Issuu on Google+

O Câncer pode ser uma Simbiogénese entre um líquen e uma bactéria? A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

Pierre Basmanji Ó 2016


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

Sumário 1 - Introdução

5

2 - Simbioses entre a física quântica e a biologia

11

3 - Os diferentes tipos de câncer

15

4 - O que é o câncer?

17

4.1 - De onde vem a palavra câncer?

17

4.2 - O Que causa o câncer?

18

4.3 - Como entender bioquimicamente a neoplasia e a sua proliferação?

19

4.4 - O câncer é um fenómeno reversível?

20

4.5 - Podemos reverter o câncer?

20

4.6 - Porque o câncer tem carga negativa?

21

4.6.1 - Qual é a evidência?

21

5 - Risco de o uso de nano-partículas de prata, metais tóxicos, aditivos alimentares e agrotóxicos sobre os seres humanos. 5.1 - Toxicidade da prata e seus efeitos na saúde.

32 33

5.2 - Nano-prata é tóxico? Quais são os mecanismos de toxicidade? Em que condições ocorrem os mecanismos?

35

5.3 - Toxicidade Trato Respiratório

39

5.4 - Toxicidade Dérmica

39

5.5 - Toxicidade no Rim

40

5.6 - Conclusões sobre toxicidade de nano-prata

41

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

2


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência 6 - O inflamatório e imunológico pode inibir o desenvolvimento do câncer?

43

6.1 - A inflamação pode causar câncer ou o câncer pode causar inflamação?

44

7 - Qual a relação entre mitocôndrias (organela) e centrais elétricas?

49

8 - Câncer e a Física

53

8.1 - Como a Física pode ajudar? O que sabemos sobre íons positivos e negativos?

54

8.2 - Potencial da célula

55

8.2.1 - Como funciona o mecanismo

56

8.3 - Bloqueio de Coulomb (Coulomb blockage)

57

9 - O que são esses radicais livres?

59

10 - Telômeros

63

10.1 - O que são telômeros

63

10.2 - Porque os cromossomas têm telômeros?

64

10.3 - O papel dos telômeros no câncer

66

11 - Câncer pode ser um estado simbiótica entre bactéria e fungos (líquen)

67

11.1 - Líquen

69

11.2 - Mitocôndrias/plastos

70

12 - Fontes naturais que auxiliam no tratamento do câncer

72

12.1 - Nanolux Adaptogens

72

12.2 - Nanolux Porque Te Quero?

75

13 - Tratamento de Feridas Oncológicas

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

77

3


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência 13.1 - O que é ferida tumoral?

80

13.2 - Consequências

81

13.3 - Classificação quanto ao aspecto

82

14 - Curativos de Biotecnologia do Futuro

84

14.1 - O que é nano?

86

14.2 - Objetivo da Nanotecnologia

86

15 - O que é a Nanoskin®

88

15.1 - Como funciona a Nanoskin®?

88

15.2 - Nanoskin® - Principais características

89

15.3 - Vantagens no uso de Nanoskin®

89

15.4 - Indicação de uso

90

15.5 - Porque Nanoskin é diferente?

91

16 - Referências Bibliográficas 17 - Lista de Publicações do autor

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

94 105

4


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

O Câncer pode ser uma Simbiogénese entre um líquen e uma bactéria? A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Pierre Basmaji 1 - Introdução

Simbiogénese uma nova forma de olhar a evolução. Simbiogénese, definindo-o como a origem de organismos pela combinação ou associação de dois ou mais seres que entram em simbiose. A simbiogénese deve ser entendida como um mecanismo evolutivo e a simbiose o veículo através do qual esse mecanismo ocorre. Neste âmbito, A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

5


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência a seleção natural deve atuar em organismos com diferentes adaptações simbióticas e não apenas em organismos que apresentam mutações. Sempre pensei como se explica que os anfíbios regenerem os seus membros após sofrerem um dano. Se uma salamandra ou tritão perder um membro, pode pura e simplesmente deixar crescer um novo. Este processo é complicado – as células têm de se multiplicar, tomar a forma de todos os tipos de células presentes num membro desenvolvido (tal como pele, músculo, osso, vaso sanguíneo e nervo) e migrar para o lugar certo. Será que é vida é uma bactéria? Em ser humano? O nosso corpo não consegue sintetizar as vitaminas se não houvesse bactérias em nosso intestino. A vida é feita de átomos e os átomos se comportam de forma quântica. 1. O corpo humano é feito do quê? Nove sistemas compõem o corpo humano, incluindo circulatório, digestivo, endócrino, muscular, nervoso, reprodutivo, respiratório, esquelético e urinário. 2. Do que são feitos? Tecidos e órgãos. 3. Os tecidos e órgãos são feitos do quê? Células. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

6


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

4. E as células são feitas do quê? Moléculas. 5. E as moléculas são feitas do quê? Átomos. 6. E os átomos são feitas do quê? Partículas subatômicas. 7. E as partículas subatômicas são feitas do quê? Energia! 8. Nós somos pura energia! Esta energia que está em constante mudança sob a superfície e nós controlando tudo com nossa mente poderosa. 9. Sob microscópio eletrônico como nós nos vemos? Nós somos compostos de um conjunto de constante mudança de energia na forma de elétrons, nêutrons e fótons. Assim podemos dizer que a vida é a transmutação da energia e da matéria. Os elementos da vida são carbono, oxigênio, hidrogênio, nitrogênio, enxofre e fósforo e alguns outros, devem ser reciclados. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

7


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência O oxigênio que respiramos entra no cérebro por nossa corrente sanguínea e é incessantemente metabolizado pelas mitocôndrias que sabemos terem sido bactérias que respiravam. Onde havia vida, havia fluxo de água. Mais de 80 por cento do citoplasma é composto de água. E 90% das células do corpo humano não são células humanas. Na realidade, os cerca de 100 trilhões de células são em sua maioria de origem bacteriana. O ser humano não poderia sintetizar as vitaminas se não houvesse bactérias em nosso intestino. À noite quando dormimos a quantidade de micróbios, fungos e leveduras são digeridos por tipos de bactérias que geram energia sem oxigênio e na corrente sanguínea podem colonizar uma célula reduzindo o nível de oxigênio, consequentemente as células não morrem mas mudam seu modo de produzir energia à base de oxigênio. Então podemos definir que as células de câncer são células que não usam oxigênio para gerar energia. As vacas e cupins não seriam os mesmos sem os fermentadores natatórios que habitam seu sistema digestivo, protistas e bactérias que decompõem o capim e a madeira. Algumas algas que vivem no interior de platelmintos transparentes são tão boas provedoras que estes têm a boca atrofiada; os platelmintos verdes de boca fechada, em vez de procurar alimento e as algas endosimbióticas (se originou a partir de uma célula procarionte primitiva, que perdeu sua parede celular, o que lhe permitiu aumentar em tamanho, esta célula primitiva em um determinado momento, incluiria (fagocitose) para outros procariotas mais estruturas A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

8


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência primitivas pequenas que têm de metabolizar o CO2 atmosférico; e outros, capazes de absorver a luz solar e iniciar o processo fotossintético estabelecendo assim uma relação conhecida como endossimbiótica de urcariota) até reciclam a excreção de ácido úrico desses vermes transformando-o em alimento. Os seres humanos são colônias integradas de seres ameboides, assim como seres ameboides, os protoctistas são colônias integradas de bactérias. Estas bactérias do corpo vivem em paz dentro de nós, em "simbiose". No entanto, quando o sistema imunitário está enfraquecido e / ou quando o tecido for danificado, estas bactérias proliferam e causam inflamação celular. A inflamação é um precursor para o desenvolvimento de câncer; e o câncer mata um terço da população do mundo. Nosso corpo contém muitos tipos diferentes de células, cada um especializado numa tarefa específica. As células vermelhas do sangue (glóbulos vermelhos) transportam o oxigénio necessário à vida para todas as partes do corpo, as células brancas do sangue (glóbulos brancos) matam os agentes infecciosos invasores, as células do intestino lançam produtos químicos que desagregam os alimentos de modo que os nutrientes possam ser absorvidos, as células nervosas emitem mensagens químicas e elétricas que permitem o pensamento e o movimento e as células do coração bombeiam constantemente sangue tornando possível a vida propriamente dita.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

9


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

2 - Simbioses entre a Física Quântica e a Biologia

Se você tem gripe você toma antigripal? E se você tem câncer porque não pode tomar capsula anticâncer? Por isso acredito que o “Desenvolvimento de estruturas, dispositivos e sistemas que carregam uma capacidade de revolucionar a medicina “ A Nanobiotecnologia (Nano-terapia) oferece grandes oportunidades para melhorar os cuidados de feridas. As zero dimensões tipo pontos quânticos prometem um avanço, não só na biologia celular mas num conjunto de outras áreas. Um dia, esta tecnologia poderá permitir aos médicos analisar rapidamente milhares de genes e proteínas dos doentes de câncer e adequar o tratamento ao perfil molecular de cada doente. Estes pontos brilhantes poderão contribuir para melhoramentos A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

10


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência na velocidade, rigor e custos de testes de diagnóstico de tudo desde testes para infecção com VIH até alergias. Além disso, uma vez combinados com medicamentos, os pontos quânticos podem dirigir a dose certa de uma substância química diretamente para um determinado tipo de célula. As células são os atores principais de todas as coisas vivas, e claro, também no nosso corpo detêm os principais papéis. Viajam no sangue, formam com outras células órgãos e tecidos, ajudam a ajustarmo-nos às variações ambientais e tantas outras tarefas importantes. Longe de serem estruturas estáticas, as células estão constantemente a trabalhar, a mudar, a enviar ou a responder a estímulos químicos, até a corrigir os seus próprios erros sempre que possível – tudo para manter o nosso corpo saudável e em forma. A energia dos alimentos que comemos é convertida pelas mitocôndrias em ATP. As células usam o ATP para promover reações químicas. Por exemplo, as células musculares convertem a energia do ATP em trabalho físico, permitindo levantar pesos, correr, ou simplesmente mover os globos oculares para um lado e para o outro. O RNA além de servir para fazer proteínas ele serve como intermediário entre a síntese de proteínas e os genes. À medida que as células adquirem e transformam aquilo que precisam, como nutrientes, RNA, proteínas e energia, é evidente que algo terá que acontecer no que toca à gestão do espaço. As células usam o sistema de destruição baseado na ubiquitina para muito mais do que simplesmente descartar proteínas indesejadas. Parece que as células A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

11


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência refinam

muitos

processos

cruciais

recorrendo

ao

sistema

ubiquitina-

proteassoma. Um exemplo é o ciclo celular, uma sequência de fases recorrente que a célula sofre e que culmina na divisão celular. Enzimas específicas controlam a entrada da célula em cada uma das fases do ciclo. Como as células em desenvolvimento se transformam nos diferentes tipos de células do nosso corpo? Exemplo: As células do fígado não se assemelham nada às células nervosas. As células dos músculos têm poucas parecenças físicas com as células brancas do sangue. Por exemplo, o gene da globina, que é um componente da hemoglobina, está fortemente ativo em células que se diferenciam em células vermelhas do sangue e desligado nos outros tipos celulares. Então como explica que os anfíbios regeneram os seus membros após sofrerem um dano. Se uma salamandra ou tritão perder um membro, pode pura e simplesmente deixar crescer um novo. Este processo é complicado – as células têm de se multiplicar, tomar a forma de todos os tipos de células presentes num membro desenvolvido (tal como pele, músculo, osso, vaso sanguíneo e nervo) e migrar para o lugar certo.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

12


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência A pesquisa dos genes nos anfíbios, pode levar-nos mais perto de uma potencial promoção da regeneração em humanos.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

13


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

3 - Os Diferentes Tipos de Câncer

Os tipos de câncer podem ser agrupados em categorias mais amplas. As principais categorias de câncer incluem: Carcinoma - Câncer que começa na pele ou nos tecidos que revestem ou cobrem os órgãos internos. Existe um número de subtipos de carcinoma, incluindo adenocarcinoma, carcinoma de células basais, carcinoma de células escamosas e carcinoma de células de transição.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

14


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Sarcoma - Câncer que começa no osso, cartilagem, gordura, músculo, vasos sanguíneos ou outro tecido conjuntivo ou de suporte. Leucemia - Câncer que começa no tecido produtor de sangue, como a medula óssea e provoca um grande número de células anormais do sangue produzidas e entrando no sangue. Linfoma e Mieloma - Cânceres que começam nas células do sistema imunológico. Cânceres do Sistema Nervoso Central - Cânceres que começam nos tecidos do cérebro e da medula espinhal.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

15


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

4 - O que é o câncer?

O câncer começa quando células em uma parte de corpo começam a crescer fora de control. Ou seja, o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo. Existem diversos tipos de câncer de pele porque a pele é formada de mais de um tipo de célula. Se o câncer tem início em tecidos epiteliais como pele ou mucosas ele é denominado carcinoma. Se começa em tecidos conjuntivos como osso, músculo ou cartilagem é chamado de sarcoma.

4.1 - De onde vem a palavra câncer A origem da palavra câncer é do médico grego Hipócrates (460-370 AC). Hipócrates usou os termos carcinos e carcinoma para descrever tumores em úlcera. Em grego, essas palavras se referem a um caranguejo, por serem semelhantes à forma das pernas de caranguejo. Mais tarde o termo grego

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

16


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência traduzido para o câncer, pelo médico Celsus (28-50 AC). Outro médico romano Galeno, usou a palavra oncos, que em grego quer dizer inchaço, para descrever os tumores. Este termo é agora utilizado por especialistas em câncer – oncologistas.

4.2 - O Que causa o câncer? As causas de câncer podem ser classificadas em duas categorias: 1 - Causas externas ao organismo: relacionam-se ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural. 2 - Causas internas ao organismo: são geneticamente pré-determinadas, estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas. De fato, o ambiente tem uma influência cada vez maior na forma com que os genes se expressam dentro do corpo, mas mesmo que a membrana celular seja o cérebro das células, ela só vai poder modelar a forma com que os genes são expressos a partir de sua intensidade ou frequência de atuação. Não adianta haver membranas e células recebendo estímulos ambientais caso não haja informação para ser modificada, portanto os genes são quem ditam as regras do jogo.

4.3 - Como entender bioquimicamente a neoplasia e a sua proliferação?

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

17


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência As alterações que geram as neoplasias podem ocorrer em genes especiais denominados protooncogenes, que a princípio são inativos em células normais. Quando

ativados,

os

protooncogenes

transformam-se

em

oncogenes,

responsáveis pela malignização (transformação) das células normais. Estas células diferentes são, então, denominadas cancerosas, ou melhor tumorais. Com a constante multiplicação celular, há a necessidade de que novos vasos sanguíneos sejam formados para que haja a nutrição destas células, em um processo denominado angiogênese. A manutenção e o acúmulo de massa dessas células formam os tumores malignos e elas também podem adquirir a capacidade de se desprenderem do tumor e de migrarem, invadindo inicialmente os tecidos vizinhos, podendo chegar ao interior de um vaso sanguíneo ou linfático e, através destes, disseminarem-se, chegando a órgãos distantes do local onde o tumor se iniciou, formando as metástases. Conforme as células cancerosas vão substituindo as normais, os tecidos invadidos vão perdendo suas funções; assim por exemplo, a invasão neoplásica dos pulmões gera alterações respiratórias; com isto há a disfunção orgânica que pode levar à falência do órgão ou, em casos mais graves, leva à morte do paciente.

4.4 - O câncer é um fenómeno reversível? O câncer representa um crescimento anormal e comportamento de replicação da célula em resposta a mudanças no seu microambiente eletromagnético e bioquímica e que tal comportamento de crescimento anormal é reversível se os A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

18


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência fatores micro-ambientais que causaram para a tornar errante são removidos. Os tratamentos anticâncer com nanotecnologia fariam com que a droga para a doença ficasse dentro de uma partícula. Essa se ligaria a um tipo de proteína de uma célula cancerígena e, só então, libertaria a substância do medicamento como um míssil teleguiado.

