Page 1


Célia Maria Carolino Pires Mestra em Matemática e Doutora em Educação. Professora Titular da PUC/SP e pesquisadora, atuando no Programa de Estudos Pós Graduados em Educação Matemática da PUC/SP. Da equipe de coordenação e elaboração dos PCN do Ensino Fundamental e da EJA, no MEC. Assessora de Secretarias estaduais, municipais e escolas particulares, em Projetos de Organização Curricular e Formação de Professores. Ivan Cruz Rodrigues Mestre em Ensino de Matemática, diretor de escola da Rede Pública Estadual de São Paulo, docente em curso de Licenciatura em Matemática e em curso de Especialização para professores do Ensino Fundamental e formador de professores em programas de formação continuada.

1a edição São Paulo

2011


Nosso Livro de Matemática – 2o ano (Ensino Fundamental) © Zapt Editora Ltda Direitos desta edição Zapt Editora LTDA – São Paulo, 2011 Todos os direitos reservados

Coordenação editorial Zapt Editora

Edição de texto e revisão Carol Araújo

Pesquisa iconográfica M&C Mercado e Comunicação

Arte

Projeto gráfico de miolo CJT/Zapt

Projeto de capa Ary Normanha

Iconografia Jun Ylit Takata Normanha

Foto de capa Shutterstock

Ilustradores Gilberto Miadaira, Luiz Augusto Ribeiro

e Vagner Roberto de Farias

Coordenação de produção Andréa Vaz Varela

Diagramação e finalização Zapt Editorial

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Pires, Célia Maria Carolino Nosso livro de matemática, 2º ano / Célia Maria Carolino Pires e Ivan Cruz Rodrigues . — 1. ed. — São Paulo : Zé-Zapt Editora, 2011. Bibliografia ISBN 978-85-64042-04-9 (aluno) ISBN 978-85-64042-03-2 (professor) 1. Matemática (Ensino fundamental) I. Rodrigues, Ivan Cruz. II. Título. 11-03288

CDD-372.7 Índices para catálogo sistemático: 1. Matemática : Ensino fundamental 372.7

Esta obra está em conformidade com as novas regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990, e aprovado pelo Decreto Legislativo no 54, de 18 de abril de 1995, publicado no Diário Oficial da União em 20/04/1995 (Seção I, p. 5585). O material de publicidade e propaganda reproduzido nesta obra está sendo utilizado apenas para fins didáticos, não representando qualquer tipo de recomendação de produtos ou empresas por parte do(s) autor(es) e da editora.

Zapt Editora Ltda. Rua Moacir Miguel da Silva, 4 • conjunto 7 • Jardim Bonfiglioli • São Paulo • SP Telefone: (0XX11) 3731-6637 • Fax (0XX11) 3735-4836 • E-mail: ctakachi@uol.com.br


Nosso Livro de Matemรกtica


Célia Maria Carolino Pires Mestra em Matemática e Doutora em Educação. Professora Titular da PUC/SP e pesquisadora, atuando no Programa de Estudos Pós Graduados em Educação Matemática da PUC/SP. Da equipe de coordenação e elaboração dos PCN do Ensino Fundamental e da EJA, no MEC. Assessora de Secretarias estaduais, municipais e escolas particulares, em Projetos de Organização Curricular e Formação de Professores.

Ivan Cruz Rodrigues Mestre em Ensino de Matemática, diretor de escola da Rede Pública Estadual de São Paulo, docente em curso de Licenciatura em Matemática e em curso de Especialização para professores do Ensino Fundamental e formador de professores em programas de formação continuada.


Apresentação Você já deve ter observado que em quase todas as situações do nosso dia-a-dia utilizamos conhecimentos diversos e inclusive conhecimentos matemáticos. Com certeza você já viu em jornais, revistas e folhetos, anúncios com preços de mercadorias ou resultados de pesquisas sobre índices econômicos ou intenções de votos numa eleição. Informações como essas dependem de algumas representações matemáticas para serem comunicadas de forma mais eficiente, como é o caso do uso de símbolos numéricos, tabelas e gráficos. Os conhecimentos matemáticos também estão presentes nas medições que fazemos do tempo e da temperatura, de comprimentos, de massas e de capacidades. Neste livro, nossa proposta é a de viajar pelo mundo em que vivemos e descobrir como a Matemática está presente nele. O convite que fazemos a você e a seus amiguinhos é o de participar dessa aventura deliciosa de conhecer... Os autores


Sumário Unidade 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 Contando o tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Como nos localizamos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Unidade 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

34

Os números e as contagens. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 As formas dos objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 Organizando dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

Unidade 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

60

agrupar de 10 em 10. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 Escritas numéricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 Contando o tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Juntar é muito bom . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

Unidade 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

86

Mais agrupamentos de 10 em 10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 Mais quadros numéricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Fazendo medições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 O que está acontecendo? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 Caixas e seus formatos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104

Unidade 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 Calculando mentalmente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 fazendo cálculos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118


Nosso dinheiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 Contando o tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 Movimentando a tartaruga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130 Fazendo medições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132

Unidade 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

140

Aventuras no parque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142 tabelas simples e gráficos de colunas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148 Unidades, dezenas e centenas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 fazendo medições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158 Calculando mentalmente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162

Unidade 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

168

Calculando mentalmente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170 cálculos com papel e lápis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172 Contando o tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178 Contornando as faces das caixas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182 Resolvendo problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188

Unidade 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

196

Resolvendo problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198 Brincando com o tangram. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206 fazendo repartições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212 Nosso dinheiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216 sugestão de leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224


UNIDADE 1 Nesta unidade, vamos conhecer mais sobre os números que utilizamos com muita frequência em nosso dia a dia. Eles nos ajudam a identificar linhas de ônibus, telefones, placas de carros, registros de identidade e muitas outras coisas. Os números também são importantes para a contagem de objetos e para colocá-los em ordem. Usamos números para contar dias, meses, anos e para nos lembrar de datas significativas como os aniversários de pessoas queridas.

8

oito


Em que situações de sua vida você utiliza números?

Ilustração: Luiz Augusto Ribeiro; Fotografia: Dmitriy Shironosov/Shutterstock Images

Você sabe para que servem os números?

nove 9


PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

Gilberto Miadaira

NO CAMINHO DE SUA CASA ATÉ A ESCOLA, CERTAMENTE VOCÊ PODE OBSERVAR NÚMEROS COMO OS QUE ESTÃO MOSTRADOS NA ILUSTRAÇÃO.

1. Que números são esses? Resposta pessoal, de acordo com o repertório da criança.

2. ANOTE NOS QUADRINHOS ABAIXO cinco NÚMEROS QUE APARECEM NO CAMINHO DE SUA CASA ATÉ A ESCOLA .

Resposta pessoal.

3. OBSERVE ALGUNS ÔNIBUS QUE CIRCULAM EM SUA CIDADE E VERIFIQUE SE ELES USAM LETRAS OU NÚMEROS PARA QUE POSSAM SER IDENTIFICADOS.

10 dez


OS NÚMEROS APARECEM, COM FREQUÊNCIA, NAS CANTIGAS DE RODA E NAS BRINCADEIRAS INFANTIS. 1. LEMBRE ALGUNS EXEMPLOS E FAÇA DESENHOS PARA REPRESENTAR ESSAS CANTIGAS OU BRINCADEIRAS.

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

Resposta pessoal.

onze 11


PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

DESEJAMOS SABER QUANTAS PESSOAS ESTÃO NUM LUGAR.

PRECISAMOS INDICAR A DATA DE UM ANIVERSÁRIO.

TEMOS dE ANOTAR UM NÚMERO DE TELEFONE.

QUEREMOS SABER O PREÇO DE algo.

1. PENSE BEM E DIGA, em SUA OPINIÃO, PARA QUE MAIS SERVEM OS NÚMEROS? Resposta pessoal. 2. CONVERSE COM SEUS COLEGAS E COM sua professora, ou com seu PROFESSOR, SOBRE ESSE ASSUNTO.

12 doze

Ilustrações: Gilberto Miadaira

OS NÚMEROS SERVEM PARA MUITAS COISAS E OS UTILIZAMOS QUANDO, POR EXEMPLO:


1. RECORTE NOTÍCIAS OU ANÚNCIOS DE JORNAIS OU REVISTAS EM QUE OS NÚMEROS ESTEJAM PRESENTES E COLE NO QUADRO ABAIXO. INDIQUE OS NÚMEROS que VOCÊ CONHECE.

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

Resposta pessoal.

treze 13


VOCÊ JÁ prestou atenção ao TECLADO DO TELEFONE E aO TECLADO DA CALCULADORA?

1

2

3

4

5

6

7

8

9

Ilustrações: Gilberto Miadaira

1. REPRODUZA AQUI A POSIÇÃO DOS ALGARISMOS 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 E 9 NO TECLADO DO TELEFONE.

0

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

2. Analise O TECLADO DE UMA CALCULADORA SIMPLES E REPRODUZA AQUI A POSIÇÃO DOS ALGARISMOS 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 E 9.

7

8

9

4

5

6

1

2

3

0

.

C

3. OS TECLADOS SÃO IGUAIS OU DIFERENTES? EXPLIQUE. Resposta pessoal. 14 catorze


MILENA FEZ UMA CADERNETINHA COM OS NÚMEROS DE TELEFONE DE SEUS AMIGOS. ELA ORGANIZOU POR ORDEM ALFABÉTICA. 1. LEIA EM VOZ ALTA OS TELEFONES QUE ELA ANOTOU NA PÁGINA DA LETRA C. NOME

NÚMERO

CARLOS

3955-2311

CECÍLIA

8570-1209

CELINA

7533-2013

CELSO

2646-8320

CÉSAR

5789-5611

CIDINHA

6782-1561

2. QUE TAL TER Os NÚMEROs DE TELEFONE DE ALGUNS colegas DE SUA classe. Use O QUADRO ABAIXO. Resposta pessoal. NÚMERO

3. Escreva os números que sua professora, ou seu professor, vai ditar. Sugestão: 13, 27, 46, 80 e 95.

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

NOME

quinze 15


1. COM A AJUDA DE sua professora, ou de seu PROFESSOR, OU DE UM FAMILIAR, COMPLETE A FICHA COM SEUS DADOS. VOCÊ VAI PODER ver COMo OS NÚMEROS ESTÃO PRESENTES em NOSSA IDENTIFICAÇÃO. Respostas pessoais.

MEUS DADOS NOME:

IDADE:

DATA DE NASCIMENTO: DIA:

MÊS:

ANO:

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

ENDEREÇO:

CEP (CÓDIGO DE ENDEREÇAMENTO POSTAL): TELEFONE PARA CONTATO: “PESO”: NÚMERO DO CALÇADO:

16 dezesseis

ALTURA:


OS NÚMEROS TAMBÉM NOS AJUDAM A INDICAR OS LUGARES OCUPADOS POR PESSOAS NUMA FILA.

Gilberto Miadaira

OBSERVE A FILA dos amigos DE PEDrO:

Pedro

Ana

Beto Alice Larissa

Mel

Tiago Dudu

Lara

9

Lara

5

Larissa

8

Dudu

2

Ana

3

Beto

7

Tiago

4

Alice

6

Mel

2. FORME UMA FILA POR ORDEM DE ALTURA COM ALGUNS DE SEUS COLEGAS DE CLASSE. indique com um número a POSIÇÃO que CADA UM OCUPA NA FILA. Resposta pessoal.

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

1. ELES FORMARAM UMA FILA POR ORDEM DE ALTURA. SE cada um deles recebesse UMA CARTELA NUMERADA E PEDRO ficasse com A de NÚMERO 1, QUal CRIANÇA RECEBERIA A CARTELA DE NÚMERO:

dezessete 17


Gilberto Miadaira

A FAMÍLIA SOUsA FOI AO PARQUE DE DIVERSÕES. TODAS AS CRIANÇAS GANHARAM BALÕES. ATÉ O BEBeZINHO JOÃO.

1. Observe a ilustração e responda: a) QUANTOS BALÕES LUCAS GANHOU? b) E SUA IRMÃZINHA OLÍVIA? c) E JOÃO?

2 balões

3 balões

4 balões

d) QUEM GANHOU MAIS BALÕES?

João

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

e) QUANTAS PESSOAS DA FAMÍLIA SOUsA FORAM AO PARQUE? 7 pessoas

2. IMAGINE QUE VOCÊ FOI AO PARQUE COM SUA FAMíLIA E GANHOU 5 BALÕES. DESENHE-OS E PINTE COM CORES BEM BONITAS. O aluno deverá desenhar 5 balões.

18 dezoito


1. NA FAMÍLIA SOUsA O TRABALHO DO VOVÔ CARLOS É CUIDAR DO JARDIM. VAMOS COLORIR O JARDIM DO VOVÔ, PINTANDO: a) DE AZUL, AS FLORES DE 3 PÉTALAS. b) DE VERMELHO, AS FLORES DE 4 PÉTALAS. c) DE AMARELO, AS FLORES DE 5 PÉTALAS. d) DE LILÁS, AS FLORES DE 6 PÉTALAS.

vermelho

lilás

vermelho Gilberto Miadaira

amarelo

lilás

azul

amarelo azul

azul

azul

2. FAÇA UMA LISTA COM NOME DE FLORES QUE VOCÊ CONHECE. DEPOIS CONTE QUANTAS SÃO. Resposta pessoal.

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

vermelho

dezenove 19


DONA HELENA E SEU ANTôNIO COSTUMAM DIVIDIR AS TAREFAS DA CASA. APÓS O JANTAR, ENQUANTO DONA HELENA LAVA A LOUÇA, SEU ANTôNIO ENXUGA E GUARDA TUDO NO ARMÁRIO.

Gilberto Miadaira

1. OBSERVE A ARRUMAÇÃO:

a) QUANTOS PRATOS HÁ NO ARMÁRIO? b) QUANTAS XÍCARAS?

8

6

c) E QUANTOS COPOS?

10

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

d) O QUE HÁ MAIS: PRATOS, XÍCARAS OU COPOS? copos 2. DESENHE A QUANTIDADE DE COPOS NECESSÁRIOS PARA TODAS AS PESSOAS QUE MORAM EM SUA CASA, UM PARA CADA pessoA. Resposta pessoal.

20 vinte


AS CRIANÇAS DA FAMÍLIA SOUsA TAMBÉM GOSTAM DE AJUDAR. OLÍVIA ARRUMA A MESA PARA O JANTAR. ELA JÁ COLOCOU O PRATO, O GARFO E A COLHER DO PAPAI ANTôNIO. FALTA COLOCAR O RESTANTE.

2. ESCREVA O NÚMERO QUE REPRESENTA A QUANTIDADE DE PRATOS COLOCADOS NA MESA DA FAMÍLIA SOUsA E O NÚMERO DE PRATOS QUE PRECISAM SER COLOCADOS NA MESA DE SUA FAMÍLIA. 6

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

Gilberto Miadaira

1. COMPLETE O DESENHO COM PRATOS, GARFOS E FACAS QUE PRECISAM SER COLOCADOS, menos para o bebê joão.

Resposta pessoal.

vinte e um 21


PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

Gilberto Miadaira

OLÍVIA ESTAVA BRINCANDO NO JARDIM, QUANDO DE REPENTE UM BANDO DE PASSARINHOS APARECEU CANTANDO. SEU ANTôNIO, QUE ESTAVA TIRANDO FOTOS DO JARDIM, FOTOGRAFOU O MOMENTO EM QUE SUA FILHA FICAVA ENCANTADA COM OS PASSARINHOS.

1. QUANTOS ERAM OS PASSARINHOS?

11

2. FAÇA UMA LISTA COM NOME DE PÁSSAROS QUE VOCÊ CONHECE. DEPOIS CONTE QUANTOS SÃO. Resposta pessoal.

22 vinte e dois


1. DESENHE, NO PRATO, O NÚMERO EXATO DE OVOS QUE DONA HELENA TIROU DA CAIXA PARA FAZER O BOLO.

O aluno deverá desenhar 8 ovos.

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

NO ANIVERSÁRIO DE 7 ANOS DE LUCAS, DONA HELENA FEZ UM LINDO BOLO, ALÉM DE SALGADINHOS E DOCINHOS.

2. DESCUBRA QUANTOS DOCINHOS E QUANTOS SALGADINHOS HÁ EM CADA UM DOS PRATOS?

17

3. DESENHE AS VELINHAS NO BOLO DE ANIVERSÁRIO DE LUCAS. O aluno deverá desenhar 7 velinhas.

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

15

vinte e três 23


TODA VEZ QUE ACABAM DE BRINCAR, LUCAS E OLÍVIA GUARDAM SEUS BRINQUEDOS EM CAIXAS. PARA FICAR MAIS FÁCIL DE ENCONTRÁ-LOS, ELES NUMERARAM AS CAIXAS E COMBINARAM UMA REGRA PARA GUARDAR OS BRINQUEDOS.

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

1. OBSERVE:

QUAL FOI A REGRA COMBINADA PARA GUARDAR OS

BRINQUEDOS? Jogos na caixa1; bichos de pelúcia na caixa 2; carrinhos na caixa 3 e instrumentos

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

musicais na caixa 4.

2. O QUE HÁ MAIS: a) BICHOS DE PELÚCIA OU CARRINHOS?

Bichos de pelúcia

b) INSTRUMENTOS MUSICAIS OU BICHOS DE PELÚCIA? Instrumentos musicais

3. EM QUE CAIXA VOCÊ GUARDARIA: a) O jogo da trilha? b) O LEÃOZINHO? c) O PANDEIRO?

24 vinte e quatro

na caixa 1

na caixa 2

na caixa 4


Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

DONA HELENA APROVEITA BEM TODOS OS ESPAÇOS DE SUA CASA. ELA ORGANIZA SUAS COISAS EM CAIXAS, TODAS DO MESMO TAMANHO, E GUARDA NO VÃO DE UMA ESCADA, COMO VOCÊ PODE VER na ilustração. 1. Responda: a) QUANTAS CAIXAS ELA JÁ COLOCOU NO VÃO DA ESCADA? 6 caixas

b) QUANTAS CAIXAS ELA AINDA PODE GUARDAR NO ESPAÇO VAZIO?

15 caixas

Faça uma lista organizando os objetos e suas quantidades, da maior para a menor. Porcas: 44; pregos: 35; parafusos: 19; arruelas: 15; alicates: 9; pincéis: 8; chaves de fenda: 5.

PARA QUE SERVEM OS NÚMEROS?

2. SEU ANTôNIO TAMBÉM GUARDA SUAS FERRAMENTAS NAS GAVETINHAS DE UM MóVEL.

vinte e cinco 25


Contando o tempo PEGUE UM CALENDÁRIO DESTE ANO. 1. PREENCHA os calendários abaixo COM OS DIAS DOS MESES DE JANEIRO, FEVEREIRO E MARÇO. D

S

JANEIRO T Q Q

S

S

D

D

S

Fevereiro T Q Q

S

S

S

Março T Q Q

S

S

2. MARQUE AS DATAS IMPORTANTES NESSES MESES. 3. TODOS ESSES MESES TÊM O MESMO NÚMERO DE DIAS? Não.

4. Responda observando os calendários acima. Contando o tempo

a) EM QUE DIA DA SEMANA CAIU O DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL (1/1)?

A resposta depende do ano em que a atividade for resolvida.

b) EM QUE DIA DA SEMANA CAIU O DIA 28 DE FEVEREIRO? A resposta depende do ano em que a atividade for resolvida.

c) EM QUE DIA DA SEMANA VAI CAIR O DIA 1o DE ABRIL? A resposta depende do ano em que a atividade for resolvida.

26 vinte e seis


1. COMPLETE o quadro ABAIXO COM As DATAs DE SEU NASCIMENTO E DE 4 AMIGOS De SUA classe. Resposta pessoal. NOME

DIA

MÊS

ANO

2. AGORA, RESPONDA: a) QUEM É O MAIS NOVO? b) QUEM É O MAIS VELHO?

Resposta pessoal. Resposta pessoal.

c) UM MENINO QUE NASCEU EM 10/3/2005, QUANTOS ANOS

Contando o tempo

Gilberto Miadaira

COMPLETARÁ ESTE ANO?

A resposta depende do ano em que a atividade for resolvida.

vinte e sete 27


Como nos localizamos? OBSERVE BEM SUA SALA DE AULA. IMAGINE QUE UM AMIGO SEU, DE OUTRA CLASSE, VAI TRAZER UM BILHETE PARA VOCÊ NA HORA DO INTERVALO. NÃO HAVERÁ NINGUÉM NA SALA. PARA poder entregar O BILHETE, SEU AMIGO PRECISA SABER ONDE VOCÊ SENTA. 1. FAÇA UM DESENHO NO ESPAÇO ABAIXO COMO SE FOSSE UM MAPA DE SUA SALA. INDIQUE SEU LUGAR Nesse mapa PARA QUE ELE POSSA COLOCAR O BILHETE NO LUGAR CERTO.

Como nos localizamos?

Resposta pessoal.

28 vinte e oito


Gilberto Miadaira

1. RECORTE com ajuda de um adulto AS FIGURAS da página 3 no encarte. DEPOIS, COLE CADA UMA DELAS NO QUADRO ABAIXO DE MODO A COMPOR UMA LINDA PAISAGEM.

Resposta pessoal.

Como nos localizamos?

2. CRIE UMA HISTÓRIA SOBRE A PAISAGEM QUE VOCÊ COMPôS, USANDO TERMOS QUE INDICAM LOCALIZAÇÃO, COMO POR EXEMPLO: DENTRO, FORA, PERTO, LONGE, EM CIMA, EMBAIXO, MAIS ALTO, MAIS BAIXO ETC.

vinte e nove 29


Desafios

Beto Enzo

a) Quantos carrinhos tem Beto? 9 b) Quantos carrinhos tem enzo? 7 c) Quem tem mais carrinhos? Beto

Desafios

2. A coleção de tampinhas de refrigerante de Júlio César está cada vez maior e mais colorida.

A) Quantas são as tampinhas vermelhas? 7 b) Quantas tampinhas há na coleção? 26

30 trinta

ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

1. Beto e enzo colecionam miniaturas de carros. Observe as coleções de cada um.


Desafios ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

3. Pedro, Alice e Ana foram ao Museu.

a) Quantos Quadros há nessa parte do Museu? 9 b) Quantas esculturas eles viram nessa sala? 4 c) O que há mais: quadros ou esculturas? Quadros

• Quantos chaveiros tem a coleção de Fabrício agora?

Desafios

4. Fabrício tem uma coleção de chaveiros. Ana comprou 1 chaveiro na lojinha do museu e deu de presente a Fabrício.

29

trinta e um 31


Desafios

Fotografias: Shutterstock Images

5. Uma vida saudável requer cuidados com a alimentação. É preciso, principalmente nos dias de calor, tomar bastante líquido, como água e sucos naturais, que são boas fontes de fibras.

• Quantos tipos de frutas estão mostrados na fotografia? 10

Desafios

6. Comer legumes e verduras também é muito bom para nossa saúde.

• Quantos tipos de legumes e verduras há na FOTOGRAFIA? 15

32 trinta e dois


Divirta-se JOGO DA Memória • MATERIAL: CARTELAS COM animais.

Luiz Augusto Ribeiro

• Número de participantes: 4

• como jogar: ””Recortem as cartelas dA página 5 do encarte. ””Embaralhem as 24 cartelas e coloquem sobre a mesa com os desenhos virados para cima, seguindo a orientação de sua professora, ou de seu professor. ””Observem bem a posição dos animais por cerca de 3 minutos. ””Virem as cartelas com as figuras para baixo. ””sorteiem quem começa.

””O jogo acaba quando todos os pares estiverem formados. ””Ganha o jogo quem obtiver o maior número de casais de animais.

Divirta-se

””O objetivo é encontrar duas cartelas para formar um casal de animais.

trinta e três 33


UNIDADE 2

Nesta unidade, vamos continuar aprendendo ainda mais sobre números. Vamos explorar as formas dos objetos que estão ao nosso redor e usar tabelas e gráficos para comunicar melhor as informações. 34 trinta e quatro


E quantos são os alunos de sua classe? Como você explicaria a forma de seu lápis?

Ilustração: Luiz Augusto Ribeiro; Fotografias: Serg64/psamtik /Shutterstock Images

Você sabe dizer quantas letras tem seu primeiro nome?

trinta e cinco 35


Os números e as contagens

os números e as contagens

1. FAÇA DESENHOS DE ACORDO COM A QUANTIDADE INDICADA EM CADA QUADRINHO. Respostas pessoais. 5 bandeirinhas

8 lápis

3 casas

9 bolinhas

1 gatinho

7 frutas

4 nuvens

2 barcos

6 flores

36 trinta e seis


MARIANA ESCREVEU SEU NOME E VERIFICOU QUE ELE se escreve com 7 LETRAS. A

R

I

A

N

A

1

2

3

4

5

6

7 Gilberto Miadaira

M

3 letras

4 letras

5 letras

6 letras

7 letras

8 letras

2. E SEU NOME COMPLETO, QUANTAS LETRAS TEM?

os nĂşmeros e as contagens

1. PESQUISE NOMES COMPOSTOS POR: Respostas pessoais.

Resposta pessoal.

trinta e sete 37


CHIQUINHO FEZ VÁRIAS FIGURAS COM PALITOS DE FÓSFORO usados.

CJT/Zapt

1. DESCUBRA O QUE HÁ DE COMUM NAS FIGURAS QUE APARECEM EM CADA LINHA:

Todas as figuras foram formadas com 4 palitos de fósforo.

Todas as figuras foram formadas com 5 palitos de fósforo.

Todas as figuras foram formadas com 3 palitos de fósforo.

2. CRIE OUTRAS FIGURAS COM PALITOS E DESENHE-AS AQUI.

os números e as contagens

Resposta pessoal.

3. VOCÊ ACHA QUE é POSSíVEL DESENHAR UMA ESTRELA DE CINCO PONTAS SEM TIRAR O LÁPIS DO PAPEL? LIGUE OS PONTOS NA ORDEM E VEJA O QUE ACONTECE.

38 trinta e oito

1

4

3

2

5


RICARDO E RAFAEL ESTÃO JOGANDO DADOS. VEJA QUANTOS PONTOS ELES FIZERAM EM CADA JOGADA, OBSERVANDO A FACE DO DADO VOLTADA PARA CIMA. RAFAEL

1. Responda: a) QUEM GANHOU O JOGO?

Ricardo.

b) QUANTOS PONTOS O Ganhador dO JOGO FEZ A MAIS QUE SEU COLEGA?

Ricardo fez 2 pontos a mais que Rafael.

2. JOGUE DADO COM UM de seus COLEGAs. FAÇA UMA TABELA PARA MARCAR OS PONTOS E DEPOIS CONTE OS PONTOS PARA DESCOBRIR QUEM GANHOU.

os números e as contagens

Gilberto Miadaira

Fotografias: CJT/Zapt

RICARDO

trinta e nove 39


Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

1. ESCREVA EM CADA QUADRINHO O SÍMBOLO NUMÉRICO QUE INDICA A QUANTIDADE DE IMAGENS EM CADA QUADRO.

2

3

4

5

6

7

8

9

os números e as contagens

1

40 quarenta


dedos

B) CADEIRAS OU CRIANÇAS? crianças

C) PIPAS OU BALÕES? pipas

D) BALAS OU PIRULITOS? As quantidades são iguais.

E) MENINOS OU MENINAS? meninas

F) BOLINHAS DE GUDE AZUIS OU VERDES? bolinhas de gude azuis

os números e as contagens

A) DEDOS OU ANÉIS?

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

1. O QUE HÁ MAIS?

quarenta e um 41


1. DONA SÔNIA É COSTUREIRA. AJUDE-A A CONFERIR A QUANTIDADE DE BOTÕES, indicanDO sempre O QUE HÁ MENOS. botões azuis

b) BOTÕES VERMELHOS OU VERDES?

botões vermelhos

c) BOTÕES BRANCOS OU MARRONS?

botões brancos

os números e as contagens

d) BOTÕES CINZAS OU cor-de-ROSA?

botões cor-de-rosa

2. DESENHE QUINZE BOTÕES DE COR AZUL.

42 quarenta e dois

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

A) BOTÕES AMARELOS OU AZUIS?


1. CONTE QUANTAS SÃO: As pétalas da flor Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

As pontas da estrela

5

6

As partes do catavento

12

As contas da pulseira

4

os números e as contagens

Os raios da roda

As crianças na roda

8

7

quarenta e três 43


os números e as contagens

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

1. Observe O QUE ACONTECEU COM AS BALAS QUE ESTAVAM NO POTE DE VIDRO e escreva a quantidade de balas embaixo de cada pote.

9

8

7

6

5

4

3

2

1

0

• Quantas balas restaram no pote? 0 2. DÊ EXEMPLOS DE OUTRAS SITUAÇÕES De SEU DIA A DIA EM QUE O NÚMERO ZERO É UTILIZADO. Resposta pessoal.

44 quarenta e quatro


1. CAMILA PINTOU FIGURAS NUM PAPEL QUADRICULADO. PARA COLORIR, ELA USou UMA REGRA. DESCUBRA QUAL É, FAÇA OUTRAS FIGURAS E PINTE-AS, USANDO A MESMA REGRA DE CAMILA. A regra é pintar da mesma cor as figuras que têm a mesma quantidade de quadradinhos.

1 2 3 4 6 7 8 9

os números e as contagens

5

quarenta e cinco 45


1. VAMOS FAZER ALGUMAS CONTAGENS. DIGA QUANTAS SÃO AS PESSOAS QUE ESTÃO:

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

a) NA ESTAÇÃO. 16

os números e as contagens

b) NA PRAIA. 17

c) NO PARQUE. 18

46 quarenta e seis


1. ALGUMAS VEZES PODEMOS FAZER CONTAGENS CONTANDO DE 2 EM 2, DE 3 EM 3, DE 4 EM 4 etc. VAMOS CONTAR OS ENFEITINHOS DE DANIELA, ASSIM: A) CONTE OS CORAÇÕEZINHOS DE 2 EM 2 E DIGA QUANTOS 22 coraçõezinhos Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

SÃO.

b) CONTE AS ESTRELINHAS DE 3 EM 3 E DIGA QUANTAS SÃO.

c) CONTE AS LUAZINHAS DE 4 EM 4 E DIGA QUANTAS SÃO. 24 luazinhas

os números e as contagens

21 estrelinhas

quarenta e sete 47


As formas dos objetos Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

PEDRO DESENHOU UMA BOLA. MARINA, UMA LARANJA E DUDU, UM DISCO PARA LANÇAMENTO DE dardos.

QUANDO TERMINARAM, aS TRÊS crianças ACHARAM SEUS DESENHOS PARECIDOS. MAS TAMBÉM COMENTARAM AS DIFERENÇAS ENTRE AS FORMAS DA BOLA E DA LARANJA EM RELAÇÃO À DO DISCO DE Dardos. 1. O QUE VOCÊ ACHA PARECIDO NOS DESENHOS? Resposta pessoal.

2. O QUE VOCÊ ACHA DE DIFERENTE NA FORMA DESSES TRÊS OBJETOS?

as formas dos objetos

Resposta pessoal.

3. No espaço abaixo, faça OUTROS OBJETOS PARECIDOS COM Os QUE FORAM DESENHADOs POR: pedro

48 quarenta e oito

dudu


Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

OS OBJETOS QUE SÃO PARECIDOS COM A BOLA DE FUTEBOL TêM FORMA ESFÉRICA.

BRIGADEIRO TOMATE

BOLA DE NATAL

PLANETA

PIZZA

LUPA CD

QUE TAL USAR MASSA DE MODELAR E CONSTRUIR OBJETOS QUE LEMBREM A FORMA QUE VOCÊ ESTÁ ESTUDANDO: A ESFERA.

as formas dos objetos

OS OBJETOS QUE SÃO PARECIDOS COM O DISCO DE dardoS TêM FORMA CIRCULAR.

quarenta e nove 49


Fotos: Shutterstock

MARINA GOSTOU MUITO DE SABER QUE A LARANJA TEM FORMATO de ESFERA. PARTINDO A LARANJA AO MEIO, ELA FEZ NOVA DESCOBERTA. O CORTE TEM FORMATO QUE LEMBRA UM CíRCULO.

as formas dos objetos

1. MARINA PEGOU UM PEDAÇO DE BARBANTE, UM LáPIS E UMA FOLHA DE PAPEL. 2. COM A AJUDA DE DUDU, ELA AMARROU EM SEU dedo UMA DAS PONTAS DO BARBANTE E A OUTRA PONTA DO BARBANTE ELA AMARROU NO LÁPIS. 3. DEPOIS APOIOU O DEDO AMARRADO NO CENTRO DO PAPEL E FEZ O LÁPIS GIRAR. •

QUE FIGURA VOCÊ ACHA QUE ELA OBTEVE? O contorno de um círculo.

50 cinquenta

Ilustraç˜ões: Vagner Roberto de Farias

MAS O QUE ELA GOSTOU MESMO FOI DE APRENDER O QUE SEU TIO ENSINOU. VEJA SÓ:


OS TRÊS AMIGOS QUE GOSTAM DE DESENHAR NÃO PARAM DE CRIAR. A PROFESSORA ROSANA PEDIU QUE DESENHASSEM OBJETOS QUE LEMBRASSEM A FORMA DE UM CILINDRO. ELES FORAM PESQUISAR E FIZERAM OS SEGUINTES DESENHOS: MARINA

DUDU Luiz Augusto Ribeiro

PEDRO

1. o QUE VOCÊ ACHA PARECIDO ENTRE AS FORMAS DOS OBJETOS DESENHADOS PELOS TRêS AMIGOS? Resposta pessoal.

2. COMO VOCÊ DESCREVERIA UM CILINDRO PARA ALGUÉM QUE NÃO CONHECE ESSA FORMA? Resposta pessoal.

4. USE MASSA DE MODELAR E CONSTRUA OBJETOS QUE LEMBREM A FORMA QUE VOCÊ ESTÁ ESTUDANDO: O CILINDRO.

as formas dos objetos

3. DESENHE OUTROS OBJETOS QUE TENHAM FORMA CILÍNDRICA.

cinquenta e um 51


AGORA, A PROFESSORA ROSANA PEDIU QUE DESENHASSEM OBJETOS QUE LEMBRASSEM A FORMA DE UM CONE. DEPOIS DE PESQUISAR, ELES FIZERAM OS SEGUINTES DESENHOS: MARINA

DUDU Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

PEDRO

1. o QUE VOCÊ ACHA PARECIDO ENTRE AS FORMAS DOS OBJETOS DESENHADOS PELOS TRêS AMIGOS? Resposta pessoal.

