Issuu on Google+

ESCOLA CARDEAL COSTA NUNES

OGIA L O C I S P e d ua l n a o ã ç a c DE A D Planifi I R A L O C S 1 2º A N O D E E

Docente: José Anacleto Ano Lectivo 2001/2002


Índice Planificação anual da disciplina......................................................................................................................................3 Gestão temporal do programa........................................................................................................................................13 Objectivos Gerais da educação sexual no ensino secundário................................................................................16 Integração do tema da sexualidade na planificação anual de Psicologia.............................................................17 Descrição detalhada das actividades a desenvolver................................................................................................19


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia– 12º Ano Objectivos Gerais

Definir a Psicologia como a ciência dos processos mentais e comportamentais

Objectivos específicos

Conteúdos

– Reconhecer a origem filosófica do primeiro objecto em Psicologia – Conhecer o contributo do associacionismo, behaviorismo, psicanálise, Gestaltismo e construtivismo para a definição do objecto da Psicologia – Reconhecer a evolução para uma Psicologia empírica e experimental, identificando o seu novo objecto: sensações e comportamentos – Conhecer a evolução do conceito de comportamento – Identificar outros objectos que surgiram sucessivamente: a criança, o inconsciente, os processos patológicos, os grupos, a cultura – Conhecer o método introspectivo – Reconhecer o método introspectivo como o primeiro método usado em Psicologia – Conhecer as limitações da introspecção como método – Definir os diferentes conceitos do método experimental: variáveis dependentes, independentes e externas, grupos experimentais e grupos-testemunha, amostra significativa – Caracterizar as sucessivas etapas de elaboração de um plano experimental: emissão de hipóteses, controlo e manipulação de variáveis, registo de observações e generalização de resultados – Reconhecer que o método experimental se aplica em laboratório e fora dele, no contexto ecológico – Reconhecer as limitações do método experimental em Psicologia – Definir a observação como uma das tarefas do experimentador – Compreender que a observação é também um método específico em Psicologia humana

1. O objecto em Psicologia – da consciência aos comportamentos

‫ﻤ‬Contínua (Formativa)

2. Métodos e técnicas em Psicologia – da introspecção ao método experimental

‫ﻤ‬Trabalhos de grupo

Método introspectivo Método experimental Conceitos: – Variáveis dependentes e independentes – Variáveis externas – Grupos experimentais e grupos-testemunha – Amostra significativa Etapas metodológicas: – Hipótese prévia – Controlo e manipulação de variáveis – Registo de observações – Generalização de resultados Método clínico – Características – Técnicas de observação Observação naturalista

Recursos

Avaliação

‫ﻤ‬Trabalhos individuais

‫ﻤ‬Participação positiva nas aulas

‫ﻤ‬Comportamento

‫ﻤ‬Sumativa ( dois exercícios sumativos por período)

3. Psicologia Aplicada

3


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia– 12º Ano Objectivos Gerais

Compreender a existência de uma relação/articulação indissociável entre a compon ente biofisiológica e o comportamento

Objectivos específicos

Conteúdos

Recursos

–Conhecer a constituição do sistema nervoso: periférico e central – Conhecer a constituição do sistema nervoso somático: nervos sensoriais ou aferentes, nervos motores ou eferentes, nervos de conexão ou associação – Conhecer a constituição do sistema nervoso autónomo: divisão simpática e parassimpática – Reconhecer a dupla função da espinal medula: como centro de actividade reflexa e como condutor da informação de e para o encéfalo – Descrever o acto reflexo – Conhecer algumas funções das principais componentes do encéfalo: bolbo raquidiano, cerebelo, tálamo, sistema límbico, hipotálamo – Conhecer a estrutura do córtex cerebral: hemisférios direito e esquerdo – Compreender as funções das áreas sensoriais, psicossensoriais e pré-frontais – Relacionar a especificidade do comportamento humano com a complexidade do córtex cerebral – Reconhecer a unidade funcional do cérebro – Reconhecer que todos os comportamentos humanos - do acto reflexo ao pensamento - dependem do funcionamento do sistema nervoso. – Identificar as principais glândulas endócrinas: hipófise, tiróide, supra-renais, sexuais – Compreender o papel do sistema endócrino no comportamento – Relacionar o sistema nervoso e o sistema endócrino a partir da análise do comportamento sexual – Compreender o papel dos genes e dos cromossomas no processo de transmissão genética – Identificar alguns métodos de investigação sobre a influência da hereditariedade no comportamento – Distinguir entre hereditariedade específica e hereditariedade individual – Reconhecer a existência de influências genéticas no comportamento – Compreender a interacção entre hereditariedade e meio na determinação do comportamento

1. O sistema nervoso – dos comportamentos simples aos mais complexos: do acto reflexo ao pensamento

Avaliação

Sistema nervoso periférico: - Autónomo - Somático Sistema nervoso central: - A espinal medula - O encéfalo – estrutura e funções - O córtex cerebral 2.