4.5 - Podemos reverter o câncer? Antes de responder vamos atender e responder às perguntas abaixo: Porque o câncer tem carga negativa? Porque o DNA tem carga negativa? e a células tronco tem carga? Vamos lá:

4.6 - Porque o câncer tem carga negativa? Por que as células cancerígenas desenvolvem uma forte carga negativa? Evidentemente, isso pode acontecer de duas maneiras: 1)

membranas

celulares

de

câncer

acumulam

elétrons

carregados

negativamente em resposta a mudanças no seu ambiente; e,

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

19


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência 2) Eles fazem isso em resposta a mudanças metabólicas que ocorrem dentro delas, como o metabolismo anaeróbico acelerada que aumenta o estresse acidótico e produção excessiva de peróxido de hidrogênio. • Cada célula tem o mecanismo bioquímico para a comportar como uma célula cancerosa. • Cada célula cancerosa tem a capacidade para "normalizar" o seu comportamento. 4.6.1-Qual é a evidência? A célula cancerosa é uma célula saudável aeróbico (aeróbico é aquele que se refere ao uso de oxigênio no processo de geração de energia)) antes que se torne uma célula predominantemente anaeróbio – (ou ausência de ar - oxigénio - O2). As células cancerígenas foram encontradas para variar a partir de células normais em vários aspectos, incluindo a composição da sua membrana celular. Tem-se verificado nas membranas de células do câncer que contêm lipídios aniônicos mais do que as células normais, levando a uma superfície de célula carregada negativamente global. Esta carga de superfície negativa desenvolver uma sonda com base em daunomicina, uma droga anticâncer que é conhecido por interagir fortemente com lipídios aniônicos.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

20


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Um anião por definição é um íon com carga negativa, por terem alta eletronegatividade, tendem a atrair elétrons do metal com o qual está se ligando, então esse metal se transforma num cátion (carga positiva), pois perde elétrons e esse a metal se transforma num ânion (carga negativa), pois ganha elétrons. A molécula de água por exemplo é polar pelo fato de que há um compartilhamento desigual dos elétrons entre o átomo oxigênio e os átomos de hidrogênio. Isso se deve porque os elétrons se concentram mais sobre átomo de oxigênio, uma vez que ele é muito mais eletronegativo do que os de hidrogênio. O metano que

é

considerado

apolar

(antônimo

de

polar)

porque

o carbono compartilha os elétrons quase uniformemente com os hidrogênios, uma vez que a diferença de eletronegatividade é pouca. O câncer se desenvolve em ambiente de menor quantidade de oxigênio e esse ambiente é criado quando o pH é baixo. Quando o pH do sangue está baixo, as gorduras são aderidas às paredes das artérias causando doenças do coração. As doenças causadas pela tireóide é resultado da deficiência do mineral iodo e esse elemento só é absorvido pelo organismo quando está com o pH ideal. Por isso, na sociedade atual é freqüente encontrar pessoas com doenças da tireóide, porque atualmente são valorizados os alimentos que proporcionam ao organismo um ambiente de pH baixo.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

21


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Em resumo, estando o pH do sangue abaixo da normalidade, 7,4, o organismo está propenso a todos os tipos de doenças do coração, fadiga crônica, alergias além de doenças causadas por vírus, bactérias e fungos. Uma maneira de manter o pH saudável é evitar alimentos com pH baixo, como café (em torno de 4,0), refrigerante (em torno de 2,0), cerveja (varia de 2,5 a 4,2 dependendo da marca). Quando o corpo transforma ácido líquido em sólido, para poder sobreviver, ele provoca doenças porque a substância não é diluída em água. Assim aparecem doenças, por exemplo, colesterol, ácido gorduroso, úrico, pedras nos rins, fosfatos, etc. O colesterol são carboidratos incompletamente queimados. O ácido coagula o sangue. Esse evento ocorre porque há acumulação ácida e é essa formação que entope os vasos capilares o que provoca todos os tipos de problemas quando a circulação do sangue é cortada. Todos os órgãos se recuperam quando a circulação é ativada pelo uso contínuo da água alcalina. Só não há recuperação se o dano for permanente e definitivo. Quando o corpo está ácido o envelhecimento é certo porque a quantidade de sangue em circulação é ácida. Como o ácido entope as artérias o sistema defensivo natural do corpo começa a transformar ácido líquido em sólido e isto causa o enfarte súbito. A água ácida possui um número maior de íons de hidrogênio (H+) que de hidróxido (OH-), ao contrário, a água alcalina tem mais íons de hidróxido do que A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

22


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência de hidrogênio, sendo que possui mais átomos de oxigênio. A água alcalina é conhecida como a água rica em oxigênio, elemento fundamental para todas as reações celulares. O organismo tem que preservar a alcalinidade do sangue para poder manter-se saudável. O pH de uma pessoa saudável está na faixa de 7.1 a 7.5, portanto alcalino. A hiperacidez precede e provoca a doença. O corpo sucumbe à desordem física quando seus próprios dejetos tóxicos ácidos se acumulam até o ponto onde a resistência orgânica é vencida e o corpo torna-se susceptível às doenças degenerativas. "Todas as doenças são meramente o ponto-final de uma progressiva saturação ácida”. Sintomas

da

hiperacidez:

fadiga,

alterações

da

concentração,

dores

musculares, articulares e neurites, cálculos renais e biliares, assim como acidez digestiva. São em geral sinais de desgaste e da descompensação corporal. Muitas vezes as pessoas não entendem por que alguns tratamentos não dão resultados? A causa básica fundamental é porque há excessiva acidez corporal, gerando diminuição na resposta vital orgânica. A utilização da água photon magnética produz mudanças significativas na hiperacidez corporal, graças a sua ação alcalinizante, proporcionando também aumento na capacidade de absorção celular de água na ordem de seis vezes. O pH 6.5 é levemente ácido e o pH 4,5 é fortemente ácido. A maioria das crianças tem um pH 7,5. Mais da metade dos adultos tem um pH 6,5 ou mais baixo, refletindo o acúmulo de dejetos tóxicos ácidos, excessiva ingestão de A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

23


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência água ácida, deficiência de minerais alcalinos (cálcio), decorrentes do envelhecimento e do estilo de vida sem qualidade. Nas pessoas saudáveis, o pH do sangue é 7,4, o pH do fluido espinhal é 7,4 e o pH da saliva é 7,4. Pacientes com câncer apresentam um pH 4,5, especialmente quando em estado terminal. O câncer não sobrevive em um ambiente alcalino. As células de câncer são ácidas enquanto as células saudáveis são alcalinas. Todas as doenças degenerativas estão associadas com a hiperacidez corporal. Todas as formas de artrite estão associadas com o excesso de acidez. A hiperacidez compromete a calcificação de dentes e ossos. Os dejetos tóxicos ácidos que se compactam, convertem-se em colesterol, ácidos graxos, ácido úrico, pedras nos rins, uratos, fosfatos, sulfatos, produzindo um grande número de enfermidades. Com isso, geram obstrução no sistema circulatório, provocando circulação sanguínea deficiente, incapaz de realizar a suficiente perfusão sanguínea nos diversos órgãos. O equilíbrio ácido-básico é fundamental para a saúde. A hiperacidez é provocada principalmente pela alimentação incorreta e consumo de água ácida, estresse emocional, sobrecarga tóxica, e/ou reações imunológicas ou qualquer processo que prive as células de oxigênio e outros nutrientes. O corpo tenta compensar a hiperacidez utilizando minerais alcalinos, fazendo que haja diminuição destes minerais, gerando mais hiperacidez celular.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

24


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Pois bem, a água alcalina assume um papel fundamental na neutralização da hiperacidez, tendo ainda a vantagem sobre outros métodos naturais, pois não gera nenhum tipo de acidificação que ocorre em diversas dietas. A água ácida possui um número maior de íons de hidrogênio (H+) que de hidróxido (OH-), ao contrário, a água alcalina tem mais íons de hidróxido do que de hidrogênio, sendo que possui mais átomos de oxigênio. A água alcalina é conhecida como a água rica em oxigênio, elemento fundamental para todas as reações celulares. Os alimentos industrializados apresentam-se extremamente ácidos. Alimentos ácidos geram vícios, levando a comer em excesso e a problemas de obesidade. Alimento natural integral possui um pH balanceado. Na maioria dos casos as pessoas comem compulsivamente porque tem sede, porque suas células estão desidratadas, mas por um equívoco, a pessoa interpreta como fome e fica claro que comer não pode saciar a sede, pelo contrário, gera mais necessidade de água. Radicais livres de oxigênio são formadas em suas células, naturalmente, durante a oxidação de alimentos a água e dióxido de carbono. Os radicais livres "agarram" um elétron de uma molécula na sua vizinhança. Ele faz isso porque elétrons existem em pares. Quando se "agarra" um elétron de outra molécula, que danifica a outra molécula. Algumas das moléculas que podem ser danificados por radicais livres são gorduras, proteínas e DNA (tanto no núcleo e nas mitocôndrias).

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

25


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Se as gorduras da membrana são atacadas, então você começa a quebra da membrana celular. Se é uma membrana de células vermelhas do sangue, você começa a hemólise. Se as proteínas são atacadas, você começa a quebra das proteínas, o que pode resultar na perda da função biológica e o acúmulo de compostos "catastróficas". Se o DNA é atacado, você vai ter uma mutação que pode causar envelhecimento ou câncer. Por exemplo, a molécula de ferro em contato com ar tende a perder elétrons para o oxigênio, ou seja, perde energia e por consequência reação de oxidação O óleo quando aquecido fica escuro e a - maçã cortada fica marrom devido à oxidação, a célula passa a ter região chamada de radicais livres, livres porque ainda pode perder energia. Os antioxidantes são moléculas designadas a proteger as células contra a oxidação, Os antioxidantes (Nanolux) doam sua própria energia para reduzir os radicais livres garantindo a saúde do corpo. Se a proteção não ocorrer, ou foi feita de forma incorreta (incompleta) as células sofrerão com a oxidação perdendo suas estruturas, resumindo em estresse oxidativo (EO). O EO quando ataca os lipídios forma o ateroma (um aglomerado de gordura que interfere no fluxo livre de sangue resultando em pressão alta sobre carregando o coração. Quando EO é mais profundo, pode provocar mutação no DNA uma das causas de aparecimento de câncer. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

26


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Tratamento do câncer acidificando o pH intracelular e alcalinizando o pH intersticial. O pH intracelular de células normais gira em torno de 7.2 e das células em proliferação o pH é francamente alcalino. A maior fonte de ácidos é a respiração celular, onde a glicólise anaeróbia gera ácido lático e a fosforilação oxidativa gera CO2 que no meio aquoso forma ácido carbônico. Na célula normal o acido lático segue a via da fosforilação oxidativa mitocondrial e temos a formação de CO2 que acidifica levemente o citoplasma. A leve acidificação estrutura a água intracelular e as pontes de hidrogênio construídas permitem a função das enzimas e das macromoléculas; mantém a estrutura terciária e quaternária das proteínas e mantém em posição as hélices do RNA e do DNA. Entretanto, quando acontece um excesso de acidificação a função celular é impedida. Neste momento com a finalidade de sobreviver entram em ação as bombas de extrusão de H++, como o antiporter NHE1. Quando as células vão iniciar o processo de proliferação celular seja de uma forma fisiológica na reposição de células, seja na proliferação celular neoplásica, caracteristicamente o pH citoplasmático torna-se alcalino. Hoje sabemos que as células neoplásicas em proliferação tipicamente apresentam na intracelular alcalose metabólica com pH alcalino e no meio intersticial que a circunda, acidose metabólica com pH ácido. O pH alcalino A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

27


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência intracelular promove as condições ideais de proliferação mitótica e o pH ácido intersticial condições ideais de proliferação, invasividade tumoral e metástases ao lado de inibir as células “natural killer” e os linfócitos T citotóxicos de defesa e promover a angiogênese ativando os macrófagos. Geralmente o pH extracelular dos tumores é cerca de 0.5 unidades de pH mais ácido que o tecido não neoplásico correspondente; isto significa um aumento de 50 nanomoles de H+ no interstício tumoral. O pH ácido intersticial diminui a inibição por contato e facilita a proliferação celular ao lado de inibir as matrix metaloproteinases do interstício (MMPs) e promover a invasividade tumoral e o desgarramento das células, metástases. Quando o pH intracelular se desloca para a zona alcalina invariavelmente acontecem os seguintes eventos: • Diminuição da apoptose. • Facilitação da transformação maligna. • Aumento da proliferação celular neoplásica. • Aumento da atividade de fatores de crescimento. • Aumento da invasividade tumoral. • Aumento da migração celular: metástases. • Aumento da resistência à quimioterapia. • Aumento da resistência á radioterapia.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

28


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência A resistência dos tumores às drogas pode ser devida à sua falência em provocar a devida acidificação da célula neoplásica. De fato, drogas usadas na são incapazes de provocar apoptose quando o citoplasma não está acidificado. Conhecemos muitos relatos na literatura de regressão espontânea do câncer relacionadas com a acidificação do organismo tanto em animais como em seres humanos. Quando o organismo se contamina com metais tóxicos, aditivos alimentares, agrotóxicos, parabeno dos cosméticos, flúor do creme dental ou da água mineral do supermercado, sofrem infecções virais, etc., a fisiologia celular de um grupo de células é prejudicada. A quimioterapia e a radioterapia são fatores extras de aumento da entropia e diminuição da ordem das células neoplásicas e aquelas que não morrem saem mais fortalecidas, com os seus mecanismos de sobrevivência ainda mais aguçados. Este nicho de células sobreviventes é a razão das incontáveis falhas terapêuticas deste tipo arcaico de estratégia. Temos que retirar do organismo metais tóxicos, aditivos alimentares, agrotóxicos, cuidar do sono e colocar em bom funcionamento o sistema imunológico, digestivo e endócrino.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

29


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

5 - Risco de o uso de nano-partículas de prata, metais tóxicos, aditivos alimentares e agrotóxicos sobre os seres humanos

5.1 - Toxicidade da prata e seus efeitos na saúde Nano-materiais têm muitos benefícios potenciais para a sociedade com o seu desenvolvimento e implantação em ciência, engenharia e tecnologia. Seus benefícios, no entanto, precisam ser atendidos com qualquer custo potencial para a saúde pública e meio ambiente.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

30


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Em nanotecnologia, uma partícula nano é definida como um pequeno objeto ou partícula que se comporta como uma unidade inteira em termos de transporte e propriedades. Nanotecnologia tira vantagem do fato de que quando um material sólido se torna muito pequeno, o aumento da sua área de superfície específica, o que leva a um aumento na reatividade de superfície e efeitos quânticos relacionados. As propriedades físicas e químicas dos nano-materiais podem ser muito diferentes daqueles do mesmo material na forma de maior massa. Os nano-materiais (tais como nano-tubos e nanorods) e nano-partículas são partículas que têm pelo menos uma dimensão na gama de 1 a 100 nm. As nano-partículas são classificadas apenas com base no seu tamanho e podem ou

não

exibir

propriedades

de

tamanho

relacionadas

que

diferem

significativamente daqueles observados nos materiais a granel (ASTM, 2006; Buzea et al, 2007). Devido às propriedades da prata em nano-escala, nanoprata é hoje utilizado em um número crescente de produtos de consumo e médicos. Os nano-materiais são nano-partículas que têm propriedades físicoquímicas especiais, como resultado do seu tamanho pequeno (Buzea et ai, 2007). A prata tem sido conhecida por ser um agente antibacteriano, antifúngico e antiviral potente, mas nos recentes anos, o uso de prata como um biocida em solução, suspensão e, especialmente, na forma de nano-partículas tem experimentado um avivamento dramática. Devido às propriedades de prata no nível nano, nano-prata é atualmente utilizada em um número crescente de produtos de consumo e médica. A notavelmente forte atividade antimicrobiana é uma das principais razões para o recente aumento no desenvolvimento de produtos que contêm nano-prata. Exemplos de produtos de consumo que A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

31


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência contêm nano-prata incluem materiais de embalagem de alimentos, suplementos alimentares, têxteis, eletrônicos, eletrodomésticos, cosméticos, dispositivos médicos, desinfetantes, água e sprays de ambiente. Existe uma necessidade para o desenvolvimento de métodos para medir a concentração nano-prata, tamanho, forma, carga de superfície, a estrutura cristalina, a química da superfície e as transformações de superfície. Algumas perguntas importantes a responder:

5.2 - Nano-prata é tóxica? Quais são os mecanismos de toxicidade? Em que condições ocorrem os mecanismos? Há evidências de que a prata e em particular nano-prata, é tóxica para os organismos aquáticos e terrestres, uma variedade de células de mamíferos in vitro e pode ser prejudicial para a saúde humana. Enquanto que, sem dúvida, prata e nano-prata podem ter aplicações úteis na área médica (por exemplo, como revestimentos para dispositivos médicos, como o tratamento de feridas ou para as vítimas de queimaduras graves), a sua utilização pode precisar de ser estritamente controlados. A resistência bacteriana aos antibióticos é um problema crescente no mundo e uso indiscriminado de prata biocida em inúmeros produtos de consumo não é apenas desnecessária, mas pode aumentar ainda mais a resistência bacteriana a um nível perigoso (Mühling et al., 2009). Existem indicações preliminares de que na forma de nano-partículas, a toxicidade de prata iónica pode ser aumentada ou que as nano-partículas podem exercer a sua própria toxicidade.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

32


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Nano-prata pode dissociar-se para formar íons de prata na presença de umidade. É também possível que as nano-partículas de íons de prata partam a blindagem tais interações, entregando os íons de prata livres para as membranas dos organismos ou nas células. Nesse caso, uma acentuação dos riscos a saúde, seria esperado, além disso associada com uma massa semelhante da própria prata. Os efeitos de saúde mais comuns associados à exposição crônica a prata são um cinza permanente ou coloração azul-acinzentada da pele (argyria) e outros órgãos (ATSDR, 1990; Drake & Hazelwood 2005; White et al, 2003). Nível de exposição inferior à prata também resulta no metal a ser depositado na pele e outras partes do corpo, tais como fígado, cérebro, músculos e nos rins e pode provocar alterações nas células sanguíneas (Fung e Bowen, 1996; Venugopal & Luckey, 1978). A exposição a níveis elevados de prata no ar pode resultar em problemas respiratórios, pulmões e irritação da garganta e dores de estômago. Contato da pele com prata pode causar reações alérgicas ligeiras, incluindo erupções cutâneas, inchaço e inflamação em algumas pessoas. Mesmo que a prata não esteja geralmente disponível em concentrações altas o suficiente para constituir um risco para a saúde humana e ao meio ambiente, nano-prata tem propriedades físicas e de superfície que podem representar uma ameaça à saúde humana e ambiental (Lee et al., 2007). Devido às diferentes propriedades físico-químicas e atividades biológicas das nano-prata quando comparado com o metal normal, não pode ser excluído que o aumento da reatividade da nano-prata (devido à grande área de superfície) leva ao A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

