Issuu on Google+

Ferramentas da Tecnologia da Informação (T. I.) que auxiliam no levantamento de competências nas empresas.

Castelo - ES 2012


INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE DE CASTELO FACASTELO

LEONARDO BASSINE RICARDO SARTORI RAFAEL ORLANDI LOPES LEANDRO VENTURIM WANDERSON NALLI PATRICK FIOREZI


INTRODUÇÃO Com o constante avanço da tecnologia a serviço da

gestão e desenvolvimento

das empresas a informação ganha um novo sentido em sua conceituação. Podemos trabalhar com a possibilidade de obter de forma direta, rápida e segura a maior quantidade de informações disponíveis sobre assuntos específicos, dentro da necessidade emergente. Todavia faz-se necessário transformar a competência técnica e humana, individual e coletiva para transformar as informações em conhecimentos úteis dentro do contexto pertinente. O termo Tecnologia da Informação serve para designar o conjunto de recursos tecnológicos e computacionais para geração e uso da informação. A TI está fundamentada nos seguintes componentes (REZENDE, 2000):

• Hardware e seus dispositivos periféricos; • Software e seus recursos; • Sistemas de telecomunicações; • Gestão de dados e informações.

Enquanto conceito a Tecnologia da Informação (TI) é o conjunto de recursos não humanos

dedicados

ao

armazenamento,

processamento

e

comunicação

da

informação, e a maneira como esses recursos estão organizados num sistema capaz de executar um conjunto de tarefas". A TI não se restringe a equipamentos (hardware), dados Existem tecnologias relativas ao programas (software) e comunicação de dados. planejamento de informática, ao desenvolvimento de sistemas, ao suporte ao software, aos processos de produção e operação, ao suporte de hardware.


. Os sistemas de informações e os benefícios para as organizações Para trabalhar com T I torna-se necessário a implantação de sistemas de informações dentro das organizações. Essa ação se efetiva pela busca de uma melhor operacionalidade e competitividade. Para Stair (1998) “os benefícios esperados pelas organizações ao implantarem sistemas de informação: maior valor agregado aos produtos, maior segurança e precisão na empresa, produtos e serviços de melhor qualidade, maior eficiência e produtividade, menores custos e maior controle sobre a empresa”. Os sistemas operacionais podem refletir um ganho real quando se destacam na agilidade dos serviços e no resultado final ao cliente, numa dinâmica de atuação que permeia todas as funções vitais da organização desde as mais simples até a alta gerencia da mesma. Sendo assim torna-se viável que os profissionais dominam a tecnologia para que possam dela fazer da informação, assim como suas tecnologias, uso em prol da otimização do trabalho. De acordo com Vaz (1999), diante do valor fundamental que a informação possui para a administração no atual cenário concorrencial, a T I assume o papel incontestável de uma ferramenta importantíssima para agilizar a aquisição, o processamento e a divulgação da mesma dentro das organizações, possibilitando maior evolução, independência e obtenção de lucros. Sabemos que na era da informação onde é possível, com a globalização, conquistar espaço e saberes das mais diversas áreas, é primordial que se estabeleça as competências humanas para operacionalizar tais informações, no sentido de selecioná-las e utilizá-las de forma coerente atingindo os objetivos. Por outro lado torna evidente que ao contar com os recursos da tecnologia podemos

estabelecer

os

parâmetros

necessários

para

o

levantamento

de

competências dos colaboradores, pois as ferramentas de T I podem oferecer condições de que o gestor esteja de certa forma mais atento à necessidades de mercado e das mudanças operacionais que esta demanda e dessa forma ser proativo agindo de forma a prever as possíveis necessidades futuras, sendo que tendo pleno conhecimento dos recursos (capital humano) que dispõe trabalhar com o desenvolvimento das competência que ainda não se encontram bem desenvolvidas.


Stábile (2001) afirma que é quase impossível para uma organização, no atual ambiente competitivo, gerenciar suas informações sem o auxílio da tecnologia da informação. As rotinas operacionais obrigatórias, por si mesmas, geram grandes quantidades de informações, tornando sua manipulação difícil e demorada. Ao mesmo tempo, estas informações devem ser passadas aos administradores para que estes possam desempenhar bem seu trabalho, decidindo os rumos da organização. Nesse momento é essencial que a organização disponha de profissionais tecnicamente competentes pra transformar informação em conhecimento útil e aplicável.