Sistema endócrino estrutura e funções

3.

A Genética

O processo de transmissão genética A influência da hereditariedade no comportamento A hereditariedade e o meio

4


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia– 12º Ano Objectivos Gerais

Objectivos específicos

Conteúdos

1.

Compreender o indivíduo como um ser social: o comportamento do indivíduo é determinado em grande parte pelos grupos sociais a que pertence

– Conhecer o conceito de atitude – Distinguir as componentes das atitudes – Compreender como se formam as atitudes – Conhecer algumas escalas de atitudes (Lickert e Thurstone) – Conhecer os conceitos de estereótipo e preconceito – Distinguir grupo de outros conjuntos sociais – Identificar diferentes tipos de grupo – Distinguir diferentes tipos de redes de comunicação – Reconhecer a liderança como um fenómeno inerente à maior parte dos grupos – Identificar liderança autoritária, laissez-faire, democrática – Reconhecer a influência que os membros do grupo exercem entre si – Compreender a existência de comportamentos conformistas e inconformistas no interior dos grupos – Conhecer o conceito de estatuto e o de papel – Compreender a relação entre estatuto e papel – Reconhecer que o mesmo indivíduo pode ter vários estatutos e, consequentemente, desempenhar vários papéis – Compreender que a multiplicidade de estatutos e papéis pode originar conflitos no indivíduo – Reconhecer que o comportamento individual é influenciado pelo meio social – Compreender o significado do conceito de socialização – Reconhecer a existência de valores, normas e modelos de comportamento decorrentes de diferentes culturas

Recursos

Avaliação

As atitudes

Conceito de atitude Componentes das atitudes – Componente afectiva – A componente cognitiva – A componente comportamental Formação e desenvolvimento das atitudes – A influência dos pais e da família – A influência dos colegas, dos pares – A influência da educação – A influência dos mass media Medida das atitudes Estereótipos e preconceitos 2.

Os grupos

Conceito de grupo Tipos de grupo Redes de comunicação no grupo Liderança Tipos de líder Interacção grupal 3.

Os estatutos e os papéis sociais

Noção de estatuto e de papel Os conflitos 4.Relações entre o indivíduo e o grupo O Homem como ser social A socialização A relatividade cultural

5


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia– 12º Ano Objectivos Gerais

Reconhecer que o desenvolvimento só poderá ser compreendido à luz do entrecruzamento de várias concepções e que o ser humano é produto da interacção entre estrutura biológica/ maturacional e função aprendida e influenciada por factores ambientais

Objectivos específicos

– Definir o conceito de desenvolvimento – Reconhecer que o desenvolvimento se realiza no decurso total da vida e não exclusivamente na infância e adolescência – Compreender que a perspectiva desenvolvimental considera o ser humano como uma combinação interdependente de sistemas e sub-sistemas (anatómicos, bioquímicos, neurofisiológicos, motores, perceptuais, cognitivos, linguísticos e sociais), sendo todos eles partes dinâmicas de um indivíduo total e complexo – Compreender que a abordagem do desenvolvimento implica uma organização dos sistemas num ordenamento de níveis sucessivamente mais organizados – Reconhecer a interacção recíproca entre estrutura biológica/ maturacional e função aprendida e influenciada por factores ambientais – Compreender a natureza activa e reactiva do organismo, considerado como uma unidade psico-bio-sociológica – Compreender como o desenvolvimento cognitivo consiste em duas funções: organização e adaptação – Conhecer os conceitos de assimilação, acomodação e equilibração – Conhecer os factores de desenvolvimento na perspectiva de Piaget – Conhecer os estádios de desenvolvimento intelectual segundo Piaget – Reconhecer que a teoria de Piaget é funcional/psico-biológica (por acentuar a adaptação do organismo ao meio) e estrutural/ construcionista (por realçar a organização dos processos cognitivos) – Compreender como a perspectiva genética de Piaget levou a uma nova conceptualização do desenvolvimento – Reconhecer a teoria psicanalítica como uma formulação desenvolvimentista da personalidade na perspectiva psicossexual – Reconhecer a organização das instâncias do aparelho psíquico

