__MAIN_TEXT__

Page 1

SENAI GOIÁS

MÉRITO INDUSTRIAL

ENTREVISTA

ÍNDICE DE APROVAÇÃO DO PROGRAMA PARA ESTAGIÁRIOS ATINGE 95%

TAXA DE OCUPAÇÃO DE EX-ALUNOS NO MERCADO DE TRABALHO CHEGA A 80%

A HOMENAGEM DA FIEG A LÍDERES DO MUNDO POLÍTICO E ECONÔMICO

Um caminho para enfrentar os grandes desafios colocados diante das cidades inclui a participação das comunidades na definição de planejamento de longo prazo, que assegure qualidade de vida de forma duradoura à população, defende Raphael ChuaTeck Lee, diretor da Jurong Consultants

ANO 61 / Nº 258 / JUNHO 2014

IEL GOIÁS

REVISTA DO SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE GOIÁS

UMA COPA ” MENO$ OU “MAI$ FALTARAM PLANEJAMENTO E GESTÃO, SOBRARAM ATRASOS EM OBRAS ESSENCIAIS, QUE PRECISAM SER CONCLUÍDAS COM OU SEM COPA DO MUNDO. NO BALANÇO FINAL, HAVERÁ AVANÇOS EM ÁREAS IMPORTANTES, OFUSCADOS POR DESPERDÍCIOS E SUSPEITAS DE SUPERFATURAMENTO


o jeito certo de encontrar os melhores estagiários para sua empresa. o estágio iel tem os talentos que você precisa.

#euproativo

#eucriativo

#eucomprometido

#euengenheiro

#euarticulado

o é importante ter estagiários Você, empresário, sabe mais do que ninguém o quant que o IEL mais valoriza. com uma boa bagagem e experiência de vida. E é isso na formação de talentos para O Programa de Estágio IEL é diferente, contribui de trabalho. do as empresas, aproximando os estudantes do merca que sua empresa precisa. Com o Estágio IEL, você encontra estagiários do jeito Conte com todo apoio e experiência do IEL. • Em atuação por todo o Brasil, há mais de 40 anos ano • Mais de 150 mil estagiários nas empresas por • Seleciona, capacita e oferece segurança legal • Oferece treinamento com qualidade • Encontra novos talentos para sua empresa • Estimula a formação de líderes empresariais • Acompanha o desempenho do estagiário iel. o estágio do seu jeito.

Acesse: www.sitedoestagio.com.br


ARTIGO

SÓ O TEMPO DIRÁ

S

ó o tempo dirá se valeu a pena, se foi um bom negócio para o Brasil gastar bilhões de reais em arenas esportivas para sediar o torneio máximo do futebol mundial, muito mais caras do que nos estádios construídos em outros países, em edições mais recentes da Copa do Mundo. O que indicam as pesquisas? Qual a conclusão dos estudos? O que pensam os empresários? Como são as projeções para o futuro? Haverá impactos na economia brasileira? Mesmo incompletos, os investimentos realizados e a serem concluídos após a Copa deverão deixar marca em nossa economia. Variando conforme a fonte dos cálculos e o período considerado, os gastos com o evento e o fluxo de turistas, as projeções divulgadas nos últimos meses sugerem acréscimos de até pouco mais de 2% sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do País, com vantagem para as cidades-sede, mas efeitos em cadeia para todos. Eis o tema da principal matéria desta edição da Goiás Industrial. É evidente que, a princípio, supunha-se que o País não tivesse condições de patrocinar empreendimento de tamanha envergadura, devido à natural indisponibilidade de recursos próprios para investimentos dentro de casa, em obras de infraestrutura – rodovias, portos, aeroportos e energia, de saúde, educação, segurança e mobilidade. Entretanto, nos últimos anos, assistimos ao Brasil investindo no exterior, surpreendentemente demonstrando fartura no caixa. Assim, mais gastos astronômicos com a Copa do Mundo não pareciam motivo de maiores preocupações se grande parte de suas obras, principalmente as complementares como aeroportos e

NOSSO ESPÍRITO DE BRASILIDADE, DE DESASSOMBRADO AMOR AO BRASIL, NOS FAZ TORCER PARA QUE TUDO DÊ CERTO E NOSSA SELEÇÃO CONQUISTE O TÃO AMBICIONADO TÍTULO DE HEXACAMPEÃO MUNDIAL” PEDRO ALVES DE OLIVEIRA, presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás

vias de acesso, não estivesse em atraso, indicando mau planejamento e a necessidade de melhoria de gestão do poder público. Como brasileiros, devemos oferecer nossa contribuição, independente de política partidária, para que o lado positivo se sobreponha ao negativo, em todos os sentidos. Se no aspecto econômico já somos celeiro e ícone no concerto das nações, que nos destaquemos também por hospitalidade, respeito e consideração aos milhares de turistas estrangeiros que chegam para acompanhar de perto o que há de mais espetacular no futebol. Os olhos dos cinco continentes estão focados no Brasil e não podemos perder esta oportunidade, jamais decepcionando os que nos contemplam com tamanha expectativa, esperando ver aqui também a tranquilidade e a segurança que anseiam, inclusive para a realização de investimentos e negócios. A imagem que nossos visitantes levarão do País é aquela que cada um de nós lhe passarmos. Portanto, conclamamos que cada um faça sua parte. Brasil! Brasil! Brasil!

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

3


SISTEMA INDÚSTRIA Diretores

SISTEMA FIEG Federação das Indústrias do Estado de Goiás Presidente: Pedro Alves de Oliveira FIEG REGIONAL ANÁPOLIS Presidente: Wilson de Oliveira Av. Engº Roberto Mange, nº 239-A, Bairro Jundiaí, CEP 75113-630, Anápolis-GO Fone/Fax (62) 3324-5768 / 3311-5565 E-mail: fieg.regional@sistemafieg.org.br SESI Serviço Social da Indústria Diretor Regional: Pedro Alves de Oliveira Superintendente: Paulo Vargas SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Diretor Regional: Paulo Vargas IEL Instituto Euvaldo Lodi Diretor: Hélio Naves Superintendente: Humberto Oliveira ICQ BRASIL Instituto de Certificação Qualidade Brasil Diretor: Justo O. D’Abreu Cordeiro Superintendente: Dayana Costa Freitas Brito

Segundo Braoios Martinez Sandro Marques Scodro Orizomar Araújo Siqueira Ubiratan da Silva Lopes Manoel Paulino Barbosa Robson Peixoto Braga Roberto Elias de L. Fernandes José Luis Martin Abuli Álvaro Otávio Dantas Maia Eurípedes Felizardo Nunes Jair Rizzi Henrique W. Morg de Andrade Eduardo Gonçalves Leopoldo Moreira Neto Flávio Paiva Ferrari Luiz Gonzaga de Almeida Luiz Ledra Daniel Viana Osvaldo Ribeiro de Abreu Elvis Roberson Pinto Eduardo José de Farias Valdenício Rodrigues de Andrade Ailton Aires de Mesquita Hermínio Ometto Neto Carlos Alberto Vieira Soares Jerry Alexandre de Oliveira Paula Josélio Vitor da Paixão Jaime Canedo Conselho Fiscal Justo O. D’Abreu Cordeiro Laerte Simão Mário Drummownd Diniz Conselho de Representantes junto à CNI Paulo Afonso Ferreira Sandro Antônio Scodro Conselho de Representantes junto à Fieg

DIRETORIA DA FIEG Presidente Pedro Alves de Oliveira 1º Vice-Presidente Wilson de Oliveira 2º Vice-Presidente Eduardo Cunha Zuppani 3º Vice-Presidente Antônio de Sousa Almeida 1º Secretário Marley Antônio da Rocha 2º Secretário Ivan da Glória Teixeira 1º Tesoureiro André Luiz Baptista Lins Rocha 2º Tesoureiro Hélio Naves

4

Abílio Pereira Soares Júnior Ailton Aires Mesquita Alexandre Baldy de Sant’anna Braga Annanias Justino Jayme Álvaro Otávio Dantas Maia Antônio Alves de Deus Carlos Alberto de Paula Moura Júnior Carlos Alberto Vieira Soares Carlos Roberto Viana Célio Eustáquio de Moura Cyro Miranda Gifford Júnior Daniel Viana Domingos Sávio G. de Oliveira Edilson Borges de Sousa Eduardo Cunha Zuppani Eliton Rodrigues Fernandes Elvis Roberson Pinto Emílio Carlos Bittar Eurípedes Felizardo Nunes Fábio Rassi Flávio Paiva Ferrari Flávio Santana Rassi Francisco Gonzaga Pontes Gilberto Martins da Costa Hélio Naves

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

Henrique Wilhem Morg de Andrade Heribaldo Egídio Hermínio Ometto Neto Jaime Canedo Jair Rizzi Jercy Teixeira de Carvalho Júnior João Essado Joaquim Cordeiro de Lima José Alves Pereira José Antônio Vitti José Luiz Martin Abuli José Romualdo Maranhão José Vieira Gomide Júnior Laerte Simão Leopoldo Moreira Neto Luiz Antônio Vessani Luiz Gonzaga de Almeida Luiz Ledra Luiz Rézio Manoel Silvestre Álvares da Silva Marley Antônio Rocha Nilton Pinheiro de Melo Olympio José Abrão Orizomar Araújo de Siqueira Paulo Sérgio de Carvalho Castro Pedro Alves de Oliveira Pedro de Souza Cunha Júnior Pedro Paulo Tavares Costa Pedro Silvério Pereira Plínio Boechat Lopes Ricardo Araújo Moura Roberto Elias de Lima Fernandes Robson Peixoto Braga Sandro Antônio Scodro Mabel Sávio Cruvinel Câmara Segundo Braoios Martinez Sílvio Inácio da Silva Ubiratan da Silva Lopes Valdenício Rodrigues de Andrade Wellington Soares Carrijo Wilson de Oliveira

Conselho Temático de Política Fiscal e Tributária Presidente Eduardo Zuppani Vice-Presidente José Nivaldo de Oliveira

CONSELHOS TEMÁTICOS

Conselho Temático de Desenvolvimento Urbano Presidente: Ilézio Inácio Ferreira Vice-Presidente: Roberto Elias Fernandes

Conselho Temático de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Presidente Melchíades da Cunha Neto Vice-Presidente Ivan da Glória Teixeira Conselho Temático de Meio Ambiente Presidente Henrique W. Morg de Andrade Vice-Presidente Aurelino Antônio dos Santos Conselho Temático de Infraestrutura Presidente Célio de Oliveira Vice-Presidente Álvaro Otávio Dantas Maia

Conselho Temático de Relações do Trabalho Presidente Sílvio Inácio da Silva Vice-Presidente Marduk Duarte Conselho Temático de Micro e Pequena Empresa Presidente Leopoldo Moreira Neto Vice-Presidente Carlos Alberto Vieira Soares Conselho Temático de Responsabilidade Social Presidente Antônio de Sousa Almeida Vice-Presidente Rosana Gedda Carneiro Conselho Temático de Agronegócios Presidente André Lavor Pagels Barbosa Vice-Presidente Annanias Justino Jayme Conselho Temático de Comércio Exterior e Negócios Internacionais Presidente Emílio Bittar Vice-Presidente José Carlos de Souza Conselho Temático Fieg Jovem Presidente Leandro Almeida Vice-Presidente Agripino Gomes de Souza Júnior

Rede Metrológica Goiás Presidente Marçal Henrique Soares Câmara Setorial de Mineração Presidente (licenciado) José Antônio Vitti Vice-Presidente Luiz Antônio Vessani Câmara Setorial da Indústria da Construção Presidente Sarkis Nabi Curi Vice-Presidente Gilberto Martins da Costa


LINHA DIRETA

Norte-Sul, enfim os trilhos

Federação Revista do Sistema Estado de Goiås das Indústrias do

Ano 61 # 252 Junho 2013

IEL GOIĂ S

PROGRA AI GOIĂ S TALENT MA INOVA SESI GOIĂ OS PARCER ESTIMU BUSCA S IA EQUIPAM GERA ROB LAR A INOVAÇ Ă“TIC INOVAD ENTO ĂƒO DESPER A OR TA PAR MAIS BAR E Ă REAS A ATO CAR DE MĂƒO ENTES DE OBR A

/ MAIO

2014

SEN

ENTR EVIS TA “O Cons elho tentativa Mundial da Ă gua de hĂ­drica globa implementação estĂĄ firme na divul aquele organ lâ€?, afirma Bene de um pacto pela gação e na dito Brag segurança importânc ismo. A prop a, o brasi osta socioecon ia central da ĂĄgua implica no reconleiro que preside Ă´mico, a para o desen hecimento saĂşde e da sobrevivĂŞn volvimento cia dos povo s.

/ NÂş 257 ANO 61

C

om a reportagem De volta aos trilhos, assinada pelo editor Lauro Veiga Filho, a edição anterior da Goiås Industrial, que circulou no início de maio, se antecedeu ao noticiårio da imprensa sobre o início das operaçþes da Ferrovia Norte-Sul, inaugurada dia 22 daquele mês. Uma data histórica e alvissareira para a economia goiana e para a indústria, sobretudo, pelo esperado impacto na redução do custo de transportes da produção. Em meio à demora de quase três dÊcadas, a conclusão da obra sempre foi bandeira da Fieg, que desenvolveu uma verdadeira campanha pró-ferrovia, inclusive pelas påginas da Goiås Industrial. Um exemplo, a reportagem O desastre anunciado, na edição 252, de junho do ano passado, cobrava urgência.

ADO RE ANUNCI O DESAST o consomem quase tar e exportar a produçã receitas

REVI STA

DO SIST EMA FEDE RAÇ

ĂƒO DAS INDĂš STRI

AS DO ESTA DO

DE GOIĂ S

Custos para transpor adamente 13% das ano e detonam aproxim na promessa R$ 200 bilhĂľes por Norte-Sul ficou apenas da indĂşstria. E a Ferrovia

ď Ľď Źď Żď€ ď ­ď Ľď Žď Żď łď€ ď€ľď€Ľď€  ď ˛ď€ ď Šď Žď śď Ľď łď ´ď Šď ­ď Ľď Žď ´ď Żď łď€ ď ¤ď Ľď€ ď °ď€Źď€ ď Łď Żď ­ď€ ď °ď ˛ď Šď Żď ˛ď Šď ¤ď Ąď ¤ď Ľď€  ENTREVISTA ď ´ď ľď ˛ď Ąď€ ď ¤ď Ľď śď Ľď ˛ď Šď Ąď€ ď ˛ď Ľď Łď Ľď ˘ď Ľ ď ąď ľď Ąď Źď Šď ¤ď Ąď ¤ď Ľ ď ?ď€ ď łď Ľď ´ď Żď ˛ď€ ď ¤ď Ľď€ ď Šď Žď Śď ˛ď Ąď Ľď łď ´ď ˛ď ľď€ ď Ąď Źď Łď Ąď Žďƒ§ď Ąď ˛ď€ ď °ď Ąď ¤ď ˛ďƒľď Ľď łď€ ď ­ďƒ­ď Žď Šď ­ď Żď łď€ ď ¤ď Ľď€  ĂŞUPD:DJQHU&DUGRVRGD&1, ď ¤ď Żď€ ď ?ď ‰ď ‚ď€ ď °ď Żď ˛ď€ ď Ąď Žď Żď€ ď °ď Ąď ˛ď Ą OXVÂŁRGD)HUURYLD1RUWH6XOD HVSHFLDOSDUDDFRQF PolĂ­tica econĂ´mica ď …ď Žď ”ď ‰ď –ď ?ď “ ď ?ď€ ď –ď ď Œď ?ď ’ď€ ď „ď ?ď “ď€ ď ‰ď Žď ƒ ď ď „ď •ď ď Œ ď Žď ď€ ď …ď ƒď ?ď Žď ?ď ?ď ‰ď ď€ ď …ď “ď ”

Senai GoiĂĄs ď€ ď ď •ď ?ď …ď Žď ”ď ď ďƒ‡ďƒƒď ? ď ”ďƒ‰ď ƒď Žď ‰ď ƒď ď€ ď ‰ď Žďƒ‰ď „ď ‰ď ”ď ď ď ?ď ‰ď Žď …ď ’ ď ?ď ’ď ?ď „ď •ď ”ď ‰ď –ď ‰ď „ď ď „ď …ď€ ď Ž

DE VOLTA

TRILHOASOS

QUANDO FERRO ENTRAR EFE VIA NO TIVAM ENTE EM RTE-SU NOVO CICLO L DE CRE TENDE A EST OPERAĂ‡ĂƒO CRIAN ,A SCI IMULAR DO AS CONDIÇÕ MENTO ECO O INĂ?C NĂ” IO ES PAR A SALTO MICO PARA O DE EST DE COMP ETITIV ADO, IDADE

Dehovan Lima

„„ Alunos do Senai Goiås com Dilma Rousseff e

o presidente da Fieg, Pedro Alves, no Planalto

Dilma recebe alunos do Senai A presidente Dilma Rousseff recebeu dia 27 de maio, no PalĂĄcio do Planalto, os competidores brasileiros,

entre eles três goianos, da terceira edição do WorldSkills AmÊricas, torneio interamericano de profissþes tÊcnicas realizado em Bogotå, na Colômbia, entre 1º e 6 de abril. Gabriel de Castro Freitas, Paulo Henrique Castro, da Escola Senai Vila Canaã, de Goiânia, e Selimar Dias dos Santos, da Faculdade de Tecnologia Senai Roberto Mange, de Anåpolis, conquistaram medalhas de ouro nas ocupaçþes de desenho assistido por computador, design gråfico e marcenaria, respectivamente.

“

A educação nunca estå em primeiro lugar, nem mesmo nos discursos dos candidatos a cargos políticos.� GILBERTO DIMENSTEIN, jornalista, em palestra no 2º Fórum de Educação promovido pelo Sesi e Senai, dia 19 de maio, em Goiânia

EXPEDIENTE

REVISTA DO SISTEMA FEDER AĂ‡ĂƒO DAS INDĂšSTRIAS DO ESTADO DE GOIĂ S

Direção JosÊ Eduardo de Andrade Neto

JĂĄvier Godinho, Nathalya Toaliari e Janaina Staciarini e CorrĂŞa

Coordenação de jornalismo Geraldo Neto

Colaboração Welington da Silva Vieira

Edição Lauro Veiga Filho e Dehovan Lima

Fotografia SĂ­lvio SimĂľes, Alex Malheiros e SĂŠrgio AraĂşjo

Reportagem Andelaide Pereira, CĂŠlia Oliveira, Daniela Ribeiro, Edilaine Pazini,

Projeto grĂĄfico Jorge Del Bianco

Prêmio Sebrae O Sebrae Goiås divulgou, dia 30 de maio, a lista dos vencedores estaduais da 6ª edição do Prêmio Sebrae de Jornalismo, que reconhece as melhores matÊrias veiculadas na imprensa brasileira sobre os pequenos negócios. Nesta etapa, Fernando Dantas (O Popular) ganhou na categoria Jornalismo Impresso; Gil Bomfim, Bruna Mastrella e Fausto Marciano (RBC), em Radiojornalismo; Handerson Pancieri (TV Anhanguera), em Telejornalismo; AndrÊ Oliveira (Site Goiås Agora), em Webjornalismo; e Adevania Silveira dos Santos e Edgard Soares (Revista The Book), em Fotojornalismo. O editor da Goiås Industrial Dehovan Lima integrou a comissão julgadora.

