Page 1

#Player


HASHTAG CAMBRIA HEBERT

# 03

# 01

# 02

# 04

# 05

# 06

# 6.5


#ALPHABUZZFEDD Os jogadores têm que jogar. O ódio é como um veneno. Contamina tudo. O mesmo acontece com a dúvida. Mesmo que eu negue o que eu ouvi, mesmo que eu insista que não é verdade, a semente da dúvida foi plantada. Eu não posso evitar de estar atormentada com os intermináveis 'e se' que tomaram conta de nossas vidas. Romeu e eu estávamos felizes no amor. O futuro estendia-se diante de nós mais brilhante do que qualquer estrela no céu mais escuro. Agora tudo está quebrado. Literalmente quebrado. A carreira inteira de Romeo está em jogo. Todo o meu futuro está ameaçado... E o meu passado? Ele está voltando para me assombrar. Para nos assombrar. Romeo diz que nós estamos nisso juntos, e agora a única coisa certa somos nós. Mas até que ponto pode um amor tão novo ser pressionado? As distâncias que teremos que percorrer para salvarmos um ao outro colocam tudo em risco.

Romeo é um #jogador, mas quanto do jogo uma pessoa pode jogar?


CAPITULO UM

Um silêncio caiu sobre todo o campus da Alpha U. Os alunos querem respostas. #ÀEsperaDeRomeo

R IMMEL “Você poderia descobrir que toda a sua família está cheia de assassinos e eu ainda a amaria." "Engraçado você dizer isso, porque parece que o pai dela foi quem matou sua mãe. " Isto não era verdade. Até a minha negação afiada não ia parar o que eu ouvi batendo dentro do meu cérebro, repetidas vezes, até que eu podia jurar, ouvir o meu coração bater no mesmo compasso dessas palavras. E assim, como um piscar de olhos, embora ninguém pudesse ouvir, eu com certeza como o inferno o sentia. Eu não podia pensar nisso agora. Não havia espaço para sentir as implicações da acusação de Valerie. Meu foco poderia ser apenas sobre o homem que se sentou bem perto ao meu lado. Seu corpo não estava relaxado como normal. Por mais que ele tentasse mostrar seu sorriso descontraído e sem preocupações para mim, não dava para disfarçar. Ele estava preocupado. Ansioso e provavelmente, com dor. Embora, eu teria melhor sorte puxando os meus dentes com meus próprios dedos do que ouvi -lo, admitir que qualquer dor.


Ele não precisava dizer isso e eu não precisava ouvir. Eu sabia. E Romeo era tudo o que importava agora. "Você está bem?", eu sussurrei, inclinando minha cabeça para olhar para seu rosto. Seus olhos sempre azuis encontraram os meus e ele sorriu. "Esperar é uma merda." Parecia que estávamos no quarto há horas. Talvez tivesse sido. Eu realmente não podia dizer. O conceito de tempo tinha sido reduzido a momentos. Um momento depois do próximo. Tinha sido assim desde que eu pisei no campo coberto de futebol, pensando que Romeo tinha me pedido para estar lá. Num momento, eu estava tonta com antecipação, e no próximo eu estava pendurada vicariamente a partir de um poste de baliza no campo, enforcada por uma corda e olhando nos olhos de alguém que tinha ficado claramente desequilibrado. Eu tremi, e apertei o braço de Romeo ao meu redor. Sua mão se aproximou e achatou contra o lado da minha cabeça enquanto ele gentilmente a conduzia contra ele. "Você ainda está com frio?", ele retumbou. Senti as palavras ecoarem em seu peito mais do que eu realmente as escutei. "Não", eu respondi. Ele estava muito perto de mim para estar frio. Mas nem mesmo o calor firme do homem que eu amava ia ser o suficiente para apagar completamente da memória o que Zach tinha feito para mim. Para nós. "Relaxe" Romeo sussurrou, tentando mais uma vez me empurrar mais longe contra ele. Eu me segurei com firmeza e levantei minha cabeça apesar de seu esforço. "Eu não quero me apoiar mais em você", eu disse. "Seu braço..." "Está quebrado" disse ele. "E está por aqui." Ele apontou através de seu corpo onde ele o segurava estreitamente contra ele. A pele era de uma cor roxa malhada e a carne estava inchada. Meu estômago virava cada vez que eu olhava para ele.


Seu braço não estaria daquele jeito se ele não tivesse subido naquele campo para me derrubar. "Você está deste lado." Ele continuou como se ele não percebesse o quão perturbador era vê-lo daquele jeito. "E você não está me machucando." Eu desisti e me deitei contra ele. Ele não estava vestindo uma camisa e sua pele era suave, seu corpo tão sólido e forte que, quando eu fechei meus olhos, eu poderia fingir que nada sobre ele jamais poderia estar quebrado. "Rim" ele sussurrou , poucos minutos depois. "Hmm?" "Eu preciso de você para me dizer o que aconteceu." Sua voz era dura. "Antes de eu chegar lá." Meus olhos se abriram. Por que ele ainda queria saber? Por que ele iria querer reviver tudo o que aconteceu naquele campo nem um segundo mais do que ele tinha precisado? "Acabou, Romeo. Não há nenhuma razão para trazer isso de volta." "Ei," ele sussurrou e deslizou seu corpo para fora sob o meu. Mudei-me, imediatamente pensando que talvez meu peso estivesse machucando-o no final das contas. Mas antes que eu pudesse ir muito longe, ele virou de lado para me encarar e espalmou meu quadril, delicadamente gesticulando para eu fazer o mesmo. Olhei para baixo alarmada porque a mão com a qual ele estava me segurando estava ligada ao seu braço quebrado. Ele não a moveu longe, mas eu não queria que ele a movesse de jeito nenhum. Mesmo quando meu corpo obedeceu, virando de lado para que ficássemos cara a cara, meus olhos foram direito ao lugar apenas acima do cotovelo, onde a pele estava claramente traumatizada. Eu realmente esperava que eles viessem logo e trouxessem um BandAid gigante. Eu sabia que não iria corrigir o que aconteceu, mas talvez não ter que olhar para isso a cada segundo, tornasse mais fácil de processar. "Ei," ele disse novamente, sua voz rouca ainda comandando. Eu olhei para cima.


Ele balançou a cabeça lenta e silenciosamente dizendo-me para parar. A mão dele ainda ficou contra acurva do meu quadril. Ele não me tocou em nenhum outro lugar. Ele não precisava. A sombra azul de seus olhos acariciou a minha alma. Eu juro que ele me olhou como ninguém jamais poderia. Era como se nada mais existe, exceto eu. Era como se ele não estivesse apenas olhando para mim, mas em mim, e eu era a coisa mais preciosa que ele já tinha visto. Eu estava presa naquele olhar. Eu estava envolvida nele. Meu peito parecia que tinha cedido, mas não como um acidente catastrófico, era como se ele estivesse selando em tudo o que estava sendo dito apesar de que nenhuma palavra foi realmente dita. "Como você faz isso?", eu sussurrei. Minha língua parecia grossa contra o céu da minha boca. "Faço o quê?" perguntou. Aquele olhar nunca, uma vez sequer, deixou seus olhos. Se qualquer coisa, ele me varreu mais apertado. "Como é que você olha para mim como... como se eu fosse tudo?" Ele fez um som baixo na parte mais profunda de sua garganta. Como uma espécie de grunhido, uma espécie de concordância. "Porque você é." "Romeo." Eu suspirei. "Rimmel" ele respondeu. "Não se esqueça". Comecei a puxar para trás a partir do momento, mas seus dedos apertaram no meu quadril. Eu olhei de volta para cima. "Não se esqueça deste momento. Não se esqueça da verdade absoluta na forma como você se sente agora. Eu te amo e eu não vou parar." Emoção brotou em minha garganta e lágrimas correram em volta dos meus olhos. Suas palavras eram bonitas, mas foi o motivo porque ele as disse que me deixou tão emocionada. Isso não era o fim. Além deste momento, este momento tranquilo, completo com ele, haveria muitos mais. Muitos mais que não iriam ser como este. Nós íamos ter que continuar lutando para manter o que era nosso.


"Eu também não vou parar" eu sussurrei. Um sorriso esticou sobre seu rosto e iluminou seus olhos. Inclineime mais e selei minha promessa com meus lábios. A onda de calor que eu sentia sempre quando nos beijávamos formigava meus dedos dos pés e eles enrolaram nos cobertores. Eu abri minha boca para que sua língua pudesse se arriscar dentro, e eu suspirei, querendo tanto senti-lo. Mas o momento foi interrompido. A porta se abriu e um homem com cabelos grisalhos, um casaco branco e um arquivo em sua mão entrou. "Senhor Anderson ", disse ele , olhando diretamente para Romeo. Era como se ele nem sequer percebesse a bolha íntima que Romeo e eu ocupávamos. "Eu tenho os resultados de raios- X." A bolha estourou abruptamente e realidade correu de volta. O pai de Romeo entrou no quarto, com o rosto preocupado enquanto Valerie ficou pouco fora da porta olhando para a sala como se fosse algum fruto proibido. Eu subi para me sentar no colchão, ignorando os protestos do meu corpo dolorido. Romeo fez o mesmo, movendo-se um pouco mais devagar. No espaço entre nós sobre o colchão, nossos dedos entrelaçados. "Quão ruim é isso?" perguntou Romeo. De uma vez. Eu ouvi o medo em sua voz. Olhei para ele. Ele olhou para mim. Nosso momento tinha acabado. A luta começava agora.


CAPITULO dois

#FYI1 A empresa local de pizza está entregando. Use o código de desconto #AlphaDown para vinte por cento menos. #AlimentarOsFamintosEnquantoEsperam. ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Era isso. O que quer que o raio- X mostrasse, iria definir o meu futuro. Eu nunca tinha percebido o quanto um pedaço de papel poderia mudar a minha vida. Eu me agarrei à mão de Rimmel com um desespero que eu esperava que ninguém mais percebesse. Mas ela era a minha salvação, e se alguma vez eu precisasse de uma, era exatamente agora. Dr. Craven entrou mais no quarto e limpou a garganta. Ele se arrastou em torno de alguns papéis na pasta que ele estava segurando como se ele estivesse consultando suas anotações. Meu pai ficou nervoso por trás do médico, esperando, assim como eu. "O raio- X foi muito claro", ele começou, e meu intestino apertou. "Espere." Rimmel cortou, e todos os olhos se viraram para ela. "Ela deveria estar aqui." Seus olhos castanhos olharam para a porta. No pequeno recorte de vidro, eu podia ver minha mãe pairando, ansiosamente, saltando de pé para pé. 1

For Your Information, Para sua informação.


"Rimmel" eu disse, áspero, prestes a atirá-la para baixo. Apenas olhar para a minha mãe agora me deixava chateado pra porra. " Romeo" disse ela . Sua voz tinha uma sugestão de aço. "Ela é sua mãe. Você está seriamente machucado. Ela está preocupada e merece ouvir o que o médico vai dizer." Papai não esperou pela minha resposta. Ele foi e abriu a porta e fez um gesto para mamãe. Ela entrou correndo no quarto como se houvesse um incêndio no corredor. "Roman" disse ela , dando um passo mais perto, e eu lhe dei um olhar frio que a deteve em seus passos. "Você pode agradecer a Rimmel por você estar aqui" eu disse, e então a dispensei e olhei para o médico. Após o meu olhar de expectativa, o médico pigarreou. "Seu braço está definitivamente quebrado" ele confirmou. "A boa notícia é que é uma fratura fechada, ou seja, o osso não rompeu a pele de seu braço." O médico tirou um filme de raios-X e segurou-a contra a luz. "É difícil ver aqui dentro” ele começou e apontou para a imagem do meu braço. "A ruptura está aqui, acima do cotovelo. Ela provavelmente ocorreu pela forma como você caiu. O som de craqueamento distinto que você disse que você ouviu." Ao meu lado, Rimmel endureceu e eu apertei seus dedos. "Esse som desagradável foi realmente uma coisa boa. Foi uma ruptura limpa." Dr. Craven desviou o olhar do filme para sorrir para mim. Era como se ele estivesse entregando uma grande notícia. Desculpe-me se eu não faço uma maldita festa. "Aqui está o ponto da ruptura. É transversal, o que significa que ela vai direto através do osso" , disse ele, apontando para o filme novamente. Eu vi de fato uma linha escura na área branca do meu osso. "É uma fratura não deslocada, os ossos ainda estão alinhados, o que significa que nenhuma cirurgia será necessária." Minha mãe soltou um suspiro audível de alívio enquanto o médico colocava o filme de volta em sua pasta. "O que tudo isso significa para ele?" Meu pai perguntou.


Eu estava feliz que ele fez. Eu estava tendo problemas em colocar a questão. Eu não tinha certeza se eu estava pronto para a resposta. "Este tipo de lesão pode alterar sua vida para alguém em sua profissão" o médico disse, olhando para mim com conhecimento de causa . "Mas eu não vejo motivo de grande preocupação." Uma pequena parte de mim relaxou. "Então, eu ainda posso jogar?" "Eu não estou completamente pronto para fazer promessas" disse ele, e minhas entranhas apertaram. "Mas porque é uma ruptura limpa, você é jovem, claramente em perfeita saúde, e parece não ter dano tecidual ou lesão nervosa - neste momento- eu diria que é uma alta probabilidade de que sua carreira não vá sofrer." Rimmel fez um som e saltou sobre a cama quando ela lançou os braços ao redor do meu pescoço. Eu mordi de volta um gemido quando seus movimentos repentinos empurraram meus ombros e dor irradiou pelo meu braço. "Eu definitivamente sugeriria movimento limitado" o médico advertiu, olhando diretamente para Rim. Ela se afastou e ficou parada. Eu lhe afaguei a mão. "Quanto tempo?" perguntei. Eu tinha que saber. "Quanto tempo até que você possa jogar de novo?" o médico ecoou. Ele balançou a cabeça. "É cedo demais para dizer." Rosnei. "Quanto tempo?" "Se você fizer exatamente como instruído, se você não se esforçar, e se comportar sem complicações, eu diria que você poderia estar completamente curado em oito semanas." Ok, isso iria me colocar para Abril. "Mas", disse ele, falando sobre os meus pensamentos, "o braço está usualmente num estado enfraquecido e duro depois de ser engessado." "Ele precisa de um gesso?", Disse minha mãe. "Um gesso é uma opção", ele respondeu, olhando para ela. "Mas por causa de sua saúde e sua profissão, eu recomendaria uma tala com um


suporte de ombro e tipoia. O apoio de compressão da tala iria ajudar com o inchaço e aumentar a elasticidade dos músculos." "O que significa isso?" Perguntou Rimmel nervosamente. "Isso significa que poderia haver menos rigidez, uma vez curado", ele respondeu. "A tipoia será para o conforto, mas também para ajudar a manter a área imóvel. Você vai precisar ver um ortopedista especialista para supervisionar os seus cuidados, e também, ele provavelmente pode chegar a um acordo sobre terapia física, como eu sei que você está ansioso para isso." "Sim, obrigado", eu disse, tentando assimilar tudo. Isso não soava como se fosse um encerramento de carreira (antes mesmo de iniciada), e o alívio disso quase me derrubou. "Eu vou estar de volta daqui a instantes com uma folha de instruções, a tala, e a tipoia. Eu também estou prescrevendo alguma medicação para dor." "Não." Eu o interrompi. "Sem pílulas." Eu não estava prestes a me drogar. Eu não precisava daquela merda no meu sistema. Eu tentaria ficar limpo. Ele assentiu. "Então eu sugiro tomar um anti-inflamatório natural, pelo menos para os primeiros dias. Ele vai ajudar com o inchaço e desconforto. Eu estarei de volta daqui a instantes" ele disse e, em seguida, saiu da sala. "Roman", minha mãe engasgou quando ele tinha ido embora. "Graças a Deus que não é pior." Um silêncio desconfortável esticou do outro lado do quarto, quando eu não respondi. "Roman ", meu pai admoestou e eu balancei a cabeça. "Este não é o momento, nem o lugar " eu disse. "Mais tarde." "Eu vou para o corredor e fazer uma ligação para o Hospital John Hopkins. Esperemos que um dos seus médicos ortopedistas possa atender você" mamãe anunciou. "E eu também vou correr e pegar um pouco de analgésico, alguns blocos de gelo e alguns travesseiros. Você vai precisar para ficar confortável."


"Obrigado", eu disse e suspirei. Porra, era difícil ser frio com minha própria mãe. "Eu vou com ela", disse meu pai. Antes se sair, ele se virou para trás. "Rimmel, há qualquer coisa que você quer que a gente pegue pra você enquanto estamos fora? " Ela olhou para cima e deu a meu pai um sorriso. Como ela podia sorrir em tudo estava além de mim. "Não, obrigada. Basta cuidar do seu filho." "Se você precisar de alguma coisa, me avise" ele respondeu, piscando. Ela sorriu, mas uma vez que ele se foi, ela se recostou no travesseiro. "Eu machuquei você?" ela se preocupou. "Quando eu abracei você?" "Não, querida, você não me machucou." "Estou tão feliz que seu braço não é pior", ela disse, com a voz presa. "Leva muito mais do que um cortador de grama para me derrubar." Eu brinquei. Ela não riu. Era provavelmente cedo demais para piadas. Mas aquilo era muito engraçado. Antes que eu pudesse dizer qualquer outra coisa, outro médico em um casaco branco entrou na sala. Desta vez era uma mulher. "Senhorita Hudson, as enfermeiras me disseram que você se mudou para cá." Seus olhos se moveram em direção a mim, e eu lhe dei um sorriso preguiçoso. Ela corou e desviou o olhar. "Você se importaria de passar para o seu lado do quarto para que possamos conversar?" Rim balançou a cabeça. "Ele pode ouvir isso." A médica concordou. "Parece que seus ferimentos são superficiais. Eu não vi sinais de danos internos ou hipotermia. Embora eu aconselharia você a ter cuidado para ficar dentro de casa e quente nos próximos dias." "Isso não será um problema", Rimmel murmurou. "Seu rosto não parece ter uma fratura como eu pensava." Eu empurrei na posição vertical. "O quê?" Eu rangi para fora.


A médica parecia assustada pela minha súbita explosão, mas Rimmel mal se moveu. Ela apenas estendeu a mão e bateu no meu peito como se estivesse me agradando. "Tudo bem." Eu sabia que Zach a tinha golpeado - o hematoma no seu rosto era uma prova -, mas a simples menção de ter quebrado um osso em seu rosto me fez querer encontrá-lo e bater nele mais uma vez. "Calma", disse Rimmel fora do lado de sua boca e, em seguida, virouse para a médica. "Continue." "O inchaço deve diminuir rapidamente e os hematomas irão desaparecer. A queimadura de corda em seu torso e estômago..." A médica enfiou um olhar para mim antes de rapidamente desviar o olhar. Eu respirei fundo. "Também vai desaparecer, mas eu recomendaria algum creme de medicação simples para a área onde a pele estava em carne viva." A tensão estava construindo em meu corpo, tanto que foi difícil ficar parado. Eu queria me levantar e andar a passos largos. Gritar. "Eu posso fazer isso", Rimmel disse como se estivesse apenas tendo alguma conversa sobre laranjas e não o estado de seu corpo. "Eu não vi sinais de uma concussão, então não há nenhuma razão para manter você durante a noite. Eu gostaria de examinar seu torso novamente antes de você sair, mas além disso, eu vou pegar os papéis de sua quitação prontos." Rimmel levantou-se da cama, e a única coisa me ancorando não estava mais lá. Eu me levantei e comecei a andar. Rimmel me deu um olhar e suspirou. Ela se virou para a médica. "Você pode me examinar aqui." Ela foi em direção a sua cama , e a médica seguiu. Eu comecei a atravessar, mas Rimmel abanou a cabeça. "Eu estou bem, e você já está suficientemente bravo." Então ela deslizou a cortina fechada e bloqueou seu lado da sala de vista. Era bonito que ela pensasse que uma cortina ia me impedir de ver o que essas cordas fizeram com ela. Comecei a ir para a frente, prestes a arrancar o tecido estúpido, quando o meu médico e algumas enfermeiras entraram.


"Se pudéssemos fazê-lo se sentar aqui, Sr. Anderson" o médico disse: "nós vamos imobilizar este braço." Voltei a olhar para a cortina, antes jurando sob a minha respiração e indo me sentar. Rimmel poderia ter conseguido evadir de revelar exatamente o que Zach tinha feito com ela agora, mas ela não seria capaz de me dissuadir para sempre.


CAPITULO tres

#ER2 Observação Alguém finalmente conseguiu passar por Enferzilla. A mão direita de Romeo nos deixou todos na sua poeira. Você sabia? A #Nerd tem um irmão mais velho. ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Eu estava nua. Bem, tudo bem. Eu não estava nua. Eu estava vestindo uma bata de hospital extremamente fina. Então, basicamente, eu estava nua. (Uma menina não poderia fazer um pequeno drama depois de ser amarrada em um poste e ter sido tombada com uma mangueira de água congelada?) Eu tinha roupas, mas elas estavam encharcadas e em ruínas. Além disso, cada vez que olhava para elas, lembrava-me de tudo o que aconteceu no campo. Se eu tivesse um depósito de lixo, eu provavelmente tentaria empurrá-las para baixo e trituraria as até que elas estivessem em nada menos do que pedaços. Mas eu não tinha um e nem Romeo, então me consolei em enrolá-las como uma bola e joga-las no pequeno saco de lixo ao lado da cama. Que provavelmente era um saco de vômito. Mas as minhas roupas estavam praticamente igual. 2

Emergency Room, Pronto Socorro.


Infelizmente, isso me deixava vestindo esta bata de hospital. Não havia nenhuma maneira que eu poderia sair daqui nisto, então eu usei o telefone de Romeo (o meu estava MIA3, juntamente com meus óculos) e chamei Ivy. Ela respondeu ao primeiro toque. "Romeo?" Ivy engasgou. O ruído alto em seu fundo parecia parar. "Sou eu, Ivy", eu disse. "Aimeudeus, Rimmel! O que aconteceu? Você está bem?" O som brilhante de vozes flutuava atrás dela, e eu não poderia evitar, mas perguntei. "Onde você está?" "Estou na sala de espera, duh!" "Você está aqui? No hospital?" Fiquei surpresa. Como ela sabia que eu estava aqui? "Você está brincando? Claro que eu estou. Eu e metade da faculdade. Sério que não há um local aberto nesta sala de espera. Eu ouvi que algumas pessoas estavam esperando lá fora. Eu culminei em torno da borda da cortina. Romeo estava descansando na cama, seus pais ao seu lado. Sua mãe me pegou olhando , e eu puxei de volta ao redor atrás da segurança do pano. "Como todos sabem que estamos aqui?" "O BuzzBoss tem explodido o AlphaBuzzfeed por horas sobre o assunto. A condução de Romeo de carro para o hospital não é para ser esquecida. E a forma como os policiais invadiram o campo... Meu Deus, Rimmel, eu pensei que alguém estava morto!" "Ninguém está morto", eu disse secamente. Então eu pensei sobre Zach. Na verdade, eu não tinha ideia em que condição ele estava. "Então por que vocês têm ficado aí tanto tempo? Sério. As pessoas começaram a encomendar pizzas." Eu ri. "Você está falando sério?" "As enfermeiras estão furiosas", disse Ivy , mas ela estava claramente divertida. 3

Missing In Action, desaparecido em missão.


" Ei, é a minha irmãzinha? " Alguém gritou no fundo. Ivy fez um som de desgosto. Eu sorri enquanto imaginei Braeden empurrando através da multidão de pessoas comendo pizza e em direção a Ivy. Braeden era provavelmente a pessoa menos favorita de Ivy. "Então, o que" Ivy começou a dizer e, em seguida seu grito indignado abafado veio através do telefone. "Rimmel?", Disse Braeden na linha . "Ei , Braeden." "Menina, eu estava prestes a dar uma de Rambo na bunda de alguém aqui fora. Ninguém vai nos dizer qualquer coisa." "Por que você apenas não voltou?" Ele hesitou. "Eu não tinha certeza em que estado todos estavam." Eu ouvi a preocupação em sua voz, e me senti mal por fazê-lo esperar tanto tempo. Ele merecia melhor que isso. "Estamos bem. Bem, eu estou. Romeo está ferido." Braeden respirou. "Por que você apenas não volta?" eu disse. Seria mais fácil deixá-lo olhar para Romeo quando ele descobrisse sobre a fratura. Pelo menos, então, ele poderia ver que Romeu iria ficar bem. E ele ficaria bem. Ele tinha que ficar. "Eu vou, menina tutora." "Braeden?" Eu chamei antes que ele pudesse ir. "As roupas de Romeu estão molhadas. Você tem alguma coisa que ele pode colocar?" "Sim, eu tenho uns trapos no meu caminhão. Eu vou trazê-lo." "Obrigada, Braeden." "Você tem certeza que está bem?" Ele perguntou. Havia muito mais percepção em seu tom do que eu percebi que ele possuía. "Tem sido uma longa noite", eu respondi, cansada.


"Aqui está, loirinha", ele disse, e então Ivy voltou na linha. "Cara idiota!" ela retrucou. "Rimmel?" "Sim. Ei, Ivy, eu estava ligando porque eu não tenho nenhuma roupa. Toda a minha ficou arruinada. Existe alguma maneira que você possa ir buscar algo pra mim no dormitório?" "Eu tenho algumas coisas no carro. Eu posso pegar para você." "Fantástico. Basta dizer que à enfermeira que eu liguei e lhe pedi para me trazer algumas roupas." "Vejo você daqui a pouco." disse ela e, em seguida desligou o telefone. Eu coloquei o celular na cama e fiquei atrás da cortina. Os pais de Romeo ainda estavam com ele, e eu queria lhes dar algum tempo sozinhos. Uma súbita sensação de solidão lavou sobre mim. Eu não tinha família aqui. Se isso não fosse por Ivy, eu provavelmente não teria tido ninguém para ligar para a roupa. Eu sentia falta da minha mãe. Eu sabia que ela estaria aqui agora se ela estivesse viva. Seu pai matou sua mãe. As palavras ecoadas me cortavam como uma faca. Meu pai era tudo que eu tinha deixado para além da minha avós. Eu simplesmente não podia suportar o pensamento – a implicação - de que ele ousaria tirar minha mãe de mim. Sentei-me na cama, meus pés pendurados sobre o lado, e eu olhei para baixo em minhas mãos. Meus pulsos estavam em carne viva onde haviam sido amarrados. Eu lutei desesperadamente, tentando me livrar da corda que os unia. Um pulso estava esfregado pior, e agora estava enfaixado. Depois que a médica olhou para ele há alguns minutos atrás, ela decidiu que devia ser enfaixado apenas para manter os germes para fora dele por um tempo. Meus dedos doíam e os sentia duros do frio e de tentar desatar os nós. Na verdade, sentia meu corpo inteiro ferido. Como se eu tivesse feito um treino intenso de três horas. A médica disse que era normal, porque o meu corpo tinha estado tenso por tanto tempo enquanto eu estava pendurada, e que meus músculos doeriam por alguns dias.


Dentro das meias brancas que coçavam que o hospital me deu, meus dedos estavam frios, e eu pensei com saudade nas minhas botas brancas de pele falsa que Romeo me deu. Olhei para as botas forradas de pele que eu estava usando mais cedo naquela noite, o único artigo de vestuário que sobreviveu a ser atirada no saco de vômito mais cedo, mas elas estavam encharcadas e eu não ia colocar meus pés nelas. Eu pulei para fora da cama e minhas meias deslizaram contra o piso de cerâmica branca. Eu me flagrei na parte lateral da cama, mas meu lado escovou contra o colchão, e eu assobiei um pouco, porque minhas costelas e abdominais superiores estavam realmente sensíveis. Mesmo através das minhas roupas, minha pele estava em carne viva. Eu não tinha visto a marca totalmente, só o que pude por olhar por mim mesma. Quase parecia que eu tinha algumas erupções violentas, a forma como a minha pele estava manchada e irritada. Uma vez que eu estava firme, eu andei na direção do pequeno guarda-roupa contra a parede e abri a porta. No interior, havia um espelho alto, e eu enfrentei uma espiada no meu reflexo. Eu sabia que ia ser ruim, mas foi muito pior do que eu pensei. Eu estava quase feliz que minha visão estava embaçada da falta de óculos no meu rosto. Vendo a bagunça que estava com toda clareza provavelmente teria me assustado. Eu dei um passo de perto até que meus dedos dos pés quase bateram na porta e analisei a mim mesma. Minhas bochechas estavam pretas e azuis. Engraçado, eu nunca pensei que a cor roxa poderia ser feia até que eu vi essa sombra. Vi agora por que a médica pensou que minha bochecha estava quebrada. Não admira que eu tinha ficado fora tanto tempo quando Zach me bateu. O topo da minha bochecha estava inchado e a contusão se estendia em toda a volta do meu olho. Havia um corte no centro da parte mais vermelha, e me perguntei se talvez meus óculos tinham quebrado quando ele me bateu e isso foi o que cortou a minha pele. Estava limpo e um pequeno curativo de borboleta gravado sobre ele. Engraçado, eu não me lembrava de a enfermeira sequer colocando-o lá.


Claro que, quando fui levada pela primeira vez, tudo o que pude pensar era em Romeu e seu braço. Bem, isso e o fato de que eu tinha sido amarrada e pendurada em um poste. Eu ainda podia sentir a água gelada me atingindo, correndo no meu rosto e nariz , enquanto eu estava pendurada ali, incapaz de fazer qualquer coisa. Eles tinham me dado algum tipo de dose, mas eu não me lembro o que estava nela. Deve ter sido medicamento para dor, porque pela aparência do meu rosto, ele deveria doer muito mais. Minha sobrancelha estava ligeiramente inchada e o outro lado do meu rosto estava pálido, branco, a única cor vindo do anel cansado debaixo do meu olho. E o meu cabelo. Quero dizer, sério. Ele precisava do seu próprio código postal. Estava emaranhado, metade molhado, meio seco , e pendurado em aglomerados sobre os meus ombros. Eu realmente nunca fiz um esforço, mas isso estava ruim até mesmo para mim. Meus olhos percorreram a frente da minha bata do hospital, embaraçosa o suficiente , eu poderia ver os meus mamilos endurecidos através porque eu estava com tanto frio. Deus, eu esperava que eu não tivesse parecido assim o tempo todo que os médicos estavam na sala. As minhas costelas doíam e a pele do meu estômago queimava. Peguei um punhado da bata e comecei a içá-la para ver o dano, mas vozes altas no corredor chamaram minha atenção. "Eles me chamaram!" Gritava Braeden. Levei um minuto para localizar sua voz porque eu nunca o tinha ouvido falar com raiva antes. "Que parte de irmã que você não entende!” ele gritou alguns segundos mais tarde. Do outro lado da cortina, Romeo amaldiçoou. "Eles não vão deixar Braeden voltar."


Eu deixei cair meu vestido e corri através do quarto , passando os pais de Romeo, e para a porta. "Rim, espere," Romeo chamou enquanto eu me atirei para abrir a porta e derrapei para o corredor. "É melhor você ir em frente e chamá-los, então" Braeden rosnou enquanto se elevava sobre uma enfermeira. "Porque eu não vou embora." Além dele, eu podia ver Ivy saltando de pé para pé com um saco em sua mão. Ela me viu e acenou. "Lá está ela!" A cabeça de Braeden girou, e a raiva em seu olhar fazia seus olhos escuros sem fundo. "Rim", disse ele, e um pouco da escuridão retrocedeu. Um olhar de horror a substituiu. "Seu rosto" ele praticamente engasgou. Eu resisti à vontade de cobrir minha lesão e fiz sinal para ele. "Enfermeirazilla aqui não acredita que você é minha irmã" ele rosnou. A enfermeira virou-se para mim com um bufo. "Irmã?" Ela perguntou sarcasticamente. "Na verdade, sim," eu disse com ousada confiança. Seus olhos arredondaram, e ela olhou para trás para Braeden, que cruzou os braços sobre o peito. A enfermeira olhou entre mim e Braeden por longos momentos antes de ceder. "Bom. Tanto faz. Entre." Ele começou a descer o corredor, e Ivy o seguiu. A enfermeira a bloqueou. "Sem mais pessoas lá atrás." "Ela tem minhas roupas", eu protestei. Braeden voltou atrás e arrancou a bolsa das mãos de Ivy. "Obrigado, loirinha". Ivy praticamente rosnou para ele. Ele pareceu não notar. Quando Braeden se aproximou, ele olhou para mim como se estivesse verificando os ferimentos. A maneira que sua boca achatou quando ele encarou meu rosto fez meu estômago doer.


"Você se parece com carne de cachorro", disse ele com carinho e passou um braço sobre meus ombros. Eu afundei um pouco de encontro a ele, porque ele era tão caloroso. "Puxa, obrigada." Ele me guiou em direção ao quarto, mas parou abruptamente quando viu quem estava na porta. Seu corpo inteiro ficou rígido, e o braço sobre meus ombros, tenso. "Rome." Romeo encheu a porta. Uma tala fresca e funda cobria metade de seu braço e envolvia seu peito. Seu cabelo loiro estava uma pilha, e havia sombras sob seus olhos azuis. "Ah porra, Rome. Quão ruim é isso?" "Quebrado", disse ele, ríspido. "Zach?" Braeden disse, sua voz mortalmente calma. Essa calma era mais assustadora do que a fúria que eu tinha ouvido apenas momentos antes. Romeo acenou com a cabeça uma vez. Uma mensagem implícita viajou entre eles e, com ela , uma corrente de ira desenfreada. Fez-me desconfortável, e eu estremeci. "Vamos lá, mana", disse Braeden, alto. "Você precisa de algumas roupas." Ele me guiou para o quarto. Dentro do quarto, Braeden jogou as bolsas na cama de Romeu e virou-se para seus pais. Voltei em torno da cortina e afundei na minha cama . Eu não estava pronta para olhar para a mãe dele agora. Ela tinha todo o direito de estar aqui , mas eu tinha todo o direito de estar com raiva, e aquilo tudo era demais. Eu precisava de algum espaço. Eu precisava respirar e lidar com uma coisa de cada vez, mas o problema foi que eu não parecia estar processando nada certo então. Era como se eu estivesse completamente entorpecida. Romeo contornou a cortina, a bolsa que Ivy trouxe em sua mão. Ele sentou-se ao meu lado e olhou para baixo, sem dizer nada. A parte quebrada do braço estava agora completamente coberta. Era uma bonita tala com visual moderno, e eu estava feliz porque parecia bastante confortável. Parecia que eles tinham deslizado um envoltório sobre


seu braço para que ele cobrisse seu bíceps, braço, cotovelo e antebraço. Parecia grossa e macia, mas também como fosse robusta, como se fosse comprimir a área um pouco. Sobre o envoltório estava uma braçadeira de plástico branca, dura. Envolvia em torno de seu bíceps apenas acima do cotovelo e terminava logo abaixo de sua axila. Havia tiras brancas que envolviam em torno da cinta, segurando-a firmemente no lugar. A parte superior do envoltório (realmente, parecia ser uma manga) estava ligada a uma longa faixa branca que se envolvia em volta do peito e ancorava seu braço para seu lado. Eu olhei para a cinta, perguntando-me quão mal tinha doído quando eles a colocaram nele. Eu não o tinha ouvido dizer uma palavra. "Você está se escondendo aqui atrás" disse ele, sua voz brusca. "Eu estava com a médica", argumentei. "Ela saiu há um tempo atrás." "Eu liguei para Ivy pedindo roupas." "Você está evitando os meus pais." "Apenas a sua mãe," eu murmurei. Ele sorriu. Eu me encontrei sorrindo de volta. "Eu os mandei embora", disse ele, segurando meu queixo com a mão. "Você não tem que vê-la. Inferno, eu não quero vê-la também." Eu não estava indo para colocá-lo no meio disto. "Eu vou me vestir, assim podemos ir embora." Ele se agachou para que ele não se elevasse sobre mim, mas em vez disso, eu estivesse um pouco maior do que ele. Ele pegou minha mão e passou a sua, maior, muito mais quente, em torno dela. "Você está bem?" "Você está?" retruquei. "Contanto que você esteja." Mas isso era uma mentira. Eu deslizei um olhar para o seu braço. Ele não estava bem. Ele estava quebrado. "Lembre-se do que eu disse a você", ele sussurrou.


Meus olhos foram para os dele. Ele estava tão firme. Tão calmo. Parecia que tudo ao nosso redor estava um caos completo , mas ele permanecia calmo. "Eu lembro." Ele se levantou e se inclinou para pressionar um beijo na minha testa. "Vista-se. Vou ver sobre os documentos de quitação." Quando ele se foi, eu enfiei a mão na bolsa que Ivy mandara e tirei um par de calças de yoga pretas e uma camiseta rosa com etiqueta de um designer. Eu sorri. Apenas Ivy usaria roupas de design para o ginásio. Vesti as calças, que estavam muito longas e grandes demais, então eu dobrei na cintura um tempo extra para mantê-las . O ar frio correu sobre a minha pele nua quando eu puxei para fora a bata do hospital, e eu me apressei para chegar a camisa. Eu tentei ignorar o fato de que ela era rosa. Eu odiava rosa. Não havia sapatos no saco, então eu apenas fiquei com as meias hospitalares e peguei a escova para iniciar o processo de pentear meu cabelo. "Você está decente?" Disse Braeden e em seguida, puxou a cortina. Eu fiz um som. "E se eu estivesse nua?" Engoli em seco. "Você não está." Ele deu de ombros. Voltei a lutar com a escova e meu cabelo. Depois de alguns segundos, o meu braço cedeu. Eu estava cansada demais para isso. Braeden tomou a escova para fora da minha mão e começou a trabalhar através dos emaranhados. Eu fiquei momentaneamente chocada com o gesto, mas quando me recuperei, eu disse "Você está escovando meu cabelo?" "Eu precisei. A forma como você estava maltratando isso, eu estou surpreso que você não está careca." "Ha- ha" Eu brinquei. Para um cara tão grande, ele tinha uma mão surpreendentemente leve, e francamente, ele estava fazendo um trabalho melhor do que eu tinha feito. "Você é muito bom nisso" observei. " Será que isso significa que podemos dormir na casa um do outro e pintar as unhas um do outro?"


"O que você acha que eu sou? Uma drag queen?” Ele engasgou enquanto ele continuou escovando. Eu ri. "Isso é um não para esmalte e máscaras faciais?" Ele soltou uma maldição, e eu ri novamente. "Isso é um inferno que não." Mas então ele resmungou. “Mas você sabe que eu estou aqui por você, certo?" A autenticidade atrás de suas palavras perfurou o meu peito. Ele tinha entrado. Eu não tinha pretendido que isso acontecesse, mas Braeden tinha agitado seu caminho direto no meu coração. "Isso é pra que servem os irmãos mais velhos, certo?" "Você ganhou." Tomada pela emoção, eu girei e o abracei pela cintura. Ele hesitou por um segundo, mas depois retornou o abraço totalmente. Eu não poderia evitar, além de fungar contra a sua camiseta. Envergonhada, eu me afastei. "Desculpe-me. Esta noite foi simplesmente demais. Eu sei que você não é realmente meu irmão." Ele estava aqui por causa de Romeo. Eu precisava me lembrar disso. Ficar presa a tantas pessoas não era uma boa ideia. "Foda-se", ele argumentou. "Podemos não ser de sangue, mas você é minha família. Isso não vai mudar." Eu me virei e suprimi uma fungada. Eu não poderia ter esse tipo de conversa agora. Eu estava muito ocupada tentando me segurar. Agarrei-me à dormência que me camuflava como uma tábua de salvação, porque uma vez que ele se fosse, eu estava com medo que eu pudesse desmoronar. "Ei," ele disse, ríspido, e agarrou meu braço para me puxar ao redor. "Você está me ouvindo?" Eu balancei a cabeça. "Eu escutei." "Você está tentando ser forte para Rome agora. Entendi. Mas eu não sou ele. Eu não vou ficar insano, se você me disser o quão danificada você se sente agora." Lágrimas inundaram meus olhos. Ele entendeu.


Ele segurou seus braços abertos. "Vem cá." Eu meio que ri, meio que gemi. "Você vai me deixar pendurado?", disse ele, seus braços ainda espalhados largamente. Eu dei um passo para a frente, e ele me dobrou contra ele. Algumas lágrimas deslizaram para fora abaixo das pálpebras fechadas e um soluço torturou meu corpo. "Está tudo bem", ele murmurou e deu um tapinha em minhas costas. "Eu também choraria se meu rosto parecesse como o seu." Eu comecei a rir, mas se transformou em um choro enquanto as comportas se abriram. Chorar doía, o modo como meu corpo levantou e balançou. Eu já estava tão dolorida e cansada, mas uma vez que comecei, eu não conseguia parar. Meu Deus, eu estava me fazendo passar por ridícula, chorando sobre todo o Braeden desse jeito. Mas ele não disse nada. Ele apenas me abraçou. Bem, de vez em quando, ele me assegurou que minha cara iria voltar ao normal. Alguns minutos se passaram, e eu me forcei para me reunir. A última coisa que eu queria era que Romeo voltasse e me visse chorando sobre todo o seu melhor amigo. Ele não tinha necessidade de lidar com a bagunça quente que eu estava, então. Eu me afastei de Braeden e enxuguei meus olhos com as costas da minha mão. "Eu sinto tanto" eu murmurei, minha voz grossa. "Nada para se desculpar", disse ele, sem traço de sarcasmo em seu tom. "Você sabe que Rome é muito mais forte do que você pensa." Eu balancei a cabeça. Eu sabia. Romeo era a pessoa mais forte que eu conhecia. Mas eu não queria ser um fardo. Eu não queria ser alguém que ele tinha que cuidar. "Este lugar oficialmente não presta", anunciou Braeden, uma vez que eu terminei de juntar minhas coisas. "Vamos achar Rome e dar o fora daqui."


"Sim, por favor!" Eu não tive que fingir o entusiasmo em minha voz, porque sair do Pronto Socorro estava definitivamente no topo da minha lista de prioridades. Braeden agarrou a bolsa para fora da cama e minhas botas molhadas perto da parede. "É tudo?", perguntou. Peguei um saco de plástico branco que a enfermeira tinha me dado com ataduras extras e pomada para meus pulsos e assenti. Ele jogou para trás da cortina e levou o caminho até a porta, parando para pegar o agora vazio saco de viagem que ele tinha trazido para Romeo. Antes que ele abrisse a porta, ele se virou e me olhou com olhos graves. "BBFL4?" Eu pisquei. "O quê?" Ele parecia chocado que eu não tinha ideia do que ele estava falando. "Irmão mais velho para toda a vida", ele disse como se fosse óbvio. "BBFL." Eu sorri. "Sim, BBFL." Ele levantou seu punho, então eu cruzei o meu contra o dele. Foi a minha primeira batida de punho oficial como uma irmã. Segundos depois que saímos no corredor, Romeo virou a esquina e sorriu quando nos viu. Mas seu sorriso desapareceu quando se aproximou e seus olhos se estreitaram no meu rosto. Em seguida, ele deslizou um olhar para Braeden, seu olhar caindo para a frente de sua camisa. Eu segui seu olhar e notei as manchas molhadas em seu peito onde eu chorei em cima dele. Os olhos apertados de Romeu bateram de volta para mim. Ele sabia que eu tinha estado chorando. "Cara, você pegou os documentos ou o quê?" Braeden disse, chamando a atenção de Romeo. Depois de um olhar demorado para mim, olhou ausente. "Eles estão na frente. A enfermeira disse que poderia apenas assiná-los na saída." "Bom. Vamos ", eu disse, correndo além dos rapazes.

4

Big Brother For Life, Irmão Mais Velho Para Toda a Vida.


Romeo pegou minha mão com a sua. "Caminho errado. O posto de enfermagem é para este lado." "Alguém mais está com fome?" Braeden perguntou em voz alta. "Estou faminto." Romeo sorriu. "Cara, eu poderia comer o traseiro de cavalo bem agora." Ele olhou para mim e piscou. Eu relaxei, e nós andamos de mãos dadas no final do corredor. "Pizza?", Disse Braeden. "Eu vou pegar algumas tortas para nós e levá-las para a sua casa." Ao dobrar a esquina, Romeo e Braeden tiveram uma discussão animada sobre quais coberturas e quem poderia comer o que por fatia. Eu realmente não me lembrava da última vez que eu tinha comido, embora a ideia de comida realmente não me atraísse neste momento, mas eu sabia que eles iam me intimidar para comer. Enquanto os rapazes discutiam sobre o consumo de pizza, meus olhos percorreram todo o caminho pelo corredor para onde abria à esquerda para o posto de enfermagem. O elevador um pouco mais longe para baixo soou aberto, e dois policiais uniformizados saíram. Meus passos vacilaram um pouco, e a mão de Romeo apertou a minha. Ambos os rapazes pararam de falar e olharam para os policiais enquanto eles falavam calmamente com uma enfermeira que apontou na direção de um quarto em frente ao hall da recepção. Os policiais foram imediatamente para o quarto. Um abriu a porta e entrou, enquanto o outro estabeleceu posto fora da porta. A sensação de mal estar caiu na boca do meu estômago. Tentáculos pegajosos de pressentimento se envolveram em torno do meu pescoço, e minha pele se encolheu com arrepios. Nossos passos abrandaram quando nos aproximamos. A enfermeira nos viu e sorriu, mas meu rosto tinha congelado e eu era incapaz de sorrir de volta. Eu espreitei para o quarto onde o policial estava e não vi nada, a não ser uma cortina desenhada. A respiração que eu estava segurando vazou entre os meus lábios como se eu fosse um pneu furado com um buraco.


A tensão nas costas diminuiu, e nós nos aproximamos da papelada que a enfermeira tinha aprontado. "Assine aqui e aqui", disse ela a Romeo. Quando ele assinou, ela passou a dizer: "Seus pais cuidaram do resto da papelada para você." Em seguida, seu olhar se voltou para mim. Eu vi o lampejo de piedade na profundidade de seus olhos antes que ela o substituísse com profissionalismo. "Você se importaria de passar por aqui? Eu tenho alguns documentos mais para examinar com você antes que você tenha terminado." "Claro", eu disse e soltei Romeo para andar mais adiante no longo balcão. O pai de Romeo apareceu, e os três homens começaram a falar em voz baixa. "Houve um problema com o cartão de seguro que você forneceu", disse a enfermeira, recebendo minha completa atenção. "O quê?" Eu o levei para fora de sua mão e olhei para o cartão de seguro que eu tinha usado praticamente toda a minha vida. "Esta apólice foi cancelada." Minhas sobrancelhas agarraram juntas em confusão. “Isso é impossível." Olhei para ela. "Eu tive este seguro toda a minha vida." "Através de um progenitor?", Ela perguntou. Eu balancei a cabeça . "Meu pai." "Ele perdeu recentemente o emprego?" "Não", eu neguei. "Ele é um empreiteiro." A enfermeira parecia um pouco desconfortável. "Talvez ele se esqueceu de pagar a apólice." Ele está em dívida profunda. Ele tem um problema com jogo. As acusações de Valerie me agrediram uma vez mais. Eu balancei minha cabeça. "Não." A enfermeira pensou que eu estava falando com ela e deu um passo para trás. "Eu receio que, sem seguro, vamos ter que cobrar. Você gostaria de pagar uma parte na frente, agora mesmo?"


Minha cabeça estava girando, meu rosto estava começando a latejar , e a enfermeira estava me olhando como se ela esperasse que eu puxe um maço de notas de cinquenta dólares e as atirasse no balcão. "Eu não tenho minha bolsa comigo" eu gaguejei. "Eu não sei o que aconteceu com ela." Ela foi perdida com o meu telefone e meus óculos. Olhei para cima. "Eu não tenho nenhum dinheiro." Um pouco da bondade deixou os olhos da enfermeira. "Nós vamos ter que cobrá-lo." "Ok." O que diabos mais eu deveria dizer? "Todas as informações que você colocou no presente formulário, estão corretas?" Ela o virou ao redor como se eu precisasse verificar o meu próprio endereço. "Eu não menti" eu disse, uma mordida no meu tom. "Assine aqui." Ela apontou para uma linha. Peguei uma caneta fora do balcão e assinei. "Aqui." Ela apontou novamente. Eu não tentei mostrar o quão mal as minhas mãos tremiam enquanto eu assinava novamente. "O departamento de cobrança entrará em contato." "Obrigada", eu disse, um pouco vazia, e tentei sorrir. Mas foi um esforço perdido. Uma voz abafada, mas familiar, ecoou através do salão, seguida por um pouco de riso de maníaco. "Bem, olhe quem é!" Ele gritou. Meu corpo estremeceu e minha cabeça chicoteou em torno tão rápido que o quarto inclinou sobre o seu eixo. Lá, na porta aberta do quarto guardado pela polícia, estava Zach.


CAPITULO quatro

Alguém percebeu um certo ex-presidente sendo transportado através do Pronto Socorro escoltado pelos tiras? #OLoucoEstáNoPrédio ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Seus olhos estavam inchados. Bem, o seu único olho. O que não estava praticamente inchado graças ao maldito Zach. Sua pele estava manchada, e se isso não fosse suficiente para me provar que ela estava chorando, as manchas de lágrimas na camisa de Braeden eram. Eu decidi que berrar com ela ali mesmo no salão não era o caminho a percorrer, então eu mordi de volta a minha frustração e o ligeiro ciúme que eu senti ao saber que era Braeden com quem ela tinha chorado. Conhecendo Rimmel, ela provavelmente estava tentando segurar tudo porque ela pensava que eu já tinha sofrido o bastante. Minha garota era teimosa assim. E essa teimosia se estendia em profundidade numa faixa de proteção que eu me perguntava se ela sequer percebia que possuía. Era tipo uma reação automática nela, um instinto, como uma mamãe ursa com seu filhote. Ela se protegia ferozmente. É por isso que me levou tanto tempo para entrar e o porque que ela ainda lutava para deixar alguém mais entrar (como a minha mãe, que pirou e arruinou isso).


Mas eu entrei. E agora aquele instinto de proteção se estendia para mim. E pela aparência da camiseta de Braeden, eu diria que de alguma forma ele também tinha entrado. Sua família estava crescendo, mas o futuro dela estava ameaçado em tantas formas. Ela provavelmente estava morrendo de medo . Minha mãe finalmente obteve a dica que eu não ia amolecer, não importa quantos olhares lamentáveis ela jogou no meu caminho e saiu, mas meu pai ficou para trás para que ele pudesse conduzir o Hellcat de volta para a minha casa. Eu não podia com o meu braço todo suspenso, e Rim não estava em nenhuma condição de dirigir. Enquanto caminhávamos pelo corredor, eu resisti ao desejo de puxála para perto. Em vez disso, mantive nossas mãos entrelaçadas e brinquei com B sobre as pizza. Esse pequeno pedaço de normalidade me fazia bem, ainda que estivéssemos experimentando isso no meio da Sala de Emergência. Quando os policiais saíram do elevador, eu senti a mudança chegar em Rimmel. A cautela com que ela se moveu e observou os dois homens. Nós já tínhamos conversado com alguns policiais horas atrás, quando tínhamos dado entrada, mas eles teriam mais perguntas. Pela maneira como eles me questionaram, eu sabia que eles mal tirariam alguma coisa de Rim. Eu ouvi as enfermeiras no corredor dizendo-lhes que ela estava em choque e eles teriam que falar com ela mais tarde. Eu respondi, tanto quanto pude, mas a verdade é que eu não tinha estado lá todo o tempo. Somente Rimmel. Havia lacunas que só ela poderia preencher. Lacunas que eu estava apavorado para saber as respostas. Com o canto do meu olho, eu vi sua troca com a enfermeira, no final do balcão e eu podia jurar que senti uma mudança no ar quanto mais as duas mulheres falavam. Parecia que Rimmel recuou de o que quer que fosse


que a enfermeira estava dizendo e a enfermeira superou com um ar repentino de suavidade. Eu não gostava de cadelas esnobes. Especialmente quando o seu esnobismo era voltado diretamente para a minha garota. Eu estava prestes a me meter na conversa quando houve um pouco de confusão no outro lado do corredor. O policial em pé na porta empurrouse na posição vertical, sua postura ficando rígida. Eu não pude deixar de notar como a mão pairava sobre a Taser no seu cinto. "Bem, olhe quem é!" Uma voz arrastada soou para fora. Que. Porra. É. Essa. Meu corpo inteiro ficou rígido e a raiva que eu pensei que tinha se desvanecido com toda a adrenalina, de repente explodiu para a vida dentro de mim. Reagi sem pensar e tranquei do outro lado do corredor. O policial na porta saltou para a frente como se para bloquear o meu caminho. "Por que ele não está em uma cela?" Rosnei. Braeden envolveu um braço em volta da minha cintura como se para me conter, e meu pai mudou-se para o meu lado. "Roman, este não é o lugar" disse ele calmamente. "Esse gesso fica bem em você", disse Zach, tentando se aproximar da porta. Havia dois policiais no quarto com ele. Um em um uniforme, e um vestindo um terno com um crachá grampeado em sua cintura. Ambos os homens se moveram em cada lado dele, prontos para saltar. "Sem contato com as vítimas", aquele com o terno disse a Zach. "As vítimas!" Zach gargalhou. Bem, ele tentou. Seu rosto estava o inferno de levantado. Ele não conseguia nem falar direito. Enquanto ele estava lá, ele balançou em seus pés como se fosse cair. O lado esquerdo de sua mandíbula estava cerca de duas vezes o seu tamanho normal, uma cor púrpura e parecia um pouco torta. Os lábios de


Zach estavam divididos e tinha apenas um pouco de sangue seco nas bordas . Ambos os olhos estavam negros e seu nariz estava inchado. A julgar pela faixa branca em toda aponte de seu nariz, eu imaginei que estava quebrado. Seu cabelo "boy band" estava completamente arruinado, emaranhado com sangue e uma pequena seção acima de sua têmpora direita raspada onde um corte já havia sido costurado. A maneira como ele se debruçou enquanto ficava em pé me fez pensar que ele provavelmente tinha ferimentos que eu não podia ver, e apenas esse pensamento me acalmou. Eu esperava que ele estivesse sofrendo. Merecia cada um desses machucados, e eu estava orgulhoso que os coloquei lá. Zach notou minha apreciação e sua boca transformou-se, tanto quanto o rosto inchado permitiria. Em seguida, seu olhar se afastou de mim, além de onde estávamos. Eu sabia exatamente para quem ele estava olhando. Meus músculos ajuntaram e o braço de Braeden apertou. " Rome", ele advertiu. "Pare", disse uma voz baixa bem ao lado dele. "Você pode sacudir o braço." Braeden recuou, e Rimmel intensificou em seu lugar. Sua pequena mão jazia no meu peito com a pressão sempre tão leve. "Vamos lá. Eu quero ir." Eu rasguei meus olhos de Zach e olhei para ela. Ela estava exausta e assustada. Enrolei meu bom braço ao redor dela e comecei a levá-la para longe . "Você ainda consegue sentir a água inundando seu rosto e borrando sua visão?” As palavras de Zach flutuaram no corredor, e o corpo de Rimmel apertou. "Eu ainda penso sobre a maneira que se seu corpo dobrou no chão quando meu punho se conectou com seu rosto." Ele chiou. "A maçã do seu rosto deve estar mesmo pulsando."


Girei longe de Rimmel. "Seu filho da puta! "Corri além do policial, mas ele me pegou e me empurrou de volta. Dor irradiou pelo meu braço e em meu peito. O sentimento só aumentou minha raiva. Eu continuei indo, e Zach riu. O riso se transformou em uma tosse e a tosse se transformou em uma espécie de ataque de asma. Todos os três oficiais pulou na minha direção, e eu cedi, segurando a minha mão em sinal de rendição. Antes que eu fosse embora, eu olhei de volta para Zach. Ele ainda estava tossindo como um demônio. Rimmel chamou meu nome, e toda a gente estava junto em alerta, esperando para ver o que eu faria. Eu não fiz nada. Porque Zach caiu. Ele literalmente caiu no chão no meio de seu ataque de tosse. Os oficiais todos se afastaram de mim e correram para o quarto, um deles gritando por uma enfermeira. Ela passou correndo por nós para o quarto, e todos nós ficamos olhando como Zach ofegava por respiração no chão. Rimmel apareceu ao meu lado, e eu puxei-a contra meu peito. "Coloque-o na cama" a enfermeira instruiu. "Eu vou chamar o médico." Ela correu para fora do quarto e para baixo do corredor enquanto os policiais pegaram Zach e o rebocaram para a cama. Sua cabeça caiu para trás quando eles se mudaram , e de um ângulo de cabeça para baixo, seu olhar vazio fixado em onde nós ficamos. E então ele sorriu. Ele tinha sangue fresco em seus dentes. Rimmel estremeceu, e eu a puxei. Os quatro de nós fomos em direção ao elevador enquanto alguém saía. Atrás de nós, o médico e a enfermeira foram correndo para o quarto de Zach, e um dos policiais apareceu de volta na porta. "Que diabos é isso!" O homem que apenas saiu para o corredor gritou. Sua voz era muito comandando e estranhamente familiar.


"Robert" meu pai disse, num tom de arrependimento em sua voz. Ele era o pai de Zach. "Por que o médico está correndo para o quarto de meu filho? Por que você está aqui? Que diabos você fez!" A última pergunta foi dirigida a mim. "Você devia estar se perguntando sobre o que seu filho tem feito." Minha voz estava firme. "Desculpe-me?" O homem levantou-se em sua plena estatura. Mas eu era mais alto. Eu fiz questão de olhar para ele. "Este não é o momento nem o lugar, Robert, "meu pai disse . Então ele se virou para mim. "Vamos lá, Roman." "Parece o momento perfeito", ele entoou. "Especialmente desde que o seu filho está andando fora daqui e meu filho é reconhecido. "Ele não vai para a cadeia?" Perguntou Rimmel imediatamente. O medo em sua voz me irritava tudo de novo. "Sim, mas ele tem direito a cuidados médicos em primeiro lugar," meu pai explicou-lhe. "É por isso que a polícia está aqui. Ele ainda está em sua custódia." "E quem é essa?" Perguntou Robert arrogantemente. Eu deixei cair meu braço e me afastei da Rimmel, dobrando para que ele pudesse realmente ver tudo dela. "Esta é a menina que seu filho amarrou como uma piñata de circo e tentou afogar com uma mangueira de jardim". Olhos de Robert se arregalaram e ele olhou sobre Rimmel. Um olhar de tristeza passou por trás de seus olhos, e então isso se foi. "E o seu rosto?" ele perguntou. Ela limpou a garganta. "Isso é onde seu filho me agrediu." Sua voz era forte e clara. Isso me fez querer beijá-la.


Robert pareceu perceber seu pequeno tamanho mais uma vez antes de limpar a garganta e voltar-se para mim. "Eu vou pressionar acusações de agressão contra você." Meu pai deu um passo adiante. "Elas não vão colar e você sabe disso." "Meu filho foi golpeado hoje à noite." "Meu filho não foi embora ileso." O tom de meu pai virou-se duro e frio. O advogado tubarão nele estava começando a vir à superfície. "Mas ele está indo embora." "Foi legítima defesa", disse Rimmel. "E o que dizer dos golpes meu filho recebeu depois que ele já estava incapacitado?" "Você quer dizer quando ele sequestrou um cortador de grama e bateu em um poste?", perguntei. Então eu encolhi os ombros. "Não me lembro de bater nele depois disso." Os olhos de Robert estreitaram. "Eu não vi nada." Rimmel concordou. "Bem, sua mandíbula deslocada, nariz fraturado, dente faltando, e a laceração da cabeça dizem o contrário." "Essa conversa é altamente inadequada e está no limite da intimidação," meu pai disse com um ar de autoridade. "Se você quiser examinar o caso, como documentado pelas autoridades, ligue para o meu escritório na segunda-feira." O elevador estava esperando, por isso, quando papai contornou Robert para empurrar o botão, abriu imediatamente. Braeden e meu pai entraram em fila em primeiro lugar, e em seguida, mudei-me, então Rimmel poderia ir em frente e eu a bloqueava por trás. Assim que as portas do elevador se fecharam, Braeden olhou para mim. Havia um pouco de orgulho brilhando em seus olhos. "Cara." Meus lábios tremeram. "O quê?" "Você causou todos aqueles danos em Zach?"


Meus lábios tremeram de novo, e eu olhei para meu pai. "Eu não consigo me lembrar." Ele ergueu o punho e nós batemos. Rimmel caiu contra a parede do elevador, e me mudei para perto dela. "Não fale com ninguém sobre isso", meu pai advertiu. "Esta agora é uma questão legal. Quanto menos disser em público, melhor." Todos nós assentimos enquanto o elevador deslizou para uma parada. Quando as portas começaram a abrir, Braeden olhou para mim e Rim. "Atenção, vocês tem uma audiência. Preparem-se para enfrentar o seu povo." "O povo dele?" Rimmel murmurou. Eu dei de ombros. "Meu povo." Ela revirou os olhos, mas endireitou para longe da parede. "Vou encontrar você na entrada com o Hellcat", disse meu pai. As portas se abriram, e uma multidão inteira ficou olhando para ver quem ia sair. No minuto em que os quatro de nós entramos em vista, um murmúrio atravessou a horda. Papai se moveu rápido e desapareceu, tragado muito rapidamente pela multidão. Braeden mudou-se para outro lado de Rimmel, para que ela ficasse entre nós. Peguei a mão dela, e ela a deu, ansiosamente. Nós três saímos da caixa como uma unidade. Cada olho foi para o meu braço. Algumas pessoas começaram a chorar. Ivy eclodiu a partir da borda da multidão e correu em direção a Rimmel. Todos os outros só ficaram lá. Esperando. Assistindo. Eu não podia dizer muito, mas eu tinha algo a dizer. Eu sempre soube que eu era popular aqui. Mas a quantidade de pessoas que se sentou horas à espera... Eu estava surpreso.


E estranhamente, eu fiquei comovido. Claramente, namorar Rimmel estava me fazendo suave. Mas eu nunca ia admitir isso em voz alta. "Wolves ficam juntos", eu disse alto. "E a lealdade que eu estou olhando agora diz tudo. Nós somos um bloco unido!" Todos irromperam em vivas e aplausos. Quando eles diminuíram, as pessoas ainda olhavam para mim com expectativa. Muitos olhares estavam na cinta presa ao redor do meu braço. Eles realmente queriam saber se eu ia ficar bem. "O que vocês vêem aqui é apenas temporário," Eu falei. "É preciso muito mais do que um osso quebrado para manter este homem para baixo!" Todo mundo aplaudiu e assobiou. Algumas pessoas no fundo da sala gritavam meu número. Ninguém nos impediu de sair. Todos eles se separaram por isso, tivemos um caminho claro para a porta. Lá fora, mais pessoas demoraram, e eu bati o punho em alguns em nosso caminho para o Hellcat, que já estava esperando. "Pizza?", Perguntou Braeden sobre a cabeça de Rimmel. Eu sabia que ele precisava de mais informações do que a pequena quantidade ele tinha conseguido lá dentro. Eu realmente queria um tempo sozinho com Rimmel, mas gostaria de ter certeza de que conseguiu. "Com certeza", eu respondi. Braeden não hesitou. Ele enrolou um braço ao redor de Rimmel e deu um beijo no topo de sua cabeça. "Eu vou trazer algum extra de anchovas para vocês", brincou. Rimmel mostrou a língua, e Braeden foi embora. Ivy tinha nos seguido para fora e estava de pé nas proximidades. Depois que Rimmel a abraçou e prometeu ligar, finalmente fomos capazes de entrar no carro.


Ninguém disse uma palavra o caminho inteiro para casa, e meus pensamentos centraram em Zach. Eu sempre pensei que sua vingança contra mim era, de alguma forma, alimentada pelo ciúme. Eu estava errado. Eu estava começando a ver que não era pessoal de modo algum. Quanto mais eu pensava, mais eu repassava tudo o que aconteceu e a visão da maneira como ele nos olhou fixamente com aqueles olhos maníacos lá atrás, no seu quarto... Eu entendi. Zach estava seriamente desequilibrado. AKA: louco como o inferno. E isso o deixava ainda mais perigoso.


