Page 1

Entre o [Tempo e o Vento] Intervenção na Orla do Guaíba


Entre o [Tempo e o Vento]

Trabalho de Graduação Integrado

2012

|

Intervenção na orla do Guaíba

Stéfanie Fares Sabbag

Universidade de São Paulo, Instituto de Arquitetura e Urbanismo de São Carlos Comissão de Apoio Permanente: Francisco Sales T. Fillho, Joubert Jose Lancha, Lucia Zanin Shimbo, Simone Helena T. Vizioli


5


6


Sumário Introdução7 Identidade em O tempo e O Vento

13

Porto Alegre

21

Aterros25 Área de Intervenção

29

Entorno imediato 

33

Pressupostos e diretrizes gerais

37

Primeiras Linhas

41

O Tempo e o Vento

46

Terra51 […] 

71

Cambará87

7


8


Introdução O presente trabalho surge do desejo de unir arquitetura à algo que sempre me foi muito caro: narrativas. Durante este curso, por muitas vezes me vi sendo adestrada a pensar arquitetura de uma forma muito específica, que embora guarde muitas qualidades, da forma como nos foi apresentada, tratava-se de um mero protocolo a ser seguido. Apesar disso, aprendi que arquitetura não tem uma resposta certa, ela pode ser muitas coisas inclusive uma narrativa. Com isso em mente, este trabalho começa a ser esboçado na vontade de criar um projeto de áreas livres capaz de se relacionar a determinado lugar especialmente considerando questões de identidade. Nesse processo, a escolha do lugar seria definidora de todo projeto. Por suas questões muito específicas de identidade, o Rio Grande do Sul surgiu como possibilidade e finalmente foi escolhido ao primeiro contato que tive com a obra de Veríssimo. Considerando as nuances da identidade Gaúcha proposta em O tempo e o Vento, este trabalho pretende a criação de um parque na orla do lago Guaíba em Porto Alegre. Através dos conceitos de narrativas de paisagem apresentados por Potteiger e Purinton (1998), busca-se criar uma narrativa que embora se formule pelo uso de metáforas e metonímias, não se encerre como uma narrativa fechada, mas sim um lugar onde o usuário seja também autor operante da história.A intertextualidade entre a história apresentada 9


por Veríssimo, a história da área de intervenção e a narrativas intrínsecas ao lugar (sazonalidade do lago, incidência do vento), abrem o trabalho a diversas leituras deixando lacunas e ambigüidades de modo que caiba ao usuário preenche-las. Este caderno procura elucidar alguns dos processos que levaram à tomada de decisões à cerca da morfologia geral desse projeto fazendo as ligações entre o texto literário de Veríssimo e Arquitetura da Paisagem.

10


11


12


“Antes de começar o ‘ambicioso’ projeto, eu precisava vencer muitas resistências interiores, a maior delas originada nos meus tempos de escola primária e ginásio. Para o menino e para o adolescente - ambos de certo modo sempre presentes no inconsciente do adulto -, o poético, o pitoresco e o novelesco eram atributos que raramente ou nunca se encontravam em pessoas, paisagens e coisas do âmbito nacional e muito menos regional e ainda menos municipal. Nossos livros escolares - feios, mal impressos em papel amarelo e áspero - nunca nos fizeram amar ou admirar o Rio Grande e sua gente. Redigidos em estilo pobre e incolor de relatório municipal, eles apresentavam a história de nosso estado como uma sucessão de batalhas entre tropas brasileiras e castelhanas. (Ganhávamos todas.). Nossos pró-homens pouco mais eram que nomes expressivos, debaixo de clichês apagados, em geral de retículas grossas: sisudos generais, quase sempre de longas costeletas, metidos em uniformes cheios de alamares e condecorações; estadistas de cara severa especados em colarinhos altos e engomados. Parece incrível, mas só depois de adulto é que vim a descobrir que Rafael Pinto Bandeira que em nossos livros escolares aparecia, num retrato linear a bico-de-pena, como um sujeito gordo, de ar suíno, bigodes de mandarim, tendo na cabeça um ridículo chapéu bicorne com um penacho - era na realidade um mirífico aventureiro, cujas façanhas guerreiras e amorosas nada ficavam a dever em brilho, audácia e colorido às dos mais famosos espadachins da ficção universal. Concluí então que a verdade sobre o passado do Rio Grande devia ser mais viva e bela que a sua mitologia. E, quanto mais examinava a nossa história, mais convencido ficava da necessidade de desmitificá-la” Veríssimo, 2005, pág 264-265

13


14


Identidade em O Tempo e O Vento Estamos acostumados a pensar a história a partir de grandes personagens e feitos épicos. Igualmente, por muito tempo, a história considerada oficial foi a mera narrativa desses acontecimentos grandiosos. E é a partir dessa história que a figura do “gaúcho” foi inicialmente traçada. De acordo com Silva e Santos (2005), o sentido da palavra “gaúcho” sofreu profundas transformações ao longo da história. Em seus primeiros registros, a palavra “gauche” era utilizada para designar vagabundos ou ladrões do campo que matavam touros soltos, tiravam-lhes o couro e vendiam nas povoações. Mais tarde, em busca de mão de obra especializada no manejo de gado e lida campeira, estancieiros incorporaram esses gaúchos em suas estâncias e com o passar do tempo, o vocábulo passou a designar todos os trabalhadores da estância. Entretanto, a mudança radical do termo só foi possível com ajuda da literatura, em especial a de Caldre e Fião que durante a guerra dos Farrapos escreveu artigos e romances enaltecendo a figura do gaúcho como um verdadeiro “monarca das coxilhas”: um homem de palavra, puro de caráter, cavalheiro, de vida simples e de habilidades campestres e militares (Silva e Santos, 2005). Logo, criou-se o gaúcho: tipo ideológico mitificado que até hoje serve de padrão para construir uma identidade Rio Grandense (Silva e Santos, 2005). Trata-se de um personagem que nasce dos impasses de um território hostil e inseguro, constantemente ameaçado por guerras e batalhas. 15


Érico Veríssimo se propõe a fazer uma literatura que desmitifique a história de seu estado (Albuquerque Júnior, 2008) aproximando a figura do gaúcho a do homem comum, não apenas com virtudes, mas também com falhas1 além de abrir espaço para a figura feminina, largamente ignorada nos cânones da história do Rio Grande (Borges, 2009).

1. dualidade bem expressa nas figuras dos

Apesar disso, o texto de Veríssimo aproxima-se muito àquele de historiadores da época à medida que articula questões espaciais tais quais as de fronteira, paisagem e território como centralidades no discurso de formação da identidade gaúcha. Assim, mesmo tendo Veríssimo procurado trazer para sua narrativa outras vozes, seus personagens ainda revelam uma psicologia, uma identidade e uma maneira de ser intrinsecamente ligados ao seu recorte regional. (Albuquerque Júnior, 2008).

homens Cambará

A centralidade do espaço na narrativa de Érico, é indiciada desde o título do romance, já que o vento, o minuano, aparece como um elemento definidor da paisagem da campanha gaúcha, onde este não encontra obstáculo no relevo e pode soprar com toda a intensidade. (Albuquerque Júnior, 2008, p.124).

O próprio nome da família cuja saga é narrada não deixa dúvidas sobre a importância das questões espaciais na narrativa de Veríssimo. Os Terra Cambará unem em um só nome a dimensão territorial: tanto os aspectos afetivos relacionados ao solo, como a força da paisagem representada na figura do Cambará, árvore presente nos ermos da campanha gaúcha (Albuquerque Júnior, 2008). Portanto, a figura do gaúcho, inclusive em Veríssimo, é traçada a partir 16


da influência espacial do Continente de São Pedro2: uma terra constantemente disputada entre índios, espanhóis e portugueses, terra que mesmo depois da demarcação de seus limites prosseguiu sendo lavada por disputas internas atingindo a pacificação somente em 1928 durante o governo de Getúlio Vargas. Em Veríssimo, a guerra é pauta e ritmo para saga da família Terra Cambará, e isso fica claro com a escolha da revolução federalista como ponto de partida de O Continente (Santos, 2010). Apesar disso, O tempo e o Vento não se apresenta como uma epopeia gaudéria, mas sim uma história fortemente influenciada por personagens até então ignorados, como a mulher e o índio. Érico traça uma história gaúcha onde o índio é personagem fundador do que viria a ser a elite rio grandense, diferente da versão oficial onde seriam os paulistas brancos com ascendência ariana os únicos responsáveis pela criação do povo gaudério. (Albuquerque Júnior, 2008; IBGE, 2006).

