Page 1

EDIÇÃO N.º 15

O Vilãozinho*: o jornal que realmente interessa, por apenas 1 vilãozinho!

De dezembro de 2012 a março de 2013

O JORNAL DO ESTABELECIMENTO VILA MAR

O FINAL DE 2012 FOI DE FESTA!

Da entrega de diplomas de 9.º ano ao hastear da bandeira Eco-Escolas, toda a comunidade comemorou!

A EPCC NO EVM: UMA GRANDE PARTILHA COM TURMAS DE CONTABILIDADE E DE DESENHO DIGITAL 3D*! *na foto

PP. 8 E PP.

*Este jornal foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

2

E

3.

ECO-ESCOLAS:

SEMPRE A CUIDAR DO

AMBIENTE.

9.


AO LEITOR...

ECO-ESCOLAS

Já em 2013! Quase na Páscoa! Nada melhor do que uma nova edição do Vilãozinho para nos fazer recordar os momentos de festa e de convívio que compõem o nosso calendário, mas é nossa vontade e escolha fazer destes momentos, momentos de alegria e de prazer de viver! No Natal, celebrámos a partilha, o respeito e o amor pelo outro! Os jovens do Vila Mar partilharam com as suas famílias e amigos as iguarias e especialidades da nossa cozinha. A cooperação e o esforço de todos fizeram destes convívios momentos muito especiais! Depois da entrada no novo ano, foram renovados os votos de fazer o melhor das nossas vidas e contrariar, com esforço, trabalho e persistência, os "azares" de um ano 13 e de um tempo de crise, que ainda não estabilizou nas oportunidades e persiste em perigar o nosso equilíbrio económico e social! Rapidamente chegámos e passámos o Carnaval! Foi divertido experimentar outras máscaras! Até a jogar futebol Página 2

demos nota de grande "style", mas mais doce foram os sonhos e as malassadas! Que delícia! Com esta edição, inicia-se um novo ciclo na vida d’ O Vilãozinho, vamos passar a ter um jornal mais amigo do ambiente e mais económico para todos! As edições serão publicadas na página da escola e, de imediato, todos poderemos aceder através do site escolas.madeira-edu.pt/evmar/.

Haverá apenas algumas cópias em suporte papel para os mais conservadores e resistentes a estas mudanças! Em pouco tempo, estaremos todos bem adaptados e certamente a fazer desta mudança uma nova oportunidade de inovar O Vilãozinho! Convido-vos a aproveitar esta edição! Convido-vos ao trabalho, ao estudo e à persistência em fazer do nosso dia-a-dia o melhor das nossas vidas! Divirtam-se! Patrícia Silva Branco Diretora do Estabelecimento Vila Mar

O programa Eco-Escolas, levado a cabo pelo quinto ano consecutivo na nossa escola, alerta e relembra à comunidade desta instituição que os problemas ambientais são resultado da ação de todos nós e que a solução reside na consciência, no empenho e no trabalho de cada um de nós. Assim, no ano letivo em curso, o conselho EcoEscolas definiu que os Resíduos, a Água, a Energia, as Alterações Climáticas, os Espaços Exteriores, a Agricultura Biológica e o Mar seriam os temas a implementar durante 2012/2013. Os Resíduos foram o tema eleito para dar início aos trabalhos, com o propósito de promover comportamentos adequados à redução do consumo de lixos, esclarecer e reforçar a política dos 3 R e fomentar a recolha seletiva de resíduos na escola e em casa. Arrancou-se este tema, como já vem sendo habitual, com a limpeza dos espaços exteriores, em que toda a população deste estabelecimento colaborou. Na sala de aulas, os alunos do CEF e do PIEF construíram os Ecopon-


PARTILHANDO!

ECO-ESCOLAS

tos e finalizou-se o mês de novembro com a entrega da bandeira Eco-Escolas, numa cerimónia que teve lugar no Teatro Baltazar Dias e na qual estiveram presentes alunos do CEF e do PIEF, o coordenador pedagógico, Prof. António Banganho, e a coordenadora do Programa.

Em dezembro, promovemos uma ação de sensibilização sobre o Tabagismo, com o objetivo de dar a conhecer os malefícios do tabaco à população escolar. Os alunos tiveram oportunidade de avaliar a percentagem de resíduos armazenados nos pulmões em resultado do consumo de tabaco. Os alunos do CEF visitaram ainda a Estação de Transferência dos Viveiros, onde puderam conhecer diversas unidades daquela infraestrutura e foram esclarecidos sobre como contri-

buir para a redução de lixo. Antes das férias de Natal, os alunos celebraram ainda o hastear da bandeira Eco-Escolas, em que esteve presente a comunidade do Vila Mar. Em janeiro, demos por finalizada a temática dos Resíduos com uma visita de estudo à Estação de Triagem do Porto Novo, na qual foi explicado aos alunos do CEF o destino dos lixos separados em nossas casas e na escola, bem como os procedimentos a ter em atenção quando efetuamos a recolha seletiva. Janeiro foi também o mês em que se começaram duas novas temáticas: a Agricultura Biológica e a Energia. Na temática da Energia, pretendemos identificar formas e fontes de energia e recursos renováveis e não-renováveis, assegurar a responsabilidade ecológica na gestão destes recursos e fomentar a poupança. Neste contexto, foi realizada uma visita ao Museu de Eletricidade da Madeira, onde os alunos do CEF ficaram a conhecer a história e a evolução da eletricidade

nas ilhas da Madeira e do Porto Santo. No que concerne ao tema da Agricultura Biológica, deu-se início aos trabalhos na horta, com a limpeza dos terrenos e a plantação de várias culturas.

