Page 1


Os sócios-proprietários do Supermercado Vieirão, Hugo, Eron Júnior e Izabel Vieira, fazem entrega oficial do carro 0 KM para a ganhadora da promoção Lorena Queiroz.


Lorena Queiroz

(Ganhadora da promoção)


A ortodontia é a especialidade da odontologia que trata os problemas de má-oclusão (mordidas erradas), desalinhamento, falta de espaço para os dentes e as irregularidades dos ossos maxilares. O tratamento com aparelhos dentais proporciona sorrisos mais bonitos, mas vai muito além da estética. Dentes alinhados não ajudam apenas o seu sorriso, mas também a saúde do seu organismo. Corrigir a posição dos dentes faz com que a função mastigatória da boca seja mais eficiente. Além disso, muitas outras áreas do organismo estão intimamente relacionadas com o correto posicionamento dos dentes.

Benefícios de Usar Aparelho Além de um sorriso bonito, o tratamento ortodôntico proporciona muitos outros benefícios: –Aumenta a auto estima e auto confiança – Melhora a oclusão dos dentes e a eficiência da mastigação – Previne o desgaste dos dentes e das articulações têmporo-mandibulares (ATM) – Melhora a digestão dos alimento e previne alguns tipos de problemas de estômago – Facilita a higienização dos dentes, prevenindo mau hálito, cáries e doenças gengivais – Ajuda a manter a postura correta, já que os músculos do pescoço ficam mais relaxados.

Os tipos de aparelhos são: Aparelho Fixo

Para fazer a correção ortodôntica dos dentes, existem várias técnicas e tipos de aparelho. Em algumas situações, o paciente pode escolher entre aparelhos que têm a mesma função, como no caso dos aparelhos fixos, que existem nos modelos tradicionais (prateados) e estéticos (com a cor dos dentes). Mas, de forma geral, o que define qual tipo de aparelho o paciente precisará utilizar é o seu problema ou a sua idade.

Aparelho Fixo Estético

Esse tipo de aparelho é ótimo para aqueles que procuram um tratamento mais discreto. Ele tem a mesma função e desempenho do tradicional, mas não tem a aparência metálica. Os bráquetes são feitos, em geral, de policarbonato, porcelana ou safira, que são transparentes ou com a cor bem próxima à dos dentes.

Aparelho AutoLigado

Com a evolução das técnicas para o tratamento ortodôntico, o aparelho também está evoluindo. Ele tem a mesma função dos anteriores, mas são menores, com formas mais arredondadas e dispensam o uso das borrachinhas (ligaduras elásticas). Isso trouxe algumas

vantagens aos pacientes: ·Causam menos dor durante o tratamento ·Provocam menos machucados nas bochechas e lábios ·Facilitam a higienização bucal, diminuindo o risco de cáries, gengivite e mau hálito ·Tornam o tratamento ortodôntico mais rápido

Foto: Cássio Fotografias | Beleza: Ana Carolina Miquelito

ORTODONTIA

Aparelho Móveis

Existem vários tipos, para diversos objetivos, e devem ter suas indicações bem avaliadas , pois, por serem removíveis, o resultado do tratamento com esses aparelhos depende 100% da colaboração do paciente. Podem servir para movimentar os dentes ou para promover alterações nos ossos da face. Nesses casos são muito eficazes para crianças, em geral, com até 12 anos de idade. Outra função importante de um dos tipos de aparelhos móveis (e também a mais conhecida) é a de manter os dentes na posição certa, por isso, ele é indicado após a retirada do aparelho fixo para evitar que os dentes voltem à posição inicial (ou seja, “entortem” novamente). São conhecidos como Aparelhos de Contenção. Em todos os casos, a orientação de tempo de uso deve ser seguida rigorosamente, pois seu deixar de usá-lo regularmente pode prejudicar todo o resultado do tratamento.

Lorenna Vidal Abrantes Cirurgiã Dentista-Especialista em Ortodontia

Expansor Palatino

Pouco conhecido, mas é até bem utilizado. Indicado para crianças e jovens, ainda na fase de crescimento, quando há a necessidade de aumentar a largura do palato (céu da boca) para corrigir a mordida dos dentes posteriores. Normalmente os adultos não respondem bem à esse aparelho e, para corrigir esse problema, muitas vezes têm que recorrer à cirurgia ortognática (o alargamento do palato é feito cirurgicamente). Por isso fica a dica! A prevenção é sempre o melhor caminho! Quanto antes um problema ortodôntico for diagnosticado, mais fácil, rápido e confortável é para o paciente!

Aparelho Extra Bucal

Popularmente conhecido como Freio de Burro, esse aparelho gera força fora da boca e pode ser de vários modelo. Normalmente composto de três partes: uma faixa que vai na cabeça, ligada através de um elástico ao arco que vai na boca. De acordo com a direção da força que o ortodontista precisa aplicar para estabilizar ou movimentar os dentes, ou direcionar de forma correta o crescimento dos ossos maxilares, ela virá das regiões cervical (pescoço), occiptal (região na altura das orelhas, altura média da face) ou parietal (alto da cabeça). Assim como os aparelhos móveis, este aparelho requer muita colaboração e cuidado do paciente, ele deve usar o tempo recomendado pelo dentista e tomar todos os cuidados com a manutenção do aparelho.

Sorrir vale a pena! Conquiste o Sorriso que você sempre sonhou Orthodontic.br (32) 9.8413 7076 (32) 3532 8466 na melhor rede de aparelhos dentais do Brasil www.orthodonticbrasil.com.br/blog www.orthodonticbrasil.com.br Rua Antonina Coelho nº 100, 5º andar, sala 501/502/503 - Centro, Ubá/MG


Panorama da edição Foto: Arquivo Pessoal

87

Foto: Divulgação Internet

Í ndice

30 Direção Juliana Campos e Bráulio de Paula

UBAENSE AUSENTE

Foto: Divulgação Internet

08

Redação Vanessa Santos | Natália Meireles Scarlett Gravina

Conheça a história de mulheres empoderadas que passaram pela transição capilar

Foto: Cássio Fotografias

Artes Natália Meireles | Bráulio de Paula

REPORTAGEM ESPECIAL

Conheça a história de fé, vocação e talento de Valdênia Vieira na Canção Nova

Edição Vanessa Santos | Scarlett Gravina Diretora Administrativa Juliana Campos

56

Diagramação Bráulio de Paula

61

Comercial Juliana Campos Fotos Cássio Fotografias | Pedro Roque Fotografia Wanderson Produções | Servando Lopes Colaboração Alexandre Gouvêa | Alerrandro Martins | Pedro Roque Paulo Marcos | César Campos Lara | Scarlett Gravina Nathália Carvalho Costa | Servando Lopes | Kelvin Tomaz | Vanessa Santos | Rafaela Namorato | Cássio Cândido | Michel Pires | Anna Arquete | Natália Meireles | Dr.ª Lorena S. Queiroz | Jô Caciano Guilherme Bonissate| Júlio Custódio | Camila Santos Gráfica Olps Gráfica Redação

(32) 3531-2335

(32) 9 8868-2335

revistafato@gmail.com CNPJ: 28.105.134/0001-96 Av.Padre Arnaldo Jansen, 626, Santa Luzia, Ubá - MG @revistafatouba www.revistafato.com facebook.com/RevistaFato

Nota:

Os textos escritos por colunistas, profissionais convidados e empresas que divulgam seus trabalhos em nossas páginas são de total responsabilidade de seus autores originais.

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

EDITORIAL DE MODA

Fique por dentro das tendências outono inverno moda plus size

10 – Editorial; 12 – Giro Social – Juliana Campos; 14 – Capa – Juliana Campos; 15 – Ouvir e Entender – Alexandre Gouvêa; 16 – Capa – Lelinha Marangon; 17 – Capa – Delmanes Renier; 18 – Arquitetura – Anna Arquete; 20 – Saúde e Bem-Estar; 22 – Capa – Ana Flávia Ribeiro; 24 – Comportamento; 28 – Capa – Natalia e Nivia Médice; 29 – Fato Esportivo – Guilherme Bonissate; 33 – Papo Bucal – Dr.ª Lorena Queiroz; 34 – Capa – Sabrina Brunetti; 35 – Psicologia – Júlio Custódio; 36 – Capa – Graciana Fouraux; 37 – Capa – Fernanda Bambino;

66 INFORME-SE

Porte x Posse de arma de fogo: veja o que muda com o decreto assinado pelo Presidente Jair Bolsonaro

38 – Cidade; 42 – Capa – Lilian Lopardi; 44 – Talento de Fato; 45 – Falando de Negócios – Mota Planejados; 46 – Prata da Casa; 48 – Capa – Alessandra Silva; 50 – Cartão de Embarque – Camila Santos; 51 – Gestão e Negócios – Nathália Carvalho; 52 – Abrindo O Closet; 55 – Contabilize – Paulo Marcos Marques Roque; 68 – Conectados – Rafaela Namorato; 69 – Espaço Jurídico – César Lara; 70 – Economia – Michel Pires.


E xpediente

E

10

mbarquei em mais uma daquelas ideias fixas que o coração transborda vontade e a alma se vê executando, porque tem projetos que saem do papel de uma maneira tão espontânea e corajosa que deixa-me ciente que não é apenas um corpo físico e uma mente consciente que executa, mas sim, uma energia que transcende todo amor pelo que eu faço. Assim nasceu o “Por Elas”. Há pelo menos dois anos tenho buscado através da yogaterapia uma nova forma de enxergar o Universo e de me conectar com Ele. E hoje compreendo que a lei do retorno é verídica e que toda aquela história de que você recebe aquilo que você dá, é sim verdade. Paralelo a essa busca e conexão tive a oportunidade de me conectar com o meu feminino sagrado, que estava, de fato, bem adormecido. No final de 2018 tive a oportunidade de participar de uma roda de mulheres, em Santo Antonio do Leite, distrito de Ouro Preto (um lugar lindo localizado entre as montanhas de Minas Gerais)... que lugar! A guardiã desse espaço sagrado chama-se Isabela, uma sacerdotisa, com certeza. Na oportunidade da vivência, em um local totalmente desconectado com esse universo paralelo do mundo digital, pude encontrar várias respostas que eu procurava sobre a minha conexão com o Universo e sobre mim mesma. Foi uma experiência linda e que mesmo que eu quisesse contar para vocês em detalhes como tudo aconteceu, jamais seria possível, pois somente é possível sentir. Bom... o fato é que ao final desses três dias de imersão com mulheres maravilhosas não sabia como iria vir embora e ter que encarar toda essa realidade que vivemos em nossa corrida rotina. Eu não queria sair dali, só queria continuar sentindo aquela energia de total amor e degustando da minha companhia e de seres que buscavam o

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

Arquivo Pessoal

mesmo que eu, uma real conexão. Ao retomar as minhas atividades, ainda meio tonta de toda a vivência, eu tive a certeza que eu iria fazer um trabalho com mulheres. Logo pensei: “Eu vendo imagem – como posso fazer isso?”. Esbocei vários formatos para o desenvolvimento do projeto e ao final de cada tentativa, eu não ficava satisfeita. Eu não queria simplesmente trabalhar o marketing pessoal daquelas mulheres, eu queria mais! Eu queria proporcionar a elas pelo menos um pouquinho daquela sensação maravilhosa que eu sentia em meu coração. Ao final de uma das sessões de yogaterapia, compartilhei com a minha terapeuta Imaculada Martins o que me faria feliz de verdade. Coloquei tudo no papel e comecei a vender a minha ideia. Naquele momento, pedi ao Universo que me conectasse com as mulheres que estavam dispostas a receberem uma energia diferente, uma energia de amor. Entreguei e confiei. Ele me colocou diante de mulheres fortes e admiráveis. Incluindo a mim, nós formamos um grupo de onze e nós compartilhamos com muita alegria, amor e respeito a capa desta revista. Mas a nossa conexão foi além do marketing pessoal, que entendemos ser importante para as empresas que administramos. A nossa conexão foi de olharmos umas para as outras e nos vermos em cada uma. Portanto, o #PORELAS , além do marketing feito em cima da imagem dessas mulheres, nos proporcionou um momento para olharmos para dentro dos nossos corações em uma dinâmica incrível através de um bate papo com querida Imaculada Martins e através da dança circular sagrada, uma dança fortemente ligada às nossas culturas ancestrais. A dança circular valoriza todo tipo de virtude humana e têm como grande característica a união entre as pessoas. Nas danças circulares, todos os participantes estão conectados, permitindo uma imensa troca de energia e forte consciência do todo. Desta forma, a dança circular é muito mais do que um estilo de dança. Ela é uma

Juliana Campos é Diretora da Revista Fato. Atua na parte comercial e na produção de eventos. É graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Fagoc.

manifestação cultural que rompe com conceitos de hierarquia e superioridade e trabalha valores humanos profundos. Certamente o dia 13 de março de 2019 ficará guardado em nossos corações. Aproveito o espaço para agradecer a todos os maquiadores que realçaram a beleza das nossas mulheres (Larissa Vieira, Luciano Lachtim, Mari Gravina, Ju Bolandini, Ana Carolina Miquilito, Alerrandro Martins, Jonas Sperandio – Casa da Beleza Bráulio Coiffeur e Cássia Costa). Gratidão ao Servando Lopes pelo trabalho fotográfico feito com imenso carinho, ao Armazém Fit Store por nos proporcionar um lanchinho super especial durante o nosso encontro e a querida Imaculada Martins pelo papo e por nos abrir as portas do seu templo sagrado, o Jaya Spa Urbano, gratidão! A vocês, queridas irmãs (Sabrina, Lelinha, Ana Flávia, Graciana, Natália, Nívia, Lilian, Delmanes, Alessandra, Fernanda, Waléria, Jô e Nathália), recebam o meu respeito, carinho e gratidão por confiarem neste projeto! E quanto a vocês, queridos leitores, tenham uma excelente leitura e apreciação de histórias tão bacanas de mulheres tão fortes e que com certeza fazem a diferença na vida de todas as pessoas que passam por seus caminhos. PS.* A edição está repleta de conteúdos incríveis. Apreciem sem moderação!


G iro Social

Graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela Fagoc; Sócia Diretora da Revista Fato! e da Fato Produções e Eventos. revistafato@gmail.com

Arquivo Pessoal

quem embarcou em um Cruzeiro luxo pela CVC Ubá foi a empresária, do segmento de semijoias, Jerusa Schletz de Oliveira. A proprietária da Schletz Semijoias deliciou-se de toda estrutura do Cruzeiro Sovereign Pullmantur entre os dias 19 e 23 de fevereiro com paradas nas cidades do Rio de Janeiro, Búzios e Santos. Descanso e passeio mais que merecido!

E

12

C

O

s papais da pequena Liz, a Personal Organizer, proprietária da Fluitá Jô Caciano e o empresário Leo Piva Schiavon celebraram o batizado da primeira filha no dia 10 de fevereiro na Matriz de São Januário. Desejo a vocês muita saúde, amor e realizações através deste anjinho chamado Liz.

ertamente o debbut de Ana Luíza, filha do casal Frederico Moreira e Roberta Maciel foi o acontecimento social que marcou a Cidade Carinho nesse primeiro semestre de 2019. Com um decor impecável e a perfeição da festa composta nos mínimos detalhes, quem adentrava o salão de festas impactava-se com o layout feito no Espaço Congeia, uma das casas mais requisitadas para celebração de eventos sociais. A vocês, Roberta, Frederico, Ana Luíza e ao pequeno Lucas, desejo os mais sinceros votos de saúde e amor. A energia da festa estava maravilhosa.

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

S

empre em busca de atualização, o dentista Dr. Marcos Vinicios Starling Vieira participou entre os dias 15 e 16 de Fevereiro, em São Lourenço-MG, do curso de Imersão em Manipulação Tecidual Periodontal e Perimplantar ministrado pela Professora e Doutora Vanessa Frazão. Na ocasião, Dr. Marcos registrou o momento ao lado de Vanessa e do Dr. Heleno, o profissional que promoveu a imersão.

O

ano de 2019 começou em festa para os sócios da Nuclemig Ubá e JF. Os papais Marcos e Cristiane estão radiantes com o primeiro aninho do príncipe Marcos Pedro. O aniversário do primeiro baby do casal aconteceu em Juiz de Fora, no Saint Tropez Residence, no Alto dos Passos. Com o tema “No mundo Bita” a família recebeu amigos e parentes para celebrar essa data mais que especial. Eu desejo a vocês, Marcos, Cris, Marcos Pedro e Sônia (vovó coruja – risos) os mais sinceros votos de saúde e felicidades. Vocês são uma família incrível!


C apa

Por: Vanessa Santos

Foto: Servando Lopes Beleza: Luciano Lachtim

DESTEMIDA E REALIZADORA, ELA MOVIMENTA A REGIÃO COM AS AÇÕES PROMOVIDAS PELA FATO!

14

V

ocê sozinha é muita gente”, costuma dizer o grande professor Raul Carneiro. A frase muito se adapta a jornalista e diretora da Revista Fato!, Juliana Campos (31), mulher visionária e dinâmica. Há mais de 10 anos no ramo de comunicação, sua maior vivência no meio se deu a partir de 2011, quando decidiu encarar o desafio de abrir a própria revista em Ubá. “A ideia veio do meu esposo, Bráulio, que me propôs colocar em prática tudo o que eu havia aprendido durante a graduação junto à experiência de mercado adquirida posteriormente”, recorda a profissional que acabou despertando sua habilidade para os negócios no comando da empresa em parceria com o marido. Desde o início da Fato!, ela procurou fazer das dificuldades um trampolim para o sucesso. Dessa forma, o empreendimento se fortaleceu o suficiente para se agigantar nos momentos de complexidade, fazendo-se presente no mercado numa proporção cada vez maior. Juliana atribui o êxito aos valores prezados em sua gestão, como a transparência e o comprometimento com os resultados. “Zelo pela ética e respeito para com o outro. Acho que a transparência é a base para um negócio sólido, sou muito sincera com meus clientes. Não vendo ilusão e, com isso, tenho fidelizado não apenas clientes, mas amigos para a vida toda. Quanto a parte jornalística, prezo por uma apuração imparcial, sempre capaz de ouvir as duas versões dos fatos. Embora trabalhemos com um conteúdo mais frio e com publicações que somam cada vez mais publicidade, não abrimos mão de um jornalismo feito com excelência”, ressalta.

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

Paralelo a revista, a empresária também aposta na Fato! Produções e Eventos, colocando-se à frente de grandes iniciativas como a Mostra Noivas e Festas, o Fato Juliana veste: Medida Certa Kids, o tradicional Papo de Buteco e Anna's e o carro-chefe da casa, o Fato EmSemijoias presarial. “Tudo começou através daquele que é hoje o maior evento corporativo da região, o Fato Empresarial. Após vivenciar as duas primeiras edições, senti que tinha afinidade por esse tipo de trabalho e que o executava com responsabilidade e maestria. Em 2015 veio a palavra crise e isso fez mover todo o meu lado empreendedor, investindo cada vez mais nesse mercado, e hoje estou caminhando para o sétimo ano de produção de eventos, o que nos deu mais visibilidade e mostra que estamos no caminho certo”, declara. Conhecida por seu grande potencial no comando da Fato!, Juliana afirma que nunca sentiu dificuldade para se inserir no ramo por ser mulher, pelo contrário, sempre procurou ter o mesmo espaço que os homens. E conseguiu. “Acredito na capacidade feminina e me sinto uma mulher forte e vencedora com a história que construo todos os dias”, afirma pontuando o quanto o seu olhar deu todo diferencial ao serviço prestado. “Penso que temos uma leveza maior para lidar em determinadas situações e acredito que o fato de ser mulher agrega positivamente para o sucesso do meu negócio”, completa. Trabalhando cerca de 14 horas por dia, a exaustão é algo inerente a sua rotina, no entanto, ela afirma que atualmente tem se equilibrado melhor entre as suas diversas atribuições. “Sou um vulcão de idéias. Gostaria de ter pelo menos dez Julianas para conseguir executar tudo o que penso (risos). Mesmo com uma agenda aperta-

Nome: Juliana Campos Moreira Pacheco; Idade: 31 anos; Profissão: Jornalista, diretora da Revista Fato! e da Fato! Produções e Eventos; Esposo: Bráulio de Paula; Filho: John Lennon (quatro patas); Ser mulher é... “Igualdade. É pertencimento ao todo. É luz”.

da, consigo tempo para ioga (uma das melhores escolhas que já fiz em minha vida). Respirar me ensinou a ser mais tolerante. A olhar mais para o outro, a aceitar e a entender que as coisas acontecem como tem que acontecer. Quando compreendemos que o que o Universo manda, que o que você colhe, é o que planta, tudo fica mais fácil”, diz. Radiante com o momento que tem desfrutado em sua carreira, ela agradece a todos que a auxiliaram a construir sua história e a fazer história em uma cidade de interior onde faz acontecer e girar os acontecimentos sociais e, é claro, o bom jornalismo. “Quando penso nisso, me sinto especial. Tenho orgulho do que estou realizando ao lado do meu esposo e tenho gratidão por todas as pessoas que passaram pelo meu caminho. TODAS, sem exceção, puderam me ensinar um pouco sobre a vida”, conclui.


