Issuu on Google+

Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 1


2 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 3


4 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 5


6 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 7


8 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 9


Sumário

Ficha Técnica Modelo: Luana Andrade Maquiagem: Laíza Veríssimo - Yes Cosmetics - Pres. Venceslau Fotografia: Fábio Guedes Locação: Haras Boa Esperança Capa/Criação: Grupo WB Comunicação Produção: Nathália Oliveira Look: Selaria Yandu Agradecimentos: Murilo Nunes, Maycon e Rose.

44 - Salmão assado com azeite aromatizado e raspas de mexerica do Brewer Chef Daniel Magri

56 - Tendências em maquiagem para o verão 2017

60 - Pai e filho atuam na direção do Bar do Burrão 62 - Conheça as vantagens do Cartão Consignado para funcionário público estadual 64 - Eletro Força Ferramentas agora é Concessionária Stihl 28 - Especial Faive Uma Jovem Senhora Festa 36 - Leilosul promove leilões de sucesso na Faive há 21 anos 38 - Daniel fez ao lado de João Paulo o show de maior público da Faive 42 - Barraca do Zé Pinto está presente na Faive há 33 anos

Educação e Arte 68 - Família Chuba - Educação no DNA

15 - A febre do Jogo Pokémon 18 - Síndrome do Pensamento Acelerado

20 - Anastaciana Isabele Benito brilha no comando do telejornal SBT Rio 24 - Os 20 anos da Maitê 40 - As beldades da Faive 2016 50 - Social do Baile do Advogado 52 - Donna é inaugurada em Venceslau

70 - Corpo & Cia oferece Ballet, Zumba, Sapateado e Fitness para adultos 74 - Saiba o que é Linfoma de Hodgkin 76 - Microagulhamento: conheça o tratamento 78 - Câncer de Boca e Garganta 86 - Método Skinny, um novo conceito na redução de gordura corporal

Reportagem Especial 93 - Os Sanguessugas da Santa Casa

10 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 11


Expediente

Q

ual de nós que não tem uma história com a Faive? A principal feira agropecuária da região Oeste do Estado comemora neste ano a quadragésima edição e durante esse período marcou a vida de muitas gerações. Particularmente, tenho ótimas recordações deste evento. Quando ainda criança, me lembro da companhia de minha mãe e família no parque de diversões e ansioso para ter a famosa ‘bola da Faive.’ O tempo passou e logo na minha vida profissional a feira passou a ser sinônimo de muito trabalho e ao mesmo tempo, muita alegria. Foi nela que pude conhecer muitas pessoas, ampliar contatos, entrevistar artistas famosos, apresentar grandes shows e participar de alguma forma da história da feira. Mas tudo isso ganhou uma nova perspectiva desde o ano de 2015, quando passei a dirigir minha equipe para produzir uma revista especial da Faive. E a responsabilidade é grande. Para o exemplar deste ano buscamos apresentar a história do surgimento da feira e alguns dos muitos momentos marcantes do evento. Um deles é o show considerado recorde de público na Faive, ocorrido em 1994 com a dupla João Paulo e Daniel. O cantor foi procurado pela Revista Foco e disse guardar um carinho especial pela feira e cidade venceslauense. A famosa barraca do Zé Pinto, conhecida como ‘redondo’, funciona na Faive há mais de três décadas e tem o proposito social de arrecadar recursos em prol do Abrigo de Velhos da cidade. Em uma matéria especial apresentamos um pouco mais dessa história. O tema Faive é muito amplo e além dessas matérias citadas acima, apresentamos outros assuntos relacionados à feira mais charmosa da região. Os editoriais de saúde, negócios e finanças, comportamento, moda, educação, entre outros também estão especiais. Aproveito a oportunidade para cumprimentar todos os venceslauenses e parabenizar a cidade pelos 90 anos de história.

Obrigado. Boa leitura. Wagner Bueno Diretor Geral.

12 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

CNPJ 19.899.613/0001-30 R. Davina Leal Pereira, 282 Jd. Arantes - Presidente Venceslau/SP Fone: (18) 3272 1625 grupowbcomunicacao@gmail.com @Rev.Foco

Direção Geral: Wagner Bueno Direção de Arte e Diagramação: Grupo WB Comunicação Direção de Fotografia: Fábio Guedes Assistente de Jornalismo: Aline Camargo Colaboração: Gabriel Tibaldo Diagramação: Yasmin Eloá Oliveira Publicidade/Criação: Homero Bueno Jornalista Responsável: Nathália Augusto Oliveira Bueno MTB: 49.518/SP Tiragem: 1500 exemplares Circulação: Presidente Venceslau, Presidente Epitácio, Santo Anastácio, Presidente Prudente, Piquerobi, Caiuá, Marabá Paulista. *As opiniões expressas nos artigos assinados, publicidade e informes publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Produção:

Use o QR Code e leia a Revista Foco pela internet


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 13


14 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Comportamento

A febre do Jogo Pokémon Jovens e adultos aderem caça em praças e ruas

O

Texto e fotos: Gabriel Tibaldo

jogo da vida real chegou ao Brasil. Andar pelas ruas à procura de personagens através de dispositivos móveis, passou de ficção para a realidade. O game Pokémon Go ganhou vários adeptos em poucas semanas. Capturar elementos e liderar ginásios são alguns objetivos dos jogadores. Não importa a idade, qualquer um pode disputar. Em Santo Anastácio ainda não foram instalados os pokéstops, que são pontos de coleta de pokébolas para capturar pokémons, mas mesmo com a precariedade, os jogadores dão um jeito de ir para as cidades vizinhas que possuem os centros. O estudante Pedro Sierra Alves, 21, joga desde o lançamento e tem só um objetivo: conseguir os 151 elementos ou pelo menos parte deles que estão disponíveis no país. Para ele, além do problema da falta de pokéstops na cidade, outro obstáculo é a ausência de ginásios. “Costumo pegar em um ponto da

Fomos para outra cidade para capturar o maior número possível de Pokémons” Pedro Sierra

universidade em que estudo em Presidente Prudente”, afirma. A necessidade falou mais alto quando Pedro e um grupo de amigos se deslocaram para outro município com um propósito diferente. “Fomos para outra cidade e caminhamos vários quilômetros para capturar o maior número possível de Pokémons e pokébolas”, diz. O jogador Pedro Henrique Vaz da Silva Santos, 19, já possui mais 100 “monstrinhos” não repetidos, incluindo alguns raros. De acordo com ele, mesmo sendo precário é possível capturar em Santo Anastácio. “Na cidade tem alguns, mas para conseguir os bons é preciso ir para cidades próximas”, fala. Psicologia explica

O sucesso de Pokémon Go, conforme a psicóloga Bruna Sisa da Silva, 23, está na forma com que os jogadores são premiados, ou seja, é emitido um reforço aplicado com Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 15


Comportamento

Para um autista, ou uma pessoa com depressão, se o jogo os fizer saírem de casa, é muito válido” Bruna Sisa, Psicóloga

recompensas do game que faz com que as pessoas sintam-se cada vez mais motivadas para continuar a jogar. “Na psicologia isso é chamado de reforço intermitente, que promove a manutenção do comportamento do indivíduo em jogar”, diz. A psicóloga também fala que o game tem o lado positivo, pois permite que os jovens saiam do sedentarismo social e se desloquem para lugares públicos, além disso, promove a interação social, que é marcada pelo encontro de grupos que estão em busca de um objetivo em comum. “Para um autista, ou uma pessoa com depressão, se o jogo os fizer saírem de casa, é muito válido”, ressalta. Porém, o exagero pode ocasionar sérios

16 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

riscos. Bruna diz que o primeiro deles é o vício, devido a proporção de prazer gerada pelo aplicativo. “Um indício disso é quando uma pessoa deixa de fazer suas atividades rotineiras consideradas importantes para se dedicar ao jogo, por exemplo”. Outro problema é o aumento de acidentes, por causa do alto nível de concentração na tela do celular. “Isso pode gerar riscos de quedas, atropelamentos e ainda roubos, devido à falta de atenção ao que se passa ao redor, ou seja, o jogador deixa de estar vigio ao ambiente”, conta a psicóloga. Cuidados

O Detran-SP orienta que os motoristas

procurem outras alternativas para achar Pokémons, já que o número de colisões e choques por conta da distração é um dos principais motivos dos acidentes no trânsito. Pesquisas mostram que usar o celular enquanto dirige prejudica tanto nossa capacidade de perceber e evitar perigos no trânsito como dirigir alcoolizado. O departamento ainda ressalta que a atenção para os pedestres também deve ser redobrada, já que jamais devem jogar enquanto atravessam a rua. No Estado de São Paulo, um em cada quatro mortos por acidente de trânsito são pedestres, segundo dados do Observatório Paulista de Trânsito, do Detran.SP.


Comportamento

Síndrome do Pensamento Acelerado

M

uitos pensam que o mal do século é a depressão, mas na verdade existe algo mais grave que muitas vezes passa despercebido: a Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA), que foi denominada e vem sendo estudada pelo psiquiatra, Dr. Augusto Cury. Hoje provavelmente atinge mais de 80% dos indivíduos de todas as idades, mas principalmente adultos que trabalham em ambientes que exijam constante atenção. Nesta sociedade fast-food, onde tudo é rápido e pronto, alteramos perigosamente o ritmo da construção do pensamento. A grande quantidade de informações às quais somos submetidos são responsáveis por sobrecarregar nosso cérebro e saturar nosso córtex. Pessoas com este tipo de interferência cerebral, digamos assim, tendem a ser também mais estressadas, impacientes e intolerantes. Em função do cotidiano, os indivíduos adquiriram características de pessoas “hiperpensantes”, devido ao excesso de compromissos, exagero de informações recebidas e da carga emocional desgastante. Esse excesso proporciona o desenvolvimento de novas doenças e condições mentais que

CURY, Augusto. Ansiedade: como superar o mal do século: a síndrome do pensamento acelerado:como e por que a humanidade adoeceu coletivamente, das crianças aos idosos.1 ed- São Paulo: Saraiva, 2014.

18 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

estão diretamente relacionados com o nosso atual estilo de vida. As pessoas mais vulneráveis geralmente são aquelas que trabalham em locais que exigem constante atenção, nos quais é preciso lidar com metas e prazos e que estão aliados a uma série de responsabilidades e compromissos, sendo avaliados constantemente por conta das suas obrigações, como professores, escritores, jornalistas e profissionais da saúde. Entre as características da SPA, podemos citar sensações persistente de apreensão, dificuldade de memória, déficit de concentração, fadiga, irritabilidade e sono alterado. Além disso, permanece com a sensação constante de que 24 horas não são suficientes para realizar todas as atividades que necessita. O esgotamento mental é também convertido em cansaço, pois a alta atividade cerebral acaba sequestrando energia de outros órgãos. É importante ressaltar que pessoas com SPA possuem a consciência de que é necessário reduzir a velocidade de seus pensamentos. Contudo, mesmo tentando, não conseguem reduzir a intensa atividade

à qual estão submetidos. Há professores com déficit de memória intenso, porque não administram sua psique adequadamente, o cérebro deles bloqueia a memória para pensar menos e poupar energia. Para driblar os malefícios da síndrome é necessário adotar medidas que reduzem o ritmo frenético da vida cotidiana, caminhar, ler um bom livro, tocar um novo instrumento, praticar esporte, andar de bicicleta, encontrar os amigos ou outras atividades lúdicas que atuem como uma distração sensorial. Somos rápidos em responder, mas não questionamos nossas convicções antes de falar. Não refletimos sobre o que é prioridade em nossa vida. Precisamos aprender a gerenciar nosso tempo, nossa rotina, nossos pensamentos e emoções. Tudo isso possibilita que a mente se distraia de si mesma e não corra o risco de se consumir. Esse desvio de foco mental auxilia na suavização dos pensamentos e em sua desaceleração, permitindo que o indivíduo assuma uma postura mais tranqüila, tornando sua qualidade de vida saudável perante as intempéries da vida.

Psicóloga: Suédia Perosso de Souza

CRP: 06/58339 Atendimento Psicológico Online: suediapsps.wixsite.com/orientame Consultório: Bernardino de Campos, 832- Vila Baruta whatssAp: (18) 997128099. Email: orienta.me@hotmail.com


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 19


Gente em Foco

Anastaciana Isabele Benito brilha no comando do telejornal SBT Rio

Entrevista exclusiva para a Revista Foco revela personalidade da jornalista

Por Gabriel Tibaldo Foto: Arquivo Pessoal

P

rofissionalismo, competência e credibilidade são algumas características da apresentadora do SBT Rio, Isabele Benito. Filha de Lourdes Ribeiro Benito e Silvestre Benito, a jornalista mantém uma relação direta com o público. Nascida no dia 25 de julho de 1980 na cidade de Santo Anastácio e formada em jornalismo pela Unoeste de Presidente Prudente em 2001, já teve várias experiências no ramo jornalístico, mas o veículo que lhe encantou foi a TV, talvez por causa de seu jeito espontâneo e curioso. A mãe do pequeno Eduardo leva todos os dias informações para a região carioca e não tem medo de dar “dedo na cara” para defender valores e lutar contra irregularidades. Desde janeiro de 2013, Isabele comanda a apresentação do jornal que alcançou a viceliderança de audiência no Rio de Janeiro. O segredo do sucesso está no amor pela profissão. Isabele que chegou a trabalhar como repórter na TV Fronteira, afiliada Rede Globo em Presidente Prudente, disse que apesar de ter saído da região há muito tempo, sempre está por dentro dos assuntos que acontece no cotidiano regional. “É a minha terra e tenho muito orgulho dela”, diz. Ela é a primeira mulher a comandar o telejornal SBT Rio, e vence obstáculos com o trabalho. Leia entrevista abaixo entrevista em que Isabele fala de sua trajetória profissional.

Devo muito aos meus pais que sempre me incentivaram em todas as decisões” Isabele Benito

Quando criança você tinha um programa gravado em fitas K7 no qual você apresentava, cantava e fazia notícias. Foi nesse momento que você descobriu o jornalismo?

Acho que sim, meu presente favorito era microfone, tudo virava microfone na minha mão, mas não imagine uma criança super desinibida não, eu era mega tímida e toda essa brincadeira era sozinha, se chegasse alguém eu parava na hora. Era eu, o rádio e o meu quarto. Minha mãe me colocou logo cedo em aulas de piano para tentar quebrar minha timidez, acho que deu certo. Devo muito aos meus pais que sempre me incentivaram em todas as decisões por mais difícil e impossível que elas parecessem.

Como estagiária, uma de suas primeiras experiências foi na produção da TV Fronteira. Como foi esse desafio?

Nossa que desafio!!! Foi isso mesmo, tive sorte de encontrar no meu caminho gente que me ensinou a profissão na prática. Produção para mim sempre foi uma das áreas mais árduas da profissão, mas não foi só produção, aprendi a fazer reportagem, edição, enfim tudo 20 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


por lá. É claro, muita coisa mudou desde então, mas essa experiência foi a base para toda minha carreira. No telejornalismo você começou trabalhando na TV Cabo de Santo Anastácio e logo após começou a estagiar na TV Fronteira. Em qual momento você decidiu que iria seguir carreira?

Acho que depois que pisei em uma redação de TV nunca me vi em outro lugar. A nossa profissão mudou muito e as novas tecnologias vieram para agregar. Mas como uma colega me disse uma vez, sou “bicho” de TV. Sou viciada em assistir televisão, amo fazer televisão e pretendo fazer toda minha carreira em TV. Você foi setorista da Bolsa de Valores pelo Canal Rural, RBS na BM&F Bovespa em uma época complicada na crise econômica. O que você pôde levar de aprendizado com essa experiência?

