__MAIN_TEXT__

Page 1

FEV/MAR#01’2016 digital issuu PNL-PORTUGAL Magazine do Instituto de Programação NeuroLinguística PNL-PORTUGAL. Integramos os desenvolvimentos mais atuais da PNL no mundo. Evidenciamos as infinitas possibilidades do inconsciente humano e a realização pessoal plena de significado de vida.

1


FICHA TÉCNICA Director editorial José Figueira www.pnl-portugal.com Edição Gráfica TheBOX-Studio17 Direcção de arte João Mello Fotografia / edição Rui Pereira

COLABORADORES NESTA EDIÇÃO Ana Melo Trainer de PNL Gestora e fotógrafa por paixão José Figueira Trainer de PNL Formador www.josefigueira.pt Lurdes Gameiro Trainer de PNL Formadora Massimo Forte Practitioner de PNL Formador especialista em Imobilário www.massimoforte.com Rita Aleluia Master de PNL Jornalista e viajante por paixão www.milesinfamily.blogspot.pt

2


EDITORIAL PNL MAG #01

PNL MAGAZINE É um projeto que levou alguns anos a nascer. Há muito que queríamos oferecer uma revista de Programação NeuroLinguística aos nossos cursistas e outros interessados, uma revista que nos mantenha ligados ao mesmo tempo que disponibilize informação e nos mantenha em contacto com o vasto mundo da PNL sempre em renovação. Fomos os primeiros em Portugal a certificar oficialmente e a expandir de forma sistemática esta metodologia. Realizámos centenas de cursos, blogámos intensamente, disponibilizámos artigos que acabaram já por resultar em dois livros, sobretudo fizemos chegar ao conhecimento geral novos desenvolvimentos vindos do mundo da PNL. Mas fi-lo praticamente sempre como único autor. Hoje, começamos a ter um grande número de pnlianos com as suas próprias perspetivas e achamos por bem lançar PNL Magazine de forma bimensal onde esperamos ter o primor de publicar artigos dos nossos cursistas e de figuras internacionais do mundo da PNL. Em “Nothing is real…” falo do que pretendemos com a PNL: uma vida mais livre e preenchida de significado, maior satisfação íntima e autorrealização, prazer, desenvolver estratégias de pensamento com maior su-

cesso para uma comunicação mais efetiva, uma melhor compreensão do que queremos na vida, uma maior congruência pessoal ao serviço de um mundo melhor. Qual é a diferença entre alimento, medicamento e veneno? pergunta-nos Lurdes Gameiro, especialista na área da saúde e trainer certificada de PNL. Um curso de PNL serve para me ajudar a ouvir-me, a sondar-me… a perceber porque é que me dói aqui e ali e tratar da causa. Interroga-se sobre a duração de um Practitioner, o curso mais básico de PNL. Justifica uma duração minimal com esta pergunta: quero trazer no bolso um comprimido para a dor de cabeça ou quero aprender a evitá-las? Massimo Forte, consultor, coach, professor académico, autor, formador, trabalhando nas maiores redes de franchising da mediação imobiliária, conhecedor das novas tendências no desenvolvimento dos mercados mundiais cada vez mais direcionados ao “serviço”, fala-nos de vendas. Vender é importar-se com os outros, é ajudar e compreender o outro. É ouvir atentamente, pormo-nos no lugar do outro e perguntar-se sobre o que poss fazer por ele. Querer ser melhor mãe. Para isso viajar sendo ela mesma a sua

própria companhia. É o que Rita Aleluia, jornalista e master de PNL nos conta recordando a sua estadia no NTI NLP (Instituto Holandês de PNL). E regressar melhor mãe, poder estar no aqui e agora, focada, com a capacidade de saber amar e perdoar incondicionalmente, voltar “feiticeira certificada”. Não resisto em citar: “quando mostramos os nossos corações aos nossos filhos, eles mostram-nos o deles também, dá-se a conexão… o amor é sempre a resposta!” Por fim, Lucas Derks, o autor do Panorama Social que percorre o mundo espalhando “A Nova Psicologia do Espaço Mental”, diz-nos como isso se faz: “para Amar terás de colocar a pessoa amada no LOCAL AMOR no teu espaço mental. Onde as pessoas se localizam no panorama irá reger a qualidade emocional dos relacionamentos”. E quem quiser saber mais pode aprender com ele, ao vivo, no Estoril, já em abril próximo. Pela sétima vez o Dr. Lucas Derks estará connosco para mais um curso para formar consultores do Panorama Social Mental. Desejo-vos agradável leitura e muita inspiração, José Figueira

3


4


EDITORIAL NOTHING IS REAL A NOVA PSICOLOGIA DO ESPAÇO MENTAL

3 6 10

A COMPREENSÃO DO OUTRO É A BASE DE QUALQUER VENDA

16

A MÃE FOI... E NÃO VOLTOU A MESMA

20

SOBRE A DURAÇÃO DE UM PRACTITIONER

24

ALGUNS PRESSUPOSTOS GERAIS DA PNL

27

AGENDA

28

NÓS

30

5


NOTHING IS

REAL Artigo de José Figueira Trainer de PNL

6


Talvez que um dos grandes problemas das pessoas (das organizações e da comunidade) é ficarem aprisionadas naquilo que em PNL chamamos o seu “modelo do mundo”, quer dizer, adotar inconscientemente uma única perspetiva de si e do mundo e considerarem-na como única verdade. O grave é que nem sequer temos consciência disso.

