Page 1

ANO XV - 23 de novembro de 2010

Bancários planejam 2011

Conferência Anual do Plano de Ação Sindical realizada em 2009 traçou as estratégias de atuação da entidade. Atividades serão avaliadas no próximo dia 26.

Plano de Ação Sindical: Sindicato convoca para assembleia Bancários que participarão da Conferência Anual do Plano de Ação Sindical serão eleitos em assembleia na quinta-feira, 25 de novembro Com o encerramento da Campanha Nacional dos Bancários 2010 e a retomada das negociações específicas permanentes com os bancos públicos e privados, é chegada a hora de avaliar o ano de 2010 e iniciar o planejamento dos próximos passos da luta da categoria. Por isso, o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região convoca toda sua base para assembleia geral no dia 25 de novembro, que irá eleger os delegados, representantes dos trabalhadores, para a Conferência Anual do Plano de Ação Sindical. A assembleia será no Espaço Cultural e Esportivo dos Bancários, a partir das 18h30. Segundo o Estatuto da entidade, a Conferência

deve ser realizada anualmente no terceiro trimestre. Os participantes, com direito a voz e voto, devem ser eleitos em assembleia geral na mesma proporção dos delegados natos (direção do Sindicato). Os delegados têm direito ainda de apresentar textos e moções sobre os temas aprovados no Regimento Interno. Remanejamento – Além da eleição dos delegados para a Conferência, acontece também no dia 25 de novembro assembleia para deliberação sobre o remanejamento na diretoria executiva do Sindicato. A assembleia será no Espaço Cultural e Esportivo dos Bancários, a partir das 18h00.

Assembleias

Remanejamento

Data: quinta-feira, 25 de novembro Horário: 18h00 (primeira convocação) 18h30 (segunda convocação) Local: Espaço Cultural e Esportivo (Rua Piquiri, 380 - Rebouças)

Eleição de delegados Data: quinta-feira, 25 de novembro Horário: 18h30 (primeira convocação) 19h (segunda convocação) Local: Espaço Cultural e Esportivo (Rua Piquiri, 380 - Rebouças)

Conforme previsto no Estatuto da entidade, o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região realiza, no dia 26 de novembro, a Conferência Anual do Plano de Ação Sindical. O encontro tem como objetivo fazer uma análise da conjuntura política, sócio-econômica e da atual situação da categoria bancária, apontando assim as possibilidades da entidade sindical fazer o enfrentamento nos próximos períodos. Além de avaliar o ano de 2010, os representantes dos trabalhadores definirão o programa de trabalho e as diretrizes gerais a serem seguidas pelo Sindicato em 2011. Participam da Conferência Anual do Plano de Ação Sindical, com direito a voz e voto, os membros da direção do Sindicato (delegados natos) e os delegados sindicais e bancários de base eleitos em assembleia, como representantes do ramo de atividade. “É fundamental que façamos uma análise minuciosa do ano que se está encerrando para, assim, podermos planejar o próximo período com vista nos avanços que a categoria obterá”, explica Otávio Dias, presidente do Sindicato. A Conferência acontece a partir das 19h, no Espaço Cultural e Esportivo.

Conferência Anual do Plano de Ação Sindical Data: sexta-feira, 26 de novembro Horário: a partir das 19h Local: Espaço Cultural e Esportivo (Rua Piquiri, 380 - Rebouças) Orgão de divulgação do Sindicato dos Bancários e Financiários de Curitiba e região Av. Vicente Machado, 18 - 8º andar Fone: (41) 3015-0523 Fax: (41) 3322-9867 Presidente: Otávio Dias Sec. de Imprensa: Eustáquio Moreira dos Santos Conselho Editorial: Carlos Kanak, Júnior César Dias, Marcio Kieller, Marco Aurélio Cruz, Otávio Dias, Pablo Diaz e Eustáquio Moreira dos Santos Jornalista: Renata Ortega (8272/PR) · Redação: Paula Padilha, Flávia Silveira e Renata Ortega Diagramação e Arte final: Fabio Souza Impressão: WL Impressões Tiragem: 12.000 exemplares sindicato@bancariosdecuritiba.org.br www.bancariosdecuritiba.org.br