Capa, ilustraçþes, diagramação e produção Jorge Del Bianco DC Design Gråfico e Comunicação Impressão Gråfica Kelps Departamento Comercial AndrÊ Lavor (9152-5578)

Redação e correspondência Av. Araguaia, nº 1.544,Ed. Albano Franco, Casa da Indústria - Vila Nova CEP 74645-070 - Goiânia-GO Fone (62) 3219-1300 - Fax (62) 3229-2975 Home page: www.sistemafieg.org.br E-mail: fieg@sistemafieg.org.br As opiniþes contidas em artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista

GOIĂ S INDUSTRIAL // Junho 2014 //

5


ÍNDICE ENTREVISTA

08 / A sustentabilidade deve ser entendida como um período tão longo quanto possível de prosperidade, que assegure à população qualidade de vida e bons empregos de forma duradoura, afirma Raphael Chua Teck Lee, diretor da Jurong Consultants, empresa que desenhou e implantou o projeto de reestruturação de Cingapura, transformando-a em um dos Tigres Asiáticos

REVISTA DO SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE GOIÁS

ARTIGO

54 / O presidente da Associação Brasileira das Empresas Geradoras de Energia Elétrica (Abrage), Flávio Antônio Neiva, defende o uso dos recursos hídricos do País para a geração de eletricidade, com emprego de reservatórios para fazer a gestão da água MÉRITO INDUSTRIAL

34 / A mais elevada condecoração da indústria goiana foi entregue pela Fieg a nove personalidades que contribuem para o desenvolvimento do Estado

PLANEJAMENTO URBANO

12 / Fieg cria seu Conselho Temático de Desenvolvimento Urbano (Condur) para sugerir políticas capazes de aperfeiçoar o planejamento da cidade MÓVEIS

44 / Atendendo a um pedido do setor, foi desenvolvido um módulo específico dentro do Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias (Procompi) para modernizar e reforçar a política de comunicação das indústrias moveleiras com o mercado

COSMÉTICOS ALIMENTAÇÃO

42 / A indústria de produtos

37 / Convênio firmado em maio entre o Ministério da

de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos cresce, em média, perto de 10% ao ano e literalmente desconhece crises. No ano passado, a evolução deve ter girado em torno de 10% a 12%, estima Jaime Canedo, presidente do Sindicato das Indústrias Químicas de Goiás (Sindquímica), com faturamento próximo a US$ 2,19 bilhões apenas em Goiás

Pesca e Aquicultura (MPA) e o Conselho Nacional do Sesi (Sesi/CN) propõe ações para difundir e ampliar o consumo de pescado no País, com novas propostas de cardápios e receitas inovadoras, aproveitando a experiência do Programa Cozinha Brasil. O Senai Goiás vai executar a experiência em nível nacional COMÉRCIO EXTERIOR

40 / Com preços competitivos e produtos de qualidade, mesmo pequenas e médias empresas poderão brigar por espaços no mercado mundial, a exemplo das goianas Neokoros Biometric Technology e Bioline Fios Cirúrgicos 6

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014


UMA COPA ” MENO$ OU “MAI$ IEL GOIÁS

13 / A mais recente versão da Pesquisa dos Egressos de Estágio IEL, referente a 2013, mas liberada agora, mostra crescimento no índice de aprovação do sistema por estudantes em busca de acesso ao mercado de trabalho. Essa taxa avançou de 91,3% em 2009, nível já elevado, para 95%.

CAPA

24 / Afinal, o que vai “sobrar” para os brasileiros depois de terminada a Copa do Mundo, a segunda realizada no País desde 1950? Entre má gestão e planejamento, suspeitas de desvios e superfaturamento, obras atrasadas e mais caras do que o previsto, a herança do Mundial tende a ser menor do que alardeia o governo, mas nem tão negativa como sugerem os críticos. SENAI GOIÁS

17 / Entidade consolida sua atuação como principal rede de formação profissional e tecnológica para a indústria e alcança lugar de destaque no País. A 7ª colocação no ranking geral de ocupação no mercado de trabalho, com quase 80% de contratação, bate a média nacional, que alcança 74% SESI GOIÁS

20 / Se o trabalhador não pode se deslocar a uma das unidades do Sesi, o sistema vai até ele, oferecendo, dentro das fábricas, atendimento médico e odontológico, alfabetização e capacitação técnica. Apenas o projeto de sala de aula na empresa já atende a 25 indústrias, com mais de 50 cursos de educação continuada. Parceria viabiliza até biblioteca (foto)

MEMÓRIA

45 / Criada em 1983, a Dinâmica Engenharia, dos empresários Eugênio Carvalho e Mário Valois, ganha destaque por seus programas de educação, saúde e inclusão social de funcionários e suas famílias, em parceria com o Sesi POR DENTRO DA INDÚSTRIA

46 / Senai ajuda a desenvolver maionese de pequi GENTE DA INDÚSTRIA

47 e 48 / Cores da Copa do Mundo marcam linha de cosméticos GIRO PELOS SINDICATOS

50 a 54 / Confira o que está fazendo seu sindicato GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

7


ENTREVISTA | RAPHAEL CHUA TECK LEE

PARTE DA SOLUÇÃO PARA QUESTÕES URBANAS CRUCIAIS EM CINGAPURA FOI TERMOS INSTITUIÇÕES QUE SE RESPONSABILIZAM PELA INFRAESTRUTURA, (...) ATUANDO DE FORMA COORDENADA” RAPHAEL CHUA TECK LEE, diretor da Jurong Consultants

Para além de

hipopótamos Lauro Veiga Filho

Sustentabilidade econômica pode ser entendida como um período de prosperidade tão longo quanto possível, assegurando empregos de boa qualidade à população de forma duradoura, afirma Raphael Chua Teck Lee, diretor da Jurong Consultants, empresa de consultoria para planos estruturados e projetos de desenvolvimento, vinculada ao Ministério da Indústria e Comércio de Cingapura. Em Goiânia, antes de apresentar o seminário Novas Visões de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Econômico – O Exemplo de Cingapura, realizado pelo Conselho Temático de Desenvolvimento Urbano da Fieg (Condur), Teck Lee falou à Goiás Industrial.

8

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

Goiás Industrial – De que forma a experiência de Cingapura na implementação de políticas urbanas bem-sucedidas pode servir como modelo para outras cidades ao redor do mundo? Raphael Chua Teck Lee – Não há como falar em uma experiência de Cingapura que possa ser transferida ou vendida para qualquer outra região do mundo. Não vou a qualquer país para ensinar, mas para compartilhar nossas experiências. Penso que isso é muito importante. Há princípios gerais e específicos a orientar políticas econômicas e urbanas e nosso princípio geral leva em consideração o conceito de um plano compacto. Planos específicos significam levar em conta diferentes dificuldades, condições culturais e vocações em diferenças lugares do mundo, então, não é possível transferir experiências. Por isso, em qualquer país com os quais fechamos contratos, sempre insistimos fortemente que agentes locais trabalhem em conjunto conosco, porque não pretendemos que seja um projeto exclusivo da Jurong, mas um projeto que construiremos em conjunto. Se eu puder contar uma história, quando os italianos primeiro chegaram à África, eles pensavam que a agricultura ali era fantástica. Eles foram para aquele continente para cultivar


tomates, grandes tomates. Quando os frutos estavam crescidos, hipopótamos atacaram e comeram as plantações. Os italianos, então, questionaram os africanos, perguntando por que não haviam sido informados a respeito dos hipopótamos. Os africanos responderam: “Porque vocês não nos perguntaram”. Não queremos estar nessa posição em nenhum lugar do mundo. Devemos trabalhar em conjunto com as pessoas. Não existe a possibilidade de transferir ou vender ideias a outros povos e culturas.

prefeitos trabalhem em conjunto e fazer com que se entendam em torno de um planejamento estrutural em comum, para que tenham antecipadamente noção do que vai acontecer. Mas esse tipo de problema não é exclusividade do Brasil. Qualquer lugar no mundo enfrenta os mesmos problemas, porque cada municipalidade tem um pensamento diferente e, algumas vezes, nossos projetos cobrem mais de um município. Então, temos de deixar tudo muito claro antes de passarmos às fases seguintes.

Goiás Industrial – Quais as principais soluções desenvolvidas para grandes questões urbanas, como saneamento básico, resíduos sólidos, mobilidade urbana? Teck Lee – Penso que parte da solução para questões urbanas cruciais em Cingapura foi termos instituições que se responsabilizam pela infraestrutura, como, por exemplo, o abastecimento de água, saneamento e energia elétrica, atuando de forma coordenada. Essas instituições operam em conjunto sob a coordenação do Ministério de Desenvolvimento Nacional. Penso que coordenação entre essas agências é crucial, porque em alguns países essas instituições e algumas das agências governamentais competem umas com as outras em vez de trabalharem conjuntamente, realizando ações diferentes, embora o objetivo principal seja o desenvolvimento nacional.

Goiás Industrial – Como administrar tantos e diversos interesses? Teck Lee – É importante envolver cada uma das partes no processo e deixar claro do que se trata um plano estrutural de prazo mais longo.

Goiás Industrial – Quais os principais desafios colocados atualmente diante das principais cidades brasileiras? Teck Lee – O centro urbano brasileiro onde temos experiência é a cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Um dos grandes desafios que observamos na região metropolitana da capital mineira foi termos ali uma aglomeração populacional muito grande, abrangendo 13 municípios e, portanto, 13 administrações municipais. Cada municipalidade tem prefeito diferente e ideias diferentes sobre como lidar com suas questões. Um caminho para alcançarmos o desenvolvimento econômico e social de Belo Horizonte é fazer com que todos os

Goiás Industrial – Quais os principais pontos do projeto construído, por exemplo, para Belo Horizonte? Teck Lee – O principal ponto, neste caso, é o que chamamos de “cidade-aeroporto”, envolvendo o Aeroporto de Confins. Juntamente com o pessoal de Belo Horizonte, nós desenhamos e planejamos não só um aeroporto, mas uma “cidade-aeroporto”, e acho que hoje conseguimos, não apenas a Jurong, mas todos, realizar um grande trabalho, apresentando o novo projeto no exterior e, agora, eles estão vendo muitos investimentos desembarcando na região. Muitas vezes, planejamento exige um esforço a mais. Por exemplo, quando fazemos o planejamento de uma rodovia, muitas vezes estamos lidando com uma via que vai cortar vários municípios, envolvendo questões diversas. Por isso, a participação pública é tão importante. A primeira parte de nosso estudo em Belo Horizonte correspondeu à definição do que chamamos do posicionamento econômico da região e do Estado. Consumimos em torno de cinco meses de trabalho apenas pesquisando cenários para a economia, levantando as indústrias já existentes e quais poderiam ser os novos setores industriais. No nosso estudo de posicionamento econômico, trabalhamos com

“Para fazer com que as coisas funcionem não se pode focar apenas em um mero parque industrial”

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

9


ENTREVISTA | RAPHAEL CHUA TECK LEE duas cestas de atividades econômicas. Uma das cestas inclui as indústrias e outras atividades econômicas já existentes, observando quais delas estão em crescimento e quais não estão. Se estão crescendo, buscamos identificar se é possível agregar maior valor à atividade. Esta é um das cestas. Na outra cesta, temos de lidar com a introdução de novas atividades industriais e fazer sua classificação, olhando para o curto, o médio e o longo prazo, porque nem todas as indústrias podem ser sustentáveis numa visão de prazo mais longo. Goiás Industrial – Quais são as prioridades quando se trata de analisar a atração de novas indústrias? Teck Lee – Isso depende dos atributos e condições que você observa em um país em particular ou em um Estado em particular. Por exemplo, em Estados mais atrasados tecnologicamente e que ficaram muito para trás também no setor de educação, não podemos introduzir atividades de alta tecnologia nessas regiões, porque não há recursos humanos com a

Teck Lee – O que é importante para nós, baseado em nossa experiência, é se preocupar em desenvolver o que chamamos de “ecologia industrial”, significando que você deve ter a conectividade certa e os clusters industriais adequados, incluindo manufatura, logística e tudo o mais. Devemos ter ainda as pessoas certas envolvidas e as instituições adequadas. Não se trata apenas de olhar para um simples parque industrial, mas para toda a ecologia das coisas envolvidas no processo. Para fazer com que as coisas funcionem não se pode focar apenas em um mero parque industrial. Goiás Industrial – Quando o sr. trata de “ecologia industrial”, refere-se também à questão ambiental, assim como questões sociais? Teck Lee – Meio ambiente sempre é muito importante para nós. Questões sociais estão consideradas como custos indiretos em nosso planejamento. Mais claramente, sempre levamos em consideração em nosso planejamento o número

“Podemos dizer que a criação de empregos pode ser capaz de suavizar muitos dos problemas sociais. Então, sim, essa preocupação social faz parte de nosso planejamento”

qualidade necessária, não existe a infraestrutura demandada e não temos, ainda, as instituições exigidas para receber indústrias de alta tecnologia. Então, temos de analisar profundamente as condições para o curto prazo, assim como o médio e o longo prazo. Em casos assim, para o curto prazo, talvez devamos pensar em indústrias intensivas em trabalho. No longo prazo, talvez sua infraestrutura seja construída, a qualidade dos recursos humanos tenha sido aprimorada e tenham sido criadas instituições apropriadas para dar suporte a empreendimentos de elevada tecnologia. Somente então teremos condições de pensar na atração de empresas de alta tecnologia. Devemos estudar a região muito bem, porque se você introduzir esse tipo de indústria em uma área que não está pronta para isso, definitivamente você vai fracassar. Goiás Industrial – O que seria fundamental para evitar que isso ocorra? 10

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

de escolas e hospitais, por exemplo, que será necessário instalar. O enfrentamento de problemas sociais é um dos benefícios indiretos de nossos projetos. Goiás Industrial – Mas não fazem parte do planejamento em si. Teck Lee – Podemos dizer que a criação de empregos pode ser capaz de suavizar muitos dos problemas sociais. Então, sim, essa preocupação social faz parte de nosso planejamento. Nossa prioridade, em todos os lugares aonde vamos, é a criação de empregos e, por isso, consumimos ao redor de cinco meses apenas para estudar qual o estágio da economia nessas regiões, quais suas vocações e quais são as novas indústrias que poderemos considerar em nosso planejamento e atrair para aqueles lugares, antes mesmo de começar a desenhar o projeto. Para nós, se você conhece nossa história, duas instituições são importantes para o governo de Cinga-


“Meu conceito de sustentabilidade é alcançar prosperidade por um período de tempo tão longo quanto possível. Por exemplo, assegurar bons empregos de forma duradoura, isto é sustentabilidade para mim”

pura: a primeira trata de habitação e a outra cuida da criação de empregos. Desde 1965, temos instituições que priorizam a geração de empregos e a industrialização da economia. Hoje, a todo lugar que vamos, esse é nosso ponto de partida. Goiás Industrial – De que forma deve ser entendido o conceito de sustentabilidade preconizado pelo planejamento proposto pela Jurong? Teck Lee – Meu conceito de sustentabilidade é alcançar prosperidade por um período de tempo tão longo quanto possível. Por exemplo, assegurar bons empregos de forma duradoura, isto é sustentabilidade para mim. Goiás Industrial – E o que pode ser considerado como um bom emprego? Teck Lee – Isso dependerá muito da região em que atuamos. Regiões diferentes definem bons empregos de forma diferente. Por exemplo, em áreas rurais na China ou na Índia, talvez atividades de manufatura e montagem possam ser consideradas bons empregos. Não seria possível introduzir, por exemplo, o que chamamos de design de componentes, porque você não tem os recursos humanos para isso. A definição dependerá do contexto do lugar e, obviamente, temos de trabalhar com as pessoas locais porque acredito que empreendedores são aqueles que fazem as coisas acontecer. Os empreendedores, nesse sentido, são sempre os primeiros que procuramos qualquer que seja o lugar para onde vamos. São eles que ouvimos nos primeiros cinco meses quando estamos preparando nosso planejamento econômico. Goiás Industrial – Vocês receberam algum convite ou têm intenção de desenvolver esse tipo de trabalho em Goiás? Teck Lee – De fato, assinamos um memorando de entendimento com a Prefeitura de Aparecida de Goiânia para iniciar uma negociação para o desenvolvimento de um projeto de desenvolvimento, com a possibilidade de firmar um futuro contrato. Firmamos um segundo memorando com a Prefeitu-

ra de Goiânia e tivemos contatos com o governo do Estrado, por meio das secretarias de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Goiânia e de Indústria e Comércio. Mas não há nada fechado. Ainda no Brasil, concluímos o projeto de Belo Horizonte e agora estamos concluindo um projeto de desenvolvimento estrutural para Brasília, o que deverá ocorrer até antes da Copa do Mundo. Há um grupo fortemente comprometido com a execução do projeto na capital federal. Em todos os contratos que assinamos, insistimos que haja um forte grupo local trabalhando conosco. Goiás Industrial – Quais os resultados alcançados depois de implantar esses planos em Cingapura? Teck Lee – Os resultados do que consideramos como um planejamento de longo prazo estão no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de Cingapura, por exemplo. Nosso PIB em 1965 era de aproximadamente US$ 1 bilhão e, hoje, supera US$ 220 bilhões. Em segundo lugar, houve um salto de patamar em tecnologia. Goiás Industrial – O sr. poderia definir melhor conceito de cidade compacta, incluído no planejamento estrutural desenhado para Cingapura? Teck Lee – O conceito de cidades compactas significa crescer com alta densidade, de forma que você não tenha de expandir a área urbana, prevenindo uma explosão urbana. Isso permite reduzir custos de infraestrutura e estimular a interação entre as pessoas. Ao mesmo tempo, você libera áreas no restante da região para espaços verdes e para a exploração da agricultura. Não tenham a falsa impressão de que compactar as cidades, elevando sua densidade populacional, corresponda a reduzir a qualidade de vida. Isso não é verdadeiro. É possível conciliar a compactação com a elevação da qualidade de vida. A filosofia por trás das cidades compactas é também uma filosofia de planejamento comunitário. Não estamos apenas construindo casas, mas planejando para o futuro.

