Issuu on Google+


Otávio Dias ∞ Bradesco

Presidência otavio@bancariosdecuritiba.org.br Antonio Luiz Fermino • Caixa

Carlos Alberto Kanak • HSBC

Secretaria Geral fermino@bancariosdecuritiba.org.br

Secretaria de Finanças kanak@bancariosdecuritiba.org.br

Kelson Morais Matos • Bradesco

André C. Branco Machado • Banco do Brasil

Secretaria de Organização e Suporte Administrativo kelson@bancariosdecuritiba.org.br

Secretaria de Imprensa e Comunicação andre@bancariosdecuritiba.org.br

Genésio Cardoso • Caixa

Cristiane Zacarias • HSBC

Secretaria de Formação Sindical genesio@bancariosdecuritiba.org.br

Secretaria de Igualdade e da Diversidade cristiane@bancariosdecuritiba.org.br

Karla Cristine Huning • Bradesco

Ana Maria Fideli Marques • Itaú

Secretaria de Assuntos Jurídicos Coletivos e Individuais karla@bancariosdecuritiba.org.br

Secretaria de Saúde e Condições de Trabalho anafideli@bancariosdecuritiba.org.br

Marcio M. Kieller • Itaú

Ana Luiza Smolka • Banco do Brasil

Secretaria de Políticas Sindicais e Movimentos Sociais kieller@bancariosdecuritiba.org.br

Secretaria de Cultura anasmolka@bancariosdecuritiba.org.br

Júnior César Dias • Itaú

Pablo Sérgio M. Ruiz Diaz • Banco do Brasil

Secretaria de Mobilização e Organização da Base junior@bancariosdecuritiba.org.br

Secretaria de Ass. de P. Sociais e E. Socioeconômicos pablo@bancariosdecuritiba.org.br

Anselmo Vitelbe Farias • Itaú

Genivaldo A. Moreira • HSBC

Secretaria de Assuntos do Ramo Financeiro anselmo@bancariosdecuritiba.org.br

Ademir Vidolin - Bradesco Ana Paula Araújo Busato - BB Alessandro Greco Garcia - BB Armando Antonio Luiz Dibax - Itaú Audrea Louback - HSBC Claudemir Souza do Amaral - Santander Claudi Ayres Naizer - HSBC Clovis Alberto Martins - HSBC Darci Borges Saldanha - Itaú Davidson Luis Zanette Xavier - BB Débora Penteado Zamboni - Caixa Denívia Lima Barreto - HSBC Edison José dos Santos - HSBC Edivaldo Celso Rossetto - HSBC Eustáquio Moreira dos Santos - Itaú Gerson Laerte da Silva Vieira - BB Herman Felix da Silva - Caixa

Secretaria de Esportes e Lazer genivaldo@bancariosdecuritiba.org.br

João Paulo Pierozan - Caixa Jorge Antonio de Lima - HSBC José Carlos Vieira de Jesus - HSBC Karin Tavares - Santander Lilian de C. Graboski - Santander Nilceia Aparecida Nascimento - Bradesco Orlando Narloch - HSBC Rodrigo Pilati Pancotte - BB Selio de Souza Germano - Itaú Sidney Sato - Itaú Sonia Regina Sperandio Boz - Caixa Tarcizo Pimentel Junior - HSBC Ubiratan Pedroso - HSBC Valdir Lau da Silva - HSBC Vanderleia de Paula - HSBC Vandira Martins de Oliveira - Itaú

Efetivos

Suplentes

Ivanício Luiz de Almeida - Itaú Unibanco Denise Ponestke de Araújo - Caixa Margarete Segalla Mendes - HSBC

Tânia Dalmau Leyva - Banco do Brasil Edna do Rocio Andreiu - HSBC Carolina M. Mattozo - Banco do Brasil


SEEB Curitiba Joka Madruga/ SEEB Curitiba

Nesta edição especial com o balanço de gestão, Sindicato reúne principais conquistas obtidas nos bancos públicos e privados desde o ano de 2008.

Ronaldo Barroso/CUT

06 Mobilização e união

14 PL 4330

12 Direito conquistado

Durante os triênios 2008/2011 e 2011/2014, dentre as diversas mobilizações, a categoria bancária venceu a luta contra o projeto de lei que escancara as terceirizações e acabaria com a categoria.

SEEB Curitiba

Relembre os destaques de oito anos de conquistas garantidas pela Convenção Coletiva que vão muito além do aumento real.

20 Para não esquecer Em 2012, os bancários de Curitiba comemoraram 80 anos de lutas e conquistas, consagrados com o lançamento de um livro histórico.

04 05 06 12 14 16 18 20 22 24 26

Cartas do leitor Editorial Bancos Convenção Coletiva Capa Vida Sindical Jurídico Memórias da luta Saúde Cultura Sindicato junho 2014

03


Um sindicato de bancários, uma luta de todos Mais do que nunca, nos dois últimos triênios, o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região reforçou sua atuação como sindicato cidadão, lutando em defesa da categoria bancária e também em prol de uma sociedade mais justa e igualitária. Foram muitas e árduas lutas – do reajuste salarial ao combate à terceirização; do fim das metas abusivas à igualdade de oportunidades –, que resultaram em grandes conquistas. Com isso, a entidade se orgulha de ter se aproximado ainda mais dos trabalhadores, seja na defesa insistente dos direitos dos bancários no confronto com a classe patronal ou no auxílio diário a afastados e demitidos nas áreas jurídica e de saúde. E, assim como os bancários são gratos pela atuação sindical, o Sindicato agradece a todos que contribuíram e fizeram parte da gestão 2008-2014. “[...] queria registrar o quanto fui ajudado pelo Sindicato. Muitas pessoas duvidam do apoio dado pela entidade e até eu mesmo achava que o Sindicato não ajudaria muito. Mas quando eu precisei, recebi todo o apoio – e reconheço que pensei de maneira errada. Realmente o Sindicato é um parceiro do bancário. Percebi o quanto o banco não se preocupa com o empregado e o quanto o Sindicato luta por todos nós. Muito obrigado a todos!” Bancário do HSBC Que no próximo triênio, o Sindicato possa se tornar ainda mais forte, reforçando a unidade da categoria bancária.

Operação Banqueiro Autor: Rubens Valente Páginas: 464 Editora: Geração

O livro traz revelações e novas provas sobre as ações do banqueiro Daniel Dantas e do Banco Opportunity. Os dados publicados são provenientes de documentos e inquéritos policiais e administrativos de interesse público. Revela os bastidores da Operação Satiagraha, de 2008.

O lobo de Wall Street Gênero: Drama Tempo de duração: 179 min Ano de lançamento: 2013

Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio) é contratado na bolsa de Wall Street e logo perde o emprego. Com o sonho de enriquecer, cria uma empresa para venda de papéis de baixo valor que não estão na bolsa. Um filme de Martin Scorcese.

A revista Bancári@s é uma publicação bimestral do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região, produzida pela Secretaria de Imprensa e Comunicação. Presidente: Otávio Dias • otavio@bancariosdecuritiba.org.br Sec. Imprensa: André Machado • andre@bancariosdecuritiba.org.br Rua Vicente Machado, 18 • 8° andar CEP 80420-010 • Fone 41 3015.0523 www.bancariosdecuritiba.org.br Os textos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores.

04

junho 2014

Conselho Editorial: André Machado, Ana Smolka, Carlos Kanak, Genésio Cardoso, Júnior Dias e Otávio Dias Jornalista responsável: Renata Ortega (8272-PR) Redação: Flávia Silveira, Paula Padilha e Renata Ortega Projeto gráfico: Fabio Souza e Renata Ortega Diagramação e Capa: Alinne Oliveira Revisão: Maria C. Périgo Impressão: Maxigrafica • Tiragem: 9.000 Contato: imprensa@bancariosdecuritiba.org.br


A Luta e organização dos bancários impediu que o Projeto de Lei 4330 fosse votado na CCJC e ele não será votado no Congresso Nacional em 2014. É preciso muita organização dos trabalhadores, pois acreditamos que o debate retorne após as eleições de outubro. O PL escancara a terceirização nas atividades-fim e pode acabar com a categoria bancária. Otávio Dias/SEEB Curitiba

Seguir conquistando Iniciamos a gestão em 2008, ano de uma das piores crises no mundo, com o sistema financeiro desabando. Ficou claro que a crise nos bancos foi resultado da política neoliberal mundo afora, inclusive no Brasil, onde a regra sempre foi a concentração da renda e a pobreza. A grande mídia nos questionava se era momento de fazer qualquer tipo de mobilização, em especial a nossa greve. E assim fomos muito mais longe no enfrentamento aos banqueiros. A economia no Brasil se manteve, fomos o último país a entrar na crise e o primeiro a sair. Conseguimos manter a política de aumento real e agregamos novas conquistas. Somos a primeira categoria a assinar um Acordo Coletivo para prevenção e combate ao Assédio Moral. Ampliamos a licença-maternidade de 120 para 180 dias, permitindo que mães bancárias fiquem mais tempo com seus bebês. Lutamos por saúde e condições de trabalho e pelo emprego.