2. O contexto da Tecnologia da Informação nas organizações

Vivenciamos tempos de constate instabilidade nas organizações em vista da velocidade das mudanças do mercado interno e externo com reflexos direto na economia, em todos os setores. Neste cenário o uso correto da Tecnologia da Informação é uma oportunidade de criar o futuro da organização, sendo pró ativo, ao mesmo tempo em que trabalha à frente do seu tempo, promovendo a satisfação das necessidades emergentes. Dentro do contexto da T I torna-se possível estabelecer uma nova visão pragmática da nova economia, provendo aos participantes competências para estabelecerem e desenvolverem sua capacidade de planejamento, criação e inovação de estratégias vencedoras, bem como entender e conhecer as melhores ferramentas de tecnologia aplicada ao business da internet como diferencial de sucesso num mercado global e competitivo. Sendo assim o novo profissional para atuação na nesta área deve estar preparado para assimilar e operacionalizar o sistema e através dele gerar ganhos reais para a organização. Os

investimentos

em

Tecnologia

da

Informação

são

vitais

para

o

desenvolvimento e sucesso de qualquer empresa, independentemente de seu porte. No entanto a ação integral de aplicabilidade da ferramenta de T I nas organizações somente se efetiva com a atuação de administradores que possuam conhecimentos nesta área, pois ao contrário podemos constatar que ao trabalhar de forma fragmentada o setor tecnológico e o administrativo poder até entrar em conflito o que leva a uma grande perda cultural e econômica na organização. Para estabelecer o processo de gestão efetivo dentro deste paradigma de observa-se a necessidade do mercado por profissionais da área administrativa que consigam desenvolver competências e habilidades utilizando, fundamentalmente, as ferramentas da Tecnologia da Informação.


Neste contexto os executivos, especialmente aqueles ligados a alta gerencia, deveriam desenvolver as competências relativas à T I ligadas à criatividade, inovação, liderança, habilidades de negociação, capacidade de identificar problemas, formular e implementar soluções. O novo perfil do administrador aponta para um profissional com visão sistêmica da organização, com capacidade de articular as diversas áreas da empresa para objetivos comuns. Os jovens profissionais precisam entender a área de Tecnologia da Informação como ferramenta fundamental na evolução do ambiente de negócios, na eficácia da gestão empresarial e na dinâmica do relacionamento entre as pessoas. No entanto além das competências técnicas dos executivos o atual cenário competitivo globalizado exige de todos os colaboradores da organização uma postura empreendedora e voltada para inovação, onde a utilização das ferramentas de T I assume um papel cada vez mais importante em diversos segmentos. Todavia não basta implantar na organização a T I, é preciso estar atento às necessidades do mercado, atualizando os conteúdos referentes à T I, constantemente." constantemente


3. O papel da Tecnologia da Informação no levantamento de competências

Num mundo onde se prioriza a velocidade das informações para que os primeiros a dominar o conhecimento consigam uma maior lucratividade em vista da valorização do novo, o papel principal da Tecnologia da Informação consiste em ampliar o alcance e acelerar a velocidade de transferência do conhecimento. Os softwares de Gestão do Conhecimento pretendem auxiliar na captura e estruturação do conhecimento de grupos de indivíduos, disponibilizando esse conhecimento em uma base compartilhada por toda a organização. organização Dessa forma observa-se que as possibilidades de conhecer mais a fundo cada colaborador, assim como ter a real valoração do seu capital humano pode ser o diferencial que leva a organização a se destacar dentro do cenário competitivo. Entre as muitas ferramentas que podem ser utilizadas neste contexto podemos destacar: Ferramentas voltadas para Intranet: é uma rede de computadores privativa que utiliza as mesmas tecnologias que são utilizadas na Internet. O protocolo de transmissão de dados de uma intranet é o TCP/IP e sobre ele podemos encontrar vários tipos de serviços de rede comuns na Internet, como por exemplo, o e-mail, Chat, grupo de notícias, HTTP, FTP entre outros;


Sistemas de GED (Gerenciamento Eletrônico de Documentos) É uma ferramenta utilizada para a gestão do conhecimento da empresa (Knowledge Management), no sentido de organizar, preservar e compartilhar todo o conhecimento de qualquer natureza existente dentro da empresa, seja ele relacionado com tecnologia, produtos, serviços, Gestão da Qualidade, processos produtivos e de gestão da organização ou qualquer outro que possa agregar valor e diferenciar a empresa. Entre as principais características desta ferramenta podemos citar: - Interfaces Web – totalmente amigáveis; - Possibilidade de tratamento de imagens; - Definição de acesso aos documentos – quem e quando; - Gestão da vida útil de cada documento; - Cadastro de documentos através de várias formas - ficha cadastral; - Pesquisas avançadas, catalogação e relacionamento entre os documentos; - Integração com sistemas legados; - Distribuição de informações e documentos através de e-mail, SMS ou simplesmente através do sistema; - Integração com Intranets e Portais; - Fluxo de aprovações de documentos opcional; opcional - Controle de impressão de documentos.