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

11


POLÍTICA URBANA

MODELO TIPO EXPORTAÇÃO O mais novo conselho temático da Fieg tem planos para democratizar o debate sobre a organização de espaços urbanos e o futuro da capital goiana

O

recém-criado Conselho Temático de Desenvolvimento Urbano da Fieg (Condur) pretende democratizar o debate sobre o futuro de Goiânia e influir nas decisões das autoridades sobre projetos e políticas públicas para a organização do espaço urbano. A busca é de “um desenvolvimento sustentável com qualidade de vida para todos”, descreve o empresário Ilézio Ferreira, presidente do Condur. “Queremos desenvolver um trabalho aqui exatamente para dar apoio às entidades públicas para que as políticas urbanas sejam feitas com a participação de toda a sociedade. Para se ter uma cidade planejada, com qualidade de vida, é preciso ter o envolvimento de toda a comunidade” reforça ele. “Não se trata de ingerência, mas de uma contribuição do setor produtivo, porque muitas vezes as coisas não acontecem por falta planejamento ou excesso de burocracia”, acrescenta o presidente Fieg, Pedro Alves de Oliveira. Uma das primeiras ações promovidas pelo conselho foi patrocinar a vinda a Goiânia do consultor internacional Raphael ChuaTeck Lee, diretor da Jurong Consultants, empresa de consultoria para planos estruturados e projetos de desenvolvimento, vinculada ao Ministério da Indústria e Comércio de Cingapura. Teck Lee (personagem de entrevista nas páginas 8 a 11) apresentou a experiência da companhia no seminário Novas Visões de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Econômico: O Exemplo de Cingapura, no início de maio. 12

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

„„ Seminário: participação da comunidade na definição de um

planejamento de longo prazo sobre o uso do solo nas cidades

Malaio de nascimento, vivendo em Cingapura há 32 anos, Teck Lee mostrou que o planejamento de longo prazo, desenhado ainda em 1965, conseguiu trazer soluções para os grandes problemas enfrentados por essa cidade-estado. Não por acaso, foram superadas as limitações impostas pela ausência quase total de recursos naturais, mercado doméstico insignificante, força de trabalho reduzida e território com área total de apenas 760 quilômetros quadrados – menos que a área urbana de Goiânia, com seus 789 km 2. O planejamento definido por Cingapura, lastreado no conceito de “desenvolvimento compacto”, tem flexibilidade suficiente para aceitar revisões periódicas para ajustes à realidade. A experiência estabeleceu como metas principais a criação de uma sólida estrutura institucional, capacitação de recursos humanos, com investimentos em educação em todos os níveis, e abertura econômica, diante das óbvias limitações geradas por seu mercado interno. O planejamento do uso do solo a longo prazo, com a definição de áreas específicas para exploração econômica e moradias, foi uma das ferramentas escolhidas para dar sustentabilidade ao “modelo”. Inicialmente se privilegiou a geração de empregos no setor de manufatura tradicional, migrando nas décadas seguintes para indústrias mais intensivas em tecnologia. A aposta, hoje, afirma Teck Lee, está centrada na criação de uma indústria intensiva em conhecimento. A Jurong passou a exportar seu modelo de planejamento e, atualmente, desenvolve projetos em Belo Horizonte e Brasília e negocia parcerias com as prefeituras de Goiânia e de Aparecida de Goiânia.


IEL

ELES ACREDITAM CADA VEZ MAIS NO ESTÁGIO Pesquisa mostra avanço na aprovação da experiência do estágio. Jovens estudam mais antes de entrar no mercado de trabalho e adotam a internet para buscar e atualizar conhecimentos Célia Oliveira

O

estudante goiano, do nível técnico ou superior, reconhece cada vez mais a importância do estágio e acredita em sua contribuição para construção e início da carreira profissional. O índice de aprovação é de 95%, como mostra a Pesquisa dos Egressos de Estágio IEL 2013, finalizada no início deste ano. Na sondagem anterior, realizada em 2009, houve aprovação de 91,3%.

O novo levantamento entrevistou 266 egressos do estágio do ensino superior e técnico de instituições públicas e privadas, predominando a faixa etária de 20 e 24 anos, em Goiânia e no interior. A quase totalidade afirma que a experiência somou para a vida profissional em quatro aspectos técnicos: oportunidade de colocar em prática a teoria, conhecimento do mercado de trabalho, conhecimento da rotina no interior de uma organização e integração ao mercado de trabalho. Em relação a atitudes comportamentais, desenvoltura da postura profissional, organização e pró-atividade se destacaram. A pesquisa integra estudos que o Instituto Euvaldo Lodi (IEL Goiás) realiza para conhecer a opinião dos estudantes quanto ao relacionamento profissional com as empresas e mapear o perfil dos jovens, que constituem importante fonte de informação, observa a gerente do Programa de Estágio, Tarciana Nascimento.

„„ A supervisora Juliana de Paula e a estagiária Tainara de Castro Simei: desenvolvimento profissional com acompanhamento e informação GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

13


IEL

A busca por conhecimentos Além de validar a experiência do estágio como campo prático, os estudantes ouvidos pelo IEL revelam que recorrem à leitura de artigos e internet (51%) e a cursos de capacitação de curta duração (48%) para atualizar seus conhecimentos. “A acelerada busca por conhecimentos responsáveis por diferenciais no excelente desempenho profissional nos últimos tempos, o avanço midiático ou digital não afastaram a juventude do acesso a fontes tradicionais de pesquisas e leituras para aquisição ou atualização de conteúdos relevantes à vida profissional”, pondera Tarciana. “A pesquisa confirmou um dado já previsto diante do mundo no qual estamos inseridos e operando nossas vidas pessoal e profissional. Temos que 87% dos entrevistados possuem, participam e usam com frequência as redes sociais”, observa a gerente do IEL. Se-

DE ACORDO COM A PESQUISA, AS TRÊS PRINCIPAIS REDES CITADAS FORAM O FACEBOOK, INSTAGRAN E LINKEDIN.

14

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

„„ Roberto Carlos Bezerra Nunes: internet facilita acesso a conhecimentos e a realização de pesquisas gundo ela, isso é um indicador de que o jovem egresso não se baseia exclusivamente pelo acesso ou pela transmissão de conhecimento de forma oral, mas busca outras fontes para encontrar respostas e ajuda profissional. É o caso de Roberto Carlos Bezerra Nunes, atuante na área de Ciências Contábeis, que considera fundamental

o uso da internet. “Ela facilita o acesso ao conhecimento, você mesmo pode fazer seu tempo de pesquisa complementar e ainda tem o conforto de não precisar se deslocar com frequência à biblioteca”, enfatiza o jovem, ponderando que sempre checa as buscas em livros para se certificar da veracidade.

CRESCE NÚMERO DE CONCLUINTES Outra vertente da pesquisa mostra maior preocupação ou investimentos dos egressos para a conclusão do curso técnico ou da graduação. Do universo ouvido pelo IEL, 86% concluíram seus estudos, contra 80% na pesquisa anterior. “Esse incremento é justificado pela maior competitividade e seletividade por uma vaga de trabalho. Quanto maior o conhecimento, maior a OPTARAM POR chance”, avalia Tarciana Nascimento. CONTINUAR OS Ainda em relação aos estudos, 39% ESTUDOS DEPOIS DA dos entrevistados optaram pela contiGRADUAÇÃO nuidade da busca de conhecimentos na área de formação por meio da especialização, outra por graduação, MBA e mestrado. O índice em 2013 foi de 39% em comparação a 32% em 2009.

39%


Situação no mercado de trabalho Quanto à empregabilidade, 76% dos egressos responderam que estão trabalhando. O índice é inferior ao da última pesquisa (86%) mas, segundo Tarciana Nascimento, gerente do programa de estágio do IEL Goiás, a redução não caracteriza algo negativo. “Fazemos a leitura de que o jovem está buscando por mais conhecimentos e por mais segurança para entrar no mercado de trabalho”, analisa. Ela explica que a priorização dos estudos é sinal de maior preocupação com a carreira e com o desenvolvimento profissional, diante de um cenário no qual o mercado de trabalho tem se atualizado constantemente, exigindo esforços, dedicação e investimentos que podem apresentar mais opções de trabalho seja como profissional ou empreendedor. “O mundo está a buscar por pessoas capazes de desenvolver estratégias para incremento de situações ou de empregabilidade.” Do universo que já está no mercado, a maioria (66%) foi absorvida pelo setor de serviços, seguido pela indústria (16%), atuando na área de formação.

A pesquisa mostra que houve incremento no porcentual de contratação do estagiário onde ele vivenciou a experiência prática, saindo de 24%, em 2009, para 32%, em 2013. Conforme explica Tarciana Nascimento, isso demonstra amadurecimento na relação empresa-estagiário e melhor entendimento, por parte da empresa, de que o estagiário é uma soma e a descoberta de novos talentos. “O estagiário cria e mantém um ambiente de renovação, podendo a organização moldar futuros profissionais de acordo com seu perfil e necessidade.”

EGRESSOS NO MERCADO

2013 - 76% 2009 - 86%

„„ Endy Batista de Sousa: “O estágio

encurta o caminho para o mercado e nos dá segurança. Sem ele não teria conseguido trabalho”

Graduada em Direito, Endy Batista de Sousa, que mora em Goiânia, estagiou e conquistou seu emprego na mesma instituição, na vizinha cidade de Inhumas. Há mais de um ano trabalhando no Tribunal de Justiça, ela comemora os ganhos com a experiência prática. “O estágio encurta o caminho para o mercado e nos dá segurança”, afirma. “Se não fosse o estágio, acredito que não teria conseguido trabalho, pois no Direito, se o profissional não advoga, ou alcança uma colocação por meio de pessoas conhecidas, tem de tentar concursos públicos.”

Relação entre supervisor e estagiário De acordo com a Lei 11.788/2008, o estágio como ato educativo escolar supervisionado deve ter acompanhamento efetivo do professor orientador da instituição de ensino e do supervisor da empresa, um funcionário da organização, com formação ou experiências profissionais na área de conhecimento desenvolvida no curso do estagiário. É essa relação ou vivência que assegura ao estagiário a aplicação das

teorias e absorção de conhecimentos práticos na área de formação técnica ou superior. Ao supervisor ainda cabe recepcionar o estagiário quando de sua chegada à organização, orientar e controlar as atividades a ele atribuídas, no período de prática, e informá-lo dos aspectos funcionais e normas de trabalho, realizando qualquer treinamento que seja necessário. É o que ocorre no Centro de Rea-

bilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer), unidade de saúde de Goiânia, segundo Juliana de Paula, psicóloga atuante na área de recursos humanos e supervisora de estágio. “No primeiro dia do estagiário no Crer, repassamos informações gerais da instituição, que recebe pacientes de todo o Brasil, as rotinas do ambiente hospitalar e do Sistema de Gestão da Qualidade ISO”, explica. Em seguida, o estudante GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

15


IEL

recebe orientações e explicações de assuntos pertinentes ao relacionamento humano, documentos de rotina, sigilo de informações, tudo que envolve a parte de recursos humanos em uma organização. “O estagiário vem para se desenvolver profissionalmente, porque é por meio do estágio que o estudante se apropria da profissão, se identificando como membro atuante e efetivo da mesma”, comenta Juliana de Paula. Segundo a psicóloga, se o estagiário se sai bem, o mérito também é do supervisor, profissional que tem esboçado um plano de acompanhamento do estudante desde sua chegada na organização, “porque o estágio supervisionado se caracteriza como espaço privilegiado de relacionar teoria e práti-

Na Pesquisa de Egressos do IEL 2013, o acompanhamento do supervisor foi avaliado como ótimo ou bom por

88%

dos entrevistados

ca, espaço de aprendizagem”. Para Juliana, a relação também é de troca mútua, “pois o supervisor ensina, mas aprende, justamente porque existem experiências vivenciais de cada parte”.

GANHO DE BAGAGEM A estudante de psicologia Tainara de Castro Simei, que faz seu primeiro estágio no Crer há três meses, compartilha da opinião da supervisora Juliana de Paula. “A recepção foi ótima, recebi orientações, treinamento sobre as rotinas da organização e conheci quais seriam minhas tarefas”. Para a estudante, as orientações recebidas são imprescindíveis e auxiliam no dia a dia do estágio e no desempenho das funções. “Tudo que faço é avaliado e tenho retorno da minha supervisora para melhor rendimento”, acrescenta Tainara, ao comentar que o estágio é ganho de bagagem.

O melhor conjunto de informações estratégicas para a gestão de sua empresa A CMA possui o maior e mais completo conjunto de informações macroeconômicas, financeiras, de commodities e setoriais estrategicamente organizadas para áreas financeiras, tesourarias, de planejamento, inteligência de mercado e relações com investidores de empresas dos mais diversos setores da economia.

Solicite uma demonstração gratuita 16

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

(61) 3224-5552 infocma@cma.com.br www.cma.com.br


SENAI

„„ Carlos Henrique, técnico em

manutenção de aeronaves: “Senai qualificou-me para atuar na área”

EMPREGABILIDADE EM ALTA Taxa de ocupação de ex-alunos do Senai Goiás no mercado de trabalho atinge 80% e supera média nacional, atualmente estacionada em 74% Andelaide Lima

D

iante de esforços em atender à forte demanda por mão de obra qualificada, o Senai Goiás se consolida como principal rede de formação profissional e tecnológica para a indústria e alcança lugar de destaque no País, com a 7ª colocação no ranking geral de ocupação no mercado de trabalho. A taxa atinge quase 80% dos egressos na modalidade de cursos técnicos de nível médio, superior à média nacional, de 74%, de acordo com o Programa de Acompanhamento de Egressos do Senai – Ciclo 2011/2013, formado por 24 Estados. O desempenho da instituição é ainda melhor (87%) no caso de egressos ocupados no mercado formal, nível mais abrangente por incluir outras categorias além dos trabalhadores com carteira assinada, como empreendedores individuais e empresários. Já nos cursos de aprendizagem, modalidade de ensino destinada à preparação para o primeiro emprego de jovens até 24 anos, o índice de ocupação de egressos é, respectivamente, de 75% no mercado formal, 52% com vínculo empregatício e 48% no setor industrial. Também nas modalidades de aprendizagem básica, com taxa de ocupação de 52%, e qualificação profissional de adultos (68,5%), Goiás igualmente supera a média nacional, de 51,5% e 49,6%, respectivamente.

Realizada com participação das empresas, entre seis meses e um ano após a conclusão dos cursos, a pesquisa atingiu universo de quase 17 mil alunos do Senai no País.

MAIS OPORTUNIDADES, MELHORES SALÁRIOS Os dados apresentados no ranking reforçam a percepção da população sobre os impactos da educação profissional. Em pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) ao Ibope, 90% dos entrevistados concordam que quem faz ensino técnico tem mais oportunidades no mercado de trabalho. Sobre salários, a avaliação também é positiva: 82% concordam que os profissionais com certificado de qualificação profissional têm salários maiores. A pesquisa ouviu mais de 2 mil pessoas, com mais de 16 anos, em 143 municípios. Entre os que optaram pela formação profissional, 61% trabalham ou já trabalharam na área do curso.

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

17


SENAI

“Curso tem aplicação direta no mercado” Os exemplos de absorção imediata de mão de obra preparada pelo Senai se multiplicam pelas várias regiões do Estado. Moradora de Minaçu, no Norte Goiano, Ritielle Almeida Milhomem, de 23 anos, fez o curso técnico em mineração motivada pela boa recepção que os concluintes tinham no mercado de trabalho. Ex-aluna da Unidade Integrada Sesi Senai Sama, instalada dentro da mineradora, ela conta que a maioria dos que faziam curso na instituição conseguia bom emprego. “Comigo não foi diferente, atuo como técnica na Mineração Serra Verde graças à capacitação que recebi no Senai. O curso é excelente, abriu as portas do mercado para mim e superou minhas expectativas”, avalia Caminho semelhante percorreu Viviane Cardoso, de 23 anos. Incentivada pelo pai e o irmão, que estudaram no Senai, ela fez o técnico em mineração e, atualmente, trabalha na Orica Mining Services, divisão de mineração da Orica Chemicals, multinacional australiana. “O curso proporcionou preparação essencial para exercer meu trabalho. O mercado de trabalho busca pessoas qualificadas e dá preferência para quem se forma em uma instituição de qualidade.”

SEM A CAPACITAÇÃO DO SENAI, NÃO CONSEGUIRIA ATUAR NA ÁREA DE MINERAÇÃO, QUE EXIGE BASTANTE CONHECIMENTO TEÓRICO E PRÁTICO, ALÉM DE MUITA RESPONSABILIDADE.” VIVIANE CARDOSO, de 23 anos, colaboradora da Orica Mining Services

FORMAÇÃO EM MANUTENÇÃO DE AERONAVES Técnico em manutenção de aeronaves, Carlos Henrique Ferreira, de 25 anos, fez a habilitação na Faculdade de Tecnologia Senai Ítalo Bologna, em Goiânia, e cumpre estágio como auxiliar de manutenção na empresa Fênix Helicópteros, na capital. Ele atribui ao curso a conquista da vaga no mercado de trabalho. “O Senai me qualificou para atuar na área.

„„ Ritielle Milhomem “O curso abriu as portas do mercado de trabalho para mim”

18

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

„„ Almir Carlos Bezerra: demanda crescente exige capacitação de profissionais para a área de aviação civil

Sem o curso, minhas chances de obter uma oportunidade de trabalho seriam mínimas”, observa. Coordenador de manutenção da Fênix, Almir Carlos Bezerra faz avaliação positiva do curso e destaca que uma boa formação profissional é fundamental para aumentar a oferta de mão de obra especializada para o setor


Contratação antes da conclusão do curso Caminho mais rápido para o mercado de trabalho, os cursos profissionalizantes costumam garantir emprego antes mesmo de sua conclusão. Foi o que aconteceu com a primeira turma exclusiva do programa Jovem Aprendiz, implantada pela indústria Carta Goiás – fabricante de papel higiênico e guardanapos, papel toalha, fraldas e absorventes, instalada em Anápolis. Dos 14 aprendizes da turma, oito já foram efetivados pela empresa antes do término do contrato de aprendizagem. A experiência deu tão certo que a indústria já começou outra turma do programa. Gerente de Operações da in-

dústria, Erivelto Sartor atribui o sucesso da iniciativa ao modelo adotado para realização do projeto. Os alunos passam oito meses em dedicação total ao curso de operador de processos químicos, ministrado pelo Senai Anápolis, e só depois vão fazer a prática na empresa. “Com isso, eles têm o tempo necessário para receber a capacitação e depois se integrar à rotina da indústria, conhecer em detalhes o processo produtivo. Não queremos só cumprir a lei, mas sim mudar a vida desses jovens, dar a eles a oportunidade de crescer na carreira e ocupar cargos de liderança”, ressalta. Erivelto destaca que 60% dos aprendizes foram efetivados, mas que os demais também serão contratados para atender à demanda de expansão da fábrica. “Vamos dobrar nossa capacidade de produção e iremos aproveitar esses jovens”, diz.

“DESEMPENHO EXCELENTE” Supervisora de Recursos Humanos, Ione Maria Magalhães conta que ficou surpresa com o desenvolvimento dos aprendizes. “Eles tiveram excelente desempenho. Com a parte teórica aprendida no Senai e a prática intensiva na empresa, eles saltaram um degrau na carreira, que é o de auxiliar de produção, e já foram contratados como assistentes de fabricação – uma função que leva até três anos de treinamento –, e recebem cerca de R$ 1,3 mil, bom salário para o primeiro emprego”, observa.

DEDICAÇÃO PARA CRESCER NA EMPRESA Lucas Alves Correa, de 18 anos, conta que se dedicou bastante ao curso para ser contratado. “Estou colhendo os frutos dos conhecimentos que adquiri na aprendizagem. O Senai foi como uma mãe para mim, jamais teria conseguido esse emprego não fosse a instituição. Meu objetivo agora é fazer outros cursos para crescer na empresa”, diz. Apaixonado por química, João Eduardo do Nascimento, de 20 anos, fez o curso técnico na área, via ensino articulado (educação básica e educação profissional), no Senai Anápolis, e logo depois foi selecionado para compor a turma de

aprendizes da Carta Goiás. “Sem o Senai, dificilmente teria a oportunidade de começar minha profissão em uma grande empresa. Este ano, vou fazer o vestibular para tecnólogo em processos químicos, quero me aperfeiçoar sempre”, planeja.