2. forma como era chamado o estado do Rio Grande do Sul durante o Período de colonização

O que mais diferencia a obra de Veríssimo daquelas contadas até então é a centralidade que dá às personagens femininas. Uma história centrada na figura masculina, uma história de machos, para machos, uma história épica, militarizada, marcial, marcada por constantes guerras, lutas, enfrentamentos, disputas por terras, gado, poder, dinheiro, uma história feita em nome e em defesa da honra da pátria, da província, de uma estirpe, da família, do agrupamento político, de cada indivíduo, seria uma história onde não haveria lugar para as mulheres. (Albuquerque Júnior, 2008, p.133).

17


Apesar disso, a narrativa de Veríssimo é norteada por vozes femininas que constroem a história sobre tudo em O Continente, onde Ana Terra inaugura (ao engravidar do índio Pedro Missioneiro) a saga da família Terra que posteriormente se fundirá em Terra Cambará. Para Borges (2009), em O tempo e o vento, o heroísmo não é uma exclusividade masculina: ao contrário, o heroísmo feminino é tão ou mais representativo. A mulher é responsável pela continuidade do povo gaúcho ao ficar e manter a terra conquistada. Nesse mundo sem calendários nem relógios, uma jovem mulher libera seus instintos vitais e consegue, inconscientemente, provar que Eros é mais forte do que Tânatos. Ana Terra é uma das primeiras e mais fortes personagens da literatura brasileira a denunciar a opressão da mulher na sociedade brasileira, mas sem comícios, com a força, apenas da coragem e da beleza (Mello apud Borges, 2009).

O heroísmo feminino na história de Veríssimo se verifica na incrível capacidade de resistência e força de suas personagens. Elas cuidam das terras, da casa, dos rebanhos e dos negócios enquanto seus homens partem para aventuras e guerras. São responsáveis por todo apoio às frentes militares, costurando fardas e bombachas e ainda preparando a mortalha daqueles que voltam sem vida. São as mulheres os pilares que sustentam as famílias gaúchas, responsáveis pela criação dos filhos e guardiãs de sua memória. Exatamente por não participarem diretamente da história bélica, por assistila sobrevivendo a seus homens, as mulheres são narradoras privilegiadas do 18


passado rio grandense3. Em uma sociedade extremamente militarizada, onde sobreviveram apenas os nomes de homens, são as mulheres que parindo seus filhos e contando-lhes as histórias dos homens que partiram para suas aventuras épicas, garantem a continuidade física e simbólica da própria sociedade (Albuquerque Júnior, 2008, p. 133)

Sob essa ótica, Borges (2009) afirma que em O Tempo e o Vento, a mulher é o tempo, que fixa raízes, e o homem é o vento, conquistador e passageiro. E esse “homem-vento” é apresentado por Veríssimo principalmente na figura do Capitão Rodrigo Cambará, que representaria o macho guerreiro, impulsivo, heróico, violento, idealista e mulherengo cujas características seriam preservadas na maior parte de seus descendentes de sexo masculino, em especial, seu neto Licurgo e seu bisneto e homônimo Rodrigo Cambará. (Rodrigues, 2006). De acordo com Wagner (2012), apesar de manter as características de desbravador de fronteiras e conquistador aventureiro do mito historiográfico gaúcho, o Capitão Rodrigo Cambará é uma aproximação muito mais humana, distanciada do ser sobrenatural (justo e que segue um estrito código de honra) retratado nos primórdios da literatura gaúcha. Apresentado inicialmente como herói gaudério, o Capitão Rodrigo Cambará não demora a demonstrar atitudes que ferem o código moral continentino4. E acabam por desmitificar a própria personagem heróica (Wagner, 2012).

3. Isso fica claro com a personagem Bibiana

Terra

Cambará,

que dedica a vida a lembrar e fazer lembrar de seu marido Capitão Rodrigo Cambará, a personificação em Veríssimo do mito gaúcho

4. traições

Constantes matrimoniais,

abandono da família em detrimento à jogatinas e

19


Para Rodrigues (2006) é possível afirmar que O Tempo e o Vento é na verdade uma antiepopéia caracterizada pela perspectiva histórica de degradação não apenas da família Terra Cambará, mas de toda a sociedade sul rio grandense. Apesar disso, a autora propõe que a posição de Veríssimo em relação aos vínculos entre passado e presente não é totalmente pessimista. De acordo com ela, paralelamente à degradação, existe uma história de permanência de valores positivos.

bebedeiras, pouco gosto pelo trabalho, etc 5. em especial nas personagens femininas da família Terra 6.principalmente personagens masculinos da família Cambará 7. alter-ego do próprio escritor e homem que representa a antítese dos heróis guerreiros

20

A existência simultânea entre forças de preservação e continuidade5 e forças de violência e destruição6 representa em Veríssimo tanto os aspectos negativos associados à decadência dos caudilhos, quanto aspectos que o autor considerava positivos no desenvolvimento histórico da sociedade sulina: democratização, urbanização e modernização (Rodrigues, 2006). É em Floriano Cambará7 que ao final de O Arquipélago estariam depositadas as possibilidades de reagregação da família e da sociedade através da reelaboração da leitura de seu passado. (Rodrigues, 2006). Ao fixar a circularidade da trilogia, e ao usar a estrutura própria do mito, Érico Veríssimo faz com que O Arquipélago desmitifique O Continente e O Retrato. Finalmente, a articulação entre a estrutura de O tempo e o vento e a operação de desmitificação traz subjacente a idéia de que é a prática intelectual, desengajada dos partidos políticos e da religião, em especial a da literatura, que pode fornecer a chave para os impasses político-sociais do período pós-Estado Novo e pós-guerra (Rodrigues, 2006, p.305).


21


22


Porto Alegre Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, localiza-se às margens do lago Guaíba8, no delta do rio Jacuí. A cidade que foi colonizada inicialmente por imigrantes açorianos como porto da então capital Viamão, hoje conta com uma população de 1.412.094. Distribuídos por seus 497 km2 (IBGE, 2011) sendo mais densamente povoada na orla do Guaíba e diminuindo em direção ao interior, onde predominam àreas verdes, principalmente nos morros que constituem maior parte de sua área (Jacob, 2006). Como capital, e devido à sua posição estratégica no MERCOSUL, Porto Alegre não apenas concentra a sede administrativa de grandes empresas gaúchas, como Gerdau (siderurgia) e Ipiranga (petrolífera), mas também conta com a crescente procura por empresários estrangeiros que desejam instalar filiais que sirvam de entreposto no bloco comercial (Gret, 2002).

8. que deságua na Lagoa dos Patos

Por toda essa movimentação econômica e também por se caracterizar como um ponto de partida para viagens a outros pontos interessantes do estado como a serra do Nordeste, o litoral e as Missões, Porto Alegre guarda em si um enorme potencial Turístico que vem sido estruturado com pontos de interesse cultural como o Museu Iberê Camargo – com projeto de Álvaro Siza – o centro cultural Usina do Gasômetro (ambos na Orla) além de outros localizados em sua maioria na região central da cidade: centro cultural Mário Quitanda, Santander Cultural, entre outros Mesmo sendo uma cidade formada por uma grande variedade cultural, o tradicionalismo gaudério ocupa um lugar privilegiado em seu folclore sendo 23


representado por centenas de CTGs ( Centro de Tradição Gaúcha) espalhados por toda capital.

