Notaer - Maio de 2021

Page 1

www.fab.mil.br I Ano XLV I Nº 05 I Maio, 2021

PASSAGEM DE COMANDO

Tenente-Brigadeiro Baptista Junior assume o Comando da Aeronáutica (Págs. 6 e 7) PATRULHA

DIA DAS MÃES

FAB comemora o Dia da Aviação de Patrulha em 22 de maio (Págs. 8 e 9)

A missão de ser mãe e militar na FAB (Pág. 14)


2

Maio - 2021

CARTA AO LEITOR

Expediente

HOMENAGEM E DESPEDIDA Caro leitor, esta edição do Notaer traz em suas primeiras páginas a Ordem do Dia do novo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior. Também consta no Jornal uma reportagem sobre a cerimônia militar de Transmissão do Cargo. O novo Comandante é filho do Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista, que liderou a Instituição no período de 1999 a 2003. Nessa matéria, é possível conferir também o resumo de seu currículo. O Notaer de maio traz, ainda, uma homenagem à Aviação de Patrulha, que comemora a sua história iniciada em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial. A

reportagem destaca os dez anos da chegada da aeronave P-3AM Orion na FAB, bem como suas principais missões e funcionalidades na vigilância das águas territoriais brasileiras. O jornal rende homenagem, também, às militares que são mães na Força Aérea e que acumulam o desejo de serem bem-sucedidas na missão de servir à Pátria e à família. Outra data importante destacada no Notaer deste mês é o Dia dos Peacekeepers, comemorado em 29 de maio. O Brasil possui longo histórico de contribuição para a paz mundial por meio das missões das Organização das Nações Unidas (ONU). Veja, ainda, matéria sobre a

reativação do Comando Aéreo Norte, na cidade de Belém (PA), e do Comando Aéreo Sul, em Canoas (RS). As ações cumprem a Diretriz do Aprimoramento da Reestruturação do Comando da Aeronáutica (COMAER), cujos objetivos são separar as atividades administrativas das operacionais, elevar o nível de prontidão operacional e a capacidade de dissuasão, além de restabelecer a representatividade da FAB em regiões estratégicas. Confira essas e outras reportagens nas próximas páginas. Boa leitura! Brigadeiro do Ar Adolfo Aleixo da Silva Junior Chefe do CECOMSAER

O j o r n a l N OTA E R é u m a publicação mensal do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER) voltado ao público interno. Chefe do CECOMSAER: Brigadeiro do Ar Adolfo Aleixo da Silva Junior Vice-Chefe do CECOMSAER: Coronel Aviador Luis Felipe da Silveira e Eliseu Chefe da Divisão de Comunicação Integrada: Coronel Aviador João Gustavo Lage Germano Chefe da Subdivisão de Produção e Divulgação: Tenente-Coronel Aviador Igor Correa da Rocha Editores: Tenente Jornalista Cristiane dos Santos (MTB 35288/SP) Tenente Jornalista Letícia Faria (MTB 3327/SC) Colaboradores: Textos enviados ao CECOMSAER via SISCOMSAE Revisão Ortográfica e Gramatical: Sargento SST Rogerio Braga Bandeira

MÍDIAS SOCIAIS

REGRAS DE BOA CONDUTA NAS MÍDIAS SOCIAIS

Diagramação: Sargento SDE Pollyana Dias Capa e Artes: Subdivisão de Publicidade e Propaganda

Na dúvida, não publique. Entre em contato com o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER) para esclarecer se o conteúdo é adequado antes de postar.

Estão autorizadas transcrições integrais ou parciais das matérias, desde que mencionada a fonte. Endereço: Esplanada dos Ministérios Bloco “M” 7º andar CEP: 70045-900 Brasília/DF

@fab_oficial /portalfab

/aeronauticaoficial /portalfab

@fab_oficial /faboficial

Impressão e Acabamento: Marina Artes Gráficas e Editora


Maio - 2021

3

PALAVRAS DO COMANDANTE

UMA NOVA DECOLAGEM EM PROL DO BRASIL Prestes a alcançar 46 anos de carreira na ForçaAérea Brasileira, recebi a indicação para assumir o Comando da Aeronáutica. A Instituição chega aos 80 anos de existência vivendo um momento ímpar. Esse fato reveste minha assunção de uma responsabilidade ainda maior. Espero, dentro das previsões legais, exercer os deveres inerentes ao cargo, ao qual entregarei meus conhecimentos, habilidades e esforço, sempre com base nos valores comuns à instituição militar. A FAB, em oito décadas, manteve-se firme no ofício de manter a soberania no nosso espaço aéreo, missão-síntese que irá orientar todas as ações admi-

nistrativas e operacionais durante meu comando. É imprescindível nesse momento que reconheçamos o trabalho árduo de todos aqueles que nos antecederam. Foi norteado pelo labor de abnegados homens e mulheres que nós, integrantes do Comando da Aeronáutica, chegamos até aqui e sentimo-nos orgulhosos por tantas vitórias no fortalecimento do Poder Aeroespacial Nacional. A nossa jornada rumo ao futuro continua, e uma Força Aérea moderna e eficaz será sempre o nosso norte. Nossos projetos estratégicos serão prioritários, pois apenas eles nos permitirão elevar o patamar de operacionalidade da FAB.