2. COMO VOCÊ DESCREVERIA UM cone PARA ALGUÉM QUE NÃO CONHECE essA FORMA? Resposta pessoal.

as formas dos objetos

3. DESENHE OUTROS OBJETOS QUE TENHAM FORMA DE CONE.

4. USE MASSA DE MODELAR E CONSTRUA OBJETOS QUE LEMBREM A FORMA QUE VOCÊ ESTÁ ESTUDANDO: O CONE.

52 cinquenta e dois


Ami Parikh/Shutterstock Images

MarFot/Shutterstock Images

Pedro Salaverría/Shutterstock Images

1. Com base na fotografia, relacione a forma geométrica.

A

B

C

Esfera: A

Cilindro: C

cone: B

Luiz Augusto Ribeiro

2. Observe o quarto de cecília mostrado abaixo:

x x x

x

x

Assinale com um X um objeto com forma de cilindro, um objeto com forma de esfera e um objeto com forma de cone.

as formas dos objetos

x

cinquenta e três 53


Organizando dados Beto fez uma pesquisa para saber a fruta preferida de seus amigos. Ele fez os registros com marquinhas.

//////

/////////

////////

////

6

9

8

4

Fotografias: Shutterstock Images

Fruta preferida

1. complete a tabela com o número de votos. 2. Responda: a) Quantos votos teve a fruta preferida? 9 b) Qual foi a segunda fruta mais votada? Laranja c) Qual fruta teve menos votos: Morango ou melancia? Melancia

3. O gráfico de colunas deve apresentar os resultados obtidos. Complete-o. 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0

CJT/Zapt

NÚMERO DE VOTOS

organizando dados

Fruta preferida

MORANGO

54 cinqueta e quatro

BANANA

LARANJA

MELANCIA


1. Faça uma pesquisa com os colegas da classe para descobrir o número de irmãos de cada um deles. Registre as informações na tabela, usando risquinhos e números, como foi feito na tabela da página anterior. Número de irmãos 0

1

2

3

4

5

2. Explique oralmente que informações você obteve nesse levantamento. Resposta pessoal.

Dia da semana

segunda-feira

quarta-feira

sexta-feira

sábado

número de figurinhas

6

2

9

3

a) Em que dia da semana ele colou mais figurinhas? 9

B) Em que dias da semana ele não colou figurinhas?

organizando dados

3. José Roberto registrou na tabela a quantidade de figurinhas que colou em seu álbum na semana passada. Veja:

Terça-feira, quinta-feira e domingo.

cinquenta e cinco 55


Desafios 1. RESPONDA: a) QUANTOS SÃO OS SELOS DA COLEÇÃO DE PAULO?

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

33 selos

b) QUANTAS SÃO AS BOLAS DA COLEÇÃO DE dona EDNA?

Desafios

36 bolas

2. ESCREVA COMO VOCÊ LÊ OS SEGUINTES NÚMEROS: a) 33: Trinta e três b) 36: Trinta e seis

56 cinquenta e seis


Desafios NICOLE E BETINHO ACHARAM UM JEITO DE SE DIVERTIR. CADA UM SORTEIA UMA PEÇA DE DOMINÓ. ADICIONAM OS PONTOS DA PEÇA SORTEADA. QUEM TEM A MAIOR SOMA GANHA 1 PONTO.

CJT/Zapt

3. Faça um x ao lado da peça de quem ganhou cada rodada.

X

X

X

X

X

4. Responda. Quem ganhou: a) A PRIMEIRA RODADA? Nicole B) A SEGUNDA RODADA? Betinho

d) A QUARTA RODADA? Nicole e) A QUINTA RODADA? Betinho

Desafios

c) A TERCEIRA RODADA? Betinho

f) QUEM GANHOU O JOGO? Betinho cinquenta e sete 57


Desafios PAULO E VIRGÍNIA INVENTARAM UMA BRINCADEIRA.

Tenho três palitos escondidos em duas caixinhas. Quantos palitos estão na caixinha azul? E quantos na amarela?

Dois na azul e um na amarela!

Errou de novo! Tem mais uma chance!

Dois na amarela e um na azul!

Errou! Tente de novo.

Três na amarela e nenhum na azul!

AceRtou!

CJT/Zapt

Desafios

• COMO VOCÊ FARIA PARA ESCONDER 4 PALITOS EM DUAS CAIXAS DE FÓSFORO DE CORES DIFERENTES? DESENHE AS SOLUÇÕES QUE ENCONTRAR. HÁ CINCO soluções POSSÍVEIS.

0 e 4; 1 e 3; 2 e 2; 3 e 1; 4 e 0.

58 cinquenta e oito

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

5. Leia OS QUADRINHOS PARA COMPREENDÊ-LA:


Divirta-se Quem pega mais? • Material: um copinho com grãos de feijão • número de participantes: 3 • como jogar: ””Cada participante vai pegar o copinho e colocar, na palma de sua mão, um punhado de grãos de feijão. ””Ganha a primeira rodada aquele que pegar a maior quantidade de grãos. ””Anote em uma folha de papel os nomes dos participantes e a quantidade de grãos que cada um pegou.

Divirta-se

luiz Augusto ribeiro

””Realize 3 rodadas. Ganha o jogo quem vencer mais rodadas.

cinquenta e nove 59


UNIDADE 3

Nesta unidade, vamos analisar as escritas dos números e agrupar objetos para facilitar a contagem e a comparação entre coleções. Você vai comparar números e descobrir que é importante verificar a posição de cada algarismo na escrita de um número. Também vamos resolver diferentes problemas usando a adição conhecida popularmente como contas de “mais”. 60 sessenta


Você já ouviu falar em adicionar? sabe explicar o que isso significa?

Ilustração: Luiz Augusto Ribeiro; Fotografia: Peter Albrektsen /Shutterstock Images

Quando você conta os objetos de uma coleção muito numerosa, você conta de 1 em 1 ou de outro modo?

sessenta e um 61


agrupar de 10 em 10 CONTA-SE QUE ANTES DE SER INVENTADA A CONTAGEM, QUANDO OS ANTIGOS HABITANTES DA TERRA PRECISAVAM CONFERIR A QUANTIDADE DE SEUS ANIMAIS E VERIFICAR SE NENHUM HAVIA SE PERDIDO, USAVAM UMA FORMA INTERESSANTE. VAMOS CONHECÊ-LA, ACOMPANHANDO A HISTÓRIA De um PASTORZINHO.

AGRUPAR DE 10 EM 10

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

1. PRIMEIRO, O PASTORZINHO SEPARAVA UMA PEDRINHA PARA CADA OVELHA.

2. DEPOIS, ELE AGRUPAVA AS PEDRINHAS DE DEZ EM DEZ... CONTAVA OS GRUPOS DE DEZ E TAMBÉM AS PEDRINHAS QUE RESTAVAM SEM FORMAR UM GrUPO DE 10.

• QUANTAS ERAM AS OVELHAS DESsE PASTORZINHO? 36 ovelhas

62 sessenta e dois


1. FAÇA COMO O PASTORZINHO, PARA RESPONDER, EM CADA CASO, O QUE HÁ MAIS:

Ilustrações: CJT/Zapt

a) BOLAS dE GUDE OU Bexigas? Bexigas

2. escreva COMO SE LÊ O NÚMERO QUE REPRESENTA A QUANTIDADE DE: a) BOLAS DE GUDE: Vinte e oito b) Bexigas: Trinta c) CHAVES: Trinta e dois

AGRUPAR DE 10 EM 10

b) CHAVES OU cadeados? Chaves

d) Cadeados: vinte e nove sessenta e três 63


NA FESTA DO ANIVERSÁRIO DE JOÃO, DONA HELENA FEZ SAQUINHOS COM 10 BALAS EM CADA UM. COMO ACABARAM OS SAQUINHOS, SOBRARAM ALGUMAS BALAS SOLTAS QUE ELA DEIXOU SOBRE A MESA, PARA QUE AS CRIANÇAS PEGASSEM. VEJA O QUE ACONTECEU:

RAFAEL

JOÃO

LUCAS

LARISSA

NICOLE

Ilustraç˜ões: Vagner Roberto de Farias

OLíVIA

1. Responda: A) QUEM PEGOU MAIS BALAS? Larissa

AGRUPAR DE 10 EM 10

b) QUEM PEGOU MENOS BALAS? João c) QUANTAS BALAS LARISSA PEGOU A MAIS QUE JOãO? 5 balas a mais

2. ESCREVA O NÚMERO DE BALAS REPRESENTADO EM CADA QUADRO:

11

64 sessenta e quatro

18

19


A PROFESSORA ELIANA PEDIU A AJUDA DE MILENA PARA GUARDAR PALITOS DE SORVETE QUE SEUS ALUNOS USAM NAS ATIVIDADES. MILENA RESOLVEU FAZER MACINHOS DE 10 PALITOS, QUE AMARROU COM ELÁSTICO.

10

20

30

40

50

60

70

80

90

AGRUPAR DE 10 EM 10

Ilustrações: CJT/Zapt

1. ESCREVA, EM CADA QUADRO, A QUANTIDADE DE PALITOS EM CADA FILEIRA:

sessenta e cinco 65


Escritas numéricas

escritas numéricas

1. EM CADA QUADRO, CIRCULE O MAIOR NÚMERO REGISTRADO E DIGA COMO SE LÊ ESSE NÚMERO.

10

40

18

19

24

26

30

20

17

20

25

27

31

38

70

50

49

45

33

37

80

60

43

44

61

41

50

90

55

53

71

51

80

100

35

33

2. NOS QUADRINHOS VERDES, COPIE OS NÚMEROS ESCRITOS NOS QUADRINHOS AZUIS, MAS ORDENE-OS DO MENOR PARA O MAIOR. 29

15

61

50

45

73

39

15

29

39

45

50

61

73

66 sessenta e seis


VEJA O QUADRO NUMÉRICO QUE A PROFESSORA ELIANA FEZ PARA PENDURAR NA SALA DE AULA. ELA USOU AS CORES AZUL E VERMELHA PARA ESCREVER OS NÚMEROS. 1

2

11

12

21

22

31

3

4

5

6

7

8

9

10

14

15

16

17

18

19

20

23

24

25

27

28

29

30

33

34

35

36

37

38

39

40

45

46

47

48

56

57

58

59

65

66

67

68

69

75

76

77

78

79

80

88

89

90

99

100

41

42

43

44

51

52

53

54

61

62

63

64

71

72

73

82

83

84

85

86

92

93

94

95

96

91

97

50 60

1. O QUE SERÁ QUE ELA QUER QUE SEUS ALUNOS OBSERVEM?

2. ALGUNS NÚMEROS DO QUADRO FORAM COBERTOS COM CARTÕES COLORIDOS. QUE NÚMEROS SÃO ESSES? 13

26

32

70

55

74

98

87

49

81

escritas numéricas

A cor vermelha representa as dezenas. A cor azul representa as unidades que não completaram uma dezena.

sessenta e sete 67


escritas numéricas

Gilberto Miadaira

O CANGURU TUCO ADORA SALTAR POR TRILHAS DE PEDRA NA FLORESTA. EM ALGUMAS PEDRAS DA TRILHA HÁ PRESENTINHOS ESPERANDO POR ELE. VEJA SÓ:

1. EM QUE PEDRA DA TRILHA ELE PODE PEGAR: a) A LARANJA? 13

c) A FOLHINHA? 37

b) A MAÇÃ? 25

d) O CORAÇÃO? 50

2. QUAL É O NÚMERO DA ÚLTIMA PEDRA DA TRILHA QUE É POSSÍVEL VER? 53

68 sessenta e oito


Gilberto Miadaira

VOCÊ DEVE TER REPARADO QUE, NA TRILHA DO CANGURU TUCO, O NÚMERO 27 FICA ENTRE AS DEZENAS EXATAS 20 E 30. ISsO QUER DIZER QUE 27 É MAIOR QUE 20 e MENOR QUE 30.

10

13

20

10

19

20

20

21

30

30

32

40

40

48

50

20

26

30

30

35

40

40

44

50

50

56

60

60

62

70

60

65

70

50

59

60

escritas numéricas

1. COMPLETE COM dezenas exatas ENTRE as QUAIS SE ENcontra cada número escrito:

sessenta e nove 69


Contando o tempo 1. PEGUE UM CALENDÁRIO DESTE ANO. PREENCHA COM OS DIAS A resposta depende do ano em que a atiDOS MESES DE ABRIL, MAIO E JUNHO. vidade for realizada. S

D

S

S

D

S

JUNHO T Q Q

MAIO T Q Q

S

S

S

S

2. MARQUE AS DATAS IMPORTANTES NESSES MESES.

contando o tempo

3. Responda: a) ESSES MESES TÊM O MESMO NÚMERO DE DIAS? Não. B) EM QUE DIA DA SEMANA CAIU O 21 DE ABRIL? A resposta depende do ano em que a atividade for realizada.

c) EM QUE DIA DA SEMANA CAIU O DIA DAS MÃES? Domingo d) EM QUE DIA DA SEMANA VAI CAIR O DIA 1o DE JULHO? A resposta depende do ano em que a atividade for realizada.

70 setenta

S

Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

D

ABRIL T Q Q


Vagner Roberto de Farias

CERTAMENTE, VOCÊ JÁ REPAROU QUE OS DIAS DA SEMANA SE REPETEM OBEDECENDO SEMPRE A MESMA SEQUÊNCIA.

1. ESCREVA O DIA DO MÊS CORRESPONDENTE A CADA DIA DA SEMANA EM QUE ESTAMOS: A resposta depende do mês em que a atividade for realizada.

Domingo

SEGUNDA- TERÇA- QUARTA- QUINTA- SEXTASÁBADO -FEIRA -FEIRA -FEIRA -FEIRA -FEIRA

2. AGORA RESPONDA:

b) QUE DIA DA SEMANA É HOJE? A resposta depende do mês e do ano. A resposta depende do mês e

c) E AMANHÃ, QUE DIA DA SEMANA SERÁ? do ano.

d) E QUE DIA DO MÊS É HOJE? A resposta depende do mês e do ano. e) em QUE DIAS DA SEMANA VOCÊ VAI À ESCOLA? De segunda a sexta-feira.

contando o tempo

a) QUANTOS DIAS TEM UMA SEMANA? 7 dias

f) DE QUE DIA DA SEMANA VOCÊ GOSTA MAIS? Resposta pessoal. setenta e um 71


JUNTANDO MEUS TRÊS LÁPIS COM SEUS QUATRO LÁPIS, FICAMOS COM SETE LÁPIS NO TOTAL NAS CORES VERMELHO, LARANJA, AMARELO, VERDE, AZUL, ANIL, VIOLETA.

PODEMOS ATÉ PINTAR UM ARCO-ÍRIS!

1. escreva O QUE ACONTECE QUANDO OS DOIS IRMÃOS JUNTAM: a)

3 bolas vermelhas

com

7 bolas azuis

com

6 balas de mel

com

8 Apitos verdes

Ficam com 10 bolinhas.

Juntar é muito bom

b)

8 balas de café

Ficam com 14 balas.

c)

8 apitos roxos

Ficam com 16 apitos.

72 setenta e dois

Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

Juntar é muito bom


Luiz Augusto Ribeiro

Cecília e Eliane foram conhecer uma horta e relacionaram os nomes de verduras e legumes plantados.

Quantas tipos de verduras e legumes estão plantados nessa horta? 11

VAMOS APRENDER A REPRESENTAR O QUE ACONTECEU, USANDO SÍMBOLOS MATEMÁTICOS: 7

+

4

=

11

sete

MAIS

quatro

IGUAL A

onze

Juntar é muito bom

setenta e três 73


Juntar é muito bom

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

1. EM CADA POTE ESTÃO BOLINHAS DE CORES DIFERENTES. USE UMA ESCRITA COMO A QUE VOCÊ APRENDEU NA ATIVIDADE ANTERIOR PARA REPRESENTAR CADA UMA DAS SITUAÇÕES.

3+5=8

4+4=8

5+3=8

9 + 1 = 10

1 + 9 = 10

5 + 5 = 10

7 + 5 = 12

6 + 6 = 12

5 + 7 = 12

2. QUE DESCOBERTAS VOCÊS FEZ EM RELAÇÃO A ESSAS ESCRITAS? Resposta pessoal como, por exemplo, que diferentes adições podem ter o mesmo resultado.

74 setenta e quatro


1. criE UMA situação que possa ser resolvida, calculando-se:

9+4 Resposta pessoal.

10 + 2

7+3

Resposta pessoal.

Juntar é muito bom

Resposta pessoal.

setenta e cinco 75


DONA HELENA PROPÔS UM JOGO A SEUS FILHOS. NAS PÉTALAS DE CADA FLOR ELES DEVEM ESCREVER DIFERENTES ADIÇÕES DE DOIS NÚMEROS, DE MODO QUE A SOMA SEJA A INDICADA NO MIOLO DA FLOR.

5+0 2+3

3+0

4+1

5

2+1

3

0+3

1+4

3+2

1+2

4+0

0+5 2+2

6+0

4

0+4

2+0

1+3

3+1 0+6

3+3

6

2+4

CJT/Zapt

1. VEJA O EXEMPLO E DEPOIS COMPLETE COM AS ESCRITAS ADEQUADAS NAS PÉTALAS DAS OUTRAS FLORES.

4+2

2

5+1

1+1

1+5

Juntar é muito bom

7+0

76 setenta e seis

0+7

3+4

7

4+3

6+1

1+6

2+5 5+2

0+2


1. PINTE DA MESMA COR AS CARTELINHAS EM QUE A SOMA DOS NÚMEROS INDICADOS É A MESMA. SEMPRE QUE POSSÍVEL, ache OS RESULTADOS SEM CONTAR NOS DEDOS OU FAZER ANOTAÇÕES NO PAPEL. 1+2

3+2

0+4

1+4

0+5

1+3

2+4

1+5

2+1

4+1

0+3

3+3

6+0

4+0

3+1

2+3

5+0

5+1

0+6

4+2

Juntar é muito bom

2+2

3+0

setenta e sete 77


NO QUARTO DOS SETE ANÕES, HÁ SETE CAMINHAS. UM DELES JÁ ESTÁ DORMINDO. OS OUTROS AINDA ESTÃO BRINCANDO NA SALA. MAS, POUCO A POUCO, CADA UM DELES FOI DEITAR EM SUA CAMINHA. 1. COMPLETE COM NÚMEROS, INDICANDO O QUE ACONTECEu:

Juntar é muito bom

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

DORMINDO BRINCANDO

78 setenta e oito

TOTAL

1

6

1+6=7

2

5

2+5=7

3

4

3+4=7

4

3

4+3=7

5

2

5+2=7

6

1

6+1=7

7

0

7+0=7


VOVÓ TEM 9 FORMINHAS E CADA UMA DELAS TEM 8 DIVISÕES. ELA FEZ SORVETE DE MORANGO E DE MARACUJÁ. DEPOIS FOI DESPEJANDO NAS FORMINHAS, FAZENDO DIFERENTES COMBINAÇÕES.

Maracujá

Morango

Total

0

8

0+8=8

1

7

1+7=8

2

6

2+6=8

3

5

3+5=8

4

4

4+4=8

5

3

5+3=8

6

2

6+2=8

7

1

7+1=8

8

0

8+0=8

2. AGORA, IMAGINE A SEGUINTE SITUAÇÃO: SE A VOVÓ MARIA TIVESSE FÔRMAS COM 10 DIVISÕES E FIZESSE SORVETEs DE UVA E DE ABACAXI, QUE COMBINAÇÕES SERIAM POSSÍVEIS?

Juntar é muito bom

Ilustrações: CJT/Zapt

1. COMO OS DOIS TIPOS DE SORVETE FORAM COLOCADOS NAS FÔRMAS?

setenta e nove 79


PARA DEIXAR A FESTA JUNINA MAIS ALEGRE, VOVÔ CARLOS FEZ TRILHAS NO JARDIM COM CORDINHAS COLORIDAS. SEGUINDO SUA TRILHA, CADA UM De SEUS SEIS NETOS ENCONTRAVA DOIS CESTOS COM PÉs DE MOLEQUe.

Luiz Augusto Ribeiro

1. VOVÔ CARLOS NÃO QUERIA QUE NENHUM NETO FICASSE ABORRECIDO. VOCÊ ACHA QUE ELE CONSEGUIU? EXPLIQUE Oralmente.

NICOLAS

PEDRO ANA OLíVIA

Juntar é muito bom

LUCAS

JOÃo

2. AGORA COMPLETE AS ESCRITAS ABAIXO: 1+

9

+ 6 = 10

4

7+ 80 oitenta

= 10

3

= 10

+ 8 = 10

2

5+

5

8

3+

= 10 + 2 = 10

7

+ 4 = 10

6

9+

= 10

1

= 10


DUDU DESENHOU UM DISCO PARA LANÇAMENTO DE dardos. ELE CONVIDOU PEDRO E MARINA PARA JOGAR COM ELE. EXPLICOU QUE, DEPENDENDO Do lugar EM QUE VOCÊ ACERTA o dardo, VOCÊ GANHA UM NÚMERO DE PONTOS. COMBINARAM A SEGUINTE PONTUAÇÃO:

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

5 4 3 2 1

DUDU

MARina

Pedro

a) QUANTOS PONTOS CADA UM FEZ? Dudu: 5 + 3 + 2 = 10; Marina: 4 + 3 + 1 = 8; Pedro: 5 + 4 + 3 = 12

Juntar é muito bom

1. AGORA, VEJA O QUE ACONTECEU. O PRIMEIRO A JOGAR FOI DUDU. DEPOIS, JOGOU MARINA E, FINALMENTE, FOI A VEZ DE PEDRO.

b) QUAL DELES FEZ MAIS PONTOS? Pedro oitenta e um 81


Desafios

Desafios

Gilberto Miadaira

1. LIGUE OS PONTOS de 1 a 43 E VEJA QUE FIGURA VAI APARECER. SE QUISER, USE UMA RÉGUA. DEPOIS, PINTE A FIGURA PARA QUE FIQUE BEM BONITA.

2. COMPARE OS DOIS PARES DE NÚMEROS INDICADOS ABAIXO E PINTE O QUADRINHO EM QUE ESTÁ REGISTRADO O MAIOR NÚMERO: 13

×

44 82 oitenta e dois

31

× 43

×

55

34 79

98 ×

97

×

×

23

99 13


Desafios

Gilberto Miadaira

3. LEMBRA DO CANGURU TUCO? ELE CONTINUA SALTANDO NAS TRILHAS DE PEDRA NA FLORESTA. ELE ESTÁ SAINDO DA CASA 53. E MAIS UMA VEZ, HÁ PRESENTINHOS ESPERANDO POR ELE. VEJA SÓ:

a) A bola 61

d) As uvas 75

b) O CHAPÉU 78

e) A alface 98

c) A BENGALA 94

f) A CAMISA 83

4. QUAL É O NÚMERO DA ÚLTIMA PEDRA DA TRILHA QUE É

Desafios

EM QUE PEDRA DA TRILHA ELE PODE PEGAR:

POSSÍVEL VER? 99 oitenta e três 83


Desafios 5. RESOLVA AS SITUAÇÕES A SEGUIR, DO JEITO QUE ACHAR MELHOR: DESENHANDO, FAZENDO ESQUEMAS, OU USANDO SÍMBOLOS MATEMÁTICOS. A) CATARINA TEM 6 PULSEIRAS AZUIS E 5 PULSEIRAS COR-DE-ROSA. QUANTAS PULSEIRAS ELA TEM?

C) PAULINHA TINHA 12 ANéIS. DEU 5 PARA SUA PRIMA. COM QUANTOS ANéIS ELA FICOU? Paulinha ficou com 7 anéis.

Catarina tem 11 pulseiras.

B) LARISSA TINHA ALGUMAS FIVELAS. GANHOU 7 DE SUA MADRINHA E FICOU COM 15. QUANTAS FIVELAS TINHA INICIALMENTE?

D) JÚLIA TINHA 8 adesivos. GANHOU ALGUnS DE SUA MÃE E FICOU COM 12 adesivos. QUANToS ELA GANHOU? Júlia ganhou 4 adesivos.

Desafios

Larissa tinha 8 fivelinhas.

84 oitenta e quatro


Divirta-se Jogo das cartelinhas numéricas

Luiz Augusto Ribeiro

• Material: Cartelas com os algarismos de 1 a 9.

• Número de participantes: 4 • como jogar: ””Recortem as cartelas que estão na página 7 do Encarte. ””Embaralhem as nove cartelas e coloquem sobre a mesa, viradas para baixo. ””Cada participante sorteia duas cartelas e com elas procura formar o maior número possível. Vai sobrar uma cartela.

””Anotem em uma folha de papel os nomes dos participantes e marquem o vencedor de cada rodada. ””Realizem mais 3 rodadas. Ganha o jogo quem vence mais rodadas.

Divirta-se

””Ganha a rodada aquele que formar a escrita referente ao maior número.

oitenta e cinco 85


UNIDADE 4

Nesta unidade, vamos avançar no conhecimento dos números. Vamos aprender coisas interessantes sobre medidas de massa, de capacidade, de temperatura e de comprimento. Em matemática, é muito importante aprender a resolver problemas. Para isso, procure prestar atenção aos dados que o problema traz e àquilo que se quer descobrir. 86 oitenta e seis


e quanto pesa um elefante adulto? você sabe quantos litros de água cabem na caixa d’água da escola?

Ilustração: Luiz Augusto Ribeiro; Fotografia: Vibrant Image Studio /Shutterstock Images

Você sabe quanto pesa um gato? e uma galinha?

oitenta e sete 87


Mais agrupamentos de 10 em 10

CJT/Zapt

VEJA A COLEÇÃO DE BOLINHAS DE GUDE De MARcOS. ELE QUER SABER SE HÁ MAIS BOLINHAS VERDES OU AZUIS. PARA ISSO, COMEÇOU A FORMAR GRUPOS, COMO MOSTRA A ILUSTRAÇÃO.

1. COMPLETE A TAREFA que marcos começou. 2. OBSERVE os grupos formados e complete:

mais agrupamentos DE 10 EM 10

a) COM AS BOLINHAS DE GUDE VERDES, QUANTOS GRUPOS DE 10 FORAM FORMADOS? 3

E QUANTAS

SOBRARAM? 7 b) E COM AS BOLINHAS DE GUDE AZUIS? 3 grupos de 10 e sobraram 5 bolinhas

3. O QUE HÁ MAIS: BOLINHAS DE GUDE VERDES OU AZUIS?

bolinhas verdes

QUANTAS A MAIS? 2

4. QUE ESCRITA NUMÉRICA VOCÊ USARIA PARA REPRESENTAR A QUANTIDADE DE BOLINHAS DE GUDE VERDES? E AZUIS? Bolinhas verdes: 37; bolinhas azuis: 35

88 oitenta e oito


1. DESCUBRA QUANTAS BOLINHAS DE GUDE vermelhas APARECEM NA ILUSTRAÇÃO:

RESPONDA: • QUE ESCRITA NUMÉRICA VOCÊ USARIA PARA REPRESENTAR

2. NA ILUSTRAÇÃO DEVERIAM APARECER 39 BOLINHAS DE GUDE VERMELHAS. TERMINE A ILUSTRAÇÃO, DESENHANDO AS BOLINHAS QUE FALTAM. O aluno deverá desenhar 11 bolinhas de gude vermelhas.

mais agrupamentos DE 10 EM 10

A QUANTIDADE DE BOLINHAS DE GUDE VERMELHAS? 28

oitenta e nove 89


11

21

31

41

51

61

74 64 54

44

34

24

14

15

21

23

25

27

17

19

QUANDO TERMINAR, COMPARE SUAS RESPOSTAS COM AS DE OUTRO COLEGA E UTILIZEM A CALCULADORA PARA CONFERIR OS RESULTADOS. 7 8 9 ÷ 4 5 6 1 2 3 – 0 . = + +

mais agrupamentos DE 10 EM 10

1

90 noventa

Ilustrações Gilberto Miadaira

1. EM CADA UMA DAS TIRINHAS, A SEQUÊNCIA DE NÚMEROS SEGUE UMA DETERMINADA REGRA. DESCUBRA E ACRESCENTE A CADA UMA, OS QUATRO PRÓXIMOS NÚMEROS QUE DEVEM APARECER.


VOCÊ JÁ EXPLOROU AS TECLAS DE UMA CALCULADORA, CERTO?

8 5 2 .

9 ÷ 6 3 – = + +

7 4 1 0

SEGUIDA, AS TECLAS 1 NO VISOR VAI APARECER O NÚMERO E NOVE.

Luiz Augusto ribeiro

1. APERTE AS TECLAS 3 E 8 . EM .

39 , OU SEJA, TRINTA

CONTINUE APERTANDO AS TECLAS

1 REGISTRE NOS QUADROS ABAIXO OS NÚMEROS QUE FOREM APARECENDO E VÁ DIZENDO SEUS NOMES, ORALMENTE. 41

42

44

47

45

43

46

48

49

50

2. ESCREVA NOS QUADROS AZUIS, OS NÚMEROS QUE VOCÊ ACHA QUE VÃO APARECER NO VISOR DA CALCULADORA, QUANDO VOCÊ REGISTRAR CADA UM DOS NÚMEROS DOS QUADROS VERDES E, EM SEGUIDA, TECLAR . 1 8 5 2 .

9 ÷ 6 3 – = + +

7 4 1 0

35

36

83

84

39

40

42

43

71

72

54

55

29

30

66

67

49

50

mais agrupamentos DE 10 EM 10

40

noventa e um 91


ERA UMA VEZ 6 ANIMAIS QUE DESEJAVAM PARTICIPAR DE UMA CORRIDA. QUEM ORGANIZOU TUDO FOI O GRILO.

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

1. AJUDE O GRILO, NUMERANDO O RESTANTE DAS CASAS. 1 16

17

15

18

33

19

32

34

48

mais agrupamentos DE 10 EM 10

4

5

14

13

12

11

20

31

21

30

50

63

65

62

66

79

78

81

93

77

92

95

76

96

55

58

71

74

72

73

85

89

97

56

57

70

84

90

40

41

54

75

83

91

26

42

69

25

39

59

68

82

94

60

67

24

38

53

88

98

86

87

99

• QUANTAS CASAS OS ANIMAIS TERÃO QUE PERCORRER? 99

92 noventa e dois

8

9

27

43

52

61

10

28

44

51

7

23

37

45

6

22

29

36

46

49

80

3

35

47

64

2


71

17

68

82

99

59

Gilberto Miadaira

QUANDO O GRILO ANUNCIOU O FINAL DA CORRIDA, OS BICHOS ESTAVAM NAS SEGUINTES CASAS:

1. ESCREVA O NOME DOS ANIMAIS, NA ORDEM DE CLASSIFICAÇÃO. a) 1o: coelho

d) 4o: gato

b) 2o: cachorro

e) 5o: capivara

c) 3o: macaco

f) 6o: tartaruga

38

Um depois de... 39

Você sabia que 40

41

42

43

67

68

69

70

71

72

88

89

90

3. RESPONDA: a) QUE NÚMERO É ANTECESSOR DE 90? 89

38 É CHAMADO ANTECESSOR DE 39? 40 É CHAMADO SUCESSOR DE 39?

mais agrupamentos DE 10 EM 10

Um antes de...

CJT/Zapt

2. COMPLETE COM OS NÚMEROS QUE ESTÃO FALTANDO EM CADA ESQUEMA:

b) QUE NÚMERO É SUCESSOR DE 90? 91 noventa e três 93


Mais quadros numéricos

mais quadros numéricos

1. COMPLETE O QUADRO NUMÉRICO. 101

102

103

104

105

106

107

108

109

110

111

112

113

114

115

116

117

118

119

120

121

122

123

124

125

126

127

128

129

130

131

132

133

134

135

136

137

138

139

140

141

142

143

144

145

146

147

148

149

150

151

152

153

154

155

156

157

158

159

160

161

162

163

164

165

166

167

168

169

170

171

172

173

174

175

176

177

178

179

180

181

182

183

184

185

186

187

188

189

190

191

192

193

194

195

196

197

198

199

200

2. SABENDO QUE AS FIGURAS ABAIXO SÃO RECORTES DO QUADRO NUMéRICO, COMPLETE COM OS NúMEROS QUE ESTÃO FALTANDO: 115

124

125

134

126

135

94 noventa e quatro

143

144 154

166

145

175

176 186

177


1

10

100

2

20

200

3

30

300

4

40

400

5

50

500

6

60

600

7

70

700

8

80

800

9

90

900

2. Agora, DIGA COMO VOCÊ FARIA A LEITURA DOS SEGUINTES NÚMEROS: Cento e vinte e três

1

2

3

Quatrocentos e trinta e quatro

4

3

4

Duzentos e dezessete

2

1

7

Quinhentos e vinte e oito

5

2

8

Trezentos e sessenta e nove

3

6

9

Seiscentos e cinquenta e um

6

5

1

3. Escreva números que você conhece e sabe ler. Resposta pessoal.

mais quadros numéricos

1. LEIA EM VOZ ALTA OS NÚMEROS DE CADA FILEIRA.

noventa e cinco 95


Fazendo medições PAULINHA TEM 6 ANOS. ELA CONTORNOU SUA MÃO DIREITA em UMA FOLHA DE PAPEL.

CJT/Zapt

1. USE UMA RÉGUA E PEÇA a AJUDA DE Sua PROFESSORa, ou de seu professor. VOCÊ VAI APRENDER A USAR O CENTÍMETRO. MÉDIO INDICADOR

ANULAR

MÍNIMO

Fazendo medições

POLEGAR

MEDIDA APROXIMADA EM CENTÍMETROS DEDO POLEGAR

DEDO INDICADOR

DEDO MÉDIO

DEDO ANULAR

DEDO MÍNIMO

2. QUE TAL FAZER AS MEDIDAS DA PRÓPRIA MÃO, DEPOIS DE CONTORNÁ-LA em UMA FOLHA DE PAPEL?

96 noventa e seis


LUíSA E MARCELA fizeram uma pesquisa e ACHARAM o “peso” de alguns ANIMAIS.

Ilustraç˜ões: Vagner Roberto de Farias

1. COMPLETE A PESQUISA E ESCREVA Os “PESOs” dos ANIMAIS QUE ESTÃO faltando NA TABELA: ANIMAIS

PESO EM QUILOGRAMAS

TATU

2

PREGUIÇA

5

TAMANDUá

16

MACACO-ARANHA

18

GATO GALINHA

2. ANOTE NA TABELA ABAIXO SEU PESO E O DE OUTROS AMIGOS DE SUA TURMA. PESO EM QUILOGRAMAS

Fazendo medições

NOMES

noventa e sete 97


SEXTA-FEIRA

34º

23º

SÁBADO

DOMINGO

35º

33º

23º

CJT/Zapt

MARCELA VIU NA INTERNET A PREVISÃO DO TEMPO PARA SUA CIDADE:

23º

1. OBSERVANDO OS DADOS APRESENTADOS ACIMA, RESPONDA: a) QUAL A PREVISÃO DO TEMPO PARA ESSES TRêS DIAS? VAI FAZER CALOR OU FRIO? Vai fazer calor.

b) O QUE REPRESENTAM OS NÚMEROS QUE APARECEM No quadro? As temperaturas máxima e mínima.

c) QUAL A TEMPERATURA MÁXIMA EM CADA DIA? Sexta-feira: 34°, sábado: 35°, domingo: 33°

Fazendo medições

d) QUAL A TEMPERATURA MÍNIMA EM CADA DIA? Sexta-feira: 23°, sábado: 23°, domingo: 23°

2. MARCELA MORA em UMA CIDADE DO LITORAL. VOCÊ ACHA QUE O TEMPO VAI ESTAR BOM PARA IR À PRAIA no sábado? Resposta pessoal.

