Page 1


Sinopse Quando eu fui largada pelo idiota do meu noivo, uma semana antes do casamento, os meus planos não envolviam nada mais do que sorvete, uma tenda de cobertores e uma fogueira com todas as suas coisas. Mas as minhas amigas me convenceram de que a amargura seria melhor afogada em um bom vinho Bordeaux, então vim para Paris para uma lua de solitária. Então eu o conheci. Ele me mostrou coisas que nunca tinha visto, e não estou falando sobre o museu do Louvre. É apenas a sedução de Paris? Ou isso poderia ser algo real?


Tradução: Sweet Club Book’s Revisão Inicial: Sweet Club Book’s Revisão Final: Rhealeza Traduções Leitura Final: Rhealeza Traduções Conferência: Rhealeza Traduções Formatação: Rhealeza Traduções Disponibilização: Sweet Club Book’s & Rhealeza Traduções 04/2018


Você reina em tais retiros internos da minha alma que não sei onde atacar você; Quando eu me esforço para quebrar essas correntes pelas quais estou ligada a você, eu apenas me engano, e todos os meus esforços, apenas servem para amarrá-las mais rapidamente. Heloise d'Argenteuil


Capítulo 1 Cinco Principais Razões (de 100) porque NUNCA vou sair dessa Tenda de cobertores

1) 220 convites gravados à mão. 2) Vestido Vera Wang de 18 mil dólares feito à mão. 3) 1500 rosas Felicity importadas do Equador. 4) Foto de noiva na capa da revista Wedding Chic. 5) Mensagem de texto do noivo cancelando o casamento dos sonhos uma semana antes dele acontecer.

Eu joguei a caneta no chão e pousei o bloco de papel na minha cabeceira. Se alguém conseguisse passar pela minha porta do quarto trancada, eles podiam ler a lista e não me incomodar, a menos que quisessem ouvir as outras noventa e cinco razões. —Mia, por favor. Você tem que sair daí. —Coco sacudiu a maçaneta antes de bater novamente na porta. —Não, eu não tenho. —Puxei os lençóis brancos sobre a minha cabeça e o meu travesseiro para dentro da tenda comigo. Bordado na fronha em fio azul marinho estava TBM: Tucker e Mia Branch. O conjunto de lençóis com monograma tinha sido um presente do chá de panela, juntamente com toalhas com monograma, edredom, alguns travesseiros, um conjunto de malas e até um roupão de banho. O roupão mais suave e confortável do universo. Bordado com as iniciais de Tucker Branch. —Então você tem que me deixar entrar.


—Por quê? Você tem vinho? —São nove da manhã! —E? —Mia, por favor. Você não precisa sair. Eu só quero falar com você. Vamos, vamos... fazer uma lista ou algo assim. Você ama fazer listas. Eu adorava fazer listas. Elas me acalmavam, me faziam sentir como se eu estivesse no controle, no topo das coisas, seguindo um plano. Mas por todo o chão do quarto havia listas amassadas e amontoadas com títulos como: fazer cocô em suas calças em público e outras coisas, que são tão humilhantes quanto essa, mas não tanto e não 10, nem 50, mas 100 razões pelas quais Tucker é um idiota, e eu tinha a certeza de que fazer outra não me faria sentir melhor. —Não há negociação. E quem somos nós? Quem mais está aqui? Eu disse para não deixar a minha mãe entrar novamente. —Não, a sua mãe voltou para Chicago. É só Erin. Ela está fazendo um café. O café parecia muito bom, na verdade. Talvez não tão bom quanto o vinho, mas estava em segundo lugar. Eu enrolei um pouco, e Coco sentiu a minha hesitação. —Você pode colocar um pouco de creme Baileys nele. —Ela persuadiu. Bom o bastante. Eu joguei os lençóis e deslizei da cama, uma monstruosidade king size com um colchão horrivelmente desconfortável que Tucker comprou puramente porque era o mais caro da loja. Eu disse a ele que era muito mole para mim, mas ele é o tipo de pessoa que apenas presume que a marca mais cara é sempre a melhor. Agora eu estava presa nela sozinha. Sozinha, entre os meus caros lençóis bordados, no meu colchão caro e ruim em uma casa cara suburbana que eu nem sequer possuía. Eu


tinha me mudado do meu lindo loft no centro de Detroit meses atrás, e havia uma lista de espera para entrar nesse prédio. FMV: foda a minha vida. Esse é o monograma que preciso colocar em tudo isso. O que me deu uma ideia, o que aliviou um pouco o meu humor, então depois de destravar a porta, entrei no banheiro adjacente e peguei a minha tesoura de unhas de uma gaveta. Evitei olhar para mim mesma no espelho. Eu tinha quase certeza que tomei banho pelo menos uma vez na semana passada, mas meus cabelos encaracolados provavelmente pareciam como se eu tivesse enfiado o dedo em uma tomada e depois atropelada. Várias vezes. Basicamente era assim que me sentia, também. Quando apareci, Coco estava puxando as cortinas e abrindo completamente as janelas no quarto. Ela usava um short curto e um moletom de capuz, e os seus cabelos longos e negros estavam puxados em um rabo de cavalo. —Oh meu Deus, Mia. Está tão abafado aqui. —Você que quis entrar. —Eu a lembrei. Sentei na cama e peguei um travesseiro enorme no meu colo. Então, com cuidado, comecei a cortar o monograma. Coco ofegou. —O que você está fazendo? Esses lençóis são caros! —Ela tentou arrancar o travesseiro de mim, mas o segurei firme. —Estou cortando o TBM desta fronha. Espere, acho que posso deixar o M. Só as iniciais do idiota que têm que sair. Coco assentiu e deixou para lá, caindo na cama ao meu lado. —E isso vai fazer você se sentir melhor? Eu dei de ombros enquanto voltava ao trabalho. Um corte: Saia, TB. Para sempre. —Talvez. —Você planeja cortar o nome dele de tudo aqui? —Ela olhou ao redor. —Vai demorar.


—Eu tenho tempo. Tirei algumas semanas de férias, lembra? Porque deveria estar me casando esta noite e indo para a França amanhã. —As palavras eram tão amargas na minha boca que eu quis cuspir depois de dizê-las. —Bem, eu posso pensar em coisas muito mais divertidas para fazer do que isso. Até mesmo ir trabalhar é melhor do que isso. —Ela balançou a cabeça e apontou para mim. —Você vai sair de casa hoje, mesmo que eu tenha que te arrastar daqui pelo cabelo, estilo homem das cavernas. Não consigo mais ver você deprimida assim. Arqueei uma sobrancelha para ela. —Você não me ouviu? Era para ser o dia do meu casamento. Agora não é mais que um fiasco de um zilhão de dólares. Ela olhou para mim de nariz empinado. —Eu ouvi. E eu sei. Ajudei a planejar seu fiasco de um zilhão de dólares. Mas faz uma semana que Tucker o cancelou e você já esteve aqui tempo mais do que suficiente. —Legal, você está acordada. —Erin entrou no quarto com uma bandeja que depositou na cama. Ela tinha três xícaras de café, um bule de creme e uma tigela de açúcar. Uma delas dizia Branch Industries de lado e a outra tinha uma foto minha com Tucker, um presente de sua sobrinha, uma das poucas pessoas em sua família, de quem eu sentiria falta. Mas o rosto bonito de Tucker fez meu estômago revirar. Eu dei a Erin um olhar mortal. —Coco disse que haveria creme Baileys. Erin revirou os olhos, mas deixou o quarto para ir buscar a bebida. —Está no carrinho do bar na sala de estar! —Gritei. —Traga a garrafa toda! —Aqui. Tome um pouco disso, por favor. —Coco me entregou uma xícara com o logotipo da Devine Events no lado, que era a empresa de planejamento de eventos que geríamos juntas.


—Vou aguardar o licor. —Disse, voltando ao meu corte. Quando o primeiro travesseiro grande estava pronto, alcancei o segundo. —Você sabe, eu nem gosto desses lençóis. Eu não queria esse branco liso. Eu queria os azuis claros. Ter um pouco de cor. Coco pegou um travesseiro e colocou-o debaixo do queixo. —Então, por que você pegou o branco? —Porque Tucker insistiu. Ele disse que eu poderia planejar o casamento como quisesse, mas ele faria as nossas escolhas de decoração. —O que ele tem contra cor? —Ela olhou em volta. Tudo no quarto era branco, azul marinho ou cinza. —Não tenho ideia. Mas a cor favorita do homem é cinza escuro, pelo amor de Deus. Toda essa casa parece um dia nublado. Os cantos da boca de Coco se levantaram. —Uma piada. Isso é um bom sinal. Parei de cortar e olhei em seus olhos. —Isso não foi uma piada. —Qual é Mia. —Ela retirou a tesoura da minha mão e arrumou a fronha mutilada. —É hora de começar a superar isso. Você sabe, há cor lá fora. E vinho. E refeições. Quando foi a última vez que você comeu alguma coisa decente? Dei de ombros. —Eu não sei. — Os sete dias depois de eu ter recebido a mensagem de término de Tucker foram como um borrão, me lembro de tentar desesperadamente contatá-lo no primeiro dia, o que aconteceu no segundo que ele finalmente retornou as minhas chamadas frenéticas (de Vegas, veja só) e muitos gritos, choro e telefone voando depois disso. O terceiro, quarto e quinto dias foram uma névoa entre vinhos, cochilos e lidar com a minha mãe, e o quinto e sexto foram gastos me revoltando e fazendo listas. E agora desfigurando fronhas. Olhei para a porta do armário com um olhar mortal, talvez os seus preciosos ternos personalizados fossem a próxima vítima.


Eu estava pegando a tesoura novamente quando Erin voltou com o Baileys e colocou uma dose em cada xícara. Isso realmente me fez sorrir um pouco, as minhas meninas nunca me deixavam beber sozinha. —OK. —Ela entregou a xícara de Coco com Branch Industries escrito e levantou a xícara com a foto. —Para acordar e começar de novo. —Tim- tim—Coco bateu a xícara com Erin. —Eu estava dizendo o mesmo para ela. Você tem toda a vida à sua frente, Mia. E já decidimos que isto foi uma benção. Ele não te merece. —Ela tocou a sua xícara na minha antes de tomar um gole. —Você decidiu isso. Nunca sentirei que essa humilhação seja qualquer outra coisa além de uma punição. —Punição pelo quê? —Erin perguntou. —Por que você precisaria ser punida? Eu gemi. —Deus, por tantas coisas... por ignorar todos os que me disseram que Tucker nunca se acalmaria e por me sentir tão superior porque estava provando o quanto eles estavam errados. Por ignorar aquela voz no meu cérebro me dizendo que algo estava errado. Por me recusar a admitir a qualquer um, ou a mim mesma, que tudo não era perfeito entre nós, e talvez nos casar não fosse uma boa ideia. —Mesmo assim, você não merece punição. —Erin esfregou a minha perna. —Você é humana, Mia. Todos nós cometemos erros. —Isso foi mais do que apenas um erro. Eu deliberadamente ignorei qualquer sinal de que estava tomando uma decisão errada. Tudo o que podia pensar era em ter um casamento dos sonhos. E não era nada mais do que uma fantasia estúpida. —Raiva contra mim mesma se junta com meu ódio por Tucker, revirando tanto o meu estômago que dói. —Vê? Isso é o que estou dizendo. —Coco me conforta. —No fundo você sabia que isso estava chegando. É melhor saber agora do que se casar com ele, certo?


Apertei os olhos e levei a xícara para os meus lábios. A amargura do café francês misturada com a doçura do Baileys se complementava tão bem, tomei mais dois grandes goles antes de falar. —Eu sei. Racionalmente, sei que o que você diz é verdade, mas tudo o que posso pensar são os mil detalhezinhos que deveriam fazer deste dia, o maior e melhor dia da minha vida. —Eu gesticulei em direção à porta do armário, onde um vestido de noiva ainda estava pendurado, envolto em sua capa protetora. —Aquele é o meu vestido de noiva. Que eu mesma paguei. O que eu deveria usar hoje às cinco horas, quando quatrocentas pessoas ou mais me observariam caminhar pelo corredor na cobertura do Ritz. Deus, Deus. —Dei uma olhada em pânico a Coco. —Diga-me que alguém ligou para o Ritz. Ela esfregou a minha mão. —Essas coisas foram tratadas. E você faz muitos negócios com todos esses fornecedores, a maioria deles nem sequer segurou o seu depósito. Alívio diminuiu a tensão nos meus ombros. Eu estava tão louca na semana passada, que não tinha certeza do que tinha feito. Eu já tinha tido clientes que cancelaram um casamento uma ou duas vezes na minha carreira, mas nunca com uma semana de antecedência. —Não era o meu depósito. Eles podem manter o dinheiro de Tucker, não me importo. Não vai lhe fazer falta. —Tomei outro gole de café. —E os convidados? —Tudo resolvido. —Disse Erin. —Você não tem nada com que se preocupar, exceto seguir em frente. —Vou fazer isso. —Levantei um travesseiro com um buraco no bordado. —Vê? Erin empalideceu, o que não é fácil para uma garota com a sua pele irlandesa. —Eu só vou tirar esse vestido daqui, ok, querida? Volto logo. —Ela colocou sua xícara de café na bandeja e pegou o vestido, correndo do quarto com uma expressão preocupada.


Eu a vi ir, com um aperto no meu coração. —Esse vestido era o único, Coco. Eu senti isso quando o coloquei. Agora nunca mais o vestirei. —Você poderá ainda vesti-lo. —Disse Coco, esperançosamente. —Nunca se sabe. —Eu não vou. Morrerei uma velha solteirona, fria e sozinha. Eu nem vou ter gatos porque sou alérgica a eles. Ela revirou os olhos. —Mia, por favor. Você tem vinte e sete anos. —Mas queria estar casada aos vinte e oito, e agora isso é impossível! Eu queria começar uma família por volta dos trinta, e vou ter que descartar esse plano também! —Agora você está sendo ridícula. O seu útero não vai murchar e morrer aos trinta anos. —Desculpe por ser ridícula com os meus sonhos. —O meu queixo empinou. —Mas é assim que eu me sinto. Ela esfregou as minhas costas. —Você quer falar mais sobre isso? —O que falta dizer? —Eu não sei. Você está triste com a perda de Tucker? Ou apenas com o cancelamento do casamento? Engoli com dificuldade. —Ambos, eu acho. —Você ainda o ama? A minha primeira reação foi repugnância, mas então o seu rosto bonito surgiu diante dos meus olhos. E eu ainda podia sentir o seu cheiro nos lençóis. Ele sempre cheirou tão bem e se vestia tão impecavelmente. E ele podia ser atencioso, generoso e divertido. Tínhamos tantos planos juntos, começando hoje à noite. Tucker, como você pode fazer isso comigo? A minha garganta apertou. —Não. Sim. Eu não sei.


—Queria que você tivesse dito algo sobre as dúvidas que tinha. Sinto-me horrível por não ter pressentido. Vejo você todos os dias. Nós falamos sobre este casamento sem parar. —Os seus olhos azuis estavam cheios de culpa. —Não é sua culpa. Eu fiz um bom show. —dei de ombros. —As pessoas sempre diziam que éramos o casal perfeito. Eu estava tentando ser isso. —Vocês pareciam perfeitos. —Erin esclareceu quando voltou para a cama. —Mas na verdade ninguém sabe nada sobre o relacionamento de outra pessoa. Olhe para os meus pais, casados por vinte anos antes que a minha mãe ficasse farta do seu alcoolismo escondido e do seu comportamento mesquinho e fosse embora. As pessoas ficaram chocadas. Não posso dizer quantos dos seus amigos lhe disseram: —O seu casamento parecia tão perfeito. —Ela balançou a cabeça. —Eles não tinham ideia, nem mesmo os seus melhores amigos, porque em público ele era tão encantador. Ela escondeu tudo porque estava envergonhada. Eu fiz uma careta e trouxe o meu café para os meus lábios. —Eu conheço esse sentimento. Coco brincou com a sua xícara de café. —Como era entre vocês dois quando estavam sozinhos? As coisas pareciam boas? —Eu acho que sim. Quero dizer, ele não é a pessoa mais aberta do mundo. Ele não falava muito sobre os seus sentimentos, mas dizia que me amava. E era romântico de certa forma, sempre me dando presentinhos, ou até mesmo grandes e me levando a lugares e outras coisas. —Sim, ele gostava de te mostrar, era óbvio. —O tom de Erin era duro. —E mostrando o quanto ele era bom para você. —Mas e quando vocês estavam sozinhos? —Continuou Coco. —O sexo ainda era bom?


—Não tão bom quanto deveria ser. —Dei de ombros. —Era bom. Ele é bonito e fazia o trabalho, acho eu, mas não havia muita variação. Erin riu. —Qual era o estilo? —Rápido e limpo. Coco engasgou em seu café. —O quê? —Sim. —Eu disse enrolando. Na verdade, era bom finalmente falar a verdade-menos-que-perfeita. —Ele tem duas posições que gosta, e assim que entrávamos em uma das posições aprovadas, é assim que ficávamos até ele terminar, o que não levava muito tempo. Ele não gosta de se mover, porque isso causa manchas úmidas nos lençóis. Ele tem uma aversão aos fluídos corporais. —Oh, meu Deus. —O queixo de Erin caiu. —Você está brincando. —Não. E ele não gosta de sexo oral pelo mesmo motivo. —Nem mesmo boquetes? Eu balancei minha cabeça. —Não. E esqueça o outro tipo. Ah, e depois que ele termina, corre para o banheiro para se limpar. Quer eu tenha terminado ou não. Ambas ficaram sentadas, piscando para mim em descrença. —Caralho, Mia. —Disse Coco. —Tenho certeza de que o universo te fez um grande favor. Você merece um homem muito melhor do que aquele idiota. Não me importo o quanto ele é bonito. Ou rico. Qualquer homem que pule da cama para se limpar antes de se certificar de que sua mulher está satisfeita é um idiota. —Concordo. —Erin assentiu enfaticamente. —Eu queria que você tivesse dito isso mais cedo. —Por quê? Eu não teria escutado a razão. Eu estava muito ocupada planejando o casamento mais deslumbrante do ano em Detroit. —Disse, citando o artigo na revista Wedding Chic. Eles fizeram uma matéria comigo, com sessão de fotos. —Oh, Deus, esse estúpido artigo da revista... todas essas fotos. —Eu fechei os olhos.


—Esqueça isso. Ninguém lê essa revista de qualquer maneira. — Erin colocou a mão no meu braço. —E algum outro escândalo no Facebook irá substituir esse. Abri os olhos para ver Coco olhando para Erin. —Está no Facebook? —Elas confiscaram o meu laptop há alguns dias, provavelmente para eu não verificar as redes sociais. As minhas amigas morderam os lábios e Coco olhou para a sua esquerda, o que sempre fazia quando mentia. —Não, não. Ela apenas quis dizer que as pessoas enviaram mensagens no Facebook, esperando que você esteja bem. —Caramba, Coco. Você é a pior mentirosa do mundo. —Coloquei a minha xícara na bandeja e deitei de costas. —Está bem. Tenho certeza que está por toda a internet que Tucker Branch me largou uma semana antes do casamento. As pessoas adoram fofocas. Eu só tenho que lidar com isso. Silêncio. Levantei, me apoiando em meus cotovelos, abri um olho e franzi o cenho para suas expressões nervosas. —O quê? —Bem... —Erin começou quando os olhos de Coco olharam para a esquerda novamente. —Não são tanto quanto as fofocas em relação a postagem de Tucker. Ahh, postagens. —Que postagens? —Ele, hum, tuitou algo sobre escapar por pouco de um edifício em chamas, abandonando a bola e a corrente. E postou isso com muitas fotos de si mesmo com várias meninas em Las Vegas. Meu estômago deu uma guinada. —Ele não fez isso. Coco assentiu. —Ele fez. Deixando cair a minha cabeça novamente no travesseiro, eu cobri com os meus braços a minha cara ardendo. Tucker, seu filho da mãe. Você realmente me amou? Por que você propôs?


Pensei na noite em que Tucker me entregou o anel, um diamante grande e bonito, em platina que ele tinha mandado o garçom colocar em uma taça de champanhe no nosso aniversário de um ano. Na época, eu adorei o espetáculo, ele de joelhos na frente de todos no restaurante, mas tinha que admitir que a metade da emoção era porque todos me disseram que ele era um playboy, que nunca me levaria a sério, que ele iria destruir meu coração em um milhão de pedaços. Mas ele não o fez. Por um ano inteiro, tivemos uma explosão juntos, sempre que tínhamos tempo, isso é que era a verdade. Dirigir a Devine Events me deixava loucamente ocupada, e ele trabalhava uma tonelada de horas como Vice Presidente de vendas na corporação de parafusos da família. Nenhum de nós era particularmente pegajoso ou emocionalmente carente, então aproveitávamos a companhia um do outro quando podíamos e não nos queixávamos sobre o tempo que estávamos separados. Ele costumava dizer que eu era a mulher ideal para ele, linda, inteligente e de baixa manutenção. Esses eram os seus critérios. E eu pensei que ele era o homem ideal, um homem lindo de terno e gravata com mestrado, um fundo fiduciário e uns gestos românticos vistosos diante de uma plateia. A ex-aluna de teatro em mim adorava isso. Então, depois de beber o champanhe, coloquei esse anel no meu dedo e me ocupei de planejar um casamento digno de uma princesa e playboy herdeiro. Eu também mudei para a sua casa na cidade, mesmo assim não fizemos muitas exigências sobre o tempo um do outro. Talvez devêssemos ter feito. Talvez devêssemos ter estado juntos mais vezes do que Tucker e eu queríamos. Talvez devêssemos sentir a falta um do outro quando estivéssemos separados. Talvez o arrependimento que se sente depois de seu noivo ter cancelado o seu casamento deveria ser mais sobre o homem e menos sobre o vestido, as rosas e o menu. (Lagosta, a propósito. Lagosta e filé mignon. E o vinho... oh, bom Deus, o vinho.)


Apertei os olhos. —Ahh, estou tão envergonhada. Como pude ter sido tão burra? —Qual é Mia?! —Disse Erin. —Não seja tão dura consigo mesma. —Cada uma das minhas duas melhores amigas pegou uma das minhas mãos e me puxaram para uma posição sentada. —Foi uma fantasia, como você disse. Qualquer uma cairia numa dessa. —Bem, agora é só um baita desperdício. —Eu disse amargamente. —Todo esse tempo e dinheiro perdido. Elas olharam uma para a outra. —Você sabe o que pensamos?— Coco deu um tapinha na minha mão. —O quê? —Você deveria ir para França amanhã. —O quê! Sozinha? —Sim. —Erin saiu da cama e desapareceu no meu armário. Antes que eu pudesse perguntar o que ela estava fazendo, Coco começou. —Você vem trabalhando sem parar, Mia e planejou o seu próprio casamento em paralelo. Agora você precisa de férias, sozinha. Você precisa de tempo para refletir, pensar e superar isso. Eu pisquei para ela com incredulidade. —E ir para Paris sozinha vai me ajudar a fazer isso? Quando era para ser minha lua de mel? —Não pense nisso como uma lua de mel. —Erin apareceu com minha mala grande e velha, a única que não estava com o monograma TBM. A mala vermelha brilhante que eu tinha usado em todas as nossas viagens de garotas, só de ver isso me fez melhorar um pouco. —Pense nisso como o presente de despedida de Tucker para você: umas férias de luxo com todas as despesas pagas! —Eu não posso. Esse não era o plano. —Mande o plano para o inferno, por uma vez, Mia! —Coco saltou da cama e gesticulou dramaticamente. —Apenas faça isso! Pense em Paris, pense em todas as coisas da sua lista que você sempre quis


ver! Essas coisas ainda estão lá, e continuam mesmo sem Tucker ao seu lado. Na verdade, elas ficarão melhores. Era verdade, eu tinha uma lista sobre Paris. Eu tinha várias na verdade. Uma para jantar, uma para beber, uma para fazer compras, uma para museus e catedrais, uma para atrações ao ar livre, uma para o romance... a ideia estava agitando a minha mente. —Não. Esta seria a minha maldita lua de mel. Tudo o que eu faria seria beber vinho e pensar que essa deveria ser a semana mais romântica da minha vida e em vez disso, estaria lá sozinha. —Mas pense em como esse vinho será bom! —Erin sorriu com tanta força que quase ri. —Você vai fazer o mesmo se ficar aqui durante essa semana. Por que não fazer isso olhando para a torre Eiffel? —O Louvre! —Acrescentou Coco, batendo palmas. —A Ponte Neuf! —Notre Dame! —O Arco do Triunfo! —Ok, ok, por favor. —Levantei as minhas mãos para parar a campanha publicitária. —Por favor, não comece a cantar a Marseillaise. Entendi. A França é maravilhosa. Sim, França. Eu não estou preparada para isso. E você sabe como eu sou para voar. —Eu lhe darei um comprimido para dormir. Você irá. —Erin colocou a mala na cama e a abriu. —Agora vamos fazer as suas malas. Esta viagem está paga, e se você não for, então Coco e eu iremos, e nós podemos gostar tanto que vamos decidir que somos um casal de lésbicas e ficaremos lá sem você. —Você não é o tipo dela. —Eu disse. Mas permiti que ela me puxasse para levantar. —Coco é alta, bronzeada e tatuada. Esse pequeno coração em seu traseiro não conta. Erin sorriu docemente. —Mas é Paris. Qualquer coisa pode acontecer lá.


—E eu me lembrei de outro benefício. —Acrescentou Coco. —Sua mãe estará em um país totalmente diferente. Você destruiu o seu telefone e nós roubamos o seu computador, então ela nem conseguirá se inteirar de você. Mordi o meu lábio. Isso era um benefício: a ansiedade da minha mãe me deixava louca mesmo quando ela não tinha que lidar com o fato de que o casamento da sua filha acabara de ser cancelado. —Vá para Paris, Mia. —Os olhos de Coco imploraram para mim. —Você fala sobre isso desde que era criança. —Se você ficar triste, pode pular em um voo para casa, a minha mãe mudará o seu bilhete de graça. —Prometeu Erin, cuja mãe trabalhava para a Delta linhas aéreas. —Mas pelo menos você pode dizer que esteve lá. Eu hesitei. Eu poderia fazer isso, realmente? —Se você não fizer isso, vou dizer a sua mãe para voltar para Detroit porque você precisa dela. Eu atirei a Coco um olhar assassino. —OK, ok, eu irei. Para a cidade mais romântica da terra. Sozinha. Elas gritaram e bateram palmas. —Boa garota. —Disse Coco. —Agora vamos te arrumar e colocar todas as roupas sexys que você planejou: eu sei que há uma lista de roupas aqui em algum lugar. —Aposto que os homens franceses não pulam da cama para se limparem logo após o sexo. —Acrescentou Erin. —Por favor. Eu ficaria feliz apenas se me afastasse das Posições Aprovadas. —Eu me estiquei um pouco e realmente senti uma onda de excitação no meu estômago, o que era estranho porque não sou uma pessoa que pode voar normalmente e aproveitar. Eu sou uma planejadora, uma criadora de listas, uma garota pensativa. Mas por uma vez, eu ia fazer algo espontâneo. Talvez até chegasse a gostar disso.


Capítulo 2 Esta foi uma ideia horrível. Enquanto o avião tremia e balançava de um lado para o outro, fechei os olhos e apertei o meu estômago. 3 coisas que sempre quis fazer em Paris, mas morri indo para lá: 1) Beber champanhe com vista para a Torre Eiffel. 2) Fazer compras no mercado de pulgas de Clignancourt. 3) Dar uns amassos na chuva sem me preocupar com o guarda-chuva. Abri os olhos e franzi a testa. Mesmo que conseguisse chegar a Paris com vida, eu teria que riscar toda essa coisa dos beijos-sem-guarda-chuva da lista, já que esta não era mais férias românticas. A fantasia de beijos sob a chuva era realmente muito diferente de mim, já que sempre planejo com antecedência e não tendo a ficar presa em mau tempo sem o equipamento apropriado. Mas há algo tão romântico sobre ser arrebatada por um beijo no meio de um aguaceiro, tão arrebatada que nem sequer se importa que esteja molhada, de fato isso só deixa tudo melhor. Uma vez, quando começamos a namorar, Tucker e eu fomos passear perto da cachoeira Tahquamenon quando começou a chuviscar, e nós ficamos dando uns amassos por cerca de trinta segundos, mas toda a experiência foi arruinada pelo jeito que ele se manteve estremecendo e olhando para o céu conforme as nuvens escureciam. Ele poderia ser um pouco louco pelo cabelo dele. Verdade seja dita, eu também não pude parar de pensar em meu cabelo, porque tinha feito uns cachos naquela manhã e é uma tarefa tão difícil. Então fiquei feliz quando Tucker disse: —Estou ficando molhado, querida. Você trouxe um guarda-chuva?


Claro que sim. Eu sempre trago um guarda-chuva. O avião guinou e apertei o banco com as duas mãos. —Ah! A mulher ao meu lado acariciou os meus dedos que estavam brancos no apoio de braços entre nós. —É apenas uma turbulência. Passará dentro de alguns minutos. Ou todos nós sofreremos uma morte por impacto no Oceano Atlântico. Isso também pode acontecer. Mas eu apenas assenti, incapaz de falar. Oh Deus, por que achei que poderia fazer isso sozinha? Em algum lugar na minha bolsa estava a pílula para dormir que Erin havia me dado, mas fiquei paralisada de medo e não conseguia mexer os meus braços. —Vê? Tudo calmo agora. Olhei para a mulher com a voz suave. Ela era da idade da minha mãe, talvez um pouco mais velha, com uma linda camada de cabelo grisalho, uma pele bonita e um elegante cachecol azul enrolado em seu pescoço. Ela está sentada no assento de Tucker. Tirando aquele pensamento indesejado da minha cabeça, sorri fracamente. —Nervosa por voar. Ela assentiu. —Eu também tenho uma amiga assim. Nunca voa para qualquer lugar sem tomar uma bebida forte primeiro para acalmar seus nervos. —Isso soa bem. —Vamos pegar uma então. Qual é o objetivo de se sentar em primeira classe, se não pode ficar um pouco bêbada antes do jantar? — Ela sorriu, revelando lindos dentes brancos.


Ela sinalizou ao comissário de bordo, que nos trouxe champanhe em taças de vidro alguns minutos depois. Tentando não engolir tudo de uma vez, bebi o líquido dourado efervescente apressadamente e a minha taça foi rapidamente enchida outra vez. Gradualmente, um zumbido substituiu a ansiedade sufocante. —Primeira vez para Paris? Eu assenti. —Sim. Foi... um presente. A viagem foi um presente. —Eu não conseguiria falar sobre Tucker. —Estou um pouco insegura por estar viajando sozinha. —Que presente maravilhoso! Eu sou Anneke, a propósito. —Mia. —Prazer em conhecê-la, Mia. E não se assuste, eu viajo sozinha com bastante frequência. Penso que todas as mulheres devem fazer uma viagem a sós, pelo menos uma vez na vida. Apenas seja cuidadosa, inteligente e se divirta. —O seu sorriso aumentou. —Paris é mágica. —Bom. —Engoli um pouco mais de champanhe. —Eu preciso de um pouco de magia.

#

Chegar com uma ressaca não estava na lista de Paris. Nem uma discussão com minha mãe. Ela atendeu o telefone ao primeiro toque e gritou alô. —Mia? É você? O que está errado? Você está bem? —Ela pensou que a minha decisão de viajar para a Europa sozinha era ridícula e estava certa de que eu seria atacada, sequestrada e vendida como escrava sexual. Eu segurei o telefone longe da minha orelha. —Estou bem, mãe. Você disse para ligar quando chegasse, é o que estou fazendo.


—Você não parece nada bem. —Estou cansada, ok? E com fome e tenho que desfazer as malas. —E chorar. Definitivamente, algum choro viria aí. Talvez jogar algumas coisas. —Como é o quarto? Olhei em torno da suíte de luxo maravilhosamente decorada na Plaza Athenee. Tucker sabia como viajar em grande estilo, dou esse mérito a ele. A cama king size estava cheia de travesseiros, a área de estar era espaçosa e elegante, com móveis de estilo Louis XIV, e a vista para o tranquilo pátio interno era encantadora. Droga, pássaros estavam chilreando logo atrás da janela. Em francês, nada menos. C'est magnifique, porra. —O quarto é incrível. Mas mãe, tenho que ir, ok? Estou exausta. —Certo, querida. Mas não tire uma soneca, lembre-se, caso contrário o seu corpo não se ajustará à diferença horária e você ficará mal por dias. Aprendi essa lição da maneira mais difícil. E não acho que você deveria vagar pelas ruas sozinha à noite, então talvez vá passear um pouco agora. Ou vá fazer uma massagem no spa ou algo assim. Você soa tão tensa. Minha cabeça ameaçava explodir. Eu não conseguia falar. Pare de falar, mamãe. Ela suspirou. —Esta foi uma má ideia. Você não está bem. Eu queria que você tivesse me deixado ir com você. Talvez eu vá encontrar com você em Paris. Podemos fazer compras, ou... Encontrei a minha voz, bem rápido. —NÃO! Não, mãe. Estou bem. Sério. —Bem, eu simplesmente não me sinto confortável com isso. Eu me forcei a parecer alegre. —Ouça, o sol está brilhando, minha suíte é linda e até posso ver a Torre Eiffel da minha janela. —Eu


menti. —Estou morrendo de vontade de sair, ir para o ar livre. Eu vou desempacotar algumas coisas e dar um passeio. —Você tem certeza? —Tenho sim. E preciso desse tempo sozinha, ok? Então não vou ligar para você a cada cinco minutos. —Não seja boba, querida. Uma vez por dia está bem. Eu rangi os meus dentes. —Tudo bem. Uma vez por dia. —Estou preocupada com você, Mia. Você nunca viajou sozinha para tão longe antes. Você sempre teve eu ou as meninas ou Tucker com você. E também não está no seu estado mental correto. As mulheres tomam más decisões quando estão estressadas e com o coração partido. Você embalou as pílulas que dei a você? —Sim, mãe. —Não havia necessidade de dizer a ela que planejava me automedicar com vinho, não com Prozac. —Vou falar com você amanhã. —Tudo certo. Te amo. —Amo você também. Finalmente, dissemos adeus e eu caí como uma pilha na cama. Eu prometi a Coco e a Erin que ligaria para uma delas para que saibam que cheguei sem qualquer transtorno, mas acho que não conteria as lágrimas se ouvisse suas vozes. A diferença horária e a solidão me dominaram e meus olhos se encheram de água. Esta não era a maneira que planejei começar a minha viagem, com uma forte dor de cabeça e uma sensação de que vir aqui sozinha era um erro. Eu estava muito cansada para desfazer as minhas malas, muito irritada para tirar os meus guias de viagem de Paris e ficar animada, e muito triste para escrever no diário de viagens que Coco e Erin me deram. Para todo o lugar que eu olhava, havia lembranças de que era para ser uma viagem romântica para dois: os armários duplos, a garrafa de champanhe e duas taças na mesa, o vaso com lindas rosas cor de


pêssego na mesa de café. O meu peito apertou à vista dessas flores quando me lembrei das 1500 rosas Felicity que tinham sido sacrificadas pelo meu casamento inexistente. Até mesmo o incrível banheiro de mármore branco me deprimiu com os roupões dele e dela e lavatórios duplos lado a lado. Voltei para a cama, me arrastei e coloquei a minha bochecha sobre um travesseiro de cetim listrado. As minhas pálpebras ficaram mais pesadas do que a minha mala. Eu queria uma soneca, e droga, eu ia tirar uma soneca, não importa o que a minha mãe dissesse sobre a diferença horária. Enquanto quase dormia, fiz uma lista. Coisas e pessoas que podem desaparecer: 1) Diferença horária, por razões óbvias. 2) Anneke, por sugerir champanhe no voo. 3) A Air France, pela turbulência que me fez beber o champanhe sugerido. 4) Minha mãe, por me dizer para tomar drogas em vez de tirar uma soneca. 5) Tucker. Por tudo. Repetidamente.

#

Depois de uma soneca de quatro horas, me senti como nova, a minha cabeça mais clara. Eu salpiquei um pouco de água em meu rosto, tomei uma garrafa gigante de água Vittel e coloquei a minha mala em um suporte para desfazê-la. Viver só com uma mala é impossível para mim, mesmo que seja apenas por uma semana ou menos. Eu não suporto o jeito como tudo se desdobra e se mistura lá dentro, e é muito difícil manter a roupa limpa e suja separada. Além disso, desembalar e organizar me dá uma excitação


ridícula. Eu amo tanto que Coco às vezes diz que eu deveria ter sido uma organizadora de armários profissional, mas quem quer passar a carreira nos armários das pessoas? Eu liguei o meu iPod na tomada da mesinha e passei a minha lista de reprodução de Paris. Enquanto Frank Sinatra amaldiçoava abril em Paris, eu cantarolei com ele enquanto desfazia a minha mala de roupas e pendurava vestidos, blusas e duas saias. Do saco, tirei tênis, sapatilhas e dois pares de saltos, e os coloquei no armário. Coloquei lingerie, pijamas, jeans, tops e meias nas gavetas, franzindo o cenho apenas uma vez para o sutiã e calcinha da marca Black Aubade sexy que eu comprara para esta viagem. O conjunto me custou aproximadamente o mesmo que uma parcela de carro, mas eu queria surpreender Tucker, que apreciava itens de luxo. Prometi vestir pelo menos uma vez durante os próximos dez dias, mesmo que fosse sozinha, ao redor do meu quarto de hotel, o enfiei ao lado de minhas roupas íntimas de algodão e sutiãs básicos. Quando tirei os meus artigos de higiene da minha bolsa e comecei a colocá-los no lindo banheiro de mármore branco, os meus passos eram leves e saltitantes, como sempre são quando algo me faz feliz. A última coisa que fiz foi tirar os meus guias e colocá-los na mesa. Coco e Erin não me devolveram o iPad, mas elas me deixaram imprimir os itinerários diários que criei e peguei alguns livros para trazer comigo. Eu os espalhei e olhei antes de jogá-los de volta para a minha mala e guardá-la no armário. Foda-se, vou vagar esta noite, como Anneke disse. Eu vou trocar de roupa, sair pela porta e ver onde os meus pés me levam. Mas primeiro tenho que verificar o meu calendário de roupas para ver o que planejei usar nesta noite. Um passo de cada vez, certo?


Capítulo 3 A minha primeira noite sozinha em Paris começou bem. Como eu não tinha comido e estava ficando com fome, pensei em pedir serviço de quarto, mas depois decidi bravamente comer sozinha em um restaurante, algo que nunca fiz antes. Usando um vestidinho florido e sem alças com uma jaqueta jeans e sapatilhas, coloquei a minha bolsa sobre o meu ombro que continha apenas a minha carteira, uma garrafa de água, um mapa das ruas de Paris e a minha câmera. Eu não tinha nenhum plano e me surpreendi adorando o pequeno estímulo de liberdade que isso me deu. Atravessando a avenida Montaigne saltitante, gravitei em direção à Torre Eiffel, cruzando o Sena na Pont de l'Alma e tentei não sorrir como uma boba enquanto pensava: Estou atravessando o Sena! surgiu em minha mente. Eu senti vontade de gritar. Na outra margem, segui o rio em direção à torre e, mesmo que quisesse esconder o meu sorriso, não conseguiria. Era tão incrível! A verdadeira Torre Eiffel, ali mesmo, enorme, monstruosa e bonita, surgindo acima de mim cada vez maior enquanto me aproximava. Por mais impressionante que pareça em fotografias ou filmes, nada se compara a realmente vê-la pessoalmente, observando o sol atrás dela. Eu senti um rápido arrependimento por estar vendo isso sozinha, mas só porque eu sabia que mais tarde, nenhuma palavra seria suficiente para descrever o quanto era linda a luz, quanto eu me senti pequena sob os arcos, como o meu coração bateu quando pensei: estou realmente em Paris. Eu queria subir lá no topo, mas meu estômago estava rosnando tão ferozmente que não podia ignorá-lo. Não desejando passar mais tempo, encontrei um vendedor de sanduíche, pedi um de presunto e queijo em meia baguette e comi enquanto caminhava de novo para a torre.


Quando terminei, tirei algumas fotos antes de subir os setecentos degraus para o segundo andar e tomar um elevador até o topo. Saí do elevador com expectativa e fui direto para o corrimão. Quando olhei, não pude deixar de ofegar. Os guias não haviam mentido, a visão de Paris no crepúsculo era de tirar o fôlego. E mesmo que eu estivesse sozinha na cidade mais romântica do mundo, ela ainda estava cheia de beleza, história e cultura. Eu absorveria tudo, tanto quanto pudesse em uma semana, e não teria que me preocupar com o que alguém quisesse fazer a qualquer momento. Não haveria Tucker para me apressar através dos museus, porque ele não gosta de arte, ou revirar os olhos por ver mais uma catedral, ou bocejar durante uma ópera. Toda a cidade estava aos meus pés e tinha muito para oferecer. Para o inferno com o romance! Sentindo a minha nova atitude positiva, olhei para a minha esquerda, a tempo de ver um jovem casal tirando uma selfie de si mesmos e se beijando com a vista de Paris por trás deles. Os meus lábios caíram enquanto me afastava. Não, não se afaste. O amor deles não foi feito às custas do seu. Algumas respirações profundas depois, eu estava bem. Até sorri para eles. Vê? Eu consigo fazer isso. Para celebrar a paz com a minha primeira aventura como Mulher Independente, fui até ao bar e pedi champanhe e fiz um brinde silencioso. Por estar em Paris, um sonho que se tornou realidade. A minha garganta ainda estava formigando com as bolhas quando ouvi um suspiro e um murmúrio na multidão atrás de mim. Eu me virei e vi um jovem de joelho na frente de uma linda garota, cujas pontas dos dedos estavam pressionadas em seus lábios. Com os olhos arregalados, assisti enquanto o homem tirava uma caixa de anel do bolso do casaco e a abria. Meu Deus. Isso não pode estar acontecendo.


Engoli o meu champanhe, olhando a cena com olhos arregalados em descrença. Quer dizer, realmente? Quando decidi que Paris não tinha que ser tudo sobre o romance, um pedido de casamento ocorre a cinco metros de distância de mim? Eu não consegui ouvir o que ele disse, mas a vi acenando com alegria enquanto ele deslizava o anel em seu dedo. —Sim! —Ela gritou, e toda a multidão explodiu em aplausos e saudações quando a mulher se inclinou e beijou o seu novo noivo. Sorrindo com entusiasmo, abaixei a minha taça e deslizei pela multidão em direção ao elevador, com um nó na minha garganta onde as bolhas haviam estado apenas alguns momentos antes. Tentei aproveitar o tempo com um passeio ao longo do Sena, mas a positividade da minha Mulher Independente tinha falhado. Em todo os lugares que olhava, via casais apaixonados. Em todos os lugares, porra. De mãos dadas nas pontes, roubando um beijo em cantos acolhedores, sussurrando uns com os outros em qualquer idioma que falassem, trocando sorrisos secretos, mergulhando em bares e restaurantes, rindo de todos os perdedores solteiros na cidade, pelo menos era o que parecia para mim. Eu caminhei sem rumo ao longo do rio, que parecia abatido e sombrio agora que a luz se desvanecia. Eventualmente perambulei pelo Boulevard St. Germain e no que adivinhei ser o bairro Quartier Latin. As vistas, os sons e os cheiros das ruas movimentadas deveriam ter me animado, mas a área estava cheia de jovens e de alguma forma o meu olhar ainda ia para todos os pares que se agarravam. Maldito seja, Tucker. Deveria ser nós dois. Com cada passo, a raiva corria mais nas minhas veias. Uma voz na minha cabeça me dizia que eu estava sendo estúpida, eu realmente não queria Tucker aqui, e provavelmente parecia uma criança mal-humorada, caminhando na rua com os braços cruzados e com uma careta no rosto, mas eu não me importava. Fiquei brava com Tucker por


me irritar, zangada comigo mesmo por deixar as coisas chegarem a esse ponto, brava com Coco e Erin por me fazerem vir aqui sozinha, brava com todos os casais que vira, brava com a França, brava com o amor. Eu também estava perdida. Descruzando os meus braços, parei de caminhar e olhei ao redor, mas não vi nenhuma placa ou sinalização de rua. Estava escuro e, embora eu odiasse a ideia de retirar o meu mapa e parecer como uma turista patética, o que mais eu poderia fazer? Pânico apertou meu peito, e eu me forcei a respirar profundamente e a me acalmar diante dos cenários que preocupavam a minha mãe e que se infiltravam em meu cérebro. OK é isso. Preciso de vinho. Caminhei mais um quarteirão e com sorte, me vi passando por um prédio com palavras inglesas pintadas sobre ele: The Beaver Bar & Grill. Após uma inspeção mais próxima de seu letreiro, descobri que era um bar esportivo canadense. Parando um momento para considerar, decidi que não estava brava com o Canadá, os castores ou com os esportes, então entrei e olhei ao redor. Era um lugar pequeno, nada ruidoso ou lotado, apenas algumas pessoas sentadas ao longo de uma bar de madeira longo à esquerda e um grupo ou dois nas mesas na parte traseira. Examinando atentamente todos os clientes, procurei casais se beijando ou sussurrando ou se juntando um ao outro, qualquer coisa que pudesse sinalizar um noivado iminente, mas não vi muito amor no ar. A maioria das pessoas pareciam beber copos enormes de cerveja e assistiam a um jogo de hóquei em uma grande televisão na parte de trás no bar. —Você está procurando por alguém? Surpreendida por terem falado comigo em inglês, olhei para a minha esquerda, onde o barman estava secando um copo de cerveja e me observando com um sorriso divertido. Talvez estivesse no final dos seus vinte anos, ele tinha uma cabeça cheia de cachos longos e amassados e uma mandíbula proeminente coberta com uma barba escura.


—Desculpa, o quê? —Você tinha uma expressão muito determinada em seu rosto. Você está procurando por alguém? —Ele ergueu as sobrancelhas enquanto repetia a pergunta, e eu detectei um leve sotaque. —Como você sabia que eu falava inglês? Um lado da sua boca sorriu. —Eu reconheço um americano quando vejo um. Por algum motivo, o comentário me incomodou. O que havia de americano tão óbvio sobre mim? Eu não estava vestindo uma camiseta Nike ou tênis branco ou um boné de beisebol. Eu coloquei as minhas mãos em meus quadris e afastei o cabelo do meu rosto. —Eu poderia ser canadense. —Não. —Ele sacudiu a cabeça e abaixou o copo. —O que faz você ter tanta certeza? —Um canadense teria logo respondido à pergunta. Um pouco irritada, deixei cair as minhas mãos e endireitei os meus ombros. —Não, não estou à procura de ninguém. —Oh. Da maneira como você estava observando a multidão com esses olhos grandes, pensei que talvez estivesse aqui para pegar o seu namorado com outra pessoa. —Eu não tenho um namorado! Ele ergueu as mãos. —Desculpa. Ou namorada, seja o que for. Eu só queria dizer que você parecia que sabia por que veio aqui, mas não era para se divertir. —Para sua informação, é exatamente por isso que entrei aqui.— Eu caminhei até ao banco do bar mais próximo e me sentei com um baque. —E não, eu também não tenho uma namorada. Estou sozinha. Sozinha. —Repeti ainda mais alto, chamando a atenção dos poucos


clientes sentados no bar. Um se levantou e mudou para o próximo banco, mais longe de mim. —Está bom para você? —Amor, está tudo bem comigo. Por que você não me diz o que você quer beber? —Não use essa palavra. —Qual palavra? —Amor. —Desculpe, ainda não sei o seu nome. —Não foi isso o que quis dizer. Eu não me importo como você me chama, simplesmente não quero mais ouvir sobre o amor esta noite, ou vê-lo, ou sentir o seu maldito cheiro no ar. Ele assentiu. —Isso é ruim, hein? —Sim. Isso era o que estava fazendo quando entrei, tendo a certeza que não havia casais apaixonados aqui. Eles estão por toda parte nessa cidade. Você nem pode andar na rua sem ver pessoas penduradas umas nas outras, se beijando, abraçando e ficando felizes juntas. É como se fosse um crime andar pela rua sozinho. —Há muitas pessoas sozinhas aqui. —Não que eu tenha visto. Ele deu de ombros. —Bem, Paris é um lugar romântico. —Paris é um pé no saco. —Por que não pego uma bebida, hum... —Mia. —Eu sou Lucas. —Ele ofereceu a sua mão do outro lado do bar, e eu a apertei. —Então, qual é o seu prazer, Mia? —Ele sorriu e deu uma saudação em francês para algumas pessoas que entraram no bar atrás de mim.


—Uma passagem de avião de volta a Detroit. Eu quero ir para casa. —Bem. Não posso ajudá-la com isso, mas aposto que você pode pegar um voo amanhã. E como é a sua última noite em Paris, deixe-me servir uma taça de vinho para você. —É a minha primeira noite em Paris. —Afirmei tristemente. —E minha última. Os seus olhos castanhos se arregalaram. —Nesse caso, o vinho é por minha conta. Espere. Movendo-se para a extremidade do bar, ele puxou uma garrafa de vinho de uma prateleira e serviu uma taça. Eu assisti enquanto ele servia alguns pedidos de bebida para outras pessoas, e percebi que ele falava francês com todos menos comigo. Embora o meu ouvido não fosse especialista, ele soava como um nativo. E, no entanto, também falava inglês com um sotaque americano muito bom. Eu tinha que admitir que estava um pouco curiosa sobre ele. Apoiando o meu queixo em minha mão, olhei-o com mais cuidado. Ele não era alto ou bem construído como Tucker, mas ele era delgado e possivelmente musculoso de uma forma menos óbvia. Ele tinha uma cintura elegante e uma bunda linda, que se via bem em sua calça cinza mais desgastada do que as que Tucker usava. Que pena que ele era uma bagunça acima dos ombros, porém, aquele cabelo provavelmente não tinha sido lavado há dias, e mesmo que ele tivesse lábios cheios e agradáveis, você mal podia vê-los com tanta barba no rosto. Eu acho que ele poderia ser bonito se investisse em uma navalha e um bom corte de cabelo. O meu gosto vai para caras barbeados, bem penteados e com um rosto bonito, que era um Tucker Branch com um enorme T. Ele era tão vaidoso quanto qualquer mulher que eu conhecia, malhava diariamente e passava horas na frente de um espelho, mas isso nunca me incomodou. A sua atenção para a sua aparência significava que ele se importava com o que eu pensava; ele queria ficar bem para mim. À


medida que a memória de seu corpo duro e marcado debaixo de seus ternos maravilhosos se infiltrava no meu cérebro, experimentei uma tristeza. Deus, ele é tão bonito. Aqueles olhos azuis. Os abdominais esculpidos. O cheiro de seu pescoço quando cobria o meu corpo com o dele. —Aqui está para você. —Lucas colocou uma taça de vinho tinto generosa à minha frente. Eu gostei de como os cantos dos seus olhos castanhos enrugaram um pouco quando sorriu, mas ele não era um clone de Tucker. Aposto que ele também não cheirava tão bem. Mas Coco poderia gostar de Lucas; ele era mais o seu tipo. Me perguntei se ele tinha alguma tatuagem. —Obrigada. —Dei um leve sorriso, com os lábios apertados e ele estremeceu. —Jesus Cristo, Mia. Não pode ser tão ruim. —Oh, sim, pode. Ele se inclinou para frente se apoiando em seus cotovelos. —Me conta. Eu respirei fundo. —OK. Mas o vinho primeiro. —Levando o copo para os meus lábios, tomei um belo gole. Era delicioso, terroso e aveludado na minha língua. —Isso é incrível. —Disse a ele antes de tomar outro gole. O sorriso dele se aprofundou. —Estou feliz que você goste. Depois de mais alguns goles, coloquei a taça no bar com um baque, mas não a soltei. Olhei os meus dedos na base dela enquanto eu admitia: —Esta viagem a Paris deveria ser a minha lua de mel. Mas o meu noivo cancelou o casamento. Sem dizer uma palavra, ele caminhou até o final do bar, pegou a garrafa de vinho da prateleira e serviu mais, substituindo o que eu bebia. Olhei para ele com gratidão. —Obrigada. Isso foi difícil.