„„ Lucas Alves Correa: “O Senai foi

como uma mãe para mim, jamais teria conseguido esse emprego não fosse a instituição”

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

19


SESI

BENEFÍCIOS VÃO AONDE O TRABALHADOR ESTÁ Atualmente, o serviço de sala de aula na empresa atende 25 indústrias, com um leque de mais de 50 cursos de educação continuada Edilaine Pazini

S

e o trabalhador não se desloca até uma unidade do Serviço Social da Indústria (Sesi) por falta de tempo, de recursos financeiros ou outras razões, a indústria, interessada na melhoria da qualidade de vida e de mão de obra qualificada, oferece sua contribuição, ao levar benefícios até o colaborador, o que resulta também no aumento de sua produtividade. É o que empresas goianas estão fazendo ao proporcionar crescimento profissional e pessoal dos colaboradores em seus próprios ambientes de trabalho, por meio de soluções do Sesi Goiás levadas para dentro da fábrica. Um dos serviços, a sala de aula na empresa está instalada atualmente em 25 indústrias de diversos segmentos em Goiás. Entre elas, a Pontal Engenharia, construtora de Goiânia, oferece alfabetização a seus operários, em parceria com o Sesi, desde 2007, quando o servente de pedreiro Adilson Ribeiro Campos, de 59 anos, teve a oportunidade de aprender a assinar o próprio nome. “É como se eu tivesse começado a enxergar direito, pois antes precisava de alguém auxiliando com tudo que eu fazia”, lembra ele, hoje no sexto ano. 20

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

„„ Fábio Júnior Ananias

Soares: “O mercado atualmente está exigindo muito e os livros me ajudam a enxergar além”

Com uma prole de dez filhos, Ribeiro deixou para trás as dificuldades da época em que morava na Bahia e era trabalhador rural. Assim que chegou a Goiânia, para tentar um futuro melhor, foi contratado pela Pontal Engenharia, onde recebeu convite para participar da turma de alfabetização. “Hoje gosto de ler o jornal para ficar por dentro das notícias da cidade”, diz. Depois de ter aprendido a ler e escrever, conseguindo realizar tarefas cotidianas antes impossíveis, como ler o mural da empresa sozinho, Ribeiro já sonha em melhorar a qualificação profissional. “Penso em continuar os estudos e fazer um curso de mestre de obras para crescer dentro da indústria”, deseja.

„„ Adilson Ribeiro Campos: depois da alfabetização, sonho de continuar estudos e fazer curso para mestre de obras


Leitura como hábito O leque de serviços do Sesi em educação é extenso e não para na sala de aula. Mais de 50 cursos de educação continuada, que podem ser ministrados durante os intervalos na própria indústria, também fazem parte do portfólio da instituição. As empresas ainda podem oferecer aos seus trabalhadores

acesso ao conhecimento e ao desenvolvimento de competências pessoais e produtivas, estimulando a leitura e a ampliação do contexto sociocultural por meio da Rede de Bibliotecas Sesi, igualmente instaladas dentro de fábricas. A USE Móveis, com fábrica em Goianira, na Região Metropolitana de Goiânia, mantém um amplo espaço com extenso acervo de livros e acesso à inclusão digital exclusivo aos seus mais

de 400 colaboradores. O operador de máquinas Fábio Júnior Ananias Soares, de 24 anos, sempre teve gosto pela leitura, interrompido após terminar o ensino médio e perder o acesso à biblioteca da escola. “Se não existisse essa biblioteca aqui na empresa eu não leria com tanta frequência, pois não consegui me cadastrar em nenhuma biblioteca pública. O mercado atualmente está exigindo muito e os livros me ajudam a enxergar além”, diz.

Consulta médica sem sair do trabalho Consultas médicas e exames ocupacionais constituem outras soluções às quais o trabalhador pode ter acesso em seu próprio ambiente de trabalho, por meio de parceria com o Sesi. O Grupo Jaime Câmara, responsável pelos veículos de comunicação O Popular, Daqui e TV Anhanguera, dispõe de uma médica do trabalho, que atende aos colaboradores em um consultório dentro da empresa. Além dos exames periódicos, admissionais e demissionais, a especialista assiste também eventualidades, segundo o supervisor de segurança e benefícios do grupo, Torricelli Ricardo da Fonseca. “A ação evita que o funcionário se desloque da empresa, trazendo não só comodidade para ele, como diminuindo o absenteísmo”, afirma. Para o coordenador industrial dos jornais do Grupo Jaime Câmara, Donizeti Padilha de Souza, de 54 anos, a estratégia significa facilidade, ao evitar transtornos com trânsito em eventual deslocamento do colaborador. Padilha diz não ter nenhum problema de saúde, já que está sempre sob supervisão, e que

as palestras educativas também colaboram para a maior conscientização sobre prevenção de doenças. “Uma simples gripe pode afastar a gente até quatro dias do trabalho e é muito importante a prevenção.”

„„ Donizeti Padilha de Souza: mais cômodo para todos, atendimento médico na empresa reduz absenteísmo

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

21


SESI

CUIDANDO DO SORRISO DURANTE O EXPEDIENTE

aos quais teve de se submeter o roteirizador do faturamento do Arroz Cristal, Genivaldo Rosa da Silva, de 38 anos, no consultório odontológico mantido no local de trabalho. Ele conta que não ia ao dentista por falta de tempo, o que resultou em todos esses problemas bucais. Segundo ele, além do tratamento, as dicas do odontólogo também são importantes. “Agora escovo os dentes três vezes ao dia e uso o fio dental, pois antes achava que só o palito resolvia”, diz.

Os consultórios odontológicos instalados nas unidades do Sesi Goiás também podem ser levados para dentro das indústrias. Na fábrica do Arroz Cristal, em Goiânia, os colaboradores contam com atendimento exclusivo desde 2010, em um consultório instalado na empresa. Antes o atendimento era realizado por meio de unidade móvel, que foi substituída por outra unidade fixa, já que o tratamento preventivo seria mais eficaz, de acordo com o técnico de manutenção da fábrica, Edno Souza. Limpeza bucal, obturações, extração e até um canal foram procedimentos odontológicos

Benefícios atraem mão de obra Com a grande procura por mão de obra qualificada, em um mercado cada vez mais competitivo, manter o trabalhador no quadro de funcionários é um grande desafio para a indústria, segundo Marielle Barros, gerente de Talentos Humanos do Grupo MPL, fabricante da marca M Pollo, em Aparecida de Goiânia. “Por meio de pesquisas, percebemos que o salário não é o primeiro fator de retenção. No topo da lista estão clima e ambiente de trabalho, que colaboram para a permanência na empresa”, garante. Por isso, de acordo com a gerente, o grupo investe em qualidade de vida, por meio de serviços em parceria com 22

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

„„ Genivaldo Rosa da Silva: limpeza

bucal, obturações, extração de dente e até tratamento de canal realizados dentro do Arroz Cristal

o Sesi, como diagnóstico de saúde, circuito do bem-estar, cursos do Cozinha Brasil, Espaço Zen, voz e violão e ginástica laboral. Benefícios que Johnathan Nunes dos Santos, de 20 anos, usufrui todos os dias. “Às vezes chego com muito sono e a ginástica me ajuda a tra-

balhar mais disposto o dia todo”, afirma. Para o auxiliar administrativo da produção, também são importantes as dicas de saúde passadas pelo educador físico do Sesi. “Hoje como mais verduras, saladas e tenho mais consciência sobre prevenção de acidentes”, reconhece.

„„ Johnathan Nunes atribui

à ginástica maior disposição para o trabalho, melhoria na alimentação e consciência na prevenção de acidentes


ACADEMIA GERA MAIOR DISPOSIÇÃO Em busca de melhor qualidade de vida de seus colaboradores, a Consciente Construtora teve iniciativa inovadora. Em parceria com o Sesi, a indústria instalou em 2012 uma academia em um de seus canteiros de obras. Os resultados não demoraram a aparecer, como atesta o assistente de departamento pessoal Bruno Augusto Ferreira, de 24 anos. Com a correria do dia a dia, com trabalho e estudo, ele não tinha tempo para praticar atividades físicas. “Vivia cansado e indisposto”, diz. Após a instalação da academia, o assistente conseguiu um espaço entre o expediente e a faculdade e começou a frequentar o ambiente há quase um ano. “Tudo melhorou: minha disposição, respiração e postura”, afirma. Para incentivar os trabalhadores a frequentar a academia, a Consciente Construtora lançou uma campanha interna no início do ano, oferecendo uniformes e um local mais amplo para o ambiente.

„„ Bruno Augusto Ferreira: malhação

ajudou a recuperar a disposição para trabalhar e estudar numa faculdade depois do expediente

„„ Cleverson Cordeiro de Andrade com o professor de informática Marcellus Araújo: curso de Excel Avançado

Soluções sobre rodas A rede de unidades móveis do Sesi Goiás, instaladas temporariamente em indústrias, também constitui instrumento eficaz para dinamizar a atuação da instituição do Sistema Fieg em diferentes cidades do Estado. Consultas ocupacionais, exames de audiometria, tratamento odontológico e cursos de inclusão digital e educação continuada fazem parte dos benefícios oferecidos em instalações da empresa solicitante. Para qualificar e oferecer oportunidade de crescimento profissional e pessoal aos seus colaboradores, a unidade da Cargill em Goiânia, que fabrica atomatados, passou a proporcionar ao quadro de pessoal, em parceria com o Sesi, cursos de informática e libras, além de treinamentos como “Comunicação no ambiente de trabalho” e “Aprendendo a conviver com as diferenças”. Para o auxiliar administrativo Cleverson Cordeiro de Andrade, de 20

anos, o curso de Excel Avançado oferecida no pátio da indústria foi importante não só para o cargo que exerce na Cargill, mas também para seu currículo. “Aprendi a utilizar na prática o Excel, muito útil durante a rotina de trabalho aqui, e agora conheci funções que ainda não sabia para que serviam. Pretendo crescer na empresa, mas este curso é indispensável também para meu currículo profissional”, afirma o trabalhador.

COMO LEVAR SERVIÇOS DO SESI À EMPRESA Indústrias interessadas em contratar esses e qualquer outro serviço do extenso portfólio Sesi nas áreas de educação, saúde, lazer e responsabilidade social devem procurar a Gerência de Relações com o Mercado, pelo telefone (62) 3219-1741, ou em qualquer unidade do Sesi mais próxima de sua empresa.

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

23


CAPA | COPA 2014

NEM TANTO,

NEM TÃO POUCO Cercada de polêmica, a realização da Copa do Mundo no Brasil divide opinião de analistas, empresários e público quando se trata de aferir a herança que deixará para o País

Paulino Menezes-Portal da Copa-ME

Lauro Veiga Filho

„„ Taça da Fifa: com atrasos,

suspeitas e sob protestos, disputa do mundial deve deixar alguma coisa além de estádios para o País

24

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014


COPA 2014 NEM TANTO,

NEM TÃO POUCO

A

final de contas, o que vai restar para o País dos bilhões de reais injetados em arenas esportivas para sediar o torneio máximo do futebol mundial, muito mais caras do que os estádios construídos em outros países em edições mais recentes da Copa do Mundo? O que se poderá esperar depois de frustrada a expectativa de realização de mais alguns bilhões em investimentos, pelo menos nos prazos combinados, em obras de infraestrutura, especialmente no setor de mobilidade urbana, de atrasos na execução do planejado, reajustes de preços não previstos nos orça-

Alguma “herança”, enfim Alguma coisa estará melhor em aeroportos das principais cidades-sede do mundial, assim como haverá benefícios, mesmo que modestos diante das urgências do País, na área de mobilidade. Esperam-se avanços na capacitação de pessoal para recepção de visitantes de fora e impactos mais evidentes para o turismo em geral, ainda que limitados no tempo, assim como para a construção civil, de forma mais direta, e para a indústria de eletroeletrônicos, que já vem experimentando algum crescimento nas vendas nesta fase pré-copa. Estudos preliminares apontam que, mesmo incompletos, os investimentos realizados e a serem ainda concluídos até junho e possivelmente nos meses seguintes deverão de fato deixar alguma marca na economia. Variando conforme a fonte dos cálculos, o período

mentos originais e de exemplos de má gestão tanto na área pública como no setor privado? As visões, neste caso, não encontraram ainda um ponto de consenso, mas é bem provável que reste um legado nem tão virtuoso como imagina o governo, mas nem tão magro como preferem os mais críticos. Há expectativa de avanços em áreas importantes, impactos indiretos para a economia em geral, mas com reflexos maiores para as 12 cidades que vão sediar os jogos e receberão o grosso dos investimentos prometidos.

„„ O primeiro ensaio: resultados da Copa das Confederações serviram como ponto de partida para projetar impactos sobre a economia

considerado, os gastos previstos para o evento, o fluxo de turistas e sua disposição para gastar, as projeções divulgadas nos últimos meses sugerem acréscimos entre pouco de 0,4% a pouco mais de 2% sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do País, com vantagens para as cidades-sede, mas efeitos em cadeia para o restante da economia. O mais recente desses prognósticos, apresentado no início de abril pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (Fipe/USP), num trabalho contratado pelo Ministério do Turismo, estima ganho adicional de aproximadamente R$ 29 bilhões, algo como 0,6% do PIB, que fechou 2013 em R$ 4,838 trilhões. GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

25


CAPA | COPA 2014

Copa das Confederações, a base A projeção da Fipe toma como base os resultados deixados pela Copa das Confederações, incluindo entrevistas com 17 mil pessoas e a análise dos gastos e investimentos para o evento, realizado no ano passado. O torneio gerou movimentação financeira de R$ 20,730 bilhões, correspondendo a um acréscimo de R$ 9,663 bilhões sobre o PIB e à criação de 303,3 mil empregos e reflexos sobre a economia de 137 municípios além da meia dúzia de cidades-sede. Em tese, portanto, o PIB do ano passado teria crescido perto de 2,1% em vez dos 2,3% efetivamente registrados

pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) se o torneio não tivesse sido realizado. A expectativa é de que a Copa do Mundo produza impacto pelo menos três vezes maior sobre o PIB neste ano. Em outro estudo, a Moody’s, agência internacional de classificação de riscos, prevê que a Copa do Mundo deverá ter reflexo de 0,4% do PIB para o País em um período de 10 anos. Num trabalho anterior, a Ernst & Young, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), chegou a projetar acréscimo de 2,17% sobre o PIB para o período entre 2010 e 2014.

O LEGADO DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES (Movimentação financeira, acréscimo no PIB e empregos gerados durante o torneio realizado em 2013)

Produção (R$ milhões)

Acréscimo ao PIB (R$ milhões)

Empregos

Fortaleza

2.996,10

1.353,21

40.003

Recife

2.077,46

932,774

26.723

Salvador

1.429,65

690,854

21.372

Belo Horizonte

3.876,34

1.779,27

55.878

Rio de Janeiro

6.037,19

2.834,28

89.571

Brasília

2.797,22

1.268,12

39.242

Comitê Organizador Local

524,481

321,925

6.907

Turismo doméstico

774,443

380,705

18.562

Turismo internacional

217,240

101,690

5.075

20.730,13

9.662,82

303.332

Cidades-sede

Total

IMPACTO MAIOR EM INFRAESTRUTURA No estudo “Copa do Mundo 2014: Impactos Econômicos no Brasil, em Minas Gerais e Belo Horizonte”, o Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), trabalha com a expectativa de avanço de 0,69% para o PIB brasileiro exclusivamente em função da Copa do Mundo. Na avaliação do Cedeplar, “o principal resultado da Copa2014 parece ser a melhoria da infraestrutura urbana nas cidades-sede, o que representa efetivamente impacto de longo prazo na eficiência econômica de diversas cidades”. O impulso econômico do evento, no entanto, “tende a diminuir com o financiamento público para as obras de estádios de futebol, uma vez que implicam ou no crescimento da dívida pública ou na redução do gasto das diferentes esferas de governo envolvidas”.

Fonte: Fipe

FINANCIAMENTOS E RENÚNCIAS Os financiamentos anunciados e, na maior parte, já contratados deverão cobrir em torno de 32,5% do gasto total previsto para a realização da Copa do Mundo, num total em torno de R$ 8,4 bilhões, dos quais praticamente R$ 3,9 bilhões referem-se a financiamentos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para construção e reforma de estádios, nos termos da Resolução 3.801/2009 (ProCopa Arenas). Entre renúncias tributárias, fixadas pelo Regime Especial de Tributação para Construção, Ampliação, Reforma ou Modernização de Estádios de Futebol (Recopa), e creditícias, o governo estima valor de R$ 648,72 milhões.

26

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014


COPA 2014 NEM TANTO,

NEM TÃO POUCO

O desânimo dos industriais As pesquisas recentes registram desânimo de setores do empresariado e da população em relação à Copa do Mundo, com redução no apoio a sua realização no Brasil. Encomendada pela Fieg e realizada pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL), a pesquisa sobre a opinião dos gestores de indústrias goianas a respeito do legado da Copa mostrou que um porcentual mais elevado deles acredita em espólios negativos, superando aqueles que apontam a possibilidade de ganhos. Em respostas estimuladas, o aumento da dívida pública e prejuízos para investimentos em saúde, educação, segurança e infraestrutura lidera-

ram as escolhas, apontadas por 73% e 68% dos 116 gestores ouvidos. Aumento da corrupção e piora da imagem do Brasil no exterior surgiram em seguida, com 58% e 51% dos votos. Apenas 4% disseram não acreditar em qualquer legado negativo. Entre as respostas mais otimistas, 42% consideraram que poderá haver

maior atração de turistas estrangeiros após a Copa e 41% acreditam em melhoria na infraestrutura urbana. Outros 21% afirmaram que haverá crescimento da economia, muito embora 38% tenham apostado na opção inversa, esperando redução no crescimento. Mas 27% não esperavam qualquer impacto positivo.

PRATICAMENTE SEM MUDANÇAS Até aquela altura, ainda de acordo com a pesquisa de opinião do IEL Goiás, nada menos do que 91% não haviam registrado qualquer aumento na produção e 81% não viam perspectiva de isso ocorrer mais à frente, pelo menos não em função da Copa. Do total de entrevistados, 96% não haviam realizado contratações adicionais e 94% não esperavam aumentar o número de empregados. Mas 92% esperavam protestos durante a Copa (42% dos quais previam protestos violentos) e 51% achavam que as autoridades deveriam negociar antecipadamente com as lideranças desses movimentos.

