Issuu on Google+

em saúde

excelência

a serviço da

gestão

2005-2010


A Fundação

Felice Rosso é uma

entidade filantrópica, cuja missão é promover a saúde e o conhecimento com excelência e responsabilidade social.


a serviço da

excelência

em saúde

gestão 2005-2010


Gasparini,

o realizador do Felício Rocho O Hospital Felício Rocho é mantido pela Fundação Felice Rosso, uma entidade filantrópica sem fins lucrativos. O Hospital nasceu do dinamismo, da inteligência e da capacidade empreendedora de Américo Gasparini. De família italiana, com origem no Espírito Santo, Gasparini era homem de grande saber em Ciências Jurídicas e Sociais. Em Minas Gerais foi advogado de renome, sempre requisitado para grandes demandas. Amigo e testamenteiro de Felice Rosso, orientou-o no momento em que decidiu doar seus bens para uma instituição beneficente de saúde. Gasparini apoiou a ideia da construção do Hospital Felício Rocho, empreendimento para o qual arregimentou um pelotão de dedicados seguidores mineiros e italianos. Américo Gasparini tomou a frente dos trabalhos da Fundação, ficando no comando da instituição até 1971, ano em que faleceu, deixando a Fundação como herdeira de boa parte de seu patrimônio. Sempre lembrado e homenageado pela Fundação, seu nome foi emprestado à Associação Américo Gasparini, sociedade civil sem fins lucrativos que tem, entre outras finalidades, incentivar a solidariedade e a humanização entre os servidores da Fundação Felice Rosso.


Índice 5 8 10 12 13 14 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 29 30 32 34 36 37 38 39 40 42 43 48 49 50 51 52 54 56

Missão Américo Gasparini Palavra do Presidente do Conselho Diretor Conselhos & Conselheiros Tradição, Modernidade e Hospitalidade História de Ideais Nobres Tecnologia a Serviço da Vida Central de Material e Esterilização Radioterapia e Digitalização de Imagens Tomografia Computadorizada Hemodinâmica Maior Unidade de Transplantes de Minas Evolução da Videolaparoscopia no HFR Serviço de Diálise / Linfonodo Sentinela CTI Cardiológico Métodos Gráficos Nova Ressonância Magnética Gestão de pessoas, Humanização, Educação e Meio Ambiente Os Veteranos Novo Centro Administrativo Gestão de Pessoas Iferpec / Escola de Enfermagem Irmã Genciana Qualidade e Humanização Associação Américo Gasparini Responsabilidade Ambiental Felício Rocho em Números Investimentos Realizados na Gestão Indicadores Revitalização das Fachadas do HFR Nova Unidade de Internação Nutrição & Dietética Plugado com o mundo Nova Logomarca do HFR Palavra da Presidente do Conselho Superior Expediente


Pioneirismo, humanismo e excelência em saúde Por Dr. José Rezende de Andrade

Desde 2005, a economia mundial sinalizava que algo estava errado com as finanças dos países desenvolvidos. Nem mesmo os constantes cortes de juros realizados pelos bancos centrais das nações ricas acalmavam o mercado, cujas ‘bolhas financeiras’ estouravam, contaminando todos os países do mundo. O Brasil, apesar de estar em ascensão econômica, também oscilava na gangorra econômico-financeira globalizada. Essa situação, como não poderia deixar de ocorrer, afetou as principais instituições de saúde do País, e o Hospital Felício Rocho não foi exceção. As dificuldades bateram forte em nossa instituição, balançando os alicerces do tradicional Hospital de Belo Horizonte, erguido na década de 1950. Nossa diretoria assumiu a gestão da Fundação Felice Rosso e do Hospital nesse quadro de incerteza. Mas, o Conselho Diretor estava imbuído da vontade de trabalhar duro e acertar o passo para devolver a estabilidade financeira à instituição. Esse equilíbrio era fundamental para que a qualidade do corpo clínico do HFR pudesse ser preservada. Analistas apontam que em cenário de crise sempre surgem oportunidades. Nossa oportunidade foi preservar a qualidade clínica do Hospital, jamais colocada em segundo plano, apesar das enormes dificuldades enfrentadas. Vale ressaltar que todas as metas alcançadas durante a gestão somente se tornaram possíveis devido à dedicação e o comprometimento dos nossos quadros médico e funcional, situação privilegiada que nos faz projetar alçar voos ainda mais altos.


O Felício Rocho faz parte do seleto grupo hospitalar brasileiro considerado de alto nível na prestação de assistência à saúde. Conta com funcionários bem treinados e dedicados e com um corpo clínico formado por profissionais renomados e de competência reconhecida, aqui e no exterior. Visando manter esse status, a Diretoria tem investido na aquisição de novas tecnologias e equipamentos de ponta, visando aprimorar os diagnósticos e tratamentos, além de beneficiar o trabalho do corpo clínico e dos funcionários. Estamos mantendo em ritmo acelerado obras de expansão, sem descuidarmos da manutenção e revitalização da área física do Hospital. Recentemente, entregamos à capital mineira 23 novos leitos hospitalares com a inauguração da unidade de internação ala D, do 4º andar do hospital. Em relação à expansão da área física do Hospital, já concretizamos projeto em parceria com tradicional empresa mineira e vamos construir, em frente ao HFR, andares destinados a vagas de estacionamento e salas para o setor de Recursos Humanos da Fundação. Essa edificação desafogará o prédio central e nos permitirá abrir espaço para implantação de novas unidades de internação, ambulatórios e serviços. Iniciamos estudos para a construção de um edifício de 12 andares na esquina de ruas Uberaba e Aimorés, dentro da área do Hospital. Essa expansão deverá garantir a construção de novas unidades de atendimento, ambulatórios, um novo e moderno centro cirúrgico e novos apartamentos. O HFR é referência em saúde em Minas e no País. Numa demonstração de sua capacidade e excelência clínica multidisciplinar, realizou os primeiros transplantes de pulmão, fígado, rim, pâncreas, coração e medula. A Unidade de Transplantes realiza 98% de procedimentos na abrangência do Sistema Único de Saúde, SUS. Integrado com sua responsabilidade social, mantém forte atuação nas áreas da hemodiálise e da oncologia, onde atende, com prioridade, pacientes do SUS. Atendemos mais de 60 especialidades da medicina, sendo algumas delas exclusivas de nossa instituição na cidade de Belo Horizonte. Oferecemos atenção e hospitalidade em mais de 340 leitos, distribuídos em apartamentos, enfermarias e quatro Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs). Os centros cirúrgicos do Felício Rocho estão aptos a realizar mais de 70 procedimentos anestésico-cirúrgicos por dia. A Fundação está atenta à sua responsabilidade social e educacional. Mantém a Escola de Enfermagem Irmã Genciana (EIG), e o Instituto Felice Rosso de Pesquisa e Educação Continuada, Iferpec. Participa de todas as ações da Associação Américo Gasparini (AAG), instituição dos servidores da Fundação, e ajuda Organizações não-governamentais (ONGs), hospitais públicos e filantrópicos, escolas e creches com doações de móveis, equipamentos e roupas hospitalares e outros bens substituídos na instituição. Tudo isso vem coroar a correta gestão das diretorias, gerências e supervisões, que, em consonância com o Conselho Diretor, atuam para manter o Hospital Felício Rocho como referência mineira em excelência na medicina e cuidado humanizado.