CAPITULO cinco

#UmBlocoUnido #AAlphaFalou ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Eu estava meio com medo de que sua mãe estivesse em sua casa quando chegássemos lá. Mas a ideia não era suficiente para me fazer ficar fora do ar de inverno tempestuoso. Dentro de apenas algumas horas, o sol começaria a subir, e eu realmente esperava estar na cama quando isso acontecesse. Exausta nem mesmo começava a cobrir a maneira como eu me sentia naquele momento. Deixei Romeo e seu pai em pé na calçada, falando sobre detalhes de hoje à noite, e empurrei a porta e entrei. O calor da sala infiltrou em mim e eu suspirei enquanto eu caminhava mais longe. Murphy estava encolhido no sofá, e ele piscou para mim quando eu fiquei na porta. A luz da cozinha estava acesa e assim eu continuei indo, pensando que talvez Valerie estivesse lá. Mas ela não estava. Estava claro que ela tinha estado, no entanto. Um frasco novo, muito grande, de um analgésico sem receita estava assentado no contador, ao lado de várias bolsas de gelo que poderiam ser


ativadas por quebrá-las entre minhas mãos. Havia também várias folhas de instruções sobre como Romeo deveria cuidar do braço dele. Eu os peguei e li através das informações, assim eu saberia como ajudá-lo. Ao lado dessas coisas estava uma caixa nova de embalagens de sidras de maçã. O tipo que você apenas despeja em uma caneca e mistura com água quente. Elas eram para mim. Por que ela faria algo tão doce quando ela deixou perfeitamente claro como ela se sentia por mim? Deixei a sidra onde estava e andei de leve para o quarto para encontrar meus chinelos. A porta da frente abriu e fechou, e Romeo gritou meu nome. "Aqui dentro!" Eu respondi enquanto eu peguei as botas macias e me sentei na beirada da cama para puxá-las. Inclinando-me, mesmo por apenas alguns segundos, fez o meu rosto pulsar, e sentei-me rapidamente. Romeo entrou no quarto, movendo-se mais duramente do que nunca. "Precisamos colocar seu braço apoiado em alguns travesseiros. A elevação vai ajudar como inchaço. E então eu vou pegar algum remédio". Ele parecia se divertir com as minhas instruções. "Tire sua camisa", ele ordenou. "Eu realmente não acho que agora é a hora para isto." Ele me deu um sorriso de lobo. "Baby, eu poderia estar meio morto e seria o tempo para isto." Revirei os olhos, e ele sorriu um pouco mais. "Mas essa não é a razão pela qual eu quero que você fique nua." Comecei a perguntar por que, mas me contive. "Ver as marcas no meu corpo não vai mudar nada." Romeo rondava mais perto. A forma como seus quadris giraram enquanto ele andava me chamou a atenção, e eu engoli em seco. Ele parou na minha frente e da minha posição na cama, sua virilha estava diretamente em frente do meu rosto.


"Eu preciso ver os lugares que eu tenho que ter cuidado quando eu estiver tocando em você." Sua voz estava rouca, e eu rasguei meus olhos de suas regiões inferiores e olhei para cima. Desejo dançou em seu olhar. "Vamos lá." Ele gesticulou com o queixo e se afastou um pouco para que eu pudesse ficar de pé. Eu fiz porque discutir com ele era a última coisa que eu tinha vontade de fazer e também porque eu realmente odiava esta camisa rosa. Cuidadosamente, eu puxei-a sobre a minha cabeça e a joguei para o lado. Eu não estava usando sutiã . Eu tinha jogado no lixo. O ar, embora quente, ainda sentia frio na minha carne e meus mamilos apertaram, mas pela primeira vez, ele não pareceu perceber. Os olhos de Romeo escureceram e sua boca achatou numa linha dura. "Droga, baby." Andei até o espelho perto do armário e fiquei diante dele, finalmente vendo o dano por mim mesma. Era muito mais do que eu esperava. Eu tinha anéis roxos cercando minhas costelas, logo abaixo dos meus seios. A pele estava vermelha e irritada; alguns lugares estavam inchados e em carne viva. Os anéis se estendiam por todo o caminho até o meu umbigo, e a parte inferior das minhas costas parecia igual. O que eu não esperava eram as queimaduras de corda envolvendo verticalmente em torno dos meus ombros, cortando sob minhas axilas. Foi como ele ancorou a corda em torno de mim e o poste. Essas marcas estavam com aparência bastante inflamada. Romeo deu um passo atrás de mim, com o rosto cheio de tristeza, e ele estendeu a mão para roçar o dedo sobre um machucado que eu ainda ia perceber no meu braço. Era uma marca de mão. Eu estava contente que estas marcas iriam desaparecer. Olhar para elas era apenas um lembrete. Um lembrete que eu não queria ou precisava. Era ruim o suficiente que a polícia tirou fotos. Eles disseram que precisavam as imagens para evidência, uma vez que este era agora um caso


legal. Isto fez sentido para mim, mas eu ainda odiava o pensamento que aquelas fotos significariam as contusões –as marcas de mão que Zach deixou para trás- que nunca desapareceriam totalmente. Lá seria sempre a prova desta noite horrível. "Eu sinto muito, eu não estava lá, porra." A voz de Romeo rachou. Eu olhei em seus olhos através do espelho. "Eu não o culpo por isso." "Eu sei, e isso me faz sentir ainda pior." Afastei-me do meu reflexo e o encarei. Ele elevou-se sobre mim, e seu antebraço direito descansou em sua cintura, então eu não poderia pressionar-me contra ele. Em vez disso, inclinei-me e deixei a minha testa descansar contra seu peito. Romeo roçou os nós dos dedos levemente pelas minhas costas e mergulhou os dedos no cós das calças de yoga. Eu não estava usando roupa de baixo também. Ela ainda estava molhada quando chegamos ao hospital, e sentar-me em torno dela tinha sido desconfortável. Os dedos contra a base da minha espinha empurraram um pouco e mergulharam mais profundamente. Levou para ele tudo de três segundos para perceber que não havia nada sob as calças. Seu corpo inteiro se moveu um pouco mais perto, e seus quadris intitulados em minha direção. Uma mão em concha grande, calorosa, na minha bunda e amassou a carne nua. Meus olhos se fecharam enquanto ele massageava meu traseiro. Uma respiração longa expelida flutuava acima da minha cabeça, e antes que eu percebesse, ele estava deslizando seu braço embaixo de mim e me levantando para seu corpo. Engoli em seco e me segurei parada, tentando me manter de bater em seu braço. Eu resisti à vontade de colocar minhas pernas em volta dele como eu normalmente faria, mas ele me puxou para mais perto . "Faça," ele rosnou. Eu me rendi e envolvi minhas coxas ao redor dele, tomando cuidado para manter minhas pernas baixo em sua cintura. Embora seu braço estivesse com uma tala e em uma tipoia, sua mão estava livre. Seus dedos acariciaram a pele nua de minha cintura, e seus olhos procuraram os meus.


Ele estava fazendo isso novamente. Olhando para mim como se eu fosse tudo o que existia. Meus lábios procuraram os seus e nós nos fundimos. Eu senti como se tivesse estado vagando por um deserto por dias e de repente fosse presenteada com água potável. Os lábios dele eram como seda contra os meus, deslizando sobre mim com a maior facilidade. Corajosamente, eu puxei seu lábio inferior entre os dentes e puxei. Ele sorriu um pouco, e eu o chupei mais longe na minha boca, ordenhando até a última gota que pude. Ele virou-se sem quebrar o nosso beijo e baixou para o final da cama para que ele ficasse sentado e eu ficasse escanchada em seu colo. O braço que estava me apoiando subiu para que os dedos pudessem emaranhar no meu cabelo, e ele puxou minha cabeça para trás para que o meu pescoço ficasse exposto. Seus lábios deixaram um rastro úmido, quente na pele sensível abaixo da minha mandíbula, e os dentes beliscaram e puxaram, então sua língua poderia vir para trás e aliviar a mordida. Eu comecei a balançar contra ele, uma reação subconsciente devido à fome correndo através do meu sistema. Quando ele chupou no lado do meu pescoço, eu estremeci, porque ele parecia tão incrivelmente delicioso . "Romeo", eu ofegava. "Nós não podemos. Seu braço." "Eu não preciso de meu braço para fazer amor com você, baby", ele murmurou entre beijos em toda a minha clavícula. Eu gemi e espalmei as costas da sua cabeça, deleitando-me como os seus fios loiros bagunçados enrolavam em torno de meus dedos enquanto eu o puxava para o meu peito. Sua língua não era tão suave quanto seus lábios, por isso, quando ele a trouxe para fora para cercar meu mamilo duro feito pedra, eu estremeci em seu colo. Em algum lugar da casa, o som de uma abertura e fechamento de porta pouco quebrou através da névoa de necessidade que eclipsou todo o resto. A boca de Romeo acalmou, e então ele praguejou contra o meu peito. "Braeden está aqui. "


Chupei uma respiração instável e tentei acalmar o coração disparado. "Ok." Romeo riu, o som fazendo-me balançar contra ele uma última vez. "Eu vou dizer para ele ir embora." Eu queria muito concordar, mas a pequena parte de mim que não estava totalmente dominada pelo toque de Romeo sabia que era melhor assim. "Não." Minha voz estava rouca . "Você precisa comer alguma coisa e obter o seu braço apoiado. Precisamos diminuir o inchaço tanto quanto possível." "E sobre o inchaço nas minhas calças?” ele brincou. Eu ri. "Ei! Vocês estão decentes?" B gritou fora do quarto. "Inferno, não", respondeu Romeo. "Mais pizza para mim, então," ele gritou, e eu o ouvi recuar para a cozinha. Romeo levantou uma sobrancelha e olhou para mim como se dissesse: "Onde estávamos?" Eu sorri e dei um beijo rápido em sua boca totalmente intoxicante. Antes que eu me retirasse, eu sussurrei, "Eu te amo." "Isso significa que você vai me ajudar com o que está acontecendo aqui embaixo?", ele murmurou. Levemente, eu acariciava o comprimento rígido entre as pernas. "Mais tarde." Parecia que ele estava prestes a discutir, então eu balancei minha cabeça. "Comida. Analgésico. Elevar seu braço." Eu escalei fora de seu colo enquanto eu falava, e escapei de seu alcance de pesquisa. "Eu acho que eu vou tomar um banho" eu disse. "Eu ainda me sinto meio gelada..." Olhei ausente. "E meio que suja." Sua mandíbula endureceu e um olhar aflito encheu seus olhos. "O que mais ele fez com você?" Ele empurrou para fora da cama e caminhou para longe, depois à direita para trás.


"Ele não me tocou, não desse jeito." Eu assegurei a ele. "Ele nunca sequer aludiu a qualquer tipo de má conduta sexual. Eu honestamente acho que nunca lhe ocorreu". Romeo murmurou algo sob sua respiração. "Era como se ele estivesse além disso", eu disse, perdida em minha própria memória do que tinha acontecido. "Eu realmente acho que algo dentro de seu cérebro apenas quebrou. Não havia nenhum remorso em seus olhos, nem mesmo o olhar astuto de vingança." Eu estremeci e encontrei o olhar de Romeo. "Não havia nada além de louco." Ele me puxou contra ele, pressionando um beijo no topo da minha cabeça. "Você quer um pouco de companhia no chuveiro?" "Boa tentativa." Eu zombei. "Vá comer. Falar com Braeden. Vou sair quando eu terminar de tomar banho." Ele pressionou um último beijo na minha testa e depois me deixou de pé no centro do quarto. Sem ele ao meu lado, o quarto pareceu dez graus mais frio. Peguei um novo par de calcinhas da minha pequena pilha de roupas próximas e vasculhei através das gavetas de Romeo para uma de suas camisas e levei-a para o banheiro comigo. Eu podia ouvir as vozes baixas de Braeden e Romeo enquanto eu me fechei, fui para o chuveiro, alcancei e liguei a ducha. A sensação de mal estar deslizou pela minha espinha, mas eu ignorei e fui até a pia. Enquanto eu tirava o resto das minhas roupas e escovava meus dentes, eu evitei o espelho nebuloso porque eu já sabia quão terrível eu parecia. Quando eu terminei, eu alcancei a cortina de chuveiro e puxei-a para trás. Meu corpo travou. Pânico arranhou a parte de trás da minha garganta. Tudo o que eu podia fazer era ficar lá e olhar.


CAPITULO seis

Enforcada por uma corda no poste do gol? Atropelado por um cortador de grama? Detalhes estão surgindo. #EElesNãoSãoBons #ZachTemQueMorrer ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Braeden estava sentado no balcão quando eu entrei na cozinha. Meu corpo estava sentindo os efeitos da noite, e o analgésico que me deram horas atrás no hospital estava começando a passar. As marcas por toda Rimmel não fizeram nada para melhorar minha disposição. A visão dela enforcada naquele campo nunca esteve longe da parte de trás da minha mente. Braeden fez uma pausa em devorar a fatia de pizza de carne e olhou para mim. Eu não disse nada enquanto eu pegava a garrafa de analgésico que eu tinha certeza que minha mãe colocou lá e despejei um pouco na minha mão. Havia várias garrafas de água gelada ao lado da pizza, e Braeden agarrou uma, tirou a tampa , e entregou-a após eu ter despejado os comprimidos na minha boca. Eu resmunguei meus agradecimentos e desci os medicamentos com um grande gole. "O que diabos aconteceu , homem?" Braeden finalmente perguntou. Coloquei uma bolsa de gelo debaixo do braço e fiz um sinal com meu queixo em direção à sala de estar. "Lá fora."


Braeden pegou as três caixas de pizza e algumas águas e me seguiu para a sala de estar. Murphy estava dormindo no sofá, então eu me sentei do outro lado e deslizei uma das almofadas soltas sob meu braço. Eu esperava que os remédios batessem em breve, pois doía como uma cadela. Apoiei meus pés em cima da mesa de café e coloquei a garrafa de água aberta nas proximidades. B me ofereceu uma fatia de pizza à direita da caixa , e eu peguei. Ele se sentou em uma cadeira em frente ao sofá e esperou. Eu falei enquanto eu inalava a torta , dizendo-lhe sobre tudo. A rosa. A nota e a maneira que eu encontrei Rimmel . Eu até disse a ele sobre o cortador de grama. "A porra de um cortador de grama?" Braeden murmurou. "Se não tivesse realmente acontecido, eu pensaria que era ridículo." Eu concordei. Braeden franziu a testa. "Esse cara é muito mais confuso do que qualquer um de nós percebeu." Eu concordei. "Sim, ele está seriamente ferrado da cabeça." "Eles vão comê-lo vivo na cadeia." Eu balancei minha cabeça e inclinei-me para outra fatia. "Meu pai não acha que ele vai pro xadrez." O olhar em seu rosto estava incrédulo. "Você está porra brincando comigo agora, Rome?" "Parece que eu estou brincando?" Eu cuspi. "Ele acha que ele vai sair com um pedido de insanidade e ir ao norte do estado para algum centro de tratamento de luxo." "Bem, ele é insano. Pelo menos ele vai ser bloqueado." Baixei a pizza do meu rosto. "Não é fodidamente bom o suficiente ", eu rosnei. "Você devia tê-la visto pendurada lá. A sua boca amordaçada e seu corpo tenso. Foi como assistir uma mosca impotente lutar em uma teia enquanto uma tarântula a perseguia."


O músculo na mandíbula de Braeden apertou. “Então o que você vai fazer?" "Eu não posso fazer nada agora. Meu pai vai ver o que ele pode fazer. Saberemos mais quando Zach for acusado. Até então, eles devem manter um guarda em sua porta." "Como ela está?", Perguntou Braeden, gesticulando em direção ao quarto. Eu podia ouvir o chuveiro ligado, então eu sabia que ela estava fora do alcance da voz. "Diga você." Os olhos de Braeden encontraram os meus. Seu olhar era firme. "Você está me acusando de alguma coisa?" Olhei para ele durante vários longos segundos. “Se eu estivesse acusando você de alguma coisa, você não estaria sentado em minha casa." "Ela é minha família agora, Rome. Eu vou estar ao lado dela." "Eu acho que ela ainda está em estado de choque." Eu não ia desafiar B sobre seu relacionamento com Rimmel porque a verdade era que ela precisava mais do que eu na vida dela. Ela precisava de alguém em quem pudesse confiar, e eu sabia que Braeden era confiável e leal. Às vezes até demais. Ele assentiu. "Ela meio que derreteu." ele admitiu. "Eu não sabia o que o diabos fazer, cara. Lágrimas me assustam." "Ela ainda não chorou na minha frente. Não, desde que chegamos do hospital." "Ela está preocupada com você." Ele olhou para o meu braço. "Eu tenho que admitir, Rome, eu estou um pouco preocupado também." Eu soltei um suspiro. As notícias do médico tinham sido positivas. Ele deu basicamente uma luz verde para curar e voltar para o campo. O timing desta lesão era o pior, mas não havia nada que eu pudesse fazer sobre isso agora. Eu não ia desistir do meu sonho. Eu não ia deixar Zach roubar isso de mim.


"Eu não estou dentro da contagem. Dê-me alguns dias para me recuperar, e depois vamos falar de bola. Eu tenho algumas ideias de formação. Se vocês jogam, eu posso usar alguém para me ajudar. " "Tô dentro", disse Braeden. Eu terminei a fatia na minha mão e ouvi novamente. O chuveiro ainda estava correndo. Parecia que ela tinha estado lá para sempre. Rim não era geralmente uma menina que pairava no banho. "O que há com Mamãe?", perguntou Braeden, chamando minha atenção. Eu resmunguei. "Ela disse a Rimmel que seu pai matou sua mãe." "Que o quê?" Ele perguntou em uma voz de falsete. Eu sorri. "Sim, como se ser acusada de plágio, sua bolsa de estudos e educação em risco, ser torturada por Zach, e em seguida, dar entrada no Pronto Socorro não fosse suficiente, a minha mãe teve que jogar mais um pedaço devastador de informação para ela." A quantidade de chateação que eu senti em um monte de pessoas em minha vida agora era nada menos de registro de ruptura. "Por que ela iria fazer algo assim?" perguntou Braeden. "Sim", eu ecoei, meu tom pensativo. "Por que ela faria?" Nossos olhos se encontraram e palavras não ditas passaram entre nós. "Bem , foda-se", Braeden murmurou. O chuveiro ainda estava correndo. Talvez ela estivesse mais machucada do que ela deixou ver. "Eu já volto." Eu empurrei para fora do sofá e caminhei para o quarto. "Rim," eu chamei, mas ela não disse qualquer coisa. Quando cheguei à porta do banheiro, eu não hesitei em entrar direto. O ar úmido do longo tempo de água correndo bateu-me imediatamente. O spray da ducha em cascata, salpicando tudo em torno dela antes de ser puxado para o ralo.


Mas Rimmel estava ali, do lado de fora do chuveiro, a cortina amassada em seu aperto, enquanto seu corpo nu visivelmente tremia e o som de seus dentes batendo enchia o quarto.


CAPITULO sete

#MensagemImportante Aparentemente minha última notificação poderia ser interpretada como ameaça de morte. Me disseram para pedir desculpas ou o #BuzzBoss vai ser deletado. Sinto muito pela minha hashtag ilegal. #MorteÉCoisaSéria. ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Água em cascata do teto ao chão. É espantoso como uma coisa simples, inofensiva, poderia ser qualquer coisa entretanto. O som das gotas chovendo contra a parede do chuveiro, escorrendo pelo ralo, e salpicando ao longo dos lados do azulejo normalmente seria bonito. Relaxante até. Para mim, era o som do inferno. Minha mão apertou em torno da cortina do chuveiro pendurando naquele pedaço de tecido como se ele fosse uma tábua de salvação para a minha sanidade mental. Ansiedade, clara e afiada, me apunhalou como a lâmina mais afiada que eu jamais tinha conhecido. Enquanto eu estava lá e olhei, incapaz de arrancar o meu olhar a partir da visão horrenda da água que caía, tudo na minha visão se tingiu de rosa. Essa cor horrível de sangue diluído.


Senti meu peito levantar enquanto eu lutava como que era real e o que era apenas tormentos rodando pela minha mente. Mas as linhas entre os dois eram turvas. A ruptura entre a realidade e o pesadelo tinha sido violada demasiadas vezes, e algo em mim cedeu, incapaz de escapar ou assimilar a verdade. Uma gota de água falsa espirrou contra meu peito , e eu empurrei como uma bala arada em minha pele. Engoli em seco e usei minha mão livre para enxuga-la. Havia tanta água. Tanta água. Eu senti o spray gelado explodir em meu rosto e em seguida, arrastei meu cabelo para baixo. Eu não podia gritar, porque minha boca estava presa. Amordaçada com algum tipo de tecido grosso que absorveu a água mais rápido do que a mais seca esponja. O que aconteceria quando o tecido não pudesse segurar mais? Será que a água forçaria seu caminho para baixo afundo da minha garganta e, lentamente, me sufocaria? Será que encheria meus pulmões e me afogaria? Imagens de minha mãe flutuando de barriga para baixo na água rosada me agrediram, e eu lembrei quão inchada ela estava quando eles finalmente a puxaram para fora. É assim que eu pareceria? Tentei gritar novamente, mas só resultou em um riacho de água gelada escorregando para baixo na parte de trás da minha garganta. Meu nariz queimou da água que forçou seu caminho para dentro enquanto eu puxava por precioso ar e lutava contra a sensação de afogamento perseguindo meu corpo e mente. Senti-me tremendo contra o medo e o frio, e tudo em mim começou a ficar entorpecido…


Em seguida, um sentimento de segurança familiar, sólido e quente, me envolveu, e eu sorri. Meu corpo cansado caiu para trás contra ele, e ele envolveu em torno de mim mais distante. "Rim, baby", disse Romeo ao lado da minha orelha. Eu abri meus olhos quando ele levantou o braço e desligou o chuveiro. "Que diabos aconteceu?" Eu pisquei. Realidade empurrou o seu caminho de volta para a minha cabeça, e eu tomei a água espirrada fora na parede e no chão. Romeo ergueu delicadamente minha mão fora da cortina e a dobrou em volta da minha cintura abaixo de seu próprio braço. "Há quanto tempo estou aqui de pé?" Eu me perguntei. "Um tempo." Inclinei a cabeça para trás e olhei para ele. "Eu não acho que eu me sinto no tipo de tomar banho agora." Sombras dançavam em seus olhos, e ele concordou. "Você e a água simplesmente não são muito boas amigas." "Eu pensei que ia me afogar lá" eu confidenciei. "Eu sei que não era uma piscina. Eu não estava submersa, mas a pulverização era tão áspera . Eu senti entrando em meu nariz e para baixo na minha garganta." Romeo me abraçou perto. "Você está segura agora" , ele sussurrou. "Eu provavelmente cheiro mal", eu murmurei contra seu peito. O riso vibrou através dele. "Você espera que eu perceba como você cheira quando você está pressionada contra mim, completamente nua?" Isso lhe valeu uma risadinha. "Você me dá muito crédito, Smalls." O pior do momento tinha passado, então eu me afastei e peguei minhas roupas. Romeo puxou a cortina fechada e virou-se para ver eu me vestindo. "Não faça isso em minha conta", ele brincou. "Como está o seu braço?" "Tá bem."


Eu lhe dei um olhar que o chamou em sua mentira. Depois de pegar a minha escova para rapidamente escovar os emaranhados no meu cabelo, eu o amarrei em um coque confuso na minha cabeça. Sua camisa caía nos meus joelhos, então eu não me preocupei com um par de calças. Em vez disso, eu puxei as pantufas, e nós saímos do banheiro. Antes de sair da sala, eu enchi meus braços com travesseiros da cama e levei-os para o sofá. Braeden estava olhando para a tela do seu telefone quando eu deixei cair todos eles sobre as almofadas. "Vocês dois são o assunto em toda a mídia social da Alpha U", ele nos informou. "Minha vida está completa", eu murmurei. "Pizza", disse Romeo, apontando para a caixa aberta. Eu fiz uma careta. "Existe, na verdade, qualquer pizza sob todas aquelas pilhas de carne?" "Isso importa?", perguntou Braeden e roubou outro pedaço. Romeo riu e retirou a caixa na parte inferior e abriu a tampa para revelar uma pizza toda de queijo. "Sente-se." Fiz um gesto para o sofá. Quando ele estava sentado, eu cuidadosamente empilhei alguns travesseiros ao lado dele, criando uma torre macia para que ele descansasse o braço nela. Mas quando eu tentei dirigir o seu braço, eu franzi a testa, percebendo que a tipoia estava mantendo isso contra a sua lateral. "Como é que vamos elevar o braço contra o inchaço com essa coisa envolta em seu peito?" Romeo estendeu a mão e puxou o velcro para liberar a tipoia. Gentilmente, eu dobrei as pontas soltas das tiras sob um travesseiro enquanto ele se apoiava. A bolsa de gelo que ele tinha deitado perto estava ignorada. Agarrei-a e esmaguei-a em torno na minha mão para quebrar o que quer que tivesse dentro. Explosão fria contra as palmas das minhas mãos, e eu gentilmente coloquei-a perto da tala.


"Você pode ao menos sentir isso?" eu perguntei, franzindo a testa com o plástico enrolado em torno da fratura. Ele assentiu. "Obrigado, querida." Entreguei-lhe uma outra fatia de pizza antes de pegar uma pra mim (sem o balde de carne) e me enrolei tão perto da torre de travesseiro quanto eu me atrevi. Braeden ligou em algum filme sobre dois caras que gostavam de dirigir carros velozes. Um deles meio que me fez lembrar de Romeo. Uma vez que meu estômago estava cheio, meu corpo finalmente relaxou sob um cobertor e eu descansei minha cabeça na borda da torre de travesseiro de Romeo. Seus dedos brincavam com as pontas do meu cabelo, e os sons de fundo das corridas de carros e Romeo respiração fez meus olhos ficarem pesados. Eu não sei quanto tempo eu fui capaz de dormir até que um sonho interrompeu a minha paz. Meu rosto estava quente e minha cabeça estava pesada. Rolei sobre minhas costas , sentindo o concreto duro, frio, abaixo de mim. Confusão rompeu através da dor, e eu pisquei , tentando ver onde eu estava. Tudo ao meu redor estava embaçado e a iluminação era baixa. "Ela está acordando!" Alguém assobiou, e eu senti o puxão áspero de algo sendo enrolado em torno de minhas mãos. "Você não bateu com força o suficiente!" A voz arrepiante entoou . Meus olhos se abriram enquanto eu olhava desesperadamente ao redor. Zach foi elevando-se sobre mim, um olhar de vazio enlouquecido em seus olhos. "Não, por favor", eu sussurrei. Por que ele estava fazendo isso? "Apresse-se" ele cuspiu, e a corda em torno de meus pulsos foi puxada com zombaria. Eu gritei pela forma que cortava minha pele. "Isso está errado. Ela não fez nada," interrompeu a voz que não era Zach.


Ele empurrou para a frente e atirou para fora seu punho. O tapa afiado de juntas contra a carne e o gemido de dor me fizeram estremecer. "Pare com isso!" Eu gritei. "Dêem-me uma mordaça!" Zach rosnou, e, em seguida, levantou o punho para mim. "Não!" Eu gritei e empurrei de pé. Eu me movi tão rapidamente que rolei fora do sofá e aterrissei no estreito espaço entre o sofá e mesa. Uma série de palavrões flutuou acima de mim, e a mão de Romeo deslizou sob meu braço e levantou. "Está tudo bem, baby. Estamos em casa." Um tremor percorreu minhas pernas enquanto eu afundei de volta para o sofá. Um sonho. Parecia tão incrivelmente real. "Venha aqui", disse Romeo suavemente e empurrou todos os travesseiros que eu tinha arrumado no chão para seu braço. Eu não discuti porque eu ainda estava tentando sacudir para fora o pânico restante que eu sentia revivendo aquele momento com Zach. Não tinha sido apenas um sonho. Apenas algumas horas atrás, esta era a minha realidade. Acordada, eu tinha sido capaz de manter os pensamentos, as memórias à distância, mas no sono, eles vieram. Eles lembraram. Eu coloquei minha cabeça no colo de Romeo, minha bochecha apoiada em uma de suas coxas fortes. A suavidade de seu moletom me fez querer mais perto. Por causa do inchaço no meu rosto, eu tive que mentir, então eu estava olhando para seu estômago. Sua mão livre acariciou através do meu cabelo, e eu suspirei. "Foi sobre ele.", Disse ele, sua voz plana. Eu não respondi. Todos nesta sala sabiam sobre quem tinha sido meu pesadelo. Braeden levantou de sua cadeira. "Eu acho que é hora para eu saltar. Dar a vocês dois algum tempo sozinhos." "Você não tem que sair por minha causa," eu disse, sentando-me e virando-me para encará-lo.


"Eu sei", respondeu ele e se inclinou sobre a mesa de café para manter fora o punho para mim. Eu sorri para ele antes de bater o meu contra o dele. "Eu te vejo mais tarde, menina tutora." "Obrigado por tudo esta noite", eu disse. Romeo começou a se levantar, mas Braeden acenou pra ele voltar para baixo. "Fique com a sua menina." "Obrigado, cara." Braeden deu de ombros e estendeu os braços. "Eu sou um santo." Romeo grunhiu e gritou atrás dele. "Continue dizendo isso para si mesmo!" A porta da frente fechou, e Murphy, que tinha estado olhando para mim desde que eu caí do sofá, esticou-se, em seguida, pulou para empertigar-se fora da sala. Eu senti o olhar de Romeo e me virei para estudá-lo. "Eu acho que é hora de você me dizer." "Te dizer o que?" "O que aconteceu no campo antes que eu chegasse lá."


CAPITULO oito

Músculos: maneira de Deus pedir perdão aos homens. #SenhorasGostamDeMúsculos #SeElasDisseremQueNãoEstãoMentindo ...Alpha BuzzFeed

R OMEO "Acabou. Não há nenhuma razão para ir para lá" Rimmel disse, o cansaço em sua voz. Ela se deitou para trás, com a cabeça no meu colo e joelhos puxados em direção a seu peito. "Eu preciso saber. E você vai continuar tendo sonhos assim até que você bote para fora." Ela não disse nada por um longo tempo, mas sua mão enrolou em torno da barra da minha camisa e segurou firme. "Droga este braço quebrado," eu amaldiçoei. Ela sentou-se imediatamente, seus olhos castanhos ficando largos. Eu estava tão acostumado a vê-la com óculos que olhando para ela tanto assim sem eles fazia-a parecer menor ainda, mais vulnerável de alguma forma. Ela mordeu o lábio inferior e examinou o lado direito do meu corpo antes de perguntar: "Devo chamar o seu médico? Está pior?" "Meu braço está bem", eu rosnei. Ela era tão caralho de perfeita. Tudo sobre ela, incluindo a maneira como ela automaticamente pensava em mim antes de si mesma. Isso me deixava louco, mas também encantava a merda fora de mim.


"Eu não entendo..." sua testa enrugou, enquanto tentava chegar à essência de minhas palavras. "Eu não posso segurá-la do jeito que eu quero", eu expliquei. "Eu não posso me enrolar em você como eu deveria. Como é que eu vou fazer você se sentir segura se eu não posso nem segurá-la?" Meu nome saiu de seus lábios. Um sussurro quebrado virou suspiro. O som correu a minha coluna e vibrou na parte de trás do meu pescoço, e seus olhos cresceram macios. "Não são apenas os braços que me fazem sentir segura", ela confidenciou. O jeito que ela olhou para baixo em seu colo quando ela falou, dizia mais do que suas palavras de verdade. Ela não olhou para mim porque ela estava revelando um pouco de seus mais profundos, mais pessoais pensamentos. Rim guardava muito por dentro; era apenas o seu jeito. Era o meu jeito de tentar e persuadir as coisas fora dela. Quando consegui, mesmo um pouco, me senti como um super-herói que quebrou um código secreto para salvar o mundo. "Não são seus músculos ou a maneira como você se eleva em cima de mim quando estamos tão perto." Ela continuou. "É o som da sua voz. A forma como os seus olhos sempre contém tanta devoção, tanta promessa em cada único olhar. É a maneira como seu corpo gira levemente em direção ao meu quando eu entro no quarto. É a sua percepção sobre mim, Romeo. Sua intuição. Você poderia estar do outro lado do quarto, e eu ainda me sentiria mais protegida – mais amada – do que nunca fui." Engoli além da espessura na minha garganta. A energia entre nós era tão espessa, tão elétrica que era quase desconfortável. Eu sentia tanto e tão profundamente por ela que me aterrorizava. Nunca em um milhão de anos pensei que alguém poderia tocar tão profundamente dentro de mim. Eu soube naquele momento que eu faria qualquer coisa por Rimmel. Qualquer coisa. Eu andaria através do fogo. Eu mataria. Eu desistiria da minha carreira.


Mas não era nenhuma dessas coisas que ela queria. Tudo o que ela queria era o meu amor. E por Deus, eu a amaria fodidamente com cada célula do meu corpo. Eu tinha que trazer a tensão enrolada dentro de mim, sugando todo o ar para fora do quarto, para baixo apenas um grau. Apenas o suficiente para que ambos pudéssemos respirar. "Admita, porém," eu disse com um sorriso torto. "Você gosta de meus músculos também." Ela riu. Uma risada real que perseguiu algumas das sombras em seus olhos e fez seus ombros tremerem. Em seguida, ela estremeceu e levantou uma mão ao rosto. "Não me faça rir." Ela sorriu. "Isso dói." Eu retirei a mão de sua bochecha machucada e me inclinei para pressionar um beijo suave como pluma na área. Ela suspirou. Envolvi meu braço livre em volta da sua cintura e a levantei em meu colo, virando-a, assim ela poderia descansar do lado não machucado de seu rosto contra o meu peito e afagar contra mim, mas ainda deixar meu braço sem qualquer contato. Antes que ela se acomodasse contra mim totalmente, ela empilhou um grande travesseiro em cima das pernas esticadas para que eu pudesse descansar meu braço na parte superior. Uma de suas mãos subiu para o lado do pescoço, onde ela espalmou os dedos para fora sob meu queixo. Seus dedos flertaram com a barba de alguns dias brotando do meu queixo, e eu gemi sob a suave carícia. Eu não pude deixar de notar a forma como a camisa que ela estava usando subia em suas coxas, expondo a maioria de suas pernas nuas cremosas. "Isso é bom", ela murmurou. Eu puxei a camisa um pouco mais para cima, assim o interior da sua coxa estava totalmente em exibição. Ela riu no fundo de sua garganta enquanto seus dedos encontraram o seu caminho para o cabelo na base do meu pescoço.


A tensão na sala discou de volta e estalou através do ar. Uma onda de necessidade tão forte lavou através do meu corpo, e minha mão espalmou contra seu quadril. Ela olhou para mim, e eu caí completamente. Eu pulei para a frente, capturando seus lábios com os meus e divertindo-me com a plenitude úmida. Isto era como se ela já estivesse preparada e pronta. Eu chupei a carne macia em minha boca, e sua cabeça caiu para trás, dando-me acesso total. Eu trabalhei a boca sobre como se eu estivesse me candidatando para o último trabalho na Terra. Eu lambi e suguei e brinquei até que sua mão enrolou-se em punho em minha camisa e ela tremia no meu colo , girando seus quadris em busca de mais. Rimmel arrancou sua boca da minha com um suspiro e em seguida, mergulhou no lado do meu pescoço com habilidade própria. Enquanto fazia, a mão dela foi para o centro do meu corpo e roçou a protuberância do meu pau. Um tremor passou por mim, e eu gemi. "Cama", eu exigi , mais duro do que eu pretendia. Suas bochechas estavam coradas e seus olhos vítreos quando ela subiu no meu colo e foi à minha frente para o quarto. Uma vez lá, ela tirou a camisa e estava diante de mim em nada, além da calcinha e botas. Pela primeira vez, eu não vi as marcas cobrindo sua pele; Eu não prestei atenção à outra marca de mão do homem no braço do meu bebê. Eu não vi sua beleza exterior nesse momento de maneira alguma. Tudo o que eu podia ver era tudo o que ela era em seu interior irradiando para fora e enchendo cada polegada do meu peito. "Eu te amo pra caralho." Rosnei e caminhei em direção a ela . "Diga de novo." "Eu te amo." "Diga a palavra caralho de novo."


Ela sorriu como o gato que comeu o canário. "Eu te amo pra caralho," ela ronronou. Eu disse muito aquela palavra, mas ela nunca soou melhor do que quando rolou fora de sua língua inocente. Puxei minha camiseta sobre a minha cabeça para jogá-la de lado, mas ainda fui pego em torno de meu braço com a tipoia. Frustrado e impaciente, eu teria arrancado do meu corpo, mas Rimmel fez um som no fundo de sua garganta e veio para a frente. Suas mãos suaves deslizaram para fora do meu braço quebrado sem tanto quanto um sussurro de dor. Quando a camisa saiu, ela pegou as correias soltas na parte superior da cinta e as embrulhou em torno de meu peito recém-descoberto. Uma vez que elas estavam fixadas em minha volta, meu braço estava ancorado mais solidamente ao meu lado. Eu comecei a protestar, irritado com o movimento limitado que iria proporcionar, mas sua mão mudou-se para o cós do meu moletom, e todo o pensamento sumiu. As calças deslizaram pelo meu corpo, e assim ela o fez. Ela ajoelhouse diante de mim e gentilmente segurou minhas bolas. Seus dedos jogaram levemente com a parte inferior, e meus olhos se fecharam. Enquanto ela massageava suavemente meu saco, a outra mão agarrou a furiosa ereção que orgulhosamente se projetava do meu corpo. Ela estendeu-o para longe do meu estômago e deslizou sua pequena boca quente por todo o caminho para baixo para a base . Como diabos ela conseguia engolir todas as minhas polegadas, eu não sabia. E pensar nisso justamente agora, estava fora de questão. Eu empurrei em sua boca , já sentindo o desejo de derramar a minha semente. Eu retirei, um movimento longo, lento e seus lábios se agarravam à pele sedosa todo o caminho. "Cama", ordenei , minha voz mal audível. Mas quando nós dois chegamos lá, um pouco dessa paixão esmaeceu e seus olhos deslizaram no meu braço. "Eu não quero te machucar."


"A única maneira que eu vou te machucar se você não deixar eu me enterrar dentro de você." Seus dentes afundaram em seu lábio inferior. Eu deitei de costas e curvei meu dedo para ela. "Você pode fazer todo o movimento hoje à noite." Ela subiu até o meu corpo e montou minha cintura. Seu corpo inteiro estava em exposição, e os pesados anéis ao redor da cintura dela quebraram em minha luxúria . "Você está machucada, baby? Isso é demais para você?" Sua resposta foi a afundar -se no meu pau em um movimento fluido . Palavras tornaram-se impossíveis. Meus olhos rolaram de volta na minha cabeça, enquanto ela se movia e balançava. Rimmel manteve seu ritmo lento e deliberado. Esta não era como nas vezes que fomos um para o outro com tudo nós tivemos. Em vez disso, ela manteve o movimento em um mínimo, tendo os quadris para baixo contra os meus e balançando todo o seu núcleo contra mim. O interior de seu corpo estava apertado e quente. Seu núcleo estava escorregadio de desejo, e a forma que ela ofegava em cima de mim me puxou sobre a borda. Apenas quando eu estava prestes a bombear-me dentro dela, eu agarrei seu quadril e balancei para cima, espetando-a tão profundo como eu jamais tinha ido. Sua boca se abriu, mas não saiu nenhum som. Ela balançou em pequenos movimentos pequenos enquanto suas coxas tremiam em torno de mim. Branco explodiu atrás dos meus olhos, e eu não vi nada. Eu não ouvi nada. Mas eu senti tudo. Uma vez que seu corpo ordenhou até a última gota que eu tinha para dar, ela escorregou de cima de mim e enfiou-se entre o meu lado e braço. "Talvez eu meio que goste de seus músculos” ela sussurrou. Eu ri.


Ela bocejou. Nós não tínhamos sequer nos dado ao trabalho de puxar as cobertas na cama. "Deixa eu te dar um cobertor", eu sussurrei. "Não." "Não?" Fiquei surpreso. Rimmel sempre queria um cobertor. Ela odiava sentir frio. "Você vai me manter aquecida." Eu sorri para o teto. "Sempre." Tudo em torno de nós poderia ter sido incerto, mas aquela era uma promessa que eu poderia fazer sem uma única dúvida.


CAPITULO nove

Torradeiras são como camas de bronzeamento para pão. #MinhaMenteNãoPresta ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Dormir era indescritível. Depois que eu adormeci nos braços de Romeo, eu consegui obter algumas horas de sono pacífico, sem sonhos, antes de acordar com uma mente inquieta. Não ajudou que a luz solar estava espiando através das bordas das persianas no quarto e eu tive que fazer xixi. Romeo ainda estava dormindo, seu rosto suave e descontraído, e a última coisa que eu queria fazer era acordá-lo, deitando ao lado dele e preocupando-o. Devagar, com cuidado, eu me descolei do seu lado e coloquei debaixo do braço. Eu fiquei na beira da cama, observando-o por longos momentos, e eu não conseguia parar o sentimento de gratidão que me consumia. Isso era um sentimento bem-vindo. Mesmo depois de tudo o que aconteceu, eu ainda me sentia com sorte. Juntei algumas cobertas ultra macias e as coloquei em cima dele enquanto ele dormia e em seguida, apoiei gentilmente seu braço em um grande travesseiro e coloquei uma nova bolsa de gelo em cima. Ele mal percebeu tudo isso.


Enquanto eu puxava sua camisa, um par de calças de pijama soltos, e minhas pantufas, orei que seu braço se curasse rapidamente e a NFL não desistisse dele. Eu não queria correr o risco de acordá-lo, fazendo sidra ou café na cozinha, então eu alimentei Murphy com algumas guloseimas , tornei a encher a comida e água, e mudei a caixa de areia. Quando terminei, eu lavei minhas mãos, e enfrentei e substituí a bandagem em volta do meu pulso por uma nova. Meu corpo doía hoje. Eu estava dura, e a área do meu olho ainda estava inchada . O ferimento não o fez parecer melhor, e as queimaduras de corda no meu torso ainda doíam. Na cozinha, eu engoli alguns analgésicos e andei até a janela para olhar para fora. Estava nevando. Flocos brancos, gordos, acumulavam-se do céu nublado e dançavam em todo o jardim antes de se estabelecer completamente na sua missão de cobrir a grama. A cobertura da piscina estava completamente branca, e eu quase podia fingir que não havia piscina lá de jeito nenhum. Já era meio-dia, mas com base no tempo de irmos para a cama , eu ainda deveria estar dormindo. Mas eu não conseguia parar de pensar sobre o meu pai. E minha mãe. E tudo o que Valerie disse. Na verdade, ela não tinha dito muito mesmo. Ainda assim, a acusação carregava o peso de mil palavras. Eu pensei que ela estava se tornando receptiva a mim. Eu estupidamente pensei que ela estava começando a gostar de mim. E eu estava começando a gostar dela. Se eu tivesse lido tudo errado? Tinha sua oferta para me ajudar a configurar um levantamento de fundos para o abrigo sido algo para fazer todos acharem que ela estava aprendendo a me aceitar como parte da vida de Romeo? Ou talvez tivesse sido uma desculpa para mantê-lo de olho em mim enquanto esperava que o investigador particular sujo que ela contratou para cavar sujeira sobre mim e minha família.


Quando ela não conseguiu encontrar nenhuma, ela inventou. Foi a pior mentira que alguém jamais poderia inventar. Meu pai era um homem bom e decente. Ele nunca iria matar minha mãe. Ele a amava, assim como ele me amava. Corri para a sala e peguei o celular de Romeo na mesa de café. Eu disquei o número do meu pai sem sequer olhar para a tela. Eu sabia de cor. O telefone tocou e tocou, então, eventualmente, foi para o correio de voz. A decepção afundou dentro de mim como uma pedra no meio de uma lagoa. Ele estava, provavelmente, no trabalho. Era meio do dia. Talvez ele estivesse em um canteiro de obras e deixou seu celular no carro. Deixei-lhe uma breve mensagem, dizendo-lhe que tinha perdido meu telefone, mas eu chamaria assim que eu tivesse outro. Eu carreguei o celular de Romeo para o quarto e liguei para o carregador ao lado da cama. Ele ainda estava dormindo, parecendo tão confortável como sempre. Eu senti uma pontada de culpa enquanto eu o observava. Ele estava preso no meio de sua mãe e eu. Eu quis dizer isso quando eu disse a Valerie que eu nunca poderia tomar seu lugar na vida dele. Eu nem sequer tentaria. Eu pensei que eu tinha chegado até ela aquele dia. Mas eu não tinha. Ela ficou bisbilhotando na minha vida com algum estranho que eu nem conhecia. Fez-me sentir suja. E com raiva de novo. Talvez houvesse também uma parte de mim que estava curiosa. Curiosa para saber o que exatamente ela achava que sabia. Eu não poderia imaginá-la jogando em torno de alguma acusação insana da maneira que ela tinha feito, se ela realmente não acreditasse nisso. Eu andei de volta para a janela e olhei pelo quintal da casa principal. Só havia uma maneira de descobrir.


Na porta, eu nem sequer hesitei. Eu saĂ­ para o ar gelado e com neve caindo. Eu queria saber o que exatamente estava acontecendo na mente de Valerie Anderson. EntĂŁo, eu ia perguntar a ela.


CAPITULO dez

Há dois tipos de pessoas no mundo: Romeo e todos os outros. ...Alpha BuzzFeed

R OMEO O som do meu telefone tocando explodiu em meu lugar feliz. Meu lugar feliz = sonhar com sexo com Rimmel. Eu gemi e rolei para pegar o fazedor de barulho quando o movimento causou um disparo de dor pelo meu braço. O telefone não parava de tocar , então eu o peguei em um ritmo muito mais lento e puxei-o para mim. O carregador veio para fora da parede quando eu puxei e o cabo longo pendia do inferior quando eu atendi. "Sim?" Eu respondi com a voz rouca. "Bom dia, filho" meu pai disse no meu ouvido. Ele parecia inteiramente muito bem acordado. Olhei para trás para Rim para pedir-lhe para fazer café, mas ela não estava na cama. Algumas cobertas amarrotadas, um travesseiro que suportava o ajuste do meu braço, e uma bolsa de gelo estavam em seu lugar. Pisquei e olhei para o banheiro. "Ei, pai", eu disse com muito menos entusiasmo do que ele mostrou. "Eu gostaria de falar com você. Há algumas coisas que precisamos discutir."


"É tipo o raiar do dia," eu rebati. "É depois das duas da tarde." "Oh." Bem, não é um saco? "Como está o seu braço hoje?" perguntou ele, a preocupação tomando o centro do palco em seu tom. "O mesmo que ontem", eu murmurei. Eu não ouvi qualquer barulho no banheiro. Talvez ela estivesse na cozinha. "Bem, contanto que não esteja pior." Eu grunhi em acordo. Onde diabos tinha ido a mulher? "Então você vai vir ao meu escritório?" "Claro, pai", eu murmurei, querendo desligar o telefone. "Bom, eu vejo você em breve." Comecei a puxar o telefone longe do meu ouvido, quando o pai chamou o meu nome. "Sim?" Eu respondi. "Rimmel está aqui. Ela está na cozinha com a sua mãe". Bem, se isso não foi um balde de água fria direto nas bolas. "Que diabos, pai?" "Até agora não houve qualquer gritaria." Ele disse o mínimo, quase como se ele estivesse mais intrigado pela papelada sobre a mesa do que pelo fato de que Rimmel e mamãe estavam sozinhas. "Eu estarei aí" Eu bati. Eu podia jurar que ele estava rindo quando eu cortei a chamada.


CAPITULO onze

#FatoVerdadeiro Café descafeinado é como fazer sexo sem orgasmo. ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Eu entrei direto. Eu imaginei que bater teria sido sinal de respeito demais. Ela, obviamente, não me respeitava, então eu percebi que eu deveria trata-la igual. Além disso, Valerie não era uma mulher estúpida. Ela deveria saber que esta visita estava por vir. Eu podia ser tímida e eu poderia até mesmo ser facilmente intimidada, mas eu não ia ser empurrada por aí. Não era tarefa de Romeo me proteger da mãe dele; era minha tarefa me certificar de que ele não precisava. O interior da casa estava quente e quieto. Ouvi alguém se movendo na cozinha, então eu segui o som e me dirigi nessa direção. Quando entrei ao virar da esquina para a cozinha espaçosa, moderna, meus olhos foram imediatamente para Valerie, que estava em pé no balcão com ela de costas para mim. "Eu vim para conversar," eu disse da porta. Ela não endureceu ou girou com surpresa. Ela simplesmente se virou e gesticulou em direção a um pote de café recém preparado. "Você gostaria de um pouco?"


Então, meus instintos estavam corretos. Ela estava me esperando. "Eu vi você vindo pelo gramado" ela explicou enquanto ela retirou duas canecas brancas a partir do armário acima. "Eu suponho que Romeo ainda está dormindo?" "Sim." Eu me movimentei mais para dentro da sala. "Eu não quis acordá-lo." "Como ele está?" ela perguntou, preocupação clara em seu tom. "Ele estava dormindo pacificamente. O braço dele estava elevado, e eu coloquei gelo sobre a área antes de vir para cá. " "E quanto a você?" Ela perguntou, seu olhar perspicaz em mim a olhar atentamente. "Eu acho que você sabe como eu estou." Ela não ficou surpresa com o meu tom ou a minha resposta curta. Como eu disse, Valerie Anderson não era nada estúpida. Isso me fez mais curiosa. "Café?" Ela fez um gesto em direção ao pote. O aroma inebriante da bebida escura era delicioso e meu estômago estava roncando, então eu me mudei para a frente e peguei uma caneca. "Sirva-se", disse ela e se mudou em direção a geladeira, onde ela retirou um pouco de creme. Eu derramei uma quantidade saudável na xícara e peguei o creme com sabor de caramelo que ela tinha oferecido. Uma vez que foi adicionado, eu peguei uma colher do balcão e levei-a para um pequeno recanto forrado com janelas e me sentei na mesa pequena de café. A vista fora da janela disputava a minha atenção: o gramado varrendo, a neve caindo e os galhos das árvores maduras, todos forrados de branco. Mas esta visita não era para brincadeira, e a vista era definitivamente mais agradável. Eu rasguei meus olhos a partir do vidro e estudei Valerie. Ela estava vestida com um par de calças pretas grossas justas e um enorme suéter de cashmere. Era cor lilás e tinha uma daquelas bainhas irregulares onde um lado caía mais do que o outro. Seus pés estavam


cobertos de meias lilás grossas, e seu cabelo loiro estava puxado para cima em um rabo de cavalo alto no topo de sua cabeça. Se ela estava usando maquiagem, era mínima, e havia pequenas sombras abaixo de seus olhos castanhos. Ela definitivamente não parecia velha o suficiente para ter um filho da idade de Romeo. Isso me fez pensar como minha mãe teria envelhecido através dos anos, se ela teria parecido tão sem idade quanto a mulher que carregava a sua própria caneca de café para se juntar a mim na mesa. "Parece que eu lhe devo mais um pedido de desculpas." Ela começou. Eu levantei minha mão. "Eu não quero um pedido de desculpas de você. Eu quero uma explicação." "É justo", disse ela, dobrando as pernas debaixo dela e sorvendo seu café. Quero dizer, sério. Será que ela tem que parecer tão preparada o tempo todo? Eu estava sentado aqui, machucada e surrada com visão embaçada, cabelo sujo, e ataduras em volta do meu pulso. Peguei meu café e tomei um gole fortificante. "Quando Roman começou a lhe trazer aqui, eu contratei um investigador particular para fazer uma verificação de antecedentes. Eu queria saber por quem meu filho estava se apaixonando." "Então, quando você não encontrou nada que o impedisse de me querer, você decidiu inventar alguma coisa." "Não", ela negou. Sua voz era clara e tinha uma nota de verdade. "Eu sei que você não vai acreditar, mas eu gostei de você." "Você está certa. Eu não acredito em você." "Talvez não no início, mas depois que eu conheci você. O tempo que passamos na campanha de levantamento de fundos realmente me mostrou que garota especial você realmente é." "Apenas me conte sobre o meu pai", eu disse. Eu não ia ter uma conversa de coração pra coração com ela agora. Eu não ia me sentar aqui e ouvi-la listar todas as razões por que ela tinha começado a gostar de mim


quando, claramente, todas estas razões tinham ido pela janela no minuto em que o seu contratado para bisbilhotar ligou. "Depois que ele fez a verificação de antecedentes, eu o paguei pelo trabalho. Eu não pedi para manter o controle sobre você ou segui-la. Quanto a mim, o trabalho estava terminado" disse ela. Eu envolvi minhas mãos em torno da caneca e me ajustei na cadeira. Minhas costas doíam, mas eu forcei minha atenção longe da dor e tomei um gole de café. "Eu acho que algumas informações sobre as quais que ele investigou, ainda não tinham aparecido completamente quando ele me deu seu relatório. Apareceram no outro dia, e ele pensou que era algo que eu gostaria de saber, então ele me chamou." Eu balancei a cabeça. "Então eu o conheci em seu escritório para que ele as desse para mim e explicasse os documentos." "Que tipo de documentos?" "As demonstrações financeiras, principalmente. Todas datadas a partir do ano da morte de sua mãe. Cheques devolvidos. Avisos de hipoteca do credor que financiou sua casa. Havia afirmações também mais atuais mostrando o mesmo tipo de padrão ressurgindo em meses recentes." Minhas mãos se apertaram em torno da caneca e um sentimento doente torceu o meu estômago. "Que padrão?" "Seu pai está em dívida, Rimmel." Valerie disse sem calor ou acusação. "Dívidas muito pesadas. Ele está por trás sobre o pagamento da hipoteca, as contas de serviços públicos, e ele foi demitido de seu emprego." "Isso não é verdade", eu moí para fora. "Seu cartão de seguro foi aceito no hospital?", ela perguntou como se já soubesse a resposta. "Isso não é do seu interesse" eu disse, afastando a hipótese correta. "Meu pai foi trabalhar todos os dias enquanto eu estava visitando-o durante as férias de Natal." Tristeza brilhou em seus olhos. "Você tem certeza de que era para o trabalho que ele ia?"


"Onde mais ele teria ido?" Eu exclamei. "Aparentemente, proximidades."

ele

passa

muito

tempo

em

um

casino

nas

Eu ri. Ela ignorou. "Há também algumas evidências dele visitando algumas casas de jogo sem registro, e alguns dos documentos leva ao jogo ilegal e apostas." "Que tipo de evidência do inferno você poderia possivelmente ter para sustentar isso?" "Meu investigador tem fotos de seu pai entrando no estabelecimento suspeito por muito tempo pelas autoridades locais de jogos de azar." Eu senti como se algum otário me deu um soco no estômago. Mas mesmo o sentimento doente não era o suficiente para convencer a minha mente - meu coração - que isto era real. "Eu quero ver os documentos." Ela assentiu com a cabeça, abandonou seu café, e saiu da sala. Peguei o momento a sós para puxar um suspiro trêmulo e passar rapidamente pelas duas semanas que eu estive em casa durante as férias. Meu pai vestido com suas roupas de construção todas as manhãs antes de sair. Ele tinha me deixado à mesa com o jornal e me beijou na cabeça. Ele tinha pegado a marmita do almoço que fiz para ele e o cinto de ferramentas toda vez que ele saiu pela porta. Ele tinha ido embora durante todo o dia. Algumas vezes, ele perdeu o jantar. Ele iria chamar e diria que ia se atrasar à noite no trabalho e que sentia muito. Eu acreditei nele. Ele não mentiria. Ele tinha alguns dias de folga, enquanto eu tinha estado em casa. Esses dias ele realmente pareceu um pouco mais distante, meio que preocupado, mas não era porque ele estava sentado ali desejando que ele fosse para jogos de azar.


Que tipo de homem preferiria sentar-se em uma mesa de apostas do que gastar seu tempo com sua única filha? Lembrei-me de quando eu disse a ele sobre Romeo, sobre como eu estava surpresa de que ele não era mais contrário à ideia de eu namorar. Eu ainda me lembro do olhar de dúvida que cruzou seu rosto, a preocupação quando eu conversei sobre o meu namorado. Eu pensei que com certeza eu estava indo para obter uma palestra, mas então este olhar passou por trás de seus olhos, e o que quer que ele ia dizer morreu em sua língua. Ele disse que só queria que eu fosse feliz. Essa era a razão pela qual ele não me disse que eu não podia namorar, porque ele estava fazendo algo que ele sabia que eu nunca aprovaria? Valerie voltou para a sala carregando uma pasta de arquivo de cor lisa. Ela a deslizou do outro lado da mesa na minha frente sem uma palavra. Eu deixei meu café de lado e abri o arquivo. Dentro estava cheio de extratos bancários, capturas de tela de internet, imagens de câmeras de segurança, e até mesmo informações sobre o cartel de jogo "underground" acontecendo na Flórida. Tudo parecia tão oficial, mesmo que eu me perguntasse como diabos o investigador particular teve acesso a algumas delas. Na parte inferior da pilha estava um relatório. A cópia do relatório policial oficial arquivado na morte da minha mãe. Isso era algo que eu nunca tinha visto antes. Enquanto eu lia, eu não conseguia parar a onda de lágrimas caiam pelo meu rosto. Havia tanta coisa aqui que eu não sabia. Como eu poderia não ter sabido sobre nenhuma dessas coisas? Eu me enrolei minha mão na camisa de mangas longas de Romeo e a usei para limpar as lágrimas escorrendo do meu queixo. Enquanto eu me sentei lá e chorei e li o relatório, Valerie não disse nada. Ela não fez nada. Ela apenas ficou lá e assistiu.


Eu senti seu olhar. Eu senti a maneira astuta que ela olhou. Foi intrusivo, e eu odiava que ela viu essa vulnerabilidade. Mas eu não conseguia parar a maneira que eu reagi a toda esta informação. Eu funguei um pouco e baixei o relatório para tomar um fôlego, ainda incapaz de tirar meus olhos longe do que eu estava lendo. Em algum lugar na casa, uma porta bateu. Romeo apareceu na cozinha, seus passos parando quando viu nós duas sentadas juntas no pequeno recanto. Ele observou as lágrimas no meu rosto, e eu tinha certeza que ele pegou o olhar sombrio em meus olhos. "O que diabos você disse a ela?" Ele rosnou e correu ao redor da mesa e agarrou a cadeira vazia restante. Isso fez um som de raspagem quando ele arrastou-a perto de mim e sentou-se, inclinando o corpo em minha direção e espalhando as pernas, então eu e minha cadeira ficamos parcialmente entre ele. Sua mão esquerda tocou o topo do arquivo que eu estava segurando. "Posso?" Eu me recusei a deixar de ir ao relatório. Ao invés, virei-o em direção a ele para que ele pudesse ver o que eu estava lendo. Levou um momento para ele entender. Eu o ouvi sussurrar, "Departamento de Polícia de Tampa, investigação oficial", sob sua respiração, e então ele engasgou com compreensão. "Você tem a porra do relatório da polícia da morte da mãe dela?", ele cuspiu. "É uma cópia", ela respondeu. A mão de Romeo caiu no meu colo e enrolou na minha coxa. "Você não tem que olhar isso, baby ", ele murmurou. "Sim", eu disse. "Eu tenho." "Roman." Valerie começou, e eu vacilei. Eu não estava prestes a ouvi-la oferecer desculpas. "Você não tinha o direito de fazer isso." Minha voz estava fria e dura. "Não está certo de jeito nenhum."


Ela não disse nada. Foi, provavelmente, para o melhor. "Eu não sei como você conseguiu metade desta informação, e realmente, isso não importa. Eu não acredito nisso." "Você não pode ignorar os fatos. Eles estão lá em preto e branco", ela repreendeu. Eu respirei fundo e pulei de minha cadeira. "Tudo que você tem é preto e branco," eu disse. "Tenho lembranças. Coloridas. Eu tenho palavras e ações. Eu tenho abraços e beijos, feriados gastos com dois pais que me amavam. Que se amavam. Eu não sei o que eu fiz para fazer você me odiar tanto, mas isto é vil. Como você ousa tentar tirar as memórias que me restam da minha mãe." "Eu não estou tentando tirar nada." "Não. Você está apenas tentando me fazer pensar que meu pai a matou" eu cuspi. Romeo ficou e pôs a mão contra o meu estômago, delicadamente tentando me puxar para ele. Eu resisti e enfrentei sua mãe. "Não há nada que sugira isto aqui." Eu bati a pasta sobre a mesa. "Termine a leitura do relatório" disse ela sem calor. Eu bufei. "A verdade é que você não gostava de mim a partir do momento em que pôs os olhos em mim. Você me julgou em uma fração de segundo com base na maneira que eu pareço. Eu posso não ser bonita como você . Eu posso não ter dinheiro para comprar roupas extravagantes ou um cabeleireiro para fazer meu cabelo parecer que eu acabei de sair de um salão de beleza. Mas por dentro, sou bonita. Eu tenho o tipo de beleza que não pode ser paga. Eu tenho o tipo de beleza que a minha mãe me deu." Ela se levantou e abriu a boca. Eu fiz um movimento cortante no ar com a mão. "Sinto muito que você não me aprova. Mas eu não estou indo a lugar nenhum. Eu amo Romeo e eu não vou parar. Eu estou dizendo a você para a partir de agora ficar fora da minha vida. Eu nunca vou afastá-la de Roman, mas eu quero não ter nada a ver com você. Isto " –eu ergui a pasta" é demais. Eu vou trabalhar com você na campanha de arrecadação de


fundos porque eu me comprometi e porque os animais precisam de mim, mas uma vez que tiver acabado, também acaba nosso relacionamento." Valerie realmente empalideceu. Ela olhou para Romeo com olhos suplicantes. "Você fez isso para si mesma, mãe." "Eu vou ficar com isso." Coloquei o arquivo debaixo do meu braço e saí da sala. Meu coração estava batendo tão forte dentro do meu peito que o único som que eu ouvia era meu sangue viajar através das minhas veias. Minhas mãos tremiam e meus joelhos estavam bambos, mas permaneci ereta. Fora no corredor, eu cedi contra a parede e puxei uma respiração profunda. Uma lágrima vergonhosa derramou pela minha bochecha e eu a enxuguei. Eu ouvi a baixa troca de vozes de Romeo e dessa mãe, mas eu nem sequer tentei ouvir o que eles estavam dizendo. Segundos depois, Romeo saiu para o corredor e sem hesitação, ele me puxou para o seu peito. Eu afundei para ele e suspirei. Leia o resto do relatório. Suas estúpidas palavras voltaram ao redor em meus pensamentos. Que bem isso faria? Minha mãe estava morta e ela não voltaria jamais. Será que realmente importava como ela morreu ? Sim. Sim, talvez importasse.


CAPITULO doze

Mensagem dos nossos professores: Wikipedia não é uma fonte confiável. P. S.: eu acho que eles estão errados. ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Rimmel deixou claro que eu não tinha que escolher entre minha mãe e ela. No entanto,

foi a minha mãe que tinha desenhado uma linha na

areia. Ela não tinha dito muito com as palavras, mas suas ações... aquelas eram altas e claras. Eu não tinha ideia de que ela tinha uma cópia do relatório da polícia da morte da mãe de Rimmel. O olhar ferido no rosto de Rim quando eu entrei e a vi a lendo, me disse que ela ainda não tinha visto. Por que minha mãe pensou que era uma boa hora para trazer essa merda fora estava fora de mim. Eu entendi que ela pensou que estava fazendo a coisa certa, mas o que eu não entendia era por que ela pensou isso. Eu não podia aguentar ver Rimmel sofrer desta maneira. Isso torcia minhas entranhas. Minha mãe ia para um rude despertar se ela achava que eu não ficaria do lado da minha garota.