98 noventa e oito


CERTAMENTE, VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM LITRO. 1. DESENHE, NOS QUADROS ABAIXO, SITUAÇÕES EM QUE USAMOS O LITRO COMO MEDIDA. Resposta pessoal.

2. FAÇA UMA PESQUISA DE PRODUTOS EM SUA CASA E DEPOIS RELACIONE AS INFORMAÇÕES DE CADA UMA DAS COLUNAS: Garrafa de refrigerante Tem 1 litro Lata de refrigerante Tem mais de 1 litro

Copo de água

Tem menos de 1 litro

3. Quantos litros cabem na caixa d’água da escola?

Fazendo medições

Caixa de leite

Resposta pessoal.

noventa e nove 99


O que está acontecendo? Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

A TURMA DE ANDRÉ ESTÁ BRINCANDO DE AMARELINHA.

AGORA, CHEGARAM OUTROS AMIGOS.

O que está acontecendo?

1. Observe o que aconteceu e responda: A) QUANTAS CRIANÇAS HAVIA INICIALMENTE? 9 B) QUANTAS CHEGARAM? 5 C) QUANTAS FICARAM NO TOTAL? 14 2. Represente o que aconteceu usando símbolos matemáticos:

100 cem

9

+

5

=

14

nove

mais

cinco

igual a

catorze


Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

ENZO COLECIONA CARRINHOS. Veja sua coleção.

NO DIA DE SEU ANIVERSÁRIO, ELE GANHOU NOVOS CARRINHOS.

1. Observe o que aconteceu e responda: A) QUANTOS CARRINHOS ELE TINHA INICIALMENTE?

8

ANIVERSÁRIO?

5

c) QUANTOS CARRINHOS ELE TEM AGORA?

13

2. REPRESENTE O QUE ACONTECEU USANDO SÍMBOLOS MATEMÁTICOS. 8 + 5 = 13

O que está acontecendo?

B) QUANTOS CARRINHOS ELE GANHOU NO DIA DE SEU

cento e um 101


Luiz Augusto Ribeiro

NA ESCOLA EM QUE PAULO ESTUDA, OS ALUNOS ESTÃO PLANTANDO MUDAS DE ÁRVORES FRUTÍFERAS PARA FORMAR UM POMAR.

1. Calcule e responda: a) NA 2a-FEIRA, HAVIA 10 PÉS E NA 3a-FEIRA FORAM PLANTADAS 7 NOVAS MUDAS. QUANTOS PÉS DE ÁRVORES FRUTÍFERAS EXISTIAM NO FINAL DA TARDE DE 3a-FEIRA? O que está acontecendo?

17

B) PAULO FOI AO POMAR NA MANHÃ DA 5a-FEIRA E VERIFICOU QUE EXISTIAM 22 ÁRVORES FRUTÍFERAS. QUANTAS ÁRVORES FORAM PLANTADAS NA 4a-FEIRA? 5

c) ATÉ SÁBADO, OS ALUNOS QUEREM QUE ESTEJAM PLANTADAS 30 ÁRVORES. QUANTAS ÁRVORES ELES DEVEM PLANTAR PARA ATINGIR esse número? 8

102 cento e dois


Luiz Augusto Ribeiro

PAULO E JOÃO DECIDIRAM JOGAR O JOGO DE “BAFO”, NO QUAL OS participantes JUNTAM SUAS FIGURINHAS DE CABEÇA PARA BAIXO NUMA PILHA E TENTAM VIRÁ-LAS BATENDO COM A MÃO EM CIMA DA PILHA DE FIGURINHAS. QUEM VIRAR FICA COM AS FIGURINHAS.

1. Calcule e responda: a) PAULO INICIOU O JOGO COM 22 FIGURINHAS. DURANTE O JOGO, ELE GANHOU 9 FIGURINHAS. COM QUANTAS FIGURINHAS ELE FICOU NO FINAL?

31

Ele ganhou 3.

Faça seus cálculos aqui.

O que está acontecendo?

b) NO DIA SEGUINTE, PAULO E JOÃO JOGARAM OUTRA VEZ. JOÃO INICIOU O JOGO COM 36 FIGURINHAS. AO FINAL, ELE TINHA 39 FIGURINHAS. O QUE OCORREU DURANTE O JOGO?

cento e três 103


Caixas e seus formatos

Ilustrações: CJT/Zapt

CERTO DIA, A PROFESSORA débora TROUXE PARA A CLASSE VÁRIAS CAIXAS DE PRESENTE. AS CRIANÇAS FICARAM ENCANTADAS COM AS CAIXAS E LOGO QUISERAM SABER O QUE IA ACONTECER.

1. Responda à PROFESSORA débora. a) ALGUMA DESSAS CAIXAS TEM FORMA DE ESFERA, CONE OU CILINDRO? POR QUÊ? Não. Porque a esfera, o cone e o cilindro têm superfícies arredondadas.

b) QUAIS AS SEMELHANÇAS ENTRE ESSAS CAIXAS? Resposta pessoal, como, por exemplo, que todas têm 6 faces.

c) VOCÊ OBSERVA ALGUMA CARACTERÍSTICA ESPECIAL NA

caixa AZUL? QUAL? Todas as faces são de formato quadrado.

caixas e seus formatos

ESSAS CAIXAS TÊM FORMA DE PARALELEPÍPEDOS E A CAIXA AZUL TEM O NOME ESPECIAL DE CUBO.

2. DESENHE OUTROS OBJETOS SEMELHANTEs A essAS CAIXAS E escreva SEUS NOMES.

104 cento e quatro


1. Recorte as planificações dAs Páginas 9, 11 e 13 do Encarte e MONTE SUAS CAIXAS DE PRESENTE. 2. Observe estas outras caixas.

B

C

As “pontas” das formas geométricas são chamadas vértices.

ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

A

• Quantos vértices tem cada uma das Formas? 6

b:

5

c:

6

3. A forma geométrica abaixo tem superfícies planas. Essas superfícies são chamadas faces.

caixas e seus formatos

A:

• Quantas faces ela possui? 6 cento e cinco 105


Luiz Augusto Ribeiro

Paulo assistiu a um filme sobre o Egito e ficou interessado em conhecer mais sobre pirâmides.

1. Observe as pirâmides e responda:

caixas e seus formatos

A

B

C

a) Quantos vértices tem cada uma delas? A:

5

b:

4

c:

7

c:

7

b) Quantas faces tem cada uma delas? A:

5

b:

4

2. com um colega, recortem os moldes dAs páginas 15, 17 e 19 do encarte e confiram suas respostas.

106 cento e seis


Ilustrações: CJT/Zapt

1. Observe a ilustação deste cubo. Cada face é composta de 9 quadradinhos coloridos. Nas faces que estão visíveis, quantos são os quadradinhos: a) de cor verde 6

d) de cor branca 5

b) de cor azul 3

e) de cor amarela 4

c) de cor vermelha 3

f) de cor alaranjada 6

Observe uma das fôrmas que a professora usou e responda: a) quantos cubos de gelatina cabem nessa fôrma? 18 b) quantos serão verdes (de sabor limão)? 7 c) e amarelos (sabor abacaxi)? 6 d) e vermelhos (sabor morango)? 5

caixas e seus formatos

2. a professora de pedro propos a sua turma fazer gelatinas coloridas em formato de cubo. As crianças ajudaram a fazer e aprenderm muitas coisas.

que tal fazer a mesma experiência em sua sala de aula? cento e sete 107


Desafios RESOLVA os PROBLEMAs A SEGUIR, DO JEITO QUE ACHAR MELHOR, DESENHANDO, FAZENDO ESQUEMAS, OU USANDO SÍMBOLOS MATEMÁTICOS. 1. DE 23 CRIANÇAS QUE BRINCAVAM NA PRACINHA, 12 ERAM MENINAS. QUANTOS ERAM OS MENINOS? Eram 11 meninos.

3. DONA MÁRCIA FEZ PÃES PARA O LANCHE. AS CRIANÇAS COMERAM 6 PÃES E AINDA RESTARAM 9. QUANTOS PÃES DONA MÁRCIA FEZ?

Desafios

Dona Márcia fez 15 pães.

108 cento e oito

2. BETO FEZ 18 PIPAS PARA VENDER. SOBRARAM 5. QUANTAS PIPAS BETO VENDEU?

Beto vendeu 13 pipas.

4. Márcio TINHA 21 BOLINHAS DE GUDE. DEU ALGUMAS PARA SEU PRIMO E FICOU COM 17. QUANTAS BOLINHAS ELE DEU PARA SEU PRIMO? Márcio deu 4 bolinhas para seu primo.


Desafios 5. Complete as sequências com números, explicando oralmente o que você pensou, em cada caso: 38

58

78

34

23

61

98

45

98

87

56

51

118

158

89

78

67

56

76

138

65

54

43

Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

Respostas possíveis.

32

46 41 36

31

69

73

12

46

30

3

34

57

61

86

43

7

19

79

98

8

30

43

69

94

98

93

52

61

65

17

22

46

68

95

59

15

61

92

58

18

32

47

80

83

Desafios

6. GUSTAVO e GABRIEL PEGARAM DUAS CARTELAS numeradas. GABRIEL DISSE QUE QUER Aquela QUE TEM O MAIOR NÚMERO. Assinale QUAL CARTELA FICARÁ COM GABRIEL.

x

cento e nove 109


Desafios 7. JOÃO Paulo ORGANIZOU CARTAS DE um baralho de DUAS FORMAS. VEJA SE ELE AS COLOCOU NA ORDEM CERTA.

• VOCÊ TROCARIA ALGUMA CARTA DE LUGAR? Na primeira sequência o 4 e o 3 e na segunda, o 7 e o 8.

8. OBSERVE OS NÚMEROS ESCRITOS NESTES QUADRINHOS COLORIDOS: 11

12

13

21

22

23

31

32

33

• QUE NÚMEROS ESTÃO REGISTRADOS NOS QUADRINHOS VERDES?

11, 22, 33

QUAL DELES É O MAIOR?

33

• QUE NÚMEROS ESTÃO REGISTRADOS NOS QUADRINHOS AZUIS?

13, 31

Desafios

QUAL DELES É O MAIOR?

31

• QUE NÚMEROS ESTÃO REGISTRADOS NOS QUADRINHOS AMARELOS? QUAL DELES É O MAIOR?

110 cento e dez

32

12, 21, 23, 32


Divirta-se Jogo dos dois dados • Material: dois dados de pontos • Número de participantes: 2 • como jogar: ””Recortem e montem o dado que está na página 21 do Encarte. ””Cada aluno monta um dado. ””Em cada rodada os dois dados são jogados, são observados os pontos das faces que ficaram voltadas para cima. os pontos são adicionados. ””Anotem em uma folha de papel os nomes dos participantes, marcando o vencedor de cada rodada (o que fez mais pontos), indicando o total de pontos. ””Joguem mais 3 rodadas.

Divirta-se

Luiz Augusto Ribeiro

””vence o jogo quem ganhou mais rodadas.

cento e onze 111


UNIDADE 5

Nesta unidade, você vai ter a oportunidade de fazer cálculos mentalmente. vamos avançar na escrita de números. Vamos aprender mais sobre medidas de comprimento, de tempo e de massa. Você vai resolver diferentes problemas usando a subtração conhecida como conta de “menos” e saber ainda mais sobre a adição. Vamos ver como a matemática nos ajuda a identificar trajetos. Você já deve estar observando que podemos usar várias formas de calcular: mentalmente, com papel e lápis e com a calculadora. 112 cento e doze


Você conhece a palavra subtração? Você saberia explicar o que ela significa?

Ilustração: Luiz Augusto Ribeiro; Fotografia: Supri Suharjoto/Shutterstock Images

Quando você faz cálculos, sempre precisa de papel e lápis?

cento e treze 113


Calculando mentalmente A PROFESSORA ARLETE INCENTIVA SEUS ALUNOS A FAZER CÁLCULOS RAPIDAMENTE.

Calculando mentalmente

1. CALCULE mentalmente, SEM CONTAR NOS DEDOS OU FAZER REGISTROS NO PAPEL. COLOQUE O RESULTADO LOGO ABAIXO DE CADA CARTÃO, COMO JÁ ESTÁ FEITO EM ALGUNS CASOS. 2+1

5+1

6+1

3

6

7

8+1

7+1

11 + 1

9

8

12

10 + 1

3+1

9+1

11

4

10

3+1

5+1

7+1

4

6

8

23 + 1

20 + 1

18 + 1

24

21

19

31 + 1

9+1

26 + 1

32

10

27

114 cento e catorze


1+1

10 + 10

100 + 100

2

20

200

2+2

20 + 20

200 + 200

4

40

400

3+3

30 + 30

300 + 300

6

60

600

4+4

40 + 40

400 + 400

8

80

800

5+5

50 + 50

500 + 500

10

100

1 000

6+6

60 + 60

600 + 600

12

120

1 200

Calculando mentalmente

1. Continue cALCULando mentalmente, SEM CONTAR NOS DEDOS OU FAZER REGISTROS NO PAPEL. COLOQUE O RESULTADO LOGO ABAIXO DE CADA CARTÃO, COMO JÁ ESTÁ FEITO NOs PRIMEIROs CASOs.

cento e quinze 115


Calculando mentalmente

1. CALCULE mentalmente E COLOQUE O RESULTADO LOGO ABAIXO DE CADA CARTÃO, COMO JÁ ESTÁ FEITO NOs PRIMEIROs CASOs. 2+2

2+3

3+2

4

5

5

3+3

3+4

4+3

6

7

7

4+4

4+5

5+4

8

9

9

5+5

5+6

6+5

10

11

11

6+6

6+7

7+6

12

13

13

7+7

7+8

8+7

14

15

15

116 cento e dezesseis


1. REPRESENTE O TOTAL DE PONTOS DOS DADOS, EM CADA UM DOS CASOS ABAIXO:

5+3+1=9

g)

2+2+4=8

b)

6 + 3 + 1= 10

e)

6 + 4 + 1 = 11

k)

5 + 4 + 1= 10

f)

3 + 3 + 5 = 11

4 + 4 + 3 = 11

h)

3+4+2=9

c)

j)

2+6+1=9

i)

6 + 2 + 2 = 10

l)

4+1+4=9

6 + 3 + 2 = 11

2. Em UMA BRINCADEIRA, GANHA PONTO QUEm MARCAR NA MESMA CARTELA DOIS NÚMEROS QUE têm soma 10. 1 2

0 6

5

0 11

7

2

12 14

9

3 8

13

1

9 0

6

a) QUAL DAS CARTELAS VOCÊ ESCOLHERIA? A vermelha

8 14

Calculando mentalmente

d)

Fotografias: Shutterstock Images

A)

b) Por quê? Por que na cartela vermelha encontramos 2 + 8 e 9 + 1. cento e dezessete 117


fazendo cálculos

Vagner Roberto de Farias

TRÊS AMIGOS ESTÃO realizando UM JOGO EM QUE GANHAM OU PERDEM FIGURINHAS. ELES COMEÇARAM A JOGAR PELA MANHÃ E ANOTARAM OS RESULTADOS PARA NÃO ESQUECER.

MANHÃ

CHEGOU COM

GANHOU

PERDEU

FICOU COM

HENRIQUE

8

2

3

7

GUILHERME

3

3

1

5

PAULO

4

1

2

3

Fazendo cálculos

1. Copie OS RESULTADOS ANOTADOS NA última coluna da TABELA ACIMA. DEPOIS, CALCULE COMO CADA UM DELES FICOU NO FINAL DA TARDE. tarde

CHEGOU COM

GANHOU

PERDEU

FICOU COM

HENRIQUE

7

2

3

6

GUILHERME

5

3

4

4

PAULO

3

4

2

5

2. Analise como foi o jogo no período da tarde. Henrique e Guilherme perderam 1 figurinha cada um. Paulo ganhou 2 figurinhas.

118 cento e dezoito


Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

NO DOMINGO, JÚLIA E SUAS AMIGUINHAS ESTAVAM BRINCANDO NO PARQUE.

ALGUMAS MENINAS JÁ FORAM PARA CASA.

1. Responda: A) QUANTAS MENINAS HAVIA INICIALMENTE? 13

c) QUANTAS FORAM EMBORA? 5 2. VAMOS APRENDER A REPRESENTAR O QUE ACONTECEU, USANDO SíMBOLOS MATEMÁTICOS: 13

8

=

5

treze

menos

oito

IGUAL A

cinco

Fazendo cálculos

b) QUANTAS AINDA FICARAM NO PARQUE? 8

cento e dezenove 119


Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

JULIANA E IsABEL FAZEM ANIVERSÁRIO NO MESMO DIA. SUAS MÃES DECIDIRAM FAZER A FESTA NA ESCOLA E CADA UMA LEVOU UM BOLO.

1. SABENDO QUE IsABEL É MAIS VELHA QUE JULIANA, RESPONDA: a) QUANTOS ANOS FEZ IsABEL?

10

b) QUANTOS ANOS COMPLETOU JULIANA?

9

c) QUANTOS ANOS JULIANA É MAIS NOVA QUE IsABEL?

1

Fazendo cálculos

2. DESENHE NO BOLO UMA VELA COM A IDADE QUE JULIANA FARÁ DAQUI A 3 ANOS. O aluno deve desenhar uma vela com o número 12.

120 cento e vinte


1. PINTE DA MESMA COR AS CARTELINHAS EM QUE O RESULTADO DAS SUBTRAÇÕES INDICADAS É O MESMO.

8–1

10 – 4

7

9–2

9–3

7–2

9–4

11 – 4

13 – 7

9–5

4

10 – 3

11 – 5

7

6

8–3

6

11 – 5

6

8

5

5

7

7–1

11 – 3

6

7

5

5

8

8–2

12 – 5

10 – 5

8

6

7

6

6–1

12 – 4

10 – 2

8

5

Fazendo cálculos

9–1

6

cento e vinte e um 121


1. criE UMA situação que possa ser resolvida, calculando: 18 – 3 Resposta pessoal.

12 – 8

Resposta pessoal.

Fazendo cálculos

38 – 8

Resposta pessoal.

122 cento e vinte e dois


Observe o cálculo que Juliana fez para resolver A CONTA 48 – 23. VEJA COMO ELA FOI PENSANDO E REGISTRANDO: 48 – 23 = 25, porque 48 – 20 = 28 e

28 – 3 = 25

1. VOCÊ ACHA QUE O CÁLCULO DE Juliana ESTÁ CORRETO? Sim. Resposta pessoal.

2. COMO você FARIA PARA ACHAR O RESULTADO DE: 27 – 13 = 14

48 – 14 = 34

39 – 16 = 23

49 – 26 = 23

37 – 11 = 26

28 – 15 = 13

4. FORMULE UM PROBLEMA EM QUE VOCÊ POSSA USAR UMA DAS OPERAÇÕES REALIZADAS acima.

Fazendo cálculos

3. CONFIRA OS RESULTADOS COM UM COLEGA.

cento e vinte e três 123


Nosso dinheiro Fotografias: Museu de Valores/Banco Central do Brasil

Você conhece as moedas e cédulas de nosso dinheiro? Vamos recordar quais são.

Nosso dinheiro

CJT/Zapt

José Roberto economiza moedas em um cofrinho. Veja as moedas que estavam no cofrinho.

Quantos reais José Roberto conseguiu juntar? 4 reais

124 cento e vinte e quatro


1. Complete o valor obtido com as cédulas em cada quadro: d

R$ 19,00

Fotografias: Museu de Valores/ Banco Central do Brasil

A

R$ 50,00

e

b

R$ 37,00

R$ 59,00

c

2. Enzo também gosta de colocar suas economias no cofrinho. Ele ganhou 2 reais de sua avó e quer trocar por moedas de 25 centavos. Quantas moedas ele terá ao efetuar a troca? Oito 3. Quantas cédulas de 5 reais são necessárias para

Nosso dinheiro

R$ 172,00

completar 40 reais? Oito cento e vinte e cinco 125


Museu de Valores/ Banco Central do Brasil

LUCAS TEM 20 REAIS.

Gilberto Miadaira

ELE FOI À LOJA DE BRINQUEDOS E ESTÁ olhando O PREÇO DE ALGUNS DELES. VEJA SÓ:

1. Calcule e responda: • COM O DINHEIRO QUE TEM, Lucas pode COMPRAR O CARRINHO? Sim. • SE ELE COMPRAR O CARRINHO, QUANTO RECEBERÁ DE TROCO?

Receberá 8 reais.

Nosso dinheiro

• LUCAS PODE COMPRAR O CARRINHO E A BOLA DE FUTEBOL? Não, porque precisaria de 27 reais. • ELE PODE COMPRAR O CARRINHO E A PETECA? Sim. • DEPOIS DE PENSAR MUITO, LUCAS RESOLVEU COMPRAR O jogo de FUTEBOL DE BOTÃO. QUANTO ele RECEBEU DE TROCO? Recebeu 6 reais de troco. 126 cento e vinte e seis


Fotografias: Museu de Valores/ Banco Central do Brasil

Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

1. JULIANA FEZ COMPRAS NA FEIRA E gastou todo o dinheiro que levou.

• ESCREVA QUANTO JULIANA GASTOU NA FEIRA. R$

38,00

Nosso dinheiro

2. MARTA TAMBÉM FOI À FEIRA E PAGOU SUAS COMPRAS COM AS SEGUINTES CÉDULAS:

• ESCREVA QUANTO MARTA GASTOU NA FEIRA. R$

37,00

cento e vinte e sete 127


Contando o tempo 1. PEGUE UM CALENDÁRIO DESTE ANO. PREENCHA COM OS DIAS DOS MESES DE JULHO, AGOSTO E SETEMBRO. D

S

Julho T Q Q

S

S

2. MARQUE AS DATAS IMPORTANTES NESSES MESES.

D

D

S

agosto T Q Q

S

S

S

setembro T Q Q

S

S

3. ESSES MESES TÊM O MESMO NÚMERO DE DIAS? Não.

4. VOCÊ TEVE FÉRIAS NO MÊS DE JULHO? EM QUE DIAS?

Contando o tempo

Resposta pessoal.

5. EM QUE DIA DA SEMANA CAIU O DIA DA independência do

brasil, sete de setembro? A resposta depende do ano em que o exercício for feito.

6. Quando começa A PRIMAVERA?

No dia 22 de setembro.

7. EM QUE DIA DA SEMANA VAI CAIR O DIA 1o DE OUTUBRO? A resposta depende do ano em que o exercício for feito.

128 cento e vinte e oito


6h às 7h

Acordei e tomei banho.

7h às 8h Tomei café e fui para a escola. 8h às 12h

Assisti às minhas aulas.

12h às13h15min

Voltei para casa e almocei.

13h15min às 14h

Ajudei mamãe a arrumar a cozinha.

Luiz Augusto Ribeiro

CELINA ANOTOU NUMA CADERNETA COMO USA SEU TEMPO.

14h às 15 h Fui à aula de natação. 16h às 18h

Voltei para casa, tomei banho e fiz

meus deveres de casa.

18h às 19h30min

Assisti aos desenhos na tv com

minha irmã.

19h30min às 21h Jantei com minha família e depois

descansei no sofá com minha mãe.

21h Fui dormir, pois amanhã preciso

levantar às 6 h.

1. Analise as informações e responda às perguntas:

B) QUANTO TEMPO ELA ASSISTIU aos DESENHOS NA TV? 1 hora e 30 minutos

C) VOCÊ ACHA QUE CELINA APROVEITOU BEM SEU DIA? Resposta pessoal.

2. QUE TAL FAZER COMO ELA? ESCOLHA UM DIA DESTA SEMANA E DESCUBRA COMO VOCÊ ESTÁ USANDO SEU TEMPO.

Contando o tempo

A) QUANTO TEMPO CELINA FICOU NA ESCOLA? 4 horas

cento e vinte e nove 129


Movimentando a tartaruga PAULO ESTÁ BRINCANDO NO COMPUTADOR COM UM JOGO EM QUE ELE MOVE UMA TARTARUGUINHA CHAMADA MELI. VEJA O PERCURSO FEITO POR ELA. CADA FLECHA REPRESENTA UM PASSO DA TARTARUGUINHA.

FIM

INÍCIO

1. DESCREVA ORALMENTE O CAMINHO PERCORRIDO PELA TARTARUGUINHA. FALTA RESPOSTA.

Ilustraç˜ões: Vagner Roberto de Farias

Movimentando a tartaruga

2. AGORA, DESENHE O CAMINHO DE VOLTA DA TARTARUGUINHA MELI.

130 cento e trinta

FIM

INÍCIO


A TARTARUGUINHA MELI TEM VÁRIAS AMIGUINHAS. VOCÊ VAI CONHECER TRÊS DELAS: TATÁ, LILI E ROSA. OBSERVE EM QUE LUGAR CADA UMA DELAS ESTÁ.

Meli

Meli

vermelho

TATÁ

LILI azul

LILI

verde

TATÁ

Ilustraç˜ões: Vagner Roberto de Farias

Sugestão de resposta:

ROSA

ROSA

1. Meli quer chegar até suas amigas. então, Desenhe:

Respostas pessoais.

A) UM CAMINHO VERmelho ATÉ ONDE ESTÁ TATÁ. b) UM CAMINHO AZUL ATÉ ONDE ESTÁ LILI.

2. A TARTARUGUINHA MELI QUER SE ENCONTRAR COM SEU AMIGO PEPÊ, NO PONTO DE ENCONTRO COMBINADO. MAS NÃO PODEM SE ENCONTRAR EM OUTRO LOCAL, ANTES. FAÇA O DESENHO DE UM POSSÍVEL CAMINHO PARA CADA UM DELES PERCORRER. Sugestão de resposta: ponto de encontro

Movimentando a tartaruga

c) UM CAMINHO VERde ATÉ ONDE ESTÁ ROSA.

cento e trinta e um 131


Fazendo medições VOCE SABIA QUE, DURANTE MUITO TEMPO, aS pessoaS UTILIZARAM o PRÓPRIO CORPO PARA MEDIR? ELaS FAZIAM MEDIDAS COM PALMOS, COM PÉS, COM PASSOS. 1. COM MAIS QUATRO colegas, MEÇAM O COMPRIMENTO DE UM DOS LADOS (O MAIOR) DA TAMPA DE SUA CARTEIRA COM PALMOS. ANOTEM AQUI, COLOCANDO NA PRIMEIRA LINHA SEUS NOMES E NA SEGUNDA LINHA A MEDIDA OBTIDA. Respostas pessoais. COMPRIMENTO DA TAMPA DA CARTEIRA – EM PALMOS

2. AGORA, MEÇAM A LARGURA DA PORTA DA SALA COM PÉS E ANOTEM OS RESULTADOS NO QUADRO ABAIXO. Respostas pessoais. LARGURA DA PORTA – EM PÉS

Fazendo medições

3. PARA TERMINAR, MEÇAM O COMPRIMENTO DA PAREDE DA SALA EM QUE FICA A PORTA DE ENTRADA, EM PASSOS. ANOTEM OS RESULTADOS NO QUADRO. COMPRIMENTO DA PAREDE DA SALA Respostas – EM PASSOS pessoais.

4. QUE OBSERVAÇÕES VOCÊ PODE FAZER com base nessas MEDIÇÕES? Converse com os colegas da classe. Que os resultados podem ter sido diferentes.

132 cento e trinta e dois


PESO EM QUILOGRAMAS ONÇA-PINTADA

136

ANTA

190

TIGRE

200

LEÃO

250

ZEBRA

260

CAMELO

500

GIRAFA

1 500

HIPOPÓTAMO

4 000

ELEFANTE AFRICANO

6 500

Ilustraç˜ões: luiz augusto ribeiro

LUíSA E MARCELA TÊM GRANDE INTERESSE POR ANIMAIS. ELAS DESCOBRIRAM O “PESO” DE VÁRIOS ANIMAIS. VEJA O QUE ELAS ANOTARAM.

1. VOCÊ SABE O QUE SIGNIFICA O TERMO QUILOGRAMA? Resposta pessoal.

2. VOCÊ SABE QUAL É SEU PESO? Resposta pessoal. 3. COMO VOCÊ AVALIA O PESO DESSES ANIMAIS, COMPARANDO

4. A TABELA FOI ORGANIZADA USANDO A ORDEM CRESCENTE OU DECREsCENTE? Crescente UMA OBSERVAÇÃO: DE FATO, ESTAMOS MEDINDO A “MASSA” DESSES ANIMAIS E NÃO O “PESO” deles. MAS, NA LINGUAGEM COMUM, NOS REFERIMOS A ESSA MEDIDA COMO PESO.

Fazendo medições

COM SEU PESO? Resposta pessoal.

cento e trinta e três 133


LUíSA E MARCELA PESQUISARam O TEMPO DE GESTAÇÃO DE algunS ANIMAIS. VEJA O QUE ELAS DESCOBRIRAM E COMO ORGANIZARAM SUAS DESCOBERTAS em TABELAs. ANIMAL CACHORRO COELHO ESQUILO GATO LEÃO LEOPARDO

MESES 2 0 1 2 3 3

DIAS 3 30 14 3 10 8

ANIMAL LOBO PORCO RAPOSA RATO TIGRE

MESES 2 3 1 0 3

DIAS 3 22 22 19 15

Fazendo medições

ANIMAL

MESES

DIAS

Rato

0

19

Coelho

0

30

Esquilo

1

14

Raposa

1

22

Lobo

2

3

Gato

2

3

Cachorro

2

3

Leopardo

3

8

Leão

3

10

Tigre

3

15

Porco

3

22

134 cento e trinta e quatro

Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

1. Luísa e marcela organizaram as TABELAs EM ORDEM ALFABÉTICA. ORGANIZE uma TABELA COMEÇANDO PELO ANIMAL DE GESTAÇÃO mais CURTA PARA O DE GESTAÇÃO MAIS LONGA:


LUíSA E MARCELA VÃO GANHAR UM IRMÃOZINHO OU IRMÃZINHA. SÓ DESANIMAram QUANDO SOUBERAM QUE terão de esperar 9 MESES. A MÃE delas DISSE QUE UM FILHOTE DE ELEFANTE LEVA 22 MESES PARA NASCER.

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

1. VEJA AS FIGURINHAS. PINTE UM QUADRINHO PARA CADA MÊS DE GESTAÇÃO DOS SEGUINTES ANIMAIS:

ZEBRA — 12 MESES

CAMELO — 13 MESES

RINOCERONTE — 18 MESES

Fazendo medições

GIRAFA — 15 MESES

ELEFANTE — 22 MESES cento e trinta e cinco 135


Desafios RESOLVA oS PROBLEMAs A SEGUIR, DO JEITO QUE ACHAR MELHOR, DESENHANDO, FAZENDO ESQUEMAS, OU USANDO SÍMBOLOS MATEMÁTICOS. 1. TIA NAIR USA 5 NOVELOS PARA FAZER UMA BLUSA DE LÃ. SE FIZER 3 BLUSAS COMO ESSA, QUANTOS NOVELOS DE LÃ ELA VAI USAR?

3. EM UMA CAIXA CABEM 6 GARRAFAS. QUANTAS GARRAFAS CABEM em 4 CAIXAS COMO ESSA? 24 garrafas

15 novelos

2. PARA MONTAR UMA BICICLETA, CHICO USA DuAS RODAS. E PARA MONTAR 8 BICICLETAS, QUANTAS RODAS SÃO NECESSÁRIAS?

Desafios

16 rodas

136 cento e trinta e seis

4. Em cada andar do EDIFÍCIO IPANEMA PODEMOS VER 4 JANELAS. QUANTAS SÃO AS JANELAS, SE O PRÉDIO TEM 7 ANDARES? 28 janelas


Desafios 5. VOCÊ GOSTA DE FAZER PALAVRAS CRUZADAS? ESTA É UMA CRUZADINHA DIFERENTE. VOCÊ CALCULA A SOMA E ESCREVE O RESULTADO POR EXTENSO: a) 3 + 10

c) 10 + 2

e) 10 + 1

g) 50 – 10

b) 20 + 10

d) 10 + 10

f) 40 + 20

h) 14 – 7

D f

V

b

T

a

I

T

N

R

I

N

D

O

Z

S

E

T

Z

E

R

E

E

E

T

E

C

h

A

S

E

S

E

E

E

E

O

N T

G

Q

U

A

N

T

A

6. NUMA BRINCADEIRA, GANHA PONTO QUEm MARCAR NA MESMA CARTELA DOIS NÚMEROS QUE têm soma 15.

8

4 6

2

5 5

3

0

11 7

6

5 9

12

7

0 2

11

a) QUAL DAS CARTELAS VOCÊ ESCOLHERIA? A cartela laranja.

3 6

Desafios

7

b) Por quê? Porque 8 + 7 é igual a 15. cento e trinta e sete 137


Desafios 7. DESCUBRA COMO FUNCIONA O ESQUEMA E COMPLETE COM OS NúMEROS QUE FALTAM. Dez antes de ...

dez depois de ...

29

39

49

32

42

52

58

68

78

61

71

81

46

56

66

79

89

99

8. MARTA TEM 35 REAIS E SUA IRMÃ MILENA TEM 24 REAIS. ELAS QUEREM COMPRAR UM PRESENTE que CUSTA 55 REAIS. VAI SOBRAR OU FALTAR DINHEIRO? QUANTO? Vão sobrar 4 reais.

9. PEDRO TINHA 28 REAIS. GANHOU 40 REAIS DE SUA MÃE E EMPRESTOU 15 REAIS A SEU IRMÃO. QUANTO PEDRO TEM Desafios

AGORA? Pedro tem 53 reais.

138 cento e trinta e oito


Divirta-se Dominozinhos • Material: Dominós • Número de participantes: 4 • como jogar: ””Recorte os dominós da página 23 do Encarte. Cada aluno terá 1 jogo, mas apenas um de cada quatro será utilizado em sala de aula. ””Embaralhe as peças do dominó (viradas para baixo). Cada participante sorteia 5 peças. ””sorteie quem começa e quem vai colocar uma das peças sobre a mesa (carteira).

CJT/Zapt

””o participante seguinte coloca uma peça que tenha o resultado da soma indicada ou uma peça que tenha a soma correspondente ao total apresentado. Por exemplo:

Divirta-se

luiz augusto ribeiro

””Ganha o jogo quem terminar de colocar suas peças primeiro ou quem conseguir colocar o maior número de peças.

cento e trinta e nove 139


UNIDADE 6

Nesta unidade, você Vai Verificar a posição de cada algarismo na escrita de um número. Também vamos resolver diferentes problemas usando a multiplicação, conhecida também como conta de “vezes”. Você vai continuar aprendendo a ler informações em gráficos, que são chamados gráficos de colunas. 140 cento e quarenta


Você saberia explicar o que ela significa? Você sabe utilizar uma fita métrica? E um termômetro?

