Issuu on Google+

Metalúrgicos de Canoas e Nova Santa Rita

Ano XX

nº 278

AGOSTO / 2013

PESQUISA entre trabalhadores e trabalhadoras metalúrgicos de Canoas e Nova Santa Rita

O Sindicato quer saber sua opinião O Sindicato dos Metalúrgicos quer, cada vez mais, melhorar o atendimento e a relação da entidade com sua base metalúrgica (Canoas e Nova Santa Rita). Por isso, está realizando a partir da segunda quinzena deste mês de agosto uma pesquisa para aferir como atualmente a categoria (sócios e não sócios) está avaliando a entidade, a ação sindical e os serviços prestados por ela. Se você for um dos aleatoriamente escolhidos para responder a pesquisa, colabore! Ajude a entidade a ser cada vez melhor, mais atuante e combativa.

Veja como será a pesquisa Embora seja ampla, buscando a opinião dos aposentados e dos trabalhadores das 33 maiores empresas dos três setores que compõe a nossa base (metalurgia, máquinas agrícolas e reparação de veículos), a pesquisa é por amostragem, ou seja, apenas uma parte dos trabalhadores aleatoriamente escolhidos vão responder os quesitos formulados pela Qualitá - Consultoria e Pesquisa, empresa contratada para fazer a coleta e a tabulação dos dados. A pesquisa de campo (busca das respostas no local de trabalho) será realizada por um entrevistador identificado que irá preencher um questionário eletrônico, pessoalmente com o/a trabalhador/a. A escolha do/a trabalhador/a é feita de maneira aleatória, sem indicação ou seleção prévia do entrevistado. O/a trabalhador/a não precisa se identificar e os dados serão absolutamente sigilosos. A pesquisa deverá ser aplicada entre os meses de agosto e setembro de 2013 e deve entrevistar 413 pessoas de ambos os sexos e variadas faixas etárias e tempo de serviço. Os resultados serão conhecidos e amplamente divulgados a partir de outubro. Veja abaixo a relação das empresas onde os/as trabalhadores sócios/as ou não-sócios/as serão entrevistados: Agco Alstom Biometal Brozauto Canoas Truck Comafal Dipesul Edlo Forjasul Fullgauge Galvânica

Harman Ikro Liess Madef Mangels Maxiforja Micheletto Midea MWM Muzymed Pampa

Projeto PS Zamprogna Raisman Siverst Retificadora Metropolitana Siemens Sulbra Sulforja Sulmatre Usiforja Sulpol Superfície Tratamento Urano Tecnologia Valecar

Pesquisa vai analisar a luta, a estrutura e os serviços do sindicato

Leia na outra página CUT e sindicatos pressionam patrões, governos e parlamentares contra o PL 4330, da terceirização


2

Fone: 0800-6024955

Jornal A Vez e Voz do Peão - Agosto de 2013

AGOSTO DE LUTAS

CUT e sindicatos pressionam patrões, governos e parlamentares contra a terceirização No dia 6 de agosto passado, a CUT e outras centrais promoveram vigílias e atos públicos em frente às entidades patronais. Na semana entre os dias 12 e 16 de agosto, a pressão mais uma vez será no Congresso Nacional. Caso as propostas da classe trabalhadora sejam desconsideradas, o movimento sindical vai paralisar o país no dia 30. A CUT e demais centrais sindicais realizaram na terça-feira, 6 de agosto, em todo o país, um dia nacional de protesto contra o Projeto de Lei 4330, que piora as condições de trabalho dos terceirizados. Em Porto Alegre, a CUT concentrou representantes dos principais sindicatos da região metropolitana em frente à Fiergs, zona Norte da capital, entre os quais o Sindicato dos Metalúrgicos de Canoas e Nova Santa Rita. Ali, cerca de 300 metalúrgicos, sapateiros, professores, vigilantes, servidores públicos e trabalhadores e trabalhadoras de outras categorias realizaram uma vigília desde às 6h até o final da manhã. Outras centrais como a Força Sindical e a CTB realizaram mobilizações em frente à sede de outras entidades patronais, como a Fecomércio, no Centro da cidade. No país, a CUT também promoveu passeatas e outros atos de protesto em frente a entidades patronais, legislativos e prefeituras.