Bancos público retomam negocia HSBC discute temas pendentes. Sindicato cobra reversão das demissões Após o fim da Campanha Nacional dos Bancários 2010, os representantes dos trabalhadores da base de Curitiba e região já retomaram as negociações com o HSBC, cobrando do banco as questões específicas que ficaram pendentes. Em reunião realizada no dia 19 de novembro, foram debatidos principalmente as seis demissões que ocorreram no Centro Administrativo HSBC Vila Hauer e as nove demissões de funcionários devido ao suposto envolvimento em irregularidades da Assembleia Legislativa, entre outros temas. O banco alega que não tem condições de reverter as demissões dos funcionários que passaram pelo processo de sindicância interna no HSBC e que foram demitidos por suposto envolvimento com as irregularidades na Assembleia. Contudo, os três caixas foram demitidos por justa causa e os demais foram demitidos sem justa causa. “Se o banco constatou de fato que houve irregularidade, por que demitir por justa causa apenas quem exe-

cutou as ordens e tratar de forma mais branda, sem justa causa os mandantes do ato irregular?”, questiona Otávio Dias, presidente do Sindicato. Com relação à reversão das seis demissões de funcionários do Centro Administrativo Vila Hauer, o banco alega que os cortes foram por questão de performance. “O Sindicato já está cobrando da direção do banco a justificativa para as demissões. É dever da entidade zelar pelo emprego”, afirma Carlos Alberto Kanak, membro da COE/HSBC. O banco se comprometeu a rever os seis casos e retornar um posicionamento ao Sindicato. Fim dos interditos – Uma das grandes vitórias do Sindicato na retomada das negociações com o banco inglês foi em relação aos interditos proibitórios utilizados durante as greves de 2009 e 2010. De acordo com os representantes do HSBC, os interditos serão extintos, não precisando a entidade pagar as multas. “O fim dos interditos foi um avanço no processo negocial, que deve refle-

tir nas próximas campanhas salariais”, comemora Otávio Dias. Demais pendências – Ao ser cobrado na reunião, o HSBC também se comprometeu a construir um aditivo à CCT 2010/2011 que vise a criação de políticas de combate ao assédio moral. O banco também se dispôs a negociar a renovação da Comissão de Conciliação Voluntária (CCV) e a assinar os acordos pendentes para os setores de call center/telebanco, gestão de fraudes, data center e central de cobranças. Já com relação ao desconto dos 15% de antecipação do PPR na segunda parcela da PLR, o banco não tem posicionamento definido. E sobre o plano de previdência complementar fechado para todos os funcionários, o HSBC não tem previsão de implantação e o assunto deverá ser retomado. “Vamos insistir nas questões do PPR e da previdência complementar, lembrando que a Apaba se encerra em 2012”, explica Otávio Dias.

BB diz que plano odontológico está ativo No dia 19 de novembro, o presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, o Dida, enviou mensagem via celular aos funcionários dizendo: “Colega, a partir de hoje você já pode usar o seu plano odontológico”. A mensagem do presidente é o fim de uma novela, marcada por um longo processo de enrolação e adiamentos do Plano Odontológico, conquistado durante a Campanha Salarial de 2008. Mas é também o início de uma nova luta para o movimento sindical, que terá de tornar esse plano algo que sirva efetivamente aos funcionários. Mesmo sendo uma conquista das greves, o plano apresentado pelo BB, na avaliação do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região, está muito aquém daquilo que foi prometido aos funcionários. Em primeiro lugar, o plano não é da Cassi, como deveria ser, e sim uma parceria com o Bradesco/ Odontoprev. “Isso demonstra o interesse no lu-

