Page 1

Lista de alguns taxa invasores e de risco para Portugal: 1.ª versão (2016) Júlio Gaspar Reis

2016


Imagem da capa: amêijoa-asiática Corbicula fluminea, rio da Areia, Valado dos Frades, Nazaré. Foto do autor.

Como citar esta obra: Reis J (2016) Lista de alguns taxa invasores e de risco para Portugal: 1.ª versão (2016). 182 pp.

Júlio Gaspar Reis publica esta obra sob a licença “Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International”. http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt Este licenciamento não se aplica a qualquer conteúdo (por exemplo imagens) indicado com outra licença.

–2–


ÍNDICE ÍNDICE, 3 ÍNDICE DE IMAGENS, 9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS, 10 INTRODUÇÃO, 12 VÍRUS E ORGANISMOS SEMELHANTES, 14 ArMV (I), 14 GFLV (I), 14 Ranavirus (I), 14 BACTÉRIAS E FITOPLASMAS, 15 ‘Candidatus Liberibacter africanus’ (I), 15 ‘Candidatus Phytoplasma vitis’ (I), 15 Erwinia amylovora (I), 15 Pseudomonas syringae pv. actinidiae (I), 15 Ralstonia solanacearum (E/R), 15 Xanthomonas arboricola pv. pruni (R), 16 Xylella fastidiosa (R), 16 CROMOALVEOLADOS, 17 Plasmopara viticola (I), 17 Phytophthora infestans (I), 17 ALGAS VERMELHAS, 18 Asparagopsis armata (I), 18 Asparagopsis taxiformis (I), 18 ALGAS VERDES, 19 Caulerpa webbiana (I), 19 Codium fragile (I), 19 PLANTAS, 20 Abutilon theophrasti (N), 20 Acacia baileyana (C), 20 Acacia cultriformis (N), 20 Acacia cyclops (I), 20 Acacia dealbata (I), 20 Acacia decurrens (N), 21 Acacia karroo (N/I), 21 Acacia longifolia (I), 21 Acacia mearnsii (I), 21 Acacia melanoxylon (I), 21 Acacia pycnantha (I), 21

Acacia retinodes (I), 22 Acacia saligna (C/I), 22 Acacia sophorae (N), 22 Acacia verticillata (N/I), 22 Acanthus mollis (N), 22 Acer negundo (C), 23 Acer pseudoplatanus (I/R), 23 Adiantum hispidulum (I), 23 Adiantum raddianum (I), 23 Aeonium arboreum (N), 23 Agapanthus praecox subsp. orientalis (C/I), 23 Agave americana (I), 24 Agave atrovirens (N), 24 Ageratina adenophora (I), 24 Ageratina riparia (I), 24 Ailanthus altissima (I), 24 Allium triquetrum (N/A), 24 Aloe vera (I), 25 Alternanthera caracasana (I/R), 25 Alternanthera herapungens (R), 25 Alternanthera nodiflora (R), 25 Alternanthera philoxeroides (R), 25 Amaranthus powellii (N), 25 Amaranthus retroflexus (I), 26 Amaryllis belladona (C), 26 Ambrosia artemisiifolia (N), 26 Amorpha fruticosa (C), 26 Aptenia cordifolia (C/I), 26 Araujia sericifera (C/N/I), 26 Arctotheca calendula (I), 27 Artemisia verlotiorum (N), 27 Arundo donax (I), 27 Aster squamatus (N/I), 27 Azolla filiculoides (I), 27 Bidens aurea (N), 27 Bidens frondosa (I), 28 Bidens pilosa (N/I), 28 –3–


Boussingaultia cordifolia (C/N/I), 28 Cardiospermum grandiflorum (I), 28 Carpobrotus edulis (I), 28 Centranthus ruber (A/N/I), 28 Cercis siliquastrum (N), 29 Chamaecyparis lawsoniana (C), 29 Chasmanthe aethiopica (N/I), 29 Cirsium vulgare (A/N/I), 29 Clethra arborea (A/I), 29 Colocasia esculenta (N/I), 30 Commelina communis (N?), 30 Conium maculatum (A/I), 30 Conyza bilbaoana (C), 30 Conyza bonariensis (I), 30 Conyza canadensis (I), 30 Conyza sumatrensis (I), 31 Cortaderia selloana (I), 31 Cotula australis (N/I), 31 Cotula coronopifolia (I), 31 Crassula multicava (N/I), 31 Crocosmia × crocosmiiflora (C/I), 31 Cyathea cooperi (N/I), 32 Cynodon dactylon (A/I), 32 Cyperus eragrostis (N), 32 Cyperus esculentus (I), 32 Cyperus longus (I), 32 Cyperus rotundus (I), 32 Cyrtomium falcatum (I), 33 Cytisus scoparius (A/I), 33 Cytisus striatus (A/I), 33 Datura stramonium (I), 33 Delairea odorata (N/I), 33 Deparia petersenii (N/I), 33 Doodia caudata (I), 34 Drosanthemum candens (N), 34 Drosanthemum floribundum (N/I), 34 Duchesnea indica (N/I), 34 Echinochloa oryzicola (N), 34 Egeria densa (N/I), 34 Ehrharta calycina (N), 35 Ehrharta erecta (N), 35 Eichhornia crassipes (I), 35 Elodea canadensis (N), 35 Epilobium brachycarpum (C), 35 Erigeron karvinskianus (I), 35

Eryngium pandanifolium (I), 36 Eschscholzia californica (C/I), 36 Eucalyptus globulus (I), 36 Fallopia baldschuanica (N), 36 Fascicularia bicolor (C), 36 Freesia sp. (N?), 36 Fuchsia magellanica (I), 37 Furcraea foetida (N?), 37 Galinsoga parviflora (I), 37 Gamochaeta pensylvanica (N), 37 Gamochaeta simplicicaulis (C), 37 Gazania rigens (N?), 37 Gleditsia triacanthos (C), 38 Gomphocarpus fruticosus (N/I), 38 Gomphocarpus physocarpus (N?), 38 Gunnera tinctoria (I), 38 Hakea salicifolia (I), 38 Hakea sericea (I), 38 Hedychium coronarium (I), 39 Hedychium gardnerianum (I), 39 Helianthus tuberosus (I), 39 Helichrysum petiolare (N), 39 Hydrangea macrophylla (I/N), 39 Hydrilla verticillata (R), 40 Hydrocotyle bonariensis (N), 40 Impatiens glandulifera (R), 40 Ipomoea indica (I), 40 Kalanchoe spp. (N?), 40 Lantana camara (C/I), 41 Lepidium didymum (N/I), 41 Leptospermum scoparium (N/I), 41 Leycesteria formosa (I), 41 Lonicera japonica (C), 41 Ludwigia grandiflora (R), 41 Ludwigia peploides (R), 42 Lysimachia nummularia (C), 42 Mentha suaveolens (A/I), 42 Mirabilis jalapa (C), 42 Modiola caroliniana (N?), 42 Myoporum laetum (C), 42 Myriophyllum aquaticum (I), 42 Nephrolepis cordifolia (N/I), 43 Nicotiana glauca (C/I), 43 Nymphaea mexicana (R), 43 Oenothera glazioviana (N), 43 –4–


Oenothera rosea (N?), 43 Oenothera stricta (N), 44 Opuntia elata (I), 44 Opuntia maxima (I), 44 Opuntia stricta (I), 44 Opuntia subulata (I), 44 Opuntia tuna (I), 44 Osteospermum sp. (N?), 45 Oxalis articulata (N), 45 Oxalis debilis var. corymbosa (N), 45 Oxalis latifolia (N), 45 Oxalis pes-caprae (I), 45 Oxalis purpurea (N), 45 Paraserianthes lophantha (I), 46 Paspalum dilatatum (N), 46 Paspalum distichum (N/I), 46 Paspalum paspalodes (I), 46 Passiflora tripartita var. mollissima (I), 46 Pelargonium graveolens (N?), 46 Pelargonium inquinans (I), 47 Pennisetum clandestinum (N), 47 Pennisetum setaceum (C), 47 Pennisetum villosum (N), 47 Persicaria capitata (N/I), 47 Persicaria lapathifolia ssp. lapathifolia (A/I), 47 Phalaris aquatica (A/I), 48 Phoenix canariensis (N?), 48 Phormium tenax (N/I), 48 Phyllostachys aurea (N), 48 Phytolacca americana (I), 48 Phytolacca heterotepala (N), 48 Pinus pinaster (A/N/I), 49 Pistia stratiotes (R), 49 Pittosporum eugenioides (I), 49 Pittosporum tobira (C), 49 Pittosporum undulatum (I), 49 Platanus × hispanica (N), 50 Polygonum aviculare (A/I), 50 Polygonum persicaria (A/I), 50 Populus alba (N), 50 Populus nigra (N), 50 Prunus laurocerasus (I), 51 Pseudotsuga menziesii (N), 51 Pueraria lobata (R), 51

Reynoutria japonica (N), 51 Rhus coriaria (N), 51 Ricinus communis (I), 51 Robinia pseudoacacia (I), 52 Rosa ‘Dorothy Perkins’ (N), 52 Rubus ulmifolius (A/I), 52 Sagittaria latifolia (R), 52 Salix × alopecuroides (N?), 52 Salpichroa origanifolia (N/I), 52 Salvinia molesta (C), 53 Senecio angulatus (C), 53 Senecio bicolor subsp. cineraria (N), 53 Senecio inaequidens (N), 53 Senecio tamoides (C), 53 Sesbania punicea (C), 53 Sida rhombifolia (N?), 54 Solanum chenopodioides (N?), 54 Solanum citrullifolium (N), 54 Solanum linnaeanum (N), 54 Solanum lycopersicum var. lycopersicum (C/I), 54 Solanum marginatum (I), 54 Solanum mauritianum (I), 55 Soleirolia soleirolii (N/I), 55 Sorghum halepense (N), 55 Spartina densiflora (I), 55 Spartina patens (N), 55 Spartium junceum (A/I), 55 Stenotaphrum secundatum (N/I), 56 Symphyotrichum lanceolatum (N?), 56 Tetragonia tetragonioides (C/N/I), 56 Torilis arvensis ssp. arvensis (A/I), 56 Tradescantia fluminensis (I), 56 Tropaeolum majus (N/I), 56 Ulex europaeus (A/I), 57 Ulex minor (A/N/I), 57 Vachellia farnesiana (N), 57 Vitis × labruscana (N?), 57 Watsonia meriana (N), 57 Wigandia urens var. caracasana (N), 58 Xanthium strumarium var. canadense (I), 58 Zantedeschia aethiopica (C), 58 FUNGOS, 59 Batrachochytrium dendrobatidis (I), 59 Batrachochytrium salamandrivorans (R), 59 –5–


Blumeria graminis (I), 59 Botryotinia fuckeliana (I), 59 Colletotrichum gloeosporioides (I?), 60 Endocronartium harknessii (R), 60 Fusarium circinatum (I), 60 Fusarium oxysporum ff. spp. (I), 60 Guignardia bidwellii (I), 61 Monilinia fructigena (I?), 61 Monilinia fructicola (I?), 61 Monilinia laxa (I?), 61 Phellinus pomaceus (I?), 61 Phomopsis viticola (I?), 61 Podosphaera leucotricha (I?), 62 Podosphaera pannosa (I?), 62 Podosphaera tridactyla (I?), 62 Taphrinia deformans (I?), 62 Taphrinia pruni (I?), 62 Uncinula necator (I), 62 Venturia inaequalis (I?), 63 Venturia oleaginea (I?), 63 Venturia pyrina (I?), 63 Wilsonomyces carpophilus (I?), 63 ESPONJAS, 64 Mycale senegalensis (N), 64 Paraleucilla magna (N), 64 CNIDÁRIOS, 65 Aiptasia diaphana (N), 65 TUNICADOS, 66 Botryllus schlosseri (N), 66 Clavelina lepadiformis (I), 66 Clavelina oblonga (I), 66 Distaplia corolla (I), 66 Microcosmus squamiger (N), 66 Styela canopus (N), 67 Styela plicata (I), 67 PEIXES, 68 Ameiurus melas (N), 68 Australoheros facetus (N), 68 Carassius auratus (N), 68 Carassius carassius (N), 68 Cyprinus carpio (N), 68 Esox lucius (N), 69 Fundulus heteroclitus (N), 69 Gambusia holbrooki (N), 69 Gobio gobio (N), 69

Gymnocephalus cernuus (R), 69 Hypophthalmichthys molitrix (R), 70 Lates niloticus (R), 70 Lepomis cyanellus (R), 70 Lepomis gibbosus (I), 70 Micropterus salmoides (I), 70 Misgurnus anguillicaudatus (R), 70 Onchorhynchus mykiss (N), 71 Oreochromis leucostictus (R), 71 Oreochromis niloticus (R), 71 Osmerus mordax (R), 71 Perca fluviatilis (R), 71 Sander lucioperca (N/R), 71 Sander vitreus (R), 72 Silurus glanis (N), 72 Tilapia zillii (R), 72 ANFÍBIOS, 73 Rana catesbeiana (R), 73 Xenopus laevis (I), 73 RÉPTEIS, 74 Chelydra serpentina (R), 74 Chrysemys picta (R), 74 Macrochelys temminckii (R), 74 Trachemys scripta (R), 74 AVES, 75 Acridotheres cristatellus (N), 76 Acridotheres tristis (C), 76 Alopochen aegyptiacus (C), 76 Amadina fasciata (C), 76 Amandava amandava (N), 76 Amandava subflava (C), 76 Cairina moschata (C), 77 Columba livia domestica (N), 77 Columbina cruziana (C), 77 Estrilda astrild (N/R), 77 Estrilda melpoda (C), 77 Estrilda troglodytes (C), 77 Euplectes afer (N), 78 Euplectes hordeaceus (C), 78 Francolinus francolinus (C), 78 Leiothrix lutea (C), 78 Lonchura cantans (C), 78 Lonchura maja (C), 78 Lonchura malacca (N), 79 Lonchura punctulata (C), 79 –6–


Melopsittacus undulatus (C), 79 Myiopsitta monachus (C/R), 79 Numida meleagris (C), 79 Oxyura jamaicensis (C/R), 79 Phasianus colchicus (C), 80 Ploceus cucullatus (C), 80 Ploceus melanocephalus (N), 80 Psittacula krameri (N/R), 80 Taeniopygia guttata (C), 80 Threskiornis aethiopicus (C), 80 Vidua macroura (C), 81 MAMÍFEROS, 82 Capra hircus (C/I), 82 Castor canadensis (R), 82 Castor fiber (R), 82 Felis silvestris catus (A/C/I), 82 Mus musculus (I/R/E), 82 Myocastor coypus (R), 83 Neovison vison (R), 83 Nyctereutes procyonoides (R), 83 Oryctolagus cuniculus (A/I/E), 83 Ondatra zibethicus (R), 83 Procyon lotor (R), 83 Rattus norvegicus (I), 83 Rattus rattus (I), 84 Sciurus carolinensis (R), 84 NEMÁTODOS, 85 Aphelenchoides ritzemabosi (I?), 85 Bursaphelenchus xylophilus (I), 85 Globodera spp. (I), 85 Helicotylenchus spp. (I?), 85 Heterodera spp. (I?), 86 Longidorus spp. (I?), 86 Meloidogyne spp. (I?), 86 Mesocriconema xenoplax (I?), 86 Nacobbus spp. (I), 86 Pratylenchus spp. (I?), 86 Radopholus spp. (I?), 87 Trichodorus spp. (I?), 87 Xiphinema diversicaudatum (I?), 87 Xiphinema index (I?), 87 ARACNÍDEOS, 88 Cheiracanthium erraticum (A/I), 88 Cheiracanthium mildei (I), 88 Dysdera crocata (N/I), 88

Tetranychus evansi (I), 88 MIRIÁPODES, 89 Ommatoiulus moreleti (A/N/I), 89 CRUSTÁCEOS, 90 Armadillidium vulgare (A/N), 90 Balanus trigonus (N), 90 Eriocheir sinensis (I), 90 Pacifastacus leniusculus (I), 90 Procambarus clarkii (I), 90 INSETOS, 91 Aedes aegypti (I/E), 91 Aedes albopictus (R), 91 Anoplophora chinensis (R), 91 Aphis gossypii (I?), 91 Aphis spiraecola (I), 91 Bemisia tabaci (I), 92 Cacyreus marshalli (I), 92 Capnodis tenebrionis (I?), 92 Carpophilus fumatus (I), 92 Ceratitis capitata (I), 92 Cryptotermes brevis (I), 92 Cydia pomonella (I), 93 Daktulosphaira vitifoliae (I), 93 Dryocosmus kuriphilus (I), 93 Empoasca decipiens (I?), 93 Empoasca solani (I?), 93 Empoasca vitis (I?), 93 Epitrix cucumeris (I), 94 Epitrix similaris (I), 94 Frankliniella occidentalis (I), 94 Jacobiasca lybica (I?), 94 Kalotermes flavicollis (I), 94 Leptinotarsa decemlineata (I), 94 Linepithema humile (N), 95 Monochamus galloprovincialis (A), 95 Palpita vitrealis (I?), 95 Paratrechina longicornis (N), 95 Periplaneta americana (N), 95 Pheidole megacephala (I), 95 Phthorimaea operculella (I), 96 Planococcus ficus (I?), 96 Popillia japonica (I), 96 Quadraspidiotus perniciosus (I), 96 Reticulitermes flavipes (I), 96 Reticulitermes grassei (I), 96 –7–


Rhynchophorus ferrugineus (I), 97 Scaphoideus titanus (I), 97 Sitotroga cerealella (C), 97 Tapinoma simrothi (I), 97 Trialeurodes vaporariorum (I), 97 Trioza erytreae (I), 97 Tuta absoluta (I), 98 Varroa destructor (I), 98 Vespa velutina nigrithorax (N), 98 MOLUSCOS, 99 Aegopinella nitidula (I), 99 Corbicula fluminalis (A/N/R?), 99 Corbicula fluminea (I), 99 Crepidula fornicata (R), 99 Dreissena bugensis (R), 100 Dreissena polymorpha (R), 100 Eluma purpurascens (I), 100 BRIOZOÁRIOS, 101 Bugulina stolonifera (N), 101 Cradoscrupocellaria bertholetti (N), 101 Parasmittina protecta (N), 101 Schizoporella pungens (N), 101 Virididentula dentata (N), 101 Watersipora subtorquata (N), 102 Zoobotryon verticillatum (N/I), 102

ANEXO A: OUTRAS LISTAS DE TAXA INTRODUZIDOS, 103 A.1 Checklist da Flora de Portugal, 103 A.2 Decreto-Lei 565/99, 133 Plantas, 134 Peixes, 146 Anfíbios, 146 Répteis, 146 Aves, 147 Mamíferos, 148 Crustáceos, 148 Insetos, 148 Moluscos, 148 A.3 Decreto Legislativo Regional 15/2012/A, 148 A.4 EPPO, 151 Vírus e organismos semelhantes, 152 Bactérias e fitoplasmas, 153 Plantas, 154 Fungos, 157 Nemátodos, 159 Insetos e carraças, 160 A.5 Top 100 Macaronésia, 165 ANEXO B: INVASORES NOTÁVEIS SEM IMPACTO EM PORTUGAL, 169 REFERÊNCIAS, 170

–8–


ÍNDICE DE IMAGENS Corbicula fluminea, 1 CC BY-NC-SA, 2 Mapa NUTS II, 13 Ranavirus, 14

–9–


LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS Ca.

Candidatus

CABI

CAB International

CBD

Convenção sobre a Diversidade Biológica

COTHN

Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional

DGAV

Direção-Geral de Alimentação e Veterinária

DL

decreto-lei

DLR

decreto legislativo regional

ECDC

European Centre for Disease Prevention and Control

EFSA

European Food Security Authority

EPPO

European Plant Protection Organization

et. al.

e outros autores

f. sp.

forma specialis

ff. spp.

formae speciales

GBIF

Global Biodiversity Information Facility

GISD

Global Invasive Species Database

hyb. perp.

híbrido perpétuo

ICNF

Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P.

INRB

Instituto Nacional de Recursos Biológicos

JBUTAD

Jardim Botânico da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

p. ex.

por exemplo

pv.

patovar

REVIVE

Rede de Vigilância de Vetores

sp.

espécie

SPEA

Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

spp.

espécies

ssp.

subespécie – 10 –


subsp.

subespécie

var.

variedade

– 11 –


INTRODUÇÃO As invasões biológicas são uma das maiores causas de perda de biodiversidade e extinção; por exemplo, das 134 extinções de aves registadas desde 1500, 71 (ou 53%) estão relacionadas com espécies exóticas invasoras (Carboneras, 2015). A Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD) fixou como Meta 9 das Metas para a Biodiversidade de Aichi: «Até 2020, as espécies exóticas invasoras e vias de introdução estão identificadas e prioritizadas, as espécies prioritárias estão controladas ou erradicadas e estão em vigor medidas para gerir as vias para prevenir a sua introdução e instalação» (CBD, n.d.). No nosso país esta problemática encontra-se pouco estudada e pouco divulgada. A legislação de nível nacional data de 1999, e designa apenas 32 espécies como invasoras, indicando outras 45 que comportam risco ecológico conhecido (ver anexo A.2). No entanto, como signatário da CBD, Portugal subscreve as metas de Aichi e têm sido feitos alguns esforços no sentido de estudar, divulgar, controlar e legislar sobre espécies invasoras; para alguns destes esforços, ver o 5.º relatório nacional à CBD (ICNF, 2015). O autor criou esta lista – naturalmente incompleta – para colmatar a falta de uma lista única que congregasse todas as espécies invasoras ou de risco invasor em Portugal, dispersas pela literatura científica. Este documento agrega presentemente um total de 431 taxa: três vírus, sete bactérias e fitoplasmas, dois cromoalveolados, duas algas vermelhas, duas algas verdes, 223 plantas, 24 fungos e 168 animais – sendo duas esponjas, um cnidário, sete tunicados, 25 peixes, dois anfíbios, quatro répteis, 31 aves, 14 mamíferos, 14 nemátodos, quatro aracnídeos, um miriápode, cinco crustáceos, 44 insetos, sete moluscos e sete briozoários. A lista inclui pragas agrícolas, isto é, espécies que incidem particularmente sobre culturas agrícolas, porque a) podem afetar diretamente os ecossistemas, b) provocam pressão humana sobre os habitats naturais, afetando maior área à atividade agrícola na tentativa de manter o rendimento das culturas, e c) as medidas de controlo são por vezes semelhantes. A distribuição original das pragas é por vezes desconhecida, ou não referida na literatura. Cada ficha de taxon contém informação sobre o nome científico, o nome comum, a classificação taxonómica, a distribuição nativa, o estatuto de estabelecimento em Portugal, a distribuição em Portugal e as referências bibliográficas consultadas. Os taxa encontram-se classificados quanto ao seu estabelecimento no território português, com os seguintes códigos: •

(A) Autóctone: taxa que ocorre naturalmente, sem ter sido introduzido (deliberada ou acidentalmente) pelo ser humano;

(C) Casual: taxa exótico (não autóctone) que mantém pequenas populações em estado selvagem, não se conseguindo estabelecer longe do local de introdução; – 12 –


(N) Naturalizado: taxa exótico que se reproduz espontaneamente, mas que coexiste com as espécies autóctones;

(I) Invasor: taxa exótico que se reproduz livremente, competindo com as espécies autóctones e promovendo alterações aos ecossistemas;

(R) Risco: taxa exótico, sem ocorrência confirmada em território nacional, mas com suspeitas de potencial invasivo para Portugal.

Estas categorias são em muitos casos indicativas, dada a falta de estudos concretos sobre a maioria dos taxa. A distribuição em Portugal é indicada segundo as regiões NUTS II: Norte, Centro, Lisboa, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira, conforme ilustrado no mapa ao lado.

Alcobaça, junho de 2016

– 13 –


VÍRUS E ORGANISMOS SEMELHANTES

Ranavirus a sair da célula através de budding (imagem: Electron Microscopy Unit AAHL / CSIRO – licença CC-BY-3.0)

ArMV (I) NOME COMUM FAMÍLIA

Arabis mosaic virus (ArMV) • GRUPO IV ((+)ssRNA) • ORDEM Picornavirales •

Secoviridae • GÉNERO Nepovirus • ESPÉCIE Arabis mosaic virus • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecido • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor, praga agrícola, transmitido por Xiphinema diversicaudatum • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS Reis (2015)

GFLV (I) NOME COMUM FAMÍLIA

Grapevine fanleaf virus (GFLV) • GRUPO IV ((+)ssRNA) • ORDEM Picornavirales •

Secoviridae • GÉNERO Nepovirus • ESPÉCIE Grapevine fanleaf virus • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecido • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor, praga agrícola, transmitido por Xiphinema index • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores • REFERÊNCIAS Reis (2015)

Ranavirus (I) NOME COMUM

ranavírus • GRUPO I (dsDNA) • ORDEM inc. sed. • FAMÍLIA Iridoviridae • ESPÉCIE

Ranavirus sp. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Criptogenético; possivelmente Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro • REFERÊNCIAS Laurentino (2012) • Mao et al. (1999)

– 14 –


BACTÉRIAS E FITOPLASMAS ‘Candidatus Liberibacter africanus’ (I) NOME COMUM

agente da citrus greening disease (vetor)• FILO Proteobacteria • CLASSE Alpha

Proteobacteria • ORDEM Rhizobiales • FAMÍLIA Rhizobiaceae • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África Central e do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Madeira • REFERÊNCIAS

Coutinho (2015)

‘Candidatus Phytoplasma vitis’ (I) NOME COMUM

agente da doença de flavescência dourada (vetor) • FILO Tenericutes • CLASSE

Mollicutes • ORDEM Acholeplasmatales • FAMÍLIA Acholeplasmataceae • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro • REFERÊNCIAS

DGAV (2013b) • Sousa & Sá (2008)

Erwinia amylovora (I) NOME COMUM

fogo bacteriano • FILO Proteobacteria • CLASSE Gamma Proteobacteria • ORDEM

Enterobacteriales • FAMÍLIA Enterobacteriaceae • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Alentejo • REFERÊNCIAS

DGAV (2012)

Pseudomonas syringae pv. actinidiae (I) NOME COMUM

PSA • FILO Proteobacteria • CLASSE Gamma Proteobacteria • ORDEM

Pseudomonadales • FAMÍLIA Pseudomonadaceae • ESPÉCIE Pseudomonas syringae pv. actinidiae Takikawa Y, Serizawa S, Ichikawa T, Tsuyumu S, Goto M, 1989 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecido; a espécie foi descoberta nos EUA • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro • REFERÊNCIAS DGAV (2013c)

Ralstonia solanacearum (E/R) NOME COMUM ORDEM

doença do pus, mal murcho • FILO Proteobacteria • CLASSE Beta Proteobacteria •

Burkholderiales • FAMÍLIA Ralstoniaceae • ESPÉCIE Ralstonia solanacearum (Smith 1896)

Yabuuchi et al. 1996 = Pseudomonas solanacearum (Smith) Smith • DISTRIBUIÇÃO NATIVA – 15 –


desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL praga agrícola, erradicado mas com constante risco de reintrodução • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL ausente • REFERÊNCIAS Cruz (2007) • EPPO (2007)

Xanthomonas arboricola pv. pruni (R) NOME COMUM

— • FILO Proteobacteria • CLASSE Gamma Proteobacteria • ORDEM Xanthomonadales

• FAMÍLIA Xanthomonadaceae • ESPÉCIE Xanthomonas arboricola pv. pruni Vauterin et al., 1995 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Risco potencial de invasão; presente

em Espanha • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Ausente • REFERÊNCIAS EFSA Panel on Plant Health (2014)

Xylella fastidiosa (R) NOME COMUM

— • FILO Proteobacteria • CLASSE Gamma Proteobacteria • ORDEM Xanthomonadales

• FAMÍLIA Xanthomonadaceae • ESPÉCIE Xylella fastidiosa Wells et al., 1987 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Origem possível no oeste dos Estados Unidos • ESTATUTO EM PORTUGAL Risco potencial de invasão • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Ausente • REFERÊNCIAS Pereira (2014)

– 16 –


CROMOALVEOLADOS Plasmopara viticola (I) NOME COMUM

mídio da videira • FILO Heterokontophyta • CLASSE Oomycota • ORDEM

Peronosporales • FAMÍLIA Peronosporaceae • ESPÉCIE Plasmopara viticola (Berk. & M.A. Curtis) Berl. & De Toni, (1888) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Este dos Estados Unidos • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Bayer Crop Science (2009a)

Phytophthora infestans (I) NOME COMUM ORDEM

mela da batata, requeima da batata • FILO Heterokontophyta • CLASSE Oomycota •

Peronosporales • FAMÍLIA Peronosporaceae • ESPÉCIE Phytophthora infestans (Mont.) de

Bary • DISTRIBUIÇÃO NATIVA A mesma da batateira (América do Sul) • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor, praga agrícola • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS CABI (2015b)

– 17 –


ALGAS VERMELHAS FILO

Rhodophyta

Asparagopsis armata (I) NOME COMUM

— • CLASSE Florideophyceae • ORDEM Bonnemaisoniales • FAMÍLIA

Bonnemaisoniaceae • ESPÉCIE Asparagopsis armata Harvey = Falkenbergia rufolanosa • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Hemisfério Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor, risco ecológico conhecido • DISTRIBUIÇÃO

EM PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Asparagopsis taxiformis (I) NOME COMUM FAMÍLIA

— • DIVISÃO Rhodophyta • CLASSE Florideophyceae • ORDEM Bonnemaisoniales •

Bonnemaisoniaceae • ESPÉCIE Asparagopsis taxiformis (Delile) Trevisan de Saint-Léon = A.

sanfordiana • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor, risco ecológico conhecido • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

– 18 –


ALGAS VERDES DIVISÃO

Chlorophyta

As algas verdes são por vezes agrupadas com o reino das Plantas; são aqui apresentadas separadamente.

Caulerpa webbiana (I) NOME COMUM

caulerpa • CLASSE Bryopsidophyceae • ORDEM Bryopsidales • FAMÍLIA Caulerpaceae

• ESPÉCIE Caulerpa webbiana Mont. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Trópicos e subtrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor, risco ecológico conhecido, prioridade para erradicação • DISTRIBUIÇÃO EM

PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Codium fragile (I) NOME COMUM

— • CLASSE Bryopsidophyceae • ORDEM Bryopsidales • FAMÍLIA Codiaceae • ESPÉCIE

Codium fragile (Suringar) Harriot • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Japão • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

– 19 –


PLANTAS REINO

Plantae

A classificação dos fetos segue Christenhusz et al. (2011).

Abutilon theophrasti (N) NOME COMUM

folhas-de-veludo • ORDEM Malvales • FAMÍLIA Malvaceae • ESPÉCIE Abutilon

theophrasti Medik. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste da Ásia até leste da região mediterrânica • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Alentejo, Açores •

Marchante et al. (2014)

Acacia baileyana (C) NOME COMUM

acácia-de-Bailey • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia baileyana F.

Muell. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudoeste da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Lisboa, Alentejo • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014) •

Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Acacia cultriformis (N) NOME COMUM

— • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia cultriformis A. Cunn. ex G.

Don • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS Fernandes (2012)

Acacia cyclops (I) NOME COMUM

acácia • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia cyclops A.Cunn. ex

G.Don fil. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudoeste da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Lisboa, Alentejo • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) •

Plantas invasoras em Portugal (n.d.) (Consultado a 26 de abril de 2016)

Acacia dealbata (I) NOME COMUM

Mimosa • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia dealbata Link. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Sudeste da Austrália e Tasmânia • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor •

– 20 –


DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

• Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Acacia decurrens (N) NOME COMUM

— • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia decurrens (J.C. Wendl.)

Willd. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Este da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS Fernandes (2012)

Acacia karroo (N/I) NOME COMUM

Espinheiro-karroo • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia karroo

Hayne. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul até Zâmbia e Angola • ESTATUTO EM PORTUGAL Cientificamente considerada naturalizada, legalmente considerada invasora • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Lisboa, Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas

invasoras em Portugal (n.d.)

Acacia longifolia (I) NOME COMUM

acácia-de-espigas • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia longifolia

(Andrews) Willd. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

• Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Acacia mearnsii (I) NOME COMUM

acácia-negra • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia mearnsii De

Wild. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste da Austrália e Tasmânia • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

• Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Acacia melanoxylon (I) NOME COMUM

austrália • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia melanoxylon R. Br. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Sudeste da Austrália e Tasmânia • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et

al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Acacia pycnantha (I) NOME COMUM

acácia • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia pycnantha Bentham. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Sudeste da Austrália (Vitória) • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • – 21 –


DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro, Lisboa, Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante

et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Acacia retinodes (I) NOME COMUM

acácia-virilda • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia retinodes

Schltdl. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro, Lisboa, Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) •

Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Acacia saligna (C/I) NOME COMUM

acácia • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia saligna (Labill.) H. L.

Wendl. = Acacia cyanophylla Lindl. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Oeste da Austrália e Tasmânia • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor segundo Marchante; casual nos Açores e Madeira segundo Silva;

invasor nos Açores segundo o DLR • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Lisboa, Alentejo, Algarve, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Acacia sophorae (N) NOME COMUM

— • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia sophorae (Labill.) R.Br. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Este e sueste da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS Fernandes (2012)

Acacia verticillata (N/I) NOME COMUM

acácia-de-folhas-verticiladas • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Acacia

verticillata (L’Hér.) Willd. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste da Austrália e Tasmânia • ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizada no Continente, invasora na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro,

Algarve, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Acanthus mollis (N) NOME COMUM

acanto • ORDEM Lamiales • FAMÍLIA Acanthaceae • ESPÉCIE Acanthus mollis L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Centro e este da região mediterrânica • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

– 22 –


Acer negundo (C) NOME COMUM

bordo-negundo • ORDEM Sapindales • FAMÍLIA Sapindaceae • ESPÉCIE Acer negundo

L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte e Centro • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Acer pseudoplatanus (I/R) NOME COMUM

ácer-branco, bordo, plátano, plátano-bastardo • ORDEM Sapindales • FAMÍLIA

Sapindaceae • ESPÉCIE Acer pseudoplatanus L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul da Europa e Ásia Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL risco nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • PNM (n.d.-a)

Adiantum hispidulum (I) NOME COMUM

feto, feito, avenca • ORDEM Polypodiales • FAMÍLIA Pteridaceae • ESPÉCIE Adiantum

hispidulum Sw. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópicos, Indomalaia, Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Adiantum raddianum (I) NOME COMUM

Avenca • ORDEM Polypodiales • FAMÍLIA Pteridaceae • ESPÉCIE Adiantum raddianum

C. Presl • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América Central e do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Aeonium arboreum (N) NOME COMUM

saião, saião-maior, sempre-viva, sempre-viva-maior • ORDEM Saxifragales • FAMÍLIA

Crassulaceae • ESPÉCIE Aeonium arboreum Webb & Berthel • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ilhas Canárias • ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de

risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Agapanthus praecox subsp. orientalis (C/I) NOME COMUM

agapanto, coroas-de-henrique • ORDEM Asparagales • FAMÍLIA Agapanthaceae •

ESPÉCIE

Agapanthus praecox Willd. subsp. orientalis (F. M. Leight) F. M. Leight • DISTRIBUIÇÃO

NATIVA

África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL casual nos Açores, invasor na Madeira •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

– 23 –


Agave americana (I) NOME COMUM

piteira • ORDEM Asparagales • FAMÍLIA Agavaceae • ESPÉCIE Agave americana L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

México e oeste dos EUA • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor; Açores: estatuto de

risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores e Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Agave atrovirens (N) NOME COMUM

— • ORDEM Asparagales • FAMÍLIA Agavaceae • ESPÉCIE Agave atrovirens Karwinski

ex Salm-Dyck • DISTRIBUIÇÃO NATIVA México • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Ageratina adenophora (I) NOME COMUM ESPÉCIE

abundância, inça-muito, milho-cozido • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae •

Ageratina adenophora (Spreng.) R.M. King & H. Rob. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América

Central (México) • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Araújo et al. (2016a) • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Ageratina riparia (I) NOME COMUM

abundância • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Ageratina riparia

(Regel) R. M. King & H. Rob. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA México • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Ailanthus altissima (I) NOME COMUM

Espanta-lobos • ORDEM Sapindales • FAMÍLIA Simaroubaceae • ESPÉCIE Ailanthus

altissima (Mill.) Swingle. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia temperada (China) • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor; Açores: espécie prioritária para erradicação • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Allium triquetrum (N/A) NOME COMUM

alho-bravo • ORDEM Liliales • FAMÍLIA Liliaceae • ESPÉCIE Allium triquetrum L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Região mediterrânica ocidental (Marchante et al., 2014); também Canárias e

Madeira, segundo Aedo (2014) • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado segundo Marchante et al. (2014) • autóctone no Continente, segundo Araújo et al. (2016b) • autóctone na Madeira, segundo – 24 –


Aedo (2014) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Lisboa, Alentejo, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

Aedo (2014) • Araújo et al. (2016b) • DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Aloe vera (I) NOME COMUM

aloé, babosa • ORDEM Liliales • FAMÍLIA Aloeaceae • ESPÉCIE Aloe vera (L.) Burm. f. =

Aloe barbadensis Mill. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Península Arábica e Corno de África • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Alternanthera caracasana (I/R) NOME COMUM

— • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Amaranthaceae • ESPÉCIE Alternanthera

caracasana Kunth • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América Central e do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco; Açores: invasora • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99

Alternanthera herapungens (R) NOME COMUM

— • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Amaranthaceae • ESPÉCIE Alternanthera

herapungens Kunth. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Alternanthera nodiflora (R) NOME COMUM

— • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Amaranthaceae • ESPÉCIE Alternanthera

nodiflora R.Br. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Alternanthera philoxeroides (R) NOME COMUM

— • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Amaranthaceae • ESPÉCIE Alternanthera

philoxeroides Griseb. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Argentina • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Amaranthus powellii (N) NOME COMUM

amaranto • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Amaranthaceae • ESPÉCIE Amaranthus

powellii S.Watson • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte e Central • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

– 25 –


Amaranthus retroflexus (I) NOME COMUM

bredos, beldros • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Amaranthaceae • ESPÉCIE

Amaranthus retroflexus L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Amaryllis belladona (C) NOME COMUM

beladona-bastarda • ORDEM Asparagales • FAMÍLIA Amaryllidaceae • ESPÉCIE

Amaryllis belladona L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Lisboa, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 •

Marchante et al. (2014)

Ambrosia artemisiifolia (N) NOME COMUM

ambrósia • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Ambrosia artemisiifolia

L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Alentejo • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras

em Portugal (2015)

Amorpha fruticosa (C) NOME COMUM

índigo-bastardo • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Amorpha fruticosa L.

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Aptenia cordifolia (C/I) NOME COMUM ESPÉCIE

rosinha-do-sol, apténia, sanjoães • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Aizoaceae •

Aptenia cordifolia (L. fil) Schwantes. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM

PORTUGAL

Casual no Continente, invasor nas Regiões Autónomas • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Lisboa, Alentejo, Algarve, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Silva et al. (2008)

Araujia sericifera (C/N/I) NOME COMUM

sumaúma-bastarda • ORDEM Gentianales • FAMÍLIA Asclepiadaceae • ESPÉCIE

Araujia sericifera Brot. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste da América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual no Continente, invasor nos Açores, naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Alentejo, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Silva et al. (2008)

– 26 –


Arctotheca calendula (I) NOME COMUM

erva-gorda • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Arctotheca calendula

(L.) Levyns • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente e Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas

invasoras em Portugal (n.d.)

Artemisia verlotiorum (N) NOME COMUM

— • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Artemisia verlotiorum Lamotte

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Eurásia • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Arundo donax (I) NOME COMUM

cana, cana-vieira • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Arundo donax L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Europa Oriental e Ásia temperada e tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor;

prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal

(n.d.) • Silva et al. (2008)

Aster squamatus (N/I) NOME COMUM

estrela-comum • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Aster squamatus

(Spreng.) Hieron. = Symphyotrichum subulatum (Michx.) G. L. Nesom var. squamatum (Spreng.) S. D. Sundb. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América Central e do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado no Continente, invasor nas Regiões Autónomas • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Azolla filiculoides (I) NOME COMUM

azola • ORDEM Salviniales • FAMÍLIA Salviniaceae • ESPÉCIE Azolla filiculoides Lam. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA PORTUGAL

América Tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM

Norte, Centro, Lisboa, Alentejo • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) •

Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Bidens aurea (N) NOME COMUM

chá-de-Espanha • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Bidens aurea

(Aiton) Sherff • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América Central, oeste da América do Norte • ESTATUTO EM – 27 –


PORTUGAL

Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro (observação própria) • REFERÊNCIAS

DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Bidens frondosa (I) NOME COMUM

erva-rapa • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Bidens frondosa L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA PORTUGAL

América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM

Continente • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Bidens pilosa (N/I) NOME COMUM

amores-de-burro • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Bidens pilosa L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Neotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado nos Açores, invasor na

Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Boussingaultia cordifolia (C/N/I) NOME COMUM

parra-da-Madeira • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Basellaceae • ESPÉCIE

Boussingaultia cordifolia Ten. = Anredera cordifolia (Ten.) Steenis • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual no Continente, invasor nos Açores, naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A •

Marchante et al. (2014) • Silva et al. (2008)

Cardiospermum grandiflorum (I) NOME COMUM

corriola-de-balões • ORDEM Sapindales • FAMÍLIA Sapindaceae • ESPÉCIE

Cardiospermum grandiflorum Sw. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Neotrópicos, Afrotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Carpobrotus edulis (I) NOME COMUM

chorão-da-praia, figo-da-rocha, bálsamo • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA

Aizoaceae • ESPÉCIE Carpobrotus edulis (L.) N.E.Br. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor; prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores e Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Centranthus ruber (A/N/I) NOME COMUM

alfinetes, boliana • ORDEM Dipsacales • FAMÍLIA Valerianaceae • ESPÉCIE

Centranthus ruber (L.) DC. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Mediterrâneo • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone

– 28 –


no Continente, naturalizado nos Açores, naturalizado e invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Cercis siliquastrum (N) NOME COMUM

olaia • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Cercis siliquastrum L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Este da região Mediterrânica • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizada •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Alentejo • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al.

