Page 1


DISPONIBILIZAÇÃO: STELLA MARQUES TRADUÇÃO: ANDREIA REVISÃO: LAURA REVISÃO FINAL: LY LEITURA FINAL: NICK FORMATAÇÃO: DADÁ


04

01

02

03

05


Quatro anos foi o suficiente. Eu disse a mim mesma que não precisava de amigos. Que não precisava de família. Que fodidamente não precisava dele. E sabe de uma coisa? Eu tinha razão. Porque ele continuava dentro de mim, correndo em minhas veias. Então eu cortei e sangrei Dash Chamber até ficar livre. Mas, no dia em que retornei ao Six Forks e fui jogada a seus pés, percebi que nunca poderia realmente esquecer como é sentir cada polegada dele dentro de mim.

Angel pensou que se corresse o suficiente conseguiria ficar livre. Mas, o que é meu sempre será meu. Mas, desta vez, eu vou fazer as coisas do meu jeito.


Para todos aqueles que tiveram uma chance no amor, nĂŁo, o amor, e encontrou a coragem de tentar novamente.


"Caras têm um nível de insegurança e vulnerabilidade que é exponencialmente maior do que você pensa. Com o impulso primitivo de ser alfa vem o extremo desgosto. Quanto mais nós lutamos, mais difícil nós caímos." John Krasinski


Eu usava os ternos como um jogo de poder. Fosse para o sexo ou para o dinheiro, o terno dizia isso muito bem sem que eu precisasse fazê-lo. Eles eram sempre sob medida e desenhados pelas mãos mais caras da indústria da moda, e embora isso não significasse nada para mim, para o mundo era tudo. Era dinheiro. Era poder. Era uma oportunidade. Com a minha caminhada pela ampla entrada do arranha céu da Chambers M&A Holdings cabeças viraram como sempre faziam. Minha presença demanda atenção. Uma vez isso foi do meu pai e agora era meu. Meu pai, aos cinquenta e cinco anos, decidiu se aposentar cedo, acreditando que eu era mais do que capaz de assumir inteiramente. Eu deveria ser. Ele estava me preparando desde que eu tinha doze anos. Entrei na minha sala, localizada no andar mais alto, com o mesmo ar de confiança. Este andar era reservado apenas para meu escritório e eu era acompanhado por minha assistente. Por causa das minhas longas horas de trabalho, eu tinha construído uma suíte ali, era como uma segunda casa. "Bom dia, Sr. Chambers." Ela me entregou uma xícara de café no meu caminho pela sua mesa, e, em troca, eu ofereci uma saudação curta.


"Celesha." Eu fechei a porta, o que lhe dava instruções restritas para não me incomodar pela próxima hora, enquanto eu comecei o meu dia pondo em dia a abundância de e-mails que provavelmente se acumularam durante as poucas horas de sono oferecidas para mim todas as noites. Celesha era a segunda assistente que eu tinha contratado após retornar para os Estados Unidos há duas semanas e dispensar a primeira, que eu havia contratado enquanto estava na Alemanha, e tinha se provado severamente incompetente em me ajudar com qualquer coisa que não fosse sexo. Para minhas necessidades pessoais, eu mergulhava nela, mas quando sua boceta se tornou chata, junto com sua necessidade constante de mais, eu lhe mostrei a porta da rua. Desta vez, tive a certeza de contratar alguém que fosse casada, então eu não vou por esse caminho novamente. Eu estava começando a pensar que o ponto dessa merda era que isso nunca me deixava satisfeito ou querendo algo mais além do que meus impulsos básicos. Eu experimentei o que era ser viciado, e foi estranho o suficiente, eu tinha me tornado viciado num único vício. Havia apenas uma pessoa que poderia alimentar o meu vício. Uma menina pela qual eu ansiava mais do que o sucesso ou respirar. Ainda me lembro do som de seus gemidos cortados e a forma como a sua boceta se rendia ao meu pau a cada vez que ficávamos. Seu corpo curvilíneo não tinha sido feito para um homem qualquer. Ela tinha sido feita para mim. Eu fui o seu primeiro e depois de todos esses anos, eu me perguntava se eu ainda era o seu único. Eu podia sentir-me caindo em um poço escuro de raiva. Eu abri com raiva o primeiro e-mail e neguei um pedido para uma reunião de negócios sem ler o e-mail completamente. Não importava. Eu reconheci a empresa como uma que eu já tinha negado antes. O proprietário era alguém mais velho e tinha estado no negócio por mais de vinte anos. Seu comportamento arrogante e olhos astutos foram os motivos de eu ter negado seus muitos pedidos para uma fusão. Ele pensou que estaria me fazendo um favor ao


ganhar uma participação do controle da empresa que meu pai tinha sacrificado a sua família e sua moral para construir. Duas horas mais tarde, eu estava tentando em vão aliviar os músculos tensos nas costas e ombros, quando a porta do escritório se abriu e a cabeça de Celesha espiou dentro. "Eu tenho algumas correspondências para você." Ela entrou, segurando um envelope azul royal. Sua forma e tamanho não eram tradicionais para um pedaço regular de correspondência, para não mencionar a cor. "É de sua irmã," ela ofereceu desnecessariamente. "Obrigado." Eu arranquei o envelope decorado da mão dela e o coloquei para baixo, mostrando pouco interesse no conteúdo quando, na verdade, um tique nervoso começou em meus dedos. "Antes de ir, eu preciso que você envie por fax esses documentos e, em seguida, ligue para fazer reservas as oito horas, no Amifika." "Oooh, fantástico. Encontro esta noite?" "Algo assim." Eu atirei nela um olhar aguçado e depois a observei se apressar e se afastar em seus pequenos saltos cinza. Eu não quero ser um completo idiota, mas eu ainda estava um pouco quente olhando-a sair. Seu status de casada assegurou que eu me manteria longe de dobra-la sobre minha mesa, mas isso não quer dizer que ela tinha tais reservas. O meu jantar esta noite era para garantir a aprovação final do meu pai e, esperançosamente, tirá-lo de cima de mim de uma vez por todas. Este acordo de negócio seria aquele que iria afetar o resto da minha vida, e não era inteiramente voluntário. Eu mal podia esperar.

*** "Sr. Chambers. É sempre um prazer vê-lo. Sua mesa para dois está pronta e sua convidada já está sentada." Sem pensar, eu segui o maitre


através do restaurante para a mesa isolada onde ela estava sentada lendo o cardápio de vinhos, sem dúvida, procurando a garrafa mais cara. Eu não tenho um problema em gastar dinheiro. Eu tenho um problema com as pessoas que não respeitam isso. Nem tudo vale a pena e o tempo vem com um preço elevado. Na verdade, era o contrário. No entanto, a cara morena à minha espera jamais entenderia isso. Ela viveu sua vida como uma socialite, vivendo com o dinheiro do papai, até o dia em que ela se tornaria o fardo de algum outro idiota. Eu estava prestes a me tornar esse idiota. "Dash!" Ela cumprimentou um pouco exuberante demais. Ela curvou seu dedo como se ela realmente tivesse o poder de me atrair. Eu descaradamente me abaixei à minha cadeira, deixando-a chocada e parecendo mais do que um pouco abandonada. "Como você está, Rosalyn?" Eu não me importo de qualquer maneira. Meu tom tornou isso óbvio, mas é claro, ela optou por ignorá-lo pelas aparências. "Eu estou bem agora que você está aqui. Eu sabia que você viria voltar a seus sentidos.” "Não me pressione. Desde que você sabe porque estamos aqui, então nós podemos ignorar as formalidades, sim? " Algo me diz que não importa muito para ela também. "Eu não tenho certeza sobre por qual tipo de garota você me toma", ela fez beicinho, "mas eu sou uma garota, e eu tenho medo que isso possa significar que eu sou um pouco romântica, também." Ela bateu os cílios, e lutei contra a vontade de revirar meus olhos. "Pelo amor de Deus, não fode, eu não vou descer em um joelho para fazer um pedido. Você e eu sabemos que você vai aceitar independentemente disso, porque você tem tão pouca escolha quanto eu." "Isso não é verdade. Eu quero isso, Dash, e eu sei que você me quer." Seus olhos brilhavam com confiança, e a única coisa que faltou em sua declaração veio a seguir. "Como poderia não querer?"


"Você age tão segura de si, mas na realidade, você tem que ser muito insegura, não só para passar por isso, mas para estar feliz com isso." "Como assim?" Eu não perco a ironia em seu tom. "Você está se contentando com um casamento que foi arranjado. Uma parte de você deve ter medo de que você não encontraria alguém para casar com você de outra forma. É apenas outra maneira de você poder usar o dinheiro do papai." Nosso garçom escolheu esse momento para levar nossos pedidos, e assim como eu pensava inicialmente, Rosalyn pediu a garrafa de vinho mais cara. Eu sabia que ela não estava familiarizada com ele, dada à forma idiota que ela pronunciou o nome. Rosalyn conseguiu manter-se em silêncio enquanto esperávamos pela nossa comida e eu atendia a algumas chamadas, uma de meu pai e outra de Keiran, que ligou para me informar que ele conseguiu voltar para casa do Havaí, mas apenas estaria em casa por um tempo curto desde que as aulas de Lake começam na próxima semana. Keiran tinha sido meu melhor amigo desde que eu me lembrava. Eu mal me lembro da vida sem ele, embora ele não tenha vindo para Six Forks até os oito anos. Ele era o garoto assustador e distante que usava a raiva como se fosse normal. Ninguém queria lidar com ele porque ele era muito frio e achava que a violência era a resposta para tudo. Ainda me lembro do dia que eu o conheci como se tivesse acontecido ontem...

***

QUATORZE ANOS ATRÁS Saí do banheiro pensando sobre as cem marcas que recebi no meu teste de matemática e pensando sobre o quão orgulhoso meu pai ia ficar quando eu mostrasse a ele. Ele nunca aceitou qualquer coisa abaixo de um A, e se


minha irmã gêmea ou eu trouxéssemos uma nota menor para casa, passávamos a hora do recreio com um tutor que ele contratava até que nossas notas estivessem a seu gosto. Minha irmã trouxe para casa um B+ uma vez e passou o resto do semestre letivo com a Sra Grandall depois da escola e nos fins de semana. No caminho de volta para a aula, entrei no corredor onde minha sala de aula estava localizada a tempo de ver dois outros rapazes em pé no corredor. Eu fiz uma careta, me perguntando por que eles não estavam em sua classe, e em seguida fiquei congelado quando o menino de costas para mim socou o outro no ombro, derrubando-o. "Levante-se e lute comigo." A voz irritada do menino com o cabelo escuro encheu o corredor e calafrios passaram pelas minhas costas. "Mas, eu não quero lutar com você. Eu não fiz nada", o menino loiro gritou. No próximo segundo, o valentão se moveu tão rapidamente, e antes mesmo que eu notasse seu pé estava em sua garganta pressionando-o duramente. "Ei!" O grito saiu da minha boca antes que eu pudesse pensar melhor, e por um segundo, eu esperava que ele não fosse me ouvir, mas ele parou e se virou. Ele avaliou-me muito bem, sem nunca se preocupar em remover seu pé. O menino estava em silêncio agora e tinha ficado pálido. "Vá embora." "Se eu for embora, eu vou dizer a um professor, e então você estará em um monte de problemas, então é melhor você parar." O aviso não pareceu fazer efeito, mas ele removeu o pé apenas para perseguir a mim. Eu queria recuar, mas de alguma forma, eu sabia que se eu mostrasse medo, eu seria apenas como o garoto no chão que ainda não se atreveu em se mexer. "Oh sim?" "S...sim," eu gaguejei. "Como eu sei que não vai contar, afinal?" "Eu não vou." "Por quê?"


"Porque eu não quero que você fique em apuros." Agora que ele estava de frente para mim, eu percebi que o tinha visto ao redor e o reconheci como Keiran Masters. O que todos temiam. Ele não tinha amigos e a única pessoa com que ele falava era Keenan Masters, seu primo e, mesmo assim, ele mal falava. Keenan era exatamente o oposto do Keiran. Ele era o palhaço da turma e sempre era visto fazendo às pessoas rirem, embora eu tenha a sensação de que ele era um pouco triste. "Por que você se importa?" Dei de ombros e encontrei o seu olhar com o meu. Quando me recusei a olhar para longe, ele balançou a cabeça e caminhou de volta para o menino que, felizmente, agora se sentou com sua mão em sua garganta. "Fique longe dela," foi a única coisa que Keiran disse antes de desaparecer pelo corredor. Eu ajudei o menino a ficar em seus pés e vi como ele lutou para recuperar o fôlego. "Obrigado", ele ofegava. "Isso foi muito legal. Como você fez isso?" "Como fiz o que?" "Fazê-lo ir embora." "Eu não sei." Era a verdade, pelo menos para mim. Eu não sabia por que o menino mais temido na nossa escola me ouviu, mas em breve, eu aprenderia rápido que eu seria a única pessoa que ele iria ouvir. "Por que ele queria machucá-lo?" "E...eu não sei. Eu estava apenas caminhando para o banheiro e ele veio do nada. Eu acho que ele estava esperando por mim. Você acha que ele vai me bater de novo?" "Isso depende... quem é ela?" "Ela?" "A garota que ele lhe disse para você ficar longe." "Eu não sei. Eu converso com muitas garotas. Quero dizer... não é assim, porque as meninas são nojentas, mas...” "Entendi. Eu te vejo por aí."


Sem olhar para trás, eu fui embora pensando em Keiran Masters e quem era esta menina que o deixou tão... violento. Minha nota perfeita tinha sido empurrada para o fundo da minha mente. Por todo o dia, eu tentei encontrar a resposta, e no final do dia, eu consegui. Keiran ficou na frente de uma menina que parecia que iria se acabar ao menor vento. Ela tinha cabelo loiro e lágrimas escorrendo pelo seu rosto enquanto Keiran dizia algo a ela. Eu ignorei minha mãe e irmã esperando por mim e corri para a árvore, com medo que ele pudesse fazer o mesmo com ela como ele tinha feito para o rapaz. Quando eu estava perto o suficiente, eu o vi puxar o que parecia ser um cookie do bolso e esmagá-lo sobre sua cabeça, polvilhando as migalhas até que seus cabelos loiros estavam cobertos com eles. Alguns escorreram para o rosto, se misturando com suas lágrimas. "Da próxima vez, mantenha os cookies para si mesma," ele zombou antes de se afastar. Ela fugiu imediatamente com as mãos cobrindo os olhos e não prestando atenção para onde estava indo. O que foi aquilo?

***

PRESENTE "Terra para Dash." Eu bati de volta de minhas memórias de infância e percebi que Rosalyn estava tentando chamar minha atenção. Por sua expressão irritada, eu poderia dizer que ela já tinha tentado por um tempo. Aqui estava eu, jantando com a mulher com a qual eu iria passar o resto da minha vida, mas eu estava sentado sonhando com o meu melhor amigo. Eu ri baixinho ao invés de deixar a dura realidade do meu futuro tomar posse de mim. "Você mal tocou sua comida. Algo está errado?"


"Eu não tenho apetite. Propor casamento a alguém com quem você não quer se casar faz isso com você." "Oh, Dasher." Porra. Eu odiava quando ela usava o meu nome completo. É suposto uma intimidade que eu não queria compartilhar com ela. Somente duas pessoas me chamavam de Dasher. Minha mãe usava o meu nome completo quando ela estava chateada comigo, e Willow... ela o usava sempre que meu pau estava o mais profundo possível dentro dela. "Eu tenho algum trabalho a fazer. Se você estiver livre para o almoço amanhã, podemos escolher o seu anel." "Está tudo bem. Eu já pedi ao papai para comprar o anel que eu queria." Quando ela ergueu a mão esquerda, eu finalmente percebi o grande anel de corte princesa com diamante no topo descansando em seu dedo anelar. Eu a olhei como se houvesse crescido duas cabeças nela, e outra vez me perguntei por que eu concordei com isso e a que custo? Depois de toda a oposição e desafio da minha parte, o meu pai tinha conseguido moldar-me exatamente no que ele queria que eu fosse. "Como quiser." Eu sinalizei para verificar e me ocupei com a minha carteira. "Você sabe", ela sussurrou como se estivesse dizendo algum segredo importante. Os seios dela estavam em exposição na camisa com colarinho decotado e praticamente descansaram sobre a mesa quando ela se inclinou para frente. "Eu ainda sei como fazer aquela coisa que você gosta com a minha língua. Se você realmente quiser... podemos consumar nossa proposta e nosso futuro juntos em seu carro." Inclinei-me sobre a mesa até que meu nariz estava praticamente tocando o dela e disse: "Eu realmente ‘não quero’. E nem sequer quero um ‘pouco’ disso. Eu não esqueci o que você fez há quatro anos. Você me custou tudo, então eu não acho que por um segundo eu tocaria em você... nunca."


"Oh Deus. Você não está falando sobre aquela menina tola, gorda e com o cabelo vermelho, você está? Quero dizer, vamos lá. Ela era praticamente lixo de reboque." Minha mão estava em seu pescoço antes da palavra lixo deixar totalmente seus lábios, fazendo-a gritar a palavra. Eu não queria nada mais do que espremer até que os seus pequenos olhos redondos saíssem de sua cabeça cheia de ar. "Eu prefiro foder uma garota gorda pequena e parva com cabelo vermelho em um trailer cheio de lixo do que tocar em você. Você me dá nojo, Rosalyn. Você ouviu. Este será um casamento unicamente no nome. Seja qual for à ideia que você tem nessa sua cabeça superficial, eu sugiro que você esqueça, porque isso não vai acontecer. Foda-se o que você deseja, porque você não estará me fodendo." Eu a soltei e assisti ela tocar seu pescoço e sutilmente olhar ao redor para ver se alguém notou sua lição de humildade. Quando ela estava convencida de que ninguém se importava, ela jogou o cabelo e se levantou da mesa. "Vamos ver o que nossos pais têm a dizer sobre isso." "Eles podem controlar com quem eu me caso, mas eles não podem controlar em quem eu enfio meu pau." "Pense novamente, Dasher. De que outra forma é que vamos dar-lhes um herdeiro?"

*** Além de tudo o que eu tinha desistido, eu nunca percebi o que eu também teria que dar. Rosalyn estava certa. Meu pai iria querer um herdeiro, e ele iria querer isso em breve, mas o pensamento de tocar essa cadela fez minha pele arrepiar.


Eu deixei o restaurante, duas vezes mais irritado e fugi para o meu apartamento vazio. Ele cumprimentou-me com o silêncio como sempre fazia enquanto eu retirei meu paletó e gravata no caminho para o meu quarto. Eu tinha voltado de Nevada depois de me formar, mas depois optei por deixar Six Forks para trás, e tinha me mudado para uma cidade a trinta minutos. Meu trajeto para o escritório ainda levava trinta minutos, o que explicava por que meu pai ficou longe tantas vezes. Quando eu coloquei meu casaco no pé da cama, o canto azul royal do envelope espiou do bolso, lembrando-me da carta que Sheldon tinha enviado. Eu sabia o que seria sem abrir o convite. Minha irmã iria se casar... com um dos meus melhores amigos. Um melhor amigo com quem eu tinha crescido e pelo qual eu tinha sentimentos mistos ao longo dos últimos quatro anos. Meu dedo escorregou lentamente através da pequena abertura e rasgou a aba. JUNTOS Keenan Masters e Sheldon Chambers Solicitam o prazer da sua companhia para a cerimônia do seu casamento. Sábado, vinte e quatro de novembro às Cinco horas da tarde.


Mansão Chambers Travessa Cambridge 476 Eu li as palavras mais e mais, e cada vez, eu debati sobre a minha resposta embora não houvesse realmente uma. Meu telefone tocou no meu bolso e, sem olhar, eu o recuperei e respondi no segundo toque. "Sim?" "Tio?" "Ken?" Meu ritmo cardíaco acelerou enquanto eu segurava minha respiração e esperei por problemas virem através da linha. Não demorou muito mais para que me preocupasse. "Oi, tio!" Eu respirei um pouco mais fácil quando sua voz soou com a sua habitual jovialidade de criança. Eu verifiquei a minha tela do telefone para ver o nome de Keenan. Eu não estava surpreso que ela foi capaz de me chamar. Após o sequestro, eles começaram a ensiná-la a ligar sempre para um de nós apesar da sua tenra idade. A discagem rápida tornou-se bastante útil quando ficou claro que ela não poderia manter todos os nossos números ainda. "Ken, o que você está fazendo com o telefone do seu pai?" "Ele me deixou jogar com ele para que ele pudesse brincar com a mamãe." "Filho da..." Sua inocência era verdadeiramente surpreendente às vezes. "Por que não está na cama?" "Eu não sei. Não estou com sono. O que você está fazendo?" "Indo para a cama como você devia estar indo." "Você está com sono? Eu não", ela ostentou. "Estou com muito sono. Será que o seu pai a deixou comer doces novamente antes de dormir?"


"Uh huh. Não diga a mamãe ou ela vai ficar muito louca e fazer o papai chorar." "Anjo..." Meus olhos involuntariamente se fecharam com a lembrança da única outra menina que eu chamei de Anjo. "Ken... seu pai é um farsante." "Meu pai não é um elefante." "Eu não disse ..." "Eu vou falar com o tio Keke agora. Tchau, tio." E assim, a linha ficou muda. Eu balancei a cabeça e terminei de me despir antes de entrar no banheiro da minha suíte máster. Um chuveiro quente foi necessário para relaxar a tensão permanente que eu parecia carregar esses dias. Amanhã eu tenho uma reunião importante com uma empresa de petróleo que meu pai vinha tentando comprar por anos. Se eu conseguir, talvez eu possa convencê-lo de que uma aliança com os Cordells não seja necessária. Eu sabia que não era inteiramente sobre o dinheiro porque nós temos muito, o suficiente para durar para a próxima geração. Meu casamento com Rosalyn era uma garantia de eu não falhar. No caso de eu foder tudo, teríamos o seu apoio. Meu pai não acreditava em mim o suficiente para me deixar tomar minhas próprias decisões para o que seria melhor para a empresa ou nossa família. Eu estava no topo agora, mas eu me sentia mais como um peão. Se eu firmasse esse negócio, eu poderia provar o contrário. Sabendo que Rosalyn, iria querer um compromisso de noivado longo, com tempo suficiente para gerar interesse de todo o mundo e, possivelmente, enfeitar algumas revistas. Eu tenho tempo. Eu apenas tenho que fazer isso funcionar a meu favor. Eu sequei a água quente do meu corpo e corro os dedos pelo meu cabelo loiro escuro. Ao longo dos anos, eu tinha sido alguém com quem cada garota queria estar, embora Rosalyn tenha sido a única garota com a qual eu já namorei, mesmo que tenha sido arranjado. Não demorou muito para que ela


começasse a espalhar a conversa de que estávamos envolvidos. Eu nunca me importei realmente com o que alguém pensasse então eu ignorei a mentira e a deixei espalhar até o verão em que uma garota pouco ortodoxa mudou tudo. Ela tinha sido um peão em um jogo que eu nunca deveria ter feito parte, e, no final, eu fui o único que caiu duro. Eu nunca esperei querê-la da maneira que eu quis, e eu nunca esperei que ela corresse de mim por causa do meu dinheiro e me afastasse em cada acesso como ela fez. A pior parte foi que ela escolheu me negar tudo depois que nós passamos o verão fodendo até os miolos. Aquela cadela tinha feito algo para mim que era irreversível e completamente viciante, e uma vez que ela terminou, ela me jogou para trás, assim como eu tinha feito com tantas outras meninas. Enfiei meu corpo nu dentro dos lençóis caros e caí adormecido e sonhando com sardas e cabelos vermelhos selvagens.


CINCO ANOS ATRÁS

Eu não posso acreditar no que ela está me fazendo. De longe, observei a desastrada mal vestida e de face sardenta, olhando ao redor como se estivesse perdida. Eu não queria ser tão crítico, mas as roupas eram surradas e terrivelmente incompatíveis. Gostaria de saber se o bom senso tinha estado fora de seu quarto quando ela se vestiu esta manhã. Encosteime a um carvalho alto, assistindo ao show livremente atrás de minhas máscaras enquanto tentava não cobiçar suas curvas. Será que eu gosto mesmo de curvas? Nesta menina eu gostava, mas eu não sabia por quê. Havia apenas algo sobre elas... mesmo sob a roupa hedionda. Eu me dizia que não importava. Se eu tivesse que transar com ela, ela definitivamente não estaria vestindo qualquer roupa. Então eu poderia realmente ver se eu gostava delas. Eu respirei quando notei suas botas de combate pretas. Como, pelo amor de Deus, eu iria convencer essa garota que eu estava realmente interessado nela por tempo suficiente para foder a vida da sua amiga de novo? Especialmente, quando o campus estava cheio de potencial que se encaixa com meu gosto muito melhor do que a visão colorida diante de mim. Observando-a outra vez mais, gostaria de saber como eu nunca a percebi antes se frequentei sempre a mesma escola. Não havia nenhuma maneira de eu não notar. As cores eram brilhantes o suficiente para me cegar.


Ela olhou diretamente para mim, e seus grandes olhos verdes se arredondado com o reconhecimento. Então, ela me conhecia, hein? Ela rapidamente se virou, dispensando-me enquanto me dava uma visão completa de sua bunda exuberante. Minha língua varreu meus lábios involuntariamente e, de repente, eu senti muita fome. Ela pode não ser o meu tipo, mas não havia nenhuma maneira do caralho de eu não tê-la notado antes. Eu empurrei-me para longe da árvore e saí atrás dela, determinado a descobrir se meus olhos estavam me traindo ou se meu pau realmente queria um gosto dela. "Ei," eu chamei quando eu estava perto o suficiente para ser ouvido. Ela continuou andando, mas eu poderia dizer que ela me ouviu quando seu ritmo acelerou. Rangi os dentes quando percebi que ela estava fugindo de mim como se eu fosse um louco atrás dela por um beco. Eu queria chamar de novo, mas eu lutava para lembrar o nome dela. Eu acho que o nome dela era como algum tipo de planta... Foda-se. Eu iria improvisar. Meus passos aumentaram, dobrando seus curtos passos, sem esforço, eu a peguei a tempo de agarrar o braço dela antes que ela pudesse desaparecer na multidão. "Garota." "Engraçado." Ela riu. "Por dezessete anos eu equivocadamente pensei que eu tinha um nome." Demorou um minuto para eu perceber que ela estava falando comigo porque eu havia me tornado completamente extasiado com as pequenas sardas que polvilhavam sua pele rosada. Eu contei cada uma no espaço de tempo que me levou para responder. "Hã?" Sussurrei. "Eu tenho um nome. Um que você aparentemente não sabe, então eu estou curiosa para saber por que você está falando comigo."


"Você é sempre uma cadela assim?" Eu nunca fui rude, especialmente com uma mulher, esta foi a primeira vez mas eu já estava quebrando minhas regras e nem sequer sei o nome dela. Eu tinha que admitir que era sexy ver o quanto seu temperamento combinava com seu cabelo ou o que quer que seja o ninho de rato que estava em cima de sua cabeça. "Tire a mão de mim, Dash." "Então, você me conhece?" Ela parecia travada antes de olhar-me. "Claro que eu conheço. Nós vamos para a mesma escola. Por que não o conheceria?" "Porque você foi embora sem responder." "Eu não vi você." "Você me viu... logo antes de você me dar uma bela visão do seu rabo." Eu não podia deixar de sorrir para ela enquanto eu observava seu rosto corar. "Nós estivemos na mesma escola desde a escola primária. Nós até tivemos algumas aulas juntos e você nunca se preocupou em falar comigo. Por que o interesse repentino?" "Você é um detetive ou algo assim? Eu não conheço ninguém aqui. Eu conheço você. Podemos ser agradáveis no verão até que isso acabe." Caminhe para seduzi-la, cara. "Oh sim, babaca?" Ela tirou o braço para longe de mim e cruzou-os, trazendo a minha atenção para o seu peito na parte superior verde do que parecia um espartilho apertado. Foda-me. "Qual é o meu nome?" "Certo. Estamos de volta a isso." Eu não tive a intenção de revirar os olhos, mas esta garota estava fazendo um grande negócio a partir do nada. Desde quando é que os nomes importam? "Não, nós não estamos, porque eu vou embora."


Ela virou-se de novo, e eu decidi deixá-la ir. Isto era mais problema do que valia a pena. Meu celular vibrou no meu jeans, então eu o pesquei sem tirar os olhos da sua forma quando ela desapareceu na distância. Uma mensagem de texto. Qual é a situação? Keiran. Ele era a razão pela qual eu estava até agora falando com esta garota em primeiro lugar. Quando ele me contou sobre seu plano para se vingar de Lake usando sua melhor amiga, eu recusei. Admito que o que a garota tinha feito era além de fodido, mas usar alguém inocente estava fora de questão. Além disso, Keiran a tinha insultado e feito muito pior para ela durante anos. Já era tempo de crescer nela uma espinha dorsal, embora nunca ninguém esperasse que ela fosse tão longe. Durante anos, pensei em perguntar a sua razão para atormentá-la, mas ver o quão violento apenas a visão dela o fazia, sempre me deu um motivo para recuar. Se ele pensasse que eu iria defendê-la, ele não hesitaria em me matar. Eu realmente nunca o vi matar ninguém, mas a intenção estava lá, em seus olhos. Eu posso ter sido seu melhor amigo, mas mesmo assim, eu não estava disposto a enfrentar o escuro para ver o que se escondia dentro. Três anos atrás, ele me disse coisas sobre seu passado que me deu pesadelos, então eu sabia que algo o atormentava. Eu só não tenho ideia do que Lake Monroe tem a ver com isso. Eu vi a menina de cabelos cor de cobre quando ela parou para falar com um idiota em uma jaqueta de Letterman. Vi-o observá-la, ou, mais provavelmente, o corpo dela, enquanto ela andava. Eu podia sentir um sedutor a uma milha de distância. Ele provavelmente estava pedindo seu número agora, pensando que ele iria marcar alguma bunda fresca em breve. Nem fodendo. Desviei o olhar por tempo suficiente para escrever a minha resposta: Trabalhando nisso.


***

PRESENTE "Seu pai está aqui." Minha assistente estava cedo no escritório, como sempre, para me cumprimentar. O olhar complacente em seu rosto me disse que gostava de ver-me cansado. "Essas não são as palavras que eu preciso ouvir às oito da manhã." Eu olhei ao redor do espaço aberto, mas não tive nenhuma visão dele. "Ele está em meu escritório, não é?" "Ele simplesmente entrou." Tomei uma respiração profunda e considerei sair para passar mais algumas horas, ou dias, no escuro me perguntando onde diabos minha vida estava indo. Eu tinha acabado de sair da faculdade com pouca experiência se não os poucos meses que eu tinha passado sob a asa do meu pai na Alemanha e nos anos antes que ele tinha passado me preparando. Festejar durante a festa de primavera não era algo que um herdeiro Chambers tivesse tempo para fazer. Suas palavras, não minhas. Cale Chambers era um homem duro, que foi persuadido por nada mais do que status social, dinheiro e sucesso, mas pelo menos ele não era cruel. Assumir, e ocupar o seu lugar, não era algo que eu estava pronto para fazer, um fato que ele estava muito consciente, dada as suas visitas de improviso frequentes. Eu só tinha tomado seu lugar oficialmente durante um par de semanas atrás, e esta era a quarta visita do meu pai. Tornar-se o chefe de uma empresa multinacional levou anos de experiência, mas meu pai achou por bem me jogar diretamente no fogo.


A porta do meu escritório interno se abriu com um pouco de força a mais e ricocheteou na parede. Eu podia ouvir da minha assistente um suspiro de surpresa, mas eu não poderia me importar menos. "Eu não posso assumir completamente esta empresa se você está aqui quase todos os dias. Isso pode confundir os empregados." Eu não me incomodei com um ‘Olá’ ou a calorosa saudação que uma pessoa normalmente usaria para cumprimentar seu pai. O ressentimento que eu tinha por ele era muito gravado para maneiras triviais. Eu amava meu pai, mas eu o odiava ao mesmo tempo. "Eu só estou verificando você", disse ele, olhando através dos papéis sobre minha mesa. "Eu? Ou sua empresa?" Isso pareceu ganhar sua atenção. Ele bateu os papéis para baixo e olhou-me. Eu podia sentir a raiva que escoa para fora dele através da sala. "Não é apenas uma empresa, filho. É um império. Um que eu quero que você comece a apreciar. Acredite ou não, eu não o entreguei para você simplesmente. Você o mereceu." "Mas você não acha que eu estou pronto. Não é por isso que você está se intrometendo duas vezes por semana e monitora tudo o que faço? A propósito, eu estou despedindo a sua toupeira assim que eu encontrá-lo." "Você não precisa encontrá-lo. Owen James concordou em manter um olhar atento sobre você e intervir quando necessário." "James? Você tem o seu VP para me espionar?" "Não, eu tenho o meu VP para cuidar de você. Ele é um cara bom. Você poderia aprender muito com ele." "Como ser um tubarão sedento por sangue? Sim, eu entendo isso." "Não seja desrespeitoso." "Se você acha que ele é tão grande, por que não o tornou seu sucessor?"


Meu pai levantou-se da cadeira para estar diante de mim. "Porque ele não é meu filho. Eu construí isso para você e sua irmã. Eu só quero que você o aprecie mais." "Eu aprecio isso, pai. Eu só não quero ter isso forçado para baixo em minha garganta, e se você quiser deixar-me assumir, então me deixe assumir. Eu não preciso do seu cão de guarda farejando." "É apenas uma precaução." "Isso não seria necessário se você tivesse escutado quando eu disse que não estava pronto. Eu não tenho experiência suficiente." "Tolice. Alguns dos maiores impérios foram construídos na inexperiência, e você sabe por quê? Porque eles foram econômicos e eles estavam focados. Eles não perdem tempo com atividades triviais ou ficam andando no lado errado da lei." Eu tomo o lugar que ele tinha desocupado e recosto-me casualmente, embora eu não me sinta nada mais relaxado. "O que isso quer dizer?" "Sua amizade com Keiran Masters. Eu quero que você termine isso." "Não vai acontecer." "Droga, Dasher. Ele é um pesadelo de relações públicas à espera de acontecer, e eu não quero que você ou esse império seja pego na mira disso." "Não. Eu dei-lhe o suficiente. Eu não vou dar nada mais. Ele é meu melhor amigo e mais do que isso, ele precisa de mim." "Ele é um homem adulto e ele é um problema. Quanto tempo antes que ele se vire contra você? Um movimento errado ou palavra, e você acha que ele não hesitará em te machucar ou pior, matá-lo?" "Isso não iria acontecer." Quando a persuasão não funcionou, ele tentou impor sua autoridade. "Eu não vou tolerar a sua desobediência." Eu ri da expressão séria que ele usava, sabendo que ele estava completamente sério sobre sua demanda. "Eu não tenho mais quinze anos.


Agora, se você me der licença, tenho um império para ser administrado, lembra?" Alisei meu paletó e fiz meu caminho até a porta para mostra-la a ele. Quando ele continuou a olhar, eu fiz um gesto para ele sair. Ele é meu pai, mas nestes dias, ele era muito mais do que eu poderia lidar. "Pai, eu tenho uma reunião com a gerência executiva em quinze minutos." "Eu não vou sair até você ver a razão." "Não há nada para eu ver. Não é negociável." Ele olhou para mim em silêncio, mas a tensão em sua mandíbula me disse que ele estava calculando. "E se eu dissesse a você, que se você desistisse de sua amizade com Keiran, você estaria livre para se casar com quem você quiser?" Minha mão escorregou da porta e minha total atenção voltou-se para ele. "Você pode dizer isso novamente." "Keiran ou Rosalyn. É a sua escolha."


Um Casamento Três Meses Depois

Havia apenas duas ocasiões em que eu usei um terno por motivos pessoais. Hoje era um desses dias. Vestido em um terno preto, camisa branca e gravata azul royal para combinar com o tema do casamento da minha irmã, eu fiz o meu caminho através da mansão que tinha sido minha casa um dia e onde ela decidiu ter seu casamento. A casa estava cheia de convidados do casamento da minha irmã. Todos estavam ocupados em beber o champanhe caro e preenchendo seu tempo com conversa casual. Eu reconheci alguns antigos colegas de Bainbridge embora a maioria dos hóspedes fossem, sem dúvida, associados do meu pai. Levou mais tempo do que o necessário para eu fazer o meu caminho através do primeiro andar. Eu era constantemente bombardeado com a necessidade urgente, mas indesejada para uma conversa de pessoas cujos nomes eu mal conseguia me lembrar. "Lake, querida, eu sei que você é sua dama de honra, mas eu sou sua mãe, e eu acho que precisamos de mais flores."


"Senhora Chambers, eu não quero dizer nenhum desrespeito, mas o lugar já parece uma estufa porque você queria acrescentar cada flor conhecida pelo homem." Eu tinha ouvido a conversa delas antes que eu as visse e entrei na cozinha para ver a namorada do meu melhor amigo e minha mãe baterem de frente ao lado de uma horda de flores. Ela usava um vestido simples sem alças e royal, com uma corrente de prata fina para abranger o meio. Seus pés estavam enfeitados com saltos de tiras de prata que fizeram suas longas pernas parecerem ainda mais longas. Seu cabelo varria suas costas em uma queda de cachos. Levou um momento para perceber que eu estava cobiçando a garota do meu melhor amigo. Luxúria não era um fator, mas eu não podia negar que ela era linda. Uma das mulheres mais bonitas que eu já vi, na verdade. Ela se transformou de um patinho adolescente a uma mulher graciosa sem esforço, embora ela ainda carregasse um ar de inocência. Eu quase podia entender a obsessão de Keiran com ela. Ela era, sem dúvida, irresistível até mesmo para um completo estranho. Ele teve quinze anos para cultivar uma conexão que ele nunca seria capaz de abalar, mesmo se quisesse. "É errado querer elegância no casamento da minha filha?" A voz da minha mãe me trouxe de volta à situação presente. "Não, mas há uma diferença entre elegância e excesso. Adicionar dez dúzias a mais de arranjos de flores irá transformar esse casamento em uma estufa. Alguém pode pensar que isto é uma convenção para preservar a Terra." "Jovem, este é o casamento da minha filha." "Sim, mas eu não vejo qualquer outra dama de honra no quarto." Encarei isso como minha deixa para sair e recuar da cozinha antes que eu pudesse ser arrastado pela tempestade de merda. Quando eu estava seguro, eu virei no meu calcanhar apenas para encontrar o olhar tempestuoso do meu melhor amigo. Cujas ligações eu não tenho respondido em três meses.


"Elas estão reclamando uma para a outra durante a última meia hora", ele ofereceu, seu olhar nunca vacilando. Eu lutei para não me incomodar. A culpa sempre me comia desde o dia em que meu pai fez seu ultimato. Ela quase me devorava agora. Eu vi a pergunta em seus olhos e a raiva, mas nenhuma delas me deu uma pausa com o vislumbre de dor que eu testemunhei pouco antes dele desaparecer. Com algumas respirações profundas, eu fui capaz de ordenar que minhas pernas me movessem. Eu precisava fazer isso direito com ele. Mas não hoje. Eu tinha um plano para apaziguar meu pai e manter minha amizade com Keiran, mas não poderia envolvê-lo nisso porque eu sabia que ele não iria pela rota segura ou sã se ele soubesse sobre a ameaça de meu pai. Então, eu fiquei longe. Música suave flutuava pelas portas francesas que conduzem para a área de jardim, onde o casamento seria realizado. Consegui chegar até as escadas, desta vez depois de todos terem sido instalados. Subi as escadas em busca de minha irmã e a encontrei em seu quarto, vestida apenas em um manto azul e brincando com Kennedy no chão. "Você não deveria estar se preparando?" Eu disse por meio de uma saudação. "Seus convidados já estão sentados." "Tio!" Ken gritou quando me viu. Ela correu e pegou o equilíbrio quando ela oscilava, agarrando minha perna apertado. Seus cachos escuros estavam presos em um rabo de cavalo e enfeitado com uma tiara azul royal para combinar com seu vestido. Inocência se mostrava em seus olhos quando ela olhou para mim, o lembrete de como nós quase a perdemos ainda fresco. Eu senti a necessidade de abraçá-la, então eu a peguei no ar antes de estabelecê-la contra meu peito. "O que há sua causadora de problemas?"


"Eu não sou um problema", ela fez beicinho. "Claro que não. Como poderia uma menina bonita em um vestido bonito ser um problema?" Eu me fiz essa pergunta quase todos os dias. Naqueles dias, eu me empurrei essa questão ainda mais forte. "Papai disse que eu sou uma princesa." "Seu pai não sabe de nada. Você é a princesa." "Onde está Lake?" Sheldon cortou. "Eu preciso dela para me ajudar com o meu vestido." "Ela estava lá embaixo discutindo com a mamãe sobre as flores. Eu queria ver se você necessita de qualquer coisa." "Certo! Você poderia me ajudar com o meu cabelo e maquiagem?" "Eu acho que não." "É muito simples. Tente não me fazer parecer como uma prostituta vestida...”. "Eu quis dizer que eu não vou fazer isso." Ela soltou um suspiro dramático e aproximou-se de mim colocando as mãos no meu terno. "Dash, eu te amo como um irmão, como um irmão gêmeo, mas se você mantiver sua atitude mal-humorada no meu casamento, eu não vou ter qualquer outra escolha, além de cortá-lo. Tente encontrar aquele encanto infame e profundo, escondido aí dentro e ligue para o meu dia, ok? Quem sabe... talvez você vá finalmente conhecer alguém." Nervosismo penetrou quando me lembrei da outra razão pela qual eu vim para encontrá-la. "Eu queria falar com você sobre isso. Eu trouxe uma convidada." "Engraçado. Não me lembro de sua menção de uma acompanhante há alguns meses atrás, quando os convites foram enviados." "Isso é porque eu não tinha uma há alguns meses." "Dash," ela gritou e bateu o pé. "Qual é o problema?"


"Nada, eu suponho. Quem é essa?" "Rosalyn." "Você pode repetir?" "Você me ouviu, Sheldon. Eu a trouxe comigo. Será que vai ser um problema?" Eu não queria parecer tão frio, mas era difícil de lidar com a culpa mantendo um sorriso. "Por que você a trouxe? Pensei que tivesse terminado com ela depois...” A voz dela sumiu e um rosa culpado coloriu suas bochechas. "Depois do que?" "Depois de Willow," ela terminou calmamente. "Sheldon, foi há quatro anos. Deixe pra lá. Ela provavelmente está casada agora." "A única maneira que ela vai se casar tão jovem é se ela estiver grávida por algum - Oh... desculpe," ela emendou ao ver a expressão no meu rosto. O pensamento dela com alguém me transformou em gelo, mas o pensamento dela entregando a alguém o que eu queria com ela me fez querer matar. "Há mais, mas eu não tenho certeza que agora é a hora" "Se você acha que vai sair desta sala vivo sem me dizer, pense novamente." Ela se sentou com as mãos nos quadris, deixando-me saber que ela estava falando sério. "Foda-se." Corri meus dedos pelo meu cabelo e imediatamente me arrependi quando me lembrei da ocasião. "Basta lembrar... você queria saber." "Dash…" "Rosalyn e eu vamos nos casar." Ela deu um passo para trás em estado de choque. "Para você se afastar de outra pessoa?", ela perguntou sem jeito. "Vamos, Sheldon. Não me faça dizer isso."


"Diga irmão. Deixe-me ouvir o quanto você não quer isso." "Qual é o grande negócio? Nós dizemos algumas palavras, somos ligados para sempre, e nossas famílias vão continuar rolando no dinheiro." "Só que você não vai ser feliz." "Eu não tenho sido feliz durante anos, irmã mais nova. O que é um pouco mais?" "É uma vida", ela gritou. Lágrimas foram reunidas e escorriam pelo seu rosto, que ela descuidadamente limpou manchando meu terno. "E eu sou mais jovem que você somente por doze minutos." "Isto é necessário." "Não, não é. Papai não está sendo justo. Ele..." "Ei, ei," Eu a acalmo e pego o lenço no bolso para limpar as lágrimas. "Pare com isso. É o dia do seu casamento. Meus problemas não são importantes hoje." Esperei com paciência suas fungadas diminuírem, e quando ela estava estável, eu a deixei ir. Eu pensei que eu poderia fazer uma fuga limpa antes de minhas próprias emoções subirem à superfície, mas sua voz trêmula me parou. "Dash?" "Sim, irmã?" "Eu nunca lhe agradeci." "Pelo quê? Eu só queria que você parasse de babar todo meu terno.", eu tento brincar. "Com o quão feio você é, as senhoras não se importam, eu tenho certeza. Eu só queria te agradecer por ainda ser meu irmão mais velho. Você diz que está bem, mas algo está mudando você. Eu só espero que você não vá deixar tudo isso o consumir." "Vamos, lá... eu já te decepcionei?"


"Eu não teria me importado de você chutar a bunda de Keenan mais algumas vezes." Ela riu. "Seria um prazer se eu pensasse que é realmente necessário. Ele tem seus defeitos, mas eu sempre soube que iria trabalhar eles para fora. Ele está aberto para você. Para alguém como ele, que perdeu o que ele perdeu, isso nunca deveria ter acontecido, mas aconteceu. Ele a deixou entrar porque ele confia em você. Ele confia em você porque te ama. Você o torna vulnerável, mas ele depende de você para mantê-lo inteiro. É amor, e eu nunca deixaria ele tirar isso de você." "Então, eu não deveria fazer o mesmo por você?" Eu respiro fundo e a libero novamente. Eu estava começando a pensar que ela nunca pode deixar ir à ideia de Willow e eu. Eu iria? "Está feito." Minha mandíbula aperta. acrescentando: "Eu estou bem com isso."

Eu

liberei

a

tensão,

"Mas você não vai ser feliz." "Alguma vez lhe ocorreu que o “felizes para sempre” nem sempre está destinado para todos?" "Alguma vez lhe ocorreu que isso pode ser real se você puxar a cabeça da sua bunda?" "Desculpe irmã. Minha cabeça é uma parte permanente da minha bunda. Agora, se você me der licença." Virei-me para a porta, mas ela me parou novamente. "Então, onde ela está?" "Quem?" "Sua noiva", ela respondeu, impaciente. "Eu a tenho esperando no carro." Seu grito de riso perfurou meus ouvidos. "Você poderia ser mais que um babaca?"


"Eu queria ter certeza de sua resposta antes de trazê-la para dentro." Ela arqueou uma sobrancelha. "E se eu tivesse dito não?" "Eu teria a mandado embora." "Ahhh, você faria isso por mim?" "Não seja uma engraçadinha." "Desculpe, um de nós tem que ser o único inteligente." "Você sabe o que isso significa, certo?" "O que?" "Significa que eu tenho a beleza." Fechei a porta bem na hora de perder o míssil atirado em minha cabeça e fiz o meu caminho para o térreo, que estava completamente vazio agora. Lake e minha mãe devem ter parado de discutir tempo suficiente para garantir que todos os convidados estivessem sentados no jardim. Olhei para fora de uma das janelas da frente para o jardim para ver uma festa menor do que eu teria imaginado para uma Chambers. Meu pai, felizmente, tinha convidado apenas seus amigos mais próximos e parceiros de negócios. Afinal, era apenas a sua filha se casando e com alguém que ele não aprovava. Se ela tivesse ido por seu caminho, ele teria casado ela com o filho de um parceiro de um negócio mais lucrativo. Meu pai não era o pior pai, mas ele não era o melhor também. Eu disse a mim mesmo que poderia ter sido pior quando avistei Keiran de pé no interior das portas francesas. Ele poderia ter tentado matar-nos por dinheiro. "Ei, Keiran. É bom ver você novamente." Diana Fulton, filha do exmentor de Keiran, que depois virou inimigo, escorregou através das portas que dão para o jardim. "Di" Ele acenou com a cabeça, mas a linha apertada de seus lábios me disse que ser cordial era à última coisa que ela queria. "Eu confio que você manteve meu irmão em apuros?"


"Oh, você sabe que sim, garotão. Nós devastamos as ruas de L. A. com a nossa tristeza arrebatadora." Ele resmungou e depois torceu os lábios com diversão. "Eu nunca disse ou pensei em você desse jeito." "Então, como você me vê?", ela riu e flertou. "Como um incômodo", ele respondeu antes de se afastar. "Ahhh, você está apenas ciumento porque eu corri com o dinheiro e com o melhor homem", ela o chamou. Eu me perguntava se era tudo uma cena ou se ela era realmente tão sem-vergonha, considerando que Lake estava um pouco perto. Ninguém jamais poderia ter previsto o quão próximos ela e Keenan tinham se tornado, muito para desagrado de Sheldon. Ela ainda odiava essa menina, embora ninguém soubesse o porquê. Nem mesmo Keenan. Quando seus olhos pousaram em mim, seu sorriso se alargou lascivamente. "Bem... se não é o rei da sala de reuniões, venha para nos agraciar com sua presença. Ou é o quarto que você domina melhor?" "Você não gostaria de saber?" Eu a olhava atentamente enquanto ela se aproximava e me senti surpreendido com a centelha despertando meu pau. Seu peito estava em exibição para que eu apreciasse e fiz isso sem nenhum esforço para esconder o meu interesse. Tinha sido um tempo desde que eu tinha conseguido uma transa, e apesar de sua presença afetar meu pau, eu estava seguro. Seu efeito sobre mim não tinha poder onde contava. "Eu iria. Então, o que você diria de abandonar essa festa e fazer uma nossa?" "Eu diria que é uma oferta tentadora, mas eu teria que recusar." "Oh? Correndo o risco de soar como uma vagabunda desesperada, posso perguntar por quê? Você obviamente gosta de mim, então...", ela murmurou, dando uma espiada no meu pau duro. "Eu gosto."


"Então?" Ela se aproximou até que seus seios estavam pressionados contra o meu peito. O corpete decotado me permitiu ver mais. Muito mais, porra. "Simplesmente não há tempo suficiente", eu respondi sem problemas. Eu a peguei de surpresa antes que ela se recuperasse e lambesse os lábios. "Uma foda rápida pode ser tão agradável quanto uma foda persistente." "Eu não tenho nenhuma dúvida, mas tanto quanto eu gostaria de foder a merda fora de você, eu ainda teria que recusar." "Agora eu estou realmente curiosa." Como eu não poderia me ajudar, eu corri um dedo na pele nua de seus seios. O engate na sua respiração e seu pulso acelerado me incentivou, mas o som de passos me parou. "Minha noiva está esperando", eu disse simplesmente e deixei-a sozinha. Eu tinha meu pau sobre controle no momento em que fugi pela porta da frente. Rosalyn agora estava à espera fora do carro, parecendo irritada, mas eu não poderia me importar menos. Ela estava ficando com tudo o que ela queria, enquanto eu não estava ficando com nada do que eu precisava. Ela podia ficar esperando alguns minutos. "Já estava na hora. Eu não vejo por que eu tive que esperar no carro. Não é como se sua irmã e eu não fossemos amigas. Por que ela não iria me querer aqui?" Ela disparou antes que eu pudesse dizer uma palavra ou até mesmo chegar ao carro. "Porque é o casamento da minha irmã, não o seu. Isto não é sobre você." Eu queria acrescentar que a minha irmã preferia comer a sua própria língua antes de chamá-la de uma amiga, mas eu não preciso da dor de cabeça do golpe que se seguiria. "Ela disse que sim, não foi?" Ver como sua atitude presunçosa se espalhou como um incêndio, até atingir os lábios me fez não querer nada menos do que mandá-la embora. Sua aceitação para o casamento só aumentaria ainda mais sua ilusão e sua ideia de que nós fomos feitos para estar juntos.


No entanto, antes que eu pudesse oferecer uma resposta, o som de um rugido de motor e pneus cantando mudou a minha atenção para a van escura acelerando o longo caminho. Minha frequência cardíaca se acelerou quase tão rápido quanto a van, uma vez que ela acelerou em direção à entrada. O instinto me fez alerta e fui para trás do carro como fez Rosalyn, que já estava gritando ‘assassinos’. Esperei pelos tiros que eu tinha certeza que se seguiriam, mas nenhum veio. Em vez disso, houve o som de uma porta que se abriu, seguido por um barulho alto e gritante que superaram os gritos de Rosalyn. Quando eu tinha certeza de que a van tinha recuado, eu dei a minha primeira olhada ao redor do carro. O motorista já estava fora e ajoelhado sobre o que parecia ser uma pessoa. Corri e parei instantaneamente quando eu fui capaz de confirmar que não era apenas um corpo, mas era o corpo de alguém que eu conhecia muito bem. "Dash?" Foda-me.


A missão era clara. Como eu poderia passar por ela era o que eu não entendia. Enquanto eu olhava ao redor da sala, vi uma mistura de emoções como surpresa, desconfiança, medo e raiva. Eu podia entender porque cada um se justificava. Eu não tinha falado ou colocado os olhos em qualquer um deles em quase quatro anos, e meu retorno a suas vidas era menos do que exemplar. Eu estava apenas feliz por estar viva. Eu lidaria com as consequências desse fato mais tarde. "Ninguém vai dizer nada ou devo começar?" "Eu acho que é justo", Keenan respondeu devagar. "Você foi a única que simplesmente foi jogada fora de uma van em movimento." "Sim, eu, hum... não gostei disso... se você quer saber." "Como assim, por quê?" "Eu queria entrar de penetra no casamento. O meu convite se perdeu no correio, e eu não queria vir de mãos vazias, então eu vim com entretenimento." "Willow", Keiran me avisou. Era óbvio que ele não tinha mudado muito. Ameaçar ainda era sua tática preferida. Lake, minha melhor amiga de dez anos, ficou ao meu lado. Ela me deixou ainda mais perplexa porque pela


primeira vez não havia nenhuma emoção em seus olhos azul-esverdeados. Eles estavam em branco, mas sempre atentos. "Certo. A versão curta, menos divertida é que eu peguei uma carona e irritei algumas pessoas. Isso vai me ensinar a não pegar carona com estranhos." "Por que você fez isso?" O tom áspero do meu primeiro ex-amante vibrou pela minha espinha enviando arrepios para todos os nervos sensíveis que eu possuía. A raiva fria em seus olhos combinava com seu tom, mas a maneira que eu respondi é que era mais assustadora. Eu nunca esperei colocar os olhos sobre ele novamente. "Por que eu fiz…?" "Pegar uma carona com um estranho." "Porque eu não tinha escolha." Isso, pelo menos, não era uma mentira. "Por que não?" "Porque eu não tinha uma carona." Isso era uma mentira. O que nenhum deles sabia era que há quatro anos, a cada dois meses, no terceiro sábado de cada mês, eu visitava minha mãe. Era uma mentira que conseguimos manter, e um segredo que mantive até hoje. Eu só não tenho todas as respostas. "E você não podia chamar alguém?" "Desculpe... telefone novo." "Você está mentindo," Dash rosnou. "Eu esqueci o quanto de um especialista você é sobre isso. Quem vê você seria incapaz de dizer." "E a sua mãe? Seu irmão?" "Inacessíveis."


