Issuu on Google+

IGREJA BATISTA EM BARRA DO IMBUÍ


Amados O nosso IEC (Instituto de Educação Cristã) está começando um projeto arrojado. Creio ser arrojado nos seguintes aspectos: Nas propostas dos módulos a serem estudados. Estaremos mergulhando em águas poucas vezes exploradas. O assunto dos quais vamos tratar (pneumatologia) não é estudado com muita frequência. Nosso desejo é que você conheça melhor esse tema bíblico e saiba explicar com mais eficácia a razão da sua fé. No sonho de ver a igreja toda estudando e amando a Palavra de Deus. O projeto é cativante. As lições são atraentes e abençoadoras. Não acredito que possa haver um único convertido que não queira estudar os temas propostos. Estamos esperançosos de vermos esse sonho realizado: cada crente um aluno do IEC. Que Deus lhe cubra com Sua benção e que você e sua família venham para essa “aventura espiritual” que lhe permitirá crescer na graça e no conhecimento do Filho de Deus e de seus ensinos. Seu pastor, com amor! José Armando Soares Cidaco

I

I


Conteúdo

PNEUMATOLOGIA

I

I

LIÇÃO 1

A pessoa do Espírito Santo

LIÇÃO 2

A obra do Espírito Santo // Qual a obra do Espírito Santo no Novo Testamento?

LIÇÃO 3

“O Espírito Santo no dia de Pentecostes”

LIÇÃO 4

“Uma Igreja Sob Ação de Pentecostes”

LIÇÃO 5

Uma Igreja Sob Ação de Pentecostes II

LIÇÃO 6

O Espírito Santo em Atos

LIÇÃO 7

O Batismo com o Espírito Santo

LIÇÃO 8

Os Dons do Espírito Santo

LIÇÃO 9

Os Dons do Espírito Santo II

LIÇÃO 10

Obras da Carne e fruto do Espírito

LIÇÃO 11

O Poder do Espírito Santo

LIÇÃO 12

Como Receber o Poder do Espírito Santo

LIÇÃO 13

O Poder do Espírito Santo na Vida dos Discípulos


Lição

1

PNEUMATOLOGIA

I

I

A pessoa do Espírito Santo Introdução É de importância vital para o povo de Deus, conhecer o Espírito Santo. Quem Ele é? Qual a Sua obra? Ele é uma pessoa? É realmente Deus? Qual a Sua participação na vida dos crentes? Esse estudo pretende mostrar quem é o Espírito Santo. E o objetivo é lhe ajudar a chegar mais perto desta bendita pessoa de Deus.

O Espírito Santo é uma pessoa. Ele tem atributos que encontramos numa pessoa. Você já deve ter ouvido alguém dizer que o Espírito Santo é apenas uma força ativa de Deus. As Testemunhas de Jeová dizem isso. Mas observe os atributos de uma pessoa encontrados Nele: Você pode mentir ao Espírito Santo (Atos 5.3). Ninguém mente a uma força, mas à uma pessoa. Você pode entristecê-lo (Efésios 4.30). Mesmo nós os crentes podemos entristecer o Espírito Santo com nossos atos e atitudes. Se Ele fosse uma força, jamais Se entristeceria. Você pode blasfemar contra o Espírito Santo (Mateus 12.31 e 32). A blasfêmia contra o Espírito Santo é o único pecado que não tem perdão, porque é muito mais do que zombar Dele, significa rejeitalo e rejeitar Sua obra. Quem rejeita a obra do Espírito Santo no coração, jamais se converterá e por isso não terá perdão. Os blasfemos são os que rejeitarão o evangelho durante toda a vida e jamais serão regenerados pelo Espírito Santo.

O Espírito Santo é Deus Ele é uma das pessoas da trindade divina. E nós podemos ter certeza de que Ele é Deus, pelos seguintes atributos divinos a Ele aplicados: Ele é chamado de Espírito Eterno (Hebreus 9:14). Só Deus é eterno, logo o Espírito Santo que é chamado de Eterno é Deus.


PNEUMATOLOGIA

I

I

O Espírito Santo tem os atributos naturais encontrados em Deus. Ele é onisciente (Salmo 139.7), Ele é Onipotente (Lucas 1:35), Ele é onipresente (Salmo 13:8 à 10). Nenhum outro ser tem esses atributos divinos. Satanás tem algum poder, mas não todo poder. Ele não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Leiam I Coríntios 2.10 e 11. Deus, quando nos salva em Cristo, vem habitar em nós pelo Espírito Santo (I Cor. 2.12). Quando alguém se converte à Cristo, é o Espírito Santo quem vem habitar esse alguém. Por isso dizemos que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo (I Cor. 6.19 e 20).

A personalidade do Espírito Santo Ele, apesar de ser uma das pessoas da trindade de Deus, tem personalidade própria que nos deixa evidências de sua distinta pessoa. Ele tem motivações maravilhosas (Rom.8.22). Sua intenção é interceder, é orar por nós. Olhem Rom. 8.26. Sua personalidade é intercessora. Ele quer que nossas orações cheguem ao Pai e sejam por Ele atendidas. Isso está em Sua personalidade. Seu caráter é essencialmente de liberdade (II Cor. 3.17). É o que quer para nós. Ele é o Espírito da verdade. Olhem João 15.26 e João 14.16 e 17. Não há engano ou confusão no Espírito Santo. Onde houver engano ou mentira, o Espírito Santo não está ali. Profecias mentirosas, confusões, não são características do Espírito Santo, nem de sua personalidade. Ele opera em nós segundo a Sua vontade (I Cor 12.11). Ele tem vontade própria e age como deseja para nos abençoar. Ele está sempre em conformidade com o Pai, mas age segundo com a Sua vontade. O Espírito Santo é uma pessoa, tem Sua própria personalidade e é Deus. Nunca se esqueça de que essa pessoa da divina trindade habita em seu coração, se você já foi salvo por Jesus.