Concomitante a isso, trataremos com afinco a valorização dos nossos recursos humanos para que, cada vez mais, sejam capazes de lidar com sistemas de alto nível tecnológico. Daremos continuidade aos nossos processos de formação e aperfeiçoamento. No aspecto do reconhecimento de nosso efetivo, este mês externamos nossa admiração aos integrantes da Aviação de Patrulha, que tem sua data comemorada no dia 22 de maio. Em qualquer lugar, em qualquer profundidade, com qualquer frequência e a qualquer distância, os ouvidos e os olhos dos Patrulheiros estão sempre atentos

e capazes de impedir ações inimigas, fazendo valer os interesses do Brasil em prol de nossa soberania. A todos os meus comandados que escolheram a motivação e o profissionalismo para ocuparem as fileiras da Força Aérea, reforço meu orgulho e a minha esperança de dias ainda melhores. Mesmo em momentos tão difíceis, continuemos fiéis aos esforços de altruísmo que nos guiaram até aqui, mantendo a crença no trabalho incansável em prol da nossa Instituição e do nosso País. Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior Comandante da Aeronáutica


4

Maio - 2021

ORDEM DO DIA

PASSAGEM DE COMANDO DA AERONÁUTICA ORDEM DO DIA

"Dentro de menos de uma hora vou pousar e, estranhamente, não tenho pressa de vê-la passar. Não sinto a menor vontade de dormir. Não tenho nenhuma dor em meu corpo. A noite está fresca e segura. Quero ficar sentado quieto neste cockpite deixar que penetre em mim a percepção do voo que completei... É como lutar para galgar uma montanha, em busca de uma flor rara e, então, quando ela está ao alcance da mão, perceber que a satisfação e o prazer residem mais na busca do que na colheita. Colher e murchar são coisas inseparáveis... Quase chego a desejar que Paris estivesse a mais algumas ho-

ras de distância. É uma pena pousar quando a noite está tão límpida e há tanto combustível no tanque." Com este belo trecho do livro The Spirit of Saint Louis, Charles Lindenberg registrou a passagem pela trigésima segunda hora do primeiro voo sem escalas entre Nova Iorque e Paris, onde pousou em 21 de maio de 1927. Com essas mesmas palavras, imaginei iniciar meu discurso de despedida do serviço ativo, cuja cerimônia havia planejado para o dia 21 de maio próximo, e que encerraria um período de quarenta e seis anos como militar da Força Aérea Brasileira.

Possivelmente por entender o desperdício de um pouso final "quando há tanto combustível no tanque", a Divina Providência resolveu prolongar este meu voo, a partir de agora como Comandante da Força Aérea Brasileira, cujos portões cruzei, pela primeira vez, com apenas quatorze anos. Novamente, a "roda da fortuna" girou, direcionando-me para a mais importante e desafiadora missão da minha vida. Senhor Presidente da República, Jair Bolsonaro Ao ratificar a indicação feita pelo Ministro da Defesa - General Braga Netto para que eu esteja assumindo o Comando da Aeronáutica, o senhor me proporciona encerrar minha vida profissional realizando o sonho de qualquer oficial a quem isso é possível. Como consequência dessa decisão, o senhor me garante a autoridade necessária para, dentro das previsões legais, exercer as responsabilidades inerentes ao cargo, ao qual entregarei meus conhecimentos, habilidades e esforço, sempre com base nos valores comuns à instituição militar, que represento aqui pelo Código de Honra do Cadete da Aeronáutica: Coragem, Lealdade, Honra, Dever e Pátria. Ao agradecer a confiança que o senhor ora deposita em meus ombros, rogo ao Grande Arquiteto do Universo manter-me saudável, firme em minhas convicções e forte em minhas vontades.

Muito obrigado ao senhor Comandante Supremo das Forças Armadas e ao ministro da defesa - amigo desde nossos tempos de major, quando trabalhamos juntos na estruturação do Sistema de Proteção da Amazônia, e a todos quantos torceram pela minha indicação e me apoiam nesta missão de comandar a nossa Força Aérea. Meu muito obrigado, também de forma muito especial, àqueles que me forjaram e me apoiam incondicionalmente, como meus pais e familiares, minha mulher Cristiane e meus filhos e genro, Priscilla, Bruno e Eduardo. A Força Aérea Brasileira, criada há oitenta anos, é a força armada responsável pela defesa da soberania no nosso espaço aéreo, missão - síntese que irá orientar todas as ações, administrativas e operacionais, durante meu comando. A partir do trabalho edificado por aqueles que nos antecederam, seguiremos em nosso processo de evolução contínua, adaptando a estrutura organizacional à estratégia estabelecida, caminhando do possível ao necessário e melhorando nossa eficiência, para que recursos da atividade - meio sejam disponibilizados para o que nos é imprescindível como poder aéreo: os meios pessoais e materiais, representados por nosso efetivo e pelo material necessário ao cumprimento de nossa missão: aeronaves, mísseis,


