Page 1

CapĂ­tulo um


Tradutora: Thatiane Revisão: Andreia M. Leitura Final: Caroline Formatação: Andreia M.


Uma oferta deliciosa. Dois amantes febris. Três bebês adoráveis. Este lindo bilionário está prestes a descobrir que ele tem uma grande família no caminho … Ela: Não acredito que tenha tanta sorte. Responder a um anúncio para uma empregada "discreta" levou-me diretamente a ele, Dillon Bradshaw, o CEO implacável que arruinou minha vida. E eu poderia finalmente me vingar. Bem, ele teve outra surpresa para mim: Ele poderia ter me demitido uma vez, Mas desta vez ele queria me deitar! Ele: Sempre quis um herdeiro. E essa empregada sexy parece ser a candidata perfeita. Eu fiz uma oferta que ela não podia recusar, Um milhão de dólares para um bebê. Sem condições. Bem, agora ela está grávida, e ela está me dizendo que eles são meus. Todos os três!


O barulho constante do teclado é calmante, enquanto eu fico sozinha no meu apartamento, à procura de um emprego para substituir a posição temporária que fui dispensada uma semana atrás. A gama de emprego é tão escassa como sempre. Encontrar um trabalho decente parece ser mais difícil do que nunca. Desde que há dois anos — quando a empresa que eu trabalhei foi tomada pela falência — tem sido uma busca interminável e angustiante, tentando encontrar uma posição. Trabalhos com agências temporárias tem reino supremo, com pequenos trabalhos para o qual estou qualificada, como limpeza de cobertura de ricos idiotas. Trabalhei durante anos para conseguir meu bacharelado em Negócios e Finanças, e quando comecei a trabalhar para empresa Stratton, eu pensei que tinha minha vida toda planejada. Achei que valia a pena todo o trabalho duro, para ser livre. Percebo agora como fui ingênua, mas quando Dillon Bradshaw decidiu afundar suas garras na empresa, ninguém esperava que os empregados fossem mandados embora. Mesmo que eu tivesse trabalhado duro e feito um nome para mim na empresa, não me salvou da temida “reestruturação” que o CEO Dillon Bradshaw insistiu. Eu fui demitida como todos os outros. Eu estaria mentindo se dissesse que não tinha alguma amargura, mas não censuro exatamente a família Stratton pela venda. Com essa concorrência acirrada, estava se tornando cada vez mais difícil encontrar clientes leais, de confiança. SharkTec Financial puxou alguns clientes que conseguimos, bem debaixo dos nossos narizes, como tirar doce de uma criança. Em última análise, Bradshaw é o culpado. O bonitão rico é famoso nos círculos de negócios pelo seu “talento” — embora eu diria que ele apenas teve muita sorte. Ele teve um grande presente em dinheiro, de seus pais


quando ele fez 21 anos, e ao contrário de qualquer cara normal em seus primeiros vinte anos, que gastaria tudo - ele decidiu colocar o dinheiro em alguns investimentos. Agora, onze anos mais tarde, ele é um dos homens mais ricos do país. Tanto quanto eu odeio admitir isso, o cara tem algumas habilidades empreendedoras. Ele foi capaz de iniciar e executar com êxito uma empresa multibilionária antes dos 25, uma conquista que muitos não podem sonhar. Claro, isso não significa que eu tenho que gostar do homem. Ele é o número um do América Top, como os dez mais quentes e solteiros mais ricos, significando milhares de mulheres sobre ele, mas não exatamente estou considerando me atirar para o homem que arruinou a minha vida — absurdamente bonito como ele pode ser. Ele nem sabe que existo, mas sua grande presença no mundo das Finanças continua a assombrar-me, até hoje. Percebendo que eu estou um mês atrasada com meu aluguel, minha busca por um trabalho está crescendo um pouco desesperada. Eu vasculho as páginas de emprego todos os dias, desejando encontrar algo que possa me ajudar, pelo menos por mais algumas semanas. Alguém com meu currículo não deveria estar lutando tanto. A injustiça de tudo me fazia querer gritar. Eu percebi que passei muito tempo vivendo no passado, bem como pensando naquele bastardo, Dillon Bradshaw. Concentrei minha atenção na tela na minha frente.Coloquei várias frases-chave para diminuir a seleção de emprego. Apesar da sensação de que eu mereço coisa melhor, eu decidi desligar todos os filtros e verificar as seções que tinham sido anteriormente ignoradas. Uma delas chama minha atenção quase que imediatamente, tendo sido publicada há meia hora. Um clique para o link, me leva para uma descrição breve e sucinta do trabalho. Aparentemente, quem postou o anúncio está procurando uma empregada “discreta”. Eu não sei bem o que eles querem dizer com isso, mas o pagamento na oferta é suficiente para colocar esse pensamento para trás. Sem detalhes reais ou pistas que me dessem uma ideia de quem colocou este anúncio — até mesmo o endereço de e-mail dado foi


claramente feito especificamente para esta listagem. Eu digitalizei os requisitos brevemente, cantarolando sob minha respiração, enquanto eu liáos. Na verdade, parecia um pouco estranho. Eu gosto de pensar em mim como uma mulher tenaz e bem-arredondada, no entanto, na pior das hipóteses, tenho certeza que eu poderia me defender. Este trabalho poderia acabar sendo temporário, ou pelo menos , até que eu possa encontrar algo um pouco mais profissional. Não é como se um estranho estivesse pedindo uma prostituta. Parece alguém querendo uma pessoas para limpar sua casa. Com toda a probabilidade, é só um cara com mais dinheiro que juízo. Você não pode esperar que todos saibam como fazer um bom anúncio. Eu preenchi minhas informações, anexei uma foto minha para o email, conforme o post especificava. Mais uma informação que parecia um pouco estranha, mas batendo em enviar, passei do ponto de retorno. A partir daqui, podia apenas preencher alguns sites adicionais, antes de ir sobre o meu dia, o melhor que sou capaz. Pulei o café da manhã, e meu estômago não me deixava esquecer que era quase hora do almoço. Apesar de eu ter pouco dinheiro no banco, eu esperava que fosse suficiente para pegar um sanduíche de frango da cadeia de fast-food na estrada. Eu não sou muito de deliciar-me com fast-food, mas você obtêm muito mais seu estômago forrado com um hambúrguer comum, do que com qualquer um dos cafés saudáveis na cidade. Talvez as calorias me façam bem. Tem faltado refeições mais do que nunca, ultimamente. Quando você não tem quase dinheiro para o aluguel, coisas como comer regularmente parecem menos importante, junto com a ansiedade que torna difícil digerir três refeições por dia. Fechei o meu laptop com um suspiro, peguei meu telefone e minha bolsa antes de sair. Enquanto eu andava lá fora, eu poderia dizer que o dia estava completamente agradável, em outras circunstâncias. Mas estava relutante em reconhecer bons dias, ultimamente. Nada parece bom, quando você está lutando para sobreviver.


Não é possível pagar o gás na maioria das vezes, meu meio de transporte em torno de Chicago tornou-se meu próprio pé. Confrontada com a escolha entre gasolina para meu carro e internet — que poderia facilmente a procura de emprego — realmente não havia muita escolha em tudo. Pelo menos, ir a pé até a lanchonete, era uma boa desculpa para sair do meu apartamento por um tempo e aproveitar o sol. No meio da minha caminhada, sinto meu telefone começa a vibrar no meu bolso. Eu desajeitadamente agarro-o com mais força do que o necessário e vejo o número que está chamando. É desconhecido, mas considerando as vagas de emprego que estou procurando, não posso arriscar perder uma possível entrevista. Eu atendo, trazendo o telefone ao meu ouvido. - Oi, Charlotte falando. - Eu respondo profissionalmente, enquanto me viro. Há um som de embaralhamento, do outro lado da linha, como papéis, eu saio do caminho, para permitir que os outros passem fora da calçada. - Esta chamada é sobre seu pedido de emprego, sobre uma empregada “discreta”. - diz uma mulher com voz amigável. - Eu sei que deve parecer um pedido um tanto estranho, mas agradecemos a sua conformidade com nossos pedidos para uma foto e uma breve descrição de si mesma. Pelo que vimos, você parece ser um ajuste perfeito para o trabalho. Sinto meus lábios ondularem em um sorriso ansioso, enquanto eu bombeio meu punho vitoriosamente no ar. Não me importo de quem olhar, e fico em pé na calçada e faço uma dança da vitória. Estou feliz, caramba! - Isso é ótimo. Não havia muita informação sobre o post sobre para quem iria trabalhar. Vou ter que encontrar alguém para uma entrevista mais aprofundada? E se assim for, onde devo ir? - Perguntei, levando meu olhar para o céu e considerando as fofas nuvens brancas no céu. Talvez este fosse tornar-se um dia melhor que eu imaginava. Por uma questão de fato, não consiguia pensar em nada que fosse arruinar este momento para mim.


- Vamos precisar de você para se apresentar na sede da SharkTec Financeira, só para conseguir o contrato finalizado e os pequenos detalhes feitos. - a mulher continua, e por um momento, eu juro que o céu fica escuro. O pensamento de voltar para a SharkTec Financeira não é uma surpresa agradável, e não pretendo fazer para Dillon Bradshaw favores. Minha reação instintiva é dizer a mulher na linha de que não serei capaz de fazer a entrevista. Mas pensando nisso, eu preciso do emprego, e embora exija sacrificar o meu orgulho, o salário oscila em minha decisão. Há algo profundamente errado com sacrificar minha moral, só para ter um emprego bem remunerado com algum babaca rico, que me colocou nesta posição para começar. - Senhora, ainda está aí? - a mulher perguntou suavemente, e eu exalei cansadamente, presa sobre o que fazer. Parece que eu ia ser grata a Dillon Bradshaw, se concordasse em trabalhar para sua empresa. Esse pensamento irritante ficava no fundo de sua mente e era um pensamento difícil de colocar para descansar. Isso poderia funcionar a meu favor, também. Conseguir um emprego em SharkTec me colocaria mais perto com o meu inimigo declarado do que eu gostaria, mas existiam prós e contras para esse cenário. Ele provavelmente nem se lembrava de seu rosto, muito menos o seu nome. Ele não suspeitaria da empregada da limpeza de entrar em seu local de trabalho e causar um pouco de caos. Não era profissional, mas tinha que se convencer de que poderia fazêlo discretamente. Ela poderia arruinar um bom número de seus dias, antes que ele descobrisse que ela estava por trás das travessuras. Supondo que tudo funcionasse em seu favor, definitivamente seria bom — tanto monetariamente e emocionalmente — assumir a tarefa e jogar a dificuldade longe, por um tempo. Depois que fizesse o suficiente para sobreviver por um tempo, poderia simplesmente sair e dizer que não era um bom ajuste para o trabalho.


- Minha senhora, está aí? Eu vou ter que chamar o próximo candidato, se você não estiver disponível. - diz a mulher ao telefone, e eu a ouço vasculhar sua pilha de papéis novamente. O sorriso que tinha vacilado em meu rosto, voltou mais uma vez, e eu virei na direção de SharkTec Financeira. - Estou a caminho de seu escritório, se isso for aceitável. Gostaria de obter tudo fora do caminho e começar tão rapidamente quanto possível. Você e sua empresa verão que sou uma pessoa esforçada, quando eu realmente coloco minha mente. - eu cantarolei. - Oh, estou muito feliz em ouvir isso. Tenho certeza que Sr. Bradshaw ficará feliz em te conhecer e discutir os termos da sua contratação. - ela disse. Eu sorri um pouco perversamente, balançando minha cabeça, embora ela não pudesse ver. Pelo menos, espero que minhas travessuras não atrapalhem ela. Ela parece ser uma pessoa realmente legal, e não consigo imagina ela trabalhando para um idiota como Dillon Bradshaw. - Tudo bem. Eu vou estar lá em trinta minutos. Obviamente, eu não espero que o Sr. Bradshaw possa tirar um tempo da sua agenda lotada só para se encontrar comigo, mas talvez eu e você possamos trabalhar os detalhes? - eu digo, enquanto eu mentalmente traço o caminho para a SharkTec. É uma longa caminhada, mas eu estou no ponto onde eu prefiro continuar a viagem a pé, em vez de virar para pegar meu carro. Eu mal tenho gasolina suficiente para chegar ao posto mais próximo para abastecer de qualquer forma. - Nós elaboraremos alguma coisa, de uma forma ou de outra. Estou ansiosa para conhecê-la. Nos veremos em breve. - diz a mulher, oferecendome um agradável adeus, antes de desligar. Eu terminei a chamada, com uma risada borbulhando em meu peito. Enquanto eu empurro meu telefone no meu bolso, a risada começa a crescer em gargalhadas. Não acredito que eu vou fazer isso. Eu vou conseguir um emprego na SharkTec Financeira, e se depender de mim, eu pretendo causar tantos danos à reputação de Dillon quanto eu sou capaz.


Ele arruinou a minha vida. Agora, é hora de ele provar do próprio veneno. Ele vai se arrepender de não lembrar de meu rosto, mas mais do que tudo, eu vou ter certeza que ele se arrependa de arruinar não só a minha vida, mas de centenas, se não milhares de outras pessoas. Pegando o ritmo, acelero meus passos. Estou emocionada, mas também com um pouco de medo. Talvez eu esteja me dando muito crédito. Subterfúgio nunca foi um ponto forte na minha vida, e é inteiramente possível que Dillon e seus empregados peguem a minha cena, mais cedo do que eu antecipo. Disposta a continuar, eu forço um agradável sorriso no meu rosto, enquanto eu faço meu caminho para o centro da cidade. Pelo menos o trabalho não deve ser muito difícil. Afinal, faço pequenos trabalhos de limpeza nos últimos anos, agora. Imagino que a escala será muito maior em um enorme edifício de escritórios, mas dá-me mais desculpas para buscar alguma evidência possa fazer o trabalho de bater rei Bradshaw fora de seu pedestal e explorar a área completamente. Pouco tempo depois, encontro-me aproximando-se da entrada do edifício SharkTec. Permitindo que todo o medo escoa fora do meu sistema, escovo uma mão pelo meu cabelo escuro, fazendo uma expressão de confiança. Quando eu terminar com ele, Dillon Bradshaw nem saberá o que o atingiu.


Pés apoiados na minha mesa, sentado em minha cadeira de escritório, ouço um dos associados ao telefone. A questão é pequena, uma questão de saber se meu parceiro de negócios, Mark, deveria demitir seu oficial de recursos humanos. Enquanto eu mal tenho tempo para considerar as questões de outras empresas, eu gosto de pensar que eu estou em torno de meus parceiros, quando eles precisam de mim. Enquanto eles não são exatamente amigos, acho que eles são a coisa mais próxima disso, de alguma forma. No mundo dos negócios, é raro ser capaz de encontrar tempo para diverti-se com os amigos. Eu passei muito da minha juventude, elaborando estratégias cuidadosas de investimento, e como resultado, não existem muitos indivíduos que mantive contato ao longo dos anos. Na verdade, eu tenho mais inimigos do que amigos. Tenho certeza de que qualquer um dos homens ou mulheres que perderam o emprego por minha causa, mais cedo ou mais tarde, amarrariam uma âncora em meus pés e me empurrariam em um rio caudaloso. Não é que eu goste de mandar as pessoas embora, mas são negócios. Algumas pessoas não se pode manter, e acho que é melhor demiti-los, antes de passar anos numa posição inconveniente. Simplificando, eu tenho um império para construir, e um dia, espero ter alguém para passar este império. Se eu algum dia tiver um filho, não quero me arrepender de colocar as necessidades de algum estranho acima das minhas e depois voltarem para me morder na bunda. Sou conhecido por cuidar de mim e apenas isso. Não é inteiramente verdade, pois quando me importo profundamente com meus colaboradores mais próximos e parceiros de negócios — eles só podem não ver isso como


um ato de amor, quando eu forço-os a trabalhar horas extras para atender a um plano em potencial. Não há nada pior, em meus olhos, que potencial desperdiçado. Meu lema de vida nunca é procrastinar algo — sempre coloco seu inteiro bem estar em primeiro lugar. Então, é claro, temos o problema da minha vida fora do escritório. Para dizer que nunca namorei, eu já tive minha quota de parceiras de cama. Namorar implica em uma emoção mais profunda envolvida, que raramente é o caso. Se não tenho tempo para os amigos, imagina para um envolvimento romântico? Sexo é uma coisa, e eu deixo muito claro para minhas parceiras, que eu só estou buscando uma conexão física. A ideia de um dia me apaixonar é quase incompreensível para mim. - Eu só vou despedir o burro. Ele acabou com minhas chances de chegar a um acordo com a Realto Co., diretores de recursos humanos devem comprar ofertas para mim, certo? Não explodi-las fora. Suspirei, e percebi que eu só ouvi grande parte de seu discurso. Eu cantarolava sob a minha respiração, olhando pela minha porta aberta, para a mesa da minha recepcionista. Melhor eu encerrar essa conversa. Eu tenho assuntos mais importantes a tratar por enquanto. - Se você sente que despedir o homem é o melhor curso de ação, Mark, eu sugiro que você siga seu instinto. Diretores de recursos humanos existem vários por ai. Mas, se ele serviu bem no passado... talvez você deva reconsiderar. - ofereço-lhe, olhando para o relógio. Era questão de minutos, antes da próxima entrevista, e seria rude eu ainda estar no telefone, enquanto meu potencial empregado entrasse no escritório. - Ah, Dillon. Esse é o problema. Chad me serviu bem no passado. Ele só não concordou com as políticas da Realto Co. Ele acha que o CEO forçaria muitas mudanças na empresa, e eu não gostaria de onde acabariamos. Este poderia ter sido o negócio da minha vida, mas... não é realmente inteiramente culpa dele, sabe? Eu tenho sempre afirmado que gosto que minhas decisões sejam questionadas, e Chad tinha certeza que esse cara não seria lá essas coisas. - Mark suspira.


Antes de possa vir com uma maneira de encerrar a conversa, minha secretária passa pela minha porta e segue para a sala de reuniões. Levantando-me da cadeira, tento pensar em como amarrar as pontas soltas, enquanto eu faço meu caminho para a sala em que ocorrerá a entrevista. Eu bato meu dedo pensativamente contra meu queixo, e Mark parece estar aguardando ansiosamente minha instrução. Para quem gosta de assumir o comando, ele parece surpreendentemente disposto a aceitar meu conselho. Divulgação completa - Eu realmente não sei o melhor curso de ação. Eu conheci Chad Rethers antes, e ele parecia ser um bom empregado. Enquanto eu vou para a entrevista, imediatamente estou impressionado com o quanto a mulher é linda. Apesar de ter visto a foto no email que ela tinha enviado, não estava preparado para a intensidade de seus olhos verdes brilhantes. Ela me olha com uma expressão maravilhada, e por um momento, acho que ela pode estar tão atraída por mim como eu por ela. É uma sensação fugaz, no entanto, e sua expressão azeda quando ela percebe que eu estou no telefone. O relógio está correndo, e eu preciso selar estas ofertas. - Mark, ouça. Dê outra chance a Chad. Ele só estava cuidando para a longevidade da sua empresa. Você tem que ter cuidado com quem você escolhe para fazer parceria. O CEO da Realto Co. podia ver a totalidade do seu pessoal, se ele quisesse. Negócios como estes, não são bonito. - eu disse suavemente, embora a mulher parecesse estar absorvendo cada palavra. Ela me olha com um sorriso levemente amargo, e eu não posso deixar de sentir como se eu já a tivesse visto em algum lugar antes. - Você está certo. Eu vou deixá-lo mostrar sua ideia, talvez aumente seu salário um pouco. Se ele ficar por aqui, apenas mostra onde está sua lealdade. - fala em resposta. - Tudo bem. Eu vou deixar você ir. Eu preciso ir discutir outra possível fusão, e é melhor Chad não estragar está. - ele continua. Desejo-lhe um adeus rápido, antes de desligar o telefone. Para um pequeno negócio, Mark parecia particularmente interessado na sua fusão com a outra empresa. Pessoalmente, eu teria esperado até ter


um pouco mais de influência, antes de começar minhas aquisições, mas não posso esperar que todos possam seguir o mesmo caminho. Por agora, preciso focar nesta linda mulher que está perfeitamente equilibrada na minha frente. As pernas estão cruzadas nos tornozelos, e ela está usando jeans e uma camiseta branca simples. Um movimento ousado, considerando que a maioria iria estar vestida em trajes de negócios para a entrevista. No entanto, também estou bem consciente que tinha recebido a chamada abruptamente, e Tiffany tinha sido insistente que ela viessa para a entrevista, assim que ela estivesse disponível. "- Olá. Charlotte, sim? - Eu cumprimentei-a, sentando em frente ela e dobrando minhas mãos sobre a mesa entre nós. Ela me olha com cuidado, e há algo nos olhos dela que não consigo identificar. Um pouco de desdém, talvez, ou talvez ela esteja hipnotizada por mim. É difícil discernir neste momento. - Sim. Disseram-me para vir logo que possível, para uma entrevista. Eu estava esperando falar com alguém dos recursos humanos, ou talvez a mulher que me ligou.... - Ela fala, remexendo nervosamente. Eu sorrio, tentando manter minha expressão tanto quanto possível. Ela observa-me cuidadosamente, parecendo manter vigorosamente sua expressão em um sorriso. - Para fazer a entrevista. - Ela faz uma pausa, parecendo tensa. - É uma honra conhecê-lo. - ela consegue dizer, mas é óbvio que as palavras não poderiam estar mais longe da verdade. Imaginando o que essa mulher pode ter contra mim, encontro-me irritado. Sinceramente, sua candidatura foi a primeira que tinha recebido, e assim, a primeira que olhei. Ela parece servir bem ao trabalho, mas é óbvio que sua atitude poderia receber alguma melhoria. Talvez o retorno da ligação rápida, deu-lhe um grande ego. Se for esse o caso, não tenho problema em derruba-ló. Enquanto eu gosto de fazer meus empregados se sentirem valorizados, ela é apenas uma simples empregada. Quer dizer, ela será uma simples empregada, se ela joga suas cartas direito.


- Ah, sim. É um prazer conhecê-la também. Seu currículum foi o primeiro que recebi, então pensei que seria adequado dar uma entrevista oportuna. Sua experiência parece adequada, mas ainda não vi através do processo de verificação. Eu a convidei para o meu local de trabalho para ter uma ideia, se você vai ser um bom ajuste. - expliquei, levantando-me lentamente, circulei ao redor da mesa. Ela parecia desconfortável, e uma pequena camada de rubor apareceu nas bochechas dela. - Eu lhe asseguro Sr. Bradshaw, que este trabalho significa o mundo para mim. - ela disse, parecendo sincera pela primeira vez, embora sua pele corada e aversão ao encontrar meu olhar, me faziam pensar, se ela poderia querer mais do que apenas um trabalho de mim. É algo a considerar em um momento posterior, possivelmente. Eu cruzei meus braços em meu peito, enquato a considerava por um momento. - Seria um pouco inútil passar através de uma dúzia de outras entrevistas, quando parece que você seria um bom ajuste para o trabalho. Eu não posso culpá-la por sua pontualidade. Sua resposta foi rápida, bem como a sua chegada ao meu escritório. Posso esperar o mesmo quando você estiver para se apresentar em seu trabalho? - Perguntei, mantendo firme minha voz, mas ainda baixa. Eu quero que ela tenha que forçar um pouco para me ouvir. Eu quero ter a certeza de que ela está prestando atenção em cada palavra minha. Se inclinando, colocou as mãos entrelaçadas no colo dela. - Eu não sou nada, se não pontual Sr. Bradshaw. Verdade seja dita, estive desempregada por um tempo agora, então seria um alívio ter um ambiente de trabalho estável, pelo menos por algum período de tempo. Desde que eu... - ela faz uma pausa, parecendo repensar suas palavras. - Desde que eu me demiti do meu trabalho há dois anos, tenho lutado para encontrar o ajuste certo. Espero que eu possa encontrar isso aqui, com você. - ela admiti.


