os

grafia vulgarizada no ocidente cristão, com o santo

outros enquanto modelo de virtude e exemplo.

caído no chão junto do seu cavalo branco, ricamen-

Segue-se na tela seguinte A Adultera e, no lado

te equipado. A composição segue de perto a descri-

fronteiro, Santa Maria Egipcíaca, a prostituta de Ale-

ção dos Actos dos Apóstolos: Saulo olha para o céu,

xandria que se transformou na patrona das mulhe-

ofuscado pela luz intensa que o cega e que envolve

res arrependidas (REAU, 2001: 336). Stª Mª Egicíaca,

a figura de Cristo que aponta para o grupo. Os três

acentua o sentido de penitente, em genuflexão,

soldados, companheiros de viagem de Paulo, olham

mãos unidas e dedos cruzados com fervor no mo-

para cima com expressões de surpresa e espanto,

mento de receber a comunhão que lhe é ministrada

ouvindo a voz mas não vendo ninguém (Act 9, 7).

pelo ermitão Zósimo, tal como se infere no relato da

A importância atribuída neste programa pictóri-

Legenda Áurea (VORÁGINE, 2004, I: 239). O corpo

co às mulheres pecadoras que conquistaram a sal-

está coberto pela capa que o sacerdote lhe dera um

vação através do arrependimento, da fé e de uma

ano antes, no primeiro encontro, os cabelos longos,

vida entregue à penitência e oração é evidente num

purificados pelas águas do Jordão, com que cobriu o

espaço de vocação feminina, tendo sido converti-

corpo desnudo e queimado pelo sol durante os qua-

das em modelos de vida monástica. Maria Madale-

renta e sete anos que viveu recolhida e em oração

na, a mulher que lava os pés de Cristo com as suas

no deserto. O nimbo na cabeça, os dois anjos que

lágrimas, que os seca com os seus cabelos e os unge

a ladeiam segurando nas mãos um manto branco e

com o perfume contido no vaso (Lc 7, 36-49), o seu

os querubins que tudo observam do alto, anunciam

atributo mais comum aqui pousado sobre a mesa,

o momento que antecede a sua morte, a sua ele-

surge representada no espaldar fronteiro ao da

vação ao Céu pelos anjos e a conquista da santi-

Conversão de Saulo, constituindo um dos temas de

dade como resultado da sua entrega, sofrimento e

maior significado da época barroca. Jovem e bela,

oração. A iconografia da mulher adúltera segue de

com uns longos cabelos loiros e ricamente vestida,

perto a descrição de João e respeita à composição

personifica a devoção e arrependimento, de olhos

mais divulgada do tema no período Moderno: Jesus

lacrimejantes voltados para a luz divina que inunda

inclinado sobre o chão, a escrever com o dedo na

o espaço, orientação contrária à do espelho que lhe

terra, rodeado pelos doutores da Lei e os fariseus, em

fica em frente, memória da sua vida de cortesã e de

número de quatro, e a mulher no meio deles (Jo 8,

pecado, deixando cair aos pés a caixa de joias que

1-11), com a mão direita sobre o peito, em sinal de

se espalham pelo chão. É a imagem da penitência,

arrependimento, de rosto belo e sereno, com os olhos

da contemplação interior e da conquista da glória

pousados sobre a figura de Cristo.


Na continuidade de Santa Maria Egipcíaca, aque-

exemplo de renúncia aos bens terrenos e de entrega

la que tal como Cristo caminha sobre as águas do

à vida contemplativa e de oração, entendida como

Jordão (VORÁGINE, 2004, I: 239), que purificou os seus

caminhos de Salvação alcançáveis também através

cabelos na água deste rio e, por isso, também asso-

da vida monástica. A presença dos fundadores – São

ciada ao simbolismo do Baptismo, segue-se o tema

Bento, Santo Amaro, São Roberto, São Bernardo e

da Samaritana. A pecadora da Samaria, a quem

São Francisco – reforça estes valores da vida mona-

Cristo pede água, apresenta-se em pé, encostada

cal, de entrega através da oração e da contempla-

ao poço de Jacob, com a bilha de barro pousada

ção, a Maria e a Cristo, que mereceram igualmente

sobre o muro, a mão sobre o peito ouvindo as pa-

um lugar de destaque neste programa iconográfico.

lavras de Jesus, sentado à sua frente, que gesticula

Todos os temas são coroados pelos dois corações fe-

em sinal de diálogo. O episódio foi desde os primeiros

ridos, um com a coroa de espinhos, alusão ao sacri-

séculos do Cristianismo entendido como um símbolo

fício e martírio do filho de Deus que se fez homem, o

dos gentios ou dos estrangeiros convertidos por Cristo

Verbo feito carne no seio da Virgem Maria, cujo co-

(REAU, 2002: 336), relacionando-se igualmente com o

ração sangra trespassado por uma espada. A coroa

rito baptismal, a água viva fonte da vida eterna (Jo,

de rosas, flor de Maria, que envolve o coração ferido

4:10 e 13). Assim se explica que a cena seguinte re-

e em chamas, simboliza a dor da Mãe por Amor do

presente, precisamente, O Baptismo de XPto.

filho morto na cruz para remissão dos pecados da Hu-

Desta exposição resulta claro que o programa ico-

manidade.

nográfico apresentado nos espaldares do coro obe-

Espaço de conjugação harmónica no qual a ar-

deceu a uma escolha pensada e cuidadosamente

quitetura, a obra de talha, escultura e pintura for-

encadeada. A apologia da figura de Mafalda torna-

mam um todo sublime, acompanhada pelas notas

se evidente, memória de uma fundação e modelo

melodiosas da música que emana do órgão, o coro

da vida monástica, evidenciando-se igualmente as

de Arouca assume-se como um lugar que excede as

virtudes de piedade e expiação das mulheres adúlte-

esferas humanas no qual se imitam os Serafins que as-

ras, símbolo do arrependimento, de Santa Umbelina,

sistem a Deos no ceo (ROCHA: 2010, 356).

1. Na cidade do Porto conhecem-se várias moradas dos dois entalhadores. António Gomes morou na Rua da Porta de Carros, no Rocio de São Bento das Freiras, na Rua das Flores, Rua Nova do Bonjardim e Rua do Paraíso. Filipa da Silva na Rua Chã, Rua do Calvário, Rua Nova do Bonjardim “junto” da Fábrica de Tabaco, onde residia à data do contrato para Arouca (FERREIRA-ALVES, 2001: 57 e 65).

125


015

SÉCULO XVIII

MOSTEIRO DE SÃO JOÃO DE TAROUCA

VASCONCELOS: A HISTÓRIA SOCIAL DE UM PRATO NUNO RESENDE


Ainda com pouca expressão na historiografia portu-

seu círculo familiar poderia elucidar-nos, ao nível da

guesa, o método prosopográfico aplicado ao estudo

arte, sobre gostos, procedências e clientelismos que

de abades e outros religiosos das comunidades cis-

naturalmente influíram nas empreitadas artísticas e

tercienses, poderia elucidar-nos sobre aspectos parti-

no mecenatismo de alguns abadessados.

culares da organização dos mosteiros desta ordem .

Naturalmente devemos diferenciar entre abades-

Proveniência geográfica, estatuto e formação dos

sados perpétuos e abadessados trienais, em cujos

egressos forneceriam, enquanto campos do formu-

períodos diferiu a administração das casas monásti-

lário das prosopografias, uma melhor compreensão

cas. Os abades perpétuos eram, como a designação

sobre o funcionamento da engrenagem eclesiástica

assinala, eleitos e apresentados naquele benefício

e social dentro do vários mosteiros Cister, nomeada-

até ao final da sua vida e os abades trienais indica-

mente ao nível da permanência ou preeminência de

dos para períodos menores e não consecutivos – es-

certas famílias e, ou, linhagens à frente dos destinos

tratégia que visava, entre outros aspectos, limitar o

dos mosteiros. A procedência social dos abades e o

controlo das casas monásticas por linhagens e indiví-

1

Figura 1 | Prato (perfil). Foto José Pessoa. © Museu de Lamego, DRCN


duos, práticas largamente difundidas durante a Idade Média. É, aliás, pertinente assinalar o caso de D. Brás de Cimbres (cat. 12), abade de Salzedas, cuja filha, Guiomar Fernandes casou com um filho do abade de São João de Tarouca e ambos viveram na órbita do primeiro mosteiro onde determinaram como última vontade ser sepultados pela criação que haviam tido naquela casa e pelo amor que lhe tinham (cf.

128

MORAIS, 1948, III:262). Quase naturalmente o genealogista Alão de Morais, que apontou a carinhosa dedicação ao mosteiro de Salzedas pelo casal acrescentou, mais adiante, na sua genealogia, que o filho de ambos, Damião Rodrigues Dom Abb.e do Mostr.º das Salzedas […] sucedeo a seu Avo D. Bras (MORAIS, 1948, III: 263). Ambos os casos, ocorridos na viragem do século XV para o século XVI são reveladores da forma como certos eclesiásticos e suas famílias tomavam os mosteiros um prolongamento do seu domínio doméstico2. Não obstante este cenário, conhecido através das inúmeras queixas apresentadas por leigos e clérigos ao longo da medievalidade e pelo esforço dos conciliares de Trento em refrear o monopólio e a impunidade de certas famílias (invocando direitos de padroado, comedorias, etc.) a época moderna não constituiu um período isento de disputas pelo controlo das casas monásticas, dos seus rendimentos e, claro, dos seus espaços de poder. No caso da nobreza portuguesa, inquilina e devedora das ordens religiosas, devemos entender a entrega dos filhos e das filhas segundas aos conventos e mosteiros não apenas numa lógica devocional ou de vocação. Assegurar o


acesso à vida religiosa aos membros secundários da família, para que não dependessem dos morgados e titulares das casas nobiliárquicas, constituía um recurso ao alcance das famílias nobres que poderia, ainda, contribuir para o controlo das casas monásticas – algumas delas autênticos panteões linhagísticos. O prato que ora se apresenta, em cerâmica vidrada, com decoração monocroma a azul sobre fundo branco, é um elemento representativo de práticas e atitudes sociais da nobreza, parte da qual procurava ascender a cargos eclesiásticos (figura 1). Não obstante a simplicidade da peça, cuja ornamentação se cinge ao friso da aba há algo que nela sobressai: o apelido Vasconcelos. Grafado no covo do prato ao longo de três registos, a sua presença remete-nos mais para o mundo doméstico da casa laica, do que para o espaço monástico, onde foi exarado em contexto arqueológico (figura 2). Esta peça de louça de encomenda (cat. 16) inscreve-se no que A. Nogueira Gonçalves denominou de faianças com marcas nominais de propriedade (GONÇALVES, 1954). Como explicar a presença deste prato em São João de Tarouca? O ingresso na ordem de Cister estruturava-se em torno de conversos, noviços e monges. Os conversos eram leigos afectos ao trabalho braçal da comunidade; os noviços aspirantes ao estado eclesiástico cuja preparação para receber o hábito durava cerca de um ano; e os monges, a quem podiam ser concedidas ordens, destacavam-se entre si pela maior ou menor formação recebida (CISTER, 1998: 13). Naturalmente fora desta tríade, uma plêiade de indivíduos, cada qual com as suas funções, dependia e

Figura 2 | Prato (inscrição). Foto José Pessoa. © Museu de Lamego, DRCN

129


contribuía para o funcionamento dos mosteiros, den-

(doc. em 1703, 1704, 1705), frei Paulo de Vasconcelos

tro ou fora deles (cat. 16). Mas o acesso aos espaços

(1709) e o já atrás mencionado frei Rodrigo de Vas-

monásticos estava reservado a pouco mais do que o

concelos que assina uma profissão em 1712. Outros-

conjunto de indivíduos que se inscreviam nos grupos

sim, ao longo das referências biográficas dos noviços

descritos.

são indicados vários progenitores de sobrenome

A passagem do modelo de abadessados perpé-

Vasconcelos, apelido cujos filhos bem poderiam usar

tuos para abadessados trienais ocorreu, em de São

como nome secular, quer por herança materna ou

João de Tarouca, na sequência da restauração do

paterna.

mosteiro, em 1560 (VASCONCELOS, 1933: 391). Cinco

130

anos antes a casa havia sido suprimida e todos os seus bens entregues à Ordem de Cristo. Embora não se conheçam listas exactas dos abades, entre o conjunto de nomes reunidos por Leite de Vasconcelos e M. Gonçalves da Costa, são poucos os que usaram o apelido Vasconcelos ao longo do período de administração trienal, nomeadamente frei Rodrigo de Vasconcelos (documentado em 1783) e frei António de Vasconcelos (documentado em 1797). Mas nem todos assinam com o seu nome laico e a inconstância nos apelidos não permite aferir de ligações familiares directas, quando amiúde se combinam diferentes composições de sobrenomes. No entanto, ao longo do século XVIII destacam-se alguns egressos sobre cujas vidas sabemos um pouco mais e a algum dos quais se poderá atribuir a posse desta peça de louça. Através do Livro de Noviciaria do mosteiro de São João de Tarouca, redigido entre 1692 e 1762, (TT, Mosteiro de São João de Tarouca, Livro [dos] Graos de Noviciaria]) é possível registar alguns nomes com o referido apelido, nomeadamente os de frei Feliciano de Vasconcelos, mestre e prior dos noviços (assinalado nos anos de 1702, 1703, 1731 e 1733), frei Nuno de Vasconcelos, mestre dos noviços

Figura 4 | Pintura retabular da capela de São Jorge (Mondim da Beira) representando São Sebastião. © Diocese de Lamego 


Todavia, e apesar da dispersão geográfica de al-

liciana Pinto Botelho sendo o contraente natural da

guns indivíduos assim apelidados, Vasconcelos, tor-

freguesia e concelho de Ferreiros de Tendais (onde

nou-se particularmente sonante em contexto regio-

era capitão-mor) e a nubente de Mondim da Beira.

nal associando-se, a partir de finais do século XVII, a

Não obstante o desrespeito pelo costume tradicional

várias famílias da região, que tinham como epicentro

que determinava a celebração do enlace na terra

a vila de Mondim, às portas do cenóbio cisterciense

da noiva, o casal mudou-se para a vila de Mondim,

de São João de Tarouca.

onde lhes nasceram quatro filhos documentados pe-

Efectivamente, a 29 de Maio de 1677 ocorreu ali o

los registos paroquiais: Heitor (baptizado a 7-9-1688),

matrimónio entre Manuel Vaz Pinto de Resende e Fe-

Angélica (b. 18-9-1685), Feliciana (b. 3-7-1691) e Ro-

Figura 3 | Inscrição e pedra de armas da igreja de Mondim da Beira. © Nuno Resende

 Figura

5 | Fachada da capela de São Jorge (Mondim da Beira). © Diocese de Lamego

131


132

drigo (5-2-1693). Pelo lado paterno eram descenden-

João de Tarouca a Mondim influiu na escolha. Mas

tes de uma família das elites municipais de Ferreiros

não poderia esta distância geográfica converter-se

de Tendais e Tendais (freguesias do actual concelho

numa apetência pelo domínio do poder que cada

de Cinfães) e por via materna, do licenciado Francis-

um destes mosteiros encerrava?

co Guedes Alcoforado, homem letrado e de haveres

Quer no ramo de Ferreiros de Tendais e Tendais,

natural de Sedielos, do então concelho de Pena-

quer no ramo de Mondim da Beira, vários foram os

guião, mas morador em Mondim da Beira pelo ca-

elementos desta família que seguiram a via eclesiás-

samento com Serafina Botelho Rebelo. A presença e

tica cisterciense. Dos seis filhos da irmã do supra cita-

a importância destes Botelhos em Mondim está aliás

do Manuel Vaz Pinto de Resende – chamada Maria

documentada, não apenas nos registos paroquiais,

de Resende - dois foram monges de Cister: frei Mau-

mas na heráldica presente na arquitectura da igreja

ro da Conceição e frei Agostinho do Pilar e, ambos

matriz de Mondim, assinalada por pedra de armas

professos de São João de Tarouca - o primeiro em

(figura 3). O poder desta família espelhava ainda na

1708 e o segundo em 1709 (cf. COSTA, 1992: 708)3. A

arquitectura e no programa artístico da capela de

inexistência de prole legítima dos irmãos destes dois

São Jorge, cujo orago e devoção secundária (São

eclesiásticos originou, aliás, a extinção deste ramo e

Sebastião) destacam o papel das armas na consoli-

a subsequente queda ou esvaziamento de uma casa

dação do estatuto desta família (figuras 4 e 5)

senhorial em Ferreiros de Tendais (RESENDE, 2013b).

Está assim atestada a nobreza e as ligações des-

Em Mondim da Beira destacavam-se os filhos do já

ta família à nobreza regional, cujo poder se firmava

referido Heitor, filho de Manuel Vaz Pinto de Resende

por casamentos entre iguais, nomeadamente com

e de Feliciana Pinto Botelho. Heitor Pinto de Vascon-

elementos das elites locais (nobreza de pelourinho)

celos casou a 17 de Agosto de 1723, em Mondim da

que repartia endogamicamente a administração do

Beira, com Benta Mesquita de Pimentel de cujo ma-

governo municipal.

trimónio nasceram oito filhos documentados. Um, de

Parece, todavia, não cingir-se a estratégia desta

nome António, morreu sem geração; Francisca fale-

família à obtenção, posse e transmissão dos cargos

ceu, ao que parece, solteira; Teresa e Jorge Gouveia

municipais de Mondim, Ferreiros de Tendais e Tendais,

Pinto casaram, ambos com geração, e Francisco

como caminho único para o controlo institucional lo-

António Pinto foi, de acordo com o Nobiliário de Fel-

cal e regional – neste caso através de matrimónios.

gueiras Gaio, Cap.am na Índia Cavaleiro da Ordem

Muitos dos filhos segundos seguiram a via eclesiástica

de Cristo (GAIO, 1938-1941: Vasconcelos §22 N23). Os

– os quais, podendo escolher entre um abrangente

restantes filhos do casal seguiram a carreira eclesiás-

leque de ordens religiosas, elegeram a Ordem de Cis-

tica: Angélica, Manuel e Luís.

ter para o seu percurso eclesiástico. Certamente a

Luís, monge de S. Bernardo alcançou a dignidade

proximidade geográfica das casas de Salzedas e São

de Abade de Santa Maria de Aguiar, Manuel a de


abade de São João de Tarouca e Angélica professou

Confirma-o, de resto, o lugar de Mondim na geo-

em Arouca (GAIO, 1938-1941: Vasconcelos §22 N24).

grafia regional: enclave entre os coutos de São João

Embora dispondo, apenas, de elementos respeitan-

de Tarouca e Salzedas e curato anexo à paróquia de

tes aos actos baptismais de três dos filhos de Heitor

São Pedro (COSTA, 1708: 252), a sua posição obriga-

Pinto de Vasconcelos, a saber: Manuel (bap. 21-10-

va as elites locais a um constante diálogo (nem sem-

1725), Jorge (bap.30-3-1727) e Teresa (bap. 26-7-

pre pacífico) com as instituições mais poderosas.

1729) nos dois últimos casos são relevantes os nomes

Manuel, filho de Heitor Pinto de Vasconcelos e de

dos padrinhos e dos participantes no acto: D. Maria

Benta Pimentel, professou a 25 de Março de 1741,

de Berredo, abadessa do Convento de Arouca (ma-

sob o abadessado de frei Leopoldo Botelho e com

drinha de Jorge) e os reverendos Manuel da Fonseca

o testemunho de, entre outros, frei Jorge Pimentel.

e Francisco Guedes, com procurações do Rev.º Dom

Deve tratar-se do Frei Manuel Pinto assinalado na lista

Abade de S. João Frei Francisco do Espírito Santo e

publicada das Memórias de Mondim da Beira, que o

com procuração de D. Teresa Bernarda de Mesquita,

documenta em 1762 como comitente das urnas dos

religiosa em o convento de Arouca. Este conjunto de

altares e o que sagrou o altar-mor (VASCONCELOS,

ligações a casas masculinas e femininas da ordem

1933: 393).

de Cister é reveladora da influência e do entrosa-

Parecerá casualidade o encontro dos mesmos

mento desta família em mosteiros cistercienses regio-

apelidos naquele acto de profissão, e o percurso algo

nais. E a ascensão de alguns dos seus elementos aos

inusitado que fizemos em redor de um vulgar prato -

lugares abaciais, transmitidos geracionalmente entre

mas até podermos cruzar as biografias de cada um

tios e sobrinhos, entre irmãos ou parentes próximos é

destes indivíduos, todos de apelidos Vasconcelos ou

outrossim testemunho de estratégias clientelares e

a ele ligados, e a sua permanência em São João de

nepotistas que sugerem a necessidade da manuten-

Tarouca, apenas podemos conjecturar sobre a tes-

ção da preeminência linhagística naquelas casas e

situra de tais relações, passíveis de materialização

ordem.

numa peça de cerâmica4.

1. Dentro dos estudos de natureza prosopográfica ou abordagens similares no contexto das comunidades cistercienses devemos salientar os trabalhos de A. Fialho Conde (2009) para o sul de Portugal e Luís Miguel Rêpas (2003) para as casas femininas. 2. S obre alguns casos irregulares nas comunidades de Tarouca e a vontade dos monarcas em as resolver ver COSTA, 1984: 547 e COSTA, 1984: 522. 3. Esta indicação de M. Gonçalves da Costa é confirmada pelo Livro de Noviciaria, onde aparecem as profissões de Frei Mauro da Conceição, a 18 de Abril de 1708 e a de frei Agostinho (que M. Gonçalves da Costa chama Amaro) do Pilar a 22 de Junho de 1709. 4. Todas as indicações respeitantes a nascimentos, datas de baptismo e matrimónio foram consultadas no Arquivo Diocesano de Lamego, cf. ADL, Paroquiais, Ferreiros de Tendais, Mondim da Beira e Tendais, livros dos anos respectivos (dado o mau estado de conservação de alguns códices não é possível a apresentação do número do fólio). Nas obras indicadas encontram-se outras referências para a reconstituição da genealogia abordada.

133


016

SÉCULO XVII (2ª METADE)

MOSTEIRO DE SÃO JOÃO DE TAROUCA

TIGELA BRASONADA DE FAIANÇA COIMBRÃ

LUÍS SEBASTIAN


A louça destinada ao serviço de ingestão dos ali-

quer de aquisição, esta louça de faiança pode ser

mentos no espaço do refeitório monástico passa a

dividida em dois grandes grupos, a que convencio-

ser, predominantemente, de faiança a partir dos fi-

namos nomear de louça indiferenciada e louça de

nais do século XVI. Quer em termos de produção

encomenda (figura 1). Por louça indiferenciada de-

Figura 1 | Tigela brasonada das olarias de Coimbra. Foto José Pessoa. © Museu de Lamego, DRCN

135


136

signamos toda a louça produzida sem prévia enco-

tras palavras, através de elementos figurativos – bra-

menda e comercializada abertamente no mercado,

sões, simbólica religiosa, etc. – ou, mais diretamente,

logo, de uso corrente em contextos quer civis, milita-

através de inscrição (figura 2).

res ou religiosos, enquanto por louça de encomenda

Esta louça de encomenda pode ainda por sua vez

designamos toda a louça sujeita a prévia encomen-

ser subdividida entre louça de encomenda institucio-

da e produzida de acordo com características perso-

nal e louça de encomenda pessoal, entendendo-se

nalizadoras impostas pelo encomendador.

por louça de encomenda institucional toda a louça

No caso da louça de faiança portuguesa, a perso-

produzida de acordo com prévia encomenda da ins-

nalização de acordo com a encomenda dá-se por

tituição, no caso, adquirida pelo mosteiro e destina-

regra ao nível da decoração pintada, reaproveitan-

da ao uso no refeitório, e por louça de encomenda

do as formas, pastas e esmaltes presentes na restante

pessoal toda a louça produzida de acordo com pré-

louça indiferenciada. Já esta personalização da lou-

via encomenda de um determinado indivíduo, ad-

ça de encomenda pode ser feita de duas diferentes

quirida pelo mesmo e destinada a seu uso pessoal.

maneiras, graficamente ou caligraficamente, por ou-

Focando-nos na louça de encomenda institucional,

Figura 2 | Louça de encomenda em faiança das olarias de Coimbra e Vila Nova (de Gaia) recuperada nas escavações arqueológicas do Mosteiro de São João de Tarouca.


constatamos por regra a sua possível subdivisão em ins-

As inscrições identificativas tão simplesmente iden-

crição evocativa, inscrição identificativa, inscrição fun-

tificam o mosteiro, surgindo apenas o topónimo, sem

cional, heráldica identificativa e simbologia religiosa.

mais indicação à natureza institucional, resultando

As inscrições evocativas, por extenso ou em abreviatura, correspondem regra geral ao nome do

em S. João de Tarouca, Salzedas, ou noutras ordens, Tibães, Mafra, etc.

padroeiro da Ordem, ou a um qualquer santo de

As inscrições funcionais, que começam a surgir ten-

grande devoção local. É disso exemplo a recorrente

dencialmente a partir de cerca de 1700, desempe-

ocorrência de louça com as iniciais S.B. ou o acró-

nham um papel meramente prático, de organização

nimo S.BR.DO, relativos a São Bernardo, verificável

interna, atribuindo de forma indissociável um conjun-

desde o início do século XVII e predominante duran-

to de louças a um determinado espaço funcional,

te a primeira metade do século XVII. Ainda que não

como HOSPEDES ou HOSPEDARIA.

santos diretamente relacionáveis com a Ordem de

Igualmente sem grandes variações, a louça de en-

Cister, registam-se amiúde inscrições referentes a São

comenda institucional com heráldica identificativa

Domingos e São Francisco.

apresenta, no caso da Ordem de Cister, o correspon-

137


Figura 3 | Cronograma evolutivo da decoração de báculo sobre mitra das olarias de Coimbra

dente brasão, ou, recorrentemente a partir do século XVII, o brasão de Cister nacional (ou da Congregação de Alcobaça), com o escudo de armas dividido verticalmente, ocupando a metade direita com as armas de Portugal e a metade esquerda com o brasão de Cister. Por fim, dentro da louça de encomenda institucional com simbologia religiosa, encontramos como recorrente o uso de simbologia hagiográfica, como o cordeiro místico (ou agnus dei), símbolo evocativo de S. João Baptista, ou a chave, evocativa de São Pedro. Dentro desta, e em destaque pela sua maior ocorrência, quer em número quer em

138

transversalidade aos mosteiros cistercienses para os quais contamos com recolha de vestígios cerâmicos, temos a partir dos meados do século XVII a insígnia compósita de um báculo sobreposto a uma mitra, podendo em algumas variações mais tardias, já de século XVIII, surgir apenas um destes elementos isolados (figura 3). Simbologia recorrente nos mosteiros cistercienses, em elementos de arquitetura, talha dourada, pintura, etc., esta evoca a independência do abaciado em relação ao bispado, tema caro e especialmente sensível à Ordem de Cister. O espécime em estudo corresponde a uma tigela asada com tampa lobulada produzida nas olarias de Coimbra, estendendo-se a sua produção a toda a segunda metade de século XVII. No caso, integrava uma baixela completa que contava ainda com três pratos de forma igual, mas de diferentes dimensões – pequeno, médio e grande. Recuperada nas escavações arqueológicas realizadas no Mosteiro de São João de Tarouca entre 1998 e 2007, a esta forma inicial de representação foi ainda possível juntar diversas variantes posteriores, que além de provar a sua sobrevivência até meados do século XVIII, revelam igualmente a sua permanente evolução, sempre no sentido de uma crescente simplificação da solução inicial, perdendo primeiro o escudo ladeado de volutas e encimado por elmo, para depois ou acentuar a estilização do conjunto solitário da mitra e báculo, ou apenas apresentar um destes elementos, mantendo contudo neste último caso algum do realismo da representação inicial. Estas variações evolutivas não aconteceram contudo numa linha temporal linear e contínua. Pelo contrário, vemos os seus períodos de produção sobreporem-se parcialmente, dando gradualmente lugar à fase evolutiva seguinte, com o seu período de maior popularidade a acontecer entre cerca de 1675-1725.