33


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência aumento da toxicidade devida à atividade dos íons de prata livres libertados pelas nano-partículas. Algumas nano-partículas podem penetrar nos pulmões ou pele e entram os sistemas circulatório e linfático de seres humanos e animais,

atingindo

os

tecidos

e

órgãos

do

corpo

e

potencialmente

interrompendo processos celulares e causar doença. Nano-partículas de prata foram encontrados no sangue de doentes com doenças do sangue e no cólon de pacientes com câncer do cólon (Gatti, 2004. Gatti et al, 2004). A prata é conhecida por ter um efeito letal sobre bactérias, mas a mesma propriedade que torna antibacteriano pode tornálo tóxico para as células humanas. A concentração de prata que são letais para as bactérias também são letais para ambos os queratinócitos e fibroblastos (Poon & Burd, 2004). Estudos in vitro demonstraram que a nano-prata tem efeitos na reprodução, desenvolvimento e tem um efeito sobre o ADN, entre outros. Uma pesquisa recente com nano-partículas de prata de 12 nm altamente purificada em peixe zebra, mostrou o desenvolvimento precoce de embriões de peixe foi afetado (Lee et al., 2007). Nano-partículas de prata têm o potencial de causar aberrações cromossómicas e danos ao DNA e são capazes de induzir proliferação de detenção em linhas celulares de peixe-zebra (Asharani et al. 2007). Além disso, estudos de toxicidade foram realizados em espécies de mamíferos têm mostrado que as nano-partículas de prata têm a capacidade de entrar nas células e provocar danos celulares (Hussain et al, 2005. Ji et al, 2007). A toxicidade de nano-prata provoca indução de estresse oxidativo, ou disfunção celular ou uma mistura de ambos (El-Ansary & Al-Daihan, 2009. Oberdörster et al, 2005b). As nano-partículas foram encontradas a serem distribuídas para o A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

34


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência cólon, pulmões, medula óssea, fígado, baço e linfáticos após a injeção intravenosa (Hagens et ai., 2007). Distribuição no organismo humano é geralmente seguido por um afastamento rápido a partir da circulação sistémica, predominantemente pela ação do fígado e macrófagos do baço (Moghimi et ai., 2005). Gastrointestinal causa problemas. No entanto, alguns sistemas de nanopartículas podem acumular-se no fígado durante o metabolismo de primeira passagem (El-Ansary & al-Daihan, 2009;. Oberdörster et al, 2005a). Um estudo do caso foi publicado a respeito das enzimas hepáticas após o uso tópico de uma preparação nano-prata em um jovem vítima de queimadura (Trop et al., 2006). Seis dias após o tratamento o paciente desenvolveu descoloração azul- acinzentada com lábios (argyia).

5.3 - Toxicidade Trato Respiratório A exposição humana a inalação de partículas ambientais, incluindo nano-prata, pode ter efeitos adversos para a saúde (Buzea et al, 2007. Dockery, 2005; Donaldson et al, 2004. Lippmann et al, 2003; Shah, 2007; Vermylen et al. 2005). Doenças cardiovasculares e pulmonares podem resultar quando partículas inaladas interferem com a função normal dos sistemas corporais (Peters et al. 1997, 2001 e 2005).

5.4 - Toxicidade Dérmica

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

35


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Apesar de curativos à base de nano-prata e suturas cirúrgicas terem recebido aprovação para a aplicação clínica é importante fazer um bom controle de infeção da ferida, sua toxicidade cutânea que é ainda é um tema de preocupação. Apesar de laboratório e estudos clínicos confirmarem a biocompatibilidade dérmica de curativos à base de nano-prata, vários outros pesquisadores demonstraram a citotoxicidade destes materiais (Chen et al, 2006; El-Ansary & El-Daihan de 2009; Limbach et al, 2007; Muangman et al, 2006; Oberdörster et ai, 2005b; Supl et al, 2005;. Wright et ai, 2002). PáLedinek et al. (2006). Acticoat ® é um curativo que consiste numa malha de polietileno revestido com nano-prata

(tamanho

médio

de

15

nm).

um

caso

relatado

de

envenenamento de prata após o uso de Acticoat ® para o tratamento de queimaduras graves para as pernas (Trop et ai 2006. Wijnhoven et al, 2009). No dia 6 pós-lesão, o paciente desenvolveu uma coloração acinzentada na área tratada, queixou-se de estar cansado e não tinha apetite. No dia 7, os níveis de prata em urina e de sangue eram elevados (28 e 107 mg / kg, respectivamente).

5.5 - Toxicidade no Rim Kim et al. (2008) relataram diferenças de gênero no acúmulo de nano-partículas de prata em rins de ratos. Num estudo realizado por Kim et al. (2009), a distribuição do tecido das nano-partículas de prata mostrou uma acumulação dependente da dose de prata em todos os tecidos examinados, incluindo os testículos, rins, fígado, cérebro, pulmões e no A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

36


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência sangue. A diferença de gênero na acumulação de prata foi observada nos rins, com um duplo maior de concentração nos rins femininos, machos comparados após a exposição subaguda de nano-partículas de prata através de inalação ou ingestão oral. Nano-partículas de prata foram detectadas no citoplasma e núcleo das células intersticiais na medula interna do rim.

5.6 - Conclusões sobre toxicidade de nano-prata Nano-partículas

de

prata

são

usados

por

causa

da

atividade

antibacteriana de prata. Tem sido sugerido que o principal mecanismo de ação é a morte das células devido ao desacoplamento de fosforilação oxidativa (Holt & Bard, 2005) ou a indução da formação de radicais livres de (Kim et al, 2007). Interferência com a cadeia respiratória, a nível do citocromo C, e / ou com componentes do sistema de transporte de elétrons microbiano, também tem sido relatado (Muangman et ai., 2006). Interações com membrana enzimas ligadas e grupos tiol de proteínas que podem resultar na integridade da parede celular comprometida têm sido postuladas (Bragg & Rainnie, 1974; Lok et al, 2006; Prata, 2003; Wijnhoven et al, 2007. Zeiri et al, 2004). Também tem sido sugerido que os íons de prata se ligam ao DNA e podem causar quebras na cadeia de ADN e a replicação do DNA (ATSDR, 1990; Russell & Hugo, 1994). Toxicidade das nano-partículas de prata é principalmente determinada in vitro com partículas que variam em tamanho de 1-100 nm. Órgãos alvo potencial para toxicidade nano-prata pode envolver o fígado, os rins e o sistema imunitário. Acumulação e histopatológicos foram observados efeitos no fígado de ratos expostos sistemicamente a nanoA Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

37


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência partículas de prata 10-15 nm (Ji et al., 2007), enquanto um efeito sobre as enzimas do fígado foi observada em um estudo de caso humano da exposição dérmica a partículas com uma média do mesmo tamanho (Trop et ai., 2006). Mais estudo são necessárias para melhor caracterizar o risco de o uso de nanopartículas de prata sobre os seres humanos.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

38


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

6

-

O

inflamatório

e

imunológico

pode

inibir

o

desenvolvimento do câncer?

Em imunovigilância do tumor, o hospedeiro pode ter um mecanismo dedicado de perceber e eliminar as células transformadas. Reconhecimento imunitário adaptativo de antígenos associados a tumores específicos e também pode ser um meio importante através do qual o sistema imunitário controla o desenvolvimento de câncer. Promoção e progressão do tumor é dependente de processos auxiliares por células do ambiente tumoral, mas que não são necessariamente eles próprios cancerosos. Câncer resulta do crescimento de uma população clonal de células de tecido. O desenvolvimento do câncer, designado por carcinogénese, pode ser modelado e caracterizado por um número de maneiras:

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

39


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência 1. beta-D-glucanos são conhecidos pela sua capacidade de modular o sistema imunológico. Beta-D-glucanos também ajudam com os níveis de colesterol e normalizam o açúcar no sangue. 2. Ácido betulinico é capaz de quebrar o colesterol LDL na corrente sanguínea. 3. Polissacarídeos que fornecem energia, saúde cardiovascular, saúde intestinal e saúde fígado.

6.1 - A inflamação pode causar câncer ou o câncer pode causar inflamação? A inflamação de longo prazo, conduz ao desenvolvimento de displasia. Estudos epidemiológicos estimam que cerca de 15 por cento da incidência do câncer em todo o mundo está associado com a infecção microbiana Os estados inflamatórios crônicos associados à infeção e irritação pode levar a ambientes que favoreçam lesões genômicas e iniciação do tumor. Um mecanismo afetado pelo qual o anfitrião combate a infeção microbiana é a produção de radicais livres. As células têm mecanismos intrínsecos que permitem evitar a proliferação desregulada ou a acumulação de mutações de DNA. Estes incluem vias supressores de tumor que medeiam a reparação do DNA, interrupção do ciclo celular, apoptose e senescência. Em face de danos no DNA ou de ativação

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

40


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência oncogénica, células irão reparar o seu DNA e evitar mutações ou células iniciadas vai sofrer morte celular. Leucócitos infiltrantes podem promover a progressão do tumor ajudado por abrir caminho através da matriz extracelular (ECM), Tumores pré-malignos são como "feridas”. O corpo trata tumores precoces como feridas. Esta fase caracteriza-se por crescimento tumoral mediada pelas ações do estroma "controlo indireto", tal como ocorre na reparação de tecidos fisiológico. Quando o nível de oxigénio cai abaixo de 60%, o processo de respiração de tornar a energia transforma em fermentação em uma célula de câncer. As células normais se tornam cancerosas. Células normais do corpo precisam de oxigênio e são aeróbias enquanto que as células cancerosas não precisam de oxigênio e são anaeróbias. As células saudáveis metabolizam, queimam oxigênio e glicose para produzir ATP. O câncer é um híbrido é devido a uma bactéria planta (conídios) derivado de uma estirpe de fungos Ascomycete. Os fungos podem desenvolver a partir da hifa, as estruturas especializadas mais ou menos em forma de bico que permitem a penetração do hospedeiro. A forma de um fungo não é definida que é imposto pelo ambiente em que o fungo se desenvolve. Os fungos são capazes de implementar um número infinito de modificações para o seu próprio metabolismo, a fim de ultrapassar o mecanismo de defesa do hospedeiro. Estas

modificações

são

implementados

através

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

de

ações 41


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência plasmáticos e bioquímicos, bem como por um aumento volumétrico (hipertrofia) e hiperplasia numérica de que as células que foram atacadas. Na verdade o uso excessivo de antibióticos leva a infecções fúngicas. Todas as células cancerosas têm mercúrio neles. A única maior fonte de contaminação de mercúrio é de mercúrio contendo amálgama dental e os médicos ao redor do mundo ainda injetam crianças com vacinas contendo mercúrio ou hidróxido de alumínio. Desenvolvimento de células anormais que dividem incontrolavelmente e têm a capacidade de se infiltrar e destruir o tecido corporal normal. Nosso DNA é como um conjunto de instruções para as nossas células, dizendolhes como crescer e se dividir. As células normais desenvolvem frequentemente mutações no DNA, mas eles têm a capacidade de reparar a maioria destas mutações. Ou, se eles não podem fazer os reparos, as células morrem. No entanto, certas mutações não são reparadas, fazendo com que as células a crescer e tornar-se cancerosas, ou assim a história continua. As leveduras e os fungos

são,

em

termos

humanos,

células

anormais

que

dividem

incontrolavelmente e têm a capacidade de se infiltrar e destruir o tecido corporal normal. Sabemos muito pouco sobre estes terríveis invasores, mas oncologista do pensam que entendem muito sobre o câncer, embora eles não tenham curado.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

42


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Os fungos são parasitas, cuja missão é invadir uma série maior. Dada uma chance de que eles irão alterar nossas químicas do corpo para atender às suas necessidades. A propagação ou metástases de câncer é inversamente proporcional à quantidade de oxigénio e a acidez em torno das células cancerosas. O mais oxigênio, mais lento o câncer se espalha. A menos oxigénio e quanto maior for a acidez mais rápido o câncer se espalha. Se as células cancerígenas obtêm oxigênio suficiente, eles vão morrer (células cancerosas são anaeróbias). Se você privar um grupo de células de oxigênio vital (sua principal fonte de energia), alguns vão morrer, mas os outros vão conseguir alterar o seu programa de software genético e mudarem e serem capaz de viver sem oxigênio. As interações entre células cancerosas e sua micro e macro ambientes criam um contexto que promove o crescimento do tumor e protege-os de ataque do sistema imunológico. As células que estão em movimento harmonioso e trabalham juntos para criar e trabalhar em direção das condições necessárias para a saúde global. Podemonos voltar para a física e lembre-se o que acontece com um monte de relógios antigos na parede. Eles podem ser todos balançando na ampla oposição um ao outro mas voltam um pouco mais tarde e todos eles estão balançando juntos. Nossas células são assim, todos os muitos trilhões deles. Há coerência a toda a colônia de células até o que chamamos de câncer ocorre e, em seguida, a coerência começa a quebrar. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

43


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

44


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

7- Qual a relação entre mitocôndrias (organela) e centrais elétricas?

As mitocôndrias são referidas como fornos de energia do corpo, pois é aqui que os nutrientes extraídos de nossos alimentos são convertidos em energia. As mitocôndrias desempenham um papel único na fisiologia celular. Elas são responsáveis pela produção de energia, regulação da concentração de Ca2 + no citoplasma e na morte celular programada chamado apoptose. As mitocôndrias são as usinas de nossas células. Elas são tão importantes para a nossa vida como os centrais elétricas são para a civilização moderna. Se as mitocôndrias estão danificadas, elas morrem. Se as células perdem suas mitocôndrias, elas perdem a sua fonte de energia e morrem. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

45


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência No caminho para morrer chegamos ao câncer, neste cenário, porque, como as células perdem os conceitos básicos de que precisam, magnésio, bicarbonato e oxigênio, as células se adaptam à baixa produção de energia, alterando o seu metabolismo para fermentação. Enquanto isto acontece as células se tornam cancerosas e infectadas com a ampla gama de micróbios, dependendo de quão longe os seus níveis de energia e redução de oxigénio. Precisamos: 1. Combater a queda de energia dentro da mitocôndria durante o bombardeio constante de toxinas. 2. Proteger os tampões de fosfato inorgânicos e orgânicos naturais no citoplasma das células. 3. Neutralizar o ácido produzido como um resultado de processos metabólicos e hidrólise de ATP. Isto permite que mais ATP seja hidrolisado, ou mais energia para ser feito. 4. A falta de oxigênio cria um acúmulo gigante de elétrons, que impedem NAD + de ser regenerado. Isso interrompe o ciclo de Krebs e as forças de respiração anaeróbica para fornecer ATP e favorecendo a produção de ácido láctico 5. As células cancerosas podem produzir 40 vezes mais ácido láctico do que as células normais. 6. Sem um fornecimento confiável de oxigênio, as células em nosso corpo não podem funcionar corretamente.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

46


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência 7. Os capilares se inflamaram sob condições de baixo oxigênio tão altos níveis de oxigênio (oxigenoterapia anti-inflamatório) é necessário para resolver isso. 8. Usar o oxigênio para curar o câncer, aumentando a oferta de oxigênio para as células e suas mitocôndrias. 9. A principal causa do câncer é a substituição da respiração de oxigênio (oxidação de açúcar) nas células normais do corpo por fermentação do açúcar ... Em todos os casos, durante o desenvolvimento do câncer, a respiração de oxigênio sempre cai, a fermentação aparece e as células altamente diferenciadas são transformadas em fermentação anaeróbios que perderam todas as suas funções corporais . 10.

O pH do nosso corpo vai controlar a atividade de cada função

metabólica acontecendo em nosso corpo. O pH está por trás do sistema elétrico do corpo e da atividade intracelular, bem como a forma como nossos corpos utilizam as enzimas, minerais e vitaminas. 11.

O pH mais baixo (mais ambiente ácido, por exemplo, em tecidos), a

hemoglobina se ligará ao oxigénio com menos afinidade. Uma vez que o dióxido de carbono está em equilíbrio direto com a concentração de protões no sangue, aumento do teor de dióxido de carbono no sangue provoca um decréscimo no pH ácido, o que leva a um aumento da afinidade para o oxigénio pela hemoglobina.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

47


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

8 - Câncer e a Física

• Câncer tem carga negativa • Câncer anaeróbico (Não gosta de oxigênio) • Câncer produz baixa energia 2 ATP em quando célula saudável produz 32 ATP. • Câncer tem concentração baixa de K-Na bloqueando a produção de ATP. • Câncer contem excesso de sódio Na +. • De modo descontrolado devido a baixa energia.