Pelo menos, ela parecia sincera. É um pouco difícil de julgar, com essa mulher. Seus olhos verdes brilhantes, brilhavam, mas não revelavam nada sobre seus pensamentos mais profundos. - Para cada porta que se fecha, uma janela de oportunidade se abre, Senhorita Charllote. Eu gostaria de oferecer-lhe um período de experiência, e uma vez que você tiver trabalhado para mim por algum tempo, vamos discutir opções de longo prazo. Meus funcionários são compensados com bons salários, e você perceberá, que o trabalho não será muito difícil. Afinal, eu tendo a manter as coisas um pouco arrumadas por aqui. Ela desviou o olhar dela, e eu juro que eu a vi rolar os olhos dela. Quem é está mulher? É incomum para mim não ser capaz de descobrir alguém imediatamente. - É bom saber. Tenho fé que você faz o melhor para seus funcionários, Sr. Bradshaw. Afinal, você é um dos magnatas das finanças, mais famosos do mundo. - ela disse com um sorriso astuto. Eu hesitei, considerando as minhas palavras. Não sei se ela estava tentando lisonjear-me, mas se ela estava, tenho vergonha de dizer que estava funcionando. É simplesmente com mais uma coisa importante para resolver e testar o quanto essa linda mulher quer o trabalho, falei. - Por favor, Sr. Bradshaw foi meu pai. Me chame de Dillon. - digo calorosamente, e ela acena. - Há só mais uma coisa que precisamos discutir. Se você quiser, eu quero ser claro que o emprego é seu. O resto é apenas alguns aspectos técnicos menores. Ela revira os olhos novamente, como se ela achasse que eu não posso ver. Então, ela se vira para me enfrentar de cabeça erguida, fixando-me com um olhar intenso. - Sr. Bradshaw... - ela faz uma pausa no meu olhar crítico, antes de corrigir-se. - Dillon, tenho certeza de que não há nada que possa me fazer desligar deste trabalho neste momento. Se é uma questão de limpar


banheiros ou outros trabalhos, que você pode achar que é inadequado para mim, garanto não será um problema. - afirma. Encontro-me gostando de sua atitude obstinada, apesar do desprezo que ela parece ter em relação a mim. - Muito bem. Por uma questão de fato, no entanto... - Eu trilhei para fora, a observando com uma expressão peculiariar nos lábios. Tenho a sensação que ela particularmente não vai gostar da ressalva de que estou prestes a apresentar, mas também estou confiante de que ela não mostrará sinais de fraqueza, a isso. Eu arrasto o momento o tanto quanto posso, observando por sinais de ansiedade. Ela simplesmente estreita os olhos dela, cruzando os braços. - Dillon, por favor. Só cuspa. - coroou. Não consigui não rir, e inclinei-me para a frente, para diminuir a distância entre nós. Por um breve momento, fui apanhado pelo brilho intenso dos seus olhos verdes esmeraldas. Quase me esqueço o que estou prestes a divulgar e potencialmente arruino essa relação de trabalho a agarrando e a beijando. Quase.


Eu não posso ajudar, mas pergunto o que Dillon quer me dizer, embora eu suspeite que ele é meramente propenso a drama. Vê-lo com os lábios franzidos, tentando se convencer se a longo prazo, este trabalho em potencial irá valer a pena. Tanto quanto eu gostaria de lhe dizer para ir se ferrar, só posso ter esperança de que terá oportunidades para envergonhálo, uma vez que tenha acesso a seu local de trabalho. Embora, eu saiba bem que ele está escondendo algo. Eu só me pergunto se ele acha que o que irá revelar, irá me afastar, apesar de não esperar nada particularmente surpreendente. O homem parece bastante absorvido em considerar minha expressão, que continua fechada e em branco, para meu benefício e seu. Ele descansa uma mão no braço da minha cadeira, ondulando seus lábios em um sorriso felino. Enquanto eu acho que ele é menos impressionante do que ele gosta de se dar crédito, eu não posso me ajudar, mas ficar presa naquele olhar intenso que ele direciona em cima de mim. Os olhos de oceano azul parecem tão profundos como o Oceano Pacífico, segurando uma profundidade que um homem nunca poderia entender. É óbvio que ele pretende capturar-me profundamente e me consumir com seu olhar, mas eu não sou tão facilmente hipnotizada. - Bem, há uma pequena questão que precisamos discutir, antes de você concordar em aceitar esse trabalho. - ele murmurou, e lutei para não rolar os olhos uma terceira vez. Tanto quanto pareço bastante impressionada por suas afirmações anteriores, também sei que faria qualquer coisa para ele não me demitir. Mesmo assim, não pude deixar de exalar um ronco suave e irônico. Tanto quanto ele imagina, não deixarei este trabalho tão facilmente — não importa o que ele descreva como requisito de trabalho.


- Eu já concordei em aceitar o trabalho. Pequena questão ou não, você perceberá que não sou facilmente influenciável, Sr. Bradshaw. - Eu disse sem rodeios. Seus lábios levantam em um sorriso que parece quase travesso, e começo a considerar. Sinto-me inclinada a me afastar de seu olhar, mas eu permaneço calmamente preparada. Eu encontro o seu olhar, levantando uma sobrancelha ousadamente. - É simplesmente sobre suas expectativas para esta linha particular de emprego. - Ele para de se mexer, segurando uma mão para deter-me. - Imagino que, ao receber informações sobre este trabalho, você esperava estar limpando os escritórios SharkTec Financeira. Eu estou certo, não? Incerteza rasteja dentro de mim, e eu não posso me ajudar, se não investigá-lo. - Como estive trabalhando como empregada doméstica em vários empregos, só faria sentido que eu viesse a limpar seu local de trabalho. - Eu disse friamente, resistindo a vontade de bater nele. Mesmo com essa linha de pensamento parecendo tola, não consigo imaginar o que ele iria querer. Obviamente há algo mais profundo para esse trabalho, ele conseguiu capturar-me, e não posso negar minha ânsia para ver em que direção vai virar nossa conversa. Ele considera-me com um sorriso irônico, enquanto tento discernir qual direção ele poderia estar me levando. - Isso faria sentido, suponho, mas o que se qualifica como essa posição? Trabalhar como empregada doméstica, implica que você limpe uma casa, não? - ele pergunta. Estreito meus olhos para ele, incapaz de negar os tremores que sua insiuação envia a minha espinha. Ele não pode estar dizendo... não há nenhuma maneira que ele iria me contratar para limpar sua casa. Tanto quanto imagino, Dillon Bradshaw só permite um seleto grupo de pessoas na casa dele. Parece incompreensível que ele iria contratar-me para limpar a sua casa, com tão pouca informação sobre o meu passado.


- Receio que não entendi, Sr. Bradshaw. - digo-lhe, braços cruzados defensivamente. Ele parece encantado com minha ousadia, e é tudo que posso fazer para me impedir de aparafusar no escritório, enquanto ele chega mais perto de mim. Ele descansa uma mão nas costas da minha cadeira, logo acima do meu ombro esquerdo, e o vejo com uma expressão debochada. - Deixe-me soletrar para você, senhorita, visto que parece tão empenhada em se fazer de boba. Não preciso de qualquer outro auxílio na limpeza de meu escritório. Você vai descobrir que eu estou muito bem equipado na divisão de limpeza. Você terá um papel muito mais importante. Preciso de uma empregada pessoal, para minha casa. Eu sei que é não o que você esperava quando se candidatou, mas você parece ser bastante flexível em relação a o que é exigido de você. - ele explica. Apesar de me manter calma, trepidações começam dentro de mim. Eu particularmente não estou encantada com a idéia de entrar em sua casa, muito menos de limpar sua roupa suja. Eu me esforço para inventar um motivo para recusar a posição, mas não posso negar que o salário supera os contras. É um trabalho bastante simples, supondo que ele é semelhante ao habituais proprietários ricos que costumava trabalhar. Ele provavelmente é dono de algum apartamento ridiculamente caro. - Você poderia ter adiantado isso ao começar Sr. Bradshaw. Sua hesitação me leva a acreditar que há um motivo para não me dizer que era para eu limpar sua casa. Você está esperando ter um tipo específico de cuidados, que você não poderia razoavelmente listar em uma vaga de trabalho normal? - Peço, encontrando seu olhar com um olhar entediado. Não seria a primeira vez que algum rico me contratava sob a premissa de um trabalho inocente, apenas à espera que eu chupe seu pau, em determinado momento. Os olhos de Dillon alargam em choque com a insinuação, e eu me esforço para sufocar uma risada, enquanto ele resmunga incoerentemente. Ele balança a cabeça fervorosamente, circulando de volta para sua posição original, a mesa fornecendo uma barreira estável entre nós. Ele coloca os


dedos sobre a mesa, me olhando com uma expressão que está dividida entre indignidade e surpresa. - Senhorita, garanto que minhas intenções não são nada se não puras. Eu contornei o assunto, pois não posso oferecer para qualquer candidato um trabalho tão prestigiado. Embora não tenha dúvidas de que você já trabalhou na indústria de limpeza antes... - Ele faz uma pausa, olhando um pouco arrogante. - Estou igualmente certo que nunca ofereceram uma posição tão privilegiada. Eu não pediria apenas para qualquer um limpar a minha casa. Há um certo grau de confidencialidade nesta posição, e eu espero que você mantenha o profissionalismo enquanto estiver lá. - afirma com firmeza. Não consigo não sorrir, quando é óbvio que eu bati um nervo. - Oh, Sr. Bradshaw, garanto que eu pretendo manter a discrição. Você não seria o primeiro homem rico que trabalhei. Eu entendo que você tem coisas que você pode querer manter privado, e certamente respeito isso. Agora, se isso é tudo o que está a ser discutido, acredito que nós podemos continuar com os preparativos. - Eu disse alegremente de pé e oferecendo minha mão com um sorriso confiante. Ele hesita por um breve momento, antes de agarrar a minha mão, dando um aperto firme. Seu aperto se atrasa na minha mão por um momento, e ele segura o meu olhar, com um olhar curioso. Como os olhos de oceano azul bloqueado sobre o meu, eu não posso imaginar o que ele pretende encontrar em meu olhar. Tenho certeza que ele não tem nenhuma pista sobre minha intenção de arruiná-lo, mas obviamente há algo fazendo com que nossos olhos se encontrem. Ele afasta a mão, embora lentamente, as almofadas dos dedos roçando minha pele, enquanto ele se afasta. Ele inclina a cabeça curiosamente, mantendo o seu olhar fixo no meu. Depois de um momento, seus lábios se enrolam em um sorriso. Enquanto eu não tenho idéia do que parece ter definido esse sorriso, ele parece inteiramente satisfeito com a conversa que aconteceu. Que estreitar


meus olhos, e perguntar o que tem ele em extâse. Antes eu possa exprimir a questão, ele fala. - Você tem olhos lindos, bem diferente de todos que já vi antes. Eles são bastante singular. - ele fala. Sinto que minha bochechas coram em resposta a sua observação, e tentar acalmar o aumento no meu pulso. Ele está tentando ficar sobre mim, isso é óbvio. Não estou preparada para deixá-lo vencer-me assim tão facilmente. E tanto quanto estou tentada a retribuir, eu consigo engolir o comentário. - Isso é muita gentileza sua, Sr. Bradshaw. Mas prefiro pensar em algo mais apropriado para discutir, como os termos do meu emprego. Estou começando meu serviço hoje? - Pergunto, mantendo minha voz calma, na tentativa de manter o controle da situação. Ele inclina a cabeça novamente, seus olhos brilhando com algo parecido com deleite. - É claro. Por favor, veja a minha secretária, que irá levá-la para assinar alguns documentos. Uma vez que estiverem assinados, ela entregará a chave para o meu apartamento. De lá, vou deixar você por seus próprios meios. - explica ele, com um sorriso fraco. Ele foi embora sem abordar nada mais, pegando o celular do bolso. Presumivelmente, ele está discando para a pessoa que ele tinha sido conversando, antes de desligar para discutir nossos termos de compromisso. Vejo-o ir, incapaz de manter um olhar malicioso de cruzar o meu rosto. Apesar de educado, como ele foi para mim hoje, não posso esquecer que ele é a razão pela qual que perdi minha posição permanente na empresa Stratton. É provável que ele esteja indo embora para discutir a absorção de outra empresa de pequeno porte, do qual ele dirá qualquer número de funcionários, que seus serviços não são mais necessários. Embora eu devesse agradecer que ele não me reconheceu, não consigo deixar que a amargura suba dentro de mim. Dele dizendo-me que eu não era mais necessária. Ele pode ter comentado sobre a beleza dos meus olhos, mas eu rejeitei como simples banalidade.


Parece que acha que ele pode conquistar qualquer mulher. Se ele acha que vai me conquistar, tem outra coisa vindo. Sacudindo os pensamentos sobre as minhas intençõe, eu saio fora da sala, para encontrar com a secretária de Dillon. Ela me cumprimenta com um sorriso amável, fuçando em uma pilha de papéis. Ela atinge uma gaveta em sua mesa, retirando uma chave e empurrando-a para a minha mão. Dando-me o endereço para o complexo de apartamentos do Sr. Bradshaw, ela explica que sua cobertura é a única no nível superior. Embora já suspeitasse disso, finjo não ter conhecimento dessa informação. Eu consigo forçar uma expressão relativamente surpresa, fingindo estar encantada com a idéia de estar indo para uma localização tão impressionante. A secretária simplesmente sorri, lendo fora de algumas instruções sobre uma pilha de papéis, que eu suponho que ela recebeu de Dillon. Eu escuto atentamente, aceitando os papéis que oferece para mim. - Boa sorte, Senhorita Law. Tenho certeza que você vai achar que trabalhar para o Sr. Bradshaw, é uma verdadeira delícia. - ela diz, batendo com os dedos em cima da mesa dela. Eu aceno vigorosamente, ignorando a parte de mim que quer responder sarcasticamente. Embora a secretária não saiba, provavelmente é só uma questão de tempo antes que ela seja descartada, como eu fui, há dois anos. Roubando os papéis, sigo na direção do elevador com um propósito. Pressiono o botão que me levará para o andar térreo, pisando no interior com um grupo de pessoas em trajes sociais. Eu pretendo ignorar as conversas que ocorrem ao meu redor, mas acabo me pendurando em cada palavra sobre o CEO da SharkTec Financeira. Os funcionários de Dillon parecem todos muito entusiasmados por seus empregos, sem saber que seus meios de subsistência podem ser arrancados a qualquer momento. Engulo o meu desejo de avisá-los, e passo com confiança fora do edifício de SharkTec, considerando o mapa que foi impresso para mim. Parece que a cobertura de Dillon é apenas ao virar da esquina.


Não tenho certeza de quanto tempo eu vou ter para explorar, antes que ele chegue, mas eu pretendo aproveitar ao máximo de cada momento. Deve haver algo em sua casa, algo que vai arruinar a sua vida tão completamente, quanto ele arruinou a minha. É só uma questão de tempo antes que o Sr. Bradshaw encontre-se abatido de seu pedestal, o qual está tão firmemente enraizado. Com o complexo de apartamentos entrando em minha exibição, obrigo-me a engolir uma risada de vilã. Apesar de ainda não saber, a queda de Dillon será na sua esquina. Eu simplesmente tenho que encontrar uma maneira de garantir isso.


Apesar do sentimento, de que eu conheci essa menina antes de nossa entrevista, não posso ajudar, mas me pegar apanhado na sua atitude afiada. Enquanto a maioria das mulheres é imediatamente apaixonada pela minha presença, Charlotte não pareceu facilmente impressionável por um sorriso e um movimento de pulso. Não posso dizer que encontrei alguma coisa errada nisso e verdade seja dita, é revigorante encontrar alguém que não desmaie imediatamente em cima de mim. A entrevista que tivemos, pareceu coloca-lá em um terreno um pouco instável, mas quando acabou a conversa, ela parecia ansiosa para iniciar seu novo trabalho. Por uma questão de fato, ela parece além de ansiosa — como se ela estivesse esperando por essa oportunidade toda a sua vida. Tento banir os pensamentos da linda mulher, da parte de trás da minha mente. Não espero vê-la até que eu termine com trabalho do dia, e ainda tenho muito o que discutir sobre uma outra fusão que está em andamento. Enquanto eu não pretendo dizer ainda, não tenho planos para desistir de qualquer um dos meus poderes como o CEO da SharkTec Financeira. A outra empresa provavelmente será dissolvida e assimilada pela minha força de trabalho, enquanto o CEO da outra empresa ainda terá sorte se manter qualquer posição em tudo. Só mais um caso onde devo cuidar do CEO. Apesar de minhas melhores tentativas de pensar em qualquer coisa, exceto aqueles olhos verdes intensos, encontro-me tropeçando na reunião de fusão. É um erro imperdoável no meu mundo, embora eu sou rápido para corrigir quaisquer erros, quando se trata de discussão a longo prazo. Quando eu quase acidentalmente revelo minha intenção de tirar meu potencial “sócio”, assim que nossas empresas se mesclarem, rapidamente


mudo de assunto para condições mais favoráveis. Especificamente, esboço o potencial de lucro a ser feito. A ganância é algo que mesmo o melhor dos homens encontra-se agarrado. Eu não sou tão presunçoso a sugerir que eu mesmo não tenha tendências mesquinhas no mundo dos negócios. Lucro é o que faz o mundo girar, e eu não sou livre de suas garras retorcidas, por qualquer meio. Eu simplesmente consigo manter meu passo quando necessário, esperando o momento oportuno, enquanto outro homem saltaria em qualquer momento. Eu faço o trabalho rápido de traçar o caminho que vou tomar junto com meu parceiro de negócios temporários, deslizando sobre os detalhes onde ele já não será necessário. O trabalho é tedioso e cansativo. Não aceitaria de outra maneira. Eu pretendo aproveitar ao máximo da jornada de trabalho e então fazer o caminho de casa para saciar-me com outro momento com minha nova empregada. Nao mostrarei que estou encantado com sua presença, mas não posso negar que tenho pensado em usar seus serviços, além do que se espera de uma típica empregada. Tenho claramente pensado sobre, embora eu não pretenda revelar quanto tenho pensado sobre isso. O restante da jornada de trabalho é agonizantemente e longo, e espero que a minha linda nova serva ainda vai estar na minha casa quando eu finalmente encontrar o tempo para ir embora. Onde há uma dúzia de fusões, há parceiros de negócios adicionais buscando expandir seus negócios com a minha ajuda. Estou no meio de uma reunião com um parceiro de negócios, quando o relógio bate as seis, marcando o fim do meu dia de trabalho. Faço o trabalho rápido de acabar com a conversa, prometendo continuar a reunião no dia seguinte. O senhor na outra linha é relutante em deixar-me ir, mas é óbvio que ele percebe quão pouco poder que ele detém. Parece uma vida solitária a que estou vivendo, e não posso negar que o companheirismo é uma coisa que me falta. Mas por enquanto, eu pretendo fazer o caminho de casa e desfrutar do resto da minha noite sozinho.


Talvez um bom copo de vinho tinto, comer fora no meu lugar favorito de sushi. Eu poderia pagar um personal chef, é claro, e enquanto é uma indulgência ocasional, não justifica manter um ao meu lado em todos os momentos. A única pessoa que eu espero ver, enquanto eu faço meu caminho de casa, é a da minha tentadora empregada recém-contratada. Enquanto eu não posso completamente exibir meu desejo por ela, seria tolice não desfrutar de sua companhia enquanto eu sou capaz. Sim, esta Charlotte parece ser a companhia perfeita para arredondar um dia atarefado. A viagem para casa é um curta, como sempre. Enquanto não vejo nenhum carro, tenho a sensação de que ela ainda vai estar no meu apartamento quando eu chegar. Afinal, cheguei mais cedo que o habitual. Não cedo o suficiente para enviar minha equipe em uma comoção, mas cedo o suficiente para que eu deva ser capaz de apanhar a mulher no meio de seu trabalho. Passaram-se apenas algumas horas desde que eu a mandei para minha cobertura, afinal. Nem o mais eficiente dos trabalhadores, poderia ter todo o lugar limpo em um curto espaço de tempo. Lutando para sacudir minha ânsia de vê-la, eu passo para o elevador e pressiono o botão para o piso superior. Inicia a música de elevador, e encontro-me a sentir um pouco mais alegre do que o habitual. Eu me inclino contra a parede traseira do elevador, fechando meus olhos, enquanto subo os andares do edifício. Momentos depois, o elevador apito para indicar que eu cheguei no meu andar. As portas abrem e eu saio, brigando com meus bolsos por um momento, para encontrar minhas chaves. Com ansiedade, me aproximo da porta do meu apartamento, pausando por um brevíssimo momento. Eu escuto em silêncio, tentando discernir se meu fascínio presente ainda perdura no interior. Parecendo incapaz de ouvir qualquer som, destranco a porta e entro. Enquanto não a vejo imediatamente, posso sentir o menor indicío de seu perfume, enquanto eu ando pelo meu apartamento.


Encontrá-a no meu quarto, que parece assustada com a minha presença. Ela se coloca na posição vertical, virando-se para me enfrentar com um sorriso estranho. - Não esperava que estivesse cedo em casa. - ela murmura, e eu não posso ajudar, mas sorrio para ela. Se ela não estivesse aqui, eu teria provavelmente queimado o óleo até meia-noite no meu escritório. - Consegui terminar as coisas no escritório mais rapidamente do que o normal, então eu mandei todos para casa um pouco mais cedo. - Eu disse com desdém, não disposto a deixá-la saber que estive ansioso para vê-la. Ela morde o lábio, cutucando sutilmente uma gaveta fechada com o quadril. - Isso é maravilhoso. Estou quase terminando, eu acho. Eu tenho alguns toques finais para arrumar e resolver, e então eu gostaria de ter certeza que tudo está bom para você. - ela diz suavemente. É óbvio que ela está lutando para manter seus olhos longe em mim, e eu não posso ajudar, mas pergunto se ela está tendo os mesmos pensamentos que eu. Claro, dúvido que ela esteja ponderando os prós e contras de usar uma roupa de empregada francesa para trabalhar. - Perfeito. Eu estarei em meu escritório. Só termine de arrumar tudo e tenho certeza de que tudo vai estar perfeito. - digo-lhe, com um largo sorriso. Ela devolve hesitante, e não posso negar minha alegria por vê-la novamente. Enquanto desbloqueio meu escritório em casa, eu posso sentir seus olhos sobre mim. Finjo não notar a atenção dela, deslizando na sala anteriormente bloqueada. Eu solto o ar, que não tinha percebido que eu estava segurando, tentando acalmar o bater do meu coração. Nunca na minha vida tinha sido confrontado com uma visão de beleza. Há algo sobre o ligeiro desprezo que ela dá,que só só serve para fazer-me querê-la mais. Charllote está escondendo algo abaixo da superfície, e eu farei a minha missão para descobrir o que é. Eu sei que não é profissional e seria melhor gastar meu tempo focado no trabalho, mas há algo inebriante na mulher de olhos verdes. É como se


eu estivesse drogado por seu olhar desdenhoso, capturado pelo seu desrespeito casual. Arrastando meus pensamentos pelas vibrações do meu telefone tocando, eu insiro minha mão no bolso e puxo-o. O número familiar de um dos meus associados de negócios aparece na tela e eu respondo rapidamente. Embora eu particularmente não esteja emocionado pela idéia de discutir trabalho no momento de discutir, eu sei que seria insensato ignorar meus deveres, por causa de uma paixão breve. - Dillon Bradshaw. - respondo, mantendo meu tom medido. - Despedi Chad. - Anuncia Mark, embora ele pareça insatisfeito com a situação. Inspiro um suspiro cansado, sentando em minha cadeira de escritório e afundando no estofado. Permito que minha cabeça ceda contra o encosto de cabeça, cantarolando minha confirmação ao homem no outro lado da linha. - Eu não suporto isso, sabe? Ele pensou tinha uma idéia melhor do que é bom para a empresa que eu. - ele continua. Eu aceno antes de perceber que ele não me vê. Verdade seja dita, Chad provavelmente tem mais conhecimento do negócio, mas não estou prestes a dizer-lhe tanto. Ele tomou sua decisão, e eu seria tolo de desprezálo por isso. - Está me chamando para ter certeza? - Pergunto, apoiando-me em minha cadeira. - Eu só gostaria de saber que eu não estraguei tudo. - ele admite e eu rio sob a minha respiração. - O que acontece em relação a seu negócio é a sua decisão, Mark. Tenho minhas opiniões sobre o assunto, certamente, mas você precisa estar confiante em suas próprias escolhas. Se você cometeu um erro, você terá que aprender a viver com as consequências. - respondo, ouvindo um som próximo à minha porta.


Eu percebo que Charlotte deve estar limpando a área próxima, e é tudo o que posso fazer não desligar Mark e ir para fora da porta. Chame-me um tolo, mas eu estou viciado em sua presença. - Eu acho que tem razão. Você não acha que eu estraguei tudo muito ruim, certo? - Implora. Levanto-me para os meus pés, o som em minha porta crescendo mais alto. Penso em uma desculpa para o outro homem, tentando encontrar uma razão para desligar. Decidindo que não vale uma das minhas melhores desculpas, decido sair com a verdade da questão. - Chad era um trunfo inestimável para sua empresa. Então posso leválo na direção certa, neste caso. É uma coisa que você vai ter que descobrir sozinho. Podemos discutir isto mais amanhã, Mark. Eu preciso ir. - digo brandamente. Ele suspira e sussurra por um momento, mas eu aperto o botão para terminar a chamada, antes que ele diga outra palavra. Rastejo até a porta, pressionando minha orelha na madeira, na tentativa de ouvir o que Charlotte está fazendo. Ouço ela resmungando sob sua respiração, e percebo que a maçaneta se mexe ligeiramente. Sorrindo, empurro a porta aberta. Minha empregada recémcontratada está obviamente assustada, e quase cai, quando abro a porta. Eu rapidamente dou um passo à frente, reunindo-a em meus braços, antes que ela possa cair no chão. Ela sacode fora de meu controle, gerenciando um sorriso nervoso. - Sinto muito, Sr. Bradshaw. Eu estava limpando a maçaneta da porta e não esperava que saisse tão de repente. - ela respira, soando nervosa, com falta de ar. Eu levo algum prazer em ver o rubor em suas bochechas, saboreando como ela se sente em meus braços. Percebendo que eu estou ficando muito preso na minha fantasia, lanço um olhar sobre a área. O apartamento parece imaculado, limpo ao mais ínfimo pormenor. Meus lábios se enrolam em um sorriso, e as bochechas da minha beleza de olhos verdes só avermelham ainda mais.