Na última Campanha Salarial, os banqueiros chegaram intransigentes, tentando romper a política de aumento real, ameaçando com o desconto dos dias parados. Com unidade, ousadia e coragem, os bancários conquistaram aumento real e a compensação, resultando em 71% de anistia dos dias parados. Na Caixa, conquistamos o Plano de Cargos e Salários, impedimos a reestruturação, passamos por um grande enfrentamento contra a Circular 107 e conquistamos uma liminar garantindo os direitos dos empregados. Conquistamos a PLR Social, e pela primeira vez, a contratação de trabalhadores via acordo coletivo. No Banco do Brasil elencamos diversas conquistas nesta edição. Destacamos a luta desde 2012 contra o novo Plano de Funções. Demonstramos autonomia frente à postura intransigente da direção do BB. Denunciamos no MPT a investigação de bancários adoecidos por empresas especializadas, uma verdadeira devassa na

vida privada dos afastados, denúncia que resultou em uma ação civil pública contra o HSBC e uma multa de R$ 67 milhões. Reconstruímos a história do nosso Sindicato, lançando um livro em 2012 sobre os 80 anos da entidade e, pela primeira vez, aconteceu em Curitiba a Conferência Nacional dos Bancários. Revitalizamos a Sede Campestre, para receber os bancários e seus familiares. Iniciamos um projeto junto à Prefeitura local para pavimentação da rua de acesso. Compramos um imóvel próximo ao Espaço Cultural, um local de luta já reconhecido, onde será construída a nova Sede Administrativa, e deixamos recursos suficientes para construção do espaço. Vida longa ao Sindicato e excelente gestão que se inicia! Obrigado aos bancários e bancárias de Curitiba e região pela confiança e participação em nossas lutas. Otávio Dias, Presidente do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região da gestão 2008/2014. junho 2014

05


HSBC é condenado por espionar empregados BANCO INVESTIGOU AFASTADOS POR ADOECIMENTO ENTRE 2001 E 2002 E FOI CONDENADO A PAGAR INDENIZAÇÃO DE R$ 67,5 MILHÕES POR DANOS COLETIVOS

Em julho de 2012, o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região trouxe à tona uma grave denúncia contra o HSBC. Em 2011, a entidade recebeu um dossiê Foi uma grande com diversos documentos que apontavam uma suposvitória judicial, ta investigação confidencial contra uma contratada pelo banco inglês. Os materiais, produatitude do HSBC zidos pela SPI Agência de que passou de Informações Confidenciais, continham informações de todos os limites.” 164 bancários afastados por motivo de saúde, em sua maioria trabalhadores de Curitiba e região, mas também do resto do Paraná, e dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O dossiê, produzido em 2001 e 2002, trazia fotos dos investigados e familiares, relatório completo de

2008

suas rotinas, seus antecedentes criminais e demais pendências judiciais, certidões comercias e de bens, quebra de sigilo bancário e 18 horas de gravação de imagens. O Sindicato formalizou a denúncia contra o HSBC no Ministério Público do Trabalho, em julho de 2011. A sentença, porém, saiu apenas em fevereiro de 2014. A 8ª Vara de Trabalho de Curitiba condenou o banco a pagar indenização de R$ 67,5 milhões, por dano moral à coletividade. O Sindicato também move ação pedindo indenizações individuais para cada funcionário que teve sua privacidade violada pelo HSBC. A ação está em fase de instrução probatória, na 13ª Vara de Curitiba. “Foi uma grande vitória judicial, contra uma atitude do HSBC que passou de todos os limites. É inaceitável que qualquer empregador exponha seus trabalhadores a uma situação como esta, principalmente quando estão fragilizados pelo adoecimento e afastamento do trabalho”, enfatiza Otávio Dias, presidente do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região.

21de junho

Solenidade de posse da nova diretoria A nova diretoria do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região toma posse, sob a presidência de Otávio Dias. A diretoria foi eleita com 96,76% dos votos. Arquivo/SEEB Curitiba

06

junho 2014


Conquistas no BB são frutos de mobilização FUNCIONÁRIOS DA CABB DERAM EXEMPLO DE ORGANIZAÇÃO E TIVERAM IMPORTANTES CONQUISTAS NOS ÚLTIMOS ANOS

Nos últimos anos, os funcionários do Banco do Brasil passaram por uma série de enfrentamentos com a gestão do banco, mas a resistência e a luta trouxeram aos funcionários importantes vitórias. Em 2013, a implementação do novo Plano de Funções e Gratificações trouxe prejuízos significativos ao funcionalismo. O BB utilizou, inclusive, o novo plano para reduzir a remuneração daqueles que diminuíram sua jornada de 8h para 6h. O Sindicato, pioneiro nas ações de 7ª e 8ªs horas, mobilizou toda sua base contra o novo plano, com atos, paralisações e greve. E os primeiros resultados vieram por vias judiciais. Em dezembro do mesmo ano, a 6ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho julgou ação do Sindicato que questiona-

va a validade do novo plano e condenou o banco ao pagamento das horas extras (7ª e 8ª) dos empregados que ocupam ou ocuparam a função de Analista Econômico Financeiro, reconhecendo, ainda, que tais funcionários devem ter jornada de 6h, sem redução de salário. O banco teve de pagar, então, as perdas salariais causadas pelo Plano de Funções. Ação de anuênio Em 1998, o BB simplesmente cortou o anuênio de todos os bancários, mesmo sendo um direito garantido em contrato individual de trabalho e que constava em carteira. Sendo assim, o Sindicato moveu ação contra a instituição pedindo pagamento das diferenças e obteve sucesso. Os valores foram recebidos em folha

08 de outubro

de pagamento pelos funcionários que ainda estavam na ativa, em 2007. Os valores atrasados estão em execução definitiva. CABB Os funcionários das Centrais de Atendimento mostraram a força de sua mobilização e conquistaram pontos importantes de sua pauta específica. Na Campanha Nacional de 2012, foram conquistadas a equiparação dos atendentes A e B e a redução da trava de dois para um ano para concorrência no SACR ou cargos comissionados. Os bancários do BB também conquistaram, na Campanha de 2010, o aumento de uma para três avaliações negativas necessárias para descomissionamento por desempenho.

17 de dezembro Divulgação da “porta do inferno” é censurada

Justiça obriga HSBC a emitir CAT aos lesionados

Em 2008, o Sindicato de Curitiba utilizou em atos a expressão “porta do inferno” para designar as agências bancárias. Uma decisão judicial determinou que o termo não poderia mais ser utilizado nas divulgações e o Sindicato precisou retirar, em 24 horas, todo o conteúdo de sua página na internet sob pena de multa. A própria Febraban ingressou com o pedido.

O Sindicato obteve vitória judicial contra o HSBC e derrubou uma liminar que o banco tinha obtido para que não fossem aplicados os efeitos da sentença que favorecia os trabalhadores. O banco foi obrigado a emitir CAT para lesionados em caso de suspeita de doença do trabalho e a suspender as demissões até a avaliação do INSS.

Arquivo/SEEB Curitiba

junho 2014

07


As vitórias dos empregados da Caixa BANCÁRIOS TIVERAM MELHORIAS NA REMUNERAÇÃO E NA JORNADA, FAZENDO VALER SEUS DIREITOS

Em 2008, após uma série de cobranças em negociações com a Caixa Econômica Federal, os bancários aprovaram, em assembleia, o novo Plano de Cargos e Salários. À época, os trabalhadores pediam a unificação das tabelas e mudanças nos critérios de avaliação de desempenho para a progressão na carreira. A proposta da Comissão de Empregados da Caixa tinha como parâmetros a não vinculação da avaliação ao cumprimento de metas, a definição de critérios mais objetivos, a implantação da avaliação cruzada, a criação de uma comissão para aprofundar esses critérios, entre outros pontos. O PCS aprovado pelos funcionários estabeleceu piso e teto de R$ 1.244 e R$ 3.700, o que representava uma amplitude de 197,4% na carreira e redução dos níveis, de 72 para 48, que melhorou a perspectiva de ascensão.