8.1- Como a Física pode ajudar? O que sabemos sobre íons positivos e negativos?

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

48


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Ambos íons positivos e negativos ocorrem naturalmente no ar e eles também existem em nossos corpos. Estes íons entram no nosso corpo através dos pulmões (inalação), bem como através da pele, e, em seguida, eles viajam através dos sistemas sanguíneos e linfáticos para as células de todo o corpo. Íons positivos são também chamados de "radicais livres"; eles roubam elétrons de células saudáveis para neutralizar sua própria carga, causando danos celulares. Os íons positivos são altamente reativos e as células danificadas estão associados com o processo de envelhecimento degenerativo, que, em seguida, provocam o envelhecimento prematuro. Os íons negativos, por outro lado, neutralizam os radicais livres, os quais revitalizam o metabolismo das células e melhoram a função imunológica. Eles equilibram o sistema nervoso autônomo e purificam o sangue. Os íons negativos podem relaxar o corpo e a mente, promovem o sono profundo e também melhoram a recuperação de exaustão física, que faz com que a pessoa se sinta renovada e revigorada. De um modo geral, os íons positivos são prejudiciais para o corpo humano, enquanto os íons negativos são benéficos.

8.2 - Potencial da célula Potencial da célula é a diferença de tensão entre o interior e o exterior de uma célula. Para uma célula saudável, o seu potencial deve ser entre 70 mV a 90 mV. Uma vez que caiem abaixo de 70mV, os nutrientes, oxigênio e H2O não A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

49


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência podem entrar; Ao contrario, os resíduos e dióxido de carbono não podem sair; com consequência,

sódio e hidrogénio permanecem no interior da célula.

Torna-se uma célula doente. O potencial de uma célula envelhecida é de cerca de 50 mV e uma célula de câncer é de cerca de 15 mV. Então, quanto menor é o potencial da célula, o pior. Nanolux cria um campo de energia negativa de potencial para provocar a ionização e gerar uma grande quantidade de íons negativos no interior do corpo humano. Os íons negativos estimular a atividade da bomba sódio-potássio ou Na + / K + -ATPase (é uma proteína transmembranar) e para manter o potencial celular em 70-90 mV. Assim, os nutrientes, oxigênio e H2O podem entrar e os resíduos e dióxido de carbono podem sair para manter as células saudáveis. (Figura 1 Ilustra este mecanismo dos íons negativos)

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

50


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Figura.1 - Mecanismo dos íons negativos

8.2.1 - Como funciona o mecanismo? • A bomba, ligada ao ATP, liga-se a 3 íon de Na+ intracelulares. • O ATP é hidrolisado, levando à fosforilação da bomba e à libertação de ADP. • Essa fosforilação leva a uma mudança conformacional da bomba, expondo os íons de Na+ ao exterior da membrana. A forma fosforilada da bomba, por ter uma afinidade baixa aos íons de sódio, liberta-os para o exterior da célula. • À bomba ligam-se 2 íons de K+ extracelulares, levando à desfosforilação da bomba. • O ATP liga-se e a bomba reorienta-se para libertar os íons de potássio para o interior da célula: a bomba está pronta para um novo ciclo.

O bombeamento não é equitativo: para cada três íons sódio bombeados para o líquido extracelular, apenas dois íons potássio são bombeados para o líquido intracelular.

8.3 - Bloqueio de Coulomb (Coulomb blockage) Os íons de cálcio são peças fundamentais da maquinaria que faz funcionar as células. A concentração maior ou menor de cálcio dispara ou suprime uma série de processos vitais, como a ativação de genes. Dentro das células há uma mitocôndria (organela) com vários compartimentos que armazenam os íons de cálcio e é conhecida pelo nome de retículo endoplasmático. As paredes desse retículo estão repletas de proteínas, entre as quais algumas funcionam como

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

51


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência canais. São os chamados canais de cálcio, que permanecem fechados a maior parte do tempo e só se abrem, deixando o íon sair para o citoplasma, quando uma substância específica, o inositol trifosfato, se liga a eles. Passada a necessidade, os íons de cálcio são bombeados de volta ao interior do retículo. O cálcio participa das diferentes fases de multiplicação das células, o chamado ciclo celular. O bloqueio do cálcio interrompe o ciclo celular e, assim, a célula não se consegue dividir. O bloqueio do cálcio reduziu apenas a proliferação das células tumorais. Na física da matéria condensada temos situação similar no transistor a um elétron chamado bloqueio de Coulomb é a resistência aumentada em tensões de polarização pequena de um dispositivo eletrônico, constituído por, pelo menos, uma baixa de junção túnel capacitância. Uma fina barreira isolante entre dois eletrodos de condução. A origem do efeito vem de quando, já tendo um elétron dentro do ponto, um outro elétron entra, ocorrendo um acréscimo da energia eletrostática do sistema. • Os elétrons aumentam a metaestabilidade das células normais e destroem as bactérias e os vírus • Estimular o transporte do cálcio no canal da célula e restaurando o sistema imunológico. • A carga negativa dos elétrons neutraliza a carga positiva dos radicais livres. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

52


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

53


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

9 - O que são esses radicais livres?

Basicamente, um radical livre é um átomo ou molécula que tem 1 elétron "desemparelhado". A molécula de oxigênio (O2) tem dois elétrons desemparelhados. Ela é eletricamente neutra, pois tem 16 prótons e dezesseis elétrons, mas pode aceitar,

com

alguma

facilidade,

um

elétron

extra

para

satisfazer

o

emparelhamento de um dos desemparelhados. Quando ela recebe esse elétron extra, vira O2-, e passa ser um radical livre chamado "superóxido". Biologicamente, radicais livres são tóxicos. Nosso sistema imunológico fabrica radicais

livres

para

liquidar micróbios

indesejáveis. Mas, dentro

das

mitocôndrias eles são um grande problema porque gostam de roubar elétrons das grandes moléculas, as enzimas e os lipídeos, para satisfazer seus elétrons desemparelhados.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

54


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência O organismo de seres que respiram oxigênio, como nós, sabe produzir uma enzima, o superoxide dismutase (SOD), que pode neutralizar um radical livre como o superóxido. Entretanto, nem sempre essa enzima dá vencimento. Além disso, ela pode não estar presente no local onde os radicais livres são produzidos e realizam suas malvadezas. Um desses locais, exatamente o que nos interessa nesse relato, é a cadeia respiratória que reside na membrana interna das mitocôndrias. A mitocôndria não sobrevive se a taxa de radicais livres ultrapassar um certo limiar. Ela provoca a morte da célula, uma coisa chamada de apoptose. As mitocôndrias (organelas) que decidem quando a célula onde moram deve morrer. É uma morte programada que os biólogos chamam de "apoptose". Pode ser desencadeada por fatores externos como intoxicações, poluentes, fumo etc. Mas, também pode surgir por decisão interna da mitocôndria. Nesse caso, o mecanismo que ativa a apoptose é a perda do potencial elétrico na membrana onde está a cadeia respiratória. Isso provoca uma inversão no funcionamento da cadeia tentando recuperar o estado da membrana. Mas, nem sempre isso é possível. Quando não é, o defeito provoca uma avalanche de radicais livres, como é fácil de prever, pois os elétrons da cadeia perdem seus rumos. Quando essa avalanche se estabelece, começa a sequência de eventos que resulta na apoptose. Inicialmente, a mitocôndria libera uma das suas enzimas

mais

importantes,

parte

essencial

da

cadeia

respiratória,

chamada citocromo c. Essa liberação se dá porque os radicais livres oxidam os lipídeos que prendem o citocromo c à membrana. Vagando solta pela mitocôndria, essa enzima ordena que outras enzimas, chamadas de A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

55


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência "caspases", entrem em ação com a missão de matar a célula e furam a membrana externa da mitocôndria e saem para o espaço externo onde continuam suas tarefas mortais. Os radicais livres são eles que sinalizam que a mitocôndria está com defeito (liberando o citocromo c) e que está na hora de uma apoptose. Mas, como eles podem atacar inclusive o DNA mitocondrial, provocam muitas mutações, a grande maioria indesejável. A coisa é pior porque o DNA das mitocôndrias contém poucos genes é desprotegido, como o das bactérias. Quando as mutações afetam a própria cadeia respiratória, mais radicais livres são liberados e temos um ciclo vicioso. Além disso, as mutações do DNA mitocondrial começam a ficar mais prejudiciais. Os materiais genéticos contidos no núcleo de uma célula, podem ser de um organismo 1 - Unicelular: como protozoários e vários fungos e algas ou 2 - Multicelular :como insetos, plantas, répteis, mamíferos e outros, Estão armazenados em cromossomos, que são compostos essencialmente de DNA e proteínas associadas, onde guarda toda a informação genética do tecido e das células. O DNA contém informações tais com os genes, mensagens codificadas na forma de sequências de nucleotídeos. Essas informações são transmitidas um processo denominado mitose, onde uma célula-mãe divide-se originando duas células-filhas idênticas a ela. Existem estruturas do DNA nãocodificador onde estão os centrômeros e os telômeros. Os centrômeros A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

56


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência permitem a separação exata dos cromossomos duplicados durante a divisão celular que gera as células-filhas. Já os telômeros (do grego telos = fim e meros = parte), localizados nas ‘pontas’ dos cromossomos, funcionam como ponta de fosforo protetoras dessas extremidades, e na manutenção da integridade do genoma.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

57


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

10 - Telômeros

10.1 - O que são telômeros? Os telômeros são estruturas constituídas por uma sequência repetida de nucleotídeos (TTAGGG; T=timina, A=adenina, G=guanina) e por proteínas, localizadas em cada uma das extremidades de um cromossoma. Os telómeros são complexos de DNA presentes nas extremidades dos cromossomas, cuja principal função é protegê-los de quaisquer danos, garantindo-se assim a integridade do material genético que eles comportam. Os telômeros são como relógios, que regulam quantas vezes uma célula se vai dividir. Quando se tornam muito curtos, a vida da célula chega ao fim: ela não mais se divide, um estado conhecido como “envelhecimento”.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

58


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência A presença dos telômeros impede que a extremidade de um cromossoma entre em fusão com outro cromossoma. Os telômeros são encurtados a cada divisão celular até atingirem um comprimento crítico, momento no qual as células entram

em

senescência.

O

envelhecimento

celular está

estreitamente

relacionado à progressiva redução no número de repetições do DNA telomérico. O encurtamento do comprimento dos telômeros está relacionado não só com o envelhecimento normal, mas também com o estresse, infecções e doenças crônicas. Portanto, a disfunção do telômero está ligada ao desenvolvimento de doenças relacionadas com a idade, incluindo doença de Parkinson e de Alzheimer, doenças cardiovasculares. A divisão celular é necessária para que possamos crescer pele nova, sangue, ossos e outras células quando necessário.

10.2 - Por que os cromossomos têm telômeros? Sem telômeros, as extremidades dos cromossomas podem fundir e degradar o código genético da célula, fazendo com que o mau funcionamento de células, se tornem cancerosas ou que morram. Alguma coisa neutraliza encurtamento dos telômeros? Uma enzima chamada telomerase. Nutrientes antioxidantes, anti-inflamatórias influenciam e protegem o comprimento dos telômeros tais como Nanolux, niacina, vitamina B12, vitaminas A, D, C e E, assim como os minerais tais como magnésio, zinco e o ferro, que participam da manutenção da região telomérica. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

59


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência A presença da enzima telomerase em células tronco evita o encurtamento dos telômeros a cada divisão celular. Além de permitir a imortalização celular, sendo importante para estas células que devem ter um tempo de vida prolongado. Nas células cancerosas, a enzima telomerase é reativada e mantém o comprimento dos telômeros, permitindo que as células tumorais continuem a proliferar. Tratamentos contra o câncer que desativem a telomerase das células dos tumores sem afetar a multiplicação de células normais. Enquanto há telomerase, as células podem-se multiplicar sem apresentar defeitos. Quando os estoques da enzima baixam, porém, as células começam a envelhecer até que finalmente param de se dividir e morrem. A telomerase controla o tamanho dos telômeros. Existem células que envelhecem sem que o comprimento dos seus telómeros diminua que são motivos de estudos para se encontrar a cura definitiva do câncer, como as células nervosas e as células do tecido muscular cardíaco, uma vez que são tecidos que não sofrem divisão celular.

10.3 - O papel dos telômeros no câncer Como a telomerase é necessária para a imortalização da maioria das células de tumores e importante para a multiplicação de organismos unicelulares, essa enzima é considerada um bom alvo para o desenvolvimento não só de drogas contra o câncer e outras doenças, mas também de métodos não-invasivos de diagnóstico precoce do câncer.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

60


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência A inibição da telomerase, no entanto, não poderá ser usada como terapia nos 10% a 15% de tumores malignos em que a telomerase não é reativada. Essas células cancerígenas usam um mecanismo conhecido como ‘alongamento alternativo dos telômeros (ALT, na sigla em inglês), que adiciona novas sequências aos terminais cromossômicos permutando DNA entre telômeros de cromossomas diferentes. Esse processo já havia sido proposto há muitos anos,

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

61


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

11 - Câncer pode ser um estado simbiótico entre bactéria e fungos (líquen)

Simbiose é um dos principais processos responsáveis pela biodiversidade e evolução na Terra, que tem tido um papel de liderança na morfologia, fisiologia e complexificação metabólica dos organismos. As sinergias associadas à simbiose tinham e têm um papel de liderança na morfologia, reprodução, fisiologia e metabólica complexificação dos organismos. As bactérias procuramnos como fontes de manutenção auto-poética, em sua antiquíssima luta contra o equilíbrio termodinâmico. A palavra simbiose é uma palavra de origem grega que significa “viver junto”. Como em um casamento, os organismos que participam de uma associação simbiótica não vivem um sem o outro e assim, ambos colaboram para a preservação de ambas as espécies. Mas parece que, no caso dos liquens, o “casamento” entre fungos e algas ou cianobactérias pode ter um terceiro organismo envolvido: a bactéria. (Ver o trabalho da Lynn Margulis (1998) 1- “O

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

62


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Planeta Simbiótico: uma nova perspectiva da evolução” 2-Margulis, Lynn & Sagan, Dorion (1998). “O que é a vida”, 2002). A parede celular bacteriana tem uma carga negativa. Em bactérias Grampositivas a razão desta carga negativa é a presença de ácidos teicóicos ligados a outros peptidoglicano ou para a membrana plasmática subjacente. Estes ácidos teicóicos são carregados negativamente por causa da presença de fosfato na sua estrutura. As bactérias Gram-negativas têm uma cobertura exterior de fosfolípidos e lipopolissacáridos. Os lipopolissacarídeos conferem uma carga fortemente negativa à superfície de células bacterianas Gram negativas. Os fungos que formam líquens são, em sua grande maioria, ascomicetos (98%), sendo os restantes, basidiomicetos. As algas envolvidas nesta associação são as clorofíceas e cianobactérias. Os fungos desta associação recebem o nome de micobionte e a alga, fotobionte, pois é o organismo fotossintetizante da associação. Associação simbiótica é a designação dada à relação entre dois organismos, de espécies diferentes, da qual ambos tiram proveito, pode ser simplesmente designada por simbiose. Esta relação é obrigatória, sendo impossível para qualquer dos indivíduos, que a compõe, viver de forma livre após a união. Esta associação é extremamente íntima podendo mesmo existir a alteração do aspecto dos seres vivos que intervêm nela, isto é, os organismos que intervêm A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

63


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência neste tipo de relação podem possuir um aspecto morfológico e características fisiológicas completamente diferente quando em simbiose e fora dessa união. As relações podem ser entre indivíduos de vária espécies sendo bastante comum que um dos envolvidos seja um fungo ou uma alga, existem também relações em que um dos componentes é uma bactéria.

11.1 - Líquen Estes seres possuem uma longa longevidade, apesar de serem afetados pelos poluentes que são libertados no ar pelas fábricas e pelos carros, sendo muitas vezes usados para monitorização ambiental devido a essa sensibilidade à presença de poluentes. A alga (ou cianobactérias) é denominada de fotobionte, pois realiza a fotossíntese, enquanto o fungo se denomina micobionte. O exemplo mais usado para exemplificar uma associação simbiótica é o líquen. Estrutura criada pela interação entre um fungo e uma alga, permite a sobrevivência da alga, fora de água, ao mesmo tempo em que a alga fornece alimento ao fungo. A base desta estrutura (talo) é o fungo, que se encontra dividido em camadas que envolvem a alga.

11.2 - Mitocôndrias/plastos As mitocôndrias são estruturas que se encontram dentro da célula e lhe fornecem

energia.