- Por favor, me chame de Dillon. Você fez um excelente trabalho aqui hoje, Charlotte. Eu sabia que estava fazendo a escolha certa em contratá-la. - digo calorosamente. Ela parece um pouco envergonhada, mas assente. - O lugar está maravilhoso. Acho que ambos concordamos que está acabado para a noite. - digo relutantemente, desde que eu não gostaria que ela se fosse. - Oh. Fico feliz que esteja satisfeito com o trabalho, Sr... - ela faz uma pausa por um momento. - Dillon. - Ela corrige-se, parecendo um pouco nervosa pelo modo familiar como estamos tratando um ao outro. Incapaz de ajudar, com uma risada suave, chego para segurar o ombro dela, dando-lhe um ligeiro aperto. Ela encolhe sob meu alcance, mas não rasga seus olhos longe do meu. - Vou ver você amanhã, Charlotte. - digo calorosamente, permitindo que minha mão escorregue para baixo do seu braço, antes de tirá-lo fora. Ela me considera criticamente por um momento, antes de balançar a cabeça lentamente. - É. Boa noite, Dillon. - ela murmura, virando as costas pra mim e escorregando em direção à porta. Vejo-a ir, prestando atenção na ligeira oscilação dos quadris dela, enquanto ela anda. Se ela percebeu que estou olhando, ela não deu nenhuma indicação. Ela não perdura na porta, e sai rapidamente, batendo a porta fechada atrás dela. Ela parece com a intenção de se fazer de difícil, e isso é algo que eu não estou particularmente familiarizado. Por alguma razão, no entanto, não é indesejável.


Eu observo ele. Sei que isso soa assustador, mas existe um mitivo para essa loucura. Na maioria dos dias, ele está no trabalho. Então eu fiz disso um hábito - chegar antes que ele saisse de seu apartamento para o dia - e embora ele pareça bastante feliz que eu estou fazendo isso, garanto-lhe que certamente não é para seu benefício. Na verdade, tinha sido um capricho quando cheguei cedo para meu novo trabalho a primeira vez. Agora, eu acho que eu tive algum benefício com a minha chegada antecipada. Manter o controle na agenda de Dillon não era algo que eu esperava, mas, parece finalmente estar valendo a pena. Vê-lo enquanto ele sai para o trabalho todas as manhãs, tornou claro duas coisas. Um: Dillon carrega um conjunto especial de chaves com ele para trabalhar todos os dias. Dois: ele mantém essas chaves em um casaco, que eu nunca o vi sair sem. Isto é, até hoje. Tentar manter minha emoção discreta é uma tarefa mais difícil do que eu poderia ter antecipado, e eu me esforço para engolir um grito de vitória, enquanto vejo o casaco pendurado no gancho perto da porta. É bem provável que ele vá perceber que ele está faltando dentro de cinco minutos e volte para ele. Às escondidas vou até a janela, e faço uma checagem geral do lado de fora do estacionamento. Também decorei o carro que ele dirige e onde ele prefere estacioná-lo. Isso é um caso obsessivo, mas odeio pensar que assumi este trabalho sem nenhum motivo. Eu não pretendo apenas limpar ao redor o dia inteiro. Claro, é o que me pagam, mas não é o porque estou aqui. Um carro esporte vermelho que eu identifico como o deDillon puxa para fora da garagem, fazendo uma curva para fora para a rua. Permito-me uma dança da vitória agora que estou realmente sozinha no apartamento de Dillon Bradshaw, mesmo sabendo que eu estou me adiantando.


As chaves são geralmente mantidas no bolso do casaco, mas é improvável que ele iria esquecer algo tão óbvio, como as chaves para seu escritório. Também me parece bom demais para ser verdade. Ainda assim, não posso negar o persistente sentimento de esperança que nasce dentro de mim, enquanto eu rastejo de volta para a sala e retiro cuidadosamente o casaco de seu gancho. Reunindo meu juízo, ponho minha mão no bolso do casaco e procuro ao redor por um momento. Meus dedos escovam algo metálico, e eu deslizo o dedo indicador através do qual é inequivocamente um chaveiro. Eu não consigo engolir a risada malvada que burbulha meus lábios, enquanto retiro as chaves. É o crime perfeito. Dillon é mais tolo do que eu lhe tinha dado crédito. Se ele tiver algo incriminador em sua casa, seu escritório particular seria o lugar mais óbvio para encontrá-lo. Então, novamente, ele não tem motivos para suspeitar de sua empreada, doce e inocente. Tanto quanto ele está ciente, de qualquer forma. Eu começo a rastejar de volta para o escritório, mas aí eu percebi que é totalmente desnecessário. Estou sozinha neste apartamento, e a única outra pessoa com uma chave estará no trabalho pelas próximas dez horas. Eu tenho todo o tempo do mundo, mas além disso, toda a privacidade do mundo. O verdadeiro teste de minhas habilidades será quando estiver no escritório. Para localizar as provas incriminatórias, seja lá o que pode ser, eu vou ter que vasculhar um pouco. No entanto, eu também vou ter que ter certeza que tudo retorne ao seu devido lugar. Parece-me um pouco difícil, mas sou conhecida por ter um toque delicado. Como um coelhinho perturbado, exploro a nova possibilidade que foi aberta por mim. Eu não ouso sequer respirar profundamente, por medo de que a mudança no ar vai ser muito óbvia. É como se eu fosse feita para este papel, como se eu fosse a espiã perfeita. Ocorre-me que a espiã perfeita, provavelmente não estaria usando


perfume florido, que é totalmente fora do lugar. Bem, vou só deixar a porta aberta para o ar sair. Verdadeiramente, Dillon não terá nenhum meio de saber que peguei as chaves no seu bolso. Quando ele vir para casa, a jaqueta estará no lugar exato. As chaves estarão no bolso, e qualquer prova que eu possa usar contra ele, vai ser firmemente pregueada em minha sacola. É só uma questão de encontrá-lo. Se eu pretendo fazer isso, eu tenho que engolir minha hesitação. Em um relance inicial, apenas olho o layout da sala. Me preparo na frente da porta por um momento. Se estou lembrando corretamente, a chave para esta porta é a menor do anel, uma pálida sombra de cor ouro. Se que isso parece excessivamente específico, mas fazer o que. Eu estava esperando essa oportunidade o que parece uma eternidade agora. Deslizo a chave na fechadura, delicadamente girando-a, exalando uma respiração que eu não tinha percebido que eu estava segurando. Eu aperto a maçaneta levemente, eu deveria ter colocado um par de luvas de látex, pois enquanto é improvável que ele verifique seus maçanetas para impressões digitais em uma base regular, no entanto, me sintiria mais confiante com uma barreira protetora entre mim e os itens privados que vou vasculhar. Não posso ajudar, revirando os olhos na paranóica que eu estou sendo, giro a maçaneta e empurro a porta. A porta abre, fazendo um estrondo pequeno contra a parede, da força com que eu a abri. Tanto para ser discreta, eu rapidamente olho para a sala e certificomme de que a porta não tinha batido alguma coisa fora do lugar. Tudo parece estar em ordem, mas não exatamente tivesse a oportunidade de olhar, antes de vir a entrar. Se eu não for presa, vou ser apanhada de qualquer maneira. Mesmo assim, eu cuidadosamente navego através da sala apenas para certificar-me de que tudo, pelo menos parece estar em ordem. Tudo no escritório está imaculadamente arrumado, mas os olhos de Dillon para os detalhe é bastante óbvio. No entanto, ninguém tem o que eu considero


abençoados olhos de águia. Um relógio de parede parece estar apenas um grau fora de ordem, e eu passo em sua direção com ansiedade. Eu me movo lentamente para colocá-lo no lugar. Dando um passo atrás e considerando isso, respiro um suspiro de satisfação. Virando as costas para o relógio, um choque atravessa meu corpo, enquanto eu ouço alguma coisa bater no chão. Eu chicoteio ao redor, para ver que o relógio que eu tinha ajustado meticulosamente, agora está com a cara para baixo no chão de madeira. Mordendo meu lábio, abordo-o mais uma vez. Deve ter quebrado. Não há nenhuma maneira, que a coisa estúpida sobreviveu a uma queda como essa. Talvez se eu possa encenar que ele caiu da parede... naturalmente. Estúpido. Não era como se eu pudesse mentir e dizer que um terremoto o varreu. Ele está literalmente descendo a rua, ele nunca irá acreditar. Eu continuo repreendendo-me mentalmente, enquanto eu pego o relógio, e estudo a face de vidro. Notavelmente, parece haver muito poucos danos. Sem rachaduras, não há quase nenhum arranhão. Agradecendo aos céus, por estar cuidando de mim, coloco o relógio na parede. Eu afasto minhas mãos cuidadosamente. Ótimo, quase corri o risco de estragar toda a operação, sem motivo. Bem, agora posso dizer que tudo parece estar no lugar. Agora, é só uma questão de procurar — pelo menos em sua mesa — e em seguida, colocar de volta na posição certa. Espero que eu vá ser tão afortunada, como eu fui com o relógio de parede. Eu olho a peça de mobília bem construída, tomando um momento para considerar a mesa, com desdém. A coisa estúpida, provavelmente custou vários meses de aluguel do meu apartamento pequeno. É primorosamente esculpida e incrustada com mármore em algumas partes. Deus, esse cara realmente tem a cabeça nas nuvens. Engulo minha amargura, mudo a cadeira debaixo da mesa, pra conseguir um bom olhar para a superfície. Parece não haver nada óbvio para fora em aberto, além de um calendário de bolso pequeno. Agarro-o acima, folheando as páginas para ver se há quaisquer planos nefastos esboçados


dentro. Claro, não há, porque o pensamento é ridículo. Não é como se ele fosse agendar seu planos em um pequeno livreto simples. Cantarolando baixinho sob a minha respiração, tento ter uma idéia de onde posso verificar em seguida. Existem várias gavetas, que estão provavelmente desbloqueadas, considerando que ninguém tem a pequena chance de entrar lá, sem o consentimento de Dillon. Eu gosto de me considerar a exceção a regra, e aparentemente isso parece ser uma de muitas. Meu chefe não sabe disso, e se depender de mim, ele nunca saberá. Uma vez que encontrar o que estou procurando, eu vou estar fora da sala e continuar com meu trabalho como de costume. Com toda a probabilidade, vou dar-lhe uma semana ou mais antes de entregar minha demissão. Só para não fazer as coisas parecerrem suspeitas. Então, mais uma semana ou duas mais tarde, vou enviar o que encontrar, a estação de notícias locais e deleitar-me com minha vitória. Talvez eu nem encontre algo tão ruim - que vá colocar o bastardo fora completamente dos negócios - pois teria que ser algo extremo. Respiro, e me inclino para baixo para analisar a primeira gaveta da escrivaninha. Eu a abro para encontrá-la vazia, salvo por um pacote de clipes de papel. Revirando os olhos, movo-me para a próxima gaveta, que parece estar preenchida com vários documentos. Eu tomo um momento para percorrer as primeiras poucas pastas, pegando algumas que parecem particularmente interessantes e coloco-as de lado na mesa. Eu estou esperando encontrar algo um pouco mais óbvio do que a falsificação do imposto ocasional, apesar de não ter encontrado um desses ainda. Deve haver algo que este menino bonito esconde! Passando para a final da gaveta, percebo que está trancada. Um sorriso atravessa meu rosto, enquanto eu imagino que tudo o que abrigada nesta gaveta inferior, deve ser particularmente suculento. Verifico o chaveiro, encontrando uma minúscula chave, que eu não tinha notado antes. Tomando a chave, eu enfio na fechadura e abro a gaveta. Quando eu puxo-a aberto, meus olhos alargam-se em estado de choque.


Não no que está lá dentro, no entanto — mesmo que seja um brilhante par de algemas. Não, o que me deixa nervosa, é o fato de que alguém arranhou a garganta atrás de mim. Então viro-me, e minha boca cai aberta em pânico. Dillon está na porta, braços cruzados sobre o peito, enquanto ele me observa, com uma expressão inquisitora. É isso. Oficialmente, estou ferrada.


Enquanto eu esperava várias reações de minha empregada bonita, ao ouvir minha presença, o olhar desdenhoso com que ela olhou-me não era um deles. Ela mudou sua expressão para algo mais casual, fechando suavemente a gaveta da escrivaninha, que detém um dos meus itens mais privado. Não é algo que eu quero que ela veja — pelo menos, não em tais condições. Eu esperava que eu fosse capaz de mostrar-lhe as algemas no cenário apropriado, mas isso parece ter ido pela janela. Eu mantenho a minha expressão cuidadosamente moldada em calma, embora temor corra em minhas veias. Eu sei que eu deveria estar com raiva que ela invadiu meu espaço privado, mas na verdade, pouco tenho a esconder. Não posso deixar isso passar sem qualquer consideração à minha privacidade, no entanto. Como minha empregada, ela deve saber bem que o escritório está poribido. - Me explique, o que está fazendo em meu escritório particular, Charlotte? - Pergunto, tentando manter a diversão de escorregar em minha voz, enquanto ela embaralha nervosamente de um pé para o outro. Verdade seja dita, não faço idéia do que ela acha que pode encontrar no meu escritório, mas espero que ela esteja tentando aprender mais sobre mim como pessoa. Eu tento ficar alheio ao desprezo em que ela me dá, embora, também fique claro que ela pensa que ela está escondendo isso muito bem. Qualquer outro empregador do meu calibre não permitiria tal insolência. Eu sei que eu também não deveria, mas tenho deixado minha admiração menos do que profissional nublar minha mente. O salário não não é suficiente? Ela está lutando, mesmo agora, para pagar as contas? Não tinha pensado que talvez ela precisasse mais do que eu estava oferecendo. A ideia dela querer roubar de mim é surpreendente, mas que me faz querer saber por que ela veio até aqui.


Decido deixá-la defender o seu caso, deixarei a minha pergunta anterior pendurada no ar. Espero que ela vá confessar, e possamos resolver esta questão. Se ela desviar, receio que isso é algo que não posso permitir. Se estiver tendo problemas pessoais, ou comigo, ou em casa, eu gostaria de ter acesso a essa informação. Chame-me de sentimental se quiser, mas qualquer homem estaria encantado com os olhos dela. - Eu estava... apenas pensei em limpar aqui. - ela diz inocentemente, que é óbvio que ela não está sendo sincera. Eu inclino a cabeça, movendo meus lábios no que espero que seja um sorriso calmante. - Se eu quisesse que você limpasse o escritório, eu deixaria você saber, antes de sair para o trabalho. Qual é a verdadeira razão por trás de tudo isso? - Peço gentilmente. Os olhos dela se arregalam, e é óbvio que ela está tentando formular outra mentira. Não posso permitir-lhe perder mais tempo com tanta bobagem. - Você é um péssima mentirosa Charlotte, então, só passe isso. Seja o que for... - começo, somente para ser interrompido por um riso. - Quer saber a verdade, Dillon? Dillon Bradshaw, que tem tudo, e não se preocupa com nada no seu caminho. Quer saber o que eu estou escondendo? Por que me perguntar? Porque não só me arruinar novamente, como fez da primeira vez? - ela termina, e eu a vejo com os olhos arregalados, enquanto ela prende o cabelo em óbvia frustração. Enquanto eu a vejo, um breve piscar de uma memória vem à frente da minha mente. Devia ter reparado já, mas neste negócio, você conhece muitas pessoas novas em uma base diária, e recordar rostos e nomes fica um pouco incerto. Tinha havido algo familiar sobre Charlotte desde o início, e fui capaz de colocá-lo, enquanto eu olhava esses olhos intensos nublados com raiva. Eu já me deparei com esse olhar antes. - Charlotte.. o que na terra... - Deixo escapar, pisando em direção a ela e estendendo a mão toca-lá.


Ela recua longe de mim, ódio brilhando no olhar dela, enquanto ela circula em torno de mim em direção à porta. Parece que ela não está disposta a encontrar-se presa aqui comigo. Eu só posso imaginar o que ela pensa que eu possa lhe fazer. Eu tinha a demitido há anos, mas certamente ela pode perceber que eu não sou um animal selvagem. - Você me pegou, eu trabalhei para você! Você só foi tolo para perceber quem estava contratando, ou talvez você pensou, que você poderia me conquistar de alguma forma. De qualquer forma, não tenho nada a perder. Você me despediu há dois anos, mas parece que não consegue se lembrar de dizer na minha cara, que eu não era mais necessária. - grita com raiva, gesticulando freneticamente enquanto ela fala. Sinto arrepios na espinha, mas não pelas razões que se poderia pensar. Não me arrependo de demiti-lá, simplesmente não queria que as coisas tivessem sido tão ruins. A teoria de que ela precisa de dinheiro parece mais aparente agora, e eu seguro minhas mãos fora em punho. Eu quase posso ver o vapor saindo de suas orelhas, mas tenho certeza que ainda posso resolver esta situação. - Escute, Charlotte. Sinto muito que você se encontrou em más condições após sua rescisão... desfavorável, mas se é dinheiro que você precisa... - Começo, só para ela me estreitar os olhos com desprezo. Enquanto abro a boca para falar novamente, ela tem uma mão para silenciar-me. - Ouça com atenção, Bradshaw. Não estou aqui para o seu dinheiro. O salário era ótimo, mas você quer saber a verdade? - ela assobia, sua voz fria. Eu hesitei, sua intenção de me causar o máximo dano possível crescendo mais evidente. Inclino minha cabeça e sorrio amargamente. - Parece que você está bastante intensionada em dizer verdade, de qualquer forma. Então, vamos soltar tudo, logo. Por que tomou o trabalho? - Peço, sentindo-me inteiramente fora. Sinto como se eu estivesse a mil milhas de distância, minha voz soando fraco para os meus ouvidos, como o murmúrio de uma brisa da noite.


- Eu queria arruiná-lo tanto quanto você me arruinou. Depois que você me demitiu, eu perdi meu apartamento. Eu tive que mudar para um lugar menor no lado errado da cidade. Eu mal consigo dormir à noite. Minha vida tem sido um inferno desde que fui mandada embora, e.... - Ela trilhas fora, as mãos tremendo. Ainda a sinto a milhas de distância, mas cada movimento capta minha visão. A raiva varrendo sobre mim em ondas. - Eu posso consertar isso, Charlotte. - Eu ofereço, mas ela parece não me ouvir. Ela parece estar tão longe quanto me sinto, perdida na expansão de sua psique cheia de dor. - Queria que você soubesse como é, sentir que a vida não vale a pena viver. Este apartamento de cobertura, sua empresa de vários bilhões de dólares, sua vida confortável... eu queria que você perdesse todas essas coisas. Eu queria que sofresse tanto quanto eu tenho sofrido, por sua causa. - ela murmura. Os olhos parando em mim por um momento, e meu coração murchando em meu peito. - Estava tentando encontrar algo incriminador. Algo que na verdade fosse prejudicá-lo. Mas não há nada, não é? Não há qualquer coisa escondida neste escritório. - ela continua, rachando a voz dela. Balançando a cabeça, sou forçado a desviar o meu olhar. A angústia está começando a sentir-se muito como a minha, e eu não posso suportar a emoção crua de tudo. Não é suposto que eu sinta isso tão profundamente. Sentimentos que nunca considerei passam por mim. - Você tem que perceber, Charlotte... não era nada pessoal. Foi puro negócio. Quando você executa uma empresa como a minha... - Arrasto, as palavras soando sem sentido. Enquanto eu não tive a intenção de magoá-la com minhas ações, intenção significa muito pouco aqui e agora. Ela se abriu comigo, a ferida crua, desde que ela perdeu o emprego. Eu daria qualquer coisa para aliviar os danos que causei, mas não há como consertar isso. Pelo menos não neste momento.


- Caso não esteja óbvio, desisto. Nunca mais quero ver seu rosto novamente. Eu nunca quero ouvir seu nome. Agora percebo que a vida não é justa. Nunca foi justa, e que achar que algo mudaria, só porque você invadiu tão corajosamente minha vida novamente, foi bobagem. - ela anuncia. Ela balança a cabeça, correndo para fora da porta. Ocorre-me para-lá. Eu poderia tê-la feito ser presa, por intenção de cometer um crime. Mas já feiz o suficiente para ela, no entanto. Eu arruinei vidas suficientes. Tudo que posso fazer é assistir ela sair do meu apartamento e provavelmente da minha vida, para sempre. Pela primeira vez, minha vida me sinto menos do que perfeito. Neste momento, sinto-me inútil. De certa forma, ela já recebeu o seu desejo.


As chaves na minha porta, fazem a trilha sonora de como agora vivo a minha vida. O som, que tinha sido calmante até tão pouco tempo atrás, agora é agonizante. Não posso negar um sentimento de perda, embora eu sei que é estranho estar tão chateada sobre um plano potencial arruinado — especialmente considerando que o plano estava fadado ao fracasso desde o início. Eu deveria sentir algum tipo de prazer no olhar esmagado que Dillon me deu, enquanto saía do seu apartamento sem uma segunda olhada, em linha reta fora de sua vida, para sempre. Em vez disso, sinto um estranho tipo de remorso. Eu não sinto falta dele, por si só... sinto falta do trabalho. Com certeza, agora que olho para trás, havia algo cativante sobre seu encantamento comigo. Eu sei que não sou tão boa atriz como eu gostaria de me considerar, e meu sentimento de ódio por ele tinha não sido tão intenso, como queria mostrar. Eu uso o tempo passado quando refiro-me ao ódio para o homem, percebendo agora, que potencialmente o ódio diminuiu. Enquanto o pensamento teria me trazido alguma medida de prazer no passado, me pego sentindo... mau. Mostrar a de Dillon o efeito que ele teve na vida das pessoas que ele demitiu, foi algo que necessariamente não me arrependo de mostrar-lhe tão severamente. Não consigo evitar me sentir como se eu estivesse à beira da insanidade, por querer que ele sofra tanto. Tinha sido estritamente negócios a partir de sua perspectiva, até que as coisas começaram a ficar pessoais recentemente. A imagem de sua expressão atingida assombra-me, mas eu sei que a chance de corrigir esta situação toda, foi ordenadamente pelo ralo. Um sorriso trabalha o seu caminho no meu rosto, enquanto eu fico olhando para o espaço vago na minha frente. Para um playboy bilionário, ele é sem dúvida um pouco avoado. Acho que ele pensou que eu estava


simplesmente me fazendo de difícil. De certa forma, suponho que eu estava, embora está não tivesse sido a minha intenção. Eu não vou mentir e dizer que eu consideraria sair com ele, só porque me sinto mal sobre como as coisas acabaram, mas... em outra vida, talvez trabalhassemos juntos. Claro, um homem como Dillon Bradshaw nunca saberia que eu existo, e o catalisador da minha existência, foi o trabalho. Parecia uma maravilha mesmo agora — o que ele viu em sua empregada mal humorada? Eu sempre tive um senso de humor um pouco seco, padronizado de sarcasmo e observações falsas, para obscurecer minhas inseguranças. Mas nunca antes tinha sido olhada como a forma que Dillon olhava para mim. Quanto imagino que os sentimentos dele não deve ter sido muito mais do que uma paixão superficial, o pensamento de seu sorriso juvenil ao ver-me todas as manhãs, envia dores no meu coração. Ainda estou brava. E acho que eu vou segurar sempre alguma raiva contra a situação. Agora que tive tempo para pensar, no entanto, poderia aceitar o fato de que era apenas um negócio. Isso é como ele se mantem, vendo por este ponto. Não posso entreter pensamentos bobos sobre algum empresário frio e calculista, que provavelmente está considerando como ter-me presa neste momento. O problema com esse pensamento, é o fato de que eu sei melhor. Dillon provavelmente nunca foi o magnata de negócios frio e sem coração que eu tinha visto no dia que fui demitida. O homem que odiava, o homem que eu pensei que ele era, nunca existiu. Em seu lugar, eu faria a mesma coisa? Eu tenho dinheiro suficiente para pagar meu aluguel esse mês, mas eu tenho que voltar para os anúncios de trabalho de limpeza. Ressentimento bate acima em mim, embora ele seja dirigido para mim desta vez. Se eu tivesse simplesmente feito o trabalho exigido a mim, teria isso muito fácil. O pagamento que recebi para o trabalho de empregada doméstica é muito mais do que já me foi oferecido em outro emprego. Considerando como o homem mantém a sua casa, era relativamente fácil de trabalhar, também.