11


CONSELHO DIRETOR DIRETOR PRESIDENTE José Rezende de Andrade DIRETOR ADMINISTRATIVO José Carlos Braga Nitzsche DIRETOR FINANCEIRO Pedro de Oliveira Neves DIRETOR DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS Pedro José Pires Neto DIRETOR DE PRODUÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA José Maurício Siqueira

CONSELHO FISCAL PRESIDENTE Nerval Leite Flávio Geraldo Luiz Ribeiro Pedro Alcântara Rodrigues Marta Clélia S. e Vieira (Sup.) Heryberto G. V. Dornas (sup.)

CONSELHO SUPERIOR PRESIDENTE Maria Ângela de F. Resende VICE-PRESIDENTE Gabriel Donato de Andrade

HOSPITAL FELÍCIO ROCHO DIRETOR TÉCNICO Silvério Leonardo M. Garcia DIRETOR CLÍNICO Mércio Ataíde Vieira

IFERPEC Instituto Felice Rosso de Pesquisa e Educação Continuada

DIRETOR Antônio Sérgio Alves

EIG Escola De Enfermagem Irmã Genciana DIRETOR Pedro José Pires Neto

CONSELHEIROS Acúrcio Lucena Pereira Filho Adolfo Neves M. da Costa Amélio Ferreira Maia Britaldo Silveira Soares Carlos Lindenberg S. Castro Cláudio Almeida de Oliveira Domingos André F. Drumond Emerson Tardieu A. Pereira Fernando Mello Vianna Netto Gabriel Bernardes Filho Gabriel Donato de Andrade Joaquim H. Rodrigues Jonas Correia Barcelos Filho José Eduardo de L. Pereira José Olinto P. de Figueiredo José Rezende de Andrade Luiz André Rico Vicente Márcio Ibrahim de Carvalho Maria Ângela de F. Resende Murilo Araújo Nerval Leite Flávio Oscar Dias Corrêa Júnior Paulo Abércio B. de Oliveira Paulo Rubens Navarro Vieira Pedro de Oliveira Neves Roberto Porto Fonseca Romeu Ferreira de Queiroz Sebastião Clecy Frauches Sebastião Lago Wilson Luiz Abrantes

SUPLENTES Ana Lúcia de A. Gazolla Guy Villela Pascoal Sylo da Silva Costa


TRADIÇÃ MODERNIDA TRADIÇÃO, MODERNIDADE E HOSPITALID HOSPITALIDADE

13


Felice Rosso, de imigrante italiano a benemĂŠrito da saĂşde em Minas


Lançamento da pedra fundamental do Hospital Felício Rocho, em 1937. Em função da 2ª Guerra Mundial, as obras foram interrompidas e o HFR só foi inaugurado em 1952

História de tradição e ideais nobres A Fundação Felice Rosso surgiu a partir dos ideais do imigrante Nicola Felice Rosso, natural de Battaglia, uma pequena vila de Salerno, na Itália. O italiano veio para Belo Horizonte a convite de Bernardo Monteiro, então prefeito da Capital, para explorar o serviço funerário da cidade. Aqui, passou a investir também no ramo hoteleiro, tornando-se proprietário dos hotéis Avenida e Internacional. Nessa época adotou o nome brasileiro de Felício Rocho. Aos 70 anos, com fortuna considerável, contou com o apoio de Américo Gasparini, seu amigo, advogado e testamenteiro, a construir um hospital em Belo Horizonte. A idéia teve imediata guarida na colônia italiana, contando com o apoio de Antônio Falci, Arthur Savassi, Vicente Longo, Enne Ciro Poni, Anielo Anastasia, Américo René Gianetti e do médico Braz Pelegrino. Em 24 de março de 1937, Felício Rocho assinou

a escritura pública que instituía a Fundação Felice Rosso. O grupo de apoiadores da nova Fundação conseguiu a doação de um terreno com 10 mil metros quadrados no Barro Preto, onde no dia 9 de maio daquele ano, foi lançada a pedra fundamental. Felício Rocho faleceu um mês antes da aprovação da planta do hospital, cujo projeto teve como responsável o professor e arquiteto Raffaello Berti, também um imigrante italiano. Américo Gasparini tomou a frente dos trabalhos da Fundação e da construção do prédio. Devido a crise mundial trazida pela 2ª Grande Guerra Mundial, as obras do Hospital Felício Rocho foram paralisadas. Retomadas na década seguinte, o Hospital foi inaugurado em 21 de junho de 1952, ainda sob o comando de Américo Gasparini. Desde então, a Fundação e o Hospital vêm sendo dirigidos por um Conselho Diretor que se reveza periodicamente.

15


TECNOLOGIA A SERVIÇO DA VIDA

17


Esterilização,

prevenção contra infecções A Central de Material e Esterilização (CME) do Hospital Felício Rocho é considerada uma das mais completas da América Latina, sendo constantemente premiada por sua alta performance na esterilização de materiais, rouparia e uniformes das equipes cirúrgicas. A CME, instalada numa área de 330 m2, dispõe de pessoal altamente treinado, equipamentos de ponta como lavadoras ultrassônicas e termodesinfectadora, secadoras e autoclaves para esterilização.