—Eu sinto muito. Foi um choque total? Suspirei. —Sim e não. Se eu tivesse sido honesta comigo mesma, acho que teria percebido que as coisas não eram perfeitas. Mas estava tão envolvida com o planejamento do casamento perfeito que não queria admitir que o casamento poderia ser um erro. Lucas assentiu, inclinando-se novamente sobre o bar. —Ele lhe deu uma razão? Me desculpe, não quero te provocar. —Está tudo bem. —Pausei para beber mais vinho antes de continuar. —Realmente não era nada de fazer a terra tremer. Ele disse que me amava, mas que ainda não estava pronto para se casar. —E você estava? —Bem. Quero dizer, tenho vinte e sete anos, quase vinte e oito. Eu sempre planejei estar casada por essa idade e, você sabe... —Dei de ombros. —Nós estávamos apaixonados. Nós éramos o casal perfeito. —Claramente... Eu estreitei os meus olhos. Ele estava se divertindo à minha custa? —O que queria dizer era que pensei que fossemos um bom casal na época. Eu poderia ver a nossa vida juntos. —Você também tinha planejado tudo, hein? Não me importava o quanto o vinho era bom, Lucas estava começando a me dar nos nervos. Enquanto eu me perguntava como responder, vários clientes precisavam de sua atenção e então mais pessoas entraram pela porta, o mantendo ocupado durante os próximos vinte minutos. No entanto, isso não me incomodou, mas suas últimas observações me irritaram. E eu tinha problemas maiores do que um barman ruim, problemas tipo: o que fazer com o meu miserável eu pelo resto da semana. Tentando ser positiva novamente, fiz uma lista.


Coisas que gostei da viagem até agora: 1) Ver a Torre Eiffel. 2) Esta taça de vinho.

E então parei, porque não podia pensar em um terceiro item para a lista. Anteriormente, eu disse à minha mãe que precisava de tempo sozinha, mas agora não estava segura se poderia lidar com isso. Mas o que podia fazer? Ir para casa amanhã e admitir a Coco e Erin que não sou tão forte como elas pensavam que eu fosse? Que deprimente. Depois de outro gole de vinho, pensei em deixar a minha mãe ganhar e deixá-la voar para aqui e se juntar a mim, talvez ter alguém para ver a cidade comigo me ajudaria a me sentir menos sozinha. Tão rápido quanto essa ideia apareceu, a joguei fora, sabendo que não podia tolerar o nervosismo de minha mãe me chateando por uma semana inteira. Se Coco ou Erin pudessem voar, eu ficaria, mas sabia que isso era impossível. Coco estava à frente da Devine Events sozinha enquanto eu estava fora e Erin era professora. Não havia como abandonar tudo e vir para Paris. Mas quem mais? Meu pai? Eu pensei enquanto saboreava o último gole na minha boca. O meu pai também morava fora de Detroit, e nos damos bem, mas ele se casou novamente e tem crianças pequenas. Por esse motivo, não conseguia vê-lo sair por uma semana, mesmo que pudesse tirar umas férias do seu escritório de advogados, o que não era provável em tão pouco tempo. Mas conhecendo o meu pai, que não me disse nada quando falei sobre Tucker, apenas me segurou e me deixou chorar, ele reorganizaria tudo o que pudesse para chegar aqui e ficar comigo. Eu não poderia fazer isso com ele. Uma música do Imagine Dragons que Tucker e eu gostamos veio dos alto-falantes, e eu me abaixei mais no banquinho do bar. É isso, eu vou para casa. Isso é muito doloroso. E não era como se eu estivesse


sem dinheiro. Tucker ligou a Coco, que o deixou ir para o correio de voz, mas me deixou ouvir a mensagem, em que ele dizia que queria que eu fizesse a viagem e eu podia usar o cartão de crédito que ele tinha me dado para qualquer despesa enquanto estivesse aqui. Ele realmente deveria se sentir culpado, porque também disse que eu poderia ficar na casa da cidade enquanto precisasse. Ele ficaria em Las Vegas por mais uma semana e depois ficaria em outro lugar até eu sair. Deus, me mudar... As lágrimas encheram os meus olhos e procurei um lenço na minha bolsa. Lucas voltou e tornou a encher a minha taça sem dizer uma palavra antes de ser chamado por uma garçonete com uma camiseta apertada. Enxuguei os olhos e assoei o nariz, envergonhada de estar chorando na frente de estranhos em público. Mas pelo menos eu tinha vinho. Bebi a segunda taça ainda mais rápido do que a primeira, mas ainda fiquei surpresa com o zumbido que senti. Talvez o vinho francês tivesse um teor alcoólico maior ou algo assim? Não sabia nada sobre vinho; principalmente, eu só sabia como descrever o que eu mais gostava: encorpados, tintos como este, onde o sabor da fruta não é esmagador e há uma sugestão de algo terroso ou esfumaçado. Talvez eu faça um curso de vinhos quando voltar. Saber mais sobre o vinho seria útil para o meu trabalho. E Coco sempre quis que eu fizesse essa aula de culinária gourmet com ela. Eu também poderia fazer isso. Na verdade, todo o tempo que gastei planejando o meu casamento, eu poderia agora gastar em coisas novas, conhecer novas pessoas. Sentindo-me melhor agora que a decisão foi tomada, tirei o cartão de crédito da minha carteira e sinalizei a Lucas que estava pronta para ir.


Capítulo 4 Ele sorriu para mim quando se aproximou, e foi tão amigável e se mostrou arrependido, que esqueci que estava irritada com ele. —Me dê um segundo. —Ele encheu um copo enorme de cerveja na torneira. —Não vá a lugar nenhum. Onde diabos eu irei? Ainda não tinha ideia de como voltar para o hotel a partir daqui, eu teria que perguntar a ele. Mais alguns minutos se passaram antes de Lucas conseguir uma pausa, mas naquele momento outro barman apareceu para o trabalho. —Desculpe por isso. —Lucas secou as mãos em uma toalha e voltou ao meu lado do bar. —Posso servir outra taça para você? Eu mordi o meu lábio. —Provavelmente não deveria. É muito bom, no entanto. O que é isso? —É um vinho do Vale do Ródano, de onde venho. —Eu me perguntei se você era francês. Você fala inglês tão bem, quase poderia passar por um americano. —Mãe francesa, pai americano. —Ele explicou. —Eu nasci aqui, mas cresci em ambos os lugares. —Onde você viveu nos Estados Unidos? —Talvez fosse o vinho, mas eu estava curiosa sobre ele. —No norte de Nova York principalmente, mas vivo na cidade agora. Eu sorri. —Eu amo Nova York. Mas odeio voar, e ir para Nova York é uma longa viagem de Detroit. —Você odeia voar, mas quer entrar em outro avião amanhã cedo?


—Eu tenho que ir. —Não, você não tem. Balançando a cabeça, insisti. —Sim, sim. Você não entende. —Claro que entendo. O seu noivo cancelou o casamento e você está com raiva e triste, ou algo assim, porque você está perto da data do casamento ou o que quer que seja, mas isso não significa que não pode ter um bom momento aqui. Você percorreu todo esse caminho, mesmo que odeie voar. Deve ter havido um motivo. Oh sim. É por isso que eu estava irritada com ele. De novo exacerbada, sentei mais ereta no meu banco. —A razão é que sempre quis conhecer Paris. Tem sido um sonho meu desde que eu era criança. Planejava isso todos os dias, sabia exatamente o que faríamos, as coisas que veríamos. E pensei que poderia lidar com isso sozinha, mas agora que estou aqui, não consigo, ok? Eu não consigo lidar com todo o amor, romance e a maldita felicidade ao meu redor quando eu deveria estar aqui na minha lua de mel! Não é justo! —A minha voz estava ficando mais alta e várias pessoas olharam na minha direção, especialmente porque bati a minha mão no bar ao dizer a última palavra. Mas como ele se atreve, ele arruinou a tênue paz que consegui comigo mesma em ir para casa! Ele deu de ombros. —Muitas coisas na vida não são justas. Não importa em que cidade você está. Eu revirei os olhos enquanto todo o progresso que fiz em minha atitude durante a minha segunda taça de vinho se desfez. —Poupe-me dos chavões. Eu ouvi bastante deles durante a semana desde que fui largada sem cerimônia, via mensagem de texto se isso lhe interessa, sete dias antes do meu maldito casamento. Lucas me olhou cuidadosamente. —Você tem um problema. Brilhante, este idiota. —Sim. O meu problema é que estou na minha lua de mel, sozinha.


—Esse não é o seu problema. O meu queixo caiu. Quem diabos era ele para me dizer qual era o meu problema? Ele prosseguiu antes que eu pudesse protestar. —O seu problema é que você pensou que as coisas iriam ser de um jeito e não foram. Você nem está me dizendo que sente falta do cara que deveria estar aqui com você. Você simplesmente não quer estar aqui sozinha, porque esse não era o plano. —Não foi isso o que eu disse! Ele riu. —Foi exatamente o que você disse. —Bem... —Eu bati as minhas mãos no balcão. —Isso não foi o que eu quis dizer. Estou nervosa. E bêbada. —Então, você sente a falta dele? Porque não vejo uma garota desolada aqui na minha frente. Eu vejo alguém com raiva de que seu relacionamento acabou mal, principalmente porque arruinou uma ideia sobre a sua vida perfeita. E ela voou até aqui, mas mesmo Paris não é suficiente para distraí-la do fato de que ela não conseguiu exatamente o que queria, quando queria. —Era mais do que uma ideia! Era real. Pelo menos, parecia real... na maioria das vezes. —Minha coluna se curvou quando a luta saiu do meu corpo. Até a minha voz enfraqueceu. —Mas o que eu sei? Ele também falou mais suavemente. —Quer saber o que penso? —Não. Ele ergueu as mãos. —Certo. Coloco o meu cartão de crédito no bar. —Eu quero pagar minha conta e sair. —O vinho é por conta da casa. —Por que você sente pena de mim? —Gritei. Deus, Mia, cala a boca. Porque eu estava deixando esse cara me incomodar, eu não fazia ideia. Não estava neste bar porque sentia pena de mim mesma?


Ele hesitou antes de responder. —Sim. Originalmente, senti pena de você porque algum idiota te tratou de forma errada. Mas agora que eu sei um pouco mais, acho que ele fez um grande favor. Agora sinto muito por você, porque você vai deixar um dia ruim arruinar um sonho que você tinha há muito tempo. Você sabe, se você for embora amanhã, aposto que nunca mais voltará. Aposto que você sempre pensará em Paris como um lugar triste e solitário. Abri minha boca para argumentar e depois fechei. Ele estava certo? Eu estava deixando um dia ruim falar mais alto do que uma vida sonhando com Paris? —Mas eu também aposto que você é mais forte do que pensa. Eu encontrei os seus olhos, e eles estavam sérios. Ele estava certo? Eu sabia que chegar aqui não seria fácil, mas consegui entrar nesse avião. Inclinando a minha cabeça, perguntei: —Você tem um curso de psicólogo ou algo assim? Ele sorriu. —Dois, um em música e outro em psicologia. Graduado em psicologia. Olha, sei que acabamos de nos conhecer, e eu costumo analisar as pessoas e abrir a minha grande boca quando provavelmente deveria manter a minha opinião para mim mesmo. Mas quando você entrou aqui sozinha e olhou em volta, pensei: aqui está uma mulher que sabe o que ela quer. Essa confiança é sexy. —Mas eu não sou confiante. —As palavras saíram como um gemido quando olhei para a minha mão esquerda, onde o meu anel costumava estar. Perguntei onde estava agora, eu o joguei no vaso sanitário, mas Coco o resgatou. —Sim você é. Você só está com um pouco de medo agora. Exalando forte, olhei para ele através dos meus cílios. —Você discute com tudo o que eu digo. É realmente irritante. —Desculpa. Deixe-me te compensar. —Como?


Ele pensou por um momento. —Bem, vamos fazer um acordo. Você concorda em dar a Paris mais um dia, e eu aceito passar o dia com você como seu guia turístico, sem psicanálise, eu prometo. Se você ainda estiver triste, mesmo com um amigo ao seu lado, você pode pegar um voo para casa no dia seguinte. Até vou ligar para a companhia aérea para você. —Um amigo, hein? —Você pensa sobre isso. —Ele se abaixou no bar para anotar os pedidos de bebida, e chequei a sua bunda novamente. Era realmente fofa. E embora ele não fosse a minha primeira escolha para um companheiro de viagem, eu o classificaria em algum lugar acima da minha mãe e abaixo de Coco e Erin, a oferta era meio gentil e achei que ele faria um guia muito bom, sendo nativo e tal. Eu poderia ficar mais um dia. Quando ele voltou, mostrei dois dedos. —Eu tenho duas condições. Ele cruzou os braços sobre o peito. —Diga. —Você tem que parar de discutir com tudo o que digo sobre mim. Você nem me conhece. —Sim, eu conheço. Soltei uma enorme respiração zangada, mas ele começou a rir. —Desculpe. —Ele levantou as mãos em sinal de rendição. —Mas você é fofa quando está brava, sabe. Vai ser difícil para mim resistir a cutucar você um pouquinho. Minha boca ficou aberta. Ele estava flertando comigo? Estava meio furiosa, meio lisonjeada. Por um lado, ele me irritou muito esta noite com a sua atitude inteligente, sabichona, mas por outro lado... Meu Deus, quanto tempo se passou desde que alguém flertou comigo assim dessa maneira?


O outro barman pediu ajuda, e Lucas ergueu um dedo sobre o ombro para ele esperar por um momento. —Então? Qual é a segunda condição? —Deve haver vinho. Ele sorriu. —Negócio fechado. —Eu estendi a minha mão e nós demos um aperto e então, de repente, ele me puxou para ele por cima do bar, beijou cada uma das minhas bochechas e depois a primeira novamente. —Prazer em te conhecer, Mia. Bem-vinda a Paris.

#

Apesar da opinião de Lucas, não me senti suficientemente confiante para pegar o metrô pela primeira vez à noite, então ele me colocou em um táxi e deu as instruções ao motorista para o hotel. Lucas ergueu uma sobrancelha para as minhas acomodações extravagantes, mas não fez comentários engraçadinhos. Concordamos que ele me encontraria lá no lobby às dez da manhã, ele argumentou para ser ao meio dia, mas insisti que devia ser mais cedo. —Eu tenho que trabalhar até as duas. —Ele reclamou. —Melhor chegar em casa logo então. Temos muito terreno para cobrir amanhã, se você vai vender Paris para mim em apenas um dia. Ele gemeu e abriu a porta do táxi e dei um sorriso de vitória. Gostaria de pelo menos um abraço ou algo assim, mas ele não me deu, então também não dei. Escorregando para o banco de trás, levantei uma mão em despedida quando ele fechou a porta e fez o mesmo. Foi estranhamente decepcionante.

#


Na manhã seguinte, acordei às oito, tomei banho e vesti o robe menor dos dois pendurados no banheiro. Cantarolando junto com a música “Paris” de Kate Nash, uma das minhas canções favoritas na lista de reprodução de Paris, deixei os meus cachos secar ao ar enquanto bebia um delicioso café do serviço de quarto, mordiscando morangos e pain au chocolat1 e vasculhei em minhas roupas pela certa. De acordo com o jornal de língua inglesa que aguardava na minha porta, o dia seria nublado, mas não chuvoso, e a temperatura leve. Humm. Apertando um dedo nos meus lábios, considerei o meu guarda-roupa. Eu queria parecer legal, mas não como se estivesse tentando, porque não estava, mas também precisava estar confortável. As minhas sapatilhas foram boas para andar ontem, mas pensei que poderia ir com tênis hoje. Eu combinei com o meu jeans favorito, dobrado na bainha e um top branco liso. No caso de ficar com frio, joguei um suéter leve e rosa sobre os meus ombros. Assim que estava vestida, passei um rímel e mexi um pouco com o meu cabelo, mas na verdade, não havia muito que pudesse fazer já que estava seco. A Kerastase faz produtos que amo, mas às vezes os meus cachos tinham vontade própria. Hoje, felizmente, eles estavam se comportando corretamente. Eu terminei o meu café e estava escovando os dentes quando ligaram da recepção para me informar que eu tinha um convidado no lobby. Eu enxaguei, cuspi e coloquei o meu batom favorito antes de jogar a minha bolsa sobre o ombro e sair correndo pela porta. No elevador o meu estômago estava realmente pulando, mas que diabos? Pensei sobre isso e me lembrei para não esperar muito deste dia. Lucas era um bom cara e tal, talvez até um pouco atraente, mas não havia garantia de que eu ia gostar da sua companhia por horas a fio, nem ele. Na verdade, este dia poderia ser totalmente estranho se não tivéssemos nada em comum. Eu teria que pensar em uma desculpa para ir embora mais cedo se fosse o caso.

1Em francês:

pão com chocolate, em inglês: dor com chocolate; aqui a autora usa um jogo de palavras.


Depois de sair do elevador, entrei no elegante lobby e procurei na multidão. —Procurando por alguém? —A voz veio de trás de mim, e eu virei para encontrar Lucas de pé, com as mãos nos bolsos. Eu sorri. —Desta vez estou. Ele devolveu o sorriso antes de se inclinar e me beijar, uma vez em cada bochecha. Era minha imaginação, ou ele estava mais bonito esta manhã do que estava no bar ontem à noite? Algo estava diferente? Eu fiz um inventário rápido, não, a barba ainda estava lá e o cabelo ainda era uma bagunça. Jesus, o homem não possuía um pente? Mas a sua roupa não era ruim. A calça cinza da noite passada era repetida, mas em cima ele usava uma camisa branca e um cardigan. Era bonito, uma espécie de nerd-chique. Saímos do hotel e Lucas gesticulou para a esquerda. —Por aqui. —Para onde vamos? —Eu fiquei ao lado dele. —Para o café. Um som de frustração me escapou. —Já tomei café! Quero ver alguma coisa! —Relaxe, princesa. Nós vamos passear pelos Champs-Élysées como bons turistas e depois sentaremos em uma cafeteria e tomaremos café com vista para o Arco do Triunfo. Você será capaz de riscar dois locais famosos de sua lista. —Como você sabe que eu tenho uma lista? Ele sorriu de lado para mim. —Apenas um palpite. Franzindo os meus lábios, bati em seu ombro. —Você disse que não estava analisando hoje. Seus olhos se iluminaram. —Oh meu Deus, você tem uma lista para tudo, não é? Aposto que você tem uma que diz: Manhã de terça usar jeans azul, suéter rosa, tênis cinza. —Ele afinou a voz em um timbre


feminino alto para me imitar. —Mudança de roupa as quatro e quarenta e cinco para um vestido de coquetel e saltos pretos. —Pare com isso. Eu não tenho. —Levantei o queixo e continuei andando, me recusando a olhar para ele, para que a minha expressão não me denunciasse. Caramba, era irritante que as suas análises estúpidas sobre mim acertassem tanto no alvo. Lucas riu. —Eu estava brincando, mas você tem, não é? Você tem uma lista de roupas! —E daí se eu tiver? O que há de errado em ser organizada e planejar com antecedência? Eu sou boa nisso. —Sempre pensei na minha preparação como um trunfo, então por que minhas bochechas estavam tão ruborizadas? —Nada de errado com isso, princesa. —Ele pegou o meu cotovelo e me encaminhou para uma rua lateral, e eu me puxei de seu aperto. —Pare de me chamar assim. Eu não sou uma princesa. —Diz a garota que fica no Plaza Athenee. —Não estou pagando por isso, lembra? O ex-noivo? Lucas parou. —Oh sim. Eu esqueci dele. —Eu queria poder esquecer dele. —Você pode. Você vai. —Ele jogou o braço sobre o meu ombro e apertou por um momento, me surpreendendo. —Desculpe ter provocado você. Caminhamos lentamente pelos Champs, parando ocasionalmente, para que eu pudesse fazer ooh e ahh para as mercadorias nas vitrines das lojas na famosa avenida. Eu entrei em algumas lojas, mas ele escolheu esperar lá fora, nunca me dizendo para me apressar ou reclamar que ainda não tinha tomado café, como Tucker teria feito. Tucker não entendia o conceito de olhar as lojas pela vitrine, se ele gostava de algo que via, ele comprava.


Eu vi algumas coisas bonitas que gostaria de comprar para mim ou para as minhas amigas, mas o meu cartão de crédito não conseguia lidar com as etiquetas de preços. E embora eu tivesse o cartão de Tucker e até a sua permissão para usá-lo, eu simplesmente não me sentia bem. —Nem mesmo uma camiseta de lembrancinha? —Lucas perguntou quando saí de outra loja com as mãos vazias. Eu balancei minha cabeça. —Mesmo as camisetas estão um pouco caras para mim. —Sim, esses lugares aumentam os seus preços porque é o melhor lugar no setor imobiliário. Mas conheço algumas áreas de compras melhores, menos turísticas. Eu lhe direi onde ir. —Obrigada. Adoraria isso. No final da avenida estava o Arco do Triunfo, maciço, sólido e majestoso, muito maior do que eu imaginava. Quando nos aproximamos, parei de andar e encarei com a boca aberta. —Oh meu Deus, é tão grande! —Eu ouço muito isso. Eu fiz uma careta para ele. —Hahaha. Apenas fique quieto e deixe-me aproveitar essas coisas, ok? Esse é o seu único trabalho hoje. Ele fez uma continência. —Então podemos subir? —Você pode subir. —Por que só eu? Ele deu de ombros. —Eu não gosto de alturas. Olhei novamente para o arco romano. Era muito alto no topo. —Você nunca esteve lá? —Já. A visão é incrível. —Bem, eu irei sozinha então.


—Sem problemas. Vou esperar por você aqui. —Chegamos ao final do quarteirão, onde um café com um enorme toldo vermelho e muitas mesinhas ao ar livre ficava no canto do arco. Lucas escolheu uma vazia e se sentou. —Você não vai agora? —Eu acho que sim. —Mas fiquei um instante mais, me sentindo estranhamente decepcionada porque ele não me acompanharia. —Você tem certeza de que não quer ir comigo? —Tenho certeza. Vá. —Ele me acenou para um sinal da estação de metrô. —A maneira mais fácil é ir de metrô e pegar a calçada. Segui as suas instruções e usei o meu passe do Museu de Paris para entrar. Na verdade, eu tinha dois passes, pedi adiantado para mim e Tucker. Quando subi as centenas de degraus para chegar ao topo do arco, pensei em dar o outro a Lucas. Eu me perguntei se ele gostava de arte. Eu sabia que ele deveria gostar de música já que se especializara nela junto com a psicologia, mas além disso e o seu trabalho, eu não sabia quase nada sobre ele, nem mesmo o seu sobrenome. Os meus músculos das pernas estavam queimando depois de algumas dúzias de escadas, mas me sentia bem, e o esforço físico elevou o meu humor. Quando eu descer, vou perguntar mais sobre ele, e terei uma mente aberta e até mesmo serei agradável. Não vou comparar desfavoravelmente com o Idiota, vou parar de julgar o seu cabelo, barba ou qualquer outra coisa, e até vou lhe agradecer por passar o dia comigo. Porque realmente, quando penso nisso, ele poderia ter simplesmente me mandado embora na noite passada. Pelo amor de Deus, não era como se tivesse sido tão encantadora que ele não tivesse conseguido resistir a mim. Na verdade, eu tinha sido muito má. Um pouco ofegante da subida, cheguei ao topo e dei de cara com o vento, apertando meu suéter mais em volta de mim. Com cuidado, me aproximei da borda e peguei a vista panorâmica. Mas ao invés da Torre Eiffel ou do Louvre ou da Défense, os meus olhos procuraram imediatamente o café onde Lucas estava me esperando e pensei que


não o vi lá, mas não podia estar certo. Eu puxei a minha câmera e tirei algumas fotos antes de descer novamente os degraus, pela passagem subterrânea e voltar para o café. Lucas estava exatamente onde o deixei, uma xícara de café vazia na mesa. Ele estava checando o seu telefone, mas rapidamente o enfiou no bolso quando me viu, algo mais que Tucker nunca teria feito. Ele estava colado a essa coisa. —Então? Como foi? —Lucas puxou a cadeira do outro lado da mesa para mim. —Foi fantástico. Foi de tirar o fôlego. Foi... —Eu me sentei na cadeira e soquei o ar. —Triunfante. Lucas riu e levantou a mão para o garçom. —Que bom, hein? —Bem, não vi ninguém se beijando ou se comprometendo, o que automaticamente é melhor do que a minha visita à Torre Eiffel ontem. —Bom. Você gostaria de café? —Perguntou enquanto o garçom se aproximava. —Claro, obrigada. Lucas ergueu dois dedos. —Deux cafés. —O garçom pegou a xícara vazia e recuou, e eu me inclinei em meus cotovelos. —Então, Lucas... espere, qual é o seu sobrenome? —Fournier. —Então, Lucas Fournier. Você se especializou em psicologia e música, você é um barman e tem medo de alturas. Diga-me outra coisa sobre você. —Eu não disse que tinha medo de altura. Eu pisquei. —Sim, você disse. —Eu disse que não gostava. Há uma diferença. Um sorriso puxou um canto da minha boca. —Claro. Pardonnez-moi, me perdoe.


—E não sou realmente um barman. O Beaver pertence ao meu irmão Gilles, e acabo ajudando às vezes, quando estou em Paris. —O que você costuma fazer? —Ensino introdução à psicologia na NYU. Estou aqui durante o verão visitando a minha mãe e fazendo um pouco de pesquisa. —Para a psicologia? —Perguntei antes de tomar um gole. —Para a música, na verdade. —O que você está pesquisando? —A música folk tradicional dos guitarristas Romani. Eu gostaria de escrever um livro sobre isso. Inclinei a cabeça pela palavra desconhecida. —Romani, o que é isso? —Bem, muitas pessoas se referem a eles como ciganos, mas esse termo parece um pouco duro nos dias de hoje. —Ahh. E você também toca violão? Ele sorriu. —Eu toco. Intrigada, pousei a minha xícara. —Posso ouvir você tocar? —Você trouxe um violão? —Não aqui, bobo. Talvez mais tarde? Ele levantou uma sobrancelha. —Você está planejando voltar para casa comigo? Imediatamente as minhas bochechas avermelharam. Fui de agradável a pervertida em menos de um minuto. —Não... não quis dizer ... desculpe, eu apenas... Lucas riu enquanto se esticava e acariciava meu ombro. —Relaxe, Mia. Eu só estou te provocando. —Ele tirou algum dinheiro do bolso e o colocou sobre a mesa.


Eu mordi o meu lábio, eu não queria que ele pensasse que deveria continuar pagando as coisas. Não era um encontro. —Obrigada. Preciso trocar algum dinheiro, eu acho. —Isso significa que você vai ficar? —Lucas olhou para mim com um brilho nos olhos. Eu queria dizer que sim, mas não queria que ele parasse de tentar me convencer. Havia algo realmente agradável sobre ser o único foco de sua atenção. —Ainda estou indecisa. —Tudo bem então. Tenho trabalho a fazer. Vamos.


Capítulo 5 —Então, nada romântico, certo? —Lucas esfregou o queixo enquanto caminhávamos. Ele me ajudou a trocar um pouco de dinheiro e agora nos dirigimos para uma entrada no Metrô. —Certo. —Poxa, é uma tarefa difícil em Paris, mas acho que tenho uma ideia. Segui-o pelos degraus de cimento, no fim do qual ele pegou meu braço. —Venha aqui. Você sabe como ler isso? —Ele me levou até um grande mapa das rotas na parede. Rapidamente procurei. Eu realmente amo mapas e geralmente sou boa em lê-los. —Cada rota tem um número e uma cor diferente, certo? E os pequenos pontos são paradas? —Sim. E as formas maiores, as brancas, indicam onde você pode fazer uma transferência para outra linha. A chave é olhar para o nome da parada que está no final da linha na direção que você deseja ir. Por exemplo, estamos aqui... —Ele apontou sobre o meu ombro para um grande oval branco no mapa. —Em Charles de Gaulle. Étoile. Ele estava tão perto de mim que eu podia sentir sua respiração no meu cabelo. Perguntei se cheirava a café e depois me repreendi por ter um pensamento tão estranho. —Certo. —E nós queremos ir aqui. —Ele deslizou o dedo pelo mapa até uma parada chamada Père Lachaise. —Père Lachaise... como o cemitério? —Sim. Mortos e monumentos de pedra. Não é romântico, certo?


Eu ri, olhando para ele por cima do meu ombro. Caramba, ele estava perto. Minha testa realmente roçava seu queixo, e ele recuou, limpando a garganta. —Então, como chegamos lá? —Ele perguntou. —Diga-me. —Humm. —Sugando meus lábios entre meus dentes, estudei o mapa, mas minhas habilidades de navegação não pareciam muito afiadas por algum motivo, e eu estava bastante certa de que essa razão era o maxilar de Lucas. Não era tão raspado quanto eu imaginava. Que diabos, Mia? Foco. —Uh, nós procuramos o número três e queremos seguir a direção de... Gallieni? —Bem, você poderia. Exceto que o número três não para em Charles de Gaulle - Étoile. —Teríamos que fazer uma transferência. —Oh. —Fixei o olhar no mapa novamente, mas ainda podia sentir sua barba na minha pele. Merda concentre-se! Você nem gosta de barba. —Oh! Entendo. Chegamos no... número dois e subimos e viramos. Dessa forma, não precisamos transferir. —Exatamente. Radiante de orgulho virei. —Então preciso de um bilhete, certo? —Sim. Ali. —Lucas me conduziu a uma das máquinas de bilhetes e assistiu enquanto eu começava, mudando o idioma para inglês e passando por cada passo. Numa tela particular, hesitei. —Quantos devo comprar? —É só por um dia? Fiquei de olho na tela. —Eu não sei. Talvez dois. —Aha! Meu plano está funcionando! —Ele se regozijou. Eu dei de ombros, recusando-me a olhar para ele. —Pode ser. Um pouco.


—Pegue uma cartela de dez. Paguei com cartão de crédito e coloquei nove bilhetes dentro da minha carteira. Lucas tinha algum tipo de passe que ele usava, e eu inseri meu bilhete na máquina e o segui através da catraca. Naquele momento, ele queria que eu liderasse o caminho, então olhei todos os sinais cuidadosamente antes de escolher o túnel a seguir. Quando chegamos aos trilhos, Lucas ergueu a mão e eu bati minha mão na dele. —É isso mesmo, princesa. Você navegou com sucesso pelo metrô. Tenho a confiança de que você pode chegar aonde quiser em Paris agora, mesmo quando estiver sozinha. —Obrigada. —fiz uma leve reverência, mas senti uma pontada de tristeza quando imaginei fazer tudo isso sozinha. Enquanto aguardávamos o trem, Lucas me perguntou o que fazia em Detroit. —Eu sou uma planejadora de eventos. Ele riu. —Claro que você é. Indignada, coloquei minhas mãos nos meus quadris. —O que há de engraçado sobre isso? —Nada. —Ele parou de rir, mas não conseguiu tirar o sorriso do rosto. —É o trabalho perfeito para você. Aposto que é realmente boa nisso. —Eu sou, muito obrigada. —Eu ofeguei, erguendo minha bolsa mais alto no meu ombro. —Eu trabalhei para outra pessoa por um tempo depois da faculdade e então comecei o meu negócio quando tinha apenas vinte e cinco anos. Bem, minha melhor amiga e eu começamos, ela herdou algum dinheiro e nós sempre quisemos fazer algo juntas. Então fomos para isso. Ele parecia impressionado. —Muito legal. Como está indo? —Muito bem, na verdade. Nós estávamos no noticiário no ano passado por sermos duas das jovens empresárias mais importantes da


cidade. Nós conseguimos muitos negócios com isso, os casamentos principalmente, mas boa parte deles é de grande orçamento. —Um lampejo de desconforto no rosto de Lucas me fez dar uma pausa, e por um segundo me perguntei o que eu disse errado até que percebi que mencionei casamentos. Mas, surpreendentemente, nem a palavra nem a ideia me incomodaram. Certo. —E qual o nome da sua empresa? —Devine Events. Devine é meu sobrenome. Ele sorriu para mim novamente, mas era mais suave. Mais admirável do que divertido. —Isso combina com você. Naquele momento, o trem parou na estação, rugindo pelos trilhos enquanto um rubor aquecia o meu rosto. Deixei meus olhos fixos no chão. Que diabos? Ele estava flertando comigo? O flerte era permitido neste passeio? E o que aconteceu com o meu coração que estava batendo? Parecia enorme e desajeitado no meu peito quando embarcamos no trem. Havia apenas um assento vazio, e Lucas fez um gesto para que eu me sentasse. Ele permaneceu de pé, e mesmo que o movimento do trem não fosse suave, ele não se segurou em nada, ficou no corredor com os pés plantados e os braços cruzados. Porque isso me excitou um pouco, eu não fazia ideia, mas senti uma reviravolta na minha barriga. Humm. Eu acho que ele está me conquistando. Hahaha, me conquistando. Virando a minha cabeça para que ele não pudesse ver o sorriso que eu estava tentando esconder, me repreendi pelo pensamento sacana. Pare com isso, Mia. E nem olhe para sua virilha. Não faça isso, não faça isso, não faça, Eu fiz isso. Não consegui evitar.


Não era um olhar demorado nem nada, mais como um olhar passageiro, e não dizia nada, mas ainda estava com medo dele ter notado. Eu mudei meu foco para meu tênis. Algumas paradas depois, o assento ao meu lado foi desocupado e Lucas se sentou. —Então você é uma pessoa de cemitério? Père Lachaise estava em sua lista? —Eu não sei se eu me chamaria de uma pessoa de cemitério, mas acredito que estava na lista. Lembre-me quem está enterrado lá? —Muitas pessoas. Mas os nomes que você conhece são Jim Morrison, Edith Piaf, Chopin, Oscar Wilde, Balzac, Gertrude Stein... Levantei minhas sobrancelhas. —Estou impressionada Professor Fournier. Ele deu de ombros. —Eu sou uma pessoa de cemitério. Eu acho que eles são lindos e relaxantes. Tranquilos. Eu pensei nisso. —Sim, posso ver isso. —Eu só espero que não esteja repleto de turistas hoje, embora seja a temporada. —Nós arruinamos sua nobre vibração hipster, é isso? Ele bateu em minha perna e se aproximou de mim. —Sim, na verdade, você arruina. —Bem, vou tentar controlar minha excitação, mas sem promessas. Nossos rostos estavam próximos, quase nariz a nariz. Minha respiração ficou presa em meus pulmões enquanto seus olhos caíam em meus lábios por um segundo. Jesus, ele vai me beijar. Aqui no trem, ele vai me beijar! Mas antes que eu pudesse decidir como eu me sentia sobre isso, ele se recostou em seu assento. —Você não usa batom. Percebi isso na noite passada.


Levei um segundo para me recuperar. —O que? Ah não. Eu não, geralmente não. —Eu gosto disso. Acho que o batom é grosseiro. —Você acha? —Sim. É tudo pegajoso e melado, e fica em tudo e não sei de que merdas de produtos químicos e tóxicos são feitos hoje em dia, mas nunca sai. Franzi o nariz. —Sim, acho que há muitos ingredientes perigosos em muitos deles. Eu sou uma pessoa de protetor labial. Lucas inclinou a cabeça e me olhou com atenção. —Bom saber. Tum tum tum era o som do meu coração batendo contra minhas costelas. Droga era oficial: ele estava flertando comigo, e eu estava gostando. —Esta é a nossa. —Lucas me cutucou, e eu fiquei de pé quando ele se levantou, mas não estava habituada e imediatamente caí para frente quando o trem desviou para a estação. Lucas me pegou facilmente contra seu peito. —Uau. Você está bem? —Sim, desculpe. Mas acho que devo esperar. —Eu te seguro. —Ele me virou e me segurou pelos ombros até o trem parar e as portas se abrirem. —Aqui vamos nós. —Assim que estávamos em terreno sólido, ele me soltou. E desejei que ele não tivesse.

#


Muito para o desânimo de Lucas, havia bastante ônibus de turistas no Père Lachaise. Conseguimos evitar as multidões, ignorando os grandes nomes e simplesmente vagando pelos caminhos de terra e paralelepípedos sem destino específico. Eu perguntei se havia algum lugar que eu pudesse conseguir um mapa ou um tipo de guia Onde Quem está Enterrado, mas Lucas insistiu que não precisávamos de um. —Eu venho muito aqui. —Ele me assegurou. —Vamos apenas andar, e se você tiver curiosidade por alguma coisa, vou te dizer o que sei. —Mas eu adoro mapas. Eu quero um mapa. Eu preciso de um mapa. —Gritei. —Não, você não precisa. Eu dei um olhar mordaz, e ele levantou as mãos. —Eu sei que disse que não discutiria com você, mas vamos tentar da minha maneira, e se isso não funcionar para você, eu prometo que vou comprar um mapa. Isso fez minhas mãos coçarem um pouco ao pensar em vagar através de um lugar tão grande e famoso sem um guia, mas achei que poderia tentar suportar isso por causa de Lucas. E na verdade, eu gostei. Sem uma rota particular a seguir ou o horário estabelecido, eu me encontrei com menos pressa do que costumava ter quando visitava lugares assim, percebendo coisas que provavelmente não teria visto se tivesse meu nariz enfiado em um guia. E Lucas não exagerou, ele conseguiu me contar muitas histórias sobre as pessoas enterradas lá, sejam músicos, atores, escritores ou políticos. —Este aqui? —Ele gesticulou em direção a uma estátua de bronze-verde de um homem reclinado em seu túmulo. —Melhor história. Eu parei na frente. —Mesmo? Quem era ele? —Ele foi um presidente francês que morreu enquanto recebia um boquete de sua amante. Seu epitáfio em francês é: 'Il voulait être


César, il ne fut sue Pompée', o que poderia significar 'Ele queria ser César, mas acabou sendo Pompeu'. Os olhos de Lucas brilharam. —Ou poderia significar:— Ele queria ser César, mas acabou sendo bombeado. Eu engasguei e tapei minha boca com uma das mãos. —Deus, isso nunca seria permitido no túmulo de um presidente americano. Lucas balançou a cabeça. —Provavelmente não. —Você é muito bom com toda essa história. —Eu disse enquanto continuávamos andando. —Eu acho interessante. Eu dei uma cotovelada nele. —Especialmente as partes com boquete, aposto. —Para minha surpresa, ele corou, e a palavra “adorável” apareceu na minha cabeça. —Estou falando sério. É incrível o quanto você sabe sobre este lugar. —Eu tenho uma boa memória, isso é tudo. Suspirei. —Eu não. Tenho que escrever tudo ou esqueço as coisas constantemente. Ele me olhou surpreso. —Mesmo? Eu pensei que você era uma dessas garotas que sempre se lembra do nome de todos e de onde você conheceu e do que estavam vestindo. —Não se eu não escrever em algum lugar. Há uma razão por que gosto tanto das listas, não sou obcecada com elas apenas por diversão. —Diversão. —Ele zombou, me cutucando com o ombro dele. —As listas não são divertidas. Eu ri e fui empurrá-lo de volta, mas ele se esquivou e jogou seus braços ao meu redor por trás, prendendo meus braços, então não consegui me mexer. —Comporte-se, princesa. —Sua respiração fez cócegas no meu pescoço através do meu cabelo, enviando um raio de alegria para dentro de mim. —E se eu não quiser me comportar?


Lucas ficou completamente quieto, e por um momento pensei que poderia ter ido longe demais. Mudei de assunto. —Ei, o que é isso? —Em frente, estava um dos túmulos mais elaborados que já vi, era quase como sua própria pequena capela gótica sem paredes. Dentro da estrutura havia duas estátuas em repouso, uma ao lado da outra, as mãos unidas em oração. Lucas me liberou. —Ah. Abelard e Heloíse. Mas isso é algo que eu não sei se posso falar sobre com você. —Por que não? —Mais perto, olhei para a pedra, quase sem fôlego com sua beleza. —Porque é uma história romântica muito trágica. Não tenho certeza se é aconselhável nesta excursão. —Não. Diga. Eu prometo que posso lidar com isso. —Está bem. Mas eu te avisei. Aii... —Ele levou uma cotovelada na barriga antes de continuar. —Então, Abelard era um professor e filósofo do século XII, e havia ouvido falar dessa linda e brilhante beleza chamada Heloíse. Ele convenceu seu tio a deixá-lo ser seu tutor, só que eles não estudaram muito. Coloquei uma mão em seu braço. —Deixe-me adivinhar: mais boquetes. —Você tem uma mente safada, princesa. Mas sim, suponho que houvesse boquetes. Agora não interrompa. —Desculpe, vá em frente. —Coloquei minhas mãos no topo da cerca de ferro ao redor do túmulo, focada nas figuras ali paradas, tentando ignorar a maneira como sua proximidade estava começando a fazer meu corpo inteiro formigar. —Eles continuaram tendo um caso de amor apaixonado e ilícito por um tempo. — Prosseguiu Lucas. —Tempo suficiente para que Heloise ficasse grávida, e foi um grande escândalo, porque ele era muito


mais velho do que ela. De qualquer forma, o tio descobriu e tentou separá-los, mas eles se casaram em segredo. Extasiada, imaginei tudo enquanto ele falava, as sessões de tutoria tarde da noite que terminavam em beijos apaixonados quando seu desejo um pelo outro se tornou demais para suportar. Os segredos, imaginei eles deitados sobre algum tipo de tapete de pele de urso em frente a uma lareira, as chamas lançando luz dourada em seus corpos. A cerimônia de casamento secreta, conduzida apressadamente em voz baixa em uma pequena capela. —Continue. —Insisti, me sentindo um pouco excitada. —Então o que aconteceu? —Bem, é um pouco horrível neste momento. Abelard teme por sua segurança porque o tio é um idiota e não ficou muito feliz com o casamento. Então ele esconde Heloise em um convento e volta para Paris sozinho, onde é atacado e castrado. — Lucas estremeceu e ajustou a virilha da sua calça. Eu suspirei. —Não! —Sim. Ele fica tão envergonhado que decide que não pode enfrentar Heloise, e ele se torna um monge. Ela está tão devastada que desiste de seu filho, se junta a um convento e se torna uma freira. Minha boca ficou aberta. —O que? Eles nunca se viram de novo? —Acho que não. Mas eles se escreveram durante vinte anos. E as cartas de amor sobreviveram. —Cartas de amor, realmente? Elas são românticas? —Eu nunca li, na verdade. Mas acho que são. E loucos apaixonados de todo o mundo vêm e deixam cartas aqui, esperando que isso lhes traga boa sorte, embora, se você pensar bem, isso não faz sentido. Estes dois não se reencontraram até a morte. Suspirei novamente, exasperada. —Você estava certo. Você não deveria ter me contado essa história. Agora estou... —Eu me mexi desconfortavelmente. Excitada. —Perturbada.


—Eu acho que sei o que vai consertar isso. Meu estômago revirou e lambi meus lábios. —O que? —Vinho. E talvez um pouco de comida. —Oh. Certo. Espere um minuto. Eu realmente fiquei desapontada que ele quis dizer vinho em vez de algo mais sugestivo? O que diabos estava errado comigo? Era vinho, pelo amor de Deus. Minha coisa favorita. Colocando meu suéter mais perto de mim, sorri para ele. —Sim, isso parece perfeito. Vamos.


Capítulo 6

Lucas escolheu uma mesa junto à janela na lanchonete, e me sentei em frente a ele. —Estou faminta. Que horas são afinal? —Já passa das duas. —Sério? Uau, o tempo voa quando você está se divertindo. — Agradeci ao garçom que me entregou o cardápio e o abri. —Você está se divertindo? Olhei para cima e vi Lucas me estudando com curiosidade. —Claro que estou. Você não está? —Sim. Mas não preciso ser convencido a ficar em Paris. Você já tomou uma decisão? —Eu estou assim pertinho. —Ergui a mão com meu polegar e dedo indicador apenas um centímetro de distância e continuei em um sussurro. —Depois de um pouco de vinho, pode ser oficial. —Certo, então é melhor esta garrafa ser boa. —Ele considerou a carta de vinhos e olhou para mim através de espessos e escuros cílios. —O que você gostaria? —Humm. Eu realmente amei o que você serviu para mim na noite passada. O Rhône Valley. —Quer tentar outro Rhône ou algo diferente? —Você escolhe. Eu simplesmente aproveitarei. Oh, você poderia me pedir uma salada como a que está no prato da senhora lá? —Eu tentei apontar sem ser óbvia.


Girando em sua cadeira, Lucas olhou para trás. —É uma salada Niçoise —Disse ele. —Agora você pode pedi-la. 2

—Mas seu francês é muito melhor. —Apoiando meu queixo nos dedos, tentei um sorriso vencedor. —Realmente, não falo bem. Você poderia pedi-la, por favor? Ele balançou a cabeça. —O que você vai fazer quando eu não estiver por perto para pedir por você? Você deveria pedir. Não tenha medo. O pensamento de pronunciar palavras francesas na frente de Lucas me fez suar um pouco, mas quando o garçom apareceu, consegui pedir a salada e até pedir água. Lucas pediu o vinho, pelo menos, é isso que presumi com toda a rapidez francesa sobre vinhos e uma salada Niçoise também. —Vê? Foi assim tão difícil? —Ele perguntou quando estávamos sozinhos novamente. —Eu acho que não. —Admiti, alisando meu guardanapo no meu colo. Eu sabia que ele estava certo sobre aprender a falar por mim mesma, porque mesmo que eu ficasse não podia esperar que Lucas passasse todo seu tempo comigo. Este era provavelmente apenas um acordo de um dia. Um buraco se formou no meu estômago, e percebi o quanto eu ficaria triste se não o visse novamente depois de hoje. Quando olhei para cima, eu o vi me olhando com uma expressão séria em seu rosto. —Mia, eu queria... Mas ele foi interrompido pelo garçom que se aproximava com uma jarra de água e dois copos. Lucas serviu água para nós, e esperei que ele dissesse o que estava prestes a dizer, mas ele não disse. —Você ia me perguntar algo?

2


Ele balançou a cabeça e tomou um gole de água. —Não. —Sim, você ia. Logo antes da chegada da água. Você disse meu nome. Suas sobrancelhas franziram, ou ele tinha uma boa cara de pôquer ou realmente não tinha nada de importante para dizer. —Não lembro, acho. Meu peito murchou um pouco e peguei minha água. O que é isso? Por que estou ficando estranha e depressiva com Lucas? Ontem à noite, eu não tinha gostado tanto dele. Então, minha primeira impressão dele caiu, então, o que? Eu o achei atraente apesar da barba, grande coisa. Assim, além da boca inteligente, havia uma mente curiosa e uma alma romântica, seja o que for. Eu não vim aqui para encontrar um homem; vim aqui para esquecer um. Endireitando-me em meu assento, prometi parar de deixar pensamentos sérios para ter uma boa diversão. Nosso vinho chegou, e assisti enquanto o garçom colocava o líquido de cor rubi em taças. Meu interior tremeu da maneira que sempre fazia quando antecipava uma boa taça de vinho. Eu devo ter mexido um pouco na minha cadeira ou algo assim porque Lucas riu. —Animada? —Totalmente. Posso beber isso agora ou devo deixá-lo parado por um momento, para que o oxigênio flutue em torno dele ou algo assim? —Acenei uma mão no ar sobre minha taça. —Não, você pode beber agora. —Bom. —Peguei minha taça e respirei o aroma como se soubesse o que estava fazendo. —Então você sabe sobre o vinho? —Um pouco. Minha família tem uma pequena vinha em Provence. Abaixei a taça. —Você está falando sério? —Sim. Na verdade, esse vinho é muito semelhante ao que fazemos. Experimente.


—Não diga mais nada. —O vinho estava fresco em meus lábios, e deixei que ele permanecesse na minha boca alguns segundos antes de engolir. —Humm. Delicioso. Gostaria de saber melhor como descrevê-lo. Suave? Delicado? —Eu tomei outro gole. —Deus, é tão bom. Desculpe, eu não tenho palavras melhores. —Não se desculpe. Fico feliz que você goste. O garçom trouxe nossas saladas e Lucas colocou sua taça ao lado de seu garfo, mas eu não estava pronta para me separar da minha ainda. —Então me diga algo sobre este vinho. —Bem, eu não conheço tanto quanto meus irmãos, e não me importo muito com o vinho, mas a primeira coisa que qualquer especialista lhe dirá é que este é o vinho errado para essas saladas. —Quem se preocupa com isso? Eu estou com você, nenhuma regra. —Depois de mais um gole, eu o rodei na taça. —Mas, o que há sobre esse vinho que você pode me ensinar? —Bem, este vinho é um Châteauneuf-du-Pape, que pode ter até treze variedades diferentes, mas não me peça para nomear todas. —Que tal apenas uma? Ele pensou por um segundo. —Grenache. Eu assenti. —Bom o bastante. Enquanto comíamos nossas saladas terminamos a garrafa de vinho, Lucas e eu conversamos facilmente sobre o vinho, nossas famílias e nossa infância. Sua mãe era uma atriz de cinema. —Mas ela só atuou por talvez cinco, seis anos antes de sair para se casar com um Conde. —Um conde? sério? —Sério. Nome antigo, dinheiro antigo. É daí que a vinha vem. Ela teve dois filhos com ele antes dele admitir que preferia os homens.