A PNL não é simplesmente, como muitos pensam, um conjunto de técnicas para realizar objetivos popularmente denominados de sucesso e excelência. É, na verdade, abrir o caminho para a multiplicidade de perspetivas, inovação, fluir sem esforço na obtenção e realização de novos caminhos que permitam um maior grau de satisfação íntima e auto realização integrada A Programação NeuroLinguística no crescimento contínuo dos con(PNL) que surgiu no Palo Alto nos textos em que nos movemos. anos 70, fruto da investigação de figuras fora do vulgar na altura, sob Na prática da PNL tomamos consa inspiração dos insubmissos Band- ciência da estrutura do pensamenler, Grinder e Pucelik, tem como fim to, como influenciamos os nossos a tomada de consciência do piloto estados sensoriais, o papel da fiautomático que faz de nós máqui- siologia, o poder das crenças, o nas de repetição e oferece-nos as significado dos valores, o impacto ferramentas para a criação de uma das emoções, etc. Com o conhevida mais livre e preenchida de sig- cimento destas estruturas e uso nificado. das técnicas correspondentes podemos, finalmente, começar a ter Continua a ser desenvolvida indi- um pouco de maior controlo sob vidualmente pelos seus autores e a nossa existência como seres mais tem sido enriquecida por figuras livres e adaptar, readaptar ou raditais como Dilts, Andreas, James e calmente encetar um novo camitodo um cortejo inominável de gé- nho de vida. nios. Assim possuímos hoje uma epistemologia, método e ferramentas altamente práticas para nos compreendermos a nós mesmos, o nosso funcionamento e as estruturas de como podemos atingir o que desejamos desde que os objetivos se enquadrem ecologicamente no que somos como pessoa total, em harmonia com os contextos em que nos movemos e no quadro maior da realização dos nossos significados de vida.

PARA QUE SERVE UM CURSO DE PNL?

Uma formação Practitioner em PNL tem como fim ajudar-nos a aceder aos recursos que não estamos a utilizar, como se o problema estivesse num diretório do nosso cérebro e a resposta noutro diretório. E os dois diretórios não soubessem como entrar em relação um com o outro. A PNL possui todo um arsenal de ferramentas que nos permite fazer ligações e encontrar dentro de nós o ficheiro adequado. Ao ficheiro adequado dá-se o nome de “recurso”. Quando se aplica o “recurso” adequado no Estado Atual (no “problema”) atinge-se então o Estado Desejado (a “solução”).

Tudo o que fazemos nos cursos oficiais de Programação NeuroLinguística, como é o caso do Practitioner, é uma tomada de consciência crescente do funcionamento de Todos temos dentro de nós os re- nossa mente e a aprendizagem de cursos necessários para resolver os inúmeras ferramentas para melhor problemas que queremos resolver nos autogerirmos a nós mesmos e e atingir os objetivos que quere- aos outros. mos realizar.

7


entre o trabalho e a vida privada, aprender novas ferramentas para melhorar a comunicação e, fundamentalmente, maior sucesso e prazer na vida. Após um Practitioner as pessoas que o frequentaram dizem unanimemente terem encontrado: transformação e melhoria, liderança pessoal, maior autoconfiança, maior prazer na vida, capacidade de decisão, grande passo no desenvolvimento pessoal, abertura a novas possibilidades, estratégias de pensamento com maior sucesso, comunicação mais efetiva, melhor compreensão do que querem da vida. As palavras-chave nos nossos cursos são: “a caminho do cerne, a partir do cerne”. As técnicas estão ao serviço da autodescoberta e o çar a confiança que tem em si com seu emprego só tem sentido num enormes consequências para a sua quadro de harmonia e congruênvida, resolver problemas de cará- cia pessoal. A base do “sucesso” ter relacional, ultrapassar momen- em todos os contextos atinge-se tos difíceis, auto liderar-se e liderar, quando se é mais feliz e se age em definir melhor e facilitar o sucesso conformidade com o nosso signifidos seus projetos pessoais e profis- cado de vida. sionais, descobrir o sentido abrangente do que faz e alinhar a sua Comprometemo-nos com uma vida de tal modo que aumente as PNL para tornar a vida mais fácil e possibilidades de encontrar maior aprazível num quadro ecológico, tranquilidade e atingir o que quer contribuindo para um mundo mede forma mais fácil sem desperdí- lhor. cios de energia.