Técnicas avançadas na Radioterapia O Serviço de Radioterapia do Hospital Felício Rocho é periodicamente modernizado com a aquisição de novos equipamentos de ponta. Em 2009, foi iniciada a expansão do serviço com a instalação de novos equipamentos e implantação das mais avançadas tecnologias em radioterapia da atualidade. Isso possibilitou ao Hospital acompanhar os maiores centros do mundo no tratamento oncológico. O HFR emprega na Radioterapia, com sucesso, técnicas da Teleterapia, através do Acelerador Linear. Aplica também a Braquiterapia, técnica na qual fontes de radiação são inseridas na cavidade do tumor ou no próprio tumor, por tempo determinado ou de forma perene. O Felício Rocho, além de utilizar aparelhos de alta tecnologia, conta com uma equipe multidisciplinar, dotada de elevado grau de especialização no Brasil e no exterior. Essa equipe oferece aos pacientes do Hospital assistência integral e humanizada. A equipe é composta por médicos especialistas, físicos, tecnólogos, e conta com suportes de enfermagem, nutrição e psicologia.

Digitalização de Imagens O equipamento radiologico digitaliza a imagem através de um detector que converte os Raios-X em luz, transformando-os em sinal elétrico que é amplificado, digitalizado, processado e enviado a um monitor de alta resolução, em forma de imagem. Essa técnica permite uma perfeita visualização da imagem radiológica, o que possibilita ao médico dar ao paciente um diagnóstico mais preciso e com maior rapidez. Outra vantagem é que a imagem digital pode ser enviada para outro local, para ser consultada por outro especialista, contribuindo, também, para o aprimoramento do diagnóstico.

Médicos do Ambulatório de Ortopedia, do Pronto Atendimento e dos Centros Cirúrgicos têm acesso imediato, no computador, ao exame digitalizado de Raios-X.

19


Tomografia computadorizada Desde novembro de 2008, está em funcionamento no Serviço de Diagnóstico por Imagem do HFR um dos mais avançados tomógrafos computadorizados da atualidade, o ‘Aquilion 64’, da Toshiba. O equipamento utiliza baixas doses de Raios-X e tem a capacidade de processar até 180 imagens por segundo. Com uma resolução de 0,4 mm em qualquer plano de reconstrução, em exames cardíacos e vasculares, com extrema nitidez e qualidade, permite, por exemplo, detectar pequenos aneurismas cerebrais.

A operação do “Aquilion 64” está revolucionando os diagnósticos por imagem no HFR. Exames são realizados por uma equipe médica multidisciplinar, e vem auxiliar o atendimento de Alta Complexidade, além de aumentar significativamente o volume de exames realizados no Hospital


A Hemodinâmica do HFR é capaz de fazer avaliações de risco de vida devido a doenças vasculares cardíacas e neurológicas, com imagens tridimensionais altamente nítidas das artérias

Hemodinâmica 3D Já está em pleno funcionamento, com média de 15 atendimentos e exames diários, o mais moderno sistema de aquisição de imagem em Hemodinâmica da Capital mineira. O Allura 3D, da Philips, foi adquirido em 2008, através de pregão público, com parte dos recursos de convênio com o Ministério da Saúde. A moderna Hemodinâmica do HFR amplia a capacidade de atendimento a pacientes conveniados e do Sistema Único de Saúde (SUS), que também contam com a excelente capacidade técnica da equipe do Felício Rocho especializada em Cardiologia, Angiocardiografia Intervencionista, Neuroradiologia Intervencionista, Cirurgia Endovascular, Cardiologia Pediátrica e Eletrofisiologia. A alta tecnologia da Hemodinâmica do Felício Rocho, além de possibilitar aos profissionais do HFR intervenções extremamente precisas, ainda beneficia o paciente com a redução significativa do uso de dosagens de Raios-X e contrastes. Esse equipamento veio duplicar a capacidade instalada do serviço, já que o Hospital possui outro aparelho de hemodinâmica em funcionamento.

21


Maior Unidade de Transplantes de Minas A Unidade de Transplantes do Hospital Felício Rocho (UT) se destaca como a principal equipe transplantadora de Minas Gerais e uma das mais bem sucedidas do Brasil. Em 2008, foram totalizados 155 transplantes, e até agosto de 2009 outros 83. O que coloca a UT do HFR entre os maiores centros do País, em unidade hospitalar. A Unidade de Transplantes foi transferida para o edifício central, com entrada pela Rua Aimorés. Nas novas instalações, médicos, enfermeiros e pessoal administrativo podem oferecer melhor atenção aos pacientes e seus familiares. Atualmente, a UT atende cerca de mil transplantados que fazem manutenção periódica e outros 800 pacientes que aguardam por um órgão.

A Unidade de Transplantes foi ampliada e transferida para o edifício central do HFR


O Hospital Felício Rocho está entre os maiores centros internacionais no emprego da videolaparoscopia, tendo sido pioneiro, em Minas, nesse tipo de cirurgia em várias especialidades, caso da videolaparoscopia pediátrica. O domínio dessa técnica é uma demonstração da excelência do corpo clínico do Hospital. O HFR executa várias cirurgias laparoscópicas complexas, entre elas a que faz a retirada de tumores intestinais, pela Clínica de Proctologia; e a que faz a retirada de rim de doador para transplante renal intervivos, ações que somente acontecem em grandes centros hospitalares do mundo.

SAÚDE Em todos os casos, observa-se a competência da equipe multidisciplinar do Hospital. Quanto ao doador, o processo é menos dolorido e proporciona condições de retorno às atividades normais em curtíssimo espaço de tempo.

tecnologia

Evolução da videolaparoscopia no HFR

23


Serviço de Diálise O Serviço de Diálise do Hospital Felício Rocho está em atividade há mais de 15 anos, cuidando das seguintes modalidades de tratamento da doença renal crônica: Hemodiálise, Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua (CAPD), Diálise Peritoneal Automática (DPA) e Diálise Peritoneal Intermitente (DPI), melhorada pela incorporação da cicladora. O serviço está localizado dentro da estrutura física do hospital, com entrada independente pela Rua Aimorés, 3520. O acesso exclusivo traz facilidade ao paciente renal. Em dezembro de 2007, o Serviço de Diálise do HFR foi totalmente renovado, com a aquisição de 60 novas máquinas – sendo que quatro delas foram direcionadas ao atendimento em nossos CTIs. No total, o serviço pode atender até 292 pacientes/dia, que são bem informados sobre detalhes do tratamento, como modelos de dialisadores e de máquinas de hemodiálise. Cerca de 75% desses pacientes são atendidos pela instituição através do Sistema Único de Saúde – SUS.