Foto: Servando Lopes

O uvir e Entender

Graduado em Fonoaudiologia CES/JF; Especialização em Audiologia na PUC Minas; Atua há 12 anos no ramo de próteses auditivas e audiologia clínica. E-mail: alex@audicaomg.com.br

Divulgação

Alexandre Gouvêa

NA MELHOR IDADE

15

E

ntre todas as dificuldades que afetam a vida de um idoso, a perda auditiva é uma das mais frustrantes. Isso porque surgem dificuldades na compreensão, o afastando da família e dos amigos. Atualmente, cerca de 60% dos afetados não reconhecem a própria dificuldade auditiva. A falta de informação e o preconceito fazem com que a maioria demore em média, até seis anos para tomar uma providência. Um dos maiores desafios em relação à solução da perda auditiva é o preconceito que ainda envolve o uso das próteses. Muitas pessoas lembram-se de equipamentos grandes, pesados e que não correspondem à qualidade de som esperada pelo usuário. Porém, os aparelhos de hoje são praticamente imperceptíveis, tanto para o paciente quanto para os observadores. Os avanços tecnológicos, a cada dia propi-

ciam mais clareza e facilidade no entendimento, além de conforto e discrição. Atenção: a perda auditiva geralmente ocorre de forma gradual e não precisa atingir todos os sons que escutamos para prejudicar nossa audição. Ou seja, existe a impressão de que escutamos bem, porém, há dificuldade na compreensão da fala. O mais sensato é realizar uma avaliação com o seu Otorrinolaringologista o quanto antes e seguir suas orientações. No caso da necessidade de uso da prótese auditiva, o Fonoaudiólogo é o profissional indicado para seleção, adaptação e acompanhamento do uso da mesma. Não deixe pra depois, quanto mais o tempo passa, mais o problema pode se agravar, dificultando assim a adaptação e frustrando as expectativas em voltar a ouvir como antes da perda auditiva. Cuide da sua audição!

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C apa

Por: Vanessa Santos

Foto: Servando Lopes Beleza: Ana Carolina Miquilito

À FRENTE DA A3 HOME DESIGN, EMPRESÁRIA É REFERÊNCIA EM BOM GOSTO E PROFISSIONALISMO

16

H

á quem diga que o sucesso profissional está diretamente ligado a cinco requisitos fundamentais: caráter, vocação, talento, esforço e disciplina, elementos inerentes à personalidade de Lelinha Marangon. Aos 37 anos, a designer de produto e interiores conquistou seu espaço no mercado destacando-se por seu bom gosto e dedicação à frente de uma das lojas mais prestigiadas do segmento; a A3 Home Design. Dispondo de uma extensa cartela de clientes pelo país, sobretudo no eixo Juiz de Fora/Rio de Janeiro, a empresa atende aos mais variados serviços, desde móveis planejados para espaços residenciais e comerciais, a móveis convencionais, decoração, papéis de parede, tapetes, lustres e afins. No entanto, nem só de êxito vive o mundo dos negócios. Ao se referir ao início da carreira em 2005, Lelinha se recorda dos desafios impostos diariamente, principalmente por se tratar de uma mulher adentrando um nohall até então dominado pelo universo masculino. “Existia um preconceito muito grande que acabou se fragmentando com o passar do tempo e com o trabalho em equipe. Na A3, os profissionais da obra sempre participaram das tomadas de decisões junto ao cliente, assim fui conquistando respeito e hoje tenho um time de colaboradores maravilhosos que auxiliam na realização dos projetos sem medir esforços”, revela. Desde 2013 no comando da loja, ela trabalha incansavelmente no intuito de assimilar os desejos das pessoas, retratando-os da forma mais fiel possível. “Nossa maior preocupação é oferecer um atendimento personalizado além da entrega

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

“Existia um preconceito muito grande que acabou se fragmentando com o passar do tempo e com o trabalho em equipe. Na A3, os profissionais da obra sempre participaram das tomadas de decisões junto ao cliente, assim fui conquistando respeito e hoje tenho um time de colaboradores maravilhosos que auxiliam na realização dos projetos sem medir esforços”. de um trabalho que esteja acima das expectativas, afinal, mais do que projetos, os clientes nos confiam um sonho e é nosso dever concretizá-lo da melhor forma possível”, relata a designer que se diz completamente realizada e agradecida por tudo o que a profissão a tem proporcionado. Com uma rotina agitada em que se divide entre os atendimentos na A3, as constantes viagens a trabalho, os momentos em família e os cuidados pessoais, a empresária conta que, se pudesse, teria um dia com o dobro de horas, mas, apesar da correria, tem se saído bem na missão de cumprir com todas as suas demandas. “Sempre me entreguei muito a carreira, mas ultimamente tenho conseguido gerenciar melhor o meu tempo e, aos poucos, venho podendo cuidar mais de mim”, afirma, ressaltando que, a seu ver, as mudanças na sociedade acabaram propiciando ainda mais atribuições para as mulheres. “Lutamos por direitos iguais, porém, acredito que o que conquistamos foi um acúmulo de funções, visto que continuamos zelando pela casa, pela família e tra-

Nome: Lelinha Marangon; Idade: 37 anos; Profissão: Designer de Produto e Interiores; Esposo: Tomás Andrade; Ser mulher é... “Fazer tudo com qualidade, amor, perfeição e ainda se preocupar em cuidar da família, da casa e de nós mesmas. É querer resolver todos os problemas do mundo. É ser feliz com coisas simples, como um elogio de quem amamos. Ser mulher é se emocionar e celebrar ao mesmo tempo!”

balhando fora, tanto ou até mais que os homens”, pontua a moça que tem em sua mãe, Dona Zezé, sua grande fonte de inspiração. Dedicada em tudo que faz, atenciosa com todos ao seu redor e, ao mesmo tempo, preocupada em cuidar de si, Lelinha retrata com propriedade a mulher atual, que com sua coragem e destreza, encanta, surpreende e realiza. “Temos nos destacado na sociedade com independência e autonomia na tomada de decisões, mostrando o nosso diferencial e a qualidade inerente ao nosso trabalho. Acredito que toda essa cobrança só nos faz melhores a cada dia”, finaliza orgulhosa e confiante no potencial feminino.


Por: Scarlett Gravina Foto: Servando Lopes Beleza: Ju Bolandini

C apa

À FRENTE DA DEL ART , EMPRESÁRIA É REFERÊNCIA NO RAMO DE ATIVIDADE FÍSICA

O

segredo do sucesso é fazer o que ama. E eu sou apaixonada pelo o que faço”. É diante da paixão pela carreira e da sua realização profissional, que Délmanes Renier não esconde a admiração pelo que vem construindo durante sua longa jornada no mercado de trabalho. Formada em Educação Física pela Faculdade Governador Ozanam Coelho – FAGOC, a professora e empresária descobriu sua aptidão para administrar seu próprio negócio, a Del Art Academia, que já soma 17 anos de existência. “Quando criança assistia apresentações de academia, mas nunca frequentei porque os meus pais não tinham condições financeiras, mas creio que Jesus tinha um proposito. Um dia recebi um convite para criar uma coreografia para semana Santa e aceitei o desafio. A partir daí me chamaram para ministrar aulas de dança em uma Estação Ferroviária. Lembro como se fosse hoje eu e minha irmã Daniely levando sacolas com garrafas Pet com água porque o lugar não oferecia nenhum conforto, foram inúmeras batalhas vencidas. Na época, quando fiquei sabendo que abriria a Fagoc em Ubá, percebi que a oportunidade havia chegado, porém, meu salário era a metade do valor da mensalidade, mas mesmo assim encarei, e Deus foi me abençoando, até que no final deu tudo certo. Nunca foi fácil, mas o esforço valeu a pena”, afirma. Após uma trajetória repleta de desafios e realizações, hoje Délmanes gerencia a primeira academia da região exclusiva para mulheres e um Box de Cross Localizados na cidade de Visconde do Rio Branco. O empreendimento conta com treinos especializados para o público feminino

“Nada melhor no mundo do que ver uma pessoa que tinha um problema no joelho e teria que operar, mas depois que passou a fazer Del Art não precisou mais, ou pessoas que tomavam remédio para depressão e através das nossas aulas melhoraram. Ver mulheres que não gostavam de se olhar no espelho porque estavam acima do peso e através do nosso trabalho conseguiu eliminar 40 kg, também está entre as situações que não existem palavras para expressar a alegria que isso proporciona. É mesmo algo abençoado”. e infantil, oferecendo também atividades como kombat, Jump, Treinamento Funcional, X-Bal, X-Power, Musculação, Spinning, Cross VRB, Ginástica Olímpica, Dança Livre, Ballet e Cross Kids. Além de uma estrutura completa e moderna, ministra cursos no estabelecimento. “Nosso diferencial está na seriedade e comprometimento da equipe, as inovações constantes e o cuidado individualizado com cada aluna. As Profissionais são licenciadas e bacharéis, filiadas ao CREF Conselho Federal de Educação Física. Os resultados sempre são completos, porque as mulheres melhoram a qualidade de vida e ficam mais bonitas, seja eliminando gorduras ou ganhando massa magra”, relata orgulhosa. Determinada e dona de uma aptidão para o empreendedorismo, Délmanes concilia a academia com a administração de sua loja de roupas

17

Nome: Délmanes Renier Coelho; Idade: 43 anos; Profissão: Professora e empresária; Esposo: Gilmar Bolandini; Mâe de: Davi Nicolas; Ser mulher é... “É a melhor coisa do mundo, um privilégio de Deus e o direito de gerar outra vida!”

fitness e artigos esportivos, além de lecionar no curso de educação física da Fagoc. A rotina repleta de compromissos e a determinação presente no que se propõe a fazer, Délmanes não esconde sua tamanha satisfação por cada conquista realizada. “Nada melhor no mundo do que ver uma pessoa que tinha um problema no joelho e teria que operar, mas depois que passou a fazer Del Art não precisou mais, ou pessoas que tomavam remédio para depressão e através das nossas aulas melhoraram. Ver mulheres que não gostavam de se olhar no espelho porque estavam acima do peso e através do nosso trabalho conseguiu eliminar 40 kg, também está entre as situações que não existem palavras para expressar a alegria que isso proporciona. É mesmo algo abençoado”, finaliza. Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


A rquitetura Foto: Pedro Roque

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), está à frente de seu escritório há quatro anos, desenvolvendo projetos arquitetônicos, comerciais, institucionais, projetos de reformas, especificação de acabamentos e interiores. Contato: @anna.arquete_arquiteta; (32) 98811-5266.

arquiteto Cinco motivos para contratar um

Quando se fala em construir, a presença de um arquiteto na fase de elaboração do projeto e acompanhamento da obra é imprescindível, logo, confira os cinco motivos que tornam esse profissional o seu “braço direito” na realização do seu sonho:

18

01. O arquiteto é o profissional capacitado para desenvolver seu projeto arquitetônico, é ele que analisa suas necessidades, busca entender o dia a dia da sua família ou do seu trabalho (no caso de projetos comerciais) e atua no dimensionamento ideal dos ambientes, preocupando-se com a funcionalidade de cada espaço. Essa análise é de extrema importância a fim de que você consiga concretizar o sonho de ter uma casa ampla sem ter que se preocupar com futuros “puxadinhos” ou móveis menores do que havia imaginado. Com o uso da tecnologia, o arquiteto consegue apresentar toda conformação dos espaços através de programas em 3D, dando uma visão completa de como os ambientes ficarão depois de finalizados, tudo isso ainda na fase de projeto;

02. É através desse projeto bem detalhado que o arquiteto se torna capaz de auxiliar o cliente na otimização dos custos da obra, seja por proporcionar uma visão completa de toda a edificação, evitando aquele “faz e desfaz” que gera gastos excessivos, seja orientando-o a eliminar áreas desnecessárias ou reduzir naquelas de alto custo na reta final (como áreas molhadas – cozinhas, banheiros); (Projeto autoral) Projeto em 3D, apresentando todos os ambientes, com integração dos espaços, dimensões e uma visão de como tudo ficará após a conclusão da obra.

03. Além da distribuição interna, ele também é o profissional responsável por sugerir uma implantação que impacte o mínimo possível no terreno, assegurando novamente a redução dos custos, tanto com terraplanagem como na estrutura da obra de uma forma geral; (Projeto autoral) Fachada de um projeto cujo terreno possui medida padrão (10mx20m), mas com o toque do arquiteto foi possível criar volumes interessantes e valorizar o imóvel. Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

(Projeto autoral) Implantação aproveitando desníveis, vistas e área verde já existente no terreno; economia na estrutura, economia na terraplanagem e valorização do imóvel.

04. Mesmo com tudo bem planejado e andando dentro dos conformes, a obra pode ter imprevistos, o que torna indispensável a presença de um profissional capacitado por perto. Durante o acompanhamento do processo, o arquiteto saberá orientá-lo, além de buscar a melhor solução para qualquer situação inesperada que possa surgir, sempre levando em consideração a funcionalidade e estética do projeto; 05. Por último e o mais óbvio, ao contratar um arquiteto você contrata também um artista que irá explorar traços precisos e próprios para valorizar o seu imóvel, fazendo uso de volumes, cores e formas que tornarão o seu sonho realidade!


S aúde e Bem-Estar

Por Natália Meireles Foto: Pedro Roque Fotografia Beleza: Patrícia Casal

SUPLEMENTAÇÃO: A NUTRICIONISTA VERYDIANA CONDÉ ESCLARECE SOBRE OS BENEFÍCIOS E RISCOS DOS SUPLEMENTOS ALIMENTARES

20

O

consumo de suplementos alimentares é utilizado por quem pretende ter uma vida saudável e servem para completar uma dieta ou a falta de alguns nutrientes. De acordo com a nutricionista Verydiana Condé, pós-graduanda em prescrição de suplementação e fitoterápicos na nutrição clínica e esportiva, a avaliação realizada e prescrição das vitaminas devem ser executadas por profissionais capacitados. “O uso de suplementos indiscriminado pode causar danos irreversíveis, além de afetar o metabolismo de uma maneira geral”, ressalta. Segundo a especialista, existem diversos tipos de suplemento, que servem para atletas, praticantes de atividade física, para a reposição de vitaminas e minerais e para substâncias bioativas, que auxiliam no metabolismo, no emagrecimento e saúde intestinal, como os probióticos. “A prescrição deve ser direcionada com base nas premissas de adequação do consumo alimentar, definição clara do período de utilização do suplemento e deve ser pautada na reavaliação sistemática não apenas do estado nutricional, mas também do plano alimentar ao qual o paciente é submetido”, explica sobre como devem ser usados. A nutricionista esclarece que a utilização desses componentes é para diversos propósitos. “Eles podem ser adicionados para um reforço alimentar total da saúde e energia, com o intuito de fornecer suporte ao sistema imunológico e reduzir riscos de doenças e envelhecimento. Estão relacionados com melhoria de desempenho em atividades mentais e atléticas, para dar suporte a processos de cura durante enfermidades”. De

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

acordo com Verydiana, entre as suplementações, o colágeno é umas das opções, uma proteína estrutural básica que é encontrada exclusivamente em animais. “O colágeno do tipo I hidrolisado ou Peptídeos de colágeno, é utilizado para diversas aplicações, tais como: osteopenia; saúde articular; osteoporose; perda óssea; firmeza muscular e de pele; produtos para saciedade; produtos para medicina esportiva”, explica. Um dos aminoácidos essenciais para o organismo é a creatina, que segundo a profissional, a sua importância deve-se fazer parte do processo de ressíntese do ATP, núcleo responsável por produzir energia, “e utilizada para aumentar essa energia durante o exercício físico, melhorando o desempenho e a fadiga muscular”. O BCAA também é um importante composto, formado por três aminoácidos que o corpo não produz, mas pode ser adquirido através da alimentação ou do suplemento. “Durante o exercício, ele atua fornecendo nutrientes que são importantes na síntese proteica e na regeneração muscular, impedindo que o organismo retire esses nutrientes do músculo, auxiliando o seu crescimento”, esclarece Verydiana. Um suplemento bem conhecido entre os praticantes de musculação, é o Whey Protein, que a nutricionista explica que é uma das proteínas de maior valor biológico. “Sua ingestão está associada à prática ou não de exercício físico e tem mostrado benefícios que favorecem o ganho de força muscular; o alto teor de cálcio favorece a redução da gordura corporal e aumento da densidade óssea mineral”, ressalta. Existem três tipos de whey, o concentrado que contém de 70% a 80% de proteína e pode ter mais carboidratos e gorduras do que outros que possuem lactose. O isolado com

Os principais suplementos alimentares são: 1. Os Repositores Energéticos, formulados a base de carboidratos simples e complexos, que têm como função fornecer energia durante a atividade física; 2. Os Hiperproteicos, compostos por proteínas e, em alguns casos, pequenas quantidades de vitaminas e carboidratos. São indicados para a construção muscular; 3. Os Hipercalóricos ou Compensadores, são produtos com alto teor de carboidratos, indicados para fornecer calorias e energia e, associados à atividade física, promovem o ganho de peso e a construção muscular; 4. Os Repositores Hidroeletrolíticos são formados a partir da concentração de carboidratos, vitaminas e minerais e têm como objetivo fazer a reposição hídrica e de eletrólitos do organismo, que diminui durante a atividade física intensa; 5. Os Termogênicos são compostos por cafeína, guaraná, inositol, entre outras substâncias, que aceleram o metabolismo, contribuindo para o emagrecimento; 6. Os Antioxidantes são suplementos compostos por vitaminas e minerais, que tem a função de combater os radicais livres, diminuindo o estresse, porexemplo; 7. Os Lipídeos contêm gorduras boas, como as mono e poli-insaturadas, que tem como objetivo equilibrar a proporção lipídica no organismo, prevenindo doenças. O mais conhecido e utilizado é o ômega 3.


S aúde e Bem-Estar 90% de proteína ou mais, possui menos lactose e gordura que o concentrado e o hidrolisado, que é processado para que a proteína seja quebrada em partículas menores, que ajuda na sinalização de ganho de massa muscular. Os termogênicos, segundo a especialista, são os suplementos usados para facilitar na perda de peso, pois aumentam a taxa metabólica basal. Entre seus componentes, está a cafeína, que melhora o rendimento físico e a diminuição corporal, além do chá verde que tem a função antioxidante, antiinflamatória e podem prevenir doenças. “Seu consumo vem sendo associado à diminuição do peso corpóreo e da gordura corpórea, atuando como coadjuvante na prevenção e tratamento da obesidade, diabetes, dislipidemias e doenças cardiovasculares”, esclarece. Verydiana também alerta que seu consumo deve ser orientado por um nutricionista, pois podem surgir efeitos colaterais desagradáveis como dor de cabeça, tontura e insônia. Outro alerta importante que a especialista evidencia, é a importância da alimentação antes e depois dos exercícios. “Independente do objetivo a ser traçado, seja ele de perda de gordura, ganho de massa ou melhora no desempenho físico, a alimentação voltada para a atividade física é de

“A reeducação alimentar aliada à atividade física, é sem dúvida a melhor maneira para melhorar a composição corporal com saúde. É preciso fazer adaptações saudáveis no dia a dia, garantindo ao corpo a ingestão de todos os nutrientes necessários para seu bom funcionamento” Verydiana Condé

suma importância para alcançar melhores resultados. O plano alimentar durante as 24horas do dia influencia nesse processo, mas o pré e pós-treino são cruciais”, destaca. De acordo com a especialista, o pré-treino auxilia no aumento da resistência, de energia e a força muscular. O pós-treino agiliza na recuperação muscular e do organismo, entre outros benefícios. “É preciso ressaltar que cada metabolismo é diferente, assim como o tipo de atividade física, cada uma requer determinados nutrientes, por

Verydiana Condé é graduada em nutrição. Pós-graduada em prescrição de fitoterápicos e suplementação.

isso é importante sempre o acompanhamento de um nutricionista esportivo para montar a prescrição, não só no pré e pós-treino, mas durante todo o dia”. A atividade física faz com que ao longo do exercício o corpo perca nutrientes, os quais devem ser repostos, por tanto, segundo Verydiana, a alimentação saudável é fundamental para garantir um bom resultado. “A reeducação alimentar aliada à atividade física, é sem dúvida a melhor maneira para melhorar a composição corporal com saúde. É preciso fazer adaptações saudáveis no dia a dia, garantindo ao corpo a ingestão de todos os nutrientes necessários para seu bom funcionamento”, completa.

21

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C apa

Por: Juliana Campos Foto: Servando Lopes Beleza: Cássia Costa

A FRENTE DOS RESTAURANTES JAPA TEMAKI E CHEFS STEAKHOUSE, ELA APOSTA NA SUA DEDICAÇÃO PARA CONQUISTAR SEUS OBJETIVOS COMO EMPRESÁRIA E COMO MULHER

22

O

Japa e o Chefs buscam oferecer uma experiência completa ao cliente. Desde o momento que ele entra e passa a admirar e a se envolver com o espaço em que ele está, na hora de fazer o pedido e claro, na degustação daquilo que ele pediu. Fazer com que a experiência do cliente seja perfeita, é a nossa missão” afirma a administradora e empresária Ana Flávia Ribeiro, (30). Atuando no segmento da gastronomia desde 2015, quando abriu o Japa Temaki em Ubá e três anos mais tarde inaugurando o Chefs Steakhouse, Ana Flávia se divide entre a rotina dos dois empreendimentos com a vida de esposa, mãe, dona de casa e mulher. “O que mais prezo como administradora é a satisfação do cliente. É uma cadeia cíclica: um cliente satisfeito só gera resultados positivos, desde o garçom que o atende até os nossos fornecedores. Todo mundo sai ganhando” destaca. Em meio a tantas opções no mercado quando se fala em bares e restaurantes, Ana Flávia é pontual ao dizer que o diferencial de seus empreendimentos está na experiência completa que o cliente poderá vivenciar, desde o atendimento, ao ambiente, até a degustação dos pratos. “O paladar é algo tão individual, tão peculiar de cada um, que de alguma forma, ali no cardápio nós temos que satisfazer e superar as expectativas daquele indivíduo. É uma sensação desafiadora, mas quando a gente acerta, é extremamente prazerosa” ressalta realizada diante do caminho que escolheu seguir. Vencer os obstáculos diários da administração de dois empreendimentos, embora seja trabalhoso, é muito gratificante, segundo nossa entrevistada.