Solto um suspiro, virando minha atenção de volta para a tela do computador. Eu enviei meu currículo para várias agências temporárias, e só espero que esteja muito claro que estou disposta a aceitar literalmente qualquer emprego que me atirarem. Preciso conseguir um emprego temporário, para pode ter a chance de levá-lo a uma posição permanente. É provável que eu nunca vá encontrar outro emprego no mundo das finanças, desde que eu traí o empresário mais bem conhecido no campo. Diabos, Dillon pode muito bem ser o empresário mais conhecido no país. Meus computador apita, indicando que eu recebi um email novo. Eu olho para minha caixa de entrada, enrolando meus dedos em antecipação. Caixa pop-up declara que é uma mensagem de uma das agências que me candidatei, me oferecendo um emprego com uma necessidade urgente. Vertigem rasteja acima em mim, e por um momento, o bilionário é esquecido. Eu abro minha caixa de entrada, clicando no e-mail e digitalizo os documento em anexo para informações. Lenta mas seguramente, a felicidade começa a escorrer. Quando eu digo que eu vou tomar qualquer emprego ruim, não significa um trabalho de limpeza literalmente uma porcaria. Aparentemente, a cidade precisa de alguém para limpar os banheiros públicos no parque da cidade. O salário é tão profundo como o trabalho em si, mas não estou em um lugar onde posso recusar quaisquer oferta de emprego. Eu engolo meu orgulho, digitando uma resposta à agência. Apoiando-me em minha cadeira, eu pressiono o botão enviar, antes de olhar para a minha janela. A vista é na maior parte, do lado de um edifício, mas uma lasca do sol espreita para fora ao redor do prédio, durante algumas horas todas as manhãs. Alguns podem dizer que há algum simbolismo em ter um vislumbre de luz, um pouquinho de esperança para o futuro, mas já desisti há muito tempo disso. Eu fecho meus olhos, minha mente à deriva para a vista da cobertura de Dillon. De sua janela, você pode olhar para fora em toda a cidade. Você pode até ver a área arborizada na periferia da cidade — pelo menos, até que as árvores sejam lavradas para baixo até os quarto adicionais. Apesar de urbanizado como é, a vista é bastante encantadora ao entardecer. Perto


do anoitecer, a cidade é acesa com torres que atingem em direção ao céu, na totalidade dos edifícios coberto de janelas, onde as luzes nunca parecem esmaecer. Esta cidade nunca dorme. Às vezes, me pergunto como eu consigo dormir à noite com toda a agitação. Eu sempre desejei ação, embora eu prefira acção na forma de um caso particularmente duro no escritório. Lembro-me longas noites a trabalhar na empresa Stratton, e o deleite que corria através do meu corpo, quando eu terminava um trabalho bem feito. Mais uma vez, lembro de Dillon e do trabalho agradável que tive sendo empregada dele. Eu não posso ajudar, mas pergunto se ele está pensando em mim, também. Dúvido. O bilionário provavelmente já esqueceu meu nome. Posso imaginá-lo, flertando com uma empregada nova, que não dá olhares sarcásticos ou tenta sabotar a sua vida. Não sei por que esse pensamento parece levar um peso em mim, colocando ele direto no meu peito. E menos óbvias são minhas razões para pensar tanto nele. Tento me livrar de pensamentos dele, libertando minha mente tanto quanto eu sou capaz. Meu computador novamente apita e tão esperançosa como estou, que é uma outra agência, estou mais uma vez decepcionada ao ver os termos da minha vaga de emprego sendo enviada para mim. Suspirando, constato que é onde eu estou destinada a ir para a entrevista. É um pouco longe, e por um momento, eu esqueço que nem consegui ligar carro na última vez que tentei. O pensamento aparece de repente, enquanto eu começo a fazer meu caminho, no entanto. Gemendo de irritação, eu peço um táxi através do app no meu celular. Diz que vou ser apanhada em cerca de dez minutos, e percebo que eu tenho muito pouco a fazer, além de esperar, e continuo a fazer o meu caminho. Talvez vá me sentir melhor, quando eu estiver a luz do sol. Eu tenho minhas dúvidas, mas eu posso pelo menos fingir que teho um pingo de positividade dentro de mim. Entrando no dia ensolarado, protejo os olhos do sol, enquanto aguardo contra o exterior do meu prédio. Quando minhas costas tocam no concreto, estou vagamente ciente de uma ligeira sensação de algo pegajoso


na parte de trás da minha camisa. Eu abalo ereta, balançando longe do edifício, só para ver um de chiclete entre mim e a superfície do edifício. Eu me esforço para engolir um grito, atingindo em torno de minhas costas, com a intenção de livrar-me do meu passageiro pegajoso. - Eca. - gemo, sentimento vagamente nauseante, quando a goma espreme entre meus dedos. Outro gemido miserável derrama dos meus lábios, e faço uma tentativa de limpar a goma dos meus dedos. - Senhorita Charlotte? - uma voz inquire abruptamente, e eu olho para a rua, à espera de ver o táxi que eu tinha chamado. Em vez disso, há um homem bem vestido, ao lado de uma limusine. As janelas são escuras, e enquanto eu tenho uma suspeita de quem possa estar no interior do veículo extravagante, não tenho como saber verdadeiramente. Rangendo os dentes em irritação, ando propositadamente para o homem, que eu só posso presumir é o motorista da limusine. - Sou eu. - respondo bruscamente, olhando para o carro. Uma culpa familiar começa a ferver no meu intestino e a náusea que senti, lava por cima de mim ainda mais intensamente. Devo estar ficando um pouco pálida, pois o motorista sai com uma mão enluvada e remove a goma da minha camisa. Gerencio a murmurar meu agradecimento, remexendo em minha bolsa para o desinfetante. - Eu posso fornecer-lhe um guardanapo assim que você entrar no carro. Seu antigo chefe gostaria de falar com você, e eu tenho a impressão que é uma questão bastante urgente. - ele explica. Eu tento ignorar a súbita guinada do meu coração, dividida entre a irritação e deleite, no pensamento de ver o homem que eu tinha tentado levar a ruína. O fato de que ele provavelmente veio esfregar na minha cara meu erro, parece quase secundário. Reconheço que orgulho ainda tenho, mas esperança é minúscula. Com toda a probabilidade, ele deve querer me arrancar, tão rapidamente como o maço de goma foi arrancado da minha camisa. Eu desenho meus lábios entre os dentes, olhando para cima, quando um táxi para na frente do


meu apartamento. Me sinto mal por um momento, sabendo que a área não está na rota do táxi normalmente e por boas razões. Vivendo neste complexo de apartamentos, não é exatamente algo que eu deveria estar orgulhosa. Há um tiro ou uma facada quase toda semana, e a apreensão de drogas ocasionais salpicada aqui e ali nos fins de semana. Dizer que mantenho minha porta fechada, seria um eufemismo. É tudo o que eu posso pagar, porém, e é melhor do que dormir num banco do parque. Em qualquer caso, é incomum que chame um táxi aqui. Não é como se pudesse dizer para o cara ir embora, sem ele ser compensando por desperdiçar o seu tempo. Pensando nisso, não chego no táxi, nem cumprimento o motorista. Em última análise, é uma questão de se realmente desejo entrar nesta limusine com Dillon. Enquanto eu estou pensando que decisão tomar, não suporto deixar as coisas nestes termos. Engulo o meu orgulho, eu olho para o motorista da limusine. Administro um sorriso hesitante, alcançando a mão no meu cabelo. - Eu pareço bem? - Pergunto baixinho, e ele hesita por um momento. - Você ficaria mais bonita se você sorrisse, Senhorita Law. - ele finalmente diz, oferecendo-me um sorriso. Estreito meus olhos, pesando a opção de dizer-lhe para enfiá-lo. Claro, ele tem um motivo para sorrir, ele trabalha para o homem mais rico do estado. Quer dizer, só porque eu estraguei essa chance para mim, não quer dizer que ele deve ir exibindo sua felicidade ao redor! - Eu vou levar isso em consideração. - resmungo, gerenciando um meio-sorriso, enquanto o motorista abre a porta. Abaixo a cabeça para que eu possa deslizar para dentro. E enquanto eu não estou surpresa de ver quem será minha companhia, há algo sobre a sua presença, que envia sentimentos mistos através do meu corpo. Dillon se vira para mim com um sorriso suave, e sinto meu coração bater freneticamente contra minhas costelas. Bem, não poderia ficar muito pior.


Com esses olhos intensos e verdejantes fixados em mim, tudo que posso fazer, é gerenciar um sorriso. Milo, o motorista, fecha a porta atrás dela. Charlotte consegue deslocar em posição sentada, embora ela pareça terrivelmente desconfortável. Resisto ao desejo de chegar a ela, dizendo a mim mesmo, que eu tenho que manter alguma medida de controle da situação. - Dillon. - Ela faz uma pausa, considerando suas palavras. - Estou assumindo que você está aqui para algum tipo de retribuição? Talvez você possa amarrar um bloco de cimento ao redor do meu tornozelo, e me jogar de uma ponte, nos fazendo um favor. - ela murmura, soando como se ela estivesse brincando. Eu ri, mas o som é reconhecidamente oco. - Eu não vim para discutir. Eu estava só esperando que você pudesse se juntar a mim para discutirmos umas coisas. - explico, tocando meus dedos nervosamente contra o estofamento de couro do meu assento. Ela me considera criticamente, e estou um pouco surpreso com a falta de desprezo em seu olhar. Só pode ser pelo conforto que o o efeito de que suas palavras tiverem em mim. - Eu realmente vim me desculpar. - continuo, encontrando seu olhar e segurando-o. Quero mostrar-lhe como estou arrependido. E mais do que qualquer coisa, levá-la em meus braços. Eu sei que a idéia fica muito longe para se considerar, mas... um homem pode sonhar, não pode? Ela parece perturbada pela intensidade do meu olhar, olhando para longe e mordiscando suas cutículas. Brevemente, ela faz uma cara de nojo, antes de bater no vidro entre o banco do motorista e do interior da limusine. Milo desce, olhando para ela com um sorriso tímido.


- Você disse que me daria um guardanapo. - ela diz, e não pude deixar de olhar para ele com diversão. Eu olho para Milo, tentando obter uma leitura sobre a situação. Ele não diz nada, chega ao seu porta-luvas e joga um maço de guardanapos para Charlotte. Ela captura-os com um sorriso fraco, rasgando o pacote. Milo mantém a janela abaixada por um momento mais, olhando entre nós dois. - Aconselho limpar a parte de trás de sua camisa também. - diz ele calmamente. Eu levanto uma sobrancelha, mas Charlotte simplesmente resmunga, lutando para limpar atrás de si mesma, com um dos guardanapos. Eu fecho a janela, restaurando a nossa privacidade, antes de tomar um dos lenços para a minha mão. - Vire-se. Você não vai ser capaz de obtê-lo. - insisto, dando em seu ombro uma leve cotovelada. Ela geme patéticamente, e é o suficiente para trazer um sorriso ao meu rosto. - Vamos lá. Não seja tão dramática. Deixe-me ver. - afirmo mais uma vez, rindo, enquanto ela atira dardos em mim. - Se você rir, eu vou sair. - ela diz muito a sério. Levanto minhas mãos defensivamente, oferecendo-lhe um sorriso gentil. Ela observa-me por um momento, antes de dar um suspiro e virasse para mim. Ela continua a limpar os dedos dela, e eu não posso ajudar, mas faço uma careta para a mancha rosa na parte de trás da camisa dela. Eu engolo o riso, estendendo a mão para a mancha. - Que porcaria é esta? - Pergunto baixinho, e ela suspira, enquanto termina de esfregar as mãos. - Chiclete. - ela responde brandamente. - Eu pensei que você fosse uma boa detetive. - falo, quase vacilando assim que as palavras passam pelos meus lábios. Os ombros dela endurecem, e eu estou quase certo de que ela irá explodir em mim. No entanto, ela começa a rir baixinho e descrença envolveme. Seu riso logo evolui para aralhada, e encontro-me rindo também. Eu


continuo a limpar a mancha na camisa dela, e ela vira-se para enfrentar-me com um sorriso fraco. - Não joguei de detetive muito bem. - ela admite. Eu encolho meus ombros, dobrando o guardanapo e colocando-o no porta-copo. - Não é você quem precisa se desculpar, você sabe. - ela disse depois de um momento pensativo, e não pude deixar de rir, tentando disfarçá-lo com uma tosse. - Eu certamente não senti isso no meu apartamento. - Eu falo. Desta vez, ela dá de ombros e me considera seriamente. - Eu tive tempo para pensar. Enquanto ainda acho que suas ações arruinaram a minha vida, bem como a de muitos outros, eu percebo que você está certo. Nunca foi pessoal até que eu decidi dar um passo além, e foi injusto da minha parte. - murmura. Meus lábios ondulam em um sorriso, enquanto me inclino de volta parao assento e cruzo meus braços sobre meu peito. - Bem, eu deveria olhar em seu passado um pouco mais, antes de concordar em contratá-la para a posição de empregada. Isso foi um erro da minha parte. Também... tanto quanto eu não deveria dizer isto, eu me arrependo do impacto negativo que minha escolha de negócios teve na sua vida. Não posso dizer que não considerei as consequências dos meus atos. Eu só nunca tinha sido confrontado com eles tão diretamente. - respondo suavemente. Ela cantarola baixinho em reconhecimento, e nós caímos em um confortável silêncio. Ela parece perdida em pensamentos, e estou satisfeito em juntar meus pensamentos, antes de chegar a nosso destino. Logo, a limusine puxa para uma parada. Charlotte olha pela janela, um pouco surpresa ao ver uma área de piquenique pitoresca estabelecida diante de nós. Há algumas mesas de madeira alinhadas, bem como um balanço perto de águas rasas do lago, na qual eu trouxe ela.


Olha para mim com curiosidade, uma sobrancelha perfeitamente levantada inquisitivamente. Simplesmente sorrio, permanecendo em silêncio, qneuanto Milo abre a porta para nós. Charlotte embaralha cuidadosamente para fora, e assim que eu saio, posso sentir a brisa fresca agradavelmente lavar por cima de mim. - Este lugar é lindo. - Charlotte diz decisivamente, correndo na direção dos balanços. Embora eu esperava que ela escolhesse um dos bancos de madeira simples, encontro-me seguindo atrás dela e indo para baixo no seundo balanço. Ela olha em minha direção com um sorriso fraco, uma mecha de seu cabelo obscurecendo os olhos dela. Escovo-o fora, encontrando seu olhar novamente. Parece que algo mudou no ar, e ela desvia seus olhos em direção a água. - Eu não posso dizer que eu entendo por que você me trouxe aqui, mas... é bom. - ela me disse com um sorriso. - Meus pais me traziam aqui quando eu era jovem. Apesar de eu ter a maioria da minha riqueza atribuiada a eles, não tenho muitas lembranças felizes dos meus pais. Meu pai era um homem bastante severo, e minha mãe estava propensa a colocá-lo contra mim, nas piores situações. Este é... traziam-me aqui de vez em quando, quando as coisas eram boas. - eu explico. - Suponho que até mesmo os ricos querem alguma coisa. - Ela murmura, olhando para fora, em direção a água. Meu coração murcha em meu peito, e por um momento, reconsidero minhas razões para trazê-la aqui. Enquanto eu queria vê-la e pedir desculpas, eu tenho outro motivo também. Eu sei que potencialmente poderia quebrar essa bondade tênue que estamos mostrando um ao outro, mas não consigo encontrá-lo em mim, para deixar isso ir. Mesmo assim, eu tenho um momento para olhar para fora, em direção a água, enquanto eu formulo meus pensamentos. - Você nunca quis filhos, Charlotte? - Pergunto, mexendo com as correntes no meu balanço.


Se ela percebe o meu desconforto, ela não dá nenhuma indicação. Ela simplesmente ri desajeitadamente, encolhendo os ombros. Eu considero pressioná-la, mas antes que eu possa tomar uma decisão, ela me responde. - Eu realmente nunca pensei sobre isso. Sempre pensei que eu estaria muito ocupada com o trabalho, tendo uma carreira que pudesse me orgulhar. Na verdade, não posso imaginar trazer uma criança para minha vida, como está. No futuro, talvez, embora eu acho que o homem certo teria que vir junto. - Ela faz uma pausa pensativamente, voltando-se para me encarar e inclinando a cabeça ligeiramente. - E você? Já pensou em assentar? Eu dou uma pausa por um momento, e embora eu agonize sobre essa conversa, que ensaiei mil vezes, eu sei que vai ser complicado de explicar. É muito cedo, e muito rápido. No entanto, eu sei o que eu quero, e não estou disposto a deixar a oportunidade escapar. Só tenho que defender meu caso corretamente. Olhando naqueles olhos intensos verdes brilhantes, uma emoção atira-se através do meu corpo. - Mais do que tudo, sempre quis um herdeiro para deixar a minha fortuna. Alguém para compartilhar a vida, uma criança para tratar como um rei. - eu começo, e ela parece satisfeita com a resposta. Eu hesito, cuidadosamente considerando meu fraseado e tom, antes de continuar. Esta solicitação deve ser feita com a entrega perfeita. - Eu não procuro uma relação, no entanto. Todas as mulheres com quem estive, estavam limitas a um assunto puramente físico. Eu quero a recompensa, sem toda a bagagem. - digo a ela. A expressão dela muda para uma de confusão, mas ela ainda parece receptiva para o que estou dizendo. Pelo menos, parece curiosa. - Você realmente nunca se importou profundamente com alguém? O suficiente para estar com ela? - Pede Charlotte, e embora o meu coração de um palpitar doloroso em resposta à pergunta, eu balanço a cabeça. Ela encolhe os ombros, começando a balançar para frente e para trás. - Cada um com seus próprios desejos . - ela disse calmamente.


Percebendo que eu não estava sendo tão óbvio como eu pretendia, tento de novo. - Eu estaria disposto a oferecer a mulher certa, uma recompensa muito considerável, em troca de me dar um herdeiro. Mas nunca conheci a mulher certa. Engraçado, não? - Eu aviso, olhando para ela com um meiosorriso nervoso. Sua testa enruga, e sobre o meio balanço no ar, ela grita e pula fora do seu assento. Ela bate no chão desajeitadamente. Eu pulo do meu próprio lugar, correndo em direção a ela. - Você está bem? - Grito. Lentamente se virando, Charlotte geme e embala os joelhos ralados. Ela parece muito presa a sua dor, para me notar, ou talvez ela não me ouviu. Repito-me, e ela se vira para mim com olhos selvagens. Ela se esforça para balançar em seus pés, apontando o dedo acusadoramente no meu peito. Medo arrasta em mim, quando eu percebo que ela finalmente compreendeu a extensão da minha proposta. Pelo menos, parece que ela finalmente entendeu. - Você está me pedindo para lhe dar um filho? - ela grita, confirmando as minhas suspeitas. Eu hesito por um momento, brevemente me perguntando se é tarde demais para voltar atrás. Eu poderia jogar uma piada e ela poderia acreditar em mim. Mas não estou muito disposto a fazer isso, no entanto — não depois de ter vindo até aqui. - Uma criança por um 1 milhão de dólares. Eu tomaria conta de todas as despesas médicas, eventuais tratamentos de fertilidade, e você receberia um atendimento impecável. - ofereço, colocando todas as minhas cartas na mesa. Charlotte continua a olhar para mim, com aqueles olhos que tanto adoro, lábios carnudos ligeiramente abertos. - Eu? Por que, depois de toda a porcaria que passamos, você escolhe a mim?


Tanto quanto eu gostaria de confessar meu desejo de manter um pedaço dela comigo, pequeno porém... percebi que não seria o mais convencional para uma resposta. - Os olhos. Adoro seus olhos. - respondo abruptamente, tão logo a resposta vem à minha mente. Os olhos arrealam em descrença, e ela pareça como se quisesse gritar comigo outra vez. No entanto, depois de um momento, seus ombros simplesmente cedem de um modo bastante derrotado. Ela se afasta de mim, indo a passos longos para a limusine. - Charlotte, espere. - eu chamo, a seguindo. - Sabe, eu pensei que você realmente quis dizer isso. Eu pensei que você estava sinceramente arrependido pelo que fez comigo, o que você fez para centenas de pessoas. Eu pensei que você pudesse até querer ser meu amigo, ou algo igualmente ridículo. - ela fala, balançando suas mãos em exasperação. - Então você vem com essa estranha idéia para mim, e acho que está claro agora! Você só quer as pessoas em sua vida, se elas puderem ser úteis para você. Ter uma amiga não é suficiente. Você quer ter um bebê meu, porque você gosta de meus olhos?! - ela grita incrédula. Tão ridícula como possa ser minha oferta, não posso negar que eu esperava que ela aceitasse minha oferta mais facilmente. O fato de que ela pudesse ser minha amiga, não me ocorreu até que ela já estava na minha limusine. Corro para alcançá-la. - Charlotte, por favor. - eu imploro. Ela me encara com punhais nos olhos, sentando na parte de trás da limusine e fechando a porta, antes que eu possa entrar também. Milo olha na minha direção em confusão, mas percebo que estraguei tudo completamente, então decido entregar o que ela quer. - Leve-a para casa. Busque-me mais tarde. - Eu digo, mantendo minha voz calma e nivelada.


- Sr. Bradshaw... - Milo começa a discutir, mas Charlotte bate seu punho contra a janela. - Você ouviu! - ela fala. Milo olha de sobrancelhas franzidas, mas acena superficialmente e lia o carro. Eu passo longe do carro, observando enquanto ele puxa para fora do estacionamento. Sabendo que vai demorar algum tempo antes de Milo retornar, faço meu caminho de volta para os balanços e sento-me no que eu havia estado anteriormente. Não é a mesma coisa sem alguém ao meu lado... uma amiga. Eu teria tido sorte em tê-la como amiga. Pelo menos assim, ela estaria na minha vida. Não sei como deixá-la ir, mas parece que tenho pouca escolha, agora. Caminho a percorrer, Dillon.


De todas as coisas sujas e podres! Enquanto faço meu caminho de volta lá para cima ao meu apartamento, não consigo esquecer esse ódio abrangente. Não acredito que caí na armadilha daquele bilionário bastardo! Não acredito que eu tive a idéia de perdoá-lo. É claro que ele não gosta nada de mim, ele não quer meu corpo. Ele nem me quer para satisfazer seus desejos sexuais - essencialmente - ele quer me usar como uma embarcação maldita! O que ele está sugerindo é completamente doente e, dizendo isso... não é muito diferente de qualquer outra situação de mãe de aluguel. Enquanto eu posso reconhecer seu raciocínio por querer uma mãe de aluguel, eu simplesmente não posso começar a entender, por que ele escolheria a mim. Apesar de sua afirmação de que ele gosta dos meus olhos, não é como se eu fosse uma modelo. Ele provavelmente podia pagar uma atriz famosa, se ele quisesse. Não sei nem por que é importante que sua criança seja atraente. Por que ele me escolheria se baseando em meus olhos, embora? Não consigo pensar em qualquer motivo que ele escolheria a mim. Considero que talvez seja uma farsa, que talvez ele espera que ele vai ser capaz de brincar comigo e então... então, eu morreria no parto! Batendo o meu punho na palma da minha mão aberta, eu tropeço para meu computador e faço uma busca. Pesquiso todos os tipos de coisas que fariam alguém ser um assassino em série, ao longo das linhas de 'morte intencional de parto'. Nenhuma das buscas retorna nada particularmente útil, e eu cedo na minha cadeira, enquanto a adrenalina começa a desvanecer-se. Ok, então talvez a idéia de assassinato seja um pouco exagerado. Faria mais sentido se ele estivesse sendo perverso comigo. Mas talvez ele só goste dos meus olhos, para não mencionar a minha personalidade vivaz e mente


profundamente espirituosa. Faria sentido, se ele estivesse tentando ganhar um herdeiro para seu império, e a criança tivesse que ser orientada para uma carreira menos que brilhante. Enquanto Dillon teve a sua quota de esperteza, a maioria de sua riqueza, veio de pura sorte. Sem seus pais... Espere. A história sobre seus pais fazia parte de atrair-me? Parece uma coisa estranha e completamente desnecessária, considerando seu objetivo final. Por que é que ele iria se abrir comigo sobre algo tão pessoal? Ele afirmou que não quer a bagagem e, no entanto, ele parecia estar tentado a colocarme mais profundo em sua armadilha. Tentando me apanhar, contando essa história para mim. Não é como se eu tivesse alguma fixação sobre garotos ricos , todos os caras que já saí no passado eram apenas estudantes universitários. Pensando nisso, o meu último relacionamento sério, foi a anos atrás. Eu fiz claramente óbvio, que não quero nenhuma parte de meu pequeno corpo sendo alugado para algum esquema de assassinato secreto, ou... um pedido sincero. Eu cerro os dentes, voltando as buscas. Ele forneceu-me algumas sugestões baseadas no que eu procurei anteriormente, e sinto-me completamente ridícula perante as minhas teorias estranhas. Descansando meus dedos no teclado por um momento, eu considero como fazer a minha pergunta. - Qual é o salário típico para uma mãe de aluguel. - digo em voz alta, escrevendo o texto, antes de desitir Eu pressiono a tecla enter, e aparece uma quantidade infinita de resultados. Eu clico no primeiro link, resmungando sob minha respiração. Parece que a média é um pouco mais de quarenta mil dólares, o que é um pouco surpreendente, considerando a oferta que recebi. Dillon acha que ele vai conseguir qualquer coisa por um milhão, ou talvez ele achou que eu não iria ser capaz de recusar. Não é como se eu nunca considerei ser uma mãe de aluguel. Especialmente para Dillon Bradshaw. Eu não posso trazer uma criança a este


mundo, uma criança que nunca conseguiria saber sobre ou crescer perto. Uma criança que nunca saberia quem é sua mãe. Uma criança que... teria um pai absolutamente amoroso, que poderia fornecer-lhe com o mundo. Uma criança que lhe daria um império e a uma vida de luxo, assim como o amor desse pai. Sem ser convidada, uma imagem do que nosso filho poderia parecer, se mostra em minha mente. Meu coração dói só de pensar. Olhando para o meu celular, digo a mim mesma que não vou chamar Dillon. Sob nenhuma circunstância que vou chamá-lo e deixá-lo me invocar o seu caso. Mesmo que ele seja sem dúvida o melhor pai para um filho, e que ele tenha todo direito de querer um herdeiro de seu próprio sangue. O salário de 1 milhão de dólares está na parte de trás da minha mente. Não é como se eu fosse vender meu corpo por 1 milhão de dólares. O pensamento de trazer felicidade, não a uma vida, mas duas, é bom, mas receber um bom pedaço de dinheiro por isso... não é atraente. Não é nada atraente! Não estou pensando nisso! Exceto... que agora estou, e muito, agora que penso nisso. Pegando meu celular, faço um trabalho rápido liando para número de Dillon, que eu deveria ter excluído há semanas. A linha chama por um momento, e tenho certeza que ele não vai atender. Pelo menos eu tentei. Nada mais posso fazer, se ele nem atende minhas ligações... - Olá? Charlotte? - ele responde, soando fora do ar. Minha mente vagueia no que poderia tê-lo tão sem fôlego, mas eu rapidamente dissipo esses pensamentos. - Oi, Dillon. - gerencio fracamente, enrolando uma mecha de cabelo em volta do meu dedo. Por um tempo - que parece esticar-se para sempre - nós estamos em silêncio. Ele limpa a garganta, claramente me esperando falar. - Então, 1 milhão de dólares? - Pergunto baixinho. Ele continua quieto por um momento longo.