"Por que você veio aqui, querida?" Eu perguntei a Rim enquanto eu a apertava contra meu peito. "Porque eu precisava de respostas." "Será que você as obteve?" Ela levantou seu rosto. "Eu tenho mais perguntas agora." Eu passei a ponta do meu polegar em todo seu rosto, removendo o último vestígio de suas lágrimas. "Papai queria falar com a gente, mas eu vou dizer a ele que nós vamos voltar mais tarde." "Não." Ela se afastou de mim e se endireitou. "Vamos falar com ele agora. Eu estou bem." "Você tem certeza?" Ela pegou minha mão e me puxou para o escritório de meu pai. Ele estava sentado em sua mesa, olhando para alguns papéis na frente dele. "Estamos aqui, pai", eu disse em forma de cumprimento. Ele olhou para cima e sorriu. "Como está o olho, Rimmel?" "Está tudo bem, obrigada." Ele olhou para o meu braço, mas não disse nada. Nós nos sentamos nas duas cadeiras ao lado de sua mesa e esperamos o que quer que ele queria nos dizer. "Eu recebi um telefonema do meu cara do computador ontem. Aquele que passou pelo seu laptop, Rimmel, para ver se ele poderia encontrar qualquer vestígio de adulteração de seus programas." Ela sentou-se para a frente em seu assento, seus olhos voltados para meu pai. "Será que ele encontrou alguma coisa?" "Ele encontrou." Ela caiu para trás na cadeira, como se cinco quilos tivessem levantado livres de seus ombros. "Eu sabia", eu disse.


Papai assentiu. "Não é realmente uma surpresa para qualquer um de nós. Ele está enviando mais de um relatório formal de seus resultados hoje, e eu vou enviá-lo para o reitor." "O que ele encontrou exatamente?", perguntei. "Algum tipo de software que é indetectável para o usuário médio de computador foi instalado que permitiu que um terceiro acessasse o banco de dados." "Então, cada vez que eu salvei meu artigo, com todas as novas informações que acrescentei, ele tinha acesso a isso", Rimmel supôs. "Sim", respondeu meu pai. "Isto vai ser o suficiente para obter sua bolsa de estudos restabelecida e a liberdade condicional suspensa?" "Eu tenho todos os motivos para pensar assim." "E sobre Zach? Será que ele vai ser expulso por isso?", perguntou Rimmel. "Teríamos de ter provas concretas que Zach fez isso, o que infelizmente, nós não temos." "Como diabos isso é possível?" Eu exigi. "Toda vez que alguém acessava seu laptop e informações , foi feito através de um endereço de IP diferente. Nenhum desses endereços combinam com o laptop de Zach. Isso foi feito principalmente através de computadores públicos . Internet de cafés, uma biblioteca na cidade, etc." "Assim, ele só escapa, impunemente?" Frustração bombeou através de mim e tornou difícil para respirar. Como poderia alguém que tinha feito tanto não ser punido? "Eu não diria isso", respondeu o pai . "Zach vai ser posto de lado por um tempo muito longo. Não há nenhuma maneira que ele vai sair do que ele fez para você e Rimmel na última noite." Tinha sido apenas ontem à noite? Deus. Parecia como uma eternidade atrás. "Onde ele está agora?" Perguntou Rimmel.


"Ele ainda está no hospital. Acontece que a sua mandíbula não estava deslocada. Estava quebrada. Eles tiveram que costurar para fechar." Puxa . Eu me senti super mal. Não. "Seu nariz também está quebrado, e por causa do ferimento na cabeça a partir de quando ele acertou o poste, ele foi mantido durante a noite para observação." "Mas ele vai para a cadeia , certo?" Rimmel perguntou. Papai passou a mão sobre o rosto. Ele parecia cansado. Eu me perguntava o quanto de sono ele tinha conseguido. Ocorreu- me que os meus pais estavam sob um monte de estresse no momento. Esta merda não estava afetando apenas eu e Rim, mas todos ao nosso redor. "Há uma chance muito alta de que Zach será enviado a algum tipo de centro de tratamento." "O que você quer dizer?" Perguntou ela. "Ele não vai para a cadeia, querida. Ele vai ficar trancado em uma cela acolchoada." Ela ficou em silêncio enquanto ela digeria a informação. "Bem" disse ela depois de alguns instantes. "Ele definitivamente é louco." Papai riu. "Eu tenho que concordar." "Mas ele não será capaz de sair?", ela perguntou. A preocupação subjacente em seu tom fez meus punhos apertarem. "Correto. Ele será admitido involuntariamente." Papai embaralhou alguns papéis e continuou . "Mas isso não é concreto. Há ainda uma chance de que ele vai acabar na cadeia. Vai haver uma audiência fechada na próxima semana. Vocês dois precisam estar lá." "Para que é isso?" O tom de Rimmel foi entre curioso e pavor. "Seu pai puxou alguns cordões. Usou o fato de que ele está claramente instável e ferido para obter uma audiência a portas fechadas na sala do juiz em vez de um julgamento real. Basicamente, Robert estará representando seu filho, e eu estarei representando vocês dois. Vocês vão, dizem ao juiz o seu lado da história, e então ele vai impor uma sentença."


"Na próxima semana?" Ela perguntou Ele assentiu. "Isto é rápido. Normalmente, leva mais tempo. Mas, por causa da posição de Robert na comunidade e o fato de que este se tornou um caso de grande repercussão, especialmente no campus, todas as partes envolvidas desejam tê-lo resolvido." "Estou feliz. Quanto mais cedo eles o mandarem para o hospício, melhor nós todos estaremos, "eu murmurei. "Sim. Eu concordo", disse o pai. "Mas não use essas palavras exatas no tribunal". Rimmel riu, e meu pai piscou para ela. "Quando eu souber a hora exata e a data que vamos precisar estar no tribunal, eu vou avisar vocês. Vamos nos reunir em um ou dois dias para examinar tudo para que vocês estejam preparados". "Muito obrigada por fazer isso. Você realmente me ajudou, e eu não sei como recompensá-lo", disse Rimmel. "Nenhum reembolso é necessário." Ele sorriu. “A família cuida da família." Seus olhos se voltaram enevoado, e eu limpei a garganta. "Obrigado por todas as informações, papai. Se isso é tudo, é melhor ir. Rimmel precisa tomar banho. Ela está fedendo." Rimmel engasgou e olhou para mim com os olhos arregalados. "Eu não!" Então ela ficou em silêncio. "Estou?" Ambos, meu pai eu rimos. Ela pegou uma caneta da mesa e jogou em mim. Eu a golpeei com facilidade. Rim balançou a cabeça e sorriu. Missão cumprida. Eu estava cansado de ver aquele olhar triste no seu rosto. "Anthony," minha mãe disse, abrindo a porta e entrando na sala. Seus passos vacilaram quando viu que Rim e eu estávamos sentados lá. Rimmel endureceu.


"Sim, Valerie?" Disse o pai. "Eu não sabia que você estava ocupado" disse ela, olhando para mim. Eu fiquei de pé. "Nós estávamos saindo." "Você precisa de alguma coisa para o seu braço? Está tudo certo?" Suspirei. Eu estava cansado de conflito. Parecia nos cercar. "Não, mãe. Estou bem, mas obrigado." Seus olhos se suavizaram e ela balançou a cabeça. "Vamos, fedida" eu disse e estendi minha mão para Rimmel. Ela bufou e apegou. Eu fechei a porta atrás de mim enquanto saía. "Fedida?", Ela perguntou, erguendo a sobrancelha e olhando para mim. Eu sorri. "Eu sei que você tem uma aversão em tomar banho ultimamente," eu brinquei: "mas eu se sinto a necessidade de tomar um." "E o que isso tem a ver comigo?" "Eu vou precisar de alguma ajuda. Eu não posso me lavar com uma mão." Eu poderia muito bem e nós dois sabíamos disso. "Hmm... bem, isso é um problema." Nós pisamos para fora e começamos a atravessar o quintal para a minha casa. Ainda estava nevando, e o fato de que eu não estava usando uma camisa fez meus músculos apertarem contra o frio. "Se eu proteger você da água, talvez você possa lavar todas as minhas duas mil partes?" Eu disse. A menção da água levou um pouco do humor e desejo de seu rosto . Eu peguei a mão dela e a puxei em torno de modo que ela me encarasse. "Se isso é demais, você acabou de dizer a palavra" Eu disse a ela. Ela olhava para a frente direto para meu peito nu. Ela levantou um dedo e roçou meu peitoral. "Os flocos de neve estão derretendo contra sua pele."


"É porque eu estou quente", eu respondi, presunçoso. Ela sorriu. "Você definitivamente está." Um dos seus dedos estalou sobre o meu mamilo endurecido. Eu peguei a mão dela e levei-a aos meus lábios. Gentilmente, eu chupei a ponta de seu dedo em minha boca e rodei a minha língua em torno dele. Seus olhos escureceram. "Eu vou tentar, ok?" ela murmurou, observando-me chupar o dedo. Eu tinha que pensar sobre o que ela estava mesmo falando. Na minha mente, não havia nenhuma conversa mais. Meu corpo tinha assumido. Oh . Certo. O banho. Eu soltei seu dedo lentamente e assenti. "Isso é bom o suficiente para mim." Eu a levei o resto do caminho em todo o chão coberto de neve. Eu sabia que ela estaria bem no chuveiro. Afinal de contas, eu estaria lá com ela. Ninguém poderia resistir a um Romeo nu. Nem mesmo o medo.


CAPITULO treze

A #Nerd conseguiu sua bolsa de estudos de volta. E o #Buzz é que aquele #Hater está trancado numa cela acolchoada. #HatersNemSempreVencem ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Menos de vinte e quatro horas após o relatório do cara do computador chegar, o reitor reintegrou minha bolsa de estudos. Minha liberdade condicional foi suspensa, e foi-me dito para começar a frequentar as aulas novamente. Eu perdi cerca de duas semanas de aulas, e o reitor abriu mão de todas as atribuições que eu tinha faltado. Ele explicou que eu não deveria ter que fazer o trabalho que eu tinha perdido sem minha própria culpa. Claro, eu ainda ia ter que desempenhar para alcançar. As finais, no final do semestre, inferno, até mesmo o meio do período, cobririam as coisas que eu perdi. Por um lado, eu estava feliz por estar de volta à minha rotina regular. Isso ajudava as coisas sentirem mais normal. Por outro lado, eu me preocupava quão bem eu ia ser capaz de manter minha média alta durante uma época em que tudo certamente não estava mais normal. Romeo e eu falamos com a polícia novamente sobre tudo o que aconteceu no campo. Nós demos nossas declarações oficiais e fomos


preparados por Tony sobre o que aconteceria na audiência a portas fechadas envolvendo Zach. Deveria ter terminado agora, mas a data foi adiada. Aparentemente, a pessoa chamada para avaliar a saúde mental de Zach precisava de mais tempo. Eu não acho que foi uma coisa muito boa um psicólogo que precisava de tempo extra para descobrir o que estava errado com ele, mas eu mantive essa pequena opinião para mim mesma. Mesmo que Romeo e eu não falássemos sobre Zach ou sobre o que aconteceu naquela noite, a palavra ainda circulava em torno do campus. Ninguém me perguntou diretamente o que aconteceu, mas a gigantesca contusão no meu rosto resumiu tudo muito bem. Estava começando a virar um tom amarelo feio, mas o inchaço havia desaparecido. Fazia quase uma semana desde o incidente com Zach, e eu ainda não tinha falado com o meu pai. Isso estava me deixando cada vez mais agitada. Não era tão incomum para mim ficar tanto tempo sem falar com ele. Às vezes quando as aulas me ocupavam muito, eu só ligava nos fins de semana. Mas eu tinha deixado mensagens. Eu tinha conseguido um novo telefone. Ele nunca me ligou de volta. Eu estaria mentindo se eu dissesse que não me deixou com suspeitas. E por causa disso, eu me senti culpada. Mas a semente da dúvida havia sido plantada e a falta de comunicação do meu pai só regou a semente, por isso começou a crescer. Depois de um dia inteiro de aulas, andando em torno do campus no frio e em seguida, gastando minha tarde (e jantar) na biblioteca para recuperar o atraso, eu finalmente me arrastei até meu dormitório. Eu estava cansada e estressada. Eu sentia como eu se eu pudesse dormir por uma semana. Ivy estava sentada em sua mesa quando entrei, de costas enquanto ela olhava para seu computador portátil. Um par de fones de ouvido brancos estavam presos em suas orelhas e o cabo estava conectado ao computador. Deixei minha bolsa no chão e tirei minhas botas.


Ivy ouviu e olhou por cima do ombro. "Ei," ela disse, com a voz um pouco alta. Ela apertou um botão no laptop e tirou os fones de ouvido e deixou-os cair sobre a mesa. "Você perdeu o jantar" disse ela. "Eu comi uma barra de granola na biblioteca." Eu fiz uma careta para mostrar como fiquei entusiasmada sobre isto. Então eu girei e deixei meu corpo cair sobre minha cama, de volta em primeiro lugar. Meu gemido alto encheu o quarto. Ivy engasgou. "Poderia ser?", disse ela, tipo toda dramática. "Você – a menina mais estudiosa que eu conheço – ficando cansada de estudar?" Virei a cabeça e tentei refletir seu tom dramático. "Você – a menina não mais estudiosa da Universidade que eu conheço – está aí sentada, estudando? Numa noite de sexta-feira?" Antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, eu pressionei a palma da minha mão na minha testa. "Já entramos na zona de trevas?" Eu chorei. Ivy sorriu para mim e se inclinou para que eu pudesse ver a tela de seu laptop. "Claro que não, eu não estou estudando. Estou assistindo a um tutorial sobre maquiagem no Youtube." Eu ri. "Esta menina tem algumas dicas boas", disse ela a sério. "Tudo está certo no mundo, então." Ivy virou a cadeira para que ela me encarasse. "Eles definiram uma nova data para a audiência com Zach?" Ela sabia tudo o que estava acontecendo, tudo o que aconteceu, mesmo as coisas que Valerie disse sobre o meu pai. Foi bom ter alguém em quem confiar. Alguém que pudesse conversar sobre tudo. Romeo estava sempre lá para mim, mas às vezes uma menina apenas precisava de uma outra menina – uma amiga - para conversar. "Ainda não. Tony acha que eles vão chamar segunda-feira com uma data definitiva." "O que você acha que está errado com ele?" ela perguntou.


"Eu não sei", eu respondi. "Mas eu espero que eles descubram isso, porque Zach está seriamente perturbado." Ela gemeu. "Eu não posso acreditar que eu dormi com ele." O coque louro no topo de sua cabeça saltou quando ela balançou a cabeça vigorosamente. "Eu não sei o que diabos eles estavam servindo na festa naquela noite, mas deve ter sido potente porque eu nunca o teria tocado se eu tivesse sequer uma gota de sobriedade em mim." Eu fiz uma careta. Ivy era um monte de coisas – preguiçosa - quando ela veio para o trabalho da escola, consumidora de roupas, uma menina que gostava de festas e ela definitivamente não era inocente, mas dormir com Zach não era algo que eu absolutamente poderia imaginá-la fazendo. "Quanto você bebeu naquela noite?" Eu perguntei, preocupada. Um olhar de concentração veio sobre seu rosto e, em seguida, seus olhos nublaram. "Eu realmente não me lembro." Ela olhou para cima. "Eu realmente não acho que foi nada mais do que o meu habitual. Mas, cara, me acertou feio. Claro, eu não tinha ideia do que estava no ponche que estávamos bebendo." "Alguém mais estava tão bêbado como você?" "Provavelmente." Ela encolheu os ombros. "Missy estava? Será que ela foi para casa com alguém?" Ivy bufou. "Não. Ela ainda está presa a Braeden." Senti meus olhos se arregalarem. "Ela está?" "Eu acho que sim. Ela não tem namorado muito desde a volta do recesso. Ela realmente gostava dele." Ivy fez uma careta e murmurou: "Embora, eu não tenha ideia do porquê." "Ela não tem estado muito em volta ultimamente" eu disse. Senti-me mal que eu estava apenas observando. "Ela tem estado em volta. Você simplesmente não tem visto..." "Eu tenho sido uma amiga de merda."


Ivy balançou a cabeça rapidamente. "Você está de brincadeira? Sua vida é como uma novela. Eu não poderia sequer inventar metade das coisas que aconteceram com você ultimamente. Você teve um monte no seu prato." Ainda assim. Eu deveria ter sido uma amiga melhor. Eu me sentei enquanto uma ideia veio a mim. "Ligue para Missy. Veja se ela quer sair hoje à noite. Nós podemos assistir a filmes ou algo assim." "Noite das meninas? Eu gosto disso." Então ela ergueu uma sobrancelha. "Você não tem planos com Romeo?" "Ele pode sair com Braeden. É apenas uma noite." "Garotas acima de garotos!" Ivy brincou e pegou seu celular. "Isso soa como algo que B diria." Eu brinquei com ela. "Eu acho que eu apenas joguei acima em minha boca." Ela fez um som de engasgos. Eu ri. "Ligue para Missy. Eu vou só tentar o meu pai novamente antes de sair." Ela assentiu com a cabeça e bateu a tela em seu telefone algumas vezes enquanto ela caminhava em direção à porta. "Eu volto já. Eu bebi uma Coca Diet gigante mais cedo." Acenei para ela e liguei para o meu pai. O humor leve provocado pela ideia de ter uma noite das meninas começou a desvanecer-se quanto mais tempo o telefonema ficou sem resposta. Quando o seu correio de voz veio, eu meio que perdi. "Ei, você ligou para Brock. Deixe uma mensagem e eu vou retornar para você. Obrigado." BEEP. "Pai. sou eu. Eu tenho ligado para você toda a semana e você não me ligou de volta. Eu estou começando a me preocupar ... E eu não quero fazer isso por telefone, mas fui atacada na última semana. Eu estava no hospital." As palavras apenas saíram antes que eu pudesse detê-las. A verdade é que eu estava com raiva. Como poderia ele simplesmente ignorar sua própria filha? Então eu dei a ele algo que ele não podia ignorar. "Apenas me ligue de volta, ok?"


Depois de um piscar de olhos, um pouco da minha raiva desbotou. "Tchau." Joguei o telefone no final da cama com um suspiro. Talvez eu devesse chamar minha avó. Pedir-lhe para ir até lá e verificá-lo. Sim. Isso é o que eu faria. Peguei meu celular apenas quando começou a tocar. Era o meu pai. Então eu acho que a minha mensagem irritada chegou. "Olá?" Eu disse para a linha. "Rimmel, querida? Você está bem? Oh Deus, querida, eu sinto muito." O pânico e pesarem sua voz lutaram uns contra os outros, fazendo-o soar um pouco desesperado e também um pouco louco. "Isto é tudo culpa minha", ele lamentou. Suas palavras atingiram algo em mim. Isso era uma coisa estranha de se dizer. "Por que seria sua culpa?" "Diga-me que está bem? O que aconteceu?" Ele estava insistente. "Tem esse cara no campus que odeia Romeo", eu disse. "Ele, uh, ele me atacou na outra noite porque queria chegar até ele." "Isso é culpa do seu namorado?" Por que sua voz soava tão desnorteada? "Senhor, você gostaria de um outro?" Uma voz feminina perguntou ao fundo. "Sim, por favor", disse-lhe o pai. "Com gelo?", ela perguntou. Ele estava bebendo? Onde ele estava? "Pai?", Eu disse. "Onde está você?" "Desculpe querida. Eu só estou fora pegando algo para comer. Essa foi a garçonete." "Oh," eu disse. "Sua mensagem dizia que você estava no hospital?” ele perguntou.


Ivy entrou no quarto e me deu um polegar para cima e um sorriso. Presumi que significava que Missy estava vindo. "Sim, mas não durante a noite ou qualquer coisa. Principalmente eu estava lá porque Romeo quebrou o braço." "Ele estava envolvido nisso?" "Ele veio para me ajudar e ele foi ferido." Havia um monte de ruído de fundo onde quer que meu pai estava. Com certeza era um restaurante barulhento. "Então, você está bem, então?", perguntou o pai. "O quanto você se machucou? " "Estou bem agora." Ivy estava cavando através de suas roupas, e eu esperava que isso não significasse que a noite das meninas era algo para o qual eu tinha que me vestir. "Graças a Deus", disse ele. "Sua mensagem me matou de susto." "Por que você não me liga de volta?" Eu perguntei abruptamente. "Querida, eu não recebi suas mensagens. Deve haver algo de errado com esse telefone. Eu acho que deve ser hora para uma atualização. " "Você não recebeu nenhuma das minhas mensagens?" Eu perguntei, confusa. "Não até agora. Eu sinto muito que eu não estava lá quando você precisou de mim" Sua voz parecia aflita. "Está tudo bem, pai. Eu estava apenas ficando preocupada." "Não precisa se preocupar comigo. Estou indo bem." "Como vai o trabalho?", Perguntei abruptamente. "Ocupado como de costume", disse ele. "Estamos nos preparando para a corrida de primavera." Eu estava prestes a perguntar a ele sobre o meu cartão de seguro e por que ele tinha sido negado quando algum ruído entrou em erupção no fundo.


As pessoas estavam aplaudindo e algum tipo de música estava tocando. "Querida, a minha comida acabou de chegar aqui. Eu vou deixá-la ir para que eu possa comer antes de ficar frio. Você sabe como eu odeio purê de batatas frio. Mas eu vou chamá-la de volta quando eu terminar, ok? " "Sim, tudo bem," eu repeti. Se ele ouviu a surpresa na minha voz, ele não deixou transparecer. Na verdade, ele desligou o telefone sem sequer um adeus. Eu segurei o telefone fora do meu ouvido e olhei para a tela em estado de choque. "Está tudo bem?", perguntou Ivy. "Eu não tenho certeza", eu sussurrei. Houve uma batida na porta e ela abriu. "A noite das meninas!" Missy cantou, saltando para o quarto. "Garota, você parece boa demais para não ser vista." Ivy estalou os dedos, e Missy fechou uma pose. Ela estava muito bem em um par de jeans preto justos com saltos altos brilhantes azuis e uma blusa branca com mangas cravejadas de prata. Em sua mão carregava um casaco vermelho-vivo. "Devemos totalmente sair", Missy respondeu, correndo os dedos pelos cabelo liso, lustroso. "Sim!" Gritou Ivy. "Nós podemos ir para aquele novo clube que acabou de abrir, aquele perto do campus." Elas queriam ir para um clube? Tipo onde as pessoas iam para dançar e beber? "Eu pensei que nós estávamos assistindo a um filme?" Eu disse. "Nós estamos na faculdade", disse Ivy. "Nós deveríamos sair, se divertir. "Ela olhou para Missy. "Ouvi dizer que é suposto Screamerz para ser incrível." Chamava-se Screamerz?


"Estou animada!", disse Missy, batendo palmas. "Vocês duas vão sem mim", eu disse. "Não", disseram ambas ao mesmo tempo. "Missy, encontre algo para ela vestir enquanto eu me visto, "instruiu Ivy. Missy começou a passar por minhas gavetas, em uma missão. Mordi o lábio inferior. " Os clubes não são realmente minha coisa." "Jogadores de futebol não eram tampouco, e olha o quão bem que acabou", disse Ivy, uma luz provocante em seus olhos. "Ha. Ha." "Vamos lá, Rimmel. Vai ser divertido. Não foi você que acabou desmoronando lá sob toda a pressão e drama que a sua vida tem sido ultimamente? É sexta feira. Você já estudou até seus olhos sangrarem . Sua vida é um desastre, e pelo olhar no seu rosto agora, eu digo que você provavelmente poderia usar uma bebida." "A maneira que você acabou de resumir minha vida me faz querer uma bebida", eu murmurei. Ivy tomou isso como acordo e gritou, "A noite das meninas!" Onde diabos eu acabei de me meter?


CAPITULO quatorze

A NFL está chamando. Agora que o #24 está machucado, acho que eles desligam o telefone. #ACarreiraDeleAcabou? ...Alpha BuzzFeed

R OMEO EU VOU TER UMA NOITE DAS MENINAS HOJE À NOITE. Eu sorri quando li o texto de Rim. Eu poderia quase ouvir seu entusiasmo (ou a falta dele) através do telefone. MAS EU NÃO SOU UMA MENINA. BEM, ISTO É UMA BOA NOTÍCIA, EU ESTAVA COMEÇANDO A ME ADMIRAR. MULHER, VOCÊ ESTÁ QUESTIONANDO MINHA MASCULINIDADE? SIM. TALVEZ VOCÊ DEVESSE VIR ME PEGAR AGORA E ME DAR UMA LIÇÃO Eu ri alto e limpei uma gota de suor da minha testa.


NOITE DAS MENINAS QUE ASSUSTA? ELAS ESTÃO ME FAZENDO IR PARA UM LUGAR CHAMADO SCREAMERZ. Minha mão apertou em torno do telefone. Screamerz era o novo clube para idade de mais de dezoito perto de campus. Eu tinha ouvido falar que poderia ficar bem agitado lá. Eu não tinha ido ainda porque eu tinha estado muito ocupado com o futebol, e agora o treinamento. Eu não tinha certeza de como eu me sentia sobre Rim indo lá. Sem mim. ISSO É UM CLUBE DE NOITE PENSEI QUE ERA UM CLUBE DE LIVRO RIM ... Eu esperava que esses três pontinhos mostrassem o aviso em meu tom. VOCÊ VAI ME FAZER DORMIR SOZINHO HOJE À NOITE? ESSA É A MINHA FALA #<3 Eu gemi. Porra, se esse pequeno hashtag de coração não me fazia esquecer que ela estava tentando me bajular.


De baixo do campo, Braeden gritou: "Yo, Rome. Estamos fazendo isso? " EU VOU TE ENCONTRAR MAIS TARDE. COMPORTE-SE  Por que aquela carinha feliz me faz lembrar que eu tinha um mau pressentimento sobre isto? Segurei a bola de futebol e joguei para baixo no campo para Braeden. Foi uma merda de jogada. 'Claro que todos os meus lançamentos esta semana foram merda. Mas o que mais você pode esperar quando um quarterback destro começa a treinar para ser um quarterback canhoto? "Você está cansado?" B gritou. "Rimmel está tendo noite das meninas no Screamerz esta noite ", eu disse a ele. "Acho que vamos para Screamerz." Eu sorri. "Você leu a minha mente." "Vou ligar para a equipe. Eles podem nos encontrar lá. Nós vamos ter uma noite dos caras." Peguei outra bola de futebol fora da cesta gigante de perto de mim. Braeden levantou as mãos como se ele estivesse pronto para pegá-la. "Bem aqui", disse ele, gesticulando. Eu ainda joguei para ele um passe sólido, e nós tínhamos vindo a trabalhar sobre isso por dias. Isso era frustrante como o inferno. Mas eu não estava prestes a desistir. E eu não estava prestes a sentar-me em torno do meu traseiro e esperar por meu braço para curar enquanto a NFL foi e bateu na porta de outra pessoa. Se o meu braço direito estava fora de serviço, então o meu esquerdo iria pegar a folga. E quando o meu braço direito ficasse melhor, eu seria um quarterback ambidestro. Isso apenas me faria um jogador melhor. Aprender


a jogar do lado oposto do meu corpo era meio que tipo aprender a andar de bicicleta. A habilidade estava lá ; Eu só precisava aprender a dominar isto. Eu não me importava com o trabalho duro, e fazer isso foi melhor do que sentar em torno enquanto meus músculos ficassem moles e minha resistência fosse ladeira abaixo. Eu não podia correr , então me mudei uma elíptica em minha academia ( médico estava ok com isso). Eu não podia levantar ou realmente me concentrar na parte superior do corpo, de modo que eu tinha estado batendo pernas duro. Eu fiz os exercícios recomendados pelo médico da equipe, e eu tinha um compromisso como especialista em ortopedia na segunda-feira e um fisioterapeuta na terça-feira . Eu não podia iniciar o tratamento no meu braço até que estivesse curado, mas eu queria saber tudo o que eu poderia fazer até então. Eu voltei o foco para Braeden, no centro de seu corpo. Minha mente desligou todos os outros pensamentos: o estresse sobre a minha carreira, a luta em que eu estava em afiar meu corpo para executar ... e sim, a imagem da Rimmel em Screamerz. Nada disso importava naquele momento. Era eu e a bola. Concentrei-me a forma como ela se sentia embaixo de minhas mãos e filtrando o ar em meus pulmões. Meu braço recuou e meu equilíbrio deslocou. Eu coloquei tanta força quanto me atrevi (ainda cuidando para não sacudir meu outro lado) e lancei a bola para B. Eu assisti com ansiedade enquanto cortava através do ar. A bola bateu nas mãos em espera de Braeden as mãos, acertando exatamente onde eu queria que fosse. Braeden soltou um grande grito e jogou a bola no campo e começou a fazer algum tipo de dança louca da vitória. Cara, parecia que ele estava em uma mau refilmagem de Saturday Night Fever. "Esse foi o tiro do dinheiro ali mesmo!" ele gritou quando ele foi embaraçoso com ele mesmo. Eu sorri. "Inferno, sim."


"Já era hora de você ter um bom arremesso. Eu estava ficando preocupado, Rome." B sacudiu a cabeça. "Eu tinha certeza de que você ia terminar recebendo ordens de algum garoto com cara cheia de espinhas em uma loja de departamento onde ninguém nunca fez compras." Eu dei-lhe o dedo. "Nós terminamos por hoje? Vou ligar para o pessoal. Talvez você deveria sentar-se." "Você soa como uma maldita mulher" eu murmurei. "Meu braço está quebrado. Eu não estou moribundo." Em meu bolso, meu telefone começou a tocar, e eu sorri. Era provavelmente Rimmel chamando para implorar-me para tirá-la de ir ao clube. Puxei-o para fora, mas não era ela. "Pai", eu disse para a linha. "E aí?" "Eu receio que eu tenho algumas más notícias, filho." Essa é a coisa sobre o meu pai. Ele nunca fazia rodeios. Ele só saía e dizia o que quer que fosse. Eu respeitava isso. "O que foi?" "Os dois times da NFL que estavam interessados em você rescindiram suas ofertas." Eu sabia que isso era uma possibilidade. Inferno, eu sabia que estava praticamente definido em pedra. Isso não tornava mais fácil de ouvir. Eu passei a mão pelo meu cabelo e observei quão úmidas as extremidades estavam de estar no campo, jogando por tanto tempo. "Porra," eu jurei sob a minha respiração. "Eu acho que nós sabíamos que estava chegando", disse ele. “Com o seu braço do jeito que está, ninguém vai querer se comprometer quando há uma possibilidade real de que você não será capaz de jogar nesta temporada. Seria uma grande aposta da parte deles e poderia acabar por ser uma perda real financeiramente."


"Eu sei, pai. Você não tem que explicar." Suspirei. "Eles me colocam de volta no projeto ou estou apenas fora até que eu possa provar a mim mesmo de novo?" Só a ideia disso já me deixava esgotado. "Eu não sei. Eu estou esperando por uma chamada de volta." Nós dois sabíamos o que isso significava. A NFL estava cortando suas perdas. "Obrigada por me deixar saber, pai", eu disse. "É um retrocesso. Mas não é o fim. Você vai estar ainda melhor na próxima temporada, e você terá mais do que duas propostas sobre a mesa." Era uma droga ter estado tão perto de algo que eu queria tanto só para ter isso arrancado no último segundo. "Deixe-me saber se você ouvir qualquer outra coisa", eu disse. Tipo quando eles ligassem e dissessem que eu estava fora. "Claro. E, Romeo? Dê um tempo neste fim de semana. Você começou a treinar apenas alguns dias depois de seu acidente. O descanso é tão importante para o seu corpo como um movimento." "Sim." Eu concordei. "Ok." Não parecia como uma má ideia no momento. "Eu falo com você mais tarde." Quando desliguei, Braeden estava de pé, ao lado, olhando para mim. "O que ele disse?", Ele perguntou. "Estou fora. As equipes retiraram as ofertas." "Isso é um choque", disse Braeden. "Todo mundo vai para Screamerz hoje à noite?" Eu perguntei. Falar sobre o fim da minha carreira na NFL antes mesmo de começar não estava no topo da minha lista de o-que-fazer. "Inferno, sim." "Bom. Vamos tomar banho." Peguei minhas coisas e fomos em direção ao vestiário. De repente, eu estava com vontade de uma bebida forte.


CAPITULO quinze

Todos os bons garotos vão sair hoje à noite para a Screamertz. Até o time de mascotes dos Wolves. #NerdÉANovaLegal ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Eu me sentia como uma Barbie que anda. Ivy e Missy tinha se divertido muito me vestindo. Claro, não é como se eu tivesse protestado muito, então realmente não era culpa delas. A questão é que agora, falar sobre roupas e cabelo e ouvi-las fofocar sobre tudo que elas leram nas revistas de celebridades, era uma grande distração. Não faria mal para não pensarem tudo por um tempo, não é? Ivy enrolou meu cabelo naqueles grandes cachos bagunçados, como ela fez antes. Eu o tinha usado tanto preso ultimamente que quase parecia estranho tê-lo em cascata pelas minhas costas e sobre meus ombros. Normalmente, quando ela veio para maquiagem, eu teria dito que não. Eu não gostava de usar maquiagem. Isso me fazia sentir como se eu não estivesse sendo eu mesma. Mas hoje à noite eu cedi. A verdade era que a maquiagem me fez sentir mais como eu. Ela usou uma mão leve e deixou natural, mas sua aplicação de perita conseguiu cobrir a maior parte dos hematomas ao redor do meu olho.


Quando eu deslizei meus óculos, o aro abrangeu o pequeno corte elevado no meu rosto e eu parecia comigo antes de quando Zach usou o meu rosto como um saco de pancadas. Além da base e camada fina de pó, ela não fez muito mais do que adicionar um pouco de coisas para iluminar os meus olhos (ela me disse do que eram chamados, mas eu realmente não estava escutando) e eu adicionei um batom mate. Missy escolheu um par de leggings jeans que eu esqueci que eu tinha. Era uma daquelas compras que minha avó insistiu em fazer durante as férias. Eles eram de um azul desvanecido e tinha fendas ao longo da frente das coxas para baixo após os joelhos. Eram mais apertados do que eu gostava de usar, mas porque eram leggings, eles não eram desconfortáveis. Eu realmente não entendo o conceito de vestir jeans com um monte de buracos neles, mas a avó me disse que eles estavam em todas as revistas de moda. Ela combinou o jeans com um suéter de malha preta que também era mais justo do que eu teria gostado. Pelo menos não era de corte baixo ou curto que mostrasse meu estômago. "Você tem saltos?" Perguntou Ivy esperançosa. Eu ri. "Você sabe que eu não uso salto. Eu me mataria". "Bem, os meus são todos muito grandes para você." Ela franziu a testa. "Os meus também", disse Missy. Ambas olharam tão tristes que eu não seria capaz de completar este conjunto com saltos que eu ri. "Eu vou ficar com minhas botas." Ivy gemeu. "Você as usa o tempo todo." Eu dei de ombros. "Elas são quentes." Missy me chamou a atenção e sorriu. "Uggs5 como moda de clube, gosto disso." Eles não eram realmente Uggs, mas elas realmente pareciam. "Ugh", disse Ivy. " Não a incentive." 5

Uggs são botas de camurça por fora e forradas com lã, usadas geralmente na neve e em regiões frias.


Eu dei a Missy um sorriso agradecido. "Tudo bem", murmurou Ivy. "Eu só vou usar saltos altos o suficiente por nós duas." Missy e eu rimos enquanto Ivy deslizava seus pés em um par de botas de camurça pretas de salto alto na altura do joelho. Elas definitivamente não eram Uggs. Com elas, ela estava usando um par de jeans branco, um top vermelho e uma jaqueta listrada de branco e preto. Seu cabelo loiro estava em um rabo de cavalo alto que parecia coquete e divertido, seus lábios estavam pintados de vermelho, e sua maquiagem estava impecável. Eu olhei a roupa de Missy de novo – a que fez Ivy pensar que era melhor nós sairmos do que ficar em casa. Eu tinha que admitir que ela realmente parecia tipo que precisava ser vista. Seu cabelo escuro parecia tão elegante como sempre, e cada vez que eu olhava para ele, eu não podia evitar de ter um pouco de inveja de seu cabelo. Ela me pegou admirando-a, e eu sorri. "É bom sair com vocês. Eu senti falta de vê-las ao redor." "Eu também", respondeu ela. "Bem, sem mais conversa fiada", disse Ivy, atraindo ambos os nossos olhares. "Sem cismas com caras que não merecem isso." Ela olhou incisivamente para Missy, que corou. "E nada mais de ser perseguida por algum psicopata que está, finalmente, trancado onde ele pertence." Eu não mencionei que, tecnicamente, Zach não tinha sido punido ainda. Eu não acho que ela gostaria de receber o meu comentário. "Hoje à noite nós dançamos, nós bebemos e nós nos divertimos! "Ivy proclamou e pegou a bolsa. Eu não me senti tão animada como ela soava quando eu fui tirar o colar de ouro que era de minha mãe. Eu o adicionei à minha roupa e deslizei sobre as minhas botas. A pulseira de ouro que Romeo me deu ainda adornava meu pulso, e eu fiz uma pausa para olhar para ela antes de pegar meu casaco.


Quando me levantei , uma pilha de e-mails no canto da escrivaninha de Ivy chamou minha atenção. O topo da mensagem era dirigida a mim . "Você vem?" Ivy perguntou da porta. "Será que este e-mail apenas veio hoje?" Perguntei. "Oh sim, eu esqueci completamente sobre isso." Eu balancei a cabeça. "Eu estarei lá." Missy e Ivy saíram para o corredor, e eu rasguei rapidamente a carta. Era uma conta do hospital. Eu engoli em seco quando vi o tanto que aquelas poucas horas me custaram. Era mais de mil dólares. Eu não tinha mil dólares. Na parte inferior da conta, em letras garrafais que dizia: não segurado. Um jeito de esfregar na cara. "Eu não estou ficando mais jovem aqui fora!" Ivy gritou no corredor. "Tô indo!" Eu gritei e deslizei a conta no meu travesseiro. Eu lidaria com ela mais tarde. Eu não tinha ideia de como, mas eu faria. O interior do Screamerz me fez querer fazer exatamente isso. Eu realmente não acho que isso é o que pretendiam quando eles decoraram o lugar, mas foi o resultado do mesmo jeito. Isso me lembrava um armazém, um enorme e amplo espaço aberto. Os pisos eram polidos de concreto e as paredes estavam cobertas como que parecia ser grandes folhas de alumínio. Símbolos de cerveja e luzes de néon decoravam as paredes e iluminação de pista cobria o teto alto. A música era tão alta que fez o cascalho no estacionamento vibrar sob as minhas botas quando passamos por um grupo de pessoas rindo, vadiando na entrada. No interior, a música era ainda mais alta, o muito ar vibrou com ela, e as pessoas estavam em toda parte. Uma grande multidão de corpos estava no centro do espaço aberto , todos girando e dançando ao ritmo. Na parte traseira do clube, estava uma cabine de DJ gigante com um homem nos


controles. Ele tinha um par de fones de ouvido de grandes dimensões, e a visão me fez bufar. Aparentemente, a música era demasiada alta para ele também. Em torno do perímetro da sala estava um grupo de mesas de diferentes formas e tamanhos. O bar esticava por todo o comprimento do lugar no lado esquerdo e devia ter uns dez metros de comprimento. Quase todas as banquetas estavam cheias de pessoas, a maioria delas em idade universitária. Atrás do bar, pelo menos cinco barmen estavam servindo bebidas, e eu vi algumas garçonetes caminharem ao redor da pista com bandejas de bebidas. "Este lugar é impressionante!" Disse Ivy e agarrou a minha mão para me puxar mais longe. Segurei os dedos enquanto ela me puxou no meio da multidão, com medo que eu ia ser engolida por todas as pessoas. Eu me sentia como Alice no país das maravilhas, como se eu tivesse caído em um buraco e acabei em alguma terra estranha. E, assim como todas as terras estranhas, todo mundo mais parecia totalmente em casa e era eu que era a estranha de fora. Eu me atrevi a olhar para Missy logo atrás de mim. Ela abriu um sorriso largo e dançou os ombros com a batida da música. Claramente, eu não estava indo para obter qualquer ajuda dela. De alguma forma, Ivy encontrou uma mesa vazia para nós. Isto era uma pequena rodada com quatro assentos. Três de nós sentadas para baixo, e eu me perguntava se ninguém iria notar se eu me escondesse debaixo dela. "Drinks, então dançar!" Ivy gritou por cima da música. Eu balancei a cabeça com veemência. "Eu não danço!" Missy riu. "Você dança hoje à noite!" Oh, meu. Isto foi um erro enorme. Screamerz não era meu lugar. Ivy riu e colocou um braço em volta dos meus ombros. "Você sabe o que você precisa?" Eu tinha medo de perguntar.


"Uma bebida. Você precisa de uma bebida para você se soltar." Eu levantei meu pulso e exibi a pulseira que eles colocaram em mim na porta, um marcador que eu não tinha vinte e um. Todas as três estavam usando uma. Ivy agarrou a manga da minha camisa e puxou-a para baixo sobre a pulseira. Ela e Missy fizeram o mesmo. Será que elas realmente achavam que eu ia cooperar? Não havia nenhuma maneira que nós poderíamos apenas andar até o bar e pedir um drinque sem que eles pedissem para ver nossos pulsos. Naquele momento, um cara bêbado tropeçou em mim por trás. Minha cadeira inclinou para a frente e eu dei um tapinha na ponta da mesa, mas Missy pegou meu ombro e me livrou de esmagar meu rosto. "Ei!", Ela gritou. O cara se endireitou enquanto a cerveja espirrava sobre seu copo e em sua mão. "Foi mau", ele disse, assimilando nós três sentadas lá. Seu sorriso se transformou em mais do que apenas um pedido de desculpas educado. Ele percebeu Ivy e Missy, sua olhos apreciativos. Então ele olhou para mim. Seus olhos se estreitaram. "Ei, eu não conheço você?" "Eu?" Gritei. "Não." Ele tomou um gole de cerveja e olhou por cima da borda do copo. "Eu totalmente conheço você", ele disse, mas não ofereceu mais explicação. Ivy sorriu. "Você provavelmente já a viu no campus, e talvez na TV? Ela está namorando o quarterback dos Wolves." Seus olhos se arregalaram. "É isso aí!", Ele gritou, e algumas outras pessoas olhavam. Ele agarrou seu amigo pelo pescoço e o girou por aí. "É a nerd!" Olhei para Ivy e Missy. "Ele apenas acabou de me chamar de nerd?" O cara riu e empurrou-se entre mim e Ivy. Seu braço caiu sobre meu ombro, e ele cheirava como se ele tivesse tomado banho na porcaria em seu copo. Ew.


Eu tentei não enrugar meu nariz quando ele inclinou-se para falar. "Sem ofensa, pequena nerd. Você é tipo o novo mascote da equipe da Alpha U." "Puxa, obrigada", eu murmurei. "Onde está o número vinte e quatro?", ele perguntou. "É a noite das meninas", disse Missy, dando-lhe um sorriso de flerte. Ela poderia pegar muito melhor do que o bafo de cerveja. "Eu entendo", disse ele, bebendo mais cerveja. Eu realmente desejava que ele tirasse seu braço de cima de mim. "Você acha que algum desses bartenders não notaria que a mascote da Alpha U está usando uma daquelas pulseiras?", perguntou Ivy, inclinando-se para perto. O cara olhou descaradamente em seu peito. "Não se preocupe. As bebidas estão por nossa conta." "Oh, você não tem-" Eu comecei, mas ele levantou o copo e gritou. "Para os Wolves!" Todo mundo em torno de nós começou a uivar. A garçonete veio, e ele finalmente me deixou ir para fazer um pedido de mais bebidas. Ivy e Missy me deram olhares divertidos. "Não olhe para mim desse jeito", eu murmurei. "Mascote da equipe?" Missy disse, seu sorriso ficando mais amplo. "Bebidas grátis", disse Ivy. As duas riram e deram high-five . Bafo de cerveja e seus amigos apareceram no meio da multidão, arrastando uma mesa junto com eles e colocando-a ao lado da nossa. E assim simplesmente, nós estávamos em uma mesa cheia de pessoas que estavam todas mais bêbadas do que já tinha estado. Ivy e Missy estavam impressionadas, e bafo de cerveja apontou para o assento ao lado dele . Ivy me deu uma cotovelada, então me mudei para baixo, com minhas amigas ocupando o espaço do meu outro lado .


A garçonete voltou com uma enorme jarra de cerveja, alguns copos vazios, e uma bandeja de doses. Uma das doses, e um azul brilhante , foi colocada em frente de mim. "O que é isso?" Perguntei. "Smurf balls6!" Bafo de cerveja riu. Eu olhei para as meninas. Cada uma delas tinha sua própria dose de Smurf balls. "Ele quer que a gente beba bolas." Eu não conseguia parar de rir do que borbulhava fora de mim. Ivy pegou seu copo e saudou o ar. "Ao balls!" Todos aplaudiram e tomaram a dose. Tomei um gole da minha. Não era ruim para balls. "Faça!" Missy gritou no meu ouvido. Dei de ombros e joguei de volta. Senti o calor líquido do álcool todo o caminho para meu estômago. Um dos rapazes do outro lado da mesa estava sentado com sua namorada. Ela era bonita com longos cabelos ruivos e um agasalho simples. Eu desejei que Ivy tivesse deixado eu vestir um agasalho. "Eu ouvi sobre o que aconteceu com Zach", disse ela, inclinando-se sobre a mesa. Algumas pessoas que a ouviram, olharam para mim. O que eu deveria dizer a isso? Claramente, eles queriam que eu dissesse alguma coisa. "Ele é um verdadeiro idiota", eu disse. "Eu vou beber a isso", disse Ivy e tomou um gole de uma cerveja que apareceu em sua mão. "Mais balls!" O cara do meu lado gritou enquanto outra bandeja de doses azuis apareceu. Missy tomou duas e entregou uma para mim. Eu provavelmente não deveria ter tomado. Eu provavelmente deveria ter dado para o cara ao meu lado. Mas o lembrete de Zach e a imagem da 6

Bolas de Smurf.


conta do hospital que eu apenas abri estavam muito frescos em minha mente. Eu não saboreei as Smurf Balls desta vez. Eu abri minha garganta e atirei-a para baixo. Meus olhos marejaram, mas minhas pernas já começaram a se desprender. Os pensamentos em Zach, o meu pai e seguro perdido desapareceram para serem substituídos por um tipo morno, distorcido de sentimento. Talvez Screamerz não fosse tão ruim no final das contas.


CAPITULO dezesseis

#MensagemParaMeusRapazes Será que a sua garota tem a boca azul? São as bolas. As smurf balls. #DeixeAEquipeDaUniversidadeDescobrirIsso ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Paramos na minha casa para que eu pudesse colocar outra coisa que não as roupas de ginástica antes de ir para Screamerz . Braeden estava à minha frente em seu caminhão e parou na calçada. Já que eu ia nos levar para o clube, eu não me incomodei em puxar todo o caminho até a unidade, mas estacionei o Hellcat para baixo perto da estrada. Quando eu saí do carro e comecei a subira unidade , alguém chamou meu nome. "Romeo Anderson?" Virei-me enquanto um homem em uma jaqueta, jeans e tênis veio correndo do outro lado da rua. Eu olhei para trás para o carro que estava estacionado no lado da estrada em frente a meus pais. Meus olhos se estreitaram. "Quem está perguntando?" "Meu nome é James Darling. Eu sou um escritor da Maryland Tribune-" Eu o interrompi. "Você é um repórter." Eu não tenho nada contra jornalistas em geral, mas esse cara estava sentado fora da casa dos meus pais em uma sexta-feira à noite, literalmente esperando por mim. Isso fazia dele um idiota em meu livro.


"Eu sou um escritor. Eu estava esperando que você poderia me dar uma nota sobre ambas as equipes que retiraram suas ofertas de contratos nesta temporada. Acha que haverá quaisquer novas ofertas na mesa?" "Como diabos você sequer sabe disso?" Cuspi. Ele parou de andar. "As equipes atualizaram a lista. Você foi removido. É de registro público." "Então você pensou que iria sentar-se fora da minha casa para descobrir... por que?" Ele olhou para o meu braço e tipoia. "Sua lesão também é registro público. Você tem sido totalmente o tema quente em esportes ultimamente." Isso me irritou. Eu sabia que não deveria. Inferno, eu provavelmente poderia virar isso a meu favor de alguma forma, mas eu estava cansado, chateado que eu estava sendo expulso da NFL. "Olha, cara , talvez pudéssemos agendar outra hora para conversar ? Tipo durante horário de trabalho?" Parecia que ele queria se opor, mas então ele cedeu. "É claro ", disse ele. "Sinto muito se te incomodei. Às vezes, ser um repórter e ficar na exclusiva interfere nas minhas maneiras." Eu lhe lancei um sorriso. Pelo menos ele era honesto ."Da próxima vez, você deve apenas lidar com isso." Ele sorriu de volta. "Sim, talvez eu vá." Ele enfiou a mão no bolso de seu blusão e tirou um cartão branco. "Este é o meu cartão e meu número pessoal. Chame-me na segundafeira e nós podemos definir alguma coisa." Caminhei alguns passos até a entrada de automóveis até onde ele estava e peguei o cartão. "Eu vou." O repórter olhou para o Hellcat e assobiou. "Isso é um inferno de um carro bom." Eu sorri. " Inferno, sim." "Qual o preço no varejo? Cinquenta mil?"


"Sessenta e seis", eu respondi . Mas realmente não era nenhum desses malditos negócios. Ele assobiou baixinho . "Aquilo é uma pequena fortuna. Mas eu acho que quando você é uma estrela quarterback a caminho da NFL, o dinheiro não é um obstáculo." Meus dentes de trás se juntaram. Isso soou muito parecido com o julgamento de um estranho total. Que idiota. Ele se virou e foi embora. A meio caminho de seu próprio carro ( um Toyota), ele parou e girou. "Oh, e você não deve se surpreender se mais mercados de mídia chegarem. Seu desempenho no campo na última temporada tomou um monte de atenção, mas o..." Ele fez uma pausa como se procurasse por uma palavra." O drama em torno de você ultimamente e aquela sua namorada, isto é o material que faz a notícia". Meus músculos agruparam. Eu não gostava que ele trouxe até Rimmel. De modo nenhum. Eu não disse nada, mas eu fiquei lá e vi até que ele partiu. Eu andei até a calçada em direção à casa. Braeden estava de pé nas sombras, olhando para onde eu tinha ido. "A mídia?", perguntou. "Porra, cara", eu cuspi. Braeden me deu um tapa no meu ombro bom. "Esqueça. Ele estava provavelmente apenas tentando se fazer soar importante. Agora é só ir ficar muito bonito para o nosso encontro hoje à noite." Eu ri. "Cara, você tem alguns dos principais parafusos soltos." "Nada que algumas cervejas não vão resolver", ele meditou. " E talvez uma mulher quente." Vesti uma calça jeans, um par de sapatos que eu não tinha que amarrar, e uma camiseta de manga curta com o símbolo Wolves nela. Estava muito frio para uma camisa de manga curta, mas esta tala maldita e tipoia fazia de colocar uma camisa de mangas compridas uma dor na minha bunda. Uma vez que foi feito, eu joguei boné de basebol da Alpha U, então eu não tinha que bagunçar meu cabelo. Fazer uma merda armado levava mais tempo, e eu estava com pressa para chegar ao clube.


Braeden estava vestido com um par de jeans soltos, uma Henley preta, e uma camisa de manga comprida desabotoada e desgastada. Ele estava usando um apito de prata como um colar em uma corrente de prata longa e tinha um relógio com uma banda de couro grosso enrolada em sua cintura. Ele levou o tempo para fazer o seu cabelo escuro, então ele não precisaria de um boné. Ah , os benefícios de ter mais do que uma mão. Além disso, ele tinha mulheres para impressionar. Eu não. Alguns dos rapazes estavam no estacionamento quando nós encostamos. Estava repleto de carros e a música já estava bombeando pelo ar da noite. Eu estacionei o Hellcat no primeiro lugar que eu vi, e que me juntei aos caras que estavam esperando por nós. Uma linha tinha formado na porta, mas o leão-de-chácara nos reconheceu como os Wolves e nos dispensou na frente de todo mundo . A iluminação era fraca e intermitente dentro. As pessoas estavam em toda parte, no bar, na pista de dança, e todos os espaços no meio. Era um lugar enorme, mas ainda estava lotado. Este lugar provavelmente bombava nos fins de semana. Com ele estava tão perto do campus, era o local perfeito para sair. Eu pensei que era muito legal. A música era alta e esmagadora, e a atmosfera estava muito fria, apesar da grande multidão. "Romeo!" Alguém chamou meu nome e eu me virei, mas não era a garota que eu queria ver. Era um grupo de cheerleaders7 da Alpha U. "Garotas", eu disse, dando-lhes o meu sorriso encantador. "Você está bem?", uma ronronou, deslizando ao meu lado e dando uma olhada no meu braço. Eu inclinei meu corpo apenas um pouco de distância, não querendo dar-lhe todas as ideias. "Tudo bem ", eu respondi.

7

Animadoras de torcida.


Ela abriu a boca para dizer alguma outra coisa, mas Braeden interrompeu. "Rome!", Ele disse, vindo atrás de mim. "Onde a nossa menina está?" "Não a localizei ainda," eu respondi, afastando-me desanimadoras de torcida. Alguns caras que eu conhecia do campus vieram, e eu dei um highfive. Trent e alguns dos Wolves que não tinham nos encontrado no estacionamento apareceram. Eles já tinham cervejas na mão. "A cerveja está correndo solta hoje à noite", disse Trent com um sorriso. "Este lugar sabe como tratar os Wolves." "Doo-ce", disse Braeden. Eu fiz uma varredura da multidão por Rimmel. Ia levar uma eternidade para eu encontrar seu minúsculo traseiro neste bar lotado. "Temos uma mesa ali." Trent fez sinal. "Vamos." "Ei," eu liguei. "Você viu Rimmel?" "Rimmel está aqui?" Os olhos de Trent arregalaram. "Era para estar", eu respondi, varrendo a multidão. "Oh, ela está aqui" a líder de torcida que acabara de falar comigo antes entrou na conversa. Olhei para ela, surpreso. Eu não tinha percebido que ela ainda estava aqui. "Sim?" Ela me deu um sorriso. "Ela está popular hoje à noite." Eu não gostava do brilho nos seus olhos. "O que é que isso quer dizer?" Será que essas cadelas esnobes não sabiam que seu drama estúpido não funcionaria comigo? "Veja por si mesmo." Ela apontou um dedo com uma longa unha rosa colada no final além da pista de dança. Levei um momento para localizá-la. Ela não estava de todo onde eu pensei que ela estaria.


Ela estava sentada nessa mesa enorme cheia de um bando de rapazes e moças. Ivy e Missy estavam à sua esquerda, e ela estava se inclinando em direção a eles, rindo. Ela era a menor pessoa na mesa, e as ondas soltas brilhantes que saltavam em volta dos ombros atraíram meus olhos como um incêndio em um céu noturno. Em seu outro lado sentou um cara. Ele tinha uma cerveja na mão, mas já estava claramente embriagado. Sua linguagem corporal não era para o meu gosto. Na verdade, ele me fazia querer bater em sua bunda. Embora Rim estivesse olhando longe dele através de seus amigos, ele estava sentado lá claramente aberto a sua atenção, receptivo. Enquanto eu olhava, uma garçonete colocou uma bandeja de doses ao lado dele. As pessoas aplaudiram. Meus dentes despencaram quando o bêbado burro estendeu a mão carnuda e puxou o cabelo perfeito do Rim. "Ah, inferno, não", eu cuspi. "O que está acontecendo, Rome?" Perguntou Braeden. Eu agarrei seu pescoço e conduzi sua cabeça na direção do show. Rimmel fez uma careta quando seu cabelo foi puxado e habilmente prejudicou -o de sua aderência. Ele estendeu um copo para ela, e ela abanou a cabeça. Ele o empurrou para ela novamente , e um pouco do líquido – aquela merda era azul? – espirrou sobre sua mão e no braço. Ela franziu a testa e limpou-a , disse algo, então voltou-se para seus amigos. Ele puxou seu cabelo novamente. Quando ela se virou, ele lhe deu um sorriso desleixado e empurrou a dose para ela. Desta vez, ela o pegou e colocou na mesa ao lado dela. Olhei para Braeden. "Ele está tentando deixar a minha garota bêbada."


Braeden assentiu. "Ele está tentando deixar sua garota bêbada." E ele tocou o cabelo dela. Claramente, esta menina precisava de supervisão. Ela estava alheia ao efeito que ela tinha sobre as pessoas. Mas eu vi... Graças a Deus, eu apareci quando eu fiz.


CAPITULO dezessete

#VocêPodeEstarBêbado quando sentar no banheiro e procurar seu cinto de segurança. ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL O primeiro sinal de que você está bêbado é dizer a si mesmo que não está. Eu certamente não estava bêbada. No entanto, quando bafo de cerveja tentou me dar ainda outra Smurf balls –hehe, eu disse bolas – eu recusei. Claramente, ainda havia um pouco de senso comum ou sobriedade restante em mim. Eu era tão peso leve. Essas duas doses que eu tinha tomado antes me deixaram totalmente tonta. Depois eu bebi outra antes de me render a ele para Missy engolir em um gole. Eu não tenho certeza do que estava naquela poção azul, mas com certeza me deixou risonha. E descontraída. Especialmente desde que eu estava sentada em uma mesa cheia de pessoas que eu não conhecia. Mas todas elas me conheciam. Era um conceito estranho. Debrucei-me sobre Missy e olhei para Ivy. "Você deve me chamar de Alice." Ivy inclinou a cabeça e olhou para mim com interesse. Depois de outro gole de cerveja, ela disse: "Você parece uma Alice."


Missy assentiu com os olhos arregalados. "Você parece." Nós três começamos a rir. Bafo de cerveja começou a puxar meu cabelo de novo, e eu queria gemer. Ele era um parceiro de bebida muito zeloso, e eu não tinha ideia de como dizer-lhe para cair fora. Eu não queria ser má. De repente, uma voz baixa, familiar, soou estranhamente perto . "Você pode querer pensar duas vezes sobre colocar a mão no cabelo da minha garota mais uma vez." Engoli em seco e me virei. Romeo estava elevando-se sobre a mesa, inclinando-se em direção a mim, mas olhando para o bafo de cerveja , que imediatamente tirou a mão e começou a gaguejar. "Ei , número vinte e quatro. Eu na–não quis dizer nada. Eu só estava falando com ela." Ele começou a empurrar para fora do seu assento, seus movimentos bêbados desleixados. "Aqui, pegue minha cadeira." Pobre rapaz. Eu comecei a rir. Um sorriso puxou os lábios de Romeu ele acenou para o cara recuar. "Nah, cara. Guarda seu assento. Eu tenho um." A próxima coisa que eu sabia, eu estava sendo levantada fora da cadeira por um braço, e Romeo sentou para baixo, encaixando-me em seu colo. Eu deixei minha cabeça cair contra seu peito e olhei para ele , puxando a aba do boné. "Olá , sexy." Seus olhos enrugaram nos cantos com divertimento. "Olá, baby." Eu enruguei meus lábios para que ele pudesse me beijar. "Por que diabos seus lábios estão azuis?", ele exigiu. Eu comecei a rir de novo. "Foi por causa das bolas." "É melhor você não estar falando sobre o tipo de bolas que eu acho que você está falando", ele rosnou.


Ivy inclinou-se em torno de Missy e encarou Romeo. "Esta é a noite das meninas!" "Então por que existem mais caras na sua mesa do que meninas?", ele perguntou, levantando uma sobrancelha. Missy sorriu. "Ele tem um ponto" eu disse a ela e descansei minha bochecha contra seu peito. Então eu engasguei e empurrei de pé. "Eu machuquei o braço?" "Você está bêbada", ele murmurou. "É porque bafo de cerveja ficava me dando bolas." Eu ri. Ele fez um sinal com o polegar. "Aquele bafo de cerveja?" Eu balancei a cabeça. Romeo estendeu a mão e agarrou-o pelo seu pescoço e puxou-o para nós. "Você deu bolas à minha menina?" "Que porra é essa!" Braeden rugiu sobre o meu ombro. "BBFL," eu gritei. Braeden olhou para mim com um sorriso. "Ei, menina tutora." Então ele olhou para bafo de cerveja e fez uma careta. "É uma dose, cara" ele respondeu a Romeo e apontou para a bebida azul sobre a mesa. "Smurf Balls." Ivy, Missy, e eu começamos a rir. "Ele disse bolas," disse Missy. "Pelo amor de Deus," Romeo murmurou. "Experimente!" Eu disse e estendi a dose. Ele fez uma careta. "Você quer que eu engula algo chamado Smurf balls?" "É bom!", eu disse a ele. Braeden riu. "Sim, Rome. Vamos ver você engolir as bolas." Sentei-me para a frente e peguei outra dose da mão de Missy e estendi-a para Braeden. "Aqui, você tem algumas também." Ele empalideceu.


Romeo riu. "Isso é de Missy, Rim", Braeden me disse. " Ela não se importa." Eu olhei para Missy, e ela balançou a cabeça . Vi-a olhar por cima do ombro para Braeden e dar-lhe um aceno. "Ei, senhorita, como você está?" Braeden disse. "Eu ficaria melhor se você bebesse o Smurf balls." Todas as três de nós meninas rimos um pouco mais. Os caras olharam uns para os outros e com as doses em suas mãos. Sério. Qual era o problema? Era apenas Smurf balls. Olhei em volta e percebi todos na mesa assistindo. Eu sorri. "Quem acha que eles devem tomar as doses?" Eu gritei. "Bebam!" Alguém na mesa gritou. Antes que eu percebesse, todo mundo estava cantando. Romeo mostrou seus dentes brancos e perfeitos, e minha barriga pulou um pouco. "Você tem sorte que eu te amo." "Boca abaixo, B!", ele disse. Ambos os rapazes levantaram as doses azuis e em seguida, jogaram de volta. Todos aplaudiram. Romeo bateu o copo na mesa e olhou para mim. "Isto é o que deixou você tão bêbada? "Ele parecia um pouco cético. "Isso tem gosto de ponche de frutas." "Eu lhe disse que era bom." Eu assenti. "Então, Braeden." Ivy riu. "Que gosto têm as bolas?" "Bem, eu não tenho nada com que comparar, ao contrário de você" , ele atirou de volta. "Eu realmente não sei o que você viu nele", Ivy disse Missy , que corou. "Como diabos você sequer se serviu?" Romeo me perguntou.


"Bafo de cerveja quase me derrubou" eu expliquei, e seus olhos se estreitaram. "Mas então ele disse que estava arrependido e me reconheceu por sua causa. Todos eles me chamam de nerd, que a princípio eu pensei que era um insulto, mas então eu percebi que eles estavam dizendo como legal." Romeo levantou a mão. "Legal?" "Uh-huh." Eu concordei. "Então, todos eles disseram que eu era como a nova mascote da equipe dos Wolves, e a próxima coisa que eu sabia, nós estávamos bebendo Smurf Balls." "Você fala muito quando você está bêbada" Braeden disse sobre o ombro de Romeo. "Esse cara têm comprado as suas bebidas a noite toda?", ele apontou para bafo de cerveja novamente. Eu dei de ombros. "Acho que sim." Ele não parecia muito feliz com isso, e isso causou alguma preocupação através da minha calma bêbada. "Você está bravo comigo? Eu fiz alguma coisa errada?" Seus olhos suavizaram sob a aba de seu boné, e ele se inclinou para me beijar suavemente. "Não, baby. Você não fez nada errado." Ele me levantou e me levantou nos meus pés. Eu oscilei um pouco, e estendi a mão e Braeden me puxou para longe da mesa e para o seu lado. "Garota, você é uma bagunça quente." "Senhoras", disse Romeo para Ivy e Missy. “Nós estamos indo para a mesa dos wolves." Ele gesticulou para elas seguirem. Então ele se levantou e cavou algumas notas de vinte do bolso e jogou-as na mesa em frente a bafo de cerveja. "O que é isso?", Ele perguntou, olhando para cima, seus olhos totalmente vítreos. "Reembolso", Romeo respondeu, sua voz, dura. "Pelo quê?" "Ninguém compra bebidas para minha menina, senão eu." Ele nos levou à longa mesa perto da pista de dança, onde a maioria dos Wolves


estavam sentados. Quando eles nos viram chegando, eles se misturaram em torno de modo que houvesse lugares suficientes para os cinco de nós sentar juntos. Romeo e Braeden sentaram-se perto um do outro e em seguida, Missy e Ivy deslizaram, deixando uma cadeira ao lado de Romeo para mim. Fui sentar para baixo, mas ele me pegou pela cintura e me puxou para o seu colo novamente. "Eu acho que este é um bom lugar para você", ele sussurrou em meu ouvido. Os pequenos pelos na parte de trás do meu pescoço se levantaram. Eu me inclinei para beijá-lo, mas eu bati minha cabeça na aba do boné. "Ow," eu reclamei. Ele estendeu a mão e deslizou-a em torno de modo que foi virada para trás. Minha boca ficou seca, observando a ação. Meu Deus, eu não tinha ideia de que Romeo em um boné era tão incrivelmente sexy. A maneira como seus olhos azuis se aprofundaram quando ele olhou para mim, dizia que ele notou a maneira que eu notei o quão ligada ele me fez. Ele espalmou a parte de trás do meu pescoço e me puxou para perto. Sua língua deslizou sobre meus lábios, e eu abri para que ele pudesse varrer para dentro. O sabor da dose permanecia em nossas línguas e foi como uma explosão de fruta dentro da minha boca. Eu gemi e me afundei um pouco mais para ele, mas ele me puxou de volta e afastou sua boca. "Mais tarde" ele prometeu. Uma música popular começou a tocar no clube e todos aplaudiram . Ivy largou a cerveja. " Este é minha batida!", ela anunciou. Ela e Missy se levantaram e olharam para mim com expectativa. "O quê?" "Nós vamos dançar." "Divirtam-se", eu disse e acenei. "Oh, não", disse Missy e agarrou minha mão. "Você está vindo também." "Eu estou muito bêbada", disse eu.


