Issuu on Google+


“É interessante contemplar uma riba coberta com muitas plantas de muitas espécies, com pássaros cantando no arvoredo, com vários insetos voando, e com vermes se arrastando na terra úmida, e refle r que essas formas elaboradamente construídas, tão diferentes umas das outras, e dependentes umas das outras, de uma maneira tão complexa, foram todas produzidas por leis que agem à nossa volta.“ Charles Robert Darwin (1809 - 82)


Copyright © J. Andrade Todos os direitos reservados – All rights reserved – Ejavi direito oĩ

Editor / Publisher / Editorial Tembiapo Renonde Kuery

Agência Ambiental Pick-upau Fotos / Photos / Ta’angaa

J. Andrade Textos / Texts / Kuaxia para

Agência Ambiental Pick-upau Projeto Gráfico / Graphic Design / Tembiapo Gráfico

Morphina design Ilustração / Illustra on / Ta’angaa

Marília Vazquez Aun Versão em Inglês / English Version / Inglês Pygua

Dra. Profa. Heloisa Candia Hollnagel Versão em Guarani / Guarani Version / Guarani Pygua

Jera Guarani Revisão de Texto / Proofreading / Kuaxia para Nhemoatyrõ

Renato Alonso Carneiro Produção Execu va / Execu ve Produc on / Nhemba’eapo Tenonderegua

FEMA/SVMA Apoio / Support

Carioba Inves mentos Jorge Caiuby Müller Carioba

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP. Brasil) Coordenação Geral / Overall Coordina on / Tenonde Regua

J. Andrade Prefácio / Preface / Nhemombe’upara

Dra. Vera Lúcia Ramos Bononi Posfácio / Postscript

Dra. Marcia Balis ero Figliolia e Dr. Miguel Luiz Menezes Freitas Agência Ambiental Pick-upau / Environmental Agency Pick-upau

Andrea Nascimento Gabriela Picolo Gabriela Carvalho Rodrigues Tura Heloisa Candia Hollnagel J. Andrade Karina Spaolonzi Karine Mar ns Tartari Neusa Regina Oliveira Silva Nelson Matheus de Oliveira Júnior Wilson Najar Mahana Wilson Najar Mahana

Atlân ca – APA Capivari-Monos · J. Andrade; textos/texts Agência Ambiental Pick-upau; tradução/transla on Heloisa Candia Hollnagel e Jera Guarani – São Paulo: Agência Ambiental Pick-upau, 2012. ISBN: 00-0000-000-0 Edição: português/inglês/guarani. 1. Mata Atlân ca – Fotografias 2. APA Capivari-Monos – (SP) Brasil I. Biodiversidade II. Título. III. Título: Atlân ca – APA Capivari-Monos

00-0

CDD-000.0000000

Índice para Catálogo sistemá co: 1. Fotografias: Mata Atlân ca 2. Mata Atlân ca: APA Capivari-Monos

000.0000000 000.0000000

Aldeia Tenonde Porã / Tenonde Porã Village / Tekoa Tenonde Porã

Dionízio Mirim Elicio Peralta Karai Tataendy Ins tuto de Botânica de São Paulo / Ins tute of Botany of Sao Paulo

Dra. Vera Lúcia Ramos Bononi Ins tuto Florestal de São Paulo / Sao Paulo Forest Ins tute

Dra. Marcia Balis ero Figliolia Dr. Miguel Luiz Menezes Freitas Impressão / Printed by / Ojeapo

Andrade, J.

A ragem desta publicação tem suas emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), com ênfase no dióxido de carbono (CO2), neutralizadas. A neutralização envolve o inventário de suas emissões no ciclo da produção da primeira ragem ins tucional deste livro e o plan o e manutenção de mudas de árvores na vas da Mata Atlân ca correspondentes a sua compensação – e pode ser encontrado na íntegra em www.atmosfera.org.br This publica on has been neutralized considering the emission of GHG (Greenhouse Gases), mainly the carbon dioxide (CO2), due to its produc on. The neutraliza on of this first edi on process included an inventory of its emissions and further plan ng and maintenance of na ve Rain Forest tree’s species, more details could be found in www.atmosfera.org.br.

AZ São Paulo

3


J. Andrade

Atlântica APA Capivari-Monos

São Paulo, Brasil – 2012 4

5


Prefácio A Agência Ambiental Pick-upau é uma ONG ambientalista e, como eles mesmos propagam 100% nacional, cujo principal obje vo é a Preservação e Manutenção da Biodiversidade. Nesse sen do, seus jovens sócios vêm trabalhando, de forma metódica e persistente, com órgãos governamentais, inicia va privada e a população, divulgando de todas as formas ao seu alcance informações na procura da conscien zação. O Projeto Darwin, desenvolvido pela Pick-upau, teve início em junho de 2009 e pretende conhecer e divulgar os atributos naturais e culturais dos biomas brasileiros, em especial a Mata Atlân ca. Os índios Guaranis da Aldeia Tenonde Porã e a Área de Proteção Ambiental Capivari-Monos, no sul da cidade de São Paulo, foram selecionados como foco inicial dos trabalhos. O Projeto prevê o levantamento de dados primários (pesquisa) da flora e da fauna silvestre, estudos da cultura regional e sua divulgação. Exposições fotográficas na arte de J. Andrade, folders e a publicação deste livro reúnem dados acumulados pelo projeto, visando sensibilizar a população para a beleza da região e seus problemas sócio-econômicos e ambientais.

A área tem grande potencial para o ecoturismo com a presença de cachoeiras e rios de água cristalina como a Cachoeira do Rio Capivari, a Cachoeira dos Periquitos, a Cachoeira Toca da Onça, a Trilha do Japonês, o Núcleo Curucutu do Parque Estadual da Serra do Mar, a Cratera de Colônia e da população indígena. Sua proximidade com a cidade de São Paulo é um ponto a favor, permi ndo passeios de um dia. Porém, há necessidade de melhorar as condições de segurança da Região Metropolitana de São Paulo – RMSP. A presença dos Guaranis na região da cidade de São Paulo (Parelheiros, Marsilac e Colônia), deu-se por volta de 1930, época em que a primeira família se fixou no local e o seu sustento se dava pela caça e pesca. Com a explosão da urbanização, as cidades chegaram até as aldeias, antes isoladas, e seus espaços demográficos foram restringidos. Atualmente, as aldeias indígenas dessa região contam com uma população aproximada de 900 pessoas, vivendo principalmente da venda de artesanato e dependendo do turismo. Esperamos que todos possam apreciar essa obra, valorizar as riquezas e conhecer os problemas dessa região do sul da cidade de São Paulo. Parabéns aos militantes do Pick-upau, na luta pela conservação das florestas e sua biodiversidade natural e cultural.

A Área de Proteção Ambiental Capivari-Monos é uma Unidade de Conservação com cerca de 251 km², abrangendo grande parte dos distritos das Subprefeituras de Parelheiros e Capela do Socorro, no extremo sul do município de São Paulo, na bacia dos Rios Capivari e Monos. A denominação Monos, segundo os moradores da região, tem origem na presença do macaco mono-carvoeiro. A APA consiste em uma reserva estratégica de água potável para a região metropolitana, que além da bacia hidrográfica do CapivariMonos, compreende parte das bacias da Billings e Guarapiranga, mananciais que abastecem 1/5 do Município de São Paulo.

Dra. Vera Lúcia Ramos Bononi Diretora Geral do Ins tuto de Botânica de São Paulo

A criação da APA, em 09 de junho de 2001, teve por principais obje vos promover o uso sustentado dos recursos naturais; proteger a biodiversidade; preservar os recursos hídricos e os remanescentes de Mata Atlân ca; abrigar o patrimônio arqueológico e cultural; promover a melhoria da qualidade de vida das populações e manter o caráter rural da região. O Plano de Manejo da APA CapivariMonos foi elaborado pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente – SVMA, da Prefeitura Municipal de São Paulo, durante os anos de 2009 e 2010. O Conselho Gestor da APA reúne representantes de vários setores e é presidido pela SVMA. A vegetação da região é caracterís ca da Floresta Ombrófila Densa da Mata Atlân ca, que apresenta grande biodiversidade vegetal e animal. A presença de várias espécies de bromélias, orquídeas e árvores não pioneiras mostram certo grau de conservação da vegetação. Vinte e seis espécies vegetais são consideradas, pelos especialistas, como ameaçadas de ex nção, pertencendo às categorias vulneráveis e em perigo. Dentre as espécies ameaçadas, destacam-se a Palmeira-juçara (Euterpe edulis), a Samambaiaçu (Cyathea glaziovii) e orquídeas como a Zygopetalum pedicellatum. Em relação à fauna, levando em conta apenas os grupos de vertebrados, são conhecidos 364 espécies na região, o que corresponde a aproximadamente 67% das espécies registradas no Município de São Paulo. Das espécies ocorrentes na APA, 113 são endêmicas da Mata Atlân ca (correspondendo a 30% do total registrado) e 18 estão ameaçadas de ex nção. Dentre estas, destacam-se a presença de sete espécies de macacos, onça-parda, anta e a preguiça. O adensamento urbano, obras de infraestrutura, extra vismo e a ocorrência de espécies exó cas geram impactos nega vos à biodiversidade local, representando direta ou indiretamente, ameaça à sua manutenção e conservação. O Projeto Darwin deve acrescentar conhecimentos para a gestão de APA, principalmente para a educação ambiental e auxiliar para as polí cas públicas de conservação ou recuperação ambiental.

