Page 1

Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

Yoga ameniza e previne dores nas costas

Opinião.

Márcia Mazzutti

“Não conheço o dono do potro levado à morte na Vila Rica, mas me solidarizo com ele. Vivemos dias difíceis. A barbárie campeia frouxa e a impunidade é visível. As nossas mais caras tradições deveriam ser respeitadas”.

Em uma conversa bem-humorada, a advogada fala sobre a relação com a família e o trabalho, suas duas paixões.

Adari Francisco Ecker

Págs 6 e 7

CARazinho, SÁBADO E DOMINGO, 08 e 09.03.2014

www.diariodamanha.com 33 ANOS - Nº 354 - R$ 2,00

Diário da Manhã

1

Classificados As melhores ofertas de veículos e imóveis


2

DA REDAÇÃO

Diário da Manhã

Carazinho em Imagens www.facebook.com.br/carazinhoemimagens

Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

ETERNA MULHER Wilson Moreira

Av. Flores da Cunha, altura da Rua Carlos Barbosa (1959): Ao lado direito, antigo posto Atlantic. Foto tirada do Grande Hotel. Fonte: acervo IBGE

(*) Essa é uma parceria do DM Carazinho com a Página Carazinho em Imagens. O setor trará diariamente imagens históricas do município. Aproveite!

DATA COMEMORATIVAS 08 · Dia Internacional da Mulher 08 · Dia da criação da Casa da Moeda do Brasil

Instagram

@diariodamanhacrz

A reportagem do DM Carazinho registrou os últimos retoques no recapeamento da ERS 142.

Não podia me furtar de dizer que Chico Buarque roubou a inspiração e os versos de muitos marmanjos, que cultivam certa timidez conveniente, e, por detrás da fortaleza dos homens que não choram, não se rendem às musas de nossos sonhos. Na música Cotidiano, o grande compositor consegue, de forma sublime, elogiar até a trivialidade da rotina, de zeloso esmero e carinho, traduzidos num simples feijãozinho cozido com cheirinho de manjerona. “Todo dia ela faz tudo sempre igual/me sacode as três horas da manhã/Me sorri um sorriso pontual/E me beija com a boca de hortelã/Todo dia ela diz que é pra eu me cuidar/E essas coisas que diz toda mulher/Diz que está me esperando pro jantar/E me beija com a boca de café/Todo dia eu só penso em poder parar/Meio dia eu só penso em dizer não/Depois penso na vida pra levar/E me calo com a boca de feijão/Seis da tarde como era de se esperar/Ela pega e me espera no portão/Diz que está muito louca pra beijar/E me beija com a boca de paixão/Toda noite ela diz pra eu não me afastar/Meia-noite ela jura eterno amor/E me aperta pra eu quase sufocar/E me morde com a boca de pavor.” Todo homem devia ter o mínimo de inspiração para elogiar uma mulher. Devia ser proibido aos corações endurecerem, de amores sofridos, de vida dura, de desapego, de desgaste, de esquecimento dos aniversários de namoro, noivado, casamento, para, mesmo na rotina do cotidiano, fazer como o poeta, verter a rima dos versos. Não precisa ser o grande letrado, elas nem querem isso, só o gesto, o reconhecimento, uma palavra que represente os sinônimos que soam como música: porto seguro, proteção, ancoradouro, a certeza de que a finitude existe para tudo, menos para a fala do corpo, os olhares cúmplices, a intimidade que se descobre na vontade ficarem juntos. Dizemos que é difícil entender uma mulher. Não conseguimos entender a dificuldade, pois, nós homens, sempre queremos complicar o simples. Não precisamos nos travestir de super-homens, com suas super-proezas. Elas nos querem como somos, de forma simples, mas com super-poderes para sintonizar seus sorrisos, seus pensamentos, os segredos d’alma, para dizer a palavra certa no momento certo. É um eterno jogo de sedução, que Deus colocou nesse ser, de insondáveis sentimentos, de sextos sentidos, de mil trejeitos, de nos fazer seus súditos, de nos dominar com seus encantamentos, de nos atrair, de nos fazer seus. Cantar o amor de uma mulher, com a sutileza que fez o poeta, seria um super-poder capaz inverter a ordem do domínio, de fazê-las sucumbir ao nosso beijo, a ponto de produzir novas poesias, novas inspirações, dessa vez, elas fazendo a corte, como na música O Meu Amor. Também do Chico. “O meu amor tem um jeito manso que é só seu/E que me deixa louca quando me beija a boca/A minha pele toda fica arrepiada/E me beija com calma e fundo/Até minh'alma se sentir beijada/Que rouba os meus sentidos, viola os meus ouvidos/Com tantos segredos lindos e indecentes/Depois brinca comigo, ri do meu umbigo/E me crava os dentes/Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz/Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz.” Assim, simples, sem rodeios, tomando conta dela, chegando, sorrateiro e antes que possa dizer não, se instalar como posseiro, dentro de seu coração, provocando tudo o que você quer, uma verdade de entrega, um amor de paz, uma deusa, uma diva, uma gueixa, cantada nos versos que podem ser de silêncio, de somente ouvi-las. Quer homenagear uma mulher, chega de flores que murcham, de joias que aviltam o orçamento, de jantares enfadonhos, de lugares comuns. Vai, toma coragem, frequenta a alma dela, desvenda, descortina, provoca. Começa escrevendo para ela. Não sabe com o começar: escuta os poetas, plagie, copie, mas surpreenda-a. Ou, simplesmente, dorme ao seu lado, agarrado, fazendo-a crer que amanhã caminharão juntos. Que você não precisará do mês de março, do dia oito, pois todos os dias serão dela.

(*) Advogado

Envie #eunoDM

Mande seu artigo para avaliação para redacao@diariodamanha.net. Não garantimos a publicação. O Grupo Diário da Manhã não se responsabiliza pelas opiniões expressas neste espaço e todo material enviado não será devolvido. Máximo de 35 linhas, fonte times tamanho 10.

Fundador Jornalista Túlio Fontoura (1935 1979) Presidente-Emérito Dyógenes Auildo Martins Pinto (1972 1998) Vinícius Martins Pinto (1997 2003)

Presidente Janesca Maria Martins Pinto Vice-Presidente Ilânia Pretto Martins Pinto Diretor Executivo Rogel Mello

Diretora Comercial: Jussara Alberton Sirena Editora: Mayara Dalla Libera (SRTE/RS 16983)

www.diariodamanha.com www.facebook.com/diariodamanha

@jornal_dm


GERAL

Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

Diário da Manhã

3

HCC e SindiSaúde chegam a acordo Técnicos em enfermagem terão aumento gradual ao longo do ano no salário-base. Já os trabalhadores de serviços gerais receberão o piso referente a fevereiro Rodolfo Sgorla da Silva

Depois de um certo impasse na negociação sobre os salários de técnicos em enfermagem e trabalhadores de serviços gerais, a direção do Hospital de Caridade de Carazinho (HCC) e representantes do SindiSaúde entraram em um consenso. O acordo foi firmado após uma reunião na manhã desta sexta-feira (7). Conforme o acordo, os trabalhadores de serviços gerais receberão o piso regional da categoria já referente a feve-

foto: Arquivo/DM

rodolfosgdasilva@gmail.com

reiro. Outra reivindicação do sindicato era que os técnicos em enfermagem recebessem o piso regional de R$ 1.100. Ficou definido entre o sindicato e o HCC que esses profissionais receberão um aumento gradual no salário-

Vice-presidente do HCC, Jocélio Cunha

-base. Em fevereiro eles vão receber R$ 1.014,48. A partir de maio será R$ 1.100,00 e depois de outubro será R$ 1.200. Terezinha Perissinotto, presidente do SindiSaúde, comemorou o acordo. “Foi um

bom acordo, representa 33% de aumento. Foi uma conquista importante, em uma clima de diálogo e respeito entre as duas partes. Foi bom para todos”, destaca Terezinha. Jocélio Cunha, vice-presidente do HCC, também considerou positivo o acordo firmado na manhã desta sexta-feira (7). “Na avaliação da direção do HCC, esse foi um momento importante para a direção e para os colaboradores. Através do diálogo, conseguimos repassar uma remuneração mais adequa-

da para esses trabalhadores. Com certeza, quem ganha é a comunidade, pois os funcionários farão um trabalho com mais zelo. E outra questão importante é que não houve paralisação, o que prejudicaria a comunidade”, relata Cunha. Segundo o vice-presidente do HCC, o acordo resultará em um aumento mensal de R$ 100 mil nas despesas do hospital. “Temos a satisfação de repassar esse aumento para nossos colaboradores, porém, precisaremos buscar mais recursos para cumprir com essa demanda”, finaliza Cunha

.

Legislativo sugere mutirão médico da SMS para avaliação de exames Sem projetos na pauta o Legislativo de Carazinho realizou a sessão mais rápida do ano, mesmo assim foram aprovados 31 indicações e 24 requerimentos Alessandro Tavares alessandrotavares1@hotmail.com Sem projetos na pauta, o Legislativo de Carazinho na noite de quinta-feira (6) apreciou e aprovou todos os requerimentos e indicações que foram protocolados. Até mesmo o Grande Expediente foi suprimido e em cerca de uma hora depois de iniciada a reunião foi encerrada. O representante do PT Otto Gherardt não compareceu e foi substituído pela suplente Veronite Siliprandi. Ao todo foram aprovados 31 indicações e 24 requerimentos.

Vereador sugere que 1/3 da carga horária dos professores seja destinado a atividades extraclasse Dentre as indicações o vereador Alaor Tomaz, solicitou a criação de uma comissão para estudar a implantação de um terço da carga horária dedicada para atividades extraclasse aos professores da Rede Municipal de Educação. O vereador já havia comentado o assun-

to ainda no ano passado. O legislador destaca que nos próximos dias deve se reunir com o Prefeito e a Secretária de Educação para tratar do tema. O vereador adiantou que a temática deve ser bastante discutida, pois implica na contratação de mais professores. O período extraclasse deve ser ocupado com a formatação de planos de aula e pesquisa.

Mutirão de saúde O vereador Eduardo Assis, propôs ao Executivo Municipal que determine à Secretaria de Saúde, que em um fim de semana, de sexta a domingo, se faça um mutirão da saúde com médicos especialistas em Urologia, Cardiologia, Ginecologia e Obstetrícia, Pediatria e clínico Geral, que farão atendimentos específicos para ver e diagnosticar todos os exames em pacientes atendidos nos ESFs e no CEM. Segundo o vereador muitos pacientes, vão aos ESFs, tiram ficha, consultam, marcam exame e posteriormente tem dificuldades para serem diagnosticados. Outra indicação referente à área de saúde foi

protocolada por Paulino de Moura que solicitou que seja enviado oficio ao Secretário Municipal da Saúde para este encaminhe projeto junto ao Governo Federal para a construção de um CEOCentro de Especialidades Odontológicas, que é uma das frentes de atuação do programa “Brasil Sorridente”. O progressista Estevão De Loreno pede informações a Secretaria da Saúde sobre a inscrição do município no Programa mais Médicos. O vereador quer saber, a data do protocolo de cadastramento do Ministério da Saúde? Quantos profissionais foram solicitados? Quantos profissionais foram determinados pelo Ministério da Saúde para Carazinho? Data de chegada destes profissionais para atendimento em nossa cidade? Data do início do atendimento destes profissionais e onde?

CPI da Eletrocar quase concluída Conforme o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga procedimentos administrativos e contratos da Eletrocar, vereador Paulino de Moura, o relatório da CPI será apresentado aos vereadores no próximo dia 11 de março e possivelmente no dia 17 apresentado em plenário.

Disque denúncia para maus tratos a animais Fernando Sant'Anna de Moraes solicitou ao Executivo que disponibilize um número de telefone para denúncias de maus tratos aos animais, facilitando a fiscalização e a aplicação das sanções previstas no Estatuto dos Animais. No documento o vereador também questiona a falta de fiscalização em relação à Lei Municipal que trata do tema.

Furtos na Eletrocar e prefeitura motivaram pedidos de informação Os casos de furtos arrombamentos nos prédios da prefeitura e Eletrocar também renderam pedidos de informações solicitadas por Daniel Weber, Eduardo Assis, Estevão De Loreno, Marcio Luiz Hoppen e Fernando Sant'Anna de Moraes. Os vereadores querem saber quais os sistemas de segurança que os locais dispõem quais os espaços que foram invadidos e se documentos foram furtados.

Na próxima segunda-feira (10), o Secretário de Saúde Anderson Kurtz, deve ocupar a Tribuna para apresentar números relacionados aos atendimentos da Secretaria. A presença do gestor da pasta atende a convocação da Comissão de Saúde do Poder e seu deu após questionamentos sobre o sistema de atendimento por fichas nas ESFs.


4

GERAL

Diário da Manhã

Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

Valorização das mulheres, esse é o tema da comemoração O Dia Internacional da Mulher foi comemorado com atividades voltadas para a saúde e informação das mulheres Foto: DM/Gabriella Bellé

Gabriella Bellé gabriellaybelle@gmail.com Iniciando a programação em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, a Prefeitura de Carazinho, em parceria com o Sesc, proporcionou às mulheres usuárias do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) atividades de valorização a mulher, durante a tarde de sexta-feira (7), no auditório do Colégio Notre Dame Aparecida. O prefeito, Renato Süss, fala que essa programação representa o reconhecimento pela grandeza da mulher. “Eu sempre me lembro, quando se fala em mulher, lembro da frase do Para Pio XII, ‘dai-me boas mães, e eu salvarei o mundo’. Eu desejo que todas as mulheres continuem assim, sendo líderes e fazendo sua parte, que é muito bem feita”, comenta. Conforme a secretária de Assistência Social, Thaise Albuquerque, procurou-se organizar atividades para proporcionar às mulheres um dia inesquecível, ofe-

Mulheres participam de seminário recendo mensagens de otimismo, uma peça teatral, “Maravilhosas e Grávidas”, bem como serviços gratuitos de saúde, estética, beleza e orientações sobre diversas áreas da saúde. “Esse dia tem a intenção de unir as mulheres do município, oferecendo uma tarde de alegria e entretenimento, onde elas também receberam orientações importantes sobre a saúde da mulher e, que elas tenham esse dia para comemorar esse dia”, comenta. Para a gerente do Sesc Carazinho, Giana Groth, a instituição tem essa parceria com a Prefeitura no Dia da Mulher. “Trouxemos essa atividade

cultural, com esse grupo de Dois Irmãos, que trouxe uma comédia para dar uma animada nas mulheres, que fala porque as mulheres são maravilhosas. A mulher, cada vez mais, está mais evidente no trabalho, na família, por isso, as mulheres merecem a comemoração neste dia da mulher”, fala. Uma equipe da Secretaria de Saúde trouxe orientações sobre saúde da mulher e exames de mamas com requisição para mamografia, além de aferição da pressão arterial e orientações sobre promoção e prevenção em saúde. O Serviço de Atendimento Especializado (SAE),

realizou a distribuição de folders, testes rápidos de HIV, sífilis e hepatite B e C, e, ainda, entrega de preservativos masculino e feminino. A Ulbra trouxe os cuidados e orientações com a pele, com foco para o envelhecimento cutâneo, e mais informações sobre a saúde da mulher e qualidade de vida. O Senac proporcionou massagem terapêutica kuick e o Programa de Promoção do Acesso ao Mundo do Trabalho (ACESSUAS/Trabalho) que falou sobre os cursos do Programa

Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Mais que isso, a equipe do Programa Bolsa Família orientou sobre cadastro único. O Movimento Feminino Comunitário (Mofecom) levou ao evento informações sobre a violência contra a mulher e seus direitos. Por fim, a Liga Feminina de Combate ao Câncer orientou sobre as condutas preventivas, tratamento e apoio aos portadores e familiares dos pacientes

.

A programação segue durante todo o final de semana conforme o cronograma abaixo: Dia 08/03/2014 (sábado) – Biblioteca Pública às 14h Duas palestras para usuárias e frequentadoras da Biblioteca: 1ª palestra com a psicóloga Valesca Walber e a segunda com Carla Simonatto Dia 08 e 09/03/2014 (sábado e domingo) – Mini Centro Cultural Quiosque da Praça das 9 às 18h Exposição de fotografias “Mulher sob a lente dos artistas” Dia 09/03/2014 (domingo) – Praça Albino Hillebrand Música ao vivo a partir das 17h, animação Reginaldo França


GERAL

Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

Diário da Manhã

5

Foto: Assessoria de Imprensa Câmara

por questões que ainda não entendi. Talvez seja porque é marido de minha assessora. Se não foi perseguição política, quero saber o motivo da demissão. O clima entre os profissionais do SAMU é de apreensão pois o pessoal está com medo das demissões que estariam por vir. O SAMU em Carazinho sempre foi motivo de orgulho, sem reclamações, porque até então não havia sido misturado a coisa técnica com política”, comenta De Loreno. O Secretário de Saúde rebate e afirma que tais adequações não tem vinculação política alguma “Não sou filiado partido nenhum, e já estamos a 15 meses no Governo e sem mudanças, até por isso a colocação de é questão política caí no vazio. Isso não faz meu perfil e nem o do prefeito”, comenta Kurtz.

Profissionais do SAMU pedem apoio ao Legislativo Servidores do SAMU estiveram no Legislativo

Concurso público para o SAMU não está confirmado SMS ainda está avaliando qual será a melhor forma de contratação dos profissionais. Já o vereador Estevão De Loreno denúncia que demissão dos servidores estaria ocorrendo por perseguição política Alessandro Tavares alessandrotavares1@hotmail.com Depois da intervenção do Ministério Público pedindo informações sobre pregão, publicado em janeiro pela Prefeitura para a contratação de serviços especializados na área de saúde na operacionalização do atendimento pré-hospitalar de urgência e emergência referente ao programa SALVAR-SAMU (Básico e Avançado), a Administração suspendeu o edital e anunciou que faria concurso para a contratação dos profissionais. Porém mais de um mês se passou e até então não houve a publicação de edital para contratação de empresa que realizará tal concurso. Momentaneamente o serviço é prestado através de dois contratos emergências sendo o Avançado gerido pelo HCC e o Básico pela Secretaria Municipal de Saúde. Conforme o diretor administrativo da Secretaria de Saúde, Valter Pereira, o contrato com os servidores do SAMU ainda é de regime emergencial e não há definição sobre o concurso público. “Não há nada definido quanto ao SAMU. Ainda não temos uma definição quanto ao processo de seleção de pessoal. O contrato emergencial está em vigor até o final do mês e depois disso vamos ver o melhor procedimento a ser feito para dar continuidade a este serviço” comenta Pereira. Segundo o diretor a intenção da Secretaria é de verificar qual a forma de contratação que onere menos a folha de pagamento. Ainda durante esta semana surgiram rumores de estavam previstas demissão de parte dos pro-

fissionais que atuam SAMU e a confirmação de pelo menos uma demissão. Pereira confirma que algumas adequações em relação à equipe poderão ser feitas, mas que os profissionais a princípio permaneceriam sendo os mesmos. O Secretário de Saúde Anderson Kurtz, não fala em demissões e sim em adequações. “Não basta ser bom tecnicamente é preciso haver um ambiente favorável para exercer a função no cargo. Algumas adequações serão necessárias, não somente no SAMU, mas sempre pensando no bom atendimento da comunidade”, comenta Kurtz.

Sindisaúde confirma demissões O servidor do SAMU e representante do Sindisaúde RS, Fernando Scherer, confirmou em entrevista a Rádio Diário AM 780 que houve uma demissão na equipe do SAMU básico e que mais demissões estariam previstas. “É uma pena ser trocada uma equipe que está dando certo”, comenta Scherer.

De Loreno denúncia possível perseguição política aos profissionais do SAMU O vereador Estevão De Loreno adiantou que deve protocolar um pedido de informação sobre pelo menos uma demissão de servidor do SAMU que ocorreu nesta semana. O vereador acredita que esteja havendo perseguição política ao grupo de funcionários que procuraram no mês de janeiro os vereadores manifestando sua preocupação com a terceirização do Serviço. “O homem que demitiram sempre foi trabalhador, nunca faltou ao serviço e foi demitido

Ainda nesta semana membros do SAMU, foram ao Legislativo e apresentaram algumas reivindicações e solicitação de apoio do Poder. Os pedidos visam dar suporte aos atendimentos em caso de acidentes de trânsito em rodovias que até o final do ano passado eram de responsabilidade da concessionária de pedágio. A pretensão da equipe é de instalar nas ambulâncias Rádios HT para comunicação nas rodovias pois em vários pontos não há de sinal de telefonia. Outro pleito é a aquisição de uma repetidora para a ampliação do sinal.Também foi colocada aos vereadores a necessidade de aquisição de um veículo para que sirva de apoio a equipe, a ser usado no transporte de geradores e torre de iluminação, cones e cordas. Tal veículo já vem sendo pleiteado junto a Delegacia de Receita Federal, para o órgão destine ao SAMU de Carazinho algum veículo que tenha sido apreendida pelo órgão.

Município pleiteia mais uma ambulância para o SAMU O secretário de Saúde Anderson Kurtz, comenta que preocupado com a demanda das estradas que deixaram de ser pedagiadas, o município já encaminhou solicitação de mais uma ambulância para unidade local e a documentação para tanto já tramita na Secretária Estadual de Saúde. Caso o município seja contemplado com mais um ambulância, também a quantidade de profissionais deve ser ampliada. Sobre a cogitação de transferir a sede do serviço que hoje fica próximo ao HCC, para junto do posto da PRF na BR 285 em caso de recebimento de mais uma ambulância, o secretário não descarta a possibilidade de mudança, ressalta no entanto, que a legalidade do procedimento deve ainda ser observada.


6

GERAL

Diário da Manhã

Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

Defensoria Pública: em defesa das mulheres 3ª Defensoria atende casos da Lei Maria da Penha. Índice de processos cíveis ajuizados cresceu em fevereiro, em comparação ao ano passado no mesmo período Sérgio Augusto Cornélio

Foto: DM/Sérgio Augusto Cornélio

sergio.cornelio@bol.com.br

As fases da violência doméstica

A Defensoria Pública de Carazinho está localizada na Rua Ernesto Alves 244, centro. sivamente todos os passos da vítima, interferindo e controlando suas decisões e atos; usar os filhos para fazer chantagem; criar situações para que ela não se sinta segura em

Foto: Arquivo DM

Na semana em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, necessário é que se questione um tema de fundamental importância: a violência doméstica e familiar, cujas vítimas, praticamente em sua totalidade, são do sexo feminino. Diante de tal temática é fundamental que se mencione que dentre as atribuições da 3ª Defensoria Pública de Carazinho, está a de defender os interesses das mulheres ofendidas no ambiente doméstico e familiar, o que se faz mediante a utilização das disposições da Lei Maria da Penha (11.340/03). De acordo com a defensora pública titular da 3ª Defensoria, Daniele da Costa Lima, sabe-se que existem vários locais em que a mulher vítima de tal espécie de violência pode buscar apoio, orientação e proteção, entre os quais está a Defensoria Pública. “Há necessidade, portanto, de que se rompa o silêncio, o medo e a vergonha, indicando-se o caminho a ser seguido para combater essa violação de direitos da mulher, que assola todas as classes sociais e é a origem de boa parte dos problemas que atingem a nossa comunidade. Segundo ela, é justamente por isso que consta em cartilha redigida pelo Núcleo de Atendimento de Mulheres Vítimas de Violência Doméstica e Familiar da Defensoria Pública alguns sinais de violência. Os comportamentos a seguir descritos são comuns nos agressores, que tentam, das mais diversas formas, manter a mulher sob controle: Afastar a mulher, muitas vezes de maneira sutil, do convívio com seus familiares e amigos, isolando-a de sua rede de apoio; criar situações vexatórias e humilhantes, fazendo com que a mulher sinta-se mal consigo mesmo, desvalorizando-a perante filhos, família, amigos, vizinhos, etc; monitorar e perseguir obses-

Defensora Pública Daniele da Costa Lima, titular da 3ª Defensoria

lugar algum; criticar o tipo de roupa que a mulher usa, por vezes referindo que ela está provocando os homens; repreender a mulher quando ela sorri e interage de forma alegre e espontânea com outras pessoas. “Esses são alguns dos sintomas que indicam que a mulher pode estar inclusa em um ciclo de violência. Além disso, estudos realizados em casos de mulheres vítimas de violência doméstica e familiar revelam que, em geral, há um ciclo que se compõe de três fases: tensão, explosão e reconciliação”, explica

.

Com o tempo, conforme Daniele os intervalos entre as fases diminuem e elas se tornam cada vez mais intensas. 1ª FASE: época da tensão. Nesta fase é comum haver agressões verbais, cenas de ciúme, ameaças variadas, tudo parecendo incidentes normais da vida de um casal, tanto que a mulher tenta compor a situação e justificar o comportamento do companheiro, por vezes até se culpando dos conflitos; 2ª FASE: explosão da violência. A segunda fase é caracterizada por agressões mais intensas, tanto verbais quanto físicas, intensificando o medo e a ansiedade da mulher, que já sente profundo sofrimento. 3ª FASE: o pedido de perdão. Após os episódios de violência, o agressor procura demonstrar arrependimento e promete mudar comportamento e não ser mais agressivo. Conhecida como uma nova “lua-de-mel”, é comum nessa fase o agressor presentear a mulher, manifestar mais afeto ou simplesmente fazer de conta que nada ocorreu e, por um tempo, mostrar-se mudado. “Conforme se nota, e de acordo com previsão legislativa, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer tipo de ação ou omissão que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial. Quanto ao agressor, pode ser marido, companheiro, namorado, irmão, tio, sobrinho, primo, amigo ou empregador da mulher”, observa a defensora pública, ressaltando a importância, diante de tal cenário, de que a mulher tenha conhecimento de que existe uma rede de proteção aos seus direitos, na qual se inclui ativamente a Defensoria Pública do Estado. “Esse apoio pode e deve ser buscado pela ofendida, para que se rompa o narrado ciclo de violência, reafirmando-se, não apenas nesta semana de março, mas todos os dias, a relevância do papel da mulher na sociedade”, enfatiza.

Questões Cíveis atendidas pela Defensoria Questões Cíveis atendidas pela Defensoria Orientar a população acerca de questões de tamanha relevância quanto a acima tratada é função institucional da Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul. É esta Instituição, prevista na Constituição Federal, que deverá, além de exercer a defesa dos necessitados, promover a difusão e a conscientização dos direitos humanos, da cidadania e do ordenamento jurídico. “É pensando nisso que a Defensoria Pública de Carazinho, apenas na área cível, que

abrange o direito de família, medicamentos, usucapião, dentre outros, atende mais de sessenta pessoas semanalmente, o que implica em aproximadamente duzentos atendimentos por mês”, revela. Daniele esclarece, que a procura crescente pelos serviços prestados pela Instituição é vislumbrada de modo considerável neste período do ano, isso porque apenas no mês de fevereiro deste ano foram ajuizados 87 processos, a maioria deles buscando resolver questões referentes a alimentos, guarda, divórcio, investigação de

paternidade, ausência de medicação e realização de cirurgias. “Interessante é a comparação de que no mês de fevereiro de 2013, ano que passou, foram 56 os processos que tiveram início. Justamente buscando aprimorar os serviços prestados à nossa população é que existe a previsão de, ainda neste mês de março, receber a Defensoria Pública de Carazinho um servidor, além de uma vaga adicional de estágio para auxiliar na atividade de atendimento ao público”, destaca. Em relação às metas para o ano, está a de se aproximar cada vez mais da população,

inclusive prestando atendimento e orientação jurídica em bairros de Carazinho, tal como realizado no mês de julho de 2013 no Bairro São Lucas, iniciativa que inclusive foi elogiada pela Câmara de Vereadores. “O reconhecimento que recebe a Defensoria Pública diariamente, em especial aquele que se origina de nossos assistidos, nos dá a certeza de que estamos no caminho certo. O crescimento de nossa Instituição, sem dúvidas, ensejará a minoração das desigualdades sociais e a concretização dos direitos mais básicos do ser humano”, conclui.


Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

RADAR GERAL

77 anos de La Salle No dia 7, um dos colégios mais tradicionais de Carazinho completou mais um ano de história Foto: Divulgação

O Colégio La Salle, referência em educação em Carazinho, completou 77 anos de história no dia 7. A comemoração oficial do aniversário será realizada durante a Semana de La Salle, que ocorre de 12 a 16 de maio, com programação especial para toda a comunidade lassalista. A instituição aproveitou a data para realizar um momento cívico junto aos alunos, contar um pouco sobre a história e tradição da escola, e, também, para homenagear a professora Maria Solange da Costa Folchini, profissional que há 40 anos transmite seus conhecimen-

tos com muita dedicação e carinho. No sábado (8), haverá o primeiro encontro “Escola Aberta”, das 15h às 18h, no campo de futebol do colégio. Esta é uma iniciativa do grupo de pais parceiros da escola que têm a intenção de in-

A reitoria esteve presente na boas-vindas aos quase 200 calouros dos sete cursos ofertados pela instituição na cidade Foto: DM/ Gabriella Bellé

tegrar as famílias lassalistas. Atualmente, o La Salle atende mais de 450 alunos e conta com 70 colaboradores que contribuem para o conhecimento e desenvolvimento de uma formação humana e cristã em um espaço humano e afetivo

.

Durante a feira, produtores poderão conhecer melhor as soluções oferecidas pela companhia

Foto: Divulgação BSBIOS

Unidade de Originação – Valinhos – Passo Fundo

lização da Canola, além de campanhas para defensivos e fertilizantes. Outra vantagem competitiva, destacada por Battistella é o fato de a BSBIOS utilizar parte dos grãos em seu processo industrial para produção de biodiesel. “Estamos no ramo da agroenergia, por isso, a parceria entre empresa e agricultores é fundamental; em nosso estande estaremos demonstrando as vantagens que a indústria proporciona agregando valor aos grãos que são processados na região”, pontua o empresário. A BSBIOS possui 16 unidades de recebimento de grãos, localizadas na região norte do Rio Grande do Sul. Atua com originação de soja, milho, trigo e canola. No segmento

7

Recepção Acalourada da UPF Carazinho

Alunos do terceiro ano entregam flores a professora homenageada, Maria Solange da Costa Folchini

BSBIOS apresenta nova gama de serviços e produtos na Expodireto Diversificação de negócios é a palavra-chave da BSBIOS para a 15ª Expodireto Cotrijal, realizada de 10 a 14 de março, em Não-Me-Toque/RS. A companhia que se consolidou como uma das grandes produtoras de biodiesel trilha, desde 2013, também o caminho da originação de grãos, ampliando seu leque de atividades e englobando produtos e serviços voltados ao homem do campo. O Diretor Presidente da companhia, Erasmo Carlos Battistella, afirma que quem visitar o estande da BSBIOS na feira poderá conhecer melhor as novas soluções oferecidas pela empresa. “Prestamos diversos serviços, como o recebimento e a armazenagem de grãos e a comercialização de insumos, mas nosso principal diferencial é que não buscamos simplesmente clientes, mas parceiros, acompanhando o produtor do plantio à colheita e estabelecendo uma relação de confiança”. Battistella lembra que as equipes estarão à disposição na feira atendendo à produtores, cooperativas e cerealistas. Na oportunidade será apresentada a política de comercia-

Diário da Manhã

industrial tem como produto principal o biodiesel, mas também comercializa farelo de soja, glicerina e diversos subprodutos. O estande da BSBIOS promete agradar a todos os públicos. Os produtores rurais ficarão por dentro dos principais temas do agronegócio, em área técnica montada na feira. A lagarta helicoverpa será um dos temas abordados. Já para quem gosta de futebol, a BSBIOS preparou uma série de atrações com o tema da Copa do Mundo. Os visitantes poderão arriscar no “chute a gol” para concorrer a prêmios e ainda apreciar os malabarismos da atleta de futebol freestyle, Raquel Tateishi Benetti, conhecida por suas embaixadinhas

.