"Se você estivesse muito bêbada, você já estaria lá fora", Ivy rebateu. Olhei para Romeo para obter ajuda. Ele sorriu. "Vai agitar, baby." "Tudo bem" Eu bati. "Eu vou." Nós três fizemos o nosso caminho para a pista de dança e encontramos um local perto da borda. Ivy e Missy foram direito a ela; a maneira como elas se moviam me fez pensar duas vezes. Eu não dançava. Como sempre. Eu estava descoordenada, autoconsciente e desajeitada. "Vamos lá!", disse Ivy e estendeu a mão para a minha mão. Eu balancei minha cabeça. "Eu não sei como." "Claro que sabe!", Ela disse e colou ambas as mãos em meus quadris. Senti-me corar quando ela moveu as mãos para a batida, mostrando aos meus quadris para onde ir. "É isso aí." Ela sorriu e recuou. O álcool me fez corajosa, e assim eu continuei me mexendo, balançando meus quadris e jogando meu cabelo ao redor. Missy riu, e um cara veio atrás de Ivy e ela começou a moer contra ele. Eu tropecei um pouco ao observá-los. A forma como os seus corpos se moviam juntos era tão erótica que eu caí totalmente fora de ritmo. Em seguida, um cara muito alto com cabelos escuros super curtos aproximou-se por trás de Missy, e ela lançou-lhe um sorriso por cima do ombro. Ele estendeu a mão para deixar sua mão sobre seu quadril, e ela girou para encará-lo e assentiu. Ele a agarrou por trás e puxou-a contra o seu corpo, e eles começaram a rebolar juntos, o cabelo escuro, liso, dela batendo ao redor. Eu nunca fui a nenhuma escola de dança no colégio ou qualquer um dos eventos da Alpha U. Eu nunca tinha realmente dançado em público antes. A única vez que eu tentei em casa, eu caí e bati minha cabeça . Eu nunca tinha dançado com um cara assim. Inferno, eu nem sabia que as pessoas dançavam daquele jeito.


Eu estava ali me sentindo muito autoconsciente e meio boba. Meu humor risonho escorreu para fora naquele minuto. Ivy e Missy estavam totalmente envolvidas com os caras que pegaram as duas, e eu estava fazendo papel de boba ali de pÊ, assistindo. Eu estava prestes a voltar para a mesa quando um braço me envolveu por trås.


CAPITULO dezoito

Dançar é apenas uma maneira de fazer sexo vestido. #VamosParticipar ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Eu não podia evitar de observar a maneira que o traseiro apertado de Rimmel mexia na pista de dança. Aqueles jeans que ela vestia estavam me deixando duro. Ela geralmente não usava uma merda apertada como aquela, e eu realmente não me importo, mas isso não significava que eu não poderia admirar a vista quando ela usasse. Os pequenos rasgos na frente das pernas expuseram pequenas manchas de sua pele, e isso fazia eu querer mergulhar meus dedos nestes rasgos para sentir a maciez de sua pele. "Cara, essa é a minha irmã que você está olhando assim", disse Braeden no meu ouvido. Olhei para ele e sorri. "Ela é fodidamente gostosa." Ele fez uma careta e bebeu um pouco de cerveja. "Irmã", ele me lembrou. Eu olhei de volta para ela e sorri. "Ela é uma um dançarina terrível." Braeden riu. "A pior."


Eu assisti quando Ivy tentou ensiná-la a se mover. Ela ficou um pouco melhor, mas uma vez que Ivy se afastou, Rim parecia perdida novamente. "Ei, ela parece mais magra para você?" Braeden perguntou. Eu dei a ele um olhar de soslaio. Ele encolheu os ombros. "Suas roupas são apertadas. Eu percebi." Sua blusa era apertada. Moldava sua pequena figura tão bem como o jeans. Eu estava surpreso que Ivy conseguiu levá-la a vestir isto. Mas agora que B disse algo, ela parecia um pouco mais magra. Eu me senti como uma merda por não perceber antes. Eu peguei minha cerveja intocada e tomei um gole. Eu tinha estado preocupado demais para notar que ela não estava tão bem como ela deixou parecer? Eu estava perdendo alguns dos sinais de que ela estava se preocupando? "Não se torture", disse Braeden. “Ela está bem. Talvez ela só pareça mais magra porque ela não está se afogando em roupas." "Talvez", eu ecoei, mas eu já estava querendo saber se eu perdi alguma coisa. B e eu vimos como as meninas foram apanhadas por alguns caras aleatórios. Rimmel parecia mais perdida do que nunca. "É melhor você ir mostrar a essa menina como dançar antes que alguém seja voluntário" Braeden disse. Inferno, não. Eu empurrei para longe da mesa e fiz meu caminho em direção a Rimmel. Eu podia sentir sua indecisão sobre estar onde estava. Eu a vi observando suas amigas como se ela não tivesse ideia que as pessoas sequer dançassem assim. Claramente, ela estava fora de seu elemento. Às vezes eu esquecia quão inocente Rimmel realmente era. Desde que realmente aprendendo sobre ela, eu vi sua força interior, sua determinação. Ela nunca levou a minha merda e ela estava confortável o suficiente comigo que ela não era mais tímida. Mas isto não era apenas ela e eu.


Servia como um bom lembrete para mim que mesmo que ela fosse de um jeito comigo, no fundo, ela era outra coisa quando ela estava em situações que eram estranhas para ela. Sua inocência foi algo que me atraiu desde o início, e também a maneira que ela era tão honesta sobre isso. Ela nunca tentou fingir que era outra coisa senão que o ela era. Eu fodidamente amava isso nela. E isso me fazia querer protegê-la. Isso me fazia querer proteger aquela inocência. Eu a peguei pela cintura quando ela estava prestes a fugir. Meu braço envolveu mais baixo, em torno da cintura, bem do outro lado de seus quadris, e eu a puxei firmemente contra mim. Ela engasgou e começou a se afastar, e eu ri. O som do meu riso era familiar, e ela parou de lutar e espiou por cima do ombro em torno de uma cortina de cabelo escuro. "Quer dançar?" "Eu sou terrível em dança." "Eu acho que você só precisa do professor certo" Eu sussurrei em seu ouvido. Ela arqueou contra mim, e eu desejei ter uso de ambos os braços. Esta tipoia maldita estava realmente dando câimbras no meu estilo. Eu usei o meu braço livre para mantê-la presa contra mim e deslizei os dedos da outra mão por baixo de sua blusa para que descansassem contra sua pele nua. Porque ela era muito mais baixa do que eu, eu tive que dobrar os joelhos e meio que me debruçar em torno dela. Eu trouxe o meu rosto para baixo para que ficasse perto do lado da cabeça e as mechas lisas de seda de seu cabelo flertaram com a minha bochecha. Eu meio que tinha tido preguiça de me barbear ultimamente por causa de toda a minha dificuldade de locomoção, e a nuca de minha barba prendeu nos fios como se fosse velcro. Com o meu corpo envolto em torno dela, eu comecei a mover meus quadris, segurando-a contra mim, e praticamente levantando-a do chão.


"Mexa-se comigo, baby", eu sussurrei em seu ouvido. Um longo suspiro moveu através de seu corpo, e ela relaxou em mim até que ela estava quase desossada. Meu pau endureceu quando sua bunda moveu contra mim. Sua mão enrolou em torno do lado do meu quadril e agarrou minha bunda. Eu enterrei meu rosto em seu cabelo enquanto nos movíamos juntos, os dedos roçando sua pele nua, e ela se arqueou contra mim mais longe. Necessidade e desejo me inundaram. Isso pendurou sobre nós como uma nuvem. Eu tinha dançado assim com muitas meninas. Eu praticamente tive relações sexuais no meio de uma pista de dança. Isso era uma espécie de domínio… Mas nunca tinha me ligado tanto. A canção morreu, e eu encontrei-me irritado que não durava para sempre. Eu não estava pronto para deixá-la ir ainda. Em vez de uma outra música começando em seguida, o DJ veio em cima do microfone. "Temos a realeza do futebol na casa hoje à noite." Um grupo de pessoas uivou. "E parece que o Alpha8 e sua companheira estão na pista de dança... esta canção é para vocês, pessoal." Rimmel inclinou a cabeça para trás e olhou para mim por debaixo de seus óculos. "Nós?" Gentilmente, eu girei-a para longe, para que ela me encarasse. Eu amei a forma como o cabelo dela flutuou em torno com o pequeno rodopio. "Quem mais?" Eu rosnei e puxei para mais perto. Pessoas ao nosso redor aplaudiram quando uma música lenta sobre sexo começou a bombear através do clube. Era a primeira música lenta que eu tinha ouvido tocar a noite toda. "As pessoas estão assistindo", Rimmel sussurrou. "Bem, vamos dar-lhes algo sobre o que falar." Enfiei minha coxa entre as pernas e a trouxe assim seu peito ficou contra o meu. Suas coxas se apertaram ao redor da minha perna e seus 8

Trocadilho com o nome da universidade e alfa, líder do grupo de lobos.


dedos se enroscaram na frente da minha camiseta. O seu corpo pareceu assumir e começou a mover para a música sexy. Eu não sei se ela percebeu ou não, mas ela estava dançando neste momento, e era sexy como o inferno. Quando ela ficou um pouco mais corajosa, uma de suas mãos deslizou em volta da minha cintura e no bolso de trás da minha calça jeans. Eu gemi um pouco em minha garganta enquanto ela girou contra a minha coxa e fez um som de ronronar. Eu me endireitei um pouco mais, trazendo o corpo dela com o meu enquanto ela balançava contra mim. Sua testa caiu no meu peito, e ela segurou. Eu senti a tensão em seu corpo, senti a necessidade e o desejo. Eu nunca fiquei tão fodidamente excitado em público assim. Eu mal podia enxergar direito. Estava tomando tudo de mim para não arrastá-la fora daqui e jogá-la no banco de trás do meu Hellcat. Casais em torno de nós começaram a dançar e a multidão se aproximou. Rimmel estava respirando um pouco pesado quando ela levantou a cabeça. Ela me soltou para empurrar os óculos para cima do rosto e em cima da cabeça como uma tiara. "O que está fazendo?" Perguntei, inclinando-me. "Fazendo tudo ao nosso redor borrado. Tudo o que eu quero ver agora é você." Eu tomei seus lábios. Eu os possuí. Se alguma vez houve uma dúvida na mente de alguém que esta menina era exclusivamente minha, não havia mais. Rimmel colocou os braços ao redor da minha cintura, e uma vez que ela percebeu o que ela fez, ela começou a recuar, para dar ao meu lado com a tipoia um pouco de espaço. "Não se atreva" eu rosnei e puxei as costas dela. Seus braços enrolaram ao meu redor de novo, e eu percebi que eu estava faminto. Eu tinha estado faminto por este contato frontal. Nós tínhamos sido tão cuidadosos com o meu braço que isso limitou o jeito que ficamos juntos.


Nós dois estávamos feridos e limitados. Mais limitados do que eu percebi. Eu varri a minha língua em sua boca, e o DJ capotou em algum tipo de luz que fez a sala mais escura, mas com lampejos de um estroboscópico prata batendo através da sala. Ele tornou mais difícil para recuar. Quando eu fiz, ela fixou contra mim e olhou para cima com olhos nebulosos. "Romeo", ela sussurrou e balançou contra mim uma vez mais. "Me dê isso, Baby." Ela arregalou os olhos porque sabia o que eu queria. Ela olhou ao redor de lado a lado, olhando para todas as pessoas na sala. Eu agarrei-lhe o queixo e olhei para ela. "Não. Aqui mesmo. Só nós, lembra? " "Eu não posso." Eu trouxe a minha perna para cima um pouco mais, pressionando contra o seu centro pulsante com mais pressão ainda. Seus dentes se afundaram na parte inferior do seu lábio. Eu sorri. "Ninguém vai sequer perceber." Eu me inclinei para o seu ouvido. "Mas eu vou. E, caramba, isso me deixa tão quente." Seus olhos cor de avelã olharam para mim com tanta confiança e amor que meu coração apertou. De repente, me senti culpado, como se estivesse empurrando-a para fazer algo. Eu nunca quis fazer isso. Eu só estava pensando sobre o quanto eu amava sua inocência. "Ei," eu disse e bati em seu lábio inferior com o meu polegar. "Esqueça. Vamos apenas para casa. Vamos terminar isto lá." Seus dentes afundaram na almofada do meu polegar, e todo o pensamento cessou. Os lábios de Rimmel enrolado em torno da ponta do meu polegar e depois deslizaram mais longe. A sua boca era quente e úmida, a pressão que ela aplicou, suave. Foi uma coisa boa que ela estava praticamente no meu colo porque eu precisava de algo para esconder minha ereção feroz.


Ela balançava contra minha perna e a música sobre a cabeça construiu a tensão perfeita. As luzes estavam erráticas, criando sombras e acendendo a cada poucos segundos. Seu gemido silencioso vibrou o meu polegar e em seguida, ela o soltou e envolveu uma mão volta do meu pescoço e enterrou o rosto no oco entre meu ombro e queixo. Mantivemos a dança, eu mantive a pressão contra seu núcleo, e ela balançou contra mim com movimentos lentos e deliberados. Eu sabia quando ela estava prestes a vir. Eu senti a mudança vir sobre seu corpo. A leve tensão repentina em seus músculos e a maneira que as unhas escavaram na parte de trás do meu pescoço. Puxei-a ainda mais perto quando ela desmoronou em meus braços. Eu sabia que ela estava tentando se segurar, para não mostrar completamente o que realmente estava acontecendo. Eu a segurei e continuei a dançar, mesmo depois que seu corpo parou de tremer. Puta merda, ela tinha acabado de ter um orgasmo no meio de uma sala lotada. Eu tinha praticamente feito sexo com ela completamente vestida. Isso me fez mais determinado do que nunca para tê-la sozinha e nua. A música desapareceu e uma dança alegre começou. Rimmel se afastou e olhou para mim. Beijei-a na ponta de seu nariz, e em seguida, deslizei os óculos de volta em seu rosto. "Você já teve a noite das meninas suficiente?" Eu perguntei. Ela assentiu com a cabeça. "Graças a Deus. Vamos lá." Levei-a do chão e de volta à nossa mesa onde Ivy e Missy estavam sentadas com os caras. Braeden estava fora na pista de dança com alguma garota gostosa. "Nós estamos indo", Rimmel disse às suas amigas enquanto eu me afastei para dizer as minhas despedidas para Trent e os caras.


Quando eu terminei, eu voltei para o lado dela e olhei para as meninas. "Como vocês vão para casa hoje à noite?" "Eu dirigi ", disse Ivy. Missy riu. "Você não pode dirigir. Você está bêbada", disse Ivy. Ela balançou a cabeça. "Eles estão bêbados. Eu não. Tudo que eu bebi foi algumas doses há algumas horas e esta única cerveja." Ela apontou para uma cerveja meio cheia perto. "Eu posso lidar com o meu licor e aquelas doses não eram fortes." Eu me abaixei para que eu pudesse olhar no nível dos seus olhos. Ela olhou para trás enquanto eu procurava por qualquer sinal de que ela realmente estava bêbada e apenas tentando representar. "Em algumas horas, eu vou estar totalmente sóbria e capaz de arrastar esta aqui" - ela apontou para Missy, que estava tomando outra dose "de volta para o dormitório." Ela olhou atrás de mim para Rim. "Missy pode usar sua cama hoje à noite?" "Claro!" Ivy encontrou meu olhar novamente. "Mesmo?" Perguntei. "Mesmo." Eu balancei a cabeça lentamente. Eu acreditei nela. Eu acho que era a primeira vez que tinha estado fora festejando que eu não a tinha visto ficar totalmente destruída. Fez eu me perguntar por que desta vez foi diferente. "Se você precisar de alguma coisa. Ligue." Algo passou por trás dos olhos de Ivy, mas em seguida, foi embora. "Eu ligarei. Obrigada." Eu estendi minha mão e ela bateu fora. Então eu a estendi para Missy, para que ela não se sentisse excluída. Ela tentou bater, mas errou. Ivy riu. "Me ligue!", Ela gritou para Rimmel.


Rimmel sorriu e se virou para ir embora. Braeden apareceu, e ela ricocheteou em seu peito. Ele estendeu a mão para firmá-la. "Nós estamos decolando" eu disse a ele. "Você vem com a gente?" "Eu vou ficar um tempo", disse ele e bagunçou o cabelo de Rimmel. "Eu vou lhe dar uma chance para colocá-la na cama." Ele piscou e depois continuou. "Antes de eu me espatifar no sofá." "Isso não é necessário", disse eu, mesmo embora eu quisesse ficar sozinho com ela por um tempo. "Eu sou o único que dirigiu até aqui." "Eu te amo", disse Rimmel e Braeden inclinou-se para abraçá-la. Ele riu e envolveu um braço ao redor dela. "Sim. Eu acho que é. Cuide da menina tutora antes que ela desmaie." "Você precisa de uma namorada", ela disse a ele. Ele torceu o nariz. "Por que me algemar a alguém quando eu posso pastar na colheita?" "Porque a pessoa certa é melhor do que um bando. Você precisa de alguém para te amar." "Eu pensei que você me amava?", disse ele, divertido. Quando ele olhou para mim, eu pensei que eu vi alguma coisa além disso em seus olhos. Eu pensei que eu vi um pouco de saudade. "Eu amo. Mas de uma forma fraternal. Não é a maneira que eu amo Romeo." Braeden sorriu. "BBFL." Que porra isso significava e por que eles continuam dizendo um ao outro? Era como um aperto de mão secreto que ninguém me ensinou. "Vamos, Rim. Deixa Braeden ir conseguir sua dança com as damas." Eu a puxei para fora de seu braço, e ela sorriu. "Gosto de dançar." Eu não sabia? Eu nunca vou esquecer como foi a nossa primeira dança lenta enquanto eu vivesse.


"Pegue suas coisas" eu disse a ela. Quando ela saiu, eu me virei para B. "Você está em ordem?" "Sim, tudo bem. Eu vou pegar um táxi ou pedir a Trent para me deixar." "Você pode me ligar. Eu vou buscá-lo." Nós batemos para fora, e então eu levei Rimmel para fora do clube. Do lado de fora estava congelando ,e eu gostaria de ter em mais de uma camiseta. O vento forte parecia servir como sóbrio instantâneo para Rimmel, e ela se animou enquanto nós caminhamos em direção ao Hellcat. "Você dirigiu até aqui?" Ela perguntou, parecendo apenas perceber isso. "Sim." "Como você fez isso com seu braço?" "Eu só desengancho a tipoia e eu sou capaz de mudar. Minha mão não está quebrada." "Mas é o movimento de seu braço!" "É um movimento limitado. Eu sou cuidadoso." Ela não parecia muito feliz com a minha explicação. "Eu não tenho dirigido muito, apenas ontem e hoje. Meu braço se sente bem. Eu prometo que não vou fazer nada que possa comprometer a cura." Ela não parecia muito convencida enquanto subia no Hellcat. Quando eu me dirigi para o meu lugar, eu notei que ela me observava como um falcão, por isso, tomei cuidado extra ao mudar lento e fácil. "Está vendo?" Eu disse quando eu estacionei na garagem ao lado do caminhão de Braeden. "Eu ainda não vejo porque B não dirigiu", ela murmurou. "Porque eu sabia que eu iria querer sair mais cedo para ficar sozinho com você." "Eu senti sua falta hoje."


Inclinei minha testa contra a dela. "Eu também. Eu estou tomando o fim de semana livre do treinamento no campo. Eu vou ficar com você como cola." "O treinamento vai bem?", ela perguntou como se ela descobrisse que nem tudo estava bem. Eu corri um dedo para baixo no centro de seu nariz. "Eu não quero falar sobre futebol." "Você quer falar sobre o que?" "Eu não quero falar em tudo." Minha voz caiu baixa. Ela estremeceu. "Eu também." Eu sabia que teria que contar a ela sobre a NFL de manhã, e eu o faria. Mas esta noite era apenas para nós.


CAPITULO dezenove

E se a ressaca na sua cabeça for um sinal de que seu cérebro ainda quer festejar? #IssoÉEstarFrito ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Acordei lentamente, minha mente antes vindo antes do meu corpo. Meu rosto estava apoiado no peito de Romeo e uma perna estava jogada por cima da sua. Para baixo perto do meu tornozelo, Murphy estava enrolado em uma bola, ronronando como um cortador de grama quebrado e criando um local quente para o meu pé. Eu sorri contra Romeo. Se alguém tivesse me dito há alguns meses atrás, que esta seria a minha vida, eu teria recomendado que procurassem ajuda para sua loucura. Mas esta era a minha vida agora, e eu amava tanto. Não parecia importar o quanto isso era ameaçado, quanta insanidade foi jogada em nosso caminho, eu sempre voltava a esse lugar de felicidade. Eu sempre voltava para os braços de Romeo. Eu orei a Deus que fosse sempre assim. Especialmente agora. Especialmente agora que a minha unidade familiar estava sendo ameaçada. Minha mente esquivou do pensamento, mas não iria embora completamente. Eu não queria enfrentá-lo, mas eu sabia que eu ia precisar.


Alguma coisa estava acontecendo com o meu pai, e era algo que eu precisava descobrir. Além de tudo que Valerie disse e sua pasta cheia de informações, o meu pai estava distante. Distraído. E quando eu disse a ele sobre ser atacada, ele pediu desculpas como se tivesse sido culpa dele. Eu não sabia o que aquilo significava. Mas me assustava. Romeo respirou fundo e sua mão deslizou pela minha espinha. Eu me aconcheguei nele um pouco mais perto, pressionando meu corpo completamente nu ao longo do seu sob o lençol. A eletricidade entre nós na noite passada e em seguida, novamente no início desta manhã foi arrebatadora. Eu pensei que talvez quanto mais ficássemos juntos, mais a nossa centelha iria desvanecer. Eu sempre soube que eu amaria Romeo e seu toque era tudo que eu sempre quis, mas eu também meio que esperava que um pouco dessa emoção de novo amor minguasse. Mas isso não aconteceu. Na verdade, ela estava mais forte. E ontem à noite na pista de dança... aquilo tinha sido totalmente erótico. Eu tive um orgasmo ali mesmo, no centro do clube. Seu corpo contra o meu. A pulsação da batida da música. Escritores não poderia sequer inventar algo assim nos livros de romance. A mão de Romeo enrolou no meu corpo e preguiçosamente explorou meu peito onde estava empurrado contra ele. Meu mamilo respondeu, e eu fechei os olhos e deixei a sensação ondular através de mim. "Como está se sentindo esta manhã?" Ele perguntou, pressionando um beijo no topo da minha cabeça. "Bem", eu respondi, estendendo-me contra ele. "Ressaca?" "Não tão ruim. Eu acho que toda aquela água que você me fez beber e em seguida, o analgésico que você me fez tomar após a segunda vez que fizemos amor realmente ajudou."


Ele puxou os dedos pelo meu cabelo e nós deitamos ali em silêncio por um longo tempo. "Você parece um pouco mais magra", disse ele levemente, depois de um tempo. "Você perdeu peso?" "Tenho estado tão ocupada colocando as aulas em dia e tentando me encaixar o tempo no abrigo que eu perdi algumas refeições." Eu me senti sua careta contra mim. "Sinto muito." "Por que você sente muito?" "Eu sei que você provavelmente preferiria alguém que não fosse tão pequena." "Eu prefiro você. Ponto", disse Romeo, sua voz definitiva. "Mas eu quero você saudável. Eu não quero que você esteja tão estressada que você se esqueça de comer." "Tem sido muito ultimamente," eu confidenciei. Ele exalou. "Eu sei." Murphy se levantou de sua posição perto do meu pé e se espreguiçou. Então ele caminhou em torno do colchão do lado de Romeo para que ele pudesse sentar-se na minha frente e olhar fixamente. Eu ri. "Eu acho que Murphy quer o seu café da manhã." Romeo riu. "Que tal nós alimentarmos Murphy, em seguida, sair para panquecas?" "Eu acho que você tem um negócio." Um dia inteiro com ele soava como o céu. Ignorando a ressaca que eu sentia das Smurf Balls (o que eu estava pensando?), eu fui para a cozinha com Murphy em meus calcanhares. Assim que ele estava comendo, eu voltei para o quarto onde Romeo estava. Ele estava de pé no centro do quarto, completamente nu, esfregando uma mão sobre seu cabelo. "Eu tenho certeza que o restaurante que vamos a roupa não é opcional." Mesmo enquanto eu falava as palavras, meus olhos percorreram seu corpo. Se um homem pudesse ser a perfeição, então Romeo era a definição. Ele era fisicamente sem defeitos. Bem, tecnicamente, ele tinha defeitos porque seu braço estava quebrado, mas aquilo não contava.


Eu não acho que ele tinha um pingo de gordura corporal nele. Cada parte dele era sólida e esculpida. Seu abdome era totalmente definido, e quando eu passei os dedos sobre eles, eu poderia sentir cada músculo. Ele tinha uma longa cintura e se estendia por todo o caminho para baixo em um músculo em V, quase como se estivesse criando um arco na sua bem desenvolvida masculinidade bem desenvolvida. Suas pernas eram fortes e suas coxas eram grossas. Mesmo suas panturrilhas tinham músculos. Ele me pegou olhando, e um sorriso lento, diabólico, puxou seus lábios. "Apreciando a vista?" Eu sorri. "Talvez." Ele rondou para mim, e meus músculos afrouxaram, já antecipando seu toque. Ele veio tão perto que quase nos tocávamos, e ele baixou a cabeça, por isso nossas bocas estavam quase se fundindo. Eu balancei para a frente para fechar a distância, e ele se afastou, me negando seus lábios. Meus olhos se abriram e eu olhei para ele. Ele riu. "Eu vou tomar um banho antes da gente sair." "Bom. Você fede." "Aww, não seja assim, Smalls." O tom provocante em sua voz não passou despercebido. "Como o quê?" "Ranzinza porque eu não dei o que você queria." "Quem disse que eu queria alguma coisa?" Funguei. Ele se aproximou de novo, sua respiração dançando em meus lábios e o calor de sua grande estrutura irradiando contra mim. "Ah, você quer isso." Minha língua deslizou sobre os dentes enquanto eu olhava em seus olhos azuis, azuis. Minha mão subiu para empunhar no cabelo louro em sua nuca. Eu me certifiquei que a minha garra era apenas um pouco apertada. "Bem, se você não vai dar para mim , eu acho que eu vou ter que tomar."


Eu puxei sua boca para a minha e levei o comando do nosso beijo. Eu acariciava minha língua fundo em sua boca e rodei-a ao redor com a sua. Ele gemeu e colocou seu braço em torno de mim e me puxou contra seu corpo duro como uma rocha. Antes de me afastar, eu belisquei em seu lábio inferior e depois sorri. "Porra, Smalls" disse ele sem fôlego. Eu bati em seu lábio inferior com o polegar. "Você não deve oferecer coisas se você não quer que eu cobre." "Baby, você pode cobrar qualquer coisa de mim a qualquer hora." Ele me soltou e deu um passo atrás. "Eu quero tirar essa tipoia fora, e a manga sob ela, assim eu posso tomar banho sem me preocupar em molhar isso. Eu vou precisar de alguma ajuda, no entanto. Acha que pode me ajudar?" "Eu acho que as panquecas podem esperar." O banho não foi exatamente como ele planejou porque eu não iria deixá-lo se mexer muito com a sua tipoia fora e porque eu não estava prestes a ficar com o meu cabelo todo molhado que eu simplesmente tinha lavado e Ivy arrumado na noite anterior. Mas, mesmo com as limitações, pelo tempo que a água desligou, nós dois estávamos extra limpos e Romeo era um homem feliz. Uma vez que ele estava vestido com a tala, e a tipoia de volta no lugar, eu fui no banheiro para escovar meu cabelo e aplicar a loção no meu rosto. Eu estava prestes a puxar o comprimento pesado em seu bolo confuso habitual, mas no último minuto, eu decidi o contrário. Estava ainda brilhante e parcialmente arrumado da noite passada. Ivy tinha usado spray de cabelo suficiente para que ele não fosse nenhuma surpresa. Desde que eu o escovei, os cachos estavam muito mais flexíveis e meio que pareciam com aquele jeito "praiano" que Ivy disse que estava tão na moda. Corri meus dedos por ele uma última vez e ajustei os óculos sobre o nariz. Fora no quarto, olhei em volta procurando algo para colocar, mas a maioria das minhas coisas estava de volta no dormitório. Desde que comecei a volta às aulas, eu tinha levado a maioria de volta. "Ugh, eu não tenho nada para vestir," eu murmurei.


"Use os jeans que você usou na noite passada. Com os rasgos neles", disse Romeo. Olhei em volta para ele. Ele estava olhando para baixo em seu telefone. "Você gostou daqueles?" "Inferno, sim. Eles eram quentes." Eu tinha que admitir isso me agradou. Sim eu era a garota que realmente não se importava e gostava de moletons mais de que tudo o mais, mas eu queria que Romeo gostasse de olhar para mim. Eu fiz uma nota mental de vasculhar minhas gavetas e encontrar mais calças jeans como estas. Puxei-as em conjunto com minhas botas. Eu fiz uma careta para o top preto que eu estava vestindo na última noite deitado no chão. "Podemos passar no dormitório? Eu preciso de algo para vestir." "Claro, Baby. Enquanto estiver lá, pegue um monte de coisas. Você pode apenas mantê-las aqui." Foi uma coisa pequena. Algo mais sobre o que as pessoas provavelmente não iriam sequer pensar duas vezes. Mas por alguma razão, a ideia de mover algumas das minhas coisas para cá fez meu coração tropeçar na batida. Ele deve ter sentido minha reação porque ele tirou os olhos de seu telefone novamente. “Rim?" "Você está me dando uma gaveta?", Perguntei. "Eu deveria ter feito isso há muito tempo." O olhar no meu rosto deve ter traído meus sentimentos. Ele me deu um olhar estranho. "Você guarda coisas aqui o tempo todo." "Em uma bolsa. No Chão. Então, eu posso levá-la comigo quando eu for." Um olhar atravessou seu rosto, e de ele jogou o telefone na cama. Uma série de palavrões sussurrados deixou seus lábios quando ele veio para a frente. "Eu nunca pensei desse jeito nisso antes." Ele balançou a cabeça. "Me desculpe."


"Desculpe?" "Eu continuo dizendo que nós somos para sempre. Eu continuo dizendo-lhe que você é para mim." Ele esfregou uma mão sobre o rosto. " Mas então eu trago-lhe aqui onde você tem que viver fora de uma mala . Eu nunca percebi o tipo de mensagem que eu enviei." Eu balancei minha cabeça. Ele estava entendendo errado. Eu nunca quis dar a entender que o modo como temos ficado juntos era nada além de maravilhoso. "Eu nunca me senti assim." Ele fez um som na parte de trás de sua garganta e saiu do outro lado do quarto em direção à sua cômoda. Ele agarrou as alças e abriu a gaveta. Eu vi como ele a capotou e jogou tudo fora no chão. Camisetas e meias caíram ao redor de seus pés. "Romeo!" Em seguida, ele fez isso em outra gaveta, acrescentando para a bagunça no chão. "Há espaço no armário também", disse ele deixou cair a gaveta agora vazia e mudou-se para o armário. Peguei a mão dele. "Por favor, não faça uma bagunça em seu armário." Seus olhos pegaram os meus e seguraram. Seu olhar era intenso e inabalável. "Essas gavetas são suas agora. Você pode assumir o meu banheiro também. Cremes femininos, produtos de cabelo, tanto faz. Traga tudo." Eu ri. "Eu não tenho um monte de produtos." "Tudo o que você tiver, eu quero vê-lo junto às minhas coisas. Eu quero andar na porta e ver mais de você do que apenas aqueles chinelos sexy." "Tudo isso porque eu não pude encontrar uma camisa para vestir", pensei. "Tudo isso porque eu te amo." "Eu também te amo." Da cama, seu celular fez um barulho.


Ele o ignorou e girou as pontas do meu cabelo em torno de seus dedos. "Eu quase golpeei aquele cara por tocar em seu cabelo ontem à noite." "Que cara?" Perguntei, franzindo o nariz. "Bafo de cerveja", ele murmurou. "Sério. Que tipo de cara bebe qualquer coisa chamada Smurf balls?" Eu ri. "Você e Braeden?" "Calma, mulher." Ele me beijou rápido e pegou seu telefone. "Vamos lá. Estou faminto." No meio do caminho, eu pensei sobre algo. "Não era para Braeden voltar aqui na noite passada?" Seu caminhão ainda estava estacionado na entrada de automóveis. Romeo resmungou. "Sim, mas ele acabou com... planos alternativos." Eu balancei minha cabeça. "Um caso de uma noite? Sério?" "B é um parceiro, querida." Romeo disse isso como se fosse algum travesti e balançou a cabeça. "Eu quero dizer, o que eu posso dizer?" Eu ri. "Este é ele." Ele levantou seu telefone, que ainda estava vibrando a cada poucos segundos. "Nós vamos buscá-lo no campus e trazê-lo de volta para cá." Paramos ao lado do Hellcat. "Ele quer comer com a gente?" "Provavelmente." Ele olhou para cima. "Está bem com aquilo?" Eu dei de ombros. "BBFL." "Que porra isso significa?" Eu disse a ele. Ele balançou sua cabeça. "Só Braeden." Eu estendi minha mão, palma para cima. Romeo me deu uma olhada. "Chaves." Eu exigi e levantei minhas sobrancelhas. "Você quer dirigir?" "Quanto menos que você fizer com o seu braço, melhor."


Ele começou a sacudir a cabeça. "Roman Anderson, você está prestes a ser insolente comigo?" Eu disse no meu tom mais severo. "Insolente?", Ele zombou. "Se eu fizer isso, você vai ter a sua colher de madeira e bater em mim?" Apenas Romeo poderia transformar minha tentativa de ser mandona em uma insinuação sexual. Eu desisti e mergulhei a mão no bolso da frente da calça jeans. Ele engasgou como uma rainha do drama. "Rim !O que os vizinhos vão pensar?" Peguei as chaves e acenei com elas com ar vitorioso . Ele abriu a porta do motorista para mim, e como eu estava começando , ele me deu um tapa no bumbum. "Não se esqueça dos livros, baby. Não é possível ter você incapaz de ver sobre o volante." Eu enfiei a língua para ele. Ele sorriu. Quando estávamos puxando para fora da garagem, perguntei-lhe onde Braeden estava no campus para que eu pudesse parar lá antes de eu ir para me trocar. Romeo me deu um olhar um pouco orgulhoso. "Ele está em seu prédio." Claro que estava.


CAPITULO vinte

Romeo parecia um pouco verde hoje e o jeito que o Hellcat estava dando guinadas pelo campus não era nenhuma maravilha. #FiqueForaDaEstrada #NerdNãoSabeDirigir ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Eu acho que a minha língua pode estar sangrando. Você sabe por que? Porque eu passei toda a viagem para o campus mordendo a merda fora dela para não gritar com Rim enquanto ela dirigia. Para ir direto ao ponto, minha garota estava tentando matar minha transmissão. Mas maldição, ela tentou. A maneira como ela mordeu o lábio inferior e franziu a testa em concentração enquanto nós dirigimos (dirigimos = empurrado ao redor da estrada ) foi malditamente bonito. O que não era bonito? Os gemidos de tortura que meu Hellcat fazia e as buzinas dos motoristas irritados na luz verde quando ela parava fora, na frente. Eu quase me chateei de alívio quando ela puxou para um local de estacionamento perto de seu dormitório. Depois que ela desligou o motor, ela se virou para mim com um enorme sorriso iluminando seu rosto. "Eu consegui!"


"Bem." Eu comecei e percebi seu sorriso e olhos felizes. "Nós não morremos." Ela engasgou . "Isso é uma coisa terrível de dizer!" Bem, merda. Então ela começou a rir. "Meu Deus, aquilo foi horrível! Eu não posso acreditar que você não gritou para mim nenhuma vez." Eu estiquei a minha língua. "O quão ruim está sangrando?" Ela saltou para a frente e beijou a minha língua. "Eu vou ficar melhor!" Ela saltou para fora do carro como ela realmente estivesse orgulhosa de si mesma por não nos matar. Era bonito que ela pensou que eu ia sofrer por isso novamente. Pedi desculpas para o carro antes de eu me juntar a ela na calçada. No andar de cima na porta da Rimmel, eu retirei meu telefone e mandei uma mensagem para B que estávamos aqui enquanto ela enfiou a cabeça na sala para se certificar de que todos estavam decentes. Ela me deu o tudo ok, e eu entrei atrás dela. Ivy estava sentada em sua mesa, assistindo a um filme no laptop com um par de fones de ouvido no pescoço. Ela tinha uma caneca de café nas mãos e ainda estava em seus pijamas. "Ei." Ela me acenou, e eu engatei meu queixo para ela. "Estou surpresa de ver vocês." "Eu precisava de algumas roupas." Rimmel disse a ela, remexendo em sua cômoda. Ao lado dela estava uma bolsa aberta onde ela estava jogando algumas roupas extras. Eu imaginei suas coisas espalhadas ao redor da minha casa, e parecia certo. Um gemido retumbou do lado de Rim do quarto, e eu olhei ao redor. Rimmel e Ivy riram quando elas apontaram para sua cama. Tudo o que eu vi foi uma pilha de cobertores e algumas almofadas. Mas ela se movia. A cabeça escura espiou para fora de debaixo das cobertas. "Que horas são?" Missy gemeu. "É depois do meio dia", disse Ivy.


"Alguém tomou muitas Smurf Balls na última noite", eu disse. Missy gemeu e pegou um travesseiro e puxou-o sobre sua cabeça. Quando o fez, um pedaço de papel deslizou para fora da cama e flutuou para o chão. "Você não parece muito de ressaca", eu disse a Ivy quando me inclinei para pegar o papel. "Eu não bebi depois que vocês saíram." Então, ela manteve sua palavra e ficou sóbria. Eu tive que admitir que fiquei surpreso, e eu disse tipo... muito. "Romeo", Rimmel me repreendeu para a observação honesta. Ivy encolheu os ombros. "Pessoas mudam." Olhei para Rimmel e pensei sobre todas as formas que ela me mudou. "Eu posso entender isso." "O que é isso?", Perguntou Rimmel, olhando fixamente para o papel na minha mão. Eu dei de ombros. "Ele caiu de sua cama." Um olhar passou por trás de seus olhos, e eu senti meus próprios estreitarem. "Eu pego isso." Ela estendeu a mão. Sim. Como se eu fosse apenas indo para entregá-lo depois daquela reação. Segurei-o, e ela agarrou-se a ele. Segurei-o fora de seu alcance e ela rosnou. Eu a ignorei e olhei para o papel. Era uma conta. Do hospital. Baixei meu braço e a prendi com um olhar. "Por que você não me contou sobre isso?" Ela o pegou e colocou-o sob algumas coisas em sua mesa. "Ele só chegou."


O papel dizia que ela não tinha seguro, mesmo embora eu saiba muito bem que ela entregou o seu cartão de seguro à enfermeira naquela noite. Era sobre isso o que ela estava falando com a cadela altiva na sala de enfermagem antes de nós sairmos? "Aquela merda não foi coberta pelo seu seguro?" Eu exigi. Ela não deveria ter que se preocupar com uma conta de hospital pelo tratamento que ela recebeu por ser atacada. Isso me fez querer bater em Zach tudo de novo. Houve uma batida à porta, e Rimmel saiu correndo para atender. "Maninha! " Braeden disse no segundo que a porta abriu. Ele correu e levantou-a do chão. "Você precisa comer alguma coisa" , ele disse a ela . "Você está cheirando a cerveja!" Ela torceu o nariz e empurrou para longe dele. "O que você está fazendo aqui?" Perguntou Ivy, revirando os olhos. "Eu estava no prédio. Pensei em passar por aqui." Os olhos de Ivy deslizaram para a cama de Rimmel onde Missy estava e franziu a testa . "Que seja," ela disse e voltou para seu computador. Rimmel fechou o zíper da bolsa que ela tinha estado embalando. "Feito." Quando ela se endireitou, ela tinha uma camisa azul-claro em suas mãos. "Eu apenas preciso me trocar. Então, podemos ir." Seus olhos deslizaram para Ivy e em seguida, de volta para mim. Eu balancei a cabeça. "Ei, vamos sair para panquecas. Vocês querem vir?" Ivy virou-se e olhou para Rimmel. "Ele vai?" Ela olhou para Braeden. "Garota, você sabe que eu sou o destaque do seu dia." Ele sorriu para ela, e ela revirou os olhos. "Vocês são tipo as pessoas mais barulhentas na terra" Missy gritou, puxando o travesseiro na cabeça dela.


"Isso é um sim para panquecas?" Perguntei. "Existe café envolvido?" Missy gemeu. Rimmel riu. Ivy levantou-se e enxotou a mim e Braeden para a porta. "Vamos nos trocar." "Nós não temos tempo para isso", Braeden disse. "Você é de tão alta prioridade, se esperarmos por você, não vamos comer até amanhã." "Devo apenas usar meu pijama, então?" Ivy perguntou, sua voz cheia de doce sarcasmo. "Você parecia melhor", Braeden brincou. Ela lançou-se sobre ele , seu punho oscilante. Eu a peguei ela e a reboquei para trás. "Fora!" Rimmel ordenou. B e eu desamparemos para o corredor. "Você está perdendo seu toque com as damas" eu disse a ele, muito divertido. "Eu poderia concordar . Se eu achasse que ela era uma dama." Eu sorri. Poucos minutos depois, Ivy e Missy vieram para o corredor. Ambas estavam vestidas com seu cabelo em rabos de cavalo. Missy estava usando um par de óculos de sol, e Braeden riu. "Você tem que beber menos, senhorita." "Ha -ha," ela murmurou. Abri a porta e entrei no quarto antes que Rimmel pudesse sair. Eu queria aproveitar a última oportunidade de estar sozinho com ela por um tempo. Eu tinha respostas para obter. Ela deixou os jeans rasgados e as botas, mas substituiu a camisa preta que ela usava por uma camiseta branca de mangas compridas. Sobre a parte superior estava um suéter azul-claro com uma bainha curta e um grande coração branco no peito. Porque o suéter era curto, a camiseta espiava abaixo dele e roçava seus quadris.


"Pronto?" Ela perguntou, pegando sua bolsa. "Rimmel." Seus ombros caíram um pouco. "É apenas uma conta, Romeo." "Eu pensei que você tinha seguro." "Eu também", ela murmurou. "O quê?" Seu suspiro era pesado. "Aparentemente, eu não tenho mais um plano." "Como é que isso aconteceu?" Eu me perguntei. "De acordo com o arquivo da sua mãe, o meu pai perdeu o emprego. Meu seguro era através dele." Fechei a distância entre ela e envolvi meu braço ao seu redor. "Acho que ele está mentindo para mim", ela apressou para fora. "Ele não podia retornar minhas ligações, mas em seguida, ele retornou." Ela olhou para mim. "Suas primeiras palavras foram que meu ataque foi tudo culpa dele." Eu fiz uma careta. Isso era uma coisa estranha de se dizer. Uma voz na minha cabeça sussurrou, sua mãe estava certa. "Dê-me a conta, Rim. Eu vou tomar conta disso." Ela arrancou fora dos meus braços. "Absolutamente não." "Por quê?" "Porque eu não sou sua responsabilidade." "Como você vai pagar isso?", exigi. "Eu vou conseguir um emprego." A ideia de ela conseguir um emprego me irritava. "Porque você já não tem o suficiente em seu prato?" Eu tiro para fora. "Apenas me dê a maldita conta", eu rosnei. "Não", ela rosnou de volta.


"Se seu pai não vai cuidar de você, alguém tem que fazer!" Eu gritei. Minha explosão chocou e ela saiu pra longe de mim. Por trás de seus óculos, seus olhos passaram longe. "Rim" eu comecei. Isso foi uma coisa fodida de se dizer. Braeden invadiu a porta. "Eu ouvi gritos." "Está tudo bem", eu roncava. Ele não saiu. Rimmel me enfrentou, tendo recuperado da picada inicial das minhas palavras. "É isso o que você acha? Que eu não posso cuidar de mim mesma?" Comecei a dizer alguma coisa, mas ela avançou em mim. "Talvez você concorde com a sua mãe. Talvez você ache que eu estou com você apenas por causa de seu dinheiro?" "Isso é ridículo, porra." Eu bati. Ela não recuou. "Isso é uma porra de ridículo", ela entoou. "E eu posso cuidar de mim mesma. Esta conversa terminou." Ela deixou cair a bolsa de seu material em meus pés enquanto ela estava indo para deixá-la para trás e caminhou para fora da sala. Uma série de maldições enchiam o ar em minha volta. Inclinei-me e peguei a bolsa. Braeden estava olhando para mim quando eu caminhei até a porta. "As mulheres," ele murmurou. "Malditos dramas demais." "Amém." Eu concordei com ele, porque era verdade. As mulheres eram cheias de drama. Mas Rimmel geralmente não era. E eu sabia que ela tinha o direito de estar com raiva. Eu não deveria ter dito o que eu disse, mas eu só estava tentando ajudá-la. Tarde demais eu percebi que não era a minha ajuda ela precisava, apenas o meu apoio.


CAPITULO vinte e UM Que horas são? Hora de panqueca! #TodoMundoAmaPanquecas #SeVocêNãoAmaNãoPodemosSerAmigos ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL O que era para ser um descontraído café da manhã comigo e meu namorado se transformou no que eu gostaria de referir como o encontro da panqueca do ressentimento. Eu olhei para Romeo. Ivy olhou para Braeden. E a pobre Missy olhou para a comida no prato de todo mundo como se isso estivesse tentando fazê-la vomitar. A pequena casa de panquecas onde fomos não era longe de campus, e estava cheia, apesar de não ser hora de café da manhã. Estava cheia de estudantes universitários, e mais de metade deles parecia de ressaca. Tudo o que eu conseguia pensar era a conta do hospital e quão estúpida era que eu tinha ficado tão irritada. Mas ele fez parecer que eu era uma criança que precisava de uma babá. Eu não era. E eu não ia deixar que ele me tratasse daquele jeito.


Romeo era um diabo encantador com os olhos que poderiam fazer qualquer mulher se esquecer de ter raiva, mas eu nunca iria esquecer de ter padrões. E ser tratado como uma igual era um deles. "Todos nesta mesa estão me dando indigestão" Braeden declarou. "Eu tenho certeza que foi o Smurf balls", disse Missy. Todo mundo riu e a tensão pendurada sobre a mesa quebrou. "Foi só eu ou aquele cara sentado ao lado de Rimmel tem o pior bafo de cerveja?" Ivy sorriu. Eu ri. "Sim! Mesmo bêbada, eu não podia suportá-lo." A mão de Romeo escorregou debaixo da mesa, encontrou a minha, e apertou. Voltei a pressão, e um pouco da raiva que eu sentia em relação a ele, levantou. Eu sabia que ele estava apenas tentando me amar da maneira que sabia, e eu não poderia culpá-lo por isso. Mas isso ainda não tornava tudo ok. "Você vai comer isso?", Braeden disse a Missy, que não havia tocado na comida. Ela gemeu. Ele deu de ombros e apunhalou seu garfo em uma de suas panquecas e deslizou isto em seu prato. Eu realmente não tinha tocado muito da minha comida porque eu tinha estado muito ocupada moendo sobre a discussão com Romeo, mas assistindo Braeden comer com tanto entusiasmo me deixou com fome. Ok, e talvez fosse porque Romeo estava segurando minha mão e as coisas entre nós não pareciam tão drásticas. A conversa girou leve e divertida, e os cinco de nós descontraímos na mesa e começamos a agir como um verdadeiro grupo de amigos. Eu não podia deixar de olhar ao redor e sorrir. Eu nunca tinha tido muitos amigos antes. Não de verdade. Éramos todos tão diferentes e ainda os mesmos. Era como se tivéssemos o mesmo tópico básico comum que nos unia. "Devemos fazer disto uma tradição" eu anunciei. "Encarar um ao outro durante o café da manhã? "Ivy perguntou.


"Assistir Missy se embriagar com Smurf balls?" Acrescentou Braeden. "Nunca mais", Missy prometeu. "Panquecas", eu disse como se devesse ter sido óbvio. "Todo fim de semana. Nós cinco se encontrar aqui. Para panquecas." "Eu gosto de comer", disse Braeden enquanto roubava outra panqueca do prato de Missy. "Você quer que eu coma com ele de uma forma regular?" Ivy ergueu as sobrancelhas para mim. "É o que os amigos fazem", eu disse. "Eles fazem coisas de amigo." Todo mundo olhou para mim. Eu me senti autoconsciente de repente. Eu era a única que pensava que todos nós éramos amigos? Olhei para Romeo . "Certo?" Ele sorriu. "Com certeza." "Eu vou voltar para casa e trançar para nós todos pulseiras da amizade" Braeden disse em uma voz feminina. "Eu estou dentro," disse Missy. Ela olhou para mime sorriu. "Eu também." Ivy concordou. Romeo acenou com a cabeça , e todos nós olhamos para Braeden. "Vamos fazer isso." Eu sorri e mergulhei no resto da minha comida. O telefone de Romeo vibrou, e ele soltou minha mão para alcançar o bolso para retirá-lo. "Eu não conheço o número", disse ele antes de atender. "Aqui é Roman." Ele ouviu atentamente por alguns minutos e , em seguida, fez uma cara como se ele estivesse irritado. "Olha, como eu disse a seu repórter na outra noite" Suas palavras foram cortadas, e toda a sua atenção pareceu aguçar em direção a voz na outra extremidade da linha. Olhei para Braeden, que também estava assistindo Romeo. "Ele estava na minha casa. Ele me deu um cartão."


Algumas batidas de silêncio. "James... alguma coisa", disse ele. "Tenho certeza que... Sim." Um olhar irritado cruzou seu rosto. "Isso é algum esquema elaborado para obter uma entrevista?" Será que ele estava falando com um repórter? Desejei poder ouvir o outro lado da chamada! "Ok, tudo bem... Talvez. Quando e onde?" Algumas batidas de silêncio, então Romeo suspirou. "Vejo você depois." Sua voz foi cortada, e então ele desligou o telefone. "Romeo?", Perguntei. Ele estava ocupado olhando para o espaço, mas fez um som reconhecendo a mim. "Quem era aquele?" "Um repórter do Maryland Tribune". "É tipo o maior jornal do estado inteiro", disse Ivy. "Não é de lá que o repórter da outra noite disse que era?" Braeden perguntou. "O repórter?", Perguntei confusa. Romeo focou seus olhos de safira em mim. "Ele estava em casa na outra noite quando eu cheguei em casa do treino. Ele queria me entrevistar." Romeo franziu a testa e olhou para Braeden. "O cara no telefone disse que eles não tem nenhum repórter chamado James." Os olhos de Braeden se estreitaram, e uma sensação desconfortável arrastou-se no fundo do meu estômago. "Você tem o cartão com você?" Eu perguntei. Romeo balançou a cabeça. "Está em casa." "Talvez você tenha trocado o nome no papel que aquele cara, James, lhe deu. É provavelmente, um mal-entendido" Eu raciocinei. Romeo passou o braço em meus ombros. "Sim, isso é provavelmente o que aconteceu."


Mas eu poderia dizer pelo som de sua voz que ele nĂŁo acreditava nisso.


CAPITULO vinte e dois Uma entrevista de manhã cedo? O status de celebridade de alguém está para explodir. ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Encontrei-me com o "repórter" que me ligou no café da manhã, alguns dias depois. Ele sugeriu um café próximo ao campus, e eu decidi ir. Eu queria respostas. Eu não gostava de ser abordado por alguém posando como um repórter fora da minha casa, apenas para ser informado mais tarde que ele não era um repórter de modo algum. Era de manhã cedo, por isso a maior parte das mesas estavam vazias, mas a fila era longa enquanto estudantes agarravam seu latte matinal e se dirigiam para um dia inteiro de aulas. Minha primeira aula não começava em mais uma hora, e eu planejava estar muito longe desta reunião antes disso. Eu sabia quem ele era no momento em que ele entrou. Ele parecia um pouco fora do lugar em um ponto quente da faculdade, usando um par de calças de tecido e um casaco de lã de aparência profissional. Ele estava, provavelmente, em seus quarenta anos com cabelo cor de areia e uma pasta em sua mão. Quando ele olhou em minha direção, eu acenei, e seus olhos se iluminaram quando ele me reconheceu e correu em minha direção.


Levantei-me e apertei a mão dele quando ele se aproximou. "Roman Anderson." "Frank Gurney, Maryland Tribune." Ele tinha um aperto de mão firme. Eu gostei daquilo. "Você quer tomar um café?" Eu gesticulei para o balcão. "Eu esperarei." Ele olhou para a linha e balançou a cabeça. "Não, está tudo bem." Sentei-me de volta para baixo, e ele assumiu a cadeira em frente a mim. Enquanto ele estava tirando o casaco, ele olhou para o copo meio vazio na minha frente. "Você estava esperando há muito tempo?" "Nah, eu cheguei aqui cedo." Ele ergueu as sobrancelhas. "Eu não tinha certeza de que você ia aparecer. Você não parecia muito interessado quando nós falamos no telefone." Eu dei de ombros. "Eu não estava. Até que você me disse que o homem que se aproximou de mim fora da minha casa não era um empregado de seu jornal." Um olhar desconfortável atravessou seu rosto. "Você trouxe o cartão sobre o qual você mencionou no telefone?" Puxei-o para fora e entreguei a ele. Ele pegou e olhou, franzindo a testa enquanto o fez. Uma das barristas que trabalhavam atrás do balcão se aproximou da mesa. Ela tinha uma bandeja redonda pequena em sua mão. "Romeo?" ela perguntou, um pouco tímida. "Sou eu", eu disse e me virei, sorrindo. Ela riu um pouco e deu um passo mais perto. "Eu pensei que você poderia gostar de um latte fresco?" "Sim, isso seria ótimo." Eu sorri para ela e empurrei meu copo gelado, meio vazio. Ela deslizou a nova bebida na minha frente. "É a mesma coisa que você pediu quando você chegou aqui. "Suas bochechas coraram. "Lembrei-me do seu pedido."


"Você é épica." Enfiei a mão no meu bolso e tirei algum dinheiro. "Quanto eu devo a você?" Ela acenou com a minha oferta. "É por conta da casa." O sr. Gurney limpou a garganta, e a garçonete pareceu lembrar-se de que ele estava lá . "Oh! Eu pensei que você poderia gostar de um também. A fila está muito longa e vocês dois pareciam ocupados." Ela colocou a segunda caneca de sua bandeja em frente ao repórter. Ele pareceu surpreso. "Obrigado." Ela olhou para mim . "Eu vou para todos os seus jogos." Eu sorri . "Isso significa muito. O time agradece o seu apoio." Ela sorriu e arrastou em seus pés. "Bem, desfrutem do seu café." "Se você fez isso, eu tenho certeza que nós vamos." Eu pisquei para ela antes que eu pudesse parar a mim mesmo. Às vezes, o encanto tinha uma mente própria. Ela riu e saiu correndo. Peguei o novo café e tomei um gole. Era exatamente o que eu pedi quando eu cheguei mais cedo. "Vantagens de ser a celebridade local?" Frank perguntou com um sorriso. Eu dei de ombros. "As pessoas gostam de futebol." Ele me estudou por um longo momento. "Talvez. Mas algo me diz que os outros membros da equipe poderiam entrar e eles não iriam conseguir entrega de café personalizado." Eu sorri. "Talvez não." Ele tomou um gole da bebida e assentiu. "Bom gosto." "Então?" Fiz um gesto para o cartão que se encontrava na frente dele. "Você o conhece?" Frank pegou o cartão novamente e o leu. Mais uma vez. Eu estava ficando impaciente. Ele entregou-o de volta para mim. "Ele não é um empregado do Maryland Tribune."


"Você tem certeza? " Eu pressionei. "Eu imagino que é um grande jornal. Muitos empregados." "O maior do estado, e sim, a equipe é considerável . Mas ele não é um deles. Eu fiz uma pesquisa para todos os funcionários nomeados James através de nosso banco de dados no local de trabalho. Nós temos dois homens com nomes James na equipe de funcionários, um deles escreve obituários e seu sobrenome é Blankenship e o outro trabalha no departamento de marketing e faz, principalmente, imprimir anúncios de emprego." "Esse cara disse que ele era um escritor." Frank balançou a cabeça enquanto bebia mais café. "Qualquer ideia de por que alguém se passaria por repórter para falar com você?" "Eu ia perguntar-lhe se o seu jornal permitia as pessoas irem ao redor representando seus funcionários." "Posso assegurar-lhe que o Maryland Tribune não tem nada a ver com isso." Eu o medi com um longo olhar. Ele não vacilou ou rachou sob pressão. Eu exalei. Porra. Eu acreditava nele. "Olha, você é um tema quente ultimamente. Sua grande vitória no campeonato, sendo nomeado MVP do jogo. Suas estatísticas sozinho da última temporada estavam fazendo registros, e todo o interesse da NFL faz de você uma boa história." "Sem mencionar o fato de que eu quebrei meu braço num ferimento não relacionado ao esporte, e a NFL vai desistir de mim antes mesmo de eu assinar." Os olhos de Frank se arregalaram de surpresa. Isto foi um olhar muito real para não ser genuíno. "A NFL está desistindo de você?" O repórter na outra noite já sabia disso... disse que era de conhecimento público. Então por que não fez Frank? "Não é oficial ainda" eu me esquivei. Ele olhou para o meu braço, que estava em exposição em sua tipoia. "Você e sua namorada foram atacados. Foi assim que você se feriu?"


"Isso mesmo." Eu concordei. Não me surpreendeu que ele sabia disso. A polícia tinha sido chamada e Zach tinha sido levado em custódia. Isso era definitivamente uma questão de registro. Os detalhes, no entanto, aqueles permaneceram confidenciais, tanto quanto eu sabia. "Tenho que te dizer. Você tem um inferno de uma história. Interesse humano, mas também relacionado a esportes. Eu adoraria te entrevistar, escrever um artigo de reportagem para o jornal." "Você quer dizer que esta conversa não foi gravada? "Eu arqueei uma sobrancelha. Ele balançou sua cabeça. "Não. Eu admito que eu liguei porque eu quero escrever a história. Mas este encontro foi porque eu estava curioso sobre o cartão que lhe foi dado e porque eu queria esclarecer que nós não estávamos envolvidos." "Então, tudo o que disse foi fora do registro?" "Sim." Isso foi bom. Eu não queria ninguém sabendo que alguém que estava mentindo estava farejando em torno de mim e de Rim. Mas, enquanto isso... Olhei para o relógio. "Eu tenho trinta minutos antes da aula. É o tempo suficiente para uma entrevista?" "Você vai fazer isso?" Eu sorri . "Claro, diabos, por que não?" Talvez isso iria satisfazer qualquer outra pessoa que estava mais curioso do que deveria estar sobre mim. Em nenhum momento, ele produziu um bloco de notas , caneta, e um pequeno dispositivo de gravação. "Você se importa?” ele fez um gesto para o gravador. "De modo algum." Ele começou a disparar perguntas para mim como se eu disparava o futebol abaixo do campo. Mas eu era um profissional; Eu poderia tomar um passe tão bem como eu poderia jogar um.


Eu marquei o charme e me recostei em meu lugar. Eu coloquei meu sorriso descontraído e aproveitei o passeio. Mas por baixo de tudo, eu não estava todo legal e calmo. Sob o jogador confiante, que estava determinado a se recuperar de uma lesão, estava um homem com uma pergunta constante martelando na borda de minha mente. Se James Darling não era um repórter, então quem diabos era ele?


CAPITULO vinte e tres

#Exclusivo O BuzzBoss descobriu que o julgamento do #Hater do campus é hoje. Vai ser cadeia ou camisa-de-força? ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Eu estava fora do tribunal com meus braços e pernas tremendo. Eu sabia que esse dia estava chegando, eu tinha até mesmo me preparado para isso. Mas como é que uma pessoa se prepara para enfrentar alguém que te insultou e te atacou por meses somente para ter isto agravado em ser amarrado, pendurado, e pulverizado com uma mangueira de água? Não importava que nós tivéssemos uma semana extra antes da audiência. Não importava que Zach ia ser punido por tudo que ele fez. O estrago estava feito. Os hematomas no meu corpo estavam quase curados, as queimaduras de corda desbotadas, mas as marcas mais profundas estavam lá dentro, onde o juiz não seria capaz de ver. Eu ainda sonhava com isso às vezes. Dependurada acima do chão, amarrada e desamparada. Eu ainda sentia a pontada no meu coração quando eu primeiro ligava o chuveiro ou quando a água corria muito rápido no meu rosto.


E às vezes quando estou sentada na sala de aula ou na biblioteca estudando, eu me lembro o que Romeo parecia quando ele estava em queda livre para o chão. Eu estava assombrada por aquele primeiro olhar sombrio em seus olhos quando ele admitiu que seu braço estava quebrado. Eu não sabia como olhar para Zach e não sentir toda a emoção e medo intenso que eu tive naquela noite. O melhor que eu podia esperar era que isso me daria algum tipo de fechamento, algum tipo de paz. Romeo rompeu com a conversa tranquila que ele estava tendo a uma curta distância com Tony. Valerie estava aqui também, de pé pelas portas abertas da sala do tribunal, parecendo deslumbrante em um terninho cinza-claro e uma malha rosa claro por baixo. "Ei , baby" Romeo disse, envolvendo sua mão nas minhas costas e me puxando, assim ele poderia beijar minha testa. Agarrei a lapela do paletó e engoli. "Eu não quero vê-lo." "Eu queria que você não precisasse." Ele colocou uma mecha de cabelo atrás da minha orelha e se inclinou para sussurrar. "Mas, pelo lado positivo, a mandíbula está fechada com fio de modo que ele não vai ser capaz de dizer uma palavra." "Isso é uma boa notícia." Eu sorri. "Meu pai diz que isto será mais rápido. Depois disso, Zach vai estar fora de nossas vidas completamente." Eu balancei a cabeça e mudei de assunto. "Alguma palavra da NFL?" Os olhos de Romeo diminuíram um pouco. "Nenhuma palavra." Tinha sido uma semana inteira desde que as duas equipes favoráveis retiraram sua oferta. Romeo e seu pai ainda estavam à espera de uma chamada de volta para dizer-lhes se ele estava sendo retirado da NFL completamente. "Se eu pudesse ter tomado essa fratura por você, eu teria" eu sussurrei. "Eu nunca quero você se machucando por minha causa ", sussurrou Romeo e acariciou a mão no lado da minha cabeça.