6

7


Preface The Pick-upau Environment Agency is an environmental NGO and as they propagate 100% Brazilian company, whose main goal is the Preserva on and Maintenance of Biodiversity. Considering this, its young members have been methodically and persistently working with government agencies, private sector and the popula on of all forms disclosing the informa on in order to increase awareness. The Darwin Project, developed by Pick-upau, began in June 2009 and intends to know and disseminate the cultural and natural a ributes of biomes, par cularly the Atlan c Rain Forest. The Guarani Indians of the village Tenonde Porã and Environmental Protec on Area Capivari-Monos, the south of Sao Paulo, were selected as ini al focus of the ac vi es. The Project provides data from the primary survey of flora and wildlife, studies of regional culture and its dissemina on. Photographic exhibi ons in the art of J. Andrade, brochures and the publica on of this book gathers data accumulated by the project, aim to point out the beauty of the region and its environmental and socio-economic issues.

The area has great poten al for ecotourism due to the presence of waterfalls and rivers of clear water as Capivari River’s Waterfalls, the Waterfall of Budgerigars, the Waterfall Lair of the Jaguar, the Trail of the Japanese, the Curucutu Core of Serra do Mar State Park, the Crater of Colony and the presence of indigenous popula on. Its proximity to the city of Sao Paulo is a point in favor of allowing day trips, but it is relevant to men on that there is a need to improve security condi ons in the metropolitan region of Sao Paulo to endorse the touris c poten al. The arrival of the Guarani in the region of Sao Paulo, Parelheiros, Marsilac and Colony took place around 1930, by which me the first family se led, living by hun ng and fishing. With the explosion of urbaniza on, ci es have reached the formerly isolated villages and their popula on is nowadays in restricted spaces. Today the indigenous villages of this region have a popula on of approximately 900 people, living primarily from the sale of handicra s and depending on local tourism. We hope that everyone can enjoy this work and know a li le more about the richness and the problems of the southern region of Sao Paulo. Congratula ons to Pick-upau militants in the struggle for conserva on of forests and their natural and cultural biodiversity.

The Environmental Protec on Area Capivari-Monos (EPA), is a conserva on area about 251 km², covering much of the sub-districts of Parelheiros and Capela do Socorro in the extreme south of São Paulo, in the basin of Capivari and Monos rivers. The name Monos, according to local residents, originates from the presence of the monkey (woolly-spider monkeys known as ‘muriquis’ or ‘monocarvoeiros”). The EPA consists of a strategic reserve of drinking water for the metropolitan region, which in addi on to basin-Capivari Monos comprises part of the basins of the Billings Reservoir and Guarapiranga springs that supply one fi h of Sao Paulo.

Dra. Vera Lúcia Ramos Bononi Director General, Ins tute of Botany of Sao Paulo

The main objec ves of the EPA crea on on June 9th, 2001 were to promote the sustainable use of natural resources, protec ng biodiversity, water resources and preserve the remnants of Atlan c Forest; house the archaeological and cultural heritage, improve quality of life of the people and maintain the rural character of the region. The Management Plan of APA Capivari-Monos was prepared by the Municipal Department of Green and Environment – SVMA during the years 2009 and 2010. The Management Council of the EPA, comprises representa ves of various sectors and is chaired by SVMA. The vegeta on of this region is characteris c of dense rain forest of the Atlan c Forest, also known as “Mata Atlân ca” forma on, which exhibits a large plant and animal biodiversity. The presence of several species of bromeliads, orchids and non-pioneer trees implies in some degree of conserva on of vegeta on. According to specialists, twenty-six species are considered as endangered, belonging to vulnerable and threatened to ex nc on. Among the endangered species, one could highlight the juçara-palm (Euterpe edulis), the samambaiaçu (Cyathea glaziovii) and orchids like Zygopetalum pedicellatum. Regarding fauna and taking into account only the groups of vertebrates, 364 species are described for in the region, which corresponds to approximately 67% of species recorded in Sao Paulo. Considering the species occurring in the EPA, 113 are endemic to the Atlan c Forest (corresponding to 30% of the total recorded) and 18 are threatened to ex nc on. Among the species found in the area there are seven different kinds of monkeys, puma, tapir and sloth. The increase in urban density and infrastructure construc on, the extrac vism, and the occurrence of exo c species generate nega ve impacts to local biodiversity, represen ng direct or indirect threat to their maintenance and upkeep of this loca on. The Darwin Project should add knowledge to the management of EPA, especially for environmental educa on and aid for public policy of conserva on or environmental rehabilita on.

8

9


Nhemombe’upara Pe Agência Ambiental Pick-upau ma peteĩ ONG ambientalista kuery, ha’egui ha’ekueryae ojapo reta 100% brasileira, ha’e va’e pyma ojapove va’e Preservação ha’e Manutenção Biodiversidade regua re. Ha’e va’e pyma, ipytuvõa kueruy pyau, metódica rami ha’e opena órgão governamentais kuery re, ojejapo privada ha’e amboae kuery omombe’u okuapy joarupi-e’y-e’y, nhemombe’u opyta porãguã rupigua. Pe Projeto Darwin ma, Pick-upau ojapo va’ekue, ijypy Junho 2009 py, ha’e va’epy ojapoxe, omombe’uxe atributos naturais ha’e culturais avi, pe biomas brasileiro regua, Mata Atlân ca katuve ma. Nhande kuery Guarani Mbya tekoa Tenonde Porça pygua kuery ma, ikuai Área de Proteção Ambiental Capivari-Monos py, sul tetã São Paulo, ha’ekuery ma ojeporavo omboypy aguã peteĩ nhemba’eapo. Projeto ma oexa omonhepyrõ aguã dados primários (pesquisa) flora regua ha’e fauna ka’aguy ete regua avi, nhembo’e cultura apygua reve onhemombe’u aguã. Exposições fotográficas arte py J. Andrade reve, kuaxia para ha’e ojejapo kuaxia projeto omboaty va’ekue, oexaukaxe pave pe apy iporãa ha’e nda’evei reia ko ambientais ha’e sócio-economicos avi.

Apy ma heta ojekua ecoturismo ojejapo aguã, ikuai yakã ha’e yy rexãkã ko Rio Capivari ramigua, yakã Toca da Onça, tape do Japonês, Núcleo Curucutu Parque Estadual Serra do Mar PY, Cratera Colônia ha’egui nhande kuery Mbya. Tetã São Paulo gui namombyryi ramo ha’eveve ojejapo aguã mba’eapo petei ára re, oi ta’vy, amoatyrõve aguã ko metropolitana São Paulo py, Parelheiros, Marsilac há’ e Colônia, 1930 jave ma, apy ikuai va’e kuery onhemongaru ojeporakaa gui ha’e ojopoia gui rive’i. Jurua kuery hetave jave ma, tetã ovae tekoa re mombyy’i teri oĩ va’ekue. Ay ma tekoa nhande kuery 900 tekove ikuai, mba’emopara vendea’igui ikuai ha’e rami turismo re ojevare. Rõarõ pave ojou porã kova’e mba’eapo, ombovare ovareva’e ha’e oexakuaa nda’eveia kova’e regua re sul tetã São Paulo py. Ha’evete pave omba’eapo okuapy va’e kuery Pick-upau conservação ka’aguy ha’e biodiversidade re opena va’e ko natural ha’e cultural regua.