Maio - 2021

munições, infraestrutura de operação e de controle do espaço aéreo. Uma força aérea moderna e eficaz exige recursos humanos capazes de lidar com sistemas de alto nível tecnológico, fazendo nossos processos de formação e aperfeiçoamento serem contínuos e caros, tornando o desafio de alocar "o homem certo no lugar certo" prioritário em nossas decisões. Cuidemos, pois, dos homens e mulheres que integram nossa Força Aérea: Eles são os nossos tripulantes. Certa vez, em uma base aérea bem distante, li na parede de um hangar de aeronaves: "Primeiro os Homens; a missão, sempre". Da mesma forma como sugere esta frase, teremos o apoio ao nosso efetivo como atividade prioritária, como por sinal sói acontecer, mas não o faremos sobrepujando ou colocando em risco nossa capacidade de cumprir a missão. No meu comando, cumprir a missão ou apoiar nosso efetivo será apenas um falso dilema. Amparados pela contínua parceira com a indústria aeroespacial e pelas atividades de Ciência e Tecnologia, nossos projetos estratégicos serão prioritários, pois apenas eles nos permitirão elevar o patamar de operacionalidade da Força Aérea Brasileira. Nesse sentido, os projetos F-39 Gripen e KC-390, que se constituirão na espinha dorsal da FAB, no ambiente aéreo, pelas próximas décadas, conviverão como incremento do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais, que teve na assinatura do Acordo de Sal-

vaguardas Tecnológicas com os Estados Unidos da América um marco histórico. Ainda sobre esse importante projeto, rogo que consigamos eliminar rapidamente os óbices que se apresentam, como as possíveis indefinições nos limites de autoridades e responsabilidades dos atores envolvidos, sem o que não recuperaremos o tempo perdido nas últimas três décadas. Também na área espacial, temos a oportunidade de não sermos apenas "o país do futuro". Como parte integrante do poder militar brasileiro, ratificamos nossa confiança na capacidade integradora e visão holística do Ministério da Defesa, onde tive o privilégio de servir como Chefe de Operações Conjuntas do EMCFA. Penso que, independente dos recursos disponíveis, nossa capacidade de melhor utilizar o orçamento de defesa passa pela priorização baseada na capacidade desejada, esta oriunda das hipóteses de emprego, que são sempre conjuntas. À Marinha do Brasil e ao Exército Brasileiro, onde integrantes da "Família Baptista" tiveram e têm o privilégio de servir, empenho minha total crença na máxima que ajudei a criar e difundir como integrante do Ministério da Defesa, de que "Juntos Somos Mais Fortes". Tenham, pois, na minha Força Aérea Brasileira a "nossa" FAB. Sabendo da reciprocidade desta visão, rogo a Deus muitas felicidades e realizações aos meus amigos Almirante Garnier e General Paulo Sérgio, que assumem, respectivamente, os coman-

dos da Marinha do Brasil e do Exército Brasileiro. Extrapolando nossas fronteiras, reafirmo os laços de amizade que nos unem às demais forças aéreas, representadas neste evento pelos adidos aeronáuticos acreditados em nosso país, que nos acompanham on-line com as quais trabalharemos incansavelmente pelas nossas forças, por nossos países e pela paz. Sou um militar do meu tempo, atento à importância dos diversos meios de comunicação no objetivo maior de manter nossa sociedade bem informada, para que possa desenvolver sua análise crítica da atualidade, propor melhorias nas políticas existentes e aperfeiçoar a participação de cada cidadão. Nesse sentido, as portas da Força Aérea estarão abertas para informar, com precisão e oportunidade, sobre nossas atividades cotidianas ou fatos excepcionais, mas dentro de uma relação profissional e respeitosa, mesmo que tenhamos, ao final, perspectivas diferentes sobre o mesmo mundo. Aos integrantes da Força Aérea, usuários das diversas mídias sociais, oriento para que suas participações não ultrapassemos limites estabelecidos pelo manual de conduta sobre o assunto, abstendo-se de colocar em risco nossa imagem institucional ou características de comportamento que nos são caras, como a cortesia e a polidez. Meus Comandados O privilégio e a honra que sinto por comandá-los é algo que jamais conseguirei traduzir em palavras. A exemplo

5

do que fiz em todos meus comandos anteriores, minha primeira ordem a cada um é "sejam felizes". Ser feliz é uma arte, ao invés de ciência. Vocês serão melhores profissionais se estiverem felizes. Fazemos parte de uma parcela da população brasileira que tem oportunidades, orientações, saúde e trabalho, na mais respeitada instituição deste País: as Forças Armadas. Valorizem esta situação, mantenham a crença na sua Força Aérea e nos homens que a conduzem. Não tenham dúvidas de que os princípios e valores que nos amparam, como a hierarquia e disciplina, serão mantidos como pilares básicos. Valorizem, também, sua participação neste "conjunto de todo eficaz" que representamos. Finalmente, reitero minha crença de ser um privilégio comandar homens livres, que têm na tradição dos Bandeirantes do Ar serem "um punhado de amigos a vibrar de emoção". Na certeza de que estamos prontos para esta próxima decolagem, a serviço da população brasileira e dentro de nossos limites de autoridade e responsabilidade, resta-me pedir a proteção de Deus para que possamos cumprir nossa missão de "manter a soberania do espaço aéreo e integrar o território nacional, com vistas à defesa da Pátria". Muito obrigado. Brasília, 12 de abril de 2021 Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior Comandante da Aeronáutica