Figura 1. Localização de Porto Alegre

Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e2/RioGrandedoSul_Municip_PortoAlegre.svg

24


CACHOEIRINHA

CANOAS CANOAS NOVO HAMBURGO

Via Projetada Leste

BR-116

da Oeste

ta Proje

de A

Av. João Ferreira

Av. Manoel Elias

Estr. Martins Félix Berta

Av. Edu Las

C

Jardim

asas

Be co das Moças

o S. rnardin Av.Be

Alzira

Prado

R.Antônio Giudice

iz

Dir. 1921

orrea Av.

Soa res

f. Pau la

Av. Do Forte

de Brito

Rua P ro pê

Rua Ten. Ary Tarrago

iz Túne

l

ntônio de

Av. A

Diretr

ar so

Av. Saturnino

Car valho

Se

R. São Benedito

Av. P

j. ro

stiano Fischer Cri

A 3 dlam e Oeda utu bro Av. Eco ville

R. Dona

Ouro Preto R.

toura da Fon

iro Av.Carne

l. R. Maea Andr

lo ar

s

Av. T eixeira Mende

es Gom

Alv

io Av.

ran ça

Ama zonas do

dor F

Bar ão Rua

Av. Dr . Sa lva

io

Bo

r ge s

R. de Hum Cam be rt po o s

morim

Diretriz

3

R. Dom P

ilano

edro

Walig Av. João

II

Av. Emilio Esteves

nstan t Co

. Be

G oe th e

Av.

rP Prof. Osca Av.

er

eira

a Silv s e

Cru ze iro d R ua

r tório

Av. A.J

Bran co Ca stelo

Av. Farra pos

a Pátri

resi den te

da

Av .P

rios

m bo Co lo

luntá

o

R. Vo

o a Conceiçã

R. da

o eir

Vargas Av. Getúlio

Av. da Azenha

G on ç

ve s

oli

ere só p

n olores Du ra R. D

A

ar P

etr Dir

ira ive

B ec o

Av. Ca

d

o oã

Est r. A fo

iz

o miã Re

VIAMÃO LITORAL

ra

R. Dr. V

.J Av

Sa lo mo ni

- Tr ês M

e

ad R u n i da Co

VIAMÃO

m u

s na

Estr. Cam po Novo

ni

ni

Diretriz

de

ão

o

li ua

Estr.

do

Rin

cão

Estra d

Es tr. J oã

iz

aC

etr

ost

Dir

J

Ol ie ira em i

R

Es tr.

a

oão Antônio da S ilv eira

v

am

A

Av. Ignes E. Fagundes

o

de

GU

Av. ado Eduar do Pr

te Mon Av. to Cris

Av . Cav lha a da

nte

m

val

Ve lho

er ga

hada

Estr.

ia

Mar ia

Ol

o L. ns

a

Av. Icar

Pro f. O sc

tr Es

Av.Borges de Medeiros

du ardo Pere ira Paiva

C aci que

e

a

to

.J

Borb

iro

Diretr

ALVORADA VIAMÃO

Be

te on

uim

2

Dir. 192

VIAMÃO

M

aq . Jo Prof R. uzada Lo

lino Av. Ade im F. Jard

Felix Berta

Alves

v.T

ai

gg

ALVORADA

R. Dirson G. Bohrer

ou . S sta Bc Co

Av . Ben

aG

ão

lve ira

Jo ão

Av. Ju ca

B

i da S

. st Est. do Barro Vermelho

riz Diret

ossa

ieira

ira

ive Ol

tista

G ro ss a

o

nta

aP

e

st r

E

Ca

r. d Est

ad isc ranc

de o

Av. Juca Ba

es

Diretriz

ga rP ir

d

r. F st

i Av. do Lam

Caet an o

a Gr ont

V

P da

ão

.S Av

Av

.J iro Ret

.E Av

tr. Es

Es tr. S

errari

a

a atist aB uc

E

nio tô An

isco ranc Av.F lla Zane

a ist at

Castro

ão Caetano

Pires de

S tr.

A

Edgar Av.

63

Es

70

Dir.

Í

B

S. Amorim

de

he

Av. Pi n

o

Av. Jusc elino K. de Olive ira

Estr. Marti m

Dir. 1915

ara

Notícia s

ira

Garcia

R. Teresilda Steffen

ALVORADA Av. Bernardino

s

rio de

Av . Pa

Av. Diá

Av. Ip

Iwers

Beco do Paulino

ino Av. Bernard S. Pastoriza

Ta qu

Av. Joã u Es

triz

Dire

liv eir a

o Av. Pass s das Pedra

ni P asquali

za

de Març Av . Ten poim R. 1º . Al

.N Av

sq

a doP rlin

Diretriz

ira e re

R. Dr. Velho Camp os

R. Ot

W Av. encesla

anga

de O

Av.Karl

45 38

eyer

A Av.

D

Ipir Av.

nal R. Jor o O Pov

Av. Albe rto

íc

o

co s

a utr

ri

al

Apar

el. Av. C

Av.

em to Ni

l. M ar

T

ltazar

Av. Bp. J. Scalabrini

ásio Prot Av.

a

i sa Div

on

r

n.

Av. Ba

Av. Protásio Alves

Bra

As Bitencour t Av. ira Av. F. Sil ve

os

sil Bra

I Av.

ng

aston H. G v. eron

Av.Niteroi

ul

es

Rose Dir. 1725

Peçanh

nt e Av. Vice

ba

lve s

a

o

A car M az

oS

o

de Alen

Av .B ent oG

Av. Túlio de

Av. Nilo

is ss Av. A Av. Matilde T. Renner

Av. Grécia

s

Av . Protás

oa

l ne a Tú rez triz . Te ire Sta o orr M

D

Diretriz

co

Av. Ce

lis po Av. Nil ó

ss

Rua José

dr Pa

. Av

sva ldo A ran ha

Pe o Av. Érico Verissim

Av.

ubr o ut

ão Av.Aurelian

Pint oF.

Av .E

Jo

ur

Av. Indi Br o d asileiro e Moraes

sis

a

oG ou

Av. O

a

Av.

Av. Lo

v Sil

24 Av.

s Br asil

M asil io Br Plín Av. aldi arib aG Anit R.

Av

Av. Independência R. Vasc o da Gama

d

lart

Av. Assi

a

Ma Av.

Av. do Parque

O

Gaú ch A v.dos

Av. Sertório

rio

irú

de

4

s

Sertó

Av. Ca

tó r is .C Av

riz 70

Av. Farra po

Av.

sil

Diret

aT eod ora

.

ourth

lius Av. Severo Du

Av. Se

itenc

0

o Ferra

Av. Ern Av. es R. Ed to Za u Ch Ne aves ida ug Ja eb rros au er (BR - 11 6)

da Pá tria

is B

Renne r

R. Vo luntár ios

Rég

- 29

n

BR

R.

Do

ng.

nja m im

a. E

Av. Fern and

Dir. 71

Via

Dir. 708 Av. Fernando Ferrari Av. A.J. Renner

Av .C

essi

(BR - 290)

Auto Estr. Mal. Osório

Av.Leo Brenta poldo no

C

Trav

GLORINHA GRAVATAÍ LITORAL (BR-101)

E ly

ELDORADO GUAÍBA

RS

-3 0

CACHOEIRINHA GRAVATAÍ

Estrad a

do

Vare jão RS

-2

0

LEGENDA

RS - 118 PARQUE DO ITAPUÃ

Via de Transição

N

Via Arterial - 1º Nível Via Arterial - 2º Nível

Figura 3. Centro e área de intervenção plano diretor de desenvolvimento pddua urbano ambiental

P R E F E I T U R A M U N I C I PA L D E P O RTO A L E G R E S E C R E TA R I A D O P L A N E J A M E N TO M U N I C I PA L

Malha Viária Básica Classificação e Hierarquização

ANEXO 9.3 Escala 1:50 000

Figura 2. Vias estruturantes Fonte: Plano diretor - SPM/PoA

25


26


Aterros A região central de Porto Alegre era originalmente um morro estreito que se projetava para dentro do Guaíba. As margens iam até a rua dos Andradas (antiga rua da praia), na face norte, e a Washington Luís, ao sul. A demanda por novos espaços originada do crescimento da cidade e da necessidade de qualificar o porto desencadearam a realização dos primeiros aterros que tiveram início no fim do século XIX. 4. Plano aterro de 1914 Em razão de uma questão ambiental, Figura Fonte: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/spm/default.php?p_secao=125 a margem norte foi escolhida para os primeiros assentamentos uma vez que ficava em um local com boas características portuárias: na encosta de uma crista e portanto protegido dos ventos fortes que vinham do sul. Esse foi um processo difuso, muitas vezes financiado pela inicitiva privada e que avançou até o século XX com a construção do cais do porto (Souza, 2002).