Dra. Vera Lúcia Ramos Bononi Diretora Geral do Ins tuto de Botânica de São Paulo Pygua

Área Proteção Ambiental Capivari-Monos ma, peteĩ Unidade Conservação 251 km2, ojopy heta mba’e distrito Subprefeitura Parelheiros ha’e Capela Socorro extremo sul município São Paulo pygua, bacia Rios Capivari ha’e Monos. Monos ma hery apygua kuery oikuaa rami, heta ka’i kuery ikuai ramo mono-corvoeiro. APA ma oĩ yy ja’eagui metropolitana py, bacia hidrográfica gui ha’e Capivari-Monos oguereko bacias Billings ha’e Guarapiranga, manancias oguereko 1/5 municípios São Paulo gui. APA ma ojejapo 09 de Junho 2001 py, ha’e va’e oguereko omba’eapo aguã oĩ porã aguã mba’emo recursos naturais; onhangareko biodiversidade; onhangareko recursos hídricos ha’e Mata Atlân ca rembyrekue’i; omoĩporã patrimônio arqueológico ha’e cultural; onhangareko apy ikuai va’ekuery ikuai porãve aguã ko yvy re omba’eapo va’e kuery. Manejo APA Capivari-Monos ma Secretaria Municipal do Verde ha’e Meio Ambiente – SVMA 2009 ha’e 2010 py ojapo. Conselho gestor da APA, omboaty heta tekove ojekuave va’e setor guigua kuery ha’e onhemoenonde SVMA gui. Ka’aguy apygua ma oguereko caracterís ca Floresta Ombrófila Densa Mata Atlân ca pygua rami, ha’e va’e pyma oguereko heta mba’e, ko biodiversidade ha’e mba’emo ra’y-ra’y. Heta jairogue-rogue porãgue, yvoty yvyra pyau-au oxauka teri nonhepenaĩ teria. Vinte e seis regua vegetais ma oikuaa especialista kuery, okanhy rai’i ma va’e regua, categorias vulneráveis py ikuai, ojavaete ha’eva’e kuery pe, Ha’e va’e pyma ikuai, jejy juçara (Euterpe edulis), samambaiaçu (Cyathea glaziovii) ha’e jairogue porã-porã pe Zygopetalum pedicellam avi. Fauna regua ma, nhamoĩ grupos vertebrados rive’irã 364 regua ikuai, ha’e va’e pyma 67% regua onhembopara município São Paulo py. Espécies ocorrentes APA py, 113 ma endêmicas Mata Atlân ca pygua (oi 30% onhembopara va’egui) ha’e 18 okanhy va’erã py ikuai. Ha’e va’e’ py ikuai sete (irundy mboapy) ka’i kuery, xivi para, mbore ha’e ate’yja. Tekove hetave ramo, okanhymba aguã rami kova’e kuery ojekua. Projeto Darwin ma ombotuvixave rã gestão APA pe mba’emokuaa, nhembo’e ambiental ha’e oexauka polí cas públicas pe conservação ha’e nhemoatyrõ ambiental regua re.

10

11


Charles Darwin Charles Robert Darwin nasceu na cidade de Shrewsbury, Inglaterra, no dia 12 de fevereiro de 1809. Seu avô paterno, Erasmus Darwin, foi um ilustre cien sta de ideias incomuns, que costumava escrever sobre viagens aéreas, exploração submarina e evolução. Ainda jovem, Darwin começou a colecionar animais, vegetais, rochas, conchas e outros espécimes da natureza. Em 1825, por vontade do pai, foi enviado para a Faculdade de Medicina na Escócia, mas por sua falta de interesse nesta carreira, cursou Teologia em Cambridge e tornou-se Bacharel em Artes, em 1831. Influenciado por seus professores, par cipou no mesmo ano da expedição cien fica de circunavegação para o detalhamento das costas da América do Sul no navio Beagle. Por cinco anos, durante os levantamentos geográficos, Darwin explorou o ambiente. Além de desenhos e anotações, coletou o maior número possível de espécimes de fauna e flora, bem como rochas e fósseis. Em 1835, quando o Beagle aportou no Arquipélago das Ilhas Galápagos, observou que em cada uma das Ilhas exis am espécimes de fauna e flora diferenciadas, apresentando alguma semelhança com as encontradas no hemisfério sul. Os clássicos relatos sobre o fato dos bicos dos ten lhões serem diferentes em cada ilha, em função, da alimentação disponível fundamentaram as ideias de evolução. Estas constatações e vários outros registros subsidiaram publicações como: “A Viagem do Beagle” (1839), “Zoologia da Viagem HSM Beagle” (1838-1843) e “A Estrutura e Distribuição dos Recifes de Coral” (1842). Darwin sabia que suas deduções eram polêmicas e relutou para expor suas ideias ao público. Entretanto, em 1858, após discu r suas teorias com o naturalista inglês Alfred Wallace, que nha conclusões semelhantes, os dois cien stas divulgaram a tese sobre a evolução na Reunião da Sociedade Lineana de Londres. Em 1859, Darwin concluiu o seu livro mais relevante: “A Origem das Espécies por Seleção Natural”, que postulava que a espécie humana era apenas mais uma entre tantas outras e que não nha sido criada à imagem de Deus, mas sim sofrido processos evolu vos a par r de um ancestral comum a todos os primatas. Mesmo sendo duramente cri cado pela comunidade acadêmica e a sociedade na época, aos poucos os cien stas começaram a constatar que Darwin nha razão em suas colocações. Em 1871, no livro “A descendência do homem e seleção em relação ao sexo”, concluiu que o homem nha evoluído como todas as outras espécies.

12

13


Charles Darwin

Charles Darwin

Charles Robert Darwin was born on February 12th in 1809 in Shrewsbury, England. His grandfather, Erasmus Darwin, was a dis nguished scien st of unusual ideas and was used to write about air travels, underwater explora on and evolu on. On early childhood Darwin started collec ng animals, plants, rocks, shells and other things of nature.

Charles Robert Darwin oiko raka’e tetã Shrewsbury, Inglaterra py, 12 ára Fevereiro 1809 ma’etỹ py. Tamoĩ tuu guigua, Erasmus Darwin, oiko raka’e peteĩ ilustre cien sta onhemoby’a vaipa rei raka’e ha’e ombopara ko guata oveve va’e py, exploração submarina ha’e evolução. Kunumi teri jave Darwin omboypy pe: omono’õ mymba, jairogue, yvy’ã ha’e amboae-ae ka’aguy reko regua.

In 1825, to please his father, began Medical School in Scotland, but due to his lack of interest in this career, he studied first Theology at Cambridge and became a Bachelor of Arts in 1831. In the same year, influenced by former teachers, he joints a scien fic expedi on circumnaviga ng the detail of the coasts of South America on HMS Beagle in 1831.

1825 py ma, tuu oipota ramo, omondouka Faculdade Medicina regua re Escócia py, va’eri noĩ poraĩ ixupe ramo, onhembo’e TeologiaCambridge ha’evy ojeapo Bacharel Artes 1831 py. Ha’e mbo’ea kuery oikuaa rupi, ae expedição cien fica circunavegação py ojapo aguã nhembo’e porã costas América Sul kanuã guaxu Beagle, 1831 py.

For five years, during his geographic surveys, Darwin explored the whole environment. Besides drawings and notes, he collected the greatest number of specimens of fauna and flora as well as rocks and fossils. In 1835, when the Beagle arrived in the archipelago of the Galapagos Islands, he no ced that in each island species of fauna and flora were differen ated, with some resemblance to those found in the southern hemisphere. The classic report of the fact that the beaks of finches on each island were different depending on the food available was the key to the development of his theory of evolu on. These findings and several other records subsidized publica ons like “The Voyage of the Beagle” (1839); “Zoology of the Voyage HSM Beagle” (1839-1843) and “The Structure and Distribu on of Coral Reefs” (1842).

Peteĩ nhiruĩ ma’etỹ re, levantamento geográfico py, Darwin oexapa katui’ĩ. Omompytã ombopara va’e’ary ma, omono’õ heta ve mba’emo rei ka’aguy regua, ha’e avi yvy’ã-vy’ã ha’e ikuangue-kangue. 1835 py, Beagle opyta Arquipélago Ilhas Galápagos jave, oexa pota Peteĩteĩ Ilhas py joegua e’ỹ-eỹ mba’emo ikuaia ka’aguy regua joo rami e’ỹ-e’ỹ va’e, ojekuaa avi joo rami Rai-rai’i oexa hemisfério sul pygua reve. Pe clássico kuery ijayvu ten lhões xĩre joo rami e’ỹ-e’ỹa regua ha’e okarua rami, omoenonde mby’a evolução regua. Ha’e va’e nhembo’ea gui ma ou ju nhembopara: “A Viagem do Beagle” (1839; “Zoologia da Viagem HSM Beagle” (1838-1843) ha’e “A Estrutura e Distribuição dos Recifes de Coral” (1842).

