Revista Estrofe - Submissão Livre, Edital 1

Page 1

1


Àqueles que nos ajudaram até aqui.

2


Índice Arlindo Kamimura………………………………………………………………………………………………….6 Ricardo Mituti………………………………………………………………………………………………………..8 Sammis Reachers……………………………………………………………………………………………………9 Íris Cavalcante………………………………………………………………………………………………………13 Reynlado Bessa……………………………………………………………………………………………………..15 Ana Ely………………………………………………………………………………………………………………..18 Bruno Messias Vargas……………………………………………………………………………………………22 Zeh Gustavo…………………………………………………………………………………………………………24 Emília Silva……………………………………………………………………………………………………….…27 Enis Ilis Rivelino…………………………………………………………………………………………………..28 Fabio Daflon…………………………………………………………………………………………………………29 Ítalo Rafael Lima Dourado……………………………………………………………………………………..31 Guerra Antônio Fernandes…………………………………………………………………………………….32 Alberto Arecchi…………………………………………………………………………………………………….33 Juliana Moreira Leite……………………………………………………………………………………………36 Hitallo Dalsoto……………………………………………………………………………………………………..41 Rita de Cássia Zuim Lavaoyer………………………………………………………………………………..43 Patrícia de Almeida Dantas……………………………………………………………………………………45 Vítor Oliva……………………………………………………………………………………………………………47 Rovana Chaves……………………………………………………………………………………………………..49 Francis Kurkievicz…………………………………………………………………………………………………51 Camilla Fötler……………………………………………………………………………………………………….57 Renata Dembogurski…………………………………………………………………………………………….58 Fernanda Pfau Rosa………………………………………………………………………………………………62 Pedro Henrique de Araújo……………………………………………………………………………………..64 Vitor Visconti……………………………………………………………………………………………………….66 Anna Carolina Alves……………………………………………………………………………………………..68 Maurício Semionato………………………………………………………………………………………………70 Silva Fernando……………………………………………………………………………………………………..72 Bruno Ramalho…………………………………………………………………………………………………….74 Max Moreno…………………………………………………………………………………………………………77 Helder Clério………………………………………………………………………………………………………..78 Eduarda Martins Mendes………………………………………………………………………………………80 Otávio Patuço……………………………………………………………………………………………………….82 Valéria Pisauri………………………………………………………………………………………………………83 Jenny Rugeroni…………………………………………………………………………………………………….85 Jorge Amancio……………………………………………………………………………………………………..88 Lírio Reluzente…………………………………………………………………………………………………….90 Rebeca Crespo………………………………………………………………………………………………………91 Dimitria Costa………………………………………………………………………………………………………93 Anjo negro……………………………………………………………………………………………………………98

3


Paulini Procaci…………………………………………………………………………………………………….101 Eduarda Magalhães Lordello………………………………………………………………………………..103 Izadora Carvalho Laner……………………………………………………………………………………….104 Ju Almeida Cordeiro……………………………………………………………………………………………105 Marianna Ferrodri………………………………………………………………………………………………107 Lua Pinkhasovna…………………………………………………………………………………………………109 Michella Pedro…………………………………………………………………………………………………….110 Jamila Mafra……………………………………………………………………………………………………….111 Ana Dacioli………………………………………………………………………………………………………….113 Thaís Abreu de Araújo………………………………………………………………………………………….118 Taísa Serpa…………………………………………………………………………………………………………122 Bárbara Carolina Gonçalves de Oliveira…………………………………………………………………125 Cesar Augusto de Oliveira Casella…………………………………………………………………………126 Nathan Sousa………………………………………………………………………………………………………127 Sophia Serranegra Arruda Righi……………………………………………………………………………129 Roberta D’Angelo Mellis……………………………………………………………………………………….131 R&R…………………………………………………………………………………………………………………..134 Julia Esteves Barbosa Tavares de Almeida…………………………………………………………….136 Camila Santos……………………………………………………………………………………………………..138 Isabella Costa……………………………………………………………………………………………………..140 Fernanda Misumi………………………………………………………………………………………………..145 Neide Pereira de Oliveira……………………………………………………………………………………..148 Daniela Cariello…………………………………………………………………………………………………..149 Gabriella Joslin de A. F. Ribeiro……………………………………………………………………………153 Enaíle Butelane……………………………………………………………………………………………………157 Helena Durães…………………………………………………………………………………………………….158 Aline Souza…………………………………………………………………………………………………………160 Gislane Lopes Rodrigues………………………………………………………………………………………161 Amanda Chagas Papenborg………………………………………………………………………………….162 Artur Souza da Cunha………………………………………………………………………………………….163 Marcelo C. Montenegro……………………………………………………………………………………….164

4


5


Arlindo Kamimura 75 anos, brasileiro, Mestre em Física Teórica pela USP e Doutor em Planejamento Energético pela Unicamp. Foi professor no Instituto de Física da USP e Especialista em Energia na CESP, São Paulo.

**

Tarzan em Berlim Segue um relato cuja veracidade é concreta na parcela que me tange, isto é, no intervalo 1966-1968, período no qual morei no CRUSP - Conjunto Residencial da Universidade de São Paulo, desde que se possa confiar na estabilidade das conexões sinápticas responsáveis pela memória declarativa de longo prazo. Isso porque com a idade avançando, cada vez mais velozmente, essa estabilidade é afetada sensivelmente, comprometendo a definição precisa dos matizes outonais das lembranças. O CRUSP representou durante a sua existência, entre 1963 até seu deprimente encerramento em 1968, logo após o AI-5, algo muito maior que um simples e confortável alojamento estudantil. Era um espaço multidisciplinar, onde emanava aos borbotões toda a riqueza cultural de um caldeirão estudantil efervescente, através dos empreendimentos extracurriculares promovidos pelos seus moradores, o que levava invariavelmente, à uma visão crítica e recíproca da sociedade vigente. O CRUSP foi meu lar enquanto matriculado no curso de Física de 1966 até seu fechamento em 1968 e dentre as variadas lembranças bizarras que preservo acontecia pontualmente às 0:00 horas: um grito formidável e penetrante, idêntico ao do Tarzan nas telas do cinema, emitido pela poderosa voz de tenor do Tarcízio, morador do bloco C. Relatos de cruspianos que frequentavam o CEASA para tomar a famosa sopa de cebola da meia noite, afirmavam ouvir o grito emitido a mais de cinco quilômetros. Tarcízio era um estudante pardo de porte atlético, com 1,90 metros, admitido no curso de Física, após ser expulso do ITA, por ‘problemas políticos’, ou seja, seu envolvimento no movimento estudantil deixava pouco espaço para os estudos, levando à ruína seu currículo escolar. Inteligência não lhe faltava, pois na época de seu ingresso no ITA, também havia sido aprovado na Escola Politécnica. Enquanto morador do CRUSP, participava ativamente em todas atividades e era lendário seu comportamento nas passeatas enfrentado corajosamente a polícia com seus cavalos e cassetetes. A parcela duvidosa deste relato provém de narrativas ouvidas no encontro de ex-cruspianos, realizado em 29 de novembro de 2008, no colégio Notre Dame, em São Paulo. Como é bem estabelecido na Teoria da Informação existe um princípio básico derivado da Mecânica Estatística de que a entropia de um sistema aberto sempre aumenta, isto é, em outras palavras, uma informação tende a se degradar, levando à máxima popular: “quem conta um conto acrescenta um ponto”.

6


Com o fechamento do CRUSP e a consequente diáspora da porção mais atuante de seus moradores, Tarcízio foi obrigado a se exilar na União Soviética, onde foi aceito para frequentar a Universidade Patrice Lumumba. Por razões desconhecidas por todos os amigos e conhecidos ele se transfere para a Alemanha Oriental, especificamente para Berlim, para concluir seu curso. Sua rotina diária implicava em viagens no metropolitano, onde aproveitava o embalo dos vagões para tirar um cochilo e sonhar com fatos corriqueiros, levando-o a um estado de vigília confundindo figuras oníricas com a realidade, mal podendo imaginar que um dia ocorreria um pesadelo real. Nesse malfadado dia, na estação Alexanderplatz embarca uma claudicante senhora idosa, com um lenço na cabeça, como sói ocorrer entre campônias alemãs, manquitolando com uma bengala, segurando uma trouxa, com cara de poucos amigos marcada implacavelmente pelo sofrimento e pela ação impiedosa do tempo. Ao ver Tarcízio em estado de sonolência, placidamente acomodado no banco do metrô, começa a berrar: Rheinischer bastard! Schwein! e em seguida, começa a lhe agredir com a bengala. Atitudes xenófobas e racistas na Alemanha não são incomuns, principalmente entre a população jovem. Entretanto, nas pessoas mais idosas, tal comportamento é mais raro. Atônito com a atitude da senhora, não conseguindo acreditar no que estava ocorrendo, reagiu com a única ação que lhe ocorreu naquele momento para se defender: soltou o seu assombroso grito de Tarzan em seu máximo volume, praticamente no rosto da mulher, fazendo vibrar o vagão tal qual uma caixa de ressonância. A consequência desse ato de defesa foi fulminante para a senhora, que sofria de uma cardiopatia grave, como se soube depois. Para Tarcízio a consequência também não foi nada agradável: alguns meses em cana, após indiciamento por homicídio culposo, abrandado por atenuantes.

**

7


Ricardo Mituti É jornalista, escritor e Mestre em Ciências pela UNIFESP. Coautor de O Brasil do Sol Nascente e autor de Histórias (Quase) Verídicas e Órfãos de São Paulo, é, ainda, coapresentador do podcast Leia a Bula, idealizador e apresentador do talk show lítero-cultural Epígrafes e coordenador de Laboratório de Leitura, experiência de humanização pelos livros.

**

Tempo Tempo, traiçoeiro, afirmo: desconheces a bondade. Há pouco fazias-me inteiro; hoje, fazes-me somente metade. Quando te quis ligeiro, atrasaste: egoísta, fez tua vontade. Agora que te quero lento, ó brejeiro, Aceleras, sem piedade. És implacável, matreiro, mas quero pedir-te, por caridade: não escondas o sol que alumia meu terreiro antes que eu encontre a felicidade.

**

8


Sammis Reachears Nascido em 1978 em Niterói, mas desde sempre morador de São Gonçalo, ambos municípios fluminenses, Sammis Reachers é poeta, escritor e editor, autor de dez livros de poesia e três de contos/crônicas, organizador de mais de quarenta antologias e professor de Geografia no tempo que lhe resta – ou vice-versa.

** Cantiga das crianças fruteiras Pedrinho tem fome de mato, das frutinhas que tantas dão por lá a madurez ele conhece no tato, no olhar, olfato e paladar: Cajuí, taperebá, araticum e cajá cambuci, guabiroba, cagaita e maracujá Juca é menino peralta e erradio se vê de longe um pomo a brilhar, corre e pula até cerca de sítio, e lá se vai, frutas a apanhar: Pindaíva, marôlo, sorvinha e biribá saguarají, feijoa, sapoti e joá Gustinho não poupa ninguém só atina se a fruta é veneno; se tem polpa pouca ou se nem polpa tem, a de vez ele come, a passada também: Mangaba, bacupari, tucum e butiá uarutama, guriri, marmelinho e ingá Renato é um bicho-do-mato: chafurda nas matas, rompe pelos florestins sabe o tempo de todas as frutas,

9


e deita sozinho a fazer seus festins: Babaçu, inajá, mandacaru e bacuri sapota, araçá, cupuaçu e cacauí Fernandinho é moleque fruteiro: O pomar da avó é seu melhor brinquedo. É fruta que não acaba tão cedo e lá vai ele, arteiro, trepar no arvoredo: Grumixama, camu-camu, marmixa e abiu pururuca, pitangatuba, murtinha e cubíu Marcinha é a princesinha das plantas plantar e colher é sua missão infantil corre serelepe pelas vizinhanças buscando frutas nativas do nosso Brasil: Macaúba, ariri, murmurú e açaí babaçu, batolé, catolé e licuri De toda fruta nova que come e a cada caroço que enterra no chão, Marcinha entoa sua bela oração: “Cresça, e dê fruta para quem tem fome!” Mari-mari, jaramantaia, marmixa e uxi mandovi, guabiroba, puçá e guaburiti Saltam riacho, cerca de roça, mata fechada e o que se lhes dá; comem de tudo e tudo sem pressa, sorvendo o bom doce de tudo o que há: Acumã, pequiá, jameri e jaracatiá aboirana, curriola, fruta-de-tatu e cambuiú

**

10


Como quem guarda uma cidadela Fiz o bolo preferido dele, chocolate com recheio de chantilly. Todo ano eu faço seu bolo. Meu bebê. Que Deus cuide de você, meu anjinho! Acordei cedo pra limpar o quarto dele. Avisei à dona Eurásia que não trabalharia; ela, cada vez mais velhinha e dependente, me pareceu entristecida ao telefone, mas entendeu. Sempre entende, desde o primeiro ano. Troquei a roupa de cama, passei pano no chão. Peguei pra lavar o velho boné da Porto da Pedra, onde ele era ritmista. Não era muito do samba, mas dizia que participava em memória do pai, um dos fundadores da escola, com quem só conviveu até os sete anos, que a cachaça o levou. Hoje é o Dia Onze de Agosto, o principal dia da vida, o principal dia desse mundo morno. O dia do meu meninão. São oito anos que choro este dia, comemoro, me esparramo por dentro. Há oito anos que meu único filho, Godrigo, saiu de casa para se divertir. Iria a um baile funk, uma desgraça de baile funk, mas ele gostava. O baile era do outro lado da Baía, na Vila Kennedy. Tanto baile aqui nos bairros de São Gonçalo, na Covanca, no Salgueiro... Foi sozinho, que meu menino era assim, tinha seus defeitos, mas não era de andar de patota. Todos os anos, em janeiro e setembro, vou até a 34ª Delegacia Policial, em Bangu. Nunca há informações sobre o caso; mas não desisto, sou mãe, sou a persistência. Um dia o caso se esclarecerá... Ser mãe é não ter opção. Na delegacia os policiais mudam, mas não o destrato. Devem aprender na academia, se é que isso existe. Ou desaparecidos há muitos, e eles já não se importam. Quem sabe é a velha norma pátria, a reação à cor de nossas peles, que define a saudação, seja sorriso, seja disparo, que se colhe? Nos olhares arredios, de desinteressados a cínicos, percebo que querem, anseiam por dizer, ainda que num jato de vômito: “Seu filho está morto, dona. Pare de nos aporrinhar”. Mas não dizem. E que diferença faria? Sem corpo não há evidências, e eu mantenho minha esperança como quem zela pela própria honra, como quem guarda uma cidadela. Quando faço café pela manhã, oito anos, meu Deus!, ainda me pego distraída, colocando pó suficiente para dois cafés. Um dia talvez ele entrará por aquela porta, e poderá estar sujo, fedido, esfarrapado; pode vir sozinho ou já com uma família, com um neto. Eu vou esperar. Um dia depois do outro. Num sábado em maio, na véspera do Dia das Mães, fui a uma reunião de mães de desaparecidos. Lá ganhei um livrete de informações sobre a Ong que promovia o encontro, e no livrinho havia muitas frases sobre o que é ser mãe. Muitas delas tão bonitas que cheguei a decorar, e vou bordar num pano de prato para deixar na cozinha.

11


Em meio a tantas frases bonitas, uma ali me perturbou. Achei triste, mas depois entendi, alguma coisa em mim entendeu. E aquilo foi estranho, aquela frase me deu força, me amamentou. A frase é de uma pessoa chamada Maeterlink, não sei se homem ou mulher pois dela nunca ouvi falar: “As mulheres jamais se cansam de ser mães: embalariam até a Morte, se ela viesse dormir em seus joelhos.” É difícil de entender. E ao mesmo tempo é isso. Com o tempo uma mãe sozinha como eu, “viúva de pai e filho”, a quem o mundo lá fora tanto fez para apequenar, sem perceber vai ficando tão maior que a morte que quando dá por si já não a teme; vai cabendo nela que a morte não pode lhe arrancar o estado de mãe. Mesmo doído, o coração se agiganta, passa por sobre a morte e suas aparências como um trator. Vivo ou morto, meu filho é eterno. Tudo se resume a uma medida de distância. Uma mãe é tão maior que a morte que chego a sentir verdadeira piedade dos que não me entendem, dos que meneiam a cabeça quando me veem passar; sinto mesmo uma profunda pena desses que sentem essa tão rasa pena de mim.

**

12


Íris Cavalcante Francisca Íris Cavalcante Costa, nome artístico Íris Cavalcante, escritora, poeta e compositora, de Baturité-CE, especialista em Escrita Literária, finalista do Prêmio Jabuti (2018) com Vento do 8º andar. Em 2021, publicou os livros Por quem elas se curvam e De olhos vendados, organizou a antologia Crônicas de uma Fortaleza obscena, com participação de autores(as) do Brasil, Portugal, Itália e Alemanha. Gestora do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho-IDT. Colunista semanal da Revista Tamarina.

** Visita do diabo Ele amanheceu e naquele dia não estava morto. Depois de 20 anos, os portões do presídio abriram-se e fecharem-se atrás de si. O sol aquecia sua pele num abraço e a primeira memória era a cama quente da infância. As rugas ao redor dos olhos cresceram durante esses anos, ele as provocava desafiando de frente o sol. Um homem de volta do exílio se confrontando com um mundo que não reconhecia mais, não sabia como romper com os silêncios da prisão, nem lidar com a vergonha indesculpada dos próprios rancores. Tudo o que tinha era a sua mudez, a roupa do corpo, escova de dentes, alguns cigarros, dias roubados e a convicção da vingança. Roubaram-lhe seus melhores anos, lhe arrancaram os que amava. Era inocente, cumpriu uma pena, mas nunca mais se livrou da marca de assassino. Desgraça de um juiz que o condenou pela morte de sua família. Dor em dupla. Agora em liberdade, passou a seguir o juiz feito uma sombra, foram dias farejando cada intenção de sua rotina. Se a justiça travestida de um homem cometeu um equívoco, havia de repará-lo. O destino dele tinha um culpado que lhe despertava sentimentos dos piores, o bom e o mau do humano que o habita. A vingança murmurava em seus ouvidos. Tinha pressa do tempo que corria. Um tiro à queima roupa e uma poça de sangue sob o corpo. Escapou. O silenciador abafou o tiro. Um silêncio fúnebre delatava uma situação sem volta, crime perfeito, premeditado durante 20 anos, e o imediato desolamento de que não devia tê-lo cometido. Estava feito, como palavra que não pode ser desdita. Chegou mesmo a pensar que encontraria a paz perdida durante os anos em que viu o sol nascer quadrado, quando somente lhe restava a angústia como companheira. Inesperada foi sua reação findo o dia, ao ouvir o apelo da viúva na TV. Ela clamava por justiça, a mesma que a ele foi negada. O desamparo dos órfãos lhe trouxe a imagem dos filhos que perdera. Foi devastado pelo remorso. Entregou-se na delegacia do bairro, dispensou até a defesa do Estado.

13


Era chegado o dia do julgamento. O tempo corria. Personagens em cena. Em vez da defesa a que se propôs o réu, ouviu-se dele uma contundente acusação, com a placidez com que um soberano conduz um súdito à guilhotina. O homem gritou com precisão proverbial a mea culpa. Passeou pela corte, usou do sarcasmo e retórica, revolta e remorso, eloquência na oratória. Era já a loucura que o rondava. Só não imaginava que o júri popular não daria ao crime, o castigo. O júri o absolveu, as grades de sua consciência o aprisionaram. Passado algum tempo de uma liberdade que já não lhe servia, brincava com seus fantasmas num tabuleiro de xadrez. Pôs-se a si mesmo em xeque-mate, numa jogada sem escapatória ao rei. O jogo fora vencido. Buuum! O segundo tiro disparado por ele em vida atingia sua têmpora esquerda em diagonal e vingava – caçoada do destino – a morte de quem o condenou. A pena capital foi lançada, mas a morte não foi sumária. Veio sem pressa, em agonias intercaladas pela visita mefistofélica do anjo da morte que soprou em seu ouvido, a história que ele desconhecia. Aquele juiz maldito, cão dos infernos, homem de caráter duvidoso, profano e adúltero, cheio das perversidades, mantinha um relacionamento extraconjugal com a mulher dele. Tomada de remorsos, ela terminou o caso. O juiz não se convenceu do acinte à sua superioridade. Vingou-se. Um assassinato praticado com a crueldade e o requinte dos covardes. Pistas foram removidas cuidadosamente. Na cena do crime, ele plantou provas que conduziam ao marido e pai das vítimas, vingando-se duplamente daquele que era o impedimento da sua luxúria. Puniu o homem com a perda dos seus, com a frieza do dolo e a dissimulação do ódio. O homem escutou até o último sopro do diabo que o visitava, agonizante e com os olhos marmorizados de assombro, horror e arrependimento pela própria vida a que deu cabo. Terminava ali a corrida contra o tempo, naquele breve instante que ele arrastaria por toda a eternidade, levado pelas mãos do nefasto anjo da morte, pelo bem e o mal e a loucura que duelavam dentro de si.

**

14


Reynaldo Bessa Músico, escritor, poeta e professor. Já lançou sete CDs. Em 2008 lançou seu primeiro livro “Outros Barulhos – Poemas” (Anome) - (Prêmio Jabuti 2009 – Poesia). Em 2011 lançou seu livro de contos “Algarobas Urbanas”. (Patuá). Em 2013, editou “Cisco no olho da memória – poemas” (Terracota), – Menção honrosa no Prêmio da UBE - em 2014. Ainda este ano, publicou seu romance de estreia: Na última lona (Penalux). O autor tem poemas traduzidos para o inglês, espanhol, francês. Já foi jurado de grandes prêmios literários. Escreve para sites, jornais de literatura, música e poesia. Tem contos, crônicas, poemas publicados em revistas, jornais, suplementos.

** Que o natal chegue logo Neste Natal não vou comprar roupa. Vou me comprar um brinquedo. Minha mãe costumava nos perguntar “roupa ou brinquedo?” E desde cedo, eu dizia: "binquedo". E depois "brincredo", e depois "brinquedo", e depois – quando ingressei no mundo adulto e chato – disse: “roupa”. Vou entrar numa loja qualquer e me divertir à beça. Ainda vou insistir na ideia de achar um brinquedo específico que minha mãe me deu em um dos Natais. Das últimas vezes que tentei, não consegui. Era um jogo de perguntas e respostas sobre diversos temas. Em qual goleiro Pelé fez seu milésimo gol, até a formação dos anéis em Saturno, passando por livros, filmes, músicas, artes etc. Fiquei com ele um bom tempo, até o momento em que abri o mecanismo para saber como funcionava. E aqueles que me conhecem sabem que quando desmonto algo, sempre sobram peças para montar um outro aparelho inteirinho. Se desmonto um liquidificador, logo fico com dois. Pena que nenhum funciona. É assim. Bom, neste Natal - que parece longe, mas que logo chega: “nossa, já é Natal” - vou me comprar um binquedo, perdão, um brinquedo. Não, não quero roupa. Vou entrar numa loja bem grande, dessas de se perder - porque se você não se perde não tem graça nenhuma: “cadê o menino que tava aqui agora, gente?” – e vou escolher um brinquedo. Mas não é fácil. Aviso. Quando você acha um, já outro lhe encanta. Os pais não entendem isso, logo cansam, ficam exaustos. Lembro-me de meu pai e de minha mãe, derrotados, após saírem de uma loja de brinquedos, enquanto eu, cheio de energia, abraçava-me ao brinquedo escolhido. Que o Natal chegue logo, pois, estou decidido. Vou entrar numa loja, até já sei qual, e vou procurar um brinquedo, e vou levá-lo para mim. Vou me fazer uma surpresa. Posso até imaginar os meus olhos grandes quando abrir a caixa grande num papel de presente embalado especialmente, para mim. E sei que vou dizer: uaaau! Já me conheço. Mas não

15


vai ficar só nisso, não. Vou esquecer as minhas juntas judiadas pelo tempo, as recomendações do médico sobre evitar emoções fortes ao velho coração de sempre, e vou me sentar bem no meio da sala. Então, vou espalhar o brinquedo e me esbaldar, brincar pra valer. Quem sabe dessa vez eu encontre o meu antigo jogo de perguntas e respostas. Aí não seria apenas mais um Natal, mas sim, o Natal, né?

** O exilado Um dia, assustei-me comigo mesmo. Antes disso eu só dormia enfronhado em minha mãe e coçando o meu nariz até adormecer. Isso todas as noites a ponto de arrebentá-lo de vez. Como são estranhos alguns requisitos de Morfeu, não? O fato é que na infância não nos damos conta dos espelhos. Sabemos deles, do nosso reflexo neles, mas até aí o que poderíamos fazer com isso? Nessa fase, há sempre coisas mais interessantes do que os espelhos, nossos reflexos neles. As crianças os desdenham por simples ausência de motivos, os idosos, por tê-los em demasia. Sim, assustei-me comigo mesmo. Foi quando tive de entrar no quarto da minha mãe para pegar algo que agora não me lembro. Os dias, feito serpentes em seus movimentos ligeiros e inaudíveis, iam longe. Eu sentia algo diferente em meu corpo, mas eu não sabia lidar com isso, ou talvez, não quisesse mesmo pensar sobre. Era algo como uma trama silenciosa. Eu sentia. Também percebia que a cama da minha mãe já não me parecia tão grande. E eu até podia apostar com qualquer um que era ela que diminuía. Também notava que eu já não mais trafegava por meu antigo mundo de castelos, dragões e espadas fosforescentes com a mesma intimidade de antes. O olhar de minha mãe, aos poucos, deixava de ser duas aves leves para se converter em um muro que crescia e crescia. Não foi ela que me disse: "vá dormir no seu quarto, você já é um homem". Foi o espelho. Como dizia, entrei no quarto dela para pegar algo - ainda não lembro o que - Era um final de tarde. A casa estava invadida por luzes e sombras como se noite e dia brigassem pelo mesmo espaço no tempo. Logo que entrei no quarto, e procurava a coisa - não consigo mesmo me lembrar - vi alguém. A primeira reação foi fechar os olhos e soltar um grito. Aquele grito antigo, desesperado, que encerra todas as nossas angústias e medos e que, independentemente da nossa vontade, salta da gente como se buscasse vida própria. Como um gênio da lâmpada que se rebela e burla todas as regras dos contos de fadas. O grito colocou todos em alvoroço. Porque, em pânico, dizer que tem um estranho dentro de casa, no quarto da minha mãe, não poderia ser diferente. Meu pai pegou um porrete, meu irmão, outro. As meninas foram para a calçada com a minha mãe. Eu, um pouco atrás, - por que não poderia ficar com as meninas lá na calçada? - fui entre o meu pai e o meu irmão mais velho. Vasculharam tudo. Nada. Após olhar sob a cama, meu pai ergueu-se. Trazia uma das mãos na cintura, fazia careta e logo deu um leve gemido. O porrete em sua mão, agora me remetia mais a uma bengala. Ainda olhando para as

16


coisas como se a qualquer momento alguém pudesse surgir num afã de fuga, ele me perguntou: "como era esse homem?". Não soube responder, pelo simples fato de que eu ainda não o conhecia. Há um tempo que vinha evitando-o, não? Só fui mesmo conhecê-lo, quando, em movimentos desengonçados para tentar explicar onde eu estava no momento do susto, avistei o provável invasor - e o que era essa pessoa, senão um invasor? - Vi-me no espelho. Eu. Sim. Eu e o homem, o homem e eu. Vi os dois. Sentei-me na cama - esse foi meu último contato significativo com ela - como um condenado que fica sabendo do dia da sua execução. Sentei-me não pelo ato espontâneo de dobrar os joelhos e procurar algum apoio, mas pelo peso bruto da minha nova existência. Eu havia crescido. Assustava-me mesmo o homem no qual eu havia me tornado. Quando meu pai, batendo as mãos – que eu não sabia se era pra tirar o pó ou como um gesto de indiferença - e o meu irmão me olhando de esguelha, deixaram o quarto, arranjei coragem e logo me postei diante do espelho. Que momento mais assustador. Que espaço mais gigantesco. Que eternidade. Vi os músculos salientes, vi os braços e pernas como a se esticarem em fuga. Vi as mãos, os dedos gigantescos. A cabeça, meu Deus. Nada mais parecia me pertencer. Havia outras coisas, mas eu ainda não sabia defini-las. Fiquei ali, parado, sei lá por quanto tempo. Apenas ali. Sentindo-me um exilado de mim mesmo.

**

17


Ana Ely Advogada gaúcha de 25 anos, amante do terror e do caricato. Seu humor seco e suas histórias de fantasmas são o que a definem, apesar da sua carreira jurídica consolidada. Seu hobby sempre foi inventar monstros e colocá-los no papel para que outros possam os imaginar no meio da noite. Hoje escreve por lazer, intercalando a vida de empreendedora com uma dose de imaginação.

** Além do som O rádio chiava. Sara queria poder dizer que o som era reconfortante. Porém, a única coisa que invocava em si era desespero. A qualquer momento, o pequeno apetrecho poderia captar algum segundo de música, ela sabia disso, ela esperava isso. Ou, se tivesse sorte, uma voz animada. Ah, conversa! Há muito tempo não ouvia o interlocutor proferir algumas palavras em tom suave. Hoje em dia, o rádio não tocava suas músicas favoritas. Na realidade, com o passar dos anos, Sara nem recordava mais do que gostava. Na tarde de chuva, ela nem poderia escolher. Era só o infinito som de estática e as trovoadas lá fora. O cigarro. O cigarro, ela lembrou! Mas quando tentou levar seus braços ao cinzeiro, percebeu que a chama já havia apagado. Restava ainda o cheiro, a peste, no ar. Estava em suas roupas, em seus dedos já podres e cansados. O ar pesado. Mover-se era exaustivo. O rádio chiava. A chuva cessava. A chuva retornava. Um segundo de som, talvez. Não era possível identificar se era um refrão, pêsames, alegria; talvez um comercial de pasta de dente. Logo, retornou-se à estática, essa longa canção de agudos, de barulho. Era quase confortável para Sara, após tanto tempo. Ela pensou em apertar os botões, em ajustar a pequena antena na parte traseira. Porém focou novamente no chiado, no cigarro parado. Nada mudou. Suas mãos escuras. Quando ficaram escuras? Só pode ser da nicotina, indagou. Da falta de sol. Tanto contraste entre seus dedos podres e sua mão pálida. A sala era pequena, mas após tanto tempo ali, Sara se via confortável, ainda que só, ali dentro. O rádio chiava.

18


Nenhuma música. Estava Sara verdadeiramente só? Recordava vagamente de uma quieta presença na cadeira encostada no canto escuro do aposento. A estática parecia se engrandecer a cada passo dentro da pequena sala. Não era possível ouvir algo a não ser o rádio. Sara se perguntou se algum dia iria ouvir música novamente. Tudo que lhe abraçava era o silêncio, o ar rarefeito, e a estática. Seus dedos pensavam em tocar no pequeno objeto, desligar o som incessante, mas algo lhe puxava para o local onde permanecia em pé, observando a mesa. O cigarro? O cigarro! Lembrou. A chama estava apagada. O canto escuro da pequena sala. A presença. Em um surto de necessidade intrínseca, Sara desprendeu o olhar do aparelho barulhento e se virou em direção à cadeira. Nela, pôde observar uma figura familiar, porém algo estava errado. Seu olhar era vazio; não se mexia, não respirava. Partes do seu rosto mostravam osso. Por tudo, pequenas larvas infiltravam a carne mole. O corpo, nas partes ainda remanescentes, se assemelhava a alguém. O seu, talvez? Não lembrava. Era ela, sentada naquela cadeira, coberta pela decomposição? Música. Um segundo de música! Sara retornou ao rádio, porém o momento terminou tão rápido quanto começou. O rádio apenas chiava.

** As mulheres e o tempo Não conheci dona Joana por muito tempo. Quando nasci, a velha já estava meio caduca, xingando qualquer pessoa que passasse em sua frente com termos racistas ou preconceituosos. Não aceitava ajuda e por pouco a família não a internou à força. Não deu tempo; a morte chegou antes para ela, como uma velha amiga – ou inimiga, já que não existia amizade para ela nesse mundo. Me contaram, anos depois de sua morte, como ela era em vida. Uma mulher rancorosa, que perdera o marido cedo, para bebida e droga. Mas minha bisavó já era ruim antes de ser viúva, me falaram. Não gostava de visita e queria a todo custo deixar seu dinheiro bem escondido. De tão sovina, não fez questão de ter plano de saúde ou de fazer visitas ao médico. Dizia aos filhos que estava bem e não iria sucumbir tão cedo, que

19


não poderia apoiar um sistema de venda de remédio para quem não precisava tomar coisa alguma. Com 73 anos, a velha morre sozinha na própria casa, de uma doença no pulmão que ninguém sabia que ela tinha. Se foi sentada na poltrona da sala, de frente a um relógio velho de parede, como se esperando o dia passar, sem um passatempo sequer para ocupar a mente. Seu velório foi pequeno e vazio exceto pelas filhas, netas e eu, a única bisneta. Já minha avó Graça fazia jus ao nome – era um doce. Talvez por observar a mãe falar barbaridades e esperar fazer a diferença no mundo. Tentava abraçar o problema dos outros como se fosse seu, e nunca dizia não. Lembro de ouvir sua voz ao telefone, concordando com uma visita para ajudar a limpar algo, ou costurar alguma coisa, ou ser o ombro amigo de alguém. De mãos calejadas e pés cansados, ela sempre fez o que pôde pela família. Meu avô não a tratava bem, mas não havia um momento sequer em que fosse possível a ouvir reclamando. Era muito amada pelas filhas e eu posso dizer que aproveitei muito a sua companhia na minha vida. Até hoje posso sentir o aroma do bolo de laranja que assava sempre que ia passar um final de semana em sua casa. Logo após se mudar para a casa onde minha bisavó faleceu, ficamos sabendo que Graça estava com uma doença terminal. Em poucos meses, a vimos sumir cada vez um pouco mais na nossa frente. Essa semana, apesar de vários tratamentos e até curas espirituais que buscamos para salvá-la, minha avó amanheceu imóvel em sua cama; a face calma, como de recepção ao seu destino. E desse jeito, nunca mais se levantou. Minha mãe, Raquel, era um mistério. Sempre foi muito fechada e não falava nada exceto o básico para os outros, isso incluindo a mim mesma, sua única filha. Eu não sabia o que gostava de fazer ou o que queria para sua vida. Não me leve a mal, foi uma mulher amorosa como sabia, do seu próprio jeito. Mas além de saber seu nome e conhecer sua família, eu não poderia te contar algo interessante sobre ela que tivesse saído de sua boca. Minha avó enquanto viva contava histórias de seus filhos, o que fazia minha mãe corar e virar o rosto, constrangida de ter uma parte de si liberta ao mundo. Vez ou outra, a vi balançar levemente a cabeça ao som de bossa nova. Aí então decidi tocar violão perto dela, e comprei um piano, esperando que fosse despertar interesse. Nunca a vi tocar, mas respirava aliviada ao ver seu sorriso nas noites de domingo, quando eu sentava e tocava algo suave para ela. E, bem, minha mãe que achou minha avó na cama naquele dia. Foi tonta à sala após medir o pulso já inexistente e pálido da velha, falou para meu avô que não se sentia bem, e caiu ali mesmo no chão. Não conseguimos acordá-la, e ninguém conseguiu nos informar o motivo. Como sua vida, a morte veio em mistério.