Nossa... ser setorista em economia dentro da maior bolsa do país na época em que ainda existia pregão viva voz (com operadores dentro da bolsa) foi uma super experiência para a minha trajetória. Eu estudava dia e noite. Cobrir bolsas do mundo todo e falar sobre economia especializada o dia inteiro pode parecer um pouco entediante, mas pelo contrário, é uma emoção a cada minuto. O bordão “dedo na cara” é uma característica sua, na qual você aponta irregularidades e injustiças. Como surgiu?

Na verdade surgiu sem pretensão alguma, uma colega editora me disse que quando eu ficava muito indignada no ar eu mexia muito as mãos, foi então que ela falou “dá logo um dedo na cara”. No outro dia tinha uma reportagem em que um prefeito da baixada fluminense gastou uma “dinheirama” com um show de um cantor da moda enquanto numa creche municipal as crianças dividiam maçã por falta de alimento, foi o primeiro DEDO NA CARA com nome e sobrenome. Depois o povo começou a cobrar, dá DEDO NA CARA nisso, naquilo e aí não paramos mais. Hoje eu saio nas ruas do Rio e toda vez ouço alguém gritando: Olha a Dedo na Cara!, [risos]. Mas vale lembrar que ele não é usado a toa, o Dedo na Cara é uma forma de lembrar as pessoas dos direitos que elas têm e que devem cobrar por eles. Atualmente você possui um site direcionado para as mulheres. Qual é o objetivo desse trabalho?

Primeiro que eu sempre amei o jornalismo na plataforma digital e queria entrar nele o mais rápido possível. O SBT concordou, me apoiou e hoje eu tenho este outro filho para cuidar, além do Vlog no site oficial do SBT. O principal objetivo é levar todo tipo de informação, mas principalmente lutar pela causa do empoderamento feminino, a busca pela igualdade em todos os sentidos. O site vai entrar cada vez mais nessa esfera do empoderamento, mas sem perder a essência de ajudar as mulheres na vida prática com universo dos filhos, trabalho, casa… Contamos com vários parceiros, médicos, chefs, especialistas, enfim, gente que ajuda por meio da informação a deixar a nossa vida corrida, mais fácil.

Ninguém é obrigado a concordar comigo e eu não sou obrigada a concordar com ninguém também” Isabele Benito

Como é estar à frente do telejornal SBT Rio?

Total liberdade, nunca fui censurada em nada que falei, e olha que falo muita coisa [risos]. O programa é feito por uma equipe mega entrosada, a única parte que é só minha e que eu assumo a total responsabilidade são os comentários. Inclusive eu não escrevo nenhum comentário, tudo é no improviso mesmo. O segredo é conhecer o Rio de Janeiro em todos os aspectos. Os vários anos de reportagem de rua na cidade maravilhosa me ajudaram muito. Hoje conheço muito mais o Rio de Janeiro do que a cidade onde nasci. Comandar o SBT Rio é uma honra, há três anos somos consolidados vice na liderança de audiência. Em média, somos vistos diariamente por mais de um milhão de pessoas, poder ajudar uma que for já é a maior recompensa. Como é sua relação com o público?

Procuro a relação mais próxima possível. Acredito no jornalismo humanizado, aquele em que o público é parte da notícia. Uma coisa não muda, informação com apuração e espaço para todas as partes envolvidas. Mas não se pode negar que a linguagem mudou, a interação por meio de tecnologia é a grande responsável por isso. Não me vejo mais fazendo o jornalismo frio. Eu comento tudo, converso com o telespectador como se ele estivesse ali no estúdio e no caso do SBT Rio só falta isso mesmo. Foco: Qual foi a reportagem mais marcante que participou no Rio de Janeiro?

A tragédia da Serra ocorrida em 2011 na região de Teresópolis foi a cobertura mais marcante da minha vida. A minha equipe tinha a missão de ir de helicóptero onde nem as equipes de resgate tinham chegado. Tudo o que vi e ouvi ali nunca mais vai sair da minha cabeça. Foi desgastante, foi em muitas vezes desesperador, mas me orgulho deste trabalho, sabe por quê? Mostramos a tragédia e seus dramas, mas conseguimos retratar com o jornalismo que não foi só desastre natural. Foi a incompetência, a falta de gestão e desonestidade com o dinheiro público. Infelizmente os poderosos não aprenderam com o pior remédio, esse mal continua.

Buscar a verdade é primeiro ser verdadeiro” Isabele Benito

Uma das edições atuais do SBT Rio você chegou a discutir com um coronel da polícia que discordou de ocupações que estavam ocorrendo em escolas cariocas. Como é essa busca da verdade?

O jornalismo humanizado é isso, ninguém é obrigado a concordar comigo e eu não sou obrigada a concordar com ninguém também. E isso muitas vezes acontece no ar, buscar a verdade é primeiro ser verdadeiro. Se você tivesse que definir a Isabele Benito em uma frase, qual seria?

Nossa, a pergunta mais difícil, mas aí vai. Uma pessoa muito de coração, apesar de parecer sempre razão. Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 21


22 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 23


Gente em Foco

#maitê20anos

A

família Platzeck Azenha se reuniu no último dia 30 de julho para comemorar os 20 anos da bela Maitê. Filha de Chiquinho Azenha e Michele, irmã de Victor Huggo, ela recebeu o carinho de amigos e familiares em uma linda festa. Confira as fotos registradas pelo fotógrafo Luiz Monteiro e gentilmente cedidas para as páginas da Revista Foco.

24 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 25


Gente em Foco

26 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 27


Capa

Faive:

Luana Andrade veste Selaria Yndu Maquiagem: Laiza Veríssimo Fotos: Fábio Guedes Locação: Haras Boa Esperança Agradecimento: Murilo Nunes, Maycon e Rose. 28 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


uma Jovem Senhora festa Setor movimenta milhões de reais e cresce a cada ano Por Aline Camargo Fotos: Cedidas e Arquivo

U

ma referência regional, a Feira Agropecuária e Industrial de Presidente Venceslau (Faive) chega a sua 40ª edição em 2016 após quatro décadas de mudanças, inovações e crescimento. Foi em julho de 1975 que o então prefeito de Presidente Venceslau, o saudoso Manoel Rainho, com o objetivo de divulgar o poderio de produção e estimular a economia da cidade, teve a ideia de organizar uma feira de exposições para explorar o trabalho de produtores que investiam em manejo e criação de gado, bem como do ramo do agronegócio. Manoel Rainho queria mostrar que Presidente Venceslau sabia se organizar e era capaz de proporcionar um evento de grande porte. Naquele ano, sem possuir um terreno próprio, a Faive foi acolhida em uma área na entrada da cidade, que apresentava um espaço até então condizente ao que o evento proporcionaria, e que fora emprestada pelo proprietário do espaço, o venceslauense Jorge Antônio Sobrinho. Já no ano seguinte, um terreno de maior amplitude pertencente à prefeitura, localizado próximo ao aeroporto, foi cedido para a realização da feira, porém

Manoel Rainho idealizou a FAIVE em 1975

Palco da Faive recebe todos os anos grandes nomes da música nacional

neste ano não ocorreu a segunda edição devido alguns ajustes a serem finalizados no recinto. O parque de exposições ganhou o nome de Alfredo Ellis Neto, em homenagem ao antigo pecuarista venceslauense, falecido alguns anos antes da fundação da Faive. O local foi inteiramente projetado pelo arquiteto Júlio dos Santos Timóteo, e a feira foi se desenvolvendo no decorrer dos anos por meio de investimentos dos próprios pecuaristas expositores, bem como de doações de estandes por famílias e empresas da cidade que colaboraram para a construção e manutenção de locais apropriados. Em 1977, com a prefeitura sob o comando de Inocêncio Erbella, foi decretado que a feira seria realizada anualmente. A segunda edição da Faive ocorreu entre os dias 27 de maio a 04 de junho de 1978, três anos após o ponta pé inicial de Manoel Rainho. Dali em diante, muitos presidentes administraram

a feira, dando sua parcela de contribuição e fazendo com que o evento evoluísse e se destacasse, seja como uma feira de exposição, voltada ao agronegócio ou como uma grande festa com a realização de shows e entretenimento. Desses, o venceslauense Emilson Carlos Soriano foi o que mais tempo ficou à frente da Faive, permanecendo como presidente por nove anos, nas edições de 2000 a 2006, 2008 e 2009. Ele foi convidado pelo então prefeito de Venceslau, José Alberto Mangas Pereira Catarino, a assumir a presidência da feira com apenas 60 dias de seu início. “Faltavam menos de 60 dias e ainda não havia sido decidido quem seria o presidente daquela edição. Mesmo com toda a responsabilidade, resolvi aceitar o desafio e desde o primeiro momento me cerquei de uma equipe muito competente e coesa, e com a ajuda do meu amigo Chiquinho Azenha, que foi o vice-presidente durante todos os anos, conseguimos iniciar um bom trabalho”, conta. Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 29


30 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Capa um trabalho feito em cerca de oito ou nove meses que antecedem o evento, pois envolve reserva de datas para shows, preços que podem alterar dependendo do tempo e preparação de todo um planejamento a fim de prever ao máximo o que vai ocorrer de fato naqueles dias de exposição”, conta.

Todos nós, enquanto venceslauenses, temos que torcer para que tudo continue dando certo” Emilson Soriano

Emilson Soriano foi homenageado na abertura da Faive de 2015 e recebeu placa do prefeito Jorge Duran

Cada presidente que passou por ali deu sua parcela de contribuição e fez a Faive se tornar o que é hoje” Emilson Soriano

Conforme Emilson, a população pedia uma festa grande, com shows mais expressivos. “Quando assumi, percebi que a população estava carente de um evento grande e fomos melhorando os shows gradativamente. As edições de 2005 e 2006 foram uns dos anos mais fortes, onde conseguimos viabilizar shows com Daniel, Zezé di Camargo e Luciano e Bruno e Marrone, que estavam em evidência na época. Acredito que foi quando atingimos o maior número de público e maior participação de toda a cidade”, lembra. As dificuldades foram iminentes, mas com muito trabalho e apoio da população, empresas e prefeitura, foi possível realizar edições de qualidade e promover o crescimento da feira, seja no quesito estrutura, no âmbito social, econômico e cultural do evento. “Sempre tivemos muito cuidado de poder proporcionar algo de qualidade, tentando fazer uma feira cobrada, mas com preços acessíveis para que o maior número de pessoas pudesse prestigiar. Tudo o que conquistamos com a feira foi dado em retorno para o próprio evento. Construímos

novos quiosques, barracões, locais de exposição de gado, tudo o que podíamos investir, ao nosso alcance, em estrutura e também em melhores atrações e entretenimento, nós fizemos. Outro ponto que também fazíamos questão de frisar era o lado social da feira, com arrecadação de alimentos através de alguns shows onde cobrávamos como ingresso um quilo de alimento para doar às entidades carentes da cidade”, explica. Emilson ainda lembra do ano de 2009, último de sua gestão, quando atingiu o ápice da feira com shows destaque, grande movimentação de público e um ‘quase’ prejuízo que aquele ano traria. “Nesse ano conseguimos trazer artistas do momento, que foram as duplas César Menotti e Fabiano na quinta, Guilherme e Santiago e João Carreiro e Capataz na sexta e no sábado, João Neto e Frederico e João Bosco e Vinícius. Me lembro que foi o ano em que passamos por aquele surto da gripe H1N1 e todo mundo tinha medo de sair de casa, ainda mais para ir em um lugar com grande aglomeração de pessoas. Então nos dois primeiros dias não tivemos muita bilheteria e achávamos que iríamos sair daquela edição com um prejuízo enorme, mas no sábado foi uma grande surpresa. As filas de carro chegavam até a cidade, há mais de três quilômetros do recinto, pelas rodovias também, pois teve muita gente de cidades da região. Foi um dia excepcional e que salvou a feira”, relembra. Há quem pense que a feira é feita somente durante os nove dias de sua realização, mas o trabalho é iniciado bem antes. “A feira corre nesses nove dias, mas é

Para Emilson, a Faive sempre foi um evento crescente e isso se deve ao trabalho realizado pelos presidentes e suas comissões que muito fizeram pela feira. “Cada presidente que passou por ali deu sua parcela de contribuição e fez a Faive se tornar o que é hoje”, diz. Atualmente, Emilson diz que se aposentou da Faive e somente a vê como um local para reencontrar amigos, além de trabalhar como expositor, já que está à frente da empresa Miner Sal que desde 1985 está em parceria com a feira. “A Faive é um evento único e o mais grandioso da região. Todos nós, enquanto venceslauenses, temos que torcer para que tudo continue dando certo, pois traz inúmeros benefícios à população como um todo. A cidade oferece muito pouco de entretenimento e no ramo do agronegócio é uma oportunidade para produtores e pecuaristas mostrarem seus trabalhos. Agora com esse novo modelo, de portões abertos, que também tem suas dificuldades, acho que é muito válido e tem sido bom para a população. Espero que dê tudo certo e torço pra isso, no segundo ano do Marcelo (atual presidente da Faive), que na edição passado fez um ótimo trabalho e uma Faive de qualidade”, diz. 40ª edição

No segundo ano consecutivo como presidente, Marcelo Augusto Queiroz acredita que com o passar dos anos a feira teve diversos momentos e mudanças. “Todos os presidentes tiveram dificuldades e momentos diferentes em cada ano que passava e com isso encontraram, em suas particularidades, a maneira de como administrar um evento tão grandioso. Começou lá em 1975 com um propósito estritamente voltado ao agronegócio e foi se tornando uma grande festa, envolvendo mais gente, preocupação com grade de shows, segurança, entre tantas coisas. Notamos o auge que alcançou com a gestão Emilson, que com o modelo de portões fechados, conseguiu fazer feiras de expressão e proporcionou um maior volume de público e também nos negócios. Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 31


É pra gente um imenso orgulho ver que meu pai foi o precursor de algo que deu certo” Manoel Rainho Junior A Faive

Marcelo Queiroz preside a Faive pelo segundo ano consecutivo

A Faive é inteiramente de natureza pública, pois todos os setores da sociedade usufruem e são beneficiados com ela” Marcelo Queiroz

A Faive sempre foi muito dinâmica, nesses 40 anos passou por muitos modelos e sem dúvida trouxe muito crescimento para a cidade e região”, diz Quanto ao formato adotado em 2013, que é o de promover a feira de portões abertos, sem cobrança de ingressos, Marcelo acredita que é uma forma de administração que envolve alguns riscos, mas dá certo. “Na minha opinião, a Faive deve ser feita aberta, pois fica mais acessível às pessoas. E a feira não é realizada com o fim de obter lucro, pois o que ali é arrecadado é estritamente para uso do próprio evento. É uma feira de exposições do público e para o público. O único porém é que há um certo risco, pois a receita depende do apoio de empresários da cidade, dos expositores, comerciantes e sociedade. Hoje, percebo que a Faive é inteiramente de natureza pública, pois todos os setores da sociedade usufruem e são beneficiados com ela ”, afirma. Para ele, o modelo de portões abertos traz uma dificuldade: a contratação de shows. “Como a receita é menor e não contamos com venda de ingressos, é complicada a contratação de artistas que estão em evidência, pois os valores exigidos pelas produtoras são altos. Mas não é impossível proporcionar shows de qualidade com artistas renomados, como fizemos no ano passado com a dupla Chrystian e Ralf”, finaliza. 32 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