Eu parei o garfo no caminho da minha boca. —De jeito nenhum. Ele assentiu. —Eles ficaram bons amigos, no entanto. Ele é um ótimo cara. Ele e seu parceiro administram a vinha e minha mãe é uma convidada constante lá no verão. —Ele fez uma pausa antes de acrescentar. — Com seu novo marido. —O que? Deus, isso é tão francês. O atual marido é seu pai? —Não. Meu pai era um músico americano em uma turnê europeia. Ele conheceu minha mãe aqui, se apaixonou e deixou a banda para ficar e se casar com ela. Quando eu tinha cerca de seis anos, nos mudamos para os EUA. Quando eu tinha doze anos, ela decidiu que seu caso seguiu seu curso e voltou para a França. Agora ela é casada com o instrutor de tênis em seu clube, que é dez anos mais novo que ela. —Oh. Bem, que bom para ela. —E para o profissional também. Ele gasta seus verões tomando sol na piscina do Conde e praticando seu saque na quadra de lá. —E todos se dão bem? Ele deu de ombros. —Bem o suficiente. —Onde está o seu pai agora? —Ele trabalha como músico em um estúdio em Nova York, mas também ensina na faculdade de teoria da música. Eu acenei lentamente. —Uau. Você teve uma infância e tanto. A minha foi chata, em comparação. —Teste-me. —Bem, mamãe era uma secretária jurídica, papai advogado, eu era uma desengonçada. Eles se casaram, mas não funcionou, e eu fiquei de um lado para o outro até eu me formar no ensino médio. Agora, meu pai está casado com outra advogada e eles têm três garotas, e minha mãe está casada com um cirurgião cardíaco. Eles moram em Chicago, que é um bom lugar para ela.


—Por que isso? —Porque está a trezentos quilômetros de mim. Ele sorriu. —Vocês não se dão bem? —Bem, eu suponho que sim. Mas você sabe o quê? —Drenei a última gota de vinho da minha taça. —Não vamos falar sobre ela. Ela me estressa e agora me sinto incrivelmente de bem com a vida. Ele serviu o resto da garrafa nas nossas taças. —Bom vinho faz isso por você. —Não é apenas o vinho. Merda, eu disse isso em voz alta? Lucas congelou por um momento, os olhos fixos nos meus, a garrafa de vinho ainda suspensa acima da mesa. Finalmente, ele a abaixou. —Oh? O rubor irradiou em meu rosto, mas não desviei o olhar. —Sim. Lucas, este é o melhor dia que tive há muito tempo. Na verdade, eu tinha esquecido como era me sentir assim. —Assim como? Levantei meus ombros. —Feliz. Despreocupada. Apenas... entusiasmada com o que pode vir a seguir, mesmo que eu não tenha ideia do que será. —Na vida ou em Paris? Eu sorri. —Ambos. Triunfo dançou em seus olhos. —Então você vai ficar. —Vou ficar. Mas... — Eu ergui um dedo. —Eu ainda quero o resto do meu dia com você como guia turístico. —Eu sou todo seu. Você é?


Eu o observei levar a borda da taça para os lábios e beber e imaginei o vinho caindo em sua boca, entre os dentes, deslizando sobre sua língua. A imagem era tão erótica que apertei minhas coxas contra o jorro de excitação entre minhas pernas. Calma, Nelly. Pegando minha própria taça, olhei pela janela e tomei um gole, tentando me lembrar da última vez que fiquei realmente bem e excitada antes mesmo de ser tocada. Eu costumava ficar animada pensando na boa aparência de Tucker e no seu corpo duro, mas aprendi muito rápido que ele não era a bomba sexual que sua reputação o fazia parecer. Meu pressentimento era que ele tinha tido um monte de uma noite com garotas que não voltaram para uma segunda e isso lhe serviu bem. Isso significava que ele nunca precisava conhecer ninguém sexualmente, realmente passar tempo aprendendo o que elas queriam, o que elas precisavam e o que elas gostavam. Não que ele tivesse feito isso comigo também. Franzindo a testa, assisti um casal se beijando antes de se despedir na calçada do lado de fora. Eu tentei, realmente tentei ser o tipo de mulher que um homem desejava na cama. Deixei perfeitamente claro que estava disposta a tentar coisas diferentes, não apenas disposta, mas interessada e me ofereci em todos os sentidos, mas ele simplesmente não estava interessado em mudar sua rotina. Porque funcionava para ele, toda vez. Que idiota. Por que eu pensei que ele era bom o suficiente? —Ei você. Sem franzir a testa. Olhei para o Lucas. —Desculpa. Eu só estava pensando. —Sobre o quê? Eu terminei meu vinho e coloquei a taça com um estalo na mesa. —Sexo. As sobrancelhas de Lucas subiram. —Devo pedir a conta?


Caindo na risada, mergulhei na minha bolsa para pegar a minha carteira e tirei meu cartão de crédito. —Sim, mas não por esse motivo. Quero ver mais de Paris hoje. E quero pagar o almoço. —Não. —Lucas afastou minha mão quando tentei tirar o cartão. —Minha conta. Eu escolhi uma garrafa de vinho cara. —E daí? Eu amei! Por favor, deixe-me pagar o almoço. Você foi tão bom em passar esse dia inteiro me mostrando Paris. —Eu queria fazer isso. Foi minha ideia, lembra? —Eu sei, mas... —Mas nada. Guarde seu cartão. Você pode comprar nossa próxima garrafa de vinho, ok? Deixei a mão no meu colo, balançando a cabeça uma vez. —Eu gosto do jeito que você pensa Lucas Fournier.

#

Do lado de fora do restaurante, Lucas perguntou o que queria fazer depois. Beijar você. O pensamento bateu na minha cabeça com uma velocidade surpreendente, e tentei bani-lo rapidamente. E se ele não sentisse nenhuma química entre nós? —Humm. Vamos ver: nós fomos a um monumento e um cemitério, então vou votar em um museu ou uma catedral. Lucas olhou para o céu, onde o sol estava tentando espreitar através de nuvens pesadas. —Bem, a luz não é impressionante para vitrais, mas acho que pode ser ainda pior amanhã, então vamos a uma catedral.


—Notre-Dame? —Você captou. Nós pegamos o metro para parar a algumas quadras do Sena, e ao invés de mudar para outra linha para nos aproximarmos, decidimos caminhar. O dia esquentou e ficou um pouco úmido, então tirei meu suéter dos ombros e amarrei na minha cintura. —Então tenho que perguntar. —Disse Lucas, que estava bastante quieto desde o restaurante. —Por que você estava pensando em sexo antes? Porque ver você beber vinho me deixou cheia de desejos. Eu olhei para ele e decidi ir com uma razão diferente. —Porque Tucker era ruim na cama. —O que? Levantei as mãos. —Verdade. Eu costumava oferecer, em um esforço para melhorar o que não era uma parte muito interessante ou mutuamente satisfatória de nosso relacionamento, para fazer coisas mais divertidas do que estávamos fazendo, mas ele tinha uma rotina que funcionava para ele e realmente não sentia que era necessário se desviar disso. Lucas parou de andar e estendeu a mão na minha frente para parar meus passos. —Diga-me que você não está falando sério. Eu ri. —Estou falando sério. Ele nem sequer gostava de boquetes. Talvez ele tenha ouvido essa história sobre o presidente francês e tivesse medo. Lucas olhou para mim por um momento, então lentamente balançou a cabeça. —Não. Tenho certeza de que ele era apenas um idiota que não sabia o que tinha. Você merece coisa muito melhor. Seria o elogio ou o álcool que me deu o impulso fugaz de me esticar, agarrá-lo pelo casaco e esmagar meus lábios nos dele? O que ele faria? Ele me dizia coisas insinuantes às vezes, mas outras vezes ele agia


totalmente platônico e casual, até um pouco distante. Ele estava esperando eu dar o primeiro passo? Permanecemos em silêncio durante dez segundos, durante os quais não pude deixar de me perguntar como ele seria na cama. Aposto que ele era um milhão de vezes mais generoso do que Tucker. Aposto que ele era divertido, quente e disposto a levar lentamente às vezes. Só falar sobre o sexo com ele parecia tão fácil... E droga se eu não voltasse a pensar nisso dessa maneira. Meus mamilos estúpidos estavam duros, empurrando o material fino do meu sutiã e camiseta de algodão. Eu não tenho seios enormes ou qualquer coisa, apenas um tamanho 38, mas meus mamilos ficaram incrivelmente duros e ultrassensíveis. Naturalmente, os olhos de Lucas foram atraídos diretamente para eles, mas então ficou óbvio o que ele estava olhando e ele baixou o olhar para o chão, suas bochechas rosadas. Abri a boca, procurando em meu cérebro algo inteligente ou insinuante para dizer, mas o momento se prolongou por muito tempo, e Lucas apenas me deu um sorriso rápido e começou a andar de novo. Merda. Da próxima vez, eu seria mais corajosa. O que eu tinha a perder de qualquer maneira? Quando nos aproximamos do rio, as torres de Notre Dame estavam à vista, e Lucas começou a contar um pouco sobre a Ilha da Cité, a pequena ilha no meio do Sena, na qual a catedral estava localizada. Escutei com interesse enquanto me contava sobre ruas medievais estreitas, paredes de pedra e a construção de Notre-Dame, que levou quase duzentos anos. —Deus, imagine dedicar todo esse tempo e trabalho a algo que você sabe que nunca seria concluído em sua vida. —Eu disse. —Ou mesmo a vida de seus filhos. Você trabalha tanto para algo e então nunca o verá concluído.


Lucas deu de ombros. —Eu acho que era menos sobre o produto acabado para eles e mais sobre sua fé. A razão pela qual eles estavam construindo isso. Pode ter sido um comentário improvisado, mas isso me fez pensar sobre o casamento enorme e ridículo que planejei para mim, e como eu estava louca porque ele não saiu. Eu deveria ter pensado mais sobre o motivo do casamento e menos sobre o casamento. Mas nunca senti o tipo de devoção a ele que eu deveria ter, nem tinha uma forte fé no relacionamento. Graças a Deus, não nos casamos. Lucas insistiu que o lado de fora da obra-prima gótica era ainda mais magnífico do que o interior, então passamos um pouco de tempo olhando para o exterior, da ponte cruzamos o Sena, da praça em frente à catedral, do jardim atrás dele. Eu queria saber os nomes de todas essas coisas, mas Lucas não me deixaria abrir meu guia. —O que importa qual é o nome da ponte? Você não precisa enfiar o nariz em um guia agora, Mia. Olhe para a maldita catedral. —Eu não acho que você deveria chamar isso de uma maldita catedral. —Eu entreguei o guia. —Que tal se você ler para mim enquanto eu olho? Lucas assentiu. —Isso é aceitável. Encontramos um banco vazio e nos sentamos. Inclinando-me, estudei a igreja enquanto Lucas lia sobre pilares, cofres cilíndricos e gárgulas. Depois de alguns minutos, parei de ficar fascinada com as características das catedrais góticas e comecei a me entusiasmar sobre o som baixo e fluido da voz de Lucas, a maneira expressiva que ele lia, a sugestão encantadora de um sotaque que às vezes se arrastava sob suas palavras quando ele não estava prestando atenção. Escondendo um sorriso, eu disse a mim mesma para sair da deriva e prestar atenção, eu teria bastante dificuldade para lembrar qualquer informação, mas sua leitura era tão doce e calmante que fiquei um pouco sonolenta. Quando ele terminou, fechou o guia e disse: —Quer entrar?


Na verdade, eu simplesmente queria ficar sentada com ele nesse banco, talvez deitar minha cabeça no seu colo. Beijá-lo. Tirar uma soneca ou admirar a paisagem. Mas, em vez disso fiquei de pé e me estiquei. —Sim. Depois de visitar as criptas debaixo de Notre-Dame e admirar os tetos altos e belos vitrais no interior, pedi a Lucas que subisse a torre comigo. —O que? Não, Mia. Eu já lhe disse que não gosto de alturas. — Ele enfiou as mãos nos bolsos. —Eu vou esperar por você lá fora. —Não. —Não tenho ideia do que me fez agir tão ousadamente, mas tirei suas mãos dos bolsos e as segurei entre nós. —Por favor, Lucas. Não vamos ficar lá por muito tempo, e prometo que não vou fazer você ir à beira. —Por que você precisa de mim lá em cima? —Sua expressão estava dolorida. —A visão é a mesma se você estiver sozinha ou não. —Eu sei. E não é que não o desfrutarei sozinha. Eu só quero que você venha comigo. Seus ombros caíram um pouco enquanto ele exalava, fechando os olhos. —Por favor, Lucas, por mim? —Eu balancei suas mãos. Ele abriu os olhos e me olhou cautelosamente. —Você vai me obrigar a fazer isso, não é? Eu assenti. —Sim. Então, você pode ceder mais cedo e não mais tarde. Ele fez uma careta. —Tudo bem. Eu vou. Trezentos e oitenta e sete passos em espiral íngremes e estreitos, saímos no topo. Lucas estava um pouco pálido e nervoso, mas peguei sua mão e puxei-o para frente. —Vamos. Mostre-me onde você mora.


Relutantemente, ele se aproximou da borda, mas permaneceu atrás de mim, falando no meu cabelo para ser ouvido acima do vento. Sobre o ombro esquerdo, ele apontou na direção do rio. —Eu tenho um apartamento-estúdio na sexta rua, perto de Saint-Germain-des-Prés. Na verdade, ele pertence a minha mãe, mas sou o único que fica lá. —E onde ela está? Na vinha? —Eu estava curiosa sobre sua família, mas principalmente estava gostando de tê-lo tão perto atrás de mim. —Não, ela está visitando amigos em Nice agora. Está com frio? Eu olhei para trás para vê-lo olhando para meu braço, onde arrepios tinham coberto minha pele. —Um pouco. Está frio aqui. —Quer seu suéter? —Antes que eu pudesse responder, ele puxou o tecido da minha cintura e segurou-o para que eu deslizasse meus braços para dentro. —Obrigada. Gostaria de ver seu apartamento em algum momento. —Ele ficou em silêncio e imóvel por um momento, e eu me perguntei se a afirmação era muito sugestiva. —Quero dizer, se você tiver tempo. Nada demais. Estou curiosa sobre apartamentos. Tenho que encontrar um novo quando eu voltar, e... —Mia, você gostaria de jantar comigo esta noite? Ele quer jantar comigo! Até meus dedos do pé formigaram. E como era fofa a expressão ansiosa em seu rosto, como se ele estivesse com medo que eu dissesse não? —Parece bom. Sorrindo, olhei para a cidade novamente e pensei o quanto tinha sorte de ter escolhido entrar no bar na noite passada em vez de ir para casa. Virei para ele, um sorriso impessoal no meu rosto. —Estou realmente feliz por ter ido ao The Beaver 3 ontem à noite. Ele riu. —Você sabe como isso soa ruim, certo?

3

Trocadilho com beaver que é castor, mas também é gíria para vagina.


Eu acenei alegremente, com meus batimentos cardíacos acelerados, adorei fazê-lo rir. —É por isso que disse assim. Mas eu realmente quero dizer isso Lucas. Este dia teria sido um desastre sem você. Na verdade, provavelmente eu teria ido para casa. —Fico feliz que você não tenha ido. —Você vai tirar uma foto comigo? —Vou tirar uma foto sua. Você não precisa de mim nela. —Eu quero você nela. Vamos, pergunte a alguém se eles podem tirar uma para nós. Quero lembrar desse dia com você. —Sua expressão se suavizou e ele bateu no ombro de uma mulher que estava próxima. Ela assentiu e sorriu e entreguei-lhe a minha câmera. Parecia um pouco estranho e militar ficar de pé lado a lado, braços para baixo, então eu me aproximei de Lucas, esperando que ele me abraçasse. Ele não abraçou então eu me mudei para frente dele. —Você tem que parar de se mover para que ela possa tirar a foto. —Disse ele. —Quieto. Apenas tente parecer feliz, então posso mentir e dizer as minhas amigas que eu encantei um francês. —OK. —Disse a mulher. —Un, deux, trois. Eu sorri quando Lucas sussurrou no meu ouvido: —Você não terá que mentir.


Capítulo 7 Lucas queria uma chance de tomar um banho antes do jantar, e o Jetlag estava começando a me pegar, então pensei que poderia descansar um pouco. Depois de sairmos da torre, ele me apontou na direção de uma área comercial menos cara que estava entre Notre Dame e a Plaza Athénée e me deu instruções específicas de como voltar. Então ele me deu um rápido abraço e disse que me encontraria às oito. Eu cruzei o Sena na direção oposta a dele e encontrei a Rue de Rivoli sem problemas, mas em vez de fazer compras, passei uma hora e meia a andar vagarosamente pela rua em um tipo de transe, incapaz de tirar minha mente de Lucas e na noite a seguir. A esta altura, o zumbido de vinho tinha passado e eu estava um pouco ansiosa. Isso era um encontro ou não? As coisas ficariam românticas, ou pelo menos um pouco sexy entre nós? Eu estava pronta para admitir que eu queria? Ele era o oposto completo do meu tipo usual, mas havia algo nele que me atraía. Eu queria saber o que era estar com ele... Daquele jeito. Mas ele estava atraído por mim como eu estava por ele? Talvez ainda sentisse pena de mim. Mordendo meu mindinho, decidi ignorar as compras e apenas caminhar de volta ao meu hotel. Eu também precisava dar uma atenção a meus próprios motivos. Ontem eu estava com o coração partido por minhas núpcias desfeita. Na última noite, eu tinha comparado à aparência de Tucker com a de Lucas, desfavoravelmente. Eu já estava no rebote? Apenas procurando um corpo quente para me mostrar certa atenção? Porque me envolver com um desleixado músico/Bartender meio francês não estava na lista de Paris. Mas eu precisava me importar se fosse apenas uma aventura de rebote? Seria Lucas? Nós éramos dois adultos. Nós estávamos autorizados a nos divertir, certo? Finalmente, deixei minha mão cair ao meu lado e suspirei.


Jesus, Mia, pare de pensar tanto. Não há necessidade de analisar demais. Se algo acontecer esta noite, deixe acontecer, e se não, não é grande coisa. Você conheceu um novo amigo que lhe deu a coragem de fazer algo por conta própria que você nunca teria feito. Agora pare de tentar planejar tudo. Basta ir com o fluxo. Quando subi ao meu quarto, a luz da mensagem piscava no meu telefone. Temendo o som do riso nervoso de minha mãe, eu toquei na mensagem, mas acabou por ser Coco. Um sorriso tomou meu rosto ao som de sua voz baixa e rouca. —Oi querida! Apenas checando para ver como as coisas estão indo. Estamos pensando em você o tempo todo e estamos morrendo de vontade de saber o que você está fazendo. Como está o vinho? A comida, as compras, os homens? Não podemos esperar para ouvir sobre tudo isso e esperamos que você esteja se comportando mal o suficiente. Amo você querida. Pensei em chamá-la de volta, mas decidi esperar mais um dia, talvez eu tivesse algo mais excitante para contar a ela depois do meu talvez “encontro” com Lucas. Havia uma segunda mensagem, que era de fato de minha mãe, resmungando sem parar por três minutos inteiros sobre meu bem-estar físico e mental. Segurando o telefone longe da minha orelha, revirei os olhos e desliguei antes de terminar. De jeito nenhum, ligaria para ela. Este dia revelou-se muito divertido, com a promessa de muito mais por vir. A última coisa que eu queria era deixar os nervos da minha mãe me derrubarem. Caindo de bruços no travesseiro, adormeci dentro de um minuto.

#


Acordei em uma pequena poça de baba ainda com os meus sapatos, os pés pendurados na cama, totalmente em pânico. Tinha dormido demais? Frenética, chequei o relógio de cabeceira, o que me assegurou que eu tinha quarenta e cinco minutos antes que Lucas estivesse aqui para me buscar, então coloquei uma música e dancei ao redor do quarto espaçoso, exultante pela noite a seguir. Depois de um banho rápido, envolvi-me em uma toalha e pesquisei minha roupa. Já que esse encontro também não estava no meu calendário de roupa, tive que improvisar. Originalmente, planejei usar um vestido e saltos esta noite, mas não tinha certeza de que já seria certo. Depois de tentar cinco roupas diferentes, optei por vestir jeans, uma blusa sem mangas solta com uma gola frisada em um tom suave de rosa e um casaco de marfim justo que era ligeiramente entrecortado. Fiquei tentada a vestir minhas novas sandálias de tiras com saltos agulha Jimmy Choos, que eu tinha comprado para a viagem e nunca tinha usado. Mas coloquei sapatilhas no caso de nós termos que caminhar muito, Tucker sempre pegava táxis quando viajamos, mas Lucas parecia gostar de andar ou pegar o metrô e eu também. Dando às lindas sandálias um olhar melancólico e um beijo, as coloquei no chão do armário e calcei minhas sapatilhas. Depois de retocar meu cabelo, adicionei uma leve maquiagem: olho esfumaçado, mas pulei o batom, desenhando meus lábios com um lápis rosa escuro e passando um protetor labial. Esfregando-os, eu me assegurei de que não ficassem pegajosos nem grudentos, apenas suave com uma pitada de cor. Inferno, com um pouco de sorte, talvez eu possa riscar beijo em um trem da lista de Paris esta noite. Veja, Lucas? As listas são divertidas. O passo final foi um pouco de perfume, mas quando segurei o frasco na mão e cheirei, o aroma me lembrou Tucker. Na verdade, foi um presente dele.


Coloquei o frasco de volta na bancada de mármore e decidi por uma loção corporal perfumada. Era doce, mas não dominante, e tirei minhas roupas para esfregar sobre meu corpo, ignorando a voz interior exigindo saber por que senti que era necessário que minhas coxas internas cheirassem a rosas e jasmim. Já que demorei muito para me preparar, estava atrasada cerca de dez minutos. Correndo pelo corredor e no elevador, eu esperava que não nos fizesse perder uma reserva ou algo assim. Eu batia meu pé enquanto o elevador descia, mexendo ansiosamente enquanto queria que ele se movesse mais rápido. Jesus, Mia. Acalme-se. Mas quando as portas do elevador se abriram e eu o vi no saguão, eu não conseguiria impedir o sorriso do meu rosto nem a sensação gostosa dentro de mim. Seu cabelo havia sido domesticado, e sua barba aparada, talvez não limpo, mas muito próximo disso. Sem os cachos desgrenhados e o bigode, eu poderia apreciar melhor os belos traços de seu rosto, o corte de sua mandíbula, as proeminentes maçãs do rosto, a curva da boca. Ele usava calça jeans escura, uma camiseta branca e um blazer, e mesmo que eu sempre tenha sido uma garota do tipo terno e gravata, a visão dele fez meu interior apertar. O melhor de tudo foi o olhar em seu rosto quando me viu, uma mistura entre surpresa e prazer. —Eu estava começando a pensar que você tinha deixado à cidade no fim das contas. —Ele sorriu antes de beijar minhas duas bochechas. —Desculpe. —Eu disse, um pouco sem fôlego. —Eu adormeci quando voltei. —Bom. Cochilos são incríveis. E agora posso mantê-la fora até mais tarde. Era minha imaginação ou ele apertou meu braço quando disse isso? De qualquer forma, meu sangue ferveu cerca de mil graus, uma piscina quente no meu núcleo.


Nós pegamos o metrô para o bairro Quartier Latin e caminhamos até um pequeno restaurante italiano chamado Marco Polo. Estávamos sentados em uma mesa ao ar livre no pátio, mas lâmpadas e velas sobre a mesa faziam o ar noturno parecer quente e acolhedor. —Desculpe, eu nem parei para pensar que talvez você gostaria de comida francesa hoje à noite? —Lucas se inclinou sobre a mesa com uma expressão preocupada em seu rosto. —Não, que nada. Isso parece incrível. E eu realmente consigo entender o cardápio. —Está em francês, é claro, mas os nomes dos pratos italianos familiares saltam para mim. —Tudo é bom aqui. É o meu restaurante favorito em Paris. —Mesmo? O que devo pedir? Ele passou o cardápio comigo, e quando não consegui decidir entre dois pratos, ele pediu os dois e me prometeu que eu poderia pegar do seu prato o quanto quisesse. Escolhi uma garrafa de vinho, um tinto italiano, e me prometi pagar por isso. —Não nos preocupemos com isso. —Disse ele. —Fale comigo sobre o que mais você gostaria de fazer enquanto estiver aqui. Eu falei sobre o desejo de visitar o mercado de pulgas, e nos deparamos com uma longa discussão sobre nosso amor mútuo por coisas antigas e histórias por trás delas. Enquanto falava sobre algumas das peças antigas no apartamento de sua mãe em Paris e seu apartamento em Nova York, coloquei meu queixo na mão e pensei que ele era diferente de Tucker, que preferia o moderno ao antigo. Às vezes, ele não se importaria se uma peça estivesse velha, desde que fosse uma reprodução cara e não o artigo genuíno, que poderia desmoronar e, além disso, alguém havia usado antes. Ele achava isso estranho. —O mercado de pulgas não está aberto amanhã, mas você gostaria de fazer outra coisa? —Perguntou Lucas. —Eu poderia levá-la para alguns dos meus antiquários favoritos.


Meu queixo saiu da minha mão. Ele quer me ver de novo amanhã! —Eu adoraria! Mas você tem certeza de que não está ocupado? Não quero monopolizar todo seu tempo. —Não, não estou ocupado amanhã. Eu tenho que sair da cidade no dia seguinte, mas... —Sua voz caiu. —Amanhã está bom. Minha felicidade esvaziou. Ele vai sair em dois dias? Mas coloquei o que esperava que fosse um sorriso brilhante no meu rosto. —Tudo bem. Amanhã parece ótimo. Nosso vinho e primeiro prato chegaram, e eu me forcei a não pensar em nada além do momento presente e simplesmente aproveitar a refeição. Lucas estava certo, a comida era deliciosa. Cada prato foi melhor do que o outro, e o serviço foi tranquilo, permitindo-nos muito tempo para desfrutar um do outro, também. Quando finalmente provei a minha vitela Marsala, não pude conter as palavras de êxtase que borbulhavam dos meus lábios. —Meu Deus. Oh meu Deus, é tão bom. Lucas sorriu. —Você diz muito isso. —Eu não posso evitar, é toda a comida e o vinho aqui. Bom, que eu não vivo em Paris, porque eu seria grande como uma casa. —É bom te ver feliz. Estava preocupado ontem à noite que sua primeira viagem a Paris seria sua última. Engoli a comida divina na minha boca. —Eu acho que voltaria só pela vitela. —É bom, não é? Aqui, experimente isso. —Ele cortou um pedaço de seu bife e levou-o aos meus lábios sobre a mesa. Eu gemi com a textura de veludo, a pitada de alecrim e alho, e especialmente no ato íntimo de tirá-lo do garfo de Lucas. Sua boca estava aqui antes da minha, pensei, mastigando com entusiasmo. Nós praticamente já nos beijamos. Claro, não era verdade, mas cada vez que ele me ofereceu uma mordida, e eu a ele, eu não podia deixar de pensar que estávamos um


passo mais perto. E eu realmente queria beijá-lo. Isso me chocou, o quanto eu queria beijá-lo. Pare de olhar para sua boca. Você é totalmente óbvia! Durante o café, conversamos sobre música e suas pesquisas e como seu pai o influenciou. Descobrimos um amor mútuo pelos antigos padrões de jazz, nenhuma surpresa aí, e ele disse que tinha uma grande coleção de discos antigos em seus apartamentos em Paris e Nova York. —Você não pode vencer o som do vinil. —Ele disse, abaixando a xícara vazia. —É muito melhor que o digital. —Eu nunca notei. Talvez você me mostre a diferença em algum momento. —Como quando estivermos ouvindo discos e nos beijando. Através da mesa à luz de velas, ele sorriu para mim, transformando meu interior em cera quente. —Gostaria disso. Nós nos olhamos por um longo momento, durante o qual meu desejo por ele foi de borboletas no estômago a molhar a calcinha. Eu não me importava com qual era minha motivação por querê-lo. Eu só sabia que queria, e eu queria mais do que beijar também. Meus mamilos ficaram duros e formigando e imaginei sua boca perfeita sobre eles. Puta merda. Minha calcinha estava totalmente úmida com o desejo, e a costura do meu jeans estava pressionando contra o meu clitóris no lugar certo. Quando minha mente se desviou para suas mãos alcançando a mesa, eu me desculpei. —Eu volto logo. —Sorri enquanto ele se levantava também. Um cavalheiro tão gentil. O que diabos eu faria sobre isso? Usei o banheiro dentro do restaurante, sim, a calcinha estava encharcada. Na verdade, quase a abandonei, estava tão molhada e quando saí, Lucas pagou o jantar, incluindo o vinho. —Não fique brava. —Ele levantou as mãos. —Eu prometo que você pode pagar pelo próximo.


Eu o soquei de brincadeira no ombro. —Estou totalmente brava. Você prometeu antes também. —Então, o que você gostaria de fazer? —Nós saímos do pátio do restaurante e começamos a caminhar lentamente pela rua. —Ainda está cedo, e há alguns clubes nesta área que podemos ir, talvez vejamos música ao vivo. Eu respirei fundo. Você só vive uma vez. —Na verdade, pensei que talvez você pudesse me mostrar seu apartamento. Poderíamos ouvir alguns de seus discos ou algo assim? Quero dizer, se você quiser. Ele parou de caminhar e se virou para mim, e sua expressão era uma mistura interessante de: sim, por favor, e merda, ela disse isso? —Hum, claro. Nós poderíamos fazer isso. Claro que quero. É só que... — Ele lutou para terminar o pensamento. Era óbvio que ele estava nervoso em me levar em seu apartamento e entendi o porquê. Mas neste momento eu não podia suportar mais a espera. Eu dei um passo mais perto dele, inclinando minha cabeça para que meus lábios estivessem bem abaixo dele. Tudo o que ele tinha que fazer era baixar os lábios dois centímetros, e estaria no meu. Suspense me fez subir de ponta dos pés. Por favor, Lucas. Beije-me. Finalmente ele baixou a boca para a minha, e o calor de seus lábios enviou raios diretos ao meu coração. Timidamente, coloquei uma mão na sua nuca e abri meus lábios ainda mais, e ele começou a mover sua boca sobre a minha de uma maneira tão suave e sugestiva. Ele beijou cada um dos meus lábios, levando-os gentilmente entre os seus. Então inclinou a boca mais completamente sobre a minha, inclinando a cabeça para que nossos lábios estivessem mais apertados, a intensidade do beijo ficando mais profunda. Sua mão se moveu para o meu quadril, e meu corpo inteiro estremeceu com a poderosa atração dentro de mim. Deus, quanto tempo desde que senti isso?


Muito, muito tempo. Em algum lugar no fundo da minha mente, lembrei que estávamos de pé na rua, mas não consegui resistir em levar minha outra mão para o maxilar de Lucas, desejo ondulando de novo com a sensação de sua barba por fazer na minha palma. Até gostei do jeito que senti em meus lábios e rosto, um pouco arranhando e áspero, mas novo, diferente e exótico. Lucas interrompeu o beijo e me olhou com preocupação em seus olhos. —Mia. Eu não quero que você pense que eu... —Shhh. —Eu coloquei um dedo em seus lábios. —Não estou pensando em nada agora, exceto que quero que você me beije novamente. Ele sorriu e trouxe sua boca para a minha mais uma vez. Timidamente, provei seus lábios com a língua, e fui recompensada com um gemido baixo vindo do fundo da sua garganta, e como com o suave toque de sua língua contra a minha novamente. Meu Deus. Estou tremendo, eu o quero tanto. Eu recuei um pouco. —Vamos. —Você tem certeza? —Sim. —A palavra saiu antes mesmo de ele terminar a pergunta. —E quero te dizer uma coisa. —Coloquei uma das mãos no peito dele. Era quente e duro, e caramba, queria vê-lo nu. —Eu não acho agora, nem nunca acharei que você é nada menos que um cavalheiro perfeito, ok? Posso dizer que você está preocupado com algo, talvez se movendo muito rápido ou talvez seja toda a coisa do casamento cancelado. —Tudo acima. —Mas, a menos que você tenha uma namorada te esperando em Nova York ou um passado criminoso ou uma coleção de insetos assustadores em seu apartamento, realmente quero ir.


Ele riu, e os cantos de seus olhos enrugaram do jeito que eu gostava. —Não, não e definitivamente não. Eu só quero ter certeza de que você está confortável com isso. —Eu estou. —Dei um beijo rápido nos seus lábios por ter sido tão doce. —Eu gosto de você, Lucas. E sei exatamente o que estou fazendo. Essa era uma grande mentira. Enorme. O Arco do Triunfo de mentiras. Eu queria Lucas como uma louca, se minha calcinha fosse uma indicação. Mas não tinha ideia do que estava fazendo. Eu só sabia que eu gostava disso.


Capítulo 8 Nós não conversamos muito no caminho para o apartamento dele, mas ele segurou minha mão o tempo todo, e eu tive que me conter muito para não começar a pular. Realmente tinha sido só ontem à noite que eu estava perambulando essas ruas, triste e sozinha, odiando casais agindo exatamente como estávamos agora? Parecia impossível acreditar em como minha sorte havia se invertido completamente. —Esta é a minha rua. —Lucas virou a mão esquerda, apertando minha mão. Olhei ao redor, olhando os edifícios de sete andares de pedra clara com entradas detalhadas e grades de ferro decorativas nas janelas. No nível da rua havia algumas lojas e cafés, mas principalmente parecia ser uma rua residencial. Não vi outras pessoas fora e apenas um carro passou por nós enquanto caminhávamos. —Bairro tranquilo. Pelo menos até eu começar a gritar seu nome. Jesus, Mia, pare com isso! E se ele não está pensando o que você está pensando? —É, basicamente é sim. —Disse Lucas, soltando-me para tirar uma chave do bolso. Ele subiu para um grande par de portas duplas pretas sob uma fachada de pedra e enfiou a chave no lado direito. Então fez uma pausa para olhar por cima do ombro para mim, um sorriso no rosto. —Mas eu tenho janelas com vidros duplos, para que possamos ser tão barulhentos quanto quisermos. Ah, ele está pensando nisso. Eu dei um leve golpe nas suas costas. —Você está extremamente confiante. Ele abriu a porta e ficou parado para me deixar entrar primeiro, um olhar de inocência fingida em seu rosto. —Eu quis dizer quando


tocar para você alguns discos. Você não queria olhar minha coleção de vinil? Seu traseiro nu era o que eu queria ver, mas pensei que isso poderia ser muito ousado para dizer, então apenas mordi o lábio e passei por ele na entrada. —Estou no terceiro andar. —Ele pegou minha mão e subimos as escadas, minha ansiedade aumentando a cada passo. Ele destrancou a porta do apartamento e abriu, permitindo-me entrar primeiro. Eu engasguei quando ele ligou algumas luzes. —Meu Deus, é lindo! O apartamento não era grande, mas era muito elegante e bem equipado, não podia imaginar precisar de mais nada. Em frente, havia uma sala de estar, e imediatamente à esquerda havia uma cozinha pequena, mas brilhante, toda branca com balcões de granito preto. Os pisos eram de madeira clara polida, com um tapete preto e marfim na sala de estar. Lucas ligou uma lâmpada e eu girei em um círculo completo para admirar as cores quentes e a decoração clássica, que era de alguma forma elegante e masculina ao mesmo tempo. O teto e as molduras eram brancas, mas as paredes eram pintadas com uma cor quente. Contra a parede à direita havia um sofá antigo de veludo marrom, acima do qual pendiam três grandes espelhos emoldurados. Duas grandes janelas do chão ao teto de frete para a rua, cada uma com longas cortinas de seda cor de chocolate, retidas por puxadores de cordas grossas. Respirando, virei para a minha esquerda e mergulhei na área do quarto, que estava atrás de um painel de vestir antigo. A cama de casal tinha uma cabeceira de marfim simples e retangular que parecia ter sido estofada em couro, mas eu não estava perto o suficiente para tocá-la. Com o meu estômago pulando, peguei a parede atrás da cama, que estava coberta de formas geométricas


brancas e marrons. O olhar ousado foi suavizado por uma enorme cópia quadrada de uma rosa branca pendurada acima da cama. Olhei para Lucas. —Sua mãe tem bom gosto. —Ela tem. —Ele colocou as chaves e a carteira em um banco na frente da janela do quarto. —Embora eu não ache que ela tenha ficado aqui há anos. Ela e Sebastien têm uma casa duplex na margem direita. Principalmente ela mantém isso para mim. —Ele fechou as cortinas antes de se voltar para mim, e eu dei um olhar malicioso através dos cílios. —Filhinho da mamãe, hein? Bebê da família? Lucas deu de ombros. —Na verdade não. Talvez ela se sinta culpada por me deixar aqui quando eu era tão jovem. Assentindo lentamente, eu me perguntava se ele tinha algum ressentimento sobre isso. Eu teria perguntado, exceto que ele estava vindo para mim com um olhar em seus olhos que dizia: eu não quero falar sobre minha mãe agora. —Posso te pegar alguma coisa? —Perguntou ele. —Uma taça de vinho? —Não, obrigada. —Minhas mãos estavam segurando minha bolsa, e eu me senti insegura de repente. Na verdade, eu nunca tive uma aventura de uma noite ou até mesmo fui para casa com alguém em um primeiro encontro. Isso seria estranho? Devo fingir que não sabia o que queria fazer? Devo dizer o que estou pensando ou tentar ser tímida? —Você não parece bem. Você parece nervosa. —Ele inclinou meu queixo, seus olhos castanhos suaves e sérios. —Sem pressão, Mia. Podemos simplesmente ouvir discos e beber vinho, se desejar. Ou posso levá-la de volta ao seu hotel e vê-la amanhã. Deus, ele realmente era bonito. Como não vi isso desde o momento em que nos encontramos? E ele era tão doce, engraçado e


interessante, e agora ele tinha muitas, muitas, muitas roupas. A minha confiança voltou. —Ah não. Você não vai escapar tão fácil. —Deixei minha bolsa no chão e joguei meus braços ao redor de seu pescoço, esmagando minha boca na dele. Que mal teve tempo de envolver seus braços em mim quando puxei um pouco para trás. —Bem, eu não sei, talvez seja tão fácil. Ele riu, colocando as mãos sob minha bunda e me puxando, então minhas pernas enrolaram em sua cintura. —Você é um deleite, princesa. É como se você soubesse as piadas sacanas na minha cabeça. Estou com muito medo de fazer na sua frente. Rindo, tirei meus sapatos e cruzei meus tornozelos atrás dele. —Nunca tenha medo de fazer uma piada sacana na minha frente. Eu tenho uma mente surpreendentemente sacana. Suas sobrancelhas se ergueram. —Sério. Eu assenti. —Você está chocado? —Sim. Mas satisfeito. Nossas bocas se juntaram novamente, mais quentes e mais famintas e puta merda, ele sabia como beijar. Agora que não estávamos em um lugar público, Lucas me beijou de uma maneira totalmente diferente, seus lábios cheios abertos, sua língua deslizando entre eles, empurrando para dentro e para fora de uma maneira que insinuava o que estava por vir. Puxando-o mais apertado para mim com minhas pernas, passei meus dedos através desses cachos escuros, desfrutando da sensação de seu cabelo grosso em minhas mãos e o arranhão suave de sua barba no meu rosto. Será que eu realmente achei isso pouco atraente ontem? Agora não conseguia o suficiente, e estava desesperada por sentir seu peso sobre mim, sua pele nua na minha, seu corpo nu entre minhas pernas.


—Eu não posso acreditar nisso. —Sussurrei quando sua boca quente percorreu meu pescoço. —Eu também. Mas não posso dizer que não pensei nisso o dia todo. —Suas palavras abafadas contra minha pele e senti as vibrações de sua voz na minha garganta, enviando outra corrente de desejo através de mim. Ele se moveu para a cama e me abaixou de costas. —Dê-me um segundo. Eu soltei meu agarre sobre ele, que se esticou, abandonou seus sapatos e tirou o casaco pelos ombros, e jogou no banco da janela. Agora que ele usava apenas uma camiseta ajustada, eu poderia apreciar melhor sua musculatura magra da parte superior do corpo, que afunilava até a cintura. Eu também tirei meu casaco dos ombros e joguei-o sobre o banco. Então, recostando-me em minhas mãos, olhei para o seu traseiro perfeito quando ele abriu um pequeno armário contra a parede. Oh, meu Deus, ele é tão gostoso. E ele estava pensando em mim assim durante todo o dia? Eu me senti vertiginosa, como uma adolescente com uma primeira paixão. Eu precisava ter minhas mãos nele, levou toda a minha força de vontade para ficar na cama. —Quaisquer pedidos? —Tire sua calça. Ele sorriu para mim por cima do ombro dele. —Eu quis dizer musical. —Oh. Humm. —Repousei meu queixo no meu ombro. —Você não tem uma lista de reprodução de American Chick in My Apartment? —Não, na verdade, não. —Bem, então... você pode escolher. Eu acenei com a cabeça e um momento depois, a música pulsava suavemente de alto-falantes escondidos. Lucas se virou e tirou a camiseta, deixando cair no chão. Sem mentira, lambi os lábios, incapaz


de tirar os olhos do seu peito, dos abdominais duros e das costas nuas enquanto ele entrava na outra sala para desligar as luzes. Ele voltou para a cama, bem quando minha paciência estava no ponto de ruptura, e ele deixou a lâmpada da mesa de cabeceira acesa. —Venha aqui. —Disse ele. De joelhos, me mudei para a borda da cama, minhas pernas tremendo. Eu queria isso, queria muito, mas fazia tanto tempo que estive com alguém além de Tucker... eu estava simultaneamente extasiada e aterrorizada. Lucas colocou meu rosto entre suas mãos e beijou a ponta do meu nariz. Eu quase podia sentir o calor irradiando de sua pele nua, e minhas mãos doíam para tocá-lo. —Nós só vamos aonde você quiser. —Ele sussurrou, plantando beijos em cada bochecha, na minha testa, nos meus lábios e depois se curvando para esfregar os lábios na minha garganta. Até onde eu queria ir? Minha mente explodiu com todos os lugares distantes que eu queria ir com o Lucas. Lugares extremamente distantes. Lugares tão remotos que nunca pensei em visitá-los com mais ninguém antes. —Lucas. —Deslizei as mãos na pele fumegante de seu peito. —Minha blusa tem ganchos atrás do pescoço. Pare de falar e desfaça. Assim que ele levantou minha blusa de meus braços e colocou-a de lado, ele abaixou a boca no meu ombro e alcançou atrás de mim para abrir meu sutiã sem alças. Os arrepios caíram em cascata pelos meus braços enquanto o ar frio varria meus seios. Finalmente, nós estávamos ambos nus da cintura para cima, e Lucas envolveu seus braços em volta de mim e me puxou para perto, nossos peitos juntos. —Você é tão bonita. —Sua voz era reverente e crua ao mesmo tempo, e seu torso quente contra o meu fez meu sangue passar de fervendo a derretido. Deslizei as mãos pelos seus ombros enquanto sua boca se inclinava sobre a minha. O toque de Lucas era quente na minha pele, mas estremeci quando ele subiu uma mão do meu estômago até meu


peito, roçando o polegar sobre um mamilo. Que vibrou sob seu toque e arqueei minhas costas, desesperada por mais. —Oh, Deus, seu corpo. —Ele murmurou, deixando os lábios no meu peito inchado. Ele beijou até o pico e rodeou meu mamilo com a língua antes de levá-lo na boca e sugar suavemente. Minha boca se abriu, minha respiração ficou pesada. Tenho que colocar minhas mãos nele. Dirigindo uma mão para frente de seu jeans, meu interior apertou quando senti o quanto ele estava duro e era grosso. Lentamente, esfreguei minha mão para cima e para baixo no comprimento sólido de seu pau através de sua calça e imaginei como ele pareceria dentro de mim. Foi o suficiente para me fazer parar de respirar momentaneamente. Peguei seu zíper. Mas antes que eu pudesse abaixá-lo, Lucas passou um braço pelas minhas costas e nos moveu de lado na cama, apoiando os braços nas minhas laterais e colocando os quadris sobre os meus. Então me beijou novamente, acendendo meus lábios e minha língua enquanto eu abria as pernas e deslizava minhas mãos pela parte inferior das suas costas. Oh meu Deus, Oh meu Deus, Oh Oh meu Deus, Oh meu Deus. Só o peso de seu corpo duro entre minhas pernas era glorioso. E quando ele começou a se mover... Jesus, eu gritei? Eu não pude evitar. Agarrando sua bunda, puxei-o para dentro de mim, sentindo seu pau duro exatamente onde eu precisava, mesmo através de duas camadas de roupas íntimas e dois pares de jeans. Eu suspirei contra ele, sentindo-me mais do que nunca como uma adolescente, a ponto de gozar só com isso. Nós ainda tínhamos nossas calças, pelo amor de Deus. Mas Deus, eu já estou perto! Se ele apenas mantiver o ritmo constante, mantiver seu pau aí, sim, sim, sim, sim, aí


mesmo, talvez se mover um pouco mais rápido... Eu puxei-o para mim com mais força e movi meu quadril mais rápido. —Mia, Mia. —Lucas deslizou seus lábios na minha bochecha até o lóbulo da minha orelha, que pegou entre os dentes por um segundo. —Desacelera linda. Não estou com pressa. —Eu sei, mas é tão bom, e faz tanto tempo que eu... eu não quero que isso vá embora. —Gritei. Ele ergueu a cabeça e me olhou estranhamente. —Não quer que o que vá embora? —Meu orgasmo. —Seu orgasmo desapareceu? Abri os olhos e olhei para ele. —Bem, vamos apenas dizer que ele só fez uma aparição rara durante o sexo real nos últimos dois anos. Então, quando sinto que um está acontecendo, eu... —Você sente que um já está vindo? —O orgulho em sua voz era inconfundível. —Sim, então não pare. —Beijei seu queixo, sua mandíbula, sua garganta. —Deus, você cheira tão bem. —Enterrando meu rosto em seu pescoço, respirei, cavando meus calcanhares nas suas coxas. —Mia. —Lucas pegou meus pulsos e os prendeu junto aos meus ouvidos no travesseiro. —Olhe para mim, por favor. —Isso não vai me ajudar a diminuir a velocidade. — Mas olhei para o seu rosto bonito, meu coração batendo mais rápido enquanto eu olhava os lábios cheios, o nariz reto, os longos cílios. —Ouça. Eu não sei com que tipo de idiota você já esteve antes, mas prometo a você, seu orgasmo não só fará uma aparição esta noite, ele será a estrela do show. Meus mamilos se animaram ainda mais. —Sério?


—Realmente. —Ele deslizou pelo meu corpo, arrastando beijos dos meus lábios pelo centro do meu peito até o meu ombro. Então desabotoou e tirou meu jeans, esfregando a boca e o queixo para frente e para trás logo acima do laço da minha calcinha. —Na verdade, me arrisco a dizer que pode haver uma repetição ou duas. —Oh. Meu Deus. —Puxando o travesseiro debaixo da minha cabeça, eu o esmaguei sobre meu rosto antes de gritar nele. Alto. O sopro quente do riso de Lucas caiu na minha barriga. —Ainda não fiz nada. —Sim, você fez. —Minhas palavras foram abafadas pelo travesseiro, então eu o levantei um pouco e olhei para ele. —Sim você fez. Você não tem ideia. Ele sorriu sedutoramente antes de despir minha calcinha e sua cueca, e eu fiz uma rápida oração de agradecimento que mantive meu compromisso com a depilação pré-casamento. Pela primeira vez, eu estava totalmente nua. —Basta deitar e relaxar, amor. —Ele abriu minhas pernas, plantando um beijo na parte interna da minha coxa esquerda, depois na minha direita. —Diga-me se algo te faz se sentir bem e grite o quanto quiser. Meus olhos já estavam rolando na minha cabeça quando senti a ponta da sua língua traçando a fenda diretamente no meu centro. Apertei o travesseiro no meu rosto, apertando e soltando enquanto ele me lambia repetidas vezes com golpes lentos e deliberados. Então ele arrastou toda a superfície de veludo da sua língua no meu sexo formigando, me lambendo de cima para baixo, saboreando-me como se eu fosse a coisa mais deliciosa que ele já havia provado. Ninguém nunca, nunca me fez sentir tão bonita, tão adorada, tão louca de desejo. Tucker tinha me chupado algumas vezes, mas de alguma forma sempre pareceu como se ele estivesse me fazendo um favor, o que tornava isso nada agradável. Quero dizer, sabendo que ele provavelmente estava mais preocupado se teria alguma mancha na


cama do que me fazer gozar tirou um pouco do brilho da experiência. E ele sempre foi tão hesitante, como se tivesse medo de realmente ir para isso. Mas Lucas... Jesus Cristo, Lucas era um mundo novo. Eu gemi na fronha enquanto ele rodava a ponta da língua em torno do meu clitóris, não diretamente sobre ele, apenas provocando pequenos círculos que faziam o sangue correr pela minha parte inferior do corpo, os músculos apertando com a necessidade. Ele continuou me provocando assim até que eu não consegui mais lidar com a dor e joguei o travesseiro de lado. —Lucas... —Implorei. Mas em vez de bater no alvo como eu queria, ele deslizou um dedo dentro de mim, fazendo-me puxar minha respiração. —Você tem um gosto muito bom. —Disse ele, sua voz baixa, quase um sussurro. —Melhor do que o vinho. Sorrindo, exalei. —Impossível. Ele deslizou um segundo dedo ao lado do primeiro, movendo-os de alguma maneira mágica que fez meu corpo inteiro quase entorpecer com o prazer, enquanto seus lábios provavam suavemente meu nervo aquecido. Olhei para ele, quase perdendo o controle ao ver sua cabeça entre minhas coxas, da maneira comportada, mas com fome, ele me devorava. —Oh meu Deus, Lucas. É uma sensação incrível. —Humm. Bom.—Então ele se concentrou no alvo com precisão, acendendo-o com a ponta da língua antes de me lamber com um golpe longo e duro, e depois outro, mantendo um ritmo constante e dirigindo com a mão. —Oh, Deus, sim! —Levantei meus quadris para encontrar seus dedos e sua língua quente. Todos os músculos em minha parte inferior do corpo ficaram tensos enquanto ele me levava cada vez mais alto. Minhas mãos agarraram a colcha tão ferozmente que pensei que minhas unhas podiam passar por ela. —Jesus, Lucas! Eu vou gozar!