Em fevereiro, no âmbito da temática da Energia, o CEF foi conhecer a Estação Hidroelétrica da Calheta (VER foto da 1.ª pagina). As turmas do CEF e PIEF deram continuidade aos trabalhos na horta e procedeu-se à inscrição da nossa escola no concurso “Uma Escola, uma Jardim”. Ainda em fevereiro, a comunidade do Vila Mar colaborou, uma vez mais, na limpeza dos espaços exteriores (praia, ribeira e jardins) e assistiu a uma palestra promovida pelo Parque Natural da Madeira. E foi assim que levámos a cabo o compromisso de Promover e Proteger o Meio Ambiente até fevereiro de 2013: relembrando constantemente que Cuidar do Ambiente é Proteger o Homem! OLGA LUCAS Página 3


PARA CONHECER MELHOR...

Cáritas Diocesana do Funchal

HISTÓRIA/MISSÃO: A Cáritas é uma instância oficial da Igreja de dimensão internacional, cuja missão é atuar em situações de emergência e dependência, seguindo as orientações da Doutrina Social da Igreja, promovendo através da sua Acão, esses mesmos valores. Vincula-se aos princípios da universalidade e da radicalidade, em favor dos mais pobres, o que implica: a animação social, a comunhão cristã de bens e a formação. Promove a animação da pastoral social, estimulando a existência de grupos de Acão social nas paróquias A Cáritas Internacionalis encontra-se sediada em Roma, depende diretamente do Vaticano e como o próprio nome indica intervém a nível de ações de cariz internacional cujos exemplos marcantes e mais conhecidos entre nós são o auxílio às vítimas, após ao tsunami na Indonésia e o terramoto no Haiti, entre muitos outros. A Caritas Internationalis é uma Página 4

confederação de 162 organizações Cáritas que trabalham em mais de 200 países e territórios. É a segunda maior rede humanitária do mundo, profundamente enraizada na sociedade pois está presente na paróquia (local), na diocese, ao nível nacional, regional e mundial. Os valores que a guiam são: a dignidade da pessoa humana, a opção preferencial pelos pobres, o destino universal dos bens, a solidariedade e a subsidiariedade. Em Portugal existem 20 Cáritas Diocesanas. A Cáritas Diocesana do Funchal existe por decreto episcopal desde 1982. APOIOS: Com o crescimento da crise económica, os pedidos de apoio têm subido gradual e rapidamente. A Cáritas procura responder às situações, através dos donativos que lhe são entregues (particulares e de empresas). Os apoios sociais, prestados pela Cáritas Dio-

cesana são sobretudo em alimentação, roupa, calçado, mobiliário, eletrodomésticos e medicamentos, fruto de doações e protocolos de cooperação. Os apoios sociais são prestados no âmbito de um processo e projeto de acompanhamento pessoal das situações, de modo a que se traduzam num real desenvolvimento da pessoa humana, visando a devolução da sua dignidade pessoal e reintegração numa vida normal e não numa perspetiva de assistencialismo. Inclui-se o apoio social e psicológico, apoio na gestão da economia doméstica, nas situações de resolução de conflitos, etc. Como dados relevantes e significativos, em 2008 foram prestados 1834 apoios alimentares, 1994 apoios no ano de 2009, em 2010 – 2039 apoios, em 2011 – 2772 apoios e em 2012 (nºs contabilizados até o mês de Outubro, inclusive), foram 3904 apoios.


PARA CONHECER MELHOR...

Cáritas Diocesana do Funchal ATUAÇÃO EM EMERGÊNCIAS E CATÁSTROFES: TEMPORAL 20 FEVEREIRO 2010 A Cáritas Diocesana do Funchal desde o primeiro momento, interveio junto da população afetada, apoiando a nível psicológico, social e material. O apoio material no 1º momento, consistiu na satisfação das necessidades básicas, nomeadamente, a nível de alimentação, roupas e produtos de higiene pessoal. A Cáritas Diocesana do Funchal foi designada pelo Governo Regional da Madeira, como a Instituição Oficial a apoiar a população atingida pelo temporal de forma a colmatar as suas necessidades. Todo este trabalho de apoio às pessoas afetadas pela catástrofe, foi realizado através dos esforços dos recursos humanos da Instituição, como também de muitos voluntários que se juntaram á Instituição de forma a minimizar e dar conforto aos que perderam tudo nesta tragédia. Num após crise, esta instituição continuou o seu trabalho direcionando todos os seus fundos monetários, resultante das doações destinadas a este fim, com o intuito de responder às necessidades básicas destes agregados que tragicamente perderam o recheio das suas casas, facultando eletrodomésticos, mobiliário, utensílios de cozinha, produtos de higiene, limpeza, vestuário e alimentação. O apoio está a ser dado até à data. INCÊNDIOS JULHO 2012 A Cáritas Diocesana do Funchal desde o primeiro momento, interveio junto da população afetada, apoiando a nível psicológico, social e material. O apoio material no 1º momento, consistiu na satisfação das necessidades básicas, nomeadamente, a nível de alimentação, roupas e produtos de higiene pessoal, aquando da permanência dos desalojados, no Regimento de Guarnição N.º 3. As páginas relativas a este tema são da responsabilidade do novo jornalista d’ O Vilãozinho, Leonardo Rodrigues. Página 5