A Faive envolve diversos setores e atende a todos em suas particularidades. Conta com parque de diversões, shows, áreas comerciais, leilões e praças de alimentação para promover entretenimento e lazer à população venceslauense e regional, o que gera um grande retorno financeiro à cidade. A partir dos leilões, é possível proporcionar aos criadores e produtores rurais a aquisição de animais de qualidade na busca pela melhoria do plantel bovino. No campo tecnológico, são realizadas inúmeras palestras que visam beneficiar e aproximar agricultores e pecuaristas do ramo de plantio e pastagem. Empresários dos setores comercial e industrial expõem produtos de utilização no campo de agricultura e pecuária. Há também exposições com viveiros e mudas de espécies de plantas nativas que tendem a despertar a consciência ambiental e mostrar a importância da preservação e recuperação de matas ciliares e florestas nativas. Não há dúvidas que a Faive idealizada por Manoel Rainho, se tornou um grande evento, esperado pela população todos os anos e motivo de orgulho para a família de Manoel. “É pra gente um imenso orgulho

ver que meu pai foi o precursor de algo que deu certo. A cidade acreditou na ideia dele e abraçou o evento para que se tornasse o que é hoje com a dedicação de todos os presidentes e organizações que passaram pela Faive”, conta o filho Manoel Rainho Junior. Manoel Rainho nasceu no dia 19 de fevereiro de 1926 e iniciou sua carreira política em Presidente Venceslau como vereador, cumprindo o primeiro mandato de 1952 a 1956. Dali em diante, a carreira pública não parou mais. Foi vereador em mais dois mandatos e em 1972 se candidatou a prefeito da cidade. Foi eleito e assumiu o Executivo de 1973 a 1977. Participou de várias atividades comunitárias e filantrópicas e teve dedicação especial ao ramo de agropecuária. Presidentes da Faive

Muitos nomes do meio social venceslauense já passaram pela comissão organizadora da Faive, num total de 15 presidentes. Depois do pioneiro Manoel Rainho, que presidiu a edição em 1975, deram continuidade ao projeto os venceslauenses Osvaldo Soares de Almeida (1978, 1979 e 1980), Pedro Soriano Estrela (1981 a 1983, 1985 a 1988 e 1997), José Alberto Mangas Pereira Catarino (1984), José Luiz Conde Oberlaender (1989 e 1990), Reginaldo Pizzo (1991 e 1992), Osvaldo Severino (1993), Ezequias Dassie (1994), João Roberto Coelho (1995), Antonio Carlos Ganzarolli (1996), Antonio Rolnei da Silveira (1998 e 1999), Emilson Carlos Soriano (2000 a 2006, 2008 e 2009), Marcos Vinicius Soriano (2007), Roberto Rodrigues (2010 a 2012), Edimilson Scalon Magro (2013 e 2014) e Marcelo Augusto Queiroz (2015 e 2016).

A cavalgada no dia da abertura da Faive reúne milhares de pessoas e faz parte da cultura da cidade


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 33


34 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 35


Capa

Sempre estive participando da feira, seja de forma indireta ou diretamente, já fui espectador, expositor e hoje a Faive representa uma parte essencial do meu trabalho” Marcos Soriano

Leilosul promove leilões de sucesso na Faive há 21 anos

Por Aline Camargo Fotos cedidas

A

pesar de tudo o que envolve e significa para a cidade, a Feira Agropecuária e Industrial de Presidente Venceslau (Faive) se fortalece pela grande importância econômica que envolve o ramo da pecuária. E a realização de leilões de pecuaristas da cidade e região possibilita que a feira seja também um grande sucesso nos negócios. Para tanto, desde 1995, a empresa Leilosul é a grande responsável e viabilizadora desses importantes leilões realizados durante as edições da Faive. “A Leilosul segue para o seu 21º ano de parceria com a Faive e desde então nos dedicamos sempre ao trabalho de trazer os melhores leilões, os melhores animais e condições especiais para o produtor pecuarista da cidade e também da região”, diz o diretor da leiloeira, Marcos Vinicius Soriano. Marcos diz que a Leilosul realiza anualmente muitos leilões, mas que a Faive é com certeza um evento expressivo que merece uma atenção diferenciada, pois muitos pecuaristas veem na oportunidade uma maneira de apresentar seus animais e assim alavancar seus negócios. “É uma feira de exposição muito importante, de renome e nível nacional. Então ela tem um apelo diferente, o 36 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

mercado está ruim, mas quando chega lá as coisas se realizam, as negociações são boas, tanto para quem vende como para quem compra. Hoje temos leilões de corte agendados com clientes esperando especificamente para vender na feira, pois sabem que o evento proporciona uma melhora nas vendas”, conta. Além de movimentar economicamente o ramo da pecuária, os leilões realizados na Faive têm um respeitável cunho social com as doações e arrecadação de fundos para entidades da cidade. “Todos os anos fazemos questão de disponibilizar alguns animais, doados por pecuaristas, bem como porcentagem de bilheteria para serem repassados a entidades filantrópicas da cidade”, explica. Antes de estar à frente da empresa, Marcos participava também como expositor, já que tinha produção de cavalos em meados de 1980. “Sempre estive participando da feira, seja de forma indireta ou diretamente, já fui espectador, expositor e hoje a Faive representa uma parte essencial do meu trabalho. E vejo que com o passar dos anos a feira cresceu muito e vem melhorando sempre, mesmo diante de muitas dificuldades pelas quais já passou, mas representando o desenvolvimento da cidade em todos os setores”, finaliza.

Leilões da 40ª Faive

Como de costume, neste ano serão promovidos cinco leilões já reconhecidos e tradicionais, realizados todos os anos na feira. O primeiro será o 61º Leilão Nelore Mocho CV Fazenda Campina, de Carlos Viacava, que ocorre no primeiro domingo da feira, no dia 21 de agosto, às 12h, onde serão disponibilizados 80 touros reprodutores Nelore Mocho. No dia 23 de agosto, será realizado o 8º Leilão Nelore da Aymoré, às 18h, também com apresentação de 80 reprodutores Nelore. Na quinta-feira, dia 25 de agosto, é a vez do 13º Leilão Nelore da Dourada com apresentação de 120 reprodutores Nelore, a partir das 18h. No dia 26 de agosto, às 19h, ocorre o 4º Leilão Fazenda da Mata e Fazenda Santa Joana com 60 reprodutores Bonsmara PO. E fechando a programação de leilões da Faive no dia 27 de agosto, será realizado o 20º Leilão Qualidade Total de Corte, a partir das 14h, com apresentação de 800 animais de corte Nelore, cruzamento industrial e fêmeas PO.


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 37


Capa

Daniel fez ao lado de João Paulo o show de maior público da Faive

Cantor guarda recordações importantes do evento em Venceslau Por Nathália Oliveira Fotos: Assessoria Daniel/Cedidas

A

Faive - Feira Agropecuária e Industrial de Presidente Venceslau conquistou, ao longo desses 40 anos de história, a tradição de realizar grandes shows. Artistas em destaque no cenário musical brasileiro já marcaram presença na festa e atraíram milhares de pessoas ao recinto Alfredo Ellis Neto. Entre esses artistas está o cantor Daniel, que comemorou 30 anos de carreira em 2015 e já se apresentou na feira por quatro vezes. Nas duas primeiras oportunidades, em 1991 e 1994, ele fazia dupla com João Paulo, morto em um acidente de carro três anos após a última data. Cantando sucessos como ‘O cheiro dela’, ‘Só dá você na minha vida’ e ‘Dia de visita’, eles foram os responsáveis pelo maior público da história da Faive. Uma verdadeira multidão acompanhou o show dos artistas, que estavam no auge de sua carreira. Esse recorde aconteceu durante a 18ª edição da feira, em 1994. Recorde esse que não foi o único da edição: contrariando tudo e todos, a feira foi organizada em pouco mais de 40 dias. Ezequias Dassie, que presidiu a 18ª Faive, diz que o público no dia do show de João Paulo e Daniel era tão grande, que foi necessário abrir o campo de aviação, localizado ao lado do recinto, para que as pessoas pudessem

38 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

Me lembro que eu e o João Paulo fomos a uma padaria de madrugada comer pão fresquinho, algumas horas depois do show em Venceslau” Daniel

estacionar seus veículos. “Contamos com o apoio da polícia, que transformou o espaço do aeroporto em estacionamento. Isso aconteceu somente nessa Faive, foi realmente espetacular ver toda aquela gente lotando o recinto”, lembra. Ezequias considera marcante a experiência de ter presidido a feira. “Foi maravilhoso, vai ficar para sempre na história”. Seja pelo carisma, seja pela afinação, Daniel é um artista querido pelo público de todas as idades, em todas as regiões do país. Talvez por esse motivo, ele tenha voltado à Venceslau por duas vezes consecutivas, anos mais tarde, em 2005 e 2006. De suas passagens pela cidade, Daniel guarda boas lembranças. “Já passei momentos maravilhosos em Venceslau. Me lembro de uma cena, muito no começo da nossa história como dupla, que eu e o João Paulo fomos a uma padaria de madrugada comer pão fresquinho, algumas horas depois do show. A gente tem contato com pessoas da cidade até hoje, por tantas vezes que estivemos em Presidente Venceslau, criamos um carinho e o importante é poder estar sempre próximos de alguma forma”, conta à Revista Foco. O cantor diz se lembrar do show de 94. “Foi na época que João Paulo e Daniel estava acontecendo, um período muito importante para nós, e me lembro de todas as ocasiões que estive na cidade, essa região toda é muito marcante pra gente”, recorda. Sobre a feira, Daniel acredita que o sucesso se deve à boa organização. “Se ela está na sua 40ª Edição é porque sempre foi muito bem elaborada pela comissão organizadora. A gente sabe o quanto é difícil realizar festas, quanta coisa está envolvida, e se já são 40 anos é porque é sucesso até os dias de hoje. Apesar dos momentos difíceis o que é bom está sobrevivendo”.


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 39


Gente em Foco

Concurso teve participação de candidatas da região

As beldades da Faive 2016 Prudentina venceu concurso e é a Rainha da Faive Por Aline Camargo Fotos: Maurício Barbosa

E

m uma noite cheia de glamour foi eleita a Rainha da Faive 2016, em evento realizado na Chácara Santo Antonio no último dia 13 de agosto em Presidente Venceslau. A embaixadora da beleza eleita no concurso foi a bela prudentina Júlia Keiko, 19. Neste ano o concurso foi aberto para candidatas de toda região. A primeira princesa é Victória Passos, de Presidente Epitácio e a segunda princesa é Fabíola Miguel, de Caiuá. A cantora Jayne embalou o público presente com suas músicas tradicionais do country brasileiro. A dupla sertaneja Pedro Henrique e Eduardo encerrou a noite com repertório do sertanejo universitário. 40 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

Jayne fez abertura do evento com as candidatas perfiladas no palco

Júlia Keiko é a Rainha da Faive

Victória Passos é a 1º Princesa

Fabíola Miguel foi eleita 2º Princesa


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 41


Capa

Barraca do Zé Pinto está presente na Faive há 33 anos Hoje ela também é conhecida como Redondo e tem renda revertida ao Abrigo Esperança

Por Nathália Oliveira e Aline Camargo Fotos: Cedidas

A

Faive – Feira Agropecuária e Industrial de Presidente Venceslau também é conhecida por criar e manter várias tradições. Entre essas está o conhecido Restaurante “Redondo”, mantido pela Loja Maçônica Clodoaldo de Oliveira. Inicialmente chamado de “Barraca do Zé Pinto”, sua história começou em 1983. O pecuarista José Pinto Lima era responsável pela parte forrageira da feira. Ele levava seus peões para ajudar no trabalho de alimentação dos animais que eram expostos no recinto e lá permaneciam acampados por todo o período de organização e realização da Faive. Nessa época os poucos restaurantes que participavam da festa eram de outras cidades e só funcionavam à noite, para o público. O pessoal que trabalhava no local precisava se alimentar e por necessidade, surgiu a Barraca do Zé Pinto – com a intenção única de oferecer refeições aos seus peões. Feita em madeira e lona amarela, estava situada atrás do espaço onde hoje é o recinto de leilões. Pessoas que trabalhavam na feira passavam pela barraca para “beliscar” o almoço dos peões e foi então que em 1986, Osvaldo Severino, amigo do pecuarista, teve a ideia de vender a comida e arrecadar fundos para uma entidade do município, o Lar de Idosos Abrigo Esperança. Outros amigos se juntaram à dupla para que a iniciativa desse certo: Péricles Gil Mondin, na época presidente da Loja Maçônica, Julio Pansera e João Queiroz Neto – pai de Marcelo Queiroz, atual presidente da Faive - entre outros. 42 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

O pecuarista José Pinto Lima iniciou a tradição do redondo na Faive( Foto: Arquivo/Cedida)

No primeiro ano, atendiam cerca de 30 pessoas por dia, com movimento maior nos fins de semana. Já no segundo ano, a barraca foi um sucesso e o espaço já não era suficiente para atender os clientes. Em 1988, a turma ousou e abandonou a barraca de lona para ocupar o Redondo. O espaço era grande, mas não maior do que a vontade dos amigos em fazer dar certo. Além de ser um trabalho voluntário, muitas vezes era preciso colocar a mão no bolso para viabilizar o restaurante. Marcelo Dassie, que na época coordenava a cozinha, lembra do sucesso da Barraca do Zé Pinto: “tivemos um ano que superou nossas expectativas, onde chegou a emendar num final de semana o almoço e jantar”, diz. Ele acredita que esse sucesso se deve ao fato da qualidade da alimentação e do cardápio não ter sido alterado ao longo dos anos. No restaurante é servido arroz carreteiro, feijão tropeiro, farofa, pão, mandioca, molho e churrasco. As sobremesas vieram depois, são doces caseiros de banana, abóbora, mamão e doce de leite. Renda

O presidente do Abrigo, Amauri Cesar da Silva Dias, diz que o valor arrecadado com o Redondo “é fundamental para a manutenção do Abrigo e que apesar dos idosos contribuírem com uma porcentagem de seu salário, prevista no Estatuto do Idoso, não é suficiente. O Abrigo sobrevive com as ações solidárias (leilão, bingo, Redondo) e que a adesão da população é de extrema importância para que dê certo”.

Ele falou ainda que a entidade conta com a benevolência do povo e os venceslauenses sempre abraçaram a causa. Todas as promoções feitas pela maçonaria são em prol do Abrigo. “A Clodoaldo é a única maçonaria da cidade que trabalha 100% em prol de uma entidade. Todo o recurso arrecadado com as ações é inteiramente revertido ao Abrigo. Acredito que, hoje, cerca de 30% do faturamento da entidade é arrecadado pela maçonaria”, explica o atual presidente da Loja Clodoaldo de Oliveira, Luis Henrique Soriano. Outra tradição, promovida pela Loja em prol do Abrigo e que perdura há cerca de 10 anos, é a carneirada, que foi criada com o intuito de inovar e trazer o público para os dias em que a feira não tem tanto movimento, já que a promoção é feita no início da semana. A receita foi inspirada na Carneirada da Dona Inês Pinheiro – mostrada na 2ª Edição da Revista Foco, que também já a preparou em prol do Abrigo. “Foi mais uma forma de agregar valores ao restaurante, que já era tradicional com o churrasco. O diferencial é que colocamos em um dia específico, em um dos primeiros dias do evento, quando não há leilões como neste ano”, conta. A carneirada, ainda conforme Luis Henrique, representa de 40% a 50% do que arrecadado com o restaurante durante os dias de feira. “É uma promoção que nos traz muito retorno, pois temos um grande apoio da sociedade, tanto na compra dos ingressos, como nas doações de pecuaristas e amigos que viabilizam os carneiros e ingredientes para a preparação da receita”, acrescenta.