Para este período, e na variante de estilização quase máxima do conjunto de apenas mitra e báculo, foi ainda possível recuperar nas escavações arqueológicas no Mosteiro de São João de Tarouca um fragmento de cabo de talher – colher ou garfo (?) – com o mesmo exato motivo gravado, indicando que a partir dos finais do século XVII parece ter sido prática corrente a encomenda conjunta de louça e talheres com a mesma temática decorativa e simbólica. O fenómeno específico em que se insere esta tigela brasonada encaixa então na leitura geral de que até meados de seiscentos tivemos o predomínio da louça indiferenciada nos refeitórios monásticos cistercienses, a partir de quando vemos começar a impor-se o uso de louça de encomenda. Na segunda metade de seiscentos a louça indiferenciada é ainda em maior número que a louça de encomenda, passando esta a ser predominante apenas com o início da centúria de setecentos. Uma das consequências deste movimento, não sendo ele circunscrito à Ordem Cisterciense, é a de que a partir de meados de seiscentos verificamos, ao nível da personalização da louça, uma clara distinção entre as louças dos diversos mosteiros e conventos do reino. A este predomínio da louça de encomenda poder-se-ia entender corresponder um maior esforço de uniformização da utensilagem empregue nas mesas dos refeitórios cistercienses, e, sintomaticamente, uma maior regulamentação do quotidiano comum (figura 4). Contudo, é igualmente com a centúria de setecentos que registamos o aparecimento da louça de encomenda de uso pessoal, pelo que a esta uniformização não terão deixado de escapar os membros da comunidade com maiores posses e filiação familiar de maior prestígio (cat. 15). Figura 4 | Quadro de formas standard das baixelas de encomenda produzidas nas olarias de faiança de Coimbra. 

139


017

SÉCULOS XVII-XIX

MOSTEIROS DE SÃO JOÃO DE TAROUCA E SANTA MARIA DE SALZEDAS

PRÁTICAS SOCIAIS, QUOTIDIANO E EMOLUMENTOS DOS MONGES DA CONGREGAÇÃO DE ALCOBAÇA DA ORDEM DE S. BERNARDO SALVADOR MAGALHÃES MOTA


Procuraremos no presente verbete, elucidar um

monásticas encetadas pelos cistercienses dos Reinos

pouco sobre o quotidiano dos monges de Cister após

de Castela estão estreitamente relacionadas com

a época da reforma católica e da constituição da

as reformas arquitectónicas (GONZALEZ GARCIA,

Congregação de Alcobaça da Ordem de S. Bernar-

2000:156).

do e se possível, averiguar as motivações da sua pro-

A reforma não incide apenas no alargamento dos

cura em termos de noviciado sobretudo, nas casas

espaços de cada cenóbio, no sentido de serem mais

mais importantes como Alcobaça, Tarouca (figura 1),

aconchegados e mais funcionais. A maior parte dos

Salzedas (figura 2) e Bouro, isto somente, em termos

noviços depois de fazerem a profissão, seguiam cur-

de conventos masculinos.

so de arte, ou filosofia e depois, teologia nos vários

Os conventos na época moderna sofreram impor-

colégios e mosteiros das Congregações atingindo

tantes modificações no espaço e redimensionamen-

um grau de conhecimento e de preparação que os

to, coincidindo com uma gestão mais profissionaliza-

habilitavam a exercerem determinadas funções que

da e com um aumento das rendas e dos rendimentos.

com o tempo começaram directamente ou indirec-

Fr. Maur Coheril diz-nos que os Abades Gerais de Alco-

tamente a serem remuneradas e actualizadas. Ana

baça puseram em acção um vasto programa de res-

Mouta Faria diz-nos que na carreira eclesiástica que

tauração material (COCHERIL,1978:34). José Mattoso

implicava funções de natureza religiosa, fossem elas

realça que o mesmo se passava noutras ordens reli-

culturais ou pastorais, estava associada a cada uma

giosas e instituições eclesiásticas (MATTOSO,1997:15).

sua dotação material sem a qual nenhuma função

Gonzalez Garcia é de opinião que as reformas

tinha existência reconhecida. Como é evidente a situação não deveria ser muito diferente para os religiosos conventuais. Para a mesma autora as oportunidades no âmbito do labor intelectual eram várias; o ensino nos seus diversos escalões totalmente controlado pelo clero, a música exigida à maior parte dos eclesiásticos, o acesso a cargos públicos, sobretudo se fossem nobres e com grau académico (juízes eclesiásticos, ministros, inspectores, comissários, inquisidores etc…) (FARIA,1987:30-33). O que acabou de ser dito faz descolar uma das funções principais dos monges religiosos após o Concilio de Trento, a necessidade de estudar (estudo), colocada ao mesmo nível da oração. O ensino em termos práticos achava-se dividido em 3 níveis. O

Figura 1 | Sacristia da igreja de São João de Tarouca. Foto Pedro Martins © DRCN

141


142

primeiro coincidindo com o noviciado, era obrigató-

Ambos os cursos, mas, especialmente, o de Artes,

rio e bastante selectivo. Aprendia-se o Latim, a Gra-

provavelmente por ser mais abrangente, dava aos

mática, a Religião e os Usos e Costumes da Congre-

candidatos entrada direta no curso de Teologia já

gação. Eram vigiados pelo Pe. Mestre de Noviços e

considerado de nível superior conjuntamente com os

demorava sensivelmente, um ano. Quem fosse apro-

cursos de Leis, Medicina e Cânones. António de Vas-

vado continuaria a estudar e passava a professo.

concelos, autor clássico nestas matérias, informa-nos

Quem não mostrasse capacidade e qualidades era

que para a matrícula no 1º ano da Faculdade de Te-

obrigado a sair do convento rapidamente.

ologia e de Medicina exigia-se de ordinário o grau de

Para além do noviciado que era uma espécie de

licenciado ou de bacharel em Artes e para um aluno

ensino elementar, criou-se o chamado ensino inter-

fazer a inscrição nas Faculdades Jurídicas tinha de

médio ou secundário consubstanciado nos cursos de

apresentar certidão passada pelo Principal do Colé-

Artes ou Filosofia. Para a frequência destes cursos, os

gio das Artes de haver sido examinado e aprovado

candidatos tinham de possuir determinados requisitos

no exame de aptidão para cursar estas faculdades e

como sejam: 4 anos na condição de professo, menos

de ter conhecimentos essenciais da escrita e da fala

de 30 anos de idade, não ter raça de cristão novo até

de Latim (VASCONCELOS, 1939: 2-10).

4º grau, nem mouro, nem mulato, não ter fealdade que

O curso de teologia de nível superior era feito em

prejudique o púlpito, domínio do latim e da gramática

diversas etapas, sendo a primeira o bacharelato, a

portuguesa (DIFFINIÇOENS, 1593: 40-50) (cat. 11).

licenciatura e o doutoramento considerado o último

Os candidatos tinham ainda de ser humildes, de

grau. Em Teologia o último grau coincidia também,

bons costumes, capazes e inteligentes dado que

com o de Mestre, sobretudo, para ordens religiosas.

eram sujeitos a exames por parte de examinadores

O curso era leccionado na Universidade de Coimbra

e ainda a uma selecção rigorosa feita pelos abades

e nos diversos Colégios universitários que se foram

conventuais donde eram originários, mesa do defini-

instalando na Lusa Atenas, como o do Espirito Santo

tório e abade geral (A.D.B. CI -188, fl. 109vs). O curso

fundado pelos cistercienses.

de Artes estava planeado para três anos, tinha de ser

Outra função muito importante para uma ordem

aprovado em definitório com a presença e anuên-

regular como a nossa era a oração a diversas horas

cia do Geral, ministrando-se as seguintes disciplinas:

do dia. Todos ou quase todos os monges deviam es-

humanidades (grego, latim, hebraico), Matemática,

tar presentes. Em ambas as estações do ano os nos-

Ciências e Filosofia (RODRIGUES, 1987:13-22). A Filo-

sos monges levantavam-se muito cedo, por volta das

sofia podia também ser dada em separado, como

5 / 6 horas da manhã. A jornada era preenchida com

curso autónomo o definitório atendendo ao tempo

uma série de orações, rezas e missas. Um documento

das aulas e depois dos estudantes cursarem Philoso-

de 1770 informa-nos que da parte da manhã reza-

fia seguem o de Teologia… (A.D.B. CI -188, fl. 27).

va - se a Prima, a Terça, a Sexta e a Noa, para além


da missa maior do dia. Da parte de tarde com mais

ajudavam nas suas funções. Abaixo do Abade nos

tempo livre rezava-se Vésperas e Completas. Como

monges brancos havia um Prior e por vezes um Sub

é evidente estes horários podiam variar e serem ajus-

– prior que substituíam o Abade nas suas ausências e

tados por decisões dos Capítulos e das Juntas Gerais.

impedimentos (MOTA, 1989:65 -76).

Evitava-se orar com velas e com recurso à luz das candeias de azeite por serem perigosas1. Seguia-se o trabalho, não o manual entrado em

Além de orarem, estudarem e trabalharem os monges tinham as suas horas definidas para em conjunto tomarem as suas refeições no refeitório.

desuso já desde a época medieval, mas o de gestão

As refeições tinham o seu cerimonial. Todos os reli-

e administração de cada casa religiosa. Cada mon-

giosos ao som do tanger do sino deviam estar presen-

ge, de acordo com a sua antiguidade, competência

tes no refeitório com excepção dos idosos, doentes

e conhecimentos procurava desempenhar uma ou

e acamados que comiam nas enfermarias ou nas

várias funções nos conventos. No plano da gestão

celas particulares ou, ainda, quem o D. Abade ou o

temporal sublinhamos como principais os padres bol-

Pe. Prior dessem autorização para se ausentar. Havia

seiros (recebimentos e pagamentos a dinheiro e fei-

monges que procuravam arranjar subterfúgios para

tura de livros de contabilidade), procurador (ligações

não estarem presentes, o que era sempre motivo de

com o exterior), tulheiro (recebia rendas em géneros), o celareiro (encarregado dos fornecimentos da cozinha), mestre de obras (conservação, melhoramentos e novas obras), cartoreiro e bibliotecário (tratavam do cartório e da biblioteca podendo acumular com outra função), boticário (compra e feitura de medicamentos) e hospedeiro (tratava de receber e acomodar os viajantes e convidados). No plano espiritual, igualmente importante tínhamos os padres cantor–mor (preparava os ofícios religiosos), mestre de noviços (pedagogia e ensino, sobretudo, dos mais novos) sacristão (ajudava para que nada faltasse ao santo sacrifício da missa). Acima de todas as funções e competências estava o D. Abade, verdadeiro pai e responsável máximo em cada unidade religiosa. Era eleito em Capítulo Geral em Alcobaça por um período trienal. Pertencialhe escolher os colaboradores mais próximos que o

Figura 2 | Sacristia da igreja de Santa Maria de Salzedas. Foto Pedro Martins © DRCN

143


144

reparo e condenação. Evitava-se a existência de pa-

de Alexandre VII em 1666 elogiava a abstinência mas

nelas distintas, ou seja, a feitura de pratos diferentes

permitia comer carne à Ordem 3 vezes na semana

conforme o estatuto dos religiosos. No Verão jantava-

(LEKAI, 1987:480). A prática, contudo, generalizou-se

se por volta das 12 horas e ceava-se pelas 18 horas

fora dos dias de abstinência, com excepção da 4ª

procurando rentabilizar a existência de luz natural.

feira (A.D.B. - CI – 188, fl.43), sendo constantes as refe-

No Inverno pelas mesmas razões, os monges comiam

rências ao seu consumo e por vezes às quantidades

mais cedo ao jantar por volta das 11 horas, e cea-

médias que se devia gastar com cada religioso, in-

vam por volta das 17 horas antes do sol se pôr (A.D.B.

cluindo sobras.

- CI - 188, fl. 43). Os religiosos, após o tanger dos si-

Vejamos os alimentos mais consumidos pelos reli-

nos, entravam em silêncio no refeitório, sentando-se

giosos de S. Bernardo. Uma decisão do Capítulo Ge-

conforme a hierarquia e antiguidade em termos de

ral de 1/5/1630 dizia que se devia dar ao jantar 5/4

profissão. A mesa em forma de U era presidida pelo

de vaca, 1 arrátel de carneiro, à ceia, 1 arrátel de

Pe. Prior do mosteiro já que o D. Abade, frequente-

carneiro, o pão servido, obrigatoriamente, a cada re-

mente, comia em mesa separada, acompanhando

feição teria o peso de um arrátel (entre 358 e 459 gr.)

algum visitante ou estando ausente do cenóbio. No

(VITERBO,1984:584). O vinho era o melhor que houves-

início e no final de cada refeição ouviam um trecho

se em cada convento e cada monge teria direito a

da bíblia ou uma parte alusiva à história da vida dos

um quartilho (0,375 l.) (SERRÃO,1979:Vol.V:70) a cada

santos, lido por um dos monges professos mais junio-

refeição …e recomendamos muito aos P. Abba-

res (A.D.B. - CI – 192 - Doc. 215 fl. 2).

des que dem sempre alguma coisa de antepasto…

As refeições eram servidas por conversos, embora

(A.D.B. - CI – 186, fl. 3 vs).

os monges também colaborassem passando as tra-

Atribuía-se a cada religioso uma média de 700

vessas aos parceiros. Havia uma exigência rigorosa

a 1000 gramas de carne, quase 3/4 litro de vinho e

no que diz respeito ao cumprimento dos dias de abs-

cerca de ½ Kg de pão, sem falar em frutas, legumes

tinência, que calculamos em 68 a 70 dias (OLIVEIRA,

e lacticínios que os mosteiros tinham em mediana

MCMLXXI:342) por ano onde a carne era, expressa-

abundância. Temos 2 pratos ao jantar e 1 prato à

mente, proibida sendo substituída pelo peixe. O con-

ceia. A surpresa é a relativa pouca quantidade de

sumo de carne era estritamente regulamentado (DI-

pão ingerida, se compararmos com estratos sociais

FFINIÇOENS, 1593:40). Havia a consciência que uma

inferiores. O consumo de vinho está dentro dos pa-

mesa demasiada farta, distraia os espíritos e estimula-

râmetros para a época. Tinha de ser vinho de boa

va o apetite sexual. A ideia era concentrar a energia

qualidade. Os monges gostavam mais do maduro do

dos monges em tarefas mais contemplativas e teoló-

que do verde, este último consumido mais por jorna-

gicas. Corpos débeis e fracos atingiriam mais, facil-

leiros e criados (MOTA, 2006: 97). Em contrapartida,

mente, os louvores divinos. A constituição apostólica

nesta dieta privilegiada avulta o consumo de carne


em quantidade e em qualidade, dado que a carne

Abade Geral. Para além desta ajuda, havia melho-

de vaca e a de carneiro eram das mais apreciadas

rias na alimentação em espécie, em determinadas

(CRESPO e HASSE, 1981:101).

festividades religiosas, ou em dias, considerados mais

Para além destas funções que preenchiam uma

importantes. Nestes dias excepcionais, podia-se dar

parte significativa do dia, com o tempo e à medida

até 3 ou 4 pitanças entrando ao jantar ou à ceia car-

que as rendas dos conventos permitiam procurou-se

nes de leitão, coelho, pombo e peru. Não obstante

que a carreira eclesiástica regular fosse atractiva sus-

o afirmado procurava-se minimizar custos no refeitó-

citando que filhos segundos da nobreza e do tercei-

rio (AD.B. - CI -192…,Doc. 16, Leis da Junta Geral de

ro estado, sobretudo dos escalões mais elevados a

2/3/1768, fl. 4).

ela concorressem em grande número. Os benefícios

Mas os emolumentos não se ficavam por aqui, de-

sociais e os emolumentos não eram negligenciáveis,

pendendo do religioso e da função que desempe-

levando a que o recrutamento de noviços nos cister-

nhavam dentro e fora da Congregação podiam re-

cienses não fosse um problema, pois havia excesso

ceber côngruas, ordenadas (os), assinaturas de muitas

de candidatos para as vagas existentes, até pratica-

variedades, inquirições, tenças, pés de altar, mimos,

mente à extinção dos conventos e dos bens dos reli-

missas, sermões, pregações, esmolas (para prossecu-

giosos decretada em Maio de 1834.

ção de estudos), e beneficiarem de casa, criado e

Vejamos os principais emolumentos e regalias sociais alcançados pelos religiosos brancos de Cister (Cf. a propósito o quadro a seguir mencionado). Era muito variável e ficava um pouco ao arbítrio do

VESTIDORIA

sege aparelhada (SOUSA e GOMES,1998:127-134). Coloca-se então uma questão. Que fazer a uma eventual verba amealhada se os monges faziam votos de pobreza, quando da passagem a monge

s ubsídio anual atribuído em dinheiro para renovação do vestuário. Variava conforme, se fosse casa grande ou pequena, o estatuto do monge e a época que estamos a considerar.

PITANÇA

s ubsídio relacionado com a alimentação que devia ser melhorada em certos dias determinados pelos costumes, paga em espécie ou em dinheiro para além de uma quantia a liquidar no final de cada triénio. Era muito variável e ficava um pouco ao arbítrio do Abade Geral. Para além desta ajuda, havia melhorias na alimentação em espécie, em determinadas festividades religiosas, ou em dias, considerados mais importantes. Nestes dias excepcionais, podia-se dar até 3 ou 4 pitanças entrando ao jantar ou à ceia carnes de leitão, coelho, pombo e peru. Não obstante o afirmado procurava-se minimizar custos no refeitório (AD.B. - CI -192…,Doc. 16, Leis da Junta Geral de 2/3/1768, fl. 4).

PROPINA

s ubsídio um pouco incaracterístico e aleatório mas que surge associado na documentação a despesas relacionadas com o asseio e a limpeza, mormente, a compra de sabão. Em 1772 o Geral tinha de propina 4800 reis e o comum dos religiosos 1200 (A.D.B. - CI -192 - Capítulos Gerais. Doc. 17 1, Leis da Junta Geral de 3/4/1772, fl. 6).

VIÁTICO

subsídio atribuído a religiosos que se deslocavam em serviço. A mobilidade era grande, pois que procuradores, abades, visitadores, definidores, confessores, feitores, capelães, pregadores, deslocavam - se, frequentemente. Pretendia-se que o fizessem com decência, com moderação e sem necessidades. Teve início por uma lei de 1/9/1573 do Cardeal D. Henrique, sendo objeto de legislação posterior, nem sempre conseguida. Tudo indica que nunca se estipularam porções certas. A lei de 14/6/1760 parece-nos a mais adequada. Estabelece um tostão por cada légua. Assim se um religioso fosse para o mosteiro de Bouro (Cf. - Quadro - Emolumentos atribuídos aos monges bernardos) que distava de Alcobaça 46 léguas, receberia 4 600 reis, se incluísse trem e bestas receberia mais 12200 reis (B.N.L.(R.) - COD. 1480 . Sobre as contribuições para viagens chamadas viáticos, 1770, fl. 368 – 377).

145


EMOLUMENTOS ATRIBUÍDOS AOS MONGES BERNARDOS DATAS DE REFERÊNCIA

TIPOS E CARACTERÍSTICAS

VALOR (EM REIS)

I – VESTIDORIA (VESTUÁRIO) OFICIAIS 1696

Casas grandes

10 000

Casas pequenas

8 000

OFICIAIS

146

1705

Casas grandes

10 000

Casas pequenas

10 000

PRIOR, CELAREIRO E MESTRE DA NOVICIARIA 1728

Casas grandes

24 000

Casas pequenas

12 000

TULHEIROS Casas grandes

14 400

GERAL

38 800

EX-GERAL

28 800

DEFINIDOR, VISITADOR, PRIOR, SECRETÁRIO DO GERAL, 1772

MESTRE DE NOVIÇOS E CELAREIRO

26 400

OFICIAIS Casas grandes

14 400

Casas pequenas

12 000

OFICIAIS 1782

Casas grandes

14 400

Casas pequenas

14 400

OFICIAIS 1783

Casas grandes

16 800

Casas pequenas

14 400

OBSERVAÇÕES: Na nomenclatura cisterciense Casas Grandes, masculinas e femininas, eram as de Alcobaça, Bouro, Salzedas, Tarouca, Colégio de Coimbra, Seiça, Lorvão, Arouca e S. Bento de Castris, pequenas eram todas as outras. FONTES: BNL. FIGUEIREDO, FR. Manoel de, Memórias para a História da Comarca de Alcobaça, Vol. Manuscrito enumerado de 1 a 15, In COD. 1480 – Sobre as contribuições para viagens chamadas viáticos de 14 de Setembro de 1770, fls. 368 – 377 e COD. 1482 – Regulamento das Pitanças, fls. 138 - 156, A.D.B. – CI 186 – 192 – Leis dos Capítulos e Juntas Gerais, (1630 – 1828).


EMOLUMENTOS ATRIBUÍDOS AOS MONGES BERNARDOS DATAS DE REFERÊNCIA

TIPOS E CARACTERÍSTICAS

VALOR (EM REIS)

II – PITANÇA (melhoramentos na alimentação)

1678 - 1757

PRIOR

30 000

CELAREIRO

50 000

PE. MESTRE DA NOVICIARIA

120 000| 24 000

TULHEIRO, BOLSEIRO

12 000

PE. ENFERMEIRO

2 000|4000|4800

PE. MESTRE DE OBRAS, CANTOR E MESTRE DA CAPELA

6 000

PE. HOSPEDEIRO, PORTEIRO E SACRISTÃO

4 000

Nota: P  ara além das que são pagas em determinados dias, estas liquidam-se no final de cada triénio.