Concretamente, o curso básico oficial de PNL com um mínimo de 130 horas, o Practitioner, que dá direito a certificação internacional considerada como o 1º nível, gira à volta da tomada de consciência crescente de como funcionamos, dos motores do comportamento e dos nossos estados sensoriais, do emprego desse conhecimento para melhoria da nossa eficiência relacional em todos os contextos da nossa vida (privada e profissional), e da aprendizagem de ferramentas para nos facilitar a realização dos objetivos que desejamos Segundo a nossa experiência, as dentro de um quadro ecológico e pessoas procuram os nossos cursignificativo para nós. sos para conhecer melhor os seus processos pessoais, adquirir estraO que pode então esperar? Pode tégias de pensamento mais efevir a conhecer-se melhor e a refor- tivas, encontrar maior harmonia 8

Artigo de José Figueira Trainer de PNL Diretor de formação em PNL-Portugal


9


UMA ENTREVISTA COM LUCAS DERKS POR RITA ALELUIA

A NOVA PSICOLOGIA DO ESPAÇO MENTAL Lucas, pode definir-nos o Pano- sentar essa pessoa amada numa rama Social em três palavras? “LOVE-LOCATION” no seu espaço mental. Isso significa que vai coloRepresentação das Relações car a imagem da pessoa amada – Sociais. do tipo hemisfério direito e de forma inconsciente - provavelmente muito perto de si. O panorama soO Panorama Social é ainda um ter- cial mostra que criamos uma imamo estranho para muitas pessoas. gem das pessoas ao nosso redor. Em que consiste? Posto num gran- Onde essas pessoas se localizam de quadro, em sentido lato? no panorama irá reger a qualidade emocional do relacionamento. Quando ama uma pessoa, está ciente dos seus sentimentos. No Com a ajuda desta “invenção” um entanto, a imagem visual que usa coach ou um terapeuta pode anapara “amar” tem qualidades parti- lisar e melhorar a vida social de um culares: Você deverá ter de repre- cliente. 10

Quando, como e porque nasceu o Panorama Social? Licenciei-me e fui treinado como psicólogo social. A partir de 1977 e depois de me ter cruzado com a PNL, perguntei a mim mesmo como poderia esta disciplina trabalhar as relações sociais humanas. Em 1994, percebi que a “submodalidade” localização era crucial na experiência social. Daí nasceu o Panorama Social. Depois de vários anos de delicadas experiências o panorama social tornou-se mais estruturado. Por volta de 2002 atingiu a sua forma atual, embora


O Panorama Social é empírico ou espiritual? O panorama social é um fenómeno psicológico, é a forma como as pessoas criam seu modelo do mundo social. Parte desse mundo social, que chamamos o “panorama espiritual”, lida com deuses, espíritos e os mortos. A pesquisa para o panorama social é, em parte empírica. Mas para muitos cientistas, no entanto, está ainda muito longe.

Como é que a ciência olha para o Panorama Social? Com desconfiança ou como um aliado?

em processo de contínuo desen- As pessoas das constelações famivolvimento. liares dizem, ah ... o panorama social são constelações na mente. Eu Existem aqui muitas semelhanças digo: Não. Uma constelação é torcom as constelações sistémicas… nar o panorama social de alguém visível com a ajuda de represenPara minha sorte, descobri as cons- tantes tais como os símbolos para telações familiares vários anos de- os elementos em questão pois do cerne do panorama social. Há pessoas que conseguem comVerifiquei então que fazia uso dos binar a força de ambos os modemesmos princípios espaciais. Mas los e há outras que ficam presas para as constelações familiares, o nas diferentes filosofias de fundo. aspeto espacial não está tanto em Algumas pessoas adoram brindestaque: A tendência nas conste- car com constelações e com as lações é usar outros modelos ex- experiências espirituais coletivas plicativos, como o “sistema”, “siste- que ocorrem dessa forma. Outros mas de alma” ou o “campo”. A sua veem as limitações desse modelo e referência é a “constelação” e não preferem a abordagem mais prago “imaginário social espacial” na mática do panorama social. mente do cliente que é a caracte- O confronto entre os dois modelos rística do panorama social. foi muito inspirador para mim.

Sempre me considerei um cientista e sou muito positivo acerca do panorama social. Em psicologia cognitiva existe uma área chamada cognição espacial. Estes cientistas estão à beira de descobrir muitas coisas que estão incluídas no panorama social. Para eles isso encaixa-se na “proto-ciência”, que é onde as novas hipóteses são formuladas que não se enquadram nos paradigmas atuais. Para um cientista, não é muito interessante movimentar-se em “proto-ciência”, pois os seus colegas tendem a ter medo deles. A “proto-ciência” cria incerteza.