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 43


Receita de Família

Salmão assado com azeite aromatizado e raspas de mexerica do Brewer Chef Daniel Magri Por Nathália Oliveira Fotos: Cedidas

V

ocê sabe o que é harmonização? É a arte de combinar os sabores dos alimentos com as características das bebidas, geralmente vinhos ou cervejas artesanais. Esse é o trabalho do chef venceslauense Daniel Ferreira Magri, 38, que desde 2007 se dedica à gastronomia. 44 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

Casado, pai de Maria Antonia, de apenas dois meses, ele viveu em Presidente Venceslau até os 21 anos de idade, quando deixou a casa dos pais, Jurandir Magri e Maria Ferreira Magri, para morar na capital São Paulo. Formado em publicidade, chegou a ter uma agência, mas foi na gastronomia que se realizou. O interesse pela área

começou por acaso, quando decidiu se mudar e a necessidade falou mais alto. “Não sabia absolutamente nada de cozinha, decidi começar a aprender para me virar e acabou se tornando uma paixão, por isto falo para todos que não sabem cozinhar: calma! Tem esperança para tudo, eu sou prova disto”, conta bem humorado.


Não vejo a hora da minha filhinha crescer para começar a fazer bagunça na cozinha com ela” Daniel Magri

Não sabia nada de cozinha, decidi aprender para me virar e acabou se tornando uma paixão” Daniel Magri

Daniel se especializou na culinária Brasileira, Italiana e Francesa e trabalhou nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, em renomados restaurantes como o D.O.M e o francês L’Atelier, além de viagens a trabalho nas quais conheceu praticamente o Brasil inteiro. Fora do país ele já passou pela Argentina, Estados Unidos, República Dominicana e França. Em 2013, ele resolveu que era hora de inovar e passou a aliar seus conhecimentos culinários com o mundo das cervejas. Daniel diz que não é considerado um mestre cervejeiro, aquele que desenvolve as receitas e acompanha o processo de fabricação das cervejas, mas sim um ‘Brewer Chef ’, ou seja, um chef de cozinha com amplo conhecimento em cervejas artesanais e que costuma combinar pratos com os diferentes estilos da bebida. O chef explica que seu papel como Brewer Chef é “harmonizar os pratos e as cervejas obtendo assim o melhor dos dois mundos”. De acordo com ele, combinando o alimento com a bebida, pode-se obter uma experiência única. Para conseguir um bom resultado, tem de entender bem do assunto e Daniel é um exímio conhecedor dos diversos tipos da bebida. Ele conta que a cerveja vai além daquela que é preferência nacional, servida gelada, quase congelando. Elas são classificadas por famílias: Lager, Ale e Lambic e dentro de cada família existem os estilos. Daniel diz que um estilo que caiu na graça dos apreciadores de cervejas artesanais foi o IPA (India Pale Ale). Atualmente, o chef vive em Curitiba e trabalha como consultor para bares

e restaurantes no desenvolvimento de cardápios harmonizados com cervejas especiais. Além disso, ele faz participações em eventos como feiras, palestras e minicursos relacionados ao mundo gastronômico/cervejeiro. Da terra natal, ele guarda um enorme carinho e se diz privilegiado em ser venceslauense e ter vivido aqui bons momentos. “Tenho memórias incríveis do período da infância e adolescência, era uma época de muita bagunça e diversão. Me lembro de praticamente todas as edições da Faive, de como eu e meus amigos nos divertíamos e aguardávamos ansiosamente a Feira para curtir os shows e o enorme movimento que gerava na cidade. São memórias que guardo com muito carinho, me sinto privilegiado por ter nascido em Presidente Venceslau, tenho muito orgulho disto”, diz Daniel. Na cidade, além dos pais, o chef deixou amigos da época da adolescência, e sempre que possível retorna para visitálos e matar as saudades. Para o chef, o acesso à boa comida ajudou a difundir a cultura gastronômica e a despertar o interesse pela área. “A gastronomia se popularizou no Brasil, antes era uma coisa restrita a bons restaurantes situados em grandes capitais, hoje podemos observar que um número maior de pessoas vem se interessando pelo tema. Tivemos uma onda de programas culinários e isto ajudou bastante. Acho incrível as pessoas se interessando por coisas diferentes, até porque, comida também é cultura, ela representa os hábitos e a história de uma região e é maravilhoso ver cada vez mais pessoas tendo acesso a isto”, conta. Definitivamente, ele ama o que faz e quando perguntado sobre qual profissão gostaria que sua filha seguisse, responde cheio de emoção: “Não vejo a hora da minha filhinha crescer para começar a fazer bagunça na cozinha com ela, mas claro, não vou forçar a nada, quero que ela siga o coração dela, mas ficarei feliz se ela seguir os passos do papai”. E já que o assunto é comida, fechando com chave de ouro, o Brewer Chef Daniel ensina aos leitores da Revista Foco uma receita de Salmão assado que leva azeite aromatizado com ervas frescas, raspas de mexerica e purê de batatas. Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 45


Receita de Família

Salmão assado, azeite aromatizado com ervas frescas, raspas de mexerica e purê de batatas Ingredientes 380g de Lombo de Salmão (parte mais alta do peixe), dividido em duas partes com a pele 03 Ramos de salsinha 03 Ciboulette ou Cebolinha 01 Mexerica 03 Colheres de sopa de azeite extra virgem 03 Batatas grandes cortadas em quatro sem a casca 01 Colher de sopa de manteiga 02 Colheres de sopa de creme de leite 80ml de leite integral 02 Litros de água Sal a gosto Pimenta Branca a gosto

Preparo

Azeite aromatizado

Purê de batatas

Em uma panela coloque a água para ferver; quando estiver em ebulição coloque as batatas para cozinhar (média de 20 minutos), quando estiverem macias, escorra a água, amasse com um garfo ou amassador de batatas, junte a manteiga, o creme de leite, o leite e mexa até ficar uma mistura homogênea. Tempere com sal e pimenta branca moída na hora, reserve.

O azeite aromatizado é muito fácil, gostoso e você pode usar para outros preparos, como por exemplo, na Maionese de Batatas do domingo, fica fantástico! Pique as ervas, raspe 1/4 da casca da mexerica com o auxílio de um ralador de queijo fino (somente a parte laranja, não chegue na parte branca), misture tudo com o azeite e mexa com uma colher. Esse azeite aromatizado fica realmente uma delícia!

Salmão assado

Montagem

Em forno aquecido a 180ºC, coloque os pedaços de salmão temperados com sal e pimenta branca com a pele virada para baixo e deixe assar de 15 a 20 minutos. O tempo pode variar muito de um forno para outro, podendo haver a necessidade de deixar um pouco mais de tempo. Obs: Se você colocar para assar sem a pele o peixe vai grudar na assadeira e vai quebrar quando for tirar. Deixando a pele ele gruda na assadeira, assim você tira o pedaço inteiro com o auxílio de uma espátula. Insira a espátula entre a pele e a carne, sai muito facilmente.

Faça a montagem do prato colocando o purê por baixo, o salmão assado por cima, finalizando com o azeite aromatizado sobre tudo.

Dica do Chef

Combine esse prato com o estilo Blonde Ale. O Salmão Grelhado com uma salada fresca fica uma delícia com cervejas do estilo Witbier. Se for Salmão defumado, cervejas do estilo Saison podem ser uma boa opção.

Veja mais receitas no Site do Chef: www.chefcomcerveja.com.br contato@chefcomcerveja.com.br

46 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

@chefdanielmagri


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 47


48 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 49


Gente em Foco

Baile do Advogado Elegância e muita gente bonita. Assim ficou marcado o Baile do Advogado realizado em Presidente Venceslau na noite do último dia 06 de agosto. Animação não faltou para o público que compareceu ao Coroados Tênis Clube e prestigiou o evento organizado pela 64ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Presidente Venceslau. As fotos foram registradas pelo H3 Brasil e cedidas para a Revista Foco.

50 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 51


Gente em Foco

Donna é inaugurada em Venceslau Por Wagner Bueno Fotos: Fábio Guedes

U

ma nova loja especializada na moda feminina foi inaugurada no último dia 06 de agosto em Presidente Venceslau. Trata-se da loja Donna, que conta com variedade de estilo e marcas para atender todos os gostos femininos relacionados à moda.

52 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

O empreendimento é dirigido por Amanda Barroca e está instalado na rua Prudente de Moraes, 273, centro venceslauense. Confira os flashes da inauguração em fotos registradas por Fábio Guedes para a Revista Foco.


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 53


54 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 55


Moda e Beleza

Tendências em maquiagem para o verão 2017 Então, quer saber as maquiagens que estarão em alta? Na make pode esperar muita boca colorida, brilho, cores quentes, pele bem iluminada, enfim…bem do nosso jeito! Portanto, pode se preparar para no próximo verão dizer adeus à make nada, à maquiagem mais discreta e olá às cores e alegria! Veja abaixo as principais tendências em maquiagem para o verão 2017. Delineados a mil Muito delineador, para a alegria da mulherada que adora de paixão esse recurso, ele será a estrela da beleza nos dias de primavera/ verão. Invista em linhas coloridas contornando os olhos. Se prepare para olhos com contorno em degradês de rosa, verde, azul, vermelho ou laranja. Acabamento luminoso Pode deixar seu iluminador quietinho na nécessaire, pois ele ainda vai continuar rendendo boas makes. A pele da moda vai continuar viçosa e iluminada, esqueça o tal acabamento matte. “Corrigimos a pele com um leve sombreado para dar profundidade e usamos um blush iluminador”.

Sardas fake E vai ser a hora e a vez das sardas, tanto as naturais quanto as…fakes! Isso mesmo, se depender das passarelas elas vão estar com tudo, portanto meninas, nada de esconder as sardas com corretivos, heim! E mais, nessa última edição do SPFW o brilho também esteve super presente, e para isso, nada como um toque de glitter (para alegria geral). Vimos muitos brilhos prateados iluminando os cantos dos olhos. Cores quentes

Como não poderia ser diferente, vem aí uma cartela de cores bem quente, com bronze, coral e laranja, além de boca fortíssima e laqueada. E mais, além do batom pode também usar esmalte laranja nas unhas.

56 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 57


Automóveis

Volkswagen up!, Golf Variant e Golf GTI são bicampeões na eleição “Melhor Compra 2016”, da revista Quatro Rodas Nova Saveiro é a melhor picape compacta e intermediária até R$ 60 mil Por Wagner Bueno Fotos: Divulgação

A

Volkswagen foi destaque na edição “Melhor Compra 2016” da revista Quatro Rodas, da editora Abril. Os modelos up!, Golf Variant e Golf GTI foram eleitos pelo segundo ano consecutivo os melhores em suas respectivas categorias, comprovando a excelente aceitação dos modelos no mercado brasileiro. A Nova Saveiro foi eleita a melhor “Picape leve e intermediária até R$ 60.000”. O modelo take up! foi indicado como a melhor opção na categoria “Carro até R$ 37 mil”, com destaque para a nota máxima em segurança, o baixo consumo de combustível do motor 1.0l três cilindros e um dos modelos mais baratos da categoria. “Mas agora ostenta um novo atributo: o de ser o melhor carro 1.0 já avaliado pelo Longa Duração”, menciona a Quatro Rodas, que divulgou o teste de 60.000 km do up! no ano passado, com destaque para a robustez do modelo. 58 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

O modelo Golf Variant foi indicado na categoria “Familiar de 5 lugares”. A revista destacou o modelo como referência em dirigibilidade, qualidade de construção e maior porta-malas: “No acabamento, a montagem esmerada e os materiais de boa qualidade colocam a Golf Variant em um nível premium.” Na categoria “Esportivo até 300 cv”, o excelente desempenho do Golf GTI garantiram posições de destaque desses modelos na edição do “Melhor Compra 2016”. Bicampeão nesta categoria, o Golf GTI é citado como um ícone entre os hatches esportivos, com destaque para o estilo, desempenho superior e acabamento de qualidade. O quarto modelo a ser premiado é a Nova Saveiro. O modelo chegou ao mercado chegou ao mercado em maio deste ano e faturou a categoria “Picape leve e intermediária até R$ 60.000”. “Na cabine, os

materiais de qualidade superior aos vistos nas rivais Strada e Montana tornam a Saveiro a mais urbana das picapes finalistas”, ressaltou a revista. Entre os pontos analisados pela Revista Quatro Rodas estão preço de tabela dos carros, desvalorização depois de um ano de uso, valor do seguro, número de concessionárias, custo de reparabilidade, equipamentos de série, preço das revisões até os 60 mil km, dados técnicos e preços das peças de reposição. Para informações sobre a linha Volkswagen do Brasil, procure a concessionária Liane Veículos. Av. Tiradentes, 1.040 - Centro Presidente Venceslau Fone: 18. 3272 9111


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 59


Negócios e Finanças

Pai e filho atuam na direção do

Bar do Burrão

Trabalhando juntos, eles estreitam as relações de amizade Por Nathália Oliveira Fotos: Fábio Guedes

E

ra para ser um pequeno bar que funcionasse como ponto de encontro para amigos e familiares. Sem pretensão alguma, esse era o Pau-a-Pique, em Presidente Venceslau. Helio Sebastião, mais conhecido como Burrão, trabalhou a vida toda no ramo madeireiro, mas nunca deixou de lado o dom pela cozinha. Tudo começou quando ele construiu um fogão a lenha na madeireira da família e passou a fazer e vender feijoada, famosa entre os amigos, que sempre questionavam o porquê dele não abrir um restaurante. Mesmo informalmente, Helio vendia mais de 40 porções de feijoada todos os sábados. Com a ajuda do filho Flávio, Burrão resolveu escutar os amigos e em 6 de janeiro de 2010 era inaugurado o bar e pizzaria, conhecido na cidade como Bar do Burrão. Quem vê o restaurante hoje não imagina os obstáculos que a dupla enfrentou. A escolha de onde montar o restaurante era fator decisivo. Os pais de Helio tinham 60 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

uma chácara no Jardim Santa Paula e já que a ideia era ter um lugar aconchegante, decidiram que o restaurante funcionaria num pedaço da chácara, cedido pela família. Foram chamados de loucos por escolherem um local afastado da cidade... mesmo assim seguiram em frente. Flávio conta que começaram a construção do zero, sem muitas expectativas. “Não existia nada lá. Partimos do nada, mas sempre pensando em um negócio pequeno”. Apesar desse pensamento, a inauguração do bar surpreendeu pela quantidade de público. “Tínhamos apenas 10 mesas, não estávamos preparados para muita gente. Mas foi um estouro, apareceu uma multidão. Foi um verdadeiro caos e então percebemos que a estrutura precisava mudar”, lembra. Pai e filho trabalharam para expandir o restaurante e aprimorar o atendimento. Hoje, mais de 700 pessoas passam pelo bar semanalmente, sem contar o delivery

de pizzas, porções e outros pratos do cardápio. Esse resultado era improvável até para mais os mais otimistas, mas com persistência, o Bar do Burrão se consolidou como referência em gastronomia e lazer pela população venceslauense e região. Eles acreditam que tratar os clientes como membros da própria família é o diferencial que resulta nesse sucesso. “Existe um carinho especial com cada pessoa que passa por lá. Nossa ideia era atender apenas alguns amigos na semana, mas hoje o Bar do Burrão atende centenas de pessoas. Agradecemos todo o retorno que a cidade nos dá e queremos cada vez mais poder retribuir com o melhor do nosso trabalho”. Sobre trabalhar com o pai, Flávio diz que o convívio profissional ajuda a estreitar os laços de amizade. “Aprendo muito com ele sobre trabalho e responsabilidades na vida, a importância de ser honesto e sempre procurar fazer o meu melhor em qualquer coisa que fizer, nossa relação está muito melhor”.


