Issuu on Google+

EDITORA

BEBÊ I COMPORTAMENTO I CRIANÇA I EDUCAÇÃO I FAMÍLIA I GESTANTE I MODA I SAÚDE

VACINAS Ministério da Saúde introduz duas novas vacinas no calendário Saiba mais

BUENOS AIRES

Uma ótima opção de viagem com seu filho

ANO 1 - EDIÇÃO 01 PIRACICABA - SP

INFANTIL M E G A I U Q ções MA comenda As re s atologista m r e d s o d

APIA EQUOTERa crianças

par Um auxílio ades especiais ssid com nece

ESCOLA A N A C I S MÚ formação Uma ana mais hum lhos fi para seus


BAtizados e festas | 09


EXPEDIENTE

EDITORAL

Direção geral

Ana Cruz | Marcella Pinto Jornalista responsável

Ana Cruz - Mtb 28.228 Reportagens

Ana Cruz | Ingrid D`Elboux Tais Romanelli Colaboradores

Marina Torrezan | Paula Aloy Fotos do editorial de moda

Paulo Altafin Produção

Ana Cruz | Marcella Pinto Comercial

Vegas Smart Mídia Tel.: 19 2532-2600 e-mail: contato@vegasmidia.com.br Capa

Maria Thereza veste Nenem

Produção Editorial

Direção geral

Alexandre Mazega Arte

Talita Velasque Tratamento de imagens

Flavio Pavan | Laércio Roda Higor Magnani | Rodrigo Araujo Revisão

Mariana Maciel | Sérgio Kakitani Impressão e acabamento

Prol Editora Gráfica Tiragem

6.000 exemplares Todos os direitos autorais reservados. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou utilizada por quaisquer meios - eletrônicos ou mecânicos, inclusive fotocópias ou gravações, ou por sistemas de armazenagem e recuperação de dados - sem o consentimento, por escrito, da editora. Amitiés Editora End: Rua Dona Eugênia, n. 734 Tel.: 19 3435-6956 | Site: www.amities.com.br

Ana Cruz

P

Marcella Pinto

ara você que acaba de abrir essa revista, saiba que ela é a realização dos melhores sentimentos. De uma amizade de duas amigas de infância. De duas mulheres que se casaram e decidiram mudar de cidade, de emprego, abrir mão dos alicerces, por amor. União de duas profissionais experientes, com mais de dez anos de mercado na área da comunicação, que tinham como objetivo trabalhar com seriedade e profissionalismo em Piracicaba. Responsabilidade de serem filhas, mulheres, esposas, mães, empresárias e tudo mais que os muitos turnos que temos que fazer diariamente nos permitem. A verdade é que dentro da Amitiés, sempre coube mais. Mais planos, projetos e sonhos. E um deles, talvez o maior, era a nossa revista infantil. Foi uma gestação longa. Durante quase quatro anos colocamos e tiramos essa vontade da gaveta. Mas 2012 chegou e muita coisa mudou dentro de nós. Veio com o novo ano inclusive a certeza de que era chegada a hora da Petit Polá nascer. O objetivo sempre foi ser uma revista infantil informativa. Nós duas, mães de primeira viagem, que tivemos filhos longe das nossas famílias de origem, que pudessem nos dar mais confiança, hoje sabemos: a maioria, senão todas as mães têm dúvidas. Esclarecê-las de uma forma natural, com muitas informações, em uma leitura prazerosa, é o que nós queremos. Estar por dentro das atualidades do mundo infantil é o compromisso que a revista Petit Polá tem com você, leitor. Agradecemos o enorme prazer de tê-los conosco nesta e nas muitas outras edições que estão por vir. Desejamos que vocês possam sentir, ao ler essa revista, a alegria que a redação da Amitiés Gestão e Informação sentiu ao colocar esse sonho no papel, literalmente. Para nós é um grande desafio e uma grande estrada de aprendizado, comprometimento, responsabilidade, credibilidade. E amor. Foi ele que nos trouxe até aqui para nos conhecermos. Muito prazer, queridos leitores! Aos nossos filhos, Luca e Giovanna, que são nossa grande inspiração, a nossa eterna gratidão. Um beijo, Ana Cruz e Marcella Pinto


sumário

51 Ensaio de moda

08

Conteúdo interativo, dúvidas e sugestões

49

Tendências da moda infantil

10

Grávidas em forma: exercícios mais recomendados

68

Festas: a decoração que faz a diferença

14

Minha barriga de sete meses

72

Alimentação e nutrição: quanto mais colorido melhor

16

Maternidade: como escolher o local do nascimento

74

Saiba sobre maquiagem infantil

22

Saúde: identifique se o choro é de cólica

76

Equoterapia: ótimos resultados no tratamento de crianças

26

Capa: Ministério da Saúde inclui novas vacinas no calendário

80

Buenos Aires com petits

34

Educação: aula de música se torna obrigatória nas escolas

84

Agenda cultural

40

Escolha dos petits: uma visita a Saks Fifth Avenue

86

Como ajudar quem precisa


verticecom.com.br

sua vida, suas conquistas

Ambientes Personalizados Cozinhas | Dormitórios | Salas | Escritórios | Áreas de Serviço | Banheiros 70 lojas exclusivas em todo o Brasil | 0800 702 8500 | www.evviva.com.br Av. Carlos Botelho, 575 - São Dimas - Piracicaba - SP - T (19) 3432.1343


interativo

Conteúdo interativo

Petit Polá A Revista Petit Polá tem um blog! Acompanhe as novidades, dicas e curiosidades que serão postadas sempre. Entra lá: revistapetitpola.blogspot.com.br

Fazer o ensaio de moda desta edição foi uma delícia! As crianças se divertiram e os adultos se encantaram com a desenvoltura dos minimodelos! Veja mais no álbum do Facebook e no blog da Petit Polá!

A correspondente da Petit Polá em Nova York, Paula Aloy, fez um roteiro para compras de roupas para grávidas nos Estados Unidos. Para as futuras mamães que vão viajar, é de grande ajuda.

8 | petit polá | edição 01

Direto da Europa, a colaboradora da Petit Polá, Gretel Neves, peruana que vive em Barcelona há 10 anos, contará suas experiências como mãe de Alexia, 5 anos, e Nicolás, seis meses, num país de cultura diferente da sua, mas onde a liberdade das crianças é o maior dos valores.


interativo

DÚVIDAS FREQUENTES Nesse mundo tão moderno, onde há explicações para quase tudo, ainda não inventaram um manual para filhos. E quem não tem dúvidas? Por isso, a Petit Polá abriu um espaço para perguntas, que serão respondidas por especialistas nos assuntos. Escreva sua dúvida para o email: redação@ revistapetitpola.com.br e publicaremos aqui. Minha filha tem três meses e está babando muito. Ela não tem febre, não fica chatinha. Será o dente que está nascendo ou pode ser outra coisa? Brenda Natalia, Piracicaba - SP

Os bebês babam porque ainda não têm coordenação para deglutir a quantidade de saliva produzida, que aumenta a partir dos três meses, geralmente antes da dentição. A situação melhora por volta dos dois anos, quando a criança já domina o reflexo da deglutição. Por outro lado, a idade de aparecimento da dentição temporária é relativamente variável e depende de características hereditárias. Para saber a causa da sialorreia (excesso de salivação) é necessário examinar o bebê na procura de sinais do aparecimento dos primeiros dentes, como gengiva mais inchada em determinado ponto ou mesmo uma pontinha do dente que possa estar nascendo. Minha filha de um mês tem muita dificuldade em pegar o peito, somente consegue com o bico de silicone. Mas noto que ela está tendo muitas cólicas. Pode ter alguma relação? Mariela Corrêa, Piracicaba - SP

Amamentação é uma adaptacão entre mãe e bebê. Hoje em dia, dispomos de produtos que auxiliam nesse processo como, no caso

da mãe e bebê em questão, o bico de silicone. Quando bem acoplado ao seio, mesmo com o pequeno espaço formado entre o mamilo e a ponta do bico, não há aumento da deglutição de ar durante a mamada. Isso ocorre independentemente do uso do bico de silicone. O bebê, principalmente no início da mamada, quando suga com mais avidez, tende a deglutir bastante ar. Podemos perceber isso quando conseguimos escutar a sucção, que deve ser silenciosa. Se o bebê tem dificuldade de sugar no seio sem o bico de silicone, continue usando até sentir-se segura para tirar. O mais importante é adaptar o bico ao seio de forma que não se descole durante a sucção (uma dica é colocar de modo que as abas fiquem na direção de cada bochecha do bebê, sendo assim os lábios encostarão nas duas reentrâncias da aba), e também observar que o bebê esteja na posicão adequada, para evitar a aerofagia. Qual é a idade certa para que a criança tome banho sozinha? Karen de Jorge, Piracicaba - SP

A criança deve tomar banho sozinha quando a mãe julgar que seu filho(a) tem responsabilidade para tal tarefa. Isso significa saber a importância e como fazer a higiene após usar o banheiro e durante o banho. A maior causa de corrimento vaginal em meninas entre seis e nove anos decorre de má higiene íntima, na maioria das vezes porque já o fazem sozinhas. O ideal é ensinar a criança a fazer a higiene desde o primeiro momento em que ela demonstrar interesse em fazê-la sozinha, mas só deixar sem supervisão quando tiver a segurança de que realmente será feito.

Todas as dúvidas foram respondidas pela pediatra Dra. Roberta Maranhão, especialista em pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria e AMB

9


grávidas

Atividades físicas na gravidez: por que praticá-las? A mulher deve aguardar a liberação do seu ginecologista para iniciar qualquer tipo de exercício

10 | petit polá | edição 01

S

aúde, bem-estar, corpo em forma. São inúmeros os benefícios que o exercício físico traz para a mulher, em qualquer fase de sua vida. Mas é especialmente durante a gravidez que as vantagens de se praticar uma atividade com frequência podem ser sentidas de forma ainda mais intensa. “Desde que não haja nenhuma contraindicação médica, a prática de exercícios físicos será muito benéfica para a grávida. Pode ajudar no controle de peso, proporcionando bem-estar, evitar dores musculares e na coluna, e diminuir o risco de surgir doenças como, por exemplo, diabetes e hipertensão”, destaca Fabiane Sabbag, obstetra e ginecologista do Hospital São Luiz. A médica lembra que é fundamental a mulher aguardar a recomendação de seu ginecologista para começar qualquer tipo de atividade física. Ele saberá indicar qual é o melhor exercício para o seu caso e com que frequência e intensidade ela deverá praticá-lo. Tudo depende do estilo de vida da mulher e do que ela já tinha o costume de fazer. Se não se exercitava antes da gravidez, o ginecologis-

ta poderá indicar atividades mais leves, como caminhada, hidroginástica e ioga. “Uma mulher que já fazia musculação, por exemplo, poderá continuar com a atividade, desde que acompanhada por um profissional da área, diminuindo o ritmo de atividade, controlando os batimentos cardíacos com um frequencímetro e também a temperatura do corpo”, explica a doutora Fabiane. Leandro Galende, bacharel em ciência dos esportes, ressalta a importância de coordenar o trabalho do educador físico com o médico da mulher. “O planejamento da atividade física somente deve ser iniciado após a liberação do médico. Cada organismo se comporta de maneira diferente e o treino deve ser específico para aquela grávida, de acordo com as suas necessidades”, diz.

Pilates, um excelente aliado Letícia da Costa Azevedo, 30 anos, engenheira agrônoma, já fazia musculação e exercícios aeróbicos, mas depois que engravidou optou pelo pilates, inclusive por recomendação médica, visto que ela apresentava alguns


grávidas

problemas de coluna. “Mas o principal motivo para escolher o pilates e continuar a praticá-lo até dois dias antes do meu bebê nascer foi a vontade de ter o parto normal”, conta, destacando que muitas pesquisas confirmam que os movimentos do pilates podem facilitar o trabalho do parto normal, diminuindo o esforço realizado pela mãe na hora do nascimento da criança. “O pilates é uma excelente atividade para gestantes. O método é baseado em um programa de exercícios que pode trazer conforto à gravidez e ao parto. Tem foco na estabilidade da musculatura postural e do assoalho pélvico e também no fortalecimento e alongamento suave dos músculos”, explicam Daniela Poletti Figueiredo e Samira Pires Dário, fisioterapeutas com formação no método pilates. Carla Maia Brandão, 33 anos, engenheira química, já era adepta do método antes mesmo de engravidar e decidiu continuar com as atividades no período de gestação.“A prática de pilates tem me trazido benefícios referentes ao alongamento e fortalecimento da musculatura, ao controle do peso, à ativação da circulação sanguínea, à diminuição de dores causadas pelas más posturas próprias da gestação e ao bem-estar em geral”, diz. As professoras de pilates Daniela e Samira explicam que os exercícios para grávidas são adaptados de acordo com cada fase da gestação e alguns cuidados básicos devem ser tomados durante as aulas. Letícia, que praticou pilates durante toda a gravidez, conta que não teve dificuldades para fazer os exercícios. Somente algumas restrições foram feitas pela fisioterapeuta para evitar que prejudicassem a ela ou ao bebê. “O pilates me proporcionou um fortalecimento significativo para melhora da postura e principalmente do equilíbrio, já que durante a gestação ocorrem alterações posturais típi-

cas, e isso ajudou a amenizar os quadros de dor. Além disso, o condicionamento físico e o bem-estar foram mantidos e a minha recuperação pós-parto foi rápida”, diz. Carla, que ainda aguarda o momento de ter seu bebê, relata estar com ótimas expectativas. “Com a prática do pilates espero estar me preparando para a hora do parto normal, em que a força abdominal, conseguida nas aulas, ajudará para uma recuperação mais rápida e também para aguentar bem a ‘maratona’ dos primeiros meses do bebê”, conta. “Todos nós devemos realizar uma atividade física, não só buscando a estética, mas principalmente a saúde. No caso das gestantes, que se encontram em uma condição física especial, os exercícios têm uma importância ainda maior para a manutenção do bem-estar. É fundamental que a mulher lembre que as alterações que ocorrem em seu corpo não precisam ser incômodas, que a gravidez pode e deve fluir tranquilamente”, finaliza a professora Daniela.