18 de dezembro

7ª e 8ª horas Desde 2004, o Sindicato ajuíza ações de 7ª e 8ª horas na Caixa Econômica, para os mais diferentes cargos, postulando o pagamento destas horas como extras. Desta forma, a entidade demonstra reparar irregularidades trabalhistas por meio da Justiça, garantindo o direito dos trabalhadores. Em dezembro de 2009, cinco bancários com função de Técnico Social foram os primeiros a receber o pagamento da ação. Em julho de 2013, os analistas da Caixa receberam os valores referentes à ação, sendo R$ 76 milhões pagos. Além disso, desde 2011 estes analistas possuem jornada de 6 horas, sem redução salarial. “Tivemos grande êxito nestas ações, a ponto de fazermos com que os empregadores tivessem que revisar seus planos de funções, adotando a jornada de 6 ho-

2009

ras para vários cargos”, comemora Nasser Allan, advogado do Sindicato. Ação dos tíquetes Em 2012, foi instalada a Comissão de Conciliação Voluntária (CCV) exclusiva para negociar tíquete-alimentação de ex-empregados, aposentados e funcionários em vias de aposentadoria. O Sindicato também entrou com ação contra a Caixa, em 2008, pedindo o pagamento aos bancários sindicalizados, admitidos no banco até abril de 1991, os reflexos da integração do auxílio-alimentação ao salário. O TRT deu julgamento favorável ao Sindicato, garantindo o direito aos empregados contratados até agosto de 1987. A ação se encontra em sede de execução definitiva, entrando na fase dos cálculos de liquidação do julgado.

19 de janeiro

Campanha ajuda vítimas de deslizamento de SC

Ato contra demissões nos CAs Xaxim e Kennedy

O Sindicato realizou um jantar beneficente por adesão para arrecadar ajuda financeira e contribuir com as vítimas das enchentes em Santa Catarina. O valor de R$ 1 mil arrecadado foi depositado na conta corrente da Defesa Civil do Estado de Santa Catarina.

No dia 16 de janeiro, mais de cem bancários de centros administrativos do HSBC foram demitidos sem justa causa e o Sindicato fechou os CAs Xaxim e Kennedy para protestar. O Sindicato deu apoio jurídico, conquistou a extensão do plano de saúde e de benefícios além dos prazos previstos pela CCT. Arquivo/SEEB Curitiba

08

junho 2014


Fotos: Daniela Carvalho/ SEEB Curitiba

Sindicato impede inauguração de agência AGÊNCIA SEM PORTA DE SEGURANÇA E SEM VIGILANTES FOI PARALISADA DESDE O DIA DA INAUGURAÇÃO. ITAÚ RECORREU À JUSTIÇA, QUE NEGOU INTERDITO PROIBITÓRIO

No dia 07 de abril de 2014, o Itaú Unibanco inauguraria a primeira agência de negócios em Curitiba, no bairro Bigorrilho. Este modelo é voltado para a venda de produtos bancários e, para o banco, isso dispensaria a necessidade de portas de segurança e vigilantes. A unidade, porém, continuava com caixas eletrônicos, expondo funcionários e clientes à insegurança. Por isso, desde o dia da inauguração, o Sindicato fechou a

27 de março

agência, realocando os funcionários. O Itaú recorreu, mas teve seu processo indeferido pela 9ª Vara do Trabalho. O Sindicato protocolou um novo processo pedindo que não se permita a abertura da agência sem elementos básicos de segurança, o que foi acatado pela justiça. No dia 26 de maio, em audiência, o banco demonstrou desejo de desistir do processo, mas o Sindicato não aceitou o acordo, que também invalidaria a liminar

que impede que o banco abra esta agência do Bigorrilho, a qual poderá representar jurisprudência em casos futuros. O juiz agendou uma nova audiência para julho, quando será dada a sentença final. A ação movida pelo Sindicato é baseada na Lei Federal 7.102/83 (presença de vigilantes nas agências), na Lei Municipal 8.367/94 (porta de segurança), e na Portaria 3233/12 da Polícia Federal (regras de segurança privada).

16 de maio

BB estende licença-maternidade para 180 dias

Realizado primeiro Cicloturismo dos Bancários

O BB foi a primeira instituição financeira a atender à reivindicação do movimento sindical e ampliar a licença-maternidade de 120 para 180 dias. A ampliação da licença-maternidade proporciona condições para amamentação exclusiva nos seis primeiros meses, prevenindo doenças comuns nos dois primeiros anos de vida.

A Secretaria de Esportes e Lazer do Sindicato comemorou o sucesso da primeira edição do Cicloturismo dos Bancários. Cerca de 30 bancários percorreram um trajeto de 35km no Caminho do Vinho, em São José dos Pinhais. Desde 2009, já foram realizadas 14 edições. A atividade visa a contemplação e a participação de não atletas. Arquivo/SEEB Curitiba

junho 2014

09


Vitória em caso de demissões em massa APÓS AUDIÊNCIAS MEDIADAS PELO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO, SANTANDER TEVE DE PAGAR INDENIZAÇÃO DE MAIS DE R$ 11 BILHÕES POR DANOS MORAIS COLETIVOS

Às vésperas do Natal de 2012, o Santander promoveu uma onda de demissões em massa que atingiu diferentes cidades do país, incluindo Curitiba. De acordo com uma lista divulgada pelo banco, 1.280 funcionários estavam sendo desligados de uma só vez, na contramão das reais necessidades das agências, que necessitavam, ao contrário, de contratações. Naquele ano, o Santander Brasil teve lucro de R$ 6,329 bilhões. Assim que anunciadas as demissões, bancários de todo Brasil se mobilizaram, com paralisações em agências e centros administrativos em todo país. Logo, vieram as vitórias, com liminares suspendendo as demissões em Curitiba, São Paulo e, em Salvador, liminar para que os demitidos fossem reintegrados.

Foi preciso que o Ministério Público do Trabalho e o Ministério do Trabalho e Emprego intervissem no caso, fazendo a mediação entre Contraf-CUT e Santander, cobrando explicações do banco espanhol. Segundo representantes do Santander, no entanto, as demissões estavam “dentro da normalidade”. Ainda em dezembro de 2012, todos os sindicatos da base da Contraf-CUT foram orientados a suspenderem as homologações. Em janeiro de 2013, então, foi convocada pelo MPT uma audiência ampliada de mediação entre trabalhadores e banco, quando a Contraf-CUT apresentou os números de demissões de 2012, mês a mês, e que foram confirmados pelos representantes do Santander. O relatório trazia

17 de junho

22 de junho

Profissionais da Caixa encerram greve

Homoafetivos com licençaadoção de 180 dias

Os trabalhadores de carreiras profissionais da Caixa encerraram uma greve de 50 dias. Advogados, engenheiros, arquitetos e demais empregados enquadrados na RH 060 rejeitaram a proposta do banco para o PCS mas a paralisação foi encerrada. A migração para a nova tabela foi realizada por aproximação salarial e o banco abonou metade dos dias parados.

A Caixa concedeu aos empregados solteiros e casados com relação homoafetiva o direito a 180 dias de licença-adoção. O benefício já havia sido instituído pelo banco para as mulheres em abril. No caso dos homens solteiros ou unidos a companheiros do mesmo sexo, a licença estava limitada a 30 dias. A ampliação do benefício garantiu direitos iguais.

que, só em dezembro, foram fechados 975 postos de trabalho, com 1.302 demitidos e 327 admitidos. Após quatro audiências de mediação, o MPT entrou com uma Ação Civil Pública (ACP) contra o Santander, que incluía, entre outros pedidos, o pagamento de uma indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 11,530 milhões, a ser revertida ao Fundo de Amparo ao Trabalhador. A ACP também pedia a anulação das demissões sem justa causa realizadas em dezembro de 2012, a reintegração dos empregados demitidos e que o Santander se abstivesse de realizar novas demissões em massa sem que haja negociação com as entidades sindicais, sob pena de multa diária de R$ 10 mil por empregado despedido sem justa causa.