PARA CONHECER MELHOR...

Cáritas Diocesana do Funchal

PROJETOS: Neste momento, decorrem vários Projetos, dos quais destacamos: - Sorrisos de Esperança – Voluntariado de Proximidade, em parceria com a Casa do Voluntário. Este Projeto baseia-se nas relações de proximidade, no sentido de prestar apoio pessoal e social, a pessoas idosas ou isoladas, com mobilidade reduzida ou sem mobilidade, em contexto domiciliário, procurando dar resposta a problemas que não carecem de uma resposta específica de natureza técnico/ profissional. - Consolidar – em parceria com a Casa do Voluntário e a empresa de formação e consultoria (Proinov), o qual tem como objetivo dar formação/consultoria em diversas áreas de atuação da Cáritas: Página 6

 Formação interna dos vo-

luntários  Formação e consultoria em marketing, comunicação e imagem  Formação em gestão de sites  Consultoria e formação na certificação da Qualidade – EQUASS (para IPSS)  Consultoria a candidaturas de financiamento a projetos nacionais e internacionais CAMPANHAS: - Campanhas de solidariedade com empresas do ramo alimentar, cujo valor final resultante das mesmas, é convertido em produtos alimentares, destinado às famílias que apoiamos. Campanhas de Recolhas de

Alimentos nas superfícies desde 2003 e sempre 2 vezes ao ano – a 1.ª, no último fim de semana do mês de maio ou primeiro fim de semana do mês de junho e a 2.ª, no último fim de semana de novembro ou 1.º fim de semana de dezembro, com cada vez mais crescente adesão da população madeirense e porto-santense. Com o resultado destas Campanhas, a Cáritas apoia não só os seus utentes, como diversas instituições de solidariedade social com quem tem parcerias formais e informais. OUTRAS ATIVIDADES: - Peditório Anual durante a Semana Nacional da Cáritas - Participação em feiras - Organização de eventos de solidariedade

Funchal, 24 de novembro de 2012


PARA CONHECER MELHOR...

Cáritas Diocesana do Funchal Atuação no âmbito do temporal de 20 de fevereiro de 2010

Campanha de recolha de alimentos - equipa de armazenagem

Campanha de recolha de alimentos - equipa de armazenagem

Página 7


PARA CONHECER MELHOR...

VISITA DE ESTUDO DA E.P.C.C. NAS SUAS PRÓPRIAS PALAVRAS «Os alunos de Contabilidade da Escola Profissional Cristóvão Colombo realizaram uma visita de estudo à Instituição Vila Mar, no âmbito de um projeto transdisciplinar das disciplinas de Área de Integração e Economia designado por “Poupar Antes e Depois da Crise”. No contexto da visita, foram desenvolvidas atividades lúdicas de teor cultural e económico de forma a promover relações interpessoais, conhecimentos técnicos de poupança e aptidões físicas e cognitivas, junto dos alunos do Vila Mar. No final da visita, foram distribuídos prémios aos participantes e destacados os vencedores. É importante salientar que esta experiência foi extremamente gratificante para todos nós, alunos e professores da EPCC, já que tivemos a oportunidade de partilhar o empenho e a coesão de todos aqueles que trabalham, estudam e vivem no Vila Mar. Gostaríamos também de referir que a nossa aprendizagem foi para além da visita de estudo e, agora que temos possibilidade de refletir e comunicar a nossa satisfação, queríamos dizer o seguinte: “O desafio de ir ao Vila Mar, apresentou uma realidade, que nos possibilitou amadurecer e ter um relacionamento que marcou toda a diferença.” “Há experiências e pessoas que nunca se esquecem e esta …foi uma delas!” “No que diz respeito ao empenho, ao compromisso, ao esforço e à dedicação, não existe meio termo; ou você faz uma coisa bem feita ou não faz!” Ayrton Senna.» ARTIGO ENVIADO PELA ESCOLA PROFISSIONAL CRISTÓVÃO COLOMBO Dr.ª Patrícia Branco, Prof. António Baganho, Prof. Rosário Antunes, demais Professores e Alunos Vimos desta forma agradecer a vossa disponibilidade e absoluta colaboração na visita que a turma de 3.º ano de Contabilidade realizou ao Vila Mar. É com grande apreço e admiração que vos damos os parabéns por tamanha dedicação e trabalho. Para nós, professores e alunos da EPCC, ficou claro que é com trabalho conjunto e objetivos comuns que se alcançam metas na vida. Bem hajam! Gratos pela a atenção, Otília Paiva e Bruno Pereira

Página 8


PARA CONHECER MELHOR...