(2014)

Chamaecyparis lawsoniana (C) NOME COMUM

cedro-branco • ORDEM Pinales • FAMÍLIA Cupressaceae • ESPÉCIE Chamaecyparis

lawsoniana (A. Murray) Parl. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Estados do Oregon e Califórnia, EUA • ESTATUTO EM PORTUGAL

Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Açores • REFERÊNCIAS

DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • NRCS

Chasmanthe aethiopica (N/I) NOME COMUM

espadanas • ORDEM Asparagales • FAMÍLIA Iridaceae • ESPÉCIE Chasmanthe

aethiopica (L.) N.E.Br. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado no Continente, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Lisboa, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014) • Silva et al. (2008)

Cirsium vulgare (A/N/I) NOME COMUM

cardo • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Cirsium vulgare (Savi) Ten.

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Paleártico Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone no Continente, naturalizado nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Clethra arborea (A/I) NOME COMUM ESPÉCIE

folhadeiro, folhadeiro-da-Madeira, cletra • ORDEM Ericales • FAMÍLIA Clethraceae •

Clethra arborea Aiton. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Arquipélago da Madeira • ESTATUTO EM

PORTUGAL

Invasor e prioridade de erradicação nos Açores, autóctone na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM

PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em

Portugal (n.d.)

– 29 –


Colocasia esculenta (N/I) NOME COMUM

inhame • ORDEM Alismatales • FAMÍLIA Araceae • ESPÉCIE Colocasia esculenta (L.)

Schott • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Malásia • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado e invasor nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Commelina communis (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Commelinales • FAMÍLIA Commelinaceae • ESPÉCIE Commelina

communis L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Este da Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014)

Conium maculatum (A/I) NOME COMUM

cegude, cicuta, ansarina-malhada • ORDEM Apiales • FAMÍLIA Apiaceae • ESPÉCIE

Conium maculatum L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa, Norte de África • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone no Continente, invasor nos Açores, naturalizada na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Sequeira et al. (2011)

Conyza bilbaoana (C) NOME COMUM

— • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Conyza bilbaoana J. Remy •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

não indicada • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte • REFERÊNCIAS Alves & Aguiar (2012) • Marchante et al. (2014)

Conyza bonariensis (I) NOME COMUM

avoadinha-peluda • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Conyza

bonariensis (L.) Cronq. = Erigeron bonariensis L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL

565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Conyza canadensis (I) NOME COMUM

avoadinha • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Conyza canadensis (L.)

Cronq. = Erigeron canadensis L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

– 30 –


Conyza sumatrensis (I) NOME COMUM

avoadinha-marfim • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Conyza

sumatrensis (Retz.) E. Walker = Conyza albida Sprengel • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Lisboa, Algarve,

Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Cortaderia selloana (I) NOME COMUM

penachos • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Cortaderia selloana /Schult. &

Schult.f.) Ach & Graebn. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Parte tropical da América do Sul (Chile e Argentina) • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Cotula australis (N/I) NOME COMUM

— • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Cotula australis (Sieber ex

Spreng.) Hook. fil. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Austrália, Nova Zelândia • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

Silva et al. (2008)

Cotula coronopifolia (I) NOME COMUM

botões-de-latão • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Cotula

coronopifolia L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas

invasoras em Portugal (n.d.)

Crassula multicava (N/I) NOME COMUM

crássula • ORDEM Saxifragales • FAMÍLIA Crassulaceae • ESPÉCIE Crassula multicava

Lem. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Crocosmia × crocosmiiflora (C/I) NOME COMUM

crocósmia, mombrécia • ORDEM Asparagales • FAMÍLIA Iridaceae • ESPÉCIE

Crocosmia × crocosmiiflora (Lemoine) N.E.Br. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Híbrido produzido em França com base em espécies vindas da África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual no Continente, invasor nos Açores e na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Silva et al. (2008)

– 31 –


Cyathea cooperi (N/I) NOME COMUM

feto-arbóreo • ORDEM Cyatheales • FAMÍLIA Cyatheaceae • ESPÉCIE Cyathea cooperi

(Hook. ex F. Muell.) Domin = Sphaeropteris cooperi (Hook. ex F. Muell.) R. M. Tryon • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Nordeste da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor nos Açores, naturalizado na

Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Cynodon dactylon (A/I) NOME COMUM

pé-de-galo, milhã • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Cynodon dactylon (L.)

Pers. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Médio Oriente, Europa, Madeira • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Sequeira et al. (2011)

Cyperus eragrostis (N) NOME COMUM

junção • ORDEM Poales • FAMÍLIA Cyperaceae • ESPÉCIE Cyperus eragrostis Lam. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA PORTUGAL

América tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Cyperus esculentus (I) NOME COMUM

junça • ORDEM Poales • FAMÍLIA Cyperaceae • ESPÉCIE Cyperus esculentus L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA PORTUGAL

América do Norte, África, e do sul da Europa até à Índia • ESTATUTO EM

autóctone no Continente, invasor nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente,

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Sequeira et al. (2011)

Cyperus longus (I) NOME COMUM

não conhecido • ORDEM Poales • FAMÍLIA Cyperaceae • ESPÉCIE Cyperus longus L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA PORTUGAL

Reino Unido e França • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM

Lisboa • REFERÊNCIAS Duarte (2015) • Rose (1989)

Cyperus rotundus (I) NOME COMUM

junça-grada, tiririca • ORDEM Poales • FAMÍLIA Cyperaceae • ESPÉCIE Cyperus

rotundus L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África, sul da Europa, sul da Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Sequeira et al. (2011)

– 32 –


Cyrtomium falcatum (I) NOME COMUM

feto • ORDEM Polypodiales • FAMÍLIA Dryopteridaceae • ESPÉCIE Cyrtomium

falcatum (L. fil.) C. Presl • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Cytisus scoparius (A/I) NOME COMUM

giesta • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Cytisus scoparius (L.) Link •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Europa, Ásia Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone no Continente,

invasor nos Açores e Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

Silva et al. (2008)

Cytisus striatus (A/I) NOME COMUM

giesta • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Cytisus striatus (Hill) Rothm. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Península Ibérica, Norte de África • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone no

Continente, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Datura stramonium (I) NOME COMUM

figueira-do-inferno • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Solanaceae • ESPÉCIE Datura

stramonium L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul da América tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et

al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Delairea odorata (N/I) NOME COMUM

erva-de-São-Tiago • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Delairea

odorata Lem. = Senecio mikanioides Otto ex Walpers. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Regão do Cabo, África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor nos Açores, naturalizado nas outras regiões • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Lisboa, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Marchante et

al. (2014)

Deparia petersenii (N/I) NOME COMUM

feto, feito • ORDEM Blechnales • FAMÍLIA Athyriaceae • ESPÉCIE Deparia petersenii

(Kunze) M. Kato • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia tropical e subtropical • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor nos Açores, naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

– 33 –


Doodia caudata (I) NOME COMUM

feto • ORDEM Blechnales • FAMÍLIA Blechnaceae • ESPÉCIE Doodia caudata (Cav.) R.

Br. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Austrália, Tasmânia, Nova Zelândia • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Drosanthemum candens (N) NOME COMUM

arrozinhos • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Aizoaceae • ESPÉCIE Drosanthemum

candens (Haw.) Schwantes. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Lisboa, Alentejo, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Drosanthemum floribundum (N/I) NOME COMUM ESPÉCIE

arrozinho, chorão-baguinho-de-arroz • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Aizoaceae •

Drosanthemum floribundum (Haw.) Schwantes • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul •

ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor nos Açores, naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Silva et al. (2008)

Duchesnea indica (N/I) NOME COMUM ESPÉCIE

morangueiro-silvestre, morangos-de-lagartixa • ORDEM Rosales • FAMÍLIA Rosaceae •

Duchesnea indica (Andr.) Focke • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul e este da Ásia • ESTATUTO EM

PORTUGAL

naturalizado nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores,

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Echinochloa oryzicola (N) NOME COMUM

— • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Echinochloa oryzicola (Vasinger)

Vasinger • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Egeria densa (N/I) NOME COMUM

egéria • ORDEM Alismatales • FAMÍLIA Hydrocaritaceae • ESPÉCIE Egeria densa

Planch. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste da América (Argentina, Brasil e Uruguai) • ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizado no Continente, invasor e prioridade de erradicação nos Açores •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) •

Silva et al. (2008)

– 34 –


Ehrharta calycina (N) NOME COMUM

— • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Ehrharta calycina Sm. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Sul de África • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como

estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Ehrharta erecta (N) NOME COMUM NATIVA

— • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Ehrharta erecta Lam. • DISTRIBUIÇÃO

Sul de África, Iémen • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como estabelecido no

DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Eichhornia crassipes (I) NOME COMUM

jacinto-de-água • ORDEM Commelinales • FAMÍLIA Pontederiaceae • ESPÉCIE

Eichhornia crassipes (Mart.) Solms. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul, na bacia Amazónica • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS DL

565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Elodea canadensis (N) NOME COMUM

elódea • ORDEM Alismatales • FAMÍLIA Hydrocaritaceae • ESPÉCIE Elodea canadensis

Michx. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas

invasoras em Portugal (n.d.)

Epilobium brachycarpum (C) NOME COMUM

— • ORDEM Myrtales • FAMÍLIA Onagraceae • ESPÉCIE Epilobium brachycarpum C.

Presl. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Argentina, oeste da América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual, referida como potencial invasor ao longo de estradas e caminhos-de-ferro • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte • REFERÊNCIAS Alves & Aguiar (2012) • Marchante et al. (2014)

Erigeron karvinskianus (I) NOME COMUM

vitadínia-das-floristas • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Erigeron

karvinskianus DC. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA México e sul da América tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores e Madeira • REFERÊNCIAS DL

565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

– 35 –


Eryngium pandanifolium (I) NOME COMUM

piteirão • ORDEM Apiales • FAMÍLIA Apiaceae • ESPÉCIE Eryngium pandanifolium

Cham. & Schlecht. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudoeste da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas

invasoras em Portugal (n.d.)

Eschscholzia californica (C/I) NOME COMUM

papoila-da-Califórnia • ORDEM Ranunculales • FAMÍLIA Papaveraceae • ESPÉCIE

Eschscholzia californica Cham. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Estados Unidos e México • ESTATUTO EM PORTUGAL

casual no Continente e nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011) • Silva et al. (2008)

Eucalyptus globulus (I) NOME COMUM

eucalipto • ORDEM Myrtales • FAMÍLIA Myrtaceae • ESPÉCIE Eucalyptus globulus

Labill. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste da Austrália e Tasmânia • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores e Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et

al. (2014)

Fallopia baldschuanica (N) NOME COMUM

cordão-prateado • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Polygonaceae • ESPÉCIE Fallopia

baldschuanica (Regel) Holub. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Oeste da China e Tibete • ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante

et al. (2014)

Fascicularia bicolor (C) NOME COMUM

fasciculária • ORDEM Poales • FAMÍLIA Bromeliaceae • ESPÉCIE Fascicularia bicolor

(Ruiz & Pavon) Mez. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Chile • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro, Lisboa • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Freesia sp. (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Asparagales • FAMÍLIA Iridaceae • ESPÉCIE Freesia Eckl. ex Klatt •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

África Oriental e do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado

(indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

– 36 –


Fuchsia magellanica (I) NOME COMUM

brincos-de-princesa • ORDEM Myrtales • FAMÍLIA Onagraceae • ESPÉCIE Fuchsia

magellanica Lam. = Fuchsia magellanica var. macrostema (Ruiz & Pav.) Munz • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Chile e Argentina • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS

PNM (n.d-c) • SPEA (2010)

Furcraea foetida (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Asparagales • FAMÍLIA Asparagaceae • ESPÉCIE Furcraea foetida (L.) Haw.

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Caraíbas, norte da América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Galinsoga parviflora (I) NOME COMUM

erva-da-moda • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Galinsoga

parviflora Cav. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et

al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Gamochaeta pensylvanica (N) NOME COMUM

— • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Gamochaeta pensylvanica

(Willd.) Cabrera • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Gamochaeta simplicicaulis (C) NOME COMUM

— • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Gamochaeta simplicicaulis

(Willdenow ex Sprengel) Cabrera • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; presença detetada durante um estudo dos padrões de riqueza florística de exóticas com caracter invasor na zona do Alto Minho • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte • REFERÊNCIAS Alves & Aguiar (2012) • Marchante et al. (2014) • Zuloaga et al. (2008)

Gazania rigens (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Gazania rigens (L.) Gaertner •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Sul de África • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado

como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011) – 37 –


Gleditsia triacanthos (C) NOME COMUM

espinheiro-da-Virgínia • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Gleditsia

triacanthos L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Centro e Este da América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Alentejo • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Gomphocarpus fruticosus (N/I) NOME COMUM

sumaúma-bastarda, sedas, á́rvore-de-seda • ORDEM Gentianales • FAMÍLIA

Apocynaceae • ESPÉCIE Gomphocarpus fruticosus (L.) Aiton fil. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por

Marchante; segundo Silva, é naturalizado nos Açores e invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) •

Sequeira et al. (2011) • Silva et al. (2008)

Gomphocarpus physocarpus (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Gentianales • FAMÍLIA Apocynaceae • ESPÉCIE Gomphocarpus

physocarpus E.Meyer • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste de África • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Gunnera tinctoria (I) NOME COMUM

gigante, gunera • ORDEM Gunnerales • FAMÍLIA Gunneraceae • ESPÉCIE Gunnera

tinctoria (Molina) Mirbel. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul (Colômbia e Chile) • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor, prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores •

REFERÊNCIAS

DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva

et al. (2008)

Hakea salicifolia (I) NOME COMUM

háquea-folhas-de-salgueiro • ORDEM Proteales • FAMÍLIA Proteaceae • ESPÉCIE

Hakea salicifolia (Vent.) B.L. Burtt. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste da Austrália e Tasmânia • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente • REFERÊNCIAS DL 565/99

• Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Hakea sericea (I) NOME COMUM

háquea-picante • ORDEM Proteales • FAMÍLIA Proteaceae • ESPÉCIE Hakea sericea

Schrader. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO – 38 –


EM PORTUGAL

Continente • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em

Portugal (n.d.)

Hedychium coronarium (I) conteira • ORDEM Zingiberales • FAMÍLIA Zingiberaceae • ESPÉCIE Hedychium

NOME COMUM

coronarium J. Koenig • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Himalaias • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014) • Silva et al. (2008)

Hedychium gardnerianum (I) conteira, roca-de-velha • ORDEM Zingiberales • FAMÍLIA Zingiberaceae • ESPÉCIE

NOME COMUM

Hedychium gardnerianum Sheppard ex Ker Gawl. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia (Índia, este dos Himalaias e Nepal) • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Lisboa, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Helianthus tuberosus (I) alcachofra-girassol, tupinambo, girassol-batateiro • ORDEM Asterales • FAMÍLIA

NOME COMUM

Asteraceae • ESPÉCIE Helianthus tuberosus L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Centro e este da América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Helichrysum petiolare (N) NOME COMUM

sempre-noiva-das-floristas • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE

Helichrysum petiolare Hilliard & B.L. Burtt. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 •

Marchante et al. (2014)

Hydrangea macrophylla (I/N) NOME COMUM

hortense, hortênsia, novelão, hidrângea • ORDEM Comales • FAMÍLIA Hydrangeaceae

• ESPÉCIE Hydrangea macrophylla (Thunb.) Ser. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Japão • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasora em algumas ilhas dos Açores; naturalizado nas restantes regiões • DISTRIBUIÇÃO

EM PORTUGAL

Norte, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Silva et al.

(2008)

– 39 –


Hydrilla verticillata (R) NOME COMUM

— • ORDEM Alismatales • FAMÍLIA Hydrocharitaceae • ESPÉCIE Hydrilla verticillata

(L.f.) Royle • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Distribuição escassa pela Europa, África, Ásia e Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida •

DL 565/99

Hydrocotyle bonariensis (N) NOME COMUM

— • ORDEM Apiales • FAMÍLIA Araliaceae • ESPÉCIE Hydrocotyle bonariensis Lam. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

África tropical e do Sul, América do Sul, sudeste da América do Norte •

ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de

risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Impatiens glandulifera (R) NOME COMUM

bálsamo-do-Himalaia • ORDEM Ericales • FAMÍLIA Balsaminaceae • ESPÉCIE

Impatiens glandulifera Royle • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Himalaia • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Ipomoea indica (I) NOME COMUM

bons-dias • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Convolvulaceae • ESPÉCIE Ipomoea indica

(Burm.) Merr. = Ipomoea acuminata (Vahl) Roemer & Schultes. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Zona tropical da América do Sul, Ásia e Havai • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor, prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores e Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Kalanchoe spp. (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Saxifragales • FAMÍLIA Crassulaceae • ESPÉCIE Segundo Sequeira et al.

(2011), as seguintes espécies são encontradas fora de cultivo em Portugal: Kalanchoe daigremontiana Raym.-Hamet & H.Perrier • Kalanchoe delagonensis Eckl. & Zeyh. • Kalanchoe fedtschenkoi Raym.Hamet & Perrier • Kalanchoe pinnata (Lam.) Pers. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Maioritariamente sul de África, este de África e Madagáscar • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

– 40 –


Lantana camara (C/I) NOME COMUM

lantana • ORDEM Lamiales • FAMÍLIA Verbenaceae • ESPÉCIE Lantana camara L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Zonas de clima tropical da América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual no

Continente, invasor nas Regiões Autónomas, prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Alentejo, Algarve, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 •

DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Silva et al. (2008)

Lepidium didymum (N/I) NOME COMUM

— • ORDEM Capparales • FAMÍLIA Brassicaceae • ESPÉCIE Lepidium didymum L. =

Coronopus didymus (L.) J.E. Sm. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

Silva et al. (2008)

Leptospermum scoparium (N/I) NOME COMUM

urze-de-jardim • ORDEM Myrtales • FAMÍLIA Myrtaceae • ESPÉCIE Leptospermum

scoparium J. R. Forst. & G. Forst. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Austrália, Nova Zelândia • ESTATUTO EM PORTUGAL

naturalizado nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores,

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Leycesteria formosa (I) NOME COMUM

silva-mansa • ORDEM Dipsacales • FAMÍLIA Caprifoliaceae • ESPÉCIE Leycesteria

formosa Wall. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Índia, Himalaia, Sudoeste da China • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor, prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Silva et al. (2008)

Lonicera japonica (C) NOME COMUM

madressilva-dos-jardins • ORDEM Dipsacales • FAMÍLIA Caprifoliaceae • ESPÉCIE

Lonicera japonica Thunb. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Lisboa, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 •

Marchante et al. (2014)

Ludwigia grandiflora (R) NOME COMUM

— • ORDEM Myrtales • FAMÍLIA Onagraceae • ESPÉCIE Ludwigia grandiflora (Michx.)

Greuter & Burdet, 1987 = Ludwigia uruguayensis (Camb.) Hara • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

DL 565/99 – 41 –


Ludwigia peploides (R) NOME COMUM

— • ORDEM Myrtales • FAMÍLIA Onagraceae • ESPÉCIE Ludwigia peploides (Kunth)

P.H.Raven • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Lysimachia nummularia (C) NOME COMUM

erva-dos-escudos • ORDEM Ericales • FAMÍLIA Primulaceae • ESPÉCIE Lysimachia

nummularia L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Eurásia • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Alentejo • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Mentha suaveolens (A/I) NOME COMUM ESPÉCIE

hortelã-brava, marrolho, mantrasto • ORDEM Lamiales • FAMÍLIA Lamiaceae •

Mentha suaveolens Ehrh. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa Ocidental, Mediterrâneo Ocidental •

ESTATUTO EM PORTUGAL PORTUGAL

autóctone no Continente e Madeira, invasor nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Mirabilis jalapa (C) NOME COMUM

boas-noites • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Nyctaginaceae • ESPÉCIE Mirabilis

jalapa L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Modiola caroliniana (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Malvales • FAMÍLIA Malvaceae • ESPÉCIE Modiola caroliniana (L.) G.Don

fil. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Madeira • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Myoporum laetum (C) NOME COMUM

mióporo, mulateira • ORDEM Lamiales • FAMÍLIA Scrophulariaceae • ESPÉCIE

Myoporum laetum G. Forst. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Nova Zelândia • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Lisboa e Alentejo • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Myriophyllum aquaticum (I) NOME COMUM

pinheirinha • ORDEM Saxifragales • FAMÍLIA Haloragaceae • ESPÉCIE Myriophyllum

aquaticum (Velloso) Verdc. = Myriophyllum brasiliense Cambess. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do – 42 –


Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Lisboa, Alentejo • REFERÊNCIAS

DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Nephrolepis cordifolia (N/I) NOME COMUM

feto-faca, feto-espada • ORDEM Polypodiales • FAMÍLIA Nephrolepidaceae • ESPÉCIE

Nephrolepis cordifolia (L.) C. Presl • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Norte da Austrália, Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor nos Açores, naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores,

Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Silva et al. (2008)

Nicotiana glauca (C/I) NOME COMUM

charuto-do-rei, tabaqueira-azul • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Solanaceae • ESPÉCIE

Nicotiana glauca F. Muell. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul da América tropical (Chile, Argentina, Paraguai e Bolívia) • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual no Continente, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Alentejo, Algarve e Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al.

(2014) • Silva et al. (2008)

Nymphaea mexicana (R) NOME COMUM

nenúfar-mexicano • ORDEM Nymphaeales • FAMÍLIA Nymphaeaceae • ESPÉCIE

Nymphaea mexicana Zucc. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Estados Unidos e México • ESTATUTO EM PORTUGAL

espécie de risco, presente na bacia do Guadiana em Badajoz • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

ausente • REFERÊNCIAS Martínez Bautista (2012)

Oenothera glazioviana (N) NOME COMUM

erva-dos-burros • ORDEM Myrtales • FAMÍLIA Onagraceae • ESPÉCIE Oenothera

glazioviana Micheli. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Originada por cruzamento espontâneo de duas espécies norte-americanas • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Alentejo, Algarve, Açores • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Oenothera rosea (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Myrtales • FAMÍLIA Onagraceae • ESPÉCIE Oenothera rosea L’Hér. ex

Aiton • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Texas, México • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

– 43 –


Oenothera stricta (N) NOME COMUM

oenothera • ORDEM Myrtales • FAMÍLIA Onagraceae • ESPÉCIE Oenothera stricta

Ledeb. ex Link. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Lisboa, Alentejo, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014)

Opuntia elata (I) NOME COMUM

— • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Cactaceae • ESPÉCIE Opuntia elata Salm-Dyck.

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Paraguai • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Opuntia maxima (I) NOME COMUM

figueira-da-Índia • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Cactaceae • ESPÉCIE Opuntia

maxima Mill. – Opuntia ficus-indica s.l. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Parte tropical da América (desde o México até à Colômbia) • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Opuntia stricta (I) NOME COMUM

piteira • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Cactaceae • ESPÉCIE Opuntia stricta (Haw.)

Haw. = Opuntia dillenii (Ker-Gawl.) Haw. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte e Central • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

• Silva et al. (2008)

Opuntia subulata (I) NOME COMUM

— • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Cactaceae • ESPÉCIE Opuntia subulata

(Mühlenpf.) Engelm = Austrocylindropuntia subulata (Mühlenpf.) Backeb. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul do Peru • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Lisboa, Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014)

Opuntia tuna (I) NOME COMUM

tabaibeira • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Cactaceae • ESPÉCIE Opuntia tuna (L.)

Mill. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Caraíbas • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

– 44 –


Osteospermum sp. (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Osteospermum sp. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Península Arábica, Sul de África • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente

naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014)

Oxalis articulata (N) NOME COMUM

não conhecido • ORDEM Oxalidales • FAMÍLIA Oxalidaceae • ESPÉCIE Oxalis

articulata Savigny • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

não conhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Oxalis debilis var. corymbosa (N) NOME COMUM

azedinha • ORDEM Oxalidales • FAMÍLIA Oxalidaceae • ESPÉCIE Oxalis debilis var.

corymbosa (DC.) Lourteig. = Oxalis corymbosa DC. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Lisboa, Alentejo •

DL 565/99 • JBUTAD (n.d.–a) • Marchante et al. (2014)

Oxalis latifolia (N) NOME COMUM

não conhecido • ORDEM Oxalidales • FAMÍLIA Oxalidaceae • ESPÉCIE Oxalis latifolia

Kunth. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA México • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

não conhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Oxalis pes-caprae (I) NOME COMUM ESPÉCIE

azedas, erva-azeda, erva-canária • ORDEM Oxalidales • FAMÍLIA Oxalidaceae •

Oxalis pes-caprae L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A

• Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Oxalis purpurea (N) NOME COMUM

não conhecido • ORDEM Oxalidales • FAMÍLIA Oxalidaceae • ESPÉCIE Oxalis purpurea

L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

não conhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

– 45 –


Paraserianthes lophantha (I) NOME COMUM

albízia • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Paraserianthes lophantha

(Willd.) I.C. Nielsen = Albizia lophanta (Willd.) Benth. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Alentejo, Algarve, Madeira

(casual em algumas ilhas dos Açores) • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Silva et al. (2008)

Paspalum dilatatum (N) NOME COMUM

— • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Paspalum dilatatum Poir. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Brasil, Argentina • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como

estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Paspalum distichum (N/I) NOME COMUM

grama-de-ponta • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Paspalum distichum L.

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Pantropical: América, África e Ásia tropicais (em algumas regiões provavelmente já introduzido) • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor nos Açores, naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Paspalum paspalodes (I) NOME COMUM

grama-de-Joanópolis • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Paspalum

paspalodes (Michx.) Scribn. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África, América do Sul e do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores e Madeira • REFERÊNCIAS DL

565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Passiflora tripartita var. mollissima (I) NOME COMUM

maracujá-banana • ORDEM Violales • FAMÍLIA Passifloraceae • ESPÉCIE Passiflora

tripartita (Juss.) Poir. var. mollissima (Kunth) Holm-Niels. & P. Jørg. = Passiflora mollissima (Kunth) L.H. Bailey • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Pelargonium graveolens (N?) NOME COMUM

sardinheira • ORDEM Geraniales • FAMÍLIA Geranieaceae • ESPÉCIE Pelargonium

graveolens L’Hér. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul de África • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente

– 46 –


naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014)

Pelargonium inquinans (I) NOME COMUM

malva • ORDEM Geraniales • FAMÍLIA Geraniaceae • ESPÉCIE Pelargonium inquinans

(L.) L’Hér. ex Ait. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Pennisetum clandestinum (N) NOME COMUM

erva-carota • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Pennisetum clandestinum

Hochst. ex Chiov. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Pennisetum setaceum (C) NOME COMUM

penisetum • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Pennisetum setaceum

(Forssk.) Chiov. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Norte e este de África, e sudoeste asiático • ESTATUTO EM PORTUGAL

Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Algarve • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Pennisetum villosum (N) NOME COMUM

plumas-de-seda • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Pennisetum villosum

R.Br. ex Fresen. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Nordeste de África (Eritreia, Etiópia e Somália) e Península Arábica (Iémen) • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Algarve, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Persicaria capitata (N/I) NOME COMUM

polígono-de-jardim, confeito, erva-confeiteira • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA

Polygonaceae • ESPÉCIE Persicaria capitata (Buch.-Ham. ex D. Don) H. Gross 1913 = Polygonum capitatum Buch.-Ham ex D.Don. 1825 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Himalaias e este da Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL

Continente e Madeira: naturalizado; Açores: invasor, risco ecológico conhecido,

prioridade para erradicação • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Lisboa, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Persicaria lapathifolia ssp. lapathifolia (A/I) NOME COMUM

erva-bastarda, erva-pessegueira, mal-casada • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA

Polygonaceae • ESPÉCIE Persicaria lapathifolia (L.) Delarbre ssp. lapathifolia = Polygonum lapathifolium L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone no Continente e – 47 –


Madeira, invasor nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS

DiTommaso et al. (2013) • DLR 15/2012/A • Sequeira et al. (2011)

Phalaris aquatica (A/I) NOME COMUM

alpista, capim-doce • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Phalaris aquatica L.

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Mediterrâneo e Macaronésia • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone na ilha da Madeira, invasora nas ilhas Desertas • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS PNM (n.d-b)

Phoenix canariensis (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Arecales • FAMÍLIA Arecaceae • ESPÉCIE Phoenix canariensis hort. ex

Chabaud • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ilhas Canárias • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Phormium tenax (N/I) NOME COMUM

espadana, tabua, linho da Nova-Zelândia • ORDEM Asparagales • FAMÍLIA

Hemerocallidaceae • ESPÉCIE Phormium tenax J. R. Forst. & G. Forst. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Nova Zelândia • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor nos Açores, naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Phyllostachys aurea (N) NOME COMUM

bambu-dourado • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Acacia cyclops Rivière

& C. Rivière • DISTRIBUIÇÃO NATIVA China e Japão • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro, Lisboa, Alentejo, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et

al. (2014)

Phytolacca americana (I) NOME COMUM

tintureira, uva-de-rato • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Phytolaccaceae • ESPÉCIE

Phytolacca americana L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Phytolacca heterotepala (N) NOME COMUM

desconhecido • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Phytolaccaceae • ESPÉCIE

Phytolacca heterotepala Walter • DISTRIBUIÇÃO NATIVA México, oeste da América do Norte • – 48 –


ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Lisboa • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014)

Pinus pinaster (A/N/I) NOME COMUM

pinheiro-bravo • ORDEM Pinales • FAMÍLIA Pinaceae • ESPÉCIE Pinus pinaster Aiton •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Sul da Europa e Norte de África • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone no

Continente, invasor nos Açores, naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Pistia stratiotes (R) NOME COMUM

erva-de-Santa-Luzia, repolho-d’água, alface-d’água • ORDEM Alismatales • FAMÍLIA

Araceae • ESPÉCIE Pistia stratiotes L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Pantropical: Sul da América do Sul, América Central e do Sul, África tropical e do Sul, rio Nilo, Índia, Sudeste Asiático, Norte da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

DL 565/99

Pittosporum eugenioides (I) NOME COMUM

pitósporo-limão • ORDEM Apiales • FAMÍLIA Pittosporaceae • ESPÉCIE Pittosporum

eugenioides A. Cunn. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Nova Zelândia • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014) • Orwin (2015)

Pittosporum tobira (C) NOME COMUM

pitósporo-da-China • ORDEM Apiales • FAMÍLIA Pittosporaceae • ESPÉCIE

Pittosporum tobira (Thunb.) W.T. Aiton. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia (China, Japão, Coreia) • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Alentejo, Açores •

DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Pittosporum undulatum (I) NOME COMUM ESPÉCIE

árvore-do-incenso, faia-do-norte • ORDEM Apiales • FAMÍLIA Pittosporaceae •

Pittosporum undulatum Vent. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudoeste da Austrália • ESTATUTO EM

PORTUGAL

Invasor, prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte,

Centro, Lisboa, Algarve, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

– 49 –


Platanus × hispanica (N) NOME COMUM

plátano • ORDEM Proteales • FAMÍLIA Platanaceae • ESPÉCIE Platanus × hispanica

Mill. ex Münchh. = Platanus × acerifolia (Aiton) Willd. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA híbrido produzido na Europa • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Polygonum aviculare (A/I) NOME COMUM

centonódia, corriola-bastarda, erva-da-ferradeira, erva-da-muda, erva-da-saúde, erva-

das-galinhas, erva-dos-passarinhos, língua-de-perdiz, persicária-sempre-noiva, sanguinária, sanguinha, sempre-noiva, sempre-noiva-dos-modernos • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Polygonaceae • ESPÉCIE Polygonum aviculare L. Coll. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Holártica • ESTATUTO EM PORTUGAL PORTUGAL

Continente: autóctone; Açores: invasor, risco ecológico conhecido • DISTRIBUIÇÃO EM

Continente, Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • JBUTAD (n.d.–b)

Polygonum persicaria (A/I) NOME COMUM

cristas, erva-das-pulgas, erva-pessegueira, erva-pulgueira, persicária, persicária-

vulgar, pessegueira, pesseguelha • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Polygonaceae • ESPÉCIE Polygonum persicaria L. = Persicaria maculosa S.F.Gray 1821 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Paleártico • ESTATUTO EM PORTUGAL

Continente e Madeira: autóctone; Açores: invasor, risco ecológico conhecido

• DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • JBUTAD (n.d.–c)

Populus alba (N) NOME COMUM

choupo-branco • ORDEM Malpighiales • FAMÍLIA Salicaceae • ESPÉCIE Populus alba L.

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Centro e sul da Europa, região mediterrânica e oeste da Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizada • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores e Madeira • REFERÊNCIAS

DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Populus nigra (N) NOME COMUM

choupo-negro • ORDEM Malpighiales • FAMÍLIA Salicaceae • ESPÉCIE Populus nigra L.

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

– 50 –


Prunus laurocerasus (I) NOME COMUM

louro-cerejo • ORDEM Rosales • FAMÍLIA Rosaceae • ESPÉCIE Prunus laurocerasus L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Paleártico, da Albânia ao Irão • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro • REFERÊNCIAS Lopes & Pinho (n.d.)

Pseudotsuga menziesii (N) NOME COMUM

abeto-de-Douglas • ORDEM Pinales • FAMÍLIA Pinaceae • ESPÉCIE Pseudotsuga

menziesii (Mirbel) Franco • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Oeste da América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por

Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Pueraria lobata (R) NOME COMUM

kudzu • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Pueraria lobata (Willd.) Ohwi

= Pueraria montana (Lour.) Merr. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia tropical e este da Ásia temperada, norte da Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Reynoutria japonica (N) NOME COMUM

sanguinária-do-Japão • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Polygonaceae • ESPÉCIE

Reynoutria japonica Houtt. = Fallopia japonica (Houtt.) Ronse Decr. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia (Japão, Coreia e China) • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado; estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Rhus coriaria (N) NOME COMUM

sumagre • ORDEM Sapindales • FAMÍLIA Anacardiaceae • ESPÉCIE Rhus coriaria L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Sul da Europa • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como

estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Ricinus communis (I) NOME COMUM

rícino • ORDEM Malpighiales • FAMÍLIA Euphorbiaceae • ESPÉCIE Ricinus communis

L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores e Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

– 51 –


Robinia pseudoacacia (I) NOME COMUM

robínia • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Robinia pseudoacacia L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Centro e Este da América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor; estatuto

legal: inicialmente invasor (DL 565/99), revogado pelo DL 205/2003 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores e Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DL 205/2003 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Rosa ‘Dorothy Perkins’ (N) NOME COMUM

— • ORDEM Rosales • FAMÍLIA Rosaceae • ESPÉCIE Rosa ‘Dorothy Perkins’ Miller 1901

– possivelmente híbrido de Rosa wichuraiana Crép. × ‘Madame Gabriel Luizet’ (hyb. perp., Liabaud 1877) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA híbrido produzido nos EUA • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (R .wichuraiana indicada como estabelecida no DL, híbrido indicado como exótico de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Rubus ulmifolius (A/I) NOME COMUM

silva, silvado, silvado-bravo • ORDEM Rosales • FAMÍLIA Rosaceae • ESPÉCIE Rubus

ulmifolius Schott • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa, Norte de África • ESTATUTO EM PORTUGAL Continente e Madeira: autóctone; Açores: invasor, risco ecológico conhecido • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Sagittaria latifolia (R) NOME COMUM

— • ORDEM Alismatales • FAMÍLIA Alismataceae • ESPÉCIE Sagittaria latifolia Willd. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

América do Norte e Central • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Salix × alopecuroides (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Malpighiales • FAMÍLIA Salicaceae • ESPÉCIE Salix × alopecuroides Taush

ex Opi • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Salpichroa origanifolia (N/I) NOME COMUM ESPÉCIE

orelha-de-ovelha, erva-das-abelhas • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Solanaceae •

Salpichroa origanifolia (Lam.) Baillon. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul (SE Bolívia,

Paraguai, Sul do Brasil, Uruguai e Argentina) • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado, invasor nos – 52 –


Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Lisboa, Alentejo, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014)

Salvinia molesta (C) NOME COMUM

salvínia • ORDEM Salviniales • FAMÍLIA Salviniaceae • ESPÉCIE Salvinia molesta

D.S.Mitch. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Alentejo • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Senecio angulatus (C) NOME COMUM

senécio • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Senecio angulatus L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Região do Cabo (África do Sul) • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Lisboa, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al.

(2014)

Senecio bicolor subsp. cineraria (N) NOME COMUM

senécio • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Senecio bicolor (Willd.)

Tod. subsp. cineraria (DC.) Chater. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Mediterrâneo Central e Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Lisboa, Açores •

DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.)

Senecio inaequidens (N) NOME COMUM

— • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Senecio inaequidens DC. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Sul de África • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como

estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Senecio tamoides (C) NOME COMUM

senécio • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Senecio tamoides DC. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Sesbania punicea (C) NOME COMUM

sesbânia • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Sesbania punicea (Cav.)

Benth. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Parte tropical da América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

– 53 –


Sida rhombifolia (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Malvales • FAMÍLIA Malvaceae • ESPÉCIE Sida rhombifolia L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

América do Sul e Central • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente

naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

Marchante et al. (2014)

Solanum chenopodioides (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Solanaceae • ESPÉCIE Solanum chenopodioides Lam. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Argentina • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado

como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Solanum citrullifolium (N) NOME COMUM

— • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Solanaceae • ESPÉCIE Solanum citrullifolium A.Braun

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul dos EUA • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado (indicado como estabelecido no DL, e como espécie exótica de risco por Marchante) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Solanum linnaeanum (N) NOME COMUM

tomateiro-do-diabo • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Solanaceae • ESPÉCIE Solanum

linnaeanum Hepper & P.M. Jaeger = Solanum sodomeum L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Lisboa, Alentejo, Algarve, Açores,

Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

Solanum lycopersicum var. lycopersicum (C/I) NOME COMUM

tomate • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Solanaceae • ESPÉCIE Solanum lycopersicum L.

var. lycopersicum = Lycopersicon esculentum Mill. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América Central e do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

casual nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores,

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Solanum marginatum (I) NOME COMUM

— • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Solanaceae • ESPÉCIE Solanum marginatum L. fil •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA PORTUGAL

Etiópia, Eritreia • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

– 54 –


Solanum mauritianum (I) NOME COMUM

fona-de-porco, tabaqueira • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Solanaceae • ESPÉCIE

Solanum mauritianum Scop. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América Central • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor, prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Açores e Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Silva et al. (2008)

Soleirolia soleirolii (N/I) NOME COMUM

não-te-metas-na-minha-vida • ORDEM Urticales • FAMÍLIA Urticaceae • ESPÉCIE

Soleirolia soleirolii (Req.) Dandy • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ilhas do Mediterrâneo • ESTATUTO EM PORTUGAL

naturalizado nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores,

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Sorghum halepense (N) NOME COMUM

sorgo-bravo • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Sorghum halepense (L.)

Pers. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Mediterrâneo Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Spartina densiflora (I) NOME COMUM

espartina • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Spartina densiflora Brongn. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Parte temperada da América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Algarve • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Plantas

invasoras em Portugal (n.d.)