06 de agosto

Arquivo/SEEB Curitiba

10

junho 2014


Funcionários querem valorização NO BRADESCO, CAMPANHA DE VALORIZAÇÃO CONQUISTOU PROGRAMA DE REABILITAÇÃO E BANCÁRIOS CONTINUARÃO PRESSIONANDO POR MAIS AVANÇOS

Nos últimos anos, os bancários do Bradesco têm realizado a Campanha de Valorização dos Funcionários, que sempre traz as principais reivindicações e aponta os problemas existentes no banco. Em 2009, o mote da campanha foi “Inovar é...”, apontando ao banco o que realmente era inovação. Bancários receberam um pacote de figurinhas que relembravam os bonequinhos do “Amar é...”, famosos na década de 1980. As figurinhas diziam que Inovar é: combater o assédio moral, respeitar o direito de greve, permitir livre acesso ao Sindicato, conceder licença-maternidade de seis meses, respeitar a diversidade, incluir os pais dos bancários no plano de saúde, manter plano de saúde após aposentadoria, respeitar os lesionados, oferecer PCCS, conceder o

auxílio-educação e dar segurança a clientes e funcionários. A Campanha de Valorização foi relançada em 2011 e depois em 2012, com os bancários destacando a luta por mais segurança, soluções no plano de saúde e a criação de um programa de auxílioeducação. Em 2013, foi a vez da Campanha “Bancário não é lata”, utilizando o Homem de Lata como mascote, personagem que queria ter um coração e ser visto como humano. Mais uma vez, os trabalhadores pediam PCCS e melhoras na remuneração, além de parcelamento do adiantamento de férias, saúde e condições de trabalho, com um programa de reabilitação e também auxílio-educação. Os bancários conseguiram pautar suas

2010

03 e 04 de março

reivindicações em reuniões de negociação com o Bradesco e conquistaram o Grupo de Trabalho de reabilitação profissional em junho de 2013, que vem se reunindo desde então e aprimorando o programa de reabilitação. Entre os avanços, o Bradesco aceitou não incluir os funcionários afastados pelo INSS, que, de acordo com a CLT, estão com o contrato de trabalho suspenso. Por isso, o programa do banco deve ser voltado só aos bancários que estiverem retornando às suas funções. “Ainda temos muito que avançar no Bradesco, mas os resultados destas campanhas que já colhemos mostram que, com união, conseguimos pressionar o banco. O caminho é este!”, afirma Otávio Dias, presidente do Sindicato e funcionário do Bradesco.

24 de março

Sindicato aciona MPT para evitar Gripe A

I Ciclo de debates sobre organização do trabalho

Banestadenses recebem pagamento de ação da URP

Com a epidemia da Gripe A H1N1, o Sindicato acionou o Ministério Público do Trabalho, a Vigilância Sanitária e a Superintendência Regional do Trabalho. Uma liminar garantiu medidas preventivas que alteraram a rotina dos bancários para evitar a proliferação do vírus.

O Sindicato promoveu o I Ciclo de Debates “Organização do Trabalho: inclusão ou reclusão?", abordando debates relativos aos temas. Uma mesa redonda sobre assédio moral e uma palestra sobre a inserção da mulher no mercado de trabalho nortearam as discussões.

Após 19 anos de espera, 2.899 bancários do Banestado receberam R$ 28,3 milhões em valores da ação da Unidade de Referência de Preço (URP). O Sindicato ingressou com ação em 1992, para o pagamento de diferenças salariais do repasse de reajustes. Os valores foram pagos em 2010 e outros 1.789 bancários receberam R$ 48,7 milhões em 2011. junho 2014

11


CCT

Conquistar sempre mais GESTÕES 2008/2011 E 2011/2014 PREZARAM PELA MANUTENÇÃO DO AUMENTO REAL E POR MOBILIZAÇÕES QUE GERARAM CONQUISTAS ANO A ANO PARA A CATEGORIA

fizeram a categoria bancária de todo o país avançar em itens da Convenção Coletiva de Trabalho. Um exemplo prático: a manutenção do aumento real dos salários, com reajuste sempre acima da inflação, nos anos que a Campanha Nacional dos Bancários foi encerrada com uma greve forte e unida. Pois no ano de 2003, por exemplo, que não houve greve dos bancários mesmo com o impasse nas negociações, a inflação para a data-base foi de 17,52%. E o reajuste concedido pelos banqueiros foi de 12,6%. Depois dessa experiência, todo ano teve greve. E todo ano teve aumento real.

Fonte: Dieese

Desde 2008, sob a presidência de Otávio Dias, a direção do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região se firmou no apoio às mobilizações por melhores condições de trabalho, saúde, igualdade de oportunidades, pelo fim do assédio moral. Bandeiras de luta que fariam mais fácil a rotina dos trabalhadores bancários mas que precisam ser sempre lembradas para que os bancos não abusem do seu poder de empregador. E a via que todo trabalhador tem para avançar nas conquistas e na afirmação de seus direitos é a mobilização. Durante todos esses anos, de 2008 a 2014, o Sindicato liderou e apoiou atos, mobilizações, paralisações pontuais e, por fim, as greves que, ano a ano,

08 de junho

01 de setembro

17 de outubro

Mobilizações pelo Paraná que queremos

Atos regionalizados abrem Campanha Salarial

10 anos da privatização do Banestado

O Sindicato dos Bancários de Curitiba, a Fetec e a CUT/PR participaram do grande ato, na Boca Maldita, denominado “O Paraná que queremos”, pela moralização da Assembleia Legislativa. As manifestações pediam o afastamento da mesa diretora da Alep, para garantir investigações das denúncias de corrupção.

O Sindicato dos Bancários de Curitiba e região deu início às atividades da Campanha Nacional de 2010 com atos regionalizados nas cidades de São José dos Pinhais, Colombo e Araucária. Em todas as cidades da região metropolitana, os dirigentes conversaram com os bancários e com a população. As visitas regionalizadas chegaram em várias cidades da base.

O Sindicato lembrou a venda do Banestado ocorrida no dia 17 de outubro de 2000. O Itaú comprou o banco estatal pelo valor de R$ 1,6 bilhão. Foi lembrado, ainda, toda a mobilização contra a privatização e suas consequências. O Banestado empregou 15 mil funcionários, mas na época da venda, eram oito mil.

12

junho 2014


2008 – Aumento real na crise Num cenário de crise financeira internacional, comparada à de 1929, os bancários fizeram uma greve de 15 dias que culminou na manutenção do aumento real, com dois níveis de reajustes, aumento do valor da regra básica da PLR e da parte fixa, promovendo a valorização e manutenção da Campanha Nacional Unificada. 2009 – Licença-maternidade Após 15 dias de greve, no dia 19 de outubro foi assinada a CCT 2009/2010, com a manutenção do aumento real pelo sexto ano consecutivo e a melhora na regra da Participação nos Lucros e Resultados. A partir deste ano, a PLR adicional passou a ser paga com a distribuição linear do lucro líquido de cada banco. O acordo também garantiu a extensão da licença-maternidade de 120 para 180 dias para todas as bancárias, no mesmo ano em que a lei foi promulgada, e a isonomia de direitos para homoafetivos, com a inclusão de parceiros no plano de saúde. 2010 – Prevenção de conflitos A mobilização dos trabalhadores e dos Sindicatos de Bancários de todo o país, após anos de combate ao assédio

08 de dezembro

moral nas instituições financeiras, levou a categoria a uma vitória histórica: a celebração de Acordo Coletivo de Trabalho Aditivo para Prevenção de Conflitos no Ambiente de Trabalho. Nesse acordo estão asseguradas a valorização de todos os empregados, promovendo o respeito à diversidade, à cooperação e ao trabalho em equipe; a conscientização dos empregados sobre a necessidade de construção de um ambiente de trabalho saudável; a promoção de valores éticos e legais. Os bancos que assinaram se comprometeram a condenar atos de assédio e proporcionaram canais específicos para denúncias, que foram disponibilizados no site do Sindicato. Nesses quase quatro anos, foram oficializadas 09 denúncias. 2011 – Rankings individuais Em 2011 os dois destaques da Campanha foram a garantia, via CCT, que rankings individuais de produtividade não seriam mais divulgados, um grande aliado contra as metas abusivas; e a proibição do transporte de numerários pelos bancários, pela segurança dos trabalhadores. 2012 – Salário dos afastados O ano de 2012 foi marcado pelos 20 anos de Convenção Coletiva, referência de acordos salariais para todo o país.

Nesta campanha, um pequeno alento foi garantido aos bancários afastados que aguardam perícia médica. A partir dessa CCT, os bancos passaram a garantir os salários até que o INSS decida sobre o benefício e providencie o pagamento via previdência social. Esta campanha salarial também garantiu o acordo da implementação do projeto-piloto de segurança bancária, que foi implantado inicialmente em três cidades do país e as medidas apresentaram redução nos números de ataques a banco nesses locais. 2013 – Adesão ao Vale-Cultura Em 2013, os bancos tinham a estratégia de acabar com os aumentos reais e rebaixar as conquistas para reduzir custos. Com 23 dias de greve, os bancários garantiram aumento real, aumento do valor da PLR adicional, e os bancos recuaram da proposta de compensação de todos os dias de greve. A Convenção Coletiva garantiu, ainda, a adesão (individual) ao cartão Vale-Cultura, um programa de iniciativa do Governo Federal que garante R$ 50 por mês com descontos que vão de R$1 a R$5 na folha de pagamento do trabalhador. O benefício é cumulativo e pode ser usado para compra de variados produtos e serviços.