Lição

2

PNEUMATOLOGIA

I

I

A obra do Espírito Santo Introdução (Texto: João 14: 15 à 17 e 26) Na verdade, o Espírito Santo tem ao longo da história humana, realizado várias obras. Mas nós cremos que elas são um conjunto de opções que determinam a obra de Deus a favor da humanidade que Ele criou. Já no velho testamento nós vemos o Espírito Santo participando da criação (Gen. 1:2, Jó 26:13, Salmo104: 30). Ele estava na criação do homem (Jó 33:4). Ele capacitou homens para grandes feitos (Juízes 13; 24 e 25). Ele capacitava os profetas (Ezequiel 8; 1à 3), (II Pedro 1;21). Entretanto, no VT, o Espírito Santo não ficava para sempre nas pessoas. Nós podemos ver isso pelas palavras de Davi no Salmo 51.11. Ele vinha para aquilo que era necessário, mas depois podia se retirar. Foi no Pentecostes que o Espírito Santo foi prometido para fiar com a igreja (João 14.16)

Qual a obra do Espírito Santo no Novo Testamento? Olhem para João 15.26. Esse verso fala da essência da obra do Espírito Santo: Ele veio essencialmente para testificar de Jesus. Sua obra não é aprovar para si mesmo, mas para o salvador, o filho amado de Deus e sua obra redentora. O Espírito Santo não pretende ser glorificado, mas pretende trabalhar afim de que o FILHO SEJA GLORIFICADO. É a Jesus e não ao Espírito Santo que todo o joelho se dobrará (Filipenses 2.911).

Quais as obras do Espírito Santo para que essa OBRA maior seja feita? O Espírito Santo veio ficar com a igreja após Jesus ascender ao céu. Olhem João 14.16-17. Ele é, na verdade, o Espírito de Cristo que habita o coração do salvo. Vivendo no crente, o Espírito Santo glorifica a Cristo na vida desse crente. É assim que o mundo vê Cristo em nós. O Espírito Santo veio para ficar no seio da igreja. O Espírito Santo é Cristo em nós.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Ele convence o homem de sua condição (João 16.7-11). Ninguém pode fazer a obra de Cristo no coração do homem a não ser o Espírito Santo. Só Ele pode levar uma pessoa à Cristo convencendo-a de seus pecados, da justiça de Deus e do juízo que virá porque satanás já está julgado e condenado. Ele é o agente regenerador do homem. Portanto, se eu aceitei a Cristo, o Espírito Santo vive em mim e toda vez que eu pecar, Sua obra é me convencer do pecado. Se você peca e não é convencido disso, o Espírito Santo está apagado dentro de você. Ele me ensina as verdades de Deus. (João 14;26 e l Cor. 2;13). O conhecimento de Deus e de Sua palavra não nos podem vir apenas através de nosso intelecto. É o Espírito Santo que me faz lembrar o que Deus me revela e me ensina acerca das coisas espirituais. Você só entenderá a Bíblia, se o Espírito Santo aplicar ao seu coração aquilo que você ler. Há mistérios nas escrituras que Deus ocultou dos sábios e os revelou pelo Seu Espírito, aos pequeninos (l Cor.1; 26 à 28). Olhem l Cor. 2; 9 e 10. Não há como entender a palavra de Deus sem revelação do Espírito Santo. Ele coloca luz na verdade ensinada. É o Espírito Santo o agente santificador. Santificação é aquele processo através do qual, nós vamos, a cada dia, nos parecendo mais com o Senhor Jesus. É um estado crescente do aluno que através do Espírito Santo, nós vamos escalando as evidências de Seu fruto em nós (Gálatas 5; 22 e 23). Não há santificação sem antes haver conversão. Não há santificação sem a presença desses elementos do fruto do Espírito em nós. Olhem o que está em Gálatas 5;25. Andar no Espírito é escalar seu fruto e isso é essência da santificação. Só os salvos podem andar N’ele. Lembre-se de que um crente não é conhecido pelos dons do Espírito, mas pelos frutos (Mateus 7;16). Lembre-se, a obra maior do Espírito Santo é apontar e glorificar a Jesus.


Lição

3

PNEUMATOLOGIA

I

I

“O Espírito Santo no dia de Pentecostes” Introdução (Atos 2: 1 a 13.) O chamado dia de Pentecostes marcou para sempre a igreja de Jesus como sendo o dia em que o Espírito Santo desceu sobre ela ficando para sempre, conforme a promessa, no seio da igreja. Ele jamais, a partir daquele dia, Se ausentou da igreja. Portanto, cada vez que pedimos à Deus que mande o Espírito Santo para à igreja, na verdade o que queremos é que Deus encha a igreja do Seu santo Espírito que já está nela. Assim é também, na vida de cada convertido. Ele já tem o Espírito Santo, mas deve desejar encher-se d’ele a cada dia, buscando a Sua plenitude.

O pentecostes foi uma experiência que não se repetiu (At 2.14-17). Do ponto de vista histórico e profético, aquele episódio jamais se repetiu. Nunca mais o Espírito Santo precisou vir sobre a igreja porque Ele veio para ficar. Nunca mais se viu fenômenos como línguas de fogo, vento ensurdecedor como sinais da vinda do Espírito Santo. Mas, do ponto de vista espiritual e teológico, o Espírito Santo continua enchendo vidas com Sua plenitude e autenticando esta experiência com sinais espirituais. Eis esses sinais. Poder para pregar (Atos 2.14). Pedro, agora cheio do Espírito Santo prega e 3000 pessoas se convertem sob a pregação poderosa de um homem cheio do Espírito Santo. Conversões em massa (Atos 2.41). Este é um sinal visível de que o poder do Espírito está atuando. Entendimento das verdades bíblicas (Atos 2 e 14 à 16). Pedro, cheio do Espírito Santo consegue entender que a profecia de Joel esta se cumprindo. Ninguém o instruiu quanto a isso, mas o Espírito Santo lhe revelou esta verdade. Olhem João 14.26.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Quanto mais cheio do Espírito Santo lhe revelou estas verdades da palavra de Deus. O pentecostes na alma traz luz sobre a verdade da Bíblia. Perseverança em coisa essenciais da vida cristã (Atos 2.42 à 47). -Na doutrina: firmeza nos princípios bíblicos (v. 42); -Na comunhão: amor e companheirismos presentes (v. 42,44, 45 e 46); -Orações: povo se tornou fiel na oração (v. 42); -Realizações grandes na igreja (v. 43); -Louvor sincero (v. 47); -Testemunho dos de fora: “caindo na graça do povo” (v.47) -Crescimento numérico (v. 47). É também sinal de que a igreja está sob pentecostes, não histórico, mas espiritual.

O pentecostes foi o selo de Deus para identificar a permanência do Espírito Santo no coração do crente (Atos. 1 à 4). O Espírito Santo veio de repente e com Ele sinais visíveis (línguas de fogo, vento...). Mas esses sinais logo se foram, mas o Espírito ficou. No Velho Testamento o Espírito Santo podia vir sobre uma pessoa e depois se retirar. Isso acontecia porque a obra de Cristo na cruz, que foi uma só e para sempre, ainda não tinha acontecido. As pessoas, todos os anos, precisavam sacrificar um cordeiro para ter seus pecados perdoados. Ainda não havia salvação eterna. As pessoas ainda não tinham o selo da salvação. Mas Jesus trouxe esse selo. Leiam Hebreus 9.11 à 15. Em Cristo temos a herança eterna e o Espírito Santo é o selo desta herança (que é eterna). No novo testamento o dia de pentecostes identifica a chegada desse selo. Por isso, quem é salvo está salvo para sempre. O Espírito Santo, o selo da vida eterna, entra uma vez em nós. Você não encontra na bíblia ninguém que foi salvo duas vezes. O pentecostes foi o selo eterno da igreja. E ainda é a garantia eterna de salvação à todos que crêem em Jesus.