Darwin knew that his deduc ons were controversial and therefore was reluctant to expose their ideas to the public. However in 1858, a er discussing his theories with the English naturalist Alfred Wallace who had similar findings, the two scien sts disclose the thesis on the evolu on during the “Mee ng of the Linnean Society of London”. In 1959 Darwin published his masterpiece “The Origin of Species by Natural Selec on” which posited that the human species was just one among many others and had not been created in God’s image, and the idea of a common ancestor to both ape and human. Despite being panned by the academic community and society at the me, some scien sts began to realize that Darwin was not so wrong in his statements. In 1871 the book “The Descent of Man and Selec on in rela on to sex,” he concluded that man had evolved like all other species.

14

Darwin ma oikuaa raka’e ha’e oexa’ãa nda’evei reia, ha’e va’e py onhea’ã raka’e pavẽ pe oexauka aguã onhemomby’aa. Va’eri 1858 py ma, xo’o’ua e’ỹ Alfred Wallace Inglês reve joo rami rei oikuaa re onhemboayvua gui, mokoĩ ve cien stas oexauka ha’e kuery rembiapo evolução regua, nhemboaty Sociedade Lineana Londres py. 1859 py ma Darwin omomba kuaxia ojexaukave va’e “A Origem das Espécies por Seleção Natural” ha’e va’e py ma ha’e omoexa’ã tekote Deus ra’angaa e’ỹa, va’eri tekove amboae kuery rami ae, peteĩ rami ojeapo ovya rami, ko ka’i kuery ypy gui tekove oua rami. Onhemoĩ vai rei teĩ ko onhembo’e avi va’e kuery ha’e tekove ikuai va’e kuery gui rã jepe, mbeguei’i rupi cien stas kuery oexa eravy Darwin ha’evea rupinho onhemomby’aa. 1871 py kuaxia “A descendência do homem e seleção em relação ao sexo” oexauka tekove ova ovya amboae kuery oikove va’e ramia.

15


16

17


18


Biodiversidade

Biodiversity

Biodiversidade é um conceito amplo e complexo. Significa a diversidade biológica baseada na individualidade, tanto no âmbito biológico e cien fico, quanto no econômico e cultural. Desta forma, a conservação da biodiversidade, em todas as suas expressões, contribui para a construção de um novo paradigma de desenvolvimento sustentável. Considerando que a base da economia brasileira está in mamente ligada as a vidades agropecuárias, florestais e pesqueiras, a biodiversidade é o que poderia elevar o nosso desenvolvimento biotecnológico. Considerando sua importância estratégica, em 2006, foi promulgada a Lei 11.284, que dispõe sobre a gestão de florestas públicas para a produção sustentável. Paradoxalmente, a falta de informações sobre o que existe em cada ambiente é uma realidade para grande parte do território brasileiro e a taxa de degradação ambiental e ex nção das espécies crescem a cada ano.

Biodiversity is a broad and complex concept. Means biological diversity based on individuality not only in the biological and scien fic but also as in the economic and cultural aspects. Thus, conserva on of biodiversity in all its manifesta ons, contributes to create a new paradigm of sustainable development. Whereas the basis of the Brazilian economy is closely linked to agricultural ac vi es, forestry explora on and fisheries, biodiversity is what could trigger the development of biotechnology. Considering its strategic importance was enacted in 2006 Law 11.284. Paradoxically, the lack of informa on about what is in each environment, the “inventory of biodiversity” is a need for much of Brazil and the rate of environmental degrada on and species ex nc on is greater each year.

No caso do Estado de São Paulo, aonde a cobertura florestal primi va chegou a ocupar mais de 80% de seu território (biomas Mata Atlân ca e Cerrado), existe hoje somente cerca de 13%, mostrando que ao longo do processo de desenvolvimento econômico, grande parte desta riqueza foi destruída. As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) são áreas consideradas importantes para a preservação e conservação ambiental e têm um papel fundamental na manutenção da diversidade biológica. Uma Área de Proteção Ambiental (APA) é um po de Unidade de Conservação onde existem terras públicas e privadas, cujos obje vos são: proteger a biodiversidade, os recursos hídricos e os remanescentes da Mata Atlân ca; resguardar o patrimônio arqueológico e cultural; promover a melhoria da qualidade de vida das populações; manter o caráter rural da região e evitar o avanço da ocupação urbana na área protegida. Criada em junho de 2001, a APA Capivari-Monos possui 25 mil hectares (equivalente a 1/6 da área do município de São Paulo) e está inserida na Área de Proteção aos Mananciais – Sul (responsável por parte do abastecimento de água na metrópole) e na Reserva da Biosfera do Cinturão Verde. Na APA Capivari-Monos, a presença de dis ntas fisionomias proporciona uma variada oferta de ambientes e seres vivos. O grande número de sí os, plantações e ocupação humana com novas chácaras e loteamentos, conferem extrema vulnerabilidade para a proteção da biodiversidade neste local. De acordo com dados oficiais, incluindo a comunidade Guarani que vive na Aldeia Tenonde Porã, com 170 famílias (em torno de 900 habitantes), outras 65 mil pessoas vivem na APA. Devido à pressão con nua e crescente que sofre esta área, inventários sobre a biodiversidade neste local são muito importantes para a promoção do desenvolvimento sustentável na região.

In the state of Sao Paulo, where in the past the primi ve forest cover was more than 80% of its territory (Atlan c Forest and Cerrado biomes), there is nowadays only about 13%, showing that during the process of economic development, large part of this wealth was destroyed. The Nature Conserva on Units (NCU) is considered important areas for environmental preserva on and conserva on has an essen al role in maintaining biological diversity. The Environmental Protec on Area (EPA, in English and APA, in Portuguese) is a type of protected area where there are public and private lands, whose goals are to protect biodiversity, water resources and the remnants of the Atlan c Rain Forest, defending the archeological and cultural heritage; encourage improvements in the quality of life of people, maintaining the rural character of the region and prevent the advancement of urban occupa on in the protected area. Established in June 2001, the EPA Capivari-Monos has 25.000 hectares (one sixth the area of Sao Paulo) and is located in the area of watershed protec on – South (responsible for water supply in the metropolis) and Biosphere Reserve in the Green Belt. In EPA Capivari-Monos, diversity of environments exist in the region provides a wide range of environments and living beings. The large number of small proper es, planta ons and human se lement with new farms and se lements confer extreme vulnerability for the protec on of biodiversity on this area. According to official data, including the Guarani who live in IT Tenonde Porã, 170 families (around 900 individuals) 65.000 other people live in the EPA. Due to con nuous and increased pressure that this loca on suffer every day, inventories of the biodiversity in this place are very important for promo ng sustainable development in the region.