Ilustração: Luiz Augusto Ribeiro; Fotografia: Tupungato/Shutterstock Images

Você conhece a palavra multiplicação?

cento e quarenta e um 141


Aventuras no parque

Vagner Roberto de Farias

COMO O DIA DAS CRIANÇAS ESTAVA CHEGANDO, VOVÔ CARLOS FOI AO PARQUE COM LUCAS E OLÍVIA. o PRIMEIRo brinquedo em QUE AS CRIANÇAS QUISERAM entrar FOI NO CARRINHO DE BATIDAS.

1. VOCÊ JÁ ANDOU NESSES CARRINHOS?

Aventuras no parque

2. OBSERVE A CENA E COMPLETE A TABELA: NÚmero de carrinhos

1

2

3

4

5

6

7

8

Número de crianças

2

4

6

8

10

12

14

16

3. SE HOUVESSE 9 CARRINHOS NA PISTA, QUANTAS CRIANÇAS PODERIAM ESTAR BRINCANDO? 18

142 cento e quarenta e dois


1. NOVAMENTE, OBSERVE A CENA E COMPLETE A TABELA: NÚmero de cadeirinhas

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

Número de pessoas

3

6

9

12

15

18

21

24

27

30

Aventuras no parque

Luiz Augusto Ribeiro

NA HORA DA RODA-GIGANTE, O VOVÔ CARLOS RESOLVEU IR JUNTO COM OS NETOS, MESMO COM UM POUCO DE MEDO. COMO VOCÊ PODE OBSERVAR, EM CADA CADEIRINHA DA RODA-GIGANTE CABEM 3 PESSOAS.

cento e quarenta e três 143


Luiz Augusto Ribeiro

OLÍVIA E LUCAS andaram NO AVIÃOZINHO com LUANA E EDUARDO. NO AVIÃOZINHO, CABIAM 4 CRIANÇAS, 2 NO BANCO DA FRENTE E 2 NO BANCO DE TRÁS.

Aventuras no parque

1. OBSERVE A CENA E COMPLETE A TABELA: NÚmero de aviõezinhos

Número de pessoas

1

4

2

8

3

12

4

16

5

20

6

24

7

28

8

32

9

36

2. VOCÊ OBSERVOU QUE HÁ CRIANÇAS NA FILA ESPERANDO PARA ANDAR NO AVIÃOZINHO? QUANTOS AVIÕEZINHOS ERA PRECISO TER A MAIS PARA QUE TODAS essAS CRIANÇAS BRINCASSEM AO MESMO TEMPO? 2 aviõezinhos

144 cento e quarenta e quatro


Luiz Augusto Ribeiro

PARA TERMINARem O PASSEIO NO PARQUE, VOVÔ CARLOS E AS QUATRO CRIANÇAS – OLÍVIA, LUCAS, LUANA E EDUARDO – RESOLVERAM ANDAR NA MONTANHA-RUSSA.

NÚmero de carrinhos

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

Número de pessoas

5

10

15

20

25

30

35

40

45

50

2. VOCÊ PERCEBEU ALGUMA CURIOSIDADE EM RELAÇÃO AO NÚMERO DE PESSOAS REGISTRADO NESSA TABELA? QUAL É?

Aventuras no parque

1. OBSERVE A CENA E COMPLETE A TABELA:

Os números terminam em 0 ou em 5.

cento e quarenta e cinco 145


PARA representar QUANTAS CRIANÇAS CABEM EM 4 CARRINHOS DO PARQUE PODEMOS escrever: 5+5+5+5

OU

4×5

A escrita 4 × 5 (QUE SE LÊ quatro VEZES cinco) É OUTRA FORMA DE REPRESENTAR 5 + 5 + 5 + 5. 1. utilize essa forma de escrita, como nos exemplos, em cada caso: a) 3 + 3 + 3 + 3 G) 4 + 4 + 4

4×3

3×4

b) 2 + 2 + 2 H) 3 + 3

3×2

2×3

c) 3 + 3 + 3 + 3 + 3 I) 5 + 5 + 5

5×3

3×5

d) 2 + 2 + 2 + 2 + 2 + 2 j) 6 + 6

6×2

Aventuras no parque

e) 4 + 4 + 4 + 4 + 4

5×4

2×6

K) 5 + 5 + 5 + 5 4×5

f) 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 L) 6 + 6 + 6 + 6 •

6×4

4×6

O RESULTADO DE 4 × 3 E DE 3 × 4 É IGUAL OU DIFERENTE? E O RESULTADO DE 3 × 2 E de 2 × 3? Os resultados são iguais.

146 cento e quarenta e seis


BEIJINHO

QUEIJADINHA

Vagner Roberto de Farias

DONA ZILDA vende doces na Lanchonete do parque. ELA os coloca EM CAIXAS com DIFERENTES DIVISÕES. OBSERVE:

OLHO DE SOGRA

QUINDIM

CAJUZINHO

BRIGADEIRO

1. PARA SABER O TOTAL DE DOCES EM CADA CAIXA, SEM CONTAR DE 1 EM 1, DONA ZILDA FAZ CÁLCULOS. AJUDE-A A COMPLETAR A TABELA QUE ELA INICIOU: TOTAL

QUEIJADINHA

3×5

5×3

15

BEIJINHO

2×3

3×2

6

QUINDIM

3×4

5×4

12

BRIGADEIRO

2×4

4×2

8

CAJUZINHO

3×3

3×3

9

OLHO DE SOGRA

3×8

8×3

24

Aventuras no parque

FORMAS DE CALCULAR

cento e quarenta e sete 147


tabelas simples e gráficos de colunas MÔNICA PESQUISou COM SEUS COLEGAS DE CLASSE PARA SABER QUAL ERA O ANIMAL que mais gostavam. ELA anotou OS VOTOS NA TABELA ao lado. VEJA: 1. Observe A tabela e responda: A) QUAL O ANIMAL MAIS VOTADO?

ANIMAL

VOTOS

CACHORRO

11

COELHO

6

GATO

7

PAPAGAIO

4

PASSARINHO

7

TARTARUGA

2

Cachorro

• QUAL O MENOS VOTADO? • HOUVE ALGUM EMPATE?

Tartaruga

Entre o gato e o passarinho.

• QUANTAS CRIANÇAS VOTARAM?

37

EM QUAL DOS ANIMAIS VOCÊ VOTARIA?

Resposta pessoal.

11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0

148 cento e quarenta e oito

Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

Animais mais votados

NÚMERO DE VOTOS

Tabelas simples e gráficos de colunas

2. COMPLETE OS QUADRINHOS NO GRÁFICO:


DONA CECÍLIA TRABALHA NA BIBLIOTECA DE NOSSA ESCOLA. ELA CUIDA MUITO BEM DOS LIVROS E ANOTA OS QUE FORAM RETIRADOS PELOS ALUNOS. SEMANALMENTE, ELA FAZ UM GRÁFICO COMO ESTE. 20 18 16 14 12 10 8 6 4 2 0

CJT/Zapt

NÚMERO DE LIVROS

LIVROS RETIRADOS NA PRIMEIRA SEMANA DE setEMBRO

SEGUNDA-FEIRA

TERÇA-FEIRA

QUARTA-FEIRA

QUINTA-FEIRA

SEXTA-FEIRA

Quarta-feira foi o dia em que mais se retirou livros e sexta-feira foi o dia em que se retirou menos.

2. Copie OS DADOS DESSE GRÁFICO nA TABELA ABAIXO: Dia da semana

Livros retirados

Segunda-feira

14

Terça-feira

18

Quarta-feira

20

Quinta-feira

18

Sexta-feira

8

Tabelas simples e gráficos de colunas

1. OBSERVANDO O GRÁFICO, O QUE VOCÊ PODE COMENTAR?

cento e quarenta e nove 149


1. OBSERVE A TABELA ORGANIZADA PELA PROFESSORA DÉBORA: NÚMERO DE VISITANTES A UMA EXPOSIÇÃO REALIZADA NA ESCOLA DIA DA SEMANA

NÚMERO DE VISITANTES

QUINTA-FEIRA

32

SEXTA-FEIRA

42

SÁBADO

86

DOMINGO

75

TOTAL

235

AGORA, RESPONDA: a) A QUE SE REFERE ESSA TABELA? b) QUANTOS DIAS durou A EXPOSIÇÃO? A exposição durou 4 dias.

c) EM QUE DIA DA SEMANA HOUVE MAIOR NÚMERO DE VISITANTES? Sábado d) EM QUE DIA DA SEMANA HOUVE MENOR NúMERO DE VISITANTES? Quinta-feira 2. USE A CALCULADORA, CALCULE O TOTAL DE VISITANTES E COMPLETE A TABELA. O NÚMERO DE VISITANTES FOI MAIOR OU MENOR QUE 100? 7 4 1 0

8 5 2 .

9 ÷ 6 3 – = + +

Tabelas simples e gráficos de colunas

Ao número de visitantes a uma exposição realizada na escola.

Em cada dia da exposição, o número de visitantes foi menor que 100; porém, o número de visitantes à

exposição foi maior que 100.

150 cento e cinquenta


A PROFESSORA DÉBORA APRESENTou O RESULTADO DE UMA PESQUISA POR MEIO DE UM GRÁFICO DE COLUNAS. OBSERVE TODOS OS ELEMENTOS DO GRÁFICO. 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0

CJT/Zapt

Preferências esportivas dos alunos de nossa turma

VÔLEI

FUTEBOL

NATAÇÃO

BASQUETE

JUDÔ

1. A QUE SE REFERE A PESQUISA? Refere-se a preferências esportivas dos alunos da turma da professora Débora.

2. responda: a) QUAL FOI O ESPORTE MAIS VOTADO?

b) E O QUE TEVE MENOR VOTAÇÃO? Natação 3. QUANTOS PREFERIRAM O VôLEI? E O JUDÔ? Vôlei recebeu 10 votos e judô, 8.

4. QUAL A DIFERENÇA ENTRE O RESULTADO DA VOTAÇÃO NO BASQUETE E NA NATAÇÃO? 3 votos 5. PELO GRÁFICO É POSSÍVEL SABER QUANTOS ALUNOS VOTARAM? Sim. 40 alunos. 6. COM SEUS COLEGAS, FAÇAM UMA PESQUISA COMO ESSA EM SUA SALA. DEPOIS, ELABOREM UM GRÁFICO DE COLUNAS PARA APRESENTAR O RESULTADO.

Tabelas simples e gráficos de colunas

O esporte mais votado foi o vôlei.

cento e cinquenta e um 151


Unidades, dezenas e centenas

Equipe Sol

Equipe Lua

Chico

Laura

Lucas

Clarice

Marta

Marcos

unidades, dezenas e centenas

1. Observe as tabelas e responda às perguntas. A) QUEM FEZ MAIS PONTOS NA GINCANA? Marta B) E QUEM FEZ MENOS? Marcos c) QUANTOS PONTOS A MAIS LAURA DEVerIA FAZER PARA EMPATAR COM CHICO? 1 ponto a mais d) QUANTOS PONTOS A MAIS MARCOS DEVerIA FAZER PARA EMPATAR COM MARTA? 12 pontos a mais E) QUal EQUIPE ganhou a gincana? A equipe Sol.

152 cento e cinquenta e dois

CJT/Zapt

A PROFESSORA ARLETE FEZ UMA GINCANA CULTURAL COM SEUS ALUNOS. QUEM CUMPRIsse ADEQUADAMENTE UMA PROVA DA GINCANA GANHAVA UMA FICHA AZUL QUE VALIA 1 PONTO. A CADA 10 FICHAS AZUIS QUE JUNTAVAM, OS ALUNOS AS TROCAVAM POR 1 FICHA VERMELHA. OBSERVE AS FICHAS DE ALGUNS ALUNOS.


A TURMA DE DONA ARLETE LOGO PERCEBEU QUE FICAVA BEM FÁCIL SABER QUEM ESTAVA NA FRENTE NA GINCANA, COM a troca DE FICHAS. DONA ARLETE APROVEITOU PARA ENSINAR QUE, EM MATEMÁTICA, CHAMAMOS ESSE GRUPO DE DEZ, REPRESENTADO PELA FICHA VERMELHA, DE DEZENA E QUE CADA FICHA AZUL REPRESENTA O QUE CHAMAMOS UNIDADE. E PROPÔS A CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA TABELA: Dezenas

Unidades

Marta

2

0

Clarice

1

2

Lucas

1

1

Chico

1

0

Laura

9

Marcos

8

1. AS DUAS MENINAS ESTÃO CORRETAS? Sim. 2. NO QUADRO ABAIXO, DESENHE AS FICHAS QUE UM ALUNO DEVERIA JUNTAR PARA MARCAR 25 PONTOS NA GINCANA.

Vermelhas

Azuis

unidades, dezenas e centenas

MARTA Disse que fez VINTE PONTOS. CLARICE COMPLETOU, dizendo que fez DOZE!

cento e cinquenta e três 153


ANTES DAS CALCULADORAS, DIVERSOS INSTRUMENTOS DE CÁLCULO FORAM CRIADOS PELA HUMANIDADE. O ÁBACO DE HASTES É UM DELES. VAMOS VER COMO FUNCIONA? • NESSE ÁBACO, CADA BOLINHA QUE FICA NA ÚLTIMA HASTE À DIREITA VALE 1 (HASTE DAS UNIDADES). • CADA BOLINHA QUE FICA NA HASTE seguinte VALE 10 (HASTE DAS DEZENAS). • CADA BOLINHA QUE FICA NA HASTE depois DESSA VALE 100 (HASTE DAS CENTENAS).

unidades, dezenas e centenas

a

c

b

d

1. QUE NÚMEROS ESTÃO REPRESENTADOS EM CADA CASO? a)

27

123 c)

b)

207

327 d)

OS ÁBACOS PODEM TER MAIS DE 3 HASTES. A PRÓXIMA HASTE SERIA A DOS MILHARES.

154 cento e cinquenta e quatro

CJT/Zapt

OBSERVE AS FIGURAS:


91

92

105

106

219

94

95

107

108

109

221

222

223

96

97

98

99

100

111

112

113

114

224

225

226

227

228

245

246

247

248

250

251

252

253

254

273

274

275

276

278

279

280

281

282

367

368

371

372

373

374

375

376

397

398

401

402

403

404

405

406

370

399

2. ESCREVA OS NÚMEROS QUE ESTÃO COBERTOS PELOS CARTÕES: 93

277

110

369

220

400

unidades, dezenas e centenas

1. FAÇA A LEITURA, EM VOZ ALTA, DOS NÚMEROS QUE APARECEM EM CADA LINHA. DESCUBRA O NÚMERO QUE ESTÁ COBERTO PELA Mancha COLORIDA E ESCREVA OS NÚMEROS QUE DEVEM VIR NA SEQUÊNCIA, CONTANDO DE 1 EM 1:

249

cento e cinquenta e cinco 155


Vagner Roberto de Farias

NA CASA DE ANINHA HÁ UM ENORME AQUÁRIO COM 16 CASAIS DE PEIXINHOS. UMA DEZENA DOS PEIXINHOS SÃO DOURADOS, DUAS DEZENAS SÃO AZULÕES E OS DEMAIS SÃO PEIXES-BANDEIRA.

1. COM ESSAS INFORMAÇÕES, PREENCHA A TABELA:

unidades, dezenas e centenas

PEIXINHOS

CASAIS DE PEIXINHOS

DOURADOS

10

DOURADOS

5

AZULÕES

20

AZULÕES

10

BANDEIRA

2

BANDEIRA

1

2. NA SEMANA PASSADA, NASCERAM 4 PEIXINHOS DOURADOS MACHOS E 6 DOURADOS FÊMEAS. ANINHA FICOU MUITO FELIZ. • QUANTOS NOVOS CASAIS DE PEIXES DOURADOS FORAM FORMADOS? Foram formados 4 casais e ficaram 2 peixes dourados fêmeas sem par. • QUANTOS CASAIS DE DOURADOS FICARAM NO AQUÁRIO? No aquário ficaram 9 casais.

3. Escreva os números que sua professora, ou seu professor, vai ditar. Sugestão: 32, 96, 121, 207 e 355.

156 cento e cinquenta e seis


1. João Paulo COMEÇOU A FAZER SUA LIÇÃO DE CASA, MAS AINDA NÃO TERMINOU. COMPLETE O QUE FALTA EM CADA UMA DAS COLUNAS. NOVENTA E NOVE

99

137

Cento e trinta e sete

DUZENTOS E QUARENTA E SEIS

246

351

Trezentos e cinquenta e um

QUATROCENTOS E NOVENTA

490

SEISCENTOS E DEZOITO

618

723

Setecentos e vinte e três

OITOCENTOS E OITO

808

999

Novecentos e noventa e nove

unidades, dezenas e centenas

510

Quinhentos e dez

2. COMPARE SUAS RESPOSTAS COM AS DE UM COLEGA. cento e cinquenta e sete 157


fazendo medições

Fotografias: Shutterstock Images

1. QUAIS DOS INSTRUMENTOS DE MEDIDA MOSTRADOS NAS FOTOS VOCÊ CONHECE?

FITA MÉTRICA

BALANÇA DIGITAL

TERMÔMETRO

Fazendo medições

RELÓGIO

2. INDIQUE ONDE SÃO ENCONTRADOS E PARA QUE SERVEM. Resposta pessoal.

158 cento e cinquenta e oito


PESO DE UM PASTOR ALEMÃO MACHO, COM 1 ANO

4 METROS

ALTURA DE UMA CASA TÉRREA

1 HORA E 30 MINUTOS

CAPACIDADE DE UMA CAIXA D’ÁGUA

38 ºC

TEMPERATURA NUM DIA QUENTE

35 KG

TEMPO DE DURAÇÃO DO JOGO DE FUTEBOL (sem o tempo do intervalo)

2 000 LITROS

Fazendo medições

1. RELACIONE AS INFORMAÇÕES APRESENTADAS NAS DUAS COLUNAS ABAIXO, colorindo as cartelas na cor correspondente:

2. COMPARE SUAS RESPOSTAS COM AS DE UM COLEGA. cento e cinquenta e nove 159


1. USE A FITA MÉTRICA PARA MEDIR SUA ALTURA E A DE 5 COLEGAS. REGISTRE OS RESULTADOS NA TABELA, INDICANDO QUANTOS METROS E MAIS OS CENTÍMETROS QUE COMPLETAM A ALTURA. Respostas pessoais. ALTURA NOME METROS

CENTÍMETROS

2. Com base na tabela que você montou, responda: A) QUEM É O MAIS ALTO DESSE GRUPO? Respostas dependem do preenchimento da tabela.

Fazendo medições

b) E O MAIS BAIXO?

c) COMo VOCÊ fez essas comparações?

160 cento e sessenta


Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

1. OBSERVE AS EMBALAGENS DOS PRODUTOS QUE CELINA COMPROU. Circule AS MEDIDAS QUE APARECEM NElAS.

2. RESPONDA: a) QUAL O PESO INDICADO NA EMBALAGEM DO PACOTE DE CAFÉ, DO ACHOCOLATADO E DO PACOTE DE MACARRÃO? No pacote de café: 550 g; no achocolatado: 400 g; no pacote de macarrão: 500 g.

b) OS PESOS INDICADOS SÃO MAIORES OU MENORES QUE 1 QUILOgrama? Menores c) QUAL A CAPACIDADE MARCADA NA GARRAFA DE REFRIGERANTE, NA DO ÓLEO DE COZINHA E NA DO DETERGENTE?

d) QUAIS CAPACIDADES INDICADAS SÃO MENORES QUE

1 LITRO? 900 m, no óleo de cozinha e 500 m, no detergente.

Fazendo medições

Na garrafa de refrigerante 2 ,, no óleo 900 m, e no detergente, 500 m,.

cento e sessenta e um 161


Calculando mentalmente A Professora ângela propôs que seus alunos fizessem cálculos rapidamente. Participe do desafio. Calcule sem contar nos dedos ou fazer registros no papel.

calculando mentalmente

• Calcule o valor de cada cartão. 5+3

50 + 30

8

80

13 – 3

130 – 30

10

100

8+7

80 + 70

15

150

20 – 2

200 – 20

18

180

26 + 4

260 + 40

30

300

162 cento e sessenta e dois

58 – 8

580 – 80

50

500


Juliana e Isabel estavam brincando de fazer cálculos mentalmente. Então, para fazer 16 + 9, podemos fazer 16 + 10, que dá 26 e tirar 1, achando 25?

Veja:

luiz augusto ribeiro

Isabel, quando eu quero somar 9 a um número, eu somo 10 e tiro 1.

1. Coloque o resultado abaixo de cada cartão. 28 + 9

37 + 9

56 + 9

37

46

65

2. como você pode fazer para calcular 32 + 19?

3. calcule o resultado de cada cartão: 34 + 19

52 + 19

76 + 19

53

71

95

4. Como você calcularia 54 + 28? Resposta pessoal. Por exemplo: faço 54 + 30, acho 84 e tiro 2, determinando 82.

calculando mentalmente

Resposta pessoal. Por exemplo: somar 32 e 20 e tirar 1.

cento e sessenta e três 163


Desafios LEIA COM ATENÇÃO E RESOLVA CADA UMA DAS SITUAÇÕES ABAIXO, DO JEITO QUE ACHAR MELHOR: DESENHANDO, FAZENDO ESQUEMAS, OU USANDO SÍMBOLOS MATEMÁTICOS. 1. NUMA CLASSE HÁ 15 MENINOS E 23 MENINAS. QUAL O TOTAL DE ALUNOS DESSA CLASSE? 38 alunos

3. NA CAIXA DA PROFESSORA ROSANA HÁ 43 LÁPIS PRETOS E 54 LÁPIS DE CORES. QUANTOS SÃO OS LÁPIS? 97 lápis

2. NUMA FESTA HÁ 16 ADULTOS 4. FORMULE E RESOLVA UM PROBLEMA QUE ENVOLVA O E 23 CRIANÇAS. QUANTAS CÁLCULO DE 45 + 33. PESSOAS HÁ NESSA FESTA?

Desafios

39 pessoas

164 cento e sessenta e quatro

Resposta pessoal.


Desafios luiz augusto ribeiro

5. Cecília estava organizando uma festa para comemorar o aniversário de Enzo.

6. Ela colocou 5 balas em cada saquinho. De quantas balas precisou para encher 9 saquinhos? 45 balas

• Ela colocou 3 grupos com 3 bexigas em cada uma das 4 paredes. De quantas bexigas ela precisou para enfeitar as paredes do salão?

Desafios

luiz augusto ribeiro

7. Para enfeitar as paredes do salão, Cecília usou várias bexigas.

36 bexigas

cento e sessenta e cinco 165


Desafios Gilberto Miadaira

8. TAÍS E TIAGO ESTÃO JOGANDO O JOGO DA VELHA. Já jogaram 3 partidas, cada uma com cinco jogos. ELES ESTÃO MARCANDO NUM QUADRO O vencedor de cada jogo. 1a Partida

2a partida

3a partida

TAÍS

///

/

/////

TIAGO

//

////

Analise a tabela e responda: a) QUANTAS PARTIDAS TAÍS E TIAGO JOGARAM? 3 partidas b) SE CADA MARCA (/) SE REFERE A UM JOGO, QUANTOS JOGOS FORAM REALIZADOS EM CADA PARTIDA? 5 jogos

c) QUEM FEZ MAIS PONTOS NA 1a PARTIDA? Taís d) QUANTOS A MAIS? 1 a mais que Tiago. e) QUEM FEZ MAIS PONTOS NA 2a PARTIDA? Tiago f) QUANTOS A MAIS? 3 a mais que Taís. Desafios

g) QUEM FEZ menos PONTOS NA 3a PARTIDA? Tiago h) QUANTOS A Menos? 5 a menos que Taís. I) QUAL O TOTAL DE PONTOS DE TAÍS? 9 pontos J) QUAL O TOTAL DE PONTOS DE TIAGO? 6 pontos 166 cento e sessenta e seis


Divirta-se Jogo da velha • Material: tabuleiro e cartelas • Número de participantes: 2

• como jogar: ””RecortE o tabuleiro e as peças nas página 25 do Encarte. ””Um participante joga com as cartelas X e O outro com as cartelas O. ””Sorteie quem começa, ou seja,quem vai colocar a primeira cartela numa das casas do tabuleiro. ””O segundo participante coloca a sua cartela, e assim por diante.

Divirta-se

””O objetivo de cada participante é colocar três de suas peças alinhadas, na horizontal, na vertical ou na diagonal. Nem sempre haverá vencedor.

Velha

Vencedor cento e sessenta e sete 167


UNIDADE 7

Nesta unidade, você vai aprofundar ainda mais seus conhecimentos sobre os números e as medidas. você vai ficar craque em cálculos que podem ser feitos “de cabeça” e também em cálculos usando papel e lápis. Vamos aprender a explorar formas de figuras chamadas polígonos. 168 cento e sessenta e oito


Como você explicaria a forma da capa de seu livro?

Ilustração: Luiz Augusto Ribeiro; Fotografia: Ron Zmiri/Shutterstock Images

Você sabe quantos anos vive uma tartaruga?

cento e sessenta e nove 169


Calculando mentalmente Isabel PRECISAVA FAZER A SEGUINTE CONTA: 32 + 25. VEJA COMO ELA FOI PENSANDO:

30

+

+ 2

25 20

50

+

5

7

luiz augusto ribeiro

32

57 1. VOCÊ ACHA QUE O CÁLCULO DE Isabel ESTÁ CORRETO? Resposta pessoal.

calculando mentalmente

2. E VOCÊ, COMO FARIA PARA ACHAR O RESULTADO DE:

a) 27 + 12 = 39

c) 44 + 14 = 58

e) 35 + 12 = 47

b) 43 + 16 = 59

d) 32 + 12 = 44

f) 28 + 11 = 39

3. CONFIRA cada um dOS RESULTADOS COM UM COLEGA. 170 cento e setenta


VERA CRIA CACHORROS. VEJA SÓ A QUANTIDADE DE CADA UMA DAS RAÇAS: 12 DÁLMATAS, 15 DOBERMANnS, 23 LABRADORES, 13 FOXes PAULISTINHAs, 22 SÃO-BERNARDOs E 24 PASTORES-ALEMÃES. AGORA, OBSERVE COMO VERA CALCULOU O TOTAL DE DÁLMATAS E DOBERMANNS:

+

1

2

1

5

2

7

labradores FOXes PAULISTINHAs

SÃO-BERNARDOs E PASTORes-ALEMÃes

2

3

2

2

1

3

2

4

3

6

4

6

+

+

dálmatas E LABRADORes

+

1

2

2

3

3

5

2. QUANDO TERMINAR SEUS CÁLCULOS, CONFIRA OS RESULTADOS, USANDO A CALCULADORA.

calculando mentalmente

1. FAÇA O MESMO PARA CALCULAR O TOTAL DE:

cento e setenta e um 171


cálculos com papel e lápis VEJA COMO Isabel FOI PENSANDO E REGISTRANDO os cálculos da conta 38 + 25: 38 = 30 + 8

e

25 = 20 + 5

luiz augusto ribeiro

30 + 20 = 50 8 + 5 = 13 38 + 25 = 63

1. O CÁLCULO DE Isabel ESTÁ CORRETO? por quê? Sim. Resposta pessoal.

cálculos com papel e lápis

2. E VOCÊ, COMO FARIA PARA ACHAR O RESULTADO DE:

a) 27 + 13 = 40

c) 48 + 14 = 62

e) 35 + 16 = 51

b) 49 + 26 = 75

d) 37 + 18 = 55

f) 28 + 15 = 43

3. CONFIRA cada um dOS RESULTADOS COM UM COLEGA. 4. com seu colega, FORMULEm UM PROBLEMA EM QUE VOCÊs POSSAm USAR UMA DAS OPERAÇÕES REALIZADAS. Resposta pessoal.

172 cento e setenta e dois


1. FAÇA OS CÁLCULOS INDICADOS EM CADA CARTÃO. DEPOIS, PINTE DA MESMA COR OS QUE INDICAM ADIÇÕES QUE TÊM O MESMO RESULTADO: 25 + 12

18 + 21

37

15 + 24

30 + 27

39

18 + 34

26 + 26

39

32 + 7

57

35 + 17

52

52

39

33 + 24

52

57

2. AGORA, FAÇA OS CÁLCULOS E PINTE APENAS O CARTÃO EM QUE O RESULTADO DA ADIÇÃO É MAIOR QUE OS OUTROS. 12 + 23 + 34 + 1

70

70

13 + 42 + 18

73

54 + 45

99

cálculos com papel e lápis

22 + 32 + 16

cento e setenta e três 173


1. LIGUE OS NÚMEROS das cartelas verdes aos das cartelas laranja, DE DOIS EM DOIS, DE MODO QUE A SOMA DELES SEJA 20. 2

5

8

9

10

19

15

11

18

10

1

12

2. Faça o mesmo para os números abaixo, DE MODO QUE A DIFERENÇA ENTRE O MAIOR E O MENOR SEJA IGUAL A 10. 25

7

9

60

22

35

17

12

15

19

45

50

Luiz Augusto Ribeiro

cálculos com papel e lápis

3. NA FESTA DE ANIVERSÁRIO DE FABRÍCIO, OS COPOS DE SUCO ESTAVAM COLOCADOS EM BANDEJAS.

OBSERVE A FIGURA E RESPONDA: A) QUANTOS COPOS HÁ NAS DUAS BANDEJAS JUNTAS?

18

b) QUANTOS COPOS DEVEM SER COLOCADOS NA segunda BANDEJA PARA QUE ELAS TENHAM O MESMO NÚMERO DE COPOS? 2

174 cento e setenta e quatro


1. JÚLIO COLECIONA FIGURINHAS. QUANTAS FIGURINHAS ELE TEM? ESCREVA O RESULTADO NO QUADRINHO.

22

A) QUANTAS FIGURINHAS PEDRO DEU PARA JÚLIO? b) QUANTAS FIGURINHAS JÚLIO TEM AGORA?

17

cálculos com papel e lápis

Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

2. VEJA AS FIGURINHAS REPETIDAS QUE PEDRO TINHA E QUE DEU PARA JÚLIO.

39

cento e setenta e cinco 175


A PROFESSORA DE JOSÉ ROBERTO PEDIU QUE OS ALUNOS RESOLVESSEM A ADIÇÃO 2 + 17 + 8. 1. RESOLVA ESSA ADIÇÃO.

VEJA COMO JOSÉ ROBERTO RESOLVEU: +

17

+

10

+

17

8

Luiz Augusto Ribeiro

2

27

cálculos com papel e lápis

2. RESOLVA AS ADIÇÕES: 6 + 13 + 4 23

7 + 8 + 2 17

3. COMPARE AS SOLUÇÕES QUE VOCÊ ENCONTROU COM A DE UM COLEGA DE CLASSE.

176 cento e setenta e seis


NA AULA SEGUINTE, A PROFESSORA DE JOSÉ ROBERTO PROPÔS AOS ALUNOS QUE RESOLVESSEM A SUBTRAÇÃO 47 – 15. 1. FAÇA NO QUADRO Abaixo ESSA SUBTRAÇÃO.

47 _ 15 47 _ 10 = 37 37 _ 5 = 32

2. CALCULE AS SUBTRAÇÕES: 28 – 13 15

39 – 11 28

cálculos com papel e lápis

Luiz Augusto Ribeiro

VEJA COMO JOSÉ ROBERTO RESOLVEu A SUBTRAÇÃO:

cento e setenta e sete 177


Contando o tempo 1. PEGUE UM CALENDÁRIO DESTE ANO. PREENCHA COM OS DIAS DOS MESES DE OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO.

D

S

outubro T Q Q

D

S

S

S

D

dezembro T Q Q

S

S

novembro T Q Q

S

S

contando o tempo

2. MARQUE AS DATAS IMPORTANTES NESSES MESES. 3. ESSES MESES TÊM O MESMO NÚMERO DE DIAS? Não. 4. EM QUE DIA DA SEMANA CAIU O DIA DA CRIANÇA? A resposta depende do ano.

5. EM QUE DIA DA SEMANA VAI CAIR O DIA 1o DE JANEIRO DO PRÓXIMO ANO?

A resposta depende do ano.

178 cento e setenta e oito

S


1. PARA RESPONDER ÀS PERGUNTAS ABAIXO, VOCÊ VAI FAZER ALGUMAS pesquisas. CONSULTE O CALENDÁRIO E, SE FOR PRECISO, PEÇA AJUDA DE SUA PROFESSORA, OU seu PROFESSOR, PARA PALAVRAS QUE AINDA NÃO CONHEÇA. a) QUANTOS MESES DO ANO TÊM exatos 30 DIAS? Quais

são eles? 4 meses. Abril, junho, setembro, novembro.

b) QUANTOS MESES DO ANO TÊM 31 DIAS? Quais são eles? 7 meses. Janeiro, março, maio, julho, agosto, outubro, dezembro.

c) QUE MÊS DO ANO PODE TER 28 OU 29 DIAS? Fevereiro

d) QUANTOS DIAS TEM O ANO? 365 dias

e) QUANTOS DIAS TEM O ANO BISSEXTO? 366 dias

Aproximadamente 60 dias.

g) Aproximadamente, QUANTOS DIAS TEM UM TRIMESTRE? Aproximadamente 90 dias.

g) QUANTOS DIAS TEM umA SEMANA?

contando o tempo

f) Aproximadamente, QUANTOS DIAS TEM UM BIMESTRE?

7 dias

cento e setenta e nove 179


LUíSA E MARCELA DESCOBRIRAM que as TARTARUGAS MARION, QUE habitam NO OCEANO ÍNDICO, vivem até 152 ANOS. O ELEFANTE ASIÁTICO vive ATÉ 78 ANOS. Veja o tempo de vida de outros animais. ANIMAL RATO CANGURU GALINHA CARNEIRO GIRAFA ESQUILO CACHORRO COELHO GATO URSO VACA ZEBRA

ANOS DE VIDA 2 7 7 10 10 11 12 12 13 15 15 15

ANIMAL CHIMPANZÉ CORUJA LEÃO TIGRE CAVALO HIPOPÓTAMO AVESTRUZ ARARA GOLFINHO CORVO RINOCERONTE TARTARUGA

ANOS DE VIDA 20 24 25 25 30 40 50 63 65 69 70 100

1. Observe a tabela e responda: a) QUE ANIMAIS VIVEM MENOS DE 10 ANOS? Rato, canguru e galinha.

b) QUE ANIMAIS VIVEM MAIS dE 10 E MENOS dE 20 ANOS? contando o tempo

Esquilo, cachorro, coelho, gato, urso, vaca, zebra.

c) QUE ANIMAIS VIVEM DE 30 A 50 ANOS? Cavalo, hipopótamo, avestruz.

2. QUAL FOI A MAIOR SURPRESA que VOCÊ TEVE AO CONSULTAR ESSA TABELA?

180 cento e oitenta

Resposta pessoal.