COMENTÁRIOS DOS ALUNOS DA E.P.C.C. SOBRE VISITA DE ESTUDO AO ESTABELECIMENTO VILA MAR Através do desafio que nos foi proposto, conseguimos um relacionamento espantoso e a realidade é que houve amadurecimento entre ambas as partes e isso… fez a diferença! (RUBINA JESUS, 21 anos.)

Os desa fios da realidade marcam a diferença do relacionament o e amad urecimen to. (PAULO ANDRÉ, 17 anos.)

ila A realidade da diferença entre nós, ao V r i e d eao r i f a a desafiou-nos a amadurecer e criar um des ervar maeste s a b o u m um relacionamento com os outros. o Co emos sibilit n d s e u o p p m (ALEXANDRA SILVA, 20 anos). os na Mar, a. que n m relacio ç , n e e d er ru lida a dif r e te a e d c o t e s.) dur arcou A, 21 ano m e to qu TO TEIXEIR Com a visita de A recompensa depois de deBER (NOR estudo, pudemos safios e diferenças é o ver como é real- amadurecimento que torna mente a realida- a realidade e o relacionaAtravés do relacionade e a diferença mento mais fácil. (ROBERTO mento com esta realientre nós e os RODRIGUES, 18 anos.) dade diferente foi posoutros… a vida sível um amadurecique os outros mento e enriquecimentêm e a que nós Esta visita de estudo deto pessoal lidando com o temos. O desa- monstrou a realidade de desafio proposto. fio foi relacioum novo desafio, onde (DÉBORA BETTENCOURT, 18 narmo-nos uns aprendemos a ter um anos). com os outros e, amadurecimento perante através de jogos a diferença criando novos c o n j u n t o s … relacionamentos. (FÁTIMA amadurecemos! GONÇALVES, 21 anos.) Os relacionamentos entre (RAQUEL JARDIM, diferentes tipos de pesso- 20 anos.) as podem ser um desafio mas na realidade fazemPALAVRAS-CHAVE: nos amadurecer. (JONAS Relacionamento, realidade, diferente, FERREIRA, 17 anos .) amadurecimento e desafio.

A nossa visita ao Vila mar, foi uma experiencia cheia de desafios com um bom relacionamento entre todos. (FRANÇOIS NUNES)

Com esta visita de estudo, houve um relacionamento mútuo, descobrimos que há realidades e diferenças entre pessoas da mesma idade que foram obrigados a amadurecer através dos desafios inesperados da sua vida. (BÁRBARA NUNES, 18 anos). Página 9


PARA CONHECER MELHOR...

Com vontade de diversificar os lanches dos nossos educandos e de, ao mesmo tempo, dar a conhecer a gastronomia de diferentes locais ou países e terem a oportunidade de aprender diversas receitas, decidi elaborar em conjunto com os “nossos” meninos e meninas diversas receitas sempre que possível, dando a conhecer alguma história e origem dessa mesma receita ou prato. Abaixo mostro algumas delas: “Cachapas” As origens deste tradicional prato são dos povos indígenas da América Latina, que já conheciam os encantos do sabor do milho muito antes da chegada dos colonizadores europeus. O cereal era adorado como um presente divino e até hoje é um importante meio de sustento dos povos latino-americanos. O milho foi tão venerado que o seu culto acabou por ser incorporado pela religião cristã. Desde as épocas pré-colombianas, diversos pratos são preparados com este grão amarelo, como é o caso das “cachapas”. Esta é uma receita típica da região central da Venezuela, mas é consumida em todo o país!

“Scones” De origem Inglesa/Escocesa, estes pequenos bolinhos/pão feitos à base de farinha, fermento, açúcar e leite, acompanham bem um chá, transformando um lanche num momento bastante agradável. Inicialmente, tratava-se de um bolo redondo, largo, que se cortava em triângulos. A evolução ofereceu-nos estas bolinhas mais pequenas, cuja massa mantém a receita original. Podemos ter scones tipo bolo (se levar açúcar) ou scones tipo pão (caso levem sal ao invés de açúcar), mas em ambos os casos dita a tradição serem comidos com doce, geleia e /ou manteiga e ainda quentes. Página 10


PARA CONHECER MELHOR...