Meu cabelo estava hoje em linha reta e elegante. Eu o usava para baixo e isso parecia inspirar cafunés de Romeo a cada poucos minutos. Eu teria que me lembrar de usá-lo desse jeito mais vezes. Eu peguei sua mãe nos observando e para variar, não desviei o olhar imediatamente. A verdade era que eu não estava mais tão descaradamente com raiva dela. Não me interpretem mal. Eu ainda estava totalmente chateada e eu realmente não queria estar por perto dela, mas um pouco do calor da minha raiva tinha enfraquecido. Eu disse a mim mesma que não era porque eu estava começando a pensar que ela poderia estar certa. Esse pensamento fez meus olhos sacudirem longe dela. Com raiva ou não, cada vez que eu olhava para ela, tudo o que via era a sua acusação. Ela deve ter tomado o meu olhar momentâneo como um convite (que não era) e caminhou em nossa direção. Seus saltos de camurça clicavam sobre o chão de mármore polido no corredor, e ela parou ao lado de Romeo. "Vocês dois estão prontos para esta manhã?" "Papai nos preparou," Romeo respondeu, seus dedos entrelaçados com os meus. "Rimmel" Valerie disse, e eu não podia não reconhecê-la . Minha mãe enraizou respeito demais pelos outros em mim. Antes de morrer, era isso. Ou talvez ela foi morta. "Sim , senhora Anderson?" Eu disse educadamente. "Eu sei que você está lidando com um monte ultimamente." Ela começou e minha mão apertou em torno de Romeo. "Eu não queria sobrecarregar vocês." Eu bufei. Ela parecia colocar para fora, mas depois continuou. "Mas a campanha de arrecadação de fundos para o abrigo é no fim da próxima


semana. Eu realmente gostaria de obter a sua aprovação final em todos os preparativos e acordos." Claro. A campanha de arrecadação de fundos para o abrigo. Michelle no abrigo não parava de tagarelar sobre isso. Ela estava muito além de animada de que o nosso pequeno abrigo ia ser representado de modo tão elegante. E apesar de que eu estava totalmente irritada por causa de Valerie, eu estava animada também. A campanha ainda não tinha acontecido e já estávamos recebendo doações consideráveis. Um jornal local até mesmo veio e tirou fotos e fez um filme. Isso resultou em três animais sendo adotados para adoráveis casas. Era tudo o que eu tinha sonhado e muito mais. Eu só queria que Valerie não tivesse ajudado a fazer disso um sucesso assim. Era difícil ser grata e amarga, ao mesmo tempo. "Peço desculpas, eu não tenho sido muito útil nas últimas semanas" eu respondi . "Eu e todos no abrigo somos tão incrivelmente gratos por este evento. Já nos ajudou tremendamente." Valerie sorriu. "Quando você gostaria de se encontrar para finalizar tudo?", perguntei. "Que tal esta noite? Eu tenho toda a papelada e coisas em casa. Possivelmente você e Roman gostariam de jantar com Tony e eu? Nós podemos examinar tudo então." "Mãe, " Romeo disse, sua voz segurando aviso contido. "Nós não podemos." O rosto dela caiu um pouco, e eu apertei sua mão. "Na verdade, jantar soa bem." Ambos, mãe e filho, olharam para mim com surpresa. "Rim, você não tem que fazer isso" Romeo disse no meu ouvido. "Mamãe pode deixar os papéis na minha casa e você pode passar os olhos neles."


Para variar, Valerie manteve a boca fechada. Eu contei como progresso. "Não, o jantar está bem. Dessa forma, se eu tiver perguntas, ela pode respondê-las. Isso vai fazer o processo mais curto e tornar o evento melhor." "Eu concordo" disse Valerie. "Claro que sim" Romeo murmurou. A grande porta de madeira da sala do juiz se abriu, e um homem saiu e disse algo para Tony, em seguida, deu um passo de volta para dentro, deixando a porta aberta. "Está na hora", Tony chamou. Nervos agruparam no meu estômago e meu coração começou a bater mais forte. "Eu vou estar ao seu lado o tempo todo" Romeo disse. Eu balancei a cabeça. Por que ele não estava nervoso como eu? A sala do juiz era uma sala grande, aberta, com painéis de madeira escura , pesadas cortinas , e uma enorme mesa de comando no centro. Um homem em um manto negro se sentava atrás da mesa de trabalho, e para a esquerda estava Robert, o pai de Zach, sentado em uma cadeira virada para a frente. Ele estava impecavelmente vestido em um terno preto e sequer olhou para nós. Romeo se deslocou, então seu corpo bloqueou a maior parte do meu e seu grande corpo bloqueava quem estava sentado ao lado de Robert. Eu tentei acalmar meus nervos enquanto caminhávamos em direção ao nosso lado da sala. Tony pegou o primeiro lugar do nosso lado e Valerie sentou-se atrás dele. Romeo me guiou com uma mão nas minhas costas para a cadeira ao lado de seu pai, e ele sentou-se na frente, ao meu lado. Eu não podia me sentar até que eu tivesse terminado. Com Romeo, finalmente, não me bloqueando, eu olhei para o outro lado da sala. Meus olhos foram diretamente para Zach.


Ele estava olhando para mim. Arrepios correram pela minha espinha e eu senti minhas mãos tremerem. Eu odiava o jeito que ele me fazia sentir, mas eu era impotente contra ele. E, meu Deus... Zach parecia terrível. O ex-presidente da fraternidade bem apessoado não existia mais. Em vez disso, seu cabelo estava desgrenhado, maçante, e na necessidade de um corte. Caía sobre a testa como se sentisse perdido sem o seu gel de cabelo. Sua pele estava pálida como se ele não tivesse visto o sol em semanas (que, ok, não tinha) e as maçãs do rosto estavam mais pronunciadas do que antes. Sua mandíbula estava costurada e seus lábios pareciam rachados. Ele estava vestindo um terno, mas não parecia se encaixar muito bem. Era muito grande nos ombros e pendurava fora de sua estrutura como se ele tivesse estado doente. Eu quase senti pena dele. Quase. Porque no segundo que olhei em seus olhos, tudo voltou correndo . Apesar do olhar vidrado, sedado, que ele defrontava, eu vi mais profundo. Claramente, ele estava em uso de medicação – medicação que, provavelmente, ele precisava - mas quando eu olhei profundamente em seus olhos, eu sabia que os medicamentos não eram o suficiente. Ainda havia algo dentro dele que foi quebrado e torcido. Eu não sei se Zach tinha sido sempre desse jeito ou se algo nos últimos meses ou anos causou esta mudança, mas quando eu olhei para ele naquele momento, seus olhos perfurando os meus, eu sabia que Zach tinha quebrado. Eu também soube então que seu pai iria mais definitivamente discutir um pedido de insanidade e ele ganharia com isso. Mesmo eu, a vítima, não podia argumentar.


Zach era claramente instável, e eu genuinamente esperava que ele recebesse alguma ajuda. Por trás das paredes de uma cela acolchoada, é fato. Enquanto eu olhava, seus lábios puxaram em um sorriso contido caído. Isso me cortou para o meu núcleo. A mão quente de Romeo envolveu em torno da minha, e ele me puxou para baixo para o banco ao lado dele e com segurança de volta à realidade. Fiel à palavra de Tony, a audiência correu rapidamente. O advogado/pai de Zach fez toda o diálogo, e os poucos olhares curtos que eu roubei em sua direção me deixou perguntando se ele estava sequer ouvindo tudo o que estava sendo dito. Afora esse momento de clareza que eu vi nas profundezas de seus olhos logo que nós entramos, parecia que Zach estava em algum outro lugar, em algum lugar sozinho nos confins de sua mente. Eu fui convidada para contar o meu lado da história, e como eu fiz, senti Romeo escutar com raiva reprimida quando recordei detalhes que eu não tinha lhe dito antes. Quando terminei, eu queria sentar na minha cadeira e chorar. Eu senti como se tivesse que reviver tudo de novo. Mas eu me segurei em linha reta e mantive meu foco à frente no juiz. Em um ponto, ele olhou para mim e eu pensei que eu vi um pouco de respeito em seus olhos. Foi quando eu soube que tudo ia ficar bem. Foi quando eu soube que Zach iria ser responsabilizado e Romeo e eu ficaríamos a salvo dele. Romeo também falou, e surpreendentemente, um dos alunos que ajudaram a Zach a me amarrar, testemunhou também. Ele disse a todos que Zach o ameaçou se ele não ajudasse, e assim ele fez isso porque ele não tinha certeza de que, se ele contasse a alguém, acreditariam nele. No final, o julgamento foi vencido sem esforço. Zach foi condenado a admissão involuntária em uma clínica psiquiátrica de renome do norte do estado. O psiquiatra que testemunhou o fato de que Zach efetivamente sofria de várias formas de ansiedade e uma


potencial desordem de personalidade, entre algumas outras informações confidenciais, iria atendê-lo no hospital. Sua estadia mínima no centro seria de um ano. Após completar o ano, haveria uma outra audiência ( na qual Romeo e eu não precisaríamos estar) para determinar se ele estava bem o suficiente para ser liberado para tratamento ambulatorial. Oh, e a família de Zach estava sendo responsabilizada por todas as despesas médicas e hospitalares que resultaram em seu ataque contra Romeo e eu. Quando o juiz acrescentou aquela coisinha, eu olhei para Romeo. Ele sorriu, pretensioso, e eu sabia, eu sabia que ele fez com que seu pai corresse atrás disso, assim eu não teria que conseguir um emprego e pagar essa conta. Era um alívio não ter aquela conta pairando sobre a minha cabeça, mas o que Romeo não sabia é que eu ainda tinha que me sustentar. Se meu pai estava realmente fora do trabalho e em dívida (eu não estava pronta para admitir isso até o momento), então era hora de eu assumir e me sustentar. Eu poderia. Eu iria. E Romeo teria apenas que passar por cima disso. Quando a audiência terminou, ficamos todos de pé para sair do tribunal. Havia dois grandes homens vestidos com uniformes brancos que esperavam nas alas para levar Zach embora para o centro. Seu pai não olhou para nós uma vez enquanto nós caminhamos além. Talvez ele ainda estivesse com raiva sobre o que "Romeo fez para seu filho" ou talvez ele estivesse envergonhado. Quando estávamos passando, Zach precipitou-se em seus pés. Seu movimento brusco me assustou, e eu cambaleei para trás. Eu joguei meu braço para fora e me peguei na mesa que Robert tinha estado usando para seus arquivos.


Um som rasgou da garganta de Zach, abafado e profundo de estar preso em sua boca, e ele meio que pulou sobre a mesa e agarrou meu braço. Eu gritei quando ele me puxou duro e rebocou meu corpo por toda a mesa em direção a ele.


CAPITULO vinte e quatro Faça o que é certo. Não que o seja fácil. #MasESeOQueÉCertoForFácil? ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Oh, inferno, não.


CAPITULO vinte e cinco #QuarterbackRetorno O que um quarterback faz quando seu braço direito está fora de serviço? Ele lança com a mão esquerda. #24ÉImbatível

R IMMEL Eu não cheguei muito longe do outro lado da mesa. Enquanto Robert ficou ali em choque com o comportamento bestial do filho, o juiz começou a bater o martelo e gritar, "ordem no tribunal!" O que diabos ele pensou que eu faria, não tenho ideia. Romeo explodiu em ação, o único que parecia ter percebido o que ia acontecer. Ou talvez (sim, provavelmente), Romeo estivesse apenas sempre em guarda quando ele veio para mim. Neste momento, bem na hora, eu tinha que ser grata por seu temperamento super protetor. Romeo correu para a frente e colocou seu único braço em torno de mim e levantou. Era como se eu pesasse nada mais do que um seixo a maneira como ele me pegou e me enfiou de lado, debaixo do braço dele. Zach não queria soltar meu braço, então eu era uma espécie de presa no limbo, dobrada contra Romeo, mas ainda detida por Zach. Romeo soltou uma sequência de xingamentos muito pouco profissionais e girou, então seu corpo – seu braço quebrado - foi usado como um aríete contra o braço de Zach.


Ele estava fraco de lesão e medicação, e seu corpo dobrou imediatamente. Ele caiu para trás enquanto os guardas e atendentes correram para a frente. Suas mãos foram algemadas e contidas por um dos homens vestindo branco. Não que ele precisasse ser contido. Ele estava de volta em olhos vazios e vítreos. Romeo me colocou de pé, respirando difícil. Ele estendeu a mão e rasgou a tipoia fora, dando ao braço quebrado mais liberdade de movimento. Então, ele me raspou contra o peito, ambos os braços apertados ao meu redor. Eu não parei o pequeno gemido que me escapou ou a necessidade que senti para enterrar meu rosto em seu peito. Será que Zach nunca ia parar? E, Nossa Senhora, era bom estar enrolada em Romeo novamente. Tinham sido semanas desde que eu senti dois braços me segurarem. Era incrível estar cercada por ele. Uma vez que o pouco do choque foi passando, eu recuei. "Seu braço." Eu me preocupei. "Está tudo bem", ele murmurou e me puxou de volta em seu peito. "Dê o fora daqui com ele!" Romeo rugiu sobre a minha cabeça . Tudo e todos pareciam dispararem ação. Zach foi levado embora; os atendentes e guardas foram com ele. Robert saiu em um alvoroço, e Valerie e Tony vieram para a frente para ver se estava tudo bem. "Senhorita Hudson." A voz profunda veio de trás de Romeo. "Isso é altamente incomum. Você está machucada?" Era o juiz. Tomei outro momento para recuperar o fôlego e recuei de trás de Romeo. Ele não foi longe. Ele ficou tão perto de mim que eu podia sentir cada respiração que ele tomou. "Eu não estou machucada, só um pouco surpresa." "Eu acho que todos nós fomos surpreendidos", ele respondeu .


"Tem certeza de um ano neste hospital vai ser suficiente?" Tony preocupou-se. "Ele está claramente muito instável." "Bem, um ano é o mínimo. Ele vai ser reavaliado e vigiado de perto. E se ele ainda estiver um pouco instável, ele será mantido lá." De trás, os braços de Romeo enrolaram em volta da minha cintura. Inclinei-me para ele. "Se isso é tudo", Tony falou. "Eu acho que esses dois precisam de algum tempo para respirar." "Claro." O juiz inclinou a cabeça. Mas antes que ele se virasse, olhou para mim e Romeo. "Aceite minhas desculpas, por favor. Eu não tolero este tipo de explosões em minha sala do tribunal, e eu vou ter certeza de que isso não aconteça de novo." "Eu duvido que vá parar seus pesadelos esta noite", Romeo disse, sua voz dura. Engoli em seco. "Romeo!" Oh, minha nossa, ele foi rude! Quando saímos da sala, Valerie fez sermão por suas duras palavras. Fora no corredor, Romeo passou uma mão através de seu cabelo. "Já terminamos aqui?" A tipoia que ele estava usando estava pendurada na manga de seu terno; a qualquer segundo se tornaria um adorno para o chão. Sob a jaqueta, ele estava usando a sua tala e a manga por baixo. Pelo menos ele tinha aquele apoio, mas sua cura estava indo tão bem nas últimas semanas. Eu realmente não queria que ele estragasse tudo agora. Mudei-me para a frente e desembaracei o tecido de seu braço. "Sim, terminamos. Essa foi a última vez que você terá que olhar ou lidar com Zachary," disse Tony. "Vamos", disse Romeo e pegou a minha mão. Eu me virei para Tony. "Obrigada" eu disse sinceramente . Ele sorriu.


"Não se esqueça do jantar hoje à noite!" Valerie nos chamou, quando nós fomos pelo corredor em direção ao elevador. Quando abriu, Romeo me puxou para dentro e apertou o botão "fechar porta" umas dez vezes. "Ei." Eu estendi a mão e agarrei sua mão, quando as portas se fecharam. "Acalme-se." Ele se moveu rápido, colocou seu braço ao redor da minha cintura, e me empurrou gentilmente contra a parede do espaço pequeno . Sua boca estava na minha antes do elevador sacudir para partir. Ele me beijou com uma ferocidade que tornou impossível para recuperar meu fôlego. Ambas as mãos agarraram meus quadris e ele me levantou do chão. Minhas pernas ficaram ao redor de sua cintura e meus tornozelos bloquearam em torno atrás. Eu estava usando uma saia e a fivela em suas calças pressionou contra o tecido macio da minha calcinha entre minhas pernas. Eu me derreti na parede enquanto eu me arqueei contra ele. Eu não tinha ideia das vantagens de usar uma saia. Talvez eu devesse usar mais vezes. Sua boca era como um apagador gigante no meu quadro-negro. Tudo dentro de mim foi apagado, e tudo o que restava era a sua boca. As mãos dele. E a maneira como ele estava se movendo entre as minhas pernas. Eu senti o elevador sacudir para uma parada, mas eu mal prestei atenção. Eu o devorei tanto quanto poderia, tomada completamente pela sua necessidade crua e súbita. O barulho alto de uma garganta fez Romeo empurrar para longe. Ele olhou por cima do ombro e depois de volta para mim, piscando para limpar a névoa envolvendo em torno de nós. "Desculpe por isso" disse ele, sua voz era profunda e rouca. Ele me colocou em meus pés e me puxou para fora da porta do elevador aberta e além do homem de pé lá, em estado de choque. "O que foi isso?" Minhas palavras estavam sem fôlego quando nós caminhamos através da garagem para o Hellcat.


"Esse cara me deixa insano" ele moeu para fora. "Tudo o que eu conseguia pensar era em bater nele novamente, fazendo duas vezes pior ainda desta vez." "Mas você não fez." Chegamos no Hellcat, e ele girou para me encarar. "Não. Eu não fiz. Porque, sério, o que isso teria resolvido? Mas a raiva e a visão das mãos dele em você." Ele sacudiu a cabeça como se ele estivesse tentando livrar a imagem. "Eu tinha que fazer alguma coisa com toda aquela frustração reprimida." Seus olhos começaram a ferver com o desejo novamente. "E só há apenas um outro sentimento que poderia coincidir com a intensidade do meu ódio por aquele cara." "Qual é?" Eu sussurrei. Ele me agarrou novamente e me prendeu contra o lado do carro. "Meu amor por você. Meu desejo por você. É a única coisa neste universo inteiro que pode me empurrar para a beira do abismo, mas também me trazer de volta." Ele arrastou um dedo abaixo o lado da minha bochecha. "Acabou, baby. Talvez agora os pesadelos parem." Meus olhos desabaram nos dele. "Você sabe sobre os pesadelos?" Ele balançou a cabeça e baixou o rosto para o meu. “Claro que eu sei." "Mas eu nunca te disse". "Você não precisava." Ele apertou um beijo suave na minha testa. "Você já vai colocar isso de volta?" Eu segurei a tipoia entre nós. "Eu prometo a você que o meu braço está bem. Eu fui para o especialista no início da semana, lembra-se? Eu fui a um terapeuta físico também. Movimento leve, comuns, todo dia, está bem. Eu não tenho mais que usar tanto a tipoia. Era principalmente para estabilizar a lesão quando aconteceu pela primeira vez e para ajudar com o inchaço." "Eu sei." Eu protestei. "Mas eu só quero que você seja cuidadoso."


Ele segurou meu rosto com as duas mãos. Meus olhos se fecharam. Tinha sido um tempo desde que ele tinha sido capaz de fazer isso. "Eu vou ser." Ele murmurou e beijou-me lento e doce. Isso foi um contraste com a forma como ele foi para mim no elevador, mas foi igualmente devastador. Meus joelhos começaram a tremer, e eu alcancei e agarrei seus pulsos (levemente ). "Nós podemos ir?" Ele riu. "Temos toda a tarde até o jantar hoje à noite." Era uma raridade ter a maior parte do dia para nós mesmos durante a semana. Mas por causa da audiência, o reitor nos dispensou das aulas hoje para que pudéssemos estar no tribunal. "Bem, talvez você pudesse tirar a tipoia... só por um pouco mais de tempo. Eu meio que estou com saudade de ser abraçada por você." "Seu desejo é uma ordem." Debrucei-me na ponta dos pés e beijei-o mais uma vez. "Qualquer coisa que eu queira?" "Mm -hmm." "Eu quero ir para casa." Ele foi de muito flexível para alarmado em dois segundos. "Você quer o quê?" Eu estendi minha mão para as chaves. "Dirigir demais é ruim para o seu braço. " "Está certo." Ele gemeu. "Isso vai me fazer sentir melhor." "Mas o pobre Cat vai sofrer", ele murmurou. "O que você acabou de me dizer?" Eu engasguei e apertei a mão no meu peito. "Eu pensei que você disse que eu era uma boa motorista!" Eu quase ri alto ao ver a cara dele. Eu tenho que me lembrar de agir assim mais frequentemente quando eu quisesse jogá-lo fora de seu jogo. "Tudo bem." Ele cedeu e deu a volta para abrir a porta do lado do motorista. Depois que eu empilhei meus livros sobre o assento e subi, ele inclinou-se na porta. "Tente não arrancar o motor, hein?"


Revirei os olhos e, quando o fiz, algo me chamou a atenção para o lado. "Hey," eu perguntei. "O que é isso?" Eu apontei para o que parecia um pedaço de papel sob o limpador do para-brisa. Romeo endireitou-se e agarrou a folha de fora do vidro e olhou para ele. "É um artigo de jornal." Ele olhou para cima. "Um deles escreveu sobre mim." Desde que ele deu a entrevista para o Maryland Tribune vários outros jornais pediram uma entrevista. Ele sempre teve um tipo de status de celebridade desde que eu o conheci, mas geralmente se limitava a campus e às pessoas que o conheciam. Mas desde que o campeonato, as ofertas da NFL e o drama com Zach, Romeo tinha se tornado ainda mais popular. "Eu não acho que eu já vi este ainda" Eu disse e puxei-o para fora de suas mãos para olhar para baixo. O artigo era meia página e contava com ele sorrindo amplamente com seus olhos azuis e cabelo loiro em plena exibição. O título do artigo dizia: "ELE SERÁ O QUARTERBACK RETORNO?" Abaixo do artigo , havia uma foto menor dele em campo, vestindo moletom e em movimento, jogando a bola com a mão esquerda. Ele tinha estado treinando o lado esquerdo de seu corpo por um tempo agora, e eu sabia que ele estava ficando melhor e aprendendo a controlar mais. "O que eles querem dizer com o quarterback retorno?" Eu perguntei. Ele zombou. "Porque a NFL me dispensou, mas eu ainda estou no treinamento de campo todo dia, determinado a manter a minha habilidade e ginástica. Eles estão dizendo que se eu for convocado no próximo ano, eu vou ser o ' quarterback retorno'." "Você sabe", eu disse. "Nós não sabemos se a NFL descartou você totalmente."


"Eles estão em silêncio por muito tempo." Eu ouvi a decepção e o caráter definitivo em sua voz, e meu peito se contraiu. "Bem, eles são um bando de grandes imbecis." Ele riu. Depois que ele correu ao redor do carro e subiu no banco do passageiro, eu levantei os olhos do papel. "Eu me pergunto como foi parar em seu vidro?" Ele deu de ombros. "Alguém provavelmente reconheceu meu carro e o colocou lá." Ele virou o papel para que ele pudesse olhar para ele. "Este artigo é de hoje. Talvez eles pensaram que eram os primeiros a mostrá-lo para mim." "Talvez", eu ecoei, mas ainda assim, parecia apenas estranho. Ele pegou o papel e o jogou no banco traseiro. "Lembre-se, seja gentil com o meu Hellcat." Eu sorri e comecei a subir o carro.


CAPITULO vinte e seis

Você alguma vez já se sentiu sendo observado? #VocêEstá #BuzzBossVêTudo ...Alpha BuzzFeed

R OMEO "Por que você teve que concordar em jantar com meus pais?" Sua risada gutural fez o fato de que tínhamos de sair da cama ainda pior. "Eu imaginei que seria mais seguro assim" Rimmel disse, correndo os dedos pelo meu abdome nu. "O que você quer dizer?" Seus dedos continuaram me acariciando , flertando ao longo do meu corpo. Seu toque era leve, e mesmo que eu já a tivesse tido duas vezes, senti uma profunda agitação em meu peito. Mas não era por mais sexo. Não era do desejo insaciável que ela me fazia sentir. Era porque ela me pertencia. Eu a amava com cada célula do meu corpo. "Achei que seria mais fácil estar na mesma sala com sua mãe para examinar os detalhes sobre o evento, se você e Tony estivessem lá também." Eu espalmei seu quadril nu. Não devia ser assim. Ela não deve se sentir como se ela precisasse de uma proteção quando ela estivesse na mesma sala que a minha mãe.


Antes de conhecer Rim, eu realmente nunca pensei muito sobre o que meus futuros relacionamentos poderiam ser ou como meus pais seriam com a minha menina para sempre. Mas mesmo se eu tivesse pensado sobre isso, nunca teria sido assim. Eu sempre meio que assumi que todos iriam se dar bem. E eu desejei que sim. Não só por mim, mas por Rimmel. Ela precisava mais de família e ela merecia o amor e a segurança que uma grande família pode oferecer. Em vez disso, ela tem eu e Braeden. Estávamos muito bem, mas às vezes eu me preocupava que não seria suficiente. "Eu realmente gostaria que as coisas fossem diferentes" Eu disse a ela. Ela se aconchegou um pouco mais perto. "Parte de mim não pode sequer estar mais chateada porque a sua mãe te ama. Ela te ama tanto." "Sim, mas isso não é desculpa para a maneira que ela agiu." "Não, acho que não." "Rim?" Eu perguntei depois de alguns longos momentos . "Rome?" Eu sorri, apesar da pergunta que eu queria fazer. "O que você fez com o arquivo que minha mãe te deu?" Seu corpo ficou tenso apenas um pouco, e eu acariciei suas costas para, esperançosamente, mostrar que eu não queria fazer mal ao perguntar, mas honestamente, este era um tópico que eu não poderia evitar para sempre. "Você quer dizer aquele sobre o meu pai?" "Sim." "Esta na minha bolsa." Ela jogou o braço para onde sua bolsa estava do outro lado do quarto. "Você o carrega com você ?", perguntei surpreso. "Eu não sabia o que fazer com ele. Não é o tipo de coisa que você se coloca em sua mesa ou esconde debaixo de um travesseiro."


"Tipo uma conta de hospital" eu brinquei. Ela me cutucou nas costelas. "Você totalmente orquestrou aquilo como parte da sentença contra Zach." Eu dei de ombros. "Eu apenas sugeri para o meu pai, nosso advogado, que não parecia justo que você tivesse que pagar por cuidados os quais Zach foi o responsável por fazer você precisar." "Obrigada." A sinceridade em sua voz foi um alívio. Eu estava meio que com medo de que ela ficasse brava. "Qualquer coisa para minha menina." "Eu não li tudo." Ela jogou as palavras para fora. "O relatório da polícia?", perguntei. Senti seu aceno contra mim. "Eu simplesmente não posso... É doentio para mim. Como eu poderia viver em um mundo onde meu pai matou minha mãe?" Suas palavras racharam e quebrou algo dentro de mim. Sentei-me e encostei-me à cabeceira para que eu pudesse olhar para ela. Ela parecia tão vulnerável deitada na cama com os lençóis brancos emaranhados ao redor dela e o cabelo caindo em sua bochecha. "Baby, e se essa não for a história? E se todo esse pavor que você está segurando porque você está com medo for pior do que a verdade real." "Mas sua mãe disse..." A voz dela desapareceu de distância enquanto uma lágrima rastreou sua bochecha. Ela a afastou rapidamente, como se ela estivesse com medo de chorar também. "Eu amo a minha mãe, mas ela é a rainha do drama, Rim", eu disse sem rodeios. "Ela faz muitas coisas boas para a comunidade e tem dedicado a si mesma à sua família, mas ela levou isso muito longe." "Eu não sei." Rimmel empurrou-se e colocou o lençol em torno dela, escondendo a maioria de sua nudez quente pra caralho dos meus olhos. "Ela tem esse arquivo, mal teve tempo de digerir, em seguida, recebeu um telefonema que fomos atacados e estamos na sala de emergência. Ela estava fora de si com preocupação, correu para o quarto, e disse alguma merda que era realmente estúpida."


"Você acredita nela", disse Rimmel, sua voz calma e um pouco com temor. Eu não ia mentir para ela. Nem mesmo sobre algo que poderia causar problemas entre nós. Eu me inclinei para a frente, agarrei seu rosto, e olhei diretamente em seus olhos. "Isto não sou eu escolhendo um lado. Se eu fosse forçado a escolher, seria você Rimmel. Eu escolheria você de qualquer coisa, qualquer pessoa no mundo." "Mas?" Exalei e soltei seu rosto. "Mas o investigador particular da minha mãe não seria capaz de encontrar alguma coisa se não houvesse alguma coisa para ser encontrada." Ela olhou para seu colo. "Minha mãe é um monte de coisas, mas criar um documento inteiro de informação falsa – especialmente o tipo de informação que é - ela apenas não é tão cruel, baby." O cabelo longo, grosso de Rimmel estava pendurado nos ombros, e quando ela olhou para baixo, criou uma cortina e escondeu o rosto de mim. Eu não podia ver sua reação às minhas palavras, mas seu silêncio cortava como uma faca. "Eu acho", disse ela, com a voz quase calma demais para ouvir, "que uma das razões pelas quais eu estou tão chateada com a sua mãe, é porque parte de mim acredita nela." Mesmo seu tom calmo não podia esconder a angústia pura, não filtrada que aquelas palavras a faziam sentir. Seus ombros começaram a tremer e um soluço arrancou de sua garganta. "Ah, merda," eu jurei e puxei-a para meu colo. Ela chorou e chorou. Tudo o que ela tinha engarrafado dentro dela desde aquela noite no campo parecia derramar dela até que sua voz ficou rouca e não havia literalmente sobrado mais lágrimas para ela chorar. Eu não conseguia me lembrar da última vez que chorei. Inferno, talvez eu nunca tivesse. Mas os sons de soluços, e a sensação de seu pequeno corpo tremendo sob a pressão que ela se sentia, fizeram-me me


sentir espremido por dentro como se eu também tivesse sentado aqui e soluçado. Eu não disse nada porque não havia nada a dizer. Ela sabia que eu a amava, e dizendo-lhe naquele momento parecia meio que errado. Tipo que eu estava agindo como se meu amor fosse o suficiente para fazer tudo bem. A verdade é que não era. Não havia nada que pudesse fazer estar tudo bem. Então, eu estava lá, ambos os braços ao redor apertados nela, quando ela se agarrou a mim e chorou. Quando seu corpo finalmente parou de tremer, sua voz soou como uma lixa no silêncio da sala. "Eu lamento imensamente." "Eu não. Você tem segurado isso por muito tempo. Nós temos que lidar com isso, Rim. Fingir que isso não está no quarto com você cada segundo de cada dia é loucura." Não é de admirar que ela tivesse perdido peso. Ela estava vivendo em tortura silenciosa. E eu permiti. Eu tinha estado focado no meu braço, meu treinamento, e todas as minhas consultas médicas. Nós tínhamos estado nos preparando para a audiência com Zach e indo às aulas. Quando ela estava comigo, nós fugíamos para a nossa pequena realidade própria, saindo somente quando nós realmente precisávamos. "Essa coisa com Zach acabou. Ele está trancado longe. Sua bolsa de estudos está de volta, e quão inteligente como você é, eu sei que você está atualizada com as aulas." Ela assentiu com a cabeça contra mim. "Meu braço está sarando. Em apenas algumas semanas, esse gesso estará fora. Vou continuar treinando e ficar aqui com os Wolves. Tudo está se acalmando agora, querida. É tempo de nós enfrentarmos isso." "Eu sei", ela sussurrou contra mim. "Vou ligar para a casa e cancelar o jantar." "Não!" ela disse e empurrou para fora do meu peito. Seu rosto estava vermelho e manchado. Estendi a mão e passei todo o cabelo fora do seu rosto. "Só porque a minha vida pessoal é um desastre, não significa que o abrigo tem que sofrer."


"Mamãe pode dar conta do evento." "Mas eu quero. Isso é algo sobre o qual eu sou apaixonada. Você sabe o quanto eu amo o abrigo e todos aqueles animais. Sou capaz de lidar com isso e fazer uma campanha de arrecadação de fundos incrível para o abrigo." "Eu vou ajudar", eu disse. "Você não está ocupado com tudo o que você tem em curso?" "Está fora da temporada. Eu estou cuidando de uma lesão. Um pouco de tempo livre não me machucaria. Além disso, você precisa de mim." "Eu preciso de você", ela sussurrou e evitando seu olhar. Era a primeira vez que ela dizia isso em voz alta. Uma onda de instinto para protegê-la levantou-se dentro de mim como uma onda e empurrou todo o resto para fora. "Você me tem. Seja como for," eu prometi. Ela sorriu e isso iluminou todo o seu rosto. "Eu só vou me aprontar para o jantar." "Dê-me um beijo." Eu puxei-a para perto. Ela riu e apertou perto. Os lábios dela tinham gosto salgado de todas as lágrimas. Eu a assisti se mover ao redor da sala, retirando roupas das gavetas que ela tinha levado, e depois se trancar no banheiro. Levantei-me e puxei um jeans, uma camiseta, e de má vontade, coloquei a tipoia de volta no lugar. Eu não podia esperar para me livrar dessa coisa estúpida. Rimmel saiu do banheiro vestida com um par de calças de yoga preta e meu agasalho da Alpha U. Seu cabelo estava em um rabo de cavalo no alto da cabeça, e seu rosto foi lavado e limpo por isso parecia menos manchado. "Eu gosto de ver você com o meu nome nas suas costas." Ela jogou um beijo para mim do outro lado da sala. "Eu sei que eu deveria provavelmente me vestir um pouco melhor para o jantar , mas eu não estou com ânimo. Além disso, sua mãe precisa se acostumar com o jeito que eu sou. Eu não vou mudar."


"Mulher, você é perfeita. Não se esqueça disto." Rimmel saiu para a cozinha para alimentar Murphy. Ela estava falando com ele como se ele estivesse totalmente ouvindo, e sua voz enchia a casa. Saí da cama todo amarrotado porque eu gostava de ver a evidência do sexo que nós tínhamos acabado de ter. E porque eu planejava bagunçar tudo de novo após o jantar. Rimmel me chamou da porta da frente depois que ela tinha conversado em profundidade com Murphy. Antes de sair do quarto, eu parei na porta e olhei para trás. Os cobertores bagunçados, roupas dela na cama e no chão. Deste ângulo, eu podia ver sua escova no balcão do banheiro junto com algumas loções e protetor labial. Eu sorri. Eu não sabia o quão certo iria ser tê-la aqui comigo. Rimmel era isso para mim. Ela era o meu para sempre.


CAPITULO vinte e sete A praça de alimentaçãoestásemcafé. #ÉOFimDoMundo #PossoMuitoBemFicarNaCama ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Romeo tinha razão. Eu não podia continuar fingindo. De uma maneira ou de outra, eu precisava saber a verdade.


CAPITULO vinte e oito #AvisoàFaculdade Os alunos hoje passam mais tempo no dever de casa do que nunca na história registrada. #DáUmTempo #DeverDeCasaÉUmaDroga ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Mamãe estava sozinha na cozinha quando entramos. Ela tinha um copo de vinho tinto em seu cotovelo e um jazz suave tocando através do som surround. Seus olhos se arregalaram em uma fração de surpresa quando ela pensou que nós não íamos aparecer. Eu provavelmente não teria, se Rimmel não tivesse insistido. "Roman." Ela sorriu e empurrou para fora do tamborete. "Como vai você?" Quando ela veio para a frente para mim para me abraçar, não a impedi e eu a abracei de volta com meu único braço. Eu ainda estava zangado com ela, mas ela era minha mãe e eu a amava. "Obrigado por nos convidar para jantar, mãe." "Você é bem vindo a qualquer hora. Você sabe disso" , disse ela, recuando, os olhos ainda apontados no meu rosto. "Eu ainda mantenho a geladeira abastecida para você." Eu senti uma pontada de culpa, porque eu não tinha vindo aqui para assaltar a geladeira ou apenas atirar a merda com ela desde aquela noite no campo. Às vezes eu sabia que ela ficava solitária devido ao exigente horário de trabalho do meu pai.


"Como está o seu braço?" Ela olhou para a tipoia e a tala. "Você tem visto os seus médicos?" "Sim eu tenho. Eles dizem que parece estar bom e eles acham que depois de algum PT, eu vou estar novo em folha." Os olhos dela se encheram de lágrimas. "Estou tão feliz ao ouvir isso. Eu estive preocupada." Eu desviei o olhar. Eu não podia mais ver esse olhar em seu rosto. Eu não queria me sentir culpado por estar com raiva de algo que ela fez. "Rimmel" disse ela, finalmente, levando a atenção fora de mim. "Obrigada por ter vindo." Eu vi o seu olhar sobre a aparência casual de Rimmel, e eu sabia que ela devia estar morrendo para dizer algo, considerando a maneira formal que ela estava vestida com uma saia, saltos e casaco, mas para seu crédito, ela não disse nada. "Claro. Qualquer coisa que eu possa fazer para ajudar com o evento." "Onde está o papai?", perguntei. "Trancado em seu escritório. Ele esteve lá desde que cheguei em casa do tribunal. Disse que estava trabalhando em algo que não podia esperar." "Será que ele vai se juntar a nós para o jantar?" Rim perguntou. "Ah, sim", respondeu a mãe. A tensão na sala era palpável, e agora que as gentilezas tinham terminado, a conversa ficou forçada. Mamãe limpou a garganta. "O jantar está pronto. É na sala de jantar . Por que você não dois não vão na frente, e eu só vou buscar o seu pai?" Eu levei Rim para a sala de jantar e nós sentamos no longo banco de um lado da mesa. A mesa estava cheia, coberta de pratos, e eu comecei a cutucar ao redor para ver o que iríamos comer. Meu estômago roncou alto enquanto eu espiava. "Deve parecer bom", Rimmel riu. "Costela, batatas assadas duas vezes, salada, e legumes assados" eu disse apreciativamente. "Se eles não vierem aqui rápido, eu vou começar a comer sem eles." Rimmel me deu um tapa no estômago e riu.


Meus pais entraram, e depois que nós trocamos os cumprimentos habituais com o meu pai, eles se sentaram e mamãe começou a passar a comida ao redor. Eu empilhei meu prato até que não se podia ver de modo algum. Eu estava com saudade da culinária de minha mãe, e eu planejava carregar. Rimmel se serviu de cerca de um quarto do que eu fiz, e eu usei o meu garfo para esfaquear outra peça de carne fora do prato de servir e arrastei-o para cair no seu prato. Ela me deu um olhar confuso, e eu grunhi entre mordidas. "Isso vai colocar um pouco de carne em seus ossos." "Sério Roman?", disse a mãe, mas o carinho em seu tom não poderia ser ignorado. "Eu tenho novidades" meu pai anunciou, antes que todo mundo tivesse dado ainda a primeira mordida. Exceto eu. Eu estava arando através do meu prato como um lutador de sumô premiado. Esta merda estava boa. "Você vai engasgar!" Rimmel me repreendeu. "Pobre coitado. Ele está claramente morrendo de fome." Mamãe exclamou em desaprovação. "Vai surpreender o inferno fora de você!" Papai continuou, ignorando totalmente as senhoras. "O que é isso?", perguntei , baixando o garfo. Ultimamente, todas as "notícias" que tínhamos recebido tinham sido terríveis e mais uma coisa para superar. Olhei para Rimmel, que havia colocado o garfo ao lado de seu prato. Eu tinha acabado de levá-la para descarregar mais do que ela tinha estado transportando em torno por semanas. Eu não tinha certeza se ela podia lidar com mais. "Talvez devêssemos falar sobre isso depois do jantar", eu disse. "Em seu escritório." Ele afastou a minha preocupação. "Isto não é algo que pode esperar. Além disso, esta é a melhor notícia que você vai receber no ano."


"Bem, diga-nos já, Anthony!" Mãe disse, com expectativa. "A NFL ligou." Meu garfo caiu ruidosamente contra o meu prato. Meu primeiro pensamento foi que eles finalmente bateram o último prego no caixão da minha carreira profissional. Mas papai disse que eram boas notícias. Ele não consideraria aquilo bom. Então o que diabos mais poderia ser? "Na verdade" ele emendou, "o proprietário do Maryland Knights me ligou." "Ron Gamble te ligou?" Eu repeti. Ele era um dos (se não o) homens mais ricos do todo o Estado. Ele tinha as mãos em uma tonelada de empresas e era muito ativo não apenas na comunidade, mas assuntos estaduais. Ele também era um grande fã de futebol. Tanto assim que ele possuía o time profissional de futebol de Maryland, o Maryland Knights. "Toda a imprensa que você está recebendo, as entrevistas, a primeira página completa divulgou o Maryland Tribune... chamou a atenção dele." "Por que ele se preocupa com todo o drama acontecendo na minha vida?" eu murmurei. "Porque todos se preocupam" meu pai apontou. "Você se tornou bastante popular filho, e não apenas na Alpha U." Eu acho que eu tinha percebido isso. Eu só não tinha me focado nisso. Eu tinha estado muito ocupado vivendo minha vida e estando com Rimmel. "O que ele queria?" Perguntou a mãe, exasperada. "Os Maryland Knights fizeram uma oferta, Roman. Eles querem você na equipe." Mamãe suspirou, e Rimmel saltou para a frente e jogou os braços ao redor do meu pescoço. "Eu sabia que eles não iam apenas te deixar ir!" ela gritou. Eu ri, porque seu entusiasmo era tão bonitinho. E também era contagiante. Mas eu não estava prestes a ficar animado. Ainda.


"Por quê?" Eu perguntei sem rodeios. Rimmel fez um barulho e recuou. "Porque você é um jogador incrível." "Eu fui. Mas agora eu estou quebrado." Eu olhei para meu pai à espera de uma explicação. Eu queria ficar entusiasmado sem merda sobre isso. Eu queria acreditar que eu não tinha perdido a minha chance de uma carreira profissional por causa de uma lesão estúpida. Mas eu queria os fatos em primeiro lugar. "Eu acho que é por isso que eles querem você." meu pai começou, então ergueu a mão para conter qualquer um dos nossos comentários. "Claro, isso não é a única razão. Seu recorde fala por si." "Eles não estavam interessados antes," eu afirmei. "Bem, eles não tinham uma oferta sobre a mesa para você. Mas então você quebrou o braço e metade da faculdade acampou na sala de espera. As pessoas esperavam com ansiedade para ver como você estava. E quando você saiu com uma lesão que poderia terminar sua carreira, você não os deixou. Você tranquilizou a todos no hospital, qualquer pessoa que veio até você na rua ou no campus, que você estava bem. Mas não é que você apenas disse isso." Papai fez uma pausa. "Ele viveu isso", finalizou Rimmel. Papai assentiu. "Exatamente. No segundo que o inchaço diminuiu, você estava de volta no campo. Mesmo com habilidades limitadas, você não parou. Você ensinou a si mesmo como jogar com o braço esquerdo." "Eu não jogo tão bem como meu braço direito", acrescentei. "Você vai. É só uma questão de tempo", papai disse como se isso fosse apenas um detalhe. "Jornais locais, jornais estaduais contaram histórias sobre você. Você foi o herói que se tornou o perdedor. Você desistiu de sua carreira profissional para proteger sua namorada de um ... um homem instável." Papai olhou para Rimmel. "E as pessoas a amam também.” Eu senti o espanto irradiando fora dela, e eu meio que sorri, pegando sua expressão.


"O clipe dela prestes a pular no campo, quando ela pensou que você estava ferido foi viral, filho. As imagens de você correndo através do campo e inclinando-se sobre os grades em direção a ela estão em toda parte. As pessoas se identificam com vocês dois. Eles estão torcendo por vocês." "Então ele me quer porque eu sou boa publicidade", eu disse, irritado. Eu queria ganhar o meu lugar. Eu queria ser profissional porque eu merecia, não porque eu parecia bem na primeira página de um jornal. "Ron Gamble tem dinheiro suficiente para comprar publicidade, filho." Papai franziu a testa. "Eu realmente pensei que você ia estar mais animado com isto. Eu já revi o contrato. Eu pensei que ia ser um negócio feito." Eu soltei um suspiro e empurrei da mesa para levantar. "Estou animado. Mas eu não sou um porta-voz. Eu sou um quarterback." "Ele sabe disso. A equipe sabe disso. Eu conversei com o treinador principal dos Knights apenas alguns minutos atrás. Eu disse a ele sua condição. No minuto que você der o ok, eu vou pedir aos seus médicos para enviarem sua ficha. O treinamento de campo começa em julho. Como um novato, você vai se apresentar primeiramente com o resto dos jogadores mais recentes. Os jogadores mais experientes vão se juntar ao resto de vocês algumas semanas depois." Eu balancei a cabeça, porque eu sabia como funcionava. "Isso lhe dá mais do que quatro meses para se preparar e ir para a fisioterapia." "E se eu não puder jogar?", perguntei. "Então você vai ser basicamente um porta-voz glorificado. Você pode fazer coisas de endosso para o time. Autógrafos, e quando acabar seu contrato, então você vai seguir o seu próprio caminho." "De quanto tempo é o contrato?" "Uma temporada." Então, isso realmente era um teste. Eles estavam realmente colocando sua fé em mim, que eu seria capaz de ser o "quarterback comeback" e, é claro, trazer-lhes boa imprensa no processo.


"Ficou muito claro que se você executar bem no campo e sua lesão não for um problema, será dado a você um contrato renovado -, na próxima vez, por mais do que uma temporada." Estava tudo certo aqui. Tudo o que eu queria estava sendo pendurado na minha frente. Só que era melhor. Minhas duas últimas ofertas eram de equipes de todo o país. Eu ia ter que me mudar, durante pelo menos parte do ano. Eu não iria ver muito Rimmel ou Braeden ou minha família. Maryland era em casa. Eu cresci aqui. Eu nunca tinha vivido em qualquer outro lugar. Eu estava aberto para a oportunidade de me mudar, e eu sabia que provavelmente faria algum dia por causa do futebol. Mas agora eu não precisava. Agora eu poderia ficar no meu estado natal. Eu seria capaz de ver a minha família com mais frequência e visitar o campus sempre que pudesse. Eu ficaria representando o estado que me amava e um estado que eu amava. Com toda a honestidade, os Knights não eram o melhor time da NFL lá fora. Mas o treinador tinha uma sólida reputação de ser justo, assim como Ron Gamble. Eu estava disposto a colocar a trabalhar para ajudar a tornar os Knights melhores e parecia que eles estavam dispostos a me dar uma chance. "Você leu o contrato?" Eu perguntei a meu pai. Na minha voz, Rimmel ouviu o que eu não tinha dito, e ela começou a saltar em torno de seu assento. "Eu li. O primeiro que eles me mandaram, eu fiz algumas mudanças e enviei de volta. Eles aprovaram, e agora está esperando por você para ler e assiná-lo." "Eles vão me deixar jogar , certo? Não apenas dar autógrafos." "Eu duvido que você vá ser um iniciante como você costumava aqui. Mas se você for capaz de jogar fisicamente, em seguida, eles vão te dar uma chance." Eu poderia fazer muito com uma chance.


Eu tinha o meu pé na porta da NFL. Tudo que eu precisava fazer era dar um passo adiante e provar que eu deveria estar lá. Olhei para Rimmel. Ela assentiu com a cabeça. Eu sorri, e meus pais pularam a partir da mesa. Antes que eles pudessem me apressar, Rimmel ergueu a mão. "Espere!" Todo mundo olhou para ela. Ela olhou para mim. "Que cor é a equipe?" Eu ri alto. "Isso importa?" Ela torceu o nariz. "Bem, eu vou estar usando um monte dela." Eu sorri. "Os Knights são roxo e amarelo-laranja - vermelho." "Eu gosto de roxo!", disse Rimmel, entusiasticamente. "Pois bem." Eu tomei em todos na sala. "Eu acho que é um negócio." Rimmel lançou-se em mim, e eu a peguei com um braço. Ela beijou minha bochecha e riu. Meu pai estendeu a mão e apertamos. "Parabéns, filho. Eu estou tão orgulhoso de você." "Obrigado, pai", eu disse em torno do abraço animado de Rimmel. Mamãe pairava por perto com um sorriso no seu rosto e lágrimas nos olhos. Rimmel pareceu notar e mudou-se de volta. "Oh , Roman", disse ela . "Você é apenas tudo o que uma mãe poderia pedir. E em seguida. Estou orgulhosa de você." Estendi meu braço e dobrei -a em um abraço. Ela fungou contra a minha camisa e voltou o abraço com muita força. Quando ela recuou, ela enxugou os olhos. "Isto exige uma celebração!" ela disse. "Eu tenho um pouco de champanhe esperando apenas o momento certo, e este, definitivamente é." Após o jantar, minha mãe e Rimmel sentaram-se à mesa e foram examinar de última hora detalhes da arrecadação de fundos para o abrigo. Eu planejava me sentar na sala com elas, mas ela sorriu para mim com orgulho e enxotou a mim e papai para seu escritório para que pudéssemos examinar o contrato.


"Sinta-se livre para levar para casa, leia todo. Eu vou responder a quaisquer perguntas que você tiver", papai disse quando ele me entregou os papéis. O símbolo dos Knights estava na capa. Era um grande escudo com uma espada. Era bastante intenso, e eu sorri. "Você leu isso, certo? A coisa toda?" eu perguntei. "Filho, eu li de trás e para a frente. De jeito nenhum eu iria deixá-lo assinar algo que fosse, de alguma forma, um mau negócio." Eu sabia disso. Eu sabia com todo o meu coração. "Eu não preciso lêlo, então. " Eu agarrei uma caneta fora do copo sobre a mesa. "Eu confio em você como um advogado, um gerente, e como o meu pai." Ele pareceu surpreso com as minhas palavras. "Isso significa muito." "É a verdade." Eu virei para a última página e rabisquei a minha assinatura em toda a linha. Neste momento, Rimmel explodiu na sala de estar com o celular no modo câmera. "Nós precisamos documentar isso!" Papai deu a volta na mesa e ficamos juntos, enquanto eu levantei o contrato com o meu nome assinado na parte inferior. Era meu sonho virando realidade. "Eu acho que eu preciso conseguir para mim algumas recordações dos Knights nas paredes" meu pai meditou. "E eu preciso ir às compras de camisetas e agasalhos dos Knights!" disse Rimmel. "Graças a Deus, eu fico bem de roxo", minha mãe disse enquanto ela entrava na sala. Eu nunca tinha sentido tanta sorte na minha vida inteira. Meu emprego dos sonhos, meu sonho de garota, e uma família toda me apoiando.


Ah, e Zach estava trancado. Isso era muito foda. "Aqui está." Eu entreguei a papelada assinada para o meu pai. "Eu vou enviar isso imediatamente." Ele pegou os papéis. "Tenho certeza que eles vão estar em contato. Eles provavelmente vão querer um encontro. Haverá imprensa lá. Vai ser um tempo ocupado." Eu estava pronto. Muito pronto. "Tem bolo de chocolate e café na cozinha", disse minha mãe. Eu cobri meu braço sobre os ombros de Rim quando andamos para a porta. "Oh, Roman?" Meu pai gritou. Voltei-me. "Você não quer ao menos saber quanto você vai ganhar?" Engraçado, a parte do dinheiro ainda não tinha passado pela minha cabeça. Inferno, eu provavelmente jogaria para eles de graça. Claro, o dinheiro não machucava. "Quanto?" Eu sabia que não seria muito. Eu era um novato e eu estava ferido. "Incluindo o seu salário e o bônus de assinatura, ele sai para pouco mais de um milhão." Choque percorreu a sala. Limpei a garganta. "Fala de novo?" "Eu disse que eles entenderam o seu valor." "Um milhão de dólares?" Eu disse, testando isso com a minha língua. Talvez eu tivesse escutado errado. "Você acha que eu deixaria você assinar por qualquer coisa menos?" Papai sorriu. "Isso é um monte de dinheiro", Rimmel sussurrou. Inferno, sim, era.


"Esse é o seu salário inicial, filho" meu pai disse. "Na próxima temporada, vou realmente atrás da grana alta." "Deixe-me passar pelo treinamento de campo e esta temporada em primeiro lugar" eu meditei. Rimmel sorriu para mim. Sim, eu era definitivamente o cara mais sortudo do mundo agora.


CAPITULO vinte e nove Trim, trim... Alô? O Maryland Knights ligou. #HoraDo24EstenderSuasAsasEVoar ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Ao receber a notícia sobre o novo status de Romeo como um Maryland Knights, os ingressos restantes para a campanha de arrecadação de fundos voaram. Romeo não podia ir a qualquer lugar sem ser parado ou fotografado. Era pura insanidade, mas ele levava na boa, quando eu sabia, no fundo, que ele amava cada segundo disso. Eu estava tão incrivelmente orgulhosa dele e assim grata aos Knights por olhar além de sua lesão e ver o que eu sabia que ele ia fazer. E a cereja no topo deste delicioso sundae de boa notícia era que ele ia ficar em Maryland. Eu sabia que ele teria que viajar e voar ao redor para jogar, mas pelo menos sua base seria onde eu estava. A semana da campanha de arrecadação de fundos passou num borrão. Os preparativos de última hora eram intermináveis, e Michelle e eu trabalhamos em torno do relógio para garantir que tudo fosse perfeito. Valerie também ajudou, pelo que eu estava agradecida. Meus sentimentos pessoais à parte, ela sabia como fazer um evento de sucesso. E com apenas uma hora antes de começar, eu já sabia que ia ser uma sensação. Eu até tinha ido às compras.


Não foi tão ruim assim. Ok, eu odeio fazer compras. Mas eu amei o dia das meninas que Missy, Ivy e eu fizemos isso. Ivy dirigiu e nós três fomos a um enorme shopping center cerca de uma hora para procurar vestidos para vestir no evento. Porque tornou-se um evento de tão alto perfil (especialmente com o novo quarterback do Knights no atendimento), eu precisava parecer o melhor que pudesse. Isto era mais do que jantar com os pais de Romeo pela primeira vez ou aparecer na corte para a audiência de Zach. Isto era para os animais. E, além disso, era um evento black-tie. Nada que eu tinha sequer lembrava algo de black tie. Graças a Deus, Ivy e Missy entendiam de moda. Entre as duas, nós três caminhamos para fora do shopping com lindos vestidos e sapatos combinando. Sim, eu tinha um par de saltos. Não, eu não estava totalmente confiante que eu não ia me espatifar no chão. Depois das compras, paramos em algum lugar para jantar e conversamos sobre meninos, filmes e tendências de esmaltes. Não era a minha conversação diária normal, mas foi incrível. Eu amava Romeo mais do que qualquer coisa, mas por vezes, apenas estar com suas amigas tem uma maneira de fazer uma garota se sentir mais leve e mais despreocupada. Eu me preparei para o evento no dormitório porque Ivy ia fazer o meu cabelo e maquiagem. Missy ficou pronta com a gente também. Ambas pareciam tão bonitas. Eu sabia que quando eu olhasse no espelho, eu seria a estranha de fora. Mas eu não tenho que ser tão impressionante como eles. Eu só queria parecer bonita. Ivy estava usando um vestido esmeralda que deslizava sobre seu corpo e caía no chão com graça. O tom de joia realmente fazia seus olhos azuis ficarem mais de um jade, e apesar da forma que ela parecia no


vestido, eram seus olhos que chamavam atenção. Tinha um decote, mas não era vulgar, e ela usava um cordão fosco de ouro que amarrava em um nó perto do fim. Claro, ela estava usando um par de saltos dourados de tiras nas alturas, e seu cabelo estava arrumado em alguma trança elaborada com cachos derramando-se do topo. O vestido de Missy era branco. Ela era a única pessoa que eu sabia que poderia fazer um vestido branco parecer ainda mais branco. Sua pele parecia de oliva permanentemente beijada pelo sol, e seu longo cabelo escuro era um belo contraste contra o tecido leve. Ela usava o cabelo em um lado solto trançado que pairava sobre o ombro nu de seu vestido de estilo toga. Os sapatos dela também eram bem altos em um azul cobalto que ela combinou com brincos de cobalto e uma pulseira. Como Ivy estava pulverizando uma nova rodada de spray de cabelo (sério, eu acho que estava mais nas paredes do que em minha cabeça), eu gemi. "Você já terminou?" "Cara, você está nervosa hoje à noite" Ivy brincou e colocou de lado o spray. "Eu não posso evitar. Isso é importante." "Isso vai ser ótimo", disse Missy. Depois ela olhou para Ivy. "Deixe-a olhar para si mesma, já. Ela provavelmente está com medo que você fez algo louco para ela." "Ela sabe melhor! " Ivy bateu no meu ombro. "Você está pronta." Levantei-me da cadeira e o tecido de seda em torno de minhas pernas fez barulho e balançava enquanto eu caminhava até o espelho. Meu vestido era todo preto. Eu não tinha querido nada chamativo ou que chamasse muito a atenção como o que Missy e Ivy tinham. Claro, Ivy nunca iria permitir que ele fosse simplesmente simples. Fui até o espelho e olhei meu reflexo. Eu estava bonita. Meu vestido era modesto, mas ainda sexy com uma saia preta de cintura alta que não era muito cheia, mas não era ajustado como o de Ivy. O topo era de renda negra com um forro cor da pele e tinha mangas


cobertas de rendas com um decote alto. Eu era uma pessoa pequena, magra, sem muitas curvas, mas este vestido dava a ilusão de mais formado que eu tinha. Ivy separou meu cabelo para baixo do centro e em seguida, trançou-o de volta em cada lado, amarrou o final em algum tipo de arco, e colocou tudo na base da minha cabeça. O topo estava cheio porém macio e havia alguns cachos finos contra o meu pescoço e em volta do meu rosto. Sabendo da minha aversão a maquiagem, ela usou uma mão leve, mas fez algo um pouco mais esfumaçado e dramático com os meus olhos . Ela finalizou o olhar com lábios pêssego pálido. Eu sorri e me virei um pouco para conferir como eu parecia por trás. Era um vestido de costas nuas, com a renda parando no meu ombro para expor a palidez cremosa das minhas costas. "Você precisa colocar os saltos antes de você tropeçar na bainha." Missy riu. Eu ri e estendi a mão para os saltos pretos que eram a metade da altura de minhas amigas. Ainda, quando eu pisei neles , eu senti como se estivesse em palafitas, porque eu estava tão acostumada a usar botas e tênis. "Eu fiz bem?", perguntou Ivy. Eu senti como se estivesse em um sonho, como se o reflexo no espelho fosse surreal. "Sim", eu disse, e estendi a mão e a abracei. Ela retribuiu meu abraço bem com uma forte batida desagradável na porta. "Aposto dez contra um que é Braeden", Ivy murmurou em meu ouvido antes de se afastar. "Eu vou abrir", disse Missy. "Dia - hum, menina." A voz de Braeden cresceu através da sala. "Você está quente." Missy riu , e Ivy me deu um olhar que dizia que era melhor Missy não ter ideias sobre pegar de onde ela parou com Braeden. Eu secretamente concordava. Demorou um tempo para Missy superar o fato de que realmente Braeden não tinha querido mais do que diversão


com ela. Mas ultimamente ela tem estado mais feliz e mais aberta à ideia de outros caras. "É melhor estar no seu melhor comportamento hoje à noite", eu gritei para ele. Braeden abriu a porta o resto do caminho para que ele e Romeo pudessem entrar no quarto ao lado de Missy. "Estou ferido que você acha que eu preciso de uma lição de boas maneiras." Ele colocou a mão sobre o coração. Eu bufei. "Que diabos você está vestindo?" Braeden gritou, assustando a todos. Isso foi como se ele estivesse apenas percebendo que eu não estava usando meus habituais suéteres e agasalho. "Rome, é melhor você pegar a sua menina. Ela acha que vai sair naquilo." Engoli em seco e olhei para mim. "O que há de errado com isso?" Romeo contornou a cama e as pessoas aglomerando o quarto e varreu os olhos sobre mim. O azul em suas íris aprofundou em marinho. "Você sabe que todo mundo vai estar olhando para você esta noite", ele murmurou. Inclinei a cabeça para o lado. "De um jeito bom? Ou um jeito ruim?" Ele sorriu. "De um jeito aquelagarotaestáseminua!" Braeden interrompeu. Romeo revirou os olhos. "Nua!" Eu explodi. "Eu estou completamente coberta!" "Você pode ver através do laço", ele argumentou e bateu Romeo no ombro. Romeo olhou para ele. "Você está por sua própria conta, B." Ele deu a Romeo um olhar tipo que ele era de Marte. "Você vai deixála usar isso?" "Eu acho que ela está linda," ele disse, seus olhos nunca me deixando.


Minhas bochechas aqueceram e uma sensação de calor espalhou através do meu peito. "Jeito bom?" "Melhor maneira", corrigiu Romeo. "Vocês dois estão seriamente fazendo todos nós doentes! "Ivy gemeu. "Vamos antes que a gente se atrase." Braeden ainda estava olhando para mim, e eu ri. "O topo é revestido, Braeden. Com tecido. Garanto-lhe que não há nada à mostra." "Bem, eu estava tentando não olhar", ele murmurou. "Quero dizer, caramba. Da próxima vez, compre um vestido com forro preto ou alguma merda. Você quase deu ao seu BBFL um ataque cardíaco quando eu pensei que eu estava vendo seu..." Romeo o agarrou pela frente de seu paletó. "O quê?", ele rosnou. "Seus pedacinhos de senhora", Braeden sussurrou, completamente chocado, mas foi tão alto que todos ouviram. Cada um de nós deu uma gargalhada. Até Romeo. "Cara, você não está certo." Braeden passou as mãos sobre a frente do paletó preto para suavizar o tecido. Ele parecia realmente bem em um par de calças pretas de tecido, sapatos pretos, uma jaqueta combinando, e uma gravata verde-escura de seda. "Você parece bem, Braeden", eu disse a ele. "Sua gravata combina com o vestido de Ivy." Ele deslizou um olhar para ela e fez uma careta. "Eu espero que ninguém pense que estamos juntos." Eu juro que se olhar matasse, Braeden estaria respirando. "Por favor." Ela fungou. "Todo mundo sabe que eu jamais iria." "Vamos," Missy gemeu e abriu a porta e saiu para o corredor. Braeden e Ivy seguiram. Romeo me ofereceu o braço. "Saltos altos, huh?", ele perguntou, divertido.


Eu fiz uma careta. "Sério. Eu poderia cair e me matar." "Eu nunca deixaria isso acontecer." Ele piscou. Parecia que ele apenas saiu das páginas da GQ, estando lá com seus ombros amplos, cintura cônica, e pernas fortes, longas. Ele estava vestindo um terno cor de azul marinho em um material que implorava para ser tocado. Sua camisa de executivo era da cor de aço e sua gravata era um tom de azul brilhante que totalmente combinava com seus olhos. Seu cabelo loiro estava penteado para trás, mas ainda conseguia cair sobre a testa, dando-lhe uma aparência jovial. Ele não estava usando a tipoia em seu braço, mas eu sabia que ele tinha a tala embaixo de seu casaco. Ele mal usou a tipoia nestes dias, a menos que eu lhe chateasse para colocá-lo. "Se este evento fosse para outra pessoa que não os animais, eu iria totalmente pular apenas para estar sozinha com você", eu murmurei , desejo claro em minha voz. Ele se inclinou e beijou minha orelha. "Oh, baby. Nós ainda temos mais tarde." Estremeci com a deliciosa promessa. Era um pequeno caminho até a localização do evento. Nós organizamos em um grande, opulento hotel com um grande salão de baile e uma grande capacidade para os hóspedes. Nós éramos anfitriões num jantar pelo qual as pessoas pagaram cem dólares o prato. Fiquei chocada quando Valerie sugeriu esse preço, mas ela insistiu que valia a pena e que as pessoas pagariam. Uma vez que o evento lotou, ela provou -se correta. Eu não tive que pagar pelo meu prato, e nem Ivy, Missy, Braeden, ou Romeo. Valerie disse que tinha tomado conta disso. Traduzindo: ela pagou para nós. Eu não discuti. Eu não tinha a energia. Eu simplesmente não me importava. Além disso, a maioria do dinheiro era para o abrigo. As pessoas estavam chegando junto conosco, e as largas portas duplas para o salão de baile foram abertas, dando uma visão clara para dentro da sala.