O SOL E A LUA NOS ORIENTAM A OBSERVAR A PASSAGEM DO TEMPO. MAS TAMBÉM CONTAMOS COM O RELÓGIO PARA SABER A HORA COM MAIS PRECISÃO. 1. DIGA QUE HORA ESTão MARCANDO Os RELÓGIOs EM CADA ILUSTRAÇÃO. a)

9 horas da manhã

9 horas da manhã

9 horas da noite ou 21 horas

9 horas da noite ou 21 horas

contando o tempo

Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

b)

cento e oitenta e um 181


Contornando as faces das caixas

Luiz Augusto Ribeiro

As crianças estão contornando as faces das caixas azul, rosa e verde em folhas de papel como mostra a ilustração.

• AS FIGURAS QUE elas vão obter SÃO CHAMADAS POLÍGONOS. • COMO TODAS TÊM QUATRO LADOS TAMBÉM PODEM SER CHAMADAS QUADRILÁTEROS.

contornando as faces das caixas

• COMO TODAS TÊM “CANTOS” RETOS TAMBÉM PODEM SER CHAMADAS RETÂNGULOS. • MAS APENAS AS QUE TÊM OS QUATRO LADOS DO MESMO TAMANHO PODEM SER CHAMADAS QUADRADOS. • EXISTEM POLÍGONOS COM 3 LADOS, 4 LADOS ETC. 1. use PALITOS DE FÓSFORO E MONTE FIGURAS Poligonais USANDO: 6 palitos

8 palitos

10 palitos

2. RESPONDA: SÓ EXISTE UMa SOLUÇÃO PARA CADA CASO OU HÁ MAIS dE UMA SOLUÇÃO? Há mais de uma.

182 cento e oitenta e dois


1. OBSERVE OS POLÍGONOS DESENHADOS A SEGUIR. PINTE APENAS O CONTORNO DOS QUADRADOS E dos RETÂNGULOS.

× ×

×

×

×

×

×

×

×

contornando as faces das caixas

2. AGORA, VEJA ESTES OUTROS POLÍGONOS DESENHADOS. PINTE APENAS O CONTORNO DOS TRIÂNGULOS.

×

cento e oitenta e três 183


1. AS FIGURAS GEOMÉTRICAS COSTUMAM SER USADAS NA CONSTRUÇÃO DE PAINÉIS, MUITAS VEZES FORMADOS POR LADRILHOS. VOCÊ VAI COLORIR CADA UM DOS PAINÉIS DE LADRILHOS, SEGUINDO AS INSTRUÇÕES DA LEGENDA.

contornando as faces das caixas

A)

b)

Lados da figura

cor

3

AZUL

4

VERMELHA

6

AMARELA

8

VERDE

184 cento e oitenta e quatro


Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

Pedro quer fazer uma caixa igual a esta:

• DEpois de completar o contorno das 6 faces, Assinale qual figura Pedro obteve.

contornando as faces das caixas

Para isso, ele decidiu fazer os contornos das faces:

X

cento e oitenta e cinco 185


Luiz Augusto Ribeiro

Agora, Pedro quer tirar o molde de uma pirâmide.

contornando as faces das caixas

1. Complete a figura de modo a formar o molde de uma pirâmide.

2. Pedro vai montar o molde abaixo. Qual das três caixas ele vai obter?

X

186 cento e oitenta e seis


Luiz Augusto Ribeiro

Pedro e seus colegas da classe estão ensaiando músicas para apresentar na feira cultural da escola. Eles estão fazendo chocalhos com latas e pedrinhas.

X

2. Você sabe dizer qual é nome do formato das latas? Espera-se que os alunos respondam cilindro.

3. Escreva três exemplos de outros objetos que você conhece que possuem essa forma.

contornando as faces das caixas

1. Eles querem encapar as latas com panos. Qual dos cortes deve ser feito nos panos?

Resposta pessoal. Por exemplo, pilha, copo de vidro e vela.

cento e oitenta e sete 187


Resolvendo problemas

Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

VOCÊ JÁ conhece ALGUNS CARRINHOS DA COLEÇÃO DE ENZO. ELE GANHOU OUTROS CARRINHOS. VEJA:

1. Observe a ilustração e responda: a) QUANTOS CARRINHOS HÁ NA FIGURA, SEM CONTAR DE

1 EM 1? 18 carrinhos

2. EXPLIQUE COMO VOCÊ CHEGOU AO RESULTADO. Resposta pessoal.

Resolvendo problemas

verifique COMO ENZO RESOLVEU O PROBLEMA.

tenho 3 filas de carrinhos

188 cento e oitenta e oito

em cada fila há 6 carrinhos, Então, multiplico 3 por 6, e tenho 18 carrinhos.


Luiz Augusto Ribeiro

IsABEL está ORGANIZando AS CARTEIRAS DE UMA SALA DE AULA. Veja.

1. AGORA, ELA PRECISA arrumar AS CADEIRAS, uma para cada carteira. QUANTAS CADEIRAS SERÃO NECESSÁRIAS? 15 cadeiras

2. COMO VOCÊ CHEGOU AO RESULTADO?

5+5+5 PRECISO DE 15 CADEIRAS, POIS O NÚMERO DE CARTEIRAS É 15.

Resolvendo problemas

TENHO 3 FILEIRAS DE CARTEIRAS E EM CADA FILEIRA HÁ 5 CARTEIRAS.

Luiz Augusto Ribeiro

Resposta pessoal.

cento e oitenta e nove 189


ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

IsABEL TROUXE UMA CAIXA DE BRIGADEIROS PARA DISTRIBUIR PARA SEUS COLEGAS DE CLASSE.

1. QUANTOS BRIGADEIROS HÁ NA CAIXA? 35 brigadeiros 2. EXPLIQUE COMO VOCÊ CHEGOU AO RESULTADO. Resposta pessoal.

Resolvendo problemas

3. SEU JOSÉ ESTÁ COLOCANDO azulejos NA COZINHA DE SUA CASA. VEJA O QUE ELE JÁ FEZ.

ELE COLOCOU 7 azulejos EM CADA FILEIRA E COMPLETOU 5 FILEIRAS. QUANTAS PEÇAS De azulejo ELE utilizou? 35

190 cento e noventa


Muellek Josef/Shutterstock Images

FRUTAS, VERDURAS E LEGUMES DEVEM ESTAR PRESENTES NAS NOSSAS REFEIÇÕES sempre que possível. A COMBINAÇÃO DE FIBRAS, MINERAIS E VITAMINAS DESSES ALIMENTOS AUXILIA NA MANUTENÇÃO DO PESO ADEQUADO E PREVINE UMA SÉRIE DE DOENÇAS. 1. VOCÊ COME FRUTAS DIARIAMENTE? Resposta pessoal.

Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

2. OBSERVE AS CAIXAS DE FRUTAS E DETERMINE A QUANTIDADE EM CADA UMA DELAS: a) C)

12

d)

16

18

3. ESCREVA OS NÚMEROS QUE SUA PROFESSORA, OU seu PROFESSOR, VAI DITAR: Sugestão: 132, 345, 502, 29 e 888.

Resolvendo problemas

b)

36

cento e noventa e um 191


Desafios 1. QUE NÚMEROS ESTÃO ESCONDIDOS PELAS CARTELAS COLORIDAS? 352

353

361

362

371

372

373

382

383

391

354

356

364

392

365

366

375

376

384

385

386

394

395

396

357

377

358

359

368

369

360

378 388

397

380 389

390

399

351

367

379

393

355

370

381

398

363

374

387

400

2. Assinale o NÚMERO que REPRESENTA O RESULTADO CORRETO DE CADA OPERAÇÃO. 43 + 24

67

57

62 – 12

74

50

108 + 24

62

74

132

×

100 – 37

67

68

63

×

×

77 52

×

Desafios

3. ORDENe os números abaixo DO MENOR PARA O MAIOR: 122

132

143

134

155

167

111

102

166

163

102

111

122

132

134

143

155

163

166

167

192 cento e noventa e dois


Desafios 4. VOCÊ JÁ BRINCOU DE PEGA-VARETAS? É UM JOGO EM QUE SE VAI TIRANDO UMA A UMA AS VARETAS SEM BALANÇAR AS DEMAIS. CADA VARETA RETIRADA VALE UM NÚMERO DE PONTOS. DEPENDENDO DA COR, As crianças combinaram pontos para cada vareta. VEJA NA TABELA QUANTO VALE CADA VARETA. COR

VALOR Vagner Roberto de Farias

1 2 3 4 5

• CALCULE O NÚMERO DE PoNTOS DE CADA CRIANÇA E DESCUBRA QUEM FEZ MAIS PONTOS.

15 pontos

CARLOS

12 pontos

Desafios

MARCOS

12 pontos

ÂNGELA

11 pontos

LUíSA cento e noventa e três 193


Desafios 5. SABENDO O NÚMERO DE PONTOS QUE ALGUMAS CRIANÇAS FIZERAM NO JOGO DE PEGA-VARETAS E A QUANTIDADE DE VARETAS RETIRADAS, DESENHE VARETAS COLORIDAS QUE CADA UM DELES PODE TER TIRADO NO JOGO. MARCOS 9 PONTOS – 3 VARETAS 1 vermelha, 1 azul e 1 verde

ÂNGELA 10 PONTOS – 4 VARETAS 1 vermelha, 1 azul, 1 verde e 1 amarela

MARLI 11 PONTOS – 5 VARETAS

Desafios

4 verdes e 1 azul

194 cento e noventa e quatro

CARLOS 8 PONTOS – 3 VARETAS 2 verdes e 1 vermelha

LUISA 13 PONTOS – 4 VARETAS 1 preta, 1 vermelha, 2 verdes

CELSO 14 PONTOS – 6 VARETAS 4 azuis e 2 verdes


Divirta-se O JOGO PEGA-VARETAS Mags Ascough/ Shutterstock Images

• NÚMERO DE PARTICIPANTES: DE 2 A 4.

• A PONTUAÇÃO DAS VARETAS ESTÁ APRESENTADA ABAIXO. 2 11 5 6 30

””O PRIMEIRO participante LANÇA, AO ACASO, O FEIXE DE VARETAS SOBRE UMA MESA. EM SEGUIDA, TENTA RETIRAR QUANTAS VARETAS PUDER, SEM QUE NENHUMA DAS OUTRAS SE MOVA. CASO ISSO ACONTEÇA, O participante CONTA SEUS PONTOS E A VEZ É PASSADA PARA O participante SEGUINTE, QUE REPETE O PROCEDIMENTO DO 1o participante. APÓS TODOS OS PARTICIPANTES TEREM JOGADO, ENCERRA-SE A 1a partiDA.

Divirta-se

””COMBINe QUANTAS RODADAS TERÁ CADA PARTIDA. TIRe NO PAR OU ÍMPAR (SE HOUVER 2 PARTICIPANTES) OU UTILIZe OUTRO PROCEDIMENTO PARA VERIFICAR QUEM VAI COMEÇAR.

cento e noventa e cinco 195


UNIDADE 8

Nesta unidade, você vai resolver muitos problemas e avançar no cálculo da adição, da subtração e da multiplicação. Agora, além desses problemas, você vai conhecer novas situações que envolvem a divisão e que são conhecidas como problemas de “dividir”. Vamos aprofundar mais os conhecimentos sobre o uso de nosso dinheiro. 196 cento e noventa e seis


Você saberia explicar o que ela significa?

Ilustração: Luiz Augusto Ribeiro; Fotografia: SURABKY/Shutterstock Images

Você conhece a palavra divisão?

cento e noventa e sete 197


Resolvendo problemas ilustrações: Luiz augusto ribeiro

os amigos DE ANDRÉ RESOLVEram APOSTAR UMA CORRIDA DESCALÇOS E COLOCARAM OS TÊNIS EM UMA CAIXA.

1. COMO ERAM 9 GAROTOS PARTICIPANTES DA PROVA, QUANTOS TÊNIS FORAM COLOCADOS NA CAIXA?

18

2. DEPOIS DA CORRIDA, ELES DECIDIRAM BRINCAR DE CABO DE GUERRA.

Resolvendo problemas

A) Complete a ilustração abaixo, SABENDO QUE TODOS OS GAROTOS PARTICIPARAM Dela.

b) QUANTOS GAROTOS VOCÊ DESENHOU NA FIGURA? 5 198 cento e noventa e oito


ilustrações: Luiz augusto ribeiro

1. JÚLIO CÉSAR TEM 5 ANOS E SEU IRMÃO, FABRÍCIO, 7 ANOS. OS DOIS IRMÃOS FAZEM ANIVERSÁRIO NO MESMO MÊS.

• QUANDO JÚLIO CÉSAR COMPLETAR 8 ANOS, QUANTOS ANOS TERÁ FABRÍCIO?

10

2. NO QUINTAL DA CASA DE JÚLIO CÉSAR E DE FABRÍCIO HÁ UMA AMOREIRA. JÚLIO COLHEU 36 AMORAS E FABRÍCIO, 42.

b) QUANTAS AMORAS A MAIS?

Fabrício

6

c) QUANTAS AMORAS OS DOIS COLHERAM JUNTOS?

78

3. NO QUINTAL, TAMBÉM HÁ UM ABACATEIRO. ONTEM, JÚLIO RECOLHEU 15 ABACATES QUE HAVIAM CAÍDO E HOJE, OUTROS 13 ABACATES. A) EM QUE DIA ELE RECOLHEU MAIS ABACATES?

ontem

b) QUANTOS ABACATES ELE RECOLHEU NESSES 2 DIAS?

Resolvendo problemas

a) QUEM COLHEU MAIS AMORAS?

28

cento e noventa e nove 199


Luiz augusto ribeiro

1. Enzo e Vinícius aproveitaram o dia de sol para brincar de bolinhas de Gude.

a) ENZO TINHA 28 BOLINHAS DE GUDE E PERDEU 9. QUANTAS BOLINHAS DE GUDE ELE TEM AGORA? Ele tem 19 bolinhas.

b) SABENDO QUE VINÍCIUS TERMINOU ESSA PARTIDA COM 16 BOLINHAS depois de ganhar 9, COM QUANTAS BOLINHAS ELE INICIOU A PARTIDA? Vinícius iniciou a partida com 7 bolinhas.

c) Quantas bolinhas tinham enzo e vinícius juntos,

antes da partida?

Eles tinham 35 bolinhas.

Resolvendo problemas

d) Quantas bolinhas têm enzo e vinícius juntos, agora? Agora eles têm 35 bolinhas. Faça seus cálculos aqui.

200 duzentos


1. Leia, resolva e responda. a) José Roberto FOI À FEIRA COM SUA MÃE. ELES PAGARAM 7 REAIS POR 2 DÚZIAS DE BANANAS. QUAL O PREÇO DE 1 DÚZIA DE BANANAS? O preço de 1 dúzia de bananas é R$ 3,50.

b) ELE QUIS COMPRAR PASTÉIS PARA LEVAR PARA CASA. SUA MÃE DISSE QUE ELE PODERIA GASTAR ATÉ 10 REAIS. CADA PASTEL CUSTA 2 REAIS. QUANTOS PASTÉIS ELE PODE COMPRAR?

2. JOSÉ ROBERTO QUERIA COMPRAR CARRINHOS PARA AUMENTAR SUA COLEÇÃO. PORÉM, ESTAVAM FALTANDO R$ 25,00. SUAS IRMÃS CECÍLIA E ELIANE ajudaram a completar a quantia que faltava. CECÍLIA emprestou R$ 12,00. QUANTOS REAIS ELIANE EMPRESTOU PARA JOSÉ ROBERTO?

Resolvendo problemas

Ele pode comprar 5 pastéis.

Eliane emprestou R$ 13,00.

duzentos e um 201


RESOLVA os PROBLEMAs A SEGUIR, DO JEITO QUE ACHAR MELHOR: DESENHANDO, FAZENDO ESQUEMAS, OU USANDO SÍMBOLOS MATEMÁTICOS. 1. em um POTE CABEM 6 BOMBONS. QUANTOS BOMBONS CABEM EM 3 POTES DESSE TIPO? 18 bombons

3. EM CADA PÁGINA DE UM ÁLBUM DE FIGURINHAS CABEM 5 FIGURINHAS. EM 10 PÁGINAS DESSE ÁLBUM QUANTAS FIGURINHAS CABEM? 50 figurinhas

Resolvendo problemas

2. em uma CAIXA GUARDEI 4 LENCINHOS. QUANTOS LENCINHOS PODEM SER GUARDADOS EM 8 DESSAS CAIXAS? 32 lencinhos

202 duzentos e dois

4. EM CADA TIRA SÃO 6 BONEQUINHOS. EM 4 TIRAS, QUANTOS BONEQUINHOS SÃO? 24 bonequinhos


em UMA FÁBRICA, OS OPERÁRIOS FAZem testes PARA ESTICAR UM TIPO DE CORDÃO. VEJA O RESULTADO DO TESTE NA TABELA ABAIXO: Comprimento do cordão (sem esticar)

Comprimento do cordão (esticado ao máximo)

1 metro

4 metros

2 metros

8 metros

3 metros

12 metros

4 metros

16 metros

5 metros

20 metros

1. Analise a tabela e responda: a) O QUE VOCÊ CONCLUI A RESPEITO DO TESTE QUE FOI REALIZADO? O comprimento do cordão esticado ao máximo é 4 vezes o comprimento do cordão sem esticar.

B) E O QUE ACONTECERIA SE O COMPRIMENTO DO CORDÃO FOSSE DE 6 METROS? O comprimento do cordão de 6 metros esticado ao máximo chegará a 24 metros.

Comprimento do cordão (sem esticar)

Comprimento do cordão (esticado ao máximo)

1 metro

3 metros

2 metros

6 metros

3 metros

9 metros

4 metros

12 metros

5 metros

15 metros

Resolvendo problemas

2. NO TESTE COM OUTRO TIPO DE CORDÃO, A MáQUINA CONSEGUIU ESTICAR O COMPRIMENTO TRÊS VEZES. NESSE CASO, COMo FICARIA A SEGUNDA COLUNA DA TABELA?

duzentos e três 203


LEIA COM ATENÇÃO E RESOLVa DO JEITO QUE ACHAR MELHOR: DESENHANDO, FAZENDO ESQUEMAS, OU USANDO SÍMBOLOS MATEMÁTICOS. 1. Em uma LANCHONETE HÁ 12 LUGARES NO BALCÃO E 5 MESAS COM 4 CADEIRAS CADA UMA. QUANTOS LUGARES HÁ NESSA LANCHONETE? 32 lugares

3. EM OUTRA MESA, 3 amigas PEDIRAM UMA PORÇÃO DE pão DE QUEIJO. NA PORÇÃO VIERAM 21 Pães. Se elas repartirem igualmente, quantos pães cada uma vai comer?

Resolvendo problemas

7 pães de queijo

2. Em UMA DAS MESAS HAVIA 4 RAPAZES. ELES PEDIRAM 8 SANDUÍCHES. TODOS COMERAM A MESMA QUANTIDADE. QUANTOS SANDUÍCHES CADA UM COMEU? 2 sanduíches

204 duzentos e quatro

4. O DONO DA LANCHONETE DESCOBRIU QUE SÓ RESTAVAM 5 CAIXAS COM 6 sucos CADA. E QUE HAVIA 22 PEDIDOS DE sucos. O QUE VAI ACONTECER? Ainda vão sobrar 8 sucos.


1. JULIANA quer formar números usando os cartões:

4

8

2

5

a) Qual o menor número que ela pode formar,

escolhendo três cartões? 245

B) e o maior?

854

Ilustrações: CJT/Zapt

2. Quantos objetos você observa na figura? 11

a) Quantos objetos há agora? 8

Resolvendo problemas

Observe a nova situação e responda:

b) Quantos objetos juliana retirou? 3 duzentos e cinco 205


Brincando com o tangram O tangram é um jogo (quebra-cabeça) criado na china. Existem estudos que consideram que ele foi criado há 4 000 anos. Ele é composto por sete peças em forma de figuras geométricas planas.

1. Responda às questões: a) Quantas peças triangulares compõem o tangram? 5

b) Quantas peças quadrangulares compõem o

Brincando com o Tangram

tangram? 2 2. No tangram abaixo, pinte as peças triangulares de vermelho e as quadrangulares de azul.

206 duzentos e seis

vermelho

vermelho azul

vermelho azul

vermelho

vermelho


Junto com mais quatro colegas, vocês vão decidir que figura cada um vai montar: o cisne, o coelho, o homenzinho, ou gato ou a ave. Para tanto, cada um vai pintar as peças de seu tangram da cor indicada na ilustração de cada figura.

Colem todas as figuras em um cartaz e façam desenhos para completar a cena.

Brincando com o Tangram

Recorte as peças do tangram que se encontram na página 27 do encarte.

duzentos e sete 207


1. Recorte as peças do tangram que se encontram na página 29 do encarte. A) Embaralhe todas as peças e forme novamente uma figura quadrada. Desenhe a solução ao lado. b) Pegue duas peças triangulares que têm o mesmo tamanho e monte uma figura quadrada. Desenhe a solução ao lado.

Brincando com o Tangram

c) Pegue duas peças triangulares que têm mesmo tamanho e monte uma figura triangular. Desenhe a solução ao lado. D) Pegue duas peças triangulares com o mesmo tamanho e monte uma figura igual à da ilustração. Desenhe a solução ao lado. E) Selecione três peças do tangram e monte uma figura quadrada. Desenhe a solução ao lado. Compare sua solução com a de um colega.

208 duzentos e oito


1. Selecione quatro peças do tangram e monte uma figura retangular. Desenhe a solução. Compare sua solução com a de um colega.

3. Utilizando as sete peças do tangram, construa as figuras apresentadas a seguir:

Brincando com o Tangram

2. Observe os homens fazendo acrobacias. selecione um deles e, com todas as peças do tangram, reproduza a figura.

duzentos e nove 209


1. Responda às questões, considerando as peças do tangram e faça o desenho da solução que você encontrou. a) com quais peças podemos cobrir a maior forma quadrada?

b) com quais peças podemos cobrir a maior forma triangular?

Brincando com o Tangram

c) quantas formas triangulares (as menores que você tem) são necesárias para cobrir a maior forma triangular?

2. Junte-se com três colegas, cada um com as peças do Tangram e escrevam o ano em que estamos. Utilize a ilustração para auxiliá-los.

210 duzentos e dez


Recorte o tangram de coração que está na página 31 do encarte. 1. Responda qual a cor: a) da figura quadrada que compõe este tangram. Verde claro

b) da figura triangular. Azul escuro. c) e de cada uma das figuras que são partes de uma

figura circular. Laranja, vermelho, amarelo e azul claro

Brincando com o Tangram

2. Construa uma figura semelhante à figura abaixo com as peças do seu tangram de coração.

duzentos e onze 211


fazendo repartições VOCÊ JÁ OBSERVOU QUE DIVIDIR FAZ PARTE De NOSSO DIA A DIA? LEIA COM ATENÇÃO E RESOLVA AS SITUAÇÕES ABAIXO. 1. TENHO 16 CHAVEIROS PARA DIVIDIR ENTRE 4 CRIANÇAS. QUANToS DEVO DAR A CADA UMA? QUANToS VÃO SOBRAR? Devo dar 4 chaveiros a cada uma.

Não haverá sobras.

2. 24 selos SERÃO COLADoS NAS PÁGINAS DE UM ÁLBUM. EM CADA PÁGINA CABEM 4 selos. QUANTAS PÁGINAS SERÃO NECESSÁRIAS PARA COLAR ESSeS selos? Serão necessários 6 páginas.

3. TITIA QUER DIVIDIR 30 REAIS ENTRE SEUS 6 SOBRINHOS. QUANTO DEVE DAR A CADA UM? QUANTO VAI SOBRAR?

fazendo repartições

Deve dar 5 reais para cada um. Não vai sobrar nada.

4. TENHO 25 BOLINHAS PARA DIVIDIR ENTRE 4 CRIANÇAS. QUANTAS DEVO DAR A CADA UMA? QUANTAS VÃO SOBRAR? Devo dar 6 bolinhas a cada uma. Vai sobrar 1 bolinha.

PARA REPRESENTAR UMA DIVISÃO USANDO SÍMBOLOS MATEMÁTICOS, ESCREVEMOS: 8

:

4

=

2

oito

dividido por

quatro

é IGUAL A

dois

212 duzentos e doze


18

1. ELES ESTÃO DISTRIBUÍDOS IGUALMENTE EM 3 FILEIRAS. QUANTOS OVOS HÁ EM CADA FILEIRA? 6

Ilustraç˜ões: Vagner Roberto de Farias

OBSERVE A CAIXA DE OVOS. QUANTOS SÃO OS OVOS?

PODEMOS REGISTRAR A SOLUÇÃO DESSE PROBLEMA ASSIM: 18 : 3 = 6 2. AGORA, É COM VOCÊ. EM CADA SITUAÇÃO, VEJA QUANToS SÃO OS OVOS, QUANTAS SÃO AS FILEIRAS, QUANTOS SÃO OS OVOS EM CADA FILEIRA E FAÇA REGISTROs como o indicado acima. A)

c)

e)

6:2=3 10 : 2 = 5

b)

d)

fazendo repartições

25 : 5 = 5

f)

9:3=3 16 : 4 = 4

12 : 3 = 4

duzentos e treze 213


Ilustrações: CJT/Zapt

1. PARA FAZER UMA PIPA IGUAL A ESTA, USAMOS DUAS VARETAS.

QUANTAS PIPAS PODEM SER FEITAS TENDO-SE À DISPOSIÇÃO: a) 4 VARETAS? 2 b) 5 VARETAS? 2 c) 6 VARETAS? 3 d) 7 VARETAS? 3

2. MAS, PARA FAZER UMA PIPA DESTE OUTRO MODELO, USAMOS TRÊS VARETAS.

QUANTAS PIPAS PODEM SER FEITAS TENDO-SE À DISPOSIÇÃO:

fazendo repartições

a) 5 VARETAS? 1 b) 6 VARETAS? 2 c) 7 VARETAS? 2 d) 8 VARETAS? 2 3. PINTE DE VERDE A CARTELA EM QUE A DIVISÃO APRESENTADA TEM COMO RESULTADO 6: 18 : 3

×

214 duzentos e catorze

21 : 3

13 : 3


Luiz Augusto Ribeiro

1. PARA A FESTA DE PEDRO, SUA MÃE COMPROU UMA CAIXA COM DUAS DÚZIAS DE APITOS. a) VOCÊ SABE O QUE SIGNIFICA O TERMO “DÚZIA”? Dúzia corresponde a 12 unidades.

b) E QUANTO SÃO DUAS DÚZIAS? 24

SE VIEREM

APITOS QUE CADA UMA RECEBE

APITOS QUE SOBRAM

6 crianças

4

0

7 crianças

3

3

8 crianças

3

0

9 crianças

2

6

10 crianças

2

4

3. PINTE DE AZUL A CARTELA EM QUE A DIVISÃO APRESENTADA TEM COMO RESULTADO 5: 18 : 3

21 : 3

X

fazendo repartições

2. ELA NÃO SABE AO CERTO QUANTAS CRIANÇAS VÊM À FESTA. SABE APENAS QUE 6 AMIGOS VÊM COM CERTEZA. MAS É POSSÍVEL FAZER ALGUMAS PREVISÕES. COMPLETE A TABELA:

15 : 3

duzentos e quinze 215


Nosso dinheiro

×

×

Nosso dinheiro

×

216 duzentos e dezesseis

×

Fotografias: Museu de Valores/Banco Central do Brasil

1. Luísa ganhou 50 reais de seu avô e quis trocar a cédula por notas menores. Assinale em que quadros aparecem trocas possíveis.


Fotografias: Museu de Valores/Banco Central do Brasil

1. Lúcia trocou uma moeda de um REAL por outras moedas. Assinale em que quadros aparecem trocas possíveis.

×

×

Nosso dinheiro

×

duzentos e dezessete 217


Ilustraç˜ões: Gilberto Miadaira

Fotografias: Museu de Valores/Banco Central do Brasil

1. AJUDE Pedro A DECIDIR QUE BRInQUEDO ELe PODE COMPRAR COM O DINHEIRO QUE TEM.

Nosso dinheiro

38 REAIS

35 REAIS

40 REAIS

O carrinho.

2. Quanto de dinheiro ele terá após a compra? Não sobrará dinheiro.

218 duzentos e dezoito


Os irmãos Márcio, Juliana e João Paulo estão guardando dinheiro para colaborar com a festa de fim de ano da família. Veja quanto cada um guardou e escreva os valores nos quadrinhos. Márcio

R$ 55,00

Juliana

R$ 40,50

R$ 32,00

1. Qual deles guardou mais dinheiro? Márcio

Nosso dinheiro

João Paulo

2. Esse valor é maior ou menor que 60 reais? Menor duzentos e dezenove 219


Desafios 1. RESOLVA CADA UMA DAS SITUAÇÕES ABAIXO. • CIDA JUNTOU 24 LATINHAS DE GUARANÁ E 37 LATINHAS DE SODA LIMONADA. QUANTAS LATINHAS ELA JUNTOU AO TODO?

Cida juntou 61 latinhas ao todo.

• OLÍVIA FOI AO MERCADO COM 50 REAIS. GASTOU 34 REAIS. COM QUANTO AINDA FICOU?

Olívia ficou com 16 reais.

• LUCAS TINHA CERTO NÚMERO DE PONTOS NUMA GINCANA. NAS PROVAS DE DOMINGO ELE GANHOU 25 PONTOS E TOTALIZOU 47. QUANTOS PONTOS ELE TINHA NO INíCIO DO JOGO?

Lucas tinha 22 pontos no início do jogo.

• Ana COMPRou 2 CANETAS POR 10 REAIS. Em 6 CANETAS IGUAIS A ESSAS, QUANTO ela PAGARIA?

Ana pagaria 30 reais pelas 6 canetas.

Desafios

• Rui guardou 24 BORRACHAS EM 3 CAIXAS, COLOCANDO A MESMA QUANTIDADE EM CADA UMA. QUANTAS BORRACHAS ele guardou EM CADA CAIXA?

Rui guardou 8 borrachas em cada caixa.

220 duzentos e vinte


Desafios 2. Vamos ligar os números de 0 a 34, de 2 em 2, sem tirar o lápis do papel? mas não vale ligar os números vizinhos, nem na horizontal e nem ligar na vertical. só vale ligar os números na diagonal. 1

0

2

3

6

20

16

14

2

9

5

40

4

34

12

9

11

4

39

8

2

9

3

1

34

17

6

37

10

5

7

20

19

32

33

24

14

12

13

18

30

21

26

15

22

11

14

16

23

28

1

20

6

16

15

9

7

5

22

9

18

13

6

7

30

35

40

41

93

70

65

60

59

7

Desafios

3. Escreva, abaixo de cada quadradinho, o número que falta para completar 100:

duzentos e vinte e um 221


Desafios Ilustrações: Luiz Augusto Ribeiro

4. Para uma competição de corrida de sacos, o professor de educação física formou equipes, arrumando os alunos em 8 filas, com 2 alunos em cada fila. Quanto alunos participaram da competição? 16 5. Quantas crianças você vê na ilustração?

• Se 7 crianças saírem da roda, quantas ficarão? 8 6. João vitor gostou tanto de uma figura que resolveu ampliá-la. Para isso, utilizou uma representação de letras e números. Amplie, você também, a figura que João vítor escolheu. A

B

C

D

A

E

1

1

Desafios

2 3

222 duzentos e vinte e dois

2 3

B

C

D

E


Divirta-se

Divirta-se

Use as peças do Tangram em forma de coração e tente montar com elas as figuras abaixo.

duzentos e vinte e três 223


sugestão de leitura

QUE HORAS SÃO? SIMONE GOULFIER. SÃO PAULO: EDITORA SCIPIONE, 1993

Contando com o Relógio. Nilson José Machado. SAO PAULO: Scipione, 2003 Números Animados Mas, cuidado com os dedos. Kate Lee e Caroline Repchuk. Brinque-Book, 2001

Sugestão de leitura

Girafinha Flor faz uma descoberta. Therezinha Casasanta. São Paulo: Editora do Brasil, 2009

224 duzentos e vinte e quatro

Luiz Augusto Ribeiro

GRANDE E PEQUENO. Jack Challoner. SAO PAULO: Moderna, 2011


Encartes

um 1


2 dois


trĂŞs 3


4 quatro


cinco 5

ilustraçþes: luiz augusto ribeiro


6 seis


1 2 3 4 5 6 7 8 9 sete 7


8 oito


nove 9


10 dez


onze 11


12 doze


treze 13


14 catorze


quinze 15


16 dezesseis


dezessete 17


18 dezoito


dezenove 19


20 vinte


vinte e um 21


22 vinte e dois


CJT/Zapt

vinte e trĂŞs 23


24 vinte e quatro


vinte e cinco 25


26 vinte e seis


vinte e sete 27


28 vinte e oito


vinte e nove 29


30 trinta


trinta e um 31


32 trinta e dois


MANUAL DO

PROFESSOR NOSSO LIVRO DE MATEMÁTICA 2o ANO Profa Célia Maria Carolino Pires Mestra em Matemática e Doutora em Educação. Professora Titular da PUC/SP e pesquisadora, atuando no Programa de Estudos Pós Graduados em Educação Matemática da PUC/SP. Da equipe de coordenação e elaboração dos PCN do Ensino Fundamental e da EJA, no MEC. Assessora de Secretarias estaduais, municipais e escolas particulares, em Projetos de Organização Curricular e Formação de Professores.

Prof. Ivan Cruz Rodrigues Mestre em Ensino de Matemática, diretor de escola da Rede Pública Estadual de São Paulo, docente em curso de Licenciatura em Matemática e em curso de Especialização para professores do Ensino Fundamental e formador de professores em programas de formação continuada.

1a edição São Paulo

2011


SUMÁRIO Parte Comum 1. Apresentação............................................................................... 3 2. Fundamentos teóricos ............................................................... 3 2.1 Considerações iniciais............................................................ 3 2.2 Por que ensinar Matemática às crianças hoje? ...................... 5 2.3 Como ensinar Matemática hoje, em função do que pesquisas sobre o assunto apontam? .............................. 5 3. Objetivos gerais para o Ensino Fundamental......................... 6 4. Contribuições específicas das pesquisas em Educação Matemática................................................................ 7 5. Avaliação da aprendizagem..................................................... 18 Construção de um glossário......................................................... 21 Referências bibliográficas............................................................ 22 Documentos oficiais...................................................................... 23 Sites................................................................................................. 23 Instituições e entidades............................................................... 24

Parte Específica Unidade 1....................................................................................... 27 Unidade 2....................................................................................... 30 Unidade 3....................................................................................... 35 Unidade 4....................................................................................... 39 Unidade 5....................................................................................... 44 Unidade 6....................................................................................... 50 Unidade 7....................................................................................... 56 Unidade 8....................................................................................... 61

2


Parte Comum 1. Apresentação A Coleção “Nosso livro de Matemática” elaborada para o componente curricular “Alfabetização Matemática” é composta de livros para os três anos iniciais do Ensino Fundamental, num total de seis livros, três para os alunos e três para os professores. Guia-se por orientações curriculares e didáticas pautadas por estudos e pesquisas na área de Educação Matemática e por práticas docentes constituídas no espaço das salas de aula, que mostram bom potencial para a aprendizagem dos alunos. Os livros para alunos são organizados em 8 unidades, em que vão sendo abordados os blocos de conteúdos relativos a Números e Operações, Espaço e Forma, Grandezas e Medidas e Tratamento da Informação, por meio de sequências de atividades, desafios e jogos. Os manuais para professores têm uma parte comum e uma parte específica para cada ano. Na parte comum são tratados fundamentos teóricos, orientações para avaliação e indicações para a formação do professor. Na parte específica são apresentados, unidade a unidade, objetivos, conteúdos e orientações para o desenvolvimento das atividades propostas e sugestões de atividades complementares.