cro e transforma a reivindicação dos funcionários em mais um produto a ser vendido nas agências bancárias”, avalia o dirigente sindical do BB, André Machado. Serviços – O plano, chamado BB Dental, é composto por três tipos: Econômico, Executivo e Supremo. Os bancários e seus dependentes terão acesso ao plano Econômico gratuitamente. André lembra outro plano básico da Bradesco/ Odontoprev, oferecido aos associados da ANABB e que possui avaliações negativas: “Paga mal aos profissionais e não cobre inúmeros procedimentos básicos para uma saúde bucal”, conta o dirigente. Entre os serviços não oferecidos no Plano Econômico do BB Dental, está a manutenção dos aparelhos ortodônticos. Segundo o folder distribuído aos funcionários, a manutenção mensal dos aparelhos na rede credenciada deve ser paga

pelo funcionário, com valor entre R$ 60 e R$ 120 (o mesmo do mercado). Alessandro Garcia, o Vovô, também dirigente sindical do BB, acredita que ainda leva algum tempo até que se possa avaliar a qualidade do BB Dental. “Teremos de lutar por melhoria nas coberturas. Num plano da Cassi, de autogestão e que não visasse o lucro, teríamos mais sobra de recursos para garantir um melhor produto para os funcionários”, diz. Ainda de acordo com o dirigente, o Sindicato de Curitiba e região não nega que o Plano Odontológico seja uma conquista da categoria, mas que a maneira como ele se estruturou não foi a esperada. “O plano que vamos perseguir é o modelo que tem os funcionários da Caixa Econômica, integrado ao Saúde Caixa e com qualidade. Vamos continuar a luta pelo BB Odonto 100% da Cassi”, conclui Vovô.


cos e privados ações específicas Caixa Econômica define promoção por mérito

COE Itaú Unibanco debate prioridades

Com o desfecho da Campanha Nacional dos Bancários 2010, a Contraf-CUT e a direção da Caixa Econômica Federal já retomaram as negociações permanentes. Na reunião realizada em 11 de novembro, em Brasília, foram debatidos os termos finais da metodologia para a promoção por mérito relativa a 2010. De acordo com o que ficou definido, a promoção será obtida por linha de corte com uma nota mínima de 8,0 (a nota média de avaliação em 2008 foi de 9,36). Antonio Luiz Fermino, representante do Paraná na Comissão Executiva dos Empregados, acredita que, com a mudança, aumentará o número de funcionários que terão avanços na carreira por mérito. Na avaliação realizada em 2008, apenas 2.500 funcionários em todo o país não atingiram a nota 8,0. “O estabelecimento de uma linha de corte acaba com a comparação entre empregados dentro de uma mesma unidade e vai reduzir o número de funcionários que não são promovidos por mérito”, avalia. A promoção por mérito irá beneficiar em um delta quem atingir a nota mínima. Os melhores classificados poderão obter um segundo delta, até atingir 1% do orçamento. Nas unidades em que nenhum