6

Maio - 2021

FOTO: SGT BIANCA VIOL / CECOMSAER

PASSAGEM DE COMANDO

TENENTE-BRIGADEIRO BAPTISTA JUNIOR ASSUME O COMANDO DA FAB O OFICIAL-GENERAL DESTACOU QUE DARÁ CONTINUIDADE AOS TRABALHOS EM ANDAMENTO DA INSTITUIÇÃO Ten JOR Raquel Alves O Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior assumiu o cargo de Comandante da Força Aérea Brasileira em solenidade militar realizada no dia 12 de abril, na Ala 1, em Brasília (DF). A cerimônia também marcou a despedida da FAB do Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, que esteve à frente da Instituição desde janeiro de 2019. Após 46 anos de dedicação à Força e pouco mais de dois anos à frente da Instituição, o Tenente-Brigadeiro Bermudez passou às mãos do Tenente-Brigadeiro Baptista Junior

o Bastão de Comando, e, em suas palavras de despedida, agradeceu a todos que cooperaram no período em que esteve no Comando. "Aos meus subordinados, homens e mulheres, militares e civis do Comando da Aeronáutica, como falei em minha recente mensagem ao efetivo, deixo a certeza de que estamos na proa certa. O suor do nosso trabalho constitui uma inestimável herança que jamais será esquecida pelo povo brasileiro. Mantenham-se firmes e coesos, cumprindo a missão de garantir a soberania do nosso espaço aéreo. Muito obrigado pela oportunidade de comandá-los”, disse o Te-

nente-Brigadeiro Bermudez. Na mesma solenidade, foram prestadas homenagens ao Tenente-Brigadeiro Bermudez. Como símbolo do ato e gesto de reconhecimento e respeito, para custódia definitiva, foi entregue o Espadim de Cadete da Aeronáutica, marco inicial de sua carreira. O Ex-Comandante foi agraciado com a insígnia de Tenente-Brigadeiro do Ar oferecida pelo Capitão Aviador José Antônio de Paula Roque, oficial que o acompanhou como assistente nos últimos anos da carreira. O Oficial-General recebeu, ainda, do novo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro

Baptista Junior, e de sua esposa, Cristiane Baptista, uma recordação da Força Aérea Brasileira como símbolo do dever cumprido. O novo Comandante da FAB, que foi indicado para o cargo no dia 31 de março de 2021 e estava à frente do Comando-Geral de Apoio (COMGAP), soma mais de 46 anos dedicados à vida militar e comentou sobre as expectativas do seu Comando. “Vamos dar continuidade ao que vinha sendo feito. Logicamente, algumas prioridades podem ser mantidas, mas a linha básica é a proa que estamos andando nesses últimos 80 anos”, pontuou.


Maio - 2021

FOTO: SGT BIANCA VIOL / CECOMSAER

NOVO COMANDANTE

Natural de Fortaleza (CE), o Tenente-Brigadeiro Baptista Junior ingressou na Força Aérea Brasileira em 03 de março de 1975 e foi promovido ao atual posto em 31 de março 2018.

Durante a carreira, assumiu o comando, a chefia e a direção de diferentes organizações da FAB, entre elas, foi o primeiro Comandante do 2º/6º Grupo de Aviação – Esquadrão Guardião; Co-

mandante da Base Aérea de Fortaleza; Adjunto do Adido de Defesa e Aeronáutica nos Estados Unidos; Subchefe de Apoio do Comando-Geral de Apoio; Presidente da Comissão Coordenadora

7

do Programa Aeronave de Combate; Chefe do Subdepartamento de Desenvolvimento e Programas; Comandante do Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro; Diretor da Diretoria de Material Aeronáutico e Bélico; Vice-Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica; Chefe de Operações Conjuntas do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Ministério da Defesa; e Comandante do Comando-Geral de Apoio. O Oficial-General é oriundo das Aviações de Caça e de Reconhecimento. Possui 4 mil horas de voo, sendo 2.200 horas em aeronaves de caça. Já voou as seguintes aeronaves: T-23, T-25, AT-26, C-95, T-27, U-7, U-42, F-103, F-5, VC-99, E/R-99 e C-98B.

FOTO: SGT BIANCA VIOL / CECOMSAER

FOTO: SGT BIANCA VIOL / CECOMSAER

EXPERIÊNCIAS QUE PASSAM DE PAI PARA FILHO

FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

Tenente-Brigadeiro Bermudez recebe o espadim de Cadete da Aeronáutica

Prestigiaram a solenidade o Presidente Bolsonaro, o Vice-Presidente Mourão e o Ministro da Defesa General Braga Netto

O novo Comandante é filho do Ex-Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista, que liderou a Instituição no período de 1999 a 2003. O Oficial-General da reserva não escondeu a felicidade em ver que o filho seguiu seus passos. “É o momen-

to mais significativo da minha vida. A gente vive pela família, e quando eu vejo um descendente direto meu, depois de ter passado por tantas posições que eu passei, agora assumindo a mais relevante posição na carreira, meu peito se enche de orgulho”, declarou.