Biodiversidade Biodiversidade ma peteĩ mba’ekuaa tuvixa va’e. Ha’e va’e ma heta mba’e biológico onhexa’ã peteĩgui, biológico ha’egui cien fico reguagui, ha’e avi econômico ha’e cultura py avi. Ha’e biodiversidade py ejavi oikuaa va’epy, oĩpytyvõ peteĩmba’e pyau paradigma teko porã ojejapo aguã. Economia Brasileira py jaikuaa ramivy ko agropecuária gui ijypy ramo, ha’e florestais ha’e pesqueiras, biodiversidade aeramo ma omombaraeteve biotecnológico regua. Nhama’e há’evea revy 2006 re oi promulgada Lei 11.284 ojekua, ka’aguy pavẽ mba’egui ojeporu aguã mba’emo ojejapo aguã. Paradoxalmente, ndaipoi nhemombe’u porã oparupigua ramo, “inventário biodiversidade” oi ete tuvixa território brasileiro re onhembovaipa, okanhymba ovy opamba’e rei peteĩ-teĩ ma’etỹ oaxa va’e re. Ko estado São Paulo py ma, ojekua ka’aguy rive teri jave, oĩ karamboae 80% yvy py (bioma Mata Atlân ca ha’e cerrado), ay ma oi’i teri 13%, ojekua oiny petei nhemba’eapo econômico rupi onhembovaipa heta kova’e ovare raxa va’e. Unidade de Conservação da Natureza (UCs) ma yvy iporã ete ko ookove aguã diversidade biológica regua. Peteĩ Área de Proteção Ambiental (APA) ma oi Unidade de Conservação rami, ha’e py oĩ yvy pavẽmba’e ha’e teĩ-teĩ’ĩ mba’e avi, ha’e va’e pyma; teĩ ke onhenhagareko biodiversidade re, ojeporu va’erã hídricos ha’egui Mata Atlân ca rembyre’i re; omoĩporã patrimônio arqueológico ha’e cultural; omoĩporãve tekove kuery pe; oeja ojekua oĩnỹ aguã rural regua ha’e nddoejai tekove kuery onhemboo yvy onhenhangareko va’e py. Junho 2001 py ojejapo APA Capivari-Monos, 25 mil hectares oguereko, (1/6 yvy município São Paulo rami oguereko) ha’e oĩ avi Proteção Mananciais – Sul py, (oguereko abastecimento yy regua metrópole py), ha’e onhemoĩporã Biosfera Cinturão Verde py. APA CapivariMonos py, ojekua joegua-egua e’ỹ fisionomias oikoveva’e kuery pe. Heta sí os, oma’etỹ va’e kuery ha’e tekove ava kuery ikuai, chácaras ha’e onhemboo rive-rive va’e ojapovai eterei ko proteção biodiversidade pe. Onhemombe’u dados oficiais gui, tekoa Guarani Tenonde Porã reve, 170 famílias (900 nhande kuery) ha’e 65 mil tekove ikuai APA py. Nda’eveireia tuvixave, ndopytu’uveiagui, pe inventário biodiversidade gui ojekua ete tekove kuery ha’e py ikuai aguã.


Aldeia Guarani Tenonde Porã

Guarani Tenonde Porã Village

A Aldeia Tenonde Porã, denominada “Vila Guarani” e “Morro da Saudade”, nas décadas de 70 e 80, está situada no Município de São Paulo, Distrito de Parelheiros, no Bairro Barragem. Localiza-se às margens da represa Billings e está a cerca de 50 km do centro de São Paulo (Praça da Sé – Catedral). A comunidade Guarani M’bya vive em cerca de 30 hectares, em área que foi demarcada e homologada em abril de 1987, quando moravam em torno de 60 pessoas. Atualmente, vivem ali quase 900 pessoas e a terra indígena necessita de ampliação.

The village Tenonde Porã, named “Vila Guarani” and “Morro da Saudade” in the ‘70s and ‘80s, is located in Sao Paulo, in Parelheiros’ District, in the quarter margins of the reservoir dam ace Billings and only 50 km distant from downtown (Praça da Sé – Cathedral). The Guarani community M’bya lives in about 30 hectares in area that was demarcated and ra fied in April 1987, when their number was around 60 people. Currently nearly 900 people live there and indigenous land needs to expand.

O aumento da população trouxe dificuldades para as prá cas tradicionais, tais como a falta de área para plan o, caça, pesca e construções de casas picas. Mesmo com o crescimento acelerado e desordenado da região (inclusive com loteamentos clandes nos) a população, desde longa data e mesmo após os primeiros contatos com a sociedade do entorno, vem mantendo as tradições e con nua a ser um povo com conhecimentos milenares, passados por gerações através da oralidade dos mais velhos da cultura. Existem algumas aldeias guaranis situadas nas extremidades da Grande São Paulo e, apesar da distância entre elas, a comunidade mantém a sua língua materna; existem, ainda, descendentes que não se comunicam na língua portuguesa. Anualmente, são realizados rituais de consagrações para os nomes Guarani, para Erva-Mate e o Milho. Às tardes as pessoas se reúnem na “Opy” (casa de rituais Guarani), o lugar sagrado onde acontecem os rituais de consagrações, para cantar, dançar e interagir uns com os outros, se fortalecendo espiritualmente. Os Guaranis na Tenonde Porã, apesar de conviverem diariamente com as influências da cultura da sociedade ao seu redor, contam com alguns bene cios nos úl mos dez anos, como por exemplo, o CECI – Centro de Educação e Cultura Indígena (municipal) de educação infan l, com monitores indígenas, dando ênfase à cultura Guarani nas suas a vidades; o Posto de Saúde “Vera Poty”, man do pela Funasa – Fundação Nacional de Saúde e a EEI Guarani Gwyra Pepó, que atualmente atende alunos desde a 1º série do ensino fundamental até o 3º ano do ensino médio, onde atuam funcionários guaranis e não-guaranis. Um dos grandes problemas na Tenonde Porã é a falta de postos de trabalho. Na Escola, Posto de Saúde e CECI, existe uma pequena parcela da comunidade empregada com salário mensal, mas a grande maioria tenta sobreviver com a venda de seu artesanato, pouco valorizado em São Paulo. Mesmo recebendo Salário Mínimo e Bolsa Família, isto não é suficiente para suprir todas as necessidades básicas das famílias, que em média têm cinco filhos. Desta forma, as pessoas da aldeia vêm lutando para dar con nuidade à sabedoria de seus antepassados, que também lutaram bravamente por suas vidas e por sua cultura.

The popula on increase has brought some difficul es for tradi onal prac ces, such as the lack of area for plan ng, hun ng, fishing and even houses’ construc on. Although one can see the rapid and uncontrolled growth of the region (including slums), the Guarani popula on has maintained the tradi ons and con nues to be a unique people with ancient knowledge, passed through genera ons by the wisdom of the elders. Despite the fact that the few remaining Guarani villages are located at the ends of Sao Paulo, the community maintains their mother tongue and there are s ll people who do not communicate in Portuguese. Every year, the rituals of consecra on for the Guarani names, for Yerba Mate and Corn. Every evening people gather at the “Opy” (Guarani’s house of rituals), the sacred place where this community sing, dance and interact with each other to become stronger spiritually. The Guarani in Tenonde Porã, despite having daily contact with the influences of the culture of the society around him, has some gains over the past ten years, CECI – Centre for Indigenous Educa on (municipal) educa on of children with monitors Guarani, emphasizing Guarani culture in their ac vi es and the Health Center “Vera Poty” maintained by Funasa – Na onal Health Founda on and EEI Guarani Gwyra Pepó, which currently serves students from the 1st grade un l the last year of high school, where one can find Guarani and non-Guarani employees. A major problem in Tenonde Porã is the lack of job employment opportuni es. Considering that at School, Health Post and CECI, there is a small frac on of guaranis employed with monthly salary the majority in this community try to survive by selling and their handicra s that are seems to be less evaluated in Sao Paulo, comparing to other Brazilian regions’. Even ge ng the Minimum Loan Amount and the Federal Family Loan this is not enough to supply all the basic needs of families, who on average have five children. Thus, the villagers, in the same manner of their ancestors, have been figh ng bravely for their lives and to keep their culture.