Como e em que podemos aplicar o Panorama Social no nosso dia-a-dia? O leque de aplicação do panorama social é tão vasto quanto as rela11


ções sociais que as pessoas têm. Assim onde quer que as pessoas vivam e trabalhem juntas criam estas paisagens sociais. E podem ter todos os tipos de problemas com os outros, ciúme, amor não correspondido, falta de confiança nos negócios, luta pelo poder, etc. Para uma pessoa formada no panorama social, abre-se a possibilidade de mudar intencionalmente o seu panorama social, o que pode significar que a sua vida estará livre de certas tensões e conflitos com os outros.

O que muda nas nossas vidas com a aplicação do Panorama Social? Recriamos o nosso mundo? O panorama social não é apenas sobre os outros, mas também sobre nós mesmos. Parte do trabalho é dirigido para melhorar as nossas autorrepresentações inconscientes. Assim, podemos melhorar a 12

forma como olhamos para nós mesmos.

meça com o reconhecimento de que a estrutura espacial, não só é fundamental no nosso modelo soO trabalho com a autoimagem é cial do mundo, mas é o núcleo de frequentemente muito crítico para tudo o que pensamos. Esta ideia é as pessoas. Mas, de facto, pode- apoiada por pesquisadores como mos usar o panorama social num Barbara Tverky, que já explora a sentido mais amplo. O nosso lugar cognição espacial desde 1991. na sociedade resultou em grande parte de como criamos a nossa Antes de um embrião usar a linprópria posição entre os outros e guagem, ele usa o espaço para oro conjunto desta paisagem pode ganizar o seu conhecimento. Mais ser melhorado. E isto pode fazer tarde, vem a estrutura linguística. uma enorme diferença para uma pessoa. No entanto, muito restará espacial e vai ficar fora da linguagem, provavelmente, em grande parte proPodemos então dizer que a cha- cessado no hemisfério direito no ve de qualquer relação bem-su- fundo da nossa consciência. cedida seja em que área for das nossas vidas, é a sua localização Assim, quando consideramos a mental? importância da localização desta maneira geral, então é ONDE nós Ao longo dos últimos dois anos, pensamos muitos pensamentos, tenho vindo a trabalhar num que vai criar ou destruir a nossa conceito mais amplo em torno felicidade. do mesmo fenómeno: chama-se Psicologia do Espaço Mental. Co-


mais adequados para este trabalho. Pessoas que tenham como experiência apenas constelações tendem a ser agressivas. Eles querem fazer o trabalho para o cliente. Já um especialista em PNL é preguiçosos o suficiente para permitir que o cliente faça o trabalho. Isso funciona melhor.

Que cuidados devemos ter? Quando deixamos o cliente encontrar as soluções, dificilmente algo pode correr mal. É claro que a ecologia tem de ir sendo testada uma vez que as alterações feitas podem ter enormes implicações para a vida das pessoas.

O que acrescenta o Panorama Social à PNL? Lucas quer dizer que nós nos re- mental do nosso parceiro, não com lacionamos com um mundo que um ser humano real. não é real, ou seja, é real nas nossas mentes e por isso facilmente alterável? Pode ser aplicado a partir de que idade? Exatamente. Essa era a ideia principal de Korszybski. Essa é a base da Depende sobretudo da aptidão PNL e também da Terapia Cogniti- comunicativa do terapeuta. Prova Comportamental. Criamos um vavelmente, as crianças pequenas modelo do mundo que é apenas têm modelos já espaciais dos seus o que nós sabemos. Nós somos relacionamentos com os quais se prisioneiros da prisão que criamos pode trabalhar. Se se souber como para nós mesmos. Quando acredi- chegar a uma criança, pode-se tratamos que conhecemos o nosso balhar com essas imagens. Digaparceiro ... esperem até ela ou ele mos que … com três anos? nos trair com outra pessoa! Isso pode revelar o quão pouco Quem pode aplicar? sabemos. Nós amamos e casamo-nos com o nosso próprio modelo Master Practitioners em PNL são

Para mim, o panorama social é uma ferramenta da PNL para trabalhar com as questões sociais. Expande aquilo que a PNL já pode fazer. Mas o panorama social usa os mesmos pressupostos e muitas das técnicas do panorama social têm técnicas de PNL como raiz.

São disciplinas que se complementam ou podem viver isoladas? Para muitos practitioners e master practitioners o panorama social oferece possibilidades adicionais. Alguns dizem que o aplicam com mais de metade dos seus clientes.