O interesse pela margem sul, começou a se esboçar desde o início do século XX. Em 1914, o Plano de Melhoramentos, coordenado pelo Eng. Moreira Maciel (Figura 2), contemplava a orla com o traçado de uma larga avenida-parque, formando o contorno da cidade junto ao lago (Marques, 2011). 27


Ao final da década de 30, o engenheiro Edvaldo Pereira Paiva e seu colega Luiz Arthur Ubatuba de Faria elaboram uma proposta para a criação de um bairro residencial sobre um extenso aterro na enseada da Praia de Belas. Um projeto com forte influencia do plano de Agache para o Rio de Janeiro (Souza, 2002). Embora o estudo de Paiva tenha sido descontinuado, ele serviu de base para a elaboração de um Plano Diretor para a cidade pelo arquiteto Arnaldo Gladosh durante a década de 40. Gladosh mantém a ideia do aterro na margem preocupado (assim como Paiva e Ubatuba) com o possível espraiamento execessivo da cidade. O plano de Gladosh prentendia transformar a margem em uma orla ajardinada por acreditar que os habitantes da cidade não aproveitavam sua situação favorável à margem do Guaíba por falta absoluta de avenidas marginais arborizadas e jardins públicos atraentes e convidativos (Souza, 2002). Figura 6. Plano

de

aterro

de

1936

Essas idéias incluídas no plano de 1943 acabaram não sendo executadas naquela gestão. Foi apenas com o Plano de 59 que a prefeitura iniciou o aterro da margem sul, dessa vez com uma proposta de Paiva que seguia os ideais modernistas da época. (Souza, 2002).

Fonte: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/spm/default. php?p_secao=125

As proposições se traduziam em um sistema Figura 5.  Fonte: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/spm/ de vias expressas e grandes edifícios isolados no default.php?p_secao=125 28


terreno. Esse projeto se preocupava em sugerir um esquema de zoneamento onde as áreas residenciais eram divididas em unidades de habitação e onde constavam áreas industriais e comerciais. (Prefeitura de Porto Alegre). Embora iniciado, o plano que contava com conjuntos residenciais dispostos em parques públicos, área administrativa, diversos equipamentos e a criação de parques lineares por toda a orla logo foi abandonado pela administração pública. Dentre as mudanças que geraram a atual configuração da área, a mais significativa foi a implantação do Centro Administrativo do Estado na área imediatamente ao sul do centro. Trata-se de um conjunto de edificações monumentais soltas no terreno, implantadas em uma vasta área verde cortada por vias expressas em uma escala do automóvel. O resultado dos sucessivos aterros Porto Alegrenses foi, diferente do intencionado, a separação entre o lago e a cidade, seja por um muro e construções portuárias ao norte, ou por grandes vazios administrativos ao sul. Figura 7. Plano de aterro de 1959 Fonte: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/spm/ default.php?p_secao=125

29


30


Área de Intervenção Sobre o aterro incompleto do Praia de Belas, as margens do Guaíba encontram-se atualmente sem projeto nem qualificação à exceção de alguns equipamentos como quadras e academia ao ar livre mal implantados e mal conservados. Apesar disso, trata-se de uma área de grande interesse para a cidade, não apenas por sua relação com o lago, mas também por estar muito próxima ao centro histórico e cultural Porto Alegrense. Seguindo pela orla em direção norte encontra-se o centro cultural Usina do Gasômetro que fica localizado ao final da rua dos Andradas, o corredor cultural da cidade. Além da proximidade física com esses equipamentos, a área ainda guarda uma ligação visual com outros pontos de interesse: ao sul é possível avistar não apenas o Estádio Beira-Rio mas também o museu da Fundação Iberê Camargo, obra de Álvaro Siza.

Figura 8. Áreas aterradas Figura 9. Área de intervenção

31


32

Figura 10. ďťżLevantamento de usos de solo entorno


Entorno imediato Ao cruzares esta porteira, pendura no cabide da humildade teus preconceitos, diferenças e rivalidades, mas, se ainda conservares algum orgulho, que este seja o de ser gaúcho, (dizeres no portal de entrada do Parque Harmonia)

Com o abandono do projeto de Pereira Paiva para o aterro Praia de Belas, o espaço onde hoje se situa o Parque Harmonia ficou igualmente abandonado. Logo o lugar atraiu atenção dos tradicionalistas Porto Alegrenses, que sentiam falta de um parque onde pudessem realizar suas atividades culturais. Por iniciativa do Engenheiro Curt Alfredo Guilherme Zimmermann, em 1982 foi inaugurado o Parque Harmonia, que conta com uma réplica de estância, um centro de eventos, uma churrascaria e 100 churrasqueiras espalhadas por sob as árvores de uso livre. O Parque é atualmente administrado pelo MTG - Movimento Tradicionalista Gaúcho - e abriga anualmente o acampamento farroupilha, evento tradicionalista realizado durante a semana farroupilha (semana do 20 de setembro, que marca o início da Revolução). Durante o acampamento, diversas entidades e associações ocupam o parque com seus galpões à moda tradicionalista e por uma semana realizam atividades culturais como invernadas artísticas e desfiles. Igualmente ao Parque Harmonia, a Avenida que tangencia a orla do Guaíba tem forte importância na cultura tradicionalista e consta no Plano Diretor como uma das vias de cavalgada da cidade. Durante os festejos farroupilha, 33


a Avenida abriga o desfile municipal alĂŠm de cavalgadas.

Figura 11. Acampamento farroupilha

Fonte: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/spm/default.php

34


Figura 14. Invernada artĂ­stica durante o acampamento

Figura 12. Cavalgada na Av. Edvaldo Paiva

Figura 13. Cenas do acampamento farroupilha

Figura 15. f5Ricardo Stricher/PMPA.jpg

35


36


Pressupostos e diretrizes gerais Atualmente, o Guaíba (lago que contorna a area de intervenção) encontra-se poluído e impróprio para banho. Em 2007 a prefeitura deu inicio ao projeto de despoluição e prevê seu término em 2027. Este projeto parte do pressuposto de que o lago esteja despoluído, portanto seu recorte temporal é a partir do ano de 2027. Além disso, o atual plano diretor pretende diminuir o tráfego de automóveis através da implantação de um plano cicloviário – que já tem uma das ciclovias implantadas na Av. Edvaldo Pereira Paiva, tangenciando a área de projeto – e da linha 2 do metrô passando pela avenida Borges de Medeiros (a 3 quadras a área de intervenção) e ligando a zona norte à sul da cidade. Levando isso em consideração, foram propostas diretrizes para uma reformulação viária das vias adjacentes à área buscando facilitar a chegada de pedestres vindos da região central. Para tanto, propõe-se a conclusão da rua Otávio Francisco Caruso Da Rocha e a divisão de fluxos da Av. Edvaldo Paiva Figura 16. Plano diretor cicloviário redirecionando um dos sentidos para a rua Otávio Francisco, Fonte: EPTC além da criação de calçadas na Av. Edvaldo Paiva junto ao Parque Harmonia. Dessa forma seria possível diminuir o tráfego pela Av. Edvaldo Paiva além de dar mais visualidade à chegada do Parque Harmonia. 37


3 4

7

8

IS CA

9

O ÍL I RC MA

3

AS DI

4

15

7

8

2 25

28

9

29

27

17

15

21

0 1

1

25

10

2

AS

25

17

14 15

3 21

22

5

1

27

1

0

10

2

8 29

24

16

6

14

32

35

33

15

22

14

34

37

9

12

27

5

15

OS A D RU

3

AD DR AN

30

3

3

2

23

8 29

24

14

15

30

31

16

6

32

35

34

36

25 26

33

34

33

13

24

37

9

10

12 23

27

36

4

19

11

26

28

13

20 18

23

17

16 16

10

4

20 18

23

33

27

28

26

30

31

34

25 26

24

17

16

10

16

4

19

11

S

13

7

DA

4

10

EI

RO

7

UR

AV. LO UREIR O DA SILVA

3 3

LO

3

3

3

3

3

3

3

AV .