Lição

4

PNEUMATOLOGIA

I

I

“Uma Igreja Sob Ação de Pentecostes” Introdução (Atos 2: 14 à 36.) Esses versos são o sermão que Pedro pregou logo após o grande derramamento do Espírito Santo no dia de Pentecostes. Eles estavam cheios do Espírito Santo e esse sermão revela coisas extremamente importantes que caracterizam uma igreja sob os efeitos do evento “pentecostes”. Vamos conhecê-las:

Há uma revelação clara das verdades bíblicas. Olhem os vs. 14 à 21. Pedro cheio do Espírito Santo está interpretando as profecias de Joel 2.28 e 29 e Salmos 16.9 e 10. Todo crente cheio do Espírito Santo tem luz de Deus para entender as verdades bíblicas e aplica-las à vida e às circunstâncias. O Espírito Santo faz nascer fome e sede da palavra de Deus em nós. As confusões doutrinárias e teológicas dos nossos dias são por falta do Espírito Santo encher a alma. Não podemos entender coisas essencialmente espirituais apenas com a mente. Nossa carne é egoísta e nos leva para interpretações legalistas ou emocionalistas das verdades bíblicas. É por isso que em nossos dias ainda percebemos, ou um tradicionalismo frio, ou carismatismo tolo e sem consistência bíblica. São extremos provocados pela falta de entendimento e conhecimento da bíblia sagrada. Se você ler esse sermão de Pedro (Atos 2.14 à 36), onde ele estava cheio do Espírito Santo, verá a riqueza bíblica que está nele.

Numa igreja cheia do Espírito (sob pentecostes),há uma quebra da tradição em relação as faixas etárias e ao sexo. Olhem Atos 2.17. Há uma quebra de preconceito em relação ao sexo. Filhos e filhas profetizaram. Em Cristo, a profecia é ministrada por homens e mulheres. Falar em nome de Deus deixou de ser algo exclusivo dos homens.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Não há mais barreiras de idade para se envolver em coisas profundas da fé cristã. Jovens terão visões e velhos sonharão. O Espírito Santo produz nos velhos, algo que não tinham mais: sonhos. E nos jovens algo em que ainda não se envolviam: ter visões. Muitos até hoje acham que manifestações carismáticas são para os mais velhos. O Espírito Santo destrói esta ideia. Os jovens terão visões que lhes mostrarão um futuro abençoado e os velhos tornarão a sonhar com a vida.

Há um discernimento espiritual a respeito dos fatos ocorridos na igreja (Atos 21. 14 à 16). Pedro sabe o que está acontecendo. O Espírito Santo estava sobre ele e o havia revelado. O que ocorria era uma materialização de Joel 2. Todos estão deslumbrados e Pedro diz isso. O discernimento espiritual que é evidência de estarmos cheios do Espírito, nos ajuda a distinguirmos as verdades das heresias no seio da igreja. Essa coisa de aceitar tudo o que surge de novidade no meio do povo de Deus, identifica um crente imaturo e vazio do Espírito Santo. Estejam atentos às “novidades” e vejam se elas conferem com o texto bíblico. Se não conferem, deixem de lado.


Lição

5

PNEUMATOLOGIA

I

I

Uma Igreja Sob Ação de Pentecostes II Introdução (Atos 2.19 e 20; 19 e 20 e Atos 2. 37 a 47). Vamos continuar estudando as características de uma igreja que está cheia do Espírito Santo ou sob os efeitos do pentecostes. Olhem Atos 2.19 e 20. O derramamento do Espírito Santo se derramará enquanto o sol está escuro. É uma figura para mostrar que Deus derramará o Seu Espírito, quando tudo em volta estiver ruim: fome, violência, miséria, etc. O sol social estará portanto escuro. E a lua que governa a noite, estará em sangue, significando a violência e o perigo das noites do Brasil. Assim será. Em meio ao caos social, político e até religioso, o Espírito Santo será derramado. Podemos aguarda-lo portanto em nossos dias. Eis as evidências de um derramar do Espírito no meio do caos:

Quando a igreja está sob o pentecostes, há salvação em massa (Atos 2.41). O poder que esta agindo leva as pessoas a se preocuparem com suas vidas ao ouvirem o evangelho (v.37). Não precisou fazer apelo. Não há dúvidas, quando o Espírito Santo está se movendo no meio de uma igreja, vidas são salvas ali. Quando você perceber uma igreja que se diz cheia do “fogo do Espírito”, mas que permanece anos sem crescimento, desconfie. Apesar de o crescimento numérico não ser a única evidência de um pentecostes sobre a igreja, ele é um grande sinal. Raquitismo numérico não é sinal de benção. “igrejinha pequena” não é o mesmo que igreja poderosa. Deus acrescenta á uma igreja viva, aqueles que hão de se salvar.

Uma igreja sob pentecostes é firme doutrinariamente (Atos 2.42). Perseverança doutrinária. Uma igreja que todo dia muda de perfil doutrinário é imatura e carnal. Leiam Efésios 4.12 a 15. Não podemos também confundir firmeza doutrinária com teimosia religiosa. Firmeza doutrinária é fruto de conhecimento das verdades bíblicas que recebemos do Espírito Santo. Teimosia religiosa é o produto final do legalismo religioso, fruto de uma vida carnal.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Uma igreja cheia do Espírito (sob pentecostes) é cheia de comunhão. Olhem Atos 2.42, 44 e 46. Todo crente cheio do Espírito Santo busca comunhão com os irmãos. Ás vezes o preço da comunhão é alto, mas o Espírito Santo que vive em nós, nos dá forças para que, se necessário for, eu perdoe ou peça perdão, a fim de manter a comunhão no seio da igreja. Se você se diz cheio do Espírito Santo e vive em contendas, está enganando a você mesmo.

Deus faz maravilhas no seio de uma igreja sob pentecostes (Atos 2.43). Maravilhas são reveladas através do intenso amor, oração fervorosa e constante (v. 42b). Deus então faz coisas que nem esperávamos. Pessoas são curadas, libertas, missões avança, etc... Olhem as maravilhas do amor (v. 45).