20


Hoje é o funeral das duas. O salão estava lotado, e eu não consigo pensar em meio aos pedidos de pêsames e abraços de estranhos. Agora, na casa de minha avó, as pessoas começam a se despedir, levando consigo os restos de comida que oferecemos. Me sento na poltrona da sala, e, com olhos cansados e ainda cobertos pela névoa do luto, olho para o pequeno relógio na parede. Aquele relógio, que de tão fraco nem mais fazia barulho de tic-tac, matou três mulheres nessa casa. Parece me dizer que de hora em hora, minuto em minuto, eu chego mais perto desse destino também. O tempo passa, e esse relógio teve a certeza de me dizer isso.

**

21


Bruno Messias Vargas Mora em Bagé, Rio Grande do Sul, é escritor independente, com publicações espalhadas por aí desde 2008. Desistiu do curso de Direito, também da Filosofia. Hoje tenta se virar do jeito que o possibilite seguir escrevendo.

** Seja Barreto ou seja Pessoa Com o passar do tempo nós vamos lendo mais, conhecendo novos escritores e revendo conceitos e percebendo coisas novas. Nesse tempo que se passou pude avaliar e sentenciar dois escritores de grande importância para mim; dois escritores que chafurdaram nos meus pensamentos, influenciaram e influenciam claramente no que escrevo. Não se trata jamais de querer escrever igual e sim de me deixar ser influenciado, algo relativo ao espírito da arte, algo assim. Esses dois autores são Fernando Pessoa e Lima Barreto. Não esqueço da primeira vez que li algo do Lima Barreto. Conheci sua obra antes da de Pessoa. Foi num sebo em que frequentava. Lá comprei por três reais o Triste Fim de Policarpo Quaresma. A bem da verdade não tinha interesse em ler o Barreto, tanto que deixei o livro ali no canto por um bom tempo. Até que chegou o dia da leitura. E, desde as primeiras páginas, algo me laçou e puxou com força. Antes eu tinha uma ideia quanto aos clássicos brasileiros: no fundo são chatos. Porém, já no primeiro parágrafo daquele livro, a minha ideia havia sido pisoteada. Alias, depois de minha adolescência, mudei radicalmente essa tal ideia que só existe sob profunda ignorância, passando então a admirar cada vez mais nossos autores clássicos. Claro que, se você for prestar bem atenção, Lima Barreto é um autor ainda relativamente marginalizado. As pessoas costumam lembrar, quando o assunto é “clássicos nacionais”, em Machado de Assis, José de Alencar... e assim por diante. Pô, com todo respeito, azar da fantasia do Machado de Assis de flertador e tudo mais que injetava em sua figura, Barreto foi um, como intitulavam-se à época, mulato (Machado de Assis também, eu sei), funcionário público e tinha os olhos satíricos voltados à realidade absurda que lhe circundava. Leia o conto “O Homem que Falava Javanês” e entenda rapidamente o que eu digo. Então, depois apareceu na minha vida aquele maluco de dar nó. Sim! O Fernando Pessoa. Claro que aqui uso a expressão “maluco” no bom sentido. “Maluco”, para mim é sinônimo de boa pessoa, de pessoa genial demais para ser reconhecida como tal por uma sociedade doente. Inclusive, acho que todos os julgamentos desnorteados feitos sobre o escritor português refletem bem esse maluco: o maluco por ser gênio. Há algo na escrita de Fernando Pessoa, não importando qual dos heterônomos tenha sido usado, que trabalha diretamente com a alma. Alma? Será que dá para usar

22


esse termo? Creio que sim, por que não? Às vezes, quando o gênio é tão arrasador com sua genialidade, tal qual um vulcão em erupção máxima, dando vida a um mundo inteiro, até o maior dos ateus céticos mergulham emocionados no ocultismo que o gênio em questão mostra em suas linhas escritas. Mas acima de tudo, o que esses escritores me ensinaram é a liberdade necessária para se fazer arte. Não importa qual arte, é preciso liberdade. E não se trata de liberdade acomodada ou desorientada. Quero dizer, tem gente demais confundido o que é liberdade e o que não é nestes tempos de modernidade fétida e corrosiva. A liberdade da arte está em questionar a própria arte além das outras coisas questionáveis no mundo. Um artista de verdade deve ter a liberdade de macular a própria arte que produz e fazer isso sem medo, sem dó nem piedade. Essa é a liberdade real do artista. A liberdade de fazer doer em si mesmo a fim de não impor limites ao infinito que sua cabeça, alma, seja o que for, buscando expandir ao mundo. Se a alma estiver ruim, que se invente outro negócio, outra palavra, outro mundo, outra gente que valha a pena, outro tudo! A arte não só pode como deve ser utilizada como um recurso de se obter algo a mais, algo que expande o mundo real. O mundo real é limitado. Até o universo é limitado. No entanto, o ser humano conseguiu evoluir num ser artístico. E por isso ele cria além do que pode existir no meio físico. Mas o que criou fora do meio físico entra no físico igual, via universo paralelo de infinitas possibilidades e mistérios. Somos limitados ao que temos de material, mas as regras da arte ficam com quem precisa do mundo material e somente isso. Os artistas vivem para quebrarem as regras, até as próprias. Uma pena é ver o nosso sistema atual degradando e destruindo este caminho.

**

23


Zeh Gustavo É músico, escritor, revisor. Publicou, entre outros, os livros Contrarresiliente e Eu algum na multidão de motocicletas verdes agonizantes, além de participar de coletâneas como Porremas e O meu lugar. Em 2021 co-organizou com Rafael Maieiro a antologia Jumento com Faixa: deboches e antiodes ao fascismo e produziu o álbum musical de Kell Santos Raiz e folha: o cancioneiro de Zeh Gustavo, com composições de sua autoria.

** Caixões vazios meses e meses de vírus milhões de casos o mundo virado pelo avesso jaz o brazil imerso no poço infindo em cujo oco profundo retumba o eco delirante: e daí? e daí? daí? e daí o isolamento é para poucos quarenteners desolados e nem toda solidão passeia de moto ou de bike com 10 refeições de outros na bagagem vários turnos para levar depois os seus 50 merréis e a ração pra própria casa (quando há casa) de todo modo quando o platô voltar a 1 mil mortes/dia (reveja a média da semana) já dá pra pegar uma praia e se recomenda voltar à vida normal se você for vip, rola fazer uma festinha com distanciamento, é claro, do resto da sociedade

24


os pisoteados devem zelar pela economia afinal 400 mil, 500 vítimas é só uma estatística (quem quer ser um milionário ceifador?) afora as vidas cujas mortes são subnotificadas mas isso sempre existiu, isso isso de morrer gente sem nenhum significado há também aquelas vidas que se vão mas desde sempre e então por serem aquelas vidas, digamos, pouco viáveis vidas somente corpos córregos para o trabalho que não pode parar (quando há trabalho) é esse danado número os pobres os miseráveis aglomeradores de filas os tudo-bandido das favelas os tudo-vagabundo dos asfaltos os que não aprenderam a pescar senão 175 mangos nos bancos os bancos não os bancos são honestos tocam a economia o que seria de nós sem os bancos que ganharam uma ajudinha de 1 trilhão outras cifras saltam à garganta seca que não tem pra onde gritar seu infortúnio: 1 milhão num mês 2 milhões noutro é o desemprego este dado sutil no país que já era dos bicos atinge coisa de 14 milhões 14% da população é até pouco nesse país acima de tudo

25


principalmente de nós (quando há nós) são 130 os militares no alto escalão e quase 3 mil em outros postos 1 general grande estrategista recomendou tratamento precoce investiu 1,5 milhão em cloroquina-salvação 1 sargento de bem pessoa da melhor qualidade avoou com 39 quilos de cocaína-de-jezuz mas nem tudo é notícia ruim a tevê precisa lembrar que a bolsa passou lá dos 120 mil pontos estamos bem 1 rei terraplanista popular atleta gosto dele porque não tem medo de dizer sua verdade e precisamos tocar a desdita doradiante e além de tudo estamos protegidos porque já estamos acostumados – também disse o rei – a beber esgoto (quando há esgoto) além disso e você sabe todo mundo sabe basta olhar no zap-zap só estão enterrando na verdade um sem-número de caixões vazios

**

26


Emília Silva Nasci 16 de Maio de 1999 em Vila Real. Resido em Alijó e sou autora do blogue e livro “Um Poema, Um Desabafo”. O meu amor pela escrita nasceu há 12 anos atrás através de uma simples brincadeira e desde aí tem vindo a crescer de tal maneira que se fosse possível escrevia o resto da minha vida profissionalmente. Tenho também um fascínio por plantas, animais, planetas, música e pintura.

** Será Será que escapaste Entre os meus braços Amputados com a escassez Do teu carinho? Ou eras tu pássaro destemido E eu vazia de mais Para ser o teu ninho? Será que me amaste E eu cega de mágoas Nem te pressenti? Ou nunca me quiseste E eu fascinada por ti Me iludi? Será que partiste Entre os meus cabelos Soltos ao vento E eu anestesiada Com a tua ausência Nem senti Os teus embaraços Nos meus nós? Deixa lá meu amor, Um dia falaremos a sós. Será?

**

27


Enis Ilis Rivelino Artista autodidata, Campinas – SP, 1974

** Guarda-chuva Guarda-chuva Guarda-sol quando Guarda-lua? Tanto guardar guardar quando guardar? Guarda-volume Guarda-roupa quando Guarda alívio? Tanto guardar guardar quando soltar? Tanto guardar guardar?

**

28


Fabio Daflon Capitão de mar e guerra médico reformado por idade da Marinha do Brasil, é médico aposentado pela Fundação Nacional de Saúde, membro titular da Academia Brasileira de Médicos Escritores e da Academia de Letras de Vila Velha. Poeta, é autor dos livros Mar ignóbil, Mar sumidouro, Vagalume-Farol, Mar raso, Sovacos: poesia sob os braços, Um sol para Valentine e Canto gordo. É autor do ensaio O limite é o cosmos – a poesia de Marly de Oliveira, entre outras publicações.

** Caravela O fracasso do mar em fúria antecede a calmaria, nela não há o sopro que mova a caravela, para seguir viagem é ligado o motor, engenho humano que é fruto do pensamento capaz de esperar o sopro. Durante tempestade velas são recolhidas, falta clareza de rota. O instinto de sobrevivência age na incerteza de uma tripulação atenta no momento do encontro da determinação com o desespero. Em tudo isso há beleza, beleza que não se compara com a sintonia do vento com o velame da caravela. Luz tênue O vaga-lume é insuficiente em luz para focar dores amorosas ou de luto; sua luminescência pulsa

29


apenas como um ritmo. Luz como gota de torneira não é tortura ao ouvido, e a audição, depois da visão, é quem instiga a poesia; vaga-lume, tenaz, é gota luminosa uma atrás da outra sem cair sobre pedra dura a cansar ouvidos ou pálpebras. E se o tato não quis nas mãos aprisionar essa poesia-luz, vaga-lume é como anjo de nos abaixar a guarda: sentimos sua presença sem possuirmos suas asas.

**

30


Ítalo Rafael Lima Dourado De Sobral-CE. Autor de Úmido ou Episódios Dramáticos de Utilidade, publicado em 2020 e Outras Horas Úmidas, publicado em 2022.

** Dinâmica Metamorfoseante em Estágio Paliativo Um poema se formou na garganta do poeta. Um poeta se formou na garganta do poema. Se o poeta pudesse duvidar de si próprio sem o poema, o poema poderia duvidar de si próprio sem o poeta. O poema amarga a garganta do poeta, e o poeta amarga a garganta do poema... Pescoços amargos. Se o poeta pudesse desvendar-se a si próprio sem o poema, o poema revelar-se-ia a si próprio sem o poeta.

**

31


Guerra Antônio Fernandes É amante da literatura desde muito cedo. Casado e pai de dois filhos, é escritor de romance, poesia, crônica e artigos. Viajou a alguns países do mundo, como Portugal, França, e Alemanha, Holanda, Espanha e Suíça.

** Vem, filho Sou aquele que te cuido desde a fundação do mundo. Estive na terra e te mostrei as maravilhas de Deus. Amparo-te e te revisto de todo o meu cuidado. Sou aquele que dia e noite ando contigo. Sou aquele que antes do amanhecer estendo o teu caminho para jornada. Te alimento e sacio a tua sede com o manancial da minha fonte. Mesmo distante da minha presença, eu te alcanço com meu infinito amor. Me amas, porque te amei primeiro. Me chama pelo meu nome, porque te chamei primeiro. Minha voz é suave, e o meu fardo é leve. Meu caminho é estreito e apertado, mas te conduzirá para vida eterna. Vem, vem filho, porque te amo desde a eternidade. Vem, vem filho, porque tenho a vida eterna para você. Vem, porque eu te chamo, e corre porque eu te amo. Vem, vem filho, vem, vem filho. Eu sou Jesus, teu salvador.

**

32


Alberto Arecchi Alberto Arecchi (1947) é um arquiteto italiano, mora na cidade de Pavia. Tem longa experiência em projetos de cooperação para o desenvolvimento em África, como especialista em tecnologias apropriadas. Presidente da Associação Cultural Liutprand, edita estudos sobre a história local e as tradições, sem descurar as relações interculturais (https://www.liutprand.it). Escreve contos e poemas em italiano, português, espanhol e francês.

** The lady of the river One evening, a young man was resting on a hill overlooking the river bend, well away from the water current. He was staring at the shadows of sunset and imagined himself circling, like a bird or a fish, right in the water, shining like molten metal. Andrew, the young hunter, knew the traditions, heard in childhood from the lips of his grandmother. So, tired after a long day spent with his dog wandering in search of hares and rabbits, he was resting in the shade of a large tree, on the terrace overlooking the river, at the bend known as "the heron's curve", but high, away from the shore and the water current. Black cats were scanning the shadows, hunting for prey. The sun setting made the waters burn. The shadows grew long and dark. Only the water was red and bright, while the rest of the world was reduced to the pure line and black contour. The elegant profiles of waders, trying prey in shallow water, became simple silhouettes in black against the light. At the river rippling in gentle and large waves, waders suddenly snapped and appeared darting fish in their beaks. Andrew, proud to live, full of energy, was chewing a blade of grass, staring at the shadows of sunset and felt floating, like a leaf that had been detached from its branch, right into the water. His spirit hovers in the liquid coils, bright as molten metal, in a whirlwind ever deeper. Suddenly, out of nowhere, a gorgeous female figure appeared. It was not what the tales of childhood had made him imagine. She was a buxom female, with long red hair, covered with algae, and her eyes seemed blazing. Beautiful and seductive, dressed in a white sparkling veil. Her beautiful face glowed in the last rays of the sun. Andrew knew the wavy red hair, covering the shoulders and hips. She looked like Helena, a girl with whom he had been deeply in love. But the girl had died during last winter, cause of dazzling meningitis. The vision clung to a branch of the tree and reached right up to him, inviting him to approach, with a seductive gesture. Andrew was about to surrender to the call and offer his hand, but he averted his eyes for a moment and remembered all the fears that the stories of the elders had instilled since childhood. His hair stood on end, his heart beating in his chest like a crazy drum. It was just the terrible witch. The young man was paralyzed by a mortal terror. She was not smiling anymore but begged him to approach, with a primer eye and in mellow tones.

33


- Andrew - she was begging, - do not you recognize me? Do not you remember me? I’m Helena! Help me, I beg you, give me your hand. He was about to surrender to the call and give her his hand. He did not know what to do. He wanted to call upon God to protect him, but no words came out of his choked throat. He managed to lower his hand to his belt, to hold the knife. The appearance of the vision was then deformed into a hideous grin. Andrew managed to grab the handle of the knife. The woman’s face had turned into a hideous mask, distorted by anger. She broke away from the tree and walked toward him. Then he noticed her feet, under the veil draped. They were similar to the tail of a great fish and made her move clumsily. She tried to hug him, but the boy had the quickness to stick the dagger to the ground. She cried out in pain as if he had been mortally wounded. Andrew was desperately clinging to the knife, still, crouching and terrified, eyes closed, not to see the vile creature squirming around him and screaming with rage, with horrible puffs, like the hissing of vipers. She begged him to remove the blade from the ground because that made her suffer. The young man found the strength to resist. After what seemed like an eternity, he realized that he could no more feel her panting, nor her angry cries. Trembling with fear, he opened his eyes and looked around. He saw the witch’s silhouette running toward the river, like a ghostly cloud, and vanishing into the bush. That evening the young man managed to escape to the Lady of the waters and returned home, but he was never the same. He did not know how to detach his thoughts from the beautiful woman, whose favour he had refused. Moreover, that figure reminded his girlfriend disappeared. He was listless and inattentive. Sad, taciturn, he avoided companies and walked away from family members and friends. Then the region was hit by a long drought. The rains were falling increasingly rare and scarce. The waters of the river were affected by the shortage; ran slower and their level dropped lower. large sand islands emerged from the bottom. The vegetation withered. Animals that approached the banks to drink created, with their hooves, a muddy mess that then congealed into a thousand craters. The day came when the waters of the river stopped. For the first time in history, drought and evaporation had defeated the forces of life. All the village murmured about Andrew, who had the audacity to reject the Lady of the waters. The agony of the river appeared as a result of his refusal, as he had stolen vital energies from the tutelary genius of the current. Now the consequences had repercussions on the entire community. The village elders met to discuss the issue. It was a kind of process. The young man was condemned to wander lonely in the woods, away from the village, the fields, and the herds. Andrew knew how to defend himself, he did not fear wolves or bears. He went far out, picking berries in the woods and fruits from the trees, eating caterpillars and insects. With his trusty knife, he built a bow, a good tool for hunting. Every day he captured with traps a rat, or a rabbit. He himself believed to correct the sentence which had been imposed because he felt deeply guilty. Guilty for the death of Helena, guilty for not

34


having succumbed to the advances of the mermaid: - ... and if she really was her, my true love? -, guilty for the drought on his land. One day he decided to travel, to discover the point where the river had stopped. He walked for many moons, across countries that he did not know. If he met someone, he seemed always to be singled out as the one who had refused the favors of the Lady of the water and caused the drought, as the cause of all the ills of the country. He followed the thread of the current, increasingly weak, until he saw the stagnant water in a blackish pool, from which gas bubbles were coming up. Crayfish, tadpoles, hydrophilic, minnows... Life had not turned off in that puddle, but its energies languished. The young hunter stood on the edge of the water, sat under a clump of bushes, and that was when he saw her. Pale, emaciated, as after a long illness, the Lady of the waters appeared, backlight, on the surface of stagnant water, in the glow of the full moon. Weakly, the fire-haired figure reached up and gave him a final, heartfelt invitation to join her. She had forgiven his denial. The singing of crickets and frogs rose to heaven like a rhythm of percussion, in a deafening crescendo. The young man took out his hunting knife from his belt and threw it away, slowly descended to the banks of the pond, and went into the water without hesitation. The mermaid drew him to herself, with lithe movements. The legs of Andrew met with the tails of the mermaid, her hair wrapped his sweaty features and clung like snakes. Slowly, the waters of the pond began to gurgle, as if they were resuming new life. The level rose and began to overflow. The river began to flow, slowly at first, then with a flow more and more impetuous. Finally, the current carried away the body of the young man, close to the Lady of the waters in an indissoluble embrace. They swirled together in many vortices, headed to her house, in the deep caves of oblivion. The dog of Andrew remained all night on the bank, howling at the moon, while the water of the river went up. Then, dejected, with a low ponytail, it went on its way home. One evening - the legends say - Andrew will return, to review his people. He will come out from the waters of the river alongside his love, a beautiful fire-haired woman, her feet being like the tail of a fish. This is a story that still the grandmothers tell, in my country, to little children and to anyone else who will listen, on full moon nights.

**

35


Juliana Moreira Leite É jornalista especializada em cultura e cronista carioca. Atualmente está escrevendo a Web série Crônicas de uma separação, também escreve para a revista CULT de Uberlândia sobre mulheres maduras.

** Volta e meia eu questiono A inocência na maturidade, é sem dúvida, encantadora. Só que esse encantamento simplesmente reflete a incapacidade de que algumas pessoas têm de ver o mundo como ele é. A impotência diante de certos fatos da vida leva muitos a se manterem presos no imaginário de seus próprios universos infantis e não ver o concreto. Isso nada mais é do que um mecanismo de autoengano, que não leva ninguém a lugar nenhum. Como diz o ditado : ” O pior cego é aquele que não quer ver”. É preciso enxergar. E isso implica em afrontar os problemas que o real apresenta, sem ceder à demagogia ou agredir a realidade. Dito isso, não tem como escapar, amadurecer é inevitavelmente dolorido. Há uma dor feroz no processo de evolução pessoal de todo ser humano. Entretanto, ter a ingenuidade arrancada, ainda que triste, é uma bênção disfarçada. Se de um lado a ignorância é nefasta, de outro, o conhecimento é transformador. A verdade liberta. Mesmo que não se goste do que é revelado. Mesmo que seja necessário deixar os subterfúgios de lado, e ver a realidade nua e crua. Crescer significa se conhecer, fazer escolhas inteligentes, ser capaz de lidar com frustrações e distinguir a fantasia da realidade. É viver em paz com o passado imutável. É entender que assim como nós, os outros também têm limitações e fraquezas. É ter coerência entre pensamento, palavra e ação. É conhecer a si mesmo. Somente com maturidade é que conseguimos enfrentar a alienação em relação a nós mesmos e nos tornarmos um ser por inteiro, podendo assim, nos relacionarmos com a vida de forma integra e honesta. Está certo que existe algo indiscutivelmente belo no não saber. A ingenuidade carrega consigo uma força e ousadia que somente a pureza é capaz de nos dar. Tudo que se pondera demais, que se intelectualiza demais, perde o frescor. Ainda assim, prefiro viver guiada pela verdade, com a lucidez de uma mulher sutilmente madura, a viver com a espontaneidade de uma criança imatura. E cega. Só que volta e meia eu questiono: Se formos o tempo inteiro honestos, abertos e lúcidos, será que seremos felizes? Será que o amor tão almejado, e por vezes em vão, procurado, sobrevive à lucidez?

36


**

Juventude marcada Das pessoas que deixam recados na minha página on-line, há um ser em específico que chama a minha atenção. Toda vez que esse donzelo escreve algo, ou até mesmo remete um tolo sinal de “curti”, por mais boba que seja a postagem, repentinamente meu coração dispara em uma explosão de risos. Não que eu goste dele romanticamente, longe disso. Apesar de já ter sido apalermada por esse personagem, em algum lugar do passado, a questão é outra. Vê-lo em pleno movimento on-line, leva-me às gargalhadas, pois relembro dos elaboradíssimos métodos que usei para me aproximar dele, os quais ficaram eternamente marcados… Permita-me uma explicação. Em uma bela manhã, há séculos e milhares de horas, quando morava nos Estados Unidos, fui a um lugar – mais tarde apelidado por mim de “Porta do Paraíso” – tatuar um pequeno símbolo chinês na minha coxa. Eis que estou discutindo os detalhes da tatuagem com um profissional cujo nome era Steve, quando entrou na sala outro tatuador. E eu juro. Foi arrebatamento à primeira vista. Nunca tinha sentido nada parecido antes. Fiquei completamente em estado de êxtase. Era um homem, o mais magnífico jamais visto. O impacto de tal encontro foi tamanho, que naquela mesma hora comecei a tremer. Se me perguntassem o porquê dessa reação não saberia responder. Apenas sei que fui fazer uma pequena tatuagem, despreocupada da vida, e nunca mais fui a mesma. Detalhe, ele nem era o artista que marcaria Carpe Diem forever em mim. O fato é que tudo naquele ser me era admirável à primeira vista. Muito alto, nem gordo nem magro – se bem que aqui no Brasil, com a cultura de corpo, ele seria considerado obeso mórbido. Mas ele era apenas um sujeito grandão e nada sarado. Sabe aqueles americanos com o corpo de lenhador do Alasca? Assim era ele, uma grande fortaleza poética. Os olhos violeta, algo nada ordinário. Aliás, eu nunca tinha visto algo parecido. A não ser os da Elizabeth Taylor. O cabelo então – diga-se de passagem – era uma obra-prima à parte. Usava um topete de Elvis Presley. Logo de quem, do meu grande ídolo memphisniano! E o riso, ahhh! o riso! Bem, talvez a gargalhada mais bela por mim já ouvida. No dia em que nos conhecemos, enquanto conversávamos, ele ria igual a um menino de cinco anos… No fundo, sua visão me lembrava a mistura de todos meus personagens prediletos de desenho animado americano. Resumo da ópera: meu príncipe. Ou, pelo menos, o soberano que minha cabeça, ainda ingênua e criativa da época, imaginava ser meu macho ideal. Entretanto, havia um sério problema. Quando senti o imprinting por esse artista, no início dos anos 90, estávamos na era pré-google. Naquele tempo, quando conhecíamos alguém por um acaso na rua, e ficávamos zonzos, era uma roleta russa para rever a tal criatura. Sabe aquela coisa de esbarrar com um desconhecido e já saber que a pessoa é a certa? Pois bem, antes da Internet, esse tipo de flerte resultava em uma situação difícil e tumultuada. Ou melhor, elaborada. Não era como nos dias de hoje que

37


com uma simples troca de contatos on-line, as pessoas, se quiserem, a partir do minuto em que se conhecem, estarão ligadas para sempre. Quando a paquera era construída a cada encontro, e não se sabia nada da intimidade do outro, todo mundo tinha de suar muito a camisa, caso quisesse algum tipo de aproximação com um completo desconhecido. E essa regra se aplicava tanto aos homens quanto às mulheres. Eu havia me apaixonado infantilmente por um rapaz, do qual as únicas informações eram apenas o primeiro nome e seu local de trabalho. Aqui também, há de se levar em consideração que tinha me mudado há pouco tempo para uma cidade estrangeira, onde praticamente não conhecia ninguém, salvo minha amiga deadhead, Tracy e a minha roomate, Alie. E por falar nela… coitada! Naquele mesmo dia, assim que voltei para casa, logo após conhecer o cavalheiro que englobava todos os meus desejos mais íntimos, com o coração a milhões de batimentos por segundo, comecei a bolar, com minha fiel escudeira, um plano para vê-lo novamente. Depois de muito matutar, cheguei à exótica conclusão de que teria de voltar ao estúdio again. Ou seja: sobrou para a melhor amiga. Implorei a Alie que fosse se tatuar com a minha recente miragem. Sorte minha que ela se prontificou a participar da minha trama mirabolante. Se era sua intenção se tatuar de fato, não sei, mas para a minha cabeça fantasiosa era a única saída. Afinal, eu não tinha nenhuma referência do rapaz, a não ser o estúdio de tatuagem. E best friend que se preze é assim: companheira em todo momento, parceira em qualquer situação! Na semana seguinte, como combinado, lá foi minha amiga se tatuar, e eu junto acompanhando, com cara de paisagem. Naquela sessão de tatuagem, sentada em um banco dentro do estúdio, conheci o mínimo sobre o meu cavalheiro; o local de seu nascimento. Contudo, não foi um encontro, por assim dizer, produtivo. Até porque eu tremia tanto em sua presença, que mal conseguia jogar conversa fora, e muito menos falar em inglês. Isso posto, só me restou marcar outra sessão para, dessa vez, eu mesma fazer nova tattoo. Logicamente com um único objetivo: saber mais um pouco sobre ele. Ah! Doce e santa ingenuidade da juventude! Minha segunda tatuagem, também não me levou a lugar nenhum. O fato é que eu o via, e as palavras não saíam. Cada vez que ele me perguntava algo, eu fitava aqueles olhos violeta, e desmaiava internamente. Conclusão: fui-me embora de lá mais uma vez marcada de tinta, e sem sequer saber a sua idade. Mas a Alie sabia das coisas. Sugeriu que deveríamos fazer tatuagens maiores. Concluiu que, em virtude da minha eterna timidez, provavelmente quanto mais detalhado o ink, mais tempo eu teria para me soltar, e assim demonstrar que estava interessada no donzelo. Já que da última vez eu havia me tatuado, lá se foi minha amiga fazer um tribal nas costas, e eu, como sempre, a acompanhá-la. Acreditem, nem mesmo com quase metade do seu corpo marcado com desenhos indígenas, e eu sentada ali por horas, igual a um cão de guarda, o plano deu certo.

38


Não satisfeitas, tivemos uma ideia ainda mais estapafúrdia. Da próxima vez que fôssemos fazer uma tatuagem, eu tomaria antes um shot de whisky. Desse modo, estaria soltinha, soltinha quando meu príncipe entrasse na sala, e quem sabe assim conseguiria conversar melhor. Às onze da matina, algumas tatuagens depois e muitas garrafinhas de Jack Daniels entornadas dentro do carro, deu-se o resultado que já era de esperar: novamente nada aconteceu. A verdade é que o moço teria de ser mágico para adivinhar o que nós duas estávamos tramando, e imaginar que eu o queria forever and ever… (seja lá o que isso significava para uma menina de 19 anos que saíra do quarto para o mundo). Creio que ele nos enxergava apenas como duas garotas aficionadas por tatuagens. E não poderia ser diferente. Em um período de seis meses, eu fiz cinco, e Alie, sete. De qualquer maneira, o mais impressionante dessa história toda é que nem atentamos para o fato de que as marcas eram para sempre. A tatuagem era apenas um detalhe necessário para encontrá-lo. O mais patético é que, com todas essas sessões e garrafas de uísque, só consegui descobrir o bairro onde morava o objeto do meu amor. E juro, calculei o caminho que meu príncipe percorria do trabalho à casa, e volta e meia, quando ele saía do estúdio, posicionava-me em alguma das esquinas, ao longo do trajeto do seu carro, no intuito de ganhar apenas um tchau. Era batata: ele passava, buzinava e acenava. Eu tremia, morria, queria mais. Um dia, finalmente já desiludida das minhas investidas capengas, e depois de sete tatuagens e Alie nove, eu e o objeto do meu maior e mais magnífico desejo nos encontramos por acaso em um café, pela primeiríssima vez. “E aí, blue butterfly? Nunca mais te vi no tattoo shop…”, cumprimentou-me com ar sedutor. Àquela altura, minha cota de tatuagens já havia se esgotado, e creio que ele ainda não tinha se dado conta. Talvez pensasse, até então, que eu queria ser a própria Kat Von D. “Não vou fazer mais nenhuma … I am done…”, respondi, desolada e meio sem graça… No que ele então, me abraçando com toda a majestade que lhe cabia, olhou bem fundo nos meus olhos e retrucou: “Quem disse que a senhorita precisa se tatuar para ir me ver? Vem me visitar sempre, e quando quiser. Estou com saudades.. Milhares de dólares gastos, lá em casa todo mundo desenhado igual a um álbum de figurinhas, eu quase me inscrevendo no AA, sem mencionar minha mãe, que já desesperada, no Brasil, gritava ao telefone, a cada nova marca em meu corpo: “Você está parecendo um marinheiro! E se se apaixonar por um coveiro? Vai ficar aí na Califórnia, lendo todos os obituários, indo a enterros, minha filha?! Onde já se viu se tatuar para paquerar…”, e de repente, ele me diz, sem afetação nenhuma e com toda a sedução do universo, que queria me ver e, o mais importante: que eu não precisava me tatuar para isso…!!! ---

39


No que diz respeito ao coração, eram tempos divertidos – o mundo antes da Internet. Esse não saber nada do outro, essa paquera construída lentamente, cada encontro uma nova informação, o avanço à intimidade, era tudo uma farra. Hoje em dia, não é mais assim. Perderam-se a antecipação, as borboletas na barriga. Conheceu e gostou de alguém? Troque os telefones no Instagram de manhã, e de noite você já vai transar com o eleito. Nem que seja virtualmente. Acabou-se o mistério! Em dois segundos on-line, você descobre quase tudo sobre a vida da pessoa. É inacreditável a facilidade de informação. Por isso, anos depois, vendo tudo o que se passa na vida desse ex-amado pela tela de um iPad, olho para as minhas tatuagens e morro de rir, lembrando-me da ingenuidade – liberdade – daqueles anos sem Internet. Recordo-me das milhares de vezes em que fiquei plantada na esquina só para vê-lo passar de carro, já que naquele tempo, em plena era grunge, não era possível paquerar um homem que se acabou de conhecer, e saber tudo da sua vida com apenas um toque no mouse. Obviamente, meu caso, em que eu só enxergava a tatuagem como meio de estar com meu amor, era algo um tanto quanto exagerado. No mínimo. Contudo, há de se levar em conta que, se em pleno século XXI, vivo em um universo paralelo aos demais, em 1993 eu era a própria Alice correndo atrás do coelho branco. Mas isso é o que menos importa. O que vale nesse evento clássico de minha biografia, é meu sentimento de que nós todos, se de um lado ganhamos muito com o maravilhoso mundo da WEB, de outro, sem querer romantizar a era pré-google, nos privamos de coisas valiosíssimas. É fato. Depois que inventaram os sites de relacionamento e afins, ocorreu uma perda de qualidade evidente em todos os níveis das relações interpessoais. São tempos diferentes, bem sei. Só a rapidez e os grandes eventos seduzem, a delicadeza de uma simples história assim não encanta ninguém. É difícil imaginar alguém plantado em uma esquina apenas para ver o outro passar, pensar em uma amizade em que a melhor amiga chega a ponto de se tatuar para que a biruta da best friend encontre seu amor, cogitar em um romance construído lentamente ao vivo e a cores, sem interferência de “fuxicamentos” on-line… Ao contrário, não há espaço para nada disso. Nos tempos atuais, as pessoas não têm paciência nem para esperar o carregamento de vídeos no YouTube, quem dirá deixar amadurecer uma paixão lentamente. A mercantilização on-line dos sentimentos tomou conta geral. E tudo que era diretamente vivenciado converteu-se em representação. Por isso, mesmo agora, no auge da flor da idade, e com sentimentos conflitantes em relação às minhas tatuagens, jamais as apagaria. Uma das coisas mais absurdas que já fiz – e afirmo com convicção – foi me tatuar a torto e a direito. Entretanto, dos arrependimentos irreversíveis que tenho, e não são poucos, as tatuagens não fazem parte do grupo. Se nada mais, elas representam, de certo modo, uma ordem de valores. Um símbolo real contra esse incrível mundo da ilusão virtual e dos costumes atuais.