Letícia praticou pilates durante toda a gravidez

11


grávidas

Fala a especialista Na entrevista abaixo, Karina Serra explica com mais detalhes por que o pilates é uma atividade super-recomendada para grávidas. Ela é educadora física, com especialização em fisiologia do exercício, mestre em fisioterapia, pesquisadora sobre o método pilates e certificada pela Power Pilates® de Nova York. Petit Polá: Afinal, o que é pilates? Karina Serra: O pilates é um tipo de exercício de condicionamento físico e que também pode ser utilizado na reabilitação. Ele traz melhora na postura, flexibilidade e alongamento, de forma geral. PP: Como o pilates age nos músculos abdominais e do assoalho pélvico da mulher grávida? KS: O pilates trabalha com o fortalecimento do assoalho pélvico, o que prepara a mulher para o momento do parto, especialmente para o parto normal. Ele trabalha a musculatura da pelve, enrijecendo-a, para o trabalho de parto ser mais tranquilo e até para a mãe ter mais facilidade para voltar às atividades depois. No que diz respeito à musculatura do abdômen, vale destacar que, durante a gravidez, os músculos da mulher vão se abrindo, então, os abdominais específicos não são recomendados para esta fase. Porém, todos os exercícios do pilates utilizam o abdômen, o que, consequentemente, gerará fortalecimento nesta área. PP: Quais são os outros benefícios que o pilates traz para as grávidas? KS: Ele trabalha com a respiração da mãe, o que também ajudará no momento do parto, 12 | petit polá | edição 01

tranquilizando-a e deixando-a menos exausta. O pilates trabalha na otimização da postura da mulher, pois, durante a gestação, ela tende a “pender” para a frente e o pilates ajudará fortalecendo a musculatura das costas. Fortalece ainda os membros superiores e inferiores e melhora a circulação sanguínea. É uma atividade de baixo risco e que trará bem-estar físico e mental para a grávida. PP: Após o bebê nascer, a mãe pode continuar praticando o pilates? Depois de quanto tempo ela pode retornar às aulas? KS: Pode continuar praticando o pilates, porém, o momento em que ela deve voltar às aulas fica a critério do médico. Aliás, é importante que a mulher aguarde a orientação do seu ginecologista também para iniciar a atividade. Mas vale lembrar que o pilates não tem contraindicação para grávidas, até porque os exercícios serão adaptados para esta fase da vida da mulher.


i c e

A l MINHA BARRIGA

EU e minha BARRIGA de 7 meses

A emoção de sentir uma vida crescendo dentro de si

14 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01

A

partir do momento que a mulher tem a notícia de que está grávida, sua vida muda completamente e cada dia deste novo período ganha um sentido diferente. Serão histórias e sentimentos que ficarão para sempre na memória. A Petit Polá conversou com Camila Vilela, 33 anos, fisioterapeuta. A futura mamãe, que está esperando sua primeira filha, Alice, contou um pouco sobre sua gravidez e os momentos mais marcantes pelos quais passou até agora.

periências diferentes. Ouvir o coraçãozinho da bebê pela primeira vez e sentir o primeiro movimento dela são coisas que não têm explicação. Foi muita felicidade! Eu estou aproveitando cada segundo da minha gravidez, pois cada momento é único. Mas, de todos, o sétimo mês foi o mais marcante. Houve um dia que nunca mais vou me esquecer: eu tinha acabado de sair da aula de hidroginástica e senti a Alice com uma energia muito forte dentro de mim, com movimentos constantes, a ponto de ver minha barriga se mexer toda. Comecei a falar com ela e fazer carinho na minha barriga e senti ela “me respondendo” com chutinhos... Que emoção! Senti uma ligação muito forte entre nós. Foi uma delícia!

Petit Polá: Como descobriu que estava grávida? Camila Vilela: Começamos a programar a gravidez e depois de um mês já tive o resultado positivo. Ficamos muito emocionados e felizes com a confirmação.

PP: Por que este período foi tão especial? O que você sentia? CV: Nesse período me sentia uma mãe realizada ao ver minha filha se desenvolvendo a cada semana. Desde quando descobri que estava grávida, eu sempre conversei com a Alice, mas no sétimo mês eu percebi que toda vez que eu e meu marido falávamos com ela, tínhamos uma resposta, por meio de um movimento. Isso é incrível! Não tem sensação mais gostosa! Quando eu percebo que ela está um pouco agitada, sempre coloco um CD com músicas bem calmas para bebês ou conto uma historinha e, na mesma hora, sinto que ela adora e fica bem tranquila.

PP: Qual foi o mês mais marcante da sua gravidez? Por quê? CV: Todos os meses da minha gravidez foram muito marcantes, mas cada um com ex-

PP: Durante esse mês, houve alguma mudança significativa em sua rotina? CV: Durante toda minha gravidez eu sempre fiz atividades físicas, como hidroginástica, ioga


A l

i c e

e caminhada. Acho fundamental para o bem-estar da mãe e do bebê. No sétimo mês, já senti minha barriga pesar um pouco, mas não mudei minha rotina, apenas diminuí um pouco o ritmo. PP: Com que tipo de roupa você se sentia melhor nesse período? CV: Hoje dou muito valor para quem inventou roupas para gestantes! Uso muito calça jeans e legging com elásticos na cintura. É uma delícia e não incomoda nada. Vestidos mais soltinhos também são sempre bem-vindos. PP: Nesse mês, já havia comprado alguma roupinha ou outro acessório para o bebê? CV: Eu comecei a fazer o enxoval da Alice com cinco meses. Que fase deliciosa! Ainda mais sendo um enxoval para menina, que tem tantas opções de produtos. Eu não posso ver um lacinho que já quero comprar! PP: Se você fosse descrever para a sua filha, futuramente, como foi essa fase da sua gravidez, com que palavras contaria? CV: Falaria para a Alice que sentir ela bem forte dentro de mim, o coraçãozinho batendo e ver o rostinho dela no ultrassom foram momentos inesquecíveis para mim. Que a partir de então eu me senti mãe de verdade, pois tudo que eu faço no meu dia a dia é pensando nela, desde as atividades físicas até a alimentação. O carinho que tenho por ela e o amor se tornam cada vez maiores. Agradeço todos os dias pelos momentos mais felizes da minha vida que estou passando na gravidez. Ser mãe é surpreendente, é um dom divino! Alice, estamos esperando você com muito amor! Papai e mamãe te amam muito!

15


grávidaS

Como escolher onde ter meu filho? A mãe deve levar em consideração alguns fatores essenciais na hora de definir o hospital/maternidade onde terá seu bebê

N Independentemente do local, as futuras mamães esperam ter um parto tranquilo e seguro

16 | petit polá | edição 01

ão importa se você é mãe de primeira, segunda ou múltiplas viagens, tudo o que a grávida mais quer é garantir um nascimento tranquilo e seguro para seu bebê. Exatamente por isso, alguns cuidados são fundamentais na hora de escolher o lugar onde fará seu parto, seja um hospital, maternidade ou mesmo em casa. No mundo todo a preocupação das futuras mamães é a mesma. Gretel Neves, de Barcelona, Espanha, conta que, assim que soube que estava grávida, escolheu onde queria dar à luz. “Procurei um lugar lindo, no qual me sentisse segura, por isso busquei um médico que trabalhasse no hospital Teknon para me atender. Escolhi-o pela infraestrutura. É claro que todas as mães querem o melhor para seus filhos, mas especialmente as de ‘primeira viagem’ são mais exageradas com tudo. Quis o melhor para minha filha”, diz a mãe Gretel, que saiu completamente satisfeita do hospital após ter tido Alexia. “Desde o primeiro momento todos foram muito atenciosos e profissionais, dirigiam-se a nós chamando-me de mamãe e a meu marido de papai, para que fôssemos nos acostumando com a ideia. Havia uma grande equipe nos

atendendo”, relata a mãe, que teve seu segundo filho, Nicolás, no mesmo local. No Brasil, as preocupações e cuidados que as grávidas têm também não poderiam ser diferentes. Stella Queen, 31 anos, dermatologista e moradora do Rio de Janeiro (RJ), conta como foi a escolha do local onde teve seu bebê. “Escolhi primeiramente a médica que queria que me acompanhasse e ela trabalhava na maternidade Perinatal. Eu e meu marido ficamos na dúvida, já que somos médicos e ele preferia que o parto fosse num hospital de grande porte e não em uma maternidade. Mas acabamos aceitando a sugestão da obstetra. No fim, fiquei muito satisfeita com a escolha. A equipe toda foi maravilhosa, inclusive as enfermeiras do berçário e quarto”, relata. Para que o nascimento do bebê se transforme em uma história positiva e tranquila como as relatadas acima, independentemente da cidade ou país onde ocorrerá o parto, a mãe deve levar em consideração alguns fatores na hora de definir o hospital/maternidade onde dará à luz. “A maternidade deve ser escolhida reunindo algumas características básicas: condições de suporte materno-


grávidas

-neonatal em caso de urgências; UTI adulta e neonatológica; equipe de profissionais – com ginecologista, neonatologista e anestesista – que trabalhe 24 horas de plantão”, destaca Kleber Rodrigues, ginecologista e obstetra da Maternidade São Luiz, em São Paulo, famosa por ter uma das melhores UTIs de recém-nascido do país. No caso das gestantes que tenham plano de saúde, elas devem escolher entre as maternidades que sejam cadastradas pelo plano, porém, a avaliação deve seguir as mesmas orientações citadas pelo doutor Kleber. As mães devem ainda buscar informações ou atentar-se ao sistema de segurança do local, principalmente em relação à identificação dos visitantes, além da limpeza impecável. Se houver mais de uma opção, é interessante escolher a maternidade mais próxima da casa da grávida. Ou ainda, aproveitar um fim de semana para calcular o tempo gasto no trajeto entre a residência e o hospital e também entre o local de trabalho e o hospital, fazendo sempre uma estimativa em caso de muito trânsito. Vale a pena se preparar para emergências, conhecendo rotas alternativas desses percursos. Afinal, dificilmente se sabe o momento exato em que o bebê nascerá.

Parto humanizado Recentemente, um novo tipo de parto tem dividido as opiniões de especialistas e mães.

A exemplo da modelo Gisele Bündchen, algumas mulheres têm decidido ter seus bebês em casa, ainda que contando com a ajuda de médicos, parteiras ou doulas. As Associações Brasileiras de Ginecologia e Obstetrícia se declararam contra o parto domiciliar. Porém, há profissionais que defendem o ato, desde que a gravidez seja de baixíssimo risco. Além disso, é fundamental que o local possua condições mínimas de limpeza. Se for o desejo da mãe ter o bebê no conforto do seu lar, é recomendável que ela converse com o obstetra de sua confiança para avaliar a possibilidade de fazer o parto domiciliar. “Minha dica para as futuras mamães é que elas conheçam as possíveis opções de hospitais para fazer suas escolhas. É importante que olhem as instalações, vejam os quartos, pensem sobre a facilidade de acesso ao local e se informem sobre a equipe médica. Acho fundamental também o hospital/maternidade ter um obstetra de plantão para possíveis emergências”, diz Stella. Gretel finaliza dizendo que, na sua opinião, o mais importante é que o local passe às mães confiança e segurança, e que tenha todos os recursos necessários para o caso de ocorrer algum inconveniente. Cuidados como esses garantirão que o nascimento do bebê seja realmente um momento mágico para toda a família.