20 de dezembro

Projeto de lei contra a “Saidinha de banco”

Auto de Natal dos demitidos no HSBC

Os Sindicatos dos Bancários e dos Vigilantes da RMC apresentaram na Câmara Municipal de Curitiba um projeto para combater o crime conhecido como “saidinha de banco”, com iniciativas para a segurança de clientes, funcionários e vigilantes que estabelecia equipamentos de prevenção, de privacidade nas operações e a melhora das condições de trabalho.

Com o fim das apresentações do Natal do Palácio Avenida, entrou em cena o Auto de Natal dos Demitidos, promovido pelo Sindicato, um protesto contra as demissões feitas pelo banco e contra as práticas antissindicais. O coral dos demitidos com apresentação de paródias natalinas foi formado por dirigentes da entidade, vestidos de anjos. Arquivo/SEEB Curitiba

junho 2014

13


PL 4330:

Sindicato diz não à terceirização bancária SETE MESES DE MOBILIZAÇÃO, COM PRESSÃO DOS BANCÁRIOS, ADIAM VOTAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA TERCEIRIZAÇÃO

A vitória dos trabalhadores durante o ano de 2013 é incontestável. Após muitas mobilizações em Brasília e nos estados, conseguiram adiar a votação do projeto de lei (PL 4330/2004) que escancara as terceirizações, inclusive nas atividades-fim. O Projeto, proposto pelo empresário e deputado Sandro Mabel, está apto para ser votado a qualquer momento, mas foi impedido por um acordo entre os partidos para que se espere o fim do mandato atual, em 31 de dezembro de 2014. A CUT e a Contraf continuam monitorando a tramitação, para evitar que os trabalhadores sejam pegos de surpresa por manobras de bastidores entre políticos e empresários.

dos custos salariais dos bancos, ao transferir parte das atividades, remuneradas de acordo com a CCT dos bancários, para outras empresas, ampliando o atendimento com custos reduzidos e condições de trabalho precárias. Os terceirizados recebem ¼ da remuneração dos bancários e não têm os direitos garantidos pela CCT. O PL 4330 valida o desempenho de atividade de acordo com a natureza da contratante e não de quem presta os serviços, ou seja, os bancos teriam autorização legal para substituir todos os funcionários por terceirizados, incluindo caixas e gerentes. Seria o fim da categoria bancária. Mesmo sem a lei que valida a terceirização, o país já conta com 360 mil correspondentes e 22 mil agências bancárias.

Os danos da terceirização Assim como a rotatividade, a terceirização da atividade-fim faz parte de uma estratégia para redução

2011

16 de abril

28 de abril

Lançamento da Revista Especial de Saúde

I Encontro das Centrais de Atendimento do BB

Otávio Dias é reeleito presidente

Durante o II Ciclo de Debates, o Sindicato lançou uma revista de saúde promovendo debates sobre o ambiente de trabalho, a cobrança por metas, doenças ocupacionais e vida familiar. Com entrevistas e artigos de opinião, foram tratados temas como assédio moral, LER/ Dort, transtornos do trabalho e saúde mental, questões jurídicas e prevenção.

Após anos sem providências por parte do Banco do Brasil, o Sindicato de Curitiba organizou o primeiro encontro para criar uma pauta de reivindicações dos funcionários da CABB de todo o país, além da elaboração de um calendário unificado de mobilização. As sedes das CABBs são em São José dos Pinhais (PR), São Paulo e Brasília. O encontro é realizado ano a ano.

Com 97% dos votos válidos, foi reeleita, sob a presidência de Otávio Dias, a direção executiva da entidade para o triênio 2011/2014. A posse foi realizada no dia 17 de junho, junto com a posse da nova direção da Fetec.

14

02 de março

Histórico de mobilização contra o PL 4330 As mobilizações de bastidores começaram no dia

junho 2014


Joka Madruga/SEEB Curitiba

02 de abril de 2013, quando o deputado relator Arthur Maia recomendou a aprovação do PL 4330. As centrais, a partir daí, atuaram de maneira conjunta para impedir a aprovação. A CUT e as demais centrais constituíram uma mesa quadripartite (centrais sindicais, governo, empresários e parlamentares) para negociar a alteração da proposta, de modo que os trabalhadores não fossem prejudicados. A Fenaban coordenou a bancada patronal e impediu qualquer acordo ou avanço nas negociações. Diversas vezes o PL 4330 entrou na pauta de votações e foi retirado pelas vistosas mobilizações

das entidades sindicais. Nos dias 9 e 10 de julho de 2013, o movimento sindical bancário ocupou o auditório da Câmara e visitou gabinetes. Na reunião quadripartite, as alterações propostas pelos trabalhadores foram rejeitadas. Então, no dia 11 de julho foi organizado um Dia Nacional de Lutas em defesa da pauta dos trabalhadores. No dia 13 de agosto mais de 500 bancários tomaram o Congresso Nacional para impedir novamente a votação, que foi adiada para 03 de setembro, mas no dia novamente a sessão foi adiada devido à repressão violenta por parte da polícia que os mais de 3 mil manifestantes enfrentaram.

No dia seguinte as manifestações continuaram nas ruas e o presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves, assumiu o compromisso de não colocar o PL 4330 em votação enquanto o tema não fosse amplamente discutido. O PL foi novamente remetido à CCJC, quando finalmente a tramitação foi suspensa no dia 15 de outubro. Os bancários de Curitiba não ficaram de fora das manifestações e estavam presentes em todas as ocupações que ocorreram na Câmara Federal. Além de Brasília, houve manifestações no centro de Curitiba e a instalação de um painel para registro público dos votos dos deputados.

06 de julho Histórico encontro de ex-dirigentes O Sindicato de Curitiba e região promoveu um momento histórico ao comemorar seus 79 anos de lutas. Foram reunidos e homenageados 15 ex-presidentes e dirigentes que estiveram à frente da entidade desde a década de 1940. O encontro foi promovido pelo projeto Memória e História do Sindicato, que culminou com o lançamento do livro dos 80 anos da entidade. Arquivo/SEEB Curitiba

junho 2014

15


vida sindical

Representatividade pelos movimentos sociais BANCÁRIOS PARANANESES ESTÃO REPRESENTADOS EM DIVERSAS INSTITUIÇÕES NACIONAIS

A luta pelos interesses dos trabalhadores bancários extrapola a representação sindical e na base de Curitiba e região não é diferente. Com o objetivo da defesa dos direitos da categoria, representantes dos bancários de Curitiba foram eleitos em diversas entidades de representação política e sindical, visando a luta por melhores condições de trabalho.

O presidente do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região na década de 1990, Roberto Von Der Osten (Betão), foi eleito por duas gestões como Secretário de Finanças na Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf). A presença dele na maior entidade que representa a categoria em todo o país garante que a luta dos bancários

Roberto Von Der Osten,

Marisa Stédile,

Presidente do Sindicato dos Bancários na década de 1990.

Presidente do Sindicato dos Bancários até 2008.

01 de setembro

14 de setembro

Ato pela luta contra a venda da Copel

Adote uma Agência durante a greve

O Sindicato promoveu um ato para relembrar os 10 anos de luta contra a venda da Copel, que poderia ter o mesmo destino do Banestado e deixou de ser vendida no ano 2001 depois de intensa mobilização dos movimentos sociais e da população. Participaram militantes que contaram suas memórias da época e alertaram sobre as tentativas de privatização da Copel.

Na campanha salarial de 2011, uma iniciativa do Sindicato foi sucesso: a organização da greve com a adesão à campanha “Adote uma Agência”. O mote foi utilizado para ampliar a participação de bancários da base na organização da paralisação. Mais de 200 trabalhadores aderiram, unificando e fortalecendo o movimento. Arquivo/SEEB Curitiba

16

junho 2014


Já em 2012, o Sindicato dos Bancários elegeu o seu Secretário de Políticas Sindicais e Movimentos Sociais, Márcio Kieller, como vice-presidente da CUT-PR. O dirigente bancário, após ser coordenador do projeto Memória e História dos Bancários de Curitiba e região, ao efetivar a publicação do livro dos 80 anos do Sindicato, também se engajou na luta pela verdade contra os crimes da ditadura e, atualmente, além de vice-presidente da CUT-PR, é membro da Comissão Estadual da Verdade do Paraná – Tereza Urban.