Serviço de Diálise do HFR

Pesquisa de Linfonodo Sentinela Vários procedimentos de detecção intra-operatória radioguiada de lesões tumorais e de linfonodo sentinela, são realizadas no Serviço de Medicina Nuclear do HFR. A equipe utiliza o equipamento Europrobe, de alta sensibilidade e, no momento, o sistema mais avançado. Esse equipamento mantém o Felício Rocho no topo da detecção radioguiada de lesões tumorais e linfonodo sentinela. Ele também pode ser utilizado para identificação e tratamento em lesões benignas como adenoma de paratireóide.


CTI Cardiológico Desde fevereiro de 2008 a capital mineira conta com uma unidade de tratamento intensivo, bem aparelhada e composta de equipe multidisciplinar com o alto padrão Felício Rocho. O CTI-Cardiológico funciona ao lado do Pronto Atendimento, com entrada pela Rua Timbiras. São 10 boxes individualizados, equipados com o que há de mais atual em aparelhagem de terapia intensiva, proporcionando maior conforto para o paciente e maior segurança nos procedimentos médicos. Essa unidade vem somar-se ao CTI-Cardiovascular, também com 10 leitos, que funciona no 4º andar, anexo ao CTI-Adulto. O CTI-Cardiológico atende pacientes particulares, de convênios e do Sistema Único de Saúde (SUS), e vem confirmar o empenho da Fundação Felice Rosso, mantenedora do Hospital, em cumprir a sua missão, que é a de promover a saúde com excelência e responsabilidade social.

25


Ultrassonografia e equipe de ponta Os serviços de métodos gráficos do HFR atendem clientes que buscam respostas clínicas na categoria Holter, Mapa, Eco, Duplex e Teste Ergométrico, entre outros. O Hospital conta, neste setor, com equipe especializada de reconhecimento internacional. O HFR adquiriu, recentemente, aparelhos móveis de ultrassonografia da Philips e da Siemens e os utiliza para atender aqueles pacientes internados em unidades de terapia intensiva ou com dificuldade de locomoção, sejam eles do Sistema Único de Saúde (SUS), convênios ou particulares. Acuson Sequoia, da Siemens


Nova Ressonância Magnética dará mais agilidade aos profissionais do Hospital Felício Rocho, com exames mais precisos e nítidos

Nova Ressonância Magnética, evolução em imagens de corpo inteiro Acompanhando a evolução tecnológica na medicina, o Hospital Felício Rocho adquiriu uma nova ressonância magnética: a Signa HDx da General Eletric, de 32 canais independentes. O equipamento vem somar-se à ressonância atual, que está sempre atualizada para atender, com precisão, as demandas clínicas.

A Signa HDx do HFR possui bobina de superfície e vai possibilitar, também, exames precisos da área vascular da parte inferior da perna em diabéticos e exames do encéfalo – grande parte desses exames precisavam ser repetidos (em ressonância tradicionais) devido à movimentação natural do órgão.

A nova ressonância magnética é projetada para escanear imagens de corpo inteiro, sem limitações de cobertura anatômica e com uma tecnologia revolucionária para redução de ruídos, capaz de oferecer ao médico, com extrema rapidez, imagens em alta resolução. Essa tecnologia facilita, ainda, os exames em crianças e em portadores do ‘Mal de Parkinson’. Exames realizados nesses pacientes muitas vezes precisavam ser repetidos, já que os aparelhos tradicionais de ressonância magnética exigem que o examinado permaneça imóvel.

27


NATE – Núcleo Avançado de Tratamento das Epilepsias É o serviço pioneiro em Minas Gerais dedicado ao tratamento multidisciplinar da epilepsia. Fazem parte do NATE neurologistas, neurocirurgiões, neurofisiologistas, neuropsicólogos, psiquiatras e pessoal técnico especializado preparados para atender crianças, adolescentes e adultos com crises epilépticas. A unidade atende hoje a três propósitos principais: 1. Avaliação pré-cirúrgica e cirurgia de epilepsia 2. Diagnóstico de crises não-epilépticas 3. Classificação adequada do tipo de crise epiléptica O tratamento convencional das epilepsias é fundamentalmente medicamentoso. Porém, cerca de 30% dos casos se mostram refratários, ou seja, as pessoas continuam a ter crises apesar da troca ou associação de diversos medicamentos. Estima-se que metade destes pacientes refratários possam se beneficiar do tratamento cirúrgico da epilepsia. Esta modalidade

terapêutica é obrigatoriamente precedida por uma avaliação cuidadosa, que deve incluir sempre avaliação clínica, ressonância nuclear magnética do encéfalo, vídeo-EEG prolongado e avaliação neuropsicológica. No NATE os casos de cada paciente são discutidos por toda a equipe, em reuniões semanais, após a realização desses exames. Alguns pacientes apresentam problemas mais complexos, com necessidade de investigação complementar por outros métodos: SPECT cerebral ictal e interictal, teste de Wada e ressonância magnética funcional. Desde seu início em 2003, O NATE avaliou mais de 600 pacientes das diferentes regiões do Estado e do País, sendo que cerca de 100 desses pacientes foram operados. Os resultados são semelhantes aos das unidades nacionais e internacionais que tratam desse difícil campo das doenças neurológicas.


Gestão de Pessoas, Humanização, Educação e Meio Ambiente

29


Fidelidade

Roxa


Do time que

está ganhando ninguém quer sair Em pesquisa na lista de médicos e funcionários para a edição desse livro, pudemos confirmar que a comunidade do Rocho, além de sua reconhecida competência, é de uma fidelidade ímpar. São quase duas centenas de colaboradores do corpo clínico, pessoal administrativo, auxiliares e técnicos que trabalham na Fundação Felice Rosso e no Hospital Felício Rocho há décadas. Na impossibilidade física de inserir uma imagem com todos os colaboradores veteranos neste espaço, tomamos a liberdade de convidar aqueles colaboradores com mais de 30 anos de dedicação à causa dessa instituição, líder no setor de saúde em Minas Gerais. A ideia foi bem aceita, mas alguns veteranos não puderam comparecer por motivos estritamente particulares.