8

Maio - 2021

FOTO: CB SILVA LOPES / AGÊNCIA FORÇA AÉREA

AVIAÇÃO DE PATRULHA

FORÇA AÉREA CELEBRA DEZ ANOS DO AVIÃO P-3 AM, O GUARDIÃO DO PRÉ-SAL AVIÕES DE PATRULHA MARÍTIMA SÃO EMPREGADOS NA VIGILÂNCIA DAS ÁGUAS JURISDICIONAIS BRASILEIRAS Ten JOR Cristiane dos Santos

A Força Aérea Brasileira (FAB) comemora, em 22 de maio, o Dia da Aviação de Patrulha. A data lembra a ação de pilotos brasileiros em meio à Segunda Guerra Mundial, quando atacaram, em 1942, a bordo de uma aeronave B-25 Mitchell, o submarino italiano Barbarigo, que, quatro dias antes, havia lançado torpedos contra o navio mercante brasileiro Comandante Lyra. Atualmente, a FAB conta

com três Esquadrões responsáveis por vigiar o território marítimo brasileiro, que corresponde a uma área de aproximadamente 3,5 milhões de km². Para cumprir tal missão, o Esquadrão Orungan (1°/7° GAV) possui em sua dotação as aeronaves P-3 AM Orion e RQ-1150 Heron; e os Esquadrões Phoenix (2°/7° GAV) e Netuno (3°/7° GAV), as aeronaves P-95 BM – Bandeirulha. Esses aviões se destacam por possuir características específicas, tais como longo

alcance e grande autonomia. Além disso, empregam modernos sensores capazes de ampliar as capacidades de seus tripulantes na proteção de nossas riquezas. Rotineiramente, os Esquadrões de Patrulha são engajados, dentre outras ações, em missões de acompanhamento do tráfego marítimo no litoral brasileiro, fiscalização contra a pesca ilegal e contra a exploração da biodiversidade, além de coibir a poluição das águas territoriais brasileiras e realizar a vigilância para

inibir o contrabando e demais crimes transfronteiriços realizados no meio marítimo.

PRÉ-SAL O Brasil está entre os países que possuem as maiores reservas de petróleo do mundo, com grandes acumulações de óleo leve de excelente qualidade e com alto valor comercial. Toda essa riqueza se encontra no Oceano Atlântico, na Zona Econômica Exclusiva brasileira, cabendo à Aviação de Patrulha, por meio das aeronaves P-3 AM e P-95 BM, a responsabilidade pela vigilância dessa área.


Maio - 2021

9

Além da vigilância dessa área estratégica, a Aviação de Patrulha possui um papel determinante nas missões de Busca e Salvamento. Por força de acordos firmados com a Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) e a Organização Marítima Internacional (OMI), a área brasileira de responsabilidade SAR, do inglês Search And Rescue, abrange todo o território nacional e avança 3 mil km no Oceano

Atlântico até o meridiano 10 W, totalizando 22 milhões de km². Os Esquadrões de Patrulha da FAB também atuam em apoio aos países vizinhos, como ocorreu na Operação Paso Drake, quando houve envolvimento da aeronave P-3 AM nas buscas ao C-130 da Força Aérea Chilena que desapareceu a caminho da Antártida, em 2019; e no apoio à Marinha da Argentina para tentar encontrar o Submarino ARA San Juan, que desapareceu em 2017.

FOTO: SGT JOHNSON BARROS / AGÊNCIA FORÇA AÉREA

BUSCA E SALVAMENTO

Aeronave P-95 também atua na Aviação de Patrulha

RECONHECIMENTO As aeronaves de Patrulha Marítima também realizam missões de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento (IVR). Para tanto, os tripulantes utilizam os sensores Neste ano, a FAB também celebra os dez anos da chegada do P-3 AM Orion. Operada pelo Esquadrão Orungan, a aeronave modernizou a Aviação de Patrulha e recuperou a capacidade da FAB de detectar, localizar, identificar e, se necessário, destruir submarinos, a chamada Guerra Antissubmarino (ASW, na sigla em inglês). Além da capacidade ASW, o P-3 AM também carrega poderosos armamentos, como os mísseis antinavio Harpoon,

de Guerra Eletrônica aeroembarcados. A tecnologia de ponta empregada nesses equipamentos incrementa a capacidade de obtenção e interpretação de imagens e

sinais eletromagnéticos, bem como auxilia na confecção dos relatórios oriundos das missões realizadas. No ano de 2020, o 1º/7º GAV incorporou à sua dotação

UMA DÉCADA DO P-3 AM ORION capazes de neutralizar embarcações de guerra a uma distância além do alcance visual. Com quatro motores, a aeronave tem grande autonomia, podendo permanecer em voo durante 16 horas. Além disso, possui modernos sensores eletrônicos embarcados, conferindo ao P-3 AM a capacidade estratégica de vigilância marítima de longo alcance. O Comandante do Esquadrão Orungan, Tenente-Coronel Aviador Marcelo

de Carvalho Trope, destaca a contribuição da aeronave para o cumprimento da missão da FAB. “Desde sua chegada à FAB, o P-3 AM demonstrou ser um vetor aéreo com capacidade de emprego mundial. Com ele, foram realizadas missões de Patrulha Marítima em apoio a Cabo Verde, missões de treinamento com grande destaque para o desempenho de nossos tripulantes na Escócia e em Portugal, além de várias missões de Busca e Salvamento

aeronaves remotamente pilotada, fato que representa um marco definitivo no emprego dos Esquadrões de Patrulha nas Ações de Força Aérea de Reconhecimento. em apoio a nações amigas, como, por exemplo, Argentina e Chile”, afirmou. Ainda exaltando a importância desse vetor aéreo para a FAB, o Tenente-Coronel Trope complementa: “As características desse avião garantem ao Brasil um grande poder dissuasório. Além disso, com o Orion, a FAB resgatou a capacidade de Guerra Antissubmarino, voltando a atuar em todas as vertentes do combate no Teatro de Operações Marítimo”.