40


Hitallo Dalsoto Nascido em Porto Alegre, Hitallo Dalsoto queria ser astronauta, mas se tornou escritor. É preguiçoso assumido e apaixonado por pizza. Em tempos idos foi premiado quatro vezes como ator de teatro amador, e é autor do aglomerado caótico de contos das “Histórias Críveis e Incríveis”, dos romances “Chicão e a Morte” e “Essa Visita Está Adiantada”, além da comédia “Diário de um Suicida”, e do conto “A Maravilhosa Feira Universal”.

**

O guardião do Sol Todo fim de tarde costumo me escorar no muro do jardim. Gosto de acompanhar o fim do dia alheio e admirar as nuances do céu mudando do azul-rosado para o vermelho-preguiçoso, até chegar ao escuro estrelado. Percebo o abismo que separa a realidade dos adultos cansados voltando do trabalho e a das crianças em plena atividade, tecendo brincadeiras que somente elas entendem, correndo diante dos vizinhos reclamões que, em segredo, adorariam correr junto. Já os idosos mais bondosos observam de longe, se divertindo e bebendo a última xícara de café do dia. Era um mar de alegria e uma algazarra de aventuras imaginárias nunca vista fora daquela rua, que mergulhava todos em sorrisos e euforia. Quase todos. Foi em um desses fins de tarde que reparei no jovem Febo — era assim que o chamavam; o nome mesmo eu nunca soube — carregando uma sacola preta vazia. Não achei nada fora do comum, visto que as crianças do bairro eram inventivas em excesso. Escureceu, o dia acabou, e vi Febo retornando para casa com a mesma bagagem preta; naquele momento, com algo dentro. Tal como da primeira vez, não prestei muita atenção nele e em sua brincadeira. No dia seguinte, o menino despertou minha curiosidade, indo para algum lugar com a sacola vazia, e voltando sabe-se lá de onde com ela cheia. Ele era intocável e alheio aos aventureiros de sua idade. Seria uma cena comum de uma infância típica, se ela não se repetisse nos dias seguintes. No quinto dia, o abordei e perguntei o que ele carregava. “O sol”, respondeu sério como um adulto, sem me olhar nos olhos; aparentemente eu o havia atrapalhado. “Que sol?”, questionei. “Como assim? O sol, o sol de todos os dias. O sol. O sol”, respondeu impaciente apontando para um ponto aleatório no céu. Ele jogava o peso do corpo para frente e para trás, do calcanhar para a ponta dos pés, da ponta dos pés para o calcanhar, enquanto os dedos da mão livre beliscavam o ar em um ritmo acelerado. Tentei entrar na brincadeira e perguntei o que ele fazia com o sol. “Eu guardo, ninguém precisa dele de noite. Ninguém. Ninguém. Então eu cuido dele. Mas não se preocupe, todo dia eu coloco de volta no lugar. Sabe, as pessoas detestam escuridão. Detestam. Detestam”. Me dei por vencida, não conseguiria acompanhar mais que isso.

41


A verdade é que me peguei pensando na veracidade daquela situação, afinal, ele voltava para casa com a sacola cheia logo após escurecer. Tomada por um impulso de curiosidade, fiz o inimaginável: acordei de madrugada, antes do sol nascer. Fiquei espiando pela fresta da janela do quarto, esperando que nada acontecesse, para que eu questionasse Febo mais tarde. E não é que ele apareceu? Febo passou em frente à minha casa com alguma coisa em plena madrugada! Minutos depois, o sol nasceu e o menino retornou com a sacola vazia. Aquilo foi meu limite. Era impossível que Febo guardasse o sol. Pensei se tratar de alguma artimanha rotineira bem ensaiada. Tentei puxar assunto outras vezes, mas ele sempre contava sua verdade, dedicado em guardar e proteger nossa estrela. Todos os dias, olhando para um ponto qualquer, balançando o corpo, ele cumpria sua rotina. Febo andava só. Pelo turbilhão de brincadeiras das outras crianças, ele cruzava ileso. Sempre sério, carregando sua sacola nas costas, com os olhos distantes no mundo paralelo do qual ele tinha acesso único. Dias depois encontrei os pais de Febo. Um casal cansado, precocemente grisalho, com a escuridão sob os olhos de quem não costumava dormir bem. Cumprimentei e comentei da brincadeira diária de seu filho. Eles suspiraram quase em sincronia, sem esconder um pouco de orgulho. Foi a mãe que pousou a mão no meu braço para responder: “Quem dera fosse apenas uma brincadeira”.

**

42


Rita de Cássia Zuim Lavoyer É de Araçatuba- SP. Professora, escritora, poetisa e gastróloga. Possui 10 livros publicados.

** Saudade da poesia Hoje sinto saudade da poesia. Uma saudade daquela cujo tempo me permite continuar sonhando mesmo após o despertar do relógio. Hoje sinto saudade da poesia. Uma saudade daquela de acordar quando eu bem entender sem precisar ouvir os meus defeitos. Hoje sinto saudade de ascender. Uma saudade daquela que acende as delicadezas cotidianas e de assistir tranquilamente o café transpassando o coador numa queda aromática de me encher a boca d’água. Hoje sinto saudade de mim. Uma saudade daquela em que eu mergulho na reentrância da minh’alma e ali teço o meu espaço. Hoje sinto saudade das minhas fases. Daquelas itinerantes em que eu, ávida de saber, aprendo na poesia seus períodos e o exercício da minha função: reverenciar as belezas da natureza envolvidas no mistério do meu existir. Hoje sinto saudade da vida. Daquela espalhada à minha volta ritmada de estações que reinauguram as histórias da minha família, da minha raiz, de mim. Hoje sinto saudade da minha poesia. Que ela possa estar presente no pão da vida

43


para quando me sentar à mesa, nas manhãs bem acordadas, sorver o meu café e encharcar meu coração com poemas repletos de leve silêncio como o voo dos pássaros. Estou com saudade de voar.

**

44


Patrícia de Almeida Dantas É pedagoga, psicopedagoga e gestora educacional. Lecionou na educação superior, disciplinas de Educação Especial e Inclusiva. Foi primeiro e quinto lugar nos concursos "Antologia de Inverno" e "Antologia de Outono" da casa da poesia/SP, ficou entre os vencedores do edital Américo de Oliveira Costa das Editoras IFRN e UFRN, foi finalista no Edital Natura Musical 2020, com o Projeto Cultural: Artistas da Terra.

** Mas afinal, o que é o amor? Eu te amo, I love you, je t’aime. Longe de ser piegas, mas refletindo sobre a palavra amor e todo sentido que ela representa, surge a memória uma série de indagações a respeito de compreender se essa palavra ainda quer dizer alguma coisa, mesmo depois de haver sido usada de maneira tão banal, por tantas vezes e por qualquer pessoa. Nesse sentido, também se questiona o porquê desse sentimento em todo seu significado ainda causar tanto estranhamento a ponto de gerar nos indivíduos de tantos credos e nacionalidades a seguinte pergunta, mas afinal o que é o amor? Ter a consciência de sentir um profundo afeto por familiares, amigos, uma pessoa que está ao nosso lado faz parte da vida e provavelmente muitos de nós já experimentamos essa sensação. E mesmo “amando” diversas vezes e com intensidades diferentes é difícil definir em poucas palavras o sentimento que essa expressão representa. No campo da filosofia, a partir dos conceitos da civilização ocidental, que é o misto de cultura grego-romana e cristã, apresentam-se três definições: A primeira é conhecida como Amor Eros, descrito por Platão como um “amor” ligado à ideia do desejo. Para Platão, o Amor Eros é o desejo por algo ou alguém que desaparece quando é satisfeito. A segunda definição é conhecida como Amor Filos ou Fraternal, descrito por Aristóteles como um “amor” vinculado a amizade, afinidade e alegria. Nesse sentido, vincula-se a ideia de irmandade. Temos na terceira definição o Amor Ágape, ele está associado ao pensamento cristão e vincula-se a ideia de renúncia. Nesse modelo, “Amar” alguém é se doar sem esperar nada em troca. Esses conceitos mostram o quanto pode ser complexa a interpretação desse sentimento, já que dependendo da visão de mundo de cada pessoa, podem surgir definições diferentes. Para o sociólogo polonês Zigmund Bauman, o “amor” criado pela sociedade atual se exime de profundidade e está pautado na superficialidade. Segundo ele, essa forma de “amar” resume-se em considerar o outro como um bem de consumo, ou seja, caso haja “defeito” descarta-se ou troca-se por “outro melhor”. Bauman entende que esse conceito contemporâneo, acaba por influenciar até a forma de "amar" das pessoas que com sinceridade, se sentem disponíveis emocionalmente para vivenciarem relacionamentos consistentes, mas que por medo de sofrer, tendem a adotar o modelo de relacionamento líquido, onde a profundidade das relações interpessoais é substituída e diluída em relações rasas, pois nessa forma de amar, não existe o fortalecimento de vínculos. Vínculos que só podem ser proporcionados pela verdade, confiança, fidelidade e respeito

45


mútuos, chave para a solidez dos relacionamentos sadios. Mas voltemos à filosofia ao lembrar do livro "O Banquete" do filósofo Platão, quando o personagem Aristófanes relata que os homens de antigamente eram muito diferentes do que hoje são. Eram seres completos e auto suficientes, de forma esférica com quatro cabeças e dois rostos na mesma cabeça. Orgulhosos de sua força e independência pretenderam desafiar os deuses e escalar o Monte Olimpo e por esse motivo, foram punidos por Zeus, portanto, sendo partidos ao meio e enfraquecidos. Desde então, os homens andam sobre duas pernas, tem apenas um rosto, um coração e buscam a parte que lhes falta para recompor a unicidade perdida. Sabe-se que essa é apenas mais uma boa história, porém ela nos ensina a refletir que, sozinhos não somos capazes de compartilhar a vida de forma plena e que necessitamos do outro para preencher a metade que nos falta e vice-versa. Nesse sentido, amar seria compartilhar a vida com alguém que nos completa, pelo motivo de esse alguém ser único e insubstituível. Amar seria, além de uma escolha, um estado, gerando possibilidades de ligações profundas e desassociadas de trocas de favores, status ou dinheiro. A esse respeito a literatura bíblica utiliza o termo descrito pelo apóstolo Paulo “O amor não busca seus próprios interesses” para mostrar que tal sentimento não se vincula a individualidade, mas a ideia de compartilhamento, de entrega e de sinceridade. Um “amor” alicerçado em interesses escusos, mentiras e egoísmo, nunca será amor. Dessa forma, embora muita gente não saiba exatamente o que a expressão “eu te amo” representa, fica claríssimo que significa muito mais que palavras esboçadas ao vento ou até mesmo, apenas sentir-se bem ao lado de uma outra pessoa.

**

46


Vítor Oliva Nascido e vivendo no Norte de Minas. Publicou em zines, antologias, revistas e blogs diversos. Lançou há pouco o primeiro livro de poesias, A Espera de Caronte, ed. independente. Prepara o segundo de poesia e outro de contos para breve. Escreve pra se salvar.

** [sem título] Construir barcos com os cacos do peito

Atravessar oceanos em epidermes alheias e naufragar numa ilha deserto numa pele surda

Aguardar pacientemente a estiagem, para ter o que queimar Mirar o mesmo céu noturno e supor constelações diferentes Mirar o espelho e se perder no espectro de um louco

[Embolando a órbita dos astros]

Se perguntar se

47


nossa idiotice se propaga a nível cósmico E pestanejar feito um idiota

Olívia foi quem mais me viu pestanejar feito um idiota

Saber a tempo das coisas que lhe sobram Deter as mãos

ao que são destinadas

Nunca sequer supor que há um destino.

**

48


Rovana Chaves Nascida em Palmeira das Missões - RS, graduada, especialista, mestre e doutoranda em Letras pela Universidade de Passo Fundo - RS, também bacharela em Direito. Professora de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira na rede pública de ensino. Já foi premiada internacionalmente com contos, participou de coletâneas literárias lançadas em bienais, reconhecida como uma das melhores cronistas/contistas nos anos de 2013 e 2014.

** O enganado Vicente é um cara exemplar. Tem como objetivo a perfeição em tudo, e é perfeito em quase tudo. Exceto no quesito autoconfiança. Casou-se com sua primeira namorada, pois as que teve contato antes não passaram de casos ao acaso. Beatriz completou seu quebra-cabeça. Formavam um casal feliz, já com seus dez anos de união. Viagens, programas românticos, cinema, teatro... Retratavam o quadro otimista de que o amor pode dar certo nos dias difíceis de hoje. Acontece que em contraste com esta vida cor de rosa, Vicente desconfiava de sua esposa. Há dias. Há meses, para ser mais exato. Olhava para o rosto cândido de Beatriz e enquanto sua boca falava juras de amor, algo em seu íntimo lhe dizia seu idiota, ela o trai! Vai aguentar até quando? Larga ela, seu trouxa! Ou, a traia também! Esses pensamentos tortuosos o afligiam dia e noite. Chegava a ter pesadelos. Suar frio. E no ardor da desconfiança, deixava de dar a devida atenção à esposa. Certa manhã, indo ao trabalho, quando saiu do ônibus, um rapaz lhe entregou o anúncio de um detetive. No momento pensou em jogar fora na primeira lixeira que visse, mas bastaram alguns passos para mudar de ideia: esse detetive seria o meio para descobrir quem saía com a sua mulher. Ela me paga! Já tomado pela sede da verdade, a primeira coisa que fez ao entrar no escritório foi ligar para o número do anúncio: - Alô, Sr. Jarbas? - Sim, é ele. Pois não? - Peguei seu anúncio e quero contratar seus serviços. Pode vir ao meu escritório? Passo a você meu endereço agora mesmo! É caso urgente! Depois de acordarem os meios de Jarbas seguir Beatriz, a porta do escritório se fechou e lá permaneceu Vicente entre seus devaneios. Nervoso, resistiu várias vezes a vontade de entrar em contato com Jarbas. Mas ele devia esperar, era o combinado. Jarbas vai me ligar assim que tiver notícias, a qualquer dia e hora! Acalma-te, Vicente, acalma-te!

49


Passados dois meses, Jarbas já não aguentava mais falar para seu cliente que Beatriz não o traía com ninguém! O detetive já sabia de cor a rotina dela, que só não traía o marido por vontade própria, pois era linda, linda demais! Cansado dessa situação, Jarbas tentou várias vezes cancelar o acordo com Vicente, mas este o impedia sempre. Um dia você a pega no flagra, ah pega! Continue! Não quero ser corno a vida inteira! Certo dia, cansado de apenas observá-la, o detetive se aproxima. Conta tudo à Beatriz, que fica chocada. Por outro lado, Jarbas sentiu os olhos penetrantes da mulher o despirem por inteiro. Foi aí que a respiração ficou mais ofegante. Ele pegou em sua mão. Procurou acalmá-la. Depois de um bom tempo, ela cedeu. Sentiu-se segura, confortável com aquele desconhecido. Além disso, atraída por ele. Sentindo que era correspondido nas intenções, Jarbas de súbito diz: - Vamos dar motivos para seu marido desconfiar. Já que ele quer tanto ser traído, que seja! Sem esperar por resposta alguma de Beatriz, beija-a sem pudores, ali, naquele lugar público. E ela, corresponde, esquecendo-se da esposa exemplar que trazia consigo até então.

**

50


Francis Kurkievicz Poeta, reside em Vitória/ES onde se dedica à poesia e, quando os astros permitem, ousa algumas traduções. Publicou, pela Patuá, B869.1 k96.

** Conjura digital Abundam na superfície do Java script Uma fauna digital bizarra de jovens influencers, Cerzindo na tessitura instável da realidade Remendos de um falso soneto recém-minerado, Proclamam terrível devires No oxigênio rarefeito do milênio, Com o estardalhaço lançam seu estásimo estapafúrdio, Disseminando conspiratas mirabolantes Jungindo extrações do todo implantados ao todo das partes, Afirmam tais argumentos como lícitos, vertidos em licenciosos enredos: Os Annunnakis, o retorno dos Mensageiros dos Ventos A coroação do Caçador de Jeová - Nimrod O ressurgimento da Atlântida do lodo dos oceanos A terra oca, a terra plana, a terra de Marlboro Os Protocolos do Sião e os Protocolos da Covid O buraco negro do CERN e os saltos intermitentes de tempo Escatologias contíguas – Parravicini, São João, Malaquias, Garabandal O surgimento do Anticristo, o senhor da Internet; Mitos reabilitados, cooptados no caldo narrativo da Nova Era, Comungando com os novos cultos no altar do ego: Idolatria a personalidades artísticas Casses de sucesso e modelos empreendedores Discursos Alt-Right Think Thanks, Tik-Tok, Personal Coach; Figuras mágicas desenhadas pela mão de um demiurgo marqueteiro, Cerzidas no tecido do cotidiano com fios de ouro Fornecidos pelos concílios e convescotes neoliberais; Mas há mais nessa novela de obscura iniciação, Um subterrâneo largo e longevo De planificações e chancelarias alicerçando movimentos insones: Programação Preditiva; Emulações adjuntivas Mensagens subliminares; Linguagens simbólicas Guerras híbridas; Bombas semióticas Acontecimentos comunicacionais fabricados; Contágio por afecção sensorial Hipnose coletiva; Diversões centrífugas

51


Notícias capciosas; Dissonâncias cognitivas; Teatro de luz e sombras no horizonte das perspectivas críticas, Infusão danosa nos espíritos exilados do Nous, Contratos firmados no silêncio das consciências E executados nos espasmos prosaicos dos atos, Contingência controlada e consentida: Anuência para obtusos eventos como fatos normais Suspeição da diversidade dialética Automatismo da percepção Desvio de atenção para intensões desejadas Neutralização de juízos intelectuais Mudança de comportamentos como apelo libertário Hábitos comandados por algoritmos objetivistas Gatilhos cognitivos de compartilhamento Decisões impulsionadas por propósitos alheios; E nesta justaposição de fragmentos enfermiços, O discurso cresta no crisol do subconsciente Sedimentando espúrios juízos Na passarela do cotidiano: Negacionismo, ecocídio, genocídio, invasões, desmatamentos Deboches, insultos, agressões Linchamentos e ameaças virtuais Assassinatos de reputação Agenda necropolítica Hackeamento e exposição de dados Alarmismos financeiros; Perpetrados pelos vigilantes da timeline, Senhores absolutos dos territórios binários, Diáconos nos templos do Deep State: Polemistas, filosofastros, expertises Blogueiros, influencers, plantonistas da opinião Mobbing, trolls, salaried Haters – GAP Team Jornalistas psicóticos, sectários bíblicos Emulações da Big Data Escritórios do Crime Decifradores de segredos vazados; Seres foragidos do bom senso, ausentes da realidade, Emersos no umbigo de Saclas asseveram verdades irrefutáveis, Confundindo os ouvidos das plateias esquizofrênicas Espargem aos pontos cardeais Miríades de teses conspiratórias enriquecidas por juízos hollywoodianos: Pandemias planejadas por contaminação eletromagnética Chips ocultos em vacinas

52


Monitoramento ideológico Rastreamento 5G Armas psicotrônicas, escalares, geoclimáticas Reset digital, financeiro, humano Deep Web Mercado de órgãos; Aos quais agregam fatos misteriosos ao sabor dos enredos Infectando as egrégoras com ansiedades e credulidades: Nibiru, Hercólobus, Plêiades Projeto Blue Book, Área 51 Projeto L.U.C.I.D., observação à distância, Stargate Cronovisor, máquinas do tempo Clonagem, criogenia, ouro monoatômico Invasão e abdução em sonhos O X da questão e o X das marcas modernas Girl like me, de Shakira – Illuminati, de Madona 75° 0’46.98”S - 0° 4’52.71”E 252S1830Y792R1886T de Lenin Petrov; Tudo para justificar o Pluribus Unum do Deep State No âmago do In God We Trust Ou uma distração para confundir o senso Da Nova Ordem Mundial irradiada por Pequim.

**

Vida, Vida [tradução, original de ARSENY TARKOVSKY]

I Não acredito em pressentimentos, os sinais também não me assustam, Não fujo do veneno ou da calúnia. A morte não existe no mundo, todos são imortais, tudo é imortal, não há necessidade de temer a morte nem aos dezessete, nem aos setenta. Existe apenas realidade e luz. Não há escuridão nem morte neste mundo. Estamos todos reunidos na praia e eu sou daqueles que recolhem as redes, quando chega, ao batente, a imortalidade. II

53


Continuem vivendo na casa, e ela não vai se destruir. Eu convocarei qualquer um dos séculos. Eu vou entrar nele e construir a minha moradia lá. É por isso que seus filhos e suas esposas estão comigo compartilhando de minha mesa, pois, a mesa é uma só para o bisavô e para o neto. O futuro acontece agora, e se eu levantar a mão, Restariam cinco raios de luz para todos vocês. Minhas clavículas suportaram, como vigas, os dias do passado. Medi os anos com os instrumentos do agrimensor, perfurei o tempo, como se fosse os Urais, III Escolhi o século de acordo com a minha estatura. Descemos para o sul e levantamos a poeira das estepes... A grama alta se alvoroçou, brincou o grilo, tocou suas ferraduras, nos profetizou o futuro com seus bigodes, e ameaçou-me, como um monge, com uma condenação certa. Amarrei meu destino à sela. Ereto, sobre os estribos, cavalgo como um garoto nos tempos vindouros; Estou satisfeito com a minha imortalidade, para que meu sangue corra de século em século. Por um abrigo seguro de doce frouxidão, obstinadamente pagaria com a minha vida, se ela não fosse uma agulha voadora, que me puxa, como um fio, por todo o mundo.

* ЖИЗНЬ, ЖИЗНЬ [obra original, АРСЕНИЙ ТАРКОВСКИЙ]

I Предчувствиям не верю, и примет Я не боюсь. Ни клеветы, ни яда Я не бегу. На свете смерти нет: Бессмертны все. Бессмертно всё. Не надо Бояться смерти ни в семнадцать лет, Ни в семьдесят. Есть только явь и свет, Ни тьмы, ни смерти нет на этом свете. Мы все уже на берегу морском, И я из тех, кто выбирает сети,

54


Когда идет бессмертье косяком. II Живите в доме — и не рухнет дом. Я вызову любое из столетий, Войду в него и дом построю в нем. Вот почему со мною ваши дети И жены ваши за одним столом, А стол один и прадеду и внуку: Грядущее свершается сейчас, И если я приподымаю руку, Все пять лучей останутся у вас. Я каждый день минувшего, как крепью, Ключицами своими подпирал, Измерил время землемерной цепью И сквозь него прошел, как сквозь Урал. III Я век себе по росту подбирал. Мы шли на юг, держали пыль над степью; Бурьян чадил; кузнечик баловал, Подковы трогал усом, и пророчил, И гибелью грозил мне, как монах. Судьбу свою к седлу я приторочил; Я и сейчас в грядущих временах, Как мальчик, привстаю на стременах. Мне моего бессмертия довольно, Чтоб кровь моя из века в век текла. За верный угол ровного тепла Я жизнью заплатил бы своевольно, Когда б ее летучая игла Меня, как нить, по свету не вела.

**

Baalbek [tradução, original de ELDAR AKHADOV]

Onde isso aconteceu, Baalbek, diga-me? Flocos de rubi Sobre a água esmeraldina

55


Quedavam-se incandescentes. Úmido vergou o céu como arco, Sobre a neve, Como combatentes pela liberdade, Rastros revelaram-se. Onde se deu isso, me diga logo?! Aquece o interior de tuas pedras Com Flashes de radiação intensa! No céu, açoitado pelos olhares das estrelas, Uma ponte fantasmal se dissolve no tempo - Um sonho urdido por invisíveis cordéis... Aconteceu mesmo? Onde? Círculos concêntricos na água Multiplicam-se e aniquilam-se, Borrasca em fúria tomba! Todavia, dos sonhos luciféricos Coágulos de palavras flamejantes no ar mostram-se: Mené, tekel, fares...

* БААЛЬБЕК [obra original]

Где это было, скажи, Баальбек?Падал горячий рубиновый снегНа изумрудную воду.Жидкое небо сгибалось в дугу,И выступали следы на снегу,Словно борцы за свободу.Где это было, скорей говори?!Камни свои разогрей изнутриВспышками жгучих наитий!..В небе, исхлёстанном взглядами звёзд,Плавится времени призрачный мост -Сон из невидимых нитей…Где это было? И было ли где?Множатся, тают круги на воде,Ливни срываются в ярость!Но проступают из огненных сновВ воздухе сгустки пылающих слов:«Мене» и «текел», и «фарес»…

**

56


Camilla Flöter Vive em Araraquara/SP. É advogada, estudante de Letras, jardineira amadora, aspirante a escritora, dona de casa, assistente administrativa, desesportista nata (não confundir com desportista), ex-atriz de teatro amadora e nunca será cantora.

** Um anjo foi morto Um anjo morreu No coração da cidade Seu passeio suburbano Devassado por maldade Um anjo morreu No coração da cidade Sob a miopia cotidiana Vai gritando a impunidade Um anjo de patas Seu pequeno corpo Em panos envolto Amável, canina Em pedaços Um anjo foi morto.

**

57


Renata Dembogurski Nasceu em Foz do Iguaçu/PR. Escritora, ghostwriter, diretora de redação publicitária e roteirista. Com várias obras premiadas, “Pense Melhor Antes de Pensar”, um spin-off de Virkadaz, foi premiado em 2014 pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Em 2021, o conto “Veludo Púrpura” foi escolhido pelo Prêmio Off Flip de Literatura para coletânea de contos. E em 2021, Virkadaz foi publicado pela Editora InVerso.

** De mente, de Marte — Por que insiste em tocar? Vá embora. Vizinho chato. Universo caótico, num sistema de atração, colapso e redução. Elíptico. Enigmático. Incrível nos seus ciclos. Intrínseco de mistério. — Sou eu, mãe. Abra a porta. Malha de espaço quântico, semântico na essência. Alternando seu modo de precisão. Vagueia no juízo descuidado, na lógica desvairada, em princípios elegantes. — Você vinha hoje, filho? Que dia é hoje? Entre. — Oi, mãe. Som alto outra vez? É domingo, 7 de abril, lembra? — E na Terra, Edison? — De novo isso? Esquece. — O rapaz gravita até a janela da pequena sala, percebe a atmosfera nela, rompe com velocidade a passividade e fecha as cortinas. Deixa seu rastro de fúria, explode na superfície. — A Terra não existe mais. Chega! Aqui é 7 de abril de 2115. Estamos em Marte. O passado virou pó. Não quero mais insistir nesse observatório doentio. Você já é assunto demais na vizinhança. — Aos 80 anos, uns me dizem excêntrica. — Excentricidades que denunciam um cérebro em desordem. — Pondere, não se afirma pelos gestos se sou excêntrica ou autenticamente louca. — Venha para o subsolo. É mais seguro, é mais sensato. Abandone o resto. — Não é resto. É quociente do meu trabalho. — É hora de partir. Areje um pouco no mercado. — Não devia usar “arejar”. Nada pode ser assim aqui. Colônia bege, chão vermelho, aridez abiótica. Fleumática. Além da cúpula exótica, Fobos e Deimos quase nítidos vagueiam em seu trajeto cósmico no pôr do sol azul.

58


Marta se escoou por Marte. Percorreu desertos de inconsciência, vales de lucidez, vulcões de insensatez e crateras de desequilíbrios. Trouxe esperança para o antigo mundo prestes a ruir. Transpôs o inevitável. Resgatou vidas. Embrenhou-se no incerto. No sacolejo amortecido, rodam pelo distrito pioneiro. Depois, ingressam para dentro de Marte, Marta e Edison. Entranhas escarlates. Povoadas por invasores terrestres. Infestadas por túneis de habitação, plantação e moderação. — Aqui é mais fresco para você. — Nunca fui de frescura. — Viu a cara feia da vizinha da esquina quando cumprimentei? — Ingrata. — Você fala mal do pai dela. Nem o conhecia na Terra. — Se soubessem o que sei agora, não teriam vindo. Não seriam escolhidos. — Suas verdades são delírios. Suas descobertas, imaginação. Imaginam ser desatino. — Desendoidecer, desenlouquecer, desensandecer. — É o que há. Bom senso. Chegamos. Escolha variado. A subestufa, distração para a mente encarnada de Marta, é o resumo sucinto da Terra no cosmo. Indecisa, vê-se oprimida nos corredores estreitos de plantação. Imprecisa em seus pedidos, mais fácil lidar com a vastidão do universo. Quando olhava o céu, considerava ampliar seu mundo, não contrair. Agora, nem céu tinham ali na profundidade para venerar. Devia ter calculado essa probabilidade ao considerar. — Pobre alface, nunca foi aluada. Alma vazia. Pálida. — Pegue a rúcula, então. Certa como a órbita dos planetas, a rota de uma moça vem na direção de Edson. — Mantenha discrição, mãe. — Edison — cumprimenta ambos a moça, olhando somente para Marta. — E... senhora Marta! Quanta honra. Venero sua missão. Bióloga, né? — Física. Fiz os cálculos para a cúpula atmosférica da primeira vila — diz Marta. — Impressionante. Curiosidade: como foi ver a Terra ser atingida? — Decidimos acompanhar o asteroide só até entrar na atmosfera. A violência de ir além do imaginar era excessiva — responde a senhora. — Minha mãe disse que não viram. Estavam afivelados — conta a moça.

59


— Vieram como escolhidos? — questiona Marta. — Não. Resgatados na véspera do impacto. Quase não conseguimos. Muitos ficaram. — Meus sentimentos — intromete-se enfim Edison. — Pelo o que vejo, o impacto do asteroide está para acontecer logo — diz Marta. — Como assim? Asteroide? — duvida a moça. — Tenho acompanhado. Não vai demorar, haverá a explosão — relata a idosa. — Mãe, deixe de brincadeira — dissimula Edison em meio a risadinhas. — Temos que seguir. Bom te ver, Ana. Abalado pela insensatez da mãe, Edison a deixa em casa sem nada dizer. E, como de hábito, Marta abre as cortinas logo que entra. Olha as casas vizinhas pela janela e percebe um adolescente ao lado de um veículo, esforçando-se para arrombá-lo. Desvairado, quebra o vidro para, em seguida, acionar o motor. Misto de inaptidão e nervosismo, atropela o cachorro. Marta, indignada, não tolera. Abre a porta de casa e enfrenta o tal. — Moleque desajuizado! É o fim, mas nem por isso deve roubar, matar — grita ela, inflamada. — É comigo? — pergunta um homem idoso que estava no veículo estacionado. — Não se faça de desentendido. Roubou o carro que eu vi. Matou o cachorro. — Como pode afirmar isso? — Que gritaria é essa? — interrompe uma moça jovem que se aproxima. — Essa mulher está me acusando. — Demente! Venha, pai, ignore. Ela já perdeu o juízo. Marta mede o tino. Recolhe a ira, esconde a vergonha atrás da porta fechada. Pela janela, ainda olha o adolescente acelerando rua afora. Reflete sobre seu discernimento. Não devia ter agido tão impulsivamente. — Um chá para o desequilíbrio. O vácuo de senso a leva por um trajeto lento de ida e volta da cozinha. Liga o fogo para o chá. Então a janela novamente a suga. Através da vidraça, uma enorme comoção faz pessoas correrem por todos os lados. Nas ruas, policiais tentam organizar grupos e manter o controle. No céu, a insana bola flamejante, indecente, crescente. Um dos guardas bate na porta de Marta. Absorvida pelo pânico instalado fora de sua janela, ela

60


atende. Mas não há ninguém lá. Volta ao seu lugar no espetáculo. O asteroide já está o triplo do sol. E logo domina todo o esquadro. — Acabou. É o dia. Aí está o fim. Uma estrondosa explosão faz a casa toda ruir sobre Marta. Paredes viram entulhos. A porta tomba. Ela é coberta pelos escombros. Só a janela resiste. O rebuliço traz os vizinhos para acudir. Em seguida, o resgate. Já é tarde para Marta. O pó a envolve. O pó da culpa, o pó do descuido, o pó da insanidade. A equipe agitada ainda cogita salvá-la. Rompem as camadas. Só param ao notar o pó da Terra viajando pela galáxia dentro da janela de Marta.

**

61


Fernanda Pfau Rosa É fisioterapeuta, 42 anos, casada com Hugo e mãe de Guilherme e Henrique. Mora em Curitiba há 12 anos, nasceu no interior de São Paulo e morou décadas em Santa Catarina. Apaixonada por escrever, estreiou com o livro infantil “Tenho isso, ...mas e aquilo?”, e já publicou poesias em Antologias das editoras Chiado Books, Vivara e Assis.