Hospital Teknon em Barcelona, Espanha

17


DICAS PARA GRÁVIDAS

Tendências

Grávidas

Livro “O que esperar quando se está esperando” – Arlene Eisenberg, Heide Murkoff e Sande Hathaway – Ed. Record www.saraiva.com.br

É um clássico sobre gravidez e traz respostas a muitas dúvidas das mães e dos pais que estão entrando neste novo universo.

Aplicativo Pregnancy Tracker from What To Expect App Store

Para ter no seu smartphone ou no seu tablet, esse aplicativo, tendo como base o livro acima, faz o acompanhamento de toda a gestação, dando dicas e mostrando as etapas do desenvolvimento do bebê. É gratuito!

Almofada para gestante Today’s Mom www.amazon.com

Esta almofada, conhecida como minhocão, ajuda a evitar os incômodos que as grávidas sentem ao dormir, pois apoia ao mesmo tempo as costas, a barriga e a cabeça. Depois do parto, pode ser usado para amamentação e para apoiar o bebê.

Materskin, da Biolab www.dermexpress.com.br

Esse creme desenvolvido especialmente para a mulher em período de gestação, contém três óleos: de amêndoas doces, de macadâmia e de calêndula, ideais para evitar a perda de água e o ressecamento da pele.

Calça jeans para grávidas www.oldnavy.com

Item básico que não pode faltar no enxoval de uma grávida, as calças jeans com elástico na cintura são superconfortáveis e podem ser muito fashion. Várias lojas conhecidas internacionalmente, como Gap, Ann Taylor e Old Navy, têm linhas especiais para grávidas. Selecionamos a calça da Old Navy Full Panel over the Belly, que cobre a barriga dando sustentação e é ideal para o segundo e terceiro trimestres.

18 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01

Cintas Pós-Parto Malhafil

Para ajudar o corpo a voltar ao normal depois dos nove meses de gestação, as cintas pós-parto continuam sendo uma opção muito útil. Além de dar sustentação, há modelos preparados para amamentação. Mas tome cuidado: só use com autorização do seu médico, pois há casos em que não se aconselha o uso, como nos primeiros dias após uma cesárea.


chá de bebê

Chá de bebê do André Para celebrar antecipadamente a chegada do André, amigos e família se reuniram em uma festa muito animada, registrada nos mínimos detalhes pela fotógrafa Milena Paes. Papai Isaac e mamãe Kátia curtiram cada momento deste dia.

20 | petit polá | edição 01


bebês

Será que é cólica? Os pais devem dar atenção ao choro insistente dos bebês

O

bebê chora. Aparentemente, não é fome, afinal, ele mamou há pouco tempo. E também não é a fralda suja, já que acabou de tomar banho e está limpinho. Como saber o porquê do choro? Talvez seja cólica, mas, para saber se este é o verdadeiro motivo, os responsáveis devem ficar atentos a alguns sinais. “A cólica é geralmente definida pela ‘regra de três’: choro por mais de três horas por dia, por mais de três dias por semana e por mais de três semanas, em um bebê bem alimentado e saudável”, explica a pediatra neonatologista Juliana Diniz. Caso a situação do bebê não se enquadre nesta descrição, é preciso considerar outras causas de choro, como, por exemplo, fome, sono ou irritação. Vale lembrar que nem todos os bebês terão cólica. Ou seja, essa não é uma regra, embora muitos pais pensem o contrário. “Há muitos estudos para determinar a(s) causa(s) da cólica do lactente e uma das hipóteses é que o 22 | petit polá | edição 01

Às vezes é preciso considerar outras causas de choro, como fome, irritação ou sono


bebês

sistema digestivo do recém-nascido é ainda imaturo”, diz a doutora Juliana. Segundo a médica, a cólica do bebê se manifesta geralmente após a segunda semana de vida e não costuma ultrapassar os três ou quatro meses de idade. O choro tem início súbito, preferencialmente ao anoitecer (aproximadamente das 19h às 23h). “A criança parece sentir dor, fica inconsolável, se estica e se encolhe, vira a cabeça para os lados, fica vermelha e elimina gases com frequência”, relata. Lorene Guarnieri Silva, enfermeira, 29 anos, conta que sua filha teve bastante cólica, especialmente nos primeiros quatro meses de vida. “No meu caso, soube que as cólicas dela estavam basicamente relacionadas com o que eu comia. Durante o puerpério e a amamentação, deixei de con-

sumir carne, leite e derivados, alface, rúcula, tomate, milho, chocolate, refrigerante, feijão e outros alimentos. Foi difícil, mas valeu a pena, pois nada compensava o sofrimento da minha filha”, conta a mãe. De acordo com a doutora Juliana, alguns alimentos são popularmente desaconselhados para a mãe que está amamentando, como leite de vaca, amendoim, ovo, frutas ácidas e feijão. “Porém, isso só faz sentido

“A cólica é geralmente definida pela ‘regra de três’: choro por mais de três horas, por mais de três dias por semana, por mais de três semanas”

23


bebês

Massagens suaves podem aliviar as dores do bebê

“Não há comprovação da eficácia em usar chás como erva-doce, hortelã ou camomila, mas em alguns casos eles podem trazer alívio”

24 | petit polá | edição 01

em filhos de mães com histórico familiar de alergia alimentar. O mais indicado é que a mãe tenha uma alimentação variada e o mais saudável possível, evitando excessos e sempre observando as reações no organismo de cada bebê”, diz a pediatra. Mas e se a cólica realmente acontecer? Muitos pais se sentem desesperados e querem encontrar uma forma rápida de aliviar a dor do bebê. “Não há comprovação da eficácia em usar chás como erva-doce, hortelã ou camomila, mas em alguns casos eles podem trazer alívio”, diz a médica. Porém, vale enfatizar que no aleitamento materno exclusivo não se deve usar chás ou outro tipo de líquido para não atrapalhar a amamentação. Algumas medicações (antiespasmódicos) poderão ser usadas somente quando indicadas pelo pediatra do bebê, mas nem sempre são efetivas. “A cólica melhora sozinha”, lembra a doutora Juliana.

As dicas da pediatra são: pegar o bebê no colo, aconchegá-lo ou colocá-lo de bruços, podendo colocar uma bolsa de água quente ou fralda morna sobre a barriguinha dele (mas com muito cuidado com a temperatura). Também podem ser feitas massagens circulares e suaves na barriga e movimentos de flexão com as perninhas. “Durante o período das cólicas, a mãe pode colocar o bebê para sugar seu seio em intervalos curtos. Não é preciso se preocupar, pois o bebê não vai se acostumar a ficar só no peito: passando o horário da cólica, ele deverá fazer um intervalo mais longo de sono”, acrescenta a doutora Juliana. Mas a principal orientação para as mães é manter a calma. “A cólica não é uma doença, é apenas uma adaptação do bebê fora do útero, e também não traz consequências danosas”, finaliza a pediatra.


capa

Mais proteção para os bebês A partir deste segundo semestre, o Ministério da Saúde inclui a vacina injetável contra a pólio e a pentavalente no calendário de vacinação do país

E

las são capazes de gerar muito choro nos bebês e medo nas crianças, mas são fundamentais para que eles cresçam com saúde e vivam bem. As vacinas dadas na infância protegem os pequenos contra uma série de doenças, por isso devem ser uma preocupação primordial entre os pais. Para este segundo semestre de 2012, a rede pública de saúde anunciou a inclusão de duas novas vacinas no calendário de vacinação: a injetável contra a pólio – feita com vírus inativado – e a pentavalente. O que é motivo de comemoração entre médicos e pais, já que mostra um real esforço do Programa Nacional de Imunizações (PNI) em proteger as crianças. Fabiana Abreu, oftalmologista, 30 anos, ainda está grávida, mas conta que sempre busca informações sobre vacinas, pois desde já se preocupa com a saúde do seu bebê. “Acho ótimo saber que, aos poucos, a rede pública

26 | petit polá | edição 01

está incluindo novas vacinas no calendário de vacinação e, quem sabe, mais para frente possa oferecer todas aquelas recomendadas pelos pediatras”, diz a futura mãe. De acordo com o Ministério da Saúde, a VIP (vacina inativa da pólio) será utilizada em paralelo com a vacina oral (VOP), por recomendação da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). O Brasil utilizará um esquema sequencial, aproveitando as vantagens de cada uma. “Aos dois e aos quatro meses de idade, a criança receberá a VIP. Aos seis meses e no reforço, receberá a VOP”, explica a coordenadora substituta do PNI, Nair Menezes. Os pais devem estar atentos às mudanças no calendário de vacinação, mas vale destacar que a VIP será utilizada apenas em crianças menores de um ano de idade, que estiverem iniciando o esquema vacinal, ou seja, que não tenham recebido na rotina e nas campanhas de vacinação dose da vaci-


capa

na oral poliomielite (VOP). “Se uma criança for a um posto de vacinação com três meses de idade, por exemplo, e já tiver iniciado esquema com a VOP, ele deverá ser completado somente com a vacina oral”, ressalta Nair Menezes. “Não existe nenhum caso de poliomielite no Brasil há cerca de 20 anos, mas a inclusão da vacina da pólio inativada chega exatamente para reforçar isso e erradicar a doença”, comenta o doutor Marcos Lago, professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e membro do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Já a pentavalente, a outra novidade para este segundo semestre, combina a atual vacina tetravalente (difteria, tétano, coqueluche, Haemophilus influenza tipo B) com a vacina contra a hepatite B. As crianças serão vacinadas aos dois, aos quatro e aos seis meses de idade.

De acordo com o doutor Tufi Chalita, médico de Piracicaba, com residência pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e especialista em Infectologia pela Associação Médica Brasileira (AMB), a introdução da vacina pentavalente no calendário básico de vacinação segue a tendência de se agrupar o maior número de vacinas em uma só injeção. “No caso da rede privada de saúde, os profissionais já trabalham com

Os pais devem estar atentos às mudanças no calendário de vacinação, mas vale destacar que a VIP será utilizada apenas em crianças menores de um ano de idade, que estiverem iniciando o esquema vacinal 27


capa

As vacinas podem gerar muito choro e medo nas crianças, mas são essenciais para que eles cresçam com saúde

28 | petit polá | edição 01

a hexavalente, que reúne seis vacinas: DTP (difteria, tétano e coqueluche), hepatite B, pólio inativada e Haemophilus. Isso traz um grande benefício ao bebê, principalmente pela diminuição de picadas que ele toma”, explica. De acordo com o Ministério da Saúde, mais avanços vêm por aí. “O Brasil, como produtor de vacinas, já está se estruturando para que a vacina heptavalente seja produzida no País, em articulação com Butantan, Bio-Manguinhos e Funed”, diz Nair Menezes. A vacina trará de uma só vez proteção contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B, Haemophilus influenza B, meningite C e pólio. A expectativa é que no prazo máximo de cinco anos ela passe a fazer parte do calendário de vacinação da criança, sendo distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “É essencial que nós, brasileiros, sejamos críticos o suficiente para observar quais são os reais problemas do Brasil, mas, também, honestos para elogiar e reconhecer o que há de bom em nosso País. O Programa Nacional de Imunizações é hoje referência

internacional entre especialistas de saúde pública”, diz o doutor Lago, destacando que atualmente cerca de 90% das vacinas aplicadas na população são produzidas no próprio país. “Posso dizer ainda que, hoje, no primeiro ano de vida do bebê, todas as vacinas recomendadas pela SBP são oferecidas gratuitamente pelo governo”, finaliza.

A importância da vacinação “Mais importante do que tratar, é prevenir”. Esta frase, atribuída a Louis Pasteur, simplifica a importância de se evitar doenças, e um dos principais meios para isso é a vacinação. “Quando se administra no indivíduo um vírus atenuado, morto, um pedaço de bactéria, ou ainda substâncias que são eliminadas pelas bactérias, que induzirão a formação de anticorpos, estabelecemos uma defesa do corpo contra esses micro-organismos produtores de doenças”, explica o doutor Tufi Chalita. “Quando as crianças nascem, estão suscetíveis a uma série de doenças, que foram, inclusive, em outros tempos, motivo do alto índice de mortalidade infantil no país. A fun-


capa

ção das vacinas é proteger o bebê. Por isso, os pais devem estar atentos a essa necessidade de imunizar seus filhos”, diz o doutor Lago. Estar sempre atento aos avanços na área da saúde, manter-se em dia com o calendá-

rio de vacinação e tirar dúvidas sempre que necessário com um profissional de sua confiança são os primeiros passos que os pais devem dar para garantir que as crianças estejam totalmente protegidas.