Ele gemeu, a vibração me enviou para a crista da primeira onda, e eu gritei. Minha cabeça caiu de volta quando ele sugou meu clitóris e torceu os dedos dentro de mim, empurrando-me para cima. Fechando meus punhos em seus cabelos, gritei e pulsei e virei os dedos dos meus pés, saboreando o orgasmo mais longo e intenso que já experimentara. E nem uma vez me preocupei com alguma manchinha.


Capítulo 9 —Eu acho que estou morta. —Eu disse depois que meu corpo finalmente parou de convulsionar. —Você terá que me enterrar no Père Lachaise ao lado desse presidente. —Eu vou aceitar isso como um elogio. —Você deveria. —Meus olhos estavam fechados, pontinhos brilhantes ainda estavam desaparecendo. —Deus, eu nem sabia que um orgasmo assim era possível. —Bom. Levantei-me em meus cotovelos e olhei para ele. O fato de que seu cabelo estava despenteado e sua boca estava brilhante e úmida fez que uma nova onda de luxúria se esgueirasse por mim. —E agora eu quero outro. Então venha aqui. E deixe sua calça lá. Ele sorriu. —Esta é uma coisa que eu não vou discutir com você, princesa. Eu assisti, mordendo meu lábio inferior, enquanto ele se despia e puxava para trás as cobertas para que pudéssemos deslizar entre os lençóis. Assim que seu corpo quente e nu estava esticado ao lado do meu, passei uma das mãos pelo seu peito e estômago e enrolei meus dedos em torno de seu pau quente e duro. Disposta a ter paciência, fui lenta a princípio, plantando beijos em seu peito, no vão do pescoço, debaixo da orelha. Eu suguei o lóbulo da orelha e bombeei minha mão para cima e para baixo em seu longo eixo. —Seu corpo é fantástico e sua língua, nem me faça começar a falar da língua. —Bom, porque não consigo resistir á você. —Ele pegou uma das mãos que estava no meu quadril e deslizou até meu peito, apertando-o, provocando meu mamilo com os dedos. Então o pegou em sua boca, mordendo com força, mas também de um jeito gentil.


Arquejando, apertei sua carne um pouco mais forte, e ele começou a bombear na minha mão, me deixando quente e impaciente. —Deus, não posso esperar para ter você dentro de mim. —Humm... —Ele deslizou os dedos entre minhas pernas, onde eu já estava molhada, quente e dolorida por ele. —Lucas. —Resmunguei —Agora. —Shhh. —Ele mergulhou seus dedos em mim em um ritmo constante, sugando um mamilo e depois o outro até sentir a tensão puxando e apertando dentro de mim mais uma vez, e eu sabia que se não o impedisse iria explodir novamente em menos de um minuto. E não era que eu não quisesse, eu o queria dentro de mim primeiro. —Lucas. —Eu caí de costas e mexi debaixo dele. —Por favor. —Você tem certeza? —Sim. —Deixe-me pegar um preservativo. —Você tem dez segundos. —Fechei meus olhos. —Nove. Oito… Quando cheguei a um, ele estava se encaixando na minha entrada, e todo o meu corpo tremia com ansiedade. Não conseguia me lembrar de ter dois orgasmos em uma noite, mas acreditava que se alguém pudesse me levar lá, seria Lucas. —Mia. —Colocando suas mãos perto de meus ombros, ele empurrou lentamente para dentro, e eu suspirei pelo jeito que ele me esticou e me encheu, pelo jeito que seu ritmo sem pressa me permitiu sentir cada sensação tão completamente. Sentia-me tão diferente, tão bom ter alguém disposto a aproveitar seu tempo. Alguém que se preocupava em atender minhas necessidades, alguém que queria me agradar. Alguém que sussurrava meu nome com admiração enquanto se segurava profundamente dentro de mim.


Na verdade, acho que morri. Porque isso se parece com o céu. Eu virei o rosto para o lado, lutando contra o desejo de gozar três segundos depois que ele começou a circular seus quadris, triturando seu osso pélvico no local que me fazia zumbir e retorcer como um fio desencapado. Eu nunca tinha estado com um músico antes, mas Jesus Cristo... O ritmo e o tempo de Lucas eram fantásticos. Sem mencionar a forma como ele se movia, com controle perfeito e uma graça muscular predatória. —Oh, meu Deus. —Arquejando, passei minhas mãos por todo o corpo, os braços, o pescoço e as costas, sua bunda perfeita, cavando minhas unhas em sua carne, meu corpo pegando fogo. —Estou tentando tão duramente não gritar no seu ouvido. —Eu ficarei insultado se você não fizer isso. Eu ri e, depois, gemi quando ele começou a empurrar cada vez mais rápido. Um gemido estrangulado soou do fundo de sua garganta, e eu levantei meus joelhos para levá-lo mais fundo. —Ah, sim... —Choraminguei. —Sim, Lucas. Sim. Sim! —Com cada palavra, meu volume subia, a tempestade dentro de mim ficando mais forte. —Meu Deus! Não pare! Não pare! Não pare! E então, a coisa mais incrível do mundo, as respirações rápidas de Lucas tornaram-se rasas e em seguida, sons primitivos seguidos de gritos altos, incontroláveis, cada vez que ele se aproximava de mim, e percebi que era possível que gozássemos juntos, ao mesmo tempo. Como em um maldito livro ou filme! Pendurada no pico do meu orgasmo, eu queria que meu corpo o esperasse, e os poucos segundos que fiquei ali eram partes iguais de agonia e arrebatamento, de modo que quase chorei com o esforço. Finalmente, não aguentando mais e virando para cima, gritando seu nome quando o puxei para dentro de mim, meu rosto enterrado no seu pescoço, meu corpo apertando o dele.


E aconteceu. Malditamente aconteceu. Assim que as contrações rítmicas de meu corpo diminuíram, Lucas se enterrou profundamente dentro de mim e senti seu pênis começar a latejar. Ele moeu muito e forte, o movimento reduzido a pequenos movimentos que redobraram a força do meu clímax. Ondas de prazer indizível percorriam meu corpo, eu imaginei que percorriam o dele também, como se estivéssemos compartilhando a mesma corrente de eletricidade sexual. Fiquei de boca aberta, como que em choque, e os pontinhos brilhantes, não, galáxias inteiras explodiram na frente dos meus olhos. Eventualmente, nossos corpos se acalmaram e nossos corações pararam de ameaçar explodir em nossos peitos, mas eu ainda não podia falar. Eu quase não podia respirar. Não só tinha acabado de ter o melhor sexo da minha vida inteira, incluindo dois orgasmos, gritos, puxões de cabelo, orgasmos de agarrar lençóis, mas aprendi algo. O orgasmo simultâneo. Não era um mito.

#

—Mais uma vez. —Eu exigi. —Novamente? Já fiz isso duas vezes. —Novamente. Não consigo ter o suficiente. Lucas revirou os olhos, mas iniciou os acordes da abertura para La Vie En Rose mais uma vez em seu violão, e eu alegremente batia


minhas mãos. Estávamos sentados no chão na sala de estar compartilhando um prato de uvas, elas são chamadas de passas em francês, que estranho é isso? E arrancando pedaços de uma baguete que Lucas disse que era de ontem, então estava muito velha para comer, mas parecia boa para mim. Melhor do que boa. Na verdade, eu declarei que era a Melhor.Baguete.De.Todas Eu estava experimentando um pouco da euforia pós segundo orgasmo. —Eu quero saber o que as letras significam. —Coloquei outra uva na minha boca. —Eu acho que você deveria cantar para mim dessa vez também. Lucas balançou a cabeça. —Eu realmente não conheço as letras de cor, eu deveria, embora não seja muito bom cantor. Eu sorri com doçura. —Eu não seria crítica. Você tem muitos outros talentos. Sorrindo, Lucas deu mais um acorde antes de silenciar as cordas com as mãos. —Aguarde. —Ficando de pé, colocou a guitarra no sofá e entrou no quarto. Ele voltou com um laptop, colocou-o na mesinha em frente à janela e abriu-o. Enquanto procurava a música, eu comecei a escovar as migalhas da camisa com botões que ele havia me dado para vestir, mas então eu me senti culpada porque seu piso estava tão limpo. Ficando de pé, peguei a bainha da camisa para que ela não sujasse por toda parte e fui a cozinha para jogá-los no lixo. Voltando ao tapete, peguei o prato, joguei as hastes de uva e coloquei na minúscula máquina de lavar louça, admirando os balcões brilhantes e limpando a pia de novo. Eu nunca teria adivinhado quando vi pela primeira vez Lucas no bar que seu apartamento seria tão limpo. Sua arrumação foi uma boa surpresa, inspirou uma nova lista. Bem, isso e sua língua. 5 coisas maravilhosas sobre Lucas


1) Ele sempre me beija pelo menos uma vez em cada bochecha quando diz olá. 2) Ele conhece vinho, história, catedrais, música e histórias de amor. (Pontos bônus para boquetes históricos mortais, bem como para famílias que possuem um vinhedo). 3) Ele abre as portas para mim e sempre me permite entrar em uma sala primeiro. 4) Seu apartamento é bonito e imaculado, até mesmo o banheiro. 5) Ele sabe como me dar vários orgasmos e não se importa com manchas. Na verdade, ele está orgulhoso delas.

—Encontrei. Um momento depois, ouvi o som arranhado de uma gravação antiga e, em seguida, as batidas de abertura da música. Um sorriso enorme surgiu em meus lábios, andei ao redor do balcão na sala assim que Lucas se levantou. O olhar dele, vestindo jeans, mas sem camisa, com os pés descalços, os cachos enroscados e bagunçados de qualquer jeito fizeram meu estômago virar. —Dance comigo. Ele balançou sua cabeça. —Receio que seja um dançarino ainda pior do que cantor. —Eu não me importo. Por favor? —Estendi a mão, e ele fez uma careta, mas pegou, puxando-me ao peito e me enlaçando com o outro braço. Descalça, meus olhos estavam nivelados com seu queixo, o que significava que eu poderia descansar confortavelmente a cabeça no ombro dele. —Você é tão fácil. —Eu disse. —Tudo o que é preciso é um “por favor” para te convencer a fazer algo. —É melhor ser legal ou não vou dizer o que as letras significam. —Ele advertiu.


Beijei seu queixo. —Desculpa. Eu serei legal. Ao fechar os olhos, voltei a inclinar a cabeça no seu ombro e ouvi enquanto ele me traduzia a letra, e a essência disso era que a vida parece diferente quando você está apaixonado. Melhor. Mais bonita. Embora assim como esta tarde, minha mente derivou do que ele estava dizendo para o que ele disse antes. Como sua voz às vezes rachava quando ele falava baixo e suave. Como ele me segurava no peito com tanta atenção, que eu podia sentir seus batimentos cardíacos. Como ele se inclinava no ritmo antigo da música, nos fazendo dar um círculo lento na frente das janelas. Minha bochecha aqueceu em sua pele nua e senti algo começar a mexer dentro de mim. Deveria ser por volta das três da manhã, e eu estava sonolenta e satisfeita, mas não consegui me impedir de beijar seu ombro, sua clavícula, seu pescoço. Lucas parou enquanto eu beijava meu caminho até seus lábios, então pegou minha cabeça nas mãos, trazendo a boca para a minha. Entre nós, senti seu pênis começar a engrossar e pressionar contra o meu osso pélvico. Minha parte inferior do corpo apertou involuntariamente. —Humm, Lucas? —Eu virei minha cabeça e sua boca se moveu ao longo da minha mandíbula e pelo meu pescoço. —Sim? —Sua respiração estava fraca. —Eu sei que já tive a minha estrela e ainda um bis, e não quero ser gananciosa, mas podemos fazer isso novamente? Em vez de responder, ele caminhou para trás e se sentou no sofá, puxando-me para baixo em seu colo. Inclinei um joelho de cada lado de seus quadris, e ele começou a desabotoar minha camisa. —No sofá, realmente? —Eu não pude deixar de me surpreender. Nós fechamos as cortinas e tal, mas Tucker nunca teria feito isso em um sofá caro, e este parecia um lindo e antigo. —Você não está preocupado com... estragar isso?


—Pareço preocupado? —Ele nem levantou a cabeça do meu peito, onde já estava arrastando sua língua sobre um mamilo e torcendo o outro entre os dedos. Foda-se, adorava sua boca e mãos em mim. Sua respiração na minha pele. —Não. —É a sua resposta. Eu sorri, segurando a cabeça no meu peito enquanto ele mordiscava, sugava e mordia, circulando meus quadris, esfregando contra a ereção contra o jeans. Isso é fantástico, talvez ele me deixe ficar em cima. Mais uma coisa que Tucker não gostava, pelo menos nunca comigo. Lucas trouxe os lábios de volta para o meu, e agarrei a parte de trás do sofá, montando-o ainda mais e sentindo-o empurrar para me encontrar. —Deixe-me levantar por um segundo. —Ele sussurrou. Quando ele voltou, tirou o jeans e me puxou de volta para onde eu estava. Eu tive que morder o lábio para não gritar aleluia. Depois de ajudá-lo a colocar o preservativo, abaixei lentamente meu corpo em seu pau longo e duro, minha respiração travou na minha garganta. Lucas fechou os olhos enquanto eu me afundava, sua expressão quase dolorosa. Ele manteve as mãos nos meus quadris, mas não empurrou. —Oh meu Deus. —Ele suspirou. —Você parece tão bem, não sei se consigo sequer olhar para você. Eu sorri. —Por quê? —Porque você é tão linda, e seu corpo é tão perfeito, e você é tão apertada e molhada e porra, não se mexa ainda...


Mas eu afundei todo o caminho, ofegante em quão profundo eu consegui levá-lo, e não pude resistir a balançar meus quadris um pouco, apenas para provocá-lo. —Humm, Lucas. —Foda-se. —Seu pau pulsou uma vez dentro de mim. —Eu adoro isso. —Sussurrei, apertando-o com meus músculos internos. —Mia. —Meu nome saiu de seus lábios antes que ele me beijasse longo, duro e profundo, sua língua entrando na minha boca. Ele enfiou os dedos nos meus cabelos enquanto eu começava a levantar e abaixar, deslizando para cima e para baixo em seu eixo. —Oh Deus. Apenas espere, não se mexa. —Ele implorou, curvando os punhos e puxando meus cabelos. Eu também não queria terminar com isso, então, depois de abaixar todo o caminho de novo, fiquei onde estava, admirando a sensação dele tão profundo e grosso dentro de mim. Ele alcançou entre nós com uma mão e esfregou o polegar sobre meu clitóris, mantendo os outros dedos no meu cabelo. —Oh meu Deus, como você sabe exatamente como me tocar? — Gritei. —Você leu algum manual de instruções em algum lugar e memorizou? —Seu polegar se moveu mais rápido, e eu podia sentir o orgasmo começando a se construir. —Porra, Lucas. —Eu tinha que me mexer. Se eu o fizesse chegar mais cedo, eu não estaria tão atrasada. Bombeando os quadris sobre o dele, peguei seus ombros e segurei. Ele passou as mãos na minha bunda e me agarrou firme, empurrando-me tão forte que os quadris saíram do sofá. Eu balancei cada vez mais rápido, até que a pressão que queimava dentro de mim acumulou tanto que gritei desesperada por liberação. E então, como se fosse seu clímax explodindo de prazer, Lucas gemeu e endureceu logo após o meu próprio orgasmo, e eu subi em seu pau latejante enquanto espasmos incontroláveis me atingiam. E eu realmente gritei: —Oh meu Deus, eu amo Paris!


Capítulo 10 Assim que Lucas parou de rir o suficiente para poder respirar, ele se levantou e caminhou pelo quarto com as minhas pernas ainda enroladas em sua cintura. —Então você está feliz que ficou, certo? Eu assenti. —Muito. —Bom. —Ele me depositou na cama, abaixando para beijar minha testa antes de entrar no banheiro, ainda sorrindo. Ao fechar os olhos, deitei-me, meus braços sobre minha cabeça, minhas pernas penduradas na borda da cama. Se eu não estivesse tão feliz, provavelmente ficaria envergonhada. Mas não posso parar de sorrir. Um momento depois, Lucas saiu e se deitou ao meu lado. —Você sabe, acho que essa é a melhor coisa que já ouvi durante o sexo. Eu olhei para ele. —Estou feliz por poder te divertir. —Você faz mais do que isso. Deus, você é incrível. Eu rolei para o meu lado, com a cabeça apoiada na minha mão. —Claro que você não está só dizendo isso porque sente pena de mim? —Por que sentiria pena de você? —Porque eu estava tão triste ontem. Porque nunca fiz sexo tão bom assim. Porque nunca tive três orgasmos em uma noite, talvez nem em uma semana. Ele balança a cabeça. —Por que diabos você desperdiçou tanto tempo com esse cara? Se você fosse minha, eu nunca manteria minhas mãos longe de você. Ou qualquer outra parte do seu corpo. Minha barriga revirou. Se você fosse minha... —Sim, bem, eu era diferente. Você sabe que posso contar em uma das mãos o número de vezes que ele fez o que você fez antes?


—Chupar você? Você está brincando comigo? Em dois anos, você pode contar as vezes em uma mão? —Lucas parecia consternado. —Ele tinha a boceta mais doce em toda a criação ao lado dele durante todo esse tempo e ele não passou seus dias e noites enterrado nela? Eu balancei minha cabeça, meu pulso acelerando com suas palavras. —Sim. Era tipo: no meu aniversário, nosso aniversário e talvez uma vez no quatro de julho ou algo assim. Ele revira os olhos. —Jesus, Mia. Não me conte mais nada. Isso só piora. —Ele tinha apenas duas posições que gostava. Eu as chamava de Posições Aprovadas. —Eu estava rindo agora. —Mas não na sua frente, é claro. Lucas geme e agarra um travesseiro e coloca sobre sua cabeça. —Eu não posso ouvir mais. Eu pego e o seguro no meu peito. —Eu só estou tentando enfatizar que esta noite foi incrível por muitas razões. —Eu bati meus cílios. —Três em particular. Lucas sorri também. —Bom. Há mais de onde eles vieram. Mas você deve estar exausta. Você quer ficar ou quer que eu te leve de volta ao seu hotel? Suspirei. —Obrigada, mas devo voltar. Você não precisa me levar. Posso pegar um táxi. —Não, eu vou levá-la. —Ele pousou os pés no chão. —E nem discuta comigo, princesa. Ou você não terá razões: quatro, cinco e seis amanhã. Meu queixo cai. —Deus, eu amo Paris. Seu sorriso maroto aparece por cima do ombro. —Você mencionou isso. #


Lucas foi comigo no táxi de volta ao hotel, embora eu lhe dissesse que não era necessário. Até pedi ao motorista que esperasse enquanto ele caminhava comigo para dentro. Despedimos no elevador, e tive que rir por dentro de seu cabelo bagunçado, roupas desgrenhadas e lábios inchados de beijos. Mas eu sabia que parecia do mesmo jeito. E não me importava. Ele me beijou suavemente. —Vejo você amanhã. Descanse e me ligue quando acordar. —OK. —Tinha seu número de celular escrito em um pedaço de papel na minha bolsa. —Vejo você então. Foi um excelente dia. Obrigado por... —Levantei meus ombros. Como diabos você agradece por tudo o que Lucas fez por mim hoje? Mas antes que eu pudesse terminar, ele colocou dois dedos sobre meus lábios. —Pare. Foi um prazer. As portas do elevador se abriram atrás de mim e sai incapaz de evitar sorrir para Lucas, que estava parado com as mãos nos bolsos quando as portas se fecharam. O elevador subiu rapidamente, combinando com a sensação subindo rapidamente dentro de mim quando pensei na noite que acabei de experimentar. Coloco uma mão na minha boca e rio muito alto. Bom, eu estava sozinha no elevador. Eu andei pelo corredor até meu quarto com um maldito brilho, exausta, mas feliz. Tão feliz. Tão feliz que não pude resistir pular um pouco antes de chegar à minha porta. Tão feliz que eu não conseguia parar de sorrir enquanto me despia e tirava minha blusa enrugada. Tão feliz, que girei do banheiro indo para a cama depois de remover minha maquiagem e escovar os dentes.


E então me deitei lá entre os lençóis finos, suspirando alegremente. Amanhã talvez eu analisasse meus sentimentos ou me perguntasse se o meu comportamento tinha sido sábio ou examinasse minhas razões para dormir com um homem que conheci ontem. Mas, por enquanto, eu estava indo apenas aproveitar o brilho. 5 Razões por que eu amo Paris 1) Lucas 2) Lucas 3) Lucas 4) Lucas 5) Lucas

#

Acordei por volta das dez e peguei o telefone na mesa de cabeceira, seguindo as instruções para fazer uma chamada internacional. Provavelmente era imperdoável acordar Coco às quatro da manhã do seu horário para discutir orgasmos, mas eu tinha que conversar com alguém. Eu tinha que ouvir alguém me dizer que não era louca ou uma puta ou ambos. Embora eu não me sinta uma puta. Em geral, não julgo o sexo, e mesmo à luz da manhã, meu comportamento com Lucas não me pareceu promíscuo. Tínhamos sido cuidadosos. É só que eu não tinha o hábito de ser tão espontânea, e eu vim para Paris esperando uma coisa e experimentei o oposto total. —Alô? —Oh. Meu. Deus.


—Mia! —A voz rouca de Coco tinha uma nota de preocupação. —Que horas são? Você está bem? —Eu estou melhor que bem. —Um arrepio passa pelo meu corpo. —Estou elétrica, porra. Coco respirou fundo. —O quê? Oh meu Deus, o que está acontecendo por aí? —Você não vai acreditar nisso. Mal posso acreditar. —Continue. Lambi meus lábios. —Eu conheci alguém. Seu grito foi tão alto que tive que afastar o telefone da minha orelha. —E? —E eu tive três orgasmos na noite passada. Silêncio —Coco? —Desculpe, estava em choque. Você disse três? Eu sorrio. —Sim. —Quem é esse mago de OZ? —O nome dele é Lucas. Ele é professor em Nova York, mas é meio francês e mora aqui no verão. —Oh meu Deus. Estou morrendo. Quantos anos ele tem? —Eu não sei, na verdade. Nós realmente não conversamos sobre isso. —O que era engraçado e meio louco. Nunca, nunca dormi com alguém sem saber a idade dele. Ou o tamanho da sua camisa, nome do meio, marca de carro e modelo. —Eu acho que ele tem a nossa idade, no entanto. Talvez um pouco mais velho. —Como ele se parece?


Ha. Ela adoraria isso. —Você não vai acreditar nisso. —Por quê? —Porque eu também não acredito. Ele tem cabelos escuros e bagunçados. E ele não é alto. —O quê? O que quer dizer, cabelos bagunçados? Fecho meus olhos e imagino, lembro a sensação em minhas mãos. —Um pouco bagunçado. Grosso e ondulado. —E desarrumado? —Desarrumado. —Confirmei. —Ah, e ele toca violão. —Em seguida, você vai me dizer que ele tem tatuagens. Eu ri. —Não que eu tenha percebido. Ainda. —Oh. Meu. Deus, Mia. Onde você o conheceu? Deitando de bruços, falei sobre a minha primeira noite desastrosa e como passei aleatoriamente no bar onde ele estava trabalhando. —E o estranho é que ele nem mesmo trabalha lá. É o bar do seu irmão ou algo assim, e ele estava apenas preenchendo um furo. Coco ofegou. —É o destino. Eu dei de ombros e enrolei um fio de cabelo ao redor do meu dedo. Havia tal coisa como o destino? Eu não tinha certeza. —De qualquer forma, ele se ofereceu em ser meu guia de turismo por um dia, então eu não veria Paris sozinha. Eu estava pronta para me virar e voltar para casa antes disso. —Parece que foi um grande tour. —Foi. Quero dizer, não ficou sexy até tarde da noite, mas quando isso aconteceu, realmente aconteceu. —Na verdade, eu estava molhada agora só de pensar nisso. Caramba. —Eu simplesmente não posso acreditar! Então você vai vê-lo novamente?


—Aham. Parte dois da turnê. —Que eu espero terminar da mesma forma que a primeira parte. Rapidamente, contei os dias que tinha ainda na minha cabeça. Cinco, mas Lucas não disse que estava saindo de Paris amanhã? Merda. Talvez hoje fosse tudo o que tínhamos. Coco suspirou. —Isso é tão incrível. Posso dizer a Erin? —Claro! —Eu puxei meu cabelo. —Ela provavelmente pensará que perdi a cabeça aqui. —Não, ela não vai! Ela ficará encantada, assim como eu. Você merece isso, Mia. E não comece a pensar demais. Suspirei. —Estou tentando não pensar. Na noite passada, não me permiti começar a analisá-lo. Você teria ficado orgulhosa de mim. —Mas você está começando a questionar as coisas agora? Eu puxei mais forte meu cabelo. Ela me conhecia muito bem. —É tão diferente do meu eu agir desse jeito. E quando penso nas circunstâncias... —Por que você tem que pensar sobre as circunstâncias? Como se sente? Fechei os olhos e eu estava lá. Eu podia sentir o cheiro dele, ouvi-lo, senti-lo... O calor floresceu no meu interior. —É bom. —Bem, então. —Você tem certeza de que isso não é estúpido? Ou que estou agindo como vagabunda? —O quê? Não! Droga, mulher, você é jovem e recém-solteira. Isto é o que você deveria estar fazendo! Agora ouça. Eu quero que você esteja segura, mas continue se divertindo e lance sua maldita cautela ao vento, você me ouve? Eu rio. —Eu ouço você. E vou tentar. Desculpe por te acordar, eu só... tinha que ouvir você me dizer que não estava louca.


—Você não está louca. E estou totalmente com inveja. Eu amo você, me ligue novamente, ok? —Eu irei. Eu também te amo. Tchau. Eu desliguei o telefone e me estiquei, sentindo dor nos meus membros e nos abdominais que não estava lá ontem de manhã, e isso ampliou o sorriso secreto no meu rosto. Quando saí da cama e andei até o banheiro, percebi que estava dolorida em lugares que não havia sentido há anos. ANOS nada, talvez nunca. Sob o jato quente do chuveiro, lavei meu cabelo e espumei meu corpo com gel de banho, e corri minhas mãos sobre minha pele escorregadia, lembrei-me das mãos de Lucas. E seus lábios. E a língua dele. E quase tive que me dar o número quatro porque eu estava tão excitada. Não, não faça isso. Parei com a mão no meu estômago. Espere por ele. Mas enquanto enxaguava o shampoo do meu cabelo, uma pequena voz astuta dentro de mim começou a fazer perguntas. Fazer sexo com Lucas novamente é uma má ideia? Eu estava me preparando para mais desgosto? Afinal, ele sairia da cidade no dia seguinte, e eu só estava em Paris por um curto tempo. E depois disso? Eu o veria novamente? De repente, senti como se tivesse engolido uma bola de tênis. Pare com isso agora mesmo. Você não está planejando casar com esse cara. Você está transando com ele. Vocês são amigos. E está perfeitamente bem. Você não precisa pensar sobre o futuro, ou mesmo amanhã. Você tem hoje e você pode fazê-lo valer. Balançando de um lado para outro abaixo da água, eu me perguntei se poderia realmente fazer isso, não me preocupar com nada além do presente. Você conseguiu bem o suficiente ontem à noite.


É verdade. E fui recompensada com o melhor sexo da minha vida, três orgasmos estelares e a promessa de outro dia fantástico com um cara inteligente e sexy. O que mais eu poderia pedir? Quando enxaguei todo o sabão, estava totalmente confiante de que poderia desfrutar o dia e a noite antes de deixar pensamentos preocupantes sobre o futuro entrar no caminho de uma boa diversão. Afinal, Lucas não parecia preocupado, então por que eu deveria estar? E Coco estava certa. Eu tinha passado por muito, e merecia alguns dias de prazer puro e descarado. Com a lembrança dos olhos e da voz de Lucas, os dedos a língua e pau que me aquecem os sentidos, coloquei a mão entre as pernas. De alguma forma, eu sabia que ele iria aprovar.


Capítulo 11 Lucas veio ao meio dia, me cumprimentando com seus beijos habituais na bochecha. Desta vez, beijei suas bochechas também, e o toque de meus lábios na sua pele me acendeu. Minha barriga se remexia como uma tocha pegando fogo. Calma, garota. —Bom dia. —Imaginei se seria errado sugerir que pulássemos o passeio e fossemos direto ao sexo. —Bom dia. —Ele escovou um cacho da minha testa. —Como você dormiu? —Como um bebê. E você? —O mesmo. —Ele se inclina para sussurrar no meu ouvido. —Exceto que acordei pensando em você e eu tinha uma ereção. Eu tive que cuidar de mim mesmo. Eu queria que você tivesse ficado. Meu coração bateu forte enquanto imaginava ele se tocando pensando em mim. Foda-se, realmente estava muito quente. Eu deveria ter embalado uma calcinha extra na minha bolsa. Esta já está molhada. —Eu acordei pensando em você também. —Sussurro. —E estou dolorida em todos os lugares. —Mesmo? —Ele ficou satisfeito consigo mesmo. —Eu poderia levá-la de volta ao seu quarto e fazer uma massagem. Isso ajudaria? Eu balanço minha cabeça. —Tentador, mas não ajudaria, porque tenho certeza de que a massagem levaria a outras coisas. —Você está certa. É melhor irmos. Quanto mais tempo eu ficar aqui olhando para você, mais minha mente vagueia para essas outras coisas. —Ele gesticula em direção à porta. —Paris aguarda, princesa e eu sei como você se sente sobre Paris.


Eu estava prestes a dizer foda-se Paris, vamos apenas chegar às outras coisas quando lembrei que seria minha última chance de ver a cidade com ele como meu guia, e eu realmente gostava de ouvi-lo falar sobre os lugares em que ele me levava. —OK. O que faremos hoje? Com a mão na parte inferior das minhas costas, atravessamos o lobby e saímos do hotel. —Bem, eu pensei que talvez nós vagássemos pelo Le Marais primeiro. Há muitas coisas legais por aí, e as lojas que também quero levá-la ficam nessa direção. —Parece perfeito. Nós pegamos o metrô para as redondezas do Marais e no trem pensei sobre o sexo. Lucas segurou minha mão enquanto caminhávamos pelas ruas pitorescas e pelas bonitas praças, e eu pensei em sexo. Admiramos a arquitetura medieval e renascentista, comemos sanduíches sentados na grama da Place des Vosges e visitamos o museu Victor Hugo. E pensei em sexo o tempo todo. Eu tentei duramente não demonstrar isso, mas foi difícil, já que toda vez que olhava para Lucas, minhas entranhas remexiam, ou a parte inferior do meu corpo apertava, ou as borboletas rodavam em massa na minha barriga. Não importa onde meus olhos estivessem: seu cabelo, suas mãos, seus lábios e sim, tudo bem na braguilha na sua calça, eu era assaltada com lembranças da noite passada. Jesus, Mia. Você é um demônio. Recomponha-se. Mas não pude evitar. O sexo nunca desempenhou um papel particularmente importante no meu relacionamento com Tucker, pelo menos não tanto quanto eu estava preocupada. Mas hoje era tudo o que eu podia pensar. E eu sabia que quando fosse para casa, nunca voltaria ao jeito que estava antes, sublimando meus próprios desejos sexuais para apaziguar um homem. Não acredito que fiz isso por tanto tempo. Eu nunca soube o que estava faltando. Durante o início da tarde, eu me perguntei se Lucas estava pensando na noite passada tanto quanto eu. Nós falamos muito sobre


coisas diferentes, soube que ele tinha vinte e oito anos, tinha apenas dois meios-irmãos e nenhuma irmã, era alérgico a mariscos e de fato, não tinha tatuagens, mas nenhum de nós mencionou sexo desde que saímos do meu hotel. Depois de deixar o museu de Hugo, decidimos que ficamos tempo suficiente sem vinho, então fomos a um pequeno bistrô na Rue St. Paul. Lucas pediu uma garrafa enquanto eu usava o banheiro e quando voltei à nossa mesa sob a janela, ele parecia tão delicioso na luz natural que decidi ser direta. Sentei-me e apoiei meu queixo na minha mão. —Então eu tenho que te perguntar. Quantas vezes você pensou sobre sexo hoje? —Mais de um milhão. Fácil. —Ele nem sequer piscou. Eu dei uma risada. —Bem, fico feliz que não seja só eu. — Baixando minha voz para um sussurro, digo: —Eu estava começando a pensar que eu era algum tipo de pervertida por pensar sobre sexo oral no apartamento de Victor Hugo. Ele se inclina sobre a mesa. —Não se preocupe. Isso é positivamente mais suave se comparado com as coisas que pensei. Meu estômago saltou. —Como o quê? —Não vou contar. Eu vou ter que surpreendê-la. Ou assustá-la, um dos dois. —Ele trouxe seus lábios para o meu em um beijo quente e delicioso que transformou meu âmago em líquido. —Faça ambos. Eu poderia gostar de ficar um pouco assustada. Colocando sua boca no meu ouvido. —Você não faz ideia do que está me dizendo. Estou tão duro agora. —Quer que eu me sente em seu colo? Ele geme e me sento novamente. —Não me provoque. Não consigo lidar com isso.


Na verdade, eu provavelmente teria andado em volta da mesa para me sentar no seu colo, mas o nosso vinho chegou e depois que o garçom nos serviu um copo, Lucas ergueu-o. —A que nós estamos brindando? —Eu levantei o meu também. —Sexo oral e Victor Hugo? Levanto a cabeça. —Não parece certo. —Humm. Sexo no sofá e Edith Piaf? Inclinei-me para o outro lado. —Perto. —Que tal... sexo inesperado que se revela melhor do que você imaginou, mesmo que você o tenha imaginado durante todo o dia, inclusive quando estava em um cemitério e em uma igreja? Eu acenei com a cabeça e apontei para ele. —Bingo. —Nós batemos as taças e bebemos a isso.

#

Enquanto estávamos no bistrô, garoou um pouco, mas quando terminamos o nosso vinho, o chuvisco parou e o sol começou a aparecer nas nuvens. Lucas disse que as lojas que queria me levar estavam perto, então nos dirigimos para lá. O dia esquentou, ou talvez fosse a conversa e o vinho, mas eu me senti um pouco quente, então tirei o cardigan que tinha nos meus ombros e amarrei na minha cintura. Eu usava uma camisa bonita e feminina de corte rendado, sem sutiã. Se meus mamilos atravessassem o tecido hoje, não me importaria se Lucas percebesse. Na verdade, eu queria que ele notasse. —Então, o que você está procurando? —Perguntou enquanto caminhávamos. —Roupas? Livros? Joias? Presumo que nada de móveis.


—Bem, tenho que encontrar um novo lugar para morar quando chegar em casa. Talvez possa preenchê-lo com antiguidades de Paris. — Sorrio para ele. —Quanto será o transporte? —Eu acho que muito. —Ele ficou quieto por um minuto. —Você já vivia com ele? Fiquei surpresa que ele perguntasse isso, já que disse que não queria mais ouvir sobre Tucker. —Sim. Lucas enfiou as mãos nos bolsos. —Para onde você vai? —Ainda não pensei nisso. E você sabe o quê? —Eu tirei uma das suas mãos de seu bolso e a segurei. —E nem quero. Veja? —Salteando um pouco, balancei o braço. —Você é uma boa influência para mim, só estou pensando no aqui, agora, e nem me preocupo com mais nada. Porque agora estou totalmente feliz. Ele sorriu para mim e aperta minha mão. —Bom. Passamos as próximas duas horas vagando pelas lojas da Vila Saint-Paul. Comprei um par de brincos vintage em estilo art deco para Coco e escolhi um lindo lenço de caxemira azul para Erin. Enquanto discutia se comprava ou não o lenço de uma cor diferente para minha mãe, Lucas bateu no meu ombro. —Ei, eu vou atravessar a rua, ok? Há uma loja que quero olhar. Coloquei o lenço no balcão. —Eu posso te acompanhar. —Não, você não tem permissão para vir comigo. —Ele me pegou pelos ombros e me virou de volta para a mesa de lenços. —Eu vou te encontrar lá fora em dez minutos. —Okayyyyy. —Olhei por cima do meu ombro, mas ele já estava fora da porta. O que diabos? Será que ia me comprar algo? Muito curiosa para resistir, fui à janela da frente da loja em que estava e olhei para o outro lado da rua, meio esperando ver uma loja de brinquedos sexuais.


Era uma livraria. Tire sua mente da sarjeta, Mia. Cedendo a culpa, comprei os dois lenços, os dobrei na minha bolsa e saí para encontrar Lucas na calçada. A tarde ainda estava nublada, mas mesmo a luz cinzenta e suave parecia bonita, e fechei os olhos, desfrutando a sensação da brisa fresca no meu rosto e braços. Em um momento ouvi a voz de Lucas. —Eu tenho uma coisa para você. Abri os olhos para vê-lo de pé, com um pacote de papel marrom. —Você tem? Por quê? Ele deu de ombros. —Eu estava pensando nisso desde ontem. Abra-o. Metade de mim queria repreendê-lo por me comprar um presente e a outra metade estava muito animada para evitar que minhas mãos rasgassem a embalagem. Dentro havia um livro de bolso com uma pintura medieval de um homem e uma mulher na capa. Eu li o título e engasguei. —Correspondência de Abelardo e Heloisa! —Coloquei sobre o meu coração, que tinha pulado várias batidas. —Eu não acredito nisso! —Você esperançosa.

gostou?

—Sua

expressão

era

extremamente

—Você está brincando? Eu amo isso! Oh meu Deus, Lucas! —Eu joguei meus braços ao redor dele, e a força quase o derrubou. Ele riu enquanto mantinha firme as mãos nos meus quadris. —Bom. Eu não tinha certeza de que eles teriam, mas estou feliz que tinham. Relutantemente o soltei. —As cartas estão em francês? —Bem, elas estavam originalmente em latim, mas foram traduzidas. Esta é uma livraria inglesa. —Ele gesticula para minhas costas.


—Oh, Lucas, eu amei. Eu não posso esperar para lê-las. —Meus olhos estavam um pouco enevoados, e eu lutava para engolir. —Obrigada. —De nada. Espero que você não esteja brava, elas são românticas e tal. Bati em sua barriga com o livro antes de colocá-lo em minha bolsa. —Estou cansada de ficar brava. Eu sou tudo sobre o romance de Paris agora. —Bom saber. —Ele pegou o saco de papel marrom, o levantou e jogou em um recipiente de lixo próximo. —Nesse caso, você gostaria de ver meu lugar romântico favorito em toda a cidade? Dei-lhe um sorriso tímido. —É o seu apartamento? Ele riu. —Não. Mas não está longe. —Bom. Porque talvez eu precise de um pouco de descanso depois de toda essa emoção. —Bom. —Ele disse, colocando o braço em volta do meu ombro. —Você definitivamente voltará ao meu apartamento mais tarde, mas não posso prometer que você vai descansar lá. Inclino minha cabeça em seu braço. —Deus, eu amo Paris. Mas o que eu quase disse foi Deus, eu te amo. Quanto isso era louco? #

Na viagem de metrô ao museu de Rodin, onde Lucas estava me levando, perguntei se ele já teve uma namorada séria. Ele olhou para mim de lado. —Por que você quer saber isso?


Dei de ombros. —Apenas curiosa, eu acho. Você mencionou que este lugar é seu lugar romântico favorito em Paris, então eu presumi... —Oh. Bem, sim, tive uma namorada séria por um tempo, mas não, nunca a levei ao Musée Rodin. Ela está em Nova York. Uma rápida facada de ciúmes me fez pressionar por mais. —Quanto tempo vocês ficaram juntos? —Cerca de três anos, indo e vindo. Isso me surpreendeu por algum motivo. —Uau, isso é muito tempo. —Eu acho. —Por que vocês terminaram? —Queríamos coisas diferentes. —Ahh. —Tive a sensação de que suas respostas curtas eram uma indicação de que não queria falar sobre sua ex-namorada, e eu provavelmente não deveria ter perguntado, mas não pude resistir a uma última pergunta. —Qual era o nome dela? —Jessica. Você quer saber sua data de nascimento e o tamanho do sapato também? Bati em sua perna. —Qual é. Só estou curiosa. Afinal, você sabe muito sobre mim e Tucker. Ele fez uma careta. —Muito mais do que eu queria, muito obrigado. Agora, nada mais de falar sobre o passado. É aqui e agora, lembra-se? —Sim. —Mas não pude deixar de me perguntar sobre Jessica, a sortuda garota que recebia seus afetos generosos há tanto tempo. Como ela era? Há quanto tempo eles estavam juntos? Por que eles realmente se separaram? Eu me perguntei se ela ainda estava em Nova York e se eu já a vi. O ciúme voltou, me agarrando forte por um momento, e tive que respirar fundo e segurá-lo até que o maldoso se afastasse.


Aqui e agora. Aqui e agora. Aqui e agora. Levei mais algumas respirações profundas, e Lucas colocou o braço em volta de mim, empurrando a mão no meu ombro. Seus dedos roçaram a pele logo acima do topo da minha cabeça, realmente era a parte superior do meu peito, e meus mamilos imediatamente responderam. Não tive que me perguntar se Lucas percebeu. Inclinando a cabeça para o meu cabelo. —Você está me matando com esse pequeno top. Não vou poder sair deste trem. Eu sorri. E esperava sinceramente que o museu Rodin não fosse muito grande. Nada contra a arte do século XIX ou qualquer coisa, mas eu estava trabalhando em uma nova lista. Coisas que quero fazer com Lucas 1) Testar minhas habilidades de boquete (e aprender algumas novas). 2) Tomar banho (ver como ele parece molhado). 3) Deixá-lo fazer o que ele mencionou antes que possa me assustar (chicotes e correntes?) 4) Ouvi-lo falar sujo para mim (um enorme toque secreto) 5) Fazê-lo gritar meu nome como eu grito o seu (ou seja, alto o suficiente para acordar o bairro, talvez o bairro vizinho, talvez até o Quarteirão Latino) Nada demais, né?


Capítulo 12 O Museu não era muito grande, mas não foi por isso que eu adorei. Enquanto passeávamos nele, pude ver por que Lucas estava tão encantado por ele. Localizado em uma mansão do século XVIII, cada quarto era uma maravilha de luz, sombra e elegância. Os detalhes barrocos chiques da casa: as janelas altas, os pisos de madeira, as detalhadas paredes e tetos de gesso e madeira, o dourado sobre a mobília antiga curvilínea, tudo isso oferecendo o contraste perfeito com a beleza crua muscular das figuras humanas de Rodin. Reconhecidamente, parte do meu prazer era estar lá com Lucas, que segurou minha mão e falou calmamente sobre o estilo artístico de Rodin e porque isso apelava para ele. —Eu gosto do jeito que ele não fez tudo bonito, sabe? — Ficamos na frente de uma figura nua de uma mulher que parecia estar se segurando com vergonha. —E eu amo os fragmentos, especialmente nas mãos. Olha esse aqui. Ele me levou pelos ombros e virou-me ao redor, e ofeguei quando nos aproximamos de uma escultura enorme na frente de uma janela. Eram as duas mãos4, os pulsos que emergiam da base do bloco, as palmas das mãos e dedos arqueados em direção um do outro mas

4


mal se tocando. A suave luz filtrando os painéis criava sombras delicadas nas mãos e no espaço entre elas, e eu queria tentar capturá-la em uma fotografia, embora soubesse que foto nenhuma nunca faria justiça. —Elas são tão lindas. Estão rezando? —Não. São suas mãos direitas, vê? Parei de procurar minha câmera e olhei mais de perto. —São duas mãos direitas. Eu nem reparei nisso. —Por um momento parei para pensar como era possível duas mãos direitas participar dessa forma. —O que você acha que elas estão fazendo? Lucas ficou atrás de mim e sussurrou no meu ouvido. —Bem, eu tenho uma mente suja, especialmente hoje, mas se você me perguntar, essas mãos pertencem a duas pessoas fazendo sexo. Há uma tensão, como se fossem se encontrar, me faz pensar... —Ele ficou tão perto, que eu podia sentir sua respiração em meu ombro, o seu peito nas minhas costas, quadris bem atrás do meu. Todo o meu corpo estava intensamente ciente dele. Ele trouxe sua mão direita, a palma em minha direção, só na frente do meu ombro direito. —Vê? Mordendo meu lábio, levei minha mão direita ao encontro da dele, espelhando a escultura na nossa frente. Minha cabeça girou com pensamentos dele nu, pressionando firme contra minhas costas. Em pé. Contra uma parede. Mergulhando em mim. Talvez até mesmo no chuveiro. Todo molhado. Senti uma ereção contra meu cóccix. Meu clitóris vibrou. Meus músculos do coração pararam. Porra.


Tonta de desejo, tive que fechar os olhos por um segundo. —Jesus, Lucas. Ele riu suavemente, soltando a mão. —Você disse que tinha uma mente suja. Agora é melhor você andar na minha frente por alguns minutos. Não quero assustar ninguém com o que está na minha calça agora. Sorrindo para ele por cima do meu ombro, puxei minha câmera da minha bolsa e tirei uma foto da escultura. Ela não pode capturar a arte ou a luz, mas droga, eu queria uma lembrança do momento que Lucas quase me deu um orgasmo no meio do Musée Rodin. Havia uma abundância de outras obras de arte no museu que eram incrivelmente sensuais e românticas, mas enquanto dávamos uma volta lá fora no jardim, era a imagem das mãos que eu não conseguia tirar da minha cabeça. Ou talvez tenha sido a sensação do pau duro de Lucas na minha bunda. Eu estava tão quente e incomodada, que não tinha certeza de que iria durar muito. Demos uma pausa na frente do O Pensador, provavelmente o trabalho mais famoso de Rodin, senti-me culpada de que tudo o que conseguia pensar era em transar com Lucas no chuveiro. Eu clareei minha garganta, preparada para banir as delicadezas para o inferno, que era outra das obras-primas de Rodin, em que não conseguia me concentrar. Uma que é cheia de corpos nus se contorcendo! Mas antes que eu pudesse sugerir voltarmos para o apartamento dele, ficarmos nus e nos contorcer, ele me perguntou se eu gostaria de ver os jardins e eu senti vergonha de dizer não. Vamos lá, Mia. Você pode dar mais dez minutos. —Claro. Eu adoraria.


Enquanto caminhávamos em direção a enorme fonte na parte de trás, eu me perguntei novamente se era só eu tendo um momento difícil, tentando ser paciente. Lucas continuava a fazer piadas sobre sua mente suja e tenda na calça, mas eu estava começando a achar que minha imaginação era a mais asquerosa dos dois. Então um momento mais tarde chegamos a borda dos jardins, e Lucas me puxou entre duas fileiras de sebes, onde um caminho de cascalho estreito fazia uma pequena passagem secreta. —Eu estava esperando para fazer isso o dia todo e não posso esperar mais. —Ele me virou em seus braços e me beijou, inclinando sua boca na minha e mergulhando sua língua entre meus lábios, como se estivesse com fome de mim. Eu joguei meus braços ao redor dele, empurrando meu peito contra o dele, desesperada para sentir seus músculos duros nas minhas curvas suaves. Ele deixou cair uma das mãos para a minha cintura e deslizou até um seio, sobre minha camisa. Eu tremi. —Humm. —Gemi. —Isso é tão bom. Adoro suas mãos em mim. Foi quando os primeiros pingos de chuva bateram na minha cabeça. Nós dois olhamos para cima e notamos as nuvens negras enormes. Trovões retumbando suavemente. —Na hora certa. —Lucas me beijou rapidamente. —Estou pronto para ir. —Eu também. —Começamos a caminhar em direção a casa quando começou a cair uma chuva constante. —Espere, eu tenho um guarda-chuva. —Parei para vasculhar minha bolsa. Mas ele não estava lá. Freneticamente, vasculhei o conteúdo da minha bolsa, mas não havia nenhum guarda-chuva. —Merda, esqueci meu guarda-chuva. E então comecei a rir.


Fechei minha bolsa para que os presentes no interior não se molhassem, ri histericamente e girei em um círculo. —Lucas, acabei esquecendo de pegar um guarda-chuva! Você sabe o que isso significa? —Humm, ambos vamos nos molhar muito? —Ele tinha que pensar que eu era louca, mas não se apressou em nos abrigar da chuva, mesmo quando um trovão ecoou acima de nós novamente. Em vez disso ficou parado me olhando dançar, esperando eu explicar minha euforia encharcada. —Isso é bom! Na verdade, isso é demais! —Sobrecarregada com alegria, corri para ele, peguei o queixo nas minhas mãos e o beijei duro na boca. Ele riu. —Chuva te excita ou algo assim? —Não. Bem, agora sim, mas isso nunca aconteceu antes. Veja, eu sempre tive essa fantasia sobre beijar na chuva, mas estou sempre tão bem preparada, eu na verdade nunca fui pega na chuva em um encontro sem um guarda-chuva. —Pulei para cima e para baixo, meu cabelo molhado batendo no meu rosto. —O fato de eu sair do hotel sem um hoje significa que estava tão distraída com outras coisas, coisas boas, que nem pensei em planejar com antecedência para um tempo ruim! Acho que nem chequei hoje! Não sei se Lucas apreciou a natureza monumental disso, mas ele sorriu e me puxou para perto, me beijando como se nunca conseguiria o suficiente, como se nada mais no mundo importasse. Nem as pessoas nos dando olhares estranhos enquanto corriam para se esconder. Nem a chuva encharcando os cabelos e roupas e escorrendo em nossos rostos. Nem o fato de que só nos conhecemos há dois dias e tinha menos de um dia que saímos juntos. Ou talvez fosse como se só realmente importasse a última razão. Ele me beijou enquanto esperávamos pelo Metrô, seus braços envolta de mim por trás, seus lábios macios no meu pescoço. Ele me beijou no trem, onde estava tão lotado que tivemos que ficar em pé, nossos corpos úmidos pressionados juntos, nossas bocas tão perto que


não pudemos resistir em reuni-las levemente. Ele me beijou forte nas escadas do prédio dele, me agarrando enquanto eu tentava correr pelas escadas e me prendeu na parede entre a segunda e terceira, meu cabelo pingando em seus braços. —Você está toda molhada. Eu gosto de você assim. —Ele disse, a boca queimando um caminho na minha garganta. Nós estávamos ofegantes, mãos tateando, nossas roupas molhadas muito pesadas em nossos corpos. —Estou molhada por toda a parte. —Sussurrei. Com um gemido, ele afastou a boca de mim e me puxou para cima, o voo final pelas escadas tão rápido que meus pés mal encontraram o cimento. Os dez segundos que levou para desbloquear e abrir a porta do apartamento dele pareceu uma eternidade e quando estávamos lá dentro, deixei cair a minha bolsa, ele bateu a porta e fomos para o outro como lobos selvagens. Línguas e dentes batendo, nós arrancamos cada peça de roupa do outro, um ciclone de quatro mãos, respirações frenéticas e corações martelando que zombavam da tempestade caindo lá fora. Chuva batia contra as vidraças quando Lucas me empurrou contra a porta. Caindo de joelhos, ele forçou meus calcanhares a se afastarem e mergulhou sua língua entre minhas pernas, prendendo os braços sob as minhas coxas. Ofegante, coloquei minhas mãos no seu cabelo quando ele me beijou implacavelmente, dando círculos duro sobre meu clitóris antes de fechar a boca, sugando avidamente. Então ele trouxe uma das mãos a minha barriga, achatando a palma sobre meu abdômen e me esfregando com o polegar, enquanto a língua dele ia para dentro de mim de novo e de novo. Oh Deus oh Deus oh Deus, está acontecendo muito rápido. Eu gemia, xingava e apertava meus punhos no seu cabelo molhado, sentindo o vórtice construir no meu âmago e minhas pernas enfraquecerem. —Porra, Lucas, não aguento, não aguento.