A EXPECTATIVA DA INDÚSTRIA GOIANA (Pesquisa sobre a opinião dos gestores das indústrias goianas sobre o legado da Copa do Mundo para o Brasil)

Questões estimuladas

Questões estimuladas Legados negativos

Legados positivos

Crescimento da economia

Melhoria do futebol brasileiro

Melhoria da infraestrutura urbana

Maior atração de turista estrangeiro

Outros Investimento em qualificação de mão de obra

Nenhum

Piora da imagem do Brasil no exterior Aumento da dívida pública

Prejuízo para investimentos em saúde,educação, segurança e infraestrutura

Redução do crescimento da economia

Redução da atração de turistas no futuro

Outros Aumento da corrupção

Nenhum

Fonte: Fieg/IEL Goiás

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

27


CAPA | COPA 2014 Fabio Rodrigues Pozzebom-Agência Brasil

„„ Na capital federal: marcha em protesto contra os gastos para a realização da Copa no Brasil

Cai apoio da população Às portas da abertura da Copa, a expectativa de protestos vinha se confirmando, com a multiplicação de

movimentos em São Paulo e no Rio de Janeiro, em Campinas e Florianópolis, na região do ABC paulista, e em Goiânia, com baixa participação popular até então. Ameaças de greves surgiam até mesmo na Polícia Federal, aproveitando o holofote da Copa e as

Correndo atrás do atraso Na antevéspera da Copa do Mundo de Futebol, edição 2014, o País ainda corria para tentar colocar de pé os 302 empreendimentos e ações previstos para as 12 cidades que vão sediar os jogos – Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Recife e Salvador. O mais recente balanço divulgado pela Controladoria Geral da União (CGU) no Portal da Transparência

28

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

mostra que, a 23 dias da Copa, perto de 60,7% dos investimentos previstos haviam sido realizados, mais de seis anos depois de o País conquistar o direito de receber a disputa. No total, a matriz de responsabilidades, que definiu compromissos da União, dos Estados, Distrito Federal, municípios e agentes privados com investimentos em áreas prioritárias de infraestrutura nas cidades-sede desde 13 de janeiro de 2010, prevê um custo total de R$ 25,794 bilhões.

possibilidades de maior pressão nesta fase pré-eleitoral. Entre a população ou, pelo menos, entre as pessoas entrevistadas pelo Datafolha, 55% afirmavam acreditar que o torneio trará menos prejuízos do que benefícios, 39% esperavam mais ganhos do que perdas e 9% não sabiam o que responder a respeito. Na medida do Datafolha, a aprovação à Copa havia caído para 48% dos entrevistados, depois de atingir 79% em novembro de 2008, 65% em junho de 2013 e 52% em fevereiro deste ano. Em outra pesquisa, divulgada em abril, a Associação Comercial de São Paulo concluiu que 83% dos entrevistados pelo Instituto Ipsos não pretendiam alterar seus hábitos de consumo durante o período dos jogos e que apenas 13% tinham planos de gastar mais.

Daquele total, que inclui obras em estádios, aeroportos, portos, mobilidade urbana, telecomunicações, segurança, desenvolvimento turístico e segurança pública, entre outras áreas, R$ 24,247 bilhões haviam sido contratados e R$ 15,666 bilhões, de fato executados. Os índices mais baixos de execução estavam nos segmentos de desenvolvimento turístico (apenas 1,58% dos investimentos realizados), segurança pública (14,56%) e telecomunicações (21,60%).


COPA 2014 NEM TANTO,

NEM TÃO POUCO

Em cima da hora A reforma, ampliação e modernização dos aeroportos e portos e a construção de estádios apresentavam os melhores desempenhos relativos, com índices de execução. No primeiro caso, o total desembolsado já superava a previsão de investimentos de R$ 6,281 bilhões, somando R$ 6,616 bilhões em números arredondados, correspondendo a 82,5% dos R$ 8,016 bilhões contratados. Esses valores incluem investimentos de R$ 3,630 bilhões prometidos pelas empresas que assumiram as concessões dos aeroportos de Cumbica e Viracopos, em São Paulo, Juscelino Kubitschek, em Brasília, e São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte. Para os portos, com seis empreendimentos programados, haviam sido gastos R$ 464,131 milhões ou 71,46% de uma previsão de R$ 649,50 milhões.

Os gastos com estádios, alvo mais recorrente das críticas e protestos, previstos em R$ 8,005 bilhões, deverão ficar pelo menos 48% maiores do que a expectativa inicial, anunciada em 2010, quando a “matriz de responsabilidades” foi firmada entre os governos federal, estaduais e prefeituras que vão sediar os

jogos. Naquela época, a previsão de despesas girava em torno de R$ 5,4 bilhões. Nas 12 arenas previstas, haviam sido investidos R$ 5,030 bilhões no balanço da CGU, correspondendo a 62,85% da previsão, com problemas mais sérios em Curitiba, na Arena da Baixada.

„„ Novo terminal no aeroporto de Brasília: um dos poucos a ser entregue a tempo de receber passageiros para a

EM RITMO LENTO (Execução dos investimentos previstos para a Copa do Mundo de Futebol 2014 em 21 de maio, valores em R$ milhões*)

Nº de empreendimentos ou de ações

Previsto

Contratado

Executado

Aeroportos

30

6.280,56

8.016,48

6.615,55

105,3

Desenvolvimento turístico

88

184,93

12,61

2,92

1,58

Estádios

12

8.005,21

7.787,24

5.030,09

62,85

Estruturas temporárias (Copa das Confederações)

6

208,80

33,78

26,89

1,38

Mobilidade urbana

45

8.140,92

7.093,08

3.165,52

38,88

Outros

3

40,21

24,16

0,05

-

Portos

6

649,50

563,65

464,13

71,46

Segurança pública

40

1.879,10

492,54

273,63

14,56

Telecomunicações

72

404,56

223,62

87,38

21,60

25.793,79

24.247,15

15.666,15

60,74

Áreas

Total

302

Execução (%)

(*) Valores arredondados Fonte: Portal da Transparência/Controladoria Geral da União (CGU)

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

29


CAPA | COPA 2014

Uma dúzia de projetos suspensos Agravadas pela política de estímulos à produção e venda de automóveis, as deficiências na área da mobilidade urbana levaram à onda de protestos em junho do ano passado, mas não mobilizaram os investimentos previstos nem mesmo nas cidades-sede da Copa. Em janeiro de 2010, a matriz de responsabilidades previa nada menos do que 56 obras de infraestrutura nas 12 cidades, com investimentos próximos de R$ 15,4 bilhões, incluindo recursos federais, estaduais e municipais. No final, restaram 45 projetos e ações, com investimentos limitados a R$ 8,141 bilhões, dos quais R$ 7,093 bilhões haviam sido contratados. Desse total, no entanto, menos de 39% haviam sido de fato executados, num valor

aproximado de R$ 3,166 bilhões, apenas 23 dias antes do início oficial da competição, marcado para 12 de junho na Arena Corinthians, em São Paulo, que só foi entregue à Fifa em maio. Num levantamento do Portal 2014, criado pelo Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaerco), que representa

em torno de 23 mil empresas de prestação de serviços de planejamento, gerenciamento, supervisão e fiscalização de empreendimentos, 25 dos projetos de mobilidade não deverão ficar prontos até 12 de junho. Estes continuarão em andamento mesmo após o encerramento da Copa, mas sem prazos para conclusão.

SOB A MIRA DOS FISCAIS A prefeitura de Porto Alegre anunciou numa penada só, desde junho do ano passado, a retirada de dez projetos da matriz de responsabilidades, incluindo corredores exclusivos de ônibus, três linhas de BRT e projetos para ampliação de avenidas. Salvador, da mesma forma, desistiu de seu BRT, que teria 19 quilômetros e custaria algo perto de R$ 568 milhões, e decidiu investir numa linha de metrô complementar à que está em construção há quase uma década e meia. Mas nem o projeto estava pronto ainda. Em Manaus, as obras para a construção de um monotrilho e a instalação de uma linha de Bus Rapid Transit (BRT), envolvendo perto de R$ 1,6 bilhão no total, foram questionadas pelo Tribunal de Contas do Amazonas e pelo Ministério Público, não ficarão prontas para a Copa e não há previsão de data para entrega. Daniel Basil

„„ Mobilidade urbana: obras no

Rio de Janeiro fazem parte do pacote previsto para melhorar o trânsito na cidade

30

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014


COPA 2014 NEM TANTO,

NEM TÃO POUCO „„ Desvio na GO-080: obras do

Ãngela Scalon

viaduto no cruzamento com a Perimetral Norte deixam trânsito confuso em Goiânia

Antes tarde... Fora da Copa, Goiânia sofre com obras que se prolongam no tempo e projetos de infraestrutura em mobilidade urbana que não saem do papel. A construção do complexo de viadutos na Marginal Botafogo, que deverão facilitar o trânsito sobre as avenidas E e 88 a um custo em torno de R$ 13 milhões, começou em março do ano passado e foi

parcialmente entregue pela prefeitura no começo de junho deste ano. O governo do Estado prevê para junho a conclusão das obras dos viadutos na saída para Trindade (GO-060) e cidade de Goiás (GO-070), num gasto final estimado em R$ 22,3 milhões. Os projetos foram iniciados em maio de 2013 e deveriam ser entregues em dezembro do mesmo ano, segundo previsão divulgada à época. Anunciado em

maio do ano passado, o viaduto no cruzamento entre a GO-080 e a Perimetral Norte só começou a ser construído em abril deste ano, com prazo para conclusão anunciado, em princípio, para novembro próximo e custos de R$ 24 milhões. Os projetos de implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), anunciado pelo governo estadual, com custos estimados em algo próximo a R$ 1,3 bilhão para fazer a ligação entre os extremos leste e oeste da capital, e o BRT goianiense, projetado pela prefeitura para o eixo norte-sul, ainda não saíram da prancheta. Pinto Martins

A confusão nos aeroportos Atrasos afetam também a conclusão de obras nos aeroportos, inclusive naqueles que tiveram sua concessão transferida para o setor privado. A cargo do consórcio CPM Novo Fortaleza (Consbem Construções, Paulo Octávio Investimentos Imobiliários e MPE Montagens e Projetos Especiais), o projeto de ampliação do aeroporto internacional da capital cearense, estimado em R$ 336 milhões, pode nem sair do papel. Com o cronograma oficial totalmente ultrapassado, foi preciso montar um terminal de lona para atender à demanda durante a Copa. A Infraero ameaça rescindir o contrato de concessão. Em Viracopos, embora o atraso

„„ Aeroporto de Fortaleza: atraso no projeto de ampliação, estimado em R$ 336 milhões, obriga a construção de

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

31


CAPA | COPA 2014

seja muito menos considerável, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) estudava, no começo de maio, a aplicação de uma multa recorde à concessionária Aeroportos Brasil, controlada pela Triunfo Participações e Investimentos (TPI) e UTC Participações, com associação minoritária da operadora francesa Egis. A primeira etapa das obras de ampliação deveria ter sido entregue no dia 11 de maio. A concessionária assumiu o compromisso de construir um terminal com capacidade para 14 milhões de passageiros, bem mais do que os 5 milhões previstos originalmente, e havia concluído as adequações nas pistas já existentes de taxiamento, pouso e decolagem. As obras para instalação de novas pistas de taxiamento, de um edifício garagem e do novo terminal de passageiros, até o

início de maio, apresentavam porcentuais de conclusão de 97%, 95% e 92% respectivamente. Para complicar, o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) de Campinas havia decretado a interdição parcial das obras três dias antes do prazo final para conclusão do

E MAIS ATRASOS Sob administração da Infraero, as melhorias na infraestrutura do Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, com custo previsto em torno de R$ 800 milhões, deveriam ter sido terminadas no final do ano passado, mas foram dadas como concluídas pelo governo – embora ainda incompletas – apenas em abril deste ano. Os atrasos repetiram-se nos aeroportos Afonso Pena, em Porto Alegre, e Salgado Filho, em Curitiba, que deveriam estar prontos desde julho e dezembro do ano passado, pela ordem. Pior ainda, em Salvador, os trabalhos no terminal do Aeroporto Luís Eduardo Magalhães foram suspensos para evitar transtornos ainda maiores aos passageiros durante a Copa.

Comunicação a toque de caixa O setor de infraestrutura de comunicações deverá receber investimentos de R$ 404,56 milhões, dos quais menos de um quinto já haviam sido realizados a 33 dias da Copa, num valor ligeiramente abaixo de R$ 79,0 milhões, segundo relatório da Controladoria Geral da União (CGU). Desse total, apenas a Telebrás está investindo em torno de R$ 110 milhões para instalar redes de fibras óticas para o transporte de áudio e vídeo durante os jogos, interligando as 12 arenas ao Centro Internacional de Coordenação de Transmissão (IBC) instalado no Rio de Janeiro. As operadoras privadas investem perto de R$ 200 milhões na instalação das chamadas redes “indoor”, com tecnologia sem fio, que tornarão possível a cobertura dos estádios com serviços 32

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

projeto. Em Brasília, o consórcio Inframérica, que arrematou o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek em fevereiro de 2012, informava, em meados de abril, a conclusão de 93% das obras de expansão e adequação.

de 2G, 3G e 4G para celular, envio de mensagens multimídia e navegação na internet em alta velocidade. Estações móveis, de acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), foram instaladas nas proximidades das arenas para ampliar a capacidade dos celulares em dias de jogos. Mas nem tudo está tranquilo. A demora na entrega das obras civis nas arenas e em seu entorno atrasou também a construção da infraestrutura de telecomunicações, principalmente em São Paulo e Curitiba. Os equipamentos terão de ser instalados a toque de caixa e não se sabia, ainda, se haveria tempo suficiente para testes, especialmente no caso das redes da internet em banda larga sem fio (Wi-Fi).


COPA 2014 NEM TANTO,

Tânia Rego/Agência Brasil

NEM TÃO POUCO

„„ Rumo à Copa: Embratur prevê desembarque de mais de 600 mil turistas estrangeiros nos dias da competição

Turistas e empregos O aumento no fluxo turístico no País durante os dias da Copa, com o desembarque esperado de 600 mil turistas estrangeiros e a circulação de 3 milhões de brasileiros nos dias dos jogos, na previsão da Empresa Brasileira de Turismo (Embratur), deve estimular a abertura de 47,9 mil vagas no setor entre abril e junho, de acordo com estudo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na média, nos meses de junho e julho, o País recebe entre 320 mil e 350 mil estrangeiros. Parte do crescimento esperado para os dias da Copa, no entanto, deverá refletir apenas uma mudança na programação dos turistas, esperando-se números mais baixos do que a média para os meses seguintes. De uma maneira ou de outra, a maior movimentação projetada para

o período tenderá a mobilizar atividades como serviços de hospedagem, de alimentação, de transporte, agências de viagens e serviços culturais e recreativos, segundo expectativa da CNC. O número projetado representará 38,1% das 125,8 mil vagas criadas por aqueles setores no ano passado e 35,2% do total esperado para este ano. Por setores, os serviços de alimentação (bares e restaurantes) deverão abrir 16,1 mil novos empregos com a Copa (33,5% do total esperado), seguidos por transportes de passageiros (14 mil vagas, representando 29,2% da previsão) e hotéis, pousadas e similares (12,3 mil empregos adicionais, equivalentes a 25,7% do previsto). São Paulo e Rio de Janeiro, que serão sede da abertura e do encerramento da Copa, deverão responder por 52% desses empregos.

CAPACITAÇÃO DE PESSOAL A programação do governo prevê a qualificação, pelo Pronatec Copa, de 157 mil trabalhadores nas 120 cidades contempladas pelo programa, dos quais 91,9 mil já estavam qualificados ou em fase de qualificação no início do ano. A escassez de mão de obra qualificada, no entanto, tem provocado aumentos reais nos salários médios em áreas como hotelaria e idiomas, com altas, respectivamente, de 28,2% e de 12,5% no primeiro trimestre deste ano, frente ao mesmo período do ano passado, segundo pesquisa do Grupo Catho.

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

33


MÉRITO INDUSTRIAL

A CONDECORAÇÃO

MAIS ELEVADA Fieg entrega condecoração a mais nove homens públicos e empresários que têm se destacado na defesa dos interesses da indústria e da economia no Estado

A

mais alta condecoração da indústria goiana foi entregue em noite de gala promovida pela Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), no Centro Cultural Paulo Afonso Ferreira Teatro Sesi, no final de maio. Criada em 1968, a Ordem do Mérito Industrial da Fieg foi destinada neste ano a Antônio Benedito dos Santos, da Creme Mel Sorvetes; Cláudio Teixeira, da Italac; Edson Tavares, do Porto Seco Centro-Oeste; Haley Margon Vaz, ex-prefeito de Catalão; Ilézio Inácio Ferreira, da Consciente Constru-

tora; José Evaristo dos Santos, presidente da Fecomércio; José Ricardo de Oliveira, do Café Rancheiro; José Taveira Rocha, secretário da Fazenda; e Luiz Maronezi, presidente da GoiásFomento. Anfitrião da noite, Pedro Alves de Oliveira, presidente da Fieg, fez questão de destacar a contribuição dos homenageados ao desenvolvimento da indústria goiana e ao crescimento da economia no Estado de uma forma geral, com relevantes serviços prestados ainda na área social.

„„ Noite de gala: homenagem àqueles que tiveram papel destacado no desenvolvimento do Estado nos últimos anos 34

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014


Os homenageados Antônio Benedito dos Santos

Edson Tavares

Creme Mel S.A.

Porto Seco Centro-Oeste De frentista de posto de gasolina a empresário bem-sucedido, Edson Tavares da Silva passou pelos bancos da Escola Senai Roberto Mange, em Anápolis, e se diz privilegiado por ter frequentado, ali, o curso de técnico mecânico e, ao mesmo tempo, as aulas do ensino médio, período em que se aproximou de empresários como o capitão Waldir O’Dwyer. Atualmente, é diretor superintendente do Porto Seco Centro-Oeste, que responde pela gestão da estação aduaneira interior em Anápolis. Na prefeitura da cidade, Tavares ocupou três secretarias. Presidiu ainda o Sindicato das Empresas de Transportes de Anápolis (Setran) e foi diretor da Federação Interestadual das Empresas de Transporte de Cargas por duas vezes.

Depois de ser cobrador de ônibus, motorista de caminhão de mudanças e de ônibus, em 1987, Antônio Benedito dos Santos resolveu ter a própria empresa e, com a esposa Andrelina, iniciou, na garagem de sua casa, na Cidade Jardim, em Goiânia, a produção do sorvete Creme Mel. Santos apostou na qualidade de seu produto, fabricando um sorvete com leite de gado Jersey, tipo A, sem conservantes, e fez sucesso, atraindo a atenção, por exemplo, de seu ex-patrão, o empresário Odilon Santos, que se tornou sócio da Creme Mel em 2003, ajudando a empresa a se transformar no terceiro maior fabricante do País em volume produzido. Numa fase mais recente, a Creme Mel associou-se ao fundo norte-americano de private equity HIG e se prepara para novos saltos.

Cláudio Teixeira

Haley Margon Vaz

Italac

Ex-prefeito de Catalão

Na terceira geração de uma família tradicional no setor de laticínios, em 1994, o administrador de empresas Cláudio Teixeira, juntamente com os irmãos, fundou em Corumbaíba, no Sudeste do Estado, a Goiasminas Indústria de Laticínios Ltda. (Italac), que preside até hoje. A empresa começou produzindo queijo mussarela e, com arrojo e visão empreendedora, diversificou a produção e lançou leite longa-vida em várias versões, expandindo-se pelo País, e inaugurando, em 2006, sua planta de leite em pó e condensado. Colocada entre os cem maiores contribuintes de ICMS em Goiás, a empresa conquistou o prêmio de Fornecedor mais Lembrado, da revista Indústria da Alimentação.