Conteúdos

1.O conceito desenvolvimento 2. Concepções sobre desenvolvimento Concepção de Piaget Concepção de Freud Concepção de Erikson

Recursos

Avaliação

de o

3.Desenvolvimento e socialização – a relação precoce mãe-bébé/ nascimento psicológico do ser humano 4. A adolescência Conceito de adolescência – Singularidade humana da adolescência – Atitudes e mitos A formação da identidade – A moratória psicossocial (Erikson)

6


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia– 12º Ano Objectivos Gerais

Objectivos específicos

Conteúdos

Recursos

Avaliação

– Conhecer os estádios psicossexuais – Identificar os conflitos inerentes aos diferentes estádios psicossexuais do desenvolvimento – Compreender que Erikson acentua o passado sociocultural do indivíduo – Compreender que na teoria de Erikson o desenvolvimento se processa ao longo de toda a vida (oito idades) – Conhecer as oito idades do homem de Erik Erikson – Compreender o papel da crise no desenvolvimento, segundo Erikson – Reconhecer que a aprendizagem social se realiza primariamente na díade mãe-bebé – Compreender a importância da relação mãe-bébé no desenvolvimento do ser humano – Compreender a adolescência como um momento de maturidade da infância/transição para o jovem adulto – Compreender que a adolescência humana é um fenómeno do desenvolvimento único e singular – Reconhecer a existência de atitudes e mitos sobre a adolescência – Compreender a formação da identidade como a tarefa fundamental da adolescência – Identificar as diferentes formas de procura de identidade - a busca de papel sexual, de carreira ou profissão, de realizações pessoais – Compreender o papel das atitudes de conformismo e/ou rebeldia, vivenciadas pelo adolescente – Identificar o conceito de moratória psico-social como um período de espera, de experimentação e de ajustamentos dos vários papéis sociais – Reconhecer a existência de várias moratórias possíveis

7


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia– 12º Ano Objectivos Gerais

Compreender que a aprendizagem é um processo em que intervêm diversos factores, intimamente ligado à memória

Objectivos específicos

– Definir o que é um comportamento aprendido – Conhecer condicionamento clássico e condicionamento operante – Reconhecer que a aprendizagem é base de todos os comportamentos humanos, exemplificando com alguns tipos de aprendizagem (motora, de discriminação, verbal, de conceitos, de resolução de problemas) – Compreender que a aprendizagem social se processa pela observação e modelação (Bandura) – Compreender de que forma factores como a inteligência, a motivação, a experiência anterior e os factores sociais influenciam a aprendizagem – Compreender que existem vários métodos de aprendizagem, exemplificando com alguns desses métodos a partir das vivências dos alunos (distribuição da prática no tempo, conhecimento dos resultados, aprendizagem total e aprendizagem parcial, aprendizagem programada) – Definir memória – Relacionar a memória com a aprendizagem – Conhecer os três tipos de memória – Compreender que o esquecimento não é uma doença da memória, sendo antes inerente a esta capacidade – Conhecer alguns factores que explicam o esquecimento (interferências de novas aprendizagens, alteração do traço mnésico, motivação inconsciente, etc.)

Conteúdos

1. Conceito aprendizagem

Recursos

Avaliação

de

2. Tipos de aprendizagem Condicionamento clássico (Pavlov) Condicionamento operante (Thorndike e Skinner) Aprendizagem social 3. Factores aprendizagem Inteligência Motivação Aprendizagem experiência Factores sociais

de

anterior,

4.Métodos de aprendizagem 5.Conceito de memória – o processo mnésico 6.Tipos de memória Memória sensorial Memória a curto prazo Memória a longo prazo 7. Memória e esquecimento

8


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia– 12º Ano Objectivos Gerais

Compreender a importância da motivação na explicação e compreensão dos comportamentos