Os

plastos

correspondem

aos

organismos,

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

como

64


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência os cloroplastos, que possuem ADN próprio, mas que funcionam em conjunto com as células hospedeiras, neste caso fornecendo cor às células. Ambas as estruturas são completamente independentes da célula a que se encontram

associada,

pois

possuem ADN

completamente

diferente

do ADN presente na célula hospedeira. No entanto, estas duas estruturas não sobrevivem de forma independente, precisando de se manter em relação com a célula hospedeira. Segundo

a

teoria

da

células eucarióticas surgiram

endossimbiose, devido

à

acredita-se

assimilação

de

que

as

bactérias

que

apresentavam vida livre e passaram a viver dentro de outra estrutura celular criando as estruturas mencionadas (mitocôndrias, cloroplastos). As células anteriormente independentes passaram a estar completamente dependentes da célula hospedeira, que lhe fornece o alimento e a proteção de um ambiente estável, enquanto a célula que se associou fornece energia necessária à realização dos processos essenciais à sobrevivência das células hospedeiras, assim como cumprem outras funções essenciais às células que habitam.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

65


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

12 - Fontes naturais que auxiliam no tratamento do câncer

12.1 - Nanolux Adaptogens Nanolux

Adaptogens

são

fibras

polissacarídeos

podem

promover

significativamente a síntese de DNA e aumentar a divisão celular, atrasando assim o envelhecimento do corpo. Estas fibras são de alta concentração de compostos flavonóides, diterpenos, triterpénicos, lignanas, fenilpropanóides prenilados e acetofenonas. Para fortalecer as nossas células de imunidade e melhorar o nosso sistema imunológico. Nanolux

Adaptogens

além

disso,

contêm

substâncias

tais

como

polysaccharide glucan e quantidade significativa de ácido glucurónico, que atua

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

66


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência fisiologicamente no corpo como um agente desintoxicante eficaz. Os βglucanas

no

Nanolux

Adaptogens

produzidos

pelo

processo

bionanotecnologico são polissacarídeos constituintes estruturais da parede celular de leveduras, fungos, que se diferenciam pelo tipo de ligação presente entre as unidades de glicose. Beta glucanos são um grupo de moléculas de açúcar fibroso, Nanolux Adaptogens serve como um realçador da imunidade. Quando ingerido, vai para o estômago, depois passa para uma regi��o especial do intestino chamado remendo de Peyer. No remendo de Peyer, células microfold (que são responsáveis por transportar organismos do estômago para células imunes) transportam o Nanolux Adaptogens para inatas células imunes chamadas fagócitos. Os fagócitos, em seguida, transportam o Nanolux Adaptogens por todo o corpo por meio do sistema linfático. Os fagócitos, em seguida, digerem a beta glucan do Nanolux Adaptogens para fazer fibras solúveis glucan que as células podem ser lançadas durante muitos dias. Essas fibras glucan vinculam a outras células imunes, ativando-as somente quando eles entram em contato com bactérias, câncer ou outras entidades estrangeiras. Uma vez que o sistema imunológico habilitado para o efeito não será ativado a menos que entre em contato com uma substância negativa, Nanolux Adaptogens é uma opção ideal para aqueles que sofrem de condições imunológica hiperativa. Nanolux Adaptogens benéfico para aqueles que sofrem da exposição de síndrome, queimaduras ou radiação colesterol alto, leishmaniose, câncer, fadiga crônica. Os neutrófilos (o tipo mais abundante de células brancas do A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

67


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência sangue no corpo) são ativados por Nanolux Adaptogens para combater células cancerígenas. Anticarcinogênicos são substâncias capazes de impedir, retardar ou reduzir o surgimento ou desenvolvimento de neoplasias. A introdução de biomoduladores combinados com quimioterapia contribuiu significativamente para a terapia antineoplásica. Dentre os compostos conhecidos como imunomoduladores, Nanolux. Os efeitos antitumorais da Nanolux são baseados principalmente, na habilidade de ativar leucócitos pelo estímulo da atividade fagocítica e produção de citocinas como o TNF-α. Qualquer substância capaz de reduzir a frequência de mutações espontâneas ou

induzidas,

independente

do

mecanismo

de

ação

é

considerada

antimutagênica.

12.2 - Nanolux porque te quero? A maior fonte de ácidos é a respiração celular, onde a glicólise anaeróbia gera ácido lático e a fosforilação oxidativa gera CO2 que no meio aquoso forma ácido carbônico.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

68


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Na célula normal o acido lático segue a via da fosforilação oxidativa mitocondrial e temos a formação de CO2 que acidifica levemente o citoplasma. A leve acidificação estrutura a água intracelular e as pontes de hidrogênio construídas permitem a função das enzimas e das macromoléculas; mantém a estrutura terciária e quaternária das proteínas e mantém em posição as hélices do RNA e do DNA. Entretanto, quando acontece um excesso de acidificação a função celular é impedida. Neste momento com a finalidade de sobreviver entram em ação as bombas de extrusão de H++, como o antiporter NHE1. Quando as células vão iniciar o processo de proliferação celular seja de uma forma fisiológica na reposição de células, seja na proliferação celular neoplásica, caracteristicamente o pH citoplasmático torna-se alcalino. O pH alcalino intracelular promove as condições ideais de proliferação mitótica e o pH ácido intersticial condições ideais de proliferação, invasividade tumoral e metástases ao lado de inibir as células “natural killer” e os linfócitos T citotóxicos de defesa e promover a angiogênese ativando os macrófagos (Crowther-2001, Vermeeulen-2004, Felippe -2008). O pH ácido intersticial diminui a inibição por contato e facilita a proliferação celular ao lado de inibir as matrix metaloproteinases do interstício (MMPs) e promovem a invasividade tumoral e o desgarramento das células, metástases. Quando o pH intracelular se desloca para a zona alcalina invariavelmente acontecem os seguintes eventos:

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

69


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência • Diminuição da apoptose • Facilitação da transformação maligna • Aumento da proliferação celular neoplásica • Aumento da atividade de fatores de crescimento • Aumento da invasividade tumoral • Aumento da migração celular: metástases • Aumento da resistência à quimioterapia • Aumento da resistência á radioterapia A resistência dos tumores às drogas pode ser devida à sua falência em provocar a devida acidificação da célula neoplásica. De fato, drogas usadas na são incapazes de provocar apoptose quando o citoplasma não está acidificado.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

70


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

13 - Tratamento de feridas oncológicas

As feridas tumorais são formadas pela infiltração das células malignas do tumor nas estruturas da pele. Ocorre quebra da integridade do tegumento, levando à formação de uma ferida evolutivamente exofítica. Isso se dá em decorrência da proliferação celular descontrolada, que é provocada pelo processo de oncogênese. As feridas oncológicas ocorrem a partir da infiltração de células malignas no tecido epitelial, afetando a sua integridade. Estas lesões acometem entre 5% a 10% dos portadores de câncer, podendo se desenvolver em estágios iniciais, como no câncer de pele, ou na fase final da doença, através de metástases. As lesões oncológicas apresentam mau prognóstico, geralmente não cicatrizam e exigem cuidados paliativos para aliviar os sintomas, diminuir complicações e melhorar a qualidade de vida através da prevenção e do alívio do sofrimento do paciente e sua família. Partindo desse pressuposto, é necessário que a equipe A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

71


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência de saúde, em especial, a enfermagem, esteja ciente dos cuidados específicos a serem prestados aos portadores de feridas tumorais, assim como dos produtos, materiais e medicamentos para o seu tratamento. Portanto, destaca-se a relevância dessa revisão de literatura pela carência de produção científica sobre o assunto, além de sua contribuição na construção de conhecimentos que forneçam elementos para melhor planejamento das ações oferecidas no serviço de atenção às pessoas com lesões tumorais, para elaboração de estratégias de qualificação profissional, melhoria da assistência através do estabelecimento de novas práticas e, consequentemente, maior satisfação dos usuários e suas famílias, mediante o atendimento às suas necessidades. As

feridas

malignas,

conhecidas

ainda

como

neoplásicas,

fungoides,

oncológicas ou tumorais ocorrem a partir da infiltração de células malignas no tecido epitelial, afetando a sua integridade. Estas lesões acometem entre 5% a 10% dos portadores de câncer, podendo se desenvolver em estágios iniciais, como no câncer de pele, ou na fase final da doença, através de metástases (DIAS, 2009; SILVA;). Entre os tipos de câncer que comumente envolvem o surgimento de feridas oncológicas estão os tumores nos rins, pulmões, ovários, cólon, pênis, bexiga, vulva, linfoma e leucemia, sendo os cânceres de pele, mama e de cabeça e pescoço os mais frequentes (DIAS, 2009; FIRMINO, 2005a; LEITE, 2007;). De modo geral, as feridas tumorais manifestam características como sangramento, exsudação intensa e presença de odor peculiar, ocasionando sofrimento físico e psicológico, baixa da autoestima, isolamento sócio-familiar, constrangimento e sensação de enojamento de si, em função das mudanças provocadas na imagem corporal e problemas na realização de atividades da vida diária (FIRMINO, 2005b; POLETTI et al., A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

72


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência 2002). Estas lesões de pele apresentam mau prognóstico, geralmente não cicatrizam e exigem cuidados paliativos para aliviar os sintomas, diminuir complicações e melhorar a qualidade de vida através da prevenção e do alívio do sofrimento do paciente e sua família (ACADEMIA NACIONAL DE CUIDADOS PALIATIVOS, 2009).

13.1 - O que é ferida tumoral? As feridas neoplásicas são formadas pela infiltração das células malignas do tumor nas estruturas da pele. Quebra da integridade da pele. • Em decorrência da proliferação celular descontrolada que o processo de oncogênese induz, ocorre a formação de uma ferida evolutivamente exofítica. As denominações mais comuns que estas feridas recebem são "feridas neoplásicas" ou "feridas tumorais“, "feridas tumorais malignas cutâneas". • "Feridas Ulcerativas Malignas" (quando estão ulceradas e formam crateras rasas), • "Feridas Fungosas Malignas" (quando são semelhantes à couve-flor) ou ainda "Feridas Neoplásicas Vegetantes". • "Feridas Fungosas Malignas Ulceradas" (união do aspecto vegetativo e partes ulceradas)

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

73


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência A formação das feridas neoplásicas ocorre por três eventos: a) Crescimento do tumor, o qual irá causar o rompimento da pele, b) Neovascularização, a qual fornece substratos para o crescimento tumoral, c) Invasão da membrana basal das células saudáveis, a qual configura o processo de crescimento expansivo da ferida sobre a superfície acometida.

13.2 - Consequências Crescimento que corre dentro da pele e das estruturas de suporte das células; • Isquemia e Necrose capilar predominante nas bordas adjacentes da ferida já constituída; • Retroalimentação pelos processos de angiogênese; Rompimento de capilares – sangramento de difícil controle (plaquetas tem função diminuída no tumor) • Erosão de vasos sanguíneos adjacentes pela proliferação de células cancerígenas – SANGRAMENTO INTENSO, óbito • Crescimento acelerado do tumor com pressão e invasão sobre estruturas e terminações nervosas – DOR; • Processo inflamatório – Liberação de Histaminas, responsáveis pelas frequentes queixas de PRURIDO ao redor da lesão;

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

74


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

• Crescimento anormal e desorganizado – agregados de massa tumoral necrótica contaminada, por microorganismos aeróbicos (Pseudomonas aeruginosa e Staphylococcus aureus) e anaeróbicos (bacteroides), que eliminam como produto final de seu metabolismo, ácidos graxos voláteis (ácido acético, capróico) e gases putrescina, cadaverina – SECREÇÃO e ODOR fétido.

13.3 - Classificação quanto ao aspecto 1. Feridas ulcerativas malignas: Quando estão ulceradas e formam crateras rasas 2. Feridas fungosas malignas: Quando são semelhantes à couve-flor 3. Feridas fungosas malignas ulceradas: União do aspecto vegetativo e partes ulceradas. Uma lesão fungosa é uma lesão da pele que funga, isto é, torna-se como um fungo na sua taxa de crescimento ou aparência. É marcado por ulcerações (pausas na pele ou superfície de um órgão) e necrose (morte dos tecidos vivos) e que, geralmente, tem um mau cheiro. Este tipo de lesão pode ocorrer em muitos tipos de câncer, incluindo o câncer da mama, melanoma e carcinoma de células escamosas e especialmente na doença avançada. O cheiro fétido característico é causada por trissulfureto dimetil. Ela geralmente não é, literalmente, uma infecção fúngica, mas sim um crescimento neoplásico com porções necrosante.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

75


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

14 - Curativos Bionanotecnologicos de futuro

As nanotecnologias podem ser aplicadas em diversas áreas. O confinamento de átomos em nano-escala modifica radicalmente as propriedades dos materiais, permitindo reestruturar ou fabricar inúmeros produtos. Na área da saúde as nanotecnologias têm como principal objetivo a construção de sistemas idênticos aos que são criados pela natureza. Os bio-materiais, compostos por estruturas moleculares em nano-escala, têm a capacidade de interagir com sistemas biológicos, desempenhando as mesmas funções de mecanismos naturais. Deste modo, estes materiais poderão ser utilizados na conformação de vários componentes biomédicos, como vasos sanguíneos, pele e órgãos artificiais, curativos inteligentes, dispositivos para visão e audição e sistemas de distribuição de medicamentos que podem ser implantados sob a pele.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

76


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência A especificidade dos diversos tipos de feridas e a constante busca por tratamentos mais adequados a cada um deles leva a que, naturalmente, esteja correntemente consolidado um vasto leque de procedimentos capazes de tratar eficazmente essas mesmas feridas. Contudo, um mais ou menos conseguido procedimento pode ser medido tendo por base um número de parâmetros relativamente reduzido: a velocidade de cicatrização da ferida, a funcionalidade a longo prazo dos tecidos afetados e a vertente estética. Assim sendo, a constante busca por novos métodos de tratamento de feridas deverá reger-se fundamentalmente pela optimização destes aspectos. De entre as diversas tecnologias que emergem e se fixam enquanto base de criação e desenvolvimento de novos produtos e soluções, a nanotecnologia será, indubitavelmente, uma das que apresentará um maior potencial de crescimento Definida genericamente como sendo a engenharia dos sistemas funcionais a uma escala molecular, a nanotecnologia baseia-se na capacidade de manipular e processar individualmente átomos e moléculas, algo que promete revolucionar a curto/médio prazo, áreas tão distintas como a indústria aeroespacial, a engenharia dos tecidos, a indústria alimentar e a medicina, entre muitas outras. O conceito de nano-medicina surge, claro está, da aplicação da nanotecnologia ao ramo da medicina. Em plena fase de crescimento exponencial em diversos sentidos, a nano-medicina terá nos mecanismos de targeted drug delivery um dos seus principais porta-estandartes, os quais permitem administrar fármacos ao organismo com uma precisão à escala celular e aumentar assim a sua biodisponibilidade. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

77


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência 14.1 - O que é nano? "Nano" é um prefixo que vem do grego antigo e significa "anão” 1 nanometro (nm) = 1 bilionésimo do metro, 10-9m

14.2 - Objetivo da Nanotecnologia: • Criar, caracterizar, produzir e aplicar estruturas, dispositivos e sistemas, controlando forma e tamanho na escala nanométrica. • Crescente capacidade da tecnologia moderna de ver e manipular átomos e moléculas. Mas, porquê? • Curiosidade científica o Benefícios esperados em desenvolvimento de novos remédios • Bionanotecnologia se refere às propriedades em escala molecular e às aplicações de nanoestruturas biológicas o Engenharia de tecidos – Motores moleculares o Biomoléculas para sensores – Drug delivery o Descoberta de novos medicamentos • Aplicações atuais e futuras o Drug delivery o Novos medicamentos

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

78


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência o Tratamento do câncer o Implantes e próteses Nanoskin ® satisfaz uma urgente demanda médica para o tratamento (e a prevenção) de complexas lesões* crónicas. Os Objetivos principais da Nanoskin são: • Melhorar a qualidade de vida do paciente • Acelerar a cicatrização das lesões crônicas • Reduzir os custos no cuidado da saúde

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

79


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

15 - O que é Nanoskin®

Nanokin é um produto patenteado, 100% filme natural biológico resultado de muitos anos de pesquisa em bionanotecnologia. Nanoskin é uma plataforma de fibra de tamanho nanométrico, com propriedades físicas e mecânicas que aceleram drasticamente a cicatrização de lesões.

15.1 - Como funciona Nanoskin®? A membrana Nanoskin ® funciona promovendo: • Isolamento dos terminais nervosos expostos, resultando em alívio imediato da dor. • O contato direto da membrana com a camada da lesão promove o desenvolvimento de uma nova pele. • Manutenção da área cruenta da lesão úmida durante o processo regenerativo, permitindo troca eficiente de oxigênio / nitrogênio dentro da área de lesões, assim prevenindo a infeção por patógenos.

15.2 - Nanoskin® Principais características A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

80


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência • 100 % natural • Biocompatíveis e não alergénicos • Nenhuma reação adversa • Nenhuma sensação de dor • Oclusão perfeita da área lesada • Não permeável aos líquidos externos e contaminantes . • Barreira antibacteriana Natural e nutrição da lesão • Redução rápida da área de lesões em 95%.

15.3 - Vantagens no uso de Nanoskin®: Facilidade de aplicação e adaptação a camada da lesão; • Proteção e aceleração do processo de cicatrização. • Ausência de reações adversas; • Diminuição da dor; • Conforto para o paciente; • Facilidade de drenagem das secreções; • Visualização e controle evolutivo da lesão; • Manutenção da umidade fisiológica entre a camada da lesão e a membrana; • Ocorrência de trocas gasosas; • Menor custo de tratamento.