“Brigadeiros” O Brigadeiro foi inventado no Brasil depois da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Naquele tempo, era muito difícil conseguir leite fresco e açúcar para se fazer receitas de doces. Aí, descobriram que a mistura de leite condensado e chocolate resultava num docinho bem gostoso. Ainda faltava dar um nome para o novo doce. Na mesma época, aconteciam as eleições para presidente do Brasil, e um dos candidatos era o Brigadeiro Eduardo Gomes. Na campanha, ele utilizava uma propaganda engraçada, que ficou na boca do povo: “Vote no Brigadeiro que é bonito e solteiro”. As suas eleitoras batizaram o doce em homenagem ao candidato. Com o tempo, o brigadeiro foi ficando cada vez melhor. Para enfeitá-lo e deixá-lo mais saboroso, foi inventado o chocolate granulado. Depois, outras receitas foram criadas a partir da original. Noutros países, o brigadeiro é conhecido como “trufa brasileira”.

“Bolos” Acredita-se que a elaboração de bolos exista desde o Egito Antigo na forma de pães adoçados com xarope de frutas, tâmaras e passas. Os antigos gregos e romanos aperfeiçoaramno, Nero, por exemplo, apreciava-os. A real diferença entre pães e bolos só veio a ser caracterizada durante o Renascimento. A denominação teria vindo de bola e os bolos teriam formas associadas a lua ou a um cone. Curiosidade: As velas usadas nos bolos de aniversário são originárias da Grécia Antiga, das festas de Ártemis, no dia 6 de cada mês do Calendário egípcio e onde evocavam rituais mágicos para fazer pedidos.

Página 11


PARA CONHECER MELHOR...

“Queques ou Cupcakes” Os cupcakes são aqueles bolinhos de chávena que remontam a Inglaterra do séc. XVII, quando a aliança que uniu as coroas inglesa e portuguesa com o casamento do Rei Charles II com a Rainha Catarina de Bragança resultou numa verdadeira inovação nos sisudos hábitos britânicos – o de tomar chá com bolos e marmelada em delicadas louças de porcelana. A ideia de fazer um bolo de maneira rápida e com ingredientes básicos revolucionou o mundo da confeitaria dos Estados Unidos no século XIX. A maneira de preparar o cupcake rompeu com todas as tradições culinárias, uma vez que os seus ingredientes eram medidos em chávenas, como o próprio nome sugere cupcake = bolo de chávena. O surgimento desta nova técnica de preparação foi bastante conveniente, uma vez que os bolos de tamanho tradicional tinham os seus ingredientes pesados em balanças e demoravam muito para assar nos fornos antigos. Até ao início do século XX, não existiam formas para assar os bolinhos, o que fez com que a maioria das padarias os assasse em latas pequenas, surgindo, então, mais uma teoria para o termo cupcake. Hoje, porém, existe uma infinidade de produtos destinados ao preparo desta pequena sobremesa. “Tarte” A massa para fazer a tarte surgiu na culinária francesa e chama-se pâté brisée (se for salgada) ou pâte sucrée (se for doce), mas os brasileiros chamam simplesmente de "massa podre" (porque ela se esfarela depois de assada) e os lusitanos a chamam (mais adequadamente) de "massa quebradiça". Existe ainda a massa folhada que também é usada para fazer tartes. Existem muitas teorias sobre a origem da massa folhada: a mais famosa delas é que foi uma criação do pintor Claude Gellée, no século XVII, que também era amante de gastronomia e pode ter sido criada acidentalmente. Outros especialistas em culinária garantem que ela é mais antiga e surgiu no século XIV. Há, ainda, a teoria de que essa delícia já era dominada pelos egípcios antes mesmo da Idade Média... Mas o que importa mesmo é que ela existe e com ela foram criadas incontáveis receitas divinas e delicadas. A que fizemos foi de natas e com massa folhada… estava uma delícia! Para concluir quero ainda destacar o facto de estas atividades terem despertado alguma curiosidade, por parte dos educandos, de saber a origem e a sua história, assim como vontade de fazer e experimentar, de provar, criticar e de dar suas opiniões para melhoria de cada uma das receitas… e, da minha parte, a vontade de continuar com este tipo de atividades lúdico-pedagógicas e gostosas!!! Elaborado por Nélia Jesus Página 12


PARA CONHECER MELHOR...

As minhas férias de Natal! As minhas férias de Natal foram ótimas! Antes de ir para casa de férias, passei uns dias no lar 1 e foi muito animado! Joguei à bola com meus colegas, ajudei nos enfeites de Natal no lar e dancei com meus colegas na festa de Natal do lar. E tive um avião telecomandado, como prenda que pedi, muito fixe! Também gostei muito de experimentar receitas novas e gostosas! E ainda joguei playstation e vimos filmes de Natal. E, para festejar a chegada do inverno, ainda fomos dar um mergulhito a praia de Vila Mar! Foi mesmo fixe! ;-) Fui visitar a minha irmã ao lar Aconchego e fui também visitar a minha mãe e levei-lhe uma prenda. Depois, fui de férias para casa do meu pai. Nesses dias, estive a brincar com os meus amigos e foi muito bom… só tenho pena que já tenha acabado!

Elaborado pelo Francisco da R1, com ajuda da Ed. Nélia Jesus. Página 13


PARA CONHECER MELHOR...