Integrantes da reitoria dão as boas vindas aos calouros 2014 Na noite de quinta-feira (6), a reitoria da Universidade de Passo Fundo (UPF) esteve no campus de Carazinho, a fim de dar as boas-vindas aos quase 200 calouros do primeiro semestre de 2014, a Recepção Acalourada. Na oportunidade, o reitor, José Carlos Carles de Souza, a vice-reitora de graduação, Neuza Rocha, a vice-reitora de extensão e assuntos comunitários, Bernadete Dalmolin, e o vice-reitor administrativo, Agenor Dias de Meira Jr, conversaram com os estudantes. Segundo Souza, a UPF recepciona seus calouros no início de suas atividades em todos os semestres, já tendo feito em Passo Fundo e Lagoa Vermelha, antes de Carazinho. “É um momento em que a universidade, através de sua reitoria, dando a eles as boas vindas e dizendo tudo aquilo que eles poderão dispor da instituição na sua atividade acadêmica”, fala. Sobre a vinda de novos cursos para o campus carazinhense, Souza ressaltou que as solicitações estão sendo analisadas. “É uma reivindicação antiga da comunidade de Carazinho, desde o momento em que nós assumimos em 2010, quando viemos visitar não só a instituição, mas a cidade, onde este pleito foi apresentado a reitoria. Nós dissemos na oportunidade que iríamos analisar e verificar da viabilidade de estabelecer aqui novos cursos. Como o carro chefe do pedido era o curso

de medicina, nós fizemos algumas gestões juntos ao Hospital de Caridade, e encaminhamos alguns procedimentos que estão, eu diria, dando forma a concretizar isso mais adiante, mas, ainda não estamos prontos para esse momento”, explica, ressaltando que a universidade busca, pelos meios internos, dar a atenção que o município precisa na área da saúde, através dos professores e alunos do curso de medicina. Ele lembra que, naquela oportunidade, foi solicitado ainda um curso de engenharia, que ainda está sendo avaliado, pois necessita de demanda. “Nós oferecemos esses cursos em Passo Fundo. Reforço que esta requisição não está descartada, mas, estamos analisando a demanda para estes cursos no município”, observa Souza. O diretor da UPF, campus de Carazinho, Jaime Martinez, afirma que é importante orientar bem os acadêmicos no momento em que iniciam a caminhada dentro da universidade, para que tenham um transito tranqüilo nos semestres que se seguem. “O campus de Carazinho sempre teve um apoio muito grande a reitoria ao longo do semestre e, isso mostra a importância que tem a unidade. Nós estamos hoje com cerca de 1.500 acadêmicos, nos sete cursos ofertados aqui”, comenta, completando que uma atividade de recreação, com uma banda de rock e uma dupla sertaneja para integrar calouros e veteranos

.


8

ESPECIAL

Diário da Manhã

Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

Astral

Novelas GLOBO

Parabéns

GLOBO

Em família

Além do horizonte

Helena consegue resgatar o bracelete com Juliana. Miss Lauren leva os idosos da casa de repouso para tomar sol. Helena e Virgílio combinam de não comentar com ninguém sobre o bracelete. Luiza fica chateada ao ver o jeito como André trata Dulce. Branca gosta da ideia de prestar queixa contra Ricardo para tirar o carro do ex-marido da garagem. Marina se chateia ao não ser chamada por Clara para a festa na casa de leilões. Helena e Virgílio se arrumam para o leilão. Cadu e Clara discutem. Helena fica apreensiva ao ver Felipe. Selma se emociona ao ver a foto de Itamar próxima à casa de leilões.

William e Lili ficam constrangidos. Kleber socorre Fátima. Tereza convence Orlando a entrar na máquina. Keila acusa Kleber de agredir Fátima. Rita termina o namoro com Cacá. Kleber se preocupa com a ameaça que recebe de Vó Tita. Tereza consegue que Orlando faça o depósito na conta da Comunidade. Kleber fica tenso com a cirurgia de Fátima. Tereza convence Hermes a fugir da Comunidade. Thomaz autoriza a transferência do dinheiro da Comunidade para uma das contas de LC. Lili e William pensam um no outro. Tereza se desespera ao constatar que o dinheiro não está na conta da Comunidade.

PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br DJ francês considerado um dos mais populares do mundo Diz-se de materiais polidores Que diverge de opinião

Lado afiado da faca Samba de (?), manifestação folclórica de origem africana

© Revistas COQUETEL 2013

Tecido cu- A letra de médicos que Responde à mídia Segundo ja fabricação foi ex- pode ser por uma entidade "capítulo" "Abelha", em "apiclusiva dos chineses denuncia- Planeta mais quente do dipor três milênios da ao CRM do Sistema Solar cionário cultura"

São as geradoras da energia hidrelétrica

"(?) mão lava a outra" (dito)

Igor Stravinski, compositor Adjetivo geralmente associado ao mau poítico

Formato do DIU Seduzir; fascinar

Profeta fundador do Islamismo Pedra dos antigos moinhos

Credor de países emergentes (sigla) Condição da vítima de sequestro Federico Fellini, Estado do cineasta porto de Título comum a Pelé e ao Paranaguá cantor Roberto Carlos (sigla)

Romance de José Saramago Ave conO irmão sumida do pai no Natal A planta que vive por anos Inerente Veículo à frente dos vagões do trem

Letra que une os nomes do casal

"Very" ("muito"), em VIP

3/ear — tnt. 4/ripa — seda. 5/bumbo — vênus. 9/abrasivos.

85

Solução E R E NE E S T I V A

R

I M E

Diretas e muito mais!

A O S S T E A S S O R

Labirinto

D

Jogo dos erros

Quadrinhos

P

to

Lançamen

M A O M E

Achei!

I V L E E N G U I S V E S L F E F

TODOS OS MESES NAS BANCAS E LIVRARIAS

A S P E I D A E O C T O I R R R U P N T M O

Jogos e Atividades

D A B R V D I S S D O G U M B U M B E A R T E A T R A C A I M P E O T A N I T L O C O

BANCO

Explosivo usado em implosões de prédios

09.03.14

Alcides Kopp Cintia Zuleika Radtke Dair Menezes dos Reis Elisandra Cabral da Silva Ênio S. Moraes Euclides Menegusso Fermino Rosa de Camargo Fernanda Santos Flávio Figueiró Flávio Luiz D. Scherer Gilberto Mokfa Alves Xavier Iara V. Bucholz Iracema Klein Guimarães Jane Albuquerque Setti Jerusa Albuquerque Joni Geolar Gomes Jorge Alceu Saraiva Larisa Kirinus

Poema lírico Divisão de terrenos

Madeira de estrados de camas

Maria Solange Mokfa Marli Hackenhaar Marucia Hartmann Nelio Dickel Neli Sidete Gonzalves Neuza Maria Lopes Becker Nicolas Dautt Odete Ecker Pinheiro Olenca Weber Pedro Augusto Flores Solange Mokfa Taís Rocha Tânia Regina Agne Tânia Regina Kochemborger Vicentina Dorneles Willian Pinzon

Laisi Gonçalves Luciana Batistella Luís Ari Xavier Maria José Nazareth Drago Maria Zenaira Altmann Mirian SAbini Paulo Sérgio da Costa Pedro Henrique Weise Poliana Carolina Textor Rosana Bergmeyer Sofia Vinícius Vanzin Rodrigues Solange Lima Susan Radtke Teresinha Klein Nissel

10.03.14

(?) Cielo, nadador campeão olímpico

Ouvido, em inglês

Alexandra Pereira Ana Maria Possel Ari Antunes da Silva Carina Bacchi Vieira Carlos Kochemborger Claudino Pedro Camatti Elfriede Juli S. Bilhar Felipe Previoth Francisco Domingos Graciele Farias Guerna Bettio Idoel Altmann Ione Denis Jorge Mello Cordeiro José Oscar Grohs Júlio Pinzon Lovani Edeilse Auler Luciana Martinez Márcio Rodrigo dos Santos

Antonio Lucas Machado Berenice Michelini Carmem L. Vogelei Cleusa Souza Cristiane Lima Napp Diele Ávila Eunice dos Santos Gessy Rodrigues de Almeida Gisieli Baptista Gislaine Silveira Ilone Hansen Muller Iracema Sanini José Romeu Hartmann João Vicente Gregório Camargo Josiane Vanessa Walber Lazaro Lodi

Tarsila do Amaral, pintora de "Abaporu"

Órgão que sofre com a excessiva exposiA gradação ção ao sol de tons, em desenhos

08.03.14

Luiz Corso Márcio Rigatto Marcos Antônio Rossato Maria Clara Rech Gomes Maria Salete Oliveira Maurício Ferrari Neida Custódio Paulo Marques Graeff Raquel Alves da Silva Raquel P. Fernandes Sérgio Denis Sérgio Luiz Marcondes Sônia Mandelli Valdomiro Lopes Vera Aparecida da Silva

ÁRIES Deverá dar mais atenção à possibilidade de fazer novos e proveitosos contatos pessoais, associar-se a alguém e absorver a continuidade que os astros lhe conferem. Visite pessoas in-fluentes e traduza em termos práticos, todas as suas ideias, aspirações e sonhos. Alguma coisa importante, alguma notícia inesperada poderá deixá-lo aborrecido e irritado. TOURO O sol e o planeta Vênus, vai beneficiá-lo em todos os sentidos. Todavia, continue zelando pela saúde e tome cuidado com pequenos acidentes caseiros. O fluxo de Saturno está lhe dando continuidade, persistência e objetividade. GÊMEOS Algumas perturbações passageiras na vida doméstica e depressão psíquica estão previstas para você neste dia. Haja com calma e autoconfiança, que tudo tende a dar certo. Melho-ra da saúde e das chances gerais. Influência astral muito bené-fica e renovação profissional para solucionar seus problemas financeiros e pessoais. CÂNCER O período da manhã será um tanto ou quanto com-plicado para você. Mas, à tarde, tudo deve melhorar sensivel-mente. Conseguirá progredir no trabalho e será bem sucedido. Êxito profissional e boa saúde. Evite viajar para evitar aciden-tes. Bom período para conhecer novas pessoas. LEÃO Grandes possibilidades de sucesso estão ao seu redor. Basta estender as mão confiantemente. Procure ser mais amigo e cortês a fim de ganhar dinheiro e conquistar simpatias. Possi-bilidades de ganhos em jogos. Elevação de personalidade e das chances gerais. VIRGEM Dia em que sua mente estará bastante alerta para obter novas e valiosas informações em relação aos amigos e parentes. Ótimo para passeios e ao amor. Todavia, tome cui-dado com perigos de acidentes provocados por produtos infla-máveis. LIBRA Não invente coisas novas, neste dia. Deixe para uma época mais propícia. Cuidado com acidentes causados por inflamáveis e corrosivos, e cuide de sua reputação. Tendência aos excessos de prazer. Evite tal coisa para não ser prejudicado. ESCORPIÃO Os amigos, poderão auxiliá-lo neste dia. A in-fluência astral é das melhores para fazer novas amizades e contatos públicos, pois estará com ânimo para falar e influen-ciar os outros. Faça alguma coisa diferente. SAGITÁRIO As oposições e críticas frequentes deverão ser evitadas, juntamente com as ações violentas. Terá sucesso financeiro, profissional, social e bastante felicidade, na vida sentimental e amorosa. Lucrará nos negócios relacionados com navegação, no comércio de atacado. CAPRICÓRNIO Enormes probabilidades de realizar suas mais antigas esperanças e desejos se apresentarão neste dia. Terá também, aumentos de lucros e muito progresso profissional. Ótimo às novas amizades e ao amor. Ótimo período para tratar com pessoas de alta posição, com políticos e personalidades governamentais e administrativas. AQUÁRIO Dia propício ao sucesso na investigação de todo e qualquer assunto oculto e místico. Bom para novos relaciona-mentos. Excelente saúde. O êxito financeiro, profissional e social, também será evidente. O período é bom para fazer algum programa diferente. PEIXES Deverá, neste dia, tomar uma atitude firme e autocon-fiante quanto aos negócios e ser mais constante em seus proje-tos e no trabalho. Muito bom ao amor. Lucros em negócios anteriormente iniciados e bem sucedido profissional e financei-ramente.


Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

GERAL

Diário da Manhã

9

Peregrinação por fichas Alessandro Tavares alessandrotavares1@hotmail. com Durante a madrugada desta sexta-feira (7), os vereadores Anselmo Britzke, Estevão De Loreno e Paulino de Moura se reuniram a partir das três horas da madrugada e visitaram todas as unidades de ESFs do município para diagnosticar a veracidade ou não das colocações da comunidade em relação às filas em frente às unidades para garantir uma vaga no atendimento, também conhecidas popularmente como “fichas”. O vereador Paulino de Moura, classificou a situação verificada como caótica. “O que nós encontramos é lastimável. Na segunda-feira (10) ou nós achamos uma solução com o secretário ou pediremos intervenção na saúde,

porque encontramos pessoas que estavam na fila desde as 21 horas” destaca Moura. Na próxima segunda-feira (10), o Secretário de Saúde Anderson Kurtz, estará na Câmara atendendo solicitação do Legislativo para falar dos atendimentos nas ESFs. Segundo o vereador, na unidade do Bairro Floresta, às 04h35 min, as 10 vagas já haviam sido preenchidas e pelo menos oito pessoas voltaram para casa. “É lamentável. Tem posto atendendo 7 e outros 12 consultas.A situação é caótica. Não podemos permitir que um pai de família saia de casa as 21horas para conseguir atendimento as 9 horas do outro dia”, comenta Moura. O vereador revela ainda que a falta de iluminação nas unidades não permite que os pacientes façam a leitura dos avisos fixados junto às portas

dos postos e assim muitos ficam esperando, mesmo com cartaz afirmando que não haverá atendimento médico. O líder de Governo no Legislativo, vereador Anselmo Britzke, comenta que de fato o número de fichas para o atendimento não é adequado e que a tentativa do município de agendar o atendimento não teve efeito, pois todos os usuários demonstraram desconhecer a possibilidade. O pedetista adiantou que questionará o prefeito quanto à limpeza e roçada de algumas unidades que estão com aparência de abandonadas, citou o caso dos postos da Conceição, Oriental e Sommer. O vereador também afirma que as unidades dos bairros Cantares e Oriental estão sem atendimento médico. Em entrevista à Rádio Diário

AM, o Secretário de Saúde Anderson kurtz, revelou que não foi informado oficialmente sobre a visita dos vereadores aos ESFs e ressalta achar válida a pretensão destes em auxiliar a Secretaria com alternativas aos problemas. “A mim não foi formalizada as visitas, mas que bom que pensam em intervenção, pois chegou à hora de trabalharmos juntos e não cada um puxando para um lado”, diz Kurtz

.

Secretário de Saúde, Anderson Kurtz

Fotos: Divulgação

Um grupo de vereadores foi até as ESFs e constaram “in loco” que a quantidade de atendimento médico feito no sistema de “fichas” não atende a toda demanda. Paulino de Moura classificou a situação como caótica e sugeriu intervenção na SMS caso não se encontre uma alternativa

Vereador Anselmo Britzke – Gauchinho

Vereador Paulino de Moura


10

Diário da Manhã

CLASSIFICADOS.AUTOMÓVEIS ALUGUEL APARTAMENO CASAS TERRENO

(54)

3329-9666

Página 10

OFÍCIO DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS Rua Venâncio Aires, 279 - Carazinho/RS Fone: (54) 3329-5588 Sílvia Regina de Assumpção Carbonari, faz saber que pretendem casar-se: Antônio Carlos de Camargo e Jussara Martins da Silva Maiquel Rafael Morais e Carine de Arruda Staine Quem souber de algum impedimento acuse-o na forma da lei. Carazinho, 07 de Março de 2014.

Anuncios Vende-se 199 ha de terra em Ilha negra próxima a Bagé e Aceguá, 165 para lavoura, 84 agricultura de precisão, sede completa, barragem com Ortorga. R$ 15.00,00 ha. Contato e fotos 53-99975358 Aluga-se Sala 602 no edifício avenida, conjunto comercial com 3 salas para escritório, sala para recepcionista, sala de espera, 2 banheiros e espaço para copa. Já com divisórias, persianas e espera para ar condicionado. Área interna de 92,94m². Tratar fone: 3331-2698 Aluga-se Apartamento amplo, de frente a fundos, com 01 suíte, 02 dorm. 02 banheiros, 02 salas, cozinha, lavanderia e garagem. Localizado no centro a duas quadras da avenida, ótima posição solar. Valor R$.950,00(mensal). Tratar fone:3331-5299 Vende-se Restaurante e Pizzaria em pleno funcionamento na Av. Flores da Cunha, boa clientela, com vários equipamentos novos. Fone: (54) - 9663-2399 / 9612-5915 Vendo Vendo ou troco casa de alvenaria no Bairro Loeff por apartamento de 2 dormitórios com garagem. Valor R$ 180.000,00. Tratar 3331-1200 ou 8444-5437

Camila Rosado Oficial Escrevente Autorizada

Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho


POLÍCIA

Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

Diário da Manhã

Objeto quebra para-brisa e fere motorista Filtro de óleo desprendeu-se de caminhão e chocou-se com o para-brisa de um Logan na BR 285 foto: DM/Rodolfo Sgorla da Silva

Motorista foi encaminhado ao HCC

11

E mais... Viaturas serão entregues para municípios da região O 38° BPM de Carazinho receberá um Renault Duster, no parque de Exposições da Expodireto, com a presença do Governador Tarso Genro Na segunda-feira (10), ocorre o ato de entrega de viaturas para a Brigada Militar de municípios da região, resultado do Processo de Participação Popular e Cidadã. A entrega será às 11hs, em Não-Me-Toque. Conforme o Chefe de Gabinete do Comandante-Geral, Jose Carlos Albino, serão 32 Viaturas no total. “A solenidade de entrega de viaturas, do CRPO Planalto e CCB (bombeiros) da região ocorre no Parque da Expodireto, com a presença do Governador Tarso Genro”, informa. O 38° BPM de Carazinho receberá um Renault Duster. Duas viaturas serão entregues para o 13ºBPM de Erechim, modelo GM/S10. Outros dois veículos para o 3ºRPMon de Passo Fundo, também GM/S10. Outra GM/S-10 para o 3ºRPMon de Tapejara e para a 3ºRPMon de Sertão uma GM/S-10. No 38ºBPM de Mormaço e Soledade receberá um Fiat/Palio Adventure, Não Me Toque e Tapera um Renault Duster. Do 7ºCRB, Erechim e Soledade receberão GM/S-10. Do 3ºRPMon, Tapejara e Vila Langaro serão beneficiados com Renault Duster. Ainda do 13ºBPM, Erechim receberá dois Renault Duster, Aratiba, Aurea, Benjamin Constant do Sul, Entre Rios do Sul, Estação, Gaurama, Getulio Vargas, Marcelino Ramos, Três Arroios receberão uma unidade e Barão do Cotegipe dois Renault Duster. Ainda receberão viaturas modelo Renault Duster, os municípios de Casca, Santo Antonio do Planalto, Marau, Ronda Alta e Soledade.

Idosa cai em conto do bilhete

O motorista de um Logan, placas de Ijuí, ficou ferido após um filtro de óleo atingir e quebrar o para-brisa de seu carro. O objeto se desprendeu de um caminhão que trafegava no sentido oposto ao Logan e acabou batendo no automóvel. O filtro quebrou o para-brisa e atingiu a cabeça do motorista. O Logan trafegava na BR 285, no trecho existente entre o Trevo do Avião e o Trevo da

Bandeira, sentido Carazinho-Passo Fundo. Segundo relato de sua esposa, que estava junto no carro, o condutor não chegou a desmaiar, mas quase perdeu o controle do veículo e parou no acostamento. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) fez o atendimento do motorista e encaminhou-o até o Hospital de Caridade de Carazinho (HCC) com ferimentos leves

.

A sede da Eletrocar foi alvo de furto arrombamento neste final de semana. O fato foi registrado na Delegacia de Polícia, que está analisando imagens de câmeras de segurança e investigando o caso ras de foto e de vídeo, além de celulares pertencentes à empresa. “Depois disso, fizemos um levantamento e não foi levado muita coisa além do que já havíamos percebido. Foram furtados objetos pessoais de quem trabalha na empresa. Além da esculhambação da ação dos la-

Objetos são encontrados no Pecar

O Presídio Estadual de Carazinho (Pecar) recebeu a denúncia de que um detento estaria acessando o facebook de dentro de uma das celas. Após revista em uma cela da Galeria A, onde ficam dez presos, foram encontrados quatro celulares com bateria e chip. Os celulares estavam em um buraco embaixo de uma cama. Embaixo de um colchão, foram encontrados três estoques (facas artesanais) e uma serra para cortar grade. O detento suspeito de acessar o facebook não assumiu ser proprietário dos objetos. Outro preso confessou ser o dono dos materiais.

Polícia cogita participação de menores em furto na Eletrocar Depois de constatar o furto arrombamento e contabilizar prejuízos, a direção da Eletrocar registrou o caso na Delegacia de Polícia (DP). A ação dos bandidos, flagrada por câmeras de monitoramento localizadas no prédio, está sendo investigada pelos policiais civis. As imagens foram encaminhadas para a polícia. “Reunimos as imagens que mostram o furto realizado na Eletrocar e já e enviamos para a polícia, que agora investiga o caso”, afirma o diretor-presidente da Eletrocar, Celso Luft. Ainda na segunda-feira (3), a direção da Eletrocar já havia percebido a falta de câme-

Uma idosa foi a mais nova vítima do golpe do bilhete premiado em Carazinho. Por volta das 9h30min, ela estava aguardando o horário de abertura de uma agência bancária. Nesse momento, uma mulher se aproximou dela pedindo ajuda, afirmando ter em mãos um bilhete premiado. Em seguida, um homem aparecer oferecendo ajuda e dizendo que lhe daria dinheiro como garantia para dividirem o prêmio. Por volta das 10h, a idosa entrou na agência e sacou R$ 4,5 mil, que daria como garantia para a divisão do suposto prêmio do bilhete. Os três embarcaram em um Astra. Em seguida, pararam próximo a um estabelecimento comercial e o homem e a mulher pediram que a idosa comprasse uma água. A idosa entrou no estabelecimento, comprou a água e quando retornou não encontrou mais as duas pessoas.

drões, não foi levado nada de importante”, constata Luft. Existe uma forte possibilidade de que ao menos um dos dois elementos que aparecem nas imagens seja menor de 18 anos. Por isso, o caso foi encaminhado para a Delegacia de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA)

.

Investigação Segundo o delegado titula da DPCA em Carazinho, Edinei Márcio Albarello. “Pelas informações que constavam na ocorrência, exista a suspeita da participação de um ou dois menores de idade. Estamos investigando para ver se identificamos isso pelas imagens das câmeras de monitoramento. Posso dizer, que existe essa possibilidade”, revela o delegado. Segundo Albarello, o mais provável é que o furto tenha sido cometido com o objetivos econômicos. “Pelas características do furto, o mais indicado é que ele tenha sido cometido com fins econômicos, ou seja, que os suspeitos estivessem em busca de bens materiais”, relata o Albarello.

BM prende dois na ERS 142

A Brigada Militar (BM) recebeu a denúncia de que um Corsa estaria se deslocando de Não-Me-Toque para Carazinho com drogas. Uma barreira foi montada no quilômetro 6 da ERS 142. A BM abordou um Corsa com placas de Santa Bárbara do Sul. No automóvel estavam dois ocupantes, um de 25 anos, natural de Não-Me-Toque, e outro de 41, natural de Carazinho. No automóvel não haviam drogas, mas foi localizado um revólver calibre 38, com quatro cartuchos. O rapaz de 25 anos foi denunciado por porte ilegal de arma de fogo. O homem de 41 anos constava como foragido do Presídio Estadual de Carazinho (Pecar). Ambos foram levados até o Pecar.

Dois são presos por furto

Na tarde desta quinta-feira (6), dois homens entraram em uma loja no centro de Carazinho e foram vistos pegando celulares. O gerente da loja perseguiu um deles e o pegou com quatro celulares. O outro suspeito correu e foi pego pela Brigada Militar. Os dois homens, naturais de Novo Hamburgo, foram conduzidos até o Presídio Estadual de Carazinho (Pecar).

Embriaguez ao volante

Por volta da 1h desta sexta-feira (7), a Brigada Militar recebeu a denúncia de que havia um veículo Gol, placas de Coqueiros do Sul, transitando de forma suspeita na Rua 14 de Julho. Uma guarnição foi até o local e abordou o motorista do automóvel. O condutor de 23 anos apresentava sinais de embriaguez. Ele negou-se a fazer o teste do bafômetro mas confessou ter ingerido bebida alcoólica. Ele foi encaminhado até a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA). Após pagar a fiança de R$ 724, o motorista foi liberado.


12

Diário da Manhã

Sábado e Domingo, 08 e 09.03.2014, Carazinho

www.diariodamanha.com

DIÁRIO PASSO FUNDO redacao@diariodamanha.net - (54) 3316.4800 DIÁRIO CARAZINHO redacao.carazinho@ diariodamanha.net - 54.3329.9666 DIÁRIO ERECHIM redacao.erechim@diariodamanha.net - 54.3321.2223 DIÁRIO FM 97.7 MHz diariofm@diariodamanha.net - 54.3311.1309 DIÁRIO AM - 570 KHz diarioam570@diariodamanha.net 54.3311.7756 DIÁRIO AM CARAZINHO - 780KHz diarioam780@diariodamanha.net - 54.3331.2422

dm Sábado e Domingo 08 e 09.03.2014

PREVISÃO PARA HOJE PASSO FUNDO

CARAZINHO

14ºC

15ºC

28ºC

Mínima

Máxima

PORTO ALEGRE

20ºC Mínima

Mínima

ERECHIM

28ºC

13ºC

Crescente 8-3

Cheia 16-3

Máxima

27ºC

Mínima

Máxima

LUAS

29ºC

Nova 1-3

Máxima

Nesse sábado (8), o Lion Industrial de Carazinho promove um Galeto com Massa, no CTG Unidos pela Tradição Riograndense. A promoção tem objetivo beneficente. O cartão pode ser adquirido no Mercado Nascimento, na loja Kixiki e com os integrantes do Lion Industrial, ou pelo telefone (54) 9984-7128. O valor do cartão é R$ 20 e o prato é somente para levar.

Minguante 23-3

Carazinhenses lutam neste sábado em Soledade Equipe Collision Fight promove evento no Ginásio de Esportes Zecão Morais Soledade sedia neste sábado (8) a sétima edição do Collision Fight com doze lutas de MMA e Muay Thai. A promoção é da Equipe Collision Fight/André Câmara. Segundo Câmara, a cada edição o evento cresce e as lutas que mais tem se destacado são entre as mulheres. O combate mais esperado do evento é entre Luis Lagarto (Equipe Hawks), que está voltando às lutas depois de um período afastado. Ele enfrentará Paulo Nunes (Toeikan). O carazinhense Jean Terres (Collision Fight) – 15 lutas, 14 vitórias, 10 por nocaute – enfrentará André Lopes (DMFT) – 11 lutas e 11 vitórias. O atleta carazinhense também vive a expectativa de ser anunciado no WGP de Muay Thai, em São Paulo, um dos maiores eventos da modalidade no Brasil, competição que classifica para o WGP Holanda. Além dos atletas, também deve ser atração do evento a Ring Girl Thays Pires Leão. O evento

Galeto com Massa do Lions Industrial

Foto: Divulgação

Associação arrecada ração A Associação Protetora dos Animais São Francisco de Assis vai arrecadar doações de ração no supermercado Economia próximo à Carazinho Veículos. A entidade cuida de animais abandonados, incluindo atendimento veterinário. Segundo a Associação, em média 100 quilos de ração são consumidos por dia. A arrecadação ocorre entre às 10h e às 19h.

Fim de semana movimentado no Aquático Entidade promove rodadas de três categorias do Bola 9

Jean Terres irá lutar em Soledade

.

começa ás 20h e acontece no Ginásio de Esportes Zecão Morais

Neste fim de semana seguem as disputas do Campeonato de Bola 9 do Grêmio Aquático. Neste sábado (8), a partir das 12h45min, tem rodada na categoria principal. Jogam Junto & Misturado/Industrial x Tinkilibra, Trago Fino x Camarões, MCFC x Viamel e Chumbaço x Os Bartira. Neste segunda fase, o MCFC lidera a chave C com quatro pontos e o Trago Fino per-

manece na liderança com três pontos. A rodada da categoria máster acontece domingo, a partir das 10h, com dois duelos. O Tinkilibra mede forças com o Trago Fino e o Real enfrenta o Piri Pak. A tarde tem a rodada da categoria sub 9, também com dois jogos. O Depeche Mode recebe o Só Tapa e o Perde Tudo mede forças com o Real Madruga

.

38º BPM completa 10 anos Denominado Batalhão no ano de 2004, na segunda-feira (10) o 38º BPM completa 10 anos de atividades Foto: Arquivo DM

A Brigada Militar está presente em Carazinho desde 1945, mas para que no município houvesse a nomeação Batalhão foram várias as tramitações e nomenclaturas, sendo que o decreto só aconteceu em 10 de março de 2004 quando, em face de sua importância pela abrangência e responsabilidade territorial, tornou-se Batalhão Policial Militar – 38º BPM – dando às autoridades, da Segurança Pública local, mais autonomia administrativa e operacional, para gestão de recursos humanos e materiais, sendo hoje seu Comandante interino o Capitão Jarbas Luiz Bohrer. Na próxima segunda-feira (10) o 38º BPM completará 10 anos. “Tenho que agradecer a todos os policiais que trabalharam e trabalham diuturnamente para defender o nome da corporação e o batalhão, mas principalmente garantir a segurança da nossa comunidade”, destaca Bohrer. O 38º BPM tem sob sua responsabilida-

Batalhão completará 10 anos

de territorial 24 municípios da região abrangendo a uma área populacional onde vivem cerca de 250 mil pessoas. O batalhão possui três companhias de policiamento, sendo a 1º Cia com sede no município de Carazinho, a 2º Cia com sede no município de Soledade e a 3º Cia com sede no município de Sarandi. Conforme o comandante na semana entre os dias 17 e 21 de março haverá uma formatura com representação de efetivo dos 24 municípios. Serão convidadas para a cerimônia autoridades do Poder Judiciário, Executivo e Legislativo de toda área de atuação do Batalhão. Conforme o Capitão a data da cerimônia ainda será definida e só não será realizada na próxima semana devido a Expodireto Cotrijal que ocorre em Não Me Toque. Na ocasião, civis que colaboraram com o trabalho policial também serão homenageados.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

1


2

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Grupo Diário da Manhã na ExpodiretoCotrijal 2014 Seleção de craques a serviço da informação

O

agronegócio brasileiro caminha para a próxima década com foco na competitividade e na modernidade, fazendo da utilização permanente da tecnologia um caminho para a sustentabilidade. Tais avanços incontestáveis alcançados pelo Brasil na produção agrícola são resultado de uma série de fatores que juntos permitiram que o país chegasse até aqui. Uma verdadeira rede em prol da sustentabilidade agrícola, onde cada participante teve papel protagonista. Todo o conjunto de fatores que unidos garantem os resultados positivos do agronegócio brasileiro estarão reunidos mais uma vez a partir de hoje em Não-Me-Toque, no Parque da ExpodiretoCotrijal. E assim como a ExpodiretoCotrijal é uma das maiores vitrines das potencialidades do agronegócio brasileiro, os veículos do Grupo Diário da Manhã se consolidaram como as principais vitrines da ExpodiretoCotrijal. Desde a primeira edição da feira, o Grupo vem dedicando cobertura especial ao evento através de seus três jornais, localizados em Passo Fundo, Carazinho e Erechim, suas duas Rádios AM e ainda pelo portal de notícia. Agraciado recentemente com

o Troféu Imprensa Rural da Farsul por suas coberturas setoriais, a cobertura diferenciada do Grupo Diário da Manhã na ExpodiretoCotrijal, através do AgroDiárioExpodiretoCotrijal, transformou a publicação no veículo oficial da feira, sendo o único jornal autorizado a circular dentro do Parque durante os dias do evento. São mais de 20 jornalistas e comunicadores envolvidos na cobertura jornalística, com reportagens

Mais de 100 páginas dedicadas ao evento nos jornais Diário da Manhã

Painéis de debate ao vivo no estúdio da Diário AM

“Assim como a ExpodiretoCotrijal é uma das maiores vitrines das potencialidades do agronegócio brasileiro, os veículos do Grupo Diário da Manhã se consolidaram como as principais vitrines da ExpodiretoCotrijal.” especiais nas edições diárias, debates e flashes durante a programação das Rádios Diário AM, além da cobertura em tempo real pelo portal diariodamanha.com. São seis edições, totalizando mais de 100 páginas até o encerramento da feira, com conteúdo totalmente voltado para a feira, com informações factuais do dia-a-dia do evento, reportagens especiais e informes publicitários.Além de circular no parque com uma nova edição todos os dias, circula também encartado nas edições dos assinantes do jornal Diário da Manhã de toda a região. Além disso, o Grupo transmite, através da Rádio Diário AM,

Fundador Jornalista Túlio Fontoura (1935 1979) Presidente-Emérito Dyógenes Auildo Martins Pinto (1972 1998) Vinícius Martins Pinto (1997 2003)

diretamente do seu estúdio no Parque painéis de debate com convidados especiais, flashes e entrevistas com autoridades e expositores, totalizando mais de 50 horas de programação nos cinco dias do evento.