10

Maio - 2021

FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

APRIMORAMENTO DA REESTRUTURAÇÃO

A Força Aérea Brasileira (FAB) reativou o Comando Aéreo Norte (I COMAR), na cidade de Belém (PA), e o Comando Aéreo Sul (V COMAR), em Canoas (RS), durante cerimônias militares nos dias 5 e 16 de abril, respectivamente. A ação cumpre a Diretriz do Aprimoramento da Reestruturação do Comando da Aeronáutica (COMAER), cujos objetivos são separar as atividades administrativas das operacionais, elevar o nível de prontidão operacional e a capacidade de dissuasão, além de restabelecer a representatividade regional da FAB. Na capital paraense, a cerimônia militar foi presidida pelo então Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do

Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez. Na ocasião, o Major-Brigadeiro do Ar Mauricio Augusto Silveira de Medeiros foi empossado no cargo de Comandante do Comando Aéreo Norte. "Nosso foco estará na supervisão, na coordenação e no controle da gestão administrativa das Organizações Militares subordinadas", destacou o Major-Brigadeiro Medeiros.

FOTO: V COMAR

Ten JOR Flávia Rocha

COMANDOS AÉREOS NORTE E SUL SÃO REATIVADOS FAB REATIVOU O COMANDO AÉREO NORTE (I COMAR), EM BELÉM (PA), E O COMANDO AÉREO SUL (V COMAR), EM CANOAS (RS) Na cidade de Canoas (RS), a solenidade foi presidida pelo Secretário de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar José Augusto Crepaldi Affonso. Na oportunidade, houve a transmissão de cargo de Comandante da Ala 3, do Brigadeiro do Ar Mauro Bellintani ao Coronel Aviador Luciano Cantuária Pietrani. Na sequência, o Brigadeiro Bellintani foi empossado no cargo de Comandante do Comando Aéreo Sul. “O V COMAR trabalhará em prol da melhoria contínua por meio da supervisão administrativa e incrementará a representação do Comando da Aeronáutica em toda a região Sul do Brasil”, destacou o

Brigadeiro. O I COMAR terá jurisdição e missão de representar o Comando da Aeronáutica em três estados do País: Pará, Maranhão e Amapá. Enquanto isso, o V COMAR representará o COMAER no Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Anteriormente, a FAB já havia reativado o Comando Aéreo Leste (III COMAR), localizado no Rio de Janeiro (RJ); o Comando Aéreo Nordeste (II COMAR), em Recife (PE); o Comando Aéreo Planalto (VI COMAR), em Brasília (DF); e o Comando Aéreo Amazônico (VII COMAR), em Manaus (AM). O próximo a ser reativado será o Comando Aéreo Sudeste (IV COMAR), em São Paulo.

Reativação do V COMAR, em Canoas (RS), marca mais uma etapa do cronograma do Aprimoramento da Reestruturação do Comando da Aeronáutica


Maio - 2021

11

INSTITUCIONAL

COMGEP FARÁ PESQUISA PARA IDENTIFICAR NÍVEL DE SATISFAÇÃO DO EFETIVO DA FAB OBJETIVO É MAPEAR OS NÍVEIS DE SATISFAÇÃO E DE MOTIVAÇÃO DOS MILITARES COM RELAÇÃO ÀS CONDIÇÕES DE TRABALHO E SERVIÇOS PRESTADOS PELA ADMINISTRAÇÃO Ten JOR Raquel Alves Ten JOR Letícia Faria A pesquisa será realizada pelo Comando-Geral do Pessoal (COMGEP) e está prevista na Diretriz de Planejamento Institucional (DCA 11-118/2020), que estabelece a necessidade de haver o acompanhamento e o mapeamento do nível de satisfação do efetivo da Força Aérea Brasileira (FAB). O formulário estará disponível para preenchimento de 1º a 30 de junho de 2021, e será enviado a todo efetivo por meio do email institucional. O objetivo é obter a análise dos índices, com relação às condições de

trabalho bem como aos diversos serviços prestados pela Administração, identificando os fatores que possam interferir, de forma positiva ou negativa, no estado emocional do efetivo. Tem também como norte a visão do COMGEP, que é ser reconhecido pela excelência na aplicação de modernas práticas de gestão de pessoas para promover elevados níveis de produtividade, motivação e satisfação dos militares e servidores civis do Comando da Aeronáutica (COMAER). O formulário contém 80 questões e poderá ser respondido anonimamente. O Chefe do Estado-Maior do COMGEP, Major-Brigadei-

ro do Ar Valdir Eduardo Tuckumantel Codinhoto, ressalta o foco da pesquisa de satisfação interna. “É a ferramenta mais sólida que se dispõe para executar mudanças na estratégia de gestão de pessoas da Aeronáutica. Por meio dela, é possível saber com profundidade como o efetivo se sente em relação ao trabalho e como isso afeta sua rotina”, completa o Oficial-General. De acordo com a Chefe da Divisão de Psicologia Operacional Aplicada do Instituto de Psicologia da Aeronáutica (IPA), Organização Militar que também atua na realização da pesquisa, Tenente Psicóloga Bianca Silveira Rovella, a pesquisa reflete a preocupação

e o interesse da FAB em seu bem mais valioso: os recursos humanos. "A pesquisa funciona como uma ferramenta essencial para ajudar a priorizar, a partir de um ranking de necessidades, as ações gerenciais mais emergenciais. Proporcionar um ambiente de trabalho saudável é a peça chave para a motivação e engajamento de seus trabalhadores”, finaliza a Oficial. Ao preencher o formulário, o servidor responderá questões como Condições de Trabalho; Organização do Trabalho; Gestão de Pessoas; Motivação; Apoio à Saúde; Prestação de Serviços; Transporte; Subsistência; e Fardamento. Participe para melhoria, ajude a Força Aérea, sua resposta fará a diferença.