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

Além de empreender com maestria, Ana Flávia é casada com Diogo Antunes Ribeiro e é mãe do pequeno Pedro, que faz com que sua rotina seja ainda mais agitada, mas muito mais feliz. “Meu dia é super corrido. Cuidar de filho, reuniões, estrada, restaurante, cuidar da casa, cuidar do filho de novo, mais reuniões... Nunca para, mas na certeza de que estou fazendo cada uma dessas atividades com todo meu amor” revela, afirmando que não mudaria em nada a sua rotina, pois deseja colher os frutos de toda essa dedicação daqui alguns anos. Confiante, empoderada e comprometida com tudo o que se propõe a fazer, a empresária ressalta que mesmo com todos os direitos já adquiridos pelas mulheres e todo o discurso de empoderamento feminino – que considera extremamente válido e que devemos continuar – ela vivenciou alguns desafios para se inserir no mercado. “Existem aqueles obstáculos que só nós, mulheres, sabemos e enfrentamos... Ser mãe, dona de casa e administrar o próprio negócio não é uma missão fácil, mas persistência e dedicação são palavras de ordem para nós” enfatiza. Segura de que estamos no caminho certo, mas ainda com uma longa estrada a se percorrer, Ana relata que a sociedade ainda joga muitas responsabilidades exclusivamente sobre as mulheres e lidar com essa cobrança resulta em ter que se desdobrar para dar conta de tudo. “A realidade de cada mulher ainda é muito diferente se analisarmos em um contexto geral. Nós precisamos lutar umas pelas outras. Precisamos entender e colocar em prática o significado da palavra SORORIDADE” salienta.

Nome: Ana Flávia Ribeiro; Idade: 30 anos; Profissão: Empresária; Esposo: Diogo Antunes Ribeiro; Mãe de: Pedro; Ser mulher é... “Assumir responsabilidades da casa, do trabalho, cuidar de nós mesmas, dos filhos – afinal, a gente sabe que mesmo com a ajuda dos pais, mãe é mãe – enfim, ser mulher é concentrar tudo para si só e conseguir dar conta de tudo. É um desafio diário”.

Festejando o mês da mulher e o ano que comemorou seus 30 anos de vida com alegria e satisfação da mulher que se tornou, Ana Flávia acredita que a figura feminina sempre foi um alicerce para sociedade, especialmente neste momento em que estamos presenciando (protagonizando) um período de transformações sociais cuja mulher tem se imposto, lutado por seus direito e mostrado a que veio. “Assumir responsabilidades da casa, do trabalho, cuidar de nós mesmas, dos filhos – afinal, a gente sabe que mesmo com a ajuda dos pais, mãe é mãe – enfim, ser mulher é concentrar tudo para si só e conseguir dar conta de tudo. É um desafio diário” encerra.


F alando de Negócios

Por Vanessa Santos Foto: Cássio Fotografias

HÁ 2 ANOS PROJETANDO E CONSTRUINDO SONHOS

A

ssim como as edificações, sonhos também são planejados e desenvolvidos pouco a pouco, conforme aconteceu com os amigos, Higor Rodrigues de Oliveira (25) e Júlio Rodrigues Ferreira (28). Após anos trabalhando para a mesma empresa na execução de projetos de marmoraria, eles resolveram ir além e apostar no próprio negócio. “Nós tínhamos uma convivência bacana, partilhávamos os mesmos objetivos além de um estilo de trabalho bem semelhante, então decidimos firmar uma parceria visando trazer as grandes inovações no setor de construção civil”, recorda Higor sobre o início da sociedade. A partir de muito diálogo, estudo e uma dose generosa de coragem, eles resolveram ingressar na empreitada literal de empreender e, há 2 anos, a UNIR Design e Engenharia tem conquistado o seu espaço demonstrando total excelência em projetos arquitetônicos, estruturais, design de interiores, serviços de legalização de obras, prevenção e combate a incêndio e pânico, renovação do AVCB, fração ideal e outras exigências para quem deseja construir ou reformar. Em ascensão no mercado, o estabelecimento se destaca por conta de seus diferenciais, como o projeto 3D e a foto realista, meios em que é possível ter uma noção exata do resultado da

Foto: Amanda e Michel Fotografias

obra. “Nossos clientes já sabem em detalhes como a obra ficará antes de ser executada. Através do projeto 3D, é possível ver as cores, revestimentos, ângulos e efeitos de luz, então fica muito mais fácil pra pessoa identificar se é aquilo que ela realmente deseja”, explica o designer de produto, coordenador de qualidade e pós-graduado em design de interiores, Júlio Rodrigues, que aproveita para identificar a pontualidade na entrega do projeto como outro fator positivo assegurado pela empresa. Além das inovações tecnológicas e serviços especializados, o negócio também incorpora o aspecto humano. Com um time formado por quatro profissionais, os sócios valorizam o nome UNIR no sentido mais fiel da palavra. “Nossa equipe é composta por pessoas extremamente competentes e amigas. Além de nós, fundadores, contamos com o designer Adalberto da Paixão e com o nosso futuro engenheiro, Carlos Santana”, comentam os projetistas que também prezam por uma relação próxima ao seu público, oferecendo aos clientes toda a atenção e disponibilidade tanto presencial quanto virtualmente. À frente de projetos em destaque na cidade, como o Armazém Fit Store, a Clínica Ser Natural, o Mangueira’s Country Club e a Paróquia São Sebastião, a empresa se preocupa em atender e satisfazer a todos os tipos de demanda, desde pequenas reformas a grandes edificações. “Temos condições de executar projetos expressivos, mas queremos continuar atendendo ao público que

“A contratação de um projetista não é um custo, é um investimento que será revertido em economia durante a etapa de execução da obra”.

(Higor Rodrigues, engenheiro, e Júlio Rodrigues, designer)

23

deseja fazer uma modificação dentro de casa – seja na cozinha, no banheiro, ou outro ambiente – e quer algo bacana, porém com um custo-benefício que caiba no seu orçamento. Nosso objetivo é abranger todas as necessidades da melhor forma possível”, declaram. Projetando, construindo e superando expectativas, os empreendedores têm na UNIR um motivo de realização pessoal e profissional, fruto de um trabalho desenvolvido com total entrega.“Para prosperar no mercado, não adianta ir com ‘meio corpo’, meia vontade, você tem que se dedicar em tempo integral, buscar algo novo, ser diferente e acreditar no que faz. Apesar de todos os desafios, nós bancamos essa ideia, acreditamos em nosso sonho e o resultado foi muito além do que poderíamos imaginar”, celebram.

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C omportamento

Por Scarlett Gravina Fotos: Arquivo Pessoal

FORMADORES DE OPINIÃO SÃO A NOVA APOSTA PARA O MERCADO

24

D

igital Influencer: “é a pessoa que detém o poder de influência em um determinado grupo de pessoas”. Ficou confuso? Na era digital, experiências com determinados produtos ou serviços compartilhados pelos chamados influenciadores digitais - responsáveis por gerar conteúdo em suas redes sociais, têm uma grande importância na relação com os seguidores, ou seja, os possíveis consumidores. A credibilidade e proximidade com o público são algumas das características desses influencers, que possuem o poder de despertar curiosidade nas pessoas e o que fazem se tornarem “excelentes canais de venda para as empresas”. Nos últimos anos, a crescente mudança nesse meio digital abriu espaço para a troca de opinião dos mais diversos assuntos, o que fez com que a comunicação se tornasse mais ativa nas mídias, onde as pessoas têm a liberdade de compartilhar suas ideias e forma de pensar. Diante dessa evolução nas redes digitais, é possível notar cada vez mais um grande número de influenciadores que chegam dominando o mercado digital. Identificados através da quantidade de seguidores em suas redes, os produtores de conteúdo estabelecem uma relação de confiança com o público e com os investidores. Entre moda, bem-estar, jogos e estilo vida, os mais variados temas abordados entre essas personalidades digitais, chamam atenção para um público específico ou uma empresa interessada em divulgar um produto ou serviço como uma estratégia de marketing.

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

Produzir conteúdo, estabelecer interatividade e engajamento com sua audiência. É assim que formadores de opinião assumem um papel significativo nas estratégias de marketing. Agora, se estiver se perguntando se eles realmente são capazes de influenciar, a resposta é sim. “O principal papel do influenciador é gerar proximidade. As pessoas têm necessidade de conexões reais e, principalmente, de se sentirem semelhantes a alguém ou a alguma situação. A característica maior desse produtor de conteúdo é o poder de contágio, ele conta histórias a partir de sua vivência criando uma ligação entre marca e o estilo de vida daquela pessoa e consequentemente, o consumidor cria uma certa semelhança com a história", explica a publicitária especializada em gestão empresarial, Ciane Lopes. Para a especialista, o influenciador digital possui uma importância significativa no marketing, já que eles são excelentes canais de vendas para as empresas. “Existem dois tipos de estratégias, o nicho, que é quando uma pessoa fala de um item específico e é respeitado por essa questão da semelhança e aquele influenciador que possui uma abrangência tão grande que acaba atraindo tráfego para vendas. Além disso, o influenciador pode alcançar pessoas que às vezes a marca não atingiria falando por ela mesma. O outro objetivo desses formadores de opinião é atingir um público que a marca quer alcançar pela autenticidade, uma característica que deve ser estudada na hora de escolher um influenciador, para que ele tenha realmente uma afinidade com sua marca ou produto”, afirma.

Publicitária especializada em gestão empresarial, Ciane Lopes.

Para a especialista, a profissão de influencer tende a crescer cada vez mais, já que essa personalidade digital pode ser uma ótima aliada para os resultados positivos de uma empresa. “O influencer é um profissional que eu espero que seja cada vez mais valorizado, porque é uma pessoa diferenciada, ela precisa produzir vídeo, falar com as pessoas e se conectar com o público através da história do seu dia a dia e contar isso de uma forma interessante, introduzindo marcas e produtos dentro dessa narrativa. Essa é uma profissão que tem muito ainda que evoluir, as marcas muito que experimentar e muito mercado para ser desbravado”, encerra. Entre likes, cliks e uma rotina agitada, influenciadoras impactam milhares de seguidores, compartilhando seu estilo de vida, dicas e opiniões. Confira!

A ideia de unir um apelido antigo com o


C omportamento sobrenome foi a cartada inicial da influenciadora Karen Verazani, que se destaca nas redes sociais como “Madame Verazani”, sua marca registrada nas mídias digitais. Estudante de marketing e apaixonada com o poder da comunicação, a blogueira, assim como se intitula, se inseriu no mercado digital há cerca de quatro anos, quando despretensiosamente começou a compartilhar sua rotina diante de uma mudança de estilo de

vida no instagram; uma das principais plataformas usadas como seu meio de trabalho. “Eu não planejei ser uma blogueira, me tornei por incentivo de amigos e parceiros. Quando decidi iniciar minha carreira nesse ramo, investi em cursos para me profissionalizar e aprender mais sobre esse universo. Desde então venho me preparando e estudando em agências especializadas em bloggers e pesquisas na internet”, afirma. Em meio a publicações constantes, aos poucos, Karen já estava inserida no mercado digital como produtora de conteúdo. Entre divulgações e experiências acerca de sua rotina, o hobby foi se transformando em sua profissão, a qual se dedica com tamanha disposição. “Minhas redes relatam minhas vivências e valores que acredito. Diante disso, minha indicação é do que eu realmente aprovo e é exatamente por essa linha de pensamento que ganhei credibilidade, carinho, respeito e confiança dos meus seguidores”, declara. Satisfeita com a aprovação de seu público, assim como o retorno financeiro, a influenciadora não esconde a satisfação de fazer o que ama, como ela mesma enfatiza. Entre dicas de moda, comportamento e beleza, Karen conta com a ajuda de uma coach para o auxílio em sua rotina

regrada a compromissos, o que liga a um cenário composto por planejamento e responsabilidade. “Além da função de mãe e esposa, equilibro-me com meus cuidados pessoais, junto a minhas parcerias, que inclui esteticista, personal, maquiador, nutricionista e cuidados com a beleza. Tenho trabalhos fixos de divulgação com lojas e administração das minhas redes sociais. Também concilio com trabalhos de apresentadora, radialista, colunista, eventos e ações beneficentes. Durmo seis horas por dia, mas sou feliz com o que eu faço”, relata Karen que ainda completa: “Apesar do aparente glamour e vida fácil, a vida de digital influencer precisa ter estudo e dedicação. Além de humildade e simplicidade. Não importa o quão famosa você possa estar. Sem educação e carisma você está fadado ao fracasso”, enfatiza. Para Karen, a realização profissional está na sua determinação e no que se propôs a fazer e encerra não escondendo sua satisfação pelo trabalho que escolheu. “Faço o que amo e sou remunerada de forma justa por isso. O sucesso é proporcional à coragem, empenho e dedicação. Há quatro anos eu abraço todas as oportunidades que julguem coerentes a minha realidade de mãe, esposa e pessoa de relevância. Tudo o que não ofendeu minha integridade eu aceitei para

25

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C omportamento trabalhar para me colocar no mercado. Hoje sinto que estou conhecida na minha cidade, lugar que abraçou minha causa quando comecei. Sou grata aos meus amigos, parceiros e empresários, que acreditaram desde quando eu tinha poucos seguidores”, finaliza.

26

Antes mesmo de se tornar uma influencer, Thaís Occhi já ganhava visibilidade nos meios de comunicação, principalmente após se integrar como bailarina no famoso “Balé do Domingão do Faustão”, um dos mais conhecidos e renomados da televisão brasileira. “Depois que voltei para Ubá, cursei jornalismo e fiz quatro anos de estágio na TV 1 e depois que me formei comecei a trabalhar com minhas redes sociais”, declara a comunicadora, que vem somando 10 anos de atuação no mercado. Se dedicando a trabalhos ligados ao meio digital como influenciadora, modelo e idealizadora de uma marca própria de roupa fitness, Thaís divide seu tempo entre o trabalho e seus

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

cuidados com a saúde e bem-estar, fator esse, que busca transmitir aos seus seguidores, que a seu ver, é um dos elementos responsáveis pela identificação de seu público. “Acredito que inspiro outras pessoas mostrando um pouco do meu dia a dia, não só como a forma que cuido de mim ou do meu corpo, mas com a minha personalidade. Sou comunicativa e prezo sempre a humildade, respondo todas as dúvidas e mensagens, tento me

conectar o máximo que posso e envolver cada vez mais as pessoas para minha rotina”, declara. Embora esteja satisfeita e confiante com a profissão escolhida, assim como todo influenciador, Thaís lida diretamente com a superexposição, um fator consequente de seu trabalho, que apesar de criar uma aproximação com o espectador, também pode gerar pontos negativos, os quais ela afirma não influenciar nas suas atividades. “Mesmo sem te conhecer de verdade as pessoas criam um vínculo com você, mas, ao mesmo tempo, existem também aquelas que não sabem lidar com suas conquistas e acaba que temos que ter um certo cuidado com nossas atitudes ou com o que falamos, estamos expostos a todo momento. Mas tento lidar da melhor forma possível, sem absorver os comentários negativos”, comenta. Alto astral e autenticidade, são características perceptíveis em Thaís, particularidades que ela preserva ao manter a conexão com seus seguidores, já que seu objetivo é mostrar a realidade e transparência como atributos indispensáveis na atuação de seu trabalho. “Nós que trabalhamos com mídias somos influenciadores, então temos uma grande responsabilidade com o público, de gerar conteúdo e ser fonte de inspiração. Com o crescimento da mídia as pessoas procuram


C omportamento cada vez mais o influenciador digital, seja para comprar uma roupa ou pela busca por experiências”, encerra.

Natural de Ponte de Nova, somando mais de 40 mil seguidores no instagram, a jovem Yaska Cocovick vivencia as experiências da rotina movimentada de uma influencer, que há pouco mais de um ano já conta com uma audiência significava em suas redes sociais. Graduada em direto, a produtora de conteúdo alia seu trabalho com maquiagem e micropigmentação com o dia a dia de um cenário composto por fotos e posts nas mídias digitais. Sua inserção nesse meio digital iniciou de forma ocasional e aos poucos, foram surgindo convites para campanhas de marketing de diversos segmentos. “Recebi o convite de uma loja de sapatos para fazer umas fotos e logo, foram aparecendo trabalhos semelhantes. Hoje faço divulgações na área de beleza, moda e saúde, mas apesar de ter o meu trabalho com maquiagem e micropigmen-

tação, a influência digital também se tornou importante pra mim, que a meu ver, essa profissão a cada dia que passa está sendo mais reconhecida na sociedade”, declara. Os retornos positivos no inicio de seu trabalho e pedidos para as postagens de conteúdo, fizeram Yaska se estabelecer no mercado digital e ir em busca de novos conhecimentos na área que decidiu seguir. “Eu sempre gostei muito de apren-

der, sou curiosa, então sempre busco por palestras, matérias e minicursos sobre o tema. A influência digital hoje é muito importante. Empresas do mundo todo estão optando pela contratação de produtores de conteúdo, é uma profissão que só tem a crescer e construir uma relação ainda maior nas estratégias de marketing no mercado”, ressalta. Dedicada e comprometida em estabelecer uma relação próxima e transparente com seu público nas mídias digitais, além de planejar seus horários e contratos com suas parcerias, Yaska acredita que a organização é essencial para um bom funcionamento diante de uma agenda repleta de compromissos. “Procuro sempre ter o dia planejado, isso facilita muito. Faço meus atendimentos e concilio com as divulgações”, afirma. Além da preocupação com a administração de suas atividades profissionais, ela também destaca a atenção em suas postagens, prezando por transmitir a transparência tão procurada pelo público das mídias digitais. “Eu estou sempre postando coisas que me identifico ou que eu realmente uso e que gosto. Procuro passar verdade, as pessoas buscam por experiências verdadeiras e tudo que está no meu feed é real”, finaliza.

27

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C apa

Por: Vanessa Santos Foto: Servando Lopes Beleza: Alerrandro Martins

AMOR, DEDICAÇÃO E PROFISSIONALISMO NO COMANDO DA ART’S NINAH FOTOGRAFIA

A

28

delicadeza é algo inerente ao trabalho delas. A sensibilidade no olhar de quem acolhe da gestante ao bebê, do bebê à criança. Especializadas em fotografia de família, as irmãs Natália (28) e Nívia Médice (33) já somam seis anos de experiência no ramo. Segundo elas, a escolha por uma profissão que as relacionasse de forma bem particular com histórias de vida já era algo evidente desde a infância. “Sempre tivemos vocação para trabalhar com pessoas e emoções, mesmo antes de conhecermos a especialização em fotografia de família”, revelam as jovens que também se graduaram em pedagogia a fim de compreenderem melhor o universo em que atuam. No comando da Art’s Ninah Fotografia, elas oferecem diversos serviços, como: ensaio gestante e newborn, mini sessões temáticas realizadas mensalmente para bebês e crianças a partir de um mês, ensaio meu primeiro aninho e ensaio infantil/família. Os cenários são elaborados pelas fotógrafas que, com todo o carinho, buscam inspirações que encantem aos pequenos tornando a sessão algo leve e divertido. Contudo, apesar dos anos de prática e das variadas especializações, muito se engana quem pensa que a inserção de Natália e Nívia no mercado se deu de maneira facilitada. Pelo contrário, segundo elas, o fato de serem mulheres apostando em um nohall desconhecido até então, tornou o ofício no comando da Art’s Ninah um grande desafio: “é comum as pessoas verem o trabalho feminino apenas como um passatempo, um hobby, e não como uma profissão, ainda mais quando se trata de um segmento novo. Logo, você precisa demonstrar domínio daquilo que se propõe a

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

“É comum as pessoas verem o trabalho feminino apenas como um passatempo, um hobby, e não como uma profissão, ainda mais quando se trata de um segmento novo". fazer e estar sempre em busca de aprendizado e de orientação para que a vontade de vencer e levar seu negócio adiante seja maior que toda e qualquer dificuldade”, declaram. Em contrapartida, o olhar feminino e sensitivo das jovens foi determinante para o sucesso da empresa, afinal, é preciso que os clientes se sintam o mais confortável possível a fim de que se alcance um resultado positivo. “Nossa profissão exige muita entrega, principalmente de sentimentos. Trabalhamos com famílias, com recém-mães que precisam da nossa atenção e do nosso olhar carinhoso. Temos que estar sempre atentas às suas necessidades e o fato de sermos mulheres e conseguirmos nos colocar no lugar delas, nos ajuda a compreendê-las melhor para conseguirmos oferecer uma experiência agradável e satisfatória”, explicam as empreendedoras que procuram gerenciar seu tempo da melhor forma possível a fim de que possam descansar para ter a disposição necessária ao ofício. Tendo a empatia e o respeito como alguns de seus valores primordiais tanto no âmbito pessoal quanto profissional, elas acreditam convictamente na força do universo feminino. Para Natália e Nívia, a mulher deve ser conhecida por seus princípios, por sua competência e por merecimento. “A mulher se coloca como aquela que

Nome: Natália Médice e Nívia Médice Idade: 28 e 33 anos Profissão: Fotógrafas e pedagogas Ser Mulher é... “Poder realizar seus sonhos, ser reconhecida por sua capacidade e respeitada em sua individualidade. É desdobrar-se em mil, é superar-se e reinventar-se. É não ter medo de desafios e sempre enxergar a beleza e as sutilezas da vida. Ser mulher é ser exatamente o que você é, do seu jeitinho, no seu tempo, e ter orgulho disso!”

vem para quebrar os paradigmas existentes e promover a igualdade. Não é ser melhor que o homem ou mostrar a superioridade de um gênero sobre outro, mas sim conquistar a liberdade para que todos sejam reconhecidos por seus méritos e não pelo preconceito. Em resumo, é esse o papel da mulher na sociedade: o mesmo do homem. Basta apenas à sociedade identificar isso em todas as instâncias”, finalizam as jovens determinadas e realizadas com suas vitórias no mercado de trabalho e na vida.