Tekoa Tenonde Porã Tekoa Tenonde Porã, Ijypy hery raka’e “Vila Guarani” ha’egui “Morro da Saudade” ma’etỹ 70 ha’e 80 jave, oĩ município São Paulo py, distrito Parelheiros py, Bairro Barragem py yakã Billings rembere, 50 km tetã São Paulo mbyte gui (Praça da Sé - Catedral). Nhande kuery Guarani Mbya ikuai yvy 30 hectares py, ha’e va’e ma onheme’ẽ raka’e abril jave 1987 py, ha’e jave ma ikuai raka’e 60 nhande kuery. AỸ ma ikuai ha’e va’e py 900 rai’i tekove, yvy nhande kuery mba’e py ha’e okõtevẽ tuvixave aguã. Hetave tekove apy ogueru nda’evei reia tekoete’i pe, ha’e rami vy oata yvy oma’etỹ aguã, ojeporaka aguã, ojopoi aguã ha’egui oo eteete’i ojejapo aguã. Ha’e kuery ikuaia py hetava’e kuery onhemonha pojave (yvy omba’eỹ re guive) apy ikuai va’e harekue ma ijypy guive hetava’e kuery rovai re, arandu yma guare ogueroguata teri, tujakueve’i ayvu rupi nhande kuery reko. Ikuai reta Guarani kuery rekoa São Paulo re, ha’e joegui mombyry-mbyry rã jepe, ha’e kuery ejavi oguereko teri oyvu ete’i, ikuai avi nhande kuery Juruá kuery ayvu pyri onhemboayvu va’e’y. Ma’ety nhavõ oguerojeapo Nhemongarai kyringue pe tery Guarani pygua onheme’ẽ aguã, ha’e oĩ avi Ka’a Nhemongarai oi Mbojape Nhemongarai. Ka’aru nhavõ nhande kuery oje’oi Opy’i re, ha’e va’e oo iporã va’e py ae ma oguerojeapo Nhemongarai, oporai, ojeroky ha’egui joupive Nhanderu Kuery arandu rupi. Nhande kuery tekoa Tenonde Porã pygua, ko’e nhavõ ikuai hetava’e kuery reko rupiavi tei, oguereko avi dez ma’etỹ kuegui, CECI – Centro de Educação e Cultura Indígena (municipal) nhembo’e kyringuave’i pegua, nhande kery meme nhombo’ea, omombaraete nhande kuery reko omba’eapoa py ha’e Nhopoanoã “Vera Poty”, ha’e va’e ma FUNASA – Fundação Nacional de Saúde, ha’e Nhombo’ea EEI Guarani GUYRA Pepó, aỹ ha’e py ikuai onhembo’e va’e 1º série fundamental ha’e 3º ensino médio peve, omba’eapo nhande kuery ha’e Jurua kuery. Nda’evei reive va’e Tenonde Porã py ma tembiapo oataa. Nhembo’ea py, Nhepoanoa ha’e CECI py, ikuai mboapy’i nhande kuery omba’eapo va’e ha’e perata jaxy nhavõ ojopy va’e, hetave va’e kuery ma oiko’ita gua’u mba’emo para ovende’ia gui, São Paulo py ndovare vaipai. Salário Mínimo ha’e Bolsa Família ojopy tei ae há’eva’e rive’i ndoupitypai nhande kuery okõtevẽa ejavi, ha’e peteĩ nhiruĩ meme rei ta’y kuery oguereko. Ha’e rami vy, nhande kuery tekoa pygua onhea’ã okuapy arandy ogueraa aguã arandu yma guare ha’e onhea’ã raxa avi ikuai’i aguã nhande reko reve.


Teoria da Evolução

Theory of Evolu on

Durante a sua viagem de cinco anos ao redor do mundo, o Beagle correu ao longo da costa brasileira. No Rio de Janeiro, além de se surpreender com a exuberância da floresta e seus habitantes, Darwin encontrou o seu “primeiro macaco do Novo Mundo”. Ao voltar à Inglaterra, Darwin passou os primeiros anos dedicando seu tempo a organizar todas as suas anotações e, dessas anotações, surgiram vários livros, monografias e obras técnicas. Em 1859, Darwin publicou o livro “A Origem das Espécies”, expondo à sociedade sua Teoria da Evolução por Seleção Natural, contrariando a concepção Divina de criação de todos os seres na Terra (Criacionismo). Os 1250 exemplares da primeira edição se esgotaram rapidamente e durante aquele ano foram rados mais de 3800 livros. Ao longo da vida de Darwin, foram publicadas 27 mil cópias do livro que se tornou um best-seller.

On his trip around the world that lasted five years, the Beagle ran along the Brazilian coast. In Rio de Janeiro, besides being amazed by the exuberance of the forest and its inhabitants, when he met his “first New World monkey. “Upon returning to England, he spent the first years a er the journey devo ng his me to organize his notes and from these annota ons were several books, monographs and technical works wri en.

Por sua contribuição à ciência recebeu o tulo honorífico da Universidade de Cambridge no ano de 1877, faleceu em abril de 1882, aos 73 anos. Foi enterrado na abadia Westminster, em Londres, perto de Isaac Newton. Darwin é considerado um dos maiores cien stas de todos os tempos e a sua obra ainda é base para muitos estudos. A par r de uma ideia de “árvore”, Darwin concluiu que todas as espécies semelhantes entre si desenvolveram-se a par r de uma origem comum. Através da compe ção em determinada circunstância, a natureza favorecia as variantes que conseguiam explorar nichos desabitados. O conceito de “seleção natural” sugere que apenas os indivíduos mais adaptados sobrevivem, deixando suas caracterís cas para as gerações futuras. Resumidamente, a Teoria de Darwin baseia-se em três observações fundamentais: 1ª - Todos os seres vivos têm variações nas caracterís cas que podem ser transmi das à prole; 2ª - Os seres vivos estão numa feroz luta pela sobrevivência, onde os mais adaptados têm maior chance de sobreviver e, portanto, produzir mais descendentes; 3ª - Dessa compe ção, as caracterís cas favoráveis se fazem mais comuns nas gerações posteriores, tornando-se predominantes nas gerações seguintes. Outro fator importante nessa teoria é a necessidade do organismo mais forte e adaptado ao meio onde vive ter sucesso reprodu vo. De outra maneira, por exemplo, no caso deste ser estéril, suas caracterís cas não seriam passadas para as gerações seguintes (reprodução diferencial), não provocando mudanças na população. Juntamente com a variação e a sobrevivência/reprodução diferencial, dois princípios alicerçam a Teoria de Darwin: a ascendência normal, onde há um ancestral comum para todas as espécies num passado remoto; e o da divergência, onde há uma tendência para a diversificação das espécies e ocupação de todos os nichos do ambiente. A “Teoria da Evolução” proposta foi corroborada pelas conclusões ob das por muitos cien stas. Gregor Mendel, contemporâneo de Darwin, considerado o “Pai da Gené ca” explicou o mecanismo da hereditariedade. No século XX, todos os trabalhos que levaram à descoberta da estrutura da molécula informacional dos seres vivos, o DNA (sigla inglesa do ácido desoxirribonucleico) pelo biólogo James Waston e o bio sico Francis Crick (1953), confirmaram que variações podem aparecer nos seres através das mutações dos genes ou dos cromossomos; e que tais variações podem ser passadas de uma geração para outra, assim como Darwin acreditava.

In 1859, Darwin published “The Origin of Species”, exposing his theory of evolu on by natural selec on, contrary to the concep on of divine crea on of all beings on earth (Crea onism). The 1250 first-edi on copies sold out quickly this year and it was necessary to print about 3800 new copies of his book. Over the life of Darwin, was published 27.000 copies of the book that became a bestseller. The ascent of all species through me was expressible as a metaphor he termed the “Tree of Life” and Darwin concluded that all species which are similar to each other evolved from a common origin. From the compe on in a given circumstance, nature favored the variants that could exploit some uninhabited niche. The concept of “natural selec on” suggests that only those best adapted individuals will survive, leaving their characteris cs to future genera ons. Briefly Darwin’s Theory is based on three basic observa ons: 1st - All beings have varia ons in characteris cs that can be transmi ed to offspring; 2nd - The living things are in a fierce struggle for survival, where the most appropriate should survive and produce offspring; 3rd - In this compe on, favorable characteris cs first becomes more common in later genera ons and further predominantly in the coming genera ons. Another important factor in this theory is that the ones with stronger bodies and more adapted to the environment could achieve reproduc ve success. Otherwise, their features would not pass on to future genera ons (differen al reproduc on) and will not cause any changes in the popula on at all. Along with the features varia on and survival/differen al reproduc on, two principles underlie Darwin’s theory: a common ancestry, where there is a common ancestor for all species in the distant past and divergence, where there is a tendency for the diversifica on of species and occupa on every niche of the environment. “Darwin’s Theory of Evolu on” was corroborated by the findings obtained by many important scien sts. Gregor Mendel, a contemporary of Darwin, considered the “Father of Gene cs” explained the mechanism of heredity. In the twen eth century, the works that led to the discovery of the structure of informa onal molecule of all living organisms, called DNA (deoxyribonucleic acid) by the biologist James Waston and the biophysicist Francis Crick (1953). It was confirmed that the varia ons may appear in humans through muta ons of genes or chromosomes and that these varia ons can be passed from one genera on to another, as Darwin believed.