13


Quase a terminar… no mundo atual, em que existem tantos conflitos entre os povos, o Panorama Social pode ajudar a acrescentar fatores de personificação que permitam criar uma identidade comum? Absolutamente. Mas como a maioria das pessoas no poder prefere falar a escutar, tendem a auto excluir-se de um conhecimento útil como este. Os políticos poderiam fazer trabalho precioso se entendessem como eles e os outros criam o mundo social. Bons mediadores e pacificadores usaram 14

ideias semelhantes. Ideologias pacíficas, como o budismo partilham muitos conceitos com o modelo panorama social. Agora sim, para finalizar, ainda há espaço para o Panorama Social crescer? Para onde? O Panorama Social encontrará o seu lugar dentro de “cognição social espacial”. Será uma mudança total de paradigma quando a Psicologia do Espaço Mental for reconhecida no mundo académico. Estou a trabalhar num Doutoramento (PhD) para ajudar a que

isso aconteça. Mas as coisas tendem a ir devagar, apesar de toda a ideia de cognições incorporadas que se tornam dominantes no momento encaixam na Psicologia do Espaço Mental. Isso é lógico, uma vez que as suas origens, Lakoff e Johnson (1999) foram a uma das minhas maiores fontes. Assim, no meu imaginário, a psicologia académica encontrará a PNL através da submodalidade da localização. Antes disso, o panorama social será usado em todos os continentes. Espero que haja em todo o globo centros de panorama social como a PNL-Portugal.


15


A COMPREENSÃO DO OUTRO É A BASE DE QUALQUER VENDA ARTIGO DE MASSIMO FORTE

Vender é acima de tudo humano, frase controversa e possivelmente muito contestada devido à conotação negativa que a palavra venda tem vindo a absorver ao longo dos anos. Mas a esta tenho de juntar outra, somos todos vendedores. Na minha opinião somos efetivamente todos vendedores, ou seja, tentamos ao longo da vida transmitir aos outros o nosso ponto de vista, alguns de nós de uma forma mais suave, outros com um discurso muito agressivo, mas o mais importante é que por detrás da transmissão deste ponto de vista, 16

é que haverá sempre um propósito, ou seja, essencialmente haverá sempre um motivo forte que nos faz criar a coragem, e consequentemente a ação, de transmitir ao outro a nossa ideia. Vender é defender um propósito e as marcas sabem muito bem disso, contudo, um propósito só será realmente válido, duradouro e reconhecido se for efetivamente relevante para nós, mas sobretudo, relevante para os outros. Dentro deste conceito, vender é então importar-se com os outros, é transmitir algo que acreditamos realmente, e que este algo, seja

efetivamente bom também e sobretudo para os outros. É claro que nem tudo o que acreditamos pode ser relevante para os outros, como também será claro que haverá coisas que eu acredito que sejam boas para uns e não para outros, um vendedor profissional e competente, tem que ter esta máxima bem encaixada na sua mente na hora de tomar decisões, e de aconselhar ou desaconselhar algo a alguém. Eu diria que a palavra vender está desatualizada e que as pessoas deveriam trocá-la por ajudar, porque no fundo quando vendo algo a alguém, que


eu acredito que vai ser bom para essa pessoa, que lhe vai resolver um problema, eu na realidade e acima de tudo estou a ajudar essa pessoa.

precisa de ajuda e, quer de facto ser ajudado, ou seja, quando o conseguir compreender. Por isso, na venda de hoje dá-se uma extrema importância à qualificação, termo técnico que se traduz na

forma como transmitimos e explicamos o nosso ponto de vista ao outro, o que se vai revelar vital para atingir o sucesso da aceitação da nossa ideia, para nos ajudar nesta fase, existem imensas técnicas, todas as que eu encontrei têm uma linhagem comum, deixo-vos aqui um exemplo: Ouvir atentamente a pergunta (objeção); Explorar, fazendo perguntas para perceber melhor aquilo que o cliente nos quer dizer, repetir o que o cliente nos disse, para obtermos da parte deste uma aceitação de que é efetivamente aquilo que o preocupa (back track); Compreender, ser empático e perceber o ponto de vista do cliente, basta pormo-nos no lugar dele;

Falar em solução, transmitir porMuitas vezes quando queremos descoberta do cliente tentando que é que o nosso ponto de vista ajudar alguém somos mal inter- perceber as suas necessidades e poderá ser benéfico para o cliente, pretados, ou não conseguimos de- sobretudo perceber se eu consigo ligando o que nós lhe podemos monstrar o quanto poderá ser boa de facto satisfazer essas necessida- oferecer, à preocupação do nosso a nossa ideia para este, ou estamos des e ajudá-lo. cliente; mal preparados pois não percebemos que a nossa ideia não é na rea- Um outro momento chave no Concluir, pedido a aceitação da lidade relevante ou adequada para processo de qualquer venda é o parte do cliente, não da solução, este. Estas são uma das maiores tratamento de objeções, que no mas sobretudo, se entendeu o que dificuldades dos profissionais das fundo é quando a outra pessoa faz posso fazer por ele (feedback). vendas, e possivelmente, de todas perguntas sobre o nosso ponto de as pessoas que pretendem trans- vista, pondo-o muitas vezes em Se assimilarmos esta ou outra fórmitir um ponto de vista a outro. Na causa. É outra palavra forte, e com mula similar no nosso inconscienminha opinião isso acontece por- alguma conotação menos positiva. te, poderemos tratar as pessoas que não conseguimos compreen- Também a palavra objeção mere- de uma forma mais compreensiva, der o outro. cia ser substituída por pergunta. mas acima de tudo, mais empática Nesta fase a compreensão do ou- e honesta. Na minha opinião isto é Eu só vou conseguir ajudar alguém tro eleva-se a um papel fundamen- vender! quando perceber que esse alguém tal, tal como o nosso controle na 17