Bancos públicos Os bancários de Curitiba e região também estão representados no Conselho Deliberativo da Funcef (Fundação dos Economiários do Paraná), o terceiro maior fundo de pensão do país, direcionado aos funcionários da Caixa. O Secretário Geral do Sindicato Antonio Luiz Fermino foi eleito como conselheiro na entidade. Na Cassi, a Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil, o Sindicato dos Bancários apoiou o diretor eleito de Saúde e Rede de Atendimento do órgão, William Mendes.

Márcio Kieller,

Antonio Luiz Fermino,

William Mendes,

Arquivo pessoal

Fotos: Arquivo/SEEB Curitiba

paranaenses seja cada vez mais forte. Presidente do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região até 2008, antecedendo Otávio Dias, a bancária Marisa Stédile atualmente faz parte da equipe da vice-prefeita e Secretária Municipal do Trabalho Mirian Gonçalves. Marisa Stédile assumiu em 2012 o Departamento de Qualificação para o Trabalho no município de Curitiba, levando os debates das diversas categorias de trabalhadores para dentro dos órgãos públicos. Marisa também é ex-secretária geral da Central Única dos Trabalhadores do Paraná.

Vice-presidente da CUT-PR.

Conselheiro da FUNCEF.

Diretor de Saúde e Rede de Atendimento da Cassi.

2012

03 de outubro

19 de janeiro

Sardinhada contra interdito no Bradesco

Comemoração dos 20 anos da Fetec

Um inusitado protesto contra interditos marcou a greve de 2011: a distribuição de sardinha assada, em plena Rua XV de Novembro, em frente à uma agência do Bradesco. O protesto foi amplamente acompanhado por emissoras de TV da capital.

A Fetec, fundada em Londrina, completou 20 anos de atuação em 2012, representando 80% dos bancários do Paraná, com seus 10 sindicatos filiados. A entidade comemorou o aniversário publicando uma série de entrevistas com seus ex-presidentes.

Arquivo/SEEB Curitiba

junho 2014

17


jurídico

Em defesa do direito dos bancários AÇÕES JURÍDICAS INTERMEDIADAS PELO SINDICATO BENEFICIAM CENTENAS DE TRABALHADORES

As duas últimas gestões do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região condensam a forma de A remuneração pelo pensar e de agir de suas diretorias em relação à defetrabalho é para o sa dos trabalhadores. Sem empregado a parte prejuízo da mobilização de trabalhadores, simbolizada mais importante do pela ação direta especialcontrato de emprego. mente em greves e paraAinda são corriqueiras lisações, o Sindicato semrecorreu ao Judiciário as lesões aos direitos pre quando necessário. A defesa intransigente dos direitos dos trabalhadores dos bancários e bancárias no que concerne é grande marca das gestões à remuneração.” 2008/2014. O Departamento Jurídico do Sindicato se notabilizou pela representação em

27 de janeiro

inúmeras ações judiciais que renderam aos bancários muitas conquistas, sendo reconhecido nacionalmente pela postura ousada ao enfrentar os problemas jurídicos e pelos resultados obtidos. Ações de 7ª e 8ª horas Pioneiro no país em ações coletivas de 7ª e 8ª horas, o Sindicato obteve êxito na defesa pela jornada de 6 horas. Durante a última gestão, o departamento jurídico pagou aos bancários do Banco do Brasil e da Caixa, substituídos nas ações coletivas, aproximadamente R$ 100 milhões relativos aos créditos de horas extras. Houve grande êxito, a ponto de provocar a revisão pelos bancos de seus planos de funções, que adotaram jornada de 6 horas para diversos cargos. Intervalo de 15 minutos O Sindicato também ajuizou ações judiciais contra os principais empregadores do ramo financeiro

27 de fevereiro

Paralisação contra o Projeto Corredor no Itaú

Cartão especial de Prevenção LER/Dort

O Sindicato fechou agências do Itaú que funcionavam como piloto no chamado Projeto Corredor, com ampliação do horário de atendimento. Pares de agências abriam às 8h e fechavam às 20h, promovendo a insegurança dos funcionários. O Itaú mudou a rotina dos funcionários e não promoveu novas contratações.

Em 2012, o Sindicato inovou e promoveu eventos teatrais para o lançamento de um cartão especial de saúde em alusão à prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos. O cartão ilustrado trouxe informações sobre postura ideal, como fazer alongamento de forma correta e quais os canais de denúncia. Arquivo/SEEB Curitiba

18

junho 2014


em atividade na base, como Banco do Brasil, Caixa, Itaú, HSBC, Safra, Santander, Bradesco e BV Financeira, para o cumprimento do art. 384 da CLT, que garante às mulheres uma pausa de 15 minutos antes da realização de horas extras. Estas ações ainda estão em tramitação. Remuneração e função “A remuneração pelo trabalho é para o empregado a parte mais importante do contrato de emprego. Ainda são corriqueiras as lesões aos direitos dos trabalhadores no que concerne à remuneração”, explica Nasser Allan, advogado do Sindicato. Nesses casos, quando cabível, o Sindicato ajuizou ação coletiva, como por

exemplo: duas ações para cobrança de diferenças de anuênio no Banco do Brasil; de desvio de função aos atendentes da CABB; duas ações de diferenças salariais em favor de empregados do BRDE. Saúde e condições de trabalho O Sindicato atuou decisivamente em favor dos aposentados do Santander para impedir alterações significativas no custeio de seu plano de assistência médica, obtendo recentemente liminar para obrigar o banco a retornar às condições anteriores. Greves e interditos Nos últimos anos percebeu-se avan-

07 de março

çar a posição da Justiça do Trabalho de Curitiba em relação aos interditos proibitórios ajuizados pelos bancos para inibir o movimento sindical durante as greves. Nas últimas campanhas salariais foram indeferidos vários interditos, assim como foram obtidas liminares em mandado de segurança para revogar as decisões favoráveis aos bancos. “Essa mudança de postura do Judiciário em muito se relaciona com o debate promovido pelo departamento jurídico do Sindicato nestas ações, a partir da perspectiva de que o uso desses mecanismos visa impedir a adesão dos trabalhadores à greve”, finaliza Nasser.

08 de março Dia do Preto no BB pela jornada legal de 6 horas

Sindicato estreia o Intervalo Bancário

Os funcionários do BB vestiram preto e pararam suas atividades das 7h às 10h no centro de Curitiba, em defesa da jornada legal de 6 horas. A atividade foi realizada em todo o país e os bancários foram orientados sobre as ações judiciais de 7ª e 8ª horas pagas como extras.

Como mais uma opção de informação para a categoria bancária, o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região lançou o Intervalo Bancário, um programa de rádio web veiculado a cada 15 dias. O programa promoveu o debate dos mais variados assuntos e na primeira edição foi falado sobre a presença feminina no sistema financeiro.

Arquivo/SEEB Curitiba

junho 2014

19


memórias da luta

Sindicato comemorou 80 anos em 2012 LANÇAMENTO DE LIVRO DE MEMÓRIAS E VINDA DA CONFERÊNCIA NACIONAL PARA CURITIBA PELA PRIMEIRA VEZ MARCARAM COMEMORAÇÕES DAS OITO DÉCADAS

Imagine descobrir que você é dez anos mais velho do que acredita ser? Pois foi o que aconteceu com o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região! No Pudemos contar a dia 06 de julho de 2012, a entidade comemorou 80 história de nossa anos de sua fundação, mas entidade. O livro é isso só aconteceu graças à descoberta feita durante a uma referência e para produção de serve como fonte de pesquisa um livro sobre a história pesquisa para quem do Sindicato.

quiser saber um pouco mais sobre a história da luta dos trabalhadores.”

80 anos O Sindicato dos Bancários de Curitiba e região foi reconhecido legalmente em 1942, quando foi emitida a Carta Sindical.