15.4 - Indicação de uso A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

81


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência • Derme / queimaduras de pele ; • Dermo-abrasões; • Escoriações; • Áreas doadoras e receptoras de enxerto cutâneo; • Leitos ungueais (pós exérese ungueal); • úlceras diabéticas; • Úlceras venosas; • Úlceras arteriais; • Úlceras de pressão; • Mal perfurante plantar; •

Feridas cirúrgicas infectadas; Escaras de decúbito; Pós cauterização fisica (crioterapia, termo cauterização, com fonte de Luz, Epidermolise bolhos.

15.5 - Porque Nanoskin é diferente? 1. Nanoskin ® é feito a partir de processo biomimético nanobiotecnologico. 2. Nanoskin ® é uma película altamente hidratada feita de um conjunto aleatório de fibras em forma de fita entre 2-40 nm de largura. 3. O processo de nano bio produze ácido láctico que é uma substância potente desintoxicante, além dos ácido glucurónico (ácido glucurónico,

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

82


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência gluconuc láctico, úsnico, enzimas, vitamina B1, B2, B3, B6 e B12, vitamina C, D, e e K, biotina e ácido fólico). 4. Nanoskin são fibras naturais polissacáridos composta de proteína hemiceluloses. 5. Nanoskin aumenta a actividade das células NK (células Natural Killer), células T (células T são um tipo de linfócitos - células brancas do sangue) e células (célula B é uma espécie de linfócitos constitui o sistema imunitário). Estes ácidos graxos poliinsaturados e os ácidos graxos derivados existentes em Nanoskin ®, que activam o peroxisome proliferator activated receptor (PPARs), Este receptor aumenta os queratinócitos após a lesão da pele e tornam-se importantes reguladores da re-epitelização. Variedade de fatores, devido à Nanoskin podem ativar as vias de sinalização intracelular que, regulam as várias etapas da ferida a re-epitelização e granulação. NANOSKIN matriz extra-celular natural libera oxigénio para o tecido reagindo como um poderoso antimicrobiano, anti-inflamatória, anti-úlcera, anti-câncer e possui uma acção imunomoduladora dos compostos fenólicos de chá verde. NANOSKIN matriz extra-celular natural libera o oxigénio para os fatores de crescimento e para as citocinas que vão atrair as células inflamatórias neutrófilos e os macrófagos para a área lesionada (neutrófilos lançarão um número

de

enzimas

lisossomais

que

proteoliticamente

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

removem

os 83


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência componentes danificados da matriz extracelular), neutrófilos e macrófagos digerem bactérias, libertando fatores de crescimento, citoquinas, e proteases. Nanoskin ® é dedicado o alívio do sofrimento dos pacientes, quando as úlceras não respondem às intervenções de rotina ou exigências de tratamento excedem a tolerância dos pacientes. Nanoskin ® oferece uma solução inovadora e eficaz a um problema médico sério e social. Para promover a cicatrização rápida das lesões causadas por queimaduras, úlceras, ou qualquer outra condição em que há perda epidérmica ou dérmica. Nanoskin ® é um líder no tratamento de pacientes que sofrem de feridas crônicas. Nosso objetivo é melhorar a qualidade de vida através de um programa de tratamento multidisciplinar aliviar os sintomas associados com lesões crônica.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

84


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

16 - Referências Bibliográficas

Margulis, L. & Sagan, D. (2002). Acquiring Genomes. A Theory of the Origin of Species .New York: Basic Books. Sapp, J. (2003). Genesis. The Evolution of Biology. Oxford, New York: Oxford University Press. ASTM Standard E2456. 2006. Standard terminology relating to Nnãotechnology. ASTM International, West Conshohocken, PA, 2006, DOI: 10.1520/E2456-06. ATSDR.

Agency

for

Toxic

Substances

and

Disease

Registry.

1990.

Toxicological profile for silver. Atlanta, GA: US Department of Health and Human Services, Public Health Service, Agency for Toxic Substances and Disease Registry (TP-9024).

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

85


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Buzea, C., Pacheco, I.I., Robbie, K. Nanomaterials and nanoparticles: Sources and toxicity, Biointerphases, 2(4): MR17-MR71, 2007. Mühling, M., Bradford, A., Readman, J.W., Somerfield, P.J., Handy, R.D. An investigation into the effects of silver nanoparticles on antibiotic resistance of naturally occurring bacteria in an estuarine sediment, Marine Environ. Res., 2009, 68(5):278-283. Drake P.L., Hazelwood K.J. 2005. Exposure-related health effects of silver and silver compounds: A review. Ann. Occup. Hyg., 49:575-585. White, J.M.L., Powell, A.M., Brady, K., Russell-Jones, R. 2003. Severe generalized argryia secondary ingestion of colloidal silver protein. Clin. Experim. Dermatol., 28:354-256. Fung, M.C., Bowen, D.L. 1996. Silver products for medical indication: Risk benefit assessment. Clin. Toxicol. 34:119-126. Venugopal, B., Luckey, T.D.1978. Metal toxicity in mammals. In: Chemical toxicology of metals and metalloids, Venugopal, B., Luckey, T.D. (Eds.), New York: Academic Press. pp 32-36. Wadhera, A., Fung, M . http://dermatology.cdlib.org/111/case_reports/argyria/c11.jpg

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

86


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Lee, H.J., Yeo, S.Y., Jeong, S.H. 2003. Antibacterial effect of nanosized silver colloidal solution on textile fabrics, J. Mater. Sci., 38:2199-2204. Lee, K.J., Lee, Y., Shim, I., Joung, J., Oh, Y.S. Direct synthesis and bonding origins of monolayer-protected silver nanocrystals from silver nitrate through in situ ligand exchange. J. Colloid Inter. Sci. 2006, 304, 92-97. Lee, K.J., Lee, Y., Shim, I., Jun, B.H., Cho, H.J., Joung, J. Large-scale synthesis of polymer-stabilized silver nanoparticles. Sol. St. Phen. 2007, 124126, 1189-1192. Lee, K.J., Nallathamby, P.D., Browning, L.M., Osgood, C.J., Xu, X.N. 2007. In vivo imaging of transport and biocompatibility of single silver nanoparticles in early development of zebrafish embryos, Am. Chem. Soc. 1(2):133-143. Lee, K.J., Park, J.T., Goh, J.H., Kim, J.H. Synthesis of amphiphilic graft copolymer brush and its use as template film for the preparation of silver nanoparticles. J. Polym. Sci. A. 2008, 46, 3911-3918. Gatti, A.M. Biocompatibility of micro- and nano-particles in the colon. Part II, Biomaterials 25, 385-392, 2004. Gatti, A.M., Montanari, S., Monari, E., Gambarelli, A., Capitani, F., Parisini, B. Detection of micro- and nano-sized biocompatible particles in the blood. J. Mater. Sci.: Mater. Med. 15(4), 469-472, 2004.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

87


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Poon, V.K., Burd, A. 2004. In vitro cytotoxity of silver: Implication for clinical wound care. Burns, 30:140-147. Asharani, P.V., Nair, G., Zhiyuan, H., Manoor. P., Valiyaveettil, S. 2007. Potential health impacts of silver nanoparticles. Abstracts of Papers, 234th ACS National Meeting, Boston, MA, USA, August 19-23, 2007. pp:TOXI-099. Braydich-Stolle, L.; Hussain, S.; Schlager, J. J.; Hofmann, M. C. In vitro cytotoxicity of nanoparticles in mammalian germline stem cells. Toxicol. Sci. 2005, 88, 412–419. Ji, J.H., Jung, J.H., Kim, S.S., Yoon, J.U., Park, J.D., Choi, B.S., Chung, Y.H., Kwon, I.H., Jeong, J., Han, B.S., Shin, J.H., Sung, J.H., Song, K.S., Yu, I.J. 2007. El-Ansary,

A.,

nanoparticles:

Al-Daihan, S. On An

overview,

J.

the

toxicity

Toxicol.,

of therapeutically

Volume

2009,

9

used pages.

doi:10.1155/2009/754810 Oberdörster, G., Oberdörster, E., Oberdörster, J., 2005a. Nanotoxicology: an emerging discipline evolving from studies of ultrafine particles. Environ. Health Perspect. 113 (7), 823–839. Oberdörster, G., Maynard, A., Donaldson, K., Castranova, V., Fitzpatrick, J., Ausman, K., Carter, J., Karn, B., Kreyling, W., Lai, D., Olin, S., Monteiro-Riviere, N., Warheit, D., Yang, H. 2005b. Principles for characterizing the potential A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

88


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência human health effects from exposure to nanomaterials: elements of a screening strategy. Particle Fibre Toxicol., 2:8-43. Oberdörster, G., Sharp, Z., Atudorei, V., Elder, A., Gelein, R., Kreyling, W., Cox, C. Translocation of inhaled ultrafine particles to the brain, Inhalation Toxicol. 16(67), 437-445, 2004. Oberdörster, G., Stone, V., Donaldson, K. Toxicology of nanoparticles: a historical perspective. Nanotoxicology 1: 2–25, 2007. Hagens, W.I., Oomen, A.G., de Jong, W.H., Cassee, F.R., Sips, A.J.A.M. What do we (need to) know about the kinetic properties of nanoparticles in the body?, Regulatory Toxicology and Pharmacology, vol. 49, no. 3, pp. 217–229, 2007. Moghimi, S.M., Hunter, A.C., Murray, J.C. Nanomedicine: current status and future prospects, FASEB Journal, vol. 19, no. 3, pp. 311–330, 2005. Trop, M., Novak, M., Rodl, S., Hellbom, B., Kroell, W. Goessler, W. 2006. Silvercoated dressing Acticoat casued raised liver enzymes and argyria-like symptoms in burn patient. J. Trauma 60, 648-652. Dockery, D.W., Luttmann-Gibson, H., Rich, D.Q., Link, M.S., Mittleman, M.A., Gold, D.R., Koutrakis, P., Schwartz, J.D., Verrier, R.L. Association of air pollution with increased incidence of ventricular tachyarrhythmias recorded by implanted cardioverter defillibrators, Environ. Health Perspect., 113(6), 670674,2005. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

89


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Donaldson, K., Stone, V., Tran, C., Kreyling, W., Borm, P.J.A. Nanotoxicology, Occup. Environ. Med. 61(9):727-728, 2004. Lippmann, M. Effects of fiber characteristics on lung deposition, retention, and disease, Environ. Health Perspect. 88, 311-317, 1990. Shah, C.P. Public Health and preventive medicine in Canada, University of Toronto Press, Toronto, Canada. 2007.

Vermylen, J., Nemmar, A., Nemery, B., Hoylaerts, F. Ambient air pollution and acute myocardial infarction, J. Thromb. Haemost. 3, 1955-1961, 2005. Peters, A. Particulate matter and heart disease: evidence from epidemiological studies, Toxicol. Appl. Pharmacol., 207(2 Suppl), S477-S482, 2005. Chen, H.W., Su, S.F., Chien, C.T., Lin, W.H., Yu, S.L., Chou, C.C., Chen, J.J., Yang, P.C. Titanium dioxide nanoparticles induce emphysema-like lung injury in mice, The FASEB Journal, vol. 20, no. 13, pp. 2393–2395, 2006. Chen, J., Tan, M., Nemmar, A., Song, W., Dong, M., Zhang, G., Li, Y. Quantification of extrapulmonary translocation of intratracheal-instilled particles in vivo in rats: effect of lipopolysaccharide, Toxicol., 2006, 222(3):195–201.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

90


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Supp, A.P., Neely, A.N., Supp, D.M., Warden, G.D., Boyce, S.T. Evaluation of cytotoxicity

and

antimicrobial

activity

of

Acticoat®

burn

dressing

for

management of microbial contamination in cultured skin substitutes grafted to athymic mice, Journal of Burn Care & Rehabilitation, vol. 26, no. 3, pp. 238–246, 2005. Wright, J.B., Lam, K., Buret, A.G., Olson, M.E., Burrell, R.E. 2002. Early healing events in a porcine model contaminated wounds: effects of nanocrystalline silver on matrix metalloproteinases, cell apoptosis, and healing. Wound Repair Regen. 10, 141-151. Paddle-Ledinek, J.E., Nasa, Z., Cleland, H.J. Effect of different wound dressings on cell viability and proliferation, Plastic and Reconstructive Surgery, vol. 117, supplement 7, pp. 110S–118S, 2006. Final Report dated 07/15/2010 178 Wijnhoven, S.W.P., Peijnenburg, W.J.G.M., Herberts, C.A., Hagens, W.I., Oomen, A.G., Heugens, E.H.W., Roszek, B., Bisschops, J., Gosens, I., van de Meent, D., Dekkers, S., de Jong, W.H., van Zijverden, M., Sips, A.J.A.M., Geertsma, R.E. Nanosilver – a review of available data and knowledge gaps in human and environmental risk assessment, Nanotoxicology, 2009, 3(2): 109138. Kim, W.-Y., K., Kim, J., Park, J.D., Ryu, H.Y., Yu, I.J. Histological Study of Gender Differences in Accumulation of Silver Nanoparticles in Kidneys of A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

91


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Fischer 344 Rats. J. Toxicol. Environ. Health, Part A. 72: 21-22, 2009, 1279 — 1284.

Kim, Y. S.; Kim, J. S.; Cho, H. S.; Rha, D. S.; Kim, J. M.; Park, J. D.; Choi, B. S.; Lim, R.; Chang, H. K.; Chung, Y. H.; Kwon, I. H.; Jeong, J.; Han, B. S.; Yu, I. J. Twenty-eight-day oral toxicity, genotoxicity, and gender-related tissue distribution of silver nanoparticles in Sprague-Dawley rats. Inhalation Toxicol. 2008, 20, 575– 583. Holt, K.B., Bard, A.J. 2005. Interaction of silver (I) ions with the respiratory chain of

Escherichia

coli:

An

electrochemical

and

scanning

electrochemical

microscopy study of the antimicrobial mechanism of micromolar Ag+. Biochemistry 44, 1321413223. Muangman, P., Chuntrasakul, C., Silthram, S., Suvanchote, S., Benjathanung, R., Kittidacha, S., Rueksomtawin, S. Comparison of efficacy of 1% silver sulfadiazine and Acticoat™ for treatment of partial-thickness burn wounds, Journal of the Medical Association of Thailand, vol. 89, no. 7, pp. 953–958, 2006. Bragg, P.D., Rainnie, D.J. 1974. The effect of silver ions on the respiratory chain of Escherichia coli. Can. J. Microbiol. 20, 883-889.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

92


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Lok, C.-N., Ho, C.-M., Chen, R., He, Q.-Y., Yu, W.-Y., Sun, H., Tam, P.K.-H., Chiu, J.-F., Che, C.-M. 2006. Proteomic analysis of the mode of antibacterial action of silver nanoparticles. J. Proteome Res. 5, 916-924. Zeiri, I., Bronk, B.V., Shabtai, Y., Eichler, J., Efrima, S. 2004. Surface enhanced Raman spectroscopy as a tool for probing specific biochemical components in bacteria. Appl. Spectroscopy 58, 33-40. ACADEMIA NACIONAL DE CUIDADOS PALIATIVOS. Manual de cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Diagraphic, 2009. 320p. AGUIAR, R. M.; SILVA, G. R. C. Os Cuidados de enfermagem em feridas neoplásicas na assistência paliativa. Revista HUPE, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 82-8, 2012. FIRMINO, F. Pacientes portadores de feridas neoplásicas em serviços de cuidados paliativos: contribuições para a elaboração de protocolos de intervenções de enfermagem. Revista Brasileira de Cancerologia, Rio de Janeiro, v. 51, n. 4, p. 347-59, FIRMINO, F. Feridas neoplásicas: estadiamento e controle dos sinais e sintomas. Prática Hospitalar, São Paulo, n. 42, 2005a. Disponível em: <http://www.

praticahospitalar.com.br/pratica%2042/pgs/materia%20

06-

42.html>. 2005

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

93


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência LEITE, A. C. Feridas tumorais: cuidados de enfermagem. Revista Científica do HCE, Rio de Janeiro, v. II, n. 2, p. 36-40, 2007. POLETTI, N. A. A. et al. Feridas malignas: uma revisão de literatura. Revista Brasileira de Câncerologia, Rio de Janeiro, v. 48, n. 3, p. 411-17, jul.-set. 2002. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/rbc/n_48/v03/pdf/revisão2. pdf>. Acesso em: 05 jan. 2011

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

94


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

17 - Lista de Publicações do Autor Saqer Al Mualla, Raed Farahat, Pierre Basmaji, Gabriel Molina de Olyveira, Ligia Maria Manzine Costa, José Domingos da Costa Oliveira, Gino Bruno Francozo. Study of Nanoskin ECM-Bacterial Cellulose Wound Healing/United Arab Emirates. Journal of Biomaterials and Nanobiotechnology, 2016, 7, 109117 Published Online April 2016 in SciRes. http://www.scirp.org/journal/jbnb http://dx.doi.org/10.4236/jbnb.2016.72012 Safwat Mohd. El-Hoseny, Pierre Basmaji, Gabriel Molina de Olyveira, Ligia Maria Manzine Costa, Abdulwahid M. Alwahedi1, José Domingos da Costa Oliveira2, Gino Bruno Francozo,