III – PROPINA (ASSEIO E LIMPEZA)

GERAL

4 800

EX- GERAL

3 200

DEFINIDOR, VISITADOR, PRIOR, SECRETÁRIO DO  GERAL, MESTRE DE NOVIÇOS E CELAREIRO 1772

2 400

SUPRIOR, PRESIDENTE, SACRISTÃO – MOR E MENOR, MESTRE DAS CERIMÓNIAS, PADRE ENFERMEIRO, PADRE CARBONÁRIO, SUBCELEREIRO, PADRE PEDAGOGO,

2 000

OUTROS RELIGIOSOS

1 200

Nota: d  ava-se em dias de S. Bernardo e outros costumados

IV – VIÁTICO (DESLOCAÇÕES – 1 TOSTÃO POR LÉGUA) Exemplos:

1770

SEIÇA = 11 léguas x 100 reis = 1 100 + 3 000 a)

4 100

BOURO = 46 léguas x 100 reis= 4 600 + 12 200 a)

16 800

FIÃES = 56 léguas x 100 reis = 5 600 + 15 400 a)

21 000

a) Aluguer de bestas para a viagem

professo? Pensamos que nada obstava a que guar-

que seria necessário quando a idade estivesse mais

dassem uma verba para gastos pessoais, como a

avançada e necessitassem de ajuda, independen-

compra de livros e apetrechos e objetos de uso pes-

temente, do amparo que o mosteiro proporcionasse.

soal. Nada obstava, a que tivessem o seu pecúlio,

Pela leitura das decisões capitulares estas matérias

147


148

nunca foram consensuais, como vimos. Por um lado,

ses, dependendo do estatuto do religioso. Se fosse

procurava-se a proibição pela proibição, por outro,

doente poderia ficar mais tempo. Cada mosteiro

procurava-se regulamentar as práticas existentes.

tinha as suas quintas ou granjas (cat. 6) preparadas

Realçaríamos ainda, um conjunto de regalias so-

para essa eventualidade (A.D.B.- CI -191…Leis da

ciais e lazeres que de alguma forma se podem con-

Junta Geral de 1/10/1752, fl. 155vs). Por serem quin-

siderar, verdadeiramente, antecipadores em relação

tas eram também espaços resguardados, longe

ao comum da sociedade, tornando a carreira do

dos seculares, portanto, propensas ao lazer, ao des-

monacato regular atractiva, razão pela qual muitos

canso e à meditação. Havia sempre alguma vigi-

mosteiros tinham muita procura.

lância sobre esses religiosos por parte da hierarquia

• Concessão de licenças apenas a professos (com

dos conventos (A.D.B.- CI – 187… Leis do Capítulo

mais de 4 anos de hábito) para se ausentarem dos

Geral de 1/5/1690, fl. 34).

mosteiros, durante um determinado período de

• Lazeres e divertimentos, quer nas quintas, quer no

tempo. O objetivo mais invocado para o pedido

próprio mosteiro na área restrita da cerca. Nesta

de concessão era para visitar a família ou tratar de

matéria não há uma posição homogénea, depen-

assuntos pessoais. O Definitório, o Abade ou o Prior

dendo muito do carácter de quem presidisse aos

concedia as licenças. Tratava-se de uma questão

destinos de cada convento e da congregação.

que dividia os diversos Abades Gerais que deram

O permitido andava muito perto do transgredido

orientações diferentes ao longo dos triénios dos

e vice - versa. Eram questões de disciplina e não

séculos XVII e XVIII. Como é evidente, os religiosos

de natureza religiosa ou teológica. O que nuns con-

eram necessários nos serviços religiosos e no cum-

ventos era tolerado noutros podia ser proibido, ra-

primento das horas canónicas, caso contrário, te-

zão pela qual se procura alguma coerência nestas

riam que aceitar mais noviços para o cumprimento

matérias:

do estipulado. Variou, sempre, entre quinze dias a

• Possibilidade de darem passeios fora da clausura,

dois meses a concessão da ausência (A.D.B.- CI

pelo menos, nos Mosteiros da Beira «…não sahirão

-191 – Leis da Junta Geral de 17/5/1757, fl. 17vs). Por

em as casas grandes menos de 5 religiosos e nas

vezes, dava-se até mais tempo, se os mosteiros não

pequenas menos de 3 com um prelado ou ancião

tivessem celas condignas ou estivessem em obras,

do mosteiro…»2.

especialmente, na ala dos dormitórios. O normal

• A música era entendida como um acompanha-

era a permissão de um mês, tal como consta de

mento indispensável nos serviços religiosos mas,

uma carta expedida ao Geral da Congregação

também, como instrumento de deleite e prazer.

pela Rainha D. Maria I, datada de 30/11/1777.

Procurava-se, no entanto, que não fosse a música

• Direito a férias nas quintas da ordem, também de

tocada pelos seculares (nem sempre conseguida)

duração variável, uma semana, um mês a dois me-

«…e porque também parece alheio do estado reli-


gioso entregar a devertimentos proprios de secula-

-191 – Leis da Junta Geral de 10/8/1755, fl. 161vs).

res… aos mais distrahidos mandarão…que nenhum

• Critica-se, asperamente, os religiosos o irem ver e

religioso posa tocar viola, rabeca ou outro qualquer

assistir a festas profanas tão impróprias como teatro

estromento dentro nos mosteiros, nem ainda nas

e touradas, escandalizando os próprios seculares …

quintas aonde estiverem de recreação, excepto

cujo erro suposto não possamos já remediar ao me-

cravo, manicordio, arpa e flauta…»3.

nos para que no tempo futuro não sirva de exem-

• Permissão de jogos de cartas e de dados a dinhei-

plo o passado…5.

ro até 200 reis (não jogarão mais nesse dia se per-

Da mesma forma, a assistência médica e medica-

derem) no tempo das recreações, sempre fora da

mentosa não era nada desprezível no contexto da

clausura, somente entre religiosos, sendo expres-

época contribuindo para que a qualidade e a espe-

samente proibido jogarem com seculares e muito

rança de vida dos religiosos fosse maior que o comum

menos a dinheiro (A.D.B. - CI -188…Leis da Junta

da população (GÓMEZ GARCIA,1997:320-322).

Geral de 4/3/1748, fl. 134vs). Da mesma forma,

Assim quase todos os mosteiros denominados ca-

eram permitidos aos monges depois de vésperas

sas grandes tinham enfermaria recebendo religiosos

em alguns dias recrearem-se com o jogo da bola e

doentes, velhos e achacados. A frente deste serviço

da laranjinha (A.D.B.- CI -188…Leis do Capítulo Ge-

estava o Pe Enfermeiro, cuja importância cada vez

ral de 4/5/1744, fl. 115 vs). Proibidos eram os jogos

mais se destacava, sobretudo, em Alcobaça, onde

denominados de parar (A.D.B. - CI -192 - Doc. 17 2

havia grande número de debilitados6. Tinha contabi-

- Leis do Capítulo Geral de 2/5/1778, fl. 11vs).

lidade própria, havendo um livro de receitas e despe-

• Restrições a que nos mosteiros de religiosas se or-

sas, recebendo dos Padres Bolseiros todas as verbas

ganizassem comédias, bailes, festas, teatros ou ou-

necessárias para suportar todos encargos, incluindo

tras semelhantes distracções seja por impulso de

pagamento de honorários do médico do partido, do

religiosas, criadas ou seculares «…quando suceder

cirurgião e do sangrador. Era coadjuvado nas suas

haver alguma comedia de fora ou entremeses que

tarefas diárias por 5 ou 6 moços dos mais jovens e

se queirão representar para as religiosas verem não

capazes para ajudar os doentes. Em Alcobaça ha-

consentirão que seja na igreja…são so para o culto

via uma média de assistência de um moço noviço

e veneração de Deos…»4

ou donato para 4 ou 5 religiosos doentes (A.D.B. CI

• Proibição, pelo direito canónico, dos religiosos ca-

-188 – Leis da Junta Geral de 26/1/1732, fl. 54 vs). Os

çarem com armas de caça, cães e aves de rapina

moços assistentes varriam as celas, faziam as camas,

por ser impróprio do seu estatuto, somente usar os

lavavam as roupas e iam buscar água e azeite para

cajados contra os coelhos e andar atrás das lebres.

alumiarem as candeias. Transportavam os doen-

Era aceitável usar armas e cães para guarda e vi-

tes para onde fosse necessário incluindo o refeitório

gilância das quintas e gados da ordem (A.D.B. - CI

onde tinham direito a refeições (comida separada)

149


150

diferentes e de melhor qualidade (A.D.B. CI -188 – Leis

procurando sempre estar a botica mui provida dos

do Capítulo Geral de 4/5/1744, fl.111). Ao Padre En-

simples e mais mezinhas necessarias as necessidades

fermeiro estavam-lhe atribuídas tarefas de chefia e

e enfermidades que sobrevierem aos religiosos fazen-

organização do serviço. Recebia e acompanhava

do e mandando fazer as agoas estilladas, emxaropes,

o abade, o médico, o cirurgião, o sangrador, o bo-

perolas, receituários e mais compostos de que se usa

ticário, o barbeiro nas suas visitas aos doentes, que

pedindo pera isso ao prelado que bem o saiba fazer

se pretendiam diárias. Tomava bem nota das mezi-

quando a casa o não houver…7. Como os remédios

nhas e xaropes a dar aos doentes, suas quantidades,

se estragavam facilmente, e era necessário repor sto-

sem qualquer engano e verificaria se os mesmos as

cks, fazendo-os de novo, muitas vezes distribuíam-se

tomavam. Entrava na cozinha para assegurar a boa

os excedentes pelos pobres que deles necessitassem

qualidade dos alimentos e temperos tanto ao jantar

ou então como acontecia em Alcobaça uma parte

como à ceia. Asseguraria que os moribundos rece-

eram vendidos, sendo as receitas utilizadas depois de

bessem a tempo os sacramentos, avisando os religio-

pagar as despesas para o ornato das capelas-mores

sos da ocorrência (A.D.B. CI -188- Leis da Junta Geral

e para a livraria (A.D.B.- CI -191…Leis da Junta Geral

de 26/10/1746, fl.125).

de 3/10/1758, fl.177). Tinha livro próprio de receita e

Ligada à enfermaria estava a botica estando à frente o Padre Boticário. Tinha a responsabilidade de

despesa, sinal evidente de autonomia em relação ao serviço anterior.

dar resposta ao receituário prescrito pelos médicos.

Relacionado ainda, com questões de saúde e de-

Os mosteiros de Alcobaça e Bouro tiveram botica

pendendo do parecer do médico e do abade ou

desde muito cedo, sendo famosa a da casa mãe

abadessa os religiosos podiam ir a banhos de mar ou

dos cistercienses que de resto, tinha contabilidade

às caldas ou ainda a outras quaisquer termas (A.D.B.

separada da enfermaria (NATIVIDADE, 1885:135-139).

- CI -192…Leis da Junta Geral de 19/6/1781, fl. 3 vs).

Salzedas e Tarouca, ao que parece, só alcançariam

Alcobaça por uma questão de poupança preferia

esse desiderato a partir da segunda metade do sé-

que os religiosos necessitados de banhos de mar fos-

culo XVIII, dado que ainda em 1758 se pedia um

sem para S. Martinho ou para a Pederneira, os outros

boticário a Alcobaça que tinha três, podendo dispo-

doentes fossem para as Caldas da Rainha e em últi-

nibilizar um (A.D.B.- CI -191… Leis da Junta Geral de

mo caso para outras estâncias termais. Aos primeiros,

3/10/1758, fl.177). O boticário deveria ser uma pessoa

atribuíam-se apenas rações e pitanças por a congre-

caridosa para lidar com os doentes, fosse bom de ci-

gação dispor de quintas na região para receber os

ência ou tivesse experiência de botica e teria …uma

monges, aos segundos pagava o arrendamento das

taboa com as receitas que devem dar a cada do-

casas até 9 600 reis e uma diária a cada monge de

ente nam se fiando nunca de sua memoria pois he

240 reis até ao máximo de um mês, os últimos resol-

cousa de tanta importancia a saude dos religiosos…

ver-se-ia caso a caso (A.D.B. - CI -192, Leis da Junta


Geral de 22/11/1790, fl. 2). Como as despesas eram

religioso, doutrinal e espiritual. Com o passar dos anos

muitas os religiosos que tivessem um pecúlio superior

a preocupação maior e que ocupava mais tempo

36 mil euros, o mosteiro só pagaria parte das despe-

aos religiosos era o estudo. Com o tempo esboça-se

sas, os outros com menos capacidade económica

uma hierarquia nos mosteiros, baseada no grau de

teria de ser financiado pelo comum do convento da

instrução que cada religioso conseguisse alcançar,

sua proveniência (A.D.B.- CI -189…Leis da Junta Geral

cumprindo uma das determinações do Concilio de

de 6/5/1785, fl. 80). Bouro utilizava as quintas e gran-

Trento, que era tudo fazer para alcançar uma melhor

jas que tinha em Terras de Bouro como suporte aos

preparação doutrinária e teológica do clero secu-

religiosos que iam a termas às Caldas do Gerês. Para

lar e regular. Não era o critério único de ascensão,

evitar estadias demasiado prolongadas, convívio

mas sem dúvida, um dos mais seguros e o que abria

com seculares e para evitar escândalos e divertimen-

a porta a cargos mais importantes da Congregação

tos, os religiosos deviam ir em grupo acompanhados

como; Abade e Prior, Geral e Conventual, Procura-

de um religioso responsável nomeado pelo abade

dor, Visitador, Definidor ou, mesmo fora da Ordem,

(A.D.B.- CI -189…Leis da Junta Geral de 6/5/1785, fl.

como; Professor, Cronista, Bispo, Juiz do Santo Ofício

80 vs.).

etc…Pelo desempenho destes cargos, havia uma remuneração, que era proporcional à função ocupa-

CONCLUSÃO. Os monges tinham na época mo-

da e que se encontrava regulamentada. Procurava-

derna uma jornada diária muito preenchida com

se desta forma pragmática, tornar mais atractiva a

orações, rezas e missas às quais se procurava a mo-

função de religioso conventual. A somar a estes emo-

bilização da comunidade. Os mais consagrados e

lumentos, temos um conjunto de práticas, regalias,

preparados ajudavam ainda o D. Abade no exer-

«direitos» sociais não negligenciáveis e em certa me-

cício de determinadas tarefas de natureza adminis-

dida, verdadeiramente, antecipadores como; assis-

trativa e espiritual. Durante o dia havia tempo para

tência gratuita na doença, medicamentos, licenças,

três refeições e um passeio a meio da tarde ou em

ida a banhos, estância em quintas da ordem etc...

alternativa a leitura de um determinado livro de cariz

1. Por exemplo, a Sexta e a Noa poderiam seguir-se à missa principal. As Completas poderiam ser rezadas ao fim da tarde antes do início da ceia. Os testemunhos falam ainda de Canonicas, Matinas e Laudes que seriam rezadas antes das Completas e ainda Graças e Meridianas (antes da Noa). Sobre o assunto consulte ainda: A.D.B. - CI - 188 – Leis que se fizeram em Capítulos e Juntas Gerais, (1708- 1749). In Leis da Junta Geral de 5/4/1728, fl.43. 2. A  .D.B. - CI -192 - Capítulos Gerais. Docs. 10 a 23. Século XVII - 1828. In Doc. 21 5 - Leis da Junta Geral de 2/5/1778, fl. 1. 3. A  .D.B. - CI -188 – Leis que se fizeram em Capítulos e Juntas Gerais, (1708- 1749).In Leis da Junta Geral de 4/3/1748, fl. 134vs. 4. A.D.B.- CI - 187 – Leis que se fizeram no Capítulo Geral 1663- (1705). In Leis da Junta Geral de 2/5/ 1688, fl. 27vs. 5. A.D.B. - CI -192 - Capítulos Gerais. Docs. 10 a 23. Século XVII - 1828. In Doc. 14 1 - Leis da Junta Geral de 8/11/1760, fl. 8. 6. B.N. R. – COD. 1482 – Regulamento da Pitanças, fl.138-156. In FIGUEIREDO, Fr. Manoel de - Memórias para formar a Historia de Comarca de Alcobaça,«…o que catholicamente desempenhar esta obrigação tem muito merecimento porque não há objectos de que mais fujamos naturalmente que dos indivíduos da mesma espécie a que a doença aflige, e a molestia atormenta; athe Deus os separa do mundo dos vivos. Este official atura, sofre impertinentes, só ajuda a bem morrer os criados e moribundos…costumam darlhe 4000 a 4800 reis pelo que em futuro regulamento deve ser o mais attendido….». 7. T.T. - ALC. – B – 50 – 198 – Livro dos usos antigos das cerimónias e louvaveis costumes da Ordem Cisterciense ainda que já alteradas no anno de 1630, escrito por Fr. António de Lisboa, fl. 74.

151


018

SÉCULO XIX

MOSTEIROS DE S. JOÃO DE TAROUCA, SANTA MARIA DE SALZEDAS, S. PEDRO DAS ÁGUIAS, SANTA MARIA DE AGUIAR, SANTA MARIA DE AROUCA E NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO DE TABOSA.

O DECRETO DE EXTINÇÃO DAS ORDENS RELIGIOSAS: IMPACTO NOS MOSTEIROS CISTERCIENSES DO DOURO

CÉLIA TABORDA


A vitória liberal, em 1834, abriu caminho para a

ordens religiosas. Pelo decreto de 28 de Maio de 1834,

grande transformação política, económica, social e

publicado a 30 de Maio, foram extintos todos os con-

religiosa que ocorreu no período de instauração do

ventos, mosteiros, hospícios e todas as casas religiosas

liberalismo e que impulsionou a modernização de

masculinas, sendo nacionalizados todos os seus bens.

Portugal.

As casas femininas mantiveram-se até morrer a últi-

Nesse processo, várias medidas legislativas foram

ma freira, altura em que os seus bens foram integra-

promulgadas, entre elas, o decreto de extinção das

dos no erário público. Só os objetos sagrados ficaram

F igura 1 | Dormitório do mosteiro de São João de Tarouca (2010). Foto Pedro Martins © DRCN

153


154

de fora. Estes foram entregues aos bispos para os dis-

justificação incluía causas que iam da ideologia à

tribuírem pelas igrejas mais pobres (Decreto de 30 de

política, passando pela economia, moral e pela pró-

maio de 1834 apud REBELLO, 1896:54-55).

pria religião. Os argumentos baseavam-se em certos

Joaquim António de Aguiar, ministro e secretário de

factos, como: pregarem contra a liberdade, utilizan-

Estado dos Negócios Eclesiásticos e da Justiça de D.

do os púlpitos para caluniar e o confessionário para

Pedro, foi o mentor da referida lei. Este decreto veio

trair; substituírem os bispos e párocos junto das po-

responder ao racionalismo liberal, profundamente

pulações, levando-as a afastarem-se do verdadeiro

anticlerical, sobretudo em relação ao clero regular,

evangelho e a enveredar pela superstição; impedi-

pela sua existência ser considerada incompatível

rem, enquanto celibatários e corpos de mão-morta,

com o avanço civilizacional.

o desenvolvimento das atividades económicas e

Este diploma foi precedido de um relatório onde se explicavam as razões de tão drástica medida. A

consequentemente o aumento das finanças do Estado (SILVA, 1989: 12, 13).

Figura 2 | Claustro de Salzedas (2010). Foto Pedro Martins © DRCN



Figura 3 | Sala do capítulo do mosteiro de Santa Maria de Aguiar. Foto Pedro Martins © DRCN 


A única solução possível para o ministro foi extinguir

Maria de Aguiar (figura 3). Os femininos, S. Pedro e S

«esses enormes corpos que Jesus Cristo não criou» e

.Paulo de Arouca e Nossa Senhora da Assunção de

que eram perniciosos à sociedade. Na verdade,

Tabosa (figura 4) foram extintos com a morte da últi-

o decreto tinha objetivos terrenos mais prementes.

ma freira. O primeiro em 1886 e o segundo em 1850.

Com esta lei, os liberais tentavam salvaguardar o re-

Após a publicação do decreto, os monges durien-

gime e a estabilidade das novas instituições expur-

ses tiveram que abandonar os respetivos mosteiros

gando um inimigo político. Em simultâneo, pensavam

(cat. 19). Despojados das suas casas, estes regulares

evitar o descalabro financeiro com as vendas dos

ficaram à mercê da sorte, da caridade alheia ou

bens expropriados.

do subsídio estatal. Com efeito, pelo mesmo docu-

No Douro, este diploma extinguiu os mosteiros mas-

mento, o Governo comprometia-se a pagar pensões

culinos de S. João de Tarouca (figura 1), Santa Maria

anuais para a sustentação dos frades e monges, mas

de Salzedas (figura 2), S. Pedro das Águias e Santa

apenas para os que não tivessem servido no cam-

F igura 4 |Mosteiro de Nossa Senhora da Assunção de Tabosa. Foto Pedro Martins © DRCN

155


156

po miguelista (SILVA, 1989: 12, 13). Por conseguinte,

Ao redistribuir a terra, surgiria uma nova classe de

ficaram excluídos do benefício: 1º- os religiosos que

proprietários que iria defender o sistema que lhes pro-

tomaram armas contra o trono legítimo, ou contra

porcionou o acesso à propriedade, alargando, desta

a liberdade nacional. 2º - Os que em favor da usur-

forma, os liberais, a sua base de apoio. Além disso,

pação abusaram do seu ministério no confessioná-

com a desamortização tentavam resolver, ou pelo

rio ou no púlpito. 3º - Os que aceitaram benefício ou

menos atenuar, o problema da dívida pública (SILVA,

emprego do governo do usurpador. 4º - Os que de-

1989: 11-14). As consequências que daqui advieram

nunciaram ou perseguiram duramente os seus conci-

foram polémicas, por se ter considerado que não se

dadãos por seus sentimentos de fidelidade ao trono

preveniram devidamente os efeitos daí decorrentes,

legítimo e adesão à carta constitucional. 5º - Os que

o destino das pessoas e dos bens.

acompanharam as tropas do usurpador. 6º - Os que

Em todos os mosteiros da região duriense o proces-

no ato do restabelecimento da autoridade da rainha

so de expropriação foi semelhante e célere. Entre os

ou depois dele nas terras onde residiam abandona-

meses de Julho e Agosto, deslocou-se a cada um dos

ram os seus conventos, mosteiros, hospícios ou casas

mosteiros um representante do Estado, geralmente

respetivas (A.N/T.T, A.H.M.F, mosteiro de Santa Maria

um juiz de fora e um escrivão, e coadjuvado por um

de Aguiar, nº3, cx.2191).

abade ou algum monge residente procederam ao

De qualquer forma, mesmo os que foram contem-

inventário dos bens de cada casa. É de referir que

plados com o benefício ficaram igualmente reduzi-

só em Santa Maria de Aguiar é que foi o abade a

dos à miséria. A pensão raramente era paga no de-

auxiliar as autoridades liberais.

vido tempo e na quantia estipulada, sendo o valor

Depois de avaliado, o vasto património monástico

tão irrisório que mal dava para os ex-monges sobre-

foi arrendado ou vendido de imediato. No caso de

viverem.

Salzedas, a Cerca foi arrendada a um ex-monge do

É a fase mais radical do constitucionalismo para a

mosteiro, Fr. Pedro de Santa Ana, pela quantia de

integração do aparelho religioso no sistema político.

24.000 réis por ano. Outro ex-monge da mesma co-

Sob o pretexto do envolvimento dos monges na luta

munidade também aparece nos documentos como

antiliberal1, evocando a legitimidade do cristianismo

arrendatário de umas casas e hortas, pelas quais pa-

primitivo (onde não existiam estes corpos) e as «lu-

gava 9.600 réis por ano (A.N/T.T., A.H.M.F. Mosteiro de

zes do século», foram suprimidos, de uma só vez, 356

Santa Maria de Salzedas, cx.2249.).

conventos masculinos e 12 femininos e integrados no

Os edifícios foram colocados à venda. Tarouca

erário público cerca de 15.000 contos de réis (SILVA,

rendeu 72 contos (figura 5) e oitenta mil réis (A.N/T.T.,

1993: 341).

A.H.M.F. Mosteiro de S.João de Tarouca, cx.2255.);

Esta legislação, para além das razões aduzidas,

Salzedas, devido ao fogo que quase o consumiu (SIL-

inseria-se numa estratégia estrutural de mudança.

VA, 2007: 225-229), foi vendido às parcelas; Santa Ma-


ria de Aguiar, como não foi logo vendido (apenas em

entanto, muita informação ardeu juntamente com a

1844), deteriorou-se e desvalorizou-se, arrecadando

documentação destas Casas. Em 1841, os arquivos

o Estado apenas 6 contos e seiscentos mil réis por este

dos cistercienses do Douro, que estavam depositados

imóvel (BORGES, 1997:307).

em Viseu, foram consumidos pelo fogo, dificultando,

Pelos documentos e vestígios que chegaram até nós só se observam efeitos nefastos do decreto de

assim, a reconstituição da história destes mosteiros durienses e da própria ordem de Cister.

28 de Maio para os mosteiros do Douro (cat. 20). No

157

1. Os liberais consideravam que os mosteiros tinham sido convertidos «em assembleias revolucionárias; os púlpitos em tribunais de calúnias facciosas sanguinolentas; e o confessionário em oráculos de fanatismo e de traição» (REBELLO, 1896:51).