Uma igreja sob pentecostes tem um louvor sincero que abençoa o povo. Olhem Atos 2.47. As pessoas de fora são abençoadas por uma igreja cuja vida e louvor são cheias do Espírito Santo. Vidas limpas e santas. E o crescimento acontece como consequência natural de tudo isso. Que Deus nos dê um louvor sincero, banhado em vidas quebrantadas e santas. Deus então nos dará o crescimento.


Lição

6

PNEUMATOLOGIA

I

I

O Espírito Santo em Atos Introdução Quando se pensa no Espírito Santo no livro de Atos, Logo vem à mente o episodia de pentecostes. Mas a ação do Espírito Santo em Atos vai além do evento do capítulo 2. Alguns teólogos veem tanta ação D’Ele em Atos, que entendem que esse livro deveria se chamar Atos do Espírito Santo e não Atos dos apóstolos. Vamos estudar algumas coisas (não tudo) importantes que mostram as ações do Espírito Santo nesse livro da bíblia.

O Espírito Santo movia os apóstolos a testemunharem com ousadia. Olhem Atos 4.1-10. Pedro e João estão sob ameaça de prisão e até de morte, mas o fato de estarem cheios do Espírito Santo (v.8), os movia a pregar com coragem e destemor. Olhem ainda Atos 4. 8 a 20. Ameaças e perseguições jamais desanimaram crentes cheios do Espírito. Vivemos em um tempo no Brasil sem perseguições, mas também um tempo de apatia na obra de evangelização. Quem sabe não estamos precisando de uma perseguição. Talvez uma perseguição declarada contra a igreja, a levasse desejar ser cheia do Espírito Santo.

O Espírito Santo preparava homens para serem especiais para Deus. Olhem Atos 7.54 a 60. Esta é a parte da fantástica história de Estevão. Ele foi um dos diáconos e era cheio do Espírito Santo. Ele se tornou especial para Deus em vários momentos. Por ser cheio do Espírito Santo, era grande em fé e em poder de Deus (Atos 6.8). Deus agia profundamente através daquele diácono cheio do Espírito. No cap. 7 de Atos, você o encontra pregando um poderoso sermão. O Espírito Santo lhe ensinou a amar em tempos de ódio (At 7.59-60). Quantos de nós pediríamos perdão a Deus por pessoas que estão nos maltratando? Isso é ser cheio do Espírito Santo. Muitos de nós não estamos conseguindo amar nem os irmãos, quanto mais os inimigos.

O Espírito Santo mostra que Deus não faz acepção de pessoas (Atos 10. 34 a 48). Cornélio era gentio. Pedro reluta para ir pregar para aquele homem, julgando que o evangelho era apenas para os judeus.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Cornélio era gentio. Pedro reluta para ir pregar para aquele homem, julgando que o evangelho era apenas para os judeus. Após uma experiência com Deus, ele vê que estava enganado (v.34). E aí, no v. 44, o Espírito Santo confirma esta verdade. É por isso que nosso compromisso é pregar para ricos, pobres, cultos, analfabetos, brasileiros ou estrangeiros. O Espírito Santo quer salvar a todos (v. 47). Seja sensível a voz do Espírito e Ele te conduzirá a quem você deve testemunhar.

O Espírito Santo vocaciona e convoca servos para obra missionária. Veja Atos 13. 1 a 5. O Espírito falou a igreja (v. 2) e Ele mesmo enviou os vocacionados (v.4). Sempre que Deus vocacionar um moço ou uma moça para missões, Ele falará à igreja. Ele não esconde da igreja a quem vocacionou. Observem Atos 13.2. A voz do Espírito se torna audível quando a igreja está servindo à Deus com oração e jejum (v.3). Uma igreja cheia do Espírito Santo será sempre uma igreja missionária. Não se pode desvincular o ser cheio do Espírito Santo da obra missionária. Não há plenitude do Espírito Santo sem amor por missões, porque o coração de Deus é missionário. A igreja em Atos era missionária porque era cheia do Espírito.

O Espírito Santo guiava as ações dos servos de Deus (Atos 16.5 a 10). Notem que é o Espírito Santo quem diz onde não ir (v.6 e 7) e onde ir (v. 9 e 10). Uma igreja cheia do Senhor saberá sempre o que fazer e o que não fazer. Quantas vezes vemos alguns de nossos planos sendo impedidos. Se colocarmos toda nossa vida nas mãos de Deus, Ele impedirá algumas coisas e nos moverá à outras. Ele sabe o que será benção para nós e glória ao Seu nome. Lembre-se sempre de Romanos 8.28.

O Espírito Santo faz uma obra, quando homens santos oram com imposição de mãos (Atos 19. 1 a 7). O que temos aqui são pessoas que haviam crido em Jesus, sem, contudo, terem recebido o Espírito Santo. Como pode ser isso? É que Apolo pregava a mensagem de João Batista que dizia que todos deviam arrepender-se e crer que o Messias vivia (v.4). Olhem Marcos 1.1 a 8. Essa era a mensagem de João Batista e apenas ela, aqueles conheciam. Mas agora, Paulo lhes informa que Jesus já morreu e ressuscitou e que o Espírito Santo já havia vindo para selar a salvação. Paulo então, impõe as mãos sobre eles e o Espírito Santo vem, entra neles e os sela para a salvação (Atos 19.6) Homens cheios do Espírito Santo podem ser instrumentos de Deus para levar a outros a receberem o Espírito ou serem cheios D’Ele. Imposição de mãos é bíblico para abençoar e não para expulsar demônios.


Lição

7

PNEUMATOLOGIA

I

I

O Batismo com o Espírito Santo Introdução: (Lucas 3.15 e 16 e I Cor 12. 12 e 13.). Talvez o maior problema com o batismo do Espírito Santo, não seja com o fato em si do batismo, mas com a hora em que esse fato acontece na vida de uma pessoa. Os grupos pentecostais acreditam que o batismo no Espírito Santo é uma segunda bênção que ocorre após a conversão. As igrejas reformadas creem que esse batismo se dá exatamente no momento da conversão. Na verdade, ele constituía a salvação. É uma experiência única, definitiva e irrepetível.

Como é que nós cremos e porque assim cremos? Não há nenhuma evidência bíblica de um batismo no Espírito Santo depois de alguém já ser convertido. Atos 2 nos mostra os apóstolos que andavam com Jesus, recebendo o selo da salvação que eles ainda não tinham. Olhem João 14.17. Jesus está dizendo que o Espírito Santo que será enviado estará nos discípulos. Isto é, eles andavam com Jesus, mas ainda não tinham o Espírito Santo. Portanto, o pentecostes não foi uma segunda benção, mas a primeira que os selou para a vida eterna com o Espírito Santo. Como eu sei que os apóstolos ainda não eram convertidos no sentido de não terem o selo da salvação? Leiam Lucas 22.31 e 32. Eles iam para o céu, se morressem antes do pentecostes, pela fé na promessa e não por terem o selo. Era como os que criam na mensagem de João Batista.