12

Maio - 2021

REVO

Ten JOR Raquel Alves O projeto KC-390 Millennium deu mais um salto importante no desenvolvimento e na certificação das suas capacidades operacionais. No dia 26 de março, em Gavião Peixoto (SP), foram realizados testes de Reabastecimento em Voo (REVO) utilizando duas aeronaves KC-390. Após intenso desenvolvimento dos sistemas de controle fly-by-wire e da verificação das funcionalidades do sistema de combustível, pilotos e engenheiros de ensaio do Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV), Organização Militar subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), realizaram o voo de certificação. O objetivo foi verificar a versatilidade da aeronave em realizar o

processo de reabastecimento em voo, ou seja, desde o seu posicionamento em relação ao avião reabastecedor até o acoplamento da mangueira para realizar a transferência de combustível. Todas as atividades foram supervisionadas por engenheiros do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), responsável pelo processo de certificação. “O voo de certificação do par KC-390 é um marco importante no projeto. As características de pilotagem da aeronave com o sistema de controle desenvolvido ficaram bem adequadas e intuitivas ao piloto, permitindo uma pilotagem precisa, o que aumenta as chances de sucesso na missão de REVO, que por si só já tem dificuldades operacionais relacionadas à natureza da missão

FOTOS: IPEV/EMBRAER

REABASTECIMENTO EM VOO DO KC-390 MILLENNIUM É CERTIFICADO PELO DCTA

Pilotos e Engenheiros do IPEV realizaram o voo de certificação com uma aeronave do porte do KC-390”, complementa

O reabastecimento em voo teve como objetivo verificar a versatilidade da aeronave

o Diretor do IPEV e piloto de ensaio que participou do voo de certificação, Coronel Aviador Marcelo Zampier Bussmann. Ao término do processo, as aeronaves operacionais receberão modificações para utilizarem as funcionalidades de REVO, o que permitirá que o Primeiro Grupo de Transporte de Tropa (1º GTT) - Esquadrão Zeus, que já opera a aeronave, passe a realizar essa Ação de Força Aérea, maximizando a capacidade de emprego da aeronave KC-390 Millennium.


Maio - 2021

13

PEACEKEEPERS

MILITARES DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA CUMPREM MISSÕES DE PAZ NA REPÚBLICA CENTRO-AFRICANA, NO SUDÃO DO SUL, NA REPÚBLICA DO SUDÃO, NO SAARA OCIDENTAL E NA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO Ten JOR Flávia Rocha No dia 29 de maio é comemorado o Dia Internacional dos Peacekeepers. Esses militares conhecidos também como "boinas azuis" atuam em missões de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) em vários países. Atualmente, há participação de dez Oficiais da Força Aérea Brasileira (FAB) em cinco missões pelo mundo: na República Centro-Africana, no Sudão do Sul, na República do Sudão, no Saara Ocidental e na República Democrática do Congo. Na Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA), a participação do Oficial da Força Aérea é a de coordenar o emprego de drones, fornecendo dados para a Seção de Inteligência viabilizar as operações no terreno das unidades

militares desdobradas. Enquanto isso, na Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS), os integrantes da FAB desenvolvem o planejamento e a coordenação do emprego de meios aéreos disponíveis, tanto no apoio de reconhecimento aéreo como, também, no transporte logístico. Já na Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO), um destaque é a expansão da atuação da primeira Oficial da Força Aérea Brasileira, a Major Intendente Luanda dos Santos Bastos, que realiza sua segunda missão de paz, responsável por gerenciar temas relacionados aos direitos humanos (campanhas de prevenção contra o abuso infantil, exploração sexual, violência relacionada a conflitos). "Tenho muito orgulho de ter sido a primeira mulher da FAB, em missão individual, a servir

FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

FAB PARTICIPA DE CINCO MISSÕES DE PAZ DA ONU PELO MUNDO

no Sudão e agora na República Democrática do Congo", afirma a Oficial. A missão conta também com a atuação de mais dois oficiais, um desempenhando ações de coordenação entre o comandante militar da missão e organizações civis desdobradas no terreno, e outro atuando como instrutor de Guerra na Selva para capacitar militares das tropas no terreno, respectivamente. Além disso, na Força Interina de Segurança das Nações Unidas para Abyei (UNISFA) e na Missão das Nações Unidas para o Referendo no Saara Ocidental (MINURSO), militares da Força Aérea atuam na interação com a população e como

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Major Luanda, primeira Oficial da FAB a atuar como Peacekeeper, realizando briefing diário, em 2018