- Você está considerando isso? - indaga, e encontro-me crescendo perturbada com a situação. Até ele está surpreso que eu liguei de volta. Se isso não é indicativo disto ser uma má ideia, não sei o que é. - Oh, Charlotte, obrigado. Sim, sim. Não quero pressionar você, mas todos os termos que descrevi no parque estão ainda, uh... na mesa. - ele diz nervosamente. Minhas palmas estão ficando desconfortavelmente suadas, meu telefone quase escapando da minha mão. - Ainda não entendo por que você escolheria a mim. - Eu respiro, e ele ri suavemente em resposta. - Você já provou ser uma péssima mentirosa. Então não é como você se você fosse assinar o acordo e depois... me abandonar, sabe? Sinto que posso confiar em você, apesar de tudo que passamos. Talvez até por causa disso....não sei... - ele trilha fora, e quando dou por mim, estou rindo baixinho. - Você está certo. Ouça, eu não vou dar-lhe uma resposta definitiva. Estou dizendo que vou pensar sobre isso. Se acontecer de você encontrar outra pessoa... - começo, somente para ser interrompida. - Não há ninguém mais. - ele interrompe, com uma surpreendente quantidade de paixão em sua voz. Sinto-me corar, embora não sei explicar exatamente por quê. Esta situação toda esquisita, tem me feito sentir todos os tipos de pensamento e clareza. - Tudo bem. Durma um pouco, Dillon. Eu vou deixar você saber quando tomar uma decisão. - eu murmuro, com uma ternura que ainda me choca. Ele solta um suspiro, e parece que não há nada mais que ele queira dizer. No entanto, ele parece decidir contra isso. - Boa noite, Charlotte. Obrigado. - ele diz com sinceridade óbvia.


Rapidamente, eu termino a chamada, balançando meu telefone na minha mesa e caminhando em direção a minha cama. Meus pensamentos continuam com o homem que eu tinha falado, e encontro-me tomada por um pensamento súbito e intrusivo sobre... concepção tradicional. Indesejáveis formigamentos quentes, atravessam meu corpo no pensamento de dividir a cama com o homem. Eu rapidamente aranco isso do pensamento. Não é como se nós vamos estar em um relacionamento, mesmo que eu concorde com seus termos. Ele deixou isso muito claro. Não sei por que me sinto vagamente desapontada com esse pensamento, mas se eu estarei 1 milhão dólares mais rica, tudo vai se encaixar. Eu decido tomar banho antes de dormir, e saio em torno de minha cama e em direção ao banheiro conjugado. Eu quero visitar Dillon em seu escritório amanhã de manhã, e se eu tomar um banho agora, posso dormir um pouco mais. A água neste apartamento leva um agonizante longo tempo para ficar quente, mas acho que vale a pena esperar. Enquanto eu tiro minha roupa e passo para o fluxo de água quente, eu passo alguns momentos discutindo em silêncio com minha cabeça, no banho. Mas quando minha mão começa a rastejar ao sul, eu acho que não conseguirei parar de pensar em Dillon. Por uma questão de fato, meus pensamentos neles, crescem cada vez mais intenso. Eu cerro os dentes, contra a sensação de calor entre minhas coxas, enquanto eu rapidamente lavo e enxaguo os cabelos. Eu não me incomodo de me vestir, antes de escorregar entre meus lençóis. Voumse arrepender de dormir com cabelos úmidos, mas por enquanto, eu não poderia me importar menos. Eu forço os meus olhos fechados, tentando banir os pensamentos sobre o bilionário lindo da minha mente. Isto é apenas um potencial risco profissional. Não posso entreter estes complicados... sentimentos, considerando a natureza de nossa relação. Nosso relacionamento parece ser permanentemente carimbado como “complicado”'. Enquanto eu divago, meu último pensamento é de como deve ser adormecer nos braços de Dillon.


Quando acordo na manhã seguinte, tudo parece um pouco menos desastroso do que na noite anterior, e eu sou capaz de abordar a situação com um ponto de vista mais objetivo. Enquanto meus sentimentos por Dillon são tudo, menos simples, eu sei que eu preciso manter as coisas sem complicações o mais humanamente possível. Digo isso a mim mesma enquanto me visto, embora não haja nada de muito complicado no vestido verde que realça a cor dos meus olhos. Aplico um pouco de maquiagem, certamente nada extravagante ou incomum. O up que eu escolho para o meu cabelo é apenas um pouco de um experimento, só por diversão. Parece legal, mas de um modo simples. Pelo menos, isso é o que eu digo a mesma. A viagem para o escritório parece se arrastar, mas eu acho que é devido em parte à antecipação correndo pelas minhas veias. Eu entro no elevador para ir ao andar superior, e aproximo-me da secretária de Dillon e debato como começar o assunto. - Preciso falar com Dillon. - a abordagem ideal, eu acho. Ela tira os olhos de seu laptop, seus olhos brilhando de alegria ao verme. - Oh, querida, ele vai amar te ver. - ela jorra, fazendo gestos para me sentar. Eu tento ocultar o rubor no meu rosto, mas com o meu cabelo para acima, não é tão fácil como de costume. - Ele está em uma reunião, mas eu posso buscá-lo. - ela anuncia, indo embora antes que eu possa protestar. Estou chocada por vê-lo pelo corredor poucos momentos depois. Ele vem a uma parada abrupta na minha frente, considera-me com olhos brilhantes e esperançosos. Levanto-me, batendo minha cabeça na direção do seu escritório. Ele acena animadamente, levando-me para a porta. - Não deixe que ninguém nos incomode, Tiffany. - ele ordena. Assente, oferecendo-me um sorriso manhoso. Eu quero dizer-lhe que não há nada do que ela está pensando, mas eu não posso culpá-la exatamente por pensar nisso.


Piso no escritório de Dillon atrás dele, ele vira-se para me encarar com olhos grande e animados. - Você já tomou sua decisão? - indaga, sem rodeios. Eu sorrio timidamente, ligando meus calcanhares e batendo o dedo no meu queixo. - Eu tomei. - eu respondo, pausando para um efeito dramático. Seus olhos estão fixos em cima do meu próprionos meus, e uma emoção agora familiar dispara através de mim. - Bem? - indaga, quase tremendo em antecipação. - Eu vou fazer isso. Eu vou ter seu filho.


Faço tudo que posso fazer para impedir de beijá-la, ali. Deliciosa alergria irradia através de todo o meu ser, e eu me esforço para manter meu sorriso não idiotamente alegre, satisfeito. Não consigo explicar o quanto isso significa para mim. Em menos de um ano, se tudo der certo, eu vou ter um herdeiro para deixar o meu império. Além disso, Charlotte concordou em ser a mãe da criança. Minha paixão por ela pode estar influenciando meu julgamento um pouco, mas eu sei melhor que empurrá-la demais. Seguro-a em meus braços, sentindo ela endurecer por um breve momento, antes dela relaxar em minhas mãos. - Você não pode começar a saber... - Começo. Ela envolve seus braços em volta de mim, descansando sua bochecha contra meu peito. Depois de um momento, ela se afasta um pouco e segura o meu olhar com um sorriso quente. - É estranho como nós viemos até aqui, não é? De ser amargos inimigos, para eu ser uma barriga para seu herdeiro. - Ela murmura e gerencio uma risada. Chego a acariciar sua bochecha, percebendo um pouco tarde demais o que eu fiz. Esperando que ela suma daqui, estou surpreso quando ela se inclina para o meu toque. As bochechas levemente tingindo de rosa, e um aumento do desejo dispara através de mim. Eu quero ela mais que tudo no mundo, mas sei que ela nunca seria feliz com um homem como eu. Ela deixou claro que ela sempre irá ter algum ressentimento persistente em minha direção. Meu coração dói só de pensar. - Você nunca foi uma inimiga minha Charlotte. Mesmo quando você estava planejando arruinar minha carreira, minha vida, não pensei em nada


além de você. Imagine como me sinto agora, com o que está fazendo para mim. - eu murmuro. Ela sorri um pouco timidamente, e permito que ela se afaste do meu toque. Eu olho para o relógio, constatando que ainda tenho um longo dia pela frente. Tanto quanto eu gostaria de comemorar esta revelação, terá que esperar até a noite. Me sentindo um pouco ousado, oferecer-lhe um sorriso confiante, atrevido. - Se junte a mim em meu apartamento esta noite. Discutiremos os termos um pouco mais, sobre a fertilização in vitro, ou o que quiser. - Eu sugiro, permitindo que a implicação pendure no final. Charlotte sorri inocentemente, mas há algo estranho nos olhos dela — um brilho que não sei do que é. Ela acena a cabeça amavelmente, estendendo-se para descansar a mão no meu braço. Ela inclina a cabeça, seurando meu olhar com uma expressão maliciosa. - Ou o que você quiser... - ela repete, olhando para tudo, menos para mim, quando dou por mim, estou vermelho também. - Claro que eu vou acompanhá-lo esta noite. Há muito que rever. - diz ela, acariciando a mão no comprimento do braço da manga. Escova a ponta dos dedos sobre a parte traseira dos meus dedos, e um calafrio dispara através do meu corpo. Não posso dizer se ela está jogando algum tipo de jogo, mas tudo o que ela está fazendo, é mais emocionante do que tudo que já experimentei antes. - Eu tenho que voltar ao trabalho. - Eu suspiro, mas eu gostaria de continuar com o que estamos fazendo atualmente. Ela faz beicinho, mas agradavelmente se desloca em direção à porta. - Vou ver você hoje à noite, então. - digo, segurando seu olhar por um momento, antes de afastá-lo para olhar seus lábios, de relance. Ela passa a língua pelos lábios, para umedecê-los, antes de mordê-lo entre os dentes.


- Na verdade vai, Sr. Bradshaw. - afirma, uma expressão de sabedoria, enquanto ela desliza para fora da porta. Assim que ela se foi, encontro-me quase a tremer, com a intensidade do meu desejo contido. Corro para minha mesa, para me sentar por um momento. Rangendo os dentes, eu espero as ondas de excitação diminuirem. Deus, essa mulher vai ser o meu fim. Eu não a teria de outra maneira, no entanto. As horas no meu dia de trabalho que normalmente passam rapidamente, hoje parecem passar em passo de caracol. Ocasionalmente, encontro meus pensamentos à deriva para Charlotte, e é difícil segurar meus pensamentos. Quando o relógio bate seis, faço tudo o que posso, para não virar a minha mesa e correr em linha reta fora do escritório. Não tive quase nada feito hoje, além dos pensamentos secretos que derivaram minha mente, interrompendo minhas ações em meu local de trabalho. Despeço-me de Tiffany rapidamente, enquanto faço meu caminho para o elevador, e eu posso sentir seus olhos me olhando quase conscientemente, enquanto me movo. Não importa, deixa-a pensar o que ela quiser. Dirigir para casa é uma tarefa que me aproxima de um delinquente juvenil. Eu tenho que ir pelo menos vinte quilômetros acima do limite de velocidade. O que é algumas centenas de dólares entre bilhões? Não gosto de pensar em mim como um indivíduo descuidado, na maioria dos casos, mas não posso negar que não estou no meu perfeito juízo, mesmo quando eu puxo para o estacionamento no meu prédio. Eu saio fora do carro, tomando um momento para tentar recuperar o fôlego. Não estou fora de forma, por qualquer meio, mas estar na borda o dia todo, me trabalhou um pouco mais do que eu gostaria de admitir. Eu consigo retardar minha respiração, inspiro e a expiro em um ritmo constante, até que me sinto menos que meu coração vai saltar do meu peito. Eu tenho que preparar o apartamento antes de Charlotte chegar, e querido Deus, eu preciso de me controlar. Enquanto o comportamento no meu escritório foi obviamente uma paquera, preciso me acalmar. Talvez ela simplesmente queira ter um pouco


de diversão às minhas custas. Eu fiz dolorosamente claro que eu gosto dela, e parece ela está querendo cutucar o urso um pouco. Eu me sinto menos como um urso e mais como um... coelho? Mesmo que ela esteja atraída por mim, não é particularmente o melhor, saltar-lhe no momento em que ela pisar dentro. Eu faço meu caminho para o último andar do complexo, e quando eu entro em meu apartamento, eu vagamente percebo que algo está errado. Eu não sei o que exatamente, e meu primeiro pensamento é o de um intruso. No entanto, quando uma familiar dica de perfume passa debaixo do meu nariz, estou impressionado com a percepção de que Charlotte já está aqui. A gatinha deve ter mantido minha chave do apartamento, todo esse tempo. - Bem vindo, Dillon. - ela diz da porta do meu quarto, descansando seu quadril contra o batente de madeira. Ela está vestida com um roupão meu. Eu balanço a cabeça rapidamente, tentando manter o raciocínio moderadamente coerente. - O que você ... ah... - Eu falo, enquanto ela se aproxima, permitindo que o roupão caia fora de seu corpo. Como eu tinha imaginado, ela está vestindo quase nada por baixo, salvo por uma tanga preta com uma fita branca na frente. Os seios dela estão em exposição, e se a dureza de seus mamilos é qualquer indicação, ela está tão excitada quanto eu. Ela é mais bonita do que eu jamais poderia ter imaginado. - Oh, você sabe. - ela começa, mantendo sua voz casual enquanto ela pressiona a mão dela contra meu peito. Ela enrola os dedos no tecido da minha camisa, me puxando para ela. - Eu pensei em oferecer-lhe algumas... opções. Fertilização in vitro é muito caro, e algo tão... impessoal. - ela diz. Agora que é inconfundível a intenção dela, algo dentro de mim estala. Eu tropeço para a frente, qualquer outra coisa que ela pretendia dizer perdida, quando eu pressiono nossos lábios juntos em um beijo escaldante. Ela envolve seus braços em volta do meu pescoço, gemendo suavemente


sua aprovação, enquanto eu chego perto para colocar sua bunda nas minhas mãos. Eu puxo-a perto de mim, agora esticando o tecido da minha calça, que pressiona contra a fita branca que fica tão bem no centro da sua tanga. - Você sabe quanto tempo eu quis isso? - Eu murmuro, levantandolhe pela sua traseira e gemendo sob minha respiração, enquanto ela enrola as pernas em volta de mim. Ela é pressionada firmemente contra minha masculinidade, e fecho os olhos, me segurando para não leva-lá aqui mesmo. Eu tenho mais dignidade do que isso, no entanto, está difícil levá-la o restante do caminho até meu quarto. O perfume dela tem um cheiro mais forte aqui, bem como um outro perfume que faz com que meu pau se contorça com desejo. - Eu mal podia esperar para que chegasse em casa. - ela ronrona, com seu cheiro fortemente pendurado no ar. Posso ver o lugar onde ela estava lá na minha cama. Arqueando meus lábios em um sorriso manhoso, empurro-a para a borda da cama. Tanto quanto eu gostaria de entrar em algumas preliminares, algo me diz que ela está tão ansiosa para chegar ao evento principal, como eu estou. Empurroa gentilmente em cima dos lençóis, e me embaralho no botão da minha calça. - Permita-me. - ela respira, estendendo para desfazê-lo com facilidade. Um sentimento possessivo, quase feral envolve-me, e enquanto ela libera minha masculinidade, eu a forço de volta a cama, dando a ela corretamente uma boa olhada. Ela suspira suavemente, e eu dou-lhe um olhar, que só espero que pareça tão intenso quanto eu me sinto. Ela olha para mim com os lábios ligeiramente separados, levando minha mão grande em seu próprio corpo e guiando-a entre suas coxas. quando levo meus dedos para a calcinha dela, posso sentir sua umidade já encharcando o tecido. - Eu realmente não deveria recompensá-la por se divertir sem mim. Tem certeza que aguenta um segundo round? - Peço, deslizando meus dedos em sua fenda. Ela trêmula, olhando ligeiramente surpreendida.


- Claro Dillon. - ela suspira. - Você vai me chamar de mestre aqui. É apenas digno de minha empregada impertinente. - eu corrijo-a, e ela estremece debaixo de mim. Ela morde o lábio, acenando com o consentimento dela. Sem mais uma palavra, eu enrolo meus dedos em torno da cintura da sua calcinha. Enquanto a deslizo por suas pernas, estou inundado com seu aroma celestial. Eu enrolo a calcinha na minha mão, trazendo-a para meu nariz, para inalar profundamente o cheiro dela. Outro suspiro, acompanhado de um gemido suave, derrama sobre seus lábios. - Mestre, por favor. - ela implora, levantando os quadris em direção a mim. Quero saboreá-la. Quero aproveitar a visão dela diante de mim. No entanto, simplesmente arranco o resto das minhas roupas e mudo-me mais perto, fixando-me confortavelmente entre suas coxas. Sorrio afetado, posicionando-me em sua entrada. Ela encharca meu pau co sua umidade, e quando eu entro nela, existe apenas a quantidade perfeita de calor. - Deus. - Sussurro, e ela repete o sentimento. Começo a me mover lentamente dentro dela, tentando manter um ritmo lento e constante para começar. Para minha surpresa, ela é rapidamente é levada pelo momento, e começa a se agarrar aos lençóis e gemer maravilhosamente para mim. Ângulo e começo a bater nela com toda a força de meu desejo intenso. Ela salta ligeiramente com cada impulso, e um pequeno gemido solta de seus lábios, cada vez eu bato meu pau dentro dela. Ela começa a apertar em torno de mim, e eu posso dizer que ela está perto. Eu inclino-me, meus lábios em sua orelha. E rapidamente me perco na paixão do momento. - Você é minha, empregada impertinente. - silvo. - Deus, sim. - ela grita, dedos ondulando, enquanto ela começa a apertar-me firmemente com suas paredes internas.


Derramo minha carga profundo dentro dela, e um sentimento de satisfação passa por mim, enquanto ela se contorce. Já faz algum tempo que ela fez o seu caminho fora do meu apartamento, dizendo que ela prefere dormir na cama dela. Eu posso dizer que ela tem medo de ficar muito perto de mim. Mas mesmo assim, quando eu lhe pedi para retornar no dia seguinte, ela ofereceu-me um sorriso tímido. Mal sabe ela, que vou lhe mostrar para que uso aquelas algema, da próxima vez. Para não mencionar a roupa de empregada que eu pedi.


Quando concordei em ser a barria de aluguel de Dillon, eu admito que não sabia o no que estava me metendo, realmente. A primeira noite foi maravilhosa, e na semana seguinte encontrei-me gastando quase todos os momentos em seus braços. Ele ficou fora do trabalho, explicando que ele estará fora em negócios, para a maioria dos próximos meses. Ele quer gastar tanto tempo quanto possível dentro de mim, me enchendo até a borda. Eu sei quão desesperadamente ele quer conceber, e sinceramente, eu não posso negar o quanto eu gosto de senti-lo aninhado dentro de mim. Já tive minha cota de sexo, mas nada assim. Embora ele tenha sido nada mas do que carinhoso, não posso ignorar que isto não é um relacionamento. Mesmo que isso possa parecer como se estivessemos juntos, eu sou só o forno para seu pão. É um sentimento que é difícil de aceitar, às vezes, mas quando estou em seus braços, posso ao menos fingir que há algo mais entre nós. É estranho o quão profundamente ele parecia me desejar, mesmo quando eu estava gelada, e agora que estou receptiva a ele, os sentimentos dele tem umedecido. Quando nós não estamos transando, ele parece estar a milhas de distância. Há um olhar distante em seus olhos, algo quase assombrado. Eu sei que ele vai para a China para uma viagem de negócios, mas toda vez que tento obter mais informações sobre isso, ele encerra o assunto. Eu só posso suspeitar que é outra aquisição implacável, e ele simplesmente não se sente à vontade para admiti-lo. Eu não culpo ele. Ainda tenho algum ressentimento em relação ao seu tratamento as pessoas em toda a sua carreira de negócios. Mesmo assim, quando chega a hora de ir, estou relutante para libertálo dos meus braços. Ele parece ainda mais relutante em me deixar. Eu escovo uma mão pelo seu cabelo, esfregando as almofadas dos dedos contra seu


couro cabeludo. Seus olhos estão fechados, e um momento pacifíco entre nós. No entanto, a respiração dele estremece de tempo ao tempo, e eu só posso imaginar o que lhe incomodado tanto. Com seu jato pessoal fazendo os preparativos para partir a qualquer momento, é agora ou nunca. Eu tenho que descobrir o que está incomodando-o tão profundamente. Eu quero que ele saiba que pode confiar em mim, mesmo que nós não sejamos um casal. - Dillon. - eu murmuro, e ele exibe um único olho aberto. Ofereço-lhe um sorriso fraco, que ele retorna depois de um pouco de hesitação. Morder os lábios, e mergulho em frente. - Algo está te incomodando. Eu posso dizer. O que esta viagem implica que tem você tão abalado? Ele endurece, e posso dizer que sua reação imediata é se afastar. Mas pressiono ele, no entanto, e continuo o movimento suave dos meus dedos em seu cabelo. - Por favor, Dillon. Você sabe que pode me dizer qualquer coisa. - eu murmuro. Sua expressão se transforma rapidamente em amarga, mas ele parece se firmar em meu aperto. - Não é a viagem em si que é o problema. - ele começa, cutucando um fio solto do roupão que estou usando. Eu cantarolo baixinho, para ele saber que eu estou ouvindo, aproveitando os poucos momentos que temos juntos antes ele tem que sair por alguns meses. - É que está sendo realmente difícil conceber. E não suporto pensar que estou te deixando, para perseguir um empreendimento. - ele resmunga, sua mandíbula apertando contra as lágrimas que eu sei que ameaçam cair. Tão assertivo e calculista como Dillon é, ele é um homem de coração mole Tomo um momento para considerar suas palavras, perguntando-me quanto quero dizer a ele. Ele só está preocupado que eu vou virar as costas para ele e levar seu filho se me der na telha? Eu não posso ajudar, mas penso


se não demosntro meus sentimentos por ele, o suficiente. Me preocupo bastante com ele, afinal. Eu decido deixá-lo calmo,e me inclino para baixo e pressiono os meus lábios contra o dele. Ele parece um pouco surpreso pela súbita mostra de afeto, e eu tento fingir que não estou tão confusa, como eu realmente estou. Mesmo com todo o sexo temos tido, não fui carinhosa afora os momentos verdadeiramente íntimos. - Está se preocupando por nada. Você vai na sua viagem e talvez... talvez eu vá ter alguma novidade para você, em pouco tempo. Se você acha que eu vou fugir, depois de tudo que passamos, não mesmo, você vai ter que se esforçar muito para se livrar de mim. Eu vou ter este bebê para você, e espero que possamos ficar amigos depois. Não vou negar eu não segui em frente com o passado, mas estou tentando. Você deve, também. - Eu digo cuidadosamente. Ele permanece em silêncio, como se ele não me ouvisse. Por um momento, eu me pergunto se ele caiu no sono. - Vou sentir saudades, Charlotte. - ele sussurra. Encontro-me destruida com a idéia dele ir embora, mas derramo um sorriso de meus lábios, no quão dramáticos estamos sendo. Ele se vira para me enfrentar, considerando minha expressão por um momento, antes de diminuir a distância entre nossos lábios. Eu preparo-me, minha respiração pegando na minha garganta. Se eu fingir por um momento mais... Um som de vibração repentino sacode ele longe de mim, e o feitiço foi quebrado. Ele amaldiçoa sob sua respiração, atingindo seu bolso para recuperar o seu telefone. Ele olha a tela, olhando pra ela com um leve ar de melancolia. - Eu tenho que ir. - ele resmunga. Eu solto o ar que eu estava segurando, forçando um sorriso alegre. Ele olha em minha direção, e antes que eu posso falar, ele me beija com ternura uma última vez. - Cuide de si mesmo, certo? Se você receber alguma notícia, me ligue imediatamente. - ele diz desajeitadamente, obviamente aturdido.


Eu não consigo engolir minha risada, alcançando para acariciar sua bochecha. - Vou sentir saudades também, você sabe. - confesso. Seus lábios enrolam em um sorriso feliz, mas outra vibração do seu telefone o chama novamente. E falo sem pensar. - Eu... - começo, cortando-me no meio da minha frase. Ele parece não ter me ouvido, olhando na minha direção com uma adorável inclinação da cabeça. - O que é? - indaga rapidamente, me observando por meio segundo, antes de reunir os últimos poucos itens, que ele vai precisar para sua viagem. Eu sinto minhas bochechas ruborizarem com uma intensidade que poderia rivalizar com o sol, e eu desvio os olhos dele. Não acredito que eu quase fiz isso. Não acredito que eu diria isso a ele. Acima de tudo, não sei se isso é verdade. - Eu vou, Ah... telefonar se tiver alguma novidade, claro. Se cuide. - Eu gaguejo, levantando da sua cama. Deixou-me manter sua chave extra, insistindo que eu posso ficar no apartamento dele, se eu começar a sentir que a minha casa atual é muito insegura. Embora não pretenda lhe dizer , eu pretendo ficar aqui, pelo menos um pouco, depois que ele se for. Quero insiprá-lo tanto quanto possível, para me envolver com a essência de Dillon Bradshaw. Alheias aos meus pensamentos, ele oferece-me um sorriso final, antes de caminhar para fora da porta. Eu ouvi-o gritar um adeus rápido, e quando ouço-o deslizar fora do apartamento, sinto lágrimas em meus meus olhos. Como eu consegui entrar uma bagunça? O que eu estava pensando, em concordar com esta situação estranha? O que vai acontecer, quando Dillon tiver tido sua diversão? Sacudindo o caminho traiçoeiro, que minha mente está tomando, permito-me encostar na cama por um momento. Uma soneca e depois eu vou para casa. Eu não pretendo gastar sua ausência toda, cercada por lembretes do homem. Isso seria loucura.


Um mês depois, me encontro em seu banheiro principal, olhos arregalados olhando o teste de gravidez na minha mão. Eu tenho sido incapaz de banir Dillon de meus pensamentos, e parece que para os próximos oito meses, mais ou menos, eu vou ter sempre um pedaço dele comigo. Incerteza prende-me por um longo instante, e eu não sei bem o que fazer com o teste positivo em minhas mãos. Eu retiro meu telefone do meu bolso e tiro uma foto da vareta. Não é o mesmo como chegar a vê-lo pessoalmente, mas espero que Dillon aprecie o sentimento. Mando a foto para ele, serpenteando a cobertura que vou me instalar a longo prazo. Ele tem um médico que ele quer que me veja, então acho que só vou esperar algum tipo de direção, uma vez que ele receber a mensagem. Eu não preciso esperar por muito tempo, pois momentos depois, meu telefone começa a tocar dezenas de vezes. Abro as mensagens, para ver várias de Dillon. As primeiras mensagens são para perguntar se estou falando sério, então, nem três seundos depois, ele manda mais uma dúzia de mensagens, perguntando se estou bem. À medida que respondo os textos, meu telefone começa a tocar o toque distinto que eu configurei para o empresário bilionário. Eu me preparo, peando o telefone e segurando na minha orelha. - Estou a caminho. - ele disse imediatamente, e eu rio em descrença. - Você não pode simplesmente explodir sua viagem de negócios, você pode? - Eu pergunto. Eu escuto o que parece ser ele remexer uma papelada, e falar em chinês para alguém. - Eu disse-lhes que eu estarei de volta. É apenas um vôo de 14 horas. - diz com desdém, mas estou quase certa de que posso ouvi-lo gritar com raiva no fundo.


Eu abro minha boca para discutir, mas ele está falando com pressa, e antes de eu ter a chance de falar alo, ele continua. - Eu vou estar ai amanhã de manhã por volta das dez. Eu vou chamar meu médico e ele nos atenderá. Nos vemos em breve. - ele diz rapidamente, desligando o telefone. Eu espero um pouco, antes de perceber que ele desligou. Eu desvio meu celular da minha orelha, olhando para o relógio. Bem, Dillon provavelmente teria um ataque, sobre a idéia de me aventurar no mundo hoje, então eu decido assistir algumas novelas em sua enorme televisão. Há algo um pouco estranho em ver cada defeito das coisas, em alta definição, mas não há muito mais que possa fazer. Foi um longo dia de vomitar no banheiro e finalmente trabalhar a coragem para fazer o teste. Eu parei no meio do meu programa favorito, perdida para o mundo, até ouvir explosões de porta aberta na manhã seguinte. Eu me coloquei na posição vertical, em pânico por um momento. Senti fortes braços envolverem em torno de mim, arrancando-me dos meus pés e segurandome apertado. - Eu vou ser pai! - escuto o intruso e eu relaxo nos seus braços, ao perceber que é tudo, menos um assassino louco. Dillon treme com emoção reprimida, e tento me deslocar de seu controle. Ele só aperta o seu domínio sobre mim, enquanto me deita na cama. Onde ele beija suavemente ao longo do meu pescoço. Assustada, mas emocionada, eu abro meu robe para permitir-lhe acesso aos meus seios. Em vez disso, ele simplesmente coloca sua bochecha contra meu estômago. Não quero estragar o momento, por isso fico em silêncio, enquanto ele simplesmente deleita-se com pensamentos do futuro. Ele vai ser um pai, e embora seja improvável que eu vá ter a chance de conhecer meu filho, eu vou ser uma mãe, apesar de tudo. - Beije-me, Dillon. - solicito suavemente, corando, a medida que ele inclina a cabeça para olhar para mim.


Sorrindo, ele aperta um beijo logo acima do meu umbigo. Fazendo beicinho, dou-lhe um pequeno empurrão. Ignorando minha irritação, sobe em cima de mim e pressiona um doce beijo em meus lábios. - Não sei onde eu estaria sem você. - ele murmura. Eu sorrio fracamente, escovando uma mão por seu cabelo. Tanto quanto ele gosta de mim, e como ele está sendo, sei que ele não me ama. Eu guio sua cabeça de volta ao meu estômago, o acalmando com carinhos na parte de trás do pescoço. Ele geme com gratidão, ficando confortável contra mim. Aparentemente, exausto da viagem, ele deriva para fora, em um sono tranquilo. Bem, nós teremos alguns meses ocupados. A primeira consulta vai às mil maravilhas, mas aprendemos muito pouco. Alegando conhecer uma clínica mais avançada, Dillon agenda consultas de rotina, bem como um ultrassom em uma clínica separada. Ajudo-lhe muito pouco, mas estamos felizes. Espero o tempo passar dolorosamente, e a ultra-som chega. Estou na cama, desfrutando de uma soneca curta. Dillon foi buscar alguns petiscos, atendendo aos desejos que tenho tido. Ele já é um bom pai, e não posso negar que eu considerei o fato de que ele seria um bom marido. Eu tento ignorar esses pensamentos, no entanto. Encontro-me exausta, desde que descobri que estou grávida, embora eu suponho que é principalmente, psicológico. Simplesmente não consigo dormir o suficiente. Ouço Dillon passar pela porta da frente e viro de lado, com um suave gemido. Eu aperto os olhos fechados, segurando um travesseiro na cabeça. - Vamos, hora de ir para o médico. - ele anuncia solenemente, recolhendo-me e marchando em direção à porta. - Espere, Dillon! Preciso de me vestir, pentear meu cabelo e.. murmuro, enquanto ele carrega-me fora do apartamento. Eu jogo o travesseiro através da porta, antes que ele possa fechá-la, gemendo dramaticamente, enquanto ele pisa para dentro do elevador, que para em cada piso inferior, para pegar mais pessoas. Não posso negar o


constrangimento da situação, mas eu suponho que sua excitação é realmente doce.. e um tanto contagioso também. - Acho que é oficial. Você vai ser papai. - sussurro. Ele salta em seus calcanhares, olhando como se ele mal conseguisse manter-se de chegar ao térreo. Uma vez que estamos no piso térreo, Dillon continua a levar-me como se eu fosse incapaz de andar sozinha. Poderia ficar ofendida, em qualquer outro caso, mas encontro-me bastante tocada pela atenção dele. Sem surpresa, Milo, espera lá fora com a limusine, abrindo a porta do banco traseiro para permitir-me ajustar dentro. Dillon me mantém firmemente ao seu alcance, e não posso deixar de tirar proveito da situação. Eu resolvo fechar a distância entre nós, inalando o cheiro que eu vim adorar tanto. Acaricio seu maxilar, apreciando o pouquinho de restolho que sinto. - Você devia deixar crescer a barba. - sugiro à toa, e ele ri em resposta. - Adicionaria ao meu apelo sensual de pai? - indaga com falsa seriedade. Eu fecho os meus olhos, não respondendo. Não sei como sobrevivi sem ele pelo mês que ele esteve ausente. Não suporto a idéia de saber que ele vai ter que voltar para o resto da sua viagem de negócios, uma vez que as coisas se instalaram um pouco. - Vamos lá. O médico está ansioso para nos ver. - ele sopra suavemente. Eu pisco os olhos abertos, o sol quase me cegando, em meu estado sonolento, enquanto saimos da limusine e caminhamos para a clínica. - Por que não vemos o mesmo médico? - Pergunto à toa. O interior do consultório do médico é muito mais fácil de se ver, mas há algo sobre presença reconfortante de Dillon, que me faz querer fechar os olhos e afastar-me. Eu estou apenas meio ouvindo-o, enquanto ele explica, nomeando o porque gastou uma grande quantidade de dinheiro por um médico “melhor”.


Eu estico minha coluna em alarme, enquanto ele coloca-me numa cama bastante fria. Suavemente, lamenta-se olhando para mim. Suas bochechas ficam vermelhas, e ele gesticulá para outro homem em pé na sala. - Senhorita Charlotte, você deve ser a barriga de aluguel. Vocês estão aconchegantes, não? - diz ele com um sorriso quente, pisando na minha direção. Ele menciona o ultra-som que ele vai ter uma enfermeira executando, para verificar a saúde do bebê. Eu simplesmente sorrio e aceno. Pouco tempo depois, a enfermeira entra e prepara-me para a ultrasom. - Oh, bem. - ela disse suavemente, olhando para mim e Dillon. Os olhos de Dillon alargam em alarme, e ele olha para a máquina, mesmo que ele não entenda nada. Tudo o que eu posso ver, são algumas formas vagas na tela. - E o bebê, está ok? - ele questiona nervosamente. A enfermeira ri, acenando-o fora. - Sim, Sr. Bradshaw. O três estão em perfeita saúde, pelo que eu sou capaz de dizer. - ela placates, ajustando a máquina de ultra-som. - Aqui estamos. - anuncia ela, gesticulando em direção a tela. Ela se move, mas ainda só consigo ver formas indistintas. Os olhos de Dillon estão quase chegando ao crânio, e por um momento me pergunto o que está errado. Finalmente, as palavras da enfermeira me atingem. Três?! O ultra-som continua, a enfermeira apontando cada coração batendo na tela da ultra-som. Minha respiração pega na minha garganta, e enquanto ela oferece-me uma toalha para limpar a barriga, é tudo que posso fazer para evitar desmaiar. Dillon não parece estar muito melhor, me olhando com perplexidade em seu olhar. Como diabos isso aconteceu?


Por um momento, tenho certeza que ouviu mal. Simplesmente, não pode ser. Três crianças? Eu não assinei nada para três filhos! Eu só queria um herdeiro. Isso complica as coisas drasticamente, para não mencionar a saúde potencialmente em perigo de Charlotte. Não sei como isto aconteceu. Com a falta de suplementos de fertilidade, não consigo imaginar trigêmeos, é particularmente incomum. Charlotte parece tão surpresa quanto eu. No entanto, alguns momentos depois, ela tem uma expressão de realização e resignação. - Três. Três filhos. Como... - Gerencio, deslocando-me sobre a cama onde Charlotte está tentando limpar o gel fora. Parecendo sentir a tensão crescente na sala, a enfermeira se desculpa educadamente. Por sua vez, Charlotte encolhe os ombros e não posso deixar de sentir que ela sabe algo que eu não. Toco o ombro dela, e ela me olha de canto de olho. - Como pode estar tão calma? Isto não é o que combinamos. - Eu exijo, soando um pouco mais acusador do que eu pretendia. Os olhos dela perigosamente estreitam, e ela bate em minha mão. - Não levante a voz para mim - ela surta, e antes que eu possa me desculpar, ela está falando novamente. - Nascimentos múltiplos já aconteceram em minha família. Eu tenho uma irmã gêmea, e minha avó tem um irmão gêmeo também. Enquanto trigêmeos certamente não são tão comuns... - Ela trilhas fora, olhando estressada. Sento-me contra a mesa de exame, olhando para a tela de ultra-som agora em branco. O que eu vi é inconfundível — três corações pequenos e distintos batiam na tela.


- Eu só queria um herdeiro. - começo, tentando não soar tão incerto como me sinto. Raiva escurece os olhos dela, com lágrimas simultaneamente picando nos cantos. Não sei se ela vai chorar ou me atacar, e eu hesitantemente dou um passo para trás. Não faço idéia de como processar a notícia, e sua reação imediata com raiva, só está servindo para me aborrecer. - Você deveria ter me contado sobre sua família. Eu queria um filho. Não três. - Eu continuo. - Bem, você queria um herdeiro de um 1 milhão de dólares. Agora, são três para 3 milhões. - ela diz em tom glacial. Furia surge dentro de mim, e eu cruzo meus braços sobre meu peito, nivelando-a com um brilho raivoso no olhar. - Você sabe que não é como isto funciona, Charlotte. Você está sendo ridícula. - silvo, tentando manter a mordida fora do meu tom. Não sou particularmente bem sucedido, a julgar pela expressão ferida no seu rosto. Ela repousa sua mão em seu estômago, seu inchaço visivelmente maior do que a média, finalmente faz sentido. Passa o lábio entre os dentes por um breve momento, parecendo que vai se desculpar. Uma lágrima escorre em seu rosto, e separo meus lábios para tentar acalmar a situação. - O contrato era de 1 milhão de dólares por criança. É justo que você pague 3 milhões. Não é você que vai estragar seu corpo no processo. Não é você... - ela começa, mas sou rápido para interromper. - Você não é aquela que vai criá-los, Charlotte! O contrato foi claramente escrito para 1 milhão de dólares mediante a prestação de um único herdeiro. Na minha opinião, o contrato é nulo e sem efeito agora. - eu grito, raiva através de meu ser. Ela parece chocada pelo meu desabafo, e sinceramente, não posso dizer que estou orgulhoso de mim mesmo. Nós estamos longe demais para desculpas neste ponto, no entanto. Se ela insiste em manter isso oor dinheiro, eu pretendo faze-lá cumprir as suas obrigações contratuais.


- Achei que se importava comigo. - ela sussurra, rapidamente puxando as roupas dela de volta. Não pude deixar de rolar os olhos, e desastradamente pegar em meu bolso, o meu telefone que como começa a vibrar. - Você fez bem claro o que sente por mim, Charlotte. Não entramos neste contrato, sob o pretexto de ter sentimentos um pelo outro. Deixei muito claro que não tenho nenhum desejo para qualquer tipo de bagagem. Eu não iria desenvolver sentimentos, por uma mulher que saiu do seu caminho para tentar arruinar-me. - Eu disse friamente, meu coração quebrando um pouco em minhas próprias palavras. Enquanto é a coisa mais distante da verdade, se ela quer me ferir emocionalmente, estou preparado para me defender. Meu telefone continua a vibrar em minha mão, e no momento ela permanece em silêncio. Eu atendo a chamada, antes que seja capaz de ir para a minha caixa postal. É um dos meus sócios de negócios na China, explicando que há algum tipo de emergência sobre o negócio. Resmungo sob minha respiração, antes de trocar para a outra língua, explicando que eu retornarei dentro de 24 horas. O homem aceita satisfeito e eu rapidamente desligo, antes de virar para considerar Charlotte mais um momento. Um fluxo de lágrimas correm para baixo em suas bochechas e seus ombros sacodem da força de seus soluços. Ela se recusa a olhar para mim, e vejo quão insensíveis foram minhas palavras. Me aproximo da cama nervosamente, estendendo a mão para tocar em seu ombro. - Não me toque. - ela fala fracamente. Eu recuo, torcendo as mãos nervosamente. - Você sabe o que? Você está certo. Suponho que você é mais esperto do que eu te dei crédito. Finalmente vim a um acordo com o fato de que nunca sentirei nada por você, apenas ódio. - ela assobia, enfiando-se longe da cama. Eu tropeço de volta, olhos alargando em choque com suas palavras. Quero acreditar que ela está machucada, como eu estou, mas seus lábios estão torcidos em um sorriso cruel.


- Você acha que estas lágrimas são para você? Eu estou simplesmente chorando pela perda do meu 1 milhão de dólares. - ela continua, esfregando os olhos dela. - Você não... - Eu trilho fora, deixando as palvras morrerem nos meus lábios. Claro que ela quer dizer isso. Tudo o que ela sempre quis foi arruinarme. Eu estou sendo tolo, acreditando que já havia algo mais nessa relação. Enquanto percebo que fui o único a começar este confronto, estou confiante de que uma boa pessoa não poderia ser tão fria, ao ponto de dizer o que Charlotte está dizendo a mim. Eu nunca devia ter acreditado que havia algo mais por trás desses olhos verdes com raiva. - Vou embora. - digo abruptamente, e ela me olha com os olhos arregalados. - O que? - ela exige, movendo-se para balançar as pernas fora da cama. - Eu preciso estar na China, claramente muito mais do que precisa de mim aqui. Sei quando devo cortar minhas perdas, e você perceberá que o contrato foi anulado. Se você espera receber um centavo de mim, você é mais tola do que eu fui. - explico com calma, embora minhas entranhas se sintam como se estivessem prestes a implodir. Ela parece surpresa, enquanto eu vou para a porta, como se ela não esperasse que eu saisse, na verdade. - Você não pode estar falando sério. Você não pode fazer isso comigo, Dillon. Você... - ela começa, e volta a chorar novamente. Enquanto eu quero virar e consolá-la, insistir que eu vou estar lá, não importa o quê, não permitirei que me tenha novamente ao seu alcance. Ouço-a gritar por mim, enquanto eu passo pela porta, empurrando-a fechada atrás de mim. As enfermeiras no corredor não olham, como se eles não tivesse ouvido cada palavra trocada na sala. A caminhada rumo a saída é como uma caminhada da vergonha, e encontro-me perante o médico, antes que eu seja realmente capaz de sair. Ele parece rasgado, estando entre eu e a porta, e percebo que ele tinha


estado a ouvir também. Eu cruzo meus braços sobre meu peito, quase desafiando-o a falar na minha direção. - Você sabe, é óbvio, como se sentem um sobre o outro. - ele oferece. Inspiro lentamente, passando pelo homem. - Ela ama você, Sr. Bradshaw. Não sou médico do amor, mas tenho certeza disso. - ele fala atrás de mim. Eu empurro para baixo, a grande parte de mim que não quer nada mais do que acreditar nele. Mesmo que ela se importasse comigo, me amasse, tenho certeza que não é mais o caso. Retornar a China, vai me dar algum tempo para arejar a cabeça e realmente considerar o que eu quero fazer no que diz respeito a esta relação. Se isso pode ser chamado de relacionamento. Enquanto eu passo para fora da porta, sinto uma umidade no meu rosto. Eu olho para cima para o ensolarado céu azul acima. Não há uma nuvem à vista. Infelizmente, não haverá nada para obscurecer as minhas lágrimas. Não posso mentir, nem a mim mesmo. Chego para limpá-las, antes de ir para a limusine onde Milo aguarda. Se ele está curioso para saber onde Charlotte pode estar, ele não demonstra. Eu simplesmente digo para me levar ao meu jato pessoal, e como sempre, ele faz. Enquanto, alguma ajuda e felicidade podem ser comprados, parece que as coisas mais importantes na vida real não tem preço. É uma pena que eu estraguei tudo com a única mulher que amei. Pois Charlotte nunca poderá ser comprada.


Você já sentiu como se seu coração simplesmente parasse de bater? Por um segundo, apenas em uma respiração, seu coração simplesmente para. Estou certa de que é o que estou sentindo, agora que Dillon se foi. É como se todos os motivos que eu encontrei para viver, foram arrancados de mim. As lágrimas continuam a cair por algum tempo, mesmo que a enfermeira entre em cena para me ajudar. Eu sei que ela gostaria que eu fosse, embora, mas o que ela não sabe é que o meu futuro estabelecido, foi quebrado em pedaços diante de mim. A julgar pela simpatia nos olhos dela, no entanto, talvez ela saiba mais do que deixa transparecer. Permitindo que ela me ajude a sair da mesa de exame, eu envolvo o roupão de Dillon mais firmemente em torno de mim. Seu perfume está em cada fibra da coisa, e eu não quero nada mais do que jogá-lo no mais próximo lixo. Não, isso não é verdade. Lembro-me de várias coisas que eu quero mais que que me livrar do lembrete final do homem que eu amo. Trêmula, faço meu caminho fora do consultório do médico, mas não faço idéia de onde ir a partir daqui. A resposta óbvia é o meu apartamento, no qual o aluguel Dillon tem pago nos últimos meses. No caso de precisar de uma fuga de algum tipo, aparentemente. Como pude cair de tão alto para este poço de desespero? Ele quis dizer aquilo tudo? Ele não sente nada por mim? Eu não posso cessar as lágrimas que derramam em minha face, mesmo enquanto eu ando pela rua na direção do meu apartamento. Dillon deixou-me sem dinheiro, sem nada, exceto o roupão que estou usando. Sei que devo parecer uma louca andando pelas calçadas da cidade em um robe de seda e pijama. Diabos, nem sequer tive a oportunidade de trocar os sapatos que estou usando.


Não posso negar que ele fez seus sentimentos mais claro do que nunca. Se o veneno que expeliu não deixou isso bem claro, o fato de que ele me abandonou, certamente faz. Pelo menos, ele podia ter me deixado em casa. Quando eu lhe ataquei, eu nunca esperava que fosse nossa última conversa. Eu deveria ter sido mais gentil. Eu deveria chamá-lo... Não, não, eu não deveria. Eu não sou o tipo de mulher que depende de outros. Fui tola ao pensar que podia confiar em Dillon Bradshaw, especialmente depois de sua primeira instância de arruinar completamente a minha vida. Quem me dera poder libertar minha mente daqueles lindos olhos dele, o ângulo perfeito de sua mandíbula, como ele sente dentro de mim. Deus, por favor, deixe-me esquecer. Enquanto eu quero que tudo acabe, eu sei que eu tenho uma razão para continuar. Três razões, especificamente. Enquanto eles podem servir como uma lembrança dolorosa do que eu perdi, não consigo me livrar da sensação, de que sou grata por ainda carregar algum pedaço dele comigo. Eu vou ter uma parte de Dillon Bradshaw comigo para o resto da minha vida. Ele deixou muito claro que ele não quer fazer parte das vidas dos trigêmeos. Eles nunca conhecerão o pai deles. Eles nunca saberão que sua mãe foi um tola. Soluço agradecendo, ao perceber que eu já cheguei em minha casa. Enquanto parece que existe uma piada cósmica a este ritmo, pelo menos, eu ainda tenho um apartamento para voltar. Subo as escadas para o meu andar, e é exaustivo com todo o peso extra que estou carregando, mas não é como se eu simplesmente fosse desistir e entrar em colapso na escadaria. Suor se mistura com as minhas lágrimas, enquanto eu tropeço a etapa final. Se aproximando da minha porta da frente, percebo que eu não tenho nem uma chave. Explodindo em uma mistura de riso histérico e lágrimas, eu cedo contra a parede. As coisas não podiam piorar, e não parece como se fossem melhorar logo.


O som de uma porta abrindo, sacode minha atenção, e eu estou assustada ao perceber que é a porta da minha casa. - Charlotte? - pergunta uma voz familiar, soando quase temerosa. - Você está ok? - a voz continua, e eu suspiro, enquanto um familiar par de olhos aparece ao redor de minha porta. Minha irmã, minha querida irmã Jenny, sai do meu apartamento e se aproxima de mim com cautela. Lembro-me de repente, ela deveria vir me visitar da Austrália, onde ela e os meus pais vivem, mas não sabia que a data tinha chegado tão cedo — o tempo parece ter escapado, enquanto estive com Dillon. Tendo finalmente percebido a forma pobre em que estou, Jenny vai em direção a mim, seurando-me em seus braços. Seus olhos arregalam, quando ela percebe o bebê, e enterro meu rosto no ombro da minha irmã gêmea, enquanto eu tento pensar em como me explicar. - Podemos entrar? É uma longa história. - murmuro, sorrindo fracamente, enquanto minha irmã me ajuda dentro do meu apartamento. Parece que foi meticulosamente limpo, o que é bastante normal para as visitas da Jenny. Ela ainda não tinha percebido que o apartamento não tinha ninguém vivendo. Para o trabalho que faço, limpando casas de outras pessoas, é risível que eu permita a bagunça que eu sempre deixo o apartamento se tornar. Eu começo a rir sob a minha respiração, desmoronando em meu sofá meio-quebrado. Jenny me encara com uma sobrancelha levantada, sentada ao meu lado. - Você parece ter sofrido bastante. - ela disse simplesmente. O humor me escorre quase imediatamente, e de repente estou chorando de novo. Droga, esses hormônios da gravidez. Apesar do embaraço, eu consigo detalhar a situação com a minha irmã. Como encontrei Dillon, como eu tinha planejado arruiná-lo, e como me tornei uma barriga de aluguel para seus filhos. Deixo a parte onde estou perdidamente apaixonada por ele, visto que é bastante óbvio.


Jenny afaga uma mão pelo meu cabelo, e eu me inclino contra o lado dela. As lágrimas continuam a derramar, mas é um alívio ter um rosto conhecido nas proximidades. - Não sei o que fazer. Não posso cuidar de mim mesma. Como no mundo eu vou cuidar de trigêmeos? - Eu choro, olhando para ela com os olhos lacrimosos. Ela me considera pensativamente, levantando-se a seus pés e indo em direção a meu quarto. - Eu vou pegar algumas roupas para você vestir. Eu tenho uma idéia que eu quero contar a você, mas você precisa se recompor um pouco. - ela fala, calmamente como sempre, retornar momentos mais tarde, com uma tshirt e jeans. Eu olho fixamente para as roupas, olhando para a minha irmã e gesticulando para meu estômago. - Ugh. Detesto perguntar, mas tem uma das suas camisas aqui, em algum lugar? - indaga. Hesitando por um momento, eu aceno para que ela agarre uma que eu tinha ficado, depois de uma das minhas primeiras experiências sexuais com o bilionário. - Parece que não posso escapar... - Eu resmungo, enquanto me visto. Minha irmã canta distraidamente, e eu olho mais, para ve-lá passar o dedo através da tela de celular. A tela do meu celular! Eu tropeço em direção a ela, mas pela expressão vagamente divertida no seu rosto, posso dizer que o dano já foi feito. - Certamente não. Porque não tinha isto com você? - Jenny pede, jogando o telefone em minha direção. É exibida uma imagem bastante lasciva de Dillon e eu, e eu atiro minha irmã um olhar sujo, antes de colocar meu celular em meu bolso. - Deixei aqui algumas noites atrás e nunca mais voltei para pegá-lo. Dillon era o único me ligava ou mandava mensagem de qualquer forma. digo arrogantemente, permitindo que a implicação pendure no ar.


Jenny parece vagamente ofendida, mas desvanece-se rapidamente para um olhar mais envergonhado. - Bem... estou aqui agora, não é? - ela fala. Incapaz de parar de sorrir, dou um passo na direção dela e puxo-a em meus braços. - Você está, e você não tem idéia do quanto eu aprecio isso. Seus sentidos gêmeas devem ter saído. - Eu brinco. - Então, qual é essa grande idéia que você teve? Vender revistas de fetiche? - Continuo, empurrando-a com o cotovelo. Jenny late para fora uma risada, sacudindo a cabeça lentamente. - Não é bem assim. Eu tenho um amigo repórter, que ficaria bastante interessado na sua história, para não mencionar as fotos... - ela começa. Eu começo a salpicar indignada, mas ela me corta. - Antes de dizer não, na verdade penso nisso! Se o pagamento for grande, você finalmente se vingará daquele bastardo bilionário, por tudo que ele fez para você. - ela explica, descansando uma mão no meu ombro. Eu hesito, considerando se eu realmente quero vender a minha história. Seria bom se vingar do homem que partiu meu coração, mas... eu realmente quero magoá-lo tão profundamente? Reconhecidamente, preciso de algum meio de ganhar um salário. O pagamento para a minha história não vai durar para sempre, mas vai me ajudar a se manter, até conseguir outro emprego. Balançando lentamente, permito que a minha irmã para me leve ao meu computador. Ela liga-o, fazendo login em sua conta de e-mail e digitando uma mensagem para um nome que eu reconheço imediatamente. - Yasmin? Yasmin Bates? Ela trabalha para a revista de fofocas mais popular na cidade. - eu deixo escapar. Jenny sorri conscientemente, clicando em sua caixa de entrada, quando ela recebe uma resposta quase que imediatamente.


- Sim, e ela pode ganhar um bom dinheiro, com sua história. Ela já respondeu, e ela está interessada. O que lhe digo? - indaga. Pego meu celular, adicionando o endereço de e-mail do Yasmin para meus contatos e encaminho as fotos para ela. Minha irmã suspira, antes de estourar em gargalhadas quase histérica. O computador apita, e minha irmã clica na mensagem que ela recebeu. - O que ela pensa? - Eu pergunto, com um sorriso manhoso dos meus lábios. - Ela diz que ela vai fazer o trabalho, mas da próxima vez você pode querer mandar isso antes. Ela vai começar a trabalhar na sua história. Ela também quer saber para onde você gostaria que o dinheiro fosse transferido. - fala. Dou uma pequena pausa, olhando para a mensagem, para ver quanto dinheiro que eu posso receber. Minha boca cai aberta em estado de choque. Embora não seja milhões de dólares, ele vai fazer o trabalho muito bem. - Diga-lhe que vou buscar o cheque sempre que for conveniente para ela. - Eu digo urgentemente. - Oh, querida irmã. Você está olhando para um pagamento em dinheiro, aqui. - Jenny sorri. Ela digita a mensagem, pressionando enviar, antes de pisar longe do computador. - Vamos lá. Eu vou te levar para o almoço, e podemos ir ao shopping para pegar algumas roupas de maternidade. Mesmo que seja engraçado velá esse jeans pendurado sob o seu estômago, não suporto te ver na camisa daquele traste. - Jenny diz. Balançando gentilmente, sigo-a até o carro. O almoço é simples e rápido, e só gastamos em torno de uma hora na boutique. Vai demorar uns dias, antes que meu pagamento esteja pronto, mas Jenny é gentil o suficiente para me comprar algumas coisas para começar. Ela fala no caixa se posso me vestir com as minhas roupas novas, e hesito quando ela gesticu-lá em direção uma lata de lixo grande.


- Jogue a camisa fora. Acho que não podemos queimá-la aqui, então eu acho que essa é a próxima melhor coisa. - ela instrui-me com um sorriso insolente. O pensamento de jogar fora a camisa de Dillon, envia uma indesejável tristeza através do meu coração, mas não posso permitir que meus sentimentos por ele se arrastem mais. Eu não pretendo deixar o bilionário assombrar meus pensamentos para sempre. Aproximando-se da lixeira, abro a tampa e jogo a camisa dentro. Aceno para Jenny, mas sinto-me estranhamente vazia. - Acho que estou pronta para voltar ao meu apartamento. Estou muito cansada. - Eu digo calmamente, e se ela sente a súbita mudança no meu humor, ela não faz nenhuma menção. Minha irmã gêmea simplesmente me leva pelo braço, me guiando até o carro. Ela é amável o suficiente para me ajudar a subir as escadas, pressionando um beijo na minha bochecha, enquanto estamos apenas fora do meu apartamento. - Eu estarei de volta em breve, ok? Eu vou te levar para pegar seu dinheiro, também. Parece que seu carro precisa de ajuda agora. - Ela sorri, escovando a mão pelo meu cabelo. Eu tento não parecer tão emocional como me sinto, que é uma luta. Minha irmã diz adeus, antes de escapar. Assim que eu estou no meu apartamento, eu tateio para pegar meu telefone do meu bolso. Abro o endereço de e-mail do Yasmin, e mando para ela uma mensagem frenética e desesperada. Explorar nossa história já é ruim o suficiente, não iria querer liberar fotos nuas de Dillon ao público. Chame-me de tola, mas não quero vê-lo arruinado completamente. Eu também não estou muito entusiasmada por todas as mulheres da nação, vendo seu corpo bem esculpido A resposta do Yasmin é rápida, mas angustiante. Aparentemente, as fotos já foram apresentadas ao seu superior, ou algo assim. Mas tenho a sensação que ela poderia impedi-lás de ser impressa, mas ela não está disposta a perder o que ela pode ganhar.


Bem, em Ăşltima anĂĄlise, serve a Dillon corretamente, apĂłs o que ele me fez passar. Certo?


Deixar Charlotter fora da minha vida, é mais fácil falar do que fazer. Mesmo com o negócio da China caindo aos pedaços na minha frente, tudo que consigo pensar, é como escroto que eu fui, por deixá-la sozinha. Além disso, sinto que eu deveria ter revelado meus sentimentos a ela. Agora, eu provavelmente nunca vou ter a chance, pois eu não acho que ela vai falar comigo novamente. Meu coração se sente como se estivesse se quebrando em 1 milhão de pedaços. Quando chega a hora de assinar o contrato, que coloca que a maioria dos funcionários de meu novo parceiro de negócios, serão demitidos, eu hesito por um breve momento. A caneta treme em meu aperto, e eu não posso me forçar a assinar o documento. - Eu tenho que ir. - digo apressadamente, e os outros me encaram com descrença em seus olhos. As pessoas exigem que assine o contrato, me atacando no que parece uma dúzia de línguas diferntes, mas simplesmente me afasto da mesa e rapidamente saio fora da sala. Eu pego meu telefone do meu bolso, imediatamente discando o número de Charlotte. Sei que há apenas uma minúscula chance de que ela vá falar comigo, mas eu tenho que ouvir a voz dela. Chama e vai para o correio de voz. Devia desistir, mas eu não sou de desistir de meus desejos tão facilmente. Eu deveria ter feito isso claro desde o início, o quanto eu a amo. Eu não deveria ter permitido que meu egoísmo, covardia e maldade se metessem entre nós. Eu disco o número dela novamente, simplesmente para ouvir sua voz. É quase como se ela estivesse comigo, os olhos dela estreitando em irritação. Os lábios franzidos no mais bonito dos bicos, e o que eu não daria para ela virar aquele brilho em cima de mim mais uma vez. Rapidamente - o aparentemente interminável caminho para o aeroporto - vou até onde está o meu jato, acenando para um dos meus


pilotos pessoais. Não iriamos embora por mais uma semana pelo menos, mas eu sei que os homens sempre vêm até o aeroporto, checar o jato . Eles realmente não confiam em ninguém para cuidar dele. Eles parecem surpresos pela minha presença, e tenho a sorte de ter pego-os em um momento tão oportuno. - Ei, chefe. - o menor dos dois, Gavin, clama, e corro para falar com um dos meus pilotos, antes que eles possam se afastar do avião. - Estamos bem, para partir agora ? - Eu exijo, percebendo que nem respondi a conversa fiada. Os dois trocam um olhar, mas o piloto mais alto, Kenny, acena hesitante. - Você não tem mais uma semana aqui, Sr. Bradshaw? - indaga lentamente, mas ignora a minha pergunta, empurro, passando os dois e subo para o jato. Gavin e Kenny seguem atrás de mim, e eu gesticulo em direção ao cockpit. - Eu tenho uma emergência em casa. - explico bruscamente, embora os pilotos me olhem como se fossem continuar a fazer perguntas. - Precisamos ir embora, agora! Assustados, eles acenam seu acordom antes de dispararm para o cockpit. Sento-me no meu lugar habitual, aperto meu cinto de segurança, enquanto nos preparamos para a decolagem. Temos quatorze horas até estarmos de volta aos EUA, mas eu pretendo usar cada momento, para me preparar para o que eu vou dizer para Charlotte. Preciso reconquistá-la. De alguma forma, eu devo. Apesar dos meus esforços, encontro-me à deriva no meio do caminho. Há muito pouco que posso fazer, até que eu seja capaz de entrar em contato com Charlotte. Se tudo mais falhar, vou surpreendê-la no apartamento dela. Mesmo se ela não me perdoar, lhe devo um pedido de desculpas. Os pensamentos do que eu lhe disse, me assombram durante minhas horas dormindo, causando um sono bastante agitado.


Acordando, percebo que estamos apenas a uma hora de chegar. Levantando e me alongando, faço meu caminho para o cockpit, ouvindo os pilotos, enquanto eles conversam entre si. - Ele parece muito preso há ela, não é? Acha que ele deveria ter pego uma prostituta ou duas, enquanto estávamos no exterior, para obter a sua mente longe dela. Tenho um gosto para entretenimento estrangeiro mesmo. - Kenny diz cruamente, e os dois compartilham uma risada. - Ah, cara. Acho que é meio doce. Ele não parece o tipo que se apaixona... ou o que quer que seja. - murmura Gavin e rola os olhos, antes deu limpar a garganta para anunciar a minha presença. Juro que o avião dá uma guinada perceptível, enquanto eles reparam em mim, e eu estou quase fora de meus pés. - Merda! Desculpe. - Kenny fala apressadamente. - O que está fazendo? Estamos ainda a cerca de uma hora do caminho, chefe. - Gavin fala suavemente, como se eu não os tivesse interrompindo em sua discussão da minha vida privada. - Só vim fazer check-in. Peço desculpa por ter tirado você de sua conversa. Tenho certeza que eu posso encontrar um substituto para você... - Eu trilho fora, deixando a ameaça pendurada no ar. - Encontre uma maneira de ir para casa dentro de trinta minutos, e eu vou considerar deixar para lá este pequeno deslize de indiscrição. - Eu digo friamente. Aceno aos homens desajeitadamente em silêncio, enquanto ando através da cabine. Aumenta a velocidade que andamos, e eu olo para meu relógio com um pequeno sorriso. Cerca de quarenta minutos depois, eu estou pisando fora do jato e aeroporto. Meu carro esporte está me esperando no estacionamento, e sorrio para mim mesmo, quando eu abro a porta e deslizo para dentro. Tento uma última vez chamar Charlotte, mas mais uma vez a ligação cai na caixa postal.


Não importa. Eu fiz a minha mente. Eu desloco-me , e acelero para o complexo de apartamentos da Charlotte. Eu vou reconquistá-la ou morrer tentando. Alguns minutos mais tarde, depois de estacionar o meu carro e subir as escadas, encontro-me parado na porta de Charlotte. Tenho as minhas suspeitas, de que não vou ser saudado com nada, além de raiva, mas eu decido que é um risco que estou disposto a correr. Bato na porta, as mãos se mexendo nervosamente ao meu lado, enquanto eu espero por uma resposta. - Quem é? - indaga bruscamente, abrindo a porta. Eu sorrio calorosamente, e seus olhos alargam em alarme óbvio. Ela se move para fechar a porta, mas eu consigo colocar o meu pé entre a abertura, antes dela poder fechá-la totalmente. - O que faz aqui, Dillon? - exige, sua voz soando estranhamente emocional. - Preciso falar com você. Eu preciso ver você, Charlotte. Por favor, me deixe entrar por um momento. - Eu imploro, descansando a minha mão contra a superfície de madeira da porta. Depois de um momento, ela puxa para abri-la e gesticula para eu entrar. Ela está vestida em um adorável par de pijamas, e o que parece ser um de meus roupões. Ela se mexe desconfortavelmente, enquanto ela espera que eu fale, se recusando a encarar o meu olhar. - Estou ouvindo. - ela diz calmamente. Todas as palavras que eu tinha planejado dizer, evaporam naquele momento, e é tudo que posso fazer para me impedir de ir na direção dela e levá-la em meus braços. Ah, pro inferno com isso. Eu chego e puxo-a para mim, e ela luta contra mim por apenas meio segundo, antes de pressionar o rosto dela contra meu peito. Os ombros se sacudindo, e é óbvio que ela está se esforçando para conter seus soluços.


- Eu sinto muito, Charlotte. Por tudo que eu disse, as coisas cruéis. Eu te amo. Eu te amei desde o momento que a contratei. - murmuro, pressionando um beijo no topo de seua cabeça. Ela endurece em meus braços, e tenho certeza de que eu disse algo errado. Ela se afasta ligeiramente, olhando para mim com lágrimas brilhando em seus olhos. - Você... você me ama? - indaga, em descrença óbvia. Eu aceno, escovando as lágrimas de seus olhos. A boca dela cai aberta, e não consigo parar de pressionar nossos lábios. Ela não retribui, o que parece uma eternidade, mas então ela começa a mover os lábios contra o meu, desesperadamente segurando meus ombros. Ela ofega. E se afasta, e eu só me pergunto se ela tem sentido minha falta, tanto quanto eu senti falta dela. - Eu te amo, também. Deus, Dillon, eu te amo. Desculpe-me sobre as coisas que eu disse e as coisas que eu não expliquei, e.. - ela começa, mas eu pressiono um dedo em seus lábios, gentilmente a calando. - O negócio ainda está de pé, se você quiser. Te fiz uma proposta, e eu pretendo me manter fiel a ela. - Eu sorrio, escovando os cabelos longe de seus olhos deslumbrantes. Ela encara meu olhar, olhando como se tivesse algo a dizer. Em vez disso, ela acena, antes de capturar meus lábios mais uma vez. Ela me puxa para o sofá dela, que parece que já viu melhores dias, e estou um pouco curioso para saber a intenção dela. - Dillon... você pode fazer algo por mim? - indaga timidamente, empurrando o roupão dos seus ombros, lentamente. - Claro, Charlotte. Eu vou fazer qualquer coisa. - eu respondo, puxando-a em meus braços novamente. Não suporto estar uma polegada longe dela, não depois do que passamos. Eu nunca quero deixá-la ir outra vez. Ela muda para ficar confortável, puxando-me para o sofá em cima dela. Está longe de ser a superfície mais confortável do mundo, mas quando


ela coloca as pernas na minha cintura, eu percebo que não há outro lugar onde que preferia estar. - Faça amor comigo. - ela sussurra. Eu sou impotente para isso. O sexo intenso, lascivo que sempre tivemos, parece a milhas de distância e desta vez, quero mostrar-lhe o quanto a amo. Enquanto ela levanta a blusa, sua barriga redonda adoravelmente perfeita, fica em exposição. Eu arrasto a palma da minha mão sobre seu estomâgo, e ela treme um pouco. Existe uma vulnerabilidade no olhar dela, a qual ela nunca me mostrou antes. Eu chego a carícia de um dos seus seios inchados, e ela suspira meu nome. Abaixando a minha cabeça para eu outro seio, pego o mamilo entre meus lábios e agito suavemente a língua contra o pico ereto. Ela joga a cabeça para trás, e sinto o amor puro que tenho para ela. Excitação parece secundária, em relação à intensidade do meu amor coração por ela. - Você é tão linda. - murmuro contra sua pele, beijando meu caminho para baixo do seu tronco. Ela ri, enquanto eu passo minha língua contra seu umbigo, antes de curvar meus dedos na cintura da calça do pijama. Ela mexe em antecipação, levantando seus quadris, enquanto eu puxo a peça para baixo de suas pernas. Surpreendentemente, ela não usa nada por baixo. Quase como se ela tivesse me esperando. Ela olha para mim com um olhar desesperado e eu rastreio meus dedos ao longo da sua coxa. Há um calor úmido irradiando dela, e incapaz de resistir, eu abaixo minha cabeça para prová-la. Engato a respiração, e estou certo de que nunca provei algo tão divino em todos os meus anos de vida. Eu continuo a mover minha língua contra sua fenda, ansioso por mais. Seu corpo estremece sob o meu toque, e é óbvio que ela já está perto. - Espere! - ela grita, agarrando-me pela gola da minha camisa.


Sem perder tempo, ela abre a camisa, botões voando pela sala. O riso se transforma em gemidos sexy, enquanto ela beija o meu peito, me empurrando de volta. Desta vez, estou em minhas costas, e ela sorri ansiosamente, empurrando minhas calças para baixo no meu quadril, até ela pode libertar minha masculinidade da cueca. Antes que eu posso falar, ela está pairando acima de mim, da maneira mais tentadora possível. - Charlotte. - eu suspiro, enquanto ela me monta, seu calor agarrandose firmemente em minha cintura. Coloco minhas mãos na sua barriga redonda, clamando suavemente, cada vez encontrarmos nossos quadris. - Eu te amo. - ela sussurra, saltando a um ritmo que só pode ser descrito frenético. Eu guio seus quadris, enquanto ela se perde em prazer, mas não muito antes de eu estar jogando minha cabeça de volta, em puro êxtase também. - Eu também te amo... tanto. - respiro, gozando dentro dela, enchendo-a até a borda. Seu grito de prazer é alto e agudo, um som que eu senti mais falta do que eu imaginava. Antes que eu saiba, ela está caida em cima de mim. Os lábios dela achando o meu, e eu acaricio seu ccabelo, enquanto respiramos para nos recuperarmos. Distantemente, ouço uma notícia na sua TV. Ela parece ouvir também. Eu nem tinha notado que a TV estava ligada, mas enquanto eu olho para ela, uma coisa parece fora. - Dillon, por favor. - ela diz com urgência, tentando forçar meus olhos longe da imagem na tela. É uma imagem que eu reconheceria em qualquer lugar, vendo como é uma foto minha... bem, nossa. Olho criticamente para a televisão, ouvindo atentamente, quando os detalhes sórdidos do nosso caso são jogados na televisão. Eu viro para olhar para ela, magoa e descrença rapidamente substituindo a felicidade que senti mero momentos atrás.


- Ah, então você me ama? - Peço rispidamente, sentando ereto e empurrando longe de mim. Ela tenta agarrar-se a mim, mas eu não aceitarei. Eu deslizo debaixo dela, minha mente em branco, enquanto ajusto minha calça para me cobrir. - Claro, eu só estava... você tem que entender. - ela tenta explicar, mas eu já estou caminhando em direção a porta. - Não posso acreditar que fui tão tolo. Todo esse tempo, você quis me machucar. Você quis me arruinar. Bem, você venceu, Charlotte. Você me destruiu. - Eu disse, alto o suficiente para ela ouvir. Ela implora para que eu fique, mas saio como uma tempestade fora da porta, não me importando quem vê meu peito seminu. Afinal, todo mundo já viu muito mais na TV. Não só tive o meu negócio na China indo pelo ralo, mas só Deus sabe quantas ofertas eu vou perder por causa disso. Por causa de uma mulher.


- Eu estraguei tudo, Jenny. - admito melancolicamente, assistindo a história na TV. Tem passado repetidamente nos últimos dias, e eu só posso imaginar quanto tempo será, até que as estações parem de passá-lo. Um suspiro derrama dos meus lábios, e quase esqueço que estou no telefone com minha irmã gêmea, até ela suspirar também. - O cara mereceu. - ela diz defensivamente, e eu sou incapaz de engolir o riso amargo que irrompe de meus pulmões. - Vamos lá, Charlotte. Você não tinha como saber que ele iria decidir se desculpar, e... vocês não parecem ser tão saudáveis um para o outro. - ela continua. Uma lágrima desce pela minha bochecha, embora é como se fosse um tsunami. Eu choro, e tomo um momento, afastando o telefone. Não quero ouvir como ele deve estar, apesar de ser óbvio neste momento. - Não sei o que fazer. - gerencio, fechando meus olhos e permitindo que a minha cabeça ceda contra a parte de trás do sofá. Minha irmã cantarola pensativa por um momento, mas tenho certeza de que não há nenhuma solução limpa para o meu problema neste momento. - Venha para a Austrália. - Jenny sugere abruptamente, e eu quase deixo o telefone cair, em estado de choque. Eu incoerentemente guaguejo por um momento, incapaz de raciocinar como ela veio com essa ideia. - Vamos, pense nisso. Se o bilionário não vai ajudá-la, seria útil estar com a família. Nós podemos cuidar de você, Charlie. - ela diz, soando um pouco mais sentimental do que esperaria dela. Olhando para a televisão, noto que há uma transmissão ao vivo da SharkTec. Parece que estão tentando obter os detalhes sujos de Dillon, e eu


percebi tarde demais, que eu dei-lhe ainda mais poder de arruinar-me. Se ele optar por transformar a história contra mim, eu vou ser a chacota do país. Embora isso não traga Dillon mais perto para mim. Pois não teria como convencê-lo de como me sinto. Isso não vai provar o quanto eu o amo. No entanto, poderia me ajudar a mostrar meus sentimentos para o homem. Não é como se fosse conquistá-lo neste momento. Se permanecer neste apartamento terrível, eu só vou ser deixada para lidar com meu coração partido sozinha. Apesar de saber que há sempre uma chance que perdê-lo ainda mais, e isso é ir a milhares de milhas de distância... Eu simplesmente tenho que aceitar que não era para ser. - Vou ir. - digo, sorrindo um pouco como um brinde de Jenny. - Ótimo, vou comprar seu bilhete de avião. Você pode ficar por um tempo, até que você fique por seus próprios pés. Vai ser igual quando éramos crianças. - diz alegremente. Eu posso sentir seu sorriso animado através do telefone, eu não posso ajudar, mas ficar um pouco animada com a perspectiva de explorar terras desconhecidas. - O que devo levar? - Peço, olhando ao redor de meu apartamento minúsculo. A única coisa de valor realmente, é o meu laptop. - Seu computador e algumas roupas. Eu não posso comprar outro guarda-roupa inteiramente novo. - ela provoca. Aceno, embora ela não possa me ver, eu estou me achando cada vez mais, que esta é a melhor decisão. Embora eu sei que eu vou sentir falta de Dillon, e queria muito que ele me aceitasse de volta, não dá para recuar através desta confusão. Este é o melhor. Pelo menos, espero que sim. Em meus últimos dias no meu apartamento acanhado, passo a maior parte do meu tempo embalando. Há pouco que fazer, pois eu já tinha cancelado a tv e pagado minhas últimas contas. Quando o dia para ir embora chega, eu permaneço no meu sofá por um longo tempo.