3

5

5

2

2

3

3 3

3

3

3

3

3

3

3

3

3

2

3 3

2

3

3

3

3

3 3

3

4

3

3 4

3

2

1

2

1

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

3

2

3

2

4

2

4

2

2

2

3

2

4

2

2

3

3

2

3

3

4

3

2

3

2

3

2

4

2

3

2

2 3

3 2

2

3 5

2 3

Sentido das vias 3

2

3

5

AVEN 1

5

2

5

6 7

3

3

3

23 1

2

1

5

3

5

2

3

3

2

4

3

5

PARQUE MARINHA DO BRASIL

4

4

3

2

AVENID A PRA IA DE BELA S

5

3

23 1

3

3

3

Sentido das vias Trecho inconcluso da rua Otávio Francisco Caruso da Rocha

2

2

3

3

3

5

LA S DE BE

2

2

3

2

2

2

2

2

3

2 5

5

2

2

PEREIRA PA IVA

IA AV PRA

3

AV. BORG ES DE ME DEIROS

3

AV. EDVA LD O

2

3

5 4

5

Fonte: EPTC

38

4

3

5

Figura 17. Situação atual das vias

3

Figura 18. Proposta de reformulação das vias baseada no plano diretor.


Primeiras Linhas Guerra O Rio Grande do Sul é um estado que se consolidou sobre um sem fim de guerras, de modo que elas formam um ponto importante na constituição da identidade gaúcha. Desde as guerras jesuíticas até a última revolução civilista de 1923, a história do Rio Grande do Sul é um atestado ao “penacho“ de seus habitantes. Assim, a primeira linha que define esse projeto e o divide em duas partes surge da mesma guerra que é até hoje vista pelos gaúchos como definidora de sua identidade e que dividiu o estado por 10 anos.

Ruptura

Figura 19. Demarcação de ligação física com o Parque Harmonia e ligação visual com a margem oposta (estádio Beira Rio e museu Iberê Camargo)

A Revolução Farroupilha é o berço de boa parte do imaginário da figura gaúcha, inclusive do orgulho pelo nome. Ainda hoje, seu início é comemorado em todo estado com vários eventos durante o mês de setembro. Dessa

Vazio

39


Ação

ócio

forma, a primeira linha é pensada também como uma ligação física sob a Av. Edvaldo Pereira Paiva ao parque vizinho de forte cunho tradicionalista: Trata-se de um estreito corredor que alcança a margem do Guaíba se abrindo em uma pequena praia.

Ruptura

Turbulência

Calma

Vazio

Essa ruptura no terreno é circundada então por um grande plato ao nível da Av. Edvaldo Paiva e divide a àrea em 2 outras frentes: Terra e Cambará. Proteção

Terra

40

Exposição

[...]

Cambará

Neste projeto, a guerra é vista não como um lugar de heróis, mas como uma ruptura no tempo. Um vazio criado por uma cicatriz que não deve ser esquecido. Portanto, um lugar pensado a partir da guerra é um lugar instável e incerto. Um lugar que em primeira instância, não surge como um estar, mas como algo que por existir possa suscitar inquietação e questionamento. Lugar sem donos nem ganhadores, a guerra é proposta como uma ausência de modo que a primeira àrea criada a partir dela é inominada, tratada apenas como [...].


Vazios de Guerra Em O Continente Veríssimo conta a história do Rio Grande pautada pela guerra – inclusive ao escolher intercalar capítulos de diferentes temporalidades de modo que o leitor sempre volte à uma situação de sítio durante a revolução federalista.

Ruptura

Vazio

Buscando encontrar um ritmo, e por ter o processo criativo intrinscicamente ligado à obra de Veríssimo, este projeto também encontra-se pautado pela guerra. Com o mesmo tipo de tratamento de [...], os Vazios de Guerra são linhas que cortam a àrea de norte a sul criando espaços sem cobertura vegetal forrados apenas por pedras soltas.

41


Aterro e memória Em um âmbito mais local, existe uma história que pede para ser contada. Essa história não trata de grandes feitos gaudérios nem é comemorada em invernadas artísticas. A história dos aterros porto-alegrenses teve para a cidade um fim trágico em suas duas frentes: de um lado, a construção de um muro separando a cidade de seu berço. De outro, o total abandono de um projeto e o distanciamento da orla. Tentando resgatar essa memória, o projeto busca as ruas que outrora tocavam a costa. Essas ruas são transformadas em caminhos que ultrapassam barreiras e alargam fronteiras. Algumas fazem ligações com o Parque Harmonia, atravessando sobre a rua e formando passagens em nível para o pedestre. Outras, avançam sobre o lago criando pequenos piers.

42


Contato com lago  anterior ao aterro

43


O Tempo e o Vento A área escolhida, por ser margeada pelo Guaíba ao sul, é um local de forte incidência do vento Minuano. O qual é um vento estruturante, tanto da paisagem quanto da cultura gaudéria. Ele é conhecido pelo nome e não são raras as manifestações culturais em sua homenagem. Em O Tempo e o Vento existe uma frase que é proferida constantemente no decorrer dos 7 tomos. “Noite de vento, noite dos mortos” Ilustra duas constantes na história do Rio Grande: O Vento Minuano e A Guerra. Sendo assim, o projeto busca dar visibilidade ao vento especialmente nos espaços pensados a partir da guerra com o uso de equipamentos lúdicos que reagem com o passar do vento criando sons, movimentos e sensações táteis. Além disso, o uso de macegas em vários pontos do parque remete também à presença do vento. Já o tempo deve ser percebido ao longo do ano pelo aproveitamento da sazonalidade do Guaíba, à medida que o usuário ganha ou perde espaço de acordo com o quadro de cheias do lago que usualmente alcançam a cota de 2m. O uso de materialidades como o aço patinável e o pomar contido em Terra reforçam também a ideia de passagem do tempo.

44


Figura 20. croquis de elementos he贸licos

45


46


47


48


Terra Eu sou a terra, eu sou a vida. Do meu barro primeiro veio o homem. De mim veio a mulher e veio o amor. Veio a árvore, veio a fonte. Vem o fruto e vem a flor. Eu sou a fonte original de toda vida. Sou o chão que se prende à tua casa. Sou a telha da coberta de teu lar. A mina constante de teu poço. Sou a espiga generosa de teu gado e certeza tranqüila ao teu esforço. (...) E um dia bem distante a mim tu voltarás. E no canteiro materno de meu seio tranqüilo dormirás. O Cântico da Terra Cora Coralina

49


50


Ana Terra Bibiana Terra Maria Valéria Terra

São as matriarcas fortes e constantes que Veríssimo usa para mostrar a Força da mulher gaúcha. Enquanto os homens se matavam por terras, por honra ou apenas “porque sim”, na querência as mulheres lutavam uma batalha silenciosa e sem louros. É pela constância feminina que a família Terra Cambará permanece. Terra é abrigar, proteger, enraizar. Terra é calma e introspecção.

A partir disso, Terra é um espaço pensado com poucas atividades programadas pressupondo o ócio. Trata-se da porção mais arborizada do projeto buscando causar no usuário uma sensação de introspecção ao mesmo tempo em que cria relações escancaradas com os Vazios de Guerra.