Natural ECM-Bacterial Cellulose Wound

Healing—Dubai Study, Journal of Biomaterials and Nanobiotechnology, 2015, 6, 237-246 Published Online October 2015 in SciRes. http://www.scirp.org/journal/jbnb http://dx.doi.org/10.4236/jbnb.2015.64022 Pierre Basmaji1, Gabriel Molina de Olyveira2_∗, and Ligia Maria Manzine Costa3 Nanoskin Extracellular Matrix Modified with Hyaluronic Acid and Chondroitin Sulfate for Regenerative Medicine Applications Journal of Bionanoscience Vol. 9, 1–5, 2015

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

95


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Gabriel Molina de Olyveira, Ligia Maria Manzine Costa, Pierre Basmaji, Gildásio de Cerqueira Daltro4, and Antonio Carlos Guastaldi Hydrogel Bacterial Cellulose Behavior with Stem Cells Advanced Science, Engineering and Medicine Vol. 7, 1–5, 2015. BASMAJI, PIERRE ; AMBRIZZI, DARIO RAVAZZI ; OLYVEIRA, GABRIEL MOLINA DE ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; FRANCOZO, GINO BRUNO ; OLIVEIRA, JOSÉ DOMINGOS DA COSTA . Natural Extracellular Matrix Modified for Tissue Engineering Applications. Advanced Science, Engineering and Medicine, v. 8, p. 62-67, 2016. BASMAJI, PIERRE ; de Olyveira, Gabriel Molina ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; SOUZA, J. A. M. ; LUCCHESI, G. L. ; AMARIZ, G. A. S. ; AFFONSO, M. E. R. M. ; AMARAL, N. C. P. ; OLIVEIRA, J. D. C. ; FRANCOZO, G. B. . Natural ECM-Biological Wound Dressing. USA: Aperito Journal of Nanoscience Technology, 2015 (Open Access Magazine). BASMAJI, PIERRE; DE OLYVEIRA, GABRIEL MOLINA ; de Olyveira, Gabriel Molina ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; FRANCOZO, GINO BRUNO; OLIVEIRA, JOSÉ DOMINGOS DA COSTA. Nanoderm Extracellular Matrix for Reconstructive Surgery Applications. India: Peertechz Journal of Biomedical Engineering, 2015 (Open Access Magazine). http://www.peertechz.com/Biomedical-Engineering/pdf/PJBE-1-104.pdf de Olyveira, Gabriel Molina; DOS SANTOS, MÁRCIO LUIZ ; DOS SANTOS RICCARDI, CARLA ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; DALTRO, PAULA A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

96


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência BRAGA ; BASMAJI, PIERRE ; DE CERQUEIRA DALTRO, GILDÁSIO ; GUASTALDI, ANTÔNIO CARLOS . Physically Modified Bacterial Cellulose Biocomposites for Guided Tissue Regeneration. Science of Advanced Materials (Print) , v. 7, p. 1657-1664, 2015. de Olyveira, Gabriel Molina; LUIZ DOS SANTOS, MÁRCIO ; DOS SANTOS RICCARDI, CARLA ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; DALTRO, PAULA BRAGA ; BASMAJI, PIERRE ; DE CERQUEIRA DALTRO, GILDÁSIO ; GUASTALDI, ANTÔNIO CARLOS . Bacterial Cellulose Biocomposites for Periodontology Treatment. Advanced Science, Engineering and Medicine, v. 7, p. 409-414, 2015. de Olyveira, Gabriel Molina; DOS SANTOS RICCARDI, CARLA ; DOS SANTOS, MÁRCIO LUIZ ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; DALTRO, PAULA BRAGA ; BASMAJI, PIERRE ; DE CERQUEIRA DALTRO, GILDÁSIO ; GUASTALDI, ANTÔNIO CARLOS . Physically Modified Bacterial Cellulose Biocomposites for Dental Materials Scaffolds. Materials Focus, v. 4, p. 111-117, 2015. EL-HOSENY, SAFWAT MOHD. ; BASMAJI, PIERRE ; OLYVEIRA, GABRIEL MOLINA DE ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; ALWAHEDI, ABDULWAHID M. ; OLIVEIRA, JOSÉ DOMINGOS DA COSTA ; FRANCOZO, GINO BRUNO . Natural ECM-Bacterial Cellulose Wound Healing-Dubai Study. Journal of Biomaterials and Nanobiotechnology, v. 06, p. 237-246, 2015.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

97


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência BASMAJI, PIERRE ; de Olyveira, Gabriel Molina ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE . Nanoskin Extracellular Matrix Modified with Hyaluronic Acid and Chondroitin Sulfate for Regenerative Medicine Applications. Journal of Bionanoscience, v. 9, p. 306-310, 2015. BASMAJI, PIERRE ; de Olyveira, Gabriel Molina ; DOS SANTOS, MÁRCIO LUIZ ; GUASTALDI, ANTÔNIO CARLOS . Novel Antimicrobial Peptides Bacterial Cellulose Obtained by Symbioses Culture Between Polyhexanide Biguanide (PHMB) and Green Tea. Journal of Biomaterials and Tissue Engineering , v. 4, p. 59-64, 2014. ACASIGUA,

GERSON

; OLYVEIRA,

GABRIEL ;

COSTA,

LIGIA

;

BRAGHIROLLI, DAIKELLY ; FOSSATI, ANNA ; GUASTALDI, ANTONIO ; PRANKE, PATRICIA ; DALTRO, GILDÁSIO ; BASMAJI, PIERRE . Novel Chemically Modified Bacterial Cellulose Nanocomposite as Potential Biomaterial for Stem Cell Therapy Applications. Current Stem Cell Research and Therapy , v. 9, p. 117-123, 2014. de Olyveira, Gabriel Molina; DOS SANTOS, MÁRCIO LUIZ ; DALTRO, PAULA BRAGA ; BASMAJI, PIERRE ; DE CERQUEIRA DALTRO, GILDÁSIO ; GUASTALDI, ANTÔNIO CARLOS . Bacterial Cellulose/Chondroitin Sulfate for Dental Materials Scaffolds. Journal of Biomaterials and Tissue Engineering , v. 4, p. 150-154, 2014. de Olyveira, Gabriel Molina; DOS SANTOS, MÁRCIO LUIZ ; MANZINE COSTA, LIGIA MARIA ; DALTRO, PAULA BRAGA ; BASMAJI, PIERRE ; DE A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

98


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência CERQUEIRA

DALTRO,

GILDÁSIO

;GUASTALDI,

ANTÔNIO

CARLOS .

Bacterial Cellulose Nanobiocomposites for Dental Materials Scaffolds. Journal of Biomaterials and Tissue Engineering , v. 4, p. 536-542, 2014. de Olyveira, Gabriel Molina; DOS SANTOS RICCARDI, CARLA ; DOS SANTOS, MÁRCIO LUIZ ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; DALTRO, PAULA BRAGA ; BASMAJI, PIERRE ; DE CERQUEIRA DALTRO, GILDÁSIO ; GUASTALDI, ANTÔNIO CARLOS . Bacterial Cellulose Nanobiocomposites for Periodontal Disease. Journal of Bionanoscience, v. 8, p. 319-324, 2014.

de Olyveira, Gabriel Molina; DOS SANTOS, MÁRCIO LUIZ ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; DALTRO, PAULA BRAGA ; BASMAJI, PIERRE ; DE CERQUEIRA

DALTRO,

GILDÁSIO

;GUASTALDI,

ANTÔNIO

CARLOS .

Bacterial Cellulose Biocomposites for Guided Tissue Regeneration. Science of Advanced Materials (Print) , v. 6, p. 2673-2678, 2014. MOLINA DE OLYVEIRA, GABRIEL; MARIA MANZINE COSTA, LIGIA ; BASMAJI, PIERRE . Physically Modified Bacterial Cellulose as Alternative Routes for Transdermal Drug Delivery. Journal of Biomaterials and Tissue Engineering , v. 3, p. 227-232, 2013. FILHO, LAURO XAVIER ; OLYVEIRA, GABRIEL MOLINA ; BASMAJI, PIERRE ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE . Novel Electrospun Nanotholits/PHB Scaffolds for Bone Tissue Regeneration. Journal of Nanoscience and Nanotechnology (Print) , v. 13, p. 4715-4719, 2013. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

99


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência OLYVEIRA, GABRIEL MOLINA; ACASIGUA, GERSON ARISOLY XAVIER ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; SCHER, CRISTIANE REGINA ; FILHO, LAURO XAVIER ; PRANKE, PATRICIA HELENA LUCAS ; BASMAJI, PIERRE . Human Dental Pulp Stem Cell Behavior Using Natural Nanotolith/Bacterial Cellulose

Scaffolds

for

Regenerative

Medicine.

Journal

of

Biomedical

Nanotechnology , v. 9, p. 1370-1377, 2013. Olyveira, Gabriel Molina; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; BASMAJI, PIERRE . High Dispersivity Bacterial Cellulose/Carbon Nanotube Nanocomposite for Sensor Applications. Journal of Biomaterials and Tissue Engineering , v. 3, p. 665-668, 2013. COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; de Olyveira, Gabriel Molina ; BASMAJI, PIERRE ; FILHO, LAURO XAVIER . Bacterial Cellulose Towards Functional Medical Materials. Journal of Biomaterials and Tissue Engineering , v. 2, p. 185-196, 2012. COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; OLYVEIRA, GABRIEL MOLINA DE ; BASMAJI, PIERRE ; VALIDO, DAISY PEREIRA ; GOIS, PLÁCIA BARRETO PRATA ; JÚNIOR, RICARDO LUIS ALBUQUERQUE CAVALCANTE ; FILHO, LAURO XAVIER . Novel Otoliths/Bacterial Cellulose Nanocomposites as a Potential Natural Product for Direct Dental Pulp Capping. Journal of Biomaterials and Tissue Engineering , v. 2, p. 48-53, 2012.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

100


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência GOIS, PLÁCIA BARRETO PRATA ; OLYVEIRA, GABRIEL MOLINA DE ; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; CHIANCA, C. F. ; FRAGA, I. I. S. ; BASMAJI, PIERRE ; CORDOBA, C. V. ; FILHO, LAURO XAVIER . Influence of Symbioses

Culture

between

microorganisms/yeast

strains

on

cellulose

synthesis. International Review of Biophysical Chemistry (Print), v. 3, p. 48, 2012. COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; de Olyveira, Gabriel Molina ; BASMAJI, PIERRE ; FILHO, LAURO XAVIER . Bacterial Cellulose Towards Functional Green Composites Materials. Journal of Bionanoscience, v. 5, p. 167-172, 2011. de Olyveira, Gabriel Molina; MANZINE COSTA, LIGIA MARIA ; BASMAJI, PIERRE ; XAVIER FILHO, LAURO . Bacterial Nanocellulose for Medicine Regenerative. Journal of Nanotechnology in Engineering and Medicine, v. 2, p. 034001, 2011. OLYVEIRA, G.M. First Otoliths/Collagen/Bacterial Cellulose Nanocomposites as a Potential Scaffold for Bone Tissue Regeneration. Journal of Biomaterials and Nanobiotechnology, v. 02, p. 239-243, 2011. de Olyveira, Gabriel Molina; COSTA, LIGIA MARIA MANZINE ; GO'IS, PLA'CIA BARRETO PRATA ; BASMAJI, PIERRE ; XAVIER FILHO, LAURO . Novel Natural

Transdermal

Otoliths/Collagen/Bacterial

Cellulose

Patch

for

Osteoporosis Treatment. Journal of Nanotechnology in Engineering and Medicine, v. 2, p. 031011, 2011.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

101


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Pierre et al, Nanobiomaterials in Soft Tissue Engineering Bacterial cellulose for advanced medical materials http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/B9780323428651000039

Publicações entre 1989-1997 • SILVA, S. W. ; GAZERANI, J. C. P. Y. ; LUBYSHEV, D. I. ; GONZALEZBORRERO ; P, P. ; BASMAJI, Pierre . Photoluminescence Study Of Spin-Orbit-Split Bound Electron States In The Self-Assembled Inas And Ingaas Quantum Dots. J. Phys. Cond. Matter., v. 9, p. L13-L17, 1997. • GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; MAREGA JR, ; LUBYSHEV, D. I. ; PETITPREZ, E. ; BASMAJI, Pierre . Optical Properties Of Self-Assembled Inas Quantum Dots On High-Index Gaas Substrates. Superlattices and Microscturctures, v. 2, n.1, p. 85-89, 1997. • GUSEV, G. M. ; KLEBER, X. ; GENNSER, U. ; MAUDE, D. ; PORTAL, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre ; SILVA, M. ; ROSSI, J. C. ; NASTAUSHEV, Y. . Universal Conductance Fluctuations In A Random Magnetic Field. Superlattices Microstructures and Microdevices, 1997. • GUSERV, G. M. ; KLEBER, X. ; GENNSER, U. ; MAUDE, D. ; PORTAL, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre ; SILVA, M. ; ROSSI, J. C. ; NASTAUSHEV, Dimensional

Y.

.

Magnetooscillations

Electron.

Superlattices

In

A

Trapezoidal

Microsctrutures

Twoand

Microdevices, 1997. • GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; LUBYSHEV, D. I. ; MAREGA JR, ; BASMAJI, Pierre . Optical Properties Of Vertically Aligned SelfA Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

102


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Assembled Ingaas Quantum Dots Layers On (311)A/B And (100)Gaas Substrates. Superlattices Microstrucutres and Microdevices, v. 22, n.1, p. 85-89, 1997. • GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; MAREGA JR, ; LUBYSHEV, D. I. ; PETITPREZ, E. ; BASMAJI, Pierre . Molecular Beam Epitaxy Of SelfAssembled Inas Quantum Dots On Non-(100) Oriented Gaas. J. Cryst. Growth, v. 175, p. 765-770, 1997. • LUBYSHEV, D. I. ; PUSEP, Y. ; GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; MAREGA JR, ; PETITPREZ, E. ; SCALA JR, L. ; BASMAJI, Pierre . Temperature Dependence Of The Quantization Energy In SelfAssembled Ingaas Quantum Dots. Braz. J. Phys., v. 27, n.1, p. 11-13, 1997. • GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; LUBYSHEV, D. I. ; PETITPREZ, E. ; SCALA JR, L. ; MAREGA JR, ; BASMAJI, Pierre . Optical Properties Of Natural

Inxga1-Xas

Quantum

Dots

Grown

On

High-Index

Gaas

Substrates. Braz. J. Phys., v. 27, n.2, p. 65-75, 1997. • BASMAJI, Pierre ; GUSEV, G. M. ; SCALA JR, L. ; GONZALEZBORRERO ; P, P. ; LUBYSHEV, D. I. ; SILVA, M. P. A. ; MAUDE, D. K. ; PORTAL, J. C. ; PUSEP, Y. A. ; ROSSI, J. C. . Interference Effects In Nonplanar Wires With A Two-Dimensional Electron Gas. Superlattices, Microstructures, and Microdevices, 1997. • ZANELATTO, G. ; PUSEP, Y. A. ; GALZERANI, J. C. ; GONZALEZBORRERO ; P, P. ; LUBYSHEV, D. ; BASMAJI, Pierre . Kinetic Limit Of Segregation

During

The

Molecular

Beam

Epitaxy

Of

Gaas/Alas

Heterostructures. Superlattices, Microstructures, and Microdevices, 1997. A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

103


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

• GUSEV, G. M. ; GENNSER, U. ; KLEBER, X. ; MAUDE, D. K. ; PORTAL, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre ; SILVA, P. A. M. ; ROSSI, J. C. ; BAKLANOV, M. R. N. Y. . Oscillation Of The Scattering Time In A 2d Electron System With Oval Antidots. Solid State Electronics, v. 40, p. 441-446, 1996. • GUSEV, G. M. ; GENNSER, U. ; KLEBER, X. ; MAUDE, D. K. ; PORTAL, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre ; SILVA, M. P. A. ; ROSSI, J. C. ; NASTAUSHEV, Y. . Quantum Interferance Effects In A Strongly Fluctuating Magnetic Field. Phys. Rev.B, v. 53, n.20, p. 13641-13644, 1996. • GUSEV, G. M. ; GENNSER, U. ; KLEBER, X. ; MAUDE, D. K. ; PORTAL, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre ; SILVA, M. P. A. ; ROSSI, J. C. ; NASTAUSHEV, Y. . Magnetoresistance Oscillations In A Dimpled Two-Dimensional Electron Gas. Surface Science, v. 361, p. 855, 1996. • LUBYSHEV, D. I. ; GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; MAREGA, J. ; SCALLA JR, L. ; BASMAJI, Pierre . Study Of Surface Kinetics Effects In The Mbe Growth Of Iii-V Compounds By Rheed Analysis. Braz. J. Phys., v. 26, n.1, p. 259-262, 1996. • GUIMARAES, F. E. G. ; GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre . Influence Of Surface On Segregation And Alloy Properties In (100)- And (311)- Oriented Ingaas/Gaas Heterostructures. Braz. J. Phys., v. 26, n.1, p. 263-267, 1996. • SILVA, S. W. ; GALZERANI, Y. ; C, J. ; PIMENTA, M. A. ; LUBYSHEV, D. I. ; BORRERO, G. ; P, P. ; BASMAJI, Pierre . Raman Study Of Interface Roughness In (Gaas)/(Alas) Superlattices Grown On Tilted Surfaces:

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

104


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Evidence Of Corrugation Of The (311) Interface. Phys. Rev. B, v. 53, n.4, p. 1927-1932, 1996. • LUBYSHEV, D. I. ; GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; MAREGA, J. ; PETITPREZ, E. ; SCALLA JR, L. ; BASMAJI, Pierre . Exciton Localization And Temperature Stability In Self-Organized Inas Quantum Dots. Appl. Phys. Lett., v. 68, n.2, p. 205-207, 1996. • LUBYSHEV, D. I. ; GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; MAREGA, J. ; PETITPREZ, E. ; BASMAJI, Pierre . High Index Orientation Effects Of Strained Self-Assembled Ingaas Quantum Dots. J. Bac. Sci. & Tech., v. 14, n.3, p. 2212-2215, 1996. • GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; LUBYSHEV, D. I. ; MAREGA JR, ; PETITPREZ, E. ; BASMAJI, Pierre . Self-Organized Ingaas Quantum Dots Grown By Mbe On (100), (711)A/B, (511)A/B, (311)A/B, (211)A/B And (111)A/B Oriented Gaas. J. Cryst. Growth, v. 169, p. 424-428, 1996. • GUSEV, G. M. ; GENNSER, U. ; KLEBER, X. ; MAUDE, D. ; PORTAL, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre ; SILVA, M. ; ROSSI, J. C. ; NASTAYSHEV, Y. . Abscence Of Delocalised States In 2d Electron Gas In Magnetic Field Below Wt=1. Solid State Comm., v. 100, n.4, p. 269-273, 1996. • KLEBER, X. ; GUSEV, G. M. ; GENNSER, U. ; MAUDE, D. K. ; PORTAL, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre ; SILVA, M. A. P. ; ROSSI, J. C. ; NASTAUSHEV, Y. V. . Chaotic Electron Dynamics Around A Single Elliptically-Shaped Antidot. Phys. Rev. B, v. 54, p. 13859, 1996.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

105


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

• GUSEV, G. M. ; KUON, Z. D. ; POGOSOV, A. G. ; BASMAJI, Pierre . Weak-Locallization Effects In Electron Billiards. JETP, v. 83, p. 375, 1996. • GUIMARAES, F. E. G. ; GONZALEZ-BORRERO ; P, P. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre . Influence Of Surface Structure On Segregation And Alloy Properties In (100)- And (311)- Oriented Ingaas/Gaas Heterostructures. Sol. Stat. Electron., v. 40, n.1-8, p. 653-659, 1996. • BASMAJI, Pierre ; MATVIENKO, B. ; GUIMARAES, F. . Evidence Of Localized Luminescence Centers In Porous Silicon. Superlattices and Microsctructures, v. 17, p. 155, 1995. • BASMAJI, Pierre ; PUSEP, Y. ; SILVA, S. W. ; GALZERANI, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. . Raman Scattering Of The Optical Vibrational Modes In (Gaas)N (Alas)N Superlattices Grown On (311)A And (311)B Surfaces. Phys. Rev. B, v. 51, p. 5473, 1995. • SILVA, Y. ; W, S. ; GALZERANI, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre . Influence Of Atomic-Scale Roughness On Raman Selection Rules In Ultrathin-Layer Gaas/Alas Superlattices. Phys. Rev. B, v. 51, p. 9891, 1995. • GUSEV, G. M. ; GENNSER, U. ; KLEBER, X. ; MAUDE, D. K. ; PORTAL, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre ; SILVA, M. ; ROSSI, J. C. ; NASTAUSHEV, V. Y. . Random Magnetic Field And Weak Localisation Effects In Dimpled 2d Electron Gas. Superlattices and Microstructures, v. 18, p. 67, 1995. • PUSEP, Y. ; SILVA, S. W. ; GALZERANI, J. C. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre ; MILKHIN, A. G. ; PREOBRAZHENSKI, V. V. ; SEMYAGIN, B. R. ; MAROHVKA, I. I. . Atomic-Scale Characterization Of

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

106


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência Interfaces

In

The

Gaas/Algaas

Superlattices.

Material

Science&Engineering B, v. 35, p. 180, 1995. • GUIMARAES, F. E. ; LUBYSHEV, D. I. ; CHITA, V. ; BASMAJI, Pierre . Influence Of Surface Structure On Surface Segregation And Alloy Properties In (100)- And (311)- Oriented Ingaas/Gaas Heterostructures. Material Science & Engineering B, v. 35, p. 318, 1995. • GUIMARAES, F. E. ; LUBYSHEV, D. I. ; SILVA, S. W. ; GALZERANI, J. C. C. V. ; BASMAJI, Pierre . Strain Related Shallow Levels In (100)- And (311) Oriented Ingaas/Gaas Quantum Well Structures. Solid State Comm., v. 93, p. 466, 1995. • GUIMARAES, F. E. ; GONZALEZBORRERO, P. P. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre . Influence Of Surface Structure On Segregation And Alloy

Properties

In

(100)

And

(311)

Oriented

Ingaas/Gaas

Heterostructures. Solid State Electonics B, v. 35, p. 318, 1995. • SILVA, S. W. ; PUSEP, Y. ; GALZERANI, J. C. ; PIMENTA, M. A. ; LUBYSHEV, D. I. ; BASMAJI, Pierre . Evidence Of Corrugation Of The (311)A Surface In The (Gaas)/(Alas) Superlattices Revealed By Raman Scattering. Phys. Low Struct., v. 12, p. 215, 1995. • BASMAJI, Pierre ; GUSEV, G. M. ; LUBYSHEV, D. I. ; SILVA, P. M. ; ROSSI, J. C. ; NASTAUSHEV, Y. . Charge Capture In Algaas/Gaas Heterostructures

With

Disorded

Antidot

Lattice.

Materials

Science&Engineering B, v. 35, p. 322, 1995. • GUSEV, G. M. ; BASMAJI, Pierre . Negative Magnetoresistance And Anomalous Diffusion Of Two-Dimensional Electrons In A Disordered Array Of Antidots. Surface Science, v. 305, p. 443, 1994.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

107


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

• GUSEV, G. ; BASMAJI, Pierre ; LUBYSHEV, D. ; PORTAL, J. C. . Magnetic Field Tuned Transition Of Aharonov- Bohm Oscillation From Hc/E To Hc/2e Periodicity In The Array Of Algaas/Gaas Rings. Solid State Electronics, v. 37, p. 1231, 1994. • GUSEV, G. M. ; BASMAJI, Pierre ; KVON, Z. D. ; LITVIN, L. V. ; NASTAUSHEV, Y. ; TOROPOV, A. I. . Negative Magnetoresistance And Anomalous Diffusion Of Two-Dimensional Electrons In A Disordered Array Of Antidots. Surface Science, v. 305, p. 443, 1994. • GUSEV, G. M. ; GENNSER, U. ; MAUDE, D. K. ; PORTAL, J. C. ; LUBYSHEV, D. L. ; ROSSI, J. C. N. Y. ; BASMAJI, Pierre . The Magnetic-Fiel Turned Impurity Level In A Mesoscopic Alxga1-Xas/Gaas Antidot Sample. J. Phys. Condens. Matter, v. 6, p. L265, 1994. • GUSEV, G. M. ; GENNSER, U. ; MAUDE, D. K. ; PORTAL, J. C. ; ROSSI, J. C. ; LUBYSHEV, D. ; BASMAJI, Pierre . Dephasing Time And Interference Effects In Coupled Quantum Wells. Solid State Comm., v. 91, p. 105, 1994. • GVIVICKAS, V. ; BASMAJI, Pierre ; KOLENDA, J. ; BERNUSSI, A. ; MATVIENKO, B. . Degradation Of Luminescence And Fatigue Effects In Porous Silicon. Int. J. of Optoelectronics, v. 9, p. 311, 1994. • BASMAJI, Pierre ; SURDUTOVICH, G. ; VITLINA, R. ; KOLENDA, J. ; BAGNATO, V. . Anisotropy Investigations And Photoluminescence Properties Of Porous Silicon. Solid State Comm., v. 91, p. 649, 1994. • GUIMARAES, F. ; LUBYSHEV, D. I. ; SILVA, S. W. ; CHITTA, V. ; GALZERANI, J. C. ; BASMAJI, Pierre . Strain Related Shallow Levels In (100) And (311) Oriented Ingaas/Gaas Quantum Well Structures. Solid State Comm., v. 93, p. 466, 1994.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

108


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

• BASMAJI, Pierre ; SILVA, M. A. P. ; BASMAJI, P. N. Y. ; ROSSI, J. C. ; AEGERTER, M. . Geracao de Mascaras Em Escala Nanometrica e Micrometrica Para Estudo de Propriedades Superficiais Em Materiais. Ceramica, v. 40, p. 11, 1994. • BERNUSSI, A. ; SOUZA, C. F. ; LUBYSHEV, D. C. W. ; ROSSI, J. C. ; BASMAJI, Pierre . Optical And Structural Properties Of Low Temperature Gaas Layers Grown By Molecular Beam Epitaxy. Brazilian J. Phys., v. 24, p. 460, 1994. • GALZERANI, J. C. ; PIZANI, P. S. ; SILVA, S. W. R. J. C. ; LUBYSHEV, D. ; BASMAJI, Pierre . Raman Scattering Study Of Gaas Grown On Porous Si By Mbe. Brazilian J. Phys., v. 24, p. 337, 1994. • LUBYSHEV, D. ; ROSSI, J. C. ; GUSEV, G. ; BASMAJI, Pierre . Wire Crystals Of Gaas And Inas Grown By Molecular Bean Epitaxy On Porous Silicon. Brazilian J. Phys., v. 24, p. 340, 1994. • GUSEV, G. ; BASMAJI, Pierre ; LUBYSHEV, D. ; PORTAL, J. C. ; LIVTIN, L. ; NASTAYSHEV, Y. ; TOROPOV, A. I. . Magnetic Field Tuned Transition Of Aharonov-Bohm Oscillations From Hc/E To Hc2e Periodicity In The Array Of Algaas/Gaas Rings. Brazilian J. Phys., v. 24, p. 247, 1994. • GUSEV, G. ; BASMAJI, Pierre ; DEGANI, M. ; PORTAL, J. C. ; PINKSE, P. ; KUON, Z. ; LIVIN, L. ; TOROPOV, A. N. Y. . Conductance Fluctuations In A Mesoscopic Conductor With Antidots. Brazilian j. Phys., v. 24, p. 317, 1994. • GRIVICKAS, V. ; KOLENDA, J. ; BERNUSSI, A. ; MATVIENKO, B. ; BASMAJI, Pierre . Luminescence Degradation And Fatigue Effects In Porous Silicon. Brazilian J. Phys., v. 24, p. 349, 1994.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

109


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

• GUIMARAES, F. ; LUBYSHEV, D. ; CHITTA, V. ; BASMAJI, Pierre . Effects Of Alloy Disorder And Structural Defects On Exciton Properties In Lattice Matched (100)- And (311)- Oriented Ingaas/Gaas Quantum Wells. Superlattices and Microstructures, v. 15, p. 361, 1994. • GUSEV, G. M. ; GENNSER, U. ; MAUDE, D. K. ; LUBYSHEV, D. P. J. C. ; NASTAUSHEV, Y. ; C, J. ; BASMAJI, Pierre . Charge Transfe Rbetween Percolation Levels In A System With An Artificial Strongly Disordered Potential. Superlattices and Microstructures, v. 16, p. 97, 1994. • BASMAJI, Pierre ; GRIVICKAS, V. ; RODRIGUES, C. R. B. ; MISOGUTI, L. B. P. . Atomic Force Microscopy Studies On Various Types Of Photoluminescence Porous Silicon. J. Opto. Electronic, v. 9, p. 303, 1994. • BASMAJI, Pierre ; BAGNATO, V. S. ; GRIVICKAS, V. ; SURDOTOVICH, G. I. ; VITLINA, R. . Determination Of Porous Silicon Film Parameters By The Polarized Lightreflectance Measurements. THIN SOLID FILMS, v. 223, n.223, p. 0-131, 1993. • BASMAJI, Pierre ; VITLINA, G. I. S. R. ; GRIVICKAS, V. ; A, V. . Investigation Of Porous Silicon Films Structures By Optical Methods. MRS, v. 283, p. 0-227, 1993. • BASMAJI, Pierre ; BERNUSSI, A. ; ROSSI, J. C. ; MATIVIENKO, B. . Rapid Photoluminescence Intensity Degradation In Porous Silicon. MRS, v. 283, p. 0-0, 1993. • GUSEV, G. ; BASMAJI, Pierre . Magnetoresistance Of Two-Dimensional Electronic

A

Lateral

Lattice

Of

Antivives.

SOLID

STATE

COMMUNICATION, v. 85, p. 0-317, 1993.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

110


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

• GUSEV, G. ; BASMAJI, Pierre ; LUBYSHEV, D. ; LITVIN, D. ; PREEBRASHENKII, V. . Magneto-Oscillations In A Two-Dimensional Electron Gas With A Pen Iode Lattice Of Artificial Scatteres. PHYS. REV. B., v. 47, p. 0-9928, 1993. • MATVIENKO, B. ; BASMAJI, Pierre ; GRIVICKAS, G. ; BERNUSSI, A. . Ion Exchange Effect In Porous Silicon. MRS, v. 298, p. 0-231, 1993. • GRIVICKAS, V. ; KOLENDA, I. ; MISOGUTI, L. ; BASMAJI, Pierre ; ZILIO, S. . Nonlinear Optical Properties And Latique Effect In Porous Silicon. MRS, v. 298, p. 0-217, 1993. • BASMAJI, Pierre ; LUBYSHEV, D. ; ROSSI, J. C. . Wive Crystals Gaas Grown By Mbe On Porous Silicon. PROCEEDING OF 17TH ICDS, p. 00, 1993. • GRIVICKAS, V. ; BASMAJI, Pierre . Optical Absorption In Porous Silicon Of High Porosity. THIN SOLID FILMS, v. 235, p. 0-234, 1993. • BASMAJI, Pierre ; LUBYSHEV, B. ; ROSSI, J. C. . Inas Wire Crystals Grown By Mbe. PHYSICS SATUT. SOLID, v. 139, p. 0-21, 1993. • LUBYSHEV, D. ; ROSSI, J. C. ; GUSEV, G. ; BASMAJI, Pierre . Nanoscate Wives Of Gaas On Porous Si Grown By Mbe. J. CRYST. GROWTH, v. 132, p. 0-533, 1993. • BASMAJI, Pierre ; MATVIENKO, B. ; GRIVIKAS, V. . Ion Incorporation And

Exchange

Effects

In

Porous

Silicon.

SOLID

STATE

COMMUNICATION, v. 87, p. 0-89, 1993. • NOTARI, A. C. ; SCHRAPPE, B. J. ; BASMAJI, Pierre . Electrical Properties Of Dx Centers In Heavily Se-Doped Alxga1-Xas. SOLID STATE COMMUNICATIONS, v. 81, p. 0-363, 1992.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

111


A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência

• BASMAJI, Pierre ; MINAMI, L. V. A. S. . Conductivity Investigation In NAlxga1-Xas. J. APPL. PHYS., p. 0-0, 1992. • BAGNATO, V. S. ; BASMAJI, Pierre ; GRIVICKAS, V. ; SURDOTOVICH, G. I. ; VITLINA, R. . Polarized Light Reflectance Measurements Of The Porous Films Parameters. IPEN-CNENISP, p. 0-0, 1992. • BASMAJI, Pierre ; NOTARI, A. C. ; SCHRAPPE, B. J. ; DEGANI, M. H. ; IORIATTI, L. ; HIPOLITO, O. . Tunneling Spectroscopy And Miniband Structure Of Selenium Delta-Doped Gaas. Tunneling s m Of Selenium Delta, p. 0-0, 1991. • EGUES, J. C. ; BARBOSA, J. C. ; NOTARI, A. C. ; BASMAJI, Pierre ; IORIATTI, L. ; RANZ, E. ; PORTAL, J. C. . Electronic Transport In Periodically Delta-Doped Gaas Layers. APPL. PHYS., v. 70, p. 0-3678, 1991. • BASMAJI, Pierre . Selenium Dx-Center-Doped Alxga1-Xas By Molecular Beam Epitaxy. JOURNAL APPL. PHYSICS, v. 70, p. 0-2866, 1991. • NOTARI, A. C. ; SCHRAPPE, B. J. ; BASMAJI, Pierre ; HIPOLITO, O. . Dependence Of The Width Of A Delta-Impurity Layer On Position In Inxga1-Xas/Gaas Strained Quantum Well. PHYS. STAT. SOLID A, v. 126, p. 0-119, 1991. • NAJDA, S. P. ; ALLAN, G. R. ; LAVIELLE, D. ; PORTAL, J. C. ; BASMAJI, Pierre . Movpe Growth And Characterization Of Gaas And Al Gaas On Si Substrate. APPL. PHYS. LETT., p. 0-0, 1990.

A Primeira Grande Estratégia de Sobrevivência - 2016 ÓPierre Basmaji

112


Cancer simbiogenese 2016