** Cotidiano atroz Solitários atos Momentos marcantes A pura brisa cintila As lágrimas que escorrem de olhares sofridos. O cansaço e a inércia pungente O rosto ofuscado de toda gente Sofrimento sem aspas Romantizado diariamente. A vida que segue, a sobrevida que emana Em cada mão calejada Em cada coração amargurado pela chama. Clama por justiça Grita por socorro Sofre na despedida Amanhece em cada gota que escorre. Penso no que não foi dito Como a cura da chaga Atitudes de uma vida insana Que o coração não afaga. Certeza de um calvário sem fim No entardecer de mais um dia atrevido A chaleira do vizinho apita Menos um dia vivido.

**

62


Pela fresta da janela Uma luz brilha Acende minha curiosidade Se movimenta ao longe Instigando as minhas mais obscuras vontades. Percebo-me hipnotizada Mergulho em meu ego Em um instante duradouro Paro, penso e me entrego. Um ponto de vista obtuso Após sincronizar os movimentos cefálicos Vislumbro que as luzes piscando Eram vagalumes dançando sob o luar cósmico. Fantasias de um tempo antigo Onde a vida era calma e singela Flagrei-me fitando as longas e empoeiradas Frestas de minha janela.

**

63


Pedro Henrique de Araújo De origem pobre, criado por mãe solteira, sou sexto filho entre os sete. Natural de Sertãozinho, no interior de São Paulo. Em 2019 fui aprovado no curso de graduação em Ciências Sociais na Unesp de Araraquara, qual me fez deixar minha cidade natal. Atualmente, com 23 anos, estou nos anos finais do curso.

** Caro amigo Caro amigo, Tenho há algum tempo resistido em falar contigo, mas não me leve a mal. Tenho estado, mentalmente, muito cansado. Em um momento de procrastinação e ânimo, resolvi falar-te de mim e espero que possa falar de ti também. Tenho revistos algumas situações na minha vida. Pretendo não comer mais nada com origem animal. Também decidi fazer yoga todas as manhãs. Tenho assistido muitos vídeos inspiradores que levaram-me a querer tornar-me mais saudável. Preciso me alongar, ando meio duro nos nervos. Por falar em nervos, descobri um chá nos últimos dias que dizem acalmar a gente. Mas tenho duvidado um pouco. Até agora nada. Tenho andado uma pilha e por esta razão, pelo fato de não conseguir conter o que há de mais selvagem em mim mesmo, tenho preferido o isolamento virtual. Estes dias tomei consciência de um animal da fauna atlântica que dado seu grau de ser silvestre, ataca qualquer um que o encontre. Tenho simpatizado com ele. Há certos momentos em que a convivência sócio-virtual pesa sobre as cabeças e a distância faz-nos, mergulhados em exaustão psíquica, entranharmo-nos como animal silvestre tomado pela tensão indomada; que pula sobre a jugular de seu algoz deferindo lhe golpe mortal ao ego. Por isso tem sido caro para eu manter uma boa relação comigo e com o mundo. Não espero que me entendas, será impossível. Até eu tento, mas as tentativas levam-me a um abismo que se descuidar caio com facilidade. Caso queira manter algum dialogo comigo, desista. Guarde-me em seu coração que, quando possível, te abraçarei com todos os braços do mundo. No momento, impossível. Também não lerei suas cartas de resposta para não alimentar em mim uma falsa sensação de diálogo. As dores do mundo são excessivas para sermos falsos em tentar uma normalidade. Não fora normal em tempos de o ser, agora menos. Viva sua vida que te levarei no coração. Não toques em mim pela lembrança, pois esta suscita o sonho e não ando tendo sono. A ansiedade de voltar ao meu isolamento voluntário tem me tornado anti rede-social. Use álcool, mas não em excesso como eu. Tenho estado viciado em álcool. Evite sair, existem transeuntes do lado de fora. Nada pior do que encontrar um ser humano. Use máscara, apesar de este nunca ter sido um problema para você já que há mais de dez anos faz uso delas cotidianamente. Tenho que admitir que eu também. Fiquei feliz em saber das novas

64


recomendações: usar mais de uma máscara. Meus outros amigos devem estar fazendo parte da Organização Mundial da Saúde para enviar-nos uma recomendação dessas. Assim, as várias que eles usam não levantarão suspeitas. Ademias, espero que esta carta te encontre antes que você morra. Caso não, espero que fique bem. Mas se morrer depois de ter lido, esperarei que tenhas feito, e deixado para uma leitura póstuma, uma nota de agradecimentos por nossa amizade. Algum dia eu lerei, mas já adianto que não ando tendo saco para textos muito grandes. Como já disse, não me respondas pois tenho evitado contato de toda ordem. Sempre há um humano por trás deles. Enfim, beijos e até a próxima (encarnação). PS: Todas as mudanças que escrevi no início desta carta eram mentiras. O mundo está acabando e não pretendo virar esterco com um corpo saudável para alimentar a terra onde matam os sabiás.

**

65


Vitor Visconti Publiquei os livros Sopro de Vertigem (2018, Multifoco), Corpo de Asfalto e A Folia Domada (Viseu, 2022), e fui selecionado para lançar a peça Do Lado de Lá O Muro é Mais Alto pela editora Persona este ano, além de ter poemas publicados na coletânea 2021 da Off Flip. Vocês podem me encontrar no instagram através do @poetaaosquatroventos.

** Variações sobre o amor Amar é a maior tolice Amei como poucos E sem notar a sandice Me deram o troco... Amar é a maior distração Amei como pude E perdi a noção De mim alguém cuide! Amar é desconstrução Não vim preparado E na contramão Mas isso é passado Amar é a hora da espera Antes do seu momento Ninguém se intera De ser mais um eleito Amar é o maior dos mundos Quem nele se detém Não vê chegar o seu fundo Mas deseja ir além Amar é um porre Em se amar demais O amor logo morre Pra não falar de outros finais O amor é colisão Um ama na ida

66


O outro, na contramão E assim segue a vida

67


Anna Carolina Alves Tenho 18 anos. Nasci na cidade de São Paulo, mas atualmente moro em Santana de Parnaíba. Terminei o Ensino Médio no ano passado e pretendo iniciar a faculdade de Filosofia no ano que vem. Escrevo desde os 14 anos e tive meu primeiro poema publicado aos 16. Vou publicar meu primeiro livro, uma coletânea de poemas chamada “dance conforme a lua”, em breve.

**

Às vezes não sei se existo em mim às vezes não sei se existo em mim apesar de conseguir ver o meu reflexo no espelho, não consigo me enxergar vejo apenas um borrão, uma imagem desvirtuada, sem essência de ninguém observo o movimento, mas não vejo vida consigo distinguir as luzes que refletem meu corpo, mas não minha própria face há um rosto, mas quem garante que há vivência? ao tocar meu retrato, não consigo sentir o toque em minha pele vejo os dedos se aproximarem de mim, mas não consigo notar a sensação de estar realmente dentro do meu corpo nos olhos, há um completo vazio como se a janela para a alma não guardasse nada dentro de si avisto uma sombra,

68


mas ela é apenas um pressentimento de que talvez um dia eu fui real mas na realidade não há como saber se um dia existi

**

69


Maurício Simionato Nascido em Assis (SP), jan/1973, e morador de Campinas (SP), Maurício Simionato é poeta e jornalista. Lançou os livros de poesias “Impermanência” (2012, selecionado pela Secretaria de Cultura de Campinas), “Sobre Auroras e Crepúsculos” (2017, Ed. Multifoco), lançado na Bienal do Livro do Rio/2017, e “O AradO de OdarA” (2021, Patuá). Teve poemas publicados em diversas revistas especializadas em literatura e em mais de 15 antologias poéticas. Como jornalista, foi correspondente na Amazônia.

** Calíope Essa coisa, ela sobrevive, de um emaranhado de emaranhados. Que são designações dos sentidos de qualquer um. Essa coisa nunca morre e vive cheia de tudo o que há entre antes da vida e depois da morte. Ela tem exatamente a importância que lhe damos. Não se importa com o que somos, contanto que nos tenha vivos ou mortos.

**

Palas Athena Com arte, tudo passa. Ela é maior que o ego, maior que o juiz cego, maior que o prego, que nos apregoa a carcaça. Oferece-nos o derradeiro gole que desembaraça até a graça. Ela transpassa a trapaça. Em suma,

70


disfarça. Na arte, tudo passa. Ela tritura tudo como o tempo, alivia como o vento, e se deixa ser esmagada ao relento. Mas aí, ainda assim é arte, ressurgida, aturdida. Sem grandes pretensões arranca de nós certas convicções. E se despede com uma dentada

**

71


Silva Fernando [Fernando Scoparo Matias] Só um sujeito de vida normal e pacata, nascido em 1997 no interior de São Paulo.

** Passa o tempo. O dia vai mudando E se transfigurando; — Sol aqui E acolá. Vai mudando E se transladando Sem se notar. Sombra uma que se faz do Norte, Faz-se ao Sul quando o sol se vai; Passam dias pra se chegar a morte: Vai, Vem, E vai…

** Do Latim faciens. Fiz-me um rei. Fiz-me! Mas o mundo se fez anarquista: Dividiu-me em Áustria e Húngria; Fez-me Buda, fez-me Peste. Fez ele eu ser sempre pronto para testes. Fez ele eu ser uma miríade. Fez ele eu ser, sem nem eu querer, como o Porto de Trieste. Mas, sem eu querer,

72


também veio um Hausmann. Desfiz então o enxaimel, desfiz as minhas incongruências; Fí-las então em ângulos retos e tentei esconder o que me havia de resto. Mas havia muita vida: — Havia ainda um aterro no que outrora fora montanha. Havia pragas e ervas daninhas; — “Você não pode esconder o que você é!” É o mal de mim mesmo: desfazer-me tão logo num auto de fé.

**

73


Bruno Ramalho Nasceu no Rio de Janeiro, em 1978. Escreveu livra-me, poesia (Scortecci, 2019) e uns amores bemóis (Patuá, 2021). Tem diversos textos publicados em revistas literárias, entre as quais Mallarmargens, Toró, Mirada, Sucuru, Ruído Manifesto e Gueto. É médico especialista em reprodução assistida, em Brasília.

** Ensaios sobre o instante I a vida aberta na tela: ali, a minha verdade, como se toda a cidade coubesse na minha janela. muito de tudo em um nada algo de lindo provoca... o pouco já tanto me toca, que meu instante é estrada. II nalguns caminhos incertos, uma só reta imperfeita e a minha meta se deita onde meus sonhos desperto. na solitude do não em que o silêncio se aquece, o que há em mim não esquece que meu instante é canção. III a morte alerta na tela: ali, a humanidade sucumbe à própria verdade, aplaude a sua mazela. resta tão pouco de nós neste planeta ferido, que, entre os tantos a sós, o meu instante é pedido. IV naquelas faltas de rumo, já comuns ao dia-a-dia,

74


a solidão de agora é insumo das multidões de poesia. quase tudo é vírus na vida, mas muito pouco é vacina. nesta palavra remida, o meu instante é esquina. V a vida livre na cela, a sê-la dentro de casa, como se toda e só ela fosse céu para as minhas asas. respiro, resseco e floresço tão de repente, se vê, que, onde eu me reconheço, o meu instante é ipê. VI o meu tempo é o cansaço e a dispneia, o restante dessa escassez de um abraço tão cada vez mais distante. o hoje, quando amanhece como um esboço de vida, já tanto o ontem parece, que meu instante é partida. VII a palavra da vez é qualquer, uma, seja qual for, não importa a que vier, que deixe um rastro de amor. um quase bom bom que seja que nos apresente a quimera, aquela do afago da mão que apedreja. o meu instante é espera. VIII o sentimento é saudade, a dor nem sempre tem cura, mas certa realidade se acha onde não se procura.

75


se o que sinto em minha hora sente em outra quem me lê, deixando a instância do agora, depois meu instante é você.

**

76


Max Moreno Escritor brasileiro de ficção. Seus livros apresentam tramas que envolvem mistério, suspense e ficção psicológica. Estreou na literatura em 2014 com o romance “A Outra Sombra”. Em 2015, teve seu primeiro livro traduzido e publicado pela America Star Books. Em 2016, com o conto “Vinte Pratas”, participou da coletânea Big Buka em homenagem ao escritor Charles Bukowski. “As Paredes Eram Brancas”, seu segundo livro, foi publicado em 2020.

** Contrário evitando a palavra tu sabes que eu amava o nosso jeito de ser um certo desapego pelo poder nossa busca pelo saber ofusca o querer cala o fulano tirano que ceifa o pensar de quem segue no meio e não abre mão de ser inteiro o sujeito da oração de janeiro a janeiro um cidadão em tempos de repressão

**

77


Helder Clério Nascido em 1992 na cidade de Lagoa da Prata/MG, é poeta e músico amador, além trabalhar como psicólogo. Em 2016 lançou, em conjunto com os amigos e poetas Gabriel Guma e Daniel Ribeiro de Melo, o livro de poesias “Delírios Periféricos de um Oeste”. Em matéria de poesia, bebe de fontes diversas: traz na sua escrita as referências de Murilo Mendes, Drummond, Roberto Piva, Cláudio Willer, Manoel de Barros, Chacal, passando pelos beats, pelos surrealistas, por Fernando Pessoa, Rimbaud e Baudelaire, afora a longa tradição da poesia cantada, dos grandes letristas do rock (Bob Dylan, Jim Morrison...) e da música brasileira (Belchior, Caetano Veloso, Renato Teixeira, Clube da Esquina, etc.).

** Alma beat “Almas desesperadas, eu vos amo. Almas insatisfeitas, ardentes.” (Murilo Mendes)

Comprei uma mochila grande, botas de trilha e tenho lido bons livros de poesia. Eu e meus amigos estamos nos preparando para o Apocalipse (que música estará tocando no derradeiro momento?). Eu vejo crianças sangrando no amanhecer Preciso da solidão azulada das últimas montanhas Preciso chorar de saudades ajoelhado nas areias frias da praia distante Preciso beijar as geladas estrelas divinas diamantes cravejados no espelho negro do céu que são as mesmas velhas estrelas mágicas que iluminavam o céu noturno enquanto Jack Kerouac cruzava os EUA em vagões empoeirados com os olhos brilhando e a mente veloz compondo poemas e pequenas orações para abençoar o futuro e todas as coisas vivas desse mundo.

** 78


Paisagem úmida da alma Há cardumes de estrelas luminosas nadando nas poças das ruas esburacadas de minha cidade natal. Minha mente é uma manada de touros ferozes enquanto meu corpo flutua nesse abismo sem nome que se abre por detrás da nossa velha casa. (Será que Deus toca Beatles no paraíso?) Eu sou aquele que grita obscenidades e poemas de amor debaixo da chuva na praça deserta.

** Lótus III “No êxtase animal reencontramos a parcela do divino em nós” (Cláudio Willer)

Ah, quem me dera vencer as distâncias como um condor, ser leão, lobo, chacal te amar com a devida ferocidade (te beijar como se mordesse te morder como se beijasse) delicadamente arrancar pedaços seus e viajar com você para os territórios selvagens do prazer onde o chão vibra no ritmo alucinado dos nossos corações.

** 79


Eduarda Martins Mendes Nasceu em 1957 na cidade de Maputo, capital de Moçambique, onde viveu até 1975. Nesse ano mudou-se para a África do Sul, onde se formou em Línguas e Literaturas Modernas na Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo. É professora de Inglês e nos anos mais recentes tem exercido a função de formadora de Inglês e Português Língua Estrangeira em empresas multinacionais. Tendo África como berço podemos encontrar na sua escrita apontamentos e referências tanto em conteúdo como em linguagem às suas origens bem como à influência de alguns escritores Moçambicanos, como Mia Couto. Sofia de Mello Breyner e o seu objecto de inspiração - o mar - é também outra referência que lhe é querida.

** Ode às Mulheres Somos princesas encantadas, Feiticeiras enfeitiçadas, Ruivas, louras ou morenas, Frágil ramo de açucenas Que acenam ao luar Afogando suas penas, Raíz de baobá perene Em guerra somos terra firme Semeando e colhendo sementes, Fazendo nascer a flor… Essa é a nossa arma, Deixamos para vós a espada. Berço da criação Somos o útero do mundo!

** O Abraço Naquele braço de terra Que abraça o rio Vislumbro, cintilantes, Pepitas de ouro Que luzem timidamente Naquele fim de tarde De Outono.. Alheio, segue o rio O seu caminho Levando seu destino De encontro ao mar,

80


E eu levo nos olhos O brilho cintilante Daquele abraço de terra Que me abraça o olhar…

** A Coroa do vírus O tempo já não é O que era, Quatro paredes E uma janela E a porta trancada Ao mundo lá fora. Lá fora o ar Mais leve, mais puro Tanto ar E eu sem conseguir respirar... O hoje e o ontem e o amanhã No mesmo lugar, Entre quatro paredes E uma janela E uma porta trancada Ao mundo lá fora!

**

81


Otávio Patuço Nascido em 02/10/1960, aposentado, amante dos pássaros e da natureza. Escrevo poemas concretos, Haicais, Aldravias, fazendo minhas publicações em grupos públicos nas redes sociais, revistas e jornais online, tendo tido seleções. Busco na poesia um escape para a alma e a construção de seres humanos mais afetivos e criativos.

** Filho do vento Assim, passo pelo tempo: Nasço, menino de aço Na camisa de força Com colete de gesso, Sou pesado, espeço. Preso, sou e s p a r s o! “Desfaço-me do pecado, Renasço feito sua imagem” Enfim, sou filho do vento d i s p e r s o! Na paisagem Leve e livre despeço-me. Assim, passo pelo tempo!

**

82


Valéria Pisauro Natural de Campinas-SP, professora de Literatura e Artes Visuais. Paralela à sua carreira de docente, é poeta, contista, roteirista e letrista. Possui vários trabalhos literários editados e poemas musicados por renomados compositores de todo o país. Participa de certames culturais, de idôneas antologias poéticas e de reconhecidos festivais de música. Premiada em diversos concursos literários e Festivais de MPB.

** Moinho da vida Nada desnuda o pensamento, Nenhuma muralha é tão firme Que não desaba com o tempo. Não é o silêncio que cala o grito, Nem apaga um riso a seu contento. Só o destino por um fio arrasta, Sem partida ou chegada, leva O tudo para onde não há nada. O relógio desatento ponteia Reflexo do antes e do agora, Entre o gesto e a sombra O calendário humano chora. E num moinho à revelia Todo movimento fica imenso A vida confirma a poesia De um novo tempo que anuncia. A tinta mancha a página vazia Refaz de cinzas para sobreviver Engana-se o medo para sonhar Segredo de amar para se viver Para se renascer a cada dia.

**

83


Qualquer estação Pela primavera da tua pele, Tez crua e nua que perdura, Os dias saltam, tudo se adia, Calmaria em qualquer estação, Entre outonos que são sim E os invernos que dizem - não. Prefiro a geometria da vida, Desamparada em rima rara, Tantos sonhos soltos em versos Despem as manhãs em que sinto, Partidas ou chegadas medidas, Sem o amanhã em labirinto. E quando numa réstia de luz, Teu verão cobrir-me devagar, Não é pássaro nem adeus, É o fogo de Prometeu A incendiar nossos corpos, Teu sorriso e os silêncios meus.

**

84


Jenny Rugeroni É bancária, formada em Comércio Exterior e mãe de dois filhos. Vive próximo à Serra da Mantiqueira, em constante sintonia com a natureza. É autora dos romances “A Herdeira do Silêncio”, “Um Céu de Estrelas Curiosas” e “O Ano em que não Choveu”, além de diversos contos e crônicas. Em sua escrita, apresenta um olhar lírico sobre o cotidiano, convidando à reflexão sobre a desigualdade social e os dilemas do mundo moderno.

** O fantasma na janela A vista do quarto do hospital dava para um jardim interno, com um pequeno lago de carpas rodeado por alguns pés de bambu decorativo. Olhando para fora, tive um desejo de estar ali, sentada no único banco de madeira, deliciando-me com a sensação do sol na pele. As paredes brancas, impessoais, tornavam o quarto ainda mais gélido. Senti um calafrio ao tentar amarrar os cordões de minha camisola. Então vi de relance, no vidro da janela, o rosto de minha avó entre as nuances de verde no jardim. Olhando com mais atenção, percebi o equívoco. A imagem era de meu próprio rosto pálido, os lábios sem cor, um fantasma. Sem dúvida, os olhos dela haviam sido idênticos aos meus, mas a semelhança agora era ainda maior. Seriam os óculos novos de aro de tartaruga que mandei fazer, tão parecidos com os que ela usava? Há dois anos, quando cortei os cabelos, minha filha comentou que ficaram iguais aos da avó Anna. Até mesmo isso nós tínhamos em comum – o nome Anna Beatriz, que me foi dado em homenagem a ela. Para a família ela era Anna; eu era Bia. Fazia agora seis anos que a avó nos deixara. Meu avô faleceu um ano e meio depois, sem coragem para suportar a ausência. As lembranças me chegam de forma desconexa. O cheiro do bolo de cenoura assando no forno, as folhas de outono na praça em frente ao apartamento e as crianças uniformizadas saindo da escola, do outro lado da rua. As roupas de boneca que minha avó me ensinava a fazer com linha e agulha, sentada no chão ao lado da mesa de canto, sob a luz do abajur com desenhos orientais. Eu sempre associava os ladrilhos retangulares do templo budista representado no abajur com barras de chocolate. Hoje penso que deveria haver muitas falhas nos vestidos de festa que eu confeccionava para minhas bonecas. Mas na época, me sentia maravilhada com o que era capaz de criar. Cheguei mesmo a fazer um vestido de noiva com os restos de uma cortina branca de renda. Eu tinha oito anos, e minhas amigas mais próximas pediam roupas para suas bonecas também. Mas copiar uma peça que eu já tinha feito antes era um trabalho entediante. Minha avó me incentivava: a segunda vez é sempre mais fácil. E a tarde calma caía sobre nós, como as folhas alaranjadas que forravam os canteiros da praça. Não consigo me lembrar de nenhum defeito que minha avó tivesse. Exceto, quem sabe, as mentiras inocentes que ela contava ao meu pai para me proteger. Ainda assim, havia amor por trás de suas histórias inventadas, e ríamos juntas da sensação de viver

85


perigosamente. Quando engravidei e decidi me casar, ela foi a única que me apoiou, enquanto o resto da família se escandalizava. Agora já está feito, dizia ela, e ficar discutindo não vai mudar os fatos. - Vou ser realista – alertou o médico ontem à tarde, depois de instruir meu marido sobre o procedimento para a internação. - Mesmo com a cirurgia, as chances de cura não são de cem por cento. O câncer é uma doença imprevisível, não se sabe como cada paciente irá reagir. Vi o pânico mudo nos olhos de meu marido, e apertei sua mão enquanto caminhávamos pelo corredor do hospital. Na rua estava chovendo, e meus pés tinham se molhado ao sair do carro; em meio a toda a confusão de minha mente, esse detalhe se afigurava estranhamente incômodo. Eu tinha lido tudo que pude encontrar a respeito da doença: histórias tenebrosas de morte inevitável depois de um longo sofrimento, e também os relatos edificantes de sobreviventes. Dizem que o pensamento positivo ajuda. Na dúvida, era melhor me manter calma, sem revolta. Mas a vida permanecia desconexa, como num sonho em que eu era outra pessoa. Ele me deixou às nove da noite, quando terminou o horário de visitas. Então o desespero anoiteceu sobre mim, no ambiente claustrofóbico do quarto fechado. Minha sensibilidade estava tão aguçada que a agulha do soro em minha mão esquerda começou a arder. Chamei a enfermeira, que olhou para minha mão e disse que estava tudo em ordem. Porque eu não podia comer ou beber água, a fome e a sede me atormentavam. Um livro me fez companhia nas horas da madrugada, distraindo minha mente do tempo que demorava a passar. Sinto um enorme impulso de viver. Ainda não tenho cinquenta anos. Quero o sol na minha pele. Quero os risos de minha filha e o mau humor de meu cachorro bravo. Quero dançar com meu marido sob o luar nas noites amenas. Quero as tardes de outono para ensinar minhas futuras netas a costurar roupinhas de boneca. Tenho que fazer valer a pena, que o sacrifício não seja em vão. E se eu não resistir, o que será de meu marido e de minha filha? De alguma maneira, eles sobreviverão sem mim. Terão um ao outro. Com o passar dos dias, a dor será menos intensa, até se tornar a doce melancolia que me vem quando penso em meus avós. Eventualmente meu marido terá outra mulher. Isso me dá náuseas. Mas estou sendo egoísta. Vou querer que ele seja infeliz e sozinho para sempre? Meu marido, minha filha, sentirei tanta saudade, será que vou poder ver vocês? Eu sempre tive um monte de dúvidas, a minha fé é uma semente de mostarda. Mas acho que estou em paz com Deus, porque sempre procurei fazer o que era certo. Tenho até um pouco de curiosidade de saber como é o outro lado, se vou me lembrar de tudo que aconteceu aqui, e se vou poder voar como fazia em meus sonhos de criança. O cansaço vai me dominando. Tem sido assim; desde que iniciei o tratamento, minhas forças se esgotam muito depressa. Na semi-inconsciência que precede o sono,

86


me vem o cheiro do bolo de cenoura e das folhas caídas na praça. O sofá de minha avó Anna era macio; ela me abraçava enquanto conversava com as visitas, e a fumaça subia das xícaras de café na mesa. Posso perceber nitidamente o seu perfume de lavanda. Sinto-me em paz. Não me apavora mais a ideia da morte. Se ela tiver que vir, que seja como uma amiga que me beija o rosto. Eu me lembro de um dia, saindo do trabalho com pressa, numa tarde nublada em que ameaçava chover. Cheguei ao alto do morro e fiquei olhando o céu lá longe, onde as nuvens se fundiam no horizonte. De onde estava, podia ver uma baixada e depois outro aclive, onde ficava o bairro onde moro. Senti o vento em meu rosto e fui tomada por uma indescritível sensação de leveza, como se nada pudesse limitar a liberdade de meus movimentos. Por um instante pareceu-me muito fácil chegar em casa. Bastava tirar os pés do chão e me deixar levar pelo vento. Talvez seja assim tão simples.

**

87


Jorge Amancio Poeta carioca-brasiliense, graduado em Física, pós-graduações em Matemática para Professores e em Problemas de Geometria, todos pela Universidade de Brasília. Com três livros publicados NEGROJORGEN e BATOM D’AMOR E MORTE poesias ambos pela Thesaurus ed. 2007 e 2014 respectivamente, NÓSOUTRXS Semim ed. 2018. Tendo participado de inúmeras antologias, poemas publicados em revistas e jornais.

** Empático 1 Com o sapato folgado uma flor na mão um pingente carmim desenhado na testa, correu para abraçar o pai. Carpido com um soco, um braço fraturado e lagrimas mudas (meninos não choram) a dor do macho a sete chaves 2 Ao entrar no elevador os brancos diziam: fora daqui. Na sala recém-comprada no sétimo andar um negro se tranca no escritório conta até dez e soluça antirracista (chorar é empático) lágrimas barbadas morfinizam a dor 3 Em volta do pau (egóicos paranoicos ilógicos) violam o ventre o vento e a verdade.

88


4 Nos olhos um brilho fálico, lágrimas aprisionadas nascem corruptas violentas sangrentas e não aceitam a derrota (homem não chora) lágrimas nascem em corpos mulheres

**

89


Lírio Reluzente [Suele Gomes Ribeiro] Escritora, poetisa, cordelista e cristã. nasceu em Campo Maior. Morou um tempo no RJ, aprendendo o sotaque carioca e atualmente reside em Teresina. Participou como coautora da I Coletânea Piauí Poético, organizada por Alexandre César, Claucio Ciarlini e Wilson Maudonado através da parceria entre o Jornal O Piaguí, a Sociedade Piauiense de Poesia e a Editora Tremembé, em dezembro de 2021. Membra da Casa dos Poetas e da Poesia, possui várias produções expostas nas plataformas digitais Recanto das Letras, Meu Lado Poético e Pensador. Coautora na Antologia Poemas ao Pôr do Sol, Poemas Marítimos e Poemas Florais, lançamentos da Revista Conexão Literatura; Antologia Poética “O Som da Chuva”, Editora Tenha Livros e na 5ª Coletânea Poemas, Sonetos e Cordéis, organizada pelo Projeto Apparere (2022).

** Diário de um retirante Deitado eternamente em berço esplêndido, mão direita no peito. A hipocrisia rotulada na letra de Duque-Estrada, as milhões de gerações em suas cantorias animalescas e eu aqui contradizente com a realidade que presencio. Toda a vida em movimento. Os “patrões do senado” em seu confortante assento politicamente correto e eu na marcha de retirada. O forçar da migração e o abandonar de terras queridas. O semblante choroso dos “invisíveis” pela sociedade em busca de uma oportunidade de vida. A seca, a fome, a miséria... ah essa sim está em grafada em meu psicológico. O apelo desesperador daqueles que lutam por um lugar neste país tão desigual. Panorama desolador... O solo árido da paisagem, a vegetação tirou férias a longa prazo, o rachar de meus pés pela falta de calçados que suportem o meu vagar. A “mãe gentil” seleciona seus filhos e os que não se enquadram, são largados no “breu”. O quebrantar de meu emocional em ver Severina desfalecida em meus braços raquíticos e meus olhos já fatigados pela dureza da vida, choram pela falta do pão. Pisado, machucado, massacrado... Um pranto intenso, o medo crítico. O penhor dessa desigualdade levou a minha base, o meu sustento. Sou filho da dor, humilhante pela própria natureza, o que a bandeira tem de bonita, tem de complexa. Desordem e progresso é o brado retratante dessa nação.

**

90


Rebeca Crespo Escritora e roteirista em formação, Rebeca tem 25 anos e é apaixonada por histórias desde pequena.

** Abstenção Alguma coisa com o café. Não sei dizer o quê, nem como, ou quando começou, e certamente não sei dizer por que as pessoas do escritório estão agindo como se estivessem passando por uma crise pesada de abstinência. Não assisto jornal e nada na internet me interessa. De qualquer forma, eu sei, por observação, que tem alguma coisa a ver com o café. Helen, a moça da contabilidade, está arrastando as unhas muito compridas ao longo das pernas e tem um olhar vazio direcionado para sua pequena garrafa de café. Jorge, o recepcionista, está balançando o pequeno bule da cafeteira da cozinha com uma expressão irritada, e, com exceção de mim, todos os funcionários alternam entre a total grosseria e a introspecção. O fato de ninguém achar este conjunto de fatores digno de atenção me deixa um pouco desconcertado. Entretanto, no geral, ninguém está prestando atenção em nada, e um dia em que eu, o estagiário com duas semanas de empresa, sou única pessoa sã do escritório, é um dia que merece questionamento. Abro a ferramenta de pesquisa, e estou prestes a ler uma notícia particularmente sombria sobre a “crise do café”, quando ouço passos pesados parando atrás da minha cadeira. -O que é isso? Meu coração salta levemente. É a Ana, a minha chefe, que hoje não se parece nada com uma chefe. Seus cabelos estão bastante desalinhados e os olhos acusam a falta de sono. Ela parece muito pequena dentro de um terninho largo, e a boca está esticada em uma linha dura de desaprovação. Me preparo para uma bronca por estar usando o computador da empresa para pesquisas pessoais, mas ela não está olhando para tela. -Chá de ervas. – Respondo. Ela solta um muxoxo de desaprovação e – se eu não tivesse visto, não acreditaria – desfere um tapa na xícara, que faz o liquido escorrer pela minha mesa. Ana não se desculpa, e me dá as costas de forma abrupta, como se estivesse apressada para derrubar mais xicaras pelo escritório. Mas minha indignação é interrompida pelo barulho de algo se quebrando na cozinha, seguido de vozes muito alteradas. Abandono minha mesa rapidamente e corro até a

91


fonte da cacofonia, apenas para encontrar dois vendedores se encarando como se fosse uma rinha de cães. “Este idiota quebrou a garrafa de café e o restinho que tinha caiu no chão”, o mais alto deles dizia. O outro, mais baixo e mais carrancudo, respondeu algo como “a culpa foi sua”, e desferiu um empurrão que fez o alto dar três passos para trás e bater na geladeira. -Pessoal, calma... – Tento intervir, mas, do banheiro, surge um grito angustiado. De coração acelerado, me viro a tempo de ver Ângela, a senhora da limpeza, acertando o rosto do outro estagiário, cujo nome não me vem à mente no momento. Ele recebe o impacto com um grunhido animal e devolve a agressão com um pontapé. Não chego a alcançar os dois. Ana atravessa meu caminho como se tivesse sido arremessada. Ela bate no galão de água com força, e, em seguida, arranca o blazer do terninho com raiva. O alvo e possível agressor é Jorge, que não se parece nem um pouco com o jovem adorável que atende telefonemas. O bule de café em sua mão está quebrado, e ele aponta a parte de vidro para Ana. O grito que solto para que todos se acalmem morre nos ruídos de violência que preenchem o escritório naquele momento. Disco o número da polícia, angustiado, e enquanto ninguém me atende eu percebo que Helen está na mesma posição, olhando para sua garrafinha, e que há alguém lambendo o resto de café do chão da cozinha, no meio dos vendedores que trocam socos. Preso entre continuar tentando ligar para a polícia, separar as brigas ou fugir dali, vejo a porta do escritório se escancarando. É a gestante do escritório ao lado. Ensanguentada e raivosa, ela me estende uma xicara vazia. Atrás dela, há outra leva de funcionários amotinados, desamparados pela única coisa que os fazia passar pelo dia. Encerro a chamada para a polícia e me preparo para eles. Para a última pausa do café.