51


52

Figura 21. Terra


N

Cimentício vermelho

Pedrisco solto

Intertravado terracota

Intertravado cinza claro

Intertravado caramelo

Macega

Espelho d’água

I

A

Figura 22. pisos

P

53

C

I

I


54


55


O tempo Em Terra, o tempo fica demarcado não apenas pela sazonalidade do Guaíba, mas também pela presença do pomar. A cada tempo, algumas frutas estarão disponíveis para os usuários que poderão inclusive acompanhar movimentos da natureza como a maior variedade de frutos durante o verão em detrimento do inverno. A presença de uma espécie de floração exuberante como o Ipê-da-praia (Tabebuia Pulcherrima) que floresce de setembro a outubro é outro fator de percepção da passagem do tempo.

56


O vento A presença do vento em Terra é mais fortemente percebida durante seus Vazios de Guerra. Cada um deles abriga um tipo de elemento vertical capaz de dar figura e voz ao vento. Dispostos no primeiro Vazio, encontram-se alguns elementos providos de uma espécie de sino de metal na extremidade. Tratam-se de sinos pesados e de som grave, feitos para badalarem somente com os ventos mais fortes. No outro Vazio estão dispostos alguns Zephyros, uma escultura cataventos em forma de helix composta de painéis reflexivos dispostos ao longo de um mastro desenvolvida pelo escritório americano Rebar. Trata-se de uma peça artística que não apenas captura e revela os padrões de vento, mas também reflete o parque e o céu.

Figura 23. Zephyros

57


Espécies Arboreas em Terra Além das espécies do pomar, Terra encontra-se arborizada por espécies naturais da região de orla do Guaíba selecionadas a partir do relatório de diagnóstico ambiental de Porto Alegre: Sebastiana commersoniana - Branquilho Myrsine umbellata - Capororocão Ficus organensis - Figueira de folha miúda Enterolobium cotortisiliquum - Timbaúva Salix humborldiana - Salgueiro Inga uruguensis - Ingá-banana Terminalia australis - Sarandi amarelo Vitex megapotamica - Tarumã preto Citharexylum myrianthum - Tarumã branco Cecropia catarinensis - Embaúba Ficus insipida - Figueira-purgante Mimosa bimcronata - Maricá Tabebuia pulcherrim - Ipê-da-praia Também estão presentes em Terra outras 3 espécies naturais do Rio Grande do Sul: Butia capitata - Butiá (única palmacea utilizada em Terra, 7 exemplares) Gochnatia polymorpha - Cambará (2 exemplares sobre espelho d’água) Ilex paragnariensis - Erva-Mate (1 exemplar sobre espelho d’água)

58


Mobiliário A Iluminação em Terra é feita essencialmente por postes cilindricos e retilineos em duas alturas: 4m em áreas densamente arborizadas e 6m nas demais. Além disso os bancos e mesas em concreto e pensados da mesma forma que os edfícios fornescem espaços para pequenas reuniões e piqueniques. O banco avulso contém também uma espécie de bicicletário, que pode inclusive ser utilizada como apoio.

59


Edifícios Terra “ – Nessa província os homens em geral resolvem suas questões a arma branca ou a arma de fogo. O duelo dura poucos minutos, um dos adversários fica estendido no chão… (…) - Mas nós mulheres não somos assim. Ficamos com a nossa guerra miudinha, dia a dia, hora a hora… “ (Veríssimo, O tempo e o vento , O continente Vol. 2, p. 251)

Como linhas que se desgrudam gradativamente do chão, os edifícios Terra procuram manter uma certa discrição ao mesmo tempo em que criam abrigos aconchegantes. Como o foco desse projeto é Arquitetura da paisagem, os edifícios são apresentados apenas como volumetrias.

60


Programa Edifício de Danças A prática de danças típicas é muito encorajada em todos os CTGs do estado, apesar disso, esses centros mantém visões muito conservadoras de tais práticas obrigando uso de piucha e proibindo o uso de piercings, tatuagens etc. A proposta de um edifício de danças em Terra pretende criar um espaço que abra o ensino e prática das danças tradicionais – não apenas as gaúchas, mas também as alemãs, polonesas e italianas – presentes no Rio Grande para o público mais generalizado, inclusive com a possível inserção de aulas rápidas destinadas à turistas interessados em conhecer mais sobre esse aspecto da cultura gaudéria. O edifício conta com uma pequena arena para apresentações livres cuja arquibancada permite ainda uma vista para o por do sol sobre o Guaíba.

61


4m

3m

62


63


64


65


4m

Pomar O pomar de Terra conta com 12 diferentes espécies de frutíferas, todas naturais do Rio Grande do Sul e raramente comercializadas, mas de frutos conhecidos e apreciados em diferentes regiões do estado. Seu edifício abriga sanitários e àrea de apoio ao pomar (para estoque de material de poda, fertilizantes, etc.

17,86m

i = 5,6%

4m 4m

i = 6,25% 16 m

i=6% 16,7m

4m

3m

3m

16 m

i = 6,25 %

2m

66


17,86m

4m i=6% 16,7m

i = 6,25% 16 m

3m 3m

i = 5,6%

4m

4m

16 m

i = 6,25 %

2m

67


Tabela de Fruticação das espécies do pomar Espécie (Nome popular) Acca sellowiana (goiaba-serrana) Annona rugulosa (ariticum) Campomanesia guaviroba (guabiroba) Campomanesia guazumifolia (sete-capotes) Eugenia involucrata (cerejeira) Eugenia pyriformis (uvaiva) Eugenia uniflora (pitanga) Myrcianthes pungens (guabiju) Myrciaria floribunda (jabuticabinha) Myrciaria tenella (cambuí) Myrciaria trunciflora (jabuticaba-preta) Plinia edulis (cambucá)

68

Altura J 3-4 m 7-14 m 4-12 m 6-10 m 5-8 m 6-15 m 6-12 m 5-10 m 6-14 m 3-6 m 6-14 m 5-20 m

F

M A M J

J

A S O N D


69


70


[…] [...] é um hiato projetual, uma praça praticamente seca com poucas árvores para possibilitar sua travessia em dias muito ensolarados. Apesar disso, não trata-se de um lugar completamente inóspito. Ao fim da tarde – momento de maior utilização da orla – e em dias de inverno sem muito vento esse passa a ser um dos pontos mais convidativos do projeto uma vez que encontra-se em nível com a avenida Edvaldo Paiva, criando um mirante de fácil acesso para o Guaíba e para a orla. Dividindo [...] em 2, encontra-se uma ligação subterrânea com o Parque Harmonia. Esse estreito corredor cercado pelos arrimos de [...] enquadra a margem oposta do lago (dando visibilidade ao edifício da fundação Iberê Camargo) e desemboca no Guaíba, possibilitando contato com a água. Somente quando esse caminho se abre para abraçar o lago é quea acontece a ligação física com o restante do projeto através de uma escadaria escultórica.

71


Intertravado caramelo

Areia

Pedrisco solto

72

N


O tempo Mais do que qualquer outro lugar do parque, [...] marca a sazonalidade do Guaíba ao criar um corredor que o liga diretamente ao parque Harmonia. Durante o Período de cheias, o que no verão é uma passagem de pessoas passa a ser uma passagem para a água.

Figura 24. [...] durante o verão

Figura 25. [...] durante o inverno

73


74


75


O vento Inominado, [...] é a maior tradução da guerra neste projeto e portanto como os Vazios espalhados pelo restante do parque, mantém um forte laço com o vento. Em [...] o vento se mostra pelos bastões de uma escultura heólica dividida em seus dois patamares. Baseada em uma instalação artística de Daniel Lyman na cidade Salt Lake (Utah), a escultura se divide em uma grade regular de 0,80mX0,80m e é constituida por finos bastões de 3m de altura feitos de um composto de nylon que lhes permite incrível flexibilidade e resistência.

Figura 27. Corte da escultura de Daniel Lyman

76

Figura 26. escultura sway’d, Daniel Lyman


Figura 28. Escultura he贸lica [...]