019

SÉCULO XIX (1879)

MOSTEIROS DE SÃO JOÃO DE TAROUCA E NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO DE TABOSA

O ROMANTISMO LITERÁRIO E OS MOSTEIROS CISTERCIENSES DO DOURO: UMA VOZ FEMININA ENTRE RUÍNAS. NUNO RESENDE


Faz horror contemplar estes edifícios tão magestosos, tão vastos e tão sólidos assim mutilados, esboroados e destruídos! Maria do Pilar Bandeira M. Osório, 1879

159 A figura de D. Maria do Pilar Bandeira Monteiro

Embora o catálogo da Biblioteca Nacional de Por-

Osório é praticamente desconhecida no panorama

tugal apenas indique um único título assinado por

das letras portuguesas. No entanto o conjunto da sua

D. Maria do Pilar – A secular do Convento de Barrô,

obra identificada concede-lhe algum relevo no con-

editado em 1882 – a sua obra compõe-se de, pelo

texto de produção literária fora dos grandes meios

menos, mais quatro romances publicados: Lágrimas

intelectuais do Portugal de oitocentos.

e Saudades (1872)1, Uma família que viveu no seculo

Nascida em Cárquere (c. Resende), em 1844, filha

passado (1879), A filha do Povo (1892)2 e As duas mu-

do juiz António Bandeira Monteiro Subágua e Vas-

lheres (data de publicação desconhecida)3. Disper-

concelos, fidalgo miguelista, literato, e de D. Joaqui-

sos pelo periodismo da época encontram-se, ainda,

na Emília, ambos de famílias beirãs, a autora cresceu

vários artigos e crónicas que manifestam os principais

e viveu entre Cinfães, de onde provinha a sua ascen-

interesses da escritora: a história, o património, a pai-

dência materna e Britiande (c. Lamego), onde casou

sagem e a natureza na geografia do Douro seten-

(MELO, 1992: 73-74 e PINTO, 1985: 102-103). Conhece-

trional. Em 1872 escreveu para o Novo Almanach de

dora da geografia física e social da região, por via

Lembranças Luso-Brazileiro dois artigos, um intitulado

dos vínculos consanguíneos e afinitivos que a posi-

O crepúsculo da manhã (OSÓRIO, 1872b), e outro

cionavam no centro das relações linhagísticas de um

versando a história do Convento de Santo António

vasto conjunto de casas senhoriais locais, D. Maria do

de Ferreirim (OSÓRIO, 1872a), onde explora a curiosi-

Pilar produziu uma obra considerável dentro do gé-

dade arqueológica sobre as ruínas à sua vista (a au-

nero do romance. Ainda que com certeza destinada

tora estanciava em Britiande, na casa de São Bento).

a um casamento de conveniência e circunscrita aos

Efectivamente embora a sua escrita seja, do ponto

limites domésticos da sua família, D. Maria Pilar trilhou

de vista narrativo, de consistência romântica – quer

um percurso ao seu tempo mais frequentemente des-

nos tópicos, quer na construção psicológica e física

tinado aos homens.

das personagens – a sua busca pela objectividade


descritiva dos edifícios e dos lugares (frequentemen-

Na primeira história que ocupa a primeira parte do

te colhida em fontes históricas) revela a uma sensibi-

romance, a escritora descreve o amor impossível de

lidade naturalista4.

D. Leonor de Menezes e de Francisco Amaral, noviço

Essa característica sobressai no romance Uma fa-

de São João de Tarouca, cuja acção se desenrola

mília que viveu no seculo passado (OSÓRIO, 1879) .

pelos ainda vivos e poderosos edifícios monásticos

Editado no Porto em 1879, narra a vivência de uma

cistercienses a sul do Douro – instituto masculino onde

família nobre de Tarouca, centrando-se na infortu-

acontece o amor entre as referidas personagens e

nada vida amorosa das filhas de Álvaro de Menezes

uma casa feminina, para onde segue a malograda

e de Filipa Osório. A acção desenrola-se a partir da

Leonor, vergada à autoridade paterna.

5

160

vila de Tarouca, mas estende-se ao mosteiro de São

Para além da descrição dos espaços (mosteiro de

João, ao convento de Tabosa e à vila de Linhares

São João, cap. IV; Tabosa, cap. XXII), das práticas

(junto à da serra da Estrela), percorrendo as vicissitu-

nele desenroladas (como os ofícios da Semana San-

des de um conjunto de relações sentimentais, sujeitas

ta na igreja de São João, capítulo V) e dos indivíduos

à luz do direito e da moralidade vigente.

e funções a eles afectos (a cultura dos frades bernar-

F igura 1 | Frontispício da obra Uma familia que viveu no seculo passado, de D. Maria do Pilar (1879). Colecção Nuno Resende

dos, p. 21, a origem nobre dos monges, p. 23, etc.ª) D. Maria do Pilar discorre na descrição histórica e visual do local à data da redacção propondo comparações entre o Passado e um Presente que a autora


bem conheceu. Embora não siga uma linha apolo-

informes, que estão ahi como que para darem tes-

gética da cultura fradesca, D. Maria do Pilar (de que

temunho ás gerações vindouras, de que o anjo da

a autora claramente se demarca ao longo da nar-

destruição passou sobre aquella casa, porque ás vir-

rativa) não deixa de acentuar, em tom melancólico

tudes primitivas succederam ahi os abusos e as ini-

e de queixume, o estado dos edifícios religiosos no

quidades!

rescaldo dos decretos liberais (cat. 18):

profanadas, aonde se divisam alguns farrapos e algu-

religiosas; á voz da autoridade os monges sahiram

mas cabeças, nas quaes havia apenas um circulo de

para a rua, grutescamente vestidos, porque foram in-

cabelo, mas em cujos craneos haveriam talvez bem

timados para trajarem prontamente vestidos secula-

nobres pensamentos (OSÓRIO, 1879: 28).

res e eles não os tinham; embrulharam-se pois como

Oscilando entre a ideia da decadência que na opi-

poderam e vieram vaguear no mundo como uma

nião pública liberal justificara a extinção das ordens e

horda de saltimbancos, cuja pátria é desconhecida.

o esvaziamento das suas casas monásticas, e a glória

O mosteiro foi entregue á acção selvagem, que

e poder das mesmas, a autora disserta sobre a força

n’esses tempos tudo empolgou e destruiu. O que ha-

visual das ruínas como exemplo moral social. Este dis-

via no convento de rico e de bom, e que mãos de

curso sobre o ruínismo é, de resto, compartilhado por

homem podessem mover, foi arrombado, quebrado,

vários autores contemporâneos, entre os quais se des-

arrancado e detsruido. Os moveis, as madeiras, as te-

taca Alexandre Herculano, que encontrou nas ruínas

lhas, o ferro, tudo, tudo! Que cousa feroz é a ignorân-

de becos tortuosos de Lisboa a justificação para a

cia, que cousa medonha é a cubiça!

redacção de O Monasticon publicado em fascículos

Faz horror contemplar estes edifícios tão magestosos, tão vastos e tão sólidos assim mutilados, esboro-

na revista Panorama a partir de 1841 (HERCULANO, 1977).

ados e destruídos! Ah! A mão do homem não é assás

O elogio do monaquismo e da ruína – sendo esta

forte, e o sopro da tempestade assás violento para

arquitectónica ou palimpséstica – é recorrente na

obrarem taes prodígios de devastação; o anathema

obra de Alexandre. Não obstante o seu pensamento

que cahiu sobre a cidade peccadora e a condem-

anticlerical, Herculano deixou-se enlevar pelo signifi-

nou a não lhe ficar pedra sobre pedra, parece que

cado histórico e social do monge e pelos testemunhos

se estendeu a estas casas, cujas iniquidades infiorngi-

da sua presença no território, nomeadamente contra

ram as leis da eterna justiça! (OSÓRIO, 1879: 19).

uma estética do vazio que o liberalismo logrou plan-

No capítulo VIII a autora regressa às ruínas, pergun-

tar na paisagem oitocentista. Dividido entre o sentido

tando: O que foi feito de tantas grandezas e de tan-

de dever no cumprimento do avanço ideológico li-

tas magificencias? E responde:

beral e a incapacidade de obstar à campanha ico-

Umas poucas de ruínas, umas poucas de pedras

Resta também o claustro com as suas sepulturas

Em 1834 esta casa soffreu a sorte das outras casas

noclasta do movimento a que pertencia, Herculano

F igura 2 | Ruínas do mosteiro de S. João de Tarouca: Reprodução de Bilhete postal ilustrado (não datado). Colecção Nuno Resende

161


procurou na história do monaquismo português ele-

através escrita o que mais tarde virá a ser feito pela

mentos para a reabilitação cultural (e até espiritual)

fotografia: a inevitabilidade estética da ruína (figura

do país, numa época que procurava num tempo dis-

2). A questão não era, porém, meramente da ordem

tante o que a contemporaneidade, ainda lembrada

da arquitectura. A ruína ideológica assume frequen-

do Barroco, não podia fixar como modelo.

temente como tópico na escrita da época. Leite de

Esta exaltação da ruína e a busca pela vivificação

162

Vasconcelos chega a desculpar-se:

da mesma é transversal ao pensamento do século

[…] não quero parecer louvaminheiro ou pane-

XIX e constitui um dos tópicos mais expressivos da

gerista dos frades, quero unicamente prestar culto à

obra de D. Maria Pilar. É-lhe próxima, aliás, através

verdade […] se por um lado S. João de Tarouca mui-

das obras monográficas de J. Leite de Vasconcelos

to perdeu com a retirada dos seus religiosos, adquiriu

e do Abade Vasco Moreira (cat. 19) que enfatizam

por outro lado um bem […] assim que as portas do

F igura 3 | Fachada do mosteiro de Nossa Senhora da Assunção de Tabosa. Foto Pedro Martins © DRCN


mosteiro se cerraram, e para sempre, os mandriões

para onde seguiam mulheres cujo destino estava tra-

que em S. João viviam da sôpa conventual, ou d’ela

çado pela legislação e pelo costume. Ali viviam as

muito se aproveitavam, começaram com a enxada

senhoras Rebellos que a condição de filhas últimas

e com o picaveque, a arrotear as moitas […] (VAS-

de uma casa de Britiande sequestrara do mundo em

CONCELOS, 1933: 434).

Tabosa. E é sobretudo nestes quadros, os da descri-

A sensibilidade de D. Maria do Pilar em relação às

ção da vida social, das práticas e dos estigmas que

solitárias e arruinadas casas monásticas da região de

D. Maria do Pilar acrescenta mais expressividade aos

Lamego (veja-se o convento de Barrô, tratado pela

locais que com rigor descreve. A profissão da angus-

autora em obra de 1882) revela menos a aceitação

tiada noviça Helena em Tabosa (cap. XXIX) ou, já na

pelo modelo de viva eclesiástica (de que as suas per-

segunda parte do romance, a história do enjeitado

sonagens são prisioneiras) e mais o elogio pela força

e pobre Jacinto (afinal filho de um nobre da vila de

imagética dos edifícios, descritos como elementos

Linhares) ou ainda a notável dissertação sobre os

basilares de uma certa paisagem civilizacional e até

malefícios dos morgadios (cap. XXII) constituem va-

moralizadora..

liosos elementos que constituem parte da gramática

Em Tabosa, destino de D. Leonor, a escritora descreve a solidão do lugar em terreno montanhoso e frio […] sitio ermo para que as orações das monjas não fossem perturbadas pelas vozes do mundo (OSÓ-

realista que marcam a literatura portuguesa de final de oitocentos. D. Maria do Pilar Bandeira Monteiro Osório faleceu em Britiande, a 15 de Outubro de 1887.

RIO, 1879: 19), assinalando assim a qualidade do sítio,

1. Não localizámos em qualquer acervo bibliográfico esta obra. Pinho Leal cita-a no oitavo volume do seu Portugal Antigo e Moderno, a propósito de Quarquere (LEAL, 1878: 7) e Joaquim Caetano Pinto resume a sua acção, indicando 1872 como ano da sua publicação (PINTO, 1985: 102-103).Este autor possuía um exemplar que indica no catálogo bibliográfico de Resende nas Letras: Lagrimas e saudades, 166x118 mm e 160 pp., Tipografia do «Jornal do Porto», Rua Ferreira Borges, 31, Porto, 1872 (PINTO, 1985: 35). 2. Foi, segundo Joaquim Caetano PINTO (1985: 103) publicação póstuma a cargo do filho adoptivo de D. Maria do Pilar (Vasco Maria Osório, a quem a autora dedicou o romance Uma família que viveu no seculo passado). Foi editada em Lamego: A Filha do Povo, 195x124 mm e 164 pp., edição póstuma, Minerva da Loja Vermelha, Rua de Almacave 103/105, Lamego, 1892 (PINTO, 1985: 35, 103). 3. Não conhecemos qualquer referência editorial sobre esta obra. 4. A única análise à sua obra é a que faz Joaquim Caetano Pinto. Este, que foi seu biógrafo em Resende nas Letras, assinala que Maria do Pilar floresceu em plena escola romântica e faz lembrar Júlio Dinis pelos seus romances passados na aldeia, descrevendo cenários, costumes, antiguidades e lendas do povo. São dispersivos, entretecidos de várias paixões amorosas, mas a sua prosa, atraente e correcta, tem estilo e carácter. (PINTO, 1985: 102). Nesta publicação o autor transcreve excertos de A filha do povo e Lagrimas e Saudades (apud PINTO, 1985: 169-177). 5. Utilizámos uma edição encadernada em Miscelânea com A Secular do Convento de Barrô, da mesma autora, e Os Frades, de João de Lemos, cujo volume, hoje na nossa propriedade, integrou a biblioteca Pedro A. Ferreira, abade de Miragaia.

163


020

SÉCULO XX

MOSTEIRO DE SÃO JOÃO DE TAROUCA

S. JOÃO DE TAROUCA: AS RUÍNAS DO MOSTEIRO (CLICHÉ E SIMILIGRAVURA DE MARQUES ABREU) MARIA LEONOR BOTELHO


S. João de Tarouca, 1910. Assim se data um curioso

e dos grandes fotógrafos de arte como Carlos Relvas

artigo que o Abade Vasco Moreira assinou na rúbrica

(1838-1894), Emílio Bïel (1838-1915), José Antunes Mar-

«Portugal Pittoresco» da revista Arte: Archivo de Obras

ques Abreu (1879-1958), Domingos Alvão (1872-1946)

de Arte (MOREIRA: 1910, 8). Redigido e assinado no

ou Guilherme Bonfim Barreiros (1894-1973). Entre nós,

ano em que se implantou a República, este texto tão

foi na transição do século XIX para o século XX que se

peculiar apenas conheceu o prelo em Janeiro do ano

sentiram os mais significativos progressos ao nível da

seguinte e recebeu o título de «Ruínas (S. João de Ta-

arte da fotografia que, pela ação da luz, fixa a ima-

rouca)».

gem de pessoas ou cousas sobre placa metallica, pa-

Consagrada nos dias de hoje, a ilustração assume-

pel, vidro (ABREU: 1904, 4). Impera então uma fotogra-

se como uma ferramenta fundamental para o estudo

fia de tendência artística - ela própria uma forma de

e para a divulgação dos objetos artísticos e do patri-

arte -, onde o objeto artístico, ou seja, o monumento

mónio edificado. Nas publicações atentas aos monu-

é tratado com contornos algo subjetivos, ao modo de

mentos (figura 1), identifica-se um momento inicial no

personagem retratada.

qual a ilustração surge sob a forma de gravuras isola-

A revista Arte, publicada entre 1905-1912, veio pre-

das, entre páginas de texto, a que se segue um outro,

encher uma lacuna até então existente no jornalismo

já a partir dos finais dos anos sessenta do século XIX e

portuense (e talvez nacional), sendo considerada dig-

onde se manifesta um novo alento dado pela foto-

na de figurar nas melhores bibliotecas, porque as en-

grafia (ROSAS: 1996, I). Depois, temos a era dos clichés

riquece ([S.a].: 1906). Publicação mensal, a Arte teve

F igura 1 | Mosteiro de São João de Tarouca (2014). Foto Pedro Martins © DRCN

165


166



por fim a promoção, defesa, divulgação e sensibiliza-

através da qual se procura motivar o respeito ou de-

ção para um património arquitetónico específico (o

nunciar o vandalismo (BORGES: 2013, 21). Apesar da

românico) que, com fins pedagógicos (figura 2), é arti-

beleza e da crítica tão favorável que acolheu à épo-

culado com a forte carga fotográfica nelas presentes

ca (BORGES: 2013 e BOTELHO: 2013), a fotografia de

(BORGES: 2013, 20). Foi cada vez maior o papel assu-

Marques Abreu procuraria representar o real, credível,

mido pelos estudos de Património monumental, pre-

do registo, relacionando diretamente as imagens e as

texto para que Marques Abreu iniciasse um percurso

coisas (BORGES: 2013, 22).

de defesa e divulgação do património e que fizesse

Ora, no número da revista Arte que foi publicado

da Arte um palco de experiências e procedimentos

em Janeiro de 1911, ao texto que o Abade Vasco Mo-

que lhe seriam muito úteis posteriormente (BORGES:

reira intitula de «Ruínas (S. João de Tarouca)», associa-

2013, 262), em publicações como a Ilustração Moder-

se um cliché e simili-gravura de Marques de Abreu, o

na (1926-1932).

documentador (BORGES: 2013, 23), intitulada de «S.

Já nesta época identifica-se em Marques de Abreu

João de Tarouca – Ruínas do Mosteiro» (figura 1). Nela,

aquilo a que Pedro Aboim chamou de fotografia «en-

um conjunto de silhares amontoam-se diante das ru-

gagé», empenhada, ou seja, a fotografia documento

ínas daquilo que seria a sala do capítulo e, d’um e

 Figura 2 | Ruínas do mosteiro de São João de Tarouca. Sala do Capítulo (cliché de Marques Abreu, 1911)

Figura 3 | Ruínas do mosteiro de São João de Tarouca. Claustro de século XVII (cliché de Marques de Abreu, 1911) 


outro lado lado, vêm-se as parêdes meio caídas, co-

entre a nossa realidade e a francesa pós-revolucio-

roádas de ervas e musgo, enquanto que num primeiro

nária. Chateaubriand procurara justificar a importân-

plano, à esquerda, levanta-se melancólica, uma das

cia da arquitetura medieval enquanto sinónimo de

quatro colunas que ladeavam o nóbre claustro (MO-

Catolicismo, numa evidente tentativa de defesa do

REIRA: 1911, 8).

património religioso perante as destruições e vandalis-

Logo de início, é feita uma alusão às espécies que

mos de que foi alvo durante os tempos da Revolução

François-René de Chateaubriand (1768-1848) identifi-

(BOTELHO: 2013, 56). Num outro contexto, e num outro

cou nas ruínas, uma, obra do tempo; e por isso menos

tempo, o Abade Moreira alude à destruição ocorrida

desagradável (…) outra, obra do homem, sempre ra-

aqui em 1908 e cujas solitárias ruínas lembram enterne-

dical e abruta; e por isso, mais melancólica e sombria

cidamente os tempos idos, em que «virtude eroica os

na sua perspetiva (MOREIRA: 1911, 4). É nesta última

ermos abitava» (MOREIRA: 1911, 6 e 9).

categoria que o Abade Moreira enquadra as ruínas

Mais, o Abade Moreira descreve aquilo que terá sido

monásticas de São João de Tarouca: o braço umano

a Sala do Capítulo, com as suas grandes janelas, dos

desfez, em mezes, o que gerações ergueram em se-

seus colunélos, rendilhados, dos seus lindos frisos, bor-

culos (MOREIRA: 1911, 4). Note-se aqui um paralelismo

dados de era, e do espaldar da cadeira do D. Abade, desenhado, na parêde, a tinta vermelha como sangue (MOREIRA: 1911: 6). E continua explicando que ao lado do refeitório era o açougue, com janelas estreitas, voltadas para o rio, de elegante abóbada artesoada, e suspensa em arcos abatidos, apoiados em enormes colunas, cujos capiteis e fustes eram de estilo romanico (MOREIRA: 1911: 6). Apesar do tom do discurso, tão romântico e apologético da ruína, como pedagógico e criador de sensibilidades em prol da salvaguarda de um património perdido, é muito importante este testemunho de quem era (ainda) Abade do Mosteiro de São João de Tarouca, num momento imediatamente anterior à sua destruição. Compreende-se, também, a publicação deste artigo, peculiar, numa revista como a Arte, utilizada por Marques Abreu, seu proprietário e gerente, como plataforma divulgadora, «gratuita», do património medieval português (BORGES: 2013: 262).

 Figura 4 | Ruínas do mosteiro de São João de Tarouca, torre sineira de século XVIII (2010). Foto Pedro Martins © DRCN

167


021

(1921-23)

MOSTEIRO DE SANTA MARIA DE AROUCA

UM «CONVENTO» DE CELULOIDE – SANTA MARIA DE AROUCA NO FILME MULHERES DA BEIRA DE RINO LUPO

HUGO BARREIRA


Pensar um filme enquanto objeto passível de inte-

esta deve ser encarada como exploratória, necessa-

grar uma mostra diversificada obriga, naturalmente,

riamente parcelar, e propedêutica para um estudo

a um exercício de seleção criterioso da informação

de maior profundidade a realizar futuramente. Assim,

a colocar na sua entrada de catálogo. Esta pode-

focar-nos-emos na presença do mosteiro no filme de

ria seguir uma abordagem mais tradicional, conten-

Rino Lupo, referindo outros aspetos na medida em

do uma sinopse, uma contextualização dos aspetos

que se revelem necessários para a compreensão da-

de produção e receção do filme e as menções de

quela ou que constituam novos dados sobre a obra.

responsabilidade e de interpretações principais. Não

Para o estudo de Mulheres da Beira como fonte,

será, porém, a abordagem seguida neste texto. A

procurámos compreender como foi criado este «con-

decisão de encarar o objeto fílmico de uma perspe-

vento de celuloide», começando por esclarecer que

tiva particular assentou em dois fatores principais: em

é como convento que o edifício aparece designado

primeiro lugar, Mulheres da Beira (1921-1923) foi já ob-

no filme e no conto de Abel Botelho (1854-1917) da

jeto de diversas referências em obras que procuram

qual é adaptado. Assim, é necessário perceber, em

traçar uma panorâmica da cinematografia portu-

primeiro lugar, as referências ao mosteiro feitas pelo

guesa, está presente em bases de dados e, sobre-

escritor para, em seguida, atentarmos na presença

tudo, foi parte integrante do aturado estudo sobre

do mosteiro no filme e, posteriormente, analisar a

o seu realizador, o italiano Rino Lupo (1888-1934), da

mesma.

responsabilidade de Tiago Baptista (BAPTISTA: 2008),

A presença de Arouca na obra de Abel Botelho foi

que, pela sua qualidade e atualidade, serviu de re-

já objeto de um estudo aprofundado por parte de

ferência para a nossa abordagem; por outro lado, o

António Manuel S. P. Silva (SILVA, 1994), no qual são

objeto fílmico deve ser, neste texto, encarado como uma materialização da fortuna crítica de uma arquitetura cisterciense, o Mosteiro de Santa Maria de Arouca, pelo que a presente entrada de catálogo o abordará sobretudo como tal. A partir desta dupla advertência, cabe questionar o papel da cinematografia enquanto fonte para o conhecimento de um objeto artístico, abordagem que exige e tem como ponto de partida uma análise crítica que tenha em consideração e problematize os diversos aspetos em torno da criação do filme. As limitações inerentes à natureza deste estudo condi-



cionaram a profundidade da abordagem, pelo que

Figura 1 | Fotograma da primeira aparição do Mosteiro no filme, visto pelos olhos de Ana. Fonte: LUPO, Rino, Realiz. (1923) – Mulheres da Beira. Edição da Câmara Municipal de Tabuaço (2005). 10’47’’. 