"Muito conveniente." "Olha, eu sinto muito se eu arruinei este momento feliz, mas isso não é da sua conta." "Eu vou pedir diferente então, porra. Você arruinou o dia do casamento da minha noiva. Se você não começar a falar, eu vou fazer você gritar a verdade." Keenan estava fora de sua cadeira e em toda a sala antes que alguém pudesse se mover. A violência em seus olhos era inconfundível e eu estava muito chocada com tudo isso. Eu nunca tinha o visto fazer qualquer coisa que não fosse fornecer uma corrida sem fim de piadas. Sua raiva me fez lembrar que eu não conheço mais essas pessoas. Eles não eram mais meus amigos. Ele continuou se aproximando, mas eu mantive minha posição, embora cada músculo meu tremesse com inquietação. Dash avançou para ficar na minha frente, mas eu não confundi isso com a necessidade de me proteger. Sheldon, que ainda não tinha falado uma palavra, conseguiu interceptálo. Keiran e Lake também avançaram, mas sua preocupação era com Keenan também. Eu precisava parar para que eu pudesse me restabelecer. Quando eu pulei no avião, esta tarde, eu não esperava nada disto. Eu fui lançada na cova de um leão, mas neste momento, eu não poderia dizer quais eram os culpados e quais eram os leões. Eu estava sozinha e seria assim para sempre se eu não fizesse o que me foi dito. Eu não era a única em jogo. Minha mãe e irmão também estavam. "Talvez eu devesse ir." Porque eu não era a cadela que todos eles acreditavam que eu fosse eu alcancei o olhar de Sheldon e procurei as palavras certas. Uma vez, fomos melhores amigas, e eu arruinei o que teria sido o melhor dia de sua vida. "Sheldon, eu est..." "O que está acontecendo aqui?" O senhor Chambers irrompeu pela porta da biblioteca, seguido de uma menina com cabelo escuro. Eu sabia


exatamente quem era e a quem ela pertencia. A semelhança era incrível. "Seus convidados estão preocupados." "Mamãe, papai, eu jogo as flores agora". A menina levantou as cestas de flores, praticamente vibrando com entusiasmo e inocência. "Kennedy." Eu não tinha percebido que eu tinha falado o nome dela até que ela, juntamente com todos os outros, voltaram sua atenção para mim mais uma vez. Eu sabia que Sheldon tinha engravidado na noite do baile, mas eu nunca tinha posto os olhos nela. Lembrei-me que Sheldon tinha dado o nome Kennedy e só assumi que ela tinha ido até o fim. "Oi", ela alegremente me recebeu. O braço dela disparou e no fim deles estava uma mão cheia de pétalas de flores alaranjadas. "Oh-hum... obrigado." Eu me senti fora do lugar e cada vez mais a intrusa, e embora eu nunca pedi por nada disso, eu me sentia responsável. Eu não podia permitir que a culpa anulasse o meu juízo. Eu estava sem uma escolha, que também significava que eu estava sem consciência. "Eu sinto muito. Quem é você?" O homem que eu reconheci como pai de Dash questionou. "Pai, você se lembra de Willow. Ela era amiga de Sheldon." Dash ofereceu. Era. Como em: não é mais. Porra, isso dói. O que também me feriu foi o desrespeito que ele tinha não só por mim, mas pelo nosso relacionamento anterior e o fato de que uma vez eu fui sua amiga, também. E muito mais do que isso, eu o amava. Amá-lo, de fato, nunca foi o problema. Estar com ele significava sacrificar mais do que eu tinha certeza que eu tinha para dar. Significava ter uma chance e acreditar que um dia, ele poderia acreditar que não foi um erro.


"Ah, sim", ele respondeu agradavelmente, mas o olhar em seus olhos deixou claro que ele não aprovava a minha presença ou lembrava-se de mim, no mínimo. E por que deveria? Eu tinha sido o pequeno segredo sujo de Dash e sempre teria sido se eu me prendesse ao redor por me apaixonar por suas mentiras, assim como me apaixonei por ele. "O casamento deveria ter começado há vinte minutos. Por que você está aqui? Sheldon, porque você não está vestida?" "Houve um pequeno contratempo que estamos tentando endireitar." "Bem, o que foi?" Pergunta a mãe, enquanto lança olhares laterais de desaprovação ao meu jeito. Ficou claro para eles que eu era a culpada. "Nada para você se preocupar. Peça algumas desculpas para os convidados." "Oh Deus. Este não é um dos problemas de Keenan, não é? O que é isso? Será que ela quer dinheiro?" "Mãe, é o suficiente. Isso não é nada disso. Agora, por favor, dê-nos um pouco de privacidade." A mãe parecia a ponto de protestar, e desde que eu não poderia lidar com mais nenhum desprezo pela minha pessoa, eu decidi intervir. "Está tudo bem, realmente. Eu estou saindo de qualquer maneira. Lamento ter me intrometido." Eu fui capaz de escapar da sala sem ser parada e tão rapidamente quanto possível para a saída mais próxima. Ser jogada de uma van em movimento me deixou com dores musculares, mas eu ignorei as dores e me concentrei em sair fora e me esquivar. Ao longe, eu ouvi meu nome sendo chamado e, quanto mais a voz dele se fechava, eu me movi mais rápido. "Não", ele disse simplesmente com a sua mão fechada em volta do meu braço. "Se você vai sair, eu vou levar você onde quer que você precise ir." "Obrigada, mas eu não preciso de sua ajuda. Eu posso me virar."


"Claramente," ele rosnou, sarcasticamente. Eu não tive a chance de dizer mais nada porque ele me arrastou para fora atrás dele. Isto tudo foi acontecendo tão rápido que minha cabeça, literalmente girou. Havia dois dele agora, e eu não conseguia descobrir um deles para pleitear. Minha cabeça latejava e os meus passos ficaram lentos até que ele realmente estava praticamente me arrastando. "Dash. Espere." Ele pareceu notar minha relutância quando seus olhos preocupados pousaram em mim. O estresse de ser sequestrada e chantageada juntamente com rever amigos que eu tinha abandonado e a única pessoa que eu não podia me permitir amar, tudo de uma vez foi demais. Eu desmaiei ali mesmo com apenas o pavimento debaixo de mim e ele para me pegar na minha queda.

*** "Eu mandei os convidados para casa. Você acha que devemos levá-la ao hospital?" "Dr. Carson está a caminho para vê-la." "O que aconteceu?", Sheldon exigiu. "Eu não tenho certeza." Dash suspirou. "Eu lhe ofereci uma carona e ela entrou em colapso." Eu podia ouvir a tensão em sua voz, e se eu abrisse meus olhos, eu tinha certeza que iria ver as linhas correspondentes em sua testa. Era como se ele se preocupasse tanto com os problemas dos outros que com os seus próprios problemas. Ele vive para os outros e não para si mesmo. "Tem certeza de que apenas ofereceu, ou você exigiu que você desse a ela uma carona?" Se eu não estivesse fingindo estar dormindo, eu teria rido. Sheldon nunca teve medo de questionar quando sentiu a necessidade surgir.


"Isso importa?" Sua frustração era evidente por seu tom e estava crescendo a cada segundo. "Eu não esperava que ela desmaiasse." "Talvez ela tenha batido a cabeça quando ela caiu. Ela pode ter uma concussão. Não deveríamos acordá-la?" Dash não respondeu, mas no momento seguinte, eu senti seus lábios no meu ouvido, sussurrando. "Mas você já está acordada, não é?" Meus olhos se abriram contra a minha vontade, e com certeza, Dash estava inclinado sobre mim. Uma mão descansou ao lado da minha cabeça me enjaulando enquanto a outra movia o meu cabelo como se ele tivesse o direito. Eu queria fugir, mas seu corpo pairando sobre mim me impediu de ir a qualquer lugar, e ele deve ter sabido disso a julgar pela presunção puxando em seus lábios grossos. "Eu preciso sair daqui." "Ah, pelo amor, você está bem!" Sheldon gritou, quebrando a conexão. Felizmente, ela empurrou Dash fora do caminho e me abraçou, o que me pegou de surpresa. Eu nunca teria esperado que ela falasse comigo, muito menos que me abraçasse como se fôssemos amigas. "Eu preciso sair daqui." Eu não podia lidar com isso. Não é sua culpa. Eu me afastei, em vez de afastá-la, mas não mascarei a minha intenção como eu esperava. Seus olhos estavam tristes por nossa amizade perdida. Ela limpou a garganta e olhou para longe. Eu sabia que a minha ausência iria machucá-la, mas minha rejeição deve ter doído ainda mais. "C-como você está?", ela gaguejou. Ela não tinha totalmente ganho sua compostura, e um olhar para Dash me disse que ele notou. Ele parecia prestes a rasgar a minha cabeça fora. "Estou bem." "Você não parece bem."


Minha atenção seguiu o som da voz extra no canto mais distante da sala onde Lake encostou-se na parede usando a mesma máscara em branco de antes. "Bem, eu estou." "Hmum," ela resmungou. Que porra era o seu problema? Ah, certo, Willow. Você fugiu. Mas não antes dela me deixar. Para estar com ele. Eu nunca odiei ninguém na minha vida, mas depois que ela se afastou de mim, eu realmente não conseguia entender qualquer outro pensamento ou sentimento. Uma parte de mim o queria morto, embora eu soubesse que estava sendo um pouco dura. Lake e eu éramos melhores amigas, mas eles estavam apaixonados. Infelizmente, a menina que acredita nesse tipo de coisa tinha sido substituída por alguém que queria que ele sofresse, e depois de quatro anos, a oportunidade finalmente surgiu. Peguei meu casaco e percebi que não estava mais o usando. Meu pânico resultou na minha luta. "Onde está o meu casaco?" "Acalme-se, antes de desmaiar novamente. Está aqui mesmo." Dash levantou minha jaqueta de uma cadeira próxima e o jogou para mim. Eu o peguei no ar e empurrei meus braços nas mangas. "Onde você está indo com tanta pressa?" "Longe daqui." Minha mão estava na maçaneta da porta, girando, quando ouvi: "O mínimo que você pode fazer antes de fugir de novo é pedir desculpas à minha irmã por arruinar seu casamento. Eu não tenho certeza se você notou, mas ela não se casou hoje." "Não, Dash. Está tudo bem. Sério." "O inferno que está. Ela não vai nem mesmo oferecer uma explicação de como ela chegou aqui, em primeiro lugar."


"Eu te disse..." "Uma explicação verdadeira." "Nós nos despedimos a um longo tempo atrás, Dash. Eu não devo nada a você." Eu enfrentei Sheldon e ignorei o olhar desconfiado de Lake. "Eu realmente sinto muito, Sheldon. Eu nunca quis isso." Eu não esperei por aceitação, porque eu não merecia isso.

*** Corri o mais longe e mais rápido que pude. Não importava quão longe eu fosse eu nunca me sentiria segura o suficiente. Eu ainda sentia o olhar de Dash me assistindo, acusando e avaliando. Antes que eu percebesse, eu estava a meio caminho de casa. Havia pelo menos cinco ou seis milhas entre a casa dos pais de Dash e a minha. Meus pulmões gritaram por excesso de uso e minhas pernas queimavam de dor, mas eu não poderia prestar atenção. Eu só queria me sentir segura novamente. Não há lugar como o lar. Não há lugar como o lar. Não há lugar como o lar. Eu andei as restantes duas ou três milhas até que eu finalmente cheguei à casa da minha mãe batendo no carro com a tinta marrom desbotada e sentei na calçada "Onde você esteve? Eu fui até a parada de ônibus, mas você não estava lá. O que aconteceu com suas roupas?" Minha mãe tinha me seguido da porta da frente, subindo as escadas, ao meu antigo quarto com seu discurso habitual de perguntas, nunca me deixando ter uma palavra. Charles tinha oferecido uma curta saudação, mas não se preocupou em se deslocar de seu poleiro na frente da televisão, como de costume. "Eu caí, mãe." "Mas onde você estava?"


"Onde você estava?" Eu rebati. Meu tom de voz foi duro e implacável. Mais e mais uma vez correndo da mansão Chambers. E eu pensei que se ela tivesse pelo menos uma vez, nos colocado em primeiro lugar, eu nunca teria posto os olhos em Dash ou no resto deles novamente. "Bem, se você ia ficar fora até o final do dia, você não deveria ter vindo. E se Charles estivesse dormindo quanto você viesse aqui com toda sua confusão? Você sabe que ele tem problemas para dormir, uma vez que ele é acordado." "Você pode dizer isso de novo?" "Você deveria ter apenas ficado onde quer que estivesse em vez de incomodar-nos com os seus absurdos." Rangi os dentes e soltei minha raiva através do meu nariz, enquanto rezava por paciência. "Você é a única que insistiu que eu viesse, lembra?" "Bem, que tipo de filha não iria visitar seus pais durante as férias? Eu não sei que tipo de vida que você está levando, só Deus sabe o que você é nos dias de hoje, mas eu não vou ser desrespeitada." "Sim, mãe." Eu falsamente admiti a derrota. Eu aprendi desde cedo a não lutar rodada por rodada com a minha mãe. "Mana?" A voz profunda e agora viril do meu irmão mais novo, que não era mais um esguicho de espinha, derivando do alto das escadas. Eu não o tinha visto em seis meses e, se possível, ele tinha crescido ainda mais. Seus cachos loiros sujos deram-lhe um apelo juvenil, mas o resto dele tinha crescido como em um adulto. "Buddy, oi!" Eu ignorei a minha mãe e subi as escadas para dar a meu irmão um abraço. Ele me envolveu com seus grandes braços e me girou. "Você só esteve aqui por sessenta segundos, e você já está em guerra com a mamãe." "Sim, eu estou procurando quebrar recordes. O que você ainda está fazendo aqui? Eu pensei que você já teria voado alto de volta para escola agora." Estas visitas de Buddy eram geralmente tão curtas quanto as minhas


eram. Nossa mãe era insuportável em um bom dia, e nenhum de nós nunca tinha estado muito perto de Charles. "Mamãe disse que você estava vindo, e eu não poderia dizer não para ver a minha pequena irmã mais velha." Ele bagunçou meu cabelo, brincando, e eu lutei para fugir. "Isto é doce. Então, as garotas ainda não estão de volta no campus, não é?” "Nem todas que querem conseguem ser atraentes. Eu vou dar o fora daqui amanhã, mas falando de garotas pouco atraentes, o que aconteceu com você?" Eu soquei o seu braço e murmuro, "Eu caí." "Como? Você parece terrível." "Não é importante. Por que você não me atualiza sobre suas últimas conquistas na escola?"


Eu não deveria ter deixado ela ir. Esse pensamento ficou se repetindo constantemente na minha cabeça, e eu não tenho sido capaz de parar de pensar nela desde que ela foi embora ontem à noite. Eu a queria com ardor, e foi a apenas algumas horas atrás que eu decidi que iria tê-la. Primeiro, eu tinha que encontrá-la. Olhei pela janela para a cidade abaixo e me pergunto onde ela tinha estado todos esses anos. Mas o que me fazia realmente coçar a cabeça era porque ela ressurgiu? Eu só podia supor que ela tinha ido visitar seus pais, que teriam reclamado de não estar em contato com ela também. Ou isso era uma mentira, ou eles a afastaram de sua vida, bem como, uma vez, e isso não foi há muito tempo, eu comecei a ter a ideia dela estar morta, embora meu coração não me permitisse chorar por ela. O telefone no meu escritório em casa tocou e um rápido olhar mostrou que era a linha reservada para o detalhe de segurança do meu pai, que agora foi contratado por mim. "Diga." "Não demorou muito," Fisher, o meu chefe de segurança, começou imediatamente. "Nós rastreamos a casa de sua mãe como você pediu. Ela acabou de sair agora." "Ela está indo para o aeroporto, não é?"


"Saberemos em breve. Ela ainda está em movimento, mas estamos em sua cola. Devemos detê-la?" "Não. Onde quer que ela vá, eu quero que você a siga. Descubra em qual voo ela está embarcando e mande o relatório de volta para mim." Depois de quase quatro anos, eu finalmente acabei descobrindo para onde ela tinha ido e onde ela estava se escondendo de mim. Eu pressionei o botão de discagem rápida para a minha assistente que atendeu imediatamente apesar de ser domingo. "Celesha, eu quero o jato abastecido e com o piloto. Você tem trinta minutos." Até o momento em que eu tinha chegado ao aeroporto com a minha equipe de segurança, eu tive uma mudança de rumo e cancelei o jato. Eu mal podia conter-me quando eu arranquei o cinto de segurança e saí de carro. Ela não ia a lugar nenhum. Eu consegui chegar direto em seu calcanhar e fiz uma nota mental para dar à minha assistente um aumento. Eu corri pelo aeroporto, e foi uma maravilha o pavimento não rachar com a batida forte dos meus passos. Eu ainda estava correndo no momento em que cheguei à entrada principal. Eu queria que meu rosto fosse a primeira coisa que ela visse no momento em que ela percebesse que ela quase escapou novamente. Meus homens por agora já estavam aguardando em cada entrada. Eu fiz isso no portão de embarque, onde uma grande multidão de pessoas embaralhadas esperava por um passageiro a bordo. Não demorou muito antes de eu ver a cor cobre do seu cabelo, só que não estava arrumado em sua massa usual de loucura. Em vez disso, ela tinha puxando-o para trás em um coque apertado, e quando a multidão se afastou, avistei sua roupa. Linhas bem definidas e cores monótonas cobriam sua moldura deliciosa. Eu não podia acreditar nos meus olhos enquanto eu admirava a saia creme justa até o joelho e a blusa branca de corte baixo revelando o topo de seus seios e o ondular das sardas.


Oh, quão bem eu me lembrava daquelas sardas fodidas. Meu olhar caiu sobre os saltos creme, abraçando seus pés. Senti meu pau endurecer quando uma visão dela usando esses saltos com as pernas em volta do meu pescoço enquanto eu a fodia inundou minha cabeça. Eu estava tão envolvido com essa visão que eu não tinha percebido que ela tinha ficado diante de mim até que ela falou. "Que diabos você está fazendo aqui?" Sua voz estava cheia de veneno, o que na minha mente perversa soou sexy como o inferno. "Cometendo outro erro, aparentemente. Você parece... diferente." Ela não estava vestida assim ontem ou estava? Em face aos acontecimentos que tiveram lugar, eu nunca parei para notar sua roupa. "Eu tive que crescer. Não é isso o que as crianças devem fazer? Nós crescemos e deixamos ir os sonhos de infância e assumimos responsabilidades." "É você ou sua mãe falando?" "Isso importa? Nós não temos mais dezessete anos, Dash." "Então, ela finalmente conseguiu. Ela a transformou na filha que ela queria e você a deixou fazer por que ela não podia ser incomodada." "Não fale do que você não sabe. Já se passaram quatro anos, Dash. Você não me conhece mais." "Não é bem assim." "Com licença?" "Não foram quatro anos." "Você contou?" "Não. Eu sou apenas melhor em matemática do que você, aparentemente." Eu tinha gostado do mau humor rápido antes que ela o escondesse. "Por que você está me seguindo?"


"Eu queria ver para debaixo de que pedra você estava correndo para rastejar de volta." "Isso não é da sua conta. Desculpe-me." Ela tentou caminhar em torno de mim, mas a minha mão em seu braço a impediu. "Há um aeroporto cheio de pessoas no caso de você não ter notado. Mova-se ou eu vou gritar." "Isso não importa. Vou ser levado em custódia e você vai escapar, talvez." A peculiaridade dos meus lábios e confiança em minha ameaça fez vapor sair de suas orelhas. "Um telefonema mais tarde eu iria ser liberado..." Eu me inclinei para frente como se fosse beijá-la, mas parei. "E eu ainda vou saber onde você está." "Eu não tenho tempo para isso." Eu soltei o braço quando ela puxou e a vi se dirigir para a saída em vez de partir para a pista. Ela tinha apenas uma pequena bolsa em seu ombro que não podia ter roupa para mais do que um dia inteiro. Seja qual for a razão que ela tinha para vir a Six Forks não era algo de longo prazo, o que só me intrigou e irritou mais. Eu a segui para fora do aeroporto e atrás da cabeça do meu segurança que já estava em sua cauda. Ela olhou de volta como se me sentisse ou apenas por puro instinto. Quando ela me viu, eu poderia dizer a maldição que saiu de seus lábios enquanto ela pegou velocidade. Quando ela fez um desvio rápido por um agente de segurança nas proximidades, eu dei o sinal.


Eu ainda estava sofrendo com a realidade de que ele tinha me seguido. Eu desejaria não ser varrida por sentimentos estúpidos. Eu também precisava desesperadamente ignorar meu coração batendo com o pensamento de que ele sequer se preocupou em vir atrás de mim antes. Disse a mim mesmo que eu poderia ter uma última olhada para ver se isto era a minha imaginação ou realidade. Um rápido olhar sobre meu ombro me mostrou que isso tudo era muito real, quando ele me seguiu para fora do aeroporto. Era completamente estranho eu achar a sua perseguição quente? E agora, ele estava me seguindo como se ele pretendesse me roubar. Mas Dash realmente não me levaria contra a minha vontade... ele iria? "Quando se trata de obter exatamente o que ele quer, meu irmão iria fazer praticamente qualquer coisa." Lembrei-me da advertência que Sheldon me deu há quatro anos. Foi uma de nossas últimas conversas. Ela estava me incentivando a fazer a Dash uma ligação. Eu havia tido um momento de fraqueza e perguntei sobre ele. Sheldon tinha tomado isso como sua sugestão para me convencer a falar com ele. Ela disse que eu estava apenas lutando contra o inevitável, que era um triste desperdício de tempo. "Merda." Eu avisto um oficial de segurança à espera nas proximidades e me dirijo para ele em vez de onde os ônibus estariam. Se eu pudesse me


mover mais rapidamente nesses sapatos esquecido por Deus! Então eu decidi chamar a atenção dele de outra maneira. Eu hesitei tempo suficiente para questionar se eu poderia realmente colocar Dash em apuros, mas logo soube que me custaria fazer isso. Assim que eu tomei a minha decisão, um carro que tinha estado parado no meio-fio avançou a pouca distância que levou para chegar até mim. A porta traseira se abriu e um homem alto o suficiente para ser um edifício passou os braços em volta da minha cintura, como se estivesse abraçando um ente querido e me puxou para dentro do carro antes que eu pudesse gritar. Minha tentativa de acalmar o pânico crescente foi perdida quando o carro se afastou do meio-fio. Olhei pela janela de trás para ver se todas as testemunhas tinham visto o que tinha acontecido. No entanto, quando o carro abriu a distância entre ele e minha salvação, ela tornou-se mais difícil de ver. "Acalme-se, senhorita." "Você está louco? Deixe-me sair." Minha respiração acelerou quando avistei a saída quando nos dirigimos em direção a ela. Nós finalmente paramos perto de uma estrada de serviço, mas até agora, o homem tinha as minhas mãos algemadas. Tudo o que eu podia fazer era chutar e gritar. Meus sapatos tinham voado longe e descansavam no chão do carro. Eu esperava que o homem atacasse ou me batesse, mas ele permaneceu impassível e silencioso, ocasionalmente, verificando o seu relógio como se estivesse esperando por algo. Nesse meio tempo, eu o chamei de todos os nomes do livro de palavrões e amaldiçoei sua mãe também. Eu ainda estava xingando sua mãe no momento em que a porta se abriu e outra pessoa entrou. "Agora não há necessidade disso. Só porque sua mãe é uma vadia manipuladora não lhe dá o direito de insultá-lo." a voz profunda familiar repreendeu. "Obrigado, John." O homem acenou com a cabeça e silenciosamente saiu do carro. "Seu filho da puta." Eu gritei e investi contra Dash, esquecendo momentaneamente que minhas mãos estavam algemadas até que caí de


joelhos depois de tropeçar em meus sapatos. Minha parte superior do corpo descansou em seu colo enquanto suas mãos permaneceram em seus lados. "Exatamente o que você estava planejando fazer?" "Eu te odeio." "Isso não é uma resposta." "É a única que você vai receber." "Bem, então. Vamos tentar outra pergunta." "Eu não vou responder." "Vamos ver." Suas mãos me levantam por meus braços no assento enquanto continuava a me observar com partes iguais de diversão e raiva. "Vamos começar com uma fácil. Onde você estava indo?" "Quer dizer que você não sabe?" "Eu estaria perguntando se eu soubesse?" "Então, como você me encontrou?" "Eu tive que segui-la." Ele deu de ombros, como se me perseguir não fosse um grande negócio. "Não foi difícil descobrir o seu próximo passo." "Bem, já que você é tão bom no que faz descubra o próximo, porque eu não vou dizer." "Tudo bem." Ele estendeu a mão para mim, e eu afundo no assento, incapaz de fazer mais do que isso. No entanto, em vez de me pegar como eu esperava, ele agarrou minha bolsa. "Você não vai encontrar a resposta aí. Devolva a minha bolsa." Ele me ignorou e despejou o conteúdo da minha bolsa no chão. Vi a minha carteira, chaves, goma de mascar, e outras merdas variadas espalhadas em todo o piso do carro. Quando um Tampax surgiu, eu quase morri. Ele jogou-o para os meus pés com um sorriso divertido, aumentando o meu constrangimento. "Bastardo", eu não poderia deixar de murmurar.


"Você não tem ideia de como isso é verdade, mas você está prestes a descobrir." "Dash, deixe-me sair e ir embora. Volte para o seu pequeno mundo perfeito." "Você não sabe nada sobre o meu mundo. Uma vez, eu pensei que você seria meu mundo, mas você provou que estava pouco interessada." "Então, por que você está aqui?" "Porque eu não ligo para o que você quer... e eu não confio em você." "Eu não me lembro de porquê precisaria confiar." "Sim, bem, você ainda tem algumas explicações a dar depois de ser jogada fora de uma van em movimento na garagem dos meus pais." "Eu já pedi desculpas por isso, mas se você precisa ouvir novamente..." "Eu não quero suas desculpas. Eu quero uma explicação." Ele jogou minha bolsa no chão do carro de luxo e sentou-se. "Bem, você não vai obter uma. Não é da sua conta." "Eu estou fazendo ser." Seu tom de voz era suave, mas a ameaça por trás de sua declaração era inconfundível. "Já se passaram quatro anos, Dash. Nós não somos mais amigos." "Não temos que ser amigos para eu me importar." O olhar em seus olhos me fez perder o fôlego. "Você está me confundindo." "Eu estou me confundindo." A careta que se seguiu era a prova. Eu sempre pensei que ele parecia mais adorável quando ele estava frustrado. Sua aparência de menino me fez querer acariciá-lo e esfregar meu corpo exuberante contra a sua figura muito forte, apertar e sentir sua força. Senti minhas coxas tremerem e as agarrei para ganhar o controle. Eu não ia permitir que o meu corpo respondesse ao seu magnetismo. Dash escorria sexo e era principalmente porque ele era tão... desinibido quando se tratava de sexo.


"Pare de me foder com os olhos e comece a falar." Eu empalideço por ter sido pega, mas me recupero rapidamente. "O que quer que eu diga?" "Por que você estragou o casamento da minha irmã?" "Você acha que isso foi de propósito?" "Dê-me algo para que eu possa pensar o contrário." O carro parou em um estacionamento subterrâneo. O grande edifício pairava sobre a cidade, e eu já podia dizer pelo design exterior e o manobrista que o interior seria muito caro. Tentei não invejar ele ou qualquer uma parte dessa matéria, a sua situação financeira. Eu simplesmente não podia deixar de lembrar que, se Dash tivesse sido normal, poderíamos ter ficado juntos. Ele me lê como um livro aberto que ele tinha lido muitas vezes antes, mas havia uma coisa sobre a qual ele estava errado, eu o queria. Isso nunca foi o problema, e olhando para ele agora, estar tão perto me dizia que isso não tinha mudado. Sem dizer uma palavra, eu esperei o carro parar antes de estalar a trava e fugi. Avistei um táxi a alguns pés de distância e só tinha que fazer isso. O motorista estava de costas enquanto segurava um telefone celular no ouvido, mas um olhar para seu táxi me disse que não estava no momento de atender a um cliente. Eu sem querer deixei minha bolsa no carro e não tinha dinheiro, mas eu me preocuparia com isso mais tarde, quando eu estivesse a salvo das mãos de Dash. Eu estava quase no táxi e estaria em casa livre, mas eu ainda estava com medo, e tinha tudo a ver com o seu silêncio. Eu não ouvi passos me perseguindo ou um grito para eu parar. Eu rapidamente aprendi que isso não importava quando braços apertaram em volta da minha cintura. Desta vez, o toque era familiar e criou a necessidade de me derreter nesse abraço. Dash.


Ele correu atrás de mim e me pegou. Por que isso faz o meu estômago vibrar? Eu, sem dúvida, era uma garota tola. Sua mão se fechou sobre minha boca, e como se repensasse isso, ele a deixou cair rapidamente. Prendi a respiração quando a sensação de seu pau contra a minha bunda tomou conta do meu cérebro. Me mexi por curiosidade, em vez de lutar. Após a provocação desnecessária, eu fui jogada para dentro do carro esperando que a perseguição continuasse. A briga foi tranquila e rápida, e todo o tempo, o motorista de táxi não era nenhum dos mais sábios enquanto ele continuava a falar em seu celular. "Você correu de mim durante os últimos quatro anos, menina. Isso termina aqui." "Dash..." Me irritei com o quão ofegante apenas o som de seu nome me fez. "O que você quer de mim?" Senti-me quase desesperada. "Eu a quero indefesa... presa", ele sussurrou de uma maneira que me fez pensar que era o que eu queria também. Como um desejo secreto compartilhado apenas entre nós. "Nós não podemos..." O sorriso que brilhou em seu rosto de modelo era quase cruel. "Talvez você não possa. Mas eu posso." "Você vai me forçar?" Minha voz estava atada com desgosto, mas ainda assim, eu senti meu sexo apertar, e eu vergonhosamente me perguntei como seria ter essa decisão tirada de mim... Eu sabia que ele nunca iria me forçar sexualmente, mas algo me disse que ele tinha outras maneiras de me dobrar à sua vontade. De repente, essas advertências, há quatro anos não pareceram tão inofensivas. "Por você, eu vou fazer o que for preciso, e desta vez eu não vou parar até que eu a possua."


***

UM DIA ATRÁS Eu tinha um mau pressentimento sobre isso. Mas então, eu sempre tinha quando chegava em casa. Só que este não era o efeito normal de borboletas no meu estômago. Eu senti como se eu estivesse sendo vigiada enquanto eu me movia entre a multidão no aeroporto. Eu percebi que era bobagem com a quantidade de pessoas que se aglomeram no aeroporto, viajando após o final do feriado. Felizmente, eu era capaz de me mover mais rápido do que o resto, porque eu só tinha roupas para um dia. Eu não vou ficar por muito tempo. Eu nunca fico. Com uma cidade do tamanho de Six Forks, uma longa estadia significava a chance de ser vista, então eu nunca fico mais de vinte e quatro horas. Era tempo mais do que suficiente para cumprir uma obrigação. Nenhuma das vinte visitas estranhas foram agradáveis, e eu não tinha grandes esperanças de que esta seria, ou que um dia seria. No passado, eu sempre dava alguma desculpa aos meus pais sobre um teste para o qual eu tinha que estudar, o que eles aceitavam sempre, enquanto eu estivesse gastando meu tempo com algo que eles aprovavam. Six Forks era um lugar que sempre se manteve familiar para mim, apesar do quão longe seja ou quanto tempo eu fiquei longe. Era fim de tarde quando saí do avião, e eu levei um momento para desfrutar do ar de Nevada. A temperatura estava surpreendentemente tolerável, considerando que era final de novembro.


Olhei em volta, mas não localizei imediatamente o carro da minha mãe. Ela enviou um texto dez minutos antes do meu avião pousar para me deixar saber que ela estava esperando do lado de fora, então onde ela estava? Eu reajustei minha bolsa no meu ombro e cavei o meu telefone do meu bolso de trás. Esta era outra coisa nova para mim, vestir jeans. Eu costumava sempre pensar que jeans era tão simples e fácil, mas depois descobri calças coloridas. Eventualmente, mesmo a pouca liberdade desapareceu com o simples, jeans lavado. Um coração partido tinha feito o que dezoito anos de repreensão e de controle parental não fizeram. Ele me normalizou. Eu sempre estudei muito, tenho boas notas, e tenho ignorado totalmente os garotos... na maior parte. Tudo o que pedi em troca era poder ser capaz de me expressar, mas minha mãe se recusou a deixar-me ter essa pequena fonte de independência. Já lamentando esta visita, eu digito com raiva um texto rápido e espero.


PRESENTE

Eu estava fodidamente chateado. Acrescente a isso, a minha frustração sexual e era como se eu fosse uma bomba-relógio esperando para explodir. Eu nunca me senti tão vivo nos últimos quatro anos como eu estou agora. E era tudo por causa dela. Ela conseguiu me enganar mais uma vez e fugir do carro, e sem hesitação, eu a persegui. Foi mais do que suficiente para deixar o meu sangue bombeando em uma raiva silenciosa. Um olhar para frente e eu soube onde ela estava indo. Apesar do terno, movi-me rápido e silenciosamente, recordando todo o meu treinamento de basquete. O estacionamento estava vazio exceto o taxista. Ele estava de costas enquanto falava em seu celular. A música saía das janelas abertas de seu táxi, permitindo-me roubar Willow para longe mais uma vez. Surpreendentemente ela não lutou ou gritou, o que eu totalmente esperava que ela fizesse. Seu temperamento combinava com seu cabelo, mas ela parecia distraída, e quando ela mexeu o rabo contra a minha ereção, descobri o porquê. Eu me abaixo para sussurrar, mas ignoro seu ouvido e vou para o pescoço dela, onde ela era mais responsiva. "A menos que você esteja preparada para fazer algo sobre isso, eu sugiro que você pare."


"Parar o que?" "Você sabe o quê." E ela sabia. Eu poderia dizer pela forma como suas bochechas ruborizaram e pelo fluxo irregular de sua respiração. "Deixe-me ir." Em vez de deixar ela ir, eu a empurro para dentro do carro não muito gentilmente com a mão na bunda dela. Seu rosnado baixo fez o meu pau saltar na minha calça, e por um momento, tudo que eu conseguia pensar era nas coisas que eu poderia fazer para forçar mais sons como esse dela. Dobrá-la sob a minha vontade seria a cereja no topo. "Leve-nos para o apartamento," eu ordenei ao motorista, ignorando os olhares de ódio de Willow. Ela permaneceu em silêncio, embora eu acredite que era uma recusa a falar comigo que a mantinha tranquila. No entanto, isso permitiu-me pensar na minha próxima jogada. Eu a tinha. Mas o que eu faria com ela? Tomei-a nos braços, percebendo suas roupas mais uma vez e por algum motivo, me irritava o quanto ela tinha mudado. Ela chegou a perder um pouco de peso, mas conseguiu manter algumas das curvas que ajudaram a tornar me apaixonado por ela. "Por que você está vestida desse jeito?", perguntei novamente. "Eu te disse..." "Você tinha que crescer. Sim, eu entendo. Mas por que você está vestida desse jeito?" "Não é da sua conta." Ela fungou. "Você perdeu peso," eu observei em voz alta. Seu suspiro vazante de horror significou que eu fiz a única coisa que os homens nunca devem fazer, que foi comentar sobre seu peso, mas eu não podia dar menos de uma foda agora. "Não se preocupe. Eu ainda sou gorda.", ela respondeu sarcasticamente. "Você não é gorda e eu não estou preocupado." Seu olhar de surpresa e confusão me fez continuar. Eu gostei dela irritada. "Eu ainda foderia forte e


rápido esse seu rabo sexy sobre esse assento de couro... mesmo se você estivesse mais leve uns dez quilos." Ela piscou uma vez e depois uma segunda vez com uma expressão vazia como se estivesse tentando convencer a si mesma e a mim que as minhas palavras não a deixaram molhada. Eu praticamente podia sentir as paredes da sua boceta apertando em volta do meu pau enquanto eu monitoro seu contorcer sutil. "Haverá alguém procurando por mim, você sabe." A parte de mim que não aceitaria que ela não fosse minha voou em uma raiva todo o tempo que eu permaneci em silêncio e calmo, escolhendo fiapos imaginários na minha roupa. Ela estava correndo de volta para outro homem? "Quem é ele?" "O que faz você pensar que é um cara?" O sorriso em seus lábios deveria ter me chateado, mas tudo o que eu queria fazer era sentir o gosto que tinha aquele sorriso. "Pelo seu bem é melhor não existir ninguém." "Desculpe-me?" A pressão em sua voz fez com que meu pau saltasse. O carro parou em frente ao prédio de apartamentos, e depois de resistir a dar umas palmadas nela, eu usei a oportunidade para escapar dos limites do carro e à tentação de saltar sobre ela. Eu puxei grandes respirações de ar, desejando apagar o cheiro inebriante dela de meus sentidos. Uma vez que eu me recompus, eu alcancei dentro novamente, e sem pedir ou esperar, eu agarrei seu braço, puxando-a para fora do carro. Ela lutou contra a minha mão em seu braço, mas eu a ignorei e a arrastei atrás de mim para dentro do prédio. Rangi os dentes quando ela explodiu com cada palavrão que se possa imaginar, chamando a atenção dos poucos moradores que estavam zanzando por ali. O elevador esperou adiante e o acionei, forçando as pernas mais curtas dela a acelerarem para não cair.


Paramos dentro do elevador, e quando eu estava mais uma vez de frente para os residentes nos observando com curiosidade, eu gritei rindo: "É aquela época do mês!" Os poucos homens riram enquanto as mulheres nos olharam, mas tudo foi bloqueado quando as portas do elevador se fecharam e eu fui deixado sozinho mais uma vez com ela. Eu rapidamente soquei o código para o meu andar e, em seguida, encostei-me à parede de trás, mantendo-a perto. Ela ficou em silêncio quando o elevador começou a subir, e eu estava satisfeito até que ela disse: "Isso é praticamente sequestro, você sabe." Minha cabeça descansou contra a parede fria do elevador, e eu fechei os olhos antes de responder. "Eu sei." "Então por que você está fazendo isso?" "Porque eu estou sequestrando você." A risada encheu o elevador assim quando as portas se abriram. "Algo engraçado?" Eu peguei seu cotovelo na minha mão e levei-a da a cabine do elevador. Sua risada morreu, e eu achava que ela estava sentindo a mesma corrente de eletricidade que estava rapidamente girando fora de controle. Nós pisamos no corredor privado que conduz ao meu apartamento de cobertura, e eu rapidamente a levei até a porta onde eu digitei outro código para desbloquear. Vi seus olhos se arregalarem em choque e seu peito se erguer. "Não é tão engraçado agora, não é, Anjo?" "Não me chame assim." Sua rejeição me irritou além do ponto de ser razoável. "Por que não? Você adorava. Eu amava. Você corava cada vez. Você está corando agora." "Sim, bem, eu tive um monte de oportunidades para ser estúpida." "Você vai ter essa chance de novo?" "Não em sua vida." "E na sua?"


Ela deu um passo para trás. "O quê?" A pergunta saiu pouco mais que um suspiro de respiração. Eu podia ver a corrida em sua mente e seu corpo tenso para lutar ou fugir. Eu queria consolá-la e garantir que eu nunca iria machucá-la, mas eu só conseguia cerrar os dentes ao perceber que ela não confiava em mim. "É óbvio que você está em apuros. E este seu segredo é algo pelo qual vale a pena morrer?" Eu perguntei. Seus olhos deslocam para a esquerda. "Não há nenhum segredo." "Você é uma péssima mentirosa." "E mais uma vez, isso não é da sua conta." "Até que você se mate." Meu contragolpe não parecia perturbá-la, o que só me alarmou mais. "Eu acho que você está tirando conclusões precipitadas." "Como assim?" "Eu não vou ser a única a morrer." "Que porra você acabou de dizer?" Meus pés se movem ao meu comando e eu a carreguei. Não foi até que suas costas bateram na porta quando ela recuou que eu percebi que ainda estávamos de pé na entrada. Eu a enjaulei com os meus braços a cada lado da cabeça dela para mantê-los de encontrar o seu caminho para sua garganta. "Nada. E-eu não sei por que disse isso." "Tem certeza?" Sarcasmo rolou da minha língua, juntamente com raiva amarga. Willow não só tinha me iludido durante os últimos quatro anos, mas também, quando ela finalmente voltou, ela não era a minha Willow. Meu anjo. "Eu deveria confiar em você, Anjo?" Eu não me preocupei em esconder a minha suspeita. Toda a ideia de Willow em Six Forks novamente era como um mau presságio. Não era o que eu esperava sentir uma vez que eu alimentei a ideia de nunca vê-la novamente.


"Não. Você não deve." O ar deixou meus pulmões enquanto eu dobrei ao meio. Fogo se espalhou da minha virilha onde seu joelho violentamente foi ligado ao meu cérebro. Eu fui forçado a dobrar um joelho enquanto eu tentava respirar através da dor atirada através do meu pau. Ela estava fora da porta antes que eu pudesse me recuperar, mas eu não estava preocupado. Havia um código no elevador, que ela não deve ter descoberto se o seu grito de raiva fosse qualquer indicação. Eu estava de pé e tinha conseguido controlar a minha raiva no momento em que ela entrou pisando de volta. "Abra o elevador." Infelizmente para ela, eu não tinha ganhado o controle de minha raiva. Agarrei seu cabelo vermelho selvagem, no meu punho e a arrastei para mim. "Cadela." Forcei-a ainda mais para dentro do apartamento, e pela primeira vez desde que ela caiu de volta na minha vida, ela não tinha nada a dizer. Durou apenas um batimento cardíaco antes que ela começasse a chutar e xingar. "Meça suas palavras." "Cuidado com as mãos", ela respondeu. Quando seu pé quase se conecta com o meu pau ainda dolorido, eu puxo o seu corpo delicioso sobre o meu ombro, e porque eu não pude resistir, eu bato na sua bunda uma vez, duas, três vezes. Eu não deveria ter apreciado o som de dor que ela fez, mas por alguma estranha razão, isso fez meu pau mais duro do que nunca antes. Até o momento que eu fui para o meu quarto, eu estava pronto para foder. Eu a joguei na minha cama king size e a observei lutar. Assim que ela estava de joelhos, eu estava sobre ela, forçando-a a abrir os joelhos e me estabeleço entre suas coxas. Estava me sentindo em casa. Eu não me preocupei em esconder o som de prazer preso a caminho do meu peito e até através da minha garganta.


"Dash pare." Ela deveria ter soado severa, mas seu protesto era pouco mais que um gemido. "Por quê? Tem sido um longo tempo. Também. Porra. Longo." Ela se levantou sobre os cotovelos trazendo os lábios apenas há um sopro de distância dos meus, e porque a tentação era grande demais, agarrei seus lábios com os meus. Ainda que os lábios fossem agradáveis, vermelhos e inchados, eu puxei para trás. Eu precisava de mais. "Abra sua boca." "Não." Meus dedos escavam na pele exterior de sua coxa, e eu bati-a contra a minha ereção crescendo. "Abra". Eu segui a ordem com uma mordida de seu lábio. "Dasher, por favor." Suas pálpebras baixaram com a luxúria, e eu praticamente podia sentir o calor que emana de sua pele. "Eu amo quando você diz meu nome." "Não se utilizado..." Cortei sua declaração quando comecei a chupar sua língua pela fração de segundo que levou para agarrar seus pulsos em meu aperto e assumir completamente os seus lábios. Seus protestos morreram em lamúrias, mas depois aumentaram rapidamente para gemidos guturais. Ela estava delirando quando eu a deixei respirar. Seus olhos estavam fechados, e eu podia ouvir seu coração batendo. Eu escutei sua luta para recuperar o fôlego e contra as lágrimas. "Você vai fazer isso por mim." As palavras e a força delas foram inesperadas. Não importava. Eu quis dizer cada palavra. "O que eu deveria fazer?" Tenho a certeza que eu tinha a sua atenção, querendo que ela ouvisse a promessa na ameaça. "Tudo."


Eu não vi ou ouvi nada de Dash novamente o resto da noite. Ele me deixou sozinha em seu quarto depois de me violar com os lábios. Quando acordei na manhã seguinte, eu ainda estava sofrendo com a força de seu beijo como se ele ainda estivesse lá me cobrindo com seu corpo duro e me beijando sem sentido. Eu gemi quando minha mente decidiu repetir o quanto de uma idiota eu me tornei rapidamente para ele mais uma vez. Sempre começa com um beijo. Tão inocente e simples, sem promessas ou compromisso. Sacudi a lembrança amarga do que quase tinha sido e consegui pegar o som de sua voz, brusca sem dúvida dando ordens para um dos seus lacaios para entregar encomendas. Eu não ia deixar. Ele gritou a ordem deixando claro que era para eu ouvir. Eu me perguntei como ele poderia saber que eu estava acordada. Eu rapidamente me sentei e olhei ao redor em busca de minha bolsa, mas não a vi. Eu precisava de um telefone, e eu precisava de dinheiro porque, apesar de suas ordens, eu estava saindo. Deixei o conforto de sua cama grande e corri para a sala da frente onde ele estava sozinho. Ele fez uma pausa enquanto eu me perguntava com quem ele estava falando, afinal de contas. Quando ele se virou para mim, eu encontrei uma nova razão para perder meus pensamentos. Ele parecia


completamente diabólico em um terno cinza, de duas peças escuras com uma camisa branca e uma gravata vermelho sangue. "O que é Willow?" Ele me lançou um olhar impaciente e olhou para o grande relógio em seu pulso que eu tinha certeza custar mais do que a casa da minha mãe. O uso do meu nome, e não o apelido que ele me deu me bateu fora do estado vegetativo de luxúria. "Você planeja me deixar ir em algum momento?" Sim, eu disse isso. Nenhum bom cumprimento de manhã ou familiaridades. "Eu tenho um voo para reprogramar e uma vida para onde voltar." "Eu vou estar de volta esta noite", ele declarou sem emoção quando ele escorregou em seu paletó. "A cozinha está abastecida se você estiver com fome." Tentei mascarar a minha frustração. Eu realmente tentei, mas eu falhei. Claro e simples. "Você não é surdo ou estúpido. Você sabe que a comida não é o que eu quero. Eu...” Fui silenciada pelos seus dedos longos beliscando os meus lábios em um aviso irritante para ficar em silêncio. Eu nem o vi se mover. "O que você quer não é a minha preocupação. Você voltou e agora você não vai me deixar." Tentei falar, mas ele só agarrou meus lábios mais apertado. Eu só podia usar o poder do meu olhar para transmitir meu desprezo e espero que nenhum sinal de desejo inoportuno que senti brilhasse, mas meu corpo queimava com isso, mas eu estaria ferrada se ele visse. "Não tem nada que eu gostaria de ouvir de você, Anjo. Portanto, você não tem nada a dizer. Como eu disse, eu vou estar de volta esta noite. Tem comida na cozinha." O tom frio, nítido em sua voz me deu calafrios e, simultaneamente, me fez querer obedecer. Para adicionar ao insulto, ele me agrediu com um beijo especial invasivo enquanto apalpou minha bunda antes de me deixar presa em um apartamento vazio, seu apartamento vazio, que era agora a minha


gaiola. Fiquei pasma e sem um único pensamento diferente do seu beijo e a promessa que detinha antes de vir e disparar para a ação. Corri para a porta com o pensamento que havia certamente uma escada em caso de um incêndio. A porta estava sem bloqueios e, com um puxão, ela abriu. Minha vitória foi de curta duração pela presença de um homem com cabelo louro platinado e mais músculos do que espera ser humanamente necessário no corredor privado. Pense Willow. Pense. "Hum... Oi." Eu tentei por um tom alegre para mascarar a minha decepção. "Senhora Waters", ele cumprimentou bruscamente. Ele me olhou com cautela a partir de sua posição à espera do que eu poderia fazer. "Há algo que você precise?" "Eu tenho um pequeno pedido." "Continue." "Se você puder desbloquear o elevador, eu vou seguir o meu caminho." "Você está ciente de que eu não posso fazer isso." Fingi transtorno e confusão, na esperança de ganhar o meu caminho até o guarda corpulento que parecia como se ele preferisse estar em qualquer lugar, menos aqui. "Você é empregado dele, não é?" "Você pode dizer que sim." "Sequestro é parte da descrição do seu trabalho?" "Quando a ocasião pede." Eu escondi bem minha surpresa com seu tom aborrecido. "Eu tenho certeza que você está ciente dos limites legais de me prender aqui. Eu estou sendo mantida contra a minha vontade e quero ir embora. Imediatamente.” Eu adicionei, supondo que ele precisava do impulso extra para o senso comum. "Por favor, senhora. Estou apenas fazendo meu trabalho."


"E eu vou esquecer esse fato quando eu for à polícia se você me deixar ir agora." "Desculpe. Não posso fazer isso. Vá lá para dentro agora e eu não vou dizer nada." Na verdade, ele teve a coragem de piscar e olhar confiante, como se estivesse me fazendo um favor. Idiota. Frustração me levou a bater com a porta fechada o mais forte que a minha força permitia, e quando isso não foi suficiente, chutei-a até o meu pé ficar dolorido. O que eu vou fazer agora?

***

VERÃO ANTES DO ÚLTIMO ANO "Ok." Eu tentei controlar minha respiração sem sucesso. "O que acabou de acontecer? Se controle Willow. Isso não acontece por acaso." Virei-me rezando para que ele não estivesse lá ainda e, ao mesmo tempo esperando para pegar outro vislumbre dele. Ele estava lá, tudo certo. Apenas a cabeça estava inclinada, e do que eu podia ver de sua expressão facial, parecia pronto para estrangular o telefone. "Ei, espere!" Um cara severamente musculoso com uma jaqueta correspondente com as cores da escola e calça jeans rasgada movimentou-se com um sorriso arrogante, como se ele já me tivesse no bolso. "Eu não estou interessada." Eu estava cansada de homens arrogantes por um dia. "Você não pode me dispensar até, pelo menos, perguntar o meu nome." "Tudo bem," Eu bufei. "Qual o seu nome?"


"Shane", ele simplesmente ofereceu quando o seu sorriso aumentou. Eu poderia dizer que ele esperava que o seu nome fosse desencadear uma reação, e quando isso falhou, seu sorriso encantador caiu. "Bem, Shane, eu não estou interessada." Eu mudei em torno de seu corpo desmedido, mas a sua mão no meu braço me impediu de ficar longe. Eu puxei sem sucesso. "Deixe-me ir." "Você é nova aqui obviamente, por isso vou esquecer o seu cartão de grosseria, mas deixe-me explicar uma coisa para você." Antes que ele pudesse terminar, uma mão ameaçadora apertava ao redor de seu pescoço grosso, circulando-o na sua totalmente. "Não. Deixe-me explicar." Eu pisquei surpresa com a visão de raiva em Dash. Eu não sabia o que me surpreendeu mais. Dash ter vindo em meu socorro ou ele estar asfixiando alguém com o dobro do seu tamanho. "Você vai tirar esses pequenos dedos grossos de cima dela, ou eu vou esmagar sua traqueia." Uau. Muito assustador? Em vez de ter medo, o cara riu e estalou os dedos. Só assim, nós fomos cercados por outros atletas vestidos com as mesmas jaquetas. Havia dois, e ambos tão grosseiros quanto Shane. Dash não ficava em falta no departamento de músculo, mas ele era muito mais magro e em menor número. "Eu acho que é melhor você ir embora, menino bonito." Ele estava certo. Dash era extremamente bonito, e ainda assim, a forma como ele lidou com o cara foi completamente natural. No entanto, eram cinco contra um, e desde que o ego masculino não lhe permitiria voltar atrás, eu teria que agir. Afinal, seria um crime contra a natureza ver um rosto tão bonito esmagado. A distração de Shane fez com que seu aperto soltasse permitindo-me puxar o braço de seu aperto. Dash pareceu notar, porque um segundo depois, a mão pegou no mesmo lugar que ainda estava quente do aperto de Shane, tudo sem tirar os olhos de Shane ou remover a mão do pescoço dele.


"Eu acho que você pode deixá-lo ir agora," eu solicitei quando o tempo passou e ele não fez nenhum movimento para deixá-lo ir. "Você deveria ouvir a sua namorada." "Ela não é minha", disse ele, parecendo suspeitosamente na defensiva. Apertei os olhos para ele, tomando o insulto no coração. Por que não seria? Ninguém gostaria de ser rejeitado por alguém tão bem-feito como Dash Chambers... especialmente na frente de um grupo de qualquer tipo. O bufo de zombaria de Shane, eventualmente tornou-se uma risada. "Tudo isso por uma garota que nem sequer é sua? Ela é apenas um pedaço de bunda, cara." Ótimo. Eu atraí um idiota ainda maior. Acontece dele ser mais idiota do que apenas arrogante. Parecia que o arrogante compartilha meus sentimentos quando seu punho enrolado bateu no maluco desprezível. "Eu acho que não é ela que vai precisar de uma bunda agora." Quando seu líder bateu no chão, os outros dois atacaram, batendo em Dash com pancadas fortes que teriam feito um homem menor cair. Dash surpreendentemente provou ser capaz de se defender e se manteve firme contra os golpes cruéis, uma habilidade que só poderia ser adquirida através da luta. Eu o vi chutar um atleta na bunda e enviá-lo voando para o chão e sair com a boca cheia de grama. "Você provou seu ponto. Deixe-os sozinhos." "Mas eu estava apenas começando a suar." Eu bufei, sentindo um formigamento em lugares que ainda tinham de ser despertados. Com medo de ser pega cobiçando alguém inatingível para mim, eu fiz o que qualquer pessoa com um cérebro faria. "Estou indo embora." Eu não esperei por uma resposta e me afastei me sentindo como uma criança tendo um acesso de raiva. Eu só gostaria de saber por que eu estava irritada. Eu estava tendo um dia bom, embora um pouco chato, quando ele veio e estragou tudo com seus sorrisos e covinhas doces, meio viciantes.


"Quer parar de se afastar de mim?" Eu tinha ouvido o grunhido antes de sentir um braço em volta da minha cintura me puxando para trás. "Não me lembro de ter dado permissão para me tocar." "Você não se sente segura?", ele sussurrou contra o meu pescoço. A sensação de sua respiração suave sobre minha pele era muito boa. Foi embaraçoso como minhas pernas realmente tremeram. "Eu me sinto violada." Ao invés de me deixar ir, ele me trouxe para mais perto. Oh, Deus... meu traseiro estava realmente descansando contra seu... seu... "É por isso que você está corando?"

***

PRESENTE Quando acordei suando horas mais tarde, depois de sucumbir ao tédio, eu não me lembro de adormecer. Eu atribuía a minha pele suada ao couro rico do sofá enorme e às horas que passei dormindo em vez do sonho que tive com a primeira vez que senti o corpo de Dash contra o meu. Minha blusa úmida ficou presa na minha pele e meu cabelo, se possível, estava ainda mais enrolado. "Um dia em sua presença e eu já sou uma idiota com um sorriso afetado", eu murmurei amargamente. Depois de um longo e preguiçoso alongamento, eu me levantei e deixo o meu olhar percorrer a sala da frente, em busca de uma pista para a minha liberdade. O dia inteiro passou, e eu sabia que Dash seria fiel à sua palavra de estar de volta em breve. Seus olhos tinham prometido isso. Eu ignorei a corrida repentina do meu coração e pensei em tomar uma ducha fria até que me lembrei de que eu não tinha nenhuma roupa que não fosse a minha roupa de ontem. Elas permaneceram na minha mochila que nunca foi devolvida para mim.


Irritada, eu pisei até a porta e a abri. O guarda platinado saltou para a atenção e me olhou com cautela. "Minha mochila. Onde ela está?" Eu fui rude, mas eu não tenho paciência para falsas gentilezas. "Eu não sei sobre uma mochila, menina. Volte para dentro." "Você sabe quando ele estará de volta?" "Não." "Você não deve ser muito importante para a equipe." Meu sarcasmo não foi perdido para ele a julgar pela carranca. "Eu sigo as ordens." "Tenho certeza que você segue." Eu fechei a porta e afundei contra ela, perguntando-me mais uma vez como eu acabei aqui. De todas as coisas que Dash era capaz, eu nunca pensei que ele iria me segurar contra a minha vontade. Talvez ele tenha o código escrito em algum lugar... Com força renovada, corri pelo apartamento, virando cada maçaneta até que me deparei com uma porta que estava, infelizmente, trancada. Outra porta revelou uma sala que parecia ser um quarto de hóspedes com a adição de brinquedos espalhados e vários ursos de pelúcia. Contra meu melhor juízo, aventurei-me mais para dentro e peguei uma tartaruga de pelúcia com uma bandana amarrada em torno de seu rosto como uma máscara. Kennedy. Ainda era difícil de acreditar que Sheldon tinha uma filha... com Keenan de todas as pessoas. Ele havia sido o maior cão de caça de bocetas de Bainbridge High, e que eu tinha indexado como alguém com problemas de compromisso. Quando eu fugi há quatro anos, minhas suposições provaram ser um fato. Eu sabia que um dia, eu iria encontrar todos eles cara a cara novamente. Eu nunca pensei que seria em um dia de casamento. Com isso veio a dura realização de que todos eles cresceram sem mim.