77


Espécies Arbóreas [...] é uma area muito pouco arborizada e possui uma única espécie vegetal. De acordo com o relatório de diagnóstico ambiental de Porto Alegre, a Erythrina cristagalli (Corticeira-do-banhado) é uma das espécies que compõe a flora natural do Guaíba em Porto Alegre e por ter floração frondosa, foi a árvore escolhida para ambientar este espaço. Seu período de floração vai de novembro à fevereiro.

78


Mobiliário Similar à de Terra, a iluminação em [...] é feita por postes cilíndricos. Entretanto, em [...] os postes sofrem uma inflexão em sua base fazendo com que fiquem levemente inclinados. Seus bancos e mesas também são objetos de iluminação.

Figura 29. TGI II-page83.pdf

79


5m

5m

6m

20m

4m

10m

20m 30m

80

Intertravado caramelo


81


80m 3m

i=6% 5,5m

3m

i=6% 5,5m

4m

i=6% 2,78m

4m

i=6% 8,34m i=6% 5,5m

i=6% 5,56m i=6% 2,78m

5m 5m

5m

82 5m

1,2m

i=6% 8,34m i=6% 5,56m


83


Figura 30. Corte ligação entre parque Harmonia e Guaíba

Figura 31. Ligação entre parque Harmonia e Guaíba no período de cheia

84


Elementos de iluminação vertical

85


86


Cambará Há um potro dentro de mim, pedindo cancha. Sinto-lhe o bater do coração inquieto como um tambor a rufar em véspera de peleia braba. No meu olhar o seu olhar de fogo se confunde na ânsia de devassar a vastidão de todos os caminhos que os seus cascos de bronze e asas não pisaram. (...) Há um potro dentro de mim, pedindo cancha... No laço de chegada, que fica sempre além, e ainda mais além, e sol não se põe nunca, para vestir de ouro os que tiveram pata para engolir todo o estirão da raia que é um desafio de léguas pela frente. Mas como custa arrebentar o laço do andarivel de partida desta cancha! Desafio, Apparicio Silva Rillo

87


88


Capitão Rodrigo Cambará Bolívar Cambará Licurgo Cambará Rodrigo Cambará

São as caricaturas gaudérias de Veríssimo. Homens de peito aberto, mulherengos e prontos para uma peleja por qualquer razão. Inquietos e turbulentos, os Cambará representam os heróis e o penacho gaúcho. Cambará é conquistar, não ter fronteiras. Cambará é euforia e ação

Cambará abriga maior parte do programa. Exposta como um pampa, faz com que o Vazio de Guerra se misture à paisagem tornando-o muito menos impactante. “A fronteira marchava com eles. Eles eram a fronteira. ” (Veríssimo, O tempo e o Vento, O continente v. 1, p. 92)

Cambará se aproxima do Guaíba tentando conquistá-lo, seja pela pista de ciclismo que atravessa as águas do lago, seja pela prainha que permite o banho dos usuários e outras atividades aquáticas.

89


90


Intertravado caramelo

Areia

Pedrisco solto

Cimentício vermelho

N

Intertravado terracota

Intertravado cinza claro

Macega

Espelho d’água

Pedras

Cimentício cinza claro

Cimentício cinza escuro

Cimentício permeável

Emborrachado caramelo

91


92


93


O Tempo Do ponto de vista da Sazonalidade do Guaíba, Cambará sofre mudanças mais profundas do que as vistas em Terra haja visto que a uma altura de 2m perde toda sua praia. Outro fator explicitante do tempo em Cambará é o uso do aço patinavél em todas suas edificações e eventos.

94


O Vento O Vazio de Guerra de Cambará encontra-se dotado de objetos vaporizadores que fazem notar o vento atravéz de sensações tacteis. Cambará também possui grandes extensões de macegas dispostas em sua maioria nas proximidades do mirante, um lugar feito para se sentar e apreciar ao por do sol do Guaíba.

95


Espécies Arboreas em Cambará Como em Terra, maior parte das espécies selecionadas para compor a flora em Cambará são naturais da orla. Sebastiana Commersoniana - Branquilho Myrsine Umbellata - Capororocão Ficus Organensis - Figueira de folha miúda Enterolobium Cotortisiliquum - Timbaúva Salix Humborldiana - Salgueiro Inga Uruguensis - Ingá-banana Terminalia Australis - Sarandi amarelo Vitex Megapotamica - Tarumã preto Citharexylum Myrianthum - Tarumã branco Cecropia Catarinensis - Embaúba Ficus Insipida - Figueira-purgante Mimosa bimcronata - Maricá Tabebuia pulcherrim - Ipê-da-praia Em contraposição aos Butiás de baixa estatura presentes em Terra, em Cambará estão dispostos pés de Jerivás (Syagrus romanzoffiana) que podem atingir até 13m de altura e também são naturalmente encontrados na orla. Em Cambará, a única espécie que embora natural do Rio Grande do Sul não ocorra no Guaíba, é a Diatenopteryx sorbifolia (Maria-preta) que com uma altura de 15 a 30m foi utilizada na linha de árvores que acompanha o principal caminho que leva ao mirante. 96


Edifícios Cambará “Rodrigo não se erguia. Não sabia que era que o prendia àquela cadeira. Uma teimosia, uma vontade de contrariar os outros, um medo de... Medo de quê? Escutou o vento. “Sua filhinha está muito mal...” Pois que esteja. Mulher não faz falta no mundo. Que morra! As mulheres são falsas. Helga Kunz é uma cadela. Que morra! Não sou curandeiro. Melhor é não ver nada. Não tem mais remédio. É questão de horas. Não me adianta nada ir. Não gosto de choro. Um dia a guerra vem. Tudo se resolve. A guerra e o tempo. Remédio para tudo.” (Veríssimo, O tempo e o Vento, O Continente, v. 1, p. 338)

Os edifícios Cambará se impõem sobre a paisagem. Com exceção do mirante, estão marcados pelo uso de uma pele em aço patinável e concreto. Como referência de pele, foi selecionada uma pele projetada pelo escritório Rare para seu projeto Town Hall Hotel em Londres.

Figura 32. Pele Rare

Figura 33. Pele Rare

97


Programa Edifício Gastronômico Conta com espaço para restaurante, lanchonete, sanitários e depósito.

15m

15 m

B A

1,5m

D i = 6,25% 8m

C 38m

A-Lanchonete

5m

2m

B-Sanitários/depósito C-Sanitários E

D-Acesso ao segundo piso por rampas e mezanino E-Aspersores

i=6% 16 m

98


Pele Rare em Aรงo Patinรกvel

Aspersores

99


100


101


Edifício Apoio Aquático Oficina e depósito para equipamentos aquáticos como pedalinhos e caiaques.

Pele Rare em Aço Patinável

Pele Rare em Aço Patinável

Rampa em Aço Patinável

102


103


104


Coxilhas Lúdicas 4,2m e Vestiários Cortadas por placas de aço patinável, as coxilhas são taludes no formato de troncos de pirâmide onde estão dispostos equipamentos infantis. 2,3m i = 8,75% 8m

i = 5% 14 m

2,3m

Os vestiários fornecem apoio tanto para praia e àrea de coxilhas. 4m

i=6% 16.5 m

1m

3m

i = 6.5 % 7m

2m

i = 6.5 % 8.9 m

105


4,2m

i = 8,75% 8m

i = 5% 14 m

2,3m

2,3m

4m

i=6% 16.5 m

1m

3m

i = 6.5 % 7m

2m

i = 6.5 % 8.9 m

106


Pele Rare em Aรงo Patinรกvel

107


108


109


110


111


112


Ciclovia e Academia ao ar livre Ligada à ciclovia existente que tangencia a área de projeto e com um raio de 100m, pista de caminhada e ciclismo abraça o Guaíba. Estruturalmente, ela se resolve em 3 vigas circulares em aço com 60cm que a cada 5m são reforçadas por vigas radiais de 30cm. Os pilares em concreto armado se dispõem de 20 em 20m e contam com uma seção de 30X30cm em cada braço. Na ocasião da chegada do pilar, as vigas radiais passam a ter 60cm além de serem reforçadas em 3 pontos. Fazendo o guarda corpo, uma chapa de aço patinável cobre a estrutura das vigas formando uma faixa. Sobre o Guaíba, a pista de ciclismo e caminhada tem largura igual a 10,70m sendo 5,5m destinados à ciclovia, 3,5 à pista de caminhada e no restante ficam dispostos bancos e iluminação. A academia ao ar livre encontra-se em nível com a Av. Edvaldo Paiva em um dos caminhos de entrada do parque. Adjacente a ela encontram-se os bolsões de estacionamento de cambará.