169


170

explorados os espaços selecionados pelo escritor, a

O «convento» aparece assim inserido numa curta

maneira como este os descreve, entre a precisão e

descrição que releva os aspetos sofisticados de Arou-

a idealização, e a relação de Abel Botelho com os

ca, quando comparada com a Gondra, de onde

locais que figuram no seu conto Frecha da Mizarela,

Ana, a infeliz protagonista do conto, é natural. Abel

publicado na coletânea Mulheres da Beira, cuja pri-

Botelho não se alonga em descrições do edifício (SIL-

meira edição data de 1898. Tendo por base a primei-

VA, 1994: 149), preferindo perder a mirada do leitor

ra e a segunda edição, de 1917, que à semelhança

nos aspetos naturais das serras circunvizinhas, limitan-

das seguintes, apresenta ligeiras alterações ao conto

do-se a esta menção, importante, todavia, por assi-

datado de Outubro de 1883, bem como o estudo

nalar o modo como este se destacava no panorama

em epígrafe referido, não foi difícil perceber a breve

da vila (cf. BOTELHO, 1917:12).

menção que do mosteiro é feita e que permanece inalterada em todas as versões:

Em Frecha da Mizarela, Abel Botelho narra as desventuras de Ana, que vivia com seu pai numa mise-

A filha aceitou radiante a proposta da nova ocu-

rável casa na aldeia de Gondra. Obrigada por este

pação. Ir ver Arouca e o seu convento! Que ventura!

a vender pão, que iria buscar a Arouca, dá por si a

E depois, aquelas casas caiadas, com caixilhos de vi-

percorrer as serranias rumo à vila, antevisão da tão

draça, e a estrada a macadame, alva como fita de

desejada vida citadina que ambicionava encontrar

nastro, a ziguezaguear, a brilhar…(BOTELHO, 1917:12).

no Porto. Sonhando com um desfecho que a afas-

 Figura 2 | “Era dia de festa em Arouca”. Fotograma da sequência, vendo-se a vila engalanada. Fonte: LUPO, Rino, Realiz. (1923) – Mulheres da Beira. Edição da Câmara Municipal de Tabuaço (2005). 17’48’’.


tasse da rudeza do pai e do campo, fica indiferente

compromissos já assumidos e o elevado volume de

aos protestos de amor do pastor André e, em Arou-

trabalho poderão explicar a contratação de um des-

ca, cede aos avanços do Fidalgo da Mó. A «funesta

conhecido, ao qual é entregue a realização de uma

ambição»1 de Ana depressa se revela na sua ver-

adaptação do conto de Abel Botelho, que deveria

dadeira dimensão quando, grávida e abandonada

ser rodada e montada até Outubro do mesmo ano

pelo Fidalgo, se depara com um André furioso ao re-

(cf. BAPTISTA, 2008: 88). Os pormenores do processo

conhecer a sua condição. Os ermos da Freita anun-

e da própria adaptação são apenas razoavelmente

ciam um previsível desfecho, que parece atenuado

conhecidos, mas é possível perceber um pouco do

pelo reencontro com o pastor, já completamente dis-

modus operandi de Lupo através de uma entrevista

posto a perdoar o passado. Incapaz, porém, de lidar

concedida à Cine Revista em Novembro de 19212.

com a sua situação, e contemplando a Frecha da

Nela, o italiano não só refere como o impressionaram

Mizarela, Ana despede-se de André, abandonando-

as paisagens portuguesas, como também deixa en-

se a uma morte que a orografia propiciava.

trever alguns aspetos relacionados com a receção

Demorando-se nas descrições dos aspetos naturais

do conto:

e moldando, através deles, a ação e o seu desenla-

Li avidamente aquele punhado de páginas e, à

ce, Abel Botelho convida a uma adaptação plena

medida que as percorria, comecei, através das suas

de cenas de exteriores, idealmente captadas nos lo-

linhas, a dar largas à minha fantasia, permitindo-me

cais de origem. É, porém, bem mais parco na descri-

enriquecer de detalhes e de pormenores, aqueles

ção de situações, preferindo explorar as patologias

descritivo singelo, de onde não ressaltam nem indi-

de que enfermavam os temperamentos das suas

cações nem factos absolutamente concretizados.

personagens (cf. BAPTISTA, 2008: 89-90), providen-

Procurei seguidamente a região onde a parte culmi-

ciando, deste modo, um menor número de elemen-

nante do drama tinha de desenrolar-se. Levaram-me

tos visuais para uma cinematografia ainda adversa

a Arouca e eu fiquei positivamente deslumbrado.

das subtilezas (cf. BARDÈCHE & BRASILLACH, 1938: p.

Fui às margens do Caima e a minha alma de artista

154), com a natural exceção das experiências van-

enterneceu-se, apaixonou-se, perante tão grandioso

guardistas, e criada em função de um público com

quadro. Sim, aquele deveria ser o scenario [argu-

notória incapacidade para as assimilar. Os interesses

mento] da obra a que ia meter ombros (cf. BAPTISTA,

e preocupações de Abel Botelho, que justificam a

2008: 219).

referência única ao mosteiro, condicionam, deste

As necessárias rodagens de exteriores são, assim,

modo, a adaptação fílmica e explicam as alterações

enfatizadas por Lupo, que retém do conto o triângu-

que esta irá introduzir.

lo geográfico onde a ação decorre (cf. SILVA, 1994:

Em Agosto de 1921, Rino Lupo chega à Invicta Film,

142). Partindo de Gondra («Gandara» no filme), e

apresentando-se como um experiente realizador. Os

passando pela Vala, onde André declara o seu amor,

 Figura 3 | Fotograma da mesma sequência mostrando a recriação de uma celebração na igreja do Mosteiro. Fonte: LUPO, Rino, Realiz. (1923) – Mulheres da Beira. Edição da Câmara Municipal de Tabuaço (2005). 21’16’’.

171


172

Ana segue para a vila de Arouca, lugar em que se

confidente de Ana, aparece, à janela desta, trans-

dão os acontecimentos propiciadores do desenlace,

portando uma bilha à cabeça enquanto, num plano

que tem lugar na Freita e na Mizarela. A dicotomia

de fundo, dança um conjunto de jovens, trajando a

cidade-campo, tão ao gosto de Abel Botelho como

rigor, e um lavrador conduz o gado. O mesmo tipo de

da cinematografia da época (cf. BAPTISTA, 2008:

olhar recriador está também presente na represen-

90-91), firma-se na oposição entre os vícios da vila,

tação das mulheres de Arouca, ricamente vestidas e

prefiguração da cidade, e na pureza do campo,

adornadas, nas cenas com o moleiro, e na sequên-

bem como nas duas personagens-tipo que lhe dão

cia da festa, com verdadeiros desfiles de tipos saídos

expressão, respetivamente o fidalgo e o pastor. Entre

de pinturas e peças de teatro de costumes regionais

estas duas realidades passeia-se a ambígua natureza

por entre os quais os bem mais autênticos habitantes

de Ana, uma menina-mulher, «simultaneamente cau-

da vila fazem cândidas e deliciosas aparições.

sa e efeito de toda a acção do filme e do seu desfe-

É percetível um olhar que sintetiza os diversos ele-

cho fatal» (BAPTISTA, 2008: 91), e justamente servida

mentos do conto, e das suas matrizes regionalistas,

na película pelo talento e peculiar beleza de Brunilde

em quadros tipificados, descritivos e visualmente ca-

Júdice (1898-1979).

tivantes, ainda devedores de um tardo-romantismo

Embora o conto seja seguido de perto por Lupo (cf.

que era bem patente na pintura coeva de feição

BAPTISTA, 2008: 91), aspeto que se destaca numa pri-

mais conservadora e que respondia ao gosto gene-

meira análise, é necessário atentar no modo como

ralizado do público. Esta analogia não seria estanha

o «descritivo singelo» foi «enriquecido de detalhes e

a Lupo que, na referida entrevista, confessa:

de pormenores» na tradução para uma linguagem

Se me consente o paradoxo, eu, como meteur-

da imagem como a cinematografia. A paisagem

en-scène, sou um pintor. Deixo accionar, livremente,

que seduzira o escritor abunda nas inúmeras vistas

toda a minha fantasia, vejo os aspectos e os panora-

tomadas na região de Arouca. Em muitas delas, a

mas, fixo-os e idealizo depois o quadro a reproduzir

fotografia demora-se em panorâmicas, de sabor pic-

(BAPTISTA, 2008:219).

torialista, enfatizando os jogos de luz, e, sobretudo,

A divisão da ação em «quadros» de duração va-

torna a paisagem personagem, trabalhando a sua

riável era prática comum na cinematografia muda

relação com as figuras através da manipulação da

e permitia, em Mulheres da Beira, a introdução de

escala. Estes aspetos são notórios na sequência de

diversos momentos humorísticos e anedóticos que

planos que apresentam Ana ou nas vistas tomadas

suavizavam as características agrestes do conto. Um

nas serras onde nos é artificiosamente apresentado

outro tipo de quadros permitia enriquecer visualmen-

André. O pitoresco da natureza cede lugar, em ou-

te a película, apresentando o local da ação, como

tras cenas, ao pitoresco dos costumes regionais. As-

na vista da Frecha da Mizarela, anunciada por um

sim, a Tia Maria, personagem secundária do filme, e

intertítulo, ou o conjunto de vistas do Porto que, atra-


vés das palavras da Tia Maria, povoavam de sonhos

também percetível na escolha dos espaços da vila

o temperamento facilmente impressionável de Ana.

em que a ação decorre, formando e projetando

Nestas vistas, nomeadamente nas do Porto (uma

a ideia de um perímetro reduzido com o mosteiro

panorâmica da cidade tirada a partir da cota alta

como pano de fundo, com destaque para a Praça

de Gaia, onde a câmara não nos permite ver a Pon-

Brandão de Vasconcelos, antiga Praça da Vila, mui-

te Luiz I3, uma vista da Torre dos Clérigos e uma vista

to alterada nos finais do século anterior (CF. ROCHA,

dos navios ancorados no cais) está bem patente o

2011: 236-253), e na qual Ana toma consciência da

sabor documentarista, devedor não só dos intentos

sua simplicidade ao constatar a elegância das mu-

de Rino Lupo e da Invicta, mas também da atividade

lheres da vila), ou a utilização de alguns dos edifí-

em obras de não-ficção do operador Artur Costa de

cios anexos à cerca, como a Hospedaria de Cima

Macedo (1894-1966), que além das colaborações nos

(cf. ROCHA, 2011: 275), onde, com o mosteiro como

primeiros filmes de Leitão de Barros, filmara diversos

pano de fundo, Ana se impressiona com os fidalgos

documentários e atualidades cinematográficas antes

que observa na sua escadaria.

da sua vinda para a Invicta (cf. BAPTISTA, 2008: 96).

O mosteiro toma um claro lugar de destaque nos

É neste tipo de transformações e afastamentos

quadros que formam a sequência anunciada pelo

em relação ao conto, que o mosteiro de Arouca

intertítulo «Era dia de festa em Arouca.», inteiramente

conhece um papel importante no filme. A princípio,

resultante da imaginação de Lupo e da sua equipa.

encontramos a sua referência na fala de Ana que,

Destas imagens, às quais voltaremos, destacam-se

abraçando uma galinha num humorístico quadro,

duas pequenas cenas de interiores do mosteiro: os

expressa a sua felicidade: «- … sabes, irei a Arouca

dois planos do retábulo lateral da igreja, onde se en-

todos os dias..., ha lá um bonito convento… ruas…

contra a urna da Beata Mafalda (antecedidos pelo

casas brancas com janellas… e depois os homens lá

intertítulo «O tumulo da Rainha Santa em ebano e

não tem a cabeça como os d’ aqui… e então os fi-

prata») e dois planos de uma celebração num interior

dalgos?...»

de igreja, notoriamente recriado.

Será também através do olhar de Ana que vemos

Estava assim lançada a tónica das restantes apa-

o mosteiro pela primeira vez. Após a sua chegada

rições do mosteiro e da sua imagem no filme. Como

a Arouca, a jovem depara-se com a imponência

elemento dominante da vila, na frente do qual ti-

da fachada da igreja e de todo o alçado norte do

nham lugar as sociabilidades da população, era não

mosteiro, numa vista tomada de nascente para po-

só o cenário ideal para as peripécias de Ana, como o

ente, com a entrada da igreja em primeiro plano. Ao

encontro com um Fidalgo já decidido a conquistá-la

fundo, embora pouco nítido, é ainda visível o pórtico

e que a seguira desde a entrada para a igreja, mas

do Terreiro, posteriormente suprimido e que foi recen-

também o cenário para os pitorescos quadros de

temente reconstruído. A centralidade do mosteiro é

costumes, integrados na ação, ou a esta acessórios,

173


174

como as danças junto ao cruzeiro, que enriqueciam

Ana lançada a seus pés, em que o expressivo diálogo

o filme e lhe emprestavam o tão desejado caráter

visual permite a economia da fala escrita, contan-

português.

do apenas com um intertítulo: «- … e pequei madre

Por outro lado, e permitindo a introdução de um

Thereza… mas estou arrependida e bem castigada.».

elemento que ecoa e amplifica a significação da

Este permite uma progressiva transição para o desfe-

dicotomia cidade-campo, o mosteiro é ainda o lu-

cho da cena, em que a Madre deixa Ana entregue à

gar onde Ana aprende a ler e a escrever, por ação

sua sorte, na impossibilidade de atender às suas súpli-

da Madre Superiora, que procura igualmente edu-

cas: «- Sim, madre, confio n’ella, mas seja caridosa e

car a jovem na fé, originando momentos cómicos

dê-me asilo no convento… não me deixe morrer, por-

e que procuram traduzir visualmente as debilidades

que morreria uma alma inocente que trago dentro

intelectuais e morais da personagem, analiticamente

de mim!» ; «Tu n’esse estado?... oh!... não! não pódes

descritas por Abel Botelho e transpostas no filme para

ficar aqui. Vae e que deus te acompanhe.».

situações concretas de fácil apreensão. Narradas

O reforço do papel da piedade popular, que en-

por Ana à Tia Maria e compostas por diversos pla-

contramos na inclusão do mosteiro na ação, pode

nos, as cenas são filmadas em interiores de estúdio e

também ser encontrando na visão da figura de ves-

acompanhadas dos intertítulos: «- … depois a supe-

tes brancas que aponta a Ana o seu destino, e que

riora do convento começou a ensinar-me a lêr e a

a bibliografia geralmente associa à Virgem Maria,

escrever!...» ; «- … Ah! como é difficil! parece-me que

prenunciando semelhantes estratégias em Os Lobos

nunca chegarei a aprender!... depois a religião?...»

e Fátima Milagrosa (cf. BAPTISTA, 2008: 100). Embora

; - «… Ó tia maria será verdade o que diz a superiora?

consideremos questionável uma tão estrita associa-

Diz que a verdadeira vida é no ceu, que só lá é que

ção, não podemos deixar de salientar o modo como

Deus nos póde dar a felicidade, e que até é por isso

Lupo, ou a Invicta, se distanciaram, uma vez mais,

que elle morreu por nós todos?».

dos aspetos do conto de Abel Botelho que poderiam

Estas cenas vaticinam igualmente o desfecho, que

ser menos bem recebidos por parte do público trans-

o reencontro com a Madre Superiora, interpretada

formando-os em situações visualmente apelativas e

por Maria Júdice, a mãe de Brunilde, acabará por

facilmente assimiláveis.

precipitar. A demanda de auxílio por parte de Ana

A partir da visualização do filme, na versão que co-

é precedida do intertítulo: «No dia seguinte de ma-

nhecemos (edição de 2005 da Câmara Municipal de

nhã Anninhas ia procurar um refúgio no convento de

Tabuaço, apresentando o filme restaurado em 2002

Arouca.».

pela Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema a

Filmada na mesma sala onde a Madre Superiora

partir de diversas fontes), é assim possível organizar

a havia ensinado a escrever, a cena tem como ele-

em três tipologias as cenas em que figura o mostei-

mento principal um extenso plano aproximado de

ro: as cenas de exterior, rodadas in loco na vila de


Arouca; as cenas de interior, rodadas in loco nos es-

dro que mostra umas pedras mal pintadas, de muito

paços do mosteiro; e as cenas de interior, recriadas

pouco realismo.5

em estúdio. Como já foi referido, o conhecimento da

A recriação dos interiores do mosteiro não prima,

produção de Mulheres da Beira é ainda muito lacu-

na generalidade, pelas suas qualidades visuais, em-

nar, contudo, a análise dos dados existentes permite

bora seja necessário considerar dois espaços diferen-

formular um conjunto de questões sobre as cenas

tes: a igreja e as dependências monásticas. Pouco

elencadas.

depois dos planos do túmulo de Mafalda, surgem

A rodagem do filme, que deveria terminar em Ou-

dois planos de uma celebração religiosa na preten-

tubro de 1921, iniciou-se na viragem para Setembro e

sa igreja do mosteiro. No primeiro vemos a nave da

terá terminado a 10 de Novembro, depois de apro-

igreja e o coro das freiras, separados por uma grade

vado um adiamento para o prazo máximo de 15 de

muito simples. O duplo espaço é consideravelmen-

Novembro, quando a montagem do primeiro posi-

te amplo e nele podemos ver dois vãos de moldura

tivo deveria estar concluída (cf. BAPTISTA, 2008: 95).

simples, ao nível superior da parede lateral, e, ao ní-

A este respeito, atente-se no anúncio que a revista

vel inferior, uma fila de quadros. O ritmo é reforçado

Porto Cinematográfico publicava no duplo número

pela presença de pilastras, sendo visível, na primeira,

referente a Setembro/Outubro de 1921, referindo que

uma pia de água benta. Copiosa quantidade de fiéis

a Invicta tinha terminado havia pouco tempo «A Fre-

ajoelhados baixa a cabeça, persignando-se em se-

cha da Misarella Um conto do livro Mulheres da Beira,

guida, enquanto o sacerdote, sob um pálio, eleva a

de Abel Botelho»4.

custódia, voltado para a câmara, que se localiza no

Sabemos que, ainda em Novembro, Rino Lupo, Ar-

lugar do altar, num ângulo que permite uma melhor

tur Costa de Macedo e Henrique Alegria, diretor artís-

apreensão do espaço. No coro são visíveis as religio-

tico da Invicta, se deslocaram a Lisboa para filmarem

sas que, no plano seguinte, são objeto de destaque.

diversas cenas para Mulheres da Beira, questionan-

A câmara, por detrás das grades, em primeiro plano,

do-se Tiago Baptista se não se trataria do conjunto

mostra-nos as pretensas monjas de Santa Maria de

de cenas de interiores que poderiam ter sido filmados

Arouca, ajoelhadas junto a um muito simples cadeiral

num teatro lisboeta (cf. BAPTISTA, 2008: 95-96). Inde-

tendo na frente a Superiora que delas se distingue

pendentemente do local de filmagem, os cenários

claramente pela expressividade.

mereceram os piores ataques por parte da crítica

Não encontrámos quaisquer dados sobre o espa-

especializada, sendo notória a fraca qualidade de

ço em que estes planos foram rodados, aparentan-

muitos deles:

do tratar-se de um cenário muito mais cuidado que

Esta pelicula tem o defeito da má decoração, que

os restantes. A articulação do espaço da nave e do

em algumas scenas ressalta aos olhos do espectador,

coro, bem como os elementos arquitetónicos e deco-

como seja aquele fundo no interior da casa de Pe-

rativos simplificam a igreja monástica, aliviando-a da

175


176

sumptuosidade e da erudição e resumindo-a através

A cena rodada no interior do mosteiro reduz-se a

de uma imagem facilmente apreensível pelo público.

dois planos do túmulo da Beata Mafalda no interior

A presença da grade, elemento fundamental e que,

da igreja, nos quais o sabor documentarista anuncia-

especialmente no segundo plano, é enfatizada pela

do pelo intertítulo é atenuado pela anedótica pre-

relação com a câmara, evoca a clausura monásti-

sença de uma piedosa Ana. O primeiro é uma pa-

ca e a divisão entre dois universos distintos, que Ana

norâmica que, partindo da jovem, se aproxima do

irá também conhecer. O cuidado com os elementos

retábulo, ao nível do altar, repleto de sacras, e per-

que compõem a elaborada descrição destas cenas

mitindo entrever aquilo que nos parece ser a sombra

é ainda visível nos chamativos hábitos das religiosas,

do operador, possivelmente Artur Costa de Macedo,

embora sem preocupações de rigor com a Ordem

manivelando. O segundo plano é mais afastado, e

de Cister, e na representação da elevação, plena de

nele vemos Ana aproximando-se do túmulo, já visível

pitoresco. Atente-se, todavia, que o contacto que a

na totalidade, embora maculado por uma sombra

equipa tomou com o espaço da igreja do mosteiro

que se projeta sobre o altar. Em ambos os planos é

(o único que, comprovadamente, visitou) poderá ter

possível apreciar a aparatosa ornamentação, com a

informado a construção de um cenário, ou a procura

banqueta, as flores, sacras e reposteiros, bem como

de um local, que, dentro das suas limitações, permi-

uma coluna com um anjo tocheiro, constituindo um

tisse evocar o espaço original.

precioso registo do interior da igreja nos anos 20. As

Em contraste, as cenas em que a Madre Superiora

referidas sombras resultarão, possivelmente, das difí-

ensina Ana são rodadas em cenários muito simples,

ceis condições de captação, fruto da iluminação do

parcamente decorados por apontamentos de ar-

espaço que, pesem embora as suas características,

cos, e mobilados com cadeiras estofadas em couro

seria todavia insuficiente para a sensibilidade das pe-

e uma mesa em primeiro plano, facilmente associá-

lículas coevas, pelo que se terá recorrido a espelhos

veis ao ambiente religioso evocado. Ao fundo, uma

ou outros mecanismos de direcionamento da luz.

pequena imagem de Cristo Crucificado, sobre uma

Os numerosos exteriores, que marcam o filme com

estante, é o único adorno da parede. Este cenário

a sua beleza e frescura, em claro contraste com a

será ainda utilizado para o reencontro de Ana com

produção anterior da Invicta (cf. PINA, 1986: 37), são

a Madre Superiora, numa repetição que poderá ter

igualmente reveladores do processo criativo de Rino

eventuais fins narrativos. Um outro cenário, ou parte

Lupo, muito baseado na liberdade de improvisação

deste, de reduzidas dimensões, é utilizado para os

e no aproveitamento das possibilidades dos locais

ensinamentos religiosos da jovem, limitando-se a um

que ia descobrindo. Segundo A. Videira Santos:

nicho onde se rasga um fruste vão em arco aponta-

Lupo, como já vimos, chegou ao Porto em Agosto

do, junto do qual se encontra uma estante com um

de 1921 e logo nesse mês se deslocou com a equipa

evangeliário.

de filmagem e artistas para a região de Arouca, ten-


do inclusivamente aproveitado os festejos à Senho-

Ana. A análise da sequência permite acompanhar o

ra de Lurdes que se realizaram em Nespereira, entre

processo em detalhe.

aquela localidade e Cinfães, a 28 e 29, para fixar

A «festa» começa com um plano da torre sineira

diversos aspectos da grande procissão e do arraial,

da capela da Misericórdia, onde os sinos tocam a

incluindo nalgumas cenas um elemento do elenco

rebate, numa clara sinestesia tão ao gosto do cine-

feminino [Brunilde Júdice] (BAPTISTA, 2008: 255).6

ma mudo. O plano seguinte mostra-nos o largo do

Precedidas pelo intertítulo «Era dia de festa em

mosteiro, filmado de este para oeste, engalanado e

Arouca» e intercaladas com vistas da vila engala-

animado por uma concorrida romaria. Em seguida,

nada no contexto de uma romaria que não conse-

vemos aproximar-se a procissão, percorrendo uma

guimos, até ao momento, identificar, as imagens da

vereda na direção da câmara, que se situa num pla-

procissão em Nespereira tornam-se assim parte de

no mais elevado, através de uma vista já tomada na

uma festa que, tal como nos é apresentada, resulta

Nespereira. Este plano é intercalado com um outro

inteiramente de uma construção cinematográfica. A

em que Ana, chegando às imediações do mosteiro,

montagem de toda a sequência, que integra ainda

pelo caminho habitual, se aproxima da câmara e

as vistas do túmulo e a celebração no interior da igre-

demonstra o seu entusiasmo por ver a procissão. Num

ja, poderia até procurar representar as célebres fes-

novo plano, Ana aproxima-se do moleiro explicando

tas em honra da Beata Mafalda, realizadas em Maio,

o seu contentamento e afastando-se novamente,

embora as datas tradicionalmente apontadas para

reaparece numa nova vista tomada em Nesperei-

a rodagem contrariem, naturalmente, a possibilidade do seu registo. Estamos assim perante uma hábil aplicação das técnicas que permitem à cinematografia construir uma geografia criativa ou paisagem artificial, tendo por base a manipulação das relações espáciotemporais entre os planos individuais através de uma síntese orientada pela narrativa e assegurada pelo processo de montagem das imagens. Inerente a todo o processo cinematográfico e potenciada, em casos como este, para efeitos narrativos, a geografia criativa permitiu a Lupo colocar em Arouca uma animada e pitoresca romaria que não só contribui para o desenrolar da ação, mas também intensifica o pa-



pel da vila enquanto propiciadora da perdição de Figura 4 | Um outro fotograma, no final da celebração, mostrando a saída do povo. O edifício é, na realidade, a capela da Misericórdia. Fonte: LUPO, Rino, Realiz. (1923) – Mulheres da Beira. Edição da Câmara Municipal de Tabuaço (2005). 21’41’’. 