Objectivos específicos

– Conhecer o conceito de motivação – Descrever o ciclo motivacional – Conhecer os aspectos fisiológicos da motivação: hipotálamo e outros mecanismos cerebrais; sistema endócrino – Conhecer os vários tipos de motivação (inatas/fisiológicas, combinadas e aprendidas/sociais) – Identificar algumas motivações inatas/fisiológicas, combinadas e aprendidas/sociais – Compreender o conceito de frustração – Compreender o conceito de conflito – Identificar alguns tipos de conflito (aproximaçãoaproximação; afastamento-afastamento; aproximaçãoafastamento) – Conhecer a teoria de Maslow: a hierarquia das necessidades – Conhecer a teoria de Freud: o conceito de pulsão, de conflito e alguns mecanismos de defesa do Eu (recalcamento, racionalização, projecção, deslocamento, regressão, compensação, sublimação)

Conteúdos

Recursos

Avaliação

1.Conceito de motivação – o ciclo motivacional 2.Aspectos fisiológicos Os mecanismos cerebrais e o sistema endócrino 3. Motivações fisiológicas Homeostase

inatas/

4. Motivações combinadas Motivação sexual Comportamento maternal 5. Motivações aprendidas/ sociais Necessidades de afiliação, prestígio, sucesso 6. Frustração 7.Conflito Tipos de conflito 8 Teorias da motivação Teoria de Maslow Teoria de Freud

9


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia– 12º Ano Objectivos Gerais

Compreender o din a m i s m o da inteligência e relacionar a inteligência com diversos factores

Objectivos específicos

– Conhecer várias concepções de inteligência – Distinguir inteligência prática de inteligência conceptual – Conhecer alguns instrumentos de medida da inteligência: testes e escalas de inteligência – Reconhecer os limites de aplicação e de validade dos testes de inteligência – Compreender o método de análise factorial da inteligência – Conhecer que a inteligência, segundo Thurstone, é composta por vários factores (aptidões mentais primárias) – Compreender a relação entre a inteligência e a hereditariedade, os factores sociais e as expectativas – Distinguir pensamento convergente do pensamento divergente

Conteúdos

Recursos

Avaliação

1.Definição de inteligência Várias concepções de inteligência Inteligência prática e conceptual 2. Inteligência instrumentos de medida 3.Composição inteligência

e da

Análise factorial da inteligência A concepção multifactorial de Thurstone 4.Relação entre inteligência e diversos factores 5.Criatividade Pensamento divergente

convergente

e

10


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia– 12º Ano Objectivos Gerais

Compreender que a personalidade é uma construção dinâmica fruto da organização de factores biológicos, psicológicos, sociais

Objectivos específicos

– Conhecer o conceito de personalidade – Conhecer os factores gerais que influenciam a personalidade: influências hereditárias, meio e experiências pessoais - Compreender que a personalidade é um produto dinâmico em que intervêm diferentes factores - Conhecer uma das seguintes teorias: teoria psicanalítica (Freud), teoria psicossocial (Erikson), teoria da aprendizagem social (Bandura), teoria fenomenológica da personalidade (Rogers), teoria da autorealização (Maslow), teoria das necessidades psicológicas (Murray)

Conteúdos

Recursos

Avaliação

1.Noção de personalidade 2.Factores gerais que influenciam a personalidade 3.Natureza da personalidade – o seu dinamismo 4.Teorias da personalidade S. Freud e a teoria psicanalítica ou E. Erikson e a teoria psicossocial ou A. Bandura e a teoria da aprendizagem social ou C. Rogers e a teoria fenomenológica da personalidade ou A. Maslow e a teoria da autorealização ou H. Murray e a teoria das necessidades psicológicas

11


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia– 12º Ano Estratégias comuns a todas as unidades •

Método expositivo /dialógico

Trabalho de texto: leitura, análise, discussão, interpretação e comentário de textos

Métodos audiovisuais

Debate de problemas

Trabalhos individuais

Trabalhos de grupo.

12


GESTÃO TEMPORAL DO PROGRAMA— 12º 1 Unidade programática

Designação

Tempos lectivos

Avaliação

Aulas previstas

I

A intenção filosófica e a diversidade dos saberes

23 6

39

Tempos lectivos

Avaliação

Aulas previstas

24

6

32

1º período II

A dinâmica do ser humano no mundo: a acção humana e os valores

7

1. A acção humana. Unidade programática

II

2º período

Designação 1.A acção humana e os valores. 2. A ética 3. A estética 4. A religião

II

Unidade programática

Designação

Tempos lectivos

II

5. Os direitos do homem: um problema do mundo contemporâneo

10

III

A filosofia no tempo: 1.O problema da filosofia e a sua história.