Haley Margon Vaz aprendeu o ofício de empresário com o avô, o esloveno João Margon. Na década de 50, juntamente como mais dois sócios, fundou a primeira fábrica de macarrão de Goiás e presidiu a Associação Comercial de Catalão. Começou na política como vereador nos anos 1970 e presidiu a Câmara Municipal, foi prefeito de sua cidade entre 1983 e 1988, para, mais tarde, ocupar diversas vezes, na condição de secretário geral, o cargo de ministro da Agricultura, entre 1989 e 1990, substituindo o então titular da pasta, Iris Rezende Machado. Foi deputado federal constituinte, a partir de 1991. Duas vezes atuou como secretário da Fazenda, na gestão do então governador Iris Rezende, e foi ainda titular da Indústria e Comércio, no governo Maguito Vilela. GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

35


MÉRITO INDUSTRIAL

Os homenageados Ilézio Inácio Ferreira

José Ricardo de Oliveira

Consciente Construtora Presidente do Conselho Temático de Desenvolvimento Urbano da Fieg, o engenheiro civil Ilézio Inácio Ferreira comanda a Consciente Construtora e Incorporadora, criada por ele em 1982 e que atualmente figura entre as cem maiores empresas de construção do País. Ele foi fundador da Uniademi, terceira universidade corporativa do setor da construção no Brasil, e da Cooperativa do Setor da Construção (Copercon Goiás). Presidiu o Instituto Cidade e preside a Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Goiás (Ademi Goiás) e o Fórum de Mobilidade Urbana, de Goiânia.

Café Rancheiro

José Evaristo dos Santos Presidente da Fecomércio O empresário e juiz classista aposentado José Evaristo dos Santos preside há dez anos a Federação do Comércio e o Sistema Sesc/ Senac do Estado de Goiás (Fecomércio) e é cidadão honorário de 17 municípios goianos, inclusive Goiânia, Aparecida e Anápolis. Santos lembra que a Fecomércio e a Fieg atuam em parceria desde que foram criadas, há mais de seis décadas, “contribuindo de forma decisiva para o desenvolvimento da economia goiana, seja defendendo os empresários, seja colaborando com o governo, sugerindo medidas importantes para o fortalecimento das políticas públicas voltadas para o empreendedorismo e a livre iniciativa”. 36

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

Criada em Ouro Verde, então distrito de Anápolis, em abril de 1985, a Café Rancheiro nasceu sob a ótica da qualidade total, fundada pelos irmãos José Ricardo e Wilson de Oliveira. Economista por formação, José Ricardo exerce a função de empresário há mais de 40 anos e já teve usina de álcool e fábrica de refrigerante, entre outros negócios. Hoje, comanda da JR Imóveis, já presidiu a Associação das Imobiliárias de Anápolis (AIA), é membro da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (Adesg Goiás) e do Conselho Consultivo da Associação Comercial e Industrial de Anápolis (ACIA), onde também ocupou uma diretoria.

José Taveira Rocha Secretário da Fazenda Formado em direito e administração de empresas, funcionário de carreira do antigo Banco do Estado de Goiás (BEG), José Taveira Rocha responde atualmente pela Secretaria da Fazenda de Goiás. Em 1977, juntamente com o economista Reinaldo Fonseca, participou do projeto de criação do que viria a ser o Banco de Desenvolvimento de Goiás (BD Goiás), do qual foi diretor e, mais tarde, presidente. Taveira foi ainda vice-presidente da Cooperformoso, liquidante da Caixego, presidente da GoiásFomento, do Ipasgo e do Detran Goiás. (Foto: Denis Marlon)

Luiz Maronezi Presidente da GoiásFomento Depois de exercer cargos de auditoria e direção em grandes empresas brasileiras por mais de 30 anos, em São Paulo e em Goiás, Luiz Antônio Faustino Maronezi presidiu a Associação Comercial e Industrial de Aparecida de Goiânia (Aciag). Já na área pública, dirigiu a então Superintendência de Indústria e Comércio do Estado de Goiás, foi secretário executivo dos programas Produzir e Fomentar na Secretaria de Indústria e Comércio do Estado, e atualmente, preside a Agência de Fomento de Goiás S.A. (GoiásFomento).


ALIMENTAÇÃO

ENSINAR A COMER O PEIXE Em parceria, governo federal e Sesi Nacional querem aumentar o consumo de pescado no País, aproveitando a experiência do Programa Cozinha Brasil Janaina Staciarini e Corrêa

D

ados da Pesquisa de Orçamentos Familiares, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o consumo anual de peixe pelo brasileiro é de nove quilos por habitante, inferior ao recomendado pela Organização Mundial de Saúde, de 12 quilos. Para tentar mudar essa realidade, o Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) e o Conselho Nacional do Sesi (Sesi/CN) assinaram, dia 14 de maio, convênio destinado a implementar ações para difundir e potencializar o hábito, aproveitando a experiência do Programa Cozinha Brasil, da instituição da indústria,

cuja missão é disseminar a boa alimentação por meio do aproveitamento total dos alimentos. O diretor regional do Senai e superintendente do Sesi, Paulo Vargas, e o presidente do Conselho Nacional do Sesi, Jair Meneguelli, estiveram presentes na solenidade, reforçando a importância deste convênio. A parceria foi firmada no âmbito do Projeto de Qualificação Técnica e Profissional de Gestores, Técnicos e Colaboradores da Alimentação Escolar. Os alvos das ações são as regiões metropolitanas de Manaus, Belém, Fortaleza, Brasília, São Paulo, Florianópolis, além de Goiânia. O desenvolvimento das capacitações ficará a cargo do Senai de Goiás, escolhido pela sua expertise na execução, no acompanhamento e monitoramento de repasse de recursos financeiros e parcerias com o governo federal, segundo Rodrigo Amaral, assessor de Projetos Especiais do Conselho Nacional do Sesi. “Além disso, há a proximidade territorial com o Conselho Nacional e o Ministério da Pesca e Aquicultura, em Brasília, o que vai facilitar nosso contato”, complementa.

„„ Pescado: novas formas de

preparo para estimular maior participação de pratos à base de peixe no cardápio da merenda escolar

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

37


ALIMENTAÇÃO

Participação mínima no cardápio A estratégia é proporcionar a capacitação teórica e prática de colaboradores e manipuladores de alimentos de escolas públicas das sete regiões metropolitanas abrangidas pelo projeto de qualificação. Ao mesmo tempo, as ações visam aumentar a variedade de formas de preparo de pescado e melhorar as técnicas higiênico-sanitárias de manipulação e conservação nas cozinhas escolares. A intenção é que, em 2015, merendeiras de escolas das regiões sejam capacitadas e conheçam novas formas de utilizar o pescado nos pratos servidos na merenda escolar. De alto valor nutricional, o pescado tem presença mínima na alimentação es-

„„ Solenidade oficial: assinatura do convênio teve colar. A limitação do consumo se deve basicamente a três obstáculos principais: preços elevados, falta de hábito e produção nacional acanhada. A experiência do Programa Cozinha Brasil, do Sesi, possibilitará não só estimular o consumo de pescados, mas ao mesmo tempo propor às escolas públicas a preparação de refeições saudáveis e nutritivas. As ações têm início previsto para o próximo semestre, com seminários, qualificação, cursos de ca-

participação do ministro da Pesca e Aquicultura, Eduardo Lopes, do superintendente do Sesi e diretor do Senai, Paulo Vargas, e de Jair Meneguelli, presidente do Conselho Nacional do Sesi

pacitação e a última etapa será a avaliação final do projeto, no final de 2015. Os cursos realizados promoverão a transferência de conhecimentos técnicos e práticos para manipulação, conservação, preparo e consumo de pescados, com exposição de conteúdos técnicos e oficinas culinárias.

Consumo em Goiás acompanha a média nacional Em Goiás, o consumo de pescado também não é muito forte. O Estado é hoje o 13º no ranking, depois de já ter ocupado a 8ª posição. De acordo com Jordana Gabriel Sara, consultora técni-

ca do Senar para a área de Aquicultura, Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Silvicultura, a Federação da Agricultura do Estado de Goiás (Faeg) também está trabalhando para mudar esse cenário. Em maio, foram realizados seminários justamente com a finalidade de mostrar ao produtor o funcionamento de toda a cadeia produtiva, desde a produção de ração até formas de financiamento. “A grande bandeira que a gente levanta é a união de diversos setores para viabilizar a produção no Estado”, diz Jordana Gabriel. A consultora do Senar defende que o produtor „„ Criação de peixe em Goiás: Estado é atualmente 13º no ranking nacional de consumo de pescado aprenda a pensar como um 38

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

empresário: “Ele tem de ter em mente, antes de começar a produzir, para quem ele vai vender, quais os caminhos a serem percorridos para que tenha sucesso em sua empreitada.” Jordana acredita que projeto do governo federal e do Sesi é válido para disseminar o consumo de pescado e fazer com que seja uma realidade nos lares brasileiros. “Acredito que isso começa da criança. Se ela tiver esse hábito, aprendendo sobre a qualidade do alimento, que é uma carne branca de excelente qualidade, que seu valor nutricional é muito elevado, ela vai começar a trazer isso para a casa dela e a família vai mudando aos poucos. É um processo mesmo e acho que tem de começar a incentivar porque é uma carne muito nobre. Tem porcentual de gordura baixo e alto nível de ômega 3”, completa.


ENTREVISTA

„„ Douglas Pereira: qualificação técnica e

profissional em seis Estados, com prioridade para as capitais, e no Distrito Federal

DOUGLAS SOUZA PEREIRA Coordenador-geral de Comercialização do Ministério da Pesca e Aquicultura

Goiás Industrial – Qual o objetivo do convênio firmado entre o Ministério da Pesca e o Sesi Nacional? O principal objetivo é mitigar os entraves da inserção do pescado no cardápio das escolas públicas e filantrópicas brasileiras, identificados no Mapeamento Nacional sobre a Inserção de Pescado na Alimentação Escolar – realizado em 2012 pelo Ministério da Pesca e Aquicultura, com apoio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Os principais são a baixa aceitação pelos escolares, a falta de planejamento de pescado no cardápio e o risco de espinhas. Dessa forma, no convênio estão previstas atividades de qualificação técnica e profissional, prática e teórica, no Amazonas, na Bahia, no Ceará, no Distrito Federal, no Pará, em Santa Catarina e em São Paulo, tendo como prioridade as capitais e respectivas regiões metropolitanas, para manipuladores de alimentos de escolas públicas e filantrópicas, visando à diversificação das formas de preparo para o aumento da aceitação dos alunos, de modo a evitar as tradicionais formas “peixe ao molho” e “peixe frito”, bem como serem orientadas quanto às técnicas higiênico-sanitárias de manipulação e conservação do pescado nas cozinhas das escolas, tendo sempre como referência as receitas tradicionais à base de pescado e os ingredientes locais, além

de cumprir com as diretrizes estabelecidas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar – (Pnae). Goiás Industrial – Quais são as metas estabelecidas? Apesar de o edital de chamamento público exigir no mínimo a capacitação de 200 profissionais em cada unidade da federação, é prevista a capacitação de 50 gestores e colaboradores do Programa de Alimentação Escolar (Pnae); 140 coordenadores e responsáveis técnicos; 3.080 manipuladores da alimentação escolar de escolas públicas e filantrópicas. Goiás Industrial – Como foi feita a escolha do Sesi para o projeto? O Departamento Regional do Sesi Goiás cadastrou projeto para participar do processo de seleção pública de propostas, lançado pelo Edital de Chamamento Público nº 001/2013, publicado no dia 26 de setembro de 2013, que tinha como objeto a seleção de propostas de capacitação teórica e prática de manipuladores de alimentos de escolas públicas e filantrópicas, visando aumentar a variedade de formas de preparo de pescado e melhorar as técnicas higiênico-sanitárias de manipulação e conservação de pescado nas cozinhas escolares. Como resultado desta seleção, a proposta foi habilitada e classificada, por uma comissão técnica avaliadora instituída para esse fim, segundo os critérios estabelecidos no edital, resultando na assinatura do Convênio nº 66/2013, publicado no Diário Oficial da União, em 31 de janeiro de 2014. GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

39


COMÉRCIO EXTERIOR

ABRINDO AS PORTAS Encontro internacional realizado pela Fieg tem como meta estimular empresas de todos os tamanhos a participar do comércio mundial de mercadorias e serviços

A

lém do agronegócio e de grandes grupos, as pequenas e médias empresas também têm a chance de participar do comércio mundial de bens e serviços, mas precisam oferecer preços competitivos e produtos de qualidade, sustenta o empresário Emílio Bittar, presidente do Conselho Temático de Comércio Exterior da Fieg. Juntamente com o Centro Internacional de Negócios (CIN) da entidade, o Ctcomex promoveu, em maio, o 3º Encontro Internacional de Comércio Exterior (Eice) e o Projeto Comprador, uma rodada de negócios que colocou frente a frente indústrias goianas do setor de alimentação e potenciais importadores do México, Peru, da Itália e Guatemala. O encontro, que reuniu em torno de 250 empresários, economistas e especialistas em comércio exterior na Casa da Indústria, conforme destaca Bittar, tem como propósito estimular a formação de uma cultura exportadora no Estado, além de apresentar as principais ferramentas à disposição do CIN para apoiar incursões de empresas goianas no mercado internacional.

INTELIGÊNCIA COMERCIAL Num serviço customizado conforme o interesse do cliente, o Centro Internacional de Negócios da Fieg (CIN) elabora estudos e perfis de mercado, utilizando bases de dados e sistemas de informação específicos de comércio internacional e fornecendo diretórios de importadores. Os estudos ajudam as empresas a encontrar e analisar mercados potenciais lá fora, formular políticas de preço para o mercado global, identificar clientes no exterior, avaliar a competitividade brasileira e a concorrência nos mercados desejados.

REDE EUROPEIA DE NEGÓCIOS Desenvolvida pela Comissão Europeia, a Enterprise Europe Network (EEN) envolve perto de 600 organizações internacionais de mais de 50 países, formando uma rede global de negócios que oferece às empresas serviços de apoio à inovação e internacionalização, proporcionando acesso a mercados no exterior. No Brasil, a EEN é operada pela Rede CIN, sob a coordenação da Confederação Nacional da Indústria.

Neokoros exporta tecnologia

„„ Marco César Chaul: “Nosso diferencial está no algoritmo de identificação biométrica que desenvolvemos”

40

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

A goiana Neokoros Biometric Technology faz parte de outra classe de exportadores. Ela vende serviços de engenharia e recebe de volta, a título de royalties, equipamentos produzidos por sua parceira coreana, num modelo de negócio desenvolvido em 2007 e reforçado três anos depois, quando a empresa passou a desenvolver e exportar projetos de engenharia. “Nosso diferencial está no algoritmo de identificação biométrica que desenvolvemos”, aponta Marco César Chaul, diretor geral da Neokoros, que produz coletores de dados, placas controladoras e outros


sistemas de segurança e controle de acesso, integrados aos principais fabricantes do País, a exemplo da Digicon, Tecnibra e Dimep. O portfólio da empresa sofrerá um “upgrade” com uma nova linha de produtos, com melhor performance e custos mais competitivos e processadores mais eficientes. O lançamento no mercado brasileiro deve ocorrer no segundo semestre, mas em junho a linha renovada foi apresentada a clientes estrangeiros durante a IFSEC International, realizada em Londres.

A PROVA DE DEDOS FALSOS Em março, durante a edição 2014 da CeBIT, maior evento global do setor de tecnologia da informação realizada na Alemanha, a Neokoros acertou parceria com uma segunda empresa coreana para desenvolver um novo leitor de impressões digitais à prova de dedo falso. A tecnologia a ser embutida no equipamento consegue diferenciar o dedo humano de uma digital produzida sinteticamente, explica Chaul, e será desenvolvida pela empresa goiana durante dois anos, com apoio da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), por meio de edital do programa Tecnova. A ajuda do CIN, que tem proporcionado a oportunidade de participação em missões e eventos internacionais, e do Sebrae, reforça o empresário, “foi importante para organizar a empresa”.

„„ José Alberto da Luz Mota: exportações deverão representar 30% do faturamento até o final deste ano

O “pulo do gato” da Bioline Há 17 anos no mercado, a Bioline Fios Cirúrgicos realizou sua primeira exportação ainda em 2005, escolhendo a América do Sul como destino inicial de seus produtos, numa opção estratégica para criar uma espécie de hedge (proteção) natural para o negócio, que depende da importação de insumos e matérias-primas. “Nossa meta inicial era equilibrar a entrada e a saída de moeda estrangeira”, afirma José Alberto da Luz Mota, diretor geral da Bioline. Depois de evolução gradativa nos

primeiros anos, as vendas externas chegaram a representar 22% do faturamento no ano passado e a Bioline espera elevar a fatia para 30% ao final deste ano. A empresa prospecta negócios em novos países da América do Sul e tem planos para desembarcar no mercado europeu, buscando, para isso, certificação CE, indicando que seu produto está em conformidade com as normas da União Europeia. “Nosso ‘pulo do gato’ foi definir a qualidade do produto final, preços competitivos, num mercado dominado por multinacionais, e excelência na prestação de serviços ao cliente como pilares do nosso negócio”, comenta o empresário.

CERTIFICAÇÃO E APOIO Desde 2005, a Bioline é uma empresa certificada por boas práticas de fabricação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e, em 2009, por iniciativa própria, conta José Alberto da Luz Mota, assegurou a certificação com base na norma ISO 9001, depois de adotar sistemas de gestão da qualidade desde 2003. Além de visitar clientes no exterior e cirurgiões nos principais mercados fora do País, acrescenta Mota, a Bioline tem participado com frequência de missões internacionais e feiras, incluindo a Expocruz, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, com apoio do CIN, e de recente expedição organizada pela Fiesp a Cuba.

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

41


COSMÉTICOS

CRISE? MAS QUE CRISE? Indústria do setor de cosméticos consegue crescer a taxas de 10% ao ano em média na última década e tem planos para internacionalizar seus negócios a partir de Goiás

A

indústria de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos literalmente desconhece o que é crise e avança mesmo em momentos de turbulência no restante do setor produtivo, driblando os baixos índices de crescimento que têm predominado na economia brasileira nos últimos anos. Na média, as vendas do segmento têm registrado evolução perto ou acima de 10% ao ano na última década em Goiás, afirma Jaime Canedo, presidente do Sindicato das Indústrias Químicas de Goiás (Sindquímica), pegando carona na melhoria da renda principalmente das famílias das classes B, C e D. “No ano passado, devemos ter crescido em torno de 10% a 12% em relação a 2012”, estima Canedo, projetando faturamento ao redor de US$ 2,19 bilhões para o setor. Isso significa dizer que a indústria goiana de cosméticos mais do que dobrou de tamanho desde 2003, quando havia faturado US$ 950 milhões, conforme dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec). Com 128 empresas instaladas no Estado (ou 138 na contabilidade da Abihpec), Canedo destaca que os segmentos dedicados à fabricação de produtos para cabelos e unhas, além de cremes corporais, têm apresen42

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

„„ Avanço externo: indústria goiana de cosméticos reforça presença em grandes eventos internacionais, como a Cosmoprof, na Itália

tado as maiores taxas de crescimento no Estado, numa avaliação “mais quantitativa”, diz ele. “Não se sabe se os resultados financeiros das empresas têm acompanhado esse desempenho”, complementa. As empresas produtoras de saneantes, como desinfetantes e detergentes, têm igualmente registrado incremento no volume de vendas, mas com rentabilidade menor, já que o valor unitário dos produtos é menor do que no setor de cosméticos.