177


178

ra, onde observa a procissão ao longe. É notório o

dos elementos na lateral direita. Seguindo a multidão,

esforço pelo respeito da continuidade, já canónica

Ana entra no templo, sob o olhar atendo do Fidalgo,

na cinematografia de então, na direção de olhares e

captado num outro plano ao qual se segue um novo,

entradas e saídas das personagens, reforçando, des-

em que o vemos assomar-se à entrada da capela.

te modo, a coesão entre planos tão díspares e asse-

Percebemos, através de um intertítulo, que estamos

gurando o logro. No plano seguinte, Ana encontra-se

perante o túmulo da «Rainha Santa», e, através dos

junto à multidão, à direita, observando a procissão

dois planos captados no interior da igreja do mostei-

de perto. No alpendre de um edifício, possivelmente

ro, vemos Ana junto ao túmulo de Mafalda.

localizado em Arouca, os três fidalgos, juntamente

Um novo plano do Fidalgo permite-nos perceber

com cinco mulheres em trajes pretensamente regio-

que este observa Ana, sendo todavia impossível

nais, observam aquilo que depreendemos ser a pro-

perceber onde terá sido tomada a vista, dado não

cissão. A câmara aproxima-se dos fidalgos no plano

conseguirmos reconhecer a estrutura ornamentada,

seguinte e percebemos que a atenção destes recaía

aparentemente pétrea, que lhe serve de cenário. Se-

especialmente sobre uma jovem «bem bonita». Per-

guem-se os dois planos da celebração no interior da

cebemos, através do plano seguinte, novamente

igreja e, por fim, um novo plano do portal da capela

rodado em Nespereira, que se tratava de Ana, que

da Misericórdia, de onde sai Ana juntamente com o

continua a observar a procissão junto da multidão. A

povo, precedendo as cenas da festa no exterior do

atenção da câmara volta-se agora para a riqueza

mosteiro.

da procissão e dos seus andores, através de um pla-

A análise dos diferentes planos que constituem a

no captado sobre uma curva, o que permite impri-

sequência da festa permite-nos perceber também

mir um maior dinamismo a toda a cena. O intercalar

que o «convento» do filme resulta da articulação de

deste plano de sabor documentarista, onde não são

espaços diversificados, pertencentes ao mosteiro ou

visíveis personagens, com o plano dos fidalgos e com

recriados, aos quais a montagem confere um senti-

mais planos de Ana observando a procissão, atua no

do de unidade que ilude as diferentes proveniências

sentido de construir uma unidade de espaço e tem-

espaciais e temporais. A utilização de outras arquite-

po, dentro das possibilidades do trabalho de geogra-

turas locais, como a capela da Misericórdia, confere

fia criativa que temos vindo a analisar.

uma maior verossemelhança a este convento, estra-

No último plano que vemos de Nespereira, Ana

tégia que é também seguida na inserção cinemato-

afasta-se da multidão, sendo então seguida, em novo

gráfica da procissão em Arouca, cuja ausência de

plano rodado em Arouca, por um Fidalgo da Mó já

interiores dificulta a perceção da trapaça. Posto isto,

decidido a conquistá-la. Um outro plano mostra-nos

é ainda necessário atentar nas vicissitudes do proces-

o portal da capela da Misericórdia, onde ainda era

so de montagem de Mulheres da Beira.

visível o gradeamento, identificável pelo desenho

Por razões que não se encontram ainda esclare-


cidas, o processo de edição (tintagem, viragem e

BAPTISTA, 2008: 89). O «Magnífico film português em 6

montagem) terá decorrido em Paris, nos laboratórios

partes», como se anunciava, foi bem recebido pela

da Pathé, em Janeiro de 1922, segundo as atas das

crítica, louvado pelo seu caráter nacionalista, paten-

reuniões do conselho de administração da Invicta

te na forma como eram captadas as belezas naturais

(cf. BAPTISTA, 2008: 96). O procedimento era pou-

do país, constituindo, nas suas interrupções da narra-

co habitual, visto a empresa dispor de laboratórios

tiva, autênticos momentos de contemplação da pai-

próprios, e denotava já um atraso em relação aos

sagem (cf. BAPTISTA, 2008: 96-97). Embora encontre-

compromissos estabelecidos. À montagem estão tra-

mos rasgados elogios às imagens de exteriores, como

dicionalmente associados Georges Pallu (1869-1948),

os «os magníficos aspectos naturais e costumes du-

o realizador contratado pela Invicta, e Mme. Meunier

rienses» (cf. BAPTISTA, 2008: 97), ufanados quiçá mais

(cf. BAPTISTA, 2008:282), embora as dúvidas persistam

pelo objeto do que pela sua representação, e sejam

sobre o envolvimento de Lupo, cujo afastamento de-

referidas as críticas positivas à fotografia de Artur Cos-

rivou, segundo alguns autores, do arrastar da narra-

ta de Macedo (cf. BAPTISTA, 2008: 96-98), as opiniões

tiva em que este incorria(cf. ANDRADE, 2001: 60). As

não foram unânimes, e é notória a crítica que a revis-

inconsistências persistem ainda nos restantes dados

ta Porto Cinematográfico apresenta:

disponíveis sobre o filme mas neles não nos demora-

A técnica fotográfica é, como já disse, muito má,

remos, salientando, porém, a dificuldade que será

altera frequentes vezes a mascara dos interpretes, e

perceber, em sentido estrito, as responsabilidades

não dá realce aos exteriores soberbos que esta fita

de Rino Lupo no produto final, nomeadamente nas

nos apresenta, vistas panorâmicas magníficas, dons

sequências referidas, mais devedoras da montagem,

da natureza que nós possuímos e muitas casas es-

e em todos os desvios presentes na adaptação do

trangeiras invejariam, e que Rino Lupo soube apre-

conto de Abel Botelho. Contribui igualmente para

ciar, fazendo viver no entrecho de Mulheres da Beira,

esta ressalva, o facto de o mais recente restauro

a beleza de algumas das nossas riquezas naturais.7

procurar ser uma versão aproximada da montagem

Já Rino Lupo não poupara elogios ao seu opera-

original, estreada em 1923, e que terá conhecido di-

dor, considerando Artur Costa de Macedo como «in-

versas alterações, tal como é indicado no início da

discutivelmente, o primeiro português que se revela

edição digital em DVD.

cheio de gosto e de predicados técnicos invulgares»

A responsabilidade pelo atraso da estreia, mais de

(cf. BAPTISTA, 2008: 220), salientando igualmente o

um ano após o final da rodagem e quando Rino Lupo

papel do assistente de realização Pedro da Fonseca

se havia já desvinculado da Invicta, é geralmente

«que é um régisseur de qualidades modelares» (BAP-

imputada ao realizador, embora, como defende

TISTA, 2008: 220).

Tiago Baptista, deva ser igualmente considerada a

Como encarar então Mulheres da Beira à luz das

planificação da produção da própria empresa (cf.

questões levantadas pela abordagem que presente-

179


180

mente ensaiámos? O seu papel como documento é

mados filmes de não-ficção, pelo que a análise da

inquestionável, constituindo um valioso registo atra-

documentação cinematográfica deve ser particular-

vés da imagem em movimento da região de Arouca

mente cautelosa.

e da Nespereira, o que o torna, segundo nos indicou

É notório que seja precisamente através deste dis-

Nuno Resende, no mais antigo filme conhecido sobre

positivo criativo que Rino Lupo constrói o seu con-

Cinfães. Contudo, a nossa análise demonstrou como

vento de celuloide, num laborioso processo que

o filme, quando encarado como documento, deve

combina vistas de exterior com as raras imagens do

ser abordado de forma crítica, tendo por base uma

interior da igreja e as suas fantasiosas recriações. Tal

contextualização que permita conhecer, tanto quan-

é especialmente visível na forma como, em poucos

to possível, os aspetos de produção. A isto devemos

minutos, a cinematografia se apropria do portal da

juntar todo o processo de seleções que a criação da

capela da Misericórdia e o transforma no portal da

obra cinematográfica acarreta, desde os locais de

igreja do mosteiro, para em seguida nos levar ao seu

tomada de vista, aos enquadramentos, passando

interior verdadeiro e, numa troca de olhares, o recriar

pelos aspetos técnicos do equipamento fotográfico,

em localização desconhecida. O filme não deixa por

entre muitos outros, resultantes de condicionamentos ou da vontade expressa de um ou mais membros da equipa. O mesmo se poderá dizer da montagem, quer do ponto de vista da seleção do material exposto, quer da sua articulação, quer mesmo do nível de intervenção do seu responsável no produto final. Neste sentido, destaca-se o modo como o cinema pode, fácil e eficientemente, contar uma meia verdade ou mentir de forma deliberada. A geografia criativa é assim uma das muitas ferramentas que a cinematografia utiliza para suprir as dificuldades de produção, permitindo-lhe, por exemplo, combinar exteriores captados in loco com interiores de estúdio, ou para criar realidades unicamente possíveis no filme, como a animada festa na Arouca de Mulheres da Beira. Contudo, e por ser inerente ao processo cinematográfico, tendo por base a continuidade, que a linguagem do cinema codificou à medida que se desenvolvia, está igualmente presente nos cha-

Figura 5 | Grade do mosteiro de Arouca. Foto Pedro Martins © DRCN 


isso de ser um documento para o estudo do mosteiro

quer como memória de uma instituição. O percetível

e da sua igreja, registando alguns dos seus aspetos

entusiasmo de Lupo pelo documentar, mais ou me-

antes das principais intervenções de que seria objeto

nos efabulado, das terras e costumes onde a ação

ao longo do século XX, com destaque para as obras

decorria, corroborado pelas suas palavras, e a ex-

de restauro a cargo da Direcção-Geral dos Edifícios

periência de Artur Costa de Macedo, resultam num

e Monumentos Nacionais iniciadas em 1936 (cf. RO-

conjunto de planos que, encenando ou registando,

CHA, 2011: 439-450). Assim, num plano voltado para

reinventam a imagem de um mosteiro habitado e o

nascente, e servindo de cenário a Ana, é claramente

colocam como parte integrante da narrativa.

visível o pórtico de acesso ao mosteiro, antes da sua

O mosteiro do filme amplifica o sentido da ação, es-

demolição e posterior reconstrução, sendo também

clarecendo o público para as debilidades do carác-

assinalável o valor como registo das vistas tomadas

ter de Ana e para os seus dilemas e ambiguidades.

no interior da igreja. Do mesmo modo, o filme é igual-

Para tal, presta-se não só como cenário mas também

mente um registo inédito e eloquente da grandiosa

como personagem coletiva, atuando como reposi-

procissão em honra de Nossa Senhora de Lurdes bem

tório e voz da moral. É também o mosteiro que, num

como um comentário às práticas devocionais e re-

derradeiro comentário, por ventura ecoado pela vi-

ligiosas no Portugal dos anos 20. Saliente-se ainda o

são junto à Frecha da Mizarela, conduz a jovem ao

valor da imagem em movimento para uma mais cla-

inevitável desfecho. Por fim, é também junto ao mos-

ra perceção dos espaços e da sua escala, potencia-

teiro, no contexto particular da festa religiosa, que

da pelo cruzamento com outros tipos de documen-

Ana e o Fidalgo se encontram, traçando desde já o

tação.

destino da protagonista. Para este episódio tão intrín-

Por fim, e atentando no papel do mosteiro na

seco à piedade popular, e às manifestações profa-

adaptação a filme do conto de Abel Botelho, per-

nas a ela associadas, catalisadores de sociabilidades

cebemos que o convento de celuloide não seria o

com as quais o público facilmente se identificaria,

do escritor, que apenas o refere, e terá antes resul-

é assim transposta, em pleno colorido, a dicotomia

tado da ação que a presença do mosteiro exerceu

cidade-campo numa eficaz tradução visual dos seus

sobre Rino Lupo e a sua equipa, quer como edifício,

valores decadentistas.

1. U  m subtítulo da adaptação fílmica. 2. T ranscrita na íntegra em BAPTISTA, 2008: 219-220. 3. Questionamo-nos se o enquadramento selecionado para esta panorâmica poderá estar relacionado com preocupações de rigor cronológico, referente à cronologia da ação do conto (187…) ou a do filme, indeterminada mas possivelmente anterior, de acordo com a caracterização das personagens e a presença de uma comunidade de religiosas no mosteiro. 4. « PORTO Cinematográfico – Revista Mensal», Ano III, N.º 2/3, 30 de Setembro a 31 de Outubro de 1921. 5. «PORTO Cinematográfico – Revista Mensal», Ano IV, N.º 11, 30 de Junho de 1923. 6. Cf. Nota 20. Não tivemos acesso à obra original, não editada, pelo que recorremos à transcrição feita por Tiago Baptista. 7. «PORTO Cinematográfico – Revista Mensal», Ano IV, N.º 11, 30 de Junho de 1923.

181


022

SÉCULOS XX-XXI

MOSTEIROS DE SÃO JOÃO DE TAROUCA E SANTA MARIA DE SALZEDAS

CLASSIFICAÇÃO DO PATRIMÓNIO IMÓVEL: DO ESTADO NOVO AOS NOSSOS DIAS. DAVID FERREIRA MIGUEL RODRIGUES


A classificação é o reconhecimento por parte do

com as consequentes vendas e destruições de gran-

Estado do valor patrimonial excepcional de um bem,

des edifícios e colecções artísticas, foram o rastilho

que passa a ser formalmente assumido como parte

que motivou a reacção das elites (cat 18 e 19). O mo-

estruturante da identidade nacional. Este reconheci-

delo, com mais ou menos dramatismo, permanece

mento faz recair sobre o bem os mecanismos legais

até aos nossos dias. O património é um antídoto para

de protecção e valorização, uma vez que o seu sig-

a voragem da modernidade. Assim, embora a pre-

nificado e destino interessam à Nação. Este esque-

servação dos monumentos tenha recebido atenção

ma, que hoje nos parece natural, só se consolidou

legislativa desde pelo menos o Renascimento, é en-

em Portugal no início do século XX, depois de muitas

tre o final do século XVIII e meados do XIX, no quadro

hesitações e combates políticos.

do fim dos regimes absolutistas e de uma reinvenção

Na base dos movimentos de salvaguarda patrimo-

das identidades nacionais, que o tema se impõe jun-

nial está o binómio conhecimento | sentimento de

to das elites e que estas exigem uma actuação firme

perda. A valorização do património cultural alimen-

do Estado.

ta-se do conhecimento científico, especialmente do

A lista de monumentos nacionais de 1881 da As-

conhecimento histórico, que permite compreender a

sociação dos Architectos Civis e Archeologos e o

importância do documento | monumento e confere

decreto de 16-06-1910, ilustram bem as tipologias pa-

bases sólidas ao processo de valorização e selecção.

trimoniais na viragem do século. È interessante notar

Por outro lado, o monumento, que é objectivamen-

que não perderam actualidade e fixaram o corpus

te um suporte de memória, procura apaziguar a

fundamental do património português. Mais, o diplo-

angústia da morte e da aniquilação (CHOAY, 2000:

ma de 1910 foi um dos raros momentos de selecção

16). Ora, o sentimento de perca acentuou-se muito

sistematizada do património imóvel. Depois disso

na Época Contemporânea, fruto de revoluções ideológicas, políticas e tecnológicas. A capacidade de transformar o mundo físico numa escala e velocidade inéditas e uma sociedade que elegeu a mudança como um fim em si, tiveram como consequência uma perda de referências que o património tenta colmatar. À fórmula kantiana que define a modernidade (mudança = evolução), opôs-se então a ideia forte da defesa do património: certos objectos devem permanecer. As expropriações dos bens da aristocracia e da Igreja que acompanharam as revoluções liberais,

Figura 1 | Mosteiro de São João de Tarouca Foto Pedro Martins © DRCN 

183


classificaram-se algumas séries tipológicas específi-

privados. No distrito de Braga, por exemplo, até 1970

cas – os pelourinhos em 1933, os marcos pombalinos

as classificações centram-se em igrejas, capelas e sí-

do Douro Vinhateiro em 1946, as fortificações do lito-

tios arqueológicos. Apenas em 1940 será classificado

ral norte em 1967 ou a arquitectura portuguesa do

o primeiro imóvel particular: a Honra de Vasconcelos

século XX, a partir de 2004 – mas nunca mais existiu

em Amares. Se excluirmos os 13 pelourinhos classifica-

uma reflexão formalizada e global sobre a classifica-

dos em 1933 verificamos que de 1910 a 1940 apenas

ção.

são classificados 12 imóveis em todo o distrito. A partir

1

184

A selecção de 1910 é eclética e se é verdade

de 1940 serão classificados, em média, 20 imóveis por

que predominam os monumentos de raiz medieval,

década. A primeira igreja barroca a ser classificada

encontram-se igualmente bem representados os

no norte do país foi a matriz de Sambade (Alfândega

monumentos romanos, pré-históricos, manuelinos,

da Fé) em 1935 e só em 1958 é novamente classifica-

renascentistas e mesmo diversos palácios barrocos.

da uma igreja barroca, em São Pedro de Miragaia.

São classificados sobretudo imóveis propriedade do

A actualização é lenta e só com muito atraso são

Estado. Entre 1920 e 1970 as classificações confirmam

seguidas as metodologias propostas internacional-

e completam o quadro definido em 1910, segundo

mente. Aos critérios histórico, arqueológico, artístico

uma lógica de complementaridade em relação à

e arquitectónico, que enquadram as classificações

listagem inicial, com enfoque nas fortificações e edi-

na primeira metade do século, acrescenta-se em

fícios religiosos de origem medieval, conseguindo-se

1949 o valor paisagístico e em 1973 o valor etnográfi-

uma cobertura quase integral destas tipologias.

co (Decreto-lei 2032/49 de 11 de Junho e Decreto-lei

Só muito lentamente se inicia a protecção formal de edifícios barrocos (igrejas e solares) e de imóveis 

Gráficos 1a 4 | Evolução da Classificação do Património (século XX).

582/73 de 5 de Novembro). Durante os anos 70 e 80, o número de classifica-


ções aumenta substancialmente e mostra uma evolução conceptual: • Abrange cada vez mais imóveis propriedade de particulares, até então raros. • Classificam-se conjuntos urbanos e ampliam-se

• Avança-se para a classificação da arquitectura modernista, que terá um grande impulso em 2004 com o Projecto de Classificação do Património Arquitectónico Português do Século XX. • Surgem as primeiras classificações de paisagens

as zonas de protecção no interior das cidades,

culturais, através da inclusão na Lista do Patrimó-

tendência que prossegue até aos nossos dias.

nio Mundial da Paisagem Cultural de Sintra em

• Incluem-se as áreas não edificadas dos monu-

1995 e do Alto Douro Vinhateiro em 20012.

mentos (cercas, jardins, parques, caminhos) tra-

A evolução aqui esboçada é de um movimento

duzindo uma visão mais ampla dos objectos e a

de acumulação e expansão patrimonial, que segue

valorização do contexto paisagístico.

em linha com as tendências da doutrina internacio-

• Aumentam as classificações de sítios arqueológi-

nal. Para além de continuar a incidir nas tipologias

cos, que incluem também áreas urbanas e reser-

consagradas em 1881, a expansão assume três for-

vas arqueológicas.

mas básicas: uma expansão territorial, uma especiali-

• As classificações passam a abranger edifícios cada vez mais recentes (barroco, neo-clássico, arquitectura do ferro, arte nova). A partir dos anos 90 estas tendências consolidamse e surgem outras concretizações: • Inicia-se, timidamente, a classificação de arquitectura vernacular e arquitectura industrial.

zação tipológica e uma expansão cronológica. A expansão territorial conhece duas formas. Uma diz respeito à protecção cada vez mais alargada da envolvente dos monumentos, outra diz respeito à protecção de imóveis cada vez maiores. Através

185


186

das zonas de protecção, o Estado reconhece que o

A expansão pela especialização concretiza-se na

contexto físico com que o monumento se relaciona

acumulação de tipologias patrimoniais, motivada

é importante para a sua salvaguarda patrimonial e

pelo avanço de estudos científicos especializados,

assiste-se ao aumento das áreas das zonas especiais

traduzindo um alargamento do conceito de patri-

de protecção, que atingem nalguns casos dimensões

mónio que a classificação vai também reflectir. Já

consideráveis, como em São João de Tarouca, nas

mencionámos os centros urbanos, o património ver-

Ruínas de Tróia ou em Alcobaça. Contudo, o território

nacular, a paisagem cultural, o património industrial e

abrangido pelas zonas de protecção assume apenas

a arquitectura contemporânea. Podemos acrescen-

a forma de enquadramento. Ele não é o objecto nu-

tar o património subaquático e os jardins históricos,

clear, mas uma figura de acompanhamento subordi-

mas a individualização de categorias não cessa de

nada ao monumento principal. A segunda etapa é

aumentar. A lista dos comités científicos do ICOMOS

aquela que nos remete já para um território alargado

é elucidativa. Nela encontramos, para além das tipo-

com valor patrimonial intrínseco. Existem muitas con-

logias já mencionadas, comités para a arquitectura

cretizações, mas as mais significativas dizem respei-

em terra, arte rupestre, madeira, itinerários culturais,

to à patrimonialização de zonas urbanas de génese

fortificações e património militar, património construí-

antiga (os centros históricos) e à paisagem, que vai

do partilhado, pinturas murais, ou vitral. A lista integra

surgir como um conceito totalizante.

ainda as pontes históricas, teatros e anfiteatros anti-

Figura 2 | Claustro do mosteiro de Santa Maria de Salzedas. Foto Pedro Martins © DRCN


gos, caminhos-de-ferro, património monástico, paisa-

ficada. Contudo, a classificação de obras recentes

gens vinícolas…

é também movida pelo desejo de associar o pres-

Finalmente, a expansão cronológica significa a

tígio do reconhecimento jurídico de valor patrimo-

patrimonialização de objectos muito recentes. Nos

nial à obra de autor. Que melhor prémio do que o

últimos anos foram classificados dezenas de edifícios

carimbo de monumento nacional? Acontece que,

dos anos 50 e 60 e o tempo parece encurtar cada

nesta perspectiva, o julgamento da crítica substitui o

vez mais. Em 2013 foi classificada a Igreja de Santa

julgamento da história. O tempo deixou de mediar

Maria (Marco de Canavezes), obra concluída em

a apreciação de valor e foi substituído pelo aplauso

1996, mas o fenómeno adquiriu contornos polémicos

durante a estreia. Colocam-se algumas questões de

com a abertura, em 2005, dos processos de classifi-

fundo: a classificação deve continuar ligada à ideia

cação da Casa da Música e do Estádio Municipal de

de património cultural e este à ideia de monumen-

Braga, então ainda em fase de construção. Revela-

to? A noção de classificação pode ser mais ampla e

se aqui um sentido de urgência que nos parece uma

constituir, simplesmente, um reconhecimento de qua-

reacção contraditória (paradoxal). A sociedade que

lidade? A noção de património cultural imóvel pode

ergueu a mudança como um valor em si, é a mesma

ser «apenas» a de uma obra importante, mesmo sem

que reage ao culto contemporâneo da transforma-

possuir densidade histórica? Não adianta muito pro-

ção através de uma tentativa de preservação ampli-

curar resposta nos critérios legais de classificação.

Figura 3 | Fotografia aérea do lugar do Burgo de Salzedas (2012). Foto Piqueiro

Eles são muito abrangentes, o que não é necessariamente errado. Esta latitude é inerente ao carácter muito subjectivo do conceito valor cultural ou valor patrimonial, perante o qual o legislador preferiu estabelecer um quadro de referência, que é depois interpretado no caso concreto pela administração. A discricionariedade técnica é uma ferramenta preferível quando a valoração depende de conceitos com grande amplitude interpretativa. O que interessa, julgamos, é ter consciência de que estamos à beira de um novo paradigma e que este exige uma reflexão colectiva profunda, que evite a arbitrariedade e a casuística e promova uma base de consenso que preserve a dignidade da classificação. Em São João de Tarouca (figura 1) e em Santa Maria de Salzedas (figura 3) encontramos dois exemplos

187


do movimento de expansão aplicado ao património cisterciense. O decreto n.º 40 684 de 1956 classificou a Igreja de São João de Tarouca, mas um entendimen-

classificação como Monumento Nacional.

to mais amplo e informado do património monástico

• Decreto 31-I/2012 de 31/12/2012: ampliou a área

conduziu um 1978 à publicação do decreto 95/78,

classificada, de modo coincidir com a cerca e

onde se esclarece que: A classificação de monumen-

alterou a designação para Mosteiro de Santa

to nacional atribuída à Igreja de S. João de Tarouca,

188

azulejos do século XVII, e os jardins anexos. • Decreto n.º 67/97 de 31/12/1997: promoveu a re-

Maria de Salzedas.

compreendendo o túmulo do conde de Barcelos e o

• Portaria 291/2014 de 30/04-/2014: fixa a zona es-

quadro S. Pedro, de Grão-Vasco, pelo Decreto 40684,

pecial de protecção, cujo limite máximo dista

de 13 de Julho de 1956, passa a abranger o Conven-

mais de 1km do núcleo monástico edificado.

to de S. João de Tarouca, com todos os elementos

Na base desta expansão está o acumular de co-

que ainda possui. Em 1956 valorizaram-se apenas as

nhecimento científico sobre os coutos monásticos,

peças consideradas notáveis (igreja, túmulo, qua-

que nos permite lançar um olhar mais informado so-

dro), em 1978 toda a realidade física associada ao

bre os monumentos e sobre a relação que estabele-

mosteiro é entendida como relevante. Em 1999 é fi-

cem com o território envolvente. A valorização desta

xada a zona especial de protecção, que abrange

relação histórica e interpretativa é uma consequên-

cerca de 7 km². Observamos o mesmo processo em

cia inevitável, que se vai depois reflectir na classifica-

Salzedas (figura 3):

ção e fixação de zonas especiais de protecção.