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 61


Beto Répelli

Negócios e Finanças

Escritório Vencesprev

Conheça as vantagens do Cartão Consignado para funcionário público estadual

O

Governo do Estado de São Paulo abriu a consignação de Cartão Consignado, trazendo inúmeros benefícios para a categoria. O servidor poderá ter um cartão livre de tarifas e anuidades, aceito em milhões de estabelecimentos e ainda, se precisar, com uma taxa de crédito rotativo infinitamente menor que a de um cartão de crédito comum. As regras são as mesmas de outros convênios com cartão consignado, ou seja, desconto adicional de 5% da margem do servidor, além dos 30% já concedidos para o empréstimo consignado. O servidor ainda, caso queira, poderá optar pelo saque de seu limite do cartão e deixar que o desconto seja feito mensalmente, utilizando os 5% de margem. Os servidores públicos do Governo do Estado de São Paulo já podem fazer pedido do Cartão Consignado no Escritório VencespreV. Com baixa taxa de juros o produto tem sido bem aceito pelos servidores, já que comparado com o cartão convencional chega a ser cinco vezes mais barato. Vantagens do cartão consignado:

- Cartão de crédito internacional

62 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

- Sem taxa de anuidade - Sem multa por atraso de pagamento - Até 40 dias para pagar a fatura - Sem consulta ao SPC/SERASA - Ótimo limite de crédito - Melhores taxas de juros no rotativo Crédito Consignado para servidores públicos de SP

O crédito consignado se tornou sinônimo de facilidade para aqueles que são servidores públicos de São Paulo. As condições especiais são várias e as taxas de juros vão lá embaixo, se comparados a outros tipos de empréstimos. O fato de o solicitante ter a garantia de um salário fixo e estabilidade financeira faz com que vários bancos e instituições financeiras abram as portas e tentem oferecer as melhores condições para os funcionários públicos. O que é o Crédito Consignado ?

O crédito consignado é um crédito ofertado a uma pessoa, pelo qual o pagamento será feito com desconto automático e direto do salário recebido pelo solicitante. Portanto, não há como atrasar as parcelas, as taxas de juros são bem menores e até mesmo quem está com o nome sujo consegue fazer a

solicitação. O crédito pode ser concedido para aposentados e pensionistas do INSS, ou funcionários públicos federais, estaduais ou municipais. Para fazer a solicitação de um empréstimo, não há muita burocracia, mas ele passa por um processo de aprovação e comprovação dos documentos apresentados. Devem ser apresentados apenas o CPF, RG, contra-cheque e o comprovante de residência. O cálculo do valor limite é feito com base no salário apresentado no contra-cheque, em que a única regra é que as parcelas não possam ultrapassar 30% do valor recebido pela pessoa a cada mês. Beto Répelli (Escritório VencespreV), orienta o interessado em tomar algum tipo de crédito, a obter esclarecimentos do crédito adquirido, bem como formas de pagamentos possíveis e ainda para evitar que informações documentais como número de RG, CPF, benefício, etc , sejam passadas via telefone para terceiros, pois há risco de fraudes com esses dados. O Escritório VencespreV é uma empresa estabelecida na cidade há 10 anos e está apto a realizar essas tarefas de assessoramento ao crédito, trabalhando com as mais renomadas instituições financeiras.


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 63


Negócios e Finanças

Eletro Força Ferramentas agora é Concessionária Stihl Assistência técnica especializada e produtos da marca são algumas das vantagens Por Wagner Bueno Fotos: Fábio Guedes

A

Eletro Força Ferramentas de Presidente Venceslau passou por uma importante transformação nos últimos dias e se transformou em uma concessionária STIHL para atender clientes de toda região. Além de peças e acessórios para reposição, a Eletro Força Ferramentas oferece serviços de assistência técnica realizados por profissionais treinados na própria fábrica da STIHL. A loja está totalmente estruturada com toda a assistência necessária dos equipamentos STIHL como cabine de testes, oficina especializada, mecânicos e vendedores treinados pela marca. “Outra vantagem é que agora o cliente que comprar um equipamento Stihl, qualquer outra concessionária do país, poderá ter assistência técnica autorizada na oficina da Eletro Força Ferramentas”, disse Andréia Rosário, gerente de vendas. Ela acrescenta que a Eletro Força Ferramentas oferece todos os produtos e serviços da marca. 64 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

A Eletro Força Ferramentas está localizada na avenida Dom Pedro II, 210. Mais informações pelo telefone (18) 3271-6773, whasap 99723-3463 A loja estará presente na 40º Faive


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 65


66 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 67


Educação e Cultura

Foto do arquivo pessoal da família Chuba mostra Dorinda (em pé da esquerda para a direita) rodeada com filhos, netos e familiares

Família Chuba - Educação no DNA Ricardo Machado é a prova de que o incentivo à educação vale a pena Por Nathália Oliveira Fotos: Cedidas

Q

uem planta boas sementes só pode colher bons frutos. As sementes da senhora Dorinda Jorge Guímaro começaram a ser plantadas em 1931, com seu nascimento. Matriarca da família Chuba, ela não imaginava que colheria tantos frutos. Dorinda nasceu em Portugal e veio para o Brasil com seis anos de idade. A família se estabeleceu na região da Colônia Arpad, predominada por húngaros, localizada na estrada vicinal entre Caiuá e Presidente Epitácio. Começou a trabalhar cedo e aos treze anos já entregava leite no município epitaciano. Ela fazia o percurso no lombo de um cavalo e chegava a levar 50 litros de leite em cada viagem. Aos quatorze anos, casou-se com Carlos Chuba, passando a chamar-se Dorinda Guímaro Chuba e desta união nasceram sete filhos: Adelino, Jandira, Marilza, José Carlos, Maria Amélia, Neuza e Laurinda. Após o casamento, Carlos e Dorinda compraram um sítio na Colônia Arpad e 68 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

Minha avó é peça fundamental para que nossa família tivesse uma base sólida no que diz respeito à educação” Ricardo Machado

lá viviam com os filhos, tendo como meio de sobrevivência a venda de mercadorias próprias: leite, queijo, requeijão, ovos, frangos e vacas para abate. Com apenas trinta e um anos, a senhora Dorinda ficou viúva e sete filhos para criar. Com o seu esforço, construiu uma casa em Presidente Epitácio, para que os filhos pudessem estudar com maior tranqüilidade, e continuou o trabalho no sítio. Ela fez questão de estudar todos os filhos para que estes tivessem um futuro digno. Durante a semana, os filhos ficavam na cidade para

estudar e aos finais de semana visitavam a mãe no sítio. Todo o esforço empenhado pela dona Dorinda deu resultado. Seus filhos chegaram à faculdade e se formaram. Os netos de Dorinda seguiram os passos dos pais e o curioso dessa família é que, filhos e netos, estão ligados à área educacional. O professor Ricardo José Machado, 41, carrega a paixão pela educação no DNA. Ele é um dos netos de dona Dorinda e desde 2010 mantem o Colégio São Paulo, com unidades nas cidades de Presidente Prudente, Presidente Venceslau, Presidente Epitácio e Dracena. Ele diz que o incentivo da família na educação enquanto criança faz toda diferença na vida adulta. Toda atenção e dedicação dispensada na infância com certeza trará bons resultados em algum momento da vida. Ricardo se lembra da avó dizendo “se quer ser alguém na vida, tem que estudar”. “Minha avó é peça fundamental para que nossa família tivesse uma base sólida no que diz respeito à educação”, diz.


Se quer ser alguém na vida, tem que estudar” Ricardo Machado Dorinda cultivou as sementes da educação na família

Para a família, a educação é realmente a base do sucesso. Ele conta que a avó sempre os incentivou a acreditar no poder da educação para transformar a vida. Coincidência ou não, esse é um dos lemas do sistema Positivo de ensino, um dos mais eficientes métodos, adotado pelo Colégio São Paulo. Talvez seja destino. Talvez dona Dorinda em seu íntimo já sabia, desde sempre, os frutos que colheria. Ou talvez tenha sido por mérito ao seu empenho. O fato é que, comprovadamente, a boa educação pode mudar uma vida. Quanto antes começarmos a dedicar tempo e

incentivo às nossas crianças, maior as chances de sucesso. Ricardo se sente agradecido e diz que, se chegou onde está, deve à avó e sua mãe, Marilza. “O Colégio São Paulo existe porque um dia me ensinaram a acreditar que a mesma educação que muda o mundo começa mudando uma pessoa de cada vez. Com esse pensamento em mente, conquistamos a primeira unidade do Colégio, em Presidente Prudente, no ano de 2010. Foi um início difícil, com apenas 20 alunos. Mas não desisti. O mesmo empenho aprendido com minha avó foi utilizado para fazer o Colégio ser

reconhecido,” conta. E o reconhecimento chegou, trazendo junto mais três unidades educacionais. A de Presidente Epitácio surgiu em 2012. Em 2014 foi a vez de Presidente Venceslau e neste ano de 2016, Dracena também ganhou uma unidade do Colégio São Paulo. O Colégio São Paulo acredita que os pais precisam proporcionar aos filhos uma educação de qualidade, para isso conta com uma estrutura sólida e uma equipe de educadores e gestores competentes, preparados para oferecer a melhor educação.

COLÉGIO SÃO PAULO, COMPLETO! A FORÇA DA EDUCAÇÃO ESTÁ AQUI.

Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 69


Saúde

Corpo & Cia oferece Ballet, Zumba, Sapateado e Fitness para adultos Academia mostra que não há limites de idade para realizar sonhos e se superar fisicamente Foto: Fábio Guedes

“Saúde não se caracteriza apenas como um estado de ausência de doenças, mas como um estado geral de equilíbrio no indivíduo, nos diferentes aspectos e sistemas que caracterizam o homem; biológico, psicológico, social, emocional, mental e intelectual, resultando em sensação de bem-estar” Fonte: 1-Bouchard C, Shephard RJ, Stephens T, Sutton JR, McPherson BD (org.) Exercise, Fitness, and Health: A Consensus of Current Knowledge. Champaign, Human Kinetics, 1990:3-28. 2-Cramer JA, Spilker B. Quality of Life and Pharmacoeconomics: An Introduction. Philadelphia: Lippincott-Raven, 1998

01 Ballet Cada dia que passa notamos mais mulheres buscando uma atividade física que esculpa seu corpo e te conecte com seu interior. Não existe uma atividade física que faça isso melhor que a dança. O ballet clássico vem sendo uma das principais opções. Seja para realizar um sonho de infância ou para melhorar condicionamento físico e qualidade de vida. O ballet clássico traz inúmeros benefícios para o corpo, como flexibilidade, postura, coordenação motora, disciplina, resistência muscular, expressão corporal e exercício para mente. Ele permite que a mulher tonifique seu corpo, fortaleça, 70 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

Realizei muito mais que um sonho de menina, ganhei qualidade de vida” Cinara Pedrosa

hipertrofie sem que perca as linhas femininas que só elas têm. O corpo fica esculpido, longilíneo e feminino. E não há limite de idade para isso. Nas aulas de ballet clássico para adultos da Corpo & Cia são respeitadas as vontades individuais de cada aluna. A academia tem desde alunas que realizam o sonho de colocar uma sapatilha e brilhar em cima de um palco, até as que buscam apenas o condicionamento físico. E existem as que querem ir para as aulas para aproveitar um momento de distração e satisfação pessoal. Vejam o depoimento de algumas alunas: “Tudo começou quando eu estava procurando alguma atividade física, então li sobre o ballet adulto e mesmo me


achando nada graciosa fiz a primeira aula e me apaixonei. A cada semana me dedico mais e fico feliz quando percebo que a cada aula as pernas sobem mais, os giros melhoram, pliés e grand pliés mais definidos. Além disso, senti uma melhora significativa na minha respiração, flexibilidade, postura, coordenação motora e resistência”, conta Jocyane Cola, aluna de ballet adulto há mais de um ano. “A maioria das mulheres quando crianças têm o sonho de ser uma bailarina e por diversas situações isso às vezes não é

02

possível. No meu caso, achei que viveria esse sonho através das minhas filhas, porém há três anos recebi o convite da Isabel Lima para conhecer esse novo conceito de ballet para adultos e senti pela primeira vez a magia de poder calçar uma sapatilha. Foi amor já na primeira aula e cercada de uma equipe muito eficiente, aprendi que nada é impossível. Realizei muito mais que um sonho de menina, ganhei qualidade de vida: na saúde, pois trabalho meu corpo de uma forma muito eficaz e na mente e no espírito, pois passo as

melhores horas da minha semana com amigas maravilhosas que ganhei”, são as palavras de Cinara Pedrosa, aluna há mais de três anos. “A dança é uma das raras atividades humanas em que o homem se encontra totalmente engajado: corpo, espírito e coração. A dança é um esporte (só que completo)”. “Venha você também fazer parte desse universo maravilhoso e conectar corpo e mente de um modo totalmente eficiente”, disse a professora de Ballet, Carla de Paula Lima.

Zumba

A Zumba é uma aula de dançaginástica que inclui movimentos de dança latina criando um sistema dinâmico, divertido e eficaz. Uma aula de zumba mistura movimentos aeróbicos com ritmos e coreografias latinas como a salsa, merengue, cúmbia e reggaeton. Os treinos são intervalados para maximizar a queima de calorias e promover a tonificação corporal por completo. Qualquer pessoa em qualquer nível de condicionamento pode fazer as aulas. É uma diversão! Diferente, fácil e eficaz! Queima calorias, melhora a coordenação motora, auto estima, sistema muscular, sistema cardiovascular, vida social, evita a perda óssea e todo mundo pode dançar! Lembrando que só pode ministrar aulas de Zumba fitness pessoas formadas em educação física e devidamente licenciadas pela Zumba (ZIN). “Estou na zumba desde o início aqui na Corpo e Cia, e isso já faz parte da rotina da minha vida, me fez perder quilos e o principal faz muito bem pra minha alma, é como se colocássemos pra fora todas as energias ruins

Pratico Zumba e faz muito bem para minha alma, é como se colocássemos pra fora todas as energias ruins do dia a dia” Debora Maemura

do dia a dia. Só tem um detalhe, muito importante, o que fazemos aqui é realmente a Zumba”, disse Debora Maemura. “Sou uma pessoa que não se atrai por equipamentos de academia, por isso quis investir numa atividade física com ritmos e coreografias, algo animado depois da correria do dia a dia. É uma atividade intensa e é capaz de queimar muitas calorias, mas o melhor é a energia positiva e muita diversão”, afirma Mariana Amélio. “Pratico ballet e zumba aqui na escola,

e as aulas além de fazerem bem para o corpo fazem bem para alma, aliam exercícios aeróbicos , dança, disciplina e muita diversão. As professoras são dedicadas e transmitem o amor que sentem pelo que fazem, isso nos contagia. Fazer parte da escola é fazer parte da família Corpo e Cia”, falou Gleice Gaspar. “Temos satisfação em realizar esse trabalho que tanto faz bem para o corpo e para mente”, disse Nina Nery, professora de Zumba da Corpo & Cia. Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 71


Saúde

03 Sapateado

O sedentarismo ficou de lado” Maria Julia Catarino

O Sapateado Americano, ao contrário que muitos pensam, não é executado apenas com os pés e sim com o corpo todo e assim como todas as danças, promove vários benefícios para a saúde e bem estar, bem como o desenvolvimento do tônus muscular, musicalidade, melhora na coordenação motora, ritmo, renova a autoestima, socialização e confiança. “Comecei a praticar fitness, primeiro para ajudar em um problema de saúde e também para praticar exercícios e atividades físicas. Assim, o sedentarismo ficou de lado. O fitness além do bem estar físico também ajuda no bem estar mental. Pratico três vezes na semana e complemento com aulas de ballet e sapateado”, fala Maria Julia Catarino. A professora de Sapateado da Corpo & Cia é Lidiane Arakaki.