O batismo é no Espírito Santo, ou com o Espírito Santo, ou do Espírito Santo? Os três estão certos. Vejamos: Batismo no Espírito Santo Mostra o lugar onde o homem foi batizado (I Cor 12. 13) Todos os salvos foram imersos no Espírito Santo (à palavra “batizar” significa “imergir”). Não há salvação sem imersão no Espírito Santo de Deus. O Espírito Santo é o agente regenerador da alma. N’Ele é que somos salvos e, depois santificados.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Batismo do Espírito Santo. Significa a qualidade do batismo. Não é o batismo de João, nem da igreja batista, mas do Espírito. É um presente que recebemos gratuitamente quando cremos em Jesus como salvador pessoal. É o presente D’Ele à nós. Atos 2.38. “Esse dom do Espírito Santo” é o batismo D’Ele que recebemos. Isso aqui é o mesmo que o batismo do Espírito Santo. Não é o dom “carisma”, mas o “dom” salvador. Recebemos o dom (batismo) do Espírito para pessoas serem salvas e recebemos os dons (carismas) para servimos na igreja. Batismo com o Espírito Santo. Esse termo “com”, mostra o agente batizador. É com o Espírito Santo que fomos batizados. A essência do que nos acontece quando somos imersos no Espírito, é graças à Ele mesmo ser o agente do batismo. Lucas 3.16 nos diz quem promove o batismo. É Jesus. Quando? Quando O recebemos como salvador. Qual o ser, o agente envolvido no batismo? O Espírito Santo. Então você recebe Jesus e o Espírito Santo passa a viver em você, porque Ele é o Espírito de Cristo. É o agente do batismo.

Evidências do batismo com o Espírito Santo. É interessante que não há nenhum texto bíblico que nos exorte a buscar o batismo com o Espírito Santo. Mas há textos que nos mandam buscar sermos cheios do Espírito (Efésios 5.18). “Ser cheio do Espírito”. Essa sim é uma experiência que se repete. Nós chamamos de plenitude do Espírito Santo. Não precisamos ser exortados ao batismo com o Espírito, porque já somos convocados à salvação, o que é a mesma coisa. É a evidência desse batismo é que, vindo o Espírito Santo viver em nós, passamos a ter uma nova vida (IICor 5.17). E já que nascemos de novo, agora podemos crescer. É o que Paulo nos exorta em Efésios 5.18. Crescimento é sinal de que nascemos. Portanto, as evidências de que fui batizado no Espírito e que Ele vive em mim, estão em Gálatas 5.18 e 22, 23. Falar em línguas não é evidência do batismo no Espírito, até porque, nem todos falam em línguas (I Cor 12.29 e 30). Se assim fosse, implicaria em dizer que nem todos podem ser batizados no Espírito Santo. Todos podem ser batizados no Espírito Santo, porque Jesus veio para todos.


Lição

8

PNEUMATOLOGIA

I

I

Os Dons do Espírito Santo I Introdução (I Cor 12. 1 a 7). O que são os dons espirituais? Para que servem? Quem os dá e quem os recebe? São perguntas que são feitas ao longo da história da igreja e que tem recebido as mais diversas respostas. Nos principais textos sobre dons espirituais, o tema do contexto é a igreja, o corpo de Cristo. Como acabamos de ler. O corpo de Cristo, que é a igreja, pertence ao Senhor Jesus Cristo, portanto, o grande objetivo dos dons espirituais é abençoar a igreja. Olhem Efésios 4.11 e 12 .

O que é um dom espiritual? É um atributo especial dado pelo Espírito Santo a todo verdadeiro membro do corpo de Cristo, de acordo com a graça de Deus, para uso dentro do contexto do corpo. É qualquer habilidade que é delegada pelo Espírito Santo e usada nos ministérios da igreja. Deus colocou, Ele mesmo, os dons espirituais nos crentes.

Quando os dons espirituais são dados? Existem no mínimo três hipóteses possíveis que respondem a essa pergunta: Eles são dados quando recebemos Jesus como Salvador e nascemos do Espírito. No momento em que o Espírito Santo vem morar em nós, Ele nos outorga alguns de Seus dons. Nesse sentido, está certo dizermos que recebemos dons espirituais, quando somos batizados no Espírito Santo, uma vez que esse batismo acontece na conversão. Eles são dados quando a necessidade para usa-los aparece (I Cor 12.7). Nesse caso, os dons viriam subitamente conforme a necessidade de usa-los surgisse. Quando ele for útil.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Enquanto eu não me entregasse a uma vida cheia do Espírito Santo, nenhum dom se manifestaria em mim. Essa pode ser a aplicação para tantos crentes inoperantes na igreja, corpo de Cristo. Quando você se entrega ao Espírito é surpreendido com dons que nunca imaginaria que possuísse. Eles são dados quando da concepção no ventre materno. Quando todo o nosso ser está sendo formado, Deus coloca dentro de nós os dons espirituais em potencial para o Seu serviço de acordo com Sua capacidade cuidadora. Esses dons podem ser revelados primeiramente em forma de talento, até que eu me converta e o batismo com o Espírito Santo, transforme talento em dom espiritual. São o caso de cantores, compositores, cujos talentos nascem com eles, mas quando se convertem isso vira dom musical. Pode ser o caso de um mestre da bíblia, líderes natos que se tornam líderes do povo de Deus, etc. Eu diria que em todas as 3 hipóteses há verdade. Gostaria que vocês discutissem em classe e chegassem a uma conclusão. Uma coisa é certa: É somente o Espírito Santo quem dá os dons (I Cor 12.4, 7, 8 e 9 e 11) .

Os dons espirituais são dados aos crentes individualmente. Em I Cor 12.7, podemos notar que os dons são dados a cada um. Ainda Efésios 4.11, I Pedro 4.10. Nem todos têm os mesmos dons e não há motivo para desprezarmos aqueles que não têm os nossos dons (I Cor12.14 a 25). Os dons espirituais não são garantia de maturidade espiritual (I Cor 1.7). A igreja de Corinto não tinha falta de Dons, mas olhem o que Paulo diz sobre ela (I Cor 3.10). Os dons espirituais são presentes gratuitos de Deus e não os recebemos por méritos nossos. Orgulhar-se dos dons que se possui é vaidade e profunda carnalidade. O crente não é conhecido pelos dons, mas pelos frutos. Que Deus lhe ajude a buscar com humildade, descobrir os dons que o Espírito Santo lhe deu.