Fórum Seguindo um dos preceitos da empresa, que é, como veículo de comunicação,de atuar como agente de mudança social e cultural, o Diário da Manhã e a Cotrijal, movidos pela preocupação com a sucessão rural nas propriedades promovem durante a Expodireto, o Fórum do Jovem Cooperativista, que na sua segunda edição em 2013, reuniu mais de 300 jovens de todo o Estado.

Presidente Janesca Maria Martins Pinto Vice-Presidente Ilânia Pretto Martins Pinto Diretor Executivo Rogel Mello

www.facebook.com/diariodamanha

@jornal_dm

Anuário Perspectivas do Agronegócio 2014 Uma das novidades do Grupo Diário da Manhã na cobertura jornalística voltada para o agronegócio é o Anuário Perspectivas do Agronegócio 2014, que será lançado durante a Expodireto Cotrijal. Com uma linha editorial diferenciada, o Anuário se volta para as tendências de mercado, pesquisa e políticas públicas para o setor neste ano de 2014. Fruto de um trabalho jornalístico de análise, as reportagens tratam os temas com profundidade, abordando o futuro imediato do setor. O resultado é a maior cobertura da ExpodiretoCotrijal com a circulação de mais de 100 páginas exclusivamente voltadas à Feira, centenas de posts diários no Portal e cerca de 50 horas de transmissão pela Rádio Diário AM.

Caderno Especial Edição: Nadja Hartmann (DRT:6416) Reportagens: Alessandro Tavares, Cristian Puhl, Mara Steffens Nogueira, Mayara Dalla Libera, Rodolfo Sgorla da Silva Diagramação: Camila Quadros Capa: Tiago Almeida Moreira Fotos: Arquivo DM, Foto Choks e Divulgação empresas e instituições Supervisão: Jussara Sirena


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

Citando o tema escolhido para a Expodireto Cotrijal 2014, o presidente Nei César Mânica ressalta que “ este ano vamos semear oportunidades, para que todos possamos colher bons resultados”. É diante do enorme desafio de repetir o sucesso das quatorze edições anteriores da Expodireto que Mânica fala das expectativas para a feira deste ano, que segundo ele, será um marco divisor na história da Expodireto. DM: A Expodireto Cotrijal já se notabilizou por chamar a atenção e trazer para o centro dos debates temas importantes para o setor do agronegócio. Qual deve ser o principal tema de debate este ano, na sua opinião? Nei César Mânica: É claro que temos todos os temas que serão tratados nos Fóruns de discussão, como o da Soja, do Milho e do Jovem Cooperativista. Acredito que entre todos os temas que nós já tratamos, nós devemos repetir alguns, como por exemplo logística e irrigação, temas que não estão superados. Nós também abrimos um espaço no Auditório Central para que na quarta-feira se faça um grande seminário do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que irá debater a agricultura familiar. Esta foi a forma da Expodireto reconhecer e valorizar a distinção da ONU, que instituiu 2014 como Ano Internacional da Agricultura Familiar, como uma forma de contemplar a pequena propriedade, assim como contemplou o cooperativismo no ano passado. Mas acredito que um dos temas que deverá pautar grande parte dos debates e ser muito discutido, até porque é o momento para isso, é a questão da renda do produtor. Hoje nós temos um seguro agrícola que cobre o custo de produção. Nós não temos um seguro que possa assegurar o ganho real do produtor. Todos os países desenvolvidos já possuem este sistema. No momento que nós conseguirmos ter no Brasil um seguro de renda, mesmo com uma frustração como ocorreu este ano na cultura do milho, o produtor tendo renda ele não deixa de movimentar toda a economia: o setor de serviços, comércio, lazer...Por isso, acredito que um tema forte nestes cinco dias é a questão da renda do produtor. DM: Ao chegar a 15ª edição, qual deve ser o salto de qualidade da Expodireto Cotrijal? Mânica: Todo o ano é um desafio e quando você alcança determinado patamar, para subir um degrau a mais, é necessário muita criatividade, capacidade de inovação, e, é claro, muita sorte. A Expodireto atingiu um patamar internacional, e eu diria que o que irá continuar marcar a Expodireto é a tecnologia, sem dúvida, mas este ano, em particular, é a representação internacional. Nós temos 19 embaixadas confirmadas. Nenhuma feira no mundo conseguiu reunir 19 embai-

3

“A participação de 19 embaixadas é um marco na história da feira”

“Um dos temas que deverá pautar grande parte dos debates e ser muito discutido, até porque é o momento para isso, é a questão da renda do produtor.” - Nei César Mânica

xadas oficias. Este é um marco, um divisor na história da feira, porque envolve perspectivas internacionais de comercialização para toda a cadeia produtiva, tanto metal-mecânica, como na produção vegetal e animal. Eu diria então que além da forte tecnologia que avança a cada ano, o maior marco da Expodireto ao chegar na sua 15ª edição será a forte internacionalização. DM: Quais as novidades preparadas para os expositores e visitantes no Parque da Expodireto? Mânica: Teremos a Casa do Produtor Rural, para acolher melhor nossos associados e produtores. Outra novidade é a criação de um aplicativo que pode ser baixado em tablets, smartphones, telefones e notebooks e que vai trazer informações importantes sobre a feira, incluindo a localização de cada estande de expositor, tudo traduzido em três idiomas. A área destinada à alimentação terá incremento neste ano, com um novo espaço, visando atender melhor os visitantes. No Espaço da Natureza Cotrijal, os visitantes receberão esclarecimentos sobre o Cadastro Ambiental Rural (CAR), que

é o registro público eletrônico das informações ambientais dos imóveis rurais e visa promover a identificação e a integração das informações ambientais das propriedades e posses rurais, visando o planejamento ambiental e principalmente a regularização ambiental para todos os imóveis rurais do país. DM: E em relação a expectativa de comercialização diante do atual cenário da economia no país? Mânica: No mínimo, a estimativa é de repetir a comercialização do ano passado, que foi de R$2,5 bilhões, apesar que é preciso destacar que não é apenas o valor comercializado que mede o sucesso da feira, mas sim o volume de conhecimento que é difundido durante estes cinco dias. Mas olhando para a frente, nós estamos acompanhando a economia com uma perspectiva preocupante de aumento da inflação e com um PIB que pode não ser o esperado. Depois da eleição, nós temos a convicção que poderá ocorrer um arrocho muito grande em termos de linhas de crédito e taxas de juros. DM: Até por ser um ano eleitoral, a feira este ano deve receber um número ainda maior de políticos. Isso é positivo? Mânica: Nós vamos ter o cuidado que sempre tivemos no sentido de impedir que a Expodireto se transforme em um palanque político-eleitoral. Sem dúvida, é importante que as autoridades prestigiem a feira, porque eles irão poder conferir a pujança do agronegócio e que representa o trabalho do agricultor, até para que nas futuras reivindicações do setor, eles tenham conhecimento destes fatores. Mas nós vamos ter um cuidado muito grande para que isso não seja usado com motivos político-partidários. Hoje, felizmente, a sociedade e a classe política estão reconhecendo . DM: A Expodireto conta com recursos oficias para ser realizada? Mânica: É difícil falar sobre isso, mas recursos de governo é zero, zero! Então, nós temos que continuar fazendo o que a gente fez até hoje, contando com a iniciativa privada, com o nosso esforço, nosso suor, porque infelizmente nós não temos tido nenhum auxílio oficial. DM: Se a presidente Dilma Rousseff visitar a feira este ano, qual seria o seu pedido à presidente? Mânica: Eu pediria para a nossa presidente um país mais justo, um país de mais credibilidade nas instituições, porque hoje infelizmente temos uma cultura impregnada na sociedade de não cumprimento de leis e não se tem penalidades que possam inibir esta prática que acontece dentro das principais instituições do país. Então, que se pensasse em reestruturar o nosso país, e isso é um trabalho para várias gerações, mas que chegássemos a um país mais justo, de menos corrupção e menos desigualdades sociais. Sei que a tarefa não é fácil para um presidente, mas acredito que começando de cima para baixo, podemos conseguir nas próximas gerações este objetivo, que é um sonho.

GESTÃO QUE TRANSFORMA CONHECIMENTO EM PRODUTIVIDADE.

O SENAR-RS oferece técnicas inovadoras que ajudam a família rural, ampliando a capacidade de produção nas suas propriedades. São dezenas de cursos e programas de qualificação profissional para produtores e trabalhadores rurais desenvolvidos em todo o Rio Grande do Sul. SENAR-RS, a escola da família rural.

www.senar-rs.com.br


4

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

“A Expodireto Cotrijal é a fonte mais avançada da combinação do trabalho com a tecnologia”

A

para dar sustentação à Expodireto”. O motivo macro-econômico para isso, explica ele, é que a agricultura em

desenvolvimento reflete diretamente na indústria. A relação da indústria com a agricultura significa mais renda,

MON IT

DE REFÚ GI EAS O ÁR

TAS DANINHAS AN E PL

NTÁRIAS LU VO

S GA RA

NT AME O DE P OR

CONTROLE DE

DE CULT ÇÃO UR TA

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS

mais emprego e, portanto, mais distribuição de renda. “Não adianta nós termos um modelo de desenvolvimento que os ricos fiquem mais ricos e que a renda dos pobres permaneça estagnada, e aqui na Expodireto, acontece o contrário, porque a feira contempla toda a verticalidade da cadeia produtiva, desde o pequeno agricultor, o médio e o grande, e isso reflete sobre a indústria e sobre toda a economia. Então é uma obrigação nossa dar força para a Expodireto e celebrar o aquecimento econômico do agronegócio e do Brasil” Sobre um dos principais gargalos do setor, a infraestrutura logística, o governador atribui as deficiências à falta de uma economia planificada, onde a questão da infraestrutura preceda e não suceda o desenvolvimento. “Nós temos um índice de de-

senvolvimento no campo e na cidade que incluiu milhões, no trabalho, na produção, no transporte. Agora temos que correr atrás da máquina, e é exatamente o que estamos fazendo, com as barragens, investimentos nos portos, duplicação de estradas, entre outros investimentos”, cita, fazendo ainda uma ressalva. “No ano passado, algumas aves agourentas diziam que o Rio Grande do Sul ia enfrentar problemas porque a safra era boa. Não teve nenhum problema. A safra escoou de maneira normal, inclusive dando sustentação a outros setores. Então não vai haver apagão de logística no Rio Grande do Sul. Nós saímos atrás, isso é verdade, mas estamos indo em velocidade adequada para construir um futuro promissor para o desenvolvimento regional”, conclui o governador.

OS RESULTADOS SÓ APARECEM QUANDO TODAS AS ENGRENAGENS TRABALHAM JUNTAS.

O DE SEM ENT E AM

ES NT

TR AT

OA AÇÃ NTECI P EC

AS

RO

“A Expodireto contempla toda a verticalidade da cadeia produtiva, desde o pequeno agricultor, o médio e o grande, e isso reflete sobre a indústria e sobre toda a economia” – governador Tarso Genro

A AD

DE SS

o fazer uma análise da concepção de desenvolvimento regional, o governador se remete ao Vale do Silício. “Aquilo que, por exemplo, o Vale do Silício significou em termos de desenvolvimento tecnológico nos EUA nesta terceira revolução científica-tecnológica, pela sua correspondência na questão da agricultura, a Expodireto Cotrijal é a fonte mais avançada da combinação do trabalho com a tecnologia, da relação estratégica de desenvolvimento com as relações internacionais”, destacou, lembrando da participação de 77 países nesta edição da Expodireto. Diante desta importância, a feira, segundo o governador, já se tornou uma política de Estado. “Eu disse para o presidente Mânica ainda em 2012, que a partir daquele ano nós entraríamos com toda a força do Governo do Estado

Para o governador Tarso Genro, a Expodireto é sinônimo de apropriação de desenvolvimento e de relações internacionais.

Manejo integrado de pragas em plantas geneticamente modificadas resistentes a insetos. Data: 13/03/2014 Horário: 16h00 Local: Expodireto Cotrijal Auditório da Produção Rodovia RS 142, KM 24 Não Me Toque – RS

A integração de culturas já faz parte do agronegócio nacional. Nesse cenário, o Manejo Integrado de Pragas (MIP) é fundamental para a sustentabilidade das novas tecnologias. É por isso que a adoção de práticas como Áreas de Refúgio, Dessecação Antecipada, Controle de Plantas Daninhas e Voluntárias, Tratamento de Sementes, Monitoramento de Pragas, uso de Controle Químico quando necessário e Rotação de Culturas é essencial, e nenhuma delas deve ser deixada de lado para se alcançar os melhores resultados. Faça parte deste ciclo de produtividade e participe ativamente do futuro das lavouras do Brasil.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

5


6

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Temas atuais em debate nos fóruns do milho e da soja

O

s fóruns do Milho (segunda-feira, a partir das 14h) e da Soja (terça-feira, a partir das 9h) estarão abordando assuntos que fazem parte do cotidiano atual do produtor rural. No Fórum do Milho, promovido pela Cotrijal em parceria com a Apromilho, Neri Geller, secretário de políticas agrícolas do Governo Federal, e Geraldo Marta, coordenador geral do Sistema Embrapa de Inteligência Estratégica estarão discutindo o tema Sustentabilidade Ambiental Econômica e Social. Odacir Klein, presidente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene – Ubrabio. Os debates acontecem entre as 14h e às 16h. Nesta terça-feira (11), a Lagarta Helicoverpa Armigera estará no centro das discussões, na palestra técnica da programação. Identificada recentemente, ela

tem surpreendido produtores e pesquisadores pelo seu poder de destruição, causando prejuízos, principalmente, às lavouras de milho, soja e algodão. O assunto será abordado por José Roberto Salvadori, professor e pesquisador da UPF e profundo conhecedor da realidade regional nesta problemática. Luiz Henrique Casue vem da Bahia para trocar experiências, já que o estado já convive com o problema há mais tempo que os estados do sul do Brasil. Silvio Biazus, gerente de produção vegeta da Cotrijal será o moderador do debate. O Fórum da Soja também oferecerá aos participantes uma palestra com o tema Cenário Econômico e Perspectivas de mercado, com Alexandre Englert Barbosa, economista do Sicredi e com o agroconsultor André Pessoa, que já participou da programação em outras

Sustentabilidade e helicoverpa são os principais assuntos que serão discutidos

Auditório central ficou lotado no ano passado, para mais um Fórum da Soja

oportunidades. Serão enfocadas questões de mercado, bolsa de valores e tendências da soja para 2014 e 2015. O moderador também será Odacir Klein.

Helicoverpa Armigera será tema de debate no fórum da soja


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

Representantes de três países que estarão na Expodireto contarão aos jovens como é o agronegócio fora do Brasil. Programação ainda conta com palestra motivacional do ex-jogador de voleibol Paulão

Uma troca de experiências internacional

O

Fórum do Jovem Cooperativista, marcado para esta sexta-feira (14), a partir das 8h30min, no auditório central do parque, irá promover uma troca de experiências internacionais para os participantes. A parceria entre o Grupo Diário da Manhã e a Cotrijal se repete neste ano para possibilitar aos jovens rurais uma nova chance de aprofundar conhecimentos. O ex-jogador de voleibol e medalista olímpico Paulão estará no evento falando ao público sobre sua experiência vitoriosa na carreira como desportistas. Temas como a importância do trabalho em equipe para a superação de obstáculos estarão na pauta dele como uma forma de motivar os jovens. A presença dele na Expodireto Cotrijal se deve também a realização da Copa do Mundo este ano, o que faz com que os olhos do mundo se voltem ao Brasil e também às questões relacionadas com o es-

7

Paulão

Jogador Cafu foi uma das atrações do Fórum em 2013 porte de uma forma geral. O agronegócio será tema de uma discussão que promete oferecer aos cooperativistas uma oportunidade ímpar. Representantes de três países que virão à feira através da organização do Pavilhão Internacional irão falar do cenário do setor nos seus países

de origem. A inserção do jovem no agronegócio também estarão em pauta. Estarão presentes Alicia Blasco, diretora da ABR Internactional Trade da Espanha, Miguel Angel Bassio Valdivia, presidente da Savona Logísticos do Peru, e Rui Mucaje, diretor da AfroChamber da Angola.

Gaúcho de Porto Alegre, Paulo André Jukoski da Silva, o Paulão, possui vinte e três (23) anos de carreira no vôlei, sendo 15 destes defendendo a Seleção Brasileira. Participou de três Olimpíadas como atleta: Seul, Barcelona e Atlanta, e duas Olimpíadas como convidado do COB: Sidney e Atenas. Coleciona os títulos de Campeão Olímpico de 1992, Campeão do Top Four – Japão 92, Campeão Liga Mundial 1993, Campeão Sul-americano, Campeão Brasileiro, Campeão Gaúcho e Campeão Catarinense. Também foi considerado o Melhor Bloqueio do Brasil e o 2º melhor bloqueio do mundo. Defendendo a Seleção Brasileira, foi capitão da equipe na Olimpída de Atlanta. Detentor de uma bagagem vitoriosa dentro do esporte, Paulão tem hoje

especialização no esporte educacional, sendo que, nestes últimos anos, desenvolveu, gerenciou e implantou diversos projetos com cunho educativo através do esporte. É Embaixador Olímpico dos projetos esportivos do Banco do Brasil desde 2003. Além de ter sido um dos mais destacados atletas brasileiros, Paulão se tornou um dos maiores batalhadores pela inclusão sócio-educacional do esporte, tornando-se, pelo intenso e produtivo trabalho que desenvolve, uma figura de referência nesse campo.

Medalhista olímpico Paulão: presença confirmada no Fórum este ano


8

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

A feira das novidades

A Expodireto Cotrijal é marcada pela apresentação de novidades no setor agrícola. Equipamentos e semente estão entre as novidades

A

no após ano, a Expodireto Cotrijal se confirma como uma feira responsável por apresentar inovações desenvolvidas pela pesquisa e pela indústria aos produtores rurais. Conforme projeção da cooperativa, equipamentos e sementes serão algumas das novidades na edição de 2014. Gelson Lima, superintendente de produção agropecuária da Cotrijal, aponta algumas das novidades que serão expostas na feira. “Neste ano estamos discutindo um avanço que é a semente de soja intacta. Há um lançamento exclusivo para o Brasil, de uma multinacional, com a pretensão de três avanços frutos da tecnologia. O primeiro é manter a resistência ao glifosato; o segundo é a possibilidade da soja dispensar o usos de inseticidas para determinado grupo de lagartas; e, segundo a empresa, vai entregar rendimentos superiores na colheita”, destaca Lima. Durante a feira, a Cotrijal, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-RS), irá apresentar um espaço de orientações aos produtores sobre o Cadastro Ambiental Rural (CAR), um dos pontos previstos pelo novo Código Florestal. Universidades e empresas públicas de pesquisa também terão espaço durante a Expodireto.

Agricultura de precisão

Em 2013, feira recebeu mais de 220 mil pessoas

“Certamente teremos avanços na área de fertilizantes, com produtos mais elaborados e diferenciados para as nossas condições”. Gelson Lima, superintendente de produção agropecuária da Cotrijal

Lima enumera outros avanços. “Certamente teremos avanços na área de fertilizantes, com produtos mais elaborados e diferenciados para as nossas condições. Haverá avanços na área de máquinas e equipamentos, em especial para a agricultura de precisão, com o uso de imagens de satélite, computação, sensores. O produtor poderá cruzar mapas de fertilidade de solo com mapas de colher em tempo real. Além disso, poderá distribuir fertilizantes e corretivos conforme a demanda do solo, racionalizando os usos ainda mais do que já é hoje”, aponta Lima. Também está previsto o lançamento de um novo tipo de pivô para irrigação. Segundo o fabricante, não há modelo similar no mundo atualmente. “Teremos muitas novidades. Porém, o produtor deve ter atenção e ver o que de fato pode ser aproveitado de acordo com a realidade de sua propriedade”, salienta Lima.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

A produtividade é música para seus ouvidos.

Chegou Orkestra SC TM

O tom de uma nova era de fungicidas na sua lavoura.

Aplique somente as doses recomendadas. Descarte corretamente as embalagens e restos de produtos. Incluir outros métodos de controle dentro do programa do Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponíveis e apropriados. Uso exclusivamente agrícola. Restrições no Estado do Paraná para Mela ou Podridão-aquosa (Rhizoctonia solani), Mancha-alvo ou Podridão-radicular (Corynespora cassiicola), Antracnose (Colletotrichum truncatum) e Oídio (Erysiphe diffusa). Registro MAPA: nº 08813.

O primeiro e único fungicida com Xemium® no Brasil, carboxamida revolucionária da BASF. • Amplo espectro de controle de importantes doenças; • Excelente residual; • Atua em todas as fases de desenvolvimento dos fungos.

0800 0192 500 www.agro.basf.com.br

9


10

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Mais vagas no estacionamento e casa para o produtor

Novidades do parque para 2014 pretendem oferecer mais comodidade ao visitante

O

parque da Expodireto Cotrijal recebeu as empresas responsáveis pela montagem de estandes entre os dias 10 de fevereiro e 7 de março. Neste período o trabalho foi intenso, diariamente, mesmo aos finais de semana, entre 7h45min e 19h para que tudo estivesse organizado para receber os visitantes a partir desta segunda-feira (10). O último final de semana antes da feira, segundo o coordenador do parque Marlon Lauxen, foi dedicado para os últimos retoques na estrutura. “É o momento em que fazemos a ‘maquiagem’ do parque para que ele esteja bonito para o evento. Instalamos as últimas lixeiras, recolhemos resíduos que eventualmente tenham ficado, entre outras tarefas. Nestes dois dias não é mais permitido que os expositores façam algum ajuste. O parque fica fechado e somente a equipe de manutenção entra para os ajustes finais”, comenta.

Estacionamento Lauxen comenta que o parque continua com os 84 hectares das últimas edições. A abertura de espaços novos para estandes foi pequena e a principal mudança na estrutura se refere ao estacionamento que agora tem 50 mil metros quadrados a mais que nas edições anteriores. “Aumentamos o estacionamento porque no ano passado tivemos bastante dificuldade neste sentido. Este ano queremos suprir esta demanda com um novo espaço. Desta vez também procuramos melhor organizar os acessos ao estacionamento de modo que para cada rodovia pela qual o visitante chegará haverá uma entrada, ou seja, quem vem de Victor Graeff, é um acesso, quem vem de Carazinho é outro e quem chega por Lagoa dos Três Cantos também. Acredito que dessa forma iremos facilitar o acesso do público”, exemplifica. O estacionamento também contará com uma ampliação. A área às margens da ERS 142 – antes usada para dinâmica de máquinas – neste ano se tornará estacionamento. O local terá capacidade de abrigar quatro mil veículos. O coordenador do parque explica que o novo estacionamento será segurado e contará com uma torre de observação. Além disso, o pelotão hipo da Brigada Militar trabalhará próximo ao local. “Este será o primeiro ano que vamos cobrar o estacionamento na feira. O valor

Mais vagas no estacionamento é uma das novidades será de R$ 20,00 por dia para os visitantes. Os expositores, associados e a imprensa terão acesso ao estacionamento mediante a retirada de credenciais com os responsáveis de cada área.

espaço bastante confortável para ele”, informa, observando que o depósito que era central foi transferido e no espaço foi

instalada uma lancheria para melhor atender os visitantes. “No ano passado a praça de alimentação era pequena e a lan-

cheria era itinerária. Agora ela ganhou um espaço definitivo e o pessoal que não quiser almoçar poderá fazer um lanche”, coloca.

Casa do Produtor Outro diferencial que o parque apresenta neste ano é a Casa do Produtor, que em 2013 era uma estrutura provisória com lona e desta vez foi construída de forma definitiva, localizada a poucos metros da entrada principal do parque (ERS 142). Uma área destinada ao descanso dos visitantes, especialmente dos associados da Cotrijal, também contará com uma nova estrutura. Um pavilhão localizado no segundo lote da área de Produção Vegetal está em construção, onde serão colocados bancos, água e um escritório da Cotrijal. O espaço é denominado Casa do Cooperativismo Cotrijal “O produtor poderá descansar neste espaço e ao mesmo acompanhar tudo o que está acontecendo no parque através das TVs a cabo que estarão disponíveis. É um

“ A Expodireto Cotrijal é o shopping center da agricultura”. - Marlon Lauxen

Um apaixonado pela Expodireto Cotrijal Marlon Lauxen era bancário quando ingressou no setor financeiro da Cotrijal. Algum tempo depois foi convidado pelo presidente Nei César Mânica para assumir a parte administrativa do parque da Expodireto e em seguida já teve o expediente transferido para o local para poder cuidar também da parte operacional da área onde ocorre a feira. “Acabei me apaixonado por isso tudo. Não consigo me imaginar fazendo outra coisa senão cuidando da Expodireto. É sensacional trabalhar aqui”, orgulha-se. O coordenador define a Expodireto Cotrijal como “o shopping center da agricultura”. “Tudo o que o produtor imaginar ele encontra aqui”, justifica.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

“A Cotrijal é o orgulho do nosso produtor, assim como é a Expodireto”

Com quase quatro décadas de trajetória dentro da Cotrijal Enio Schroeder acaba de assumir a vice-presidência e destaca que os diversos projetos desevolvidos pela cooperativa procuram envolver toda a família do produtor

A

cooperativa tem na região. Ela tem uma função social e econômica também, então ter este equilibro para ser indicado a uma função tão importante significa ter uma credibilidade muito grande. É algo que mexe com a gente”, ressalta Schroeder, emocionado. Ainda sobre o desafio de ser vice-presidente da Cotrijal, Schroeder diz que o principal deles é dar seguimento a tudo o que a entidade vem construindo ao longo dos

anos. “Hoje a Cotrijal é exemplo para muitas organizações. Tem um vínculo muito forte com o seu associado e os desafios são cada vez maiores porque a cada ano surgem novas tecnologias, as ferramentas de gestão também aparecem com mais rapidez e a gente precisa estar preparado para isso, saber estar junto com as pessoas que fazem a diferença e se cercar com pessoas que possam nos ajudar nisso”, menciona.

Quase quatro décadas de Cotrijal Enio Schroeder ingressou na cooperativa como estagiário no departamento técnico, setor no qual trabalhou por 15 anos. “Foi um período, sem dúvida, de muito aprendizado porque ali que começaram os contatos com os produtores”, recorda. Depois, de acordo com Enio, ele foi sendo convidado a assumir outras funções na instituição, como no setor de comunicação e educação, quando passou a atuar bem perto do quadro social, organizando as reuniões de núcleo e nas comunidades, para envolver o produtor e sua família nas tomadas de decisões que iam definindo a trajetória da cooperativa.

Expodireto é mais um dos eventos que envolve a família do associado assim, ele acabará por indo para a cidade exercendo uma outra atividade”, observa. Schroeder tem 39 anos de Cotrijal e em quase quatro décadas viu a cooperativa se consolidando como uma das mais importantes do Brasil. “A Cotrijal é o orgulho do nosso produtor, assim como é a Expodireto, um evento que nasceu dentro da cooperativa e que traz muitos benefícios porque oportuniza aos associados acessar o que há de mais moderno”, opina. Para ele, estar na vice-presidência da organização mostra a confiança construída ao longo dos anos com

o quadro social. “Acho que é fruto de um trabalho, de uma relação de confiança que construímos ao longo dos anos. É algo intenso que me faz cada vez mais trabalhar pela cooperativa e pelo associado. Ser indicado para um cargo tão importante numa entidade onde a diretoria executiva são eleitos é algo muito gratificante”, menciona, destacando que a tarefa é desafiadora. “Dar continuidade a um trabalho que vinha sendo desenvolvido por pessoas muito competentes é uma responsabilidade muito grande, porque a gente sabe a importância que a

Foto DM/Mara Steffens Nogueira

Cotrijal sempre buscou a difundir o cooperativismo na sua área de atuação, mostrando preocupação em envolver toda a família do associado no processo. Conforme o vice-presidente Enio Schroeder, em função disso, sempre procurou-se desenvolver projetos que trabalhem este valor nos municípios onde a Cotrijal atua. “Buscamos trabalhar com o jovem, temos o Líder Mirim que é um projeto maravilhoso para que as crianças tomem gosto pelo cooperativismo, o Escola no Campo, União Faz a Vida, temos os encontros de mulheres, que começaram com apenas 200 participantes e agora são duas mil, sem falar em toda a assistência técnica que o próprio produtor necessita para desenvolver a atividade, sempre ressaltando que ele participa das decisões que são tomadas na cooperativa”, pontua. Na visão dele, este envolvimento também mostra a preocupação da Cotrijal com a sucesso rural, tema bastante discutido ultimamente. “As próximas gerações estão chegando e elas precisam estar envolvidas no processo agrícola e da cooperativa. Este é um papel da cooperativa que já vem sendo trabalhado para cada vez mais fazer com que o jovem que está na propriedade participe do negócio, que ele perceba seu valor junto com os pais, os avós e os outros membros da família. Que ele possa ter um projeto de vida no campo. Senão for

11

Enio Schroeder: “Estar na vice-presidência da organização mostra a confiança construída ao longo dos anos com o quadro social”.


12

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Programação Expodireto Cotrijal 2014 O auditório central do parque concentra os fóruns e seminários que compõem a programação da feira, entre 10 e 14 de março. Destaque para a abertura oficial, marcada para as 9h desta segunda-feira, o Fórum Nacional da Soja que acontece em sua 25ª edição e acontece na manhã desta terça-feira e o Fórum do Jovem Cooperativista, que tem apoio do Grupo Diário da Manhã e está marcado para sexta-feira. Confira. 10/03/2014 ABERTURA OFICIAL DA EXPODIRETO COTRIJAL Horario: 9h Local: Auditório Central do Parque da Expodireto Cotrijal 6° FÓRUM NACIONAL DO MILHO Horário: 14h Local: Auditório Central do Parque da Expodireto Cotrijal 14:00h - Abertura Sustentabilidade Ambiental Econômica e Social Neri Geller - Secretário de Políticas Agrícolas Geraldo Martha - Coordenador Geral do Sistema Embrapa de Inteligencia Estratégica Moderador : Dr. Odacir Klein - Presidente da Ubrabio 16h - Encerramento Promoção: Cotrijal e Apromilho/RS Apoio Institucional: FecoAgro/RS Transmissão ao vivo para todo o Brasil pelo Canal Rural PRÊMIO SEMENTE DE OURO 2014 Horário: 16:00:00 Local: Auditório Central Promoção: Cotrijal e Câmara de Vereadores de Não-MeToque/RS 11/03/2014 25° FÓRUM NACIONAL DA SOJA Horário: 8h Local: Auditório Central do Parque da Expodireto Cotrijal 8 horas: Credenciamento 9 horas: Abertura Nei César Mânica - Presidente da Expodireto Cotrijal Caio Cézar F. Vianna - Presidente da CCGL/Termasa-Tergrasa Rui Polidoro Pinto - Presidente da FecoAgro 9h10min - Helicoverpa: Realidades do Sul e Centro Oeste José Roberto Salvadori - Pesquisador e Professor da UPF Luis Henrique Kasuya - Engenheiro Agrônomo e Consultor da Kasuya Consultoria Agronômica Moderador: Silvio André Biasuz - Gerente Produção Vegetal Cotrijal

10h10min - Cenário Econômico e Perspectivas Alexandre Englert Barbosa - Economista-chefe do Banco Cooperativo Sicredi Moderador: Caio Cézar F. Vianna - Presidente da CCGL/ Termasa-Tergrasa 11h20min - Perspectivas da Produção, Mercados e Preços da Soja André Pessoa - Sócio-Diretor da Agroconsult Moderador: Odacir Klein - Presidente da Ubrabio 13h: Encerramento/Almoço. Promoção: Cotrijal e FecoAgro/RS Patrocínio: CCGL LOG, Termasa e Tergasa FÓRUM BANDEIRANTES DE IDEIAS Horário: 14h Local: Auditório Central Promoção: Cotrijal e Grupo Bandeirantes de Comunicações

12/03/14 10° FÓRUM ESTADUAL DO LEITE Horario: 8h30min Local: Auditório Central do Parque da Expodireto Cotrijal 9h - Desempenho e perspectivas da cadeia do leite no sul do país para os próximos anos. Lorindo Stock – pesquisador da Embrapa Gado de Leite 9h50min - O que precisa acontecer no campo para que o leite seja competitivo frente a outras alternativas produtivas. Wagner Beskow – Transpondo Pesquisa, Treinamento e Consultoria Agropecuária 10h40min - Como superar os desafios e atender ao Cadastro Ambiental Rural Eduardo de Mércio Figueira Condorelli – Assessor Técnico do Sistema Farsul 11h30 - Debate entre os palestrantes e o público. Promoção: Cotrijal e CCGL Patrocínio: Senar

V SEMINÁRIO DA AGROINDÚSTRIA FAMILIAR NO ANO INTERNACIONAL DA AGRICULTURA FAMILIAR Horário: 13h30min Local: Auditório Central Promoção: Cotrijal, Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, SEAPA, EMATER/RS, FETAG, FETRAF e Via Campesina

13/03/2014 7° FÓRUM FLORESTAL DO RIO GRANDE DO SUL Horário: 08h30min Local: Auditório Central do Parque da Expodireto Cotrijal Promoção: Cotrijal, SEAPA, SEMA, EMATER/RS, SINDIMADEIRA, SINDIMATE, FAMURS, Embrapa Florestas e AGEFLOR FÓRUM SOJA BRASIL Horário: 14h30min Local: Auditório Central do Parque da Expodireto Cotrijal Realização: Canal Rural

14/03/2014 FÓRUM DO JOVEM COOPERATIVISTA Horário: 08h30min Local: Auditório Central Promoção: Cotrijal e Diário da Manhã AUDIÊNCIA PÚBLICA DA COMISSÃO DE AGRICULTURA DO SENADO FEDERAL Horário: 14h Local: Auditório Central


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

Rodadas internacionais contarão com a participação de mais de 70 países

13

O mundo em 84 hectares

Programação:

Associação Brasileira de Hereford&Braford. Reuniões de Negócios, Importadores: IRAQUE, IRÃ, RÚSSIA, CHINA, NIGÉRIA. Local: Sala de Rodadas.