04

Espaço Fitness

Nosso espaço Fitness é direcionado ao público feminino de todas as idades. O trabalho individualizado ou em pequenos grupos faz com que as aulas sejam planejadas e acompanhadas para atender as necessidades e objetivos de cada aluno. Através dos exercícios resistidos e aeróbicos é possível melhorar a postura, o condicionamento físico, aumentar a massa muscular auxiliando a redução de lesões e proporciona melhorias para o sistema cardiorrespiratório. Além disso, a prática prazerosa de exercícios físicos de forma regular ajuda a prevenir doenças, melhora a autoestima e diminui o estresse. A professora de educadora física Bruna Negrão faz o convite a todos para que venham conhecer o espaço e o trabalho realizado.

Fone: (18) 3271-8774

Rua Rodrigues Alves - Presidente Venceslau 72 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 73


Por Dr. Cleyton Cristovão de Matos

Saúde

Biomédico CRBM 6577

Saiba o que é Linfoma de Hodgkin Também chamada de Doença de Hodgkin, o Linfoma de Hodgkin é um tipo de câncer que tem seu início com os linfócitos do tipo B localizados nos gânglios linfáticos.

Como ocorre o Linfoma

O Linfoma começa quando os linfócitos sofrem mutação, crescem e se transformam em células malignas. A ameaça dessas “novas” células está em seu poder de reprodução acelerada e descontrolada. Gerando células em cada novo ciclo reprodutivo com a mesma característica de reprodução em massa, os linfócitos malignos degradam tecidos e migram através dos vasos linfáticos para as regiões do corpo que conseguem. Os locais de imigração das células mutantes são alvo de reações nocivas como inflamação e danos nas células de seus tecidos essenciais. Quando o Linfoma se instaura significativamente nos gânglios linfáticos, eles incham, pois ficam inflamados. Isso ocorre porque o organismo tenta lutar contra as próprias células recém74 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

cancerígenas, vendo elas como invasores. A resistência do corpo contra a doença é ótima, mas não é eficiente por si só. Os gânglios costumam ser bem perceptíveis e, por isso é fácil efetuar essa verificação. Esse sintoma, que é um dos mais específicos, muda conforme o local de atuação dos linfócitos se altera. Os locais onde a doença mais comumente se manifesta são: Axila, Virilha, Pescoço Outras doenças também possuem o aumento dos gânglios linfáticos como consequência. Logo, qual é a diferença entre o Linfoma de Hodgkin e das demais enfermidades nessa questão? No caso do Linfoma de Hodgkin, esse aumento é indolor. Por isso, um aumento que não promove dor é alarmante e motivo para a ida mais rápida ao médico.

Sinais iniciais mais recorrentes:

• Elevação da temperatura corporal • Redução do peso normal rapidamente • Suor durante o sono Sintomas menos recorrentes e específicos: • Reações alérgicas nas áreas afetadas como coceiras • Indisposição • Ausência de fome Importante: É importante valorizar o aparecimento dos linfonodos porque, ainda que na maioria das vezes eles surjam por causas benignas e logo desapareçam (quando a causa é benigna, são chamados por landras ou ínguas), podem ser o início do Linfoma de Hodgkin.


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 75


Por Dra. Liléa Fernanda Gonçalves Répelli

Saúde

Dermatologista CRM: 125-598

Microagulhamento: conheça o tratamento com especialização na técnica também estão aptos a realizá-la. Cuidados antes do microagulhamento

De modo geral, é preciso interromper o uso de qualquer ácido na pele entre 72 e 48 horas antes do procedimento. Cuidados pós microagulhamento

O que é microagulhamento

O microagulhamento é um tratamento em que são usadas diversas agulhas esterilizadas e de aço cirúrgico, que podem inclusive estar dispostas em um rolo que tem, em média, 200 agulhas (“Dermaroller”), para facilitar sua aplicação. Esse rolo é aplicado na pele, provocando pequenas punturas, que aumentam a vasodilatação, estimulam a formação de colágeno e também aumentam a absorção de alguns medicamentos direto na pele. Dessa forma, o microagulhamento pode ser usado para diversos problemas de pele, como envelhecimento, rugas, flacidez, cicatrizes, estrias, melasma e calvície. O microagulhamento pode ser feito em qualquer lugar do corpo, como rosto, colo, pescoço, mãos, braços, seios, coxas, abdômen, entre outros, inclusive no couro cabeludo. Como é feito o microagulhamento

O ideal é que o microagulhamento seja feito no consultório médico, pois requer uso de creme anestésico ou mesmo anestesia local, dependendo do comprimento de agulha utilizado, além de estar passível de complicações e riscos, que serão mais bem solucionados pelo médico. 76 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

Primeiro é aplicado o creme anestésico, entre 30 e 50 minutos antes do procedimento em si. O microagulhamento consiste na aplicação de microagulhas na pele. O comprimento das agulhas pode variar de 0,25 a 3 milímetros e ter diâmetro de até 0,8 milímetros. São realizados movimentos de vai e vem com o aparelho em toda área tratada. Em média são feitas de 10 a 15 passadas em um mesmo plano e pelo menos quatro cruzamentos na área de rolagem. Há produção de um sangramento que também pode variar de acordo com a espessura da agulha, mas o sangramento cessa após alguns minutos. Em geral são feitas entre três e quatro sessões de microagulhamento, com intervalo de um mês entre elas, para recuperação da pele. Mas a quantidade de sessões e intervalo podem variar de acordo com a finalidade do tratamento e as características da agulha usada. Cada sessão dura, em média, de 30 minutos a uma hora. Profissionais que podem fazer

O microagulhamento deve ser feito por médicos, de preferência dermatologistas e cirurgiões plásticos especializados na técnica. Fisioterapeutas dermatofuncionais

O uso de água termal para acalmar a pele é indicado, além de cicatrizantes com antibióticos, que serão receitados pelo dermatologista. Evite aplicar água quente no rosto nas primeiras 24 horas e não mexa no local. É importantíssimo evitar a exposição solar nos primeiros 45 dias e sempre usar filtro solar adequado a pele, em geral com fator de proteção solar maior do que 30, para evitar formação de manchas. Além disso, se aparecerem crostas na pele, é importante não arrancá-las. Contraindicações

Pacientes com problemas de coagulação sanguínea, em uso de anticoagulantes, pessoas com diabetes não controlado ou câncer e com lesão ou doença de pele ativa na região que será tratada são todos contraindicados a fazer o microagulhamento. Também é contraindicado para quem tem psoríase ou fez uso de isotretinoina nos seis meses anteriores. Associado a administração de medicamentos, é contraindicado para gestantes. Resultados

A regeneração ocasionada pelo microagulhamento promove rejuvenescimento, devido ao estímulo do colágeno, e melhora a textura da pele, diminuição de rugas, atenuando cicatrizes, linhas de expressão, manchas e estrias. Há também melhora do tônus e firmeza da pele e aumento do diâmetro dos cabelos, nos casos de calvície.


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 77


Dr. Vallentim Grion

Saúde

A

CRO 85690 - Cirurgião Dentista Especialista em Implantes Dentários Membro da Academia Brasileira de Osseointegração Cirurgião Credenciado por Banco de Tecido Ósseo Cirurgião Credenciado pelo Sistema Nacional de Transplantes Diretor da Clínica Grion Odontologia

Câncer de Boca e Garganta

boca e a garganta participam de vários processos do organismo, como digestão, fala e alimentação. Por isso, é preciso estar atento ao risco de desenvolvimento de câncer. No Brasil, são estimados mais de 32 mil casos de tumores nessa região, que compreende as partes da boca (lábios, língua, mandíbula, gengiva e glândulas salivares) e garganta (amígdala, orofaringe, laringe e tireoide). Por se tratar de uma doença assintomática, é preciso atenção aos primeiros sinais encontrados, como: • Feridas que não cicatrizam; • Áreas esbranquiçadas em toda a região da boca, como assoalho (ou piso) da boca, língua ou amígdala. O paciente pode ser atendido por um Cirurgião Dentista ou um Médico da área de Otorrinolaringologia. Ao perceber os sintomas, um especialista deve ser consultado para um diagnóstico mais preciso.

78 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

Exame Clínico

O especialista fará primeiro um exame clínico, para identificar possíveis tumores já visíveis, como nódulos no pescoço ou áreas esbranquiçadas na região da boca. Exames Diagnósticos

Quando não há quadro de melhoras em feridas, a biópsia é o principal recurso para diagnóstico. Recomenda-se também exames de imagem, como a tomografia e a ressonância, que colaboram para o planejamento médico ao determinar a extensão da doença, principalmente em casos de metástases. A localização e o estágio do câncer irão determinar qual tratamento é o mais adequado. A cirurgia é o procedimento indicado para tumores em estágio inicial e os encontrados na boca, como nas glândulas salivares e língua; tratamento padrão também para o câncer de tireoide e sarcomas. Já para os tumores diagnosticados tardiamente e mais avançados, além dos

localizados na garganta, uma combinação de métodos terapêuticos será precisa. Nasofaringe e a orofaringe, por exemplo, respondem bem a tratamentos radio e quimioterápicos, assim como a laringe. E de acordo com a necessidade do paciente, a cirurgia também poderá ser feita. Tabagismo e excesso de álcool continuam sendo as principais causas de câncer de boca e garganta. Porém, nos últimos anos, mesmo com a redução do número de fumantes, a incidência de tumores não diminuiu: passaram a surgir casos relacionados ao papilomavírus humano (HPV), devido práticas sexuais sem proteção. Outros Fatores

A utilização de antissépticos bucais com alto teor de álcool por períodos longos e constantes também pode ser um fator de risco. Alimentação inadequada, com excesso de carne vermelha e ausência de frutas e verduras e hábitos de vida sedentários são outras causas.


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 79


80 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Saúde

Alimentos funcionais Mais do que apenas nutrir, saiba do que é capaz um superalimento Por Nathália Oliveira

Q

uando as estações mais quentes do ano se aproximam, a busca pela exibição de um corpo sequinho se torna incansável. Assim, a preocupação com a saúde também ganha destaque na vida daqueles que desejam um shape enxuto. Os alimentos funcionais são grandes aliados para quem quer entrar em forma. São alimentos que, além da função nutritiva, trazem benefícios à saúde, auxiliando na redução do risco de doenças crônicas degenerativas, como câncer e diabetes, por exemplo. Apesar de estar na moda, não é preciso gastar horrores para ter acesso aos alimentos funcionais. Eles são acessíveis a todos os bolsos e podem facilmente integrar a sua despensa. Segundo estudos, quanto mais cedo esses alimentos forem inclusos em seu cardápio, maior a chance de se beneficiar deles. Se possível, a apresentação destes deve ser feita ainda na infância, pois é nessa fase que a alimentação se torna determinante para a criação de bons hábitos que acompanharão a pessoa por toda a vida. O primeiro alimento

considerado funcional é o leite materno, por possuir todos os nutrientes necessários para o bebê, conter anticorpos e outros fatores que ajudam a combater possíveis infecções e por ser de fácil digestão. Crianças amamentadas exclusivamente até o 6º mês apresentam redução de 30% no risco de asma nos primeiros anos de vida e de 52% de desenvolvimento de doença celíaca durante a exposição ao glúten, além de redução nos índices de obesidade e colesterol: cada mês de aleitamento materno exclusivo reduz em 4% o risco de se tornar obeso na vida adulta. Também conhecidos como “superalimentos”, eles têm o poder de influenciar no humor, alegrando, acalmando, energizando e claro, emagrecendo. Mas esse tipo de alimento não faz milagre se o indivíduo não seguir uma dieta equilibrada, focada no resultado que deseja obter. Para alcançar os resultados esperados, o consumo dos superalimentos deve ser regular, isso porque eles não funcionam como medicamentos, portanto seu efeito não é imediato.

Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 81


Saúde CONHEÇA OS PRINCIPAIS COMPOSTOS FUNCIONAIS INVESTIGADOS PELA CIÊNCIA, PARA QUE SERVEM E EM QUAIS ALIMENTOS SÃO ENCONTRADOS: - Isoflavonas

Para que servem: Ação estrogênica (reduz sintomas da menopausa) e anticâncer. Onde encontrar: Soja e derivados - Proteínas de soja

Para que servem: Redução dos níveis de colesterol. Onde encontrar: Soja e derivados - Ácidos graxos ômega-3

Para que servem: Redução do LDL - colesterol; ação anti-inflamatória; indispensável para o desenvolvimento do cérebro e da retina de recém nascidos Onde encontrar: Peixes marinhos como sardinha, salmão, atum, anchova, arenque, etc. - Ácido a - linolênico

Para que servem: Estimula o sistema imunológico e tem ação anti-inflamatória Onde encontrar: Óleos de linhaça, colza, soja; nozes e amêndoas - Catequinas

Para que servem: Reduzem a incidência de certos tipos de câncer, reduzem o colesterol e estimulam o sistema imunológico Onde encontrar: Chá verde, cerejas, amoras, framboesas, mirtilo, uva roxa, vinho tinto - Licopeno

Para que servem: Antioxidante, reduz níveis de colesterol e o risco de certos tipos de câncer, como de próstata. Onde encontrar: Tomate e derivados, goiaba vermelha, pimentão vermelho, melancia - Luteína e Zeaxantina

Para que servem: São Antioxidantes; protegem contra degeneração macular. Onde encontrar: Folhas verdes (luteína), pequi e milho (zeaxantina) - Indois e Isotiocianatos

Para que servem: Indutores de enzimas protetoras contra o câncer, principalmente de mama. Onde encontrar: Couve flor, repolho, brócolis, couve de bruxelas, rabanete, mostarda 82 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

- Flavonoides

Para que servem: Atividade anticâncer, vasodilatadora, anti-inflamatória e antioxidante. Onde encontrar: Soja, frutas cítricas, tomate, pimentão, alcachofra, cereja - Fibras solúveis e insolúveis

Para que servem: Reduzem risco de câncer de cólon; melhoram o funcionamento intestinal. As solúveis podem ajudar no controle da glicemia e no tratamento da obesidade, pois dão maior saciedade Onde encontrar: Cereais integrais como aveia, centeio, cevada, farelo de trigo, etc; leguminosas como soja, feijão, ervilha, etc.; hortaliças com talos e frutas com casca - Prebióticos - frutooligossacarídeos, inulina

Para que servem: Ativam a microflora intestinal, favorecendo o bom funcionamento do intestino. Onde encontrar: Extraídos de vegetais como raiz de chicória e batata yacon - Sulfetos alílicos (alilsulfetos)

Para que servem: Reduzem colesterol, pressão sanguínea, melhoram o sistema imunológico e reduzem risco de câncer gástrico. Onde encontrar: Alho e cebola - Lignanas

Para que servem: Inibição de tumores hormônio-dependentes. Onde encontrar: Linhaça, noz moscada - Tanino