Sistemas de groupware; Software colaborativo (ou groupware) é um software que apóia o trabalho em grupo, coletivamente, se constituindo em um sistema que baseado no computador auxilia grupos de pessoas envolvidas com objetivos comuns, tem grande aplicabilidade em sites de relacionamento. relacionamento Sistemas de workflow; um conjunto de técnicas, sistemas e tecnologias para utilização de computadores com a finalidade de prover suporte ao trabalho em grupo de pessoas que possuem um objetivo comum de negócio. Entre suas aplicações temos: Correio eletrônico; Agenda eletrônica em grupo; grupo Vídeo conferência; Sistema de apoio à decisão em grupo; Sistemas de gerenciamento de documentos; Gerenciadores de fluxo de trabalho; Business Intelligence; A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence surgiu como conceito surgiu na década de 80 e descreve as habilidades das corporações para acessar dados e explorar as informações ( normalmente contidas em um Data Warehouse / Data Mart), analisando-as e desenvolvendo percepções e entendimentos a seu respeito, o que as permite incrementar e tornar mais pautada em informações a tomada de decisão. Sistemas de mapa de conhecimento; Para (DAVENPORT e PRUSAK 1998), um mapa de conhecimento ou um sistema de páginas amarelas indica o conhecimento, mas não o contém. Trata-se, portanto, de um guia, não de um repositório. De acordo com os autores, esses sistemas exigem considerável investimento de tempo por parte dos usuários no sentido de colocar e atualizar suas biografias no banco de dados. • Ferramentas de inteligência competitiva: um processo informacional pro ativo que conduz à melhor tomada de decisão seja ela estratégica ou operacional. É um processo sistemático que visa descobrir as forças que regem os negócios, reduzir o risco e conduzir o tomador de decisão a agir antecipadamente, bem como proteger o conhecimento gerado. Esse processo informacional é composto pelas etapas de coleta e busca ética de dados, informes e informações formais e informais (tanto do macro ambiente como do ambiente competitivo e interno da empresa), análise de forma filtrada e integrada e respectiva disseminação.


Em cada uma das ferramentas da T I acima especificadas podemos visualizar a sua aplicabilidade no levantamento de competências, de forma que a tecnologia nos permite uma visão mais abrangente da situação, não apenas focando uma dimensão do contexto, mas sim várias dimensões que interligadas podem traçar o perfil do profissional ideal para cada função ou papel dentro da organização. Sabemos que muitas outras ferramentas de T I podem ser úteis dentro do levantamento de competências dos colaboradores, porém é importante ressaltar que por mais que os sistemas estejam cada vez mais completos, sua existência e aplicação coexiste com o fator recurso ou capital humano. Sendo que "Informação e conhecimento são, essencialmente, criações humanas, e nunca seremos capazes de administrá-las las se não levarmos em consideração que as pessoas desempenham, nesse cenário, um papel fundamental" (DAVENPORT, 2000) Neste cenário de avanços e inovações as Universidades desempenham um importante papel sócio, econômico e cultural de capacitar o aluno a gerenciar áreas de Tecnologia da Informação, com foco em negócios e pessoas, de forma planejada, alinhada aos objetivos estratégicos das organizações e produzindo informações inteligentes capazes de agregar estratégico valor ao processo decisório. Para que a excelência nos serviços de tecnologia da informação seja alcançada, as pessoas devem estar adequadamente preparadas para o exercício de suas atividades. Além do emprego de ferramentas tecnológicas apropriadas, ter consciência de que o capital humano é o principal recurso que uma corporação possui para a manutenção do seu negócio e para a sua diferenciação no mercado.


Formulรกrio http://docs.google.com/demo/edit?id=scACtAwsF6nSTYwThyTN2gxbY&hl=pt http://docs.google.com/demo/edit?id=scACtAwsF6nSTYwThyTN2gxbY&hl=ptBR&dt=document#document


Referências

ALBERTIN, A. L. Administração de informática: informática funções e fatores críticos de sucesso. São Paulo : Atlas, 1999http://www.interface-ti.com com.br/q_elearning.htm ALVIM, P. C. R. C. O papel da informação no processo de capacitação tecnológica das micro e pequenas empresas. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 1, p. 28-35, jan./abr. 1998 R M. a experiência da Embrapa na ANTUNES, J. F. G. & OLIVEIRA, S. R. disponibilização e recuperação de informação. informação Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 1, p. 82-89, jan./abr. 1998 DAVENPORT, T., PRUSAK L.. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Janeiro Campus, 1998. http://pt.wikipedia.org/wiki/Tecnologia_da_informa org/wiki/Tecnologia_da_informa%C3%A7%C3%A3o" http://www.interface-ti.com.br/q_elearning.htm http://www.itxl.com.br/v06/interna.php?cont=6 REZENDE, D. A., ABREU, A. F. Tecnologias de informação aplicadas a sistemas de informações empresariais. Atlas. São Paulo,2000 2000. ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. perspectivas São Paulo: Saraiva, 2000 STÁBILE, S. et al A comunicação do profissional de informática em uma empresa fornecedora de sistemas integrados de gestão: gestão um estudo de caso. In ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 25, 2005, Porto Alegre. CD-ROM. Porto Alegre: PUC-RS, 2005 STAIR, R. M. Princípios de Sistemas de Informação: Informação uma abordagem gerencial. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos S/A, 1998 VAZ, R. Discutindo sistemas de informação nas organizações. Developers. n. 35, ano 3, p. 20-23, jul. 1999


Tecnologia da Informação