O carpete era ônix escuro, que você pensaria que seria impossível manter limpo, porque cada pequena partícula de qualquer coisa iria aparecer como uma estrela no céu à noite. Mas não. Este tapete estava tão limpo que era quase pecado pisar. Nada, nem mesmo uma especificação de fiapos ou poeira, ousava manchar seu design opulento. No centro da sala, uma pista de dança tinha sido arranjada porque, após o jantar, os discursos, e esperançosamente as grandes doações, haveria música e entretenimento. Em torno do perímetro da sala, grandes mesas redondas foram colocadas num padrão de varredura de modo a não perturbar qualquer tipo de fluxo no espaço e para garantir que todos tivessem uma visão da grande plataforma perto da pista de dança. Todas as mesas estavam cobertas em ouro pálido, com um material de rede cintilante em cima para fazer tudo brilhar sob as luzes. O centro das mesas era adornado com fotografias em grandes quadros brilhantes. Valerie queria colocar arranjos de flores lá, mas eu queria algo mais pessoal. Ela cedeu, e agora cada mesa continha um pequeno grupo de animais que tinham vindo através do abrigo e tinham encontrado casas amorosas. Havia também fotos dos animais que se hospedavam lá agora com a gente, aqueles que necessitavam de boas casas. Tudo ao redor do salão eram grandes cavaletes com mais fotos, planos elaborados para uma remodelação e modernização do abrigo, e fotos das pessoas que doaram seu tempo para os animais. Havia também mais em literatura mais aprofundada impressa em pequenos folhetos que davam, em detalhes, do que o abrigo estava carente, os custos anuais para executar o lugar, e qual era a média necessária diária para um lugar como o nosso prosperar. Havia uma folha de inscrição para horas de voluntários, a literatura sobre cuidados com animais e escovação, e claro, havia várias mesas colocadas ao redor que estavam lá apenas com o propósito de receber doações. Nossa meta para esta noite era levantar um mínimo de vinte mil dólares. Eu não estava certa de que poderia fazê-lo, mas nós já tínhamos feito um bom pedaço com os bilhetes. De alguma forma, Valerie tinha


conseguido que o hotel doasse o salão, assim não tivemos que pagar uma taxa de aluguel robusto. Tivemos que pagar uma taxa para o jantar, mas aparentemente, Valerie conseguiu uma taxa alta de desconto. Eu tinha que admitir, quando a mulher colocava a mente em algo, estava quase pronto. Mesmo quando era algo tipo cavar segredos sobre meu pai. Uma vez que nós mostramos a Ivy, Missy e Braeden a mesa que nós todos estávamos dividindo, Romeo e eu fomos até a entrada onde Valerie recebia as pessoas enquanto chegavam. Michelle (a dona do abrigo) estava lá também, e ela estava radiante, com entusiasmo com as perspectivas para hoje à noite. Eu estava nervosa para cumprimentar as pessoas, mas eu fiz isso de qualquer maneira. Eu sorri e ri e apertei um milhão de mãos. Romeo nunca saiu do meu lado. Quando alguém (tipo a imprensa) tentou falar com ele sobre os Knights ou seu treinamento, ele habilmente virou o assunto de volta à razão pela qual estávamos todos aqui. Havia um monte de presença de mídia, incluindo o repórter que entrevistou Romeo para o Maryland Tribune e algumas estações de televisão local fazendo trabalhos para uma história de interesse humano. Houve um breve cocktail, enquanto os convidados estavam chegando, e eu mal tive tempo de respirar, mas ele voou tão rápido que fiquei surpresa quando Valerie tocou meu braço e sussurrou que era hora de começar a apresentação. Borboletas rodaram dentro da minha barriga porque eu ia fazer um pequeno discurso. Principalmente apenas dizer a todos a minha parte no abrigo, alguns de nossos objetivos, e introduzir Michelle que também iria falar. Estávamos prestes a fechar as portas do salão de baile quando parte da imprensa no salão começou a tirar fotos, um turbilhão de emoção filtrou através da sala. "Sr. Gamble! "Um dos repórteres gritou. "O que o traz aqui hoje à noite?"


Romeo virou e olhou para fora para o corredor quando Ron Gamble, dono do Maryland Knights apareceu. Ele estava vestindo um smoking com uma ampla gravata branca de seda. Seu cabelo estava grisalho nos lados e têmporas, e ele tinha uma construção sólida. Ele provavelmente tinha menos de 1,80 de altura, mas o homem tinha uma presença inegável. Eu quase chamaria de arrogância, se não fosse pela bondade que vi em seus olhos. Ele fez uma pausa e virou-se para o repórter que gritou sua pergunta. "Eu estou apoiando uma boa causa." Quando ele se virou, seu olhos escuros olhos foram direito para Romeo. Ele sorriu largamente e estendeu os braços. "Roman Anderson, sua reputação te precede." Romeo sorriu. "Como a sua também." Ele riu e estendeu a mão, a esquerda, para Romeo apertar. "Eu tenho desejado lhe dar as boas vindas para a equipe desde que você assinou, mas não foram capazes de romper." Ele olhou para mim, e eu sorri calorosamente. "Mas então, eu ouvi sobre esta causa nobre e percebi que eu iria usá-la como uma oportunidade." "Estamos felizes em ter você, Sr. Gamble." Ele dispensou as palavras de Romeu. "Me chame de Ron." Para minha surpresa, ele se virou para mim. "Você deve ser Rimmel." Senti meus olhos se arregalarem. Ele sabia o meu nome? Ron riu. "Oh sim, eu sei quem é você. Eu espero que você se junte a nós em todos os jogos que você puder. Eu pediria para você sentar no meu camarote, mas isso apenas iria negar ao público o seu rosto. A câmera com certeza te ama." Corei provavelmente em dez tons de vermelho. "É claro que eu estarei lá." "Bom. Bom." Ele balançou a cabeça. "Vou aguardar com ansiedade para falar com você mais tarde, esta noite" ele disse a Romeo. "Eu só vou encontrar o meu assento."


"Eu ficaria feliz em acompanhá-lo", disse Valerie, um passo à frente. "Bem, eu certamente não vou dizer não para essa oferta." "Sr. Gamble" Eu corri para fora, parando antes que ele pudesse ir. "Ron para você também, querida", disse ele. Eu balancei a cabeça. "Ron. Eu... Eu só queria dizer que homem inteligente que eu acho que você é." Ele jogou a cabeça para trás e riu. "Tenho certeza que alguns não concordam com você." Eu sorri. "Você sabe o que dizem sobre opiniões..." Eu deixei minha voz arrastar. Ele riu. "Eu sei.” Valerie estava olhando para mim como se eu tivesse cinco cabeças, plantada aqui, falando com o homem mais poderoso do estado como este. Eu levantei meu queixo e dei um passo adiante. “Romeo é o melhor jogador que você jamais vai ter. Mesmo machucado." Então eu corri para acrescentar: "Mas ele não estará machucado por muito tempo." Atrás de mim, Romeo riu sob sua respiração. Ron me olhava com claro divertimento em seus olhos. Eu queria me chutar. Eu não estava tentando ser divertida. Eu estava tentando ser sincera. E alguém tinha que agradecer ao homem pelo que ele tinha feito para Romeo. Valerie não iria, porque eu sabia que ela provavelmente pensava que era além de educado trazer esse tipo de coisa à tona. E Romeo nunca faria, porque ele era humilde. Bem, em alguns aspectos. (Em outras palavras, ele tinha uma cabeça gigante.) Restava eu. "Eu sei que você está arriscando nele, e eu quero agradecê-lo por isso. Ele trabalha duro, mais duro do que qualquer um que eu conheço. Ele vai ser o amuleto de boa sorte da sua equipe. Eu simplesmente sei disso." Romeo se adiantou e colocou sua palma na parte inferior das minhas costas. Eu me perguntava se essa era sua maneira de me dizer para calar a boca.


"Eu gosto de você", disse Ron . "Honesta. Sincera. A maioria das pessoas tem medo de falar comigo como se eu fosse um ser humano normal." A mão de Romeo mudou das minhas costas para a curva em volta do meu quadril. Ron nos assistiu e depois balançou a cabeça. "A realeza do futebol", ele meditou. "Isso é exatamente o que vocês dois estão no caminho para se tornar." "Eu espero que você desfrute da noite" eu disse. Eu realmente não tinha certeza do que você diz quando alguém previa que você seria a realeza. "Eu vou." Valerie começou a levá-lo para longe, mas ele olhou para trás por cima do ombro. "E eu não estou realmente arriscando com este aqui." Ele engatou o polegar para Romeo. "É uma coisa certa. Eu saberia. Eu sempre apenas aposto em coisas certas." Ele piscou. "Eles não chamam de Gamble9 à toa." Quando ele foi embora, eu olhei para Romeo . "Eu acho que correu bem." Ele riu, sua voz rica e baixa. Minúsculos arrepios correram pelos meus braços. "Talvez eu devesse acionar meu pai e contratá-la para gerir as minhas ofertas." Eu bufei. "Você está de brincadeira? Isso poderia ter dado horrivelmente errado. Graças a Deus que ele tem senso de humor." Quando Michelle e Valerie se reuniram na frente, eu murmurei, "eu preciso chegar lá em cima." Comecei a ir para a frente e fiz talvez dois degraus. Então meu tornozelo ligou com aqueles horrorosos (e dolorosos!) saltos. Meu último pensamento antes de tropeçar e cair em uma pilha no tapete perfeito foi que se esta queda não me matasse (o que, infelizmente, não iria), então, certamente, o constrangimento o faria.

9

Trocadilho com o nome dele, que significa apostar.


CAPITULO trinta #ComunicadoDeServiçoPúblico Ajude o abrigo animal local e faça uma doação. #AnimaisTambémSãoGente ...Alpha BuzzFeed

R OMEO A menina não podia andar em saltos. Ela mal conseguia ficar neles. Logo antes de ela totalmente bater sua bunda, eu corri e a peguei. Sua respiração sibilou fora de seus pulmões e seus olhos estavam fechados com força como se ela estivesse antecipando o choque contra o chão. "Eu peguei você", eu disse. Seus olhos se abriram enquanto eu a balançava em meus braços. "Seu braço!" Ela engasgou e tentou saltar para baixo. Eu ri , consciente de cada olho no lugar em nós. "É melhor você ficar quieta antes de machuca-lo mais." Ela engasgou e ficou rígida. Ok, isso foi mau, mas maldição, ela era fofa. E eu não estava colocando-a para baixo. "Eu acho que é melhor eu levá-la para o palco. Não posso ter você machucada ou alguém mais com essas potenciais armas de destruição em massa em seus pés."


Rimmel fez uma careta, e eu a carreguei com facilidade em torno das mesas, do outro lado da pista de dança, e até o palco onde mamãe e Michelle estavam à espera. "Eu estou tão envergonhada", ela murmurou. Em cima da plataforma, eu me virei para que todos pudessem me ver carregando-a, e eu sorri para a multidão. Eu ouvi algumas risadas abafadas na parte de trás, o que só me encorajou. "Tire os sapatos" eu disse a ela. "O que? Não. Ponha-me no chão." "Chute-os fora ou eu vou fazer você falar enquanto eu seguro você." "Você vai pagar por isso mais tarde", ela murmurou e tirou os saltos. Eles desembarcaram nas proximidades com um baque audível. Coloquei Rim em seus próprios dois pés e, em seguida, me aproximei do microfone em espera. "Ela simplesmente não pode andar em saltos." Todos riram e algumas pessoas aplaudiram. Aconteceu de eu ver que mamãe sentou Ron Gamble em nossa mesa entre meu pai e eu. Ele estava sorrindo e acenando para algo que meu pai estava dizendo, enquanto me olhava. Imaginando que eu tinha envergonhado Rim o suficiente, eu a deixei e tomei meu lugar à mesa. Braeden me deu um olhar isso é bom quando me sentei, e eu sabia que ele estava falando de Ron Gamble. Fiquei surpreso também, mas eu iria jogar com isto. Rimmel falou brevemente, mas foi o discurso sobre animais mais apaixonado que eu já ouvi alguém dar. Depois que ela saiu, Michelle entrou em mais detalhes e em seguida, um vídeo curto do abrigo passou em um telão. Quando isso acabou, o jantar foi servido e em seguida, a banda ao vivo minha mãe de alguma forma marcou começou a tocar, circulando a noite. As filas nas mesas de doação nunca desapareceram.


Rimmel sorriu e se misturou com pessoas como se ela fosse uma profissional. Ela era a fodida luz de toda a noite. Todo mundo gravitou em direção a ela. Ela era contagiante. Ela infectava as pessoas com seu calor e luz. Ela era absolutamente o tipo de pessoa que fazia os outros lembrarem o quão bem ela os fazia sentir, muito tempo depois que eles se afastavam. Eu não falei muito de futebol com Ron porque este não era um evento futebolístico. Eu não ia degradar todo o trabalho que Rimmel e minha mãe pôs neste evento tornando-o um show sobre mim. Além disso, era meio que bom ter uma pausa. Toda a imprensa, entrevistas, e telefonemas ultimamente eram demais. Eu estava contente por ter uma pausa. Além disso, meus instintos me diziam que Ron não estava aqui para me verificar para o futebol. Ele só queria saber que tipo de companheiro que ele trouxe para o rebanho. Quarterbacks eram peças importantes no jogo. Eles poderiam fazer ou quebrar uma temporada. E havia muito mais para um zagueiro bom que apenas a maneira como ele jogava. Ron sabia disso. Eu sabia. E eu esperava que a maneira como agi hoje à noite deu a ele ainda mais confiança em mim. Quando uma música lenta tocou no salão, aproveitei a oportunidade para puxar Rim para o chão. Eu a tinha partilhado com todos toda a noite, e eu queria algum tempo um a um. "Os olhos das pessoas seguiram você ao redor do salão", eu disse a ela, puxando-a para perto. "Você está sendo uma rainha do drama", disse ela racionalmente. "Eu não gosto disso." Eu ignorei as palavras dela completamente. Eu não era uma rainha do drama. "Meus olhos estão sempre em você." "Como eles devem estar." Ela riu. Segundos depois, descansou sua bochecha contra o meu peito. "As doações estão chegando. Vai ser tão bom para os animais." "Eu fui a um monte de eventos que minha mãe presidiu, então eu posso dizer com toda a autoridade que este é o melhor." "Sério?"


"Mmm." Eu estava distraído com a sensação dela contra mim e com a memória do que aconteceu da última vez nós estávamos em uma pista de dança juntos. Mas a minha memória feliz foi interrompida quando o corpo do Rim se esticou debaixo da minha espera. "Rim?" "Você sabe como você disse que os olhos de todos estavam em mim esta noite? ", perguntou ela. O que quer que estava em sua voz me colocou em alerta vermelho. Forcei-me a permanecer relaxado, pelo menos exteriormente de qualquer maneira. "Sim." "Bem, eu não quero soar paranoica ou nada", ela começou, "mas aquele homem lá tem me olhando a noite toda. Isso está meio que me assustando." "Que homem?" Eu não era mais capaz de segurar minha postura relaxada. Todos os meus músculos ficaram tensos. "Talvez eu esteja apenas imaginando coisas", ela murmurou. Rimmel não era o tipo de garota de falso alarme. Ela era o tipo de garota que nem sequer pedia ajuda após o lobo comer a metade de seu braço. Se ela estava dizendo que alguém a estava deixando desconfortável, então era porque havia um verme nesta sala. "Onde? " Meus olhos percorreram a área. "Lá na entrada e à direita. Ele está usando um terno preto e sem gravata." Casualmente, eu nos rodei em um círculo enquanto nós dançávamos. Encontrei-o de imediato. Não porque ele fora preso em uma multidão. Não porque ele era particularmente interessante . Eu o conhecia. Lembranças claras da noite que ele se aproximou do meu Hellcat fora da casa dos meus pais brilhou intensamente pela minha mente. Este era o homem que me disse que ele era um repórter ,mas ele não era. "Romeo?", Ela sussurrou. "Você disse que ele está olhando para você?"


"Sim, mas não o tipo de olhar direto. Mais como me observando. Ele nunca foi muito para trás quando eu estava falando com as pessoas durante toda a noite. No início, eu não notei. Foi apenas como um sentimento assustador. Mas uma vez eu o peguei olhando..." "Vá se sentar com B" eu disse a ela . "Por quê?" "Apenas vá." Ela deixou cair a minha mão. " Não cause uma cena. Apenas esqueça." "Eu o conheço." "Oh." Ela soltou meu braço. "Talvez ele só quisesse dizer oi para você, então." "Provavelmente." Eu beijei a cabeça e tentei conter um pouco da suspeita borbulhando dentro de mim. "Vá se sentar com B." Enquanto eu falava, eu olhei de volta para onde ele estava de pé. Ele sorriu. Braeden estava vindo em direção à pista de dança com uma mulher em seu braço. Eu dei-lhe um olhar aguçado , em seguida, olhei para Rim . Ele largou a mulher com quem ele estava andando e começou em nossa direção. Voltei a olhar para o homem. Ele se foi. Oh, inferno, não. Eu corri para fora e empurrei através das portas, sabendo que esta era a maneira que ele viria. Fora no corredor, ele estava encostado a uma parede distante. "Quem diabos é você?", perguntei . "Roman ", disse ele como se fôssemos velhos amigos. "Você nunca ligou para a entrevista." "Você não é um repórter". "Claro que eu sou."


"O Maryland Tribune nem sequer ouviu falar de você." "Provavelmente uma coisa boa que eu saí, então." Eu queria dar um soco no sorriso do seu rosto. "Pare de brincar. Quem é você?" "Falando de jogos. Parabéns pelo seu grande contrato com os Knights." Eu olhei para ele em silêncio sepulcral. "Um milhão é um pagamento muito bom." "Como você sabe o quanto eu estou recebendo?", perguntei baixo . Até onde eu sabia, os dados pessoais do meu contrato não tinham sido liberados. Ele deu de ombros. "Eu sou um repórter. Eu faço pesquisa. O artigo que li há algum tempo atrás era meu favorito. Título atrativo. 'A volta do quarterback.'" "Você foi quem deixou esse papel no meu para-brisa?" Eu me aproximei, ameaçador. Quem era esse idiota ? Que diabos ele queria? O olhar em seus olhos me disse que ele era exatamente quem tinha deixado. "Eu me pergunto" ele meditou. "Quanto daquele dinheiro que você daria para proteger aquela garota de quem você simplesmente não pode manter seus olhos fora. Eu acho que seu nome é... Rimmel?" Ao meu lado, meus punhos cerraram. "O último cara que a ameaçou terminou com alguns ossos quebrados, uma mandíbula com fio, e está atualmente sentado em uma camisa de força no hospício." "Ameaça?" Ele ergueu as sobrancelhas. "Isto não era uma ameaça." Eu ouvi a porta aberta para o salão de baile e a música cresceu um pouco mais alto. O homem se afastou da parede, mas não me movi para trás. Ele quase colidiu com o meu peito. Deixe-o. Dê-me uma só razão para nocauteálo.


Ele tinha que olhar para cima quando ele falou porque eu era mais alto. "Eu não faço ameaças. Eu apenas dou avisos." Eu tirei minha mão de volta. "Rome!" Braeden gritou por trás. Ele correu atrás de mim, e o homem sorriu. "Pense nisso", disse ele. E então ele apenas se afastou. Direito para a saída e para a noite. Braeden se virou para mim. "Que porra foi isso? " Eu olhei atrás dele. "Eu não sei…" Finalmente, eu olhei para o meu amigo. "Mas eu tenho certeza de que nós vamos descobrir."


CAPITULO trinta e UM

#ReflexõesDeTardeDaNoite Quando você espera pelo garçom no restaurante, você não é um garçom10? ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Romeo estava no limite. Não foi nada que ele disse. Foi o que ele não disse. Quando ele e Braeden voltaram do salão de baile, ambos pareciam distraídos e meio que chateados. Mas no momento em que chegaram à mesa, eles eram só sorrisos mais uma vez. Eu questionei Romeo sobre o homem. Ele me disse que era um dos repórteres que o entrevistou por uma história, e eu estava certa; ele apenas queria dizer oi. Eu não devia ter parecido totalmente convencida, e Romeo finalmente admitiu que ele queria falar de futebol e quando Romeo se recusou, as coisas esquentaram. Braeden apoiou a história. Repare que eu disse história. Algo dentro de mim apenas não me deixou acreditar que era verdade. Ainda assim, eu o deixei ir. A última coisa que eu ia fazer era um questionamento sobre algo no meio de uma sala lotada.

10

Trocadilho com waiter, que significa garçom, e, literalmente, quem espera.


O resto do evento passou em um borrão. Eu não podia acreditar na reação que o abrigo estava recebendo, e eu peguei Michelle chorando no banheiro mais de uma vez, porque ela estava tão feliz. Até o final da noite eu estava exausta, mas também orgulhosa. Mesmo através de tudo, Valerie e eu conseguimos trabalhar em conjunto e fazer um evento incrível. Quando a equipe de limpeza entrou para começar a desmontar tudo, eu pensei que poderia desmaiar de alívio. Talvez fosse o esgotamento que me levou a fazer o que fiz. Ou talvez eu fiz isso porque era a coisa certa. Agradeci a Valerie. Era um agradecimento sincero, e não em nome do abrigo ou Michelle. Era em nome de mim mesma. Até após a nossa relação basicamente ir para o inferno em uma cesta de mão, ela ainda ajudou. Ela ainda honrou o seu compromisso. Valerie não pareceu surpresa que eu lhe agradeci. Mas ela parecia tocada na verdadeira gratidão por trás de minhas palavras. Não foi até que Romeo e eu estávamos sozinhos que eu realmente comecei a pensar novamente sobre o que aconteceu mais cedo naquela noite. "Romeo?", eu perguntei enquanto eu pendurava meu vestido em seu armário. "Sim, baby?" "Você está me dizendo tudo sobre mais cedo?" Ele respondeu à minha pergunta com uma das suas próprias. "Você viu aquele homem, o repórter, ao redor antes de hoje à noite?" "Não." Eu olhei por cima do meu ombro. "Pense nisso, Rim." Ele esfregou a mão sobre sua cabeça. "A escola, o abrigo, na rua... em qualquer lugar." "Não, eu não vi." Eu me virei. "O que há?" Será que Romeo pensava que o cara estava nos perseguindo?


Ele encurtou a distância entre nós e acariciou a minha bochecha com as costas de seus dedos. "Nada. Eu só não quero aqueles repórteres te incomodando. Alguns deles podem ser implacáveis." No banheiro, lavei minha maquiagem e soltei meu cabelo. A única coisa que eu estava usando era uma camiseta velha de Romeo, e eu fiquei surpresa quando ele não veio no banheiro para "escovar os dentes" enquanto eu estava me preparando para dormir. Escovar os dentes = olhar para minha bunda enquanto eu me inclinava sobre a pia para lavar meu rosto. Quando eu terminei com a minha rotina, eu desliguei a luz e entrei no quarto. Ele estava digitando algo em seu telefone, e depois ouvi o pequeno som de uma mensagem sendo enviada. "Com quem você está falando?" Eu andei até onde ele estava sentado ao lado da cama. "Quem se importa?", ele perguntou e jogou o telefone ao lado dele antes de chegar para mim. Eu subi em seu colo e ele me beijou, mas então ele se afastou e apertou minha cabeça contra seu ombro e passou os braços ao meu redor. Uma estranha sensação de mau agouro passou através de mim. Olhei para baixo em sua ainda iluminada tela do telefone. …o pai dela Essas foram as duas únicas palavras que eu capturei antes que a tela escurecesse. "Ei," ele sussurrou. Eu levantei minha cabeça. "Eu te amo." "Eu também te amo." Ele me beijou suavemente, de forma lenta e profunda. Eu esqueci tudo sobre as palavras no seu telefone e o que poderia significar e cedi à maneira como ele experimentava e sentia. Fizemos amor apenas como ele beijou. Lento.


Aprofundado. Profundo. A emoção que rodou sobre o quarto foi tão intensa que às vezes era difícil respirar. Quando, finalmente, eu estava deitada enrolada em seus braços, a mensagem voltou para me assombrar. Ele tinha estado trocando mensagens com Braeden. Sobre qual pai ele estava falando? Meu? E por que agora? Por que esta noite? Eu pensei sobre o repórter e como algo parecia pesar sobre o homem ao meu lado. Eu não sei quanto tempo fiquei lá indo através de infinitas possibilidades, mas no final, eu só não sabia. Eu não gostava de não saber. Eu gostava de ser informada. Enquanto eu não estava cem por cento certa de que Romeo tinha estado trocando mensagens de texto sobre mim e meu pai, eu estava disposta a apostar nele. Cuidadosamente, eu saí da cama e caminhei para a outra sala. Minha mala estava sobre o chão ao lado do sofá onde eu tinha deixado cair quando nós entramos. Eu alcancei dentro e minha mão fechou em torno da pasta de arquivo que eu guardava lá. Eu a levei para o sofá e acendi uma pequena lâmpada na mesa ao meu lado. Murphy saltou para as almofadas e se enrolou no meu colo. Eu senti conforto com seu corpo tranquilizador, quente enquanto eu abria a primeira página de dentro. E então eu comecei a ler.


CAPITULO trinta e dois

Eu bebi um pouco de Red Bull, mas ele não me deu asas. #AnúncioFalso #Sinto-meTraído ...Alpha Buzz Feed

R OMEO Estendi a mão para ela, e ela não estava lá. O colchão ao meu lado estava vazio. Os lençóis sobre seu lado tinham ficado frios há tempos. Sentei-me e olhei em direção ao banheiro, mas a porta estava aberta e o quarto estava escuro. Olhei para o relógio. Era cedo, mas o sol estava alto. Depois de lançar fora das cobertas e puxar em um par de cuecas boxer, fui em busca de minha menina. Encontrei-a na janela da sala de estar, olhando para o quintal. Ela estava de costas, mas a tensão que irradiava de seu corpo indicaram que algo estava errado. Quando cheguei a ela, eu enrolei meus braços em torno de sua cintura e a puxei contra mim. Seus dedos agarravam a caneca de café em sua mão tão apertado que eles estavam incolores. Segui-a olhar para fora da janela para o chão parcialmente coberto de neve. Ela estava olhando para a piscina. "Um centavo pelos seus pensamentos", eu sussurrei.


"Minha mãe não se afogou." De repente, senti minhas entranhas como o chão do lado de fora. Congelado, frio e duro. Eu sabia apenas pelo ar na sala, pela forma como ela se levantou, e acordar para encontrá-la fora, o que quer que estivesse errado, não era bom. Mas isso… Isso era algo que ia além. Eu afastei o cabelo para longe de seu rosto e apertei meus braços em torno dela, oferecendo algum tipo de abrigo da furiosa tempestade dentro . " Você leu o arquivo." Sua cabeça balançava para cima e para baixo. "Eu não conseguia dormir." Fechei os olhos. Eu acho que a falsa sensação de segurança que eu tentei amarrar ontem à noite não tinha sido recebida. Porra. Eu estava cansado disso. Dela se abrigar em mim. De mim, protegendo-a. Eu estava cansado de pessoas vindo até nós, o passado ameaçando o nosso futuro. "Eu..." Ela fez um barulho para me cortar. "Eu sei, Romeo. Apenas me deixe botar isso pra fora." Eu estava com medo que a caneca dela fosse quebrar e cortar suas mãos. Eu me intrometi e a coloquei de lado. No segundo em que eu passei meus braços de volta em torno dela, ela cobriu meus braços com as suas mãos. "Eles mentiram para mim." "Quem?" "Todo o mundo. Meu pai, meus avós. A polícia. Parece que todo mundo sabia o que estava nesse arquivo, menos eu." "O que há no arquivo, Rim?" "De acordo com o relatório do legista, a minha mãe estava morta antes de ir para a piscina. Não havia água em seus pulmões para sugerir


que ela se afogou. Ela morreu de um trauma de força bruta na cabeça. Eles dizem que a pancada provavelmente a matou instantaneamente." O impasse em sua voz fez minha garganta apertar. "Eu fico aqui sentada pensando que eu estou contente." Suas palavras eram torturadas, como ela se sentia culpada por seus próprios sentimentos. "Todos esses anos eu tinha pensado que ela sofreu. Eu pensei que ela tinha caído, batido com a cabeça, e caiu na água. Eu achava que ela sabia o que estava acontecendo. Os pesadelos, Romeo, os pesadelos que me assombraram, a água reivindicando sua vida, a sensação de queimação em seus pulmões, a forma como o mundo começou a desfocar polegada por polegada..." Eu fiz um barulho no fundo da minha garganta. Meu Deus, ela se torturava com estes pensamentos? Era insuportável de ouvir uma vez, quanto mais tê-lo em repetição na parte de trás de sua mente. "Eu estou feliz que ela morreu instantaneamente. Estou feliz que acabou antes de começar. Isso significa que ela não sofreu." "Isso não faz de você uma pessoa má, baby. Isso faz você compassiva." "Isso não é tudo o arquivo disse," ela entoou. Sua voz era alarmante e plana. "A morte dela não foi considerada um acidente. Isso é o que me disseram. Ainda está marcado como não resolvido." "O que? Por quê?", perguntei, apesar de que um sentimento doente conhecido envolveu em torno do meu coração e começou a apertar. Minha mãe estava certa. "Aparentemente, a polícia lançou uma investigação completa. Eles questionaram a todos, incluindo o meu pai. Está no registro que, quando ela morreu, estávamos de fato em dívida pesada. Eu acho que houve suspeita de que meu pai a matou ele mesmo, mas eles não têm qualquer evidência para apoiar uma prisão. Minha mãe não tinha qualquer seguro de vida. A morte dela não resolveu quaisquer dificuldades financeiras. De fato, só representou mais. Seu serviço funerário e a necessidade de creche, tudo custaria mais dinheiro do que meu pai simplesmente não tinha."


"Será que eles colocaram no relatório sobre por que a família estava com tantas dívidas?" Eu levantei a mão e limpei uma lágrima dela da bochecha. "Eles disseram que era péssima gestão de fundos em conjunto com temporada fraca de construção." Eu não disse nada, então ela continuou. "Além disso, o meu pai tinha um álibi para a hora aproximada da morte. Ele estava no trabalho. Sua equipe inteira e os clientes para quem ele estava trabalhando estavam com ele aquele dia. Não havia nenhuma maneira que ele estivesse em casa para fazê-lo." "Isso é uma coisa boa. " Eu a apertei. Isto significava que seu pai não era o que minha mãe insinuou. "Mas ainda não foi considerado um acidente. De acordo com o relatório, o trauma foi causado por força bruta, do tipo que não poderia acontecer de escorregar e bater a cabeça." "Então, eles acham que ela foi assassinada?" "Eles não sabem. Eles não puderam encontrar qualquer evidência para apoiar a teoria além da lesão na cabeça dela. Minha mãe era bem amada. Todos que eles entrevistaram disseram apenas boas coisas." "Talvez tenha sido uma invasão de domicílio," eu sugeri. "Nada foi levado da casa e não havia sinais de luta. Não havia nenhum DNA de suspeitos no seu corpo. Sem fibras, cabelo, ou pele. Claro, porque ela estava na piscina, isso poderia ter sido lavado." "E eles investigaram seu pai?" Até que ponto eles haviam cavado ao redor? E sobre o seu suposto problema com jogo? Isso não levantaria uma bandeira vermelha? "Ele foi o principal suspeito por meses. Eles o questionaram longamente. Todas aquelas vezes que eu pensei que ele tinha que trabalhar até tarde, todas as noites que passei com Vovó ... ele estava na delegacia, sendo interrogado e acusado." "Mas ele não fez isso. Eles o deixaram ir. " "E minha mãe está morta e ninguém sabe por quê." Rimmel virou no círculo de meus braços e olhou para mim. Seus olhos estavam vermelhos e


com aros vermelhos. Seu lábio inferior estava inchado onde ela mastigou. "Por quê não me disseram isso? Por que eles mentiram para mim todos esses anos?" "A mesma razão porque eu não lhe disse a verdade sobre aquele repórter na noite passada. A mesma razão porque você me manteve longe do meu telefone para a noite do grande jogo. Eles estavam te protegendo." "Mas é o meu direito saber!" "Eu concordo. Mas você tinha onze anos. Você estava devastada e provavelmente em choque da forma como a encontrou. Por que encher sua cabeça com teorias e suspeita? Isso só teria confundido mais você." Ela enterrou a cabeça no meu peito e chorou. Segurei-a e olhei para a piscina. Eu me perguntava se nós jamais saberíamos o que realmente aconteceu com sua mãe. Quando ela tinha colocado para fora a maioria de suas lágrimas, ela se afastou. "Eu não tenho mais onze anos e eu posso lidar com a verdade." Eu sorri. "Você é um osso duro de roer." "Vou ligar para o meu pai. Eu vou fazer ele me dizer em suas palavras o que realmente aconteceu." Eu balancei a cabeça. "Mas, primeiro, você precisa me dizer sobre a última noite." Eu me afastei e passei a mão pelo meu cabelo. "Esse era o cara que estava fora de casa um tempo atrás, o cara que disse que ele era do Maryland Tribune." Ela franziu a testa. "Por que ele estava lá?" "Ele me ameaçou", eu disse sem rodeios. "Ele nos ameaçou." De jeito nenhum eu ia dizer que foi realmente só ela que ele ameaçou. Além disso, qualquer ameaça contra ela, era uma ameaça contra mim. "O que!" "Eu tenho certeza que ele deixou o artigo em meu para-brisa no tribunal. Acho que ele tem nos observado." "Por que você pensa isso?"


"Porque ele sabia merda, Rim. Ele sabia o quanto eu estou sendo pago para jogar." "Mas você manteve isso confidencial." "Exatamente." "Eu vi a sua mensagem na noite passada. Aquela para Braeden. Aquele que disse 'seu pai.' Você estava falando de mim? O que meu pai tem a ver com isso?" Eu exalei em frustração. A última coisa que eu queria fazer era lançar mais dúvida sobre o pai dela, especialmente depois de tudo que ela apenas leu no arquivo. Mas a verdade, era a verdade. "Eu sei que os tiras não descobriram qualquer jogo de azar anos atrás, mas querida, é a única coisa que faz sentido. Sua perda do seguro, o trabalho do seu pai. Pessoas fungando em torno de você e eu, falando comigo sobre dinheiro e quanto eu pagaria para proteger você." Ela respirou fundo. "Acho que ele está envolvido com algumas pessoas más." Parte de mim esperava que ela fosse gritar comigo, me dizer como eu era louco e que ela não podia acreditar que eu diria que essas coisas sobre seu pai. Eu esperava como o inferno que eu estivesse errado sobre o que eu estava pensando. Ela não gritou. Ela não me disse que eu era louco. Ela não me disse que eu estava errado. "Há informações no arquivo que provam seu jogo." A maldição caiu de meus lábios. "É recente. Não de anos atrás, quando minha mãe morreu . O investigador particular o seguiu ao redor. Há fotos suas indo para um conhecido clube de jogo subterrâneo." Rimmel me olhou diretamente nos olhos. "A sua mãe estava certa."


CAPITULO trinta e tres

ACoisaMaisIrritanteDoMundo? O som de um alarme de manhã. #PrimeirosProblemasDoMundo ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL O telefone tocou e tocou. Eu chamei três vezes em sequência. Ele não atendeu. Nenhuma vez. Eu não me incomodei deixando uma mensagem de voz. Ele veria que eu liguei. Além disso, o que eu diria? Ei, Pai , é Rimmel. Eu sei que você foi suspeito de matar mamãe. Eu sei que você está com dívida de jogo. E eu mencionei que alguém está ameaçando meu namorado? Isso iria para baixo como o pior de correio de voz na história dos correios de voz. Romeo observava com um olhar velado em seus olhos enquanto eu rosnava para o telefone e perfurava o botão TERMINAR CHAMADA mais uma vez. "Que tipo de pai ignora a sua única filha?", perguntei . Romeo apertou os lábios e não disse nada. Eu vi a raiva nas profundezas de seus olhos. Eu vi o desgosto. Ele estava se segurando de dizer coisas desagradáveis sobre o único pai que me restava.


Isso me deixou mais do que furiosa que de modo algum ele estava nesta posição. Agora eu meio que entendia como ele devia ter se sentido ficando entre sua mãe e eu. Liguei para um número diferente na tela e apertei ENVIAR. Ela atendeu no segundo toque. " Rimmel! Estou tão emocionada ao ouvir você!" "Oi, Vó" eu disse. Apenas o som de sua voz, o som da casa, enviou uma onda de saudade através de mim. Lágrimas queimaram meus olhos, mas eu pisquei de volta. Eu tinha chorado o suficiente. "Como vai você?" "Já estive melhor." Houve uma breve pausa na linha. "Oh, querida, o que há de errado?" "Eu li o relatório da polícia sobre a morte de mamãe." Eu deixei cair as palavras como uma bomba. Não havia nenhuma maneira delicada de dizer isso. Um silêncio carregado, longo, encheu o espaço entre nós. "Como?" Ela sussurrou. "Isso realmente importa?", perguntei, tentando segurar a minha raiva. Isso não era culpa da minha vó. Bem, ok, isso meio que era, porque ela tinha sabido sobre isso também. Ela mentiu muito. "Não. Suponho que não." "Por que você mentiu? Por que você me disse que foi um acidente horrível quando a polícia tem anotado como não resolvido? O que aconteceu com minha mãe?" "Oh, querida." O impasse em sua voz disse tudo. Tudo o que eu li era verdade. "Eu tenho o direito de saber." "Estávamos tentando protegê-la. Você tinha passado por tanta coisa." "Eu não sou mais uma garotinha. E isso está afetando a minha vida." "O que? Como?" Sua voz era completamente alarmada. "Você ligou para o seu pai?"


"Sim. Muitas vezes. Ele não vai retornar minha ligação. Eu tive que lhe deixar uma mensagem que eu fui atacada e estava no pronto-socorro , e só então ele me ligou de volta." "Oh meu Deus!", ela engasgou. "Querida, você está machucada? O que aconteceu?" "Foi há algumas semanas, Vó. Estou bem." "Semanas atrás?" Ela murmurou. "Ele não disse qualquer coisa." "Então ele está falando com você, então?" Silêncio. Então, ele não estava. "Eu sei sobre o jogo", eu disse. Ela respirou fundo. "Eu suponho que você também sabe." "Esta não é uma conversa que devemos ter por telefone." Sua voz era triste e tensa. "Certo. Eu vou voar para a Flórida. Eu estarei aí em breve." "Pelo menos me deixe enviar dinheiro para você para a passagem aérea." Eu concordei porque eu gastei a maior parte do que eu tinha no meu vestido para o evento. Eu ia seriamente ter que conseguir um emprego quando tudo isto tivesse acabado. Cabia a mim cuidar de mim mesma. "Obrigada" eu disse quando ela prometeu transferir o dinheiro para a minha conta, além de um pouco mais para comida. "Você sabe que seu avô e eu amamos você. Muito. Nós somente quisemos sempre o melhor para você." Doeu ouvir essas palavras, porque eu acreditava neles. E porque eu os amava também. Mas eu ainda estava chateada que eles me deixaram viver uma mentira. Quando eu desliguei o telefone, eu o joguei no sofá e olhei para Romeo. "Eu vou com você."


"Você não precisa." "Eu sei." Eu balancei a cabeça. Eu queria que ele viesse. Eu precisava dele. E se eu fosse para a Flórida só para perceber que já não me sentia mais em casa? Naquele momento, eu odiava mentiras. Eu odiava mentirosos e meiasverdades. Eu odiava o que a mentira poderia fazer para as pessoas. Olhei pela janela novamente e em seguida de volta para Romeo. Sem dizer uma palavra, eu passei por ele e pela porta da frente. Ele gritou meu nome, mas eu não parei. Eu continuei. Havia algo que eu tinha que fazer.


CAPITULO trinta e quatro

#VocêSabia? Sexo de manhã cedo foi comprovado como sendo mais eficaz do que café. #SejaBemVindo ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Onde diabos ela estava indo!? Um minuto ela estava olhando rasgado e machucada, e no próximo, ela parecia uma guerreira descalça pronta para rolar algumas cabeças. Isso era quente como o inferno. Mas também era assustador. A porta da frente balançou contra o vento do inverno enquanto eu corria atrás dela. Eu praguejei contra o ar frio, cortante e minha falta de camisa, mas eu não voltei. Rimmel estava no meio do quintal, vestindo nada além de uma de minhas camisetas e uma calça de moletom que eu fiquei surpreso que coube nela. Ela não estava sequer vestindo meias. "Rimmel!" Eu rugi. "Você vai morrer congelada!" Ela continuou, até a porta dos fundos na casa principal. Meus passos vacilaram. Ela estava indo para os meus pais?


Para quê, porra? Eu comecei a correr, porque em seu humor atual, se ela estivesse indo atrás de minha mãe, então fogos de artifício provavelmente voariam. "Rimmel" eu chamei novamente, correndo para dentro depois dela. Ela estava prestes a virar a esquina, mas ela parou e estendeu a mão para mim. Enrolei minha mão em torno dela, e ela continuou indo sem uma palavra. Mamãe estava sentada à mesa pequena na cozinha, uma caneca de chá em seu cotovelo e um monte de papelada espalhada para fora na frente dela. Ela olhou para cima quando entramos. O sorriso morreu em seus lábios. Ela sabia que não era algum tipo de visita agradável. Ela olhou para mim, e eu balancei minha cabeça. Eu não sabia o que Rimmel estava fazendo, mas eu não ia impedi-la. O que quer que estivesse acontecendo em seu coração e sua mente precisava ser resolvido. Se tudo o que ela precisava dizer fosse ajudá-la, então minha mãe ia ter que suportar sua ira. "Rimmel?" , perguntou minha mãe, dando sua completa atenção para a minha namorada. "Obrigada", disse Rimmel, chocando a merda na minha mãe e eu. "Você foi tão responsável pelo sucesso do evento quanto eu" Mamãe disse, gesticulando para todos os papéis na frente dela. "Eu não estou falando sobre a noite passada", Rimmel disse, retirando a mão da minha. "Então…?" "Obrigada por me dizer a verdade. Por não apenas encobrir o que você encontrou e me deixar a continuar a viver uma mentira." Pela primeira vez na sua vida, a minha mãe foi atingida pelo silêncio. Ela torceu a corrente de platina pendurada em torno de seu pescoço em seu dedo.


"Eu sei que você não fez isso por mim. Você fez mais ou menos para me afastar. Você fez isso por Romeo. Mas mesmo assim, eu sou grata. Eu sei que não estava antes, mas agora eu..." A voz dela rachou, e eu andei em sua direção. Ela balançou a cabeça, dizendo-me para deixá-la ficar em pé, sozinha. "Agora eu vejo as coisas de forma diferente. Então, obrigada." Minha mãe se levantou e correu ao redor da mesa em direção à minha menina. "Oh, querida, eu sinto tanto." Ela abraçou Rimmel sem hesitação. Rimmel ficou imóvel, não retornando o abraço ou empurrando-o para longe. "Eu não deveria ter feito isso dessa maneira. Eu deveria ter sido mais cuidadosa. Você não fez nada além de amar meu filho e apoiá-lo. Você ficou ao seu lado mesmo quando todo o seu futuro estava em jogo. Eu sei que não mereço o seu perdão, mas talvez um dia você vai me oferecer isto. Por favor, saiba que eu a aceito de todo o coração nesta família e como parte da vida do meu filho. Eu realmente espero que um dia tenhamos um relação próxima." E Rimmel me chamou de rainha do drama ? Hum. Acho que não. Depois que passaram alguns segundos e minha mãe ficou em silêncio, Rimmel se moveu. Levantou os braços e abraçou minha mãe de volta. "Estamos voando para a Flórida" eu informei quando ela se afastou de Rim. Ela tocou o braço de Rimmel. "Eu espero que isso traga a paz que você precisa." De volta à minha casa, eu peguei meu capuz para fora da cama e puxei-o sobre a cabeça de Rimmel. "As férias de primavera são na próxima semana. Mas eu não posso esperar tanto tempo para ir", disse ela.


"Vou ligar para o reitor. Ele lhe deve depois de tudo o que aconteceu com a sua bolsa de estudos e com Zach. Vou fazer com que ele nos dispense das aulas." Ela apertou minha mĂŁo antes de se mover para longe. "Eu vou fazer as malas." Eu sempre fiquei curioso sobre de onde Rimmel veio. Eu acho que agora eu ia ver.


CAPITULO trinta e cinco

Alguém mais percebeu que o #24 sumiu do campus hoje? #PorQueÉsRomeo11 ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Eu ainda odiava voar. Era mais tolerável porque Romeo estava ao meu lado, mas não era nunca algo que eu jamais iria gostar. "Eu não estou ansiosa por todos os voos para os seus jogos fora de casa", eu disse quando finalmente saímos do aeroporto. "Você vai vir aos meus jogos fora de casa?" Ele sorriu. "Tantos quantos eu puder." "Algo me diz que isso vai fazer Ron muito feliz." "Eu só me preocupo em fazer você feliz." Eu não poderia manter o tom preocupado de rastejar por trás de minhas palavras. Como Romeo ia ser feliz comigo se coisas como estas continuassem acontecendo conosco? Desde o primeiro dia, Romeo e eu tínhamos sido atingidos com obstáculos em cada turno. Ele valia a pena. Cem por cento. Mas quanto mais ele poderia aguentar? Quanto mais eu poderia aguentar? 11

Fala de Julieta de Shakespeare.


"Não faça isso", ele murmurou, puxando em torno de mim na calçada. "Fazer o que?" "Preocupar-se. " Ele deu um beijo em meu nariz. "Depois que tudo isso acabar, será bom velejar pelo resto de nossas vidas." Eu queria acreditar nisso. "Vamos lá, vamos pegar um táxi", eu disse e caminhei em direção à linha de táxis. "Inferno, não." Ele pegou minha mão e me puxou para longe . "Nós não andamos de táxis. Nós andamos com estilo." Eu ri. " E que tipo de estilo é este? O ônibus?" Ele fez uma careta. "Eu estou alugando um carro." "O que? Isso é muito dinheiro." "Eu posso pagar. Eu sou um jogador de futebol profissional." Ele piscou para mim com um sorriso malicioso. "É melhor pegar um conversível. Sua cabeça grande não vai caber em um carro regular." Ele jogou a cabeça grande para trás e riu. Eu amei o som disso. Eu amei o som dele. Inclinei a cabeça para o lado e apenas olhei. "Você sabe, você poderia ser um lixeiro, sem um centavo no seu nome e eu ainda te amaria mais do que qualquer coisa, certo?" Ele me agarrou sob minhas axilas e me levantou até que meus pés pendessem acima do chão. "Seu braço", eu o lembrei. "Este é um bom exercício para ele." Seus olhos fizeram aquela coisa de novo. A coisa onde eles enxergavam apenas a mim, percebiam apenas a mim. O amor que ele tinha por mim, literalmente, tornou-se tangível ali mesmo na calçada. Bem ali, na rua. Senti pessoas olhando, mas eu não poderia romper com ele. Eu não queria. "Você tem algo contra lixeiros?" Ele finalmente perguntou.


Eu ri. "Claro que não." O sorriso torto que ele me deu prendeu minha respiração. E eu tenho certeza que a mulher de pé nas proximidades deixou cair a bolsa e tropeçou. "Eu te amo pra caralho", ele rosnou. "Eu te amo pra caralho." Eu tentei rosnar as palavras como ele, mas soou patético. E essa palavra... não era a minha favorita. Mas ele com certeza gostava dela. "Você parece um filhotinho." Ele me colocou para baixo e colocou seu braço em volta de mim. "Vamos lá, Smalls. Vamos pegar uma carona." Romeo alugou o carro mais bonito no lote (grande surpresa). Era um conversível vermelho e automático. Eu estava mais animada sobre não ser um stick do que eu estava sobre ele ser um conversível. Não que ele fosse me deixar dirigir. Mas pelo menos dessa forma ele não estaria usando seu braço. Assim que saímos da locadora, eu mandei uma mensagem para Braeden para deixá-lo saber que chegamos em segurança. E então eu mandei uma mensagem igual para Valerie. Eu não tinha certeza de como seria o nosso relacionamento no futuro, mas eu já não carregava qualquer raiva ou mesmo ressentimento em relação à ela. Eu sabia que ela também não. Eu gostaria de pensar que algum dia seríamos pelo menos amigas. Mas sinceramente, eu esperava mais do que isso. Eu ri alto quando Braeden mandou uma mensagem de volta. Romeo me deu um olhar confuso, e eu estendi o telefone para mostrar a ele. Era uma foto de B vestido com um casaco super pesado, chapéu, e luvas que ele rebocou com neve. Seu último acessório era uma grande carranca no rosto. "Acho que ele ainda está chateado que nós não o deixamos vir." Romeo sorriu. "Sim, e ele está tentando me fazer sentir mal porque estamos na ensolarada Flórida sem neve."


Romeo riu, provavelmente porque ele sabia que a tentativa patética de Braeden estava, na verdade, funcionando. Eu não achava ruim que ele não estivesse aqui. Mas, honestamente, eu não queria que ele tivesse um lugar na primeira fila para a minha família bagunçada. Meu relacionamento com ele era próximo e intocado pelo drama familiar. Eu queria que permanecesse assim. "Você sabe", disse Romeo. "Na próxima semana são as férias de primavera." "Sim, eu vou ter que gastar isso colocando em dia o que perdermos nesta semana." Romeo fez um barulho rude. "Poderíamos apenas ficar aqui, pegar um lugar na praia." Ele deslizou um olhar em minha direção. "Você gosta da praia? Ou o oceano..." "Me assusta?", eu terminei. Ele assentiu. "Eu gosto da praia." Ele sorriu e estendeu a mão. Eu bati a minha contra a dele. "Mas eu não nado na água." "Isso é legal", disse ele. " Você na areia em um biquíni é bom o suficiente para mim." Revirei os olhos. "Mande mensagem de volta para B. Diga a ele para voar para cá. Vamos buscá-lo no aeroporto na próxima semana e ficar na praia." "Você seriamente quer ficar na praia?" perguntei, surpresa. A ideia era tão... espontânea. "Por que diabos não? Nós precisamos de um descanso. Um pouco de sol, areia, ondas... esse é o meu tipo de festa. Além disso, em alguns meses, eu vou ter que partir. O treinamento de campo começa, preparar para a temporada, a imprensa, os jogos." Romeo alcançou através dos bancos e agarrou a minha mão . "Eu quero um tempo sozinho com você antes que isso aconteça. Eu quero uma semana inteira com você, sem drama."


Eu queria isso também. Agora que ele tinha plantado a ideia, eu queria mais do que qualquer coisa. "Nós não estaremos sozinhos se Braeden vai estar com a gente", eu apontei. "Nós vamos encontrar muito tempo para ficar sozinho." Ele balançou as sobrancelhas. "E quanto a Ivy? E Missy?" "Convide-as também." "Sério?" "O que você quiser, baby." Ele beijou a palma da minha mão. Excitação me preencheu. Eu realmente nunca tinha tido férias antes. Sim, meus avós me levaram muito no Sea World e Disney quando eu estava crescendo. E eu me lembro de que fomos em uma viagem para Florida Keys quando minha mãe ainda estava aqui. Mas eu nunca tinha tido quaisquer viagens de férias de primavera com meus amigos. Eu nunca tive noites do pijama na escola. E eu nunca fiquei na praia. Mas tanto quanto eu queria ir, eu não tinha dinheiro para ajudar a pagar por algo assim. "Não se preocupe com o dinheiro." Romeo gemeu, lendo minha mente. Ele interrompeu a nossa conversa para me perguntar que caminho tomar na estrada. Uma vez que eu disse a ele, ele se virou e olhou para mim. "Eu quero fazer isso. Eu posso pagar. Deixe." "Você não recebeu ainda, não é? Você não tem que esperar até o treinamento?" Ele deu de ombros. "Eu posso pagar isto sem meu pagamento da NFL, baby. " Mordi o lábio, e ele sorriu. Ele sabia que eu estava entregando os pontos. "Mande mensagem para Braeden", disse ele. "Nós vamos entrar na net mais tarde e reservar um lugar para ficar."


"E se tudo estiver lotado?" Eu me preocupei. Eram férias de primavera, afinal das contas. "Vamos encontrar alguma coisa", ele prometeu. Eu mandei uma mensagem para Braeden, e ele me mandou de volta uma foto dele em um par de óculos de sol e segurando um frasco de loção bronzeadora. Ele era louco. Ivy gritou tão alto que eu tive que puxar o telefone longe do meu ouvido. Ela deveria estar indo para casa para visitar a família, mas ela prometeu que ia se livrar disso e mudar seu bilhete para vir para a Flórida em vez disso. Missy concordou, mas parecia um pouco menos emocionada do que Ivy. "Ela não queria vir?" Perguntou Romeo quando eu desliguei. "Ela quer. Acho que ela está apenas meio que em cima do muro sobre estar perto de Braeden." "Compreensível." Depois de alguns momentos de silêncio, Romeo pegou seu telefone e apertou um botão. "Falar enquanto dirige?" Eu fiz um sermão. Ele apertou o botão de viva voz e o toque da linha encheu o carro. "Ei, cara." A voz de Trent entrou na linha. "Férias de primavera. Florida. Praia. Tá dentro?" "Sério, cara?" "Sim. Eu tenho o lugar. Você só precisa da passagem aérea." "Inferno, sim," Trent respondeu instantaneamente. "Bom", disse Romeo. "Ei, B está vindo também. Vocês devem tentar pegar o mesmo voo." "Nós vamos." "Fantástico. Vejo vocês na semana que vem no aeroporto."


Quando a ligação terminou, ele me deu um olhar conhecido. "Você está tentando armar entre Missy e Trent?" "Apenas equilibrando os números. Não podemos desvantagem por um bando de mulheres" ele brincou.

estar

em

Ele estava totalmente tentando armar entre Trent e Missy. "Eu não tenho certeza se isso vai funcionar " eu disse. Ele deu de ombros. "Bem, pelo menos com Trent ao redor, ela vai ver que existem mais caras no mar do que apenas Braeden." Olhei para fora do para-brisa e percebi que estávamos quase na casa do meu pai. "Vire aqui" eu instruí. Poucos minutos depois, nós entramos em um bairro modesto com palmeiras antigas, calçadas e casas que não eram novas, mas bem antigas. A maioria das casas aqui pareciam iguais. Elas todas tinham o revestimento de vinil com cores variadas. As calçadas eram de concreto, e os jardins eram razoavelmente simples, porque o calor tornava difícil ter canteiros grandes, cheios. Quase todas as casas tinham piscinas no quintal. Piscinas eram praticamente obrigatório na Flórida. Se você não tinha uma no chão, então você quase sempre tinha uma acima do solo. Exceto, claro, a minha casa. Minha casa tinha um espaço vazio onde costumava estar uma piscina. "É aquela" eu disse. Meu ligeiro humor evaporou-se quando fiz um gesto para a próxima rua, a rua na qual eu tinha crescido. Romeo não disse nada quando ele se virou e diminuiu a velocidade do carro para um ritmo de caracol. "É aquela em cima à esquerda" eu disse. "A terceira para baixo." Romeo puxou até o meio-fio de uma casa branca de dois andares. Parecia menor agora que eu era mais velha, menos grandiosa e talvez um pouco desgastada. "Esta aqui?", ele perguntou. Eu balancei a cabeça, e ele desligou o motor.


O caminhão do meu pai estava estacionado na calçada. Era um modelo antigo, e ele também parecia um pouco desgastado. "Então," eu disse a Romeo. "Esta é a minha casa. Este é o lugar onde eu cresci." E enquanto eu olhava para o lugar que eu uma vez tinha amado, um pensamento indesejado insultou os recantos da minha mente. Foi aqui também onde sua mãe morreu.


CAPITULO trinta e seis

#Babado no campus é que nosso morador mais gostoso partiu com sua #nerd para a Flórida. #AindaNãoÉFériasDePrimavera #FériasMaisCedoOuAlgoMais ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Sua energia nervosa encheu o carro. Somente o jeito que ela olhou para a casa fora da janela, me fez querer quebrar meu braço em torno dela e dirigir para longe. Isto era difícil para ela. Eu entendia o porquê. Eu só queria que não tivesse que ser assim. Mas os desejos eram para estrelas e velas de aniversário. Essa merda era a vida real. Eu olhei para a casa que Rimmel tinha passado a maioria de sua vida. Ela era pequena em comparação com a casa dos meus pais. Isso explicava a reverência que eu tinha visto em seus olhos quando ela tinha estado no interior pela primeira vez. Era uma casa branca com uma grande janela à esquerda da porta da frente. A própria porta estava pintada um tom de amarelo que eu sabia, provavelmente, tinha sido mais vibrante um dia. Em cada lado da porta estava uma coluna branca que segurava um pequeno telhado para manter a chuva fora da entrada.


Não havia muitas plantas, alguns arbustos de grande porte e uma palmeira mais longe no jardim. Eu aposto que era mais bem cuidado antes, mas quando sua mãe morreu, tudo mudou. No lado direito inferior da casa estava uma garagem para um carro com uma porta de garagem pintada de branco. Acima dela havia outro par de janelas. Não havia muito detalhe no lugar. Ele era simples e direto, meio como a garota sentada ao meu lado. "Acha que ele está em casa?", perguntei. "A caminhonete dele está aqui." Ela encolheu os ombros e estendeu a mão para a maçaneta da porta. "Eu vou pegar nossas malas" eu disse a ela. Ela voltou para o carro e tocou meu braço. "Não, não. Eu não sei o que vai acontecer..." Sua voz sumiu. Toquei seu rosto. "Nós vamos fazer o que quer que deixe você confortável. Se quiser ir, você diz a palavra, dê-me um olhar – qualquer coisa. Você me avisa e nós vamos." "Estou muito feliz por você estar aqui", ela sussurrou. "Eu também, baby." Beijei-a antes que ela saísse do carro. Esperei no final da calçada, e nós caminhamos até o concreto juntos. O pai dela dirigia um modelo antigo de pick-up Ford. Eu poderia respeitar isso. Na parte superior da unidade, seguimos o caminho que levava até a pequena varanda e à frente da porta. Rimmel hesitou antes de puxar a chave de sua bolsa e inseri-la na fechadura. Segundos mais tarde, ela puxou-a de volta para fora e olhou por cima do ombro. "Já está aberta." Ela deixou cair as chaves de volta em sua bolsa e empurrou a porta . Nós pisamos em uma entrada de dois andares com uma pequena mesa lateral e espelho redondo na parede. Havia correspondência - de semanas empilhada em cima da mesa. O piso era de azulejo, um tom esbranquiçado de cerâmica com argamassa combinando. O piso esticava através da entrada, passando pelas escadas, que ficavam à esquerda, e em linha reta


em frente e em uma grande sala que parecia ser a cozinha e sala de estar em uma só. Rimmel pendurou a bolsa no cabide de madeira na parte inferior da escada. "Pai?", ela chamou. As paredes eram pintadas de um bege neutro e o quarto devia ter sido brilhante, se as cortinas que cobriam as grandes janelas na parte de trás da casa tivessem sido abertas. Nós andamos mais longe. A cozinha era à direita, com uma grande ilha separando-a da sala de estar. Era uma cozinha padrão com bancadas estratificadas feito para parecer com granito, armários brancos , e um azulejo backsplash. Do outro lado da cozinha, perto de um conjunto de portas francesas que levaram aos fundos, havia uma pequena mesa de jantar. Havia um homem sentado ali com sua cabeça na mão e uma caneca ao seu lado. Rimmel o viu ao mesmo tempo que eu, e seus passos pararam. Ela ficou lá como se não soubesse o que fazer, como se encontrá-lo apenas sentado sozinho em uma sala escura não fosse normal. "Pai?" Ele passou a mão pelo rosto e, em seguida, deixou cair os braços e olhou para cima. "Eu estive esperando por você." "Vovó te ligou?" Ele riu. "Oh, algumas vezes." Rimmel hesitou novamente, e frustração me acendeu. Que raio de saudação era esta? Se ele sabia que ela estava vindo, ele tinha que estar sentado lá assim... tão triste e mórbido? Meu coração doeu por ela naquele momento. Isto literalmente doeu ali embaixo minhas costelas. Foi assim que ela cresceu? É assim que ele sempre foi?


Se assim for, este era um longo, longo caminho para explicar como é que ela estava tão desesperada por afeição com a idade de treze anos que ela deu sua virgindade para algum cara no mesmo quarteirão. Eu me perguntei se ele ainda morava lá. Talvez eu fosse bater em sua bunda punk. "Eu tentei ligar," Rimmel disse, balançando fora de sua surpresa momentânea e se deslocando além da ilha para abrir as persianas nas portas e janelas. "Mas você nunca mais atendeu seu telefone." "Eu estive ocupado", ele respondeu, mas nós todos sabíamos que era uma mentira. Luz solar filtrou na sala e, com ela, uma visão mais clara do homem sentado a alguns metros. Ele tinha, provavelmente, seus quarenta e tantos anos e tinha cabelo escuro salpicado com cinza. Sua pele era desgastada pelo tempo como se ele passou muito tempo sob o sol da Flórida, o que, já que ele trabalhou como um empreiteiro a maior parte de sua vida, eu diria que era uma suposição precisa. Ele não era um homem enorme, mas ele não era leve também. Eu estimaria que ele tivesse em torno de 1,70m, e talvez pesasse setenta e um. Como a casa, ele parecia como se ele tivesse visto dias melhores, com barba de vários dias escurecendo seu queixo, o cabelo despenteado que precisava ser lavado, e olhos cansados injetados. Sua camisa de flanela estava amarrotada e eu pedi a Deus que ele estivesse vestindo calças. "Por que você está sentado aqui no escuro?" Rimmel perguntou e olhou para a cozinha. Ela torceu o nariz. "Quando foi a última vez que você limpou?" "Você não veio aqui para me perguntar sobre minhas habilidades domésticas", ele respondeu e estendeu a mão para a caneca perto de seu cotovelo. Ele pegou e tomou um gole lento. Nossos olhos se encontraram por cima da borda do copo. Depois que ele engoliu o que havia dentro, ele baixou o vidro sem pressa. "Você o é o namorado?"


"Pai, este é Romeo. E sim, ele é meu namorado. Romeo, este é o meu pai, Brock." Rimmel fez sinal para eu vir para a frente. "Prazer em conhece-lo, Sr. Hudson", eu disse, e estendi minha mão sobre a mesa. Ele olhou para ela, mas não ofereceu a sua. "Que raio de nome é Romeo?" "Que raios você está fazendo sentado em sua casa no escuro no meio do dia?", eu respondi. Eu não deveria ter dito isso. Mas eu não estava a ponto de deixá-lo pensar que eu seria empurrado por aí. Ou que eu iria deixá-lo empurrar Rimmel por aí. "Nós precisamos conversar, papai", disse Rimmel e puxou uma cadeira na mesa. Seu pai me olhou incisivamente. Olhei para trás. Rimmel suspirou. "Ele vai ficar. Romeo sabe tudo de qualquer maneira." "E o que é tudo?" Brock olhou para longe de mim e focou em sua filha. Sentei-me ao lado dela. Eu me perguntei quanto tempo ela levaria para notar que ele estava bêbado. "Eu li o relatório da polícia, pai. Eu sei que a morte de mamãe está listada como não resolvida. Eu sei que você era um suspeito no caso." "Então você sabe que eles não tiveram nenhuma evidência que eu fiz alguma coisa." "Eu não estou aqui para acusá-lo", Rimmel disse. "Eu estou aqui porque eu quero a verdade. Toda ela." "Sua mãe era a minha vida inteira. Quando ela morreu, eu poderia muito bem ter morrido também." Ele olhou para Rim . "Eu teria me matado antes de matá-la."


Será que ele não ouviu o que ele tinha acabado de dizer? Será que ele não sabia o que ela iria ler entre essas linhas? Ele basicamente disse a ela que ela não tinha sido suficiente. "Rim", eu disse suavemente. "Talvez devêssemos deixar seu pai dormir um pouco e voltar, falar depois." "Eu estou bem", ele argumentou. Rimmel torceu o nariz quando sua respiração cheirando a álcool flutuou. "Você está bebendo?" Ela pegou seu copo e o cheirou, em seguida, puxou-o para longe como se ele ofendesse seus sentidos. "Tem sido um longo dia." "Você já foi para a cama?", ela pressionou. "Como eu poderia dormir quando eu sabia que você estava vindo aqui para me questionar?", ele mordeu de volta. Ela recuou, e eu mal contive o meu temperamento. Esse cara era um pedaço de trabalho. Eu nunca em um milhão de anos esperava por isso quando nós arrancamos até a casa. Rimmel afastou-se da mesa e arrebatou sua caneca. Ela despejou o conteúdo na pia. "Eu estava bebendo isso!", protestou. "Vou fazer um pouco de café pra você." Ele afastou-se da mesa e ficou em pé. Porque ela estava de costas, ela não percebeu como ele tropeçou um pouco. Graças a Deus ele estava vestindo calças. "Você não pode simplesmente voltar para casa e começar a mandar em mim." Ele entrou na cozinha e tirou uma garrafa de bourbon do gabinete. "Quando você começou a beber?", Ela perguntou e pegou a garrafa fora do balcão antes que ele pudesse pegar um copo. "Quando você perdeu seu emprego?"