10/03/2014 11:00h ás 12:00h - ARROZ - IRGA e Governo do Estado do RS - Abertura da 3ª Rodada Internacional do Arroz. Local: Sala de Rodadas e Auditório.

9:00h ás 12:00h – AFROCHAMBER - Câmara de Comércio Afro Brasileira "Como fazer negócios com África". Local: Auditório.

13:30h ás 18:00h - ARROZ - IRGA, Governo do Estado do RS e ExpodiretoCotrijal. Rodadas de Negócios com IRAQUE, IRÃ, RÚSSIA, CHINA, PERU, ESPANHA, ÁFRICA DO SUL, ANGOLA , ARGÉLIA, BENIN, BOTSWANA, BURKINA FASO, BURUNDI, CABO VERDE, CAMARÕES, CONGO, COSTA DO MARFIM, ETIÓPIA, GABÃO, GANA, GUINÉ, GUINÉ EQUATORIAL, GUINÉ- BISSAU, ILHAS CANÁRIAS, MALAWI, MALI, MARROCOS, MAURITÂNIA, NAMÍBIA, NIGÉRIA, SUDÃO, TÂNZANIA e ZIMBABWE. Local: Sala de Rodadas. 14:00h ás 16:00h - LOGÍSTICA - O impacto dos custos de logística no agronegócio brasileiro. Deputado Estadual Mano Changes. Local: Auditório. 16:00h ás 18:00h - Radiografia da Agropecuária Gaúcha. Debatedores: Deputado Estadual Ernani Polo, Vice-Presidente do Banrisul Flávio Lammel e Presidente do IRGA Claudio Pereira. Local: Auditório.

11/03/14 9:30h ás 12:30h - FRANGOS E OVOS - ASGAV - ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DE AVICULTURA. Rodadas de Negócios, Importadores: IRAQUE, IRÃ, RÚSSIA, CHINA, PERU, ESPANHA, ÁFRICA DO SUL, ANGOLA , ARGÉLIA, BENIN, BOTSWANA, BURKINA FASO, BURUNDI, CABO VERDE, CAMARÕES, CONGO, COSTA DO MARFIM, ETIÓPIA, GABÃO, GANA, GUINÉ, GUINÉ EQUATORIAL, GUINÉ-BISSAU, ILHAS CANÁRIAS, MALAWI, MALI, MARROCOS, MAURITÂNIA, NAMÍBIA, NIGÉRIA, SUDÃO,

14:00h ás 18:00h - CARNE GADO - ABHB - Associação Brasileira de Hereford&Braford. Reuniões de Negócios, Importadores: IRAQUE, IRÃ, RÚSSIA, CHINA, NIGÉRI. Local: Sala de Rodadas.

13/03/14 9:00h ás 12:00h - PAÍSES ÁRABES - Rodadas de Negócios com os países Árabes: Arábia Saudita, Argélia, Bahrein Catar, Djibuti, Egito, Emirados Arabes, Iemen, Ilhas Comores, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Líbia, Marrocos, Mauritânia, Oman, Palestina, Síria, Somália, Sudão, Tunísia. Local: Sala de Rodadas. TÂNZANIA, ZIMBABWE. Local: Sala de Rodadas. 10:30h ás 12:00h - Projeto África - Controle do Câncer na Mulher, Prevenção e Eliminação do Câncer do Colo Útero, no Continente Africano. Local: Auditório. 13:30h ás 17:00h - FRANGOS E OVOS - ASGAV ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DE AVICULTURA. Rodadas de Negócios, Importadores: IRAQUE, IRÃ, RÚSSIA, CHINA, PERU, ESPANHA, ÁFRICA DO SUL, ANGOLA, ARGÉLIA, BENIN, BOTSWANA, BURKINA FASO, BURUNDI, CABO VERDE, CAMARÕES, CONGO, COSTA DO MARFIM, ETIÓPIA, GABÃO, GANA, GUINÉ, GUINÉ EQUATORIAL, GUINÉ-BISSAU, ILHAS CANÁRIAS, MALAWI, MALI, MARROCOS, MAURITÂNIA, NAMÍBIA, NIGÉRIA, SUDÃO, TÂNZANIA, ZIMBABWE. Local: Sala de Rodadas

12/03/14 9:00h ás 12:00h - CARNE GADO - ABHB -

10:00 ás 12:00h - ABHB Associação Brasileira de Hereford e Braford. A construção de um selo de qualidade para a carne bovina brasileira – Um estudo de caso da Carne Certificada Hereford®. Local: Auditório. 13:30h ás 18:00h - PAÍSES ÁRABES - Rodadas de Negócios com os países Árabes: Arábia Saudita, Argélia, Bahrein Catar, Djibuti, Egito, Emirados Arabes, Iemen, Ilhas Comores, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Líbia, Marrocos, Mauritânia, Oman, Palestina, Síria, Somália, Sudão, Tunísia. Local: Sala de Rodadas. 14:00h ás 16:00h - ARROZ – IRGA Rio Grande do Sul - O maior produtor de arroz das Américas como plataforma de suprimento mundial. Local: Auditório.

14/03/14 9:00h ás 11:00h – ARGENTINA - Rodada Internacional Reversa com empresas Argentinas, interessadas no desenvolvimento de negócios com empresas brasileiras. Local: Sala de Rodadas. 9:00h ás 11:00h - MOÇAMBIQUE Fronteiras do Agronegócio Brasil – Moçambique. Local: Auditório.

Delegações estrangeiras serão recepcionadas em Carazinho Evento é uma parceria dos Lions Clube, Grupo Diário da Manhã e Expodireto Cotrijal, apoiados pela Governadoria do Lions Clube Distrito LD-7. A Governadoria do Lions Clube Distrito LD-7, juntamente com os Lions Clubes de Carazinho, o Grupo Diário da Manhã e a Expodireto Cotrijal irão recepcionar nesta terça-feira (11), a partir

das 16h, as delegações estrangeiras que estarão participando da feira internacional que acontece em Não-Me-Toque nesta semana. O evento faz com que as atenções

também se voltem para Carazinho nesta semana, a exemplo do que já acontece em outras cidades da região, como Victor Graeff e seu Festival da Cuca do Linguiça, que aproveitam a feira par atrair turis-

tas. A Casa de Eventos Hipster, na BR 285, recebeu melhorias para recepcionar os visitantes. Além dos representantes de outros países a comunidade regional também foi convidada.

Além do jantar que será servido, a oportunidade servirá para os empresários mostrar as potencialidades que a região tem além do agronegócio, que é o foco da Expodireto Cotrijal.


14

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Sicredi anuncia R$ 200 milhões em crédito na Expodireto 2014 O Sicredi anunciou que terá R$ 200 milhões em crédito disponíveis durante a 15ª edição da Expodireto Cotrijal. “Esse é o valor de partida da nossa operação, mas temos condições de atender as demandas propostas por nossos associados”, garante Orlando Müller, presidente da Central Sicredi Sul. Conforme Müller as linhas de financiamento são destinadas à aquisição de máquinas e equipamentos agrícolas, sistemas de irrigação e fomento às cadeias produtivas. “Nossa missão na Expodireto é apoiar o desenvolvimento dos nossos associados, garantindo recursos e suporte necessário para que possam fazer seus investimentos da forma mais adequada ao perfil dos seus negócios”, ressalta Müller. Em 2013, o Sicredi protocolou 1,9 mil pedidos de financiamentos e, para este ano, com base no histórico de solicitação de crédito da Expodireto, o Sicredi espera um desempenho forte

Orlando Müller, presidente da Central Sicredi Sul

em PSI com expectativa de 50% do volume sendo negociado nessa linha, seguido pelo PRONAF que deve ficar entorno de 30% dos negócios gerados, e o restante com as linhas de Moderagro, Moderinfra e PROCaminhoneiro. Nas últimas quatro edições da Expodireto, o Sicredi protocolou mais de 7 mil propostas e liberou cerca de R$ 300 milhões para o fomento do agronegócio gaúcho. “Para este ano, além de bons negócios, esperamos estreitar ainda mais nossa relação com os associados e conquistar novos. Estamos otimistas, nossa expectativa de crescimento para a feira pode ser superada”, avalia Müller.

Badesul: foco em irrigação e armazenagem O Superintendente de Operações Rurais e Agroindustriais do Badesul, Maureci Bratti Bergler, diz que apesar de o banco disponibilizar todas as linhas de crédito com as quais trabalha, durante a 15ª Expodireto, o foco principal será em irrigação e armazenagem, devido à política agrícola nacional. “O Governo do Estado está com o Programa Mais Água Mais Renda, em vista de que o produtor não pode ficar sujeito a uma seca, comprometendo a safra e, consequentemente, liquidando com a economia gaúcha. Quanto mais irrigação, melhor”, pontua. Quanto à armazenagem, Bergler diz que o Estado está muito carente no setor. “Durante a colheita vemos uma realidade de filas de caminhões em portos. Como tem deficiência na armazenagem, o que acontece é que que se colhe, coloca no caminhão e leva para o porto. Por isso, a armazenagem é estratégica, por conta da redução de custos e de que o produto pode ficar mais tempo não mão do agricultor”, argumenta. Segundo o Superintendente de Operações Rurais e Agroindustriais, o Badesul estará na feira disponibilizando R$ 200 milhões para negociação. “O ano passado supera-

Superintendente de Operações Rurais e Agroindustriais do Badesul, Maureci Bratti Bergler mos esse valor, mas, esse ano como a gente já aplicou demais, estamos fazendo um certo contingenciamento. Esse é um valor recencial, se houver uma demanda muito superior, certamente vamos dar um jeito de atender”, explica Bergler. Há 36 anos no setor, ele expõe que a expectativa da instituição para essa edição da feira é que o volume de R$ 200 milhões seja alcançado. “No ano passado superamos a marca de R$ 300 milhões em captação”, conclui.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto fmcagricola.com.br

Galileo XL: Produto em fase de cadastro nos estados do Paraná e Espírito Santo. Produto registrado pela Isagro Brasil Produtos Agroquímicos Ltda. Locker: Produto em fase de cadastro estadual no Espírito Santo.

Saúde na folha é sintoma de produtividade.

• Maior controle de doenças fúngicas • Fungicida com fórmula exclusiva • Eficiente contra a ferrugem asiática, mancha-alvo e doenças de final de ciclo • Fórmula exclusiva FMC com 3 modos de ação • Balanço ideal de ingredientes ativos SOMENTE LOCKER TRATA A SOJA POR INTEIRO.

Conheça também outras soluções FMC para soja:

ATENÇÃO

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFESA VEGETAL

Este produto é perigoso à saúde humana, animal e ao meio ambiente. Leia atentamente e siga rigorosamente as instruções contidas no rótulo, na bula e receita. Utilize sempre os equipamentos de proteção individual. Nunca permita a utilização do produto por menores de idade. Faça o Manejo Integrado de Pragas. Descarte corretamente as embalagens e restos de produtos. Uso exclusivamente agrícola.

CONSULTE SEMPRE UM ENGENHEIRO AGRÔNOMO. VENDA SOB RECEITUÁRIO AGRONÔMICO.

15


16

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

BB: recursos ilimitados para a feira Tarcísio Hübner, superintendente Estadual do Banco do Brasil, explana que a instituição financeira levará todas as linhas de financiamento para 15ª Expodireto Cotrijal, mas algumas terão foco principal. “As principais linha são voltadas para pequenos, médios e grandes produtores, com o Pronaf Mais Alimentos, Finami Rural PSI, linha de armazenagem, o ABC (para agricultura de baixo carbono) e o Moderinfra”, expõe, dizendo que qualquer coisa que o produtor quiser adquirir, o BB estará disposto a negociar, desde veículos para a propriedade até maquinário pesado. Hübner acrescenta que o Banco do Brasil está com recursos ilimitados para a feira. “Todas as demandas que tivermos, nós vamos atender, estando dentro da política de crédito. Trabalhamos previamente para deixar os limites do produtor em dia, estamos comunicando os agricultores da Expodireto sobre vantagens, pela oportunidade de ter reunido todas as empresas e tecnologias em um só lugar”, menciona. Com os expositores, estão sendo realizados dias de campo preparatórios há mais de um mês. “Antes de iniciar a feira abrimos o sistema para os nossos clientes usarem dos benefícios da Expodireto, com condições diferenciadas, mais ágil, priorizada na análise de crédito”, pontua o superintendente. Devido ao clima que está favorável para a produção, segundo Hübner, a expectativa é a melhor possível para

Tarcísio Hübner, Superintendente Estadual do BB a 15ª Expodireto. “O tempo e o preço estão bons, as linhas de financiamento estão ajudando, as taxas estão atrativas, com juros negativos”, avalia, dizendo que a previsão é de demanda crescente. “Acreditamos que vamos ter uma demanda maior, em torno de 20% com relação ao ano passado. O que nós queremos intensificar as nossas liberações, não apenas propostas, mas bastante contratações. Estamos trabalhando o limite disponível previamente, para podermos assinar o instrumento de crédito, para fechar negócio durante a Expodireto”, enfatiza. Ele lembra que o Banco do Brasil é parceiro da Cotrijal desde o início da Expodireto, sendo uma grande vitrine do agronegócio. “Temos a feira como um dos principais calendários nacionais, não é só uma exposição de caráter local.

Banrisul atenderá toda a demanda por financiamento na Expodireto O Banrisul anunciou ainda durante o lançamento da 15ª Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque, que os pedidos de financiamento dos produtores rurais referentes à feira serão atendidos. Para a feira, os interessados poderão financiar máquinas, equipamentos e implementos agropecuários por meio de recursos próprios do Banrisul e repassados pelo BNDES. A facilidade do crédito pré-aprovado, modalidade oferecida para dar maior agilidade e rapidez na concessão do financiamento, já está à disposição dos clientes na rede de agências do Banrisul. A carta de crédito, documento que é apresentado no momento da compra durante a feira, deve ser solicitada na agência do Banrisul onde o cliente é correntista. Os programas, que financiam a aquisição de máquinas e equipamentos agrícolas, são operacionalizados pelo Banrisul em convênio com o Governo do Estado, com benefícios nos pagamentos das parcelas. Para atender o produtor rural durante a exposição, o Banrisul vai instalar um estande de agronegócios que contará com uma equipe de funcionários especializada em financiamento. Além disso, um grupo de supervisores de crédito rural visitará os fabricantes e concessionárias para divulgar as linhas de crédito. Conforme o diretor de Crédito e Marketing, Guilherme Cassel, lembra que durante a feira, o Banrisul atenderá com todas as linhas de financiamento disponíveis no mercado. “Nos últimos anos, sempre os recursos do programa Mais Alimentos e do PSI são muito procurados. Tanto na Expodireto, quanto na

ATRATiVA 5*12

Diretor de Crédito e Marketing, Guilherme Cassel Expointer, tem tido muita procura pelo programa Mais Água Mais Renda – do Governo do Estado, voltado para irrigação”, pontua. Cassel acrescenta que, em função da estiagem de 2010, durante a Expodireto, o Banrisul trabalha para viabilizar recursos para esse setor. Antecipadamente, a instituição financeira está trabalhando em suas agências para que o produtor chegue à Não-Me-Toque com carta de crédito, para desburocratizar e agilizar a negociação.

Meta de R$ 200 milhões de negócios Cassel menciona que o Banrisul irá para a Expodireto sem limite de crédito, esperando superar o valor liberado no ano passado. “Estamos dispostos a enfrentar toda a demanda que aparecer”, garante o diretor de Crédito e Marketing. Em 2013, o Banrisul liberou em torno de R$ 103 milhões.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

17


18

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Caixa: a novidade para o agronegócio “A Caixa Econômica Federal entrou no agronegócio no segundo semestre do ano passado. Então somos a instituição financeira que é novidade no mercado do setor. Estamos operando apenas com algumas linhas de financiamento, em função de que o agronegócio tem uma gama gigantesca de atividades”, explicam os Gerentes Regionais dos Segmentos Pessoa Física e Jurídica Privada da superintendência, Lucio Roberto Hackenhaar e Leandro Lazzarotto. No ano passado, nos quatro primeiros meses de efetiva operação com as linhas de financiamento para o agronegócio, a Caixa financiou mais de R$ 128 milhões. “Para esse ano, vamos operar com financiamentos tanto para pessoa física, quanto para pessoa jurídica. A novidade, é que a Caixa está com um processo simplificado de concessão de crédito. “Nós temos uma operação simplificada até R$ 300 mil

Gerentes Regionais, Lucio Roberto Hackenhaar e Leandro Lazzarotto

para custeio agrícola e agropecuário, que pode ser totalmente efetivado nas agências. Na linha de investimento também há um processo simplificado para o valor de financiamento de até R$ 150 mil”, acrescentam. A 15ª Expodireto será a segunda participação da Caixa. No ano passado, a instituição esteve com o Caminhão do Agronegócio, mas esse ano atenderá os produtores já em um estande. “Ainda não estávamos atuando fortemente com linha de crédi-

to”, lembram, destacando que devido a representatividade e força da Expodireto Cotrijal, a Caixa achou por bem ser patrocinadora do evento. Eles expõem que a dotação de recursos para a feira é ilimitada. “A expectativa é muito grande para a feira, porque a representatividade da clientela com a entrada da Caixa no agronegócio tem sido excelente. A gente acredita que a partir da Expodireto, os negócios vão se multiplicar”, concluem.

Bradesco: linhas disponíveis para a feira Durante a 15ª Expodireto Cotrijal, o Bradesco trará seu programa “Crédito Agronegócios Bradesco: soluções completas para investimento, custeio, armazenagem e comercialização da sua produção, com as melhores condições do mercado”. Entre as linhas disponibilizadas está o BNDES PSI Finame, com a finalidade de financiar máquinas e equipamentos agrícolas novos, de fabricação nacional e cadastrados no CFI – Credenciamento de Fabricantes Informatizado do BNDES, com prazo de pagamento de até 96 meses para tratores, colheitadeiras e implementos agrícolas. Também estará disponível o BNDES MODERINFRA, para investimentos relacionados com todos os itens inerentes aos sistemas de irrigação e de armazenamento, com prazo de até 72 meses, incluída a carência de 3, 6, 9 ou 12 meses. O BNDES MODERAGRO tem a finalidade de apoiar e fomentar os setores da produção, beneficiamento, industrialização, acondicionamento e armazenamento. Fomentar ações

relacionadas à defesa animal, particularmente o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCEBT) e a implementação de sistema de rastreabilidade animal para alimentação humana. Apoiar a recuperação de solos por meio do financiamento para aquisição, transporte, aplicação e incorporação de corretivos agrícolas. O BNDES PCA serve para apoiar investimentos necessários à ampliação da capacidade de armazenagem por meio da construção e ampliação de armazéns. Estará disponível ainda o Custeio Agrícola para cobrir despesas inerentes ao ciclo de lavouras temporárias ou permanentes em produção. Além do Custeio Pecuário para cobrir despesas inerentes à manutenção da pecuária. Limpeza de pastagens, aquisição de sal, ração, medicamentos e mão de obra. O CDC serve para financiar máquinas e equipamentos agrícolas e o Leasing para arrendamento de máquinas e equipamentos agrícolas.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

As ações de governo para incentivar a produção agrícola são mais antigas do que muitos pensam. Desde o princípio da colonização é reconhecida a importância da agropecuária para a economia nacional.

De Cabral à Dilma, a Política Agrícola incentivando a produção nacional

E

m um conceito do pesquisador Luiz Ataides Jacobsen, da Emater, a Política Agrícola trata-se de um conjunto de ações do governo destinado a influir nas decisões dos agentes responsáveis por atividades agrícolas, visando à consecução de determinados objetivos como produção, comercialização e armazenagem de produtos agrícolas através de mecanismos como fornecimento de infraestrutura, créditos, mecanismos fiscais, armazenagem, etc. Um conjunto de ações voltadas para o planejamento, o financiamento e o seguro da produção constitui a base da Política Agrícola do Ministério da Agricultura. Por meio de estudos na área de gestão de risco, linhas de créditos, subvenções econômicas e levantamentos de dados, o apoio do estado acompanha todas as fases do ciclo produtivo. Essas ações se dividem em três grandes linhas de atuação: gestão do risco rural, crédito e comercialização. As políticas de mobilização de recursos viabilizam os ciclos do plantio. O homem do campo tem acesso a linhas de crédito para custeio, investimento e comercialização. Vários programas financiam diversas necessidades dos produtores, desde a compra de insumos até a construção de armazéns.

19

sendo que já fomos exportadores”, argumenta Benami. Relatando que o trigo era exportado

em carretas de boi, por Estados desde São Paulo até o Rio Grande do Sul.

LINHA DO TEMPO – A primeira fase, “da agricultura primitiva”, inicia-se justamente com a criação do Conselho Nacional do Café (CNC) em 1931 e foi marcada por diversas tentativas de sofisticar e ampliar a política;

“O subsídio à produção agropecuária é prática adotada, com maior ou menor intensidade e de forma diversificada, pelos governos de todos os principais países produtores”. -pesquisador da Emater, Luiz Ataides Jacobsen

Ações desde o Brasil colônia Dada essa relevância, os governos, ao longo do tempo, preparam a estratégia para a produção agropecuária, materializando-a nos “planos de safra”, geralmente divulgados no início do segundo semestre civil de cada ano. Conforme o professor doutor da UPF, Benami Bacaltchuk, o histórico de crédito está relacionado com as políticas de desenvolvimento rural do Brasil – que se iniciou nas capitanias hereditárias nas descobertas. “Talvez o ponto mais importante: havia suporte no período

das charqueadas, havia suporte nas primeiras usinas de açúcar. E todo esse suporte do Governo era através do Estado apoiando ou controlando a produção e a exportação”, enfatiza. No sul do país, haviam estímulos anterior à vinda da família real de Portugal, Dom João VI, quando o Brasil tinha suporte para produzir e exportar trigo – não só para o Rio de Janeiro, que era o grande centro de consumo, como para Buenos Aires e Nova Iorque na época nova Amsterdã (entre os anos de 1809 até 1817). “Chega ser irônico estarmos importando trigo da Argentina e Estados Unidos,

– Dentre as tentativas está a criação do Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA) em 1933, da Carteira de Crédito Agrícola e Industrial (CREAI) do Banco do Brasil, da Companhia de Financiamento e da produção (CFP) em 1943, da Companhia Brasileira de Alimentos (COBAL) e da Companhia Brasileira de Armazenagem (CIBRAZEM) em 1962; – Os resultados dessa nova política de estímulo à produção de grãos foram imediatos. Entre 1965-1985 ocorreu o grande salto na direção de uma nova economia agrícola, baseada na produção de grãos, na agroindústria a ela relacionada, bem como na diversificação das exportações; – A terceira fase “de transição da agricultura” iniciou-se em 1985, com a decisão do Governo Federal de eliminar o subsídio ao crédito rural por meio da utilização de indexadores. Essa fase pode ser assim chamada por que foi a fase que precedeu a reformulação geral dos instrumentos de política agrícola e em que os valores ambientais começaram a fazer parte das preocupações do Governo e da sociedade; – A quarta fase “da agricultura sustentável” iniciou-se em 1995 com o desenvolvimento e utilização de novos instrumentos de política agrícola (Prêmio de Escoamento da Produção, Contrato de Opções, a criação de uma lei de armazenagem, ampliação dos programas de desenvolvimento tecnológico e de extensão rural entre outros) menos intervencionistas e mais orientados para o mercado.


20

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Mais que seguro de produção, hora de falar de seguro de renda

A

pesar dos bons resultados que devem vir da lavoura esse ano, toda vez que o clima ameaça o sucesso da colheita, o seguro de renda volta para a pauta de debates entre a classe ruralista. Mais do que a necessidade de assegurar a produção, discute-se a necessidade de garantir a renda ao agricultor. O economista e superintendente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), Tarcisio Minetto, lembra que já há um plano de governo para solucionar buscar a solução dessa questão. “Nós tínhamos o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), agora temos o Proagro Mais para a agricultura familiar e, em nível geral, temos o Programa Nacional de Subvenção ao Seguro, que aumentou de 400 para 700 milhões a subvenção e agora estão alterando os critérios de enquadramento, para chegar em um momento que para o produtor investir na propriedade terá que fazer o seguro sobre receita/renda, não só sobre os dispêndios”, expõe o economista.

Seguro rural cobriu 6% da lavoura nacional em 2013 Minetto lembra que no ano passado, o seguro rural cobriu 6% das lavouras do país, enquanto

No ano passado, o seguro rural cobriu 6% das lavouras do país, enquanto em países desenvolvidos essa cobertura chega à 80%.Não é por acaso que o seguro rural é um dos grandes temas da Expodireto Cotrijal 2014.

Seguro de variação de custos de venda Para o presidente do Apsul América e do Sindicato Rural de Não-Me-Toque, Willibrordus Van Lieshout, o seguro de renda ou de preço, que cobre, além da perda de produção, a variação no custo de venda, é uma aposta para conseguir massificar o seguro agrícola. Ele menciona que no Brasil o seguro rural ainda dá os primeiros passos. “Até pouco tempo a gente só trabalhava com o Proagro, que não funciona bem. Mas, na realidade, nós precisamos de um programa mais amplo, que assegure sobre a

renda, não sobre o financiamento em si, pois, se pensarmos em financiamentos de custeio – por exemplo – ele não cobre o valor total gasto”, expõe. Van Lieshout reconhece que algumas entidades ligadas ao setor trabalham para construir uma política que garanta renda ao produtor. Mas ele pondera que para ter uma agricultura forte e com segurança é preciso um melhoramento efetivo do seguro. “O Governo precisa subsidiar esse seguro, pois apenas o produtor custeando fica inviabilizado, por se tratar de atividade de alto risco, encarecendo o processo”, argumenta.

No ano passado, o seguro rural cobriu 6% das lavouras do país esse número pode chegar a 80% em países desenvolvidos. “Isso ocorre pela nossa falta de tradição no setor. Enquanto a União Europeia, por exemplo, possui subsídio pesado, os americanos aplicam bilhões de dólares para a subvenção”, informa. O economista é otimista em sua projeção: “eu creio que esse ano a gente supera essa marca de 6% e ano após ano devemos dobrar os números ou triplicar”. Em 2012, cerca de 40% do R$ 1,5 bilhões pago em prêmio – os números de 2013 ainda não foram divulgados – foram de seguro rural.

Seguradoras podem diluir os riscos na atividade A fórmula para dar mais segurança ao produtor, com um benefício que garanta também renda, pode ser uma maneira de as seguradoras diluírem os riscos da atividade. Com a grande concentração de demanda no sul do país e com a concentração de risco devido à diversidade climática da região, o preço também cresce, fazendo a maioria dos produtores enxergar o seguro como custo, não como investimento. “Quanto maior o risco, maior o prêmio”, lembra Minetto.

Presidente do Apsul América e do Sindicato Rural de Não-Me-Toque, Willibrordus Van Lieshout


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

Audiência Pública ocorre no auditório central na sexta-feira

A extensão rural na pauta do Senado

A

Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado aprovou e a Expodireto Cotrijal recebe nesta sexta-feira (14), a audiência pública da comissão que debaterá, entre outras questões, a situação da Emater. Conforme A Senadora Ana Amélia Lemos (PP), que sugeriu o encontro, a entidade poderá deixar de atender milhares de agricultores por causa da decisão judicial que retira seu caráter filantrópico. “No Brasil, cerca de 4 milhões de famílias rurais dependem do serviço de assistência e extensão rural para acessarem tecnologias de produção agrícola. Atualmente, 70% da produção do alimento consumido em todo o país são de responsabilidade dos agricultores familiares. A Emater está presente em 493 dos 497 municípios gaúchos”, justifica a progressista. Outro tema que estará sendo

Espaço da Emater irá apresentar inovações e soluções para os principais entraves ao desenvolvimento produtivo e social do Rio Grande do Sul

debatido é o papel da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural – Anater. A agência criada recentemente pelo governo federal terá a parceria da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no auxílio a agricultores familiares com projetos focados no aumento da produ-

21

tividade e da melhoria das atividades rurais.

Emater mostrará lado social na feira Diante da ameaça de perder a condição de entidade filantrópica, a Emater/Ascar trabalhará na Expodireto Cotrijal o tema “A Emater/RS-Ascar é

Social”. Nada será vendido no espaço ocupado por ela que irá apresentar inovações e soluções para os principais entraves ao desenvolvimento produtivo e social do Rio Grande do Sul. São projetos, programas e tecnologias ligados à produção de energia, ao abastecimento de grãos, e à produção

e agroindustrialização de alimentos para o abastecimento de famílias rurais e para a venda em escala comercial. Conforme dados divulgados pela entidade, as matérias-primas mais nobres da indústria gaúcha têm origem na agricultura familiar como: carne, leite, grãos, frutas, cana e madeira. O trabalho produzido pelos agricultores familiares responde por 27% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado. Devido à importância econômica e social da Agricultura Familiar no Rio Grande do Sul, a Cotrijal Cooperativa Agropecuária e Industrial (Cotrijal) e a Emater/ RS-Ascar, parceiras há mais de uma década, juntamente com a Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), levam ao Espaço da Família Rural o conceito de que o campo é um lugar produtivo, onde as comunidades constroem laços afetivos, plantam e colhem riquezas.


22

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Linhas de financiamento e custeio: o sucesso do campo, começa no banco Chegou a R$ 103 bilhões contratados a tomada de crédito por agricultores empresariais e familiares nos primeiros seis meses da safra 2013/14. Esse montante representa 66% do total de R$ 157 bilhões previstos para a temporada – 47,8% maior que no mesmo período de 2012, quando foram contratados R$ 70,2 bilhões (conforme divulgado pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura). Nesse contexto, a agricultura empresarial contratou R$ 91 bilhões, ou seja, 67,1% dos R$ 136 bilhões previstos para esse segmento em 2013/14 – valor 50,8% maior que o registrado em igual período de 2012. Enquanto isso, a agricultura familiar contratou R$ 12,5 bilhões de julho a dezembro passado, alta de 29%, o equivale a 59,8% do total disponível para toda a safra. Para custeio e comercialização os empréstimos chegaram a R$ 67,6 bilhões, o que representa 69,3% dos R$ 97,6 bilhões programados. Para investimento, as contratações chegaram a R$ 23,5 bilhões, 61,3 % dos R$ 38,4 bilhões previstos. As contratações de crédito para financiamento nos primeiros seis meses da safra atual subiram 67% com relação ao ano passado. Chegou a R$ 6,9 bilhões o empréstimo para aquisição de máquinas agrícolas, equipamentos de irrigação e estruturas de armazenagem, no caso do Progra-

Vice-presidente da Aprosoja, produtor e prefeito de Tapera, Irineu Orth

ma de Sustentação do Investimento (PSI-BK) – o resultado é 47,2% superior ao do mesmo período de 2012 e equivale a 99% dos recursos disponibilizado. O carro-chefe anunciado no plano safra 2013/14, foi ao Plano de Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), que já emprestou 49% dos R$ 3,5 bilhões previsto. No Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) as operações de custeio atingiram R$ 6,09 bilhões, enquanto as de investimento somaram R$ 3,26 bilhões. As cooperativas também ampliaram a contratação de recursos entre julho e dezembro do ano passado, com R$ 495,8 milhões por meio do Programa de De-

senvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária (Prodecoop), alta de 27,6% sobre o mesmo período de 2012.