2. Fundamentos teóricos A elaboração e o uso de um livro didático apoiam-se em fundamentos teóricos e em práticas docentes que precisam ser compartilhados entre seus autores e professores que dele fazem uso. Desse modo, nos Com o itens a seguir, apresentamos as principais concepções que norteiam a surgimento Coleção. de um olhar

2.1 Considerações iniciais Quando se fala em tratamento didático, opção metodológica, concepções de ensino e de aprendizagem é natural que se procure imediatamente a filiação desses elementos a uma teoria de conhecimento e/ou aprendizagem. Com o surgimento de um olhar construtivista relativo ao ensino e à aprendizagem, tornou-se bastante consensual o entendimento de que o conhecimento não é algo situado fora do indivíduo, a ser adquirido por meio de cópia do real. Também é difícil achar quem aceite que o indivíduo constrói conhecimento, independentemente da

construtivista relativo ao ensino e à aprendizagem, tornou-se bastante consensual o entendimento de que o conhecimento não é algo situado fora do indivíduo, a ser adquirido por meio de cópia do real.

3


realidade exterior, dos demais indivíduos e das próprias capacidades pessoais. Aceita-se que o conhecimento é uma construção histórica e social, na qual interferem fatores de ordem cultural e psicológica. Nesse contexto, há um reconhecimento claro da importância da participação construtiva do aluno na aprendizagem; por mais que o professor, os companheiros de classe e os materiais didáticos possam, e devam contribuir. Para que a aprendizagem se realize, nada pode substituir a atuação do próprio aluno na tarefa de construir sentidos sobre os conteúdos da aprendizagem; é ele quem modifica, enriquece e, portanto, constrói novos e mais potentes instrumentos de ação e interpretação. Mas há também uma forte compreensão da necessária intervenção do professor nesse processo. Ele deve saber o que o aluno pode aprender em determinado momento da escolaridade, em função das possibilidades delineadas pelas formas de pensamento de que dispõe naquela fase de desenvolvimento, dos conhecimentos que construiu anteriormente e do ensino que recebe. A intervenção pedagógica do professor é fundamental, pois a construção do conhecimento é resultado de um complexo e intrincado processo de modificação, reorganização e construção, que o aluno só constrói mediante interações com outras crianças e com parceiros experientes, como professores e outros agentes educativos. Em suas intervenções, o professor não está com mãos vazias, mas fazendo bom uso de todos os recursos didáticos de que pode dispor: recursos tecnológicos, Enfim, o desafio materiais e livros didáticos. Analisando as várias facetas de uma persé analisar o que pectiva construtivista da aprendizagem, algumas ideias são importantes realmente se ensina e o que para elaborar livros didáticos. Uma delas é o conceito de aprendizagem realmente se significativa segundo o qual as aprendizagens que os alunos realizam aprende para na escola serão significativas à medida que conseguirem estabelecer que se possa, relações substantivas, e não arbitrárias, entre os conteúdos escolares e com ajuda das os conhecimentos previamente construídos por eles, num processo de pesquisas no campo das articulação de novos significados. Outra ideia é a de que o que impordidáticas, ir ta, realmente aos professores é, antes de mais nada, criar situações de ajustando com aprendizagem que provoquem alterações, para que os alunos realmente maior clareza e aprendam o que se pretende ensinar. objetividade as Enfim, o desafio é analisar o que realmente se ensina e o que realpráticas de ensino correspondentes mente se aprende para que se possa, com ajuda das pesquisas no campo às necessidades das didáticas, ir ajustando com maior clareza e objetividade as práticas da aprendizagem. de ensino correspondentes às necessidades da aprendizagem.

4


2.2 Por que ensinar Matemática às crianças hoje? Aprender Matemática é importante não apenas porque ela permite resolver problemas da vida cotidiana e também é utilizada em outras áreas de conhecimento que os estudantes aprendem na escola, mas também porque, a depender de como é ensinada, ela tem potencialidade de desenvolver capacidades intelectuais, estruturar o pensamento e agilizar o raciocínio. A Matemática a ser explorada em sala de aula deve ser rica em aplicações, contextualizada, desafiadora ao raciocínio, à lógica, à criatividade, em vez daquela Matemática baseada em inúmeras regras e fórmulas a serem memorizadas sem compreensão. Entre a diversificada gama de conceitos e procedimentos matemáticos é importante selecionar aqueles de grande relevância social e também os que são estruturantes para a construção do conhecimento matemático.

2.3 Como ensinar Matemática hoje, em função do que pesquisas sobre o assunto apontam? Ao longo dos últimos anos, pesquisas na área de Educação Matemática revelaram que as crianças são capazes de formular hipóteses sobre ideias, representações e procedimentos matemáticos e que é necessário considerar esses conhecimentos como ponto de partida de toda e qualquer aprendizagem matemática. Nesse processo, o professor tem o papel de levantar conhecimentos prévios, identificar hipóteses de seus alunos para estabelecer relações entre esses conhecimentos e hipóteses e os conteúdos das propostas de atividades que vai desenvolver. Estudos também evidenciam a importância da construção de aprendizagens significativas, que pode ser potencializada pela resolução de problemas e pelas investigações, pela contribuição das tecnologias, em particular das calculadoras. Com tais preocupações, vamos destacar alguns aspectos didáticos a serem considerados por autores e professores em relação ao uso do livro didático: • Propor um ensino que favoreça o desenvolvimento de processos reflexivos, considerando conteúdos escolares como meios para o desenvolvimento de capacidades e como base essencial para o conhecimento de mundo.

Nesse processo, o professor tem o papel de levantar conhecimentos prévios, identificar hipóteses de seus alunos para estabelecer relações entre esses conhecimentos e hipóteses e os conteúdos das propostas de atividades que vai desenvolver.

5


• Considerar procedimento comum colocar-se no lugar do outro, no caso, o professor no lugar de cada aluno. • Cuidar para que não haja distanciamento entre o que ocorre na sociedade e os conteúdos tratados. • Considerar conteúdo todas as interações que ocorrem no âmbito da escola. • Garantir diversidade de propostas didáticas. • Não subestimar a capacidade dos alunos. • Considerar que a construção do conhecimento implica reorganizações. • Reconhecer o professor como quem elabora seu planejamento, seus procedimentos metodologicos, para que possa criar articulações entre os conteúdos disciplinares e a maneira de ensiná-los.

3. Objetivos gerais para o Ensino Fundamental São objetivos gerais a serem alcançados pelos estudantes do Ensino Fundamental1 e, em particular, pelos estudantes dos cinco primeiros anos: • identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender e transformar o mundo à sua volta e perceber o caráter de jogo intelectual, característico da Matemática, como aspecto que estimula o interesse, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para resolver problemas;

• identificar os conhecimentos matemáticos como meios para • fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e qualitaticompreender vos da realidade, estabelecendo inter-relações entre eles, utilizando o e transformar conhecimento matemático (aritmético, geométrico, métrico, algébrio mundo à sua co, estatístico, combinatório, probabilístico); volta e perceber o caráter de • selecionar, organizar e produzir informações relevantes para interprejogo intelectual, tá-las e avaliá-las criticamente; característico • resolver situações-problema, sabendo validar estratégias e resultados, da Matemática, desenvolvendo formas de raciocínio e processos, como intuição, inducomo aspecto ção, dedução, analogia, estimativa, e utilizando conceitos e procedimenque estimula o interesse, a tos matemáticos, bem como instrumentos tecnológicos disponíveis; curiosidade, • comunicar-se matematicamente, ou seja, descrever, representar e o espírito de apresentar resultados com precisão e argumentar sobre suas conjecinvestigação e o turas, fazendo uso da linguagem oral e estabelecendo relações entre desenvolvimento ela e diferentes representações matemáticas; da capacidade para resolver 1 De acordo com formulação apresentada em: BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. problemas; o o Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática (1 a 2 ciclos). Brasília: MEC/ SEF, 1998.

6


• estabelecer conexões entre temas matemáticos de diferentes campos • interagir com e entre esses temas e conhecimentos de outras áreas curriculares; • sentir-se seguro da própria capacidade de construir conhecimentos matemáticos, desenvolvendo a auto estima e a perseverança na busca de soluções; • interagir com seus pares de forma cooperativa, trabalhando coletivamente na busca de soluções para problemas propostos, identificando aspectos consensuais ou não na discussão de um assunto, respeitando o modo de pensar dos colegas e aprendendo com eles. Considerando a importância de que a Matemática seja entendida pelos estudantes como forma de compreender e atuar no mundo e que o conhecimento gerado nessa área do saber seja percebido como fruto da construção humana na sua interação constante com o contexto natural, social e cultural, é fundamental que além da aprendizagem de conceitos e procedimentos, ao longo do Ensino Fundamental, professores e estudantes construam um ambiente favorável para essa aprendizagem e constituam atitudes positivas em relação aos seguintes aspectos:

seus pares de forma cooperativa, trabalhando coletivamente na busca de soluções para problemas propostos, identificando aspectos consensuais ou não na discussão de um assunto, respeitando o modo de pensar dos colegas e aprendendo com eles.

• Confiança na própria capacidade para elaborar estratégias pessoais diante de situações-problema. • Valorização da troca de experiências com seus pares como forma de aprendizagem. • Curiosidade por questionar, explorar e interpretar os diferentes usos dos números, reconhecendo sua utilidade na vida cotidiana. • Interesse e curiosidade por conhecer diferentes estratégias de cálculo. • Apreciação da organização na elaboração e apresentação dos trabalhos.

4. Contribuições específicas das pesquisas em Educação Matemática Na reflexão sobre ensino e aprendizagem em Matemática, contamos hoje com diferentes contribuições de pesquisas, que nos permitem compreender melhor o que ocorre nas relações entre alunos, professor e saber matemático, no dia a dia da sala de aula. Evidentemente, a diversidade dessas pesquisas é tão grande que não é possível resumi-las neste manual. Desse modo, selecionamos alguns resultados de pesquisa bastante importantes aos professores dos anos iniciais.

7


Sobre os números

Na abordagem que propomos, as crianças se aproximarão dos números pela exploração daqueles que são familiares ou frequentes e que, portanto, fazem parte de seu repertório.

Estudos recentes como os de Lerner e Sadovsky2 revelam que um bom ponto de partida para o trabalho com números é exatamente a reflexão sobre “para que servem os números?”. As diferentes funções dos números podem aparecer em atividades em que os alunos possam reconhecer e utilizar o número como memória de quantidade – que permite evocar uma quantidade sem que esta esteja presente, o que corresponde ao aspecto cardinal; ou ainda como memória de posição – que permite evocar um lugar numa lista ordenada, o que corresponde ao aspecto ordinal; ou ainda em situações em que o número aparece como código, seja o número do telefone, da placa de um carro, do número do RG. Outra função do número é a de expressar uma medida em situações particulares. Essa abordagem é diferente daquela que partia da questão “o que é o número?”, que pressupunha atividades como as de classificação, seriação, e que dominou as propostas de trabalho no período da Matemática Moderna. Na abordagem que propomos, as crianças se aproximarão dos números pela exploração daqueles que são familiares ou frequentes e que, portanto, fazem parte de seu repertório. Entre os números familiares, por exemplo, estão aqueles que indicam o número de sua casa, de seu telefone, do ônibus que utiliza, a data de seu aniversário etc. Os números como os que indicam o ano em que estamos (2011, 2012, ...), ou o dia do mês (15, 18, 31), ou os canais de televisão são números frequentes, na vida das crianças. Com base no conhecimento desses números, elas vão se apropriando de outros também frequentes como 10, 20, 30, 40, 50, ... ou 100, 200, 300, 400, 500 etc. Hoje, sabemos que as crianças são capazes de indicar qual é o maior número de uma listagem, mesmo sem conhecer as regras do sistema de numeração decimal. Constatamos também que observam a quantidade de algarismos presentes em sua escrita e muitas vezes afirmam, por exemplo, que 845 é maior que 98. As crianças afirmam que “quanto maior é a quantidade de algarismos de um número, maior o número”. Estes critério de comparação funciona mesmo se as crianças não conhecessem “o nome” dos números que estão comparando. Ao compararem os números 68 e 86, elas afirmam que o 86 é maior porque o 8, que 2 Delia Lerner e Patricia Sadovsky são educadoras argentinas responsáveis por estudos divulgados especialmente no livro “Didática da Matemática – Reflexões Psicopedagógicas”, organizado por Cecilia Parra e Irma Saiz (1996).

8


vem primeiro, é maior que o 6, ou seja, se a “quantidade” de algarismos é a mesma, “o maior é aquele que começa com o número maior, pois o primeiro é quem manda”. Enfim, elas identificam que a posição do algarismo no número cumpre um papel importante no nosso sistema de numeração, isto é, o valor que um algarismo representa depende do lugar em que está localizado em relação aos outros algarismos desse número. Algumas crianças recorrem à justaposição de escritas para escrever números, e as organizam de acordo com a fala. Assim, muitas vezes, elas representam o 546, escrevendo 500 + 40 + 6 ou 500 + 46. As crianças afirmam que “escrevem do jeito que se fala”. Quando elas produzem a escrita numérica em correspondência com a numeração falada, podem escrever os números de forma não-convencional. Mas, quando comparam suas escritas numéricas com as de outros colegas, por exemplo, estabelecem novas relações, refletem sobre as respostas possíveis e os procedimentos utilizados, validando ou não determinadas escritas. É no decorrer desse processo que começam a surgir as regularidades do sistema de numeração. Com base nesses estudos, privilegiamos o contato da criança com os números como eles aparecem no mundo real.

Enfim, elas identificam que a posição do algarismo no número cumpre um papel importante no nosso sistema de numeração, isto é, o valor que um algarismo representa depende do lugar em que está localizado em relação aos outros algarismos desse número.

Sobre os significados das operações No tocante ao trabalho com as operações, estudos como os do pesquisador Vergnaud3 trazem muitas contribuições para a sala de aula. Essas pesquisas revelam que a dificuldade de um problema não está diretamente relacionada à operação envolvida na resolução. Nem sempre os problemas possíveis de serem resolvidos por meio de uma adição são mais fáceis do que os que são resolvidos por subtração. Os estudos desse pesquisador sugerem o trabalho articulado entre problemas aditivos e subtrativos, pois fazem parte de um mesmo campo conceitual, denominado campo aditivo. Da mesma forma, os problemas de multiplicação e divisão, que compõem o campo multiplicativo, devem ser trabalhados de forma conjunta. Em sua “Teoria dos campos conceituais”, Vergnaud destaca a importância de trabalhar um conjunto de problemas que explorem a adição e a subtração e também a multiplicação e a divisão, com base em um campo mais amplo de significados do que tem sido usualmente realizado. No quadro abaixo, resumimos esses dois campos: 3 Gerard Vergnaud, pesquisador francês, psicólogo, fez sua tese de Doutorado orientado por Jean Piaget, e é autor da Teoria dos Campos Conceituais.

9


Campo aditivo (envolve adição e subtração)

Campo multiplicativo (envolve multiplicação e divisão)

Problemas de composição: associados à ideia Problemas envolvendo proporcionalidade: assode compor estados para obter outro estado. ciados à ideia de comparação entre razões. Problemas de transformação: associados à ideia Problemas de comparação: associados às ideias de alterar um estado inicial, que pode ser poside dobro, triplo, metade, terça parte etc. tiva ou negativa. Problemas de comparação: associados à ideia Problemas associados à configuração retangude comparar quantidades ou medidas. lar. Problemas associados à composição de transProblemas associados à ideia de combinatória. formações (positivas ou negativas).

Nesta Coleção, procuramos apresentar problemas associados a esses diferentes significados e ressaltamos que essa categorização é importante para o professor, mas não deve ser apresentada às crianças. Sobre cálculos Além das questões de significados das operações, é importante efetuar sobre o papel do cálculo na escola hoje, e as articulações entre cálculos mentais e escritos, bem como sobre a necessidade de explorar cálculos exatos ou aproximados. Um esquema interessante dessas relações foi apresentado pelo National Council of Teachers of Mathematics (1989): Problema Cálculo requerido Resposta aproximada Uso de cálculo mental Uso de papel e lápis (algoritmos)

Resposta exata Uso de calculadora Uso de computador

Estimativa

O esquema representado anteriormente mostra que, tomando como ponto de partida um problema, o cálculo requerido depende da necessidade de a resposta ser exata ou aproximada. Se a resposta desejada é exata, a depender da complexidade do cálculo, ela pode ser obtida por cálculo mental, cálculo com papel e lápis, cálculo com calculadora. Mas, o controle e a validação dessa resposta depende sempre de uma boa estimativa. Se a resposta desejada não é exata, ela pode ser obtida por cál-

10


Reprodução

culo mental ou diretamente por estimativa, e o controle e a validação da resposta obtida por cálculo mental dependerão também da estimativa. Em resumo, o trabalho com estimativas tem fundamental importância nos processos de ensino e aprendizagem das operações. Da mesma forma pela qual as crianças devem ser incentivadas a resolver problemas por meio de estratégias pessoais, também é fundamental, no trabalho com as operações, estimular a criação de procedimentos de cálculo pelo uso de estratégias e recursos pessoais. Na figura abaixo, estão transcritos registros de alunos de 8 anos (2o ano) que calculam fazendo decomposições das escritas numéricas e mostrando boa compreensão das regras do sistema de numeração decimal.

Da mesma forma pela qual as crianças devem ser incentivadas a resolver problemas por meio de estratégias pessoais, também é fundamental, no trabalho com as operações, estimular a criação de procedimentos de cálculo pelo uso de estratégias e recursos pessoais.

Nesta Coleção, buscamos criar situações em que as crianças usem procedimentos pessoais e, só depois, passem a usar algaritmos convencionais, compreendendo-os e não os realizando mecanicamente. Sobre espaço e forma Da mesma forma que as crianças constroem hipóteses sobre as escritas numéricas e também procedimentos pessoais de resolução de problemas e de cálculos, elas também constroem hipóteses sobre o espaço e as formas que as rodeiam. Estudos mostram que o pensamento geométrico compreende as relações e representações espaciais que as crianças desenvolvem, desde muito pequenas, inicialmente, pela exploração dos objetos, das ações e deslocamentos que realizam no seu ambiente, e pela resolução de problemas que lhe são apresentados. Vejam um exemplo. Um professor propôs a seus alunos o seguinte problema: “Uma pessoa que trabalha na sala de leitura da escola vem à nossa sala na hora do intervalo deixar um livro na sua carteira. Faça um desenho que permita a ela saber qual é a sua carteira”. Com tal atividade, o professor possibilita

Da mesma forma que as crianças constroem hipóteses sobre as escritas numéricas e também procedimentos pessoais de resolução de problemas e de cálculos, elas também constroem hipóteses sobre o espaço e as formas que as rodeiam.

11


Reprudução

à criança observar inúmeras relações espaciais, identificar pontos de referência e representá-los numa folha de papel, como mostra a ilustração abaixo.

Sobre tabelas e gráficos Estudos mostram que as crianças têm conhecimentos prévios com relação à organização de dados e construção de tabelas e gráficos.

Reprudução

Atividades de leitura e interpretação de dados apresentados em tabelas e gráficos que circulam na mídia despertam o interesse das crianças e facilitam a compreensão dessas representações.

Com relação às figuras tridimensionais e bidimensionais, também é importante destacar que as crianças fazem representações de objetos, inicialmente pela visualização que têm deles e, aos poucos, buscando representar propriedades da forma que vão descobrindo nesses objetos. Esse processo evolui de modo mais interessante à medida que o professor oferece situações em que elas podem explorar essas formas. Nesta Coleção, as atividades de espaço e forma privilegiam a resolução de problemas geométricos em que a nomenclatura e as propriedades das figuras vão sendo apresentadas em função da necessidade e não como foco principal do trabalho.

Atividades de leitura e interpretação de dados apresentados em tabelas e gráficos que circulam na mídia despertam o interesse das crianças e facilitam a compreensão dessas representações.

12


Sobre grandeza e medidas O tema Grandezas e Medidas está presente em diversas situações cotidianamente vivenciadas pelos alunos. A comparação de grandezas de mesma natureza que dá origem à idéia de medida e o desenvolvimento de procedimentos para o uso adequado de instrumentos, tais como balança, fita métrica e relógio, conferem a este tema um acentuado caráter prático. Além disso o tema é propício para abordar aspectos históricos da construção de conhecimentos matemáticos. A utilização do uso de partes do próprio corpo para medir (palmos, pés) é uma forma interessante a ser utilizada com os alunos, porque permite a reconstrução histórica de um processo em que a medição tinha como referência as dimensões do corpo humano, além de destacar aspectos curiosos como o fato de que em determinadas civilizações as medidas do corpo do rei eram tomadas como padrão. No mundo atual, o Sistema Internacional de Unidades fundamenta-se a partir de unidades de base como: para massa, o quilograma; para comprimento, o metro; para tempo, o segundo; para temperatura, o kelvin; para intensidade elétrica, o ampère, etc. É no contexto das experiências intuitivas e informais com a medição que o aluno constrói representações mentais que lhe permitem, por exemplo, saber que comprimentos como 10, 20 ou 30 centímetros são possíveis de se visualizar numa régua, que 1 quilo é equivalente a um pacote pequeno de açúcar ou que 2 litros correspondem a uma garrafa de refrigerante grande. Essas representações mentais favorecem as estimativas e o cálculo, evitam erros e permitem aos alunos o estabelecimento de relações entre as unidades usuais, ainda que não tenham a compreensão plena dos sistemas de medidas. Desde muito cedo as crianças têm experiências com as marcações do tempo (dia, noite, mês, hoje, amanhã, hora do almoço, hora da escola) e com as medidas de massa, capacidade, temperatura, etc., mas isso não significa que tenham construído uma sólida compreensão dos atributos mensuráveis de um objeto, nem que dominem procedimentos de medida. Desse modo, é importante que, ao longo do ensino fundamental os alunos tomem contato com diferentes situações que os levem a lidar com grandezas físicas, para que identifiquem que atributo será medido e o que significa a medida.

13


Estruturas conceituais relativas às medidas são desenvolvidas por meio de experiências em que se enfatizam aspectos, tais como: • o processo de medição é o mesmo para qualquer atributo mensurável; é necessário escolher uma unidade adequada, comparar essa unidade com o objeto que se deseja medir e, finalmente, computar o número de unidades obtidas; • a escolha da unidade é arbitrária, mas ela deve ser da mesma espécie do atributo que se deseja medir. Há unidades mais e menos adequadas e a escolha depende do tamanho do objeto e da precisão que se pretende alcançar; • quanto maior o tamanho da unidade, menor é o número de vezes que se utiliza para medir um objeto; • se, por um lado, pode-se medir usando padrões não-convencionais, por outro lado, os sistemas convencionais são importantes, especialmente em termos de comunicação. Resolvendo situações-problema, o aluno poderá perceber a grandeza como uma propriedade de uma certa coleção de objetos; observará o aspecto da “conservação” de uma grandeza, isto é, o fato de que mesmo que o objeto mude de posição ou de forma, algo pode permanecer constante, como, por exemplo, sua massa. Reconhecerá também que a grandeza pode ser usada como um critério para ordenar uma determinada coleção de objetos: do mais comprido para o mais curto ou do mais pesado para o mais leve. Finalmente, o estabelecimento da relação entre a medida de uma dada grandeza e um número é um aspecto de fundamental importância, pois é também por meio dele que o aluno ampliará seu domínio numérico. Sobre resolução de problemas A resolução de problemas como um eixo importante no processo de ensino e de aprendizagem em Matemática vem se consolidando desde o início da década de 1980 e está baseada na pressuposição de que conceitos, ideias e métodos matemáticos devem ser abordados mediante a exploração de problemas, isto é, de situações em que os alunos precisam desenvolver algum tipo de estratégia para sua solução. Vários autores destacam que um problema se diferencia de um exercício à medida que, neste último caso, o aluno dispõe e utiliza mecanismos que levam, de forma imediata, à solução. Por isso, é possível que uma mesma situação represente um problema para um aluno, enquanto

14


para outra esse problema não existe, quer porque ele não se interesse pela situação, quer porque possua mecanismos para resolvê-la com um investimento mínimo de recursos cognitivos e pode reduzi-la a um simples exercício. Conforme se apresentem situações mais abertas ou novas, a solução de problemas representa para o aluno uma demanda cognitiva e motivacional maior do que a execução de exercícios. Por essa razão, muitas vezes, os alunos não habituados a resolver problemas se mostram inicialmente reticentes e procuram reduzi-los a exercícios rotineiros. Assim, a resolução de problemas não é uma atividade para ser desenvolvida em paralelo ou como aplicação da aprendizagem, mas uma orientação para a aprendizagem, pois proporciona o contexto em que se pode apreender conceitos, procedimentos e atitudes matemáticas. Para que as atividades com resolução de problemas sejam ricas e estimulantes é importante que as situações sejam bem variadas, de modo a não constituírem a ideia de que somente é possível resolver problemas quando se tem um modelo de resolução já conhecido. É essencial salientar que problemas não se confundem com enunciados, mas podem estar presentes em jogos, em desafios, na construção de um objeto, na produção de uma maquete etc. Tal perspectiva norteia a resolução de problemas nesta Coleção. É fundamental, porém, que o professor faça as problematizações e dê tempo a seus alunos para buscarem soluções.

Assim, a resolução de problemas não é uma atividade para ser desenvolvida em paralelo ou como aplicação da aprendizagem, mas uma orientação para a aprendizagem, pois proporciona o contexto em que se pode apreender conceitos, procedimentos e atitudes matemáticas.

Sobre o uso de recursos didáticos Nos anos iniciais do Ensino Fundamental, é muito enfatizada a utilização de recursos didáticos como, por exemplo, a manipulação de materiais, que nem sempre estão presentes na escola e que acabam sendo apenas visualizados pelas crianças nas páginas do livro. Cartelas númericas, jogos de trilha, sólidos geométricos, tangrans podem ser confeccionados pelos alunos com auxílio do professor para serem utilizados na sala de aula. Outros recursos como a calculadora podem ser uma ferramenta que faz parte da realidade dos alunos e é uma aliada em situações cotidianas (como no cálculo de despesas do mês de uma família ou a multa do pagamento em atraso de uma conta), mas, ela ainda é vista como “elemento perigoso” nas salas de aula. Certamente, há dois bons motivos para a escola levar o aluno à exploração dessa ferramenta: seu uso constante na nossa sociedade e as

15


Muitas vezes, nas aulas de Matemática, o professor tem grande preocupação com o “tempo” e com o “estar abandonando a Matemática”, ao privilegiar a leitura e interpretação dos enunciados de problemas e exercícios matemáticos. No entanto, esse trabalho deve merecer especial atenção, para evitar o discurso de que “o aluno não resolve problema porque não sabe ler”.

16

possibilidades que as atividades com calculadora podem trazer para o desenvolvimento da capacidade cognitiva dos alunos e de suas estratégias em resolver problemas. Estudos realizados por pesquisadores e especialistas indicam que os alunos, quando usam a calculadora para a realização de cálculos, ficam mais atentos às relações entre os elementos envolvidos na resolução dos problemas. Por meio de atividades com calculadora, os alunos têm oportunidade de reconhecer algumas propriedades das operações, testar e comprovar suas hipóteses, estabelecendo relações entre os números envolvidos. No entanto, cabe ao professor, antes de entrar na sala de aula, pensar nas diferentes situações do uso da calculadora dentro do seu planejamento de curso, com objetivos bem delineados, situações o encaminhamento de atividades que ofereçam aos alunos a oportunidade de enfrentar desafios, promovendo sua capacidade de resolução e busca de estratégias. Também nos anos iniciais algumas atividades podem ser desenvolvidas com o uso do computador. Este novo recurso põe à disposição inúmeras possibilidades de aprendizagem, incentiva a busca de informações, permite a interação entre pessoas, incentiva o intercâmbio de ideias e é um importante recurso para o ensino e aprendizagem. Nesta Coleção, priorizamos materiais simples e acessíveis, mas de grande potencialidade para a aprendizagem dos alunos, que podem ser complementados por outros que o professor selecionar. Sobre tarefas de leitura e escrita nas aulas de Matemática As tarefas de leitura e escrita foram tradicionalmente atreladas ao trabalho na área de Língua Portuguesa e não necessariamente vistas como tarefas a serem exploradas nas demais áreas de conhecimento. Outra ideia dominante, especialmente nos anos iniciais da escolaridade, é a de que o trabalho com a Matemática e com as demais disciplinas somente pode ser iniciado quando a criança está “completamente alfabetizada”. Essas concepções indicam a necessidade de repensar as atividades de leitura e escrita. Muitas vezes, nas aulas de Matemática, o professor tem grande preocupação com o “tempo” e com o “estar abandonando a Matemática”, ao privilegiar a leitura e interpretação dos enunciados de problemas e exercícios matemáticos. No entanto, esse trabalho deve merecer especial atenção, para evitar discurso de que “o aluno não resolve problema porque não sabe ler”.


Como sabemos, em jornais, revistas, folhetos há uma grande variedade de textos com informações numéricas que podem ser trabalhados em sala de aula. Assim, além de estimular o aluno a fazer a leitura do livro didático, é importante explorar as informações matemáticas em diferentes portadores, como os mencionados acima. Sobre atividades e sua diversificação segundo modalidades organizativas Projetos Os projetos são uma das formas de organizar o trabalho didático, que pode integrar diferentes modos de organização curricular. Um projeto podem ser uma pesquisa ou uma investigação, desenvolvida em profundidade sobre um tema ou um tópico que se considera interessante conhecer. Por meio de um projeto, busca-se encontrar respostas para perguntas relacionadas a um tema previamente escolhido pelos alunos, professores ou outros que fazem parte do ambiente escolar. Algumas sugestões de temas de projetos que podem ser desenvolvidos por alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental são as seguintes: • Se essa rua fosse minha: pesquisando informações matemáticas na rua da escola. • Arca de Noé: quanto tempo vivem os animais? • Criança tem direito de brincar: coletando dados sobre as brincadeiras infantis. • Os números do Brasil: populações, riquezas e desafios. • Matemática no supermercado: como economizar? • Construindo a maquete da nossa escola. • Receitas da culinária brasileira: como medir os ingredientes? • A Matemática nas notícias de jornal: o uso de tabelas e gráficos. • A Matemática e a compreensão dos problemas ambientais: como podemos ajudar a salvar o planeta? • As medidas e seus usos em nossa vida. • A geometria e o nosso artesanato. • Projetando a construção de uma horta. Atividades sequenciadas O processo de elaboração de atividades sequenciadas envolve uma análise da situação proposta, as condições da organização, a escolha de

17


estratégias baseadas nas análises da instrução dada, a determinação de critérios de avaliação, a elaboração de questões que estejam de acordo com os critérios determinados e uma revisão de todo o processo em função dessa avaliação. Para o Para o professor uma das principais fontes de atividades sequenciaprofessor uma das das são os livros didáticos. Essas sequências podem ser bastante inteprincipais fontes ressantes, mas geralmente precisam ser complementadas para atender de atividades as especificidades de cada grupo de alunos. sequenciadas são os livros didáticos. Essas sequências podem ser bastante interessantes, mas geralmente precisam ser complementadas para atender as especificidades de cada grupo de alunos.

Atividades rotineiras As atividades rotineiras se repetem de forma sistemática e previsível, podendo ser semanais, quinzenais ou mensais. Possibilitam o contato intenso com um tipo de atividade específica. Atividades que podem ser rotineiras no ensino de Matemática nos anos iniciais são, por exemplo, as que envolvem o calendário, as contagens, o cálculo mental. Também as atividades com jogos podem ser atividades rotineiras. A introdução de jogos nas aulas de Matemática é um recurso pedagógico importante que permite desenvolver habilidades de raciocínio, como organização, atenção, concentração, linguagem e criatividade. O aluno deixa de ser um ouvinte passivo das explicações do professor e torna-se um elemento ativo no processo da aprendizagem. O erro no jogo é encarado como fonte de novas descobertas, propiciando a construção do saber. Nesta Coleção, o uso de jogos é estimulado e cabe ao professor administrar o tempo e explorar as possibilidades que o recurso propicia. Atividades ocasionais Existem atividades que podem ser desenvolvidas ocasionalmente ainda que tratem de um assunto que não se relacione às atividades previstas para o período. Elas podem ser escolhidas pelo professor ou mesmo sugeridas pelos próprios alunos. Podem envolver uma informação importante veiculada na mídia, uma propaganda etc. Nesses casos, não tem sentido deixar de trabalhar esse tipo de atividade, pelo fato de não ter relação com o que se está fazendo no momento, nem inventar uma relação inexistente. Se a atividade permitir desenvolver um conteúdo significativo para os alunos, sua realização se justifica.

5. Avaliação da aprendizagem Para analisar o desempenho do grupo-classe ou os conhecimentos prévios referentes a algum tema, é importante que os professores que atuam num dado período da trajetória escolar do aluno analisem

18


que aprendizagens seriam as previstas para os anos anteriores e, desse modo, realizem diagnósticos que efetivamente direcionem seu trabalho. Como parte integrante dos diagnósticos é fundamental ouvir os estudantes, perguntando-lhes como se relacionam com a Matemática, como relacionam a Matemática que aprendem na escola com a Matemática do seu cotidiano, que facilidades e que dificuldades identificam no seu processo de aprendizagem, se conseguem ler e interpretar enunciados usados nas aulas de Matemática etc. O acompanhamento das aprendizagens deve ser cuidadosamente realizado pelo professor. Desse modo, ao longo do ano, com base nas expectativas de aprendizagem que estão sendo trabalhadas num dado período (mês ou bimestre), o professor pode organizar fichas com indicadores, como, por exemplo: Nome do aluno: Amélia Turma: A Reconhecer unidades usuais de medida como metro, centímetro, quilômetro, grama, miligrama, quilograma, litro, mililitro.

Aprendeu muito bem

X

Resolver situações-problema que envolvam o significado de unidades de medida de comprimento como metro, centímetro e quilômetro. Resolver situações – problema que envolvam o significado de unidades de medida de massa como grama, miligrama e quilograma.