F ato Esportivo Foto: Arquivo Pessoal

Guilherme Bonissate é jornalista, mineiro natural de Ubá, amante da família e dos amigos, metido a boleiro, doido por futebol, resenha e churrasco. Um fã do Garrincha que não viu jogar e do Romário que viu muito bem. Atualmente trabalha na TV Integração de Juiz de Fora e edita o blog www. malucosporfutebol.com.br. Contato: guilherme.bonissate@gmail.com

FALANDO DE ESPORTES,

SOBRE AS MULHERES E PARA AS

Divulgação

C

huteira, arena, arquibancada, grama, trave, medalha e a insubstituível e amada bola. Vocês já devem estar se perguntando o que tudo isso tem a ver com a coluna desta edição. Pois bem, além do fato de estarem intimamente ligadas ao universo esportivo, todas essas palavras são substantivos femininos.

29

Substantivos femininos intimamente ligadas ao universo esportivo: A chuteira, companheira fiel, essencial ferramenta de trabalho; A arena, palavra moderna para o esporte, palco das grandes competições; A pista, veloz, lugar em que o tempo definitivamente não para; A arquibancada, local onde desconhecidos viram amigos e amigos virão irmãos; A grama, aquela que precisa sempre de cuidados especiais; A trave, que às vezes provoca arrepios, mas está frequentemente em evidência; A medalha, sempre desejada e que, para conquistá-la, é preciso persistência, dar o melhor de si e ser brilhante; E ela, a grande estrela, que é tratada com amor e carinho, que faz a alegria e às vezes a tristeza de muita gente, a querida e amada bola!

Fiz essa pequena analogia para tentar demonstrar, através de substantivos femininos, a importância cada vez maior da inserção das mulheres no mundo dos esportes e na sociedade como um todo. Já não basta a impressão de que elas parecem ser a maioria. Isso é fato, dado estatístico. Segundo pesquisa do IBGE de 2017, as mulheres representam 51,6% da população brasileira. Atualmente, a representatividade feminina tem crescido em vários setores da sociedade e nos esportes não é diferente. Ainda estamos bem longe do ideal, mas o espaço dado às mulheres em diversas práticas esportivas só cresce e é assim que deve ser. No futebol, esporte mais popular do planeta, infelizmente essa ascensão ainda é pequena. Tudo bem que a presença feminina cresceu em estádios, na mídia, em equipes de arbitragem e no dia a dia dos clubes, mas ainda é um crescimento tímido em um ambiente predominantemente masculino e recheado de preconceito. Na contramão desse processo, vem a diferença de valorização, seja de salários e cargos, atenção midiática, patrocínios e estrutura de trabalho. A realidade é essa e o tema precisa ser abordado e discutido sempre. Por outro lado, ah se a gente analisar os resultados... As mulheres são gigantes! Não são raras as notícias de conquistas importantes das brasileiras nos mais variados esportes. Nas Olimpíadas do Rio, mulheres como as velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze, e a judoca Rafaela Silva nos trouxeram o ouro. Ágatha e Bárbara conquistaram a prata no vôlei de praia. Poliana Okimoto nadou 10km para nos trazer o bronze na maratona aquática. E Mayra Aguiar, que já foi campeã mundial, também conquistou um bronze no judô. Fora as Olimpíadas, temos muitas outras mulheres brilhando nos mais diversos campeonatos sul-americanos e mundiais de suas categorias. Mas uma especial merece o meu destaque... Uma alagoana que saiu de Dois Riachos para conquistar duas pratas olímpicas, dois ouros em

jogos pan-americanos e ser eleita por seis vezes a melhor jogadora de futebol do mundo, feito inédito inclusive entre os homens. A menina cresceu driblando o preconceito e hoje tem o respeito e reconhecimento de todo o mundo esportivo. Marta é um exemplo de que a persistência aliada ao talento pode levar as mulheres (e os homens também, claro) ao topo de seus objetivos pessoais e profissionais. Como ela mesma descreve, sua carreira e vida são baseadas na palavra teimosia. Hoje, aos 33 anos de idade, ela veste a camisa 10 da Seleção Brasileira, tem seus pés eternizados na Calçada da Fama do Maracanã, é embaixadora mundial das Organização das Nações Unidas (ONU) e é considerada a maior jogadora de futebol feminino de todos os tempos. Se entre os homens, o Brasil se orgulha de ter o Rei Pelé, entre as mulheres não podemos nos orgulhar menos, temos uma rainha que representa tantas outras milhões de rainhas e ela se chama Marta. Um abraço do tamanho do Brasil às mulheres!

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


U baense Ausente

Por Vanessa Santos Foto: Arquivo Pessoal

Uma história de

HÁ QUASE 20 ANOS, UBAENSE VALDÊNIA VIEIRA SE DEDICA À COMUNIDADE CANÇÃO NOVA

V

30

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

ocação. Palavra com origem no latim “vocare” que significa chamar, o que para a ubaense Valdênia Aparecida Vieira, motivou uma profunda mudança de vida. Menina-mulher sorridente, dona de uma voz segura e acolhedora ao mesmo tempo, sua fala ecoa de forma cantada, tocando o coração de quem escuta. O telespectador que já assistiu ao menos uma vez ao programa matinal “Sorrindo pra Vida”, sabe disso. Valdênia tem uma habilidade incrível de cativar pessoas, e muito provavelmente seja essa a sua missão. Monsenhor Jonas Abib costuma dizer que “Deus, quando criou você, tinha um propósito definido para sua vida”. E foi no início da juventude, aos 18 anos, que a moça sentiu fortemente o seu chamado. Nesse período, embora tivesse planos de talvez cursar direito e gostasse de passeios comuns à idade, algo falava mais forte em seu interior. “Fomos criados em uma família muito engajada dentro da igreja, e um dia eu e minha mãe fizemos a experiência do batismo no Espírito Santo na Renovação Carismática Católica (RCC). A partir daí, minha vida foi totalmente mudada, senti que Deus queria mais de mim”, revela. Assídua nos grupos de oração locais, era na sala de casa, no bairro Santa Bernadete, que ela acompanhava atenta as pregações da TV Canção Nova, o que despertou o desejo de se tornar uma missionária da comunidade cuja sede se encontra no interior de São Paulo, mais precisamente na cidade de Cachoeira Paulista. Determinada, a filha do Sr. Osvaldo e Dona Ana se inscreveu e iniciou o caminho vocacional, período de discernimento para ingressar na referida instituição. “Recordo-me que quando fiz a mala, a primeira lição que eu tive foi de que o mais importante a gente não carrega na bagagem, o mais importante na vida a gente leva no coração, comenta sobre a dor de ter deixado os pais e o irmão, Vinícius, em Ubá. Aos 39 anos, hoje Valdênia ou “Val”, como é conhecida pelos amigos, já soma quase duas décadas de comunidade. Jornalista e comunicóloga formada pela Faculdade Canção Nova (FCN), ela passou por diversos programas de rádio e TV e atualmente é chefe de redação do departamento de jornalismo da emissora, além de professora e apresentadora do Sorrindo pra Vida. Contudo, mais do que as atribuições profissionais, ela zela por sua atividade como missionária, se mantendo constantemente em sintonia com Deus, afinal, é preciso servir e, ao mesmo tempo, contornar a saudade dos já falecidos pais, do querido irmão, a quem carinhosamente chama de herói, e de sua cidade natal, a qual costuma visitar frequentemente. Mas, trazendo à tona novamente Monsenhor Jonas, “não há vocação sem cruz”.


U baense Ausente Era nas ruas do bairro Santa Bernadete que ela se divertia. Menina serena, aluna empenhada na Escola Estadual Polivalente, ela gostava de brincar como toda criança, mas também era muito obediente aos pais, Sr. Osvaldo e Dona Ana, os quais, mais tarde, presentearam-lhe com a chegada do irmão, Vinícius. “Nossa família era extremamente simples, mas nada nos faltou e ainda sobrava em alegria, fé e união. A vivência do catolicismo entre nós era muito intensa, recordo-me que tradicionalmente as quartas-feiras, íamos para o quarto da minha mãe rezar o terço juntos”, conta sobre a convivência em casa. Aos finais de semana, o tempo era dividido entre a religiosidade e a diversão. Nas manhãs de sábado, os irmãos andavam de bicicleta com o pai na antiga área de lazer da vovó Alice, próxima a rodoviária, já os domingos eram reservados para a Missa e os passeios na roça. “Nós íamos visitar alguns parentes e tínhamos a oportunidade de ter aquele contato mais direto com a natureza, fazer passeio de cavalo, de charrete, e colher fruta no pé”, lembra.

“Nossa família era extremamente simples, mas nada nos faltou e ainda sobrava em alegria, fé e união".

Além dos programas em família, Val aproveitava a adolescência para se divertir com os amigos. “Na minha época o ‘point’ era o Postinho onde a moçada se reunia no domingo à tarde, além do Bar Municipal, local muito frequentado no centro da cidade”, pontua, referindo-se também aos passeios noturnos. “ Quando cheguei mais perto da juventude, vez ou outra minhas amigas e eu íamos para as festas no Tabajara Esporte Clube, mas tudo com muita prudência, tanto que nossos pais sempre se revezavam na condução prezando pela nossa segurança”, conta.

Aos 18 anos, a ubaense já estava decidida a deixar a cidade. Após uma experiência de batismo no Espírito Santo na RCC, ela sentiu fortemente o chamado para seguir sua vocação, quando teve início o processo para se tornar uma consagrada na comunidade Canção Nova. “Na época não havia um tempo determinado de caminho vocacional, então depois de cinco meses eu já era membro da comunidade e iniciei meu trabalho como missionária percorrendo diversas regiões do país”, afirma Valdênia ao explicar que hoje, a pessoa que se sente convidada à missão, deve entrar em contato com a Canção Nova e passar por um processo de preparação que leva no mínimo dois anos. Para ela, apesar dos desafios em ter que deixar a família ainda nova, o sacrifício é recompensado a cada dia. “Ser missionária foi a maior realização da minha vida! Claro que isso implica em muita renúncia, mas quando é pela vontade de Deus, todas as coisas se justificam”, declara

31

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


U baense Ausente a moça que, dentro da comunidade, acabou despertando também para o âmbito profissional.

32

Por conta de sua voz aconchegante aliada a facilidade em se comunicar, a escolha pela graduação em jornalismo aconteceu naturalmente. Formada pela Faculdade Canção Nova (FCN), a profissional teve a chance de aprender e por em prática todo o seu conhecimento no mesmo ambiente em que exerce a sua missão. No entanto, ela admite que, a princípio, não cogitava a escolha por essa carreira. “A comunicação nunca foi um sonho de criança, porém, através do carisma na comunidade, que é muito voltado para a comunicação, eu percebi despertar em mim esse talento e o próprio Deus foi investindo”, afirma. Das ondas do rádio, onde tudo começou, ela não tardou em migrar para a TV, em que hoje é conhecida pela apresentação do programa Sorrindo pra Vida. Além de atuar nos dois meios de comunicação paralelamente, é responsável por

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

todo o funcionamento prático da redação na emissora, efetuando escalas de trabalho, demissões e contratações, além de dar aulas de roteiro e produção para rádio na FCN. Embora tenha como referências no meio, o atemporal Ricardo Boechat e o correspondente internacional da Globo, Rodrigo Alvarez, a também comunicóloga, graduada recentemente, afirma que sua maior inspiração é, sem dúvidas, Monsenhor Jonas Abib, pai-fundador da comunidade. “Ele é um grande comunicador, tanto para rádio quanto para TV e internet, um desbravador que busca acompanhar as mudanças no meio, mas sempre com essa missão de levar a boa nova”, diz. Prestes a completar 20 anos de comunidade e 15 de carreira, Valdênia afirma que nunca esperou prosperar de tal forma, mas certamente a vida não poderia retribuir de outro jeito, alguém que tanto fez e faz em prol do outro. “Eu sou uma pessoa bem objetiva e determinada, procuro fazer as coisas da melhor maneira possível, entretanto, não poderia imaginar que Deus faria comigo aquilo que tem feito. Quando olho para a minha vida pessoal e profissional, como menina mineira que saiu tão jovem do interior, reconheço o privilégio que é poder investir a vida na evangelização”,

celebra.

Ao longo do exercício de suas atividades, Val nunca deixou de alimentar o vínculo com sua cidade natal. Embora dos pais tenha ficado as boas recordações e a saudade, ela visita constantemente o irmão e os familiares, oferecendo-os todo a sua afeição. “Minha família se divide entre Ubá e Rodeiro, então geralmente a cada dois meses volto para estar com eles, e de maneira especial, com o Vinícius, que foi quem cuidou dos nossos pais de maneira mais próxima durante todo esse tempo”, comenta com emoção sobre os laços sanguíneos que procura preservar. Dona de uma risada inconfundível, apaixonada por um bom livro, um bom café e um bom papo, profissional talentosa, missionária fiel e mulher desbravadora, talvez a Cidade Carinho tenha ficado pequena para ela, porém, o carinho e a gratidão de Valdênia por Ubá continuam imensuráveis.


P apo Bucal Foto: Servando Lopes

Cirurgiã-Dentista especialista em Ortodontia. Pós-graduada em Endodontia Rotatória e pós-graduanda em Implantodontia. Contato: (32)9 9833-4547. Instagram: @odontologia_queiroz

Bichectomia

A

33

bichectomia é um procedimento cirúrgico estético facial, cuja finalidade é remover a bola de Bichat, ou seja, a gordura da bochecha. O público de interesse são pessoas que desejam um rosto mais fino, com bochechas menos salientes e maçãs do rosto mais definidas. O procedimento é feito sob anestesia local, sedação ou anestesia geral, quando realizado conjuntamente com outros procedimentos. As cicatrizes geralmente ficam bem discretas no interior na cavidade bucal. É considerada uma cirurgia relativamente fácil e não costuma durar mais do que uma hora, porém, só deve ser realizada por um profissional capacitado. Os pacientes eletivos para cirurgia de bi-

chectomia são aqueles que apresentam excesso de gordura na parte inferior da bochecha e que se incomodam com a aparência da mesma. Vale lembrar que há variações quanto ao tamanho da bola de Bichat de cada pessoa, normalmente, se assemelham ao tamanho de uma bolinha de pingue-pongue. Aos pacientes em recuperação, aconselha-se ingestão de alimentos leves e frios, e que evitem exposição solar a fim de impedir um possível sangramento. Podem ocorrer inchaços e hematomas na região que tendem a desaparecer no decorrer da recuperação. Em alguns casos o resultado já pode ser visto logo após o procedimento. Embora seja simples, todo procedimento cirúrgico existe riscos e, dentre elas, o mais comum é a não aceitação de resultados por parte do paciente. Como já foi mencionado acima, o resultado vai depender das características faciais de cada pessoa. É possível que ocorra sangramentos após a cirurgia, infecção, má cicatrização, hematomas, inchaços prolongados, dormência, assimetria da face e entre outros. Seguir as instruções e orientações do profissional é fundamental para o sucesso da sua cirurgia. Sabemos que Cirurgiões-Dentistas estudam, de modo geral, quatro a cinco anos de cabeça e pescoço, e estão habilitados a realizar o procedimento, além disso, a bola de Bichat já é utilizada na Odontologia muito antes de se falar na bichectomia, porém, cirurgiões plásticos e profissionais da área dermatológica também podem realizar tal procedimento, desde que, claro, todos estejam capacitados. Todo o procedimento deve ser analisado e acompanhado criteriosamente desde a avaliação até o pós-operatório. Oriente-se melhor com o seu dentista para que não haja nenhuma dúvida, ok?

Imagem meramente ilustrativa. Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C apa

Por: Scarlett Gravina Foto: Servando Lopes Beleza: Mariana Gravina

DEDICAÇÃO E PROFISSIONALISMO

34

E

ntre a coragem de arriscar em um novo empreendimento e os desafios do mercado de trabalho, Sabrina Brunetti já soma quatro anos de carreira como cerimonialista, a profissão que escolheu exercer. À frente da sua empresa especializada em Assessoria e organização de eventos, a gestora conta com uma equipe capacitada, para auxiliar e supervisionar o planejamento de um dia tão significativo para o contratante. Prestando serviços de planejamento e acompanhamento de todos os detalhes, como consultoria, a empresa atende a cidade de Visconde do Rio Branco e microrregião, prezando a excelência em suas atividades executadas. Visando o compromisso com o cliente, Sabrina acredita que a chave para a realização profissional, assim como o diferencial para uma empresa de sucesso, está no amor e na entrega de seu trabalho. “Prezamos por respeito, pontualidade e comprometimento. O mercado está muito poluído com exemplos de cerimoniais sem preparação. Nosso diferencial é a experiência, dedicação e respeito com nossos clientes. É preciso muito amor e carinho diante de um evento tão especial na vida de uma pessoa”, afirma, completando com sua satisfação por sua profissão: “Sou extremamente realizada e agradecida a Deus por ter colocado em meu coração essa profissão de realizar sonhos”, enfatiza. Com uma rotina baseada em compromissos e reuniões constantes, Sabrina concilia seu trabalho com suas atividades pessoais, as quais se dividem entre os cuidados com o pequeno Davi Lucas, seu filho de 1 ano. “Se pudesse mudar algo no dia a dia, acredito que tentaria ter mais horas

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

“Acredito que a mulher hoje já tem seu lugar garantido. Ela representa essência, em tudo. Ser mulher é expressar a mais perfeita obra-prima de Deus. Somos mães, mulheres que cuida da casa, trabalha e ainda sim sempre estamos dispostas a ajudar e a cuidar. Somos guerreiras” disponíveis na minha rotina”, afirma. Presente no cenário de empreendedorismo feminino, Sabrina acredita que as funções da mulher como um todo têm se tornado destaque na sociedade diante de um período de transformações. “Acredito que a mulher hoje já tem seu lugar garantido. Ela representa essência, em tudo. Ser mulher é expressar a mais perfeita obra-prima de Deus. Somos mães, mulheres que cuida da casa, trabalha e ainda sim sempre estamos dispostas a ajudar e a cuidar. Somos guerreiras”, finaliza.

Nome: Sabrina Luamar Brunetti Lopes Sperandio; Idade: 30 anos; Profissão: Cerimonialista; Esposo: Lucas Moreira Sperandio; Filho: Davi Lucas; Ser mulher é... "Expressar a mais perfeita obra-prima de Deus. Somos mães, mulheres que cuida da casa, trabalha e ainda sempre estamos dispostas a ajudar e a cuidar. Somos guerreiras.”


Foto: Pedro Roque

P sicologia

Graduado em psicologia pela UFSJ. MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela UFJF. Terapeuta certificado internacionalmente pela AIHCE (Espanha) em Hipnose Clínica. Master em Hipnose Terapêutica. Certificação em Psicologia Positiva. Coautor do livro Hipnose Terapêutica 2, organizado pela Dra. Inês Marcel. Contato: custodiojulio@yahoo.com.br

Júlio Custódio

V

35

ocê quer ser feliz? Eu também! Já nessa primeira linha do texto descobrimos algo que temos em comum, amigo leitor. E penso que é algo que temos em comum com toda a humanidade – ou, pelo menos, a maior parte dela. Mas, o que seria essa tal felicidade? Tantos são aqueles que a buscam na casa própria, na tranquilidade financeira, no corpo perfeito, no grande amor, no sucesso dos filhos... Se a felicidade, como muitos pensam, se encontrasse na aquisição de um bem ou de um determinado patamar social, as pessoas se sentiriam plenas enquanto tivessem em sua posse o bem conquistado ou mantivessem o status alcançado. O que se percebe é que elas ficam realmente satisfeitas, porém, logo a novidade cai no esquecimento, as congratulações deixam de aparecer, e volta-se ao humor e nível de satisfação que existia antes. Isso porque a expectativa de alcançar aquilo que é desejado é sempre maior que a realidade, fazendo com que se procure um novo estímulo, gerando um ciclo sem fim de busca, sofrimento e frustração. Entretanto, a felicidade não se encontra na conquista de coisas externas, mas na conquista daquilo que há dentro de nós. Estou acostumado a receber pessoas em meu consultório com grandes dores emocionais. Muitas já chegam até mim convencidas de que

“A felicidade não depende apenas do lugar onde nascemos, da relação com a nossa família ou do ambiente em que vivemos. A felicidade é também uma questão de escolha. Nós podemos escolher não permitir que um evento triste nos faça infelizes por toda a vida”. eventos de seu passado determinam sua infelicidade presente, esperando que, com a terapia, elas “esqueçam” dos momentos infelizes ou consigam recordá-los sem dor, para somente então se darem a permissão de serem felizes. Entretanto, nem sempre os eventos negativos da infância geram problemas na idade adulta. Mauro Trexler Mourão, citando Martin Seligman, afirma que, ao contrário, “é a pouca valorização dos acontecimentos positivos do passado, bem como a ênfase excessiva aos negativos que são as responsáveis pelo enfraquecimento da satisfação, contentamento e serenidade”. A partir de então podemos compreender que a felicidade não depende apenas do lugar onde nascemos, da relação com a nossa família ou do ambiente em que vivemos. A felicidade é também uma questão de escolha. Nós podemos escolher não permitir que um evento triste nos

faça infelizes por toda a vida. Podemos escolher olhar as coisas boas do mundo, as coisas boas que existem nas pessoas e, principalmente, as coisas boas que existem em nós mesmos. Não estou me referindo aqui a um olhar fantasioso como o de Pollyanna, do romance de Eleanor Porter, mas um olhar com a sabedoria de que todo momento ruim, toda perda, traz consigo um ensinamento e uma oportunidade de crescimento. Então, para que olhar para aquilo que falta a você? Por que não olhar para aquilo que você possui? Se tudo lhe parece ruim, pense no que precisa ser mudado. E mude! Não sabe o que fazer para mudar? Eu compreendo você. E também sei que não alcançará esse entendimento pensando que é uma pessoa azarada ou desafortunada. Todos nascemos sob o mesmo sol. Todos temos oportunidades incríveis, diariamente, de perceber aquilo que está ao nosso lado e que pode nos alegrar. Mas como? – você pode me perguntar. Então eu respondo você: Vá fazer amigos, pois ter pessoas com quem nos importamos e pessoas que se importam conosco é fundamental. Evite comparar-se com os outros, pois você é único em sua individualidade, sendo especial do jeito que é. Seja gentil, faça o que goste, divirta-se! E aos pouquinhos, perceberá que a felicidade está na prática de coisas boas. Fonte: Eleanor H. Porter. Pollyana. Editora Pública, 1990, 310 p. Mauro Trexler Mourão. Uma Teoria da Felicidade: A força da genética, a força do comportamento, a força da história. Editora Viseu, 2018, 419 p.