Lição

9

PNEUMATOLOGIA

I

I

Os Dons do Espírito Santo II Introdução (Ef 4.11-12, I Cor 12. 4-11, I Pe 4.9-10 e Rom 12. 6- 8). Estes textos formam as listas dos dons espirituais na visão dos apóstolos Paulo e Pedro. É bom sempre lembrar algumas coisas sobre os dons espirituais: Somente o Espírito Santo confere dons (I cor 12.11) Ter dons espirituais não é evidência de maturidade espiritual (I Cor 3. 1 a 3) Os dons devem ter o objetivo de edificar a igreja (Ef 4.11 e 12)

Os dons e as suas funções. Se observarmos estas listas de dons fornecidas pelos textos acima, perceberemos que há funções diferentes entre eles. Nós podemos classificar os dons espirituais em três categorias.

Dons de sinais São aqueles que envolvem a intervenção sobrenatural de Deus. Hoje são menos acionados, ainda que muitos os prefiram. Observem quais entendemos ser os dons de sinais. Milagres ou maravilhas (I Cor 12.10). É a capacitação dada por Deus que permite ao crente realizar coisas que não deixam dúvidas de que houve a intervenção miraculosa de Deus. Não é um dom muito observado em nossos dias porque os milagres se tornaram coisa menos frequente na sociedade. Ainda existem milagres e maravilhas, mas não tanto quanto nos tempos bíblicos que serviam para autenticar uma obra divina. Curas (v. 9b); (I Cor 12). A capacidade de ser usado por Deus para curar alguém em oração. Não é a oração que tem poder, mas ela move o poderoso braço de Deus. Línguas (I Cor 12.10). A capacitação para usar um idioma desconhecido pela ação do Espírito Santo. Não há nenhuma prova que sejam “línguas de anjos”, até porque, todas as vezes que os anjos falaram, foram bem entendidos. Não é evidência do batismo com o Espírito Santo, porque nem todos os batizados no Espírito (convertidos), falam em línguas (I cor 12.30,31).Não se esqueçam que o dom de línguas deve ser usado na presença do dom de interpretação.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Dons de apoio Esses podem ser divididos em dois. Dons de equipamento (equipando crentes): Apóstolos (Efésios 4.11) Não há mais apóstolos no sentido inicial da palavra, isto é, aqueles que assim foram chamados porque andaram com Jesus. Mas existem os apóstolos ainda hoje, no sentido daqueles que são enviados da igreja para darem início a algo especial no reino de Deus. Os apóstolos são os desbravadores da fé. O próprio nome quer dizer “enviados da parte de”. Profetas (Efésios 4.11) São aqueles que falam em nome de Deus. Podem ser instrumentos de Deus para apontar um futuro para o povo, mas sua maior função é falar em nome de Deus. São os pregadores e anunciadores da palavra de Deus. Evangelistas (Efésios 4.11) Os que recebem do Espírito Santo uma capacidade especial para evangelizar não necessariamente dos púlpitos, mas também pessoalmente, pessoa por pessoa. São aqueles que tem prazer em falar de Jesus sempre em qualquer lugar. Pastores (Efésios 4.11) Não são necessariamente grandes evangelistas. Sua aptidão maior é para cuidar de gente, apascentar o rebanho de Deus, aconselhando e alimentando. Mestres (Efésios 4.11) ou doutores São os que ensinam com clareza e eficácia. Os que são mestres por dom, amam o que fazem e fazem com dedicação. O mestre é um estudioso da palavra de Deus.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Dons de capacitação: Fé (I Cor 12 a) É uma capacitação especial para de forma profunda de Deus. Não é o mesmo que a fé para salvação, mas fé para realizar grandes coisas para Deus. Discernimento (v.10) Esse dom permite que o crente perceba quando algo vem de Deus ou não. Profecias, línguas, revelações, etc. Lembrem-se de que satanás pode imitar esses dons. Sabedoria (I Cor 12.8) É a capacidade de dizer algo que venha trazer bênção aos que ouvem. Pode ser uma exortação, um conselho ou palavra de conforto.

Dons de serviço Ministério (Romanos 12.7) É servir na casa de Deus em áreas específicas (família, juventude, música, etc). Administração (Romanos 12.8) É o dom de liderança, de presidir. É o serviço de cuidar da parte física ou material da casa de Deus. Misericórdia (v.8) É o dom de cuidar com zelo das necessidades das pessoas e atende-los com alegria e amor. É a ação social da igreja. Contribuição (Romanos 12.8) Repartir ou contribuir é compromisso de todos os crentes, mas há aqueles que são extremamente liberais. Geralmente são pessoas que Deus honra com boa condição para poder repartir ou contribuir. Hospitalidade (I Pedro 4.9 e 10) É a capacidade de receber bem e com alegria as pessoas em sua casa ou onde for necessário.


Lição

10

PNEUMATOLOGIA

I

I

Obras da Carne e fruto do Espírito Introdução Em Gálatas 5. 16 a 26, podemos encontrar a grande explicação de como deve ser a vida de um crente guiado pelo Espírito Santo e como não deve ser o viver desse crente. Nós chamamos de “obras da carne”, aquelas atitudes e aqueles sentimentos que vão de encontro à vontade de Deus para nossa vida, mas que constantemente surgem na vida do cristão. Esses pecados batalham contra vivermos uma vida cheia do Espírito Santo (v.17). O segredo para vencermos essas tendências carnais está no v. 16. Se andarmos no Espírito, a carne será vencida. Podemos classificar as obras da carne da seguinte maneira: (v.19 a 21).

Atitudes e ações da carne. Prostituição, lascívia, pelejas, dissensões, homicídios, bebedices, glutonaria. São as coisas que a carne nos leva a praticar. Esses pecados são praticados mesmos por cristãos atormentados pela prática de alguns desses frutos da carne.

Pecados relacionados a vida religiosa. Idolatria, feitiçaria e heresias. São pecados que são cometidos e têm a ver com a religiosidade humana. O idólatra não só adora ídolos da religião (imagens de santos, etc), como também idolatram seus bens (carros, dinheiro, propriedades) e até pessoas. O feiticeiro não é apenas o que busca demônios, mas até crentes que vivem num misticismo tal, que tornam sua religião uma porta aberta para ações de espíritos inimigos. Exageros emocionais podem gerar passividade espiritual, o que torna nosso espírito, presa fácil do inimigo. Espíritos imaturos estão à mercê de demônios. Heresias são aberrações bíblicas que ensejam o surgimento de práticas exóticas que certamente redundarão em carnalidade. Por mais emocionante que uma prática religiosa seja, se não for bíblica, é heresia.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Sentimentos que são frutos da carne. Impureza, iras, invejas, etc. são doenças do caráter que podem atingir um cristão que está vazio do Espírito Santo. São sentimentos sempre dirigidos ao semelhante. A impureza é algo da mente em relação a alguém, assim como a ira e a inveja. A porfia também se encaixa aqui, são brigas que nascem do coração. Esses têm sido os mais terríveis dos pecados da carne, porque tem prejudicado profundamente o reino de Deus e impede a vida abundante daqueles que as possuem.