Calendário Básico de Vacinação da Criança idade vacina dose Ao nascer BCG-ID Dose única Hepatite B Dose ao nascer 2 meses Pentavalente (DTP/ Hib/ HB) 1ª dose Vacina poliomielite inativada 1ª dose Vacina oral Rotavírus humano 1ª dose Vacina pneumocócica 10-valente 1ª dose 3 meses

Vacina meningocócica C

1ª dose

4 meses Pentavalente (DTP/ Hib/ HB) 2ª dose Vacina poliomielite inativada 2ª dose Vacina oral Rotavírus humano 2ª dose Vacina pneumocócica 10-valente 2ª dose 5 meses

Vacina meningocócica C

2ª dose

6 meses Pentavalente (DTP/ Hib / HB) 3ª dose Vacina oral poliomielite 3ª dose Vacina pneumocócica 10-valente 3ª dose 9 meses FebreAmarela Dose Inicial 12 meses Tríplice viral 1ª dose Vacina pneumocócica 10-valente Reforço 15 meses Tríplice bacteriana (DTP) 1º reforço Vacina oral poliomielite Reforço Vacina meningocócica C Reforço 4 anos Tríplice bacteriana 2º reforço Tríplice viral 2ª dose 10 anos

FebreAmarela

Uma dose a cada dez anos

29


DICAS PARA BEBÊS

Tendências

Bebês

3

1

Sapatinhos para o inverno 4

2

Com o frio que toma conta dos dias e, principalmente, das noites de inverno, não tem como deixar seu pequeno com os pés descalços. Veja esta seleção de sapatos supercool: Sapatilha de onça com fivela – Uni Duni Bota feminina com verniz, forro de pele e laço – Uni Duni Tênis masculino com cadarço e zíper – Uni Duni Bota masculina de camurça – Uni Duni

Tudo descartável

Jogo americano descartável e biodegradável Baby Einstein - São jogos americanos feitos de plástico biodegradável que contém adesivos para fixar na mesa do restaurante. Dessa forma a criança come em um ambiente mais limpo enquanto se diverte com as figuras desenhadas!

www.amazon.com - www.toysrus.com (Fique atento, pois no Brasil deve-se pagar o imposto correspondente)

A correspondente da Petit Polá em Nova York, Paula Aloy, buscou as últimas novidades para ajudar os pais a cuidar dos seus petits. Agora tudo é descartável, é mais higiênico, mais fácil e mais prático! Veja alguns exemplos: Trocador descartável da Huggies Changing Pads – É supermacio na parte superior e à prova d´água na parte inferior. Compacto ao dobrar, quase não ocupa espaço na bolsa.

Babador descartável da Pampers Bibster – Com desenhos e bolso diferentes, esse tipo de babador é recomendado para crianças que já comem papinha – acima de seis meses.

30 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01

Lencinhos umedecidos Boogie Wipes para limpar o nariz – Feitos com solução salina, camomila, vitamina E e aloe vera, que ajuda a dissolver o muco do nariz dos pequenos. Serve para todas as idades por serem bem suaves.


BATIZADO

Batizado de José Vladimir Numa fazenda, em um ambiente lindo e abençoado, José foi batizado. A cerimônia e a festa foram organizadas com todo carinho por seus pais, que estavam radiantes com a celebração de seu filho.

F O TO S M IL E N A PA E S


EDUCAÇÃO

Notas musicais na escola para todos

Para profissionais da área, disciplin a que se tornou ob deste ano deve se rigatória a partir r ministrada por pe ssoas que possua específica, para se m formação r de qualidade

U

ma formação mais humana. Esta é a essência da educação musical, que se torna obrigatória a partir deste ano no ensino básico das escolas públicas e particulares. Muito além de formar músicos profissionais ou especialistas na área, a música contribui para o desenvolvimento cultural e psicomotor, estimula o contato com diferentes linguagens, incentiva a sociabilidade e democratiza o acesso à arte. A lei, de nº 11.769, sancionada em 2008, altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), fazendo da música o único conteúdo artístico obrigatório, porém não exclusivo, nos ensinos infantil, fundamental e médio. As demais áreas artísticas, como teatro, dança e artes visuais – não especificadas nesta legislação – devem ser contempladas dentro do planejamento pedagógico das escolas. A grande discussão em torno da lei é a respeito dos profissionais que devem ministrar a aula de música, uma vez que a legislação não especifica se deve ser oferecida por músicos ou não. “Essa questão está sendo discutida no MEC, pois ainda não temos

34 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01

profissionais suficientes para ministrar essa disciplina em todas as escolas”, explica a presidenta da Associação Brasileira de Ensino Musical (Abem) e doutora em música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Magali Oliveira Kleber. Para a presidenta da Abem, o ensino da música é essencial assim como as disciplinas de português e matemática, por contribuir para a formação integral da criança. “Não aprendemos matemática na escola, por exemplo, porque queremos ser matemáticos no futuro. Aprendemos porque faz parte da nossa formação básica. A música deve ser vista da mesma forma”, aponta a doutora. Na opinião do músico André Micheletti, que possui duplo doutorado em violoncelo pela Universidade Indiana, nos Estados Unidos, o ensino da música nas escolas gera uma democratização da arte, o que diminui a elitização. “Muita gente não tem contato com a música. Com a lei, é possível ensinar a música erudita para qualquer criança do Brasil, independentemente da classe social”, explica. Mas para que isso aconteça, o também co-


EDUCAÇÃO

ordenador do Festival Internacional de Música Erudita de Piracicaba esclarece que a falta de profissionais habilitados para ministrar as aulas de música prejudica a qualidade do ensino. Para ele, é preciso percorrer um longo caminho ainda. “Estamos numa fase experimental, mas já temos exemplos de outros países, que entre erros e acertos, parecem ter conseguido encontrar a fórmula para um ensino de qualidade. E este é um caminho a ser percorrido por nós brasileiros”, completa. “A nossa luta é para que se tenham quatro profissionais diferentes para ministrar as disciplinas de teatro, dança, artes visuais e música. Cada um atuando em sua área específica”, esclarece a presidenta da Abem.

A importância da música Com maior ou menor intensidade, a música está presente na vida de todos os seres humanos. Ela desperta emoções e sentimentos de acordo com a capacidade que cada pessoa possui para assimilá-la. Na vida de Pedro Carvalho, de 11 anos, a música está presente desde seus primeiros anos de idade. Logo aos cinco anos, começou aula de bateria, a qual frequentou durante dois anos. Com nove anos, Pedro optou pelas aulas de guitarra – instrumento que pratica até hoje. Esse contato com a música desde cedo, na opinião dos pais do menino, está fazendo muita diferença na formação integral de Pedro. “Acredito que a música vem contribuindo para o desenvolvimento do aspecto criativo do meu filho”, comenta a mãe Daniela Elias Romanelli Carvalho. “Pela experiência que tenho com Pedro, noto que quanto mais cedo tiver contato com o estudo da música, mais facilidade as crianças terão para aprender, servindo de estímulo para que continuem estudando”, completa.

O ensino musical na prática De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, a disciplina de música nas escolas públicas é contemplada nas aulas de arte, oferecidas aos alunos duas vezes na semana, em todos os anos do Ensino Fundamental e nas três séries do Ensino Médio. “Teatro, dança, artes visuais e música são as quatro linguagens artísticas abordadas na disciplina. Cada uma dessas linguagens possui conteúdos específicos, que são trabalhados nas situações de aprendizagem propostas no Caderno do Professor e no Caderno do Aluno, materiais de suporte ao currículo implementado pelo Estado”, informa a assessoria. Para o Colégio Salesiano Dom Bosco Assunção de Piracicaba, a adaptação à lei foi tranquila. “Continuamos com nossas aulas semanais para a Educação Infantil e incluímos a disciplina na grade semanal dos terceiros, quartos e quintos anos”, afirma a coordenadora pedagógica do Ensino Infantil, Sandra Virgínia Gimenes. Neste colégio, as aulas de música são ministradas, segundo a coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental I, Vanda Helena Salera Ricci, “por professores habilitados e artistas de verdade”: Hermes Petrini, Vanessa Medeiros e Cintia Soares. O ensino da música nas escolas é um novo caminho para a aprendizagem. Por meio dela, as crianças são capazes de desenvolver os sentidos e aprimorar suas habilidades. “Enquanto educadores, devemos inovar com criatividade para que a criança se desenvolva ao máximo. Se pudermos explorar o caminho da música, ela se transformará num instrumento de alto valor no processo de aprendizagem do aluno”, finaliza a coordenadora pedagógica do Ensino Infantil. 35


CRIANÇA

Pets e petits C

riança e bicho pode ser uma dupla de sucesso! Companhia perfeita para os pequenos, os animais de estimação alegram a casa e são diversão garantida para a família. Para mostrar que esta relação realmente pode dar certo, Kalil, de 9 anos, e Samia, de 5 anos, filhos de Fernanda e Michel Haddad Dib, apresentam a história de Lola, a cachorrinha amiga e companheira. Lola é uma bulldog francês que adora brincar e fazer bagunça. Faz um ano e meio que ela traz alegria e amor para toda a família. Foi trazida à casa de Kalil e Samia graças à avó, que tem uma criação de cachorros em sua chácara e ensinou às crianças o amor pelos bichinhos.

FICHA DO PET Nome: Lola Idade: um ano e meio Apelido: Lolinha, Loloca Macho ou fêmea? Fêmea Espécie: Cachorro Raça: Bulldog francês Quem deu o nome? Kalil Por que decidiu tê-la em casa? Nossa vovó tem muitos cachorros na casa dela. E a gente sempre gostou de brincar com eles, então pedimos para a mamãe para termos um aqui em casa também. O que você mais gosta nela? De brincar, correr com ela, fazer carinho! O que fazem juntos? A gente brinca bastante e a mamãe fala que fazemos muita bagunça com ela também. Além de Lola, eles têm duas calopsitas, Pucca e Robinho; um tigre d’água, Tapá; e dois jabutis, João e Maria. Diversão é o que não falta nesta casa! 36 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01


PÉROLAS DE CRIANÇA

Criança é feliz,

por isso não tem medo do que diz

‘‘

Victor foi com o papai Marcos cortar o cabelo pela primeira vez aos 4 anos. Chegando lá, o barbeiro perguntou: – E aí Vitão, como vamos cortar seu cabelo? Victor respondeu rapidamente: – Com a tesoura!!!!

VitorAntonelli Molina | 10 anos

‘‘

– Mamãe, a gente vai tirar o passaporte pra viajar de foguete??

Filippo Parra Macchi | 5 anos

‘‘

Maria Clara tropeçou no pé do papai e perguntou: – Foi de hipopótamo?

Maria Clara D’ Abronzo Zen | 3 anos

pósito? o r p e d Foi

‘‘

Manuela pergunta: – Mamãe, quem tomava conta de mim quando você era neném? Mamãe Brunella: – Papai do Céu, filha. O Guga, ouvindo tudo: – Mamãe, então Papai do Céu está tomando conta do meu filho?

Manuela Volponi Prado | 4 anos GustavoVolponi Prado | 5 anos

‘‘

Mamãe Adriana deu uma bronca em Gabriela e em seus dois irmãos, Camila, 7 anos, e João Guilherme, 2 anos, que estavam aprontando em casa: – Eu não quero mais ouvir falar MÃE hoje!!! Sem hesitar, Gabriela retrucou: – ADRIANA, pega um copo de suco pra mim, por favor...

Gabriela Orsi Cardenas | 3 anos

‘‘

Mamãe Dionete pergunta para a filhota Dara: – Dara, por que você desobedece tanto a mamãe? – Mamãe, é porque meu “colação” é teimoso.

Dara Lemos | 2 anos


ESCOLHA DOS PETITS

Eu Escolho

M

ãe, se eu ficar bem bonita com a roupa que escolhi, posso comprar a bicicletinha para combinar?” – a frase é de Manoella Pinheiro, uma menina de 4 anos, que vive em Ridgefield, Connecticut, nos Estados Unidos. Antenada a tudo o que acontece no mundo da moda infantil, a pequena Manoella adora fazer compras com a mamãe Paula Pinheiro Aloy. Apesar da pouca idade, Manoella é quem escolhe suas próprias roupas, que seguem o estilo da mãe e suas próprias inspirações. As peças favoritas da pequena são saias e calças jeans confortáveis e a cor predileta é o azul. Manoella visitou a Saks Fifth Avenue e a Macy’s – lojas que vendem as melhores marcas do mundo – e escolheu três lindos looks para compartilhar com mamães e crianças que, assim como ela, são apaixonadas pelo mundo da moda! São ótimas dicas para pais e crianças que vão viajar para os Estados Unidos e não querem perder a oportunidade de fazer umas comprinhas! Algumas das marcas vendem pelo site e fazem entrega no Brasil, mas fique atento aos impostos de importação na hora do recebimento dos produtos.

Look True Religion

Calça jeans True Religion “Julie” (www.saksfifthavenue.com) (www.truereligionbrandjeans.com) Bata Polo Ralph Lauren (www.saksfifthavenue.com) (www.ralphlauren.com) Casaquinho Polo Ralph Lauren branco (www.saksfifthavenue.com) (www.ralphlauren.com)

Acessórios: Óculos H&M pink (www.hm.com) Sapatilha Kenneth Cole prata (www.nordstrom.com) Tiara Old Navy Iris Eyes (www.oldnavy.com)

40 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01

!