"Eu tive alguns meses bem difíceis." "Eu estava em casa para os feriados. Você não estava assim, então." Ele desviou o olhar. "Ou isso foi apenas uma mentira também? Você saía todos os dias como se estivesse saindo para o trabalho mas, em vez disso, você ia a algum lugar subterrâneo e jogar fora todo o seu dinheiro." "Como você descobriu isso tudo?" Seus olhos se estreitaram. "Esses registros foram enterrados. O que eu faço quando estou sozinho é privado." Ele olhou para mim. "É isso que tem feito? Está tentando virar a minha filha contra mim? " "Você está fazendo um bom trabalho com tudo isso você mesmo." "Romeo", disse Rimmel , uma nota de advertência em seu tom. Eu apertei minha mandíbula. Brock olhou para Rimmel, enquanto ela terminou de colocar em um pote de café para preparar. "É isso, então? Você é meu juiz e júri? Você está aqui para me dizer que nunca quer me ver de novo?" "Claro que não", disse ela, cansada. "Eu apenas quero saber a verdade." Ela o prendeu com um olhar. "O que realmente aconteceu com a mamãe?" "Alguém a matou, mas não fui eu." "Você sabe quem fez isso?" Ele desviou o olhar novamente. Rimmel pressionou. "Você sabe por quê?" Meu corpo inteiro entrou em alerta. A tensão na sala foi subindo como um balão com enchimento com hélio. Ele não estava em qualquer condição de ter essa conversa. Era dolorosamente claro para mim que ele nunca colocara o passado para trás. Ele era um homem mal-assombrado. As mentiras que ele contou, as mentiras que ele viveu... quebraram.

elas o

O rico aroma do café encheu a sala, mas ele pegou a garrafa que Rimmel colocou de lado. Ele agarrou-a, destampou-a, e tomou um gole diretamente da garrafa.


"Apenas me diga," Rimmel implorou. "Por favor." Ele tomou outro gole e então de repente a lançou através da sala. Isso estalou como chicote através do ar e, em seguida, bateu contra a parede e quebrou, vidro e bebidas indo em todos os lugares. Eu empurrei para fora da minha cadeira e corri para onde Rimmel estava. Seus movimentos bruscos a fizeram jogar as mãos para cima sobre sua cabeça. Rapidamente, eu me posicionei na frente dela, protegendo-a com o meu próprio corpo. "É minha culpa!" Brock gritou como se ele sequer percebesse o que tinha feito. "É isso que você quer ouvir?" A mão de Rimmel ficou em punhos na parte de trás da minha camisa. "Eu posso não ter batido na cabeça dela e empurrá-la naquela piscina, mas eu sou o único que matou sua mãe." Rimmel engasgou com sua fala dura, gráfica. "Eu sou a pessoa que a matou."


CAPITULO trinta e sete

#AlertaDeCantadaRuim Se você fosse um transformer, você seria o Optimus Fine12. #MasSérioNãoDigaIsso ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Eu não conseguia parar de tremer. Eu não conhecia quem que estava lá, sentado na mesa no escuro, bebendo, mas aquele homem não era meu pai. Eu não ia deixá-lo ver como eu estava chateada, porque parecia que eu estava deixando um estranho ver meu lado vulnerável. Mas Romeo sabia. No segundo que meu pai atirou a garrafa, Romeo interveio. Eu sabia pelo conjunto de sua mandíbula e a tensão no seu corpo que não havia maneira que eu iria acalmá-lo. Eu admito que nem sequer tentei. Eu precisava de um respirador. Então, quando Romeo me disse para esperar lá fora, eu fiz. Eu levei a minha bolsa e saí. Eu nem sequer me atrevi a olhar para trás. Fiquei ali mastigando minhas unhas e ouvindo atentamente por gritos ou vidro quebrado. Mas nada veio.

12

Meme da internet.


Poucos minutos depois que eu saí, Romeo fez o mesmo. "O que aconteceu?" Eu corri para fora. "Nenhuma coisa. Eu disse a ele para dormir e ligar quando estiver sóbrio." "A jarra de café." Eu me preocupei, pensando que eu não devia deixála ligada se ele ia ficar dormindo por causa da bebida. "Eu desliguei", disse Romeo suavemente e colocou a mão na parte inferior das minhas costas para me guiar para o carro. Quando o motor estava funcionando e o ar condicionado estava esfriando o interior, eu olhei para ele. "Estou tão incrivelmente envergonhada." Romeo me puxou através dos bancos em seu colo. "Você não tem nada por que se envergonhar." Um riso quebrado rasgou da minha garganta. “Você está de brincadeira? Ele estava uma completa bagunça de bêbado. E ele foi rude com você." "Eu posso aguentar." "Eu nunca o vi assim antes," eu sussurrei. "Ele não era assim enquanto eu cresci. Ele é um bom homem. Ele nunca levantou a voz para mim e ele nunca ficou bêbado assim." "A culpa vai conduzir alguém ao seu ponto de quebra" Romeo murmurou e acariciou sua mão no meu braço. "Você acha que isso é o que era? Culpa?" "Eu não o conheço" disse Romeo muito diplomaticamente. Eu ri. "Não, você não. E é por isso que talvez a sua opinião fosse mais astuta que a minha." "Astuta", ele meditou. "Agora isso é uma linguagem de faculdade." Eu o cutuquei nas costelas e sorri. Somente Romeo poderia encontrar uma maneira de aliviar o meu humor mesmo que apenas uma fração. Ele exalou e encostou a cabeça na parte traseira do assento. "Eu acho que o seu pai provavelmente carrega a culpa da morte de sua mãe todos os dias. Ele pode não tê-la matado, mas ele se sente responsável. Ele aguentou


enquanto pôde, mais provavelmente por sua causa. Mas quando você foi embora para a faculdade…" "Ninguém estava aqui para ele se concentrar" eu terminei. Isso fazia tanto sentido. E era incrivelmente triste. "Para onde você quer ir a partir daqui?", ele perguntou. "Eu quero ir para a casa de meus avós. Vovó vai me dizer tudo o que meu pai não pôde". "Quer ir para lá desse jeito?" Ele mexeu os quadris debaixo da minha bunda. "Eu acho que vou passar", eu disse e me arrastei no banco do passageiro. "Não pode culpar um cara por tentar." Eu balancei a cabeça, e ele se afastou do meio-fio. Poucos minutos depois, passamos pela casa do rapaz que tirou a minha virgindade. Desde aquele dia, cada vez que eu passava pela casa, uma sensação de mal estar, arrependimento, me enchia. Mas hoje, eu não me debrucei sobre isso. Eu ignorei. Foi no passado e eu não estava prestes a deixar mais uma coisa do passado, nesse caso, arruinar o meu presente. Vovó abriu a porta da frente de sua casa no segundo em que encostamos na entrada. Quando ela saiu para a varanda e acenou, um sentimento de amor tomou conta de mim. "Vovó!" Eu disse e corri em toda a garagem e na grama. Ela me encontrou no meio do caminho e me varreu com um abraço acolhedor. "Olhe para você!", disse ela, segurando-me no tamanho do braço. "Você perdeu peso? São aqueles jeans que escolhemos juntas? Eles parecem maravilhosos. Tão elegante. E a sua camiseta, tão você." Eu ri. A camiseta era branca, lisa, mas não era tão grande que eu estava nadando nela. Era mais justa. E no meu esforço para torná-la um pouco mais elegante, eu escolhi uma com um pequeno embelezamento. Ao lado, tinha um bolso amarelo.


"É bom ver você", eu disse e a abracei novamente. "Como foi o seu voo?", ela perguntou. "Terrível." Ela riu. Ouvi Romeo se aproximando por trás, e Vovó se afastou. "E quem é este diabo bonitão?" Romeo desempacotou seu mega sorriso pingando charme. "Minha senhora, eu sou Roman Anderson. Eu estou namorando sua neta." "Eu não sei quem tem mais sorte. Ela ou você", Vovó brincou. "Definitivamente, eu. Ele piscou. Ela riu como uma colegial, e eu senti minha boca cair aberta. "Vamos entrar", disse Vovó. "Eu tenho alguns chás gelados doces que acabei de fazer com o seu nome nele." Romeo lhe ofereceu o braço , e ela o tomou. A dupla seguiu em frente, deixando-me a olhar fixamente depois deles. Ele abriu a porta da frente para nós duas, e quando passei por ele, sorriu. "Onde está o vovô?", perguntei , entrando na casa familiar. Ela não tinha mudado desde que eu era uma criança. Estava limpa e arrumada, com um layout básico e mobiliário básico. Meus avós não eram pessoas espalhafatosas, e eles quase nunca compravam alguma coisa nova. Meu avô sempre dizia: "Se não quebrou, não conserte", e de acordo com ele, sua casa não estava quebrada. "Jogando golfe", ela gritou da cozinha. Romeo estava olhando para todas as fotografias enfileiradas em uma prateleira. Ele pegou uma minha de quando eu tinha talvez quatro. Eu tinha tranças, óculos, e um dente em falta. "Quem é esse moleque?", ele perguntou com um sorriso. "Ha-ha." Vovó se apressou com três copos de chá gelado e um prato de biscoitos. Ela parecia igual, cheia de energia e juventude, apesar de sua idade. Seu cabelo era cinza, mas ela o manteve realçado, assim era uma sombra de platina, e não opaco. Era um corte de duende e ela o penteava para que ficasse preso de um jeito desarrumado, moderno. Vovó era mais


alta do que eu, provavelmente, cerca de quinze centímetros, e tinha um corpo magro. Seus olhos eram azuis, e ela sempre se vestia bem, combinando roupas, mesmo em casa. Basicamente, nós éramos opostas. Mas nós nos amávamos. "Não tínhamos certeza de quando você estava vindo, e você sabe como ele é sobre seus jogos." Ela colocou a bandeja em uma mesa de café de madeira, e entregou um copo de chá para Romeo. "Está tudo bem", eu disse. "Eu vou vê-lo mais tarde." Na verdade, fiquei aliviada. Menos uma pessoa de quem tentar obter a verdade. "Você já foi em casa?", perguntou vovó, indo direto ao ponto. "Infelizmente." "Oh querida. Sinto muito que você teve que vê-lo dessa maneira." Ela acariciou minha mão, e eu olhei para Romeo. Seus pensamentos claramente espelhado os meus próprios. Ela sabia que em tipo de estado ele estava. Isso fez eu me perguntar com que frequência ele ficava daquele jeito. "Ele estava além de conversa", eu disse a ela. "Ele estava bêbado." Ela assentiu com a cabeça, um olhar triste escrito em seu rosto. "Nós tentamos ajudá-lo. Estou com medo de que nós provavelmente só o fizemos pior." "Como assim?", perguntei. Romeo pegou um biscoito e empurrou a coisa toda em sua boca. Vovó sorriu. Mas quando ela focou de volta em mim, o sorriso se foi. "Seu pai tem um problema com jogo. Tem sido um vício em curso desde que era um adolescente." O jogo não foi uma surpresa para mim. Mas o fato de que ele começou há muito tempo, era. "Ele começou a apostar no ensino médio, nada realmente significativo, apenas coisa de garoto. Esportes, cartas, raças. Quando seu pai e eu descobrimos, nós colocamos um fim nisso. Nós o colocamos em


terapia, e ele melhorou. Ele ficou assim durante muitos anos. Ele conheceu sua mãe." Ela sorriu suavemente. "Eles se apaixonaram, e se casaram. Eles eram tão jovens e felizes. E quando eles descobriram que você estava a caminho, bem, a vida estava simplesmente perfeita." "Então o que aconteceu?", perguntei. Como poderia uma vida tão perfeita ir tão terrivelmente errada? "A vida, eu suponho. Eles tinham você, compraram uma casa, começaram a pagar um carro. A sua mãe ficou em casa para estar com você - algo com que eles dois concordaram -, mas eu acho que a única responsabilidade para cuidar de tudo e de todos financeiramente começou a forçá-lo. Ele trabalhava duro, longas horas. Para ajudar a relaxar, ele começou a jogar cartas com alguns dos seus amigos de trabalho nos fins de semana. Pôquer, principalmente. Eu acho que foi quando isso começou de novo." "Ele não voltou para a terapia?", perguntei. "Ninguém sabia o que ele estava fazendo, e ele não podia admitir que tinha um problema. Então, um dia eles receberam uma carta no correio sobre os pagamentos atrasados da casa, e sua mãe ficou fora de si. Quando ela ligou, eu sabia imediatamente o que devia estar acontecendo. " "Então o que aconteceu?", perguntou Romeo e abriu os braços do outro lado da parte de trás do sofá. Inclinei-me um pouco mais perto dele. "Nós o confrontamos, é claro. Ele admitiu que tinha estado usando todo o dinheiro da casa nas cartas e apostas. Sua mãe ficou muito chateada, e isso o machucou. Ele prometeu conseguir ajuda." "Mas ele ainda está apostando", eu disse. Claramente, ele não conseguiu ajuda. "Ele parou. Na época. Ele foi para reuniões para a dependência e arranjou um padrinho que ele poderia chamar. Sua mãe o amava e ela o perdoou. Nós nos oferecemos para ajudá-los tanto quanto poderíamos. Vovô e eu pagamos a hipoteca, que era predominante, e ajudamos com algumas outras contas em atraso. A última coisa que queríamos era que eles perdessem a sua casa." "Eu não entendo", eu disse. "O que qualquer coisa dessas tem a ver com a morte da minha mãe?"


"Porque isso foi além da hipoteca e de utilitários. Ele se endividou em mais de cinquenta mil dólares. Ele não disse isso a ninguém. Ele estava com medo de que fosse empurrar sua mãe longe também, e ela o deixaria. Assim, apesar da ajuda que nós tínhamos dado a eles, a essa altura, ele estava afundado demais para simplesmente ir embora." "Então, ele tinha agiotas atrás dele" Romeo supôs, com a voz tensa. Eu só podia imaginar o que ele devia pensar da minha família e, por extensão, de mim. Isso ia além de uma mãe abelhuda, intrometida. Estes eram problemas profundamente enraizados... problemas que, provavelmente, causaram a morte de minha mãe. "Sim," vovó disse. "Olha, eu não sei de todos os detalhes. Para ser honesta, eu não queria conhecer. Quando sua mãe morreu..." Seus olhos assumiram um olhar distante e triste. "Os detalhes daqueles, daqueles homens, simplesmente não pareciam importantes. Talvez vingança devesse ter sido meu foco ou talvez até mesmo a justiça, mas esta família estava muito quebrada." Ela olhou para mim com uma expressão de arrependimento, e eu engoli em seco. "Você era apenas uma garotinha. Eu não sei quanto você se lembra daquele tempo, mas eu me lembro exatamente do jeito que você parecia quando eu entrei na casa naquele dia. Isso ainda me assombra." Os olhos de vovó se deslocaram para Romeo. "Suas roupas estavam todas manchadas com rosa e seus olhos estavam tão vazios que me assustaram." "Vovó", eu sussurrei. Eu não queria ouvir sobre como eu parecia naquele dia. Às vezes eu ainda sentia o pânico e o choque vividamente. Seus olhos encontraram os meus. "Eu não fiz a coisa certa naquela época. Tudo o que eu conseguia pensar era em proteger você e manter unida a família que lhe restara." "Então vocês mentiram para a polícia", disse Romeo. "Na verdade, não. Eles sabiam sobre os jogos de azar e que nós ajudamos a pagar a casa. E nós não sabíamos –não quando nós fomos questionados - que sua mãe foi morta como retaliação pelo dinheiro que ele não podia pagar de volta."


E lá estava ela. A verdade. Ela ficou lá fora no aberto como uma única flor que floresce em um campo estéril. Isto não era algo que eu pudesse omitir, algo que eu pudesse simplesmente esquecer que ouvi. Meu pai foi o responsável por sua morte. Ela pagou a dívida dele... com sua vida. Quão aterrorizada ela deve ter ficado naquele dia. Eu nunca saberia o que aconteceu exatamente, mas eu imaginava que os homens invadiram a casa, ou talvez ela os deixou entrar, pensando que eles não estavam lá para lhe fazer mal. E, em seguida, eles a mataram. "Será que o meu pai soube imediatamente o que aconteceu com ela? " "Eu acho que ele soube. Mas eu acho que demorou um pouco a admitir para si mesmo, mas ele não podia negar por muito tempo, porque ele recebeu uma visita dos homens que a mataram." O corpo de Romeo empurrou." Ele os viu?" "Eu não sei se eram os mesmos homens. Mas eles trabalhavam para o homem para quem Brock devia dinheiro. Disseram-lhe que a dívida foi considerada paga na íntegra e se ele contasse qualquer coisa a alguém, eles voltariam para Rimmel." Engoli em seco. "Ele os deixou fugir com isso?" Romeo rosnou. "Nós todos fizemos", disse minha vó. A vergonha em seu tom de voz me fez sentir pena dela. "Era uma situação terrível, e quando a polícia chegou sem nenhuma pista, nenhuma conexão com o dinheiro que ele devia aos bicheiros, nunca dissemos uma palavra." "Então, sua morte foi listada como não resolvida. Minha mãe nunca recebeu justiça para o que foi feito com ela." "Eles teriam colocado o seu pai na cadeia, querida. Você teria sido deixada sem pais de modo algum. Como eu poderia ser responsável por você perder o único pai que tinha restado?"


Eu balancei minha cabeça . Era tudo tão irreal. E pensar que tudo isso aconteceu enquanto eu estava perdida em uma bolha de dor pela minha mãe. Eu era a única que realmente sofreu por ela. Todo mundo estava correndo ao redor tentando encobri-lo. "Então, ele manteve sua liberdade, sua vida, sua reputação, e foi absolvido de todas as dívidas" eu disse, irritada. "E mamãe. Ela perdeu tudo." "Ele tem pagado um preço, Rimmel. Todo dia, a cada minuto, pelo resto de sua vida." "Não é suficiente", eu disse e empurrei para fora do sofá. Andei, completamente agitada. "Eu não estou dizendo que o que ele fez, o que qualquer nós fizemos naquela época, estava certo. Não estava. Mas não havia nenhuma coisa certa. Nosso foco mudou para você. Para garantir que você tivesse um ambiente estável, seguro, com o mínimo de mudança quanto humanamente possível." "Mas tudo mudou!" Eu gritei. "Por anos, eu tenho tido pavor de piscinas, de me afogar. Eu tenho sido atormentada por pesadelos e a memória de encontrá-la flutuando de barriga para baixo. Eu me senti sozinha e ignorada por meu pai, porque ele passava muito tempo no trabalho. Ele ainda poderia ter vivido comigo, mas ele não estava presente. Eu vivi metade da minha vida pensando que o que aconteceu com minha mãe foi um horrível acidente, mas não foi. Poderia ter sido evitado." "Rim", disse Romeo e atravessou a sala em minha direção. Eu não queria ser consolada. Eu queria gritar e ficar com raiva. "Quando cheguei na Alpha U, eu estava secretamente emocionada. Eu tentei não mostrar o quão feliz eu estava, porque eu tinha medo que isso pudesse prejudicar os sentimentos de meu pai. Mas eu queria sair. Eu queria distância daquela casa, das memórias. E agora eu sei que foi minha partida que começou tudo isso de novo. Talvez se eu tivesse ficado, ele não estaria se afogando em bebida e jogos de azar novamente."


"Nada disso é culpa sua," Romeu e Vovó disseram ao mesmo tempo. Um soluço borbulhava em meu peito, mas eu usei minha raiva para empurrá-lo para baixo. "Quão ruim isso chegou?", perguntei , virando-me para olhar pela janela. Romeo ficou perto, perto o suficiente para que eu pudesse sentir o calor de sua estrutura, mas ele não me tocou. "Quão ruins são suas dívidas?" "Eu não sei", respondeu ela. "Ele está chateado com a gente porque nós dissemos a ele que não lhe daríamos mais dinheiro, que não íamos afiançá-lo desta vez. Não podemos continuar a arranjar desculpas para o nosso filho. Não podemos continuar a protegê-lo dessa maneira." "Bem, ele deve o suficiente para que os homens estejam nos seguindo", disse Romeo. "O quê!", disse minha vó e saltou em seus pés. "Eles vêem um pagamento fácil porque eu acabei de assinar com a NFL." Vovó ficou fora de si, fazendo perguntas, e eu ouvi o som da voz de Romeo respondendo, mas eu parei de ouvir. Eu estava tão exausta. Minha mente estava girando, e a dor que eu sentia ameaçava me estrangular. Depois de alguns momentos, minha raiva obteve o melhor de mim. "Você vai mentir para papai novamente quando eles vierem atrás de mim?" Vovó engasgou . "Não fale assim!" Doía dizer as palavras, mas sempre dizem que a verdade dói. Meu corpo pareceu escorrer todo de uma vez. Olhei para Romeo e ele estendeu seu braço. Eu caí contra seu peito com um suspiro. "Vou ligar para seu avô. Sentem. Nós vamos resolver isso. Sem mais mentiras." "Eu não posso", eu sussurrei e recuei. "Eu preciso pensar. Eu preciso de alguma distância." Romeo passou o braço em volta de mim. "Nós vamos conseguir um hotel."


"Vocês podem ficar aqui" vovó ofereceu. "Eu acho que é melhor não" Romeo disse, e eu poderia tê-lo beijado. Ele foi e pegou minha bolsa do lado do sofá e mudou-se de volta para o meu lado. "Vamos ligar quando estivermos instalados." Os olhos de Vovó estava a segundos de derramar um balde de lágrimas não derramadas. Eu não poderia estar aqui quando elas finalmente transbordassem. "Rimmel", ela gritou quando nós abrimos a porta. Voltei-me , e ela correu para a frente e me envolveu em um abraço. Fechei os olhos contra as emoções me bombeando. "Tudo que eu fiz foi para protegê-la. Por favor, lembre-se disso. Eu te amo" ela sussurrou. Eu me afastei e saí. Eu estava ciente de que ela estava nos assistindo todo o caminho para o carro e como Romeo saiu da entrada de automóveis. Quando ele dirigiu longe o suficiente para que a casa estivesse fora de vista, ele olhou para mim. "Para onde?" Eu olhei para fora da janela, mal vendo o sol brilhante ou o céu azul claro. "Qualquer lugar, exceto aqui."


CAPITULO trinta e oito

Você preferiria que lhe contassem uma mentira bonita ou uma verdade feia? #CoisasQueFazemVocêFicarHmm ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Rimmel agora tinha respostas. Provavelmente mais informações do que ela nem mesmo queria. Parte de mim estava além de lívido que minha mãe colocou tudo isso em movimento. E a outra parte de mim estava feliz que ela finalmente sabia a verdade. Eu dirigi a um hotel local, um dos mais bonitos que passamos. Rimmel sentou-se em uma cadeira no hall de entrada, parecendo pequena e frágil, enquanto eu reservava para nós um quarto na recepção. A senhora tentou me paquerar. Normalmente, eu teria evitado isso habilmente, com charme, e elas não iriam nem perceber que eu estava rejeitando suas tentativas. Hoje não. Pela primeira vez na história, a atenção que eu atraía parecia ser um incômodo. Eu sabia que aquela mulher viu Rimmel sentada lá. Nós tínhamos entrado juntos no hotel. Eu não sei o que havia com Rim (seu tamanho, talvez) que fazia as pessoas pensarem que poderiam ignorá-la ou,


de alguma maneira, empurrá-la de lado, mas isso estava seriamente começando a queimar minha bunda. Quando ela me entregou o cartão-chave e tentou me escorregar seu número, me deu um estalo. Debrucei-me sobre o balcão como se eu fosse pegá-lo. Um brilho veio aos olhos da mulher e eu sorri. "Guarde isso antes que você se envergonhe", eu disse baixo. "Essa menina sentada ali - você sabe, a que parece que já esteve em seus melhores dias?" Os olhos da mulher deslizaram para Rim e voltaram. Eu balancei a cabeça. "Sim, ela. Mesmo em seu pior dia, o que não é hoje, ela ainda seria cem vezes mais do que você nunca vai ser." Os olhos azuis da mulher se arregalaram e sua de boca abriu ligeiramente. "Cuidado", murmurei e empurrei para fora do balcão. "Você vai pegar uma mosca." Eu passeei para longe, e mesmo que eu tivesse apenas agindo como um idiota, eu me senti um pouco mais leve. Eu estava com tanta raiva interior que liberando mesmo um pouco de vapor foi um alívio. Não, não era culpa daquela loira, mas ela era a pessoa azarada que eu coloquei os olhos em primeiro lugar. "Vamos lá, baby", eu disse calmamente quando eu cheguei a Rimmel . Ela estava descansando o queixo na palma da mão e olhando para seu colo. Ela nem sequer tinha ouvido minha troca com a recepcionista. Enrolei minha mão em torno da parte superior de seu braço, e a ajudei a se levantar antes de pegar nossas bolsas e alcançar sua mão. "Este lugar tem serviço de quarto. Eu tenho um cardápio. Que tal um filme, um pouco de comida, e um chuveiro quente?" Eu perguntei, uma vez que estávamos no elevador. "Substitua a comida por braços e você tem um negócio." "Meus braços são um fato óbvio" eu disse e os envolvi em torno dela só para provar meu ponto. O suspiro dela me apertou por dentro por muitas razões.


Eu era o seu lugar macio para cair. Eu era a sua força naquele momento. Eu era o seu conforto. E o som que ela acabou de fazer, me deixou totalmente semi duro. O elevador apitou, e eu disse a meu pau para tomar um comprimido frio enquanto eu a levava para o corredor silencioso. O tapete era verde escuro com flores por todo o lado, que achei que era terrível, mas era limpo e macio, então eu apenas ignorei o modelo e a cor. Ao longo das paredes pintadas de branco, ficavam arandelas a cada poucos metros que refletiam o brilho suave nas paredes e no corredor. As portas eram todas de madeira muito escuras com placas de ouro no centro mostrando os números dos quartos. Quando chegamos à porta, segurei-a aberta e Rimmel entrou antes de mim. Nós entramos em uma pequena área de estar, com uma pequena cozinha à nossa direita. À esquerda, havia um sofá, uma cadeira pequena e uma televisão colocada na estante grande. Contra a parede mais distante, havia uma janela com cortinas de hotel padrão desenhadas contra o sol. Graças a Deus, o tapete não era o mesmo aqui dentro, como era no corredor. Em vez disso, era uma cor neutra, que me fazia lembrar de areia. As paredes eram pintadas de branco, e o sofá combinava com o tapete. Mas em qualquer outro lugar ao redor da sala havia bolinhas de azul e azulpetróleo, dando à sala um alargamento praiano. Rimmel se aproximou e abriu as cortinas. A partir daqui, eu vi o topo de uma palmeira balançando na brisa. Perto da quitinete ficava a porta que levava para o quarto com uma cama king-size. Isto foi feito nas mesmas cores como na sala de estar, com a sua própria tv de tela plana de frente para a cama. O banheiro era fora do quarto, e era bom, com armários de madeira, granito de cor clara, uma única pia e um chuveiro com azulejos com uma porta de vidro. "Este lugar está bem?", perguntei, depois que ela apareceu, verificando tudo.


"Você poderia ter ido em algum lugar pior", disse ela. "Eu não teria me importado." Eu teria. Depois de tudo o que vi e ouvi hoje, eu queria mais do que nunca protegê-la e mimá-la. Eu sabia que ela nunca permitiria os mimos, de modo que eu tinha que fazê-lo enquanto eu podia. E enquanto ela estava muito chateada para apelar. "Eu acho que vou tomar um banho" ela disse. "Você se importa?" Eu balancei minha cabeça. "Eu vou pedir algum serviço de quarto. Estou faminto." "Tá." "O que você quer comer?" "Eu não estou com fome." "Você está certa. Bife soa bem." Um fantasma de um sorriso assombrou seu rosto. Eu sorri e caminhei até ela. Quando ela não olhou para cima, eu elevei seu queixo com as costas da minha mão. "Quando você estiver pronta para conversar, vamos conversar." "Eu não quero falar." Talvez ela não o fizesse agora. Mas ela faria. "Você ouviu tudo o que eu ouvi," ela explodiu. "Falar de uma família ferrada. Eu não sei como me sentir. Irritada ou agradecida!" "Agradecida?" Eu ecoei surpreso. "Agradecida que eles me protegeram disso enquanto puderam. Eu estava tão confusa por anos depois que minha mãe morreu. Eu dei minha virgindade para alguém que nem sequer gostava de mim." Meus dentes de trás bateram juntos. Somente o pensamento naquele pervertido que se aproveitou dela fez-me querer bater em alguma coisa. Seus olhos cor de avelã, que eram um caloroso tom de mel no momento, olharam para mim, abertos e sombrios. "Você pode imaginar o que eu teria feito se soubesse todo o resto que estava acontecendo naquela época?"


"Eu honestamente acredito que você teria encontrado o seu caminho para a garota que você é agora, independentemente", eu sussurrei. Ela inclinou a cabeça contra meu peito e gemeu. "Como posso perdoá-lo por isso?" Até aquele momento, eu tinha estado esfregando suas costas, mas suas palavras me fizeram parar. Eu sabia que ela quis dizer seu pai, e a verdade é que eu não tinha certeza que ela poderia. Ou deveria. "Eu não sei", eu finalmente respondi. Eu sei que eu tinha acabado de conhecer o homem, mas a minha antipatia percorreu todo o caminho para o meu centro. Eu sabia que ele estava doente, ele tinha um vício, mas porque eu nunca tinha lidado com qualquer coisa assim antes, eu não conseguia entender. Como podia um homem ir tão longe no caminho errado que custou a vida de sua esposa? E ainda mais, então como podia ele varrer a verdade debaixo do tapete e não lhe dar a justiça que ela merecia? Sim, isso foi feito por causa do amor por Rimmel... mas que simplesmente não era uma desculpa boa o suficiente para mim. Talvez porque eu estava de pé aqui, agora, segurando-a enquanto seu coração se despedaçou por causa de tudo o que ele tinha feito. Rimmel olhou para cima, os olhos lacrimejantes. “E se eu não puder perdoá-lo, Romeo?" A capacidade de Rimmel de perdoar e confiaria além de qualquer pessoa que eu já conheci. E eu disse isso a ela. Ela bufou. "Você está de brincadeira? Eu estive tão desconfiada de pessoas toda a minha vida que eu nunca deixei ninguém entrar." "Até eu." Meu peito inchou um pouco com orgulho. "Eu não queria deixá-lo entrar também." Eu coloquei uma mecha de cabelo atrás da orelha. "Mas você fez. E então você deixou Braeden entrar. E Missy e Ivy. Acho até que alguma parte de você perdoou minha mãe."


Ela começou a revirar os olhos e dar desculpas, mas eu peguei seu queixo e balancei minha cabeça. "Você deixa todos nós entrarmos e , baby , quando você faz isso, você o faz todo o caminho. Você não pode evitar. É apenas o jeito que você é." "Mas isso é diferente." "Você está certa. Isto é. Eu não sei se você vai ser capaz de perdoá-lo, mas eu sei que não há nada com que você precise se preocupar neste momento." Ela inspirou profundamente e ficou de costas. "Eu te amo." Essas três palavras nunca falharam em puxar meu peito. "Eu também te amo." Eu a vi trancar-se no banheiro com sua sacola cheia de produtos de higiene pessoal, e só quando ouvi o barulho do chuveiro soltei um suspiro de frustração. Eu estava chateado pra caralho. Acontece que o meu momento imbecil na recepção não tinha ajudado a dissipar qualquer da minha raiva. Tipo de jeito nenhum. Eu me sentia como uma panela de água fervente , borbulhando e cozinhando com tanta força que a tampa estava ameaçando explodir direto pra fora. Eu não esperava tudo isso quando nós embarcamos no avião. Eu esperava que o pai dela confessasse ter cometido alguns erros, ter um problema com o jogo, e lançar uma coisa toda sobre como ele se sentia culpado pela morte de sua esposa. Eu realmente não esperava que ele fosse, na verdade, culpado. Claro, ele não era a pessoa que fisicamente a matou. Mas ele poderia muito bem ter sido. E Rimmel tinha que viver com isso. Ela tinha que viver com as mentiras com que ela tinha sido alimentada em tão tenra idade. O que totalmente fundiu minha mente mais do que qualquer outra coisa era que a avó jurou que eles fizeram de tudo para proteger Rimmel, mas em sua


tentativa de protegê-la, eles essencialmente a deixaram se debatendo ao longo da vida no escuro. Então, o que ela fez? Ela cometeu alguns erros, alguns muito caros. E então ela retirou-se para si mesma. Ela retirou-se para um lugar onde ela só queria ser invisível. Mas no último semestre, as coisas mudaram para ela. E elas mudaram para mim. Ela saiu de sua casca, mas permaneceu fiel à pessoa que ela queria ser. E agora eles estão aqui, mais uma vez, jogando-a de volta para a escuridão. Eu não teria. Rimmel não existiria em um mundo de segredos e mentiras. Rimmel era luz e verdade. Sua família não a tinha protegido. Mas eu o faria. Andei em toda a sala e tirei meu celular e disparei um texto rápido para Braeden. PRECISO DE VOCÊ MAIS CEDO Sua resposta foi instantânea. BASTA DIZER A PALAVRA Ele nem sabia tudo o que estava acontecendo, ainda assim ele estaria aqui. Isso era família. Isso era o que era estar lá um para o outro. Depois que eu pedi o serviço de quarto, eu conectei meu laptop no wi-fi do hotel e procurei por um lugar para alugar para férias de primavera. Levou algumas tentativas para encontrar algo disponível, e acabou sendo uma casa um tanto quanto maior do que precisávamos, mas eu reservei, de qualquer maneira.


Precisávamos de um período de férias. Uma fuga de todo aquele maldito drama. O chuveiro desligou, mas Rimmel não saiu imediatamente. Eu escutei por qualquer som de choro abafado, mas não ouvi nenhum, mas isso realmente não me deixou menos irritado. Incapaz de sentar-me por mais tempo, eu me levantei e rondei ao redor da sala. Eu assisti as pessoas fora da janela e liguei a TV na sala de estar em algum filme antigo. Quando a porta do banheiro se abriu, eu estava no outro quarto, olhando para as palmeiras. "Romeo?" Sua voz era suave, quase como um sussurro. Ela estava em pé na porta do quarto, com nada além de uma toalha enrolada em torno de seu corpo. Seu cabelo estava escovado para fora e caía de costas como uma cachoeira escura, fazendo meus dedos coçarem para correr através de sua suavidade. "Você está com raiva", disse ela. "Eu posso sentir isso vibrando de fora de você e enchendo o quarto." Eu me senti mal que ela sabia como eu estava puto, mas a energia não mentia, e eu só podia prendê-la em tanto tempo. "Sim." Eu reconheci a verdade. "É comigo que você está irritado?" A hesitação e os nervos que suas palavras tinham atado me girando em torno da janela. Fechei a distância entre nós rapidamente e segurei-a pelos ombros. "Por que eu deveria ficar com raiva de você?" "Por te arrastar nesta confusão. Se não fosse por mim, você não teria agiotas gananciosos, perigosos, te seguindo, bisbilhotando sua carreira e ameaçando arruinar com tudo o que você teve que trabalhar tão duro." Eu joguei minha cabeça para trás e ri. "Você acha que isso é sobre a minha carreira?" "Ela já foi quase arruinada uma vez por minha causa. Se isso escapasse, chantagem, jogos de azar, e Deus sabe mais o quê, você seria jogado para fora da NFL." "Você está certa. Estou chateado." Eu caminhei para longe dela. Ouvi-a engolir até mesmo através do quarto.


"Estou chateado que você está sendo ameaçada. Eu estou chateado que ninguém - nem mesmo seu próprio pai – teve coragem suficiente de levantar você. De lutar por você." "Mas," ela começou. "Você não entendeu ainda?" Eu cortei. Minhas palavras saíram mais duras do que eu pretendia. Mas a emoção estava tão entupida por dentro de mim que não havia outra maneira de falar daquilo. "Você é minha uma vez na vida. Não o futebol. Não é a NFL. Não o dinheiro. Você. Eu poderia – eu iria – me afastar de tudo e de todos. Mas não de você." Eu me aproximei através da sala e peguei seu rosto em minhas mãos. "Nunca de você", eu sussurrei. "Romeo". Eu fundi nossas bocas juntas, nunca quebrando o contato por um segundo sequer , a fricção de nossos lábios criando uma eletricidade que deslizou pela minha espinha e vibrou as bolas de meus pés. Rimmel se rendeu ao meu toque e à sensação latejante entre nós, e suas mãos enrolaram em volta dos meus pulsos, agarrando-se a mim. De repente, toda a raiva me comendo por dentro se transformou em paixão dura, o tipo que nenhum de nós podia negar. Sua pele ainda estava macia e úmida do chuveiro, quando minhas mãos deixaram seu rosto e deslizaram por cima de seus ombros. A toalha em torno dela estava amarrada em um pequeno nó bem acima dos seios. Meus dedos a agarraram, desesperados para tirá-la. Mas eu parei. Eu rasguei minha boca longe e olhei em seus olhos. "Diga que sim, baby." "Sim." Joguei a toalha no chão e puxei seus quadris para trazê-la contra o meu corpo. Meu pau já estava tão duro que doía e eu empurrei meus quadris para ela enquanto nós nos beijamos.


Suas mãos eram ágeis quando deslizaram por baixo da barra da minha camiseta e acariciaram meu estômago. Eu senti meus músculos empurrarem em resposta porque minha pele estava tão sensibilizada naquele momento que eu estava com medo que se ela continuasse a me tocar, eu gozaria nas calças. Eu me afastei, e seu peito arfante só atraiu meus olhos para baixo para seus mamilos enrugados quando eles pediram para a minha atenção. Eu espalmei as costas da minha camiseta e rasguei-a sobre a minha cabeça e a deixei se juntar à toalha dela. Eu consegui desabotoar o botão do meu jeans antes que ela viesse para mim, e a levantei até que suas pernas estavam em volta da minha cintura. Eu me virei e a prendi contra a parede. Como se seu corpo soubesse exatamente o que eu faria a seguir, ela se arqueou para trás e minha boca desceu sobre um de seus seios. Eu chupei a carne sedosa em minha boca. enquanto um gemido vibrava em minha garganta. Rimmel cravou as mãos no meu cabelo e segurou minha cabeça em seu peito enquanto eu beijava e chupava até que ela estava balançando seu núcleo contra o meu estômago. Quando ela não aguentava mais, Rimmel puxou meu cabelo assim que minha cabeça surgiu, e seus dentes pegaram meu lábio inferior. Eu me afastei da parede e a levei para a cama onde eu a coloquei no meio. A pequena megera não ficou onde a coloquei, porém, e ela saltou para cima e estendeu a mão para o cós da minha calça jeans. Eu a ajudei a retirá-los, e ela lambeu seus lábios quando meu pau duro como pedra estava finalmente livre. Eu queria empurrá-la de volta na cama e levá-la profundamente e com força. Mas ela tinha outras ideias. Sua mão agarrou o comprimento do meu eixo e o bombeou. Uma vez. Duas vezes. Então ela deitou em sua barriga, apoiou-se em seus cotovelos, e me levou profundamente em sua boca. A ponta do meu pau bateu no fundo de sua garganta, e ela ronronou. A vibração era como uma espécie de viagem momentânea para o céu, e eu gemi. Olhei para baixo quando ela começou a trabalhar no meu pau, e tudo que eu podia ver era o seu delicioso traseiro nu em plena exibição. Eu admirei a forma como sua cintura estreita se afunilava em quadris


suavemente curvos e davam lugar a sua bunda pequena, arredondada. Não havia uma mancha em sua pele cremosa, e eu comecei a alcançar a palma em uma daquelas bochechas, mas ela fez aquela coisa com sua língua… Meus olhos rolaram de volta na minha cabeça. Ela deve ter sabido que eu estava prestes a gozar porque ela soltou meu pau e apertou-se contra minha barriga enquanto ela gentilmente sugava e beijava minhas bolas. Eu peguei a parte de trás de sua cabeça e a guiei ao redor até que ela lambeu e beijou cada polegada. Bem quando ela estava prestes a tomar o meu comprimento latejante em sua boca novamente, eu recuei, negando. Ela olhou para mim, seu rosto ainda perigosamente perto da minha cabeça inchada. Num rápido movimento, eu pulei na cama, montando seu corpo nu, e deixando a parte inferior do meu comprimento duro esfregar contra suas costas enquanto eu massageava seus ombros. Seu corpo ficou flexível sob o meu toque, e eu me mudei para baixo , então eu estava amassando as bochechas nuas de sua bunda e abrindo suas coxas , então eu podia ver seu centro molhado e pronto. Seu botão já estava inchado e brilhante, chamando meu nome. Dei pancadinhas com um dedo sobre ele, e ela estremeceu. Então eu fiz isso de novo e de novo. Por reflexo, suas coxas saltaram abertas mais longe a cada provocação até que eu fui capaz de me encaixar entre elas e mergulhar. Ela engasgou quando minha boca bateu nela deste ângulo. Eu nunca tinha feito isso com ela por trás. Mas, a julgar pela forma como ela levantou a bundinha no ar e se empurrou para mim, eu diria que ela gostou. Eu a provei e chupei seu clitóris ansioso até que seus joelhos estavam tremendo e ela não conseguia segurar os quadris mais longe. Eu recuei e a virei. As bochechas de Rimmel estavam vermelhas, os lábios inchados, e seu cabelo caía sobre a extremidade da cama e arrastava em direção ao chão. "Romeo, por favor", ela murmurou e mexeu os quadris. Eu mergulhei nela sem aviso, levando-a duro e profundo, assim como eu desejava. A posse total que eu senti naquele momento foi incomparável a qualquer coisa que eu já conheci.


Eu descansei meu peso em meu antebraço bom e cotovelo e usei a mão livre para acariciar sua bochecha. Nos tocamos dos pés à cabeça enquanto eu balançava repetidas vezes. Eu sabia que ela estava perto porque ela inclinou a cabeça para trás e seu peito se arqueou no meu. Eu enterrei meu rosto em seu pescoço enquanto eu bati nela uma última vez. Nós caímos juntos. Nós dois perdidos no mesmo mundo de pura felicidade. Eu não sei quanto tempo durou, só que isso era tão completo que o tempo não importava. Meu coração ainda estava batendo quando eu me obriguei a sair dela para que ela fosse capaz de respirar e desabei direto sobre o colchão ao seu lado. "Eu precisava disso." Ela suspirou. Eu ri. " Aquilo ali foi uma boa de uma merda." "Amém", ela respondeu , e eu rimais uma vez. Houve uma batida forte na porta, e a pessoa do outro lado gritou: "Serviço de quarto!" Eu tinha esquecido sobre a comida. "Espera aí!" Eu gritei e pulei para agarrar um par de shorts de basquete fora da minha mala e os coloquei. Rimmel riu e correu para o banheiro para se esconder. "Obtenha sua bunda sexy, nua, aqui, mulher!" Eu gritei quando o garçom se foi. Ela saiu vestindo os óculos e uma das minhas camisetas. Não estava nua, mas certo como o inferno, iria ficar. "Pode atacar", eu disse a ela, dando-lhe um beijo de passagem no meu caminho para me lavar. Quando eu terminei, eu inalei meu bife, batatas e salada. Então eu comi algum camarão. Rimmel comeu, mas não tanto quanto eu queria. Mas eu mantive minha boca fechada, porque eu atormentando-a para comer não iria fazê-la se sentir melhor.


Eu descobri que ela comia mais quando eu a alimentava com camarão descascado direito dos meus dedos. Ela era mimada. Quando terminou de comer, ela foi para a máquina de café na cozinha, e logo o cheiro ousado de café sendo preparado encheu o quarto. "Está se sentindo melhor?" Corri meus dedos através de seu cabelo quando ela pulou no meu colo. Ela assentiu com a cabeça. "Você está?" "Como eu poderia não estar?" Eu lhe dei um dos meus melhores sorrisos. "Podemos apenas ficar aqui o resto da noite? Café e TV no quarto?" Sua voz era melancólica. "Soa como um plano para mim." Nenhum de nós se moveu. O café ainda estava sendo preparado, por isso não havia nenhum ponto em se levantar até que terminasse e ela pudesse servir uma xícara. "Eu estou indo para a polícia." Suas palavras eram uma bomba para o bom humor de sexo e bife que eu tinha tido. "Você vai entregar o seu pai?" "É a única maneira." Sua voz estava meio que estável, por isso era difícil saber o que ela estava sentindo. "A única maneira para quê?" Ela sentou-se e olhou para mim. "Ter certeza de que isso não te machuca." Eu xinguei. "Eu lhe disse para não se preocupar comigo." "Eu não me preocupar com você é como você não se preocupar comigo." "Você não seja atrevida comigo, Smalls" eu avisei.


"Se eu for para a polícia e lhes disser tudo, eles podem encontrar o homem que tem te seguindo e quem me ameaçou . Eles podem fechar o círculo inteiro seja do que for." "E o seu pai?", eu perguntei suavemente. "Ele não é inocente em tudo isso." Seus dentes afundaram em seu lábio inferior. "Eu sei. Ele provavelmente vai ficar em apuros. E muito. Mas talvez ele consiga alguma ajuda também. Talvez, assumir finalmente a todos os seus erros vá ajudá-lo a se curar." " E quanto a você ? " Eu peguei sua mão e dei um beijo na parte de trás. "E quanto a mim?" "Como você vai se sentir sabendo que você é a razão da prisão de seu pai?" "Eu não sou a razão. Suas ações são a razão. Sua consequência sou eu tentando corrigir tudo." Eu sorri. "Você é muito sabida." Sua feroz necessidade de me proteger nunca deixava de me surpreender, embora eu sentisse o mesmo sobre ela. Estar no lado do recebimento deste tipo de amor era algo que eu nunca pensei que eu iria experimentar. "Contanto que você esteja ok, eu também estarei." Ela respirou fundo e assentiu. "Eu vou ligar para eles." Ela começou a se levantar, mas eu a puxei de volta para baixo. "Se você quiser ligar para a polícia, eu não vou te parar. Inferno, eu pessoalmente acho que é uma boa ideia." "Mas?" "Mas durma primeiro. Você pode se sentir de forma diferente na parte da manhã." E se você decidir não fazer isso, eu vou entender. Eu não vou fazer você escolher entre seu pai e eu. Ela inclinou a cabeça para o lado e olhou para mim. "Ok. A primeira coisa na parte da manhã."


"Boa. Agora vá buscar sua cafeína para que eu possa ter você na cama." Ela sorriu um sorriso mais leve do que eu a tinha visto usar por um bom tempo. "Só em saber que há uma solução para tudo isso, uma luz no fim do túnel, me faz sentir muito melhor. A polícia vai saber o que fazer. É o seu trabalho." Eu a assisti pular dentro da kitchenette para o café. Eu não lhe disse que eu não achava que ia ser assim tão fácil. Eu a deixei ter alguma pequena quantidade de paz que podia. Mas eu? Eu sabia que ia ser um inferno muito mais difícil do que ela imaginava.


CAPITULO trinta e nove

#EstamosFerrados Uma invasão de residência ocorre a cada trinta segundos. ...AlphaBuzzFeed

R IMMEL O café não me manteve acordada. A última coisa que eu lembrava era de me aconchegar perto de Romeo no centro da cama king-size, embalando a caneca morna, e colocando minha bochecha contra ele. Ele ligou a tv em um filme, mas eu não poderia dizer o título. Eu estava muito perdida na minha própria cabeça com os meus próprios pensamentos, e com o conforto que eu recebia do homem tão perto de mim. De uma forma estranha, sua raiva me fez sentir melhor. Não que eu quisesse que ele fosse tão torcido por dentro, mas porque ninguém nunca tinha ficado tão irritado em meu nome. Nem meu pai. Nem meus avós. Minha mãe ficaria, mas ela não estava aqui. Quando seus olhos azuis vívidos focaram em mim e ouvi a ferocidade com que ele disse que ele lutaria para mim e estava com raiva por mim, a vida que eu pensei que estava desmoronando em torno de meus pés de repente não parecia tão desolada.


Eu sabia que Romeo não poderia ser minha muleta. Eu sabia que precisava encontrar outras maneiras de passar através de tudo isso do que apenas me apoiando nele. E eu o faria. Eu era forte. Mais forte do que eu jamais imaginei. Mas com certeza ajudou que eu não estava sozinha. Quando acordei, o quarto estava escuro, a TV estava desligada, e não havia um toque de luz nas brechas debaixo das cortinas. A caneca de café se foi, e eu assumi que Romeo a pegou antes que eu pudesse jogá-la em todos os lugares, porque a cama estava seca e nós também. Sua respiração era estável; seu batimento cardíaco estava certo e forte debaixo da minha orelha. Eu empurrei um pouco mais perto contra ele e fechei meus olhos para que o sono pudesse me reivindicar mais uma vez, antes que a realidade se intrometesse no conforto sonolento Eu aproveitei. Mas não eram os meus pensamentos que interferiam. Era um som. Ouvi atentamente, tentando descobrir de onde ele estava vindo e o que era exatamente. Era como uma espécie de briga ou um raspar abafado. Mas então parou. Fiquei ali ouvindo atentamente por alguns minutos, e quando nenhum outro som veio, eu disse a mim mesma que eu estava sendo boba. Era provável que fosse a pessoa no quarto ao lado do nosso entrando ou saindo do seu quarto. Hotéis estavam sujeitos a ter ruídos, e nenhum deles iriam soar familiar para mim. Isso fazia muito sentido. Então, por que de repente eu me sentia tão assustada? Era como o dia em que eu tinha estado no banheiro do dormitório e pensei que eu estava sozinha... mas eu não estava. O pensamento era muito perturbador, e eu abri os olhos. A escuridão foi invadida por uma lasca de luz suave. Eu levantei minha cabeça muito levemente para olhar para a sala de estar. Um feixe de


luz dourada do corredor esticava através do carpete. Estava ali e se foi tão rápido que eu me perguntei se eu estava vendo coisas. Pela maneira que a adrenalina percorreu minha corrente sanguínea e a batida do meu coração galopou contra minhas costelas, eu sabia que não era minha imaginação. Era real. Alguém estava nesta sala. Alguém que não tinha vindo para nos trazer chá e biscoitos. Engoli em seco e deslizei minha mão em torno da cintura de Romeo e tentei sinalizar para ele acordar, tocando contra o seu lado. Eu tinha medo de chamar o seu nome e alertar quem estivesse aqui que eu não estava dormindo. Mas o tempo não estava do meu lado, e eu deitei lá, tentando desesperadamente pensar em algum plano incrível para ser mais esperta que esta pessoa. Eu dei um tapinha em Romeo de novo, mais forte e mais ferozmente do que antes. Eu o senti empurrar acordado, e eu apertei seu lado. "Qual é o problema?", ele perguntou, e eu me encolhi. Tanta coisa para ficar quieta. E tanto para um plano incrivelmente inteligente. Houve um barulho – certo, muito menos abafado - e Romeo entendeu imediatamente porque eu o acordei. "O que-" ele começou, a qualidade de sonolento em sua voz evaporando instantaneamente. Mas ele não terminou a frase. No mesmo momento, dois homens entraram correndo no quarto. Uma mão enrolou no meu tornozelo nu, o que eu tinha jogado por cima do edredom em meu sono. (Nota: se isso não fosse uma lição a respeito de porque você deve sempre dormir com tampões nos ouvidos, então eu não sei o que era.) Tudo aconteceu de uma vez. Eu gritei, e Romeo deu uma guinada para cima.


Uma luz acendeu. Eu fui arrancada dos braços de Romeo, fora do conforto da cama, e fui brutalmente arrastada para baixo do colchão até que não havia nenhuma cama à esquerda em tudo. No último segundo, eu lutei para os cobertores, a borda do colchão, qualquer coisa que me impedisse de ser puxada mais longe. Mas foi inútil. Minhas mãos subiram vazias, e com um último grande puxão, eu fui puxada completamente fora da cama e mergulhei em direção ao chão. Não foi uma queda distante. Mas isso não significava que não doesse. Eu aterrissei como o cisne mais sem graça que já viveu. Como alguém que acabou de realizar o maior fiasco de barriga na história de fiascos de barriga. Eu teria batido meu rosto se eu não tivesse reflexivamente trazido meus braços para protegê-lo. Eu estava feliz que eu não estava usando meus óculos, porque eles poderiam ter cortado meu rosto com tal batida. "Rimmel!" Romeo rugiu quando eu lancei em minhas costas e chutei o homem que ainda estava segurando meu tornozelo. Meu pé finalmente conectou com algo macio, e o homem amaldiçoou e afrouxou o aperto suficiente para que eu pudesse puxar para longe. Romeo pareceu se materializar em cima de mim, literalmente, lançando-se ao largo da cama como um aríete. Ele bateu no homem que me puxou para fora da cama, e os dois colidiram, indo para baixo em um amontoado. Romeo recuou o punho para bater no homem que ele aterrissou e aplicou alguns golpes sólidos antes que o segundo homem o puxasse para longe de seu parceiro. Mas Romeo não ficou por baixo. Ele se levantou e foi no segundo homem, enquanto aquele que me agarrou embalava seu rosto ferido.


Romeo foi treinado como um atleta - ele era um atleta. E suas habilidades de futebol bateram. Ele passou em baixo e pegou o homem em torno dos quadris, e a força por trás de sua pancada enviou os dois homens para a sala de estar, fora de vista. Pânico como nenhum outro agarrou-me quando Romeo mudou-se para fora da sala. Eu não estava com medo por mim. Eu estava com medo por ele. Eu não tinha ideia de quem eram estes homens ou o que eles procuravam. Eles poderiam ter uma arma. Ele poderia ser baleado. O pensamento me enviou subindo do chão enquanto eu ignorava a dor que irradiava através do meu corpo. Eu não tinha tempo para a dor. Eu corri para a frente, mas o homem no chão me pegou em torno dos joelhos. Eu comecei a balançar os punhos para baixo para fazer algum dano eu mesma, mas não parecia funcionar. Antes que qualquer dano pudesse ser feito em tudo(exceto para o meu orgulho), ele se levantou e arrastou meu corpo de volta contra o seu. Eu senti a borda fria, afiada de uma lâmina pressionada contra a minha garganta, e minha luta parou. "Eu devia fatiar você agora", ele rosnou no meu ouvido. Na outra sala, os sons de móveis virando e a quebra de vidro eram mais alarmantes do que a faca na minha garganta. "Vá em frente", eu desafiei e levantei meu queixo para ainda mais acesso à minha garganta. Dentro, eu estava gritando para mim mesma por ser tão louca. Mas, externamente, alguém estava assumindo. Alguém que ia chamar isso de blefe do cara. "Faça. Algo me diz que se você não fizer, você não vai conseguir o que quer que você veio aqui buscar." Ele não disse nada, mas ele não me deixou ir. Ele me rebocou para o outro quarto, mantendo a faca contra minha carne. O quarto estava uma bagunça de onde eu podia ver. O abajur no canto tinha caído e se espatifou. A única luz que tínhamos era a do quarto. As almofadas no sofá estavam por toda a sala, a mesa de café estava virada,


e Romeo estava em cima do intruso e em movimento para entregar outro soco. "Solta ele ou eu vou fazer esta aqui um shish kebob* (*espetos de pedaços de carne, intercalados com pedaços de vegetais; espetinhos, aqui no Brasil)" o homem me segurando gritou. Senti-me ridícula e fraca naquele momento. Aqui estava Romeo chutando a bunda, e eu estava ali com uma faca na minha garganta. Se eu não tivesse sido tão fácil de capturar, Romeo provavelmente poderia ter nocauteado um cara, e vindo para o outro. Eu não era nada além de uma responsabilidade. Rezei para Deus que isso não nos matasse. Romeo deixou cair o braço e olhou por cima de seu ombro. Quando ele viu a posição em que eu estava, seus olhos se estreitaram. "Tire suas mãos dela." "Pra cima", o homem me segurando ordenou. O homem sob Romeo começou a lutar para se levantar, e um músculo se apertou em sua mandíbula. Apesar de ver o desejo de socar e lutar, Romeo levantou-se, dobrando seu corpo então ele estava de costas para ninguém. O homem no chão se levantou. Ele tinha um lábio arrebentado e um corte em sua bochecha. Assim que ficou de pé, ele arou o punho no seu meio. Eu gritei, e Romeo inclinou um pouco a partir da força do golpe. Dane-se a faca. Eu comecei a lutar, chutando minhas pernas e beliscando o homem que me detinha com as minhas mãos. "Fique quieta, cadela." "Foda-se!" Eu gritei e lutei mais duro. A faca perfurou minha pele, e eu gritei. A sensação de calor do sangue escorrendo pelo meu pescoço me assustou. "Oh porra, não!" Romeo rugiu e pulou para nós. O homem que lhe deu um soco, agarrou-o e rebocou de volta.


"Eu não iria se eu fosse você." O distinto som de uma arma sendo desenhado mudou a dinâmica de todo o quarto. "Esta arma irá fazer essa ferida de faca parecer um arranhão" entoou. "Você tem uma arma?" Romeo cuspiu. "Por que diabos você não sacou para fora quando eu estava batendo em vocês?" "Porque nós precisamos de você vivo", ele respondeu. "Por enquanto. Mas ela? Sua vida não é tão importante, no momento." Então agora eu tinha uma arma e uma faca apontadas para mim. Oh, momentos de diversão. Romeo levantou as mãos em sinal de rendição. Seu rosto estava escuro com raiva, mas eu também vi derrota. Ele não faria nada que me colocaria em perigo. Incluindo salvar a si mesmo. "Pare de apontar isso para ela", disse ele asperamente. O homem com a arma olhou para ele com um sorriso. "Você está me dando ordens?" "Eu estou supondo que se você não me quer morto, isso significa que você quer alguma coisa de mim. Eu posso te dizer agora o caralho mesmo que você não vai conseguir merda, nem mesmo uma conversa, enquanto você estiver apontando uma arma para a minha menina." O atirador considerou aquilo e, em seguida, girou o tambor e o apontou para Romeo. "Não!" Eu gritei. "Aponte de volta para cá." O homem riu. "Ah, o amor dos jovens. Assim dispostos a morrer um pelo outro. " "Mantenha aqui", disse Romeo, sua voz. Ele bateu no peito dele. "Aqui mesmo." Quando a arma não se afastou ele, ele olhou por cima. "Largue a faca." "Não", disse o homem me segurando. "Solta. Isso. "Romeo rosnou. Ele riu.


O homem com a arma suspirou. "Basta afastar isso. Eu acho que nós temos a sua atenção." "Seja lá o que você diz", respondeu ele, e a faca contra a minha garganta foi puxada. Eu me afastei dele. Ele não me pegou de novo, mas ele ficou tão perto que eu podia sentir seu corpo contra o meu. Estremeci, porque era muito nojento. "O que você quer?", perguntou Romeo e se aproximou mais de mim. O atirador notou e exigiu que ele parasse. "Tanta coisa para ser um repórter" Romeo disse. Engoli em seco. Eu não tinha percebido isso em um primeiro momento com tudo acontecendo e o fato de que eu não estava usando meus óculos, mas o homem com a arma era o mesmo homem que eu vi no evento do abrigo, e o mesmo homem que Romeo disse que estava se passando por repórter. "Eu informo as coisas", defendeu. "Eu estive informando onde você tem estado por semanas." " Para quem?", perguntou Romeo. le deu de ombros. "Meu chefe." "Quem é seu chefe?" "Isso é com base na necessidade de saber. E você não precisa saber" disse o atirador e o número dois riu como se fosse uma piada engraçada. Ele era um cuzão. "Então me diga o que eu preciso saber", Romeo disse. "Meu chefe tem uma dívida de algum dinheiro, dinheiro que o fodido velho dela não pagou." Eu sabia que ia ser isso. Nós sabíamos. Ainda assim, era uma droga ouvir. Eu estava sendo atacada tal como a minha mãe tinha sido há tantos anos.


"Que porra é que isso tem a ver com ela? Vá conseguir isso com ele" disse Romeo, sem uma ponta de arrependimento em seu tom ao oferecer meu pai. "Nós poderíamos fazer isso", ele permitiu. "Mas tudo terminaria com ele sendo morto e meu chefe estando fora do dinheiro que é devido." "Talvez o seu patrão não devesse emprestar dinheiro a pessoas que não vão pagá-lo de volta." "Oh, ele vai pagar, assim como eles sempre fazem. Há sempre aquele ponto fraco na vida de alguém para fazer qualquer um pagar." E esse ponto fraco era eu. Eu ri. "Eu realmente não acho que meu pai se preocupa comigo agora. Ou qualquer coisa para esse assunto." "Não." O homem concordou. "Mas ele faz." Ele sorriu para Romeo. "Eu não tenho dinheiro" Romeo mentiu. Bem, na verdade , eu não sei se era uma mentira. Eu não tinha ideia de quanto dinheiro Romeo possuía. Eu sabia que ele não tinha sido pago ainda pelo seu contrato com a NFL, mas eu nunca perguntei a ele o quanto ele tinha pessoalmente. Eu não me importava. Os dois homens riram. "Você realmente acha que nós viríamos aqui desse jeito se não soubéssemos que você tinha dinheiro?" "Grande coisa." Romeo deu de ombros. "Então você bisbilhotou em torno do meu negócio. Você sabe que eu vou receber um grande pagamento pelo meu contrato com a NFL. Então você também deve saber que eu não tenho aquele dinheiro ainda." "Você pode conseguir", disse o cara. Claramente, ele não tinha ideia de como os negócios e contratos funcionavam. Ou talvez ele soubesse. Talvez fosse por isso que ele teve que usar ameaças para conseguir o que ele queria. Romeo riu. "Eu sou um novato. Eu não tenho acesso." "Nós o vimos sentado com Ron Gamble na outra noite. Sabemos que você é o seu novo menino de ouro. Consiga." Romeo balançou a cabeça.


A lógica e o pensamento racional nesta sala era fugaz. Estes homens eram claramente idiotas. Mas isso os tornava perigosos. Idiotas não se importavam como eles conseguiam o que queriam desde que conseguissem. "Quinhentos mil. Nós queremos isso amanhã à noite. Nós estaremos em contato com um lugar de encontro. Esteja lá com o dinheiro ou nós vamos matá-la." Raiva explodiu através de mim, e sem pensar, eu levantei meu pé e bati abaixo da canela do homem próximo e pisei em seu pé. Ele gritou de dor e se curvou para a frente. Eu lhe dei uma cotovelada na cara. Romeo pulou para mim, agarrando o meu braço e me empurrando para trás do seu corpo. Seu corpo estava tão tenso que eu estava com medo que ele fosse desabar a qualquer instante. "Merda", o atirador xingou. "Ela é uma maldita menina. Você é uma vergonha." O homem que deu uma cotovelada, rosnou e veio pra mim. Romeo o bloqueou. Com o punho. "Não se preocupe em chamar a polícia" disse o falso repórter com a arma, uma vez seu amigo caiu de bunda de novo. "Vamos saber, o acordo vai estar fora, e você vai estar olhando sobre o seu ombro, querendo saber como nós vamos matar vocês." "Você não pode nos matar!" Cuspi. "A polícia vai saber que foi você!" "Há um monte de maneiras de matar alguém. Acidente de carro. Overdose acidental. Envenenamento não detectado por monóxido de carbono. Muito destes acidentes são difíceis de provar como assassinato." Ele finalmente baixou a arma e caminhou mais perto em seu caminho até a porta. O bandido número um estava bem atrás dele. Ele parou perto de Romeo, que ficou tenso. "Imagine andar em um quarto e ficar se perguntando se o ar estava cheio de um gás inodoro que poderia matá-lo. Você mudou as baterias em seu detector de fumaça? Eram boas baterias ou ruins? E quanto à cerveja que você acabou de pedir no bar? Você desviou o olhar por um segundo?