Ao longo dos anos eu vivi com pesar, e a sua intensidade foi crescendo a cada dia até que eu não tinha escolha, apenas podia sentir ressentimento por tudo que eu tive que desistir, e todos que me levaram até lá. Eu não culpo ninguém, mas isso não me impede de me ressentir. Quando senti a primeira lágrima quente e ofensiva, trilhar a partir do meu olho e no meu rosto, eu coloquei a tartaruga de pelúcia às pressas de volta em seu lugar e saí do quarto. "Não seja estúpida, Willow. Não seja estúpida." Quando a minha preleção para mim não funcionou, corri para a cozinha e bebi tantos copos de água até que eu estava engasgada com ela. Eu odiava que minhas emoções estavam correndo fora de controle pelos amigos que eu não conhecia mais. Quando eu havia afogado minhas emoções, eu derivei sem rumo para fora da cozinha e olhei em volta para os sinais de que tipo de pessoa Dash tinha se tornado. O luxo do apartamento só falava da riqueza que eu já sabia que ele tinha, mas o que eu realmente queria saber era se havia outra pessoa, se houve alguma vez outra pessoa. Alguém com quem ele encontrou conforto, com quem compartilhou seus sonhos, ou que tinha mantido perto durante a noite. Alguém que valesse a pena para namorar. A sala de estar tinha exatamente o que eu precisava quando as paredes não o tinham. Peguei a primeira foto da lareira e encontrei uma imagem adorável de Kennedy quando ela era um bebê. Eu não sabia muito sobre bebês, mas ela parecia ser do tamanho de um recém-nascido. Um arco fino, muito rosa adornava sua pequena cabeça, e seus olhos escuros pareciam olhar inocentemente para a câmera. Eu não podia deixar de sorrir para ela, enquanto lutava contra as lágrimas de arrependimento. Eu fui arrancada dos devaneios pelo sinal baixo da porta, uma vez que ela foi desbloqueada. Eu coloquei a imagem de volta e me arrastei para fora da sala de estar, assumindo que Dash tinha voltado para casa mais cedo. Assim quando eu entrei no corredor, a porta se abriu, e apenas um segundo mais tarde, o apartamento foi cheio com o som de um


único tiro. Olhei silenciosamente para o furo de sangramento na cabeça do guarda. Eu não reagi até que ele atingiu o chão de madeira, mas descobri que era tarde demais. Três homens que se aproximaram de mim. O primeiro agarrou-me com força contra seu corpo. Minhas lutas fúteis incitaram a minha raiva o suficiente para trazer o meu joelho para cima entre as suas pernas como eu tinha feito com Dash, só que desta vez eu realmente queria mutilar. Aparentemente, ele sentiu o mesmo quando ele me soltou com um golpe dado com as costas da mão que fez minha cabeça bater com força suficiente para rivalizar com o Big Ben. A pele dos meus joelhos estava sendo queimada quando eles me arrastavam no chão. Como se isso não fosse suficiente, o meu cabelo quase foi arrancado de suas raízes, quando uma mão forte segurou-o firmemente, forçando minha cabeça para trás. Um pano apareceu por cima do meu nariz e boca, e, infelizmente, eu só fui capaz de lutar por segundos antes de eu sucumbir à escuridão.


Deixei um guarda na porta com Willow presa dentro antes de ir para o meu escritório. Saí mais cedo do que de costume quando eu tive a ideia de ficar em casa e passar o dia me perdendo nela. De alguma forma, ela fez parecer fácil esquecer que eu tinha uma companhia inteira para cuidar e milhares de empregos que dependem de mim. Eu precisava pensar, e eu não poderia fazer isso e ao mesmo tempo estar a trinta metros dela. Depois de admitir que ela não podia ser confiável, percebi que sequestra-la era o melhor, se não para impedi-la de fazer o que ela veio fazer, então para salvá-la. Agora, eu só precisava descobrir de que ou de quem ela precisava se salvar. Quatro anos atrás, eu podia lê-la como a um livro aberto, e agora, o que eu lia era que ela estava com problemas, ou pelo menos escondendo algo. Para Willow, talvez o último fosse muito mais perigoso. Agora que eu a tinha, eu não tinha ideia do que eu ia fazer com ela. Eu não a vi em quatro anos, porque eu a deixei seguir o seu caminho. Isso não era um erro que eu estava disposto a cometer novamente. Eu não sabia que tipo de vida ela havia tido nestes últimos quatro anos, mas não era mais relevante. Ela nunca ia voltar. Saí da suíte privada do escritório e coloquei a minha cara de jogo. Celesha piscou-me um sorriso amigável ainda insultada quando eu a ignoro


sem palavras. Eu rasguei o meu paletó, como se ele estivesse pegando fogo e jogo meu corpo na cadeira. "Você fez algo ilegal." Ergui a cabeça da minha mão para encontrar a minha assistente na porta com a mão em seu quadril. "Não seria a primeira vez." "Muito ruim para compartilhar?" Ela perguntou com um sorriso largo. Eu tenho a impressão de que ela tinha tido um pouco de uma raia selvagem quando era mais jovem, que só transbordou agora, quando ela era travessa. "Você não acreditaria em mim se eu lhe dissesse." "Você poderia tentar. Se você compartilhar, eu vou compartilhar." "Oh?" "Mas você tem que prometer que não vai me demitir." "Você faz seu trabalho muito bem, mas eu vou ter que dar um adiantamento. Se existe alguma coisa premente que precisa da minha atenção, tudo vai ter que ser cuidado até às 5:45. Eu tenho uma reunião com Richard Simon às seis." "Richard Simon? Como eu não sei sobre isso?" "Porque eu mesmo marquei." "Ele não é da concorrência?" "Não por muito tempo." "Quer dizer, como..." Ela arrastou seu dedo na garganta, em um movimento de corte. "Por que mais eu teria me vestido com o meu terno favorito?" Ela bufou. "Não é como se você não pudesse pagar por mais ternos favoritos. Então, onde você está indo? Devo providenciar um carro?" "Não há tempo. Eu vou andando. Eu só vou até a rua em Pete." "Isso é um pouco informal para uma reunião de negócios."


"Eu percebi que eu devo tomar meu tempo e conquistá-lo um pouco. Você sabe, com jantar e um filme?" Eu não estava levando-o realmente para jantar e um filme, mas o conceito era o mesmo. Meu pai sempre tinha usado uma abordagem de liderança e, francamente, ele poderia ser um pouco imbecil. Minha especialidade era a fineza. Em primeiro lugar, eu ia fazer Richard confiar em mim. Ela devolveu meu sarcasmo com o seu próprio. "Você é encantador." "Isso é o que me dizem. Eu estou esperando que se eu possa conquistá-lo e assumir a Simon Aquisições, então eu posso conseguir tirar o meu velho das minhas costas. Meu pai acredita sempre e unicamente no método de dividir e conquistar.” "É um milagre que ele conseguiu ficar casado por tanto tempo." "Minha mãe é muito pior." "Uau. Eu acho que os Chambers são uma família de assassinos." "Minha irmã é a exceção. A ovelha negra. Ela tem um toque mais delicado quando se trata de conseguir o que quer." "É essa a sua maneira sutil de dizer que ela é mimada?" "Você está ficando muito boa em seu trabalho." "É por isso que você vai me dar um aumento grande e gordo no final do ano." "Ou eu poderia demiti-la e economizar o dinheiro", eu devolvi. Eu sorri, mas ela não usou sua língua afiada para responder com seus gracejos habituais. Em vez disso, ela se remexeu em seu assento. "Algo errado?" "Eu, uh... tenho uma notícia." "Continue." "Estou grávida." "Parabéns. Por que você parece como se sua mãe tivesse morrido em vez disso?"


"Porque eu precisarei tirar uma licença, e eu sei que eu só estou aqui a um curto espaço de tempo e não qualifi..." "Feito. Não é uma pergunta. Pegue três meses...” "Eu preciso de mais de três meses." Eu era incapaz de esconder a minha surpresa, por isso ela se apressou. "Eu não estou esperando pagamento. É só que eu tive dificuldades no passado com a gravidez, o médico aconselhou que eu permanecesse em repouso na cama, se espero levar o bebê até o fim.” Suas mãos tremiam com sinais físicos de stress, e eu percebi que o meu silêncio estava contribuindo para o seu nervosismo. Legalmente, já que ela não tinha trabalhado para mim o tempo suficiente, ela não estava protegida pela lei e, mesmo assim, ela só cobre três meses de licença. O que ela estava pedindo era algo que a maioria dos empregadores não concedia. "Eu não vejo um problema com isso. Você vai perder, é claro, mas posso assegurar-lhe que a sua posição permanecerá intacta." Ela lançou um suspiro alto e segurou o peito. "Eu não sei como lhe agradecer." "Você me impressionou imensamente em um curto espaço de tempo. Apenas deixe-me saber por quanto tempo eu tenho que encontrar um assistente temporário." "Eu acho que estou segura para ficar por mais um mês. Eu não estou de muito tempo." "Ótimo. Escreva um cronograma de treinamento de duas semanas. Você estará treinando o temporário. Vou notificar os recursos humanos para que eles possam entrar em contato com uma agência de trabalho temporário e prepará-la para a licença médica." "Obrigado, mais uma vez." Ela se levantou de seu assento e atravessou a sala para a porta. Observei-a hesitar e, em seguida, voltar para trás. "Você é muito gentil." "Eu não sou..."


"Você não é nada como seu pai..." com a cabeça inclinada e um sorriso triste, ela cruzou os lábios, "... não importa quantas vezes você se puniu por pensar assim." Ela saiu e o resto do dia foi um borrão. Em pouco tempo, eu estava saindo do prédio de escritórios e entrando no crepúsculo. Dez minutos mais tarde, eu estava caminhando para o bar e churrascaria pouco iluminado. Eu estava começando a sentir-me confinado em meu terno, mas não tive tempo para me trocar. Nos próximos minutos, eu silenciosamente ensaiei o que eu diria. Eu fiz a minha lição de casa sobre o homem que foi o único que conseguiu não ceder à venda ou táticas de intimidação de meu pai. Richard Simon não tinha mulher ou filhos. Ele raramente passou um tempo na companhia de outras pessoas, exceto para golfe todos os domingos. Ele tinha uma paixão por barcos e prostitutas caras. Eu também sabia que ele pesava mais de duas centenas de libras e fundou sua empresa cinco anos antes de meu pai, mas agora estava à beira da falência. Como um homem orgulhoso, recusou-se a vender ou fechar a sua empresa, o que poderia significar milhares de pessoas estariam fora de um trabalho de forma inesperada. Eu não ia deixar isso acontecer. Na sugestão, Simon atravessou as portas duplas me procurando. Seus olhos se estreitaram quando ele me viu sentado no bar sozinho. " Dash Chambers. Você finalmente deixou a caixa de proteção, hein?" "Estou definitivamente fora, mas eu não sei muito sobre deixar." Minha amargura era difícil de esconder, mesmo a um estranho. "Seu pai não é conhecido por ser paciente. Eu acho que foi um grande erro dele torna-lhe o chefe da empresa, mas eu acho que é melhor para o negócio... pelo menos para mim." Que negócio? Sabiamente, deixei a pergunta saltar ao redor em minha cabeça. "Você pode estabelecer-se e tomar uma bebida. Eu não estou aqui para levar a sua empresa. Não esta noite, de qualquer maneira."


"Então por que estou aqui, filho?" Se ele estreitasse os olhos mais, eles estariam completamente fechados. "Para beber." "Para... o quê?" "Beber. Eu preciso de uma bebida, e eu não quero beber sozinho." Suas sobrancelhas grossas foram franzidas quando chegaram para perto de seus poucos cabelos. "Você não tem alguns amigos da faculdade com quem você possa beber? Tenho quase três vezes a sua idade, menino. Além disso, você não iria me acompanhar." Duas horas mais tarde, eu levei-o a sua vitória. Eu tinha parado de beber após o quinto tiro e o tornei agradável e bêbado com dez tiros em duas horas. Ele me bateu duro nas minhas costas e pronuncio indistintamente. "Eu disse que não seria capaz de manter-se." "Sim, você me pegou." "Não se preocupe, menino. Você vai ficar melhor com a idade." Seu sorriso se espalhou ainda mais quando ele se sentou de volta com um olhar no seu copo. "Parece que você teve muita prática." "Quando você chega à minha idade com poder e dinheiro, por vezes, uma boa bebida é tudo que você precisa para impedir-se de jogar tudo fora." "Algo está incomodando você?" "Você quer dizer além de seu pai estar tentando roubar minha empresa?" "Meu pai está aposentado." "Seu pai nunca vai se aposentar, e acho que você sabe disso. Ele fez-lhe o chefe da empresa, mas ele nunca vai abandonar o poder. Ele está com fome por ele." Eu fui o único a sinalizar para uma bebida. "Ele não pode me controlar." "Então por que você está aqui?"


"Ele não sabe sobre esta reunião, Richard." "E o seu VP?" "James não tem nada a ver com isso." "Agora você tem a minha atenção. Você quer trabalhar para mim?" "Não se iluda. Eu quero ajudar você." "Ajudar-me? Como diabos você pensa que pode me ajudar? Eu tenho a experiência. Você é apenas um garoto fresco e enfrentado a vida fora da faculdade e que, cujo pai entregou-lhe seu sucesso." Bingo. "Isso é tão ruim?" "Você pode ser um herdeiro, mas uma preparação adequada ainda é necessária." "Eu acho que a minha infância pode atestar o fato de que meu pai vem me preparando já há algum tempo." "Você sabia que seu pai e eu fomos os melhores amigos uma vez." Eu balancei a cabeça negativamente e consegui esconder a minha surpresa. "Fomos colegas de faculdade e companheiros. Nós compartilhávamos tudo, até mesmo as mulheres.” Mexi-me sentindo desconfortável com a possível direção que esta conversa estava tomando. "Eu não preciso ouvir sobre as escapadas sexuais do meu pai." Ou a suas. "Seu pai é um ladrão. É por isso que a nossa amizade acabou. Ele levou primeiro algo que eu pensei que era valioso para mim, mas eu o perdoei, e então ele tentou roubar minha empresa quando eu não iria vender." Eu sabia que meu pai tinha tentado uma aquisição hostil, mas o que eu não sabia era que ele fez isso, enquanto eles eram amigos. Às vezes eu não podia acreditar até onde o meu pai iria por dinheiro. "Então, você acha que está pronto?", ele perguntou, tirando-me dos meus pensamentos.


"Eu acredito que eu não tenho muita escolha." Simon estava à procura de um ponto fraco. A divergência entre meu pai e eu. "Eu sempre pensei que ia ter um filho para passar tudo para ele, mas agora parece que essas são duas coisas que não vão acontecer." "Não se deixe abater. Sua empresa pode prosperar por muitos anos ainda, se você puder derrotar o seu ego e aceitar ajuda." "Ajuda? Não há nenhuma ajuda. Eu sou um peão para alimentar a ganância de seu pai." "Eu disse que eu não estou aqui seguindo suas ordens." "Não. Você está aqui para se rebelar." "Então, podemos ajudar um ao outro." "Estou curioso. Como você planeja me ajudar?" "Fusão. A fusão será composta de Chambers M & A Holdings comprando cinquenta por cento de Simon Acquisitions.” "Você está fora de sua mente." "E você vai ficar com o nome da empresa na porta da frente." "Impossível. Seu pai nunca vai deixar isso passar." "Não é mais a empresa do meu pai." "Eu imagino que ele ainda tem algum poder. Ele é chefe do conselho, não é?" "Chambers M & A Holdings não vai ser dona da Simon Aquisitions. O que um nome importa?" "É importante porque eu não vou fazê-lo." "E quanto aos seus próprios membros do conselho?" "E o que sobre eles?" "Será que eles vão concordar?" "Você está me ameaçando?"


"Eu estou apontando que em breve a decisão não será mais sua. Você acha que eu sou o único que pensou em um encontro secreto em um bar? Quanto tempo antes que as partes interessadas exijam resultados? Sua empresa está quebrada. Eu estou disposto a patrocinar." "Quarenta e nove por cento?" "Cinquenta."

*** Meu telefone tocou no meu bolso quando deixei o calor do bar para o ar frio da noite. O alerta soou mais como um alarme, e foi sentido como um mau presságio. Estudei o identificador de chamadas e vi o clarão com o nome de Fisher na tela. Eu peguei para responder e fui imediatamente recebido por palavras assustadoras. "Chefe, temos um problema." "Ela está bem?" "Levaram-na." "Estou a caminho." Amaldiçoei-me por deixar o meu carro para trás e corri toda a distância de volta para o escritório. Uma vez que eu estava no meu carro, eu me apressei para casa, torcendo o volante e comendo os quilômetros entre mim e quem teve a falta da porra do cérebro para tocar o que é meu. O edifício e a área ao redor estavam vivos com a polícia e ambulâncias. As pessoas estavam ao redor agarrando uma a outra no meio do terror que ocorreu. Anjo. Os elevadores estavam fechados por isso, tomei as escadas todo o caminho até o topo do arranha-céu. Eu mal percebo as batidas do meu coração, o que não tinha nada a ver com o trabalho físico de subir a escada e tudo a ver com o desconhecido.


Fisher estava esperando no topo da escada, com uma expressão sombria. Ele nunca foi um cara de sorrir, mas o stress revestindo o seu rosto era a primeira indicação dos danos. O sangue e os hematomas em sua pele também me disseram que ele lutou muito e por apenas essa razão, eu não iria demiti-lo por perder o meu anjo. "Quem foi?" Mudei-me direto para um interrogatório. Eu não tenho tempo para brincadeiras sem informações. "Eu não tive tempo para uma boa olhada. Foi duro e rápido." "Como eles entraram?" Eu mordi fora com os dentes cerrados. "Um dos homens vendeu-se." "Eu quero vê-lo morto." "Ele já está." Fisher quebrou a porta aberta e apontou para o saco de corpo sendo levado para fora. "As mesmas pessoas tomaram conta dele, uma vez que se encontraram." "Vídeos?" "Fomos capazes de prender a transmissão antes que a polícia chegasse." "Bom. Quero os vídeos tão logo este lugar esteja limpo e faça com que isso aconteça rapidamente. Auxilie de qualquer maneira que você puder, e qualquer informação que não tenhamos, obtenha." Eu paro de latir ordens por um momento e lembrei que eu era capaz de alguma simpatia. "Quantos você perdeu?" "Apenas um. E eu não vou derramar lágrimas sobre ele." "Feridos?" "Marks e Cavers foram baleados tentando recuperar a menina." "Quão ruim?" "Uma bala na perna de um e uma no braço do outro. Eles vão ficar bem." "Você já notificou as suas famílias?" "Eu já fiz isso."


"Bom. E os outros homens?" "Mandei dois para o hospital e os outros estão pesquisando na cidade." "Vamos acabar com isso, então." Fisher abriu a porta e me levou para o caos que estava a minha suíte. "Dasher Chambers?" Um oficial de meia-idade com costeletas cinzentas questionou. "Sou eu." "Nós temos algumas perguntas a fazer sobre o que aconteceu aqui esta noite. Testemunhas dizem que uma menina está desaparecida." " Willow Waters." "Ela era sua convidada?" "O que mais ela seria?" "Nós precisamos saber a sua relação exata com a vítima." Lutei para responder por muitas razões. Nosso relacionamento era complicado, e o pensamento dela como uma vítima era difícil de engolir. "Ela é uma amiga," eu ofereci. "Você tem alguma ideia de quem possa ter feito isso?" "Não." Minha resposta curta levou ao olhar cético no rosto do oficial. "Se eu soubesse, você pode acreditar que eu não estaria aqui falando com você." Isso pareceu satisfazê-lo quando o olhar do oficial viajou de mim para o seu notebook. "Quem fez isso estava falando sério. Se você puder pensar em algo que iria ajudar, ligue para mim." Ele me entregou um cartão, que eu tomei e enfiei no bolso sem ler. "Vou fazer Oficial." Mais meia hora e o meu apartamento foi finalmente recuperado. Fui para o meu escritório com Fisher em meus calcanhares. Eu precisava ver o que havia nessas fitas. Eu estava perto de explodir a partir da necessidade reprimida de matar alguém.


Com alguns toques, tive a alimentação da gravação dos minutos no apartamento antes que Willow foi tomada. O vídeo a mostrou caminhando em torno da cobertura. Vi ela olhar sobre as muitas fotos de Ken e poderia até mesmo ver o sorriso em seu rosto enquanto ela correu o dedo para baixo do vidro. A segunda transmissão mostra quando a porta estourou aberta, quando explodiu a calma no caos. O corpo sem vida do traidor caiu para dentro da porta. O alarme silencioso teria sido desencadeado pela entrada forçada da escadaria que conduz ao corredor privado onde o guarda tinha se colocado. Nenhuma das medidas de segurança estabelecidas poderia tê-la protegido contra meu inimigo desconhecido. Mas, e se não tivesse sido o meu inimigo? Desamparado, eu os assisti a examinar, segurando a madeira sob meus dedos com raiva como se estivesse acontecendo em tempo real. Meu anjo lutou e ainda teve o melhor deles por apenas um momento. Ela estava cercada, mas se segurou, e eu não poderia conter o orgulho que inchou em meu peito enquanto eu a observava bater o joelho duro nas bolas de um dos homens. Infelizmente, ele foi capaz de trazê-la para baixo com ele com um golpe com as costas da mão tão duro que me tinha pronto para colocar o meu próprio punho através da tela. Outro homem colocou um pano em sua face, o que ele usou para sufocá-la. Segundos depois, seu corpo caiu no que eu só poderia assumir era um sono drogado. "Encontre-a."


24 DE NOVEMBRO

Eu esfreguei as palmas das mãos suadas para baixo na calça jeans que me tornei muito familiarizada vestindo e olhei em volta, nervosamente. Eu não estava em Six Forks ainda, e já, eu estava pronta para virar e fugir para um lugar seguro. Meu mal-estar não foi uma surpresa. Fiz muitas viagens como esta. Sempre no terceiro sábado, a cada dois meses, mas nesta viagem me senti diferente. Poderia ter sido a maneira que meu coração batia e minha pele aquecida a uma temperatura insuportável, mas era definitivamente tudo a ver com a sensação de estar sendo observada. Ele me seguiu para o aeroporto todo o caminho para o ônibus que eu embarquei há cinco minutos. Minha mochila com apenas uma muda de roupa e artigos de higiene era a minha única fonte de conforto. Eu cavei dentro e pego o pacote de chicletes que eu comprei antes da viagem de avião e coloco um em minha boca antes de agarrar minha bolsa mais apertada. O ônibus estava quase vazio, com apenas cinco passageiros, incluindo eu. Olhei em volta e não encontro nenhuma razão para suspeitar de qualquer um deles. Havia dois homens sentados não muito atrás. Um parecia estar dormindo enquanto o outro estava lendo. Uma mulher e seu filho estavam sentados três fileiras na frente deles e uma mulher idosa sentou do outro lado do corredor. Eu balancei os sentimentos para fora e percebi que estava sendo boba.


A viagem de ônibus para o Six Forks era parte da rotina quando chegava em casa. Eu já não estava funcionando como normalmente, mas eu tomei precauções para garantir que eu nunca ficasse cara a cara com ninguém. Minha mãe e padrasto eram as únicas pessoas que podiam permanecer na minha presença, porque eles eram os menos próximos de mim. A faca em meu coração torcia com a lembrança que eu não tinha visto o rosto de meu irmão em quatro anos. Buddy me amava muito e ele nunca teria me permitido correr. Ele provavelmente teria conseguido me tirar fora disso e, por isso, eu fiquei apenas com a opção de amá-lo de longe. Buddy tinha acabado de começar seu primeiro ano em Reno, estudando engenharia mecânica. Infelizmente, a minha única fonte de notícias veio da minha mãe e pai adotivo. Minha mãe, infelizmente, só estava preocupada com quem ele pode estar namorando e meu pai adotivo era um homem de poucas palavras. Sua personalidade desencadeou junto com o uso de suas pernas, deixando-o preso a uma cadeira de rodas. A viagem de ônibus foi curta, como de costume, eu esperava que a minha mãe estivesse à espera, mas assim que eu estava nos degraus do ônibus, meu celular vibrou na minha mochila. Irritada, eu pesquei ele com raiva e para fora e li a mensagem que eu já sabia o que seria. Ela estava atrasada. Eu não entendia como ela podia chegar tarde quando eu chegava a mesma hora a cada viagem. Eu sabia que não era por causa do meu pai adotivo. Se alguma coisa estivesse errada, ela teria dito que não chegaria. Minha mãe adorava o meu padrasto porque ele era dela, e se isso significava colocá-lo diante de seus filhos, então que assim seja. Aproximei-me do banco vazio, sentei-me na madeira fria, e me encolhi dentro de mim para me aquecer. Normalmente, eu gostava da temporada de outono e o ar fresco que ele trazia, mas a paranoia fez o ar parecer ainda mais frio. Um bocejo e um espirro me escaparam quando ouvi o que soou como meu nome no vento. Virei-me para a voz e encontrei dois homens se


aproximando. O instinto de fugir me trouxe para os meus pés, mas uma vez eu estava de pé, eu não podia mais me mover. " Willow Waters?" O mais próximo perguntou novamente. Olhei entre os homens com rostos desconhecidos e senti um calafrio de suspeito sugando o calor do meu corpo. "Não. Meu nome é Darcy." Eu recuei com passos rápidos para trás ao mesmo tempo mantendo os olhos desconfiados travados com seu olhar mais duro e mais cruel. No momento em que eles se aproximam, eu sabia que eles não acreditaram em mim. Eu não vi a van até que ele estava na minha frente. Quando a porta se abriu, eu sabia que os dois homens eram apenas uma distração do perigo real. A abertura revelou uma linda mulher com o cabelo escuro que vagueava para baixo em sua cintura delgada. Seus grandes olhos castanhos e lábios sensuais eram tão intimidadores quanto os homens fortes que a cercavam naquela posição no banco. Ela sentou-se como se estivesse em um trono, a Van como seu castelo, e eu fosse o humilde prisioneiro camponês. "Eu tenho um trabalho para você. Um que vai pagar bem." Ok, eu não estava esperando por isso. "Eu sinto Muito. Eu não estou no mercado para um trabalho atualmente." "A aceitação não é negociável." Ela me dispensou com um aceno para os homens que eu estupidamente esqueci que estavam atrás de mim. Eu senti uma mão pesada em minhas costas segundos antes que eu fosse empurrada para o chão duro da van. Eu acho que era demais esperar que eles tivessem me deixado ir depois de diminuí-los para baixo. Antes que eu pudesse encher meus pulmões com ar de novo, após o impacto duro, eu fui arrancada em uma posição sentada. "Perdoe minha grosseria. Meu nome é Esmeralda." Ela ofereceu um sorriso pouco característico para a situação em que estávamos atualmente. "Eu não perguntei seu nome... Ah, porra. Por que você me disse o seu nome a menos que você vá me matar?" Acalme-se, Willow. Não tenha um ataque de pânico agora.


"Sou procurada em vários países, incluindo o seu." Ela zombou de sua referência para a América, e eu lutava com a necessidade de lança-la para fora. "Não há nada que saber o meu nome poderia fazer que já não tivesse sido feito." Dane-se. Eu estou tendo um ataque de pânico. "O que você quer comigo?" Lutei ao longo da espessura da minha língua. "Eu te disse. Eu tenho um trabalho para você, pequena Willow." Ela cruzou a perna no tom de voz sobre a outra perna no tom igualmente e girou o pé casualmente. "Mas, eu não quero um emprego." "Você vai querer este trabalho. Ele paga bem. E você vai ficar com a sua vida." "Que tipo de trabalho vale a pena a minha vida?"

***

PRESENTE A escuridão foi substituída por uma luz ofuscante, e meus olhos imediatamente lutaram para se ajustar à luz aparentemente brilhante. Asperamente enchi meus pulmões de ar para combater a sobra da claustrofobia do saco nas mãos do meu captor. Seu malicioso sorriso se espalhou, revelando seus dentes tortos quando eu olhei para ele. O que quer que eles tenham me dado tinha passado e eu fui deixada para lutar contra a desorientação. Um olhar ao redor revelou Esmeralda, minha verdadeira captora, de pé a poucos passos de distância. Ela me olhou, parecendo divertida com a luta em que eu me coloquei quando eu fui deixada em um escritório. A julgar pelas janelas altas e as paredes de concreto, eu imaginei que eu estava em algum tipo de armazém.


"Você tentou correr." Ela inclinou a cabeça com um pequeno sorriso, mas seu tom era de castigo. "Eu não..." "Não insulte minha inteligência, menina. Se o seu namoradinho não a tivesse roubado no aeroporto, eu mesmo teria. Você pode até dizer que ele a salvou... ou apenas atrasou o inevitável." "Eu não posso fazer o que você pediu, então eu acho que você está aqui para me matar." Este seria o momento em que começo a implorar pela minha vida, mas as palavras permaneceram dolorosamente alojadas na minha garganta. Ela jogou a cabeça para trás e a sala se encheu com o som áspero de sua risada como se eu tivesse acabado de contar uma piada. Quando ela se recuperou, seu olhar caiu sobre mim com um aceno de cabeça. "Você ainda tem o presente que lhe dei? Eu assumo que você tenha, desde que você não fez o que eu pedi." "Sim, eu ainda a tenho." Oh Deus. Mas por que eu ainda tenho isso? "Bom." Ela sinalizou para o homem que segurava meus braços e, felizmente, seu aperto vicioso diminui. Eu sabia que o dano já havia sido feito, e eu teria hematomas na parte da manhã, se eu sobrevivesse a isso de alguma forma. "Eu não vou matar você hoje." "Você é muito gentil", eu respondi sem entusiasmo. Meu sarcasmo não foi perdido por ela. Os lábios dela caem em provocação, sorriso falso a uma linha honesta de desagrado. "Ocorreu-me que eu simplesmente estar ameaçando sua vida não era suficiente. Você obviamente não pode ser motivada apenas por sua vida, por isso estou tomando a liberdade de oferecer a de sua família também." "M-minha família?" "Sua mãe, pai e seu irmão mais bonito." "Não toque em minha família, sua cadela venenosa!" Eu acuso, mas não deu em nada antes do tapa de deixar os dentes tortos, o ouvi mais do que eu senti. "Isso é tudo que você tem?" Eu zombei mesmo que minha pele sentisse como se tivesse apenas pegando fogo.


"Eu certamente teria medo. Sandwell Lane, 45. A lamentável casinha na esquina." "O que?" "Eu sei onde sua família vive e cada movimento que eles fazem", ela respondeu lentamente, como se eu tivesse um cérebro pequeno. "E eu pretendo matá-los se você não completar a tarefa." "A tarefa? Matar um homem não é uma tarefa e minha família não tem nada a ver com isso." Eu quis argumentar que nem eu tinha, mas eu já estava muito envolvida. "Sim, mas toda guerra tem baixas e, infelizmente, eu não comecei esta guerra. Seu amigo começou." "Ele não é meu amigo." "Então você não deve ter um problema com isso." "Eu não posso matá-lo." A mulher mais velha se afastou da mesa e se aproximou de mim com passos lentos, mas seguros. "Você pode, pequena Willow. E, querida, você vai, porque, se eu tiver que matá-lo, eu não vou parar por aí. Eu vou matar a putinha de olhos brilhantes pela qual ele traiu meu marido e eu vou matar sua família, incluindo a garotinha adorável. Vou até matar aquele pedaço bonito de carne de quem eu roubei você. Eu vou matar todo mundo, minha querida. Não se engane sobre isso." Eu balancei a cabeça e cerrei os dentes, como se isso pudesse parar as minhas lágrimas de fluir. "É impossível." "Não é impossível. Eu só estou pedindo uma vida. Sua vida por todo o resto." "Eu não sou uma assassina." "Mas você é. Se você não matá-lo, você vai ser responsável por mais mortes em vez de apenas uma." "Tudo bem. Eu vou fazer isso."


"Você disse isso da última vez. Quero uma prova como garantia antes que sua família esteja segura novamente." "Prova?" "Sim, me traga-me alguma coisa dele." Ela sorriu. Meu nervosismo correu ao lado da confusão. "Como uma joia?" Será que Keiran ao menos usava joia? "Não, algo melhor do que isso. Traga-me um pedaço dele." Ela estalou os dedos para os homens como se fossem cães, e um homem com uma cicatriz profunda e irregular em todo o queixo deu um passo à frente com o saco. "Oh, mais uma coisa." "O-o quê?" "Quando você matar Keiran... você deve matar Keiran... você pode fazerse um favor e cuidar de seu namorado, também." Chupei o ar e rezei para que ela não fosse me pedir para matar Dash por minha família também. "Porque eu faria isso?" "Você realmente acha que ele vai perdoá-la depois de ter assassinado seu melhor amigo? Os homens raramente admitem amar um ao outro, mas as chances são de que ele o amasse muito antes dele ter feito o seu caminho entre as suas coxas. Adivinhe onde sua lealdade se encontra?" Seu conselho de despedida me perseguiu durante a viagem inteira. Eu não podia ver onde estávamos indo, ou até mesmo me mover sem ser imprensada entre dois corpos excessivamente grandes, então não havia nada que eu pudesse fazer a não ser reproduzi-lo na minha cabeça. "Aqui. Este é um bom local." Um dos capangas resmungou. Suor havia se formado acima do meu lábio superior apesar do ar gelado na van. A van parou abruptamente, e eu teria caído para frente se dedos ásperos não tivessem me agarrado bem a tempo. O som da porta da van correndo aberta cumprimentou-me e, em seguida, o ar mais frio explodiu assim que o saco foi retirado da minha cabeça. Eu fui empurrada para fora da van e bati no chão. "Complete o trabalho e mantenha a boca fechada", ele ordenou. A porta se fechou e os pneus guincharam quando eles fugiram.


Eu vi a van desaparecer, deixando-me abandonada na beira da estrada. Sinceramente, eu preferia ter tomado minhas chances com as ruas escuras e o ar frio. Eu olhei para a abundância de postes e edifícios altos e percebi que estava de volta à cidade. Sem sapatos. Sem casaco. Sem carteira. E sem telefone. Fazia horas, então eu sabia que Dash deve ter sido alertado para o meu desaparecimento e destruição de seu apartamento. Um arrepio percorreu minha espinha com a memória do som das armas de tiro e pessoas gritando enquanto corriam para se proteger. Eu não tinha ideia de onde os homens de Dash tinham vindo, mas tinha sido uma luta brutal que eles tinham perdido devido a sua falta de vontade de prejudicar os inocentes. Foi essa a vantagem que os homens de Esmeralda tinham sobre eles quando eles literalmente pulverizaram a área com balas. Eu não sei quanto tempo eu andei, mas depois de pelo menos duas horas de caminhada sem rumo pela cidade desconhecida, meus pés estavam gritando, e a dor aguda de andar sobre o concreto duro me fez querer gritar também. Eu considerei pegar uma carona como se eu estivesse em uma estrada rural, em vez de uma rua da cidade, mas rapidamente descartei o pensamento quando a visão de mim presa no porta-malas de alguém se formou. Embora, havia a possibilidade de que eu poderia ser arrastada em um beco, em vez... "Willow?" Olhei em volta e vi um grande SUV preto parar ao meu lado. Foi déjà vu tudo de novo. Merda. Eu pensei em correr, mas a falta de sapatos me disse que era uma má ideia.


"Não corra." a voz familiar me ordenou. Eu parei e olhei quando a porta traseira abriu e longas pernas envoltas em jeans preto saíram. "Keiran?" Ah Merda. Olhei em volta, esperando a van aparecer e atirar para cima da rua, como fizeram no prédio. Eu nunca tive a chance de responder quando um segundo corpo emergiu do veículo. Senti-me como se o sangue literalmente tivesse sido drenado do meu corpo quando eu reconheci Dash e a expressão feroz que ele estava carregando. Corre. Porra, corre. Ele deve ter adivinhado a minha intenção, porque os seus passos aceleraram, fechando a distância entre nós com um olhar duro que me fez encolher. Felizmente, segurei-o e mantive minha própria expressão impassível. Que durou apenas até a mão dele pegar meu pescoço em um aperto selvagem. Ele pareceu arrepender-se um momento mais tarde e afrouxou o aperto, embora ele permanecesse como um colar ou uma coleira para me manter no lugar, literalmente. "Você quer me dizer por que você está andando pela calçada como se você não tivesse acabado de ser sequestrada depois que meu apartamento foi arrombado e os meus homens foram baleados como o inferno?” "Talvez você devesse me dizer. São seus homens. Seu apartamento." Seus olhos se estreitaram, mas a suspeita em seu olhar era clara. "E eles simplesmente a deixaram ir?" Dei de ombros e engoli a espessura irritante na garganta gritando para eu lhe dissesse a verdade. Eu estava tão cansada e só queria um banho quente e cama para rastejar e talvez até mesmo para acordar na manhã seguinte e esquecer toda esta provação. "Anjo, me diga o que diabos é que está acontecendo com você." Seu tom era desesperado agora, fazendo-me sentir ainda mais impotente. "Você está em apuros?" "Se eu estivesse, o que você poderia fazer a respeito?" "Eu iria protegê-la."


"Proteger-me? Eu não sou sua para proteger.” "Alguém tem que fazê-lo", ele grunhiu. Era uma maravilha que ele pudesse falar além de todo o aperto da sua mandíbula. Dash era lindo em um dia ruim, mas ele era de tirar o fôlego quando ele estava com raiva. Ele normalmente era tão charmoso e cheio de sorrisos juvenis. "Como um cavalheiro? Mas aqui está uma notícia de última hora. O seu apartamento e seus homens teriam sido muito bons se você tivesse me deixado sozinha para começo de conversa. Eu não deveria estar aqui." "Então, onde você deveria estar?" Eu estava trancada em seu olhar exigente e, mais uma vez, lutava com a necessidade de confiar nele. Parecia que tudo o que eu tinha feito desde que ele forçou seu caminho em minha vida foi lutar. O lembrete do porque ele entrou na minha vida era uma verdade amarga a qual não dei as boasvindas. No momento, eu realmente queria matar Keiran por eu ter amado Dash uma vez, e era exatamente com isso que eu tinha que contar. "Caindo fora desse lugar meu amor."


Eu não conseguia decidir entre beijar o meu anjo ou espancá-la até que ela estivesse preta e azul. Levou um grande esforço para eu lembrar de por que bater em uma mulher, particularmente a mulher que estava na minha frente, era uma má ideia. A verdadeira questão era se a minha necessidade de machucá-la era porque ela era tão descuidada com sua vida, ou porque ela admitiu não me amar. O amor era algo que nunca tínhamos discutido, mas em algum momento, eu acreditei que ele estava lá. Eu nunca disse a ela porque eu não tinha certeza que isso era algo que eu queria. Lembrei-me que não importa agora, de qualquer maneira. Eu estava noivo de Rosalyn. Alguém que eu sabia que eu nunca amaria. "Vamos." Segurei sua mão na minha e senti a rigidez gelada de seus dedos, o que restou de andar pelo ar frio. Isso me irritou mais do que deveria. Eu não deveria me preocupar com esta menina. Keiran estava junto ao carro, olhando para nós com uma expressão curiosa. Sua sobrancelha levantada. Nesse simples gesto, havia uma enxurrada de perguntas, e eu não tinha nenhuma resposta. Esta noite, eu tinha perdido dez anos da minha vida. Além disso, eu estava exausto, irritado, e com tesão sem caminho para alívio. Eu balancei a cabeça uma vez e me virei com um aceno. Era bom que ele ainda estivesse


na cidade. Lake provavelmente queria ficar para trás por Sheldon para ajudar um pouco na tensão do dia de seu casamento arruinado. Eu mantive meu olhar sobre Willow quando eu a ajudei a entrar no carro e prometi a mim mesmo que eu iria fazê-la falar. Pela minha irmã, cujo dia do casamento tinha sido arruinado. Eu subi no carro após Willow estar dentro enquanto Keiran subiu no banco da frente com Fisher. Estávamos apenas a dez minutos de carro do meu apartamento, mas eu instruí Fisher para liberar Keiran antes de nos levar a um hotel. Até agora, a cobertura estava sendo limpa e restaurada, mas a violação da minha casa era muito recente para voltar lá. O conhecimento de que o inimigo, quem quer que fosse ele seja, sabia onde eu morava, também. O que há para impedi-los de voltar? Não conhecer meus inimigos fez a ameaça ainda mais poderosa e imprevisível. Nós paramos em frente do que era agora a casa de Keenan e Sheldon meia hora mais tarde. Willow estava enrolada no canto do lado oposto dormindo, por isso, tomei a oportunidade de falar com Keiran. Keiran esperou fora das portas SUV, sentindo a minha necessidade de falar, enquanto eu continuei a olhar para Willow. Eu pedi a Fisher para permanecer no carro e fechei a porta silenciosamente. "O que sabemos?" "Nada", eu respirei. "Isso poderia ser um trabalho de quem pegou Kennedy." "Por que eles foram atrás de Willow no meu apartamento?" Eu balancei a cabeça quando as peças começaram a formar-se. "Não. Isso não se parece como se fosse o mesmo trabalho." "O que você está pensando?" "Que Willow sabe mais do que ela está dizendo. Ela não ficou surpresa por ter sido sequestrada e para não mencionar, nós a encontramos na rua ilesa e livre."


Keiran não respondeu imediatamente. Eu podia ler a agitação interna em seus olhos enquanto ele olhava à distância para noite e sua mandíbula contraía e endurecia. "Nós não conhecemos mais ela, não é?" "Não foi por nossa escolha. Ou ela está por trás disso, ou ela está envolvida. De qualquer maneira, ela está em apuros." "Então, nós vamos ajudá-la", Keiran decretou. "Mas, você tem que fazer uma escolha." "Que escolha?" "Entre sua vida e a dela se isso chegar a acontecer." "Por que eu preciso fazer isso?" "Porque nós não a conhecemos mais. Agora precisamos contar que o interesse no seu coração seja o melhor até que ela nos mostre que estamos errados." "O que acha que devo fazer?" "Esqueça que você a ama e obtenha as informações que você precisa. Por qualquer meio necessário." "Eu não quero machucá-la." "Se ela estiver por trás disso, ela vai contar com isso." Eu não respondi por que a miríade de emoções e respostas que eu tinha resultou na mesma conclusão. Keiran pode estar certo. Se eu quisesse protegê-la, eu teria que ser implacável. Coloquei minha cabeça contra a janela e olhei para as estrelas. Keiran tomou meu silêncio como indecisão e continuou. "Escute, se você precisar de mim para ficar por perto, eu vou ficar. Vou mandar Lake de volta para a Califórnia. Ela tem seus testes finais, mas eu posso ficar." "Eu não tenho certeza se eu mereço isso." Keiran não só ofereceu arriscar sua vida por mim, mas ele odiava estar longe de Lake. Todos tinham se preocupado com a possibilidade de os dois trabalhando isso, segurando a respiração, esperando que Keiran a machucasse, mas parece que estavam todos errados. Se havia qualquer coisa, era que Keiran tinha se tornado


excessivamente dependente de Lake. Ela era sua âncora. A sua única conexão com o seu lado humano. "Você é meu irmão. Você sempre será meu irmão. Ninguém pode mudar isso", ele sussurrou. Sua voz cortou a noite como uma ordem, como se ele tivesse gritado as palavras. Eu o assisti desaparecer dentro da casa e eu ri quando eu percebi que ele tinha acabado de me ameaçar.

*** Esta foi, de longe, a noite mais longa da minha vida, eu tinha decidido quando chegamos a um hotel. Eu poderia ter ido para casa dos meus pais, mas eles eram uma complicação que eu não estava preparado para lidar. Agora, eles já teriam ouvido falar do tiroteio que ocorreu junto com o resto de Nevada. Praguejei quando percebi que seus pais provavelmente também foram notificados de seu desaparecimento por agora. "O que está acontecendo?" Willow saltou acordada ao som das minhas maldições duras. "Você precisa ligar para seus pais e dizer-lhes que está tudo bem. Amanhã de manhã, vamos à delegacia dar uma declaração." Eu deixei o SUV antes que ela pudesse responder, mas eu peguei o seu gemido pouco antes da porta ser fechada. Uma equipe de segurança adicional tinha se juntado a nós e sentou-se à espera atrás do primeiro carro. Fisher me seguiu até o lobby enquanto o outro time vigiava o meu anjo. Eu paguei pelos quartos e entreguei a Fisher duas chaves para seus homens. "Quero todos na ronda esta noite." "Roger." Dei um passo de volta para a noite para recuperar certa ruiva errante que eu encontrei resmungando para si mesma no banco de trás. "Pelo que você está tão chateada?"


"Você." Eu ri na cara dela e a puxei do veículo. "Acostume-se a ficar chateada anjo. Eu acho que está na hora de você retornar os sentimentos por mim. Além disso... eu tenho um monte de coisas na manga que são garantidas para torná-la criminalmente insana." "Eu posso andar sem suas mãos em mim." "Eu prefiro assim." Felizmente, a hora tardia deixou o saguão deserto, exceto para a recepcionista que nunca se preocupou em olhar para cima de sua revista. Willow silenciosamente lutou contra a minha mão quando fizemos o nosso caminho até o elevador. Eu escolhi uma suíte menos óbvia do que o andar superior apenas no caso de termos sido seguidos até o hotel. Desta forma, seria mais difícil de nos localizar dentro do hotel. Chegamos até o nosso quarto, e eu senti o prazer de vê-la endurecer de novo com a visão da cama de tamanho king no centro. "O que é isso?", ela questionou. "É uma cama onde vamos dormir. Juntos." "Eu não vou dormir com você." "Bem, então. Durma no sofá ou no chão. A escolha é sua, mas vou dormir naquela cama, e você não vai dormir em outro lugar, que não seja neste quarto.” O rosto dela disse que ela queria discutir, mas pensou melhor e saiu pisando duro para o banheiro. Achei que ela ficaria no banheiro por um tempo, então eu retirei meu terno e desabotoei a minha camisa para estar confortável. Sentei-me na beira da cama, e eu mal tinha me inclinado para trás quando a porta se abriu e ela pisou fora. Sem sair de minha posição relaxada, eu cortei meus olhos para ela como um aviso, mas ela não pareceu notar porque seu olhar estava fixo no meu peito nu espreitando através da minha camisa. "Sim?"


"Eu não posso ligar para os meus pais sem um telefone. Onde estão minhas coisas?" "Assim é mais seguro", respondi simplesmente. Puxei meu celular do meu bolso do terno e entreguei a ela. “Mantenha-o simples e breve. Estou cansado." "Você sabe que é desnecessário você controlar todos os aspectos da minha vida ou até mesmo pensar que você pode." "Você e eu sabemos que eu posso fazer o que quiser, quando se trata de você." "O que lhe deu essa ideia estúpida?" "Você." "Eu?", ela zombou. "Você gostaria de um lembrete de como, exatamente?" "Eu prefiro falar com a minha mãe agora e poupar-lhe um ataque cardíaco." Dei de ombros, e apenas para irritá-la, eu pisquei e retomei minha posição relaxada enquanto ela ligou para os pais. Assim que eu a ouvi falar no telefone, eu fechei os olhos, embora a minha atenção tenha permanecido no telefonema. "Olá mãe? Sim, sou eu." Eu a ouvia explicar a sua mãe o que tinha acontecido, mas em vez de uma releitura, isso soou como uma história fabricada, feita de meias-verdades e mentiras que encheu os espaços em branco. A breve conversa solidificou minha sensação de que Willow sabia exatamente o que estava acontecendo. Até o momento em que ela tinha terminado a chamada, eu estava sentado na posição vertical e estava chateado. Ela encontrou meu olhar e desviou o seu. "O quê foi?", ela perguntou. "Você quer continuar me dizendo que você não tem ideia do porquê você foi tirada do meu apartamento?" "Eu te disse..."


"Foda-se o que você me disse, anjo." Ela saltou na explosão inesperada da minha voz. "Eu quero a verdade." "A verdade é que você está perdendo seu tempo. Eu não sou sua preocupação. Eu não vi você em quatro anos. Nós não apenas nos pegamos depois do que fomos uma vez... um...” O rubor na pele dela me disse que ela lembrava exatamente do que nós fomos uma vez. "E os seus amigos? Você apenas os deixou ir sem uma razão ou uma carta de cortesia. Eu não acho que sob todas as penugens e selvageria, você fosse uma cadela de coração frio." Ela se encolheu, e eu quase senti pena. Quase. "Como ela está?" "Quem?" Ela revirou os olhos. "Lake." "Feliz." "Com ele?" Eu não perdi a descrença em seus olhos e o som de desgosto. "Por ele, você quer dizer Keiran? Sim, eles ainda são felizes juntos. Na verdade, eles vivem juntos." Eu estudei seu rosto e praticamente podia ver as emoções inconstantes em seus olhos. "Você parece desapontada." "Eu estou. Ela é fraca." "Ao contrário de você?" "Para começar, eu não estou com alguém que abusou de mim por dez anos." "Mas você transou com o melhor amigo dele." Outro estremecimento, mas me recusei a desistir. "Não é sobre isso, porém, não é? Você estava bem com Keiran até que ela o escolheu sobre você." O clarão de fogo em seus olhos me deu a minha resposta, mesmo quando ela permaneceu em silêncio. "Cresça. Aceite isso." "Eu cresci." O encolher de ombros e a indiferença que ela demonstrou pouco fez para me colocar à vontade. "O que está acontecendo com você, Willow?"


Ela soltou uma respiração profunda e trancou seu olhar com o meu. "Eu te disse. Essa invasão poderia facilmente ter tanto a ver com você quanto comigo." "Mas isso não tem nada a ver comigo, não é? Esses homens foram lá para você. Quem eram eles?" "Eu não sei." "Você está mentindo." "Então, agora você pode ler mentes?" "Eu sou capaz de ler a sua." Ela apertou os lábios. "Então, o que eu estou pensando agora?" "Se você não parar de me testar, sua noite estará longe de ser encerrada em breve." A ameaça parecia funcionar. Seus ombros endureceram antes de relaxar em submissão. "Eu estou cansada, Dash." "Diga-me o que eu quero saber e você poderá dormir." "Porra, eu já disse a você" Minha mão estendeu e apertou os seus lábios fechados. "Cuidado com a boca." Eu deixei os seus lábios e encontrei seu olhar, sinto-me orgulhoso. Ela não gostou da forma como eu lidei com ela, mas ela não poderia ignorar a forma como seu corpo respondeu, tampouco. Era sempre a luxúria que nos traía e nos fazia fracos quando precisávamos tão desesperadamente usar nossas cabeças. "Por que você continua fazendo isso?" "Porque isso me impede de bater em sua bunda." Ela zombou. "Eu não sou uma criança." "Não, você não é." Eu rastejo meus olhos sobre seu corpo tempo suficiente para fazê-la se contorcer. Parei de foder ela com os olhos tempo suficiente para notar seus pés sujos e roupas de ontem. "Merda."


Andei até ela, arranquei meu telefone de seus dedos, e disquei para Fisher. Ele respondeu ao primeiro toque. "Eu preciso de você envie alguém para obter roupas e artigos de higiene feminina." Eu digo seus tamanhos e desligo. "Como você sabe o meu tamanho?" "Eu sei tudo sobre você." "Nem tudo", ela sussurrou. Seu tom de voz foi suave, mas seus olhos estavam desafiantes. Ela deveria saber melhor do que desafiar-me até agora. Tomei-lhe o queixo na minha mão e levantei seu rosto para que ela não conseguisse se esconder. "Tire suas roupas e deixe-me ver o quão bem eu lembro-me de você." Lá estavam eles. A luxúria e o desejo estavam lá. Os quatro anos pouco tinham feito para demolir ou diminuir o jeito que ela respondia-me. Quando ela finalmente perceber que ela nunca vai parar de querer isso, eu vou fazê-la implorar. Meu pau veio para a vida com a ideia e porque o sentimento era um que eu lembrava e não queria deixar ir, eu decidi expressar isso. "Eu poderia até fazer você implorar para que eu me lembre de você." "Você entendeu errado. Eu nunca vou implorar." "Anjo, você já está. Cada vez que sua pele aquece, sua respiração engata, e sua boceta escorre em minha presença, você implora para eu fodê-la." Esperei por uma resposta, mas nenhuma veio. Ela estava muito ocupada olhando para meu pau que estava duro agora e que eu não me preocupei em esconder. Eu usei a oportunidade para correr meus dedos por seu cabelo cor de cobre selvagem que me deixava louco. A textura e a sensação de sua juba selvagem deslizando através de meus dedos era exatamente como eu me lembrava. Com a minha mão em seu cabelo e com o olhar no nível do meu pau, era a oportunidade perfeita para sentir sua boca em mim novamente depois de quatro longos anos de estar sem isso.


Tudo o que eu precisaria para ter essa sensação novamente era um puxão suave. O movimento foi tão rápido, e eu quase o perdi, mas quando isso aconteceu novamente, eu sabia que meus olhos não estavam me enganando. Sua língua saiu uma terceira vez para lamber os lábios quando ela olhou para meu pau esticando o material da minha calça. "Você está com sede?" Eu encontrei-me perguntando. "Hã? Oh... o quê?" Seu rosto franze em confusão, fazendo com que as sardas nele dancem. "Você continua lambendo os lábios." "E?" "Enquanto olha para meu pau." Eu ri quando ela tentou me afastar, mas suas mãos agarraram meu abdômen. Ela recuperou os seus sentidos mais rápido do que eu gostaria. Dei de ombros e terminei de remover minha camisa sem sair de minha posição na frente dela. Quando ela percebeu minha intenção, sua boca abriu e fechou enquanto procurava algo a dizer. Minhas calças eram as próximas, e com um toque de botão, ela encontrou sua voz. "Você não pode mantê-las?" "Eu durmo nu. Você se lembra." Não foi uma pergunta. Eu segurei seu olhar enquanto eu retirei minhas calças. Ela se lembrava. "Olha, nenhum de nós vai sair daqui, de qualquer maneira. Eu quero um chuveiro, mas não posso confiar em você para não fugir." "Os seus cães de guarda não estão me vigiando?" "Eu não posso mantê-los fora da porta sem chamar a atenção." Eu já podia ver as rodas girando em sua cabeça. "Mas eles estão perto," eu avisei. "Você nunca conseguiria sair do hotel." "Por que não podemos simplesmente voltar para sua casa?" "Você já está com saudades?", eu sorri. "Quando você se tornou um idiota tão inteligente?"


Meu sorriso caiu e a perfuração no meu peito voltou. "Desde quando você me deixou para se tornar uma cadela de coração frio." Em silêncio, com apenas meu olhar para fixá-la no seu lugar, eu comuniquei tudo o que eu não diria em voz alta. Ela precisava saber que sua ausência me afetou. Eu não estava interessado em suas razões, eu sabia que nenhuma delas jamais seria boa o suficiente para me fazer entender. A batida codificada na porta foi a única coisa que quebrou a nossa conexão. Eu rasguei meu olhar, libertei-a e caminhei até a porta apenas com minha cueca. Fisher fez um relatório da situação juntamente com duas sacolas cheios de itens para necessidades de mulheres e uma para mim também. Quando a porta se fechou atrás do meu chefe de segurança, voltei para ela e deixei cair as duas sacolas ao lado dela e, em seguida, cavei através da sacola que era mim. Ela silenciosamente as pegou e desapareceu no banheiro. Eu ri quando a ouvi trancar a porta. Minutos depois, ouvi o chuveiro. Minha ereção voltou ao perceber que ela estava nua do outro lado da porta. Com apenas um pensamento, ela conseguiu fazer-me sentir com um tesão de dezessete anos de idade novamente.