Aprendeu Não mas ainda aprendeu o tem algumas suficiente dificuldades

X

X

Resolver situações-problema que envolvam o significado de unidades de medida de capacidade como litro e mililitro. Utilizar, em situações-problema, unidades usuais de temperatura.

X

X

Esses dados podem ser agrupados em outras fichas que consolidem a situação do grupo-classe. Outra forma de registro interessante são as fichas de acompanhamento do desenvolvimento de atitudes. Em tarefas como as de resolução de problemas, por exemplo, é possível analisar algumas atitudes dos alunos. No exemplo mostrado a seguir, o preenchimento do S (SIM) ou N (NÃO) permite a visualização da situação de cada aluno e mostra o que deve merecer mais atenção do professor e dos próprios alunos.

19


Alunos Amélia Berenice Carlos Davi

Convém destacar que o desenvolvimento de ferramentas que possibilitem o registro acumulado das atividades do aluno, propiciando um acompanhamento sistemático, é desejável e, no entanto, isso não pode ser realizado numa perspectiva meramente controladora e sim na de praticar a avaliação num ambiente colaborativo.

20

1 S S S S

2 S N N N

3 S N N N

4 N S S S

5 N N N N

LEGENDA: O aluno: 1. consegue explicitar o problema com suas palavras. 2. usa estratégias pessoais na resolução do problema ou somente resolve quando identifica um algoritmo que conhece e pode ser usado. 3. demonstra autoconfiança. 4. espera ajuda do professor. 5. verifica se a solução é adequada ao problema. Tomando como pressuposto a continuidade inerente ao processo de avaliação e também a perspectiva de utilizar a avaliação como diagnóstico de conhecimentos construídos ou em construção, é fundamental que, para cada projeto, grupo de atividades sequenciadas, grupo de atividades rotineiras e também para as atividades ocasionais, o professor reflita sobre o que considera mais importante acompanhar e avaliar em relação à aprendizagem de seus alunos e construa instrumentos adequados para o registro de suas observações. Convém destacar que o desenvolvimento de ferramentas que possibilitem o registro acumulado das atividades do aluno, propiciando um acompanhamento sistemático, é desejável e, no entanto, isso não pode ser realizado numa perspectiva meramente controladora e sim na de praticar a avaliação num ambiente colaborativo. Nele todos querem aprender e ajudar outros em suas aprendizagens, construindo uma cultura avaliativa centrada na ética, no respeito às individualidades, em que o erro faz parte do processo de aprendizagem. Entre os instrumentos de avaliação, as provas escritas compostas por questões abertas ou de múltipla escolha foram, tradicionalmente, os únicos utilizados para avaliar a aprendizagem dos estudantes. Esse fato foi bastante criticado porque a avaliação é um processo complexo que não pode estar restrito a um momento pontual na trajetória de aprendizagem do aluno. Isso não significa, porém, que esses instrumentos não devam ser utilizados. No entanto, é preciso que eles expressem coerência com os objetivos de aprendizagem e com o que se pretende valorizar ao adotar abordagens metodológicas como as adotadas pelo professor.


Construção de um glossário

Reprudução

No decorrer do desenvolvimento de cada unidade, observe as palavras desconhecidas pelas crianças e vá ampliando o repertório de cada uma. Ao final de cada unidade, escolha quatro termos matemáticos e proponha a construção coletiva de um glossário em que a turma, orientada por você, vai elaborar um pequeno texto, explicando seu significado. Cada criança constrói seu glossário e o ilustra. Esta opção didática baseia-se em experiências de sala de aula que mostram a importância de as crianças se apropriarem de termos matemáticos de acordo com seu nível de compreensão. A seguir, mostramos exemplos de produções de crianças.

21


Referências bibliográficas ABELLÓ, Frederic Udina I. Aritmética y calculadoras. Madri: Síntesis, 1992. BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Primeiro e Segundo Ciclos do Ensino Fundamental. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto e Secretaria de Educação Fundamental, 1997. CURI, Edda. Conhecimentos prévios dos alunos de uma quarta série. Educação Matemática em Revista. São Paulo: UFPE, 2003, p. 47-56. ESTEBAN, M. T. Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FAYOL, Michael. A criança e o número: da contagem à resolução de problemas. Porto Alegre: Artmed, 1996. FONSECA, Maria da Conceição et al. O ensino de Geometria na Escola Fundamental. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Tradução de Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 1998. HOFFMANN, Jussara Maria Lerch. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Educação & Realidade, 1993. KALEFF, Ana Maria M. R. Vendo e entendendo poliedros: do desenho ao cálculo do volume através de quebra-cabeças geométricos e outros materiais concretos. Niterói: EDUFF, 1998. KALEFF, Ana Maria M. R. et al. Quebra-cabeças geométricos e formas planas. Niterói: EDUFF, 1999. LOPES, CELI. E. A probabilidade e a estatística no Ensino Fundamental: uma análise curricular. Campinas, 1998. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Faculdade de Educação, Universidade de Campinas. PANIZZA, Mabel (Org.). Ensinar Matemática na Educação Infantil e nas séries iniciais: análise e propostas. Tradução de Antonio Feltrin. Porto Alegre: Artmed, 2006. PARRA, CECÍLIA; SAIZ, IRMA (Org.). Didática da Matemática. Porto Alegre: Artmed, 1996. PAVANELLO, R. M. O abandono do ensino de Geometria no Brasil: causas e consequências. Zetetiké. Campinas, ano I, n. 1, mar. 1993.

22


PIRES, Célia Maria Carolino. Currículos de Matemática: da organização linear à ideia de rede. São Paulo: FTD, 2000. PIRES, Célia Maria Carolino et al. Espaço e forma: a construção de noções geométricas pelas crianças das quatro séries iniciais do Ensino Fundamental. São Paulo: Proem, 2001. PONTE, J. P.; BROCARDO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. Associação de Professores de Matemática. ISBN: 85-7526-103-7, out. 2003. POZZO, Juan Ignácio (Org.). A solução de problemas. Aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: Artmed, 1998. VENTURA, Montserrat. A organização do currículo por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. Tradução de Jussara Haubert Rodrigues. 5. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. VERGNAUD, Gerard. A teoria dos campos conceituais. In: BRUN, Jean (Org.). Didática das Matemáticas. Lisboa: Instituto Piaget – Divisão Editorial, 2000 (Coleção Horizontes Pedagógicos). ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre. Artmed, 1998. _____. Como trabalhar os conteúdos procedimentais em aula. Porto Alegre: Artmed, 1999.

Documentos oficiais Ministério da Educação e do Desporto/Secretaria do Ensino Fundamental. _____. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática, 1997. _____. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais, 1997. Ministério da Educação e do Desporto/Secretaria de Educação Básica/ Departamento de Educação Infantil e Ensino Fundamental. _____. Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: FNDE, 2006.

Sites http://jangadabrasil.com.br http://revistaescola.abril.com.br

23


http://taturana.com/cantigas.html www.acordacultura.org.br www.amoakonoya.com.br/arteindi.html www.arteducacao.pro.br/hist_da_arte_prebrasil.htm www.bcb.gov.br (site do Banco Central do Brasil) www.bibvirt.futuro.usp.br/especiais/cultura_africana_e_afro_brasileira www.bibvirt.futuro.usp.br www.escolanet.com.br www.estadinho.com.br www.fe.usp.br/laboratorios/labrimp/labrimp1. htm Labrimp www.funarte.gov.br www.futuro.usp.br www.geocities.com www.ime.usp.br/caem www.mec.gov.br www.monica.com.br www.procon.sp.gov.br www.sitededicas.com.br www.socioambiental.org/pib/portugues/comovivem/artes.shtm

Instituições e entidades A seguir, relacionamos algumas instituições e entidades que oferecem cursos, palestras e publicações da área como apoio ao trabalho do professor. • CAEM – Centro de Aperfeiçoamento do Ensino de Matemática. Instituto de Matemática e Estatística da USP Rua do Matão, 1 010 • Bloco B • Sala 167 • Cidade Universitária • CEP 05508-090 • São Paulo • SP • C.P. 66281 • CEP 05315-970 • Fone e fax: (0XX11) 3091-6160 • e-mail: caem@ime.usp.br Publicações: Cadernos do CAEM • Cecimig – Centro de Ciências de Minas Gerais. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Faculdade de Educação – Cidade Universitária

24


Avenida Antônio Carlos, 66 227 • Pampulha • CEP 31270-901 • Belo Horizonte • MG • Fone: (0XX31) 3499-5337 • Cempem – Centro de Estudos, Memória e Pesquisa em Educação Matemática. Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Rua Bertrand Russel, 881 • Campinas • SP e-mail: cempem@grupos.com.br site: www.cempem.fae.unicamp.br • Faculdade de Educação. Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada. Projeto USP/BID. Cidade Universitária Avenida da Universidade, 308 • CEP 05508-040 • São Paulo • SP • Fone: (0XX11) 3091-3099 • Fax: (0XX11) 3815-0297 Publicações: Cadernos de Prática de Ensino – Série Matemática – USP • Gepem – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática. Instituto de Educação da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) • Sala 30 Rod. BR 465, km 7 • CEP 23890-000 • Seropédica • RJ • Fone e Fax: (0XX21) 2682-1841 e-mail: gepem@ufrrj.br • site: www.gepem.ufrrj.br Publicações: Boletim GEPEM • Laboratório de Ensino de Geometria. Universidade Federal Fluminense (UFF) Rua Mário Santos Braga, s/no • Centro • CEP 24020-140 • Niterói • RJ • Leacim – Laboratório de Ensino e Aprendizagem de Ciências e Matemática. Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Avenida Fernando Ferrari, 514 • Campus de Goiabeiras • CEP 29075910 • Vitória • ES • Fone: (0XX27) 3335-2479 • Fax: (0XX27) 3335-2827 • LEM • Laboratório de Ensino de Matemática. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – Imecc C.P. 6065 • CEP 13083-970 • Campinas • SP Fone: (0XX19) 3521-6017 • Fax: (0XX19) 3521-5937 e-mail: lem@ime.unicamp.br

25


• LEM – Laboratório de Ensino de Matemática. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Departamento de Matemática Avenida Prof. Luiz Freire, s/no • Cidade Universitária • CEP 50740-540 • Recife • PE • Fone: (0XX81) 2126-7650 • Projeto Fundão – Matemática. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Instituto de Matemática Centro de Tecnologia • Bloco C • Sala 108 • Cidade Universitária• C.P. 68530 • CEP 31941-972 • Rio de Janeiro • RJ • Fone e fax: (0XX21) 2562-7511 • SBEM – Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Universidade Federal de Pernambuco – Centro de Ciências Exatas e da Natureza (UFPE-CCEN). Departamento de Matemática • Sala 108 Av. Prof. Luiz Freire s/no • Cidade Univesitária • CEP 50740-540 • Recife • PE • Fone e fax: (0XX81) 3272-7563 e-mail: sbem@sbem.com.br Publicações: A Educação Matemática em Revista

26


PARTE ESPECÍFICA Unidade 1 Objetivos de aprendizagem Nesta Unidade, o conjunto de atividades propostas aos estudantes tem como objetivos de aprendizagem: • Utilizar números para expressar quantidades de elementos de uma coleção. • Utilizar números para expressar a ordem dos elementos de uma coleção ou sequência. • Utilizar números na função de código, para identificar linhas de ônibus, telefones, placas de carros, registros de identidade. • Identificar unidades de tempo – dia, semana, mês, bimestre, semestre, ano – e utilizar calendários. • Localizar pessoas ou objetos no espaço, com base em diferentes pontos de referência e algumas indicações de posição.

Sugestões para uso das atividades e de atividades complementares Atividades Faça a leitura do texto de abertura com os alunos e converse com eles sobre a presença dos números em suas vidas. Proponha a elaboração de uma lista de situações em que as alunos; dizem que observam ou utilizam os números. Nesta sequência de atividades da seção “Para que servem os números?”, você vai estimular as crianças a observar que os números estão por toda parte. Assim, na ilustração da página 10, eles podem observar número de uma casa, número de um ônibus, horário, temperatura etc. Além de explorarem a ilustração, eles terão de pesquisar números que aparecem no caminho de sua casa até a escola, para o que será necessário sua orientação. Antes de iniciar a página 11, pergunte às crianças em que brincadeiras elas usam números. Podem surgir situações como brincadeira de roda (a galinha do vizinho), jogos de amarelinha, mas também os números de canais de televisão ou números usados em jogos eletrô-

27


nicos. Em atividades como essas, você vai conhecer melhor o repertório de seus alunos e possibilitar a ampliação de tal repertório por meio de conversa e de atividades como as das páginas 12 e 13. No início das atividades sobre telefones (páginas 14 e 15), verifique se as crianças conhecem o número do telefone de casa ou do celular, ou telefone para recado, ou telefone comunitário. Faça-as perceber que todos os números de telefone têm a mesma quantidade de dígitos. Brinque com elas ditando números que devem ser apertados nas teclas “de faz de conta” e também faça a mesma brincadeira com o teclado da calculadora. Aproveite para discutir o uso apropriado do telefone e as regras que precisam ser observadas para uso de celulares em espaços públicos, como, por exemplo, na sala de aula. Aproveite para fazer com que as crianças aprendam o número de telefones da escola e outros telefones de utilidade pública. Convide as crianças para o preenchimento de dados da página 16. Leia com elas as informações solicitadas, esclareça dúvidas e oriente-as a obtê-las com a ajuda de familiares. Depois de preenchida a ficha, explore dados como idade, altura, número do calçado, sempre evidenciando como os números ajudam nesses registros. Antes de iniciar as atividades da página 17, organize uma fila com dez crianças e peça que se coloquem em ordem de altura do mais baixo para o mais alto. Dê a cada uma delas um cartão com os números de 1 a 10 e pergunte o que cada número significa nessa situação. Destaque que os números ajudam na ordenação, por exemplo, das páginas do livro. Peça que descubram em que página elas estão no momento, qual a página anterior, qual a página seguinte e que folheiem o livro para observar a numeração das páginas. As atividades das páginas 18 a 25 devem ser lidas por você e respondidas pelas crianças, primeiro individualmente, fazendo a socialização no momento seguinte. Elas se referem a problemas em que as crianças colocam em uso seus conhecimentos numéricos e podem ser realizadas “concretamente” com utilização de materiais manipulativos.

28


Nas páginas 26 e 27, tem início a sequência de atividades de uso do calendário que vai acontecer ao longo do ano, pelo registro dos aniversariantes do mês ou pela construção do calendário mensal de atividades da turma. Na seção “Desafios”, sugere-se que as atividades sejam feitas de forma individual e, depois, discutidas coletivamente. É sempre importante realizar a leitura com as crianças, se elas ainda não tiverem condições de fazer isso sozinhas. Na seção “Divirta-se”, prepare o jogo e discuta as regras e procedimentos com as crianças. Durante a realização, percorra a classe observando eventuais dificuldades e fazendo anotações sobre o desempenho delas. Ao encerrar a Unidade, faça um balanço das aprendizagens e identifique o que ainda precisa ser retomado ou mais aprofundado. Atividades complementares É importante complementar as atividades apresentadas no livro com atividades orais em que você pede às crianças que façam contagens para que você possa perceber: • até que número vai a sequência que cada um conta; • se as crianças são capazes de repetir a sequência sem esquecer nenhum número; • se elas sabem continuar uma contagem que foi iniciada por outra pessoa; • que respostas elas dão para perguntas como: O que vem antes: 6 ou 7? 15 ou 19? Por quê? • Proponha situações em que as crianças: • utilizem a cantilena numérica em brincadeiras infantis (brincar de roda, pular corda, brincar de amarelinha etc.) e que favoreçam a reflexão sobre a sequência numérica. • trabalhem com brincadeiras em que os números estejam presentes, como bingo ou dominós. • são convidadas a contar o número de lápis que estão numa caixa, a distribuir determinada quantidade de borrachas, verificando se a quantidade será suficiente para que cada aluno receba pelo menos uma. • possam compartilhar pesquisas que fizeram sobre o número de pessoas que moram em sua casa, situações que evidenciem a função cardinal do número.

29


• precisem compartilhar, por exemplo, pesquisas que fizeram sobre a numeração das casas na rua, se ela indica ou não uma ordenação, como é essa ordenação, isto é, situações que evidenciem a função ordinal do número. • precisem compartilhar, por exemplo, pesquisas que fizeram sobre números de telefone, placas de carro, CEP ou outros números que funcionam como códigos. Realize ditado de números relacionados a escritas exploradas nos números familiares e frequentes, em que a criança vai revelando suas hipóteses sobre as escritas numéricas, contando com a ajuda e intervenção do professor, ou professora, para progredir em direção à escrita convencional.

Unidade 2 Objetivos • Utilizar números para expressar quantidades de elementos de uma coleção. • Utilizar números para expressar a ordem dos elementos de uma coleção ou sequência. • Utilizar diferentes estratégias para quantificar elementos de uma coleção: contagem, formação de pares, agrupamentos e estimativas. • Contar em escalas ascendente e descendente de um em um, de dois em dois, de cinco em cinco, de dez em dez etc. • Observar e reconhecer figuras geométricas tridimensionais presentes em elementos naturais e nos objetos criados pelo homem. • Identificar semelhanças e diferenças entre figuras geométricas tridimensionais e reconhecer algumas de suas características. • Coletar e organizar informações, criando registros pessoais para comunicação de idade, número de irmãos, peso de animais etc. • Ler e interpretar informações apresentadas em tabelas simples. • Ler e interpretar informações representadas por gráficos de colunas.

Conteúdos • Produção de escritas numéricas relativas a números familiares e números frequentes, observando regularidades e formulando hipóteses sobre a escrita numérica.

30


• Uso da sequência numérica como apoio para comparação de números e para a produção de escritas numéricas. • Registro de dados em certa ordem, que pode ser crescente ou decrescente. • Observação e reconhecimento de figuras geométricas tridimensionais presentes em elementos naturais e nos objetos criados pelo homem. • Identificação de semelhanças e diferenças entre figuras geométricas tridimensionais e reconhecimento de algumas de suas características. • Construção de formas de registro para comunicação de informações. • Leitura de tabelas simples e localização de dados nelas contidos.

Sugestões para uso das atividades e de atividades complementares Atividades Faça a leitura do texto de abertura com os alunos, do mesmo modo que você lê histórias, notícias de jornal e outros, e comente o que eles verão nesta Unidade. O livro apresenta uma sequência de atividades na seção “Os números e as contagens” (páginas 36 a 47), em que as crianças são estimuladas a explorar a escrita de números, a reconhecer quantidades expressas pelos símbolos numéricos, bem como a registrar os símbolos numéricos associados a determinadas quantidades de objetos, como nas atividades propostas nas páginas 36 a 40. É importante que você leia os enunciados para as crianças, porque, à medida que elas forem tornando-se autônomas na leitura, saberão o que fazer em cada atividade. Na atividade da página 38, após a leitura do enunciado, peça que observem cada uma das ilustrações e verifique se identificam que as figuras de cada grupo possuem a mesma quantidade de palitos de fósforo. Socialize as observações, confrontando as que são diferentes. Antes de iniciar as atividades das páginas 41 e 42, proponha às crianças que comparem quantidades de coleções que podem estar presentes na sala de aula, como, por exemplo, as cadeiras e as carteiras, as crianças e as cadeiras. Solicite, então, que realizem as atividades e observe o critério que usam na comparação: se fazem uso da contagem (e se nas diversas contagens, contam de um

31


em um, ou de dois em dois, ou se utilizam outras formas de agrupamento), se estabelecem correspondências, em seguida, socialize os procedimentos utilizados. As páginas de 43 a 46 voltam a explorar a contagem e o registro da quantidade de objetos ou pessoas existentes nas ilustrações. Leia o enunciado e dê um tempo para que elas resolvam e preencham os quadrinhos. Socialize as respostas e proponha a contagem oral. Após a realização da atividade da página 44, explore a contagem oral da sequência descendente, de 10 a 0. Comente que elas estão acostumadas a contar começando com 1 e ir aumentando de um em um. Pergunte se já perceberam que, às vezes, é preciso contar de trás para a frente e se conhecem alguma situação com esse tipo de contagem. Se na cidade houver semáforos (ou sinaleiras) com indicações do tempo restante, que é apresentado em ordem decrescente para o fechamento ou para a abertura, cite, caso não tenha surgido o comentário. Circule pela classe e observe como realizam a contagem nas situações propostas na página 46: se contam com risquinhos ou se utilizam outros procedimentos. Socialize os procedimentos que considerar mais interessantes. Na página 47, as ilustrações favorecem que as contagens sejam feitas de dois em dois, ou de três em três, ou de quatro em quatro. Incentive-os a contar utilizando essas estratégias. Na seção “As formas dos objetos” (páginas 48 a 53), serão exploradas formas geométricas tridimensionais, como as esferas, os cilindros e os cones, e as bidimensionais, como os círculos. Para a realização das atividades das páginas 48 e 49, leve para a sala de aula, se possível, uma bola, uma laranja, um disco como um CD e outros objetos de forma esférica ou circular. Peça que os alunos os observem, os manuseiem e explore, oralmente, as semelhanças e diferenças encontradas. Em seguida, leia o texto da página 48 e solicite que respondam às questões propostas e que desenhem outros objetos que tenham as características dos citados no texto. Socialize os desenhos elaborados pelas crianças.

32


Leia o texto da página 50 e, mais uma vez, peça que comentem que objetos lembram o formato de uma esfera e quais podem ser considerados com o formato de um círculo. Proponha que façam, como Marina realiza na atividade, o traçado do contorno de um círculo, com auxílio de um barbante e de um lápis, em uma folha de papel ou no chão do pátio da escola. As atividades indicadas nas páginas 51 e 52 continuam a explorar formas tridimensionais, como os cilindros e os cones, propondo situações que permitem às crianças relacionar com objetos que apresentem essas formas. Na página 53, peça aos alunos que explorem a ilustração que mostra diversas formas geométricas e pergunte que objetos eles identificam. Peça que localizem objetos parecidos com as formas geométricas estudadas, como a esfera, o cilindro e o cone. Faça perguntas como: todos os objetos da ilustração têm essas formas?, para que percebam que há outras formas diferentes dessas. As páginas 54 e 55 apresentam na seção “Organizando dados”, tabelas e gráfico de colunas. Você pode reproduzir na lousa essa tabela e esse gráfico. Inicie a atividade lendo o texto da página 54 para os alunos e solicite que explorem a tabela. Que informações estão presentes nela? Abacaxi é a fruta preferida de quantos alunos? Como eles obtiveram essa informação? Peça que completem a tabela e que respondam às questões formuladas. Pergunte se já tinham visto um gráfico como esse. Que informações estão registradas nesse gráfico? Solicite que completem o gráfico e socialize os resultados. Leia os enunciados das atividades da página 55 para que os alunos saibam o que está sendo solicitado. Faça, na lousa, uma tabela igual à do livro, para que nela possa ser registrada a coleta de dados relativa ao número de irmãos de cada criança. Após a coleta dos dados, solicite que eles completem a tabela. Depois, leia o enunciado da segunda atividade e faça perguntas sobre quais informações podem ser obtidas na tabela. Aproveite para explorar, oralmente, a sequência dos dias da semana. Faça perguntas como: todos os dias de uma semana estão representados na tabela? Quais dias estão representados?

33


E quais dias não estão? Por que será que isso acontece, nessa tabela? Leia as questões e peça que as respondam. Socialize os resultados. Na seção “Desafios”, leia com os alunos os enunciados para ter a garantia de que eles saibam o que é solicitado. Peça que realizem as atividades individualmente e, depois, promova a discussão com a classe. Na seção “Divirta-se”, prepare os materiais necessários para o jogo, que são os copinhos com grãos de feijão ou com outro grão. Discuta as regras e procedimentos com as crianças, fazendo a leitura conjunta. Durante a realização do jogo, percorra os diferentes grupos (trios) da classe observando eventuais dificuldades e fazendo anotações sobre o desempenho dos alunos. Encerrada a Unidade, retome as expectativas previstas e verifique quais aprendizagens ocorreram. Assim, você identifica o que ainda precisa ser retomado ou mais aprofundado. Atividades complementares Enriqueça as atividades do livro, propondo situações para que as crianças: • contem de um em um, de dois em dois, ou por outras formas de agrupamento. • realizem tarefas na própria sala de aula ou na escola, como: de quantos lápis precisamos para que possamos dar um a cada colega; há mais lápis pretos ou coloridos etc. • comparem quantidades de coleções, por exemplo: apresentar certo número de canecas que as crianças ainda não conseguem contar e colocar, à disposição, em outro canto da sala, colheres que elas devem pegar de uma só vez, uma para cada caneca, para serem utilizadas durante o intervalo para se alimentarem do lanche oferecido. Estabeleça rodas de contagem em que as crianças, uma a uma, tenham de falar oralmente a sequência numérica: • com variações: contagens de um em um, contagens de dois em dois etc.

34


• ora usando escalas ascendentes (do menor para o maior), ora usando escalas descendentes (do maior para o menor). Propicie situações para que as crianças realizem contagem de objetos em coleções móveis (como coleções de tampinhas, por exemplo), em que é possível enfileirar, formar pares, grupinhos etc., ou em coleções fixas, como as apresentadas por desenhos em uma folha de sulfite.

Unidade 3 Objetivos • Utilizar a contagem e a sobrecontagem (contagens realizadas com base em outra/s já feita/s). • Explorar as escritas numéricas, levantando hipóteses sobre elas, com base na observação de regularidades, utilizando a linguagem oral e registros pessoais. • Analisar, interpretar e resolver situações-problema, compreendendo alguns dos significados da adição. • Construir fatos básicos da adição com base em situações-problema, para constituição de um repertório a ser utilizado no cálculo. • Utilizar sinais convencionais (+, =) na escrita da operação de adição. • Utilizar informações sobre o tempo por meio da exploração de calendários.

Conteúdos • Realização de contagens e sobrecontagens. • Produção de escritas numéricas, observando regularidades e formulando hipóteses sobre a escrita numérica. • Comparação de números naturais. • Utilização de grandezas como o tempo, em situações cotidianas, como leitura de calendários. • Problemas do campo aditivo com a ideia de composição.

Sugestões para uso das atividades e de atividades complementares Atividades Comece lendo o texto de abertura com os alunos e explore a ilustração. Comente o que eles verão nesta Unidade. Faça as perguntas e promova uma discussão sobre as respostas que as crianças vão elaborar.

35


Para iniciar a seção “Agrupar de 10 em 10”, comente com os alunos que eles já realizaram inúmeras contagens de coleções em que foram feitos diferentes agrupamentos para essas contagens. Que a proposta agora será realizar agrupamentos de dez em dez e você poderá sugerir que façam uma roda de contagem usando esse critério. Leia com as crianças o texto da página 62 e peça que explorem a ilustração. Que comentários elas podem fazer? O que observaram? Quantas ovelhas há? E quantas pedrinhas há na primeira ilustração? E na segunda? Peça que respondam à questão proposta e socialize a escrita do número obtido. Na atividade da página 63, solicite que façam agrupamentos de dez em dez para obter as quantidades representadas nas ilustrações. Dê um tempo para a realização e circule pela classe observando os procedimentos. Peça que informem oralmente as quantidades a que chegaram, socializando os resultados, para, em seguida, propor a escrita dos números obtidos. Ao iniciar a atividade proposta na página 64, leia o texto para os alunos e peça que explorem as ilustrações, comentando oralmente o que observaram. Proponha que respondam às questões, uma a uma, e socialize os resultados e as escritas numéricas. Comece a atividade da página 65 pela leitura do texto, enfatizando que cada macinho da figura contém 10 palitos. Explore com os alunos a escrita dos números obtidos. É importante que haja um quadro numérico na sala de aula como referência para eles fazerem os registros. Inicie a seção “Escritas numéricas”, nas páginas 66 a 69, solicitando a alguns alunos que leiam os números escritos nos diferentes quadros. Pergunte aos demais se acham que a leitura está correta ou se leriam de outra maneira. Peça que circulem em cada quadro o maior número e pergunte por que consideram que é o maior. Verifique se as crianças apoiam-se na sequência numérica ou se utilizam outro critério de comparação. Peça que façam a leitura do número, em cada um dos casos. Na segunda atividade, pergunte às crianças qual é o menor dos números; depois, qual o menor entre os que sobraram, e assim por diante. Solicite que expliquem, por exemplo, por que 50 é menor que 61. Explore com as crianças o quadro numérico da página 67, verificando regularidades, como, por exemplo, a da quarta coluna em que todos os números terminam em 4. Discuta estratégias utilizadas para descobrir

36


os números cobertos pelos cartões, como contar de um em um, ver o número anterior ou o posterior, ou apoiar-se nas regularidades observadas nas linhas e nas colunas. Leia para os alunos o enunciado da atividade da página 68 e proponha que respondam às questões. Dê um tempo para que eles resolvam, circule pela classe para observar como escrevem os números. Explore tanto a escrita quanto a leitura de cada um na socialização dos resultados. Antes de iniciar a leitura do texto da página 69, proponha uma contagem de dez em dez a partir do 10 até o 100. Peça aos alunos que completem os quadros e, ao circular pela classe, verifique se houve o entendimento do significado de dezenas exatas. Socialize os resultados, observando como leem e escrevem os números. Para o preenchimento do calendário do mês na página 70, converse antes com os alunos sobre a sucessão do tempo: dos dias do mês, dos dias da semana e dos meses. Comente que o número de dias de cada mês não é sempre o mesmo. Incentive-os a descobrir quais meses têm 30 dias e quais têm 31 dias. Depois, solicite que realizem o preenchimento de cada mês, prestando atenção em que dia da semana tem início o mês. Quando terminarem, eles devem fazer a leitura oral dos dias do mês. Em seguida, leia cada uma das questões propostas e, após um tempo para a elaboração da resposta, socialize os resultados. Dê continuidade às atividades da página 71, com a leitura do texto e a exploração da sequência dos dias da semana. Peça que respondam às questões e socialize os resultados. Na seção “Juntar é muito bom”, incluída nas páginas 72 a 81, são propostas situações do campo aditivo, com a ideia de composição. Os problemas de composição estão associados à ideia de reunir dois estados ou retirar um deles para obter o outro. Faça com as crianças a leitura do texto e proponha que resolvam as situações apresentadas. Verifique as estratégias dos alunos, se recorrem à sobrecontagem, aos desenhos ou aos algoritmos e socialize algumas para discutir com o grupo, ampliando o repertório deles.

37


Na sequência, são apresentadas atividades que exploram a escrita relativa a uma adição, como, por exemplo, 7 + 4 = 11. Pergunte às crianças se já viram essa escrita ou outra parecida e qual o significado de cada termo, como o sinal de adição + e o sinal de igual =. Há atividades para que as crianças percebam que determinado resultado pode ser obtido de diferentes formas, como nas atividades das páginas 74 e 76, em que o resultado 4 pode ser obtido pelas adições: 4 + 0, 0 + 4, 1 + 3, 3 + 1 ou 2 + 2. Na página 75 as crianças são solicitadas a inventar uma situação que possa ser resolvida por meio de um cálculo indicado. Peça que realizem a atividade e socialize algumas situações para que o grupo discuta se a situação proposta pode ser resolvida pelo cálculo indicado. Isso permitirá que elas verifiquem que há diferentes situações que podem ser resolvidas pelo mesmo cálculo. Antes de iniciar a atividade da página 80, você poderá explorar com as crianças situações de dois números que juntos completam 10, propondo o uso dos dedos das mãos. Em seguida, leia o texto apresentado e peça que resolvam as situações em que o resultado da adição será 10. Na seção “Desafios”, os alunos explorarão a sequência e a escrita numérica. Verifique, após a resolução da atividade constante da página 83, quais estratégias são utilizadas e socialize algumas delas. Aproveite para explorar a leitura dos números. Na página 84, peça que resolvam as situações em duplas. Faça a leitura de cada situação para garantir que as crianças compreendam o que é apresentado e o que é proposto. Estipule um tempo para cada situação, circule pela classe fazendo observações e intervenções que julgar necessárias. Para socializar a atividade, peça que duas duplas que possam ter utilizado procedimentos diferentes apresentem suas resoluções, discutindo-as. Para a seção “Divirta-se”, é importante que as cartelas estejam recortadas, o que proporcionará mais tempo para a realização do jogo. Leia os procedimentos e discuta-os com as crianças, para garantir que haja a compreensão. Durante a realização do jogo, percorra os diferentes grupos e faça perguntas, como, por exemplo: Ao utilizar as cartelas 3 e 8,

38


por que você construiu o número 83 e não o 38? ou Ao utilizar as cartelas 2 e 6, você construiu o número 26. Não é possível construir com essas cartelas um número maior que esse? Como nas Unidades anteriores, ao encerrar mais uma Unidade, retome as expectativas previstas e, com base nas aprendizagens que ocorreram, avalie o que ainda precisa ser retomado ou devidamente aprofundado. Atividades complementares Para aprofundar os conhecimentos dos alunos, enriqueça as atividades apresentadas no livro, propondo situações como: • ditado de números para que as crianças construam suas hipóteses sobre as escritas numéricas. Sua observação permitirá estabelecer intervenções para que as crianças progridam em direção à escrita convencional; • o uso da calculadora pelas crianças, para produção de escritas numéricas que você, professor, ou professora, indicará; • ditado de números de duas ordens que as crianças devem registrar na calculadora, descobrindo que precisa teclar primeiro o algarismo das dezenas e, na sequência, o algarismo das unidades, sem necessidade de uso dessa nomenclatura; • organizar situações em que as crianças são convidadas a produzir desenhos relativos tanto às atividades de localização, como as de movimentação no espaço.

Unidade 4 Objetivos • Utilizar a contagem e a sobrecontagem (contagens realizadas com base em outra(s) já feita(s)). • Explorar as escritas numéricas, levantando hipóteses sobre elas, com base na observação de regularidades, utilizandoa linguagem oral e os registros pessoais. • Analisar, interpretar e resolver situações-problema, compreendendo alguns dos significados da adição. • Construir fatos básicos da adição de acordo com as situações-problema, para constituição de um repertório a ser utilizado no cálculo.

39


• Utilizar sinais convencionais (+, =) na escrita da operação de adição. • Utilizar informações sobre o tempo por meio da exploração de calendários. • Reconhecer grandezas mensuráveis – como comprimento, massa, capacidade – e elaborar estratégias pessoais de medida. • Utilizar informações sobre tempo e temperatura.

Conteúdos • Realização de contagens e sobrecontagens. • Produção de escritas numéricas, observando regularidades e formulando hipóteses sobre a escrita numérica. • Comparação de números naturais. • Utilização de grandezas como o tempo, em situações cotidianas, como leitura de calendários. • Problemas do campo aditivo com a ideia de composição. • Comparação de grandezas de mesma natureza por meio do uso de instrumentos de medida conhecidos – fita métrica, balança e recipientes de um litro. • Resolução de problemas que envolvem a grandeza “temperatura”, compreendendo seu significado.