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C apa

Por: Scarlett Gravina Foto: Servando Lopes Maquiagem: Jonas Sperandio - Casa da Beleza Bráulio Coiffeur

COMPROMETIMENTO E AMOR PELA ARTE DA TRANSFORMAÇÃO

36

A

rotina agitada, os compromissos na agenda e as tarefas rotineiras fazem parte do dia a dia da jovem cabeleireira Graciana Fouraux, que se divide entre seu salão de beleza e seu papel de mulher, empreendedora, mãe e esposa. Sediado na cidade de Guidoval, seu espaço, onde passa a maior parte de seu tempo, se transformou em uma de suas maiores realizações, a qual se dedica com empenho e amor pelo que escolheu fazer. Há onze anos construindo uma trajetória profissional repleta de desafios e conquistas, Graciana não mede esforços para se dedicar fielmente ao seu trabalho. “Minha vida tomou uma direção muito desafiadora. Acordo muito cedo, tento ficar na parte da manhã com minha filha Isabella de 7 anos e dar atenção, embora não consiga fazer isso todos os dias. Atendo de segunda a segunda e viajo muito também, para buscar mais conhecimento para minha profissão. Tento adiantar minhas atividades e atender todas minhas clientes para voltar renovada e cheia de novidades”, relata. Prestando serviços como cortes, escovas, alisamentos e coloração, Graciana não esconde o orgulho de sua profissão, assim como a paixão pelo poder da transformação que seu trabalho permite realizar. “Hoje sou conhecida, atendo pessoas de outras cidades, dou consultoria dentro do meu seguimento e vejo o carinho das pessoas comigo, isso é muito satisfatório”, declara satisfeita. Além do comprometimento com seu salão, a profissional não dispensa seus momentos de descontração ao lado de seus familiares e de seus cuidados diários. “Prometi pra mim mesma que esse ano tiraria um tempo pra mim, afinal,

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

“Amo ser mulher. Acordar de manhã sem maquiagem no rosto, preparar o café, tomar um belo banho, colocar uma roupa que me sinto à vontade, escolher um perfume, salto alto e ir para a luta diária. Sentir-se bem consigo mesma é também se sentir valorizada. É gratificante saber que existem pessoas que precisam de você e saber que é motivo de orgulho para alguém” sou mulher e vaidosa, gosto de me vestir bem, gosto do meu cabelo arrumado, sou o espelho das minhas clientes. Hoje, nós, mulheres, temos um papel maravilhoso perante a sociedade, que mesmo depois de um dia inteiro de trabalho, conseguimos, nos produzir, sair com a família e dar atenção em casa”, enfatiza, completando sobre sua satisfação ao falar de sua rotina. “Amo ser mulher. Acordar de manhã sem maquiagem no rosto, preparar o café, tomar um belo banho, colocar uma roupa que me sinto à vontade, escolher um perfume, salto alto e ir para a luta diária. Sentir-se bem consigo mesma é também se sentir valorizada. É gratificante saber que existem pessoas que precisam de você e saber que é motivo de orgulho para alguém. É extremamente necessário esse papel de ir à luta, buscar, batalhar. Acredito que o que importa no final de tudo, é se sentir útil, sentir que todo esforço valeu à pena”, declara. Realizada e feliz com a profissional e acima de tudo, com a mulher que vem se tornando ao

Nome: Graciana Fouraux Idade: 27 anos Profissão: Cabeleireira e empresária Esposo: Jardel Fouraux Filha: Isabella Ser mulher é... "Se sentir valorizada, ser independente, superar limites e desafios, todos os dias."

longo de sua jornada, Graciana acredita que sua escolha em apostar no segmento da beleza, além de resultados grandiosos na sua vida, trouxe também a realização e a necessidade de apostar em seus sonhos e de desafiar-se a cada momento. “Sou grata a Deus por tudo, principalmente por ter me presenteado com essa profissão maravilhosa. Aos meus pais, por terem me ensinado o verdadeiro sentido da vida (coração voluntário), grata pelo meu esposo que me apoia nas minhas decisões e cuida muito bem da nossa filha. Sou grata as pessoas que acreditaram em meu potencial, clientes que eu amo muito, todas, sem exceção. Gratidão por mais essa oportunidade por ter pessoas incríveis ao meu lado e por ser referência para tantas outras”, finaliza.


Por: Natália Meireles Foto: Servando Lopes Beleza: Larissa Vieira Make e Hair

C apa

“EMPODERANDO AS PESSOAS A SABEREM O QUE JÁ SABEM!”

O

cuidado com as pessoas é um dom adquirido por Fernanda Bambino desde pequena. Sua carreira profissional iniciou com a estética, passou pela fotografia e há um ano ela se encontrou como assessora energética através das barras de access e outros tratamentos que oferece, como Facelift, Mtvss, Ttte e Reyke. “A sensação de trabalhar com o bem-estar das pessoas é maravilhosa, é o que eu sempre quis fazer a vida inteira”, ressalta a esposa de Fabiano e mãe do Pedro Victor e da Layla. Apesar de suas outras duas profissões, Fernanda conta que desde o seu primeiro contato com as ferramentas de access percebeu que era sua escolha.“Sinto-me totalmente plena ao exercer uma profissão que usa ferramentas que transmutam tudo de ruim na psicologia e fisiologia humana”, ressalta. Frente a carreira que vem contruindo há um ano ela declara qua a mudança foi fácil, leve e divertida. “A vida é feita de mudanças, a estética e a fotografia são parte de mim e agora me sinto em um nível acima, podendo ajudar mais as pessoas a serem saudáveis, felizes e lindas por dentro e por fora”, expressa. Segundo a assessora energética, sua rotina é bem tranquila, pois trabalha com algo que realmente gosta, então, mesmo que atenda até mais tarde, o momento com sua família é garantido, pois está sempre motivada e contente, como ela mesmo afirma. “Apesar de estar feliz e realizada, estou sempre disposta a receber tudo que o universo quiser me dar. Eu só mantenho na minha vida o que é leve pra mim. Se for preciso eu escolho diferente, com total facilidade, alegria e glória”, explica. Em relação ao mercado por ser mulher, de

“A vida é feita de mudanças, a estética e a fotografia são parte de mim e agora me sinto em um nível acima, podendo ajudar mais as pessoas a serem saudáveis, felizes e lindas por dentro e por fora” acordo com Fernanda, essa inserção nunca a dificultou por ser mulher. “O poder está no indivíduo e não no gênero. Depois da expansão de consciência que Access nos permite ter, sentimos que somos muito mais do que pensamos ser”, defende. A profissional também conta que as ferramentas são para todos e que o processo é comparável com um atendimento médico, que o que vale é o lado profissional e a dedicação. Outra questão que a terapeuta cita, é que nunca se sentiu cobrada pela sociedade por questões gêneros. “A inferioridade começa no pensamento das próprias mulheres que acham que precisam ser mais que um homem para se sentir empoderada”, ressalta. Na sua opnião, todos são seres infinitos e iguais, “uns mais conscientes, outros menos e a vantagem das ferramentas de Access é fazer as pessoas entenderem isto”. Fernanda expressa que vê as mulheres tentando tão fortemente se impor nesse período de transformações sociais que estamos vivendo e que elas estão se perdendo e deixando de aproveitar as belezas que aparecem no caminho. “A mulher traz o coração para um mundo cheio de razão, nós sempre pensamos primeiro com o lado emocional”, aponta sobre o que é a real importância feminina na sociedade.

37

Nome: Fernanda Bambino; Idade: 38 anos; Profissão: Assessora Energética; Esposo: Fabiano Araújo; Filhos: Pedro Victor e Layla; Ser mulher é... “uma bela forma que Deus encontrou para enfeitar o mundo, somos lindas, românticas, apaixonadas, sensíveis e tudo mais que nos permitimos ser”.

A assessora energética finaliza dizendo, “para mim ser mulher foi uma bela forma que Deus encontrou para enfeitar o mundo, somos lindas, românticas, apaixonadas, sensíveis e tudo mais que nos permitimos ser. Ser mulher é fazer parte deste projeto, principalmente nesse momento em que me encontro tão feliz e realizada, é muito gratificante e glorioso. Só tenho a agradecer ao universo pelas infinitas possibilidades que recebo todos os dias. De ser e fazer cada vez mais pessoas felizes”, completa.

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C idade

Por Natália Meireles Fotos: Servando Lopes

APÓS 15 ANOS, ESCOLAS DE SAMBA RETORNAM À AVENIDA

38

O

dia 23 de fevereiro foi marcado pela volta do desfile das Escolas de Samba de Ubá após 15 anos de pausa. Com um misto de alegria e satisfação, as escolas Império da Vila Casal, Unidos da Praça CEU’s e Unidos do São Domingos, desfilaram pela

Avenida do Samba Valoz David, que se localiza na Avenida Beira Rio. O início da noite deu-se com a homenagem ao Sr. Valoz, com o desfile da banda 22 de maio. Em seguida, foi a vez da Corte do Carnaval Ubaense e dos bonecos gigantes do Bloco do Nelsinho, do Distrito de Diamante, que abriu oficialmente a avenida. Para que o evento acontecesse, segundo o produtor cultural Aurélio Pimenta, houve diversas reuniões entre a Prefeitura Municipal de Ubá, as escolas e a comunidade. “Desde o primeiro momento em que fizemos essa proposta, elas abraçaram de corpo e alma, com muito entusiasmo para levar para avenida o seu

Império da Vila Casal. Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

“A cultura movimenta a cidade, gera renda e muda a vida das pessoas, a cultura tem um papel fundamental de proporcionar lazer e conhecimento. Além disso, ela é fator de engrandecimento do ser humano, em geral”. Aurélio Pimenta

amor pelo samba”, conta sobre o momento em que apresentaram o planejamento para as escolas. De acordo com Aurélio, as escolas montaram seus carros alegóricos em tempo recorde, pois começaram os preparativos em novembro de 2018. Ele também explica o porquê de anteciparam o acontecimento. “Como estávamos fazendo um resgate, queríamos pegar a cidade ainda com bastante gente, pois muitas pessoas viajam no feriado prolongado, por isso antecedemos para aqueles que não estariam na cidade nesse período e pudessem prestigiar”.


C idade Cada escola de samba foi responsável por confeccionar suas fantasias e carros, a Prefeitura forneceu a estrutura para que o evento acontecesse e a Secretaria de cultura esteve ajudando no projeto desde o começo até a execução final. “A cultura movimenta a cidade, gera renda e muda a vida das pessoas, a cul-

tura tem um papel fundamental de proporcionar lazer e conhecimento. Além disso, ela é fator de engrandecimento do ser humano, em geral”, ressalta o produtor cultural. O engenheiro de segurança do trabalho Frederico Cabral, que foi responsável pelas alegorias e cenografia dos carros da Unidos da Praça CEU’s, disse que os preparativos foram uma luta contra o tempo, mas foi feito com muita dedicação, suor e coração. “Com certeza o sentimento é de dever cumprido e com louvor”, esclarece sobre o desfile. Para Vânia Gomes que é associada, musicista e membro da comissão de festas da Unidos do São Domingos, o desfile foi uma grande emoção por Unidos do São Domingos. poder levar alegria às

Unidos da Praça CEU'S.

outras pessoas. “O Carnaval une as comunidades. Através dele se leva cultura, lazer, turismo, bem-estar social e fortalece os aspectos da emoção, da saúde física e mental. Através dele se leva alegria para a população e movimenta o comércio e a indústria, gerando trabalho e emprego temporário. De modo geral, as festividades do carnaval são saudáveis. As comunidades devem se unir mais em prol de algo que é bom”, explica. Já o Presidente da Império da Vila Casal Jorge Blau Blau, impressionou com o público presente no evento, o que resultou em cerca de 10 mil pessoas. “Surpreendeu-me muito, eu

39

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C idade

40

não esperava aquela quantidade de pessoas, os desfiles estavam parados há 15 anos e eu particularmente não esperava a presença daquele público todo na passarela do samba”, ressalta. O comerciante que está na escola desde a sua fundação em 1979, conta que para 2020 pretendem trazer algo ainda maior com mais alegorias, luxo, brilho e muito samba no pé. Outra tradição do carnaval que retornou foi a Corte do Carnaval Ubaense, um concurso que elege a Rainha, Musa, Rei Momo e Rainha da terceira idade. “Esse concurso tem como propósito eleger Ubaenses amantes do samba e do

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

carnaval para carregar no peito e no pé a alegria que esta época tem”, explica Aurélio. Os vencedores deste ano foram: Rainha, Luana Martins; Musa, Nathasha Martins Alberto; Rei Momo, Lucas Menezes; Rainha da terceira Idade, Maria Geralda Soares. O produtor cultural se emociona dizendo que o evento foi um marco, pois acompanhou tudo de perto, testemunhando o trabalho, esforço e dedicação de todos os envolvidos, tudo para que um momento tão significativo se eternize na história. “Apenas tenho a agradecer ao empenho de cada comunidade no desfile, aos presidentes,

carnavalescos, equipes e costureiras de todas as agremiações que se desdobraram para colocar a sua escola na avenida. A toda minha equipe da Secretaria de Cultura que sempre me surpreende, ao Grupo Sanatório Geral que não mede esforços para que tudo dê certo. A toda imprensa ubaense que sempre nos prestigia, a nossa administração do Prefeito Edson Teixeira e do nosso Vice-Prefeito e Secretário de Cultura e Governo Vinicius Samôr por apoiar a arte e a cultura, e é claro, ao nosso povo, nossa gente que é brilhante”, finaliza Aurélio Pimenta.


C idade

Sany Kely da Silva Meirelles, 24 anos, Engenheira agrimensora e cartógrafa.

F

oi a primeira vez que assisti as escolas de samba de Ubá, nos últimos anos tenho visto apenas comentários negativos sobre o carnaval da cidade. Assim, acho que a volta dos desfiles foi um grande passo pra resgatar a cultura da Cidade Carinho. Amei todas as escolas, mas principalmente a Praça Céus, achei muito bem ensaiada e diversificada. Seria legal se surgissem mais escolas para apresentar e quem sabe, ter mais dias de desfiles”.

Jorge Luiz Gravina, 59 anos, Despachante.

41

J

á desfilei para a Império da Vila Casal há alguns anos e prestigiar essa volta dos desfiles é muito gratificante. Da arquibancada pude rever amigos brilhando na avenida, foi de arrepiar. Tenho só elogios a fazer para todos os envolvidos. É importante para nossa Cidade Carinho resgatar toda a sua cultura e dar a chance para a nova geração de conhecer e dar continuidade aos desfiles sem perder a tradição. Ano que vem se Deus permitir estarei novamente vibrando e quem sabe, sambando na avenida!”

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C apa

Por: Vanessa Santos Foto: Servando Lopes

FRANQUEADA DA HERING, ELA APOSTA NA MODA PARA TODOS OS TAMANHOS E ESTILOS

42

S

into-me extremamente realizada ao ver que a marca consegue atender a todos os perfis, captando a essência do cliente. Sempre acreditei que estar na moda é estar dentro do seu estilo, afinal, a roupa é o espelho de cada um”, afirma a administradora Lilian Lopardi (39). Atuando no ramo comercial há 22 anos, sendo boa parte desse tempo como consultora da Hering, ela dedicou-se e decidiu deixar o referido cargo para se tornar uma franqueada da marca. “Ter uma franquia Hering era um sonho. Mas, para realizá-lo, foi necessário anos de entrega, foco, paciência, estudo, e muito, mas muito trabalho”, revela a profissional que se encantou pelo modelo de negócio da empresa. No comando da unidade de Ubá, Lilian faz questão de estar sempre presente na loja mantendo contato direto com a equipe e os clientes, além de exercer seu olhar criterioso sobre cada detalhe. “Consigo saber o que falta na loja ao mesmo tempo em que já estou atenta ao que é tendência para a próxima coleção, fico no caixa, descontraio com o cliente, falo com o vendedor, atendo quem está no provador... Tudo de forma praticamente simultânea”, comenta a moça que se empenha no sentido de cumprir todas as suas atividades. Além de empresária, Lilian é casada com Leonardo e mãe da duplinha Felipe e Maria Clara, o que torna o dia a dia ainda mais corrido, no entanto, ela revela que desfruta de cada momento oferecendo o melhor de si. “Levo as crianças na escola, na natação, no futebol, no inglês, fico na loja, faço showroom, analiso as finanças do negócio, estudo, curto meu marido, e assim vou fazendo acontecer, sempre com um sorriso no rosto!”,

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

relata, afirmando que ainda consegue manter seus cuidados pessoais. “Temos que nos colocar em primeiro lugar! Se eu não tenho tempo para mim, se não me cuido, como vou cuidar do outro?”, pontua. Disposta e extremamente empoderada frente aos desafios da vida, a administradora revela que nunca sentiu dificuldade para se estabelecer no mercado por ser mulher, contudo, ela garante que ainda há muito há ser conquistado pelo universo feminino. “O mercado de trabalho está longe de assimilar a real competência das mulheres. Sempre fui atuante no meio, com isso, aos poucos conquistei meu lugar, mas os desafios para a mulher mostrar seu valor como profissional ainda são amplos”, declara elegendo a persistência como o grande fator do seu sucesso. “Meu entusiasmo sempre foi um importante motivador e, sem dúvidas, ir além da minha capacidade me fez chegar mais perto das minhas realizações”, completa. Confiante em futuro cujo respeito e o reconhecimento transcendam definitivamente a questão de gênero, ela também acredita no fim dos estereótipos, por isso, aposta em uma marca que pensa em todos os estilos, cada um com sua particularidade. “Entendo que os padrões são fruto de uma visão cultural que iremos mudar com o tempo. Acho inclusive que já temos transformações relevantes, mas ainda nos deparamos com muitas coisas que nos assustam. O mundo ideal seria muito mais simples se cada um soubesse o que é bom para si sem interferir no que é do outro. Por isso escolhi uma marca que abrange o público feminino e masculino, de todas as classes sociais e

Nome: Lilian Araújo Vargas Lopardi Idade: 39 anos Profissão: Administradora Esposo: Leonardo Lopardi Filhos: Maria Clara e Felipe Ser mulher é... "Ser sensível, mas firme ao mesmo tempo, é saber ser flexível quando preciso, acolhedora quando possível e amorosa sempre... Ser mulher é não temer desafios, é lutar, ser ousada e fazer acontecer!”

faixas etárias. A Hering é a cara do Brasil”, salienta acerca da sintonia entre os valores pessoais e empresariais. Celebrando o mês da mulher, Lilian acredita que o protagonismo feminino tem sido o grande responsável pela mudança do cenário atual. “A união entre nós, mulheres, tem provocado revoluções na sociedade. Hoje a palavra de ordem é sororidade. Precisamos sair do anonimato, levantar direitos, deveres e, acima de tudo, respeito. Somos incríveis e donas de um potencial gigante! Digo com convicção que tenho muito orgulho da mulher que me tornei”, conclui.


T alento de Fato!

Por Rosiane Souza Foto: Pedro Roque Fotografia

A GARRA E DISCIPLINA DA TRIATLETA UBAENSE

O

44

cupar um lugar no pódio não é para qualquer um. É preciso foco e determinação para manter uma rotina diária de atleta. Diante do preconceito ainda existente e da desigualdade do gênero, a presença da mulher vem se tornando cada vez maior no cenário esportivo, ultrapassando os limites físicos,

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

emocionais e acima de tudo, deixando para trás o modelo da fragilidade feminina. Entre milhares de exemplos, hoje encontramos grandes nomes de mulheres que escreveram história nas mais variadas modalidades, seja na pista de corrida ou em um campo de futebol. Em meio aos desafios superados, a triatleta ubaense Cátia Tomaz de Carvalho, se encaixa facilmente na referência de mãe e atleta, que se divide entre treinos e suas ocupações diárias. Aos 49 anos, mãe dos jovens Yasmini de 23 anos e Arthur de 20 anos, a rotina da Educadora Física é preenchida pelo trabalho, família e, claro, o esporte. Ainda bem cedo, aos 8 anos de idade, a esportista iniciou a prática de corrida e aos 15, participou de sua primeira competição profissional. Cátia conta que nunca teve influência para iniciar uma carreira no esporte, diferente de hoje, que está sempre incentivando os filhos a praticarem atividades físicas. Graduada em Educação Física, a escolha pela profissão se deu à necessidade de aprender ainda mais sobre as práticas esportivas. Além de atuar na área como professora em quatro escolas diferentes, Cátia também trabalha como personal trainer e se dedica ao Triatlo Ironman 70.3, que é a combinação de três esportes diferentes: natação (1.900m) Bike( 90km) corrida ( 21km). “A corrida e o ciclismo é onde consigo relaxar e me organizar internamente, e a natação eu aprendi a gostar com o tempo”, conta sobre a modalidade que pratica. Tendo a disciplina como sua característica mais marcante, Cátia não abre mão dos treinos diários, acorda de madrugada e encerra as atividades tarde da noite. “É uma loucura, mas dou conta. Faço os meus treinos nas horas que não estou na escola e quando não estou atendendo como personal. Isso resume horário de almoço, acordar às quatro da manhã para treinar ou finalizar os

treinos a meia noite”, comenta. Como todo atleta, Cátia também segue uma dieta balanceada e uma rotina baseada em esportes. “Hoje tudo isso é o que eu sou, não virou padrão, mas sim, essência e excelência de vida”, declara, que ainda afirma não ter horas vagas e que todo o seu tempo é preenchido com atividades físicas conciliadas a família que está sempre a apoiando. Colecionadora de vários títulos, as competições mais marcantes de sua vida foram a Maratona (42 Km), Meia Maratona (21 Km), Desafio Cidade Maravilhosa no Rio de Janeiro correndo 21 Km em um sábado e 42 Km no domingo seguinte, Duathlon, Triathlon, Ciclismo e Ironmam Full, considerada a prova de resistência mais precisa no Triatlo. “Como sou amadora, as premiações são por categoria, mas sempre estou ainda no melhor lugar, o pódio”, relata a triatleta que já conheceu diversas cidades brasileiras em decorrência das provas que já participou e se prepara para decolar em agosto para Maceió, onde participará de uma nova prova. A falta de patrocínio e o pouco incentivo são apenas alguns dos obstáculos enfrentados por Cátia, porém, a paixão pela adrenalina que o esporte é capaz de lhe proporcionar, não a faz desanimar perante as dificuldades. “Sinto-me muito feliz, realização é consequência de tudo o que você faz”, ressalta, acrescentando sua satisfação em poder servir de inspiração para outras mulheres que desejam conquistar seu lugar no esporte. “Hoje a mulher já domina uma parcela muito grande nas provas, estamos conseguindo a nossa independência, assim como na área esportiva. Ainda falta bastante iniciativa, mas aos poucos estamos mudando a realidade, apesar de já termos avançado muito. É gratificante fazer parte desse universo”, finaliza satisfeita.