**

92


Dimitria Costa Há 24 anos, Dimitria sofre a continuidade do tempo em Brasília, Distrito Federal. É formada em Letras Português pela Universidade de Brasília, sendo revisora nas Nações Unidas. É entusiasta do aprendizado de línguas, inclusive a do amor. Adora caminhar à noite olhando para cima para distinguir as estrelas. Ama farofa e fica contente toda vez que um casal de araras voa próximo ao seu quarto — onde normalmente escreve. Você pode encontrar mais escritos da autora em seu blog O Bambuzal (https://obambuzal.wordpress.com).

** A salvação Direcionou-se à varanda da frente para pegar o jornal. Sentiu o forte cheio de tinta e como algumas letras carregavam pigmentos em excesso. Foi direto para a seção de entretenimento. “Família Barone convida confraternização de fim de ano.”

todos

os

habitantes

de

Cachoeiras

para

a

Sim, conhecia a família Barone, tradicional geração da cidade. Os homens eram conhecidos por sua petulância – principalmente Tácio, o patriarca – e, as mulheres, por sua capacidade de ignorar. Havia dois Barones em particular que davam o que falar na região. O primeiro, Giovani, se revoltara contra o seio familiar e foi viver na outra ponta do país. Era assunto principal dos cafezinhos servidos por senhoras aposentadas entre às 15h e às 16h. “O que deu na cabeça desse menino pra fugir assim, Nossa Senhora?” “Com essa grana eu mesma teria ido.” “Tem é coisa errada nessa história, não duvide, não!” O outro, Alessandro, era conhecido por dar grandes festas na única mansão da cidade e passar a noite na gandaia. Era garanhão, desses que fazia metade das mulheres interioranas ter esperança em um futuro melhor e a outra murchar a cara em sinal de nojo. Bebia e falava demais, ria alto e achava-se dono de tudo — e de todos. Ao pensar nos Barone, Cecília sentiu um arrepio na espinha. Tinha raiva de pessoas que nasciam com tudo na mão e ainda realizavam a proeza de serem destetáveis. Não eram flores cheiráveis, já diria seu pai: pecavam por falta de moral, de responsabilidade e, acima de tudo, de apreço pela vida. Quanto mais longe estivessem, melhor. Não frequentava as festas da família, mesmo que toda a cidade fosse convidada. Recusava-se a adentrar em território abundante, mas que o era pela metade. Os Barone carregavam segredos nem tão guardados dos mais diversos — traições, filhos fora do casamento, brigas, mortes e disputas. Qualquer um na cidade poderia ficar horas comentando os mistérios que cercavam essa gente. Havia razões de sobra para que Giovani tivesse dado o fora, fez bem. Em respeito ao pai, que não gostava deles, Cecília virava a cara toda vez que um membro da família medíocre passasse. Orgulhava-se e achava-se em seu direito.

93


Celina chegou à cozinha interrompendo seus pensamentos. — Bom dia, minha irmã. Daqui a pouco vou no centro comprar umas roupas novas. Amanhã tem festa. Quer ir comigo? — Com que dinheiro, Celina? Esqueceu que tem aluguel para pagar na segunda? — A gente dá um jeito — e piscou para Cecília. A irmã mais velha ficou furiosa. Como Celina poderia pensar em roupa quando havia responsabilidades maiores? Sentia falta do pai... Ele sim seria capaz de colocar a irmã no lugar. Desde que falecera, Cecília era a responsável pela casa. Trabalhava em dois turnos e, para isso acontecer, renunciou à tão sonhada faculdade. Tornou-se gradualmente a provedora. A mãe não perambulava mais pela terra desde quando tinham 8 anos. Cecília ainda era capaz de lembrar seus últimos dizeres: “Vocês, minhas gêmeas, são a salvação dessa família”. Não entendia o que a mãe quis dizer, mas lembrava dessas palavras com todo o amor que um significado pode promover. Observava Celina. Notou que há alguns meses andava com a postura ereta, falava pouco e carregava ares de mistério. Tinha alguma intenção? Era verdade que passara a ganhar boas comissões na loja — que, por sinal, era um dos infinitos negócios dos Barone —, mas não era o suficiente para esbanjar. — Você vai mesmo nessa festa? — Mas é claro. Por que você não vem junto comigo? Te prometo que teremos uma grande surpresa — Celina olhava para a irmã com amistosidade. — Não sei, tenho que pensar... — disse Cecília contrariada, mas sabendo que não poderia resistir aos charmes da irmã. — Amanhã a gente sai às sete em ponto — e soltou um risinho. Celina abandonou a casa depois do café da manhã e andou em direção ao centro. Passou o olho em diferentes vitrines até achar o vestido que desejava — um elegante tecido vermelho com rendas. Ao sair, desviou o caminho para uma rua estreita, com poucos pedestres. Foi se afastando cada vez mais até chegar em uma casa simples, com tijolos à mostra e sem pintura. Um cachorro latiu ao longe. Bateu as duas mãos levemente para anunciar sua chegada. — Está tudo certo para amanhã? — Sim, tome aqui — disse um homem magro, de feições gentis. Celina guardou o objeto na bolsa e se despediu. Chegara o momento da festa. Celina e Cecília se direcionaram ao grande salão decorado na cor amarela. Tinham diferentes objetivos e pretendiam concretizá-los o quanto antes. Cecília usava suas poucas habilidades sociais para observar aquela multidão. Celina aproximou-se do garçom e pegou um copo de uísque. Procurou uma mesa e tirou da bolsa um pequeno vidro. Parecia despejar algo dentro do copo. Suava

94


com toda a força de seu corpo, mas finalizou a tarefa. Chacoalhou o recipiente e abandonou a mesa. Respirou fundo. Celina andava a passos fortes. Alterava a órbita entre Alessandro e um senhor de ares rígidos posicionado próximo ao palco. Havia um pequeno círculo ao seu redor e pareciam ouvi-lo com atenção. Aproximou-se da figura de cabelos grisalhos e sorriso galanteador e disse-lhe com um grande sorriso cordial: — Permita-me apresentar-me, senhor Barone. Sou Celina e trabalho na sua loja de sapatos. É um prazer conhecê-lo pessoalmente. Aceita um uísque? Tácio Barone, feliz pelo reconhecimento, aceitou o copo de bom grado. — Que bela jovem! É um prazer conhecê-la, senhorita Celina — e lançou uma piscadela. Tomou o primeiro gole com certo prazer enquanto trocava olhares com aquela moça interessante. Celina o observava com particular atenção — esperava algo. O chefe dos Barone voltou a conversar alto, mas, em instantes, foi interrompido por um frenético acesso de tosse. Levou a mão à gravata para afrouxá-la e passou a movimentar os braços bruscamente como quem pede socorro. Uma multidão demonstrava sinais de desespero. Apesar de estar um pouco afastado do pai, Alessandro percebeu que algo estava errado e correu em sua direção. Observou como o pai convulsionava e, ao mesmo tempo, delirava. Gritava pela polícia, pelos bombeiros e pelo médico da família. Cecília se aproximou da cena com curiosidade. Ao mesmo tempo em que tentava sentir compaixão pelo homem, achava bom que estivesse mal. Em poucos segundos, ouviu alguém gritar: — Está morto. Procurou Celina no alvoroço e segurou sua mão. Era a terceira vez que presenciavam a morte. Porém, dessa vez, não havia afeto com quem encerrava relações com a vida. Uma figura esguia se aproximou do corpo, abrindo espaço com os longos braços. Era Giovani. A multidão, já em frenesi, ficou completamente desnorteada pela sua aparição. Em voz alta, o até então sumido Barone distinguiu Celina no alvoroço e começou a dizer: — Hoje, meus caros amigos, a justiça foi feita. Chegou o fim desse verme que era um verdadeiro fardo para sua família, seus amigos e a sociedade. Esse homem pela qual vocês choram, caros, é o responsável por muitos assassinatos. Vocês desconfiavam, mas eu trago a certeza. Nesse momento Cecília sentiu sua pálpebra tremer. Suspeitava de algo.

95


— Este crápula, senhoras e senhores, que antes foi meu pai, foi quem matou Paulo, Sebastião, Lucas e João. Cecília sentiu uma forte onda de raiva. Então seu pai João fora assassinado pelo chefe da família Barone? Tinha razão em odiar esse povo, mas o fazia pelos motivos errados. Agora tudo fazia sentido: a polícia que dizia que os resultados da perícia eram inconclusivos, a falta de investigação, o silêncio massacrante de uma vida que se foi sem respostas... Celina fixou seu olhar na irmã. Queria explicar tudo. Sabia de algo. Enquanto Giovani ainda discursava, Celina puxou Cecília para o lado oposto da multidão e disse-lhe no pé do ouvido: — Nosso pai esteve na hora e no momento errado. Quando voltava do trabalho viu três homens na rua discutido e tentou separar a briga. Um deles era Alessandro, que discutia por causa de mulher. Nosso pai implorou para que todos fossem para a delegacia, que era ali perto. Mas Alessandro começou a gritar dizendo que era homem de família e tinha uma reputação a zelar. Na confusão, um dos outros homens sacou uma faca e se voltou para Alessandro. Ele conseguiu se desviar, pegou a faca e, na tentativa de ferir esse outro homem, acabou acertando nosso pai. No desespero, fugiu e pediu ajuda do seu pai Tácito para se safar da situação. Para evitar um escândalo, Tácito fez um acordo com a polícia. O resto nós sabemos. — E como Giovani entra nessa história? — perguntou Cecília com a voz trêmula enquanto enxugava as lágrimas. — Foi Giovani que me contou tudo. Ele nunca foi para outro estado, continuou morando aqui em Cachoeiras escondido. Depois que descobriu esse e outros segredos da família, se revoltou. Um dia, me abordou na loja discretamente e me contou a história do nosso pai. Disse que poderia me ajudar a vingar sua morte e de muitos outros inocentes. Fiquei em choque, mas, na raiva, aceitei sua ajuda. O plano era desviar uma quantia da loja de sapatos para ajudar Giovani a se manter na cidade, comprar um veneno e matar Tácito. — Mas o culpado foi o Alessandro — afirmou Cecília sem entender. — Se fizéssemos alguma coisa com ele, pouco adiantaria. Tínhamos que atingir o Tácito. Pai por pai, filho por filho. Cecília achava tudo aquilo errado, porém pensava em João. Morrera por tão pouco... Os Barone não pensaram duas vezes antes de acobertar o caso em seu benefício. Lamentava que as coisas precisassem ser dessa forma. Celina olhava para Cecília como quem buscasse um conforto. Queria que a irmã a dissesse que tomou a decisão certa, que fez bem em não deixar em branco a morte do tão querido pai. A irmã a apoiaria? Cecília finalmente levantou a cabeça, olhou em seus olhos e disse:

96


— Nós somos a salvação dessa família.

**

97


Anjo negro [Adriana Silva] 24 anos de idade, curso Direito e estou na reta final de meu curso, raramente tiro o tempo para compor poesias, fazia isso na escola, mas agora resolvi escrever, não para vencer o concurso, mas apenas para que outras pessoas possam apreciar a minha obriga, sei o quão excelente sou e que ela vai certamente cativar qualquer um que disponha uma parte de seu tempo para tal, em anexo segue a mesma.

** Dissabor Me odeio tanto por pensar em ti Por uma parte minha se permitir te sentir É doloroso, estou sendo um masoquista doente Rodando bocas sem nenhum pudor Aquecendo meu corpo em camas diferentes Me perguntando no dia seguinte o que vai sobrar em mim E o mais irônico é que eu não te amo Apenas sou egoísta o suficiente para te manter longe Me acostumei a ter em minha vida a sua presença Quis me convencer que posso mudar quem eu sou Que posso te dar algo além de dor Como eu odeio tudo isso Estou mentindo Estou adorando ver em seus olhos o que posso te fazer sentir Torcendo para que nesse jogo ambos saiam ganhando Sabendo que no final acontecerá o oposto Estupidez dar tiros no escuro e esperar acertar o alvo Somos tão toscos Você o meu bobo da corte Meu prêmio O caos que eu terrivelmente adoro Vou fazer você se iludir Direi todas as palavras que quiser ouvir Serei o seu teto se o seu mundo cair Serei gentil Te avisarei que não me recomendo Que é mais saudável seguir o seu caminho Não negarei o seu convite para passar uma noite em sua cama Mas, o meu coração fica de fora Somos esse dissabor, uma mistura tóxica e nociva Você é o gatilho e eu a bomba Nenhuma história de amor poderia retratar essa confusão de nós dois Por favor, feche a porta quando sair

98


Não acenda as luzes, ficará mais fácil para você assim Sou eu quem traz à tona o seu melhor Sou eu quem corrompe cada moral sua Que desfaz a sua ética em segundos O outro lado de sua mente que dita os comandos Aquela pela qual você fica atordoado A dona dos seus pensamentos e também do seu corpo Sou eu quem você procura nos outros olhares Celebra a vinda e lamenta a ida Cada gota da bebida que ingere é na esperança de fechar os olhos e conseguir me sentir É uma tortura as minhas mãos ficarem tão distantes de seu corpo, sem carícias Até sua alma fica sem paz Fico aqui Evito te deixar partir Tudo isso é tentador Estou errando a cada segundo que aceito isso Nos desejamos de maneiras diferentes Intensa Porém, quer algo que não está apta a cogitação Não posso ser sua meu bem, sou apenas minha Nem sequer posso te fazer promessas, sei que vou descumprir Saiba que eu te deixo Longe de meu ser, me tornar um embraço Vai voltar para os meus braços Em alguns momentos tu me compara a Julieta Outros a Medusa Me chama de demônio Anjo Jamais pelo meu nome Se recusa a pronunciar a palavra adeus Implore, quem sabe eu tenha dó Talvez possa mudar de ideia Não confusa decisão com imprevisibilidade Não é apenas o meu salto alto que é afiado De onde eu venho os homens aprendem as consequências de desafiarem as damas Posso te ouvir suspirar Sentir de longe o cheiro do seu medo Me alimento dele Não acredito que realmente acreditou que seria capaz de mudar quem sou Além de idiota é tolo Volte para o seu show de horrores

99


Prometo que vai ser como se eu nunca tivesse te conhecido Só não posso assegurar que não vai querer de novo Sou melhor que uma droga viciante Me garanto Sou confiante Somos mestres da vida dupla Vivendo sem culpa Destruindo por aí a saúde mental de todos que surgir Viu? Tu desperta o pior que há em mim Se decida pelo amor.... Repudio quase tudo, não os prazeres mundanos Isso é insano Buscamos o preenchimento de nossas lacunas vazias Não há beleza na hipocrisia Quanta ironia Nossa natureza nos anula Na minha vida tu és um passageiro Não importa quantas pessoas estejam por perto, continuarei sendo só Então vá e não olhe para trás, quanto anda eu me desloco de lugar Se contente com o fato de eu me tornar apenas mais uma de suas histórias Não faça de mim a sua lembrança preferida, nem a mais dolorosa Aceite que não nascemos para se pertencer Que o amor não é feito para todos desfrutarem dele Eu particularmente não creio nessa coisa Nada e nem ninguém me convencerá de que meu caminho será cruzado por ele Poderia dizer que me arrependo de nossa aventura, mas não, 0% de arrependimento E como a noite para mim é uma criança, percorrei a madrugada atrás de uma nova vítima.

**

100


Paulini Procaci Nascida em Abril de 2002, é originária do estado de Minas Gerais, mas apaixonou-se prematuramente por São Paulo, lugar em que mora atualmente e que foi responsável por grande parte de seu amadurecimento. Nas horas vagas, sempre gostou muito de ler e, recentemente, descobriu também amar escrever, atividade na qual tem investido cada vez mais esforços.

** O Mal de Murílio Malta Maurílio Malta era um homem esguio e sorridente que amava seu emprego de forma incondicional: era um entregador fantástico, como nunca antes fora visto. Não que fosse um funcionário arrogante, ele apenas sabia de seu potencial porque sempre contava com o feedback positivo de cada um de seus clientes, que ficavam boquiabertos a cada nova encomenda trazida por suas mãos atenciosas e seus olhos brilhantes. Nos primeiros meses de serviço, o sujeito destacou-se por seu carisma, mas ele sabia que — em breve — somente isso não seria suficiente. Foi pensando assim que Mau, como ficou conhecido, teve a ideia perfeita para garantir a qualidade superior de seu trabalho. Benchmarking, brainstorm, briefing ou business plan: nada disso foi necessário para que ele tivesse a epifania de sua carreira. Acontece que Mau sabia muito sobre a vida de muitas pessoas. Claro, ele era responsável por entregar suas cobranças, suas encomendas e até suas intimações judiciais. Mas ele nunca julgou ninguém por nada disso, na verdade, ele se aproveitou disso para começar a fazer algo ainda melhor. O homem sempre amara surpresas e acreditava que seus clientes poderiam gostar também. Por isso, não exitou em adicionar algumas novidades aos pacotes que chegavam às suas mãos. A primeira vítima foi Jurimar, um sujeito ranzinza que carregava consigo o carma de dirigir muito mal. Não à toa, teve sua caixa de correspondências recheada de multas de trânsito narrando as mais graves infrações possíveis, cometidas durante a última viagem que ele fizera. Entre todas aquelas alegações, no entanto, estava o brinde dado por Maurílio: uma carteira de motorista falsificada, comprada com um desconhecido e com potencial para colocar Jurimar em uma situação ainda pior. O próximo a enfrentar as tramóias do entregador foi Glauber, um homem esquisito e viciado em encomendar remédios pela internet. Em sua lista hipocondríaca, nada parecia faltar. Ele comprava periodicamente manipulados, corticóides, analgésicos, antiinflamatórios, pomadas e até cremes. Mas havia um produto específico cuja abundância sempre chamara a atenção de Mau. Os antialérgicos. Esses nunca faltavam em meio às embalagens e vinham sempre em excesso, o que um dia levou o funcionário dedicado a inquirir o motivo de tais compras infladas. Obteve uma resposta que esclareceu tudo: — Alergia a pelo de gato. Minha esposa tem um e só me causa problemas.

101


Pronto, Maurílio tinha a informação de que precisava para surpreender o alérgico. Quando uma nova entrega chegou à casa do homem, seu nariz imediatamente deu sinais de que algo estava errado. Finalmente, ele teria uma motivação consistente para comprar todos aqueles remédios que tanto amava e, além disso, ainda teria uma ninhada com nove novos gatinhos para chamar de seus, uma cortesia do trabalhador que os adotara e os abandonara junto ao pacote a ser entregue. Veio, então, Dona Emília. Bastante soberba e desocupada, ela tinha como principal passatempo ostentar uma casa impecável para quem quisesse ver. Comprava cortinas e almofadas semanalmente, trocava a mobília do quarto a cada nova temporada e estava sempre de olho na casa das celebridades em busca de novas ideias. Naquela fatídica ocasião, a reforma da vez tinha como alvo a cozinha e seus eletrodomésticos. Ela queria tudo novo e, por isso, não tardou a comprar uma geladeira novíssima, gigantesca e pesada, cuja entrega ficara aos cuidados de Maurílio. Dado o peso da encomenda, o homem certamente não seria capaz de carregar, sozinho, tamanho fardo até a casa de Emília: precisava de ajuda para aquele serviço. Mas ele era destemido, nunca permitiria que esse pequeno fator atrapalhasse o presente surpresa que queria conceder à senhora. No dia combinado para a entrega, comunicou ao seu supervisor que precisaria de dois auxiliares e — agindo como o bom funcionário de sempre — logo já estava a caminho daquela nova entrega com um dos companheiros ao seu lado. O ajudante era bastante calado, mas não foi capaz de conter uma interjeição surpresa ao reparar no peso da caixa que deveriam entregar para a destinatária. Bem, quão maior não teria sido o choque dele ao saber que dentro da nova geladeira adulterada repousava o corpo sem vida do primeiro homem escalado para ajudar Maurílio? Depois de surpreender tantas pessoas, restava ainda Benedita Benta, uma mulher adorável e querida por todos que a cercavam, incluindo o entregador, que desejava bonificá-la com a maior e mais memorável das surpresas. Todos os presentes entregues aos demais moradores daquela rua eram pequenos comparados àquilo que Benedita realmente merecia. Precisava ser perfeito, Maurílio impressionaria como nunca antes fizera. Quando seu turno teve início e ele chegou à porta da casa da mulher, mal se continha de tanta animação. Ele escondeu atrás de suas costas o objeto que tinha em mãos e chamou Benedita pacientemente, sendo acolhido com um sorriso caloroso. Maurílio Malta olhou dentro dos olhos de Benedita Benta, sorriu sadicamente para ela e acertou-a com um envelope branco e lacrado. Em seguida, saiu em disparada e nunca mais foi visto. No envelope, a mais cruel das sentenças estava gravada em papel: uma conta de luz adornada com a famigerada e demoníaca bandeira vermelha, a surpresa mais atroz preparada por aquele trabalhador que costumava ser tão são. Pronto. Mais um maravilhoso dia de serviço estava cumprido.

102


Eduardo Magalhães Lordello Natural de Vitória-ES, tendo passado sua adolescência em Brasília-DF. Graduou-se em Ciências Biológicas na Universidade Federal do Espírito Santo. Após se formar, voltou a Brasília-DF e atualmente é Analista de Planejamento e Orçamento do Ministério da Economia desde 2001. O trabalho aqui exposto faz parte da obra “Breves poesias de um apedeuto angustiado” cujas poesias foram escritas entre os anos de 1995-1999. Nesta época, o autor, no auge da sua pós-adolescência, aos 20 anos de idade, e após a perda da sua irmã, exprime toda sua angústia naquele momento de vida, escrevendo, por meio de poesias, tudo o que lhe afligia.

** Maldição d’alma Tudo que vejo é revolta, De todos os indesejados, Que fazem da vida perdida, E do corpo, homens desalmados. Xavier já fez seu posto, Da ingratidão à glória querida, Quimeras de um revoltado, Que da morte, ressurge à vida. Tivera eu um pensamento, E do simples ao majestoso traria, De volta meu ego intenso, Mas meu corpo, a morte levaria. Do nada surgiria o esplendor, Minh ‘alma à morte querida, Seria correto sacrificar, A imortalidade por uma vida?

**

103


Izadora Carvalho Laner Goiana. Formosense e Brasileira desde 1990. Arquiteta e Urbanista (UnB), Mestra em Teoria e História da Cidade e do Urbanismo (UnB) e Doutoranda em Urbanismo pelo programa de pós-graduação da UFBA. Coordenadora de projetos no Instituto Courb, Professora Universitária de Arquitetura e Urbanismo nas faculdades Anhanguera-GO e Estácio de Sá-DF, Escritora e Autora do IG Aposto Literário (@aposto_txt), onde facilita oficinas de escrita terapêutica para mulheres.

** Quando amar precisa de uma nova face Hoje eu olhei uma foto sua. Os olhos apertados num sorriso e a barba por fazer. Fiquei pensando em uma fala que vi em um filme qualquer: “O amor tem muitas faces. Você terá de achar outras formas de amar.” Amar é se sentir magoada em algum momento. Me pergunto se sabemos lidar com a mágoa e separá-la da culpa, para trazer um olhar justo a quem se ama. Mas olha que coisa… em uma relação saudável sentir-se magoada pode corresponder a magoar o outro, também. O auto centrismo nos faz olhar unicamente para nossa dor. Afinal, dói em mim e você que lute. Ontem a gente se falou. Seus pais estão bem? Sim. Tá se cuidando? Tô sim. E Dona Zê? Sim, tá sim. Ok. A solidão me fez quebrar o acordo de afastar até parar de doer. Acordo unilateral e imposto por mim: Me perdi no sentir e esqueci dos meus limites… acontece. De nada adianta ter você ao lado se esqueço de mim. Tenho me perguntado algo frequentemente: Quando uma forma de amar não funciona, o amor por si só tem de acabar? É possível transformar a face do amor? Talvez o tempo me ajude a responder. Mas eu acho que em tempos de crise, ódio e pandemia, em tempos de ataque aos direitos básicos da humanidade, o escancarar da desigualdade social e o sofrimento pela sobrevivência em um mundo onde o capital se sobrepõe ao humano, compaixão é o instrumento necessário para seguir em frente. Eu me amo quando me compadeço do sofrimento alheio. E eu amo você; sinto saudades de encarar esse olho apertado e afagar essa barba por fazer. Amo mesmo magoada, sem saber que face do amor consigo encarar. Tudo bem se a vida já tiver nos separado e leve um tempo para percebermos. Eu ainda espero que você se cuide, seus pais fiquem bem e a comidinha da Dona Zê continue sendo aquele pequeno prazer que alegra seus dias; do mesmo jeito que seu sorriso alegrou os meus, outrora. Talvez a mágoa vença e tudo bem; continuarei grata pelas boas memórias e risadas, pelos instantes que nos fizeram humanos — um ponto percorrendo uma linha, como você mesmo diz; grata ainda pela ligação de alma, finda e mutável, tal como tudo na vida.

**

104


Ju Almeida Cordeiro Recifense, leitora ávida, escritora errante, revisora de textos, jornalista e mais um bocado. Estou sempre estudando, sempre lendo. Me especializei em Escrita Criativa (PUC-RS/Unicap) e fiz um MBA em Produção Editorial (LabPub) e compartilho meu amor por histórias, magia e autoconhecimento nas redes sociais. Chega para trocar uma ideia ou pedir um orçamento editorial. @umaamrela no Instagram e @amarelices no TikTok e no Twitter.

** Galinhas Ninguém tinha visto o portão 14 se movimentar já havia uns bons meses, mas Júnior sismava que tinha barulho vindo do quintal. "Deve ser um gato", dizia sua mãe. "Não se inquiete com isso, não. Você não tem dever pra fazer?" Ter, até que tinha. Mas como se concentrar com aquele passos curtos, aquele barulho de alguém — algo — mexendo na terra? Tentou convencer Piolho a ir. — Bora! Se não der em nada a gente diz que é assombrada e assusta as guria no colégio! — Sei não, Junin, vai que tem mesmo alguém, dá ruim pra gente. — Não é barulho de gente, não! Oxe, ninguém ia ficar esse tempo todo caladinho, sem passar no portão. É um bicho, tô te dizendo. Quero só saber qual é. — Uma leseira dessa, tu quer me arrastar pra quê? Vai tu só! — Tá cum medin é, piolho? De onda agora, é? — Tu que faz banca de fodão, precisa da minha ajuda pra quê? Chegaram num impasse. Ninguém tava a fim de ceder. Caras amarradas, sem se concentrar nas contas de matemática. Com o silêncio, Piolho escuta os ruídos. Seus olhos o denunciam. — Tá vendo aí que tem coisa lá? Bora, mermão, deixe de ser medroso. Os garotos vão. "Não quebra a telha da minha mãe, não, que ela me come o couro" Pé ante pé no telhado, qual dois gatos, eles chegam no muro do vizinho. No quintal, um espacinho retangular de terra batida, há uma casinha. Eles sabem que o ruído vem de lá. — Vai vir alguém, Junin. Bora voltar. — Deixa disso, piolho. A gente já tá aqui.

105


Júnior pula o muro. A casa parece fechada. Na casinha, duas galinhas parecem desmioladas. — Tem galinha aqui, piolho! Tu já viu uma viva? — Num grita não, tu perdeu o juízo? — Piolho não parece com vontade de descer, mas se abaixa o máximo que pode. — E elas estão aí quietinhas? — Não diria quietinhas. Vou soltar. E sem esperar resposta, Júnior abre o galinheiro. Dá uns passos para trás. — Se amanhã ninguém tiver posto elas pra dentro, a gente pode comer! O menino que tinha se virado pra olhar o amigo leva um susto com a aproximação das galinhas. O grito que Júnior dá desequilibra Piolho que pisa fundo na telha e fica com o pé preso. O outro menino também grita. A mãe grita "ladrão"! A vizinhança em polvorosa. Burburinho solto. Viatura da polícia. Júnior e Piolho acuados. — Só queria ver o que era. — Policial, são duas crianças. — É, e ninguém vê o dono da casa há meses… — Mesmo esses animais burros não merecem ficar esquecidos, sem comida. Veja só que desperdício de frango seria… A vizinhança tentava interceder, a mãe chorando no canto às vezes dava umas chineladas no filho: — Tu tinha que tá fazendo a tua tarefa de casa! — Cada palavra um tapa com a sandália.

**

106


Marianna Ferrodri Carioca e nascida em maio de 2001. É autora de As formas de gelo estão vazias (2020) e Quem odeia despedidas (2021).

** Quando calar o ímpeto não é covardia mas um escopo Gosto das coisas não-ditas. Não por limitações linguísticas por pudor ou falta de ocasião; mas por terem sido escolhidas pra ficar apenas na ponta da língua. Gosto também dos não-toques, aqueles que quase cederam ao encontro. Não estou falando em escalas atômicas da repulsão de elétrons ou da súbita mudança de ideia ao quase chegar a um objetivo; mas de como se nutrem as possibilidades. Gosto de como se movem os braços rumo aos objetos, e não de especialmente tocá-los. Isso não significa que eu prefira estar muda e estática que amar seja ou deva ser uma linguagem pronta. É uma questão de deslocar minha atenção pra outros detalhes pro vão que fica entre uma palavra e outra entre um beijo e outro ali há um oceano a se explorar. As palavras perdem o sentido facilmente: basta repeti-las demais, uma confusão idiomática ou a falta do pleno conhecimento da língua. No toque, há variáveis como a temperatura e a duração. Não há nada de errado em estar errado mas preferimos estar certos. Antes de cada gesto ser sólido, há algo muito bonito nele que é a tentativa de ser perfeito e algo melhor ainda que é ele não ser perfeito. O não-ato se estende como matéria-prima de enredo por semanas e a mais harmônica de todas as possibilidades é descoberta todas as noites

107


ao percorrer um novo roteiro com um novo detalhe com uma nova brecha. Isso não é covardia, é um escopo.

**

108


Lua Pinkhasovna [Maria Gabriela Cardoso] 24 anos, gaúcha atualmente morando em Santa Catarina. Apaixonada por todos os tipos de artes, mas principalmente as que envolvem letras. Escreve contos, poesias, crônicas e novelas com o pseudônimo Lua Pinkhasovna para revistas, podcasts e antologias, assim como também para seus canais próprios intitulados Excertos Diários. Acredita fortemente que a arte pode mudar a vida das pessoas.

** Café de amanhã Pão na chapa enche de açúcares os vasos sanguíneos do burguês ao acordar de açúcares padece o corpo cansado sem pão na chapa na mesa ao levantar Frutas fornecem nutrientes essenciais, lipídeos e vitaminas que enchem o cérebro de energia; uma uva, uma manga, uma banana trocam de preços todos os dias no mercado: a saciedade está tão cara comprar! Mas o pão, o pão têm simbolismo divino na alimentação foram multiplicados, são o corpo de Cristo cada pedaço fora dividido após terem sido ungidos em suas santas bênçãos Hoje, à mercê do Estado que não é divino, nem pai, nem democrático, o pão, de tão caro contrasta desigualmente com miseráveis salários condenando à inanição! O pão divide o burguês do proletário; enquanto a mão de um estica-se para no miolo algo ali passar outras, juntas, rezam à noite para quando, no café da manhã do amanhã, o estômago logo acordar.

109


Michella Pedro 41 anos, Bacharel em educação física, funcionária pública aposentada, apaixonada pelo universo da escrita, encontrou sua razão e alegria na elaboração de textos e poesias, tendo como foco os sentimentos, os confitos intrapessoais e o contexto social atual.

** A solidão Caminhava pelas ruas em silêncio, frase nenhuma saía de sua boca; balbuciava palavras incompreensíveis, murmurando e chorando como louca. Ao som de uma melodia rodopiou, e girando caiu de joelhos no chão. O grito de dor que emitiu foi tão alto que podia emudecer uma multidão. Saiu pelas ruas sangrando, e só... Com olhos tristes cheios de pavor; fria e escura vivia a solidão, chorando e cantando sua própria dor.

**

110


Jamila Mafra Nascida na cidade de Guarujá, é advogada, Especialista em Ensino de Astronomia e Docência no Ensino Superior, Professora de Geografia, editora e escritora. A autora escreve romances, contos, ficção científica e poesias. Além de publicar suas obras através da Mafra Editorial, também participa ativamente de antologias diversas lançadas por outras editoras.

** O Anjo das asas de pedra Sim, Foi este o anjo que derramou Suas lágrimas sobre os meus versos! Este anjo com asas de pedra E corpo de carne, Olhos negros como a noite Vem trazendo as mensagens Sobre os mistérios e viagens Que faço em meus pensamentos. Seus voos altos atravessam o mundo E deste modo revelam Os segredos mais profundos. E certamente nas alturas Sua glória se mistura Com o brilho da lua E às bênçãos do Altíssimo! Sim, Foi este o anjo que derramou Suas lágrimas sobre os meus versos! Certo dia vi um anjo com asas de pedra. Seu brilho era muito maior que a glória das estrelas. Seu olhar reluzia as bênçãos do Altíssimo. Suas mensagens eram de paz e prosperidade. Suas lágrimas caíram sobre os meus versos. Este anjo com asas de pedra E corpo de carne, Olhos negros como a noite Vem trazendo as mensagens

111


Sobre os mistérios e viagens Que faço em meus pensamentos. Seus voos altos atravessam o mundo E deste modo revelam Os segredos mais profundos. E certamente nas alturas Sua glória se mistura Com o brilho da lua E às bênçãos do Altíssimo! Sim, Foi este o anjo que derramou Suas lágrimas sobre os meus versos!

**

112


Ana Dacioli Estudante de jornalismo, estagiária em comunicação e aspirante a escritora. Nascida em São Paulo, vive com os pais e as irmãs mais novas. Desde a infância adorava ler, inventar histórias e escrever. Por estar sempre disposta a aprender coisas novas, tem interesses em diferentes áreas, como tecnologia, idiomas, culturas e muito mais.