Observadores Militares da FAB, no cumprimento dos termos estabelecidos nas respectivas resoluções do Conselho de Segurança da ONU. De acordo com o Chefe da Segunda Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica, Brigadeiro do Ar Paulo Roberto de Carvalho Júnior, a participação de integrantes da FAB, juntamente com os demais representantes das outras Forças Armadas, permite a projeção do País, por meio da demonstração do alto nível de preparo de nossos militares para as ações do componente militar, em prol do alcance da estabilidade nas regiões geográficas sob a tutela da ONU. “Soma-se a isso, a oportunidade de se aprimorar a doutrina, ratificando o sucesso da contribuição brasileira no esforço multilateral para a manutenção da paz mundial”, completa. A celebração do Dia Internacional dos Peacekeepers relembra o dia 29 de maio de 1948, quando foi enviada a primeira Missão de Paz das Nações Unidas com militares alocados no Oriente Médio que tinha o objetivo de monitorar o cessar-fogo, prevenir a escalada de novos conflitos e supervisionar os acordos de paz da guerra árabe-israelense.


14

Maio - 2021

DIA DAS MÃES

CARREIRA PROFISSIONAL E A MISSÃO DE SER MÃE E MILITAR Asp REP Wanessa Liz

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

A rotina de uma mulher é bastante agitada. Enfrentar a vida profissional e a maternidade pede atenção, especialmente quando a missão precisa ser cumprida, também, em consonância com a vida militar. A primeira coisa que vem à cabeça é a necessidade de algumas horas a mais no dia para dar conta das inúmeras tarefas atribuídas – as de casa com os filhos e, também, as da caserna.

A auxiliar da Assessoria de Comunicação Social da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), Sargento Mara Rúbia do Nascimento Ferreira, que está no seu nono mês de gestação, conta que é possível ser mãe e construir uma carreira. “A maternidade nos mostra que somos capazes de muito mais do que imaginávamos. Trabalhar durante a gravidez, mesmo de forma remota, me faz enxergar o quão poderosa é a mulher. Cumprir o meu dever, carregando meu filho no ventre, me fez ver as mil facetas de uma mãe. Ora assumindo o papel de militar, ora somente o seu papel de mãe, mas sempre tendo a noção que um não anulava o outro”, comenta. Para a Major Intendente Joice Costa Lima Da Silva, da Diretoria de Economia e Finanças da Aeronáutica (DIREF), mãe de cinco filhos, a missão de ser mãe e militar é

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

O DESEJO DE SER BEM-SUCEDIDA NO MERCADO DE TRABALHO E NA FAMÍLIA

servir à Pátria deixando para a sociedade homens e mulheres fortes, honrados e dignos, que darão o seu melhor no futuro se forem bem educados por mães zelosas e cientes dessa responsabilidade. “A maternidade me ajudou a ser uma profissional melhor na medida em que passei a dar importância para situações re-

almente relevantes e aproveitar ao máximo o meu tempo no trabalho”, disse. A Oficial afirma que, para conciliar as duas missões, é necessário muito planejamento, estudo e, acima de tudo, um coração servil e abnegado. “Nenhum esforço será em vão e a recompensa virá no tempo certo”, complementou.

PENSANDO EM INTELIGÊNCIA

SENHA SEGURA Senha faz parte da autenticação de um usuário, assegurando que este é realmente quem diz ser. Caso outra pessoa possua a sua senha, ações indesejadas podem acontecer, como o acesso à sua conta de correio eletrônico para ler seus e-mails, acesso ao seu computador para obter informações sensíveis, utilização do seu computador para realizar frau-

des, acesso à sua rede social etc. Para evitar esses transtornos, uma das medidas mais eficazes é o uso de senhas fortes. Esse tipo de limitador pode evitar que suas contas online sejam invadidas. Para confeccionar uma senha forte, devem ser observados o tamanho (tente usar pelo menos 10 ou 12 caracteres); a dificuldade para alguém adivinhar (evite sequências, como "123456"

ou "datas de nascimento"); e a existência de tipos variados de caracteres (letras minúsculas e maiúsculas, símbolos e números devem fazer parte); além disso, evite substituições óbvias de caracteres (por exemplo, usar o número zero "0" no lugar da letra "O", o caractere “@” no lugar da letra “A”) e utilize combinações de palavras incomuns (escolha algo que faça sentido, mas que

seja difícil para os computadores adivinharem). É importante, também, evitar senhas já utilizadas anteriormente. Um exemplo de senha forte é a junção de palavras, sendo cada uma com quatro letras pelo menos, sendo as duas primeiras letras de cada palavra substituídas por números e símbolos. Por exemplo: "?0va#3ta?4ow" em vez de "novametashow".


Fevereiro - 2021

15

ENTRETENIMENTO

CAÇA PALAVRAS A Aviação de PATRULHA da Força Aérea Brasileira (FAB) conta com três Esquadrões de voo e tripulações treinadas: ORUNGAN (1°/7°GAV), sediado em Santa Cruz (RJ); PHOENIX (2º/7°GAV), em Canoas (RS); e NETUNO (3º/7°GAV), em Belém (PA). Atualmente, os Esquadrões operam as aeronaves P-3AM ORION e P-95BM BANDEIRULHA para VIGIAR, 24 horas por dia, uma área de 13,5 milhões de km² sobre o LITORAL brasileiro. Fonte: Agência Força Aérea