Sua boca viajou pelo meu corpo, quente e molhada na minha barriga, minhas costelas, meu peito. Ele levou um mamilo em sua boca e sugou forte, enquanto a outra mão apertava meu outro seio. Eu me contorcia contra a porta, colocando minhas palmas contra ele enquanto levemente arqueava. Isso era demais e não era o suficiente. Meu corpo ansiava por tudo que ele poderia me dar com uma urgência que nunca senti antes. Sentia-me quase violenta em minha necessidade de tê-lo. Cheguei para baixo entre nós, tomando seu pau em meu agarre, o segurando com ambas as mãos. Ele engasgou, ficando mais duro e mais espesso e me deixando louca com a necessidade de sentir meus lábios nele, para lambê-lo de cima a baixo, para prová-lo. Eu não era uma pessoa experiente, mas tinha feito pesquisas suficientes na tentativa de animar as coisas com Tucker que tinha algumas ideias. Sim, isso significa que pesquisei como fazer boquetes nos caras. Várias vezes. Eu estava totalmente preparada para testar as dicas, mas o que realmente me nocauteou foi o quanto estava extasiada por ele. Antes, eu tinha meio que pensado nisso como um projeto real, mas estava quase enlouquecendo para cair de boca em Lucas. Caindo de joelhos a seus pés, aperto meus lábios em sua coxa e minha língua arrasta por seu abdômen inferior, mantendo sua ereção firmemente no meu aperto. Então olho para ele, com a cabeça do seu pau pronta e perto de meus lábios abertos. Sua boca estava aberta, os olhos ardendo. Sem desviar o olhar, tocou meu lábio inferior com sua ponta aveludada e balancei minha cabeça ligeiramente de um lado para o outro. —Cristo, Mia. —O peito dele levantava e caia com a respiração forçada.


Levei-o entre meus lábios, um centímetro de cada vez, e ele se inclinou para frente, mãos contra a porta. Um trovão rosnou ao longe, misturando-se com um gemido baixo de prazer de Lucas enquanto eu o levava mais profundo, parando somente quando ele atingiu o fundo da minha garganta. Eu gemia baixinho, mantendo-o lá e dando-lhe várias puxadas lentas, apertando com uma das mãos. —Oh meu Deus. Caralho, sim! —Lucas inalava e exalava em voz alta enquanto eu aliviava meus lábios e descia pelo pau dele e depois circulava minha língua na ponta. —Porra, sim, você é inacreditável. Olhei para cima antes de levá-lo até o fim outra vez, ele afundou em minha boca um pouco mais rápido e meu coração batia com a maneira que ele não tirava os olhos de mim, a maneira que ele respirava pesado, a forma como falou. —Deus, Mia, você é tão linda. Adoro ver você. Foi ainda mais quente do que eu tinha imaginado, agradá-lo desta forma. E adorei isso tanto quanto ele, minha pele queimou e calor aqueceu todo o meu corpo. Não me lembrava de sentir-me tão ousada, tão livre para fazer o que quisesse, tão confiante do que estava fazendo, e me sentindo tão bem. Cheguei entre suas pernas, provocando e tocando em todos os lugares, vendo e ouvindo para entender o que ele mais gostava. Era difícil dizer. Tudo o que fiz, cada parte de seu corpo que explorei, o fez tremer, xingar e gemer. —Sua linda, porra, não acredito nas coisas que você faz comigo. Você me deixa louco. Raspei minhas unhas para baixo em uma das suas coxas e, em seguida, deslizei a palma da minha mão ao redor agarrando a bunda dele. Ele começou a pressionar em minha boca, nunca tirando seus olhos da visão do pau dele mergulhado entre meus lábios e respirando rapidamente com cada balanço de seus quadris. Eu estava tão excitada, que me toquei sem nem pensar nisso, algo que eu nunca teria feito antes.


Lucas puxou sua respiração. —Sim, Deus sim. Toque-se. Deixe-me vê-la. Vergonhosamente, esfreguei onde a língua dele tinha estado antes, mergulhando os dedos dentro do meu corpo e sentindo como ele me deixou molhada. —Boa garota. Agora me deixe te provar novamente. Ele se abaixou e tirou meu braço, levando minha mão à boca e chupando meus dedos. Seu pau contraiu na minha boca. —Ah porra. É isso. Venha aqui. —Ele me puxou de pé e me pegou por baixo de meus braços, me jogando com força no balcão da cozinha. —Agora não se mexa. Ele caminhou da cozinha para o quarto e voltou apenas alguns segundos mais tarde, rolando um preservativo. —Abra as pernas. Minha barriga revirou descontroladamente ao seu comando, e abri minhas pernas. Segurando as minhas costas, ele usou uma das mãos para me puxar para a beira do balcão e a outra para se guiar para a minha entrada. —Humm, você está tão molhada. —Ele manteve a mão no meu cóccix enquanto deslizava fundo, de olhos fechados. —Tão apertada, tão quente. —Sim. —Murmuro, envolvendo as minhas mãos na sua cintura. —Isso é tão bom, Lucas. Não pare. —Nunca. —Ele disse, abrindo os olhos e empurrando em mim com golpes profundos e duros. —Eu quero estar dentro de você a noite toda. Nossas bocas se bateram, em um emaranhado quente de línguas e respiração ofegante antes de agarrar seus ombros e arquear,


inclinando meu quadril para senti-lo na posição certa. Minutos depois, senti os tremores, e envolvi minhas pernas ao redor de suas coxas. Assim que senti seus dentes no meu mamilo, o orgasmo rasgou através de mim, e gritei, um longo som contínuo de puro prazer quando meu corpo parou, minhas mãos apertando seus ombros, meus calcanhares em seus músculos da perna, minha boceta em torno de seu pau. Eu queria levantar minha cabeça e vê-lo gozar, mas não consegui. Em vez disso cai de costas no balcão, meus dedos enrolados sobre a beira. —Porra. Oh meu Deus, olhe para você. —Lucas achata a mão sobre um seio e continua com a outra no meu quadril, chocando-se contra mim com mais força e mais rápido até que seu corpo fica rígido e pulsa dentro de mim. Na porra do balcão da cozinha. Não acho que preciso dizer que este era um território novo para mim. Como foi o chão da cozinha um curto tempo depois (eu em cima). E o tapete da sala não muito tempo depois disso (nos revezamos). Eventualmente chegamos ao quarto, onde desabamos na cama em um monte de membros suados, exaustos, músculos doloridos e realmente, realmente cabelos de foda. E só o que conseguia pensar era: quanto tempo podemos fazer isso novamente?


Capítulo 13

Nós adormecemos e quando acordei, observei Lucas por alguns minutos. A janela do seu quarto estava um pouco aberta, permitindo que uma brisa fresca entrasse, e eu ainda podia ouvir a chuva, embora os trovões tivessem cessado. Eu rolei de bruços e coloquei meu queixo na minha mão, respirando o ar frio e chuvoso e o aroma do sexo nos nossos corpos. A pele de Lucas era um tom de oliva, não muito peluda, exceto nas pernas, e sem marcas pelo que eu podia ver, exceto por uma pequena cicatriz no estômago. O corte de dois centímetros e meio de comprimento estava logo abaixo da costela inferior esquerda. Eu estava tentada a correr meu dedo sobre isso, mas não queria acordá-lo. Ele deitou de costas, um braço jogado acima de sua cabeça, o outro em sua barriga. Eu o retirei. Suas axilas também eram peludas. Eu sufoquei uma risadinha. Mas seu peito era bom e suave, seus mamilos na cor de vinho, não consegui segurar o sorriso agora e seu estômago uma deliciosa mistura de músculos e linhas e aquela pequena trilha feliz que fazia minha boca encher de água. O lençol estava puxado até os quadris, ou eu teria gostado de ver mais. —Você está acordada. —Os olhos de Lucas estavam abertos, sua voz rouca. —E você está olhando para mim. Eu ri. —Desculpa. aproveitando a vista.

Nada

assustador,

eu

juro.

Apenas

Ele fechou os olhos e sorriu. —Continue. Dando-lhe um golpe no peito, deixei minha cabeça cair no meu braço estendido ao lado dele. —Humm. Isso foi incrível. —O sexo ou a soneca?


—Ambos. —Eu não sou realmente uma pessoa de tirar soneca, eu geralmente sentia culpa, como se houvesse algo que eu deveria estar fazendo. Mas acordar ao lado de Lucas numa noite chuvosa parecia ainda melhor do que fazer uma lista. —De acordo. Mas agora estou morrendo de fome. —Ele disse, coçando o estômago. —Você está? Sim, acho que meio que ignoramos o jantar. Coitadinho. Você teve que trabalhar tão duro e sem energia suficiente. Ele olhou para mim. —Você. Não. É. Um. Trabalho. Eu sorri timidamente, e ele estendeu a mão, me puxando para perto, então meu corpo alinhou com o dele e minha cabeça descansou em seu peito. —Mas... —Continuou ele. —Preciso de energia se quisermos manter isso, o que espero que façamos, então devemos comprar algo para comer. Deve ser umas nove horas. Meu coração bateu forte contra seu lado. Ele poderia sentir isso? —Tudo bem. Mas nenhum de nós se moveu, e em um momento a nossa respiração sincronizou de uma forma que me deixou quente e sonolenta novamente. Eu envolvi um braço em volta do seu estômago e a mão de Lucas circulou o meu ombro. Quando seu estômago rosnou, isso me assustou. —Seu corpo falou. —Eu disse me sentando. —Devemos comer? —Definitivamente. O que você quer? Dei de ombros. —Surpreenda-me. Um sorriso puxou os cantos de seus lábios. —O que? Esse sorriso se abriu em seu rosto. —Seu cabelo está incrível agora.


Gemendo, envolvi minha cabeça em minhas mãos. —Eu sei. Igual o seu. —Eu percebi. —Ele passou a mão nos dele e se sentou também. —Eu acho que deveria penteá-lo. Abaixei meus braços e fingi um choque. —Você tem um pente? Ele me atacou, me jogando de costas e ficando em cima de mim, meus pulsos presos na cama. Sua mecha de cabelo encaracolado caída para frente, mas em vez de me fazer rir, me fez mexer o lábio inferior novamente, imaginando sua cabeça entre minhas coxas. O que diabos eu faria quando tivesse que ir para casa? E se eu nunca tivesse isso novamente? Lucas permaneceu em cima de mim por um momento, me estudando, e ambos os nossos peitos começaram a bater mais rapidamente. Senti seu pau inchar na minha coxa, duro e pronto. —Deus, você é linda. —Disse ele. —Eu pensei que você estava com fome. —Meu estômago pode esperar. —Ele disse, abaixando a boca para o meu pescoço. —Meu pau é mais exigente. Ele quer você agora. O desejo pulsou entre minhas pernas quando ele sugou o lóbulo da minha orelha e começou a deslizar seu corpo sobre o meu. —Lucas. —Sim. —Sua respiração quente no meu ouvido. —Vamos tomar banho.

#


4 coisas incrivelmente gloriosas que percebi no chuveiro com Lucas (& 1 Aterrorizante)

1) Lucas é perigoso quando molhado. Porque quando eu o vi com os cabelos encharcados e lisos, isso enfatizava suas maçãs do rosto, o arco de suas sobrancelhas, o ângulo de sua mandíbula, e quase fiquei sem ar com a necessidade de colocar minha boca em todos esses lugares. 2) Depois de alguém lavar seu cabelo e ensaboar seu corpo, você se sente mais mole do que calda de bolo de chocolate, especialmente quando essa pessoa está nua, sexy como o inferno, e massageia seu couro cabeludo de uma maneira que faz com que os dedos dos pés se enrolem. 3) Beijar na chuva é divertido, mas beijar Lucas em seu banheiro é malditamente excelente, a água quente caindo em nossos corpos, o vapor subindo ao nosso redor, nos envolvendo numa nuvem quente de luxúria. É o suficiente para você fazer coisas que nunca pensou que faria (veja o item 4). 4) Ter Lucas dentro de mim sem qualquer barreira entre nós é um arrebatamento físico além das palavras, na verdade, o êxtase está além do físico. O que me leva ao item # 5. 5) Eu acho que posso ter sentimentos por Lucas. Dos grandes.

O jato do chuveiro estava quente nas minhas costas, mas eu estava mais quente com Lucas na minha frente. Minhas pernas estavam torcidas em torno de seus quadris e ele me segurou de pé com as mãos debaixo da minha bunda. Nossas bocas conectadas com tanta força, nem uma gota de água permeava o beijo, e eu estava sugando sua língua na minha boca, desejando poder ter mais dele dentro de mim.


Mas não tínhamos nenhum preservativo no chuveiro. Seu pênis estava preso entre nós, deslizando entre minhas dobras escorregadias enquanto me movia contra ele. Ele estava duro, grosso e longo, e tudo o que eu podia pensar era fazê-lo escorregar para dentro de mim, assim como estávamos. —Lucas, eu quero você dentro de mim. —Eu disse sem fôlego. —Estou tomando pílula. Ele puxou a cabeça para trás e olhou para mim, água escorrendo por suas madeixas escuras. —Não podemos. —Você está certo, desculpe. —E ele estava certo. Deus, o que diabos eu estava pensando? Voltei a beijá-lo, moendo contra ele, ofegante com o desejo. Poucos segundos depois, ele disse: —Bem, talvez possamos. —Nós podemos? —Talvez apenas por um minuto. Quero dizer, se você quiser. Eu não gozarei. Como diabos ele poderia dizer isso? Eu sabia que não poderia fazer esse tipo de promessa. E eu sabia que estar tomando a pílula não deveria nos dar permissão para sermos imprudentes, não era infalível. O sexo sem um preservativo não era um comportamento inteligente quando você conhecia alguém apenas por dois dias e, no entanto, eu queria senti-lo sem barreiras. E ele iria embora amanhã. —Tudo bem. Eu só quero sentir você assim. Mesmo que seja só por um minuto. Ele me beijou antes de me puxar um pouco mais para o alto, e usei meus músculos das pernas para me segurar enquanto ele se posicionava debaixo de mim. O vapor subia ao nosso redor, dando ao momento uma qualidade de sonho. É como se não fosse real. Quando o senti no meu interior, liberei meu aperto em sua cintura e deslizei em seu comprimento duro, meus olhos fixos nos dele. Meu Deus.


Eu pensei, mas ele realmente disse isso. Então ele fechou os olhos. —Você me faz sentir tão bem. Bem para caralho. Meu corpo lutou contra o desejo de me mover, montá-lo, senti-lo empurrando dentro de mim. Controlei por cinco segundos. —Oh Deus. —Peguei a sua nuca e rodei meus quadris, apertando meus músculos ao redor dele. —Porra, Mia. —Ele virou e colocou minhas costas contra os azulejos brancos e azuis, cedendo a sua própria vontade de entrar em mim, lento no início, depois profundo e duro. Eu respondi a cada impulso de seus quadris com os meus próprios impulsos, esfregando contra ele de uma forma que meu corpo estava correndo em direção ao clímax. A sensação de seu pau nu dentro de mim estava despertando o suficiente, mas foi pensar nisso, a noção de que a parte mais sensível, mais íntima e mais privada dele estava dentro daquela parte minha, desprotegido. Eu gozei com força, mordendo seu ombro e apertando minhas pernas ao redor dele, incapaz de respirar. Quando relaxei, agarrei-o, Lucas freneticamente me abaixou e puxou para fora. Sem sequer hesitar, caí de joelhos e peguei-o na minha boca, usando todos os pequenos truques que ele gostou antes, pulando a fase lenta e provocadora e indo direto para a deusa da pornografia. —Oh, meu Deus, Mia, oh meu Deus, oh merda, eu vou gozar, então, se você não... Eu o silenciei olhando para cima e encontrando seus olhos, e ele perdeu o controle dois segundos depois, latejando e jorrando na minha boca enquanto se apoiava contra a parede atrás de mim.


Quando acabou, ele se abaixou e me puxou para ficar de pé, envolvendo seus braços ao redor de mim e descansando sua testa no meu ombro. —Jesus. Mia. E sua voz quebrou. Direto sobre o meu nome. E aquele pequeno som, mais do que qualquer outra coisa, me fez fechar os olhos, segurando-o e pensando nessa coisa aterrorizante. Estou tão apaixonada por ele.

#

O que era ridículo. Eu não estava apaixonada por ele. Eu não poderia estar. Acabei de conhecer esse cara a dois dias atrás. Eu estava apaixonada pela maneira como ele me faz sentir durante o sexo, a maneira como ele adorava meu corpo e me deixava adorar o dele. Tínhamos uma química sexual realmente incrível, isso era tudo. E ele era uma pessoa legal. Eu nunca tinha tido um amigo de sexo antes, então era natural que houvesse alguma confusão no meu cérebro sobre o que tudo isso significava. Isso significa que você pode se divertir com ele sem se preocupar com um relacionamento. Isso significa que você pode ter um sexo incrível e livre de culpa porque não há expectativas. Isso significa que ninguém se importa se isso é apenas uma explosão de rebote, então, aproveite enquanto durar e depois vá para casa e continue com sua vida real. Sim. Eu poderia fazer isso. Eu poderia totalmente fazer isso. Não poderia?


Capítulo 14 Parou de chover e Lucas queria me levar para jantar no bairro Montmartre. —A comida não é incrível, mas quero que você ouça alguma coisa. —Estou disposta a qualquer coisa. —Eu disse, puxando meu jeans. —Embora desejasse trocar de roupa. Estas estão um pouco úmidas. —Este lugar é totalmente casual, eu juro. —Ele veio por trás de mim e beijou meu ombro. —E eu amo esse top que você está, de qualquer maneira. —Obrigada. Mas o que eu realmente gostaria de ter eram meus produtos de cabelo. Os seus infelizmente não servem para mim. —Eu coloquei meus pés em minhas sapatilhas. Argh, também estavam encharcadas. —Desculpa. Ajudaria se eu lhe dissesse que acho que você está linda, não importa o quanto seu cabelo pareça louco? —Lucas puxou uma camisa limpa de seu armário e começou a abotoar. Isso me deu um leve e caloroso prazer ao vê-lo se vestindo... parecia algo pessoal e íntimo. Como se nos conhecêssemos por muito mais tempo do que realmente nos conhecíamos. Eu sorri. —Um pouco. Mas seria demais pedir para passarmos pelo Plaza? —Nada que você me peça é demais. Meu coração parou de bater e encheu no meu peito, e depois galopou furiosamente, como se para compensar o tempo perdido. Pare de dizer coisas assim. Estou ficando confusa. Agradeci e peguei minha jaqueta, desviando o olhar. Era perigoso deixar a emoção entrar. Eu vou ter que trabalhar mais para me


controlar, continuar me lembrando o que somos e mais importante, o que não somos. Para economizar tempo, pegamos um táxi para o Plaza, e convidei Lucas para subir ao meu quarto enquanto eu me trocava. —Uau. Muito elegante. —Ele disse, entrando na opulenta suíte. Senti-me envergonhada por algum motivo, e não queria que ele pensasse que eu era mimada e sempre viajava assim. —É muito mais do que eu preciso, de verdade. Eu ficaria feliz com algo menor, mas isso já estava pago. —Eu lembro. —Lucas olhou as rosas e a cama antes de seguir para a área de estar. Sentando-se no sofá, olhou para o jornal que eu deixara na mesa de café esta manhã. Tirei minha jaqueta e chutei as sapatilhas no armário. —Eu levarei apenas um minuto ou dois. —Não tenha pressa. Embora eu não pudesse vê-lo de onde estava sua voz me pareceu um pouco engraçada. Foi por causa da referência a Tucker? Eu não deveria tê-lo trazido aqui. Ele provavelmente está desconfortável em uma suíte que meu ex-noivo reservou para nossa lua de mel. Mas o que eu poderia fazer além de me apressar? Eu pendurei minha roupa úmida no armário para secar, joguei umas outras na minha mala de roupa e fui até a cômoda para escolher algo seco. Quando abri a gaveta superior, a lingerie da Aubade olhou para mim. Eu estava tentada a colocar, mas não queria que Lucas me visse, fazendo isso. Seria melhor se ele a descobrisse debaixo de roupas, ou de alguma forma ao chegar em casa me veria usando isso. Chegar em casa para me ver usando! Você perdeu a cabeça? Não éramos um casal. Não havia casa. Era melhor me lembrar disso.


Franzindo o cenho, empurrei o lindo sutiã e calcinha e tirei algo mais básico. Nas gavetas inferiores escolhi uma calça jeans e procurei um novo top. Humm, com o que Lucas gostaria de me ver? Ele disse que gostou da camiseta que eu estava usando hoje, mas supondo que era principalmente porque ela deixava á mostra um pouco de pele. Eu não tinha outra camiseta assim, mas tinha um top preto de um ombro só, acho que ele gostaria. Mantive meu sutiã sem alças e vesti uma calça preta skinny e essa blusa. Minhas sapatilhas estavam muito molhadas para calçar novamente, então decidi usar sandália preta de salto com tiras e uns detalhes dourados. Se tivesse que andar muito, então que seja. Às vezes, algumas dores eram boas. No banheiro, arrumei meu cabelo em um coque bagunçado e retoquei minha maquiagem. —OK, estou pronta. —Eu disse, saindo do banheiro. Agarrei minha bolsinha preta do armário e coloquei algumas coisas para dentro dela. —Mesmo? Deus, você é rápida. —Lucas virou no canto da sala de estar. —E caramba, você está gostosa. Sorrindo, eu o encarei. —Obrigada. —Não consigo acreditar em como você se preparou tão rápido para sair, e você está linda. —Seus olhos percorreram meu cabelo, meu ombro nu, minha calça justa. —Normalmente, sou muito rápida, a não ser que eu faça algo com meu cabelo. Isso leva muito tempo. Caso contrário... —Eu levantei meus braços. —O que você vê é o que você tem. —Sorte minha. —Ele passou um braço em volta da minha cintura e me puxou para um beijo. —Ei, você está alta. Eu ri. —Estou de salto esta noite. Ele olhou para baixo e gemeu. —Mia, você está me matando. Vamos, vamos antes que eu perca todo o controle. —Olhando por cima


do ombro, ele continuou: — E é um bom quarto e tal, mas estar aqui com você parece um pouco estranho. Eu acariciei sua bochecha. —Eu compreendo totalmente. Você não precisa voltar aqui. Nós pegamos o metrô para a estação de Montmartre e subimos centenas de degraus íngremes e estreitos, com postes antigos e grades de ferro. Meus pés não doeram tanto quanto eu pensei que doeriam com meus saltos, provavelmente porque eu estava maravilhada com a paisagem. As ruas sinuosas de paralelepípedos e a vista eram provavelmente encantadoras e pitorescas durante o dia, mas a noite, com névoa no ar, o chão escuro e brilhante da chuva e as luzes dos postes brilhando através da névoa, Montmartre parecia saído direto de um filme antigo em preto e branco. Pegando minha mão, Lucas me levou a um restaurante na praça principal e imediatamente ouvi o motivo pelo qual ele me trouxe aqui. O som das guitarras viajava pelas portas abertas, e apertei sua mão enquanto ele me conduzia a uma mesinha quadrada perto dos fundos do salão grande e bem cheio. Quando estávamos sentados, estudei os três músicos tocando com interesse. Eles se sentaram em um semicírculo, e não tenho certeza de como eu esperava que um cigano se parecesse, mas não eram como esses três caras de meia idade com jeans e camisas xadrez com guitarras elétricas conectadas aos amplificadores atrás deles. Na frente deles havia uma mesa com uma pilha de CDs, uma cesta de dinheiro e três copos de cerveja. Se pareciam com pessoas comuns buscando gorjetas na esquina da rua. Mas a música. Nunca tinha ouvido nada parecido antes, a forma como as duas guitarras rítmicas mantinham um ritmo constante com todas as batidas. —Meu Deus, seus pulsos devem doer bastante. —Eu disse a Lucas. Ele sorriu. —Eles estão acostumados.


O guitarrista principal, aquele no meio, tinha dedos que tocavam tão rapidamente sobre as cordas que suas mãos pareciam embaçadas. Eu nunca vi nada parecido. —Você pode tocar tão rápido? —Ha. Bem que eu queria. Eu dei uma cotovelada nele. —Eu aposto que você consegue. —Ouça, eu sou bom. Mas esses caras são demais. Esse cara lá? —Ele apontou para o músico no centro. —É tão bom quanto qualquer guitarrista de jazz que conheci em Nova York. Nós bebemos vinho, comemos batatas fritas com salada e ouvimos a música, Lucas respondendo ocasionalmente às minhas perguntas sobre o nome de uma música ou o estilo dela. Foi muito divertido que quase esqueci sobre o sexo. Quase. Mas às vezes eu olhava para Lucas e o pegava me olhando e ele me dava um sorriso lento, daqueles: você sabe o que eu estava pensando. E quando ele se inclinou e sussurrou no meu ouvido. —Eu não consigo parar de pensar no chuveiro. —Fez com que meu rosto ruborizasse e meu coração disparasse. No intervalo, fiquei surpresa quando o guitarrista principal se aproximou e apertou a mão de Lucas. Eles conversaram em francês, é claro, então eu não tinha ideia do que eles estavam dizendo, mas sorri e ofereci minha mão quando Lucas me apresentou. O nome do guitarrista era Stefan. Ele tinha cabelo preto, olhos escuros e um sorriso caloroso e com dentes afastados. Depois de apertar minha mão, ele disse algo a Lucas que o fez rir antes de se dirigir ao bar. —O que ele disse? —Ele disse que nunca me viu aqui com uma garota antes e que acha que eu realmente quero impressioná-la já que te trouxe para ouvi-lo tocar.


—Oh. —Escondi meu sorriso satisfeito atrás da minha taça de vinho. —Então funcionou? —Lucas sentou-se e me olhou com ar brincalhão. —Sim. —Fiquei impressionada, mas principalmente fiquei feliz em ouvir que Lucas nunca trouxe uma garota aqui antes. Ao voltar para seu lugar, Stefan parou e colocou a mão no ombro de Lucas. Ele fez uma pergunta e no início Lucas balançou a cabeça, mas depois de uma tentativa, pareceu vacilar. Ele olhou para mim. —Stefan está me pedindo para substituí-lo. Eu bati minhas mãos. —Vá! Por favor? —Está bem. Mas não me compare com esse cara. —Lucas bateu no ombro de Stefan. —Ele é um guitarrista muito bom. —Disse Stefan em inglês com um sotaque fortemente acentuado. —Eu acredito. —Mas eu estava nervosa por Lucas, observando-o sentar na cadeira de Stefan e passar a alça do violão sobre sua cabeça. Ele conversou com os guitarristas durante um momento, contou a música em francês, e eles começaram a rasgar esse padrão chung-chung-chung-chung com uma velocidade alarmante. Meu interior vibrou. Aiii espero que ele não tente mostrar algo que não possa fazer. Eu não deveria ter me preocupado. Lucas tocou com uma destreza graciosa, seus dedos mexendo com confiança sobre as cordas, embelezando a melodia da música sem preencher todo o espaço com corridas vistosas ou um milhão de notas extras. Fiquei hipnotizada. A minha parte favorita foi como ele pareceu feliz o tempo todo, seja sorrindo para mim ou para os outros guitarristas ou simplesmente


observando suas mãos no violão. Deus, ele era tão lindo. E talentoso, inteligente e doce. Que droga! Tinha que haver algo errado com ele. Ele mora na França. Isso é o que há de errado com ele. Só às vezes. Sim, como no momento. E ele vai deixar Paris amanhã . Ao lembrar que nosso tempo juntos estava acabando, meu estômago se revirou dolorosamente. Eu empurrei o desconforto para o fundo e tentei focar no momento. Aqui e agora. Mas quando a música terminou, Lucas disse algo aos outros guitarristas e tocou outra música. E, assim que ele tocou as notas iniciais de La Vie en Rose, eu respirei fundo. Na verdade, acho que não respirei por toda a música. Ele não cantou nem nada, mas tocou a melodia tão lindamente que trouxe lágrimas aos meus olhos. A sala, que tinha um certo ruído antes, ficou silenciosa enquanto ele tocava, e quando a música terminou, todos aplaudiram. Lucas ergueu a alça do violão sobre a cabeça, entregou-a de volta a Stefan com um aceno de agradecimento e voltou para mim na mesa. —Bem? O que você achou? Eu tive que engolir antes de falar. —Isso foi lindo. Obrigada por tocar a música para mim. Isso significou muito. —Por nada. Eu sempre pensarei em você ao ouvi-la. Minha boca abriu, mas eu não sabia o que dizer. Nós nos encaramos e percebi que algo mudou entre nós, ele reconheceu de certo modo que nosso tempo juntos era limitado, que o adeus estava perto. E, honestamente, ele também não parecia muito feliz.


Ele sentou-se e limpou a garganta. —Você já comeu o suficiente? Quer outra taça de vinho? —Não. Quero dizer, sim, comi o suficiente, mas não há mais vinho, acho. —Pela primeira vez, senti-me estranha perto de Lucas. Eu não queria que a noite terminasse, mas não me sentia bem me convidando para voltar ao apartamento dele. E não poderia convidá-lo para voltar ao meu quarto também. Merda. É isso? Olhei por cima do ombro em direção à porta, num esforço para esconder as lágrimas se formando nos meus olhos. —Bem... Acho que podemos ir, então. Deixa só eu pagar a conta. —Não. —Coloquei minha mão sobre a conta na mesa e puxei para mim. —Esta é minha. É o mínimo que posso fazer por todo o tempo que você passou comigo. —Passei? Você terminou comigo agora? —Ele pareceu genuinamente surpreso. Dei de ombros. —Bem, você está indo embora, não é? Você não disse na noite passada que deveria sair da cidade amanhã? —Ah, está certo. Porra. Quinta-feira é amanhã? —Ele puxou um fio de cabelo que escapou do meu coque. —Você me fez esquecer que dia era. Eu tive que rir. —Bom. —Eu tenho que sair de Paris amanhã. Tenho que ir ao Vaucluse para a festa de noivado do meu irmão. Minha família está reunida lá. —Na casa do conde? —Sim. Eu forcei um sorriso. —Isso vai ser divertido. —Sim. —Mas ele parecia triste, seu cenho franzido.


A música começou novamente e eu paguei a conta com meu cartão de crédito. Lucas me agradeceu pelo jantar e colocou algum dinheiro na cesta de Stefan antes de pegar minha mão e me levar para fora do restaurante. Nenhum de nós falou quando começamos a caminhar pela rua. E a meio caminho em uma das escadas iluminadas por lâmpadas, Lucas parou. Caminhei mais dois passos e me virei para olhar para ele. —O que está errado? Ele enfiou as mãos nos bolsos. —Você deveria vir comigo amanhã. —O quê? —Venha comigo para Vaucluse. Meu coração estava batendo rápido demais. —Lucas, não posso... —Sim, você pode. —Ele desceu até onde eu estava. —Eu quero que você vá. —Mas... Ele tirou as mãos dos bolsos e as colocou no meu braço. —E não estou pronto para me despedir de você. Ele me beijou antes que eu pudesse dizer qualquer outra coisa, silenciando com seus lábios quaisquer desculpas que eu pudesse oferecer. Porque havia tantas em que eu poderia pensar: acabamos de nos conhecer a dois dias, quem diabos você vai dizer que eu sou, sua família vai pensar que estou louca fugindo com um cara que acabei de conhecer e... Eu estou com medo. Estou sentindo demais. O que diabos é isso entre nós? Mas quando ele passou as mãos pelos meus ombros e tomou meu rosto nas palmas das mãos, eu queria derreter em uma poça. Ele também não estava pronto para dizer adeus.


—Diga que você virá. —Ele sussurrou em meus lábios. —Você vai adorar, é tão lindo lá e haverá muito vinho. Eu sorri. —Tenho certeza que vai ser lindo, Lucas. E quanto a sua família? Eles não ficarão loucos quando você aparecer com... Ele balançou a cabeça antes de eu terminar a pergunta. —Eles ficarão encantados. Henri e Jean-Paul adoram receber convidados, e meu irmão e sua noiva disseram que eu poderia levar alguém. Eu simplesmente não tinha ninguém que quisesse levar até agora. —E a sua mãe? —Por algum motivo, o pensamento de encontrar sua mãe estrela de cinema me fez tremer. Lucas me notou tremer e me envolveu em seus braços. —Ela ficará feliz em conhecê-la, eu juro. Venha, subi na torre por você, dancei com você, toquei sua música... Suspirei muito confortável no abraço de Lucas. Tipo, confortável demais. Eu envolvi meus braços em volta de sua cintura. —Eu quero… —O que está te prendendo? Mordendo o lábio um momento, decidi ser sincera. —Eu acho que só estou me perguntando sobre o que tudo isso significa. Quero dizer, acabamos de nos conhecer. Meu casamento acabou de ser cancelado e... Ele se afastou, segurando-me ao longo do braço e me sacudindo suavemente. —Pare de pensar tanto, Mia. Isso significa que nos divertimos juntos, só isso. Isso significa que eu realmente estou feliz por termos nos conhecido e gosto de estar com você. Vamos apenas para Vaucluse e nos divertir, OK? Sem analisar, sem um significado mais profundo, sem nos preocupar. Quem sabe, talvez depois de três dias, você estará desesperada para voar de volta a Detroit para escapar de mim e da minha família. Eu sorri. —Não sei por que mas duvido disso.


—Então está resolvido. Você vai. —Ele apertou meus ombros. —Nós vamos sair amanhã depois do café da manhã. Fechei os olhos, me perguntando se era um erro, mas completamente incapaz de me impedir de assentir. —Tudo bem. —Então, agora a questão é o que você gostaria de fazer esta noite? Você está cansada? Você quer que eu a leve de volta ao hotel? Você quer voltar para o meu apartamento? Você precisará fazer uma mala, mas pode ser amanhã. —Uau. Cérebro girando. —Deus, o que estou fazendo? —Desculpa. Você provavelmente não está acostumada a ser apenas espontânea sobre essas coisas. Especialmente uma viagem. —Ele pegou minha mão novamente e continuamos andando pelas escadas. —Hahaha. Você acertou. Antes dessa semana, eu diria que não havia um osso espontâneo no meu corpo. —Vou colocar um osso espontâneo em seu corpo. Eu lhe dei um olhar desdenhoso, embora seu comentário tenha me excitado. —Muito engraçado. Onde é Vaucluse aliás? —Fica na Provença. E não se preocupe, tudo é casual. Você pode querer trazer um vestido para a festa na noite de sábado, mas não... —Lucas! —Peguei seu braço. —Eu nem pensei nisso! Deus estou totalmente despreparada para uma viagem a Provença! Eu não tenho a roupa certa. Ele revirou os olhos. —Mia, se você quer ir para casa e fazer um novo calendário de roupas agora mesmo, isso é um direito seu. Mas... —Ele me puxou novamente e escorregou uma mão debaixo do meu top, então deslizou seus dedos sob meu sutiã. —Posso pensar em muitas outras coisas que prefiro fazer esta noite. Quer dormir? Fechei os olhos. —Sim. Porque eu, na verdade, tenho a roupa perfeita para isso.


#

—Eu não posso acreditar quantas vezes fiz sexo nas últimas vinte e quatro horas. —Vestida com uma camiseta macia e uma cueca boxers que peguei da gaveta de Lucas, segurei a nova escova de dente que ele arranjou para mim. —É quase inconcebível. —Isso é bom ou ruim? Aqui. —Lucas esguichou a pasta de dentes na minha escova e depois na dele. —É bom. —Eu disse. —Muito, muito bom. —Fico feliz em ouvir isso. Nós escovamos, enxaguamos e cuspimos lado a lado na pia do banheiro e Lucas colocou minha escova de dente ao lado da dele no suporte. Isso é muito, muito pessoal e aconchegante. Eu me sinto muito perto dele. Mas eu tentei disfarçar. —Talvez fosse bom que diminuíssemos a velocidade quando estivermos na casa da sua família. —Eu disse, entrando na cama. —Estou começando a pensar que sou um demônio. Transamos duas vezes desde que chegamos em casa do jantar: no sofá novamente (a meu pedido) e no chão do quarto. Fiquei impressionada com a capacidade de Lucas de se recuperar e fazer tudo novamente tão cedo. —O que você quer dizer, desacelerar? Eu não vou abrandar. —Lucas me deu um olhar horrorizado e desligou a luz da cabeceira. Observei-o escorregar pelas cobertas ao meu lado na luz do luar. —Nós precisamos! —Eu coloquei minha cabeça apoiada em uma das mãos. —Não podemos transar como coelhos no castelo do Conde ou o que quer que seja. — Eu joguei minha outra mão no ar. —É desagradável!


Lucas riu. —Venha aqui. Eu juro. —Ele disse enquanto me aconchegava nele. —Que a casa é muito grande, e o terreno é enorme. Encontraremos uma maneira de ficarmos sozinhos. Não diminuiremos. Eu o beijei antes de rolar na cama, colocando minhas costas em sua frente, e ele passou um braço em volta da minha cintura. Parecia absurdamente confortável e quase estranho para mim. Tucker não era muito de mimar. Ou um tipo de cara de transar-novamente-logo-depois. E devido à sua aversão aos fluídos corporais, quase nunca transamos sem um preservativo. Mesmo assim, nunca senti como o que senti com Lucas no banho. Nunca. Eu queria assim novamente. Mordi meu lábio inferior. Bem, você não pode transar assim novamente. Isso faz você pensar coisas loucas. Mas era louco? Talvez as pessoas normais fizessem isso o tempo todo e eu nunca soube disso. Quero dizer, eu tinha ouvido falar de sexo sem compromisso entre quase estranhos, amores de verão que você nunca mais ouvia falar, tórridas ficadas de uma noite... eu nunca me entreguei a isso. Imaginei se Lucas já tinha. Eu puxei os lábios entre meus dentes para me impedir de perguntar. Eu realmente queria saber? Estava dividida e se eu não fosse especial? Não pergunte, não pergunte, não pergunte. Mas eu perguntei. Claro que sim. —Lucas? —Humm? —Sua voz já sonolenta. —Você já fez isso antes?


—Fez o que antes? —Teve uma... —Eu lutei para rotular isso. —Uma transa sem parar por dias a fio. Ele riu. —Não. Quero dizer, não posso dizer que nunca fui para casa com alguém, mas a coisa incessante é nova para mim. —Eu também. —O alívio me lavou como uma chuva, eu não era apenas mais uma das garotas que gritou seu nome neste apartamento. Repetidamente. Então fiquei quieta por um minuto, tentando contar o número de orgasmos que tive com Lucas. Puta merda, isso aconteceu dez vezes? Isso foi mais do que eu tinha tido com Tucker por todo o ano, provavelmente. E nunca tivemos um juntos. De repente, eu queria que Lucas soubesse disso. Para se sentir especial. —Lucas? —Sim? Um sorriso deslizou nos meus lábios. —Eu pensei que o orgasmo simultâneo era apenas um mito. —Então nós estamos quites. Eu pisquei. —Como assim? —Eu pensei que a linda garota que me dava aquele boquete insano na cozinha era uma invenção da minha imaginação. Então ela voltou a fazê-lo no chuveiro, então estou começando a pensar que ela realmente pode ser real. Eu sorri, deixando meus olhos cansados se fecharem. —Ela é real. Mas ela era? Deitada ali em seus braços, eu me perguntei se isso era verdade. Esta menina estava aqui realmente? Ou eu estava botando para fora algum tipo de versão fantasiosa de mim mesma, cumprindo todos os caprichos, agindo em cada impulso? Isso foi uma reação por ser


informada a dez dias de que minha vida não era o que eu pensava que era? Que eu não poderia ser quem eu pensava que seria? Talvez eu estivesse usando essa fantasia para evitar enfrentar a verdade, eu teria que começar de novo. Ou havia mais sobre isso? Essa menina esteve dentro de mim o tempo todo, sufocada pela ideia do que eu pensava que deveria ser? Silenciada pelo medo de admitir que eu pudesse estar cometendo um erro? Revelando que eu não era perfeita? Eu não estava em parte aliviada que Tucker cancelou o casamento? Certamente, essa garota aqui em Paris parecia mais comigo do que eu me senti por muito tempo. Mas isso ainda não era vida real. Franzindo o cenho, aconcheguei-me mais no corpo de Lucas. Não me importaria se não fosse a vida real. Parecia muito bom para me importar.


Capítulo 15 Depois de um café da manhã com frutas e crepes, que Lucas cozinhou, voltei ao hotel para arrumar uma mala para a viagem a Vaucluse. Eu convenci Lucas que poderia ir sozinha pelo Metrô, e mesmo tendo que estudar o mapa por vários minutos, fiquei bastante satisfeita comigo mesma quando saí na rua da estação Franklin D. Roosevelt. E nem senti nenhuma vergonha por entrar no hotel com uma roupa que eu obviamente estava na noite passada. Meus saltos quase não tocavam o chão enquanto eu flutuava pelo lobby, cantarolando uma melodia. Fazia apenas cerca de doze horas desde que estive lá, mas parecia muito mais tempo. E meu quarto estava tão espaçoso e bonito como sempre, mas não parecia tão acolhedor ou encantador como o pequeno apartamento de Lucas. A luz de mensagem estava piscando no meu telefone, e eu fiz uma careta, imaginando cinco delas da minha mãe, me aborrecendo por não chamá-la diariamente como disse que faria. Com certeza, as três primeiras mensagens eram dela, listando a ladainha de coisas horríveis que poderiam acontecer a uma jovem que viajava sozinha. Ela exigia que eu ligasse de volta, e que sabia que eu tinha falado com a Coco porque ela também ligou. —Se você teve tempo para ela, você pode demorar cinco minutos e me telefonar também. —Ela cortou. —Eu sou sua mãe. Só estou preocupada com você. —OK, ok. —Resmunguei, tirando os saltos. —Eu vou retornar pra você. A próxima mensagem era de Erin, que também falou com Coco, mas queria apenas ouvir os detalhes de mim. —Eu não posso superar isso, é tão legal! —Ela comemorou. —Eu quero saber tudo, então me ligue quando puder. Te amo! E a última mensagem... era de Tucker.


—Oi, Mia. Longa pausa, durante a qual meu estômago mergulhou cinco andares e foi cair na Avenue Montaigne. —Eu só queria chamá-la e... me certificar que está tudo bem. Certifique-se de ter tudo o que precisa no hotel. —Grande suspiro. —Estou me sentindo... mal sobre o modo como as coisas acabaram. Quero dizer, Cristo, eu nem sei se elas estão terminadas. Completamente de qualquer maneira. Outra longa pausa. Coloquei uma mão na minha boca. Ele estava falando sério? Ele exalou de novo. —Estou pensando em você, só isso. E eu esperava ouvir sua voz. Eu não sei onde você poderia estar às seis da manhã... talvez você esteja dormindo. Ou talvez você tenha se levantado cedo e ido caminhar. Eu me pergunto se você finalmente gostou de ver a Torre Eiffel depois de sonhar com isso por tanto tempo. Eu queria ter visto seu rosto se iluminar. Lembro-me de como falávamos sobre fazer compras no Fauborg, tomar uma bebida no The Ritz... eu me pergunto se você já fez tudo isso. Não me odeie, mas... eu queria estar aí. Minha mão tremia, meu celular balançava contra minha orelha. —Então de qualquer forma. Você não precisa me ligar de volta. Mas talvez possamos conversar quando você chegar em casa. Eu... preciso me desculpar. Por muitas coisas. Bem, é isso, eu acho. Espero que você esteja se divertindo. Estou pensando em você. Agora ele queria estar aqui? Agora ele estava pensando em mim? Isso era uma piada? Meu braço inteiro tremia quando desliguei, e fiquei sentada ali olhando para o nada por alguns minutos, meu interior se agitando. Tantas coisas para processar... Ele estava esperando ouvir minha voz. Ele esperava que eu estivesse me divertindo. Ele precisava pedir desculpas. Ele não tinha certeza de que as coisas terminaram. E ele se perguntou onde eu poderia estar às seis da manhã. Na cama com alguém que me aprecia, idiota!


Entrei no banheiro. Eu não estava totalmente certa de que não iria vomitar. Eu queria que existisse um vômito mental, porque ouvir a voz de Tucker dizendo essas coisas me deixou tão furiosa, mas tão furiosa que eu queria expurgar essa experiência da minha cabeça. Como ele ousa? Como ele se atreve a arruinar meu dia perfeito, ligando e me lembrando das coisas que deveríamos fazer juntos aqui? Agora ele pensou que parecia um bom momento? Vá se foder, Tucker. Por que eu deveria vê-lo ou falar com ele, novamente? Eu realmente devo ouvi-lo pedir desculpas por me humilhar? Ele me fez um favor! Meu corpo inteiro estava tenso, meus punhos apertados, meus dentes rangendo, minha respiração rápida. —Vá se foder, Tucker. —Falei em voz alta para mim mesma no espelho. —Você não queria se casar comigo. Você não queria estar aqui comigo. E você não está. Você não está. —Forcei minha respiração a diminuir. —Você. Não. Está. Aqui. Tudo bem. Melhor. Afastando-me do meu reflexo, tirei minhas roupas e entrei no banho. Assim que a água atingiu minhas costas, lembrei-me de estar nos braços de Lucas, o vapor subindo ao nosso redor. Sua língua na minha boca. Suas mãos no meu cabelo. Seu corpo contra o meu. Seu pau dentro de mim, tão profundamente. Meus ombros e coluna relaxaram, e respirei fundo, levando vapor quente para meus pulmões e soltando-o. Eu flexionei minhas mãos, lembrando como elas se sentiram atravessando os cachos bagunçados de Lucas e deslizando por suas costas. Eu me virei para o jato, abri a boca e deixei o fluxo de água quente bater no fundo da garganta. Provocando outra memória. Eu sorri. O passado era passado. O que importa é agora.


E agora, eu não tinha que pensar em Tucker, sobre se eu iria vê-lo mais uma vez, e se eu tinha que ouvir uma desculpa, sobre o que essa viagem deveria ser originalmente. Porque estava sendo um milhão de vezes melhor.

#

Lucas me encontrou no lobby duas horas depois, uma mala com roupas pendurada em seu ombro e, juntos, pegamos o metrô para a Gare de Lyon. De lá, pegamos um trem TGV para Avignon, Lucas tinha comprado dois assentos lado a lado em primeira classe e passamos toda a viagem de três horas contando histórias de infância e nos perguntando sobre as primeiras vezes. —Primeiro beijo. Lucas não hesitou. —Jennifer Henkel. Nono ano. Meu porão. Levantei a cabeça, surpreendida. —Você não beijou uma garota até a nona série? —Bem, levou-me até essa idade para ser tão alto quanto elas. —Ele fez uma careta, acrescentando: —E eu roubei um gostinho e fiz uma bagunça na minha calça. Eu caí na gargalhada, e ele estremeceu. —Pare. A memória ainda doí. E quanto a você? —Brent Adams. —Limpei as lágrimas dos meus olhos. —Sexto ano. Jogo horrivelmente embaraçoso de girar a garrafa. Nenhum tato. —Provavelmente melhor assim. —Definitivamente. OK... primeira vez. Você sabe. —Levantei as sobrancelhas sugestivamente.


—Humm, primeiro ano do ensino médio. Espere, tenho que lembrar seu nome. —O quê? —Bati na mão dele. —Você nem pode se lembrar do nome da primeira garota com quem dormiu? A menina cuja virgindade você roubou? —Eu não disse que ela era virgem, eu disse que eu era. —Ele estalou os dedos. —Samantha Shields! —E? Como foi? —Tentei imaginar Lucas há dez anos, como ele era então? Ele teria gostado de mim no ensino médio? Teríamos sido amigos ou mais do que isso? Ele sorriu. —Bem, eu achei que foi ótimo, mas não tenho certeza se ela se sentiu do mesmo jeito. Não tinha ideia do que estava fazendo, e foi muito, muito rápido. Eu nem tenho certeza de ter conseguido tirar minha calça. Eu ri. —Pobre garota. —Mas com a menção de tirar a calça, meu sangue correu um pouco mais rápido. —Bem, você aprendeu muito desde então. Ele fechou os olhos por um momento. —Deus, eu espero que sim. OK, agora você. Primeira vez. —Faculdade. Eu tive um namorado sério no meu primeiro ano. Ele franziu os lábios. —Nome, por favor? —Aidan. —E? Dei de ombros. —Foi, você sabe, doce. Ele continuou parando para perguntar se estava bem. E estava tudo bem. Mas não foi até meu segundo namorado da faculdade que percebi o que era possível. Lucas se aproximou. —Você quer dizer que ele te deu seu primeiro orgasmo? —Ele sussurrou dramaticamente. Inclinei-me também. —Sim.