113


Iluminação

Bancos

0,6 m

2,15 m

Chapa de Aço Patinavél

Figura 34. Cortes Ciclovia

114


115


Mirante “Sentou-se à maquina, ficou por alguns segundos a olhar para o papel, como que hipnotizado e depois escreveu num jato: Era uma noite fria de lua cheia. As estrelas cintilavam sobre a cidade de Santa Fé, que de tão quieta e deserta parecia um cemitério abandonado” (Veríssimo, O tempo e o vento, O arquipélago v. 3, p. 458) Ao terminar seu romance utilizando-se da mesma frase com a qual o inicia, Veríssimo o torna uma obra cíclica. O narrador que até então era como que uma entidade à parte, passa a ser Floriano Cambará, um dos personagens da própria história. Com isso o leitor é convidado a rever a história com outros olhos, ao se perguntar até que ponto a história contada é obra de Floriano e até que ponto ela pode ser considerada verdadeira. No presente projeto, a ciclicidade se configura na presença do mirante que permite ao usuário revisitar, não apenas o parque, mas também Porto Alegre e o Guaíba a partir de outro ponto de vista. Um marco vertical na paisagem, o mirante com 30m de altura e desenho contemporâneo fecha o projeto ao abri-lo para novas interpretações.

116


i= 7.7 13 % m

i= 16 6.25 m %

i= 16 6.25 m

%

3m

2m

1m

117


118Figura 35. DSCF8828.png


119


Agradecimentos Pelo auxilio direto na formulação deste trabalho: Aos professores da CAP, especialmente à prof. Simone T. Helena Vizioli pelo acompanhamento durante o ano. Ao professor Givaldo Medeiros, que como primeiro coordenador do meu então grupo de trabalho jamais desencorajou a produção deste projeto. Ao professor Paulo Castral pela ajuda essencial durante o primeiro semestre. Ao professor Roberto Martins Gonçalves (EESC) pela assistência nos momentos finais desta produção. Especialmente à professora Luciana Bongiovanni M. Schenk, não apenas pela ajuda e paciência no desenvolvimento deste trabalho durante todo o ano, mas também por nos apresentar de forma apaixonante à disciplina de Arquitetura da Paisagem. À Yara, pela companhia. À minha irmã Ariadne, pelo auxilio durante a organização da bibliografia. Às grandes amigas da turma 09: Ju, Day e Ana que durante os minutos de desespero final, quando nada dava certo, me ajudaram a tirar leite de pedras dando força para continuar. Ao Adilson Rossi e a Lilian da FastPrint pela paciência.

120


Pela presença durante os anos desta graduação: Aos meus pais pelo apoio durante muitas das guinadas que dei à minha vida. Aos meus avós, pelo exemplo. Aos meus padrinhos pelos inúmeros livros de arquitetura e paisagem. À Mimi por criar um contra-ponto aos dias estressantes. À ladi pelo apoio e sabedoria. À tia Tera pela alegria Aos amigos que tive a oportunidade de conhecer na USP e fizeram dos meus dias melhores. Especialmente: Da turma 07: Fanta, Jamaica, Neide e as companheiras desde o primeiro dia: Marília, Vivi. Da turma 08: Bel, Yara e Nuno. Da turma 09: Ana, Day e Ju. Dos encontros inesperados: Sake e sua patota, em especial, Hirono e Sander.

Ao Gaúcho, não apenas por me apresentar à Veríssimo, mas por agüentar sempre firme todas minhas tempestades. Sem você eu não teria sequer começado. 42.

121


Bibliografia ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. 2008. O Tempo, o Vento, o Evento: história, espaços e deslocamentos nas narrativas de formação do território brasileiro. In: Flávio Hienz e Marliza Marques Harres (Org.). A história e seus territórios, 1ª ed. São Leopoldo: Oikos, p. 115-146.

AUGUSTO, M. 2007. Érico Veríssimo e os fundamentos da história gaúcha. Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, v. 1, p.1-15.

BENDER, A. E. __. A evolução da identidade do homem sul-rio-grandense na trilogia O Tempo e o Vento.

BORGES, G. R. 2009. Análise da Figuração Feminina em O Tempo e o Vento, de Érico Veríssimo. Eletras (UTP), v. 18, p. 238-249.

CÔRTES, P. & LESSA, B. Manual de danças gaúchas. São Paulo: Irmãos Vitale. 8ª ed, 168 pp.   GRET, M.; SINTOMER, Y. 2002. Porto Alegre: a esperança de uma outra democracia. São Paulo: Edições Loyola. p. 22

122


HAASE-FILHO, P. 2000. Lendas Gaúchas. Porto Alegre: Zero Hora. v. 1-4.

HASENACK, H. ; Cordeiro, J. L. P. ; BOLDRINI, Ilsi Iob ; Trevisan, R. ; BRACK, P. ; WEBER, E. J. 2008. Diagnóstico Ambiental de Porto Alegre. 1ª ed. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Meio Ambiente, p. 61-64.

IBGE, Coordenação de Geografia. 2006. Volume 1: Brasil Meridional. In: Atlas das representações literárias de regiões brasileiras, IBGE, Coordenação de Geografia. Brasília, IBGE. 80 pp.

JACOB, C. R. 2006. Religião e sociedade em capitais brasileiras. São Paulo: Edições Loyola. p. 196.

KANEKAR, A. 2001. Metaphor in morphic language. Proceedings of the 3rd International Space Syntax Symposium, p. 22.1-22.16.

MACHADO, A.S. 2004. A borda do rio em Porto Alegre: arquiteturas imaginárias, suporte para a construção de um passado. Arqtexto, n. 5, p. 66-80.

MACHADO, A.S. 2006. Margens, o lugar do novo em Porto Alegre. Arqtexto, n. 8, p. 28-41.

123


PESAVENTO, S. J. 1994. História do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Mercado Aberto, 7ª ed.

POTTEIGER, M. & PURINTON, J. 1998. Landscape narratives: design practices for telling stories. Nova Iorque,J. Wiley. 340 pp.

RODRIGUES, M. C. M. 2006. O Tempo e o Vento: literatura, história e desmistificação. 

SILVA, A .F. & SANTOS, P. B. __. O mito do gaúcho e seu redimensionamento em Trezentas onças de Simões Lopes Neto.

SANTOS, P. B. 2010. Ficção, guerra e identidade. Letras (UFSM), v. 2, p. 205218.

SOUZA, C. F.; ALVES, A. 2002. Porto Alegre 100 anos de Aterros - uma estratégia de desenvolvimento morfológico. In: VII Seminário da História da Cidade e do Urbanismo, 2002, Salvador. VII Seminário da História da Cidade e do Urbanismo. Disponível em <http://www.anpur.org.br/revista/rbeur/index.php/shcu/article/ view/921>. Acesso em 20 de outubro de 2012.

124


URBIM, C. 2001. Os Farrapos. Porto Alegre: Zero Hora. 192 pp.

VERÍSSIMO, E. 2004. O tempo e o vento. São Paulo: Companhia das Letras. v. 1-7. VERISSIMO, Erico. Solo de clarineta. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. 2v. v. 1.

WAGNER, C. R. 2012. O mito do gaúcho e sua desconstrução em O Continente: uma análise do personagem Capitão Rodrigo Cambará. Desenredos, ano IV, n. 13.

125

Entre o Tempo e o Vento  
Entre o Tempo e o Vento  

TGI 2012/2

Advertisement