Para que servem: Antioxidante, antisséptico, vaso-construtor Onde encontrar: Maçã, sorgo, manjericão, manjerona, sálvia, uva, caju, soja - Estanois e esterois vegetais

Para que servem: Reduzem risco de doenças cardiovasculares. Onde encontrar: Extraídos de óleos vegetais como soja e de madeiras - Probióticos - Bífidobacterias e Lactobacilos

Para que servem: Favorecem as funções gastrointestinais, reduzindo o risco de constipação e câncer de cólon Onde encontrar: Leites fermentados, Iogurtes e outros produtos lácteos fermentados


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 83


Saúde

Por Ana Flávia Jeronimo Dalmazo Tecnóloga em Estética e Cosmetologia Fone: (18) 3272-1552 - 98153-5777

A Importância do Pós Operatório em Cirurgias Plásticas

O

resultado de qualquer cirurgia plástica, para que atinja as expectativas tanto do paciente quanto do cirurgião, depende de uma série de fatores. Assim como também para garantir a eficácia da cirurgia, evitar possíveis complicações e passar por uma recuperação tranquila e saudável. Todo cuidado é pouco quando se trata de cirurgia plástica. O período pós-operatório tem suas características específicas e não adianta fugir. Todo tecido submetido a uma cirurgia sofre algum tipo de lesão e precisa ser restaurado. Este processo de restauração recebe o nome de reparação tecidual e ocorre imediatamente após a agressão tecidual. Na sequência encontramse alterações como: edema (inchaço), equimoses (manchas roxas) e formação de tecido cicatricial (fibrose), que fazem parte do processo de reparo e são tratadas, uma vez que trazem disfunções para os tecidos em questão. Os cuidados no pós-operatório cirúrgico tem demonstrado ser um fator preventivo de inúmeras intercorrências, além de promover um resultado estético 84 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

mais rápido, mais eficiente e funcional. Entre os principais benefícios estão a redução do edema, das nodulações fibróticas no tecido subcutâneo e de aderências teciduais, alívio da dor, maior rapidez na recuperação das áreas com diminuição de sensibilidade, bem como no retorno do paciente às suas atividades cotidianas. As aderências, anteriormente citadas, são agravantes no pós-operatório, impedindo o fluxo normal de sangue e linfa, aumentando ainda mais o quadro edematoso e fibrótico, que retarda a recuperação. O profissional atuará prevenindo e tratando tais alterações, possibilitando uma recuperação mais rápida e evitando períodos longos de limitações. O tratamento devolve flexibilidade ao tecido, ou seja, a funcionalidade. É importante lembrar que tratamentos baseados somente em drenagem linfática são ineficazes para o tratamento das fibroses. É necessário reorganizar todo o tecido cicatricial. Não adianta drenar um edema se a via de condução dele não está livre pela presença de tecido fibrótico entre o meio intersticial e o vaso linfático. Utilizando os recursos corretos no momento correto do

curso cicatricial do tecido, pode-se garantir grandes benefícios aos transtornos estéticos. Quais as técnicas e os cuidados em um Pós Operatório?

O uso combinado de terapias como a drenagem linfática, ultrassom, radiofrequência, endermologia, infravermelho entre outras, fazem com que o corpo responda melhor. Tão importante quanto a escolha de um cirurgião qualificado para a realização de uma cirurgia, é a escolha de um profissional para dar continuidade na sua recuperação. O trabalho conjugado ao acompanhamento médico potencializa o resultado esperado, colaborando para que a recuperação póscirúrgica seja feita de forma segura, mais rápida e eficaz. São tratamentos específicos de acordo com a necessidade do paciente, cada vez mais recomendado pelos médicos na recuperação. Lembre-se que a cirurgia plástica só terá o resultado final esperado, fazendo um tratamento pós operatório adequado desde o início da sua recuperação.


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 85


Saúde

Método Skinny, um novo conceito na redução de gordura corporal Técnica promete resultados sem sacrifícios Por Nathália Oliveira Foto: Fábio Guedes

O

Método Skinny parece um sonho para as pessoas que querem perder medidas sem suar a camisa na academia, fazer dietas restritivas, tratamentos estéticos dolorosos, uso de medicamentos ou cirurgias. Comprovado pela Universidade de Brasília e registrado pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), une técnicas de aromoterapia, nutricosmética, dermacosmética e massoterapia aliadas a uma dieta funcional. Apesar da procura ser maior por parte das mulheres, o método se estende também ao público masculino, já que os homens estão cada vez mais vaidosos e preocupados com o corpo e a saúde. Consiste num programa de tratamento, desenvolvido pelo Professor Ricco Porto - esteticista e massoterapeuta brasiliense - membro da World Massage Federation (Federação Mundial de Massagem) no Brasil, que promove a queima de gordura de forma saudável, acelerando o metabolismo através de massagem combinada com uso de óleos essenciais. O tratamento totaliza dois meses de duração, com duas sessões semanais de aproximadamente 50 minutos cada. Aparelhos são dispensados e a massagem é realizada em pontos específicos, no intuito de ativar a aceleração do metabolismo. Durante esse período, o método promove adaptações metabólicas no organismo indispensáveis ao emagrecimento. Essas 86 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

O Método Skinny traz estratégias de emagrecimento sem sofrimentos e de forma totalmente saudável. Os resultados são rapidamente visíveis, o que motiva as pessoas a continuarem firmes no tratamento” Sandra Pimenta


isso os resultados são comprovadamente satisfatórios. O método é sistematizado em forma de um grande programa composto por 4 fases: 1ª Fase - Reequilíbrio 2ª Fase - Condicionamento orgânico 3ª Fase - Lipólise 4ª Fase - Gasto Calórico

ANTES

DEPOIS

adaptações vão diretamente ao encontro do anseio de pessoas que têm grande dificuldade de perder gordura corporal, mesmo praticando atividade física, pois otimiza o metabolismo de lipídios, de uma forma eficaz e acelerada, alcançando assim os objetivos pretendidos. O criador da técnica garante que é possível perder de 5 a 16kg de gordura corporal, inclusive em pessoas sedentárias. É importante salientar que o método não elimina líquido e consequentemente medidas, mas sim gordura. Durante o tratamento, o paciente recebe um acompanhamento rigoroso por parte da esteticista, proporcionando uma verdadeira parceria com o objetivo de alcançar resultados efetivos e duradouros. Após as sessões, o paciente segue orientações previstas no método, como fazer exercícios físicos e seguir um acompanhamento nutricional. No Skinny é trabalhada a fisiologia do paciente, por

Apenas profissionais autorizados pelo Instituto Ricco Porto podem aplicar o método. São mais de 2.000 profissionais habilitados pelo instituto em todo o Brasil, além de outros países da América, Europa e Ásia. Em Presidente Venceslau, a esteticista Sandra Pimenta está apta a desenvolver a técnica, que é relativamente nova, mas já faz sucesso entre a mulherada que pretende ficar em forma para o verão. “O Método Skinny traz estratégias de emagrecimento sem sofrimentos e de forma totalmente saudável e duradoura. Os resultados são rapidamente visíveis, o que motiva as pessoas a continuarem firmes no tratamento”, diz. A esteticista afirma que é um método totalmente inovador, considerado uma revolução na estética corporal. “As pessoas estão acostumadas a associar emagrecimento com dietas malucas ou sacrifícios. O método veio para provar que é possível perder gordura de forma rápida, eficiente e indolor, isso se o paciente aceitar seguir as orientações propostas pelo método, porque mais que um tratamento estético, é uma relação de confiança e parceria entre o profissional e o cliente”, finaliza Sandra.

Agende uma avaliação com a esteticista Sandra Pimenta e conheça mais detalhadamente o Método SKINNY® que tem ajudado de uma forma diferente, muitas pessoas a perder peso, totalmente capacitada e dedicada ao sucesso do seu tratamento. A esteticista conta com a parceria da nutricionista Dra. Lívia Rondó. Rua Regente Feijó, 133-3 - Centro Presidente Venceslau Fone: (18) 9 9119 1994

Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 87


Educação e Cultura

Por Instituto Conhecer

O valor de um talento

N

ós temos o dom de admirar pessoas que façam algo surpreendente: ficamos boquiabertos com a forma com que a ginasta, com sua leveza, flutua sobre o solo, embalada pelos ritmos mais diversos; nos assustamos com a monstruosidade dos halterofilistas, ao levantarem pesos que, só de ver, já nos dá dor nas costas; ficamos impressionados com a velocidade alcançada pelos atletas, com seus movimentos rápidos, porém, calculados. Seja com pontarias perfeitas, sincronismo pontual ou golpes precisos, os Jogos Olímpicos reúnem os melhores dos melhores em suas respectivas categorias. Talvez por isso, este evento, que surgiu há mais de 700 anos antes de Cristo, ainda seja tão aclamado. Entretanto, apesar de toda a exaltação no parágrafo anterior, tenho de dizer: mesmo sendo os maiores destaques do mundo, são apenas pessoas normais. “Como assim?”, você me pergunta. “Como podem ser pessoas normais fazendo coisas 88 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

admiráveis?”. Peraí que vou explicar. O que você acha de alguém que, durante meses, cozinhou e levou comida para uma família de desabrigados que vivia perto de sua casa? Impressionante? E alguém que, após uma jornada de mais de 11 horas de trabalho, se dedica a ensinar pessoas da terceira idade a ler e escrever? Impressionante? E alguém que, após sair do trabalho, é voluntário para ajudar a dar banho em doentes em um hospital público? Impressionante? Sim. Demais. O fato é que todos têm um talento, isto é, conseguimos fazer algo melhor (ou com mais facilidade) do que os outros, realizando feitos que sobressaiam aos demais. O que acontece é que alguns têm a sorte de seu dom ter um destaque maior, seja pela mídia, ou por pessoas que dão uma importância superlativa àquilo. Mas por que o feito de alguém que dedica sua vida a ajudar o próximo é inferior ao daquele que consegue correr 100 metros em menos de dez segundos? “Porque qualquer pessoa pode ajudar o próximo”,

você me responde, “mas são poucos que conseguem correr tão rápido”. Concordo. Mas já que qualquer um pode ajudar, por que não temos uma multidão ajudando, se é tão fácil? Simples: porque isso também é uma habilidade. Ajudar, amparar, reservar um tempo, cuidar... tudo isso é dom! Não estou falando que as Olimpíadas não são importantes (lembra como a exaltei no início do texto?), o que quero dizer é que todos têm um talento. Meu objetivo aqui é incentivá-lo a usar esse “presente de Deus” para mudar a vida de alguém. Não importa se o que você faz de melhor é oferecer um abraço a quem precise. Use seu dom, não tenha medo de expô-lo para o mundo (sua comunidade, seu bairro, sua rua, etc.). Temos de fazer acontecer com o que temos e onde vivemos. Faça com que seu talento seja a diferença na vida de outras pessoas. Você não precisa subir num pódio, basta observar os resultados obtidos e terá uma certeza em seu coração: você é ouro!


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 89


Mercado Imobiliário

100 anos do Código Civil e a continuidade do registro e aquisição de imóveis

E

Por José Edmur Ardivino

m se falando de registro imobiliário, a transferência subsequente não torna inexistente a anterior; existe uma “crônica” do imóvel. Chama-se “Princípio da Continuidade” no direito brasileiro a ordenação sequencial dos direitos sobre o imóvel e dos titulares desses direitos. É também conhecido por princípio do registro do título anterior, do trato sucessivo, do trato contínuo da prévia inscrição, ou da inscrição prévia do prejudicado pelo registro e está previsto na lei dos registros públicos. Para que fique mais claro o que aqui mencionamos e defendemos, transcrevo abaixo dois artigos que constam na Lei 6.015/1976. Vejamos: Art.195 - Se o imóvel não estiver matriculado ou registrado em nome do outorgante, o oficial exigirá a prévia matrícula e o registro do título anterior, qualquer que seja a sua natureza, para manter a continuidade do registro. Art.237 - Ainda que o imóvel esteja matriculado, não se fará registro que dependa da apresentação de título anterior, a fim de que se preserve a continuidade do registro. Muito bem. Até que entrasse em vigor o Código Civil de 1916, o registro de imóveis no Brasil não abrangia todos os atos relativos à transmissão do domínio, e as inscrições dos atos submetidos a registro não faziam prova de titularidade. Por conta disto, não tinha como cogitar do Princípio de Continuidade, por estar suposto, na própria lei, que o registro era incompleto e não tinha força para induzir a presunção de que as transmissões nele refletidas - e não outras - representassem a verdadeira história dos direitos concernentes a determinado imóvel. Para que esses defeitos fossem superados, o Código Civil de 1916 impôs que fossem inscritos todos os atos - inter vivos, mortis causa ou iussu iudicis (ordem do Juiz) - relativos à transmissão do domínio, conferindo a inscrição, força geradora de presunção de titularidade, passando

o princípio de continuidade como regra fundamental. No entanto, a introdução no direito brasileiro só foi explicitamente introduzida pelo Decreto nº 18.542 de 24/12/1928, in verbis: Art. 206 - Se o imóvel não estiver lançado em nome do outorgante, o oficial exigirá a transcrição do título anterior, qualquer que seja a sua natureza, para manter a continuidade do registro. Art. 234 - Em qualquer caso, não se poderá fazer transcrição ou inscrição sem prévio registro do título anterior, salvo se este não estivesse obrigado a registro, segundo o direito então vigente, de modo a assegurar a continuidade do registro de cada prédio, entendendo-se por disponibilidade a faculdade de registrar alienações ou onerações dependentes, assim, da transcrição anterior. Objeto de disputa no tempo foi a validade dessas regras e sua aplicação. Mas o próprio tempo preponderou o entendimento e ainda nos deu duas fundamentais funções: a primeira, faz com que o registro de imóveis retrate a realidade jurídica do domínio privado. A segunda, por sua vez, impede que um não legitimado disponha de um direito inscrito, ou seja, permitir que, pelo registro, se verifique a legitimação registral. O registro imobiliário atingiu sua finalidade última, ou seja, dar ao público segurança sobre fatos nele inscritos, garantir transmissões aos respectivos legitimados, ordem jurídica com empenho e velando para que sua integridade não seja atacada por transmissões a “nom domino” (Expressão usada para indicar a transferência de bens imóveis por quem não é o dono legítimo), o que não seria possível sem o Princípio da Continuidade. Todavia, é a propriedade o mais amplo dos direitos reais, compreendendo não só o domínio como a posse jus possidendi (Direito de possuir, inerente ao direito de propriedade). Assim, o domínio sem a posse não constitui o direito de propriedade propriamente dito, mas apenas o direito real

Por José Edmur Ardivino

de domínio, que é menos amplo. Contudo, presume-se pertencer à posse a quem tem o domínio e daí a razão por que, muitas vezes, empregamos esses vocábulos - domínio e propriedade - como sinônimos. O titular do direito de propriedade tem, necessariamente, não só o domínio como a posse, e assim, pode exercer todos os direitos que daí decorre: disposição, uso, fruição e garantia. O titular do direito de domínio sem posse, antes de vindicá-la, não pode constituir sobre o imóvel certos direitos reais de uso, gozo e garantia, onde exemplificamos a habitação, anticrese (Direito real de garantia); nem exercitar outros direitos como os de partilhar, dividir, demarcar, uma vez que estes direitos pressupõem também a posse, ou melhor, o direito de plena propriedade. As remissões a outras leituras me parecem boa técnica para proporcionar ao profissional interessado a imediata integração com a doutrina sobre a matéria versada e um meio de referência para superação das dúvidas que o tema enseja. O domínio é suscetível de limitações pela lei ou de restrições em virtude de negócios jurídicos. Os direitos que a outrem pertençam sobre a coisa (arresto, penhora, sequestro), uma vez extintos, deixam pleno o direito de propriedade para o seu titular. O que deixo como conclusão desta pequena homenagem a verdadeira democracia que só é possível através de códigos de conduta, moral e ética aplicável a uma sociedade de princípios, é que uma arrematação não é permitida sem a pré-inscrição do afetado; a isso chama se “credibilidade”. Aproveito para lembrar de meu pai, José Ardivino, quando de seu lema em letras bem legíveis em todas as escrituras que lavrava no então Primeiro Cartório de Notas e Oficio de Justiça de Presidente VenceslauSP: “Quem não registra, não é dono”. Nota: Esta é uma obra de pesquisa e simples homenagem. Procure sempre um advogado.