Porém, no processo de pesquisa para produção do livro histórico, foi descoberto um documento nos arquivos do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que visava atualização de dados junto à Delegacia Regional do Trabalho no Estado do Paraná. Neste documento, a data de fundação do Sindicato estava como 06 de julho de 1932, ou seja, os bancários já estavam organizados dez anos antes do que se acreditava. O pioneirismo sempre foi uma característica da categoria bancária, e isso não foi diferente com os bancários do Paraná. O Sindicato dos Bancários de Curitiba e região esteve presente em importantes lutas dos trabalhadores, de diversos movimentos, como a grande greve nacional após o fim da ditadura Vargas, em 1946, e a greve nacional dos bancários, em 1962. Com um “hiato” de conquistas durante a época da ditadura militar, na década de 80 vieram mais

13 de abril

Arquivo/SEEB Curitiba

20

junho 2014

18 de abril Pelo fim do imposto sindical

Vinculação do Banco Volvo à categoria

O Sindicato e a Fetec instalaram, na Boca Maldita, uma barraca para recolher assinaturas de trabalhadores no plebiscito pelo fim do imposto sindical, uma campanha da CUT. Urnas itinerantes também foram levadas pelo Sindicato aos centros administrativos dos bancos.

O Sindicato realizou assembleia com os funcionários do Banco Volvo e um acordo coletivo de trabalho garantiu os benefícios da CCT dos bancários a estes trabalhadores. Entre os novos benefícios estão a 13ª cesta alimentação, vale-cultura e folga assiduidade.


alguns avanços, como a criação da Central Única dos Trabalhadores e a consolidação do Movimento Oposição Bancária. Em 1992, os bancários foram a primeira categoria a assinar um acordo nacional. No mesmo ano, também foram fundadas a Confederação Nacional dos Bancários (CNB) e a Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná (Fetec-PR). “Quando completamos 80 anos, em 2012, já tínhamos muito a comemorar, como a conquista da PLR, da licença-maternidade de 180 dias, do acordo aditivo contra o assédio moral. Nestes últimos dois anos, continuamos avançando graças à unidade da categoria e à confiança em nosso trabalho frente ao Sindicato. Conquistamos melhorias nos salários e na PLR, na segurança, com o projeto-piloto de segurança, para citar alguns. E a luta continua!”, lembra Otávio Dias,

presidente do Sindicato durante os últimos seis anos. O livro No dia 06 de julho de 2012, então, o Sindicato realizou uma grande festa para bancários, seus familiares e amigos para comemorar seu aniversário, quando também foi lançado o livro “80 anos do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região, suas lutas e conquistas”. A publicação resgata as oito décadas de atuação da entidade, com documentos e relatos de antigos presidentes e dirigentes sindicais. O idealizador do projeto e diretor do Sindicato, Marcio Kieller, se orgulha do resultado. “Pudemos contar a história de nossa entidade. O livro é uma referência e serve como fonte de pesquisa para quem quiser saber um pouco mais sobre a história da luta dos trabalhadores”, salienta Kieller.

No calendário comemorativo dos 80 anos do Sindicato, a Conferência Nacional dos Bancários de 2012 aconteceu em Curitiba pela primeira vez. Foram mais de 700 delegados, de 150 sindicatos diferentes, participando dos três dias do encontro, quando se define a minuta de reivindicação da categoria para a campanha salarial de cada ano. “Foi uma ótima forma de celebrarmos nosso Sindicato, com participação nacional da categoria em um momento crucial de nossas campanhas unificadas para definição da minuta de reivindicações”, exaltou Otávio Dias.

Joka Madruga/SEEB Curitiba

14ª Conferência Nacional dos Bancários foi realizada em Curitiba

23 de abril

12 de julho

21 de setembro

Denúncia de rotavírus no HSBC Xaxim

Ato paralisa 13 agências do HSBC

Bancários participam de ato unificado

Após uma denúncia do Sindicato, a Vigilância Sanitária de Curitiba vistoriou o Centro Administrativo HSBC Xaxim, que estava com suspeita de rotavírus, já que mais de 60 trabalhadores passaram mal durante o expediente. O banco foi orientado a trocar os filtros e limpar os aparelhos de ar condicionado.

O Sindicato fechou 13 agências do banco HSBC sob o comando do superintendente Jorge França, que mantinha uma postura muito agressiva pelo atingimento de metas. No mês seguinte, o Sindicato foi informado da transferência do gestor para outro estado.

O Sindicato dos Bancários levou suas bandeiras de luta para o ato público unificado realizado na Boca Maldita, em Curitiba. A atividade reuniu representantes de diversos sindicatos em luta, como os petroleiros, trabalhadores dos Correios, bancários, servidores públicos, Sinpol-PR, Sismmuc, Vigilantes e APP Sindicato. junho 2014

21


saúde

Pessoas em primeiro lugar AVANÇOS EM CLÁUSULAS DE SAÚDE SÃO IMPRESCINDÍVEIS, UMA VEZ QUE BANCÁRIOS SEGUEM ADOECENDO POR MOTIVOS DE TRABALHO

Os números não mentem: a categoria bancária está adoecendo cada vez mais. Só em 2013 foram 18.671 afastamentos de bancários por problemas de saúde. As metas abusivas, o assédio moral, a grande pressão no ambiente de trabalho geram um sofrimento físico e mental aos trabalhadores, que estão cada vez mais esgotados. É por isso que o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região considera imprescindível que se avance cada vez mais nas cláusulas de Saúde do Trabalhador. E as vitórias já estão acontecendo. Salário para afastados Desde a Convenção Coletiva de Trabalho 2012/2013, os bancários afastados por doença ocupacional, que estão aguardando perícia médica do INSS para liberação do auxílio-doença, têm garantido o recebimento de seus salários por até 120 dias. A cláusula 59 da CCT garante o adiantamento de salário pelo banco até que nova perícia seja realizada.

19 de novembro

2013

E, mesmo que o INSS dê alta ao bancário, os dias não trabalhados e já antecipados pelo banco só podem ser descontados em parcelas mensais que não ultrapassem 30% da remuneração do funcionário. “Esta foi umas das mais importantes conquistas em saúde dos últimos anos. Muitos bancários voltavam a trabalhar mesmo ainda estando doentes, só para não ficar sem salário. Outra situação que acontecia era de bancários que se endividavam com a falta de remuneração, fizeram empréstimos a juros altos ou até se envolveram com agiotas tentando limpar o nome”, ressalta Ana Fideli, secretária de Saúde do Sindicato. Reabilitação profissional Após forte pressão da categoria bancária, o INSS suspendeu o Acordo de Cooperação Técnica no Âmbito de Reabilitação Profissional com a Febraban. Tal acordo era uma afronta às convenções 155, 159 e 161 da Organização Internacional de Trabalho (OIT),

20 de fevereiro

Banco do Brasil é denunciado no MPT

Dia de Luta no BB contra o novo PFG

O Sindicato encaminhou à Procuradoria do Ministério Público do Trabalho (MPT-PR), durante audiência, as denúncias de assédio moral e abusos de gestores contra os funcionários, em decorrência da cobrança da compensação das horas de greve que ocorreram no Banco do Brasil.

Os trabalhadores vestiram preto para protestar e cobrar do banco transparência nas negociações com a categoria. Os bancários pretendiam pressionar o BB a apresentar um novo plano de funções, com redução de jornada sem redução salarial, com revogação de todas as medidas que atacam a carreira e a remuneração dos funcionários. Joka Madruga/SEEB Curitiba

22

junho 2014


Imagem: Photl

que determinam participação dos representantes dos trabalhadores seguindo o critério tripartite em assuntos relativos à saúde do trabalhador, em especial sobre reabilitação profissional. “Este tipo de convênio só favorecia aos patrões. Os bancos não fazem prevenção, violam normas de segurança e saúde do trabalhador, ocultam acidentes de trabalho e demitem empregados adoecidos. Que tipo de reabilitação o banco pretende fazer? Com certeza, uma que vá de acordo com o interesse deles. Por isso lutamos para que haja efetiva participação do movimento sindical nas discussões sobre este tema”, afirma Otávio Dias, presidente do Sindicato. Foi com a mobilização dos bancários

15 de maio

e de outras categorias que o INSS aceitou realizar uma consulta pública, pedindo a pessoas físicas e jurídicas, envolvidas com o tema, que enviassem contribuições para o projeto por meio do site do Ministério da Previdência Social. GT dos Afastamentos Os bancários têm se afastado mais por causa de doenças psíquicas que por LER/ Dort, segundo estatísticas do Ministério da Previdência Social. Em 2013, transtornos mentais e comportamentais representaram 27% do total de auxílios-doença concedidos pelo INSS a bancários, totalizando 5.042 casos. O fato inédito mostra que as metas abusivas e o assédio moral estão fazendo muitas vítimas, pre-

judicando a vida profissional e familiar de milhares de pessoas. Com os números evidenciando o tamanho do problema, os bancários conquistaram na CCT 2013/2014 a cláusula 61ª, que cria o Grupo de Trabalho Bipartite para Análise dos Afastamentos, com validade até agosto de 2014, que tem como objetivo analisar em detalhes as causas dos afastamentos dos bancários. Os primeiros dados já foram repassados pela Fenaban ao Grupo de Trabalho. Ainda são de um período curto, de outubro de 2013, e já estão sendo analisados pelos trabalhadores. Agora, os bancários aguardam novos dados para que seja traçado um levantamento real do adoecimento da categoria.