F alando de Negócios

Por Vanessa Santos Foto: Servando Lopes

A QUALIDADE E O CUSTO-BENEFÍCIO IDEAL EM MÓVEIS FEITOS SOB MEDIDA

T

ive algumas frustrações, mas nunca desisti do meu sonho”, afirma o empresário Alexandre Carvalho dos Reis. Aos 31 anos, ele conta que dedicou mais da metade de sua vida ao trabalho como marceneiro, atividade que aprendeu durante seu primeiro emprego, mais precisamente, na região metropolitana do Vale do Aço, onde iniciou sua carreira. “Aos 17 anos, meu próprio chefe me aconselhou a investir em um negócio independente, pois ele acreditava no meu potencial”, recorda. Seguindo a recomendação, Alexandre decidiu abrir a própria empresa, mas a pouca experiência o impossibilitou de ir adiante como gestor, no entanto, ele permaneceu fiel ao seu objetivo e aprimorou suas habilidades a fim de se preparar para o mercado. Após a sociedade com o amigo Vicente, na cidade de Guidoval, o profissional viu que era o momento oportuno para investir novamente, quando surgiu a Mota Planejados. “Fruto de muito trabalho e força de vontade, hoje possuo um negócio estável que atende Ubá e região com

“Fruto de muito trabalho e força de vontade, hoje possuo um negócio estável que atende Ubá e região com excelência e confiabilidade”.

45

Alexandre Carvalho dos Reis

excelência e confiabilidade”, ressalta. À frente do empreendimento, ele assina desde o projeto a execução e montagem dos móveis, proporcionando ao cliente um suporte completo. “Caso a pessoa não tenha noção do que deseja, eu monto a proposta de acordo com o que ela precisa, sempre procurando agregar valor ao espaço”, declara ao prezar pela qualidade aliada à precisão no custo-benefício. Oferecendo todos os tipos de serviços sob medida, como dormitório, cozinha, sala, escritório, atelier de moda e beleza, áreas internas, decoração e interiores, além dos mais variados projetos comerciais, a Mota Planejados abrange diversos tipos de público. “Fazemos conforme a particularidade de cada cliente. Alguns gostam de luxo, outros preferem o simples, logo, atendemos a todos, mas com a mesma matéria-prima”, explica o empresário que tem a satisfação do consumidor como prioridade. “Trabalhamos com o O empresário Alexandre Carvalho dos Reis ao lado do cliente e dentista Dr. Ernane Menezes.

Fundador da Mota Planejados, Alexandre Carvalho dos Reis se destaca por seu amplo conhecimento em marcenaria.

máximo de cuidado, amor e carinho, afinal, cada projeto é o sonho de um cliente que se realiza”, pontua. Desfrutando de um momento único na carreira, Alexandre aproveita para agradecer a todos que ajudaram a construir o êxito de seu negócio. “Sou grato a Deus por essa conquista e por me proporcionar a sabedoria necessária a fim de avançarmos cada vez mais. Agradeço também aos meus funcionários, clientes e amigos, pois sem eles a Mota Planejados nada seria”, conclui. Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


P rata da Casa

Por Vanessa Santos Foto: Wanderson Produções

O OUTRO LADO DE

A PROFESSORA ALÉM DA SALA DE AULA Era mais um dia de trabalho em que nos reunimos para sugerir as pautas de março. Aliás, não só mais um dia. Porque todos os dias são especiais. Assim como essa matéria deve ser especial. Quando decidimos por entrevistar Cláudia Condé, como referência na área de educação, ainda não tinha me dado conta da missão que tinha pela frente. Cláudia foi minha professora de faculdade e me doou um tanto de conhecimento, de apreço pela língua portuguesa e de competência no ensino. Portanto, tentei dar a esses relatos o mesmo carinho que recebi dela durante todo esse tempo em que convivemos na FAGOC. A seguir, um pouco mais do que se vê nas salas de aula. Conheça Cláudia de Moraes Sarmento Condé além do quadro de giz.

Q

uarta-feira, 13 de março, 16h. (Mais precisamente, 16h10). Jornalista costuma ter esse hábito de chegar atrasado. Dizem que é charme. Cláudia já estava organizada para receber-me no Nescope, unidade da FAGOC. Ela não queria muito, preciso confessar. Mulher reservada que é, espantou-se um pouco com a ideia de se expor em uma revista. Mas fui convencendo-a com jeitinho e recebi mais do que imaginava. Ela sorriu, hesitou, revelou e se emocionou bastante ao contar-me um pouco da sua trajetória. Para começar, uma informação curiosa: Cláudia é nascida no Rio de Janeiro. Jeito mineiro, sangue carioca. Tudo porque Dona Lucita era de lá, mas apaixonou-se pelo juiz-forano Murillo. O casal morou durante um período no Rio e em seguida mudou-se para a “princesa de Minas” (definição encontrada no hino de Juiz de Fora). De lá para cá, vieram cinco filhas, entre elas, Cláudia, que semelhante a história dos pais, acabou deixando a cidade a fim de viver com o esposo, Mauro Lúcio, em Ubá. Para continuar, outra informação curiosa: Cláudia não é formada em letras. Graduada em economia, curso que, na época, estava no auge, ela fez mestrado em letras/literatura. A migração (desta vez, acadêmica)

46

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

se deu por conta de dois motivos. O gosto pelo estudo foi incentivado pelo avô, que era professor universitário, e fomentado pela mãe, que trabalhava na Cultura Inglesa, famosa escola de idiomas, o que proporcionou a estudante, cursar todos os níveis de inglês. Com grande domínio da língua estrangeira e sem campo para atuar como economista em nossa Cidade Carinho, a moça decidiu levar adiante a ideia de dar aulas. Em Ubá, iniciou a carreira na Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras. Passou por algumas instituições, entre elas o Colégio Pitágoras que, mais tarde, deu lugar à Faculdade Governador Ozanam Coelho. Na ocasião, Roberto Barbieri, diretor da entidade, foi quem instruiu a professora a cursar mestrado, já imaginando futuras exigências do MEC. Cláudia assim o fez e acabou se aproximando da língua portuguesa, assumindo as aulas da referida disciplina na FAGOC. E lá se vão quase 20 anos de dedicação à instituição. “Minha relação com os alunos sempre foi muito boa, normalmente eles demonstram um pouco de medo, mas acho que o medo é do português, porque a maioria deles vem com uma notável deficiência no conteúdo, aí ficam apavorados”, revela a profissional ao explicar que a fama de ser rigorosa nada mais é do que a incompreensão que vários estudantes têm com a matéria, fruto do ensino defasado na educação de base. “Fico muito dividida porque acabo tendo que suprir falhas anteriores e as vezes não sinto a evolução que gostaria no trabalho que faço”, completa sobre o que aponta como o maior desafio no ensino do português, além da enorme influência da informalidade no vocabulário dos jovens, o que tem dificultado a distinção entre linguagem formal e informal.


P rata da Casa Prezando sempre pelo entendimento da disciplina ao invés da prática de apenas decorar regras, Cláudia zela também pela convivência com os alunos, que para ela, é um presente que vem junto com o exercício da profissão. “Com quase 30 anos de carreira, muitas vezes eu penso que já deveria ter parado, no entanto, quando chego em sala de aula a coisa se transforma de tal maneira que nem vejo o tempo passar”, afirma sobre a rotina nada habitual da faculdade, lugar onde se surpreende e se emociona com as mais diversas histórias de vida. “É uma oportunidade tão grande de conviver com todos os tipos de pessoas, cada uma com suas circunstâncias, que a gente aprende a ser mais compreensivo em relação as dificuldades do outro. Lembro que ao me deparar com certas situações, eu entrava no carro para ir para casa e chorava pensando em como aquele aluno, com todos os problemas que enfrenta no dia a dia dele, consegue continuar assistindo a aula interessado em aprender”, revela. Assim como seus acadêmicos, a professora também possui os próprios desafios e conquistas. Apaixonada pela vida e obra de Antônio Olinto, ela transformou o escritor ubaense em tema da sua tese de mestrado. A ideia deu tão certo que foi publicada e virou livro. Inspirada em todo o

conhecimento que adquiriu sobre o autor durante seus estudos, ela decidiu mostrar ao mundo quem foi o menino de família simples que se tornou um imortal da Academia Brasileira de Letras. “O estudo da trajetória desse ser humano incrível nos deu a oportunidade de convivermos bastante, fui várias vezes ao Rio onde gravamos diversas entrevistas, e quando ele vinha a Ubá eu aproveitava também. Então fiquei com um material muito grande, comecei a cogitar a possibilidade de escrever um livro e o Antônio se mostrou à disposição. Não fiz nada muito parecido com uma biografia, na verdade foi algo mais sentimental, fruto da proximidade que adquiri com ele”, conta sobre a obra intitulada São eu, estas coisas, verso que também compõe um dos poemas do autor, que por sua vez completaria 100 anos em 2019. Fazendo uma analogia a sua obra literária, Cláudia revela, além da profissão, a infinidade de “coisas” que a representam. “Eu sou a minha origem, a minha família e os valores que eles me transmitiram. Ao mesmo tempo em que sou muito meus filhos, meus netos e todo amor que nos une. Eu sou minhas diversas viagens, tive a chance de conhecer lugares incríveis como os Estados Unidos e a Europa. Sou um pouco dos livros que li e também dos filmes que já assisti. Resumida-

mente são eu essas coisas”, revela a entrevistada que se diz realizada com a mulher que se tornou. “Não é que eu não queira fazer muita coisa ainda, mas o que eu já fiz me dá muita satisfação. Fico feliz ao olhar para trás e ver o caminho que tracei”, completa enquanto tenta conter a emoção ao refletir sobre a própria história. História essa que, por aqui, vai chegando ao fim, mas continua na realidade, formada pelos incontáveis feitos de Cláudia, essa mulher discreta, contida nos gestos e nas palavras, entretanto, com o coração extremamente humano, incapaz de pensar somente em si. Generosidade, talento, garra e trabalho, estão entre os substantivos que a definem. E talvez, como minha professora e conhecedora do mundo jornalístico, ela esteja se perguntando como pude colocar-me aqui, em primeira pessoa do singular. Prática que contraria as regras da profissão. Contudo, não poderia expressar a minha gratidão e a de tantos alunos de outra forma. E como diria Antônio Olinto, “já tinha perdido muito tempo escrevendo para deixar na gaveta”. Receba esse singelo rascunho como o nosso muito obrigada, Cláudia. E desculpe os erros na ortografia. É que a gente anda precisando de umas aulas.

47

Materiais para profissionais da Saúde CINTHIA Mª ROCHA MEDEIROS. ENFERMEIRA COREN-MG 242903

Procura produtos variados e de qualidade? Nós temos o que você precisa! Faça-nos uma visita e conheça nossa loja.

Estamos também no

@cirurgicansauba

Av. Raul Soares, 56 - Centro - Lj. C, Ubá - MG

(32) 3021-3790

Rua 22 de Maio, 17 - Centro - Ed. Central, Lj. 2, Revista Ubá -Fato! MG- Março(32) 2019 3532-3717 Edição #88


C apa

Por: Scarlett Gravina

Foto: Servando Lopes Beleza: Ana Carolina Miquilito

EMPENHO E EXCELÊNCIA EM DECORAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

48

D

ar vida ao espaço e transformar sonhos em realidade. É diante de um cenário repleto de cores e iluminação, que cada detalhe se torna único, e é ali que a mágica do momento acontece. O amor pelo universo de decoração e eventos, fez com que Alessandra Silva apostasse na área que sempre esteve presente em sua vida e descobrisse sua verdadeira vocação. “Sendo eu filha do renomado Sr. Ananias, o pioneiro no ramo de eventos em serviço de Buffet de Ubá e região, vivo nesse meio desde criança, sempre tive admiração na área, então não podia ser diferente meu amor por essa profissão”, afirma a empresária. Completando 17 anos de carreira, Alessandra comanda seu próprio negócio, a Projet Class, uma empresa especializada em decoração e organização de eventos. Prestando serviços de ornamentação, locações, projetos e ambientações para eventos sociais e corporativos em Ubá e região, o empreendimento preza pela sofisticação e qualidade em seus produtos. “Meu trabalho é especificamente realizar sonhos, então me sinto inteiramente realizada ao ver a satisfação de meus clientes quando dizem que superei suas expectativas”, declara. Acerca da participação da mulher no mercado de trabalho, Alessandra afirma não ter encontrado dificuldade de se inserir no ramo da decoração, e embora acredite que para a profissão não exista definição de gênero, para ela, o olhar feminino se destaca como um grande diferencial na área de atuação. “Ao lidar com tantas noivas, costumo dizer que não há nada como uma mulher para entender a outra. Mas não somente no ponto

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

“Ao lidar com tantas noivas, costumo dizer que não há nada como uma mulher para entender a outra. Mas não somente no ponto de vista de casamentos, nosso olhar é sem dúvida uma forma completa de amor e dedicação, em tudo”. de vista de casamentos, nosso olhar é sem dúvida uma forma completa de amor e dedicação, em tudo”, enfatiza. Além da rotina repleta de compromissos, Alessandra não dispensa seus cuidados diários, priorizando sua saúde e bem-estar. “Deixo horários determinados para atendimento aos meus clientes, gosto de cuidar do corpo e da alma, sendo assim, consigo conciliar trabalho, lazer, exercícios e cuidado com meus filhos, Esthéfani e meu cachorrinho Ted”, conta. Definindo-se como uma mulher bem resolvida, Alessandra não esconde sua segurança nas diversas áreas, inclusive no seu papel como mulher na sociedade, o qual aproveita para defender o posicionamento feminino. “Vejo que muitas de nós estamos vivendo de forma mais empoderada, lutando por nossos direitos, demonstrando nossa garra, mas nunca deixando de lado nossa doçura e delicadeza”, ressalta Alessandra que ainda completa: “ser mulher é acima de tudo ser

Nome: Alessandra Silva; Idade: 44 anos; Profissão: Decoradora; Filha: Esthefani Gravina; Ser mulher é... “Ser virtuosa, aquela que não pensa só em si mesma, mas que se preocupa com a família e as pessoas à sua volta. Ser mulher é ser amor.”

virtuosa, aquela que não pensa só em si mesma, mas que se preocupa com a família e as pessoas a sua volta. Ela é trabalhadora, seja de negócios ou do lar. Não tem medo do futuro porque sabe que Deus cuida dela. Ser mulher é ser amor”, finaliza.


O rganize-se Foto: Renata Scalvim

Graduada em Administração de Empresas pela Faculdade Governador Ozanam Coelho - FAGOC. Especialização em Personal Organizer incluindo Gerenciamento e Padronização de Arquivos e Organização de Mudanças. Contato: fluitapersonalorganizer@gmail.com

Jô Caciano

49

E

m um mundo onde as mulheres assumem cada vez mais funções, manter uma rotina programada é o grande diferencial para se ter mente e corpo sãos, equilibrando-se na loucura em que vivemos hoje em dia. Seja deixar a casa em ordem, ter que dar conta da empresa ou de uma equipe, a complexidade é a mesma, porque na prática o trabalho nunca acaba, mas só assume formas diferentes. Com o passar do tempo, a missão de conciliar vida profissional, casa, marido e filhos, tem se tornado cada vez mais desafiadora e até mesmo desgastante para muitas mulheres que não conseguem se adaptar a essa infinidade de tarefas, o que pode desenvolver diversos problemas, inclusive de saúde, como um quadro de estresse, além da enorme frustração que se acumula diariamente. Uma grade sacada é não perder tempo com coisas desnecessárias, isso pode minimizar seu problema com a tão falada organização. Pensando nisso, separei algumas dicas que irão otimizar sua rotina. Confira: Adote uma agenda ou algo que consiga ter como referência de consulta; Limite o uso de redes sociais; Não diga sim para tudo, pense bem antes de aceitar mais alguma atribuição, se você realmente vai dar conta;

Respire fundo, esse hábito é milagroso; Caso haja algum compromisso no dia seguinte, já deixe a roupa que vai usar e todos os objetos separados; Se a casa começa a se movimentar bem cedinho, se programe no dia anterior. Procure deixar a mesa de café preparada e os itens que vai usar já prontos; Estabeleça dias certos para cada coisa que seja rotineira; Trabalhe com previsibilidade; Divida o mês de forma equilibrada com datas estipuladas para o que precisa fazer; Tire de 10 a 15 minutos do seu dia para dar aquela geral, seja no seu local de trabalho ou em casa, esses poucos minutos que às vezes são gastos à toa serão incríveis quando sentir o resultado; Domingo é o dia perfeito para programar sua semana, acredite! Mesmo que tenha alterações, você vai se surpreender em como isso facilitará seus dias. Estabeleça metas para cumprir dentro desse período, priorize o que for mais importante e, como sempre digo, não faça aquelas listas enormes que não conseguirá cumprir; E por último: Não se esqueça de que é MULHER, jamais abandone a sua essência e os cuidados com você!

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C artão de Embarque Foto: Pedro Roque

Formada em Administração de Empresas pela PUC/MG e pós-graduada na Fundação Getúlio Vargas. É proprietária da Santur Viagens em Ubá-MG. Sua missão é desbravar o mundo e trazer várias dicas de viagens para seus clientes. Contato: camila@viajesantur.com.br

A aventura teve início há pouco mais de um ano, quando Carol e Lelo nos procuraram para realizar um grande sonho: casar em alto-mar! Pedido um tanto quanto inusitado, que nós, da Santur, nos empenhamos em atender a altura. E assim aconteceu! Embarcamos para um cruzeiro no Oceano Atlântico e eis que chegou o dia tão esperado... Que sensação boa foi ver o mar calmo, tranquilo, com o horizonte a se perder de vista e o pôr do sol a iluminar o casal... Um desafio e uma honra poder fazer parte desse momento inesquecível. Aprecie os relatos a seguir e viaje nesse sonho que tivemos o prazer de realizar! Bruno Guedes

UM CASAMENTO SOBRE A IMENSIDÃO DO OCEANO ATLÂNTICO

50

T

udo começou com a definição do mês, estação e ano no qual gostaria de me casar, foi então que decidi: janeiro de 2019. A estação foi o verão, porque, para mim, é a mais alegre de todas; janeiro, por se tratar de um mês de férias e comemorações; e 2019 por ser o ano em que completo 40 anos de vida! Estabelecida a data, começamos a pensar em como realizar o casamento em grande estilo, afinal, depois de mais de duas décadas juntos, eu e meu noivo, Valério, (“Lelo” para os mais chegados), não poderíamos festejar em apenas algumas horas, era necessário comemorar por dias e noites toda essa história que nos trouxe de presente o nosso filho Edson. Pensando nisso, me veio à memória um cruzeiro que fiz há um tempo no qual vi a celebração de um casamento. ‘Decidido!’, pensei. Íamos nos casar em pleno alto-mar. A partir daí, procuramos a Camila Santos e a equipe da Santur a fim de reservar as passagens com um ano de antecedência. Nesse ínterim, todos foram muito importantes para a concretização desse sonho, mas a Santur foi especial. Desde o primeiro instante, a Camila fez questão de nos acompanhar em cada detalhe, não só nas compras dos pacotes do cruzeiro para os familiares e amigos, mas até na organização da entrada das damas

Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

Por Ana Carolina e Vagner

no momento da cerimônia. Conversamos muito sobre os planos do casamento, queria que fosse algo inesquecível e marcante. Desejei casar ao pôr do sol, com uma réplica do vestido de noiva da minha mãe, e deu tudo certo, absolutamente TUDO! No dia que antecedeu a cerimônia, o mar estava muito agitado, provocando enjoos e tonturas, entretanto, quando chegou a data do casamento, o mar amanheceu calmo e o pôr do sol foi deslumbrante. Assim selamos nossa união no meio do Oceano Atlântico. Um cenário de filme, decorado naturalmente por uma vista perfeita e cercado de pessoas que verdadeiramente amamos. Além desse momento que marcou o ápice da viagem, não podemos nos esquecer dos dias incríveis em que desfrutamos do cruzeiro com muitas festas, shows, apresentações teatrais, deliciosos cafés da manhã, jantares, passeios, risadas, boas conversas e vários drinks. Uma comemoração para ninguém colocar defeito! E como diria a letra da música Prelúdio de Raul Seixas: “sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto, é realidade”. Só tenho a agradecer ao meu esposo, aos nossos amigos, familiares, a equipe da Santur, e a todos que embarcaram nessa grande aventura conosco. Nosso grande dia foi, assim como o nosso amor, eterno!”