Spartina patens (N) NOME COMUM

não conhecido • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE Spartina patens (Aiton)

Muhl = S. versicolor Fabre • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Este da América do Norte e da América Central, Caraíbas • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS

Duarte (2015) • Marchante et al. (2014)

Spartium junceum (A/I) NOME COMUM

giesta • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Spartium junceum L. •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Europa, Norte de África, Ásia Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone

no Continente, invasor nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

– 55 –


Stenotaphrum secundatum (N/I) NOME COMUM

canicão, grama-americana • ORDEM Poales • FAMÍLIA Poaceae • ESPÉCIE

Stenotaphrum secundatum (Walter) Kunt. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Regiões tropicais e subtropicais • ESTATUTO EM PORTUGAL EM PORTUGAL

Naturalizado no Continente e Madeira, invasor nos Açores • DISTRIBUIÇÃO

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014) • Silva

et al. (2008)

Symphyotrichum lanceolatum (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Symphyotrichum lanceolatum

(Willd.) G.L.Nelson = Aster lanceolatus Willd. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

Possivelmente naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO

EM PORTUGAL

Continente • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014) • Sequeira et al. (2011)

Tetragonia tetragonioides (C/N/I) NOME COMUM

espinafre-da-Nova-Zelândia • ORDEM Caryophyllales • FAMÍLIA Aizoaceae • ESPÉCIE

Tetragonia tetragonioides (Pall.) Kuntze (por vezes incorretamente grafado T. tetragonoides) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste asiático, Japão, Austrália, Nova Zelândia, América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

casual no Continente (observação do autor), invasor nos Açores, naturalizado na

Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Torilis arvensis ssp. arvensis (A/I) NOME COMUM

salsinha • ORDEM Apiales • FAMÍLIA Apiaceae • ESPÉCIE Torilis arvensis ssp. arvensis

(Huds.) Link • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa • ESTATUTO EM PORTUGAL Madeira: autóctone; Açores: invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Sequeira et al. (2011)

Tradescantia fluminensis (I) NOME COMUM

erva-da-fortuna, erva-das-galinhas • ORDEM Commelinales • FAMÍLIA

Commelinaceae • ESPÉCIE Tradescantia fluminensis Vell. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Lisboa, Alentejo,

Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Marchante et al. (2014) • Plantas invasoras em Portugal (n.d.) • Silva et al. (2008)

Tropaeolum majus (N/I) NOME COMUM

chagas, chagas-de-Cristo • ORDEM Brassicales • FAMÍLIA Tropaeolaceae • ESPÉCIE

Tropaeolum majus L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul (do Peru até à Colômbia) • ESTATUTO EM – 56 –


PORTUGAL

Naturalizado no Continente e Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014) • Silva et al. (2008)

Ulex europaeus (A/I) NOME COMUM

carqueja, tojo, pica-rato • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Ulex

europaeus L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa Central e Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone no Continente, invasora nos Açores e na Madeira, prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Silva et al. (2008)

Ulex minor (A/N/I) NOME COMUM

tojo, carqueja-miúda • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Ulex minor Roth

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone no Continente, naturalizado nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Silva et al. (2008)

Vachellia farnesiana (N) NOME COMUM

esponja, esponjeira • ORDEM Fabales • FAMÍLIA Fabaceae • ESPÉCIE Vachellia

farnesiana (L.) Wight et Arn. = Acacia farnesiana (L.) Willd. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América Central • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Fernandes (2012) • GISD (2016a)

Vitis × labruscana (N?) NOME COMUM

— • ORDEM Vitales • FAMÍLIA Vitaceae • ESPÉCIE Vitis × labruscana L.H.Bailey [pro

sp.] ‘Isabella’ • DISTRIBUIÇÃO NATIVA híbrido • ESTATUTO EM PORTUGAL Possivelmente naturalizado (indicado como espécie exótica de risco) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

Watsonia meriana (N) NOME COMUM

espigos • ORDEM Asparagales • FAMÍLIA Iridaceae • ESPÉCIE Watsonia meriana (L.)

P.Mill. = Watsonia bulbillifera Mathews & L.Bolus • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Alentejo, Algarve, Madeira

• REFERÊNCIAS DL 565/99 • Marchante et al. (2014)

– 57 –


Wigandia urens var. caracasana (N) NOME COMUM

vigândia • ORDEM Solanales • FAMÍLIA Hydrophyllaceae • ESPÉCIE Wigandia urens

(Ruiz & Pav.) Kunth var. caracasana (Kunth) D. N. Gibson = Wigandia caracasana Kunth • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Centro e Sul da América • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Xanthium strumarium var. canadense (I) NOME COMUM

— • ORDEM Asterales • FAMÍLIA Asteraceae • ESPÉCIE Xanthium strumarium var.

canadense (P. Mill.) Torr. & Gray = Xanthium canadense Mill. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Zantedeschia aethiopica (C) NOME COMUM

jarro, copo-de-leite • ORDEM Alismatales • FAMÍLIA Araceae • ESPÉCIE Zantedeschia

aethiopica (L.) Spreng. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Marchante et al. (2014)

– 58 –


FUNGOS REINO

Fungi

Batrachochytrium dendrobatidis (I) NOME COMUM ORDEM

quitrídio-dos-anfíbios • DIVISÃO Chytridiomycota • CLASSE Chytridiomycetes •

Rhizophydiales • FAMÍLIA inc. sed. • ESPÉCIE Batrachochytrium dendrobatidis Longcore,

Pessier & D.K. Nichols (1999) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro • REFERÊNCIAS Rosa et al. (2013) • Weldon et al. (2004)

Batrachochytrium salamandrivorans (R) NOME COMUM ORDEM

quitrídio-das-salamandras • DIVISÃO Chytridiomycota • CLASSE Chytridiomycetes •

Rhizophydiales • FAMÍLIA inc. sed. • ESPÉCIE Batrachochytrium salamandrivorans Martel,

Blooi, Bossuyt & Pasmans (2013) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL Risco de invasão • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Não detetada; populações mais próximas na Bélgica • REFERÊNCIAS

Martel et al. (2013)

Blumeria graminis (I) NOME COMUM

oídio dos cereais • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Leotiomycetes • ORDEM

Erysiphales • FAMÍLIA Erysiphaceae • ESPÉCIE Blumeria graminis (DC.) Speer (1975) = Erysiphe graminis DC. = anamorfos Oidium monilioides e Oidium tritici • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira •

Bayer Crop Science (2009c)

Botryotinia fuckeliana (I) NOME COMUM ORDEM

podridão cinzenta da videira • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Leotiomycetes •

Helotiales • FAMÍLIA Sclerotiniaceae • ESPÉCIE Botryotinia fuckeliana (de Bary) Whetzel,

(1945) = anamorfo: Botrytis cinerea • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Bayer Crop Science (2009e)

– 59 –


Colletotrichum gloeosporioides (I?) NOME COMUM ORDEM

gafa, ou antracnose da oliveira • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Leotiomycetes •

Helotiales • FAMÍLIA Dermateaceae • ESPÉCIES Colletotrichum gloeosporioides (Penz.) Penz. &

Sacc. = Gloesporium olivarum Alm. 1975 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor (se não autóctone); Rhouma et al. (2010) indica que a primeira observação da

doença ocorreu em Portugal • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro • REFERÊNCIAS DRABL (n.d.) • Ramos (2015) • Rhouma et al. (2010)

Endocronartium harknessii (R) NOME COMUM

— (em inglês, “pine-pine gall rust”) • DIVISÃO Basidiomycota • CLASSE

Urediniomycetes • ORDEM Uredinales • FAMÍLIA Melampsoraceae • ESPÉCIE Endocronartium harknessii (J.P. Moore) Y. Hiratsuka = Cronartium harknessii E. Meinecke = Peridermium harknessii J. P. Moore = Peridermium cerebroides E. Meinecke • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

Ausente, risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL — • REFERÊNCIAS

Fusarium circinatum (I) NOME COMUM ORDEM

cancro-resinoso-do-pinheiro • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Sordariomycetes •

Hypocreales • FAMÍLIA Nectriaceae • ESPÉCIE Fusarium circinatum Nirenberg & O’Donnell •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA PORTUGAL

Estados Unidos • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM

Centro • REFERÊNCIAS Paiva (2011)

Fusarium oxysporum ff. spp. (I) NOME COMUM

agente da fusariose • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Sordariomycetes • ORDEM

Hypocreales • FAMÍLIA Nectriaceae • ESPÉCIE Fusarium oxysporum Schlecht. emend. Snyder & Hansen (1940) • FORMAS Diversas, ver lista • DISTRIBUIÇÃO NATIVA — • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL ver lista • REFERÊNCIAS ver lista Lista (possivelmente incompleta) de formas especiais presentes em Portugal: •

F. oxysporum f. sp. basilici (Dzidzariya) Armst. & Armst: presente, Norte (Felgueiras et al., 2010)

F. oxysporum f. sp. cubense (E.F.Smith) Snyder & Hansen: presente, Madeira (EPPO, 2001)

F. oxysporum f. sp. lactucae J.C. Hubb. & Gerik: presente (CABI, 2016b)

F. oxysporum f. sp. melonis: presente (Silva et al., 2000)

– 60 –


Guignardia bidwellii (I) NOME COMUM

podridão negra • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Dothideomycetes • ORDEM incertae

sedis • FAMÍLIA Botryosphaeriaceae • ESPÉCIES Guignardia bidwellii (Ellis) Viala & Ravaz (1892) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA PORTUGAL

América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM

Norte, Centro • REFERÊNCIAS Bayer Crop Science (2012b)

Monilinia fructigena (I?) NOME COMUM FAMÍLIA

moniliose • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Leotiomycetes • ORDEM Helotiales •

Sclerotiniaceae • ESPÉCIES Monilinia fructigena Honey, (1945) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecido • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Algarve • REFERÊNCIAS Ramos & Soares (2013a)

Monilinia fructicola (I?) NOME COMUM FAMÍLIA NATIVA

moniliose • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Leotiomycetes • ORDEM Helotiales •

Sclerotiniaceae • ESPÉCIES Monilinia fructicola (G.Winter) Honey (1928) • DISTRIBUIÇÃO desconhecido • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM

PORTUGAL

Algarve • REFERÊNCIAS COTHN (2011a)

Monilinia laxa (I?) NOME COMUM FAMÍLIA NATIVA

moniliose • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Leotiomycetes • ORDEM Helotiales •

Sclerotiniaceae • ESPÉCIES Monilinia laxa (Aderh. & Ruhland) Honey (1945) • DISTRIBUIÇÃO desconhecido • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM

PORTUGAL

Algarve • REFERÊNCIAS Ramos & Soares (2013a)

Phellinus pomaceus (I?) NOME COMUM

fungo do lenho • DIVISÃO Basidiomycota • CLASSE Basidiomycetes • ORDEM

Hymenochaetales • FAMÍLIA Hymenochaetaceae • ESPÉCIE Phellinus pomaceus (Pers.) Maire, (1933) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor (se não autóctone) •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS Ramos & Soares (2013b)

Phomopsis viticola (I?) NOME COMUM

escoriose da videira • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Sordariomycetes • ORDEM

Diaporthales • FAMÍLIA Diaporthaceae • ESPÉCIE Phomopsis viticola (Sacc.) Sacc. 1915 = Cryptosporella viticola • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Bayer Crop Science (2006)

– 61 –


Podosphaera leucotricha (I?) NOME COMUM

oídio da macieira • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Leotiomycetes • ORDEM

Erysiphales • FAMÍLIA Erysiphaceae • ESPÉCIE Podosphaera leucotricha (Ellis & Everh.) E.S. Salmon, (1900) = anamorfo: Oidium farinosum Cooke, (1887) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida •

Bayer Crop Science (2009d)

Podosphaera pannosa (I?) NOME COMUM

oídio das prunóideas • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Leotiomycetes • ORDEM

Erysiphales • FAMÍLIA Erysiphaceae • ESPÉCIE Podosphaera pannosa (Wall.: Fr.) de Bary 1870 = anamorfo Oidium leucoconium Desm. 1829 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida; presentemente cosmopolita • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Ramos & Soares (2013e)

Podosphaera tridactyla (I?) NOME COMUM

oídio das prunóideas • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Leotiomycetes • ORDEM

Erysiphales • FAMÍLIA Erysiphaceae • ESPÉCIE Podosphaera tridactyla (Wallr.) de Bary 1870 = anamorfo Oidium passerinii Bert. 1879 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida; presentemente cosmopolita • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Ramos & Soares (2013e)

Taphrinia deformans (I?) NOME COMUM FAMÍLIA

lepra • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Taphrinomycetes • ORDEM Taphrinales •

Taphrinaceae • ESPÉCIE Taphrinia deformans (Berk.) Tul. (1866) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente • REFERÊNCIAS Ramos & Soares (2013d)

Taphrinia pruni (I?) NOME COMUM FAMÍLIA

lepra • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Taphrinomycetes • ORDEM Taphrinales •

Taphrinaceae • ESPÉCIE Taphrinia pruni Tul. 1866 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida •

ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente •

Ramos & Soares (2013d)

Uncinula necator (I) NOME COMUM ORDEM

oídio da videira, doença da cinza • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Leotiomycetes •

Erysiphales • FAMÍLIA Erysiphaceae • ESPÉCIE Uncinula necator (Schwein.) Burrill = Erysiphe – 62 –


necator Schwein. (1834) = anamorfo: Oidium tuckeri • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira •

Bayer Crop Science (2009b)

Venturia inaequalis (I?) NOME COMUM

pedrado da macieira • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Dothideomycetes • ORDEM

Pleosporales • FAMÍLIA Venturiaceae • ESPÉCIES Venturia inaequalis (Cooke) G.Winter (1875) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasor (se não for

autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Bayer Crop Science (2012a)

Venturia oleaginea (I?) NOME COMUM

olho de pavão • FILO Ascomycota • CLASSE Dothideomycetes • ORDEM Pleosporales

• FAMÍLIA Venturiaceae • ESPÉCIE Venturia oleaginea (Castagne) Rossman & Crous = Spilocaea oleaginea (Castagne) S. Hughes • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasor (se não for autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente • REFERÊNCIAS

Gouveia et al. (1998) • Species Fungorum (2016)

Venturia pyrina (I?) NOME COMUM

pedrado da pereira • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Dothideomycetes • ORDEM

Pleosporales • FAMÍLIA Venturiaceae • ESPÉCIES Venturia pyrina Aderh. (1896) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasor (se não for autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS Bayer Crop Science (2012a)

Wilsonomyces carpophilus (I?) NOME COMUM FAMÍLIA

crivado • DIVISÃO Ascomycota • CLASSE Dothideomycetes • ORDEM Dothideales •

incertae sedis • ESPÉCIES Wilsonomyces carpophilus (Lév) Adaskaveg, Ogawa & Butler (1990)

= Stigmina carpophila (Lév.) M. B. Ellis, (1959) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL

possivelmente invasor (se não for autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Algarve •

REFERÊNCIAS

Ramos & Soares (2013g)

– 63 –


ESPONJAS REINO

Animalia • FILO Porifera

Mycale senegalensis (N) NOME COMUM

— • CLASSE Demospongiae • ORDEM Poecilosclerida • FAMÍLIA Mycalidae • ESPÉCIE

Mycale (Carmia) senegalensis (Lévi, 1952) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Senegal • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et al. (2013)

Paraleucilla magna (N) NOME COMUM

— • CLASSE Calcarea • ORDEM Leucosolenida • FAMÍLIA Amphoriscidae • ESPÉCIE

Paraleucilla magna (Klautau, Monteiro & Borojevic, 2004) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Brasil • ESTATUTO EM PORTUGAL

naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et

al. (2013)

– 64 –


CNIDÁRIOS REINO

Animalia • FILO Cnidaria

Aiptasia diaphana (N) NOME COMUM

— • CLASSE Anthozoa • ORDEM Actiniaria • FAMÍLIA Aiptasiidae • ESPÉCIE Aiptasia

diaphana (Rapp, 1829) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Mediterrâneo • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et al. (2013)

– 65 –


TUNICADOS REINO

Animalia • FILO Chordata • SUBFILO Tunicata

Botryllus schlosseri (N) NOME COMUM

— • CLASSE Ascidiacea • ORDEM Stolidobranchia • FAMÍLIA Styelidae • ESPÉCIE

Botryllus schlosseri (Pallas, 1766) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Cosmopolita; desconhecido • ESTATUTO EM PORTUGAL

naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et al.

(2013)

Clavelina lepadiformis (I) NOME COMUM

ascídia-de-anéis-brancos • CLASSE Ascidiacea • ORDEM Aplousobranchia • FAMÍLIA

Clavelinidae • ESPÉCIE Clavelina lepadiformis (Müller, 1776) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa continental • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor, risco ecológico conhecido • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et al. (2013) • DLR 15/2012/A

Clavelina oblonga (I) NOME COMUM

ascídia-de-pontos-brancos • CLASSE Ascidiacea • ORDEM Aplousobranchia • FAMÍLIA

Clavelinidae • ESPÉCIE Clavelina oblonga Herdman, 1880 (inclui Clavelina phlegraea Salfi, 1929) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Sueste dos Estados Unidos e Caraíbas • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor, risco

ecológico conhecido • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS CABI (2011) • DLR 15/2012/A • Ordóñez et al. (2016)

Distaplia corolla (I) NOME COMUM ESPÉCIE

ascídia-flor • CLASSE Ascidiacea • ORDEM Aplousobranchia • FAMÍLIA Holozoidae •

Distaplia corolla (Monniot F., 1974) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Caraíbas • ESTATUTO EM

PORTUGAL

invasor, risco ecológico conhecido • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores,

Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et al. (2013) • DLR 15/2012/A • Moreira da Rocha et al. (2011)

Microcosmus squamiger (N) NOME COMUM

— • CLASSE Ascidiacea • ORDEM Stolidobranchia • FAMÍLIA Pyuridae • ESPÉCIE

Microcosmus squamiger (Michaelsen, 1927) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Austrália • ESTATUTO EM – 66 –


PORTUGAL

naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et al.

(2013)

Styela canopus (N) NOME COMUM

— • CLASSE Ascidiacea • ORDEM Stolidobranchia • FAMÍLIA Styelidae • ESPÉCIE

Styela canopus (Savigny, 1816) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Mar Vermelho • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et al. (2013)

Styela plicata (I) NOME COMUM ESPÉCIE

ascídia-solitária • CLASSE Ascidiacea • ORDEM Stolidobranchia • FAMÍLIA Styelidae •

Styela plicata (Lesueur, 1823) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Indo-Pacífico • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor, risco ecológico conhecido • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

– 67 –


PEIXES REINO

Animalia • FILO Chordata • SUBFILO Vertebrata • CLASSES Actinopterygii (peixes ósseos),

Chondrichthyes (peixes cartilagíneos), Sarcopterygii sensu stricto (peixes de barbatanas carnudas). Todos os peixes apresentados aqui pertencem à classe Actinopterygii.

Ameiurus melas (N) NOME COMUM ESPÉCIE

peixe-gato • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Siluriformes • FAMÍLIA Ictaluridae •

Ameiurus melas (Rafinesque, 1820) = Ictalurus melas Rafinesque, 1820 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Centro dos Estados Unidos • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Alentejo (bacia do Sado) • REFERÊNCIAS CABI (2016c) • DL 565/99

Australoheros facetus (N) NOME COMUM

chanchito, acará-camaleão • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA

Cichlidae • ESPÉCIE Australoheros facetus (Jenyns 1842) = Cichlasoma facetum (Jenyns, 1842) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA PORTUGAL

América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM

Alentejo • REFERÊNCIAS DL 565/99

Carassius auratus (N) NOME COMUM

pimpão, peixe-vermelho • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Cypriniformes • FAMÍLIA

Cyprinidae • ESPÉCIE Carassius auratus (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores •

DL 565/99 • DLR 15/2012/A

Carassius carassius (N) NOME COMUM ESPÉCIE

pimpão • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Cypriniformes • FAMÍLIA Cyprinidae •

Carassius carassius (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Norte da Europa • ESTATUTO EM

PORTUGAL

naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Cyprinus carpio (N) NOME COMUM ESPÉCIE

carpa • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Cypriniformes • FAMÍLIA Cyprinidae •

Cyprinus carpio (Linnaeus, 1758); incluindo a variedade C. carpius var. specularis (= Cyprinus – 68 –


specularis = Cyprinus rex), carpa-espelho • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa, Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL

naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS DL 565/99 •

DLR 15/2012/A

Esox lucius (N) NOME COMUM

lúcio • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Esociformes • FAMÍLIA Esocidae • ESPÉCIE

Esox lucius Linnaeus, 1758 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa, América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Alentejo, Açores • REFERÊNCIAS CABI

(2016d) • DL 565/99 • DLR 15/2012/A

Fundulus heteroclitus (N) NOME COMUM

fundulo • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Cyprinodontiformes • FAMÍLIA Fundulidae

• ESPÉCIE Fundulus heteroclitus (Linnaeus, 1766) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Este da América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Alentejo • REFERÊNCIAS DL

565/99

Gambusia holbrooki (N) NOME COMUM

gambúsia • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Cyprinodontiformes • FAMÍLIA

Poecillidae • ESPÉCIE Gambusia holbrooki Girard, 1859 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Este e sul dos Estados Unidos • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado; estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Alentejo • REFERÊNCIAS DL 565/99

Gobio gobio (N) NOME COMUM ESPÉCIE

góbio • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Cypriniformes • FAMÍLIA Cyprinidae •

Gobio gobio (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Regiões temperadas da Ásia Central e

Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Alentejo • REFERÊNCIAS DL 565/99

Gymnocephalus cernuus (R) NOME COMUM

acerina-eurasiana • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Percidae

• ESPÉCIE Gymnocephalus cernuus (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Norte da Europa e da Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

DL 565/99

– 69 –


Hypophthalmichthys molitrix (R) NOME COMUM

carpa-cabeçuda • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Cypriniformes • FAMÍLIA

Cyprinidae • ESPÉCIE Hypophthalmichthys molitrix (Valenciennes, 1844) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA China, Sibéria Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Lates niloticus (R) NOME COMUM ESPÉCIE

perca-do-Nilo • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Latidae •

Lates niloticus (Linnaeus, 1758)• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópico • ESTATUTO EM PORTUGAL

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Lepomis cyanellus (R) NOME COMUM

— • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Centrarchidae • ESPÉCIE

Lepomis cyanellus Rafinesque, 1819 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Lepomis gibbosus (I) NOME COMUM ESPÉCIE

perca-sol • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Centrarchidae •

Lepomis gibbosus (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Este dos Estados Unidos •

ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor; estatuto legal: invasor e de risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS DL 565/99

Micropterus salmoides (I) NOME COMUM ESPÉCIE

achigã • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Centrarchidae •

Micropterus salmoides (Lacépède, 1802) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte •

ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor; estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente,

Açores • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A

Misgurnus anguillicaudatus (R) NOME COMUM

dojô, peixe-cobra • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Cypriniformes • FAMÍLIA

Cobytidae • ESPÉCIE Misgurnus anguillicaudatus (Cantor, 1842) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

DL 565/99

– 70 –


Onchorhynchus mykiss (N) NOME COMUM

truta-arco-íris • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Salmoniformes • FAMÍLIA

Salmonidae • ESPÉCIE Onchorhynchus mykiss (Walbaum, 1792) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia Oriental e América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado; estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Centro, Açores • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A

Oreochromis leucostictus (R) NOME COMUM

— • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Cichlidae • ESPÉCIE

Oreochromis leucocistus (Trewavas, 1933) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África Central • ESTATUTO EM PORTUGAL

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Oreochromis niloticus (R) NOME COMUM ESPÉCIE

tilápia-do-Nilo • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Cichlidae •

Oreochromis niloticus (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Israel, Egito, África tropical e

Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

DL 565/99

Osmerus mordax (R) NOME COMUM

— • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Osmeriformes • FAMÍLIA Osmeridae • ESPÉCIE

Osmerus mordax (Mitchill, 1814) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Circumpolar • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Perca fluviatilis (R) NOME COMUM

perca • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Percidae • ESPÉCIE

Perca fluviatilis Linnaeus, 1758 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa, norte da Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DL 565/99 •

DLR 15/2012/A

Sander lucioperca (N/R) NOME COMUM

lucioperca, sandre • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Percidae

• ESPÉCIE Sander lucioperca (Linnaeus, 1758) = Stizostedion lucioperca (Linnaeus, 1758)• DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Eurásia Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado; estatuto legal: risco •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Açores • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A

– 71 –


Sander vitreus (R) NOME COMUM ESPÉCIE

picão-verde • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Percidae •

Sander vitreus (Mitchill, 1818) = Stizostedion vitreum • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do

Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

DL 565/99

Silurus glanis (N) NOME COMUM

siluro • CLASSE Actinopterygii • ORDEM Siluriformes • FAMÍLIA Siluridae • ESPÉCIE

Silurus glanis Linnaeus, 1758 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa Central, Ásia Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL

naturalizado; estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro (rio Zêzere) •

REFERÊNCIAS

DL 565/99

Tilapia zillii (R) NOME COMUM

(com base no nome em inglês, poderia ser “tilápia-de-barriga-vermelha”) • CLASSE

Actinopterygii • ORDEM Perciformes • FAMÍLIA Cichlidae • ESPÉCIE Tilapia zillii (Gervais, 1848) = Coptodon zillii (Gervais, 1848) = Chromis melanopleura (Duméril, 1861) = Tilapia melanopleura Duméril, 1859 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Norte de África e África tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • OBSERVAÇÕES O DL lista separadamente T. melanopleura e T. zillii como espécies de risco REFERÊNCIAS DL 565/99 • GBIF (2016) • GISD (2016b)

– 72 –


ANFÍBIOS REINO

Animalia • FILO Chordata • SUBFILO Vertebrata • CLASSE Amphibia

Rana catesbeiana (R) NOME COMUM

rã-touro-americana • ORDEM Anura • FAMÍLIA Ranidae • ESPÉCIE Rana catesbeiana

Shaw, 1802 = Lithobates catesbeianus (Shaw, 1802) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Este da América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida •

DL 565/99

Xenopus laevis (I) NOME COMUM

rã-de-unhas-africana • ORDEM Anura • FAMÍLIA Pipidae • ESPÉCIE Xenopus laevis

Daudin, 1802 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Região de Lisboa • REFERÊNCIAS Rebelo et al. (2015)

– 73 –


RÉPTEIS REINO

Animalia • FILO Chordata • SUBFILO Vertebrata • CLASSE Reptilia

Chelydra serpentina (R) NOME COMUM ESPÉCIE

tartaruga-víbora, tartaruga-mordedora • ORDEM Testudines • FAMÍLIA Chelydridae •

Chelydra serpentina (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Este e Centro dos Estados

Unidos • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

DL 565/99

Chrysemys picta (R) NOME COMUM

tartaruga-pintada • ORDEM Testudines • FAMÍLIA Emydidae • ESPÉCIE Chrysemys

picta (Schneider, 1783) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Macrochelys temminckii (R) NOME COMUM

tartaruga-aligátor • ORDEM Testudines • FAMÍLIA Chelydridae • ESPÉCIE Macrochelys

temminckii (Troost, 1835) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste dos Estados Unidos • ESTATUTO EM PORTUGAL

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Trachemys scripta (R) NOME COMUM

a subespécie T. s. elegans é chamada tartaruga-de-ouvido-vermelho, ou tigre-de-água-

americano • ORDEM Testudines • FAMÍLIA Emydidae • ESPÉCIE Trachemys scripta (Thunberg, 1792) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Este dos Estados Unidos • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

– 74 –


AVES REINO

Animalia • FILO Chordata • SUBFILO Vertebrata • CLASSE Aves

Em Portugal é publicada uma lista sistemática de aves, que atribui a cada ave uma categoria segundo o seu estatuto (Matias et al., 2007). A categoria C diz respeito a aves introduzidas estabelecidas em território nacional, tendo ainda as seguintes subcategorias: •

C1 – Toda a população é resultado de introdução (p. ex. tecelão-de-cabeça-preta Ploceus melanocephalus);

C2 – O taxa ocorre em estado selvagem, mas inclui também indivíduos introduzidos (p. ex. pato-real Anas platyrhynchos);

C3 – Taxa que recolonizou, através de introduções, áreas que no passado fizeram parte da sua área de distribuição natural (p. ex. camão Porphyrio porphyrio);

C4 – Espécies domesticadas com populações estabelecidas em estado selvagem (p. ex. o pombo-das-rochas Columba livia);

C5 – Espécies introduzidas noutros países que se expandiram naturalmente para o nosso país (p. ex. o pato-de-rabo-alçado-americano Oxyura jamaicensis);

C6 – Espécies introduzidas extintas ou já não autosuficientes (neste momento não há, em Portugal Continental, espécies que se incluam nesta categoria)

Apenas as categorias C1, C4, C5 e C6 serão incluídas nesta lista, já que as espécies das categorias C2 e C3 não são consideradas exóticas. A lista sistemática de aves inclui igualmente uma categoria E, para aves observadas em liberdade resultantes de fugas de cativeiro. As subcategorias são: •

E1 – Espécies das quais se tem verificado a nidificação de forma regular, havendo indícios de que se poderá estabelecer como espécie naturalizada; poderão vir a incluir-se na categoria C caso se justifique;

E2 – Espécies das quais se tem verificado a nidificação de forma irregular ou ocasional sem indícios de se encontrarem em processo de estabelecimento;

E3 – Espécies observadas de forma ocasional sem indícios de reprodução.

Apenas os registos das categorias E1 e E2 serão incluídos nesta lista, já que as aves da categoria E3 não tentaram o estabelecimento em território nacional.

– 75 –


Acridotheres cristatellus (N) NOME COMUM

mainato-de-poupa • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Sturnidae • ESPÉCIE

Acridotheres cristatellus (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sueste Asiático • ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizado; categoria C1 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Lisboa • REFERÊNCIAS Aves de

Portugal (n.d.–e) • DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Acridotheres tristis (C) NOME COMUM ESPÉCIE

mainato-de-mascarilha-amarela • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Sturnidae •

Acridotheres tristis (Linnaeus, 1766) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul e oeste da Asiá • ESTATUTO

EM PORTUGAL

Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL

565/99 • Matias et al. (2007)

Alopochen aegyptiacus (C) NOME COMUM

ganso-do-Egipto • ORDEM Anseriformes • FAMÍLIA Anatidae • ESPÉCIE Alopochen

aegyptiacus (Linnaeus, 1766) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Amadina fasciata (C) NOME COMUM

degolado • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae • ESPÉCIE Amadina fasciata

(Gmelin, 1789) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E3 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Amandava amandava (N) NOME COMUM

bengali-vermelho • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae • ESPÉCIE Amandava

amandava (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado; categoria C1 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Lisboa, Alentejo • REFERÊNCIAS Aves de Portugal (n.d–a) • DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Amandava subflava (C) NOME COMUM

ventre-laranja • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae • ESPÉCIE Amandava

subflava (Vieillot, 1819) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

– 76 –


Cairina moschata (C) NOME COMUM

pato-do-mato, pato-mudo • ORDEM Anseriformes • FAMÍLIA Anatidae • ESPÉCIE

Cairina moschata (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Do México ao sul da América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida •

DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Columba livia domestica (N) NOME COMUM

pombo-doméstico (forma domesticada do pombo-das-rochas) • ORDEM

Columbiformes • FAMÍLIA Columbidae • ESPÉCIE Columba livia domestica Gmelin, 1789 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA PORTUGAL

Para a forma doméstica: Todos os continentes exceto Antártida • ESTATUTO EM

Naturalizado; categoria C4 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira •

REFERÊNCIAS

DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Columbina cruziana (C) NOME COMUM

rolinha-de-bico-dourado • ORDEM Columbiformes • FAMÍLIA Columbidae • ESPÉCIE

Columbina cruziana (Prévost, 1842) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Peru, Equador, Chile • ESTATUTO EM PORTUGAL

Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL

565/99 • Matias et al. (2007)

Estrilda astrild (N/R) NOME COMUM

bico-de-lacre • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae • ESPÉCIE Estrilda astrild

(Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado no Continente; categoria C1 • Açores: risco ecológico • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente • REFERÊNCIAS

Aves de Portugal (n.d.–c) • DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Matias et al. (2007)

Estrilda melpoda (C) NOME COMUM

faces-laranja • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae • ESPÉCIE Estrilda

melpoda (Vieillot, 1817) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África Central e Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Estrilda troglodytes (C) NOME COMUM ESPÉCIE

bico-de-lacre-de-uropígio-preto • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae •

Estrilda troglodytes • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África Ocidental e Central • ESTATUTO EM

PORTUGAL

Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL

565/99 • Matias et al. (2007) – 77 –


Euplectes afer (N) NOME COMUM

arcebispo • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Ploceidae • ESPÉCIE Euplectes afer

(Gmelin, 1789) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado; categoria C1 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Cento, Lisboa, Alentejo • REFERÊNCIAS Aves de Portugal (n.d.–d) • DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Euplectes hordeaceus (C) NOME COMUM

bispo-vermelho-d’asa-negra • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Ploceidae • ESPÉCIE

Euplectes hordeaceus (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Atrotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Francolinus francolinus (C) NOME COMUM

francolim-escuro • ORDEM Galliformes • FAMÍLIA Phasianidae • ESPÉCIE Francolinus

francolinus (Linnaeus, 1766) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Do sueste da Turquia até ao nordeste da Índia • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida •

DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Leiothrix lutea (C) NOME COMUM

rouxinol-do-Japão • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Leiothrichidae • ESPÉCIE

Leiothrix lutea (Scopoli, 1786) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Subcontinente Indiano • ESTATUTO EM PORTUGAL

Casual; categoria E1 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL

565/99 • Matias et al. (2007)

Lonchura cantans (C) NOME COMUM

bico-de-chumbo-africano • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae • ESPÉCIE

Lonchura cantans (Gmelin, 1789) = Euodice cantans • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Savana a sul do Saara, sudoeste da Peínsula Arábica • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Lonchura maja (C) NOME COMUM ESPÉCIE

bico-de-chumbo-de-cabeça-branca • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae •

Lonchura maja (Linnaeus, 1766) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Do Vietname à Indonésia •

ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida •

DL 565/99 • Matias et al. (2007)

– 78 –


Lonchura malacca (N) NOME COMUM ESPÉCIE

bico-de-chumbo-de-cabeça-preta • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae •

Lonchura malacca (Linnaeus, 1766) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Índia, Sri Lanka e sul da China •

ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizado; categorias C1 e E3 – segundo Svensson et al. (2012) a espécie

tem pequenas populações estabelecidas em Portugal • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Lisboa, Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS Aves de Portugal (n.d.–b) • DL 565/99 • Matias et al. (2007) • Svensson et al. (2012)

Lonchura punctulata (C) NOME COMUM

bico-de-chumbo-malhado • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae • ESPÉCIE

Lonchura punctulata (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Da Índia e sul da China até à Indonésia • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E1 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Melopsittacus undulatus (C) NOME COMUM

periquito-da-Austrália • ORDEM Psittaciformes • FAMÍLIA Psittaculidae • ESPÉCIE

Melopsittacus undulatus (Shaw, 1805) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Austrália • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Myiopsitta monachus (C/R) NOME COMUM

caturrita, periquito-monge • ORDEM Psittaciformes • FAMÍLIA Psittacidae • ESPÉCIE

Myiopsitta monachus (Boddaert, 1783) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Casual; categoria E2 • Açores: risco ecológico • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Lisboa

• REFERÊNCIAS Aves de Portugal (n.d.–i) • DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Matias et al. (2007)

Numida meleagris (C) NOME COMUM

pintada • ORDEM Galliformes • FAMÍLIA Numididae • ESPÉCIE Numida meleagris •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Marrocos, Afrotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E2 •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Oxyura jamaicensis (C/R) NOME COMUM

pato-de-rabo-alçado-americano • ORDEM Anseriformes • FAMÍLIA Anatidae • ESPÉCIE

Oxyura jamaicensis (Gmelin, 1789) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte, Central e do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Ocorrência casual, não reprodutor; categoria C5; estatuto legal: risco •

– 79 –


DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS Aves de Portugal (n.d.–f) • DL 565/99 •

Matias et al. (2007)

Phasianus colchicus (C) NOME COMUM

faisão-comum • ORDEM Galliformes • FAMÍLIA Phasianidae • ESPÉCIE Phasianus

colchicus Linnaeus, 1758 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Ploceus cucullatus (C) NOME COMUM

cacho-caldeirão • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Ploceidae • ESPÉCIE Ploceus

cucullatus (Müller, 1766) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África a sul do Saara • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Ploceus melanocephalus (N) NOME COMUM

tecelão-de-cabeça-preta • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Ploceidae • ESPÉCIE

Ploceus melanocephalus (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África Ocidental, Central e Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado; categoria C1 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Lisboa, Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS Aves de Portugal (n.d.–h) • DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Psittacula krameri (N/R) NOME COMUM

periquito-rabijunco • ORDEM Psittaciformes • FAMÍLIA Psittaculidae • ESPÉCIE

Psittacula krameri (Scopoli, 1769) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África a sul do Saara, subcontinente indiano • ESTATUTO EM PORTUGAL Naturalizado; categoria C1 • Açores: risco ecológico • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Lisboa, Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS Aves de Portugal (n.d.–g) • DL 565/99 •

DLR 15/2012/A • Matias et al. (2007)

Taeniopygia guttata (C) NOME COMUM

mandarim • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Estrildidae • ESPÉCIE Taeniopyga

guttata Reichenbach, 1862 = Poephila guttata • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Indonésia, Austália • ESTATUTO EM PORTUGAL

Casual; categoria E1 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL

565/99 • Matias et al. (2007)

Threskiornis aethiopicus (C) NOME COMUM

íbis-sagrado • ORDEM Pelecaniformes • FAMÍLIA Treskiornithidae • ESPÉCIE

Threskiornis aethiopicus (Latham, 1790) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópico • ESTATUTO EM PORTUGAL – 80 –


Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

Vidua macroura (C) NOME COMUM

viuvinha-bico-de-lacre • ORDEM Passeriformes • FAMÍLIA Viduidae • ESPÉCIE Vidua

macroura (Pallas, 1764) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópico • ESTATUTO EM PORTUGAL Casual; categoria E2 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99 • Matias et al. (2007)

– 81 –


MAMÍFEROS REINO

Animalia • FILO Chordata • SUBFILO Vertebrata • CLASSE Mammalia

Capra hircus (C/I) NOME COMUM

cabra-doméstica • ORDEM Artiodactyla • FAMÍLIA Bovidae • ESPÉCIE Capra hircus

Linnaeus 1758 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia (a cabra foi domesticada no Irão há dez mil anos) • ESTATUTO EM PORTUGAL

casual nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores,

Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Castor canadensis (R) NOME COMUM

castor-americano • ORDEM Rodentia • FAMÍLIA Castoridae • ESPÉCIE Castor

canadensis Kuhl, 1820 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL ausente • REFERÊNCIAS DL 565/99

Castor fiber (R) NOME COMUM

castor-europeu • ORDEM Rodentia • FAMÍLIA Castoridae • ESPÉCIE Castor fiber

Linnaeus, 1758 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Da Europa Central até à Ásia Central • ESTATUTO EM PORTUGAL

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL ausente • REFERÊNCIAS DL 565/99

Felis silvestris catus (A/C/I) NOME COMUM

gato-selvagem • ORDEM Carnivora • FAMÍLIA Felidae • ESPÉCIE Felis silvestris catus

(Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Da Europa Ocidental até à Índia • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone em Portugal (a forma selvagem), casual nos Açores, invasor na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Mus musculus (I/R/E) NOME COMUM

murganho • ORDEM Rodentia • FAMÍLIA Muridae • ESPÉCIE Mus musculus Linnaeus

1758 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Norte da Índia • ESTATUTO EM PORTUGAL Açores: espécie de risco ecológico, prioridade de erradicação • Madeira: invasor (erradicado das Ilhas Selvagens) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Silva et al. (2008)

– 82 –


Myocastor coypus (R) NOME COMUM ESPÉCIE

ratão-do-banhado, nútria, caxingui • ORDEM Rodentia • FAMÍLIA Caviomorpha •

Myocastor coypus (Molina, 1782) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM

PORTUGAL

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Neovison vison (R) NOME COMUM

vison-americano • ORDEM Carnivora • FAMÍLIA Mustelidae • ESPÉCIE Neovison vison

(Schreber, 1777) = Mustela vison • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS DL 565/99

Nyctereutes procyonoides (R) NOME COMUM

cão-guaxinim • ORDEM Carnivora • FAMÍLIA Canidae • ESPÉCIE Nyctereutes

procyonoides (Gray, 1834) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL ausente • REFERÊNCIAS DL 565/99

Oryctolagus cuniculus (A/I/E) NOME COMUM

coelho-bravo • ORDEM Lagomorpha • FAMÍLIA Leporidae • ESPÉCIE Oryctolagus

cuniculus (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul da Europa, Norte de África • ESTATUTO EM PORTUGAL

autóctone no Continente, invasor nos Açores e na Madeira (erradicado nas Desertas e

Selvagens) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Ondatra zibethicus (R) NOME COMUM

rato-almiscarado • ORDEM Rodentia • FAMÍLIA Cricetidae • ESPÉCIE Ondatra

zibethicus (Linnaeus, 1766) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL ausente • REFERÊNCIAS DL 565/99

Procyon lotor (R) NOME COMUM ESPÉCIE

guaxinim, mapache, rato-lavadeiro • ORDEM Carnivora • FAMÍLIA Procyonidae •

Procyon lotor Linnaeus, 1758• DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM

PORTUGAL

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL ausente • REFERÊNCIAS DL 565/99

Rattus norvegicus (I) NOME COMUM

ratazana • ORDEM Rodentia • FAMÍLIA Muridae • ESPÉCIE Rattus norvegicus

(Berkenhout, 1769) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor; espécie – 83 –


de risco ecológico e prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Silva et al. (2008)

Rattus rattus (I) NOME COMUM

rato-preto • ORDEM Rodentia • FAMÍLIA Muridae • ESPÉCIE Rattus rattus Linnaeus,

1758 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor; espécie de risco ecológico e prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A • Silva et al. (2008)

Sciurus carolinensis (R) NOME COMUM

esquilo-cinzento • ORDEM Rodentia • FAMÍLIA Sciuridae • ESPÉCIE Sciurus

carolinensis Gmelin, 1788 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Este e Centro da América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL ausente • REFERÊNCIAS DL 565/99

– 84 –


NEMÁTODOS REINO

Animalia • FILO Nematoda

Os nemátodos são um filo bastante numeroso, com mais de 25 mil espécies descritas (Zhang, 2013). Apesar disso, encontram-se ainda pouco estudados. A sua sistemática é alvo de investigação. Não se conhece a origem de muitos géneros de nemátodos, e é portanto difícil saber se são invasores ou autóctones em Portugal.