31


Novo Centro Administrativo une setores da Fundação No dia 11 de agosto de 2009, foi inaugurado o novo Centro Administrativo da Fundação Felice Rosso. Localizado no 7º andar do Hospital, foi batizado como Centro Administrativo Britaldo Silveira Soares, em homenagem ao jornalista dos Diários Associados, que desde 1951 se dedica à causa da instituição. O centro abriga, em instalações modernas, mais de 90 funcionários que poderão usar equipamentos de ponta para desenvolver melhor suas habilidades e qualidades. Outra vantagem do novo Centro Administrativo será a de unificar boa parte da administração da Fundação, abrigando os setores de Assessoria da Qualidade, Auditoria Interna, Contabilidade, Faturamento, Financeiro, Orçamentos e Custos e Patrimônio.


33


Gestão de Pessoas O setor de Recursos Humanos (RH) da Fundação Felice Rosso (FFR) investe permanentemente em suas equipes, para atender um público cada vez mais exigente. O RH possui setores de Recrutamento e Seleção, de Treinamento e Desenvolvimento, Coordenação de Pessoal, Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. O RH, juntamente com os diversos gestores e o apoio da Diretoria, dedica especial atenção a seu capital humano. Executa, freqüentemente, vários programas que visam o desenvolvimento e a capacitação dos funcionários da Fundação, tais como: - Desenvolvimento de Lideranças: Programas de Capacitação focados no aprimoramento de habilidades de gestão de pessoas e qualidade. - Ampliação do Treinamento e Capacitação: para a melhoria do desempenho das equipes e promoção de uma cultura sistêmica, voltada para o aprendizado e disseminação do conhecimento na instituição. - Programa Desenvolvendo a Excelência: com foco no desenvolvimento do profissional e fortalecimento da práxis da humanização.

- Pesquisa de Satisfação do funcionário: é realizada anualmente para diagnosticar e promover ações de melhoria nos diversos aspectos do clima organizacional. A Fundação Felice Rosso oferece diversos treinamentos para o desenvolvimento do seu quadro funcional para ampliar a qualidade no atendimento, dentre eles: Treinamento de Procedimentos Operacionais (POP), Treinamento Técnico, Treinamento Corporativo e Treinamento Comportamental. Dando continuidade a esse desenvolvimento, a política de retenção e promoção de talentos proporciona a progressão na carreira através da meritocracia. O RH, ampliando prática antiga da Fundação Felice Rosso, investe ainda mais no processo de contratação de portadores de necessidades especiais. Também desenvolve programa de capacitação de menores aprendizes. Atualmente, atinge cerca de 20% no aproveitamento desses menores no quadro funcional da instituição, após o desenvolvimento dos mesmos.


Ao longo dos últimos anos, a FFR vem investindo continuamente na qualidade de vida dos funcionários. Hoje, a Fundação oferece Plano de Saúde, Seguro de Vida, Auxílio Funerário, Assistência Odontológica e alimentação subsidiada, sob a supervisão de nutricionistas. Como prevenção à integridade do funcionário da Fundação, são realizadas campanhas educativas abordando a utilização adequada de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), a importância da segurança no ambiente de trabalho e da prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), bem como campanhas antitabagismo.

35


Iferpec O Instituto Felice Rosso de Pesquisa e Educação Continuada – Iferpec – foi criado com a finalidade específica de desenvolver, no âmbito do Hospital Felício Rocho, o conhecimento técnico-científico alicerçado na pesquisa e no ensino.

nessa área, o convênio com o ICB-UFMG responsável pela implantação e manutenção do Laboratório de Biologia Molecular e do NATE – Núcleo Avançado no Tratamento da Epilepsia, um dos oito núcleos dessa natureza no Brasil.

Em consonância com suas finalidades, o Iferpec assumiu o monitoramento das pesquisas realizadas no hospital, incentivando os pesquisadores com a criação do “Centro de apoio à pesquisa”. Como resultado de tal iniciativa e graças ao alto nível de nosso corpo clínico, encontram-se protocolados e em andamento, no presente ano, 15 projetos devidamente aprovados pela Comissão de Ética em Pesquisa (CEP/HFR). Saliente-se também,

O Iferpec é também o órgão responsável pelo planejamento, organização e supervisão de todos os cursos de pós-graduação lato sensu da instituição, incluindo-se a Residência Médica. Relativamente à organização de eventos, participa da realização do Congresso do Hospital Felício Rocho – que ocorre a cada dois anos –, cujos objetivos é a abordagem dos procedimentos de ponta desenvolvidos no Hospital.

Escola de Enfermagem Irmã Genciana – EIG Mantida pela Fundação Felice Rosso, a Escola Irmã Genciana tem como principal função a formação de Técnicos de Enfermagem que participam dos processos seletivos para a contratação de novos funcionários para o Hospital Felício Rocho. A EIG forma cerca de 120 técnicos de enfermagem por ano. Sem se descuidar de suas metas na busca pela excelência e responsabilidade social, a Escola atua de forma inclusiva junto às comunidades da Região Metropolitana de BH.


Qualidade e Humanização A Assessoria da Qualidade do Hospital Felício Rocho tem a tarefa de pôr em prática o Sistema de Gestão da Qualidade e de Humanização. Entre outras atribuições, cuida da programação e identificação visual da instituição, avalia as melhorias necessárias e acompanha as ações junto aos diversos setores da Fundação e do Hospital. O Grupo de Trabalho de Humanização do HFR foi criado em 2007, tendo como objetivo o conhecimento amplo do que é a humanização nas instituições de saúde. O programa foi denominado HumanizAção, significando humanizar o ato de cuidar, tanto dos pacientes e seus familiares, como de todos os profissionais e gestores que exercem atividades no Hospital. Essas ações também devem ser estendidas à comunidade, representada pelos visitantes, acompanhantes e população em geral.

desenvolvimento, capacitação e aprimoramento do relacionamento entre as equipes. Com foco no ambiente de aprendizagem e de integração do funcionário e no bem-estar do paciente e seus familiares, realizam-se ações como confraternização entre os ‘Aniversariantes do Mês’ ou exibição de filmes temáticos no ‘Cine Humanizar’. Pode-se destacar, ainda, o “Projeto Érika”, na Pediatria; “Música na Diálise” e “Yoga para Todos”, no Serviço de Diálise; e “RH Nutri”, promovido pelo Serviço de Nutrição e Dietética. A proposta é oferecer espaços de convivência e reflexão sobre questões humanas, lazer e cultura.