** Coelho Vermelho Qualquer um que olhasse ao redor encontraria cartazes de garotas desaparecidas, todas com o mesmo porte físico, cor de cabelo e olhos, todas inocentes que sumiram do dia para a noite. No começo, eles achavam que elas tinham ido embora daquela cidade tediosa e enxerida, mas após o desaparecimento de Sarah, a santa filha do prefeito, adorada por todos, uma mudança ocorreu. Após um mês, acharam que ela estava escondida em algum galpão escuro e sujo. Após três meses, acharam que ela havia sido drogada e enviada para outro país. Após seis meses do desaparecimento, o corpo de Sarah foi encontrado, na beira do rio que atravessava a floresta, crianças que brincavam acharam-na e correram para contar a todos na cidade. O prefeito e sua esposa tiveram de olhar para aquele corpo apodrecido e frio, reconheceram a bela jovem, que um dia fora sua adorada filha e aquilo destruiu toda a família. O vestido, que uma vez branco, agora possuía a coloração de terra e sangue. O parque com playgrounds e bancos era, completamente, cercado por altos pinheiros, além de ser o local onde todos se encontravam, crianças brincavam durante o dia, após o sol se pôr, adolescentes, usavam para bebedeiras e pegação. Era quinta-feira, já passava das 17h, Samantha saboreava seu picolé, sentada em um dos balanços do parque, não haviam muitas pessoas no local, principalmente, garotas, pois ainda havia um assassino à solta. Samantha era parecida com Sarah e as outras garotas desaparecidas, longos cachos loiros que se estendiam até a lombar, exceto pela heterocromia de seus olhos, um azul e com uma enorme mancha preta. Garotas como Sarah e Samantha eram o tipo favorito de Nicholas, pois elas eram parecidas com sua mãe, que o deixou quando pequeno, ou pelo menos, é disso que ele se lembra, ela correndo para longe dele floresta adentro e nunca mais voltando. O charme de jovem cavalheiro que Nicholas possuía convenceria qualquer um a fazer qualquer coisa, o sorriso de comercial de pasta dente e seu cabelo no estilo James Dean, atingiram até mesmo, a inocente Sarah, que entrará em seu caminho por acidente ou desgraça do destino. Quanto mais escuro ficava, menos pessoas permaneciam no parque, restando um casal se agarrando em dos escorregadores, Samantha ainda no balanço e Nicholas em um dos bancos a observando de longe. O parque não foi o lugar onde Nicholas viu Samantha pela primeira vez, em uma de suas passagens pela cidade, na busca por

113


bonecas - como ele chama as garotas -, ele a viu nas ruas da cidade, ela era tão hipnotizante que quase o fez bater seu amado carro, se não fosse por seu melhor amigo e copiloto, Miguel, que o tirou do transe. Nicholas também a viu saindo do funeral de Sarah. Ele caminhou até um dos balanços, sem tirar os olhos da garota, que quando se sentiu observada, o encarou de volta, com seu olhar penetrante. - Esse balanço está ocupado? - quem o visse de longe, o julgaria um bom e educado homem, algo que ele definitivamente não era. - Está, por você. - Samantha observou o garoto abrir os botões de seu paletó. - O que uma garota como você faz nesse lugar, a essa hora? - O que um garoto como você faz em um lugar desses, com esse belo terno? - Não acreditaria se eu te contasse. - Ele havia sido hipnotizado por ela, seus belos olhos e o tom de ironia em sua voz. - Tente. - Um funeral, mas não era alguém tão próximo. - Ele procurou alguma reação no rosto que encarava até a sua alma, mas não obteve nenhuma. - Como eu nunca te vi antes? - ele voltou seus olhos para o casal no escorregador - Eu estou apenas de passagem. Me perdoe, mas, por Deus, você é muito linda! diferente das garotas que ele estava acostumado, ela não pareceu ter vergonha. - Eu ouço isso bastante. - Ela estava testando-o. - Aposto que sim. - Samantha não conseguiu a reação de espanto que queria. - É uma bela vista, mas eu já vi melhores. - Ele apontou para o céu - E onde fica essa bela vista? - Eu sou o Nicholas e posso te mostrar, se quiser. - Ele já exibia seu charme, que funcionava como feromônios. - O que vai fazer no sábado? - Samantha. Parece que vou sair com um maluco que conheci em um parque, mas não é como se fosse me caçar e me matar, não é? - Um sorriso perverso surgiu nos lábios dela, atraindo a atenção de Nicholas. - Ótimo, te encontro aqui, sábado, às 21h. - O trabalho estava feito, ele se levantou, ajeitou os botões do paletó, se virou para ela, acariciando sua bochecha e colocando o polegar sobre seus lábios. - Por favor, se puder, use roupas escuras e um batom vermelho. - Eu não sou sua boneca, mas vou pensar no seu caso. - Ela retirou a mão de Nicholas de seu rosto e finalmente foi para casa.

114


Nicholas não parou de pensar em Samantha nem por um segundo, em seus maiores devaneios ele a via com seus lábios carnudos com cor vermelho sangue, podia sentir seus lábios nos dela, sentia a pele dela na ponta dos dedos e sentia suas mãos no pescoço dela. Os grandes olhos manchados de Samantha penetravam os dele, pois queria sentir a vida deixando seu corpo, e isso o deixava ansioso e excitado. No caminho para a casa de Miguel, suas mãos sobre o volante suavam, seu estômago estava revirado, Nicholas estava ofegante, mesmo tendo feito aquilo tantas vezes, ele ainda não conseguia controlar seus sentimentos e pensar nela, só piorava tudo. Samantha não conseguia acreditar que estava se arrumando para se encontrar com o garoto do parque, desrespeitado tudo que havia sido imposto, o toque de recolher, as rondas policiais, nunca sair com um estranho, que poderia ser o próprio maníaco do parque, mas quem a impediria, seus pais estavam em um luto tão profundo que pareciam ter sido enterrados com a filha, Sarah. Mesmo sabendo o que Nicholas fez com sua irmã, ela ainda iria seguir com o plano e sem importar se teria o mesmo destino. O vestido da irmã mais velha, nunca usado, serviu-lhe perfeitamente, tão vermelho quanto o sangue que corre em suas veias, assim como seus lábios. Ela roubará o cantil de prata que dera ao pai, o encheu com a bebida mais forte que tinha em casa e bebeu parte dela no caminho. O parque se encontrava deserto, Samantha sentou-se no mesmo balanço e aguardou Nicholas. Ela ouviu passos, viu uma sombra masculina alta, que logo se dividiu em duas, mesmo assim, Samantha não parecia sentir medo algum, supôs que a bebida estava fazendo efeito, mas era Nicholas se aproximando com Miguel. Eles não ficaram no parque, queriam mostrar a ela um belo esconderijo que ficava no meio da floresta, próxima ao rio. Chegando a um local escuro, Miguel acendeu uma fogueira, Nicholas e Samantha se sentaram em um sofá surrado, que havia no local, o outro rapaz sentou em um tronco de frente para os dois. - Então é isso? - Samantha olhou ao redor, mostrando-se decepcionada. - Você me trouxe para a floresta sem graça, e ainda trouxe uma vela. Sem ofensa. Se referindo a Miguel com a cabeça - A festa só está começando, ainda é cedo para te mostrar a bela vista. - Nicholas e Miguel trocaram olhares com sorrisos maliciosos. - Vamos brincar um pouquinho. Jogar conversa fora. Ou jogar algum jogo, que tal? - Miguel falou pela primeira vez desde que se apresentou a Samantha. - Claro. Mas antes, vamos beber. - Ela retirou o Cantil de sua bolsa, Nicholas bruscamente pegou, bebendo grande quantidade do líquido e passando para Miguel. - Vamos jogar verdade ou desafio, verdade, você conta um segredo, mas a regra é que você só pode pedir 3 verdades. - Tudo bem, você primeiro. Verdade ou desafio? - Samantha guardou o Cantil e encostou no braço do sofá, virando-se para Nicholas.

115


- Verdade. - Qual a pior coisa que você já fez na vida? - O sorriso que Nicholas tinha no rosto, desapareceu, tomado por um semblante sombrio e com os olhos fixos no fogo, ele contou, sobre a primeira vez que foi caçar com o pai. Durante uma madrugada de inverno, quando tinha 10 anos, com uma arma e ambos foram à procura de coelhos pela floresta. Mas na verdade, foram caçar sua mãe, que conseguiu fugir do marido, ele se lembrava dos cachos loiros e da camisola branca de sede estarem esvoaçados. Obedecendo ordens, o menino, até então inocente, teve de olhar nos profundos olhos azuis da mãe e atirar em sua cabeça. - Sua vez. - Após contar a sua “verdade”, ele perguntou a Samantha. - Verdade. - A mesma pergunta. - Ele fingiu limpar uma lágrima e trocou novamente olhares com Miguel. - Eu tive a chance de salvar a vida de alguém, mas não salvei. - Ela pensou em como poderia ter tomado o lugar de Sarah, se tivesse ido ao mercado como prometeu que faria. - Quando isso vai ficar interessante, já estamos aqui há horas e não vi nada interessante. - Ela foi completamente ignorada, enquanto Miguel desafiava Nicholas a beijá-la. - Você ainda…- Ele se aproximou dela e selou seus lábios - Você ainda tinha uma verdade. - Pode perguntar, eu deixo. - Ele deu uma piscadela, enquanto acariciava o queixo dela. - Como conheceram Sarah Damas? - Não a conhecemos. - Miguel recebeu um olhar de reprovação. - Você a conhecia? - Sua vez. - Acho que não, já que não me respondeu. Quer saber, eu cansei desse jogo, eu vou para casa. - Samantha se levantou, para ir embora, porém não teve sucesso, já que foi puxada para o sofá. Ela ameaçou levantar novamente e gritar, sem sucesso. - Fiquei calma, nada vai acontecer. - Miguel começou a rir. - Você que aceitou vir para uma floresta escura, com um total estranho, mas não vamos abusar de você. - Que tal um joguinho? - Miguel se levantou e começou correr floresta adentro, gargalhando horripilantemente. - Você vai ter 5 minutos, corra o mais rápido que puder, depois, Miguel e eu, vamos te caçar. Então, acho melhor você correr, coelhinha. - Ele sussurrou no ouvido dela, que correu na mesma direção que Miguel.

116


Após 15 minutos, Nicholas encontrou o amigo em uma poça de seu próprio sangue, ele percebeu o que estava acontecendo, sua faca que estava em seu paletó sumiu e foi cravada no peito de Miguel. Ele correu pela floresta, gritando por Samantha, que estava parada, com os pés mergulhados na água fria do rio. - Eu acho que estou apaixonado. - Samantha parecia hipnotizada pelo reflexo da lua na água, mas se virou para olhá-lo nos olhos, como fazem os domadores de cobras. Nicholas estava ofegante, focar nos olhos manchados dela só piorou a sua taquicardia. Vamos jogar um último jogo, pergunta e resposta. - Ele queria entender toda a situação antes de tomar alguma decisão, sobre como matá-la. - Como fez aquilo com o Miguel? Sem ofensa, mas ele era bem grande e forte. - O relógio deu 12 badaladas e a cinderela teve que dar boa noite. - Ele finalmente percebeu que havia encontrado uma raposa, estava estampado no rosto de Samantha o deboche vingativo que ela vinha carregando. Ela citou o nome de cada uma das garotas desaparecidas e perguntou o que aconteceu. - Eu estava caçando, como estamos fazendo, foi bem fácil convencê-las, tão burras quanto você. - O boa noite cinderela começou a fazer efeito de um jeito diferente, a visão de Nicholas estava turva, ele viu um vulto com vestido branco e cabelos loiros esvoaçantes. Sua mãe o chamava, o rapaz, já de joelhos, começou a chorar e pedir desculpas. - Mande lembranças à minha irmã. Mas acho que você não vai encontrá-la, Sarah era uma boa pessoa. - Antes que ele pudesse fazer algo, Samantha cortou sua garganta e observou até o sangue parar de jorrar. Ela ficou sentada ao lado dele durante horas, chorando, já que mesmo tendo feito tudo aquilo, o sentimento de satisfação não veio até ela, sua irmã não havia voltado dos mortos, ela está de luto e vazia. Alguém fez uma ligação anônima para a polícia local, que achou o corpo dos garotos na floresta, junto da faca, que após análises foi encontrado sangue da Sarah e das outras garotas. Os corpos foram encontrados em uma cova rasa no meio da floresta, as garotas, suas famílias e a cidade tiveram um ponto final. E não houveram mais cartazes de desaparecidos com belas garotas.

**

117


Thaís Abreu de Araújo Escritora com diversas publicações e participações em antologias, poeta integrante da comunidade Fazia Poesia e vencedora do Concurso Nacional Letrania Literária em 2020. Formada em Letras pela UNIRIO, compartilha poesia no Canal do Youtube "Verso que se escreve".

** “Eu não sei se Fernando Pesosa realmente existiu” – EMMANUEL HOCQUARD

O que disse Emmanuel Hocquard, em 1986, poderia ser uma fala do próprio Fernando Pessoa. É uma questão que gira em torno do fenômeno da heteronímia pessoana, a existência – ou, a inexistência – do poeta diante do desconcerto que representa o mundo moderno. Seria como a imagem que João Cabral (1941) nos traz ao se referir à “voz do homem falando no escuro”? Em carta ao crítico literário Adolfo Casais Monteiro, em 1935, Pessoa conta, entre outros pedidos do amigo, sobre a origem de seus heterônimos: “Desde criança tive a tendência para criar em meu torno um mundo fictício, de me cercar de amigos e conhecidos que nunca existiram (Não sei, bem entendido, se realmente não existiram, ou se sou eu que não existo. Nestas coisas, como em todas, não devemos ser dogmáticos.)”. Ele chega a comparar essa origem com um “traço de histeria”, estaríamos “em meio a um manicômio”. Mas essa estranheza provocada a partir dos escritos de Fernando Pessoa pode ser vista como parte da luta que é a “busca de quem somos na distância / de nós”1. Por isso a imagem do poeta dormindo, de Cabral. Uma “aventura” que se “evoca”.

Criei em mim várias personalidades. Crio personalidades constantemente. Cada sonho meu é imediatamente, logo ao aparecer sonhado, encarnado numa outra pessoa, que passa a sonhá-lo, e eu não. Para criar, destruí-me; tanto me exteriorizei dentro de mim, que dentro de mim não existo senão posteriormente. Sou a cena viva onde passam vários atores representando várias peças. (SOARES, Bernardo; O livro do desassossego)

Assim, “teremos um poeta que seja vários poetas”. Cada heterônimo – além dos semi-heterônimos – ganharia biografia, características físicas e ideologias próprias. Logo, nessa ideia de pluralidade de consciências, “uma escala de despersonalização, ou seja, de imaginação” (PESSOA, 1914), Fernando Pessoa se reconhece como “um poeta dramático escrevendo poesia lírica”, o que seria o grau mais elevado da escala poética. Uma linguagem que usa “o sono como fonte”, se voltarmos às considerações de Cabral.

118


Essa multiplicidade, porém, contribuiu para o apagamento do “eu”, apesar do Pessoa ele-mesmo alertar não poder ser confundido com suas criaturas: “ser outro sem deixar de ser eu”. Isso pode se mostrar como um grande exercício – de despersonalização: “sentir tudo de todas as maneiras”2 – ou jogo – vide interlúdio3 – quando de frente com a arte frágil em meio aos seus contemporâneos. Não à toa o prefácio dedicado a Antônio Conselheiro retirado de seu primeiro – e único – livro publicado em vida, Mensagens (1934). A ausência da presença poética de Fernando Pessoa, portanto, conversa diretamente com a experiência no espaço português, onde ele se diz “estrangeiro”, apesar da língua portuguesa ser a sua “pátria”. Um pouco do que diz Drummond (1951) no sonetilho do falso Fernando Pessoa: “Onde nasci, morri / Onde morri, existo”. É também como a imagem que Baudelaire (1821–1867) produz em Multidões: “quem não sabe povoar sua solidão, também não sabe estar só no meio de uma multidão”. Então Pessoa é este corpo inquieto, em constante “mutação”, se deixando ser visto pelos outros através dos espaços em branco. “Quantos sou? Quem é eu? O que é este intervalo que há entre mim e mim?” (SOARES; 1982) Esse “mistério” do poeta também lembra João Cabral por dizer que estamos ausentes quando sonhamos e que “essa ausência nos emudece”. Fernando Pessoa tem um compromisso sem rumo, com deslocamentos descentralizados, pois, como ele empresta a Alexander Search: “Eu não sei o que o amanhã trará”. Isso não deixa de ser uma preocupação do poeta com o tempo presente, com o agora, com o momento. E essa comparação de que o nada é tudo, e esse silêncio é viver seu tempo, faz a obra pessoana ser livre e não planejada para o acabamento. Um equilíbrio contra o tempo. O poeta diz que tudo é incoerência e que todas as coisas oscilam de modo que ele é incerto até mesmo para si próprio. Tal sombra sobre a obra de Fernando Pessoa reforça a ideia de sono, onde acordar de um sonho provoca uma “nostalgia de mar alto” (CABRAL; 1941). Fica um clima “pesado”, de “tempestade”; “a vida vivida em vão”4 quando sonhada. E não podemos perder de vista a importância da figura do mar, afinal, “o mar sem fim é português”5. Tais pensamentos de inquietude, de “febre” ao se navegar, encontramos também nos heterônimos perfeitos e semi-heterônimos. “Multipliquei-me, para me sentir / Para me sentir, precisei sentir tudo” (Álvaro de Campos). “O universo está dentro de nós” (Barão de Teive), portanto, o verso é “meu e alheio” (Ricardo Reis). Sentir com a imaginação, para Pessoa, é um meio de compreender o outro, logo, ser esse outro – ou ninguém. Viver o não-vivido seria, para Fernando Pessoa, uma “grande utilidade metafísica”. Como um poeta dramático (Pessoa ele-mesmo), a experiência de estar “voando outro” fez surgir, dentre muitos, uma figura que teria “um purismo exagerado”. Ricardo Reis, o que se auto-exila no Brasil em 1919 por não concordar com a República portuguesa, também é conhecido por ser um estudioso da cultura clássica, considerando

119


os deuses pagãos “formas divinas da Natureza”. Mas outra coisa que chama muito à atenção nas odes de Ricardo Reis é seu pensamento epicurista, que Frederico Reis, mais uma figura heteronímica – é interessante notar que os heterônimos de Fernando Pessoa conversam entre si, indicam como proceder a leitura uns dos outros –, chama de “epicurismo triste”. Epicuro pregava a procura por satisfazer os desejos naturais e necessários com o hábito por coisas simples, combatendo a perturbação do espírito e assim gerando a felicidade. “Para ser grande, sê inteiro: nada / Teu exagera ou exclui. / Sê todo em cada coisa. [...]” (Ricardo Reis). Frederico afirma, ainda, que a obra de Ricardo Reis “é um esforço lúcido e disciplinado para obter uma calma qualquer”. Esse diálogo de Ricardo Reis com questões defendidas por Epicuro, através de uma “disciplina mental” do heterônimo, como Pessoa define, pode ser observado em alguns versos do poeta tanto quanto a presença do carpe diem6, influenciado por Horácio. “No mesmo hausto / Em que vivemos, morreremos. Colhe / O dia, porque és ele.” (REIS, Ricardo; 1887) A valorização do presente, contra aqueles que se prendem ao passado, é bem marcada; assim como a inevitável chegada da morte, revelando nossa pequenez. E quando Pessoa diz: “Não pondero, sonho; não estou inspirado, deliro”, estamos mais uma vez próximos da ideia de que “o poeta é um fingidor”7, assim como o eu-profundo é um “novelo embrulhado para o lado de dentro”, e que “o sonho predispõe a poesia” (CABRAL; 1941). É possível relacionar, portanto, a ideia de sonho no projeto infinito de Fernando Pessoa. Um projeto inacabável, livre, que traz a aniquilação do ser – “toda a minha vida tem sido passividade e sonho” – ao mesmo tempo em que mostra o ser “plural como o universo”. Como o próprio Pessoa diz: “Os meus escritos, todos eles ficaram por acabar, sempre se interpunham novos pensamentos, extraordinários, inexpulsáveis associações de ideias cujo termo era o infinito” (PESSOA; 1910?). E mais uma vez trazendo Cabral: “o sono sendo um movimento para o eterno”. Onde toda a simplicidade sofisticada de Fernando Pessoa, ao mesmo passo em que se vive de modo intenso, aproxima criador de criaturas. A sensação de desconcerto8 citada por Camões (1524-1580), assim como a fragilidade da ficção heteronímica de Fernando Pessoa, encontram-se no meio do caminho, movendo essa máquina chamada mundo. Instável, inadequada, indefinível e, como um gesto: dando o que não se tem.

Notas 1-Fernando Pessoa; O encoberto. 2-Álvaro de Campos 3-Interlúdio: inter – entre / lúdio – lúdere, brincar; jogar consigo mesmo.

120


4-Fernando Pessoa; O Andaime 5-Fernando Pessoa; Mar Português 6-Carpe Diem: ‘colhe o dia’ 7-Fernando Pessoa; Autopsicografia 8-Ao desconcerto do mundo, Luís de Camões

Bibliografia NICOLA, José de; ULISSES, Infante; Como ler Fernando Pessoa; Editora Scipione; 1988 NETO, João Cabral de Melo; Considerações sobre o poeta dormindo; Tese apresentada ao Congresso de Poesia do Recife; 1941 CARVALHO, Danielle Crepaldi de; FREITAS, Marlene Catarina de; Fernando Pessoa metalinguístico: ser “outro” sem deixar de ser “eu”; Disponível em: http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/f00006.htm; Acesso em: 30 de nov. 2018 PESSOA, Fernando; Tábua Bibliográfica; Disponível em: www.multipessoa.net; Acesso em 30 de nov. 2018 PESSOA, Fernando; Cumpre-me agora dizer que espécie de homem sou; Disponível em: www.multipessoa.net; Acesso em: 30 de nov. 2018 PESSOA, Fernando; Nota preliminar; In: Ficções do interlúdio; 1914 EPICURO; Carta sobre a felicidade; Edição no Brasil, UNESP; 1997

**

121


Taísa Serpa Carioca da zona norte do Rio, 41 anos, residente em Minas Gerais desde 2005. É psicóloga e psicanalista. Mestre em Psicologia e servidora pública do município mineiro de Juiz de Fora. Trabalhadora do Sistema Único de Saúde.

** Tem algo que o tempo nos concede Estava outro dia conversando com um amigo e pensamos o seguinte: quando temos o corpo são, que nos permite fazer o que quisermos, quando e como quisermos, temos a mente limitada, que nos leva a péssimas decisões e péssimas relações ou modos de se relacionar. Quando, enfim, conseguimos botar a cabeça no lugar, não temos mais o mesmo corpo para viver certas coisas em sua plenitude. Meu joelho travou outro dia. Não me preocupei, fui dormir. Porém, no dia seguinte não conseguia colocar o pé no chão. Meu corpo não se cura mais “automaticamente” com uma noite de sono, como antigamente. É muito difícil lidar com a ideia de envelhecer. Mesmo quando somos minimamente realizados, como me sinto. Aliás, até por isso mesmo, talvez... É impressionante como o tempo ameniza as coisas. Não sei, na verdade, se ameniza ou nos anestesia. Acho que uma coisa que o tempo faz é nos causar calos emocionais. À medida que vamos vivendo, as experiências vão se repetindo e nos adaptamos e passamos quase que a antever, como o cão de Pavlov. Mas, por sorte ou azar, não somos cães. Nosso repertório é bem mais amplo, então não respondemos sempre a mesma coisa. Nosso repertório de resposta vai se ampliando à medida que vamos amadurecendo. Na minha experiência, a análise caminhou junto com o processo de amadurecimento. A primeira vez que visitei uma analista eu tinha 26 anos. Havia acabado de perder meu pai. Era uma história inteira que não consegui resolver com ele vivo e que precisava tentar reescrever. Troquei de analista duas vezes, tentei desistir da análise algumas vezes, mas sempre retornei. Isso foi fundamental na minha vida. É como se eu me sentisse "avisada" com relação a certas coisas da vida... acho que não saberia muito bem explicar isso. Tanta coisa aconteceu nesses meus quarenta anos de existência. Tantas coisas ruins aconteceram até meus dezessete anos que não me restava esperança. Não tinha perspectiva. Cada dia conseguia ser pior que o anterior. A gente passava necessidade de tudo. Depois, a situação econômica do país melhorou e minha vida ficou menos pior. A violência que eu sofria em casa diminuiu também quando meu padrasto parou de beber. Foi aí que eu pude, finalmente, começar a sonhar... Perdi muita gente que amava. Com vinte e poucos anos eu já tinha só uma avó e não tinha mais meu pai. Com trinta e poucos perdi meu padrasto e minha última avó. Há três anos perdi minha única irmã. Minha vida mudou completamente depois disso. Minha irmã tinha 39 anos e morreu com um problema de saúde simples de resolver.

122


Ninguém esperava. Ninguém nunca espera que alguém tão jovem morra de repente. Mas, nós não sabemos absolutamente nada da vida. Hoje eu sonhei com ela. Sonho muito com ela. Essa noite, sonhei que ela estava me consolando pela morte dela. Eu a abraçava chorando muito, e ela me acalentava, e no sonho eu sabia que estava chorando a falta dela. Depois que minha irmã morreu, a minha perspectiva de vida mudou. Eu sinto um "antes" e "depois" na minha maneira de ver o mundo. Fico oscilando entre o pensamento de "todos tem sua hora determinada" e "é tudo acaso". Embora essas duas formas de pensar sejam faces da mesma moeda. Vivi muita coisa boa também... consegui me formar e logo consegui o trabalho que sonhava. Sempre trabalhei com o que gosto. E sei que isso é um enorme privilégio, portanto, sou muito grata. Me apaixonei perdidamente e tive o coração partido em mil pedaços. Tive a oportunidade de exercer a docência, algo que eu sempre tive desejo de fazer e nunca pensei que conseguiria realizar. Hoje tenho um trabalho estável e uma casa. Mais que uma casa, eu encontrei o amor da minha vida e juntas construímos um lar. Tem algo que o tempo nos concede. Se aos quarenta, nosso corpo despenca do auge dos vinte anos; nossa cabeça chega ao auge aos quarenta. Hoje sofro muito menos, por exemplo, com questões relativas à autoestima ou autoconfiança. Mas, não é porque eu pense ser algo que não sou, é simplesmente porque não me importa como importava antes. Não deixo de fazer (quase) nada porque alguém que nem conheço pode me olhar na rua e pensar sei-lá-o-que. Já me importo muito pouco com o que os outros vão pensar sobre alguma opinião que eu vier a emitir. Isso é libertador! Então, é uma fase boa da vida. Até porque, posso não estar mais no auge físico, mas me sinto muito bem para fazer muita coisa que fazia também aos vinte. Com a vantagem de ter, hoje, uma outra maneira de ver o mundo. Uma forma muito mais madura de me relacionar, de pensar a vida. O que assusta é saber que mais da metade da minha vida já se foi. Não tenho esperança de chegar aos oitenta anos. Então, é desesperador pensar que já vivi mais da metade da vida. Pensar que em dez anos eu vou ter cinquenta. Em vinte anos eu vou ter quase a idade da minha mãe. Quer ver outra coisa? Pensar que vou morrer sem conhecer quase nada desse mundo. Apesar de ser jovem, já não tenho mais a possibilidade de formular planos no longo prazo. Foi-se meu longo prazo. Então, como tomar as melhores decisões agora, já que quase não tenho tempo para errar? Outra coisa que angustia muito é que, várias vezes, me sinto personagem da canção "Ouro de tolo" do Raul Seixas. Tem certas coisas que desejei muito e consegui... "agora eu me pergunto - E daí?" Agora faço o que? Tenho me sentido um pássaro planando, bati, bati minhas asas, peguei impulso e agora estou ali dando uma curtida na brisa... não sei mais o que desejar. Mas, “tenho uma porção de coisas grandes para conquistar e não posso ficar aqui parado”. Talvez esse seja o momento de entrada nessa fase, que é chamada de meia-idade. Um momento de certa

123


adaptação a uma nova realidade, para novamente pegar o impulso e voltar a criar, desejar, e seguir nessa louca jornada que é ser humano.

**

124


Bárbara Carolina Gonçalves de Oliveira Estudante de Medicina Veterinária na Universidade Federal de Minas Gerais, cujas principais paixões além dos animais, são a leitura e a escrita. Nascida em mil novecentos e noventa e sete, na pequena cidade interiorana de nome peculiar: Caetanópolis. Mora atualmente na capital mineira, onde dedica seu tempo aos estudos, às escritas, e aos animais.

** Cidade Tecida A orgulhosa Caetanópolis, Berço da Industria têxtil do Brasil, Fábrica de tecidos Cedro Cachoeira, Fundada em mil oitocentos e setenta e dois, Para quem há muito tempo já não tece os próprios sonhos. A orgulhosa Caetanópolis, uma dose de orgulho em cada casa, Nos comércios, mais de uma dose Cidade da igreja da matriz que minha avó diz ser a casa de Deus E em sua infinita misericórdia, Quando passo por lá à tarde a matriz está de portas abertas, Cheia de bancos vazios. Senhor, por acaso não recebeis visitas? Ou és o Senhor tão infinitamente grande, expansivo e metafísico, Que ocupa todos os assentos da sua própria casa? O sol se põe atrás da igreja, atrás das mangueiras, E parece que ele nunca mais voltará E nessas horas, há quem deseja beber, há quem deseja se matar Há quem se devora, e que enlouquece em um desespero velado, (Há quem se mata) Há quem cozinha feijão, E quem compadece calado, Mas o dia volta, As luzes da fábrica se acendem, E as fiandeiras voltam a tecer normalmente.

**

125


Cesar Augusto de Oliveira Casella Professor na Universidade Estadual de Goiás (UEG/Campus Cora Coralina), cursa doutorado em Estudos da Literatura na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Pesquisa e trata a literatura e a crítica literária a partir de abordagens discursivas, advindas da Análise do Discurso. Publicou artigos e pesquisas acadêmicas em revistas especializadas e em coletâneas em livro. De quando em quando, dedica-se aos meandros de seu próprio discurso poético.

** Versos mínimos ► E o tempo muda de hora, para quem espera é demora, para quem se atrasa, devora, ora é tic, ora é tac, o ontem mais longe, o mais próximo: agora! ► ● Fin de siècle, dejá-vu, O rei está nu. O assado, cru. O norte é o avesso do sul. O eu precede sempre o tu. ● ■ Todos os cavalos e bispos, os peões e torres do rei, nunca reunirão, como novo, o ovo despedaçado. ■

**

126


Nathan Sousa (Teresina, 1973) é tecnólogo em Marketing, ficcionista, poeta, letrista e dramaturgo. É autor de vários livros, dentre eles, Um esboço de nudez (2014), Nenhum aceno será esquecido (2015) e Alguma Certeza (2021).Venceu por 06 vezes os prêmios da União Brasileira de Escritores. Foi vencedor do Prêmio Cidade de Manaus de livro de poesia 2021. Foi finalista do prêmio Jabuti 2015 e do I Prémio Internacionalde Poesia António Salvado.

** Novo instante Deparo-me novamente com um espelho e mais uma vez, no mesmo instante do reflexo, dá-se o espanto. – Como posso ser tantos e tão outros, sendo apenas eu? – pergunto. Mas perguntar a quem, se entre o que vejo e o que penso de mim não há mais ninguém? (Há um ‘eu’ e eu não o reconheço como sendo meu) Mas se ainda penso – e se o que vejo não corresponde ao que conheço – falta-me (talvez) outro modo de invenção. Ou será que eu

127


é que sou – como As meninas, de Velásquez – o reflexo do reflexo da visão?

**

128


Sophia Serranegra Arruda Ribeiro Righi Sempre gostei de escrever. Comecei ainda quando pequenininha a mostrar interesse pela leitura e pela escrita. Com 8 anos de idade escrevi meu primeiro conto maravilhoso e lendo agora, depois de anos, esse mesmo conto, percebi o quanto evolui e isso serve como incentivo para continuar.

** Você primeiro Naquele cruzamento não havia um "pare" ou ao menos um sinal, qualquer tipo de placa que sinalizasse a ordem de passagem dos carros. Estava um trânsito intenso e incomum para aquela cidade. O motivo? Ninguém queria ceder. O primeiro carro fez um sinal para o outro passar. “Pode ir”, escutou-se uma voz vindo de dentro do veículo ao lado. O primeiro carro insistiu. O outro insistiu mais ainda. Uma mulher baixa abriu a porta lentamente e disse: -

Senhor, pode ir você primeiro, estou sem pressa alguma. Vá em paz.

O senhor aproximou-se solícito: -

Não. Por favor, vá você primeiro.

Os dois esperaram até o próximo chegar, com fé o terceiro carro iria passar e em seguida os dois iriam. Um homem forte e alto avistou as duas pessoas fora do carro e foi conferir. A moça logo disse: -

Pode passar! Estamos sem pressa. O homem com um espanto no rosto, aproximou-se mais um pouco e falou:

-

Também estou. Vão vocês dois primeiro, eu insisto. Sou um homem educado.

O tempo passou e foram se acumulando mais carros, perdeu-se a conta de quantos eram. "Mais de 15'', diziam. Mas a verdade era que não se sabia ao certo. O que se sabia é que nenhum dos motoristas queria ceder. Todos insistiam, educadamente. “Pode ir você primeiro”, “Eu só estou dando uma volta, não tenho para onde ir, não me importo de esperar”, murmurou alguém. Já era tarde e foram chegando carros e mais carros, mesmo assim não havia nenhuma pessoa naquele cruzamento que deixava-se ceder e ia embora. “Damas primeiro”, escutou-se vindo de um homem de idade. “Magina, é mais velho, precisa chegar logo em casa. Pode ir primeiro.” Setenta, oitenta, noventa e cem carros. Uma fila sem fim nem finalidade. Carros ocupavam saídas de casas, portões de garagem e comércios. Ninguém conseguia sair e nem entrar na cidade, havia carros por todos os cantos.

129


Eram realmente educados? Não seria má educação não aceitar a proposta oferecida inúmeras vezes? Era determinação? Ou seria teimosia? Nenhum dos motoristas tomava a frente, todos estavam anestesiados pelo simples fato de aparentar serem educados. “Você primeiro, você primeiro, você primeiro, você primeiro, você primeiro, você primeiro…” proferiam em tom solene, juntos, enfileirados como pequenas peças sendo controladas por algo maior. Escutava-se por todo o mundo: você primeiro.