Nhexa’ã yjypya Peteĩ nhiruĩ re oguata oparupia gui, o Beagle oexa vaipa costa brasileira. Rio de Janeiro py, onhemongueta ha’e ka’aguy porãa re ha’e ikuai ha’e py va’ere, ojou oeka va’e “ijypu ka’i yvy pyau re”. Inglaterra re ojevy vy, ha’e ijypy-jypy ma’etỹ re omoatyrõ oikoa re ombopara va’ekue-ekue, ha’e va’egui ojekua heta kuaxia para, monografia ha’e mba’eapo técnicas. 1859 py, Darwin ojapo kuaxia para “A origem das Espécies”, oexauka tekove kuery pe ha’e oexaa rami, Evolução Seleção Natural rupia, onhemoenonde vai ko tekove kuery yvy re ikuai va’e jeapo Divina guiri oua regua re (Criacionismo). 1250 kuaxia para ijypygua opa pojava ha’e va’e ma’ety re ojeapo 3800 ra’angaa. Darwin oiko area re, ojejapo 27 mil kuaxia ra’angaa ha’e ojeapo peteĩ Best-seller. Oipytyvõ ciência are ojopy tulo honorífico Universiade Cambridg gui 1877 py, omano Abril re 1882 py 73 ma’etỹ ombotya py. Ojaty abadia Westminster, Londres py, Isaac Newton yvy’iry. Darwin ma pavẽ cien sta gui inha’aranduve va’ea rami, aỹ peve ojapo va’ekue ovare amboae-ae onhembo’e aguã. “Yvyragui” manje, Darwin oguereko peteĩ arandu, ejavi mba’emoje oguerojeapo peteĩgui. Ijypy petei nhomoiruagui, ka’aguy reko omombaraete mba’eve nda’ipoiagui. Oikuaa pe “ojeporavoapy” imbaraeteve va’e rive ma oikove aguãami, ha’e ramivy oeja ovy hexegua tenondere oo aguã. Ayvu reta pye’y Darwin oexa’ã mboapy rupi: 1º - Ejavi oikove va’e rupi opyta ovy peteĩ regua-regua prole re; 2º - Oikove va’e kuery joguero’a riae oikove aguã, ha’e va’epy ma imbaraeteve va’e rive ma oikove ovy, ha’e ramivy oejave ovy guoenondere; 3º - Ha’e va’e joguero’aa py, hexe ojekua porãve va’e opyta ovy tenondere oo va’e pe. Amboae ramigua há’e va’e py ma, oexa’ã ramo imbaraeteve va’e rãe onhemonhã pojavave. Amboae ma, pe nonhemonhãi va’e ma ndoejai mba’eve tenondere ( onhemonhã amboae ramingua), ha’e ramivy ndoguerovai tekove kuery re. Ha’e va’e pyma oikoa/onhemonhãa amboae ramingua, mokoĩ rupi ojekua Darwin pe: hetarã joo rami, joagui ou ijypygui, ha’e va’e py oguereko joo rami e’ỹa oikovea py, oiporu oikoa py. Ha’e “Nhexa’ã ijypya” ma heta cien sta kuerygui ojekua. Gregor Mendel ma Darwin rireju, ojekua oiny “Géne caru” omobe’u mba’exa pa mecanismo nhanderete regua oĩ. Ma’etỹ xx pyma, onhemba’eapo ko molécula tekove reguara re, pe DNA (sigla inglesa ácido desoxirribonucléico re) biólogo James Waston há’e bio sico Francis Crick (1953), ha’e py omobe’u porã peteĩ regua tenondere oorã oinỹ joegui-egui genes cromossomos, ha’e pe Darwin oexa’ã ague rami ae.


Projeto Darwin

Darwin Project

O “Projeto Darwin” faz parte de um novo compromisso da Agência Ambiental Pick-upau, que visa aumentar o conhecimento sobre a biodiversidade através de pesquisas cien ficas, voltadas para auxiliar as polí cas de preservação e conservação ambientais.

The “Darwin Project” is part of Pick-upau Environment Agency’s new commitment which aims to increase knowledge about biodiversity through scien fic research to aid policies for environmental preserva on and conserva on in APA Capivari-Monos.

O Projeto Darwin – Flora tem como principais obje vos conhecer e divulgar os atributos naturais e culturais, com ênfase na Floresta Atlân ca, incluindo áreas par culares, Unidades de Conservação e Terras Indígenas. Este projeto consiste no inventário da biodiversidade de espécies arbóreas da Área de Proteção Ambiental Capivari-Monos, em Parelheiros, no extremo sul do Município de São Paulo.

Darwin Project – Flora’s main objec ves are to get to know and to disseminate the cultural and natural a ributes, with emphasis on the Atlan c Forest species, including private areas, protected areas and indigenous lands. This project consists of the biodiversity inventory of trees in the area of Environmental Protec on APA Capivari-Monos in Parelheiros in southern city of Sao Paulo.

Além dos aspectos ecológicos, o Projeto também contribui para o desenvolvimento local, com uma dimensão socioambiental, ao incluir como parceiro a comunidade Guarani Tenonde Porã. Sua par cipação em várias etapas do projeto e a oportunidade de documentar a relação das comunidades indígenas e tradicionais com a fauna e a flora, bem como seus conceitos conservacionistas, cien ficos e culturais agregam a este projeto valor incomparável.

Besides the biological inventory of the predominant species of flora, the project also contributes to local development, with socioenvironmental issues due to the inclusion of the Guarani community as partners who live in Tenonde Porã village. Their par cipa on in various stages of the project and the opportunity to document the rela onship of indigenous with the fauna and flora as well as their concepts conserva on, scien fic and cultural value add uncountable appraisal to this unique project.

A par r destes resultados, será possível sensibilizar cada vez mais a sociedade, para tornar viável não só o desenvolvimento sócioeconômico das regiões inseridas no projeto, mas a preservação do ambiente aliadas ao planejamento de novas estratégias, além de oferecer alterna vas para a criação de uma economia local de origem conservacionista.

These results could possibly increase awareness of the society and make it feasible the socio-economic development of regions included in the project and also the preserva on of the environment coupled with the planning of new strategies and offer alterna ves for building a “Nature Conserva on Vision” for the local economy.


Projeto Darwin “Projeto Darwin” ma oĩ peteĩ mba’eju Agência Ambiental Pick-upau pe, ha’e omba’eapo ombotuvixave aguã oma’eave ma biodiversidade regua re, nhembo’e cien fica rupi, oipytyvõ aguã ko polí ca ka’aguy re nhangareko oĩve aguã. Projeto Darwin – Flora ma oguerekoete oexauka aguã atributos ojekua rive va’e ha’egui culturais, omombaraete aguã Floresta Atlân ca, oĩ avi yvy peteĩ-teĩmba’e, Unidade de Conservação ha’e yvy nahande kuery mba’e. Kova’e projeto ma oĩ inventário biodiversidade opamba’e yvyra kuery regua re, yvy Proteção Ambiental Capivari-Monos re, Parelheiros extremo sul município São Paulo pygua re. Aspectos ecológicos guima projeto oguereko avi mba’eapo tekove pe, dimensão sócio ecológico reve, omoĩ oĩrurã nhande kuery tekoa Tenonde Porã pygua kuery. Ha’ekuery oipytyvõ heta rupi projeto py, ojekua ha’e omoĩporã mba’exa pa nhande kuery oguereko fauna ha’egui flora, ha’e ha’ekuery oikuaa rami arandu regua ha’eva’e rupi, cien ficos ha’e guoeko rupi, ha’e rupi joguereko kova’e projeto py. Kova’egui ma ha’everã tekove kuery oikuaa porãve aguã desenvolvimento sócio-econômico regua kova’e yvy re, projeto proteção ambiental reve ogueraa kuave eravy, ipyau-au estratégias ojekua ovy ojejapo aguã peteĩ economia iporãve va’e.


Posfácio

Postscript

Viagem pela Mata Atlân ca, biodiversidade, redescobrindo os remanescentes da população natural que ainda resta nessa região do Estado de São Paulo. Este é o foco dessa obra. A Aldeia Guarani Tenonde Porã tem tudo a ver com a Teoria da Evolução, descrita por Charles Darwin, uma vez que integra vários elementos da natureza que coexistem ao longo do processo evolu vo, de forma harmoniosa e integrada com o meio em que habitam, e que podemos sen r mais de perto, ainda que a biodiversidade restante seja pouca.

A travel through the Atlan c Forest, biodiversity, rediscovering the remnants of the natural popula on that remains in this region of São Paulo, this is the outcome of this work from begin to finish. The Guarani’s Indigenous Land Tenonde Porã has everything to do with the theory of evolu on described by Charles Darwin, as it composes various elements of nature that exist throughout the evolu onary process, and smoothly integrated with the environment they inhabit, and although the remaining biodiversity is low, one can feel it more closely there.