3º período

Avaliação

6

Aulas previstas

34

15

2. Tradição e inovação. 13


GESTÃO TEMPORAL DO PROGRAMA— 12º 4/E Unidade programática

Designação

Tempos lectivos

Avaliação

Aulas previstas

I

A intenção filosófica e a diversidade dos saberes

23 6

39

Tempos lectivos

Avaliação

Aulas previstas

23

6

31

1º período II

A dinâmica do ser humano no mundo: a acção humana e os valores

7

1. A acção humana. Unidade programática

II

2º período

Designação 1.A acção humana e os valores. 2. A ética 3. A estética 4. A religião

II

Unidade programática

Designação

Tempos lectivos

II

5. Os direitos do homem: um problema do mundo contemporâneo

10

III

A filosofia no tempo: 1.O problema da filosofia e a sua história.

3º período

Avaliação

6

Aulas previstas

34

15

2. Tradição e inovação. 14


SEXUALIZAÇÃO DO CURRÍCULO NA DISCIPLINA DE PSICOLOGIA

15


OBJECTIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO SEXUAL NO ENSINO SECUNDÁRIO

1. Aumentar e solidificar os seus conhecimentos acerca: .das várias dimensões e expressões da sexualidade; . do corpo sexuado, dos seus órgãos internos e externos; .das componentes anátomo-fisiológicas, psico-afectivas e socioculturais da expressão da sexualidade humana; .da diversidade dos comportamentos sexuais ao longo da vida e das suas diferenças individuais; .dos mecanismos da reprodução e da necessidade de planeamento familiar; .das doenças de transmissão sexual, formas de prevenção e tratamento; .dos mecanismos da resposta sexual humana; .das ideias e valores com que as diversas sociedades foram encarando a sexualidade, o amor, a reprodução e a relação entre os sexos; .os recursos existentes para resolução de situações relacionadas com a saúde sexual e reprodutiva.

2. Desenvolver atitudes: .de aceitação do corpo sexuado, do prazer e da afectividade; .de não discriminação baseada nos sexos; .de não discriminação face às expressões e orientações sexuais dos outros; .de prevenção em matéria de saúde, nomeadamente nas esfera sexual e reprodutiva.

3. Treinar e adquirir competências para: .comunicar com os outros no domínio psico-afectivo, nomeadamente através da aquisição da capacidade de expressar sentimentos e opiniões e de um vocabulário adequado aos vários contextos de interacção social; .tomar decisões e recusar comportamentos não desejados ou que violem a sua dignidade e os seus direitos; .utilizar meios seguros e eficazes de contracepção e de prevenção do contágio de D.S.T., quando necessário; .pedir ajuda e identificar apoios quando necessários.

16


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Integração da sexualidade na planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia—12º Ano Objectivos Curriculares

Objectivos específicos de Educação Sexual

Identificar as componentes fisiológicas do comportamento sexual (sistema nervoso e endócrino ) Analisar o papel da hereditariedade e do meio no comportamento sexual

UNIDADE 2: PSICOFISIOLOGIA Sub-unidade: sistema nervoso; sistema endócrino. Sub-unidade: A hereditariedade e o meio.

Explicar como se formam e se desenvolvem as atitudes do âmbito sexual (preconceitos e estereótipos) Reconhecer os comportamentos sexuais como comportamentos socialmente determinados.

UNIDADE 3: PSICOSSOCOLOGIA Sub-unidades: formação e desenvolvimento das atitudes Os estatutos e os papéis como factores determinantes de comportamento.

Conteúdos Desenvolver a capacidade de comunicação dos alunos e a sua expressão individual acerca da sexualidade

Conhecer a resposta sexual humana.

Actividades a desenvolver Actividade 1 * *descrição detalhada nas páginas seguintes.

Actividade 2* * descrição detalhada nas páginas seguintes.