No último dia 18, a Comissão de Organização dos Empregados (COE) no banco Itaú Unibanco se reuniu na sede da Contraf-CUT, em São Paulo, para discutir, entre outros assuntos, a luta pela defesa do emprego, a atuação e organização da própria COE e a unificação das fundações que gerenciam os planos de previdência complementar. Os dirigentes expuseram suas preocupações com os boatos da implantação de Plano de Demissão Voluntária (PDV), já que nada foi debatido entre a COE e a direção do Itaú Unibanco. “Por mais que se diga que não existem demissões, existe uma rotatividade muito grande”, esclarece Márcio Kieller, membro titular Comissão. “Há uma quantidade elevada de bancários, principalmente com 5 a 10 anos de casa, que não aguentam o assédio e pedem para sair”, explica. Fusão de fundações – Atualmente, existem 16 planos de benefícios previdenciários fechados no Itaú Unibanco, divididos entre sete fundações. A necessidade de unificação das fundações numa única entidade partiu do banco. Diante disso, o movimento sindical aceita discutir a proposta desde que dois princípios sejam considerados: primeiro, que todos os bancários tenham a oferta de previdência complementar no sistema fechado, a exemplo da Previ e da Funcef; segundo, que os direitos dos participantes dos planos atuais sejam garantidos. “Nossa maior preocupação é garantir a possibilidade de inserir todos os bancários em planos de previdência complementar fechados, uma das bandeiras de luta do movimento sindical”, relembra Kieller. Cerca de 40% dos funcionários do banco não possuem previdência complementar e o Itaú já indicou que sua posição sobre o assunto é beneficiar todos os funcionários. Outras demandas – A reunião também debateu sobre o encaminhamento de demandas que incluem a exigência do bom funcionamento do 0800, além de salários equivalentes para bancários com mesmo tempo de serviço ou que ocupam os mesmos cargos e cumprimento de metas acordadas por escrito. A COE sugeriu ainda realizar uma pesquisa com os funcionários sobre a satisfação com o plano de saúde no banco.

bancário atingir a nota mínima, está garantida a promoção de um percentual de funcionários com melhor desempenho. A avaliação será realizada em janeiro e fevereiro e a promoção terá efeito retroativo a 01 de janeiro de 2011. Dias parados – Outro avanço importante na mesa de negociação foi a definição dos procedimentos relativos à devolução dos valores descontados das greves de 2007 e 2008, que será feita mediante manifestação de interesse por parte das entidades sindicais. De acordo com Fermino, na base de Curitiba e região não houve o desconto dos dias parados, pois o Sindicato não assinou o aditivo de compensação naquele ano. “O acordo prevê devolução de valores, mas as horas compensadas não serão revertidas em horas extras”, esclarece. Outros temas – Além disso, foram instituídos grupos de trabalho para implantação do Sistema de Ponto Eletrônico (Sipon), assim como do GT Saúde, da Comissão para Solução de Conflitos e da Comissão de Conciliação Voluntária, esta última concebida como instrumento para a quitação do tíquetealimentação para os aposentados, mas que poderá evoluir para o tratamento de outras questões.

Negociações não avançam com Bradesco e Santander Após muita insistência do movimento sindical, finalmente a direção do Santander marcou data para a retomada das negociações específicas. No dia 25 de outubro, a Contraf-CUT encaminhou um pedido formal ao banco para retomar o processo negocial sobre assuntos de interesses dos trabalhadores. O Santander marcou reunião para o dia 25 de novembro. Entre as principais demandas dos bancários do Santander estão a resposta à reivindicação de prorrogação da liberação remunerada pré-aposentadoria (conhecida popularmente como “Pijama”), a extensão do reajuste de 7,5% aos trabalhadores com faixa salarial superior a R$ 5.250 e o problema da terceirização.

Já no Bradesco, não há negociação agendada. O banco continua adotando uma política de RH extremamente conservadora e equivocada, que ignora as demandas dos bancários e cria distinção entre os trabalhadores. Diante do grande número de funcionários que têm pedido demissão, o Bradesco começou a distribuir bonificações para gestores com altos salários, de setores mais rentáveis do banco. “O programa próprio de remuneração tem que ser implantado e não pode ser descontado da PLR. O valor da produtividade deve ser distribuído, e o ideal é que seja de forma linear e coletiva”, explica o dirigente sindical Ademir Vidolin.