Ele fez beicinho. —Droga. Aqui estava eu esperando que eu fosse o primeiro a traçar esse território. —Bem, definitivamente houve alguns primeiros com você, como eu disse. Mas não esse, desculpe. —Acariciei sua perna. —Alguém venceu você nisso. Embora não como ele, você sabe... —Olhei para a virilha de Lucas, o que me esquentou ainda mais. —Não? —Não. Mas Matthew lidava bem com as mãos. E ele gostava de falar sujo comigo. Achei que isso era quente. Os olhos de Lucas se arregalaram um pouco e ele inclinou a cabeça. —Você não disse. Eu sorri maliciosamente. —Agora você conhece meu segredo. —É um bom segredo para saber. O pensamento de Lucas falando sujo comigo, combinado com a forma como seus olhos estavam começando a parecer um pouco famintos me fez cruzar minhas pernas e apertá-las. Eu estava com uma saia e minhas coxas ficaram pegajosas. —Você sabe, eu queria que este trem não estivesse tão lotado agora. —Eu também, princesa. —Ele me rodeou com um braço e sussurrou no meu ouvido. —Mas é apenas mais meia hora. Quando chegarmos a Avignon, vamos alugar um carro, e talvez possamos pegar um longo caminho para a vila. Vou te comer com minhas mãos, minha língua e meu pau no banco de trás. E não será doce. Oh Deus. Os músculos do meu interior pulsavam com calor, se eu me movesse na minha cadeira do jeito certo, eu tinha certeza de que poderia gozar se Lucas continuasse falando assim. Fechei os olhos e gemi. Lucas continuou a falar baixo no meu ouvido. —Eu te disse que não haveria desaceleração. Na verdade, você acabou de adicionar um novo nível a isso.


Um novo nível. Porra. Cruzei minhas pernas para o outro lado. —Você está molhada princesa? —Sim. —Eu disse suavemente. —Estou tão duro agora. Claro que eu tinha que olhar. —Jesus, Lucas. Você está me matando. — Minha voz era apenas um sussurro, e fechei meus olhos novamente. Será que era muito depravado fazer sexo em um banheiro de trem? Ele riu baixinho e rouco que fez meu corpo zumbir. —Bom.

#

Era um dia glorioso em Provence, quente e ensolarado com apenas algumas nuvens fofas e perfeitas. Aldeias encantadoras, céu azul aberto, pomares verde, belos campos de lavanda, nunca me senti tão grata com a Mãe Natureza enquanto me sentava no Toyota SUV alugado, observando tudo passar voando pelas janelas. Era culpa de Lucas. Assim que saímos da cidade e estávamos na estrada aberta, ele esticou a mão e a deslizou sob a bainha da minha saia amarela e correu até minha coxa. Eu separei os joelhos, desesperada para ele me tocar, quase explodindo quando seus dedos se arrastaram sob minha calcinha molhada. —Lucas. Isso é tão bom. Ele dirigiu com uma das mãos e me deixou louca com a outra, às vezes provocando com toques leves e sussurros e, às vezes,


empurrando-me para a borda com um golpe profundo e úmido. —Porra, Mia. Você está molhada. Quero te lamber. —Sua voz era rude. Balancei e gemi no assento, montando sua mão sem culpa, esperando que ele ainda planejasse encostar e me dar tudo o que havia prometido. Deus, quando fiquei tão gananciosa? Eu adoro isso, caramba. —Lucas. —Murmurei. —Eu quero você. Nós podemos... De repente, ele desviou para uma velha estrada de terra atravessando um bosque de árvores. —Banco de trás. Agora. —Ele ordenou. Com meu coração bombeando com força, subi no banco enquanto ele levava o SUV para um ponto escondido e escuro, bem fora da estrada principal. Ele saiu da frente indo para parte de trás, e o olhar nos olhos me fez ofegar e alcançar seu cinto. —Não tão rápido, princesa. —Disse ele. —Há algo que quero fazer primeiro. —Com isso, ele passou os braços por minhas coxas e me puxou de costas. Então deslizou minha calcinha para baixo e para fora de uma perna, deixando-a pendurada em um tornozelo como uma pequena bandeira branca de rendição. Ajoelhado no chão, ele jogou minhas pernas sobre seus ombros e enterrou a cabeça debaixo da minha saia. Eu gritei no primeiro toque de sua língua, achatando uma das mãos suada na janela e outra no banco de trás. —Porra, você tem um gosto bom. —Ele me lambeu devagar e doce. —Como doce. Como o centro desses ovos de chocolate na época da Páscoa. Sabe? —Ele trocou para pequenos movimentos rápidos e redemoinhos sobre meu clitóris e eu bati na janela. —Você está brincando comigo? Não posso pensar quando você está fazendo isso, Lucas, mal posso respirar. Oh Deus. Oh, meu Deus! —


Balançando a cabeça de um lado para o outro, senti meus músculos se contraírem enquanto ele empurrava sua língua dentro de mim, inclinando meus quadris com as mãos. —Não posso aguentar, é muito bom. —Gritei, sentindo o calor escorrer entre as pernas. —Lucas! Ele chegou ao redor com uma das mãos e esfregou meu clitóris com força e rapidez, e gritei seu nome de novo quando fiquei rígida embaixo dele, meu orgasmo batendo no ritmo da sua língua. Um segundo depois que ele parou, Lucas desabotoou seu jeans e abaixou o suficiente para libertar seu pau duro. Ele empurrou minhas pernas para o lado do assento, abriu um pacote de preservativo com os dentes e o enrolou. Um lampejo de desapontamento me atingiu, eu queria senti-lo na minha pele. O que diabos, Mia? Está maluca? Sim! Dois segundos depois, ele estava em mim, empurrando em meu interior molhado e quente com uma fúria que me fez ofegar por ar, o ombro sufocando minha boca. Eu apertei a camisa dele, querendo arrancá-la, puxando os botões, rasgar as costuras. Eu o queria urgentemente, desesperadamente, violentamente. —Sim. —Gemi, amando a maneira brutal em que nossos corpos batiam juntos. —Deus, eu amo isso assim... —Você gosta de áspero? —Ele mal podia falar, estava me golpeando tão forte. —Você quer que eu te coma mais duro? Eu choraminguei um pouco com o pensamento, perguntando-me como era possível, mas um segundo depois, meus olhos se reviraram quando ele levantou seu peito de mim, se apoiou no banco e no console


e me martelou com mais força ainda. Abaixei mais ainda debaixo dele, sentindo o próximo orgasmo chegar. —Eu adoro quando você se move desse jeito, como se você não conseguisse o suficiente do meu pau. —Ele resmungou as palavras, quebradas por seus poderosos impulsos. Não consigo, eu queria dizer a ele. Não consigo ter o suficiente. Mas eu estava muito longe para falar. Minha cabeça caiu para um lado, minha boca aberta no êxtase silencioso e agonia de oscilar no limite. Ele desacelerou, me matando com um ritmo constante e comedido. —Toque seus seios para mim. Deixe-me ver. Levantei minha camisa e levei minhas mãos aos meus seios, beliscando meus mamilos duros e formigantes através do meu sutiã de renda. —Sim, exatamente assim. —Ele gemeu e aumentou o ritmo novamente, me levando perigosamente perto da beira. —Porra, você é tão perfeita. Eu adoro te ver, isso me faz querer gozar tão duro... oh meu Deus... —Sim. —Suspirei. —Oh, Deus, sim. Aí. Aí. —Leve-me Lucas. Goze comigo. Palavras abandonadas, ele nos levou para as alturas, cada um de nós gemendo com cada onda de prazer batendo através de nós. Lucas desmoronou em cima de mim, e eu levei minhas mãos para a sua cabeça, meus dedos tecendo pelos cabelos que agora eu adorava. Nós respiramos pesadamente, nossos peitos esticando nossas roupas. Quando encontrei minha voz, estava fraca e rouca. —Sexo no carro. Riscado. Da. Lista. Senti o riso de Lucas. —Que tal o sexo na vila? Isso está na lista? —Está agora.


Capítulo 16

Dirigimos o resto do caminho até a vila com as janelas baixas, a música explodindo. Lucas e eu descobrimos uma afinidade mútua pelo vintage Michael Jackson, e embora possa ter sido um pouco difícil conversar com o campo provençal, aroma de girassóis e lavanda correndo no carro e o som do álbum Off The Wall não nos incomodou. Nada me incomodou. —Deus, Lucas, estou tão feliz agora. —Coloquei minha mão pela janela e deixei o ar quente empurrar contra ela. —Muito obrigada por me convidar pra vir com você. —De nada. Estou feliz que você veio. Olhei para ele. —O que? —Estou esperando a brincadeira suja depois de “fico feliz que você veio”. Ele tinha um sorriso que combinava com o meu. —Não há piadas. Estou falando sério. Inclinei-me para beijar sua bochecha antes de reclinar a cabeça na janela, fechando meus olhos e sentindo o vento no meu rosto. Deus, eu realmente estou feliz. Eu poderia me acostumar com isso. Não. Você não pode. É temporário. Minha voz interna começou a me incomodar quase tanto quanto a minha mãe. Era como se elas não quisessem que eu relaxasse e me divertisse. Eu finalmente liguei para minha mãe antes de sair de Paris, e ela me criticou por alguns minutos, mas conseguiu, no final do sermão, saber como eu realmente estava. Eu disse a ela que estava bem, muito


melhor do que estava há muito tempo, e assegurei que estava perfeitamente segura e feliz. Ela quase pareceu decepcionada. —Bem, não deixe sua guarda baixar. As pessoas veem uma mulher estrangeira viajando sozinha e acham que ela é um alvo fácil. —Tá, mãe. —Apertei e soltei minha mão livre. —Tudo bem, querida. Ligue de novo antes de sair, OK? Que dia você retorna? Meu corpo murchou. Não queria pensar em ir. —Uh, terça-feira. —E Coco vai pegar você no aeroporto? —Erin, eu acho. —Devo dizer a ela sobre deixar Paris para ir à Provence? Eu não queria, mas e se ela ligasse para o hotel e eles dissessem que não tinha sido vista há alguns dias? Eu tinha falado com Erin, dando-lhe todos os detalhes suculentos, e mencionei ficar no Vaucluse até sábado. Talvez isso fosse bom o suficiente. Ela estava ansiosa por mim, embora tenha sido temperada com um pouco de preocupação. —Deus, isso parece incrível, Mia. Mas... mas você tem certeza de que deveria sair da cidade com ele? Quero dizer, eu sei que vocês estão colocando Paris em chamas, mas... —Estou bem, Erin. Confie em mim. —Você tem certeza de que está segura? —Positivo. E eu estava. Eu me senti segura com Lucas. Pelo menos fisicamente. Emocionalmente, eu estava um pouco menos segura. Eu olhei para ele de novo, e meu estômago virou uma loucura, sua mão no volante, o V de suas coxas no assento, os cabelos revoltando


no rosto pelo vento. Depois, havia tudo o que não podia ser visto: o riso fácil, a memória afiada, o talento musical, o som de sua voz me contando sobre catedrais, histórias de amor medievais, a escultura de Rodin. E sussurrar coisas. Coisas sujas que me incendiavam. Senti uma excitação entre minhas pernas e me afundei no meu assento. Uau. Você já teve o suficiente por um tempo, então apenas relaxe. Que feio, você ter que virar sua saia para secar o ponto molhado nas costas. Coloquei uma das mãos na minha boca. Lucas olhou para mim. —O que é engraçado? —Nada. Tudo. Percorri um longo caminho, isso é tudo. Ele pegou minha mão e beijou a parte de trás dela. —Sim, verdade.

#

Lucas não me contou muito sobre a vila, mas mesmo que ele tivesse, as palavras não teriam feito justiça. Saímos da rodovia principal e fomos para uma estrada que atravessava campos e pomares, e não vi a fazenda até o momento quando Lucas desacelerou o carro em frente a um conjunto de portões de ferro. De cada lado, uma parede de pedra baixa marcando a borda da propriedade. Eu me sentei mais ereta no meu assento. —Esta é a vinha? —Não, a vinha está do outro lado da casa. Estes são apenas os jardins.


—Jardins? Minha avó tem um jardim, Lucas. Este é um conto de fadas. É inacreditável! Lucas sorriu para mim antes de digitar um código no teclado do sistema de entrada no lado do condutor da parede e os portões se abriram. Estiquei o pescoço pela janela enquanto caminhávamos por uma estreita estrada de cascalho flanqueada em cada lado por macios arbustos que chegavam bem alto. Eles estavam plantados tão perto que era difícil de ver através deles, e a casa não estava visível no final do caminho. Meu interior tremia de nervoso e excitação quando contornamos uma curva e a vila apareceu. Eu suspirei. —Meu Deus! Nunca vi nada parecido na vida real. Hera escalava pelas paredes de pedra de cor clara, e que tinha facilmente uns dois metros e meio de altura, luzes escuras azuis emolduravam as janelas e o telhado laranja meio desbotado. Eu poderia dizer que tinha sido expandido, mas mesmo as peças novas foram cuidadosamente construídas para combinar com o original. —Quantos anos tem isso? —É do século XVIII, a parte mais antiga. —Lucas estacionou o Toyota em uma garagem circular, que estava alinhada com arbustos baixos e vasos de plantas. —Henri acrescentou as peças mais recentes nos últimos trinta anos, diria, além de colocar uma piscina e uma quadra de tênis. Seu parceiro, Jean-Paul, é um fanático por jardinagem, então ele adicionou alguns jardins a mais e restaurou algumas das antigas fontes da propriedade. Abrindo a porta, parei a meio caminho do carro e fiquei de pé no lado do passageiro, olhando para o telhado no terreno, o que parecia continuar para sempre. Respirei fundo, enchendo meus pulmões com um aroma verdejante que desafiava a descrição. —Deus, Lucas. O ar aqui! —Eu bati o teto do carro. —Não consigo superar isso. —São os campos de lavanda. E Jean-Paul tem um jardim de ervas muito grande também. —Ele abriu o porta malas do Toyota e tirou


nossas malas. —Depois de nos instalar, vou levá-la a um passeio pela propriedade. Afastei-me do carro e fechei a porta. —Talvez não deva. Eu acho que nunca vou querer partir. Lucas sorriu para mim. —Você sentiria falta da agitação de Detroit mais cedo ou mais tarde. Levantei minhas sobrancelhas. —Humm, você já esteve em Detroit? Ele balançou sua cabeça. —Eu acho que não. Eu amo lá por seu coração e resiliência, mas não se parece assim. —Balancei uma mão pelo ar exuberante. —E com certeza não cheira assim. —Lucas! Ao som de alguém chamando seu nome, Lucas bateu o porta malas e se virou para a casa. Meu estômago imediatamente se agitou enquanto um homem de cabelos prateados com a pele e os olhos tão claros que eu podia vê-los de onde eu estava caminhou pela estrada de cascalho. Ele sorriu para mim antes de abraçar Lucas, beijando-o três vezes nas bochechas. —Jean-Paul, esta é minha amiga Mia, a americana que falei ao telefone. Jean-Paul pegou minha mão. —Bonjour, Mia. Bienvenue. —Ele beijou cada uma das minhas bochechas uma vez e sorriu com perfeitos dentes brancos. Ele era realmente muito bonito para sua idade, que deveria estar em algum lugar por volta dos sessenta anos. Eu sorri de volta. —Obrigada. —Todos já estão aqui? —Perguntou Lucas. —Sim, sua família chegou ontem. Não tínhamos certeza de que horas seu trem chegaria, então o almoço já foi, mas todos jantaremos


juntos esta noite às nove. —Jean-Paul falava inglês muito bem, quase sem sotaque. —Henri está cozinhando? —Lucas perguntou, arremessando a bolsa por um ombro e pegando minha mala. —Morda sua língua. Como se eu o deixasse na minha cozinha. —Jean-Paul faz toda a comida aqui. —Explicou-me Lucas. —Ele é incrível, trabalhou durante anos em restaurantes gourmet em Paris. —E Nova York por um tempo também. —Jean-Paul olhou para mim. —Você é de Nova York, Mia? Lucas não disse de onde conheceu você. —Não, Detroit, na verdade. Nós... nos conhecemos em Paris. —Eu os segui até os degraus da casa e a porta pintada de azul, percebendo que poderia ser estranho admitir que acabei de conhecer Lucas nesta semana e estava alegremente passeando pela França com ele. Às vezes sem calcinha. —Bem, estou contente que você pode nos visitar aqui. —Jean-Paul fechou a porta atrás de nós enquanto eu admirava o interior lindo com a boca aberta de espanto. Além da entrada, uma enorme lareira de pedra cinzenta dominava uma sala grande e os pisos de pedra faziam o ambiente parecer fresco e arejado, mas os suntuosos tecidos e tapeçarias pendurados nas paredes davam calor e cor ao espaço. —Lucas, seu irmão e Lisette estão na casa de hóspedes com todos os seus amigos, então eu tenho você e Mia lá em cima. Está bem? —Claro. Qual quarto? —No fim do corredor na ala oeste. —Perfeito, Jean-Paul. Obrigado. Vou mostrar a Mia a casa e então a levarei a um pequeno passeio pelos terrenos. Você gostaria de se juntar a nós? O homem mais velho levantou as mãos e balançou a cabeça. —Não, não. É um lindo dia, mas tenho coisas para fazer aqui para me


preparar para a festa amanhã à noite. —Ele revirou os olhos. —O fornecedor está me deixando louco. —Falando em coisas que te deixam louco, onde está minha mãe? Jean-Paul sorriu. —Ela está lá fora na piscina, acredito. Todo mundo está lá em algum lugar. —Ele nos virou em direção a uma grande escadaria de pedra. —Continue. Desfaça as malas para que você possa aproveitar o dia.

#

A vista do nosso quarto era um banquete de cor, textura e luz. Árvores de oliveiras retorcidas. Campos brilhantes de lavanda. O brilho turquesa de uma longa piscina retangular cercada por pátios de pedra nivelada. Jardins exuberantes cheios de flores rosas e amarelas cercando uma antiga fonte. À direita, uma quadra de tênis com dois jogadores masculinos, e à esquerda, além da piscina, a casa de hóspedes e outros prédios, alguns novos, alguns velhos e desmoronados. Tudo excitante. À distância, eu podia ver uma fileira de vinhas, listrando a terra com ouro verde e terroso vibrante. —Deus, eu estou apaixonada. —Pela visão ou por mim? Oh meu Deus! Que porra é essa? Ele quis dizer o que disse? Com meu coração martelando, continuei olhando pela janela, mas estava morrendo de vontade de me virar e ver o rosto dele, ele estava me provocando? Ele estava falando sério? Como devo lidar com isso? PORRA! Fui totalmente apanhada de surpresa. Meus olhos vagaram de um lado para o outro enquanto eu atormentava meu cérebro por uma resposta que não o aterrorizaria ou o ofenderia.


Flerte. Flertar poderia funcionar. Jogando um olhar tímido por sobre meu ombro, eu disse: —O que você acha? Os cantos de sua boca levantaram ligeiramente enquanto levava a bolsa para uma cadeira e se concentrava em descompactá-la. —Estou apenas provocando. Eu sei que você quis dizer a visão. —Ele tirou uma calça, uma camisa azul clara e um blazer azul escuro. Então limpou a garganta. —Você tem algo que precisa ser pendurado? Deus, como ele poderia simplesmente passar por aquele momento, como se não fosse nada? Meu pulso estava rugindo dentro da minha cabeça. Não conseguia respirar direito. E algo em sua resposta parecia estranho, foi a forma como ele evitou olhar em meus olhos. Ele realmente só estava provocando? Ou ele estava pensando sobre como eu me sentia? Droga, Lucas. Se você quer saber o que estou sentindo, pergunte! Não que eu tivesse certeza de como me sentia. Minhas emoções estavam todas emaranhadas dentro de mim, e tinha medo de examiná-las mais de perto. —Mia? —Lucas me olhou com curiosidade, e lembrei de ele ter me perguntado sobre pendurar as roupas. —Oh. Sim, obrigada por me lembrar. —Eu tinha embalado minha pequena mala com apenas algumas roupas: incluindo o vestido sem alças que eu usei na minha primeira noite em Paris e algo mais formal para a festa de amanhã à noite. Eu os pendurei no armário ao lado das calças, camisa e casaco de Lucas, e experimentei um nó estranho no meu peito ao ver nossas roupas penduradas lado a lado. Isso era tão íntimo, visitar a casa da sua família, participar de uma festa de noivado familiar, compartilhar um quarto, um banheiro... parecia que éramos um casal. Um casal de verdade. Eu tive que me segurar na porta do armário.


Era hora de enfrentar: eu sentia algo mais do que físico por Lucas. Algo que aquecia minha barriga e balançava meus joelhos e me fazia sorrir só de pensar nele. Ele sentia algo assim por mim? Ou ele era totalmente capaz de evitar que suas emoções fugissem de controle? Talvez fosse diferente para os homens, ou talvez, se estivesse acostumado a pensar em sexo, era mais fácil manter seus sentimentos fora disso. Era eu confundindo admiração pelo carinho? Mordendo o lábio, assisti ele tirar algumas coisas de sua bolsa e jogá-las na cama. Oh, eu mencionei a cama? Era de tamanho queen, coberta de linho branco e uma cabeceira alta combinada com umas barras de ferro, como as que estavam no caminho de entrada. Quando entramos no quarto, Lucas apareceu atrás de mim e falou no meu ouvido: —Essa cabeceira me deu algumas ideias envolvendo você e uma gravata que eu trouxe. Eu acho que tenho um melhor uso para isso. Ele quer me amarrar. Meus ossos viraram geleia. A visão foi demais. Agora ele estava tirando uma gravata de sua bolsa. Oh, meu Deus, é essa? Eu nunca tinha sido amarrada antes, mas quase fui correndo do armário para a cama com as mãos no ar. Em vez disso, fiquei onde estava, com medo de deixá-lo ver meu rosto quando a força total de meus sentimentos me atingiu. Eu acho que estou apaixonada por ele. De verdade. —Oh, você sabe o que esqueci? Shampoo. —Lucas virou para mim, e sua testa franziu. —Mia? Mova-se. Saia do maldito armário. Aja naturalmente . —Eu tenho alguns. Você vai adorar, na verdade. Isso vai te estragar para qualquer outro produto para o cabelo. —De maneira tão


instável quanto a minha voz estava, fui até minha bolsa e tirei os meus estojos de maquiagem. —Use o que você precisar. No banheiro, coloquei minhas coisas no balcão, olhando no espelho para ver minhas bochechas coradas. Se segure, Mia. É totalmente óbvio que alguma coisa aconteceu com você . Fechei a porta e passei água gelada no meu rosto. Você não está apaixonada por ele. Você está feliz por estar aqui. Realmente extremamente malditamente feliz. E totalmente empolgada com o ar fresco e com os orgasmos. Sequei rosto e as mãos com uma toalha e fiz uma nova lista. 5 pensamentos apropriados (e, ainda, inapropriados) que você está autorizada a ter sobre Lucas

igualmente

1) Você tem permissão para imaginá-lo sussurrando todas as palavras sacanas no seu ouvido. 2) Você tem permissão para imaginá-lo transando com você em cada cômodo da casa. Até mesmo os armários. 3) Você pode imaginar chupá-lo em qualquer momento, inclusive enquanto ele está dirigindo, quando ele estiver comendo ou na piscina. (Você não tem permissão para realmente fazer isso, no entanto. Bem, talvez apenas quando ele estiver dirigindo.) 4) Você tem permissão para imaginar como seria ser amarrada à cama por ele, desamparada e à sua mercê. 5) Você ainda pode imaginar amarrá-lo a uma cadeira e comandar um pouco. O que quer que te excite. Mas não importa o quê, você não tem permissão para pensar ou, Deus não permita, pronunciar a palavra com A. Entendeu? Eu dei à garota no espelho o olhar mais feroz ainda, e ela pareceu entender.


Quando saí do banheiro, notei que Lucas mudou de jeans para um short de banho vermelho, e a visão de seu peito nu fez coisas no meu interior. —Eu pensei que talvez fosse bom nos sentarmos à piscina um pouco depois da nossa caminhada. Se você estiver preparada para isso, quero dizer. Nós temos algum tempo antes do jantar. —Parece maravilhoso. Eu vou pegar meu biquíni. —Eu fui para minhas roupas sem ver nada, ainda me sentindo meio fora do ar. —Então... você consegue visitar aqui muitas vezes? —Cerca de uma vez por ano. —Lucas puxou uma camiseta cinza sobre sua cabeça. —Normalmente todo verão. Minhas mãos se atrapalharam com a minha mala enquanto eu observava seus abdominais desaparecerem. Quando ele me pegou olhando, eu olhei para baixo. Droga. O que eu estou procurando mesmo? —Minha mãe me culpa por visitá-la apenas uma vez por ano. —Continuou ele. —Mas os aviões voam pelo outro lado do Atlântico. Às vezes acho que ela esquece isso. —Lucas puxou uns chinelos de sua bolsa e jogou-os no chão. Eu sorri, mas um pensamento traiçoeiro invadiu meu cérebro. Ele já trouxe sua namorada aqui? Antes que eu pudesse decidir se realmente queria a resposta, a questão escapuliu. —Você já trouxe alguém aqui com você antes? —Uma vez. O ciúme me agarrou pela garganta enquanto eu fechava o punho em volta do meu biquíni. —Jessica? —Sim. Nós viemos para o casamento do meu irmão mais velho há alguns anos. —Que bom. —Eu tirei meu biquíni da minha bolsa. Eu odeio você, Jessica. —E que lugar perfeito para um casamento. —Eu poderia imaginar tudo: as toalhas de linho branco, cadeiras de jantar de madeira,


velas em castiçais brancos, centro de flores feitos com lavanda ou talvez ramos de oliveira. Por um momento, imaginei-me com um belo vestido de noiva, não o clássico formal que escolhi antes, mas algo mais suave e simples. De braço dado com meu pai, flutuando por um caminho de cascalho alinhado com velas em direção a... Engoli com dificuldade. Isso não está na lista apropriada. —Eu acho que sim. —Disse Lucas, passando uma das mãos pelo cabelo dele. —Humm, vou te dar um minuto para pegar seu biquíni, e então iremos passear. Não pude deixar de sorrir. —Lucas. Você viu cada pedaço do meu corpo de perto e intimamente. Não me importo se você ver eu me trocar para o meu biquíni. —Nesse caso... —Ele caiu na cama e apoiou a cabeça na mão. —Comece o show.


Capítulo 17

Embora estivesse nervosa, conhecer a família de Lucas não foi tão desconfortável quanto eu temia. Sua mãe Mireille era uma mulher impressionante e de cabelos escuros com uma pele luminosa e suave. Depois de receber tanto Lucas quanto eu com beijos em cada bochecha, ela insistiu para nos sentarmos com ela para conversar. Nós fomos para uma mesa com cadeiras sob um enorme guarda-sol, onde ela me perguntou sobre onde morava e o que eu estava gostando da minha viagem. Ela também perguntou como nos encontramos e, quando Lucas lhe disse a verdade, omitindo um pouco sobre o casamento cancelado. Ela não pareceu achar estranho que nós tivéssemos nos conhecido alguns dias antes. —Que bom. —Disse ela. —Lucas é um guia turístico perfeito para Paris. —Ele é. —Concordei. —Eu realmente tive sorte. Lucas apertou minha perna por debaixo da mesa.

#

—Sua mãe é tão bonita. —Eu me inclinei para inalar as flores brancas perfumadas ao longo do caminho que Lucas e eu estávamos seguindo pelo jardim. —Não é de admirar que todos esses homens se apaixonassem por ela. —Bem, muitos homens são tolos pela beleza. —Ele cutucou meu braço. —Eu mesmo incluído.


Endireitando minha posição, eu corei e sorri de lado para ele. —Obrigada. —Avançamos lentamente pelo pequeno paraíso privado. Até mesmo as abelhas pareciam estar satisfeitas aqui, zumbindo sobre as flores sem nos incomodar. —Seu irmão parece legal. Lucas revirou os olhos. —Outro idiota. —Oh vamos lá. Ele está apaixonado. Eu conheci o irmão mais velho de Lucas, Gilles e sua noiva Lisette junto à piscina, assim como vários de seus amigos que estavam na vila para a festa. Gilles paparicou Lisette até o ponto do absurdo, pegando suas toalhas, protetor solar, água e revistas, enquanto a observava com alegria. Ele se parecia com Lucas de certa forma, mas era mais alto, mais magro e não tão bonito. Pelo menos na minha opinião. O irmão mais velho de Lucas, Nicolas, estava jogando tênis com o marido de Mireille, Sebastien, mas fui apresentada a sua esposa Carine e a sua garotinha, Gisele, uma espoletinha de cabelos curtos em um traje de banho rosa chiclete. —E Gisele é adorável. Qual a idade dela? Ele inclinou a cabeça. —Ela tem dois, eu acho? Eu realmente queria vê-la com mais frequência. Eu sorri para ele. —Ela adora você. Seu rosto se ilumina toda vez que você fala com ela. —Ela simplesmente gosta quando eu a balanço pelos braços assim. A deixa tonta. —Me deixou tonta observar vocês dois. —Ou talvez fossem meus sentimentos fazendo minha cabeça girar. Havia algo ao ver Lucas entregando-se à menina que me fez queimar toda. Perguntei-me se ele queria filhos algum um dia e se ele os traria aqui no verão. Eu até mesmo tive uma breve fantasia de mim no papel de Madame Fournier


em tal cenário antes de me dar uma bofetada mental. Você perdeu a cabeça? Esqueça essa merda! —Meu pai costumava girar assim comigo, no nosso quintal quando eu era pequeno. —De repente, Lucas parou para escolher uma flor rosa com uma longa haste. Ele estudou por um momento e segurou-a para mim. —Aqui. Você estava usando alguma coisa dessa cor naquele dia no cemitério. Meu coração derreteu. —É verdade, eu estava. —Peguei a flor dele e levei-a até o nariz. Olhando para ele sobre as pétalas, respirei seu aroma doce. Cristo, isso está ficando ridículo. Quero impedir que meus pensamentos se desviem do território inapropriado, mas preciso de uma ajudinha aqui. —Lucas. —Segurei a flor pela haste. —Eu vou ter que pedir que você me diga algo sobre você que não seja sexy, doce ou encantador. Ele levantou as sobrancelhas. —O que? —Sério. Estou começando a pensar que nada disso é real. —Era uma mentira, eu tinha medo de que fosse tudo muito real. —Humm. —Seu rosto mostrou uma expressão de concentração fingida quando começamos a andar de novo. —Oh, aqui está uma. Eu sou um grande fã dos Rangers e fico muito animado ao assistir a jogos. Eu grito, xingo e resmungo. —Nada bom. Eu sou de Detroit. Nós temos hóquei. —Balancei minha cabeça. —Na verdade, acho que você piorou. —Oh. Ok, humm... —Ele olhou para o céu por um momento, então estalou os dedos. —Aha! Você vai odiar isso: eu corto meu próprio cabelo. Olhei para ele, boquiaberta. —O que? Isso é ridículo. Você não pode cortar seu próprio cabelo! Ele riu. —Claro que eu posso.


—Como você pode ver? —Eu me viro e uso o espelho. Não é tão difícil. E não é como se meu cabelo fosse tão difícil. —Ele deu de ombros. —Se eu estragar demais ou ficar realmente desigual, então vou à uma barbearia. Suspirei. —Bem, vou te conceder que é estranho, mas ainda preciso de algo pior. Algo que me fará dizer: —Cara, estou feliz por não viver em Nova York. Eu odiaria encontrar aquele idiota novamente. Ele me deu uma cotovelada e ficou sério. —OK, que tal: raramente faço reservas em restaurantes. Eu só gosto de chegar lá e pronto. Eu estremeci, mas assenti. —Agora estamos chegando a algum lugar. Isso me deixaria louca. —Avançando, pisei na frente dele para caminhar para trás. —OK, mais uma coisa. Algo que odiarei totalmente. Ele parou de andar e pensou um momento. —Eu nunca vou me casar. Eu pisquei. —Você não quer se casar com ninguém, nunca? —Não. —Por que não? Por causa de seus pais? —Apesar do calor do sol na minha pele, eu sentia como se alguém tivesse jogado água gelada na minha cara. Eu estava provocando Lucas, mas isso parecia sério, como se ele estivesse me contando algo significativo. Oh Deus, ele sabe o que eu tenho pensado. Ele está tentando me dizer para não me deixar levar. Ele deu de ombros. —Provavelmente isso está lá no fundo da minha mente. Eu estava lá quando o casamento desmoronou. Eu vi o que fez com meu pai. Mas não são apenas eles, a maioria dos casamentos não dura. E eu nunca quis me casar também. Eu me virei e dei alguns passos para frente, lutando para fazer minha voz soar casual. —Como você se vê no futuro?


—Bem, eu quero terminar minha pesquisa, escrever sobre isso, talvez ensinar em alguns lugares diferentes. Eu gosto muito de viajar, e talvez eu queira abrir meu próprio bar em algum momento, seja em Paris ou em Nova York, não tenho certeza. Meu coração bateu mais rápido do que tinha direito, um comichão sob minha pele. Por que diabos você está ficando chateada? Jesus, provavelmente um casal deveria trocar números de telefone antes de trocar alianças. Você nem o conhecia há uma semana . Além disso, não era como se eu pensasse que todos da minha idade quisessem se casar. Até mesmo Coco disse que não tinha certeza disso. Mas eu sempre soube que eu queria. Na verdade, eu lembro que perguntei a Tucker sobre isso uma vez quando já namorávamos alguns meses e pensando que, se ele dissesse que não queria se casar, então eu seguiria em frente sem ele. Ele havia dito que fazia parte de seu plano eventualmente, apenas não em breve, e eu estava bem com isso. De repente, pensei como de costume e não podia deixar isso passar. Eu respirei fundo. —É por isso que você e Jessica terminaram? Lucas tomou um momento antes de responder, os olhos colados no cascalho. —Não foi o único motivo, mas sim. —Admitiu. —Ela queria se casar. Eu não. —Então ele parou de andar e colocou uma das mãos no meu braço. —Mas se você está pensando que eu fiz com ela o que seu ex fez com você, eu juro a você, que não fiz. Eu sempre deixei bem claro minhas opiniões sobre o casamento. Não era como se fosse uma surpresa ou qualquer coisa. —Não. Não, claro que não. —Eu disse a mim mesma para perguntar sobre outra coisa, mas o assunto da ex de Lucas era como uma música chiclete, você não pode parar de ouvir, mesmo que isso faça você se sentir horrível. Eu tinha um fascínio retorcido por ela. —Você disse que o casamento era apenas um dos motivos. Posso perguntar sobre os outros? —Era uma questão pessoal, muito pessoal, e ele tinha todo o direito de me dizer para cuidar da minha vida, mas ele não fez.


—Bem... —Ele pareceu lutar com as palavras. —Por um lado, tínhamos apetites diferentes. Apetites? —O que você quer dizer? Ele olhou para mim, e eu vi o rubor em suas bochechas. Era mais que a cor do sol. —Lembra-se de como eu disse que estava nervoso em assustá-la com... coisas que eu queria fazer com você? —Nada que você fez me assustou. —Bem, algumas coisas que eu gosto costumavam assustá-la. Ou pelo menos, ela não curtia muito. Isso foi incrível para mim. Como alguém poderia estar com Lucas e não querer se submeter a todos os seus caprichos? Talvez eu estivesse meio que morrendo de fome por sexo, ou pelo menos morrendo de fome pelo bem-estar, mas Lucas era perfeição a esse respeito. Ele me fez sentir como um anjo, um diabo, beleza e desejo encarnados. Ele me deixou fazer tudo o que eu queria e fez coisas para mim que eu nunca sonhei. Como alguém ia resistir a isso? Eu limpei minha garganta. —A ruptura foi ruim? —Muito ruim. Ela disse que não a amava o suficiente para mudar, ou fazer uma promessa que ela estava pronta para me fazer. —Uau. Isso é difícil. —Na verdade, senti pena dos dois, sim, mesmo de Jessica. Porque ambos estavam certos, de alguma forma. Eu podia ver os dois lados. —Então, quando foi isso? —No último Natal. Seis meses atrás. Levando as pétalas macias da rosa que ele me entregou no meu nariz mais uma vez, eu inalei e exalei. —Você ainda a ama? Ele balançou a cabeça. —Não. Quero dizer, eu ainda me importo com ela. Eu quero que ela seja feliz, mas eu sabia que na verdade não seria comigo. Eu acho que eu sabia há um tempo e deveria ter terminado as coisas mais cedo, mas não quis machucá-la.


Assenti, perguntando-me se era o que Tucker sentia. Ele queria acabar com as coisas mais cedo também? Se ele não tivesse abafado o impulso de me dizer que não queria se casar porque eu estava tão obcecada com o casamento? Deus, dificilmente poderia recordar uma conversa entre nós no ano passado sobre qualquer coisa que não fosse relacionada com o casamento. Que circo seria. Pela primeira vez, senti uma grande simpatia por Tucker. —Deve ter sido difícil depois de tanto tempo. —Eu disse. —Foi. Eu me senti horrível. Mas ela queria algo que eu não poderia dar. Eu não queria mentir sobre isso, fazer uma promessa que eu sabia que não poderia manter. Eu assenti, pensando que ele tinha feito exatamente o que pedi: me contou algo sobre ele que me fez perceber que ele não era perfeito para mim, pelo menos não à longo prazo. Então, por que pareceu tão ruim? Chegamos à beira onde o jardim limitava com o olival. Lucas parou de andar e me levou em seus braços. —Venha aqui. —Ele me beijou quente e macio. —Não vamos falar sobre o passado. Ou o futuro. De onde viemos e onde acabaremos, não interessa tanto quanto estar aqui agora com você. Eu derreti em seu beijo, dizendo a mim mesma que ele estava certo. Ok, talvez eu tivesse alguns sentimentos por ele, e talvez fosse mais do que um lance casual, mas não era amor, nem do tipo que duraria. Por mais terrível que eu julgasse que cancelar meu casamento foi, ainda queria me casar algum dia. Eu ainda queria uma casa e uma família. Eu tinha certeza disso. Lucas não. E ele tinha certeza disso. Então, mesmo que algum pedaço secreto do meu coração estivesse esperando um resultado diferente, minha cabeça sabia com certeza agora: isso era tudo temporário. Apenas um sonho.


#

Voltamos para a piscina e passamos o resto da tarde nadando e conversando com sua família e dormindo um ao lado do outro em uma espreguiçadeira almofadada. E quanto mais eu analisava a conversa que tivemos no jardim, mais eu estava certa de que isso era um rebote, para nós dois. Gostava que Lucas fosse o oposto de Tucker, e Lucas gostava da natureza curta e doce necessária de nossa aventura. Tinha um prazo de validade que não seria sua culpa, ele não teria que partir meu coração ao acabar com as coisas. E o sexo? Bem, nós dois gostamos disso. À medida que a tensão escorria dos meus ombros e minha mente vagava para o episódio no banco de trás, meu corpo inteiro arrepiou. Meus mamilos ficaram duros. Não passou despercebido. Lucas colocou uma mão na minha coxa e inclinou a boca para a minha orelha. —Você está fazendo isso de propósito? Você sabe, e seu biquíni é branco. Eu sorri sem abrir os olhos. —Você é uma garota muito má, Mia Devine. —Ele sussurrou. —Eu acho que você precisa ser punida esta noite. Meus dedos se enrolaram.

#


Para o jantar naquela noite, um dos pátios foi transformado em um espaço de jantar ao ar livre com uma longa mesa no estilo piquenique coberta com pano macio e de cor cremosa, bancos cobertos com almofadas coloridas e várias lanternas penduradas no telhado de pérgola. Todos os vinte e quatro convidados estavam sentados à mesa enquanto a refeição era servida por garçons supervisionados por um Jean-Paul de olhos críticos em uma extremidade da mesa. Ele estava sentado em frente a Henri, que eu não pude não pensar em O Conde de Monte cristo em uma capa negra. Ele era alto e magro como seus filhos, de cabelos prateados como Jean-Paul, embora não tão bonito e me acolheu calorosamente. A música tocava em alto-falantes ocultos, acompanhada pelo baixo zumbido da conversa e o tilintar de garfos e facas. A comida era deliciosa, pratos carregados com produtos locais e aves, aromatizados com ervas cultivadas nos jardins de Jean-Paul. O vinho era delicioso, quase tão delicioso quanto Lucas, que se sentava ao meu lado vestindo calça cinza e uma camisa branca que realçava o bronzeado de hoje. Mas era a gravata em volta do pescoço que realmente fazia com que meu interior vibrasse. É aquela que ele mencionou antes? Como se isso não bastasse, ele me deixou mexer com o seu cabelo depois que saiu do chuveiro. Coloquei algum produto e arrumei os cachos enquanto ele estava parado com uma toalha em volta dos quadris. Era muito tentador. Eu a puxei e cai de joelhos. Estávamos atrasados para o jantar. Eu só esperava que Lucas me achasse tão sedutora quanto eu o achava hoje à noite. Eu estava com meus sapatos novos e ele me observava com um olhar incrédulo no rosto. —Deus, Mia. Suas pernas nesse vestido... e esses sapatos... —Ele engoliu em seco. —Eu sei que já estamos atrasados, mas droga. Deixe-me apenas olhar para você.


Eu fiquei de pé na frente dele, corando como uma louca. Meu cabelo estava preso em um coque para complementar o vestido tomara que caia que usei na minha primeira noite em Paris. Fiquei feliz em dar-lhe uma lembrança muito melhor do que vagar pelas ruas do bairro latino sozinha. Isso realmente foi há quatro noites? Não parecia possível. Não quando Lucas deslizou a mão pelo meu colo e esfregou suavemente minha perna. Não quando ele se inclinou e roçou os lábios em meu ombro nu. Não quando ele colocou a boca no meu ouvido e disse: —Você está tão bonita esta noite, princesa. Muito bonita. Está me deixando tão louco, dificilmente poderei me sentar quieto. Meu pau está duro há horas. Você terá que pagar por isso. Então, eu me inclinei para ele e sussurrei de volta. —Se eu estivesse usando calcinha, elas ficariam encharcadas agora mesmo. O olhar que ele me deu era pura brasa. Deus, que alívio foi recuar deste padrão fácil de sexo e provocações. Enquanto a vibração entre nós estalava com esse tipo de energia sexual, não pude pensar em nada além da nossa atração física. Após a sobremesa, o pessoal mais jovem foi em direção à piscina para mais músicas e bebidas, mas Lucas balançou a cabeça quando perguntei se nos juntaríamos a eles. —Eu tenho outros planos para nós. —Ele disse, pegando minha mão. Eu estava um pouco cheia com o vinho e a massa, mas não disse nada quando Lucas me levou para a sala de estar e pegou uma garrafa de scotch de um carrinho-bar. De lá, ele me levou para a cozinha e pediu a um dos garçons por um balde de gelo. Enquanto esperávamos, ele manteve uma mão pressionada na minha parte superior das costas, os dedos espalhados. Foi possessivo de uma maneira que aumentou a tensão entre nós a um novo nível. A palavra apetite continuava percorrendo minha mente. No andar de cima, no nosso quarto, Lucas fechou a porta atrás de nós e a trancou sem ligar a luz. Fui na direção da janela aberta,


parando logo que o luar tocava no chão e fiquei a ouvir os sons da festa abaixo. —Nós podemos ouvi-los. Eles podem nos ouvir. —Lucas arrumou o balde e veio atrás de mim, parando tão perto que meu corpo inteiro estava já na borda. Eu podia sentir sua respiração no meu pescoço, seu peito nas minhas costas, sua ereção na minha bunda. —Então você não pode fazer barulho. Assenti, incapaz de encontrar a minha voz. Ele beijou minha nuca. —Se você quiser que eu pare em qualquer momento esta noite, apenas me diga. Ok? Minha barriga revirou, o que ele estava planejando fazer comigo? Um momento depois, engasguei quando senti um cubo de gelo deslizar em meus ombros. Uma das mãos cobriu minha boca. —Shhhh. Eu disse quieta. Meu coração começou a martelar. Ele abriu meu vestido que caiu no chão. Os arrepios varreram meus braços e pernas, dobrando quando senti o cubo de gelo na nuca. Lentamente, ele arrastou o gelo pela minha coluna, sobre cada vértebra, além do meu cóccix e levemente entre minhas nádegas. Eu estremeci. Oh, meu Deus, oh, meu Deus! Chegando entre minhas coxas, ele passou o gelo contra minhas dobras formigando, deslizando a ponta para dentro de mim. Eu gemi contra a mão apertada sobre minha boca. Porra, isso é quente. Eu nem podia acreditar que o cubo ainda estava sólido, meu corpo estava em chamas. —Não se mova.


Ele me liberou, e alguns segundos depois ouvi o click de um cubo de gelo batendo no fundo de um copo, e então os sons dele derramando o scotch. —Eu quero provar você o tempo todo, Mia. Quero o seu sabor na minha língua cada minuto do dia. E você sabe disso. Você não deve me provocar, me dizendo que não está usando calcinha quando eu não posso ter minha boca em você. —Era um tom que eu nunca tinha ouvido ele falar antes: quente e irritado. Eu gostei. Ele voltou pra trás de mim novamente, pressionando seus lábios na parte de trás de um ombro e arrastando-os pelo arco do meu pescoço. Minhas pernas tremiam com apreensão, excitação e necessidade. Deus, estou tão molhada. Eu não ousei dizer isso. Ele deslizou uma das mãos ao meu estômago e baixou entre as minhas coxas. Eu exalei como facilmente deslizou seu dedo dentro de mim, e lutei com o gemido preso na minha garganta. Mas quando sua outra mão segurou um peito, não pude evitar o som de prazer que escapou dos meus lábios. Ele beliscou meu mamilo. Forte. Eu suspirei com a dor mas, ao mesmo tempo fiquei encantada com seus dedos ágeis deslizando dentro e fora de mim, sua palma pressionando meu clitóris. Eu estava morrendo de vontade de me virar, empurrá-lo para baixo na cama, arrancar a calça e segurar seu pênis até que ele implorasse piedade. Mas eu sabia que ele não me deixaria. Em vez disso, mexi meus quadris, balançando contra sua mão, na esperança de cansá-lo, que ele teria que me foder. —Você quer algo de mim?


Eu assenti. —Boa garota. Você tem que ficar quieta se quiser. —Ele enfiou os dedos mais profundamente em mim. —Você pode fazer isso? —Sim. —Sussurrei, louca para gritar, mas aterrorizada que ele não me desse o que eu queria, se eu fizesse isso. —Bom. —Ele tirou as mãos de mim, e quase chorei de frustração. —Agora, vire-se. Eu me virei para vê-lo indo de volta para a cama, completamente vestido, sua camisa branca brilhando nas sombras. —Deus, você é muito linda. —Ele sentou-se ao lado da cama, pegou seu scotch da mesa e tomou um gole. —Aqui estão as regras. Você fala apenas quando eu disser para você. Você faz apenas o que eu digo. Compreende? Meus saltos Jimmy Choos balançaram enquanto eu assentia. —Bom. Venha aqui. Saí do meu vestido e fiquei na frente dele, nua, apenas com meus saltos. —Solte o cabelo. Com as mãos trêmulas, tirei meus grampos de cabelo, deixando-os cair no chão. Meu cabelo solto nos meus ombros. —Agora, deite no meu colo. De barriga para baixo. Movendo-me para o pé da cama, me arrastei pelo comprimento dela e sobre suas coxas. De quatro, olhei por cima do meu ombro para vê-lo tirando a gravata. Eu quase gozei. Oh Deus. Ele realmente vai fazer isso. —Coloque as mãos aqui em cima. Segurando a respiração, estendi a mão e agarrei um apoio na cabeceira da cama um pouco acima da minha cabeça, uma das mãos em cima da outra.


E ele me amarrou na cama. Ele. Me. Amarrou. Na. Cama. Porra. E quando ele enrolou e puxou a seda apertada em torno de meus pulsos, ele falou comigo em um tom baixo e uniforme. —Isso é o que acontece quando você me provoca, Mia. Quando você me faz sentir impotente por resistir a você. Eu tenho que fazer você se sentir impotente também. Eu estou! Eu estou! Eu queria gritar. Mas mordi minha língua, assustada em fazer qualquer coisa que faria com que ele me negasse. Eu não tinha nenhuma ideia de quanto me excitava ser tratada dessa maneira, eu estava febril, ofegante e tremendo. E Lucas, eu nunca o vi assim. Longe do amável e generoso amante que ele tinha sido em Paris, este Lucas era exigente, sem remorso e ligeiramente assustador. E incrivelmente quente. Eu o queria mais do que nunca quis qualquer um ou qualquer coisa. Faça agora, implorei-o em minha mente. Foda-me agora. Mas ele não tinha terminado comigo.


Capítulo 18

Primeiro, ele passou as mãos por todo o meu corpo, evitando todos os pontos que queria que ele tocasse. Eu mordi o lábio e apoiei minha cabeça sob minhas mãos atadas, desesperadamente querendo que ele me fizesse gozar e sem vergonha de agir assim. Mas ele ficou longe de qualquer parte do meu corpo que ele sabia que me faria gozar, embora essa lista estivesse diminuindo rapidamente. Ele deslizou uma palma do meu ombro até as minhas costas; a outra, do meu tornozelo até minha bunda. Ele tocou meu côncavo, minha barriga, meu pescoço, a parte de trás dos meus joelhos. Minha pele arrepiava, retorcendo meus mamilos, e tentei arquear minhas costas e abaixar mais para que eles esfregassem contra o travesseiro. Mas minhas mãos estavam amarradas à cabeceira da cama de uma maneira que me impediu de movê-las para cima ou para baixo. Um som minúsculo e estrangulado escapou da minha garganta, embora eu quisesse gritar, curvar e tremer. —Frustrada, princesa? Eu sei exatamente como você se sente. —Ele colocou uma das mãos na minha bunda e esfregou em círculos lentos. —Mas você foi uma garota má hoje. E as garotas más precisam ser punidas um pouco. Por um segundo, fiquei nervosa, o que ele quis dizer com punição? Ele estava realmente indo... O som da mão de Lucas golpeando minha bunda foi um choque tão grande quanto a picada, e eu joguei minha cabeça para trás. Imediatamente, ele segurou a palma da mão sobre o ponto macio, me dando alguns segundos para me ajustar à ideia de ser espancada. Maravilhosamente espancada. Como uma menina impertinente.