Sugestões para uso das atividades e de atividades complementares Atividades Inicie a Unidade lendo o texto de abertura com os alunos e peça que explorem a ilustração. Comente quais serão os assuntos abordados nesta Unidade e, em seguida, faça as perguntas sugeridas para promover uma discussão com base nas respostas dadas pelas crianças. Para iniciar a seção “Mais agrupamentos de 10 em 10”, retome oralmente a contagem de dez em dez. Em seguida, peça que realizem as atividades propostas na página 88. Explore as situações do campo aditivo ligadas às idéias de comparação, como: O que há mais: bolinhas de gude verdes ou azuis? Quantas a mais? Verifique se produzem as escritas numéricas de acordo com as regras do sistema de numeração decimal. Socialize as produções. Na atividade da página 90 são apresentadas sequências. Proponha que observem cada ilustração e façam a leitura dos números. Faça per-

40


guntas como: Há uma regularidade nos números indicados nos três primeiros vagões? Como você pode continuar a numerá-los? Socialize os comentários e as escritas numéricas produzidas. As atividades da página seguinte exploram a utilização da calculadora. Providencie calculadoras, para que os alunos, num primeiro momento, explorem as teclas, e circule pela classe observando os comentários e as descobertas. Explique que você dará comandos para que eles digitem na calculadora. Leia o texto e peça que façam as solicitações. Verifique se eles antecipam os resultados. Peça que preencham os quadrinhos. Na página 92, proponha o preenchimento do quadro. Circule pela classe e faça intervenções para os alunos que ainda apresentam dificuldades nas escritas numéricas e na sequência numérica, como, por exemplo, qual o número que vem depois do 59, e depois do 79. A atividade seguinte, na página 93, propõe que as crianças comparem números. Faça perguntas para observar como os alunos fazem a comparação de números com a mesma quantidade de algarismos: se há apoio na sequência numérica ou se utilizam outras estratégias. Socialize alguns procedimentos diferentes para que aumentem o repertório para a comparação de números. Os significados de antecessor e de sucessor são explorados na atividade seguinte. Antes de propor que as crianças a façam, explore oralmente situações como: Qual o número que vem antes do 18? E depois? Qual o número que vem antes do 49? E depois? Na seção “Mais quadros numéricos”, páginas 94 e 95, há uma ampliação dos números. Proponha que analisem o quadro. Peça que contem quantos quadrinhos há na primeira linha e quantos há na segunda. Pergunte se observam regularidades nos números escritos na primeira coluna do quadro. Há regularidades nos números escritos na última coluna? Peça que preencham o quadro e observe como produzem as escritas numéricas. Circule pela classe e solicite que leiam algum número que tenham escrito. Comente que na atividade seguinte são apresentados recortes do quadro numérico e que

41


eles deverão preencher. As regularidades observadas ou socializadas na atividade anterior serão um apoio para o preenchimento dos quadrinhos. Explore a leitura dos números apresentados na página 95 e observe como fazem a leitura de números como 123 e 217 e as hipóteses que utilizam para realizar a tarefa. Faça intervenções como: 217 é maior que 200? É maior ou menor que 300? Então ele é da “família” dos duzentos. Que número então é esse? A seção “Fazendo medições” abordará situações relativas a medidas de comprimento, de massa, de temperatura e de capacidade. Verifique os conhecimentos prévios e o repertório dos alunos sobre medidas. Se eles indicarem instrumentos de medida convencionais, valide-os, porém atenha-se aos comentários sobre meios para realizar medidas com instrumentos não convencionais. Para a realização das atividades da página 96, explore a régua com as crianças. Faça perguntas sobre os números que estão registrados e os sinais. Quais as unidades de medida de comprimento que podemos observar em uma régua? Explore a foto e questione: Todos os alunos devem encontrar as mesmas medidas para preencher a tabela? E as medidas da própria mão, serão iguais para todos? Explique por que ocorrem padronizações para unidades de medida. Para realizar a atividade da página 97 sobre o “peso” de alguns animais e, em seguida, sobre o “peso” dos alunos, proponha comparações. Quem deve pesar mais: um gato ou uma galinha? Um gato ou um tamanduá? Como o peso do tamanduá é de aproximadamente 16 quilogramas, o que podemos falar sobre o peso de um gato? Para preencher a tabela sobre os pesos dos alunos, se houver uma balança na escola, faça uso. Caso contrário, peça que eles perguntem a um adulto em casa sobre o peso, se não souberem. Na página 98 há situações que envolvem dias da semana e temperaturas. Peça que observem o quadro e comentem quais informações eles podem obter. Socialize as discussões. O que significam as flechas existentes? Verifique se associam com temperatura máxima e temperatura mínima.

42


Se possível, traga para a sala de aula recipientes com informações sobre sua capacidade, como embalagens de refrigerante, de leite, de suco ou jarras graduadas. Apresente um recipiente com 1 litro de líquido. Proponha que realizem as atividades, peça que alguns leiam sua resposta e questione os demais alunos sobre a validade dela. A seção “O que está acontecendo?” explora situações do campo aditivo associadas à ideia de transformação, a qual envolve sempre questões temporais: há um estado inicial que sofre uma modificação e chega-se a um estado final. Explore com o grupo as ilustrações e peça que expliquem, oralmente, as alterações ocorridas. Em seguida, proponha que resolvam as situações; verifique como escrevem os números e se representam a sentença nove mais cinco igual a catorze com os símbolos matemáticos adequados. As situações que envolvem o conhecimento do estado final e do estado inicial ou do estado final e da transformação apresentam maiores dificuldades para os alunos. Observe como resolvem as situações das páginas 102 e 103 e faça as intervenções necessárias. Antes de iniciar as atividades, organize os alunos em círculo. Ofereça-lhes sólidos geométricos e alguns objetos como caixas e pirâmides, para que os manipulem e associem esses sólidos aos objetos. Peça a alguns alunos, um por vez, que escolham um sólido e o descrevam para que os colegas adivinhem sem vê-lo. Leia o texto e formule as questões, incentivando-os a observar as semelhanças entre as caixas. Comente que as “pontas” das formas geométricas são chamadas vértices e as superfícies planas dos sólidos são chamadas faces. Ao serem solicitadas para que respondam quantos vértices tem cada uma das formas, nessa faixa etária, as crianças podem indicar apenas os que podem ver. Se isso ocorrer, proponha que voltem a explorar as formas geométricas para que as contem e validem ou reformulem a resposta dada. Os alunos podem não empregar a nomenclatura “vértices” e “faces”; no entanto, é importante usar a linguagem correta para que eles, aos poucos, apropriem-se das denominações adequadas. Na seção “Desafios”, os alunos explorarão sequências numéricas, farão comparações entre números e resolverão problemas do campo aditi-

43


vo. Estipule um tempo para a resolução de cada problema e verifique as estratégias utilizadas, socializando diferentes procedimentos. Para a seção “Divirta-se”, peça que recortem os dados do encarte. Explore a planificação do dado e pergunte quais características observam nas figuras que a compõem: todas são iguais? Como eles farão para anotar os pontos? Que estratégias utilizam para obter a soma dos pontos das faces superiores dos dois dados? Fazem uso da sobrecontagem? Caso isso não ocorra, incentive-os a utilizá-la. É importante que você avalie as aprendizagens que estão ocorrendo e se as expectativas previstas estão sendo atingidas. Assim, você poderá planejar ou replanejar a continuidade do trabalho, verificando o que ainda precisa ser retomado ou devidamente aprofundado. Atividades complementares Enriqueça as atividades apresentadas no livro e proponha situações em que as crianças possam compartilhar opiniões sobre o que há de comum em objetos com forma de cubo e de paralelepípedo, explorando caixas poliédricas variadas e o dado e que as desenhem numa folha de papel, evidenciando as características que conseguiram perceber nessas formas. Propicie a oportunidade para que: • utilizem massa de modelar ou argila e reproduzam objetos que tenham superfícies arredondadas e/ou planas. • realizem medições relativas a comprimentos e capacidades, fazendo uso de medidas convencionais e não convencionais.

Unidade 5 Objetivos • Explorar as escritas numéricas. • Analisar, interpretar e resolver situações-problema, compreendendo alguns dos significados da adição e da subtração. • Construir fatos básicos da adição e da subtração com base em situações-problema, para constituição de um repertório a ser utilizado no cálculo. • Utilizar sinais convencionais (+, –, =) na escrita das operações de adição e de subtração. • Utilizar informações sobre o tempo por meio da exploração de calendários.

44


• Reconhecer grandezas mensuráveis – como comprimento e massa – e elaborar estratégias pessoais de medida. • Interpretar e fornecer instruções sobre movimentações, usando terminologia adequada.

Conteúdos • Realização de contagens e sobrecontagens. • Produção de escritas numéricas. • Análise, interpretação e resolução de situações-problema, compreendendo alguns dos significados da adição e da subtração. • Utilização de grandezas como o tempo, em situações cotidianas, como leitura de calendários. • Problemas do campo aditivo. • Resolução de problemas que envolvem as grandezas comprimento, massa e tempo. • Identificação da movimentação de objetos no espaço, com algumas indicações de direção e sentido.

Sugestões para uso das atividades e de atividades complementares Atividades Para iniciar a Unidade, leia o texto de abertura com os alunos e peça que explorem a ilustração. Comente o que eles aprenderão nesta Unidade e que os conteúdos matemáticos que conhecem serão utilizados para aprender outros e que a matemática está presente em muitas situações de nosso dia a dia. Faça as perguntas propostas e promova uma discussão de acordo com as respostas dadas pelas crianças. Antes de iniciar a seção “Calculando mentalmente”, solicite que façam a contagem oral de um em um e explore alguns fatos fundamentais da adição, como, por exemplo, que, ao somarmos 1 a um número, obtemos o sucessor desse número. Em seguida, leia o enunciado e peça que completem os quadrinhos, realizando adições em que uma das parcelas é 1. Para realizar as atividades, proponha, primeiramente, também oralmente, algumas questões do tipo: se 1 + 1 = 2, qual o resultado de 10 + 10? E de 100 + 100? Se 2 + 2 = 4, qual o resultado de 2 + 3? Se 6 + 7 = 13, qual o resultado de 7 + 6? Depois da realização das atividades, proponha outras adições que possam ser feitas com dezenas exatas ou com centenas exatas.

45


Nas atividades da página 117, peça que determinem o resultado da soma dos pontos obtidos em cada dado, contando ou realizando cálculo mental. Em seguida, peça que façam o registro das situações utilizando os símbolos matemáticos adequados, como + e =. A atividade das cartelas também propicia que as crianças elaborem cálculos mentais de duas parcelas que têm como resultado 10. Na seção “Fazendo cálculos”, as crianças serão incentivadas a resolver problemas do campo aditivo e a realizar cálculos escritos e mentais de subtrações. Para iniciar, peça que observem a ilustração e pergunte o que eles acham de que o texto vai tratar. Após a leitura, verifique se eles interpretam corretamente as informações contidas na tabela. Para isso, faça perguntas sobre as informações contidas na 1ª linha, como: O que representa o número 8? E o 2? E o 3? Explore oralmente a situação para que verifiquem o significado do 7. Peça que preencham a 2ª tabela. Estabeleça um tempo e chame alguns alunos para responderem como preencheram. Pergunte aos demais alunos se validam as respostas e, caso isso não ocorra, que expliquem por que não o fazem. Antes de propor a realização da atividade da página 119, explore as ilustrações e peça que comentem as duas situações. Em seguida, solicite que respondam às questões. Esteja atento para verificar se há crianças que ainda não leem autonomamente e que precisam de seu apoio ou de um colega na leitura para a compreensão do que é solicitado a fazer. Será apresentada a escrita matemática relativa a uma subtração. Explore os símbolos matemáticos. O cálculo mental e a escrita relativa a operações de subtração são explorados na atividade da página 121. Proponha que façam mentalmente situações como 8 –1, 10 – 1, 8 – 2, 10 – 2. Criar situações que possam ser resolvidas por uma operação indicada permite que os alunos compreendam o significado ou os significados associados a uma operação. Assim, na página 122, é solicitada a criação de uma situação que possa ser resolvida calculando, por exemplo, 18 – 3. Após o tempo que você estabelecerá

46


para que as crianças criem cada situação, peça a algumas delas que leiam o que produziram e pergunte às demais se consideram que a situação contempla o que foi solicitado. Em caso negativo, se sugerem alguma alteração no texto ou se o reformulam. Faça as intervenções que auxiliem na redação e na compreensão da situação proposta. A página 123 apresenta situações que permitem que as crianças façam subtrações por meio de decomposições, sem fazer uso do algoritmo convencional. Assim, para realizar 48 – 23, elas podem perceber que dos 48 devem retirar 20 e ainda retirar 3. Antes de iniciar a seção “Nosso dinheiro”, faça perguntas como: Quais moedas vocês conhecem? Quais fazem parte de nosso dinheiro? E as cédulas que fazem parte de nosso dinheiro, quais são? Proponha situações como: Quantas moedas de 25 centavos são necessárias para formar 1 real? E de 50 centavos? Proponha que observem as cédulas e moedas da página 124 e verifique se reconhecem o valor de cada uma delas. Socialize os comentários. Peça que contem quanto há de dinheiro nas cédulas apresentadas. Pergunte como elas podem fazer para contar as moedas do cofrinho de José Roberto. Socialize as estratégias e o resultado. Utilize as atividades das páginas 125, 126 e 127 para que as crianças explorem o cálculo mental, façam o registro de valores em reais e estabeleçam trocas que envolvem cédulas ou moedas.

47


Nas páginas 128 e 129, na seção “Contando o tempo” há uma sequência de atividades de uso do calendário, que tem acontecido ao longo do livro. Faça perguntas como: Quais meses do ano estão apresentados nos calendários? Quais são os meses do ano anteriores a julho? Ainda haverá meses após setembro? Quais são eles? Quantos dias tem o mês de julho? E o de agosto? E em setembro, quantos serão os dias?. Antes de as crianças preencherem os calendários, pergunte: Em que dia da semana teve início o mês de julho?, para que possam fazer o preenchimento do quadrinho relativo ao dia 1. Elas devem completar o preenchimento e responder às questões. Socialize as respostas. Leia com elas as anotações que Celina fez e peça que respondam às questões, que serão socializadas. “Movimentando a tartaruga” é uma seção que explora situações para que as crianças indiquem, oralmente, e por meio de desenhos, os percursos. Explore, no espaço escolar, percursos para que as crianças identifiquem o que significa virar à direita, à esquerda, ir em frente, para trás. A seção “Fazendo medições” explora situações de medida de comprimento, de massa e de tempo. Proponha situações, antes de iniciar as atividades, em que as crianças realizem medidas com passos, palmos e pés. Anote os resultados para que percebam que, para uma mesma situação, podem surgir números diferentes. Peça, em seguida, que, em grupos, realizem as medidas solicitadas e preen-

48


cham as tabelas. Socialize os resultados pedindo que, para cada situação, um grupo apresente os resultados e que eles verifiquem que os números não serão, necessariamente, os mesmos que os outros grupos obtiveram. As atividades que exploram as grandezas de tempo fazem uso de tabelas. Aproveite para solicitar que as crianças façam a leitura dos números presentes nas tabelas. Verifique se identificam o que cada uma delas traz de informações. Socialize as observações que as crianças fizerem. Na tabela relativa ao peso dos animais, pergunte: Os valores estão apresentados em ordem crescente ou decrescente? Complemente a atividade com perguntas como: A gestação de uma fêmea de esquilo é de 1 mês e 14 dias. Quantos dias correspondem a esse período? Inicie a seção “Desafios” solicitando que, individualmente, resolvam os problemas. Verifique os conhecimentos prévios relativos a situações do campo multiplicativo associadas à ideia de proporcionalidade. As crianças, em sua maioria, devem resolver as situações por adições de parcelas iguais. Circule pela classe observando as diferentes estratégias e socialize as que forem mais interessantes para uma ampliação do repertório das crianças na resolução de problemas. A seção “Divirta-se” trata de um jogo que permite explorar o cálculo mental e as escritas de adições. Leia com as crianças as regras e verifique se houve compreensão.

49


Ao final da Unidade, analise os registros que você faz sobre o desempenho das crianças. Verifique quais expectativas de aprendizagem foram atingidas e aquelas que terão necessidade de serem contempladas na continuidade do trabalho. Atividades complementares Proponha às crianças: • realizar experimentações de medidas de um dado comprimento com seus palmos e pés e descobrirem que o resultado depende do tamanho dessas unidades de medida, e que tal fato traz alguns problemas de comunicação. • medir sua massa (popularmente peso), ou a massa de alguns objetos, como sua mochila com material, para saber se estão compatíveis com o que é possível carregar, por exemplo. • observar a sucessão das horas em determinado dia, a sucessão dos dias da semana e dos dias do mês, sendo capazes de reconhecer unidades de medida de tempo como hora, dia, mês, ano, identificando instrumentos como calendários e relógios.

Unidade 6 Objetivos • Explorar as escritas numéricas. • Analisar, interpretar e resolver situações-problema, compreendendo alguns dos significados da multiplicação, como proporcionalidade e configuração retangular. • Utilizar sinais convencionais (×, =) na escrita da operações de multiplicação. • Reconhecer grandezas mensuráveis – como comprimento, massa e capacidade – e alguns instrumentos para medir essas grandezas. • Interpretar tabelas simples e gráficos de colunas.

Conteúdos • Produção de escritas numéricas. • Análise, interpretação e resolução de situações-problema, compreendendo alguns dos significados da multiplicação. • Resolução de problemas que envolvem as grandezas comprimento, massa e capacidade.

50


• Leitura e interpretação de dados apresentados em tabelas simples. • Leitura e interpretação de dados representados por gráficos de colunas.

Sugestões para uso das atividades e de atividades complementares Atividades Uma vez mais, inicie a Unidade pela leitura do texto de abertura e peça aos alunos que façam a exploração da ilustração. Comente o que eles aprenderão nesta Unidade e faça as perguntas propostas. Inicie a seção “Aventuras no parque”, com problemas do campo multiplicativo que envolvem a ideia de proporcionalidade, perguntando se as crianças já foram a um parque. O que há em um parque? De qual brinquedo elas mais gostaram? Proponha contagens de dois em dois, de três em três, de quatro em quatro e outras. Solicite que as crianças explorem cada uma das ilustrações e preencham as tabelas. Provavelmente, elas utilizarão as ilustrações para chegar aos resultados. Socialize e discuta os procedimentos adotados e verifique se perceberam a proporcionalidade de cada situação, entre elas: se 1 carrinho corresponde a 2 crianças, então 2 carrinhos correspondem a 4 crianças, 3 carrinhos correspondem a 6 crianças; os alunos devem estabelecer a relação entre quantidade de carrinhos e quantidade de crianças. Na atividade que envolve os aviõezinhos, se 1 aviãozinho corresponde a 4 pessoas, 2 aviõezinhos correspondem a 8 pessoas, ..., estabelecendo uma relação entre quantidade de aviõezinhos e quantidade de pessoas. Observe as estratégias de resolução que utilizam. Convide algumas crianças para mostrarem seus procedimentos na lousa, discuta-os com o grupo e verifique se validam as soluções ou não. São apresentadas escritas que relacionam a adição de parcelas iguais com a multiplicação. Pergunte se já viram escritas como 3 × 4 e se sabem fazer a leitura. O que o símbolo × representa? Faça a leitura do texto e

51


peça que preencham os quadros com escritas multiplicativas que equivalem às escritas aditivas. As atividades da página 147 tratam de problemas do campo multiplicativo que envolvem a ideia de configuração retangular. Peça que os alunos determinem o número de doces em cada uma das ilustrações, observando como obtêm os resultados. Se não surgirem estratégias que contemplem uma multiplicação, reproduza na lousa os procedimentos que envolveram a contagem, por exemplo, das queijadinhas de três em três, e faça intervenções para que associem a escrita aditiva com a multiplicativa vista na atividade anterior. Assim, eles poderão preencher a tabela indicando multiplicações. Leia com os alunos o texto inicial da primeira atividade da seção “Lendo tabelas simples e gráficos de colunas”. Comente a importância da organização dos registros para a interpretação de dados. Solicite que leiam o quadro e pergunte: Quais dados e informações podemos obter? Há outra possibilidade para apresentar essas mesmas informações? Faça questionamentos sobre as informações presentes no quadro, como, por exemplo: Qual animal obteve mais votos? Quantos votos ele obteve? Peça que respondam às questões e construam o gráfico de colunas com os dados da tabela. Solicite que leiam o texto de introdução às atividades da página 149 e faça, em seguida, questionamentos sobre as informações representadas no gráfico. Pergunte, por exemplo, quantos livros foram retirados na

52


segunda-feira. Explore também a sequência dos dias da semana apresentados e pergunte, por exemplo, por que não estão indicados o sábado e o domingo. Peça que respondam à questão e preencham a tabela. Observe se eles fazem a leitura correta das quantidades incluídas no gráfico. Socialize os resultados. As atividades das páginas 150 e 151 apresentam, com base em uma tabela ou em um gráfico, situações que utilizam as informações representadas. São solicitadas informações que estão explícitas na tabela ou no gráfico, como, por exemplo, ao ser solicitado o dia da semana em que houve o maior número de visitantes (p. 150) ou o esporte que teve menor votação (p. 151) – Leitura dos dados, assim como informações que podem ser obtidas a partir da leitura de informações contidas na tabela ou no gráfico, como, por exemplo, ao ser solicitada a diferença entre o resultado da votação no basquete e na natação (p. 151) – Leitura entre os dados. Inicie a seção “Unidades, dezenas e centenas” com uma leitura do texto em que é proposta uma situação que estabelece trocas de 10 fichas azuis, cada uma correspondendo a uma unidade, por uma ficha vermelha, que corresponde a uma dezena. Explore com as crianças o significado das palavras dezenas e centenas. Dê um tempo para que respondam às questões em que algumas envolvem situações do campo aditivo e socialize os procedimentos e os resultados.

53


Dê continuidade às atividades da seção, fazendo a leitura, em voz alta, dos textos com os alunos. Verifique se eles compreendem e identificam o que está sendo solicitado em cada questão. Não esqueça de explorar a leitura e a escrita dos números utilizados. Inicie as atividades da seção “Fazendo medições”, explorando as ilustrações e perguntando aos alunos quais são os instrumentos de medida mostrados. Para que servem? O que eles medem? Peça que respondam à questão e socialize as respostas. Antes de propor a resolução da atividade que se encontra à página 159, promova uma conversa e faça perguntas como: Quanto será que é a altura de uma casa, ou a temperatura de um dia quente ou de um dia frio; qual o tempo de duração de um jogo de futebol; e o tempo que eles permanecem na escola; qual o peso de um cachorro, e da mochila. Peça que realizem a atividade proposta e socialize os resultados. Utilize a fita métrica ou uma escala na parede, para que eles realizem a medida da altura dos colegas e façam o registro na tabela existente na página 160. Verifique se diferenciam as unidades de medida metro e centímetro e quais os procedimentos que usam para fazer as comparações entre as alturas. A atividade seguinte explora unidades de medida de massa e de capacidade. Se possível, providencie ou peça que as crianças tragam embalagens para que tenham ideia do que é, por exemplo, 1 litro ou 500 gramas. A seção “Calculando mentalmente” propõe que as crianças possam calcular, por exemplo, 80 + 70, fazendo associação com a adição de 8 e 7,

54


ou que encontrem o resultado de 580 – 80, comparando com o resultado de 58 – 8. Faça inicialmente perguntas como: Se você sabe que 3 + 5 = 8, qual o resultado de 30 + 50?, ou se você sabe que 7 – 4 = 3, qual o resultado de 70 – 40? Em seguida, são exploradas situações para que elas encontrem o resultado de adições em que uma das parcelas é 9 ou 19, por estratégias como: Para somar um número a 9, você pode somar 10 e, em seguida, tirar 1. E o que fazer para somar um número com 19? Os “Desafios” exploram situações do campo aditivo e do campo multiplicativo. Proponha que as crianças as resolvam individualmente e, num segundo momento, formem duplas ou trios para discutir as estratégias utilizadas. Finalmente, promova a socialização de estratégias que você considerou interessantes e dos resultados obtidos. A seção “Divirta-se” apresenta o Jogo da velha. Faça a leitura dos procedimentos e chame dois alunos para jogarem na lousa, para que os outros que não estão familiarizados com o jogo possam verificar em que consiste o jogo. Circule, em seguida, pela classe e observe se os alunos colocam as peças de forma arbitrária ou se analisam as jogadas já executadas e as possíveis jogadas que o adversário poderá fazer. Atividades complementares Para complementar as atividades do livro, proponha às crianças que: • recortem de jornais e revistas tabelas e gráficos “parecidos” com os trabalhados em sala de aula e procurem interpretá-los. • leiam e localizem dados apresentados em tabelas simples e também em gráficos de colunas, mesmo que ainda não façam uso de nomenclaturas, e organizem tabelas simples para registrar observações realizadas. • representem em gráficos de colunas os resultados de determinadas observações realizadas.

55


Unidade 7 Objetivos • Explorar as escritas numéricas. • Analisar, interpretar e resolver situações-problema, compreendendo alguns dos significados da adição, da subtração e da multiplicação. • Utilizar sinais convencionais (+, –, ×, =) na escrita das operações de adição, de subtração e de multiplicação. • Utilizar informações sobre o tempo por meio da exploração de calendários. • Reconhecer figuras poligonais como triângulos e quadriláteros.

Conteúdos • Produção de escritas numéricas. • Análise, interpretação e resolução de situações-problema, compreendendo alguns dos significados da adição, da subtração e da multiplicação. • Utilização de grandezas como o tempo, em situações cotidianas, como leitura de calendários. • Problemas dos campos aditivo e multiplicativo. • Identificação de polígonos como quadriláteros e triângulos.

Sugestões para uso das atividades e de atividades complementares Atividades A leitura do texto de abertura com os alunos e a exploração da foto ou ilustração, seguida de comentários sobre os conteúdos matemáticos que serão abordados na Unidade e das perguntas a serem feitas devem dar início ao trabalho. Na seção “Calculando mentalmente” são apresentadas adições e um exemplo, 32 + 25, em que há decomposições para a obtenção do resultado. Peça que as crianças interpretem o que foi realizado e pergunte se validam ou não o procedimento. Se necessário, comente que a decomposição como a do exemplo não é única, que o resultado poderia ser obtido fazendo 32 + 20 e, ao resultado obtido, se adicionaria 5. Proponha situações

56


na lousa e, em seguida, peça que resolvam as adições. Poderão surgir outras estratégias. Circule pela classe acompanhando os procedimentos e socialize dois ou três que considerar interessantes e que permitam uma ampliação do repertório das crianças. Em seguida, são propostas situações para que eles se aproximem do algoritmo convencional e compreendam, com base na atividade anterior, o significado de cada passo efetuado. A seção “Fazendo cálculo com papel e lápis” apresenta situações para, mais uma vez, serem exploradas decomposições, como, por exemplo, 38 = 30 + 8 e 25 = 20 + 5 para o cálculo de adições. Explore com as crianças as situações por meio de cálculos escritos e utili-

zando cálculos mentais. São propostas situações que envolvem subtrações. Peça que elas realizem as operações e observe as estratégias utilizadas, propondo a dois alunos que relatem como pensaram. Há atividades para que os alunos percebam que, para realizar a adição com três parcelas, podem escolher duas delas e o resultado será adicionado à parcela que não foi usada no primeiro momento. Peça que resolvam a adição 2 + 17 + 8 para, em seguida, solicitar que observem o exemplo em que José Roberto optou por fazer 2 + 8, para, posteriormente, adicionar 10 a 17. Por que ele utilizou essa estratégia? Comente que é mais simples obter o resultado de 2 + 8. Solicite que realizem

57


as operações indicadas, estipule um tempo e socialize os resultados e alguns dos procedimentos utilizados. A seção “Contando o tempo” propõe o preenchimento dos calendários relativos aos meses de outubro, novembro e dezembro. Faça perguntas como: Quantos são os meses do ano? Quais são eles? Peça que localizem em que dia da semana caiu ou cairá o dia 1º de outubro, para que eles completem os três quadros. Solicite que respondam às questões e justifiquem a resposta à pergunta: Em que dia da semana vai cair o dia 1º de janeiro do próximo ano? Verifique se identificam que, após o mês de dezembro, virá o mês de janeiro. Explore outros períodos do ano, como bimestre e trimestre. Solicite que observem a tabela da página 180 sobre o tempo de vida dos animais. Pergunte quais informações podem ser obtidas. Em seguida, peça que respondam às questões e socialize as respostas. Inicie as atividades da página 181 pedindo que observem as ilustrações e que comentários eles podem fazer com base nelas. Explore o relógio com ponteiros e faça perguntas como: Que informações eu posso obter ao localizar a posição do ponteiro menor? E do ponteiro maior? “Contornando as faces das caixas” é uma seção que explorará as figuras poligonais usando sólidos geométricos. Leve caixas para a sala de aula para que os alunos façam contornos de caixas como as crianças que aparecem nas ilustrações. Você poderá utilizar outras caixas que

58


não tenham somente o formato de blocos retangulares. As figuras obtidas são polígonos. No caso das mostradas na página 182, são quadriláteros. Explore algumas características dos quadriláteros, como as medidas dos lados. Peça que observem os cantos de alguns quadriláteros, que são retos. Portanto, esses quadriláteros são retângulos. E que entre todos os retângulos existem aqueles que têm também os quatro lados com mesma medida e, portanto, temos os quadrados. Serão necessários palitos ou canudinhos para realizar a atividade seguinte. Proponha que desenhem um polígono com seis lados e faça perguntas como: A figura poderia ter um aspecto diferente, mesmo tendo seis lados? Em seguida, são propostas atividades para explorar os quadrados, os retângulos e os triângulos e, em continuidade, planificações das superfícies de alguns sólidos, como paralelepípedos, pirâmides e cilindros. É importante que as crianças visualizem e manipulem os sólidos geométricos para que observem semelhanças e diferenças. Assim, providencie planificações para o desenvolvimento das atividades. Na seção “Resolvendo problemas” são propostas situações do campo multiplicativo associadas à ideia de configuração retangular. Solicite que explorem as ilustrações e resolvam como acharem conveniente. Circule pela classe e verifique se algum aluno resolveu por meio de uma multiplicação. Socialize os procedimentos e, caso algum aluno tenha resolvido por meio de uma multiplicação, inclua-o no grupo dos que devem expor. Explore o texto sobre frutas, verduras e legumes e incentive-os a ter uma alimentação saudável. Na seção “Desafios”, são exploradas escritas numéricas com ampliação dos quadros, comparação de números e situações do campo aditivo. Explore as situações, não esquecendo de propor que eles façam os cálculos mentalmente e utilizem registros escritos ou calculadoras para validar os resultados. A seção “Divirta-se” usa o jogo Pega-varetas, por ser possível explorar o cálculo mental para a contagem dos pontos. Circule pelos grupos para

59


verificar como fazem os cálculos para a obtenção dos pontos de cada participante. Discuta estratégias e como estabelecer o agrupamento de varetas para facilitar o cálculo dos pontos.

Atividades complementares Complemente as atividades apresentadas no livro, propondo às crianças que: • desmontem caixas e observem os polígonos obtidos. • elaborem situações para exploração de cálculo mental e que validem ou não os resultados com o uso da calculadora.

60


Unidade 8 Objetivos • Explorar as escritas numéricas. • Analisar, interpretar e resolver situações-problema, compreendendo alguns dos significados da adição e da subtração. • Construir fatos básicos da adição e da subtração com base em situações-problema, para constituição de um repertório a ser utilizado no cálculo. • Utilizar sinais convencionais (+, –, =) na escrita das operações de adição e de subtração. • Utilizar informações sobre o tempo por meio da exploração de calendários. • Reconhecer grandezas mensuráveis – como comprimento e massa – e elaborar estratégias pessoais de medida. • Interpretar e fornecer instruções sobre movimentações, usando terminologia adequada.

Conteúdos • Realização de contagens e sobrecontagens. • Produção de escritas numéricas. • Análise, interpretação e resolução de situações-problema, compreendendo alguns dos significados da adição e da subtração. • Utilização de grandezas como o tempo, em situações cotidianas, como leitura de calendários. • Problemas do campo aditivo. • Resolução de problemas que envolvem as grandezas comprimento, massa e tempo. • Identificação da movimentação de objetos no espaço, com algumas indicações de direção e sentido.

Sugestões para uso das atividades e de atividades complementares Atividades Inicie a atividade solicitando que analisem a foto. Comente os conteúdos que serão estudados na Unidade e faça as perguntas propostas. Incentive-os a comentar os esportes que conhecem e gostam de praticar. Relacione a prática de esportes à aquisição de vida mais saudável.

61


A seção “Resolvendo problemas” apresenta inúmeras situações dos campos aditivo e multiplicativo associadas às diferentes ideias. Leia com eles cada problema e determine um tempo para que resolvam. Em seguida, socialize e discuta as respostas obtidas, apresentando, sempre que possível, pelo menos, duas estratégias diferentes. É comum os alunos utilizarem desenhos ou esquemas para resolver problemas. Verifique se apresentam a resposta numérica depois de desenharem ou fazerem os esquemas.

62


Explique que, para uma divisão ser igualitária, todos devem receber a mesma quantidade e não deve haver sobra. Há problemas que são do campo aditivo e do campo multiplicativo. Verifique as estratégias que os alunos utilizam e, se for necessário fazer intervenções, proponha que façam um desenho que represente a situação. Socialize e valide os procedimentos. Inicie a seção “Brincando com o tangram” oferecendo às crianças tangrans para que brinquem livremente. Em seguida, conte a história do surgimento do quebra-cabeça. Proponha que resolvam as situações e peça que algumas crianças apresentem as soluções e os co-

63


mentários sobre os procedimentos utilizados. Pergunte às demais se validem ou se propõem alterações ou reformulações nos comentários e nos procedimentos usados. A seção “Resolvendo problemas” apresenta mais situações que podem ser trabalhadas seguindo as mesmas orientações dadas na página para outra seção com apresentação de problemas. Antes de iniciar a seção “Nosso dinheiro”, distribua “cédulas” para que as crianças brinquem e reconheçam os valores de cada uma delas. Promova contagens dos valores, oralmente, e peça que façam trocas. Em seguida, solicite que resolvam os problemas propostos. Circule pelos grupos ou duplas e peça que leiam os valores ou que representem valores que você propuser. Os “Desafios” podem ser propostos para serem resolvidos individualmente e socializados em seguida. A sessão Divirta-se apresenta o jogo Tangram em forma de coração. Solicite aos alunos que, com a ajuda de um adulto, recortem as peças e tragam para a sala de aula no dia marcado. No primeiro momento, eles devem explorar as diferentes peças do jogo e, em seguida, proponha que montem as figuras propostas.

64

Nosso Livro de Matematica 2  

Livro de Matemática 2º ano

Nosso Livro de Matematica 2  

Livro de Matemática 2º ano

Advertisement