• Decreto 95/78 de 12/09/1978: classifica como

Integram o património cultural não só o conjunto

Imóvel de Interesse Público a Igreja de Salzedas,

de bens materiais e imateriais de interesse cultural

incluindo as tábuas quinhentistas, uma imagem

relevante, mas também, quando for caso disso, os

da Virgem, em prata, um contador de sacristia

respectivos contextos que, pelo seu valor de testemu-

semelhante ao do Mosteiro do Bouro, o cadeiral

nho, possuam com aqueles uma relação interpretati-

e todo os elementos de valor artístico ainda exis-

va e informativa (n.º 6 do artigo 2º da Lei 107/2001 de

tentes, a Sala do Capítulo, forrada de azulejos do

08 de Setembro – conceito e âmbito do património

século XVII, a Capela do Desterro, revestida de

cultural).

1. Através do Projecto de Classificação do Património Arquitectónico Português do Século XX, lançado pelo IPPAR durante a presidência do Arquitecto João Belo Rodeia. 2. Interessa notar que as classificações de paisagem cultural surgem em Portugal sob impulso externo, através da UNESCO.


189


CISTER NO DOURO | 190

o


|

o projecto

191

A maqueta. p

A montagem. p

A exposição. p


FONTES E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACRÓNIMOS adb – Arquivo Distrital de Braga ADL – Arquivo Diocesano de lamego ARIRSM – Arquivo da Real Irmandade da Rainha Santa Mafalda BN – Biblioteca Nacional de Portugal MNA – Museu Nacional de Arqueologia SGMF – Secretaria Geral do Ministério das Finanças TT – Arquivos Nacionais da Torre do Tombo

ABREVIATURAS FREQUENTES AA.VV. – Autores Vários Cx. - Caixa Cod. – códice Consult. - Consultado Coord. - Coordenação Cient. - Científica Dir. – Direcção Ed. – Edição Fol. – fólio L.º - Livro(s) Mss./ ms. – Manuscritos/manuscrito Org. – Organizado/organização Publ. – Publicação/publicado Rev. – Revisão S.N. – Sem nome [de editor] S.L. – Sem local [de edição] SS. – Seguintes (páginas)

ABREVIATURAS DOS LIVROS DA BÍBLIA 1Cor 1.ª aos Coríntios (Cartas de São Paulo) 1Cr 1.º das Crónicas (Livros Históricos) 1Jo 1.ª de João (Cartas Católicas) 1Mac 1.º dos Macabeus (Livros Históricos) 1Pe 1.ª de Pedro (Cartas Católicas) 1Rs 1.º dos Reis (Livros Históricos)

1Sm 1.º de Samuel (Livros Históricos) 1Tm 1.ª a Timóteo (Cartas de São Paulo) 1Ts 1.ª aos Tessalonicenses (Cartas de São Paulo) 2Cor 2.ª aos Coríntios (Cartas de São Paulo) 2Cr 2.º das Crónicas (Livros Históricos) 2Jo 2.ª de João (Cartas Católicas) 2Mac 2.º dos Macabeus (Livros Históricos) 2Pe 2.ª de Pedro (Cartas Católicas) 2RS 2.º dos Reis (Livros Históricos) 2Sm 2.º de Samuel (Livros Históricos) 2Tm 2.ª a Timóteo (Cartas de São Paulo) 2Ts 2.ª aos Tessalonicenses (Cartas de São Paulo) 3Jo 3.ª de João (Cartas Católicas) Abd Abdias (Livros Proféticos) Act Actos dos Apóstolos Ag Ageu (Livros Proféticos) Am Amós (Livros Proféticos) Ap Apocalipse Br Baruc (Livros Proféticos) Cl Colossenses (Cartas de São Paulo) Ct Cântico dos Cânticos Dn Daniel (Livros Proféticos) Dt Deuterónimo Ecl Eclesiastes (ou Qohélet) Ef Efésios (Cartas de São Paulo) Esd Esdras (Livros Históricos) Est Ester (Livros Históricos) Ex Êxodo Ez Ezequiel (Livros Proféticos) Fl Filipenses (Cartas de São Paulo) Flm Filémon (Cartas de São Paulo) Gl Gálatas (Cartas de São Paulo) Gn Génesis Hab Habacuc (Livros Proféticos) Heb Hebreus (Cartas de São Paulo) Is Isaías (Livros Proféticos) Jb Job (Livros Sapienciais)

Jd Judas (Cartas Católicas) Jdt Judite (Livros Históricos) Jl Joel (Livros Proféticos) Jn Jonas (Livros Proféticos) Jo João (Evangelhos) Jr Jeremias (Livros Proféticos) Js Josué (Livros Históricos) Jz Juízes (Livros Históricos) Lc Lucas (Evangelhos) Lm Lamentações (Livros Proféticos) Lv Levítico Mc Marcos (Evangelhos) Ml Malaquias (Livros Proféticos) Mq Miqueias (Livros Proféticos) Mt Mateus (Evangelhos) Na Naum (Livros Proféticos) Ne Neemias (Livros Históricos) Nm Números (Pentateuco) Os Oseias (Livros Proféticos) Pr Provérbios Rm Romanos (Cartas de São Paulo) Rt Rute (Livros Históricos) Sb Sabedoria (Livros Sapienciais) Sf Sofonias (Livros Proféticos) Sir Ben Sirá (ou Eclesiástico) Sl Salmos Tb Tobite (Livros Históricos) Tg Tiago (Cartas Católicas) Tt Tito (Cartas de São Paulo) Zc Zacarias (Livros Proféticos)


FONTES MANUSCRITAS ADB ADB ADB ADB ADB ADB ADL ARIRSM ARIRSM BN

BN BN BN MNA SGMF TT TT TT TT TT TT

CI - 186 – Definições que fazem nos Capítulos Gerais (Lº das) 1629 – (1748). CI – 192 - Capítulos Gerais. Doc.s 10 a 23. Século XVII – 1828. CI -191 – Resoluções tidas em Juntas do Capítulo Geral, 1708 – 1759/86. CI -189 – Leis do Capítulo Geral,1778 – (1812). CI -188 – Leis que se fizeram em Capítulos e Juntas Gerais, (1708- 1749). CI - 187 – Leis que se fizeram no Capítulo Geral 1663- (1705). Paroquiais, Paróquia do Bom Jesus de Salzedas. Mss. 21/25. Mss. 22/23. Códices Alcobacenses, Cod. 1254 (mic. 813), Couzas / memoravaens da Fundação deste / Convento de Nossa Senhora da Assunpção / do lugar de Teoboza, de Recole/as da ordem de Nosso Padre S. Bernardo / O segundo que se Fundou neste Reino de Portugal, na hera de 1692 a. Códices Alcobacenses, Cod. 148. Códices Alcobacenses, Cod. 1480, Sobre as contribuições para viagens chamadas viáticos de 14 de Setembro de 1770, fls. 368 – 377. Códices Alcobacenses, Cod. 1482, Regulamento das Pitanças, fls. 138-156. Códice sobre a fundação do Mosteiro de Salzedas. Museu Nacional de Arqueologia [Legado documental de Leite de Vasconcelos]. CJBC/VIS/TAR/ADMIN/012, Proc. 5938, L. 10, Fl. 388; Proc. 5939, L. 10. Mosteiro de Alcobaça, 3.ª Inc., mç. 4, doc. 184, fl. 3. A.H.M.F, Mosteiro de Santa Maria de Aguiar (nº3), cx.2191. A.H.M.F, Mosteiro de Santa Maria de Aguiar (nº3), cx.2191. A.H.M.F. Mosteiro de S.João de Tarouca, cx.2255. Fundo de Mosteiro de São João Baptista de Tarouca, Livro [dos] Graos de Noviciaria. A.H.M.F. Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, cx.2249.

FONTES CARTOGRÁFICAS D’ABEVILLE, 1654 SECO, 1559-1561 WIT, 1670 JAILLOT, 1711 CARPINETTI, 1769-1779

D’ABBEVILLE, N. S. (1654) - Parte septentrional do Reyno de Portugal. Paris: Ed. Autor. Disponível em: http://purl. pt/786/2/P7.html. SECO, F. S. (1559-1561) - Portugalliae que olim Lusitania, novissima & exactissima descriptio. Roma. Disponível em: http://purl.pt/5901. WIT, F. de (1670?) - Totius Regnorum Hispaniae et Portugalliae. Disponível em: http://www.bibliotecavirtualmadrid.org/ bvmadrid_publicacion/i18n/consulta/registro.cmd?id=964. JAILLOT, A-H. (1711) - Royaume de Portugal. Paris. Disponível em: http://purl.pt/3716 CARPINETTI, J. S. (1769 – 1779) - Mappas das provincias de Portugal novamente abertos, e estampados em Lisboa... Lisboa: Francisco Manoel Pires.

FONTES IMPRESSAS (PRIMÁRIAS E SECUNDÁRIAS) BRANDÃO&BASTO, 1945 BRANDÃO, 1632 BRANDÃO, 1987 BRITO, 1602 BRONSEVAL, COUCHERIL, 1970 CANIVEZ, 1933 CARDOSO, COLLAÇO, DIFFINIÇOENS, 1593

BRANDÃO, A., frei, & Basto, A. M. (1945). Crónicas de D. Sancho I e D. Afonso II. Porto: Livraria Civilização. BRANDAO, A., frei. (1632). Quarte parte da Monarchia Lusitana. Lisboa: [em o Mosteiro de S. Bernardo por Pedro Craesbeeck]. BRANDÃO, D. d. P. (1987). Obra de Talha Dourada, Ensamblagem e Pintura na Cidade e na Diocese do Porto: Documentação IV (1751 a 1755). Porto: [s.n.]. BRITO, B., frei (1602). Chronica de Cister. Lisboa: [Pedro Craesbeeck]. BRONSEVAL, C., frei (1970). Peregrinatio Hispanica, 1531-1533. Paris: Presse Universitaires de France. CANIVEZ, J-M. (1933) . Statuta Capitulorum Generalium Ordinis Cisterciensis. Louvain: Revue d’ Histoire Ecclésiastique, vol. I CARDOSO, L., padre (1751). Diccionario Geografico […]. Lisboa: Regia Officina Sylviana/Academia Real. Volume II. COLLAÇO, J. T de M. (1931). Cadastro da população do Reino (1527). Lisboa: Tipografia da Empresa Nacional de Publicidade. DIFFINIÇOENS da Ordem de Cistel e Congregaçam de Nossa Senhora de Alcobaça da Ordem de S. Bernardo. Lisboa, 1593.

193


GAIO, 1938-1941 GOMES, 1998 GUENTNER, 1988 MONTALVO, 1602 MORAIS, 1673 REBELLO, 1896 REIS&VASCONCELOS, 1934 REIS, 1936 REIS, 2002a

194

REIS, 2002b SILVA, 1725 SOUSA, 1680 VAZ, AMARAL& PIRES (1950)

VITERBO, 1984

GAIO, F. M. J. d. C. (1938-1941). Nobiliário de famílias de Portugal [Braga]: Agostinho de Azevedo Meirelles/ Domingos de Araújo Affonso. GOMES, S. A. (1998). Visitações a mosteiros cistercienses em Portugal. Lisboa: Ministério da Cultura/IPPAR. GUENTNER, Francis, org. e trad. (1988). Cîteaux. Documents primitifs. Cîteaux: Commentarii cistercienses. Montalvo, B. d., fr. (1602). Primera parte de la Coronica del Orden de Cister, e Instituto de San Bernardo [...]. Madrid: [por Luis Sanchez]. MORAIS, C. A. d. (autor), Vasconcellos, A. A. P. M., Cruz, A., & Freitas, E. A. C., publ. de. (1673 [ed. 1948]). Pedatura Lusitana (nobiliário de famílias de Portugal): Livraria Fernando Machado. REBELLO, J.M.P.T. (1896). Collecção Completa de Legislação Ecclesiástico-Civil desde 1832 até ao presente. Porto: Typographia Gutenberg, 1896.. REIS, B., frei, & Vasconcelos, J. L. d., ed. (1934). Livro da Fundação do Mosteiro de Salzedas. Lisboa: Imprensa Nacional. REIS, B. dos, frei. (1936). Breve relação da fundação e antiguidade do Mosteiro de Santa Maria de Salzeda. Lisboa: Biblioteca Nacional. REIS, B. dos, frei. (2002). Breve Relação da fundação e antiguidade do Mosteiro de Santa Maria de Salzeda. Salzedas: Fábrica da Igreja Paroquial de Salzedas. REIS, B., frei, & Vasconcelos, J. L. d., ed. (2002). Livro da Fundação do Mosteiro de Salzedas. Salzedas: Fábrica da Igreja Paroquial de Salzedas. SILVA, M. T. da. Colecçam dos documentos estatutos e memorias da Academia Real da Historia Portugueza [...]. Lisboa: [Officina de Pascoal da Sylva], 1725. SOUSA, M. F. e. (1680). Europa Portuguesa [...] (2.ª edição ed.). Lisboa: [Antonio Craesbeck de Mello]. VAZ, V., D., Amaral, J., & Pires, S., capitão. (1950). Relação dos objectos que figuraram na Exposição de Arte Sacra, realizada, em Outubro de 1950, no Museu Regional de Lamego [...]. [Museu Regional de Lamego]. [Lamego]. VITERBO, J. de S. R. (1984). Elucidário das Palavras, Termos e Frases que em Portugal antigamente se usaram e que hoje regularmente se ignoram (vol. 1). Porto: Livraria Civilização Editora.

BIBLIOGRAFIA CITADA AA.VV, 1996b

AA.VV., 1996a

AA.VV., 2009 ALMEIDA, 2001 ALMEIDA, BARROCA, 2002 ALVES, 2001, I ALVES, 2001, II ALVES, 2001, III ALVES, 2008 ALVES, 2008 ANDRADE, 2001 ANDROUET DU CERCEAU&COCK, 1549 AZEVEDO, 1877 AZEVEDO, 1958 AZEVEDO, 2005 BAPTISTA, 2008

[AA.VV.] (1996). Cister no Vale do Douro - coord. científica Geraldo Dias Coelho e Luís Miguel Duarte, ed. GEHVID- Grupo de Estudos de História da Viticultura Duriense e do Vinho do Porto e Edições Afrontamento, Lda. [AA.VV.] (1996). A Organização do Povoamento e dos Territórios do vale do Douro durante a idade Média - continuidades e rupturas. In Douro - Estudos e Documentos, vol.1, ed. GEHVID - Grupo de Estudos de História da Viticultura Duriense e do Vinho do Porto. [AA.VV.] (2009). O Órgão do Mosteiro de Arouca. Conservação e restauro do património musical. Arouca: Câmara Municipal de Arouca. ALMEIDA, C. A. F. de (2001). História da Arte em Portugal. O Românico. Lisboa: Editorial Presença. ALMEIDA, C. A. F. de; BARROCA, M. J. (2002) – História da Arte em Portugal. O Gótico. Lisboa: Editorial Presença. ALVES, A. (2001). Artistas e artífices nas Dioceses de Lamego e Viseu (Vol. 2001). Viseu: Governo Civil. ALVES, A. (2001). Artistas e artífices nas Dioceses de Lamego e Viseu (Vol. 2). Viseu: Governo Civil. ALVES, A. (2001). Artistas e artífices nas Dioceses de Lamego e Viseu (Vol. 3). Viseu: Governo Civil. ALVES, N. M. F (coord.) (2008). Dicionário de Artistas e Artífices do Norte de Portugal. Porto: CEPESE. ALVES, N. M. F., coord. (2008). Dicionário de Artistas e Artífices do Norte de Portugal. Porto: CEPESE. ANDRADE, S. C. (2001). O Porto na História do Cinema. Porto: Porto Editora. ANDROUET DU CERCEAU, J., & COCK, H., ca. 1510-1570. . (1549). [Six suites of engravings] Paris: [s.e.]. AZEVEDO, J. de (1877). Historia Eclesiastica da cidade e Bispado de Lamego. Porto: [Typographia do Jornal do Porto]. AZEVEDO, R. P. de (1958). Documentos Medievais Portugueses. Documentos Régios (Volume 1, tomo I). Lisboa: Academia Portuguesa de História. Azevedo, C. M. (coord. ed.). (2005). O Mártir. Santa Maria da Feira: Câmara Municipal de Santa Feira. BAPTISTA, T. (2008). As Cidades e os Filmes. Uma biografia de Rino Lupo. Lisboa: Cinemateca Portuguesa/ Museu do Cinema.


BARDÉCHE&BRASILLACH, 1938 BARREIRA, 2012 BARROCA 2008-2009 BARROCA, 2000 BARROCA; SEBASTIAN; CASTRO, 2008 BASCHET et alli, 2012a

BASCHET et alli, 2012b BORGES, 1987 BORGES, 1994 BORGES, 1998 BORGES, 2001 BORGES, 2013

BOTELHO&RESENDE, 2014 BOTELHO, 1917 BOTELHO, 2013a BOTELHO, 2013b

BRANDÃO, 1985 BRÉTEQUE, 1985

CAETANO et alli, 2012 CARVALHO, 1959 CARVALHO, 2012

CASIMIRO, 2004

CASTRO et alli, 2009

CASTRO, 2013

CASTRO, 2014a

BARDÈCHE, M.; BRASILLACH, R. (1938). History of the film. London: George Allen & Unwind Ltd. BARREIRA, H. D. da S. (2012). Porto, Cinema e Romantismo: um Janus na viragem do século. In SOUSA, G. de V. e (coord.). Actas do I Congresso O Porto Romântico. Volume I. Porto: Universidade Católica Editora, p. 261-278. BARROCA, M. J. (2008-2009). «De Miranda do Douro ao Sabugal: arquitectura militar e testemunhos arqueológicos medievais num espaço de fronteira». Portugália. (Nova Série, vol. XXIX-XXX) 193-252. BARROCA, M. J. (2000). Epigrafia Medieval Portuguesa: 862-1422. Textos universitários de Ciências Sociais e Humanas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian [4 vols]. BARROCA, M. J.; SEBASTIAN, L.; CASTRO, A.S. e (2008). Um “anel de oração” do século XIII no Mosteiro de S. João de Tarouca. Arqueologia Medieval (10) 145- 157. BASCHET, J., BONNE, J-C. e DITMAR P-O. (2012a), “Iter” et “locus”. Lieu rituel et agencement du décor sculpté dans les églises romanes d’Auvergne. Images Re-vues [em-linha] (3). Consult. 02-01-2015. Disponível em: http://imagesrevues.revues.org/1608 BASCHET, J., BONNE, J-C. e DITMAR P-O. (2012b), Remarques finales: retour sur l’agencement, Images Revues [em-linha] (3)Consult. 03-02-2015. Disponível em http://imagesrevues.revues.org/1806 BORGES, J. A. (1987). O Mosteiro de Santa Maria de Aguiar e os monges de Cister. Castelo Rodrigo: Câmara Municipal. BORGES, N. C. (1994). O programa iconográfico do coro do Mosteiro de Lorvão. In D. d. E. d. IPPAR (Ed.), Arte e arquitectura nas Abadias Cistercienses nos séculos XVI, XVII e XVIII (vol. 3). Lisboa: IPPAR, 253-290. BORGES, J. A. (1998) — «O real mosteiro de Santa Maria de Aguiar: resenha histórica». In IX Centenario de la Fundación del Cister. II Congreso Internacional sobre el Cister en Galicia y Portugal. Actas (vol. 1, 181-203). BORGES, J. A. (2001). Castelo Rodrigo: Passado e Presente. Figueira de Castelo Rodrigo: Câmara Municipal. BORGES, J. P. de A.(2013). Marques de Abreu: A Fotografia e a Edição Fotográfica na Defesa do Património Cultural. Tese de Doutoramento em História da Arte Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Portugal. BOTELHO, M. L. & RESENDE, N., (2014). Igreja de Santa Maria Maior de Tarouquela. In MACHADO, R. C. (coord. geral), ROSAS & L. M. C. (coord. cient.). Rota do Românico (Vol. 2, 189-217). [S.l.]: Rota do Românico. BOTELHO, A. [1917]. Mulheres da Beira. 2ª Edição (refundida). Porto: Livraria Chardon. BOTELHO, M. L. (2013). A Historiografia da Arquitectura da Época Românica em Portugal (1870-2010). Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas. Lisboa: FCG/FCT. BOTELHO, M. L. (2013). «Cister e Território na Época Românica. O Espírito do lugar nos Mosteiros Cistercienses” In CARREIRAS, José Albuquerque (dir.) – Mosteiros Cistercienses. História, Arte, Espiritualidade e Património. Actas do Congresso (Yomo II, 85-105). Alcobaça: Jorlis. BRANDÃO, D. P., D. (1985). Obra de talha dourada, ensamblagem e pintura na cidade e na diocese do Porto: documentação II 1700 a 1725. Porto: [edição do autor]. BRETÈQUE, F. de la (1985). «Image d’un animal: le lion. Sa définition et ses “limites”, dans les textes et l’iconographie (XIe-XIVe siècle)». In Le monde animal et ses représentations au Moyen-Âge (XIe-XVe siècles). (143-154). Disponível em: http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/shmes_12619078_1985_ act_15_1_1443 CAETANO, J. O., coord. cient., CARVALHO, J. A. S. d., coord. cient., & HENRIQUES, A. d. C., coord. ed. (2012). Jan Provoost: o tríptico de Nossa Senhora da Misericórdia. Lisboa: MNAA. CARVALHO, J. dos S. (1959). A Santa Bárbara de Cimbres. [Edição do autor]. CARVALHO, A. D. S. (2012). O códice polifónico de Arouca: estudo e transcrição. Dissertação de mestrado Ciências Musicais/Variante de Musicologia Histórica. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humandas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal. Disponível em http://run.unl.pt/handle/10362/9132. CASIMIRO, L. A. E. d. S. (2004). A anunciação do Senhor na pintura quinhentista portuguesa (1500-1550) : análise geométrica, iconográfica e significado iconológico. Tese de Doutoramento. Porto: Universidade do Porto, Portugal [2 volumes]. CASTRO, A.S. e; SEBASTIAN, L; BARROCA, M.J. (2009). A sacralização dos espaços no séc. XII-XIII no mosteiro cisterciense de S. João de Tarouca – a deposição votiva de um anel de oração e uma panela. In Arte, poder e religião nos tempos medievais. A identidade de Portugal em construção. Catálogo da Exposição. Viseu: Câmara Municipal. PP. 208-219. CASTRO, A.S. e (2013).Vias medievais nos coutos monásticos de S. João de Tarouca e Sta Maria de Salzedas. In Atas das 1ªs Conferências Museu de Lamego/CITCEM (105-124). Lamego: Museu de Lamego. Disponível em:< http://www.museudelamego.pt/wp-content/uploads/2013/10/1%C2%AAs-Atas-Museu-de-Lamego-PDF.pdf> CASTRO, A.S. e (2014). O Mosteiro de Santa Maria de Salzedas: da fundação à extinção. Lamego: Vale do Varosa-DCRN.