Sob a coordenação da Assessoria da Qualidade foram criadas vinte e duas equipes multidisciplinares, com adesão voluntária, que se mantêm em constante atividade em busca do

37


Integração e ação social através da AAG Como parte das comemorações de seus 30 anos de fundação, a Associação Américo Gasparini (AAG) concluiu, em 2008, as obras da nova sede administrativa da entidade. O imóvel, localizado na esquina de Rua Timbiras com Avenida do Contorno, foi cedido pela Fundação Felice Rosso. Essa parceria tornou possível à diretoria da Associação cumprir seu objetivo de

proporcionar aos associados mais conforto e lazer em suas horas de folga. A casa foi totalmente reformada. Em seus dois pavimentos foram instalados vários equipamentos que oferecem aos funcionários e associados da AAG pleno apoio e momentos de descanso e lazer. Ela possui um salão de jogos, sala de reunião, salas para exposições e para tratamento de beleza. Salas especiais para TV e biblioteca, que podem ser utilizadas para estudos e aulas de informática. A Associação também investe, em parceria com o Conselho Diretor da FFR, na reforma da sede campestre, localizada no município de Ibirité, um espaço ampliado para o lazer do associado. A diretoria da Associação Américo Gasparini encontra no Conselho Diretor o apoio necessário, cuja finalidade comum é contribuir para que o funcionário possa cumprir melhor a sua jornada de trabalho no Hospital.

Sede campestre da AAG


Sistema de aquecimento solar fornece água quente para todo o Hospital Desde 2007, quando inaugurou os novos vestiários masculinos e femininos para seus funcionários, o Conselho Diretor da Fundação confirma sua preocupação com a responsabilidade ambiental. Os vestiários foram construídos com equipamentos modernos e confortáveis. Ocupam mais de 720 metros quadrados no térreo do Hospital e possuem amplas e confortáveis áreas, rigorosamente projetadas para atender as normas específicas do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Entre as vantagens oferecidas aos funcionários está o banho quente – controlado por temporizador –, através de complexo e funcional sistema de aquecimento solar implantado no terraço do Hospital. Em época de chuva os chuveiros utilizam o aquecimento a gás. Esse sistema também fornece água quente para outras unidades do hospital. Ao trocar a cara energia elétrica pela energia ‘verde’, o Hospital Felício Rocho, espera que, em poucos meses, possa ter custo de aquecimento zero no fornecimento de água quente para seus colaboradores.

39


FELÍCIO ROCHO EM NÚMEROS

41


Investimentos realizados no Hospital Felício Rocho na gestão 2005-2010 Ampliação, construção e reforma de instalações físicas do Hospital

• • • • • • • • •

Construção do Vestiário Central – feminino e masculino

• • • • •

Reforma do Serviço de Nutrição e Dietética (SND)

Implantação do CTI Cardiológico – 10 leitos ao lado do PA Construção de 23 Apartamentos no 4ºD – entrada pela Rua Uberaba, 500 Reforma de apartamentos e suítes nos setores do 3ºB2, 5ºA e 5ºB Construção da Central de Material e Esterilização CME Construção do novo Centro Administrativo da FFR/HFR Construção do Ambulatório de Oncologia Reforma do Serviço de Radioterapia Reforma do Pronto Atendimento (PA) – ampliação da Unidade de Observação/ Espera de 12 para 16 leitos Reforma da Farmácia e Almoxarifado Reforma do Centro Cirúrgico Revitalização das fachadas do edifício central Construção de nova Unidade de Transplante

Aquisição de novos equipamentos

• Equipamento de Tomografia Computadorizada de 64 canais “Aquillion 64 MultiSlice”, da Toshiba

• • • • • • • • •

Equipamento de Hemodinâmica em Terceira Dimensão – “Allura 3D FDC”, da Philips Nova Ressonância Magnética “Signa HDX”, da General Eletric Acelerador Linear – Serviço de Radioterapia Equipamentos para digitalização e atualização de aparelhos de Raios-X Cocção automática e inteligente para o SND Equipamentos para a Otorrinolaringologia Equipamentos para o Serviço de Diálise – com substituição de 60 máquinas Aparelhos portáteis de ultrassom da Philips e da Siemens Aquisição de aparelho próprio para detecção intra-operatória radioguiada de lesões tumorais e de linfonodo sentinela

• Compra de 400 novos computadores (entre esses, servidores para o setor de Informática) e monitores


Indicadores O Hospital Felício Rocho está comprometido em promover a melhoria da saúde da população há mais de 57 anos. Como hospital geral de alta complexidade, o Felício Rocho, destaca-se como uma das principais instituições de saúde do País, ao oferecer serviços especializados, e investir continuamente na formação do seu corpo clínico, através de uma unidade própria: o Instituto Felice Rosso de Pesquisa e Educação Continuada, Iferpec. Mantém em atividade uma Escola de Enfermagem, a Escola Irmã Genciana, que prepara técnicos de enfermagem para atuarem no Hospital e em outras unidades de saúde da cidade. Possui, ainda, dez Comissões e dois Comitês, dentre os quais destacamos o Comitê de Ética em Pesquisa. A área profissional é composta por aproximadamente 360 médicos que atuam em mais de 60 especialidades, que contam, também, com o apoio de 131 médicos residentes, estagiários e voluntários. Nas áreas administrativas, técnicas e de enfermagem o Hospital conta com a colaboração de mais de 1.600 funcionários. Dentro de sua responsabilidade social, a Fundação Felice Rosso, através do Hospital, presta serviços hospitalares de alta qualidade a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e por se tratar de uma instituição filantrópica, também atende, quando necessário, gratuitamente a população carente. Confira nas páginas seguintes os indicadores da Fundação e do Hospital Felício Rocho.