***

VERÃO ANTES DO ÚLTIMO ANO "Essas tinham que ser as duas horas mais chatas da minha vida." Nós tínhamos acabado de concluir um seminário sobre a adaptação à vida universitária para o próximo ano como calouros. Eu coloco o meu almoço, um hambúrguer duplo e batatas fritas sobre a mesa. Eu, então, sento ao lado dela, observando quando ela pegou sua salada. Depois de alguns minutos recebendo um gelo, perguntei: "Você está me ignorando?"


"É mais como fingir que você não está aqui", ela retrucou. Inclinei-me e coloquei meus lábios sobre sua orelha. "Ouch." O tomate com que ela estava brincando rolou de seu prato e foi para fora da mesa. "Se você não quer a salada, por que comê-la?" "É claro que você diria isso. Seus músculos têm músculos." Ela soltou um som não natural e estridente. Eu coloquei minha mão em suas costas suavemente e ela fez o mesmo som novamente, desta vez mais alto. "Você está engasgada?" "Estou bem. Por favor, pare." "Parar o quê?" Minha mão correu suavemente para baixo sua coluna vertebral, sentindo-a tremer ao meu toque. "De me agredir." "Eu pensei que você estava sufocando." "Bem, eu não estou." Eu decidi dar-lhe uma pausa e solto minha mão de volta. "Então, você gosta do meu corpo, hein?" Ela engasgou com a água que ela tinha acabado beber, e eu usei a oportunidade para tocá-la novamente. Eu esfreguei suas costas e vi sua luta para ganhar o controle de si mesma novamente. "Você está engasgado agora?" "Por que você está aqui?" "Eu estou comendo o meu almoço." Eu comi uma batata frita e sorri. Ela se voltou com uma carranca. "Por que tem que ser nessa mesa?" "Eu gosto da vista." "Há uma abundância de outros pontos de vista. Na verdade, existem pontos de vista melhores em outras mesas." "Você é sempre tão insegura?" "Desculpe?"


"Você está desconfiando da minha atenção, porque você realmente não acredita que eu estaria interessado." "Essa é a mentira mais egocêntrica que eu já ouvi. Você já considerou que não estou desconfiando de sua atenção, mas sim irritada?" "Eu posso irritar você, mas você ainda me quer." Ela balançou a cabeça e olhou para mim com uma expressão curiosa. "É um milagre que você não esteja estourando, Dash Chambers." "Saia comigo esta noite." "O que?" "Saia. Comigo. Esta noite." "Eu te ouvi. Eu só não entendo você. Por que eu iria sair com você?" "Você tem alguma coisa melhor para fazer?" Eu podia ver em seu rosto que ela não tinha. Havia passado uma semana desde o nosso primeiro encontro, e eu sabia que de fato, tudo o que ela tinha feito era assistir às aulas e seminários. Esta era a primeira vez que eu tinha visto ela comer em público. "Eu não vou sair com você." "Eu não estou pedindo para você sair comigo e fugir." Suave cara. Realmente suave. Sua boca inteligente torna difícil de lembrar que eu deveria ser charmoso. Então, novamente, eu estaria mentindo se eu dissesse que não gostava de nossas interações. Eu também estava pisando em território estranho. Ela era diferente das meninas com as quais eu estava acostumado. Nenhuma delas teria hesitado em me foder no primeiro dia. Esta era a minha primeira perseguição em tanto tempo e uma parte de mim que eu nem sabia que existia estava gostando disso um pouco demais. "Então você não deve ter problemas para entender a palavra 'não'." Ela se pôs de pé com sua salada não consumida. "Encontre outra pessoa." Eu a vi de pé, virando cabeças quando ela se moveu. Seu cabelo selvagem atraia atenção suficiente, mas o colete de escoteira cor tão verde


quanto um marca-texto, e uma saia branca feita do que pareciam ser penas de aves, e suas botas de combate roxas assegurava que todos tomaram conhecimento dela. Eu queria quebrar os dedos que apontavam para sua roupa ultrajante. Eu sabia que ela tinha notado, mas ela manteve a cabeça erguida enquanto ela atravessava o pátio e contornava as mesas de almoço. Suas curvas estavam em exposição, e eu tinha que admitir que me agradavam mais do que eu pensava que faria. Eu não tinha sido capaz de levá-las para fora da minha mente durante a semana desde que eu a fiz corar, e eu daria qualquer coisa para ser capaz de explorá-las. Eu tinha todo o verão para fazê-la se apaixonar por mim e pensei erradamente que fazê-lo seria fácil. Eu não pude nem mesmo fazer com que ela gostasse de mim. Meu celular vibrou no meu jeans com um telefonema de Keenan. "Cara, como é que vai?" "Esta garota é um bloco de gelo," eu resmunguei. "Com todo aquele cabelo vermelho?", ele perguntou, expressando meus pensamentos. "Eu pensei que as ruivas fossem os maiores aberrações." "De onde você tirou isso?" "Eu não sei. Pornô, talvez." "Ela não é como as outras garotas, ponto final." "Gasp!", ele gritou dramaticamente. "Parece que você gosta dela." "Eu falei com ela duas vezes, e ela esteve me esfolando vivo ambas às vezes." "Você não é o Dash-todo-poderoso-das-donzelas-Chambers e, atual campeão das calcinhas derretidas." Ele gargalhou ao telefone. "Então, você encontrou seu jogo." "Ela não é meu jogo. Ela é insegura como o inferno." "Então, agora, faça o que você faz melhor e a faça sentir-se segura. Você é o pior inimigo das mulheres, mas você as faz pensar que você é seu melhor amigo.”


"Eu pensei que as meninas gostassem de mim por causa do meu abdômen rasgado e rosto bonito." "Isso também." "Eu não sei, cara. Eu não me sinto bem com isso." "Besteira. Você está apenas fora de seu jogo. O que você disse a ela?" Contei para ele e, no final, Keenan estava rindo fora de controle. "Cara. O que há com você? O que aconteceu com a sua ternura? Eu vi você falar com víboras melhor do que você falou com ela." "Minha ternura?" "É fácil. Você apenas tem que apertá-la. Não provocá-la para levá-la para fazer amor. Basta experimentá-lo. Experimente um pouco de ternura." No momento seguinte, ele estava eliminando uma versão de merda de Otis Redding, tente um pouco de ternura. Eu odiava admitir, mas ele poderia estar certo. E isso era estranho para alguém que passou por mais mulheres em um mês do que eu fiz desde que perdi a virgindade há dois anos. Era claro que eu não ia conquistá-la apenas com o meu nome, mas eu sabia que ela estava atraída por mim. Eu também tive a sensação de que ela era inocente. Ela, sem saber, deu sinais de que ela estava interessada, mesmo quando seus lábios estavam me dizendo para eu ir me foder. Eu desliguei Keenan durante o refrão e comecei a planejar meu encontro á noite com uma ruiva viciante. Algumas horas mais tarde, eu tinha escapado para corredor da menina. Era uma sexta-feira à noite, o que significava que todos estavam se divertindo, então tudo estava quieto. Eu encontrei o número do quarto e bati com as mãos cheias. A porta se abriu depois da minha terceira batida. "Eu pensei que eu havia me livrado de você." "Eu saltaria para trás com facilidade, e eu venho com uma oferta de paz." Eu levantei a grande caixa de pizza. "Eu te disse..."


"Não é um encontro. É apenas comida." "Eu não estou com fome." "Você não comeu o seu almoço e você não deixou seu quarto nenhuma vez." "Você está me perseguindo?" Sim. "De modo nenhum. Eu só tenho um bom palpite." A verdade é que eu achei sua companheira de quarto cerca de uma hora atrás e lhe paguei para espionar para mim, e sumir pelo resto da noite. "Vá embora, Dash." Ela tentou fechar a porta, mas parei com o meu antebraço musculoso e entrei. Eu fechei a porta e tranquei, mantendo seu olhar, em seguida, peguei a mão dela, levando-a para longe da porta. "Qual é a sua?", perguntei, indicando as camas individuais. Ela apontou para a cama do outro lado com a roupa de cama roxa e preta. Coloquei a pizza na cômoda, e peguei sua mão e me sentei na cama. Eu abri minhas pernas e puxei-a entre elas. Suas mãos tremeram em seus lados, e quando eu a puxei para mais perto, ela colocou-as no meu ombro. Eu sabia que era apenas para o equilíbrio, mas eu gostei da sensação de suas mãos em mim. "Eu tenho filmes. Você vai me deixar ficar?" "Eu não estou interessada em assistir filmes com você ou comer sua pizza." "Mesmo se eu prometer que você vai estar a salvo de mim esta noite?" "Estou mais segura com você lá fora." "Eu não vou tentar qualquer coisa." Minhas garantias caíram em seus ouvidos surdos. "Eu não iria deixar. Agora saia." "Tudo bem." Eu me levantei e peguei a forma em que seus ombros caíram com o alívio... ou talvez decepção? Eu peguei seus pulsos em uma mão, e enfiei a mão no bolso de trás com a outra. Ela estava muito ocupada olhando para a minha mão em seus pulsos para perceber as algemas de metal eu tinha agora na minha mão. Eu


consegui prender nossos pulsos antes que ela percebesse e começasse a lutar. "Deixe-me ir." "Eu não posso fazer isso anjo. Não grite ou eu vou ter que amordaçar você, também." Eu tomei uma chance beijando-a na testa e em seguida, delicadamente nos posicionei ao longo da borda da cama. Eu retirei a minha mochila das minhas costas e puxei meu laptop enquanto ela suavemente amaldiçoou e chutou as pernas para fora. "Eu trouxe um de cada tipo." Sua careta aprofundou em confusão. "Eu tenho filme de garotas, comédia, ação e terror. Você escolhe." Eu mostrei-lhe as escolhas, mas ela manteve o olhar treinado em mim. "Você é louco." "Eu não sou louco. Eu prometo a você." O tom suave da minha voz pareceu acalmá-la quando ela relaxou contra o colchão. "Eu não posso acreditar que você me algemou, para então eu sair com você." Eu tinha certeza de que não era isso o que Keenan tinha a intenção de dizer com tentar uma abordagem mais flexível, mas eu acreditava estar preparado para todas as situações. "Se você for uma boa menina, eu vou remover as algemas. Agora, vamos tentar novamente. Você está com fome?" Como se por sugestão, seu estômago roncando encheu a sala. "Vou tomar isso como um sim." Eu abri a caixa e retirei os pratos de papel em cima da pizza fumegante, gordurosa. "Você é vegetariana?" "Não. Por quê?" "Só percebi que teria sido uma das suas excentricidades." "Quão estereotipado você é." "É apenas estereótipo se você toma isso como ofensa." "A forma como me visto não tem nada a ver com o que eu como."


"Daí a razão para a minha pergunta. Tenho certeza que você já fez algumas suposições sobre mim." "Somente algumas. Eu acho que você é um prostituto idiota, rico e narcisista, que acha que com isso vai entrar em minha calcinha, e que tem um rosto bonito e com muito dinheiro do papai."


PRESENTE

Eu me sentia como uma garota tímida de dezessete anos de idade, sempre que eu estava ao seu redor. Escondi-me atrás de ficar o mordendo com palavras porque era a minha única defesa. Eu pensei que se eu fizesse ele me odiar, ele não iria querer-me tanto quanto seus olhos estavam me dizendo que ele queria. Querer Dash era arriscado. Transar com ele era perigoso. Amá-lo seria uma tragédia. Meus músculos doloridos me chamaram para grande banheira. Olhei para suas profundezas vazias com saudade, mas mais do que um banho, eu queria dormir, então eu liguei o chuveiro de vidro de grandes dimensões e coloquei a água tão quente quanto possível. Eu questionei se um banho de água fria não seria melhor, mas eu não tinha certeza de que um banho frio poderia lavar os efeitos da Dash. Para me livrar de Dash Chambers, eu teria de sangrar. Mais uma vez. Vapor subiu quando eu pesquei através da sacola, grata por encontrar um conjunto de pijamas, e não do tipo acanhado, também. Eu também achei sabonete de lavanda para o corpo e hidratante lá dentro. Eu não queria pensar muito sobre o fato de que ele tinha prestado atenção a um detalhe pequeno. Dash sabia que eram as pequenas coisas que importava para mim.


Mas Dash é um manipulador. Não era sobre o meu conforto ou me agradar. Ele queria provar que eu estava errada e lembrar-me o quão bem ele me conhecia. O chuveiro ajudou a acalmar meus músculos doloridos, mas o que eu realmente precisava era de uma boa massagem nos pés. Eu teria que me contentar com algumas horas fora de meus pés em vez disso. Trançando o fim da minha trança única, saí do banheiro de vapor cheio e encontro Dash sentado ao lado da cama, de frente para o banheiro com o telefone colado ao ouvido. Ele me viu caminhar até a cama e sorriu. Revirei os olhos e peguei um travesseiro da cama e os edredons mais finos dobrados no final antes de me mudar para o sofá. Ele rapidamente termina a sua chamada enquanto eu fiz a minha cama improvisada. "Negócios tão tarde da noite?" "Você está preocupada com o meu bem-estar?" Eu estabeleci meu corpo no sofá antes de responder. "Eu ainda estou tentando descobrir se você se tornou como seu pai." "E?" "Eu não sei ainda." Eu virei e olhei para longe dele, esperando que ele fosse tomar a dica. Uma parte de mim não podia acreditar que Dash jamais se tornaria como seu pai. Ele tinha sido benevolente de maneiras que seu pai nunca entenderia, mas que isso Dash ainda existe? O repentino silêncio na sala atraiu-me para dormir, e assim como eu fui capaz de sucumbir totalmente, eu senti o aperto de mãos no meu corpo me levantando. "Bem, talvez você deva ficar por perto até que você possa descobrir isso." "Você disse que eu poderia dormir no sofá." Ele nos deslizou sob as cobertas e se encaixou por trás. "Eu mudei de ideia." "Quer dizer que você mentiu." "Anjo, se você continuar a tentar-me com essa sua boca, eu poderia mudar minha mente sobre outras coisas também." Para conduzir o seu


ponto em causa, ele me puxou para mais perto, pressionando sua ereção em minhas costas. O calor de sua pele estava muito perto, e contra o meu melhor julgamento, eu estendi minha mão entre nós e senti sua pele quente, nua sob minha palma. "Você está nu?" "Durma", ele ordenou. O cansaço era evidente em seu tom lacónico, mas eu não poderia apenas dormir sabendo que o pijama, que de repente, não parece tão protetor era a única barreira entre nós. Lutei para uma distração mental e controle da minha respiração mais uma vez. Por que ele tem que estar nu? "Eu não deveria te querer." Eu vacilei com o som repentino de sua voz. Suas palavras foram igualmente abrasivas. Eu não estava preparada para ele me virar de costas sobre a cama e se espalhar em cima de mim. O desgosto em sua voz foi ofuscado pela luxúria em seus olhos. "Eu não pedi isso para você." Ele balançou a cabeça como se estivesse decepcionado, e por um momento insano, eu me perguntava o porquê. Eu não tive que me perguntar por muito tempo. Ele me soltou e rolou para fora. "Você se tornou tão idiota quanto sua mãe", ele disparou de volta. "E você é tão ganancioso e cruel quanto seu pai." Lágrimas indesejadas molharam meu rosto e o travesseiro. Meu corpo tremia com soluços silenciosos. Pelo menos não era luxúria mais o que sentia.

*** "Para onde estamos indo?" Eu questionei na manhã seguinte. Foi à primeira coisa que eu disse a ele desde que tinha acordado quase uma hora atrás. "Eu preciso tomar banho e ir ao escritório. Vou levá-la para Keenan."


"Eu não preciso de uma babá. Eu preciso voltar." Eu saliento, mais uma vez. Claro, eu não poderia realmente voltar ainda. Não sem me certificar que a minha família estava a salvo. Garantir a sua segurança significava matar Keiran, o que não era algo que eu poderia fazer. No entanto, eu não conseguia pensar direito em torno de Dash, e eu precisava descobrir o que eu poderia fazer ou ir à polícia. "Você não vai a lugar nenhum até que me diga por que você voltou, e onde você esteve por quatro anos." Pensei em contar a Dash sobre Esmeralda, percebendo que eu não seria capaz de ajudar a minha família sozinha, mas depois me lembrei de como Esmeralda me encontrou e superou os homens de Dash. Eu estava disposta a arriscar a segurança da minha família, bem como a sua segurança se ela já tinha provado ser poderosa e cheia de recursos? Ocorreu-me que eu não tinha ideia de quem Esmeralda era, ou sua conexão com Keiran, ou por que ela queria vê-lo morto. Lake tinha me dito que toda a quadrilha que fazia os escravos foi morta ou presa há quatro anos. Sem saber quem ela era, eu não tinha ideia de com quem estava realmente lidando. Ela sabia sobre tudo e todos, inclusive eu. Eu não tenho estado em torno por quatro anos, então eu me perguntei por que ela pegou a mim entre aqueles mais próximos a ele. Esmeralda já tinha mostrado sua mão duas vezes, me despejando no casamento e me sequestrando do apartamento de Dash. Eles já suspeitavam. Eles só não sabiam o porquê. Isso era outra parte do enigma do jogo que ela estava jogando. Talvez fosse apenas um jogo e ela planejasse matar todos nós, o que significava que eu não era nada mais do que um peão. Minha cabeça girava com as possibilidades, e eu percebi que estava no caminho sobre a minha cabeça. O risco de perder Esmeralda era muito maior do que expor sua mão. "Dash?"


"Sim?" "Eu estou pronta para falar. Eu estou..." Eu fui cortada pelo som do telefone de Dash tocando. A tela em seu painel mostrava o nome de Rosalyn e, a partir de um simples telefonema, eu podia sentir meu sangue ferver. Por que ela o estava chamando? Eu pensei que eles tinham perdido o contato há muito tempo. "Vá em frente", ele pressionou. "Você não vai responder a isso?" "Não." Sua mandíbula fechou e abriu e seus dedos se apertaram no volante. O toque parou e os seus ombros relaxaram visualmente. "Por quê?" "É da sua conta?" Na sugestão, o toque começou novamente com o nome de Rosalyn piscando na tela. "Eu estou fazendo isso da minha conta agora." Eu apertei o botão para aceitar antes que ele pudesse reagir, e imediatamente, a voz estridente de Rosalyn encheu o carro. Eu literalmente me encolhi. "Dasher? Você está aí?" Debrucei-me sobre o braço da poltrona e sarcasticamente sussurrei: "Oh, ela está lhe chamando de Dasher, também?" "Você vai pagar por isso mais tarde." "Então, eu ouvi." Eu acenei em direção à tela, silenciosamente comunicando que ele deveria falar. "Eu estou aqui, Roz."O uso do mesmo apelido que ele a chamava quando a namorava bateu o ar dos meus pulmões como se ele tivesse me chutado no peito. Seu sorriso ainda aumentou a dor. "Eu pensei ter ouvido alguém. Uma mulher." Eu queria confirmar para ela o que ela suspeitava. Que ele tinha outra mulher, mais especificamente, uma ex-amante em seu carro e com quem ele


passou a noite, mas eu queria mais respostas, assim eu mantive minha boca fechada. Por agora. Eu precisava saber se havia algo entre eles novamente. Eu quase desejava que houvesse porque isso faria tudo mais fácil. Mais fácil deixar ir e mais fácil de esquecer. "Desculpe, você precisa de algo?", ele perguntou, evitando a pergunta. "Sim. Quero que marquemos um almoço para discutir o casamento." Casamento? Por favor, me diga que ela afundou suas garras em alguém. "Agora não é uma boa hora." "Nossos pais querem que a gente se case nos próximos seis meses", ela gritou, confirmando meus medos, enquanto eles não tinham ideia de que ela tinha arrancado os restos do meu coração e cuspido nele com cada palavra que ela falou. "Nós não temos absolutamente nenhum tempo para planejar como vai ser." "Eu não estou impedindo você de planejar sem mim", ele ressaltou. "Eu não vou deixar você fugir disso. Temos um compromisso." Eu bufei em sua ideia de compromisso e recebi o brilho do olhar de Dash repreendendo-me. "Você está zombando de mim?" Seus gritos começaram a me dar uma dor de cabeça, e eu me perguntava se era assim o som que ela fazia quando Dash fazia amor com ela. Oh Deus. Ele fez amor com ela? Devo ter feito algum som de aflição porque Dash levou um momento para responder ao meu olhar. "Rosalyn, vamos falar sobre isso mais tarde." Ele desligou sem esperar pela sua resposta. Eu respirei fundo e encontrei a minha voz. "Então, você vai se casar." Não era realmente uma pergunta, mas ouvir em voz alta reafirmava minha constatação. "Eu não queria que você descobrisse dessa maneira."


"Então, quando você planejava me dizer? Antes ou depois que você tivesse o seu caminho comigo de novo?" "Não seria desse jeito." "Não? Então, você não é um mentiroso e eu não sou uma tola?" "O que você esperava anjo..." "Pare de me chamar assim." "Já se passaram quatro anos", ele continuou. "Perdoe-me. Esqueci que a minha ausência prolongada significava que você podia mentir para mim hoje. Deus! Você realmente me manteve prisioneira aqui com pouca consideração para a vida que eu criei enquanto sua noiva planeja o resto da vida de vocês juntos. Acho que eu deveria me culpar porque, realmente... Quão estúpida uma garota pode ser?" "Anjo…" "Gah", eu gritei. "Basta parar." Eu furiosamente limpei as lágrimas intrusivas pelo meu rosto. Eu não entendia a força da minha reação. Eu sempre soube que ele era prometido a ela. Eu nunca pensei que ele iria passar por isso, e se ele fizesse, eu nunca pensei que eu estaria por perto para testemunhar isso. Chegamos a seu apartamento minutos mais tarde. A tensão tinha aumentado a cada segundo que estávamos confinados no espaço apertado de seu carro. Eu precisava de ar. Eu precisava de uma respiração. Droga, eu precisava respirar. Eu estava grata por ele não ficar por perto quando entrou em seu apartamento. Ele foi direto para o chuveiro e me deixou sozinha com meus pensamentos. Meus pensamentos ferviam enquanto eu derramava lágrimas sobre um sofá que eu tinha certeza de que era insanamente caro. Vinte minutos depois, ele saiu parecendo um perfeito homem de negócios em seu papel de alta potência enquanto eu tinha meleca seca no meu rosto.


"Pronta?" "Eu tenho uma escolha?" Ele sabiamente optou por não responder e segurou a porta aberta. "Sheldon irá levá-la para obter roupas novas. Conseguir tudo o que você precisa." "Quanto tempo você pretende me manter aqui?" "Eu te disse. Até que você me dê o que eu preciso." "Se eu te contar o que aconteceu sábado, você vai me deixar ir?" Ele assentiu, mas tão rapidamente desviou o olhar, e eu tinha a sensação de que não era sua intenção em tudo. "Vamos ver", voltei e a ignora-lo com os braços cruzados sob os meus seios. Seu olhar passou por eles, e eu tentei o meu melhor para sentir apenas desgosto. Não havia nada desejável sobre um homem comprometido. Eu não era ingênua o suficiente para acreditar que ele realmente a amava, mas mesmo assim, ele pertencerá a ela quando eles se casarem. Isso só solidificou minha decisão de nunca mais voltar para casa se eu fosse capaz de sair disso viva e sã. O passeio de carro para a cidade de Six Forks foi feito em silêncio. Então, muitas vezes, eu queria arruinar a calma e dizer-lhe exatamente o que eu pensava de suas núpcias iminentes. Sheldon me cumprimentou na porta com um sorriso junto de Kennedy, que parecia como se tivesse acabado de rolar em calda. Ela rapidamente enviou-a para dentro para se limpar depois de um olhar sobre minha aparência. "Willow! O que meu irmão tem feito para você? Você parece fodida", ela gritou com ênfase extra sobre o fodida. "Seu noivo deve ensiná-la a usar uma linguagem melhor," Dash brincou. "Eu não sou um cão de estimação", ela retrucou.


"Prove." Eles começaram a brigar um com o outro, e porque eu senti como se eu não devesse incomodar seu duelo de irmãos adolescentes, eu passei por Sheldon e deixei-me entrar na sua casa. Eu não vi Keenan quando eu entrei então eu virei à esquina para o primeiro cômodo que acabou por ser a cozinha. Eu testemunhei uma menina travessa derramando ketchup em suas panquecas. "Oi," eu a cumprimentei. Ela deixou cair o ketchup e jogou as mãos para o ar. Eu ri com a visão dela. Suas fotos não lhe faziam justiça, e o breve momento que a vi no casamento não foi suficiente para perceber a quão bonita ela era. "Oi", ela sussurrou e se jogou sobre sua bunda na cadeira onde seus pés tinham estado plantados. "Você deve ser Kennedy. Eu sou Willow." "Oi, Wiow." Sua pronúncia do meu nome era mais como 'uau'. "É muito bom conhecê-la." Ela só olhou para trás, enquanto eu lutava por algo mais a dizer. "O que você tem aí?" Observei o corte de panquecas em pequenos triângulos com ketchup e xarope. "Bolos. Quer um pouco?" Ela pegou o pequeno triângulo imerso com mais ketchup que xarope e estendeu para mim. Não havia nenhuma maneira que eu iria comer e eu me perguntei como eu poderia recusar, sem ferir seus sentimentos? Fui salvo pelo aparecimento súbito de Keenan. Ele desceu e comeu a oferta de suas mãos, fazendo ruídos com fome. Kennedy entrou em erupção em um ataque de riso e bateu afastando em seu pai enquanto ele fingia comer sua pequena mão também. "Mais," ele exigiu. "Não, papai. Willow quer um pouco." Keenan finalmente olhou para mim com olhos maliciosos, os mesmos olhos que Kennedy tinha claramente herdado, e um encolher de ombros. "Desculpe Wills," ele riu usando o apelido que ele tinha me dado a cinco anos atrás. "Eu tentei."


"Talvez ela não deva comer isso, também. Ela poderia ter uma dor de barriga." Seu sorriso virou para baixo e sua cabeça se voltou para sua criança. "Oi, princesa. Como você conseguiu o ketchup?" "Papai comeu um hambúrguer na noite passada." Seus olhos se arregalaram e ele pegou a garrafa e saiu correndo a curta distância até a despensa como se estivesse escondendo as evidências. A evidência também estava em todo o rosto e nas roupas de Kennedy, bem como nas panquecas que permaneceram. Assim eu quis saber qual era o seu plano de jogo. "Quando Sheldon entrar e perder a cabeça, diremos que a garota agiu sozinha", ele me prepara. "Keenan..." Ele cobriu os ouvidos de Kennedy. "Se eu ficar em apuros, eu não vou ter o meu sexo da tarde, enquanto Ken tira seu cochilo." "Que vergonha." Eu ri histericamente. Eu tinha esquecido o quão engraçado Keenan poderia ser. Parecia que os últimos quatro anos não tinham mudado ele, mas eu poderia estar errada. "Como vai, Wills? Senti sua falta." "Eu também senti sua falta" Eu encontrei-me admitindo e percebi que era a verdade. Eu tinha perdido todos eles, mas achei mais fácil de admitir com Keenan. De todos, eu poderia ter sido capaz de identificar-me com a necessidade de Keenan para deixar sair. "Não seja tão dura. Eu não posso obter um abraço?" Eu o deixei me envolver em seus braços, e o breve momento de contato me fez sentir como se eu finalmente tivesse um amigo de novo. Ele me soltou e olhou para mim com olhos tristes. "Encontrou o que procurava?" "Eu finalmente fui capaz de colocar algumas coisas em perspectiva."


Ele virou-se para começar a derramar cereal para si mesmo. Kennedy não estava mais tentando comer as panquecas, mas em vez disso, estava correndo-as em torno de sua mesa. "Então, o que trouxe você de volta?" Eu contemplo responder sua pergunta. Eu poderia fazê-lo compreender, mas eu sabia onde sua lealdade estava. Ele sentiu minha hesitação e olhou para cima ainda derramando o leite. "Não é uma pergunta capciosa", ele assegurou. Eu balancei a cabeça e respondi simplesmente: "Eu estava visitando minha mãe." "Entendo. Foi a sua primeira viagem de volta?" "Mais como a vigésima ou algo assim." "Então, como é que você acabou na porta dos Chambers?" "É complicado." "Eu tenho que admitir que foi uma maneira muito épica para espatifar um casamento." "Eu juro que não era minha intenção." Eu tinha descoberto por minha mãe um par de meses atrás, que Keenan e Sheldon iriam se casar. Minha decisão inicial foi ignorar a visita, sabendo que eles estariam todos na cidade de uma só vez, mas minha mãe usou sentimento de culpa para eu ir. Diferente da única visita a cada dois meses, eu não mantive muito contato com ela. A ligação que eu fiz na semana anterior foi uma das raras que fiz para casa. Às vezes, eu me sentia como um fugitivo em fuga. Dash e Sheldon entram na cozinha, e só agora eu percebo que tinha estado fora o tempo todo. A expressão de Sheldon estava nervosa enquanto a de Dash estava sombria. Eu conheci o seu olhar de sua posição na porta. Ele parecia estar procurando ou esperando alguma coisa de mim. Se ele estava esperando um adeus ou que eu desejasse-lhe um bom dia, ele estava delirando. Após mais alguns segundos olhando, ele finalmente saiu, e eu pude respirar novamente. "Eu fui condenada a levá-la às compras."


Antes que eu pudesse negar, Keenan resmungou: "Essa é a minha deixa para sair." "Baby, eu preciso de você para cuidar de Ken por algumas horas, e com isso quero dizer olha-la." "Eu faço isso, eu olho ela." "Oh sim? Então como você explica o ketchup em suas panquecas meio comidas?” "Eu não sei, Shelly. Você estava no plantão das panquecas esta manhã." "Sim, mas você deixou o ketchup do lado de fora." "Poderia ser pior. Ela poderia ter pensado anticoncepcionais fossem doces.", ele retrucou.

que

suas

pílulas

Uau. Tenso. Os olhos cor de âmbar de Sheldon pareciam brilhar quando ela encarou Keenan. "O que isso tem a ver com tudo isso?" "Nada. Esqueça." Ele pegou Kennedy e saiu da cozinha. Sheldon ficou olhando-o à beira do choro. "Deus, ele pode ser um babaca", ela gritou. Arrisquei abraça-la, porque ela precisava disso mais do que eu precisava manter a minha distância. "Estou perdendo algo?" "Keenan está tentando me engravidar." "Então? Eu pensei que vocês dois estivessem felizes..." É verdade que eles ainda eram jovens, mas eles já construíram tanta coisa juntos. Só parecia natural querer adicionar mais. "Eu ainda nem sequer comecei a faculdade de medicina, que ele praticamente me obrigou a fazer, e eu estarei anos longe de terminar. Eu já tenho uma filha pequena e o próprio Keenan. Não é o momento certo." "Então diga isso a ele."


"Eu tenho dito. E ele não está ouvindo. Ele disse que não vê um problema com eu terminar a escola e dar-lhe mais um minions ao mesmo tempo." "Minions?" "Ele tem esse plano de gênio do mal que envolve ter todas as suas gurizadas futuras que possamos ter dominando o mundo", ela esclareceu exasperada. "Okaaay então." "Eu não sei o que fazer." "Controle de natalidade?" "Eu tentei a pílula, mas ele sempre consegue encontrá-las, e ele se recusa a usar preservativo. Tenho um compromisso na próxima semana para uma injeção. Isso vai segurá-lo para os próximos três meses, pelo menos." "Você acha que talvez ele queira fazer isso por ter perdido os três primeiros anos de vida de Kennedy?" "Eu não o culpo por isso. Não mais. Nós conversamos sobre isso e percebemos que nós dois cometemos erros, e não há nada que pudemos fazer para apagar o passado." "Será que ambos concordam com isso ou só você?" "Eu não estou entendendo." "Está muito claro que ele quer mais do que compensar o tempo perdido. Ele é inteligente o suficiente para saber que ele nunca vai ter isso de volta. Ele está tentando preencher um vazio." "Um vazio que eu coloquei lá." "Não seja estúpida. Vocês dois tomaram decisões, mas o importante que estão juntos agora. Kennedy tinha você e agora ele tem vocês dois. Não foda isso com ‘inseguranças’.” "Você deve tomar um pouco do seu próprio conselho." Ela sorriu. "O que está acontecendo com você e meu irmão? Foi um olhar muito intenso o que ele lhe deu antes de sair."


"Não está acontecendo nada. Ele está noivo de Rosalyn, eu tenho certeza que você sabe disso." "Ele me disse no casamento depois de me perguntar se ele podia trazê-la. Também sou grata que o casamento foi arruinado, então eu não tive que vêla lá.” "Desculpe-me, eu arruinei seu casamento. Vocês já decidiram uma nova data?" "Não, e você não tem que se desculpar." Ela encolheu os ombros. "Por que não?" Eu não poderia esconder a surpresa do meu tom. Será que ela não quer se casar com Keenan? Era inegável que os dois estavam apaixonados, mais ainda do que antes. "Porque eu sei agora que ele não era perfeito. Você não estava lá comigo e agora você está." "Eu não acho que a minha presença teria realmente feito uma grande diferença." "E esse foi sempre o problema, não é? Você subestima o seu valor para as pessoas que a amam e se importam com você. Você provavelmente pensou o mesmo quando você decolou, mas você feriu a todos nós. Eu só gostaria que você nos dissesse o que fizemos para fazê-la ir embora." "Eu só tinha um monte de coisas para descobrir. Eu encontrei alguém que pôde me ajudar a fazer isso. Eu não poderia voltar dada a escolha, mas eu não culpo vocês por isso." "Há alguém?" Eu balancei minha cabeça. "Não é o que você pensa." Ela assentiu com a cabeça, aceitando a minha resposta, que não era muito de uma resposta em tudo. Ninguém sabia onde eu tinha ido. Nem mesmo minha mãe. "E sobre Lake? Você a culpa?", ela desabafou.


"Lake me machucou, mas não se trata de culpa. A minha decisão de sair foi por mim. Eu nem tenho certeza se os meus sentimentos ou minha reação a sua saída foram razoáveis, mas elas eram reais." "Onde você foi?" "Em um lugar onde eu pensei que eu estaria segura." "E você vai voltar para lá, e é por isso que você não vai dizer", ela adivinhou. Eu balancei a cabeça e desviei o olhar. Eu não poderia lidar com o olhar que me pedia para ficar em seus olhos. Não seria possível. Especialmente agora que Dash estava se casando. "Você sabe que ele não vai se casar com ela." "Isso é o que você disse da última vez," eu apontei. "E eu realmente acreditava muito, assim como eu faço agora. Como ele poderia, quando ele a encontrou de novo?" "Mas ele não me encontrou." "Bem, alguém fez, e não importa quem leva o crédito ou... a culpa. O importante é que você está de volta. Eu só espero que você se aproxime a tempo de salvar meu irmão." "Seu irmão está no controle de seu próprio destino. Ele não tem que casar com ela." "Mas ele acha que ele tem. Ele tem esse sentimento doentio de dever e nunca aprendeu a perseguir sua própria felicidade até você aparecer." "Eu não sou nada mais do que um prazer com culpa para ele." "Não se venda barato quando se trata de Dash. Pense sobre o porquê de você ainda estar aqui. Ele poderia ter deixado você entrar no avião e nunca vê-la novamente. Ele tem procurado por você apenas para saber se você estava bem." "Ele procurou por mim?"


"Ele sempre negou isso, mas eu sei que ele fez. Eu nunca vou entender como você foi capaz de escapar do meu irmão." "Eu tive um pouco de ajuda." "Será que você vai me dizer?" "Eu acho que seria melhor se eu não o fizesse."


VERÃO ANTES DO ÚLTIMO ANO

"Talvez você gostasse de ser amordaçada," eu a lembrei. Eu estava secretamente me divertindo ao ser chamado de tantas coisas em uma única frase e fui rapidamente aprendendo que ela tinha uma língua afiada. Ela pegou a pizza que eu ofereci, mas suas mãos algemadas tornaram difícil para ela se mover. Eu assisti com diversão quando ela lentamente trouxe a fatia de pizza para os lábios. "Eu não posso comer assim." "Você está indo muito bem." "Onde você conseguiu isso de qualquer maneira?" "Num sex shop." Ela franziu o nariz com desgosto. "Você sempre teve estas algemas?" "Eu as comprei para você." Ela comeu silenciosamente, depois disso, tomou seu tempo com mordidas delicadas. Eu já tinha comido duas fatias no momento em que ela terminou sua primeira. "Ok, eu comi então o que acontece agora?" Eu levei o prato vazio de suas mãos para o lixo, mas ela escolheu aquele momento para limpar os dedos livres do molho com a língua. Minha boca ficou seca enquanto eu estava preso ao tapete velho. "Por que você está me olhando?" "Faça isso novamente."


"Fazer o quê?" O olhar de espanto no rosto dela me trouxe para meus sentidos. Sacudi-me livre dos meus pensamentos e joguei os pratos fora. "Não importa." Ela continuou a me observar com curiosidade quando eu coloquei o filme. Eu escolhi uma comédia, uma vez que era o mais neutro. Uma vez que o filme começou, eu me juntei a ela na cama com meu laptop na mão. Sua cama de solteiro era estreita e dessa forma significava pouco para duas pessoas, mas eu sabia que apenas a maneira de fazê-lo funcionar. "Deite-se comigo." Suas costas endureceram e sua cabeça virou para me olhar por trás dela. "O que você está fazendo?" "Deite-se comigo", eu repeti. "Não." "Eu poderia obrigar você." "Você não pode me fazer..." Puxei-a para baixo contra o meu corpo antes que ela pudesse terminar. Ela estava de costas nivelada com o meu peito enquanto sua parte inferior se contorcia contra o meu pau. Enfiei minha mão para baixo na curva de seu quadril e sussurrei para ela. "Eu posso fazer o que eu quiser." Estávamos tão perto que a senti tremer contra mim. Eu não podia resistir à oportunidade de seduzir ela. "Fique fria?" "Estou um pouco quente, na verdade." Seu tom era ansioso e claro. O filme já tinha começado a rodar, mas nenhum de nós percebeu. "Nós dois estamos completamente vestidos. Se você está quente, eu posso corrigir isso." "Não. Não, eu estou bem.” A pele do seu rosto era como porcelana de tão suave e pálida. Eu não pude resistir a arrastar a ponta do meu dedo em sua linha fina para baixo do queixo, utilizando isso para orientar o rosto para o laptop. "Relaxe. Você está segura."


Ela pareceu acreditar em mim e relaxou o suficiente para apreciar o filme, e eu acho que eu gostei do som de sua risada. O tom rouco de sua risada me bateu direto no intestino, e no meio do filme, eu sofria de um caso grave de bolas azuis. Felizmente, ela estava completamente alheia à minha condição atual. Tanto, que ela cometia o erro de contorcer a parte inferior do seu corpo contra mim sempre que ela ia rir particularmente alto. No final, eu não conseguia lembrar sobre o que filme era por causa de todas as fantasias tocando na minha cabeça. "Dash?" "Sim?" Eu lutei para manter a prova de que eu queria foder loucamente com ela longe da minha voz. "O filme é longo." Ela voltou a ficar nervosa novamente. Pelo menos ela não estava me cortando com essa boca dela. "Então. Gostaria de assistir a outro?" "Está tarde. Você deveria ir." "Eu estou tipo, confortável." Eu levantei minha mão de seu quadril para embrulhar o meu braço em torno dela. Na verdade, minhas costas doíam como o inferno e meu braço estava adormecido de segurar minha cabeça erguida por duas horas, mas valeu a pena. Ela virou-se para mim e eu a ajudei. "Obrigada pela pizza e o filme, mas eu gostaria realmente que você saísse agora." Eu poderia ter sido capaz de levá-la a sério, se o seu olhar não estivesse fixo nos meus lábios. Ela fez aquela coisa com a língua quando ela tocou no canto de sua boca e soprou. De repente, tive a necessidade incontrolável de respirar o mesmo ar que ela. Inclinei-me mais. Como ela não se afastou, eu fui um pouco mais ousado e não parei de fechar o espaço até que meus lábios estavam nos dela. Foda-me, era melhor do que eu imaginava. Eu tinha beijado um monte de meninas, mas nunca uma que tinha o meu coração batendo fora de controle. Seu gosto por si só era elétrico.


"Você não deveria ter me beijado." Se ela queria me parar, seus gemidos eram o caminho errado para isso. Eu não parei de atacar seu pescoço. O gosto e o cheiro de sua pele eram muito viciantes. Era como se eu nunca tivesse conhecido uma mulher antes... ou talvez fosse porque, depois de Willow, nenhuma delas importaria. "É o que alguém faz quando quer outra pessoa, e meu anjo, eu a quero." "Por que você continua me chamando assim?" "Chamar-lhe do quê?" "Anjo." Isso me trouxe até uma parada brusca. "Eu não estava ciente de que eu fiz isso." "Como não poderia? Você realmente nunca diz o meu nome. Você não gosta dele?" Eu poderia detectar a insegurança em sua voz e sacudi minha luxúria furiosa o suficiente para oferecer a garantia de que ela precisava. "Não há nada sobre você que eu não goste. Meus sentimentos sobre você são nada menos do que um vício. Eu anseio por você, Willow Waters." O nome dela saiu da minha língua sensualmente, oferecendo sexo com cada sílaba. "Dê-me uma boa razão para que você me queira Dash. Estou a mais de quatro quilos acima da linha do excesso de peso, meu cabelo parece mais selvagem do que o reino mais selvagem, eu estou um centavo abaixo da pobreza e de acordo com o resto do mundo, eu sou daltônica." Peguei sobre cada falha que ela tão gentilmente apontou, balancei a cabeça lentamente, e então disse a ela o que ela pensou que ela queria ouvir. "Você está certa. Você é porra de uma bagunça." O rosto dela caiu em desapontamento. "E eu nunca conheci ninguém mais perfeita."

***


PRESENTE Deixar o meu anjo para trás, depois do que a descoberta dela essa manhã provou, parecia quase cruel. Eu ainda estava lutando contra a necessidade de rastrear Rosalyn e estrangulá-la com minhas próprias mãos. O olhar em seu rosto e o som de sua voz quando ela inadvertidamente me implorou para não quebrar seu coração novamente, era algo que eu não ia esquecer tão cedo. Casar com Rosalyn era a última coisa que eu pretendia deixar acontecer, é por isso que eu mantive o segredo do noivado. Richard Simon era à chave da minha liberdade. Ontem à noite, enquanto o meu anjo estava no banho, meu pai ligou para pedir que eu me encontrasse com ele esta manhã. Quaisquer que fossem suas razões, eu já não tinha mais paciência. Observar como o coração de Willow se quebrou esta manhã por minha causa outra vez tinha me deixado fodido. No momento em que cheguei ao escritório, eu estava irritado. Celesha sabiamente optou por permanecer em silêncio. Ela mordeu sua maçã com os olhos arregalados e viu-me atravessar a sala para o meu escritório. Eu encontrei o meu pai, ele havia mais uma vez invadido meu escritório, mas desta vez ele tinha James, o vice-presidente da empresa, com ele. "Pai. James." A minha saudação foi curta, assim como era o meu temperamento. "Eu teria encontrado vocês na sala de conferências." "Isso não deve demorar muito. James tinha algumas preocupações prementes sobre sua campanha para mudar os procedimentos de aquisição da empresa." "Que preocupações particularmente?" "Eu quero saber sobre essa ideia absurda que você tem de uma ‘abordagem mais suave’, como você colocou."


Olhei entre os dois homens antes de fixar o olhar no meu pai. "James, por que você não volta ao trabalho enquanto eu falo com meu pai sobre suas preocupações?" "Não seja rude, filho. Ele trouxe isso para a minha atenção. Ele precisa estar aqui." "Qual é precisamente a minha razão para desculpa-lo a partir desta reunião. Ele trouxe suas preocupações para você em vez de trazê-las diretamente para mim, então eu vou falar com você e você pode retransmitir a mensagem." Eu assenti para o vice-presidente dispensando-o. "James." James saiu sem uma palavra, e logo que a porta se fechou, meu pai esfaqueou o dedo em cima da mesa. "Seu comportamento é um ultraje, Dasher. Eu não fiz você o cabeça desta empresa para você se comportar como uma criança petulante." "No entanto, você fala muito bem de um homem que não pode nem mesmo falar comigo por si mesmo. Ouça bem, pai. Eu não vou continuar a fazer este trabalho com você respirando pelas minhas costas e seus espiões observando cada movimento meu. Se você interferir novamente, eu vou sair, e você pode encontrar outro herdeiro." "Eu vou fazer tal coisa." "Por que você me deu tudo isso tão cedo se você não confia em mim para fazer este trabalho? Você devia saber que eu não estava pronto. Eu estou fora da faculdade a pouco tempo." "O que idade tem a ver com isso? Eu não era muito mais velho do que você quando eu comecei esta empresa." "Mas quanto tempo antes você foi realmente bom no que faz? Eu só tenho as habilidades que sua mão me alimenta." "Então aprenda mais ouvindo James. Você não pode simplesmente ignorar décadas de práticas de negócios só porque isso não combina com você!" "Suas práticas de negócios são nada mais do que ameaças cuidadosamente formuladas. Mais de oitenta por cento de suas aquisições


foram hostis. Em vez de cultivar relacionamentos, você está fazendo inimigos." "Nós não estamos no negócio de venda de sonhos, filho. Nós somos vencedores e conquistadores. Não pedimos permissão." "Eu não quero ser um conquistador. Eu quero ser um homem inteligente e homens inteligentes sabem como escolher suas batalhas." "E um homem inteligente sabe como escolher aliados úteis. Você ainda está em contato com Keiran Masters." "Do que você está falando?" "Eu ouvi que você estava vagabundando sobre a cidade com ele novamente à procura de uma mulher que não é sua noiva." "Essa mulher é minha amiga que foi raptada do meu apartamento em plena luz do dia por homens muito perigosos. A mulher de Keiran é sua melhor amiga. Naturalmente, ele se ofereceu para ajudar." "Seu tipo de ajuda vai colocar você na prisão, rapaz." Seus olhos se estreitaram com controle. "Talvez você queira se casar com Rosalyn." "Não seja ridículo. Nenhum homem gostaria de se casar com Rosalyn." "Então rompa seu relacionamento com esse criminoso, e eu vou cancelar a proposta." "Não." "Desculpe?" "Eu não vou fazê-lo. Keiran é mais do que meu amigo. Ele é meu irmão. Eu não vou abandoná-lo porque você quer proteger sua imagem." "Já era hora de você encontrar suas bolas." Olhei para cima para encontrar Keiran na porta. O capuz preto que usava sobre a cabeça, obscurecia sua expressão, então eu não poderia dizer o que ele estava pensando. "Filho, nós estamos tendo um conversa privada" "Que eu estou terminando agora. Pai, eu vou falar com você mais tarde."


"Não me dispense por ele." Eu vi o seu olhar furioso, direto, imperturbável com a sua raiva. "Deixe." Depois de mais alguns momentos de olhar, ele percebeu que eu não estaria recuando e ficou de pé. "Eu vou falar com sua mãe sobre isso." "Diga a ela que eu disse ‘Olá’." A porta do escritório por fim fechou. Eu esperava que Keiran dissesse alguma coisa, mas ele simplesmente fez o seu caminho para o sofá e se largou com a cabeça contra o encosto do sofá e os olhos fixos no teto. "Alguma coisa está te incomodando?" "Lake quer ficar para trás por mais alguns dias." "Ela não tem os testes finais vindo?" "Ela tem, mas ela está preocupada com Willow." "Sério?" "Por que você está surpreso?" "Sua recepção foi tipo fria." "Sim, eu perguntei a ela sobre isso, e ela quase arrancou minha cabeça." "Talvez você devesse verificar sua cueca a procura de suas bolas." "Fofo." "Então o que você vai fazer?" "Vou levá-la. Ela precisa estudar, e eu a quero sozinha para que eu possa transar com ela adequadamente. Eu não posso fazer isso com uma criança insistindo em uma festa do pijama todas as noites." "Acostume-se a isso. Você e Lake foram fortes durante quatro anos. Os sinos do casamento estão tocando. O bebê vem a seguir.” Eu não acho que eu já tenha visto medo em Keiran, mas sua pele empalideceu consideravelmente, e ele se inclinou para frente para descansar os cotovelos sobre os joelhos. "Você acha que ela vai querer isso?"


"Ela é uma mulher e ela te ama. Claro, ela vai. Espere... não quer?" "Eu adoraria fazê-la minha no papel, mas uma criança..." Eu tinha certeza que se Keiran já não estivesse sentado, ele teria caído. "Não há necessidade de pânico. Ainda há tempo de sobra." "Eu não tenho certeza se eu vou estar pronto para isso algum dia. Eu não posso criar uma criança sem saber o que está lá fora, pronto para feri-la. Eu costumava pensar que poderia ser possível, para que eu pudesse dar-lhe uma família, mas eu não posso ignorar que menos de um ano atrás, eu tive uma batida na minha cabeça. Eu nunca vou saber se haverá outra e quando ela virá. Fico acordado a noite me perguntando como eu vou protegê-la." "Você não pode planejar sua vida em torno de hipóteses. A coisa certa a fazer é dar-lhe o que ela precisa. Lake confia em você para protegê-la, mas ela também confia em você para dar-lhe a felicidade. Não estrague tudo. A confiança é uma coisa difícil de ganhar depois que se perde." Eu esperava que ele reagisse. Em vez disso, ele voltou a olhar para o teto. Instinto e anos de amizade me disseram que ele tinha mais em sua mente e, a julgar pelo conjunto duro de sua mandíbula eu sabia que não era nada bom. "Há mais uma coisa." Eu o assisti com cuidado, esperando que o outro sapato caísse. "Mitch está morto." Esqueça o sapato. Keiran tinha apenas soltado uma bomba atômica no meu colo que detonaria a qualquer momento. "Foda-se cara. Quando?" Eu já estava preparando mentalmente a batalha legal com antecedência se Keiran fosse capturado. Ele tinha estado em muitos problemas com a lei e se afastado pela enésima vez. "Cerca de uma semana atrás." "Quando? Você não estava em Nevada." A pergunta persistente estava em meu tom de voz e ele sentiu isso. Eu assisti seus ombros tencionarem com a frustração.


Ele estalou os dedos e flexionou seu punho antes de se estabelecer completamente parado novamente. "Não fui eu." "Fale isso novamente?" "Eu não matei meu pai", ele soletrou para fora lentamente. "A polícia apareceu na porta de Keenan, enquanto eles estavam fora. Eu não disse a ele ainda." Sua carranca se aprofundou e seu peito se movia com respirações duras. Eu o conhecia bem o suficiente para não pensar que ele lamentou o filho da puta que quase conseguiu roubar a sua humanidade, mas as linhas profundas na sua testa me disseram que a morte de seu pai o incomodava. "Esta é uma boa notícia. Mitch está morto e você manteve as mãos limpas." "Eu?" "Então, você está dizendo que você vai vingá-lo?" "Porra. Não, eu estou dizendo que a minha volta pode ter acabado me tornando alvo de outra pessoa." "Você sabe que eles dizem que o inimigo do seu inimigo é seu amigo, certo?" "Ou apenas um inimigo maior." Olhei para ele sem palavras sabendo que ele poderia muito bem estar certo. Keiran confiava pouco e suspeitava de tudo. A pior parte é que ele estava sempre certo. Exceto quando ele tinha chegado à Lake... é claro que ela sempre tinha sido a regra e não a exceção. No dia que Keiran for contra seu melhor julgamento isso poderia muito bem matá-lo. "Você tem que dizer a Keenan, e logo. Você vai ir atrás de quem o matou?" Eu estava esperando que a resposta fosse não, mas eu sabia melhor do que isso. Keiran não gostava de pontas soltas e ele não se arrisca. Especialmente agora que ele tinha alguém para quem viver. Ele se virou para mim e em seus olhos pude ver o assassino nascido da escravidão e da dor. "Eu tenho uma escolha?"


VERÃO ANTES DO ÚLTIMO ANO

Desde aquela primeira noite semanas atrás, Dash tinha dado todas as desculpas, plano ou manobras para entrar no meu quarto ou para eu sair. No dia seguinte, ele tinha voltado, afirmando não compreender a atribuição dada a nós no nosso curso de gestão de tempo. Desde que eu me recusei a dar-lhe o meu número de telefone, ele tinha sido forçado a vir pessoalmente. Só quando ele estava dentro eu descobri que ele já tinha completado a tarefa. Ele me colocou algemada novamente e me fez assistir outro filme com a gente amontoados juntos na cama de solteiro. Só que desta vez foi diferente por várias razões. Desta vez, ele tomou a liberdade de remover seus sapatos e travar os nossos pés juntos. O filme também foi diferente. Era uma comédia romântica chamada ‘O Diário de Bridget Jones’. Essa tinha sido uma das minhas noites favoritas por uma razão particular. Quando Mark Darcy admitiu gostar de Bridget Jones do jeito que ela era, apesar de todas as suas más qualidades, ele tinha repetido e aumentado o volume. Enquanto ouvia, ele colocou beijos no meu pescoço e quando Darcy repetiu, Dash sussurrou no meu ouvido.


Felizmente, minha companheira de quarto tinha saído, e ao longo das semanas, eu descobri que ela sempre saía quando Dash vinha, mas nunca quando eu precisava de um tempo sozinha. Na noite seguinte, ele alegou ter deixado o carregador do computador. Ele me colocou algemada, trouxe mais um filme, Crepúsculo, e tirou a camisa e os sapatos. Na quarta noite, eu lhe assegurei que não havia necessidade de me algemar. Em seguida, ele tentou me subornar com um beijo em vez das algemas. Eu estava indo para escolher a rota menos perigosa, mas ele tomou a decisão por mim me prendendo contra a porta e me apresentando a sua língua mais uma vez. Aquela noite foi a primeira vez que ele dormiu. Estávamos entrando em território perigoso a toda a velocidade. Eu me olhei no espelho mais uma vez e não poderia me reconhecer. Meu cabelo tinha sido domado em ondas disciplinadas que fluíam pelas minhas costas. O vestido de verão branco abraçou meu corpo e realmente parecia lisonjeiro contra minhas curvas. Chinelos brancos lisos e uma corrente de ouro longa completavam o traje. Embora eu me sentisse estranha em meu próprio corpo, eu gostei do que vi então talvez Dash também gostasse. Eu queria chamar Lake para pedir um conselho mas não sabia como ela reagiria a minha amizade com Dash. Ele era o melhor amigo do inimigo, afinal de contas, e de uma forma ou de outra, isso fazia dele um inimigo, mas estar aqui sozinha tornou mais fácil aceitar a sua amizade. Eu não tinha ideia do que aconteceria quando os dois voltassem para Six Forks. Nós tínhamos estado juntos por semanas em segredo. Eu só concordava em ficar com ele se estivéssemos em meu dormitório. Hoje, quando ele pediu, eu finalmente decidi ir a um encontro com ele. Eu não tinha ideia de onde estávamos indo, mas as borboletas no meu estômago não tinham me deixado desde que eu concordei. Abri a porta e fui recebida por uma rosto que parecia Dash, mas um corpo que não estava vestido como Dash. A camisa amarela brilhante com listras roxas finas foi complementada por um arco e suspensórios roxos.