Os noivos Carol e Lelo e o filho Edison.

to Casamenelo Carol e LC no MS . Fantasia

Da esquer Carol, Mauda para a direita: Vinicius, ricio, Maurícia, Renan, Lelo, Marília. ERenato, Gabriel, CMariana, mbaixo: D am adu, José ila, Lívia e e Renata.


G estão e Negócios Foto: Pedro Roque

Bacharel em Administração e Licenciatura em Matemática. MBA em Gestão Estratégica de Pessoas. Mestre em Economia Doméstica. Doutoranda em Educação. Sócia-Administradora da Clínica Ser Natural e Professora da FAGOC Contato: nathaliacarvalhoadm@gmail.com

PATRIMÔNIO DE TODA A SOCIEDADE

51

O

capital natural é composto por todos os ativos originados pela natureza e que são patrimônio da sociedade. Sua valorização monetária é difícil, porém, seu uso adequado tem a capacidade de potencializar o crescimento econômico do país. Entre os elementos, destacam-se: o solo, o subsolo, a água, as florestas, o ar, a biodiversidade, os recursos pesqueiros e a paisagem. Segundo especialistas, o capital natural consiste em três componentes principais: 1) Recursos não renováveis: óleo e minerais extraídos dos ecossistemas; 2) Recursos renováveis: peixes, madeira e água, que são produzidos e mantidos pelos processos e pelas funções dos ecossistemas; 3) Serviços ambientais: manutenção da qualidade atmosférica, climática, dos controles da inundação e da fonte de água, da reciclagem dos nutrientes, da geração dos solos, da provisão do alimento do mar, etc.

“Até pouco tempo atrás, a utilização da maioria desses recursos não implicava muito, uma vez que eram considerados elementos livres. No entanto, esse conceito evoluiu e tem se modificado gradativamente, sobretudo por meio da criação do controle ambiental, tendo em vista que o uso indevido do capital natural pode provocar a sua exaustão ou degradação” Até pouco tempo atrás, a utilização da maioria desses recursos não implicava muito, uma vez que eram considerados elementos livres. No entanto, esse conceito evoluiu e tem se modificado gradativamente, sobretudo por meio da criação do controle ambiental, tendo em vista que o uso indevido do capital natural pode provocar a sua exaustão ou degradação, que por sua vez correspondem a conceitos diferentes. A exaustão significa a redução quantitativa dos estoques de recursos naturais provocados pela sua extração, para serem utilizadas no processo produtivo. Já a degradação do referido capital está ligada a perda da qualidade do ambiente natural, que afeta sua capacidade de desempenho ou suas funções ambientais. Um grande equívoco recorrente é a exploração desordenada da atividade econômica que

vem causando prejuízos irreparáveis em todo o planeta. Os danos podem ser sentidos através dos fenômenos naturais (aquecimento global, aumento da camada de ozônio, furacões, terremotos, enchentes, nevascas, secas prolongadas e outros); na preocupação das Nações Unidas em suas Reuniões Ecológicas, “o descaso sobre o entendimento da urgente necessidade de preservação por parte das nações tidas como desenvolvidas, por sinal, as que mais poluem”, e, por fim, mas não menos importante, os desastres ambientais ocorridos justamente em função da falta de gestão ambiental de muitas empresas. Esse cenário vem demandando a mobilização dos setores produtivos da sociedade, no sentido de buscar mecanismos que visem estabelecer um nível de equilíbrio entre o desenvolvimento sustentado, sem prejuízo para o ecossistema, evitando impactos ambientais para o meio ambiente e para a população. O ponto básico é fazer com que os mecanismos estabelecidos permitam identificar, mensurar, registrar e analisar fatos relacionados a questões ambientais, poupando futuros prejuízos. A rigor, apesar de todos os avanços, a filosofia organizacional adotada pela maioria das empresas não funciona adequadamente no mundo atual. Muito mais do que uma gestão que se preocupe com recursos econômicos e tenha sua meta voltada única e exclusivamente para o aperfeiçoamento de seus produtos e serviços, precisamos de uma administração com visão holística de todos os fatores que circundam sua atividade e que busquem a preservação, uso consciente e gerenciamento adequado da questão ambiental. Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


A brindo o Closet

52

Ficha Técnica Nome: Sayury Gazola Costa; Idade: 30 anos; Profissão: Empresária; Signo: Virgem; Um ídolo: Deus Um sonho realizado: Minha loja Fiorella e agora minha mais nova conquista, a loja Versátil; Um sonho a se realizar: Ver meu filho se tornar um homem digno, honesto e de sucesso; Uma frase: “Não deixe que as pessoas te façam desistir daquilo que você mais quer na vida. Acredite. Lute. Conquiste. E acima de tudo, seja feliz.”

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

Por Scarlett Gravina


A brindo o Closet

S

er transparente é desnudar a alma”. É assim que Sayury se caracteriza, uma mulher de coragem, segura de si e confiante no que se propõe a fazer. A transparência é uma de suas marcas mais expressivas. O amor pelo trabalho e por tudo que vem construindo com êxito, também compõem suas particularidades. Conheça um pouco mais sobre Sayury Gazola e sua autenticidade. Confira!

POR DENTRO DO CLOSET Mantendo uma relação próxima com a moda por conta de seu trabalho, Sayury Gazola Costa está sempre por dentro das tendências, o que a auxilia a compor seus looks aliado ao seu próprio estilo. Adepta ao conforto, a empresária não dispensa a versatilidade das peças midis, as queridinhas de seu guarda-roupa. “Sinto-me muito à vontade quando estou bem vestida que não vejo como uma obrigação, e sim, como bem-estar. O que mais me atrai na moda é a capacidade de transformar, de deixar tudo lindo”, afirma. Entre acessórios e composições que retratam seu gosto pela moda, vaidosa e sempre bem vestida, Sayury acredita que estilo e personalidade estão fortemente

53

AMANDA CISNEIROS

Design

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


A brindo o Closet

FICHA TÉCNICA Fotos: Cássio Fotografias; Beleza: Ana Carolina Miquilito; Locação: Metro Quadrado Home Design; Agradecimento: Virgínia Arquete.

54

ligados, assim como sua própria essência. “Ter estilo é ser quem você é de verdade, sem se preocupar com o que os outros pensam, é a maneira de refletir o sentimento que existe dentro de você”, afirma.

POR DENTRO DO TRABALHO Movida pelo desejo de administrar seu próprio negócio, aos 30 anos, a jovem empresária colhe frutos de todo seu trabalho e dedicação na área que escolheu atuar. À frente das lojas Fiorella e seu novo empreendimento, a Versátil, Sayury Gazola não esconde o orgulho e a satisfação de seu trabalho. “Minha rotina é bem agitada, tenho dedicação total às duas lojas que atendem a estilos diferentes. Busco cada dia mais aprimorar meus conhecimentos para que essa realização seja de fato concreta”, afirma. Radiante com seu momento profissional, ela destaca suas conquistas como resultado de todo seu empenho durante sua trajetória no mercado de trabalho. “Sempre trabalhei com comércio, mas agora, gerenciar minha loja é a realização de um grande sonho. Hoje minha profissão representa pra mim uma felicidade. Quando sinto que com meu trabalho posso ajudar a tornar um momento mais especial e feliz, sinto-me realizada”, declara.

POR DENTRO DA INTIMIDADE A Dividir-se entre seus compromissos Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

profissionais e com suas responsabilidades como mãe, esposa e mulher, Sayury afirma que busca sempre gerenciar seu tempo de forma que consiga realizar todas as suas funções, assim como a prática de atividades físicas, que estão presentes no seu dia a dia. “Sou bastante vaidosa, procuro me organizar selecionando os dias e os horários para cada momento, além de me organizar para estar com minha família e amigos nos momentos livres”.

“Sinto-me muito à vontade quando estou bem vestida que não vejo como uma obrigação, e sim, como bem-estar. O que mais me atrai na moda é a capacidade de transformar, de deixar tudo lindo”. Sayury Gazola

Mãe do pequeno Arthur de 10 anos, ela afirma que a maternidade lhe trouxe grandiosos ensinamentos e descobertas transformadoras em sua vida. “Sou uma mãe superprotetora. A maternidade me trouxe amadurecimento e o verdadeiro significado da palavra amor”, ressalta. Definindo-se com uma pessoa transparente, Sayury acredita que a característica presente em sua personalidade é uma das mais evidentes em sua essência, a qual alia com a coragem e de-

terminação da mulher que batalhou para ser. “Sou igual a mim mesma, diferente do que querem que eu seja. Independente de quando, como e onde eu esteja”, finaliza demonstrando toda sua segurança.


C ontabilize Foto: Fotografe

Contador; consultor tributário; professor de graduação no curso de Ciências Contábeis. Site: www.pmrassessoria.com.br; Contato: (32) 9 8846.4050 / E-mail: pm@pmrassessoria.com.br.

MEI

ESTÁ NA HORA DA DECLARAÇÃO ANUAL DA SUA EMPRESA

O

55

regime do MEI – Micro Empreendedor Individual é uma maneira que o Governo Federal encontrou há algum tempo para formalizar profissionais que já trabalhavam, mas não estavam inscritos como autônomos e não tinham condições de constituírem uma empresa nos demais regimes, como o Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real. Assim surgiu o MEI, embora eu não costume classificá-lo como regime tributário. Uma das principais incidências a respeito está no fato de que os dirigentes não têm o hábito de se informar sobre certas necessidades dessas empresas, eles abrem um CNPJ (Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas), ganham dinheiro e se esquecem da parte burocrática, ou pensam que não precisam se preocupar. No entanto, vale lembrar que a partir do momento que se possui um CNPJ, cabe ao estabelecimento observar algumas obrigações acessórias junto aos órgãos de fiscalização, entre elas: o recolhimento de ICMS nas compras fora do estado dependendo da destinação dos produtos, o relatório mensal de faturamento a ser preenchido, o envio de obrigações acessórias para o Governo do Estado, entes trabalhistas e previdenciários, entre outras. Há quem diga que os MEIs não precisam de contadores, mas aí é outra discussão. De qualquer forma, se o empreendedor tiver condições de fazer tudo o que mencionei no parágrafo anterior, eu até concordo, porém, penso que o dono do negócio deve se preocupar somente em administrá-lo, o que implica em contratar um bom profissional contábil para resolver as questões importantes em seu âmbito. Esse custo deve ser absorvido pela empresa, tendo em vista que, caso haja um problema futuro, a multa ou penalidade pode ficar imensu-

ravelmente mais cara, chegando até a inviabilizar o estabelecimento. Contudo o tema aqui é uma obrigação acessória em especial: a declaração de imposto de renda da pessoa jurídica. É importante observar que não se trata da Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física, pois essa tem outra periodicidade: normalmente março e abril, e tem outras condições que são da pessoa física. Precisamos ter em mente que uma coisa é a pessoa física (empreendedor) e outra é a pessoa jurídica (MEI). No início de cada ano, os negócios enquadrados no MEI devem organizar seus documentos, confirmar suas receitas, juntar notas fiscais de entrada, conferir o recolhimento das parcelas e de posse destes e providenciar o envio da Declaração Anual do MEI para a Receita Federal do Brasil. Na verdade, os MEIs mais criteriosos já providenciam essa organização de maneira mensal, junto ao Livro Caixa. Lembrando que os que dispõem de colaboradores com carteira assinada podem ter outras obrigações mensais. Não deixe a Declaração Anual para a última hora, é recomendável que ela seja feita tão logo possível assim que vire o ano, pois se houver alguma pendência com o CNPJ, ao atender a essa necessidade, será possível antecipar as possíveis soluções e regularizar a empresa de maneira preventiva antes de qualquer ação do fisco.

FATO É: MEI, coloque como uma das ações prioritárias em 2019 (se ainda não o fez), a Declaração Anual da sua empresa. E se quiser fazer com maior segurança, procure um profissional contábil.

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


R eportagem Especial

56

Por Scarlett Gravina Foto: Arquivo Pessoal

UM ATO DE CORAGEM, EMPODERAMENTO E AUTOACEITAÇÃO

J

á escutou a expressão “transição capilar”? Nada mais é que o abandono de procedimentos químicos ou alisamentos frequentes, uma fase repleta de mudanças que vai além de assumir os fios naturais. É sobre autoaceitação e compreensão de questões como reafirmação de traços culturais e a libertação dos estereótipos estéticos. Nos últimos anos meninas e mulheres vêm assumindo seus cabelos crespos ou cacheados e, junto delas, um forte posicionamento nas mídias sociais sobre debates empoderadores aliados ao resgate da identidade negra e feminina. Confira a seguir diferentes histórias sobre um processo repleto de descobertas e transformações inteiramente significativas. Inspire-se!

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


R eportagem Especial

“A transição capilar representa na minha vida a descoberta de uma nova mulher”

Quando se fala em valorização racial e resgate da autoestima, muitas vezes o cabelo crespo ou cacheado se torna protagonista de debates sobre a reafirmação da identidade. Histórias de mulheres negras que passaram ou passam pelo processo de transição capilar, costumam se basear na busca pela autoaceitação e fortalecimento da representatividade. Assim como muitas que reforçam o movimento pela redescoberta da beleza dos fios naturais, a maquiadora Naiara Gonçalves abandonou a rotina de alisamentos como um ato de coragem para uma transformação que vai muito além da estética. “A minha história com o meu cabelo antes

A maquiadora Naiara Gonçalves.

do processo de transição, creio que seja a mesma entre muitas jovens negras. Eu vivia de cabelo relaxado e escovado, era progressiva atrás de progressiva, tudo isso para me encaixar de alguma forma no padrão de beleza. Eu alisava meu cabelo desde pequena e só fui parar nos meus 21 anos, quando vi que meu cabelo já não tinha mais o volume de antes, não crescia tanto e não estava com uma aparência bonita”, relata.

As quedas causadas pelos procedimentos químicos frequentes foram a chave de entrada para uma descoberta significativa no processo de autoconhecimento para Naiara, que se permitiu vivenciar a transição capilar. O momento delicado da incerteza de um novo cabelo, não foi tão fácil para a jovem, que confessa ter sentido a vontade de voltar com os alisamentos. “O processo de transição é muito doloroso, nada que a gente faz fica bom, eu sou uma pessoa ansiosa, então já queria ver o resultado imediato. Por conta desse tempo indeterminado, pensei várias vezes em voltar a alisar o meu cabelo. Mas depois que eu assumi o meu cabelo natural e vi que eu recuperei 100% dele, ele voltou a crescer e deu o ‘volumão’ que eu sempre tive”, enfatiza. O impacto emocional e a sensação de liberdade após a transição capilar, resultaram também em mudanças perceptíveis e engrandecedoras durante seu processo de identificação. “Hoje sou muito mais livre em relação ao meu modo de ser, se redescobrir é incrível. Minha autoestima melhorou bastante com essa mudança. Eu era muito insegura antes da transição capilar, mas depois que passei por todo o processo de aceitação, hoje sinto segurança em dizer que eu sou sim uma mulher negra maravilhosa e capaz de ultrapassar

57

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


R eportagem Especial

58

fronteiras em relação a beleza e a outros assuntos, eu me amo mais do que antes. A transição representa na minha vida uma descoberta de uma nova mulher”, declara. O processo das inúmeras transformações trouxe para Naiara lições engrandecedoras, as quais passam para suas duas filhas, de forma com que elas enxerguem a força e beleza de seus traços. “Eu falo com minhas filhas todos os dias que elas são maravilhosas e que os traços delas são lindos, assim como seus cabelos. Minha filha mais velha tem 8 anos e ela já sofreu bullying na escola, então temos que ser resistentes e bater sempre na mesma tecla, todos os dias”, relata. Orgulhosa e confiante, Naiara acredita que a união e movimentos de incentivo entre as mulheres, é importante tanto para a troca de informações quanto para o apoio na descoberta da beleza natural. “Para as meninas que desejam passar pelo processo de transição, eu diria para seguir em frente e se deliciar nessa jornada de evolução como pessoa e como mulher. Coloque na balança os pós e os contras. Mas o importante mesmo é saber que todas nós somos mulheres maravilhosas, seja de cabelo liso, cacheado, magra, gorda, negra ou branca. Se pudesse dar um conselho, eu diria para se amar do jeito que você é, pois você é

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

única e insubstituível”, finaliza.

“Estou vivendo uma fase de muitas mudanças na minha vida e a transição capilar é uma delas. Tenho certeza que foi a melhor decisão que tomei e não me arrependo nem por um instante” “Recordo-me que eu gostava do meu cabelo, mas comecei a escutar comentários desagradáveis, a partir de então ele passou a me incomodar. Fazia um coque ou uma trança lateral. Foi nessa época que nasceu a vontade de alisar para me sentir incluída, no que era considerado bonito pelos meus colegas”. Esse era o desejo da jovem Alexia Domingues, que aos 12 anos se viu passando

Jornalista Alexia Domingues.

pelo processo de alisamento dos fios, a forma que encontrou de se sentir aceita entre seu grupo de amigos. A necessidade de se adequar aos padrões estéticos impostos pela sociedade, fez com que a jornalista abandonasse a naturalidade de seu cabelo, se tornando dependente de procedimentos químicos por cerca de dez anos. A falta de informações necessárias quanto aos produtos corretos para seu tipo de cabelo, acarretou em quedas e fraqueza, como con-


R eportagem Especial sequência das químicas agressivas utilizadas frequentemente. “Não era necessário utilizar um produto tão forte nos meus fios, mas só fui saber disso anos depois, pois ninguém me explicou e eu não procurei saber. Fiquei cada vez mais incomodada com o aspecto do meu cabelo, estava sem vida e fraco. Decidi parar com os alisamentos, já que obrigatoriamente eu teria que ficar um longo período sem fazer qualquer tipo de química”, afirma. O apego por seu cabelo longo, mas precisamente abaixo da cintura, cedeu espaço para uma nova mudança inteiramente significativa na vida de Alexia, que após cortes realizados em sua própria casa, decidiu avançar para a etapa mais importante da transição: o big chop, o corte responsável por eliminar toda a parte lisa do cabelo. “Quando comecei a observar que cada vez mais as mulheres vinham assumindo seus cabelos naturais, aquilo mexeu com algo dentro de mim, trouxe à tona a pequena Alexia que nunca viu problema em ter cabelo cacheado, pelo contrário, que se sentia bem com seu cabelo. Estou muito feliz por ter conseguido ir até o fim, foram oito meses em transição e agora é continuar cuidando para estimular ainda mais o crescimento saudável dos meus fios”, relata.

A redescoberta de sua beleza por inteiro assim como a libertação de cobranças internas relacionadas ao cabelo foi apenas algumas entre tantas outras transformações na vida de Alexia, que após a finalização do processo da transição, se permitiu refletir sobre questões ligadas ao preconceito e autoestima. Vivendo uma nova fase com a maternidade, a mãe do pequeno Noah não esconde sua satisfação em poder fazer parte de um movimento tão importante para a mulher. “Meu filho nasceu há menos de um mês e meu corpo é outro, não é da noite para o dia que vou lidar bem com isso. Vou vivendo um dia de cada vez e evoluindo conforme o tempo passa. Ainda estou em fase de mudanças, inclusive capilares, já que é comum passarmos por uma leve queda dos fios após o nascimento do bebê. Não me reconheço totalmente com meu cabelo, o que é muito louco porque é meu cabelo natural, mas sei que isso também faz parte do processo, não é de uma hora para a outra, afinal foram dez anos me olhando no espelho todos os dias e vendo uma imagem. A Alexia não tem nem um ano que ressurgiu”, enfatiza. O interesse acerca dos cuidados com seu cabelo aliado a movimentos relacionados ao empoderamento feminino traz para Alexia uma ba-

gagem de aprendizados importantes na sua busca diária para a preservação de sua identidade, a qual afirma já ter alcançado um longo passo quanto às suas descobertas. “Com o fortalecimento entre o público feminino, fomos beneficiadas com uma infinidade de conteúdos que somam ainda mais para o processo de autoaceitação. Estou vivendo uma fase de muitas mudanças na minha vida e a transição capilar é uma delas. Tenho certeza que foi a melhor decisão que tomei e não me arrependo nem por um instante. Quando eu quiser usar meu cabelo liso, vou usar sem medo, mas sem mexer na estrutura do meu fio. O importante é estar saudável, feliz e livre, se sentindo bem com você mesma. É assim que eu me sinto e é a melhor sensação”, finaliza.

59

Em busca da valorização de seu cabelo natural e da reafirmação de identidade, a designer de moda Maísa de Sousa passou a integrar o grupo de mulheres que se redescobriram através da transição capilar, elemento essencial que marcou o início de um longo percurso desafiador: a busca pela autoaceitação. Reflexões sobre seu papel

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


R eportagem Especial

Designer de moda Maísa de Souza.