Corretor de Imóveis, CRECI: 118.073-F e sócio proprietário da Imobiliária Habitacional de Presidente Venceslau, SP.

90 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 91


Reportagem Especial

Os Sanguessugas da Santa Casa

Operação Sanctorum desvendou esquema de desvios de recursos destinados para a saúde

Por Wagner Bueno Fotos: Fábio Guedes

Q

uando os policiais entraram na Santa Casa de Presidente Venceslau, na manhã daquela quinta-feira, talvez não imaginassem que estavam ali para atender uma emergência – mas foi isso que fizeram. Era preciso fazer parar de jorrar o dinheiro público que deveria ser usado para comprar equipamentos hospitalares e medicamentos, mas que só abastecia as contas de bandidos escolados – reincidentes na prática de desvio de recursos. Dia 02 de junho de 2016 – o cumprimento de um mandado de busca e apreensão na Santa Casa era apenas uma das ações deflagradas pela Polícia Civil venceslauense para interromper a prática criminosa que atingia não apenas o hospital de Presidente Venceslau – a suspeita era de que pelo menos outras 20 instituições tinham sido alvo da quadrilha. Ao mesmo tempo, uma equipe liderada pelo delegado seccional Mauro Chiyoda, prendia em Cuiabá, no Mato Grosso, os

dois acusados de chefiarem o esquema. Em uma casa luxuosa, estava Ronildo Pereira de Medeiros. No apartamento de um prédio, também de alto padrão, estava Luiz Antônio Vedoin. Ambos conhecidos da Polícia e dos brasileiros que viram, em 2006, o nome dos dois sócios ligados a um escândalo que ficou conhecido como a Máfia das Sanguessugas (ver quadro). Nos dois locais – as casas deles – também foram apreendidos documentos, notas fiscais, celulares, computadores, pendrives e discos rígidos externos. A operação, batizada de Sanctorum, ainda levou à prisão, naquela mesma quintafeira, um laranja da quadrilha, Denivaldo Mateus de Lima, em Goiânia (GO), e do susposto operador do esquema no Oeste Paulista, Gilmar Bernardes, em Presidente Prudente (SP). O delegado Everson Contelli, responsável pela investigação, identificou o funcionamento do esquema por meio de uma denúncia. O homem que procurou a Polícia apresentou indícios de que a Santa

Casa tinha sido colocada em uma trama que envolvia a remessa de dinheiro de emendas parlamentares, a compra de equipamentos superfaturados e o desvio dos recursos. A Polícia passou a acompanhar a ação dos criminosos – e a negociação realizada entre eles e o provedor da Santa Casa, Antônio José Aldrighi dos Santos. Foi assim que se descobriu que o provedor vinha sofrendo ameaças, inclusive de morte, por demorar a repassar o dinheiro que tinha sido desviado. Uma reunião chegou a ser marcada para discutir quando e como esses recursos seriam “pagos” à quadrilha. O encontro ocorreu em um café e loja de conveniência de um posto de combustíveis em Presidente Prudente. As imagens do circuito interno de segurança mostram os participantes. Ali estão Vedoin, Ronildo, Gilmar, a diretora administrativa da Santa Casa, Valdirene Ferreira Penteado Aldá e mais uma pessoa ligada à instituição, que a pedido da Polícia não vai ser identificada. O saldo da operação, denominada SANCTORUM, confirmou o que já se suspeitava. Duas verbas, uma no valor de 300 mil reais, e outra, no valor de 500 mil, tinham sido encaminhadas para a Santa Casa de Venceslau. A instituição então fez o que os criminosos mandaram – acertou a compra de equipamentos hospitalares e medicamentos das empresas indicadas pelo esquema. Os remédios nunca foram entregues. Quanto aos equipamentos, a Polícia ainda apura se eles realmente chegaram à unidade, mas o que já se sabe é que o valor pago por eles foi superfaturado. Uma cama hospitalar, por exemplo, que num levantamento feito pelos policiais foi encontrada no mercado por cerca de R$1.650,00, custou à Santa Casa R$4.250,00 – praticamente 160% a mais. As apurações apontaram que o desvio pode ter superado os 420 mil reais, ou seja, mais da metade das verbas de 800 mil reais acabou desviada. Outro desdobramento da ação policial teve impacto direto sobre a administração da Santa Casa. Antônio José Aldrighi dos Santos foi preso no escritório dele, no Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 93


Reportagem Especial centro de Presidente Venceslau, quatro dias depois da primeira fase da operação. Além dos indícios de que ele havia colaborado com o esquema, foi descoberta uma reunião entre ele e o operador da quadrilha, Gilmar Bernardes, poucos dias antes da Sanctorum ser deflagrada. Aldrighi permanece preso, bem como Luiz Antônio Vedoin, Ronildo Pereira de Medeiros e Gilmar Bernardes. Apenas Denivaldo de Lima foi liberado após prestar depoimento e cumprir cinco dias de prisão temporária. Segundo o delegado responsável, Everson Contelli, os braços da quadrilha podem ter atingido pelo menos outras 20 Santas Casas e unidades hospitalares – e desviado mais de 20 milhões de reais. A Santa Casa já tem um novo provedor. Apesar da pressão popular para que uma auditoria fosse realizada para apurar a extensão do dano provocado pelo esquema e se outros desvios não ocorreram, a diretoria decidiu aguardar o resultado das investigações policiais e as decisões da Justiça para então definir se vai tomar tais ações. Enquanto isso, a instituição segue operando com dificuldades financeiras. Já a população segue esperando por consultas e cirurgias – que já poderiam ter sido realizadas com o dinheiro que foi pelo ralo da corrupção.

MÁFIA DOS SANGUESSUGAS

Em 2006, Luiz Antônio Vedoin e Ronildo Pereira de Medeiros já tinham sido presos. Eles foram acusados e considerados culpados de desviar recursos destinados a compra de equipamentos hospitalares e ambulâncias - num esquema que ficou conhecido como Máfia das Sanguessugas. A grande diferença entre aquele esquema – também consistia em direcionar dinheiro de verbas parlamentares e superfaturar compras – e o descoberto nas investigações que culminaram na Operação Sanctorum é que Vedoin e Ronildo não apareciam diretamente ligados à ação criminosa. Desta vez, tudo ocorria com empresas de fachada, em nome de laranjas ligados aos dois. Mas a Polícia descobriu a ligação – e chegou a encontrar, no apartamento de Vedoin – notas fiscais e cheques emitidos pela Santa Casa de Presidente Venceslau para a compra de equipamentos e medicamentos – pagamentos feitos às empresas de fachada. Vedoin e Ronildo ainda foram flagrados em uma reunião com funcionários da Santa Casa em que vieram até o Oeste Paulista pra cobrar o repasse do dinheiro desviado. 94 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016

COMO FUNCIONAVA O ESQUEMA Operadores do esquema, chefiado por Vedoin e Ronildo, procuravam diretores e provedores de hospitais que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Eles ofereciam verbas de emendas parlamentares para a compra de equipamentos hospitalares – mas

havia uma condição: o dinheiro tinha que ser gasto em empresas indicadas pelo esquema. As empresas eram de fachada – e estavam em nome de laranjas. As compras então eram superfaturadas e o dinheiro desviado chegava aos chefes da quadrilha e abastecia a engrenagem criminosa.


O Provedor Preso

E

xiste um fato inegável sobre o envolvimento de Antônio José Aldrighi dos Santos no esquema revelado pela Operação Sanctorum: se o provedor não tivesse aceitado participar, a quadrilha não teria como esticar seus tentáculos sobre a Santa Casa de Presidente Venceslau. Não bastasse o papel decisivo que ele desempenhou na viabilização do desvio de recursos na instituição, Aldrighi ainda se encontrou com um operador do esquema, Gilmar Bernardes, em Presidente Prudente, poucos dias antes da Operação ser deflagrada – informação que só veio à tona depois do depoimento de Bernardes à Polícia, já preso. Qual o motivo desse encontro? O que o provedor foi dizer ou escutar do operador? A Polícia ainda investiga. Mas a informação foi a gota d’água que o delegado responsável pelo inquérito, Everson Contelli, esperava para pedir a prisão de Aldrighi. Ela foi prontamente autorizada pela Justiça. Quatro dias depois da operação, o então provedor foi preso no escritório dele, num prédio no centro de Venceslau. Policiais ainda cumpriram mandados de busca e apreensão no escritório e na casa dele. Mas esse não foi o único encontro entre Aldrighi e os membros do esquema. A Polícia apurou que ele foi o primeiro a ser abordado, em uma reunião realizada em um posto de combustíveis às margens da rodovia Raposo Tavares, no trecho que corta Presidente Venceslau. Nesse dia, Aldrighi conheceu Gilmar Bernardes, o operador da quadrilha no Oeste Paulista, e recebeu uma proposta de encaminhamento de uma verba de 2 milhões e 800 mil reais. Quatro meses depois, o provedor participou de uma nova reunião, desta vez, em São Paulo, em que, segundo a Polícia,

estavam presentes representantes de outros 20 hospitais e instituições. Depois disso, a verba diminuiu – ficou em 800 mil reais – e chegou à Santa Casa de Venceslau por meio de duas emendas – uma de 300 mil e outra de 500 mil. O recurso veio sinalizado como verba de custeio – e isso atrapalhou os planos da quadrilha, já que não poderia ser usada pra compra de equipamentos. A investigação policial revelou que os chefes do esquema e Aldrighi entraram então num acordo – comprovado por meio de notas fiscais. As empresas de fachada ligadas a Luiz Antônio Vedoin e Ronildo Pereira de Medeiros doaram equipamentos hospitalares para a Santa Casa. O valor total desses equipamentos – todos superfaturados – chega próximo aos 800 mil reais – mas vieram a custo zero para a instituição. Ao mesmo tempo, a Santa Casa comprou de outras empresas (também ligadas ao esquema) de medicamentos e materiais de uso hospitalar – no valor de

800 mil reais - sendo que esses produtos nunca foram entregues. Segundo a Polícia, o desvio superou os 420 mil reais, mais da metade do total de recursos recebidos. Mas o valor não foi totalmente repassado a Vedoin e Ronildo. Apenas uma parcela foi transferida – cerca de 290 mil reais – mas as investigações apontaram que Aldrighi não prosseguiu com os repasses. A partir daí ele passou a receber ameaças. Os próprios chefes do esquema, irritados e cobrando “o dinheiro que era deles”, teriam ameaçado de morte o provedor e outras pessoas da família dele. Aldrighi teria participado de pelo menos mais uma reunião para cobrança do dinheiro e enviado representantes da Santa Casa para uma outra – reunião que foi confirmada por meio de vídeos das câmeras de segurança de um café e loja de conveniência de um posto de combustíveis onde o encontro foi realizado. A última reunião foi com Gilmar Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 95


Reportagem Especial Bernardes, dias antes da Operação. Depois disso, a Polícia pôs um fim ao esquema e chegou à prisão de Aldrighi. Ele foi afastado da Santa Casa e em meio à pressão popular, a direção da instituição acabou por destituir Antônio José Aldrighi dos Santos do cargo de provedor. Mas ainda restava um capítulo para completar a história dele no hospital. Após cumprir oito dias de prisão, o ex-provedor passou mal na carceragem e

teve que ser levado às pressas para a Santa Casa. O motivo teria sido uma alteração na pressão arterial. Ele agora estava internado no local onde tinha permitido o desvio de verbas. Recuperado, deixou a instituição e voltou pra cadeia. As reuniões que antes tinham sido realizadas em postos de combustíveis e hotéis na capital mudaram de endereço e, desta vez, ele encontrou os criminosos em uma cela na cadeia. Apesar de diversos recursos

impetrados junto a Justiça, a defesa de Antônio José ainda não havia conseguido, até o fechamento desta matéria, a liberação do ex-provedor que segue preso desde o último dia 06 de junho. Ele foi transferido no dia 22 de junho para o Centro de Ressocialização (CR) de Presidente Prudente localizado no anexo do presídio do bairro Montalvão. As investigações sob o caso seguem apuradas pelas autoridades.

MAIS SUSPEITAS Em meio às apreensões feitas na casa e no escritório dele, a Polícia encontrou uma nota fiscal considerada suspeita. Ela foi emitida por uma empresa de construção do então provedor - a AJAS Construtora S/A – o nome é formado pelas iniciais de Antônio José

Aldrighi dos Santos. O comprovante fiscal, no valor de cem mil reais e datada em 26 de Fevereiro de 2013, é referente à prestação de mão de obra para reforma, adequação da cozinha, vestiário e lavanderia do hospital. Um novo inquérito foi instaurado pela Polícia, que estranhou que a Santa Casa

tenha firmado um contrato com uma empresa próprio provedor. para apurar se esses serviços foram realmente prestados, investigar se o valor cobrado corresponde ao praticado no mercado venceslauense à época, e principalmente se o serviço foi pago com dinheiro público.

APREENSÃO DE BENS No dia 13 de junho foi deflagrada a 2ª fase da Operação Sanctorum na cidade de Cuiabá (MT). No município, foram apreendidos mais de R$ 1 milhão em carros de luxo nas residências próprias, e de familiares, dos envolvidos Luiz Antônio Trevisan Vedoin e Ronildo Pereira de Medeiros “Foram feitas as apreensões de sete veículos que estavam em posse de familiares dos envolvidos e registrados em nomes de ‘laranjas’ que também figuravam como sócios das empresas fantasmas investigadas”, disse o delegado que coordena a investigação, Everson Contelli. Ainda conforme Contelli, o sequestro ocorre quando existem provas de que o produto do crime é revertido em proveito dos investigados por meio da aquisição de outros bens. Além do sequestro, há evidencias nos Inquéritos Policiais de que os bens estão registrados em nome de laranjas, o que tipifica o crime de lavagem de capitais, investigados por outros Inquéritos Policiais da Central de Polícia Judiciária (CPJ). Segundo informações da Polícia Civil, todo e qualquer prejuízo experimentado pela Santa Casa de Presidente Venceslau será recomposto após a alienação antecipada dos bens. “Parte desses bens serão devolvidos às unidades afetadas pelo esquema, assim como a Santa Casa que deve receber de volta aproximadamente R$ 400 mil”, disse Contelli. Os veículos apreendidos foram uma Toyota Hilux, uma Toyota Rav, dois Honda/Civic, uma Hyundai Santa Fé, uma Hyundai IX e uma Toyota SW4. Além dos veículos, contas bancárias foram bloqueadas, em quantia ainda não revelada pela polícia. 96 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 97


Fotos: Fรกbio Guedes

98 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista FOCO | agosto/setembro 2016 | 99


100 | Revista FOCO | agosto/setembro 2016


Revista Foco Agosto/Setembro 2016