Seus jeans eram simples escuro e com mocassim roxo para acabar com sua roupa ultrajante. Ele estava lindo. "Por que você está vestida como... um..." "Você?" "Eu suponho." Ele parecia inteiramente muito adaptável no que pessoas como ele não seriam pegas usando. "Por que você está vestida normalmente?" "Está brincando comigo?" "Você não tem que responder a tudo com hostilidade você sabe." "Eu não confio em você." "Por quê?" "Porque você é amigo dele." "Dele?" "Keiran Masters." Seus olhos se estreitaram e seu lábio enrolado com desdém complementam suas características em alguém irreconhecível. Eu estava perplexa por sua expressão feroz dada a sua relação. "O que você tem a ver com Keiran?" "Você sabe o que." Suas mãos foram arrancadas da minha cintura quando ele deu um passo para trás e rosnou, "Você transou com ele." "O que? Não! Eu prefiro morrer." "Essas são palavras fortes. Então, o que eu sei?" "Ele é um valentão." "Eu vejo... e ele tem intimidado você?" Eu hesitei na raiva nos seus olhos, mas também o reconhecimento. "E se ele tivesse?"


"Eu teria que falar com ele." "Por quê?" "Porque ele te machucou." "Ele não fez... não diretamente." "Você está falando em enigmas." "Quer dizer que você realmente não sabe?" Pela primeira vez, ele ficou em silêncio sem algo espirituoso, inteligente ou charmoso a dizer. Na verdade, ele parecia estar lutando por palavras. "Não." Ele limpou a garganta. "Eu não sei." "Como você pode ser melhor amigo dele e não sabe sobre a pessoa que ele realmente odeia?" "Eu não quero falar sobre o que está em Six Forks ou sobre Keiran. O que eu quero é levá-la em um encontro, mas em primeiro lugar, eu quero dar-lhe um presente." "Um presente? Para quê?" Ele ignorou o meu questionamento e pegou meu braço em sua mão. Ele colocou um beijo no interior do meu pulso e, em seguida, apertou uma fina pulseira de platina em torno dele. Eu puxei meu braço para inspecionar a pulseira. Era simples, mas elegante, de tirar o fôlego, e nada como eu esperava. As pedras roxas transparentes adornavam a cadeia de platina. Era uma visão bonita, inesperada. Toquei a pulseira enquanto admirava as asas de anjo. Ao lado, havia as letras 'D' e 'W'. O braço direito da W estava ligado em torno da curva do D. "Eu não sei o que um... por quê?" "Eu vi isso e pensei que era algo que você devesse ter. Eu o pedi ela personalizada com nossas iniciais." Nossas iniciais.


A frase soou como um compromisso, mas eu sabia melhor do que ler muito sobre isso com alguém como Dash. Ele poderia ter qualquer uma que ele quisesse, tanto que a realidade dele se decidir por mim nunca seria nada mais do que fantasia. Olhei para cima a partir da pulseira a tempo de ver o rubor em suas bochechas. "Por que, Dash, eu acredito que você está corando," eu murmurei em uma imitação de uma sulista. "Eu sempre vou corar para você." "E o que dizer com atos que me fariam corar?" "Eles são só para mim também?" Eu ri da minha piada, mas fui interrompida pelo olhar de promessa em seus olhos. "Você deve saber melhor agora." Sua voz estava rouca com a luxúria. "E o que eu deveria saber?" "Tudo o que sou é apenas para você." "Eu gostaria de poder acreditar nisso, mas é uma promessa muito poderosa feita por dois estranhos." "Nós não somos estranhos." "Nós mal nos conhecemos." "Você me conhece melhor do que a maioria." "Como é isso?" "Porque eu confio em você. Ser filho de um dos homens mais ricos do país não me dá a capacidade de confiar facilmente." Eu pensei sobre a questão lancinante na parte de trás da minha mente desde que ele se aproximou de mim no campus há três semanas. "Eu deveria confiar em você?" "Não." Engoli além da apreensão grossa na minha garganta. "Por quê?" "Porque eu não tenho boas intenções quando se trata de você."


"Quais são suas intenções?" "Se eu fosse confiável, eu não iria dizer-lhe exatamente o que estava na minha mente e exatamente o que eu queria de você." "Mesmo se eu quisesse isso?" "Um de nós deve saber melhor." "Ou nós poderíamos fazer a coisa errada juntos." Ele recuou em surpresa. "Eu estou seduzindo você ou você está me seduzindo?" "Qualquer coisa que você possa fazer, eu posso fazer melhor."

***

PRESENTE Sheldon me levou às compras para uma muda de roupa assim como Dash havia prometido. Eu esperava que fosse uma viagem breve, mas nós passamos o dia inteiro fora. Quatro anos atrás, eu não teria sido pega nem morta em uma cadeia de lojas. Eu sempre tinha preferido fazer a minha própria roupa, mas a cada ano que passou, eu parecia menos como eu. Eu já não me sentia mais como eu. Paramos para o almoço e ela me contou sobre tudo o que tinha acontecido ao longo dos anos, enquanto eu tinha ido. Fora de tudo, eu estava quase surpresa ao descobrir que Keiran tinha sido uma grande parte da força de Sheldon durante a gravidez e depois. E quando ela revelou o que aconteceu com Kennedy, percebi que manter minha situação um segredo estava pondo em perigo mais do que apenas a minha família. Mais tarde, quando Dash chegasse para me pegar, eu sabia o que tinha que fazer.


"Você está pronta?", ele perguntou quando ele entrou pela porta da frente. Estudei o estresse alinhado em seu rosto e ouvi o cansaço em sua voz. "Não exatamente. Nós precisamos conversar." Ele esfregou a mão na parte de trás do seu pescoço, impaciente. "Podemos falar no meu apartamento." "Nós não podemos. Isso os envolve também." Keenan estava sentado perto, jogando em seu telefone, e fingindo não ouvir. Ele levantou a cabeça e disse: "Eu vou pegar Shelly." Eu não podia quebrar meu olhar de Dash de modo que acenei que eu tinha ouvido. "O que é isso?" Eu balancei minha cabeça. "Eles precisam ouvir isto também." Keenan e Sheldon entraram na sala de estar, e eu respirei fundo, o que era suposto para ser calmante, mas tudo o que conseguiu fazer foi ficar presa na minha garganta junto com as palavras. Eu corri minha mente através de tudo o que aconteceu sábado e segunda-feira, relembrando todos os detalhes, mas a capacidade de começar me escapou. Levantei-me e andei achando mais fácil de falar em cada etapa. "No dia do casamento, eu vim para casa para visitar minha mãe. Não tenho certeza exatamente do que aconteceu ou como ela me conhecia." Eu não estava fazendo muito sentido e fui divagar para manter-me com o ritmo da minha mente. Na parte de trás da minha mente, eu percebi que meu coração batia fora de ritmo e as palmas das minhas mãos começaram a suar. "Devagar," Dash ordenou. "Quem a conhecia?" "Não quem. Eles." "Você disse, ela." "Havia homens que me encontraram e me forçaram a entra naquela van não marcada. Ela é o seu líder. De qualquer forma, ela disse que tinha um trabalho para mim e eu poderia viver se eu o completasse. Ela me levou para a casa dos seus pais e depois eles me largaram lá."


"O que ela quer?" Keenan exigiu. "Ela... ela quer Keiran..." minha língua estava torcida e meu intestino atado. "Ela quer Keiran?" A voz de Sheldon estava cheia de surpresa. "Não. Um... Ela quer ele... morto." A sala ficou cheia de silêncio. As bocas de todos estavam abertas quando eles olharam para mim. Keenan foi o primeiro a falar. "Você tem que estar brincando comigo," Keenan murmurou. "Este é o segundo atentado contra sua vida em menos de um ano." Sheldon tinha me preenchido com o sequestro de Kennedy, há alguns meses. O resgate seria a morte de Keiran e quem estava por trás disso queria que Sheldon fizesse o acerto. "Quem? Você sabe quem?" "Sabemos fisicamente quem tomou Kennedy, mas não sei quem estava por trás disso." "Onde estão as pessoas que pegaram ela?" "Extremamente mortos." Keenan sorriu. "Eles poderiam ter conhecido-" "Eles não sabiam de nada." "Bem, então, eu acho que sei quem fez isso." Todos olharam como se tivesse crescido uma cabeça extra em mim. "Como?" "Ela me disse quem ela era. Ela disse que isso não importava." "Quem é ela?" "Esmeralda." "Esmeralda Phalan?" Seus lábios se torceram com desgosto e confusão. "Nós não trocamos sobrenomes, mas quem quer que ela seja, ela é perigosa, e ela sabe quem todos nós somos."


"Como você sabe?" "Porque quando ela me levou pela segunda vez depois que eu tinha tentado sair, ela ameaçou a minha família se eu não matá-lo. Ela está assistindo a todos nós." "Nós precisamos dizer a Keiran." "Keiran e Lake viajaram para a Califórnia esta manhã.” O encolher de ombros de Keenan era indiferente, mas sua voz era grossa com autoridade. "Então eu acho que nós vamos fazer uma viagem."


"Foda-se, querida. Quando eu chegar com você na minha cama, eu quero você nua e no meu pau. Não me faça esperar, Lake." Eu ri com o pensamento de todos os anos que passaram e Keiran ainda sentia a necessidade de ameaçá-la. "Mhmm... Eu te amo", ela balbuciou. Através da porta, eu podia ver Lake puxando o cinto aberto de Keiran. O único som que encheu a casa que tinham alugado a partir de um casal de meiaidade era o som de sua respiração pesada e beijos. Quando se tornou dolorosamente evidente que eles não iriam para o quarto depois de tudo, eu limpei minha garganta. A cabeça de Keiran voou de morder o pescoço de Lake, e seus olhos escuros espiaram pela porta ficando mais irritado a cada segundo. "Caras. Saiam." Keiran estava nada menos do que irritado por ver todos postados em sua sala de estar. "Nós precisamos conversar." "Eu não quero falar. Eu quero foder. Deixem a porra da minha chave em seu caminho para fora." "Baby, não seja rude." A bronca de Lake lhe rendeu um olhar ao qual ela respondeu revirando os olhos. Ela percorreu um longo caminho desde a menina encolhida que temia o próprio pensamento dele.


"Você acha que vocês dois podem suavizar a esquisitice por alguns minutos?" Keenan soltou exasperado. "Nós dirigimos por horas no meio da noite porque isso é importante." O tom sério do Keenan geralmente brincalhão tinha-lhes endireitados e cooperando. "E aí?" "Temos uma pista de quem raptou Kennedy e matou John." "Quem?" "Esmeralda." "Toda a organização foi erradicada." "Aparentemente, alguns peixes escaparam." "Como você sabe disso?" Eu encontrei-me empurrando a resposta com os dentes cerrados antes que Keenan poderia ter a chance de continuar. "Porque ela é a razão de Willow ter caído em seu casamento. Ela a sequestrou no ponto de ônibus e ameaçou-a para ela concordar em matá-lo." "De novo não", Lake sussurrou horrorizada. Keiran tomou seu queixo em sua mão e sussurrou para ela. Ele falou muito baixo para eu ouvir, mas o que ele disse a acalmou. "Nós precisamos lidar com isso o mais rápido possível. Eu sabia que ela ainda estava lá fora, mas eu a subestimei. Eu nunca pensei que ela viesse até mim." "Quem exatamente é Esmeralda para você?" Willow questionou. "Ela é a esposa de Arthur. Ela fugiu da casa que eles usaram como uma frente da armadilha para as crianças de rua que seriam compradas e as que foram vendidas. Os bebês eram mantidos lá até que eles tinham idade suficiente para movê-los para o composto." "Por que ela o quer morto?" "Ela é uma fugitiva e seu marido está morto, para começar."


"O que acontece quando cuidarmos de Esmeralda? Quanto tempo antes que o próximo venha junto com outra tentativa para ver Keiran morto?" Sheldon apontou. "Um psicopata louco de cada vez. Em primeiro lugar, precisamos encontrar Esmeralda." "Willow", Keiran se dirigiu a ela com um olhar duro. "Onde é que eles a levaram?" "Eu não sei. Eu estava drogada e eles mantiveram um saco na minha cabeça quando eles me deixaram ir. O que eu vi parecia um armazém." "Você estava drogada quando libertaram você?" "Não." "Você consegue lembrar quanto tempo levou a viagem?" "Eu não tenho certeza... talvez trinta minutos? Eu estive desorientada por cerca de duas horas antes de você me encontrar." "Nós precisamos descobrir onde ela foi deixada e ir em busca de quaisquer armazéns dentro de um raio de trinta minutos." "Por que você não disse nada a ninguém antes?" Lake questionou. Houve uma dor aguda inconfundível em seu tom. Willow ficou tensa sob o olhar de todos, enquanto todos nós esperávamos por sua resposta. Era uma questão que eu tinha jogado no fundo da minha mente desde que ela nos disse. Fazia três dias desde o casamento e Willow teve inúmeras oportunidades para dizer alguma coisa antes de agora. Levantando o queixo, ela encontrou o olhar de Lake. "Pela mesma razão que você não contou a ninguém quando Keiran ameaçou a vida de merda de sua tia." "Cuidado, Willow." Ela voltou seu olhar gelado para Keiran. "Quando Esmeralda ameaçou a minha vida, eu simplesmente parti... ou pelo menos eu tentei." Ela me lançou um olhar cheio de acusação. "A segunda vez que ela me levou, seus homens derrubaram a segurança de Dash sem esforço e, em seguida, ela ameaçou a minha família e todos os outros que eu conheço. Se você está se perguntando se eu pensei em matar você, a resposta é sim."


"Então, o que a fez mudar de ideia?" "Sheldon me disse o que aconteceu com Kennedy, há alguns meses, e tudo soou muito familiar para não estar ligado. Percebi que havia mais em jogo do que apenas a minha família." A sala ficou em silêncio quando todos se retiraram para seus pensamentos. Eu estava meditando sobre o significado das decisões de Willow quando Sheldon falou. "Willow, eu sei que não pode ter sido uma decisão fácil. Uma decisão que nenhum de nós poderia ter feito mais fácil," Sheldon direciona para o resto de nós, um aviso para não a condenarmos muito rapidamente. "Você arriscou sua vida e sua família compartilhando esta informação pela minha filha. Eu só espero que possamos ajudar a proteger você e sua família em troca." Sheldon encontrou meu olhar emitindo um aviso e eu balancei a cabeça. "Nós vamos protegê-los", Keiran concordou. "Neste momento, Willow é a nossa única ligação para pegá-los. Enquanto ela estiver viva, temos uma chance." Keiran assentiu com a cabeça. "Quanto tempo ela te deu?" "Ela não disse." "Ela apenas lhe disse para me matar e nada mais?" Ela simplesmente deu de ombros. Eu poderia dizer que ela só queria que tudo acabasse, mas eu não podia reunir simpatia por ela. Willow tinha provado uma segunda vez que ela não era confiável. Em vez de confiar em mim, ela guardou tudo para si mesma e até mesmo considerou passar com isso. Foi uma luta para eu permanecer em silêncio, mas eu gostaria de chegar até minhas respostas e minha retribuição por suas mentiras quando estivermos sozinhos. Se ela pensa que eu deveria lhe agradecer pela sua misericórdia, ela estava errada. A minha irmã tinha sido indulgente, mas nada em mim poderia trazer-me a perdoar como ela não tinha confiado em mim e tinha a intenção de me trair.


Arrependimento era algo a que eu tinha me acostumado. Desde que eu corri, eu vivi com isso todos os dias. E agora parecia que em cada momento, eu estava adicionando à minha lista de coisas a lamentar. Eu vi a acusação, a raiva, a desconfiança... Eu tinha tomado a decisão errada e paguei as consequências por danificar ainda mais a minha amizade com Lake. Desculpei-me para ir ao banheiro quando eu não podia mais fingir com a minha cabeça erguida tão alto. Joguei água no meu rosto e fingi que não estava chorando. Eu disse-me que não seria uma má pessoa e que a partir de agora, eu só iria tomar boas decisões, mas eu sabia que quando eu voltasse à realidade, nada disso iria ter qualquer peso. Uma batida na porta sacudiu-me de minha auto aversão. Fiz-me dura como uma tábua e prendi a respiração, como se a pessoa do outro lado pudesse realmente ouvir. "Willow?" O som feminino da voz de Lake chamando meu nome me fez agarrar o balcão com força. "Eu sei que você está aí." A maçaneta virou quando ela bateu novamente. Com uma respiração profunda e, em seguida outra, eu desbloqueei e agarrei a porta aberta. "Sim?" "O que foi aquilo lá embaixo?" "Eu não sei", eu respondi lentamente.


Ela se empurrou para o banheiro e fechou a porta. "Quem é você?" A dor estava gravada em sua voz. "A Willow que eu conheci nunca teria mantido um segredo tão perigoso como esse e colocado vidas em perigo." "A Willow que você conheceu não está de pé aqui. Você levou o que restava dela quando se afastou para ficar com ele." "Se você acha que doeu ver-me mudar para outra escola, em seguida, seja grata que você nunca tenha que sentir o que foi descobrir um dia que a sua melhor amiga se foi sem deixar vestígios. Porra. Eu lamentei por você, Willow. Eu não saí porque eu preferi isso. Saí porque eu precisava dele. Eu o amo, Willow." "E eu precisava de você." O volume da minha voz aumentou com as emoções avassaladoras, furiosas dentro de mim. "Ele abusou de você desde que éramos crianças. Você é como a porra de uma masoquista." "Eu não estou vivendo no passado como você. Eu o perdoei, por mim." "Por você? Por quê? Será que ele sequer pediu desculpas ou ele acabou por fazer a você um monte de promessas que soavam bem?" "Você não sabe do que você está falando." "Eu sei o que ele fez com você." "Ninguém sabe melhor do que eu." Seu tom assumiu uma borda mais dura, e eu poderia dizer que a dor ainda estava lá, apesar de todo a sua besteira de felizes para sempre. "E sobre o que ele fez para mim?" "O que Keiran fez foi desprezível, mas ele não fez com que você fodesse Dash e ele não fez você se apaixonar. Você fez isso porque quis e porque o seu coração ansiava por Dash. O início pode ter sido falso, mas a jornada foi real." Procurei um ponto na parede e fixei nele. Eu não podia olhar nos olhos incomuns de Lake e não ceder. "Este grande amor de que você fala a atormentou por dez anos e fez coisas impensáveis a você para se divertir. Em toda guerra, há vítimas e as


pessoas se machucam. Eu fui uma delas. Uma coisa era se apaixonar, mas foi insuportável assistir você montar fora no pôr do sol com ele. Você nunca pensou em me ajudar a aprender a se curar como eu fiz para você. Você esqueceu? Sequei cada uma de suas lágrimas e compartilhei sua dor para que você pudesse encontrar a força para enfrentar o dia seguinte apenas para ser derrubada novamente. E agora você está realmente tentando me convencer de que era amor? Bem, eu encontrei e perdi a minha única chance de amor por causa dele. Eu não vou perdoá-lo. Nem mesmo por mim. A dor me serve muito melhor. Isso me lembra de que eu estou viva, e que é o amor que destrói você." Lake me olhava com olhos tristes e depois sacodiu a cabeça, derrotada. Ela virou-se para agarrar a maçaneta da porta para sair, mas voltou no último minuto. "Você não o perdeu," ela atirou de volta com força. "Você o deixou ir." Depois que ela se foi, eu fechei a porta e deslizei para baixo no comprimento da madeira até que eu estava sentada no chão de madeira. Eu nunca tinha percebido quanto tempo quatro anos realmente era até que eu vi de perto o quanto Lake tinha mudado. Eu não poderia dizer se era para melhor ou pior, mas a feminilidade definitivamente concordou com ela. Talvez eu fosse a única segurando em minhas emoções do ensino médio, mas isso não torna menos doloroso. Eu limpei furiosamente as lágrimas escorrendo pelo meu rosto e me recompus. Em apenas alguns dias, eu poderia ir para casa. Agora que eles sabiam da ameaça, eu seria capaz de deixar vir a consciência limpa. Eu tinha considerado matar Keiran, mas agora sabia que era algo que eu jamais poderia fazer. Apesar de meus sentimentos em relação a ele, algumas pessoas se importavam com ele e lamentariam ou sofreriam com a perda dele, incluindo Kennedy. Incluindo a minha melhor amiga. A primeira pessoa que eu amei que não partilhava o meu sangue. Eu finalmente encontrei a coragem de sair do banheiro, e quando eu abri a porta, eu encontrei alguém esperando. "Ficar do lado de fora da porta enquanto alguém usa o banheiro é um pouco assustador."


"Você não estava usando o banheiro. Eu ouvi você chorar." "Sim, às vezes eu faço isso quando eu tenho que fazer xixi." "Willow." O aviso de Keiran foi simples, mas detinha uma grande quantidade de peso. "Eu suponho que você também está aqui para me dizer o quanto eu sou uma má pessoa. Deixe-me apenas economizar lhe a respiração. Eu concordei em matá-lo por causa da minha família e para que eles não me matassem no local para depois matá-los de qualquer maneira. Se eu teria ido até o fim para protegê-los é algo que nós nunca saberemos, mas eu posso dizer que eu não quero você morto. Eu não gosto de você, mas Lake pensa que ela é feliz com você, e eu não tenho sido uma amiga modelo desde que a deixei, e minha opinião realmente não importa. Achei que para alguém que mata sem motivo, você entenderia minha situação." "Você pensou errado." "Porque você é um santo?" "Porque eu nunca matei sem razão." A ameaça subjacente era tão clara como se ele tivesse gritado. "Eu não pedi por isso. Eu não voltei aqui com alguma vingança contra você." "Então por que você voltou?" "Eu queria ver minha mãe." "Você odeia sua mãe." "O que você sabe sobre como me sinto sobre a minha mãe?" "Porque eu sei o que parece." Ele se afastou da parede e tirou um pouco da distância que eu mesma tinha mantido entre nós. "Está escrito em seus olhos quando você fala sobre ela." "Eu nunca falo sobre ela." "Exatamente. É por isso que você nunca aprendeu a esconder a verdade."


"O que você quer?" "Meu instinto me diz para matá-la, mas eu não sei se é o instinto ou o escravo em mim me dirigindo para essa conclusão." "Então o que acontece agora?" "Eu te aviso." "Eu pensei que você não matasse sem razão." "Eu não faço... então pise com cuidado, Willow." Ele me deixou sozinha, e eu estaria mentindo se eu dissesse que não fiquei balançada. "Ele vai fazê-lo." A voz de Dash me puxou para fora do meu pânico. "Ele é sério. Você sabe disso." "Eu não tenho medo dele," eu menti. "Esse é o problema. Você devia ter." "Só porque você está..." Dash balançou a cabeça e desviou o olhar. "Eu não tenho medo dele." "Então por que você o seguiu?" Ele deu uma gargalhada. "É isso que você acha? Eu sou amigo de Keiran porque ele precisa de mim. Talvez mais do que eu precise dele. Mas o que eu tenho medo é de perder a nossa amizade." "Por quê?" "Porque se ele te machucasse, eu o mataria." Olhei para ele, incrédula. "Você não faria isso." Eu neguei, mas o olhar em seus olhos sugeriu que era verdade. Ele encolheu os ombros. "Ele faria o mesmo por Lake." "Será que ele faria?" "Num piscar de olhos." Eu descansei minha cabeça contra a porta do banheiro para aliviar o giro. "Então sua amizade é sem lealdade."


"Eu tenho sido amigo de Keiran por um longo tempo. No início, eu tolerei, negligenciei e dei desculpas para tudo o que ele fazia até que eu percebi por que ele precisava de mim e porque eu senti que tinha que ser amigo de alguém tão perturbado. Ele precisava de uma bússola moral. Uma consciência. Alguém para dizer-lhe para facilitar a volta. Eu não poderia impedi-lo, mas eu descobri que ele ouvia... às vezes." "Grande ajuda você era. Onde você estava com seu super poder quando ele atormentava minha amiga?" "Mantendo-o longe de matá-la, literalmente." "Então o que acontece agora?" "Eu protejo ambos.”

*** Não havia nenhuma maneira que poderíamos tomar a longa viagem de volta para o Six Forks, então acampamos com Keiran e Lake durante a noite. Kennedy tinha sido deixada com os pais de Sheldon e eles ficaram bem. Havia apenas um quarto extra aberto e outro ocupado com o escritório de Keiran, então Keenan e Sheldon ficaram com o quarto e ficamos na sala de estar. Eu assisti Dash fazer uma cama rústica no chão do meu poleiro no sofá. Não havia espaço suficiente no sofá para caber nós dois, então ele me pegou completamente de surpresa quando ele não insistiu. O olhar duro em seu rosto me disse que não tinha nada a ver com o cavalheirismo. Ele não queria estar perto de mim. Eu deveria ter estado grata ou aliviada. Em vez disso, eu me senti menosprezada. Quando ele terminou e deitou-se, ele parecia completamente fora de lugar para alguém que usava ternos de mil dólares. Ele retirou o seu casaco e camisa e cruzou os braços atrás da cabeça, fazendo seu impressionante peito e abdômen ainda mais proeminente.


"Então, você está dormindo no chão por causa da sua noiva?", eu esperei, mas ele não respondeu. Os músculos de sua mandíbula apertaram me dizendo que ele estava acordado. "Eu tenho que dizer que é muito patético. Você não estava preocupado com seus sentimentos antes que eu soubesse sobre ela." Eu esperei e não tive nada. Nem mesmo uma contração neste momento. Eu não parei para considerar as consequências de atormentá-lo. "Pergunto-me quantas vezes você já traiu." "Ela? Ou você quer dizer você?" "Por que eu iria dizer sobre mim? Eu não sou nada para você." "Se você acredita nisso, então por que você está chateada que eu não estou aí com você? Será que é porque você quer que eu te toque?" "Supere a si mesmo." "Ou você prefere tocar em mim?" "Eu prefiro engolir pregos que tocar em você." "Tudo bem." Quando ele levou as mãos para baixo em suas calças, de repente senti como se eu não tivesse uma gota de água para beber durante séculos. "O que você está fazendo?" "O que você está com muito medo de fazer." Engoli em seco ao som de seu zíper sendo baixado. Estava escuro, com apenas o luar através das janelas. "Dash, não." "É tarde demais para dizer não, anjo." Ele levantou a bunda e deslizou suas calças para baixo para descansar em seus quadris. Seu pênis saltou livre e balançava contra seu estômago tenso quando ele se acomodou na cama improvisada. Assim que ele se acomodou, ele levou a mão à boca em busca de saliva. Ele então lentamente agarrou seu pênis em torno da cabeça e apertou. Eu encontrei minhas pernas imitando a ação e fechando apertadas. Pare de olhá-lo!


Eu não podia encontrar a força de vontade para tirar os olhos. Eu sabia que sem tirar os olhos longe de seu pênis ele me via assistindo. "Foda-se", ele grunhiu e me sentei. Eu me inclinei para frente e agarrei a ponta do sofá enquanto sua mão trabalhou seu pênis grosso. Seus lábios se curvaram mostrando seus dentes brancos e brilhantes. Seus quadris balançaram sutilmente. Durante todo o tempo, seu olhar aquecido me prendeu no meu lugar. Eu podia sentir o suor entre minhas coxas aumentar à medida que minha temperatura corporal aumentava. Eu não podia acreditar que ele estava realmente dando prazer a si mesmo e fazendo-me assistir. Eu estava ofegante quando finalmente encontrei a minha voz. "Dash..." Eu perdi a minha respiração com a visão de pré-gozo vazando da ponta do seu pênis. "Isso é bom, anjo. Assim. Porra. Bom." O brilho nos seus olhos quando ele mordeu o lábio inferior me disse que ele gostava de me provocar. O pensamento me tirou do meu estado indefeso embora eu ainda fosse superada com a luxúria. Mas se ele queria empurrar, eu empurraria de volta. "Quão bom?" Eu não perdi o choque em seus olhos com a minha pergunta inesperada. "A sensação é tão boa quanto eu?", eu perguntei antes que ele pudesse responder. "Nada é tão bom quanto você." "Eu não tenho certeza se acredito em você. Tem sido anos desde que você me sentiu." Sentei-me de volta contra as almofadas e corri minhas mãos até minhas coxas nuas e seus olhos me seguiram. "Eu me lembro", ele trincou. "É realmente uma vergonha...” para cima e para baixo, eu provoquei minha própria pele, “... uma memória é tudo o que você tem." "Você e eu" – grunhido - "sabemos" -grunhido- "que se eu quisesse você numa cama" - grunhido- "eu teria você."


"Qualquer coisa que você possa fazer, eu posso fazer melhor, Dasher. Talvez seja eu quem esteja seduzindo você." A lembrança de nossa primeira vez juntos trouxe um brilho perigoso em meus olhos, ele levantou e ficou de pé antes que eu pudesse reagir. Suas mãos me agarraram e me pegaram quando eu tentei enrolar sobre o encosto do sofá. Eu fui virada sobre meu estômago e, em seguida, presa por uma mão no meu pescoço enquanto ele levantava minha bunda no ar. "Dash." Eu gritei o nome dele, mas a maioria do som foi abafado pelo sofá. "Shhhh", ele sussurrou e depois virou a minha saia para me dar um tapa na minha bunda. "Oww! Não me bata!" "Shhh." Ele repetiu a punição. Eu gemi e ele repetiu mais uma vez. No quarto tapa na minha bunda, eu implorei a ele para parar. Ele me deu outro tapa. Este mais duro e mais forte. Sabiamente, eu não fiz um pio no quinto, percebendo que essa era a razão para os tapas. "Boa menina." Sua mão invadiu minha calcinha e esfregou a pele que ele tinha acabado de abusar. "Não há mais jogos de criança. Quando eu disser para fazer algo, você faz. Entendeu?" "Foda-se." Ele riu e no momento seguinte a minha bunda estava em chamas quando ele choveu três bofetadas controladas. Eu lutei para ficar longe, mas sua mão me manteve no lugar. A sensação de queimação me fez desejar sua mão me esfregando novamente, e assim como eu desejei, sua mão encontrou o local novamente. Ele esfregou uma vez e, em seguida, mergulhou a mão mais em baixo até que estava descansando entre as minhas pernas e enredando-se com a evidência pegajosa de minha excitação se misturando nas minhas coxas. Seu silêncio se estendeu por alguns segundos. Prendi a respiração através de cada segundo. Eu sabia que ele sabia o que estava lá porque seus dedos correram por ele. "Isso é o que eu penso que é?"


Meus ombros caíram em derrota por ter sido capturada. "Eu não sei, Dasher. O que é isso?" Sua outra mão agarrou meu cabelo e puxou minha cabeça para trás, ao mesmo tempo seus dedos deixaram minha coxa. Eu vi quando ele trouxe seus dedos revestidos comigo, aos lábios. Sua língua saiu brevemente para tocar as pontas e depois um dos dedos inteiros desapareceu na sua boca. Ele fez um som com fome, mantendo contato com os meus olhos e então seu dedo escorregou para trás, para fora. "Ainda é a minha parte favorita de você." Eu estava respirando com dificuldade, como se eu tivesse acabado de correr uma corrida. "Porque você fez isso?" Seus olhos brilharam com... alguma coisa. Eu pensei que ele não iria responder, mas então ele se inclinou para frente e descansou sua testa contra a minha. "Porque eu tinha quase esquecido que gosto você tinha", ele sussurrou com dor em sua voz. Eu estava envolvida no calor do seu corpo e seu perfume misturado com seu suor. Isso me deixou louca. Isso me fez querer ele. "Dash." Ele levantou a cabeça e olhou nos meus olhos. Eu o deixei ver a minha necessidade e saber que tudo o que ele estava oferecendo, eu estava disposta a levar. Eu soube o momento em que ele reconheceu isso. "Sim, meu anjo," ele acariciou seu rosto contra o meu. "Eu sei." Estendi a mão para as calças, mas ele agarrou meu pulso. "Merda... Eu quase me esqueci." Ele estalou os dedos e sorriu. "Hã? O que você esqueceu?" "Vou jantar com a minha noiva amanhã." Ele me soltou, acomodou-se em sua cama improvisada, e virou, dando-me a sua bunda para eu beijar.


VERÃO ANTES DO ÚLTIMO ANO

Depois de ter provocado e flertado com ele, eu encostei minhas costas contra a porta e fui agredida por beijos famintos. Eu estava pronta para ele completar o ato final do nosso mês longo de preliminares pelo tempo que ele usou de misericórdia. "Dash?" "Eu não me perdoaria se eu transasse você antes mesmo de eu te levar para jantar, assim, pare de me tentar antes de encontrar-se cheia de mim e gritando de prazer." "T-tudo bem." "Boa menina." Ele beijou a ponta da minha língua, pegou minha mão e levou-me para fora do dormitório. Quando ele abriu a porta do carro para mim, eu praticamente me derreti no banco. Porque é que tudo o que ele fazia deixava as minhas pernas fracas? Esta foi a minha primeira vez que eu andei em um carro de luxo. Olhei em volta do carro importado com espanto. O couro cinza era tão suave contra a minha pele e o seu cheiro intoxicante encheu o carro. Ele deslizou dentro e ligou o motor, levando o carro esportivo para a vida. Eu estava um pouco nervosa, depois de ter visto o que estes carros podem fazer na TV. Ele deve ter sentido o meu nervosismo, porque ele se inclinou e me beijou suavemente. "Não se preocupe anjo. Eu entendi."


Saímos para o restaurante, e eu achei que ele poderia lidar com o carro muito bem. Eu pensei que isso era um pouco demais para um garoto de dezessete anos de idade, mas talvez fosse o caminho dos ricos. O restaurante estava a uma curta distância de carro, mas apenas o exterior fez-me sentir fora do lugar. Dash pegou minha mão novamente e me levou para dentro do restaurante. Ele parecia gostar de estar no comando, e desde que eu estava fora do meu elemento, eu o deixei me levar. A recepcionista sorriu quando nos aproximamos e colocou densidade extra nisso para o nosso benefício. Eu lutei contra a vontade de revirar os olhos e, em seguida, eu queria arranhá-la quando ela tocou o braço de Dash. Eu esperava que Dash se regozijasse pela atenção feminina. Afinal, ela era sem dúvida linda. Eu fui lançada quando ele me puxou para o lado onde a vadia andou e colocou seu braço em volta de mim, de forma eficaz para desalojar a mão dela rejeitando-a. Tome isso, cadela insolente. Ela mostrou-nos a nossa mesa e foi embora sem perguntar se precisávamos de algo. Os ombros de Dash balançaram e ele bufou. Seu olhar piscou bloqueado com o meu, e eu sorri para ele do outro lado da mesa. Um garçom se aproximou com os nossos menus quase imediatamente e anunciou os especiais. Dash me instruiu a pedir o que quisesse. Um olhar para o cardápio, e eu estava perdida. Nada disso era familiar. Onde estavam os aperitivos ou os hambúrgueres? Virei a página e li o primeiro prato principal ou o que eu assumi que era um prato principal. Cocotte de leguminosas. Não houve menção de carne por isso eu pulei. "Eu posso pedir para você." "Mas você não sabe o que eu quero." "Não sei?" "Eu não reconheço nada sobre este cardápio." "Ok, eu posso fazer uma sugestão, então?"


"Claro." Parecia inofensivo. Dash sinalizou e o garçom se aproximou. "Senhor?" "Sim, minha senhora e eu teremos o Coq Au Vin com cenouras e batatas." Ele assentiu e recolheu nossos menus, enquanto eu olhava para Dash. Eu esperei até que ele se afastasse antes de manifestar o meu desagrado. "Isso não é uma sugestão. Você pediu para mim." "Eu fiz." "Como você sabe que se gosto Coq Au Vin ou cenouras ou batatas?" "Coq au vin é galinha. Todo mundo gosta de frango, e eu vi que você come muita cenouras e batatas, e se você pode comer as que a escola serve então você pode comer as cenouras e as batatas aqui, então o que exatamente está errado com o que eu pedi para você?" "O fato de que você pediu para mim." "Está tudo bem eu segurar a porta para você, mas eu não posso pedir para você?" "Não é a mesma coisa." "Ok, qual é a diferença?" "Segurar a porta aberta é um gesto amável. Você faria isso por qualquer pessoa, independentemente do sexo. Pedir para mim é apenas pretensioso." "Você prefere que eu chame o garçom de volta e o faça ler cada linha do cardápio então você não vai se sentir como se o seu direito como uma mulher tivesse sido violado? Tenho certeza de que o garçom não se importaria. Somos a única mesa que ele tem que esperar, e eu tenho certeza que ele não está contando com as gorjetas das outras mesas para ajudar a pagar suas contas ou alimentar seus filhos.” Ele sentou-se e fez um gesto para eu fazer exatamente o que ele sugeriu. Sua presunção era demais. Em vez de chorar como eu queria fazer, eu me levantei da mesa e fui embora.


Sim. Eu tinha feito isso. Eu caí em estupidez. Eu sabia que sair com ele era uma má ideia. E agora eu tinha caído em desgraça. Olhei para as roupas que eu coloquei para agradá-lo e senti como uma traição. Eu franzi os meus dedos pelo meu cabelo, destruindo o controle. Eu pisei no meio-fio para chamar um táxi e esperava que a viagem de volta não fosse muito cara. "Onde você está indo?", seu tom de voz era suave, mas não me atrevi a olhá-lo. Estiquei a mão para um táxi, mas seu braço disparou para me parar. "Não faça isso. Eu sinto muito." "Desculpas aceitas. Agora volte e coma o seu Coq Au Vin." "Peço desculpas por insultar o seu direito como uma mulher. Eu prefiro aproveitar a sua feminilidade." Eu me virei e lhe dei um tapa em seu peito. "Não faça piadas." Eu não estava preparada para ele para me abraçar. "Pelo menos eu tenho você olhando para mim." "Mais uma vez, você está tomando liberdades demais." "Por favor, aceite minhas desculpas." "Por que eu deveria?" "Porque eu sei onde há comida real." Ele me puxou na rua para um bar e grill. Havia uma multidão de noite de sexta-feira, mas felizmente, fomos capazes de garantir uma cabine. Peguei o cardápio e foi um prazer encontrar alimentos com nomes que eu reconhecia. "Ahh, nada como os hambúrgueres!" "Você gosta de hambúrgueres?" "Eu os odeio, mas é bom vê-los em um cardápio. Eu tenho um gosto por frango." Eu mandei a Dash um sorriso doce sobre a mesa e, em seguida, caí na gargalhada ao ver o olhar mal-humorado em seu rosto. "Anime-se! O que você vai pedir?" Ele olhou para o cardápio e virou para trás e para frente antes de decidir. "O cheeseburger parece bom."


Só então, a garçonete chegou para levar nossos pedidos. Fiz questão de falar neste momento. "Sim, minha cara eu terei o Alfredo de frango e duas cocas." Ela tomou nossos menus, e eu fiz questão de fazer contato visual com Dash por cima da mesa. "Isso foi bonito," ele disse lentamente. "Agora eu te perdoo." "Eu acho que é sexy quando você está sendo sarcástica." O calor nos olhos dele deu crédito à sua declaração, e eu encontrei-me contorcendo em minha cadeira. "Esse não era realmente o ponto." "Eu entendi o seu ponto, mas eu ainda a acho incrivelmente sexy. Mesmo que você precise escovar seu cabelo." Merda. Merda. Merda! Eu tinha esquecido que eu despenteei meu cabelo quando saí do restaurante número um. Toquei meu cabelo, me sentindo constrangida como eu nunca estive antes. "Desculpe-me." Eu pulei da cabine e corri para o banheiro para salvar o que podia do meu cabelo. O que é que esse idiotava está fazendo comigo?

***

PRESENTE Chegamos de volta à cidade por volta do meio-dia. Dash nos levou ao seu apartamento, tomou banho, e se trocou. Mencionei que ele me arrastou para o chuveiro com ele? Ele não tinha falado uma palavra para mim, mas me manipular aparentemente não estava fora da lista. O ar em torno de nós parecia diferente. Eu não o sentia como Dash e isso me assustou. Quando ele me entregou uma sacola de compras que eu


não tinha visto antes, e ordenou-me para me vestir, eu estava ainda mais confusa. Logo, eu estava usando uma saia lápis cinza Borgonha e um top apertado com um decote modesto. Era o tipo de traje usado em um ambiente de escritório, e me perguntei por que ele tinha me vestido para a ocasião. Chegamos ao seu prédio de escritórios e subimos até o andar muito alto. Entramos em uma grande sala, e em linha reta em frente tinha uma secretária e uma mulher digitando no computador com um telefone colado ao ouvido dela. "Sr. Chambers está indisponível no momento, mas eu posso levar sua mensagem." Dash avançou para ficar na frente da mesa e esperou enquanto a mulher tomou a mensagem. Quando ela desligou e voltou sua atenção para nós, eu tive o efeito completo de características marcantes dessa mulher. "Bom dia, Sr. Chambers." "Bom dia, Celesha. Desculpe a minha ausência. Eu tinha assuntos pessoais para resolver. Esta é Willow. Ela vai ser a sua substituta temporária." Dash simplesmente desapareceu dentro de um quarto, deixando-me sozinha com sua secretária depois de deixar cair a bomba. Ele nem sequer se preocupou em me oferecer uma apresentação formal, então eu só podia supor que ela era sua secretária. A surpresa de Celesha não era nada comparada com a minha. Ela se recuperou e se levantou para apertar a minha mão. Ela era linda, com bochechas finas e cabelos encaracolados que não era selvagens, mas domesticados e nem sequer me fale sobre o comprimento das pernas. Elas iriam deixar Lake com vergonha. E então ela falou. "Olá, Willow. Eu sou Celesha Amsel. Assistente pessoal de Dash." Santa merda! Ela ainda tem um sotaque. Imaginei alemão. Eu nunca pensei que seria um som especialmente sexy até que esta mulher, que se parecia com o sexo em pernas, falou. E ela era assistente pessoal de Dash. Eu não poderia evitar, mas perguntei-me o quão pessoal eu poderia descrever o seu trabalho. Eu sei que minhas suposições eram um cliché, mas os dois são extremamente atraentes


e têm trabalhado em estreita colaboração. Tenho certeza que o desejo e oportunidade tinham surgido mais de uma vez. "Olá, prazer em conhecê-la." Minha voz soava rouca e tensa e cada jeito oposto de sexy. Senti-me feia e fora do lugar. Ela mudou-se em torno da mesa, trazendo sua forma absurda em saltos altos que eram um pouco ousados para o desgaste do escritório em vista. Ela se elevou sobre mim, mas eu não me sentia protegida ou feminina da maneira que Dash me fazia sentir. Eu me senti intimidada embora ela parecesse boa o suficiente. "Por que eu não lhe mostro ao redor?" "Certo." Eu me movi em torno da sala de escritório privada com Celesha. Ela me mostrou uma cozinha compacta e a pequena área de estar. Havia três outras salas dentro da suíte. Imediatamente à direita da entrada estava marcada como armazenamento. Em frente era o escritório de Dash. Olhei para a terceira porta curiosa. "E esta sala?" "Este são aposentos privados do Sr. Chambers. Ele mantém um quarto de descanso para si uma vez que ele sempre está trabalhando até tarde, mas raramente o usa.” Ou sempre que ele quer sexo com seu café da manhã e almoço. "Você trabalha para Dash há muito tempo?" Sua sobrancelha se levantou com meu tom de voz e o uso de seu primeiro nome e eu queria gritar, "Eu o tive primeiro, cadela!" "Só por alguns meses," ela finalmente respondeu imperturbável. "Ele me contratou na Alemanha. Meu marido tinha acabado de perder o emprego, alguns meses antes, quando sua empresa sofreu uma redução. Para ajudar com as finanças, eu comecei a procurar um emprego e me candidatei para a posição de assistente." "Você se mudou de sua casa para os Estados Unidos para uma posição de assistente?" "Quando o Sr. Chambers me entrevistou, ele perguntou se eu estava disposta a me mudar. No início, eu declinei desde que o meu marido estava à


procura de um trabalho e meu trabalho seria temporário. Sr. Chambers perguntou o que meu marido fazia, e no mesmo dia, chamou-o para entrevistá-lo. Ele ofereceu-nos dois trabalhos aqui nos Estados Unidos." "Isso parece um pouco extremo para contratar uma assistente." Sua risada encheu o banheiro e eu me perguntava o que era tão engraçado. "Se você está perguntando se o Sr. Chambers e eu estamos tendo um caso, a resposta é não. Eu perguntava-me por que ele iria tão longe para me empregar, bem como meu marido. Assim, perguntei a ele.” "E?" "Ele me disse que era algo que seu pai não faria." "É isso?" Ela deu de ombros e pegou uma pasta. "Eu preciso de você para preencher esses formulários para os recursos humanos e, em seguida, vamos começar o seu treinamento." Treinamento. Eu nem estava ciente de que eu teria um emprego quando eu acordei esta manhã. Um trabalho significa permanência e eu não tinha intenção de ficar por aqui. Eu pretendia sair, mas pensei melhor quando eu recordei as vibrações perigosas que recebi de Dash esta manhã. Recusar-me a preencher formulários simples para um trabalho que eu não tinha nenhuma intenção de aceitar provocaria uma luta para a qual eu não tinha energia, então eu preenchi os formulários. Quando eles estavam completos, Celesha os digitalizou e os enviou aos Recursos Humanos. Imediatamente depois, ela começou a encher-me de informações sobre os requisitos básicos do trabalho e um deles era para estar à sua disposição a qualquer momento. Típico. Eu não tinha intenção de estar ao seu dispor, desde que partiria até o final da semana. Gostaria de ter certeza disso.


Dash finalmente saiu de seu escritório uma hora mais tarde para enviar Celesha para almoçar. Senti-me fora de lugar quando ela se levantou e pegou sua bolsa. Uma vez que ela fechou a porta atrás dela, Dash me agarrou por trás da mesa e puxou-me em seu escritório particular. Gentilmente, ele me guiou para o sofá e, em seguida, virou-se para nos trancar. Quando a porta estava trancada, ele rapidamente se dirigiu para mim. Recuei sem olhar e encontrei-me nas minhas costas em cima das almofadas. Eu não tive tempo para me recuperar antes que ele estivesse em cima de mim. Eu estava confusa sobre o que estava acontecendo até que ele levantou minha perna esquerda e enganchou-a sobre seu quadril. Em seguida, as mãos procuraram a minha camisa e puxou a bainha até que meus seios estavam expostos. Seus polegares esfregaram cada lado da minha caixa torácica em uma carícia suave, e então ficou claro que ele queria sexo. Que pena. Eu queria respostas. Quando me recusei a responder ao seu toque e mordi seu ombro tão duro quanto eu podia, ele rosnou para mim e sentouse. "Qual é o problema?", ele latiu. Eu resisti à vontade de rir, porque, francamente, ele estava agindo como um adolescente com tesão rejeitado. "Celesha sairá de férias? Essa coisa de substituição temporária é apenas por alguns dias, certo?" Ele soltou o ar em sinal de impaciência, mas eu segurei seu olhar. "Celesha está grávida e vai estar em licença de maternidade o resto de sua gravidez." "Mas ela não parece grávida. Especialmente não o suficiente para voltar em poucos dias." "Ela está de oito semanas." "E o que acontece com os outros sete meses? Por que você iria contratar alguém que não pode ficar por tanto tempo?" "Eu fiz isso. Eu já te contratei."


"Há dois problemas com essa teoria. Um, eu nunca concordei com qualquer trabalho. Dois, eu não posso ficar aqui por muito tempo. Você terá que encontrar outra pessoa." "Não se preocupe. Eu já limpei sua programação." "Do que você está falando?" "Quero dizer, você não vai embora." "Desculpe?" "Por alguma razão louca e fodida, eu anseio por você. Eu quero você mais do que eu já quis alguém antes. Eu não sabia o que fazer até uma reunião com o meu pai ontem. Ele me ensinou muita coisa com que eu não concordo, mas pela primeira vez em muito tempo, ele me ensinou algo útil." "Que foi?" "Um vencedor não pede permissão." Embaraçosamente o suficiente, eu senti meu sexo responder descaradamente à sua ameaça, e eu amaldiçoei meu corpo e meu coração, que agora batia fora de controle. "E você acha que eu sou alguém para ser conquistada?" "Eu quero estar com você, Willow." Eu vacilei em seu uso do meu nome. Parecia estranho e fora do lugar. Eu sempre fui o seu anjo. Deus, o que estou pensando? Eu não deveria estar preocupada com o modo que ele me chamou. Especialmente um nome de animal de estimação estúpido. "Eu não estou esperando que você admita o mesmo." "Eu não posso ficar aqui. Especialmente com você." "Tudo o que você deixou para trás não é a sua preocupação mais. Sua única preocupação a partir de hoje é me agradar." "Deixe-me reformular então. Eu não vou ficar aqui. Especialmente com você." "Como é que você pretende ficar longe de mim o tempo suficiente para voltar para onde você veio?" "Você não pode decidir o resto da minha vida para mim!"


"Você tomou uma decisão por sua vida quatro anos atrás e eu não gostei do resultado. Então, você pode fazer este trabalho ou passar os seus dias acorrentada a minha cama."


Eu realizei um controle apertado sobre minha raiva e consegui contornála através de inúmeras reuniões. Eu estava me preparando para a última reunião do dia e tinha enviado Celesha para mostrar ao meu anjo o resto do edifício. Elas foram instruídas a estar de volta a tempo para eu apresentar Willow para a gerência executiva, o que seria em apenas dez minutos. Como se por sugestão, ouvi a porta externa ser aberta e suas vozes preencheram a sala. Elas estavam rindo como se tivessem conhecido uma a outra por cinco anos em vez de cinco horas. Eu joguei o meu paletó sobre mim e me encontrei com elas na área da recepção. A me ver, o riso de Willow foi interrompido e sua expressão tornou-se desconfiada. Ela não tinha feito nada, apenas assassinava-me com os olhos desde que eu a tinha ameaçado por obediência. Eu disse-me que não me importava, mas era difícil quando ela continuou a me olhar como se eu tivesse chutado seu filhote de cachorro favorito, em vez de expressar o meu desejo de estar com ela. As mulheres eram de fato criaturas complexas. "Como foi o passeio?" "Correu tudo bem, eu acho. Willow aqui poderia até mesmo ter encontrado alguns pretendentes. Nate da contabilidade, em especial. Eu acho que o pobre rapaz pode ter tomado um gosto para ela com apenas um breve encontro." Ela enviou a Willow um sorriso cúmplice, sem saber que a tempestade estava se formando. O meu anjo, no entanto, percebeu minha raiva e passou de um pé para o outro.


"Que bom", eu concordei com sarcasmo. Eu mal podia reduzir a careta a tempo. "Deveríamos ir." A reunião estava sendo realizada no piso diretamente abaixo de nós de modo que a tensão particular entre o meu anjo e eu no elevador foi interrompida. Muito ruim realmente. Eu queria que ela suasse. Eu estava curioso sobre este encontro que causou o rubor culpado em sua pele. A sala de conferências já estava cheia de altos executivos e diretores da empresa. Cada cabeça na sala virou quando entrei, seguido por Willow e Celesha. "Boa noite, senhores." Um coro de saudações se seguiu quando eu fiz o meu caminho para a cabeceira da mesa. "A maioria de vocês já estiveram em reuniões comigo o dia todo, então eu prometo que esta reunião será atipicamente breve. Meu objetivo é fazer um anúncio e para emitir um aviso." "Um aviso, filho?" A pergunta veio de David, o chefe de vendas internacionais. "Sim. Estou recebendo-os para isso. Vocês podem já ter ouvido que eu substituí Celesha temporariamente como minha assistente pessoal. Deem boas-vindas a Willow Waters. Ela vai cumprir os deveres de Celesha até que ela possa voltar no período de um ano." Willow deu um passo adiante e acenou enquanto a sala a cumprimentou e ofereceu-lhe boas-vindas. Uma vez que ela foi cumprimentando a todos, dei um passo à frente para reivindicar a sala mais uma vez. "Agora, foi trazido à minha atenção de uma forma bastante descontente que alguns de vocês estão menos otimistas sobre alguns dos esforços que têm tido até agora. Quero deixar claro que meu pai não é mais chefe desta empresa e, a menos que ele me retire daqui, eu sou o único a quem vocês se reportam. Se vocês estiverem em desacordo sobre uma decisão de negócio, que eu saiba, não hesitem em marcar uma consulta para falar comigo sobre o assunto. Deste dia em diante, qualquer um que compartilhe acusações, reclamações ou estratégias com o meu pai vai ser despedido. Eu fui claro?"


*** Eu precisava relaxar. Eu estava chateado, meu pau estava duro e eu tinha uma fêmea de cabeça de fogo errante em minhas mãos. Eu a observava de esquina enquanto eu dirigia para casa. Ela manteve a cabeça virada, olhando pela janela para nada remotamente fascinante. Eu sabia que era a sua maneira de me ignorar. Ela estava nervosa e ela devia estar. Sua confissão na noite passada foi um divisor de águas. Eu aprendi que ela não podia ser confiável, mas também que ela precisava de proteção. Eu não deveria ter me sentido responsável por ela. Eu tinha uma empresa internacional para cuidar e uma noiva para manter feliz. "O que aconteceu entre você e o cara da contabilidade?" "Eu conheci um monte de caras na contabilidade." "Não é o momento de testar a minha paciência." Eu balancei a cabeça, e mais uma vez, me perguntei o que ela estava fazendo comigo. Eu nunca tive que ameaçar tanto quanto quando eu estava com ela. "Você não está seriamente com ciúmes, está?" Ela nunca deixou de olhar pela janela enquanto ela falava. "Espero que não, já que você não pode sequer lembrar o nome dele." "Você pode?" "Nate." Sua expressão era presunçosa quando ela se virou para mim. "Está bem. Então, o que aconteceu entre você e Nate para fazê-lo cair à cabeça sobre os saltos no amor?” "Eu acho que Celesha exagerou um pouco." "Celesha não exagera." "Não há nada para contar. Ele me convidou para sair. Foi isso." "E você disse?"


"Eu recusei. Afinal de contas, eu não estava sob a impressão de que eu estaria ao redor tempo suficiente para aceitar encontros. Se eu soubesse antes que eu iria ser forçada à escravidão, eu teria aceitado." "Você deveria ter dito a ele que pertence a alguém. E que esse alguém é seu chefe, que poderia tê-lo demitido e chutado fora em seu traseiro se ele olhasse para você de novo." Eu caí em silêncio e esperei para ver se minha ameaça seria aceita. "Você é um filho da puta", ela sussurrou, mais uma vez olhando pela janela. "Se eu sou um bastardo, é só porque você me empurrou até aqui." "Certo. Eu empurrei você a mentir para mim e a me fazer propositadamente apaixo..." Ela parou e respirou fundo. "Isso não importa mais. Nós nunca vamos estar juntos porque não estamos destinados a estar. Você já deu a possibilidade de qualquer consideração sobre isso?" "Não. Eu controlo o meu futuro e agora eu controlo você. A única coisa que não posso controlar são os meus sentimentos por você." "Você não tem sentimentos por mim. Você está obcecado em estar no controle. Seu ego não gostou que eu não tenha caído em seus jogos mentais e tenha me afastado de você depois de descobrir o manipulador, bastardo e mentiroso que você é." "Manipulador?" "Foi o que eu disse." "Então, o que exatamente eu a manipulo a fazer, porque, pelo que eu me lembro, você pediu em todas as vezes que eu toquei em você?" "Eu não nego a parte do físico, Dasher. Eu queria você, mas foi com o meu coração que você brincou. Aquele verão foi o melhor momento da minha vida. Você me fez sentir tantas coisas que eu pensei que nunca iria experimentar por causa de quem eu sou. Meu gosto por roupas e pelo jeito que eu usava o meu cabelo eu não tinha a menor chance, e eu aceito tudo de você. Mas, então, o nosso verão terminou e a verdade me mostrou que o verdadeiro você era muito pior do que eu temia. Você tirou uma coisa de mim


que eu nunca vou ter de volta e eu não estou falando sobre a minha virgindade... mas se eu tiver que explicar isso para você, então você realmente não sabe o que o nosso verão significou. Os seus sentimentos por mim, Dasher Chambers, não são nada mais do que o seu ego ferido querendo consertar seu orgulho com luxúria. Eu não sou qualquer coisa que você pode comer num buffet. Você não pode simplesmente tirar de mim até que você esteja satisfeito."