18


19


A MÃE FOI...

E NÃO VOLTOU A MESMA ARTIGO DE RITA ALELUIA Somos viajantes em grupo, regra geral aventuramo-nos a quatro, as únicas exceções são quando viajamos em trabalho. Há quatro anos, senti a necessidade de viajar comigo, de ser a minha grande companheira naquela que se revelaria uma transformação ímpar, ia em missão e não sabia. É que esta mãe, é muito curiosa e passa a vida em busca de algo que, talvez por não saber exatamente o que é, a torna naturalmente insatisfeita. Há remédio? Há sempre, basta uma escolha! Fazer as malas e ir. E eu fui! Destino eleito, dentro do avião, a 20

caminho da Holanda (país que tanto gostamos) uma sensação desconhecida mas muito boa, era já mais que muita. Aterrei em Amesterdão, enfiei-me num comboio rumo a uma terriola, daí de autocarro para Limmen. Tinha concluído há pouco o Master Practitioner em Programação Neurolinguística PNL - com o mestre dos mestres, o Trainer José Figueira. A imensidão de recursos fantásticos, na aplicação da PNL na área da educação fascina-me e foi para a grande escola que fui, com uma doce, sábia mestra e coach, Andrea. Fui fazer o “Meeting Children”.

SENTI-ME UMA ESPÉCIE DE HARRY POTTER A CAMINHO DE HOWARD SCHOOL. No percurso, por entre campos floridos, o silêncio era comunicação. Eu, comigo, em busca do desconhecido, de viver a vida de outra forma, de crescer e regressar melhor mãe, uma mulher mais perfeita. O local não me era estranho, já lá tinha estado com o Ernesto e com a Constança quando terminara o Practitioner, mas agora era diferente, era só eu (e a minha criança interior)! E cheguei!


A ÚNICA PORTUGUESA! Os alunos eram holandeses e havia uma aluna belga. A professora era alemã e nem vos conto como eram as aulas. De repente, o inglês passava a holandês (que todos, menos eu dominavam) e sabem uma coisa? Ao fim de um dia, acreditem que eu já entendia metade do que diziam em holandês! Como? Porque a comunicação se faz em muitas direcções e de muitas formas e os nossos sentidos têm a capacidade encantadora de a assimilar para além das palavras. E tive, só para mim, uma escola básica (pedagogia Montessori/ PNL), uma imensidão de campo, com vacas, cavalos, rãs e pássaros (as primeiras adormeciam-me e os segundos acordavam-me), flores, bicicletas... É que decidi ficar alojada na escola! Sim, a escola tem um piso superior com quartos, cozinha e sala de estar, onde ficam os estudantes estrangeiros e eu não podia deixar passar esta oportunidade. Hum, o som e aroma florido e fresco de viver no campo não têm preço e ficam registados para a eternidade no nosso ADN. Mergulhada em todo este verde, entre risos e brincadeiras das crianças da escola, de manhã cedo, as palavras e exercícios com a Andrea (que incluíam constelações familiares) ao longo do dia, e o silêncio comigo até à noite entendi e aprendi tantas lições...

A capacidade (da criança que há em nós) de amar e perdoar incondicionalmente, o estar aqui e agora, focada no presente, o perceber que a frustração que podia sentir em relação a não estar a conseguir ajudar mais a Constança (que está diagnosticada com um atraso global do desenvolvimento) era ape-

nas uma questão de eu aprender a relacionar-me com esse sentimento e não há problema algum, o dar ouvidos e libertar todos os sentimentos em vez de lhes desviar a atenção para os distrair, aprender a dizer “quero”, “não quero” na hora certa e “sim” a mim mesma, ouvir e observar com mais atenção, re21


Cuidado, esta mãe regressou da Holanda uma feiticeira certificada! Que a magia aconteça!!!

definição dos valores, temperança com humor, exercício da paciência e presença e sobretudo nada de julgamentos ou expectativas. As coisas são como são e podemos sempre fazer mais e melhor...

O AMOR É SEMPRE A REPOSTA! A verdade é que nunca mais fui a mesma, nem a nossa família...