Aphelenchoides ritzemabosi (I?) NOME COMUM ESPÉCIE

— • CLASSE Secernentea • ORDEM Aphelenchida • FAMÍLIA Aphelenchoididae •

Aphelenchoides ritzemabosi Schwartz 1911 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA isolado pela primeira vez

em Inglaterra • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasora, praga agrícola • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008)

Bursaphelenchus xylophilus (I) NOME COMUM FAMÍLIA

nemátodo-da-madeira-do-pinheiro • CLASSE Secernentea • ORDEM Aphelenchida •

Parasitaphelenchidae • ESPÉCIE Bursaphelenchus xylophilus (Steiner & Buhrer) Nickle •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasora, praga agrícola •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente • REFERÊNCIAS Pereira et al. (2013)

Globodera spp. (I) NOME COMUM FAMÍLIA

nemátodo-dourado-da-batateira • CLASSE Secernentea • ORDEM Tylenchida •

Heteroderidae • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Andes • ESTATUTO EM PORTUGAL invasora, praga

agrícola • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008)

Helicotylenchus spp. (I?) NOME COMUM

— • CLASSE Secernentea • ORDEM Tylenchida • FAMÍLIA Hoplolaimidae •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasora, praga agrícola

• DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008)

– 85 –


Heterodera spp. (I?) NOME COMUM

— • CLASSE Secernentea • ORDEM Tylenchida • FAMÍLIA Heteroderidae •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasora, praga agrícola

• DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008)

Longidorus spp. (I?) NOME COMUM NATIVA

— • CLASSE Enoplea • ORDEM Dorylaimida • FAMÍLIA Longidoridae • DISTRIBUIÇÃO

desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasora, praga agrícola •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008)

Meloidogyne spp. (I?) NOME COMUM FAMÍLIA

nemátodo-das-galhas-radiculares • CLASSE Secernentea • ORDEM Tylenchida •

Meloidogynidae • DISTRIBUIÇÃO NATIVA género criptogenético • ESTATUTO EM PORTUGAL

possivelmente invasora, praga agrícola • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008)

Mesocriconema xenoplax (I?) NOME COMUM

— • CLASSE Secernentea • ORDEM Tylenchida • FAMÍLIA Criconematidae • ESPÉCIE

Mesocriconema xenoplax (Raski, 1952) Loof and de Grisse 1989 = Criconemoides xenoplax (Raski, 1952) Loof and de Grisse, 1967 = Criconemoides nainitalense Edward & Misra, 1963 = Criconema pruni Siddiqi, 1961 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA cosmopolita • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasora, praga agrícola • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008) • Nemaplex (2015)

Nacobbus spp. (I) NOME COMUM

— • CLASSE Secernentea • ORDEM Tylenchida • FAMÍLIA Pratylenchidae •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

América do Norte e do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL invasora, praga agrícola •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008)

Pratylenchus spp. (I?) NOME COMUM

— • CLASSE Secernentea • ORDEM Tylenchida • FAMÍLIA Pratylenchidae •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasora, praga agrícola

• DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008)

– 86 –


Radopholus spp. (I?) NOME COMUM

— • CLASSE Secernentea • ORDEM Tylenchida • FAMÍLIA Pratylenchidae •

DISTRIBUIÇÃO NATIVA

desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasora, praga agrícola

• DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008)

Trichodorus spp. (I?) NOME COMUM NATIVA

— • CLASSE Enoplea • ORDEM Triplonchida • FAMÍLIA Trichodoridae • DISTRIBUIÇÃO

desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasora, praga agrícola •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS Heitor (2008)

Xiphinema diversicaudatum (I?) NOME COMUM

— • CLASSE Secernentea • ORDEM Dorylaimida • FAMÍLIA Longidoridae • ESPÉCIE

Xiphinema diversicaudatum (Micoletzky) Thorne • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL

possivelmente invasora, praga agrícola, vetor do ArMV • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores • REFERÊNCIAS Heitor (2008) • Reis (2015)

Xiphinema index (I?) NOME COMUM

— • CLASSE Secernentea • ORDEM Dorylaimida • FAMÍLIA Longidoridae • ESPÉCIE

Xiphinema index Thorne & Allen • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL possivelmente invasora, praga agrícola, vetor do GFLV • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS Heitor (2008) • Reis (2015)

– 87 –


ARACNÍDEOS REINO

Animalia • FILO Arthropoda • CLASSE Arachnida

Cheiracanthium erraticum (A/I) NOME COMUM

— • ORDEM Araneae • FAMÍLIA Miturgidae • ESPÉCIE Cheiracanthium erraticum

(Walckenaer, 1802) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Paleártico • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone no Continente, invasor nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Cheiracanthium mildei (I) NOME COMUM

— • ORDEM Araneae • FAMÍLIA Miturgidae • ESPÉCIE Cheiracanthium mildei Simon,

1885 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Holártico • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Dysdera crocata (N/I) NOME COMUM

— • ORDEM Araneae • FAMÍLIA Dysderidae • ESPÉCIE Dysdera crocata C.L. Koch, 1838

• DISTRIBUIÇÃO NATIVA Cosmopolita • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor nos Açores, naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Tetranychus evansi (I) NOME COMUM

ácaro-aranha-vermelho • ORDEM Acarina • FAMÍLIA Tetranychidae • ESPÉCIE

Tetranychus evansi Baker and Pritchard • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Brasil • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Madeira • REFERÊNCIAS Ferreira & Sousa (2011)

– 88 –


MIRIÁPODES REINO

Animalia • FILO Arthropoda • SUBFILO Myriapoda

Ommatoiulus moreleti (A/N/I) NOME COMUM

maria-café • CLASSE Diplopoda • ORDEM Julida • FAMÍLIA Julidae • ESPÉCIE

Ommatoiulus moreleti (Lucas, 1860) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul da Península Ibérica • ESTATUTO EM PORTUGAL

autóctone no Continente, invasor nos Açores, naturalizado na Madeira • DISTRIBUIÇÃO

EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

– 89 –


CRUSTÁCEOS REINO

Animalia • FILO Arthropoda • SUBFILO Crustacea

Armadillidium vulgare (A/N) NOME COMUM ESPÉCIE

bicho-de-conta • CLASSE Malacostraca • ORDEM Isopoda • FAMÍLIA Armadillidiidae •

Armadillidium vulgare (Latreille, 1804) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Mediterrâneo • ESTATUTO EM

PORTUGAL

autóctone no Continente; naturalizado nos Açores e Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM

PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Balanus trigonus (N) NOME COMUM FAMÍLIA

— • SUPERCLASSE Multicrustacea • INFRACLASSE Cirripedia • ORDEM Sessilia •

Balanidae • ESPÉCIE Balanus trigonus (Darwin, 1854) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Cosmopolita:

águas tropicais e subtropicais • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et al. (2013)

Eriocheir sinensis (I) NOME COMUM

caranguejo-peludo-chinês • CLASSE Malacostraca • ORDEM Decapoda • FAMÍLIA

Brachyura • ESPÉCIE Eriocheir sinensis H. Milne-Edwards, 1853 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia Oriental • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Lisboa, Alentejo • REFERÊNCIAS DL 565/99

Pacifastacus leniusculus (I) NOME COMUM ESPÉCIE

lagostim-sinal • CLASSE Malacostraca • ORDEM Decapoda • FAMÍLIA Astacidae •

Pacifastacus leniusculus (Dana, 1852) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Oeste da América do Norte •

ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte • REFERÊNCIAS DL 565/99

Procambarus clarkii (I) NOME COMUM FAMÍLIA

lagostim-vermelho-da-Louisiana • CLASSE Malacostraca • ORDEM Decapoda •

Cambaridae • ESPÉCIE Procambarus clarkii (Girard, 1852) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul e Este

da América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor; estatuto legal: risco no Continente, risco nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS DL 565/99 • DLR 15/2012/A – 90 –


INSETOS REINO

Animalia • FILO Arthropoda • CLASSE Insecta

Aedes aegypti (I/E) NOME COMUM ESPÉCIE

mosquito-da-dengue, pernilongo-rajado • ORDEM Diptera • FAMÍLIA Culicidae •

Aedes (Stegomyia) aegypti (Linnaeus, 1762) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópicos • ESTATUTO

EM PORTUGAL

possivelmente erradicado do Continente na década de 1950, novamente introduzido e

invasor na Madeira nos anos 2000 • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Centro de Estudos de Vetores e Doenças Infeciosas Doutor Francisco Cambournac (2016)

Aedes albopictus (R) NOME COMUM

mosquito-tigre • ORDEM Diptera • FAMÍLIA Culicidae • ESPÉCIE Aedes (Stegomyia)

albopictus (Skuse, 1894) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste Asiático • ESTATUTO EM PORTUGAL risco de invasão • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL ausente • REFERÊNCIAS ECDC (n.d.)

Anoplophora chinensis (R) NOME COMUM

desconhecido • ORDEM Coleoptera • FAMÍLIA Cerambycidae • ESPÉCIE Anoplophora

chinensis (Forster, 1771) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia (China e Coreia) • ESTATUTO EM PORTUGAL Potencial invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Ausente • REFERÊNCIAS Marques & Rebelo (n.d.)

Aphis gossypii (I?) NOME COMUM

piolho-do-algodão, pulgão-das-cucurbitáceas • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA

Aphididae • ESPÉCIE Aphis gossypii Glover, 1877 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecido • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente • REFERÊNCIAS

Neto (2009) • Ramos & Soares (2015)

Aphis spiraecola (I) NOME COMUM

piolho-do-algodão, pulgão-das-cucurbitáceas • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA

Aphididae • ESPÉCIE Aphis spiraecola Patch, 1914 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Extremo Oriente • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Madeira • REFERÊNCIAS

CABI (2015c) • Neto (2009) – 91 –


Bemisia tabaci (I) NOME COMUM ORDEM

mosca (ou mosquinha) branca do feijão, da batata-doce, do tabaco, ou do algodão •

Hemiptera • FAMÍLIA Aleyrodidae • ESPÉCIE Bemisia tabaci (Genn.) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

possivelmente Índia • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor, praga agrícola • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS Mateus (2011)

Cacyreus marshalli (I) NOME COMUM

borboleta-da-sardinheira • ORDEM Lepidoptera • FAMÍLIA Lycaenidae • ESPÉCIE

Cacyreus marshalli Butler, 1897 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul de África • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Centro, Algarve • REFERÊNCIAS Ramos & Soares (2013h)

Capnodis tenebrionis (I?) NOME COMUM

carocho-negro (adulto), cabeça-de-prego (larva) • ORDEM Coleoptera • FAMÍLIA

Buprestidae • ESPÉCIE Capnodis tenebrionis L. • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor (se não for autóctone), praga agrícola • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente •

REFERÊNCIAS

Ramos & Soares (2013f)

Carpophilus fumatus (I) NOME COMUM

— • ORDEM Coleoptera • FAMÍLIA Nitidulidae • ESPÉCIE Carpophilus fumatus

Boheman, 1851 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotropical • ESTATUTO EM PORTUGAL invasora • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS Vieira et al. (2003)

Ceratitis capitata (I) NOME COMUM

mosca-do-Mediterrâneo • ORDEM Diptera • FAMÍLIA Tephritidae • ESPÉCIE Ceratitis

capitata (Wiedemann, 1824) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África subsaariana • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS CABI (2016a)

Cryptotermes brevis (I) NOME COMUM

térmita-da-madeira-seca • ORDEM Blattodea • FAMÍLIA Kalotermitidae • ESPÉCIE

Cryptotermes brevis (Walker, 1953) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Neotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor, risco ecológico conhecido, prioridade para erradicação • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

– 92 –


Cydia pomonella (I) NOME COMUM

bichado da fruta • ORDEM Lepidoptera • FAMÍLIA Tortricidae • ESPÉCIE Cydia

pomonella (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

desconhecida • REFERÊNCIAS Bayer Crop Science (2009f)

Daktulosphaira vitifoliae (I) NOME COMUM

filoxera • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA Phylloxeridae • ESPÉCIE Daktulosphaira

vitifoliae (Fitch 1855) = Phylloxera vastatrix (Planchon) = Viteus vitifoliae (Fitch) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Este da América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor, praga agrícola • DISTRIBUIÇÃO

EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS CABI (2016f)

Dryocosmus kuriphilus (I) NOME COMUM

vespa-das-galhas-do-castanheiro, cinipídeo-dos-castanheiros • ORDEM Hymenoptera

• FAMÍLIA Cynipidae • ESPÉCIE Dryocosmus kuriphilus (Yasumatsu, 1951) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA China • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte • REFERÊNCIAS DGAV (2014)

Empoasca decipiens (I?) NOME COMUM

cidadela, cigarrinha-verde • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA Cicadellidae • ESPÉCIE

Empoasca decipiens Paoli, 1930 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor (se não for autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Algarve • REFERÊNCIAS Neto (2014)

Empoasca solani (I?) NOME COMUM

cidadela, cigarrinha-verde • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA Cicadellidae • ESPÉCIE

Empoasca solani (Curtis, 1846) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor (se não for autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Alentejo • REFERÊNCIAS Neto (2014)

Empoasca vitis (I?) NOME COMUM

cidadela, cigarrinha-verde • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA Cicadellidae • ESPÉCIE

Empoasca vitis (Göthe) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor (se não for autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte • REFERÊNCIAS Neto (2014)

– 93 –


Epitrix cucumeris (I) NOME COMUM

epitrix-da-batateira • ORDEM Coleoptera • FAMÍLIA Chrysomelidae • ESPÉCIE Epitrix

cucumeris (Harris, 1851) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Norte da América • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Açores • REFERÊNCIAS Boavida (2010)

Epitrix similaris (I) NOME COMUM

epitrix-da-batateira • ORDEM Coleoptera • FAMÍLIA Chrysomelidae • ESPÉCIE Epitrix

similaris (Gentner, 1944) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Norte da América • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Alentejo • REFERÊNCIAS Boavida (2010)

Frankliniella occidentalis (I) NOME COMUM

tripe-da-Califórnia • ORDEM Coleoptera • FAMÍLIA Chrysomelidae • ESPÉCIE

Frankliniella occidentalis Pergande, 1895 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudoeste dos Estados Unidos • ESTATUTO EM PORTUGAL REFERÊNCIAS

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro, Alentejo •

COTHN (2011b)

Jacobiasca lybica (I?) NOME COMUM

cidadela, cigarrinha-verde • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA Cicadellidae • ESPÉCIE

Jacobiasca lybica (Bergevin & Zanon, 1922) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor (se não for autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Alentejo • REFERÊNCIAS Neto

(2014)

Kalotermes flavicollis (I) NOME COMUM

térmita-das-árvores-de-pescoço-amarelo • ORDEM Blattodea • FAMÍLIA

Kalotermitidae • ESPÉCIE Kalotermes flavicollis (Fabricius, 1793) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Norte de África, Sul da Europa, Médio Oriente • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor, risco ecológico conhecido, prioridade para erradicação • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Leptinotarsa decemlineata (I) NOME COMUM ESPÉCIE

escaravelho-da-batateira, doriforo • ORDEM Coleoptera • FAMÍLIA Chrysomelidae •

Leptinotarsa decemlineata (Say) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM

PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente • REFERÊNCIAS EPPO (2002)

– 94 –


Linepithema humile (N) NOME COMUM

formiga-argentina • ORDEM Hymenoptera • FAMÍLIA Formicidae • ESPÉCIE

Linepithema humile (Mayr 1868) = Iridomyrmex humilis • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Argentina • ESTATUTO EM PORTUGAL

naturalizado no Continente, Açores e Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008) • Wild (2008) • Zina (2008)

Monochamus galloprovincialis (A) NOME COMUM

longicórnio-do-pinheiro • ORDEM Coleoptera • FAMÍLIA Cerambycidae • ESPÉCIE

Monochamus galloprovincialis (Olivier, 1795) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa (possivelmente inclusive Portugal) • ESTATUTO EM PORTUGAL Considerado praga agrícola por ser o único vetor de distribuição de Bursaphelenchus xylophilus em Portugal • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente • REFERÊNCIAS Petersen-Silva et al. (2014)

Palpita vitrealis (I?) NOME COMUM

traça-verde • ORDEM Lepidoptera • FAMÍLIA Crambidae • ESPÉCIE Palpita vitrealis

(Rossi, 1794) = Palpita unionalis (Hübner) = Margaronia unionalis Hübner • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida; presentemente cosmopolita • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor (se não for autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente • REFERÊNCIAS Ramos (2014)

Paratrechina longicornis (N) NOME COMUM

— • ORDEM Hymenoptera • FAMÍLIA Formicidae • ESPÉCIE Paratrechina longicornis

(Latreille 1802) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África tropical, Ásia tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

Periplaneta americana (N) NOME COMUM

barata-americana • ORDEM Blattodea • FAMÍLIA Blattidae • ESPÉCIE Periplaneta

americana (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Afrotrópicos • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS Bell & Adiyodi (1982) • Vieira et al. (2003)

Pheidole megacephala (I) NOME COMUM

— • ORDEM Hymenoptera • FAMÍLIA Formicidae • ESPÉCIE Pheidole megacephala

(Fabricius, 1793) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul de África • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • GISD (2016c)

– 95 –


Phthorimaea operculella (I) NOME COMUM

traça-da-batata • ORDEM Lepidoptera • FAMÍLIA Gelechiidae • ESPÉCIE Phthorimaea

operculella (Zeller, 1873) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Neotropical • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Norte, Açores • REFERÊNCIAS Guerner Moreira & Coutinho (2012) •

Vieira et al. (2003)

Planococcus ficus (I?) NOME COMUM ESPÉCIE

cochonilha-algodão-da-vinha • ORDEM Rhynchota • FAMÍLIA Pseudococcidae •

Planococcus ficus Signoret, 1875 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA desconhecida • ESTATUTO EM

PORTUGAL

invasor (se não autóctone) • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Algarve • REFERÊNCIAS Neto

(2015)

Popillia japonica (I) NOME COMUM

escaravelho-japonês • ORDEM Coleoptera • FAMÍLIA Scarabaeidae • ESPÉCIE Popillia

japonica Newman, 1841 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Japão • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor, espécie de risco e prioridade de erradicação nos Açores • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Quadraspidiotus perniciosus (I) NOME COMUM

cochonilha-de-São-José • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA Diaspididae • ESPÉCIE

Quadraspidiotus perniciosus Comstock, 1881 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Extremo Oriente • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Algarve • REFERÊNCIAS Ramos & Soares (2013c)

Reticulitermes flavipes (I) NOME COMUM

térmita-subterrânea • ORDEM Blattodea • FAMÍLIA Rhinotermitidae • ESPÉCIE

Reticulitermes flavipes (Kollar, 1837) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor, risco ecológico conhecido, prioridade para erradicação • DISTRIBUIÇÃO EM

PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Reticulitermes grassei (I) NOME COMUM

térmita-subterrânea • ORDEM Blattodea • FAMÍLIA Rhinotermitidae • ESPÉCIE

Reticulitermes grassei (Cléments, 1978) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL

invasor, risco ecológico conhecido, prioridade para erradicação • DISTRIBUIÇÃO EM

PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

– 96 –


Rhynchophorus ferrugineus (I) NOME COMUM

escaravelho-da-palmeira, escaravelho-vermelho, gorgulho-das-palmeiras • ORDEM

Coleoptera • FAMÍLIA Curculionidae • ESPÉCIE Rhynchophorus ferrugineus (Olivier, 1790) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Ásia tropical • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Madeira • REFERÊNCIAS DGAV (2013a)

Scaphoideus titanus (I) NOME COMUM

vetor da doença de flavescência dourada (agente) • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA

Cicadeliidae • ESPÉCIE Scaphoideus titanus (Lepeletier, 1836) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Norte • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Centro • REFERÊNCIAS DGAV (2013b) • Sousa et al. (2008)

Sitotroga cerealella (C) NOME COMUM

traça-dos-cereais • ORDEM Lepidoptera • FAMÍLIA Gelechiidae • ESPÉCIE Sitotroga

cerealella (Olivier, 1789) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Pantropical / subtropical • ESTATUTO EM PORTUGAL casual • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores • REFERÊNCIAS Vieira et al. (2003)

Tapinoma simrothi (I) NOME COMUM

— • ORDEM Hymenoptera • FAMÍLIA Formicidae • ESPÉCIE Tapinoma simrothi

Krausse, 1911 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Norte de África, Médio Oriente • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Algarve • REFERÊNCIAS Zina (2008)

Trialeurodes vaporariorum (I) NOME COMUM

mosca-branca-das-estufas • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA Aleyrodidae • ESPÉCIE

Trialeurodes vaporariorum Westwood, 1856 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América Central ou do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor, praga agrícola • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores,

Madeira • REFERÊNCIAS CABI (2015a) • Gao et al. (2014)

Trioza erytreae (I) NOME COMUM ESPÉCIE

vetor da citrus greening disease (agente) • ORDEM Hemiptera • FAMÍLIA Triozidae •

Trioza erytreae (Del Guercio, 1918) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA África Central e do Sul •

ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte, Madeira • REFERÊNCIAS

Coutinho (2015)

– 97 –


Tuta absoluta (I) NOME COMUM

traça-do-tomateiro • ORDEM Lepidoptera • FAMÍLIA Gelechiidae • ESPÉCIE Tuta

absoluta (Meyrick, 1917) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA América do Sul • ESTATUTO EM PORTUGAL Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Centro, Algarve • REFERÊNCIAS Ramos (n.d.) • Serra et al. (2009)

Varroa destructor (I) NOME COMUM

varroa • ORDEM Parasitiformes • FAMÍLIA Varroidae • ESPÉCIE Varroa destructor

Anderson & Trueman, 2000 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste Asiático • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor, risco ecológico conhecido, prioridade para erradicação • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Continente, Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A

Vespa velutina nigrithorax (N) NOME COMUM

Vespa-velutina, vespa-asiática • ORDEM Hymenoptera • FAMÍLIA Vespidae • ESPÉCIE

Vespa velutina nigrithorax (Lepeletier, 1836) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sudeste asiático • ESTATUTO EM PORTUGAL

Naturalizada; “poderá vir a ser considerada uma espécie invasora, no âmbito da legislação

nacional” • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte; Centro (Catarina Marquês, com. pess.) • REFERÊNCIAS DGAV (2015)

– 98 –


MOLUSCOS REINO

Animalia • FILO Mollusca

Aegopinella nitidula (I) NOME COMUM

caracol • CLASSE Gastropoda • ORDEM Stylommatophora • FAMÍLIA Oxychilidae

(anteriormente Zonitidae) • ESPÉCIE Aegopinella nitidula (Draparnaud, 1805) = Retinella nitidula • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Noroeste da Europa • ESTATUTO EM PORTUGAL invasor; estatuto legal: risco •

DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Açores • REFERÊNCIAS DLR 15/2012/A • Silva et al. (2008)

Corbicula fluminalis (A/N/R?) NOME COMUM ESPÉCIE

amêijoa-asiática • CLASSE Bivalvia • ORDEM Veneroida • FAMÍLIA Corbiculidae •

Corbicula fluminalis (O.F. Müller, 1774) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia • ESTATUTO EM

PORTUGAL

Autóctone, naturalizada, ou risco invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte segundo

Nagel (1989), que coloca a possibilidade de ser uma população autóctone; segundo Morton (1996), o espécime descoberto por Nagel tratava-se de C. fluminea e não C. fluminalis. Para uma boa distinção entre as duas espécies, ver Quiñonero Salgado & López Soriano (2014). • REFERÊNCIAS Morton (1996) • Nagel (1989) • Quiñonero Salgado & López Soriano (2014)

Corbicula fluminea (I) NOME COMUM ESPÉCIE

amêijoa-asiática • CLASSE Bivalvia • ORDEM Veneroida • FAMÍLIA Corbiculidae •

Corbicula fluminea (O.F. Müller, 1774) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ásia • ESTATUTO EM PORTUGAL

Invasor • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Norte (segundo Morton [1996] e Sousa [2015]), Alentejo, Algarve • REFERÊNCIAS Morton (1996) • Naturdata (2011) • Sousa et al. (2015)

Crepidula fornicata (R) NOME COMUM

desconhecido (tradução do inglês: “lapa-chinelo”) • CLASSE Gastropoda • ORDEM

Littorinimorpha • FAMÍLIA Calyptraeidae • ESPÉCIE Crepidula fornicata (Linnaeus, 1758) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Costa leste dos EUA • ESTATUTO EM PORTUGAL Risco: em expansão imparável

desde a Bélgica; já presente na Galiza • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Ausente • REFERÊNCIAS Gofas (2004)

– 99 –


Dreissena bugensis (R) NOME COMUM

— • CLASSE Bivalvia • ORDEM Veneroida • FAMÍLIA Dreissenidae • ESPÉCIE Dreissena

bugensis Andrusov, 1897 = Dreissena rostriformis bugensis Andrusov, 1897 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Ucrânia • ESTATUTO EM PORTUGAL Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL desconhecida • REFERÊNCIAS

DL 565/99

Dreissena polymorpha (R) NOME COMUM ESPÉCIE

mexilhão-zebra • CLASSE Bivalvia • ORDEM Veneroida • FAMÍLIA Dreissenidae •

Dreissena polymorpha (Pallas, 1771) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Sul da Rússia • ESTATUTO EM

PORTUGAL

Estatuto legal: risco • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Possivelmente Norte • REFERÊNCIAS

CABI (2016e) • DL 565/99

Eluma purpurascens (I) NOME COMUM ESPÉCIE

bicho-de-conta • CLASSE Malacostraca • ORDEM Isopoda • FAMÍLIA Armadillidiidae •

Eluma purpurascens Budde-Lund, 1885 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Europa Ocidental e Norte de

África • ESTATUTO EM PORTUGAL autóctone no Continente, naturalizado nos Açores e Madeira • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Continente, Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Silva et al. (2008)

– 100 –


BRIOZOÁRIOS REINO

Animalia • FILO Bryozoa

Bugulina stolonifera (N) NOME COMUM

— • CLASSE Gymnolaemata • ORDEM Cheilostomatida • FAMÍLIA Bugulidae • ESPÉCIE

Bugulina stolonifera (Ryland, 1960) = Bugula stolonifera Ryland, 1960 • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Atlântico Ocidental e Oriental, Mediterrâneo • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Madeira • REFERÊNCIAS Bock (2015b) • Canning-Clode et al. (2013)

Cradoscrupocellaria bertholetti (N) NOME COMUM

— • CLASSE Gymnolaemata • ORDEM Cheilostomatida • FAMÍLIA Candidae • ESPÉCIE

Cradoscrupocellaria bertholletii (Audouin, 1826) = Scrupocellaria bertholetti (Audouin, 1826) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Golfo do México • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL

Madeira • REFERÊNCIAS Bock (2013) • Canning-Clode et al. (2013)

Parasmittina protecta (N) NOME COMUM ESPÉCIE

— • CLASSE Gymnolaemata • ORDEM Cheilostomatida • FAMÍLIA Smittinidae •

Parasmittina protecta (Thornely, 1905) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Mar Vermelho • ESTATUTO EM

PORTUGAL

naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et al.

(2013)

Schizoporella pungens (N) NOME COMUM ESPÉCIE

— • CLASSE Demospongiae • ORDEM Poecilosclerida • FAMÍLIA Schizoporellidae •

Schizoporella pungens (Canu & Bassler, 1928) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Golfo do México •

ESTATUTO EM PORTUGAL

naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS

Canning-Clode et al. (2013)

Virididentula dentata (N) NOME COMUM

— • CLASSE Gymnolaemata • ORDEM Cheilostomatida • FAMÍLIA Bugulidae • ESPÉCIE

Virididentula dentata (Lamouroux, 1816) = Bugula dentata (Lamouroux, 1816) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

– 101 –


Indo-Pacífico • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS

Bock (2015a) • Canning-Clode et al. (2013)

Watersipora subtorquata (N) NOME COMUM ESPÉCIE

— • CLASSE Gymnolaemata • ORDEM Cheilostomatida • FAMÍLIA Watersiporidae •

Watersipora subtorquata (d’Orbigny, 1852) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Oceano Índico e Pacífico

Ocidental • ESTATUTO EM PORTUGAL naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Madeira • REFERÊNCIAS

Canning-Clode et al. (2013)

Zoobotryon verticillatum (N/I) NOME COMUM

briozoário-esparguete • CLASSE Gymnolaemata • ORDEM Ctenostomata • FAMÍLIA

Vesiculariidae • ESPÉCIE Zoobotryon verticillatum (Delle Chiaje, 1822) • DISTRIBUIÇÃO NATIVA Atlântico Ocidental, Caraíbas • ESTATUTO EM PORTUGAL Açores: invasor, risco ecológico conhecido; Madeira: naturalizado • DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL Açores, Madeira • REFERÊNCIAS Canning-Clode et al. (2013) • DLR 15/2012/A

– 102 –


ANEXO A: OUTRAS LISTAS DE TAXA INTRODUZIDOS Este anexo contém listas de taxa presentes no território português, filtradas para indicar apenas as espécies introduzidas em alguma região. A informação das listas deste anexo são apresentadas verbatim; não foram alterados os estatutos de ocorrência, nem acrescentados taxa cuja ocorrência em Portugal venha indicada em outras fontes. As únicas alterações efetuadas dizem respeito a erros tipográficos na lista original, p.ex. a correção de “Hedychium gardneranum” para “Hedychium gardnerianum”.

A.1 Checklist da Flora de Portugal Indicam-se na tabela abaixo os 1 118 taxa constantes da Checklist da Flora de Portugal Continental, Açores e Madeira (Sequeira et al., 2011) introduzidos em Portugal Continental, Açores ou Madeira. O estatuto de cada taxon é indicado nas colunas “C/A/M”, onde “—” representa ausência, “Nat” significa nativo, e “Int” significa introduzido. Taxon

C

A

M

Abutilon grandifolium (Willd.) Sweet

Int

Abutilon megapotamicum (Spreng.) A.St.-Hil. & Naudin

Int

Abutilon sonneratianum (Cav.) Sweet

Int

Abutilon striatum G.F.Dicks.

Int

Abutilon theophrasti Medik.

Int

Acacia baileyana F.Muell.

Int

Acacia cyclops A.Cunn. ex G.Don

Int

Int

Acacia dealbata Link

Int

Int

Int

Acacia decurrens (J.C.Wendl.) Willd.

Int

Acacia elata A.Cunn. ex Benth.

Int

Acacia farnesiana (L.) Willd.

Int

Acacia karroo Hayne

Int

Acacia longifolia (Andrews) Willd.

Int

Int

Acacia mearnsii De Wild.

Int

Int

Acacia melanoxylon R.Br.

Int

Int

Int

Acacia pycnantha Benth.

Int

Acacia retinodes var. retinodes Schltdl.

Int

– 103 –


Taxon

C

A

M

Acacia saligna (Labill.) H.L.Wendl.

Int

Acacia sophorae (Labill.) R.Br.

Int

Acacia verticillata (L’Hér.) Willd.

Int

Int

Acalypha rhomboidea Raf.

Int

Acanthus mollis L.

Int

Int

Int

Acer negundo L.

Int

Acer platanoides L.

Int

Acer pseudoplatanus L.

Nat Int

Int

Achillea millefolium L.

Nat Int

Int

Achyranthes sicula (L.) All.

Int Nat

Adiantum aneitense Carruth.

Int

Adiantum hispidulum Sw.

Int

Int

Adiantum raddianum C.Presl

Int

Int

Adonis microcarpa DC.

Nat

Int

Aeonium arboreum (L.) Webb & Berthel.

Int

Int

Aetheorhiza bulbosa subsp. bulbosa (L.) Cass.

Nat Int

Agapanthus praecox subsp. orientalis (F.M.Leight.) F.M.Leight.

Int

Agave americana L.

Int

Int

Int

Agave atrovirens Karw. ex Salm-Dyck

Int

Int

Agave attenuata Salm-Dyck

Int

Ageratina adenophora (Spreng.) R.M.King & H.Rob.

Int

Int

Int

Ageratina riparia (Regel) R.M.King & H.Rob.

Int

Ageratum conyzoides subsp. conyzoides L.

Int

Ageratum houstonianum Mill.

Int

Int

Int

Agrostemma githago L.

Int

Int

Agrostis capillaris L.

Nat Int

Agrostis pourretii Willd.

Nat

Int

Agrostis stolonifera var. stolonifera L.

Nat Int

Aichryson laxum (Haw.) Bramwell

Int

Ailanthus altissima (Mill.) Swingle

Int

Int

Int

Aira praecox L.

Nat Int Nat

Alcea rosea L.

Int

Int

Int

Alisma gramineum Lej.

Int

Allium ampeloprasum L.

Nat Int

Int

Allium neapolitanum Cirillo

Nat

Int

Allium paniculatum L.

Nat Int

Int

Allium roseum L.

Nat Int

Int

– 104 –


Taxon

C

A

M

Allium subvillosum Salzm. ex Schult. & Schult.f.

Nat Int

Allium triquetrum L.

Nat Int

Int

Allium vineale L.

Nat Int

Int

Alnus cordata (Loisel.) Duby

Alnus glutinosa (L.) Gaertn.

Int

Nat Int

Alnus incana (L.) Moench

Int

Aloe arborescens Mill.

Int

Int

Aloe vera (L.) Burm.f.

Int

Int

Alopecurus geniculatus L.

Nat Int

Alopecurus myosuroides Huds.

Nat Int

Alopecurus pratensis L.

Int

Alstroemeria pulchella L.f.

Int

Alternanthera caracasana Kunth

Int

Int

Amaranthus albus L.

Int

Amaranthus blitoides S.Watson

Int

Int

Amaranthus blitum subsp. emarginatus (Moq. ex Uline & W.L.Bray

Int

Amaranthus caudatus L.

Int

Int

Amaranthus deflexus L.

Int

Int

Int

Amaranthus graecizans subsp. sylvestris (Vill.) Brenan

Nat Int

Amaranthus hybridus L.

Int

Int

Int

Amaranthus hypochondriacus L.

Int

Amaranthus muricatus (Moq.) Hieron.

Int

Int

Amaranthus palmeri S.Watson

Int

Amaranthus powellii S.Watson

Int

Amaranthus retroflexus L.

Int

Int

Int

Amaranthus spinosus L.

Int

Amaranthus viridis L.

Int

Int

Int

Amaryllis belladona L.

Int

Int

Ambrosia artemisiifolia L.

Int

Int

Ammannia coccinea Rottb.

Int

Ammi majus L.

Nat Int Nat

Ammi visnaga (L.) Lam.

Nat Int Nat

Ampelodesmos mauritanica (Poir.) T.Durand & Schinz

Int

Anacyclus radiatus Loisel.

Nat Int

Anagallis arvensis L.

Int Nat

Anagallis foemina Mill.

Nat Int

Anchusa arvensis subsp. orientalis (L.) Nordh.

Int

– 105 –


Taxon

C

A

M

Andryala integrifolia L.

Nat Int

Anethum graveolens L.

Int

Int

Anomatheca laxa (Thunb.) Goldblatt

Int

Anthemis arvensis subsp. arvensis L.

Nat Int

Anthemis austriaca Jacq.

Int

Anthemis cotula L.

Nat Int

Int

Anthoxanthum aristatum subsp. aristatum var. aristatum Boiss.

Nat Int

Anthoxanthum aristatum subsp. aristatum var. welwitschii Ricci Boiss.

Nat Int

Anthoxanthum odoratum L.

Nat Int Nat

Anthriscus caucalis M.Bieb.

Nat

Int

Int

Int

Aphanes microcarpa (Boiss. & Reut.) Rothm.

Nat Int

Apium graveolens L.

Nat Int Nat

Aptenia cordifolia (L.f.) Schwantes

Int

Int

Int

Aquilegia vulgaris subsp. dichroa (Freyn) T.E.Díaz

Nat Int

Aquilegia vulgaris subsp. vulgaris L.

Nat

Int

Arabidopsis thaliana var. thaliana (L.) Heynh.

Nat Int Nat

Araujia sericifera Brot.

Int

Int

Int

Arbutus unedo L.

Nat

Int

Arctium minus Bernh.

Nat Int Nat

Arctotheca calendula (L.) Levyns

Int

Int

Arctotis stoechadifolia P.J.Bergius

Int

Arctotis venusta Norl.

Int

Argemone mexicana L.

Int

Int

Argyranthemum pinnatifidum subsp. pinnatifidum (L.f.) Lowe

Int Nat

Antirrhinum majus L.

Arisarum simorrhinum Durieu

Nat Int Nat

Arrhenatherum elatius subsp. baeticum Romero Zarco

Nat Int

Arrhenatherum elatius subsp. bulbosum (Willd.) Schübl. & G.Martens

Nat Int Nat

Artemisia absinthium L.

Nat Int

Artemisia verlotiorum Lamotte

Int

Int

Arundinaria pumila Mitford

Int

Arundinaria tessellata (Nees) Munro

Int

Nat Int

Int

Arundo donax L.

Asclepias curassavica L.

Int

Asparagus asparagoides (L.) Druce

Int

Int

Int

Asparagus officinalis subsp. officinalis L.

Int

Asparagus setaceus (Kunth) Jessop

Int

– 106 –


Taxon

C

A

M

Aster lanceolatus Willd.

Int

Aster squamatus (Spreng.) Hieron.

Int

Int

Int

Atriplex halimus L.

Nat

Int

Atriplex patula L.

Nat Int

Atriplex rosea L.

Nat

Int

Avena barbata Pott ex Link

Int Nat

Avena byzantina K.Koch

Int

Int

Avena fatua L.

Nat Int Nat

Avena sativa subsp. macrantha (Hack.) Rocha Afonso

Int

Avena sterilis subsp. ludoviciana (Durieu) Nyman

Nat Int

Avena strigosa Schreb.

Int

Axonopus affinis Chase

Int

Azolla filiculoides Lam.

Int

Bacopa monnieri (L.) Wettst.

Int

Baldellia ranunculoides (L.) Parl.

Int

Ballota nigra subsp. uncinata (Fiori & Bég.) Patzak

Nat Int Nat

Barbarea verna (Mill.) Asch.

Nat Int

Int

Begonia foliosa Kunth

Int

Begonia grandis Dryand.

Int

Bellis perennis L.

Nat Int

Int

Beta vulgaris L.

Int

Int

Betula pendula subsp. pendula var. pendula Roth

Int

Bidens aurea (Aiton) Sherff

Int

Bidens biternata (Lour.) Merr. & Sherff

Int

Bidens frondosa L.

Int

Bidens pilosa L.

Int

Int

Int

Blackstonia perfoliata (L.) Huds.

Int

Blechnum appendiculatum Willd.

Int

Blechnum occidentale L.

Int

Blyxa japonica (Miq.) Maxim.

Int

Borago officinalis L.

Nat Int

Int

Boussingaultia cordifolia Ten.

Int

Int

Int

Brachiaria mutica (Forssk.) Stapf

Int

Int

Brassica juncea (L.) Czern.

Int

Brassica napus L.

Int

Brassica nigra (L.) W.D.J.Koch

Nat Int Nat

Brassica oleracea L.

Int

– 107 –


Taxon

C

A

M

Brassica rapa subsp. campestris (L.) A.R.Clapham

Int

Briza maxima L.

Nat Int Nat

Briza minor L.

Nat Int Nat

Bromus alopecuros subsp. alopecuros Poir.

Int

Bromus catharticus Vahl

Int

Int

Int

Bromus diandrus Roth

Nat Int Nat

Bromus madritensis L.

Nat Int Nat

Bromus rigidus Roth

Nat Int

Bromus secalinus L.

Int

Int

Brugmansia suaveolens (Humb. & Bonpl. ex Willd.) Bercht. & J.Presl

Int

Nat Int

Buxus sempervirens L. Cakile edentula subsp. edentula (Bigelow) Hook.

Int

Calceolaria tripartita Ruiz & Pav.

Int

Int

Calendula arvensis L.

Nat Int Nat

Calendula officinalis L.

