Issuu on Google+

Maceió, sábado, 1º de outubro de 2011 |

www.ojornalweb.com.br | e-mail do editor: igor93279039@hotmail.com

Mercedes-Benz renova a linha de caminhões, adota Euro 5 e vai em busca da liderança Páginas 6 e 7

Nos embalos

do

Rock

Gol Rock in Rio renova a estratégia da Volkswagen de explorar eventos para vender carros Página 4

Páginas 2 e 3

Harley-Davidson mostra todo seu bom gosto na Electra Glide Páginas 4 e 5


O JORNA L JORNAL 2

Sábado, 1º de outubro de 2011

| www.ojornal-al.com.br | e-mail: igor93279039@hotmail.com

Gol Rock Rio, uma ótima estratégia de marketing POR RODRIGO MACHADO

Olimpíadas de Atlanta, de Sydney, Copa do Mundo, show dos Rolling Stones no Rio de Janeiro... A Volkswagen do Brasil sempre apostou alto para associar seus carros a grandes eventos. E, para isso, criou diversas séries especiais para "pegar carona" nos principais efemérides musicais e esportivas do momento. Agora o assunto volta a ser música, ou mais precisamente um festival: o Rock in Rio, que vai até 2 de outubro. Gol e Fox receberam a edição especial Rock in Rio para ajudar a rentabilizar o elevadíssimo investimento da Volks no patrocínio do evento musical carioca. A produção é bastante limitada para os dois carros - o que ajuda a aumentar a exclusividade. Serão apenas três meses de fabricação a partir de julho, com 900 unidades mensais para o Gol e 350 para o Fox. Para se ter noção, no caso do Gol, a edição significa menos de 5% do total de carros vendidos por mês. Ou seja, em nenhum dos casos, a série Rock in Rio chega para agregar vendas. É uma questão de puro marketing, com o objetivo de aumentar o apelo dos modelos da marca junto ao público jovem. As mudanças em relação aos modelos de produção em massa são pequenas. No campo estético, os compactos podem ser escolhidos em tons exclusivos de azul, branco e vermelho. Além disso, um grande adesivo na altura da base das portas tem a logo do festival. Coluna central recebe um adesivo preto, parachoques com friso cromado e faróis escurecidos completam o visual externo. No interior as diferenças são um pouco mais marcantes. Não que mais significativas, mas saltam mais aos olhos. Detalhes como aros das saídas de ar e a moldura da alavanca de câmbio em vermelho chamam bastante atenção. O logo do Rock in Rio aparece mais uma vez, desta vez nos bancos.


O JORNA L JORNAL 3

Sábado, 1º de outubro de 2011 | www.ojornal-al.com.br | e-mail: igor93279039@hotmail.com

Ficha Técnica

Se os apliques no exterior não passam por coisas básicas, pelo menos a Volks foi coerente e equipou o carro com um bom sistema de som de série. Ele tem rádio/CD/MP3/USB, quatro alto-falantes e dois tweeters. Para tentar dar um apelo um pouco mais direto ao carro, a Volks vai dar uma senha exclusiva para os compradores da série especial que dará direito a baixar da internet músicas gravadas ao vivo durante o festival. Na mecânica, nada diferente. O Gol Rock in Rio tem motor 1.0 flex com 76 cv de potência e o câmbio manual de cinco marchas. Por R$ 35.350, o hatch já vem equipado com banco do motorista com regulagem de altura, bancos com revestimento parcial de couro, direção hidráulica, vidros e travas elétricas, volante multifuncional, computador de bordo e o rádio. Com esses equipamentos, um Gol 1.0 "tradicional" vai aos mesmos R$ 35 mil da série especial. Mas sem o charme roqueiro.