Look Burberry Saia Burberry New Classic (www.saksfifthavenue.com) Camiseta Ralph Lauren Ribbon Top (www.saksfifthavenue.com)

Acessórios: Casaco Mini Harbourne Burberry (www.burberry.com) Sapatilha Burberry (www.saksfifthavenue.com ) Óculos Polka Dot Jackie-O Carter’s (www.carters.com) Bolsa Old Navy preta (www.oldnavy.com)

Look Ralph Lauren Vestido Polo Ralph Lauren (www.saksfifthavenue.com) (www.ralphlauren.com) Casaquinho Polo Ralph Lauren French Navy (www.saksfifthavenue.com) (www.ralphlauren.com)

Acessórios: Bolsa H&M vermelha (www.hm.com) Sandália Michael Kors preta (www.nordstrom.com) (www.michaelkors.com) Chapéu Target (www.target.com)

41


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K


varal | ideias estendidas

Festas infantis são como sonhos. A criança imagina. A Partieh! realiza.

Partieh! Decoração exclusiva para festas

RUA ALFREDO GUEDES, 1949 - SALA 902 - HIGIENÓPOLIS - PIRACICABA/SP - 19.3432-6748


DICAS PARA CRIANÇAS

Tendências

Crianças

Play Tales – Aplicativo para smartphones Lojas de aplicativos de smartphones

Quer que seu filho comece a se relacionar com a língua inglesa? O Play Tales é uma ótima opção. É uma loja de livros e contos infantis interativos, que conta as histórias em inglês (tanto novas quanto clássicas), educa e faz a criançada se divertir.

Almofadas ergonométricas Além da Lua

Gloob – O nova canal da Globosat

A Globosat lançou um canal brasileiro de desenhos e programação infantil voltado especificamente para crianças de 5 a 10 anos. Além de antigos desenhos que marcaram a infância dos pais, serão lançados programas e atrações inovadoras para essa galerinha! Dá uma olhada no vídeo de apresentação: http://youtube/UbYeC3DyG2A.

Sabe aquela almofada deliciosa, que se adapta ao corpo? Já existem muitas delas para o pescoço, que são indicadas para crianças em viagens. Agora há um novo modelo que vem com massageador e imita dedinhos nas pontas. As crianças adoram – e os pais ainda tiram uma casquinha!

Ursinho Kiko Niko – Imaginarium Internacional Imaginarium Internacional – www.imaginarium.pt

Mini Quadriciclo Track Track & Bike – www.trackbikes.com.br

Os quadriciclos da Track & Bike são perfeitos para as crianças mais radicais! É um miniveículo, perfeito para introduzir as crianças no mundo da velocidade. Mas cuidado: as crianças devem estar sempre acompanhadas para usar este brinquedo. Nota: os adultos também vão adorar.

44 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01

Você sabia que em mais de 25 países do mundo existe uma loja chamada Imaginarium dedicada a brinquedos educacionais para crianças? Hoje, a Imaginarium possui 356 lojas no mundo e mais de 1.500 pontos de venda. Seu produto mais famoso é o ursinho Kiko Niko – um urso que tem uma história especial, imperfeito, mas que faz com que todas as crianças se encantem! Quer conhecer? Entre no site e descubra.


aniversário

Safári do Luca

Na comemoração dos seus 3 anos, Luca Brugger Giovannoni reuniu família e amigos em um grande safári.

A

decoração ficou por conta da Partieh! As fotos com Milena Jordão. Doces da Bolo Art e o cerimonial com Dionete Lemos Eventos. As crianças se sentiram numa selva e se divertiram nos brinquedos e atrações do buffet infantil Fuê Fuá, do Spazio di Fatto. Além disso, ainda interagiram com 11 bichos de verdade! Entre eles: arara, jacaré, porquinho-da-Índia, jabuti, sapo, rã, lagarto e até cobra. Uma tarde para ficar registrada na memória dos quase 150 convidados, que deixaram o local com bichinhos de pelúcia, baldes de pipoca, chapéus e muitos docinhos no tema da festa. Mamãe Ana e papai Carlos prepararam tudo com muito carinho para o filhão Luca! Parabéns!!!

46 | petit polá | edição 01


aniversรกrio

47


aniversário

Luisa - 1 ano Para comemorar o primeiro ano de vida da pequena Luisa, a mamãe Carla e o papai Lucas escolheram o tema “Galinha Pintadinha”, que a menina adora e é tão alegre como ela! A criançada se divertiu e ainda brincou com a famosa personagem principal. Encantando a família e os amigos, Luisa era só sorrisos! Felicidades!!!

48 | petit polá | edição 01


moda infantil

A moda infantil em sintonia com a adulta Marina Torrezan, em entrevista exclusiva à Petit Polá, fala sobre tendências para crianças

O

friozinho chegou e, no que depender da indústria de roupas infantis, as crianças vão se sentir bem quentinhas e supercharmosas neste inverno. Casacos, moletons, calças e camisas, de diferentes estilos, estão disponíveis nas mais variadas lojas e prometem deixar qualquer mamãe confusa. Entre tantas opções, o que comprar para os filhos? Quais peças são essenciais para o guarda-roupa de uma criança? E quais têm tudo a ver com esta estação? Marina Torrezan concedeu uma entrevista à Revista Petit Polá, contando quais são as principais tendências para este inverno 2012 e explicou com detalhes como é definida a moda infantil. A consultora é graduada em negócios de moda, com foco em produção,

49


moda infantil

bacharel em moda e especializada em consultoria de imagem pela Dresscode Internacional. Confira o bate-papo.

Marina Torrezan, personal stylist e especialista em moda

Petit Polá: Para este inverno, quais as tendências que estão em alta na moda infantil? Marina Torrezan: O “ar retrô” tomou conta das coleções infantis, e padronagens no estilo college se destacam como cenário principal. O clima folk também esteve presente e emprestou charme para peças em chamois, tons terrosos e tricôs. Claro que a sustentabilidade não ficou de fora e referências de cunho ecológico fazem parte desse inverno, com peças em tecido orgânico, tons naturais e peças funcionais com toque esportivo. PP: Quais são as principais diferenças entre a moda feita para adultos e a moda para crianças? MT: São praticamente mínimas, uma vez que a supertendência de grandes marcas atualmente é reproduzir a roupa da mãe ou do pai nos filhos. As padronagens e modelagens estão cada vez mais parecidas. Reparem, por exemplo, em Suri Cruise, que com apenas quatro anos de idade já subia no salto e desfilava como a mãe Katie Holmes. Porém, dois fatores são primordiais no desenvolvimento da moda infantil: praticidade e conforto. Talvez essas sejam as maiores diferenças entre as duas modas. PP: Como são definidas as tendências para a moda infantil? MT: As tendências são caçadas/analisadas pelos trendspotters e coolhnters que estão pelo mundo todo atrás de comportamentos, ideias, gestos isolados de grupos restri-

50 | petit polá | edição 01

tos, atitudes e detalhes que se destaquem na multidão e que tenham a capacidade de se tornarem massificados. Esses “caçadores de tendência” têm em comum o olhar aguçado e são extremamente observadores. Assim recolhidos, esses materiais passam pela análise de psicólogos, antropólogos, marqueteiros e sociólogos, para definir então quais serão as vontades do momento. Além disso, existe também a Concertação Internacional da Cor, uma feira que ocorre em Paris duas vezes ao ano, na qual se define a gama de cores da estação. Quem divulga e vende esse conteúdo são os escritórios de bureaux de estilo, através de books anuais (geralmente, dois por ano). PP: Hoje em dia existem tantos produtos, modelos, estampas de roupas, que fica até difícil para os pais fazerem suas escolhas. Isso é positivo? O que os pais devem levar em consideração na hora de comprar roupas e outros acessórios para seus filhos? MT: Quanto maior a oferta, mais temos que ser críticos para acertar na escolha! Acho que o ponto principal é pensar no custo benefício, afinal, a criança cresce! Paga-se mais por uma peça que terá mais uso. Paga-se menos por peças de tendência ou muito fashion. PP: A partir de que idade a criança começa a se envolver mais na hora de comprar uma roupa? MT: Cada vez mais cedo! Isso se deve ao fato da moda estar presente em tudo. Essa nossa era digital somada ao sistema capitalista atual tem forte influência no poder de decisão e desejo da criança. Eu brinco dizendo que, quanto mais tarde a criança começar a falar, menor vai ser o prejuízo para os pais!


moda

O alegre lado do inverno outside Fotógrafo: Paulo Altafin | Produtora de moda: Marina Torrezan | Cabelo e maquiagem: Malyck Buzzo

O conforto das crianças protegidas do frio brincando nos ares verdes da estação mais fria do ano. Tons naturais, tecidos orgânicos, chamois, tricô e tons terrosos. Tendência leva também ao ar retrô e ao clima folk na hora de vestir a garotada!

Bata cashmere Calça de montaria Colete de pele Look Total TH Bike Colete de chamois Bata com bolso de paetês Short de chamois Look Total Nenem

petit polá | edição 01


moda

Trenchcoat Le Lis Petit Calรงa animal print Le Lis Petit Cinto TH Bike Camisa floral Winter Calรงa veludo Cardigan vinho Look Total Nenem


moda

Conjunto de camiseta polo sobreposta com mangas longas e calรงa jeans Look Total Uni Duni


moda

Vestido de Plush Floral ChapĂŠu Look Total TH Bike


moda T-shirt bĂĄsica Bermuda xadrez Moletom com zĂ­per e capuz Look Total TH Bike


moda

Pul么ver xadrez Camisa social branca Cal莽a jeans Look Total Nenem


moda

Sobretudo de lテ」 Nenem Short chamois Nenem Cachecol de lテ」 Nenem Galocha estampada Le Lis Petit テ田ulos Uni Duni


moda

T-shirt TH Bike Legging estampada Le Lis Petit Sobretudo de flanela xadrez Cachecol TH Bike Calรงa jeans TH Bike Camisa social Uni Duni Casaco de soft com abotoamento de alamares TH Bike


moda Vestido animal print Le Lis Petit Casaco de pele Uni Duni Legging Uni Duni Vestido de corações com capuz Nenem Casaco de veludo Cotelê Nenem


moda

Calรงa jeans T-shirt Aviation Camisa social Look total TH Bike Camisa social xadrez Le Lis Petit Colete de franjas TH Bike Short jeans TH Bike


moda Camisa e calça jeans Nenem Cinto TH Bike Conjunto de minivest com capuz listrada, legging e polaina Uni Duni Camisa xadrez sobreposta com t-shirt de capuz e calça jeans Uni Duni Vestido de algodão e bolero de malha Nenem

A Petit Polá agradece a colaboração das lojas de roupas infantis Le Lis Petit, Nenem, TH Bike, Uni Duni e aos pequenos modelos André, Kenzo, Luna, Maria Clara, Matheus, Nicole e Sofia.


DICAS DE MODA

Tendências

Fashion boy

Cintos masculinos TH Bike

Óculos masculinos com caixinha sneackers Uni Duni

Moletom Animal Nenem Luvas de ursinho Nenem

Pantufas infantis Malhafil 64 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01

Necessáire masculina TH Bike


DICAS DE MODA

Tendências

Fashion girl

Cintos femininos TH Bike

Bolsa de verniz com corrente dourada TH Bike

Meias Puket Kids com aroma Malhafil Lacinhos de cabelo animal print TH Bike

Bota de pelos Nenem

66 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01

Body Splash TH Bike


festas

Mesa do bolo:

a cereja da festa

É

no universo das festas infantis que os sonhos das crianças e dos pais podem se tornar realidade. Seja para meninas ou meninos, os aniversários de hoje são repletos de criatividade e os mais diferentes desejos se transformam no tema de uma festa. Basta sonhar. É fácil perceber que a mesa do bolo recebe uma atenção especial de todos. Afinal, é ali que se encontram as principais peças decorativas, os doces, além de ser o local onde será realizado o encontro dos convidados do aniversário para o esperado “parabéns pra você”. Para que a mesa do bolo realmente surpreenda, é importante atentar-se a alguns aspectos. O espaço disponibilizado para colocar os elementos decorativos é o primeiro deles. “É de acordo com o lugar disponível que vamos pensar em como podemos distribuir de uma maneira harmoniosa todos os itens que vão compor este espaço”, aponta a proprietária da Partieh!, Simone Matheucci. “Uma mesa perfeita se consegue com a har-

68 | petit polá | edição 01

monia de cores e temas”, completa. Ela explica que, hoje, as peças utilizadas na decoração de festas infantis são mais reais do que antigamente. Esculturas em isopor e excesso de informação cederam espaço para elementos mais clean e sofisticados. Flores, bonecos e pelúcias são alguns exemplos de itens usados para enfeitar a mesa do bolo. “O painel atrás da mesa principal completa a decoração do espaço do parabéns”, comenta a proprietária da empresa de decoração de festas. A harmonia da mesa não se consegue apenas com peças decorativas. Os doces também colaboram muito com o visual que se deseja criar. “Se idealizados seguindo a ideia do tema da festa, eles dão um charme a mais à decoração”, afirma Simone. Pequenos detalhes, tanto na mesa quanto na festa, fazem a diferença e se tornam inesquecíveis para os convidados e, principalmente, para o aniversariante. O importante é sempre buscar novas ideias e ousar!