**

130


Roberta D’Angelo Mellis Formada em Comunicação Social, em 2010 abandonou a carreira para acompanhar o marido na vida de expatriados pelo mundo. Desde então morou na Itália, na África do Sul e na Cidade do Mexico, onde se graduou em Criação Literária. Atualmente mora na Holanda, onde retomou sua carreira em marketing. É colunista e revisora da plataforma Brasileiras pelo Mundo, vencedora de vários concursos literários e tem vários contos publicados além do livro Lar Mundo Afora, um guia para quem planeja mudar de país.

** A dor do silêncio Era um dia comum, mas não um dia cinza. Um dia de sol e, mesmo assim, ela se foi. Talvez por dentro ela fosse tempestade, talvez furacão, ou quem sabe, apesar do sol, seu interior fosse gelado e, numa nevasca repentina, em seu inverno pessoal e exclusivo, ela se foi. Sem se despedir, sem nos preparar. Sem aviso, sem nota, sem nenhum anúncio e nenhum grito... Nem de adeus, nem de socorro. Foi em silêncio O silêncio é a herança mais cruel que uma amiga pode deixar. Ela se foi, sem explicar seus motivos, sem expor suas fraquezas, sem revelar seus medos. Na verdade, o medo só existe antes da partida. Depois que a viagem começa o medo pertence só a quem não foi. E nós, as amigas, carregando agora, além deste medo, a culpa e a solidão, nos olhamos assustadas, ao constatar que nossa mão estendida, não lhe pareceu firme o suficiente e nosso abraço apertado não sufocou seus monstros. Agora, temos que ouvir e repetir, e de alguma forma tentar acreditar, que nenhuma mão teria força para impedir sua partida. Nenhum abraço teria bastante calor para aquecê-la. Nenhuma palavra, nenhuma bronca, nenhum carinho, nenhum remédio, nada, nem nenhuma de nós a faria ficar. Ela se foi. Desistiu. Calou sua tormenta interior. Apagou as chamas de seu próprio inferno. Desistiu da dor. Desistiu de nós. Congelou nossa história. Suspendeu o próximo jantar, a próxima taça de vinho, o próximo brinde, as próximas gargalhadas, o aniversário, o Natal. Desmarcou todos os cafés da manhã e almoços e até os encontros inesperados e conversas em pé, no ponto do ônibus escolar, no meio do shopping, na academia. Apagou um futuro que já estava escrito. Anulou as lágrimas e emoções planejadas para os filhos crescendo juntos, as formaturas, os casamentos, o nascimento dos netos... Tudo cancelado. E, além da dor, das interrogações, da revolta, do terror e de tudo o que uma morte planejada nos revela, todas as coisas mundanas também desaparecem. Agora estão suspensas as trocas de receitas, a carona da escola, o telefonema pedindo ajuda, o

131


vestido emprestado, as piadas, os desabafos, os conselhos. Agora se perdem no ar os abraços não dados, os elogios não feitos, os agradecimentos adiados. Mas o pior de tudo é o silêncio. O silêncio dolorido de encontros desperdiçados, da carta não escrita, do grito calado, da lágrima engolida. O silêncio imediato após a notícia. Silêncio da surpresa, do susto, da incredulidade. O silêncio da falta de informação, da ignorância. Só o que ela nos deixa é este silêncio, que alimenta nossos fantasmas e nossa desordem como um veneno que espalha, em nossas cabeças, imagens delirantes de uma partida que jamais entenderemos ou aceitaremos. Cenas que criamos, cheias de angústia, desespero e desesperança. Miragens da morte que ela escolheu. E é dela, só dela. Mas agora ela se foi. Já foi. Nada do que foi feito pode ser mudado. Nada do que não foi feito pode ser perdoado. Acabou. Morreu. Num dia de sol e em silêncio, minha amiga morreu. Um dia de sol. Cada um saiu de manhã, viveu seu dia e voltou para casa. Alguns felizes, alguns cansados, alguns com problemas, mas todos prontos para enfrentar mais uma noite e ver mais um dia nascer. Ela não. Ela, em seu silêncio autocentrado, mudou o rumo da história. Alterou o papel desta noite e a transformou no palco de sua aflição. E, numa fração assustadora de um segundo irreversível, decidiu que era o fim. Ninguém se prepara para isto. Ninguém treina para enfrentar este dia. Nenhum dos dois lados estava pronto. Ela não estava pronta. Nós não estávamos prontas. Mas a vantagem de quem toma a decisão é saber exatamente quando seu fim chegou. É tomar para si o controle total de sua vida. É roubar de Deus o poder exclusivo de controlar todos os planos. Agora, cada uma de nós repensa este dia tentando estar dentro de sua cabeça. Nunca saberemos se a decisão já estava tomada quando o dia amanheceu ou se foi crescendo dentro dela, esta vontade de mudar o destino. E em cada um de seus atos, simples e rotineiros, nos assustamos mais com a exatidão dos detalhes. Escovar os dentes, arrumar a cama, por a louça na máquina, tirar o lixo. Tudo, indicando que o próximo dia chegaria. A casa deveria estar limpa, o almoço pronto, o jantar planejado. Talvez, cada passo tenha sido dado apenas pelo costume e cada ato, mecânico, na verdade não signifique nada. Era só uma forma de passar o dia. Todos os dias são assim. O último não há de ser diferente. Não é preciso alterar a rotina para surpreender todos à sua volta. Beijar as crianças entrando no ônibus e acenar com o mesmo sorriso de sempre. Correr os 5 km diários, passar hidratante depois do banho, fazer as unhas, se privar do açúcar no cafezinho são os retratos de um cotidiano plácido e aprovado, contudo, neste dia, não fazem o menor sentido. Nada disso parece fazer parte da representação de um último ato. Mas foi assim e em silêncio, que ela redigiu seu próprio epílogo. Como uma escritora egoísta, que escreve apenas para si, criou seu último capitulo em segredo e seu

132


monólogo foi tão interior que ninguém, talvez nem mesmo ela, foi capaz de ouvir e tentar responder ou argumentar. E agora, seguimos nós, as amigas, apenas com o silêncio. Com a ausência. Ausência de um bilhete, de um sinal, de um sintoma, de um sentido, de uma explicação. Daqui para frente, somos nós as responsáveis pela composição do resto desta obra. Teremos que preservar sua existência e comprovar seu amor pela vida, pelos filhos e talvez até por nós. Mas o silêncio que ela criou, transforma esta tarefa num legado de punição e fracasso. Nenhuma palavra nossa, pode alterar ou anular sua decisão. Apesar de seu silêncio, seu recado está dado e é claro e explícito. Cada personagem de sua história terá que encontrar um novo caminho, talvez solitário, talvez amparado por outros personagens, mas sempre carregando a cicatriz eterna, a dor sem fim da perda, a questão coletiva sem resposta e a dúvida dilacerante que nos faz navegar entre o mar revolto da culpa e o desencanto amargo do abandono. Mas o pior de tudo ainda é o silêncio. É um silêncio tão grande, que machuca os ouvidos. É um silêncio tão profundo, que não nos deixa dormir. É um silêncio tão óbvio, que nos condena unanimemente. É um silêncio tão claro, que não deixa este dia acabar nunca. É um silêncio tão compreensível, que nos assombrará para sempre.

**

133


R&R [Ronaldo Ferreira dos Santos] ** Apenas mais uma história simples [envio por Adriana Campos1]

Ele escrevia. E como todo mundo, teve a vida transformada, mudada e prejudicada com essa pandemia. Lucas perdeu o pai já bem idoso, duas tias bem idosas e o filho jovem. Bem jovem. Quando todos já estavam dando por acabada a pandemia, eis que outra variante silenciosa e letal levou seu filho de apenas 21 anos e sua mãe, que havia sobrevivido a 16 dias de intubação. Aos poucos se despertava e saia de um pesadelo que no início até sonhou e gostaria que acabasse, porém agora depois de tantas perdas não queria mais, não sabia mais, não sentia mais. Queria conseguir colocar no papel; que por décadas foi seu único e melhor confidente; a coisa que aceitava todas as suas extravagâncias, preferências, opiniões e estado de espírito sem reclamar, sem questionar; porém agora diante da folha em branco sentia-se como de frente a um estranho, em frente a algo que nunca tinha visto ou manipulado antes. Havia perdido a inspiração e o traquejo pra coisa. Inicialmente pensou em dissertar sobre vida conjugal, sobre o amor e relacionamentos, porém sabia que mais cedo ou mais tarde sua narrativa iria cair na pandemia. Muitos e muitos casais literalmente caíram e se dissolveram por causa da pandemia. O seu casamento ainda continuava, agora bem mais triste e melancólico que antes, mas ainda assim existia. Teve ímpeto de escrever sobre esportes, porém se lembrou dos estádios vazios e dos alto falantes simulando a torcida que via pela TV e desanimou. Tudo levava à pandemia. Por fim se rendeu a esse tema que infelizmente marcou e ainda marcará muita gente, tentou fazer as pazes com seu antigo companheiro íntimo e iniciou. Ou ao menos quis ter iniciado. Porém, após meia hora observando os detalhes da folha em branco, desistiu, achando que precisaria de um lápis novo e uma borracha. Jamais havia usado borracha antes, suas idéias fluíam com a maior facilidade e rapidez e apenas riscava ou circulava algumas poucas palavras, mas ao passar a limpo o texto, ditando para o computador, já resolvia todos os erros ou substituições. Contudo, agora queria uma borracha. Até sabia onde encontrar uma em meio às quinquilharias espalhadas pelo quarto vago, onde agora era seu escritório, porém levou quase uma semana pra criar coragem e ousadia para mexer nas coisas que foram de seu finado filho. Sua triste espera é que o surpreendeu um dia, deixando sobre a escrivaninha uma borracha nova e alguns lápis.

134


Novamente diante de seu amigo estranho, perdeu mais meia hora tentando estabelecer um contato, um diálogo, uma aproximação, mas nada. Maldita pandemia. Conseguiu estragar até o seu estrito e quase confidencial relacionamento e interação com folhas de papel. Estava tentando justamente escrever para se sentir vivo e se afastar de tanta desgraça e tristeza, porém não conseguia pensar em absolutamente nada que não remetesse ao vírus que devastou o mundo e ainda assolava o Brasil. Se sentia desconfortável com tudo isso e culpou a cadeira. Mais uma semana se passou sem interação alguma entre homem e papel, e nesse ínterim, criou ânimo e coragem para dar uma volta pela cidade em busca de inspiração. O que viu o deixou em pouco mais animado, lojas cheias, gente bonita, movimento, alegria. Ousou um pouco mais e resolveu comer um lanche na praça de alimentação. O fez com todo cuidado e todo o distanciamento possível, em meio a uma praça cheia de gente, se sentindo um alienígena em meio à sua própria raça. Retornou mais alegre pra casa, conversou com a esposa, teve uma idéia e correu para tentar dar vida a ela no papel, queria escrever sobre recomeço, sobre superação, sobre um novo amanhã. Foi só olhar pra filha e sentar na cadeira, que a idéia evaporou. Maldita pandemia. Maldita cadeira. Mais uma semana de tédio, melancolia e ociosidade. Agora se sentia fraco e debilitado; chegou a data para sua segunda dose da vacina, porém se rebelou e se juntou à multidão dos que abandonaram a crença na imunização completa. Por acaso, passando em frente ao quarto, notou que agora havia uma confortável cadeira giratória em frente à mesa. Ensaiou chegar até ela, e no caminho sentiu calafrios e falta de ar. E não era de emoção pela surpresa. A custo conseguiu chegar na escrivaninha. Olhou o papel, o lápis, a borracha, experimentou a cadeira e pensou que enfim poderia começar a escrever algo sobre a pandemia. Rabiscou algumas palavras introdutórias, e uma crise de tosse o acometeu. Logo em seguida, uma terrível sensação de falta de ar. Olhou ao redor e quis chamar a esposa, porém a voz não saia. Desesperado, permaneceu estático e ofegante na cadeira, à espera da melhora que não veio. Despertou já no hospital com oxigênio no nariz e remédio na veia. Se lembrava dos olhares de despedida do enfermeiro e da médica quando disseram que ele iria para a UTI, e provavelmente seria intubado. Dias depois o escritor falecia e o papel permanecia em branco, alguém teria que continuar a história por ele. -1

Diretora do Centro de Reintegração e Atendimento à Saúde, Penitenciária II Dr José Augusto Cesar Salgado de Tremembé.

** 135


Julia Esteves Barbosa Tavares de Almeida Nascida e criada no subúrbio do Rio de Janeiro. Provavelmente introduzi minha biografia com essa frase pois ela define exatamente quem eu sou e sumariza perfeitamente tudo o que se precisa saber sobre mim. Encontrei na escrita a minha paz, o meu refúgio e a minha fuga. Vira e mexe a rotina me afasta dela, mas eu sempre volto.

** Fachada. Você é a criatura mais intrigante dessa sala, mulher. Vejo como arruma o cabelo, displicentemente, com uma gargalhada escancarada nos lábios grossos e pintados de vermelho. Vejo como segura o copo de uísque (sem gelo), como se ele nem estivesse ali. Aposto que esqueceu que está o segurando, visto que já não o bebe há mais de cinco minutos. Vejo como sua sobrancelha direita ergue-se, de modo sutil, acima da esquerda, e como você tem plena consciência de que sua expressão fica extremamente convidativa assim. Você vira o rosto para ouvir uma piada, e nossos olhos se cruzam por um segundo — o suficiente — antes de outro alguém chamar-lhe a atenção. Você sabe que eu te vi. Como alguém não veria você? E você sabe que é o seu rosto que está na minha cabeça agora. Você provavelmente mal sabe como sou, mas gosta dessa sensação… De alguém te desejando, te procurando, alguém encantado por seu sorrir, seu falar, bocejar, seu escárnio, seu colo sardento, suas íris escuras, o cabelo mogno. Eu poderia lhe dizer o quão sádica é, brincando desse jeito com meus pensamentos. Mas há algo nessa postura indiferente que vai além da necessidade pura e simples de ser desejada. Há um som estranho, no fim de cada gargalhada e de cada risada seca, que soa como eco… É a canção da sua pseudo felicidade ressonando no vazio da sua alma estilhaçada. Eu entendi, mulher. Você não está feliz. Agora enxergo com mais clareza. Na verdade, seus olhos não estão buscando serem sensuais, ao passearem pela sala sem realmente nada enxergarem: eles estão fugindo. Não se fixam em lugar algum, pelo medo de olharem para a pessoa errada, ou talvez para um objeto que faça lembrar o alvo dessa tristeza. Não corra com esses olhos para longe, mulher. Você provavelmente nem gosta de uísque, mas acha que, se beber, vai conseguir levar a leviandade dessa conversa como algo, de fato, interessante. E essa postura, que me antes era convidativa (perna esquerda em cima do sofá, sendo envolvida pelos braços pálidos), agora me mostra o que você não queria mostrar. Será isso solidão? Alguém fez isso com você, ou você procurou por essas cicatrizes? Essa melancolia é momentânea, ou está aí instalada há um tempo?

136


Não sei se quero realmente saber. Tenho medo de me perder na sua complexidade, medo de não conseguir te ajudar e atrapalhar o que pode ser, no momento, um processo de recuperação. Levanto-me. Sei que você consegue me ver pela visão periférica, mas nada faz para denunciar que notou minha ação. Peço licença para alguns amigos, pouso a taça de espumante na mesinha e, incerto, saio da sala apinhada de gente. De costas, sinto aquele formigamento na nuca, de quando a gente se sente observado. Antes de ir para a varanda, lanço uma breve olhada para trás: você estava me encarando, e tenta disfarçar desviando os olhos. Tarde demais, mulher. Eu notei. Só preciso de um pouco de ar antes de ir me perder em você.

**

137


Camila Santos Escritora pernambucana que vive nos EUA desde 1996 e teve trabalhos publicados no The New York Times, Columbia Review e Ruído Manifesto. Sua crônica “A essência das coisas” foi publicada na antologia Nordeste Aqui Dentro, pela editora Arrelique. Seu poema “Arejamento” foi publicado na coletânea Raízes, pela editora Venas Abiertas. Foi premiada com uma bolsa do programa NYC Emerging Writer Fellowship, do Center for Fiction, em 2020. No momento, escreve um livro de contos.

** O voltar É a janela do avião, as casas, os prédios e mais prédios e de repente, lá está ele: o mar É o pouso e logo depois a falta das boas-vindas cadê a trio de forró em frente as esteiras? É a primeira água de coco e a dificuldade em abrir o plástico do canudinho É a noite quente e o sal no ar e o barulho das ondas É saber que o mar está logo ali, amanhã ele aparece É a tomada 220V e a busca pelo transformador É no dia seguinte acordar com um bem-te-vi na janela É por uma fração de segundos estranhar a cama, as paredes, as cortinas mas logo depois lembrar: estou aqui, onde nasci É o bom-dia no elevador depois outro e mais outro É olhar ao meu redor e me deparar com pouquíssimos olhos azuis É lembrar que onde moro na gringa quase não se cumprimentam É o sol forte e um rapaz suado correndo sem camisa É uma mulher fazendo abdominais no calçadão e outra que caminha na areia de viseira e biquíni verde-neon É uma música que não reconheço É dois dias depois saber cantá-la inteirinha É falar oxe-oxe-oxe e ninguém estranhar É o amanhecer às quatro da manhã e a noite que cai de repente antes das seis É o vizinho debruçado na varanda com sua caixa de som tocando Ave-Maria É me deparar com tantas bandeiras

138


verde-amarelas penduradas nas janelas num ano em que não se celebra a Copa É a madame que só usa máscara no elevador social É o cheiro do canal da Agamenon num dia quente É receber no troco da nota de dois reais um carimbo: Lula Livre É errar o caminho porque o lugar aonde eu estava indo não existe mais É o último jambo do pé, espatifado na calçada É sentir que eu pertenço É onde quer que eu esteja, nunca ser servida uma cerveja quente É abraçar os velhos amigos É ser chamada de tia por uma criança que nunca me viu na vida É a dúvida: mas será que eu pertenço mesmo? É a maresia, o vento e o bater de todas as portas É deixar de entrar no mar com medo do tubarão É ir para uma outra praia e boiar como uma criança, com a cara no sol É a irritação com o carro do ovo e o seu alto-falante É sentir pena do motorista, mas depois me perguntar será que ele sonha com essa ladainha? É a saudade de uma época e de um lugar que já não existem É não querer perder nenhum detalhe É o último dia com todas as suas despedidas É o pensamento: calma, logo, logo você vai voltar

**

139


Isabella Costa Escritora independente com uma coletânea, "Bilheteria", publicada na Amazon; e um romance em processo de revisão e reescrita. A primeira versão está disponível no Wattpad. Sou formada em Letras (Português/Italiano) pela Universidade de São Paulo e hoje atuo como professora de redação para o Ensino Fundamental 2. Sou apaixonada pela escrita desde pequena e tento transmitir essa paixão tanto na sala de aula quanto nos meus textos.

** Passagem ー Então seu nome é Klaus? ー Isso, mas com C. Claus. ー Nome esquisito. Não é muito comum no interior, né? ー É, acho que não. É comum na cidade? ー Já conheci Klaus com K, mas nunca com C. Seus pais foram criativos! ー Ah, eles são inacreditáveis mesmo. Começava a escurecer cada vez mais rápido em volta do Fiesta roxo e rebaixado. Não agradou muito os olhos de Marina, mas ela não se importou, estava encantada demais com o motorista que tinha se levantado do banco e abriu a porta para que ela entrasse. Ele parecia gentil, muito mais do que agora, depois da sua fala infeliz que o deixou um pouco mais carrancudo. Ainda assim, confiável desde o primeiro momento. Claro que isso não justifica a decisão impetuosa de uma menina de 20 e tantos anos entrar no carro de um homem desconhecido em uma cidade onde tinha acabado de chegar, né? As possibilidades mais horrendas passavam pela sua mente, e ela se encolhia no banco, questionando o seu julgamento e tentando encontrar possíveis saídas do carro, caso alguma coisa acontecesse. ー Não vou te machucar, moça, não precisa pensar em pular da janela. ー Eu, não… Não pensei nisso ー mentira. Era a opção número 1, porque ele dirigia devagar e ela podia sobreviver à queda. ー Escuta, eu tô só te ajudando, juro. Você disse que estava perdida e que não conhece a região, não é? Então, tá vendo aquele predinho azul ali na frente? ー Tô. ー É o seu hotel. Você reservou quarto no “Pedaço do céu”, não foi? ー Isso! Esse mesmo! Meu Deus, obrigada, você é um anjo!

140


Marina tinha bom coração, mas era muito emocionada. Certamente não estava preparada para a viagem que se propôs a fazer, sozinha pelas cidades pequenas do interior. Ela gostava de se convencer que, independente do que acontecesse, seria melhor estar longe da sua cidade do que perto de tudo que ela escolheu deixar pra trás. Ele estacionou na frente do prédio e saiu do carro. De novo, foi ao lado dela, que recolhia as duas bolsas dos pés, e abriu a porta. Não era um costume para Marina, o cavalheirismo. Talvez ele quisesse algo em troca, como os homens normalmente querem. Mas Claus não dava indícios de querer nada. Por falta de palavra melhor, era um anjo. Ele a ajudou a descer e pegou sua grande mochila no porta malas. Sorriu e se ofereceu para ajudá-la com o check in. O sorriso dele era muito branco, contrastava com a sua pele. Ele era muito mais bonito quando sorria, ela notou. Ficava bonito dirigindo também, a cara séria e a mandíbula travada, mas sorrindo era mais agradável, mais bondoso. ー Ah, Claus, meu menino! O que te traz aqui, querido? ー a senhora da recepção rompeu o silêncio assim que eles passaram pela porta ー Tudo bem com a família? Você precisa de alguma coisa? ー Tá tudo bem, Morgana, querida. ー ele beijou a mão dela e pediu benção ー Deus te abençoe, menino. Ora, você não está sozinho! ー ela se virou para Marina ーBoa noite, moça! Qual é o seu nome, meu bem? ー Oi, boa noite. É Marina, Marina Siqueira. Eu acho que tenho uma reserva e… ー Claro que tem! Marina, aqui, quarto 5. Ah, você vai amar o quarto 5, é muito quentinho. Se estiver muito quente, claro, você pode ligar o ar condicionado, mas com o frio que faz ultimamente nessa cidade… Morgana era pequena e forte. Tinha o rosto com marcas de sol e rugas infinitas, parecia mais velha que o próprio tempo. Sorria e falava sem parar, como se o oxigênio fosse um privilégio. Sua voz era rouca, calorosa e bastante alta. Quando ela desatava a falar, Claus sorria em silêncio e olhava pra Marina, compartilhando o segredo de que aquela cena se repetiria o tempo todo que ela estivesse ali. “Pedaço do céu” não era exatamente um hotel. Pelo menos não na definição da viajante, que tinha vindo da capital e achava que hotéis tinham mais de 15 andares, serviço de quarto 24h, piscina e outras mordomias que não cabiam naquele terreno. Era um prédio bem estruturado, com um elevador apenas. Não parecia muito cheio, apesar da cidade receber uma quantidade boa de turistas. Belezas naturais, ecoturismo, sabe? A recepção tinha paredes azuis e vigas de madeira maciça. À sua direita, Marina podia ver uma área com lareira, sofás, livros e revistas. Mais pra trás parecia estar a sala de jantar, porque de lá vinha um cheiro de bisteca assada que fez com que sua barriga roncasse alto. Ela torceu para que ninguém tivesse escutado, mas era tarde demais e Morgana já os conduzia para uma mesa.

141


Comeram os três na sala de jantar, entre conversas bem animadas. Marina tinha dificuldade em tirar os olhos de Claus, o que não passou despercebido por Morgana, muito esperta que era. Pediu ajuda do moço para tudo que podia e, ao final do jantar, disse estar cansada demais e pediu que acompanhasse a hóspede até o seu quarto, afinal ele conhecia bem o caminho. Durante a refeição, a chuva inicial da noite tinha se transformado em uma forte tempestade, cheia de raios e trovões. Soava definitiva, como se tivesse vindo pra ficar, e a viajante se pegou pensando se Claus também passaria a noite ali. Se eles se veriam no outro dia de manhã, tomando café. Se ela tornaria a vê-lo enquanto estivesse na cidade ou se ele seria mais uma das suas histórias com desconhecidos que aparecem benevolentes e depois seguem seus caminhos. ー Aqui está seu quarto, Marina ー ele sorriu enquanto indicava a porta a ela ー Boa noite. ー Boa noite pra você também. Boa… volta. Com essa tempestade, quer dizer. Cuidado nas ruas. ー Não se preocupe. Eu conheço bem a cidade. Ele sorriu mais uma vez e se afastou, descendo pelas escadas antes que o elevador pudesse ser útil. Então ele não estaria lá no café da manhã. Tudo bem, não era um problema, ela estava viajando sozinha por um motivo, afinal de contas. Ela queria ser uma mulher independente, auto suficiente, capaz de fazer tudo que imaginou durante aquele relacionamento ruim de anos atrás. Ela não precisava de um homem alto, com um sorriso bonito e uma aura de anjo pra lhe ajudar, proteger ou sei lá o que Claus poderia oferecer. A resposta não estava em um homem, estava na viagem. Mas a viagem estava prejudicada. Foram longos três dias de tempestade e ela não pôde sair do hotel nem para dar uma volta no quarteirão. Não importa o quão independente você seja, a natureza ainda te coloca no seu lugar. E não houve teimosia, trauma ou ideologia que permitisse que Marina saísse para fazer trilhas, conhecer a cidade ou até pegar o horário dos ônibus intermunicipais. Foram horas de leituras nas poltronas, de séries repetidas na televisão do quarto e conversas superficiais com funcionários. Finalmente, na manhã do que seria o quarto dia de tempestade, saiu o sol. A chuva tinha parado milagrosamente e ela poderia sair para começar suas trilhas. Encontrou Dona Morgana lá embaixo, tomou uma xícara de café conversando com ela e disparou pela porta. O mapa na sua mochila estava marcado com todas as trilhas na região. Uma, em especial, dava em uma grande queda d’água conhecida como “Cachoeira da Passagem" e era lá que ela ia começar. Subiu o caminho entre a mata, marcado com placas para guiar os turistas, e se apoiou em pedras nas partes mais difíceis. Em algum ponto, a trilha ficava ainda mais fechada, mas ainda era possível ver pegadas e placas com os dizeres quase apagados. Lá

142


dentro, embaixo das árvores, o sol quase não chegava e ela só percebeu naquele momento que poderia voltar a chover. E se morresse ali, sozinha? Quem a acharia? Rezou silenciosamente, tentando afastar os pensamentos hipotéticos, reparando no barulho de água cada vez mais alto. ー Você aqui?! ー ela sorriu em alívio ao chegar na cachoeira. Era Claus, mergulhado até os ombros, olhando pra cima. ー Achei que não ia mais te ver. Ele estava diferente e a encarou em silêncio. Ainda sorrindo, ela tirou a mochila das costas, o tênis e as meias dos pés. Começava a colocar o pé na água quando ele falou. ー O que acha que está fazendo?! ー Vou entrar na água também, ué! Vai ficar com a cachoeira só pra você, Claus? Que egoísmo. ー Mas ele não sorria nem brincava. Estava sério e não a reconhecia. ー Você não deveria estar aqui. Não é dia de visitas. ー Não tinha ninguém na entrada, achei que estava tudo bem eu ver a… ー Você não deveria estar aqui. Saia logo! ー Ele não a ameaçava, mas ela também não queria ver a cena caso chegasse a esse ponto. Continuava extremamente sério e não tinha saído da água ainda. ー Você está pelado? É por isso que quer que eu vá?! Ah, que besteira, homem! ー Fique em paz, meu filho ー a voz não era mais dele, vinha de algum outro lugar. ー A menina não nos faz mal, ela está apenas curiosa. ー Ela não pode estar aqui, ela não poderia sobreviver ー ele começou a responder, olhando para a enorme cachoeira que descia na frente dos dois. ー Ela não precisará sobreviver, está tudo bem. Você fez sua parte, menino. Descanse. Marina, que estava muito confusa com a voz grave e sem dona, teve o impulso de correr, mas descobriu que seus pés não concordavam com a sua decisão. Pensou em se esconder na mata, mas continuava sentindo o corpo pregado ao chão, exatamente onde esteve durante todo aquele tempo, a centímetros da água. A voz agora falava com ela, a chamava pelo nome e a pedia para entrar na cachoeira. Era calma e tranquila, sem pressa aparente. Era familiar também, ela já tinha escutado antes, muito tempo atrás. Claus a olhava sem negar as orientações, apesar de ainda não a reconhecer. Como podia ele não saber quem ela era? Fazia apenas três dias. A voz continuou a falar, benevolente e carinhosa, como uma avó. Contra sua vontade, antes mesmo que pudesse decidir, os pés de Marina começaram a andar em direção à cachoeira. No primeiro contato com a água, ela sentiu entrar pelas suas unhas e calcanhares toda a luz que existia no universo. Subia pelas suas veias e artérias, revestia sua pele de

143


um dourado brilhante, de uma pulsação que ela nunca tinha sentido. Ela podia sentir o calor da água, que não estava quente, e sentia também um cheiro que não sabia descrever. Cheiro de paz. Enquanto entrava cada vez mais fundo na cachoeira, sentia seus órgãos serem preenchidos por aquela luz e pelo calor, com cada vez mais força e delicadeza. Seus cabelos levitavam desde a raiz até as pontas e, quando ela olhou novamente para Claus, ele sorria como fez três dias atrás, estendendo a mão a ela. ー Bem vinda, moça.

**

144


Fernanda Misumi Escritora, poeta, mãe e advogada. Nascida em São Paulo, em 1989, voa pelo mundo através de histórias, diários, cartas, cadernos e memórias. Leitora, observadora, apaixonada pelas palavras e pelos mistérios da vida. Autora do livro de contos Como as amizades acabam.

** Nasceu mulher Tem vagina Nasceu menina Bota lacinho, roupa de frufruzinho Fura a orelha Não corta o cabelinho Brinca de boneca Não pode ser sapeca Fecha as pernas Fala baixo Passa batonzinho Tira todos os pelinhos Senão ninguém vai te querer Menina pode ser o que quiser Mas precisa ter um homem Senão não é alguém O príncipe encantado Que surge num cavalo alado E diz o que pode e o que não pode Agora abre as pernas Mesmo sem querer Aborto? Pecado. Cuida do neném. Lembra da boneca? Fica em casa. Perde o emprego. Empreendimento materno, que nome bonito. Precariedade. Dependência econômica. Solidão Você é louca Culpa Cala a boca Mas quem vai ficar com Joãozinho?

145


Mulher pode ser e fazer o que quiser Mas precisa de um homem Pra dizer o que pode e o que não pode

**

O dia que deixei meu filho morrer O mundo inteiro resumido em uma pessoa a mãe-mundo acolhedora e amorosa fechada no casulo com a cria dá colo, alimento, segurança, afeto e proteção para seu bebê viver A mãe-mundo não ganhou no parto o poder da divindade humana que é, começa a sentir os efeitos do alerta provocado pelo mundo que provém incessantemente ao bebê A mãe-mundo descobre-se uma farsa vê cacos de si espalhados, outros nas mãos ferindo qualquer um que se aproxime ela ainda acredita ser capaz e precisa fazer seu bebê viver A mãe-mundo vai adoecendo mas ela não pode morrer o bebê precisa vingar A mãe-mundo não confia, não aceita ajuda afogada na própria solidão sente pânico do mundo que não é o seu O filho cria asas e a mãe-mundo percebe que agora é apenas mãe Vê a cria na beira do abismo fecha os olhos e deixa-o morrer

146


No entanto, ele voa.

**

147


Neide Pereira de Oliveira Capixaba, analista de sistemas e fisioterapeuta, concilia suas atividades com sua paixão pela escrita. Possui poemas publicados na Mostra Literária Algures Prefeitura de Curitiba, Novo Decameron do Selo Starling, Sarau Brasil 2020 Ed. Vivara, Poesia Agora Ed. Trevo, Revista Entreverbo, Beatniks Ed. Persona, Revista Traço Cultural, Revista Ecos da Palavra, Voo Livre Revista Literária, Amor sem Fronteiras entre outros.

** Dilema Aqueles em métricas poéticas esmeram-se, Os outros debruçam-se em álgicas tortuosas linhas, Em todos emerge um soturno olhar vidrado, Perdido no ontem, em busca de uma nova versão A se revelar em sua inaptidão. Novos conceitos pouco aceitos, Pesam nas letras desenhadas em pena leve, Ensolarados parágrafos circunscritos de sonhos brindados, Na áurea de encantos passeiam entre unicórnios, sereias, Seres desencarnados e pássaros, libertos e precipitados, Entoam rimas de disseres silábicos em dopaminérgicas poesias. Por outro lado, soam frases curtidas à sol, Feito charque, verdadeiros cactos ruindo Em pesadas e desérticas cascatas dialéticas, Adentram trovas inconsistentes, enema de águas turvas, Má água absurda, entre o velho e o aprendiz, Jazem em poema infeliz. Bifurcação do destino divide os caminhos, entre o verso livre que se inspira, Entre o verso fétido que se espirra, São como enlatados açucarados poemas, com rótulos e preços superfaturados, Ou decrépitos versos que não vale um vintém, Se propagam, e não satisfazem ninguém. Com a escova da ilusão despenteiam pensamentos, Com uma única certeza em mente: Não importa se doce ou amarga poesia, Não se pode calar, mesmo quando não se deseja falar, Simplesmente escreva.

148


Daniel Cariello Nasceu em Brasília. É mestre em jornalismo cultural pela Université de Paris III – Sorbonne Nouvelle e publicitário pela Universidade de Brasília. Já foi office-boy, guitarrista e tecladista em banda de rock. Hoje é escritor, tradutor, jornalista e publicitário. É autor dos livros de crônica autopublicados Chéri à Paris e Cidade dos Sonhos, ambos best sellers na Amazon Brasil.