Avaliação de economista O economista e superintendente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), Tarcisio Minetto, exemplifica a situação dos juros através dos agricultores enquadrados no Pronaf, que convivem com taxas que variam de 2 à 4%. “Se compararmos com a inflação, esse juro pode ser considerado negativo. Já nas demais linhas os juros são de, em média, 5,5%”, menciona. Dessa forma, Minetto revela que

Com taxas de juros cada vez mais atrativas para o produtor, o governo tem liberado bilhões de reais para a tomada de crédito, a fim de fomentar o setor. Nos primeiros seis meses da safra 2013/14 – números liberados pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura até agora – já foram contratados R$ 103 bilhões

a política agrícola impacta, na verdade, na produção. “Quando você tem uma produção que tem incentivo, que aumenta a oferta, tende a mexer no preço final do produto”, expõe o economista, dizendo que é preciso procurar baixar cada vez mais as taxas para o setor produtivo. “Quanto menor a taxa de juro que o produtor pode pegar melhor, em vista que o desembolso é menor e o risco é elevado. Por isso que é importante um seguro de renda, que não serve apenas para assegurar o valor do financiamento no banco, mas sim o potencial de produção que poderia conseguir”, argumenta.

Dificuldades de acesso ao crédito O vice-presidente da Aprosoja, Irineu Orth, avalia que atualmente as linhas de financiamento tem perdido força. “Na minha concepção o número de pessoas que pega financiamento é bem menor do que antigamente. De qualquer forma, a liberação de crédito precisa ser eficiente, porque se atrasar os produtores vão plantar com menos tecnologia ou, eventualmente, deixar de realizar o plantio”, expressa. Ele relata ainda, que, em linhas gerais, o financiamento de custeio tem perdido força, enquanto o de investimento ganha cada

vez mais adeptos. “São feitos mais financiamentos para aquisição de máquinas, implementos, recuperação de solo, construção de melhorias na propriedade”, esclarece. Com relação ao volume anunciado de liberação de recursos, Orth diz que muitas vezes o governo anuncia um valor grande, mas não aplica todo o montante, em função da burocracia. “As vezes essa burocracia está a cima da capacidade do produtor. Tem muita gente que tem problema de documentação e negativa, impedindo o seu acesso ao crédito”, lamenta o presidente da Aprosoja e prefeito de Tapera. O presidente do Apsul América e do Sindicato Rural de Não-Me-Toque, Willibrordus Van Lieshout, concorda que muitos produtores não têm total acesso aos recursos. “Os bancos são muito exigentes para fornecer recursos para produtores, mas o volume de recursos é muito bom e a taxa de juros comparando com a taxa do mercado para agronegócio são bastante favoráveis, muito melhores do que em anos anteriores”, corrobora. Por outro lado, Irineu Orth, lembra que, atualmente, a liberação de crédito se democratizou e está acessível em vários bancos – anos atrás essa atividade era restrita ao Banco do Brasil.

E mais... Os desafios da soja transgênica

O economista e superintendente da FecoAgro/RS, exemplifica a atual situação das linhas de financiamento, com a taxa de juros para algumas linhas de crédito: o Programa de Agricultura de Baixo Carbono (ABC), possui taxa de 5% ao ano; o Moderagro está com 5,5% ao ano; Agricultura Irrigada, taxa de 3,5%; Modernização e Reforma de Armazém, com 5,5%; Armazenagem, 3,5% de taxa de juro para ser pago em 15 anos; Prodecoop (para cooperativas), 5,5%; Procap-Agro (capital de investimentos), 6,5%; Programa de construção de armazéns, 3,5%; e o PSI Rural (para investimento de frota) com taxa de 3,5%. “São taxas que contribuem para apoiar o desenvolvimento do setor”, conclui.

“A soja transgênica veio para ficar, não tem mais recuo”, garante o vice-presidente da Aprosoja. Orth acrescenta que novas tecnologias vão ter que ser implantadas e a soja resistente a pragas surgiu para auxiliar o produtor. “A única briga que a gente sempre manteve é a cobrança indevida de royalties da colheita. Royalties tem que ser pago na hora da compra da semente”, pontua. Orth conta que novas tecnologias devem surgir, entre elas, uma cultura resistente à seca. “Essa é a nossa esperança futura, para resistir mais a seca e diminuir o risco de quebra”, pontua.

Plano safra 2014/2015: foco em armazenagem, tecnologia e irrigação Conforme declarações do secretário de Políticas Agrícolas do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, o Plano Safra 2014/2015 já tem sua base formulada e deverá terminar de ser estruturado até o mês de abril. O foco do programa

será em recursos para armazenagem, acesso a tecnologia e irrigação.O Plano já está estruturado internamente e, a partir deste mês de fevereiro, terá início uma agenda de discussões com a sociedade e as entidades de classe, para receber demandas que serão incluídas

na proposta. No ano passado, o Plano Safra foi lançado em maio. A preocupação em adiantar o lançamento nesse ano se deve em função da Copa do Mundo etambém por se tratar de um ano eleitoral. O plano sempre é elaborado an-

tes do início do ano safra pela Secretaria de Política Agrícola do Mapa, responsável em recolher as sugestões de entidades que representam o setor produtivo. “Basicamente, os planos de safra contemplam as medidas de incentivo à produção de determinados produtos e o vo-

lume de recursos destinados à agropecuária, inclusive o montante de crédito a juros favorecidos a ser disponibilizado no ano safra (período compreendido de julho do ano corrente a junho do ano seguinte)”, explica o pesquisador Luiz Ataides Jacobsen, da Embrapa.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

Forte exportador de soja, arroz, milho e carne, o Brasil ainda precisa superar entraves estruturais internos para conseguir exportar e se mostrar competitivo no mercado internacional

A

receita com as exportações do agronegócio brasileiro foi de US$ 101,5 bilhões em 2013, valor 4% superior ao do ano anterior e novo recorde – em termos nominais –, segundo levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada(Cepea), da Esalq/USP. Essa expansão se deu via volume, que alcançou nova máxima histórica, com alta de 14,2%, já que os preços médios de exportação em dólar recuaram 7,5% no período. Segundo pesquisadores do Cepea, nos últimos 14 anos (de 2000 a 2013), o agronegócio brasileiro tem contribuído fortemente para a geração de divisas para o País. No período, o volume exportado cresceu quase 230% e os preços externos, 101%. O saldo comercial (receitas das exportações, menos gastos com importações) mais que quintuplicou, com crescimento de 468%. No acumulado desses últimos 14 anos, foram gerados, líquidos, mais de US$ 500 bilhões, sendo quase US$ 83 bilhões só em 2013.

Principais destinos A China se consolidou como a principal parceira comercial do agronegócio brasileiro em 2013, absorvendo 22,9% do total exportado pelo setor, em termos de faturamento. A Zona do Euro se configurou como segundo maior destino, com participação de

23

Gargalos desafiam competitividade

Foto: Divulgação Farsul

“Se a gente exporta soja, arroz, milho, nossos grãos, nossa carne, não é por causa do governo”. - Economista chefe do

que “aqui se paga a maior carga tributária do mundo no custo de produçãoe recebemos uma logística péssima na hora de exportar, o que tira uma parte significativa da nossa renda na hora da exportação”. Antônio da Luzmenciona que atualmente o agricultor assume um grande risco em plantar, por investir em tecnologia, ter visão empreendedora, vencer as adversidade climáticas, além de conviver com suscetíveis crises internacionais. “Governos adoram comemorar

o resultado dos outros, comemorar resultados da sociedade civil, como se eles fossem participantes desses efeitos”, lamenta.

Custos de produção “O Brasil é um país onde temos um custo de produção mais alto. A gente paga imposto em máquinas, em agroquímicos, em fertilizantes... já os nossos concorrentes não pagam. Por isso, a gente arranca com um custo operacional mais alto que os demais países”, compara o economista chefe.

sistema Farsul, Antônio da Luz

Linha do tempo mercado internacional

20,7% na receita gerada, percentual ligeiramente inferior ao do ano anterior, que foi de 21,6%. Os Estados Unidos se mantiveram em terceiro lugar, com 7,1% do total exportado pelo Brasil. Além destes, os outros importantes demandantes foram: Japão, Rússia, Arábia Saudita, Coreia do Sul, Venezuela, Hong Kong e Irã. Para 2014, segundo pesquisadores do Cepea, a produção agropecuária brasileira deve continuar crescendo, assim como a demanda da China e Índia, embora a taxas menores.

Situação gaúcha no mercado internacional O economista chefe do sistema Farsul, Antônio da Luz, ressalta que a posição do Rio Grande do sul no mercado internacional não é uma consequência de políticas públicas. “Se a gente exporta soja, arroz, milho, nossos grãos, nossa carne, não é por causa do governo. Nós exportamos porque o produto é bom e conseguimos produzi-lo em escala e com competitividade internacional, apesar da política pública”, critica. Ele justifica essa posição dizendo

– Em 1958 as exportações de soja foram submetidas ao controle da Carteira de Comércio Exterior (CACEX) e ao regime de registro e licenciamento prévio; – Em 1974 foi imposto um embargo às exportações de grão, farelo e óleo, mais tarde substituído pelo licenciamento; – Em 1974 foi inaugurado o sistema de exportações condicionado ao que se chamou “excedente exportável”, definido como produção total menos capacidade instalada de esmagamento; - Em 1975 as exportações de óleo estavam isentas do ICM e foram beneficiárias do crédito do IPI (16%), tendo os lucros da exportação isentos do imposto de renda (alíquota era de 30%); - Em 1976 as exportações de óleo e farelo foram beneficiadas com financiamentos subsidiados, excluindo o grão dessa benesse; - O ano de 1977 iniciou com as exportações liberadas, mas em março tanto o grão como subprodutos tiveram as exportações embargadas, vindo depois um imposto “ad valorem” de 7% sobre todo o complexo.


24

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Logística: os gargalos nacionais A

ntônio da Luz lembra que, além do custo de produção alto, o produtor brasileiro enfrenta problema de logística no transporte e armazenamento. “Quando vamos exportar, a gente paga mais caro para chegar até o porto que nossos concorrentes, e como mesmo assim o produtor consegue se posicionar lá fora? Primeiro, ele abre mão do lucro dele, porque ele perde em logística, no custo mais alto, mas, também, neste hectare ele consegue ser mais produtivo que os produtores americanos, que os produtores argentinos, por exemplo. A gente consegue ter uma produtividade maior”, argumenta o economista.

Infraestrutura O economista reitera que o papel mais importante do governo para fortalecer o Brasil como exportador é na construção de infraestrutura para o escoamento da safra. “Nós ficamos parados muitos anos, desde o início do governo

Brasil: situação geográfica privilegiada no que diz respeito a hidrovias e leitos navegáveis Lula, nós tivemos um atraso muito grande na questão de privatização de rodovias, agora não é mais. Agora o governo Dilma privatiza com a facilidade que se privatizava no governo Fernando Henrique.Mas nós levamos 10 anos discutindo para fazer isso, e esses 10 anos estão cobrando sua conta”, critica.

O presidente do Apsul América e do Sindicato Rural de Não-Me-Toque, Willibrordus Van Lieshout, reclama da infraestrutura brasileira. Ele avalia a situação de estradas, ferrovias e portos como deploráveis. “Nós precisamos urgentemente de muito mais estradas, melhores condições para as já existentes, e de ferrovias,

Administrar sua empresa com Ferramentas de Gestão e Qualidade é fundamental para seu negócio, seus clientes, sua equipe, seus processos e, é claro, para os seus resultados ! Mantenedores:

Comitê Regional Qualidade RS - PGQP Carazinho Fone: (54) 3329 6570 e-mail: executivopgqpczo@gmail.com

que são praticamente inexistentes na realidade nacional. Além de um melhoramento para a situação portuária, com quantidade e qualidade”, expõe. Antônio da Luz menciona que o Brasil possui uma situação geográfica interessante no que diz respeito a hidrovias, a leitos navegáveis, bastava se fazer uma eclusa, e nós não ocupamos esse potencial. “65% da soja americana ela chega no porto de barca, através do rio Mississipi, ou seja, os caminhões e, principalmente os trens, vão até a fazenda e, depois, até o Mississipi, e o Brasil não, manda de caminhão da fazenda até o porto, esse é um modelo totalmente ineficiente de se exportar soja”, aponta o economista. Ele cita que existe um grande potencial inexplorado nacionalmente, que é o sistema de transporte ferroviário. “Se nós tivéssemos a eficiência no RS dos EUA, que é o principal concorrente brasileiro na soja, o

produtor ganharia mais R$ 6,80 por saca de soja. Porque este é o valor que ele deixaria de ganhar a mais com logística. Um produtor para o MT gastaria R$ 10,08 a menos com logística, caso a logística nacional funcionasse”, afirma o economista, pontuando que esse dinheiro poderia colaborar com o movimento do comércio, seria revertido em investimento, logo, iria para as indústrias, principalmente as ligadas ao agronegócio. “Toda a economia regional poderia ter um grande salto se nós tivéssemos mais eficiência, não é só o produtor que está perdendo com esses gargalos logísticos, mas sim todas essas comunidades produtoras”, lamenta. Por fim, Da Luz diz que devido a eficiência que o produtor consegue ter dentro da sua propriedade, ele consegue compensar parcialmente a ineficiência em infraestrutura do país, para poder chegar com preço competitivo.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

Aos 76 anos o agricultor Arlindo Pagliarini que desde os 12 trabalha com agricultura , viu e viveu a evolução da mecanização agrícola passando do arado de tração animal ao mapeamento das lavouras por GPS em máquinas inteligentes que fazem automaticamente a análise da correção a ser feita em cada talhão

Do arado ao GPS, 64 anos acompanhando a evolução da mecanização

A

os 76 anos de idade o agricultor Arlindo Pagliarini, do Distrito de Pinheiro Marcado, interior de Carazinho é um exemplo de quem viveu o inicio da mecanização agrícola e se atualizou com ela no decorrer dos anos. Trabalhando na agricultura auxiliando a família desde os 12 anos de idade, foi a partir do ano de 1959 que Arlindo e seu irmão assumiram a administração da lavoura, na época com 100 hectares. Na ocasião, os irmãos adquiram um trator importado, única opção no período, tratava-se de um Fordson Major de 40 HPs. Naquele trecho da história, duas das coisas que mais preocupavam nas lavouras eram as grandes erosões “vossorocas” que inutilizam grandes trechos das áreas, e as formigas, atualmente os dois controlados, já não são mais problemas. Naqueles anos também as palavras gradear, arar, enxada e capina eram constantes no vocabulário e na rotina dos agricultores, hoje praticamente em desuso, seja no vocabulário seja na prática. Com o passar dos anos e não foram poucos, o trator importando deu espaço a outros quatro, já nacionalizados com potencias entre 180, 125, 110 e 70 CVs. A plantadeira que rendia algumas bolsas de plantio por dia foi substituída

25

Do importado ao nacional

Arlindo e a esposa Gesilde Pagliarini por uma varias vezes maior. No inicio a colheita era feita com um equipamento chamado por alguns de prancha rebocada, que tinha plataforma de um metro e meio de comprimento com a qual seu Arlindo e o irmão levavam quase um mês para colher área. Já no ano de 1968 os Pagliarini, adquiriram sua primeira automotriz, uma Case usada, mas que deu agilidade à colheita. Hoje as culturas são colhidas com uma John Deere com plataforma de 35 pés de corte. Os equipamentos e os métodos mudaram e evoluíram e também área de cultivo aumentou em mais de seis vezes, hoje a família planta

650 hectares e o Sr.Pagliarini ,que multiplicou várias vezes o patrimônio que tinha no final da década de 50, acredita que poderia ter feito render muito mais se as tecnologias que facilitaram as tarefas e profissionalizaram a atividade tivessem vindo mais cedo. O agricultor septuagenário, incentivado pelos filhos continua de olho nas tendências do campo. “Nos últimos anos a tecnologia evoluiu muito. As máquinas do ano passado já têm diferenças para as máquinas deste ano e sempre trazem mais praticidade. A tendência é de que a cada ano mais novidades surjam” comenta Arlindo.

Na história da mecanização agrícola do Brasil, o importado perdeu espaço para os produtos da indústria nacional. Atualmente as tecnologias dominantes têm recaído sobre o desenvolvimento de máquinas e implementos agrícolas cada vez maiores e mais velozes, porém para Embrapa, a eficiência agronômica desses equipamentos deveria ser revista pela indústria. Ao longo da primeira década dos anos 2000, estima-se que o crescimento da produção de grãos no país foi de 61%. O crescimento é reflexo do aumento de área cultivada e também dos ganhos em produtividade, que cresceram cerca de 34% no período devido aos investimentos em pesquisas de novos cultivares e de produtos mais eficazes, seja na área agronômica quanto de mecanização. A melhora no preço das commodities e também na oferta de crédito atrativo são fatores que propiciaram aos agricultores a oportunidade de se apropriarem das tecnologias e por conseqüência incentivando a profissionalização da agricultura. Hoje de Sul a Norte há máquinas em campo de todos os tipos, tamanhos ou funções, algumas avaliadas em milhões de reais, e o país é hoje um dos maiores exportadores de máquinas agrícolas e tecnologias. Mas nem sempre a história foi assim. Até a segunda metade da década de 50, o Brasil apenas importava as máquinas que eram usadas na agricultura. Para relembrarmos parte da historia da mecanização agrícola no país, contamos com a colaboração dos pesquisadores da Embrapa Trigo, Eng. Mec. Mestre em Engenharia Agrícola, Antonio Faganello e do Eng.Agr. Doutor em Solos e Nutrição de Plantas José Eloir Denardin.

Pesquisador da Embrapa Me.Antonio Faganello

Pesquisador da Embrapa Dr. José Eloir Denardin


26

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Os marcos da agricultura mecanizada

H

á vários marcos a serem destacados na mecanização agrícola, dependendo do segmento a ser apreciado. Na produção de grãos, sem dúvida, o marco diferencial da agricultura mecanizada foi a adoção do plantio direto, ao requerer um único equipamento para viabilizar o processo de semeadura. Na aplicação de defensivos agrícolas, a introdução do piloto automático em equipamentos de pulverização é outro marco diferencial da agricultura mecanizada por ter gerado agilidade,capacidade operacional, precisão nas aplicações, redução de perdas de defensivos e, inclusive, minimização de contaminações ambientais.

estufa e maior agilidade, precisão e automação. Portanto, é notória a carência de inovações tecnológicas direcionadas às peculiaridades relativas a essas condições. As inovações tecnológicas dominantes têm recaído fortemente sobre o aumento da capacidade operacio-

nal dos equipamentos agrícolas, isto é, no desenvolvimento de máquinas e implementos agrícolas cada vez maiores e mais velozes. Esse aspecto vem gerando preocupações quanto à qualidade e/ou eficiência agronômica da operação para a qual foram projetados. Por cer-

mecanização agrícola permanecerá em constante evolução e, por certo, em maior intensidade nos aspectos referentes à incorporação de componentes eletrônicos, como sensores e atuadores, na busca por agilidade, precisão e automação operacional.

O “amarelinho” que mudou a história da indústria nacional de máquinas agrícolas

Tendências das tecnologias voltadas à mecanização agrícola Em razão das dimensões continentais do Brasil, com características amplamente variadas, principalmente de solo, relevo e extrato fundiário, as tendências das tecnologias voltadas à mecanização agrícola no país não podem ser linearizadas. De qualquer forma, as atuais tendências independem dessas condições, pois contemplam maior capacidade operacional, melhor aproveitamento de energia, busca pela redução da emissão de gases de efeito

to, a inovação tecnológica mais evidente e requerida pela agricultura brasileira, conduzida em regiões de clima subtropical e tropical, é, portanto a melhoria da eficiência agronômica desse equipamento. Entende-se que o surgimento de novidades no seguimento da

Linha de produção da CBT A mecanização agrícola no Brasil teve início na década de 1930. Em 1952, no governo de Getúlio Vargas, foi intensificada a importação de máquinas e de implementos agrícolas, objetivando modernizar a ag-

ricultura brasileira e buscar a autossuficiência da produção de trigo. Os mais graves problemas dessa época foram o elevado custo de aquisição/ importação dos equipamentos e a carência de assistência téc-

nica específica a estes equipamentos, dada à grande diversidade de marcas e modelos de importados. Apenas no final da década de 1950 ocorreu à nacionalização da indústria de máquinas agrícolas no Brasil, através da hoje extinta CBT (Companhia Brasileira de Tratores - 1959-1995). A expansão da mecanização agrícola brasileira somente ocorreu de forma expressiva a partir da década de 1970, em decorrência do programa de melhoria da fertilidade química do solo, da disponibilização de linhas de financiamento atrativas aos agricultores mediante crédito agrícola subsidiado e do aprimoramento e desenvolvimento da pesquisa e da extensão rural no país, com a criação da Embrapa e da Embrater. Na atualidade, pode-se observar que a mecanização agrícola brasileira está sendo abastecida por ampla diversidade de fabricantes de máquinas e

implementos agrícolas, para os mais variados segmentos (agrícola, pecuário e florestal), com preços competitivos e eficiente assistência técnica na pós-venda. Dependendo do equipamento, pode-se também afirmar que a qualidade e a eficiência dos equipamentos produzidos no Brasil são equivalentes ou até mesmo superiores aos da indústria internacional. Há que se destacar, nesse breve histórico, a evolução de equipamentos destinados ao pequeno estabelecimento rural, ocorrido a partir de meados dos anos 1990. É importante também enfatizar que, no Brasil, não foi à mecanização agrícola a responsável pela intensificação do êxodo rural ocorrida a partir das décadas de 1960 e 1970 e sim à escassez de mão de obra no campo que impulsionou e continua impulsionando a mecanização agrícola no país.

Visite o estande da

BSBIOS na

Expodireto

A

Energia

do

campo

que vem

A BSBIOS está ao seu lado no

campo!

Com soluções que geram bons resultados! Estamos com você do plantio à colheita, conte com a segurança dos produtos e serviços com o selo de qualidade BSBIOS.

BSBIOS | BR 285 - Km 294, s/nº | Distrito Industrial |CEP 99042-800 | Passo Fundo|RS|Brasil | Fone: 54 2103-7100 |www.bsbios.com


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

Direção do Simers acredita que as tendências das tecnologias das máquinas agrícolas se voltem à automação das atividades e a eficiência econômica de combustíveis. O setor também espera que o Governo Federal mantenha as linhas de crédito para aquisição de máquinas sem alterações significativas nos próximos anos

Automação e eficiência energética devem pautar novas tecnologias

P

ara o Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas no Rio Grande do Sul (SIMERS), o Brasil ainda é um país carente no que se refere ao uso de máquinas e equipamentos em sua agricultura. Para a direção sindical, se tomarmos o estoque de tratores agrícolas em condições de uso, contando a partir dos dados do Censo Agropecuário de 2006, o número de propriedades agrícolas não chega a uma décima parte, o que significa afirmar que existe uma máquina agrícola em condições de utilização para cada agrupamento de mais de dez estabelecimentos agropecuários. Portanto, ainda há muito mercado e oportunidades. É compromisso dos industriários do setor, de que enquanto houver no mundo uma pessoa passando fome, manter a produção mais e melhores máquinas para suprir os produtores agropecuários em todo o planeta. Em entrevista ao DM, o presidente do Simers, Claudio Bier comenta o futuro do segmento e a tendência de tecnologias das máquinas. DM: Quais são as tendências das tecnologias voltadas à agricultura? Claudio Bier: Há hoje, indiscutivelmente, uma tendência à automação de uma série de atividades na agricultura que se traduzem em mais eficiência

Presidente do Simers, Claudio Bier: “a maior notoriedade pode ser creditada à grande inovação em máquinas agrícolas com o advento da agricultura de precisão” desde a economia de combustíveis das máquinas e equipamentos autopropelidos, à aplicação de insumos e defensivos agrícolas. Sempre no intuito de dar ganhos de produtividade conjugado com a redução de custos. Também na pecuária, vê-se que a tendência é a aplicação de mecanismos que permitam – ou ampliem – a rastreabilidade dos produtos de origem animal. É uma exigência do mercado, da qual não se pode fugir. DM: Nos próximos dez anos, a tecnologia apresentará mais ou menos novidades do que as que foram apresentadas nos últimos dez anos? Bier:Acho que o uso intensivo, e cada vez mais, de mais e no-

27

vas tecnologias, é um caminho irreversível na agropecuária mundial. E no Brasil não é diferente. Nos últimos dez anos, assistimos ao surgimento e à aplicação de novas tecnologias tanto no campo da biotecnologia, quanto no avanço da indústria química de defensivos agrícolas e pecuários. Mas, sem dúvida, a maior notoriedade pode ser creditada à grande inovação em máquinas agrícolas com o advento da agricultura de precisão com a leitura, em tempo real, das necessidades e da aplicação concomitante dos adubos minerais necessários em cada quadrante da lavoura. DM: Que tecnologia, produto ou fato pode ser considerado um marco diferencial da agricultura moderna?

Bier.: Assistimos a uma revolução permanente no campo da agricultura de precisão, que se soma à biotecnologia, à química fina dos defensivos e ao aperfeiçoamento das máquinas agrícolas que – cada vez mais – reduzem o consumo de combustíveis, relativamente à capacidade em termos de potências dos motores. Afora a redução de perdas e a ampliação do desempenho na utilização do equipamento. Em outras palavras: as máquinas agrícolas trabalham – cada vez mais – produzindo mais, em menos tempo e com mais eficiência energética. DM: Qual a principal barreira para disseminação das novas tecnologias? Bier:É importante entender que a agricultura no mundo todo, e também no Brasil, trabalha e produz alimentos e matérias-primas de forma não homogênea do ponto de vista da apropriação da tecnologia. Portanto, você tem diferentes padrões de produção, os quais variam em função do grau de relacionamento da produção com os mercados. Desse modo, ora você tem obstáculo à incorporação de novas tecnologias em razão da falta de informação pura e simplesmente, ora da falta de recursos de financiamento e às vezes até em função de questões culturais de cada povo ou região. Portanto,

em cada caso, há que se deter às tais circunstâncias para que se possa avaliar com mais precisão sobre os obstáculos ao progresso tecnológico da agricultura. DM: O que se vislumbra, em médio prazo, no que se refere à política de crédito para setor de máquinas e equipamentos? Bier.: Temos encontrado nos últimos cinco anos muitos programas governamentais que estimulam a aquisição de máquinas agrícolas. Por exemplo, para os pequenos produtores da agricultura familiar, as linhas do Pronaf permitem trabalhar bem, com destaque para o Programa Mais Alimentos, do qual somos parceiros diretos do MDA. Já para médios e grandes produtores, as taxas de juros do PSI também são importantes para garantir nossos negócios. Se formos examinar atentamente, percebemos um conjunto de fatores favoráveis, que vão de recordes sucessivos de safra nos últimos anos, até as taxas de juros subsidiadas, conjugadas com prazos de amortização adequados, etc. Creio que a tendência – e esperamos por isso! – é a de que, pelo menos, se mantenham tais referências no mercado nos próximos anos. Salvo algum colapso macroeconômico no país – ou no mundo – com o que certamente não contamos.


28

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Alterações do ambiente produtivo exige novas tecnologias ano a ano

A

tualmente o Sistema de Plantio Direto (SPD) é considerado como uma das únicas formas de se produzir alimentos de maneira sustentável e é adotado nos principais países produtores de alimentos do mundo. No Brasil estima-se que 35 milhões de hectares sejam cultivados sob esse sistema, o que representa aproximadamente 80% do total de área cultivada. Já há certo tempo, o Brasil tem sido o líder em tecnologias para esse sistema. Foram os produtores do Estado do Paraná quem deram o ponta pé inicial no uso de Plantio Direto, e que está diretamente vinculado a propagação da mecanização das lavouras, mas foram os gaúchos, através de uma empresa passofundense, que fizeram com que o sistema fosse de fato funcional, ao criar um disco de corte capaz de ser adaptado nas semeadoras da época para cortar o chão através de uma camada de palha. Hoje parece simples, mas no final da década de 70 o invento foi um grande avanço. A indústria Semeato, tem sua historia atrelada ao desenvolvimento e difusão do Sistema, e é o gerente de Desenvolvimento Mercado e Produto da Empresa, Eduardo Copetti, que explica as principais dificuldades encontradas no implante da tecnologia e o que se vislumbra ao futuro da mecaniza-

Para o gerente de Desenvolvimento de Mercado e Produto da Semeato, Eduardo Copetti, a evolução da tecnológica dos produtos para o Sistema de Plantio Direto se dará pela capacidade das indústrias de observar as alterações de solo, clima e planta safra após safra

“O grande marco ocorrido na agricultura brasileira foi a introdução do Sistema Plantio Direto”. -Eduardo Copetti, Gerente de Desenvolvimento Mercado e Produto

ção das lavouras. DM pergunta: No início da mecanização, quais foram as principais barreiras ou dificuldades encontradas pela empresa ? Copetti: Até meados dos anos 70, as máquinas utilizadas no meio agrícola eram importadas. Empresas brasileiras se especializavam em produzir peças para realizar a manutenção das mesmas. Aos poucos começaram a fabricar seus próprios equipamentos. Com a Semeato não foi diferente. Tradicional fabricante de peças de reposição para máquinas

importadas, teve um grande marco histórico em 1974 quando lançou no mercado brasileiro a PS-6, plantadeira de soja e milho que foi o modelo mais vendido no mercado brasileiro. Com o início do Plantio Direto no Brasil, ‘puxado’ por produtores do Paraná, havia uma grande dificuldade em implantar as culturas devido a falta de máquinas que tivessem condições de realizar a semeadura das culturas sobre uma camada de palha. Foi então, que em 1977, a Semeato lançou no mercado um ‘kit disco de corte’ que podia ser adaptado

nas semeadoras PS-6. Isto foi o que alavancou o crescimento e o desenvolvimento desse sistema no Brasil. O lançamento deste kit também marcou o pioneirismo da Semeato no Sistema Plantio Direto (SPD),e que foi adotado pela empresa como filosofia de trabalho e desenvolvimento. DM pergunta: Que tecnologia, produto ou fato pode ser considerado um marco diferencial da agricultura mecanizada? Copetti: O grande marco ocorrido na agricultura brasileira foi a introdução do Sistema Plantio Direto. Comprovadamente é a forma de cultivar grãos que mais traz resultados positivos tanto nos aspectos econômicos, como nos aspectos agronômicos e ambientais. O SPD traz uma série de vantagens e benefícios aos produtores mas também para a sociedade como um todo, principalmente devido ao fato de os alimentos serem produzidos de uma forma mais saudável e também devido aos benefícios relacionados a conservação do solo e do meio ambiente em geral. Especificamente nas semeadoras, o produto que marcou a agricultura foi o desenvolvimento do kit disco de corte. Isto foi um marco que está registrado na história da agricultura brasileira e que foi desenvolvido por uma empresa de Passo Fundo. DM pergunta: Quais são as ten-

dências das tecnologias voltadas à agricultura? Copetti: A tecnologia embarcada em máquinas agrícolas evoluiu significativamente em um curto espaço de tempo. Uma máquina agrícola, especialmente as semeadoras, deixou de ser somente um aglomerado de conjuntos mecânicos montados sobre um chassi. Hoje em dia uma semeadora é composta por conjuntos mecânicos e além disso, sistemas hidráulicos avançados, sistemas pneumáticos precisos e sistemas eletrônicos capazes de ‘operar’ a máquina com a mínima interferência do homem. DM pergunta: Nos próximos dez anos, a tecnologia apresentará mais ou menos novidades do que as que foram apresentadas nos últimos dez anos? Copetti: A evolução tecnológica dos produtos ocorre diariamente. A agilidade é muito grande. Isso tudo em função de que o SPD é um sistema muito dinâmico e ano após ano, safra após safra, ocorrem alterações no meio que envolve o tripé responsável pela produção: solo, clima, planta. A indústria e, especificamente, o departamento de P&D deve estar sempre atento a estas alterações para que possa, rapidamente adequar um produto já existente no mercado ou, desenvolver um novo equipamento para atender aquela nova demanda.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

Stara lança semeadora na Expodireto

Universidades apresentam projetos Além de empresas e de instituições públicas de pesquisa, os estandes da Expodireto Cotrijal também oportunizam espaço para que as universidades demonstrem seus trabalhos. A Universidade de Passo Fundo (UPF) demonstrará pesquisas em projetos desenvolvidos. Presente na Expodireto desde a primeira edição, a UPF oferece um espaço onde é possível saber mais sobre as atividades desenvolvidas pela instituição. Assim como em anos anteriores, o estande da Universidade será o de número 517, localizado na rua B do Parque de Exposições da Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque. A Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária (FAMV) mostrará aos visitantes o trabalho do Centro de Pesquisa em Alimentos (Cepa). O Hospital Veterinário apresentará informações sobre o curso de Medicina Veterinária, além de esclarecer dúvidas. No espaço do Laboratório de Biotecnologia, o público poderá conferir a exposição de orquídeas, bromélias, pés de morango e batata. Os laboratórios de Sementes e Grãos e de Solos também estarão representados, mostrando materiais de estudos e esclarecendo dúvidas. O Centro de Pesquisa e Extensão Agropecuária (Cepagro) levará à Expodireto exposições de ovinos e de piscicultura. Além disso, o professor da FAMV José Roberto Salvadori realizará um workshop sobre a lagarta helicoverpa armigera, nos dias 12 e 13 de março, às

29

UPF tradicionalmente leva ao público da Expodireto pesquisas e estudos desenvolvidos pela Instituição 16h, no estande da UPF, atividade gratuita e aberta à comunidade. O Instituto de Ciências Biológicas (ICB), por meio do Museu Zoobotânico Augusto Ruschi (Muzar), levará ao público uma exposição que ilustra a importância das relações entre a água e os seres vivos na conservação da biodiversidade

e manutenção da vida. O professor José Roberto Salvadori também palestrará durante o 25º Fórum Nacional da Soja, que acontece na manhã de 11 de março, no Auditório Central. Salvadori será um dos painelistas que abordará o tema Helicoverpa: Realidades do Sul e Centro Oeste.