O SEXTO MAIOR NO PAÍS Numa estimativa aproximada, os dados da Abihpec, citados pelo presidente do Sindquímica, colocam Goiás na sexta posição no ranking nacional dos maiores produtores de cosméticos e produtos de higiene pessoal. Este último segmento responde por quase dois terços do faturamento da indústria, seguido pelos cosméticos, com um quarto do total, e pela perfumaria, representando 14%. Em Goiás, predominam pequenas e médias empresas, registrando-se a presença de algumas poucas empresas de grande porte, como a Hypermarcas, que se desfez de sua divisão de produtos de limpeza e concentrou sua produção nacional de medicamentos em Anápolis e a de higiene pessoal e cosméticos entre Senador Canedo e Aparecida de Goiânia, incluindo em seu portfólio 34 marcas, como as tradicionais Monange, Bozzano, Pom Pom e Paixão.


Investidas no mercado externo Depois de colecionar avanços no mercado doméstico, a indústria goiana de cosméticos ensaia investidas na área internacional, por meio de negociações diretas com clientes no exterior e de crescente participação em feiras e eventos internacionais, com suporte do Centro Internacional de Negócios (CIN) e do Conselho Temático de Comércio Exterior (Ctcomex), ambos

sob o guarda-chuvas da Fieg, e ainda do Sebrae. A mais recente ocorreu em abril, com a organização de uma missão empresarial do setor, com participação de uma dezena de indústrias goianas de cosméticos e produtos de higiene na Cosmoprof 2014, a maior feira global do setor, realizada em Bologna, na Itália. Entre as participantes, a Vitalife Indústria de Cosméticos, atualmente

„„ Rodadas de negócios: Vitalife e Dermacap participaram de encontros com importadores e parceiros potenciais na feira do setor em Bologna

em fase de expansão de sua operação, e a Dermacap Indústria e Comércio de Cosméticos esperam colher resultados mais concretos das negociações travadas durante o evento. Celso Flávio da Silva, representante da Vitalife, demonstra otimismo após o evento, indicando significativo avanço em relação a edições anteriores da Cosmoprof, a partir da realização de três contatos com “possibilidades reais de negociação”, surgindo a perspectiva de distribuição e transferência de tecnologia de produção futura de uma linha depilatória aqui no Brasil e na América do Sul. As demais negociações em curso contemplam a produção de uma marca espanhola aqui dentro e de “de introdução de nossa marca em uma rede de farmácias que atua em países como Holanda, Alemanha, França e Portugual”, sustenta ele. “Vislumbramos ainda a possibilidade real de desenvolver parcerias com entidades de pesquisas italianas de referência na Europa, quanto à segurança e eficácia relacionada ao cosmético”, afirma Silva.

NEGOCIAÇÕES COM ITALIANOS, ESPANHÓIS... A Dermacap (Natu Life Cosmetics), comenta Wélio Moura, seu diretor, adota estratégia cautelosa para internacionalizar sua operação. Seguindo seu planejamento, instalou recentemente um departamento de marketing e uma equipe de pesquisa e desenvolvimento, “com profissionais qualificados, num investimento que nos permitirá adequar e preparar melhor o nosso produto, tudo num passo-a-passo em nosso processo de internacionalização”. Nesse sentido, prossegue ele, a participação na Cosmoprof inspirou a empresa a buscar inovações, com base em “tendências e informações qualificadas”. Além disso, afirma Moura, foi a primeira vez que os produtos Natu Life puderam ser expostos no estande do Brasil dentro da feira. A indústria goiana ainda participou de rodadas de negócios com empresas da Itália, da Espanha, do Egito e Emirados Árabes. “Já enviamos algumas amostras solicitadas e aguardamos retorno das empresas para darmos prosseguimento às negociações”, adianta Moura.

„„ Wélio Moura, da Natu Life:

planejamento contempla internacionalização da empresa passo a passo

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

43


MÓVEIS

UMA INDÚSTRIA DE CARA NOVA Empresas esperam reforçar sua imagem e conquistar novos mercados com a adoção de política de comunicação mais moderna na terceira etapa do Procompi

A

indústria goiana de móveis quer apaoutubro próximo. “Na primeira etapa, foi desenvolvido recer para continuar crescendo, literalmentodo material gráfico, logomarcas e a parte de identite. A pedido do setor, foi desenvolvido um ficação visual da empresa. A segunda fase envolverá o módulo específico dentro do Programa de Apoio à desenvolvimento da comunicação na área de marketing Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias e publicidade e toda a parte digital, incluindo sites e e(Procompi), criado pela Confederação Nacional da -mails”, resume ela. Indústria (CNI), com apoio do Especializada em alta deSebrae, e executado pela Fieg coração, com fábrica no Setor e sindicatos associados, para Guanabara, em Goiânia, a Inmodernizar e reforçar a política dústria e Comércio de Móveis de comunicação das empresas JVA Ltda. pretende consolidar moveleiras com o mercado. sua marca, amplificar sua expo“Será o terceiro Procompi sição e ganhar novos mercados do setor, agora sob uma ótica a partir da implantação do promais inovadora, e permitirá grama, prevê José Luiz de Souque as empresas mostrem sua za, presidente e um dos sócios cara, com uma apresentação da empresa. A logomarca foi remais profissional e moderna, vigorada, assim como as ações facilitando a negociação com de marketing e promoções. A clientes de todos os tamanhos indústria, que pretende focar e regiões”, espera Pedro Silvério, o mercado varejista daqui para presidente do Sindicato das Infrente, diz o empresário, criou dústrias de Móveis e Artefatos „„ novos cartões, crachás e uniforPedro Silvério: apresentação mais profissional e de Madeira no Estado de Goiás mes para seus funcionários e vai moderna tende a facilitar negociações com clientes de todos os tamanhos e regiões (Sindmóveis). Nesta nova fase, mudar a fachada da fábrica e de 18 fabricantes de móveis devesuas lojas. rão desenvolver ou aprimorar logomarcas, fachadas, “É um investimento pequeno em comparação sites, catálogos de produtos e uniformes, incluindo com os benefícios alcançados”, resume Carlos Alberto padronização de toda a parte de documentos e material Pinheiro Soares, que tem duas empresas – a AV Soares gráfico e, ainda, nova sinalização no chão-de-fábrica, e Paulete Armários – participando do projeto. A nova quando necessário. programação visual foi desenhada e as duas empresas Com início em outubro do ano passado, detalha já trabalham na implantação na prática, preparando-se Regiane Pinheiro de Oliveira, consultora de comunicatambém para atualização do site. “O reforço de nossa ção da Gemini Comunicação e Design, metade do proimagem deve estimular o aumento das vendas e melhograma já foi cumprida, com previsão de conclusão até rar o relacionamento com clientes”, aposta Soares. 44

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014


MEMÓRIA | DINÂMICA ENGENHARIA „„ Eugênio Carvalho e Mário Valois: estratégia de crescimento envolve parcerias para diluir riscos e custos

UM FELIZ ENCONTRO Dinâmica Engenharia concentra operações em Goiânia, com negócios também em Brasília, e investe em programas de educação e sustentabilidade nos canteiros de obras

O

que poderia acontecer quando dois engenheiros civis começam a se encontrar com frequência entre uma concorrência e outra? No caso de Mário Valois e Eugênio Carvalho Neto, o resultado foi a criação da Dinâmica Engenharia, em abril de 1983, comandada pelos dois desde então, com negócios em Goiânia, que atualmente concentra 75% da carteira de obras, e Brasília, onde estão os restantes 25%. Em seu primeiro ano, com uma pessoa na área administrativa e dez funcionários, a empresa ocupava-se de pequenas reformas. “No ano seguinte, partimos para a construção de condo-

mínios verticais e o primeiro construído na Avenida 136, no Setor Marista, foi o nosso. No terceiro ano, já começamos com obras de incorporação propriamente”, relembra Valois. O primeiro financiamento da Caixa Econômica Federal veio nessa fase, contratado para financiar a construção de um prédio residencial no Setor Bela Vista, em Goiânia. “Decidimos ter uma participação reduzida em obras públicas, concentrando quase toda a operação na área imobiliária, que poderia nos assegurar maior autonomia e independência em relação a decisões de governos.” Na segunda metade dos anos 1980, a Dinâmica chegou a construir várias agências do Banco Itaú, em diferentes Estados, como Maranhão, Mato Grosso e Roraima, além de erguer postos para a Petrobras Distribuidora e para a Texaco. Mas, a partir de 1988, todos os esforços foram dedicados ao setor de incorporação. A construtora cresceu desde lá e hoje gera em torno de 600 empregos diretos, além de trabalhar com quase

uma centena de trabalhadores de empreiteiros contratados. Nos últimos cinco anos, a Dinâmica optou pela realização de parcerias com outras empresas do setor para continuar expandindo seus negócios, numa estratégia planejada para diluir riscos e custos. “Preferimos não ampliar nossa estrutura administrativa para continuar crescendo e estamos bem posicionados em todas as faixas do mercado, baixa, média, média-alta e alta renda, o que nos permite suportar as oscilações de mercado com maior segurança”, acrescenta Valois. Vencedora da versão 2014 do Prêmio CBIC Nacional de Responsabilidade Social, conferido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção e entregue pela presidente Dilma Rousseff durante o 86º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), realizado em maio, em Goiânia, a Dinâmica realiza trabalho de vanguarda nesta área. Em parceria com o Sesi, a construtora realiza um programa de educação para funcionários e suas famílias, cobrindo desde alfabetização e ensino fundamental até pós-graduação, bancando metade dos custos neste último caso. O projeto Família Mais Dinâmica, lançado em 2011 e premiado neste ano pela CBIC, envolve mulheres e filhos de empregados e oferece cursos de profissionalização nas áreas de artesanato, maquiagem, confeitaria, bijuterias e flores. “Atingimos 400 famílias e temos planos de beneficiar mais 200 famílias neste ano”, projeta Valois. Desde 1995, a construtora desenvolve programas de entulho zero, coleta seletiva e reciclagem e reaproveitamento de água nos canteiros. GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

45


POR DENTRO DA INDÚSTRIA

ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS / No âmbito de parceria entre Fieg, Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Goiânia sediou, no início de maio, o Workshop Atração de Investimentos Privados na Indústria Metalmecânica do Estado de Goiás. O evento, na Casa da Indústria, mobilizou representantes de diversos setores governamentais e privados, interessados em debater perspectivas de captação e aprimoramento de investimentos para a cadeia. Os trabalhos foram conduzidos pelo consultor Eli Moreno, com participação do consultor do BID Ismael Gílio, do coordenador de Projetos Especiais do Senai, Walmir Telles, e Welington da Silva Vieira, coordenador técnico da Fieg (foto). Miguel Ângelo

REELEIÇÃO UNÂNIME / O empresário Robson Braga de Andrade foi reeleito, por unanimidade, para o segundo mandato à frente da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Apenas a chapa de consenso concorreu, encabeçada por Andrade. A nova diretoria toma posse no dia 29 de outubro. O presidente da Fieg, Pedro Alves de Oliveira, faz parte da chapa eleita, como diretor, e o ex-presidente da Fieg Paulo Afonso Ferreira, que participou da diretoria do primeiro mandato de Robson Braga, continua, como terceiro vice-presidente (foto). ICQ BRASIL CERTIFICA AGR / Auditada pelo Instituto de Certificação Qualidade Brasil (ICQ Brasil), a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos (AGR) recebeu, dia 6 de junho, o certificado de qualidade no âmbito da norma NBR ISO 9001:2008. A entrega foi feita pelo presidente da Fieg, Pedro Alves de Oliveira, ao presidente da agência estatal, Humberto Tannús Júnior (foto).

MAIONESE DE PEQUI / Fruto típico do Cerrado rico em vitaminas A, C e E, além de outros componentes de alto valor nutricional, o pequi amplia seu espaço na culinária regional, onde já faz bastante sucesso. Projeto em parceria da empresa Sabor Brasil, especializada na fabricação de especiarias, molhos, temperos e condimentos, de Nerópolis, e da Escola Senai Vila Canaã, de Goiânia, resulta na maionese de pequi. Inédito no mercado, o novo produto foi lançado durante a 9ª edição do Festival Gastronômico de Pirenópolis, realizado de 22 a 25 de maio. BAIXA VOLTAGEM / A situação da Celg Distribuição complicou-se um pouco mais no primeiro trimestre deste ano. Seu patrimônio a descoberto cresceu 26,7% em relação aos três primeiros meses do ano passado, atingindo R$ 1,309 bilhão, e a dívida da empresa subiu para R$ 5,025 bilhões, num aumento de 10,7% em comparação a

Andréia Bouso

dezembro passado. A participação dos débitos de curto prazo nesse valor avançou de 46,4% para 53,3%. Ainda no primeiro trimestre deste ano, o balanço da distribuidora fechou com perdas de R$ 273,995 milhões, crescendo 248% em relação ao mesmo período de 2013.

46

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014


Renata Dos Santos

GENTE DA INDÚSTRIA

„„ SELO VERDE / Dono da Consciente

„„ O ENGENHEIRO E A JORNALISTA / O engenheiro civil Nelson Luis de Sousa (Campos Verdes Empreendimentos) e a mulher dele, a jornalista Julia Renata Rinald, soltam a voz, acompanhados da banda Túnel do Tempo. Cantor nas horas de folga, ele levou tão a sério o hobby que inaugurou recentemente sua casa noturna com nome da banda, numa bela chácara no Parque Amazonas, em Goiânia. O lugar, idealizado para ser palco de seus shows concorridíssimos de repertório retrô, foi aberto com o baile Deixa Mamãe Cair na Gandaia, comemorativo ao Dia das Mães, e depois sediou o casamento da filha do casal, Bruna, com Guilherme Pitaluga, no início de junho. Dia 14 de junho a casa de eventos será movimentada com um baile dos namorados diferenciado.

Construtora, o incorporador Ilézio Inácio Ferreira (centro) divide com a presidente Dilma Rousseff a entrega do Prêmio CBIC de Responsabilidade Social ao servente de pedreiro Paulo de Castro Silva dos Santos, vencedor na categoria Trabalhador-Modelo. A distinção, durante o 86º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), realizado em Goiânia, em maio, coroou o engajamento do trabalhador em projeto educativo em canteiros de obras, assinado pelo Sesi Goiás. Um dos condecorados recentemente pela Fieg com o Mérito Industrial (veja matéria nas páginas 34 a 36), Ilézio tem feito ultimamente sucessivas viagens a São Paulo para reuniões com a Green Building Council Brasil. A “ponte aérea” inclui técnicos da GBC em constantes vindas a Goiânia para conhecer bem de perto a Consciente Construtora. É a preparação da incorporadora para receber a certificação sustentável LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), sistema internacional de certificação e orientação ambiental para edificações, utilizado em 143 países.

„„ CONDOMÍNIO EMPRESARIAL / Emílio Bittar, da Coming Indústria e Comércio de Couros, Romeu da Silva Neiva Júnior e Cristiana Lobo, jornalista da Globo News, palestrante no lançamento do All Park Polo Empresarial, primeiro condomínio horizontal para empresas e indústrias no Estado, situado em Aparecida de Goiânia, em maio. Bittar e Júnior, anfitriões do evento, receberam empresários e políticos que ouviram o panorama político e econômico traçado pela jornalista. GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

47


GENTE DA INDÚSTRIA

„„ COSMÉTICOS PARA A COPA / A empresária Luna Pimentel comemora o segundo ano de sua indústria, a Odorata Cosméticos, com lançamento de lápis e esmalte em cores alusivas à Copa do Mundo, como verde e amarelo com brilho discreto. Ela diz que, entre as metas cumpridas, estão o novo catálogo, site incrementado com e-commerce e, lógico, o aumento das vendas do negócio door-to-door, que não perde para marcas pioneiras na revenda via revistinha. Ela voou para carreira-solo com moderna fábrica no Polo Empresarial de Aparecida de Goiânia e uma linha de produtos sofisticados, tudo depois de “anos de escola” na indústria do pai, Jeová Pimentel (Abelha Rainha) e nas faculdades de Direito e Administração de Empresas.

Hernany César (Marka Imagens)

„„ OLHO NO VIADUTO / O engenheiro Alexandre Lemos Barros (Mold Estruturas Pré-Fabricadas/Construsan) tem, na obra do viaduto da Marginal Botafogo, no Jardim Goiás, cartão de visita para os produtos carro-chefe de sua empresa: vigas de pontes e viadutos. Além de empresas em Aparecida de Goiânia, ele conta com canteiros de obras montados também fora de Goiás (Distrito Federal, Mato Grosso, São Paulo e Tocantins).

„„ DE SORVETES, PICOLÉS E CORES

48

/ O empresário goiano Antônio Santos

„„ NA CASA COR / O empresário

(Creme Mel), que tem se destacado com a expansão de sua empresa também fora de Goiás, lança neste mês de junho novas embalagens para seus produtos. Os tradicionais potes brancos deram lugar a recipientes de cores vibrantes em dourado e em vermelho. Fundada em 1987, a marca contabiliza 42 sabores de sorvetes e

Bento Loures Pinto (Finart) exibe móveis modulados que sua indústria fabricou para o ambiente do arquiteto Leo Romano, na última edição da Casa Cor, em Goiânia. Natural de Nova Veneza, ele abriu sua fábrica em 1986, no Jardim Nova Era, na capital, e acaba de inaugurar novo showroom no Setor Marista.

36 de picolé e constitui o maior mix do segmento. O produto genuinamente goiano é fabricado com leite de gado Jersey, o que, segundo Santos, influencia decisivamente na qualidade, textura e cremosidade de seus gelados.

No segundo semestre, suas linhas de modulados e de móveis especiais já serão produzidas na nova indústria, que será inaugurada no Polo Moveleiro de Senador Canedo.

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014


ARTIGO

Recursos hídricos, uma vantagem competitiva “

O

Brasil é um dos países com maior reserva hídrica do planeta, em que pese a distribuição paradoxal de suas reservas de água em relação à população de suas regiões geográficas. Assim, é que nas regiões Norte e Centro-Oeste, com apenas 20% da população do País, concentram-se 80% dos recursos hídricos nacionais, ao passo que nas demais regiões brasileiras, com 80% da população, há apenas 20% desses recursos. Apesar dessa dicotomia da divisão espacial dos recursos hídricos brasileiros, do ponto de vista da produção de energia elétrica de origem hidráulica, essas regiões têm importante função de complementariedade na geração desse insumo imprescindível para o desenvolvimento do País. O Brasil possui 260 GW de potencial para produção de hidroeletricidade, mas apenas 32% desse total estão explorados. Mesmo com um grande potencial ainda a ser desenvolvido, 110 GW possuem grandes entraves para seu aproveitamento na geração de energia elétrica por causa da legislação ambiental e da presença de parques nacionais, terras indígenas e áreas de preservação ambiental, principalmente na região Norte. Na região Sudeste-Sul brasileira, estão localizadas 70% das hidrelétricas nacionais, concentradas em cinco grandes bacias em Minas Gerais, São Paulo e Paraná, e só recentemente iniciou-se o processo de exploração da

A UTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS ENVOLVE MÚLTIPLOS ATORES E DEVE SER TRATADA DO PONTO DE VISTA DE POLÍTICAS PÚBLICAS, COM FÓRUNS DELIBERATIVOS INCLUSIVOS E REPRESENTATIVOS” FLÁVIO ANTÔNIO NEIVA Presidente da Associação Brasileira das Empresas Geradoras de Energia Elétrica (Abrage)

hidroeletricidade na região Norte, que possui cerca de 10% de seu potencial desenvolvido. A utilização das águas envolve múltiplos atores e deve ser tratada do ponto de vista de políticas públicas, com fóruns deliberativos inclusivos e representativos. No Brasil, o Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH) faz esse papel, podendo ser considerado como um Parlamento das Águas no País, por meio da aplicação das políticas públicas nacionais, consubstanciadas na Política Nacional de Recursos Hídricos e no Plano Nacional de Recursos Hídricos. As ações do CNRH visam harmonizar, ordenar e disciplinar a gestão dos usos múltiplos da água (geração de energia, pesca, agricultura, turismo, indústria, abastecimento de água etc.) e também a cobrança pelo uso da água, a regulação do funcionamento dos comitês e agências de bacia e as questões socioambientais (inundação, áreas indígenas, parques nacionais, controle de cheias etc.)