** Chá chinês Gui atravessa a porta separando a cozinha da sala e pousa bandeja de madeira sobre a baixa mesa de centro. Sem dizer nada, Yan nota o novo e pequeno hu cor de argila, que faz contraste e companhia ao fino e branco conjunto de porcelana decorado com motivos e ideogramas mandarins: o bule exalando vapor pelo bico, as duas xícaras sem asa e uma cumbuca repleta de folhas. De forma delicada, Gui apanha um punhado de folhas, deposita no hu e o completa com água quente. Aproveita para banhar e aquecer o interior das xícaras antes de se livrar da água, jogando-a sobre a bandeja, que a retém em suas profundas reentrâncias. - Deste, garanto que você nunca bebeu. - Olha que eu entendo disso. Chá é um assunto de família. - retrucou Yan, inspirando profundamente. É um oolong, certo? - Você não se engana jamais? - Não tenho esse direito, você sabe. Das escolhas que faço dependem 53 famílias. - Das escolhas que nós fazemos. Mas esta noite você vai ser surpreendido. Miles ou Coltrane? - Normalmente, Coltrane. Hoje, Miles. A sala é de decoração minimalista. A mesa de centro está apoiada sobre um tapete felpudo, no qual os dois estão sentados, cercados de almofadas de diversos tamanhos. A monotonia alvirrubra só é quebrada pelas múltiplas cores das lombadas de centenas de vinis, alfabeticamente organizados na estante larga como uma parede inteira do aposento. Gui dirige-se ao terceiro nicho e acaricia as laterais dos discos até encontrar o procurado, que pinça e entrega a Yan. - Então? - Porgy and Bess. Nada mal. - Prensagem original americana, mono, 1958. - Raro? - Nem tanto, mas carrega nele o espírito de sua época - comenta Gui. - Por

149


quantos lugares e mãos não terá andado? Diferentes agulhas rasgaram seus sulcos, ele perdeu um pouco do brilho, já não soa mais como quando foi lançado. No entanto, está aí há décadas cumprindo fielmente o seu papel de reproduzir esse clássico. - Você é um saudosista, se apega demais ao passado. - É possível. Somos produtos não apenas das nossas escolhas, mas também das feitas pelos nossos ancestrais. Isso me fascina ao mesmo tempo que me perturba... Já passou o tempo de infusão. Precisa esperar cinco minutos antes de beber. Inclinando o hu, Gui versa gentilmente o líquido vermelho nas xícaras, das quais escapam um cheiro adocicado e uma fumaça que dança enfeitiçada pelo trompete de Miles Davis. - De onde vem esse? - questiona Yan, enquanto bate de leve na mesa com os dedos indicador e médio, demonstrando agradecimento. - Da China. Estive lá em junho. - Nem me disse! Tinha encomendas a fazer. - surpreende-se Yan. - Negócios de família, só fiquei uma semana. - Viu a Liang? - Não tive tempo - suspira Gui. - Mas vi um fitoterapeuta em Wudang Shan. Um cara impressionante, vive na montanha, próximo a um templo taoísta. Ele mesmo cultiva as ervas que utiliza. - Um médico? - Sim, falei das dores na lombar e ele me aplicou na hora um emplastro feito com uma mistura de plantas, raízes, frutos e pequenos animais, que ficam cozinhando dias inteiros em uma espécie de caldeirão. Eu vi o caldeirão! Tive a pior enxaqueca da minha vida, mas no dia seguinte minhas costas já estavam bem melhores. O fitoterapeuta me explicou que muitas vezes a diferença entre curar e matar é sutil, é saber dosar o medicamento. Foi ele quem me deu esse chá, com folhas colhidas no próprio jardim. Já pode beber. Yan segura a xícara entre as duas mãos, aproxima do nariz, inspira, torna a baixá-la e observa o chá turvo. Gui repete seus primeiros gestos, mas do nariz a taça dirige-se para a boca, que sorve um lento gole da infusão. O mesmo faz Yan. Os goles se sucedem sem pressa e sem palavra até ingerir todo o líquido, terminado ao mesmo tempo que o lado A do álbum. Toc, toc, toc, repete a agulha, presa no loop final do vinil, toc, toc, toc. Gui vai cuidar do toc, toc, toc, vira o disco e aproveita para encher o bule de água quente, com a qual completa novamente o hu. Dessa vez, é a água que segue o trompete e desce se entortando e se entorta descendo seguindo o trompete.

150


- Agora são quatro minutos. Como você sabe, os chás oolong liberam diferentes substâncias a cada infusão. Gostou desse? - Nunca bebi nada igual. - confessa Yan. - E nunca vai beber. - Se você conseguisse convencer seu médico a aumentar a produção, poderíamos comercializá-lo. - Esquece, esse não está à venda. Ele produz apenas para consumo próprio. - Eu acredito que nessa vida tudo tem um preço - afirma Yan. - Nessa visão mercantilista da vida, então é normal esperar que um dia ela nos dê o troco, não é mesmo? - Depende do karma de cada um. - Este é Yan Lin: Rockfeller e Buda na mesma pessoa! - declama Gui, pondo-se de pé e apontando para o outro. Ambos tentam segurar o riso, mas não se controlam e explodem em uma prolongada gargalhada, novamente impulsionada a cada encontro dos olhares cheios de lágrimas. Yan coloca a mão no ombro de Gui. Este faz menção de tirá-la, mas a deixa ali. Respirando fundo, Yan segura a xícara com as duas mãos e a aproxima do nariz, mas agora bebe todo o chá de uma só vez. Serve-se outro tanto e ergue a taça até que as narinas quase toquem sua borda. Permanece longos segundos imóvel, absorvendo aquele vapor, para em seguida conduzir o líquido à boca, que o recebe em pausados, mas decididos, goles. - Beladona? - Exato. Você não erra mesmo. - replica Gui, enquanto completa o hu de água quente. - Quantas folhas misturou? Uma só? - Uma só. - Suponho que o veneno só se libere com uma longa infusão. Por isso você bebeu apenas da primeira rodada. - Você é impressionante. Ninguém que eu conheço entende mais de chá. Vivi com o fantasma desse dia desde minha infância, mas achei que ele jamais chegaria. Ou que talvez fosse esquecido. - Eu também. - Por isso a ida à China? - questiona Yan.

151


- Eles me ligaram e pediram para pegar o primeiro avião pra Xangai. Lá, me colocaram em contato com esse fitoterapeuta, que me passou o oolong e a beladona. Sinto muito. Você não deveria pagar pelo que o seu pai fez ao meu. A traição aconteceu há muito tempo, uma vingança a essa altura não vai resolver nada. - As famílias acham que resolve. - Você está sereno. E bonito - lamenta Gui. - Hoje, tem a mesma idade do meu pai, quando ele morreu. - Trinta e sete anos, dois meses e quatro dias. - Trinta e sete anos, dois meses e quatro dias. Após longo silêncio, Gui completa a xícara de Yan, que a bebe de olhos fechados e assim permanece enquanto é resservido. Em seguida, ingere de uma só vez todo o líquido. - Essa é a dose derradeira. - Quanto tempo ainda me resta? - Algumas horas, não mais, antes das primeiras contrações. Depois, é rápido. Para onde vai? - Para o lago, perto de onde brincávamos. Escolhi o lugar no dia em que meu pai anunciou meu destino. Saí revoltado, gritando, querendo quebrar tudo, e encontrei esse canto isolado, onde me refugio sempre que preciso reencontrar a serenidade. Posso fazer um pedido antes de sair? - O que quiser. - Coloque de novo a primeira do lado b, Prayer (Oh Doctor Jesus). E me sirva um pouco mais desse oolong, ele é mesmo incrível.

**

152


Gabriella Joslin de A. F. Ribeiro Paranaense, curitibana de coração e, atualmente, bacharelanda em Direito pelo Centro Universitário Unicuritiba. Fluente em três idiomas, aprende atualmente o quarto. Filha única de pais divorciados, encontrou na Literatura uma paixão e na produção literária um amor: escreveu suas primeiras palavras aos cinco anos de idade e desde então nunca mais parou.

** Delírio O relógio sequer bateu as seis horas da manhã; o céu se vê ainda enegrecido pela noite, que, lentamente, se deixa serpentear pela luz de prenúncio do nascer do sol; e meus olhos, contudo, já estão a esta hora bem abertos. Não consigo enxergar um palmo à frente de meus olhos, graças ao meu cortinado grosso, que sufoca quaisquer tentativas da luz de me alcançar. O que me turba o sono, porém, não é o som, a luz ou a estação maldito inverno - mas o tremor em minha alma. Vou vê-lo hoje. Volto inteiramente meus ouvidos e toda minha atenção aos sons que vem de fora. Escuto, depois de longos minutos, o primeiro passarinho cantarolar uma melodia desconexa. Logo, segue-o o segundo. O terceiro. Dirijo-me até a janela e, abrindo uma fresta na cortina, vejo que o sol começa a se erguer finalmente. A claridade ainda é fraca, e mal ilumina meu quarto; mas já é suficiente para que as criaturinhas da manhã despertem alegremente e sem demora. Quisera eu ser como eles. Mas eu vou vê-lo hoje, lembro-me. Observo, então, o azul grisaceo do céu, permeado por ralas e quase transparentes nuvens. Será mais um dia frio, porém agradável, do seco inverno que faz no Sul. É como um acalento da Natureza às pobres criaturas que têm de atravessar as noites de temperatura negativa com o rosto apoiado nos ladrilhos do calçadão principal: ao menos seu cobertor de papelão não ficará ensopado. Lembro-me de uma mulher de cabelos encaracolados que conheci em uma visita a esse mesmo calçadão - ela, entretanto, trabalhava em um dos edifícios lá localizados, ao invés de tê-lo por hospedaria. Suas palavras soavam agridoces em tal ocasião: não somos feitos para viver fortes tristezas todos os dias; tampouco, porém, fortes alegrias. Para uma jovem como eu, isso significa que já é um obstáculo suficiente ter de desviar das poças d’água no percurso entre a estação-tubo e a universidade em que estudo, debaixo de uma sombrinha grande o suficiente para mim mais outra pessoa, quando Curitiba está desmoronando nas águas das chuvas torrenciais de verão. Está dentro da carga suportável de aborrecimento para o ser mediano que sou. Mas e para aquelas pobres almas, o que isso significa? Com tanto sofrimento que suportam, ó, céus. Da minha janela, posso ver grande parte do comércio local, que a essa hora ainda nem sonha em abrir. É uma das poucas horas do dia em que essa parte da cidade faz

153


silêncio depois dos meses fechada por causa do vírus. Ainda assim, toda essa floresta de concreto não é inteiramente cinza, eis que para onde olhar verei uma araucária. E das araucárias eu gosto. Um dos passarinhos que ouvi cantar antes de me levantar - ou ao menos é como o imagino - pousa na varanda do apartamento do edifício concorrente ao meu, e eu ainda em silêncio - não tenho costume de falar durante as manhãs - o observo por tempo o suficiente para que o sol já tenha iluminado quase completamente o céu quando me dou conta de que ainda não me arrumei. Não estou pronta para vê-lo hoje. Não é difícil escolher o que vestir, já que hoje em dia qualquer coisa combina com qualquer coisa. Em poucos minutos estou arrumada - não pronta - e despeço-me demoradamente de meu cachorrinho, que todos os dias me espera sair do bloco para que pare de chorar - ou, ao menos, é quando paro de ouvi-lo. No fim das contas é isso que importa, não é? Digo, o momento em que eu paro de ouvi-lo. Não me lembro se tranquei a porta do apartamento ou não, mas sei que estou segura dentro do murado condomínio, então não me dou o trabalho de voltar ao apartamento. Quase sete e meia agora - passei uma hora divagando à beira da janela. “Sempre esperando a hora para se atrasar, não é?”, minha mãe diria. Mas quem não é atrasado hoje em dia? Passo pela portaria do edifício e começo minha peregrinação. A caminhada é longa, mas é minha parte favorita do dia - quando não está chovendo. Meu destino hoje é diferente do usual, mas proporciona a mesma paz. Um pé à frente do outro, um pensamento desemaranhando de outro. Os olhos fixos na calçada irregular pouco percorrendo ambiente ao redor - e parte de mim tenta se convencer de que não é para evitar o que se esconde debaixo das marquises - mas ainda assim, entre uma espiada e outra, observo os prédios enormes da Sete de Setembro, da Vicente Machado e da ruazinha pela qual estou passando agora. Quase organizei uma meada inteira de pensamentos quando chego ao meu destino. Viro à direita na Comendador Fontana, deixando para trás a vazia Rua da Glória, e encontro, do outro lado da rua, a pequena fachada do Café do Viajante. A porta está completamente aberta dos dois lados, mas uma correntezinha de plástico preta e amarela limita a entrada. A atendente, de avental pardo, aguarda com uma prancheta em mãos os clientes que vão chegando. Seu bom dia é animado, mas não o suficiente para me convencer de que ela está realmente empolgada para atender o público em plena quarta-feira de manhã. Mas quem a ousaria julgar? Estou esperando alguém, lhe digo, não sei se já está aqui. Ela pergunta seu nome e confirma: está nas mesas do fundo. E então, nada. A paz que a caminhada me proporcionara lentamente se esvai de mim como o vapor se despede da água fervente - e eu de fato estou em chamas, a despeito de sentir meu peito gelar. Minhas pernas ameaçam ceder por um momento, mas respiro fundo e

154


luto internamente com essa versão incansavelmente sensível de mim. Por que ficamos todos tão sensíveis? Ou serei eu a única alma torturada dessa maneira? Agradeço a atendente, subo os dois degraus da entrada e atravesso o salão até o espaço externo aos fundos do café. Tento esvaziar a mente no curto percurso. Um pé à frente do outro e tudo o mais, não é? Por um momento é como se eu voltasse aos meus dias de infância, em que corria livremente pelas pradarias - ao menos é como foi gravada minha memória pueril quando passava as férias escolares de inverno com a minha avó. O vento cortante gelava minha pele, o coração acelerado pulsava cada vez mais rápido. Minhas mãos também estão geladas agora, e, a despeito de vir caminhando, meu coração responde como se estivéssemos em uma maratona. No salão principal do café, quadros de viagem compõem o ambiente rústico e aconchegante. A iluminação não é forte, o que de certa forma me conforta. À minha esquerda, uma vitrine cheia de guloseimas. À minha direita, um mosaico de fotos provavelmente de clientes do café - decora um pedaço da parede pintado em preto fosco. Paro em frente às fotos, e as observo atentamente. Respiro fundo e pisco algumas vezes tento convencer a mim mesma de que isso vai ajudar. No instante seguinte, porém, sinto a boca secar e por um momento estou no pesadelo em que o sequestrador me agarra e não consigo gritar por socorro - a voz não me sai. Com licença, outra atendente com o mesmo avental pardo gentilmente me pede para que a deixe passar. Carrega uma bandeja prateada com um café enfeitado em cima. E carregou consigo em parte o meu delírio - realmente não estou preparada para fortes emoções. Não a poderia agradecer o suficiente em palavras, então apenas lhe retribuo o sorriso tímido e sigo para o salão externo, aos fundos do café. As paredes são de um azul claro e vivo, imitando o céu ensolarado de verão, e o ambiente a céu aberto tem flores por todos os lados, como se fosse mesmo um jardim. Não sei porque ele escolheu sentar aqui fora em pleno mês de maio - o frio inaguentável, entende? - mas não posso deixar de apreciar o ambiente. Trajando uma jaqueta preta de tecido semelhante ao jeans, ele está sentado em uma cadeira de metal amarela, na mesa encostada à parede, bem onde bate o sol. Está com uma blusa gola alta de lã verde musgo, e os olhos estão fechados - estará sentindo o mesmo que eu? Paro a alguns metros da mesa, olhando para ele, sem saber o que fazer. E então, ele abre os olhos. Não me vê imediatamente, mas assim que seu olhar repousa em mim e no calafrio que sinto neste exato momento - ele se levanta. Um pé à frente do outro e o encontro. Você está linda, me diz em um abraço súbito. Um pensamento se me interrompe e lança um turbilhão de outros pensamentos. E então, silêncio. É a chegada à casa da minha avó ao topo do declive. É o fim da chuva

155


torrencial em pleno verão. É o grito em silêncio de alívio. Um sorriso se me escapa, e suspiro ao abraçá-lo de volta. Sentamo-nos à mesa e reparo: seus olhos são da cor do mel.

**

156


Enaíle Butelane [Eliane Lúcia Leonardo Butelane] Nasceu em Julho de 2004, é moçambicana e natural de Maputo, filha de Leonardo Eduardo Butelane Júnior e Olívia Isaías Ubisse. Concluiu o ensino médio no passado ano de 2021. Desde que aprendeu a ler encantou-se pelo universo da literatura, começou a escrever com os seus 9 anos de idade.

** Ventos românticos Será que quando eu estiver apaixonada enamorada bem amada farei de ti minha rima de valor, palavra de flor ou flor de amor...? Será que quando eu estiver apaixonada enamorada bem amada escreverei poemas nas linhas do teu coração Viajarei nos olhos da tua paixão ou ainda debruçarei do amor ao vento, sim ou não? Não, não sei apenas saberei quando eu estiver apaixonada enamorada e for bem amada.

**

157


Helena Durães Portuguesa e trabalho como jornalista há mais de dez anos na TVAMADORA, mas é na fição onde encontro o meu porto de abrigo. Tenho alguns textos publicados e o meu sonho é escrever um livro de contos. Publico com alguma frequência no meu blog e sou autora de um podcast - “Uma Espécie de Podcast”-, na rádio on-line Telefonia da Amadora, onde falo de literatura com regularidade.

**

Falta de Ti Tenho uma falta de ti que me corrompe e no meu coração irrompe. Tenho uma falta de ti, não a consigo descrever, não encontro palavras para a escrever. Tenho uma falta de ti, uma tristeza profunda o meu corpo inunda. Tenho uma falta de ti que não consigo compreender muito menos esquecer. Sinto uma falta de ti que não consigo conceber nem encobrir ou esconder. Sinto uma falta de ti que me abalroa, destrói e na cabeça ecoa. Sinto uma falta de ti, de cabeça atordoada de alma magoada. Sinto uma falta de ti aos outros inexplicável para mim inimaginável. Sinto uma falta de ti

158


que ao meu ser afaga e que devagar me esmaga. a dor de não te ter e a mágoa de não te ver ressoam no meu ser no meu canto o corpo a encolher como se do mundo me quisesse proteger perdida, a descer por um muro que não me deixa vencer, cansada de tanto fazer para a falta de ti deixar de ter. **

159


Aline Souza Natural do Norte de Minas Gerais. É jornalista e Mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF), onde se dedicou a pesquisar a produção audiovisual latina americana de movimentos sociais no contexto do ativismo político. Atualmente é pesquisadora nos temas de internet e direitos humanos, gênero e comunicação de impacto social. Autora do Blog Escritus Infinitus - https://escritusinfinitus.wordpress.com/

** O primeiro choque Nascer. Esse foi o meu primeiro choque. Eu estava ali quentinha. De boas. Tranquila. Mas fui, de repente, acordada por uma luz, algo estranho acima da minha cabeça. – Meu Deus! O que é isso? Perguntei. Fiz assim umas caretas tentando fugir dela, me esconder dela, mas não tinha muito jeito. Eu esperneei, estiquei profundamente as minhas pernas. Senti o último de meus dedos do pé estirarem o limite do meu espaço. E então, com o impulso de meus pequenos dedos do pé no fundo de algo que eu nem sabia que existia, olhei para a luz. E me entreguei para ela. O que quer que ainda seja ou o que quer que fosse aquela luz, ela não ia me deixar em paz. Então era o melhor a fazer. Aceitei o meu nascimento por pura preguiça de brigar com a luz que insistia em me importunar. Ainda bem!

** Mordaça Contradições internas vividas diariamente O sol que nasce no leste Faz barulhar mente e coração O destino é tosco, asqueroso Torpe como fumaça carbônica Mórbido até. Um duelo constante entre mim e mim O eu esquecido grita e chora e geme e cala O eu é mudo.

** 160


Geislane Lopes Rodrigues Graduanda do Curso de Licenciatura em Arte Visuais pela Universidade Regional do Cariri – URCA, desde 2018. Também, sua produção artística abrange a escrita de poemas que ocorre, até certo ponto paralelo a sua produção imagética.

** Noite no deserto A Lua no deserto só pode ter o som do frio A cor da solidão, a aparência de acordes invisíveis. A Lua no deserto torna-se grãos de areia Comungando com as dunas inomináveis. Uma noite no deserto sobre o olhar que reflete A visão e o destino secreto dos grãos de areia Que nunca passam mesmo ao som Das múltiplas tempestades. Nesta noite estão todos os desertos com luar silente Nesta noite está o som da solidão e o último abrigo Nesta noite o mar de areia recomeça O estágio de refletir uma luz mais amena. Severa adaptação e olhares perscrutadores na noite desértica Acatam as intempéries impostas por designação misteriosa Até o último sopro a lua no deserto permanecerá. A casa da lua esconde o frio Uma porção do silêncio A névoa azul traspassada por luz tênue A casa da lua esconde uma sombra Pois, como em todo o universo Há a sombra do segredo não revelado! A lua no deserto sobreviverá?

**

161


Amanda Chagas Papenborg Nasceu na ilha de Florianópolis, entretanto, cresceu no município de Governador Celso Ramos, no litoral de Santa Catarina. Lá ela participou de alguns concursos literários na escola, mas apenas voltou a escrever com 22 anos, após o afastamento da faculdade de Zootecnia em um crítico quadro de depressão. Desde então, ela se divide entre trabalhar como designer gráfico e no seu tempo livre, se dedica a literatura.

** Sonho de valsa Nos sons que saem dos bares me vi levitar quis deixar meu espírito livre ao balançar não sabia que horas eram nem de onde vinha a música mas o som da cantoria me fez meditar apaguei esqueci da vida doce sacarose a me adoçar naquela música me entreguei delicioso cacau a na minha boca despedaçar então lembrei que não sabia dançar fechei os olhos e mexi meu corpo devagar tão suave que ninguém poderia notar eu me entreguei a melodia céu da boca amanteigado em pura harmonia imaginei-me solta no ar a dançar passos que não conhecia mas que na minha imaginação sabia bailar chega de regras a rotina era muito cansativa para me limitar queria me desprender chega de calcular calorias irei dançar até o orvalho molhar a calçada esquecer-me das tuas vaciladas me perder no meu sonho de valsa

**

162


Artur Souza da Cunha Nasci em 1996, sempre fui um leitor compulsivo, mormente de literatura romântica. Formado em Direito, sonho em publicar minha obra que compreende poesia, romances e contos.

** Canto angustiado ( e por isso, incompleto) diante do metrô Lamento maquinal que me perturba As entranhas do cérebro e do espírito, Eu te lamento, ó fera domada!, Dragão num cativeiro circunscrito. Quem decepou-te as asas, rei caído? Quem extinguiu tua chama poderosa? Este vento que trazes é o gemido Do choro da tua época saudosa? Vela apagada, monstro derrotado, Tua alma é a luz a brilhar no painel; Mágica antiga presa no número, Urgente descanso a me esperar no céu….

**

163


Marcelo C. Montenegro Escritor de 22 anos nascido no Rio de Janeiro, Brasil. Cursou brevemente Letras na Universidade Federal do Rio de Janeiro e, atualmente, estuda Cenografia e Indumentária na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Sua escrita busca impactar os leitores através de não apenas sentimentos, mas também pela convergência entre a facilidade de leitura e beleza dos escritos.

** O fim das pessoas Todas as pessoas do mundo acabaram. Não, elas não morreram; estão apenas namorando. Namorando umas as outras. O planeta possui uma quantidade ímpar de humanos. E foi curioso quando uma organização internacional decretou, oficialmente, de maneira absoluta e invariável, sem margem de erro ou enganos, que não havia mais solteiros no mundo; com exceção do infeliz número ímpar — e eu nem sabia que existia uma organização só para isso. Pois bem, eu sou o infeliz. Sim, o encarregado de me virar por mim mesmo e suportar sobre as costas toda a solidão que um dia assolou o âmago das mais diferentes pessoas. E todos os dias acordo sem pestanejar, tomo meu café da manhã, escovo os dentes, vou para o trabalho, e me defronto com a verdade à minha frente, entregando-lhes ingressos para assistirem às mais recentes obras glorificadoras da paixão. Diriam que, em algum momento, casais terminariam e mulheres estariam disponíveis para mim, mas é de uma tremenda tolice. Não há términos. A taxa de separações, independentemente de idade, é zero por cento. Não é um número extremamente próximo do zero que, pragmaticamente, é arredondado para zero, como costumam fazer as pesquisas e cálculos. É zero. A vida de uma pessoa comum possui uma certeza. A minha tem duas. A primeira — e não por ordem de probabilidade, mas sim de chegada — é a morte. A segunda é que morrerei sozinho. Em dias livres, sento-me sobre a grama sempre fresca do parque de sempre. Buscando, talvez, ajuda na calma do mundano. Lá frequentam vários casais, é claro, mas também pessoas sozinhas, em maioria homens, e jazem mirando o mesmo que eu: o majestoso e plácido lago, límpido e iluminado em sua integridade, cujos brilhos transpareciam a luz da vida, refletindo-as como um espelho do mundo real. O parque contém uma bela natureza; arbustos cheios, grama esverdeada e, clarividente, árvores corpulentas com frutos pomposos em suas copas. Além disso, a vida selvagem predomina sobre as gramíneas, vivendo cada segundo ao máximo, com seus puros instintos contextualizados à seleção natural.

164


Pego-me divagando, então, na razão do meu viver em comparação a estas aves, coelhos, esquilos e até mesmo os peixes aprofundados na calmaria subaquática. No fim, tudo termina na procriação, na proliferação dos genes, onde o ineficaz desaparece do mapa. Contudo, é claro, nos humanos há o amor, sempre há o amor, buscando aterrar o instinto na coisa mais bela, pois somos seres sociais e a isso devemos nossa grandiosa evolução como espécie. Pergunto-me, então, o que é para mim; o que há para mim, o sentido, a razão, a causa para que possua em mim a capacidade respiratória que me permite a consciência do existir. Seria eu apenas um erro genético? Não é improvável. Dos tantos animais ali em bando, quantos não sumirão por serem considerados erros, assim como eu? Os entardeceres são frequentemente os mais notáveis, e a luz quase fosca ainda absorvida pela atmosfera submerge o parque; submerge a mim. A ponto de me deixar esperançoso, é verdade, ingenuamente esperançoso, com uma fé que logo é cortada pela rasteira da noite, abalando qualquer resquício de desafogamento da tristeza que o Sol em algum momento já me trouxe. É no momento da tarde em que me encho de coragem e, com um homem sozinho a meu lado, decido iniciar uma conversa descompromissada. É clara, como o nascer de um novo dia, a certeza do assunto melancólico vindouro, em cujos adjetivos amorosos não me inibo, mas pelo contrário, me inebrio. — Então a ama? — indago, como se a resposta já não fosse óbvia. Seu olhar distancia-se enquanto voltado para o lago, e a luz opaca reflete em sua pupila. Uma luz castanha, como folhas outonais. — É claro — diz, então. — Em toda a minha vida namorei mulheres e mais mulheres, mas... Esta é, com certeza, diferente. Não é apenas esbelta e magnífica, mas exibe um charme sensual e meigo ao mesmo tempo, como se não fossem características a serem mutualmente exclusivas. Seu cheiro, seu toque, sua pele macia cujo calor aquece-me todas as manhãs ao me ver acordar. Não há dúvidas de que se trata da mulher de minha vida; no lugar certo, na hora certa. Seus dizeres continuavam provindos de um rosto impávido mirante ao lago, aquele lago, e, talvez por exagerar-me à embriaguez das palavras, pude imaginar suas curvas suaves, arrematadas em cascalho e areia, redesenharem-se na silhueta etérea feminina. Um traçado sinuoso que dança aos olhos e mexe com os sentidos. E, juntamente à fala do homem, imaginei suas sensações oralizadas. O cheiro de uma mulher, o doce aroma perfumado preenchedor de todo e qualquer ambiente. O toque, acolhedor e apaixonado, despertando sentidos há tanto adormecidos. A pele macia... A qualidade ímpar que descreve, com exatidão, apenas pelo tato, a presença inegável de uma mulher. São belos ditos, de fato; e transportam a mim esperança no futuro, no amanhã. Como se, alheio a tudo, meu coração afrouxasse e voltasse a bater como deveria: tranquilamente rítmico. Fico levemente ansioso e quase me alegro sabendo que um dia sentirei o mesmo, e poderei amar e ser amado livremente, saciando meus anseios. Mas o

165


dia jamais chegará, e a noite diz-me isso ao trazer consigo a natural solidão, apenas a mim. Sinto os olhos marejando. Antes que lágrimas singelas discorram d’olho meu, então, despeço-me do estranho, daquele homem incapaz eternamente de sentir o amargor da pura insuficiência do ser. Somos animais sociais, que buscam um no outro a completude amorosa, este é o fim o qual todos sonhamos; sem isto, o que há de ser de nós? Dirijo-me até meus aposentos já sob o sereno e o frio noturnos. No caminho, enfrento frente a frente, como todos os dias, casais bem vestidos e alegres, com vidas prazerosas e saciadas. Passam por mim, alvejando-me de suas perfumarias deliciosas — a da mulher, é claro, mil vezes mais denotada. A doçura invade-me as narinas e interrompo meus passos por um instante, a fim de me reestabelecer. Seria tal fragrância anestésica a qual o homem mencionara? De certo, acredito eu. Quem dera a meu ser poder, dia após dia, senti-la enquanto aqueço-me com um sorriso moroso e encorpado, como se em câmera lenta. E os olhares apaixonados se cruzam... Respiro fundo, permitindo o forte frio adentrar as cavidades nasais e congelar meu nariz e pulmões, e parto de volta ao caminho interrompido. A poucas quadras de meu apartamento, avisto uma bela moça sozinha. Seus cabelos louros brilhavam à luz dos postes e a posição na qual jazia parada — lábios contraídos e mãos no bolso do casaco escuro, além de leves palpitações corporais, como em ritmo de música, demonstrando felicidade contida — embutia à sua aparência uma meiguice sem igual. Seu rosto liso e pálido, tão suave à luz que poderia eu jurar, ali mesmo, que sua maciez correspondia a um marshmallow. Como eu a queria... Tê-la para mim, e ela ter-me-ia. Protegê-la-ia, mantê-la-ia aquecida, sem medos ou angústia, a manteria dentro de mim, de meu coração e mente, e nunca a deixaria sofrer, nem por um segundo, os males afoitos do mundo afora. Mas ela possui alguém. E alguém a possui. Alguém a protege, alguém a mantém aquecida, sem medos e nem angústia; a mantém dentro de si, de seu coração e mente, e nunca a deixa sofrer, sequer por um segundo, os males afoitos do mundo afora. Abaixo a cabeça, pois sei que fui indiscreto e, provavelmente, ela me vira. Aperto os passos, desta vez decidido a chegar em casa e, finalmente, atinjo meu objetivo. A singela residência de poucos metros quadrados pouco fica de fato acesa. Adornei-a com pequenos leds nos vértices entre a parede e o teto e, sob esta parca luminosidade, vivo minha vida noturna. Sento-me à poltrona de couro surrada em frente a uma TV e desisto de qualquer intenção de assisti-la. Ao meu lado, uma prateleira abarrotada de livros destoa-se das mídias tradicionais por, vez ou outra, abordarem temáticas não amorosas, que não machucam, auxiliando-me a viver mais um dia. Contudo, com a capa cuidadosamente encadernada sobre minhas mãos agora aquecidas, pergunto-me se valeria realmente a pena ligar a luz principal para lê-lo.

166


Talvez eu prefira estar no quase breu, sozinho com pensamentos, ou, talvez... Eu não queira mais ter pensamentos. Conduzo-me ao banheiro, sendo cegado por breves segundos ao ativar do interruptor, e encaro a mim, meu rosto sofrível e agoniado. No armário, remédios e lâminas; ao meu lado, uma banheira aconchegante; à minha frente, um homem triste e acabado. Mas eu não consigo... Por que não consigo? Eu não tenho esperança, meu futuro é vazio e solitário. Por que não? Aperto com força a lâmina, e sangue escorre por meus pulsos e antebraço, mas não há forças para ir além disso. Por quê? Meu Deus, esta é a única indagação. Por que tenho que permanecer em vida, por que tenho que conviver com a dor e a angústia, além dos desejos eternos e insaciáveis, como um titã castigado à fúria do Olimpo? Meu futuro é infeliz, assim como meu presente, então que merda me prende a este lugar horrível e insidioso... Derramo-me em prantos, colidindo sentado contra o chão. A dor aguda da palma da mão ajuda, mas, nem de perto, causa ou mantém a plangência. Entrego-me à tristeza, enfim, já que a agonia apenas debocha. Eu queria alguém. Impossível. Para sempre. Viva com isso. Eu queria amar. Jamais. Nunca. Aceite. E ser amado. Esqueça. Não há ninguém. Você está sozinho. Mas, ao menos, há aquele homem, do parque. Disse-me ele que a amava, e descreveu intermináveis razões de sua paixão e, no fundo, amor. Declarou, com o lago e a mim de testemunhas, que era a mulher de sua vida, sem o menor indício de incerteza. Se ele a ama, e o mundo, de fato, se ama. Bom para eles. Vejo que, alheio a mim, o mundo ama. E eu espero que continue assim, pois não desejo a ninguém que respeita o amor a infelicidade. E nem o sofrimento. Minha história não possui um final feliz, ou uma grande lição de moral. Talvez sirva apenas para esvair meus pensamentos e aliviar minha alma mal-amada. E eis aqui meus ditos: amem; e prometam que amar-se-ão pela eternidade. Com amor, a única coisa intransponível e insubstituível do universo, Marcelo C. Montenegro.

** 167


168


169


Issuu converts static files into: digital portfolios, online yearbooks, online catalogs, digital photo albums and more. Sign up and create your flipbook.