“Durante o processo eu fui começando a me amar de novo, me descobrindo e aprendendo a enxergar a nova Maísa que estava aparecendo junto com o novo cabelo” 60

na sociedade e principalmente a necessidade de colocar em prática ações que determinassem a mulher que almejava ser, se tornaram os principais motivos para abandonar a imagem que já não fazia jus a sua verdadeira essência. “Eu havia mudado de cidade para estudar e foi lá que conheci muitas meninas que já haviam passado pela transição e estavam super felizes com seus cabelos naturais crespos ou cacheados. Além disso, eu estava descobrindo a mulher que eu queria ser e minha imagem era parte muito importante nesse processo. No princípio era muito difícil porque eu não sabia direito como lidar com o meu cabelo e acabei fazendo escova e chapa algumas vezes, porque não conseguia me enxergar daquela maneira, já que foram muitos anos fazendo alisamento”, relata. As químicas capilares frequentes desde a infância deixaram de ser prioridades na vida de Maísa, principalmente após notar os resultados mal sucedidos em seu cabelo, o que resultou em fios fracos e frágeis. Apesar do processo da transição ter sido um marco diante de suas mudanças, a falta de adaptação com os cuidados exigidos pelo cabelo crespo e a carência de identificação, fizeram com que Maísa quase optasse pela desistência em meio aos seus seis meses de transição capilar. “O que salvou minha transição foram as inspirações, como Rayza Nicácio, atrizes como Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

Tais Araujo e Cris Viana, se não fossem elas eu teria desistido com toda certeza”, relata. Embora os desafios diários soassem como uma obrigação, aos poucos, a imagem refletida no espelho se transformava em traços de admiração e liberdade. “Essa descoberta significa o meu nascimento como mulher feminista e negra, o momento em que eu comecei a me interessar por causas como racismo, assédio, misoginia, machismo e outras. Durante o processo eu fui começando a me amar de novo, me descobrindo e aprendendo a enxergar a nova Maísa que estava aparecendo junto com o novo cabelo. A transição capilar não é fácil, é um momento de muito aprendizado. Foi quando eu comecei a olhar com mais carinho não só pro meu cabelo, mas pro meu corpo em geral. A transição é paciência, é amor próprio e pra mim foi o caminho pra felicidade e liberdade” declara encerrando.

Para a advogada e professora universitária Luciene Colli, a desconstrução de estereótipos a respeito de mitos presentes na estética representa um passo significativo na redescoberta de sua identidade. A dificuldade de manter os cachos e a ideia de um estereótipo ilusório, protagonizaram por um longo tempo a decisão de realizar procedimentos químicos nos fios os quais manteve por cerca de vinte anos. “Sempre tive muitos problemas em lidar com meu cabelo na adolescência, então fazia tratamentos químicos constantes. Mais tarde, já na faculdade, resolvi deixar o cabelo natural e depois de um tempo, decidi passar novamente por alisamentos. Percebi que esse processo era resultado de um padrão que eu achava que deveria seguir, eis que cabelo liso seria, no meu entender, mais bonito”, relata. Em meio aos procedimentos e estímulos de amigos e familiares, já com o cabelo comprido, no final do ano de 2016, Luciene decidiu distanciar das químicas e radicalizou em um corte responsável por valorizar ainda mais sua imagem, demonstrando sua coragem e firmeza através de uma atitude inspiradora. “Havia me cansado de ser escrava do processo de alisamento, escova e chapa. Também queria fazer ginástica, Ubá é extremamente quente e a minha falta de tempo me levou também a assumir meu novo corte de cabelo. O que eu procurava na verdade, era mais liberdade e independência, além da minha identidade visual”, declara. Diante de sua mudança, a autoestima perceptível significa um ato empoderador que vai além de aparência e sim, de sua maturidade, como ela mesma afirma. “No fundo, sinto que

Advogada e professora universitária Luciene Colli.

“No fundo, sinto que essa mudança não se relaciona apenas com minha imagem, mas com o que eu fiz no alto dos meus 46 anos de idade” essa mudança não se relaciona apenas com minha imagem, mas com o que eu fiz no alto dos meus 46 anos de idade, mas posso afirmar que me acho mais bonita hoje do que antes da transição capilar ou do corte de cabelo radical, muitas pessoas também me dizem isso e eu acredito (risos)”, conta completando com seu ponto de vista sobre como enxerga questões ligadas à valorização indentitária e acrescenta: “sobre o autoconhecimento, em relação a mim, eu penso que esteja direcionado a questionamentos mais importantes, como qual o meu papel no mundo ou o que eu posso fazer de melhor. Esse posicionamento não se relaciona a questões estéticas ou de aparência, que são importantes sim, mas não se baseiam no que somos”, pontua. Ao ser questionada sobre sua visão acerca do movimento estético dos cabelos crespos e cacheados, Luciene acredita que o fortalecimento feminino tem sido um grande aliado para a valorização da identidade, assim como troca de experiências grandiosas. “O empoderamento feminino não está somente relacionado com a aceitação da sua aparência, mas seu comportamento e sua forma de se relacionar com os outros. A autoaceitação e a forma como você quer se apresentar para os outros, estão intimamente relacionadas com o poder que você tem e transmite acerca de si próprio”, encerra.


E ditorial de Moda

61

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


E ditorial de Moda

62

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


E ditorial de Moda

63

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


E ditorial de Moda

64

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


E ditorial de Moda

65

FICHA TÉCNICA Modelo: Dara Abreu; Fotos: Cássio Fotografias; Produção: Kelvin Tomaz; Looks: Loja Medida Certa; Acessórios: Anna’s Semijoias; Calçados: City Shoes; Bolsas: Passaporte Bolsas; Locação: Condomínio Jardim Alves do Valle; Agradecimento: Valquíria Valverde.

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


I nforme-se

Por: Vanessa Santos Foto: Alexas_Fotos / Pixabay

ARMA DE FOGO

VEJA O QUE MUDA COM O DECRETO ASSINADO PELO PRESIDENTE JAIR BOLSONARO

: esse é o número de armas de fogo registradas em nome de pessoa física no Brasil até 2017, segundo dados do Instituto Sou da Paz. O índice, que aponta um crescimento surpreendente em relação a década anterior, também revela o cenário de insegurança em que vive a população, a qual tem buscado sua própria forma de se proteger. Foi embarcando nessa onda que o então presidenciável Jair Bolsonaro trouxe a flexibilização na posse e no porte de armas como um dos grandes motes de sua campanha, ficando conhecido por suas aparições com gestos alusivos a um revólver. Após ser eleito, um de seus primeiros atos foi por a promessa em prática, assinando, em 15 de janeiro, o decreto que facilita o porte de armas no país, o que tem fomentado as vendas e ações envolvendo empresas do segmento como a Taurus, maior fabricante de armas de fogo do Brasil. No entanto, o que muda na legislação? Em quais circunstâncias é possível registrar a posse de arma? A alteração traz benefícios reais à sociedade? O delegado de polícia Rafael Gomes responde essas e outras questões a seguir.

#fiqueligado

328.893

66

RF: O que muda no Estatuto de Desarmamento a partir do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro? DR: Dentre as principais mudanças do projeto, está a renovação do Certificado de Registro de Arma (antes avaliava-se os requisitos do indivíduo a cada cinco anos para renovação, agora a reavaliação ocorre a cada dez anos, ainda junto à Polícia Federal); os incisos sobre armas para uso restrito (antes os dados para renovação deveriam Revista Fato! - Março 2019

Edição #88

"(...) o interessado deverá comprovar, em seu pedido de aquisição do Certificado de Registro de Arma de Fogo, a capacidade técnica para o manuseio da mesma. ser comprovados a cada três anos, agora a cada dez); e a não obrigação de uma justificativa que ateste a necessidade da posse para o cidadão, como era requerido anteriormente, assim, a Polícia Federal examinará cada caso partindo do pressuposto de que os fatos apresentados no pedido são verdadeiros. RF: E no que tange o porte de armas, houve alguma alteração? DR: Não. O novo decreto facilitou a posse que é a autorização para manter uma arma de fogo em casa, ou no local de trabalho, desde que o dono da arma seja também o responsável legal pelo estabelecimento, mas, frise-se, não houve autorização do porte, que é o direito de transportar na rua arma ou munições, prática que continua sendo ilegal no Brasil, exceto para agentes de segurança. RF: Segundo o artigo VIII do Estatuto, o indivíduo que tenha posse de arma, deverá ter um local seguro para armazená-la. No entanto, como é feita essa comprovação? Existe alguma fiscalização nas resi-

dências e/ou comércios de quem possui arma de fogo? DR: O texto cita a necessidade do interessado em obter a posse da arma de fogo "apresentar declaração de que a sua residência possui cofre ou local seguro com tranca para armazenamento" nos casos de residência com crianças, adolescentes ou pessoa com deficiência mental. Contudo, a equipe de governo reconhece que se trata de um item meramente educativo da legislação, não sendo possível a fiscalização. Vale ressaltar que, apesar da ausência de norma prevendo de que forma se dará a referida inspeção, o decreto prevê pena de um a dois anos além de multa para o descumprimento da norma e a punição prevista no artigo 13 do Estatuto do Desarmamento aplicada a quem deixar de observar as cautelas necessárias para impedir que menor de 18 anos ou pessoa portadora de deficiência mental se apodere de arma de fogo que esteja em sua posse ou de sua propriedade. RF: Para ter a posse de arma é exigido algum tipo de treinamento no sentido de como manuseá-la?


I nforme-se

RF: Um estudo realizado pelo Instituto Sou da Paz mostra que, em um assalto, 70% das pessoas que estão armadas levam tiro. O dado não fomenta a ideia de “mais armas, mais violência”? DR: Não necessariamente. Veja bem: a recomendação é para que nunca se reaja a um assalto. Ainda que o indivíduo seja um policial bem treinado e preparado, ele deverá analisar em questão de segundos todas as variáveis em seu entorno para decidir se sua reação poderá colocar em risco sua integridade ou das pessoas que estão em sua volta. Caso alguma dessas variáveis não seja favorável, ainda que a vítima esteja portando uma arma de fogo, não deverá reagir. Daí a importância de quem tem a intenção de possuir uma arma em casa, tenha o treinamento adequado para discernimento em situações de risco. RF: Em uma pesquisa rápida na internet, é possível identificar diversas incidências

de crianças que pegam a arma dos pais e acabam cometendo suicídio ou ceifando a vida de outras pessoas acidentalmente, logo, você acredita que a posse de armas pode representar um risco para a família e para a sociedade? DR: Costumo dizer que possuir arma de fogo em casa traz muito mais ônus do que bônus. A arma, por si só, não representa qualquer risco à família ou à sociedade, mas sim o ser humano que a manuseia. Podemos dizer a mesma coisa com relação ao automóvel que, a princípio, não representa perigo, mas a partir do momento em que o motorista é irresponsável, não possui aptidão técnica ou ingeriu bebida alcoólica, ele passa a ser tão letal quanto a arma de fogo. Portanto, ressalto mais uma vez a necessidade de uma fiscalização extremamente rigorosa em todos os aspectos necessários antes, durante e após a concessão da posse da arma. RF: E quanto à criminalidade, você acredita que o fato do cidadão possuir uma arma em casa irá inibir as incidências de assalto, sequestros e afins? DR: A posse de armas não seria suficiente para reduzir ações criminosas, pelo contrário, existem

recursos mais eficientes nesse sentido e não é possível reduzir o tema de proteção a uma única variável. Costumo dizer que não podemos mais discutir segurança pública de forma isolada, uma vez que o tema demanda a atuação de diversos atores sociais. São necessárias políticas públicas para redução das desigualdades, conscientização social sobre o problema da violência, maciço investimento em educação e reestruturação do sistema de persecução criminal e prisional – além, é claro, de investimento em capacitação e inteligência policiais, para que possamos de fato investigar e apurar os crimes. Portanto, prevenção é a palavra de ordem.

67

Foto: Servando Lopes

DR: O Artigo 12, VI do Decreto nº 5.123, de 1º de julho de 2004, aduz que o interessado deverá comprovar, em seu pedido de aquisição do Certificado de Registro de Arma de Fogo, a capacidade técnica para o manuseio da mesma.

Dr. Rafael Gomes de Oliveira Delegado Titular da PCMG. Pós-graduado em Análise Criminal. Primeiro suplente ao cargo de Deputado Estadual de Minas Gerais pelo partido Avante.

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


C onectados Foto: Fotografe

Jornalista, especialista em Assessoria de Comunicação, Gestão da Comunicação nas Organizações e pós-graduanda em Gestão de Pessoas e Coaching. É uma verdadeira apaixonada por internet e pelas mídias sociais. Além disso, é dona do Boteco Feminino (www.obotecofeminino.com.br).

68

P

ois bem, senhoras e senhores, eis que o dono da bola não para e já está querendo mudar as regras da brincadeira... De novo! A grande novidade da vez é que, o todo poderoso do Facebook, Marck Zuckerberg, anunciou recentemente que está trabalhando para a unificação dos serviços de mensagem dos aplicativos Messenger, Instagram e WhatsApp. Embora haja indícios de que a mudança não ocorra até o próximo ano, muita gente já se questiona se essa será ou não uma boa ideia. A verdade por trás da iniciativa é que Zuckerberg está empenhando esforços para delinear o futuro do Facebook no que diz respeito ao uso de mensagens privadas. Apesar do termo “unificar” ter causado estranheza entre os usuários, o dono da maior rede social da internet afirmou, em um senhor comunicado publicado em sua página no Facebook, que os aplicativos continuarão a funcionar separadamente, pois a mudança envolve apenas a forma de interação. O que vai acontecer é que os usuários de um aplicativo poderão se comunicar diretamente com adeptos a outros apps. Ou seja, quem costuma se falar pelo WhatsApp poderá, sem precisar sair do app, enviar uma mensagem para um perfil no Instagram. Existe ainda a intenção de que os SMS também possam ser respondidos por meio dos aplicativos que compõem o Facebook. O interessante é que os usuários não precisarão estar necessariamente em todos os apps para que o contato aconteça dessa forma. Quem tiver conta apenas no Instagram poderá, facilmente, falar com quem tem apenas o WhatsApp ou o Messenger. A ideia é concentrar essa comunicação entre as plataformas, de maneira que o con-

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

“O que vai acontecer é que os usuários de um aplicativo poderão se comunicar diretamente com adeptos a outros apps. Ou seja, quem costuma se falar pelo WhatsApp poderá, sem precisar sair do app, enviar uma mensagem para um perfil no Instagram”.

tato seja facilitado e o indivíduo não precise ficar trocando de aplicativo a todo momento, nem estabelecer conversas paralelas. Mesmo revelando essa independência dos apps, alguns reguladores demonstraram preocupação com relação à segurança pessoal dos usuários. Sobre isso, o Facebook informou que não irá armazenar informações em países onde há histórico de violações à privacidade e aos direitos humanos. Além disso, haverá a implantação de criptografia em todos os aplicativos, da mesma forma que já acontece no WhatsApp. Ainda nesse aspecto, Zuckerberg anunciou que também planeja implementar a exclusão de mensagens em períodos pré-determinados. Elas poderão ser apagadas automaticamente em um prazo de um ano ou, então, por um período que poderá ser configurado pelo próprio usuário. Em outros casos, certas mensagens poderão, inclusive, ser apagadas segundos ou minutos após o envio. Agora só nos resta esperar por essa unificação e torcer para que ela cumpra seus objetivos sem causar nenhum transtorno para os usuários. Até a próxima!


Foto: Fotografe

E spaço Jurídico

OAB/MG 108.555; pós-graduado em Direito Tributário, Direito Militar e pósgraduando em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Anhanguera. Advogado membro do escritório Pacheco & Sousa, Assessoria Jurídica e Empresarial. Contato: camppss@bol.com.br

DETRAN

RECURSO PROTEGE O ANTIGO DONO DO VEÍCULO CONTRA MULTAS DO NOVO PROPRIETÁRIO

Q

69

uando cometida determinada infração de trânsito, em primeiro lugar, a autoridade responsável envia ao indivíduo uma notificação conferindo prazo legal para que ele possa defender-se contra a autuação, sendo que, no referido impresso, estão descritos o dia, hora e local do ocorrido, o número do auto de infração de trânsito, a descrição resumida do fato e do veículo envolvido, o número de pontos a serem subtraídos de acordo com a gravidade da violação, entre outras informações. Apresentado o recurso e não acolhido pela Junta Administrativa de Recursos de Infração (JARI) ou não apresentado, a autoridade de trânsito envia a notificação de penalidade de multa, momento em que o indivíduo passa a ter que pagar por determinada infração de trânsito com valores pecuniários e subtração de pontos. Em diversos casos, presenciamos circunstâncias cujo antigo proprietário deixa seu veículo na revendedora, juntamente com o certificado de registro do veículo assinado, todavia, acontece de a empresa responsável pela negociação e interme-

diação, não comunicar o antigo dono da venda, de forma que o veículo passa a ter circulação em mãos do comprador. Entretanto, consta na repartição pública competente que referido veículo, objeto da infração, está no nome de seu ex-proprietário, causando assim aborrecimentos e uma dor de cabeça enorme, pois, dependendo do somatório de pontos e dos valores das multas, a pessoa pode ver suspensa a sua carteira de habilitação e com valores impagáveis. O exemplo acima leva muitos proprietários a acionarem o Poder Judiciário frequentemente objetivando a anulação das multas com o argumento de que não foram cometidas por ele, mas sem a certeza de êxito na demanda judicial, de forma que o ideal é o vendedor proceder com a comunicação da venda junto ao DETRAN. A comunicação de venda está prevista no artigo 134 do Código de Trânsito Brasileiro como uma obrigação de quem comercializa o veículo. Esse instrumento é uma forma segura que o vendedor tem para evitar ser responsabilizado por atos cometidos com o mesmo. Além das multas, pontos e impostos, o proprietário que consta nos registros do órgão de trânsito também poderá vir a responder por acidentes ou crimes envolvendo o veículo.

Não é nada complexo o procedimento de referida comunicação, bastando providenciar uma cópia autenticada do Certificado do Registro do Veículo - CRV com o ATPV (antigo DUT, que fica no verso do documento) devidamente preenchido com os dados do novo proprietário e firmas reconhecidas em tabelionato. De posse da cópia desse documento, o vendedor paga a taxa do serviço e comparece a qualquer Centro de Registro de Veículos Automotores (CRVA). A guia para pagamento pode ser impressa no site do Detran ou retirada no próprio CRVA, sendo que, além da guia de pagamento quitada e da cópia autenticada do documento, é preciso anexar ao CRVA um documento de identificação com fotografia, momento em que com o CRVA, a comunicação da venda será inserida no cadastro do veículo e ficará lá até que a transferência seja concluída pelo comprador e o vendedor se mantém protegido de eventuais infrações cometidas pelo comprador enquanto este não fizer a transferência. Assim sendo, caro leitor, ao vender seu veículo, não deixe de lado a comunicação de venda, pois referido ato irá livrá-lo de aborrecimentos futuros. Fique atento.

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88


E conomia Foto: Servando Lopes

Diretor da Modecor; Vice-presidente do Intersind. mhp@modecor.com.br; www.modecor.com.br

Todos de olho na Reforma da

O

70

mundo todo olha para o Brasil e as atenções estão voltadas para as articulações em torno da aprovação da Reforma da Previdência, mas, ao contrário do que se imagina, o interesse não é só das pessoas afetadas diretamente pela mudança, como também dos que irão se aposentar mais tarde, contribuir mais e, principalmente, dos empresários, investidores, economistas e governantes. Não vamos aqui discutir se as alterações serão justas ou não, pois já o fizemos em outra edição, hoje iremos focar no que será melhor para o país, e a reforma certamente trará mais investimentos, mais emprego, empresas, renda, e com isso, uma possível redução ou desburocratização dos impostos, assim estaremos de volta aos olhos do mundo. Infelizmente trata-se de algo necessário tanto para sobrar dinheiro a fim de investir em educação, saúde e infraestrutura, como para voltarmos a ter credibilidade no exterior. Portanto, a aprovação da reforma é o primei-

Revista Fato! - Março 2019 Edição #88

“Infelizmente trata-se de algo necessário tanto para sobrar dinheiro a fim de investir em educação, saúde e infraestrutura, como para voltarmos a ter credibilidade no exterior, portanto, a aprovação da reforma é o primeiro e um dos maiores desafios do novo governo”.

ro e um dos maiores desafios do novo governo, sendo que uma derrota agora pode trazer muita dificuldade ao Brasil, que por sua vez, já anda abalado com a falta de confiança em muitos setores, principalmente nos governos, tanto federal, quanto estadual e municipal. O pior é que a conta dessas alterações, como de praxe, vai sobrar para a população,

mas, em contrapartida, se compararmos a nossa previdência com as que existem em vários países no mundo, a nossa é uma das mais confortáveis, onde investimos menos e recebemos mais. Lógico que há uma desigualdade em que muitos aposentam mais cedo e com valores integrais e outros com valor menor e bem mais tarde, no entanto, isso será corrigido pouco a pouco, a maior mudança não será agora, pois o que a previdência arrecada atualmente não da para pagar nem os benefícios e a cada dia piora a situação. Frente a esse cenário, uma derrota da reforma no congresso ou no senado seria um desastre para o Brasil, e como vem sendo dito em Brasília, “o maior inimigo do governo Bolsonaro é ele mesmo” cometendo suas “gafes”, uma atrás da outra, precisamos de união e energia para que tudo dê certo. Inclusive, recentemente os militares também foram cogitados para entrarem com sua cota de contribuição, pois isso estava causando certo desconforto em muitos. Logo, vamos torcer para o presidente focar nesse tema e deixar alguns pormenores da gestão de lado. Vale lembrar que, como tudo por aqui é incerto e a velha política reina em nosso país onde o “toma lá, da cá” ainda acontece, e isso não é o forte do novo governo, qualquer especulação sobre número de votos ou chances de aprovação é um mero chute. Pode ser que alguns paguem muito, porém, com certeza todos estarão pagando nesse momento, não vai haver a divergência de antes, tudo será em prol do nosso sucesso futuro, visto que somente com credibilidade vamos conseguir atrair investimentos, reduzir nosso risco e trazer mais empregos. Portanto, o jeito é torcer e nos mobilizar para mostrar que ainda estamos fortes, usar as redes sociais e pressionar. Não adianta pensar apenas se teremos que trabalhar mais 2, 5 ou 10 anos e ser contra, precisamos da aprovação da reforma urgentemente.


Profile for Revista Fato!

Revista Fato!  

Edição 88

Revista Fato!  

Edição 88

Advertisement