Era errado adorar isso? Ele fez isso na outra nádega, novamente segurando sua mão sobre minha pele ardente, enquanto o prazer e a dor passavam pelas minhas terminações nervosas como os fogos de artifício do dia quatro de julho. Eu não tinha certeza do que me excitava mais: a sensação física de sua mão batendo na minha pele ou a ideia de Lucas me punir por ser muito bonita, por tentá-lo demais. Minha boca estava aberta, as minhas respirações vindo tão rápidas e cruas, pensei que ele poderia me repreender por ser barulhenta novamente. A terceira palmada foi mais forte, dura o suficiente para me fazer gritar involuntariamente, e fechei meus olhos e mordi o lábio. —Desculpe. —Choraminguei quando ele segurou a palma da mão sobre minha pele quente. —Shhh. Eu acho que você já teve o suficiente de palmadas. —Ele deu um beijo no meu cóccix antes de manobrar de alguma forma para baixo de mim, de modo que meus joelhos descansassem de cada lado da cabeça dele. —E eu quis lamber sua boceta o dia todo. Não consigo mais esperar. Passou as mãos pelas minhas coxas, me puxou para baixo, então eu estava sentada em seu rosto. Eu. Estava. Sentada. Na. Cara. Dele. Oh meu Deus e eu não poderia nem gritar, você está brincando comigo... —Você não se move. Entendeu? —Ele disse, sua respiração quase me fazendo explodir. Assenti, querendo gritar todos os palavrões que conhecia em voz alta. Em francês e inglês, e talvez outras línguas também. Foi a pior punição e o prazer mais sublime que eu já senti.


Ele me provocou com a língua como se estivesse amarrando um nó. Um nó duplo. Ele me lambeu como um sorvete de baunilha em um caloroso dia de verão. No Equador. Ele me saboreou como se eu pudesse derreter na boca, mas ele não queria que eu fizesse. Essa era uma batalha perdida. Eu não durei mais de um minuto, talvez nem trinta segundos, inferno, talvez nem dez. Já não tinha mais sentido do tempo. Quando ele me tocou com a língua, era como se jogasse gasolina no fogo que já estava queimando. Eu lutei com todos os instintos que meu corpo tinha, que era mexer e me contorcer e sufocar sua boca com minha boceta. Eu queria sentar na sua língua. Inclinei para frente e bati minha cabeça contra meus pulsos, morrendo de vontade de gritar, de queimar, de fragmentar. Eu sabia que ele estava tentando prolongar tudo, porque cada vez que me aproximava da borda e endurecia, ele recuava do meu clitóris e mordia minha coxa ou simplesmente respirava ar quente na minha pele. Quando eu relaxava um pouco, ele voltava a mexer em mim, levando-me de volta ao limite, até que finalmente pensei que ficaria louca. —Lucas. —Implorei, à beira das lágrimas. —Por favor. Finalmente, ele me puxou mais firme para a boca com uma das mãos, enfiou os dedos dentro de mim com a outra e me devorou forte e rápido. Eu simplesmente detonei. Não tenho ideia de quanto tempo durou realmente, como Lucas conseguiu respirar, ou como eu não rasguei a pele no meu braço,


porque me mordi forte. Todo meu corpo estava paralisado pela força desse orgasmo, que transformou o mundo em branco e disparou uma sirene na minha cabeça, estendendo meu corpo com ondas de êxtase tão poderosas que nem conseguia respirar. Quando voltei, eu estava ofegante pelo ar e meu ombro esquerdo com as marcas dos meus dentes. Da cabeça aos pés. Antes de recuperar a habilidade de formar uma frase, Lucas escorregou das minhas pernas e se ajoelhou atrás de mim. —Ainda não terminei com você, princesa. Não pense em se mover. Ele não precisava se preocupar com meus pensamentos, exceto querer sentir seu pau dentro de mim. Eu o ouvi abrir um pacote de preservativo, e eu estava tentada a dizer para não usá-lo, mas mais do que tudo eu queria que ele me fodesse e ele poderia me fazer esperar mais se eu desobedecesse a regra de não falar. Um momento depois, senti sua ereção esfregando minha bunda, dura e grossa. Ele estendeu a mão e pegou meu cabelo em um punho, puxando minha cabeça para trás com força o suficiente para fazer arder meu couro cabeludo. —O que você quer? —Perguntou ele. —Fale. —Eu quero que você me foda. —Sussurrei sem hesitação. —Duro. Agora. —É? Você quer ser fodida duro? —Ele puxou mais ainda meu cabelo, e eu estremeci. —Sim. —Eu disse com os dentes cerrados. Deus, se minhas mãos estivessem livres, eu o forçaria a fazê-lo, iria agarrá-lo, puxá-lo para dentro de mim. Mas Lucas tinha todo o controle, e puta merda, ele tinha paciência.


Ele me provocou com a cabeça de seu pau entre minhas pernas, esfregando-o sobre minhas dobras molhadas e inchadas e deslizando-o apenas alguns centímetros antes de puxar de volta. Ele deslizou-o entre minhas nádegas, murmurando palavras de louvor ao meu traseiro quente e apertado. Ele segurou meu cabelo com uma das mãos e alcançou um seio com a outra, apertando meu mamilo e rolando entre os dedos. Ele sussurrou coisas sacanas para mim, dizendo como era uma garota boa, o quão duro eu deixei seu pau, como ele ainda podia provar minha boceta nos seus lábios, o quanto ele queria me foder assim o dia todo. Quando eu estava de novo perto das lágrimas, ele finalmente empurrou para dentro de mim, e a sensação foi tão magnífica que eu realmente olhei para o céu e agradeci a Deus. —Fale comigo. —Lucas respirava com força, movendo uma das mãos para o meu quadril e mantendo a outra enrolada em meu cabelo. —Diga-me o que você gosta. —Oh, Deus. — Eu não estava segura de poder conversar, meu corpo estava novamente fora de controle. Ele puxou meu cabelo. —Deus não está aqui. —Lucas. —Eu lambi meus lábios e arqueei minhas costas, meus braços esticados sobre minha cabeça. —Sim, sim, sim, assim. Adoro seu pau dentro de mim. Eu adoro o jeito que você me enche, me estica e me fode. Você é tão grande, duro e malditamente perfeito. Ele gemeu, empurrando para mim cada vez mais rápido. —Eu adoro o jeito que você se move. —Continuei, lutando para manter minha voz em um sussurro. —Isso me deixa tão molhada. Eu amo o som que seu corpo faz contra o meu quando você me fode assim. Isso me faz querer gritar. Ele deixou cair meus cabelos e me pegou por ambos os quadris, cavando os dedos na minha carne e empurrando-me de volta para ele com um ritmo feroz e selvagem. Eu não podia vê-lo, mas imaginei o que


nós parecíamos: Lucas ainda estava vestido, sua camisa branca aberta no pescoço, calça ao redor dos joelhos; eu amarrada a cabeceira da cama, nua, só com os meus saltos. Estava tão quente e ele estava me fodendo tão forte e eu estava tão molhada que tudo dentro de mim começou a apertar e a puxar e, quando o fervor de Lucas atingiu seu ponto de ruptura, abaixei meus joelhos e mergulhei tão longe quanto pude para levá-lo mais profundo. Ele empurrou para a borda e se segurou bem fundo em mim quando gozou, ofegante e grunhindo enquanto latejava. Minha boca abriu com incredulidade quando ele alcançou em volta de mim com uma das mãos e esfregou círculos rápidos no meu clitóris, fazendo meu interior apertar e espasmar. Inacreditável. Porra Lucas, respirando tão pesado como estava, inclinou-se para frente e deixou cair a testa nas minhas costas. Seu cabelo fazia cócegas na minha pele e eu estremeci. —Uhh. —Sua voz era fraca. —Sim. Isso é tudo o que tenho também. Ele beijou minha coluna. —Você é incrível. —Ei, foi tudo você. Eu estava amarrada o tempo todo. E amando cada minuto disso. Rindo, ele se afastou de mim e levantou. —E tão tentador como é deixá-la ai porque você parece tão bem, me dê um segundo e vou te desatar. Entrou no banheiro por um momento, depois apareceu ao meu lado com a calça fechada e sem camisa. Depois de me desamarrar, ele esfregou meus pulsos antes de levá-los aos lábios e fechou os olhos. O gesto foi tão doce, que fez minha garganta apertar. —Eles não doem. —Eu não queria que ele pensasse que tudo isso não foi incrível para mim.


Jessica. Sua cadela tola. Ele abriu os olhos, mas não tirou os lábios da minha pele. Eu sorri. —Juro. Só então ouvimos um grito e um enorme espirro de água pela janela. —Alguém foi jogado na piscina? —Adivinhei. —Parece que sim. Você quer descer e se juntar a eles? —Nunca uma pergunta foi feita com menos entusiasmo. —Você está brincando? —Me estiquei prendendo um cacho de cabelo atrás da orelha e pulei para frente. —Não há um lugar onde eu prefiro estar além daqui. —Olhei por cima do meu ombro para os meus pés. —Embora eu gostaria de tirar esses sapatos. Ele sorriu. —Tire-os. A punição acabou. Saí da cama e tirei meus sapatos. —Lucas, você ainda pode dar uma punição mesmo se a pessoa gostar disso? Porque eu gosto. As sobrancelhas dele subiram. —Oh sim? Talvez eu tenha que pegar o chicote na próxima vez. Eu congelei. —Você realmente não tem um chicote, não é? —Embora francamente, eu deixaria Lucas fazer qualquer coisa que ele quisesse comigo. Eu confiava nele. Ele sorriu e pegou seu scotch. —Não. Mas conseguiria um se você quisesse. Talvez você gostasse de me chicotear. Você ficaria impressionante em uma dessas roupas de dominatrix. Eu sorri maliciosamente. —Vou adicionar isso à lista de roupas.

#


Passamos a manhã seguinte visitando a família de Lucas e a tarde na piscina novamente. Mais tarde, quando tínhamos sol e cloro o suficiente, ele encontrou um cobertor e fizemos um piquenique de frutas, pães e queijos no olival. Depois de comermos, bebemos vinho e li as cartas de amor de Abelardo e Heloise em voz alta para Lucas, que deitou com a cabeça no meu colo enquanto eu me apoiava contra uma oliveira. Era totalmente perfeito. Tão perfeito que comecei a me sentir desconfortável com a paz que estava com o fato de que essa coisa com Lucas, seja lá o que fosse, teria que acabar em breve. Tão perfeito que toda vez que ele abriu a boca para falar, segurei a respiração, esperando que ele mencionasse algo sobre me ver novamente. Tão perfeito que, quando notei que Lucas tinha dormido, abaixei o livro e estudei seu rosto, sentindo a necessidade de memorizar todas as suas características. A maneira como uma sobrancelha se elevava mais do que a outra. A maneira como sua barba cobria as covinhas que apareciam quando ele sorria. Os lábios carnudos e o queixo quadrado. Os cílios escuros que se abaixavam em direção a maçãs do rosto cinzeladas. Ah Merda.

Cinco pensamentos inapropriados que tive no bosque de oliveiras.

1) Seu rosto é tão lindo, e eu o montei na última noite! 2) Imagino quando poderei fazer isso de novo. 3) Seria grosseiro acordá-lo para transar? 4) O que diabos vou fazer quando tiver que ir para casa para a minha vida real? 5) Eu vou sentir tanto a falta dele.


Uma brisa quente soprava os cachos sobre sua testa, e eu os escovava de novo e de novo, finalmente admitindo pra mim o que eu estava tentando negar. Eu vou sentir falta dele porque estou apaixonada por ele. É louco e estúpido, nada prático e totalmente rápido e limitado para acabar mal, mas é real. Não importava o que eu chamasse: amigos com benefícios, foda casual, coisa de rebote... o que importava era o jeito que eu me sentia quando estava com ele. A maneira como ele me fazia sentir como se eu pudesse fazer qualquer coisa, dizer qualquer coisa, ter qualquer coisa que eu quisesse. Ele estava me ensinando coisas sobre meu corpo e desejos que nunca soube que tinha. Ele estava me ensinando sobre a beleza da vida por enquanto. Ele estava me ensinando a não me preocupar tanto com o que as coisas pareciam, o que as outras pessoas pensavam, o que eu pensava que deveria ser. Adorava quem eu era quando estava com ele. E eu o amava. Uma dor enraivecida no meu peito começou a crescer, e imaginei isso como uma semente vindo das videiras negras brotando em todas as direções, apertando meu estômago, pressionando meu coração, sufocando minha garganta. A dor se espalhou por todo o meu corpo, fazendo meus membros pesarem. Antes que eu pudesse detê-la, uma lágrima escapou e deslizou pela minha bochecha, seguida por várias mais, uma das quais mergulhou na testa de Lucas. Eu funguei e Lucas se moveu. Ele abriu os olhos e olhou para mim. —Desculpe, caí no sono. Sua voz é tão reconfortante. Você chegou a uma parte triste? Eu assenti. Limpando meus olhos, forçando-me a alegrar. —Desculpe, estou um pouco emocional.


Ele se sentou e se moveu para o meu lado, apoiado contra a árvore e colocando o braço em volta dos meus ombros. —Você não precisa se desculpar comigo. —Nós nos sentamos assim por um momento antes de falar novamente. —Ouça, nem pensei que uma festa de noivado fosse um pouco difícil para você, e eu deveria ter imaginado. Vou entender totalmente se você não quiser ir. —O quê? Não. —Sua voz estava tão preocupada que coloquei uma das mãos na sua perna. —Não é isso, Lucas. Eu não estou... não tenho problema com a festa de noivado. Eu quero ir. De verdade. —OK. —Ele não pareceu convencido, mas não discutiu. Me apoiei com o braço pra trás, fechei os olhos e respirei fundo, envergonhada de ter sido atraída a chorar e rezar para lutar contra o resto das lágrimas esperando para cair. —Sou eu então? —Ele perguntou. Meus olhos se abriram. Não diga a ele. —O que você quer dizer? Contra minhas costas, senti seu peito se expandir. —Você está chateada. Eu fiz alguma coisa? —Não, claro que não. —Eu pisquei, muito nervosa para olhar para ele. Ele saberia que estava mentindo se visse meu rosto. —Espero que a noite passada não tenha sido demais para você. Você é tão linda e eu me perdi... —Não. Lucas. —Eu me virei para encará-lo e puxei minhas pernas para debaixo de mim, sentando em meus calcanhares. Ele veria a tristeza no meu rosto, mas não podia deixar que ele pensasse que era por causa do que fizemos na noite passada. Nós ficamos até a metade da noite fazendo todos os tipos de coisas divertidas, incluindo jogar damas nus, beber scotch um do corpo do outro, e tomar um banho na banheira de hidromassagem, então ele me deixou amarrá-lo a uma cadeira e fazer todo o tipo de coisas para o seu corpo, tudo o que eu queria.


E ele obedeceu a todos os meus comandos. —A noite passada foi incrível. —Eu disse. —Eu juro a você, adorei cada minuto. Ele pareceu aliviado. —Tudo bem. Eu também. —Ele mudou a posição e ajustou sua calça. —Só de pensar nisso está me deixando duro. Olhando para baixo, sorri. —Eu posso ver. —Então você não vai me dizer qual é o problema? Eu te amo. Esse é o problema. Eu balancei minha cabeça. —Não. Porque não importa. O que importa é aproveitar esse momento aqui com você. Ele se aproximou, jogando-me de costas e deitando em cima de mim. —Estou aproveitando esse momento. Mas apreciaria ainda mais sem a minha calça Eu sorri para o desejo insaciável dele. —Você é um demônio, você sabe. E eu acho que somos visíveis da casa. —Totalmente visíveis. —Mas ele baixou os lábios e me beijou, abrindo a boca sobre a minha e encontrando minha língua com a dele. Eu envolvi meus braços nele, beijando-o de volta com um desespero que ele deve ter sentido, mas não questionou. Deus, como ele poderia ser tão indiferente assim? Senti que meu mundo ia se partir em quatro dias, e nada parecia incomodá-lo sobre o adeus. Eu tinha inveja de sua capacidade de estar tão satisfeito pelo presente que o futuro, mesmo o futuro próximo, não o afetava. Porque ele sabe, Mia. Ele sabe o que é isso e ele nunca fingiu que fosse mais do que é. Coloque isso em sua cabeça e mantenha-o lá. Lucas levantou a cabeça e rastreou minha boca com um dedo. —Eu adoro seus lábios, eu já te disse isso? Mas antes de decidir que


minha família não vai se importar se verem um show aqui, é melhor entrar e começar a se preparar para a festa. —Ok. É isso aí. Agradável. Jogo leve. Apenas um bom momento. Quando caminhamos de volta para a casa, levantei a cesta de piquenique com as duas mãos, talvez fosse bobo, mas não queria que Lucas segurasse uma. Esses eram os tipos de coisas que tinham que parar. E quando voltarmos para Paris, teria que ficar no meu próprio quarto de hotel à noite. Inferno, talvez eu devesse passar os dias sozinha também. Eu tinha que me acostumar a estar sem ele. Porque mesmo que ele não fosse o tipo de se preocupar com o futuro, eu era. Isso não mudou. Tão divertida quanto eu era com Lucas, eu ainda era a mesma pessoa por dentro, e assim como Jessica, queria coisas na minha vida que ele não podia dar. Comparar-me com ela era uma merda , mas eu sabia de onde isso estava vindo. Eu já tinha vinte e sete anos. Eu faria vinte e oito no outono. Talvez fosse bobo colocar uma linha de tempo na minha vida, mas assim é como eu era. E se ele não estava disposto a mudar por uma mulher que ele amou por três anos, ele não mudaria por mim. Eu não era tão estúpida. Eu só esperava que pudesse encontrar alguém com quem tivesse uma química tão grande, alguém que quisesse me fazer essa promessa. E que me deixasse amarrá-lo e chupá-lo antes de ajoelhar-me sobre seu rosto. Senti vontade de rir e chorar ao mesmo tempo. Meus olhos começaram a encher novamente e eu tive que olhar para o chão e piscar furiosamente para que as lágrimas recuassem. Lucas abriu a porta de trás para mim e sorriu enquanto passava por ela, mas seu rosto ainda estava com uma expressão preocupada. Eu teria que fazer um trabalho melhor se quisesse convencê-lo de que tudo estava bem. No andar de cima, fiz uma lista.


Instruções para a Noite 1) Sem gestos afetuosos que digam “potencial relacionamento”. Isso inclui mãos dadas, toques no cabelo, beijos na testa. 2) Sem fantasias sobre um futuro com ele, especialmente sobre tudo relacionado a compromissos ou casamentos. 3) Sem lágrimas, caras franzidas ou admitir o que está errado. Se ele perguntar, você continua a dizer nada ou, se necessário, minta e diga que é coisa do casamento, afinal. 4) NÃO faça planos para quando voltar para Paris. Se ele tentar, trave seus dentes, convoque sua força de vontade e sugira talvez gastar algum tempo sozinha. Liste algumas atrações em lugares bem altos que você deseja ver. 5) Nada mais de sexo. Na verdade, eu realmente não coloquei essa lá. Ninguém tem esse tipo de força de vontade.


Capítulo 19

A festa de noivado de Gilles e Lisette foi o tipo de evento que eu gostaria de planejar. Na verdade, tirei uma tonelada de fotografias durante a noite e fiquei animada quando pensei em mostrá-las a Coco. Na minha cabeça, fiz uma lista dos locais possíveis onde um casamento estilo provençal ao ar livre poderia ser possível, embora a recriação da aparência desse lugar seja um desafio. As cores, a luz, os aromas, as texturas, os sabores... eram todos tão particulares para esta parte do mundo. Mas havia coisas que eu podia imitar: as mesas para quatro com poltronas, as lindas toalhas de renda, a lavanda e as flores silvestres nas mesas. Isso me ocupou durante a maior parte da noite, o que foi bom. Eu precisava de algo para tirar meu pensamento de Lucas, cuja aparência em um terno de verão claro, camisa azul-claro e a gravata rivalizava com o cenário. Seu rosto estava limpo esta noite, sem barba, e eu lutei contra o desejo de esfregar minha bochecha contra seu queixo muitas vezes. E o desejo de lamber. Sim, eu também tinha esse. Eu mantive um fluxo de conversas sobre meu trabalho para evitar quebrar, e ele ouviu com interesse, nunca reclamando enquanto eu vagava com minha câmera. Mas a pose de “Estou totalmente bem, de verdade”, estava tirando tudo de mim, estava exausta quando todos se sentaram para o jantar, sem ter certeza de quanto tempo poderia manter o fingimento. Nós nos sentamos com a família em uma mesa longa, e a refeição parecia adorável, mas eu não estava com fome. Coloquei um pouco de comida, mas estava principalmente apenas a mexendo no meu prato. Durante a sobremesa, Lucas me perguntou se eu estava bem. —Claro. —Pegando minha taça de vinho, tomei um grande gole.


—Você parece quieta. —Ele disse, passando um dedo sobre a alça do meu vestido rosa. Abaixei a taça. —Apenas pensativa. —Sobre o que você está pensando? Não se atreva, Mia Devine. Não se atreva. —Uh... —Tomei outro gole de vinho, o que me deu tempo para pensar numa resposta permitida. —O que resta na lista de Paris, na verdade. Só vou ter três dias depois de voltar daqui, na verdade só dois e meio, dependendo do horário em que o trem chegar. —Minha voz me pareceu muito natural. —Está certo. Você vai embora terça-feira, né. —Sim. De volta à realidade. —Sorri brilhantemente, como em um comercial de creme dental. Seus lábios se curvaram, mas não era o sorriso habitual dele. —Eu acho. Eu tenho que trabalhar no The Beaver sábado à noite, então... —Tudo bem. —Cochichei. Vamos, Mia. Mais entusiasmo, você pode fazer isso. —Agora que você me mostrou como dar uma volta, vou ficar bem sozinha. Não se preocupe. —Eu só ia dizer que podemos pegar um trem mais cedo amanhã. —Com olhos preocupados, Lucas me estudou com atenção. —Mas... você quer dizer que não quer sair mais comigo quando voltarmos para Paris? Mais vinho. É isso aí. Drenar até a última gota . —Uh, não, não exatamente. —Toquei a haste da minha taça vazia. —Eu só quis dizer que você não precisa mais bancar o guia de turismo. Eu posso fazer as coisas sozinha. Silêncio. —É isso que você quer? Claro que não, seu bobo.


Abri a boca para continuar com a performance da noite, uma que merecia o Oscar, mas Lucas arruinou tudo respondendo a sua própria pergunta. —Porque ficarei muito triste se for. Ah não. Ai Jesus. Chegavam as lágrimas. Desesperada, olhei ao redor da mesa. Onde diabos foi parar a garrafa de vinho? O resto da família estava envolvida em conversas e não percebeu o drama que se desenrolava entre nós, mas eu sabia que se eu não me levantasse e saísse, a barragem dentro de mim romperia. —Mia? —Lucas pegou a minha mão. —Desculpe. —Empurrando minha cadeira para trás, saí e passei pelas outras mesas, atravessando o deck da piscina e fui para o outro lado da casa. No escuro corri, fazendo minhas pernas correrem o mais rápido que pude de salto alto, grata por ter corrido no colégio e ter mantido o hábito de fazer exercício. Através do jardim, alguma vez você tentou correr no cascalho? Isso é uma merda e isso estando com tênis, além da fonte, até a parte de trás do olival. Corri tanto que não pude nem chorar, pulmões ameaçando dividir de um lado a outro, uma leve dor na minha lateral. Quando cheguei à beira da vinha, caí contra uma antiga construção de pedra. Apoiando minha bochecha na superfície fria e áspera, bati a base da minha mão na pedra e solucei. Eu chorei tanto como quando Tucker cancelou nosso casamento, e o pior de tudo era que eu me sentia ainda mais triste. Ao contrário das lágrimas que chorei anteriormente, estas eram alimentadas apenas por um coração partido, sem raiva ou arrependimento ou vergonha para diluí-las. —Mia! —A voz de Lucas ecoou pelo bosque. Ele poderia me ver? Eu abafava meus soluços, mas um momento depois, ouvi seus passos rápidos e então senti sua mão nas minhas costas. —Mia, oh meu Deus. Você está bem? Venha aqui, por favor.


Talvez fosse um erro, mas deixei ele me girar em seus braços e continuei a chorar silenciosamente em seu ombro por um minuto. Ele me segurou forte, esfregando minhas costas, sem dizer nada. Quando meu tremor diminuiu, ele me balançou gentilmente e beijou minha cabeça. Levantei meu rosto encharcado de lágrimas do seu peito e ele beijou cada uma das minhas bochechas molhadas. Então minha testa. Pare de fazer essas coisas doces. Eu já estou apaixonada por você e você está piorando. Mas eu não podia dizer nada, porque sua boca estava na minha, e seus braços estavam ao meu redor e nossos corpos pressionados de uma maneira que transformou minha desesperança em desespero, tornando-me gananciosa pelo que ele poderia dar. Eu queria isso. Eu queria agora, e eu não me importaria com o preço. Saltando, envolvi minhas pernas ao redor de sua cintura e beijei-o com um desejo feroz, enfiando minhas mãos em seu cabelo, mordendo o lábio, ofegando por ar. Suas mãos tatearam meu traseiro e me moveram contra ele, e eu podia sentir seu pau empurrando contra mim através de suas roupas. Não é o suficiente. Não é o suficiente. Ele me apoiou no muro de pedra, e eu sabia que perderia meu juízo se não pudesse tê-lo dentro do meu corpo. —Lucas. Eu quero que você me coma. Agora. —Pedi contra seus lábios. Ele não lutou contra isso. Deixando minhas pernas caírem no chão, ele desabotoou a calça enquanto eu arrancava minha calcinha. Em dois segundos, ele levantou meu vestido e me levou de volta para onde eu estava contra a parede, só que desta vez seu pau nu estava entrando em mim. Nossas bocas a centímetro uma da outra, dentes a mostra, respiração ofegante. Minha paixão por ele era tão imensa que senti como se minha pele não pudesse contê-la, como se eu pudesse explodir com ela. Cada minuto juntos foi incrível, mas isso era diferente. Eu estava frenética e em pânico, impulsionada tanto pela angústia quanto pela excitação.


Parece como se fosse a última vez. Parece ser um adeus. E se for? E se for? Eu me agarrei a ele que se moveu comigo duro e rápido, então me puxou fortemente para o corpo dele, me esmagando contra ele. —Oh, Deus, Lucas. —Falei freneticamente. —Eu vou... —Eu quero você. —Ele resmungou. —Eu quero que você goze no meu pau. Eu quero sentir isso. Então vou gozar em você tão forte. Minha cabeça bateu contra a pedra quando meu clímax me atingiu, e com cada contração do meu corpo em torno dele, as palavras pulsaram pela minha cabeça... Porra, sim, oh, meu, Deus, certo, você é, porra, incrível, eu, não consigo ter o suficiente... Ele rosnou e me prendeu mais forte contra a parede, deixando o rosto no meu pescoço e me preenchendo completamente. Eu o senti, senti o pulsar do seu orgasmo como se fosse meu, e eu o agarrei com minhas pernas e segurei sua cabeça em minhas mãos, meu coração batendo no meu peito. Abri os olhos e olhei para o céu. Eu via estrelas que ainda não nasceram. Deus, eu te amo. E então aconteceu. Estava na minha cabeça um segundo e nos meus lábios no outro. Era como um filme, onde você sabe que a heroína vai fazer algo estúpido e tudo fica em câmera lenta, você grita nããããoooo! —Deus, eu te amo. Assim que as palavras saíram, eu congelei. Lucas levantou a cabeça. —O que? —Oh, meu Deus. —O embaraço me inundou, minhas bochechas estavam vermelhas de vergonha. —Oh, meu Deus, não quis dizer isso.


—Espere. —Ele fechou os olhos por um segundo. —Você não quis dizer isso? Ou você não pretendeu dizer isso? —Eu-eu... —Eu gemi em uma agonia horrível e humilhante. —Estou apenas um pouco sobrecarregada agora. — Olhei para onde nossos corpos se uniam. —Eu não consigo pensar. Talvez possamos ter essa conversa, hum... Abaixando os pés no chão, ele saiu de mim e imediatamente senti o fluxo quente escorrer pela minha coxa interna. —Oh, porcaria. — Eu segurei meu vestido longe das minhas pernas. —Me desculpe por isso. Uh, quer que eu pegue um lenço ou algo assim? Eu balancei minha cabeça. —Não, está ok. Mas você acha que posso entrar na casa sem ser vista? Preciso trocar o vestido e provavelmente deveria limpar o rosto também. —Eu nem queria pensar sobre o aspecto da maquiagem dos meus olhos. —Sim, acho que podemos levá-la para a casa sem ser vista. Mas Mia... — Ele passou a mão no cabelo dele. —Nós precisamos conversar. Olhei por cima do ombro para além da vinha, como se estivesse me afastando dessa parede e indo na direção de Paris a pé. —Sim. Oh Deus. Como diabos eu vou me explicar?

#

Em nosso quarto, pendurei o vestido sujo no armário e me troquei para o que usei na noite passada. Eu também tirei os saltos em favor de ir descalça. No banheiro, esfreguei o rosto e espirrei com água fria, mas meus olhos ainda pareciam um pouco inchados. Eu cobri com a


maquiagem tanto quanto pude, arrumei meu cabelo e voltei a aplicar meu lápis labial. Ok, pense. Como vou sair dessa? Eu tinha duas opções, o melhor que eu poderia dizer. Eu poderia ser honesta e dizer que eu tinha sentimentos fortes por ele que eram confusos e esmagadores, ou eu poderia fingir que era apenas uma reação emocional ao sexo e tentar rir. Talvez eu possa tentar lê-lo primeiro. Ele não pareceu tão assustado. Talvez minha dignidade possa ser recuperada, embora Jesus, ela tenha sofrido uma surra ultimamente. Lucas me encontrou no início da escada e me entregou uma taça de vinho tinto. —Aqui. É um dos nossos. —Obrigada. —Se ele fosse partir meu coração, pelo menos teria um bom vinho. —Então pensei que talvez nos sentarmos junto à piscina? Não é muito barulhento por lá. —Lucas segurou a porta e pegou meu cotovelo quando caminhamos em direção à piscina. No pátio, ele escolheu uma espreguiçadeira com uma vista da festa, onde os amigos de Gilles e Lisette ainda permaneciam desfrutando da sobremesa e das bebidas. A música tocava nos alto-falantes externos, Dark Paradise de Lana Del Rey, uma música que eu gostava no passado, mas agora parecia um mau presságio. Eu me deitei e cruzei minhas pernas no tornozelo, segurando minha taça de vinho perto da minha barriga. Lucas sentou-se ao meu lado e olhou minhas pernas por um minuto sem dizer nada. Oh Deus. Oh, foda-se. Foi demais. Eu o assustei e é aí que ele percebe que eu sou uma maluca em recuperação e me deixa como a um croissant quente. Respirei fundo e colei um sorriso. —Então, aqui é onde digo para você não prestar atenção a qualquer coisa que eu digo depois do sexo.


Ele olhou para mim com as sobrancelhas franzidas. —Por que não? —Porque eu abro a boca e as coisas mais loucas saem. —Coloquei uma mão no ar. —É totalmente embaraçoso. Ele balançou sua cabeça. —Você não deveria ter vergonha sobre o que você disse. —Bem, está um pouco tarde para isso, mas de qualquer forma, não quero que você pense nisso, ok? Eu estava apenas, humm... feliz. — Caramba, eu poderia tornar isso mais estranho? —Mia, qual é. —Ele enganchou uma mão debaixo de uma panturrilha e apertou. —Estes últimos dias com você fez a minha cabeça girar também... não sei o que fazer. Isso nunca aconteceu comigo antes. —Eu também. —Tomei um gole de vinho. —Mas, novamente, eu nunca estive no rebote antes. Lucas franziu o cenho. —O que você quer dizer com isso? —Bem, você sabe... ambos estamos apenas saindo de separações ruins. Quero dizer, eu deveria ter me casado na semana passada, e você recentemente terminou com alguém que você namorou por três anos. Eu acho que ambos deveríamos ter uma aventurazinha divertida. —Gole. Gole. —Isso não é uma coisa de rebote, Mia. Pelo menos não para mim. —Ele parecia tão ferido que quase deixei cair a guarda. —OK, talvez não rebote exatamente, mas seja o que for, eu sei que é só por diversão. Quero dizer, não é real. —Eu fui levar meu vinho para os meus lábios novamente, mas ele pegou a taça, colocou no chão ao lado dele e pegou minhas mãos. —Eu sinto algo real por você, Mia. Eu estremeci. —Por favor, não diga isso só porque eu tropecei e o “eu te amo” caiu. Você não precisa.


—Eu não estou apenas dizendo isso. Olha, eu continuo dizendo a mim mesmo que não deveria tirar proveito de você, que você está vulnerável e não está em condições de tomar boas decisões. Mas... não consigo parar o jeito que eu me sinto. Eu quero estar com você. —Ele estava falando sério. Eu podia ver. Ouvir. Sentir. Suspirei, deixando de lado o fingimento. —Lucas, você não está se aproveitando de mim. Eu sabia o que eu estava fazendo a cada passo. — Engasguei, encontrando minha garganta apertada. —E eu sei que tem que terminar quando eu for, então é difícil. —Por que tem que terminar quando você for? —Lucas apertou minhas mãos. —Eu vivo em Nova Iorque. Detroit não está tão longe. Você está dizendo que nunca mais vai me ver de novo? —É claro que quero ver você novamente. Mas o que isso traria de bom? Ele balançou sua cabeça. —Você não me entendeu. —Queremos coisas diferentes, Lucas. Eu sei que você pensará que sou louca por pensar muito adiante, mas eu quero me casar algum dia. Eu quero uma família. Eu quero uma casa, em algum lugar, onde quer que esse lugar possa ser. Você não quer essas coisas. —Mas você está falando sobre um “algum dia” no futuro distante. Você nem sabe quando isso será. Eu balancei minha cabeça. —Não é tão longe para mim. Eu vou fazer vinte e oito anos este ano, Lucas. Gostaria de começar uma família quando tiver trinta anos. Isso é daqui dois anos. —Por que você está colocando prazos em sua vida assim? —A raiva e a frustração estavam em suas palavras. —Por que você não pode simplesmente aproveitar a vida como ela vem? —Não é um prazo, Lucas, é um sonho. E é minha vida, ok? Só porque você não quer essas coisas não é errado eu querer.


—Eu nunca disse que era errado querer elas, eu simplesmente... — Lucas soltou uma das mãos e esfregou a nuca dele. —Deus, eu não entendo por que você tem que ter essa obsessão com o futuro assim. Você não sabe o que será, ninguém sabe. A vida pode acabar amanhã. Podemos desfrutar do que temos agora sem ter que ter uma hipoteca ou nomear nossos filhos ou comprar um cachorro. Eu sabia o que ele queria dizer, mas não podia viver assim. —Eu entendo o que você está dizendo. Mas para mim, o que precisamos agora é de espaço para crescer em algo mais, algo maior. —Coloquei uma das mãos no meu peito. —Eu sei que é difícil para você entender, mas fazer esse tipo de compromisso com alguém é importante para mim. Não precisa ser hoje ou amanhã, mas deve ser possível. Lucas suspirou e fechou os olhos brevemente. —Eu só quero passar mais tempo com você, Mia. Nunca senti esse nocaute por ninguém. —Sério? —Eu dei um tempo em ser forte e deixei o elogio ter um momento. —Sim. Você é incrível. Quero dizer, além de sua movimentação insana para planejar cada minuto os detalhes de sua vida do nascimento até a morte, você é a pessoa mais divertida com quem eu já estive. E você é linda, inteligente e engraçada e Cristo, você é gostosa na cama. Oh sim. Os elogios estavam me matando. —E na cozinha? Ele sorriu de lado pra mim. —E na cozinha. E na sala de estar. E no chuveiro, na vila e no pomar. No pomar. Caramba. Meu corpo tremeu involuntariamente. Ele pegou minha mão novamente. —Mia, eu posso ser eu mesmo com você, como nunca pude com mais ninguém. Posso ser eu completamente. Eu sabia exatamente o que ele queria dizer, porque eu senti isso também, mas não estava ouvindo o que eu precisava ouvir. Para evitar


pressionar um ponto sem esperança ou me dissolver em lágrimas novamente, fiz uma piada. —Você só está feliz, porque eu deixo você me amarrar. —Não, eu não. Bem, sim, estou, mas não era tudo o que quis dizer. — Ele inclinou a cabeça de um lado para o outro. —Eu acho que estaria mentindo se dissesse que o sexo não tem nada a ver com isso, eu adoro que você não tenha medo de nada. —Eu não tenho com você. —Eu disse honestamente. —Nem por um minuto. —E eu adoro que você é tão apaixonada, disposta e falante sobre o sexo, nunca estive com alguém como você que sabe exatamente o que quer e não tem medo de pedir. Ou pegar. —Ele passou a mão pela minha perna. —Estar com você é... —Ele balançou a cabeça. —Eu não posso descrever. Mas, meu Deus! Eu sorri com tristeza. —Não se preocupe, o sexo também tem muito a ver com isso. Eu acho que você me estragou por toda a vida. Ele apertou minha coxa. —Bom. Eu me deitei novamente, cruzando meus braços sobre meu peito. Falar sobre sexo não nos ajudaria, nós dois gostamos demais disso. A química era muito espetacular. —Não, Lucas, não é bom. Estou toda presa na maneira que eu me sinto em relação a você, mas queremos coisas diferentes, talvez não sexualmente, mas em última análise. Na vida. E nenhum de nós está disposto a mudar. —Cravei minhas unhas em meus braços. Diga-me que eu estou errada. Negue isso. Por favor. Lucas falou suavemente. —Eu simplesmente não vejo por que não podemos tentar fazer isso funcionar sem saber qual será o resultado. Eu acho que eu poderia fazer você feliz. Meu interior desmoronou. Deus, ele torna isso tão difícil. —Eu sei que você poderia Lucas. Mas cansei de namoro casual. Eu não estou interessada em apenas brincar, preciso saber que estamos caminhando


para algo. E talvez isso me torne uma louca, considerando o que acabei de passar, mas sou assim. —Meu lábio inferior estremeceu e meu estômago revirou. —E você não é. Diga que você mudará. Diga que eu valho a pena . Mas ele não disse nada. Um minuto inteiro marcado com Lucas olhando sua mão na minha perna em silêncio. —Eu estou errada? —Perguntei suavemente. Ele balançou sua cabeça. —Eu não quero fazer nenhuma promessa para você que eu não possa manter. Não seria justo, especialmente depois do que você passou. —Então é isso que vamos ter. —Balancei minhas pernas da cadeira. O dilúvio estava chegando, e eu queria deixá-lo para que pudesse ir chorar sozinha, mas ele pegou meu braço. —Por favor, Mia. —Sua voz quebrou, e quase me feriu. —Não vá. —Eu tenho que ir, Lucas. Eu vim aqui para me fortalecer, para começar a aproveitar a vida sozinha novamente. Em vez disso, eu me apaixonei por você, e saber que eu tenho que ir embora é o suficiente para me quebrar. Deixe-me ir, por favor. Não me deixe ir. Por favor. Mas ele deixou.


Capítulo 20

Subi as escadas, me despi e fui para a cama. Gostaria de dizer que eu permaneci forte e certa da minha decisão, mas a verdade é que eu chorei como um bebê durante as próximas três horas. Eu cometi um grande erro? Como ele poderia me deixar ir sem lutar por mim? Onde ele estava agora, de volta à festa? Meu estômago rodava. Eu podia ouvir a música perfeitamente daqui pela janela aberta. Ele estava dançando com alguma outra garota? Falando francês na sua orelha? Ele não dormiria nesta cama esta noite, aquela que eu pensava como nossa? Levantando, fechei a janela, fechei a cortina e me enterrei sob as cobertas. Eu puxei meu cabelo e encolhi meus joelhos, encharcando o travesseiro com lágrimas. Eventualmente, adormeci, porque acordei quando a porta do quarto se abriu. Abri um olho e vi que Lucas se despia, minhas coxas se apertando ao vê-lo tirar o terno e a gravata. Adoro seu corpo, os músculos esticados, a pele lisa, a maneira fácil como ele se movia. Ele pôs a roupa sobre uma cadeira e entrou no banheiro. Meu coração estava batendo rapidamente, mas tentei fingir dormir. Eu não conseguia mais falar. A porta do banheiro abriu e Lucas entrou na cama. Eu mantive minha respiração profunda e até mesmo, deitei de frente afastando-me dele, minhas mãos sob minha bochecha. Como ele está deitado? De frente pra mim? Longe de mim? De costas? Ele está me olhando? Ele vai me tocar? Eu não conseguia decidir se eu o queria ou não. Na verdade, é tudo uma grande mentira. Eu queria que ele me tocasse. Eu queria estar com ele mais uma vez e sabia com certeza que era a última vez. Pode não me fazer bem, na verdade, provavelmente me causaria sofrimento, mas se ele me tocasse, eu iria até ele. Depois de alguns minutos de silêncio, achei que ele tinha dormido e um suspiro alto me escapou. É isso mesmo. Acabou .


Um momento depois, o colchão se moveu e senti lábios macios no meu ombro. Descansando lá, enviando arrepios pela minha coluna vertebral. Uma das mãos se arrastou para o meu estômago. Um corpo quente embalou o meu por trás, e fechei os olhos com alegria. Outra mão escovou os cabelos do meu pescoço e os lábios varreram e apertaram beijinhos abaixo da minha orelha. A mão na minha barriga deslizou sob minha camiseta e fechou sobre um seio. O meu mamilo respondeu ao seu toque, e ele acariciou-o levemente. Então o outro. Senti sua ereção endurecer e inchar na parte inferior das minhas costas, e minha mão se moveu para ele automaticamente, acariciando-o através de sua cueca boxers. Quando sua respiração aumentou, rolei de costas e olhei pra ele. O quarto estava tão escuro que não conseguia ler seus olhos, mas percebi a tristeza dele, bem como o desejo, e eu sabia exatamente como ele se sentia, como um poderia alimentar o outro. —Lucas. O que estamos fazendo? —Eu não sei. —Ele sussurrou, escovando os cabelos da minha testa. —Eu disse a mim mesmo para não tocar em você, eu sei que não é justo. Mas estou deitado aqui e sinto o cheiro da sua pele. E não pude não provar você. —Eu quero que você me toque. —Peguei a bainha da minha camiseta e puxei sobre minha cabeça, e ele colocou a boca nos meus seios. Dirigindo meus braços sobre minha cabeça, eu me arqueei debaixo dele, querendo oferecer cada centímetro da minha pele para ele provar. Ele beijou o caminho pela minha barriga e puxou minha calcinha. —Devo pegar um preservativo? —Não. —O peguei e puxei para cima de mim. —Eu quero te sentir. Mais perto. Nós fomos lentos desta vez, saboreando cada beijo, cada toque, cada palavra silenciosa e a respiração. Nós corremos nossas mãos e bocas sobre os corpos um do outro, nos comprometendo a lembrar a


curva de um ombro ou quadril. O arco das costas ou do pescoço. As linhas de músculo e osso. Finalmente, com os olhos presos um ao outro, nossas mãos cruzadas acima dos meus ombros, ele deslizou dentro de mim e se moveu em golpes profundos e sem pressa até que eu fiquei sem fôlego e tremendo, dividida entre tentar fazer isso durar e lhe dizer para me foder com força e rápido, para me fazer gozar, me encher. Minha mente queria retardar o tempo enquanto meu corpo desejava correr para a libertação. Não é realmente um problema ruim para se ter. Eventualmente, meu corpo venceu e implorei descaradamente o que eu queria. Ele me deu tudo. Quando nos esgotamos, uma suave luz cor-de-rosa brilhava através das cortinas cintilantes. Adormeci num travesseiro úmido com lágrimas, implorando ao sol para não se levantar.

#

Lucas e eu falamos muito pouco no caminho de volta para Paris. Adormeci no trem, acordando apenas uma ou duas vezes para ver Lucas olhando pela janela, uma expressão grave no rosto. Eu sabia que ele não queria dizer adeus hoje, mas acho que ele entendeu por que eu precisava. Na verdade, eu estava debatendo em telefonar para Erin e ver se sua mãe me ajudaria a mudar minha passagem para que eu pudesse ir para casa, amanhã. Ficar aqui mais três dias sabendo que Lucas estava nas proximidades seria muito difícil, não confio em mim mesma para me afastar dele. Muitas vezes tive que apertar meus olhos para combater as lágrimas que ameaçavam constantemente me desfazer. Aguarde até


chegar ao seu quarto. Você pode se esconder, beber vinho e comer pain au chocolat até que seja hora de ir. Ou até você explodir, o que vier primeiro. Quando o trem entrou na estação de Paris, felicitei-me por voltar à cidade sem quebrar. Viu? Você conseguiu isso. Agora você precisa ficar forte por mais vinte minutos. Se apenas esses vinte minutos não incluíssem um adeus. —Você não precisa me levar de volta ao Plaza. —Eu disse a Lucas assim que saímos do TGV na Gare de Lyon. —Eu sei qual metrô tomar e ir sozinha. —Puxei minha mala e olhei em volta para obter um sinal para a linha que eu precisava, mas realmente eu estava apenas tentando evitar olhar para ele, e ele sabia. —Mia, por favor. Olhe pra mim. Relutantemente, encontrei seus olhos e senti minha determinação enfraquecer. Eu desviei o olhar. —Não posso Lucas. É tão difícil. Ele suspirou. —Então, é isso? Eu não vou te ver novamente antes de você partir? Eu balancei a cabeça, sem confiar na minha voz. —Eu quero muito te dizer o que você quer ouvir. —Mas você não pode. —Era um desafio. —Eu simplesmente não quero mentir para você. Maldita seja, por favor, apenas olhe pra mim? —Ele colocou a mão no meu queixo e me forçou a olhar em seus olhos. Eles estavam com raiva e tristes. —Você pode se afastar. Não vou impedir você. Mas estou te dizendo agora que tenho sentimentos por você e eu não quero que você vá. Eu sei que um relacionamento não seria fácil, eu sei que somos diferentes e sei que a distância não é muito divertida. Mas Jesus, Mia. —Seus olhos escuros brilharam. —Não podemos pelo menos tentar? Minha garganta estava tão apertada que pensei que minha voz fosse sair em um grito. —Eu quero dizer sim, Lucas. Mas estou com


medo. Eu depositei todas as minhas esperanças em uma pessoa antes, e ele me decepcionou. Eu não estou dizendo que você é parecido com ele. —Eu disse quando vi seus olhos ficarem indignados. —Estou apenas dizendo a verdade. E você sabe o quê? —Respirei fundo. —Você também está, e eu sou grata por isso. Não tenho vontade de fazer você dizer nada que não queira ou fazer qualquer promessa que você não possa manter. E talvez eu ainda tenha que me curar primeiro. —Meus olhos finalmente se encheram e algumas lágrimas caíram. Sua linda boca ficou em uma linha reta, enquanto ele limpava as lágrimas com os polegares. —Eu sei. Tenho certeza de que isso é demais para você, me desculpe. —Ele tirou as mãos das minhas bochechas e passou por seu rosto. —Eu realmente gostaria de tê-la conhecido em circunstâncias diferentes, Mia Devine. Mas não lamento nada que fizemos. Só que isso está machucando você. —Eu também não lamento. —Sussurrei. As pessoas corriam por nós e talvez até nos olhassem com pena, o que é mais triste do que uma despedida na estação de trem? Mas eu não me importava. Eu joguei meus braços ao redor de Lucas e o segurei forte, respirando o cheiro de lavanda e oliva, que ainda se agarravam à sua roupa e pele. Meu interior tremia. Eu estava tomando a decisão certa? —Você sabe meu número. —Sua voz era instável, mas seus braços ao redor das minhas costas eram firmes. —Eu não vou incomodá-la, mas se você me quiser para qualquer coisa... Eu acenei com a cabeça e ele me soltou, tomou meu rosto em suas mãos e beijou meus lábios trêmulos. —Você vai primeiro. —Ele sussurrou. —OK. —Eu funguei e ofereci um sorrisinho triste antes de sair no que eu realmente esperava que fosse a direção certa. Nunca vi um sinal. Sem sorte. —Mia?


Eu me virei para vê-lo incapaz de esconder aquele sorriso que eu adorava. —Você está indo no caminho errado. —Ele apontou na direção oposta, onde finalmente vi o maldito sinal. —Oh. —Com toda a dignidade que eu poderia reunir (que não era muita) virei minha mala e passei de novo. —Obrigada. Por tudo. —Foi um prazer. —Ele disse, me observando. —Todo o momento. Eu me obriguei a continuar. Foi a coisa mais difícil que já fiz.

#

Eu subi no trem para a minha parada com um braço sobre meu estômago dolorido e a outra mão encostada na minha testa. Fiquei feliz que houvesse um banco livre porque minhas pernas pareciam muito trêmulas para ficar de pé. Olhando para a minha mala entre meus joelhos, lembrei-me de respirar e tentei não pensar em Lucas sentado sozinho em um trem diferente, voltando para aquele pequeno apartamento que eu amava. Nunca mais o veria. Meu lábio inferior estremeceu. Fechei os olhos e implorei a Deus para me levar de volta ao meu quarto de hotel sem outra onda de lágrimas. Uma coisa era chorar sozinha em seu quarto ou mesmo em frente a um amigo, mas chorar sozinha na multidão não era algo que eu precisava para riscar numa lista. Jesus, meu orgulho não tinha sofrido o suficiente?


Apenas me segurando, fiquei atenta para a parada que eu queria, desci quando deveria e arrastei minha mala para o Plaza. No interior do elevador, alguns suspiros escaparam, e então um soluço. Apertando os olhos, tentei segurar minha respiração, o que acabou por fazer com que meus ombros se mexessem. Quando as portas se abriram no meu andar, passei por elas e desci pelo corredor, chorando abertamente. Eu procurei na minha bolsa pelo cartão-chave e empurrei-o para dentro. Quando a luz verde brilhou, abri a porta e explodi no quarto, preparada para me atirar na cama e chorar por horas. Imagine minha surpresa quando descobri que não estava sozinha.