*** Minha tentativa de fazê-la sentir-se pequena no carro saiu pela culatra e eu era o único deixado confuso. A verdade é que eu brinquei com seu coração durante nosso verão juntos, mas enquanto eu brincava, eu caí. Duro. Nenhuma quantidade de desculpas e promessas podia me redimir pela minha mentira. O meu anjo tinha me tirado do chão tão rapidamente que eu não podia nem lembrar quando já não era mais um truque e a coisa tornouse real. Poderia ter sido na primeira vez das muitas quando ela me chamou de idiota narcisista, ou na primeira vez que eu beijei seus lábios, toquei a mão dela, cheirei seu cabelo, ou a assisti dormir. Eu não tenho ideia, porque quando aconteceu isso me pareceu natural, como se eu a amasse toda a minha vida. Minhas decisões nos trouxeram até aqui. Depois de um ano de luta pelo seu afeto, quatro anos vivendo sem ela, e uma semana de tropeço e conflito, eu não estava mais perto de fazer ela ser minha do que eu estava quando eu me aproximei por ela pela primeira vez no campus. Nós tínhamos chegado ao meu apartamento minutos depois que ela me colocou no meu lugar e porque eu não podia suportar o silêncio, e porque ela me fodeu tanto, eu fiz o impensável. Eu concordei em jantar com Rosalyn, que provavelmente iria fazer disso uma ocasião romântica. Eu queria o meu anjo sofrendo por isso, então, tive a certeza de que ela soubesse exatamente onde eu estava indo e com quem. Eu queria que ela me perguntasse se eu


estava com Rosalyn. Eu queria que ela compartilhasse minha frustração. Ela era o inferno dobrado em voltar à sua vida sem mim, e eu não poderia evitar, mas me pergunto o que ou quem valeria tanto a pena para ela estar deixando-me... outra vez. Não importam meus erros, eu continuava voltando a isso. Era como Keenan tinha dito, ela foi a única que fugiu. "Dash, querido, venha. Rosalyn está apenas colocando os toques finais. Você nunca consegue parecer boa o suficiente para o seu futuro noivo." "Boa noite, Sra Cordell." "Oh, pare, e me chame mãe. Sim, porra certamente. Ela coloquei uns beijos no meu rosto e eu resisti à vontade de arranhar a sensação de rastreamento. Seu pai saiu de seu escritório e deu o tapa habitual nas minhas costas e apertou minha mão. "Meu filho, você gosta de chefiar uma empresa multinacional. O poder realmente fica bem em você, não é?" Eu fingi meu caminho através das brincadeiras, mas depois de dez minutos de espera, eu estava pronto para voltar e pedir o perdão do meu anjo. Assim que eu estava pronto para colocar o pensamento em ação, Rosalyn percorreu as escadas em um vestido vermelho apertado. A cor de alguma forma parecia berrante sobre ela. Ou talvez Willow apenas tenha arruinado essa cor para mim em qualquer mulher. Seus saltos clicavam no mármore enquanto ela escorregou até mim com um sorriso destinado a ser sedutor, mas veio desconfiado. Reuni a vontade de rolar meus olhos. "Olá, amante," ela sussurrou enquanto deslizou as mãos para cima do meu peito. "Agora isso é incorreto." Eu abaixei minha voz para que só ela pudesse ouvir. "Eu não a toquei em anos." "Podemos corrigir esse pequeno problema esta noite, se você for um bom menino." Eu silenciosamente fiz um voto para ter o meu pior comportamento.


"Vocês dois não fazem simplesmente um belo casal? Eu tenho plena confiança de que vocês vão fazer os mais belos filhos." "Uma coisa de cada vez, mãe. Eu preciso obter o seu anel no meu dedo em primeiro lugar.” "Você quer dizer o seu anel? Sem dúvida, você vai buscá-lo por si mesmo." "Dasher, não seja rude." "Não me chame de Dasher", rosnei com um pouco de força demais. "Por que não? Esse é o seu nome.” Eu queria machucá-la da pior maneira, mas eu mostrei misericórdia desde que seus pais estavam assistindo. "Vamos. Temos reservas.” E com alguma esperança, o próximo par de horas passaria rapidamente.


VERÃO ANTES DO ÚLTIMO ANO

Conseguimos terminar o jantar desta vez sem discutir. Até o final do dia, a minha paixão se transformou em algo mais profundo. Foi indescritível e estranho. "Posso entrar", ele respirou. Estas duas palavras terminou a nossa sessão de amassos quentes e pesados contra minha porta do quarto do dormitório. "Por favor." Ele levou a chave da minha mão e abriu a porta. Nós tropeçamos dentro e rasgamos a roupa um do outro no escuro. Eu nunca iria esquecer o que ele fez por mim hoje à noite vestindo este traje. De alguma forma, nós pousamos na cama e nunca paramos de explorar um ao outro para considerar o tamanho da cama. "Foda-se, baby. Você tem certeza?" Eu só assenti com a cabeça quando as palavras me escaparam. Este desenrolar foi o ponto culminante do tempo gasto e semanas de longa duração, fazendo sessões de desejo reprimido. Ele deslizou minhas sandálias fora e, em seguida, deslizou a mão até o meu vestido, empurrando-o para descansar em volta da minha cintura. Ter ele vendo tanto de mim de repente me fez autoconsciente. Eu agarrei o meu


vestido para me cobrir, mas seu grunhido territorial me chocou tanto que eu congelei. "O que você está fazendo?" seus olhos se estreitaram, dando-lhe um apelo perigoso. "Eu não sou magra." "E?" A maneira como ele expressou a pergunta me fez sentir boba. Ter baixa autoestima era quase tão embaraçoso quanto minhas coxas grossas e barriga rechonchuda. Dei de ombros e olhei para o teto. "Você tem o..." eu pulei quando senti seus lábios tocarem minha cintura, bem acima da linha da minha calcinha, "... o mais quente..." seus lábios beijaram outra mancha na minha cintura, "... corpo, porra." Desta vez, seus lábios arrastaram-se para o meu estômago, tendo meu vestido com ele até que ele saiu sobre a minha cabeça. Uma vez que eu estava livre do meu vestido, ele se inclinou para me beijar, agora me cobrindo completamente com seu próprio corpo. Sentia como se meus olhos fossem saltar fora da minha cabeça. As únicas coisas deixadas em mim foram o meu sutiã e calcinha. "Nós não podemos fazer isso com eles ainda sobre mim?" Ele sorriu. "Nós poderíamos..." Eu relaxei contra o colchão "mas eu não vou." "Dash-" "Se você me quer dentro de você", ele se inclinou para frente e plantou seu punho ao lado da minha cabeça e acariciou meus cabelos com a outra "você vai ter que me dar tudo de si." Quando não me mexi, ele pegou a minha mão na sua e se moveu para baixo no meu corpo indo para minha calcinha. "Confie em mim." Confiar nele. Eu repeti para mim e encontrei a coragem de puxar a minha calcinha. Seus olhos castanhos ficaram escuros quando eles fizeram o seu caminho


pelas minhas pernas. Meu sutiã estava ao lado e uma vez que eu estava livre, eu sabia que não havia como voltar atrás. Eu estava dura como uma tábua, enquanto ele me elogiou com os olhos. Eu podia sentir seu olhar levar meu corpo descaradamente. "Eu quero que você coloque as mãos sob a cabeça e não mova até que eu diga." Surpreendentemente, eu segui a sua ordem, sem hesitação, o que pareceu agradá-lo. Não escapou da minha atenção que eu estava completamente nua, enquanto ele estava completamente vestido. Quando os seus lábios se arrastaram das pontas dos meus seios para o meu estômago, minha mão se contraiu contra a minha resistência. Eu lutei contra o desejo de me dar a ele e mantive minhas mãos debaixo da minha cabeça enquanto ele adorava meu corpo. Tudo o que eu conseguia pensar era em minha barriga rechonchuda onde ele atualmente traçava com a língua. "Dash, por favor." "Dasher." "O que? Todo mundo te chama Dash." "Você não é todo mundo." "Então o que sou eu?" "Você é apenas minha. Portanto, não brinque comigo." Tentei não derreter com suas palavras. Eu realmente tentei, mas derreti. Diretamente contra seus lábios. Em tão pouco tempo, beijá-lo tinha se tornado a minha droga de escolha. Eu era uma viciada e bem disposta. "Você está pronta?" "Eu acho que sim." "Certifique-se anjo, porque uma vez que eu começar, eu não vou parar. Eu não vou ser capaz de parar." "Por favor... eu preciso de você." Meu apelo agiu como um feitiço, transformando-o diante dos meus olhos. Eu assisti a mancha de âmbar nos olhos dele escurecer ainda mais e


seus movimentos da língua lambendo os próprios lábios. Ele me deixou e ficou ao lado da cama. Mantendo meu olhar enquanto ele se despia, começando com sua camisa. Ele levou o seu tempo e, desta vez, eu adorava-o com meu olhar. Eu procurei todos os planos musculares até que eu fui para onde seu pênis se projetava quase com raiva. Grosso. Essa foi à primeira palavra que veio à minha mente. E longo. Eu não tinha experiência para compará-lo, mas o tamanho dele era notável. Seu corpo era magro, em forma e inflexível. Ele tirou um pacote de folha metálica de sua calça jeans e trouxe-a aos lábios. Seus dentes rasgaram a embalagem sem uma única lágrima. O ato foi simples, mas ele parecia selvagem. A promessa do que estava por vir. Uma vez que ele embainhou a si mesmo, ele se estabeleceu entre as minhas coxas novamente. Eu esperava que ele entrasse em mim, mas sua mão desapareceu entre os nossos corpos, e eu o senti tocar meu clitóris com um beijo de seus dedos. "Você está molhada", ele elogiou. Senti seu pau pressionando contra meu sexo. "Eu quero você." "Você me tem." Minha boceta ganhou vida com a sensação de dor e prazer ao mesmo tempo. Ele pressionou para frente e com cada pressão de seus quadris, meu desconforto cresceu até se tornar insuportável. "Quão gr-grande você é?" "Grande anjo." Ele agarrou minha coxa e trouxe-a para descansar em seu quadril. "Muito grande." "Eu não posso." Eu começo a me afastar, mas a sua mão na minha coxa parou a minha fuga. "Não baby. Não fuja. Você pode me levar." "Talvez, só um pouco."


"Tudo de mim." "Tudo de você?" "Cada polegada. E se você for boa... Eu vou beijar melhor ainda sua boceta." "Promete?" Seus lábios roçaram os meus, me distraindo da dor. Eu aprofundei o nosso beijo em busca de mais prazer enquanto ele se movia preguiçosamente dentro de mim. "Você pode... porra ... apostar. Abra mais as pernas para mim." Fiz o que ele mandou, e senti um pouco da facilidade na pressão. "Segure-se para mim." Seus quadris cresceram mais ousados e mais fortes até que ele estava me batendo. Eu enterrei meu rosto em seu peito para abafar meus gritos, mas sua mão agarrou meu cabelo e forçou a cabeça para trás, fazendo com que meus gritos enchessem o quarto. Preocupei-me que alguém iria ouvir, mas eu queria mais do que ele poderia me dar para que eu deixasse ir e... eu gozei. Eu gozei, porra. Os olhos de Dash ficaram trancados com os meus para que ele pudesse me ver. Ele mergulhou mais duro dentro de mim, prolongando a agonia doce da minha libertação. Meu corpo tremia e eu gritei, e então senti as paredes internas da minha boceta agarrando Dash. Ele gemeu e depois rugiu, marcando sua própria libertação. Eu podia sentir cada polegada de seu pau latejante, mas o que ele fez em seguida chocou-me em outra versão. Ele puxou para fora do meu corpo, arrancou o preservativo, e ergueu o gozo no meu estômago. Seus gemidos se misturavam com os meus gritos e o quarto parecia ecoar com eles. Eventualmente, ele caiu em cima de mim e nós dois estávamos acabados. Foi uma luta, mas eu recuperei a minha respiração, eventualmente, e até encontrei forças para passar a mão pelo cabelo suavemente. Ele tinha estado completamente imóvel e me perguntei se ele estava dormindo. "Sinto muito anjo." Não. Não estava dormindo.


"Por quê? Você não me machucou... não muito." A dor entre as minhas coxas, comprovavam a ele. Eu encontrei-me rindo. Um ato que eu nunca teria sido pega fazendo antes nem morta. Ele levantou a cabeça para olhar para mim. Seus olhos estavam arregalados e emocionados. Ele parecia... com medo. "Eu sinto muito que eu não possa deixar você ir agora. Não importa o que aconteça. Você vai me odiar... mas eu não posso." "Quem disse que você precisa?" Eu sorri, mas ele não me devolveu isso. "Vamos, Dasher." Eu enfatizei e usei o seu nome completo como ele ordenou. "Eu esperava conversa de travesseiro, mas não isto... além disso, você me prometeu uma coisa." Seu rosto se virou para baixo com a confusão até o rubor aquecer meu rosto iluminado por ele. Ele sorriu e, mais uma vez, pareceu totalmente no controle e arrogante. "Eu lembro-me agora... Eu prometi beijar sua boceta. Eu não quero manter minha mulher à espera, mas primeiro...” Ele levou a mão entre nós. Eu engasguei com o contato de sua mão na minha barriga, esfregando a sua semente na minha pele. "Minha", ele rosnou.

***

PRESENTE Dash mais uma vez me deixou sozinha com um guarda. Ele praticamente me deixou em seu apartamento e saiu afirmando apenas que ele tinha um compromisso. Era um jantar de noivado com sua noiva, que ainda tinha que descobrir como sua ex-amante estava praticamente morando com ele. Esta montagem toda estava fodida, e eu estava doente e cansada de ser prisioneira de Dash e a donzela em perigo.


Trinta minutos depois que ele saiu, eu descobri que o meu papel de menina não era bastante longo. Eu estava me servindo na sua cozinha e estava fazendo um rápido jantar de espaguete quando a porta da frente foi aberta. O sinal sonoro de aviso dos bloqueios desarmando perturbaram a calma do apartamento vazio. Eu me preparei para o retorno de Dash, mas encontrei-me presa com algo muito pior quando Esmeralda entrou pela porta da frente como se ela pertencesse ao lugar. "O quê?, confusão e medo me paralisaram. "Olá, pequena Willow." "Como você chegou aqui?" "Ah, isso." Ela encolheu os ombros magros. "O seu novo cão de guarda trabalha para mim." Seu tom era casual como se eu tivesse apenas a perguntado sobre o tempo. "Por que você está aqui?" "Porque você está me decepcionando. Ainda não cumpriu a sua parte do acordo, então agora eu sou confrontada com a tarefa inconveniente de matálo." Ah, porra. Pense Willow. Eu poderia pedir pela minha vida. Eu poderia lutar. Ambos provavelmente me matariam de qualquer maneira, mas eu tinha que tentar alguma coisa. "Preciso de tempo. Se matar Keiran fosse simples, eu tenho certeza que você já teria feito isso." "Minha querida, eu não estou pedindo para você colocar uma arma na sua cabeça ou lutar com ele. Você tem o veneno. Por que você não o usa?" "Eu não tive a oportunidade. Se eu não fizer isso direito, eu estou morta. Se eu fizer isso e for pega, eu estou morta. Eu estou trabalhando com um tempo muito apertado." Seu lábio franziu e ela pareceu ponderar a minha desculpa. Quando ela deu um passo para frente, dei um para trás. "Você sabe por que eu decidi usá-la em vez de cuidar dele eu mesma?"


Porque você é uma idiota? Eu não ousava expressar meus pensamentos. Em vez disso, eu balancei a cabeça. "Porque se eu discordasse de você, e fosse simples, eu já teria dado um tiro nele. Eu escolhi você, porque enquanto vocês forem amigos, como você diz, você pode chegar perto dele. Perto o suficiente para administrar o veneno na sua bebida ou colocá-la em sua comida. Não me importa como você o faça, basta fazê-lo. Esta é a última chance que eu te dou. Você tem uma semana." Ela se virou para sair, mas pareceu pensar melhor. "Ah, o seu irmão bonito? Ele é o primeiro na minha lista. As meninas parecem gostar muito do homenzinho puta. Como seria trágico que um dia a menina que ele levasse para casa cortasse sua garganta durante o seu sono ou enquanto ela cavalga seu pau?" Ela sorriu para mim e desligou a luz, mergulhando a sala na escuridão. "Pense nisso." Seu riso zombeteiro me insultava enquanto a porta se fechou atrás dela. Contra o meu melhor julgamento, eu corri para a porta e a abri só para não encontrá-la mais, incluindo o guarda ao qual Dash havia confiado a minha vida. Naquele momento, ficou claro que Dash não poderia me proteger. Esmeralda era muito poderosa. Se ela pode se infiltrar em sua equipe de segurança, saberá o que eu poderia ou iria fazer a seguir. A vida de Buddy estava em risco agora, e eu não tinha aliados confiáveis. Ninguém que poderia enfrentar Esmeralda e ganhar. Eu sabia o que tinha que fazer.


Eu não me permiti chorar... em primeiro lugar. Passei o tempo conspirando e só quando eu tinha um plano foi que eu entrei em colapso e chorei. A última coisa que me lembro foi de adormecer no sofá. O que eu não me lembro era como eu tinha acabado na cama de Dash. Com ele deitado ao meu lado. A raiva estava queimando em mim por sua audácia em passar uma noite romântica com outra mulher, sua noiva, e, em seguida, fazer o seu caminho para a cama comigo. Ele tinha uma lição para aprender sobre respeito. Olhei para ele por um momento antes de determinar que ele estivesse dormindo e ignorando a menina adolescente no meu subconsciente que balbuciou sobre o quão tranquilo, mas primitivo ele parecia em seu sono. Seu braço esquerdo estava jogado sobre sua cabeça e sua mão direita repousava sobre sua ereção massiva. Seus peitorais e abdominais estavam espalhados como um buffet, me chamando para a festa com a minha língua. Não! Lição. Respeito. Retorno. Eu escorreguei da cama e pensado apenas no que eu faria. Na porta, eu parei para pensar no que poderia acontecer se eu o irritasse, mas, em seguida, a imagem dele tocando o corpo de Rosalyn trouxe-me um propósito renovado, eu fui para a cozinha, onde eu peguei um pote de quarenta litros de água gelada.


Eu já tinha visto isto sendo feito em um daqueles programas de reality na TV que Buddy gostava de assistir e nunca pensei que tentaria alguma vez. O pote era mais pesado do que eu esperava, mas eu consegui levar para o quarto, mas não sem que molhasse seu carpete caro. Eu caminhei para o seu lado, e porque eu não pude resistir, eu beijei os seus lábios irresistíveis, atraindo-o para fora do sono. Quando seus olhos finalmente se abriram, dando-me uma primeira olhada com seus olhos castanhos, eu quase disse foda-se ao troco e subi nele. Mas eu o beijei novamente. O suficiente para deixá-lo interessado, então quando eu fui para trás, ele seguiu. Com uma rapidez que eu não sabia que eu possuía, eu derramei a água em cima dele, encharcando-o com gelo e água. Saltei para trás apenas a tempo de escapar de seu braço a pouca distância. "Foda-se!" Ele saltou da cama e bateu em seu rosto. Sua pele estava pálida e ele estremeceu quando ele abraçou a si mesmo. Cobri minha boca para esconder meu riso, mas já era tarde demais. Meu riso deslizou e foi como se um interruptor tivesse sido virado. Seus braços vieram descansar ao seu lado e seu corpo ficou completamente imóvel. Lentamente, ele levantou a cabeça até que seus olhos, agora escuros de raiva inconfundível e promessa de retribuição, fixaram em mim. Ele me disse tudo sem falar, me dizendo que eu estava fodida. Então... Eu fiz o que qualquer um faria. Eu corri. Eu não tive de olhar para trás para saber que ele estava me perseguindo. Eu fui para a porta da frente e consegui abrí-la quando ele bateu a porta fechada novamente. Meu grito foi abafado pela sua mão e então ele passou o braço em volta da minha cintura e me levou de volta para o seu quarto. Eu pensei que ele ia para a cama uma vez que estávamos dentro, mas em vez disso, ele me prendeu contra a porta com seu peso. "Isso foi estúpido," ele sussurrou.


"Você precisava aprender uma lição sobre respeito." "Sim?" Eu podia ouvir o sorriso em sua voz. "Bem, acho que é a sua vez anjo." Seus dedos puxam meus shorts de dormir até que eles estavam agrupados em torno de meus pés. Eu fiquei perfeitamente imóvel e o deixei traçar minha espinha com o dedo, provocando arrepios para cima e para baixo no meu corpo. Seu corpo estava engolindo o meu quando ele se aproximou, forçando meu corpo contra a porta. "Já se passaram quatro anos desde que eu estive dentro de você... você sabe que eu vou te foder, né?" "Foi apenas uma piada." Meu pedido de misericórdia caiu em ouvidos surdos. "Engraçado... um segundo atrás era uma lição. Respeito, correto?" Oh Deus. "Eu tenho uma lição que eu gostaria de ensiná-la agora. Curve-se." Ele não esperou para ver se eu iria obedecer e ele apertou a mão nas minhas costas. Sua mão deslizou para baixo na minha bunda até que ele chegou ao meu sexo. Fechei os olhos de vergonha, porque eu sabia o que ele iria encontrar. Surpreendentemente, ele não fez comentários. No entanto segui o som de seus calções de basquete molhados bateram no chão em seguida. Eu sabia o que estava por vir e me preparei contra a porta com as duas mãos. Dash tinha outros planos, no entanto. Ele pegou minha mão esquerda e colocou-a em seu ombro direito, forçando o meu corpo para torcer para o lado. "Eu quero que você se toque enquanto eu te fodo. Não vou negar isso e te soltar. Na verdade, eu vou dar-lhe mais do que você pode ter." Ele então agarrou minha outra mão, levou-a a minha boceta, e ordenou: "Foda-se." Claro, ele não podia simplesmente me foder e ficar satisfeito com isso. Ele tinha que me torturar no processo. "Dasher..." o nome dele ficou preso na minha garganta quando ele entrou em mim. Minhas mãos imediatamente agarraram a porta para meu


equilíbrio. Nós dois congelamos com a realização do que tinha acabado de fazer. Dash não tinha estado dentro de mim em quatro anos, mas foi apenas tão explosivo como sempre tinha sido, se não mais. No entanto, ele pareceu se recuperar mais rápido do que eu. "Mantenha as mãos onde eu as coloquei. Se você se segurar contra a porta, eu vou assumir que você vai precisar de aulas adicionais mais tarde." Oh, ele estava sendo um idiota tão irracional! Suas mãos agarraram-me e forçaram meus quadris para encontrar o seu enquanto ele batia em mim sem piedade. Ele movia-se tão rapidamente quanto uma britadeira e tornou impossível eu segurar a minha posição. "Dasher!" Meu apelo rasgou o ar, mas ele só aumentou o seu ritmo. Eu lutei em vão para impedir o gozo que vinha sem parar. O som animalesco vindo dele enviou arrepios pela minha espinha, forçando mais orgasmos de mim. "Por favor, baby, por favor." Ele riu. "Você não aprendeu sua lição ainda?", o suor escorria de seu corpo em minhas costas, me revesti com seus esforços. "Foda-se", ele resmungou. "Estou gozando." Gozando... ele estava gozando. De repente, tornei-me dolorosamente ciente do fato de que ele não estava usando um preservativo. Seu ritmo diminuiu e suas estocadas se aprofundaram, sinalizando que ele estava prestes a gozar. Eu tive que pará-lo. Esqueci minhas mãos e apoio-as contra a porta mais uma vez enquanto eu lutava para falar através de meus gritos. "Dasher, puxe para fora." "Muito tarde anjo", ele malvadamente brincou. "Eu já estou dentro de você."

***


"Por que é que você não consegue encontrar o homem? Ele é seu empregado." "Senhor, ele é novo e é possível que ele tenha mudado de ideia sobre o trabalho." "Descubra. Quero uma resposta concreta até ao final do dia. Ele tinha que estar de guarda para a Sta. Waters e deixou seu posto sem permissão. Isso é inaceitável." Foi doloroso ver Dash ter essa audiência quando ele rasgou o homem mais velho. Eu queria dizer alguma coisa, mas estava de volta à estaca zero. “Se eu dissesse algo, podia colocar em perigo a vida de Buddy.” "Sta. Waters", o som de Dash me chamando me salvou do meu conflito interior. "Sim?" Eu olhei ao redor, mas Fisher não estava à vista. Era apenas Dash e eu dentro de seu escritório particular, como ele insistiu. "Traga-me um pouco de água." Eu queria gritar para ele obter a sua própria maldita água, mas depois da 'aula' que eu tive esta manhã, eu pensei melhor. Entrei na sala externa e derramei a água do cooler. Quando voltei, ele estava falando no monitor do computador. Vozes encheram a sala, e eu percebi que ele estava em uma videoconferência. Coloquei a água na mesa e voltei para o meu lugar. Antes que eu pudesse sentar-me, no entanto, ele disse, "Eu quero gelo." Eu escondi meu rosnado de frustração e estendi a mão para o copo novamente. "Traga-me em um copo separado." Ele encontrou meu olhar neste momento e se sentou de volta, mal escondendo o seu sorriso. Eu sorri educadamente e me virei para sair novamente. "E diga a Celesha para pegar a minha roupa lavada a seco e meu almoço." "Onde eu deveria dizer a ela para pegar o seu almoço?" "Não importa. Ela sabe minhas preferências habituais."


"Tudo bem." Eu pisei fora neste momento e transmiti a mensagem para Celesha. Eu joguei o gelo em um copo e pisei de volta ao seu escritório. Desta vez, eu não conseguia me controlar o suficiente para não bater com a taça. Não havia nenhuma maneira que ele não tivesse notado, mas ele não disse nada. Ele continuou a falar, mas eu notei que ele desativou o sinal de vídeo. Eu poderia dizer que a conferência não tinha terminado porque as vozes continuaram a encher a sala. Parecia que várias pessoas estavam brigando com a falta de benefícios para a aquisição de uma empresa de sopa no Japão. "Sta. Waters venha aqui, por favor." Eu imediatamente fiquei tensa. Eu desconfiava do seu tom de voz que era muito calmo. "Sente-se." Olhei para ele como se ele fosse idiota. Talvez ele quisesse dizer no seu colo? Não... isso seria pouco profissional e certamente não durante uma chamada de conferência. "Onde?" Ele deu um tapinha na mesa diretamente na frente dele. "Eu não vou sentar aí." Ele balançou a cabeça e moveu o mouse, matando o microfone também. Agora só podíamos ouvir o que estava acontecendo. "Você pode sentar aqui ou no meu rosto, mas você vai sentar-se onde eu quero você. Faça a sua escolha." Quando eu continuei a hesitar, ele fez uma garra para mim, então eu pulei rapidamente sobre a mesa. Ele sorriu para mim, apresentando essas covinhas muito adoráveis. "Eu acho o seu caminho desafiador muito sexy, Srta. Waters." "Por que você está brincando comigo?" "Eu te disse. Eu gosto quando você me desafia. Encoste-se em seus cotovelos." Fiz o que ele pediu. "O que você está fazendo?" "Eu estou recompensando-a pelo seu bom comportamento, esta manhã," ele respondeu com sarcasmo lançado no seu tom. "Você foi uma excelente aluna, mas você ainda tem algumas lições a aprender."


"Eu não acho que este seja o momento certo." "É um momento perfeito. Quieta agora" advertiu pouco antes de cortar o microfone novamente. Suas mãos deslizaram até minhas coxas e as espalhou largamente. Os saltos que ele insistiu que eu usasse descansando no limite da sua mesa. Quando ele deslizou seus dedos em minha calcinha e puxou-a para baixo, eu queria protestar, mas sabia que não podia dizer uma palavra. Uma voz de mulher se dirigiu a Dash com uma pergunta e ele respondeu como se ele não estivesse... enchendo seu bolso com minha calcinha! A porra da coragem. Seus dedos voltaram para o meu centro e roçou meus lábios com carícias suaves. Eu mordi de volta um gemido que tinha estado muito perto da superfície. Ele me lançou um olhar de advertência, que devolvi com um revirar de olhos. Eu queria dizer-lhe para ir em frente, admitir para mim mesma que eu queria seu toque tanto quanto ele queria me tocar. Mas não foi o seu toque que eu recebi. Ele se inclinou e o primeiro golpe de sua língua no meu centro aquecido enviou meu corpo arqueando fora da mesa. Suas mãos subiram para me conter quando ele festejava. Eu senti como se fosse estourar uma veia ou vaso sanguíneo a partir da ordem de não me mover e manter-me em silêncio. "Dasher, por favor," eu implorei, não me importando com quem me ouviu. Sua mão disparou e beliscou meus lábios fechados daquela maneira irritante que ele costumava dizer-me para calar a boca. A mesma mão escorregou para o meu pescoço e me empurrou de volta para ficar deitada durante todo o tempo em que sua boca nunca parou seu tormento. "Sr. Chambers? Sr. Chambers?" Levei um momento para perceber que ele estava sendo chamado por um membro da conferência. Eu puxei seu cabelo, mas ele resistiu. Um grunhido respondendo soou entre as minhas coxas, muito baixo para os membros da reunião ouvirem, mas alto o suficiente para me avisar. Ele não ia parar. "Sr. Chambers?”


Porra! Porra! Porra! Eu derrapo até um ângulo de quarenta e cinco graus. Dash agarrou meus quadris e me ancorou em seu rosto. "Um... ohhh". Era difícil esconder o meu prazer e falar coerentemente. "O Sr. Chambers está... está... uh... em uma chamada.” "Sta. Waters, você está bem? O que aconteceu com o vídeo?" Tornou-se ainda mais difícil de falar quando senti a língua de Dash entrar em mim. "Nós, uh-parece que temos diff-dificuldades." Por favor, pare de falar. "Muito bem. Por favor, anote os detalhes pertinentes e preocupações para lhe comunicar." "S-sim, senhor." Fiz questão de silenciar o microfone e, em seguida, cedi. Minhas mãos seguravam seu cabelo e meus quadris ondulavam, exigindo mais. Logo depois, eu gozei, gritando, em seu rosto e percebi que ele estava certo. Ele poderia ter-me, sempre, e onde quer que ele me quisesse.

*** "O que você fez foi desprezível," segurei e fixei as minhas roupas. Ele riu e beijou meus lábios. "É por isso que você gozou tanto?" "Meu corpo não tem nada a ver com o seu comportamento." "Eu acho que o meu comportamento tem tudo a ver com o que acontece com seu corpo." "Eu te odeio." "Finalmente você admite que sente algo por mim." Seu tom tinha mudado de lúdico para grave como a tampa de um interruptor. Eu precisava mudar de assunto.


"Será que acabou a conferência?" "Sim." "Você é CEO e presidente da empresa. Você não deve fazer coisas assim." Houve uma batida na porta antes de Dash poder responder. Dash permitiu-lhes a entrada e eu meio que esperava que fosse Celesha e fiquei surpresa ao encontrar seu pai na porta. Eu realmente não me preocupo com o homem, mas vi que era necessário ser educada e profissional, então eu o cumprimentei. "Boa tarde, Sr. Chambers." Ele não sentiu a mesma obrigação e mal me poupou um aceno de reconhecimento. "Que conversa é essa que eu ouvi de você encontrar-se com Simon na próxima semana?" "Olá pai." "Eu quero uma explicação." "Eu pensei que eu tivesse explicado lhe o que aconteceria se você interferisse novamente." "Eu não vou interferir. Eu estou fazendo a coisa profissional e avisando. Você não está pronto!" "Que tal fazer a coisa paternal sobre isso e me apoiar?" Eu fui e para trás, observando a interação entre pai e filho. Ambos pareciam mesmo ter se esquecido que eu estava na sala... ou então eu pensei. Dash pegou minha mão na sua e apertou. O polegar esfregou para trás e para frente. Olhei para o pai de Dash nervosamente, perguntando-me se ele podia ver isso, embora a mesa escondesse nossa conexão. Eu me perguntava a razão por trás dele estar agarrado a mim. Oh, meu... ele estava desenhando o meu conforto? A ideia fez as borboletas entrarem em erupção na boca do meu estômago e viajarem até a minha cabeça me deixando tonta.


Foco. "Eu não vou ficar em seu caminho. Eu estou pedindo-lhe para repensar isso. Além disso, ele nunca vai concordar em se encontrar com você. Eu não tenho sido capaz de encontrar-me com o homem em seis anos." "Isso é engraçado porque eu já o conheci antes. Ele é uma boa companhia." "Do que você está falando?" "Eu estou pensando que ele consideraria a minha oferta. Eu não sei se isso significa que a Chambers M & A vai tomar o controle, mas na segundafeira, eu vou voar a Seattle para descobrir." Eu testemunhei três emoções do homem mais velho, choque, descrença e desconfiança. Eu teria esperado orgulho, respeito, ou talvez até mesmo gratidão por seu filho ter realizado o que ele não pode. "Eu não acredito nisso. Você deve enviar James em seu lugar. Você não está qualificado para lidar com esta grande aquisição." "Você é um idiota," eu soltei. Dash apertou minha mão como um aviso, mas não havia nenhuma maneira que eu poderia ficar em silêncio por mais tempo. "Desculpe-me, mocinha?" Seu peito foi estufado em um show de dominância com a intenção de intimidar, e eu mordi de volta um bufo. "Eu disse que você é um idiota. Seu filho é o chefe desta empresa, uma posição a que você o nomeou antes que ele estivesse pronto, simplesmente porque ele é seu herdeiro, e como o idiota que ele é, ele aceitou porque quer agradar o homem que é suposto ser primeiro um pai. Então o que você faz? Em cada momento, você não faz nada, apenas lhe diz como ele não é bom o suficiente. Ele vem fazendo este trabalho por apenas alguns meses. Ele conseguiu realizar o que você não pode nos últimos anos. Isso não conta para alguma coisa?" "Jovem, eu tenho mais experiência no meu dedo mindinho do que vocês dois têm juntos. Eu sei o que é preciso para vencer, e uma vez que ele é meu filho, eu estou fazendo tudo que posso para ensiná-lo."


"Dash não quer ganhar. Ele quer levar. Se você continuar a cortá-lo, você pode acordar um dia e encontrar uma empresa totalmente liquidada e menos um filho." "Meu filho nunca faria algo tão ridículo." "Isso serve para mostrar como você não conhece o seu filho muito, em tudo. Posso garantir que ele faria." "Dasher! Você deixa todos os funcionários se comportarem desta maneira? Eu deveria suspeitar. Eu sabia mais e melhor do que entregar esta empresa a uma criança. Um homem vencedor nunca deixaria alguma pequena de menor classe cometer loucuras em seu nome." Eu estava pronta para cortá-lo para baixo quando Dash ficou de pé. Ele guiou-me em seu assento desocupado e pressionou sua mão no meu ombro como um aviso para eu ficar quieta. Ele, então, ajeitou o paletó antes de pisar em torno da mesa. Ele tomou uma postura de confronto na frente de seu pai. De seu perfil, eu podia ver sua mandíbula apertar e afrouxar e eu poderia dizer que ele estava se segurando. Eu nunca quis que ele fosse tão longe, mas eu não podia dizer que eu estava triste por ele confrontá-lo. Eu não podia suportar ouvi-lo destruir Dash mais tempo. Porque assim como Dash alegou que ele me conhecia, eu o conhecia, e eu sabia que por trás da indiferença e comentários inteligentes, Dash estava se doendo pela aprovação de seu pai. Foi algo que ele nunca pode ganhar mesmo se tivesse mais do que ganhou. "Eu só vou explicar isso uma vez e eu te imploro para ouvir. Ela não é apenas uma empregada. Ela não é uma vadia de classe baixa. Ela é minha amiga e ela teria sido minha esposa agora se eu não tivesse fodido isso, mas ela ainda pode ser minha esposa em um futuro próximo e a mãe dos meus filhos, então mostre algum respeito." Eu estava completamente chocada. Meu queixo quase tocava o chão. Esposa? Crianças? Ele ficou completamente louco? "Mostrar-lhe respeito? E sobre a forma como ela falou comigo? Eu sou seu pai! Eu exijo isso!"


"Você mereceu." "O que você quer dizer com ela vai ser sua esposa? Você vai se casar com Rosalyn. Alguém de sua estatura social e financeira." "Eu não vou casar com Rosalyn." "O que você está falando? Você está noivo. Eu vi isto." "Então talvez você deva se casar com ela." "Você não vai sair fora deste arranjo, Dasher." "Eu já saí. Eu rompi no jantar ontem à noite e, em seguida, fui para casa para a minha mulher. A criança mimada que merece o meu anel em seu dedo." Dash rompeu com ela a noite passada? "Eu teria ouvido falar sobre isso." "Eu paguei Rosalyn para manter a boca fechada até que eu estivesse pronto para dizer. Ela provavelmente está em Paris ou indo às compras na Louis Vuitton agora." "Isso é inaceitável." Seu pai sacudiu a cabeça. "Você está provando ser uma decepção." "Assim como você, pai." "Não fique muito confortável com este novo arranjo. Eu vou salvar a sua merda com os Cordells. Você não vai se casar com essa menina." Ele apontou o dedo para mim e zombou. "A única coisa que eu não vou fazer é viver sob sua sombra por mais tempo. Se você desejar que eu dirija esta empresa, eu vou, mas eu vou fazer do meu jeito." Seu pai saiu, mas não antes de enviar-me um olhar ameaçador. Eu balancei meus dedos e bufei. "Bem, isso foi divertido," eu disse quando a porta bateu atrás dele. Tentei ir embora, mas Dash me pegou pela cintura e puxou minhas costas contra seu peito.


"O que diabos foi isso, anjo?", ele esfregou o nariz na dobra do meu pescoço. "Eu não tenho certeza do que você quer dizer?" "Por que você me defendeu?" "Alguém tinha que fazer isso. Você estava apenas sentado lá e deixandoo dizer o que queria." "Ele é meu pai." "Ainda assim você achou necessário enviá-lo a fazer as malas quando ele insultou-me." "Eu disse que iria protegê-la." Seu voto me trouxe de volta à realidade com força total. Esmeralda era uma ameaça para todos nós e ela me aterrorizava. Não foi apenas porque ela poderia me matar, mas porque ela também pode prejudicar todo mundo que eu amava como ela tinha provado. Eu consegui me afastar dele e colocar algum espaço entre nós. Eu esperava que ele me forçasse em seus braços novamente e secretamente desejava isso, mas ele simplesmente soltou o ar e sentou-se em seu assento. "Eu estou fodidamente tentando, Willow." Willow. Não anjo. "Eu sei que você está", eu sussurrei de volta. Eu não podia olhar nos olhos dele. Eu não estava preparada para o punho batendo em cima da mesa com força. O boom do seu punho batendo na madeira quase me fez saltar para fora da minha pele. "Então que diabos é o problema!" "Você pode, por favor, não gritar?" "Você acha que eu dou a mínima para quem ouve? Qualquer cego, surdo ou mudo, dentro de um raio de dez milhas, pode ver que eu quero ficar com você."


"Não é o suficiente querer estar juntos, Dasher. Nós não confiamos um no outro e você sabe disso." "Eu seria capaz de confiar em você se você parasse de manter segredos e me deixar te proteger." "Mas eu ainda não seria capaz de confiar em você." "Eu não estou pedindo para você me perdoar durante a noite. Eu estou pedindo para você experimentar." "Eu quero... tanto." "O que está parando você?" "Eu," eu chorei. "Venha aqui." Eu balancei a cabeça para que ele repetisse. Desta vez, sua voz era mais forte e imponente. Eu caminhei a curta distância até que eu estava ao seu lado. Ele me puxou para baixo para seu colo e fez questão de me posicionar direito sobre sua ereção. "Não há nada de errado com você, e tudo o que você fez ou pensa que fez nem sequer importa para mim. Eu estive muito tempo sem você, anjo. Não me faça esperar mais quatro ou cinco anos." Por mais que eu quisesse gritar sim e ceder, eu não podia. Pelo menos não agora. Não quando eu estava planejando fazer algo que custaria mais do que a minha vida. Será imperdoável. "Eu... eu vou ter que pensar sobre isso." Eu esperava raiva e violência, mas tudo o que ele fez foi beijar-me suavemente nos lábios. "Vou ficar com essa resposta... por agora." Eu sorri para ele e ele sorriu de volta. Eu não estou inteiramente certa do que aconteceu naquele escritório, mas algo tinha tomado um rumo natural e mudou para melhor.


VERÃO ANTES DO ÚLTIMO ANO

Eu tinha estado de volta em Six Forks por apenas dois dias e sentia falta de Dash como uma louca. Durante semanas, ele era o cara com quem eu poderia contar e ver todos os dias, mas agora estávamos de volta às nossas próprias vidas com status econômicos e sociais distintos. A única vantagem foi que eu consegui ver o minha melhor amiga novamente, que realmente tinha estado estranha. Ela estava mais saltitante do que o habitual, e me perguntei se era sábio tê-la deixado sozinha durante todo o verão, especialmente desde que Keiran Masters estava de volta do reformatório. Não era natural a maneira como ele a odiava. Era como se ele estivesse obcecado em odiá-la. O som do toque da campainha me trouxe de volta. Achei que era uma das amigas de minha mãe que veem para reclamar sobre seus trabalhos e beber muito vinho, então eu me deixo cair na cama. Esqueci que Pepe tinha feito dela o seu novo local de cochilo e sem querer perturbei o seu sono. Ele levantou a cabeça e me olhou torto antes de se estabelecer mais uma vez. Ele estava me dando um gelo desde que voltei, chateado com minha saída o verão inteiro. Eu não entendia qual era o problema dele desde que ele provavelmente dormiu por todo o meu quarto. "Uh... mana?" Buddy entrou parecendo nervoso. "Você tem um visitante. Um cara visitante. Um Dash-maldito-visitante-Chambers."


Eu voei para fora do meu quarto e desci as escadas, perguntando-me se isso era real. Logo descobri que era muito real. Dash estava na minha varanda, olhando para a rua. Sua mão agarrava o pilar branco com pintura lascada, fazendo com que seus músculos se agrupassem sob sua camiseta branca lisa. "O que você está fazendo aqui?" Suave, Willow. Realmente suave. Sua cabeça tinha virado antes de seu corpo, mas quando o fez, eu senti um soco no intestino. Foram dois dias muito longos. "Eu senti sua falta." Não derreta Willow. Não derreta. "Eu sinto sua falta também." Sim... definitivamente estou derretendo. "Eu não posso explicar isso. É só... estranho... não vê-la." "Willow?" A voz da minha mãe chamou-me de dentro. "O que você está fazendo aqui? Quem está na porta?" "Merda. É melhor você entrar." Eu instruí Dash. Ele parecia feliz e todo prazer. Eu o puxei para dentro e fechei a porta, assim quando minha mãe vinha para a porta com um pano de prato na mão. "Oh," ela comentou enquanto olhava Dash. Ela pareceu assustada quando ela olhou para frente e para trás entre nós. Buddy ficou ao lado sorrindo como um idiota. "Bem, vá em frente, Willow. Apresente-me para o seu amigo." "Mãe, este é Dash. Dash, esta é a minha mãe." "Dash? Que nome incomum, mas então eu suponho que Willow e Chance também são. Entre e sente-se." Eu nunca tive um namorado ou um amigo do sexo masculino para esse assunto, mas eu era intuitiva o suficiente para saber que um interrogatório estava prestes a acontecer. Nós fomos sentar na sala de estar quando ela perguntou: "Então, você vai para a escola com Willow?"


"Sim, senhora." "Eu nunca vi você ao redor antes, e ela nunca mencionou você. Vocês dois estão de namoro?" "Mamãe…" "Calma, querida. Eu estou falando com seu amigo." "Willow e eu só nos tornamos amigos neste verão." "Neste Verão? Mas ela estava fora." Dash provavelmente não percebeu, mas minha mãe estava se tornando suspeita de minha virtude agora esfarrapada com a pergunta, especialmente agora que ela sabia que passamos um verão inteiro junto sem supervisão. "Sim, senhora. Nós participamos do mesmo programa de verão e conhecemos um ao outro." Eu sufoquei um gemido e resisti ao impulso de afundar sob o assoalho. "Eu sinto muito. Eu só agora percebi que Willow não me disse seu nome completo. Quem são seus pais?" Isso foi a gota d'água. Eu estava oficialmente mortificada. "Cale e Melissa Chambers. Você os conhece?" Eu assisti os lábios da minha mãe apertarem com desaprovação. Seus olhos já não tinham uma aparência de bondade. "Muito bem." Se Dash ficou ofendido, isso não apareceu. Ele permaneceu imóvel, o único movimento era o maxilar, apertando e soltando antes de, finalmente, estabelecer que o interrogatório estava prestes a acontecer. "Willow, está ficando tarde", minha mãe anunciou e se levantou. Ela saiu sem dizer uma palavra e meus olhos imediatamente voaram para Dash, que a observava sair com os olhos apertados. Ela queria que ele fosse e disse isso. Eu não estava enganada e nem Dash. "Eu... eu estou tão triste. Eu não sei o que deu nela. Tal... talvez você devesse ir." Dash parecia que iria recusar até que eu implorei com os olhos. "Bem. Eu vou." Ele levantou-me do meu lugar e se aproximou, beijando meus lábios. "Mas eu vou te ver mais tarde", ameaçou.


Uma vez que ele se foi, eu permiti que a minha raiva reinasse. Eu encontrei minha mãe na cozinha, preparando o assado de panela, como se nada tivesse acontecido. "O que é que foi isso? Você foi muito rude." "Eu não quero que você o veja novamente. Eu conheço os da sua espécie. Ele vem do dinheiro e seu sangue é azul." "E então?" "Eu estou tentando protegê-la, Willow. Você nunca vai ser nada mais do que um brinquedo para ele. Ele vai fazer você se apaixonar e depois casar com outra, tal como o seu pai fez." "Mas mãe, ele não é meu pai. Nem Dash nem sua família tem alguma coisa a ver com isso." "Eu vou mais discutir isso, Willow. Eu proíbo você de vê-lo."

***

PRESENTE "Por que você está cozinhando?" Eu perguntei horas mais tarde, enquanto eu o assistia misturar macarrão e queijo com salsichas cortadas. "É o meu fim de semana." "Para quê?" "Ficar de babá. Kennedy está vindo." Borboletas eclodiram na minha barriga por razões que eu não entendia. "Nós alternamos os fins de semana." "É algo que só começou agora que a escola acabou?" "Não. Keiran, Lake, e eu gostamos de voltar para casa para o nosso fim de semana." "Uau... isso é realmente um apoio."


"Ela precisava de nós para estar lá para ela, então nós estamos. Não importa os custos." Ele virou-se para terminar o jantar, mas eu entendi a mensagem alta e clara. Isso não importa, porque amanhã ele estaria em um avião para Seattle e seguro de Esmeralda, e eu podia utilizar o meu plano e terminar o que comecei. "Então, em quanto tempo Kennedy vai estar aqui?" Ele olhou para o relógio e franziu a testa. "Eles deveriam estar aqui agora." Nós tínhamos esperado mais meia hora antes que Dash decidisse fazer um passeio a Six Forks e me arrastou com ele. A viagem normalmente leva meia hora, mas fizemos isso em menos de vinte minutos. Dash não disse nada, mas eu podia dizer que ele estava preocupado. Meu próprio coração batia um pouco destacado e selvagem. Sua rua era tranquila e o carro de Keiran estava estacionado na garagem. Dash mal teve tempo para estacionar seu carro. Ele pulou para fora, e eu corri atrás dele. Quando chegamos à porta, ele bateu e esperou, mas ninguém veio então ele procurou através de suas chaves até que ele achou uma chave de ouro marcada com K & S. A porta da frente se abriu e, tanto quanto os olhos podiam ver, não percebemos nada fora do comum. Ele me pegou pela mão e entrou. Dash estava prestes a chamar quando ouviu uma voz. "Não se preocupe. O papai tem você, baby." A voz de Keenan derivou da área de estar, portanto, seguimos. Segundos depois, nós dois ouvimos um gemido responder que era muito sexual para ser Kennedy, mas já era tarde demais. Nós ficamos congelados e tínhamos à vista de Sheldon quando ela se sentou em cima de Keenan, tão nus como o dia em que nasceram e estavam espalhados no chão ao lado da lareira. Montando Keenan, totalmente desinibida com a possível visibilidade de seu ato.


"Droga, Shelly. Eu te amo", Keenan gemeu. Sheldon lamentou e pegou o ritmo. Eu olhei para Dash, que já tinha desviado o olhar, mas sua expressão de desgosto era muito evidente. Eu o empurrei, na ponta dos pés até as escadas. "Eu acho que estou ficando enjoado." "Não me diga que você não sabia que eles fazem isso", zombei. "Saber e ver são duas coisas diferentes." Eu não pude deixar de rir à sua custa. "Acha que é engraçado, não é?" "Muito." Eu ri ainda mais forte. Completamente incapaz de contê-lo. "Ei, onde você acha que Ken está se eles estão fazendo isso praticamente em público?" "Eu não sei. Ela poderia estar dormindo." Fomos para o quarto de Ken e espiamos dentro. Com certeza, ela estava dormindo, mas vestida com roupas de sair. "Eu acho que ela adormeceu." "Esses idiotas poderiam ter me ligado em vez de fazer um desvio para ficarem juntos." "Parece que alguém está com ciúmes," eu cantei. No momento seguinte, minhas costas estavam contra a parede e seu rosto estava enterrado em meu pescoço. "Por que eu iria ficar com ciúmes quando você tem toda essa bunda?" "Você está tentando dizer que tenho uma bunda gorda?" "Sim", ele rosnou, "e eu adoro isso." Eu tinha acabado de sentir o despertar do extremo tesão crescendo quando os gritos de Sheldon ao som de um tapa em sua pele subiam as escadas. O corpo de Dash ficou rígido e sua tez empalideceu. "Por favor, me tire daqui", ele suplicou. Eu apertei a mão sobre minha boca abafando meu riso e o conduzi pela mão, descendo as escadas e saindo


pela porta. Olhei para Dash cujo rosto estava definido como se ele não achasse nada disso divertido. Pobre bebê. "O que fazemos agora?" Uma vez que ele conseguiu parar de parecer tão enojado, ele falou. "É cedo ainda. Podemos esperar por eles", ele fez uma careta, “terminarem."


ÚLTIMO ANO – HIGH SCHOOL

Eu decidi um milhão de vezes não me preocupar, mas cada vez eu joguei fora cautela, até que finalmente fui atraído para seu bairro. Eu não parei para considerar se seus pais poderiam estar de volta logo. Eu sabia que seu irmão não estava em casa também, eu o vi subir para a janela do vizinho durante a minha tocaia prévia de cinco minutos. Era inacreditável que ela conseguisse me deixar desesperado o suficiente para me tornar um perseguidor. Era apenas o primeiro dia de escola, mas tínhamos voltado do campus a um par de semanas agora, e Willow já tinha me descartado como se eu fosse o jornal de ontem. Raiva queimava em mim, quente e pronta para estourar. Eu queria saber como ela podia ser uma cadela tão fria como se nós não tivéssemos compartilhado os mesmos sentimentos durante o verão. Eu não me importava que tivesse sido exatamente isso o que eu deveria fazer quando voltei. Muito antes de já ser hora de voltar, decidi que queria estar com ela e danem-se as consequências. Aparentemente, ela não compartilha meus sentimentos. Bati uma vez e depois de poucos segundos de espera, eu comecei a bater em sua porta. Finalmente, a porta se abriu e eu prendi a respiração, esperando para ver se seria ela.


O meu olhar finalmente travou com o dela, e eu podia ver o choque escrito em seus olhos verdes. Ela mal tinha aberto a porta antes que ela estava me dizendo para ir embora. "Você não pode estar aqui." "Muito tarde. Eu já estou e eu não vou sair." Porque eu não podia deixar de tocá-la, agarrei sua cintura apertado e levantei-a quando eu entrei. "Meus pais estão em casa." "Eles saíram cinco minutos atrás." "Buddy está em casa." Ela estava desesperada, e não poderia ser mais óbvia. Eu podia praticamente ver seus joelhos enfraquecendo. Ela precisava de mim, mas isso não ia acontecer. "Buddy está ao lado, se enroscando com a vizinha." "Bem. Eu não quero ver você, agora saia." "Não até você falar comigo." "Sobre o que?" "Por que você está me evitando?" "Por favor, não faça isso." "O que? Fazer o quê?" Eu não tinha percebido que eu tinha gritado até que ela saltou. "Não finja que o que fizemos foi mais do que apenas uma coisa. Nos divertimos. Acabou, certo?" "Você é uma peça fria, sabia disso?" "Você está zangado só porque eu disse isso primeiro?" "Não, foda. Eu estou louco porque você disse isso, de qualquer maneira." Essa menina, com pouco esforço, tinha conseguido me transformar em um cachorrinho doente de amor. Minha mão esquerda em sua cintura agarrava sua camisa no meu punho. Nós estávamos virando e as costas dela de repente estavam contra a porta. Eu precisava tocá-la em todos os sentidos então eu me inclinei e deixei minha respiração soprar através de seu pescoço


sabendo o quanto isso a afetava. "Eu disse quando eu a tive a primeira vez para não se meter comigo. Você se lembra?" "Eu lembro. Eu certamente pude ver como você era conhecido por seu charme", ela respondeu sarcasticamente. "Eu não vou desistir, anjo." Ela não respondeu e foi quase catatônico enquanto seus olhos brilhavam de emoção. Peguei-a e a levei para cima. Com pouco esforço, eu achei seu quarto desde que a porta foi deixada aberta. Seu quarto era muito bem decorado como sua escolha típica do vestuário. Corajosa e completamente selvagem. Eu a coloquei na cama, mas depois vi Pepe dormindo ao lado de sua gaiola em vez de dentro dela, então eu peguei ele e o coloquei dentro. Quando ela me disse que tinha um furão, eu não podia acreditar, porque quem realmente tem furões? Eles pareciam ratos imundos. Quando me virei para trás, Willow estava sentada e me observando. "Nós não podemos fazer isso", ela protestou, finalmente encontrando sua voz, mas minhas mãos já estavam removendo sua roupa. Quando ela estava completamente nua, meus dedos tocaram no bracelete do encanto que eu tinha lhe dado na noite de nosso primeiro encontro e da primeira vez que nós transamos. "Quando nós fodermos, eu quero que você só use isso." Ela tremia e eu sabia que era pela forma dura que eu disse 'foder'. Na terceira vez que transamos, ela revelou, timidamente, que quando me ouvia usar a palavra para descrever o sexo ela ficava louca. Eu tinha brincado com ela sobre ter fetiches estranhos e, em seguida, disse-lhe as muitas maneiras que eu planejava transar com ela, garantindo que eu usei essa palavra a cada vez. Ela havia estado encharcada à beira de gozar no momento em que eu a penetrei, assim como eu sabia que ela estaria agora. Isso tinha até mesmo se tornado minha nova palavra favorita. Eu prendi o seu queixo e inclinei a cabeça baixa para sussurrar contra seu pescoço. "Eu vou foder sua boceta tão forte que você não será capaz de respirar." Minha mão deslizou entre as coxas e encontrou seu sexo encharcando os lençóis abaixo dela, sinalizando que ela estava pronta.