No regresso a Portugal, ainda em Amesterdão, no aeroporto recebo Quando mostramos o nosso co- mais uma prenda fenomenal, a acração aos nossos filhos, eles mos- tuação, ao vivo das Vonder&Bloom tram-nos o deles também, dá-se a (dois anjos que viajam mundo fora conexão. É um dos primeiros pas- a espalhar encanto)! Estava feito P.S. - OBRIGADA querida filha sos para a harmonia em família. o último clic para a parentalidade Constança!!! consciente!

22


23


SOBRE A DURAÇÃO DE UM PRACTITIONER ARTIGO DE LURDES GAMEIRO

A questão surge-me quando me apercebo da frequência com que as pessoas nos perguntam porque levamos no mínimo 16 dias a dar um Practitioner quando há cursos muito mais curtos. Fará sentido? Há justificação para tais diferenças?

Na verdade, até algo tão inócuo como a água nos pode servir como exemplo. Eu explico: se bebo água todos os dias e na quantidade adequada o meu corpo vai, no que a esse aspeto diz respeito, estar em equilíbrio. Estou a usá-la como um alimento.

adoeçam. Nesse momento, se continuo com o mesmo comportamento posso adoecer gravemente.

Admitindo que rapidamente vou ao médico, ele vai certamente dizer-me para beber uma quantidade x de água por dia. Neste caso, Qual é a diferença entre alimenpodemos dizer que a água é um to, medicamento e veneno? Se, por outro lado, a consumo medicamento. em quantidades muito pequenas A resposta a esta pergunta tem o meu corpo sentirá a sua falta Se, pelo contrário, eu bebo água de tudo a ver com a resposta à primei- e pode ser que ao fim de algum uma forma descontrolada – o que ra: a DOSE! tempo os meus rins, por exemplo, pode acontecer por motivos que 24


Ao aprender de uma forma regular e consistente as ferramentas da PNL, eu vou-me “alimentando” com elas, vou aprendendo a ouvir-me, a sondar-me, a compreender, ver e sentir como funciono, a perceber porque é que me “dói” aqui ou ali e tratar da causa…. e, ao ter tempo para integrar consistentemente tudo isso, eu vou deixar de procurar “medicamentos”. Porque tomo consciência daquilo que já sabia e não sabia que sabia a respeito de mim própria e então, devidamente alimentada, eu adquiro congruência, estou “saudável” e, por isso mesmo, em condições de se prendem com a nossa fisiologia E, como com um medicamento, dar o meu melhor. A mim e aos ouou com a nossa psicologia – esta- eu posso criar uma espécie de de- tros – seja o meu parceiro, os meus mos a falar de uma patologia, que pendência, precisar de o tomar re- filhos, os meus alunos, a minha como tal, traz prejuízos à minha gularmente ou de ir aumentando equipa…. saúde. Neste caso, podemos dizer a dose…. e transformá-lo, eu próÉ como quem diz: quero trazer no que a água está a ser um veneno pria, num “veneno”. bolso um comprimido para a dor para mim. Mas eu também posso escolher fa- de cabeça ou quero aprender a E a duração dos cursos, o que zer com a PNL como a maioria de evitá-las? tem a ver com isto? nós faz com a água: usá-la como alimento. E esta é a intenção dos Tudo! Conseguiria facilmente es- nossos cursos. crever um texto longuíssimo sobre este paralelo. Mas vou ser breve. Escolho ir a um curso de PNL pelos mais diversos motivos e, qualquer que escolha (mesmo que seja curto), pode funcionar bem para mim. Se procurava motivação, por exemplo, posso sair de lá muito motivada. Isso é bom. Posso dizer que usei a PNL como um medicamento. E funcionou. Também pode acontecer que, passado uns tempos, eu precise de “repetir a dose” para ir mantendo aquele estado que tanto desejo. 25


ANA MELO 26


Alguns pressupostos

gerais da PNL 1 2 3 4

5 6 7 8

Respeite o modelo do mundo de cada pessoa O significado da comunicação é a resposta que se obtém Corpo e mente influenciam-se um ao outro, são uma unidade cibernética O mapa não é o território (as palavras que empregamos não são os acontecimentos ou assuntos que representam) A informação mais importante sobre alguém é o seu comportamento O comportamento é transformável e o comportamento atual é a melhor escolha que se tem no momento O comportamento de alguém não é a pessoa (aceite a pessoa, transforme o comportamento) As pessoas têm todos os recursos de que necessitam para ter sucesso (não há pessoas sem recursos, há pessoas que não empregam os seus recursos)