195


CASTRO, 2014b CASTRO; SEBASTIAN, 2002 CHEVALIER&GHEERBRANT, 1982 CHOAY, 2000 CINTRA, 1959

COCHERIL, 1978 COELHO, 1989 CORREDOURA, 2007

196

CORTEZ, 1957 costa, 1979 COSTA, 1984 COUTO, 1927 DIAS, 1992 DIAS, 1996 DIAS, 1997 DIAS, 2000 DUCHET-SUCHAUX, PASTOREAU, 2009 DURLAT, 1985

FARIA, 1987 FERNANDES, 1984 FERNANDES, 1995 FERREIRA, 2003 FERREIRA, 2007

FERREIRA, 2008 FERREIRA, 2009

FERREIRA, 2010 FERREIRA, 2013

FERREIRA-ALVES, 1992

CASTRO, A.S. e (2014). A Paisagem Monástica no Vale do Varosa: o caso dos mosteiros cistercienses de St.ª Maria de Salzedas e S. João de Tarouca». CEM. Cultura, Espaço & Memória (4) 25-44. CASTRO, A.S. e; SEBASTIAN, L. (2002). A Intervenção Arqueológica no Mosteiro de S. João de Tarouca: 19982001. Estudos/Património (2) 33-42. CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. (1982). Dicionário dos Símbolos. Lisboa: Teorema. CHOAY, F. (2000). A Alegoria do Património. Lisboa: Edições 70. CINTRA, L.L. (1959). A linguagem dos foros de Castelo Rodrigo: seu confronto com a dos foros de Alfaiates, Castelo Bom, Castelo Melhor, Coria, Cáceres e Usagre - contribuição para o estudo do leonês e do galegoportuguês do séc. XIII. Lisboa: Instituto da Alta Cultura. COCHERIL, M., frei (1978). Routier des abbayes cisterciennes du Portugal. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian - Centro Cultural Português de Paris. COELHO, M. H. da C. (1989). Arouca. Uma Terra, um Mosteiro, uma Santa. Arouca: Câmara Municipal de Arouca. CORREDOURA, L. (2007). Cister e o Mosteiro de Santa Maria de Aguiar - o ordenamento do território, a fixação de populações, o património disperso. Dissertação de Mestrado em Recuperação do Património Arquitectónico e Paisagístico. Évora: Universidade, Portugal. CORTEZ, F. R. (1957). Mestre Arnao de Carvalho, entalhador flamengo 1506-1533. Viriatis, 1(1), 10-15. COSTA, A. (1979). Breve História do Cinema Português 1896-1962. Lisboa: Instituto de Cultura Portuguesa. COSTA, M. G. (1984) História da cidade e bispado de Lamego. Braga: [edição de autor]. Couto, J. (1927). O Convento de St.ª Maria de Aguiar em Riba-Côa (termo de Castelo Rodrigo). Porto: [edição do autor]. DIAS, P (1992). «Santa Bárbara». In No Tempo das Feitorias (164-165). Lisboa: Museu Nacional de Arte Antiga. DIAS, J. J. A. (1996). Gentes e espaços (vol. I). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/JNICT. DIAS, J. A. Geraldo Coelho (apres., trad. e notas de) (1997). Apologia para Guilherme, Abade. Porto: Fundação Eng. António de Almeida. DIAS, P. (2000). Virgem com o Menino. In AZEVEDO, C. A. M.; SOALHEIRO, J. (coord. cient.). Cristo Fonte de Esperança (p. 469). [Porto]: Diocese do Porto. DUCHET-SUCHAUX, G.; PASTOREAU, M. (2009). Guía Iconográfica de la Biblia y los Santos. Madrid: Alianza Editorial. DURLIAT, M. (1985). «Le monde animal et ses représentations iconographiques du XIe au XVe siècle». In Le monde animal et ses représentations au Moyen-Âge (XIe-XVe siècles). Université de Toulouse-Le Mirail, Toulouse, 73-92. Disponível em http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/shmes_12619078_1985_ act_15_1_1437 FARIA, A. M. (1987) Função da carreira eclesiástica na organização social do Antigo Regime. Ler História. Lisboa: Edições Salamandra (11). FERNANDES, A. de A. (1984). Os primeiros documentos de Santa Maria da Salzeda. (até à morte da fundadora): comentários e defesa. Separata da «Revista de Guimarães». Guimarães: Sociedade Martins Sarmento. FERNANDES, A. de A. (1995). As dez freguesias do concelho de Tarouca. [Braga]: Câmara Municipal de Tarouca. FERREIRA, M. P. (2003). La réforme cistercienne du chant liturgique revisitée: Guy d’Eu et les premiers livres de chant cisterciens. Revue de Musicologie (89) 47-56. FERREIRA, M. P. (2007). O Templo, o Tempo e o Som: sobre a expressão musical da liturgia latina (período medieval). Medievalista online (3). Disponível em: http://www2.fcsh.unl.pt/iem/medievalista/MEDIEVALISTA3/ medievalista-som.htm. FERREIRA, M. P. (2008). Antologia de Música em Portugal na Idade Média e no Renascimento (introd., coord., dir. musical). Lisboa: Arte das Musas / Cesem [2 vols. e 2 cds]. FERREIRA, M.P. (2009). A música antiga nos manuscritos de Arouca: contribuição para um catálogo. In MELO, A. (coord.) O órgão do Mosteiro de Arouca: conservação e restauro do património musical (pp. 40.53). Vila Real – Arouca: DCRN/Câmara Municipal de Arouca. FERREIRA, M.P. (2010). Aspectos da Música Medieval no Ocidente Peninsular, vol. 2: Música eclesiástica. Lisboa: INCM/ FCG. FERREIRA, M.P. (2013). Dating a Fragment: A Cistercian Litany and its Historical Context. In SCAPPATICCI, L. (ed.), ‘Quod ore cantas corde credas’: Studi in onore di Giacomo Baroffio Dahnk (pp. 293-313). Roma: Libreria Editrice Vaticana. FERREIRA-ALVES, N. M. (1992). “A apoteose do Barroso nas igrejas dos Conventos Femininos Portugueses”. In Congresso do Monacato Feminino. Léon, Abril.


FERREIRA-ALVES, 2001 FIALHO CONDE, 2009 FIGUEIREDO, 1924a FIGUEIREDO, 1924b FORTU, 2014

FREILE, 2007

GARCÍA GARCÍA, 2009 GOMES, 1996 GOMES, 2006 GÓMEZ GARCIA, 1997 GUERRA, 1986 GUITARTE IZQUIERDO, 1994 HERCULANO, 1977 HONDIUS, 1647 JOAQUIM, 1957 LANZUELA HERNÁNDEZ, 2006 LEAL, 1878 LEKAI, 1987 LOBO, 1840 MACHADO, 1752 MACHADO, 1752 MAÎTRE, 1995 MANZARBEITIA VALLE, 2009 MARQUES ABREU, 1904 MARQUES, 1979 MARQUES, 1981 MARQUES, 1998 MARQUES, 2000

MATTOSO, 1972 MATTOSO, 1997 MELO, 1992

FERREIRA-ALVES, N. M. (2001). A Escola da Talha Portuense e a sua influência no Norte de Portugal. Lisboa: Ed. INAPA. FIALHO CONDE, A. (2009). Cister a Sul do Tejo. O mosteiro de S.Bento de Cástris e a Congregação Autónoma de Alcobaça (1567-1776). Lisboa: Edições Colibri. FIGUEIREDO, J. de (1924a). Pintura primitiva portuguesa: Jorge Afonso. Lusitania. I (fasciculo 2) 217-232 FIGUEIREDO, J. de (1924b) Bibliografia. Lusitania, I (fascículo 3) 413-421. FORTU, M. (2014). Os manuscritos litúrgico-musicais da Ordem de Cister em Portugal e na Galiza (Espanha). Tese de Doutoramento em Ciências Musicais. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humana, Universidade Nova de Lisboa, Portugal. FREILE, F. G. (2007). El proceso de internacionalización de la miniatura en torno al año 1200 en la Península Ibérica: el antifonario y el martirologio de Las Huelgas Reales de Burgos. In El monacato en los reinos de León y Castilla (siglos VII-XIII)/X Congreso de Estudios Medievales 2005 (pp. 437-456). Ávila: Fundación Sánchez Albornoz. GARCÍA GARCÍA, F. de A. (2009). El Léon. Revista Digital de Iconografía Medieval. I (2) 33-46. Disponível em: https://www.ucm.es/bdiconografiamedieval/numero-2 GOMES, P. V. (1996). O caso de Carlos Gimach (1651-1730) e a historiografia da arquitectura portuguesa. Museu (5) 141-156. GOMES, S. A. (2006). A congregação cisterciense de Santa Maria de Alcobaça nos séculos XVI e XVII: elementos para o seu conhecimento. Lusitania Sacra (18) 375-431. GÓMEZ GARCIA, M. C. (1997). Mujer y clausura - Conventos Cistercienses en la Málaga Moderna. Málaga: Universidad de Málaga / Publicaciones Obra Social y Cultural Cajasur. GUERRA, Manuel (1986). Simbologia Románica. El Cristianismo e otras religiones en Arte Románico. Madrid: Fundación Universitaria Española. GUITARTE IZQUIERDO, V., ed. (1994). Episcopologio español (1500-1699): españoles obispos en España, América, Filipinas y otros países: Instituto Español de Historia Eclesiástico. HERCULANO, A; NEMÉSIO, V. (introd., rev.). Obras completas de Alexandre herculano: O Monge de Cister. Livraria Bertrand, 1977. HONDIUS, H., 1573-. (1647). Grondige onderrichtinge in de optica, ofte, Perspective konste [...]. Amsterdão: [Frederick de Wit]. JOAQUIM, M. (1957). O Colectário de Arouca e os seus textos musicais. Porto: [Imprensa Portuguesa]. LANZUELA HERNÁNDEZ, J. (2006). “Una aproximación al estúdio iconográfico de San Sebastián”. Studium. Revista de Humanidades (12) 231-258. LEAL, A. S. d. A. B. d. P. (1878). Portugal Antigo e Moderno (Vol. 8). Lisboa: Livraria Editora de Mattos Moreira & Companhia. LEKAI, L. J. (1987). Los Cistercienses – Ideales y realidad. Barcelona: Editorial Herder. LOBO, M. d. M. Á. (1840). Chronica do cardeal rei d. Henrique [...]. Lisboa: [Typographia da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis]. MACHADO, D. B. (1752). Bibliotheca Lusitana (Tomo III). Lisboa: [Na Officina de Ignacio Rodrigues]. MACHADO, D. B. (1752). Bibliotheca Lusitana [...] (Vol. 3). Lisboa: [Na Officina de Ignacio Rodrigues]. MAÎTRE, C. (1995). La réforme cistercienne du plain-chant: Étude d’un traité théorique. Brecht: Commentarii cistercienses. MANZARBEITIA VALLE, S. (2009). “San Cristóbal” in Revista Digital de Iconografia Medieval, vol. I, nº 1, pp. 43-49. MARQUES ABREU, J. A. (1904). Gravura Chimica nas Illustrações. Seu Processo de Execução. Porto: Edição do Escriptorio de Publicações [edição do autor]. MARQUES, A. H. de O. (1979). Pesos e Medidas. In SERRÃO, J. (dir. de) Dicionário de História de Portugal (vol. V, pp. 67-72) Lisboa: Iniciativas Editoriais. MARQUES, A. H. de O. (1981). A Sociedade Medieval Portuguesa (4.ª ed.). Lisboa: Sá da Costa Editora. MARQUES, M. A. F. (1998). Estudos sobre a Ordem de Cister em Portugal. Lisboa, Edições Colibri. MARQUES, M. A. (2000). Bronseval revisitado ou o saldo da medievalidade nos mosteiros cistercienses portugueses (vol. 3). In D. d. E. d. IPPAR (Ed.), Arte e arquitectura nas Abadias Cistercienses nos séculos XVI, XVII e XVIII (pp. 71-84). Lisboa: IPPAR, 71-84. MATTOSO, J. (1972). Eremitas portugueses no século XII. Lusitana Sacra, (9) 1-40. MATTOSO, J. (1997). No Centenário de S. Bento da Vitória. In Actas do Ciclo de Conferências (pp. 15-19). Porto: Arquivo Distrital do Porto / Mosteiro de S. Bento da Vitória, 1997. MELO, Á. d. A. L. P. e. (1992). Azeredos de Mesão Frio (2.ª edição ed.). Barcelos: Américo Fraga Lamares e C.ª Ld.ª.

197


MIRANDA, 1995

MIRANDA, 1998

MONGE ZAPATA, 2011 MOREIRA, 1911 MOTA, 1989 MUÑIZ, 1793 NATIVIDADE, 1885 NUNES, 2006 OLIVEIRA, 1971

198

OSÓRIO, 1872a OSÓRIO, 1872b OSÓRIO, 1879 PEREIRA&RODRIGUES, 1905 PÉREZ GONZALEZ; ROSAS; BOTELHO, 2010 PINA, 1986 PINTO, 1985 PINTO, 2013 PIRES DE ALMEIDA, 2015 REAU, 2000 REAU, 2001 REAU, 2002 RÊPAS, 2003 RESENDE, 2006 ROCHA, 2006

ROCHA, 2009 ROCHA, 2011 RODRIGUES, 1992 RODRIGUES, 2000 RODRIGUES, 2004

ROSAS, 1995

S. AGOSTINHO, 1793

MIRANDA, M. A. (1995). Do esplendor do ornamento à simplicidade da imagem: A iluminura românica dos manuscritos do Mosteiro de S. Pedro de Arouca. In O Mosteiro de Arouca: Pergaminhos [Catálogo de exposição] (pp. 5-12). Arouca: Real Irmandade da Rainha Santa Mafalda / Museu de Arte Sacra. MIRANDA, M. A. (1998). Um olhar sobre as artes plásticas cistercienses: a Galiza e Portugal». In Rodrigues, J. e VALLE PÉREZ, X. C. (coord.) Arte de Cister em Portugal e Galiza (pp. 140-183). [Lisboa-Coruña]: FCG/Fundación Pedro Barrié de la Maza. MONGE ZAPATA, M. A. (2011). Santa María de la Sierra: una curiosa opción ornamental dentro del Císter castellanoleonés. Anales de Historia del Arte. (vol. ext..) 331-351. MOREIRA, V., abade (1911). Ruínas. In MARQUES ABREU, J. A. (dir.) Arte. Archivo de Obras de Arte. Porto: [s.n.] (73) 4-8. MOTA, Salvador Magalhães (1989). O Mosteiro de Sta. Maria de Bouro. Propriedade e Rendas. Dissertação de mestrado em História Moderna, Porto: Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Portugal. MUÑIZ, R., frei. (1793). Biblioteca Cisterciense Española. Burgos: [Por Don Joseph de Navas]. NATIVIDADE, M. V. (1885). O Mosteiro de Alcobaça (Notas históricas). Coimbra: Imprensa Progresso. NUNES, A. L. P. (2006). Dicionário de Arquitectura Militar. Lisboa: Caleidoscópio. OLIVEIRA, A. (1971). A vida Económica e Social de Coimbra de 1537 – 1640. Coimbra, [Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra – Instituto de Estudos Históricos Dr. António de Vasconcelos]. OSÓRIO, M. d. P. B. M. (1872). Convento de Santo António de Ferreirim. Novo Almanach de Lembranças LusoBrazileiro para o anno de 1873, 178-180. OSÓRIO, M. d. P. B. M. (1872). O crepúsculo da manhã. Novo Almanach de Lembranças Luso-Brazileiro para o anno de 1873, 347-348. OSÓRIO, M. d. P. B. M. (1879). Uma familia que viveu no seculo passado. Porto: [Imprensa Commercial]. PEREIRA, E., & RODRIGUES, G. (1905). Portugal (Vol. 23). Lisboa: João Romano Torres - editor. PÉREZ GONZÁLEZ, J.M. (dir.); Rosas, Lúcia Maria Cardoso e Botelho, Maria Leonor (coord. cient.) Arte Românica em Portugal, Aguilar de Campoo, Fundación Santa Maria la Real – Centro de Estudios del Románico e Fundación Rámon Areces. PINA, L. de (1986). História do Cinema Português. Lisboa: Publicações Europa-América. PINTO, J. C. (1985). Resende nas Letras. Braga: [edição do autor]. PINTO, R. N. (2013). Caracterização das paredes de tabique do centro histórico de Viseu. Dissertação de mestrado em Engenharia de Construção e Reabilitação. Viseu: Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Portugal. PIRES DE ALMEIDA, Francisca (2015). “S. José e a prática de partejar na Natividade: Gestos identificadores de um santo parteiro”. Eikón Imago (7) 113-134. RÉAU, L. (2000). Iconografia del arte cristiano (Vol. 3). Barcelona: Ediciones del Serbal. RÉAU, L. (2001). Iconografia del arte cristiano (2.ª edição ed. Vol. 4). Barcelona: Ediciones del Serbal. RÉAU, L. (2002). Iconografia del arte cristiano (Vol. 5). Barcelona: Ediciones del Serbal. RÊPAS, L. M. (2003). Quando a Nobreza Traja de Branco. A Comunidade Cisterciense de Arouca durante o Abadessado de D. Luca Rodrigues (1286-1299). Leiria: Magno Edições. RESENDE, N., & Braga, A., col. (2006). A Montante do Tempo. Lamego: Diocese. ROCHA, M.J.M. da (2006). “Luz e cor: a ambiência na arquitectura. Análise da igreja e do coro do Mosteiro de Santa Maria de Arouca”. Sep. Actas do III Congresso Internacional sobre el cister en Galicia y Portugal. Ourense, Tomo I. ROCHA, M.J.M. da (2009). Enigmas e descodificações da igreja e do coro do mosteiro de Santa Maria de Tarouca. Poligrafia (13/14) 21-36. ROCHA, M. J. M. da (2011). A Memória de um Mosteiro. Santa Maria de Arouca (Séculos XVII-XX). Das Construções e das Reconstruções. Porto: Edições Afrontamento. RODRIGUES, M. D. A. (coord.) (1992). Grão Vasco e a pintura europeia do Renascimento. Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. RODRIGUES, M. D. A. (2000). Modos de expressão na pintura portuguesa: o processo criativo de Vasco Fernandes. Coimbra: Universidade. Tese de doutoramento [2 volumes]. RODRIGUES, D. (2004). A decoração retabular quinhentista das igrejas dos mosteiros de Santa Maria de Salzedas e S. João de Tarouca. Artistas e programas. In Tarouca e Cister: espaço, espírito e poder - actas. Lamego: Câmara Municipal de Tarouca. ROSAS, L. M. C. (1995). Monumentos Pátrios. A Arquitectura Religiosa Medieval – Património e Restauro (18351928) (2 vols.). Porto: Dissertação de Doutoramento em História da Arte em Portugal. Porto: Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Portugal S. AGOSTINHO, J., frei (1793). Memoria sobre os Codices Manuscritos, e Cartorio do Real Mosteiro de Alcoba-


S. BOAVENTURA, 1827 S.A. 1959 S.A., 1776 S.A., 1906 S.A., 1967 S.A., 1968 S.A., 1971 SANTOS, 1946 SANTOS, 1962 SEBASTIAN; LATOUR-ARGANT; CASTRO, 2008 SERRÃO, 1970 SERRÃO, 2005 SILVA, 1989

SILVA, 1993 SILVA, 1994 SILVA, 2007 SILVA, 2007 SMITH, 1968 SOALHEIRO, 2006 SOARES & CARVALHO, 2004 SOBRAL, 2000 SOBRAL, 2006a SOBRAL, 2006b SOUSA&GOMES, 1998 SOUSA, 2005 TAKESHITA, 1980

VASCONCELOS, 1933 VORAGINE, 2004 VREDEMAN DE VRIES & HONDIUS, 1604

ça. In Memorias de Litteratura Portugueza (Tomo V). Lisboa: [Na Oficina da Academia Real das Ciências. S. BOAVENTURA, F., frei. (1827). Historia Chronologica, e Critica da Real Abbadia de Alcobaça, da congregação cisterciense de Portugal [...]. Lisboa: [Na Impressao regia]. [S.a.]. (1959). Primitivos da Diocese de Lamego. [Porto]: Museu Regional de Lamego. [S.A.]. (1776). Summario da Bibliotheca Luzitana. Lisboa: [Na Officina de Antonio Gomes]. [S.a.] – Arte. Correio do Norte (2 Nov. 1906). [S.A.]. (1967). Primitivos da Beira Douro. Lamego: [s.e.]. [S.a.]. (1968). O Credo na Arte. Lamego: Museu de Lamego. [S.a]. (1971). Catálogo de antiguidades e objectos de arte. [Lisboa]: [Dinastia Antiquários]. SANTOS, L. R. (1946). Vasco Fernandes. Lisboa: [edição do autor]. SANTOS, L. R. (1962). Vasco Fernandes. Lisboa: Artis. SEBASTIAN, L; LATOUR-ARGANT, C.; ARGANT, J; CASTRO, A. S. e (2008). A implantação medieval do mosteiro de S. João de Tarouca. Dados palinológicos. Arqueologia Medieval (10) 135-144. SERRÃO, J. V. (1970). A população de Portugal em 1798: O censo de Pina Manique. Paris: Centro Cultural Português da Fundação Calouste Gulbenkian. SERRÃO, V. (2005). S. Sebastião, como cavaleiro. In AZEVEDO, C. M. (ed.) O Mártir: corpo ferido na árvore (p. 74). Santa Maria da Feira: Câmara Municipal. SILVA, A. M. (1989) – Desamortização e venda dos bens nacionais em Portugal na primeira metade do século XIX. Tese de doutoramento em Letras (História Moderna e Contemporânea). Coimbra: Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Portugal. SILVA, A. M. (1993). A desamortização. In MATTOSO, J. (dir.) História de Portugal (vol. V, p. 341) Lisboa: Círculo de Leitores. SILVA, A.M. P. (1994). Abel Botelho e a «Frecha da Mizarela»: - imagens de Arouca na literatura oitocentista. Rurália (3) 135-155. SILVA, C. M. T. da (2007). Reflexos do liberalismo no mosteiro de Salzedas. Douro - Estudos&documentos (22) 207-218. SILVA, C. M. T. da (2007). Movimentos sociais no Douro no período de instauração do liberalismo (18341855). Porto: Gehvid. SMITH, R. C. (1968). Cadeirais de Portugal. Lisboa: Livros Horizonte. SOALHEIRO, J. (2006). Santos cistercienses. In RESENDE, N. (ed.) O Compasso da Terra (vol. 2, pp. 124-126). Lamego: Diocese. SOARES, E., & CARVALHO, J. A. S. d. (2004). Cores, figura e luz. [s.l.]: Museu Nacional Soares dos Reis. SOBRAL, L. de M. (2000). A capela do Desterro de Alcobaça: estilo, narração e simbolismo. In Actas Cister, Espaços, Territórios, Paisagens (vol. II). Lisboa: IPPAR, 407-424. SOBRAL, L. d. M. (2006). Conjunto pictórico da sacristia da igreja de Salzedas. In RESENDE, N. (ed.) O Compasso da Terra (vol. 2, pp. 133-134). Lamego: Diocese. SOBRAL, L. d. M. (2006). Episódios das vidas de S. Bento de Núrsia e São Bernardo de Claraval. In RESENDE, N. (ed.) O Compasso da Terra (vol. 2, pp. 127-132). Lamego: Diocese. SOUSA, C. M. A. De P. e GOMES, A. A. (1998) Intimidade e encanto. O Mosteiro Cisterciense de Sta. Maria de Cós (Alcobaça) (pp. 127-134). Leiria: Edições Magno / IPPAR / Ministério da Cultura. SOUSA, B. V. e (dir.) (2005). Ordens Religiosas em Portugal. Das Origens a Trento – Guia Histórico. Lisboa: Livros Horizonte. TAKESHITA, M. I. (1980). Les lions dans la sculpture romane en Poitou. Cahiers de Civilisation Médiévale (23) 37-54. Disponível em: http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/ccmed_00079731_1980_ num_23_89_2132 VASCONCELOS, J. L. de (1933). Memórias de Mondim da Beira. Lisboa: Imprensa Nacional. VORAGINE, J. de (2004). Legenda Aurea. Porto: Civilização. VREDEMAN DE VRIES, H., 1527-ca. 1604, & HONDIUS, H., 1573-. (1604). Perspective, id est [...]. Lvgdvni Batavorum: [Hendrik Hondius].

199


Índice

6 8 12

Prefácio | Luis Sebastian Prefácio | Maria Alegria Marques Introdução | Nuno Resende CATALOGRAFIA

16 22 28 34 40 46 52 56 64 72 80 94 104 112 126 134 140 154 158 164 168 182 190 192

1| Mosteiro de São Pedro das Águias Maria Leonor Botelho 2 | Capitel de Claustro com leões afrontados Lúcia Rosas 3 | A sacralização dos espaços: o anel de oração do mosteiro de São João de Tarouca Ana Sampaio e Castro 4 | A música na Ordem de Cister e os antifonários de Arouca Manuel Pedro Ferreira 5 | O couto de Santa Maria de Salzedas: o marco territorial de Cimbres Ana Sampaio e Castro 6 | As Granjas de Santa Maria de Aguiar: o caso da Foz da Ribeira de Aguiar Luís Corredoura 7 | A Ponte fortificada da Ucanha Ana Sampaio e Castro 8 | O Mosteiro e o Burgo Ana Sampaio e Castro e Nuno Resende 9 | A escultura de Santa Bárbara em Cimbres Nuno Resende 10 | São Sebastião e Santo Antão: duas pinturas revisitadas Ana Cristina Sousa e Nuno Resende 11 | Frei Bernardo de Brito e os escritores dos mosteiros cistercienses do Douro Nuno Resende 12 | O claustro do mosteiro de Nossa Senhora da Assunção de Tabosa: uma arquitectura «senza temopo» Ana Cristina Sousa 13 | Espelhos de modelos: a pintura hagiográfica do coro da igreja de São João de Tarouca Nuno Resende 14 | O coro do Mosteiro de Santa Maria de Arouca: uma leitura iconográfica Ana Cristina Sousa 15 | VASCONCELOS: a história social de um prato Nuno Resende 16 | Uma tigela brasonada de faiança coimbrã Luís Sebastian 17 | Práticas sociais, quotidiano e emolumentos dos monges da Congregação de Alcobaça da Ordem de São Bernardo Salvador Magalhães Mota 18 | O decreto de extinção das ordens religiosas: impacto nos mosteiros cistercienses do Douro Célia Taborda 19 | O Romantismo literário e os mosteiros cistercienses do Douro: uma voz feminina entre ruínas Nuno Resende 20 | S. João de Tarouca: as ruínas do Mosteiro (cliché e similigravura de Marques Abreu) Maria Leonor Botelho 21 | Um «convento» de celulóide - Santa Maria de Arouca no filme Mulheres da Beira de Rino Lupo (1921-23) Hugo Barreira 22 | A classificação do património imóvel: do Estado Novo aos nossos Dias David Ferreira e Miguel Rodrigues Projecto expositivo Fontes e referências bibliográficas


Profile for  Museu de Lamego

Cister no Douro | catálogo de exposição  

Indo além do convencional formato de catálogo de exposição, esta obra procurou reunir um conjunto diversificado de investigadores que, no to...

Cister no Douro | catálogo de exposição  

Indo além do convencional formato de catálogo de exposição, esta obra procurou reunir um conjunto diversificado de investigadores que, no to...

Profile for 066239
Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded