__MAIN_TEXT__

Page 1


Porque fragmentária  é  também  a  história  das  línguas...  

Rosa Virgínia  Mattos  e  Silva  


Sumário Palavras iniciais

9

Primeiro fragmento: de Salvador a Lisboa

11

Segundo fragmento: da infância...

25

Terceiro fragmento: da adolescência para os 37 estudos Quarto fragmento: Brasília... Quinto

fragmento:

conhecendo

51 Pedro

Agostinho e depois...

55

Sexto fragmento: homenagens e despedida...

65

Cronologia rabiscada

69

Principais trabalhos publicados

71


Palavras iniciais

Rosa Virgínia  Barretto  de  Mattos  Oliveira  e  Silva  é  uma  daquelas  personalidades   em   que   os   homens   reconhecem   de   imediato   a   autoridade   intelectual   e   lhe   podem   adivinhar,  sem  qualquer  esforço,  o  sentido  de  poder.  Poder  de  construir  legados  e  de   reanimar   pensamentos.   Poder   de   ir   e   de   vir,   quer   na   ideia,   quer   no   espaço,   quer   no   tempo.   Parece   ser   este,   aliás,   o   rotor   maior   de   sua   ação   no   mundo.   Construiu   um   espólio  em  que  a  diacronia,  ou  melhor  dizendo,  a  história  tem  seu  melhor  espectro.     Falar   da   vida   de   alguém   de   dimensão   tão   profusa,   em   espaço   tão   restrito,   não   poderia   ser,   portanto,   tarefa   simples.   Mas   como   os   objetivos   parecem   sempre   justificar  os  meios,  o  resultado  desta  ousada  tentativa  de  homenagem,  no  sentido  de   registrar,  por  traços  breves  e  tênues,  alguns  lampejos  de  uma  existência,  é  −  em  face   da  imemorável  medida  com  que  se  depara  −  um  mero  rabisco  de  algo  que  antecederia   um   esboço.   A   visão   de   totalidade   não   se   constrói   senão   pela   junção   de   algumas   das   partes  mais  evidentes,  isto  é,  pela  composição  de  alguns  dos  traços  mais  significativos;   o  mais  completo  registro  de  um  ato  de  vida  seria,  per  se,  um  erro  de  cálculo  original.     Por  isso,  não  se  pretende  aqui  apresentar  uma  biografia  linear  de  Rosa  Virgínia   Mattos   e   Silva,   mas   antes   oferecer,   aos   que   possam   por   suas   histórias   se   interessar,   um   panorama   fragmentado   de   uma   trajetória   de   vida,   cuja   narrativa   emerge   de   sua   própria  vontade  de  resgatar,  com  a  espontaneidade  que  lhe  é  peculiar,  o  que  para  si   representam  os  mais  vivos  vestígios  de  sua  memória.    


Primeiro fragmento: de Salvador a Lisboa

No dia   dez   de   janeiro   de   mil   novecentos   e   sessenta   e   sete,   partia   de   Salvador   rumo  a  Lisboa  o    último  "voo  da  amizade"  da  Varig.  Sem  a  comodidade  do  serviço  de   alimentação   a   bordo,   indisponível   em   função   da   tarifa   especial   acordada   em   prol   do   alegado   estreitamento   da   relação   entre   brasileiros   e   portugueses   (que   ambas   as   ditaduras   d'além   e   d'aquém-­‐mar   diziam   querer   promover),   tinha   de   fazer   o   avião   uma   escala   técnica   para   o   almoço   na   Ilha   do   Sal,   em   Cabo   Verde,   antes   de   chegar   a   seu   destino,  vinte  horas  depois.     Rosa   Virgínia,   Pedro   Agostinho,   George   Olavo   e   Oriana   eram   aguardados,   com   muita  ansiedade,  no  saguão  do  Aeroporto  da  Portela,  por  Dona  Bertha  e  por  um  amigo   brasileiro  que  se  encontrava  por  lá,  Albertino,  que  se  fazia  acompanhar  por  sua  mulher   Ada  Natal  Rodrigues.  Afinal,  na  última  vez  em  que  Pedro  Agostinho  tinha  tido  contato   pessoal   com   sua   mãe,   era   então   um   menino   de   oito   anos   de   idade,   já   que   após   a   separação  dos  pais,  tinha  optado  por  migrar  para  o  Brasil,  com  Agostinho  da  Silva,  sem   nunca   ter   tido   a   oportunidade   de   retornar   antes   daquela   data.   Talvez   pela   emoção,   senão   pelos   tropeços   próprios   à   vida   ou   mesmo   pelas   variáveis   regras   do   destino,   Dona   Berta   havia   de   torcer   o   pé   naquele   momento   de   chegada,   tendo   de   ser   levada  


até o   táxi   nos   braços   de   Albertino.   Pedro   a   acompanhou   até   a   viatura,   apoiado   nas   muletas  que  usava  ainda  com  maior  frequência  àquela  altura.   Ao   chegarem   à   casa   de   Gabeu,   foram   recebidos   com   saudade   pela   irmã,   tia   e   cunhada,   com   uma   inusitada   e   bem   apreciada   ceia.   Rosa   Virgínia   encontrava-­‐se   faminta  e  não  se  esforçou  nem  um  pouco  por  disfarçar  sua  condição  à  mesa.  Havia-­‐se   concentrado  durante  todo  o  tempo  da  escala  em  Cabo  Verde  na  frustrada  tentativa  de   alimentar  Oriana,  que,  resistente,  comera  apenas  uma  maçã  até  aquela  etapa  do  voo.   Ademais,  quando  o  avião  aterrou  em  Lisboa,  Rosa  Virgínia  descobriu  que  sua  filha  mais   velha,  além  de  mal  alimentada,  devia  ter  dormido  todo  o  resto  do  percurso,  desde  a   Ilha   do   Sal,   debaixo   de   seu   assento,   por   onde   teria   escorregado,   sem   que   ninguém   percebesse.   Um  andar  acima  da  casa  de  Maria  Gabriela,  ali,  na  zona  de  Sapadores,  havia  de   arrendar,   a   uma   mulher   a   dias,   um   quarto   que   lhe   permitisse   o   pouso   e   o   descanso   necessários   para   enfrentar   a   jornada   de   estudos,   que   lhe   tinha   levado,   juntamente   com  seu  marido  e  filhos,  a  Portugal.   O   prédio   da   Rua   Justiniano   Padrel,   situado   perto   da   Igreja   da   Graça,   seguia   o   mesmo  padrão  da  arquitetura  que  se  firmou  durante  o  período  salazarista.  O  ditador,   que  governava  o  país  à  sua  chegada  naquele  ano  de  67,  haveria,  entretanto,  logo  no   ano  seguinte,  de  literalmente  cair  da  cadeira,  no  Estoril,  e  em  decorrência  das  sequelas   da   queda,   deixaria   o   poder   a   seu   infeliz   sucessor,   Marcelo   Caetano,   que   viria   a   testemunhar   a   ruína   do   sistema   ditatorial   português   em   1974,   com   a   revolução   dos   cravos.   Durante   toda   sua   estada,   no   entanto,   Rosa   Virgínia   e   Pedro   tiveram   muito   pouca  notícia  dos  acontecimentos  políticos  no  Brasil.  Desconheciam  mesmo,  antes  de   voltar  para  casa,  que  Arthur  da  Costa  e  Silva  havia  baixado  vários  atos  institucionais,  de  


cuja série   o   AI   5   viria   a   representar,   no   final   de   68,   uma   das   mais   violentas   atitudes   antidemocráticas  de  todo  o  período  de  terror  militar  no  Brasil.    

Rosa Virgínia  e  Pedro  Agostinho  em  Lisboa  

Aquela  jovem  mãe  de  26  anos,  pela  primeira  vez  fora  de  seu  País,  teve  de  contar  com   os   irrestritos   apoios   de   sua   sogra   e   de   sua   cunhada   para   poder   assistir   às   aulas   de   linguística  românica,  literatura  medieval  e  de  introdução  aos  estudos  linguísticos  que   eram  ministradas  pelo  Professor  Lindley  Cintra,  na  Universidade  de  Lisboa.  Apanhava   ora  o  17,  ora  o  25,  para  ir  à  Faculdade  de  Letras  e,  durante  a  jornada  de  35  minutos,   em  média,  do  autocarro,  tinha  como  leitura  preferida  textos  sobre  linguística.     Mudaram-­‐se   depois   para   um   apartamento   de   quarto   e   sala   um   pouco   mais   amplo,   nas   mesmas   redondezas.   Na   sala   dormiam   Dona   Berta,   Olavo   e   Oriana.   Da   janela  podiam  mesmo  avistar  o  Castelo  de  Sesimbra,  à  distância.  Quando  aberta,  Olavo  


aproveitava o   mínimo   descuido   dos   olhares   quase   sempre   argutos   dos   pais   e   despejava  janela  abaixo  tudo  o  que  encontrasse  a  seu  alcance,  tendo  inclusive  −  certa   feita  −  atirado  ao  longe  o  próprio  vestido  de  sua  avó.       Durante  os  seminários  para  discussão  do  andamento  dos  trabalhos  de  pesquisa   que   Cintra   promovia   para   seus   orientandos,   Rosa   Virgínia   conheceu   seu   novo   colega   de   turma,   Ivo   Castro,   que   viria   a   se   transformar   em   um   de   seus   constantes   aliados,   durante  toda  a  vida,  em  prol  do  conhecimento  da  história  da  língua  portuguesa.   Aliás,  Luís  Filipe  Lindley  Cintra,  a  quem  Ivo  Castro  e  outros  viriam  posteriormente   a  suceder  na  Universidade  de  Lisboa,  foi  um  dos  mais  notáveis  pesquisadores  na  área   da  Filologia  Românica,  que,  conquanto  respeitabilíssimo  professor  catedrático  em  uma   sociedade  deveras  tradicional,  era  homem  extremamente  simples,  segundo  a  ótica  de   alguns  que  tiveram  a  oportunidade  de  o  conhecer.   Rosa   Virgínia   participou   de   algumas   das   descontraídas   excursões   de   estudos,   algumas   voltadas   à   prospecção   dialetal,   como   a   que   empreenderam   ao   norte,   entre   Trás-­‐os-­‐Montes,  Alto  Douro  e  o  Vale  do  Tua,  quando  teve  a  oportunidade  de  conhecer   in  loco  o  mirandês,  cujos  dados  gravados  serviriam  para  exercícios  de  transcrição.  Em   função   de   as   gravações   terem   sido   posteriormente   perdidas,   não   chegou   a   realizar   qualquer   trabalho   de   natureza   científica   com   essa   língua   minoritária,   que,   assim   como   o  galego  na  Espanha,  se  achava  relegada  ao  desaparecimento  pelas  pressões  políticas   de  então.      


Lindley Cintra  (de  suéter,  à  direita)  com  seus  alunos  em  uma  excursão  a  Conímbriga.  Rosa  Virgínia,  de  óculos  

Em   uma   dessas   visitas   de   estudo,   duas   personalidades   populares   a   impressionaram  a  ponto  de  merecerem  registro  vivo  em  sua  memória.  Em  Vilarinho  de   Sanmardam,  teve  a  chance  de  conhecer  uma  velha  mulher  da  comunidade  local,  que   entoava,  de  memória,  romances  medievais.  Paixão  por  um  período  da  história  que  já   havia   conquistado   aquela   jovem   estudante   e   que   nunca   a   iria   abandonar,   a   Idade   Média  portuguesa.  Gravou  parte  da  bela  performance  daquela  senhora,  mas  os  dados   da   fita,   assim   como   a   gravação   do   mirandês,   se   perderam.   Na   Beira   Litoral,   uma   surpresa   maior   ainda.   Talvez   nunca   tivesse   tido   a   felicidade   −   se   é   que   seja   esse   realmente   o   melhor   termo   −   de   escutar   uma   variedade   tão   extensa   de   palavrões   e   vocábulos   chulos,   atualizados   na   boca   de   uma   mulher,   que   mercava,   ali,   os   peixes   trazidos  por  seu  homem  do  mar.  Era  a  variação  linguística  a  toda  prova  do  preconceito   para   os   novos   pesquisadores   que   se   formavam   sob   a   liderança   de   Cintra.   Este,   aliás,   chegava,  às  vezes,  a  provocar  situações  inusitadas  para  os  que  o  seguiam  nas  visitas,  


como a  de  quando  passaram  pelo  sítio  arqueológico  de  Conímbriga.  Pedro  Agostinho,   que   logo   se   tinha   tornado   amigo   de   Cintra,   também   participava   dessa   excursão,   mesmo   porque   tinha   seus   interesses   de   antropólogo   e   já   se   havia   associado   a   Orlando   Ribeiro  desde  sua  chegada  a  Portugal.  E  foi  a  Pedro  que  Cintra  pediu  que  identificasse   para  os  outros  presentes  um  pequeno  rio  que  corria  naquele  vale.  Pedro  Agostinho,  ao   espantado,  senão  atônito,  olhar  dos  colegas,  ao  encontrar  a  tabuleta  de  identificação,   aportuguesou,  inadvertidamente,  Caralium  pelo  termo  que,  em  português,  viria  a  ter   como  étimo  *caraculum.  Cenas  que,  embora  picantes,  para  aqueles  que  se  arriscam  a   consultar   um   bom   dicionário   etimológico,   terminam   por   fazer   com   que   a   juventude   sempre  acabe  por  fixar  na  memória.     Fora  esses  passeios  culturais,  Rosa  Virgínia  passava  parte  do  seu  dia  em  uma  sala   na   Avenida   5   de   Outubro,   no   Centro   de   Estudos   Filológicos,   em   Entrecampos,   região   próxima  à  Universidade.  Nesse  espaço  cedido  a  ela  por  Lindley  Cintra,  se  concentrava   no  refazimento  da  edição  crítica  dos  Diálogos  de  São  Gregório,  cuja  leitura  preliminar   tinha   trazido   quase   pronta   do   Brasil,   mas   que,   em   razão   da   nova   orientação   de   seu   mestre   português,   Lindley   Cintra,   tivera   de   alterar   todos   os   critérios.   De   lá   apenas   saía   para   merendar   com   alguma   frequência   em   um   pastelaria   entre   o   Campo   Grande   e   a   Avenida   Estados   Unidos   ou   para   ver   os   manuscritos   alcobacenses   originais   na   Biblioteca  Nacional.  Oriana  ficava  com  Dona  Berta  e  George  Olavo  brincava  com  seus   primos,  os  filhos  de  Gabeu.   Oriana   já   começava   a   adquirir   o   padrão   linguístico   europeu,   embora   não   frequentasse  a  escola.  Rebuçado  e  tina  faziam  parte  de  seu  vocabulário,  assim  como   havia  de  causar  surpresa  a  Rosa  Virgínia  ouvir  de  sua  filha  a  construção  "Ô  fulana,  por  


que estás  a  chorar?",  que  teria  sido  dita  a  uma  miúda  −  "miúda",  para  se  manter  aqui  a   integridade  histórica  e  coerência  lexical  −,  enquanto  brincavam.   Os  meninos  eram  a  atenção  de  Rosa  Virgínia  e  de  Pedro  aos  sábados  e  domingos.   Costumavam  passear  no  Jardim  de  Santa  Clara  e  às  vezes  iam  à  Feira  da  Ladra.  Dali  se   via   o   convento   de   São   Vicente   de   Fora,   na   Alfama,   edificação   que   abrigava   originalmente  a  imagem  e  as  relíquias  do  padroeiro  oficial  de  Lisboa,  proclamado  ainda   no   século   XII,   embora   os   alfacinhas   certamente   reconheçam   em   Santo   António   o   atual   preposto   religioso.   O   mesmo   se   passa   na   Bahia,   notadamente   em   Salvador,   de   onde   Rosa  Virgínia  é  natural.  Embora  o  padroeiro  oficial  seja  São  Francisco  Xavier,  Senhor  do   Bonfim  é,  sem  dúvida,  para  aqueles  que  creem  na  divindade,  o  santo  de  devoção.  Às   vezes,   iam   os   quatro   passear   às   Amoreiras   ou   ao   Campo   Pequeno,   embora   nunca   tivessem  assistido  a  uma  tourada.    

Rosa Virgínia  e  seu  querido  pai,  em  frente  ao  gradil  da  Igreja  do  Bonfim,  em  Salvador  


Terminada a   edição   dos   Diálogos,   conheceu   Rosa   Virgínia   Maria   Helena   Mira   Mateus.  Não  obstante  essa  posição  sintática  de  sujeito  posposto,  imprópria  à  sintaxe   dura  da  língua  portuguesa,  em  que  não  se  distinguem  duas  pessoas,  senão  um  possível   nome   próprio   à   moda   da   realeza   portuguesa,     o   importante   é   que   a   partir   daí   formaram   com   outros   colegas   um   grupo   de   estudo   de   Linguística   e   desenvolveram   uma  longa  amizade,  que  até  hoje  perdura.  Maria  Helena  introduziu,  nessa  altura,  Rosa   Virgínia  ao  pessoal  do  Centro  de  Cálculo  Científico,  da  Fundação  Calouste  Gulbenkian.   Toda   semana,   Rosa   Virgínia   levava   as   fichas   mecanográficas   perfuradas   do   que   havia   feito,   para   processamento   dos   itens   lexicais   patentes   nos   Diálogos   de   São   Gregório.   Conquanto  tenha  na  maturidade  se  considerado  uma  "dinossaura  tecnológica",  como   costumava   dizer   em   sala   de   aula,   por   refutar   qualquer   contato   com   a   parafernália   cibernética   moderna,   teve   em   seu   apropriado   tempo,   por   assim   dizer,   a   coragem,   a   visão  e  a  disposição  de  enfrentar  a  inovação.  Não  havia  nada  mais  moderno,  até  então,   do  que  o  que  se  praticava  naquele  centro,  sobretudo  no  que  se  refere  ao  tratamento   de  dados  lexicais.  E  para  abusar  de  uma  citação  comum  camoniana  de  sua  predileção,   "Mudam-­‐se  os  tempos,  mudam-­‐se  as  vontades".   Nesse   período   de   idas   ao   Centro   de   Cálculo   Científico   da   Gulbenkian,   Pedro   Agostinho   foi   internado   em   um   Hospital,   no   Chiado,   com   uma   grave   crise   de   peritonite.   Durante   quarenta   dias,   fez   companhia   ao   marido,   mas   sem   descuidar   de   seu   trabalho,   pois   não   podia   permitir   interrupções   tão   longas.   Dona   Bertha   David   e   Silva   a   substituía   às   tardes   para   que   pudesse   realizar   suas   pesquisas.   Sem   o   apoio   integral   de   sua   sogra   talvez   não   tivesse   tido   as   condições   necessárias   para   a   conclusão   de   seu   trabalho   em   Portugal.   Não   haveria   de   ser   essa   a   única   crise   de   saúde   da   família   durante  sua  permanência  em  Lisboa.  George  Olavo,  que  praticamente  convivia  com  os  


filhos de  Gabeu,  tinha  também  sido  acometido  de  uma  otite  profunda,  resolvida  após   a  médica  que  o  atendera  ter  indicado  "que  se  lhe  picassem  os  ouvidos".  Diferentes  os   termos,  diferentes  os  métodos,  as  vezes  o  mesmo  resultado  de  cura.     Dos   trabalhos   voluntários   que   desenvolveu,   talvez   a   viagem   a   Estremoz   tenha   sido   um   dos   mais   significativos   na   perspectiva   de   uma   contribuição   de   viés   social.   Estimulada  por  Cintra  que  tinha  interesse  no  trabalho  desenvolvido  por  Paulo  Freire  no   Brasil,   Rosa   Virgínia   fez,   juntamente   com   seu   tutor,   algumas   experiências   nesse   município  alentejano,  já  que  conhecia  as  ideias  e  a  metodologia  empregada  por  aquele   grande   educador.   A   escolha   da   região   tenha   talvez   se   dado   em   função   de   ser   ainda   hoje  o  Alentejo  uma  das  regiões  mais  pobres  de  Portugal,  com  maior  índice  de  rejeição   social,  mormente  linguística,  pelos  que  vivem  no  eixo  Porto/Lisboa,  comparando-­‐se,  de   certa  forma,  ao  que  se  observa  no  Brasil  de  como  enxergam  algumas  pessoas  da  região   Sul   o   Nordeste,   especialmente   o   imaginário   que   constroem   do   povo   que   vive   no   interior.   Depois  de  quase  dois  anos  na  Europa,  retornaram  ao  Brasil,  em  outubro  de  1968.   Antes   de   embarcar   no   voo   que   os   traria   de   volta   a   Recife,   tiveram   de   ressarcir   ao   senhorio  do  apartamento  pelos  danos  causados  por  George  Olavo  nos  móveis  da  casa,   cujas  marcas  de  seus  desenhos  feitos  a  garfo  haviam  de  se  perpetuar  como  selo  de  sua   passagem  por  ali.     A   chegada   não   haveria   de   ser   sem   alguma   dificuldade   com   a   alfândega.   Cheios   de  papel,  uma  das  "armas  de  resistência"  mais  temidas,  pela  ditadura  brasileira  e  não   menos  perseguidas,  tiveram  que  aguardar  até  que  se  certificassem  os  funcionários  de   que  não  haveria  nada  que  ameaçasse  o  sistema  naquelas  tantas  folhas  marcadas  com   ideias.   Ademais,   Pedro   Agostinho   tinha   perdido   o   atestado   de   vacina   contra   varíola.  


Enquanto esperavam,   deixaram   os   meninos   soltos   no   aeroporto.   Depois   de   algum   tempo,   Rosa   Virgínia   encontrou   George   Olavo,   em   um   canto,   brincando   com   uma   barata  viva  como  se  fosse  um  carrinho.  Afinal,  ele  nunca  havia  visto  um  inseto  como   aquele  na  vida.   Sem   expectativa   de   emprego,   foi   morar,   com   o   marido   e   os   filhos,   por   algum   tempo   na   casa   de   seus   pais,   no   Canela,   na   Rua   Cláudio   Manuel   da   Costa,   no   Edifício   Patrícia.  Até  que  em  março  de  69,  convidados  por  Mariana  Alvim,  "fantástica  figura  do   Partido   Comunista",   como   a   define   Rosa   Virgínia,   mudaram-­‐se   para   sua   casa   em   Brasília.   Contemporânea   de   Luís   Carlos   Prestes   e   Olga   Benário,   filha   de   uns   dos   pioneiros   da   Radiologia   no   Brasil,   Álvaro   Freire   de   Vilalba   Alvim,   patrocinava   bolsas   de   estudo,  desde  que  retornara  ao  Brasil  após  o  exílio,  para  os  que  se  interessassem  em   colaborar  com  a  fundação  de  um  centro  de  estudos  indígenas  no  país.  Além  de  Pedro   Agostinho   e  Rosa   Virgínia,   aderiram   ao   projeto   Ordep  e  Olímpio   Serra,   Rafael   Bastos   e   Maria  de  Lourdes  Bandeira.  O  desconforto  da  dependência  econômica  acabaria,  com  o   tempo,  por  inviabilizar  a  continuidade  da  ação.   Mas  Brasília  guardava  outras  memórias  mais  antigas.      


Segundo fragmento: da infância...

Numa rua  que  liga  o  relógio  de  São  Pedro  à  Avenida  Joana  Angélica,  em  Salvador,   conheceu  Rosa  Virgínia  −  pelo  que  se  lembra  mais  vividamente  dos  seus  quatro  anos  −   a  força  das  restrições  sociais  e  o  poder  da  maldade.  Martinha,  sua  mãe,  modista  que   era,   zelava   que   estivesse   sempre   bem   arrumada   e   vestida   adequadamente;   tarefa   delegada   a   Olindina,   que   a   executava   com   primor.   Afinal,   não   haveria   outra   melhor   estratégia   de   marketing   do   que   a   beleza   pueril   daquela   filha   temporã,   com   que   o   destino,   no   dia   27   de   julho   de   1940,   presentearia   aquele   casal,   dezoito   anos   depois   de   dois  filhos  varões  criados.    


Rosa Virgínia  na  sua  primeira  infância  

E era  naquela  casa  de  número  24,  da  Rua  21  de  abril,  que  costumava  Martinha   receber   suas   freguesas.   Olindina   pediu-­‐lhe,   naquele   dia   quase   igual   a   tantos   outros,   que   cumprimentasse   aquela   "moça   bonita"   que   acabara   de   chegar.   Rosa   Virgínia,   num   arrobo   que   viria   caracterizar   o   seu   comportamento   em   relação   ao   trato   social,   ao   fitar   o  semblante  daquela  cliente  que  há  pouco  entrara,  chamou-­‐a  de  "velha  e  feia".  Depois   disso   percebeu,   pelas   consequências   advindas   de   sua   atitude,   que   "a   verdade   não   poderia  ser  dita:  não  se  podia  ter  livre  expressão  na  vida".   Na   época   do   Natal,   o   seu   aprendizado   sobre   a   natura   humana   ganhou   novos     elementos   para   suas   considerações   quanto   à   vida   em   sociedade.   Enquanto   Dona   Caçula  −  como  era  mais  conhecida  Dona  Martinha  Barretto  de  Mattos  Oliveira,  pelos   amigos,  −  tirava,  a  uma  freguesa,  as  medidas  para  um  novo  traje,  pôde  Rosa  Virgínia   assistir   a   uma   demonstração   de   pura   malvadeza.   O   menino,   filho   daquela   mãe,  


enquanto a   esperava   na   sala   de   estar,   começou   a   quebrar,   inopinadamente,   uma   a   uma,   todas   as   bolas   de   aljôfar   da   árvore   de   Natal.   Os   frágeis   frutos,   cujas   bolas   metaforicamente   representavam   os   dons   de   Cristo,   haveriam   de   ser   pulverizados   diante  do  olhar  atônito  e  da  impotente  perplexidade  daquela  menina.  O  chão  coalhou-­‐ se,   então,   com   os   pedaços   daquela   madrepérola   sintética,   em   consonância   ao   sentimento  de  raiva  que  lhe  invadiu  desordenadamente  os  sentidos.     Não   obstante   essas   contrariedades,   era   a   vida   com   os   pais   sempre   tranquila.   Funcionário   do   Departamento   de   Portos,   Rios   e   Canais,   João   de   Mattos   Oliveira,   seu   pai,   prezava   pela   harmonia   em   casa.   Ele   e   Dona   Caçula   propiciaram   uma   infância   agradável  e  repleta  de  saudades.  As  mudanças  de  endereço  foram  frequentes.  Antes   da  casa  da  21  de  Abril,  haviam  morado  na  Avenida  Joana  Angélica,  96  −  onde  nasceu   pela   mãos   da   parteira   Noélia,   a   quem   passou   a   conhecer   como   Mamãe   Noélia   por   analogia   a   Papai   Noel   −,   e   depois   na   Rua   da   Mouraria,   06.   Foi   nesta   última   em   que   ganhou  o  primeiro  relógio,  trazido  por  Nenzinha,  sua  tia  materna.    


Rosa Virgínia  entre  seus  pais,  Martinha  e  Mattos  

Naquele   período   de   pós-­‐guerra   mundial   recente,   a   inesperada   transferência   de   posto  de  trabalho  de  Seu  Mattos  se  deu  quando  Rosa  Virgínia  tinha  apenas  seis  anos.  A   lembrança  de  Flash,  escondido,  pela  astuta  Olindina,  sob  o  beliche  do  vagão  do  trem   em   que   iam,   para   burlar   a   fiscalização   dos   funcionários   da   Viação   Férrea   Federal   Leste   Brasileiro,   permanece   viva,   almagamada   à   paisagem   muda   que   vislumbrara   naquele   caminho   até   Aracaju.   Bons   tempos   aqueles,   os   que   precederam   ao   sucateamento   planejado  −  por  escusos  interesses  econômicos  −  das  ferrovias  brasileiras,  se  é  que  em   algum  momento  da  história  o  Brasil  tenha  realmente  chegado  a  um  alto  patamar  nesse   tipo  de  serviço.     Diferentemente   do   até   então   felizardo   e   bem-­‐cuidado   cachorro   da   família   que   seguira   no   esconderijo,   a   mobília   seguiu   desacompanhada,   em   um   trem   cargueiro,   para  a  casa  que  tinham  alugado  na  Rua  de  Santa  Luzia,  naquela  capital.  Sergipe  não  era  


um mundo   novo,   senão   para   a   pequena  Rosa   Virgínia.   As   raízes   de   seus   pais   fincavam-­‐ se  ali.      

Rosa Virgínia,  em  seu  7º  aniversário,  na  sala  da  casa  de  Santa  Luzia,  com  sua  mãe  e  as  primas  sergipanas,  Ilma  e   Selene  

Sua   avó   materna,   Maria,   nasceu   em   Riachuelo.   Aliás,   sua   bisavó,   Eugeniana   de   Menezes   Melo,   era   tia   de   Josino   Odorico   de   Menezes,   que   governou   Sergipe,   no   inicio   do   século   XX,   entre   1902   a   1905.   Padeira,   responsável   pelo   toque   do   sino   da   Igreja,   andava   pelas   ruas   de   Riachuelo   sempre   de   botas,   com   uma   capa   sobre   as   costas.   Diziam  saber  latim,  Direito,  além  de  tocar  órgão.    


Rosa Virgínia  no  colo  de  suas  avós:  Maria,  à  esquerda,  e  Esmeralda,  à  direita  

Já seus   avós   paternos,   Esmeralda   Mafalda   Mattos   e   Ludgero   Oliveira,   eram   de   Estância.  De  hábitos  simples  e  ascendência  humilde,  deixaram  dentre  muitas  histórias   para   o   registro   do   imaginário   familiar   o   dia   em   que   resolveram   selar,   com   esterco   bovino,   todas   as   frestas   da   casa   em   que   moravam,   inclusive   portas   e   janelas,   para   proteger  seus  filhos  de  uma  epidemia  que  assolava  a  região.  Do  inóspito  evento,  senão   malcheiroso  caso,  salvaram-­‐se,  felizmente,  todos.      A   casa   da   Rua   de   Santa   Luzia   era   bastante   agradável.   Estudou,   durante   sua   permanência  em  Aracaju,  no  Educandário  do  Salvador,  que  também  foi  conhecido,  em   outras  épocas,  por  Colégio  do  Salvador  e  Ginásio  do  Salvador.  


Rosa Virgínia,  no  centro,  com  a  professora  Mariazinha  e  alguns  colegas  do  Educandário  do  Salvador,  em  farda  de   gala,  com  identificação  da  foto  de  próprio  punho  

Sua   carreira   nas   letras,   iniciada   na   Alfabetização   no   Colégio   de   Dona   Anfrísia   Santiago,   em   Salvador,   perto   da   Ladeira   da   Fonte   Nova,   continuava   nesse   novo   momento   distante   de   sua   terra   natal,   mas   desde   sempre   com   o   desafio   de,   na   consciência   infantil   que   ainda   se   formava   e   mal   saberia   expressar   seus   desejos,   ter   como   meta   o   melhor   de   si   em   dedicação   e   em   aproveitamento.   Seu   pai   sempre   a   incentivou   a   ultrapassar   seus   próprios   limites.   O   investimento   em   matriculá-­‐la   nos  


melhores colégios  particulares  onde  quer  que  morassem  era  prova  disso.  Ela,  por  seu   turno,   correspondia   àquele   interesse,   sendo   sempre   uma   das   primeiras   da   turma,   haja   vista   essa   condição   depender   da   avaliação   externa,   que,   como   se   sabe,   não   é   nem   pode  ser  idêntica.  Lembra,  com  saudade,  do  caminho  que  percorria  diariamente  a  pé   com  seu  pai  até  o  Educandário,  que  se  situava  no  Centro  da  Cidade.  Haveria,  ainda  por   esse   tempo,   de   perder   seu   cachorro   Flash,   que,   já   cego,   veio   a   ser   atropelado   pela   carrocinha   que   costumava   fazer   a   entrega   do   leite.   Diga-­‐se   que   Flash   era   mesmo   Fl[a]sh  e  não,  como  a  erudição  linguística  de  alguns  pode  pensar,  Fl[]sh.    

Rosa Virgínia  e  Flash,  na  casa  da  Rua  Itabaianinha,  em  Aracaju  

  Em   1948,   tiveram   de   retornar   para   Salvador,   por   mais   uma   transferência   de   posto   de   trabalho.   Foram   residir   na   Rua   Quitandinha   do   Capim,   nos   Perdões.  


Matriculou-­‐lhe ali   perto,   no   Colégio   Oito   de   Dezembro,   que   ficava   na   Rua   Direita   de   Santo  Antônio,  no  centro  histórico.     A  morte,  que  só  conhecia  de  perto  pela  trágica  e  recente  perda  de  Flash,  viria  a   se  apresentar  novamente  àquela  menina  de  forma  mais  intensa.  A  querida  Vó  Maria,   de   belos   cabelos   alvos,   que   ainda   morava   em   casa   com   seus   pais,   foi   a   primeira   das   muitas   pessoas   de   seu   íntimo   círculo   de   vida   de   quem   começaria   a   se   despedir   definitivamente.     O   retorno   a   Salvador   seria,   entretanto,   muito   breve.   Seu   João   de   Mattos   é   novamente  requisitado  em  Aracaju.  Dessa  vez,  foram  morar  na  Rua  Itabaianinha.     Foi   lá   que   Rosa   Virgínia   ganhou   sua   primeira   bicicleta,   uma   Monark   vermelha.   Havia  de  ser  esta,  aliás,  a  primeira  e  a  última  e,  provavelmente,  o  pivô  de  sua  relação   futura  com  as  máquinas  e  equipamentos,  em  geral.  O  presente  tinha  sido  propiciado   por   seu   irmão   Fernando   que,   na   verdade,   a   ajudou,   com   parte   do   dinheiro,   a   completar  o  Álbum  das  Balas  Seleções,  verdadeira  mania  nacional  naquele  tempo,  que   prometia  prêmios  bastante  aliciantes  para  seus  colecionadores.    


A família  unida  para  a  foto  de  Bodas  de  Prata  dos  pais.  Seu  irmão  Fernando  à  esquerda  e  Walter  do  lado  oposto  

Animada   com   seu   novo   brinquedo,   foi,   com   as   primas,   passar   um   domingo   no   parque.  A  pouca  habilidade  ainda  não  plenamente  desenvolvida  faria  com  que  caísse   no  chão  de  piçarra  da  praça  e  se  machucasse.  A  partir  daquele  dia,  haveria  Seu  Mattos   de  proibi-­‐la  de  subir  novamente  naquela  bicicleta.     A   paixão   do   pai   pela   filha   temporã   sempre   foi   imensa   e   se   pode   resgatar   isso   com   vigor   indelével   através   de   sua   memória.   Rosa   Virgínia   foi   criada,   com   atenção   integral,  numa  verdadeira  redoma  de  proteção.  O  simbolismo  dessa  relação  de  amor  e   de   cuidado   extremos   se   manifesta   com   clareza   em   um   de   seus   sonhos   mais   significativos,  em  que  sempre  se    vê,  não  como  uma  menina,  mas  como  um  passarinho   numa   gaiola   de   vidro   que   se   encontra   sobre   o   piano   da   sala.   Seu   pai   é   aquele   que   a   vem  alimentar.  Não  saberia  Rosa  Virgínia  explicar  como  conseguiu  se  transformar  na   pessoa  independente  que  veio  a  ser.    


Rosa Virgínia,  ao  piano,  observada  por  sua  professora  Lia  Hausmann,  em  segundo  plano.  

De  volta  à  escola,  em  sua  turma  no  Colégio  do  Salvador,  em  Aracaju,  teve  entre   os   muitos   colegas   um   menino   bastante   tímido   que,   muitos   anos   depois,   viria   a   se   tornar,   por   dois   mandatos   consecutivos,   Governador   do   Estado   de   Sergipe,   e   a   se   transformar   em   um   dos   mais   influentes   políticos   daquele   estado:   Albano   Franco.   Nunca  mais  haveriam  de  se  cruzar  em  suas  trajetórias,  na  vida.  


Rosa Virgínia,  fardada,  em  frente  à  casa  da  Rua  Itabaianinha  


Terceiro fragmento: da adolescência para os estudos... Quando  deixaram  Aracaju,  logo  depois  dessa  mais  ou  menos  breve  transferência,   vieram  morar  na  Rua  Democrata,  19,  perto  do  Largo  Dois  de  Julho.  Dona  Caçula  queria   que  a  filha  frequentasse,  então,  o  Colégio  das  Mercês,  na  Avenida  Sete  de  Setembro   (quase  em  frente  a  outro  futuro  lugar  reservado  pelo  destino  seu:  o  apartamento,  em   que   viria,   curiosamente,   a   morar   muitos   anos   depois,   já   casada   e   com   todos   os   quatro   filhos,  no  Edifício  Maroim).  Ao  chegarem  para  a  primeira  entrevista  naquele  colégio  de   verve   explicitamente   cristã,   a   Madre   Superiora   logo   lhes   perguntou   de   que   família   provinham.   Dona   Martinha,   indomável   que   era,   disse-­‐lhe,   diante   de   tal   inconcebível   pergunta,   que   sua   filha   não   precisava   de   nome   de   família,   senão   de   sua   própria   capacidade,  já  que  sempre  fora  bastante  estudiosa.  Retirou-­‐se  com  a  filha,  deixando,   provavelmente  atrás  de  si,  a  larga  sombra  de  sua  indignação.   Prestou,   então,   Rosa   Virgínia   o   exame   de   admissão   para   o   Ginásio   no   Instituto   Feminino,  no  Politeama,  de  que  fez  parte  durante  todo  o  ciclo  escolar  e  até  onde  seu   pai  a  acompanhava,  a  pé,  todos  os  dias,  como  soía  fazer  desde  a  infância  em  Aracaju.  A   distância  da  casa  da  Rua  Democrata  até  o  Instituto  era  de  apenas  alguns  minutos  de   caminhada.   Aliás   aquela   casa,   senão   pela   localização   e   facilidades   de   locomoção,   já   começava   a   se   constituir   em   um   problema   para   a   família.   O   mau-­‐cheiro  constante   que  


exalava através   dos   telhados   fez   com   que   Seu   Mattos   a   apelidasse   de   a   "Latrina   da   Democrata",  que  nada  de  democrática  tinha  até  então  de  ser.  Vizinhas  de  uma  pensão   sem   banheiros   conjugados,   acolhiam,   diariamente,   as   telhas   da   casa   diversos   "pombos"   que,   embora   sem   dispor   da   leveza   e   das   asas   das   inocentes   aves   que   lhe   emprestaram  o  nome,  voavam  a  longa  distância  e  com  precisão  ao  alvo,  envoltos  em   papel  de  diferente  origem,  quiçá  mesmo  "da  seda  azul  do  papel  que  envolve  a  maçã",   como  diria  Caetano  Veloso,  pela  força  braçal  e  cegueira  cívica  de  seus  produtores.  Isso   fez   com   que   procurassem   outro   lugar   para   viver.   A   casa   escolhida   havia   de   ser   na   mesma  rua,  talvez  um  pouco  mais  democrática  ou  em  maior  consonância  ao  nome,  a   de  número  6.    


Rosa Virgínia,  com  o  pai,  no  Clube  Fantoches  da  Euterpe,  que  ficava  em  frente  à  casa  da  Democrata,  19  

Enquanto   se   aplicava   aos   estudos,   passava-­‐lhe,   vez   por   outra   pela   mente,   a   ideia   que   lhe   fora   sempre   incutida   pela   mãe,   a   de   vir   um   dia   a   ser   freira   do   Bom   Pastor.   Sempre  que  se  falava  no  assunto,  deixava-­‐o  ficar  assim,  ao  sabor  dos  comentários,  já   que   isso   evitava   que   lhe   perguntassem   sobre   um   alegado   namorado   que   àquela   altura   seria   mais   do   que   provável,   ou   quiçá   temido   por   seus   pais.   Um   certo   dia,   porém,   a  


Provincial da  Ordem,  em  visita  ao  Brasil,  a  mandou  chamar  na  nova  sede,  construída   adjacentemente   à   Rua   Waldemar   Falcão,   em   Brotas.   Aquela   Freira   da   congregação   francesa,  fundada,  em  1796,    por  Rose  Virginie,  depois  conhecida  como  Maria  de  Santa   Eufrásia,   em   prol   da   recuperação   de   jovens   desamparadas,   inclusive   de   prostitutas,   manifestou  na  entrevista  seu  interesse  intempestivo  de  a  levar  consigo  para  Angers,  na   França.  Foi  com  alívio,  depois  do  susto,  que  Rosa  Virgínia,  no  seu  herdado  e  santificado   nome   transmutado   em   português,   desceu   do   carro   de   praça   que   a   tinha   levado   até   Brotas  com  sua  mãe,  com  o  sentimento  resolvido  de  que  não  queria,  definitivamente,   ser  freira.       A   fé   viria   a   ser   para   ela   algo   que   deveria   ser   simplesmente   aceitado,   sem   possibilidade  de  especulação.  Aliás,  é  essa  a  máxima  da  crença  religiosa,  crer,  apenas   crer.  Nunca  viu  validade  em  questionar  se  há  ou  não  alguma  coisa  como  a  vida  além  da   morte;  sempre  lhe  bastou  a  crença,  rezando  todos  os  dias,  na  hora  de  dormir  e  na  hora   de  levantar,  uma  oração  simples,  ensinada  pela  mãe.     Depois  do  Instituto  Feminino  foi  fazer  o  chamado  colegial  no  Colégio  Aplicação,   na   Avenida   Joana   Angélica,   no   mesmo   prédio   em   que   funcionava   a   Faculdade   de   Filosofia  em  Nazaré,  onde  viria,  em  mais  alguns  anos,  a  estagiar  para  concluir  seu  curso   de   Graduação.   Lembra   bem   ainda   das   aulas   de   Matemática,   talvez   mais   ainda   de   Zulmira,  professora  muito  grosseira,  ainda  mais  do  que  os  secos  e  exatos  números  que   procurava   ensinar.   Chegou   ao   Colégio   Aplicação   por   intermédio   de   Amílcar   Salgueiro   de   Freitas   que   a   apresentou   a   Isaías   Alves,   como   excelente   aluna.   As   melhores   lembranças   são   as   dos   bons   professores   que   teve,   dentre   eles   Leda   Jesuíno,   com   História   da   Filosofia,   que,   ao   ler   um   trabalho   produzido   por   Rosa   Virgínia   para   sua   avaliação  na  disciplina,  o  considerou,  já  àquela  altura,  magistral.  Ou  das  lições  de  Luís  


Henrique Dias   Tavares,   em   História   do   Brasil,   Teresa   Cardoso,   da   equipe   de   Milton   Santos,   nas   aulas   de   Geografia,   e   Manuel   Barros,   com   História   Geral.   As   Ciências   Humanas,  sobretudo  a  História,  não  mais  abandonariam  seu  interesse.  Luís  Henrique   Dias  Tavares  viria  −  quase  cinquenta  anos  depois  −  a  participar  da  Banca  Examinadora   que  lhe  outorgaria  o  título  de  Professora  Titular  de  Língua  Portuguesa  da  Universidade   Federal   da   Bahia,   em   1999,   com   nota   máxima   de   todos   os   membros   e   com   performance   exuberante,   como   poderiam   testemunhar   todos   os   que   tiveram   a   sorte   de  lhe  assistir,  passando,  então,  a  ocupar  o  lugar  de  seu  saudoso  mestre,  o  Catedrático   Nelson  Rossi.   Fez  o  vestibular  em  1958.  Havia  provas  orais  e  escritas.  Língua  Portuguesa,  Inglês   e  Latim  eram  as  principais.  Ninguém  menos  do  que  o  Professor  Nelson  Rossi  haveria  de   participar  da  Banca.  É  a  história  contada  de  trás-­‐pra-­‐frente  ou  mesmo  de  viés  rompido.   Na  seleção,  ocuparia  a  terceira  colocação  de  Anglo-­‐germânicas  para  ingresso  no   Curso   de   Letras.   O   primeiro   lugar   havia   sido   conquistado   por   Raquel   Fischman;   o   segundo,  por  Celeste  Aída  Galeão,  com  quem  comungava  a  amizade  e  dividia  o  apuro  e   o  hábito  pelos  estudos.  Boa  colega,  teve  a  oportunidade  de  compartilhar  com  ela  da   primeira   viagem   que   realizou   sem   a   companhia   de   seus   pais.   Foram   as   duas,   em   1960,   então  com  seus  vinte  anos,  para  São  Paulo,  para  um  curso  de  um  mês  de  alemão  no   Instituto  Hans  Staden,  nas  imediações  da  Consolação.  Por  arranjos  prévios  do  Instituto,   ficaram   hospedadas   na   luxuosa   casa   de   "Herr"   Stickel,   na   Rua   dos   Franceses,   sob   os   cuidados   de   uma   Fräulein,   de   quem   nunca   deve   sequer,   durante   o   mês   de   permanência,  ter  ouvido  o  nome.  Era  simplesmente  Fräulein.  Pela  primeira  vez  se  viu   obrigada   a   melhorar   sua   etiqueta   à   mesa,   em   função   da   parafernália   de   talheres   e   taças   que   se   lhe   apresentava   nas   refeições.   Eram   copos   de   todos   os   tamanhos,  


formatos e   funções.   Até   a   faca,   que   costumava   usar   em   casa   apenas   para   cortar   os   alimentos  com  a  mão  esquerda,  passaria,  pela  imposição  do  cenário  elegante,  a  fazer   par  indissociável  com  o  garfo  no  jogo  de  troca  de  mãos.  Para  além  da  formalidade  à   mesa,  ficou-­‐lhe  na  memória  o  sabor  peculiar  do  sagu  com  calda  de  vinho  que  lhe  foi   servido  em  um  desses  dias,  após  o  jantar.  Antes  de  voltarem  para  Salvador,  fez  o  dono   da  casa  questão  de  as  conhecer  pessoalmente.  Herr  Stickel  interrompeu  alguns  dias  de   suas   férias   em   Campos   do   Jordão   e   retornou   a   São   Paulo   com   esse   propósito   específico.   Descobriu,   pelas   conversa   que   empreenderam,   o   interesse   de   Rosa   Virgínia   por  textos  antigos,  tendo  chegado  a  lhe  apresentar  alguns  manuscritos  que  integravam   sua   coleção   particular.     Não   sabia   Rosa   Virgínia   que   o   casal   formado   por   Érico   João   Siriúba  Stickel  e  Martha  Diederichsen  Stickel  dedicava-­‐se,  desde  1954,  ao  trabalho  de   assistência   de   famílias   carentes,   com   tuberculose,   na   cidade   de   Campos   do   Jordão,   tendo  depois  estendido  suas  ações  à  cidade  de  São  Paulo.     Longe   da   filha,   na   Bahia,   Dona   Martinha,   que,   pelo   que   se   pode   lembrar   Rosa   Virgínia,   nunca   antes   havia   adoecido,   chegou   a   contrair   uma   forte   pneumonia,   provavelmente   reforçada   pelo   espectro   de   atuação   da   saudade.   Do   pai,   nem   pôde   imaginar  a  dimensão  do  que  sentira.   Depois  de  formada,  começou  a  ensinar  na  Universidade  Católica  do  Salvador.  O   que   ganhava   dava   apenas   para   pagar   o   táxi,   meio   de   transporte   que   adotaria   indefinidamente  como  seu  necessariamente  preferido,  em  função  das  circunstâncias,   já   que   nunca   aprendera   a   conduzir   um   veículo   motorizado.   O   prazer   pelo   ensino   compensava   o   esforço,   mas   em   certa   medida   se   sentia   retraída   por   reconhecer   a   carência   de   formação   de   seus   alunos,   que   sequer   conseguiam   ler   alguns   pequenos   trechos  de  textos  em  francês  que  sugeria.  


Formatura. Rosa  Virgínia  é  a  quinta  da  última  fila,  da  direita  para  a  esquerda.  Do  seu  lado  esquerdo,  Raquel   Fischman,  Maria  Helena  Duarte  Guimarães  e  Celeste  Aída  Galeão.  Jacyra  Mota,  sua  colega  no  Ilufba,  é  a  quarta  da   esquerda  para  a  direita,  na  segunda  fila  abaixo  da  de  Rosa  Virgínia  

Rosa  Virgínia  viria  a  defender  sua  tese  de  doutoramento  na  USP,  em  1971,  que   finalizou   no   Brasil,   depois   de   ter   tido   orientação   do   Professor   Lindley   Cintra,   como   antes  visto.  De  posse  do  título,  inscreveu-­‐se  no  concurso  para  a  cadeira  de  Literatura   Portuguesa,  na  Universidade  Federal  da  Bahia.  A  banca,  composta  por  cinco  membros,   entre   eles   Cláudio   Veiga,   Suzana   Alice   Marcelino   da   Silva   Cardoso,   Maria   Luísa   Guimarães,   Hélio   Simões   (naquela   altura   Chefe   do   Departamento   de   Letras   Vernáculas)   e   um   padre   português,   de   que   não   se   recordava   o   nome,   mas   cujos   organizadíssimos   arquivos   da   Professora   Suzana   Alice   permitiram   recuperar.   Tratava-­‐ se   de   Amadeu   Feliciano,   frei   que   se   encontrava   no   Convento   de   São   Francisco   da  


Bahia. Coube   a   Cláudio   Veiga   a   Presidência   e   a   Suzana   Alice   Cardoso,   a   função   de   Secretária.     Realizou  Rosa  Virgínia  sua  inscrição  no  Departamento  de  Letras  Vernáculas,  em   Nazaré.  E  aí,  o  choque  inicial  da  infância,  sobre  o  qual  a  memória  até  hoje  resvala  os   estilhaços  das  bolas  de  aljôfar  que  caíram  sob  a  árvore  de  Natal  de  sua  sala  de  estar,  se   reinsinuou  através  das  palavras  do  Professor  Hélio  Simões,  que  ao  dar  ciência  de  seu   intento   de   se   candidatar   à   vaga   aberta,   chamou-­‐a   à   parte   e   lhe   disse,   na   mais   resguardada   postura   verba   volant   −   conforme   contou   Rosa   Virgínia,   não   certamente   nessas  mesmas  palavras  ou  na  construção  morfossintática  sugerida,  em  razão  da  óbvia   distância  temporal  que  separa  esse  evento  deste  momento  −  que  o  concurso  era  para   sua  filha,  mas  que  depois  haveria  outras  oportunidades  das  quais  poderia  Rosa  Virgínia   participar.   Diferentemente   de   sua   reação   de   perplexidade   pueril   diante   daquele   menino  de  sua  infância,  filho  daquela  mesma  mãe,  cliente  de  Dona  Caçula,  seu  poder   de  resposta,  conquistado  na  construção  da  índole  adulta  de  leonina,  retrucou  que  iria   fazer  o  concurso  "de  qualquer  jeito",  independentemente  daquele  incauto  alerta.  Era   um  certame  de  títulos  apenas.  Reuniu  os  seus:  Doutorado,  Mestrado  e  Especialização,   além   da   Graduação   na   Ufba,   e   vários   trabalhos   publicados.   A   Banca   Examinadora   instituiu   um   barema   e   fez   a   contagem   de   pontos,   Rosa   Virgínia   obteve   1,26   pontos   acima  da  segunda  melhor  candidata,  Isa  Maria  Simões,  ou  seja,  para  esta  a  média  seria   de   9,09   e,   para   Rosa   Virgínia   (candidata   número   2),   10,35.   A   terceira   candidata,   de   mesmos  prenomes  desta,  teria  auferido  a  média  de  4,25.  Não  obstante  esse  resultado,   a   Comissão   exarou   um   relatório   final,   em   que   Rosa   Virgínia   teria   alcançado   apenas   8,91   e   Isa   Simões,   9,09.   Isso   fez   com   que   a   Professora   Suzana   Alice   Cardoso   apresentasse   "voto   em   separado",   o   que   permitiu   a   instrução   de   um   recurso  


impetrado por   Rosa   Virgínia,   que   se   arrastou   por   mais   ou   menos   dois   anos.   A   recorrência   desse   tipo   de   atitude,   ainda   hoje   percebida   em   concursos,   prenunciava   causar  grande  prejuízo  como,  de  certa  forma,  causou  à  área  da  Literatura  Portuguesa,   em   contraste   explícito   com   a   elegância   textual   e   o   respeito   pelas   três   concorrentes   de   um   "voto   em   separado",   registrado   por   uma   jovem   professora,   que   buscava   resguardar   a   equidade   naquele   enfrentamento,   justifica,   aqui,   a   reprodução,   talvez   extemporânea   ou   imprópria   para   o   julgamento   de   alguns,   de   sua   avaliação   das   três   candidatas:  "(1)  ...  a  candidata  inscrita  sob  o  nº  1  pela  qualificação  científica,  pelo  rigor   no   trabalho   que   pude   comprovar   quando   a   tive   por   aluna,   pelo   esforço   de   aperfeiçoamento   científico,   apresenta   qualificação   satisfatória   e   suficiente   para   desempenhar  a  função  de  Auxiliar  de  Ensino;  (2)  ...  a  candidata  inscrita  sob  nº  2  [Rosa   Virgínia   Mattos   e   Silva]   pelas   qualidades   científicas   documentadas,   pelo   dinamismo   de   trabalho   que   se   comprova   com   o   esforço   constante   de   aperfeiçoamento   em   nível   superior   e   pela   produção   crescente,   está   em   condições   não   apenas   de   exercer   a   função  de  Auxiliar  de  Ensino,  mas  de  situar-­‐se  desde  já  em  níveis  mais  altos  da  carreira   universitária,   para   as   quais   possui   credenciais   acadêmicas   reconhecidas   pelos   textos   regimentais;  e  (3)  ...  a  candidata  inscrita  sob  o  nº  3  tendo  apenas  um  ano  e  meio  de   graduada   e   com   a   documentação   que   apresenta   poderia,   em   caráter   probatório   como   reza  o  Regimento  Geral  desta  Universidade  (cf.  Art.  181),  ser  admitida  para  a  função  de   Auxiliar   de   Ensino,   oportunidade   que   teria   para   definir-­‐se   profissionalmente   no   magistério  superior".  Não  obstante  o  verba  volant,  alguma  scripta  sempre  manent.  A   Linguística  Histórica,  por  seu  turno,  teria  a  agradecer  à  injustiça  às  circunstâncias  que   redirecionaram  seu  destino.  


Nesse ínterim   foi   aberto   outro   concurso,   nos   inícios   de   1973,   para   contratação   de   novos   professores   para   os   cursos   de   recuperação   em   Língua   Portuguesa   da   Universidade   Federal   da   Bahia.   Foi   Rosa   Virgínia   a   primeira   classificada,   dessa   feita.   Myrian  Barbosa  ficou  em  2º,  Maria  da  Conceição  Brandão  Hackler,  em  3°,  e  Maria  das   Graças  Pamponet,  na  4ª  colocação.   No  segundo  semestre,  já  dava  aulas  no  currículo  normal,  ministrando,  a  convite   do   Catedrático   Nelson   Rossi,   a   disciplina   A   língua   portuguesa   no   Brasil,   ainda   hoje   integrante  da  grade  curricular  de  Letras,  além  das  do  curso  de  recuperação  para  que   havia   sido   contratada.   Foi,   segundo   a   avaliação   que   faz   sua   memória,   "uma   turma   fantástica",  a  última  do  antigo  currículo  anual.  Teve  alunas  como  Cleise  Mendes,  Emília   Helena  Portella,  Vanda  Bastos,  Dulce  Mascarenhas.  A  partir  dessa  época  passaram  as   professoras   de   Língua   Portuguesa   a   ser   conhecidas,   pelos   estudantes,   como   as   "viúvas   de   Mattoso",   já   que   eram   as   obras   de   Joaquim   Mattoso   Câmara   Júnior   leitura   obrigatória  para  todos  os  que  ingressavam  nos  cursos  que  ministravam  naquela  época.   Hoje,   nem   todos   os   alunos   de   Letras   leem   Mattoso   ou   sequer   têm   conhecimento   de   seu  legado.  Tempos  idos.   Em   1976,   passou   a   ensinar,   no   Curso   de   Mestrado   em   Letras,   a   disciplina   Diacronia  da  língua  portuguesa.  Organizada  a  partir  dos  catedráticos,  a  Pós-­‐Graduação   stricto   sensu   de   Letras   tinha   como   principais   responsáveis,   o   Professor   Nelson   Rossi,   por  Língua  Portuguesa,  a  Professora  Joselice  de  Macedo,    por  Linguística,  a  Professora   Judith   Grossmann,   por   Literatura.   Interessou-­‐se   Rosa   Virgínia   cada   vez   mais   pelas   teorias   da   mudança   linguística   e,   nesse   período,   elabora   um   artigo   que   viria   a   ser   publicado   no   Boletim   de   Filologia,   em   Portugal,   intitulado   Mudança   linguística:   uma  


revisão, significativo  para  si  e  hoje  ainda  de  leitura  obrigatória  para  os  que  trabalham   com  a  Linguística  Histórica.  


Quarto fragmento: Brasília...

Brasília. A  cidade  que,  sem  ainda  ser,  passou,  para  muitos,  o  sonho  do  Eldorado   brasileiro;   a   ainda   seca   solidão   do   cerrado   que   se   transformava   a   cada   dia   na   "alvorada"   de   concreto   e   modernidade   de   Juscelino   Kubitschek.   Março   de   63.   Rosa   Virgínia,   Dinah   Callou,   Júlia   Conceição   e   Nadja   Andrade   são   escolhidas,   por   Nelson   Rossi,   entre   os   melhores   alunos   da   Ufba,   para   participar   da   primeira   turma   de   baianos   que   iria   aprender   Linguística   no   Planalto   Central,   desde   que   essa   matéria   passara   a   integrar,   tardiamente   e   por   força   de   lei,   os   curricula   dos   cursos   de   Letras   do   País.   Dividiram   as   amigas,   inicialmente,   um   apartamento,   mas,   por   força   de   seu   casamento,   foi  Rosa  Virgínia  −  não  antes  de  passar  um  mês  em  lua  de  mel,  nas  cidades  históricas   de  Minas  Gerais  −,  morar  na  Oca,  no  Campus  da  Universidade,  com  Pedro  Agostinho.  A   Oca,   nome   romântico   de   inspiração   desavisadamente   indígena,   sugestivamente   tupi   para   aqueles   que   veem   o   étimo   ao   pé   da   letra,   era,   na   verdade,   uma   referência   à   empresa  responsável  por  sua  construção.  Eram  dois  pavilhões  de  madeira  que  serviam   de   alojamento   aos   recém-­‐chegados   para   a   ereção   intelectual,   por   assim   dizer,   de   Brasília.   Não   obstante,   era   a   Oca   também   pousada   dos   não   menos   "inteligentes",   pelo   menos   sabidos,   ratos   do   cerrado.   Depois   de   algum   tempo   de   medo   dos   frequente   visitantes   roedores,   com   o   anúncio   da   primeira   gravidez   de   Rosa   Virgínia,   aquela   "barriga"   que   traria   ao   mundo   sua   filha   Oriana,   foram   Pedro   Agostinho   e   seu   amigo   Ordep   Serra,   num   sábado,   à   caça   de   um   desses   simpáticos   roomates   roedores.   De   posse  de   uma   garrafa   de   leite,  de   boca   larga,   tão   icônica  e   saudosa   para   a   geração   dos  


anos 60,   prenderam   um   exemplar   e   o   levaram   para   o   Coordenador   de   Habitação   do   Campus,   função,   àquela   altura,   assumida   pelo   hoje   ilustríssimo   Professor   Aryon   Rodrigues,   no   intuito   de   comprovar   a   insalubridade   daquela   moradia   para   um   bebê   prestes  a  nascer.   O   respeitado   professor,   um   dos   fundadores   e   primeiro   presidente   efetivo   da   Associação   Brasileira   de   Linguística,   a   ABRALIN,   ao   encarar   o   rato,   disse   que   no   apartamento  em  que  morava  nunca  havia  visto  um  daquela  espécie.  Também  não  se   pôde   precisar   se   havia   visto   algum   de   outra.   Em   pouco   tempo,   estariam   Pedro   Agostinho,   Rosa   Virgínia   e   Oriana   morando   em   uma   casinha   de   madeira,   com   dois   quartos   pequenos,   de   sala   espaçosa,   bom   banheiro,   cozinha   e   aposentos   de   empregada.  Era  a  força  da  ação  e  do  protesto  criando  efeitos  práticos.  A  cozinheira  era   mineira,   e,   para   não   fugir   à   regra,   chamava-­‐se   Rosa.   Havia   ainda   uma   babá   para   Oriana,   já   que   Rosa   Virgínia   trabalhava   o   dia   inteiro   com   a   elaboração   de   sua   dissertação   de   Mestrado,   que   se   concentrava   na   leitura   do   livro   segundo   dos   Diálogos   de   São   Gregório,   relativo   à   vida   de   São   Bento,   sobre   o     mais   antigo   conjunto   de   textos   medievais  existente  no  Brasil,  conhecido  como  Manuscritos  Serafim  da  Silva  Neto,  que   integra  ainda  um  Flos  Sanctorum  e  o  Livro  das  Aves.  Moravam,  ainda,  na  mesma  casa,   os   meios-­‐irmãos   de   Pedro   Agostinho,   Marcos   Felipe   e   Jorge   Tadeu,   filhos   de   Judith   Cortesão  e  de  Agostinho  da  Silva,  que  haviam  chegado  do  Rio.   Até   que,   em   dezembro   de   1965,   concluiu   sua   dissertação,   ficando   ainda   seis   meses   no   Centro   Brasileiro   de   Estudos   Portugueses,   com   a   tarefa   de   prosseguir   a   leitura  dos  outros  livros  dos  Diálogos,  que  viria  a  se  constituir  na  base  de  sua  tese  de   Doutoramento.   Conseguiu   uma   bolsa   de   estudos   da   Fundação   Calouste   Gulbenkian,  


com duração   de   seis   meses   no   Brasil,   mas   com   o   compromisso   de   ir   depois   para   Portugal.     No  início  de  66  voltou  a  Salvador,  já  grávida  de  George  Olavo,  que  viria  a  nascer   no  dia  3  de  julho  daquele  ano.  Ficou  hospedada  na  casa  dos  pais,  que  residiam  naquela   época   no   Jardim   de   Nazaré,   no   edifício   de   mesmo   nome.   Os   dois   irmãos   de   Pedro   Agostinho  passaram,  também,  a  morar  na  casa  dos  pais  de  Rosa  Virgínia.                    


Quinto

fragmento:

conhecendo

Pedro Agostinho e depois...   A  JUC,  Juventude  Universitária  Católica,  foi  uma  das  bases  de  formação  da  UNE,   União   Nacional   dos   Estudantes.   Participou   Rosa   Virgínia   daquele   grupo   de   ação   política,  com  bastante  intensidade,  durante  o  seu  curso  de  Graduação,  numa  dinâmica   de  preocupação  social,  em  prol  do  coletivo,  que  a  iria  acompanhar  até  as  vésperas  de   sua  aposentadoria  na  Ufba,  quando  teve  a  oportunidade  de  lutar  contra  os  desmandos   de  uma  gestão  que  passou  a  ser  rejeitada  pela  comunidade,  mas  que  a  administração   central   insistia   em   defender.   No   intervalo   entre   a   política   estudantil   e   seus   estudos,   avistou,  naqueles  anos  de  1961,  numa  sala  e  aula,  uma  figura  masculina  de  barba  preta   que   a   impressionou   bastante.   Descobriu   seu   nome   e   foi   conferir,   nos   quadros   de   notas,   que   ficavam   expostas   a   todos   os   alunos   e   à   observação   pública,   que   aquele   homem   só   tirava   dez.   Barba   preta   e   dez   haveriam   de   ser   uma   fórmula   infalível   de   conquista  e  sedução.   Consoante  ao  bom  tom  da  época,  só  pegaram  na  mão  um  ano  depois,  em  1962,   quando   foram   receber   o   pagamento   por   um   curso   de   verão   para   estrangeiros   africanos,  da  primeira  turma  do  CEAO,  Centro  de  Estudos  Afro-­‐Orientais,  de  que  Rosa   Virgínia   tinha  participado   como   professora.   Ali   no   Campo  Grande,  sentados   num  dos   bancos   daquela   conhecida   praça,   ele   lhe   disse:   "Gosto   muito   de   ti,   sabes?".   Simples,  


embora esperada,   e   desconcertante   resposta:   "Eu   também".   É   claro   que   certas   intimidades  devem  sempre  restar  na  imaginação  dos  curiosos.      

Rosa Virgínia  na  extrema  direita  e,  na  sequência  à  esquerda,  Vera  Rollemberg,  Nelson  Rossi,  Waldir  Oliveira,  Dinah   Callou,  Carlota  Ferreira  e  Nadja  Andrade.  Atrás,  os  primeiros  alunos  do  CEAO,  Centro  de  Estudos  Afro-­‐Orientais,   fundado  por  Agostinho  da  Silva  

Em  1962,  teve  Pedro  Agostinho  de  ir  ao  Rio  para  mais  uma  cirurgia.  Desde  que   tinha   se   acidentado   em   Florianópolis,   na   adolescência,   quando   quase   perde   a   perna   esquerda,  vivia  se  submetendo  a  intervenções  cirúrgicas  corretivas.  Ficara  hospedado   na   casa   de   Murilo   Mendes,   que   viria   a   ser   adido   cultural   do   Brasil   em   Roma.   Rosa   Virgínia,   que   havia   ido   a   Brasília   com   o   Professor   Nelson   Rossi,   Dinah   Callou   e   Ívia   Duarte,  ao  retornar  para  Salvador,  aproveitou  para  fazer  uma  escala  no  Rio  para  visitá-­‐ lo.  Encontrou-­‐o  com  a  perna  toda  engessada  e  sem  poder  se  locomover.  A  partir  daí   foram   muitas   cartas   de   amor,   cujos   teores   continuam   guardados   no   silêncio   escuro   de   alguma  gaveta  da  casa,  e  que,  com  certeza,  passarão  a  cada  dia  a  ser  espreitados  pelas  


retinas ávidas   por   corpora   dos   seus   discípulos   da   Linguística   Histórica,   que   ajudou   a   treinar.    

Rosa Virgínia,  do  lado  de  Ívia  Duarte,  a  primeira  no  alto  à  esquerda,  e  seus  colegas  do  curso  de  piano  ministrado  por   Lia  Hausmann,  na  sua  adolescência  

  Em   dezembro   de   1962,   Pedro   Agostinho,   de   volta   a   Salvador,   pediu,   no   dia   de   Natal,  sua  mão  em  casamento.  Não  se  sabe  ao  certo  o  que  teria  pensado  Seu  Mattos,   aquele   amoroso   pai,   naquele   momento,   mas   o   certo   é   que   em   31   de   dezembro   de   1963,   entrariam   os   dois   pela   nave   da   Capela   do   Convento   da   Lapa   para   confirmar   esse   compromisso  de  amor,  cuja  cerimônia  foi  celebrada  pelo  Padre  José  Luís  Borges.    Aliás,   pareceram  escolher  as  datas  mais  icônicas  para  o  demonstrar.  Viajaram  em  lua  de  mel   para  o  Rio  de  Janeiro,  tendo  passado  a  noite  de  núpcias  no  Hotel  Paissandu.  Mesmo   com   toda   a   euforia   do   momento,   arranjaram   algum   tempo   para   "visitar"   os   Manuscritos  Serafim  da  Silva  Neto,  na  Tijuca,  na  casa  da  viúva,  Dona  Cremilda,  que  os  


conservava em   uma   pasta   de   papelão   em   seu   guarda-­‐roupa.   Daí,   passaram   um   mês   visitando   as   cidades   históricas   mineiras.   Viveram   nesse   período   algumas   aventuras,   sobretudo  quando  alugaram  um  carro  que,  depois  de  atolar  na  estrada  de  pura  lama,   teve  de  ser  carregado  por  quatro  fortes  homens  como  em  um  milagre  para  si,  já  que   não  gosta  de  nada  que  possa  ficar  embaixo  da  terra.    

O registro  fotográfico  da  cerimônia  civil  de  casamento  de  Rosa  Virgínia  e  Pedro  Agostinho  

Construíram   os   dois,   com   o   tempo,   duas   carreiras   sólidas.   Ele   na   Antropologia,   com  uma  vida  dedicada  aos  índios,  mas  sem  desprezar  sua  paixão  pela  náutica  e  pela   etimologia,   ela,   com   a   construção   de   uma   reflexão   sobre   a   história   da   língua   portuguesa,   desde   o   período   arcaico,   sua   maior   paixão,   até   o   português   brasileiro,   erigindo  um  legado  bibliográfico  dos  mais  significativos  sobre  o  tema,  pelo  que  chegou   ao   cargo   de   Professor   Titular,   em   substituição,   mutatis   mutandis,   a   seu   grande   mestre  


Nelson Rossi,   e   a   pesquisador   I-­‐A,   mais   alto   nível   que   pode   alcançar   um   cientista   brasileiro,  no  Conselho  Nacional  de  Desenvolvimento  Científico  e  Tecnológico  −  CNPq.   Nas  férias  de  verão,  a  Vila  Rosa  (que  para  os  desavisados  está,  hoje  e  já  há  algum   tempo,   pintada   de   azul),   que   se   situa   na   cidade   de   Mar   Grande,   Município   de   Vera   Cruz,  na  Ilha  de  Itaparica,  na  Bahia,  sempre  foi   o  repouso  necessário  para  recompor  as   energias  e  viver  a  família.    

Rosa Virgínia  e  Pedro  Agostinho  com  sua  descendência,  filhos  e  netos,  em  frente  à  Vila  Rosa      

Esse romance  que  perdura  há  quase  meio  século,  depois  dos  filhos  da  década  de   1960,   Oriana   e   George   Olavo,   gerou   mais   dois   amadíssimos   filhos,   João   Rodrigo,   em   1974,   e   Lianor,   preferencialmente   Lia,   em   1978,   em   homenagem   à   figura   de   Leonoreta,   do   Amadis   de   Gaula,   em   conjunção   à   grafia   que   imprime   Camões   ao   se   referir   em   sua   canção   a   Dona   Leonor   Teles;     João,   por   causa   de   seu   pai,   João   de  


Mattos, e  Rodrigo,  em  memória  ao  guerreiro  hispânico  do  século  XI,  conhecido  como   El  Cid,  mas  cujo  nome  teria  sido  Rodrigo  Díaz  de  Vivar.   Rosa   Virgínia   e   Pedro   Agostinho,   além   das   constantes   e   tranquilas   travessias   entre   Mar   Grande   e   Salvador   −   nem   sempre   tão   calmas   assim   no   inverno   baiano   −,   viveram  uma  história  de  companheirismo  e  interesse  mútuo.  Foi  assim,  por  exemplo,   quando   resolveram   estudar,   cada   um   a   partir   de   sua   ótica   científica,   os   índios   kamayurá(s),   do   tronco   linguístico   tupi,   na   região   do   Alto   Xingu   brasileiro.   Em   julho   de   1969,  embrenharam-­‐se  pela  floresta  da  lagoa  Ipavu,  para  conhecer  um  pouco  sobre  a   vida   de   119   indivíduos   que   viviam   na   aldeia.   As   histórias   que   registraram   e   os   dados   que  coletaram  renderam  diversos  estudos  sobre  a  aquisição  da  língua  portuguesa  por   essa  comunidade.  Dentre  as  muitas  histórias  que  têm  para  contar  sobre  sua  presença   naquela  aldeia  destaca-­‐se  o  momento  em  que  tiveram  de  se  alimentar  exclusivamente   de  goiabada  em  lata,  à  noite,  escondidos  dos  índios,  que,  como  se  sabe,  adoram  tudo   que   é   doce,   já   que   o   avião   da   Força   Aérea   Brasileira   −   FAB,   não   havia,   conforme   previsto,   entregue   a   provisão   com   que   deveriam   contar   para   sua   estada   na   comunidade.   Depois   de   alguns   dias,   passaram   a   comer   um   pouco   do   peixe   pescado   pelos  solidários  anfitriões.  Sempre  mantiveram  os  dois  o  hábito  de    "embrenhamento"   em   assuntos   da   sociedade,   nem   sempre   indígenas,   mas   certamente   motivado   por   interesse  antropológico  e  linguístico  e,  não  menos,  por  responsabilidade  social  e  pela   paixão  pelo  histórico  e  cultural.   Entre   1979   e   1981,   foi   Rosa   Virgínia   com   a   família   para   o   Rio   de   Janeiro,   para   realizar   sua   Pesquisa   de   Pós-­‐Doutoramento,   sob   a   supervisão   do   eminente   Professor   Celso  Cunha,  na  Ufrj.  Esse  trabalho  viria  a  se  transformar  em  um  das  mais  importantes   referências   bibliográficas   sobre   o   português   arcaico,   nomeadamente   por   aplicar   um  


modelo de   análise   estruturalista   a   dados   históricos.   O   livro   Estruturas   trecentistas:   elementos  para  uma  gramática  do  português  arcaico,  fruto  desse  trabalho,  rendeu-­‐lhe   o  Prêmio  Pesquisador  do  Ano  Ufba/Fapex,  em  1990.   Enquanto  fazia  suas  investigações  científicas,  seus  quatro  filhos  readaptavam  seu   dia-­‐a-­‐dia   à   dinâmica   da   capital   carioca.   Foram   estudar   no   Colégio   Franco-­‐Brasileiro,   instituição  tradicional,  fundada  no  Catete,  em  1915,  mas  que  desde  1922  funcionava   na   Rua   das   Laranjeiras,   perto   do   Largo   Machado   de   Assis.   João   Rodrigo,   rebelde   que   era,   indiferente   à   tradição   daquela   instituição,   já   que   desde   aquela   época   não   reconhecia  a  Escola  como  o  melhor  espaço,  nem  tampouco  o  mais  agradável,  para  a   sua   formação,   recusava-­‐se   a   atender   ao   rígido   sistema   de   disciplina   que   lhe   era   imposto.  Conseguia  transitar,  na  sala  de  aula,  com  facilidade  entre  a  "fila  do  avião"  e  a   "fila   da   carroça"   (reservada   aos   menos   comportados   ou   desatentos).   Isso   se   compreende  bem  quando  a  sua  turma  lhe  preparou  uma  festa  de  despedida  e  um  de   seus   colegas   foi   encarregado   de   lhe   fazer   a   saudação,   aqui,   obviamente,   parafraseada:   "João,  você  vai  fazer  muita  falta,  não  esqueceremos  sobretudo  de  suas  cambalhotas  na   sala,  e  de  seu  andar  por  cima  das  mesas...,  você  vai  ser  um  humorista  da  televisão".  A   carreira  se  direcionaria  para  o  Cinema,  não  como  humorista,  nem  como  acrobata,  mas   como  realizador.     Lia  foi  sempre  a  mais  tranquila  dos  quatro  irmãos.  Comemorou  seu  primeiro  ano   de  vida  no  Rio  de  Janeiro,  por  isso  mesmo  não  frequentou,  como  os  outros,  a  escola.   Conquanto  não  desse  grandes  trabalhos  aos  pais,  não  se  adaptava  ao  berço  de  forma   nenhuma   e,   toda   noite,   como   costumam   fazer   muitas   crianças,   levantava-­‐se   e   ia-­‐se   deitar  entre  os  pais.  Depois  de  tentar  sem  sucesso  que  se  mantivesse  no  espaço  que  


lhe era  reservado,  Pedro  Agostinho  decidiu  que  seria  mais  proveitoso  dormir  no  chão   do  que  ter  de  a  levar  de  volta  incontáveis  vezes.   George   Olavo   e   Oriana,   já   adolescentes,   começaram,   no   Fluminense,   a   paixão   pela  natação,  que  perdura  até  hoje.  Numa  das  competições  de  que  Olavo  participou,   com  saída  do  Forte  do  Leme  em  direção  ao  Arpoador,  Rosa  Virgínia  ainda  se  lembra  do   ridículo  por  que  teria  passado  ao  sair  em  disparada  pela  rua,  quando,  desatenta  ao  que   ocorria,  teria  ouvido  o  tiro  de  largada.  Hoje,  certamente,  sua  atitude  seria  mais  do  que   esperada,  em  função  do  nível  de  violência  que  se  instalou  nos  grandes  centros  urbanos   no  Brasil.   Oriana,  depois  de  fazer  permanente  no  cabelo  e  decidir  por  usar  com  frequência   roupas   indianas,   causava   certa   apreensão   a   Dona   Eliana   Riquet,   conhecida   Diretora   do   Colégio   Franco-­‐Brasileiro,   que   chegou   mesmo   a   dizer   a   Rosa   Virgínia   que   aquela   menina,   pelo   que   podia   observar,   haveria   de   ser   hippie.   Sem   se   integrar,   como   preconizava   Dona   Lili,   nesse   tão   importante   movimento   de   contracultura,   acabou   Oriana  por  seguir  a  carreira  médica,  atuando  hoje  na  área  da  Nefrologia.   Terminado   o   trabalho   de   pesquisa,   voltaram   todos   ao   apartamento   do   Edifício   Maroim,  na  Avenida  Sete  de  Setembro.    


Sexto

fragmento:

homenagens

e

despedida...  

 O  dia  de  trabalho  começava  no  Instituto  de  Letras  da  Ufba  antes  das  09  horas  da   manhã.  Na  sala  de  número  114,  um  das  certamente  mais  movimentadas  do  primeiro   andar.   Rosa   Virgínia   cumpria   o   que   considera   uma   obrigação   de   professor   de   dedicação  exclusiva,  a  presença  constante  e  diária.     Fundadora   e   coordenadora,   desde   o   início,   em   1991,   do   grupo   de   pesquisa   Prohpor  (Programa  para  a  História  da  Língua  Portuguesa),  financiado  desde  sua  origem   pelo  Conselho  Nacional  de  Desenvolvimento  Científico  e  Tecnológico  (CNPq),  orientou,   entre  um  cigarro  e  outro,  entre  um  sorriso  e  outro,  entre  uma  bronca  e  outra,  alunos   de  iniciação  científica,  mestrado  e  doutorado,  desde  que  o  Professor  Nelson  Rossi,  ao   decidir   se   afastar   inopinadamente   da   Ufba,   sem   retorno   possível,   lhe   disse,   lá   pelos   idos  dos  anos  80,  "agora  é  com  você".  Desde  então,  formou  24  mestres  e  12  doutores.   Pedro   Agostinho,   desde   que   se   aposentou   "na   compulsória",   vez   por   outra   a   acompanhava   até   o   Instituto,   quando   havia   algum   convidado   que   fosse   falar   sobre   algo   de   seu   interesse,   especialmente   sobre   etimologia,   ou,   sobretudo,   quando   havia  


alguma manifestação   de   caráter   reivindicatório   ou   político   em   cena.   A   barba   não   mais   preta,  é  sem  cor,  como  a  saudade.   Em   2009,   promoveram   as   três   maiores   universidades   baianas,   i.e.,   a   Universidade   Federal   da   Bahia   (Ufba),   a   Universidade   do   Estado   da   Bahia   (Uneb)   e   a   Universidade   Estadual   de   Feira   de   Santana   (Uefs),   de   26   a   29   de   julho   de   2009,   o   ROSAE   –   I   Congresso   Internacional   de   Linguística   Histórica,   em   sua   homenagem,   um   ano  antes  de  sua  aposentadoria  compulsória,  que  se  deu  ao  completar  70  anos,  no  dia   27   de   julho   de   2010.   Esse   evento,   considerado,   por   muitos,   um   dos   mais   representativos   já   realizados   na   área,   contou   com   cerca   de   1000   participantes,   muitos   dos   quais,   expoentes   pesquisadores   nacionais   e   internacionais.   Como   memória,   produziram-­‐se  dois  livros,  um  impresso,  outro  digital,  organizados  por  Tânia  Lobo  et  al.   (2012)   sob   o   título   Rosae:   linguística   histórica,   história   das   línguas   e   outras   histórias,   publicados  pela  Edufba.   Esse  monumento  bibliográfico  era  ansiado  por  Rosa  Virgínia  e  seria  um  dos  seus   presentes  de  72  anos.  Não  o  pôde,  porém,  folhear,  pois  deixaria  a  linguística  histórica   órfã  de  sua  maternidade  intelectual,  na  manhã  do  dia  16  de  julho  de  2012.     Ficam  seu  legado  para  todos  e  a  saudade  para  aqueles  que  tiveram  o  privilégio   de  a  conhecer  na  sua  dimensão  mais  humana.  


Cronologia rabiscada

14/11/1896  

Nascimento de  João  de  Mattos  

11/11/1898

Nascimento de  Martinha  

27/07/1940

Nascimento de  Rosa  Virgínia  

15/08/1940

Batismo

24/04/1948

Primeira comunhão      

31/12/1963

Casamento

16/07/2012

Falecimento

Os  filhos     31/03/1965  

Oriana Maria  

03/07/1966

George Olavo  

22/03/1974

João Rodrigo  

02/09/1978

Lianor Maria  

Os  netos     25/03/1994  

Joana

26/06/1996

Maria Clara  e  André  


19/06/1998

Luca

25/07/1998

Pedro

18/03/1999

Mariana

06/01/2005

Davi

06/08/2005

Vito

13/02/2009

Jasmim

A  formação     1961  

Licenciatura em  Línguas  Anglo-­‐Germânicas  −  UFBA  

1965

Mestrado em  Letras  −  UnB  

1971

Doutorado em  Linguística  −  USP  

1982

Pós-­‐Doutorado −  UFRJ  


Principais trabalhos publicados

A  produção  bibliográfica  de  Rosa  Virgínia  Mattos  e  Silva  é  um  exemplo  para  seus  pares.   As  relações  que  aqui  se  apresentam  não  incluem  os  diversos  trabalhos  publicados  em   anais   de   congressos,   nem   em   outros   meios   de   divulgação.   Servem   apenas   como   simples   referência,   para   aqueles   que   desconhecem   a   dimensão   de   seu   legado.   Seu   currículo  integral  se  encontra  disponível  em  http://lattes.cnpq.br/3149705136297230.       Livros  publicados/organizados  ou  edições     1.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  português  arcaico,  uma  aproximação.  1.  ed.   Lisboa:  Imprensa  Nacional  Casa  da  Moeda,  2008.  v.  2.  1098  p.     2.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Caminhos  da  linguística  histórica.  São  Paulo:   Parábola,  2008.  206  p.     3.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  português  arcaico:  fonologia,  morfologia  e   sintaxe.  1.  ed.  São  Paulo:  Editora  Contexto,  2006.  v.  1.  203  p.     4.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  (Org.);  MOTTA,  Jacyra.  (Org.)  ;  CARDOSO,  Suzana.   A.  M.  (Org.)  .  Quinhentos  anos  de  História  Linguística  do  Brasil.  1.  ed.  Salvador:   Secretaria  da  Cultura  e  Turismo  do  Estado  da  Bahia,  2006.  v.  1.  485  p.     7.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  português  são  dois:  novas  fronteiras,  velhos   problemas.  São  Paulo:  Parábola,  2004.  151  p.     8.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia.  Ensaios  para  uma  sócio-­‐história  do  português   brasileiro.  São  Paulo:  Parábola,  2004.  v.  1.    


9.   MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  (Org.)  ;  MACHADO  FILHO,  Américo  V.  L.  (Org.)  .  O   português  quinhentista:  estudos  linguísticos.  1.  ed.  Salvador:  EDUFBA,  2002.  v.  1.   378  p.     10.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  (Org.)  .  Para  a  história  do  português  brasileiro.   Primeiros  estudos.  São  Paulo:  Humanitas,  2001.  v.  1.  555  p.     11.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  (Org.)  .  A  Carta  de  Caminha:  testemunho   linguístico  de  1500.  Salvador:  EDUFBA/UEFS/CNPq/EGBA,  1996.  v.  1.  285  p.     12.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Contradições  no  ensino  do  português.  A  língua   que  se  fala  X  a  língua  que  se  escreve.  São  Paulo/Salvador:  Contexto/EDUFBA,   1995.  98  p.     13.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  português  arcaico:  morfologia  e  sintaxe.  São   Paulo/Salvador:  Contexto/EDUFBA,  1994.  135  p.     14.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  português  arcaico:  fonologia.  São   Paulo/Salvador:  Contexto/EDUFBA,  1991.  101  p.     15.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Tradição  gramatical  e  gramática  tradicional.  São   Paulo:  Contexto,  1989.  68  p.     16.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Estruturas  trecentistas.  Elementos  para  uma   gramática  do  português  arcaico.  Lisboa:  IN-­‐CM,  1989.  881  p.     17.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  ;  AGOSTINHO,  Pedro.  ;  SILVA,  Myrian.  ;  ALBÁN,   Maria  del  Rosário.  Sete  estudos  sobre  o  português  Kamayurá.  Salvador:   CED/UFBA,  1988.  168  p.     18.     ROSSI,  Nelson;  MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Livro  das  aves.  Rio  de  Janeiro:   INL,  1965.  v.  1.  80  p.     19.     ROSSI,  Nelson;  CALLOU,  Dinah.  ;  MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Atlas  prévio  dos   falares  baianos.  Rio  de  Janeiro:  INL,  1963.      

     


Capítulos de  livro   1. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Rosae:  desvelando  um  dativo.  In:  LOBO,  Tânia  et  al.  (Orgs.).   Rosae:  linguística  histórica,  história  das  línguas  e  outras  histórias.  Salvador:  Edufba,  2012,  p.  25-­‐30     2. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia.  Línguas  pluricêntricas  e  a  questão  das  línguas  crioulas.  In:   SILVA,  Augusto  Soares  et  al.  (Orgs.).  Línguas  pluricêntricas:  variação  linguística  e  dimensões   sociolinguísticas.  Braga:  Publicações  da  Faculdade  de  Filosofia/Universidade  de  Braga,  2011.  p.  197-­‐ 204.     3. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia;  MACHADO  FILHO,  Américo  V.  L.  Variação  TER/HAVER.  In:   LOBO,  Tânia;  OLIVEIRA,  Klebson  (Orgs.).  África  à  vista.  Salvador:  EDUFBA,  2009,  p.  338-­‐351.     4. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia;  MACHADO  FILHO,  Américo  V.  L.  Entre  duas  diásporas:  o   português  e  as  línguas  africanas  no  Brasil.  In:  OLIVEIRA,  Klebson  et  al.  (Orgs.)  do  português  arcaico  ao   português  brasileiro:  outras  histórias.  Salvador:  EDUFBA,  2009,  p.  297-­‐304.     5. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  ;  MACHADO  FILHO,  Américo  V.  L.  Fontes  para  o  conhecimento   da  língua  portuguesa  de  trezentos:  os  mais  antigos  manuscritos  portugueses  existentes  no  brasil.  In:   MASSINI-­‐CAGLIARI,  Gladis  et  al.  (Orgs.).  Série  Estudos  Medievais  2:  Fontes.  Araraquara:  GT  Estudos   Medievais  ANPOLL,  2009,  p.  189-­‐202.     6. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Três  sócio-­‐histórias:  três  línguas.  In:  REI-­‐DOVAL,  Gabriel  (Org.).   A  linguística  galega  desde  além-­‐mar.  Santiago  de  Compostela:  Universidade  de  Santiago  de   Compostela,  2009,  p.  97-­‐105.     7. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Bárbaros  à  porta:  uma  reflexão  histórica  sobre  a  língua   portuguesa  no  Brasil  da  atualidade.  In:  RONCARATI,  Cláudia;  ABRAÇADO  Jussara.  (Orgs.).  Português   brasileiro  II.  Niterói:  EdUFF,  2008,  p.  391-­‐398.   8. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  ;  OLIVEIRA,  Klebson.  ;  LOBO,  Tânia.  Panorama  preliminar  da   história  do  letramento  de  negros  na  Bahia.  In:  RAMOS,  Jânia;  ALKMIM,  Mônica.  (Orgs.).  Para  a  história   do  português  brasileiro:  v.  5.  Belo  Horizonte:  Faculdade  de  Letras  da  UFMG,  2007,  p.  359-­‐422.     9. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia.  Aspectos  morfolexicais  do  português  arcaico.  In:  CASTILHO,   Ataliba  et  al.  (Orgs.).  Descrição,  história  e  aquisição  do  português  brasileiro.  Campinas:  Pontes,  2007,   p.  581-­‐616.   10. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Uma  compreensão  histórica  do  português  brasileiro:  velhos   problemas  repensados.  In:  MOTA,  Jacyra;  CARDOSO,  Suzana;  MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia.  (Orgs.).   Quinhentos  anos  da  História  Linguística  do  Brasil.  1  ed.  Salvador:  Secretaria  da  Cultura  e  do  Turismo   do  Estado  da  Bahia,  2006,  p.  219-­‐250.   11. LOBO,  Tânia  C.  F.;  MACHADO  FILHO,  Américo  V.  L.;  MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Indícios  de   língua  geral  no  sul  da  Bahia  na  segunda  metade  do  século  XVIII.  In:  LOBO,  Tânia  et  al.  (Orgs.).  Para  a  


História do  Português  Brasileiro:  Novos  dados,  novas  análises,  v.  7.  1  ed.  Salvador:  EDUFBA,  2006,  v.  2,   p.  609-­‐630.   12. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  "O  português  são  dois"...  ainda  "em  busca  do  tempo  perdido".   In:  GORSKI,  Edair;  COELHO,  Izete.  (Orgs.).  Sociolinguística  e  ensino:  contribuições  para  a  formação  do   professor  de  língua.  Florianópolis:  Ed  da  UFSC,  2006,  p.  277-­‐288.   13. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Desenvolvimentos  recentes  no  Brasil  dos  estudos  histórico-­‐ diacrônicos  sobre  o  português.  In:  ZILLES,  Ana  Maria.  (Org.).  Estudos  de  variação  linguística  no  Brasil  e   no  Cone  Sul.  Porto  Alegre:  Editora  da  UFRGS,  2005,  p.  39-­‐53.   14. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia.  O  português  brasileiro:  sua  formação  na  complexidade   multilinguística  do  Brasil  colonial  e  pós-­‐colonial.  In:  COSTA,  Sônia;  MACHADO  FILHO,  Américo.  (Orgs.).   do  português  arcaico  ao  português  brasileiro.  Salvador:  Edufba,  2004,  p.  115-­‐137.   15. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  PROHPOR  e  sua  inserção  no  Projeto  Nacional  Para  a  História   do  Português  Brasileiro.  In:  RONCARATTI,  Cláudia;  ABRAÇADO,  Jussara.  (Orgs.).  Português  brasileiro.   Niterói:  Faperj,  2003,  p.  30-­‐38.   16. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Em  1967,  um  encontro  para  sempre  (evocação  de  uma   amizade  que  se  fez  no  estudo  da  linguística).  In:  CASTRO,  Ivo;DUARTE,    Inês  (Orgs.).  Razões  e  emoção:   Miscelânea  em  homenagem  a  Maria  Helena  Mira  Mateus.  Lisboa:  Imprensa  Nacional  -­‐  Casa  da  Moeda,   2003,  v.  2,  p.  403-­‐414.   17. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Reflexões  e  questionamentos  sobre  a  constituição  de  corpora   para  o  Projeto  Para  a  História  do  Português  Brasileiro.  In:  CALLOU,  Dinah;  DUARTE,  Maria  Eugênia.   (Orgs.).  Para  a  história  do  português  brasileiro:  Notícias  sobre  corpora  e  outros  estudos.  Rio  de   Janeiro:  UFRJ/FAPERJ,  2002,  v.  IV,  p.  17-­‐28.   18. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Reconfigurações  socioculturais  e  linguísticas  no  Portugal  de   quinhentos  em  comparação  com  o  período  arcaico.  In:  MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia;  MACHADO   FILHO,    Américo  Venâncio  Lopes.  (Orgs.).  O  português  quinhentista:  estudos  linguísticos.  1  ed.   Salvador:  EDUFBA,  2002,  p.  27-­‐41.   19. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Notas  sobre  avaliações  linguísticas  nos  gramáticos  Fernão  de   Oliveira  e  João  de  Barros.  In:  MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia;  MACHADO  FILHO,  Américo  Venâncio   Lopes.  (Orgs.).  O  português  quinhentista:  estudos  linguísticos.  1  ed.  Salvador:  EDUFBA,  2002,p.  43-­‐60.   20. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  definição  da  oposição  entre  SER  e  ESTAR  em  estruturas   atributivas  nos  meados  do  século  XVI.  In:  Rosa  Virgínia  Mattos  e  Silva;  Américo  Venâncio  Lopes   Machado  Filho.  (Orgs.).  O  português  quinhentista:  estudos  linguísticos.  1  ed.  Salvador:  EDUFBA,  2002,   v.  1,  p.  103-­‐117.   21. MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia;  MACHADO  FILHO,  Américo  V.  L.  Apresentação.  In:  Rosa  Virgínia   Mattos  e  Silva;  Américo  Venâncio  Lopes  Machado  Filho.  (Orgs.).  O  português  quinhentista:  estudos  


linguísticos. 1  ed.  Salvador:  EDUFBA,  2002,  v.  1,  p.  13-­‐26.   22. MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Vitórias  de  TER  sobre  HAVER  nos  meados  do  século  XVI:  usos  e   teoria  em  João  de  Barros.  In:  Rosa  Virgínia  Mattos  e  Silva;  Américo  Venâncio  Lopes  Machado  Filho.   (Orgs.).  O  português  quinhentista:  estudos  linguísticos.  1  ed.  Salvador:  EDUFBA,  2002,  v.  1,  p.  119-­‐142.   23. MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  variação  SER/ESTAR  e  HAVER/TER  nas  Cartas  de  D.  João  III   entre  1540  e  1553:  comparação  com  os  usos  coetâneos  de  João  de  Barros.  In:  Rosa  Virgínia  Mattos  e   Silva;  Américo  Venâncio  Lopes  Machado  Filho.  (Orgs.).  O  português  quinhentista:  estudos  linguísticos.   1  ed.  Salvador:  EDUFBA,  2002,  v.  1,  p.  143-­‐160.   24. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Para  a  história  do  português  culto  e  do  português  popular:   sugestões  para  uma  pauta  de  pesquisa.  In:  Tânia  Alkmin.  (Org.).  Para  a  história  do  português   brasileiro.  São  Paulo:  Humanitas,  2002,  v.  3,  p.  443-­‐464.   25. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Variação,  mudança  e  norma:  mudanças  no  interior  do   português  brasileiro.  In:  Marcos  Bagno.  (Org.).  Linguística  da  norma.  São  Paulo:  Loyola,  2002,  v.  ,  p.   291-­‐316.   26. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  De  fontes  sócio-­‐históricas  para  a  história  social  do  Brasil.  In:   Silva,  Rosa  Virgínia.  (Org.).  Para  a  história  do  português  brasileiro.  Primeiros  estudos.  São  Paulo:   Humanitas,  2001,  v.  1,  p.  19-­‐33.   27. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Da  sócio-­‐história  do  português  brasileiro  para  o  ensino  do   português  hoje.  In:  AZEREDO,  J.  C..  (Org.).  Língua  portuguesa  em  debate.  Conhecimento  e  ensino.   Petrópolis:  Vozes,  2000,  v.  1,  p.  19-­‐33.   28. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Alguma  reflexão  sobre  a  unidade  original  galego-­‐portuguesa.   In:  ALBÁN,  Maria  del  Rosário  Suárez.  (Org.).  Língua  e  imigração  galegas  na  América  Latina.  1  ed.   Salvador:  CELGA-­‐Centro  de  Estudos  da  Língua  e  Cultura  Galegas.  p.97-­‐104,  1999.   29. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  renovado  impulso  dos  estudos  histórico-­‐diacrônicos  sobre  o   português:  temas  e  problemas.  In:  GÄRTNER,  Eberhard  et  al.  (Orgs.).  Estudos  de  história  da  língua   portuguesa.  Frankfurt  am  Main:  TFM,  1999,  v.  1,  p.  127-­‐144.   30. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Ideias  para  a  história  do  português  brasileiro:  fragmentos  para   uma  composição  posterior.  In:  CASTILHO,  Ataliba  de.  (Org.).  Para  a  história  do  português  brasileiro.   Primeiras  ideias.  São  Paulo:  Humanitas,  1998,  v.  1,  p.  21-­‐52.   31. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia.  A  Carta  de  Caminha  no  tempo  da  língua  portuguesa.  In:  Rosa   Virgínia  Mattos  e  Silva.  (Org.).  A  Carta  de  Caminha:  testemunho  linguístico  de  1500.  Salvador:   EDUFBA/EGBA/UEFS,  1996,  v.  ,  p.  13-­‐26.   32. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  variação  HAVER/TER.  In:  Rosa  Virgínia  Mattos  e  Silva.  (Org.).   A  Carta  de  Caminha:  testemunho  linguístico  de  1500.  Salvador:  EDUFBA/UEFS/EGBA,  1996,  v.  ,  p.  181-­‐


193. 33. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Variação,  mudança,  norma  e  a  questão  do  ensino  do   português  no  Brasil.  In:  CARDOSO,  Suzana  (Org.).  Diversidade  linguística  e  ensino.  Salvador:  EDUFBA,   1996,  v.  ,  p.  19-­‐43.   34. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia.  TER  ou  HAVER  em  estruturas  de  posse:  variação  e  mudança  no   português  arcaico.  In:  PEREIRA  Cilene;  Pereira,  P..  (Orgs.).  Miscelânea  in  memorian  de  Celso  F.  da   Cunha.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Fronteira,  1995,  v.  ,  p.  288-­‐298.   35. MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia.  Diálogos  de  São  Gregório.  In:  RIIHO,  T.;  EERIKAINEN,  L.  (Orgs.).   Helsinki:  Crestomatia  iberorromanica,  1993,  v.  ,  p.  235-­‐253.   36. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Diversidade  e  unidade:  a  aventura  linguística  do  português.  In:   CASTRO,  Ivo  et  al..  (Org.).  Curso  de  história  da  língua  portuguesa.  Lisboa:  Universidade  Aberta,  1991,  v.   2,  p.  111-­‐141.   37. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Uma  leitura  da  carta  99  do  Atlas  prévio  dos  falares  baianos.  In:   FERREIRA,  Carlota  et  al..  (Orgs.).  Diversidade  do  português  brasileiro.  Salvador:  UFBA/PROED,  1988,  v.   1,  p.  53-­‐66.   38. MATTOS  E  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Dizem  que  vai  mal  o  vernáculo  no  Brasil:  reflexões  sobre  o   português  e  seu  ensino.  In:  FERREIRA,  Carlota  et  al.  (Orgs.).  Diversidade  do  português  brasileiro.   Salvador:  UFBA/PROEB,  1988,  v.  ,  p.  217-­‐225.         Artigos  completos  publicados  em  periódicos     1.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Para  a  história  do  português  culto  e  popular   brasileiro:  sugestão  para  uma  pauta  de  pesquisa.  Cadernos  de  Letras  da  UFF,  v.   34,  p.  11-­‐30,  2008.     2.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Novas  contribuições  para  a  história  da  língua   portuguesa.  Diadorim  (Rio  de  Janeiro),  v.  2,  p.  99-­‐113,  2007.     3.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Sobre  o  Programa  para  a  história  da  língua   portuguesa  (PROHPOR)  e  sua  inserção  no  Projeto  Nacional  Para  a  história  do   Português  Brasileiro  (PHPB).  Estudos  Linguísticos  e  Literários,  v.  1,  p.  53-­‐64,  2006.     4.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Vitória  de  TER  sobre  HAVER  nos  meados  do   século  XVI:  usos  e  teorias  em  João  de  Barros.  Revista  Portuguesa  de  Filologia,  v.   XXV,  p.  563-­‐587,  2006.     5.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Novos  indicadores  para  os  limites  do  português   arcaico.  Revista  do  GELNE  (UFC),  João  Pessoa,  v.  4,  n.  1/2,  p.  182-­‐185,  2005.    


6.   MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  português  no  Brasil:  sua  formação  na   complexidade  multilinguística  do  Brasil  colonial  e  pós-­‐colonial.  Leituras   Contemporâneas,  Salvador,  v.  1,  n.  1,  p.  95-­‐105,  2004.     7.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Um  estudo  de  aspectos  do  léxico  nos   TROVADORES  DO  MAR.  Revista  do  GELNE  (UFC),  João  Pessoa,  v.  6,  n.  1,  p.  167-­‐ 190,  2004.     8.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  ;  MACHADO  FILHO,  Américo  V.  L.  .  A  variação   ter/haver  na  primeira  metade  do  século  XIX  em  textos  escritos  por  africanos  e   afrodescendentes.  Linguística  (Madrid),  São  Paulo,  v.  15-­‐16,  p.  161-­‐174,  2004.     9.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  gramaticalização  numa  perspectiva  diacrônica:   contribuições  baianas.  Estudos  Linguísticos  e  Literários,  Salvador,  n.  29/30,  p.   135-­‐147,  2003.     10.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Diversidade  e  unidade:  a  aventura  linguística  do   português.  Página  do  Instituto  Camões  de  Portugal,  Lisboa,  v.  1,  p.  1-­‐29,  2002.     11.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  aventura  linguística  do  português.  Página  do   Instituto  Camões  na  Internet,  Virtual,  2002.     12.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Uma  compreensão  histórica  do  português   brasileiro:  velhos  problemas  revisitados.  Estudos  Linguísticos  e  Literários,   Salvador,  n.  25/26,  p.  250-­‐283,  2002.     13.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Uma  interpretação  para  a  generalizada  difusão   da  língua  portuguesa  no  Brasil.  Revista  da  Academia  de  Letras  da  Bahia,   Salvador,  n.  45,  p.  105-­‐126,  2002.     14.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  variação  'ser'/  'estar'  e  'haver'/  'ter'  em  1540.   Revista  Portuguesa  de  Filologia,  Coimbra,  n.  XXIII,  p.  71-­‐96,  2001.     15.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Nos  limites  finais  do  período  arcaico:  a  vitória  de   ter  verbo  de  posse  e  auxiliar  de  tempo  composto  e  sua  emergência  como  verbo   existencial.  Revista  de  Letras  Gelne,  Fortaleza,  n.  22,  p.  117-­‐121,  2001.     16.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Da  sócio-­‐história  do  português  brasileiro  para  o   ensino  do  português  no  Brasil  hoje.  Revista  da  Faeba,  Salvador,  n.  15,  p.  23-­‐36,   2001.     17.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Reconfigurações  socioculturais  e  lingüísticas  no   Portugal  de  quinhentos  em  comparação  com  o  período  arcaico.  Alfa   (ILCSE/UNESP),  São  Paulo,  v.  45,  p.  33-­‐47,  2001.     18.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Orientações  atuais  da  Lingüística  Histórica   brasileira.  DELTA.  Documentação  de  Estudos  em  Lingüística  Teórica  e  Aplicada,   São  Paulo,  n.  15,  p.  147-­‐166,  2000.     19.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  língua  portuguesa  em  perspectiva  histórica:  do  


português europeu  para  o  português  brasileiro.  Estudos  Lingüísticos  (São  Paulo),   São  Paulo,  n.  xxix,  p.  16-­‐32,  2000.     20.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Uma  interpretação  para  a  generalizada  difusão   da  língua  portuguesa  em  território  brasileiro.  Gragoatá  (UFF),  Niterói,  v.  9,  p.  11-­‐ 27,  2000.     21.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Uma  compreensão  histórica  do  português   brasileiro:  velhos  problemas  revisitados.  Estudos  Lingüísticos  e  Literários,   Salvador,  v.  1,  n.  25-­‐26,  p.  253-­‐283,  2000.     22.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Há  500  anos.  .  .  A  Carta  de  Caminha  e  a  língua   portuguesa.  Estudos  Lingüísticos  e  Literários,  Salvador,  n.  23-­‐24,  p.  127-­‐142,   1999.     23.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  que  corrigir  no  português  de  nossos  alunos?   Uma  avaliação  do  fator  escolarização  na  compreensão  do  português  brasileiro.  A   Cor  das  Letras,  Feira  de  Santana,  v.  3,  p.  179-­‐189,  1999.     24.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Orientações  atuais  da  lingüística  histórica  no   Brasil.  Revista  Lingüística,  São  Paulo,  v.  1,  n.  11,  p.  155-­‐174,  1999.     25.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Desencontros  e  reencontros  da  Lingüística  e  da   Filologia  no  Brasil  no  século  XX.  Estudos  Lingüísticos  e  Literários,  Salvador,  n.  21-­‐ 22,  p.  97-­‐109,  1998.     26.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  formação  de  uma  área  dialetal  do  português.   Papiá.  Revista  de  crioulos  de  base  ibérica.,  Brasília,  v.  09,  p.  09-­‐19,  1997.     27.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  variação  no  uso  de  SER/ESTAR  e  HAVER/TER   no  português  ducentista.  Estudos  Lingüísticos  e  Literários,  Salvador,  n.  19,  p.  270-­‐ 285,  1997.     28.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Lingüística  histórica  e  história  da  língua   portuguesa.  Revista  Estudos  lingüísticos  e  literários,  Salvador,  Universidade   Federal,  v.  19,  p.  07-­‐10,  1997.     29.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Alfabetização  hoje  no  Brasil.  ABRALIN  (Curitiba),   São  Luís,  n.  18,  p.  76-­‐90,  1996.     30.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Notícia  sobre  o  Programa  para  a  História  da   Língua  Portuguesa.  Estudos  Lingüísticos  e  Literários,  Salvador,  n.  especial,  p.  231-­‐ 237,  1996.     31.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  sócio-­‐história  do  Brasil  e  a  heterogeneidade   do  português  brasileiro.  ABRALIN  (Curitiba),  São  Paulo,  n.  17,  p.  73-­‐85,  1995.     32.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Lingüística:  entre  estrutura  e  história.  Cadernos   Ilufba,  Salvador,  n.  7,  p.  23-­‐24,  1995.     33.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  português  são  dois.  Alteridades  (FFCH/UFBA),  


Salvador, n.  2,  p.  67-­‐85,  1995.     34.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Para  uma  caracterização  do  português  arcaico.   DELTA.  Documentação  de  Estudos  em  Lingüística  Teórica  e  Aplicada,  São  Paulo,   n.  10,  p.  247-­‐276,  1994.     35.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Português  brasileiro:  raízes  e  trajetórias  (Para  a   construção  de  uma  história).  Discursos,  Lisboa,  n.  3,  p.  75-­‐92,  1993.     36.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  que  nos  diz  sobre  a  sintaxe  a  pontuação  de   manuscritos  medievais  portugueses.  ABRALIN  (Curitiba),  São  Paulo,  n.  14,  p.  75-­‐ 85,  1993.     37.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  Carta  de  Caminha:  prólogo.  Estudos   Lingüísticos  e  Literários,  Salvador,  n.  13,  p.  103-­‐110,  1992.     38.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Português  brasileiro:  raízes  e  trajetórias  (versão   reduzida).  Ciência  e  Cultura  (SBPC),  Rio  de  Janeiro,  n.  15,  p.  76-­‐81,  1992.     39.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Caminhos  de  mudanças  sintático-­‐semânticas  no   português  arcaico.  Revista  de  Estudos  da  Linguagem,  Belo  Horizonte,  n.  1,  p.  85-­‐ 89,  1992.     40.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Que  gramática  ensinar,  quando  e  por  quê?  Entre   teorias  e  realidades.  Revista  Internacional  de  Língua  Portuguesa,  Lisboa,  n.  4,  p.   153-­‐177,  1991.     41.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Caminhos  de  mudanças  sintático-­‐semânticas  no   português  arcaico.  Cadernos  de  Estudos  Lingüísticos  (UNICAMP),  Campinas,  n.   20,  p.  59-­‐74,  1991.     42.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Uma  avaliação  da  gramática  do  português   contemporâneo.  Publicação  do  Curso  de  Pós  Graduação  Em  Lingüística  e  Língua   Portuguesa,  Araraquara,  n.  IV,  p.  47-­‐62,  1990.     43.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Falar,  ouvir,  escrever,  ler  no  ensino  da  língua   materna.  Hyperion,  Salvador,  n.  1,  p.  47-­‐52,  1990.     44.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Rastros  de  um  velho  mistério!  Sobre  estudos  de   variação  e  mudança  na  fase  arcaica  do  português.  Estudos  Lingüísticos  e   Literários,  Salvador,  n.  10,  p.  153-­‐177,  1990.     45.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Breve  notícia  sobre  a  situação  do  português  no   Brasil.  Seara  Nova,  Lisboa,  n.  1,  p.  28-­‐36,  1989.     46.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Diversidade  lingüística  e  ensino  do  português:   proposições  comentadas.  Revista  Internacional  de  Língua  Portuguesa,  Lisboa,  n.   1,  p.  28-­‐36,  1989.     47.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Língua  portuguesa:  novas  fronteiras,  velhos   problemas.  Revista  Lusitana,  Lisboa,  n.  8,  p.  5-­‐21,  1988.    


48.   MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Diversidade  e  unidade:  a  aventura  lingüística  do   português.  Revista  Icalp,  Lisboa,  n.  11,  p.  60-­‐72,  1988.     49.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Diversidade  e  unidade:  a  aventura  lingüística  do   português.  Revista  Icalp,  Lisboa,  n.  12/13,  p.  12-­‐27,  1988.     50.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Fluxo  e  refluxo:  uma  retrospectiva  da  lingüística   histórica  no  Brasil.  DELTA.  Documentação  de  Estudos  em  Lingüística  Teórica  e   Aplicada,  São  Paulo,  n.  4,  p.  85-­‐114,  1988.     51.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  SER,  ESTAR,  JAZER  e  ANDAR  no  português   trecentista.  Arquivo  do  Centro  Cultural  Português,  Paris,  v.  1,  n.  XXIII,  p.  31-­‐47,   1987.     52.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Viva  o  povo  brasileiro!  Viva  a  língua   portuguesa!.  Quinto  Império,  Salvador,  n.  4,  p.  131-­‐134,  1986.     53.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  diversidade  do  português  brasileiro.  Estudos   Lingüísticos  e  Literários,  Salvador,  n.  5,  p.  35-­‐45,  1986.     54.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  ;  SILVA,  M.  B.  .  Um  traço  d  português  kamayurá.   Um  momento  no  processo  de  aquisição  do  português.  Universitas  Ciência,   Salvador,  n.  35,  p.  93-­‐107,  1985.     55.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Sintaxe  e  grafia:  contribuição  para  a  leitura   critica  de  textos  medievais.  Estudos  Lingüísticos  e  Literários,  Salvador,  n.  4,  p.  85-­‐ 103,  1985.     56.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  PERO  e  PORÉM:  mudanças  em  curso  na  fase   arcaica  da  língua  portuguesa.  Boletim  de  Filologia,  Lisboa,  v.  1,  n.  XXIX,  p.  129-­‐ 151,  1984.     57.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Dizem  que  vai  mal  o  vernáculo  no  Brasil.   Reflexões  sobre  a  língua  portuguesa  e  seu  ensino.  Estudos  Lingüísticos  e   Literários,  Salvador,  n.  1,  p.  106-­‐127,  1984.     58.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  A  formação  de  uma  área  dialetal  do  português.   Ciência  e  Cultura  (SBPC),  São  Paulo,  n.  35,  p.  735-­‐742,  1983.     59.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Reencontro  da  lingüística  e  da  filologia  nos   estudos  diacrônicos.  Linguagem,  Rio  de  Janeiro,  n.  1,  p.  74-­‐82,  1983.     60.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  ;  SILVA,  M.  B.  .  Fatos  fonéticos  do  português   kamayurá.  ABRALIN  (Curitiba),  Rio  de  Janeiro,  n.  5,  p.  141-­‐155,  1983.     61.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Sobre  a  mudança  lingüística:  uma  revisão   histórica.  Boletim  de  Filologia,  Lisboa,  v.  XXVI,  p.  83-­‐92,  1982.     62.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  ;  SILVA,  M.  .  Manifestações  do  processo  de   simplificação  em  um  dialeto  de  contacto.  Boletim  de  Filologia,  Lisboa,  v.  1,  n.   XXVI,  p.  125-­‐151,  1982.    


63.   MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Um  aspecto  do  auxiliar  no  português  arcaico.   Tulane  Studies  In  Romance  Languages  And  Literature,  Tulane,  v.  1,  n.  10,  p.  93-­‐ 109,  1981.     64.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Aspectos  do  contato  lingüístico  no  Brasil.   Universitas,  Salvador,  n.  24,  p.  83-­‐95,  1979.     65.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  estudo  lingüístico  de  um  texto  português  do   século  XIV.  Boletim  de  Filologia,  Lisboa,  v.  XXII,  n.  3  e  4,  p.  263-­‐280,  1973.     66.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  Informação  preliminar  sobre  o  português  falado   nas  aldeia  Kamayurá.  Revista  de  Antropologia  (São  Paulo),  São  Paulo,  n.  XVII-­‐XX,   p.  77-­‐92,  1972.     67.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  As  versões  medievais  portuguesas  dos  Diálogos   de  São  Gregório:  relação  entre  os  manuscritos.  Boletim  de  Filologia,  Lisboa,  v.   XXII,  n.  1  e  2,  p.  17-­‐32,  1971.     68.     MATTOS  e  SILVA,  Rosa  Virgínia  .  O  fichário  mecanográfico  de  um  texto  antigo.   Universitas,  Salvador,  n.  8  e  9,  p.  73-­‐82,  1971.      

Profile for Prohpor

Fragmentos biográficos: Rosa Virgínia Mattos e Silva  

REFERÊNCIA: MACHADO FILHO, Américo V. L. Fragmentos biográficos: Rosa Virgínia Mattos e Silva. 2 ed. revisada e ampliada. Salvador: Quarteto...

Fragmentos biográficos: Rosa Virgínia Mattos e Silva  

REFERÊNCIA: MACHADO FILHO, Américo V. L. Fragmentos biográficos: Rosa Virgínia Mattos e Silva. 2 ed. revisada e ampliada. Salvador: Quarteto...

Profile for prohpor
Advertisement