São vários educadores que trabalham no Vila Mar, e gosto na maioria deles todos, no entanto, aqueles com quem tenho maior confiança e com quem me sinto mais à vontade são os educadores do meu lar e são eles: Margarida, Magaly, Marcelino, Nélia, Isabel, Liliana, Joana e Marta. Cada um com maneiras diferentes de ser e de agir, embora tentem agir de forma idêntica para não haver injustiças, mas cada um tem o seu jeito especial. Pedi à “menina” Nélia para me ajudar a fazer este artigo para colocar no jornalzinho, porque queria homenagear os “meus” educadores, porque merecem e têm-me ajudado muito, não só a mim como também a todos os meus colegas de lar. Claro que gosto mais de uns, por vezes, do que de outros, mas todos têm um cantinho especial no meu coração. Sei que uns são mais exigentes do que outros, outros fazem-se mais durões, outros mais carinhosos, outros mais pacientes, mas tudo porque querem que aprendamos e sejamos melhores do que quando cá entrámos e para que um dia possamos sair daqui, do Vila Mar, e possamos recordar com amor e alguma saudade tudo o que passámos, vivemos e aprendemos aqui. Vou falar um pouco dos meus educadores: A Ed. Margarida, que é por acaso a minha tutora, é também a responsável pelo lar, e anda sempre atarefada e ocupada. Para falar com ela por vezes é complicado… é muito faladora e às vezes não nos deixa falar, mas gosta de nos ajudar sempre que lhe pedimos ajuda e tenta resolver todos os problemas que surgem no lar. Gosta de ter tudo organizado. É a nossa gestora! A Ed. Isabel normalmente é animada e bem-disposta e gosta de nos ajudar sempre que lhe pedimos ajuda. Ajuda-nos no estudo e fica furiosa quando nos portamos mal, isto é, salta-lhe a tampa! Eheheh.... Gosta de nos ajudar também no jardim e vai pôr-nos à escola sempre que necessário. Gosta de ir connosco também jogar à bola ao campo. Tem jeito para fazer teatro e divertimo-nos quando ela está bem-disposta! É a nossa animadora! A Ed. Magaly gosta que tudo esteja perfeito, tornando-se por vezes muito perfeccionista. E quando não fazemos as coisas bem… fica chateada e começa a falar espanhol… e todos nos rimos! É divertida e animada! Tem jeito para nos ajudar a fazer as decorações das festas, do Natal, do Carnaval e da Páscoa. É a nossa decoradora das festas! Página 14


PARA CONHECER MELHOR...

O Ed. Marcelino gosta muito de se ocupar dos arranjos do lar e não gosta nada quando estragamos lá alguma coisa e fica rabugento! Mas, quando nos portamos bem, é muito engraçado, pois diz coisas para rirmos! Gosta de ir connosco fazer piqueniques à serra e tem jeito para fazer as espetadas! É o nosso homem da manutenção! A Ed. Nélia gosta de dar o seu jeitinho no lar, porque gosta de o ver bonito e arrumado… Até trouxe flores para plantarmos no jardim… gosta de nos ensinar a fazer bolos e sobremesas e anda ensinar-me a fazer uma trança inglesa para eu fazer no meu cabelo, mas como não consigo fazer, quando lhe peço, ela fazme. Às vezes, joga à bola e dança connosco!... É muito paciente e boa ouvinte, mas quando nos portamos mal, torna-se logo exigente e não gosta nada, ficando aborrecida e triste! É boa ouvinte e dá-nos bons conselhos. É a nossa psicóloga! A Ed. Joana é, por vezes, teimosa e exigente. Por isso, às vezes brigamos, mas logo depois resolvemos e ficamos todos bem… Também sabe ser paciente e compreensiva. Ela gosta de ter tudo limpinho e arrumado e dános umas dicas de como arranjarmo-nos e vestirmo-nos. Ajuda-nos nas pesquisas na net. Gosta de ir às compras connosco e de passear. É a nossa stylist! A Ed. Liliana é muito calma. Ajuda-nos no estudo trazendo algum material quando precisamos para estudarmos ou fazer trabalhos. Gosta de nos levar para experimentarmos algumas atividades, como o Karting que os meninos adoram. Gosta de ler-nos histórias à noite e de fazer-nos chazinhos. É muito meiga e carinhosa. Por vezes, alguns miúdos aproveitam para abusar um cadinho… e eu também… eheheh. Tem jeito para trabalhos manuais. É a nossa artista! A Ed. Marta está há pouco tempo no nosso lar… De início, por a acharmos que era um pouco rabugenta e rude, não a queríamos no nosso lar, mas aos poucos fomo-nos habituando e ela também a nós e vamo-nos entendendo. Tem-nos ajudado sempre que lhe pedimos ajuda. Gosta de ler e tem jeito também para cozinhar e fazer sobremesas. É a nossa cozinheira! Apesar de todos diferentes, todos se dedicam e ajudam-nos sempre que possível e, por isso, muito obrigado por nos ajudarem, porque se não fossem vocês nós só teríamos as nossas famílias, que nem sempre nos podem ajudar… Adoro-vos a todos! Elaborado por Edna Sofia, R1. Página 15


PARA RECORDAR...