UFSM Outra instituição de ensino que estará presente na feira em Não-MeToque será a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). O principal tema de exposição da UFSM serão as pesquisas desenvolvidas na área de Tecnologias de Agricultura de Precisão, nas linhas de Manejo de Sítio Específico de Solo e Planta, Máquinas Agrícolas e Geotecnologias. Também estará presente o Laboratório de Agricultura de Precisão do campus da UFSM de Frederico Westphalen, que desenvolve pesquisas relacionadas à Agricultura de Precisão, na região norte do Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Enio Giotto, coordenador do Laboratório de Geomática da UFSM, explica outra iniciativa que a universidade apresentará na Expodireto. “Também estaremos apresentando as novidades do Projeto CR Campeiro, que é um projeto de Extensão Rural que objetiva o desenvolvimento de tecnologias de gestão para o agronegócio. Vamos mostrar ao público o conjunto de Aplicativos Android do CR Campeiro direcionados à agricultura de precisão e que podem ser utilizados em Tablets e Smartphones por produtores rurais, profissionais e estudantes. Esses aplicativos podem ser baixados gratuitamente diretamente do Google Play”, finaliza o professor.

Semeadora vem equipada com o sistema Control de série Presente na Expodireto Cotrijal 2014, a Stara vai lançar na feira uma semeadora. A Ceres Super é uma semeadora exclusiva para culturas de inverno, sendo a sua principal característica a garantia de uniformidade no plantio. A uniformidade é garantida pelo rodado autocompensador, patenteado. Ele copia o desnível do solo sem comprometer a copiagem da linha de plantio. O esforço do plantio e do transporte não é exercido sobre o chassi, mas,

sim, pelo sistema de rodado. Outra característica importante é o sistema Control de série, o controlador Topper 4500, que permite a semeadura à taxa variável. Ele é utilizado para contagem e amostragem de sementes por metro. Além disso, ele possui um sistema de alarme para eventuais falhas. A semeadora estará disponível no modelo com 44 linhas de 17 cm, capacidade de semente de 1371 kg e de adubo 2964 kg.


30

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Informação disponível, antes que o agricultor perceba necessidade

Chuva mecanizada que aumenta a produtividade

E

m Carazinho, ao invés de adquirir mais áreas de terra a preços considerados elevados no mercado imobiliário, a opção do produtor Jorge Gehrke foi a de aumentar a produtividade das áreas que já dispõem com o auxilio da irrigação Desde o mês de dezembro de 2013, o produtor rural Jorge Gehrke, tem 44 hectares de sua lavoura de soja e milho sendo irrigados por pivôs. A intenção é de que o empreendimento resulte em mais produtividade principalmente nas culturas de milho e feijão. “Meu objetivo é de plantar milho hiper precoce, colhe-lo e plantar feijão. A intenção é fazer uma boa safra com milho hiper precoce que é rápido e depois a safrinha de feijão, de acordo com o mercado” comenta Gehrke. O agricultor ainda colherá seus primeiros resultados na área neste ano, mas projeta que os rendimentos sejam no mínimo o dobro ao das áreas de sequeiro, tendo o mesmo custo de insumos no comparativo entre as duas. Mesmo não tendo uma base comparativa do se refere aos gastos com energia elétrica, pois recebeu apenas uma conta de energia com valores pouco superiores a mil reais desde que o sistema entrou em funcionamento, o produtor acredita que tais gastos se mantenham nestes níveis. O agricultor comenta que fez o investimento após comparar custos de produção e o preço da terra que chega a valores de até a mil sacas de soja por hectare. Segundo Gehrke para a implantação do sistema somadas a reforma de açudes, rede de energia e os equipamentos custaram-lhe um montante R$7, 800 por hectare irriga-

M

44 hectares de lavoura de soja e milho irrigados por pivôs do. No caso de Jorge, parte do investimento foi feito com recursos próprios e os equipamentos adquiridos através de financiamento com prazo de pagamento de 10 anos sendo três de carência e taxa de juros de 3% ao ano. Desde que decidiu pela implantação dos pivôs, foram quase dois anos de tramitação de projeto e licenciamentos, sendo a maior parte das formalidades encaminhada pela própria empresa que forneceu os equipamentos. “Acho que foi um dos melhores investimentos que fiz. Carazinho está numa região que sempre foi privilegiada com chuvas e por isso o pessoal não investia muito em irrigação, mas dos últimos três anos podemos dizer que em dois houve falta de chuvas, e aí o sistema se paga, também por sua durabilidade. Tenho conhecimento de pivôs que foram implantados há 30 anos e ainda estão em funcionamento. Se você tem disponibilidade de água, também pela sua durabilidade o investimento é seguro” destaca Gehrke.

aior rendimento com menor custo operacional é o foco da gestão eficaz da propriedade rural. Para acompanhar este mercado é necessário se aprimorar tecnologicamente para conseguir resultados que eram inimagináveis há alguns anos. Para Jaques Hickmann Gerente de Vendas e Marketing da Lavoro concessionárias John Deere, o produtor rural sabe que pode produzir mais utilizando a tecnologia correta. E em todas as áreas há uma forte demanda por tecnologia, seja no grão, nos insumos, manejo e, é claro, nas máquinas e equipamentos. Para isso, os produtos devem combinar performance, disponibilidade e custo de operação. “A tecnologia embarcada nas máquinas da empresa precisam ter alta performance em suas atividades, estarem disponíveis para os agricultores exatamente no momento que eles precisam e também terem o melhor custo operacional ao longo da sua vida útil. Calcula-se para tratores oito anos e para colheitadeiras 10 anos” destaca Hickmann. Para a John Deere, a tendência é de que nos próximos 10 anos um novo ciclo tecnológico será vivido. “Não serão mais os agricultores que vão nos procurar para solucionar suas demandas na lavoura, nós já teremos a informação antes mesmo deles saberem que precisam de algo. Teremos uma conduta cada vez mais proativa, proporcionando uma experiência única que trará melhores resultados no campo e ainda

Estande da empresa na Expodireto 2013 mais qualidade de vida para os nossos clientes. Teremos soluções integradas e não somente máquinas realizando operações nas lavouras” comenta Hickmann.

TrêS novos modelos de tratores A John Deere chega com novidades em mais uma edição da Expodireto Cotrijal. Três modelos de tratores utilitários, da Série 5, agora serão cabinados, proporcionando mais conforto e produtividade aos agricultores. “Atendemos à demanda dos pequenos produtores e lançamos os tratores 5078E, 5085E e 5090E cabinados neste ano. Estes modelos já podem ser equipados com o todo o sistema AMS, de tecnologia de precisão, da John Deere” finaliza Hickmann.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

A extensão rural na pauta do Senado

Audiência Pública ocorre no auditório central na sexta-feira

A

Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado aprovou e a Expodireto Cotrijal recebe nesta sexta-feira (14), a audiência pública da comissão que debaterá, entre outras questões, a situação da Emater. Conforme A Senadora Ana Amélia Lemos (PP), que sugeriu o encontro, a entidade poderá deixar de atender milhares de agricultores por causa da decisão judicial que retira seu caráter filantrópico. “No Brasil, cerca de 4 milhões de famílias rurais dependem do serviço de assistência e

31

Espaço da Emater irá apresentar inovações e soluções para os principais entraves ao desenvolvimento produtivo e social do Rio Grande do Sul

extensão rural para acessarem tecnologias de produção agrícola. Atualmente, 70% da produção do alimento consumido em todo o país são de responsabilidade dos agricultores familiares. A Emater está presente em 493 dos 497 municípios gaúchos”, justifica a progressista. Outro tema que estará sendo debatido é o papel da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural – Anater. A agência criada recentemente pelo governo federal terá a parceria da

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no auxílio a agricultores familiares com projetos focados no aumento da produtividade e da melhoria das atividades rurais.

Emater mostrará lado social na feira Diante da ameaça de perder a condição de entidade filantrópica, a Emater/Ascar trabalhará na Expodireto Cotrijal o tema “A Emater/ RS-Ascar é Social”. Nada será vendido no espaço ocupado por ela

que irá apresentar inovações e soluções para os principais entraves ao desenvolvimento produtivo e social do Rio Grande do Sul. São projetos, programas e tecnologias ligados à produção de energia, ao abastecimento de grãos, e à produção e agroindustrialização de alimentos para o abastecimento de famílias rurais e para a venda em escala comercial. Conforme dados divulgados pela entidade, as matérias-primas mais nobres da indústria gaúcha têm origem na agricultura familiar como: carne, leite, grãos, frutas, cana e madeira. O trabalho produzido pelos agricultores familiares responde por 27% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado. Devido à importância econômica e social da Agricultura Familiar no Rio Grande do Sul, a Cotrijal Cooperativa Agropecuária e Industrial (Cotrijal) e a Emater/RS-Ascar, parceiras há mais de uma década, juntamente com a Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e

A melhor opção de crédito na Expodireto 2014.

Cooperativismo (SDR), levam ao Espaço da Família Rural o conceito de que o campo é um lugar produtivo, onde as comunidades constroem laços afetivos, plantam e colhem riquezas.

Expodireto 10 a 14 de março Não-Me-Toque/RS


32

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Cotrijal apresenta A importância do resultados do Monitora monitoramento climático

N

o final de 2013, um assunto que gerou preocupação entre os produtores foi a constatação da presença Helicoverpa armigera na região. Para evitar danos com esta lagarta, a Cotrijal lançou o programa Monitora, cujos resultados serão apresentados durante a Expodireto Cotrijal. As informações poderão ser conferidas no estande do Departamento Técnico da Cotrijal (Detec). Os profissionais do Detec vão falar sobre o novo cenário de pragas de difícil controle, alertando principalmente para o cuidado a lagarta e mostrando o desempenho de duas cultivares de soja resistentes a lagartas. “Vamos falar sobre o programa, desde formas de manejo, o que deu certo, o que deu errado, o que tem que melhorar, e ouvir sugestões”, destaca o gerente de Produção Vegetal da Cotrijal, Silvio André Biasuz. Segundo Bisuz, nas lavouras da região onde houve o acompanhamento do programa, foi percebida

José Roberto Salvadori, Entomologista da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária (FAMV) e do Programa de Pós-graduação em Agronomia da Universidade de Passo Fundo (UPF) uma efetividade de 95% do Monitora e a situação ficou sob controle. Nas demais, houve dificuldades em controlar a praga. José Roberto Salvadori, Entomologista da Faculdade de Agronomia

e Medicina Veterinária (FAMV) e do Programa de Pós-graduação em Agronomia da Universidade de Passo Fundo (UPF), abordará o tema Helicoverpa no Fórum Nacional da Soja, durante a Expodireto. “Helicoverpa armigera é o nome científico de uma lagarta conhecida no mundo inteiro que ainda não tinha sido registrada nas Américas. Ela alimenta-se de mais de 180 espécies de plantas, sendo praga de várias plantas cultivadas como, por exemplo, soja, milho, algodão, feijão, sorgo, milheto e tomate. Alimenta-se e sobrevive em várias espécies de plantas daninhas, inclusive de buva”, afirma o professor. Salvadori explica o manejo correto que o produtor deve fazer. “O manejo desta praga passa pela sua correta identificação, pela definição do momento certo para a intervenção e pela tecnologia da aplicação de inseticidas a ser usada. Existem várias opções de controle dessa praga com inseticidas biológicos”, finaliza.

Se a previsão do tempo sinaliza uma preparação para o produtor rural, o monitoramento climático oferece uma base para alternativas de manejo na propriedade. O agrônomo Leandro Marques, que desde sua graduação realiza esse trabalho, explica sua importância.“Os estudos iniciados ainda na graduação me mostraram que a relação entre clima e agricultura é algo fascinante. A proposta do trabalho é ser uma ferramenta complementar à previsão do tempo. A previsão do tempo mostra a condição futura, algo que está por vir. Já o monitoramento, analisa a condição que já ocorreu, contabilizando perdas produtivas, em caso de seca ou excesso de água, apontando alternativas de manejo ao agricultor”, destaca Marques, que também é mestrando em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Ele exemplifica que o trabalho auxilia o produtor a ter uma no-

ção da situação em que se encontra a propriedade. “O chamado balanço hídrico climatológico é a principal ferramenta de trabalho no caso do monitoramento, pois permite contabilizar a água disponível no solo para os cultivos agrícolas. Deste modo, é possível verificar a real condição que a planta se encontra no campo”, aponta Marques. O agrônomo relata novidades que devem surgir no futuro para o monitoramento climático. “A simulação de cultivos em condições adversas de clima é um dos principais estudos em andamento. Simular condições futuras, prevendo falta ou excesso de chuva, bem como possíveis alterações de temperatura do ar, são importantes para fornecer suporte ao setor agrícola. O desenvolvimento de variedades de milho tolerantes à seca, por exemplo, é um indicativo de que as perdas econômicas geradas pelo clima motivam pesquisas na área”, finaliza Marques.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

O futuro da pesquisa Que o clima é o fator determinante para o sucesso em uma safra não é novidade para ninguém. Mesmo assim, o desenvolvimento de cultivares resistentes às variações climáticas ainda é um ponto que deve ser desenvolvido pela pesquisa. Especialistas apontam que esse é um dos desafios para os próximos anos. “Um desafio que teremos no futuro é a convivência com a seca, já que a água vai se tornar um insumo cada vez mais difícil. Por isso precisaremos de cultivares de plantas com maior tolerância ao estresse hídrico, animais mais resistentes, sistemas de produção e equipamentos mais racionais, que evitem desperdício”, aponta Waldyr Stumpf, diretor de Transferência de Tecnologia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Stumpf destaca, ainda, como deságios as ameaças fitossanitárias, de novas pragas e agentes que possam entrar no Brasil. “Outro desafio será gerar alimentos mais nutritivos e nutracêuticos, que possam ajudar a resolver problemas como a obesidade e outras doenças”, constata o diretor da Embrapa. Stumpf revela um dos lançamentos da Embrapa, fruto de pesquisa. “Dentro da nossa programação de melhoramento genético, todo ano nós apresentamos um

conjunto de lançamentos. Agora em março lançaremos, por exemplo, uma nova cultivar de forrageira, a BRS Zuri, para sistemas de produção de gado de corte. Em 2013 lançamos vários produtos diferenciados, como o BRS Parrudo, nova cultivar de trigo, que promete novos impactos para a produção tritícola; novas variedades de frutas, seja de clima temperado ou para a faixa tropical; e a recomendação para o Estado do Rio Grande do Sul de nove cultivares de cana-de-açúcar para a produção de etanol”, relata.

Aprosoja pede valorização à pesquisa Décio Teixeira, presidente da Associação dos Produtores de Soja do Rio Grande do Sul (AprosojaRS), destaca a necessidade de criação de fundo para a pesquisa. “A pesquisa é fundamental. O Brasil não pode depender da pesquisa importada, tem que ter seus mecanismos de pesquisa e incentivados. No momento, vemos que órgãos estão com pocuso recursos. Falta incentivo à pesquisa. Precisamos da criação de um fundo para a pesquisa. Além disso, é preciso liberdade para criação de novos rumos de pesquisa, através de estudos das próprias entidades. Hoje nossas culturas têm ficado reféns dos insumos”, revela.

33

Biotecnologia: o caminho para produzir mais Ao longo da segunda metade do século XX e início do século XXI, a produção por hectare teve um grande avanço. Porém, esse continua sendo um dos desafios da agricultura, alcançar uma maior produção em uma menor área. Para Narciso Barison Neto, presidente da Associação Brasileira de Sementes e Mudas (Abrasem), a biotecnologia é o caminho para isso. “Não há dúvida de que a biotecnologia é o caminho para se produzir mais em uma menor área. A biotecnologia mudou a vida da agricultura brasileira. O Rio Grande do Sul tem 99% da sua área de soja com transgênicos e 80% de transgênicos no milho. O Brasil tem 90% de soja transgênica. Se a tecnologia não fosse importante, o agricultor não teria aderido. Ela traz resultado e comodidade”, afirma Barison. O presidente da Abrasem ainda aponta outros fatores que demonstram a importância da semente. “Entendemos que a semente é o principal ativo da agricultura em termos de transferência de renda para o produtor. Há uma série de tecnologias, mas, tudo isso sem potencial na semente, não adianta. Há 15 anos, falávamos em produção de milho de 100 sacas por hectare, hoje fala-

mos em 240, 250 sacas, e logo à frente em 400 sacas. Nos EUA já lançaram uma variedade de soja e milho tolerante à seca. Evidente que vai ser mais uma ferramenta, via semente, que vai diminuir risco ao produtor”, revela Barison. Gelson Lima, superintendente produção agropecuária da Cotrijal, aponta outros benefícios da biotecnologia. “No Brasil, ocorreram vários avanços com melhoramentos convencionais e de biotecnologia que ofereceram produtos como arroz, feijão, hortaliças com concentração maior de elementos importante para a saúde. Ou

Narciso Barison Neto, presidente da Associação Brasileira de Sementes e Mudas (Abrasem)

seja, a agricultura assumiu um papel de, além de fornecer alimentos, fornecer alimentos com maior qualidade e sempre puxados pela pesquisa”, relata Lima.

Transgênicos

Benami Bacaltchuk, doutor e professor da UPF O professor da UPF Benami Bacaltchuk relata a importância dos transgênicos, porém, destaca que poderiam ter ocorridos avanços. “O transgênico resis-

tente ao glifosato se mostrou um produto quase sem resultados negativos. A transgenia é excepcional, porém, não houve continuidade, nada além do que modificação do próprio sistema do gene RR. Não houve uma tecnologia em termos de práticas agrícolas, que agregasse valor à qualidade final ou assegurasse uma adaptação melhor a um ambiente hostil. A transgenia poderia conseguir uma tolerância maior à seca ou a capacidade de extrair mais fertilizantes em áreas mais profundas de solo”, finaliza Bacaltchuk.


34

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

Expodireto fomenta novos investimentos na região

Os municípios da região estão cada vez mais buscando novas tecnologias para desenvolver projetos que garantam a manutenção do homem rural no campo, viabilizando renda e qualidade de vida. A Expodireto Cotrijal surge como embasamento para que líderes do setor busquem inovação. Confira as novidades e projetosque os municípios estão realizando

Santo Antônio do Planalto: “Além da produção de grãos, estamos diversificando as culturas, graças a agricultura familiar, com a produção de hortaliças e a bacia leiteira. Sempre destaque na Expodireto, a associação de artesãs de Santo Antônio do Planalto trabalha com dois tipos de material: o reciclado e o contemporâneo. Além disso, sempre mantemos parceria com a Emater, através de oficinal”, prefeita Cristiane Alberton Franco.

Almirante Tamandaré do Sul: “Hoje um dos principais projetos da agricultura no nosso município é investir em melhoramentos das propriedades, como, por exemplo, em calcário. Também estamos recebendo uma verba de R$ 70 mil do Governo do Estado para a compra de máquinas, para ajudar o pequeno e médio agricultor. Além disso, estamos com uma parceria também com o Governo para o fomento da bacia leiteira, com liberação de R$ 46 mil. O orçamento municipal de Almirante Tamandaré do Sul para agricultura gira, em torno de 8%”, prefeito IroniSebben.

Não-Me-Toque: “Temos 11 agroindústrias no município, por isso, desenvolvemos com frequência projetos de incentivo a esse setor, com qualificação permanente dos agricultores. Além disso, o abatedouro municipal está disponível, dentro das normas do Serviço de Inspeção Municipal (SIM). Disponibilizamos, também, a Patrulha Agrícola para pequenos agricultores, oriundos da agricultura familiar, com maquinário para serviços na lavoura. Separadamente da Patrulha Agrícola, subsidiamos parte do serviço de maquinário, com a cobrança de valor irrisório para as horas de máquina para os pequenos e médios produtores – Lei de Incentivo ao agricultor, através de serviço de máquinas. Mantemos com orgulho o título de agricultura de precisão, por isso, investimos em especialização, através de cursos que são referência nacional, com o pós-médio em agricultura de precisão”, vice-prefeita Teodora Lütkemeyer.

Incentivo à agricultura familiar é uma das prioridades das administrações municipais

Coqueiros do Sul: “Contamos com o apoio da Emater, que presta assistência técnica de qualidade aos produtores do município. Além disso, nossa Secretaria de Agricultura está atuando cada vez mais forte na área de produção leiteira. Buscamos sempre subsidiar a fabricação de silagem. Estamos investindo em um projeto de recuperação de solos, com a compra de calcário, que beneficiará em torno de 70 famílias do município, com 10 toneladas cada propriedade. Nos últimos anos, desde que a Cotrijal atua em nosso município, tivemos um incremento forte em novas tecnologias e cultivares, o que reflete na produção”, prefeito Rafael Kochenborger.

Victor Graeff: “Estamos viabilizando um projeto para fomentar a produção de silagem, com apoio financeiro para os grandes produtores e subsídio com serviços e maquinário para os pequenos e médios. Em 2013, criamos a subsecretaria municipal de agricultura no distrito de Faxinal, que fica há 25 km da sede municipal, com o objetivo de agilizar as demandas – para tanto deixamos a disposição uma patrulha agrícola. Além disso, buscamos cada vez mais fomentar a criação de agroindústrias e viabilizar a irrigação para que o produtor não fique a mercê da sorte. Sempre pensamos em dar subsídios para o pequeno produtor, com o objetivo de manter o homem rural no campo”, prefeito Claudio Alflen.

Lagoa dos Três Cantos: “Estamos recebendo recurso da União e do Estado para a recuperação de solo, aquisição de calcário e super fosfato simples, com dois recursos do valor de R$ 100 mil cada. Além disso, estamos entregando uma grande quantidade de reservatórios de água, em função de frequentes estiagens. Para garantir a qualificação dos nossos produtores, temos uma parceria com o Senar-RS e Sebrae, através de cursos de capacitação. Realizamos trabalhos frequentes para estimular o pequeno produtor a permanecer no campo, garantindo a sucessão rural”, prefeito Sérgio Lasch.

Saldanha Marinho: “Estamos investindo em recuperação de estradas, empedramento e patrolamento, para garantir um escoamento eficiente da produção. Também estamos incentivando a produção da bacia leiteira, que tem aumentado gradativamente em nosso município. Além disso, contamos com uma patrulha agrícola bem estruturada, que oferece aos agricultores o suporte para sua produção, por meio de diversos maquinários e equipamentos que são colocados à disposição destes. Estimulamos a realização de cursos de especialização em parceria com o Senar e Sindicatos, para o melhoramento genético e pastagem. Nas lavouras, a nossa vocação é para soja, milho, trigo, cevada e aveia. Temos uma parceria bastante forte com a Cotrijal que tem dado suporte técnico para os nossos produtores”, prefeito de Saldanha Marinho, Volmar Telles do Amaral.

Câmara de Vereadores de Não-Me-Toque:

Câmara de Vereadores de Carazinho:

“Anualmente, a Câmara de Vereadores de Não-Me-Toque realiza um evento em parceria com a Cotrijal que faz parte do calendário oficial da Expodireto, o prêmio Sementes de Ouro, que esse ano irá homenagear a imprensa que ajudou a divulgar a feira. Paralelo a isso, o Poder Legislativo transfere suas atividades e o gabinete do presidente em um estande na feira, criando um cenário político extremamente favorável para expor as demandas regionais. Estaremos recebendo secretários estaduais, deputados, prefeitos, lideranças políticas nacionais e estaduais, que nesse período fazem o caminho inverso ao que somos acostumados, ao invés de nós irmos até eles, eles vem a nosso encontro, facilitando encontros e debates. A Expodireto é uma feira com capacidade e alcance internacional”, presidente da Câmara de Vereadores de Não-Me-Toque, Gilson dos Santos.

“Como sabemos, o agronegócio é uma das bases consolidadas da economia nacional e na região a Expodireto é praticamente o motor da nossa evolução e crescimento. O agronegócio deve ser entendido como um processo, na produção agropecuária intensiva é utilizado uma série de tecnologias e biotecnologias para alcançar níveis elevados de produtividade, para isso é necessário que alguém ou uma empresa forneça tais elementos. Além do evento em si, a presença de expositores, visitantes, clientes e demais público interessado, direta ou indiretamente, são beneficiados pela realização da feira. Basta percebermos o quanto a nossa região fica movimentada, a lotação de hotéis, restaurantes etc. A Expodireto é algo benéfico para a nossa região, pois ela agrega valor à economia de Não-Me-Toque pelo volume de negócios que ali acontecem, beneficiando também outras cidades, regiões e até estados. Como presidente da Câmara de Vereadores de Carazinho, parabenizo a Cotrijal e sua diretoria pela força de realização de um evento tão grandioso como a Expodireto”, presidente da Câmara de Vereadores de Carazinho, Rudinei Brombilla.


Segunda, 10.03.2014

Especial expodireto

35

Pavilhão da agricultura familiar vai reunir 150 agricultores

D

e acordo com o secretário de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Ivar Pavan, a feira tem se caracterizado por ser o evento da tecnologia, das máquinas e equipamentos, e agora, ela cresce com a presença da agroindústria familiar, através de um pavilhão, com 150 expositores, que no futuro pode ser ampliado. "Estes setores evidenciados na feira, são extremamente importantes para o desenvolvimento das cadeias produtivas, de modo especial os grãos, porque cada visitante conhece as novas tecnologias do ponto de vista dos equipamentos. Os agricultores familiares conhecem as experiências dentro do espaço da Emater/RS, onde ela coloca todas as tecnologias produtivas vinculadas à agricultura familiar, e conhecem a agroindustrialização dos alimentos, que é uma política também da SDR. Além disso, a feira está vinculada a uma coo-

Secretário Ivar Pavan: “Estes setores evidenciados na feira, são extremamente importantes para o desenvolvimento das cadeias produtivas”

perativa. Então ela é um evento que tem um conjunto de ingredientes que dialogam com o projeto de desenvolvimento da nossa economia, sabendo que a agricultura é o carro-chefe da economia gaúcha e brasileira”.

Para Pavan, todo o agricultor familiar deve fazer uma visita à Expodireto, pois ela é, em primeiro lugar, uma feira promovida por uma cooperativa, e segundo porque o espaço rural promovido pela Emater/RS

traz uma gama de atividades que podem ser adotadas pelos produtores nas propriedades. “As tecnologias produtivas, da industrialização, enfim tantas ações que serão realizadas lá, agregarão muito conhecimen-

to aos agricultores familiares. Acreditamos que a tecnologia vem para facilitar a vida no campo. Portanto, essas são as vantagens de os agricultores visitarem uma feira como esta”

A participação da SDR A SDR, dentro da feira, terá o pavilhão da agroindústria familiar, e também realizará dois seminários, um para debater a agroindústria familiar (dia 12) e outro referente ao cooperativismo (dia 11). “Teremos uma presença, cada vez maior, dentro da Expodireto, porque é uma feira com uma participação – segundo os dados dos organizadores – de 70 países e a agricultura familiar, que é uma marca forte da nossa economia, precisa estar cada vez mais presente do ponto de vista dos produtos, diversidade, e também com debates que orientem os agricultores familiares para o futuro.”


36

Especial expodireto

Segunda, 10.03.2014

O peso e a leveza de uma vida no campo

Os 62 anos de Valdir Ahlert confundemse de tal forma com o desenvolvimento da agricultura na região que é praticamente impossível separar sua trajetória familiar e pessoal da profissional. “É mais do que um trabalho. É uma vocação. Minha vida é na agricultura”, conta

F

oi aos 18 anos que Valdir Ahlert conheceu o real significado da palavra disciplina. Um tanto quanto rebelde em sua adolescência, o filho de agricultores taperenses, de origem alemã, quis inverter a ordem natural da vida e mostrar aos pais que poderia, mesmo com pouca idade, tomar conta da propriedade. O ano exato o agricultor não lembra, mas, sentado embaixo de uma árvore frondosa, agora em seu território, no interior de Carazinho, Ahlert admite: “meu pai era bastante flexível. E o quartel me ensinou muito. Ou eu me adaptava a rotina e cumpria ordens ou ficava detido. Aquele foi o ano que marcou muito minha vida”. Antes de ser obrigado a cumprir o serviço militar, lá pelos 12 anos Ahlert já era um guri de lavoura. Dirigia trator, ajudava no plantio e na colheita. Datas e números lhe fogem da memória, mas lembranças não lhe faltam. “No começo foi muito difícil. A terra não era propícia para o plantio de soja. O solo aceitava bem o trigo e ninguém acreditava no cultivo do grão. Também não se tinha maquinário para fazer o trabalho”, relata ele”.

Do trabalho manual para a primeira automotriz Depois de umas safras de inverno bem sucedidas, a família de Ahlert conseguiu adquirir uma automotriz usada para aumentar a produção e acelerar o trabalho no campo. Para o produtor rural, todas as inovações tecnológicas e o desenvolvimento de ferramentas para o agricultor

que não era o ideal. Hoje, aquele tipo de agricultura é impraticável para quem quer ter produtividade e renda. E cada avanço que fizemos foi com muito esforço, trabalho árduo e enfrentando as dificuldades. Nada veio por acaso. A casa, o carro, enfim, tudo foi conquistado com suor, dias e noites de preocupação com o clima, o manejo, a colheita e muita união”, emociona-se.

Em frente ao lago de sua propriedade, Ahlert diz que sente orgulho do que construiu na sua vida

têm dois princípios básicos e fundamentais: contribuir para o crescimento produtivo e tornar mais célere o trabalho na lavoura. “A automotriz facilitou bastante, mas a situação começou a melhorar mesmo lá pelo final dos anos 1960, início dos 70”, recorda. Nesta época, o governo brasileiro havia estabelecido políticas agrícolas de subsídios para os produtores rurais investirem nas propriedades. Linhas de custeio e investimento e programas que pretendiam acelerar e transformar o Brasil em um país voltado à agricultura, além da abertura de mercados internacionais, possibilitou a queda de barreiras mercadológicas. “Foi por esta época que começaram a chegar às colheitadeiras importadas, como a New Holland. Em 1970, a minha família adquiriu a primeira automotriz com picador original, colhia melhor

do que a outra porque tinha mais tecnologia”, salienta, reforçando que um dos motivos para seus pais terem ido para Carazinho foi o aumento de renda gerado com a melhoria da infraestrutura de trabalho. “Compramos uma área de terra em Carazinho e mantemos uma parte em Tapera. Há alguns anos, porém, decidi vender lá e investir apenas na Colônia Dona Júlia”.