9 Sou o dono da minha mente e portanto dos meus resultados 10 O “sistema” (a pessoa, a organização) com o comportamento mais flexível dominará o sistema, quer dizer,

quanto mais escolhas mais efetivo é o modelo do mundo

11 Errar não existe, só existe feedback 12 Resistência num ´cliente´ é sinal de falta de “rapport”. Não há clientes de má vontade, há sim comunicadores inflexíveis 13 Todos os procedimentos devem ter como fim aumentar as possibilidades de escolha 14 Todo o comportamento e toda a transformação devem ser avaliados em termos de contexto e ecologia 15 Tudo tende novamente para a união e para que se torne uma totalidade em nós 16 É assim, as coisas são como são (não se trata de resignação, só a partir daí a mudança é possível) 17 Recebemos de volta aquilo em que nos focalizamos (dirija-se portanto àquilo que quer, e não ao que não quer) 18 Convicções determinam resultados 19 Funcionalidade é mais importante que verdade 20 Toda a experiência tem uma estrutura e esta estrutura é transformável 21 Generalizações são “aldrabices” (e podem ser muito limitadoras) 22 Organizamos a nossa representação imaginária do mundo através da linguagem 23 Cada um é livre de tirar as suas próprias conclusões (que podem ou não ser ilimitadas ou limitadoras) 24 Representamos o mundo através dos nossos sentidos 25 Um indivíduo é um aglomerado de “partes”, muitas vezes em conflito 26 “Ser capaz de” é uma questão de estratégia 27 Todo o comportamento tem uma intenção positiva, é tudo uma questão de encontrar

o comportamento adequado para realizar a intenção

27


28


AGENDA CONSULTE TODOS OS PROGRAMAS, DATAS, HORÁRIOS E OUTRAS INFORMAÇÕES AQUI http://pnl-portugal.com/eventos/

FEVEREIRO DIAS 20 e 21 // Estoril CURSO INICIAL DE PNL com Eugénia Fonseca e Sergio Freitas

DIA 12 // Estoril OPEN DAY com Eugénia Fonseca e Sérgio Freitas

DIA 14 e 15 // Lisboa TIME LINE THERAPY com Vera Braz Mendes Trabalha com a mente inconsciente tirando partido das diretivas primárias do Inconsciente e parte do pressuposto principal de que toda a mudança comportamental é inconsciente. O objetivo é libertar, desconectar emoções negativas e neutralizar decisões limitadoras DIA 19 // Estoril PRACTITIONER com José Figueira e Sergio Freitas

Uma certificação como Practitioner Vem descobrir o que é a PNL, as suas em PNL é crescer em qualidade de ferramentas e aplicações. E muito vida ao conhecer-se melhor, pôr em mais! Uma tarde para descobrir e prática uma versão aprimorada de si Curso intensivo e pratico em 18 ho- descobrir-se. e aumentar a sua influência desperras onde compreendemos os metando o melhor no outro canismos da mente e da motivação para desprogramar limitações e ancorarmo-nos com programas que DIA 20 // Porto nos facilitem a vida PRACTITIONER DIA 21 a 25 // Estoril com José Figueira e Vera Braz Mendes PANORAMA SOCIAL

ABRIL

MARÇO

com Lucas Derks

Nova psicologia do espaço mental trata de todo o tipo de relações sociais. A problemática das relações é trabalhada a partir das modificações das localizações entre os interveWoskshop sobre estratégias educa- nientes nesse espaço mental em 3D cionais com ferramentas de Progra- de natureza inconsciente mação NeuroLinguística. Para Pais, educadores e professores DIA 5 // Almada ESTRATÉGIAS EDUCACIONAIS com Eunice Pinto

DIAS 5 e 6 // Braga CURSO INICIAL DE PNL com Eugénia Fonseca e Sergio Freitas

MAIO

DIA 13 // Estoril MASTER com José Figueira

Uma certificação como Practitioner em PNL é crescer em qualidade de vida ao conhecer-se melhor, pôr em prática uma versão aprimorada de si e aumentar a sua influência despertando o melhor no outro

JUNHO DIA 3, 4 e 5 // Estoril COMUNICAÇÃO CARISMÁTICA com José Figueira

Comunicar a partir da Missão, daquilo que sentimos como mais verdadeiro em nós, suscitando nos outros O Master dá-nos novas ferramenentusiasmo e entrega. É um enorme Curso intensivo e pratico em 18 horas onde compreendemos os me- tas para coach, liderança, formação passo na “Viagem do Herói”. Ferracanismos da mente e da motivação e ensino, consolida o aprendido no mentas de coaching e auto coaching para desprogramar limitações e Practitioner e apoia no processo que ao nível da identidade e da missão ancorarmo-nos com programas que faz de nós pessoas ativas que fazem a diferença no mundo nos facilitem a vida 29


30


31


32


33


34

Profile for PNLportugal

Pnl magazine 01  

PNL Portugal Magazine programação neuro linguística

Pnl magazine 01  

PNL Portugal Magazine programação neuro linguística

Advertisement