Encontro nacional de dirigentes

Dia da Consciência Negra contra a discriminação Em todo o país, 20 de novembro foi dia de lutar contra preconceitos e por igualdade de direitos No dia 20 de novembro foi celebrado o Dia da Consciência Negra. A data escolhida é uma homenagem a Zumbi dos Palmares, assassinado em 1695 e lembrado por sua história de luta contra a discriminação. “O Quilombo dos Palmares é a representação da luta pela verdadeira igualdade e é hoje referência que encoraja e dá esperanças a negros e negras”, acentua Vera Paixão, da Associação Cultural de Negritude e Ação Popular (Acnap). A luta contra o racismo e a discriminação também é uma das bandeiras da categoria bancária. Em 2001, a então CNB-CUT, hoje Contraf-CUT, publicou a cartilha O Rosto dos Bancários, baseada em pesquisa do Dieese que comprovava, em números, que os bancos discriminavam negros, mulheres e por-

tadores de deficiência. Os bancos negavam o fato, mas diante da pressão dos bancários, as instituições concordaram em realizar, em 2008, uma pesquisa conhecida como Mapa da Diversidade (Caged). O estudo apontou que os negros representam 35,5% dos trabalhadores com carteira assinada e, nos bancos, apenas 19% dos funcionários são negros (somente 4,8% dos cargos de diretoria e superintendência e 14,9% das gerências são ocupados por negros). Além disso, o salário dos bancários negros representa 84,1% do valor dos empregados brancos. Graças a estes dados, os bancários conquistaram uma cláusula na CCT criando uma mesa temática para discutir igualdade de oportunidades.

Jurídico: Ações de 7ª e 8ª horas na Caixa e no BB Durante o mês de novembro, estão ocorrendo audiências de instrução das ações de 7ª e 8ª horas que o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região abriu, em 2010, para o Banco do Brasil. São aproximadamente 400 bancários substituídos. Já o lote aberto em 2006 está em fase de execução. O Sindicato irá ingressar ainda com um novo lote de ações no início de 2011, referentes a 28 cargos

Humor

no BB. As inscrições para os interessados serão feitas pelo site www.bancariosdecuritiba.org.br. O Sindicato vai protocolar ainda este mês novas ações de 7ª e 8ª horas para trabalhadores de cargos técnicos e gerências médias da Caixa Econômica Federal. Aproximadamente 200 bancários fazem parte desse lote. As inscrições já foram encerradas.

Está marcado para os dias 09, 10 e 11 de fevereiro de 2011 o Encontro Nacional de Dirigentes Sindicais. O evento pretende reunir dirigentes de todos os bancos, públicos e privados. A programação prevê a realização de uma análise de conjuntura política do Governo Dilma e debates sobre assédio moral, reabilitação profissional e segurança bancária. Os dirigentes irão discutir ainda questões específicas de cada banco, a atuação das comissões de empregados e a manutenção das negociações permanentes com as instituições financeiras.

Cicloturismo dos Bancários O próximo passeio de Cicloturismo dos Bancários já está marcado: sábado, dia 27 de novembro. A pedalada partirá da Estrada da Mineração, em Mandirituba, e seguirá até Saltinho, totalizando um percurso de 30km. Aos participantes, a Secretaria de Esporte e Lazer do Sindicato oferece van com ar condicionado, tv e bancos reclináveis para transporte até o local, transbike, água e frutas. Também está incluso um almoço, com comida mineira. O custo é de R$ 60 por pessoa. Mais informações e inscrições em www.bancariosdecuritiba.org.br.

Cinema no Espaço Cultural Tendo em vista seu papel na promoção do bem viver, o Sindicato disponibiliza, a partir de dezembro, mais uma opção de cultura e lazer para seus associados. A entidade tornou-se associada à Programadora Brasil e obteve direitos de exibição não-comercial de clássicos do cinema nacional. As sessões, que serão realizadas às quintas-feiras, a partir das 19 horas, estão previstas para ter início em 16 de dezembro, com a exibição do filme “Aleluia Gretchen”, produzido em 1976, pelo diretor Sylvio Back.

Folha Bancária 23-11-2010  
Folha Bancária 23-11-2010  

Folha Bancária

Advertisement