Olhando para o lugar onde Dillon e eu tinhamos feito amor, não posso negar que a minha mente se volta para ele novamente. Embora eu saiba que ele não me ligará, eu tenho um momento para escrever um bilhete e mandálo no email da sua cobertura. Tudo o que ele precisa saber, é que vou estar longe, e que ele não precisa mais se preocupar com o negócio. Ele não precisa perder mais de sua vida com alguém como eu, e ele pode achar uma nova mulher para fornecer seu herdeiro. Só queria que as coisas fossem diferentes.


Os próximos meses passam em um borrão, com a mudança para a Austrália e para a casa da minha irmã em Brisbane. Eu cresço mais redonda e cansada, a cada dia que passa. Antes de eu perceber quanto tempo passou, eu estou chegando a marca de oito meses. Em gestações normais, nove meses é quando uma mãe realmente começa a se preocupar. Para trigêmeos, é outra história. Eu poderia tê-los qualquer dia, a este ritmo. Na verdade, eu tenho feito muito no meu tempo na Austrália. Consegui ganhar na loteria - que não tinha percebido que eu tinha entrado - recebendo vários dólares. Minha irmã tinha ficado tão perplexa quanto eu, mas eu não ia deixar de receber esse prêmio. À procura de um emprego não tem sido fácil, mas com o pagamento do dinheiro da lotaria, eu fui capaz de me manter o suficiente. Mas ainda passo a maior parte dos meus dias, procurando uma maneira de sustentar meus filhos a longo prazo. Meus pensamentos ainda vão Dillon mais frequentemente do que não, mas acho que é de se esperar, já que carrego seus filhos. Espero que, pelo menos, eles parecem mais comigo. Eu sei que a chance dos três pequenos serem o clone Charlotte, é improvável, mas uma garota pode sonhar. Ter três bebês como um lembrete constante dele, vai ser difícil o suficiente, sem ver seus lindos olhos azuis refletidos de volta para mim todos os dias. Decido tentar a sorte de encontrar um emprego em meio período no shopping local, anotando um recado para Jenny, explicando onde eu vou estar. Eu pego as chaves de meu carro novo, caminhando fora de casa. Não é um carro novinho em folha. Eu não podia gastar uma grande parte dos meus ganhos de loteria em um carro novo. Mesmo assim, esse leva-me pela cidade bem o suficiente.


Deslizando no banco do motorista com dificuldade, ligo a ignição e ligo o ar condicionado com força total. Eu ainda não me ajustei ao calor de Brisbane, mas é um trabalho em andamento. Sei que em pouco tempo, eu vou passar menos tempo enfiada em casa — especialmente se eu conseguir um emprego. Quando o shopping entra em modo em minha visão, solto um suspiro ao ver a distância entre o local de estacionamento mais próximo e a entrada. Nenhuma mãe estacionaria aqui, infelizmente. Mexo para fora do carro, caminhando em direção à entrada do shopping. O sol bate nas minhas costas, e suor escorre do meu pescoço. Antes que eu consiga entrar no ar condicionamento confortável, uma vertigem envolve-me. Tropeço para o lado, só conseguindo sentir que um homem me segura. Agradeço-o, piscando lentamente, enquanto observo suas características. Ele parece estranhamente familiar, como o médico que tinha visto na última ultra-som. Ele tem um penteado totalmente diferente, porém. Não era como se o médico pudesse ter brotado cabelo e decido ir até a Austrália. O pensamento disso é ridículo. Deve ser o calor que está me afetando. De qualquer maneira, ver este rosto enganosamente familiar, me faz pensar na vida que deixei pra trás. Meu apartamento porcaria não foi uma grande perda, mas Dillon continua a assombrar todos os meus pensamentos — seja acordada ou dormindo. Os canais de notícias finalmente esqueceram o assunto, e a única notícia que vejo do magnata dos negócios, é seu sucesso em corporações adicionais. Bem, isso e a revista de fofoca que mencionou sua nova mansão. As pessoas estão especulando que ele está saindo com alguém, mas eu sei que não pode ser verdade. Espero que sim, na verdade. - Minha senhora, está bem? Está me ouvindo? - pergunta delicadamente. Pisco os olhos, levando a garrafa de água que ele me oferece. - Você parece estar um pouco desidratadoa. Não pode ser bom para os bebês. - ele diz.


Tomo mais um gole de água. - Obrigado pela ajuda, mas... - Eu trilho, considerando-o estranhamente. - Como você sabe que eu estou tendo múltiplos? Ele fica em pânico por um breve, momento antes de mudar sua expressão, para uma calma e serena. - Apenas um palpite de sorte — parece um aumento maior do que o habitual. - Ele ri desajeitadamente. - Precisa de ajuda para ir para casa? - indaga cautelosamente, e minha mente se volta para o lugar que considero minha verdadeira casa. Enquanto eu sei que ele quer dizer o lugar que eu vou ficar na Austrália atualmente, nunca vou me sentir em casa aqui. A única vez que me senti em casa, foi nos braços de Dillon. Impressionada com a intensidade do pensamento, passo pelo homem e volto para o meu carro. Mil pensamentos estão correndo pela minha cabeça, mas o que sobressai mais, é a ideia de que eu simplesmente tenho que falar com Jenny. Ela tem conseguido manter a cabeça fria durante isso. Talvez ela possa me convencer do quão ridícula eu estou sendo. Entrando no carro, ligo o ar condicionado novamente e dirijo na direção de nossa casa atualmente compartilhada. Jenny está sentada em uma cadeira de jardim, no jardim da frente, bebendo um copo de água e folheando a revista de fofoca que eu tinha trazido para casa ontem. Quando eu saio do carro, ela olha para mim com uma expressão de preocupação. - Charlie, você está bem? Você está com o rosto todo vermelho. - ela chama, saltando para seus pés e correndo em minha direção. Dando-lhe um olhar de culpa, procuro pegar a revista ainda agarrada a mão dela. - Quero voltar. - admito suavemente.


Ela olha para mim com uma expressão de confusão por um momento, mas então realização parece bater nela. - Nunca esteve verdadeiramente feliz aqui, não é? - Jenny pede tristemente. Lágrimas vem aos em meus olhos, enquanto eu tento pensar em uma explicação que faz sentido. - Estou feliz de estar com minha família, mas... está não é a minha casa Jenny. - Eu digo firmemente. Ela faz uma pausa para respirar, segurando minha mão e parecendo refletir por um longo instante. - Saia daqui. Você tem um bilionário para ganhar de volta. - ela provoca. Ela me empurra de volta para o carro e quase não resisto. - Eu vou enviar suas coisas, assim que você tiver um lugar para que eu possa enviá-las. Se você se apressar, você vai provavelmente pegar o vôo noturno de hoje. - ela insiste. Surpresa com o quanto ela parece confiante, eu olho por cima do ombro para ela. - Você estava esperando isso. - Eu digo em voz alta. Jenny suspira, encolhendo os ombros. - Eu conheço você muito bem. Agora, vá. Me ligue quando você estiver segura em Chicago. - ela ordena. Ela não precisa me dizer duas vezes. Sorte parece estar do meu lado por enquanto, e chego a tempo de comprar uma passagem para um vôo para os Estados Unidos. A aeromoça me olha estranhamente, enquanto eu tento enfiar-me em um assento — que é uma grande tarefa, considerando quão obviamente estou grávida. Parece que ela quer perguntar porque eu estou voando, mas ela parece deixar para lá


Apago as luzes de cabine e começo a divagar, meus pensamentos indo para o homem que roubou meu coração. Espero que ele vá ficar feliz em me ver.


Eu sou acordada pelo piloto, anunciando que estamos nos preparando para pousar. Assim que tocamos o chão e estamos autorizados a sair nossos lugares, desprendo o cinto de segurança e corro para a saída do avião. Há uma abundância de táxis fora do aeroporto, e não posso deixar de sentir como se a sorte estivesse ao meu lado. Entro em um táxi, sentando no banco de trás e pedindo ao direto ao motorista para ir para SharkTe. Ele me considera curiosamente por um momento, mas aceita o meu pedido. O passeio é curto, e digo-lhe para me esperar e manter o taxímetro rodando dez minutos — no caso. Assim que eu passo dentro do prédio, eu sinto como se todos os olhos estão em mim. Eu localizo Tiffany quase imediatamente e vou direção a ela. Ela me considera com uma expressão um pouco desdenhosa, mexendo o café antes de me abordar. - O que faz aqui, Senhorita Charlotte? - indaga sem rodeios. Sua aversão óbvia para mim, é como um taco de beisebol em meus joelhos, mas eu me viro para continuar de pé. - Estou aqui para ver a Dillon. - ofereço fracamente. Tiffany levanta uma sobrancelha, continuando a simplesmente olhar para mim. Tenho quase certeza que ela vai me mandar embora, e ao que parece, estou certa. - Sr. Bradshaw não está. E não estou muito a vontade de divulgar onde ele está, mesmo se eu soubesse. - ela disse com desdém. Ela olha para o meu estômago, onde minha mão embala minha barriga. A expressão dela vira brevemente para simpática, e ela dá uma pausa, antes de falar novamente. - Ele ainda frequenta a cobertura, embora sua mansão esteja concluída. Você pode encontrá-lo lá. - ela oferece suavemente.


Gratidão sacode através de mim como eletricidade, e eu chego a puxála em meus braços. Ela endurece desajeitadamente. - Obrigada. - Eu respiro, antes de virar as costas para ela e sair do prédio. O motorista do táxi está esperando como eu pedi, e eu rapidamente dirigi-o na direção do complexo de apartamentos de Dillon. Aquele olhar estranho retorna, e desta vez, ele aparentemente não pode encontrá-lo para manter-se calmo. - Menina, você é a moça de Sr. Bradshaw? - indaga curiosamente. Eu endureço, sorrindo educadamente, mas recusando-me a responder. Levando meu silêncio como uma afirmação óbvia, ele ri sob sua respiração, mas continua a conduzir. - Eu vejo algo grande em seu futuro. - ele canta sob sua respiração. Eu rolo meus olhos, como chegamos ao complexo. - Quer que eu espere? - ele fala com um sorriso fraco. - Não, não. Isso é tudo. - murmuro, dando-lhe o seu dinheiro antes de sair. Eu consegui passar o porteiro, que está no meio de uma conversa com uma mulher que parece ser uma modelo de lingerie. Não consigo saber se ela está aqui para Dillon também. Sacudindo o pensamento, eu corro na direção do elevador e pressiono o botão para a cobertura. Eu estou abençoadamente sozinha no elevador, e à medida que os números aumentam, minhas batidas do coração também. Isto pode ser o pior erro da minha vida. Se ele não quer me ver, não há como saber como ele vai reagir. Saindo do elevador, eu uso a chave que eu a guardei a há quase um ano agora, para abrir a porta para a cobertura de Dillon. Andando lá dentro, estou decepcionada ao ver que o lugar parece relativamente vazio. Enquanto alguns de seus bens ainda permanecem no apartamento, o ar do interior é obsoleto e frio. É óbvio que ele não vem aqui há algum tempo.


Mesmo assim, não consigo encontrar dentro de mim para desistir tão facilmente. Continuando a pesquisa através da cobertura, amaldiçoo quando meu estômago colide com um vaso de valor inestimável. O qual me lembro da minha última vez que estive aqui. Ele cai no chão, e eu não sou tão afortunada como fui naquele dia em seu escritório, quando eu quase destruí seu relógio. Embora o relógio permanceu intocado, o vaso se estilhaçou em 1 milhão de pedaços. Em pânico cego, tento limpar a bagunça que fiz. É um pouco tarde para isso, mas você não pode me culpar tentar. Eu estou presa em meu devaneio, quando alguém limpa a garganta atrás de mim. A situação parece tudo muito familiar, e eu estou cheia de esperança, enquanto eu me viro. Lá está ele. Dillon Bradshaw. Amor da minha vida, o pai dos meus filhos e o homem com o poder arruinar minha vida, se ele quiser. Ah, rapaz.


Eu só posso assistir com diversão, enquanto Charlotte vai de medo, animada, medo novamente, tudo em uma fração de segundo. Não fui na cobertura por algum tempo, mas aconteceu de eu ouvir da minha secretária, que haveria uma surpresa me esperando aqui. Eu esperava que seria algo que adoro, mas certamente não esperava tanto. Tiffany tinha simplesmente me dito que deveria verificar, e minha secretária nunca me decepcionou. - Charlotte. - eu digo calorosamente, e ela levanta a mão dela, como se ela quisesse me alcançar e tocar. Ela abstém-se, no entanto, segurando a mão para ela mesma e pressionando-o para sua própria face. Lágrimas começam a piscar nos olhos dela, e enquanto eu quero dizer a ela para não ficar emotiva, tenho dificuldade em seguir meu próprio conselho. Faz tanto tempo. Faz muito tempo! Eu passo em direção a ela, e sua respiração engata, enquanto ela assiste todos os meus passos. - O que uma garota como você, está fazendo num lugar como este? Eu brinco desajeitadamente, gerenciando um sorriso. Eu posso sentir as lágrimas começarem a rolar pelo meu rosto também. Maldita seja a minha adoração por essa mulher. - Dillon. - ela respira, a sonoridade do meu nome, tão doce em seus lábios. É tudo que posso fazer para não empurrar para a frente e capturar seus lábios no meu, pois Deus sabe como ela vai reagir. Ela parece quase à espera de que eu comece a gritar com ela, e enquanto eu desejo que ela pense o melhor de mim, tenho de considerar as condições sob as quais ela partiu. Não posso culpá-la por esperar que eu esteja com raiva.


Na verdade, no entanto, eu estou mais feliz do que estive em meses. A reação da mídia sobre a história de nosso negócio, foi difícil de lidar, e minha equipe de relações públicas ainda está lutando para amarrar as pontas soltas. Eles ainda continuam a me encorajar a estinguir Charlotte da minha mente e esquecer que ela existe. Recusei-me a fazê-lo, e enquanto ela está diante de mim agora, acho que não há nenhuma maneira que eu poderia ter feito. Na época que ela se foi, eu tive muito tempo para chegar a um acordo com meus sentimentos. Toda a raiva, o sentimento de traição, quase imediatamente foi apagado, quando recebi a notícia que ela tinha deixado o país. Havia um senso de certeza que nunca a veria novamente. O mar de tumulto que parecia atirar um contra o outro, me fez pensar que talvez eu estivesse melhor sem ela. Além disso, que ela estava melhor sem mim. Vêla agora no entanto, mal contida, tremendo em soluços, mal um pé longe de mim, mostra que não posso sobreviver mais um dia sem ela. Lanço-me para a frente, segurando-a em meus braços. Ela imediatamente enterra seu rosto em meu ombro, suas lágrimas molhando minha camisa. - Eu sinto muito. Eu nunca quis dizer... - Ela faz uma pausa, tomando uma respiração profunda. - Eu queria machucá-lo. Depois de tudo que passamos, e você me deixando no escritório do médico, eu queria te magoar tanto quanto você me magoou. Eu me perdi meu emprego. Perdi o homem que eu amo. Não posso dizer que nunca quis machucar você, porque eu fiz. - ela estrangula, lágrimas continuando a derramar livremente dos olhos verdes intensos que senti tanta falta. Embora eu saiba que a confissão deveria magoá-la, eu sou grato que finalmente estamos sendo abertos um com o outro. - Eu entendo. Por um tempo, eu queria te ver magoada também. Depois que você lançou a nossa história para a mídia, perdi dezenas de potenciais negócios. Diabos, eu provavelmente perdi centenas. - Eu rio, e ela se segura mais apertado em mim.


- Tratamos um ao outro muito mal, não é? Para duas pessoas que afirmam se amar. Ela se afasta um pouco, olhando-me nos olhos. - Eu te amo, Dillon. Eu nunca parei. - ela respira. Incapaz de me conter por mais tempo, eu pressiono nossos lábios juntos, em um beijo apaixonado, amoroso. Ela pressiona contra mim, emaranhando suas mãos no meu cabelo, enquanto nosso beijo se intensifica. Eu me afasto para recuperar o fôlego, e ela me encara com tanta ternura, que meu coração poderia quebrar. - Eu nunca parei, também. É por isso que tenho seguido você desde que minha equipe conseguiu localizá-la na Austrália. - Eu admito. Os olhos dela alargam em surpresa. - A loteria foi eu, assim como foi o médico que eu insisti para ficar de olho em você, a qualquer momento que você estivesse em público. Nosso médico, o melhor no negócio. Eu mesmo paguei para seus implantes de cabelo. - Eu ri. - Oh meu Deus. Não acredito em você. Você realmente se importa. ela diz, pressionando nossos lábios mais uma vez. É tudo que posso fazer para não rasgar suas roupas, pois eu não sei quão confortável Charlotte está com com isso, até depois que os bebês nascerem. Os bebês! Eu bato, olhando para baixo no estômago dela. Eu pressiono suavemente a palma da minha mão contra sua barriga inchada. Ela não deveria ter voado, enquanto ela está tão perto de ganhar, mas não consigo encontrar em mim algo para estar zangado com ela. Ela queria me ver, tanto quanto eu queria vê-la. No entanto, enquanto eu estou considerando o estômago dela, algo estranho ocorre. Há uma mancha grande em crescimento no meio das pernas da calça dela. Alargo os meus olhos, e ela encontra meu olhar com os olhos arregalados também.


- Oh meu Deus. Acho que minha bolsa rompeu. - ela suspira, se apoiando contra mim, como se para manter-se de entrar em colapso. Pego-a em meus braços, a levando no estilo noiva, como quando descobrimos pela primeira ver sobre os trigêmeos. - Eu sabia que poderia acontecer aos oito meses, mas parece tão cedo! A viagem de avião deve ter empurrado-os. - ela grita, lágrimas escorrendo pelo rosto dela. O pensamento ocorreu-me também, mas eu simplesmente pressiono meus lábios em sua bochecha e apresso-me para fora da cobertura. O elevador está abençoadamente esperando no nosso andar, e eu tropeço dentro, segurando-a próxima do meu peito. Ela está balbuciando delirantemente, e posso dizer que ela está furiosa com ela mesma. - Charlotte, meu amor, acalme-se. Eles vão ficar bem. Eles vão ser perfeitos, como a sua mãe. Nós só precisamos ir para o hospital, certo? Está tudo bem. - Garanto-lhe. Milo está a milhas de distância, tirando o dia de folga, então eu corro em direção a meu carro esportivo, enquanto seguro minha amada ternamente . A abrir a porta, eu delicadamente afivelo o cinto dela, antes de correr para o outro lado. Salto para o carro, girando a ignição e saindo a toda velocidade para fora do estacionamento. - Eu não posso... Não consigo respirar. - ela suspira e eu pressiono o acelerador para baixo ainda mais difícil. Eu estico para agarrar a mão dela, conseguindo manter-me estrada, enquanto nós fazemos nosso caminho para o hospital. Eu poderia me importar menos se um policial tentar nos parar, tudo que me importa é garantir que minha família está ok. Felizmente, chego ao estacionamento do hospital sem demora, e a levo a distância restante. Uma enfermeira ajuda a coloca-lá em uma cadeira de rodas, uma vez lá dentro, e não quero deixá-la ir, tenho que vê-la bem cuidada. - Ela está tendo dificuldade em respirar. - explico urgentemente, e a enfermeira olha para Charlotte atentamente.


- Ela tem que fazer uma cesariana. Nos disseram na nossa última consulta. - continuo freneticamente, seguindo atrás da enfermeira, enquanto ela corre pelos corredores. - Carrinho! Prepare um desfibrilador! - ela grita, e eu sinto como se meu coração caisse no meu estômago. Eu tento meu melhor para manter a calma, enquanto Charlotte está com muita dor. Minha linda mulher, meus lindos bebês... por favor, nao me deixe perdê-los, por minha própria estupidez. Se nunca tivesse a afastado, ela nunca teria deixado o país. Se ela não tivesse deixado o país, talvez isso não estivesse acontecendo. - Dillon, segure minha mão. - Charlotte chama suavemente, e corro para manter-me, enquanto a enfermeira nos leva para a maternidade. Outra enfermeira empurra o carrinho ao lado da cama e as duas trabalham rapidamente para colocar Charlotte acomodada. Colocam uma máscara de oxigênio sobre ela, e ela vira-se para me olhar cuidadosamente. - Você é o pai? - indaga sem rodeios, e eu aceno minha cabeça fervorosamente. - Por favor, diga-me ela vai ficar bem. - Eu imploro. Lágrimas rolam pelo rosto de Charlotte, mas ela consegue respirar melhor com a ajuda de uma máscara de oxigênio. - O médico estará aqui.. aqui está ele. - a enfermeira anuncia, gesticulando para o homem familiar. Eu viro os olhos lacrimosos apra ele, e ele gesticula com as mãos em um movimento calmante. Ele dá passoss para a frente para considerar Charlotte. - Quando eu vi você embarcar no avião, fiquei preocupado, então fui em frente e embarquei logo atrás. Você não tem nada para se preocupar. Simplesmente vai em trabalho de parto um pouco mais cedo do que o esperado, e vocês dois podem tomar algumas respirações... - diz. Charlotte suspira, e estreito meus olhos para o médico.


- Você sabia que ela podia se machucar e não a impediu? - Eu exijo, mas o médico me ignora. - Dillon, por favor! - Charlotte clama, e olho para ver que as enfermeiras a mudaram para uma roupa de hospital, com a abertura na frente. Corro para o lado dela, segurando a mão dela mais uma vez. - Não me deixe, por favor não. - ela sussurra, segurando minha mão tão firmemente como ela é capaz. - Nunca. Nunca mais. - Eu me comprometo. As enfermeiras começam a montar o quarto para a cesariana, e aperto na mão de Charlotte, apoiandome para beijá-la na testa. - Tudo bem. Vamos começar então? - o médico anuncia, iniciando o procedimento. Quinze minutos mais tarde e nossa família aumentou em mais três. As enfermeiras certificam-se de que cada um dos bebês estejam saudáveis, antes de os colocar no peito de Charlotte. Não pude deixar de achá-los minúsculos e frágeis. Eu escovo meus dedos sobre as cabeças dos meu bebês, reunindo lágrimas em meus olhos. - Você conseguiu, meu amor. - murmuro suavemente, inclinando-me em beijar a mulher que eu amo. - Conseguimos. - ela corrige cansadamente. Uma vez que Charlotte foi costurada, os médicos e enfermeiras afastam-se para nos dar um pouco de privacidade. Os trigêmeos já parecem variar de personalidade, um chorando, o outro resmungando e o outro simplesmente observando em silêncio. Charlotte observa-os através dos olhos cansados, felizes, inclinando-se para baixo, para beijar cada um deles. - Então, sobre a nova mansão... - ela começa, olhando para mim com um certo brilho travesso nos olhos dela. Eu rio, encolhendo meus ombros. - Três quartos para três rapazes e uma sala de jogos no piso térreo. Eu.... esperava que voltasse. - Eu admito. Ela cantarola pensativa por um momento, olhando nossos trigêmeos recém-nascidos. De repente, seus lábios enrolam em um grande sorriso, e


ela começa a rir baixinho. Eu inclino minha cabeça curiosamente, observando-a com um sorriso também. - Qual é a graça, Charlotte? - Peço com uma risada. Ela limpa uma lágrima do olho dela, aparentemente se debatendo sobre me dizer. Depois de um momento, no entanto ela diz. - Oh, eu estava pensando... nós vamos precisar contratar uma empregada doméstica.

Triplets for the billionaire ana sparks & layla valentine  
Triplets for the billionaire ana sparks & layla valentine  
Advertisement