Int

Int

Int

Calendula suffruticosa Vahl

Int

Calluna vulgaris (L.) Hull

Nat Nat Int

Calystegia sepium subsp. americana (Sims) Brummitt Calystegia sepium subsp. sepium (L.) R.Br. Calystegia sepium subsp. spectabilis Brummitt

Int

Nat Int

Int

Int

Campanula erinus L.

Nat Int Nat

Campanula lusitanica subsp. lusitanica L.

Nat

Int

Canna indica L.

Int

Int

Cannabis sativa var. sativa L.

Int

Cardamine hirsuta L.

Nat Int Nat

Cardamine pratensis subsp. pratensis L.

Nat Int

Cardiospermum grandiflorum Sw.

Int

Carduus pycnocephalus L.

Int

Nat

Carduus tenuiflorus Curtis

Nat Int Nat

Carex bohemica Schreb.

Nat Int

Carex debilis Michx.

Int

Carex distans L.

Nat Int

Carex leporina L.

Nat Int

Carex panicea L.

Int

Carpobrotus acinaciformis (L.) L.Bolus

Int

Carpobrotus edulis (L.) N.E.Br.

Int

Int

Int

Carthamus tinctorius L.

Int

Int

Int

– 108 –


Taxon

C

A

M

Castanea sativa Mill.

Int

Int

Casuarina cunninghamiana Miq.

Int

Casuarina stricta Aiton

Int

Cenchrus ciliaris L.

Int

Cenchrus incertus M.A.Curtis

Int

Centaurea cyanus L.

Int

Centaurea diluta Aiton

Nat Int

Centaurea melitensis L.

Nat Int Nat

Centaurea sonchifolia L.

Int

Centaurea sphaerocephala subsp. sphaerocephala L.

Nat

Int

Centranthus calcitrapae var. calcitrapae (L.) Dufr.

Nat Int Nat

Centranthus ruber subsp. ruber (L.) DC.

Nat Int

Centratherum muticum (Kunth) Less.

Int Int

Cerastium fontanum subsp. vulgare (Hartm.) Greuter & Burdet

Nat Int Nat

Cerastium glomeratum Thuill.

Nat Int Nat

Ceratonia siliqua L.

Int

Cestrum purpureum (Lindl.) Standl.

Int

Chamaecyparis lawsoniana (A.Murray) Parl.

Int

Chamaemelum mixtum (L.) All.

Nat Int

Int

Chamaemelum nobile (L.) All.

Nat Nat Int

Chamaesyce maculata (L.) Small

Int

Int

Chamaesyce nutans (Lag.) Small

Int

Int

Int

Chamaesyce peplis (L.) Prokh.

Nat Int Nat

Chamaesyce prostrata (Aiton) Small

Int

Int

Int

Chamaesyce serpens (Kunth) Small

Int

Int

Chamomilla recutita (L.) Rauschert

Nat Int

Chamomilla suaveolens (Pursh) Rydb.

Int

Int

Chasmanthe aethiopica (L.) N.E.Br.

Int

Chelidonium majus L.

Nat Int Nat

Chenopodium album L.

Int

Chenopodium ambrosioides L.

Int

Int Nat

Chenopodium multifidum L.

Int

Chenopodium murale L.

Nat Int Nat

Chenopodium opulifolium Schrad. ex W.D.J.Koch & Ziz

Nat Int Nat

Chenopodium pumilio R.Br.

Int

Chenopodium rubrum L.

Int

Chenopodium vulvaria L.

Nat

Int

– 109 –

— —


Taxon

C

A

M

Chloris gayana Kunth

Int

Chloris virgata Sw.

Int

Chlorophytum comosum (Thunb.) Jacques

Int

Int

Chrysanthemum coronarium L.

Nat Int

Int

Chrysanthemum segetum L.

Int

Int

Int

Cicer arietinum L.

Int

Cichorium intybus L.

Nat Int

Cirsium arvense (L.) Scop.

Nat Int

Cirsium vulgare (Savi) Ten.

Nat Int

Int

Cistus ladanifer subsp. ladanifer L.

Nat

Int

Cistus psilosepalus Sweet

Nat

Int

Int

Nat Int

Citrullus lanatus (L.) Schrad. Clematis flammula L. Clethra arborea Aiton

Coleostephus myconis (L.) Rchb.f.

Int Nat

Nat Int

Int

Colocasia esculenta (L.) Schott

Int

Int

Commelina benghalensis L.

Int

Commelina diffusa Burm.f.

Int

Conium maculatum L.

Nat Int

Int

Consolida ajacis (L.) Schur

Int

Int

Int

Consolida orientalis (J.Gay) Schrödinger

Int

Convolvulus althaeoides L.

Nat

Int

Convolvulus arvensis L.

Nat Int Nat

Convolvulus farinosus L.

Int

Convolvulus sabatius Viv.

Int

Conyza bonariensis (L.) Cronquist

Int

Int

Int

Conyza canadensis (L.) Cronquist

Int

Int

Int

Conyza ivifolia (L.) Less.

Int

Conyza × mixta Foucaud & Neyr.

Int

Int

Conyza × rouyana Sennen

Int

Int

Conyza sumatrensis (Retz.) E.Walker

Int

Int

Int

Coreopsis lanceolata L.

Int

Coriandrum sativum L.

Int

Int

Int

Coronilla glauca L.

Nat

Int

Coronopus didymus (L.) Sm.

Int

Int

Int

Coronopus squamatus (Forssk.) Asch.

Nat Int Nat

Corrigiola litoralis subsp. litoralis L.

Nat

– 110 –

Int


Taxon

C

A

M

Cortaderia selloana (Schult. & Schult.f.) Asch. & Graebn.

Int

Int

Corylus avellana L.

Nat Int

Cosmos bipinnatus Cav.

Int

Cotula australis (Spreng.) Hook. f.

Int

Int

Int

Cotula coronopifolia L.

Int

Crassula aquatica (L.) Schönland

Int

Crassula lactea Sol.

Int

Crassula multicava Lem.

Int

Int

Crassula ovata (Mill.) Druce

Int

Crassula peduncularis (Sm.) Meigen

Int

Crassula spathulata Thunb.

Int

Crassula tetragona L.

Int

Crassula vaillantii (Willd.) Roth

Nat Int

Crataegus monogyna Jacq.

Nat

Int

Crepis capillaris var. agrestis (Waldst. & Kit.) Dalla Torre & Sarnth.

Nat Int

Crepis capillaris var. capillaris (L.) Wallr.

Nat Int

Crinum bulbispermum (Burm.) Milne-Redh. & Schweick.

Int

Cryptomeria japonica (L.f.) D.Don

Int

Cucumis myriocarpus subsp. myriocarpus Naudin

Int

Culcita macrocarpa C.Presl

Int Nat Nat

Cullen americanum (L.) Rydb.

Int

Int

Cupressus macrocarpa Hartw.

Int

Cuscuta campestris Yunck.

Int

Cuscuta epilinum Weihe

Int

Cuscuta suaveolens Ser.

Int

Cyclospermum leptophyllum (Pers.) Sprague

Int

Int

Int

Cydonia oblonga Mill.

Int

Cymbalaria muralis subsp. muralis G.Gaertn., B.Mey. & Scherb.

Int

Int

Int

Cynara scolymus L.

Int

Cynodon dactylon (L.) Pers.

Nat Int Nat

Cynoglossum creticum Mill.

Nat Int Nat

Cynosurus cristatus L.

Nat Int Nat

Cynosurus echinatus L.

Nat Int Nat

Cyperus difformis L.

Nat Int

Int

Cyperus echinatus (L.) Alph.Wood

Int

Cyperus eragrostis Lam.

Int

Int

Int

Cyperus esculentus L.

Nat Int Nat

– 111 –


Taxon

C

A

M

Cyperus involucratus Rottb.

Int

Int

Int

Cyperus longus L.

Nat Int Nat

Cyperus retrorsus Chapm.

Cyperus rotundus L.

Int

Nat Int

Int

Cyperus textilis Thunb.

Int

Cyrtomium falcatum (L.f.) C.Presl

Int

Int

Cytisus multiflorus (L’Hér.) Sweet

Nat

Int

Cytisus scoparius subsp. scoparius (L.) Link

Nat Int

Int

Cytisus striatus (Hill) Rothm.

Nat

Int

Dactylis glomerata subsp. glomerata L.

Int

Int

Int

Dactyloctenium australe Steud.

Int

Datura inoxia Mill.

Int

Int

Datura stramonium L.

Int

Int

Int

Daucus muricatus (L.) L.

Nat Int

Deparia petersenii (Kunze) M.Kato

Int

Int

Dichanthium annulatum (Forssk.) Stapf

Int

Dichondra micrantha Urb.

Int

Int

Int

Dicksonia antarctica Labill.

Int

Digitalis purpurea subsp. purpurea L.

Nat Int Nat

Digitaria ciliaris (Retz.) Koeler

Int

Int

Digitaria sanguinalis (L.) Scop.

Int

Int

Int

Diplazium esculentum (Retz.) Sw.

Int

Diplotaxis catholica (L.) DC.

Nat Int

Int

Diplotaxis muralis subsp. muralis (L.) DC.

Nat Int

Disphyma crassifolium (L.) L.Bolus

Int

Dittrichia viscosa subsp. viscosa (L.) Greuter

Nat Int Nat

Int

Doodia caudata (Cav.) R.Br.

Int

Int

Dorotheanthus gramineus (Haw.) Schwantes

Int

Drosanthemum candens (Haw.) Schwantes

Int

Drosanthemum floribundum (Haw.) Schwantes

Int

Int

Int

Duchesnea indica (Jacks.) Focke

Int

Int

Int

Ecballium elaterium (L.) A.Rich.

Int

Echinochloa colonum (L.) Link

Int

Int

Int

Echinochloa crus-galli (L.) P.Beauv.

Nat Int

Int

Echinochloa oryzicola (Vasinger) Vasinger

Int

Echium arenarium Guss.

Int

Echium nervosum Dryand.

Int

Nat

– 112 –


Taxon

C

A

M

Echium parviflorum Moench

Int

Echium plantagineum L.

Nat Int Nat

Eclipta prostrata (L.) L.

Int

Int

Egeria densa Planch.

Int

Ehrharta calycina Sm.

Int

Eichhornia crassipes (Mart.) Solms

Int

Int

Elaeagnus angustifolia L.

Int

Int

Elaeagnus umbellata Thunb.

Int

Eleocharis bonariensis Nees

Int

Eleocharis flavescens (Poir.) Urb.

Int

Eleusine indica (L.) Gaertn.

Int

Int

Int

Eleusine tristachya (Lam.) Lam.

Int

Int

Elodea canadensis Michx.

Int

Elymus athericus (Link) Kerguélen

Nat Int

Elymus repens (L.) Gould

Int

Int

Emex spinosa (L.) Campd.

Nat Int Nat

Epilobium tetragonum subsp. tetragonum L.

Nat Int Nat

Equisetum arvense L.

Nat Int

Equisetum ramosissimum Desf.

Nat Int

Eragrostis barrelieri Daveau

Int

Int

Eragrostis cilianensis (All.) F.T.Hubb.

Nat Int

Int

Eragrostis curvula (Schrad.) Nees

Int

Int

Eragrostis mexicana (Hornem.) Link

Int

Eragrostis multicaulis Steud.

Int

Erica cinerea L.

Nat

Int

Erigeron karvinskianus DC.

Int

Int

Int

Eriobotrya japonica (Thunb.) Lindl.

Int

Int

Int

Eryngium pandanifolium Cham. & Schltdl.

Int

Erysimum cheiri (L.) Crantz

Int

Escallonia macrantha Hook. & Arn.

Int

Eschscholzia californica Cham.

Int

Int

Int

Eucalyptus camaldulensis Dehnh.

Int

Eucalyptus globulus Labill.

Int

Int

Eucalyptus globulus subsp. globulus Labill.

Int

Eucalyptus globulus subsp. maidenii (F.Muell.) J.B.Kirkp.

Int

Eucalyptus gunnii Hook.f.

Int

Eucalyptus robusta Sm.

Int

– 113 –


Taxon

C

A

M

Eucalyptus sideroxylon A.Cunn. ex Woolls

Int

Euphorbia exigua subsp. exigua L.

Nat Int Nat

Euphorbia helioscopia subsp. helioscopia L.

Nat Int Nat

Euphorbia lathyris L.

Int

Euphorbia peplus var. peplus L.

Nat Int Nat

Int

Fagopyrum dibotrys (D.Don) Hara

Int

Fagopyrum esculentum Moench

Int

Fallopia baldschuanica (Regel) Holub

Int

Fallopia convolvulus (L.) Á.Löve

Nat Int

Int

Fallopia dumetorum (L.) Holub

Int

Ferraria crispa Burm.

Int

Festuca arundinacea Schreb.

Int

Festuca arundinacea subsp. arundinacea Schreb.

Nat Int

Festuca arundinacea subsp. mediterranea (Hack.) Franco & Rocha Afonso

Nat Int

Festuca rubra L.

Ficus carica L.

Int

Nat Int

Int

Ficus pumila L.

Int

Ficus radicans Desf.

Int

Filago lutescens subsp. atlantica Wagenitz

Nat Int Nat

Filago pyramidata L.

Nat Int Nat

Filipendula vulgaris Moench

Nat Int

Foeniculum vulgare L.

Nat Int Nat

Freesia refracta (Jacq.) Eckl. ex Klatt

Int

Fuchsia arborescens Sims

Int

Int

Fuchsia boliviana Carrière

Int

Int

Fuchsia magellanica Lam.

Int

Int

Fumaria bastardii Boreau

Nat Int Nat

Fumaria capreolata L.

Nat Int

Fumaria muralis Sond. ex Koch

Nat Int Nat

Fumaria sepium Boiss. & Reut.

Nat

Int

Furcraea foetida (L.) Haw.

Int

Int

Gaillardia aristata Pursh

Int

Int

Gaillardia pulchella Foug.

Int

Int

Galactites tomentosus Moench

Nat Int Nat

Galinsoga parviflora Cav.

Int

Int

Int

Galinsoga quadriradiata Ruiz & Pav.

Int

Int

Int

Galium aparine subsp. aparine var. aparine L.

Nat Int Nat

– 114 –


Taxon

C

A

M

Galium murale (L.) All.

Nat Int Nat

Galium parisiense subsp. divaricatum var. trichocarpum Tausch (Pourr. ex Lam.) Rouy & E.G.Camus

Nat Int

Galium parisiense L.

Int Nat

Gamochaeta calviceps (Fernald) Cabrera

Int

Int

Int

Gamochaeta pensylvanica (Willd.) Cabrera

Int

Int

Int

Gamochaeta purpurea (L.) Cabrera

Int

Gamochaeta spicata (Lam.) Cabrera

Int

Gamochaeta subfalcata (Cabrera) Cabrera

Int

Int

Gastridium phleoides (Nees & Meyen) C.E.Hubb.

Nat

Int

Gastridium ventricosum (Gouan) Schinz & Thell.

Nat Int Nat

Gaudinia fragilis (L.) P.Beauv.

Nat Int

Int

Gazania rigens (L.) Gaertn.

Int

Geranium dissectum L.

Nat Int Nat

Geranium molle L.

Nat Int Nat

Geranium purpureum Vill.

Nat Int Nat

Geranium rotundifolium L.

Nat Int Nat

Int

Gladiolus cardinalis Curtis

Int

Gladiolus carneus D.Delaroche

Int

Nat Int

Int

Gladiolus italicus Mill. Gladiolus psittacinus Hook.

Int

Gladiolus undulatus L.

Int

Glechoma hederacea L.

Nat Int

Gleditsia triacanthos L.

Int

Glyceria declinata Bréb.

Nat Int Nat

Glyceria fluitans (L.) R.Br.

Nat Int

Gnaphalium filagineum DC.

Int

Gnaphalium gaudichaudianum DC.

Int

Gnaphalium ustulatum Nutt.

Int

Gnidia polystachya P.J.Bergius

Int

Int

Gomphocarpus fruticosus (L.) W.T.Aiton

Int

Int

Int

Gunnera tinctoria (Molina) Mirbel

Int

Gymnostyles stolonifera (Brot.) Tutin

Int

Int

Int

Hainardia cylindrica (Willd.) Greuter

Nat Int Nat

Hakea salicifolia (Vent.) B.L.Burtt

Int

Hakea sericea Schrad.

Int

Int

Hebe salicifolia (G.Forst.) Pennell

Int

– 115 –


Taxon

C

A

M

Hedychium coronarium J.Koenig

Int

Hedychium gardnerianum Sheppard ex Ker Gawl.

Int

Int

Hedypnois cretica (L.) Dum.-Courset

Nat Int Nat

Hedysarum coronarium L.

Int

Heimia myrtifolia Cham. & Schltdl.

Int

Helianthus annuus L.

Int

Int

Helianthus debilis Nutt.

Int

Helianthus × laetiflorus Pers.

Int

Helianthus tuberosus L.

Int

Helichrysum foetidum (L.) Cass.

Int

Int

Helichrysum orbiculare (Thunb.) Druce

Int

Helichrysum petiolare Hilliard & B.L.Burtt

Int

Int

Heliotropium curassavicum L.

Nat Int

Heliotropium europaeum L.

Nat Int Nat

Hemerocallis lilio-asphodelus L.

Int

Heteranthera reniformis Ruiz & Pav.

Int

Heteranthera rotundifolia (Kunth) Griseb.

Int

Hibiscus trionum L.

Int

Hirschfeldia incana (L.) Lagr.-Foss.

Nat Int Nat

Holcus lanatus subsp. lanatus L.

Nat Int Nat

Holcus mollis L.

Nat Int

Int

Hordeum bulbosum L.

Int

Hordeum distichon L.

Int

Hordeum geniculatum All.

Nat Int

Hordeum marinum Huds.

Int

Hordeum murinum subsp. leporinum (Link) Arcang.

Nat Int Nat

Hordeum vulgare L.

Int

Hydrangea macrophylla (Thunb.) Ser.

Int

Int

Int

Hydrocotyle bonariensis Lam.

Int

Hyoscyamus albus L.

Nat Int Nat

Hypericum calycinum L.

Int

Hypericum hircinum L.

Int

Hypericum hypericoides (L.) Crantz

Int

Hypericum mutilum L.

Int

Hypericum perfoliatum L.

Nat Int Nat

Hypericum perforatum L.

Hypochoeris glabra L.

Int

Nat Int Nat

– 116 –


Taxon

C

A

M

Hypochoeris radicata L.

Nat Int

Int

Illecebrum verticillatum L.

Nat Int Nat

Impatiens balfourii Hook. f.

Int

Impatiens balsamina L.

Int

Impatiens sodenii Engl. & Warb. ex Engl.

Int

Impatiens walleriana Hook.f.

Int

Ipomoea batatas (L.) Lam.

Int

Ipomoea imperati (Vahl) Griseb.

Nat Int

Ipomoea indica (Burm.) Merr.

Int

Int

Int

Ipomoea ochracea (Lindl.) G.Don

Int

Ipomoea purpurea (L.) Roth

Int

Int

Iris albicans Lange

Int

Iris foetidissima L.

Nat Int

Int

Iris germanica L.

Int

Int

Iris pseudacorus L.

Nat

Int

Isatis tinctoria L.

Nat

Int

Ixia maculata L.

Int

Int

Ixia paniculata D.Delaroche

Int

Jasione montana L.

Int

Jasione montana var. montana L.

Nat Int

Jasminum officinale L.

Int

Juncus acutus subsp. leopoldii (Parl.) Snogerup

Int Nat Nat

Juncus conglomeratus L.

Nat Int Nat

Juncus imbricatus Laharpe

Int

Juncus striatus Schousb. ex E.Mey.

Nat Int

Juncus tenuis Willd.

Int Nat

Kalanchoe daigremontiana Raym.-Hamet & H.Perrier

Int

Kalanchoe delagonensis Eckl. & Zeyh.

Int

Kalanchoe fedtschenkoi Raym.-Hamet & Perrier

Int

Int

Kalanchoe pinnata (Lam.) Pers.

Int

Int

Kickxia cirrhosa (L.) Fritsch

Nat Int

Kickxia elatine subsp. crinita (Mabille) Greuter

Nat Int

Kickxia elatine subsp. elatine (L.) Dumort.

Nat Int Nat

Kickxia spuria subsp. integrifolia (Brot.) R.Fern.

Nat Int Nat

Kickxia spuria subsp. spuria (L.) Dumort.

Int

Kleinia aizoides DC.

Int

Kleinia repens (L.) Haw.

Int

– 117 –


Taxon

C

A

M

Kyllinga brevifolia Rottb.

Int

Int

Lablab purpureus (L.) Sweet,

Int

Lactuca serriola L.

Nat Int

Int

Lagurus ovatus L.

Nat Int Nat

Lamiastrum galeobdolon (L.) Ehrend. & Polatschek

Int

Lamium amplexicaule L.

Nat Int Nat

Lamium hybridum Vill.

Nat

Lamium purpureum L.

Nat Int Nat

Lampranthus falciformis (Haw.) N.E.Br.

Int

Lampranthus glaucus (L.) N.E.Br.

Int

Lampranthus multiradiatus (Jacq.) N.E.Br.

Int

Int

Lantana camara L.

Int

Int

Int

Lapsana communis subsp. communis L.

Nat Int Nat

Lathyrus aphaca L.

Nat Int Nat

Lathyrus cicera L.

Nat

Lathyrus clymenum L.

Nat Int Nat

Lathyrus hirsutus L.

Nat Int

Lathyrus japonicus subsp. maritimus (L.) P.W.Ball

Int

Int —

Int

Lathyrus ochrus (L.) DC.

Nat Int

Int

Lathyrus odoratus L.

Int

Int

Lathyrus sativus L.

Int

Int

Int

Lathyrus tingitanus L.

Nat Int

Int

Laurus nobilis L.

Int

Int

Lavandula latifolia Medik.

Int

Lavatera arborea L.

Nat Int

Int

Lavatera cretica L.

Nat Int Nat

Lavatera trimestris L.

Nat Int

Leersia oryzoides (L.) Sw.

Nat Int

Legousia hybrida (L.) Delarbre

Nat Int Nat

Legousia speculum-veneris (L.) Chaix

Int

Lemna minuta Kunth

Int

Lemna valdiviana Phil.

Int

Lens culinaris Medik.

Int

Int

Int

Leontodon muelleri (Sch.Bip.) Fiori

Int

Lepidium bonariense L.

Int

Lepidium campestre (L.) R.Br.

Nat Int

Lepidium latifolium L.

Nat Int

– 118 –


Taxon

C

A

M

Lepidium ruderale L.

Nat Int

Int

Lepidium sativum L.

Nat Int

Int

Lepidium virginicum L.

Nat Int

Int

Leptospermum scoparium J.R.Forst. & G.Forst.

Int

Int

Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit

Int

Nat Int

Int

Leucanthemum vulgare Lam. Leycesteria formosa Wall.

Int

Ligustrum henryi Hemsl.

Int

Ligustrum ovalifolium Hassk.

Int

Lilaea scilloides (Poir.) Hauman

Int

Lilaeopsis carolinensis J.M.Coult. & Rose

Int

Limoniastrum monopetalum (L.) Boiss.

Int

Limonium sinuatum (L.) Mill.

Nat

Int

Lindernia dubia (L.) Pennell

Int

Linum bienne Mill.

Nat Int Nat

Linum trigynum subsp. trigynum L.

Nat Int Nat

Lobelia erinus L.

Int

Int

Lobelia laxiflora Kunth

Int

Lobularia maritima subsp. maritima (L.) Desv.

Nat Int

Int

Logfia minima (Sm.) Dumort.

Nat Int Nat

Lolium aristatum (Willd.) Lag.

Nat Int

Lolium multiflorum Lam.

Nat Int

Int

Lolium perenne L.

Nat Int

Int

Lolium remotum Schrank

Int

Lolium rigidum subsp. lepturoides (Boiss.) Sennen & Mauricio

Int

Lolium rigidum subsp. rigidum Gaudin

Nat Int

Int

Lolium temulentum L.

Nat Int

Int

Lonicera etrusca Santi

Nat Int

Int

Lonicera japonica Thunb.

Int

Int

Int

Lophospermum erubescens D.Don

Int

Lotus angustissimus L.

Nat Int Nat

Lotus conimbricensis Brot.

Nat

Int

Lotus corniculatus subsp. corniculatus L.

Nat Int

Lotus hispidus Desf. ex DC.

Nat Int Nat

Lotus ornithopodioides L.

Nat

Lotus parviflorus Desf.

Nat Int Nat

Lotus pedunculatus Cav.

Nat Int Nat

– 119 –

Int


Taxon

C

A

M

Lunaria annua L.

Int

Int

Lunaria annua subsp. annua L.

Int

Lupinus albus L.

Int

Int

Lupinus angustifolius L.

Nat

Int

Lupinus luteus L.

Nat Int

Int

Luzula elegans Lowe

Int

Nat

Lychnis coronaria (L.) Desr.

Int

Lycium barbarum L.

Int

Lycium chinense Mill.

Int

Lythrum petiolatum L.

Int

Macfadyena unguis-cati (L.) A.H.Gentry

Int

Malcolmia flexuosa (Sm.) Sm.

Int

Malope trifida Cav.

Int

Int

Malus domestica (Borkh.) Borkh.

Int

Int

Malva nicaeensis All.

Nat Int

Int

Malva parviflora L.

Nat Int Nat

Malva sylvestris L.

Nat Int Nat

Malvastrum coromandelianum (L.) Garcke

Int

Marrubium vulgare L.

Nat Int Nat

Matricaria maritima subsp. maritima L.

Nat Int

Matthiola incana subsp. incana (L.) R.Br.

Int

Int

Mazus japonicus (Thunb.) Kuntze

Int

Medicago arabica (L.) Huds.

Nat Int

Medicago arborea L.

Int

Medicago blancheana Boiss.

Int

Medicago lupulina L.

Nat Int Nat

Medicago polymorpha L.

Nat Int Nat

Medicago rugosa Desr.

Int

Medicago sativa L.

Int

Int

Int

Medicago turbinata (L.) All.

Int

Melilotus albus Medik.

Nat Int

Int

Melilotus dentatus (Waldst. & Kit.) Pers.

Int

Melilotus indicus (L.) All.

Nat Int Nat

Melilotus infestus Guss.

Nat Int

Melilotus segetalis (Brot.) Ser.

Nat

Int

Melinis minutiflora P.Beauv.

Int

Nat

Int

Melissa officinalis L.

– 120 –


Taxon

C

A

M

Mentha longifolia (L.) Huds.

Nat

Int

Mentha requienii Benth.

Int

Mentha spicata L.

Int

Int

Mentha suaveolens Ehrh.

Nat Int Nat

Mercurialis annua L.

Int

Int Nat

Mesembryanthemum crystallinum L.

Int

Int

Int

Mespilus germanica L.

Int

Metrosideros excelsa Sol. ex Gaertn.

Int

Micromeria juliana (L.) Rchb.

Int

Mimulus moschatus Douglas ex Lindl.

Int

Int

Int

Mirabilis jalapa L.

Int

Int

Int

Miscanthus sinensis Andersson

Int

Misopates orontium (L.) Raf.

Nat Int Nat

Modiola caroliniana (L.) G.Don

Int

Int

Mollugo verticillata L.

Int

Int

Montia perfoliata (Donn ex Willd.) Howell

Int

Morus alba L.

Int

Morus nigra L.

Int

Muehlenbeckia complexa (A.Cunn.) Meisn.

Int

Int

Muehlenbeckia sagittifolia (Ortega) Meisn.

Int

Int

Int

Myoporum insulare R.Br.

Int

Myoporum laetum G.Forst.

Int

Myosotis arvensis subsp. arvensis (L.) Hill

Nat Int Nat

Myosotis discolor subsp. discolor Pers.

Nat Int

Myosotis discolor subsp. dubia (Arrond.) Blaise

Nat Int

Myosotis latifolia Poir.

Int

Int

Myosotis ramosissima subsp. ramosissima Rochel

Nat Int

Myosotis stolonifera (DC.) Leresche & Levier

Nat Int Nat

Myosotis sylvatica Hoffm.

Int

Myrica serrata Lam.

Int

Myriophyllum aquaticum (Vell.) Verdc.

Int

Myriophyllum spicatum L.

Int

Myrtus communis L.

Nat Int Nat

Narcissus jonquilla L.

Nat

Int

Narcissus papyraceus subsp. panizzianus (Parl.) Arcang.

Nat Int

Nephrolepis cordifolia (L.) C.Presl

Int

Nephrolepis exaltata (L.) Schott

Int

– 121 –


Taxon

C

A

M

Nerine sarniensis (L.) Herb.

Int

Int

Nerium oleander L.

Nat Int

Nicandra physalodes (L.) Gaertn.

Int

Int

Int

Nicotiana glauca Graham

Int

Int

Nicotiana tabacum L.

Int

Int

Int

Nigella damascena L.

Nat

Int

Nigella papillosa subsp. atlantica (Murb.) Amich ex G.López

Nat Int

Nothoscordum gracile (Aiton) Stearn

Int

Int

Int

Nymphaea alba L.

Nat Int

Ocotea foetens (Aiton) Baill.

Int Nat

Oenothera affinis Cambess.

Int

Int

Oenothera biennis L.

Int

Int

Int

Oenothera glazioviana Micheli

Int

Int

Oenothera indecora subsp. bonariensis W.Dietr.

Int

Oenothera laciniata Hill

Int

Oenothera longiflora subsp. longiflora L.

Int

Int

Int

Oenothera rosea L’Hér. ex Aiton

Int

Int

Oenothera stricta subsp. stricta Ledeb. ex Link

Int

Int

Int

Oenothera tetraptera Cav.

Int

Int

Olea europaea var. europaea L.

Int

Onobrychis viciifolia Scop.

Int

Onychium japonicum (Thunb.) Kunze

Int

Opuntia ammophila Small

Int

Opuntia dillenii (Ker Gawl.) Haw.

Int

Int

Opuntia elongata (Willd.) Haw.

Int

Opuntia maxima Mill.

Int

Int

Opuntia tuna (L.) Mill.

Int

Origanum majorana L.

Int

Ornithopus compressus L.

Nat Int Nat

Ornithopus perpusillus L.

Nat Int Nat

Ornithopus sativus subsp. isthmocarpus (Coss.) Dostál

Nat Int

Ornithopus sativus subsp. sativus Brot.

Nat

Int

Orobanche crenata Forssk.

Nat Int Nat

Orobanche minor Sm.

Nat Int Nat

Orobanche ramosa subsp. nana (Reut.) Cout.

Nat

Int

Oryza sativa L.

Int

Oxalis articulata Savigny

Int

Int

– 122 –


Taxon

C

A

M

Oxalis corniculata L.

Nat Int

Int

Oxalis debilis Kunth

Int

Int

Int

Oxalis exilis A.Cunn.

Int

Oxalis latifolia Kunth

Int

Int

Int

Oxalis pes-caprae L.

Int

Int

Int

Oxalis purpurea L.

Int

Int

Int

Palhinhaea cernua (L.) Franco & Vasc.

Int Nat Nat

Pancratium maritimum L.

Nat Int

Panicum capillare L.

Int

Int

Int

Panicum dichotomiflorum Michx.

Int

Panicum maximum Jacq.

Int

Panicum miliaceum L.

Int

Int

Int

Panicum repens L.

Nat Int Nat

Papaver dubium L.

Nat Int Nat

Papaver pinnatifidum Moris

Nat Int Nat

Papaver rhoeas subsp. rhoeas L.

Nat Int Nat

Papaver rhoeas subsp. strigosum Boenn.

Nat Int Nat

Papaver somniferum subsp. somniferum L.

Int

Int

Int

Paraserianthes lophantha (Benth.) I.C.Nielsen

Int

Parietaria debilis G.Forst.

Int Nat

Parietaria judaica L.

Nat Int Nat

Paspalum dilatatum Poir.

Int

Int

Int

Paspalum notatum Flügge

Int

Paspalum paspalodes (Michx.) Scribn.

Int

Int

Int

Paspalum urvillei Steud.

Int

Int

Paspalum vaginatum Sw.

Int

Int

Int

Passiflora caerulea L.

Int

Int

Passiflora mollissima (Kunth) L.H.Bailey

Int

Passiflora subpeltata Ortega

Int

Pelargonium capitatum (L.) Aiton

Int

Pelargonium glutinosum (Jacq.) L’Hér.

Int

Pelargonium inquinans (L.) L’Hér. ex Aiton

Int

Pelargonium odoratissimum (L.) L’Hér. ex Aiton

Int

Pelargonium peltatum (L.) L’Hér. ex Aiton

Int

Pelargonium vitifolium (L.) L’Hér. ex Aiton

Int

Pellaea viridis (Forssk.) Prantl

Int

Pennisetum clandestinum Hochst. & Chiov.

Int

– 123 –


Taxon

C

A

M

Pennisetum purpureum Schum.

Int

Pennisetum villosum R.Br. ex Fresen.

Int

Int

Int

Persea indica (L.) Spreng.

Int Nat

Petasites fragrans (Vill.) C.Presl

Int

Int

Int

Petroselinum crispum (Mill.) Fuss

Int

Int

Int

Phacelia tanacetifolia Benth.

Int

Phalaris aquatica L.

Nat Int Nat

Phalaris arundinacea subsp. arundinacea L.

Nat Int

Phalaris brachystachys Link

Nat Int Nat

Phalaris canariensis L.

Int

Phalaris coerulescens subsp. coerulescens Desf.

Nat Int Nat

Phalaris minor Retz.

Nat Int Nat

Phalaris paradoxa L.

Nat Int Nat

Philadelphus coronarius L.

Int

Phlebodium aureum (L.) J.Sm.

Int

Nat Int

Phleum pratense subsp. pratense L.

Int Nat

Phlomis fruticosa L.

Int

Phoenix canariensis hort. ex Chabaud

Int

Phormium tenax J.R.Forst. & G.Forst.

Int

Int

Phyla filiformis (Schrad.) Meikle

Int

Phyllanthus tenellus Roxb.

Int

Int

Physalis ixocarpa Brot. ex Hornem.

Int

Physalis peruviana L.

Int

Int

Int

Phytolacca americana L.

Int

Int

Int

Phytolacca heterotepala H.Walter

Int

Picris echioides L.

Nat Int Nat

Pilea microphylla (L.) Liebm.

Int

Pimpinella villosa Schousb.

Nat Int

Pinus halepensis Mill.

Int

Int

Pinus pinaster Aiton

Int

Int

Int

Pinus radiata D.Don

Int

Pinus sylvestris L.

Int

Piptatherum miliaceum subsp. miliaceum (L.) Coss.

Nat Int Nat

Pittosporum tobira (Thunb.) W.T.Aiton

Int

Int

Pittosporum undulatum Vent.

Int

Int

Int

Pityrogramma calomelanos (L.) Link

Int

Int

Pityrogramma chrysophylla (Sw.) Link

Int

– 124 –


Taxon

C

A

M

Pityrogramma ebenea (L.) Proctor

Int

Plantago bellardii All.

Nat

Int

Plantago lagopus L.

Nat Int Nat

Plantago lanceolata L.

Nat Int Nat

Plantago loeflingii Loefl. ex L.

Nat

Int

Plantago major L.

Int

Plantago myosurus subsp. myosurus Lam.

Int

Platanus orientalis var. acerifolia Aiton

Int

Plecostachys serpyllifolia (P.J.Bergius) Hilliard & B.L.Burtt

Int

Int

Plectranthus fruticosus L’Hér.

Int

Plumbago auriculata Lam.

Int

Poa angustifolia L.

Nat Int

Poa annua L.

Nat Int Nat

Poa compressa L.

Int

Poa pratensis L.

Nat Int Nat

Poa trivialis subsp. trivialis L.

Nat Int Nat

Podranea ricasoliana (Tanfani) Sprague

Polycarpon tetraphyllum subsp. tetraphyllum (L.) L. Polygala myrtifolia L.

Int

Nat Int Nat —

Int

Polygonum aviculare L.

Nat Int Nat

Polygonum capitatum Buch.-Ham. ex D.Don

Int

Int

Int

Polygonum equisetiforme Sm.

Nat Int

Polygonum hydropiper L.

Nat Int Nat

Polygonum hydropiperoides Michx.

Int

Polygonum lapathifolium L.

Nat Int Nat

Polygonum orientale L.

Int

Polygonum patulum M.Bieb.

Int

Polygonum persicaria L.

Nat Int Nat

Polygonum salicifolium Brouss. ex Willd.

Nat Int Nat

Populus alba L.

Nat Int

Int

Populus × canadensis Moench

Int

Populus nigra L.

Int

Int

Populus nigra var. betulifolia (Pursh) Torr.

Int

Populus nigra var. elegans L.H.Bailey

Int

Populus nigra var. italica Münchh.

Int

Populus nigra var. nigra L.

Int

Portulaca oleracea subsp. nitida Danin & H.G.Baker

Int

– 125 –


Taxon

C

A

M

Portulaca oleracea subsp. oleracea L.

Nat Int Nat

Portulaca oleracea subsp. papillatostellulata Danin & H.G.Baker

Int

Portulaca oleracea subsp. sativa (Haw.) Čelak.

Int

Portulaca oleracea subsp. stellata Danin & H.G.Baker

Int

Proboscidea louisianica (Mill.) Thell.

Int

Prunus cerasus L.

Int

Int

Prunus dulcis (Mill.) D.A.Webb

Int

Prunus laurocerasus L.

Int

Pseudosasa japonica (Siebold & Zucc. ex Steud.) Makino

Int

Psidium cattleyanum Sabine

Int

Int

Pteris cretica L.

Int

Pteris multifida Poir.

Int

Int

Pteris tremula R.Br.

Int

Int

Pteris vittata L.

Int

Int

Ptilostemon casabonae (L.) Greuter

Int

Pulicaria paludosa Link

Nat Int

Punica granatum L.

Int

Pyracantha coccinea M.Roem.

Int

Quercus robur L.

Nat

Int

Quercus rubra L.

Int

Ranunculus acris L.

Int

Ranunculus arvensis L.

Nat

Int

Ranunculus bulbosus subsp. aleae var. adscendens (Brot.) P.Silva (Willk.) Rouy & Foucaud

Nat Nat Int

Ranunculus muricatus L.

Nat Int Nat

Ranunculus parviflorus L.

Nat Int Nat

Ranunculus repens L.

Nat Int Nat

Raphanus raphanistrum subsp. landra (Moretti ex DC.) Bonnier & Layens

Int

Raphanus raphanistrum subsp. raphanistrum L.

Nat Int Nat

Raphanus sativus L.

Int

Reseda luteola L.

Nat Int Nat

Reseda media Lag.

Nat Int

Int

Reseda phyteuma L.

Nat

Int

Reynoutria japonica Houtt.

Int

Rhamnus catharticus L.

Int

Rhododendron indicum (L.) Sweet

Int

Rhododendron mucronatum G.Don

Int

– 126 –


Taxon

C

A

M

Rhus coriaria L.

Int

Int

Int

Ricinus communis L.

Int

Int

Int

Ridolfia segetum (L.) Moris

Nat Int

Rivina humilis L.

Int

Robinia pseudoacacia L.

Int

Int

Rosa gallica L.

Int

Rosa multiflora Thunb.

Int

Rosmarinus officinalis L.

Nat Int

Rostraria cristata (L.) Tzvelev

Nat Int Nat

Rotala indica (Willd.) Koehne

Int

Rubia tinctorium L.

Int

Rubus flagellaris Willd.

Int

Rumex conglomeratus Murray

Nat Int

Int

Rumex crispus L.

Nat Int

Int

Rumex cristatus DC.

Int

Rumex frutescens Thouars

Int

Rumex induratus Boiss. & Reut.

Int

Rumex obtusifolius L.

Nat Int

Int

Rumex pulcher subsp. pulcher L.

Nat Int

Rumex sanguineus L.

Int

Rumex violascens Rech.f.

Int

Ruscus aculeatus L.

Nat Int

Ruta chalepensis L.

Nat Int Nat

Rytidosperma tenuis (Steud.) A.Hansen & Sunding

Int

Sagina apetala Ard.

Nat Int Nat

Sagina procumbens L.

Nat Int Nat

Sagittaria subulata (L.) Buchenau

Int

Salix viminalis L.

Int

Salpichroa origanifolia (Lam.) Baill.

Int

Int

Int

Salvia coccinea Juss. ex Murray

Int

Salvia fruticosa Mill.

Int

Salvia leucantha Cav.

Int

Salvia officinalis L.

Int

Int

Sambucus ebulus L.

Nat

Int

Sambucus nigra L.

Nat Int

Int

Sanguisorba verrucosa (Link ex G.Don) Ces.

Nat Int Nat

Santolina chamaecyparissus subsp. chamaecyparissus L.

Int

– 127 –


Taxon

C

A

M

Nat

Int

Int

Int

Scabiosa atropurpurea L.

Nat Int

Int

Scandix pecten-veneris subsp. pecten-veneris L.

Nat Int Nat

Schinus terebenthifolia Raddi

Int

Schoenoplectus juncoides (Roxb.) Palla

Int

Schoenoplectus mucronatus (L.) Palla

Nat Int

Scolymus hispanicus L.

Nat Int

Secale cereale L.