Capítulo 21

Eu suspirei. —Tucker, o que diabos você está fazendo aqui? Você me assustou pra caramba! —A porta bateu atrás de mim e entrei no quarto, uma das mãos sobre meu coração batendo. Sem camisa, Tucker se levantou de onde estava sentado em frente a mesa, e entrei em pânico por um segundo, perguntando-me se havia alguma prova da minha aventura com Lucas no quarto. Por um segundo. Então lembrei que não precisava me importar. Foda-se ele. O que diabos é isso? —Olá para você também. —Tucker veio em minha direção e tirou minha mala da minha mão, movendo-a para o lado antes de me dar um abraço. —É bom te ver. Você está bem? Fiquei tão atordoada, que me deixei ser abraçada e o abracei antes de poder me impedir. Eu esqueci o quanto ele é alto. Seu abraço me puxou na ponta dos pés. Seu peito nu e musculoso deveria ter me excitado, mas não. Retirei meus braços dele. —É bom me ver? Você está de brincadeira? Que diabos é isso, Tucker? —Passando por ele, fui até a mesa e deixei minha bolsa. Meu coração estava batendo forte nas minhas costelas e não de uma maneira boa. Algo me chamou a atenção para a minha esquerda, e notei pela primeira vez o enorme buquê de rosas vermelhas na mesa de café. Elas não estavam lá quando eu saí. Girei e olhei para ele. —O que está acontecendo? Tucker se aproximou de uma mala de roupas preta na cama, abriu e puxou uma camisa de botão branca, que ele deslizou, mas não fechou os botões. —Eu sei que você está surpresa em me ver. —Disse ele. —E provavelmente não muito feliz, mas eu posso explicar.


—Eu espero que sim. —Entrei no banheiro procurando algum lenço, sequei meus olhos e assoei meu nariz. Argh, eu estava uma bagunça. No espelho, vi Tucker aparecer na entrada do banheiro. —O que está errado? Por que as lágrimas? Eu franzi o cenho. —Como se você se importasse. —Eu me importo, Mia. Venha aqui, por favor. —Ele pegou meu braço e me tirou do banheiro e levou até o sofá, onde gesticulou para que eu me sentasse. Além das flores na mesa, havia chocolates e uma caixa preta com uma fita branca. A caixa dizia Chanel. Puta merda. O que diabos está acontecendo? Tucker sentou-se ao meu lado, mas puxei meu braço para trás e coloquei as duas mãos entre meus joelhos. —Ouça-me, Mia. Eu sei que você está com raiva e você tem todo o direito de estar, mas por favor me dê uma chance para falar. — Eu nunca tinha ouvido esse tipo de tom suplicante de Tucker antes, mas isso só me deixou mais irritada. —Por que eu deveria? Eu não quero nada de você, Tucker. Nem essas flores, nem presentes, nem uma desculpa. —Mas eu mantive meus olhos na caixa da Chanel. Porra, como não ficar curiosa com o que estava lá dentro. —Eu sei que você não quer nada, e eu não a culpo. O que fiz foi imperdoável. Mia, você pode pelo menos olhar pra mim? Eu recusei. Na verdade, cruzei meus braços e me afastei dele. Ele suspirou e saiu do sofá, caminhou ao redor da mesa e caiu de joelhos aos meus pés. Até na melhor das minhas lembranças, ele nunca esteve de joelhos na minha frente desde a sua proposta. E nem tem uma plateia aqui. —Eu entrei em pânico. —Ele fechou os olhos e levantou as mãos. —Eu sei que não é desculpa, mas é a verdade. Entrei em pânico com o pensamento de um compromisso tão permanente, e não pensei ser maduro o suficiente para lidar com isso.


—E há quanto tempo você sabia que não poderia lidar com isso? A dúvida deve ter ficado à espreita por um tempo, mas você esperou até que estivéssemos há uma semana de nos casarmos e foi para Las Vegas e me deixou sozinha e humilhada para contar a todos! —Eu gesticulei de forma louca entre nós. —Nós poderíamos ter tomado essa decisão juntos, você sabe! Eu tinha dúvidas também! Ele piscou, surpresa evidente em seu rosto bonito. —Você tinha? —Sim, eu tinha. Mas estava muito presa em planejar o casamento para parar e pensar sobre elas. —Nós deveríamos ter fugido. Casado na praia no Tahiti ou algo assim. — Tucker estendeu a mão e esfregou meu joelho. —O que? Não! —Eu pulei do sofá e fui para trás dele. —Não era o casamento o problema. Éramos nós: você e eu. Nós não estávamos bem juntos, Tucker. Eu posso ver isso agora. E tanto quanto me dói dizer isso, você estava certo ao cancelar o casamento. A maneira como você fez é que foi uma merda, mas foi a decisão certa. —E se não foi? —Tucker se levantou, escovando sua calça preta. Ela parecia muito enrugada pra ele, será que ele acabou de sair do avião? —E se eu estivesse enganado em cancelar? —Você não estava. Deus, Tucker, não estávamos tão apaixonados! Quero dizer, talvez estivemos uma vez, mas se você vai se casar com alguém, você deveria se sentir como... —Eu parei. Eu sabia como uma pessoa deveria sentir, porque estava apaixonada por Lucas. —Como o que? —Tucker perguntou. —Como se não pudesse respirar quando a pessoa está na sala. Como se não pudesse estar perto o suficiente dela, não importa o quão difícil você tente. Como se explodisse, se você não pudesse mostrar a essa pessoa o quanto você sente por ela, e então você tem a explosão, juntos. —Explosão? —Tucker arqueou uma sobrancelha bem feita.


—Explosão. —Confirmei. —É chamado de orgasmo. Também acontece com as mulheres, você sabe e às vezes também acontece com homens e mulheres ao mesmo tempo. —Nós explodimos. —Tucker enfiou as mãos nos quadris e ficou indignado. —Nós explodimos toda vez. —Não. Você explodia. —Eu apontei para o peito dele. —Eu tive sorte de ter uma explosão ocasional, mas nunca aconteceu juntos. Nem parecia que você se importava. O queixo de Tucker se ergueu. —Isso não é justo, Mia. Eu não tinha ideia de que você não estava satisfeita. Você nunca disse nada sobre isso. —Como eu poderia? Assim que você terminava, você corria para o banheiro para se limpar! —Por que você não falou quando não estávamos na cama? —O rosto de Tucker estava um pouco vermelho. Bom, ele deve sentir vergonha. —Deus, eu não sei! Parecia que tínhamos uma rotina e você estava feliz com isso. Eu não queria balançar o barco. —Eu coloquei minhas mãos na minha cabeça. —Ahh, não importa de qualquer maneira, Tucker. Acabou. Ele me alcançou, mas eu me afastei. —Não diga isso, Mia. Deixe-me tentar de novo. Eu amo você, e eu posso fazer melhor. Eu joguei minhas mãos e gemi alto. —Não! Isso é tão frustrante! Poderíamos ter tido essa conversa há duas semanas, Tucker. Mas você deu o fora —Sinto muito por isso, eu realmente sinto. E eu vim até aqui para te implorar por outra chance. —Ele colocou as mãos juntas. Eu queria dar um tapa nele. —Quando você chegou aqui afinal de contas? Hoje? —Sim, cerca de dez da manhã. Onde você estava?


Eu o olhei diretamente nos olhos. —Eu fiz uma curta viagem ao interior. Ele largou as mãos. —Oh. Sozinha? Levantei meu queixo. Isso não era da conta dele. —Sim. —Isso não estava no seu itinerário, não é? Eu quase ri. —Não. Eu fiz alguns... ajustes no itinerário assim que eu percebi que estaria aqui sozinha. —Bem, agora estou aqui. —Ele veio em minha direção como se pudesse me abraçar de novo e eu levantei minhas mãos. —Não. Se você quer ficar aqui, está bem. Eu vou para outro lugar. Ou vou para casa. Mas não estamos juntos nesta viagem, Tucker. — Movi minhas mãos para frente e para trás entre nós. —Porque já não estamos juntos. —Por favor. Por favor, me dê mais uma chance, Mia. —Ele caiu de joelhos novamente, bem na minha frente e tomou meus quadris nas mãos. —Eu farei o que você quiser. Você quer ir ao aconselhamento? Tudo bem, eu irei. Eu ficarei mais aventureiro com você na cama. Eu apenas a tratei com cuidado porque eu sabia que queria que você fosse minha esposa, pensei que você gostaria disso. Eu coloquei você em um pedestal, aonde você pertence. Eu vejo a maneira como eles tratam suas mulheres na pornografia, e eu não quero ser assim. Eu revirei os olhos. —Há um grande meio termo entre pedestal e pornografia. —Vamos descobrir, Mia. Apenas diga que podemos tentar novamente, por favor. Eu quero que você seja minha esposa. Eu quero me casar com você. Quero a família da qual conversamos. Eu cruzei meus braços. —E por que dessa vez será diferente, hein? O que aconteceu que faz agora tão diferente de duas semanas atrás?


—Eu percebi o que seria a vida sem você. E eu odiei isso. —Ele olhou para mim com olhos azuis e quase senti minha resolução quebrando. Então ele inclinou a testa no meu estômago. —Sinto muito, amor. Por favor, me dê mais uma chance. O bater na porta nos assustou. Tucker ergueu a cabeça e olhou para mim divertido. —Você está esperando alguém? —Não. —Mia? —Gritou uma voz masculina através da porta. Minha respiração parou. Parecia Lucas, mas o que ele estaria fazendo aqui? E puta merda, que situação embaraçosa! Eu sabia que era melhor eu responder antes de Tucker. —Apenas me dê um segundo. Fique aqui. Eu corri para a porta, meus nervos tremendo. Quando a abri, era Lucas, ansioso e adorável. Antes de ter uma chance de dizer qualquer coisa, ele começou. —OK, aqui está o assunto. Não vou deixar você ir. Meu coração parou de bater por um segundo. —O que? Ele agarrou minha mão. —Eu não vou deixar você ir. Não estou deixando você sair da minha vida sem me dar uma chance para te fazer feliz. —Lucas, eu... —Apenas ouça. Eu cheguei até o meu apartamento vindo da estação de trem, o mais miserável de todos. Eu simplesmente continuava a pensar que você deveria estar ao meu lado. O mercado de pulgas está aberto hoje, e eu pensei: Oh, eu deveria levá-la. Ou eu pensei, ela queria ver um castelo, preciso levá-la a Versalhes antes de ela partir. Mas então eu percebi que não posso, porque você não vai me deixar. E eu senti isso como um soco no estômago. Não consegui respirar.


Olhei por cima do meu ombro. —Lucas. —Sussurrei. Na verdade, era mais como um gemido. —Eu não acabei. Porque então cheguei no meu apartamento, e foi uma merda. Não há nada lá que não me lembre de você: na minha cozinha, no meu sofá, na minha cama, no meu chuveiro. Nada. E eu percebi outra coisa, eu não posso deixar você ir. Eu não quero. E... —Mia, o que está acontecendo? Quem está à porta? Foi mais um daqueles momentos em que as coisas pareciam acontecer em câmera lenta, eu sabia que Tucker estava vindo atrás de mim, e eu aposto que o idiota nem sequer se importou em abotoar sua camisa, porque eu assisti os olhos de Lucas irem de calorosos para seriamente chocado. Ele deixou cair minha mão, e um segundo depois senti outra em meu ombro. —Querida? Quem é? —Uh... —Porra! O que eu deveria dizer? Não consegui afastar os olhos do acidente de trem que era Lucas quando percebeu quem estava no meu quarto de hotel e imaginou o motivo. Ele estava pulando para todas as conclusões erradas, mas minha língua estava presa no mesmo lodo que meu cérebro estava. Não podia pensar, não podia falar. —Eu não sou ninguém. —Respondeu Lucas, os olhos arregalados para mim. —Só um amigo. Mia, pensei que você gostaria de tomar café, mas vejo que você está ocupada. Esse deve ser Tucker? Jesus, ele estava me cobrindo. Que vergonha. —Sim eu sou. Tucker Branch. E você é? —Tucker, com uma nota de reserva em sua voz, estendeu a mão em direção a Lucas. —Lucas Fournier. Mia falou muito sobre você. Engoli. —Bom. —Eu podia ouvir o prazer no tom de Tucker. —Coisas boas, espero. Embora não consiga imaginar o motivo. Eu não fiz muito


para me orgulhar ultimamente. Mas vou remediar isso. —E o filho da mãe colocou um braço à minha volta. —Como você a conheceu? Saia! Saia de seus braços! Você está deixando Lucas com a impressão errada! Mas eu estava presa dentro do aperto de ferro de Tucker, e tudo o que eu podia fazer era implorar a Lucas com meus olhos para ir embora e me deixar explicar depois. —Uh, eu sou barman. Mia entrou no meu bar na primeira noite que ela estava aqui e eu recomendei alguns passeios pra ela. —A voz de Lucas era dura e vazia. —Agradável. Quais passeios? —Cemitério Père LaChaise. Notre-Dame. —Ele olhou pra mim enquanto falava, e toda a tensão e flerte romântico que tinham esquentado enquanto passamos esse primeiro dia juntos me atingiu com toda a força. Meu estômago se contorceu, e eu queria nada mais do que me soltar dos braços de Tucker e me lançar nos braços de Lucas. —O Museu Rodin. O Museu Rodin. A lembrança da tarde que passamos lá foi suficiente para me voltar a ação. Levantei o braço de Tucker de mim. —Sim, e eu amei todos eles. —Oh, você já foi? Bom, isso significa que não vou ter que ir a um museu com ela. —Tucker riu e bagunçou meus cabelos. —Ela adora essas coisas antigas e mofadas, mas eu não. Bem, obrigado por ter sido gentil com ela. Mia, você quer abrir seu presente agora? É da Chanel. —Tucker cantarolou. Nunca estive mais irritada com ele. Meu rosto estava ardendo de indignação. —Não. Tucker espere, por favor. Lucas... Mas ele já estava se afastando da porta. —Não há problema, Mia. Eu posso ver que você está bem agora. Eu vou deixar você ir. —E ele se afastou de mim e entrou no corredor em direção aos elevadores.


Capítulo 22

Não! Não vá! Eu coloquei minhas mãos na minha cabeça e respirei profundamente, furiosa comigo mesma, com Tucker, com o universo pelo momento ruim e por tudo o que acabou de acontecer: a desculpa de Tucker, Lucas aparece na minha porta, Tucker decidiu desempenhar o papel de noivo preocupado de repente. Eu bati a porta e girei sobre ele. —Você não pode simplesmente entrar aqui e esperar me ter de volta! — Gritei. —Você não merece uma segunda chance! —Todo mundo merece uma segunda chance, Mia. —Seu rosto escureceu. —Quem era esse, afinal? Algo aconteceu entre vocês dois? —Ele é apenas um amigo. —Eu disse miseravelmente. —Ele estava aqui para mim quando você não estava. —E ele voltou para mim. Ele disse que não podia respirar sem mim, e que não me deixaria ir. Mas ele deixou. Porque ele pensou que você estava de volta com Tucker! Gritou a voz interior, que de repente parecia estar do lado de Lucas. —Bem, estou aqui agora. —Tucker veio até mim e colocou as mãos nos meus ombros. —E eu prometo que vou compensar todo o tempo que não estava. —Ele colocou os lábios sobre os meus, e isso me repeliu. Eu virei minha bochecha. —Não. Tucker suspirou. —Que tal abrir seu presente? —Ele foi até a mesa e pegou a caixa da Chanel. —Eu fui direto para a loja, nem sequer vim ao hotel primeiro. Eu pensei que você estaria aqui, e eu queria surpreendê-la. —Ele trouxe a caixa pra mim. —Eu sei que não pode


compensar o que eu fiz você passar, mas eu só queria te mostrar que estou pensando em você e vou trabalhar duro para te ter de volta. Suspirei. Me virando, sentei-me no banco ao pé da cama. Ele colocou a caixa no meu colo e eu abri para encontrar uma bolsa de mão retangular rosa claro com uma costura cruzada em rosa escuro metálico e a assinatura da Chanel na aba e alça de corrente ouro. Era bonita. Mas eu não queria isso. —Tucker, é muito bonita e é um bom presente. Mas eu não posso aceitar. —Por que não? —Porque não vamos voltar a ficar juntos. —Não diga isso, Mia. Por favor. —Ele caiu na minha frente novamente. —Nós tínhamos tantas coisas planejadas. Eu ainda quero todas elas. Era apenas nervosismo, eu juro. Eu fui um idiota, e nunca te dei valor. Eu posso te fazer feliz, Mia. Olhei para o rosto dele, aquele que há apenas algumas semanas fazia o meu coração acelerar. Aquele que eu pensei que gostaria de ver todas as manhãs, todas as noites, porque era tão bonito. Mas os olhos azuis só pareciam gentis pra mim, e os cabelos bem arrumados era todo errado. A simetria perfeita do seu rosto parecia desinteressante, e mesmo o corpo alto e musculoso não tinha nenhum encantamento. Olhei para baixo no seu peito nu e senti apenas tristeza: por Lucas, por mim e até por Tucker, com essa tentativa equivocada de me ganhar de volta. Ele estava fazendo isso da melhor maneira que ele sabia, com flores, dinheiro e presentes caros, mas não era o que eu queria. Eu queria que ele dissesse: Claro, eu irei para um museu com você, é claro que vou levá-la ao mercado de pulgas, e aqui está o livro sobre o qual eu estava falando... Eu queria Lucas.


—Tucker, a resposta ainda é não. Você estava certo em cancelar o casamento. Nós não vamos nos fazer felizes. —Você nem está me dando uma chance. —Ele resmungou. —Eu vim até aqui para você. —Desculpe-me por isso, mas a resposta ainda é não. —Agora que eu encontrei minha voz, ela era firme. —Você pode ficar aqui se quiser, mas vou encontrar outro quarto para ficar. —Como você vai pagar isso? — Ele falou, se levantando. —Eu ficarei em outro lugar, então. —De repente eu estava com medo que ele me fizesse pagar a conta da suíte até agora. Como diabos eu pagaria por isso? —Tudo bem. —Tucker finalmente começou a abotoar a camisa. —Mas eu acho que você mudará de ideia. Você perceberá que ninguém pode tratá-la melhor do que eu, Mia. Você vai perder tudo o que meu dinheiro pode comprar. Você poderia ter uma ótima vida, uma vida fácil. Deus, eu realmente lhe dei uma grande impressão hein? Que eu me preocupava tanto assim com a riqueza? —Eu não quero uma vida fácil. Eu quero uma vida feliz. E não será com você. —Levantando-me, olhei ao redor da suíte. —Eu preciso de algum tempo para arrumar. Ele soltou os botões. —Não vá. —Ele disse, sua tática mudando de novo. —Tire algum tempo. Pense nisso. —Eu irei pensar bastante, Tucker. Você pode apostar nisso. Ele parecia satisfeito, provavelmente porque achava que nenhuma mulher realmente deixaria a vida com ele assim que ela pensasse mais. —Bom. —Posso pedir-lhe que me deixe sozinha enquanto eu faço as malas?


—Oh, uh... acho que sim. Eu vou até o restaurante. Como eu vou saber se, quero dizer quando, você mudar de ideia? —Ele mostrou o seu sorriso milionário pra mim. Dê um tempo, Tucker. Eu não sou mais essa garota. —Se eu não voltar aqui esta noite, então vou entrar em contato em Detroit. Ele empalideceu por um momento. —Você está indo para casa? —Ainda não sei, Tucker. Eu não sei o que estou fazendo. —Porra, essa era a verdade. Assim que eu arrumasse as minhas malas, não tinha ideia para onde ir. Tentar encontrar o Lucas? Apenas voar para casa? Encontrar um novo (e mais barato) hotel? Enquanto tirava minha grande mala do armário, Tucker usava o banheiro e acabava de se vestir. Antes de partir, ele beijou minha mão e disse: —Todo mundo merece uma segunda chance, Mia. Até mesmo eu. Isso era verdade? Enquanto eu dobrava roupas e embalava sapatos e artigos de higiene pessoal, perguntei se eu estava sendo muito dura com Tucker. Afinal, ele parecia sincero. Ele me ligou na semana passada, então voou até aqui, ele estava dizendo todas as coisas certas, bem a maioria das coisas certas. Ele era jovem, bonito e bem sucedido, e ele disse que me amava. Estava arrependido pelo que tinha feito. Ele queria as mesmas coisas que eu. Estaria louca em recusar uma segunda chance? Tão rápido quanto eu tive o pensamento, ele se dissipou. Porque mesmo que fosse verdade e ele merecesse uma, e o júri ainda estava decidindo, eu não queria mais uma vida com Tucker. Eu não o amava. Eu amava Lucas. Voltando para a cama, olhei para o teto e senti aquela dor no meu peito, aquela que ameaçava me desfazer sempre que pensava em nunca mais ver Lucas. Mas o que devo fazer? Eu precisava falar com alguém. Virando de lado, peguei o telefone e liguei no celular de Coco.


—Alô? —Oi. — Eu mal disse a palavra antes que os soluços começassem. —Oi! Oh meu Deus, o que há de errado? —Tudo. Está tudo tão fodido, Coco. Eu não sei o que fazer. —Eu deitei e senti lágrimas quentes escorrendo pelos cantos dos meus olhos. —Diga-me tudo, docinho. Respirei e lancei toda a história de Paris para Vaucluse e de volta, terminando com encontrar um Tucker arrependido na minha suíte. Ela ofegou. —Você deve estar brincando comigo! —Não. Ele estava aqui, sem camisa e arrependido e com presentes. —Eu disse com tristeza. —Sem camisa? —Ele estava se trocando. E então, no meio do seu discurso de desculpa por ter sido um idiota, Lucas bate na porta e me diz que não pode me deixar ir. —Oh meu Deus, Mia. Isto é como uma novela! —Eu sei. E antes que ele tivesse a chance de terminar o que estava dizendo, Tucker aparece com a camisa desabotoada, lembre-se e começa a agir como se estivéssemos juntos. E eu não sabia o que fazer! —Caíram mais lágrimas. —Agora, Lucas provavelmente pensa que aceitei Tucker de volta, mas não aceitei! Eu quero Lucas, mas não posso tê-lo! —Eu estava chorando tão forte que nem conseguia ver, e meu nariz parecia como o de uma criança de quatro anos de idade. —OK, Shhh, vamos conversar sobre isso. —Coco acalmou. —Tudo vai ficar bem. —Como? —Eu gritei.


—Vamos descobrir, amor. Deus, eu queria que Erin estivesse aqui. Ela é melhor em pensar nessas coisas do que eu, mas vou tentar pensar o que ela diria. Tudo certo. Primeiro você quer o Tucker de volta? —Não. —Fui taxativa sobre isso. —Você tem certeza? Mesmo que ele realmente esteja falando sério em querer mudar seu jeito e tentar novamente? —Mesmo assim. Eu não o amo mais. E você sabe o quê? — Eu funguei quando a compreensão me atingiu. —Eu o perdoo completamente. Eu não estou mais com raiva, e eu sei que ele fez o certo. Talvez o jeito é que foi uma merda, mas mesmo assim. Eu não teria tido força para fazer isso, e fico feliz que ele tenha feito. —Ok, assim está bom. Nenhuma raiva, o perdão é progresso. E agora, Lucas? Suspirei. —Eu acho que eu estou apaixonada por ele. De verdade. —Você está? Eu sorri através das minhas lágrimas. —Sim. Eu o amo. —Como você acha que ele sente? —Não tenho certeza. Quero dizer, ele não disse que me amava, mas ele meio que foi interrompido no meio do que soou como um discurso promissor. Mas Coco, ele não quer se casar. Ele não quer uma família. —Como você sabe disso? —Porque ele me disse. Mesmo antes de admitir termos sentimentos um pelo outro, ele disse que nunca vai se casar. E mesmo depois, quando falamos sobre o modo como nos sentimos, ele disse que não poderia prometer nada. —Bem, o que diabos ele teria que prometer? Eu pisquei. —O que você quer dizer?


—Quero dizer, você conheceu este cara, tipo há seis dias. —Cinco. —Certo, cinco. E você se apaixonou imediatamente, tão rápido que provavelmente nem teve tempo de respirar. Eu expirei. —Sim. Respirar aqui foi difícil. —E ele está te dizendo que tem sentimentos por você, sentimentos que ele nunca teve por ninguém antes, embora tenha namorado alguém há anos. E ele está disposto a tentar fazer isso funcionar entre vocês, mesmo que seja a longa distância e ele sabe que você odeia voar, o que significa que ele iria te ver muito. —Bem, sim, acho que sim, mas... —E você está esperando que ele processe todos esses sentimentos, diga-lhe onde vocês estarão um ano a partir de agora, ou mesmo seis meses a partir de agora, e fazer uma promessa para você que ele considerará o casamento antes que vocês tenham ao menos tentado namorar? Quando ela dizia assim, eu me senti tola e exigente. Mas meus sentimentos não eram válidos? —Eu não estava pedindo para ele propor ou nada. Eu só estava perguntando se ele poderia reconsiderar seu ponto de vista sobre o casamento. Isso é justo, não é? —Eu não sei, Mia. Quero dizer, eu amo você, você sabe que eu amo. E eu quero que você tenha tudo o que já quis. Mas suas exigências aqui são um pouco extremas. —Elas não são exigências, são sonhos! —Coco soou como Lucas, e isso estava me irritando. —Eu tenho permissão para ter sonhos. —Calma, Mia. Sim, você pode ter sonhos. Mas se tudo o que importa sobre o seu sonho era se casar, ter uma casa agradável e uma família, francamente você poderia se casar com Tucker e pronto. Mas eu conheço você, você quer mais.


Ela estava certa. Eu queria mais. Mordendo meu lábio inferior, tentei encontrar palavras para defender meu ponto de vista e não pude. —Olha. —Ela prosseguiu. —Lembra de quando montamos o esquema louco para começar nosso próprio negócio? Nós tínhamos todos esses planos ridículos e nos imaginarmos em um luxuoso escritório projetando festa de gala após festa de gala para pessoas esnobes com bolsos cheios. Mas não foi assim, não é? —Não no início. —Admiti. —Mas o que isso tem a ver? —Porque nosso sonho teve que se adaptar à vida real. Nós fizemos qualquer eventos que pudéssemos, e nós trabalhamos em seu apartamento, e nós não fizemos nenhum dinheiro real por um ano e meio. E, francamente, não sabíamos com certeza se alguma vez ganharíamos dinheiro, acreditávamos no nosso talento e na vontade de colocar nosso trabalho, mas era isso. Não havia promessa de sucesso. —Mas nós pensamos em tudo. —Eu disse, mesmo que eu começasse a entender a conexão. —Nós mapeamos um plano de negócios com minuciosos detalhes. Nós tínhamos projeções. Eu tinha listas! Não tenho nada para continuar com o Lucas. Nada! Isso me aterroriza. —Você tem tudo o que precisa para continuar, Mia. —A condescendência desapareceu de sua voz agora. —Você tem seus sentimentos, você está disposta a tentar, você tem um sexo fantástico. —Nós temos. —Só de pensar nisso fez meu sangue aquecer. —Bem, então pare com as projeções e as malditas listas. Eu acho que ele merece um pouco mais de fé. Eu acho que você deveria dar-lhe uma chance. Afinal, talvez você nem queira se casar com ele depois de namorar por um tempo. Como você pode saber com certeza como vai se sentir no futuro? —Deus, Coco. Você está realmente indo para o lado dele? — Eu estava meio provocando, mas ela me respondeu seriamente.


—Estou do seu lado, e você sabe disso. Eu nunca diria para você fazer isso se eu achasse que não era o que você realmente queria. Mas posso ouvir isso na sua voz, Mia. Você quer ele. E não há motivo para que você não possa ter. Se essa coisa entre vocês dois acabar por ser tão incrível quanto parece, então você encontrará uma maneira de fazer funcionar entre vocês. Esqueça o casamento e a família e conheça-o melhor. Apaixone-se completamente. Deixe o destino assumir o controle. Destino novamente. —Você realmente acredita nisso? —Eu acredito. Tudo acontece por algum motivo, Mia. Você sabe que eu tenho um sentido nessas coisas, e eu sempre senti que você deveria estar em Paris esta semana. Eu simplesmente não sabia por que até agora. Vá buscá-lo. Meu estômago revirou. Eu poderia realmente fazer isso? Eu estava com medo, mas a ideia de embarcar em uma viagem desconhecida com Lucas também era emocionante. Qualquer coisa era possível. —Ok. Eu vou. Ela gritou no meu ouvido. —Boa garota! Me ligue quando puder, ok? Erin ainda está planejando pegá-la na terça-feira, então me avise se alguma coisa mudar. —Algo como se eu decidir me mudar para Paris? —Não brinque com isso. —Disse ela com seriedade. —Temos um negócio aqui e estou perdida sem você. Traga seu traseiro aqui na terça-feira. Nós desligamos e me sentei na cama por um momento. Meu coração estava batendo muito rápido. Coloquei uma das mãos sobre ele e respirei fundo algumas vezes. Um milhão de pensamentos corriam pela minha cabeça, eu precisava de um plano, uma lista. Sim, era isso. Eu ainda podia ouvir Coco me advertindo para parar com as malditas listas, mas elas me confortavam e eu precisava de algo que fosse familiar agora.


Lista do que fazer para virar a vida de cabeça para baixo

1) Aceitar as desculpas de Tucker. Dizer adeus. 2) Encontrar Lucas. Declarar meu amor. 3) Encontrar um lugar para ficar. (Se tudo correr bem com # 1, talvez isso será cuidado). 4) Ter sexo com Lucas. 5) Ter sexo novamente. Muitas vezes. Por três dias seguidos.

Trancando-me no banheiro no caso de Tucker decidir aparecer de novo, tomei banho e me troquei, jogando o suéter rosa que Lucas lembrou que usei naquele dia no cemitério por sobre meus ombros. Quando meu cabelo secou, terminei de empacotar e revisei minha lista novamente. O item 1 me deixou um pouco enjoada, mas os itens de dois a cinco colocaram um sorriso no meu rosto toda vez que li. Deus, eu amo listas. Eu nunca iria parar. Com um último olhar ao redor da suíte para ter certeza de que não esqueci nada, abri a porta e saí sem arrependimentos. Bem, talvez um. Essa bolsa Chanel era adorável.


Capítulo 23

—Você está cometendo um erro. —Tucker colocou a xícara de café e me olhou nos olhos. —Pode ser. —Eu disse, exalando. —Mas é meu erro. Ele olhou para a mão na alça da xícara. —Diga-me o que você precisa ouvir. Eu direi. —Que você respeitará a minha decisão e me deixará em paz. Que você vai encontrar outra pessoa e tratá-la melhor desde o início. —Coloquei minha mão em seu pulso. —Que você amará alguém mais do que você me amou. E você vai mostrar isso a ela. Tucker olhou para mim e tirei minha mão. —Ainda te amo. E me desculpe. —Aceito suas desculpas. E não estou com raiva. Acenou lentamente, ele parecia tão triste, que quase me senti mal. Quase. —Um conselho, Tucker. Não publique sobre o seu mau comportamento nas mídias sociais. É brega. Sua pele clara corou. —Deus. Meus amigos são idiotas. —Eu diria que eles compartilham a culpa. Adeus, Tucker. Ele não disse nada, continuou olhando seu café, provavelmente em estado de choque por ter sido rejeitado. O pobre coitado provavelmente nunca tinha tido isso antes. Há uma primeira vez para tudo.


#

Contemplava deixar a minha bagagem no Plaza, mas no final decidi arrastá-la comigo para o The Beaver. Se as coisas dessem errado com Lucas, eu poderia ir direto ao aeroporto, e se elas dessem certo... estômago apertado... talvez eu pudesse ir direto para o apartamento dele. Estava chovendo novamente, então em vez de andar pela chuva para o metrô com todas as minhas coisas, peguei um táxi para o The Beaver. Eram apenas cinco horas, e eu não fazia ideia da hora em que seu turno começava, mas se ele não estivesse lá, eu esperaria. Esperaria a noite inteira por ele. Apesar da minha confiança na decisão, minha ansiedade voltou logo que vi o toldo familiar e a placa na frente. Lembrei-me de estar de pé aqui na frente na primeira noite, e o quanto eu temia entrar e encontrar um monte de casais apaixonados lá dentro. E agora, eu estava prestes a entrar e declarar meu amor e me atirar nos braços de Lucas. Talvez daqui a alguns anos contemos essa história para nossos filhos. Gah! Pare com isso! Sem filhos! Eu paguei o motorista e ele ajudou a descarregar minhas malas na calçada, depois me deixou parada na chuva com o cabelo pingando e os nervos elétricos. Lucas estava lá dentro? Eu não podia ver através do vidro. Vamos, Mia. Seja corajosa. Mas eu precisava de um minuto. Enchendo meus pulmões com ar úmido, eu inalei e exalei, recompondo-me. E pela primeira vez, vi que havia outro bar ao lado de The Beaver chamado Bar Petite. Parecia mais elegante, mais bonito, mais francês do que o bar de Lucas. Na verdade, se eu fosse escolher entre os dois com base na aparência, eu teria escolhido o outro. Mas eu nem tinha notado na noite de segunda-feira.


Eu nem sempre olhava em volta. Eu parei na frente do The Beaver, li o aviso e entrei. Talvez Coco tenha razão sobre o destino. Peguei a porta. Agora, se fosse um filme, esta seria a melhor cena. A heroína abre a porta, com pressa parecendo varrida com o vento, sem fôlego e desesperadamente bonita, e o herói avança e leva-a nos braços. Beijando-a em seguida. Minha entrada no The Beaver? Nada. Por um lado, a maldita porta do The Beaver é pesada e eu estava tentando abri-la e arrastar duas malas, mas minha perna não era forte o suficiente para segurá-la. Eu lutei desajeitadamente por vários minutos, sentindo que todos os olhares estavam em mim. Merda, por que eu pensei que trazer minha bagagem era uma boa ideia? Meu cabelo estava escorrendo em meus olhos e eu não tinha uma mão livre para limpar o rosto, então, quando consegui me espremer e a minha estúpida bagagem pela porta, eu parecia uma bagunça encharcada, eu nem podia ver, e uma das minhas malas pesadas parou, bloqueando a entrada. A puxei, tropeçando sobre a outra mala, mas consegui puxá-la para cima e arrastar minha bagagem ainda mais no bar. Oh meu Deus, não deixe-o estar observando isso. Mas ele estava. Claro que estava, todos estavam. Assim que limpei a chuva do meu rosto, olhei através do bar e meu coração explodiu no meu peito ao vê-lo. Seus olhos estavam arregalados de surpresa, mas também vi uma diversão. —Oi. —Oi. —Ele ficou onde estava, enchendo um copo na torneira. —Estou procurando alguém. —Caminhei em sua direção, deixando minhas malas onde estavam.


Ele colocou a cerveja na frente de um cliente que estava assistindo a cena com interesse. —Você está? —Sim. E eu o encontrei. É você. —Você tem certeza disso? —Lucas pegou uma toalha limpa debaixo do balcão e jogou-a para mim. Limpei o rosto e assenti. —Estou certa, Lucas. Os olhos dele suavizaram. —Dê-me um minuto. —Ele desapareceu através de uma porta no final do bar, e tentei puxar minhas malas mais para longe do caminho. Em um momento, ele apareceu ao meu lado. —Mia. Eu tinha planejado me desculpar, explicar o que Tucker estava fazendo no meu quarto, dizer a Lucas que eu o amava e queria tentar fazer funcionar, mas quando ele ficou ali na minha frente e disse meu nome dessa forma, como se ele estivesse com medo que eu não fosse real, todas as palavras me faltaram. —Nada a dizer? Isso não é você. —Ele sorriu para mim antes de pegar a minha bagagem, empurrando-a para fora do caminho para debaixo do bar. —Desculpe. —Eu bati minhas mãos. —Estou toda... Confusa. —Jesus, Mia, se recomponha. —E molhada. Ele sorriu. —Você ama a chuva agora, lembra? Com a lembrança de beijá-lo na chuva, meus lábios se abriram. —Eu adoro quando estou com você. E eu quero estar com você o tempo todo. —Sim? Eu acenei com a cabeça, meu coração inchando dentro do meu peito. —Sim. Me desculpe, por mandá-lo embora antes. Tucker apareceu, e eu estava bem no meio de recusá-lo quando você... —Ele quer você de volta? —Os olhos de Lucas endureceram.


—Ele quer. Mas não estou interessada. —Eu respirei fundo. —Eu quero você, Lucas. Eu quero tentar fazer funcionar. Porque estou apaixonada por você. Em vez de dizer qualquer coisa, Lucas agarrou minha cabeça em suas mãos e esmagou sua boca na minha. Ele me segurou por um momento, durante o qual alguns clientes do The Beaver aplaudiram e gritaram. —Aí sim, Lucas! —Gritou uma voz alta e masculina. Não pude deixar de rir e Lucas quebrou o beijo. —Nós temos um pouco de público. —Eu disse. Ele revirou os olhos. —São alguns amigos meus. —Me apresenta? —Claro. Venha se sentar. Você está... onde você vai ficar agora? —Ele me olhou com preocupação. Dei de ombros. —Não tenho certeza. Talvez você possa recomendar um hotel um pouco mais barato do que o Plaza? Eu tenho mais três noites aqui. —Por trás das minhas costas eu cruzei meus dedos. —Como se eu fosse deixar você ficar em outro lugar além do meu apartamento. Você só tem três dias, e eu quero passar todos os momentos possíveis com você. Se você quiser. Eu sorri, todo o meu corpo formigando. —Eu quero você. Ele me puxou para um abraço, enterrando seu rosto em meus cabelos molhados. —Deus, eu adoro o seu cheiro. —Ele disse suavemente. —Eu não posso esperar para ter você. Meu pensamento exato.

#


Depois de um hambúrguer e batatas fritas e várias taças de vinho, peguei um táxi com as chaves de Lucas no meu bolso. Ele me encontraria em seu apartamento depois do seu turno. Estar no apartamento de Lucas sem ele parecia estranho, mas emocionante. Se eu não estivesse tão exausta, talvez estivesse tentada a bisbilhotar um pouco, tentando conhecê-lo melhor, mas quando eu estava dentro, fui direto para a cama e desmoronei, o rosto enfiado em um travesseiro. Acordei duas horas depois, e o relógio do quarto de Lucas me disse que era quase onze horas. Seu turno terminava à meia-noite, então pulei da cama e entrei no chuveiro. Eu queria estar pronta e a espera quando ele chegasse em casa. Quando pisei nua sob o spray, fiquei impressionada com as lembranças tão vívidas que a reação do meu corpo foi intenso. Tive que fechar os olhos e me apoiar na parede enquanto minha cabeça nadava com as percepções sensoriais. O vapor subindo. Corpos úmidos deslizando um contra o outro. Quentura contra azulejo frio. Lucas enterrado profundamente dentro de mim. Oh, puta merda. Eu estava tão excitada que quase me perdi. Só de pensar em Lucas voltando para casa em breve me empolgou a pegar o shampoo, lavar meu cabelo, ensaboar e me enxaguar o mais rápido que pude. Quando estava seca, esfreguei meu corpo inteiro com loção e sequei meu cabelo. Rezando que ele não chegasse em casa cedo, coloquei alguns grandes rolos para uma pequena ondulação e entrei no quarto para me vestir. Não que eu estivesse vestindo muito para responder a sua batida na porta. Da minha mala, que coloquei no banco debaixo da janela, puxei minha lingerie de luxo da Aubade. Deslizei a calcinha até minhas pernas


e verifiquei o meu reflexo no espelho. Preta e de renda, parecia com calções curtos em meus quadris, mas na verdade era uma tanga nas costas. Eu me virei para verificar minha bunda e sorri quando pensei na reação de Lucas. Então coloquei os braços no sutiã e estiquei-me para fechá-lo. Bojos com fita branca amarrada entre meus seios, e imaginei Lucas desvendando o pequeno arco de cetim preto. Com seus dentes. No banheiro, coloquei o mínimo de maquiagem: um leve corretivo, um delineador e rímel. Ignorando completamente o batom, preenchi meus lábios com o bálsamo labial de coco e os esfreguei. Depois de puxar os rolos do meu cabelo, inclinei minha cabeça para frente e baguncei. Eu queria parecer um pouco como se eu tivesse acabado de sair da cama, mesmo que seja exatamente onde eu estaria indo. Acendi as velas na mesa de café e encontrei algumas extras no armário da cozinha, que coloquei nas mesinhas do quarto. Pronto. Clima definido. Eu estava apenas colocando meus saltos quando ouvi a batida. Com um último olhar no espelho, desliguei todas as luzes e fui para a porta. —Sim? —Falei antes de abrir. Melhor me certificar de que era realmente ele antes de abrir a porta só de lingerie e saltos. —Sou eu. É você. Virei a fechadura e abri a porta. —Oi. Seu queixo caiu. —Meu Deus. Depois de um momento de silêncio atordoado, ele veio até mim, chutando a porta logo atrás dele. Eu ri quando ele me levantou e me carregou como um bebê direto para o sofá, onde me deitou de costas e se levantou. —Jesus Cristo. Deixe-me olhar para você.


Eu me apoiei nos meus cotovelos e abaixei meus joelhos, abrindo-os um pouco, curtindo o jeito em que seu peito subia dentro de sua camisa enquanto seus olhos percorriam lentamente pelo meu corpo e voltavam de novo. —Porra. —Ele suspirou. —Eu nunca vi nada como você em toda a minha vida. Eu poderia olhar para você a noite toda. Eu sorri. —Não, você não poderia. Ele rosnou. —Você está certa. Não poderia. Estendi a mão e acariciei-o através da sua calça. Ele já estava duro. —E eu não gostaria que você pudesse. —Ah. —Ele agarrou meu pulso. —Isso é tão bom, mas quero falar por um minuto. Eu me sentei, balançando os pés no chão e trazendo minha outra mão para seu zíper. —Vamos conversar depois. Ele rosnou novamente. —Você está me matando. Aguarde um minuto. —Ele pegou minhas duas mãos e me puxou de pé. —Eu quero te contar uma coisa. —Lucas, está bem. —Eu coloquei minhas mãos em sua cintura. —Não estou pedindo que você diga nada, nem faça promessas. Eu só quero estar com você. —Eu inclinei meu queixo e beijei seus lábios. —Mia. Eu quero fazer uma promessa agora. Ouça. —Ele colocou uma das mãos no meu rosto. —Eu percebi muitas coisas esta tarde, quando pensei que talvez nunca mais fosse te ver. —Como o quê? —Perguntei, descansando minha bochecha na palma da mão. —Como o quanto estou apaixonado por você. E não posso deixar você fugir. E eu sou um idiota por ter dito que nunca farei algo quando não tenho ideia do futuro. Eu mudei de ideia. Qualquer coisa é possível para nós.


Meu corpo inteiro vibrou feliz por suas palavras. Eu assenti. —Tudo é possível. Nossos lábios se juntaram e eu recebi sua língua na minha boca, deslizando minhas mãos sob sua camisa. Sua pele estava quente, e eu não podia esperar para sentir isso em todos os lados. —Humm, espere. —Ele disse quando tentei tirar sua camisa. —Não terminei de olhar para você. Ele me fez ir para trás até minhas pernas baterem no sofá e eu me sentei, olhando para ele através dos meus cílios. —O que você gostaria de ver? —Tudo. —Os olhos dele voltaram a me observar. —Porra, você é gostosa. Você realmente tem que ir em três dias? Como vou ter o suficiente de você antes disso? Sentei-me e fiquei de joelhos, me movendo para a beira do sofá. Desta vez, ele me deixou abrir sua calça. —Eu não sei. Mas estou ansiosa para vê-lo tentar. Quer me ver? —Você sabe que eu quero. —Ele respirou fundo enquanto eu levava seu pau na minha boca, um centímetro por vez. Usei minhas mãos, lábios e língua do jeito que ele gostava e engasguei quando ele colocou as mãos no meu cabelo. —Sim, puxe-o. —Sussurrei, lambendo-o da base até a ponta, então, rolando minha língua sobre sua cabeça lisa e rosa. Ele agarrou meu cabelo e puxou firme, e eu coloquei meus dedos em seus quadris e puxei-o para dentro de mim, profundo, na minha garganta. Ele gemeu e segurou minha cabeça onde queria, empurrando para dentro da minha boca, e adorei a maneira como ele tomou o controle. Eu podia me sentir ficar cada vez mais quente, mais úmida e mais excitada com cada empurrão entre meus lábios. De repente, ele se puxou e empurrou meus ombros de volta. —Eu tenho que provar você. Agora. —Ele caiu de joelhos no chão na minha frente e me puxou para ele, então minha bunda estava


pendurada na beira do sofá. Eu alcancei atrás de mim para agarrar o encosto, chorando no primeiro golpe de sua língua contra a calcinha de renda. —Você não quer tirá-las? —Eu perguntei. —Não. —Seus dedos agarraram minhas coxas enquanto sua boca trabalhava em mim através da renda até eu sentir o quanto estava molhada. Então ele a puxou de lado e passou a língua no meu clitóris, pressionando forte antes de deslizar em um círculo lento. Meus olhos quase saíram da minha cabeça enquanto o observava me devorar à luz das velas. —Oh meu Deus. —Gemi, abaixando-me para deslizar uma mão em seus cabelos. Ele olhou pra mim, mas eu só consegui segurar seu olhar por cerca de cinco segundos até minha cabeça cair de volta e meus olhos fecharem em êxtase absoluto. —Sim. —Ele respirou. —Goza pra mim. Quero ver você. —Ele estendeu a mão e desatou o laço entre meus seios e o sutiã ficou aberto. —Toque-se. Mudei minha mão para um seio, apertando-o antes de torcer duramente meu mamilo entre meus dedos. Rosnando, Lucas deslizou dois dedos em mim e lambeu meu clitóris com a ponta da língua antes de sugar com fome. Meu corpo se moveu por vontade própria, meus quadris balançando contra seus dedos e minha mão puxando sua boca para o meu centro. Abri os olhos novamente, desejando desesperadamente me ver desfeita na boca dele. —Você quer me ver? —Sussurrei, o fogo subindo dentro de mim. —Me veja agora. Vou gozar. Lucas, oh meu Deus! —Eu gritei enquanto o clímax brotava em mim. Meus pés saíram do chão, os joelhos em direção ao meu peito, dedos dos pés esticados em meus saltos altos. Quando a felicidade pulsante baixou, Lucas puxou-me de pé e me arrastou para a parede entre as janelas. Minhas pernas estavam tão


fracas que mal consegui suportar, e caí pra frente, me apoiando com os dois cotovelos. Ele estava atrás de mim e com meus saltos eu tinha a altura perfeita. —Abra suas pernas lindas. —Sua respiração era quente no meu ombro. Eu fiz o que ele pediu, e ele moveu minha tanga de lado, provocando-me com a ponta do seu pau na minha entrada. Eu arqueei minhas costas, desesperada pra ele mergulhar em mim, mas ele gostava de me fazer implorar. —Você quer meu pau? —Ele perguntou, me dando mais um centímetro. —Sim. —Ofeguei. —Quero. —Diga, por favor. —Outro centímetro agonizante. —Por favor. Foda-me, eu quero isso agora. —Olhei por cima do meu ombro, e talvez ele tenha visto no meu rosto algo que finalmente o fez ceder, mas ele desistiu das provocações e empurrou, profundo e duramente. Eu quase ri, me sentindo tão bem. Minha boca ficou bem aberta enquanto ele segurava meus quadris e me puxava de volta contra seus impulsos. —Sim, assim. —Eu disse. —Eu amo o jeito que você me fode. —Oh, meu Deus, eu não vou durar muito. —Lucas gemeu. —Bom. —Eu arqueei minhas costas ainda mais, afastando minha bunda e aproximando meus pés para me tornar ainda mais apertada e mais úmida para ele. Ele deve ter gostado porque dois segundos depois ele xingou e apertou meus quadris com os dedos, me puxando de volta enquanto latejava dentro de mim. Empurrei contra a parede e fechei os olhos, deleitando-me com a sensação de sua libertação dentro de mim. Quando acabou, ele estendeu a mão e puxou minha parte superior do corpo para a dele, um braço em meu peito. —Eu amo você.


—Seus lábios descansaram no meu ombro. —Oh meu Deus, eu amo você. Nunca pensei que isso aconteceria. Eu apertei seu braço e sorri. —Nem eu. Mas uma pessoa me disse uma vez que Paris era mágica. Eu acho que ela estava certa.

Querida Mia,

A menos que você tenha me enganado e espiado, você está lendo isso no avião. Eu sei que você está nervosa sobre o voo, mas não se preocupe. Tudo vai ficar bem. (Deus, minha letra é realmente ruim. Desculpe. Se eu soubesse o quão ruim seria, talvez tivesse digitado isso ou algo assim. Mas, de qualquer maneira.) Eu queria te dizer o quanto essa semana inteira com você

significou

para

mim.

Sete

dias

nunca

pareceram tão curtos, e ainda assim me fizeram sentir como se eu a conhecesse por mais tempo. O tempo é estranho quando você está apaixonado. E eu te amo. Muito. Eu prometo que voltarei aos EUA dentro de um mês aproximadamente. Assim que eu estiver em Nova York, faremos planos para nos vermos, se você não quiser voar para me ver, eu estarei no primeiro avião


para Detroit. Não posso esperar para te abraçar de novo. Por

favor,

ligue-me

assim

que

estiver

em

casa,

deixe-me saber que você chegou com segurança. E agora, já que eu sei o quanto você ama as listas e você está se sentindo um pouco tensa agora, pensei em escrever minha própria lista para você. Eu espero que isso faça você sorrir.

5 coisas que nunca esquecerei sobre esta semana 1) Quando você entrou no bar na noite em que nos encontramos, parecendo linda e insana na mesma medida, eu acho que já amei você. 2) A maneira como seus olhos se iluminaram quando contei a história de Abelardo e Heloise, e o doce som de sua voz quando leu as cartas em voz alta na vila. Eu continuo ouvindo isso na minha cabeça: —Deus sabe que eu nunca procurei nada em você senão você mesmo, eu queria simplesmente você, nada seu. 3) A primeira vez que eu te beijei, parado na esquina de Quatre Vents, andarei por esse lugar todos os dias e pensarei em você. 4) O chuveiro... Eu sabia que te amava naquele momento.


5) Observando você dormir ao meu lado na primeira noite em que você ficou e pensando o quanto eu gostaria de acordar com você todas as manhãs. Você sabe o quê? Não posso fazer isso em cinco coisas. Porque cada momento com você foi inesquecível, e tudo sobre você está impresso no meu cérebro: seu rosto, seu cabelo, sua pele, sua risada, seu sorriso, seus olhos, suas mãos, seus lábios, suas pernas, seu cheiro, seu gosto. Deus, seu gosto. Penso nisso todos os dias. Às vezes penso em como você quase não veio a Paris. Muito obrigado por agarrar a chance. Todo meu amor, Lucas

. . Continua

Profile for Raquel Gois

01 frenched série frenched 01 melanie harlow  

01 frenched série frenched 01 melanie harlow  

Advertisement