Pรกgina 16


PARA RECORDAR...

Pรกgina 17


PARA RECORDAR...

Natal na Residência 2 O Natal é uma data muito importante para todos nós, onde aproveitamos para reunir ao máximo com todos aqueles que amamos e, este ano, na residência 2 não foi diferente. No dia 10 de dezembro, realizou-se o jantar de Natal com a presença de todos os educandos da residência e de toda a família mais próxima dos mesmos. Foi um momento de muita alegria e de união entre todos os presentes, incluindo os educadores e os técnicos, desenvolvendo assim um ambiente saudável e de muita risada. Os educandos surpreenderam-nos com um pequeno espetáculo, onde a dança e a improvisação de rap estiveram presentes. Tivemos também uma presença surpresa de um palhaço que veio animar ainda mais a festa. E como o circo faz parte da magia do Natal, os educandos da residência 2 vivenciaram mais uma vez a loucura circense. Foi, como habitualmente, uma festa!

Página 18


PARA RECORDAR...

Natal na Residência 2 Página 19


PARA RECORDAR...

Carta ao Pai Natal Querido Pai Natal, venho por este meio pedir-te uma prenda, sei que não deve ser assim que devemos pedir, mas espero que gostes. Ainda não me apresentei, chamo-me José André e sou de uma instituição localizada no Largo do Lazareto. As prendas que vou pedir não precisam de ser embrulhadas. Acho que me portei suficientemente bem para as merecer, pois tenho-me esforçado a cada dia para melhorar o meu comportamento. As prendas que eu queria são: - Felicidade para todo mundo, para a minha família, amigos, conhecidos e até aqueles que eu não conheço. - Paz para todos, pois eu sei que muitas precisam e que gostariam de a ter. Por fim, e a menos importante para mim porque posso viver sem ela e continuar feliz, gostaria de te pedir um boné da NY (New York. Esta prenda podes encontrá-la na Packside, atrás do Anadia). Espero que tenhas gostado da minha carta, pois fi-la de coração. Beijos para todos e um Feliz Natal! André Bettencourt Férias de Natal O meu Natal foi muito bom, passei uns dias em minha casa e outros na instituição. Recebi muitas prendas, quer na instituição quer em casa. No total, recebi uma PSP com um jogo (Fifa13), três t-shirts, algum dinheiro e, para finalizar, recebi uma Nerf (pistola com balas de borracha). Brinquei muito nestas férias e diverti-me muito. Vi a passagem de ano na instituição e gostei muito, pena que, com a passagem de ano, a escola estava prestes a começar. Rodolfo Mangena As minhas férias foram poucas mas não faz mal, gostei muito de ir a casa e encontrar os meus amigos. Fui ao circo com os colegas da minha residência e me diverti imenso. Como prendas de natal tive uns ténis e umas calças. Apesar de querer mais dias, as poucas que tive foram muito boas. João Alexandre Página 20


PARA RECORDAR...

Tua caminhada ainda não terminou.... A realidade te acolhe dizendo que pela frente o horizonte da vida necessita de tuas palavras e do teu silêncio. Se amanhã sentires saudades, lembra-te da fantasia e sonha com tua próxima vitória. Vitória que todas as armas do mundo jamais conseguirão obter, porque é uma vitória que surge da paz e não do ressentimento. É certo que irás encontrar situações tempestuosas novamente, mas haverá de ver sempre o lado bom da chuva que cai e não a faceta do raio que destrói. Tu és jovem. Atender a quem te chama é belo, lutar por quem te rejeita é quase chegar a perfeição. A juventude precisa de sonhos e se nutrir de lembranças, assim como o leito dos rios precisa da água que rola e o coração necessita de afeto. Não faças do amanhã o sinónimo de nunca, nem o ontem te seja o mesmo que nunca mais. Teus passos ficaram. (Charlie Chaplin) Página 21


PARA RECORDAR...

Obrigada Rosana! No mês de novembro, a R4 despediu-se de uma pessoa muito querida e especial, a educadora Rosana! Preparámos-lhe uma grande surpresa! Quando esta pensava que vinha apenas para o conselho de lar, estava à sua espera uma bela jantarada! Foi com alguma tristeza que lhe dissemos adeus e lhe desejamos as maiores felicidades, com esperanças que este seja um “Adeus, até breve!”

Parabéns!

A R4

cantou os Parabéns ao Octávio, ao Leonardo, ao Marco, ao Miguel Ângelo, ao Avelino, ao Agostinho e ao Valter. Uma temporada rica em festas, músicas, alegrias, prendas e surpresas!

Página 22


PARA CONHECER MELHOR...