43


DADOS QUANTITATIVOS DO HOSPITAL FELÍCIO ROCHO 2006

2007

2008

2009 (jan a set)

Total de Leitos

300

317

321

342

Leitos Apartamento/Enfermaria

270

287

281

302

Leitos de CTI

30

30

40

40

19.129

20.476

28.636

23.054

152

141

155

83

Hemodiálise (sessões)

45.713

45.840

41.460

32.805

Quimioterapia (consultas / sessões)

9.308

15.409

16.892

12.423

Radioterapia (consultas / sessões)

24.778

65.933

64.270

51.117

Cirurgias (Blocos Cirúrgicos: 3º e 4º andar) Transplantes

QUANTIDADE DE CIRURGIAS - BLOCO CIRÚRGICO (3º E 4º ANDAR) Anual 2009

23.054

2008

28.636

2007

20.476

2006

19.129

( jan a set)

Mensal

1.921 2.386 1.706 1594

QUANTIDADE DE TRANSPLANTES 2005 A AGO/2009 Rins 2009

( jan a set)

Pâncreas/Rim

Pâncreas

Coração

Fígado

Córnea

83 155

2008 2007

141 152

2006 2005

131


Atualmente o HFR possui 52 processos mapeados e padronizados através de Procedimentos Operacionais Padrão  (POP) e monitorados através de indicadores que são periodicamente analisados  criticamente, resultando destas análises ações corretivas ou preventivas quando necessário.

INDICADORES SETORIAIS Nº de Indicadores Corretivos 674

411

Nº de Indicadores Assistenciais

615 457

405

487

593

587

548

488

478

532

573 519

488

481

494

297

jan/2007

out/2007

jan/2008

mai/2008

ago/2008

nov/2008

fev/2009

jun/2009

set/2009

Indicadores de desempenho são aqueles que monitoram pontos críticos do processo que necessitam, por algum motivo de serem controlados. Muitos deles são de origem estratégica. O monitoramento destes indicadores são feitos de acordo com necessidades legais, com nível de gravidade do processo, com o nível de controle em que o processo se encontra, etc. Sendo assim a quantidade de indicadores monitorados varia, e é alterada de acordo com as estratégias projetadas para o hospital e mediante aprovação da Diretoria.

Planos de Ação Setoriais Nº de PA Corretivos

Nº de PA Preventivos

121 110 91

104

84 67

59

51

36 18

14

15

- Ações corretivas são aquelas que têm o intuito de eliminar as causas de algum problema que foi detectado. - Ações preventivas são aquelas que têm o intuito de eliminar possíveis causas de problemas que não ocorreram mas que poderiam acontecer.

FELÍCIO ROCHO EM NÚMEROS

45


SATISFAÇÃO CLIENTE / FAMÍLIA Satisfação do cliente/família 1 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0

jan 2007

mar 2007

mai 2007

jul 2007

set 2007

nov 2007

jan 2008

Meta Satisfação do cliente/família

mar 2008

mai 2008

jul 2008

set 2008

nov 2008

jan 2009

mar 2009

mai 2009

jul 2009

Horas Homem Treinamento - Global 8h30 7h30 6h30 5h30 4h30 3h30 2h30 1h30

nov/07

fev/08

jun/08

set/08

dez/08

mar/08

jul/08

out/08

Coral formado por funcionários da FFR se apresentando no Serviço de Diálise


% INVESTIMENTOS SOBRE A MÉDIA DA RECEITA 2005

2006

2008

2007

Até Ago/2009 5% 12%

24%

21%

38%

quantidade de leitos Leitos Apartamento/Enfermaria 2009

40

2008

40

2007

30

2006

30

( jan a set)

Leitos de CTI 302 281

342 321

287 270

317 300

47


Revitalização das

Fachadas do Hospital A recuperação externa do edifício do Hospital Felício Rocho valoriza o projeto de Raffaello Berti, arquiteto italiano, professor e fundador da Escola de Arquitetura da UFMG que deixou um grande legado arquitetônico em Belo Horizonte. Nos últimos anos, o Conselho Diretor da Fundação Felice Rosso tem orientado a Gerência de Engenharia e Infraestrutura, a fazer, além da manutenção programada, a revitalização de toda a fachada do edifício sede do Hospital Felício Rocho.


Nova unidade de internação O Hospital Felício Rocho inaugurou, no dia 9 de junho de 2009, uma nova unidade de internação no 4º pavimento do Bloco D, com 23 apartamentos instalados de acordo com o padrão de acabamento que vem sendo utilizado na revitalização da hotelaria do Hospital. Os novos apartamentos foram projetados de acordo com norma da Anvisa que dispõe sobre o “Regulamento Técnico para Planejamento de Áreas Físicas em Hospitais”. Essa unidade de internação conta com recursos técnicos que proporcionam maior segurança e conforto aos pacientes e seus acompanhantes, seja no espaço e no mobiliário novo, moderno e funcional; seja no controle interno de gases medicinais e do ar condicionado central.

Nova unidade de apartamentos do HFR vem ampliar a oferta de leitos hospitalares em Belo Horizonte, contribuindo para humanizar ainda mais o atendimento médico na cidade

49


hospitalidade

Nutrição e Dietética trabalha com cocção inteligente Seguindo modernos conceitos de hotelaria hospitalar, o Felício Rocho investiu pioneiramente em uma unidade automática e inteligente de cocção. A nova cozinha dota o Serviço de Nutrição e Dietética (SND) com um equipamento que promete revolucionar a dieta hospitalar em Minas Gerais. O SND vai reduzir drasticamente a quantidade de óleo vegetal no preparo de refeições, oferecendo, dentro da moderna gastronomia hospitalar, um cardápio mais agradável, sem prejudicar os pacientes que possuem restrições clínicas e necessitam de dieta hipolipídica. A aquisição dessa tecnologia na cocção de alimentos vem melhorar ainda mais as condições de trabalho dos funcionários do Serviço de Nutrição e Dietética do HFR, além de substituir vários equipamentos que geram e dissipam muito calor através do vapor. É claro que uma máquina não substitui o talento humano, mas possibilita ampliar a criatividade de nutricionistas, dietistas e cozinheiros em benefício dos nossos usuários. No momento, o SND planeja implantar o serviço “gourmet”, onde o paciente, sem restrições clínicas, e seus acompanhantes poderão escolher a refeição dentro de um cardápio previamente preparado pelas nutricionistas do Hospital. Esse é mais um passo do HFR para a excelência no atendimento humanizado, fazendo com que seus clientes possam se sentir em ambiente mais agradável, sem minimizar os cuidados com a saúde.