Evolução Com mais dois irmãos, Ahlert foi assistindo e participando ativamente do desenvolvimento produtivo e da ampliação do patrimônio da família. “Nos anos 1980, a tecnologia já havia chegado ao campo brasileiro. A soja passou a ser uma ótima opção e investimos em uma propriedade no estado de Goiás, para onde foram meus dois irmãos. Eu fiquei. E fiquei mais porque meus pais pediram. Já tinha consti-

“Hoje, o agricultor tem que ter condições de trabalho”, diz ele de dentro de um trator equipado com sistema de som e ar-condicionado

tuído a minha família e aquele ímpeto de rebeldia que eu tinha na adolescência não era parte de mim”, revela o agricultor, dizendo que a partir desse momento estabeleceu-se uma relação maior ainda de confiança e credibilidade com seu pai. “Iniciamos um processo de sucessão rural sem, talvez, ter nos dado conta disso, na época”. Com seis meses de casado, Ahlert atendeu o pedido de seus pais e mudou-se para Carazinho para administrar a propriedade. Formado pela escola da vida e graduado na instituição do campo e da lavoura – ele cursou até a 5ª série do Ensino Fundamental –, o agricultor admite que foi a melhor decisão que poderia ter tomado em sua vida. “Hoje eu sou pai e avô e sei a importância de se ter por perto a família”, declara, observando ainda que a rotina do campo “tem momentos de pega e correria, mas a liberdade e a leveza de viver em um lugar assim são recompensadoras e muito maiores do que os problemas”. Nos olhos, o homem que vislumbra no filho, Renato, o sucessor de seus negócios, traz um brilho especial ao falar sobre o esforço de décadas que resultou em uma vida confortável às vésperas de entrar no que os especialistas passaram a classificar como a Melhor Idade. “Orgulho. Se eu pudesse resumir em uma palavra o que eu sinto eu diria que é orgulho. Lá no começo de tudo, se plantava soja com a mesma semeadora de trigo. Não tenho plena memória de como ficava o plantio, mas sei

Por dentro do solo Além da tecnologia no maquinário, o plantio direto é outra lembrança marcante para Ahlert. O fim da erosão nas lavouras ocorreu praticamente no mesmo período em que a família do agricultor ampliava os hectares de cultivo. A mudança no manejo reduziu o esforço físico do trabalho na lavoura, aumentou a produção e protegeu o meio ambiente – formando uma das tríades revolucionárias mais citadas na história da agricultura moderna. “A Egan, de Carazinho, produziu a primeira máquina que fazia o plantio direto. Isso permitiu a gente fazer um controle do número de sementes que eram largadas no solo, mesmo que ainda de forma incipiente. Depois, quase na mesma época, descobrimos o calcário, que corrigia o solo e ajudava bastante a aumentar a produção”, recordou, citando ainda a Operação Tatu, feita através de uma parceria entre a Emater, os sindicatos rurais e as cooperativas. “Acho que foi o primórdio da agricultura de precisão, porque a produção passou de 30 para 40 sacas. A Operação era uma análise de solo para saber os teores de potássio, fósforo e calcário. Hoje se faz análises minuciosas do solo. Impressionante”. Andando pela propriedade, em Carazinho, Ahlert não esconde a satisfação de tocar nas plantas de soja cultivadas com atenção – redobrada este ano em função do clima e das ameaças de pragas e doenças. “Uma vez eu ficava muito nervoso. A agricultura é muito dependente do clima e os riscos são imensos. Qualquer fator alheio ao planejamento pode fazer com que tenhamos um prejuízo enorme. Mas, a vida foi me ensinando a controlar o máximo possível o que estiver ao meu alcance para evitar perdas. E fui ficando mais calmo, seguro do trabalho. É a minha vida, essa vida que eu escolhi”, finaliza.


Passo Fundo I Carazinho I Erechim 08 e 09.03.2014 Foto | Foto Choks

Especial Dia da Mulher p6 à p12

Confira nesta edição nossas reportagens especiais para o Dia da Mulher! Mulheres guerreiras e trabalhadoras, que mostram cada vez mais a igualdade entre os gêneros nas profissões. Leia também sobre a ala feminina no agronegócio, em constante crescimento.

Teodora Lütkemeyer Filha de holandeses, mãe de três filhos, avó do Otávio e vice-prefeita. Neste Dia Internacional da Mulher, a Bella conversou com a vice-prefeita de Não-Me-Toque, Teodora Lütkemeyer, que contou como é ser uma mulher na política e, ainda, se doar para a família.


2 VARIEDADES

Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.03.2014

ÁRIES 21/3 a 20/4

HORÓSCOPO

suas habilidades sociais.

l A carreira ainda estará bem-sucedida e será um foco importante, mas o interesse por ela começa a diminuir um pouco. De forma geral, é porque muitos objetivos de curto prazo foram alcançados, e agora é o momento de se concentrar em outras coisas.

TOURO 21/4 a 20/5

l Em fevereiro, você ainda estará em seu pico profissional anual, então aproveite. Mantenha o foco. A família continuará a apoiar sua carreira e estará ativamente envolvida nela.

GÊMEOS 21/5 a 20/6

l A maioria dos geminianos estará envolvida em um relacionamento serio, mas no caso dos que não estiverem, este vai ser o momento para conhecer alguém especial. Este será um período extremamente seguro para tomar decisões importantes no amor.

CÂNCER 21/6 a 22/7

l O ritmo da vida vai estar mais rápido. Os resultados vão aparecer mais depressa. Será um bom período para lançar novos empreendimentos ou produtos.

LEÃO 23/7 a 22/8

l Você ainda estará vivendo um pico social anual até o dia 18. O amor vai estar no ar. Ainda que um casamento não seja provável, haverá oportunidades de casamento. Você conhecerá pessoas com quem poderá vir a se casar.

VIRGEM 23/8 a 22/9

PARA VER

l O poder pessoal diminui ainda mais e, talvez, também a autoestima e a autoconfiança, mas o amor e a vida social estarão muito fortalecidos. Você terá a oportunidade de cultivar e aperfeiçoar

O VOO

LIBRA 23/9 a 22/10

l Haverá sorte. Você estará mais envolvido com crianças neste período – as suas ou as dos outros; vai se dar melhor com elas e elas o procurarão. Aqueles que estiverem envolvidos com as artes criativas – e muitos librianos estão – terão mais criatividade.

ESCORPIÃO 23/10 a 21/11

l Este será o momento para cultivar as habilidades sociais, alcançar suas metas por meio da cooperação e do consenso em vez de tentar agir independentemente.

SAGITÁRIO 22/11 a 21/12

Whip (Denzel Washington) está separado de sua esposa e filho, é um experiente piloto da aviação comercial, mas tem sérios problemas com bebidas e drogas. Certo dia, ele acabou salvando a vida de diversas pessoas quando a aeronave que pilotava apresentou uma pane, mas sua frieza e conhecimento permitiu que uma aterrisagem, praticamente, impossível acontecesse. Agora, apesar de ser considerado um herói por muitos e contar com o apoio de amigos, ele se vê diante do jogo de empurra na busca pelos culpados da queda e das mortes ocorridas. É quando seus erros e escolhas do passado passam a ser decisivos para definir o que ele irá fazer de seu futuro.

l As atividades interiores terão mais poder que a exteriores. Portanto, se tiver objetivos profissionais ou financeiros, construa agora as condições internas para alcançá-los. Visualize, afirme, fantasie e obtenha a sensação do que deseja.

CAPRICÓRNIO 22/12 a 20/1

l Você ainda estará em meio a um pico financeiro anual, e a prosperidade será intensa. Ótimo momento para pagar dívidas. Mas caso precise de um empréstimo, os aspectos também são favoráveis. Haverá sorte nas especulações.

AQUÁRIO 21/1 a 19/2

l Você estará com sua melhor aparência, se vestirá bem e com estilo e terá mais carisma – aquele quê invisível que é a essência por trás de toda beleza.

PEIXES 20/2 a 20/3

l Seu desafio será manter os dois pés no chão e lidar com os detalhes mundanos da vida. Você estará vivendo mais no mundo espiritual do que aqui na Terra.

CINEMA

Bella Cittá (54) 3045-2814 // Bourbon(54) 3581-1920 POMPEIA - 3D Alguns dias antes da lendária erupção do monte Vesúvio, o escravo Milo (Kit Harrington) está preso dentro de um navio, em direção à Nápoles. Ele vai fazer de tudo para escapar e salvar a mulher que ama, além de ajudar o seu melhor amigo, um gladiador que está em dificuldades no interior do Coliseu.

AS AVENTURAS DE PEABODY & SHERMAN- Sr. Peabody (Ty Burrell) é o cão mais

BELLA CITTÁ 2

BOURBON

TODOS OS DIAS

21:20

300 - A ASCENSÃO DO IMPÉRIO - 3D

BELLA CITTÁ I

QUINTAS 19:20 21:20 O LOBO DE WALL STREET Durante seis meses, Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio) trabalhou duro em uma corretora de Wall Street, seguindo os ensinamentos de seu mentor Mark Hanna (Matthew McConaughey). Quando finalmente consegue ser contratado como corretor da firma, acontece o Black Monday, que faz com que as bolsas de vários países caiam repentinamente. Sem emprego e bastante ambicioso, ele acaba trabalhando para uma empresa de fundo de quintal que lida com papéis de baixo valor, que não estão na bolsa de valores. É lá que Belfort tem a ideia de montar uma empresa focada neste tipo de negócio, cujas vendas são de valores mais baixos mas, em compensação, o retorno para o corretor é bem mais vantajoso. Ao lado de Donnie (Jonah Hill) e outros amigos dos velhos tempos, ele cria a Stratton Oakmont, uma empresa que faz com que todos enriqueçam rapidamente e, também, levem uma vida dedicada ao prazer. BOURBON

AJUSTES DE CONTAS

BELLA CITTÁ I

TODOS OS DIAS 21:00

inteligente do mundo. Após ganhar o prêmio Nobel e criar diversas invenções que ajudaram a humanidade, ele resolve adotar um bebê humano que encontrou abandonado na rua. Responsável por sua educação, Peabody constrói uma máquina do tempo para mostrar ao jovem Sherman (Max Charles) os fatos históricos estando presentes nele. Entretanto, um novo desafio se apresenta para Sherman quando ele, pela primeira vez, precisa ir à escola. Lá ele se torna alvo de provocações de Penny (Ariel Winter), com quem acaba brigando no pátio.

TODOS OS DIAS

15:00 16:50 18:40

ROBOCOP

BOURBON

TODOS OS DIAS

16:40 19:00 21:20

O LOBO DE WALL STREET

BOURBON

FESTAS e EVENTOS 08-03 Noite Nativista com Ita Cunha e Rodrigo Xavier FLOR Café e Bistrot 08-03 Show VERA LOCA Bier Site 08-03 Dj Dany Monassa 307 Bar

TODOS OS DIAS 20:30

DIÁRIO DA MANHÃ www.diariodamanha.com Editora Mayara Dalla Libera SRTE/RS 16983

Coordenadora Bruna Roberta Toso

www.facebook.com/revistabellacarazinho

Diagramação Bruna Roberta Toso Rua Pedro Vargas, 486 Centro - Carazinho/RS


PERFIL 3

Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.03.2014

Filha de holandeses, mãe de três filhos, avó do Otávio e vice-prefeita. Neste Dia Internacional da Mulher, a Bella conversou com a vice-prefeita de Não-Me-Toque, Teodora Lütkemeyer, que contou como é ser uma mulher na política e, ainda, se doar para a família. Gabriella Bellé gabriellaybelle@gmail.com Revista Bella: Conte-nos um pouco da sua história. Teodora Lütkemeyer: Eu nasci em NãoMe-Toque mesmo, em uma família de cinco irmãos. Nós somos em quatro meninas e um menino, sendo eu a primogênita. Morávamos no interior, em Mantiqueira, e, depois, quando comecei a ir à pré-escola, mudei-me para a cidade. Quando vim para a cidade, não falava português. Como meus pais são holandeses, eu só falava holandês. Tanto é que quando eu e minhas irmãs íamos à cidades com minha mãe para fazer compras, voltávamos pra casa e brincávamos de lojinha, fingindo que falava português, mas nós não falávamos. Então, aprendi a falar português com meu tio, com quem eu fui morar na área urbana, e com a professora Orlanda Borghetti. Como ela falava alemão, e esta é uma língua parecida com o holandês, ela foi me ensinando na pré-escola, coisa muito rara naquela época, há 50 anos. Até hoje eu falo holandês também, porque é uma herança muito positiva, que me dá o privilégio de conversar com holandeses, por exemplo. Bella: Foi durante o período escolar que você decidiu ser professora? Teodora: Estudei no Colégio São José, no ensino fundamental, e o médio, fiz no Sorg, em Carazinho, no auxiliar de laboratório e análises clínicas, que tinha na época, pois eu gostava muito da área de ciências. Tanto que na faculdade fiz a licenciatura curta em ciências, na Universidade de Passo Fundo (UPF) e, depois, cursei a plena de biologia. Em termos de graduação, depois de alguns anos, fiz pós-graduação em gestão educacional. Bella: Quando você começou a trabalhar? Teodora: Quando completei 18 anos, meu pai disse “agora você é maior de idade, então já deve ir trabalhar”, a partir daquele momento, comecei a trabalhar na prefeitura. Meu tio era vice-prefeito e, ele me convidou para ser secretária dele. Depois de um tempo, quis ir para o magistério, afinal, estava fazendo um curso na área da educação, e surgiu uma oportunidade, mais ou menos dois anos depois. Então, comecei a trabalhar como professora, por um ano. Quando eu tinha 21 anos, o prefeito Arlindo Hermes me convidou para ser secretária da administração do município, que foi algo impar. Não sei se hoje alguém convidaria uma pessoa de 21 anos para ser secretário do município [risos]. Então, naquele mandado, que foi de seis ano, fui secretaria de administração. Depois disso, exerci o magistério no estado, por mais quatro anos. Bella: Quando você começou a construir sua própria família? Teodora: Em 1988, quando eu tinha 23 anos, casei-me. Tive minha primeira filha, Aline, aos 25. Hoje ela já tem 24! O Arthur nasceu em 1993, e a Ana Júlia, em 1999. A Aline é dentista, já é casada e mãe do meu neto, o Otávio, de três meses. O Arthur cursa veterinária e a mais nova faz o ensino médio.

Bella: Quando surgiu o convite para ser vice-prefeita? Teodora: Depois daqueles quatro anos, voltei a trabalhar na Prefeitura. De 2001 a 2008, fui secretária da educação e, quando o Antônio Piva foi concorrer a prefeito, ele me convidou para ser vice dele. Então, desde 2009, estou vice-prefeita, pelo segundo mandato. Bella: Quando você descobriu essa vocação para a política? Teodora: Eu sou muito mais técnica que política, por isso, quando fui secretária de administração, era bastante executiva e, a parte política, eu fui criando com o passar do tempo, pelo contato com as pessoas, por, logicamente, ter uma filiação partidária, isso é uma coisa que se constrói aos poucos. Eu atuo mais na parte administrativa, mas, gosto muito do que eu faço. Sou apaixonada pelo serviço público, faço isso porque eu realmente gosto. Tenho uma fascinação, procuro fazer tudo bem feito, ir atrás, por vezes, me sinto um pouco impotente em frente às exigências das leis, da comunidade, mas, nós sabemos que a legislação é para ser seguida, então tentamos lidar com tudo isso, levando em conta, sempre, o interesse da comunidade. Bella: Por várias vezes, você ficou à frente da Prefeitura. Como é ser uma mulher nesse papel? Teodora: É bastante desafiador, porque ainda estamos em uma sociedade onde as mulheres têm pouca visibilidade. Na política é um exemplo. A grande maioria dos municípios tem apenas uma ou duas mulheres na câmara de vereadores. A mulher na política é algo muito novo aqui no Brasil, mas, eu acredito muito nas mulheres, tanto é que nós temos na nossa administração seis secretárias. Bella: Você sente alguma resistência pelo fato de ser mulher, no âmbito político? Teodora: Não, pois, quando apresentamos argumentos, quando demonstra conhecimento de causa e vai com uma boa estrutura emocional, você tem argumento e, as pessoas te reconhecem por isso. Então, não sinto dificuldades. É no ouvir e perguntar o que as pessoas tem a dizer, que descobrimos as soluções para os problemas, e eu tento fazer isso. Bella: Mudando um pouco de assunto, como você concilia o tempo entre a Prefeitura e a família? Teodora: [risos] É uma pergunta extremamente difícil. Sou muito cobrada na minha família. Como sou viciada em trabalho, agora tento não levar trabalho para casa, mas, gosto muito de ler, de estudar, e isso rouba tempo, exigindo concentração e dedicação. Nós temos muitos compromissos fora, em reuniões, congressos, em representações do município, então, as vezes é bem complexo para conciliar. Tem fins de semanas que não vejo meu filho, por exemplo, mas, sempre que dá um tempinho, nos organizamos para nos encontrar. Geralmente esse encontro é em

Teodora Lütkemeyer nossa casa no interior, pois eles gostam muito daquele ambiente, sem falar que é um relax. Tanto meus filhos, quanto meu marido, são muito família, quando temos esse tempo juntos, jogamos conversa fora, baralho, brinca, aproveitamos a companhia uns dos outros.

Fotos | Foto Choks

Bella: Tem alguma viagem que vocês costumam fazer em família? Teodora: Tradicionalmente, em julho, toda a família vai para os Zeskamp, que é em alguma cidade de colonização holandesa, que são as olimpíadas Inter colonial dos holandeses no Brasil. Nós jogamos vôlei, os filhos participam também e, vamos no sentido de acompanhar a comitiva de Não-Me-Toque. São alguns dias que tiramos para o Zeskamp. Bella: Essa parte da cultura holandesa, você tenta manter com seus filhos? Teodora: Sim. Até pouco tempo atrás, eu era a instrutora do grupo de danças holandesas, mas, também, tenta fazer isso nos domingos a noite. Meu marido é patrão do CTG, então, além de tudo, ainda sou a patroa [risos]. Logo, temos todas as atividades do CTG, como rodeios, em que os acompanhamos, sem falar na associação holandesa, que tem as reuniões e encontros. Esse envolvimento é natural, e nós tentamos manter essa cultura, embora meu marido seja descente de alemães, de Seubach [risos]. Bella: Uma viagem que você fez e foi muito marcante? Teodora: Em 2011, pela primeira vez na minha vida, consegui tirar 30 dias de férias. Então, fui com meus pais para a Holanda e, depois, fomos à Escandinávia, na Dinamarca, Noruega e Suécia. Ele veio para o Brasil com 18 anos, em 1949, e ela com 15. Lá, consegui resgatar muitas coisas que eles contavam e nós não tínhamos como rever, como os locais onde eles nasceram e viveram, fatos da Guerra. Então, visitamos muitos museus, amigos de infância de meus pais, fatos que eu soube, como, por exemplo, que meu avô era vereadora na Holanda e descobri que dali vem meu tino político [risos]. Ele era contra o nazismo, então, refugiava pessoas fugitivas, os ajudava a atravessar o Rio Maas. Graças a essas histórias, essa viagem foi muito marcante mesmo para mim. Bella: Você tem um sonho que ainda não realizou? Teodora: Meu sonho pessoal, é construir uma casa nova. Esse é meu sonho material. Mas, como política, fazer um sucessor na prefeitura, logicamente que temos todo esse mandato pela frente e estamos trabalhando para isso. Além disso, gostaria de ter mais tempo para a minha família. De certa forma, eu poder dedicar um tempo a mais pra mim, é uma coisa que eu tenho que me policiar, embora as vezes seja meio impossível [risos]. Depois que nasceu o Otávio, eu dedico um tempinho a mais para ele, para brincar, segurar no colo. Quando estamos com ele, ele é o centro das atenções [risos].

“A mulher na política é algo muito novo aqui no Brasil, mas, eu acredito muito nas mulheres!”


4 SUA CASA

Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.03.2014

ORGANIZANDO E DECORANDO SEU HOME OFFICE! Decorada, feminina e completamente prática: a mesa de trabalho em um home office não recebe apenas pastas e canetas. Invista em alguns elementos para ter um cantinho inspirador e criativo que estimulará a realização das tarefas profissionais.

Menos é mais: isso é uma regra não apenas para a mesa, mas também para as gavetas. Caixinhas organizadoras e bandejas ajudam a colocar os papéis, cadernos e demais acessórios sempre em ordem. Limite-se ao que você realmente precisa e, no final do dia, garanta que cada coisa está em seu lugar. Lembre-se também de realizar uma boa limpeza pelo menos uma vez por semana. Uma boa dica para revitalizar é deixar a sua fragrância favorita irradiando no local!

Fotos | Divulgação

A mesa de trabalho também merece algumas doses de pessoalidade. Aqui a moradora escolheu seus itens de beleza favoritos para compor. Velas, conchas, perfumes e livros que te inspiram são sempre bem-vindos!

Painéis acima da mesa podem servir para colocar as suas referências e ideias, enquanto flores frescas ajudam a renovar o clima constantemente.


MODA

COLUNA 5

Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.03.2014

PEÇAS QUE MARCARAM! Relembre com a Revista Bella algumas peças que marcaram a moda feminina ao longo da história! O uso da calça, antes restrito apenas aos homens, foi um dos marcos na luta pela igualdade feminina. A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) influenciou indiretamente o uso das calças por mulheres. Com os homens lutando na guerra, elas tiveram que assumir seus cargos e passaram a trabalhar fora de casa, o que trouxe maior independência e mudança no comportamento feminino. Nos anos 1920, a estilista Coco Chanel reforçou esta nova atitude e deu início à popularização da calça entre as mulheres. Foi nas décadas de 1950 e 1960 que a peça se consolidou no guarda-roupa feminino, ao ser usada por estrelas do cinema, como Audrey Hepburn.

O biquíni foi o responsável por trazer conforto e “libertar” as mulheres das roupas de banho grandes e desconfortáveis. Dois estilistas franceses disputam a autoria de sua criação: Jacques Heim e Louis Réard. Ambos apresentaram suas peças de banho em duas peças que mostravam o umbigo, em 1946. No Brasil, o biquíni foi popularizado após a artista alemã Miriam Etz usá-lo para ir à Praia do Arpoador, em 1948.

O icônico vestido envelope, criado pela estilista belga radicada nos Estados Unidos Diane Von Furstenberg, completa 40 anos em 2014. A peça feita em jérsei transpassada e com decote V, destinada às mulheres trabalhadoras dos anos 1970, foi criada para ser uma opção sexy e elegante, ao mesmo tempo em que é prática e fácil de vestir. A mensagem do vestido era reforçar a independência das mulheres, sem que elas perdessem a feminilidade com roupas tidas como “masculinizadas”.

Vida saudável com treino funcional! Vladinei Meireles - Educador Físico

Com o passar dos anos novas tendências vão se transpondo nas academias de todo mundo. Assim aconteceu com as aulas de step, com a ginástica localizada, com a dança aeróbia e com a musculação aberta a grandes grupos. No entanto a novidade nas academias é o treinamento funcional e parece que a modalidade veio com tudo para ficar por muito tempo. O treino funcional apesar de estar em alta hoje, já era usado por nossos antepassados. Como por exemplo, na mitologia grega onde teve grande importância na elaboração de atividades especificas para vencer os desafios propostos ao homem como os doze trabalhos de Hércules. O treino funcional pode ser visto perfeitamente nas olimpíadas, onde os atletas gregos desenvolveram equipamentos e exercícios específicos para cada modalidade olímpica. Logicamente o treino funcional sofreu alterações com o passar dos anos ate chegar às academias que frequentamos. Mas afinal o que é o treino funcional? Ao contrario do que muitas pessoas pensam, o treino funcional não é malabarismo circense com corda, elásticos e bolas, esse método prima por trabalhar de forma personalizada as necessidades de cada individuo, focando na força, flexibilidade, resistência, equilíbrio, coordenação e velocidade, montando exercícios que se pareçam com gestos utilizados no dia-a-dia do aluno, facilitando e aperfeiçoando-os. Enfim, o treino funcional é uma atividade muscular e neurológica integrada de forma paralela visando transformar o corpo numa maquina de locomoção mais eficiente, sendo na preparação de atletas ou na vida de pessoas que não praticam nenhum esporte. As grandes vantagens desse tipo de exercício é a variabilidade do treino, pois além de ser muito eficiente, cada aula pode ser formulada de maneira diferente evitando a monotonia e a repetição de exercícios. A base de toda aula é focada no fortalecimento do CORE (músculos das paredes abdominais que se estendem em conjunto aos músculos que estabilizam a parte posterior da coluna lombar conectando as atividades dos membros superiores e inferiores) melhorando assim inúmeras valências corporais dos alunos. É importante salientar que qualquer pessoa pode realizar os exercícios funcionais, pois o treinamento é individualizado respeitando as limitações e objetivos de cada aluno. O acompanhamento de um educador físico é de fundamental importância na realização dessa e de qualquer atividade física. Assim fica exposta mais essa opção de exercício físico seguro e inovador que poderá melhorar de forma significativa a vida de quem aderir ao método.


6 DIA DA MULHER Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.0.2014

A MISSÃO DE SER MULHER Em uma gostosa conversa com a Revista Bella, Eloí Haeffner de Sousa fala sobre a incrível missão da mulher na Terra e também sobre a missão dos anjos, em protegê-las

Eloí Haeffner de Sousa Angeóloga e Artista Plástica

“Eu acredito que todas as mulheres tem uma missão. Através das minhas pesquisas e pensando muito nos meus anjos cheguei a seguinte conclusão: foi um anjo que anunciou a vinda do Menino Jesus e acredito também que nós mulheres, no momento do amor, no momento da concepção, um anjo também está anunciando a vinda da criança. Todas nós, todas as pessoas do mundo tem um anjo, então aí está o motivo que me leva a acreditar que os anjos anunciam a vida das crianças. Nossa missão de mulher aqui na Terra é muito importante, pois é através dos nossos filhos que damos continuidade à vida. Não devemos nos comprometer tanto com as ilusões materiais, muito menos esperar encontrar aquele amor eterno, porque com certeza o amor verdadeiro e eterno está dentro de nosso abençoado e lindo coração de mulher. Distribua o teu amor e todo resto virá a teu encontro. Nunca esquecendo do precioso mandamento que Deus nos deu: “ame o próximo como a ti mesmo”, pois o nosso maior pecado é esquecer que não somos eternos aqui. Com certeza este trabalho que temos que fazer dentro do nosso

eu, da nossa alma, do nosso coração é um trabalho silencioso que exige muita perseverança, muita vontade e amor. As mudanças ocorrerão com intensidade em todos os níveis e devemos estar preparados para esta importante fase da nossa missão de mulher. As várias maneiras que podemos servir está dentro de nós. Serviço que podemos realizar sempre, em dado momento, onde e quando começar, e quando isso acontecer devemos seguir a nossa intuição. Temos uma missão, um compromisso e temos que cumprir. Podem as pessoas não nos compreender muitas vezes, mas temos a certeza que essas pessoas um dia por si só compreenderão a árdua missão imposta por Deus a todas nós mulheres e maior vitória é a conquista de cada uma de nós”. O que o Dia da Mulher significa para você? “Este é o dia de sabermos entender a nossa missão aqui neste mundo para com as pessoas que nos cercam. Para com os nossos filhos, com a nossa família, amigos, enfim. Este é o dia de parar e pensar na força que Deus deu através de nós mulheres e que Deus foi uma mulher quem trouxe, o nosso salvador, nosso Jesus Cristo. Acho que nós somos tão pequenininhos, aquele grão de areia perante Deus, que para chegar até ele é muito difícil, então através dos nossos anjos, temos essas antenas parabólicas maravilhosas, que as nos-

“Distribua o teu amor e todo o resto virá a teu encontro”

sas mensagens e pedidos chegam até o Pai do Céu. Os anjos seguem uma hierarquia, tem anjos conselheiros, do amor, da saúde, então acho que a hierarquia de Deus é parecida com a nossa aqui da Terra. Meu agradecimento por tudo e também tenho muito a agradecer sempre a Deus pela oportunidade que Ele me deu como mulher de ter os meus filhos, filhas e netos que são maravilhosos. Problemas todo mundo tem, mas a minha família é tão linda, tenho os meus filhos e os filhos do João (in memoriam), que fazem parte da minha vida, e somos uma família muito grande e unida. Todos batalhadores e competentes dentro de suas profissões, e isso é uma graça. Essa é uma parte de extrema importância na minha vida, Deus me deu essa oportunidade de ser mãe, avó e se Ele quiser, vou ser bisavó também! E pretendo ainda muitos anos da minha vida dedicar meu humilde trabalho a todas as pessoas que precisarem. Cada um cumprindo com a sua parte, a vida vai longe. Meu abraço sincero para todas as mães do mundo; as que estão presentes e aquelas que já partiram, e a todas elas quero agradecer a continuidade de minha vida e de todos nós e desejar muita saúde, paz amor e muita compreensão. Quero agradecer a Deus pedindo a proteção dos meus anjos a todos, pois sem fé, sem caridade e sem amor não somos ninguém”.

Gelsi Terezinha Quevedo Agne


DIA DA MULHER 7 Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.03.2014

Amor pelo próximo Vera Suckau aprendeu se diz feliz com a vida dedicada às causas sociais

“O local em que a gente vive e a vida que a gente tem é questão de sorte ou azar. Eu tive sorte e cabe a mim reparti-la com os outros”

A comunidade carazinhense está acostumada a acompanhar a dedicação que Vera Suckau tem pelo próximo. Depois de envolver-se com as causas de entidades como a AMA – Associação dos Amigos do Meio Ambiente e o Comen, a professora engajou-se em outra causa nobre; ajudar crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Então ela e outros voluntários fundaram o Programa Yacamim. “Não tem como separar minha vida pessoal da vida comunitária até porque é uma questão de doação pelo próximo. Como são muitas crianças e adolescentes e poucos pessoas para atendê-los a gente acaba se envolvendo bastante”, diz ela, ressaltando que quando tem um tempinho livro gosta de ficar em casa e não dispensa um boa leitura. “Sou bastante caseira, solitária também. Não sou muito de sair, de ir a festas porque não entendo bem esta

questão das diferenças entre classes sociais. Não me sentiria bem fazendo estas coisas sabendo que muitas pessoas não tem este tipo de privilégio. Por isso me isolo um pouco. Gosto muito, mas muito mesmo, de ler”, conta. Outra atividade doméstica que Vera gosta de cumprir é cozinhar, apesar do dia a dia corrido. “Meu filho ainda mora comigo e sou eu que preparo nossas refeições. É bastante corrido, mas de vez em quando eu gosto de preparar um quitute especial”, menciona. A professora se diz muito feliz com a vida que leva. “Sou feliz em servir ao próximo. Eu aprendi isso com meus pais, porque eles foram duros comigo, mas foram extremamente amorosos. Sempre tive tudo o que precisava e eles me ensinaram a trabalhar muito”, diz ela, citando o pai como grande exemplo de vida. “Meu pai era médico e atendia as pessoas

em troca de uma galinha, de um saco de laranja, ou em troca de nada, se a pessoa não tivesse nada a oferecer”, conta. Outro ponto ressaltando por Vera como contribuiu para sua decisão de se dedicar aos outros foi o casamento. “Caseime com uma pessoa que foi menino de rua e isso fez uma diferença muito grande porque eu sou filha de médico, tive tudo o que precisava e acabei conhecendo o outro lado da vida. Foi muito legal eu ter casado com o Miguel porque me dei conta que o mundo era diferente daquele que eu imagina. Acho que nada acontece por acaso e acho que fui uma pessoa abrençoada por ter recebido tantas benesses da vida”, diz. Vera ainda destaca um princípio que aprendeu com o pai. “O local em que a gente vive e a vida que a gente tem é questão de sorte ou azar. Eu tive sorte e cabe a mim repartila com os outros”, finaliza.


8 DIA DA MULHER Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.03.2014

Fotos | Bruna Roberta Toso

De mãos dadas com a igualdade

Carina Prestes, 1º Sargento da Brigada Militar de carazinho

N

ão é nenhuma novidade todas as dificuldades que as mulheres já enfrentaram ao ingressar em diversas áreas profissionais. Preconceito, portas fechadas e olhares turvos eram fatores presentes no dia-a-dia da mulher que saía de sua zona de conforto para trabalhar “como os homens”. Mas isso mudou. A mulher vem conquistando há décadas o seu espaço nas mais variadas profissões, provando que competência e inteligência não tem lado favorito quando se trata de gênero. A Revista Bella conversou sobre o assunto com mulheres de diferentes profissões, vendo que todas acreditam no seu poder e veem a diferença nos tempos de hoje. Arma em punho Carina Prestes, 1º Sargento da Brigada Militar, há 20 anos na profissão, sente que hoje a mulher está igualada ao homem quando se trata de profissão. “Nos tempos mais antigos a mulher não tinha muito valor na sociedade, mas hoje já não, a mulher mostrou que é capaz, que é inteligente e que não existe sexo para ter capacidade e inteligência”, diz ela. Carina entrou para a Brigada Militar em 1993 e conta que não era seu sonho estar nesta área, mas ao passar no concurso e viver diariamente na profissão, passou a amá-la e o faz até hoje. Quando perguntamos se a mulher alcançou a igualdade de sexo no ramo profissional, a reposta

é firme. “Tanto na minha área quanto em todas as outras. As mulheres, não que tenham tomado conta de tudo, mas em vários setores cresceram significativamente. Em empresas, naqueles serviços que antigamente só os homens faziam, nas indústrias, construções civis, entre outros. E também temos como um marco na história a primeira presidente mulher, então isso demonstra muito que nós mulheres avançamos bastante, em todos os sentidos”. A vaidade é outro assunto que entra em questão. Toda mulher tem seu lado vaidoso. Dá para conciliar com o trabalho? “Claro, mas temos que estar sempre dentro das normas, das regras da instituição, mas temos a vaidade, toda mulher tem. Fica tranquilo trazer ela de leve para o trabalho”, finaliza Carina. Mão na massa Na construção civil, muitos passos foram dados. O número de mulheres que trabalham como auxiliar de obra ainda não é gigantesco, mas na maioria das obras, há sim, mulheres trabalhando. Para as colegas de trabalho e serventes de obra Elizabete Camargo, Santina Batista e Elisangela de Sousa a igualdade está sendo alcançada. “A mulher conquistou seu lugar e vai conquistar ainda mais. Estamos ficando mais independentes e somos caprichosas no trabalho”, diz Santina. Para estas três mulheres, o trabalho não é pesado e elas o fazem com alegria e satisfação.