Quando começaram os STG? Os STG começaram em 2007. Como é que surgiu a ideia de fazer um grupo de Hip Hop? A ideia surgiu de um grande amigo, Maurício Faria, que decidiu ensinar os amigos mais próximos e formar um grupo de Hip Hop. Porque escolheram STG como nome para o grupo? Este nome surgiu por uma brincadeira. Quantos membros fazem parte do grupo? O grupo é constituído por dez membros. Como nasceu a ideia de dar aulas de Hip Hop? Esta ideia surgiu-nos porque temos de passar um pouco da nossa mentalidade sobre o bullying para os jovens da ilha da Madeira. Gostam de dar aulas aos educandos do Vila Mar? Sim, até gostamos! Qual o vosso objetivo ao dar estas aulas? O nosso objetivo é passar um pouco da nossa cultura para vocês “jovens”. Quais são as vossas expectativas para 2013? As nossas expectativas são que 2013 seja um ano com muito trabalho! O que é para vocês um projeto bem sucedido? Um projeto bem sucedido é quando recebemos bons comentários. As vossas atuações têm sido bem sucedidas? Claro, sim têm…

Entrevista elaborada por Dina Semedo Página 23


PARA CONHECER MELHOR...

16 OUTUBRO! Mais uma manhã… Esta bem diferente, porque é o meu 20.º aniversário! O que vestir? E o meu cabelo?

Maquilhagem,

botas,

isto

de

ser

bela

uma

trabalheira!!! Bem, finalmente pronta, cá vou eu

para

as

aulas,

sol,

boa

disposição, aulas, risos, fofocas. Sms

aos

montes:

«parabéns,

mais um ano, blá blá». Vamos almoçar,

ladies?

Salada?

Hoje

não! Something with color not green! Vamos ao shopping, ai! Tanta roupa e nada para vestir! Um stresss! Que horas são? My God! O tempo passa a correr!! Ainda

tenho

um

jantar

organizar. Tchauuuuu.

Página 24

para

My Sweet twenty

bolsa; tanta coisa para decidir,


PARA CONHECER MELHOR...

S A R I N H A 20 ANOS 20H 16 OUTUBRO VILA MAR

Cheguei,

cansada,

mas,

antes de mais, tenho de ir ao face, pc onde estás? Tenho

de

confirmar

a

minha lista de convidados, tudo ok! A amiga Beatriz deu uma ajuda. Para a mesa, o que falta? Hum! R4, R3 help! Mesas,

toalhas

talheres,

copos, jarros, guardanapos, pratos… Ah! Marcadores dos lugares dos convidados, tá tudo.

Supervisionar

confeção

das

a

sobremesas,

obrigada Ana Maria e Mna. Foi 5 stars!! Recebi, como era de esperar, muitas prendas. Foi um dia muito bem passado, com as minhas colegas, as minhas amigas, a minha família… e o meu AMOR!

Mafalda pelo delicioso bolo de bolacha, tarte de natas, Sr. Raul pode fazer sempre… A arrumação da sala, jeitinho aqui, ali, uff! A ementa para confirmar se está tudo: carne de

porco

recheada,

batata

caramelizada, strogonoff… Tenho de relaxar e mudar de roupa, retocar o cabelo etc. Oh! Tem de ser rápido! O bolo! Ali está ele, na página do lado!!!

Página 25


PARA RECORDAR...

Foi Natal na Residência 6… Comemoramos as conquistas antes de sair, a Ana Maria tinha gripe, a Cátia deu-nos uma aula de ESA, a Sara, depois de 3h ao espelho, esqueceu-se de ler o livro de instruções dos seus Laboutins de 14 cms e lá desceu as escadas, a Marina e o Diogo Júnior fizeram a vez da EMIR… até aqui tudo normal! Era dia 20 e quase 20h, toca a andar, carro do Sr. Raul e Mna. Mafalda. “Vamos, tá a ficar tarde”. Todas Chiquérrimas!

Página 26


PARA RECORDAR...

Bem, lá fomos a caminho, mas, afinal, não era para a Casa Branca… o destino foi… a Rua das Pretas. O frango não era da Guia, era da ….Tailândia. A Edna não estava no Vila Mar mas… chegou a tempo do jantar. O prato à esquerda não era para o pão, era para… decoração. A Sr.ª Diretora chegou às 22h não para jantar mas… para um Camomile Tea A Dr.ª Cláudia cumpriu o ditado” Os últimos a chegar são os primeiros a sair” …

Foi bué da fixe! Claro que SIM! Se não fosse assim, não era a mesma coisa!

Restaurante Pizzaria Mona Pizza no Funchal Restaurante > Cozinha Outras Cozinhas

Rua das Pretas, 45 9000-049 Funchal Espaço rústico e simpático a servir pizzas e outros pratos italianos.

Bom Ano  As meninas da 6! Página 27


O NOSSO CARNAVAL O VILÃOZINHO o jornal do ESTABELECIMENTO VILA MAR Largo do Lazareto 9060-157 Funchal TEL.: 291 224 888 FAX: 291 233 259 CORREIO ELETRÓNICO: http://escolas.madeiraedu.pt/evmar/ COMENTÁRIOS / SUGESTÕES para a Coordenadora do Jornal, professora Rosário Antunes: profarosarioantunes@ hotmail.com Com a participação especial do educando CRISTIANO RODRIGUES

Vilãozinho nº15  

Vilãozinho nº15

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you