Unidade de cocção automática do HFR está reduzindo significativamente a quantidade de óleo vegetal na cozinha, beneficiando os pacientes e funcionários


Plugado com o mundo Apesar de críticas ao uso indiscriminado da tecnologia, é quase impossível viver sem usar a rede mundial de computadores, presente em praticamente todo o planeta. Acessar a internet é fazer intercomunicações simples como receber e enviar uma mensagem, passando pela movimentação bancária ou financeira, até participar de conferências virtuais na cidade ou em qualquer parte do mundo. Ciente dessa situação, o Felício Rocho instalou em todo o Hospital uma série de conexões para o acesso à internet sem fios em banda larga. Esse serviço está disponível para todo o corpo clínico do HFR, bem como para pacientes e seus acompanhantes, que podem acessar, de forma segura, suas páginas preferidas, ler suas mensagens e comunicarse com o mundo externo sem sair do Hospital. De certa forma, o acesso à internet traz maior humanização ao tratamento de saúde, pois, o paciente, sem maiores restrições clínicas, sente-se no Hospital como se estivesse em sua casa. Dentro do plano de investimento em tecnologia adotado pela Fundação Felice Rosso, o novo portal foi outra novidade, apresentada em 2008. Ele traz todas as informações da Fundação e do Hospital ao alcance de um clique. O site, totalmente remodelado, oferece inúmeras facilidades de acesso a informações relevantes para médicos, pacientes e internautas que nele “navegam”. Parentes e amigos de pacientes sob cuidados no HFR podem enviar mensagens, através da “Mensagem Amiga”. Internautas podem tirar suas “Dúvidas Sobre Saúde”, respondidas sempre por um especialista no assunto demandado, ou mesmo ler o jornal da instituição no formato digital. A Internet é uma realidade e necessidade na vida das pessoas, por isso o Felício Rocho está plugado com o mundo.

51


Nova logomarca do HFR traduz modernidade e renovação O Hospital Felício Rocho, tradicional instituição de saúde de Minas Gerais vive novos tempos. Aprimora a qualificação profissional de todos os seus colaboradores, investe em sua infraestrutura hospitalar e administrativa e adquire novas tecnologias. Tudo isso, para valorizar o paciente e seus familiares e todos os profissionais envolvidos no ato de cuidar da vida. Toda mudança implica atualização. Assim, o Hospital Felício Rocho criou uma nova identidade visual. A logomarca do HFR remete à ideia de saúde, bem-estar, modernidade, mineiridade e humanização, através de linhas e cores suaves e um formato inovador. A nova logomarca vem substituir a marca anterior simbolizada pelas letras “F” e “R”, ‘abraçando’ uma cruz, modelo demais estático frente ao posicionamento moderno do Hospital Felício Rocho. A atual marca, desenvolvida em parceria com a Escola de Design da Uni-BH, remete à ideia de transformação, de mobilidade e do novo. Ela espelha a modernidade, a inovação, a qualidade e o foco no cliente. A marca simboliza: • Humanização – através de traços que lembram um coração, símbolo universal da saúde e da vida • Montanhas de Minas – através da curva verde que nos lembra as montanhas da nossa Minas Gerais. • Iniciais da instituição – através de traços que representam um “H”, “F” e “R” • Formas orgânicas – através das linhas suaves • Tradição – por manter as cores originais da instituição (verde e vermelho), com pequena suavização nas cores.


Identidade visual remete à ideia de saúde, modernidade, humanização e mineirdade. Traços simbolizam as letras H, F e R, e lembram um coração e as montanhas de Minas

53


Conselho Superior Por Maria Ângela de Faria Resende Presidente do Conselho Superior

O Hospital Felício Rocho nasceu do idealismo de Nicola Felice Rosso, imigrante italiano que, em 1937, alguns meses antes de seu falecimento, doou seus bens para constituir uma fundação beneficente, destinada a “criar, manter e custear serviços hospitalares em Belo Horizonte”. No início, a Diretoria e o Conselho Superior formavam um pequeno grupo de abnegados brasileiros e italianos que, liderados por Américo Gasparini, deram prosseguimento ao empreendimento sonhado por seu idealizador, e, em 1952, inauguraram o Hospital Felício Rocho. A partir daí, a Fundação cresceu em várias dimensões e consolidou sua estrutura administrativa. O Conselho Superior passou então, a desempenhar o papel de órgão deliberativo. Com o passar dos anos, o número de conselheiros aumentou e, hoje, contamos com 30 membros da comunidade de Belo Horizonte. Representantes das classes empresariais, médicos, magistrados, bacharéis, professores e executivos emprestam a sua inteligência e a sua experiência às causas da Fundação. E, seguindo a tradição dos antigos cooperadores, muitos deles têm contribuído com significativas doações ao Hospital. Como presidente deste Conselho e em nome dele, acompanho com o maior interesse todas as atividades do dedicado grupo de profissionais, das várias áreas, que colaboram com o Conselho Diretor. O resultado positivo que se verifica é fruto dessa parceria e de um trabalho conjunto e solidário. Penso reproduzir o sentimento da nossa comunidade de que podemos projetar um futuro muito promissor para a nossa Fundação Felice Rosso.


55


EXPEDIENTE FUNDAÇÃO FELICE ROSSO HOSPITAL FELÍCIO ROCHO FILIAÇÃO

• Associação dos Hospitais de Minas Gerais (AHMG) • Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos de Minas Gerais (Federassantas) • Federação Mineira de Fundações de Direito Privado (Fundamig) • Fundação Affemg de Assistência e Saúde (Fundaffemg)

Editor-Geral e Redator:

Assessoria de Comunicação FFR/HFR:

Projeto Editorial e Design:

Fotografias:

Conselho Editorial: Impressão: Tiragem:

Luiz Lucas Martins (MG 02485 JP) lucas.martins@feliciorocho.org.br/ luckasbhz@gmail.com.br ascom@feliciorocho.org.br Telefax: (31) 3514 7180 / www.feliciorocho.org.br Rodrigo Denúbila / Logos Editora Ltda. rdenubila@gmail.com / logoseditora@gmail.com Telefax: (31) 3484 0480 Fotografias: Landon Wright com participação de Marcelo Cantarella (foto contracapas), Tiago Lima (fotos páginas 10, 13, 29, 36 e 54) e Thiago Fonseca (foto página 28) Antônio Sérgio Alves, José Carlos Braga Nitzsche, Maria Ângela de Faria Resende, Luiz Lucas Martins, Sérgio Ricardo Botrel Silva e Shirley Dabus Berti. Gráfica Formato 3.000 exemplares Impresso em papel duo design linha d’água 350g (capa), e couchê fosco linha d’água 170g (miolo) Capa em relevo seco



Hospital Felicio Rocho