O rabo preso da maioria parlamentar No dia 6, os empresários foram o principal alvo das manifestações porque foram eles que reivindicaram aos parlamentares do Congresso Nacional a apresentação e, agora, aprovação desse projeto que precariza ainda mais o trabalho terceirizado. “Infelizmente, esse Congresso Nacional não representa democraticamente toda a sociedade brasileira e a classe trabalhadora. O sistema eleitoral permite o financiamento privado das campanhas eleitorais, o que faz com que o parlamento fique hegemonizado por representantes de Flavião e Bira, da empresários e pelos próprios empresários, motivo CNM/CUT, no protesto pelo qual o PL 4330 é uma reivindicação patronal em frente à Fiesp que tem forte apoio de deputados e senadores financiados por empresários”, explicou o presidente nacional da CUT Vagner Freitas. Embora os partidos de esquerda – entre eles o PT, PCdoB, PSTU e Psol estejam empenhados em rejeitar o PL 4330, outros partidos como o Dem, PSDB, PMDB e PPS possuem ampla bancada favorável ao projeto. Este é o motivo pelo qual a CUT publicou em seu portal nacional de Internet (www.cut.org.br) nomes e emails dos parlamentares que participarão da votação para que os trabalhadores e toda a população possam pressioná-los contra a aprovação do PL 4330.

Lutar contra os retrocessos A CUT e outras centrais avaliam que a discussão sobre a PL 4330 pouco avançou a favor da classe trabalhadora. Há retrocessos nas propostas do governo e dos empresários sobre os seis pontos considerados prioritários pelos trabalhadores: o conceito de atividade especializada; os limites à terceirização; o entrave para a quarteirização; o significado dado à responsabilidade solidária (aquela em que a empresa contratante é responsável por quitar dívidas trabalhistas deixadas pela terceirizada); o caso dos correspondentes bancários; e a organização e representação sindical.

Pressão em Brasília Enquanto as negociações continuam, o texto de autoria do deputado federal Sandro Mabel (PMDB-GO), que já recebeu aval do relator do PL na Comissão de

Concentração de militantes na Fiergs para protestar contra o PL 4330

Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara (CCJC), deputado federal Arthur Maia (PMDB-BA), aguarda a votação, que pode ocorrer a partir do dia 13 de agosto. Por este motivo, caravanas vindas de todas as regiões do país vão se concentrar em Brasília na semana do dia 12 a 16 de agosto. O objetivo é pressionar a maioria conservadora do parlamento a não votar o PL 4330 ou votá-lo considerando as reivindicações da classe trabalhadora. Os metalúrgicos do RS vão comparecer com dois ônibus lotados. A base metalúrgica de Canoas e Nova Santa Rita estará representada por 10 companheiros do sindicato. De acordo com um estudo de 2011 da CUT e do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o trabalhador terceirizado fica 2,6 anos a menos no emprego, tem uma jornada de três horas a mais semanalmente e ganha 27% a menos. A cada 10 acidentes de trabalho, oito acontecem entre terceirizados. Estima-se que o Brasil tenha hoje cerca de 10 milhões de terceirizados, o equivalente a 31% dos 33,9 milhões de trabalhadores com carteira assinada no país.

30 de agosto Dia Nacional de Paralisações Se o PL 4330 não foi retirado ou não avançar no sentido de considerar as propostas do movimento sindical, as centrais garantem que a pressão continuará até que a situação tenha um fim positivo para a classe trabalhadora. Uma nova grande mobilização, que ocorrerá em todo o Brasil com todas as centrais sindicais, está marcada para o dia 30 de agosto. Chamado de Dia Nacional de Paralisações, o 30 de agosto será o início de grandes mobilizações contra as constantes ofensivas que governos, parlamentares e empresários fazem contra os direitos da classe trabalhadora. Desde já, a classe trabalhadora está convocada a colaborar com esta luta. Hoje é a terceirização sem limites. Amanhã pode ser a retirada de direitos fundamentais como o FGTS, as férias, o 13° salário e outros, inclusive sociais e previdenciários. Não podemos ficar calados, aceitando que mexam nos direitos que foram consagrados depois de muitos e longos anos de luta. Não podemos deixar para as futuras gerações uma herança maldita de direitos retirados ou flexibilizados. O nosso sindicato e a CUT estão fazendo a sua parte nesta luta e contam com a participação e o protagonismo de todos os trabalhadores metalúrgicos O jornal A Vez e a Voz do Peão é uma publicação do Sindicato dos Metalúrgicos de Canoas e Nova Santa Rita - STIMMMEC Rua Caramuru, 330 - Centro - Canoas/RS - Fone: 0800.6024955 - Site: www.sindimetalcanoas.org.br - Email: stimmmec@terra.com.br Facebook: /sindicato.metalurgicodecanoas - Colônia de Férias: (51) 3683.1819 - Presidente: Paulo Chitolina - Vice-presidente: Silvio Roberto Lopes Bica - Secretário de Imprensa: André Severo Soares (Índio) - Assessoria de Imprensa: Geraldo Muzykant (Reg. Prof. n° 8658) Estagiária em Jornalismo: Paula Viegas - OBS.: A reprodução total ou parcial do conteúdo deste jornal é permitida desde que citada a fonte.

EXPEDIENTE

Metalúrgicos de Canoas na vigília realizada em frente à Fiergs


Jornal A Vez e a Voz do Peão