Como podemos classificar o fruto do Espírito (v. 22)? Observem que não são “frutos”, mas fruto do Espírito Santo. Isso aqui quer dizer que as ações e sentimentos narrados nesse verso, fazem parte de um todo que é o fruto do Espírito.

Sentimentos que são parte do fruto do Espírito Santo: Amor, gozo e paz. Todo salvo tem em si o potencial de amar, de viver em alegria e ter paz no coração. O Espírito Santo que habita nele possibilita-o amar até o inimigo, ser feliz mesmo nas tribulações, ter paz na alma ainda quando em volta houver tormentas. Jesus diz que é possível amar o inimigo (Mateus 5. 43 a 47); Paulo diz também que é possível ter paz (Fil 4.7)

Atitudes que são parte do fruto do Espírito Santo. Longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança são atitudes que mostram que estamos cheios do Espírito Santo. Ninguém é longânime sem o Espírito, nem benigno ou bondoso, nem vive por fé se não for pelo Espírito. Ninguém é manso nesse mundo hostil ou temperante sem ser controlado pelo Espírito de Deus. É isso aqui que chamo de uma vida poderosa e bonita. Não é à toa que a Bíblia não diz que seremos conhecidos pelos dons espirituais, mas sim, pelos frutos do Espírito.


Lição

11

PNEUMATOLOGIA

I

I

O Poder do Espírito Santo Introdução (Atos 1.8). Existe algo de que a igreja está precisando grandemente nesses dias, que é o poder do Espírito Santo. Não de bons cantores, conjuntos e corais. Não temos falta de bons recursos sono técnicos, computadores, etc. Nem mesmo temos falta de dinheiro. O que está faltando então para a igreja cumprir com maior eficácia a sua missão? É o poder do Espírito Santo (Atos 1.8). Está falta do poder do alto está nos levando a sermos “evangelizados” pelo mundo, ao invés de evangelizarmos o mundo. Estamos nos tornando admiradores assustados do “caos” da sociedade sem, no entanto, fazermos qualquer coisa para mudarmos o mundo.

O poder do Espírito Santo é do que carecemos nesse momento. Não há nada que se possa fazer no reino de Deus sem esse poder. Há poder no dinheiro, mas ele não pode enfrentar as trevas e vencê-las. Há poder na teologia, mas não pode mudar o coração escravizado pelo pecado e santifica-lo. Ela explica, mas não modifica. Há poder na inteligência humana, mas não pode levar um coração e liberta-lo das garras do diabo e da perdição. Há certo poder nos cultos da igreja, mas não será suficiente para fazer tremer almas e corações famintos por Deus. Sem o poder do Espírito Santo, o culto não passa de encenação publica. Esse poder é algo de que precisamos todos os dias para vivermos o cristianismo como ele realmente é.

Para que precisamos do poder do Espírito Santo? O final do verso lido (Atos 1.8) responde: Para sermos testemunhas de Jesus. Por falta desse poder enchendo o crente, poucos hoje falam de Jesus aos vizinhos, na escola, no trabalho etc. O amor pela obra missionária está desastrosamente definhando.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Precisamos desse poder para experimentarmos as bênçãos espirituais que esse poder nos outorga. Amar é poder. Ninguém ama sem estar cheio do poder. Ninguém perdoa sem esse poder. Paz é poder em ação. Não há paz na alma sem o Espírito Santo. Alegria é poder. Toda vez que o evangelho é pregado, a alegria do Senhor é liberada. Olhem Atos 8.6 a 8. Liberdade é poder (II Cor 3.17) Comunhão é poder (II Cor 13.13). A comunhão do Espírito Santo trará comunhão entre os crentes. Isso é impossível sem o poder do Espírito. Uma das fortes evidências da falta desse poder no crente é sua falta de comunhão com outros crentes. Precisamos desse poder para a santificação em nossas vidas. Olhem Efésios 5.18. Não há como viver uma vida limpa e santa sem estarmos cheios do Espírito Santo. É o poder do Espírito quem nos capacita à vencermos as tentações e permanecermos inculpáveis diante de Deus. Santificação é um processo que depende a cada dia do revestimento desse poder em nós. Precisamos desse poder para guerrear as guerras da vida. Olhem Juízes 6.34. Já no velho testamento, nós percebemos o Espírito Santo enchendo a vida de Gideão e o capacitando para a guerra. Nós temos guerras a enfrentar todos os dias. Contra a carne, o mundo e satanás. Só com o poder do Espírito podemos vencêlas. Os demônios só se curvam diante de crentes cheios do poder de Deus. A carne é vencida e o mundo recua diante de vidas poderosas em Deus. Na próxima lição saberemos como receber este poder.


Lição

12

PNEUMATOLOGIA

I

I

Como Receber o Poder do Espírito Santo Introdução O texto de Atos 1.8 garante que recebemos esse poder, mas agora precisamos saber como recebê-lo. O que podemos ou devemos fazer para sermos cheios do poder do alto? Vamos a Atos 8.18 a 22. Aqui está um grande equívoco sobre como receber o poder do Espírito Santo. Simão o mago queria esse poder, mas se percebe pelo menos três equívocos graves que levaram o apóstolo Pedro a repreendê-lo e a dizer-lhe que “ele não teria parte naquele negócio” (v 21). Vejamos:

Simão queria o poder do Espírito Santo para ficar famoso. Ele tinha experimentado a fama com o poder do diabo e agora quer continuar famoso usando o poder de Deus (Atos 8. 9 e 10). Aqui ele arrancava o poder de Deus para continuar famoso. Veja bem qual sua intenção para querer o poder de Deus. Muitos hoje estão atrás do poder apenas para se promover.

Simão queria o poder do Espírito Santo para manipular as pessoas. Acostumado a “manipular as massas”, ele agora quer o poder de Deus para prosseguir nisso (Atos 8.10 a). Quantos hoje se dizem cheios de poder, fazem demonstrações de poder pela TV, entrevistando demônios, falando sempre de curas mirabolantes com o fim de manipularem a boa fé das pessoas. Simão fazia isso e nem por isso era homem de Deus. Cuidado com os manipuladores da fé.