O trabalho da Agência Ambiental Pick-upau, vem resgatando questões relacionadas à conservação de áreas, que apesar da grande importância, ainda não são estudadas a contento e de forma integrada pelas academias de ciências: da semente à árvore, do dispersor ao consumidor, do complexo trabalho de observador ao gestor de áreas de conservação, das diversas etapas que cercam todo o processo de trabalho para que, ao final, concre zem-se ações efe vas para a conservação dos habitats.

The work of the Environment Agency Pick-upau has been rescuing issues related to conserva on areas, that despite the great importance are not yet adequate and seamlessly studied by the academies of science: from seed to tree, from the sca er to the consumer, considering the complex task of observe and manage conserva on areas including the various stages throughout the work process so that in the end, it became effec ve ac ons for the conserva on of habitats.

Essa obra mostra o trabalho de campo desenvolvido pelo grupo e que deve ser visto, e sempre revisto, pois revela a ousadia dessa equipe em tornar realidade todas as intenções e a vontade demonstrada no dia a dia em busca de informações, onde os aprendizados são sempre bem escutados e muito bem anotados. É aí que enxergamos a “evolução”, e não é só “teoria”, é pura convicção. Darwin ficaria orgulhoso ao notar que seu nome está sendo empregado de forma justa e bem exemplificada, mostrando o que ainda resta de uma região que primariamente deveria conter enorme biodiversidade. Vale à pena acompanhar esse trabalho, desenhado a par r de formas perfeitas que a natureza nos emprestou e que, pouco a pouco, nós, seres humanos, estamos destruindo, a tulo da arrogância e ignorância.

This work shows the fieldwork carried out by the group, and should be seen and revisited always, because it shows the boldness of this team to make real all the inten ons and the will they have on a daily basis in searching for informa on, eager to learn more and more. This is the point where one can see that the “evolu on” and not just “theory” is pure convic on. Darwin would be proud to see that his name is being used in a fair and well illustrated way, showing what is le of a region that former should contain enormous biodiversity. It is worth to keep up this work, sketched from the perfect forms that nature lends us and li le by li le we humans with arrogance and ignorance are destroying.

Na contramão, a Agência Ambiental Pick-upau tem se empenhado e colaborado para conservar e resgatar a maior quan dade possível de informações existentes nesse pequeno nicho de Mata Atlân ca, através dessa bela obra “Atlân ca”, que representa parte do que o Grupo vem fazendo na comunidade Guarani e na recuperação de áreas verdes, através de levantamentos cien ficos, botânicos, coleta de sementes e produção de mudas, realizados em Áreas de Preservação Naturais e Culturais.

On the other hand, the Environment Agency Pick-upau has been engaged to conserve and recover the maximum amount of informa on exis ng in this small niche of the Atlan c Forest, through this beau ful work “Atlan c”, which is part of what the group is doing to the Guarani community and the rehabilita on of green areas, through scien fic assessments and botanical survey, seed collec on and seedling produc on, performed in Areas of Natural and Cultural Environmental Preserva on.

Dessa forma, é possível gerar novas estratégias e subsídios para a formulação de polí cas públicas voltadas à preservação e conservação ambiental. Essa obra nada mais é do que um retrato da biodiversidade atual existente numa pequena área protegida da Floresta Atlân ca e que contempla, também, comunidades indígenas e tradicionais, mostrando ser perfeitamente viável a convivência entre a fauna e flora, os diferentes elementos da natureza, consciência esta que nos remonta à citação de J. Peralta e T. Osuna, de que “o guarani é natureza, verbo puro, poesia fóssil, a idade de ouro do homem, o paraíso perdido, nostálgico e suave, filho da noite, raio de luz no meio do mistério cósmico”.

Thus it is possible to generate new strategies and subsidies for the formula on of public policies aimed at environmental preserva on and conserva on. This work is only a picture of the current biodiversity exis ng in a small protected area of Atlan c Forest that also includes indigenous and tradi onal communi es, proving to be perfectly viable the coexistence between the fauna and flora, the different elements of nature and this awareness reminds us the quote from J. Peralta and T. Osuna that “the Guarani is the nature, pure verb, fossil poetry, the golden age of man, paradise lost, nostalgic and so , child of the night, light beam in the middle of the cosmic mystery”.

Dra. Marcia Balis ero Figliolia e Dr. Miguel Luiz Menezes Freitas Ins tuto Florestal de São Paulo

Dra. Marcia Balis ero Figliolia and Dr. Miguel Luiz Menezes Freitas Sao Paulo Forest Ins tute


Posfácio Viagem pela Mata Atlân ca, biodiversidade, ojekuaaju tekove kuery natural kova’e regua Estado São Paulo pygua, kova’e ma ojepo va’ekue kova’e mba’eapogui, ijypygui opapeve. Tekoa Guarani Tenonde Porã ma oguerekopa oexa aguã ko Charles Darwin oexa’ã ague ombopara va’ekue regua, peteĩ ma heta elementos ka’aguy regua joorami onhemonha ovy heta ma’ety re, oĩ porã reia rami ko ikuaia re, ha’eve nhaendu aguã ha’e’igui, biodiversidade regua ruxa’ĩ rembyre teĩ ae ma. Agência Pick-upau mba’eapo ma, ogueruju ko mba’emo conservação áreas regua re, va’eri iporã raxa teĩ ta’vy, nonhembo’eai teri ha’evea rami ko academias ciência gui: yvyra ha’egui ha’yĩ, omombova’e ha’e oiporuva’egui, heta maba’e onhemba’eapo ha’e oma’e áreas conservação gui, heta mba’egui teri oĩ ojejapo aguã ha’e opaguã re onhemomba’eapo va’e, nhomoĩru eravy ha’evea rami conservação habitats regua. Kova’e nhemba’eapo ma oka rupigua grupo ojapo va’ekue ha’e va’e ma ojekua rã, teĩ ke ojekua riae, mba’eta kova’e equipe ma ojapoete mba’eapo ojekuave aguã mba’emo rei kova’e regua re, teĩ-teĩ ára re ikuai nhemombe’u rakykue, ha’e va’erupi ma onhemoĩporã kuerei mba’emo ojekua va’e. Ha’e va’e pyma roexa “evolução”, ma “teoria” rive’y, anhetegua meme. Darwin ma ovy’a rãgue hery ojekua oĩny ha’evea rami, oexauka eravy peteĩgui ranhe oĩ rãgue heta biodiversidade teri. Ovare jaexa eravy aguã kova’e mba’eapo, jajapovai eravy mbeguei’i ko ka’aguy ome’e va’ekue pe, nhande kuery tekove ma nhambovaipa eravy, mba’eve ndajaikuaaivy nanhaexa’aivy. Amboae rupi ma, Agência Ambiental Pick-upau ojapo vaipa omoĩ porã aguã ha’e ogueruju aguã hetaveta mara’aga mba’ekuaa oĩ va’e kova’e kyrĩ’ĩ Mata Atlân ca gui, kova’e mba’eapo porã rupi “Atlân ca”, ojekua peteĩ regua Grupo ojapo eravy va’e nhande kuery Guarani ko omoĩ porãju aguã áreas rovyva’e, omba’eapo cien ficos, botânicos, onhemono’õ ha’ygue ha’e ojejapo ta’ykue’iry yvyragui, ojejapo Áreas Preservação Naturais ha’e culturis regua re. Ha’e rami vy ha’everã ojejapo aguã amboae ramigua ko subsídios ko polí cas públicas ka’aguy opena va’e kuery oikuaa porãve aguã ambiente oguereko kuaave aguã. Kova’e mba’eapo ma petei ta’angaa biodiversidade régua aygua oĩ va’e peteĩ py kyru’i va’e py onhemoĩporã oĩny Ka’aguy Atlân ca ogueeko va’e, avi, nhande kuery iarandu oguereko teri va’e kuery, oexauka porã eravy hã’eve jaiko kuaa aguã fauna reve ha’e flora, jooramie’y-e’y ka’aguy regua, jaikuaa kova’e, ogueruju nhandevy py J. Peralta ha’e T. Osuna “o guarani ma ka’aguy, ayvu anhetegua, poesia fóssil, idade de ouro do Ava, paraíso okanhy va’ekue, nostálgico ha’e suave, pytũ ra’y, nhemoendy hexakãgui mbyte mistério cósmico”. Dra. Marcia Balis ero Figliolia e Dr. Miguel Luiz Menezes Freitas Ins tuto Florestal de São Paulo



Livro "Atlântica"