Int

Sechium edule (Jacq.) Sw.

Int

Securigera securidaca (L.) Degen & Dörfl.

Int

Sedum forsterianum Sm.

Nat Int

Saponaria officinalis L. Saxifraga stolonifera Meerb.

Sedum praealtum A.DC.

Int

Sedum rupestre L.

Int

Selaginella kraussiana (Kunze) A.Braun

Int

Int

Int

Sempervivum tectorum L.

Int

Senecio angulatus L.f.

Int

Senecio bicolor subsp. cineraria (DC.) Chater

Int

Int

Senecio elegans L.

Int

Int

Senecio glastifolius L.f.

Int

Senecio mikanioides Walp.

Int

Int

Int

Senecio petasitis (Sims) DC.

Int

Int

Senecio sylvaticus L.

Nat Int Nat

Senecio vulgaris L.

Nat Int Nat

Senna bicapsularis (L.) Roxb.

Int

Senna pendula (Humb. & Bonpl. ex Willd.) Irwin & Barneby

Int

Senna septemtrionalis (Viv.) Irwin & Barneby

Int

Sesuvium portulacastrum (L.) L.

Int

Setaria adhaerens (Forssk.) Chiov.

Int

Int

Setaria faberi Herrm.

Int

Int

Setaria italica (L.) P.Beauv.

Int

Setaria megaphylla (Steud.) T.Durand & Schinz

Int

Setaria palmifolia (J.Koenig) Stapf

Int

Setaria parviflora (Poir.) Kerguélen

Int

Int

Int

Setaria pumila (Poir.) Roem. & Schult.

Nat Int

Int

Setaria verticillata (L.) P.Beauv.

Nat

Int

Setaria viridis (L.) P.Beauv.

Nat

Int

– 128 –


Taxon

C

A

M

Sherardia arvensis L.

Nat Int Nat

Sibthorpia peregrina L.

Int

Nat

Sida rhombifolia L.

Int

Int

Int

Silene armeria L.

Nat Int

Silene coelirosa (L.) Godr.

Int

Silene gallica L.

Nat Int Nat

Silene pendula L.

Int

Silene vulgaris subsp. vulgaris (Moench) Garcke

Nat Int Nat

Silybum marianum (L.) Gaertn.

Nat Int Nat

Sinapis alba subsp. alba L.

— —

Int

Sinapis arvensis L.

Nat Int Nat

Sisymbrella aspera subsp. aspera (L.) Spach

Nat Int

Sisymbrium altissimum L.

Int

Sisymbrium erysimoides Desf.

Int Nat

Sisymbrium irio L.

Nat Int

Sisymbrium officinale (L.) Scop.

Nat Int Nat

Sisymbrium orientale L.

Nat

Int

Sisymbrium polyceratium L.

Int

Smyrnium olusatrum L.

Nat Int

Solanum chenopodioides Lam.

Int

Int

Solanum chrysotrichon Schltdl.

Int

Solanum citrullifolium A.Braun

Int

Solanum dulcamara L.

Nat Int

Solanum laxum Spreng.

Int

Int

Solanum linnaeanum Hepper & P.-M.L. Jaeger

Int

Int

Int

Solanum lycopersicum L.

Int

Int

Int

Solanum marginatum L.f.

Int

Int

Solanum mauritianum Scop.

Int

Int

Int

Solanum nigrum L.

Nat Int Nat

Solanum pseudocapsicum L.

Int

Int

Int

Solanum tuberosum L.

Int

Soleirolia soleirolii (Req.) Dandy

Int

Int

Int

Solidago gigantea subsp. serotina (Kuntze) McNeill

Int

Soliva sessilis Ruiz & Pav.

Int

Int

Sonchus asper subsp. asper (L.) Hill

Nat Int Nat

Sonchus asper subsp. glaucescens (Jord.) Ball

Nat Int Nat

Sonchus oleraceus L.

Nat Int Nat

– 129 –

Int


Taxon

C

A

M

Sonchus tenerrimus L.

Nat Int

Int

Sophora japonica L.

Int

Sorghum bicolor (L.) Moench

Int

Sorghum halepense (L.) Pers.

Int

Int

Int

Sparaxis bulbifera (L.) Ker Gawl.

Int

Sparaxis grandiflora (D.Delaroche) Ker Gawl.

Int

Sparaxis tricolor (Schneev.) Ker Gawl.

Int

Int

Spartina densiflora Brongn.

Int

Spartium junceum L.

Int

Int

Spergula arvensis L.

Nat Int Nat

Spergula maxima Weihe

Int

Spergularia bocconei (Scheele) Graebn.

Nat Int Nat

Sphaeropteris cooperi (F.Muell.) R.M.Tryon

Int

Int

Spinacia oleracea L.

Int

Spiraea cantonensis Lour.

Int

Int

Sporobolus africanus (Poir.) Robyns & Tournay

Int

Sporobolus indicus (L.) R.Br.

Int

Int

Stachys arvensis (L.) L.

Nat Int Nat

Stellaria media (L.) Vill.

Nat Int Nat

Stenotaphrum secundatum (Walter) Kuntze

Int

Int

Int

Stipa neesiana Trin. & Rupr.

Nat

Int

Symphoricarpus albus (L.) S.F.Blake

Int

Symphytum × uplandicum Nyman

Int

Symphytum officinale subsp. officinale L.

Int

Tagetes minuta L.

Int

Talinum paniculatum (Jacq.) Gaertn.

Int

Tamarix africana Poir.

Int

Tamarix gallica L.

Nat

Int

Tamarix parviflora DC.

Int

Tamus communis L.

Nat Int

Tanacetum parthenium (L.) Sch.Bip.

Int

Int

Int

Tanacetum vulgare L.

Int

Taraxacum maderense Sahlin & Soest

Int Nat

Taraxacum officinale agg. Weber

Int Nat

Tecoma capensis (Thunb.) Lindl.

Int

Teline monspessulana (L.) K.Koch

Int

Int

Int

Tetragonia tetragonioides (Pall.) Kuntze

Int

Int

Int

– 130 –


Taxon

C

A

M

Tetragonolobus purpureus Moench

Int

Tetrapanax papyriferus (Hook.) K.Koch

Int

Nat Int

Teucrium scorodonia L. Thlaspi arvense L.

Int Nat

Tibouchina urvilleana Cogn.

Int

Tigridia pavonia (L.f.) DC.

Int

Tinantia fugax Scheidw.

Int

Int

Tolpis barbata (L.) Gaertn.

Nat Int Nat

Torilis arvensis subsp. arvensis (Huds.) Link

Int Nat

Torilis arvensis subsp. neglecta (Spreng.) Thell.

Nat Int Nat

Torilis nodosa (L.) Gaertn.

Nat Int Nat

Trachelium caeruleum subsp. caeruleum L.

Nat Int

Int

Tradescantia fluminensis Vell.

Int

Int

Int

Tradescantia pallida (Rose) D.R.Hunt

Int

Tradescantia virginiana L.

Int

Tradescantia zebrina Hort. ex Bosse

Int

Trifolium alexandrinum L.

Int

Int

Trifolium angustifolium L.

Nat Int Nat

Trifolium arvense L.

Int Nat

Trifolium bocconei Savi

Nat

Int

Trifolium campestre Schreb.

Nat Int Nat

Trifolium cernuum Brot.

Nat Int Nat

Trifolium dubium Sibth.

Nat Int Nat

Trifolium fragiferum L.

Nat Int Nat

Trifolium glomeratum L.

Nat Int Nat

Trifolium hybridum L.

Int

Trifolium incarnatum L.

Int

Int

Int

Trifolium isthmocarpum Brot.

Nat

Int

Trifolium lappaceum L.

Nat Int Nat

Trifolium ligusticum Balb. ex Loisel.

Nat Int Nat

Trifolium micranthum Viv.

Nat Int

Trifolium ornithopodioides L.

Nat Int Nat

Trifolium pratense L.

Int

Int

Trifolium repens L.

Int Nat

Trifolium resupinatum L.

Nat Int Nat

Trifolium scabrum L.

Nat Int Nat

Trifolium squamosum L.

Nat Int Nat

– 131 –


Taxon

C

A

M

Trifolium striatum subsp. striatum L.

Nat Int Nat

Trifolium suaveolens Willd.

Int

Trifolium subterraneum L.

Int

Trifolium suffocatum L.

Nat Int Nat

Trifolium tomentosum L.

Nat Int Nat

Tripogandra multiflora (Sw.) Raf.

Int

Triticum aestivum L.

Int

Triticum durum Desf.

Int

Tritonia cinnabarina Pax

Int

Tritonia × crocosmiflora (Lemoine) G.Nicholson

Int

Int

Int

Tropaeolum majus L.

Int

Int

Int

Tulipa clusiana DC.

Int

Tulipa praecox Ten.

Int

Typha domingensis Pers.

Nat Int

Ulex europaeus subsp. europaeus L.

Nat Int

Ulex europaeus subsp. latebracteatus (Mariz) Rothm.

Nat Int

Int

Ulex minor Roth

Nat Int

Int

Ulmus glabra Huds.

Int

Urospermum picroides (L.) F.W.Schmidt

Nat Int Nat

Urtica membranacea Poir.

Nat Int Nat

Urtica morifolia Poir.

Urtica urens L.

Int Nat

Nat Int Nat

Valerianella dentata (L.) Pollich

Int

Verbascum creticum (L.) Cav.

Int

Verbascum densiflorum Bertol.

Int

Verbascum levanticum I.K.Ferguson

Int

Verbascum pulverulentum Vill.

Nat

Int

Verbascum sinuatum L.

Nat

Int

Verbascum thapsus L.

Nat Int

Int

Verbascum virgatum Stokes

Nat Int Nat

Verbena bonariensis L.

Int

Int

Int

Verbena brasiliensis Vell.

Int

Verbena officinalis L.

Nat Int Nat

Verbena rigida Spreng.

Int

Veronica agrestis L.

Nat Int Nat

Veronica arvensis L.

Nat Int Nat

Veronica peregrina L.

– 132 –

Int

Int

Int


Taxon

C

A

M

Veronica peregrina subsp. peregrina L.

Int

Veronica persica Poir.

Nat Int

Int

Veronica polita Fr.

Nat Int

Int

Vicia angustifolia L.

Nat Int Nat

Vicia articulata Hornem.

Nat Int

Int

Vicia benghalensis var. benghalensis L.

Nat Int

Vicia benghalensis var. perennis (DC.) Pau

Nat Int

Vicia ervilia (L.) Willd.

Int

Int

Vicia faba L.

Int

Int

Vicia hirsuta (L.) Gray

Nat Int Nat

Vicia narbonensis L.

Nat Int

Int

Vicia sativa subsp. sativa L.

Nat Int

Vicia tetrasperma (L.) Schreb.

Nat Int

Vinca difformis subsp. difformis Pourr.

Int

Vinca major subsp. major L.

Nat Int

Int

Viola arvensis Murray

Nat Int Nat

Viola odorata L.

Int

Vulpia bromoides (L.) S.F.Gray

Nat Int Nat

Vulpia geniculata (L.) Link

Nat

Vulpia muralis (Kunth) Nees

Nat Int Nat

Vulpia myuros (L.) C.C.Gmel.

Nat Int Nat

Int Nat —

Int

Watsonia borbonica subsp. ardernei (Sanders) Goldblatt

Int

Watsonia bulbillifera Mathews & L.Bolus

Int

Watsonia meriana (L.) Mill.

Int

Weigela japonica Thunb.

Int

Wigandia caracasana Kunth

Int

Xanthium spinosum L.

Nat Int

Xanthium strumarium subsp. italicum (Moretti) D.Löve

Nat Int

Xanthium strumarium subsp. strumarium L.

Nat Int

Int

Zantedeschia aethiopica (L.) Spreng.

Int

Int

Int

A.2 Decreto-Lei 565/99 O decreto-lei sobre a introdução de espécies não indígenas na Natureza (DL 565/99) inclui três listas de espécies em três anexos: 1. Anexo I — “espécies da flora e da fauna não indígena”, que comporta as espécies consideradas introduzidas à altura da publicação do diploma. Para cada espécie é indicada “a sua classificação, quando apropriado, como espécie invasora”; estas são indicadas na tabela – 133 –


abaixo com o estatuto “Invasora”, e as não marcadas como invasoras são indicadas com o estatuto “Estabelecida”. 2. Anexo II — “espécies não indígenas com interesse para a arborização”. Esta é uma lista de espécies que por interesses económicos são consideradas seguras. São indicadas na tabela abaixo com o estatuto “Florestal”. 3. Anexo III — espécies da flora e da fauna não indígenas que comportam risco ecológico conhecido. São indicadas na tabela abaixo com o estatuto “Risco”. As restrições impostas neste diploma legal relativamente a cada um dos estatutos acima indicados, são as seguintes: •

Invasor: proibida a detenção e o uso; permitido o transporte ou comércio de espécimes ou partes apenas se não vivos ou viáveis. 33 espécies inicialmente; uma foi entretanto desclassificada (Robinia pseudoacacia).

Estabelecido: nenhum tipo de restrição; nas espécies incluídas na lista Risco naturalmente estarão sujeitas a essas restrições. 334 espécies.

Florestal: nenhum tipo de restrição: o anexo II funciona como uma whitelist de espécies exóticas cuja utilização é encorajada. 79 espécies.

Risco: proibida a detenção, uso, comércio e transporte. 47 espécies (das quais duas estão igualmente classificadas como invasoras).

As restrições para espécies invasoras ou de risco não se aplicam a instituições científicas ou educativas devidamente licenciadas (p.ex. jardins botânicos ou zoológicos), desde que cumpram as condições de segurança necessárias para evitar fugas de cativeiro.

Plantas Organismo

Anexo I

Abies alba Miller

Anexo II

Anexo III

Estabelecido

Abies nordmanniana (Steven) Spach

Florestal

Abies pinsapo Boissier

Florestal

Acacia cyanophylla Lindley

Invasor

Acacia cyclops G. Don fil.

Estabelecido

Acacia dealbata Link

Invasor

Acacia decurrens (J.C. Wendl.) Willd.

Estabelecido

Acacia farnesiana (L.) Willd.

Estabelecido

Acacia karroo Hayne

Invasor

Acacia longifolia

Invasor

Acacia mearnsii De Wild.

Invasor

Acacia melanoxylon R. Br.

Invasor

Acacia mollissima Willd.

Estabelecido

Acacia pycnantha Bentham

Invasor – 134 –

Risco


Organismo

Anexo I

Acacia retinodes Schltdl.

Invasor

Acer campestre L.

Anexo II

Anexo III

Florestal

Acer negundo L.

Estabelecido

Acer platanoides L.

Estabelecido

Aeonium arboreum (L.) Webb & Berth

Estabelecido

Aesculus × carnea Hayne

Florestal

Aesculus hippocastanum L.

Florestal

Agave americana L.

Estabelecido

Agave atrovirens Salm-Dyck

Estabelecido

Ageralum houstonianum Miller

Estabelecido

Aichryson dichotomum (DC) Webb & Berth

Estabelecido

Ailanthus altissima (Miller) Swingle

Invasor

Albizia julibrissin Durazz.

Florestal

Albizia lophanta (Will.) Benth

Florestal

Allium triquetrum L.

Estabelecido

Alnus cordata Desfontaines

Florestal

Aloe arborescens Miller

Estabelecido

Aloe vera (L.) Bum. fil.

Estabelecido

Alternanthera caracasana

Risco

Alternanthera herapungens Kunth.

Risco

Alternanthera nodiflora

Risco

Alternanthera philoxeroides (C.Martius) Griseb.

Risco

Amaranthus albus L.

Estabelecido

Amaranthus blitoides S.Watson

Estabelecido

Amaranthus caudatus L.

Estabelecido

Amaranthus cruentus L.

Estabelecido

Amaranthus deflexus L.

Estabelecido

Amaranthus muricatus (Mocq.) Hicken

Estabelecido

Amaranthus paniculatus L.

Estabelecido

Amaryllis belladona L.

Estabelecido

Ambrosia artemisiifolia L.

Estabelecido

Anchusa arvensis (L.) Bieb. subsp. orientalis (L.) Nordh

Estabelecido

Apium leptophyllum (Pers.) Benth.

Estabelecido

Aptenia cordifolia (L. fil) N. E. Br.

Estabelecido

Araucaria heterophylla (Salisbury) Franco

Florestal

Araujia sericifera Brot.

Estabelecido

Arctotheca calendula (L.) Levyns

Invasor

– 135 –


Organismo

Anexo I

Argemone mexicana L.

Estabelecido

Artemisia verlotiorum Lamotte

Estabelecido

Arundo donax L.

Estabelecido

Asparagus asparagoides (L.) Druce

Estabelecido

Aster lanceolatus Willd.

Estabelecido

Aster squamatus (Sprengel) Hieron.

Estabelecido

Atropa belladona L.

Estabelecido

Anexo II

Azolla spp.

Anexo III

Risco

Azolla caroliniana Willd.1

Invasor

Azolla filiculoides Lam.

Invasor

Bacopa monnieri (L.) Pennell

Estabelecido

Beta vulgaris L. subsp. vulgaris

Estabelecido

Betula pendula Rothwell

Florestal

Bidens aurea (Aiton) Sherff

Estabelecido

Bidens frondosa L.

Estabelecido

Bidens pilosa L.

Estabelecido

Blyxa japonica (Miq.) Maxim.

Estabelecido

Boussingaultia cordifolia Ten.

Estabelecido

Bromus catharticus Vahl

Estabelecido

Bromus secalinus L.

Estabelecido

Bryophylum pinnatum (Lam.) Oken

Estabelecido

Callitriche cribrosa Schotsman.

Estabelecido

Calocedrus decurrens (Torrey) Florin

Florestal

Calystegia sylvatica (Kit) Griseb.

Estabelecido

Capsicum frutescens L.

Estabelecido

Carpobrotus acinaciformis (L.) L.Bolus

Estabelecido

Carpobrotus edulis (L.) N.E.Br.

Invasor

Carya illinoiensis (Wangenheim) K.Koch

Florestal

Castanea crenata Siebold & Zuccarini

Florestal

Casuarina cunninghamiana Miquel

Florestal

Casuarina equisetifolia L.

Florestal

Catalpa bignonioides Walter

Florestal

Cedrus atlantica (Endl.) Carriére

Estabelecido

Cedrus deodara Loud.

Estabelecido

[1] «Apesar da Nova Flora de Portugal e da Flora Ibérica considerarem duas espécies de Azolla, trabalhos recentes indicam que apenas A. filiculoides está presente em Portugal» (Marchante et al., 2014) – 136 –


Organismo

Anexo I

Cercis siliquastrum L.

Estabelecido

Chamaecyparis lawsoniana (A.Murray.) Parl.

Estabelecido

Chamaecyparis obtusa (Siebold & Zuccarini) Endi.

Anexo II

Anexo III

Florestal

Chamomilla suaveolens (Pursh) Rydb.

Estabelecido

Chenopodium ambrosoides L.

Estabelecido

Chenopodium multifidum L.

Estabelecido

Chrysanthemum segetum L.

Estabelecido

Cinnamomum camphora (L.) Siebold

Florestal

Convolvulus farinosus L.

Estabelecido

Conyza albida Sprengel

Estabelecido

Conyza bonariensis (L.) Cronq.

Invasor

Conyza canadensis (L.) Cronq.

Estabelecido

Conyza ivifolia (L.) Less.2

Estabelecido

Conyza × mixta Fouc. & Neyr. (Conyza bonariensis × canadensis)

Estabelecido

Conyza × rouyana Sennen (Conyza albida × canadensis)

Estabelecido

Coronopus didymus (L.) Sm.

Estabelecido

Cortaderia selloana (J. A. & J. H. Schultes) Aschers & Graebner.

Estabelecido

Cotula australis (Sprengel) Hooker fil.

Estabelecido

Cotula coronopifolia L.

Estabelecido

Crassula aquatica (L.) Schonl.

Estabelecido

Crassula bonariensis (DC) Crambe

Estabelecido

Cryptomeria japonica (L. f.) D. Don

Florestal

Cupressus arizonica Greene

Florestal

Cupressus lusitanica Miller

Estabelecido

Cupressus macrocarpa Hartw.

Estabelecido

Cupressus sempervirens L.

Estabelecido

Cuscuta campestris Yuncker

Estabelecido

Cuscuta suaveolens Ser.

Estabelecido

Cydonia oblonga Miller

Estabelecido

Cymbalaria muralis P. Gaertner, B. Meyer & Schreb.

Estabelecido

Cyperus alterniflorus L.

Estabelecido

Datura innoxia Miller

Estabelecido

Datura stramonium L.

Invasor

Dianthus tripunctatus Silth.

Estabelecido

[2] Segundo The Plant List (2013), Conyza ivifolia é um sinónimo de Erigeron bonariensis L. – 137 –


Organismo

Anexo I

Dichondra micranitha Urban

Estabelecido

Dipsacus sativus (L.) Honckeny

Estabelecido

Disphyma crassifolium (L.) L. Bolus

Estabelecido

Drosanthemum candens (Haw.) Schwantes

Estabelecido

Echinochloa colonum (L.) Link

Estabelecido

Echinochloa oryzicola (Vasinger) Vasinger

Estabelecido

Eclipta prostrata (L.) L.

Estabelecido

Ehrharta calycina Sm.

Estabelecido

Ehrharta erecta Lam.

Estabelecido

Eichhornia crassipes (C. F. P. Mart.) Solms. Laub.

Invasor

Eleocharis flacescens (Poir.) Urban

Estabelecido

Eleusine indica (L.) Gaertner

Estabelecido

Elodea canadensis Mich

Invasor

Erigeron karvinskianus DC.

Invasor

Eryngium pandanifolium Cham. & Schlecht.

Invasor

Eschscholzia californica Cham.

Anexo II

Estabelecido

Eucalyptus × algeriensis Trabut.

Florestal

Eucalyptus botryoides Smith

Florestal

Eucalyptus camaldulensis Labill.

Estabelecido

Eucalyptus cladocalyx Muller

Florestal

Eucalyptus cornuta Labill.

Florestal

Eucalyptus dalrympleana Maiden

Florestal

Eucalyptus diversicolor Muller

Florestal

Eucalyptus globulus Labill.

Estabelecido

Eucalyptus gomphocephala De Candolle

Florestal

Eucalyptus grandis (Hill.) Maiden

Florestal

Eucalyptus gunnii Hoker f.

Florestal

Eucalyptus maideni Muller

Florestal

Eucalyptus nitens Maiden

Florestal

Eucalyptus obliqua L’Hérit.

Florestal

Eucalyptus polyanthemos Schauer

Florestal

Eucalyptus resinifera Smith

Florestal

Eucalyptus rirtoniana Muiler

Florestal

Eucalyptus robusta Smith

Florestal

Eucalyptus rudis Endl.

Florestal

Eucalyptus sideroxylon (A. Cunn.)

Florestal

Eucalyptus smithii R. T. Baker

Florestal

– 138 –

Anexo III


Organismo

Anexo I

Anexo II

Eucalyptus tereticornis Smith

Florestal

Eucalyptus × trabuti Vilmorin ex Trabut

Florestal

Eupatorium adenophorum Sprengel

Estabelecido

Euphorbia lathyris L.

Estabelecido

Euphorbia maculata L.

Estabelecido

Euphorbia nutans Lag.

Estabelecido

Euphorbia prostrata Aiton

Estabelecido

Euphorbia serpens Kunth

Estabelecido

Fallopia baldschuanica (Regel) J. Holub (F. aubertii,

Estabelecido

Fedia scorpioides Dufresne.

Estabelecido

Ferraria crispa Burm.

Estabelecido

Fraxinus americana L.

Florestal

Fraxinus excelsior L.

Florestal

Fraxinus pennsylvanica Marsh

Florestal

Freesia refracta (Jacq.) Klatt

Estabelecido

Galinsoga ciliata (Rafin) S. F. Blake

Estabelecido

Galinsoga parviflora Cav.

Invasor

Gamochaeta calviceps (Fernald) Cabrera

Estabelecido

Gamochaeta pensylvanica (Willd.) Cabrera

Estabelecido

Gamochaeta spicata (Lam.) Cabrera

Estabelecido

Gamochaeta subfalcata (Cabrera) Cabrera

Estabelecido

Gastridium phleoides (Nees & Meyen) C. E. Hubbard

Estabelecido

Gazania rigens (L.) Gaertner

Estabelecido

Gladiolus undulatus L.

Estabelecido

Gleditsia triacanthos L.

Estabelecido

Gomphocarpus fruticosus (L.) Aiton fil.

Estabelecido

Grevillia robusta L.

Estabelecido

Gymnostyles stolonifera (Brot.) Tutin

Estabelecido

Hakea salicifolia (Vent.) B. L. Burtt

Invasor

Hakea sericea Schrader

Invasor

Hebe × andersonii

Estabelecido

Hedysarum coronarium L.

Estabelecido

Helianthus anuus L.

Estabelecido

Helichrysum foetidum (L.) Cass.

Estabelecido

Helichrysum petiolare Hillard & B. L. Burtt

Estabelecido

Heliotropium curassavicum L.

Estabelecido

Heteranthera reniformis Ruiz & Pavón

Estabelecido

– 139 –

Anexo III


Organismo

Anexo I

Heteranthera rotundifolia (Kunth) Griseb.

Estabelecido

Hippuris vulgaris L.

Estabelecido

Hordeum bulbosum L.

Estabelecido

Hydrangea macrophylla (Thunb.) Seringe

Estabelecido

Anexo II

Hydrilla verticillata (L. f.) C. Presl.

Anexo III

Risco

Hydrocotyle bonariensis Lam.

Estabelecido

Impatiens glandulifera Royle.

Risco

Ipomoea acuminata (Vahl) Roemer & Schultes

Invasor

Iris albicans Lange

Estabelecido

Iris germanica L.

Estabelecido

Isatis tinctoria L.

Estabelecido

Ixia paniculata Delaroche

Estabelecido

Junglans nigra L.

Florestal

Junglans regia L.

Florestal

Juniperus virginiana L.

Florestal

Lampranthus multiradiatus (Jacq.) N. E. Br.

Estabelecido

Lantana camara L.

Estabelecido

Larix decidua Miller

Florestal

Larix × eurolepis A. Henry

Florestal

Lathyrus sativus L.

Estabelecido

Legousia speculum-veneris (L.) Chaix.

Estabelecido

Leontodon muelleri (Schultz Bip) Fiori.

Estabelecido

Lepidium campestre (L.) R. Br.

Estabelecido

Lepidium grandifolium L. subsp. grandifolium

Estabelecido

Lepidium ruderale L.

Estabelecido

Lepidium sativum L.

Estabelecido

Lepidium virginicum L.

Estabelecido

Leucanthemum paludosum (Poiret) Bonnet & Banatte

Estabelecido

Ligustrum lucidum Aiton

Estabelecido

Ligustrum lucidum Aiton fil.

Florestal

Ligustrum ovalifolium Hassk.

Estabelecido

Lilaea scilloides (Poiret) Hauman.

Estabelecido

Lilaeopsis atenuata (Hooker & Arnott) Fernald

Estabelecido

Lilium candidum L.

Estabelecido

Lindernia dubia (L.) Pennell

Estabelecido

Lindernia procumbens (Krocker) Philcox

Estabelecido

Lippia canescens Kurith.

Estabelecido

– 140 –


Organismo

Anexo I

Anexo II

Liquidambar styraciflua L.

Florestal

Liriodendron tulipiferum L.

Florestal

Lonicera japonica Thurb.

Anexo III

Estabelecido

Ludwigia peploides

Risco

Ludwigia uruguayensis

Risco

Lunaria annua L.

Estabelecido

Lycium barbarum L.

Estabelecido

Lycium chinense Miller

Estabelecido

Medicago blancheana Boiss.

Estabelecido

Medicago rugosa Desr.

Estabelecido

Melaleuca armilaris Smith

Florestal

Melilotus indica (L.) Lam.

Estabelecido

Melilotus infesta Guss.

Estabelecido

Melilotus italica (L.) Lam.

Estabelecido

Melissa officinalis L. subsp. officinalis

Estabelecido

Mentha requienii Bentham

Estabelecido

Mentha spicata L.

Estabelecido

Mesembryanthemum crystallinum L.

Estabelecido

Mesembryanthemum nodiflorum L.

Estabelecido

Metrosideros excelsa Soland ex Gaertn.

Florestal

Metrosideros robustus A. Cunn.

Florestal

Mimulus moschatus Douglas ex Lindley.

Estabelecido

Mollugo verticillata L.

Estabelecido

Montia perfoliata (Donn ex. Wild) Howell.

Estabelecido

Morus alba L.

Florestal

Morus nigra L.

Florestal

Myoporum acuminatum R. Br.

Estabelecido

Myoporum tenuifolium G. Foster

Estabelecido

Myoporum tetrandrum (Labill.) Domin.

Estabelecido

Myosotis latifolia Poiret.

Estabelecido

Myriophyllum brasiliense Cambess.

Invasor

Nicandra physalodes (L.) Gaertner

Estabelecido

Nicotiana glauca R.C.Graham

Estabelecido

Nicotiana rustica L.

Estabelecido

Nothofagus obliqua (Mirbel) Blume

Florestal

Nothoscordum gracile (Aiton) Stearn

Estabelecido

Opuntia ficus-indica (L.) Miller

Estabelecido

– 141 –


Organismo

Anexo I

Ornithogalum arabicum L.

Estabelecido

Oxalis articulata Savigny

Estabelecido

Oxalis corymbosa DC.

Estabelecido

Oxalis latifolia Kunth

Estabelecido

Oxalis pes-caprae L.

Invasor

Oxalis purpurea L.

Estabelecido

Panicum capillare L.

Estabelecido

Panicum dicholomiflorum Michx.

Estabelecido

Panicum miliaceum L.

Estabelecido

Papaver somniferum L. subsp. setigerum (DC.) Corb.

Estabelecido

Paspalum dilatatum Poiret in Lam.

Estabelecido

Paspalum paspalodes (Michx) Scribne

Estabelecido

Paspalum urvillei Steudel

Estabelecido

Paspalum vaginatum Swartz.

Estabelecido

Paulownia tomentosa (Thunberg) Steudel

Anexo II

Anexo III

Florestal

Pelargonium radula (Cav.) L’Hér.

Estabelecido

Pennisetum villosum Fresen

Estabelecido

Petasites fragrans (Vill.) C. Presl

Estabelecido

Phacelia tanacetifolia Bentham

Estabelecido

Phalaris canariensis L.

Estabelecido

Physalis ixocarpa Brot.

Estabelecido

Physalis peruviana L.

Estabelecido

Phytolacca americana L.

Estabelecido

Picea abies (L.) Link

Florestal

Picea sitchensis (Bongard) Carrière

Florestal

Pinus brutia Tenot

Florestal

Pinus canariensis C. Smith

Florestal

Pinus eldarica Medwedew

Florestal

Pinus halepensis Miller

Estabelecido

Pinus muricata D. Don

Florestal

Pinus nigra Arn.

Estabelecido

Pinus radiata D. Don

Florestal

Pinus uncinata Miller ex Mirbel

Florestal

Pinus wallichiana Jackson

Florestal

Pistia stratiotes L.

Risco

Pittosporum crassifolium Banks & Sol. ex. Cunningham

Estabelecido

Pittosporum tobira (Thunb.) Dryander.

Estabelecido

– 142 –


Organismo

Anexo I

Pittosporum undulatum Vent.

Invasor

Platanus hispanica Miller.

Estabelecido

Plecostachys serpyllifolia (Berg.) Hilliard

Estabelecido

Podocarpus totara D. Don ex Lambert

Anexo II

Anexo III

Florestal

Polygonum aubertii

Estabelecido

Polygonum capitatum D. Don

Estabelecido

Polygonum minus Huds

Estabelecido

Polygonum orientale L.

Estabelecido

Populus alba L.

Estabelecido

Populus × canadensis Moench (P. deltoides × nigra)

Estabelecido

Populus deltoides Marshall

Estabelecido

Populus nigra L. subsp. caudina (Ten.) Bug.

Estabelecido

Portulaca oleracea L. subsp. nitida Danin & H.G.Baker

Estabelecido

Portulaca oleracea L. subsp. papillastellulata Danin & H.G.Baker

Estabelecido

Portulaca oleracea L. subsp. stellata Danin & H.G.Baker

Estabelecido

Proboscidea louisianica (Miller) Thell.

Estabelecido

Pseudotsuga menziesii (Mirbel) Franco

Estabelecido

Ptilostemon casabonae (L.) W. Greuter

Estabelecido

Pueraria lobata (Willd.) Maesen & S.Almeida

Risco

Quercus cerris L.

Florestal

Quercus coccinea Muenchhausen

Florestal

Quercus palustris Muenchhausen

Florestal

Quercus rubra L.

Estabelecido

Rapistrum rugosum (L.) All. subsp. orientale (L.) Arcangeli.

Estabelecido

Reynoutria japonica Houtt.

Estabelecido

Rhus coriaria L.

Estabelecido

Ricinus communis L.

Estabelecido

Risco

Invasor3

Robinia pseudoacacia L. Rosa gallica L.

Estabelecido

Rosa moschata J. Hermam

Estabelecido

Rosa multiflora Thumb.

Estabelecido

Rosa odorata var. gigantea (Crepin) Rehder & Wilson

Estabelecido

[3] O DL 205/2003 revoga «a proibição de cedência, compra, venda, oferta de venda e transporte de espécimes vivos e com propágulos viáveis de Robinia pseudoacacia L., bem como o cultivo em viveiro destinado à comercialização para fins florestais.» Na prática, a espécie fica com o estatuto de “estabelecida”. – 143 –


Organismo

Anexo I

Rosa wichuraiana Crépin

Estabelecido

Rubia tinctorum L.

Estabelecido

Rubus idaeus L.

Estabelecido

Rubus × loganobaccus L.H.Bailey

Estabelecido

Rumex frutescens Thouars.

Estabelecido

Anexo II

Sagittaria latifolia Willd.

Anexo III

Risco

Salix babylonica L.

Estabelecido

Salix canescens (Aitur) Marshall

Estabelecido

Salix × rubens Schrank

Estabelecido

Salix viminalis L.

Estabelecido

Salpichroa origanifolia (Lam.) Baillon

Estabelecido

Salvia sclarea L.

Estabelecido

Salvia triloba L. fil.

Estabelecido

Santolina chamaecyparissus L.

Estabelecido

Schinus molle L.

Estabelecido

Schinus terebinthifolia Raddi

Estabelecido

Selaginella kraussiana (G. Kunze) A. Braun.

Estabelecido

Senecio angulatus L. fil.

Estabelecido

Senecio bicolor (Willd.) Tod. subsp. cinerea (DC.) Chater Senecio elegans L.

Invasor Estabelecido

Senecio inaequidens DC.

Risco

Senecio leucanthemifolius Poiret

Estabelecido

Senecio mikanioides Walpers

Estabelecido

Sequoia sempervirens (D. Don) Endl.

Florestal

Sesuvium portulacastrum (L.) L.

Estabelecido

Setaria adhaerens (Forskal) Chiov.

Estabelecido

Setaria faberi (L.) Beauv.

Estabelecido

Setaria italica (L.) Beauv.

Estabelecido

Setaria parviflora (Poiret) Kerguélen

Estabelecido

Sibthorpia peregrina L.

Estabelecido

Silene cretica L.

Estabelecido

Sisymbrium erysimoides Desf.

Estabelecido

Sisymbrium polyceratium L.

Estabelecido

Solanum capsicastrum Schauer

Estabelecido

Solanum citrullifolium A. Braun

Estabelecido

– 144 –


Organismo

Anexo I

Solanum marginatum L. fil.

Estabelecido

Solanum melongena L.

Estabelecido

Solanum pseudocapsicum L.

Estabelecido

Solanum sodomeum L.

Estabelecido

Solanum sublobatum Roemer & Schultes

Estabelecido

Soleirolia soleirolii (Req.) Dandy

Estabelecido

Soliva pterosperma (Juss.) Less.

Estabelecido

Sophora japonica L.

Anexo II

Florestal

Sparaxis bulbifera (L.) Ker-Gawler

Estabelecido

Sparaxis tricolor (Curtis) Ker-Gawler

Estabelecido

Spartina densiflora Brongn.

Invasor

Sporobolus indicus (L.) R. Br.

Estabelecido

Stenotaphrum secundatum (Walter) O. Kuntze

Estabelecido

Symphoricarpos albus (L.) S. F. Blake.

Estabelecido

Tanacetum parthenicum (L.) Schultz Bip.

Estabelecido

Tanacetum vulgare L.

Estabelecido

Taxodium distichum (L.) Richards

Florestal

Tetragonia tetragonioides (Pallos) O.Kuntze

Estabelecido

Thuja plicata D. Don

Florestal

Tilia cordata Miller

Florestal

Tilia platyphyllos Scopoli

Florestal

Tilia tomentosa Moench

Florestal

Trandescantia fluminensis Velloso

Invasor

Triglochin striata Ruiz & Pavón.

Estabelecido

Trigonella foenum-graecum L.

Estabelecido

Tritonia × crocosmiiflora (Lemoine) Nicholson

Estabelecido

Tropaeolum majus L.

Estabelecido

Tulipa clusiana DC.

Estabelecido

Tulipa praecox Ten.

Estabelecido

Verbascum levanticum I. K. Ferguson

Estabelecido

Verbena bonariensis L.

Estabelecido

Verbena canadensis L.

Estabelecido

Veronica persica Poiret

Estabelecido

Vicia articulata Hornem.

Estabelecido

Vicia sativa L. subsp. macrocarpa (Moris) Arcangelli

Estabelecido

– 145 –

Anexo III


Organismo

Anexo I

Vicia sativa L. subsp. sativa

Estabelecido

Watsonia bulbillifera Mathews & L.Bolus

Estabelecido

Wigandia caracasana Kunth.