DECORAÇÃO

Um cantinho de ternura

D Acima o recorte do ursinho feito para os objetos decorativos do quarto

70 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01

ecorar o quarto para receber o primeiro filho pode ser muito mais prazeroso do que se imagina! É o que nos mostra a designer de joias Amira Kalaf Oliveira. Mamãe de primeira viagem, ela conta que cuidou de cada detalhe da criação deste novo ambiente da casa e faz questão de descrever como foi feita a escolha da decoração do quartinho do mais novo membro da família: Michel. “Sempre adorei fazer trabalhos manuais e para mim foi muito prazeroso imaginar e criar todos os mimos do quarto do meu filho”, explicou a designer de joias, que fez os quadrinhos, o kit de limpeza e todos os enfeites que compõem o ambiente. Em termos de decoração, Amira sempre foi clássica, por isso decidiu seguir a mesma linha ao enfeitar o quarto do pequeno Michel.

O tema e as tonalidades utilizadas na decoração foram definidos quando a irmã dela, Cristina Kalaf, presentou-a com um kit berço de urso nas cores branca e fendi. “Simplesmente amei e passei a criar todo o restante do quartinho nesta linha”, contou. “É um estilo que me proporciona conforto e aconchego, nada mais adequado e gostoso para um quartinho de bebê”, completou a designer de joias. A mamãe Amira sugeriu dicas para aquelas que estão decorando o primeiro quarto do bebê. “Em primeiro lugar, saiba que você não precisa gastar fortunas para criar um quartinho aconchegante e dos seus sonhos. Seja criativa e procure curtir cada detalhe da decoração. O resultado será muito mais prazeroso!”. É neste ambiente encantador que Michel será recebido por sua família!


DICAS DE DECORAÇÃO

Tendências

Decoração

Moringa de porcelana Além da Lua

Aconselhada para as crianças acima de 5 anos, essas moringas pintadas à mão são lindas e práticas. Podem ser levadas para o quarto de noite.

Adesivos de parede I-Stick - www.istick.com.br

Quer mudar o quarto do seu filho? Os adesivos de parede podem renovar o quarto sem que se gaste muito. Encontre várias sugestões originais no site da I-Stick.

Quadrinhos de maternidade Além da Lua

Os quadrinhos que são colocados na porta do quarto da maternidade também podem ser usados em casa. A delicadeza é o ponto forte destes modelos.

Caixa de joias para meninas Além da Lua

Kit berço TP clássico

Meninas gostam de se enfeitar. E desde pequenas têm suas bijuterias e joias. Para mantê-las organizadas, nada melhor que essa caixa com divisões e gaveta. Um charme!

Trousseau (www.trousseau.com.br/loja)

A redação se apaixonou pelo look deste berço, da linha clássica da Trousseau Petit. Elegante, serve tanto para meninos quanto para meninas. Não é lindo?

71


alimentação e nutrição

Cores e sabores para alimentar e alegrar

Q

A hora da papinha é um momento de alegria para os bebês

72 | petit polá

uando os pais se dão conta, os dias voaram e os seus bebês, que antes se alimentavam apenas de leite materno, já estão prontos para uma nova e saborosa fase de sua vida! De acordo com recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), ao completar seis meses, os pequenos estão preparados fisiologicamente para receber outros ingredientes, que irão complementar a sua alimentação. São as conhecidas papinhas, que deverão ser dadas aproximadamente até a criança fazer um ano. Porém, é sempre indicado que a mãe converse com o pediatra de sua confiança para estebelecer qual é o melhor período para a inclusão da papinha na alimentação do seu bebê. Para iniciar esta transição, a dica da nutricionista Karine Nunes Costa Durães, especializada em Pediatria pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e membro da diretoria da Associação Paulista de Nutrição, é começar por frutas que sejam fáceis de amassar ou de raspar, como pera, banana, mamão e outras.

O alimento deverá ser colocado somente na pontinha de uma colher pequena, segunda ela. Quando estiver acostumada, comendo bem a fruta, a criança já poderá experimentar a papinha salgada. Esta deve ser cozida ou preparada no vapor e conter no mínimo cinco tipos de ingredientes, de acordo com a nutricionista Karine: uma fonte de carboidrato, um tipo de legume, um tipo de verdura, um tipo de leguminosa e um tipo de carne. “Os alimentos devem ainda ser amassados com o garfo, temperados naturalmente, com pouco sal, e regados com um fio de azeite ou óleo vegetal”, completa. Camila Pimenta Ribeiro, 31 anos, fisioterapeuta e mãe de Carolina, conta como iniciou a alimentação complementar da sua filha. “Com cinco meses e meio, a pediatra indicou suquinhos e papinhas de frutas. Comecei oferecendo banana, mamão, maçã e ameixa. Ela gostou de todas, então fui abrindo um pouco mais o leque de frutas, conforme a pediatra liberava. Faltando uma semana para completar seis meses, comecei a dar a papinha salgada no almoço. Ela teve uma aceitação muito boa, abriu a boquinha e comeu quase tudo”.


alimentação e nutrição

Para evitar a monotonia alimentar na criança, Daniella Fernandes Camilo, nutricionista formada pela PUC-Campinas, sugere que seja variada a forma de apresentação e o preparo de alimentos. Outra dica é introduzir um ingrediente novo por dia para observar a aceitação e a tolerância do bebê. “Conforme os meses foram passando, eu ia acrescentando novos ingredientes na papinha da Carolina. Até hoje, não teve nenhuma fruta, legume ou verdura que ela tenha rejeitado. E eu fico muito satisfeita em vê-la comendo com prazer a comidinha que preparei”, conta Camila. Com a correria do dia a dia, muitos pais se veem tentados a optar pela papinha industrializada. Porém, ela é recomendada apenas em situações esporádicas, como viagens ou passeios. “As papinhas disponíveis no mercado apresentam um rigoroso controle de qualidade, são práticas e devem ser livres de conservantes. No entanto, além do preço mais elevado, apresentam menor variedade

de sabores e têm uma consistência pastosa mais uniforme, estimulando em menor grau a mastigação, se comparada às caseiras”, explica a doutora Daniella. No quadro abaixo, a nutricionista Daniella exemplifica quais são os ingredientes que deverão ser incluídos na preparação da papinha salgada. Para ser colorida, saudável e completa, ela deverá ser composta por um alimento de cada grupo.

A alimentação complementar de Carolina foi introduzida aos cinco meses e meio, conforme orientação do pediatra

COMBINAÇÕES DE PAPINHAS SALGADAS Verduras Alimentos amarelos e brancos Arroz Batata inglesa cozida Batatinha Mandioquinha Mandioca Macarrão Cará Inhame

Alface Escarola Acelga

Couve Chicória Repolho

Leguminosa Feijões Soja Lentilhas Ervilha Grão-de-bico

Legumes Proteína animal Músculo Patinho Ovos Carne moída Frango (sem pele) Vísceras (fígado)

Verde: Abobrinha Chuchu Vagem Quiabo Brócolis Vermelho/Alaranjado: Cenoura Abóbora Beterraba

petit polá | 73


saúde

Maquiagem

para crianças:

essa moda pinta bem? Dermatologista recomenda que as crianças usem apenas produtos próprios para sua idade, em pequenas quantidades e de forma esporádica

“O

i meninas, tudo bem? Você que é linda, maravilhosa, faz essa maquiagem. Suas amigas vão morrer de inveja. Porque você estará linda” (sic). Assim começa a pequena Julie Nomura, de quatro anos, em um dos seus vídeos, que viraram sensação na internet. Brincando com a maquiagem da mãe, a menina deu dicas sobre produtos, ensinou a usar delineador e “caprichou” na escolha das cores. O vídeo recebeu milhões de acessos no YouTube e Julie recebeu diversos convites para participar de programas de televisão e comerciais. Embora encantador e divertido, o vídeo traz à tona um assunto importante, que muitas vezes passa despercebido pelos adultos: a maquiagem em crianças. Afinal, a partir de quantos anos uma menina pode ser maquiada? Quais os perigos das crianças usarem as maquiagens dos adultos? “O maior risco é de sensibilizar as crianças, ou seja, expor a pele a substâncias que podem causar alergia. Esse tipo de alergia, em geral, se dá ao longo de anos de contato com essas substâncias. Então, quanto antes começarmos a expor as crianças, mais cedo a dermatite de contato poderá se desenvolver”, explica Bruna Duque Estrada, dermatologista especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e professora adjunta da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro/Instituto de Dermatologia Prof. Azulay. As substâncias mais comumente envolvidas nos produtos de maquiagem são os conservantes e fragrâncias, que podem estar presentes tam-

74 | petit polá | edição 01


saúde

Livia Rosenthal com suas maquiagens, próprias para a sua idade

bém em perfumes, cremes e pomadas. “A pele da criança tem uma superfície com maior capacidade de absorção dessas substâncias do que a dos adultos, o que torna o uso ainda mais arriscado. Além disso, hoje já se sabe que muitos produtos de uso cosmético contêm substâncias similares a hormônios, principalmente estrogênios, o que vem aumentando a incidência de puberdade precoce em todo o mundo”, completa a dermatologista. Todo o cuidado é pouco! O que não significa que as pequenas não tenham alternativas para – vez ou outra – se produzirem e usarem maquiagem. “Já existem produtos próprios para as crianças, mas é difícil saber se são totalmente seguros, já que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não informa quantas marcas têm registro para a comercialização de maquiagem infantil no país. Mesmo que a maquiagem contenha material hipoalergênico, a quantidade e frequência de aplicação devem ser limitadas pelos responsáveis, pelo risco de alergia de contato e até toxicidade”, diz a doutora Bruna. Bianca Rosenthal, advogada, conta que a filha Lívia, de 3 anos, é bastante vaidosa. “Ela sempre se interessou por maquiagem,

gostava de ficar junto enquanto eu me maquiava, de saber o nome de cada item. Então eu fui pesquisar para comprar produtos próprios para a idade dela”, explica a mãe. “Mas eu tenho o cuidado de explicar para ela que existem maquiagens só para adultos e que ela deve usar somente os produtos dela, destinados a crianças. Lembro-a sempre de que nem tudo na vida é beleza. Mas concordo que ela tem que ser feminina e vaidosa. Isso, é claro, dentro do limite, respeitando sua idade”, completa. Para este assunto, a palavra-chave é moderação. “Aconselho os pais a deixarem suas filhas usarem apenas produtos hipoalergênicos. Ainda assim, em pequenas quantidades e de forma esporádica”, diz a dermatologista Bruna. Especialmente nos dias de hoje, em que a oferta de produtos e serviços de beleza cresce com uma rapidez incalculável, é fundamental que os responsáveis mostrem às crianças, desde cedo, quais são os riscos que determinadas substâncias podem causar à saúde. E, sobretudo, estimulem sempre a autoestima dos filhos, principalmente por meio do esporte e da educação, destacando sempre quais valores devem ter prioridade em suas vidas.