17


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Integração da sexualidade na planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Psicologia—12º Ano Objectivos Curriculares -Clarificar a teoria psicanalitica como uma formulação desenvolvimentista da personalidade perspectiva psicossexual. -Identificar os estádios de desenvolvimento da idade na perspectiva psicossexual. -Explicitar os conflitos inerentes aos diferentes estádios psicossexuais do desenvolvimento -Caracterizar a adolescência como um momento de identificação da infância/ transição para o jovem adulto -Identificar as diferentes formas de procura de identidade: a busca do

Objectivos específicos de Educação Sexual UNIDADE4: PSICOL. DO DESENVOLVIMENTO Sub-unidade: concepção de Freud das etapas de desenvolvimento psicossexual. A adolescência A moratória psicossocial de Erikson

Conteúdos

Actividades a desenvolver

Compreender o que é a sexualidade e as suas expressões ao longo da vida.

Actividade número 3 *

Aumentar a capacidade de decisão pessoal e de aceitação das decisões dos outros.

Actividade 4*

*descrição detalhada nas páginas seguintes.

papel sexual(...).

-Descrever o ciclo motivacional do comportamento sexual; -Apresentar os aspectos fisiológicos da motivação: e outros mecanismos cerebrais; sistema endócrino; -Explicar o carácter "combinado" da motivação -O lugar da necessidade sexual na hierarquia das necessidades, da teoria de Maslow. -Clarificar o conceito de pulsão, de conflito e alguns mecanismos de defesa do "eu" (Ego).

UNIDADE 6 - A MOTIVAÇÃO Sub-unidades: Conceito de motivação; O Ciclo motivacional Aspectos fisiológicos motivação: os mecanismos cerebrais sistema endócrino

* descrição detalhada nas páginas seguintes.

da e

o

Motivações combinadas: Motivação sexual Teorias da motivação: Teoria de Maslow Teoria de Freud

18


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Descrição detalhada das actividades a desenvolver Ano Lectivo: 2001/2002 Introdução à Filosofia – 10º Ano Actividade número um: Barómetro de atitudes BARÓMETRO DE ATITUDES( dois tempos lectivos) É colocada nas paredes da sala uma escala de tipo Lickert, por exemplo contendo cinco posições: concordo totalmente, concordo, não concordo/nem discordo, discordo e discordo totalmente. São ditas ao grupo uma série de frases que exprimem juízos de valor claros ( positivos ou negativos) sobre o tema a tratar na unidade. Pede-se então aos alunos que se desloquem na sala e se coloquem na posição que melhor exprime a sua posição, tendo como referência a escala colocada na parede. Pede-se a participantes que estejam em posições diferentes para explicarem, uns aos outros, as razões de ser da sua posição. Pode-se repetir o jogo, verificar se houve mudanças de posição e debater as razões que levaram os participantes a modificarem as suas opiniões

19


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Integração da sexualidade na planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Introdução à Filosofia – 10º Ano Actividade número dois: Resposta sexual humana: o que é, o que se pensa 1. Distribuir pelos alunos cópias do texto em anexo para esta actividade e dar algum tempo (10 a 15 minutos) para a sua leitura. 2. Dividir a turma em subgrupos, propondo a análise, com base no texto anteriormente lido, das seguintes afirmações: a) Após um orgasmo, mulheres e homens não conseguem ser estimulados sexualmente. b) Existe uma relação directa entre as dimensões do pénis e o desempenho sexual masculino. c) A fase do orgasmo é, para toda a gente, a fase mais importante das relações sexuais. d) O desejo sexual é mais intenso nos rapazes do que nas raparigas. e) Homens e rapazes poderão manter relações sexuais com orgasmos, sem terem sempre necessidade de passar pela fase da resolução. NOTA: nenhuma destas afirmações é verdadeira. Propomo-las porque fazem parte de um conjunto de ideias feitas relativas à resposta sexual humana e aos estereótipos sexuais. Poder-se-á, caso seja da preferência conhecimento do professor, utilizar outras que os alunos expressam. 3. Findo o trabalho em subgrupos, os porta-vozes deverão transmitir relativamente a cada questão a conclusão a que chegaram. Recursos Necessários Fotocópias do texto proposto. O QUE É A RESPOSTA SEXUAL HUMANA? «A resposta sexual inicia-se com um afluxo de sangue, com o aumento da tensão muscular e do ritmo respiratório. Termina com a descarga de toda essa tensão através do orgasmo. Ao contrário do que se pensou durante muito tempo, a resposta sexual é muito semelhante na mulher e no homem. Em relação a este aspecto interessa saber que estas fases são apenas um esquema e que a vivência da sexual (idade implica respostas tão variadas como são as próprias pessoas entre si. Como esquema, serve só como informação, mas nunca como modelo a cumprir, pois cada pessoa deve construir a sua própria maneira de expressar a sexualidade. . Investigações feitas permitem-nos distinguir quatro fases na resposta sexual: Fase de excitação: iniciam-se as sensações eróticas estimuladas de diferentes maneiras, de acordo com as preferências individuais. Fisiologicamente há uma afluxo de sangue e um aumento do ritmo da respiração e da tensão muscular. A nível dos órgãos genitais, no homem, o pénis endurece e aumenta de volume, e na mulher, os grandes lábios, os pequenos e o clitóris aumentam de volume e a vagina humedece-se. Fase de planalto: continua o processo de excitação e intensificam-se as mudanças fisiológicas já iniciadas. Fase de orgasmo: há uma descarga da tensão sexual acumulada e sentem-se intensas sensações de prazer. No homem, o orgasmo coincide habitualmente com a ejaculação. Fase de resolução: experimenta-se uma sensação de calma e de bem-estar. No homem, há então um período de tempo durante o qual não tem possibilidade de erecção. A mulher pode ter outros orgasmos, se a estimulação continuar.» in APF-A Sexualidade Humana I - 35 Questões sobre a Sexualidade para jovens (adaptado).