Estabelecido

Anexo II

Anexo III

Anexo II

Anexo III

Peixes Organismo

Anexo I

Carassius auratus

Estabelecido

Cichlasoma facetum

Estabelecido

Cyprinus carpio

Estabelecido

Esox lucius

Estabelecido

Fundulus heteroclitus

Estabelecido

Gambusia holbrooki

Invasor

Gobio gobio

Risco

Estabelecido

Gymnocephalus cernuus

Risco

Hypophthalmichthys molitrix

Risco

Ictalurus melas

Estabelecido

Lates niloticus

Risco

Lepomis cyanellus

Risco

Lepomis gibbosus

Invasor

Micropterus salmoides

Risco

Estabelecido

Misgurnus anguillicaudatus

Risco

Oncorhynchus mykiss

Estabelecido

Oreochromis leucostictus

Risco

Oreochromis niloticus

Risco

Osmerus mordax

Risco

Perca fluviatilis

Risco

Sander lucioperca

Estabelecido

Risco

Silurus glanis

Risco

Stizostedion vitreum

Risco

Tilapia zillii4

Risco

Anfíbios Organismo

Anexo I

Rana catesbeiana

Anexo II

Anexo III Risco

[4] O DL lista separadamente “Tilapia zilli” (sic) e “Tilapia melanopleura”, sinónimo de T. zillii segundo GBIF (2016) – 146 –


Répteis Organismo

Anexo I

Chamaeleo chamaeleon

Anexo II

Anexo III

Estabelecido

Chelydra serpentina

Risco

Chrysemys picta

Risco

Lacerta dugesii

Estabelecido

Macrochelys temminckii

Risco

Trachemys scripta

Risco

Aves Organismo

Anexo I

Amadina fasciata

Estabelecido

Amandava amandava

Estabelecido

Amandava subflava

Estabelecido

Columbina passerina5

Estabelecido

Estrilda astrild

Estabelecido

Estrilda melpoda

Estabelecido

Estrilda troglodytes

Estabelecido

Euplectes afer

Estabelecido

Euplectes franciscanus6

Estabelecido

Euplectes hordeaceus

Estabelecido

Euplectes orix7

Estabelecido

Francolinus francolinus

Estabelecido

Lonchura cantans

Estabelecido

Lonchura maja

Estabelecido

Lonchura malacca

Estabelecido

Myiopsitta monachus

Estabelecido

Oxyura jamaicensis

Anexo II

Anexo III

Risco

Phasianus colchicus

Estabelecido

Ploceus cucullatus

Estabelecido

Ploceus melanocephalus

Estabelecido

Poephila guttata

Estabelecido

Psittacula krameri

Estabelecido

[5] Matias et al., (2007) classifica Columbina passerina na categoria E3 (espécies observadas de forma ocasional sem indícios de reprodução), e portanto optámos por não incluir esta espécie nesta lista. [6] Idem para Euplectes franciscanus. [7] Idem para Euplectes orix. – 147 –


Organismo

Anexo I

Quelea quelea8

Anexo II

Anexo III

Anexo II

Anexo III

Estabelecido

Mamíferos Organismo

Anexo I

Castor canadensis

Risco

Castor fiber

Risco

Mustela vison

Risco

Myocastor coypus

Risco

Nyctereutes procyonoides

Risco

Ondatra zibethicus

Risco

Procyon lotor

Risco

Rattus norvegicus

Estabelecido

Rattus rattus

Estabelecido

Sciurus carolinensis

Risco

Crustáceos Organismo

Anexo I

Eriocheir sinensis

Invasor

Pacifastacus leniusculus

Estabelecido

Procambarus clarkii

Estabelecido

Anexo II

Anexo III

Risco

Insetos Organismo

Anexo I

Iridomyrmex humilis

Estabelecido

Leptinotarsa decemlineata

Estabelecido

Lysiphlebus testaceipes (Cresson)

Estabelecido

Phoracantha semipunctata

Estabelecido

Anexo II

Anexo III

Anexo II

Anexo III

Moluscos Organismo

Anexo I

Corbicula fluminea

Estabelecido

Dreissena polymorpha

Risco

Dreissena bugensis

Risco

Potamopyrgus jenkinsi

Estabelecido

[8] Idem para Quelea quelea. – 148 –


A.3 Decreto Legislativo Regional 15/2012/A O DLR 15/2012/A regula o regime jurídico da conservação da natureza e da proteção da biodiversidade. Este diploma apresenta, no seu anexo IX, uma lista das espécies da fauna e flora invasora ou com risco ecológico conhecido para a Região Autónoma dos Açores. A lista indica para cada espécie, se está incluída no Top 100 das espécies mais invasoras da Macaronésia (ver anexo A.5), se tem risco ecológico conhecido, e se é considerada prioritária para erradicação. Espécie

Top 100

Risco Prioridade

Mus musculus Linnaeus 1758 – Murganho

Top 100

Risco

Prioridade

Rattus norvegicus (Berkenhout, 1769) – Rato; ratazana

Top 100

Risco

Prioridade

Rattus rattus Linnaeus, 1758 – Rato; ratazana-preta

Top 100

Risco

Prioridade

A — Mamíferos

B — Aves Estrilda astrild (Linnaeus, 1758) – Bico-de-lacre

Risco

Myiopsitta monachus (Boddaert, 1783) – Caturrita

Risco

Psittacula krameri (Scopoli, 1769) – Periquito-rabijunco

Risco

C — Ascídias Clavelina lepadiformis (Müller, 1776) – Ascídia de anéis brancos

Risco

Clavelina oblonga Herdman, 1880 – Ascídia de pontos brancos

Risco

Distaplia corolla (Monniot F.,1974) – Ascídia flor

Risco

Styela plicata (Lesueur, 1823) – Ascídia solitária

Risco

D — Ectoprocta (Briozoários) Zoobotryon verticillatum (Delle Chiaje, 1828) – Briozoário esparguete

Risco

E — Artrópodes Armadillidium vulgare (Latreille, 1804) – Bicho-de-conta

Top 100

Cheiracanthium erraticum (Walckenaer, 1802) – Aranhiço Cheiracanthium mildei Simon, 1885 – Aranha Cryptotermes brevis (Walker, 1953) – Térmita-da-madeira-seca Dysdera crocata C. L. Koch, 1838 – Aranha

Top 100

Eluma purpurascens Budde-Lund, 1885 – Bicho-de-conta

Top 100

Kalotermes flavicollis (Fabricius, 1793) – Térmita-das-árvores-depescoço-amarelo Linepithema humile (Mayr, 1868) – Formiga

Top 100

Ommatoiulus moreletii (Lucas, 1860) – Maria-café; bicha-ferra

Top 100

Paratrechina longicornis (Latreille, 1804) – Formiga

Top 100

Risco

Prioridade

Risco

Prioridade

Risco

Prioridade

Pheidole megacephala (Fabricius, 1793) – Formiga Popillia japonica Newman, 1841 – Escaravelho-japonês

– 149 –


Espécie

Top 100

Risco Prioridade

Procambarus clarkii Girard, 1852 – Lagostim; lagostim-de-água-doce

Risco

Reticulitermes flavipes (Kollar, 1837) – Térmita-subterrânea

Risco

Prioridade

Reticulitermes grassei (Cléments, 1978) – Térmita-subterrânea

Risco

Prioridade

Varroa destructor Anderson & Trueman, 2000 – Varroa

Risco

Prioridade

F — Moluscos Aegopinella nitidula (Drapanaud, 1805) – Caracol

Top 100

Risco

G — Algas Asparagopsis armata Harvey – Alga

Risco

Asparagopsis taxiformis (Delile) Trevisan de Saint-Léon – Alga

Risco

Caulerpa webbiana Mont. – Alga; caulerpa

Risco

Codium fragile (Suringar) Harriot – Alga

Risco

Prioridade

H — Plantas Acacia saligna (Labill.) H. L. Wendl. – Acácia-azul

Top 100

Acer pseudoplatanus L. – Sicómero

Risco

Agave americana L. – Agave, piteira

Top 100

Risco

Ageratina adenophora (Spreng.) King & H. Rob. – Milho-cozido

Top 100

Risco

Ailanthus altissima (Mill.) Swingle – Ailanto; figueira-do-inferno

Top 100

Risco

Prioridade

Alternanthera caracasana Kunth Amaranthus retroflexus L. – Bredos; beldros Anredera cordifolia (Ten.) Steenis Aptenia cordifolia (L. f.) Schwant. – Apténia; sanjoães.

Top 100

Arundo donax L. – Cana; cana-vieira

Top 100

Risco

Prioridade

Carpobrotus edulis (L.) L. Bolus – Chorão; figo-da-rocha, bálsamo

Top 100

Risco

Prioridade

Risco

Prioridade

Clethra arborea Ait. – Cletra; folhadeiro-da-Madeira Conium maculatum L. – Cegude Conyza bonarienis (L.) Cronq.

Top 100

Risco

Conyza canadensis (L.) Cronq.

Top 100

Risco

Crocosmia × crocosmiiflora (V. Lemoine) N. E. Br. [= Tritonia × crocosmiiflora (Lam.) Nichols.] – Mombrécia; palmito

Top 100

Cynodon dactylon (L.) Pers. – Pé-de-galo; milhã Cyperus esculentus L. – Junça Cyperus rotundus L. – Junça-grada Delairea odorata Lem. (= Senecio mikanioides Otto ex Walp.) Drosanthemum floribundum (Haw.) Schwantes – Arrozinho; chorãoTop 100 baguinho-de-arroz

Risco

Egeria densa Planch. – Egéria; alga

Top 100

Risco

Prioridade

Gunnera tinctoria (Molina) Mirbel – Gunera; gigante

Top 100

Risco

Prioridade

– 150 –


Espécie

Top 100

Risco Prioridade

Ipomoea indica (Burm. fil.) Merrill – Bons-dias

Top 100

Risco

Prioridade

Lantana camara L. – Cambará; lantana

Top 100

Risco

Prioridade

Leycesteria formosa Wall. – Leicestéria; silva-mansa; madressilva

Top 100

Risco

Prioridade

Helianthus tuberosus L.

Mentha suaveolens Ehrh. – Marrolho; mantrasto Nephrolepis cordifolia (L.) K. Presl – Feto; feito

Top 100

Opuntia stricta var. dillenii (Ker-Gawl.) L. Benson [= Opuntia dillenii (Ker-Gawl.) Haw.]

Top 100

Oxalis pes-caprae L. – Azeda; erva-azeda

Top 100

Risco

Persicaria capitata (Buch.-Ham. ex D. Don) H. Gross – Confeito; erva-confeiteira

Risco

Persicaria lapathifolia (L.) Delarbre ssp. lapathifolia

Risco

Phytolacca americana L. – Uva-de-rato

Top 100

Pittosporum undulatum Vent. – Incenso; faia-do-norte

Top 100

Risco

Polygonum aviculare L. Coll.

Risco

Polygonum persicaria L.

Risco

Rubus ulmifolius Schott – Silva; silvado, silvado-bravo

Risco

Salpichroa origanifolia (Lam.) Baill.

Prioridade

Prioridade

Top 100

Solanum marginatum L. fil Solanum mauritianum Scop. – Fona-de-porca; tabaqueira

Top 100

Risco

Symphyotrichum squamatum (Spreng.) Nesom (= Aster squamatus)

Top 100

Risco

Prioridade

Torilis arvensis ssp. arvensis (Huds.) Link – Salsinha Tradescantia fluminensis Vell. – Erva-das-galinhas; trepadeira

Top 100

Ulex europaeus L. – Tojo; pica-rato

Top 100

Risco

Ulex minor Roth – Tojo; carqueja

Top 100

Risco

Prioridade

Xanthium strumarium var. canadense (P. Mill.) Torr. & Gray

A.4 EPPO A European and Mediterranean Plant Protection Organization, EPPO (Organização Europeia e Mediterrânica para a Proteção das Plantas) é uma organização intergovernamental que tem como fim a cooperação para a proteção vegetal na Europa e região mediterrânica. Portugal é membro desta organização desde a sua fundação, em 1951. A organização nacional para a proteção das plantas que faz a ligação com a EPPO é a DGAV. A EPPO tem cinco listas de taxa diferentes, indicadas abaixo (com ligações para as respetivas páginas): 1. Lista A1 – organismos para os quais são exigidas medidas de quarentena, ainda não presentes no espaço EPPO – 151 –


2. Lista A2 – organismos para os quais são exigidas medidas de quarentena, já presentes no espaço EPPO 3. Lista de vigilância (alert list) – sistema de aviso e deteção precoce para pragas com risco potencial para pelo menos um país membro 4. Plantas invasoras – uma lista selecionada (não exaustiva) de espécies com risco bastante elevado de expansão e de impacto no espaço EPPO, quer já estejam aqui presentes ou não 5. Plantas sob observação – espécies vegetais de risco médio, ou para as quais não existe presentemente informação suficiente para uma avaliação completa As listas abaixo refletem o estado das listas da EPPO em junho de 2016.

Vírus e organismos semelhantes American plum line pattern virus

Lista A1

Andean potato latent virus

Lista A1

Andean potato mild mosaic virus

Lista A1

Andean potato mottle virus

Lista A1

Bean golden mosaic virus

Lista A1

Beet leaf curl virus

Lista A2

Beet necrotic yellow vein virus

Lista A2

Blueberry leaf mottle virus

Lista A2

Blueberry scorch virus

Lista A2

Cherry rasp leaf virus

Lista A1

Chrysanthemum stem necrosis virus

Lista A1

Chrysanthemum stunt viroid

Lista A2

Citrus bark cracking viroid

Vigilância

Citrus blight disease

Lista A1

Citrus leprosis virus

Lista A1

Citrus tatter leaf virus

Lista A1

Citrus tristeza virus

Lista A2

Citrus yellow mosaic virus

Lista A1

Coconut cadang-cadang viroid

Lista A1

Cucumber vein yellowing virus

Lista A2

Cucurbit yellow stunting disorder virus

Lista A2

Grapevine red blotch-associated virus

Vigilância

Hosta virus X

Vigilância

Impatiens necrotic spot virus

Lista A2

Lettuce infectious yellows virus

Lista A1

Peach mosaic virus

Lista A1

– 152 –


Peach rosette mosaic virus

Lista A1

Pepino mosaic virus

Lista A2

Plum pox virus

Lista A2

Potato black ringspot virus

Lista A1

Potato spindle tuber viroid

Lista A2

Potato virus T

Lista A1

Potato yellow dwarf virus

Lista A1

Potato yellow vein virus

Lista A1

Potato yellowing virus

Lista A1

Raspberry leaf curl virus

Lista A1

Raspberry ringspot virus

Lista A2

Satsuma dwarf virus

Lista A2

Squash leaf curl virus

Lista A2

Strawberry latent C virus

Lista A1

Strawberry vein banding virus

Lista A2

Tobacco ringspot virus

Lista A2

Tomato apical stunt pospiviroid

Vigilância

Tomato chlorosis virus

Lista A2

Tomato infectious chlorosis virus

Lista A2

Tomato leaf curl New Delhi virus

Vigilância

Tomato mottle virus (“and other American Geminiviridae of capsicum and Lista A1 tomato”) Tomato ringspot virus

Lista A2

Tomato spotted wilt virus

Lista A2

Tomato yellow leaf curl virus e vírus relacionados

Lista A2

Watermelon silver mottle virus

Lista A1

Bactérias e fitoplasmas Acidovorax citrulli

Lista A1

Burkholderia caryophylli

Lista A2

‘Candidatus Liberibacter africanus’

Lista A1

‘Candidatus Liberibacter americanus’

Lista A1

‘Candidatus Liberibacter asiaticus’

Lista A1

‘Candidatus Liberibacter solanacearum’

Lista A1

‘Candidatus Phytoplasma mali’ (Apple proliferation)

Lista A2

‘Candidatus Phytoplasma phoenicium’ (almond witches broom)

Vigilância

‘Candidatus Phytoplasma pruni’ (Peach X-disease)

Lista A1

‘Candidatus Phytoplasma pyri’ (Pear decline)

Lista A2 – 153 –


‘Candidatus Phytoplasma solani’ (Stolbur)

Lista A2

‘Candidatus Phytoplasma ulmi’

Lista A1

‘Candidatus Phytoplasma vitis’ (Grapevine flavescence dorée)

Lista A2

Clavibacter michiganensis subsp. insidiosus

Lista A2

Clavibacter michiganensis subsp. michiganensis

Lista A2

Clavibacter michiganensis subsp. sepedonicus

Lista A2

Coconut lethal yellowing phytoplasma

Lista A1

Curtobacterium flaccumfaciens pv. flaccumfaciens

Lista A2

Dickeya dianthicola

Lista A2

Erwinia amylovora

Lista A2

Maize redness (Stolbur phytoplasma)9

Vigilância

Pantoea stewartii

Lista A2

Peach rosette phytoplasma

Lista A1

Peach yellows phytoplasma

Lista A1

Potato purple-top wilt phytoplasma

Lista A1

Pseudomonas syringae pv. actinidiae

Lista A2

Pseudomonas syringae pv. persicae

Lista A2

Ralstonia solanacearum

Lista A2

Syndrome des basses richesses

Vigilância

Xanthomonas arboricola pv. corylina

Lista A2

Xanthomonas arboricola pv. pruni

Lista A2

Xanthomonas axonopodis pv. allii

Lista A1

Xanthomonas axonopodis pv. citri

Lista A1

Xanthomonas axonopodis pv. dieffenbachiae

Lista A2

Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli

Lista A2

Xanthomonas axonopodis pv. poinsettiicola

Lista A2

Xanthomonas euvesicatoria

Lista A2

Xanthomonas fragariae

Lista A2

Xanthomonas gardneri

Lista A2

Xanthomonas oryzae pv. oryzae

Lista A1

Xanthomonas oryzae pv. oryzicola

Lista A1

Xanthomonas perforans

Lista A2

Xanthomonas translucens pv. translucens

Lista A2

Xanthomonas vesicatoria

Lista A2

Xylella fastidiosa

Lista A1

Xylophilus ampelinus

Lista A2

[9] Segundo EPPO (2012), a principal causa da doença “maize redness” é ‘Ca. Phytoplasma solani’. Apesar disso, a doença e o fitoplasma surgem em listas separadas (Vigilância e A2, respetivamente). – 154 –


Plantas Acacia dealbata

Plantas invasoras

Acroptilon repens

Plantas invasoras

Ailanthus altissima

Plantas invasoras

Akebia quinata

Em observação

Alternanthera philoxeroides

Lista A2

Amaranthus palmeri

Vigilância

Ambrosia artemisiifolia

Plantas invasoras

Ambrosia confertiflora

Plantas invasoras

Ambrosia trifida

Plantas invasoras

Amelanchier spicata

Plantas invasoras

Amorpha fruticosa

Plantas invasoras

Andropogon virginicus

Em observação

Araujia sericifera

Em observação

Arceuthobium abietinum

Lista A1

Arceuthobium americanum

Lista A1

Arceuthobium campylopodum

Lista A1

Arceuthobium divaricatum

Lista A1

Arceuthobium douglasii

Lista A1

Arceuthobium laricis

Lista A1

Arceuthobium minutissimum

Lista A1

Arceuthobium occidentale

Lista A1

Arceuthobium pusillum

Lista A1

Arceuthobium tsugense

Lista A1

Arceuthobium vaginatum

Lista A1

Arctotheca calendula

Plantas invasoras

Asparagus asparagoides

Em observação

Azolla filiculoides

Em observação

Baccharis halimifolia

Lista A2

Bidens frondosa

Em observação

Buddleja davidii

Plantas invasoras

Cabomba caroliniana

Plantas invasoras

Cardiospermum grandiflorum

Plantas invasoras

Carpobrotus acinaciformis

Plantas invasoras

Carpobrotus edulis

Plantas invasoras

Cenchrus incertus

Em observação

Cenchrus longispinus

Vigilância

– 155 –


Cornus sericea

Plantas invasoras

Cortaderia selloana

Plantas invasoras

Crassula helmsii

Lista A2

Cyperus esculentus

Plantas invasoras

Delairea odorata

Plantas invasoras

Egeria densa

Plantas invasoras

Eichhornia crassipes

Lista A2

Elodea nuttallii

Plantas invasoras

Eragrostis curvula

Em observação

Eriochloa villosa

Em observação

Fallopia baldschuanica

Plantas invasoras

Fallopia × bohemica

Plantas invasoras

Fallopia japonica

Plantas invasoras

Fallopia sachalinensis

Plantas invasoras

Galenia pubescens

Vigilância

Gunnera tinctoria

Plantas invasoras

Gymnocoronis spilanthoides

Em observação

Hakea sericea

Plantas invasoras

Helianthus tuberosus

Plantas invasoras

Heracleum mantegazzianum

Plantas invasoras

Heracleum persicum

Lista A2

Heracleum sosnowskyi

Lista A2

Humulus japonicus

Plantas invasoras

Hydrilla verticillata

Plantas invasoras

Hydrocotyle ranunculoides

Lista A2

Hygrophila polysperma

Plantas invasoras

Impatiens edgeworthii

Vigilância

Impatiens glandulifera

Plantas invasoras

Lagarosiphon major

Plantas invasoras

Limnophila sessiliflora

Em observação

Ludwigia grandiflora

Lista A2

Ludwigia peploides

Lista A2

Lupinus polyphyllus

Em observação

Lysichiton americanus

Em observação

Microstegium vimineum

Lista A2

Miscanthus sinensis

Vigilância

Myriophyllum aquaticum

Plantas invasoras

Myriophyllum heterophyllum

Lista A2 – 156 –


Nassella neesiana

Em observação

Nassella tenuissima

Em observação

Nassella trichotoma

Em observação

Oxalis pes-caprae

Plantas invasoras

Parthenium hysterophorus

Lista A2

Paspalum distichum

Plantas invasoras

Pennisetum setaceum

Plantas invasoras

Pistia stratiotes

Plantas invasoras

Polygonum perfoliatum

Lista A2

Prunus serotina

Plantas invasoras

Pueraria montana var. lobata

Lista A2

Rhododendron ponticum

Em observação

Salvinia molesta

Plantas invasoras

Senecio inaequidens

Plantas invasoras

Sesbania punicea

Em observação

Sicyos angulatus

Plantas invasoras

Solanum elaeagnifolium

Lista A2

Solidago canadensis

Plantas invasoras

Solidago gigantea

Plantas invasoras

Solidago nemoralis

Em observação

Verbesina encelioides

Em observação

Fungos Alternaria mali

Lista A1

Anisogramma anomala

Lista A1

Apiosporina morbosa

Lista A1

Atropellis pinicola

Lista A1

Atropellis piniphila

Lista A1

Botryosphaeria laricina

Lista A2

Ceratocystis fagacearum

Lista A1

Ceratocystis platani

Lista A2

Chrysomyxa arctostaphyli

Lista A1

Ciborinia camelliae

Lista A2

Cronartium coleosporioides

Lista A1

Cronartium comandrae

Lista A1

Cronartium comptoniae

Lista A1

Cronartium fusiforme

Lista A1

Cronartium himalayense

Lista A1 – 157 –


Cronartium kamtschaticum

Lista A2

Cronartium quercuum

Lista A1

Cryphonectria parasitica

Lista A2

Davidiella (Mycosphaerella) populorum

Lista A1

Diaporthe vaccinii

Lista A2

Diplocarpon mali

Vigilância

Endocronartium harknessii

Lista A1

Fusarium euwallaceae

Vigilância

Fusarium foetens

Lista A2

Fusarium oxysporum f.sp. albedinis

Lista A2

Geosmithia morbida

Lista A2

Gibberella circinata

Lista A2

Glomerella gossypii

Lista A2

Gymnosporangium asiaticum

Lista A2

Gymnosporangium clavipes

Lista A1

Gymnosporangium globosum

Lista A1

Gymnosporangium juniperi-virginianae

Lista A1

Gymnosporangium yamadae

Lista A1

Heterobasidion irregulare

Lista A2

Melampsora farlowii

Lista A1

Melampsora medusae

Lista A2

Monilinia fructicola

Lista A2

Mycosphaerella dearnessii

Lista A2

Mycosphaerella gibsonii

Lista A1

Mycosphaerella laricis-leptolepidis

Lista A1

Ophiognomonia (Sirococcus) clavigignenti-juglandacearum

Lista A1

Ophiostoma wageneri

Lista A1

Phellinus weirii

Lista A1

Phialophora cinerescens

Lista A2

Phyllosticta (Guignardia) citricarpa

Lista A1

Phyllosticta solitaria

Lista A1

Phymatotrichopsis omnivora

Lista A1

Phytophthora fragariae

Lista A2

Phytophthora kernoviae

Lista A2

Phytophthora lateralis

Lista A2

Phytophthora ramorum

Lista A2

Phytophthora rubi

Lista A2

Plenodomus tracheiphilus

Lista A2 – 158 –


Pseudocercospora (Phaeoramularia) angolensis

Lista A1

Puccinia hemerocallidis

Lista A1

Puccinia horiana

Lista A2

Puccinia pittieriana

Lista A1

Raffaelea lauricola (laurel wilt)

Vigilância

Septoria lycopersici var. malagutii

Lista A1

Sirococcus tsugae

Vigilância

Stagonosporopsis (Phoma) andigena

Lista A1

Stagonosporopsis chrysanthemi

Lista A2

Stegophora ulmea

Lista A1

Stenocarpella macrospora

Lista A2

Stenocarpella maydis

Lista A2

Synchytrium endobioticum

Lista A2

Thecaphora solani

Lista A1

Thekopsora minima (blueberry leaf rust)

Vigilância

Tilletia indica

Lista A1

Verticillium albo-atrum (estirpes que infetam o lúpulo)

Lista A2

Verticillium dahliae (estirpes que infetam o lúpulo)

Lista A2

Nemátodos Aphelenchoides besseyi

Lista A2

Bursaphelenchus xylophilus

Lista A2

Ditylenchus dipsaci

Lista A2

Globodera pallida

Lista A2

Globodera rostochiensis

Lista A2

Heterodera elachista

Vigilância

Heterodera glycines

Lista A2

Meloidogyne chitwoodi

Lista A2

Meloidogyne enterolobii

Lista A2

Meloidogyne ethiopica

Vigilância

Meloidogyne fallax

Lista A2

Meloidogyne mali

Vigilância

Nacobbus aberrans

Lista A1

Radopholus similis que ataquem citrinos (anteriormente R. citrophilus)

Lista A1

Radopholus similis que não ataquem citrinos

Lista A2

Xiphinema americanum sensu stricto

Lista A1

Xiphinema bricolense

Lista A1

Xiphinema californicum

Lista A1 – 159 –


Xiphinema rivesi

Lista A2

Insetos e carraças Acleris gloverana

Lista A1

Acleris variana

Lista A1

Aculops fuchsiae

Lista A2

Aeolesthes sarta

Lista A2

Agrilus anxius

Lista A1

Agrilus auroguttatus

Vigilância

Agrilus planipennis

Lista A2

Aleurocanthus spiniferus

Lista A2

Aleurocanthus woglumi

Lista A1

Aleurotrachelus trachoides

Vigilância

Anastrepha fraterculus

Lista A1

Anastrepha ludens

Lista A1

Anastrepha obliqua

Lista A1

Anastrepha suspensa

Lista A1

Anoplophora chinensis

Lista A2

Anoplophora glabripennis

Lista A1

Anthonomus bisignifer

Lista A1

Anthonomus eugenii

Lista A1

Anthonomus grandis grandis

Lista A1

Anthonomus signatus

Lista A1

Apriona cinerea

Lista A1

Apriona germari

Lista A1

Apriona rugicollis (A. japonica)

Lista A1

Aromia bungii

Lista A1

Arrhenodes minutus

Lista A1

Bactericera cockerelli

Lista A1

Bactrocera carambolae

Lista A1

Bactrocera caryeae

Lista A1

Bactrocera cucumis

Lista A1

Bactrocera cucurbitae

Lista A1

Bactrocera dorsalis

Lista A1

Bactrocera invadens

Lista A1

Bactrocera kandiensis

Lista A1

Bactrocera latifrons

Vigilância

Bactrocera minax

Lista A1 – 160 –


Bactrocera occipitalis

Lista A1

Bactrocera papayae

Lista A1

Bactrocera philippinensis

Lista A1

Bactrocera pyrifoliae

Lista A1

Bactrocera tryoni

Lista A1

Bactrocera tsuneonis

Lista A1

Bactrocera zonata

Lista A2

Bemisia tabaci

Lista A2

Blitopertha orientalis

Lista A1

Cacoecimorpha pronubana

Lista A2

Cacyreus marshalli

Lista A2

Carposina sasakii

Lista A2

Ceratitis capitata

Lista A2

Ceratitis rosa

Lista A1

Ceratothripoides brunneus

Vigilância

Ceratothripoides claratris

Vigilância

Choristoneura conflictana

Lista A1

Choristoneura freemani (= C. occidentalis Freeman)

Lista A1

Choristoneura fumiferana

Lista A1

Choristoneura rosaceana

Lista A1

Conotrachelus nenuphar

Lista A1

Contarinia pseudotsugae

Vigilância

Cydia inopinata

Lista A2

Cydia packardi

Lista A1

Cydia prunivora

Lista A1

Dacus ciliatus

Lista A2

Dendroctonus adjunctus

Lista A1

Dendroctonus brevicomis

Lista A1

Dendroctonus frontalis

Lista A1

Dendroctonus ponderosae

Lista A1

Dendroctonus pseudotsugae

Lista A1

Dendroctonus rufipennis

Lista A1

Dendrolimus sibiricus

Lista A2

Dendrolimus superans

Lista A2

Diabrotica barberi

Lista A1

Diabrotica speciosa

Lista A1

Diabrotica undecimpunctata howardi

Lista A1

Diabrotica undecimpunctata undecimpunctata

Lista A1 – 161 –


Diabrotica virgifera virgifera

Lista A2

Diaphorina citri

Lista A1

Draeculacephala minerva

Lista A1

Drosophila suzukii

Lista A2

Dryocoetes confusus

Lista A1

Dryocosmus kuriphilus

Lista A2

Epitrix cucumeris

Lista A2

Epitrix similaris

Lista A2

Epitrix subcrinita

Lista A1

Epitrix tuberis

Lista A1

Erschoviella musculana

Lista A2

Eutetranychus orientalis

Lista A2

Euwallacea sp.

Vigilância

Frankliniella occidentalis

Lista A2

Gnathotrichus sulcatus

Lista A1

Gonipterus gibberus

Lista A1

Gonipterus scutellatus

Lista A2

Graphocephala atropunctata

Lista A1

Haplaxius crudus

Lista A1

Helicoverpa armigera

Lista A2

Helicoverpa zea

Lista A1

Heteronychus arator

Lista A1

Homalodisca vitripennis (= H. coagulata)

Lista A1

Ips calligraphus

Lista A1

Ips confusus

Lista A1

Ips grandicollis

Lista A1

Ips hauseri

Lista A2

Ips lecontei

Lista A1

Ips paraconfusus

Lista A1

Ips pini

Lista A1

Ips plastographus

Lista A1

Ips subelongatus

Lista A2

Keiferia lycopersicella

Lista A1

Lepidosaphes ussuriensis

Lista A2

Leptinotarsa decemlineata

Lista A2

Leucinodes africensis

Lista A1

Leucinodes orbonalis

Lista A1

Leucinodes pseudorbonalis

Lista A1 – 162 –


Leucinodes rimavallis

Lista A1

Liriomyza huidobrensis

Lista A2

Liriomyza sativae

Lista A2

Liriomyza trifolii

Lista A2

Listronotus bonariensis

Lista A1

Lopholeucaspis japonica

Lista A2

Lycorma delicatula

Vigilância

Lymantria mathura

Lista A2

Maconellicoccus hirsutus

Lista A2

Malacosoma americanum

Lista A1

Malacosoma disstria

Lista A1

Malacosoma parallela

Lista A2

Margarodes prieskaensis

Lista A1

Margarodes vitis

Lista A1

Margarodes vredendalensis

Lista A1

Massicus raddei

Vigilância

Megacopta cribraria

Vigilância

Megaplatypus mutatus

Lista A2

Melanotus communis

Lista A1

Metamasius hemipterus

Lista A1

Monochamus alternatus

Lista A1

Monochamus carolinensis

Lista A1

Monochamus marmorator

Lista A1

Monochamus mutator

Lista A1

Monochamus nitens

Lista A1

Monochamus notatus

Lista A1

Monochamus obtusus

Lista A1

Monochamus scutellatus

Lista A1

Monochamus titillator

Lista A1

Myiopardalis pardalina

Vigilância

Naupactus leucoloma

Lista A1

Nemorimyza (Amauromyza) maculosa

Lista A1

Neoleucinodes elegantalis

Lista A1

Numonia pyrivorella

Lista A2

Oemona hirta

Lista A1

Oligonychus perditus

Lista A1

Ophiomyia kwansonis

Vigilância

Opogona sacchari

Lista A2 – 163 –


Orgyia pseudotsugata

Lista A1

Paysandisia archon

Lista A2

Pheletes (Limonius) californicus

Lista A1

Pissodes nemorensis

Lista A1

Pissodes strobi

Lista A1

Pissodes terminalis

Lista A1

Pityophthorus juglandis

Lista A2

Polygraphus proximus

Lista A2

Popillia japonica

Lista A2

Premnotrypes latithorax

Lista A1

Premnotrypes suturicallus

Lista A1

Premnotrypes vorax

Lista A1

Prodiplosis longifila

Vigilância

Pseudacysta perseae

Vigilância

Pseudopityophthorus minutissimus

Lista A1

Pseudopityophthorus pruinosus

Lista A1

Quadraspidiotus perniciosus

Lista A2

Rhagoletis cingulata

Lista A2

Rhagoletis fausta

Lista A1

Rhagoletis indifferens

Lista A1

Rhagoletis mendax

Lista A1

Rhagoletis pomonella

Lista A1

Rhynchophorus ferrugineus

Lista A2

Rhynchophorus palmarum

Lista A1

Ripersiella (Rhizoecus) hibisci

Lista A1

Saperda candida

Lista A1

Scaphoideus luteolus

Lista A1

Scirtothrips aurantii

Lista A1

Scirtothrips citri

Lista A1

Scirtothrips dorsalis

Lista A2

Scolytus morawitzi

Lista A2

Singhiella simplex

Vigilância

Sirex ermak

Lista A2

Spodoptera eridania

Lista A1

Spodoptera frugiperda

Lista A1

Spodoptera littoralis

Lista A2

Spodoptera litura

Lista A1

Sternochetus mangiferae

Lista A1 – 164 –


Strauzia longipennis

Vigilância

Strobilomyia viaria

Lista A2

Tecia solanivora

Lista A2

Tetranychus evansi

Lista A2

Tetropium gracilicorne

Lista A2

Thaumatotibia leucotreta

Lista A2

Thrips palmi

Lista A1

Thrips setosus

Vigilância

Toxoptera citricidus

Lista A2

Trichoferus campestris

Lista A2

Trioza erytreae

Lista A2

Trogoderma granarium

Lista A2

Tuta absoluta

Lista A2

Unaspis citri

Lista A1

Viteus vitifoliae

Lista A2

Xyleborus glabratus

Vigilância

Xylosandrus crassiusculus

Vigilância

Xylotrechus altaicus

Lista A2

Xylotrechus namanganensis

Lista A2

Xyphon fulgidum

Lista A1

A.5 Top 100 Macaronésia Silva et al. (2008) publicou uma lista “top 100 da fauna e flora terrestre mais invasora da Macaronésia”, que é aqui reproduzida na ordem dada, começando na mais agressiva. Apresentamos apenas a informação para os Açores e Madeira, e não para as Canárias, indicando o estatuto de Casual, Naturalizado, Invasor, Erradicado e ausente com “Cas”, “Nat”, “Inv”, “Err” e “—”, respetivamente. Por vezes a situação diverge de ilha para ilha dentro de um mesmo arquipélago; nesses casos, é indicado mais do que um estatuto. Espécie

Açores

Madeira

1. Carpobrotus edulis (L.) N. E. Br.

Inv

Inv

2. Ageratina adenophora (Spreng.) R. M. King & H. Rob.

Inv

Inv

3. Ulex europaeus L.

Inv

Inv

Cas/Inv

Inv

5. Arundo donax L.

Inv

Inv

6. Hedychium gardnerianum Sheppard ex Ker Gawl.

Inv

Inv

7. Cyrtomium falcatum (L. fil.) C. Presl

Inv

Inv

8. Pittosporum undulatum Vent.

Inv

Inv

4. Agave americana L.

– 165 –


Espécie

Açores

Madeira

Inv

10. Salpichroa origanifolia (Lam.) Thell.

Inv

Inv

11. Rattus rattus Linnaeus 1758

Inv

Inv

12. Cytisus scoparius (L.) Link

Inv

Inv

13. Mus musculus Linnaeus 1758

Inv

Inv/Err

14. Delairea odorata Lem

Inv

Inv

Nat/Inv

Inv

Inv

17. Opuntia stricta (Haw.) Haw.

Inv

18. Eschscholzia californica Champ.

Cas

Inv

19. Adiantum raddianum C. Presl

Inv

Inv

20. Oxalis pes-caprae L.

Nat

Inv

21. Rattus norvegicus (Berkenhout, 1769)

Nat

Inv

22. Erigeron karvinskianus DC.

Inv

Inv

23. Spartium junceum L.

Inv

25. Paraserianthes lophantha (Willd.) I.C. Nielsen

Cas

Inv

26. Conyza canadensis (L.) Cronq.

Inv

Inv

27. Conyza bonariensis (L.) Cronq.

Inv

Inv

28. Lantana camara L.

Inv

Inv

29. Aptenia cordifolia (L. f.) Schwantes

Inv

Inv

30. Solanum mauritianum Scop.

Inv

Inv

Inv

32. Tetragonia tetragonioides (Pall.) Kuntze

Inv

Nat

33. Cyathea cooperi (Hook. ex F. Muell.) Domin

Inv

Nat

34. Symphyotrichum subulatum (Michx.) G. L. Nesom var. squamatum (Spreng.) S. D. Sundb.

Inv

Inv

35. Ipomoea indica (Burm. fil.) Merr.

Inv

Inv

36. Tradescantia fluminensis Vell.

Nat

Inv

37. Ommatoiulus moreleti (Lucas, 1860)

Inv

Nat

38. Drosanthemum floribundum (Haw.) Schwantes

Inv

Nat

39. Stenotaphrum secundatum (Walter) Kuntze

Inv

Nat

Inv

41. Oryctolagus cuniculus (Linnaeus, 1758)

Inv

Inv/Err

42. Acacia melanoxylon R. Br.

Inv

Inv

43. Doodia caudata (Cav.) R. Br.

Inv

Inv

9. Opuntia ficus-indica (L.) Mill.

15. Hydrangea macrophylla (Thunb.) Ser. 16. Nicotiana glauca Graham

24. Pennisetum setaceum (Forssk.) Chiov. subsp. orientale (Rich.) Maire

31. Chasmanthe aethiopica (L.) N.E. Br.

40. Ageratina riparia (Regel) R. M. King & H. Rob.

44. Nassella neesiana (Tin. & Rupr.) Barkworth – 166 –


Espécie

Açores

Madeira

Nat/Inv

Inv

46. Felis silvestris f. catus (Linnaeus, 1758)

Cas

Inv

47. Capra hircus Linnaeus 1758

Cas

Inv

48. Eucalyptus globulus Labill.

Inv

Inv

49. Anredera cordifolia (Ten.) Steenis

Inv

Nat

50. Phytolacca americana L.

Inv

Nat

51. Adiantum hispidulum Sw.

Inv

Inv

52. Leycesteria formosa Wall.

Inv

Inv

54. Ricinus communis L.

Nat

Inv

55. Ailanthus altissima (Mill.) Swingle

Inv

Inv

56. Bidens pilosa L.

Nat

Inv

57. Centranthus ruber (L.) DC.

Nat

Nat/Inv

58. Tropaeolum majus L.

Nat

Inv

59. Pelargonium inquinans (L.) L’Hér. ex Ait.

Inv

60. Opuntia tuna (L.) Mill.

Inv

61. Gunnera tinctoria (Molina) Mirbel

Inv

62. Phormium tenax J. R. Forst. & G. Forst.

Inv

Nat

63. Aegopinella nitidula (Draparnaud, 1805)

Inv

64. Egeria densa Planchon

Inv

65. Dysdera crocata C.L. Koch, 1838

Inv

Nat

Nat

Inv

68. Cytisus striatus (Hill) Rothm.

Inv

69. Nicotiana paniculata L.

70. Cotula australis (Sieber ex Spreng.) Hook. fil.

Nat

Inv

71. Crassula multicava Lem.

Nat

Inv

72. Deparia petersenii (Kunze) M. Kato

Inv

Nat

73. Araujia sericifera Brot.

Inv

Nat

74. Cirsium vulgare (Savi) Ten.

Nat

Inv

75. Solanum bonariense L.

76. Crassula muscosa L.

77. Acacia saligna (Labill.) H. L. Wendl.

Cas

Cas

78. Solanum lycopersicum L. var. lycopersicum

Cas

Inv

79. Armadillidium vulgare (Latreille, 1804)

Nat

Nat

80. Nephrolepis cordifolia (L.) C. Presl

Inv

Nat

Nat

45. Colocasia esculenta (L.) Schott

53. Cardiospermum grandiflorum Sw.

66. Diocalandra frumenti (Fabricius, 1801) 67. Gomphocarpus fruticosus (L.) W. T. Aiton

81. Pennisetum clandestinum Hochst. ex Chiov. – 167 –


Espécie

Açores

Madeira

Inv

Inv

84. Paspalum distichum L.

Inv

Nat

85. Lepidium didymum L.

Nat

Inv

Inv

87. Pinus pinaster Aiton

Inv

Nat

88. Soleirolia soleirolii (Req.) Dandy

Nat

Inv

89. Agapanthus praecox Willd. subsp. orientalis (F. M. Leight) F. M. Leight

Cas

Inv

90. Duchesnea indica (Andr.) Focke

Nat

Inv

91. Crocosmia × crocosmiiflora (Lemoine) N.E. Br.

Nat

Inv

92. Paratrechina longicornis (Latreille 1802)

Nat

Nat

93. Linepithema humile (Mayr 1868)

Nat

Nat

94. Eluma purpurascens Budde-Lund, 1885

Nat

Nat

95. Aloe vera (L.) Burm. f.

Inv

96. Ammotragus lervia (Pallas, 1777)

97. Ovis aries Linnaeus, 1758

98. Leptospermum scoparium J. R. Forst. & G. Forst.

Nat

Inv

99. Ulex minor Roth

Nat

Inv

Nat

82. Hedychium coronarium J. Koenig 83. Passiflora tripartita (Juss.) Poir. var. mollissima (Kunth) Holm-Niels. & P. Jørg.