As crianças devem utilizar apenas produtos infantis, pois são elaborados de forma a manter as características da pele da criança A Anvisa permite que as maquiagens contenham substâncias que possuam gosto ruim (amargo), para evitar que a criança leve o produto à boca O rótulo deve possuir indicações de segurança específicas, incluindo a indicação da faixa etária de uso do produto Fonte: Anvisa www.anvisa.gov.br 75


esporte

Equoterapia:

muito além dos benefícios físicos A prática utiliza o cavalo como elemento auxiliar na recuperação de portadores de necessidades especiais

76 | petit polá | edição 01

L

iberdade! É esta a sensação que temos quando imaginamos estar em cima de um cavalo, cavalgando a céu aberto. E este sentimento se reforça se nos colocarmos na condição de uma criança que é cadeirante ou tem algum tipo de dificuldade para se movimentar livremente. Atualmente, cerca de 75 crianças são beneficiadas pela equoterapia realizada dentro da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), em Piracicaba. A prática utiliza o cavalo como elemento auxiliar na recuperação de portadores de necessidades

especiais e, de acordo com Claúdio Haddad, coordenador do projeto, age de duas maneiras: física e psicologicamente. “O movimento do cavalo é tridimensional (para cima e para baixo, do lado direito para o esquerdo, para frente e para trás) e se assemelha ao caminhar humano. Para o cavaleiro se manter em cima do animal, ele faz um contraesforço, o que acaba se tornando um exercício físico ou, ainda, uma fisioterapia muito agradável para a criança”, explica Haddad. No aspecto psicológico, os benefícios são incontáveis. “Um cadeirante, por exemplo,


esporte

que sentado sempre enxerga o mundo de forma inferior, estando em cima de um cavalo verá o mundo de cima para baixo – o que certamente aumentará sua autoestima”, completa Haddad. Além disso, com o cavalo é possível criar uma amizade sincera e franca. Se a criança o trata bem, ele retribuirá com carinho. Caso o ignore, o animal também a ignorará. “É criado um relacionamento forte entre o animal e o praticante, o que o incentiva ainda mais”, diz o coordenador do projeto. A equoterapia é uma terapia multidisciplinar, mas, conforme brinca a fisioterapeuta Heluiza Fioravanti Lovatto Fávaro, “todos os profissionais da equipe são coterapeutas, que trabalham com o conhecimento técnico, porque o cavalo é realmente quem reabilita as crianças”. Na Esalq, fazem parte do projeto: psicóloga, fisioterapeutas, fonoaudióloga, equitador e voluntários.

De acordo com Heluiza, cada praticante da equoterapia tem uma necessidade particular. Para decidir qual é a melhor forma de terapia e quais são os profissionais que estarão envolvidos na sessão de cada criança, é feita uma avaliação. “Por exemplo, algumas crianças que têm diminuição de sua força muscular, devido à hipotonia que apresentam, precisam de força muscular. Outras, que têm hipertonia muscular, precisarão do cavalo exatamente para relaxar a musculatura. Em outros casos, o objetivo é mais no âmbito psicológico do que físico”, explica. A equoterapia é um método reconhecido pelo Conselho Regional de Medicina (CRM) e a indicação é que o praticante faça uma sessão de 30 minutos por semana. “São muitos os estímulos que o cavalo transmite para a criança neste tempo, por isso este intervalo entre uma sessão e outra é fundamental”, diz a fisioterapeuta.

Profissionais, cavalos e praticantes da equoterapia na Esalq

77


esporte

Cláudio Haddad destaca que a equoterapia pode atender diferentes tipos de necessidades especiais, como crianças com síndrome de Down, paralisia cerebral, autismo, casos de hiperatividade e outros.

A equoterapia na prática Maria Ângela Damasceno Viegas Rizzollo é mãe de Matheus, um menino autista de oito anos que pratica a equoterapia há um ano e oito meses. Procurando alguma terapia complementar que ajudasse o filho a melhorar seu relacionamento com as pessoas ao seu redor, ela ficou sabendo do projeto realizado dentro da Esalq, o que casou perfeitamente com o interesse que a criança já tinha por cavalos. “A equoterapia tem trazido ótimos resultados

“A equoterapia tem trazido ótimos resultados para o meu filho. Percebo que ele gosta bastante das atividades e que teve melhoras significativas no seu comportamento social.”

78 | petit polá | edição 01

para ele. Percebo que ele gosta bastante das atividades e que teve melhoras significativas no seu comportamento social”, relata Maria Ângela. A mãe conta ainda que, inicialmente, só a psicóloga e o equitador acompanhavam o filho na sessão. Hoje, Matheus já aceita a participação de outros profissionais e voluntários. “Vejo isso como mais um resultado da equoterapia. Ele se tornou mais sociável, já interage com as pessoas”, diz. E muitos resultados positivos, como os alcançados por Matheus, fazem parte da história do projeto, que já tem dez anos em Piracicaba. Mais de 80 mil atendimentos foram realizados e hoje pode-se dizer que a equoterapia da Esalq atingiu grande reconhecimento e está entre os melhores projetos sociais da USP.


COMPORTAMENTO

Amigas de infância C

omo surge uma grande amizade? Muitos são os motivos pelos quais as pessoas se tornam amigas, mas poucos fazem com que essa união dure para a vida toda. Se a amizade é realmente um relacionamento especial, para Carolina Corazza, a Carol, e Maria Cláudia, a Macau, ela é eterna. Amigas desde a infância, elas se conheceram aos sete anos, por meio da prima de Carolina, Rafaela. “A Rafa estudou com a Macau na escolinha e um dia tivemos a oportunidade de brincarmos juntas”, comenta Carolina, hoje com 31 anos. Mas foi quando começaram a estudar juntas que a amizade se fortaleceu e tornaram-se grandes amigas. Atualmente, Maria Cláudia mora em Singapura. Apesar da distância, ela e Carolina tentam ao máximo manter contato. “Sempre que nos encontramos, é muito especial. É muito bom ter gente tão próxima de você e por tantos anos”, afirma Carolina. As lembranças e a cumplicidade existentes entre elas são o que mantém forte essa amizade de 24 anos!


viaje com seus petits

Fora do Brasil,

mas pertinho de casa

80 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01


viaje com seus petits

A

1.720 quilômetros de São Paulo, Buenos Aires pode ser um ótimo programa para criança. A duração do voo é bem curta. Quem sai da capital paulista leva no máximo três horas para chegar direto ao aeroporto de Ezeiza. Um voo na hora que a criança tira o soninho do dia é ideal. Se ela não dormir, assistir a um filme, levar algum jogo, desenhar e colorir são atividades que ajudam a distrair e passar o tempo dentro da aeronave. Já na cidade, andar de táxi é uma ótima opção para distâncias maiores, e normalmente os taxistas dão ótimas dicas. Se for viajar em julho, não se esqueça do frio. É fundamental levar roupas quentinhas para aproveitar os lugares abertos. Leve o carrinho da criança, de preferência o modelo guarda-chuva, que é fácil de abrir e fechar e, principalmente, bem leve! Os pequenos se alimentam muito bem por lá. A comida não é apimentada e o tempero nada forte. Pratos variados com carnes vermelhas e batatas são especialidades dos argentinos, mas na maioria dos restaurantes você encontra frango, peixes, arroz, salada, legumes, enfim, tudo que uma criança precisa e gosta! Um local que atrai a curiosidade dos meninos é o La Payuca, que tem ao fundo

uma brinquedoteca com diferentes e instigantes brinquedos. Para bebê, a papinha mais vendida em supermercado é a da marca Gerber. É importante dizer que os medicamentos de primeiros-socorros, como um antitérmico ou algum antialérgico, são vendidos em farmácias sem prescrição médica. Mas para uma mãe prevenida, a dica é: leve uma “farmacinha” indicada pelo pediatra do seu filho. Andar pelas ruas da Recoleta é muito prazeroso. O bairro, também conhecido como a região parisiense de Buenos Aires, é totalmente arborizado, com lojinhas fashion e parques lindos e amplos para as crianças correrem. Em Palermo Soho é possível encontrar nas ruas lojas para a criançada. A El Gato con Bote é apropriada para os petits que adoram brinquedos e livros. Para quem gosta de teatros, é interessante acompanhar a programação do grupo La Galera Encantada, que fica em Palermo Hollywood! Se o dia for de chuva, vá ao parque Neverland, dentro do shopping Abasto, que tem até uma roda-gigante. Em Abasto há também um museu infantil imperdível, o Museo de Los Niños, que é praticamente uma brinquedoteca. As crianças adoram aprender se divertindo.

A Floralis Generica, obra do arquiteto Eduardo Catalano, localizada em Palermo, é uma flor metálica que começa a abrir suas pétalas ao amanhecer e as fecha ao anoitecer. As crianças ficam encantadas!

O parque é um zoológico de bichos em extinção. Você vai encontrar desde pica-pau, morcego, tigre-de-bengala e até canguru!

81


viaje com seus petits

O zoológico de Palermo é uma outra boa dica. Os animais estão bem alojados e tratados e há um grande número deles, enfim, tudo que criança gosta! Mas para a viagem ser inesquecível, a dica é um parque que fica a 60 quilômetros de Buenos Aires chamado Temaiken. Mesmo um pouco longe, vale

Para saber mais: uma ótima dica é o livro da jornalista Fernanda Paraguassu, autora do guia “Buenos Aires Com Crianças – Aventurinhas na Terra do Dulce de Leche, da Pulp Edições, e que também escreve o blog Buenos Aires para Niños

cada minuto do passeio. Para chegar existe uma linha de ônibus que se pega na praça São Pedro e deixa o passageiro, com segurança, dentro do estacionamento do parque. Mas, se preferir, combine uma corrida com um taxista. O parque é um zoológico de bichos em extinção. É isso mesmo! Você vai encontrar desde pica-pau, morcego, tigre-de-bengala e até canguru, além do aquário sensacional onde as crianças podem brincar na areia com ossos de peixes pré-históricos. Chegue bem cedinho, pois o parque é grande, com muito para se ver e fazer, e no inverno fecha mais cedo. Buen Viaje!

Fala quem fez o roteiro! Tatiana Guimarães Lopes fez há alguns meses essa viagem com seu marido, Robson, e seu filho Guilherme, de cinco anos. “Acertei na escolha do destino da viagem. Tenho certeza que esses dias ficarão marcados na vida do meu filho”, conta Tatiana. Ela queria um roteiro de viagem para criança, mas com uma cultura diferente e que não ficasse tão longe de casa. Buenos Aires foi a escolha. Em sete dias ela conheceu parte do “circuito infantil”, inclusive as atrações um pouco mais distantes. Fora de Buenos Aires, além do Temaiken, citado acima, duas outras atrações fazem muito sucesso. São elas: museo de ciencias Naturales de La plata São três milhões de peças. Animais empalhados e esqueletos de elefante, dinossauros e até uma baleia enorme deixam as crianças maravilhadas. A viagem dura 40 minutos partindo de Buenos Aires. Pode-se ir e voltar no mesmo dia. Esse museu está entre os melhores do mundo no gênero. Vale a pena! mundo marino Um pouquinho mais longe de Buenos Aires. Fica a 320 quilômetros, mas por alguns momentos você se sente em Orlando, no famoso parque da baleia Shamu, o Sea World. No Mundo Marino você vai encontrar show de orcas, golfinhos e focas. Um parque para a criançada admirar os bichos aquáticos e aprender a respeitar os animais. “Acredito que se focarmos nos interesses da criança, pesquisarmos e planejarmos o roteiro com atividades que sejam interessantes para todos (adultos e crianças), o sucesso da viagem é garantido. E se o planejamento envolver diretamente a criança, melhor ainda! Hoje, com os recursos da internet e guias diversos, a elaboração do roteiro pode ser uma diversão a parte,” concluiu Tatiana.

82 | PETIT POLÁ | EDIÇÃO 01


agenda

Diversão e cultura Petit para as férias Teatro

Infantil. De: Alexandra Golik e Carla Candiotto. Direção: Alexandra Golik e Carla Candiotto. A obra de Lewis Carrol ganha uma roupagem teatral e circense que transcende a atmosfera fantástica desta história, que é uma das mais conhecidas da literatura universal. O espetáculo mantém as características, os princípios estruturais e seus significados, sempre colocando em primeiro plano a ludicidade, o prazer e a ironia. Com Helena Cerello, Adriana Telg e Paula Flaiban. 50 min. Teatro Folha. Av. Higienópolis, 618 – Higienópolis – Tel: (11) 3823-2323. Sáb e dom, 16h. R$ 30. De 02/06 até 30/09.

T. REX – UM DINOSSAURO NA AMAZÔNIA Infantil. De: Falcon Mantovanne. Direção: Renato Santos. Dumdum é o último filhote de Tiranossauro Rex vivo e está na Amazônia. Uma terrível bruxa, Dona Malvadeza, contrata dois malvados caçadores para capturá-lo, e assim realizar o ritual que trará de volta seus poderes. Com Ari Teixeira, Anderson Barone, Emerson Cardoso, Falcon Mantovanne, Letícia Scalise, Micael Bah e Renata Pimentel. 80 min. Teatro Brigadeiro. Av. Brig. Luís Antônio, 884 – B. Vista – Tel.: (11) 3115-2637. Sáb e dom, 15h30. R$ 40. De 30/06 até 30/09. Livre.

A FAMÍLIA ADDAMS Adaptação de Cláudio Botelho para espetáculo de Marshall Brickman, Rick Elice e Andrew Lippa. Inspirado nos quadrinhos do cartunista Charles Addams, o musical estreou na Broadway em 2010 e ganha a primeira montagem internacional. Trata-se de diversão certa, com uma história cativante, que reúne temas como amor, fidelidade e adaptação às diferenças. A produção traz Marisa Orth e Daniel Boaventura à frente de 27 atores e doze instrumentistas. Na trama, o clã liderado por Mortícia (papel de Marisa) e Gomez (Boaventura, impagável do começo ao fim) passa por um momento de crise. Vandinha (interpretada por Laura Lobo) arrumou um namorado “normal” e quer marcar um jantar para apresentá-lo aos pais um tanto esquisitos. Teatro Abril. Avenida Brig. Luís Antônio, 411. Tel.: (11) 4003-5588. (Qui, Sex, Sáb e Dom). Quinta e sexta, 21h; sábado, 17h e 21h; domingo, 16h e 20h. R$ 70 a R$ 250.