Simão queria receber o poder através de dinheiro (Atos 8. 18-19). Muitos hoje, tentam vender o poder de Deus, obrigando o povo a dar ofertas altas, pois “quanto maior a oferta, maior será a bênção e o poder em sua vida”. Como então, receber o poder do Espírito Santo?


PNEUMATOLOGIA

I

I

Pela oração (Atos 8. 15 a 17; Atos 4.31). Em Atos 1.14 nós encontramos os apóstolos orando com os demais discípulos, antes de serem revestidos do poder do alto no dia de pentecostes. Em Atos 4.31, o lugar treme com o poder do Espírito Santo, enquanto a igreja orava. Ninguém recebe este poder se não tiver uma vida intima de comunhão com Deus através da oração. Quanto tempo você reserva por dia para orar? É no recinto secreto de oração que você poderá ver a glória de Deus. É por isso que satanás treme diante do crente mais humilde, mas que mantenha uma vida de oração fervorosa. Precisamos priorizar a oração em nossas vidas e igreja.

Pelo arrependimento dos pecados (Atos 2.38 e 39). Esse é outro elemento indispensável a que não só recebamos o Espírito, mas para que também sejamos cheios do seu poder. Um arrependimento sincero traz o poder de Deus para as nossas vidas (II Crônicas 7.14).

Pela obediência à Deus (Lucas 24.49 e Atos 1.14). Os discípulos estão obedecendo esta ordem. Em Atos 2.1 e 2, a promessa se cumpre porque eles obedeceram. Em Lucas 24.49 a ordem é para que fiquem quietos. Eles não tinham que fazer muita coisa para receberem o poder. Apenas esperar em obediência e fidelidade à palavra de Deus, o Espírito Santo virá sobre nós com grande poder. É disso que estamos precisando hoje: crentes dispostos a obedecerem à Deus e Sua palavra. E assim, o poder de Deus virá sobre nossas vidas, famílias, igrejas e sociedade.


Lição

13

PNEUMATOLOGIA

I

I

O Poder do Espírito Santo na Vida dos Discípulos Introdução (Lucas 24.49) O texto de Lucas 24.49, se constitui em algumas das últimas palavras que o Senhor Jesus disse aos Seus discípulos. Ele os instruiu a que ficassem em Jerusalém até que do alto fossem revestidos do poder do Espírito Santo. A ideia de “ficarem em Jerusalém” é de não fazerem nada. Apenas ajudasse em oração o cumprimento da promessa. Eles obedeceram e a promessa se cumpriu. Isso deixa claro para nós que o poder do Espírito Santo não é liberado por causa dos nossos esforços ou ações, mas pela nossa obediência, fé na promessa e oração.

Os discípulos foram os primeiros onze homens que Deus usou para começar a igreja e sobre quem desceu no dia de Pentecostes o poder no novo testamento. Considerem os tipos de pessoas a quem Jesus chamou e capacitou no Espírito Santo para fazer a Sua obra. Certamente nós não teríamos escolhido aqueles homens. Mas Deus não olha as aparências. Jesus poderia ter escolhido talentosos rabinos, bons oradores, fariseus cultos, mas quem Ele escolheu e encheu de poder? Pescadores, cobradores de impostos, membros de uma seita radical chamado zelote, semianalfabetos, foram esses. Nenhuma firma especializada escolheria esses homens para trabalhos de liderança. Mas Deus os escolheu em Cristo.

Por que Jesus os escolheu? O Senhor sabia o que estava fazendo. Sabia que a missão dada àqueles homens era impossível de ser realizada por eles, a não ser que recebessem uma capacitação especial (o poder do Espírito). Jesus sabia que com frequência, quanto melhor for a influência política, financeira e intelectual de um homem, mais ele depende de si mesmo e se afasta do poder de Deus. Esses homens não tinham nada disso e agora você sabe por que Jesus os escolheu. Eu e você só seremos cheios do Espírito Santo e capacitados por Seu poder para fazer Sua obra e viver em vitória, se entendermos que somos incapazes e inteiramente dependentes D’ Ele.


PNEUMATOLOGIA

I

I

Uma coisa pior sobre esses escolhidos de Jesus: Eram homens de recentes fracassos espirituais. Pedro o havia negado, Tomé havia duvidado e todos haviam fugido quando Jesus fora preso. Eram pessoas fracas e vacilantes como eu e você. Mas o poder do Espírito Santo enchem esses homens (Atos 2.1 a 4). E agora olhem em quem eles se transformaram. Pedro, o covarde, agora é intrépido pregador do evangelho. Os discípulos covardes e tolos em suas conversas agora vêm pelo mundo prontos a morrerem por Ele (Atos 12. 1 a 3). Não importa quem você seja, o Espírito Santo pode enchê-lo de poder e transformá-lo em um gigante da fé e da obra do Senhor.

Por que eles receberam o poder do Espírito Santo? O que os tornou aptos? Porque eles não tinham reputação a defender. O que um cobrador de impostos tem de reputação a defender? E pescadores a margem da sociedade? E Zelotes? Quando a igreja deixar de se preocupar em defender uma reputação que só interessa politicamente ou socialmente, receberá o poder. Nós não temos de nos preocupar se os políticos e os governos corruptos têm boa impressão de nós. O que interessa é o que Deus pensa de nós. Precisamos estar prontos para as perseguições. Porque eles tinham uma fé simples. Jesus mandou que ficassem em Jerusalém e eles ficaram. E esperaram (Atos 1.14 e Atos 2.1). Eles não sabiam nada sobre o poder que receberiam, mas simplesmente creram e esperaram e sabiam que quando o poder chegasse eles saberiam (Atos 2.14 a 21). Nós precisamos de uma fé simples se queremos o poder do alto e quando Ele chegar saberemos que é Ele. Porque apesar de não saberem ainda o que seria esse poder, se era de Deus, eles queriam. Ninguém ficaria 10 dias esperando a promessa se não a quisesse. Hoje, há pessoas que vivem armadas e mesmo sem saberem como será. Já não querem o poder do alto. Têm medo de que isso lhes faça mudar em muitas coisas. Preferem viver na frieza e na distância da plenitude do Espírito Santo porque isso não mexe com suas tradições e com seu orgulho pessoal. São crentes, mas crentes sem plenitude.


PNEUMATOLOGIA

I

I

CONCLUSÃO: Que Deus lhe permita ter os olhos desvendados e o desejo de ser cheio do Espírito Santo, e que Seu poder invada a sua vida, sua família e se espalhe por toda a igreja. É assim que veremos uma igreja vitoriosa. Gente falha e imperfeita como os discípulos, mas gente cheia de Deus! Amém!


Revista IEC | Pneumatologia