86. Conyza sumatrensis (Retz.) E. Walker

100. Wigandia urens (Ruiz & Pav.) Kunth var. caracasana (Kunth) D. N. Gibson

– 168 –


ANEXO B: INVASORES NOTÁVEIS SEM IMPACTO EM PORTUGAL Esta secção lista taxa bastante agressivos em países próximos de Portugal, que apesar de terem sido introduzidos no nosso país não desenvolveram até agora comportamento invasor. Harmonia axyridis (Pallas) (Coleoptera: Coccinellidae) • NOME COMUM joaninha-arlequim • DISTRIBUIÇÃO NATIVA

Ásia Central e Oriental • INVASOR EM América do Sul, América do Norte,

Norte da Europa (mapa com distribuição europeia em 2008 em Roy & Roy, 2008) • SITUAÇÃO EM PORTUGAL

Apesar de ter sido largada repetidas vezes em Portugal como agente de biocontrolo de

afídeos, não há evidência do seu estabelecimento aqui (Brown, 2008)

– 169 –


REFERÊNCIAS Aedo C (2014) Allium L. In Castroviejo & al. (eds.), Flora iberica vol. 20. Disponível em http://www.floraiberica.es/floraiberica/texto/pdfs/20_183_29_Allium.pdf. Consultado a 30 de abril de 2016. Alves P & Aguiar C (2012) Três neófitos novos para a flora de Portugal. Silva Lusitana. ISSN 08706352. 20:1-2, p. 136-138. Disponível em http://hdl.handle.net/10198/11025. Araújo PV, Gomes CT & Almeida JD (2016). Ageratina adenophora (Spreng.) R.M.King & H.Rob. – mapa de distribuição. Flora-On: Flora de Portugal Interactiva, Sociedade Portuguesa de Botânica. http://www.flora-on.pt/#wAgeratina+adenophora. Consultado a 30 de abril de 2016. Araújo PV, Lourenço J, Carapeto A, Almeida JD, Clamote F, Freitas A, Porto M, Portela-Pereira E et al. (2016). Allium triquetrum L. – mapa de distribuição. Flora-On: Flora de Portugal Interactiva, Sociedade Portuguesa de Botânica. http://www.flora-on.pt/#wAllium+triquetrum. Consultado a 30 de abril de 2016. Aves de Portugal (n.d.–a) Bengali-vermelho Amandava amandava. Disponível em http://www.avesdeportugal.info/amaama.html. Consultado a 20 de maio de 2016. Aves de Portugal (n.d.–b) Bico-de-chumbo-de-cabeça-preta Lonchura malacca. Disponível em http://www.avesdeportugal.info/lonmal.html. Consultado a 20 de maio de 2016. Aves de Portugal (n.d.–c) Bico-de-lacre Estrilda astrild. Disponível em http://www.avesdeportugal.info/estast.html. Consultado a 21 de maio de 2016. Aves de Portugal (n.d.–d) Bispo-de-coroa-amarela Euplectes afer. Disponível em http://www.avesdeportugal.info/eupafe.html. Consultado a 21 de maio de 2016. Aves de Portugal (n.d.–e) Mainá-de-crista Acridotheres cristatellus. Disponível em http://www.avesdeportugal.info/acrcri.html. Consultado a 21 de maio de 2016. Aves de Portugal (n.d.–f) Pato-de-rabo-alçado-americano Oxyura jamaicensis. Disponível em http://www.avesdeportugal.info/oxyjam.html. Consultado a 21 de maio de 2016. Aves de Portugal (n.d.–g) Periquito-de-colar Psittacula krameri. Disponível em http://www.avesdeportugal.info/psikra.html. Consultado a 21 de maio de 2016. Aves de Portugal (n.d.–h) Tecelão-de-cabeça-preta Ploceus melanocephalus. Disponível em http://www.avesdeportugal.info/plomel.html. Consultado a 21 de maio de 2016. Aves de Portugal (n.d.–i) Periquito-monge Myiopsitta monachus. Disponível em http://www.avesdeportugal.info/myimon.html. Consultado a 21 de maio de 2016.

– 170 –


Bayer Crop Science (2006). A escoriose da videira. Disponível em http://www.bayercropscience.pt/ internet/empresa/artigo.asp?id_artigo=315&seccao=93. Publicado a 29 de março de 2006. Consultado a 15 de maio de 2016. Bayer Crop Science (2009a) Míldio da Videira. Disponível em http://www.bayercropscience.pt/ internet/problemas/problema.asp?id_problema=154. Consultado a 15 de maio de 2016. Bayer Crop Science (2009b) Oídio da Videira. Disponível em http://www.bayercropscience.pt/ internet/problemas/problema.asp?id_problema=170. Consultado a 15 de maio de 2016. Bayer Crop Science (2009c) Oídio dos Cereais. Disponível em http://www.bayercropscience.pt/ internet/problemas/problema.asp?id_problema=285. Consultado a 15 de maio de 2016. Bayer Crop Science (2009d) Oídio da Macieira. Disponível em http://www.bayercropscience.pt/ internet/ problemas/problema.asp?id_problema=207. Consultado a 15 de maio de 2016. Bayer Crop Science (2009e) Podridão cinzenta da videira. Disponível em http://www.bayercropscience.pt/internet/empresa/artigo.asp?menu=&id_artigo=535&seccao=93. Publicado a 27 de julho de 2009. Consultado a 15 de maio de 2016. Bayer Crop Science (2009f). Bichado da Fruta. Disponível em http://www.bayercropscience.pt/ internet/problemas/problema.asp?id_problema=108. Consultado a 15 de maio de 2016. Bayer Crop Science (2012a) O pedrado da macieira e da pereira. Disponível em http://www.bayercropscience.pt/internet/empresa/artigo.asp?id_artigo=677&seccao=93. Publicado a 22 de maio de 2012. Consultado a 15 de maio de 2016. Bayer Crop Science (2012b) Black-rot ou Podridão Negra. Disponível em http://www.bayercropscience.pt/internet/empresa/artigo.asp?menu=&id_artigo=673&seccao=93. Publicado a 19 de abril de 2012. Consultado a 15 de maio de 2016. Bell WJ & Adiyodi KG (1982) The American Cockroach. Nova Iorque, NY: Springer Science & Business Media. 529 pp. Boavida C (2010) Epitrix da Batateira – Epitrix similaris Gentner. Boletim técnico UIPP–BT/04, INRB, I.P. Disponível em http://www.iniav.pt/fotos/editor2/epitrix_similaris_gentner__epitrix_ da_batateira.pdf. Consultado a 1 de maio de 2016. Bock P (2013). Cradoscrupocellaria bertholletii (Audouin, 1826). In: Bock P, Gordon D (2016). World List of Bryozoa. Acedido através de: World Register of Marine Species em http://www.marinespecies.org/aphia.php?p=taxdetails&id=738973 a 14 de junho de 2016. Bock P (2015a) Virididentula dentata (Lamouroux, 1816). In: Bock P & Gordon D (2016). World List of Bryozoa. Acedido através de: World Register of Marine Species em http://www.marinespecies.org/aphia.php?p=taxdetails&id=833987 a 14 de junho de 2016. Bock P (2015) Bugulina stolonifera (Ryland, 1960). In: Bock P & Gordon D (2016). World List of Bryozoa. Acedido através de: World Register of Marine Species em http://www.marinespecies.org/aphia.php?p=taxdetails&id=834018 a 14 de junho de 2016. Brown PMJ, Adriaens T, Bathon H, Cuppen J, Goldarazena A, Hagg T, Kenis M, Klausnitzer BEM, Kovar I, Loomans AJ, Majerus MEN, Nedved O, Pedersen J. Rabitsch W, Roy HE, Ternois V, Zakharov – 171 –


I, Roy DB (2008) Harmonia axyridis in Europe: spread and distribution of a non-native coccinellid. BioControl 53: 5-22. CAB International (2011) Clavelina oblonga. Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. Disponível em http://www.cabi.org/isc/datasheet/113352. Última alteração: 26 de maio de 2011. Consultado a 30 de maio de 2016. CAB International (2015a) Trialeurodes vaporariorum (whitefly, greenhouse). Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. Disponível em http://www.cabi.org/isc/datasheet/54660. Última alteração a 15 de setembro de 2015. Consultado a 26 de maio de 2016. CAB International (2015b) Phytophthora infestans (Phytophthora blight). Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. Disponível em http://www.cabi.org/isc/datasheet/40970. Última alteração a 7 de abril de 2015. Consultado a 29 de maio de 2016. CAB International (2015c) Aphis spiraecola (Spirea aphid). Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. Disponível em http://www.cabi.org/isc/datasheet/6221. Última alteração a 24 de setembro de 2015. Consultado a 21 de junho de 2016. CAB International (2016a) Ceratitis capitata (Mediterranean fruit fly) [contribuidor: Chris Weldon]. Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. Disponível em http://www.cabi.org/isc/datasheet/12367. Última alteração a 7 de abril de 2015. Consultado a 15 de maio de 2016. CAB International (2016b) Fusarium oxysporum f.sp. lactucae. Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. Disponível em http://www.cabi.org/isc/datasheet/24654. Consultado a 15 de maio de 2016. CAB International (2016c) Ameiurus melas (black bullhead) [contribuidores: Uma Sabapathy Allen, Michael Godard]. Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. Disponível em http://www.cabi.org/isc/datasheet/94466. Consultado a 16 de maio de 2016. CAB Iinternational (2016d) Esox lucius (pike) [contribuidor: Michael J Godard]. Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. Disponível em http://www.cabi.org/isc/datasheet/83118. Consultado a 16 de maio de 2016. CAB International (2016e) Dreissena polymorpha (zebra mussel) [contribuidores: Rasa Bukontaite, Anastasija Zaiko]. Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. Disponível em http://www.cabi.org/isc/datasheet/85295. Consultado a 18 de maio de 2016. CAB International (2016f) Viteus vitifoliae (grapevine phylloxera). Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. Atualizado a 1 de abril de 2016. Disponível em http://www.cabi.org/isc/datasheet/56511. Consultado a 26 de maio de 2016. Canning-Clode J, Fofonoff P, McCann L, Carlton J, Ruiz G (2013) Marine invasions on a subtropical island: fouling studies and new records in a recent marina on Madeira Island (Eastern Atlantic Ocean). Aquatic Invasions (2013) Volume 8, Issue 3: 261–270 doi: http://dx.doi.org/10.3391/ai.2013.8.3.02. Disponível em http://www.aquaticinvasions.net/2013/ AI_2013_3_CanningClode_etal.pdf. Consultado a 13 de junho de 2016. – 172 –


Carboneras C (2015) Will the EU’s new invasive species regulation miss the chance to save billions of euros? Birdlife International. Publicado a 28 de setembro de 2015. Disponível em http://www.birdlife.org/europe-and-central-asia/news/will-eus-new-invasive-species-law-misschance-save-billions-euros. Consultado a 8 de maio de 2016. Centro de Estudos de Vetores e Doenças Infeciosas Doutor Francisco Cambournac (2016) REVIVE 2011-2015 – Culicídeos e Ixodídeos: Rede de Vigilância de Vetores. Lisboa, abril de 2016: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA, IP). ISBN (ebook): 978-989-8794-21-5. Disponível em http://repositorio.insa.pt//handle/10400.18/3781. Consultado a 26 de maio de 2016. Christenhusz M, Zhang X, Schneider H (2011). A linear sequence of extant families and genera of lycophytes and ferns. Phytotaxa 19: 7–54. Disponível em http://www.mapress.com/phytotaxa/ content/2011/f/pt00019p054.pdf. Consultado a 23 de maio de 2016. COTHN (2011a) Moniliose. Disponível em http://infoagro.cothn.pt/portal/index.php?id=1982. Atualizado a 22 de agosto de 2011. Consultado a 19 de junho de 2016. COTHN (2011b) Tripe da Califórnia. Disponível em http://infoagro.cothn.pt/portal/index.php? id=2877. Atualizado a 22 de agosto de 2011. Consultado a 19 de junho de 2016. Convention on Biological Diversity (n.d.) Quick guide to the Aichi Biodiversity Targets: 9 – Invasive alien species prevented and controlled. Disponível em https://www.cbd.int/doc/strategicplan/targets/T9-quick-guide-en.pdf. Consultado a 27 de maio de 2016. Coutinho C (2015) Psila africana dos citrinos Trioza erytreae (Del Guercio). Textos de divulgação técnica da Estação de Avisos de Entre Douro e Minho nº 01/ 2015 (II Série) (1ª edição). Disponível em http://www.drapn.mamaot.pt/drapn/conteudos/fito/Ficha_de_Divulgacao_Trioza_erytreae.pdf. Consultado a 14 de maio de 2016. Cruz M (2007) A doença do mal murcho em Portugal: análise genética, filogenética e epidemiológica de isolados de Ralstonia solanacearum. Tese de doutoramento em Biologia (Microbiologia), apresentada à Universidade de Lisboa através da Faculdade de Ciências, 2008. Disponível em http://repositorio.ul.pt/handle/10451/1524. Consultado a 25 de maio de 2016. Decreto Legislativo Regional n.º 15/2012/A da Assembleia Legislativa da Região Autónoma ds Açores. Diário da República: I Série, n.º 66 (2012). Disponível em https://dre.pt/application/file/553827. Consultado a 27 de maio de 2016. Decreto-Lei n.º 565/99, de 21 de dezembro do Ministério do Ambiente. Diário da República: I Série– A, n.º 295 (1999). Disponível em http://www.dre.pt/pdf1sdip/1999/12/295A00/91009115.PDF Decreto-Lei n.º 205/2003, de 12 de setembro do Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas. Diário da República: I Série–A, n.º 211 (2003). Disponível em https://dre.pt/application/file/505149. Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (2012) Plano de ação nacional para o controlo do fogo bacteriano. 29 pp. Disponível em http://www.drapn.mamaot.pt/drapn/conteudos/fito/Plano %20de%20a%C3%A7%C3%A3o%20fogo%20bacteriano%20-%202012%20%20final.pdf. Consultado a 12 de maio de 2016.

– 173 –


Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (2013a) Plano de ação para o controlo de Rhynchophorus ferrugineus (Olivier). 20 pp. Disponível em http://www.drapc.minagricultura.pt/base/documentos/plano_accao_r%20_ferrugineus%20_2013_dgav.pdf Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (2013b) Plano de ação nacional para o controlo da flavescência dourada da videira – Zonas de intervenção prioritária. Disponível em http://www.drapn.mamaot.pt/drapn/conteudos/fito/ZIP_%20FLAVESCENCIA%20DOURADA %2011_junho%202013.pdf. Consultado a 12 de maio de 2016. Direção-Geral e Alimentação e Veterinária (2013c) Plano de ação nacional para o controlo da Pseudomonas syringae pv. actinidiae do Kiwi (PSA). 29 pp. Disponível em http://www.drapn.mamaot.pt/ drapn/conteudos/lca/PAN-PSA%20KIWI_2013.pdf. Consultado a 13 de maio de 2016. Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (2014) Plano de ação nacional para controlo do inseto Dryocosmus kuriphilus Yasumatsu (vespa-das-galhas-do-castanheiro). 27 pp. Disponível em http://www.drapn.min-agricultura.pt/drapn/PLANO_A%C3%A7%C3%A3o-dryocosmusFinal.pdf Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (2015) Plano de ação para a vigilância e controlo da vespa-velutina em Portugal. 38 pp. Disponível em http://www.icnf.pt/portal/naturaclas/patrinatur/resource/docs/ exot/vespa/vespa-plano-acao.pdf Direção Regional de Agricultura da Beira Litoral (n.d) Doenças da oliveira. Divisão de Preteção das Culturas, DRABL. Disponível em http://www.drapc.min-agricultura.pt/base/documentos/ gafa_olho_pavao.pdf. Consultado a 19 de junho de 2016. DiTommaso JM, Kyser GB et al. (2013) Ladysthumb and pale smartweed. In Weed Control in Natural Areas in the Western United States. Weed Research and Information Center, University of California. 544 pp. Disponível em http://wric.ucdavis.edu/information/natural %20areas/wr_P/Polygonum_lapathifolium-persicaria.pdf. Consultado a 31 de maio de 2016. Duarte B, Santos D, Marques JC & Caçador I (2015) Ecophysiological constraints of two invasive plant species under a saline gradient: Halophytes versus glycophytes. Estuarine, Coastal and Shelf Science 167 (2015) 154–165. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/275349664. Consultado a 2 de maio de 2016. EFSA Panel on Plant Health (2014) Scientific Opinion on pest categorisation of Xanthomonas arboricola pv. pruni (Smith, 1903). European Food Safety Authority (EFSA), Parma, Italy. Disponível em http://www.efsa.europa.eu/sites/default/files/scientific_output/files/main_documents/3857.pdf. Consultado a 15 de maio de 2016. EPPO Global Database (2001) Fusarium oxysporum f. sp. cubense. Disponível em https://gd.eppo.int/taxon/FUSACB. Última modificação a 20 de fevereiro de 2001. Consultado a 15 de maio de 2016. EPPO Global Database (2002) Leptinotarsa decemlineata. Disponível em https://gd.eppo.int/taxon/LPTNDE. Última modificação a 29 de outubro de 2002. Consultado a 28 de abril de 2016.

– 174 –


EPPO Global Database (2007) Ralstonia solanacearum. Disponível em https://gd.eppo.int/taxon/RALSSO. Última modificação a 10 de setembro de 2007. Consultado a 25 de maio de 2016. EPPO (2012) Maize redness: A disease of maize associated with stolbur phytoplasma. Disponível em https://www.eppo.int/QUARANTINE/Alert_List/bacteria/Maize_redness.htm. Consultado a 17 de junho de 2016. European Centre for Disease Prevention and Control (n.d.) Aedes albopictus. Disponível em http://ecdc.europa.eu/en/healthtopics/vectors/mosquitoes/Pages/aedes-albopictus.aspx. Consultado a 27 de maio de 2016. Felgueiras M, Dias A, Chicau G, Berbegal M, León M & Armengol J (2010) First Report of Fusarium Wilt Caused by Fusarium oxysporum f. sp. basilici on Ocimum minimum in Portugal. doi:10.1094/PDIS-94-9-1170A. Disponível em http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/ 18441. Consultado a 15 de maio de 2016. Fernandes MM (2012). Acácias e geografia histórica: rotas de um percurso global (parte 1). Cadernos do Curso de Doutoramento em Geografia, Faculdade de Letras da Universidade do Porto. 18 pp. Disponível em http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/9960.pdf. Consultado a 14 de maio de 2016. Ferreira MA & Sousa SE (2011) Hosts and distribution of the spider mite Tetranychus evansi (Acari: Tetranychidae) in Portugal. Acta Hortic. 917, 133-136. DOI: 10.17660/ActaHortic.2011.917.16 http://dx.doi.org/10.17660/ActaHortic.2011.917.16. Consultado a 18 de junho de 2016. Gao RR, Zhang WP, Wu HT, Zhang RM, Zhou HX, Pan HP, Zhang YJ, Brown J, Chu D (2014) Population Structure of the Greenhouse Whitefly, Trialeurodes vaporariorum (Westwood), an Invasive Species from the Americas, 60 Years after Invading China. Int. J. Mol. Sci. 2014, 15, 13388– 13402; doi:10.3390/ijms150813388. Disponível em www.mdpi.com/1422-0067/15/8/13514/pdf. Cosultado a 26 de maio de 2016. GBIF (2016) Chromis melanopleura (Duméril, 1861). GBIF Secretariat: GBIF Backbone Taxonomy. doi:10.15468/39omei. Disponível em http://www.gbif.org/species/6739830. Consultado a 17 de maio de 2016. Global Invasive Species Database (2016a) Species profile: Acacia farnesiana. Disponível em http://www.iucngisd.org/gisd/species.php?sc=49. Consultado a 14 de maio de 2016. Global Invasive Species Database (2016b) Species profile: Tilapia zillii. Disponível em http://www.iucngisd.org/gisd/species.php?sc=1364. Consultado a 17 de maio de 2016. Global Invasive Species Database (2016c) Species profile: Pheidole megacephala. Disponível em http://www.iucngisd.org/gisd/species.php?sc=132. Consultado a 31 de maio de 2016. Gofas S (2004) Crepidula fornicata. In: MolluscaBase (2016). Acedido através do World Register of Marine Species em http://www.marinespecies.org/aphia.php?p=taxdetails&id=138963, a 21 de maio de 2016. Gouveia ME, Coelho V & Bento A (1998) O “olho de pavão” (Spilocaea oleagina) na região de Mirandela: Distribuição, incidência, severidade e densidade de inóculo. In Revista de Ciências – 175 –


Agrárias, vol. XXI, n.os 1–2–3–4, Jan–Dez 1998. Lisboa: Sociedade de Ciências Agrárias de Portugal. Disponível em https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/5957/3/Rev%20Ci%c3%aancias%20Agr %c3%a1rias.pdf. Consultado a 17 de junho de 2016. Guerner Moreira JF & Coutinho C (2012) A traça da batata (Phthorimaea operculella (Zeller)). Textos de divulgação técnica da Estação de Avisos de Entre Douro e Minho nº 6/ 2012 (II Série) Maio (Reedição revista). Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, DRAP-Norte, Divisão de Protecção e Controlo Fitossanitário, Estação de Avisos de Entre Douro e Minho. Disponível em http://geo.drapn.minagricultura.pt/agri/archivos/publicaciones/1357656968_DIVULGA%C3%87%C3%83O_A%20Tra %C3%A7a%20da%20batata_edi%C3%A7%C3%A3o_2012.pdf. Consultado a 22 de junho de 2016. Heitor J (2008) Os sintomas dos nemátodes. Ficha técnica 7. DRAP Norte (março de 2008). 4 pp. Disponível em http://www.drapn.min-agricultura.pt/drapn/conteudos/ft2010/ ficha_tecnica_07_2008.pdf. Consultado a 24 de maio de 2016. Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P. (2015). 5º relatório nacional à Convenção sobre a Diversidade Biológica. Agosto 2015. Disponivel em https://www.cbd.int/doc/world/pt/pt-nr-05-pt.pdf. Consultado a 27 de maio de 2016. Jardim Botânico da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (n.d–a) Oxalis debilis. In Flora Digital de Portugal. Disponível em http://jb.utad.pt/especie/oxalis_debilis. Consultado a 2 de maio de 2016. Jardim Botânico da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (n.d–b) Polygonum aviculare. In Flora Digital de Portugal. Disponível em http://jb.utad.pt/especie/Polygonum_aviculare. Consultado a 31 de maio de 2016. Jardim Botânico da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (n.d–c) Polygonum persicaria. In Flora Digital de Portugal. Disponível em http://jb.utad.pt/especie/polygonum_persicaria. Consultado a 31 de maio de 2016. Laurentino T (2012) Influência do Ranavirus na estrutura etária de Tritões de Boscai. Relatório de projeto no âmbito do Programa de Bolsas Universidade de Lisboa/Fundação Amadeu Dias (2011/2012). Universidade de Lisboa. Faculdade de Ciências. Disponível em http://hdl.handle.net/10451/8229. Consultado a 12 de maio de 2016. Lopes L & Pinho R (n.d.) Mini guia de campo: Flora invasora. Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro e Projeto BRIGHT, Fundação Mata do Buçaco. Disponível em http://www.fmb.pt/bright/images/pdf/Versoes_Digitais/invasoras_miniguias.pdf. Consultado a 27 de maio de 2016. Mao J, Wang J, Chinchar GD & Chinchar VG (1999) Molecular characterization of a ranavirus isolated from largemouth bass Micropterus salmoides. Diseases of Aquatic Organisms 37(2):107-114. Disponível em http://www.int-res.com/articles/dao/37/d037p107.pdf. Consultado a 12 de maio de 2016. Marchante H, Morais M, Freitas H & Marchante E (2014) Guia prático para a identificação de plantas invasoras em Portugal. Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra. 210 pp.

– 176 –


Marques ML & Rebelo MF (n.d.) Anoplophora chinensis (Forster): Praga de quarentena potencialmente perigosa. Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte. Disponível em http://www.drapn.min-agricultura.pt/drapn/conteudos/fito/Anoplophora%20chinensis_Praga%20de %20quarentena%20potencialmente%20perigosa.pdf Martel A, Spitzen-van der Sluijs A, Blooi M, Bert W, Ducatelle R, Fisher MC, Woeltjes A, Bosman W, Chiers K, Bossuyt F & Pasmans F (2013) Batrachochytrium salamandrivorans sp. nov. causes lethal chytridiomycosis in amphibians. Proceedings of the National Academy of Sciences 110 (38): 15325– 15329. doi:10.1073/pnas.1307356110. PMC 3780879.PMID 24003137. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3780879/pdf/pnas.201307356.pdf Martínez Bautista MC (2012) Nenúfar mejicano (Nymphaea mexicana Zucc). Proyecto LIFE+ INVASEP: Lucha contra las especies invasoras en las cuencas hidrográficas de los ríos Tajo y Guadiana en la Península Ibérica. Disponível em http://www.invasep.eu/nenufar_mejicano.html. Consultado a 27 de maio de 2016. Mateus C (2011) Bemisia tabaci (Genn.). Boletim técnico UIPP–BT/08, INRB, I.P. Disponível em http://www.iniav.pt/fotos/editor2/bemisia_tabaci_genn.__mosca_branca_do_feijao_da_batata_doce_ do_tabaco_ou_do_algodao.pdf. Consultado a 25 de maio de 20216. Matias R, Catry P, Costa H, Elias G, Jara J, Moore CC & Tomé R (2007) Lista sistemática das aves de Portugal Continental. In Anuário Ornitológico 5: 74-132 (2007). Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, Lisboa. Disponível em http://www.spea.pt/fotos/editor2/lista_avesptc_anuario5.pdf. Consultado a 19 de maio de 2016. Moreira da Rocha R, Sanamyan K, Monniot C (2011) Distaplia corolla Monniot F., 1974. In: Shenkar N, Gittenberger A, Lambert G, Rius M, Moreira da Rocha R, Swalla BJ, Turon X (2016) Ascidiacea World Database. Acedido através de World Register of Marine Species em http://www.marinespecies.org/ aphia.php?p=taxdetails&id=103606. Consultado a 30 de maio de 2016. Morton B (1996) The aquatic nuisance species problem: a global perspective and review. In: Zebra Mussels and other Aquatic Nuisance Species [ed. by D’Itri, F.]. Michigan, USA: Ann Arbor Press, 1-69. Nagel KO (1989). Ein weiterer Fundort von Corbicula fluminalis (Müller, 1774) (Mollusca: Bivalvia) in Portugal. Mitt. Deuts. Malakozool. Ges.17,44–45. Disponível em https://www.researchgate.net/ publication/281748413_Ein_weiterer_Fundort_von_Corbicula_fluminalis_MULLER_1774_Mollusca_ Bivalvia_in_Portugal. Consultado a 29 de abril de 2016. Natural Resources Conservation Service PLANTS Database. USDA. Chamaecyparis lawsoniana. Consultado a 28 de abril de 2016. Disponível em http://plants.usda.gov/core/profile?symbol=CHLA Naturdata (2011) Corbicula fluminea. Disponível em http://naturdata.com/Corbicula-fluminea6322.htm. Atualizado em abril de 2011. Consultado a 29 de abril de 2016. Nemaplex (2015) Mesocriconema xenoplax. In Nemaplex. Universidade da Califórnia, Davis. Última atualização: 11 de maio de 2015. Disponível em http://plpnemweb.ucdavis.edu/Nemaplex/Taxadata/ G150s1.htm. Consultado a 25 de maio de 2016. Neto E (2009) Afídeos. Ficha de Divulgação n.º 1. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-

– 177 –


agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/Inimigos_Culturas_FD_EAA/ VINHA_FD_EAA/FD_EAA_01_2009_Afideos.pdf. Consultado a 18 de junho de 2016. Neto E (2014) Cidadela ou cigarrinha verde. Ficha de Divulgação n.º 19. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/VINHA_FD_EAA/FDT%20EAA_19_jun2014_Cigarrinha.pdf. Consultado a 18 de junho de 2016. Neto E (2015) Cochonilha do algodão. Ficha de Divulgação n.º 29. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/VINHA_FD_EAA/FDT_EAA_29_2015_CochonilhaAlgodao.pdf. Consultado a 18 de junho de 2016. Ordóñez V, Pascual M, Fernández-Tejedor M, Turon X (2016) When invasion biology meets taxonomy: Clavelina oblonga (Ascidiacea) is an old invader in the Mediterranean Sea. Biological Invasions 18(4): 1203-1215. Disponível em http://dx.doi.org/10.1007/s10530-016-1062-0. Consultado a 30 de maio de 2016. Orwin J (2015) Shrubs and small trees of the forest. In Te Ara – The Encyclopedia of New Zealand. 13 pp. Atualizado em 2 de novembro de 2015. Disponível em http://www.TeAra.govt.nz/en/shrubs-andsmall-trees-of-the-forest. Acedido em 30 de abril de 2016. Paiva D (2011) Detecção de Fusarium circinatum Nirenberg & O’Donnell em coníferas da região central de Portugal. Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, Departamento de Ciências da Vida. 64 pp. Disponível em https://estudogeral.sib.uc.pt/jspui/bitstream/10316/28053/ 1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20DPaiva%202011.pdf. Consultado a 15 de maio de 2016. Parque Natural da Madeira (n.d.–a) Ácer. Disponível em http://pnm.pt/images/documentos/fichas_especie/acer.pdf. Consultado a 28 de maio de 2016. Parque Natural da Madeira (n.d.–b) Alpista. Disponível em http://pnm.pt/images/documentos/fichas_especie/alpista.pdf. Consultado a 28 de maio de 2016. Parque Natural da Madeira (n.d.–c) Brincos-de-princesa. Disponível em http://pnm.pt/images/documentos/fichas_especie/brincos-de-princesa.pdf. Consultado a 28 de maio de 2016. Pereira F, Moreira C, Fonseca L, van Asch B, Mota M, et al. (2013) New Insights into the Phylogeny and Worldwide Dispersion of Two Closely Related Nematode Species, Bursaphelenchus xylophilus and Bursaphelenchus mucronatus. PLoS ONE 8(2): e56288. doi: 10.1371/journal.pone.0056288. Disponível em http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0056288 Pereira PS (2014) Xylella fastidiosa Wells et al., 1987. Boletim técnico SAFSV–BT/01. Abril 2014. 2 pp. Disponível em http://www.drapn.mamaot.pt/drapn/conteudos/fito/Xylella/ FICHA_TECNICA_INIAV_ Xylella_fastidiosa.pdf. Acedido a 14 de maio de 2016. Petersen-Silva R, Naves P, Godinho P, Sousa E & Pujade-Villar J (2014). Distribution, Hosts and Parasitoids of Monochamus galloprovincialis (Coleoptera: Cerambycidae) in Portugal Mainland. In

– 178 –


Silva Lusitana, 22(1): 67–82, 2014. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/pdf/slu/v22n1/ v22n1a04.pdf. Consultado a 3 de maio de 2016. Plantas invasoras em Portugal (n.d.) Mapa de avistamentos de plantas invasoras em Portugal. Disponível em https://www.google.com/fusiontables/data? docid=1Uox2xXHpWPCGYScwJJUxcLuzKCJwn97DIHSk1HY#map:id=3. Consultado a 26 de abril de 2016. Plantas invasoras em Portugal (2015) 27 de Junho de 2015 – Dia internacional da ambrósia – planta invasora altamente alergénica. Disponível em http://invasoras.pt/dia_ambrosia_2015/. Consultado a 28 de abril de 2016. Quiñonero Salgado, S. & López Soriano, J. (2014). Presencia de Corbicula fluminalis (O.F. Müller, 1774) (Bivalvia: Corbiculidae) en el bajo Ebro (Cataluña). Spira 5(3): 139-141. Disponível em http://www.molluscat.com/assets/spira_5_3_6.pdf. Consultado a 29 de abril de 2016. Ramos N (n.d.) Tuta absoluta na Região Algarve. Divisão de Sanidade Vegetal, Direcção de Serviços de Agricultura e Pescas, Direção-Geral de Agricultura e Pescas do Algarve. 54 pp. Disponível em http://www.drapc.min-agricultura.pt/base/40_anos_eab/documentos/comunicacoes/ tuta_absoluta_em_tomate_na_regiao_do_algarve.pdf. Consultado a 14 de junho de 2016. Ramos N & Soares C (2013a) Moniliose. Ficha de Divulgação n.º 6/2013. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/PRUN_FD-EAA/PRUN_FD_EAA_06Monilose.pdf. Consultado a 19 de junho de 2016. Ramos N & Soares C (2013b) Fungo do lenho. Ficha de Divulgação n.º 7/2013. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/PRUN_FD-EAA/PRUN_FD_EAA_07Doen%e7alenho.pdf. Consultado a 19 de junho de 2016. Ramos N & Soares C (2013c) Cochonilha de São José. Ficha de Divulgação n.º 8/2013. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/PRUN_FD-EAA/PRUN_FD_EAA_08CocSJos%e9.pdf. Consultado a 19 de junho de 2016. Ramos N & Soares C (2013d) Lepra. Ficha de Divulgação n.º 9/2013. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/PRUN_FD-EAA/PRUN_FD_EAA_09lepra.pdf. Consultado a 19 de junho de 2016. Ramos N & Soares C (2013e) Oídio. Ficha de Divulgação n.º 11/2013. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/PRUN_FD-EAA/PRUN_FD_EAA_11oidio.pdf. Consultado a 19 de junho de 2016. – 179 –


Ramos N & Soares C (2013f) Carocho-negro. Ficha de divulgação n.º 12/2013. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e %20servicos/Inimigos_Culturas_FD_EAA/PRUN_FD-EAA/PRUN_FD_EAA_12capnodis.pdf. Consultado a 18 de junho de 2016. Ramos N & Soares C (2013g) Crivado. Ficha de divulgação n.º 13/2013. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/PRUN_FD-EAA/PRUN_FD_EAA_13crivado.pdf. Consultado a 18 de junho de 2016. Ramos N & Soares C (2013h) A borboleta da sardinheira. Ficha de divulgação n.º 14/2013. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/ORNAM_FD_EAA/ORNAM_FD_EAA_14marsalli.pdf. Consultado a 19 de junho de 2016. Ramos N (2014) Traça verde. Ficha de Divulgação n.º 22/2014. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/OLIVAL_FD_EAA/FDT_EAA_22_2014_TracaVerde.pdf. Consultado a 19 de junho de 2016. Ramos N & Soares C (2015) Afídeo do meloeiro. Ficha de Divulgação n.º 25/2015. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/ Inimigos_Culturas_FD_EAA/HORT_FD_EAA/FDT_EAA_25_2015_Afideo_meloeiro.pdf. Consultado a 19 de junho de 2016. Ramos N (2015) Gafa. Ficha de Divulgação n.º 27/2015. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. Disponível em http://www.drapalg.minagricultura.pt/downloads/Temas%20e%20servicos/Inimigos_Culturas_FD_EAA/ OLIVAL_FD_EAA/FDT_EAA_27_2015_GAFA.PDF. Consultado a 18 de junho de 2016. Rebelo R, Moreira F, Maurício A & Sousa M (2015) Plano de erradicação de Xenopus laevis nas ribeiras do concelho de Oeiras: Relatório Ano VI (2015). cE3C/CMO/ICNF. 27 pp. Disponível em http://www.icnf.pt/portal/naturaclas/patrinatur/resource/docs/exot/xenopus/Xenopuslaevis_Relatorio-2015.pdf. Consultado a 27 de abril de 2016. Reis R (2015) Caracterização de variantes de Grapevine Fanleaf Virus (GFLV), Arabis Mosaic Virus (ARMV) e respectivos RNAS satélites presentes em castas portuguesas de Vitis vinifera. Dissertação de mestrado, Biologia Molecular e Microbiana, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade do Algarve, 2015. 93 pp. Disponivel em http://sapientia.ualg.pt/bitstream/10400.1/7894/1/TESE %20FINAL%20RR.pdf. Consultado a 24 de maio de 2016. Rhouma A, Triki MA & Msallem M (2010) First report of olive anthracnose caused by Colletotrichum gloeosporioides in Tunisia. Phytopathol. Mediterr. (2010) 49, 95–98. DOI:

– 180 –


http://dx.doi.org/10.14601/Phytopathol_Mediterr-2786. Disponível em http://www.fupress.net/index.php/pm/article/view/2786. Consultado a 19 de junho de 2016. Rosa GM, Anza I, Moreira PL, Conde J, Martins F, Fisher MC & Bosch J. (2013) Evidence of chytridmediated population declines in common midwife toad in Serra da Estrela, Portugal. Animal Conservation, 16: 306–315. doi: 10.1111/j.1469-1795.2012.00602.x Disponível em https://www.researchgate.net/publication/236970565_Evidence_of_chytridmediated_population_declines_in_common_midwife_toad_in_Serra_da_Estrela_Portugal Rose F (1989). Colour identification guide to the grasses, sedges, rushes and ferns of the British Isles and north-western Europe. London: Viking. p. 166. ISBN 978-0-67080-688-1. Roy H & Roy D (2008) Harmonia axyridis. DAISIE – Delivering Alien Invasive Species Inventories for Europe. Disponível em http://www.europe-aliens.org/pdf/Harmonia_axyridis.pdf. Consultado a 30 de abril de 2016. Sequeira M, Espírito-Santo D, Aguiar C, Capelo J & Honrado J (Coord.) (2011) Checklist da Flora de Portugal Continental, Açores e Madeira. Associação Lusitana de Fitossociologia (ALFA). 74 pp. Disponível em http://hdl.handle.net/10198/6971. Serra C, Tavares H, Cavaco M, Soares C, Fernandes JE, Ramos N & Figueiredo E (2009) Traça-dotomateiro (Tuta absoluta) – Uma nova praga em Portugal. Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural. Disponível em http://geo.drapn.min-agricultura.pt/agri/archivos/folletos/ 1430298285_Traca-do-tomateiro%20(tuta%20absoluta9%20(4).pdf. Consultado a 14 de junho de 2016. Silva M, Melo E, Veloso M (2000) Raças fisiológicas de Fusarium oxysporum f. sp. melonis existentes em Portugal. Revista de Ciências Agrárias, vol. 23, n.os 3/4 (Jul/Dez 2000), p. 29–35. ISSN 0871-018X. Lisboa: Sociedade de Ciências Agrárias de Portugal. Silva L, Ojeda Land E & Rodríguez Luengo JL (eds.) (2008) Flora e Fauna Terrestre Invasora na Macaronésia: TOP 100 nos Açores, Madeira e Canárias. 546 pp. Disponível em http://www.azoresbioportal.angra.uac.pt/files/publicacoes_TOP100_Invasores_Macaronesia.pdf. Consultado a 21 de maio de 2016. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (2010) A Laurissilva. Projeto LIFE Fura-Bardos. Disponível em http://life-furabardos.spea.pt/pt/o-projeto/a-laurissilva/. Consultado a 28 de maio de 2016. Sousa E, Boavida C & Sá C (2008) A doença da flavescência dourada. Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural. Disponível em http://www.drapn.mamaot.pt/drapn/conteudos/fito/A %20doenca%20de%20flavescencia%20dourada%20folheto_DGADR.pdf. Consultado a 12 de maio de 2016. Sousa R, Amorim A, Froufe E, Varandas S, Teixeira A & Lopes-Lima M (2015) Conservation status of the freshwater pearl mussel Margaritifera margaritifera in Portugal. Limnologica 50 (2015) 4–10. Disponível em https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/12586/1/1.%202015%20Sousa%20el %20at%20Conservation%20LIMN.pdf Species Fungorum (2016) Venturia oleaginea. Disponível em http://www.speciesfungorum.org/ Names/GSDSpecies.asp?RecordID=815112. Acedido a 17 de junho de 2016.

– 181 –


Svensson L, Mullarney K & Zetterström D (2012) Guia de campo das aves de Portugal e da Europa. 2.ª edição. Assírio & Alvim, Lisboa. 448 pp. The Plant List (2013). Version 1.1. Conyza ivifolia (L.) Less. Disponível em http://www.theplantlist.org/tpl1.1/record/gcc-138478. Acedido a 14 de maio de 2016. Vieira V, Borges PAV, Karsholt O & Wunderlich J (2003) The Arthropoda fauna of Corvo island (Azores): new records and updated list of species. «Vieraea», 31:1–6. ISSN 0210-945X. Universidad de La Laguna, San Cristóbal de La Laguna, Santa Cruz de Tenerife. Disponível em http://hdl.handle.net/10400.3/1864. Consultado a 22 de junho de 2016. Weldon C, du Preez LH, Hyatt AD, Muller R & Spears R (2004). Origin of the amphibian chytrid fungus. Emerging Infect. Dis. 10 (12): 2100–5. doi:10.3201/eid1012.030804. PMID 15663845. 6 pp. Disponível em http://wwwnc.cdc.gov/eid/article/10/12/pdfs/03-0804.pdf Wild A (2008). How to Identify the Argentine Ant, Linepithema humile. Myrmecos Blog (13 abril 2008). Disponível em http://www.myrmecos.net/2008/04/13/how-to-identify-the-argentine-antlinepithema-humile/. Consultado a 22 de maio de 2016. Zhang Z (2013). Animal biodiversity: An update of classification and diversity in 2013. In: Zhang, Z.Q. (Ed.) Animal Biodiversity: An Outline of Higher-level Classification and Survey of Taxonomic Richness (Addenda 2013). Zootaxa 3703 (1): 5–11. Disponível em http://dx.doi.org/10.11646/zootaxa.3703.1.3. Consultado a 25 de maio de 2016. Zina V (2008) Formigas (Hymenoptera, Formicidae) associadas a pomares de citrinos na região do Algarve. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Agronómica. Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa. 66 pp. Disponível em http://www.repository.utl.pt/bitstream/10400.5/541/1/Tese%20Final%20Mestrado%20-%20Vera %20Zina.pdf. Consultado a 22 maio de 2016. Zuloaga FO, Morrone O, Belgrano MJ, Marticorena C & Marchesi E (eds.) (2008) Catálogo de las plantas vasculares del Cono Sur. Monographs in Systematic Botany from the Missouri Botanical Garden 107(1–3): i–xcvi, 1–3348. Citado em Wikipedia contributors. “Gamochaeta simplicicaulis.” Wikipedia, The Free Encyclopedia. Wikipedia, The Free Encyclopedia, 8 Nov. 2015. Web. Disponível em https://en.wikipedia.org/wiki/Gamochaeta_simplicicaulis. Consultado a 1 de maio de 2016.

– 182 –

Reis, J (2016) Lista de alguns taxa invasores e de risco para Portugal: 1.ª versão  

O autor criou esta lista – naturalmente incompleta – para colmatar a falta de uma lista única que congregasse todas as espécies invasoras ou...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you