Existe algo lá dentro que possivelmente mataria você? Viver apenas seria um tormento. Quando a morte finalmente chegar, será um alívio." Eu estava tremendo. A maneira como ele falou, tão indiferente sobre nossas mortes, fez minha pele rastejar. Era como se ele apenas não se preocupasse com a vida humana. Romeo o olhou bem nos olhos. "Se eu não pagar e você nos matar, seu chefe ainda vai estar sem o dinheiro que ele parece desesperadamente querer." O pistoleiro sorriu. "Nós não gostamos de matar pessoas. Nós somos gente paz e amor. É por isso que nós estamos lhes dando essa boa oportunidade para fazer as coisas direito. Mas nós só oferecemos uma chance. Depois disso, a perda é apenas considerada temporária. Mas a sua morte?", disse. "E a dela ?Bem, isso será para sempre." Os dois homens saíram do nosso quarto, fechando silenciosamente a porta atrás deles. Nós dois ficamos ali em silêncio, digerindo a merda que tinha acontecido. Com toda a honestidade, quando todas essas coisas com Zach estavam acontecendo, eu realmente nunca pensei que ele mataria ninguém. Eu nunca pensei que Romeo ou eu pudéssemos morrer. Mas esses homens... eles estavam totalmente em outra categoria. Eles não eram desequilibrados e instáveis como Zach. Eles estavam calmos e no controle. E neste momento, eles seguravam nossas vidas nas palmas das suas mãos.


CAPITULO quarenta

Você ainda está tentando descobrir quem eu sou? Boa sorte com isso. #IdentidadeSecreta ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Eu era um jogador. Alguém estava tentando jogar comigo. Ainda bem que eu era bom no jogo.


CAPITULO quarenta e UM

Não cutuque um urso com uma vara e depois se surpreenda quando ele te atacar. ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL Romeo se recuperou mais rápido do que eu. Era como se este ar de certeza, de saber, apoderou-se dele e era isso. Ele se virou para mim e estendeu a mão. Eu lhe dei a minha, e ele gentilmente me rebocou para o banheiro e acendeu a luz. Ele não disse nada quando ele me levantou e me sentou na bancada. Ele curvou um dedo embaixo do meu queixo e inclinou a cabeça para trás para lhe dar uma melhor visão do meu pescoço. Eu não tinha certeza se ainda estava sangrando. Eu não poderia dizer. Estava pegajoso, molhado e ardia. "Não parece muito profundo", disse ele e pegou água corrente sobre um pano branco limpo da prateleira próxima de roupas. Deixando a água a correr, ele limpou o sangue, lavou, e depois repetiu a ação várias vezes. "Eu estou realmente cansado de ver marcas em você, Smalls ", ele murmurou enquanto ele trabalhava. "Esta merda é suficiente para conduzir qualquer homem são a um assassinato." Eu deixei cair meu queixo para olhar. "Você não é nada como aqueles homens. Você não é nada como Zach ou mesmo o meu pai. Você é melhor


do que isso, Roman Anderson. Eu não quero nunca mais ouvir essas palavras fora de sua boca de novo." Um meio sorriso derrubou o canto de seu lábio." Isso é uma ordem?" "Oh sim" eu assegurei a ele. "E estou falando sério." Eu gostaria de ter um comentário melhor para gracejar de volta, mas não tinha . Suas palavras me assustaram. Eu nunca me perdoaria se ele fizesse algo que ele nunca poderia ter de volta porque ele pensou que era o que ele precisava fazer para me proteger. Ele empurrou meu queixo e continuou esfregando levemente. "Bem, então eu acho que é melhor obter um Band-Aid sobre este corte para que eu me lembre do quanto eu odeio isso". "É ruim?" Perguntei. "Nah. Mas é mais profundo do que eu pensava. Esse cara é um..." Eu empurrei meus dedos contra seus lábios para que ele não conseguisse terminar a frase. "Ele se foi." Romeo mordiscou meus dedos de brincadeira, e eu os empurrei de volta . Ele jogou o pano na pia e pegou minha mão, apertando um beijo nos mesmos dedos que ele tinha acabado de beliscar. Quando ele terminou, uma nota grave rastejou em seu tom. "Eles vão estar de volta." "Devemos chamar a polícia." "Eu não vou chamar os tiras." "O quê!" Eu gritei. Jurei quando tudo isso tivesse terminado, eu ia precisar de remédio para pressão arterial. "Você os ouviu. Não chame a polícia." "Então você vai fazer o que um bando de criminosos lhe diz para fazer!" "Eu não vou arriscar com você." Ele acariciou minha bochecha.


"Romeo. Você não pode estar falando sério. Você apenas planeja entregar mais de meio milhão de dólares para um bando de chantagistas assassinos?" Então eu fiz uma pausa. "Você tem meio milhão de dólares?" Ele riu. "Certeza que você quer saber?" Eu balancei a cabeça imediatamente. "Eu realmente não me importo quanto dinheiro você tem." "Eu sei, querida." Seus olhos aqueceram meu rosto como se o sol apenas estourasse através de uma nuvem escura. Ele levou um segundo para me beijar rapidamente. Quando ele se afastou, ele disse: "Eu nunca disse que eu ia entregar todo o dinheiro." "Eu acho que bater minha cabeça tem me confundido." Eu gemi. Ele estava falando em círculos, e eu realmente não tinha a energia para isso nesse momento. Seus olhos afiaram no meu rosto. "Você bateu sua cabeça? "Romeo mergulhou os dedos em meu couro cabeludo e começou a se mover ao redor como se procurasse um caroço. "Você está tonta? Desorientada?" Todos os vestígios da nossa conversa tinham ido embora. Seu único foco era eu. Eu agarrei seu pulso. "Eu não bati tão duro. Apenas me choquei quando eu caí da cama." Ele procurou meus olhos, certificando-se que eu estava falando a verdade. "Isso foi apenas uma pobre tentativa de uma piada." "Você está sangrando de novo", disse ele e começou a enxugar meu pescoço mais uma vez. Quando ele terminou, ele anunciou que tinha procurado em todas as coisas que o hotel deixava para os hóspedes e encontrou uma pequena caixa com duas ataduras dentro. Depois que uma foi aplicada, ele me levantou do balcão. "Então, você não vai pagar a eles?" "Inferno, não. Se eu pagar, não seria o fim. Se eles não nos matarem para amarrar pontas soltas, nos tornaríamos o seu brinquedo favorito. Eles nunca iam parar de tentar tirar dinheiro de mim, e se eu continuar a jogar na NFL, o meu salário só vai subir."


"Mas você não quer chamar a polícia?" "Um ringue de jogo clandestino? Um agiota com dinheiro e poder suficiente para que seus caras o encontrem todo o caminho até em Maryland, e então nos sigam de volta aqui? Estes não são criminosos de varejo, Rim. Esses caras provavelmente têm metade da força policial em seu bolso. Provavelmente porque eles ainda são capazes de operar." Engoli em seco. "Você acha que é por isso que eles deixaram a morte de minha mãe como não resolvida, porque os policiais na força fingiram?" "Eu não sei. Mas, francamente, depois de tudo, eu não afastaria isso." "Romeo?" Eu perguntei e mudei para me sentar ao lado da cama . Todas as almofadas estavam no chão de quando eu tentei mantê-las enquanto eu estava sendo puxada para fora. "Hmm?", ele disse, claramente perdido em pensamentos. "Você acha que os homens que estavam aqui esta noite são os mesmos homens que mataram minha mãe?" "Não", ele respondeu definitivamente. "Os homens que mataram sua mãe seriam mais velhos. Esses caras não parecem velhos o bastante. Eles teriam sido muito jovens todos esses anos atrás." "Você acha que o cara a quem meu pai deve o dinheiro é o mesmo cara de todos esses anos atrás?" Um olhar de nojo atravessou o rosto de Romeo, e isso me fez sentir vergonha. Eu sabia que ele me disse que eu não deveria ficar envergonhada pelas coisas que meu pai fez e não tinha nada a ver com quem eu era. Mas eu estava. Profundamente envergonhada. Romeo caiu na minha frente e colocou as mãos sobre os joelhos nus. "Eu realmente acho que não. O jogo é um vício, então eu acho que eu posso entender porque ele voltou para isso depois de todos esses anos, mesmo se isso foi o motivo pelo qual sua mãe morreu. Mas, para , em seguida, pedir emprestado dinheiro ao homem que a matou? Ninguém pode ser tão doente." "Eu acho que eu preciso vê-lo", eu anunciei.


Eu precisava de mais do que um encontro bêbado e mais verdade de seus lábios. "Vamos logo que o sol nascer." Romeo prometeu. Eu balancei a cabeça e toquei seu rosto . Ele não tinha marca nele, mas eu sabia que ele tinha tomado alguns socos. "Você está bem? Eles machucaram você? Como está o seu braço?" "Eu estou bem", ele me assegurou. "Eu tomo pancadas mais duras no campo." "Mas seu braço." Ele deu de ombros. "Eu provavelmente não deveria tê-lo usado para atirar alguns socos, mas não havia como evitar ou parar aquilo." "Você acha que você machucou de novo?" Eu mastiguei meu lábio inferior. "Eu realmente não sei, querida. Parece bem." "Talvez você devesse usar a tipoia hoje. Minimizar o movimento". Ele revirou os olhos e eu vi a negação em seus lábios quando ele olhou para mim. Mas então ele suspirou. E cedeu. "Se isso fizer você se sentir melhor." Eu sorri. Ele balançou a cabeça e se levantou. "Só para que fique claro, isso não significa que eu estou espancado." Eu sorri. "Talvez você devesse entregar seu cartão de homem." Eu estendi minha mão. "Eu vou precisar dizer a Braeden sobre isso." Ele gemeu. "Mulher, não me faça ir aí." Eu ri, e ele puxou a tipoia e a posicionou no lugar. "Eu poderia gostar se você viesse para cá." Surpreendeu-me que eu era capaz de brincar independentemente. Isto me deu esperança de que tudo ia ficar bem. "Baby, você sabe que eu iria. Mas eu não posso. Eu tenho que fazer alguns telefonemas. Merdas para fazer." Chamadas para fazer? Que tipo de chamadas?


Quando ele não entrou em detalhes, comecei a me preocupar. "Romeo?" Ele atravessou a sala, pegou seu celular no criado-mudo, e me beijou no topo da minha cabeça. "Eu vou apanhar a bagunça lá fora." "O que você vai fazer?", perguntei. "Cuidar disso." Isso não era uma resposta. Isso era apenas francamente assustador. "O que você vai fazer?" Eu repeti. Ele fingiu que não ouviu e caminhou para fora da sala. Ele não ia ligar para a polícia; ele disse isso. E ele não ia ligar para o banco; ele disse isso também. Então o que ele ia fazer?


CAPITULO quarenta e dois

#ReflexõesDeDeManhãCedo Eu poderia ser uma pessoa matinal. Se a manhã começasse ao meio dia. #PasseOCafé ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Eu fiz algumas chamadas. Em seguida, mais algumas. Eu estava ciente de Rimmel observando e imaginando. Eu não queria que ela se envolvesse. Talvez fosse coisa de macho. Talvez isso estivesse controlando. Talvez fosse eu sendo um idiota. Ou talvez fossem todos os itens acima. Mas eu a amava. Essa era a conclusão. Eu ia fazer o que fosse preciso para mantê-la segura e fora do caminho do mal. Alguém tinha que fazer. Bom Deus, essa garota era como um desastre ambulante. E eu pensei que sua falta de jeito fosse o pior risco para a sua saúde. Até que eu conheci a família dela.


Mesmo Dr. Phil13 não poderia consertar essa merda. Eu nem estava indo para tentar corrigir sua família. Essas relações cairiam onde eles permitissem. Gostaria de deixar que isso dependesse de Rimmel. Ela poderia decidir o quanto deles ela viu e deixá-los em nossa vida. Eu a apoiaria de qualquer jeito. Mas também gostaria de mantê-la segura. Eu a senti tentando ouvir minhas chamadas. Eu senti seus olhos atentos. Finalmente, eu disse a ela que ia descer para o lobby para surrupiar um pouco do café da manhã a partir do banquete que eles colocam toda manhã. Ela queria vir. É claro que ela queria. Então, eu disse que sim. Ela ficou surpresa, mas sério, isso trabalhou a meu favor. Eu não queria deixá-la sozinha no quarto. Então, fomos lá embaixo juntos e para a área de refeições. Eu a deixei lá e caminhei até um lugar vago no lobby e terminei o que eu estava preparando junto. Eu ainda podia vê-la, mas ela não podia escutar. Quando ela viu que eu tinha ido, ela franziu a testa e, em seguida, sentou-se e virou a atenção para seu telefone. Eu estava ligando em uma Ave-Maria14. Um jogo que era um pouco desesperado, um pouco louco, mas se eu o retirasse, isso iria acabar com tudo de uma vez por todas. Todo mundo com quem eu tinha falado estava a bordo agora, e meu pai também estava ajudando coisas a organizar as coisas. Eu provavelmente não teria sido capaz de fazer sem ele. Ele conhecia um monte de pessoas que eram capazes de ajudar. Eu esperei por uma chamada de volta dele para me deixar saber que tudo estava caminhando. Enquanto eu esperava, eu marquei a última pessoa que eu precisava chamar. Ron Gamble.

13 14

Programa americano de tv, semelhante a Casos de Família. Expressão usada no futebol para uma jogada decisiva na qual o jogador arrisca tudo para ganhar.


Chamá-lo era o maior risco de todos. A verdade era que o que eu estava prestes a perguntar a ele poderia me jogar para fora da NFL para sempre. Poderia terminar com a minha carreira. Eu quis dizer isso quando eu disse a Rimmel que eu desistiria da minha carreira por ela. Eu esperava que não fosse acabar assim, mas se terminasse, eu aceitaria meu destino. Ron foi uma grande parte neste plano, mas eu esperei para chamá-lo por último porque eu queria que fosse uma hora decente. Sua secretária respondeu depois de alguns toques, e eu perguntei por ele. A mulher me lembrou um buldogue e quase se recusou a coloca-lo na linha. Francamente, eu teria ficado impressionado se isso não tivesse me irritado. "Veja. Eu entendo. Idiotas ligam para ele o tempo todo. Aqui é Roman Anderson. Seu novo quarterback. Preciso falar com ele. É uma emergência." O buldogue dentro dela voltou para sua jaula. "Espere, por favor." Poucos segundos depois , Ron veio na linha. "Anderson?" "Sim, Sr. Gamble. Sinto muito perturbá-lo tão cedo." "Eu estou sempre disponível para os meus jogadores. Bonnie disse que era uma emergência." Bonnie era um nome agradável para um buldogue. "Sim, eu tenho receio que sim. E infelizmente, isso vai soar muito pouco profissional e francamente, um pouco louco, mas eu não pediria se não fosse absolutamente necessário." "Pouco profissional e louco você diz?" ele entoou. "Sim. E sim, eu estou ciente se eu te chatear, minha carreira vai acabar antes de começar." "Fim de carreira", ele meditou. "Então o que quer que seja, deve ser importante." Olhei para Rimmel escolhendo seu prato de comida . "Você não tem ideia." "Vamos ouvir isso."


Eu não desperdicei seu tempo ou divaguei. Eu coloquei tudo em cima da linha. Tudo o que eu precisava, louco e tudo. Ele estava tão silencioso que às vezes eu me preocupei que ele desligasse na minha cara. Quando terminei, eu fiquei em silêncio. Ron assobiou entre os dentes. "Eu gostei dessa sua namorada. Ela foi uma lufada de ar fresco. Não posso dizer que estou muito emocionado ao ouvir sobre alguém ameaçá-la desse jeito." Eu não disse nada. "E eu sei que a temporada ainda não começou, mas você é um Knight. A tinta no contrato está seca. Estou pensando em ficar um monte de anos com você no campo." "Eu com certeza do inferno espero que sim", eu murmurei. "Eu não levo muito gentilmente para criminosos baratos ameaçando os meus jogadores e tentando extorquir dinheiro fora deles." A esperança levantou-se dentro de mim. "Eu vou fazer isso." Eu bombeei meu punho no ar em triunfo. "Apenas deixe-me saber se há alguma coisa que eu possa fazer em troca." "Oh, tem uma coisa que eu quero", disse ele. O sentimento de vitória desapareceu, e eu fiquei com um buraco no meu estômago, perguntando-me o que ele ia dizer. E então ele me disse. Eu sorri.


CAPITULO quarenta e tres

Mindinho jura: essa merda é legítima. #NãoFaçaIssoAMenosQueVocêPretenda ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL VOCÊ SE FOI PARA SEMPRE A mensagem de Ivy me fez rir. SÃO APENAS DOIS DIAS VOCÊ VAI ME DIZER POR QUE SAIU COM TANTA PRESSA? Parecia que eu mal conseguia envolver minha cabeça em torno dela. Como ela seria capaz? Além disso, eu queria aproveitar as férias de primavera. Eu não queria que a razão pela qual estávamos todos aqui começasse a arruiná-las. QUANDO VC CHEGAR AQUI Não era uma mentira


Propriamente dita. Eu poderia simplesmente dizer a ela que precisava ver meu pai, que ele estava doente. Ele estava. Não necessariamente fisicamente, mas com certeza estava mentalmente. Eu apenas não tinha elaborado neste fato. JÁ COMPREI UM BIQUINI NOVO Eu ri. Romeo olhou para mim do assento do motorista. “Ivy?” Eu assenti, e ele balançou sua cabeça. “Aquela garota é muito exigente" “Ei, ela é minha amiga" eu disse, em sua defesa. “Eu sei. “ Ele estendeu a mão sobre o assento e deu um tapinha na minha perna. "Ela cresceu em mim. Eu gosto muito dela." "Sério?" Eu pressionei. "Sim realmente. Parece que ela quer fazer algumas mudanças em sua vida." "Eu acho que o que aconteceu com Zach realmente a sacudiu. Quer dizer, ficar tão bêbada e sem saber o que estava fazendo? E com ele? Foi um toque de despertar." EU NEM SEQUER TENHO ROUPA DE BANHO, eu respondi pra ela OMG! Não era como se Ivy fosse uma alcoólatra ou qualquer coisa. Ela gostava de festa e beber era definitivamente parte disso. E ela pareceu por um tempo, que ela estava procurando por algo. Eu não tinha certeza do que poderia ser até que ela me disse que ela ia conseguir um homem, mas não tentar conseguir um homem.


Isso me fez pensar que talvez ela estivesse um pouco solitária. Talvez fosse por isso que ela festejava tanto assim. Para preencher um vazio. Mas então Zach aconteceu. Ficar tão bêbada e dormir com ele, deixando-o em nosso quarto onde ele violou as minhas coisas... foi demais. Eu estava orgulhosa de sua nova determinação. MISSY ANSIOSA? Eu perguntei. ACHO QUE SIM. ACHA QUE VAI SER ESTRANHO COM B AO REDOR? ROMEO CONVIDOU TRENT TAMBÉM OOOH. INTERESSANTE Romeo puxou até o meio-fio para a casa do meu pai. Eu realmente, realmente esperava que ele não estivesse bêbado mais uma vez. Eu disparei um rápido TTYL15 e , em seguida, empurrei o meu telefone na minha bolsa. "Desta vez, na próxima semana , nós vamos estar deitados em uma praia" Romeo murmurou e envolveu a palma da mão na parte de trás do meu pescoço para amassar os músculos atados. "Eu nunca tive um período de férias como este antes. E definitivamente não com os amigos." Eu ronronei, enquanto os nós pareciam se soltar. "Este é apenas o começo", disse ele suave. Mas eu tinha que passar por isso em primeiro lugar. Eu deixei ir os pensamentos de praia dos sonhos e foquei na casa. Eu não tinha certeza do que eu queria dizer a meu pai. Mas eu tinha algo a dizer. 15

Talk To You Later, Falo Com Você Depois.


"Rim?", disse Romeo, puxando as chaves da ignição. "Você se importaria se eu mandasse alguns recados enquanto você está com o seu pai?" "Que tipo de recados?", perguntei , desconfiada. Romeo estava sendo tão sigiloso sobre tudo o que ele estava planejando. Ele me disse que não queria que eu estivesse envolvida, e ele me disse o porquê. Mas eu apenas pensei que suas razões eram estúpidas. Bem, ok, ele me querer a salvo não era estúpido. Mas me colocar de lado, era. "Eu não vou demorar. Eu vou te comprar um latte enquanto eu estiver fora." Inclinei a cabeça e o estudei. "Mude para um Frappuccino e temos um acordo." Ele estendeu a mão para eu bater. Eu fiz isso, mas então eu estendi meu mindinho. "Seu dedo ficou uma cãibra, Smalls?" Eu ri. "Os garotos batem para fora. Garotas, juram de dedinho." Ele olhou para o meu dedo como se fosse um bebê alienígena de Marte. "Eu não sou uma garota." "Eu não sou um cara." Ele passou a mão sobre a sua cabeça e em seguida, riu. Seu mindinho era tipo duas vezes o tamanho do meu. Quando ele o envolveu em torno do meu, eu os sacudi. Ele parecia divertido, mas ele não disse mais nada. "Não fique longe muito tempo, ok? Eu não tenho certeza de como isso vai ser." "Você acha que eu vou despejá-la no meio-fio como um motorista de táxi? " Ele balançou a cabeça. "Você não vai?" Ele murmurou algo sob sua respiração e saiu do carro. Eu fiz o mesmo (sem o resmungando), e ele pegou minha mão quando nós dois entramos na grama e caminhamos para a frente.


"Eu vou entrar para me certificar de que ele não está no mesmo estado de espírito de ontem. Se ele estiver, vou ficar." "Eu liguei para dizer-lhe que eu estava vindo. Ele não parecia bêbado quando ele respondeu o telefone de jeito nenhum." Eu não acrescentei que fiquei surpresa que ele respondeu. Eu escolhi acreditar que era um bom sinal. Bati desta vez em vez de entrar direto. Eu senti essa linha invisível, esta barreira entre nós que nunca costumava sentir quando eu voltava para casa. Mas eu imaginei que eu deveria parar de pensar nisso como casa porque não era mais. Talvez seja por isso que eu senti a necessidade de bater. A primeira coisa que ele disse quando ele respondeu na porta foi: "Você não tem que bater." Ele estava vestido com roupas que não estavam enrugadas ou precisavam ser lavadas, um par de jeans e uma camiseta escura. Seus olhos ainda estavam vermelhos e ele ainda parecia incrivelmente cansado, mas pelo menos, sua expressão não era vítrea. Finalmente ele parecia sóbrio. "Oi, pai. Eu só não quero me intrometer se você estava ocupado." Ele me deu um olhar triste e fez sinal para a gente entrar. Romeo me seguiu, então eu imaginei que ele ainda não estava satisfeito que podia sair. Deus, eu senti como se eu estivesse de repente sendo assistida por uma babá super protetora. Meu pai limpou a garganta e olhou para Romeo. Uma dica de embaraço corou suas bochechas. "Eu lamento que tivemos que nos conhecer daquele jeito ontem. Tanto quanto as primeiras impressões são, eu diria que a minha foi um fracasso épico." Romeo sorriu para suavizar o golpe de sua honestidade. "Todos nós temos dias ruins." Meu pai estendeu a mão esquerda, e Romeo apertou. "O que aconteceu com seu braço?", ele perguntou. "Quebrei."


Papai ergueu as sobrancelhas, e eu sabia que ele ia começar a fazer um milhão de perguntas. "Você abriu as cortinas", eu disse em uma tentativa idiota de interromper. "Sim, e eu fiz o café ", disse papai, indo adiante para a cozinha. "Será que vocês dois gostariam de um pouco?" "Na verdade, eu vou sair. Dar a vocês dois um pouquinho de privacidade, "Romeo respondeu. Papai parou em seu caminho e se virou para encontrar o olhar de Romeo. "Dando uma olhada antes de deixá-la aqui, hein?" "Sim", disse Romeo sem desculpas. "Eu gosto disso", disse ele, avaliando Romeo. "Eu não gosto do fato de que eu tenho que me preocupar sobre deixála com seu próprio pai." O rosto de meu pai empalideceu, e eu dei a Romeo um olhar WTF16. Ele ignorou e se adiantou para beijar minha cabeça. "Eu vou estar de volta em uma hora. Ligue se você precisar de mim." Ele saiu. Evitei olhar para meu pai até que eu não podia. Ele estava olhando para mim com uma expressão divertida em seu rosto. "O quê?", perguntei. "Eu gosto dele." "Você gosta dele," eu repeti. "Café?", ele disse e mudou-se para levantar o pote. Eu segui atrás dele enquanto ele derramou duas canecas e uma garrafa de creme que ainda não tinha sido aberta. Ele provavelmente saiu e comprou esta manhã. Ele provavelmente nem sequer tinha qualquer comida nesta casa ontem. Tristeza tomou conta de mim. E a culpa também. Eu tinha ido para a faculdade só para voltar entre os semestres e em longas pausas. O resto do tempo, ele esteve aqui, sozinho com nada além de sua culpa e sua dor. 16

What The Fuck, Que porra é essa?


Lembrei-me de que um monte daquilo era por sua própria ação. Mas ainda não me impediu de me sentir mal com isso. Ele era meu pai, afinal. Eu não podia simplesmente desligar o meu amor por ele. Eu derramei um pouco do creme em um copo e entreguei a ele. Então eu coloquei um pouco para mim mesma. "Rimmel, eu quero me desculpar por ontem. Meu comportamento foi totalmente inaceitável. Eu sabia que você estava chegando, e em vez de ter certeza de que vocês se sentissem bemvindos, eu afoguei minha culpa e tentei me esconder na garrafa." "Você bebe assim muito?", perguntei. "Mais do que eu deveria", ele admitiu. "Eu preciso saber por que", eu disse, indo direto ao ponto. " Por que você deixou o assassinato da mãe ficar como não resolvido quando você sabia o que aconteceu?" Ele pôs o seu café para baixo, e se afastou até as janelas que uma vez serviram de mirante para a piscina no quintal. Ele ficou quieto um tempo, e eu esperei. "Eu poderia dizer-lhe um milhão de razões diferentes. Metade delas seriam parcialmente verdadeiras. E a outra metade seriam apenas mentiras", ele disse, limpando a garganta. "Mas a verdade é que eu estava assustado. Assustado e com tanta vergonha." A dor em suas palavras era tão crua e tão real que eu sabia que isso não poderia ser uma mentira. Além disso, em toda a minha vida, eu nunca ouvi meu pai dizer isso. "Eu estava com medo do que poderia acontecer comigo se eu dissesse às pessoas sobre a dívida de jogo. Eu pensei que eu iria para a cadeia ou ser acusado de assassinato. Eu estava com medo daqueles homens iriam voltar para mim. Ou para você. Eu estava com medo se eu os delatasse, a vida só iria piorar." "Será que você se sentiu mal que mamãe nunca recebeu sua justiça?", eu perguntei, minha voz baixa e rouca.


Era uma coisa difícil de imaginar que seu pai era apenas humano também. Que eles também experimentaram toda a mágoa e lutas que toda a gente sofreu. "Todos os dias da minha vida", ele sussurrou. "Eu não entendo por que você iria começar no jogo novamente. O que aconteceu não foi o suficiente para mantê-lo longe dele para sempre?" "Alguém poderia pensar. E ele fez. Por anos e anos. Mas, então, uma noite, encontrei-me em pé na frente de um bar com um torneio de pôquer começando. A próxima coisa que eu sabia, eu estava jogando baralho e caindo mais profundamente nesse mundo." "Você chegou até meio milhão de dólares em dívida, pai. Como você pode fazer isso?" Ele se virou e franziu a testa. "Eu não devo a ninguém tanto dinheiro assim". Frustração fez meus dentes de trás virem junto. "Não minta", eu acusei. "Eu sei." "Eu não estou mentindo. Quem te contou isso?" Eu disse a ele sobre o que aconteceu esta manhã no quarto. Eu disse a ele sobre o cara seguindo Romeo ao redor e cavando toda a sua informação pessoal. Ele parecia chocado e indignado com tudo de uma vez. Em seguida, o medo tomou conta. "Está acontecendo de novo", ele sussurrou. "Eu não posso pagar, portanto, eles vão vir atrás de você." "Não sou eu desta vez, pai. É Romeo". "E ele vai pagar o dinheiro, manter você segura?" Sua voz estava esperançosa. "Eu não tenho certeza do que Romeo vai fazer." Não era realmente uma mentira, porque eu não tinha a menor ideia. "Eu estou perdendo a casa", disse ele. "Estou sendo despejado. " "Talvez seja melhor assim", eu respondi honestamente. Ele virou-se. "Você não está chateada?" "Por que eu estaria?", perguntei.


"Porque este era o lugar onde sua mãe estava." "Ela também morreu aqui", eu disse, franca. Ele pareceu surpreso e um pouco enervado. "Eu não preciso de uma casa para lembrar mamãe. Eu me lembro dela aqui." Eu coloquei a mão sobre meu coração. "Ela não iria querer que nós, você, vivêssemos nesta casa dia após dia, atormentados pelo que aconteceu." Lágrimas encheram os olhos de meu pai. Eu não o tinha visto chorar desde que a mãe morreu. "Você é uma boa menina." "Você me criou" eu disse suavemente. "Você é um cara bom, mas papai, você precisa de ajuda. Tipo ajuda séria." Ele apertou os lábios e assentiu. "Eu vou buscar isso. Logo depois que eu cuidar dos caras que estão te assediando." "Não", eu disse, firme. "Nós não precisamos de sua ajuda. O que você precisa fazer é concentrar-se em você mesmo." "Então é isso?", disse ele, o calor entrando em sua voz. "Nós não inclui mais a mim. É só você e ele?" "Romeo esteve ao meu lado. De verdade. E não é justo você ficar com raiva quando você é o único que me colocou nesta posição." "Deixa eu te compensar." "Você pode fazer isso para mim, conseguindo ajuda. Reabilitação." "Eu não sei se estou pronto." "Bem, eu acho que é uma escolha que você vai ter que fazer. Mas se você me quer em sua vida independentemente, você vai fazer isso." "Você está dizendo que você vai me cortar?" "Sim", eu respondi. Foi a coisa mais difícil que eu jamais tive que dizer e eu pretendia. Mas eu fiz. "E, pai? Eu não posso prometer quando tudo estiver dito e feito, a polícia não vai fazer uma visita. Eu não vou te proteger como Vovó e vovô fizeram por todos esses anos." Ele abaixou a cabeça. "Você não deveria precisar."


O peso da conversa era quase demais para suportar. Então eu fui para a pia e comecei a lavar todas as montanhas de louça suja. Enquanto eu lavava, conversamos um pouco mais. Não havia muito a dizer, ainda que nada. A verdade estava fora, e a verdade não precisava ser disfarçada por desculpas ou palavras bonitas. A verdade era o que era. Falar sobre isso não mudaria nada. Eventualmente, ele me perguntou sobre a escola e as aulas. Eu nunca disse a ele sobre a coisa da bolsa de estudos e o plágio de que fui acusada. Parecia inútil abrir algo que já foi resolvido. Eu lhe disse um pouco sobre Zach e o ataque, mas eu não entrei em muitos detalhes. Até o momento que eu tinha terminado com os pratos, limpado o chão e geralmente, arrumado a casa, eu estava exausta. Eu não queria falar mais. A campainha tocou um curto período de tempo depois disso, e eu acho que ambos, papai e eu, suspiramos de alívio, gratos por uma distração da tensão entre nós. Corri para abrir e sorri largamente porque eu sabia que ia ver Romeo. Mas ele não estava sozinho. Alguém estava de pé na pequena varanda além dele. Meus olhos saltaram para frente e para trás entre eles. Finalmente, eu coloquei minhas mãos em meus quadris e dei a ambos um olhar. "O que ele está fazendo aqui?" "Menina tutora!", disse Braeden e explodiu à frente para me varrer em um abraço. "Braeden, eu estou pensando que você pegou o voo errado. As férias da primavera não é agora" eu disse contra seu ombro, ainda que o abraçasse de volta. Atrás de nós, meu pai me viu interagir com os meus dois caras, mas ele não disse uma palavra. Eu me senti mal novamente, porque ele provavelmente sentiu como eu tinha mudado, fiz minha própria vida que o incluía. Eu tinha encontrado uma vida e pessoas que eu amava, mas cortando-o fora não era parte disso. Ainda.


"Eu sabia que você sentiu minha falta. Eu tive que vir" B disse. Quando eu voltei, ele sorriu para mim. Revirei os olhos e olhei atrás de Braeden para Romeo. Ele estava segurando um Frappuccino gigante com chocolate salpicado sobre a pilha enorme de chantilly e sorrindo seu sorriso mais encantador. Isso só significava uma coisa. Eu não ia gostar disso. "Braeden?" eu disse. "Por que você está aqui, tão cedo?" Ele jogou o braço sobre meus ombros e sorriu. "Eu sou a sua nova babá!"


CAPITULO quarenta e quatro #EuFarejoProblema Uma coletiva de imprensa de última hora? #FutebolDosKnight ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Ele só tinha que anunciar assim. "Eu sou sua nova babá" eu imitei e, em seguida, fiz uma careta. Ele só gostava de provocar pequenas ondas entre Rim e eu. Era o jeito do irmão mais velho. Mas eu não gostava disso. Eu pensei que era hora de Braeden encontrar sua própria garota, então ele teria outra pessoa em quem se concentrar que não fosse a minha. Rimmel olhou para mim. "Você o fez voar até aqui para ser minha babá?" "Eu mesmo voei até aqui." Braeden objetou. "Fique quieto" nós dois lhe dissemos ao mesmo tempo. "Um cara voa por todo esse caminho" ele murmurou, "e ninguém está contente em vê-lo." Nós o ignoramos. "Eu apenas pensei que seria uma boa ideia ele estar aqui agora", eu disse, não querendo entrar em muitos detalhes, mas também plenamente consciente do olhar atento de seu pai. "Você não achou que seria uma boa ideia falar comigo sobre isso?" ela pressionou, mãos nos quadris.


Ela parecia fofa tentando ser toda bruta comigo. "Vocês dois podem ter sua pequena briga mais tarde", B disse . "Me apresente." Rimmel pareceu desinflar como um velho balão. Notei que o esgotamento envolvia em torno dela como um cobertor grosso. Rapidamente, eu olhei em volta, à procura de sinais de qualquer tipo de argumento. Eu não vi qualquer vidro quebrado. Na verdade, o lugar estava muito mais limpo do que se fosse ontem. Quando eu vi a enorme pilha de pratos recém-lavados secando em uma toalha, a minha boca achatou. Ela limpou enquanto ela estava aqui. Sentia-se responsável por ele. Eu não queria isto para ela. Não deveria ser assim. "Pai, este é Braeden . Ele é o melhor amigo de Romeo" , disse Rimmel, gesticulando entre os dois homens. Braeden pigarreou. Alto. Rimmel revirou os olhos. "Ele também é meu autonomeado irmão mais velho." Então ela sorriu e acrescentou: "E um dos meus melhores amigos também." Braeden bagunçou seu cabelo e, em seguida, estendeu a mão. "Brock ", seu pai disse quando apertaram. "Prazer em conhecê-lo." Quando a introdução acabou, o silêncio caiu sobre a sala. Brock limpou a garganta. "Alguém quer café?" "Claro", respondeu B antes de mais alguém. Ele seguiu Brock para a cozinha, e eu fechei a porta da frente. Rimmel intensificou perto. "Por que você o envolveria?" Suspirei. "Porque ter alguém em quem posso confiar aqui para manter um conjunto extra de olhos em você é importante." "Romeo", ela suspirou. Puxei-a contra mim e cochichei em seu cabelo, "Isso tudo vai acabar amanhã à noite. Basta aguentar até lá." "Certo."


"Como foi aqui?" eu lhe entreguei o café. Ela o pegou, envolveu seus lábios ao redor do canudo, e encolheu os ombros . "Foi tudo bem. Bom, na verdade. Conversamos." "Ele está disposto a ir para a reabilitação?" "Eu acho que sim." Ela franziu a testa. "Isto é, se ele não for para a cadeia pela primeira vez." "Vai ficar tudo bem", eu disse novamente. O som de telefones a sair ecoou através da sala. Rimmel não fez nenhum movimento para escavar fora de sua bolsa . "Rome!" Braeden chamou. "Do que se trata?" Rimmel e eu entramos na cozinha onde B e Brock estavam de pé. Braeden estava começando a descer seu telefone. "O que é isso?", perguntei. "O mais recente Buzz." Rimmel estendeu a mão para o telefone dele, e ele deu a ela enquanto eu puxei o meu do meu bolso. Ron Gamble anunciou uma coletiva especial de imprensa mais tarde, depois do almoço. O plano estava sendo colocado em movimento. "Sabe do que se trata?" Rimmel perguntou, olhando para mim. "Eu tenho uma ideia" eu permiti. Pelo olhar em seu rosto, eu sabia que ela sabia que eu não ia dizer mais nada. Para a minha surpresa, ela não disse nada , apenas tomou outro gole de sua bebida e sentou-se à mesa. Isso me fez sentir mal porque ela claramente estava cansada demais para sequer discutir comigo. Mas então eu me lembrei porque eu estava fazendo isso e minha determinação foi reforçada. Quando a coletiva de imprensa foi ao ar, ao vivo, em uma estação local em Maryland, eu sabia que bateria os canais de esporte e outros meios de comunicação logo depois, mas em vez de esperar, nós a puxamos online. De volta ao quarto do hotel, nós três nos reunimos ao redor da tela enquanto Ron Gamble assumia sua posição no microfone.


"Eu convoquei esta coletiva hoje, porque eu tenho um anúncio. É bastante decepcionante e provavelmente vai vir como uma surpresa, é por isso que eu decidi não apenas lançar uma declaração aos meios de comunicação." Flashes estavam indo na frente dele, mas Gamble nem sequer pestanejou. Ele agia como se ele nem sequer os visse. "A recente assinatura de Roman" Romeo "Anderson como o mais novo quarterback dos Knight não é mais válida." Uma onda passou pela multidão. Rimmel engoliu em seco e olhou para mim. "Isso é altamente incomum, porque uma vez que o contrato é assinado, é inviolável. Contudo, devido à informação recente que tem vindo à luz, eu tomei a decisão de dissolver a oferta. Nossa equipe altamente qualificada de advogados anulou o contrato, e todas as partes foram notificadas. Mr. Anderson não faz mais parte dos Maryland Knights. Não há interesse adicional por ele como um jogador pela NFL nesse momento. Sr. Anderson não é mais um agente livre com a Liga Nacional de Futebol17." As pessoas reunidas na conferência, todas começaram a falar ao mesmo tempo, gritando perguntas e exigindo uma maior explicação. Meu estômago virou um pouco, porque embora eu soubesse o que estava realmente acontecendo, eu não gostava nada disso. Ron ergueu a mão e a multidão se acalmou . "Eu não tenho liberdade para discutir quaisquer detalhes adicionais neste momento. Esta é uma questão jurídica privada, e a instituição do Knights gostaria que vocês respeitasse aqueles limites." Com isso, ele saiu do palco. A estação de cortou para a âncora de notícias , que falou um pouco mais sobre o anúncio e em seguida, foi para o comercial. Rimmel empurrou para fora do seu assento. "O que diabos está acontecendo! " "Eu vou explicar mais tarde" eu disse.

17

NFL, National Football League.


Ela olhou para Braeden, que não conseguiu ficar nem um pouco preocupado com a coletiva. "Por que vocês dois não estão enlouquecendo com esta notícia?" "Você confia em mim?" Perguntei. "Você sabe a resposta para isso." "Eu vou explicar tudo amanhã à noite." Eu não acho que qualquer um de nós realmente dormiu naquela noite. Rimmel estava muito preocupada com o que estava acontecendo, e eu não queria ir dormir e perder alguém tentando quebrar aqui dentro mais uma vez. Em vez disso, eu naveguei pela internet e assisti a notícia de Ron Gamble se espalhar como incêndio violento, mais longe e mais rápido do que eu mesmo esperava. O simples fato que ele disse que legalmente não podia discutir suas razões para me chutar fora do time alimentou o fogo. Todo mundo adorava um bom segredo. Era com o que eu estava contando. Quando nós três fomos para o café da manhã, repórteres estavam esperando. Cercaram em torno de nós e tentaram obter citações e fotos. Depois do café da manhã, nos enfurnamos no quarto de novo, mas ainda assim, os jornalistas esperaram no andar térreo. No início da tarde, meu celular tocou. Eram os homens que eu deveria encontrar. "Você tem o dinheiro?" Uma voz baixa exigiu. "Eu tentei conseguir. Custou-me o meu trabalho." "Você tem esse dinheiro ou vamos matar a menina." "Aonde você quer se encontrar?" Ele citou algum endereço aleatório, provavelmente na pior parte da cidade. "Você está brincando?", eu disse. "Eu não posso ir lá sozinho. Há repórteres acampando fora do hotel, seguindo cada movimento meu."


Houve algum silêncio e alguns palavrões no final da linha. "Faça acontecer." "Você quer que eu guie um bando de repórteres para você, eu vou. Talvez eles possam executar uma história no fato de que você está extorquindo dinheiro de mim, ameaçando assassinato, e me fez ser despedido da NFL." "Não temos nada a ver com o seu trabalho." "Você acha que Ron Gamble é estúpido?" Eu disse. "Você sabe que ele é poderoso. No minuto em que tentei obter um adiantamento do meu salário, ele sabia que algo obscuro estava acontecendo. Ele está me acusando de jogo ilegal. De apostar." "Apenas traga-nos o dinheiro." "Venha pegar ", retruquei. "Você pode entrar aqui despercebido. Se eu sair, vai chamar atenção demais." Houve algum silêncio na linha, isto esticou tanto tempo que eu comecei a me preocupar que eles não iriam para ele. Que todas estas mentiras não seriam para nada . "Bem. Nós estaremos lá hoje à noite. Depois de escurecer. sozinho."

"Ok." Eu não tenho que fingir os nervos ou ansiedade em minha voz. "É melhor ter o dinheiro. Se não o fizer, aqueles repórteres vão estar relatando seu assassinato." A linha ficou muda. Braeden e Rimmel estavam me observando, Eu tentei não mostrar a eles como me apavorei. Eu ia conseguir. Se desse errado, nós todos acabaríamos mortos. "Temos trabalho a fazer antes do anoitecer," eu disse. E então eu comecei a trabalhar.


CAPITULO quarenta e cinco

#FériasDePrimavera? Todo mundo tem tempo pra isso. #OndeVocêVai? ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL O sol estava caindo mais baixo no céu quando Romeo conduziu Braeden e eu para fora, para o corredor. Eu senti a maneira como ele observava tudo e olhou para cada canto de cada espaço que nós estávamos. Sua atenção tipo falcão me fez extremamente nervosa. Eu não conseguia entender o que ele estava fazendo. Ou para onde estávamos indo. Em seguida, ele bateu na porta do quarto ao lado do nosso. Após alguns segundos, a porta se abriu silenciosamente e Romeo fez sinal para a gente entrar. Nós três entramos, e a porta fechou e trancou atrás de nós. Eu me virei para ver um homem em um terno preto e gravata vermelha em pé. "Senhor Anderson", disse ele. "Eu sou o Agente Marks. Falamos ao telefone." "É claro", disse Romeo e deu um passo à frente para apertar a mão do homem. "Agente?" Perguntei.


"Minha senhora", respondeu ele e , em seguida, produziu um crachá de aspeto oficial muito brilhante. "Estou como FBI." Meus olhos se arregalaram. "O FBI," eu repeti. Eu me virei para Romeo. "Eu pensei que você disse sem polícia." "Ele não é um policial." Romeo deu de ombros. Apertei os olhos. Ele suspirou. "Bem, ele não é local. Nenhum deles é." Ele fez um gesto mais distante no quarto onde havia vários outros homens vestidos exatamente como o agente Marks. "Eu não poderia arriscar de que a polícia local não estava envolvida." Agente Marks assentiu e se mudou para a outra sala. "Nós realmente tivemos esta área em nossa lista de observação da divisão por um tempo. Muitos dos policiais são suspeitos de atividades ilegais. Apenas não surgiram provas suficientes para fazer quaisquer detenções." Romeo ligou para o FBI. Ele montou todo um esquema em apenas um dia. Este era o tipo de coisa que só acontecia em filmes. Foi tão difícil para envolver minha cabeça em torno disso ser a vida real. "Apenas respire", ele murmurou contra a minha orelha. "Então você está certo que eles virão aqui?" Perguntou o agente Marks. " Você os convenceu disso?" Romeo deu um passo adiante. "Se você assistiu ao noticiário ou o canal de esportes, então você sabe que eu fiz. Gamble e eu fomos a extremos para nos certificarmos de que eu estava sendo seguido por repórteres, então eu não podia sair deste hotel." "Você não está realmente demitido?", perguntei. Romeo sorriu. " Inferno, não". Braeden riu. Agente Marks sinalizou três caras no quarto, que assentiram com a cabeça e agarraram sacos cheios de só Deus sabia o quê. Romeo apresentou nossa chave do quarto, e eles a pegaram e desapareceram.


"A sala vai ser vigiada fortemente para que você não precise estar" Agente Marks disse a Romeo. O que isso significa? "Você tem o dinheiro?", perguntou. O agente apontou para uma pasta preta na mesa próxima. "Posso?", perguntou Romeo. O homem inclinou a cabeça. Romeo estalou o topo, e quando ele abriu a tampa, linhas e pilhas de dinheiro olharam para nós. "Você vai pagar a eles!" Eu engasguei. "Eles não vão sair daquela sala com esta pasta, minha senhora ", disse Marks. "É uma armadilha, menina tutora," Braeden sussurrou. "Uma armadilha," eu repeti. Romeo atravessou a sala e ofereceu sua mão ao Agente Marks. "Obrigado pelo trabalho. Eu realmente aprecio isso. Esses caras são escória." "Claro. Estávamos bastante animados quando seu pai ligou. Como eu disse, nós estivemos tentando derrubar este cartel há tempos." "Então, eles sabem tudo?", perguntei nervosamente. Romeo olhou para mim, um pouco de arrependimento em seus olhos. "Tudo." Agente Marks virou para mim. "Vamos precisar de uma declaração completa sua. Eu tenho revisto o arquivo de sua mãe, e eu estou certo de que eu posso reabrir o caso imediatamente." "E o meu pai?" Eu mordi o lábio inferior. Eu sei que eu disse que ele tinha que ter seu tempo na cadeia, que era o seu preço, mas isso não significava que não seria difícil. "Ele não é inocente em tudo isto" o agente disse. "Mas ele também não é o peixe grande que estamos procurando. Estamos esperando que ele vá cooperar neste caso, e nos dar nomes e evidência adicional que possamos usar para enterrar esses caras na cadeia para o resto de suas vidas."


"Será que o meu pai vai para a cadeia?" "Eu não posso fazer promessas. Mas posso lhe dizer que se ele cooperar, nós estaremos dispostos a fazer um acordo. Ele vai ter mais clemência." Neste ponto, era o melhor que eu poderia esperar. "E quanto a nós?", perguntei. "Nós vamos estar livres", disse Romeo. O agente afastou-se e puxou um laptop e alguns comprimidos. Ele fez algumas coisas e em seguida, o som dos homens no nosso quarto veio através. "E se eles suspeitarem de algo quando nós dermos o dinheiro?", perguntei. Romeo balançou a cabeça. "Você não vai estar no quarto. Você vai ficar aqui, com Braeden." Eu balancei minha cabeça com firmeza. "Você não vai sozinho! " Um olhar duro veio nos olhos azuis de Romeo. "Você vai ficar aqui. E eu não vou estar sozinho. É por isso que os federais estão aqui." "Isso tudo é muito complicado" eu disse, cansada. Braeden colocou o braço em minha volta. "Cresça ou vá para casa." Ir para casa parecia bom no momento. "Minha senhora", disse o agente. "Se você pudesse vir aqui. Eu vou tomar sua declaração e começar um relatório." Eu respondi tantas perguntas que eu perdi o controle de todos elas. Mas a única coisa que eu não perdi o controle foi o relógio. A escuridão estava se aproximando rapidamente e com isso, o perigo.


CAPITULO quarenta e seis

#OQueVocêFariaComUmMilhãoDeDólares? ...Alpha BuzzFeed

R OMEO Tudo o que podíamos fazer era esperar. Porque eles nunca deram uma hora específica, eu não tinha ideia de quanto tempo isso poderia levar. Eu estava sentado no quarto do hotel com apenas uma maleta cheia de dinheiro para me fazer companhia. Rimmel estava no quarto ao lado com Braeden, e eu sabia que ela não estava feliz com isso. Uma vez que isso acabasse, eu teria todo o tempo do mundo para fazer as pazes com ela. Supondo que algo não desse errado e eles me matassem. Foi bem depois da meia-noite, quando ouvi um barulho na porta. Meu corpo ficou tenso, mas eu fiquei onde estava. Eu não estava prestes a ir abrir a porta e tornar mais fácil para eles. Segundos depois, dois homens escorregaram para o meu quarto e fecharam a porta atrás deles. Eu cliquei na lâmpada nas proximidades, e eles empurraram ao redor para me encarar. "Noite, rapazes", eu disse.


Os olhos deles saltaram ao redor da sala com paranoia, e isso me deixou nervoso. "Onde está a garota?" O homem que fingiu ser um repórter perguntou. Eu bufei. "Você ameaçou matá-la. Você acha que eu não iria mantê-la longe?" "É melhor ter o último centavo do dinheiro ou não importa onde você a escondeu. Vamos encontrá-la. Vamos matá-la. Assim como a mãe dela." Meu sangue gelou, e eu pulei. "Você matou a mãe dela?" Os homens gostaram da minha reação." Infelizmente, não. Mas sua morte abriu um precedente entre o mundo subterrâneo de jogos de azar. É o que inspirou o nosso patrão para entrar no negócio por si mesmo, e aquele velho era um alvo tão fácil." "Que diabos você está falando?" Eu rosnei. "Um par de bebidas, alguns jogos grátis de pôquer, e algumas vitórias organizadas foi tudo o que bastou para levar o querido velho papai de volta ao jogo. Ele acumulou uma pilha de dívida antes que ele nem soubesse o que o atingiu." "Seu filho da puta", rosnei e eu me lancei através da sala. Meu punho conectou com sua mandíbula e sua cabeça estalou de volta em seu pescoço. "Você porra enganou ele." O homem esfregou o queixo e sorriu. "Bem, com sua filha se aproximando de uma estrela do futebol em ascensão, como não poderíamos? As possibilidades são infinitas." Quanto tempo eles tinham estado observando Rimmel? Meses? Anos? O pensamento me deixou doente. Mesmo que este tinha sido um grande jogo, então eu sabia que era a coisa certa. Eles não teriam parado aqui. Eles teriam continuado tentando extorquir dinheiro de mim, ou pior. Eu puxei meu punho de volta para bater nele de novo. O som de uma arma engatilhando me parou. "Eu não faria se eu fosse você.", disse seu amigo, tendo a mim como objetivo.


"Você atira", eu disse maliciosamente alertando os agentes ao lado "e me mata, este quarto estará repleto de pessoas antes que você possa sair." "Para isso servem os silenciadores", ele refutou e casualmente apertou para o final. "Onde está o dinheiro?" o cara repórter exigiu. "Ali. " Eu apontei. Eu fiquei onde estava enquanto ele foi buscar a pasta. Depois que ele abriu e ficou satisfeito que estava tudo lá, ele a fechou e sorriu. "Foi um prazer fazer negócio com você." Ele moveu-se para a porta. "Espere", eu disse, e então dei o sinal que os federais precisavam para chegar aqui. Agora. "Tá tudo certo? Você vai deixar a gente em paz? Você vai deixar Rimmel sozinha?" Nem mesmo dois segundos depois, a porta estourou dentro e vários agentes vestidos dos pés à cabeça de equipamentos o quarto. "Parados!" O homem com a maleta gritou e tentou correr. Ele foi derrubado e suas mãos estavam algemadas atrás das costas. "Vamos matar você por isso!", ele gritou. "Seu filho da puta." O outro homem , aquele com a arma, ficou ali em choque, como se nunca tivesse ocorrido a ele que ele seria pego. "Largue a arma!" Um dos agentes disse e apontou para o homem . "Mãos ao alto!" Isso pareceu sacudi-lo de volta à realidade. Ele olhou para o homem apontando uma arma para ele, e este olhar escuro atravessou suas feições. Ah Merda. Ele não deixou cair a arma, ele se virou para mim com vingança escorrendo de cada poro e mirou. "Largue a arma!" Os agentes gritaram. Ele puxou o gatilho. Tudo aconteceu em câmera lenta. A bala cortou o ar, uma trajetória direto para mim.


Outro tiro saiu e depois outro. A bala atingiu sua marca. A força dela me jogou para trás. Dor branca, quente e afiada, era tudo que eu sabia enquanto eu caía no chão. O caos quebrou-se em torno de mim.


CAPITULO quarenta e sete #SábiasPalavras Claro que a vida é uma vadia. Se fosse uma vagabunda, seria fácil. ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL No segundo que ouvi o tiro disparar, eu corri para a porta. Braeden tentou me puxar para trás, mas, em seguida, mais tiros foram disparados. Nós dois fomos correndo para o corredor, ignorando as ordens do agente Marks, e para o quarto ao lado. Havia um homem algemado gritando. Uma pasta esquecida cheia com meio milhão de dólares no chão. O outro homem, seu nome eu nunca soube, estava meio caído no chão e meio contra a parede. Ele estava morto com múltiplos ferimentos de bala. "Romeo!" Eu gritei, tentando desesperadamente localizá-lo em todo o caos da sala. Braeden o viu primeiro. "Rim, por que não podemos simplesmente voltar por um minuto." Sua voz estava rouca e seu rosto tinha ficado branco. Evitei a tentativa que ele fez para me puxar; isso só me deixou mais frenética. Corri em volta de um dos agentes de pé no meu caminho. E então eu o vi.


Ele estava esparramado no chão com uma gente inclinando-se sobre ele. Um grito rasgou da minha garganta, e apesar das ordens para eu voltar e as exigências de alguém " tirem ela daqui", eu corri para a frente e caí de joelhos ao lado dele. Eu não podia nem ver claramente. Eu estava muito ocupada soluçando. As lágrimas tomando minha visão eram incontroláveis. Corri meus dedos através de seu louco cabelo loiro e sussurrei seu nome através das minhas lágrimas. "Minha senhora" eu ouvi alguém dizer, mas ignorei. Alguém tentou me afastar, mas eu lutei com eles até que Braeden apareceu e os afastou. "Basta lhe dar um minuto", disse ele . Eu ouvia dor em sua voz, e isso só me fez chorar mais forte. Eu ouvi o agente falando, dizendo algo para Braeden, mas eu estava além de escutar. Eu coloquei minha cabeça contra o seu estômago e solucei. Eu nunca iria me perdoar pelo que aconteceu aqui hoje. Nunca. Eu ainda poderia estar respirando, mas minha vida estava acabada. Segundos depois, uma mão roçou no meu cabelo. "Não", eu implorei. "Deixe-me ficar com ele." "Não teria nenhuma outra maneira." A voz familiar me abalou . Meu choro parou instantaneamente. "Romeo!" Sentei-me e olhei para seus olhos, seus incríveis olhos azuis, que estavam me olhando de volta. "Ei, baby." Seu sorriso torto me fez começar a chorar de novo. "Eu pensei que você levou um tiro!" "Eu fiz." Engoli em seco e comecei a procurar a ferida em seu corpo, procurando um lugar para aplicar pressão. "Por que você não está


sangrando?" Eu exigi, meu cérebro ainda não entendendo tudo o que aconteceu. "Eu sou à prova de balas." "Roman Anderson, você é um monte de coisas, mas à prova de balas não é uma delas!" Eu gritei. "Agora não é o momento para a sua cabeça grande!" Acima de nós, Braeden riu. "Ele está bem. Basta lhes dar um minuto." O agente e B se afastaram. Romeo se sentou, uma careta puxando sua boca. "Você não deve se mover!", Eu disse, afastando algumas das lágrimas manchando meu rosto. "Eu estou vestindo um colete, querida. Eu estou bem." Agarrei sua camiseta e puxei-a para cima. Realmente, havia um colete à prova de balas amarrado em seu peito. "Você é um idiota!" Eu gritei e, em seguida, desabei em seus braços para chorar um pouco mais. "Eu sei." Ele concordou e me segurou perto. “Mas eu sou um idiota que te ama." Eu bufei e depois limpei minha bagunça imprestável do rosto na camisa dele. Ela já tinha um buraco de bala nela; não é como se eu pudesse torná-la pior. "Eu não quero nunca mais passar por isso novamente." "Nem eu." Ele concordou. Eu olhei para ele, e ele enxugou uma lágrima do meu rosto. "Acabou. Nós ganhamos o jogo." "Tudo vai voltar ao normal? "Eu perguntei. Ele sorriu. "Eu não acho que nunca vamos ser normais. Mas posso garantir que vamos ser felizes." Era mais do que essa #nerd jamais pediria.


Felizes para sempre

Você viu o tamanho daquele anel? #Noivos #FelizesParaSempre #RomeoERimmelPraSempre ...Alpha BuzzFeed

R IMMEL O estádio estava lotado e a multidão estava enlouquecida. Os Knights já estavam tendo sua melhor temporada, e todo o estado estava absolutamente encantado. Do meu assento perto do campo, eu torcia e aplaudia mais alto do que o resto deles. Em vez de usar o agasalho de Romeu da Alpha U, eu estava vestindo um roxo dos Knights, um agasalho da equipe com o número vinte e quatro de Romeo nas costas. Depois de tudo o que aconteceu no ano passado com Zach e a minha família, levou um tempo para superar. Mas nós conseguimos; nós conseguimos isso juntos. Depois que os federais nos ajudaram no hotel, eles prenderam o "repórter " e o caso andou bem rápido. O homem em custódia entregou todo mundo com quem ele estava envolvido. O testemunho de Romeo e as gravações do quarto naquela noite eram mais do que suficiente para colocar todos eles longe. Meu pai colaborou com eles, e o caso da minha mãe foi resolvido. Papai não fugiu sem punição. Ele foi para a cadeia por um tempo, mas depois foi solto cedo por bom comportamento.


Ele se encontrava atualmente num centro privado de reabilitação e permaneceria lá por pelo menos um mês. Eu não me enganava em pensar que seu tratamento e, finalmente, cumprindo o seu tempo para as coisas que ele tinha feito, fazia tudo que aconteceu comigo, Romeo e minha mãe ok. Mas era um começo. Romeo trabalhou duro por meses quando chegamos em casa. Ele dedicou quase todo o seu tempo para fisioterapia e voltar a força em seu braço. Seu trabalho duro valeu a pena, e ele deixou a Alpha U no início do verão e foi para o treinamento de campo. Demorou um tempo para ele voltar a entrar no balanço das coisas, para toda a força de seu braço voltar. Mas, mesmo assim, ele fez um nome para si mesmo. Ser ambidestro no campo era uma conquista e tanto. Claro, eu já sabia que ele era o melhor. Agora, aqui estávamos na metade de sua primeira temporada como um Knight Maryland. Já tinham oferecido, e ele tinha aceitado, um novo contrato prorrogado. Eu senti falta dele na Alpha U, mas Braeden foi mais do que suficiente para me manter ocupada. Em apenas um ano, eu me formaria e então eu teria que tomar algumas decisões sobre a minha carreira. Ir para a escola veterinária ou usar meu bacharelado para trabalhar com animais aqui em casa. Uma vez que o abrigo levantou bastante dinheiro, nós fomos capazes de remodelar e estavam em processo de expansão e com sorte, abrir outro abrigo do outro lado da cidade. Michelle já me ofereceu uma posição de dirigi-lo. Eu estava pensando sobre isso. No campo, Romeo lançou um passe completo e mudou sua equipe para a zona final, onde eles estavam perfeitamente posicionados para um touchdown. Levantei-me, arquibancadas.

e

aplaudi,

e

gritei,

como

todo

mundo

nas


Em vez de voltar para o jogo, Romeo levantou as mãos e assinalou um pedido de tempo. Jogadores pediam bastante tempo limite em jogos. Mas, realmente, não havia nenhuma razão para chamar este. Agora não. Tínhamos um jogo para ganhar! Todo mundo sentou-se e esperou. Eu peguei meu telefone para mandar mensagem para Ivy. Antes que eu pudesse digitar qualquer coisa, a multidão começou a enlouquecer. A torcida estava insana. Eu olhei para cima. Eu comecei a rir. Romeo estava correndo pelo campo, capacete nas mãos, na direção de onde eu estava sentada. Levantei-me e corri para a grade. Olhei-me no telão gigante, e claro, a pequena cena estava sendo transmitida ao vivo na TV. Romeo saltou para cima do parapeito e sorriu. "Temos que parar de nos encontrar assim" eu disse a ele. "Lá vem você de novo, Smalls" Romeo brincou. "Me fazendo interromper outro jogo por sua causa." "Eu!", Eu gritei. "Eu não estava fazendo nada." "Talvez não, mas há algo que eu realmente preciso te perguntar." Eu ri. "Isso não pode esperar até depois do jogo?" "Não." Ele olhou para mim como se ele tivesse esquecido que nós estávamos em um estádio com milhares de pessoas e cada movimento que fazíamos estava ao vivo na TV. "Eu não posso imaginar que Ron Gamble esteja muito feliz com isso." Ele sorriu. "Oh, ele sabe. Ele tem estado esperando por esse momento." "Eu não entendo." Vindo do nada, Romeo produziu uma caixa de veludo preto.


A multidão enlouqueceu, como além de qualquer coisa que eu já tinha ouvido. "Romeo", eu respirei. Ele sorriu e levantou a tampa. Todo mundo ao nosso redor deixou de existir. Fiquei olhando para o mais brilhante, bonito anel que eu já tinha visto. Ele tinha um enorme diamante redondo no centro e, depois, era cercado por ainda mais diamantes redondos, menores. A luz refletia em um milhão de direções diferentes e eu prendi a respiração. Tudo estava preso junto a uma fina faixa de ouro. Eu rasguei meus olhos longe do anel e de volta para Romeo. Ele colocou seu braço em torno da grade e segurou o anel com uma mão. Sua mão livre alcançou e enrolou ao redor da base do meu pescoço. Mesmo com o rugido da multidão, eu ouvi tudo o que ele disse. "Case-se comigo, Smalls. Nada neste mundo inteiro significa mais para mim do que você. Case-se comigo, porque eu realmente te amo pra caralho." Uma lágrima correu pela minha bochecha, e eu podia sentir meu corpo tremer. "Você realmente precisa parar de xingar tanto." Ele jogou a cabeça para trás e riu. Eu me perdi em seus olhos, em seu rosto. Na maneira que eu me sentia sobre ele. Meu peito estava tão cheio que eu pensei que poderia estourar a qualquer momento. Eu não sei como eu tenho tanta sorte, eu não sei como eu encontrei um amor tão puro. Mas eu ia passar o resto da minha vida agradecendo a Deus todos os dias. "Uh, Rim?" disse Romeo, um pequeno sorriso brincando em seus lábios. O momento desabou de volta e a multidão estava cantando sim repetidamente.


Sim. Sim. Sim. "Eu vou precisar voltar para o jogo" disse ele envergonhado. "Você vai me dar uma resposta?" Eu sorri. "O que eles disseram." Fiz um gesto para a multidão. "Sim?" A felicidade em seu rosto era tudo que eu jamais poderia precisar. "Sim." Ele deu um grande grito e ergueu o braço no ar. Ele puxou o anel livre e jogou a caixa atrás dele, no campo. E então ele o deslizou em casa. Ele ocupava todo o meu dedo. "É enorme." Eu ri. "Ainda não corresponde ao quanto você significa para mim." Eu joguei meus braços ao redor de seu pescoço e ele me puxou para perto com um braço, enquanto nos equilibrava com o outro. Seu beijo era familiar e quente. E tão cheio de promessa. Eu fiquei na grade e observei-o correr de volta para o campo. Meu futuro marido. Meu tudo. Meu #player. #FIM ...Alpha BuzzFeed

Quer ficar por dentro dos lançamentos? Siga nosso blog e curta nossa Fanpage no Facebook!

Profile for oppslila

Cambria hebert - #player (Hashtag #3)  

Cambria hebert - #player (Hashtag #3)  

Profile for oppslila
Advertisement