22 de agosto

Curitiba sedia Encontro Nacional do HSBC

Passeata no centro de Curitiba

O Encontro Nacional dos Funcionários do HSBC foi realizado entre os dias 15 e 17 de maio, em Curitiba. O evento foi organizado com o apoio do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região e da Fetec-CUT-PR e teve a participação de 100 empregados do HSBC de todo país. Os bancários discutiram a criação de um acordo aditivo junto ao banco.

No Dia Nacional de Lutas dos Bancários, dezenas de representantes dos trabalhadores ocuparam as ruas do Centro de Curitiba no fim da tarde, para chamar a atenção da sociedade para o descaso dos banqueiros nas negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2013. A passeata foi organizada pelo Sindicato dos Bancários de Curitiba e região e pela Fetec. Daniela Carvalho/SEEB Curitiba

junho 2014

23


cultura

2008: A banda curitibana Blindagem na festa do Dia do Bancário.

Bancário também quer diversão e arte ATIVIDADES BUSCAM PROMOVER AINDA MAIS A INTEGRAÇÃO DA CATEGORIA

O Sindicato dos Bancários de Curitiba e região sabe que é também seu papel proporcionar à categoria bons momentos de lazer e cultura com os familiares e amigos. É por isso que, ao longo dos anos, promove uma série de eventos que são sucesso de público e crítica. Anualmente, em celebração ao Dia do Bancário, comemorado em 28 de agosto, o Sindicato realiza um show fechado para bancários sindicalizados. Nos últimos anos, entre as atrações tivemos Almir Sater, Nando Reis e a dupla sertaneja Victor e Leo. “Tentamos agradar os diferentes gostos musicais a cada ano e estamos muito satisfeitos com o sucesso que estes

30 de agosto

shows fizeram entre a categoria”, diz Otávio Dias, presidente do Sindicato. Desde 2012, também acontece anualmente a Mostra de Bandas, que reúne bandas que possuem pelo menos um bancário sindicalizado na formação. A Mostra de Bandas já é sinônimo de sucesso, contando com a presença de quase mil bancários em cada uma das edições. Além dos shows e festas, a Secretaria de Cultura da entidade também ofereceu aulas de música e artesanato, a preços menores que os praticados no mercado. Os bancários puderam ter aulas de mosaico, de canto e de violão, ministradas no Espaço Cultural da entidade.

24 de setembro

Bancários participam de ato unificado das centrais

Bancários distribuem bananas na Rua XV

O Sindicato promoveu uma grande mobilização em Curitiba, integrando o Dia Nacional de Mobilização e Paralisação das Centrais Sindicais. Mais de 35 pontos da região central, entre agências bancárias, postos de atendimento e Centros Administrativos, ficaram paralisados pela manhã. À tarde, os bancários se juntaram ao ato unificado das centrais.

No sexto dia da Greve Nacional dos Bancários, o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região realizou um ato em protesto contra o silêncio da Fenaban, que não havia retomado as negociações. Os bancários distribuíram bananas às pessoas que circulavam no local em frente ao HSBC Palácio Avenida, em alusão à “banana” que os banqueiros deram aos trabalhadores. Joka Madruga/SEEB Curitiba

24

junho 2014


Almir Sater resgatou a tradição sertaneja.

2013: Victor e Leo trouxeram o romantismo aos palcos.

As tradicionais costelas de chão servidas nos almoços na Sede Campestre.

Festa do Chopp no Dia do Bancário teve muita música e dança alemã.

2012: Na comemoração dos 80 anos, Nando Reis foi a atração do Dia do Bancário.

Alunos nas aulas de violão promovidas pela Secretaria de Cultura do Sindicato.

A 1ª Mostra de Bandas reuniu cerca de mil bancários na Sede Campestre.

As festas juninas são garantia de diversão para toda a família.

2ª Mostra de Bandas teve apresentações de diferentes estilos musicais. Fotos: Arquivo/SEEB Curitiba

2014

23 de janeiro

10 de março Denúncia de assédio sexual Mulheres que mudam no Banco do Brasil o mundo O Sindicato paralisou a agência Bacacheri do BB após ser informado de um Boletim de Ocorrência relatando assédio sexual no local. Muitas denúncias e reclamações de pressão e assédio moral por parte dos gestores da agência também foram registrados em atas notariais. O banco informou que a investigação estava em fase de conclusão.

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, o Sindicato promoveu uma manhã de formação com o tema “As mulheres que mudam o mundo”, com a professora de Geopolítica Luciana Worms. “Não é preciso ser reconhecida para tentar mudar nossa condição, todas temos a responsabilidade de lutar pela igualdade”, ressaltou Cristiane Zacarias, do Sindicato.

SEEB Curitiba

junho 2014

25


sindicato

Fotos: Joka Madruga/SEEB Curitiba

Gestão priorizou melhora na estrutura APÓS REFORMAS NA SEDE CAMPESTRE, OTÁVIO DIAS FINALIZA GESTÃO COM AQUISIÇÃO DE TERRENO PARA NOVA SEDE ADMINISTRATIVA

Entre os anos de 2008 e 2014, duas grandes reformas foram feitas na Sede Campestre do Sindicato, localizada em Piraquara. Após a inauguração dos novos espaços de churrasqueiras e salões de festa, durante a Festa do Chopp em comemoração ao Dia do Bancário, em 2011, novas churrasqueiras foram construídas nas áreas externas. Elas foram inauguradas no ano de 2013. Os bancários sindicalizados agora contam

com três salões de festas que podem ser locados para eventos para até 150 pessoas, além de churrasqueiras maiores ou quiosques para o almoço de domingo. A Sede Campestre também oferece acesso a piscinas, durante a temporada de verão, campos de futebol para a prática de esporte, parquinho infantil e salão de jogos. As reservas e locações podem ser feitas via telefone, na Secretaria Administrativa.

16 de abril

23 de abril

24 de abril

Encontro de Saúde Bancária

Luta contra a reestruturação no HSBC

Criado GT da Verdade, Memória e Justiça

A Secretaria de Saúde do Sindicato promoveu o Encontro de Saúde Bancária: Novos caminhos. Dezenas de bancários se reuniram no Espaço Cultural para debater questões previdenciárias e jurídicas relativas ao adoecimento na categoria. O evento trouxe o advogado Diego Caspary, o psicólogo Ivo Carraro e o médico do trabalho (MPT-PR) Elver Moronte.

O Centro Administrativo HSBC Palácio Avenida e a agência bancária do local foram fechados no Dia Nacional de Lutas contra a reestruturação do banco, que aumentou o número de demissões e promoveu o fechamento de agências. O banco se comprometeu a realocar os funcionários.

O Sindicato dos Bancários de Curitiba e região criou o Grupo de Trabalho de resgate da Verdade, Memória e Justiça dos Bancários. O GT vai realizar atividades de pesquisa, buscar fontes e reconhecer a história dos bancários que sofreram graves violações cometidas durante a ditadura.

26

junho 2014


SEEB Curitiba

Nova aquisição Encerrando a gestão como presidente em dois triênios, Otávio Dias assinou no dia 27 de maio a aquisição do terreno onde será construída a nova Sede Administrativa do Sindicato. "O imóvel é próximo ao Espaço Cultural dos Bancários, é um local amplo e seguro e vai permitir fácil acesso para os bancários", comemora. A nova Sede Administrativa será construída na Rua Piquiri, 423, no bairro Rebouças, quase em frente ao Espaço Cultural dos Bancários.

15 de maio

16 de maio

Plano de saúde do Santander

Elias Jordão é eleito com 96,5% dos votos

O Sindicato de Curitiba obteve liminar contra o Santander para suspender a alteração da forma de custeio do plano de saúde dos aposentados oriundos do Banespa, admitidos até 20/11/2000. Os planos de saúde devem restabelecer as antigas condições do plano. As mudanças encareceram os convênios em mais de 30%.

A Chapa 1 – Avançar com Unidade venceu a eleição do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região, realizada nos dias 14, 15 e 16 de maio, com 96,5% dos votos válidos. Elias Jordão assume a presidência do Sindicato a partir do dia 18 de junho para o triênio 20142017. Participaram da votação 72% dos bancários sindicalizados. Joka Madruga/SEEB Curitiba

junho 2014

27



18/06/2014