Foi-se o tempo em que as mulheres não podiam realizar “trabalhos de homens”. Atualmente, elas ocupam cargos que historicamente eram restritos ao sexo masculino. Confira a história dessas guerreiras!

De acordo com Elisangela, os colegas são muito unidos e não existe preconceito no ambiente de trabalho. “Às vezes há um pouco de preconceito sim, mas não com os colegas de trabalho e sim em casa. A família nem sempre aceita nossas escolhas. Mas isso é algo a ser superado também dentro de casa”, explica ela. E a feminilidade, em meio a materiais de construção e muita força no braço, como fica? “Mesmo trabalhando na construção, com todos os materiais, dá pra trazer sim a vaidade para dentro do trabalho, principalmente o sorriso no rosto!”, finaliza Santina. Mulher no volante, sim! Agora imagine outro cenário: as estradas; e a profissão: motorista de ônibus. Comprometimento e muita responsabilidade são fatores obrigatórios que envolvem essa profissão, desafio encarado com sucesso por Joice Luzias Fiusi, motorista de ônibus da empresa Hélios. Com uma longa estrada em experiência na área, Joice iniciou na profissão há 17 anos, na empresa dela e do ex-marido. Hoje, trabalhando na empresa Hélios, conta com amor que adora o que faz. “Iniciei na profissão porque a vida me levou. Na época foi mais por uma necessidade de ajudar na empresa, precisávamos de funcionários, mas hoje gosto muito do que faço, muito mesmo!”, diz ela. Conhecida historicamente por ser um trabalho somente de homens, Joice conta que ainda hoje sofre preconceito.

“Enfrento muito preconceito ainda hoje, mas também tenho bastante admiradores, por ser uma mulher por trás do volante, em uma profissão diferente, que não é nada fácil! Ser motorista é um compromisso muito grande, mas felizmente tenho muito mais admiradores do que preconceito. Quer dizer que a sociedade já está aceitando”, completa. Com tantos anos de experiência na profissão e ape-

Elizabete Camargo, Santina Batista e Elisangela de Sousa


DIA DA MULHER 9 Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.03.2014

“Não busco tirar o lugar de ninguém, mas busco o meu lugar” Joice Luzias Fiusi. motorista de ônibus

tempo é o de fiscalização de trânsito. Em um bate-papo com as Fiscais de Trânsito de Carazinho, vemos que a competência e segurança andam de mãos dadas. Para elas, a igualdade está presente 100% em suas funções. “A busca por igualdade, que todas as mulheres as procuram, nós temos aqui! Para o nosso serviço não há distinção, todos são colegas, todos realizam o mesmo serviço, aqui temos total igualdade. Desempenhamos a mesma função sem nenhum problema”, diz Liara Nunes da Silva, há dois anos no departamento. O preconceito ainda existe, mas não dentro do ambiente de trabalho. “Quanto aos colegas não existe preconceito, mas quanto aos motoristas, às vezes ocorre. Alguns motoristas sentem-se constrangidos por serem cobrados por uma mulher, serem Mulheres de parar o trânsito Outro setor em que as mulheres fiscalizados por uma mulher”, estão inseridas há bastante explica Mareli Eliane Vanzin, que sar do preconceito sofrido, o que não falta nela é dedicação. “A mulher está conquistando muito, sempre digo que não busco tirar o lugar de ninguém, mas eu busco o meu lugar e busco conquistar o meu espaço e através do meu esforço e minha dedicação é que vou chegar lá, já cheguei. A Hélios acreditou em mim e me deu esta chance, não tinha nenhuma mulher motorista dentro desta nova administração, sou a primeira. Depositaram essa confiança em mim, então carrego mais esse compromisso de mostrar que valeu a pena acreditar em mim. Me dedico sempre, dou o meu melhor, e o que não está bem eu quero sempre melhorar. Se não chegar nos 100%, pelo menos chegar nos 99% né?”, brinca ela.

trabalha há 14 anos como fiscal de trânsito. Liara completa dizendo que “muitos motoristas não aceitam, principalmente com as fiscais mais novas. Eles entendem a abordagem do nosso trabalho como um afronto. Nesse ponto, infelizmente ainda encontramos bastante preconceito”, diz. Situações difíceis são encontradas todos os dias, e elas tiram de letra, sempre resolvendo com ética e dentro da lei. “Tentamos tomar a melhor atitude para o momento, sempre com calma para resolver e encontrar uma solução. Na verdade temos que ter muito jogo de cintura para resolver a situação dentro da lei e sem nunca perder a ética”, explica Mareli. E a vaidade não fica escondida

dentro do uniforme. “Fazemos o melhor que podemos, mesmo usando o uniforme. Cada uma varia um pouco com maquiagem, brincos e aqui, independente de sexo, todo mundo se cuida e usa muito protetor solar pra cuidar da pele. Tentamos andar sempre de bem com a feminilidade. Nem sempre é possível, mas damos um jeito”, brinca Liara. Quando a pergunta foi se elas gostavam do que fazem a resposta foi unânime: elas adoram e dizem que estão ali porque gostam mesmo e aproveitam para desejar um feliz dia da mulher a todas as mulheres guerreiras e trabalhadoras da nossa cidade!

Clarisse Cristina Schreiner, Liara Nunes da Silva, Mareli Eliane Vanzin, Eloí de Maurer, Cleonice Cristiane Schreiner, Elaine Terezinha Dozareti e Edi Terezinha Pagliarini (não pode estar presente).


10 DIA DA MULHER Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.03.2014

Dona do lar: a supermulher moderna

Conhecida antigamente como a “dona de casa” sem ganhar muitos créditos, a dona do lar, por escolha própria, passa nos dias de hoje por uma fase de transformação e reconhecimento

M Sem dúvida a mulher hoje tem seu espaço e com isso ela não deixou de ser mãe, companheira e nem deixou de lado os cuidados com a família e casa

anter a casa ordem? Ser dona do lar nos dias de hoje vai muito além. Mesmo com o auxílio de uma empregada doméstica ou de uma diarista, é a Dona de Casa quem administra as contas a serem pagas em dia, organiza os afazeres da casa, cuida da higiene e limpeza das dependências da casa, das roupas, manutenção, jardins, bichos de estimação e tudo que isso envolve, mas muito além disso, cuida carinhosamente da saúde, nutrição, alimentação dos seus familiares, além de ajudar em diversas tarefas que os familiares possam precisar, como

consultas médicas, compras, etc. Cada vez mais mulheres modernas estão voltando a ser Donas de Casa. Um exemplo de mulher que irá encarar este novo desafio é Dalva Terezinha Schroeder. Administradora por profissão e atualmente gerente financeira na empresa Cotrijal em Não-Me-Toque, ela trilhou 40 anos e quatro meses trabalhando interruptamente. “Iniciei minha atividade profissional sendo selecionada pelas boas notas que eu tinha nas de matemática e pelo convite na casa dos meus pais para que me permitissem trabalhar na organização da


DIA DA MULHER 11 Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.03.2014

“Penso que se consegui contribuir na construção de uma organização que tive a oportunidade de desenvolver minha carreira com sucesso e dignidade, com certeza vou conseguir conquistar com sucesso e organizar de uma forma com muita qualidade de vida para mim, meus pais, sogra, filhos e esposo neste novo estilo de vida”

Cotrijal. Minha primeira função era a de auxiliar no escritório, como chamavam na época, hoje equivaleria a auxiliar de contabilidade. Em menos de um ano depois fui convidada para trabalhar no caixa geral, mais tarde como tesoureira e enfim como gerente financeira”. Um dos principais motivos de Dalva em interferir sua carreira profissional e se tornar dona do lar é justamente o cumprimento de uma vida inteira dedicada à sua carreira profissional, mas sem nunca deixar sua família de lado. “Temos ciclos que terminam e em compensação outros iniciam. Penso que se consegui contribuir na construção de uma organização que tive a oportunidade de desenvolver minha carreira com sucesso e dignidade, com certeza vou conseguir conquistar com sucesso e organizar de uma forma com muita qualidade de vida para mim, meus pais, sogra, filhos e esposo neste novo estilo de vida”, comenta ela. A opinião de Dalva referente à mulher que escolhe ser dona do lar é direta: “digna de res-

peito”, diz ela. “Com certeza algumas por opção, enquanto outras pela maneira como foram educadas. Ambas dignas de respeito”. A importância desta tarefa é notável nos dias atuais. Mulheres bem sucedidas, que sempre buscaram aperfeiçoar sua carreira profissional, começam a olhar de maneira diferente e curiosa para esta opção: cuidar mais de perto de seus filhos e familiares e também do lar de maneira geral. “Sem dúvida a mulher hoje tem seu espaço e com isso ela não deixou de ser mãe, companheira e nem deixou de lado os cuidados com a família e casa”, diz. Muitas mulheres reconhecem com certeza e segurança que é da essência da natureza feminina gostar das responsabilidades e tarefas do lar, “brincar de casinha de verdade”, cuidar de si mesmas e da sua família. É essa certeza que as impulsiona a sempre se manterem atualizadas. A buscar aprender coisas novas e a se dedicarem a trabalhos voluntários, como tantas outras atividades. E, recebem a compreensão e os aplausos dos seus maridos e familiares!

É a Dona de Casa quem administra a vida da família no lar e cuida carinhosamente da saúde, nutrição, alimentação dos seus familiares.


12 DIA DA MULHER Diário da Manhã Passo Fundo I Carazinho I Erechim, 08 e 09.03.2014

Ala feminina no agronegócio Foto | Arquivo Pessoal

Hoje não é nenhuma surpresa ver mulheres à frente do agronegócio, administrando propriedades e cuidando de diversas atividades no meio rural. A evolução da mulher está em todo lugar, inclusive no campo

Zenir Terezinha Ferreto Meira, nas suas plantações de soja

A presença da mulher na liderança dos negócios é uma realidade internacional. No agronegócio essa situação não é diferente. Em um meio predominantemente masculino, as mulheres se destacam pela capacidade de gerenciar as granjas, plantações, criações, escritórios e outros setores, direta ou indiretamente, ligados ao mundo agro. De acordo com o Índice de Confiança do Agronegócio (ICAGRO), o número de mulher no agronegócio chega hoje a 6,5%, número cada vez mais crescente. Como exemplo de mulher à frente do próprio negócio, está Zenir Terezinha Ferreto Meira. Professora aposentada, ela assumiu a granja do pai há alguns anos e hoje a administra por completo. “A granja é do meu pai, mas eu quem administro. Só eu. Desde que o comecei nunca deu palpite, me deixou livre para fazer as coisas como queria. Até quando

“Já noto hoje quando vamos à Expodireto, por exemplo, e vemos muitas mulheres, antes não existia isso. Mulheres a frente de seus negócios, que tomam as rédeas. Vejo sim, a evolução ao meu redor”

surgia alguma questão que eu não sabia ele me incentiva a ir atrás, aprender, procurar me informar. Me deixou bem livre mesmo. Até no que eu plantava”, relata. Zenir contou com a ajuda, depois de certo tempo, de um agrônomo. “Aos poucos fui aprendendo e estou até hoje”, diz ela. Zenir ainda participa de todas as atividades da granja e conta um pouco da sua rotina. “Vou pela manhã, vou à oficina, converso com os funcionários, se tem que comprar algum produto, enfim. Geralmente no início do mês é determinado na planilha o que vamos fazer. Quando começamos a plantar já é distribuída a planilha, com todos os dados das sementes e eles já sabem, tal lavoura e tal é semente. Eu fico sempre junto, acompanho. Quando vão passar os produtos estou presente, acompanho a colheita também, a manhã inteira, tarde inteira até um pedaço da noite”, relata.

Quando a pergunta é se ela ama o que faz a resposta é rápida: “Adoro o que faço... Amo! Sempre fui parceira do meu pai, de ir junto, acompanhar, mas depois fui estudar fora, fui trabalhar e morar em Porto Alegre e me distanciei dessa vida. Mas agora depois de tantos anos, retornei e me sinto muito bem fazendo o que faço. Amo mesmo”, conta. Para ela, que está inserida no agronegócio há bastante tempo, a evolução da mulher no campo é evidente e crescente. “Hoje vejo a evolução da mulher dentro do campo. É muito bacana! Quando comecei não tinha nada do que tem hoje, além das tecnologias, você entrava em algum estabelecimento agrário, era um ‘back’. Eles olhavam com uma cara de quem pensa: ‘mas meu deus, uma mulher aqui?’ Com certo receio. Mas depois foi passando. Até os funcionários no início, notava que eles faziam as coisas forçados. Depois de

eu dar uma dura em um dos funcionários eles entenderam que a coisa era séria. E bastou”, conta. Ela fala também que a evolução fica mais visível ainda em grandes eventos, como a Expodireto. “Já noto hoje quando vamos à Expodireto, por exemplo, ou em algum encontro da Cotrijal e vemos muitas mulheres, antes não existia isso. Mulheres a frente de seus negócios, que tomam as rédeas. Então vejo sim, a evolução ao meu redor e fico muito feliz com isso”, diz. Para ela o jeitinho feminino conta bastante para realizar os trabalhos, vê as mulheres sendo mais caprichosas e detalhistas além de comprometidas. Comparando os tempos mais antigos com hoje, ela brinca: “A diferença de hoje para antigamente da mulher no campo é grande. Na época, bem antes de eu entrar, se eu resolvesse trabalhar nisso, acho que não iam me deixar!”, finaliza.

E PMDB MULHER

Feliz dia Internacional das Mulheres! Mulheres fracas, fortes. Não importa. Mulheres mostram que mesmo através da fragilidade. São fortes o bastante para erguerem sempre cabeça. Sem desistir, pois sabemos que somos capazes de vencer. Somos fêmeas guerreiras, vencedoras, Somos sempre o tema de um poema Distribuímos paixão, meiguice, força, carinho, amor.

Lú Cabelos Av. São Bento | Carazinho


FOTO DIVULGAÇÃO

Diário da Manhã

1

Sábado e domingo, 08 e 09.03.2014 Passo Fundo Erechim Carazinho

PASSO FUNDO - CARAZINHO - ERECHIM

Sábado e domingo, 08 e 09.03.2014 - www.diariodamanha.com

Nutrição funcional:

o futuro da alimentação Páginas 4 e 5


GERAL Diário da Manhã

2

Sábado e domingo, 08 e 09.03.2014 Passo Fundo Erechim Carazinho

Magia do Carnaval alivia dor de crianças hospitalizadas FOTO ASCOM HSVP / CAROLINE SILVESTRO

Serpentina e confetes no ar anunciavam a festa de Carnaval da Pediatria do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo. Com fantasias e máscaras coloridas, as crianças internadas puderam desfrutar da alegria e ludicidade do Carnaval, uma das festas mais populares da cultura brasileira. Organizada pelo Espaço Lúdico e de Atendimento às Crianças Hospitalizadas, projeto desenvolvido em parceria com a Universidade de Passo Fundo, a comemoração contou com música, desfile dos pequenos e a presença da Corte do Carnaval de Passo Fundo. A coordenadora do Espaço Lúdico, Sussi Menine conta que ao longo da semana as crianças confeccionaram máscaras e fantasias. Há três meses com a filha Laura no HSVP, Silmara de Lima, de Palmeira das Missões, entrou na festa junto com a pequena. “É um incentivo para as crianças, para elas ganharem força, esquecerem da dor. Elas brincam, interagem e voltam para o quarto com um sorriso no rosto”.

ENDEREÇOS l Passo Fundo v Centro de Saúde (Posto Central) Rua Fagundes dos Reis, 270 (54) 3311-6494 v Hospital São Vicente de Paulo Rua Teixeira Soares, 808 Centro (54) 3316-4000 v Hospital da Cidade Rua Tiradentes, 295 Centro/Annes (54) 2103-3333 v Hospital Psiquiátrico Bezerra de Menezes (54) 3313-4435 v Hospital Municipal Rua Alcides Moura, 100 Centro (54) 3316-4500 v Hospital de Olhos C.L. Dyógenes A. Martins Pinto Campus I - UPF - Bairro São José (54) 3318-0200

v Prontoclínica Tv. Dr. Arthur Leite, 58 - Centro (54) 3313-5100 v Bombeiros -193

l Carazinho v Hospital de Caridade Rua General Câmara 70 (54) - 3329-9898 v Ambulatório Municipal Avenida São Bento, anexo ao prédio do Senai v Centro de Especialidades Médicas (CEM) Av Pátria, 736 - junto ao prédio do INSS (54) 3331-4510 v Bombeiros -193

HSVP coleta mais de 1.600 litros de leite materno FOTO ASCOM HSVP / CAROLINE SILVESTRO

O Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo realiza campanha permanente de aleitamento materno, buscando conscientizar sobre sua importância para o crescimento e a saúde do bebê. Porém, há casos em que o bebê não consegue mamar diretamente na mãe. Nessas situações, as mães que estão com os filhos internados no HSVP são encaminhadas para a Sala de Coleta de Leite Materno, onde podem esgotar o leite para alimentar seu filho. Em 2013, a unidade coletou 1.650,189 litros de leite materno. Além de coletar o leite e amamentar seus pequenos, as mães recebem as orientações dos profissionais do HSVP quanto à alimentação, cuidados com o bebê, entre outras dúvidas expostas. Mãe de gêmeos, Fabiana Kurtz dos Santos não imaginava como funcionava uma sala de coleta. Ela conta que precisou do serviço da unidade a partir da internação dos recémnascidos. “Estou muito contente pois, eles podem receber o meu leite e ganhar peso. Estou vindo duas vezes a cada turno esgotar, está sendo fundamental para mim e para os meus filhos”. A Sala de Coleta funciona nos turnos da manhã, tarde e noite e atende em média 45 mães por dia.

Fazbem Linhaça, um alimento funcional De origem asiática, a semente de linhaça pertence à família Linácea. Existem dois tipos: a linhaça dourada e a marrom. Não há diferença na composição nutricional entre os dois tipos. A semente de linhaça é fonte de ácidos graxos ômega 3 e ômega 6, minerais, vitaminas e fibras, além de um composto chamado lignana. Por ter estas propriedades, é considerado um alimento funcional. A linhaça é a fonte mais rica de lignana, que é um composto fitoquímico que, segundo estudos, pode atuar na prevenção do câncer de mama e, por apresentar uma estrutura química similar ao estrógeno, pode ajudar a prevenir os sintomas da menopausa. Além disso, a semente de linhaça tem vitaminas e minerais sendo vitaminas A, E, B1, B6, B12, potássio, sódio, magnésio, fósforo, ferro, cobre, zinco, manganês e selênio.

Arroz com linhaça Ingredientes: • • • • •

1 xícara de arroz (branco ou integral) 4 colheres de sopa de linhaça 1 cebola média 2 xícaras de água Sal a gosto

Como fazer: • Lave o arroz e escorra • Em uma panela misture o arroz, a linhaça, a cebola e água • Leve ao fogo médio sem tampar a panela • Caso faça com arroz integral, será necessário acrescentar mais água e cozinhar mais tempo

l Erechim v Hospital de Caridade Rua S Paulo, 466 (54) 3520-8400 v Hospital Santa Terezinha Rua Itália, 919 (54) 3520-2100 v Bombeiros -193

Editora

Liliana Crivello RP:10698

www.diariodamanha.com

Clélia Fontoura Martins Pinto - ME Matriz: Rua Independência,917, sala 3 - Passo Fundo Contato: (54) 3316-4800

Jornalista

Sirlei Pazinato RP: 14391 @jornal_dm www.facebook.com/diariodamanha


3

Sรกbado e domingo, 08 e 09.03.2014 Passo Fundo Erechim Carazinho

Sรกbado e domingo, 08 e 09.03.2014, Passo Fundo, Erechim e Carazinho

Diรกrio da Manhรฃ


ESPECIAL Diário da Manhã

4

Sábado e domingo, 08 e 09.03.2014 Passo Fundo Erechim Carazinho

Nutrição funcional: o f FOTO DIVULGAÇÃO

Mais do que simplesmente nutrir, a descoberta de diferentes compostos presentes em determinados alimentos faz deles aliados ainda mais importantes para a saúde SIRLEI PAZINATO sirlei@diariodamanha.net

A cada nova pesquisa, mais compostos funcionais são descobertos nos alimentos e associados a benefícios para a saúde. Mas o conceito de alimentos funcionais, apesar de muito difundido recentemente, ainda é novo e gera muitas dúvidas. A nutricionista Tatiane Basso explica que na verdade, todos os alimentos são funcionais pela sua composição, sendo que fornecem os nutrientes necessários para que o organismo se mantenha. “Mas os alimentos funcionais, dos quais se tem falado muito recentemente, tem em si, além do carboidrato, da proteína, gorduras, vitaminas e minerais, outros nutrientes específicos, que foram sendo descobertos pelos pesquisadores e associados com benefícios à saúde. São alimentos que fornecem uma característica extra, além do seu valor nutritivo, já inerente a composição química do alimento”, explica a nutricionista. Como

exemplo, ela cita as isoflavonas, ácido graxo ômega 3, ácido linoleico, catequinas, licopeno, além de uma lista enorme de compostos que estão presentes em diversos alimentos. Esses compostos têm sido mais estudados recentemente. Conforme a ciência da nutrição vai avançando, as pesquisas que estão sendo feitas com alimentos vem descobrindo mais compostos e relacionando com ações benéficas para a saúde. Até a especialização de nutricionista funcional é nova. É um ramo diferente da nutrição. Trabalhar com a nutrição funcional é um pouco diferente do que trabalhar com a nutrição convencional, porque foge do básico, passa a se preocupar mais com os compostos dos alimentos e deve, em breve, possibilitar que a dieta seja especificamente indicada para cada caso, baseada também no papel desses compostos. “Na verdade, a pirâmide alimentar já tem todos esses alimentos inclusos, a diferen-

ça agora é que estamos começando a conhecer e entender o que tem dentro do alimento, além dos básicos carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais que já conhecíamos. Além disso, o desafio tem sido associar esses compostos recentemente descobertos a benefícios à saúde”, argumenta a nutricionista Mesmo com todos esses avanços, segundo ela, não adianta esperar milagres desses alimentos. Caso a pessoa tenha uma predisposição a ter determinada doença, a alimentação pode retardar, mas não evitar o fato. “Os alimentos ajudam a evitar determinadas doenças, dentro de um contexto. Eles vão ajudar a prevenir, mas se a pessoa tiver uma predisposição genética ou fatores de vida que contribuam para esse surgimento, a alimentação pode retardar esse surgimento”, pondera a nutricionista que acrescenta ainda que do contrário, uma alimentação inadequada pode provocar ou antecipar o surgimento de doenças.


ESPECIAL Diário da Manhã

futuro da alimentação Exemplos de alimentos funcionais Apesar de a lista de alimentos com compostos funcionais crescer a cada pesquisa, os mais conhecidos até o momento são:

Isoflavonas, que estão presentes na soja e derivados e tem ação estrogênica, ou seja, reduzem os sintomas da menopausa, ajudam a prevenir o câncer, dentre outros benefícios. Ácido graxo ômega 3, que está presente em peixes marinhos, como a sardinha, salmão e atum, que tem entre seus benefícios a redução do colesterol ruim, e uma importante ação anti-inflamatória. Licopeno, que é um antioxidante, presente em alimentos de coloração vermelha, como tomate, goiaba e pimentão vermelhos, melancia, que atua combatendo a ação dos radicais livres, reduzindo os níveis de colesterol ruim e ajudando na prevenção do câncer de próstata. Flavonoides, presentes na soja e nas frutas cítricas como o kiwi, a laranja, a bergamota, também no tomate e pimentão, também agem na prevenção do câncer, tem ação anti-inflamatória, antioxidante. Frutooligossacarídeo, presente na batata yacon, é um tipo de pro biótico, que auxilia no bom funcionamento do intestino. Apesar de cultivada na região sul, essa batata ainda é pouco conhecida na maioria das mesas. Fibras solúveis e insolúveis, presentes em cereais integrais como aveia, centeio, cevada e também nas leguminosas em geral, como feijão, lentilha, ervilha. Essas fibras ajudam a reduzir o risco de câncer de colón, fazem com que o intestino funcione de forma correta, podem também atuar no controle da glicemia e no tratamento da obesidade, pois aumentam a saciedade.

* Saiba mais: A gama de alimentos considerados funcionais é bem maior do que a citada no exemplo anterior. Para conhecer a lista completa de alimentos funcionais e seus benefícios, consulte o site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no www.anvisa.gov.br.

Formas de preparo O licopeno tem melhor aproveitamento pelo organismo, se consumido aquecido. Mas no geral, é sempre melhor consumir a fruta, verdura ou legume in natura. Mas para quem prefere cozinhar, a nutricionista explica que a melhor forma de manter as propriedades dos alimentos no cozimento é colocar eles na água já quente. “Se colocar os legumes picados, por exemplo, em

uma água fria, a tendência é de os compostos internos do alimento descerem para a água, que, geralmente, é escorrida antes de servir o alimento”, argumenta. Já, quando colocados em água quente, as vitaminas e minerais são selados dentro do alimento. “Mas, quanto menos cocção, menos ação mecânica, menos picar, ralar, moer, melhor. Pois toda a ação mecânica feita no ali-

mento vai gerar algum tipo de perda”, revela Tatiane. Porém, ela explica que essa perda não é total. “Apesar de o consumo in natura ser mais indicado, é melhor consumir esses alimentos cozidos ou picados, do que não consumir”, defende a nutricionista, que completa: “É importante reforçar que o consumo desses alimentos deve ser frequente, regular e nas quantidades corretas”.

5

Sábado e domingo, 08 e 09.03.2014 Passo Fundo Erechim Carazinho


estética Diário da Manhã

6

Sábado e domingo, 08 e 09.03.2014 Passo Fundo Erechim Carazinho

Tatuagem de mamilo na Quando o assunto é tratamento contra o câncer de mama, a mastectomia parcial ou total é um dos tratamentos para extirpar este mal que tanto tem abalado muitas mulheres. Porém, com o contínuo avanço da medicina e um maior intercâmbio de informações entre o mastologista e o cirurgião plástico é possível elaborar um planejamento plástico pré-operatório muito expressivo que visa favorecer o resultado estético final para a paciente, por meio da reconstrução mamária. Entretanto, para quem terá que se submeter a este procedimento as dúvidas em relação à aparência e formato dos seios são invitáveis. De acordo com a cirurgiã plástica Dra. Maria Carolina Coutinho (CRM-SP 113491), Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), na reconstrução mamária é possível reconstruir uma nova mama para que a mulher não se sinta mutilada e nem tenha sua autoestima abalada. “Durante a cirurgia também é possível reconstruir o mamilo, pois há mais de uma técnica e a escolha depende de muitos fatores, como tipo de reconstrução que será utilizada na mama, qualidade e quantidade de pele da mama reconstruída, cor e tamanho

do mamilo contra lateral. As duas técnicas principais utilizadas são o enxerto de parte do mamilo contra lateral associado ao enxerto de pele da raiz interna da coxa para confecção da aréola ou a utilização do próprio tecido local da mama reconstruída

para “montar” um mamilo (utiliza-se um retalho local). Nesse último caso o mamilo novo tem a cor da pele de base, ou seja, é muito claro, então associa-se a tatuagem para escurecer o mamilo e fazer a aréola” conta a cirurgiã plástica.

FOTOS DIVULGAÇÃO

Método ajuda a aproximar a cor da aureola e mamilo reconstruídos depois da cirurgia com as cores originais, de antes da cirurgia


estética Diário da Manhã

reconstrução mamária Indicação da tatuagem Apesar de amplamente difundida e utilizada para adornar o corpo, a tatuagem de mamilo na reconstrução mamária pode ser indicada para todas as pacientes e, em muitos casos, é recomendada ara a correção de pequenas imperfeições na aréola reconstruída, como formato ou cor, por exemplo. “Mas é quase sempre indicada quando o mamilo é reconstruído a partir de um retalho local de pele. A fase da tatuagem sempre será a ultima etapa da reconstrução, ou

seja, é a parte dos refinamentos”. Dra. Maria Carolina Coutinho descreve ainda que no caso da tatuagem, a mesma pode ser realizada pelo próprio médico que está envolvido na reconstrução mamária. “O especialista deve estar apto a realizar esta técnica, uma vez que há cursos específicos de pigmentação. Mas, geralmente são tatuadores ou micropigmentadores que trabalham com esse tipo de pigmentação”.

Lado emocional Dra. Maria “O especialista deve estar apto a realizar esta técnica, uma vez que há cursos específicos de pigmentação”

O desenvolvimento e aprimoramento das técnicas de correção estética da agressão cirúrgica representa uma conquista no tratamento do câncer porque auxilia a reduzir a mutilação da mulher, possibilitando que ela tenha uma vida social e sexual normal, apesar da doença. “Qualquer técnica, invasiva ou não, utilizada na reconstrução mamária que aproxime ao máximo a mama reconstruída de uma mama normal ajuda muito na autoestima feminina. Na fase final da reconstrução, quando são feitos aréola e mamilo, a mulher finalmente passa a ver o órgão reconstruído como uma mama natural”, finaliza a cirurgiã plástica.

7

Sábado e domingo, 08 e 09.03.2014 Passo Fundo Erechim Carazinho


peSquisa Diário da Manhã Diário da Manhã

8

8

Sábado e domingo, Sábado e domingo, 08 e 09.03.2014 08 e 09.03.2014 Passo Fundo Passo Fundo Erechim Erechim Carazinho Carazinho

Robô será usado em cirurgias de câncer

Um robô vai ser usado nas cirurgias de pacientes do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), ligado ao governo paulista. Sentados à frente de um console, os médicos irão guiar o robô, que vai permitir uma visão tridimensional e com profundidade, propiciando maior precisão nas intervenções quando comparadas às técnicas de videolaparoscopia e convencionais. O robô será usado nas cirurgias de cinco especialidades oncológicas: urologia, ginecologia, cabeça e pescoço, aparelho digestivo e tórax. A expectativa é que o uso do equipamento reduza o tempo de recuperação e menor dor para o paciente, além de um menor período de internação. Foram feitas três cirurgias no Icesp com o robô no mês de fevereiro. Todas para a retirada de tumores malignos da próstata. O professor titular de cirurgia do aparelho digestivo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, a qual o Icesp é ligado, Ivan Ceconello, explicou que o objetivo do projeto científico é comparar o uso da nova tecnologia com os métodos utilizados atualmente no hospital. “O resultado será em três anos e temos disponibilidade para 500 operações nesse período. A técnica é promissora e tem muita chance de dar certo. Para nós, é muito bom estar ocorrendo isso em um hospital de grandes operações”. Ceconello disse que diversos hospitais privados já usam a tecnologia, mas apenas três públicos oferecem.

FOTO DIVULGAÇÃO

Viabilidade Apesar do alto custo, o professor diz que o equipamento é vantajoso por oferecer menor desgaste para o cirurgião, diminuir o risco de falhas (como tremores), variedade de movimentos e a visão tridimensional. “Esse robô aumenta a imagem e, em muitas vezes, o que permite que sejam vistos detalhes que podem passar a olho nu em uma operação aberta”. Na primeira fase, serão treinados 30 profissionais, e a cada dois meses uma especialidade nova vai entrar no trabalho. “O que deverá ocorrer é que serão selecionadas as operações a serem feitas em cada um dos métodos, de acordo com a necessidade e funcionalidade. Isso vamos ter que determinar”, disse. Com informações da Agência Brasil.

Carazinho