Eu queria estar dentro dela da pior maneira, então eu rapidamente deslizei a proteção e posicionei-me entre suas coxas. Sua respiração foi presa desde o primeiro impulso acentuado dos meus quadris, mergulhando meu pau nas profundezas dela. Eu não poderia obter o suficiente. Eu precisava de minhas mãos e boca em todos os lugares, então eu agradeci. "Dasher." Ela gemeu meu nome, secretamente, pedindo mais, e eu dei a ela o que ela queria, mas primeiro eu tinha que saber... Eu segurei minha parte superior do corpo acima do dela e tranquei seu olhar com o meu. "Você ainda é meu pequeno anjo?" "Sim", ela choramingou. Era tudo que eu precisava ouvir para impulsionar para frente. Movi-me dentro dela com tanta força que o corpo dela levantou do colchão enquanto eu a dominava. A segui, não estava disposto a deixá-la ir embora, e eu encontrei o meu ritmo, duro e inflexível, assim como a cabeceira da cama. Enviei uma rápida oração esperando que seus pais não retornassem porque não teria havido nenhuma maneira de esconder o auge da nossa paixão. "Você me deixa selvagem, Dasher Chambers." "Eu poderia dizer o mesmo, Willow Waters. Segure em mim." Pela primeira vez, ela obedeceu sem hesitação, travando suas pernas apertadas em torno de meus quadris. Suas mãos agarraram a minha bunda, empurrando e puxando e, silenciosamente, pedindo-me para ir mais fundo, então eu fui. Ela jogou a cabeça para trás em êxtase e soltou um grito longo. Ali mesmo, eu ia dizer a ela, mas um pequeno som atrás de nós pegou minha atenção. Minha cabeça virou e eu achei Lake Monroe, a melhor amiga de Willow e obsessão de Keiran, congelada na porta. Ela era a razão final pela qual eu estava me sentindo desta forma e não mais como eu mesmo. O olhar em seu rosto era uma mistura de descrença e de estar sendo ferida ao encontrar sua melhor e única amiga disposta nas mãos do inimigo e amando isso.


A coisa decente e benevolente para fazer teria sido parar, mas eu não estava sentindo nenhuma dessas coisas. Eu queria que esta menina compartilhasse a minha dor e assim eu continuei dando a Willow cada polegada de mim e sorri para a cadela que foi responsável pela minha ruína. Seus olhos ficaram ainda maiores e, em seguida, ela recuou, fechando a porta atrás dela. Willow era minha. Eu sabia isso e agora a amiga sabia também. Willow tinha estado completamente imóvel e depois tremeu da maneira como ela fazia quando ela gozava, e com mais alguns golpes, eu a segui, esporrando dentro dela e selando meu destino para sempre. Ela me tinha completamente desnorteado. De pernas para o ar. Obcecado. Estava tudo na ponta da minha língua para eu dizer a ela a verdadeira extensão dos meus sentimentos, bem como a verdade sobre tudo, mas eu não podia. Eu tinha que saber primeiro se ela ainda sentia algo por mim em tudo, diferente do desejo. Keiran tinha me enviado em uma missão para fazer uma garota se apaixonar e sacrificar seu coração, mas parecia que o único que tinha sido sacrificado era eu.

***

PRESENTE "Você acha que eles terminaram?" Willow perguntou depois de sentar no carro por quinze minutos. Eu tinha estado tentado a apenas voltar com o carro e levá-la para minha cama, mas eu fiquei preso ao redor. Eu ocupei o tempo lembrando da minha queda e traçando como eu poderia fazer Willow completamente minha de uma vez por todas.


Eu sabia que o desejo de estar comigo estava lá, mas ela não estava se dando, e, mais uma vez, eu me perguntava o que a estava segurando. Tinha que ter algo a ver com o local para onde ela correu há quatro anos. O ciúme correu livre com o pensamento de ser outro cara. Assim que eu estava pronto para interrogá-la e exigir a verdade, meu telefone tocou. Era Keenan. "Ei, cara. Nós estamos no nosso caminho com Kennedy. Desculpe, estou atrasado. Ela não pode adormecer na hora habitual da sesta e, em seguida, caiu no sono no último minuto." "Não se incomode. Eu estou do lado de fora. Eu vim para verificá-la quando vocês não apareceram." "Doce. Quanto tempo você esteve esperando?” "Oh, cerca de quinze minutos ou assim." Um silêncio constrangedor encheu a linha, então eu decidi foder com ele. "Basta trazer o bebê para fora, papai." Eu segurei minha barriga e caí na gargalhada quando a linha foi desligada. O meu anjo me observava de seu assento como se eu fosse louco. "Agora, por que você iria o deixa saber que os viu?" "Porque eu testemunhei o que nenhum irmão deveria ter que ver. O retorno é uma vadia." Ela sorriu e balançou a cabeça, mas não disse nada. Não muito tempo depois, seu sorriso tinha desaparecido e ela olhou para fora da janela, parecendo perdida e até mesmo assustada. Alguma coisa estava acontecendo com ela e me irritava que ela não confiasse em mim, mas eu sabia que minha raiva e fazer exigências não iriam levá-la a responder de qualquer outra forma que não a sua própria raiva. Estendi a mão e desabotoei seu cinto de segurança e, em seguida, a levantei e a trouxe sobre o console e direto no meu colo. Em vez de lutar, ela agarrou-se a mim e enterrou a cabeça no meu peito. "O que há de errado baby?" "Eu estou me afogando", ela sussurrou.


"Quem está te machucando?” "Todos. Está em toda parte. Não importa o quão rápido eu nade ou quão longe eu vou, a água está sempre lá." "Parece que você só precisa ir na direção certa. Sua vida está lá esperando por você para levá-la e isso é a sua salvação." "É muito perigoso." "É muito perigoso não fazer isso." Ela começou a protestar, mas eu levei seus lábios com os meus. Ela caiu imediatamente, buscando conforto na distração. Eu não sei quanto tempo nós nos beijamos, mas pareceu durar para sempre até que ouvimos...


"Tio e Willow sentados em uma árvore. B-E-I-J-A-N-D-O." Nós dois fomos arrancados ao som de Kennedy cantando. Dash levantou-me sobre o console e eu sentei no meu banco. Ele saiu para pegar Kennedy e ajudá-la a subir no assento do carro que ele já havia situado na parte de trás. "Você ouviu isso?" Keenan gritou. "Kennedy apenas soletrou sua primeira palavra!" "Tem certeza que ela soletrou isso ou fez sons imperceptíveis que soavam como. Keenan, onde você está indo?" "Nós precisamos da enciclopédia", ele disse de volta. "Quem sabe o que mais ela pode saber?" "Mas ela tem apenas três anos e ela mal pronuncia as palavras na música." "Ria agora, mas Kennedy será uma cientista de foguetes quando ela completar dez anos, se eu posso opinar sobre isso." Ele desapareceu dentro da casa e Sheldon nos olhou exasperada. "Às vezes eu me pergunto como eu tive uma filha com ele," ela murmurou quando ela balançou a cabeça e o seguiu para dentro. Virei-me no meu lugar e encontrei Kennedy me observando. "Oi, Kennedy." "Oi", ela respirava com aquela voz angelical dela. "Tio e Willow vão se beijar de novo?"


"Sim", Dash respondeu quando ele entrou e ligou o carro. "Mas você não vai estar por perto para cantar sobre isso." Eu não podia acreditar quando a pequena realmente protestou. Ela e Dash tinham um diálogo natural sendo construído a partir de uma ligação que eu, infelizmente, não tinha estado aqui para ganhar com ela. Todos tinham puxado juntos para ajudar Sheldon a superar a estirpe de mãe solteira e eu não estive aqui. Por isso eu acreditava que eu tinha traído Sheldon. Quando voltamos, Kennedy se jogou através do apartamento. Ela conseguiu transformá-lo de cabeça para baixo em menos de uma hora. Tudo começou com o incidente do macarrão com queijo. Ela tinha decidido jogar um jogo de esconde-esconde com Dash e ele deixou-a jantar sob as almofadas do sofá. Eu considerei isso um incidente isolado, mas não tinha ideia do que estava por vir.

*** Ao final da noite, Dash nos despiu e me levou para a cama, onde ele colocou os braços em minha volta e me esqueci de tudo sobre minhas dores. Seu pênis ainda estava duro e eu tinha estado mais do que disposta, mas logo depois que nos deitamos, tínhamos ido dormir. Kennedy tinha nos usado como bola. Quando amanheceu, no entanto, eu me vi sendo acordada com beijos suaves e mãos me acariciando. "Vire", ele pediu com sua voz suave. Eu me obrigo a não ligar para o meu estômago. Ele riu e deu um tapa na minha bunda uma vez. "Não é o que eu quis dizer." Ele me puxou para cima dele e eu olhei para ele com confusão. "Monte-me." "Por que você está sussurrando?" Eu nunca iria admitir isso para ele, mas eu sempre apreciei a maneira rude com que ele me ordenava para agradá-lo.


"Porque a minha sobrinha é sempre um semáforo na hora errada." Olhei para a porta nervosamente e a encontrei trancada, mas eu ainda hesitei. "Você acha que devemos? Ela está no quarto ao lado." Sua única resposta foi lamber meus quadris nus o suficiente para entrar em mim lentamente. Eu engasguei com a sensação de estar cheia. "Então eu acho que isso significa que você não pode gritar." Seus olhos castanhos desafiaram-me e como a devassa eu era, aceitei. Apoiando minhas mãos contra o seu peito, eu segurei seus olhos quando eu levantei meus quadris. O surpreendi quando eu bati de volta para baixo. O prazer em seus olhos era inconfundível, mas ele apertou ainda mais meus quadris para me impedir de repetir o movimento. "Lentamente." Ele guiou-me neste momento e nós balançamos juntos. Ter que manter o silêncio fez o ato ter a sensação de proibido e em pouco tempo, eu perdi o controle novamente. Eu montei-o com força, o que quase levou Dash a um prazer rápido, mas ele escapou alguns momentos antes e saiu dessa. Ele me virou deitada de costas, assumindo o controle e me punindo com movimentos lentos, profundos. Eu percebi rapidamente os benefícios de fazer amor, porra. Fomos capazes de olhar nos olhos um do outro e ver mais do que apenas luxúria e a necessidade de se liberar. Fomos capazes de nos comunicar. Para dizer o que não temos a coragem de dizer em voz alta. "Eu senti sua falta", ele sussurrou contra os meus lábios. Ele continuou a mover-se dentro de mim lentamente. O ritmo me permitiu sentir cada polegada dele. "Eu também," eu encontrei-me admitindo. Talvez fosse porque pela primeira vez não havia ameaças ou acusações entre nós. Mais tarde, poderia me arrepender, mas neste momento, eu só podia admitir o que bateu no meu coração. Para evitar cometer mais algum erro, eu levei os seus lábios e me perdi com ele até que ambos gozamos. Silenciosamente, é claro.


Assim que recuperamos nossa respiração uma batida suave interrompeu o silêncio que repousava no ambiente. "Tio Dash, eu cometi um erro." Seu corpo endureceu um segundo antes que ele entrou em ação. Ele pegou o calção de basquete preto do chão e rapidamente entrou dentro deles, pulando de um pé para o outro. Eu não entendi que grande negócio era. Crianças saem da cama o tempo todo. Ele me jogou sua camisa da noite passada e eu a vesti. Uma vez que eu estava decente, ele arrancou aberta a porta e pegou uma Ken assustada. "Onde foi isso, hein?" "Banheiro." Ele então a levou para a cama e a colocou ao meu lado. Ela se enrolou em meu colo e viu seu tio sair com os olhos arregalados. "Estou em apuros", ela me disse e balançou a cabeça. Quando o ouvi praguejar e o que soou como água corrente, fiquei curiosa. Eu beijei Kennedy no topo da cabeça e segui a série de maldições até o quarto de hóspedes. O quarto era menor e tinha um pequeno banheiro no interior. O vi dentro dele mexendo com o vaso sanitário e entrei sem dar uma atenção especial para o chão. Água rapidamente correu em volta dos meus pés. "O que-" O banheiro inteiro estava inundado. Parte da água agora viajava do banheiro para os carpetes no quarto. "O que aconteceu?" "Ken conseguiu fazer." Eu me aproximei para ver o que estava no vaso sanitário invadido e fiquei surpresa ao ver a extremidade inferior de uma Barbie saindo da boca de dentro dele. Ele enfiou a mão dentro do vaso sanitário e puxou a boneca para fora, mas a água continuou chegando. "Eu acho que você precisa de um encanador," eu ofereci desajeitadamente. Ele me lançou um olhar impaciente e passou por mim. "Fique com Ken. Eu me esqueci de bloquear as portas." Ele desapareceu dentro de seu escritório, e eu estava no corredor tempo suficiente para ouvilo falar ao telefone, pedindo um encanador.


Eu encontrei Kennedy deitada de bruços à procura de conteúdo para assistir com o mundo ao seu redor desabando. Ela estava segurando o controle remoto da TV e virou a TV para Tartarugas Adolescentes Mutantes Ninja. Sua atenção se voltou quando entrei no quarto, e ela me atacou com seu sorriso brilhante. "Willow, eu fiz uma piscina para a Barbie." "Então, você fez mesmo." Levou metade do sábado para consertar e limpar a destruição que Kennedy tinha causado. Eu a apelidei de a grande inundação de Ken. Dash não partilhou da minha diversão. Domingo veio, mas o tempo de ligação tio e sobrinha tinha rapidamente se transformado em Dash se preparando para a reunião que estava o levando para fora da cidade amanhã. Eventualmente, ele deixou o apartamento por completo, deixando Kennedy e eu sozinhas. Não demorou muito para eu cair de cabeça nos laços do amor com a pequena tirana. Ela tinha uma mente tortuosa e eu sempre me vi suspeita que ela piscava como a assinatura de um sorriso, mas no domingo à noite, quando era hora de devolvê-la a seus pais, eu encontrei alguém novo para amar. E proteger.

*** Segunda-feira veio e Dash anunciou que estava programado para voar mais tarde naquela noite. Ele também anunciou que estaria levando-me com ele e que a viagem iria durar ao longo da semana. Na hora do almoço, eu estava em pânico completo. Eu não podia ir. Eu ainda tinha que descobrir uma maneira de chegar até Keiran antes de uma semana.


Quando sugeri que Celesha o acompanhasse desde que ela era mais experiente, ele apontou que desde que ela tinha que lidar com uma gravidez difícil, ela não podia voar. Desde que eu tinha sido capturada rápido sob sua tutela, ela esperava entrar de licença maternidade muito mais cedo do que o planejado. "Anjo." Olhei para cima da tela do computador para ver Dash elevando-se sobre a mesa, parecendo poderoso com seu corpo alto. Os músculos em seus braços, tórax e pernas embelezaram seu terno perfeitamente. "Sim?" "Você parecia prestes a chorar. Algo está errado?" "Não, nada. Como posso ajudá-lo, Sr. Chambers?" Ele gemeu e plantou as mãos sobre a mesa, inclinando-se e completamente invadindo meu espaço. "Eu amo quando você me chama de Sr. Chambers. Isso me faz querer dobrá-la sobre esta mesa e fazer você gritar." Eu não sei o que eu estava pensando, mas eu me ouvi dizer: "Então, por que você não faz?” Seu sorriso era predatório quando ele me puxou para cima do meu assento. Eu rapidamente cheguei aos meus sentidos e lembrei-lhe que Celesha devia voltar do almoço a qualquer minuto. "Ela pode assistir", ele rosnou. No momento seguinte, o meu vestido estava na minha cintura, minha calcinha estava abaixada, e ele se mudava dentro de mim lentamente. Seus golpes tinham apenas força suficiente para provocar, mas por alguma razão, minha libertação foi mil vezes mais intensa. "Então, quantas vezes você já tentou isso?", eu perguntei quando minhas roupas estavam de volta no lugar. "Não comece anjo. Eu nunca a fodi."


Naquele momento, a porta se abriu e Celesha entrou carregando um sanduiche de peru gigante em uma mão e um sanduíche de presunto igualmente gigante na outra. "Muita fome?" Dash brincou. "Eu não podia decidir então eu trouxe os dois." "Ou você poderia ter pedido-lhes para colocar ambas as carnes em um sanduíche." Ela revirou os olhos para Dash como se ele fosse lento. "Mas então eu teria menos pão." Eu fui a primeira a perder o controle e explodir com risos, Dash e Celesha me seguindo. "Devo levar isso?", ela apontou para o envelope na mão de Dash. "Isso vai para a contabilidade e parece que você precisa sentar-se." Ele empurrou a pasta para mim. "A Sta. Waters vai levá-lo." Seu flagrante desrespeito me irritou. Mesmo Celesha percebeu e levantou uma sobrancelha. Eu escolhi não dizer nada e levei a pasta de sua mão não muito gentilmente. O envelope era dirigido ao chefe da contabilidade, que não era outro senão Nate. Sorri para mim mesma percebendo que, se Dash não estivesse muito preocupado com sendo um idiota, ele teria percebido isso. A cada passo, eu esperava que ele viesse cobrando atrás de mim, mas eu fiz todo o caminho para o departamento de contabilidade. No andar o recepcionista me levou para o escritório de Nate. Ele estava no telefone, mas quando ele me viu, ele rapidamente terminou a chamada. "Willow, olá." Ele descartou a recepcionista com um aceno de cabeça. "Espero que esta seja uma visita social." "Receio que não. O Presidente queria que eu entregasse isso a você." "Bem, eu estou feliz que ele fez. Eu tenho pensado em ir até você. Você consideraria jantar comigo?" "Oh, hum. Eu não acho que seja uma boa ideia."


Seu sorriso era arrogante de uma forma que disse que ele pensou que eu estava me fazendo de difícil. "E porque não?" "Porque eu não vou ficar muito tempo por aqui de modo que não há nenhum ponto em nós conhecermos um ao outro." "Ouch. Você é sempre tão fria?" Eu recuei e considerei bater o sorriso do seu rosto regular. "Desculpe?" "Não me interprete mal. Eu amo muito isso. Eu esperava que o seu temperamento combinasse com seu cabelo. Diga-me... ele também combina com o resto de você?" "Você é um porco." "Você me feriu. Sou simplesmente um homem que pode apreciar tudo que você tem a oferecer." Sua mão deslizou em volta do meu quadril e descansou na minha bunda antes que eu pudesse colocá-lo em seu lugar. "Nate..." "O que diabos está acontecendo aqui?" Eu senti a cor do meu rosto drenar e soube quem foi que falou antes mesmo de eu me virar. "Sr. Chambers, eu estava apenas falando com a sua assistente sobre trajes e vestidos apropriados." "Com a mão na bunda dela?" Nate pegou a mão dele como se ele tivesse esquecido que ela estava lá. "Bem, ela...eu..." "Salve isso. Pegue suas coisas e saia. Está despedido." Dash não esperou por uma resposta. Ele me levou pela mão, ignorando os olhares confusos e os sussurros enquanto ele me levou para fora do conjunto e para os elevadores. Nenhuma vez durante o passeio ele falou, mas ele não tinha que falar. Ele estava chateado e pronto para descarregar isso em mim. Minha teoria se provou correta, uma vez que chegou ao seu andar.


"O que você está tentando fazer comigo?" Ele rosnou quando ele quase me atirou do elevador em sua sala do escritório. Se houvesse uma porta, eu tinha certeza que iria bater agora, mas eu fui forçada a me contentar com o poderoso baque de seus passos enquanto ele me pressionava. "Eu poderia te perguntar a mesma coisa. Você não precisava demiti-lo." "Eu acho que a mão dele em sua bunda significava que eu devia sim." "Isso não importa, porque você me enviou para lá em primeiro lugar." "Um erro que eu esqueci por causa do seu comportamento infantil sobre meu relacionamento com Celesha. Pelo amor de Deus, você não tinha nenhuma razão para acreditar que eu já a peguei, porra." "Você não tinha o direito de estar tão irritado sobre um grande idiota estúpido." "Ninguém toca o que é meu." "Eu não sou sua!" Ele inclinou a cabeça e me olhou com olhos estreitos. "Você diz isso como se você tivesse uma escolha." "Eu tenho. Eu sempre tive e eu fiz isso. Eu sumi, lembra?" "Você correu. Grande diferença." "Seja qual for a diferença, eu estive longe de você e de sua capacidade arrogante para ser um completo idiota!" "Pare de gritar." "Você começou." Eu deveria ter ouvido a ameaça, mas eu estava cheia de receber ordens. Eu só queria ser eu mesma e somente duas pessoas já tinham conseguido roubar esse meu direito. Ele tirou o paletó, mantendo-me presa com seu olhar. A parte de mim que eu desejava apresentar sabia o que significava, mas eu segurei minha terra figurativa e literalmente. "Levante-se." "Não."


"Onde estava toda essa bravura quando eu lhe pedi para ficar comigo? Foi tão fácil para você ser uma covarde, mas foi difícil me amar?" "Foi fácil sair porque você não era nada para mim. Você não significou nada porque você nunca poderia. Pensei em você tão pouco que eu poderia tê-lo esquecido." Eu engasguei com a última parte, mas já era tarde demais para arrependimentos. Seu silêncio era ensurdecedor. Ou talvez fosse o bater do meu coração enegrecido. O único que ele tentou rasgar tão insensivelmente. Estava tão envolvida com a batalha entre o meu coração irritado e minha consciência que eu nunca o vi fechando a distância entre nós até que ele estava em pé na minha frente. As manchas cor de âmbar de seus olhos desapareceram para a raiva e fúria silenciosas em suas profundezas. Quando sua mão se levantou, eu vacilei, mas não fiz a pergunta em seus olhos enquanto seu dedo varreu o meu lábio pensativamente. Eu precisava desesperadamente saber o que ele estava pensando da mesma maneira que a minha consciência me conquistou. "Dash, eu não...” "Shh, anjo." Sua voz era enganosamente calma. Seu dedo sai dos lábios e tocou o botão no meu vestido. O primeiro deslizou fora seguido por um segundo e terceiro antes que eu pudesse reunir uma frase. "O que você está fazendo?" Eu segurei meu vestido agora escancarado em conjunto com os dedos trêmulos. "Despindo-a." "Sim, mas por quê?" "Porque eu gosto desta parte das nossas discussões." "Então você não tem me escutado." Seu pequeno sorriso seguido por seus lábios se movendo contra os meus foi a sua única reação, e se isso fosse uma resposta ou uma distração, funcionou. Meus lábios se mudaram em busca de mais do seu gosto, e eu suspeitava que ele fizesse o mesmo julgamento pela sua urgência com fome.


"Eu ouvi tudo," ele sussurrou, quando ele finalmente veio à tona para respirar. Eu podia ver o propósito imóvel em seus olhos expressivos. "Celesha", eu lembrei. "Ela não vai nos perturbar." Eu estava sendo levantada em seus braços e ele me levou através de uma porta que eu nunca tinha notado antes. Dentro havia um pequeno quarto que ainda conseguiu aparecer luxuoso. A grande cama com seus lençóis escuros dominava o ambiente, e pela primeira vez desde que voltei, eu admito que senti medo. "Eu não..." "Shhh", ele repetiu enquanto forçava meus dedos para longe e abria o zíper do meu vestido. "Eu não me importo." Suas mãos empurram o vestido dos meus ombros e depois puxaram o material apertado pelas minhas pernas trêmulas até que ele finalmente foi para o chão. Somente depois que o vestido se foi que me lembrei de que eu nunca tive a minha calcinha de volta. Olhei para o meu corpo esperando que eu estivesse errada. Como eu poderia esquecer minha calcinha? Oh, Deus... talvez ela ainda estivesse no chão. Celesha certamente a teria notado agora. "Procurando por isto?" Virei a cabeça para ver minha calcinha enganchada em torno de seu dedo ao nível dos olhos. Movi-me para pegá-la, mas ele moveu a mão apenas a tempo de escapar e a enfiou no bolso. Pelo menos ela não estava jogada no meio do chão do escritório... No momento seguinte, a mão dele forçou seu caminho entre as minhas coxas. "Abra suas pernas." Eu quis recusar. Eu realmente fiz. Em vez disso, eu fiz o que qualquer garota faria quando confrontada com alguém tão quente quanto Dash e uma voz que prometia êxtase para as


estrelas e além. Não importa a conexão emocional. Às vezes, a física era o suficiente para esquecer quem somos. Assim que as minhas pernas se deslocaram sua mão em concha varreu meu sexo completamente. "Por que você está fazendo isto comigo?" Seus dedos esfregaram tentadoramente contra o meu sexo, me dedilhando ao delírio. "Eu vou fazer você lembrar." Foi então que eu percebi o meu erro. Eu não estava lutando mais com algum adolescente com tesão. Eu estava desafiando a inclinação de um homem em ter sua vontade obedecida. Ele me levou para a cama, e com cada mudança de seu corpo, suas roupas esfregam contra a minha pele nua, aumentando minha sensação de vulnerabilidade. Ele me empurrou levemente, curvando-me, e eu me peguei em minhas mãos e me arrastei em direção à cabeceira da cama. Sua mão pegou meu pé antes que eu pudesse chegar longe, então eu olhei por cima do meu ombro, fazendo a pergunta silenciosamente. "Eu quero ver seu rosto quando você se lembrar." Suas mãos fizeram um rápido trabalho de seu cinto. O som de seu zíper abrindo era como uma ameaça. Ele não se preocupou em lançar suas calças antes de me cobrir com seu corpo. "Quem sou eu?" "Por favor." "Quem sou eu anjo?" Ele levantou os quadris e baixou as calças o suficiente para liberar sua ereção. "Só me foda." Ele não perdeu tempo em seguir o meu comando. Seu comprimento duro entrou para as minhas profundezas me fazendo chorar e perder a minha respiração simultaneamente. Assim quando eu comecei a deleitar-me com a sensação dele enchendo-me completamente, ele abandonou o meu corpo lentamente.


"Não me faça perguntar de novo." "Então não pergunte novamente." Suas mãos foram rápidas e fortes lançando-me sobre o meu estômago. Senti seus dedos cavando em meus quadris e seu peito pressionando em minhas costas quando ele se inclinou sobre mim. "Anjo." Seu apelido para mim foi seguido por uma mordida no meu ombro que enviou vibrações na minha espinha. Era um aviso. Uma ameaça. Uma que eu deveria seguir, mas meu orgulho não me deixou. "Tudo bem." Suas mãos separaram minhas coxas, mas ultrapassou meu sexo para ir ao local proibido. "Teve ao seu gosto e eu vou ter o meu." "Dasher..." "Tarde demais, anjo." Seus dedos mordendo a pele dos meus quadris foram meu único aviso antes de minha bunda ter sido forçado no ar. "Dash?" "Shh." Seu dedo mergulhou dentro do meu sexo e me provocou até que eu estava pingando com necessidade. Ele então lentamente os aliviou para fora e trouxe-os para cima, espalhando minha bunda mais aberta e provocando a carne enrugada. Com cada passagem de seus dedos, ele ficava mais ousado até que seus dedos invadiram minha bunda e, em seguida, começou a pressão familiar e puxou até que eu estava me contorcendo e silenciosamente implorando por mais. "Eu vou foder seu traseiro agora, anjo." Eu só tinha registrado o sentimento dele sondando minha entrada antes que ele mergulhou dentro de mim indiferente, implacável e sem remorso. Ele estava incrivelmente duro, assim como seus impulsos.


A força de sua posse era demais para o meu coração e corpo lidarem e ainda assim eu não poderia fazê-lo parar. Neste momento, eu queria dar-lhe o que ele queria. O que nós dois queríamos. Mesmo se ele estivesse apenas fingindo. "Eu te disse, Willow Olivia Waters. Você é minha." Eu só pude reunir um pequeno som que era quase um gemido e empurrar para trás em seu pau. Isso foi quando a batida começou. Duro. Rápido. Implacável. E me enlouqueceu completamente. Eu queria implorar. Eu queria gritar. Foda-me, eu queria ser sua. Mas eu estava contaminada. Por mentiras e medo. Eu não merecia o amor com ele. Eu não tinha percebido que estava chorando até que eu senti sua língua trilhar minha bochecha. "Chorar não vai me fazer parar, anjo." O barulho de sua voz era elétrico e emocionante. "Não." "Não?" "Não pare." Sua risada de resposta foi inesperada e estranhamente fria. "É melhor acreditar que eu não vou, porra." A ameaça de prazer levou as comportas a se abrirem e o pequeno processo de controle de Dash à agarrar. "Uma bunda tão apertada." Como se respondendo a um comando, minha bunda o agarrou e o gemido que retumbou de seu peito era música para meus ouvidos. Minha bunda empurrava para trás contra ele, contra a minha


vontade, silenciosamente pedindo mais. "Quando eu estiver pronto, eu vou gozar na sua boca. Você gostaria disso?" "Sim." "Diga. Diga que você quer engolir minha porra." "Eu quero engolir seu gozo." "Sim?" "Provar você..." Eu me senti delirante. Palavras eram impossíveis. Eu só podia sentir e submeter-me a sua posse. Finalmente, depois que eu acho que não poderia sobreviver mais, ele forçou um impulso final e, em seguida, me virou. Sua mão agarrou meu cabelo e levantou minha parte superior do corpo da cama, assim como seu pau entrou em erupção. Mas não foi minha boca que ele escolheu. Seu gozo quente revestiu meus lábios e bochechas da forma mais vulgar que tanto me animou quanto me deixou puta. Olhei para ele interrogando com os meus olhos quando o meu cérebro se recusava a funcionar. "Você não merece meu gozo", ele respondeu simplesmente.


"Você vai ficar aqui," Dash anunciou no último minuto, depois que ele reuniu suas malas. Ele quase nem olhou para mim. "O que te fez mudar de ideia?" E por que eu estava desapontada com o pensamento de não vê-lo por uma semana inteira? "Você." Eu hesitei na tristeza em sua voz. "Eu?" "Eu preciso pensar, e eu não posso fazer isso com você por perto. Eu vou acabar machucando você ou só te comendo." "Então eu devo ficar presa sozinha nesse apartamento por uma semana?" "Você não estará sozinha." "Outro guarda?" "É tipo," ele respondeu vagamente. Eu senti como se eu devesse dizer algo, mas as palavras pareciam impossíveis. Ele hesitou apenas um segundo antes de sair sem outra palavra ou um adeus. Andei até o sofá e caí sobre ele me sentindo sem vida. Eu deveria estar me sentindo aliviada. Eu não estava sendo obrigada a ir, mas eu ainda estava presa dentro... ou assim eu pensava.


Meu olhar pousou sobre as chaves do carro deitadas na mesa de vidro de cocktail. Ele deve ter pedido um carro para o aeroporto... Minha mente correu, já colocando o meu plano em ação. Esta manhã quando saímos ele havia estado muito distraído com o telefonema de sua mãe para me notar observando a senha no código. Eu ainda não tinha minha carteira ou celular, mas agora eu tinha a minha liberdade e um meio de transporte. Mas primeiro às coisas importantes... Eu fui nas pontas dos pés até a porta e a abri. Meus olhos correram para cima e para baixo no corredor privado que conduzia ao elevador só para não encontrar nenhum sinal de um guarda. Ele estava brincando comigo? Sacudi a suspeita e enumerei minhas bênçãos. Depois de vestir-me em um dos jeans e camisas normais que havia comprado durante a minha viagem de compras com Sheldon, rezei para que minha sorte não tivesse corrido para fora e me dirigi para seu escritório. O próximo passo no meu plano exigiria dinheiro. Eu respirei fundo e tentei a maçaneta. Para minha descrença absoluta, estava destrancada. A porta abriu uma fresta, e eu hesitei por um momento antes de empurrar para dentro. O quarto estava escuro, então eu liguei o interruptor da luz. Meus olhos imediatamente desembarcam em sua mesa. Eu cruzei o espaço e dei a volta até que eu estava de frente para as gavetas. Eu tentei, mas encontrei a minha sorte acabada. Todas as gavetas estavam trancadas. Eu bati meu punho no topo da superfície de madeira em frustração. O que eu vou fazer agora? Eu afundei na cadeira de couro e coloquei minha cabeça em minhas mãos. Se eu não pudesse chegar minhas mãos no dinheiro, eu iria precisar de outra coisa que valesse a pena a negociação, mas o quê? Alguém do status de Dash teria que ter algo de valor ao redor...


Joias! Corri para o quarto ignorando o fato de que eu só tinha sido reduzida a uma pequena ladra. Considerando o que estava em jogo, eu estava disposta a assumir a dizimação da minha personalidade. O grande armário cabine mantinha tudo o que eu precisava. Eu estudei os relógios e levei o que parecia ser menos caro, mas eu tinha certeza de que todos eles valiam um bom dinheiro. Eu resisti à vontade de comemorar antes da verdadeira vitória ser conquistada e saí do apartamento. Durante todo o caminho, eu prendi a respiração, à espera de que alguém saltasse para fora para me parar, mas ninguém veio. Quando eu segui para a garagem, eu rapidamente localizei seu carro e deslizei para o banco de couro. Imediatamente me senti fora do lugar. O carro parecia tão estranho quanto uma nave espacial para mim. Eu liguei o carro e cuidadosamente me afastei, sorrindo apenas no interior. Eu consegui. Agora, a parte arriscada... Meu destino era a universidade local em que Sheldon tinha estudado. Usando o GPS integrado, eu fui até lá em apenas menos de quinze minutos. A parte seguinte levou mais tempo do que o esperado. Todo mundo estava desconfiado da menina desconhecida pedindo para comprar um produto que certamente os colocaria na prisão para o resto de seus dias, mas, eventualmente, eu encontrei aquilo que eu vim buscar e corri todo o caminho de volta para o apartamento. Ensaiei na minha cabeça o próximo passo e ignorei as palmas das mãos suadas. Esta parte era particularmente difícil porque envolvia Keiran diretamente. Eu tinha que tirá-lo daqui sem fazê-lo suspeitar. Se ele me rejeitasse e advertisse Dash, em seguida, amigos morreriam.


Eu tinha apenas alguns dias restantes, e Keiran e Lake não voltariam até o feriado de Natal dali a alguns dias. Até então seria tarde demais. Eu fui e voltei sem ser pega e fiz meu caminho para o quarto. Toda a porra, do planejamento e ficar me esgueirando tinha me cansado, e mais cedo do que eu tinha previsto, eu estava apagada. Pouco depois, o baixo sinal sonoro da porta da frente me sacudiu do meu sono, como se fosse o som de um detonador de bomba. O relógio na mesa de cabeceira mostrava que era logo depois da meia-noite. Dash tinha voltado? Talvez ele tivesse vindo para me torturar mais com sua presença. Meus dedos do pé afundaram no tapete de macio quando eu me levantei sacudindo os restos de sono. Senti-me como se eu pudesse dormir mais algumas horas, mas o silêncio depois da abertura da porta estava me assustando. Passos hesitantes me levaram para frente do apartamento, e eu estava me borrando de medo pela visão de Keiran de pé na porta vestido todo de preto. O capuz escuro sobre sua cabeça blindando sua expressão, mas a energia derivando através do espaço era suficiente. Levaram segundos ou muito tempo quando nós olhamos uma para o outro ao lado do grande espaço que não era grande o suficiente. Eu consegui encontrar a minha voz junto com um pouco de coragem deslocada. "O que você está fazendo aqui?" Sua mão subiu para empurrar para trás o capuz, e eu podia ver a sobrancelha levantada como se fazendo uma pergunta. "Algo me diz que você precisava de mim aqui." Eu lutei para manter minha voz neutra e sem culpa. "Eu não sei por quê." "Você não acha?" "Dash não está aqui," eu ofereci desajeitadamente. "Eu sei." "Então?"


Ele inalou e exalou como se estivesse irritado e desapareceu dentro da sala de estar. Olhei para a porta que foi deixada aberta. Em vez disso, os meus pés hesitantes se moveram contra a minha vontade me guiando para a sala onde Keiran sentou-se distraidamente coçando o peito, onde seu ferimento a bala teria estado se não fosse pela tatuagem do nome de Lake. Ela disse que era um lembrete. Do que eu não sabia ou me preocupava. "Vem sentar-se," ele ordenou e deu um tapinha no sofá ao lado dele. Eu queria que ele se fosse, mas era agora ou nunca. "Posso pegar algo para você beber?", no início, eu pensei que ele iria recusar, mas em vez disso, ele tirou o capuz e assentiu. "Eu adoraria algo quente. Está congelando lá fora", observou ele. “Talvez você não estivesse congelando se você usasse um casaco decente.” "Engraçado. Lake diz o mesmo." "Oh, é que nós seres quentes sabemos bem", respondo sarcasticamente mas ele não encontrou nenhum humor. Eu desapareci dentro da cozinha e coloquei uma mão sobre o peito para acalmar meu coração batendo. Levou tudo para esconder meu nervosismo. Não ajudou que Keiran olhasse para mim como se visse através de mim. Era o suficiente para me fazer reconsiderar e confessar tudo, mas depois pensei sobre o meu irmão, eu sabia que seria um preço pequeno a pagar por sua vida. Enquanto a água fervia, consegui escapar para o quarto sem ser detectada e agarrei o pó. Eu prendi os dois no meu jeans e ensaiei mais uma vez antes de eu rastejar de volta para a cozinha. Eu quase morri quando entrei na cozinha para ver Keiran puxando a chaleira fora do fogão e a colocando de lado. "Isso está pronto," ele disse simplesmente. "Oh. Eu não devo ter ouvido do banheiro."


Ele balançou a cabeça e saiu da cozinha. Só quando ele estava fora de vista é que comecei a respirar. Eu preparei o chá e tirei o pó dos meus jeans. Eu hesitei e pensei em todas as maneiras que isso poderia dar errado antes de endurecer a minha determinação e despejar o pó no líquido escuro e fumegante.


"O que está acontecendo, Simon? Pensei que eu ia encontrá-lo em Seattle." Eu me acomodei dentro da cabine e estudei sua expressão solene. Assim quando eu estava pronto para embarcar, eu tinha recebido um telefonema de Richard Simon dizendo que ele estava aqui em Nevada e precisava me encontrar. Fiz o desvio e o encontrei no bar em que tínhamos inicialmente discutido a fusão. "Mudança de planos. Eu estou procurando pela minha filha." "Sério? Eu pensei que você tivesse dito que não tinha filhos." "Eu disse que não tinha um herdeiro, pelo menos, para tomar as rédeas da empresa. Perdoe-me, mas eu sou antiquado, então eu acho que não deveria ser exigente. Alguns anos atrás, eu nem sequer tinha uma filha, mas, mesmo assim, após conhecê-la, eu sei que dirigir a empresa seria a última coisa que ela gostaria. Ela é um pouco de um animal selvagem." "Hmm. Então, por que você acha que ela viria para Nevada?" "Ela veio visitar sua mãe que vive em uma cidade aqui há mais de uma semana atrás e nunca mais voltou." "Talvez ela tenha estendido sua visita para o feriado. Eu tenho certeza que ela está bem." "Em todos esses anos que ela esteve de volta, ela nunca ficou mais de um dia. Eu tento não me preocupar, pois ela é jovem." Ele tentou rir, mas a preocupação em seus olhos ofuscava isso.


Meu coração começou a bater e eu senti o intestino perfurado quando comecei a ligar os pontos conhecidos. Tinha que ser uma coincidência, mas, mesmo enquanto eu tentava me convencer, eu encontrei-me deixando escapar: "Que cidade?" "Six Forks, na verdade, sua cidade. Meus homens estão tentando encontrar o endereço enquanto nós falamos, mas eu achei que você poderia ajudar. Você deve conhecê-la." Muito bem. "Se ela só ficaria um dia, por que esperou uma semana inteira para começar a se preocupar com ela?" "Filho, eu tenho me preocupado com ela desde que ela apareceu minha porta há três anos com uma mala esfarrapada, um teste paternidade, dezoito anos de idade, e disse que eu era seu pai, e não respostas... ou perguntas. Mas eu sempre pensei que um dia ela iria cansar de correr e encontrar o caminho de casa."

na de há se

Minha boca estava completamente seca, e eu lutei sobre a minha língua para perguntar o inevitável: "Qual é o nome dela?" "Willow. Willow Simon." Eu fiz uma careta com a confusão desde que o último nome de Willow é Waters. "Você tem uma foto?" "Uhh, sim." Ele pegou seu telefone e rapidamente encontrou uma foto datada de há três meses. Era definitivamente ela na foto. Ela estava sorrindo e parecia muito feliz e tão bonita como sempre, mas não era ela quem tinha a minha atenção. Era a porra, do filha da puta com pau sorrindo com o braço ao redor dela.


"Muito bem, pequena Willow." Eu estava de pé sobre o corpo de Keiran caído no sofá depois de ele ter terminado o chá e tinha lentamente caído apenas dez minutos atrás. Eu estava trabalhando fora o próximo passo quando a porta se abriu e Esmeralda desfilou para dentro. "O que você está fazendo aqui?" "Eu vim para recolher o corpo." "Corpo? Mas você disse que queria apenas... um pedaço... dele. Como você sabia?" O pensamento de massacrar uma pessoa me fez querer vomitar tudo no seu Jimmy Choos e arruiná-los permanentemente. A sua presença tão cedo tinha jogado uma chave nos meus planos. "Eu disse que nós estamos sempre olhando, e eu mudei de ideia. Devo admitir que eu tinha minhas dúvidas se você realmente poderia fazê-lo. Eu estava preparada para matar os dois." "Eu não poderia fazer isso." "Desculpe?" "Ele não está morto", eu confessei. Esmeralda me encarava sem palavras. Em lugar de responder, ela teve um de seus capangas verificando seu pulso. O homem olhou para cima e balançou a cabeça. "Ele parece muito morto para mim." "Eu o droguei com uma droga chamada Beijo da Morte. Isto..."


"Eu sei o que ela faz. É o meu produto. Minha única pergunta é por que você o drogou, em vez de matá-lo?" "Eu disse a você, eu não poderia fazê-lo, mas ele está impotente agora. Você pode fazer o que quiser com ele." Minhas palavras correram para fora, enquanto eu rezava para que ela não colocasse uma bala nele ali mesmo. "Eu quero que você deixe a minha família em paz agora." Eu não perdi o flash de raiva e malícia em seus olhos e me lembrei de que ela ainda tinha o poder de prejudicá-los. "Você não está em posição de fazer exigências. Como eu disse, eu quero o corpo." Ela estalou os dedos e os dois homens avançaram e se aproximaram levantando o corpo de Keiran sobre os ombros dos maiores. "O que você vai fazer com ele?" "Oh, pequena Willow, sua mente pequena e delicada não quer ser incomodada com os detalhes complicados. Desde que você o deixou vivo, eu vou começar a jogar. Vou fazê-lo gritar, pequena Willow." E assim, eles foram embora. Com Keiran.

*** Eu tinha que agir rápido. Eu não tinha ideia de para onde eles iriam leválo. Eu só podia supor que seria para o mesmo armazém onde eles tinham me levado, mas eu nem sabia onde isso poderia ser. Assim que era seguro, eu peguei o elevador, na esperança de chegar a tempo. Eu tinha apenas um momento para saber como eles fizeram para entrar e sair do edifício sem ser detectados quando eu fui batida com a dolorosa realidade de que eles não tiveram dificuldades. Apenas dentro da porta do saguão estava o guarda da porta, de bruços em uma poça de seu próprio sangue. Ao lado, os olhos sem vida da


recepcionista olhavam para frente de seu assento enquanto o sangue escorria do único ferimento de bala em sua cabeça. Se eles podem fazer isso a pessoas inocentes, eu sabia que ela não hesitaria em prejudicar Keiran. Eu mentalmente empurrei os homens mortos da minha mente e irrompi pela entrada da garagem. Não houve tempo para chamar a polícia assim eu só podia esperar que o alarme silencioso em que tropecei quando eles romperam a escada seria suficiente. Foda, onde estava a equipe de segurança? Tinha sido pelo menos dez minutos desde que Esmeralda apareceu, tinha executado duas pessoas, e sequestrado um Keiran inconsciente e eles ainda não vieram à tona. Eu pulei no carro de Dash e consegui pegar a forma familiar da mesma van em que estive quando ela virou a esquina. Sem telefone celular para pedir ajuda, eu era a única esperança para a sobrevivência de Keiran. Matar Keiran nunca tinha sido uma parte do plano. Esmeralda levar Keiran definitivamente não tinha sido uma parte do plano. Quando Keiran mostrou-se eu tive a chance de ficar livre, mas eu não podia me arriscar dizendo a Keiran a verdade, porque eu não sabia se iria continuar com isso. Eu não podia confiar nele para concordar comigo, e eu não podia confiar em ninguém com a vida do seu amigo, então eu o droguei. Esmeralda disse que ela só precisava de um pedaço dele como prova. Meu plano era tomar apenas uma pequena parte dele. Algo que ele poderia sobreviver sem e algo que ele não perderia. Como um dedo... Eu não queria machucá-lo mais do que eu queria matá-lo, mas parecia um preço pequeno a pagar pela minha família. Por todos. Eu estava preparada para viver com as consequências disso sabendo que ninguém iria me perdoar por isso, não importavam as minhas razões, muito menos isso. Eu não tinha planejado ficar por tempo suficiente para encarar as consequências. Mas Esmeralda aparecer tinha jogado o meu plano em chamas e agora parecia que ele realmente iria morrer.


Eu tinha apenas uma pequena janela de tempo. Eu sabia o que ela falava sério sobre fazê-lo gritar. Ela iria torturá-lo antes de matá-lo e eu era a única coisa entre ele e morte. Eu fiquei a uma distância segura por trás até que a van cor de chumbo tinha finalmente retirando-se para o que parecia um armazém abandonado. Então eu tinha razão. Eu caí para trás e me escondi nas sombras, observando a van entrar e desejando que eu tivesse um telefone para chamar alguém. Meu único consolo era saber que, logo que Esmeralda entrasse na cobertura de Dash, um alarme silencioso foi soado. Eu não tinha ideia de como e se sua equipe de segurança iria encontrar-nos a tempo, mas eu tinha a esperança. Keiran estaria saindo de sua indução de drogas a qualquer momento. Saí do carro e aproximei-me do armazém, garantindo me manter discreta. Se eu fosse pega, nós dois estaríamos fodidos. Não havia guardas postados fora por isso eu fui capaz de me aproximar do edifício. A porta não tinha sido fechada totalmente, deixando as vozes do armazém serem ouvidas da minha posição. Eu encontrei uma janela baixa e espiei através do vidro sujo. Eles estavam todos reunidos no grande espaço aberto, fumando e rindo como se eles não estivessem prontos para cometer algo hediondo. Keiran tinha sido amarrado a uma mesa e notei sua cabeça movendo-se ligeiramente, sinalizando que ele estava acordando. "Chefe, ele está acordando," o maior homem que eu já tinha visto falou. "Oh, bom. Seja útil e vá buscar minhas facas, por favor." Os homens agarraram a atenção em Keiran e Esmeralda e se aproximou da mesa. Sua mão se afastou e ela lhe deu um tapa com força doentia. Foi o suficiente para despertá-lo totalmente. Eu esperava que ele gritasse ou batesse ao redor, mas ele permaneceu perfeitamente imóvel quando ele olhou para Esmeralda. "Olá, escravo."


Quando ele não respondeu, ela fez um som estalando e se movia lentamente em volta da mesa. "Não me diga que você esqueceu sua mãe," ela ronronou. "Certamente parece que você esqueceu seu treinamento." "Você não é minha mãe", ele finalmente falou. "Eu matei a minha mãe." O seu rosnado enquanto ele se gabava de ter matado sua mãe mandou calafrios pela minha espinha, e eu balancei a cabeça com espanto pela forma como ele ainda podia invocar o medo quando ele era o único em perigo. No entanto, eu não estava preparada para o golpe esmagador em suas costelas dado pelo homem grande. Eu ouvi o ar sair do pulmão de Keiran com um assobio. "Este é o manipulador," Esmeralda ostentava. "Se você falar algo fora de sua vez, desrespeitar-me de qualquer maneira, ou deixar de responder a uma pergunta, você vai se arrepender. Tenho certeza que você lembra-se de tudo isso bem, Keiran." "O que você quer," ele gemeu. "Vingança." "Para?" "Meu marido, é claro. Seu testemunho o colocou afastado por um tempo muito longo, mas ele nunca chegou a cumprir a sua pena, você vê, porque ele foi morto logo depois que ele foi preso. Tenho certeza de que você teve algo a ver com isso." "Você não dá a mínima para o seu marido, senhora." "Oh, pelo contrário, eu dou sim. Ele me proporcionou uma vida muito rica e agora, por causa de você, eu sou uma fugitiva na corrida e ganhando dinheiro através do fornecimento de drogas para revendedores universitários insignificantes neste país esquecido por Deus." "É por isso que levou a minha sobrinha e matou meu pai e meu tio?" Ela sorriu e olhou impressionada. "Desculpe escravo. Não fui eu. Mas eu gostaria de ter feito, porque então você estaria sofrendo muito mais do que a dor física antes de morrer." Ela começou a andar novamente. "Claro... há algo mais."


"O que é?" "Você tem a minha filha." Ele riu. "Eu não tenho ninguém e ela não é sua filha. Ela nem sequer a conhece." "Onde está a Diana?" A paciência na voz de Esmeralda foi diminuindo rapidamente. "Como se eu fosse dizer-lhe." Sem aviso, o manipulador bateu com o punho de carne no rosto de Keiran neste momento. Sua cabeça foi para o lado e eu poderia jurar que eu ouvi o som de ossos se quebrando. Eu me perguntava por que Keiran arriscaria sua vida para proteger uma menina que ele nunca pareceu gostar. Talvez fosse apenas um ato natural de desafio. Fosse o que fosse, tinha certamente acabado de matá-lo. Esmeralda não parecia mais interessada em jogar. "Verifique suas restrições e verifique se elas estão apertadas. Eu quero montar seu adorável pau antes de torturar e matar ele." Keiran não se mexeu uma polegada, e por um momento, pensei que ele estava frio assim pela batida brutal que ele tinha acabado de tomar, mas quando os seus punhos apertaram, eu era capaz de sentir alívio por apenas um momento. Bem ali para todos verem, ela levantou o vestido apertado, expondo sua bunda. Eu não aguentava mais. Se ele tivesse que morrer, então eu merecia morrer com ele. Eu fiz o estouro impensável através da porta do armazém antes que eu pudesse mudar minha mente. "Não toque nele!" Eu gritei. A cabeça de Keiran estalou e seguiu o som da minha explosão, bem como todos os outros no armazém. Horror brilhou em seu rosto enquanto ele cerrou os dentes e tentou sentar-se em vão. "Willow?" Ele mal sussurrou. Os homens rapidamente desceram sobre mim, me agarrando e me forçando mais perto.


Eu lutei contra as minhas próprias restrições, incapaz de esconder o meu desgosto. Isto foi tudo culpa minha, e agora Keiran iria pagar o preço final. Eu só podia rezar para eles me matarem depois porque não haveria nenhuma maneira que eu poderia enfrentar Dash ou Lake depois do que eu tinha feito. "Que surpresa, pequena Willow. Eu tenho que dizer que estou surpresa dado o modo como você traiu seu amigo e tudo, mas não se preocupe... depois que eu foder e matá-lo, cada um nesta sala terá sua vez rasgando-a distante." A ameaça sinistra foi seguida por sua voz suave, escorrendo riso, fazendo mal ao meu estômago. "Gostaria de lhe aconselhar contra isso." "Oh?" "Cinco minutos atrás, eu notifiquei a polícia da localização de uma determinada fugitiva. Eles devem estar aqui a qualquer momento, por isso, se você for nos matar, é melhor você começar isso logo." Era tudo uma mentira, mas era a única chance que eu tinha. "E por que eu deveria acreditar em você?" "Por que não deveria? Você realmente acha que eu seria estúpida o suficiente para vir aqui de mãos vazias?" Ela pareceu considerar o meu pedido, enquanto eu lutava para manter uma cara séria. "Muito bem. Se você estiver com pressa de morrer, eu vou estar feliz por obrigar você. Mas este” ela olhou para Keiran quando falou, "vem com a gente.” Merda. "Titan e Locas, desamarre-o e o coloque na van. Handler" ela chamou, enquanto olhava para mim "você fica para trás para cuidar da pequena cadela. Eu quero que você a mate lentamente, mas se você ouvir as sirenes, corte sua garganta." Com isso, ela saiu correndo do armazém. Os dois guardas encarregados de tomar Keiran guardaram suas armas e desamarraram Keiran. Pegadas do ‘manipulador’ bateram no chão cimentado enquanto ele se dirigia para mim vestindo um sorriso revoltante.


Dei uma última olhada para Keiran que permaneceu perfeitamente imóvel, deixando os homens arrastarem seu corpo antes de eu ser levantada do chão e levada por cima do ombro de volta para um quarto. Assim que estavam fora de vista, ele me jogou no chão e começou a desabotoar o cinto. Meus ossos pareciam que iriam quebrar após o impacto, mas consegui me arrastar para trás pelo chão sujo, raspando minhas mãos ao longo do caminho. "Eu não acho que eu posso argumentar com você, posso?" Tentei manter a calma, apesar do meu estupro iminente e da morte, mas a ameaça era demais. Eu estava ofegante quando ele caiu de joelhos. Em uma última tentativa de lutar, eu o expulsei e bati-lhe no estômago. Quando ele mal reagiu, eu sabia que estava em apuros. Ele me arrastou para ele com as mãos ásperas e me prendeu ao chão. Eu já não podia segurá-lo. Meu grito rasgou o ar, ao mesmo tempo, ouvi barulho do outro lado do muro. Vozes masculinas gritaram e, em seguida, dois tiros foram disparados. Eu não podia lamentar a possível morte de Keiran com a minha própria iminente. Eu só esperava que ele não sofresse como eu estava prestes a sofrer. O manipulador desconsiderando tudo rasgou minha calça jeans. "Não!" Eu gritei novamente quando ele conseguiu levá-las aos meus joelhos. Um revés duro me enviou para trás. Eu bati no chão muito forte e não conseguia me mover. Era isso. Eu estava desistindo. Eu merecia tudo o que seria feito comigo. O meu único desejo era que eu pudesse ver o rosto de Dash uma última vez para que eu pudesse dizer-lhe o que eu tinha estado com tanto medo de admitir desde que ele entrou na minha vida. Olhei para o homem em frente em vez de desviar o olhar. Foi a minha última expiação para o eu tinha feito. Enviei uma oração, esperando que Keiran não fosse sofrer muito embora eu soubesse que ele iria.


Eu mal registrei minhas pernas sendo forçados a se separar e seu corpo desmedido se estabelecendo entre elas. Eu mal registrei o que soou como o ranger de uma porta se abrindo. Mas quando eu vi duas mãos agarrarem o pescoço do agressor e seus olhos se arregalarem com surpresa e medo, senti em meu corpo que a minha alma voltou correndo ao mesmo tempo para mim. O esmigalhar doentio do seu pescoço quando ele estalou barbaramente encheu o armazém. Eu me preparei para ele cair para frente, mas ele foi arrastado e eu fiquei com a visão de Keiran de pé em cima de mim. Sua expressão era feroz e seus olhos, escuros com raiva. Ele tinha acabado de estar em menor número e desarmado, mas de alguma forma matou todos eles. Aqueles poucos momentos fizeram o que catorze anos não puderam. Foi então que eu percebi que ele era alguém a temer, afinal. Ele deu um passo para frente e eu me encolhi de volta, esperando e totalmente merecedora para ser a próxima, mas então ele me chocou quando ele se inclinou e me levantou. Passou por cima do corpo sem vida e me levou. Quando começou o dia, pensei em Keiran como meu inimigo e ele provavelmente pensava o mesmo, ainda que tivéssemos arriscado tudo para salvar um ao outro. No final, não importava. De qualquer maneira, Esmeralda tinha escapado.