20


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Integração da sexualidade na planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Introdução à Filosofia – 10º Ano Actividade número três: Desenvolvimento Psicossexual 1. Com alguma antecedência, propor à turma a recolha de informação bibliográfica sobre as várias fases do desenvolvimento psico-sexual: 1ª Infância, 2ª Infância. Puberdade, Adolescência, Idade Adulta e 3ª Idade. 2. Partilhar a informação recolhida pelos vários alunos. 3. Propor a constituição de 6 subgrupos de trabalho. Cada grupo deverá construir um pequeno guião relativo a uma fase específica do desenvolvimento, para posterior representação na aula seguinte, em situação de role play. 4. Antes do role play respectivo, cada grupo deverá apresentar à turma a caracterização da Sexualidade na fase etária que investigou. 5. Finda a apresentação dos trabalhos, iniciar um debate que permita o esclarecimento de eventuais dúvidas. Poder-se-á ainda fazer uma breve síntese com as principal: manifestações da Sexualidade ao longo das várias fases do desenvolvimento da vida: utilizar, por exemplo, acetatos para fazer a síntese. Recursos Necessários . Bibliografia sobre o desenvolvimento psico-sexual; acetatos e Retroprojector.

21


Escola Secundária Geral e Básica Cardeal Costa Nunes

Integração da sexualidade na planificação anual Ano Lectivo: 2001/2002 Introdução à Filosofia – 10º Ano Actividade número quatro: Gostar ou não gostar—eis a questão 1. Distribuir na turma a ficha em anexo para esta actividade e solicitar o seu preenchimento individual. 2. Findo o preenchimento da ficha, dividir a turma em subgrupos: só de rapazes, só de raparigas e mistos. Distribuir a cada grupo uma ficha (a mesma do ponto 1). 3. Depois da análise das listas individuais, o grupo deverá elaborar uma ficha que reuna as ideias de todos os elementos. 4. Plenário: o porta-voz de cada grupo deverá apresentar, além das listas de cada grupo, as diferentes opiniões que surgiram. 5. Os elementos dos outros grupos, no fim da apresentação de todas conclusões, colocarão questões aos porta-vozes de cada subgrupo ou reforçarão o que foi dito. A sala adquire então o aspecto de uma «Conferência de Imprensa». Se os outros elementos dos subgrupos assim o desejarem, poderão colaborar, dando opiniões, no esclarecimento das dúvidas que forem sendo colocadas. NOTA: é importante que o professor seja um elemento facilitador na «Conferência de Imprensa», explorando as diferentes opiniões conforme o tipo de grupo. Exemplo: se esse grupo fosse só de raparigas ou só de rapazes, teria conclusões diferentes? Porquê? Se esse grupo fosse misto teria as mesmas conclusões? Porquê? Recursos Necessários . Fotocópias da ficha; quadro ou papel de cenário.

22


teste