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

49


GIRO PELOS SINDICATOS

SI ND CEL

QUALIFICAÇÃO DE MÃO DE OBRA / O presidente do Sindicato das Indústrias da Construção, Geração, Transmissão e Distribuição de Energia no Estado de Goiás (Sindcel), Célio Eustáquio de Moura, visitou a turma do curso de eletricista de redes elétricas, desenvolvido na Escola Senai Dr. Celso Charuri, em Aparecida de Goiânia. Acompanhado do diretor da unidade, Marcos Antônio Mariano Siqueira, e do coordenador de Projetos Especiais do Senai, Walmir Telles, o empresário destacou a importância do curso (foto). “Nosso setor carece de profissionais qualificados, então espero que os alunos desta turma sejam nossos futuros colegas de profissão.”

SINDQU ÍM ICA

BOAS PRÁTICAS / O Sindicato das Indústrias Químicas no Estado de Goiás (Sindquímica), numa parceria com a Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins (Abipla), realizou, no início de abril, o workshop Discutindo a Nova Norma de Boas Práticas de Fabricação e Protocolos e Validação de Sistemas (foto), referente à RDC nº 47, de 25 de outubro de 2013, com a especialista Elionae Maximos.

SI ND IBR I TA

VISITA A BELO MONTE / O Sindicato das Indústrias Extrativas de Pedras do Estado de Goiás, Tocantins e Distrito Federal (Sindibrita) patrocinou, em abril, visita técnica de diretores e associados à usina hidrelétrica de Belo Monte, considerada uma das maiores obras civis do mundo, em construção na região de Altamira, no Pará.

50

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

LOGÍSTICA REVERSA / Ainda em abril, em parceria com a Faculdade Sul Americana (Fasam), o Sindquímica realizou treinamento sobre aplicação da logística reversa no setor, com participação de Renato Binoto. Em campanha paralela ao evento, o sindicato arrecadou 221 quilos de alimentos e 84 litros de produtos de limpeza, doados ao Instituto Espírita Batuíra de Saúde Mental, ao Centro de Valorização da Mulher (Cevam) e ao Centro Educacional Infantil Nossa Senhora de Nazaré. No foto, o presidente do sindicato, Jaime Canedo, e representantes do Cevam.


F I EG R EG I O N A L

PROBLEMAS ESTRUTURAIS / Uma comitiva da Fieg, liderada pelo presidente Pedro Alves de Oliveira, participou de reunião promovida pela Regional Anápolis, sob a presidência do empresário Wilson de Oliveira, para discutir demandas das indústrias instaladas no Distrito Agro Industrial de Anápolis (foto), como deficiências no suprimento de energia elétrica, na Estação de Tratamento de Esgoto, no sistema viário interno e no acesso pelo trevo da BR-060. Participaram da reunião os seguintes presidentes e diretores de sindicatos: Valdenício Andrade (SindAlimentos); Jair Rizzi (Siva); Robson Braga (Simmea); Heribaldo Egídio e Marçal Soares (Sindifargo); Luiz Ledra (Sinprocimento); Alexandre Moura (Sindtrigo). INVESTIMENTO EM ANÁPOLIS / A Empresa Brasileira de Correios, Fieg Regional Anápolis, Porto Seco CentroOeste e o Fórum Empresarial de Anápolis assinaram protocolo de intenções para a elaboração do mapeamento do mercado de logística no município. A finalidade é subsidiar os Correios na definição do projeto para a implantação de um centro de distribuição para atender ao mercado postal e de encomendas na região. A assinatura do documento ocorreu em solenidade realizada na sede do Porto Seco (foto), com a presença do diretor regional dos Correios, Sergio Douglas Repolho Negri. A Fieg Regional Anápolis lidera o trabalho, numa ação articulada com os seis sindicatos locais (Sindifargo, Sindicer/GO, SindAlimentos, Siva, Simmea e Sicma).

SI C M A

DIA DA CONSTRUÇÃO SOCIAL / A agenda do Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de Anápolis (Sicma) em maio mais uma vez incluiu sua participação, como parceiro, no 10º Feirão Caixa da Casa Própria e na 5ª Expo Casa & Móveis, evento criado por iniciativa do próprio sindicato para divulgar e fortalecer a indústria moveleira da região. Em agosto, está prevista a realização do Dia Nacional da Construção Social, numa parceria do Sicma com o Sesi Jaiara. A proposta é realizar um evento nos moldes da Ação Global, com uma extensa programação e prestação de serviços, voltada para os trabalhadores da construção e seus dependentes. GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

51


GIRO PELOS SINDICATOS

S I N D I FAR G O

VISITA À SIC / Estreitar o relacionamento e as parcerias e buscar apoio para o fortalecimento do Arranjo Produtivo Local (APL) do segmento farmoquímico. Esses foram alguns dos objetivos da visita do presidente do Sindicato das Indústrias Farmacêuticas no Estado de Goiás (Sindifargo), Heribaldo Egídio, juntamente com o presidente executivo, MarçaI Henrique Soares, ao secretário de Indústria e Comércio, William Leyser O´Dwyer, no início de maio. Na oportunidade, foi entregue ao titular da SIC um ofício contendo dados atualizados que demonstram a importância da indústria farmacêutica para a economia goiana. TÍTULO DE CIDADÃO / O presidente do Sindifargo, Heribaldo Egídio, foi prestigiado por várias autoridades no ato solene realizado pela Câmara Municipal de Goiânia, no dia 6 de maio, para a outorga do Título de Cidadão Goianiense, em reconhecimento ao trabalho que desenvolve na indústria farmacêutica e em entidades classistas de que participa.

SINDT RIGO

AGRONEGÓCIO / Presidente do Sindicato dos Moinhos de Trigo da Região Centro-Oeste, André Lavor (à direita) dirigiu reunião do Conselho Temático de Agronegócios, que também preside, com presença do superintendente de Irrigação do Estado de Goiás Alécio Morástica (à esquerda), em encontro dia 3 de junho, na Casa da Indústria.

S I N D I C E R/ G O

EXTRAÇÃO DE ARGILA / No dia 24 de abril, o Sindicato das Indústrias Cerâmicas do Estado de Goiás (Sindicer/GO), presidido por Henrique Morg (foto), realizou duas assembleias para tratar de Convenções Coletivas de Trabalho de 2014 e apresentação e aprovação da prestação de contas do exercício de 2013. Em reunião de diretoria, foram avaliados, entre outros assuntos, os desdobramentos do seminário sobre Extração de Argila para a Indústria Cerâmica, realizado na Casa da Indústria, em Goiânia, quando foi discutida a fiscalização a ser realizada em todo o Estado pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). O sindicato fez gestões ao órgão para ser informado sobre o período da fiscalização, a fim de que as empresas possam preparar a documentação necessária. 52

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014


SINDA L IM E NTOS

FÓRUM BRASILEIRO / O presidente do Sindicato das Indústrias de Alimentação de Anápolis (SindAlimentos), Wilson de Oliveira, participou do 2º Fórum Brasileiro da Indústria de Alimentos, ocorrido no dia 11 de abril, no Hotel Mercure, em Goiânia. O evento, realizado pelo Grupo de Líderes Empresariais, presidido pelo empresário João Doria Jr., e o Lide Agronegócios, liderado pelo ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, contou com as presenças do governador Marconi Perillo e do presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia), Edmundo Klotz. O fórum debateu os cenários para os mercados interno e externo, gargalos e perspectivas para a indústria do setor.

SI VA

PRESTAÇÃO DE CONTAS / O presidente do Sindicato das Indústrias do Vestuário de Anápolis (Siva), Jair Rizzi, participou, recentemente, de evento promovido no Espaço Lune pela Saneago para a prestação de contas dos investimentos feitos pela estatal nos últimos anos em Anápolis, com a presença do governador Marconi Perillo. Segundo Rizzi, a cidade deverá receber investimentos de R$ 160 milhões em sistemas de água e esgoto. Na foto, o presidente do Siva com o deputado estadual Carlos Antônio e o vice-presidente do Sindicer/GO e vice-prefeito de Campo Limpo de Goiás, Itair Nunes.

SIM M E A

APOIO AO SUBDELEGADO DO TRABALHO / O presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Anápolis (Simmea), Robson Peixoto Braga, participou de encontro (foto) na Associação Comercial e Industrial de Anápolis (Acia), que resultou num manifesto espontâneo de representações patronais e laborais ao trabalho desenvolvido no município pelo subdelegado do Trabalho, Degmar Pereira, por sua postura de diálogo com as empresas. A Fieg Regional Anápolis foi representada na reunião por Darlan Neiva de Siqueira, da área de Relações com o Mercado do Sistema Fieg.

GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014 //

53


SINDICATOS SINDICATOS COM SEDE NA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE GOIÁS Av. Anhanguera, nº 5.440, Edifício José Aquino Porto, Palácio da Indústria, Centro, Goiânia-GO, CEP 74043-010 SIAEG Sindicato das Indústrias de Alimentação no Estado de Goiás Presidente: Sandro Antônio Scodro Mabel Fone/Fax: (62) 3224-9226 siaeg@terra.com.br SIEEG Sindicato das Indústrias Extrativas do Estado de Goiás e do Distrito Federal Presidente: Domingos Sávio Fone (62) 3212-6092 - Fax 3212-6092 sieeg@sistemafieg.org.br SIGEGO Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de Goiás Presidente: Antônio de Sousa Almeida Fone (62) 3223-6515 - Fax 3223-1062 sigego@sistemafieg.org.br SIMAGRAN Sindicato das Indústrias de Rochas Ornamentais do Estado de Goiás Presidente: Eliton Rodrigues Fernandes Telefone: (62) 3225-9889 simagran@sistemafieg.org.br SINCAFÉ Sindicato das Indústrias de Torrefação e Moagem de Café no Estado de Goiás Presidente: Carlos Roberto Viana Fone (62) 3212-7473 - Fax 3212-5249 sincafe@sistemafieg.org.br SINDIAREIA Sindicato das Empresas de Extração de Areia do Estado de Goiás Presidente: Gilberto Martins da Costa Fone/Fax (62) 3224-8688 sindiareia@sistemafieg.org.br SINDCEL Sindicato das Indústrias da Construção, Geração, Transmissão e Distribuição de Energia no Estado de Goiás Presidente: Célio Eustáquio de Moura Fone: (62) 3218-5686 / 3218-5696 Sindcel.go@gmail.com SINDIALF Sindicato das Indústrias de Alfaiataria e Confecção de Roupas para Homens no Estado de Goiás Presidente: Daniel Viana Fone (62) 3223-2050 SINDIBRITA Sindicato das Indústrias Extrativas de Pedreiras e Derivados do Estado de GO, TO e DF Presidente: Flávio Santana Rassi Fone/Fax (62) 3213-0778 sindibrita@sistemafieg.org.br SINDICALCE Sindicato das Indústrias de Calçados no Estado de Goiás Presidente: Elvis Roberson Pinto Fone/Fax: (62) 3225-6402 sindicalce@sistemafieg.org.br

54

SINDICARNE Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados no Estado de Goiás e Tocantins Presidente: José Magno Pato Fone/Fax (62) 3229-1187 e 3212-1521 sindcarn@terra.com.br SIMELGO Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado de Goiás Presidente: Hélio Naves simelgo@sistemafieg.org.br Fone/Fax (62) 3224-4462 contato@simelgo.org.br SIMPLAGO Sindicato das Indústrias de Material Plástico no Estado de Goiás Presidente: Olympio José Abrão Gestor executivo: Giovanni Souto Fone (62) 3224-5405 simplago@sistemafieg.org.br SINDICURTUME Sindicato das Indústrias de Curtumes e Correlatos do Estado de Goiás Presidente: João Essado Fone/Fax: (62) 3213-4900 sindicurtume@sistemafieg.org. SINDIGESSO Sindicato das Indústrias de Gesso, Decorações, Estuques e Ornatos do Estado de Goiás Presidente: José Luiz Martin Abuli Fone: (62) 3224-7443 sindigesso@sistemafieg.org.br SINDILEITE Sindicato das Indústrias de Laticínios no Estado de Goiás Presidente: César Helou Fone (62) 3212-1135 / Fax 3212-8885 sinleite@terra.com.br SINDIPÃO Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria no Estado de Goiás Presidente: Luiz Gonzaga de Almeida Fone: (62) 8422-4022 sindipao@sistemafieg.org.br SINDIREPA Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de Goiás Presidente: Sílvio Inácio da Silva Telefone (62) 3224-0121/ 3224-0012 sindirepa@sistemafieg.org.br SINDMÓVEIS Sindicato das Indústriasde Móveis e Artefatos de Madeira no Estado de Goiás Presidente: Pedro Silvério Pereira Fone/Fax (62) 3224-7296 sindmoveis@sistemafieg.org.br SINDTRIGO Sindicato dos Moinhos de Trigo da Região Centro-Oeste Presidente: André Lavor P. Barbosa Fone (62) 3223-9703 sindtrigo@sistemafieg.org.br

// GOIÁS INDUSTRIAL // Junho 2014

SININCEG Sindicato das Indústrias de Calcário, Cal e Derivados no Estado de Goiás Presidente: Alcir Mendonça Júnior Fone/Fax (62) 3223-6667 sininceg@sistemafieg.org.br SINPROCIMENTO Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de Goiás Presidente: Luiz Ledra Fone (62) 3224-0456/Fax 3224-0338 siac@sistemafieg.org.br SINDQUÍMICA-GO Sindicato das Indústrias Químicas no Estado de Goiás Presidente: Jaime Canedo Fone (62) 3212-3794/Fax 3225-0074 sindquimica@sistemafieg.org.br SINVEST Sindicato das Indústrias do Vestuário no Estado de Goiás Presidente: Manoel Silvestre Alvares da Silva Fone/Fax (62) 3225-8933 sinvest@sistemafieg.org.br

OUTROS ENDEREÇOS SIAGO Sindicato das Indústrias do Arroz no Estado de Goiás Presidente: José Nivaldo de Oliveira Rua T-45, nº 60 - Setor Bueno CEP 74210-160 - Goiânia - GO Fone/Fax (62) 3251-3691 siagoarroz@hotmail.com SIFAÇÚCAR Sindicato da Indústria de Fabricação de Açúcar do Estado de Goiás Presidente: Segundo Braoios Martinez Presidente-Executivo: André Luiz Baptista Lins Rocha Rua C-236, nº 44 - Jardim América CEP 74290-130 - Goiânia - GO Fone (62) 3274-3133 / Fax (62) 3251-1045 SIFAEG Sindicato das Indústrias de Fabricação de Etanol no Estado de Goiás Presidente: Segundo Braoios Martinez Presidente-Executivo: André Luiz Baptista Lins Rocha Rua C-236, nº 44 - Jardim América CEP 74290-130 - Goiânia- GO Fone (62) 3274-3133 e (62) 3251-1045 sifaeg@terra.com.br SIMESGO Sindicato da Indústria Metalúrgica, Mecânica e de Material Elétrico do Sudoeste Goiano Presidente: Welington Soares Carrijo Rua Costa Gomes, nº 143 Jardim Marconal CEP 75901-550 - Rio Verde - GO Fone/Fax (64) 3623-0591 simesgo1@hotmail.com

SINROUPAS Sindicato das Indústrias de Confecções de Roupas em Geral de Goiânia Presidente: Edilson Borges de Sousa Rua 1.137, nº 87 - Setor Marista CEP 74180-160 - Goiânia - GO Fone/Fax: (62) 3088-0877 sinroupas@yahoo.com.br SINDUSCON-GO Sindicato das Indústrias da Construção no Estado de Goiás Presidente: Carlos Alberto de Paula Moura Júnior Rua João de Abreu, 427 - St. Oeste CEP 74120-110 - Goiânia- GO Fone (62) 3095-5155 contato@sinduscongoias.com.br

ANÁPOLIS Av. Engº Roberto Mange, nº 239-A, Jundiaí, Anápolis/GO - CEP 75113-630 Fone/Fax: (62) 3324-5768 e 3324-5997 fieg.regional@sistemafieg.org.br SINDALIMENTOS Sindicato das Indústrias da Alimentação de Anápolis Presidente: Wilson de Oliveira sindalimentos@sistemafieg.org.br SICMA Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de Anápolis Presidente: Álvaro Otávio Dantas Maia sicma@sistemafieg.org.br SINDIFARGO Sindicato das Indústrias Farmacêuticas no Estado de Goiás Presidente: Heribaldo Egídio Presidente-Executivo: Marçal Henrique Soares sindifargo@sistemafieg.org.br SIMMEA Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Anápolis Presidente: Robson Peixoto Braga simmea@sistemafieg.org.br SINDICER-GO Sindicato das Indústrias de Cerâmica no Estado de Goiás Presidente: Henrique Wilhelm Morg de Andrade sindicergo@sistemafieg.org.br SIVA Sindicato das Indústrias do Vestuário de Anápolis Presidente: Jair Rizzi siva@sistemafieg.org.br Senhor empresário: A FIEG é integrada por 36 sindicatos da indústria, com sede em Goiânia, Anápolis e Rio Verde. Conheça a entidade representativa de seu setor produtivo. Participe. Você só tem a ganhar.


Agora, o seu projeto para o futuro não precisa mais esperar tanto tempo. EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO 2014.

MARCELO ALMEIDA GERENTE DE INOVAÇÃO QUE DESENVOLVEU UM APLICATIVO COM CURSOS DE ATUALIZAÇÃO PARA SEUS FUNCIONÁRIOS VIA TABLET E CELULAR

www.editaldeinovacao.com.br

Chegou o Edital SENAI SESI de Inovação 2014. Seus projetos inovadores contam com um grande incentivo para aumentar a produtividade das empresas e startups brasileiras e melhorar a educação, saúde, segurança e qualidade de vida dos seus trabalhadores. E este ano o Edital traz novidades. Agora você tem ainda mais chances de emplacar os seus projetos, afinal pode enviá-los durante todo o ano. É isso mesmo, são quatro ciclos de avaliação. Para saber mais, acesse: www.editaldeinovacao.com.br. Não perca tempo, crie o futuro agora.

APOIO:

REALIZAÇÃO:

SESI: (62) 3219-1392 SENAI: (62) 3219-1496

Profile for Sistema FIEG

Revista Goiás Industrial – Edição n. 258  

FIEG

Revista Goiás Industrial – Edição n. 258  

FIEG

Advertisement