Keiran tinha silenciosamente nos impulsionado longe da carnificina. Nós ainda não tínhamos falado uma palavra um ao outro até que ele parou do lado de fora da cidade. "Por que estamos aqui?" Eu olhei para o sinal do pequeno restaurante que dizia Pizza Creations de Joey. "Eu estou com fome." Olhei pasma para ele. "E você tem que comer agora?" "Sim. Nós precisamos conversar." Ele pegou a chave da ignição e atirouse do carro. Desci depois dele, enquanto ele esperava com a porta mantida aberta. "Precisamos levá-lo a um hospital. Pode haver efeitos secundários. Deve haver efeitos secundários.” Ele não parecia perturbado quando ele olhou para mim. "Tudo bem", ele deu de ombros. "Vamos fazer um acordo. Você come comigo, e eu vou para o hospital depois." Para alguém que quase morreu e matou uma sala cheia de pessoas, ele tinha suas prioridades ferradas. "Por favor", acrescentou quando eu continuei a olhar. "Tudo bem." Eu disse a mim mesmo que eu só concordei porque ele só faria o que lhe agradasse, de qualquer maneira, e entrei na lanchonete com ele atrás de mim. Os clientes nos observavam com expressões cautelosas, e


eu percebi o quão ruim que parecíamos. Eu tinha apenas um lábio rebentado e uma camisa manchada, mas a camisa de Keiran estava rasgada. Contusões marcavam seu corpo e respingos de sangue manchavam suas roupas. Se Keiran tinha notado os olhares de desgosto, ele não demonstrou quando ele se gabou no balcão. Ele olhou para trás e sorriu. "Queijo ou peperoni?" Inclinei a cabeça na confusão antes de vir para os meus sentidos. "Queijo." "Então será queijo", ele se dirigiu em direção ao caixa e enfrentou um cara espinhento. Enquanto Keiran pagava, eu achei a cabine mais próxima e deslizei para dentro, não era capaz de confiar em minhas pernas para me segurar. Coloquei minha cabeça em minhas mãos e mentalmente eu contava todas as razões pelas quais eu era uma pessoa horrível. Eu nunca nem reparei em Keiran minutos depois da abordagem. Ele colocou a pizza e dois pratos descartável no centro da mesa antes de tomar seu assento. Ele então arrancou uma fatia, pingando gordura e queijo no prato em frente a mim, então apontou e grunhiu "Coma." Olhei da pizza para ele e senti meu estômago roncar. Acontece que eu estava completamente faminta, mas mesmo com fome eu não podia lutar contra a apreensão. "Não está envenenada", assegurou com impaciência. Eu continuei a hesitar até que meu estômago roncou novamente. Nós caímos em um silêncio natural enquanto nós comemos. Eu levei mordidas inseguras enquanto ele devorava fatia após fatia. "Então, o que você me deu?", ele perguntou depois de terminar sua quarta fatia. Ele sentou-se e esfregou o estômago, que eu tinha certeza que não tinha um pingo de gordura. Ele provavelmente queimou centenas de calorias apenas ficando sentado lá. "Beijo da morte." "Você queria me matar."


"Era para eu matá-lo." "Mas você não me queria morto." "Eu não..." Parei no olhar duro em seus olhos que me avisou para não mentir. Eu pensei que eu o queria morto até que eu acreditava que ele estava. É incrível como a realidade poderia colocar as coisas em perspectiva. "Está tudo bem, Low. Eu merecia.” "Low?" Ele parecia tão surpreso quanto eu me sentia antes de encolher. "Eu acho que esse nome se encaixa." "Eu já tive o suficiente de apelidos." Eu teria esperado Keiran ter algum insulto, mas ele simplesmente me estudou como se estivesse realmente curioso. Talvez ele estivesse à procura de uma vantagem. Ele era, afinal de contas, um trabalho frio. "O que esse Beijo da Morte faz? Por que não estou morto?" "É uma droga que imita a morte, mas nada como o material que todo mundo já ouviu antes. Ele é usado por viciados para acalmar a velocidade de uma alta dosagem e donas de casa que têm problemas para dormir à noite. Todos os sintomas da morte, mas nada mais do que um sono profundo." "Eu ouvi sobre isso no noticiário. Como diabos você colocou suas mãos sobre isso?" "Eu comprei-o de um negociante na universidade. Aparentemente, Esmeralda é a fornecedora misteriosa." "Isso está se tornando muito fodido para ser real." "Fale-me sobre isso. A visita de rotina de um dia com minha mãe acabou por ser uma luta para a minha vida." "Você deveria me deixar cuidar disso." "Acredite em mim, nenhuma parte de mim queria ter nada a ver com isso. Eu tinha estado totalmente pronta para deixá-lo lidar com seus próprios problemas, até Esmeralda me fazer uma terceira visita surpresa."


"Quando?" "Depois que havíamos retornado da Califórnia, depois que eu tinha os avisado. Ela apareceu no apartamento de Dash e simplesmente entrou." Seu cenho franzido se aprofundou com isso. "Como?" "O novo guarda de segurança do Dash foi escolhido nas ruas como se fosse sugado para dentro da máquina de lavar." "Filho da puta." "De qualquer forma, depois que ela foi capaz de obter um infiltrado na equipe que Dash tinha destinado a mantê-lo seguro, percebi que ninguém poderia me manter segura. Ela ameaçou Buddy se eu não o matasse dentro de uma semana." "Como era suposto para você fazê-lo?" "Ela me deu um frasco de veneno no dia do casamento. Quando ela me sequestrou uma segunda vez, ela me disse que queria provas que foi feito." "Prova?" "Um pedaço de você." Eu esperava mais de sua reação, mas ele simplesmente balançou a cabeça e mordeu sua pizza. "Então, você teve a ideia de me drogar contra a minha vontade ao invés de me assassinar para enganá-la, em vez de confiar em mim?" "Precisamente." "Você sabe que isso é fodido, certo?" "Eu..." "Mas eu teria feito a mesma coisa. Você poderia ter me matado, mas não o fez. Eu acho que eu devo a você, obrigado." "Eu acho que estamos quites", eu respondi em tom seco. "Você veio atrás de mim, também. Você não precisava." "Foi minha culpa você ter sido levado."


Ele balançou a cabeça e disse: "É verdade." Revirei os olhos e, em seguida, fiz minha própria pergunta. "Por que você veio hoje?" "Eu estava protegendo você. Eu a segui para a escola e de volta." "Então você sabia sobre a droga?" Ele balançou a cabeça e deu outra mordida. "Eu pensei que você fosse contra as drogas. Eu ia ignorar isso e disse a mim mesmo que não me importava, mas eu encontrei-me vindo para impedi-la de qualquer maneira." "Eu não posso acreditar que você pensou que eu estava me drogando." "Eu não posso acreditar que você ia me cortar." "Eu não iria colocá-lo dessa forma. Eu teria tomado um dedo, é tudo." Ele olhou para mim de novo, dessa forma ele fez algo que me disse que ele estava lendo todos os meus pensamentos. "Eu a encontrei", ele finalmente declarou após um longo silêncio. "O que?" "Treze meses depois de você desaparecer, eu a encontrei", ele esclareceu. "Você me achou?" Eu não tinha certeza se acreditava nele ou o chamava de mentiroso. Ele respondeu primeiro com um único aceno de cabeça e uma expressão solene. "Eu achei." "Por quê?" "Eu precisei." "Você tinha isso," eu repeti em silêncio. "Você percebe o quanto o seu desaparecimento afetou a todos?" "Vocês todos pareciam muito felizes juntos." "Lake sentia sua falta. Dash precisava de você." "No entanto, você tomou os dois de mim." "Eles nunca foram seus."


"Nem eram seus", eu retruquei. Ar soprou de seu nariz lembrando-me de um dragão e quebrando a paz temporária que tivemos. A veia na sua testa tornou-se proeminente, e eu me perguntava quão enterrado abaixo da superfície estava o antigo Keiran. Assim que o pensamento se formou, a veia desapareceu e os seus ombros caíram. "Você pode estar certa", ele sussurrou. "Não seja estupido. Lake ama você." "Eu fiz um monte de merda para ela. Nenhuma quantidade de amor pode simplesmente apagar isso." "Isso fica muito intenso, às vezes, mas eu tenho certeza que nada disso importa para ela agora. Eu a estuprei." "Desculpe?" "Lake." Meu punho o socou antes mesmo que eu soubesse o que estava acontecendo e bati-lhe com força no olho. Sua cabeça virou. "Você é um saco de merda." Eu balancei para fora outra vez, mas ele pegou meu pulso em um forte aperto. "Chega", ele rosnou e olhou em volta intencionalmente. Os outros clientes estavam observando com expressões horrorizadas. Sentei-me de volta contra a cabine e olhei para fora da janela, incapaz de suportar o olhar dele. "Eu não a machuquei." "Permita-me dizer que não acredito em você. Você a estuprou", eu chorei. "Fale mais alto, por favor." "Você deveria estar na prisão." "Eu não me forcei sobre ela, mas eu fiz chantagem com ela para ela me deixar tê-la, e eu não lhe dei muita escolha de dizer não." "Ela nunca me disse." "Ela queria protegê-la."


"De você." "De mim," ele confirmou. "Eu sabia que você era cruel, mas eu nunca pensei que você iria tão longe. Você a torturou por anos e por que motivo?" "Eu nunca pensei que eu iria tão longe. Alguns dias eu gostaria de ter uma desculpa para odiá-la tanto quanto eu fiz, apenas para que eu pudesse viver com a culpa." "Devo sentir pena de você?" "Eu não estou pedindo para você fazer nada, apenas ouvir." Isso me cala. A contragosto, eu balancei a cabeça e cruzei os braços, parecendo ter autoridade, mas, realmente, eu tinha pavor de verdade. "Daqui a vinte anos, quando alguém perguntar como nos conhecemos e nos apaixonamos, o que eu devo dizer? A verdade? Nossa história é degenerada, e é tudo por causa de mim." Agarrei sua mão e a apertei. Surpreendentemente, ele apertou de volta. "Mas isso ainda está sendo escrito. Você não pode mudar seu passado. A única coisa que você pode fazer agora é aprender com ele. Fazê-la feliz e mais importante, sempre a faça se sentir segura. Ela precisa." Nós dois nos perdemos no silêncio mútuo quando nós recuamos em nossos pensamentos. "Você percebe que quase morremos juntos", ressaltou depois de algum tempo. "Sim, então?" "Eu acho que isso nos faz amigos agora." "Veremos."


Duas horas foram o suficiente para eu me tornar totalmente irracional. Depois de Simon ter confirmado que Willow, minha Willow, era sua filha e que ela estava noiva de um idiota, corri para casa com seu pai a reboque apenas para ver que ela tinha ido embora. Eu estava preocupado e puxava o meu cabelo enquanto chamei ao redor em busca dela até que eu descobri que minhas chaves do carro também estavam desaparecidas, o que significava que ela me deixou de bom grado. Ninguém tinha ouvido falar dela. Eu tornei-me desesperado o suficiente mesmo para aparecer na porta de sua mãe. Eu me perguntava como ela poderia ter escapado. Keiran, a pessoa que eu mais confiava com sua segurança, deveria estar protegendo-a. Depois de muitas tentativas frustradas de entrar em contato com ele, eu percebi que a minha lista de pessoas desaparecidas havia sido atualizada para dois. Eu tinha acabado de ser convencido de que precisávamos obter os policiais envolvidos quando uma ligação veio através de Keiran. Eu não podia responder rápido o suficiente. "Onde diabos você está?" "Hospital Grady." "Porra... Willow?" "Ela está bem. Apenas um pouco machucada, mas ela vai sobreviver. Basta chegar aqui."


"Eu estou no meu caminho." Eu desliguei e notifiquei a todos que se importavam para chegar ao Hospital Grady. Em pouco tempo, a sala de espera estava lotada. Meus pais, os pais de Willow, Keenan, Sheldon, e Lake. Estavam todos presentes. No entanto, as únicas pessoas que eles estavam deixando entrar era a família imediata. Todo mundo estava causando um alvoroço, mas isso não importava. Nem mesmo dois minutos depois, Keiran e Willow vieram passeando lado a lado no corredor, parecendo muito machucados, mas vivos. "Meu Deus. O que diabos aconteceu com você”, exclamou a mãe de Willow. "Eu gostaria de saber o mesmo," seu pai se adiantou. Rangi os dentes contra a lembrança de que eu tinha a chave para a localização de Willow ao meu alcance por meses agora. "Pai?", ela perguntou, parecendo tão confusa quanto ela podia. "O que você está fazendo aqui?" Seus olhos esvoaçavam em minha direção antes que ela nervosamente os lançou fora novamente. "Como você me achou?" "Jovem, você se foi e deveria voltar a mais de uma semana atrás. Eu estava preocupado." "Espere um minuto. Este é seu pai", perguntou Lake. E fez todos começarem a fazer perguntas quando a tensão subiu mais alto do que antes. Eu estava fora, de lado, me segurando por um fio enquanto seus pais a interrogavam. Eu precisava de respostas, então eu olhei para Keiran, mas ele tinha as mãos cheias com Lake, que tinha voltado a chorar e estava balbuciando em seu peito. "Filho, estou feliz por seus amigos estarem bem, mas eu acho que é hora de ir", meu pai disse calmamente. "Se você pensa que eu estou a ponto de deixá-la, você está louco." "Como você pode ver, ela está em boas mãos." "Não."


"Filho, pense sobre a imagem desta família. Deus sabe que crimes aconteceram esta noite." "Eu não vou sair daqui", eu repeti, enquanto apertava a ponte do meu nariz. "É hora de você considerar esta família, em vez de apenas a si mesmo." Sua voz tinha subido, atraindo a atenção de todos os outros. "Pai," Sheldon chamou. "Fique quieta, Sheldon. É ruim o suficiente que você teve uma filha com um deles. Não é necessário a sua interferência." "Ele acabou de dizer à minha esposa para 'ficar quieta'?" Keenan rosnou. "Você vê o que eu quero dizer? Você não precisa se misturar com os gostos dessas pessoas. Sua irmã está além da salvação, mas não terei meu herdeiro perseguindo uma garota de meia tigela do lado errado dos trilhos." "Você perdeu a cabeça?" A mãe de Willow gritou. Meu pai tinha efetivamente começado uma situação fora de controle. Willow estava perto das lágrimas que já estavam brilhando em seus olhos. Estava claro que ela ouviu cada palavra que foi dita. "Chambers!" Simon expressou explodindo do outro lado do salão, todos nós ficamos chocados. Ele tinha estado tranquilo com tudo isso até agora. "Se você interferir com a felicidade da minha filha como você fez com a minha, eu vou te matar." A mãe de Willow fez um som estranho que não escapou a Willow. "Do que papai está falando?" "Richard, eu não acho que este seja o momento certo", a mãe de Willow cortou. "Mãe?" Willow falou pela primeira vez. "Desde quando você conhece os Chambers?" Ela deve ter sentido que Willow não estava disposta a deixá-la escapar, então ela respirou fundo e se sentou em uma das cadeiras de plástico como se não fosse capaz de permanecer de pé.


"Ele me impediu de se casar com sua mãe," Simon ofereceu. "Ele não achava que ela era boa o suficiente, porque o sangue dela não era azul. Quando ele não conseguiu me convencer a romper com ela, ele falou com os meus pais e eles me obrigaram a casar com outra pessoa. Eu nem sabia que Natalie estava grávida." Olhei para o meu pai, incrédulo, esperando que ele negasse, ele nunca fez isso. Ele parecia realmente orgulhoso. "Você é a razão?" Willow sussurrou. Ela afastou-se de sua mãe, seu olhar fixo no meu pai. Eu não tinha ideia do que ela queria dizer, mas eu sabia que eu precisava difundir a situação rapidamente. Atravessei o corredor curto e peguei a mão de Willow, virando-a. "Agora não é o momento. Você foi atacada por Deus sabe o quê apenas pouco tempo. Você precisa descansar, mas primeiro você precisa finalizar sua saída." Eu cutuquei para a mesa da recepcionista. As enfermeiras tinham deixado de trabalhar para assistir o drama se desenrolar, mas com um olhar duro, elas estalaram de volta em ação.

*** Cuidei da volta de Willow e a saúde durante a próxima semana, apesar dos protestos de sua mãe e seu pai. Tudo o que ele conseguia fazer era argumentar que foi o pior pai. Eles tinham conduzido Willow contra a parede, então eu mantive-os longe dela com ordens para não virem ao redor até que todas as suas cicatrizes houvessem desaparecido. Tinha sido longo e duro considerando a semana e tudo o que ela tinha desvendado. Willow tinha vindo a ser sincera sobre tudo, até mesmo o noivo que ela hipocritamente nunca mencionou e sua tentativa de assassinar o meu melhor amigo. No final, eu não poderia fazer nada mais do que balançar a cabeça e aceitar a verdade do que eu estava o tempo todo me perguntando. Eu poderia realmente perdoá-la.


Depois de uma semana, a resposta veio a mim quando a verdade amarga tinha se transformado em ressentimento, e eu não podia mais fingir. Eu vim para casa depois de trabalhar de sol a sol e encontro-a na cozinha fazendo lasanha. O apartamento tinha um cheiro delicioso, mas eu não poderia trazer-me a apreciar o cheiro ou o sentimento por trás dele. Eu estive no batente da porta por longos momentos, observando seu movimento em torno da cozinha. Ela parecia tão natural. Ela sempre foi alguém que eu poderia apenas sentar e assistir fazer as coisas mundanas como ela escovar os cabelos e nunca me cansar. Eu esperei e esperei o despertar dos sentimentos familiares que eu normalmente sentia quando apenas olhava para ela, mas não veio. Eu me senti morto por dentro. "Você não veio apenas para visitar sua mãe, não é?" As palavras saíram antes que eu pudesse detê-las. Ela pulou ao som repentino de minha voz e apertou o peito com respirações profundas. Eu continuei a observá-la desapaixonadamente do meu poleiro. Quando ela finalmente se recompôs, ela perguntou: "Do que você está falando?" Ela olhou em volta nervosamente e agora apelando para um último recurso. "E você não ia voltar para Seattle também," eu continuei, não realmente exigindo uma resposta. "Você ia se casar." "Não seja ridículo." "Eu não sou tão ridículo. O que é ridículo, é que você me condenou por estar envolvido com alguém quando estava noiva também, e pelas mesmas razões.” "Eu nunca concordei em casar com ele." "Então você correu?" "Eu não sabia, Dash. Eu..." "Você fez!", eu gritei. Eu juro que minha voz poderia ter abalado o mundo.


"Por que eu iria correr?" Ela gritou de volta. "Foi uma ideia estúpida. Onde eu teria ido? Não havia nenhum lugar para eu ir!" Seus gritos se transformaram em soluços, sem nunca perceber que ela tinha confessado. Uma coisa que não mudou na semana desde que eu a encontrei no hospital era como se eu estive pendurado em cada palavra dela. "Você pensou que seu pai faria você se casar com ele, por isso correu, e você veio para dizer adeus, não é?" "Sim", ela gritou, finalmente admitindo a verdade. Eu deveria ter me sentido vitorioso, mas não o fiz. Como eu disse... Eu estava morto por dentro. Olhei em seus olhos e os prendi. Eu precisava que ela soubesse o que ela fez para mim. "Bem, então eu acho que é isso." Vi a mudança em seus olhos. O temor que estava neles era doloroso de assistir, mas eu não poderia trazer-me para consolá-la. "O que você está dizendo?" "Eu estou dizendo que não posso sobreviver a você indo embora pela segunda vez. Desta vez, poderia ser por dez anos ou vinte." Pode ser para sempre. "O que você está dizendo?" "Eu estou dizendo que eu estou escolhendo a mim neste momento. Eu estou dizendo que eu sou o único a me afastar." "Dash..." "Adeus, Willow." O nome dela tinha um gosto amargo na minha língua, mas eu não poderia chamá-la de anjo mais.


DOIS MESES DEPOIS

Fiquei olhando para o pequeno bastão branco e sacudiu-o como se isso fosse realmente mudar o resultado. Isso não podia estar acontecendo. Positivo. Grávida. Eu estava positivamente grávida. Não havia nenhuma dúvida sobre isso. Eu tinha efetivamente arruinado a minha vida e a do meu bebê. Eu poderia simplesmente adicioná-lo à lista de coisas que eu tinha arruinado nos últimos quatro anos, incluindo a minha única e verdadeira chance no amor. Quando eu decidi abandonar a escola, eu não tinha sentido isso. Eu pensei que se eu não podia perseguir os meus sonhos não havia nenhum ponto em tentar afinal de contas, então eu embalei minhas coisas ao mesmo tempo, na parte de trás da minha mente, eu sabia que não havia nenhum lugar para eu ir. Eu não podia aparecer na casa de minha mãe e dizer que abandonei a faculdade. Seria ainda menos aceitável o meu fracasso ao terminar a escola, do que a desistência do meu sonho seria. Então eu fiz o que eu nunca tinha sido corajosa o suficiente para fazer antes. Eu encontrei meu pai.


Ele não era particularmente difícil de encontrar. Minha mãe nunca se preocupou em esconder exatamente quem ele era ou onde ele morava. Ela tinha mesmo ido tão longe ao ponto de me dar um teste de paternidade que ela ilegalmente conseguiu fazer sem o seu consentimento. É quase como se ela precisasse que eu o odiasse tanto quanto ela. Ironicamente, a única pessoa que eu odiava no final era ela. Eu me ressentia dela. Eu lamentei a perda de uma relação mãe e filha de verdade. Seis meses mais tarde, eu aceitei o que era e sempre será apenas para perceber que era tarde demais. Quando minha mãe viu que não poderia conseguir o que queria comigo, ela fez o imperdoável e deu Pepe para um abrigo de animais a três cidades de distância. Eu não consegui descobri-lo até três meses após chegar a Seattle, quando amigos finalmente chegaram em casa e o entregaram. Eu odiava o que ela fez, mas não tanto quanto eu odiei deixá-lo para trás. Eu ainda não tinha ideia do que aconteceu com ele. Ele tinha seis anos, estava atingindo o final do seu ciclo de vida e eu nunca consegui dizer adeus. Meu pai tinha feito tudo o que podia para me ajudar a sair da depressão que a perda de Pepe causou, mas sem sucesso. Infelizmente, meu pai e eu não tínhamos nenhuma conexão real. Eu poderia dizer que ele gostava de mim como eu dele, mas uma parte de mim se sentia como se fosse tarde demais para cultivar um vínculo esperado entre pai e filha. Depois de quase quatro anos de tentativas, que tinham falhado, eu não podia negar que ele tinha me apoiado desde que apareci em sua porta sem ser convidada. O único soluço tinha sido quando ele tentou me casar com o filho de um associado dos negócios dele. Ele sentiu que era seu direito e dever desde que eu não estava matriculada na escola. Depois de sua tentativa de brincar de casamenteiro, eu o convenci a me encontrar um trabalho e assim ele fez, como falsa assistente do meu pai no escritório de advocacia. Lá eu conheci Thomas, meu aplicado e efetivamente pretendente, e nos tornamos bons amigos. No entanto, essa solução durou apenas cerca de três anos, quando a


insistência de meu pai em casar-me tornou-se uma demanda. Todos tinham estado a bordo, exceto eu. Eu sabia que tinha que fazer alguma coisa e então eu corri. Eu só desejo que eu pudesse ter me levado para longe sem me despedir. Eu não ouvi a batida na porta no início, mas quando meu nome foi chamado, eu saí do meu torpor, lavei as mãos, e deixei o banheiro. Abri a porta e encontrei Thomas esperando do outro lado. Após Dash ter me expulsado de sua vida, voltei para a casa da minha mãe e passei a semana seguinte chafurdando na auto piedade e vergonha até que eu não aguentei tomar o constante importuno da minha mãe em tentar me fazer sentir pior sobre mim mesma. Felizmente, meu pai me aceitou de braços abertos... e uma condição. Eu tive que dar ao relacionamento com Thomas uma tentativa. Um relacionamento real. Concordei sabendo que meu coração nunca estaria em risco novamente. Eu tinha o deixado para trás em Nevada, descartado no chão da cozinha, onde Dash tinha o esmagado. Eu não poderia dizer que eu o culpava. Ele estava certo sobre tudo, inclusive sobre mim. Ele me deu nada menos do que o que eu esperava depois do que eu tinha feito. Então aqui estava eu, começando tudo de novo sem nunca ter me movido para frente. Quando eu apareci na porta de meu pai, mais uma vez, ele admitiu que ele falhou por quatro anos. Ele queria respostas, começando com Dash Chambers. "Então?", ele perguntou animadamente. "O que isso diz?" "Bem", eu limpei minha garganta. "Vai ser um bebê." Thomas deu um grito e, em seguida, me pegou, me girando ao redor. Levou tudo em mim para não afastá-lo. Afinal de contas, ele estava apenas sendo um bom... namorado. Eu disse-lhe que poderia ser pior. Eu poderia estar presa em uma cidade observando a pessoa por quem meu coração


batia seguindo adiante para o pôr do sol e se casando com uma cadela perversa. Não havia muito sobre Thomas, isso o fazia bom para mim. Ele não era mandão, atlético, poderoso, ou manipulador. Ele era o típico ex membro de fraternidade da faculdade que agora trabalhava no escritório de advocacia de seu pai e, provavelmente, fazia amor com as luzes apagadas e debaixo das cobertas. Aposto que não havia nada de sujo sobre a maneira como ele fode... Deus, o que está errado comigo? Eu sufoquei um gemido e estampei um sorriso destinado a esconder meus verdadeiros sentimentos. Ele finalmente me pôs para baixo e eu dei um passo para trás, lutando contra o enjoo. "Acho que você está animado, então?" "Estou em êxtase. Nós vamos ser uma família." Engoli em seco para isso. Eu não queria uma família com ele. Eu queria Dash, mas ele não me queria... conseguido afundar isso.

não mais. Eu tinha

"Há apenas uma coisa que poderia fazer isto mais perfeito", ele sorriu. "O quê?" Eu não consegui afastar a cautela da minha voz. Náuseas retornam quando ele baixou um joelho no chão e tirou um anel do bolso. "Willow Waters, você me dará a honra de ser minha esposa?"


Fiquei olhando para os papéis em descrença. Meu cérebro não podia registrar o que os meus olhos estavam vendo. Sentei-me na minha cadeira apenas para levantar mais uma vez e agarrar o papel no meu punho. Porra, eu fiz isso e eu não conseguia nem me lembrar de como. Simon tinha se rendido e entregado a sua companhia para mim. Completamente. Não haveria uma fusão ou aliança estratégica. Ele estava vendendo para mim. A única condição que ele tinha era que a empresa continuasse a operar, desde que ela retornaria o lucro e que eu fizesse Willow um membro silencioso do conselho e acionista. Ver o nome de Willow trouxe o sentimento perdido de volta no tempo para o meu corpo. Meu coração estava batendo e o sangue correndo pelas minhas veias como não corria antes, mas apressado, aquecendo cada polegada de mim. Eu ignorei a minha reação e continuei a ler as correspondências. Quando cheguei ao último, notei que era uma carta escrita à mão dirigida a mim. Fiquei olhando para a escrita em negrito, enquanto tocava a borda do papel. Assim quando eu li a primeira linha, a porta do escritório se abriu. "Você é lindo na parte da manhã. Eu adoro como esse terno descreve seus muitos músculos viris." A versão de Keenan com uma voz de mulher encheu meu


escritório, empurrando para fora a tensão e o silêncio. Keiran estava bem atrás dele, agarrando-se a Kennedy sorrindo. "O que vocês estão fazendo aqui?" "É dia de SPA. Estamos de babá.” "Quer dizer que eu sou a babá", Keiran estalou. Ele colocou Kennedy para baixo junto com sua mochila favorita das Tartarugas Ninja. Ken sem surpresa ignorou sua mochila provavelmente cheia de brinquedos e correu a toda velocidade em torno de minha mesa. Inclinei-me bem a tempo de pegála e levantá-la no ar. Seus gritos de alegria se provaram contagiantes quando senti o meu próprio sorriso despertar. "Cara, eu sou pai dela. Está implícito que eu estou sempre olhando por ela." "Tio Dash, mais alto!" Ken exigiu. "Você é né? Então como é que ela conseguiu obter esse sapo dentro do carro?" "Eu não sei. Você não estava olhando ela?” "Crianças!", eu interrompi e coloquei Ken em seus pés quando a veia na testa de Keiran fez a sua aparição. Fiquei feliz em ver algo do seu antigo relacionamento emendar-se. A cada dia, seu vínculo fraternal estava retornando, mas hoje não era um dia para eu estar no alto de minha paciência. Quando eu tinha os seus olhares idênticos, eu continuei. "Qual é a razão para esta visita?" "Nós dissemos. Estamos de babá. Shelly e Lake nos abandonaram com Ken para um tempo de meninas." Keenan fez beicinho. "E?" "Isso inclui você." Rangi os dentes. "O que me inclui?" "Ser babá. Nós pensamos que é justo que você compartilhe a sua carga." "Minha carga? É uma menina de três anos de idade."


Cada um deles olhou para mim como se eu estivesse em negação e eu tive que concordar. Kennedy poderia ser um punhado louco praticamente o tempo todo, mas eu não tenho tempo para acalmá-los. "Isso não é tudo", Keiran bufou. "Seu A-N-I-V-E-R-S-Á-R-I-O será daqui a duas semanas, tem que ajudar a planejar." Eu não pude evitar. Eu tive que rir de sua expressão impotente. Ninguém, quatro anos atrás, nunca teria imaginado jamais que alguém teria Keiran Masters pelas bolas, muito menos Lake Monroe, mas como se viu, a garota que ele passou toda a sua infância e adolescência torturando, estavam apertados em seu punho de ferro. O Karma é uma cadela que você nunca deve foder brutalmente. "Eu não sei por que você está rindo. A última coisa que disse foi para me certificar de que você vai ajudar." "Foda-se, eu estou realmente ocupado aqui. Tenho certeza que você vai conseguir sem mim." "Muito tarde. Já prometi a ela que todos nós vamos para o parque." "Sim! Parque!" Kennedy olhou para cima parando de cavar em sua mochila e gritou. "Tio Dash vem também?" Eu poderia ter matado os idiotas rindo. Como você recusa uma garota adorável de três anos de idade, tão bonita quanto ela? Você não recusa. E os idiotas sabiam disso. Ao invés de responder a ela porque eu não podia confiar em mim mesmo para manter a raiva e o agravamento da minha voz, eu virei meu olhar cheio de ira para os meus melhores amigos. "O parque significa ir de volta para casa. Vocês fizeram isso de propósito", eu disse, afirmando o óbvio. "Claro que nós fizemos", Keenan deu de ombros. "Agora deixe para trás tudo o que enfiou aquele pau no seu rabo e vamos lá."

***


Observei Ken tomar outro passeio no escorregador. Não importa quantas vezes ela deslizou, nunca parecia ficar cansativo. Devia ser os encargos da inocência que agora eram estranhos e fora do alcance para mim. Eu vivi isso e era apenas grato que Ken teria uma boa vida. Olhei para Keiran e Keenan, que a observavam com a mesma maravilha que eu, e sabia que ela tinha mais duas pessoas mais do que suficientes que guardariam o seu mundo para garantir isso. "Nós precisamos fazer algo sobre Esmeralda e encontrar quem diabos matou John." "Seu pai," eu soltei, ganhando seus olhares confusos. "Volte novamente?" "John era o seu pai." Eu olhei para Keiran para que ele soubesse que era para ele também. "Isso é fodido. Ele sabia disso e ele morreu esperando que vocês dois o perdoassem por seu próprio bem. Respeite a sua memória aceitando-o mesmo que ele não conseguisse estar para vocês, não importa o quão imperfeito que ele foi com isso." Eu balancei minha cabeça e pensei sobre o meu próprio pai. Nosso relacionamento era quase inexistente. Ele havia finalmente parado de interferir, mas com isso veio o fim da nossa relação como pai e filho. A pior parte foi que eu não lamentava a perda. "Nós só temos uma vida." Kennedy passou por cima, interrompendo a tensão que se seguiu. "Papai, eu vou balançar agora." Ela deslizou a mão minúscula em Keenan eu vi como ele agarrou-a como se à procura de força. Eu não estava preparado para a emoção em seus olhos quando ele virou o olhar para mim. "É claro, princesa." Keenan a levou para os balanços, deixando Keiran e eu no banco. Fixei meu olhar em frente, embora eu pudesse sentir o seu olhar em mim. "Eu sei tudo o que você está pensando e que você vai dizer. O que você está esperando?" Mais alguns segundos de silêncio tenso se passaram. "Por que você a deixou ir?”


Porra. Eu não estava esperando isso. Levei mais tempo do que o necessário para responder que não era grande coisa. "Isso importa? Ela se foi." "Ela nunca teria ido embora. Ela vai assombrá-lo para sempre, irmão." "Ela não está morta. Eu a deixei ir e ela foi embora." Eu ainda não tinha olhado para ele, mas eu o ouvi inalar e deixar tudo para fora um segundo depois. "E isso é o que está irritando você, não é?" Eu dei de ombros e parei minhas unhas de cavarem na minha coxa. "Quando eu percebi que eu amava Lake, eu soube," ele continuou. "Ela é tudo para mim. Ela é minha luz e meu ar e eu não sou nada sem ela. Ela me impediu de morrer e quando ela me impediu de morrer, ela se tornou minha existência... Assim como Willow se tornou a sua." Eu balancei a cabeça, negando a verdade. "Eu posso viver sem ela, cara." "E eu poderia viver sem Lake... se eu realmente quisesse... mas eu não quero." "Lake poderia fazer melhor sem você." Eu finalmente o encarei para avaliar sua reação e fiquei surpreso ao encontrar aceitação. "Eu nunca vou deixá-la. Eu disse que estava apaixonado. Eu nunca disse que não era egoísta." Ele olhou para longe e foi a primeira vez que vi tensão em seus ombros. "Eu provavelmente nunca vou ser bom o suficiente para ela." Ele fixou seu olhar frio e cinza em mim mais uma vez. "Mas isso não significa que eu nunca vou parar de tentar. Eu vou fazer o que puder para não deixá-la senti isso. Eu a quero feliz. Eu só preciso que ela esteja comigo." Sua curiosidade só me fez lembrar o vazio que eu sentia desde que eu a deixei ir embora de novo e com ele veio a minha frustração em pleno vigor. "O que você quer que eu faça?" Senti meu rosnado mais de que o ouvi. "Você quer que eu corra atrás dela, porra, e a peça para ficar comigo pela terceira vez?"


A risada de resposta de Keiran era vazia e sem humor. Estava escura e ameaçadora. "Não homem. Eu quero que você faça o que você já quer fazer. Ela já é sua." Seus olhos escureceram para piscinas negras. "Tome o que é seu." Lembrei-me do cartão que veio com o contrato de venda que o pai de Willow tinha enviado. Coloquei-o no bolso e conseguiu bloquear todo o resto o tempo suficiente para lê-lo. Sua carta acabou por ser mais do que uma nota. Chambers, Eu espero que você seja mais esperto do que você pensa que é. Você me fez perceber que o orgulho não deve ficar no caminho do bom senso. Com isso eu estou devolvendo o favor. Richard Simon


TRÊS MESES DEPOIS

Era o dia do meu casamento com Thomas. Dois meses depois que Dash se afastou, eu achei que foi bom que ele tinha me deixado com um pedaço dele. Quando Thomas propôs nos casarmos, eu não poderia responder imediatamente. Em vez disso, eu o convenci a me dar um mês para considerar o que realmente significa aceitar. Mas, nesse mês, eu não poderia trazer-me a pensar... mas eu esperei muito. Eu esperei e esperei, mas a resposta nunca veio então eu fiz a minha escolha sensata e aceitei sua proposta. Thomas era o filho de um dos conhecidos dos negócios do meu pai e, portanto, uma escolha perfeita para mim aos olhos do meu pai. Ele estava muito disposto a aceitar o bebê de outro, e, naquele momento, eu estava convencida de que ele sentia mais por mim do que amizade. Ele estava apaixonado por mim ainda que eu não compartilhasse seus sentimentos. Três anos atrás, tínhamos nos tornado grandes amigos e ele fez estar longe de todos suportável. Eu gostava muito dele, por isso, quando ele propôs depois de descobrir que eu estava grávida algo dentro de mim me convenceu a aceitar. Poderia ter sido porque eu estava emotiva, sozinha, e grávida do filho de um homem que me odiava. Ou... poderia ter sido porque eu me convenci de que eu poderia ser feliz com ele.


Daqui a dez anos, quando eu estiver comemorando meu décimo aniversário de casamento, isso não importará. Eu tinha apenas que aceitar a minha decisão três meses depois, apenas para descobrir no dia do meu casamento que o padre tinha caído doente com um vírus estomacal. Meus pensamentos estavam voando para todos os lados, e com toda a conversa sem sentido que me rodeava, eu não conseguia pensar direito. Então eu mandei todo mundo ir embora. Uma vez eu estava sozinha, eu me deixei cair na cadeira de marfim que combinava com o meu vestido e coloquei minha cabeça em cima da penteadeira. Seria isso um sinal de que eu estava cometendo o pior tipo de erro? O som da abertura da porta atrás de mim interrompeu minha batalha interna. "Sinto muito, mas eu preciso de um momento," eu disse para o intruso sem olhar. "Por favor, diga a todos que sairei dentro de em alguns momentos." "Você está linda meu anjo." Meu corpo inteiro veio à vida ao som da voz que eu me lembrava muito bem. Eu me virei para ver Dash de pé na porta vestindo um terno preto e segurando flores roxas na mão. "O-o que? Como?" "Eu tenho minhas fontes", afirmou presunçosamente. Deus, eu amo a sua arrogância. O que estou dizendo? "Eu só queria vir e desejar-lhe tudo de bom." Ele se aproximou e eu lutei contra a vontade de me afastar. Algo sobre a maneira como ele me perseguia era predatória. "Eu odiei como deixamos as coisas." "Eu não acho que seja uma boa ideia que você esteja aqui. Não está certo."


"Relaxe. Eu não vim para roubar a noiva." Ele riu. Meus olhos se estreitaram. Sua presença me fez desconfiar. "Não faça piada. Eu não sei como esse dia pode ficar pior." Eu agarrei meu estômago saliente e respirei fundo, sem saber, chamando a atenção de Dash para o meu estômago. Ele correu para frente e colocou a mão sobre a minha e meu coração pulou uma batida. Será que ele sabia? Como ele poderia não saber? "Shhh. Acalme-se. Você não quer machucar o bebê." Sua mão esfregou de leve, e por um momento, eu me esqueci e fechei os olhos, inclinando-me em seu toque. "A julgar por seus chutes, eu diria que ele vai ficar bem." "Ele?" "Oh. Uhhh, sim. Ele é um ele." Eu ri, mas parecia nervosa e desajeitada. Eu não sabia mais o que dizer. Eu estava com medo do que viria a seguir. Dash negaria seu filho? Será que ele se ressente por eu estar grávida quando ele não queria ter nada a ver comigo? "Eu vou ter um filho," ele sussurrou. Eu nunca tinha ouvido sua voz tão delicada. Foi um bálsamo curativo para os meus próprios medos. Meu cérebro deve ter realmente tomado uma pausa porque eu encontreime dizendo: "Eu tenho fotos... se você quiser. Elas estão na casa do meu pai, mas eu posso enviá-las após a lua de mel... bem, eu acho que vai ser mais cedo ou mais tarde." Seus olhos escureceram com uma emoção que eu não poderia colocar. "Não se preocupe. Eu cuidarei disso." "Eu sinto muito... Como? Não há nenhuma maneira que eu possa encontrar um padre em tão curto prazo." Eu exclamei em descrença. "Há sempre um caminho." Com isso, ele pegou seu telefone e se afastou. Fiquei olhando para ele e tentei não sentir nada. Eu nunca esperava que ele


fosse tão civilizado ou calmo sobre a gravidez depois que eu o mantive isso escondido durante cinco meses. Dez minutos depois, ele voltou com um sorriso largo. "Tenho boas notícias. Eu fui capaz de pedir alguns favores e encontrar um padre que pode estar aqui dentro de duas horas." "Você está falando sério?" Ele balançou a cabeça e tomou a minha pergunta como euforia quando na verdade eu estava desapontada e... ferida. Fiquei magoada que ele resolveu todos os problemas para me ver casada, enquanto eu estava me sentindo confusa sobre tudo. Ele pareceu notar minha hesitação e franziu a testa. "Porque essa cara? Você devia estar sorrindo. Você vai se casar com o homem que você realmente ama hoje e começar uma família com ele." Minha língua ficou completamente seca em minha boca e eu senti como se estivesse engasgado com o ar. "Por que você está fazendo isto comigo?" "Fazendo o que? Eu não entendo." A expressão dele me disse que ele realmente não sabia. "Por que você está dizendo essas coisas? Você deveria estar com raiva de mim, jogando coisas, amaldiçoando meu nome." "Por que eu faria isso, anjo?" Seus olhos imploraram-me para lhe dizer exatamente o porquê. "Porque você me ama," eu soltei. Eu esperava que ele negasse e me chamasse de louca dada a última vez que nós tínhamos visto um ao outro. Finalmente percebi quando eu o vi pela última vez que não tínhamos feito nada além de destruir um ao outro lentamente. "Eu amo. Muito." "Então, por quê?" "Porque eu te amo o suficiente para fazer o que tenho que fazer. Amá-la significa que é minha responsabilidade fazer você feliz. Eu finalmente percebi que você pertence ao homem que te faz feliz."


"Uau, isso é muito bom de você dizer." Seu olhar respondendo estava escuro e persistente, enviando arrepios pela minha espinha. "E o bebê?" "Se está tudo bem com você, eu gostaria de estar em sua vida. Eu não irei interferir com você e Thomas, mas eu quero saber sobre o meu filho." Eu balancei a cabeça e, finalmente, fiz a pergunta que tinha estado persistente desde que ele voltou. "Como você soube?" "Eu não sabia. Não até que eu entrei e vi você. Eu não posso esperar para conhecê-lo." Só então, o bebê chutou como se devolvendo o gesto. Sem pensar, peguei sua mão e coloquei-a de volta no meu estômago, onde ele chutou. Depois de alguns segundos, ele chutou novamente e meu maior desejo era ter uma câmera para que eu pudesse capturar o olhar de espanto no rosto de seu pai. "Eu acho que ele gosta de mim." Seu sorriso era de menino trazendo suas covinhas de volta. "Sim…" "Talvez até mais do que de você." "Ei, eu estou levando ele. Ele nunca vai amar ninguém mais do que a mim", eu brinquei presunçosamente. "Eu posso lidar com isso." Ele baixou a mão e deu um passo atrás. "Eu acho que vou vê-la em duas horas." E assim, ele se foi. Duas horas mais tarde, eu estava andando pelo corredor. O casamento estava em andamento e me agarrei ao meu pai. Minha mente não estava no homem que ia ser meu marido, na música, ou nos convidados. Minha mente estava fixada em colocar um passo à frente do outro e no meu coração... Bem, meu coração estava em outro lugar assistindo. Eu não precisava vê-lo, porque eu o sentia. Ele estava perto e ele estava assistindo.


Eu por acaso olhei para trás. Dash ficou no corredor externo entre a primeira e a segunda fileira, queimando um buraco através de mim com seu olhar. Eu segui para o altar e fiquei onde me foi dito e falei quando fui solicitada. Recitei os meus votos de memória em vez de falar com o coração. Thomas também parecia estar atravessando os movimentos só que ele parecia um pouco mais satisfeito do que eu. Não demorou muito antes que nós fossemos anunciados como marido e mulher. Nós nos beijamos, mas eu não senti e contei os segundos até que tudo estava acabado. Virei-me com Thomas para enfrentar os convidados e uma alegria alta subiu no ar. Eu olhei por acaso do outro, para onde Dash tinha estado em pé só que ele não estava mais lá. Eu não me sentia mais forte, porque ele levou a minha força com ele. Quando chegou a hora para caminhar para o altar, eu chorei. Eu não me incomodei em esconder minhas lágrimas, porque os convidados as confundiriam com lágrimas de alegria. Eu olhei para frente e me recusei a fazer contato visual com alguém. As grandes portas de madeira se abriram para a rua e a luz do sol entrou radiante, prejudicando temporariamente minha visão. Quando meus olhos finalmente se ajustaram com a luz do sol, eu fui trazida a uma parada chocante. Dash estava na parte inferior das escadas com uma expressão feroz. Suas mãos estavam enfiadas nos bolsos, mas eu poderia dizer que elas estavam cerradas. Atrás dele estava a limusine que a minha sogra insistiu para termos... com Keiran e Keenan sentados em cima do carro, como se estivessem o protegendo de alguém ficando perto dele e parecendo muito presunçosos. Lake e Sheldon com Kennedy em seus braços levantam para o lado tentando o seu melhor para parecerem inocentes. Eu queria gritar e exigir uma resposta, mas o pai de Thomas me batia com um soco leve.


"O que diabos está acontecendo? Você não tem respeito?" A saliva voou para fora de sua boca e seu rosto ficou vermelho e roxo. "Se acalme, velho", Keenan chamou. Eu me afastei de Thomas, porque eu não podia suportar tê-lo me tocando com Dash observando tão atentamente. Agarrei-me ao trilho e fiz meu caminho descendo os degraus para ficar na frente dele. "O que está acontecendo?" Eu sussurrei. "Eu não vim até aqui para fazer o que eu vim fazer e ficar de mãos vazias." "O que é?" "Você." "Eu?" "Eu vim para você e eu não vou embora sem você." "Não", eu protestei. "Você não vai fazer isso." "Eu já estou fazendo." "E sobre todas as coisas que você disse sobre deixar-me ser feliz e me casar com o homem que me ama?" "E eu quis dizer isso. O único que vai fazer você feliz sou eu." "Você esqueceu que eu só estou casada não há nem cinco minutos?" "Você casou?" "Você estava na cerimônia, caralho." Um sorriso ameaçou aparecer nos seus lábios e eu sabia que ele estava rindo da minha maldição. Eu só amaldiçoou quando estou irritada e quando eu estava irritada, tesão geralmente vinha a seguir. "Oh, certo. Padre Casey não é um padre depois de tudo. Oops." "Volte novamente?" "Ele é um aspirante a ator." "Seu filho da p..."


Ele gentilmente segurou a parte de trás da minha cabeça como um aviso antes que eu pudesse terminar a frase. "Você não o queria." "Você não sabe disso." "Não importa. Você realmente acha que eu iria deixá-la se casar com ele enquanto você carrega meu filho, ou de qualquer jeito?" "Você não pode fazer isso." "Eu já fiz", ele declarou com autoridade. "O que está acontecendo aqui? Diga cara, e por favor, retire suas mãos da minha esposa." Os olhos de Dash passaram de mim para Thomas, escurecendo a cada segundo.


Eu não podia acreditar que me levou tanto tempo para vir atrás dela. Cinco meses e não em um momento mais cedo, aparentemente. Ela tinha estado realmente pronta para se casar com outro homem com o meu filho dentro dela. Se ela não estivesse grávida, eu teria certamente a estrangulado. Finalmente percebi que Willow estava propensa a tomar decisões fodidas quando ela tinha boas intenções, e este era o problema. Eu nunca teria sequer sabido se Keenan não tivesse ouvido Sheldon no telefone com Lake discutindo como poderiam convencê-la a desistir. Eu nem sabia que elas mantiveram contato, mas eu não estava surpreso. Aquelas três pareciam poder se recuperar de qualquer coisa, como se nunca tivesse acontecido. E eu? Agarrei-me ao meu ressentimento para me aquecer durante a noite até que eu não aguentei mais. Eu panejei como convencê-la a voltar para mim, mas nunca nada parecia bom o suficiente. Keiran me deu a ideia de simplesmente tirá-la da mão daquele idiota se eu tivesse que fazer isso. Embora a ideia me atraísse, a chance de foder com ela e puni-la me atraiu ainda mais. Então eu apareci e fingi estar bem com tudo o tempo todo planejando o fim de seu casamento. Começando com seu Padre original. Acontece que os padres podiam ser subornados depois de tudo. A trama teve pouco esforço.


Vê-la novamente me estimulou a ir até o fim. Foi vê-la andar pelo corredor e para o falso casamento com aquele idiota que quase acabou comigo. Quando foi a hora para o beijo, eu caí fora de lá, ignorando os olhares de reprovação dos outros convidados. Foi melhor assim, porque se tivesse ficado, eu não teria sido capaz de conter-me em despedaçar seu rosto. Eu a teria jogado por cima do meu ombro e a levaria, mas teria sido impossível. O corpo dela ostentava o meu filho. Meu filho. Droga. Esperei por ela fora da igreja com Keiran e Keenan para me apoiar, se as coisas ficassem fora de controle. Eu não ia deixa-la e levaria todos que estivessem no meu caminho, incluindo o meu anjo. As portas finalmente se abriram com fanfarra e flores jogadas. Eu lutei para não revirar os olhos. Eu estava com ciúmes e não tinha vergonha de admitir isso. Eles podem não ter sido legalmente casados, mas o animal dentro de mim não dava a mínima. Ver para crer. No segundo que seus olhos se conectaram com os meus, eu sabia que tinha feito a escolha certa. Ela não sabia, mas sua alma tinha estado chamando a minha, trazendo-nos juntos neste momento. Eu sabia que ela sentia isso. Eu só tinha que passar por toda a burocracia em primeiro lugar. Ela finalmente se afastou dele e se aproximou de mim, embora hesitante. Ela sabia que algo estava acontecendo quando viu Keiran e Keenan atrás de mim. Esses tolos tinha assustado o motorista fora e, em seguida, passaram a ficar em cima do carro. Era uma maravilha que ninguém tivesse percebido mais cedo que eles eram irmãos. Eram dois lados da mesma moeda de loucura.


"O que está acontecendo?", ela sussurrou. Então, novamente, talvez ela não estivesse sussurrando. O pai do diabo do noivo estava gritando obscenidades em torno de nós. "Eu não vim até aqui para não fazer o que eu vim fazer e ficar de mãos vazias." Eu podia jurar que ouviu seu coração saltar uma batida. Ela parecia quase aliviada. "O que é?" "Você." "Eu?" "Eu vim para levar você e eu não vou embora sem você..." E é melhor acreditar que não, porra. Depois de ouvir o seu protesto sobre certo e errado e blá blá blá, ela encostou a cabeça no meu peito e gritou: "Por que você demorou tanto?"


Dash tinha me arrastou do casamento, não dando-me qualquer momento para mudar minha mente. Não que eu teria feito isso. Ele também não perdeu tempo trazendo-me de volta para casa também. Eu nem fui autorizada a parar para apanhar os meus pertences. Ele simplesmente me disse para pedir para meu pai enviá-los e se ele não fizesse, Dash iria substituir tudo. Demorou algum tempo, mas eu finalmente o convenci a deixar-me ligar e pedir desculpas a Thomas. Eu estava totalmente esperando perder um amigo, mas ele foi mais do que compreensivo e revelou que seu pai o tinha encurralado para propor o casamento e mesmo em aceitar o bebê. Ele me contou como ele estaria sempre lá para mim, mas ele não estava pronto para ser um pai e tinha estado realmente aterrorizado. Ao final da conversa, eu desliguei sentindo como se tudo estivesse certo no mundo. Meu pai também foi surpreendentemente fácil. Ele deu ao incidente não mais do que um reconhecimento superficial e simplesmente declarou: "Contanto que você esteja feliz." "Dasher?" Eu chamei sonolenta. Tínhamos acabado de fazer amor. Ele tinha usado a nós dois e agora me segurava firme enquanto preguiçosamente acariciava a minha barriga saliente. "Sim, baby?" "Por que você me chama de 'anjo'?"


Ele ficou em silêncio por muito tempo então eu comecei a pensar que a minha pergunta simples não era tão simples. "Lembra quando eu disse que eu não me lembrava de você?" "Sim?" "Bem, depois eu lembrei. Eu não sei como ou por que, mas lembrei-me da peça de Natal realizada na nossa escola quando estávamos na quinta série. Seu cabelo era tão estranho no traje branco de anjo. Eu não vejo como eu poderia esquecer." "Uau! Sério? É isso?" "Muito bonita." "Hmmm." "Você está desapontada?" "Eu só acho que se alguma vez nos casarmos e alguém nos perguntar a história por trás disso no nosso aniversário de casamento, deve ter algo mais profundo para dizer." "Veja, aí é onde você está errada. Não há se. Nós vamos. Você está grávida. Você me ama. Está feito. A forma como eu vejo, tudo que eu preciso são papéis e você para que você nunca vá se esquecer." Eu senti o braço apertado em volta do meu corpo e senti sua respiração fazer cócegas em meu pescoço onde eu era mais sensível. "Eu não vou deixar você fugir de mim novamente, Willow." Fiz o meu melhor para esconder a minha surpresa. Seu uso do meu nome me diz apenas uma coisa, que ele estava falando completamente sério. Como é que eu o tranquilizaria que fugir não era mais uma opção para mim quando desistir era tudo o que eu tinha feito para nós no passado? Ele tinha feito muito para quebrar meu coração, mas eu não podia mais negar meu papel em quebrar o amor que criamos naquele verão. "Então, o que fazemos agora?"


O senti se mover até que toda a sua parte superior do corpo pairava sobre a minha. Ele olhou nos meus olhos e segurei-o com meu olhar. "Você promete me amar e nunca me deixar novamente." "E você?" "Eu prometo prender você na minha cama se você tentar." Eu bati meus cílios dramaticamente. "Você diz as coisas mais românticas." Em vez de responder, ele espalhou minhas pernas, cuidadosamente para não descansar seu peso sobre mim. Eu estava respondendo há ele muito antes que ele me tocasse. "Só você pode fazer essa loucura anjo." Ele entrou em mim com um movimento lento, suave, obrigando-me a sentir cada polegada de espessura dele. "Nunca esqueça isso." Sem fôlego, eu sussurrei, "Eu nunca vou esquecer."


UM MÊS DEPOIS Senti a necessidade de todos estarem juntos naquele dia então pedimos pizza e asas e fizemos uma noite de cinema, mas isso logo se transformou em uma reunião de estratégia para a sobrevivência. "Nós ainda não sabemos quem raptou Kennedy e matou John.” "Do que você está falando? Esse trabalho foi louco. Desculpe Di." "Não." Quando Keenan voltou sua atenção para longe, ela jogou uma asa de frango e bateu-lhe na cabeça. "Não foi Esmeralda. Quando fomos levados, eu questionei ela sobre isso. Se ela não iria aproveitar a oportunidade para se gabar de duas pessoas que ela estava prestes a matar, então ela não poderia ter feito isso. Ela só disse que ela desejava que ela tivesse feito porque então Kennedy não estaria viva, e eu estaria sofrendo muito mais do que a dor física antes de eu morrer." "Droga", Keenan murmurou. Ele se virou para Di e disse: "Meu erro, Di. Sua mãe é uma super trabalhadora louca, louca." Ela virou para ele e se inclinou para frente. "Portanto, ainda temos um grande problema em nossas mãos." "Porra! Eu preciso de respostas agora.” Só então a porta se abriu e o que parecia ser toda a força policial entrou correndo, gritando para todo mundo descer. Todo mundo colocou as mãos para cima e assumiu que eles estavam lá por causa de Keiran, mas foi o choque de nossas vidas quando a polícia contornou-o e colocou algemas no amor de sua vida.


"Lake Monroe, você é procurada para interrogatório sobre o assassinato de Mitchell Masters. Você tem o direito de permanecer em silêncio…"


Quando confrontados com amor quebrado você vai sucumbir ao medo ou você será DESTEMIDO.

Broken Love # 05 FEARLESS Tome um último passeio com Keiran e Lake e o resto da gangue Broken Love nesta quinta e última parte, quando eles enfrentam inimigos mais fortes e os maiores obstáculos, tudo enquanto lutam para manter apertado a existência esfarrapada de seu amor. Em 2016 Vire a página para um teaser...

B b reid série broken love livro 04 breaking love  
B b reid série broken love livro 04 breaking love  
Advertisement