84 | petit polá | edição 01

Fotos: Divulgação

ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS


agenda

Fotos: Divulgação

Cinema

A Era do Gelo 4 estreia 29/06 Valente 3D estreia 20/07 Gênero: Aventura/animação Diretor: Mark Andrews Elenco: Vozes de: Kelly Macdonald, Emma Thompson, Billy Connolly, Kevin McKidd, Robbie Coltrane Sinopse: Desde os tempos antigos, as histórias de batalhas épicas e lendas místicas foram passadas através das gerações pelas montanhosas e misteriosas terras alta da Escócia. Em Valente, um conto de fadas se une a uma sombria jornada quando a corajosa Merida confronta os seus costumes, o destino e o mais feroz dos animais de todos os tempos.

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge estreia 27/07 Gênero: Aventura Diretor: Christopher Nolan Elenco: Christian Bale, Joseph Gordon-Levitt, Tom Hardy, Anne Hathaway Sinopse: Quando todos achavam que Gotham vivia tempos de paz, um novo vilão aparece para provar o contrário.

Gênero: Animação Diretor: Steve Martino e Mike Thurmeier Elenco: Vozes de: Márcio Garcia, Diogo Vilela e Tadeu Melo Sinopse: A louca perseguição de Scrat, sempre à caça de sua noz inquieta, perseguição à qual ele tem se dedicado desde os primórdios dos tempos, tem consequências que mudam o mundo e causam um cataclismo continental que leva Manny, Diego e Sid a viverem a maior aventura de todos os tempos. Nessa maré de mudanças, Sid acaba reencontrando sua avó turrona, e o bando ainda tem de lidar com uma horda de piratas decididos a impedilos de voltar para casa.

O Espetacular Homem-Aranha estreia 06/07 Gênero: Aventura Diretor: Marc Webb Elenco: Andrew Garfield, Emma Stone, Rhys Ifans, Denis Leary, Campbell Scott, Irrfan Khan, Martin Sheen e Sally Field Sinopse: Um dos personagens mais populares do mundo está de volta às telonas, quando um novo capítulo de sua saga é revelado em O Espetacular Homem-Aranha™. O filme conta a história de Peter Parker (Garfield), um estudante rejeitado por seus colegas e que foi abandonado por seus pais ainda criança, sendo então criado por seu Tio Ben (Sheen) e pela Tia May (Field). Como muitos adolescentes, Peter tenta descobrir quem ele é e como ele se tornou a pessoa que é hoje. Peter também está começando uma história com sua primeira paixão, Gwen Stacy (Stone), e juntos eles lidam com amor, compromissos e segredos. Quando Peter descobre uma misteriosa maleta que pertenceu a seu pai, ele começa uma jornada para entender o desaparecimento de seus pais – o que o leva diretamente à Oscorp e ao laboratório do Dr. Curt Connors (Ifans), antigo sócio de seu pai. E como Peter está em rota de colisão com o alter-ego do Dr. Connors, o Lagarto, ele tem que tomar decisões que podem alterar vidas, para usar seus poderes e moldar seu destino de se tornar um herói. 85


ONGs

Ajudar faz bem “Quem já foi ou ainda é criança, que acredita ou tem esperança, quem faz tudo pra um mundo melhor!”

A

s Organizações Não Governamentais (ONGs) são grupos sociais organizados, sem fins lucrativos, caracterizados por ações de solidariedade em benefício das populações excluídas das condições da cidadania. Nesta seção, mostraremos o trabalho de algumas ONGs de Piracicaba e de outros lugares e como as pessoas podem contribuir para que elas continuem oferecendo auxílio àqueles que mais carecem de ajuda.

86 | petit polá | edição 01


ongs

APASPI – Associação de Pais e Amigos de Surdos de Piracicaba Contribuir para que todas as crianças com deficiência auditiva tenham uma vida digna é o principal objetivo da Associação de Pais e Amigos de Surdos de Piracicaba (APASPI). Há 35 anos na cidade, a entidade oferece auxílio, orientação e preparo aos jovens com anomalia na audição, com o intuito de garantir que eles sejam incluídos no mercado de trabalho. Para que isso seja possível, o trabalho da associação começa no início da vida da criança. “Nós temos um convênio com a Santa Casa, no qual fazemos o teste da orelhinha [triagem auditiva neonatal] em todos os recém-nascidos do hospital. As que apresentam alguma anomalia, já receberam o acompanhamento e orientação familiar, auxiliando os pais a lidarem com isso”, explica o presidente da APASPI, José Aref Sabbagh Esteves. A entidade oferece todo o suporte que crianças e adolescentes necessitam para que desfrutem de uma vida saudável. Orientação familiar, interpretação de línguas, aplicação de aparelhos e sistemas de fonoaudiologia

são alguns exemplos de serviços prestados Depois que o jovem consegue administrar a sua vida com a deficiência, a gente trabalha para que ele consiga um emprego”, afirma Esteves. Todo o trabalho é realizado com o auxílio de psicólogas e fonoaudiólogas, que completam o atendimento. “A gente tem tido muito sucesso, resultados positivos para Piracicaba, tanto que temos colocado muitos jovens para trabalhar nas indústrias da cidade”, comenta o presidente. Apesar de a entidade possuir todos os suportes necessários para aferir as debilitações das crianças, Esteves explica que contribuições sempre são muito bem-vindas, pois ajudam com a folha de pagamento e com a compra de materiais para a associação. A APASPI atende, atualmente, cerca de 60 crianças e adolescentes, e conta com a colaboração de 70 voluntários. O atendimento é feito de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h30. A sede da associação fica na Rua Dr. Alvim, 1464 – São Judas. Telefone (19) 3434-9947.

Como ajudar? Doando alimentos, roupas e calçados, bem como materiais úteis para a Associação Sendo voluntário ou colaborador Apadrinhando uma criança Contribuindo financeiramente Equipe da APASPI e alguns pacientes da Associação

87


ONGs

CRAMI – Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância

Como ajudar? Doando roupas e calçados Sendo sóciocontribuinte e voluntário Contribuindo financeiramente

88 | petit polá | edição 01

“A criança tem direito ao amor e à compreensão, e deve crescer, sempre que possível, sob a proteção dos pais, num ambiente de afeto e de segurança moral e material para desenvolver a sua personalidade”, é o que aponta o 6º princípio da Declaração dos Direitos da Criança, aprovada em 20 de novembro de 1959, pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). O objetivo do Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância (CRAMI), que existe em Piracicaba desde 1986, é garantir que esse princípio da declaração seja cumprido. A entidade se presta a dar assistência às crianças e adolescentes vítimas de violência doméstica, assim como aos seus responsáveis, por meio de intervenção multiprofissional: prevenção, promoção, tratamento e reabilitação. “O objetivo não é retirar a criança da família, é educar os pais e incentivá-los a buscar uma nova forma de educar os filhos, que não seja a violência”, explica a psicóloga e coordenadora do CRAMI, Maria Hilma de Oliveira Ganzella. A organização, entretanto, nem sempre trabalhou desta forma. Antes do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) ser

criado no país, o CRAMI atendia crianças vítimas de maus tratos apenas quando recebia uma denúncia. “A pessoa ligava para nós e a gente ia até a família verificar a veracidade do caso”, esclarece Maria Hilma. A entidade trabalhava com a família, ensinando-a a cuidar dos filhos com amor e carinho. Hoje, o CRAMI oferece um trabalho preventivo, que visa evitar que os maus tratos na infância venham a ocorrer. “Nós vamos a campo e trabalhamos com a comunidade, disponibilizando oficinas temáticas que nos auxiliam a identificar os casos de violência na família”, aponta a coordenadora da organização. Se for constatado algum tipo de mau trato na comunidade, a entidade oferece apoio e orientação à família. O CRAMI atende, atualmente, 50 pessoas por dia e conta com a ajuda de 60 voluntários. A ONG obtém a renda para se manter funcionando a partir do auxílio de sócios-contribuintes, parcerias governamentais, jantares temáticos, festas juninas e bingos. O horário de funcionamento da entidade é de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na Rua Floriano Peixoto, 1063 – Centro. Telefone (19) 3302-6797.


onde encontrAr

Lista de indicações desta edição

100% Vídeo Av. Armando Salles de Oliveira, 1435 Tel. 19 3432.1514

eVViVA Bertolini pirAcicABA Av. Carlos Botelho, 575 Tel. 19 3432.1343

th BiKe Rua Barão de Piracicamirim, 1000 Tel. 19 3434.0233

Além dA luA Rua XV de Novembro, 282 Tel. 19 3432.8262

Ks pilAtes Rua Alexandre Herculano, 120, 2º andar, sala 21 Tel. 19 3042.4013

uni duni Rua José Pinto de Almeida, 239 Tel. 19 3377.1213

ApAspi Rua Dr. Alvim, 1464 Tel. 19 3434.9947

le lis petit Shopping Piracicaba Tel. 19 3421.2376

unimed Av. Antonia Pazzinato Sturion, 1.221 Tel. 19 3436.8300

AsiáticA AutomAtiVe Av. Dr. Cássio Paschoal Padovani, 1655 Tel. 19 3301.3099

milenA Jordão www.milenajordao.com.br Tel. 19 2533.0558

Vecol Av. Alberto Vollet Sachs, 3555 Tel. 19 3434.3535

BoB’s Av. Armando Salles de Oliveira, 1415

nenem Rua Campos Sales, 1145 Tel. 19 3375.3500

Yllios turismo Rua Ipiranga, 319 Tel. 19 3433.9495

Brinq Fest Rua do Rosário, 916 Tel. 19 3375.0504

net www.netcombo.com.br

colégio Atlântico Rua Al. Alcindo Lopes Lucas, 141 Tel. 19 3427.2013

pArtieh! Rua Alfredo Guedes, 1949, sala 902 Tel. 19 3432.6748

crAmi Rua Floriano Peixoto, 1063 Tel. 19 3302.6797

picA pAu Rua Benjamin Constant, 1474 Tel. 19 3422.4779

culturA inglesA Av. Carlos Botelho, 399 Tel. 19 3432.7191

sucrAriA FABiAnA coelho www.fabianacoelho.com.br Tel. 19 3476.5319

dionete lemos eVentos www.diontelemos.com.br Tel. 19 3433.2222

teKnodomus www.teknodomus.com.br Tel. 19 3035.6872

sites de reFerênciA

(correspondentes internAcionAis):

www.saksfifthavenue.com.br www.saraiva.com.br www.oldnavy.com.br www.dermexpress.com.br www.amazon.com www.toysrus.com www.truereligionbrandjeans.com www.ralphlauren.com www.burberry.com www.carters.com www.gap.com www.nordstrom.com www.michaelkors.com 89


sentimento petit polá

Proteção

“A

ndamos atrapalhados com o conceito de proteção à infância: nem sempre oferecemos o necessário e muitas vezes cuidamos do que não é preciso. Desse modo, a ideia de crescer fica confusa para a criança. Crescer e amadurecer dói mesmo, exige renúncia, sacrifício, frustração, conflito, expectativas não atendidas, vontades que não se realizam, mudanças que causam angústia e receio. Tudo isso provoca sofrimento em nossas crianças e jovens, é claro, mas a melhor maneira de nós, pais, os ajudarmos é oferecendo a segurança que nossos filhos precisam para descobrir e usar os recursos que têm para travar suas próprias batalhas. Essa sim é uma parte irrenunciável da nossa condição materna.” Fernanda Pignanelli Dedini

90 | petit polá | edição 01


No Hospital Unimed, a Humanização é carro-chefe da Pediatria e o universo da criança é respeitado ao pé da letra. Nesse cenário, a casa da saúde oferece momentos de lazer dos mais bacanas, nos espaços e nos diferenciais.

MKT Unimed Piracicaba

Aqui a realidade se mescla com magia Ambientes acolhem o público infantil (quartos da ala exclusiva contam com leitos coloridos e decorativos)

É hora do lanche, que hora tão feliz

ANS - nº 31572-9

(refeições cativam paladares e chegam animadas na Pediatria)

Brincadeiras também estão garantidas (jogos e ações educativas integram projeto pedagógico na Brinquedoteca)

Cuidamos com carinho da saúde das crianças. Hospital Piracicaba

Diretor Técnico Médico Dr. Walter Alonso Checoli CRM-SP 49748

A arte de conduzir para bons sonhos (histórias e veículos divertidos levam os pequenos ao Centro Cirúrgico)


Revista Petit Polá