nhecido design simplório, mas ao menos com peças bem encaixadas. O isolamento acústico é bom. Mesmo quando o conta-giros aponta marcas superiores a 4.500 rpm, o barulho no interior não chega a incomodar. Em movimento, o Gol Rock in Rio faz o esperado. O motor de 76 cv com etanol até move o hatch compacto com agilidade para um carro "mil", mas nada de extraordinário. O bom câmbio manual de cinco marchas trás os já conhecidos engates macios e precisos. Dinamicamente, o carro volta a ser bem correto. A carroceria até aderna um pouco nas curvas mais fechadas, mas o veículo não chega a tender a desgarrar. O bonito e funcional, o volante também se mostra interessante nas mudanças bruscas de direção por ter um diâmetro pequeno favorecendo as manobras. Sem nenhuma mudança mecânica, a aposta do Gol Rock in Rio é puramente na imagem publicitária. Como muitas bandas de rock dos tempos atuais.

Impressões ao dirigir As mudanças da versão Rock in Rio para um Gol 1.0 "comum" são mínimas. Mas, sem dúvida, o hatch personalizado consegue chamar mais atenção. As cores são mais vivas, as rodas na cor grafite são vistosas e os adesivos nas laterais são discretos e de bom gosto. É um conjunto de "tunning" que não apela para o brega e o exagero. O interior já apela um pouco mais. As saídas de ar e a moldura da alavanca de câmbio são bem mais chamativas, com um vermelho berrante. Pelo menos o resto foi bem trabalhando pela Volkswagen. Há couro sintético no interior do Gol: nas laterais dos bancos - onde não têm importância nenhuma - e nas portas, onde conferem uma boa área acolchoada e bem acabada. O volante multifuncional e a tela do computador de bordo ajudam a passar requinte para o modelo. O resto do painel conta com o já co-

O Gol Rock in Rio tem motor 1.0 flex com 76 cv de potência e o câmbio manual de cinco marchas. Por R$ 35.350

Volkswagen Gol 1.0 Rock in Rio Motor: Etanol e gasolina, dianteiro, transversal, 999 cm³, quatro cilindros em linha, duas válvulas por cilindro e comando simples de válvulas no cabeçote. Injeção eletrônica multiponto seqüencial e acelerador eletrônico. Transmissão: Câmbio manual de cinco velocidades à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não oferece controle eletrônico de tração. Potência máxima: 72 cv com gasolina e 76 cv com etanol a 5.250 rpm. Aceleração 0-100 km/h: 13,5 s com gasolina e 13 s com etanol. Velocidade máxima: 165 km/h. Torque máximo: 9,7 kgfm com gasolina e 10,6 kgfm com etanol a 3.850 rpm. Diâmetro e curso: 67,1 mm x 70,6 mm. Taxa de compressão: 10,8:1. Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com braços triangulares transversais, molas helicoidais, amortecedores telescópicos hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira interdependente, com braços longitudinais, molas helicoidais e amortecedores telescópicos hidráulicos. Não oferece controle eletrônico de estabilidade. Pneus: 175/70 R14. Freios: Discos ventilados na frente e discos à tambor atrás. Carroceria: Hatch compacto em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. 3,89 metros de comprimento, 1,46 m de largura, 1,65 m de altura e 2,46 m de entre-eixos. Oferece airbag duplo como opcional. Peso: 947 kg em ordem de marcha, com 440 kg de carga útil. Capacidade do porta-malas: 285l. Tanque de combustível: 55 litros. Produção: São Bernardo do Campo, Brasil Lançamento no Brasil: 2011. Itens de série: Vidros dianteiros elétricos, travas elétricas, rádio/CD/MP3/USB/Bluetooth, acabamento cromado nos pára-choques, banco do motorista com ajuste de altura, computador de bordo, volante multifuncional. direção hidráulica e rodas de liga levede 14 polegadas. Itens opcionais: Freios ABS e airbag para motorista e passageiro, arcondicionado, regulagem de altura para o volante, retrovisores e vidros traseiros elétricos elétricos e sensor de estacionamento traseiro. Preço: R$ 35.350.


O JORNA L JORNAL 4

Sábado, 1º de outubro de 2011

| www.ojornal-al.com.br | e-mail: igor93279039@hotmail.com

O limite da lenda Electra Glide exibe o máximo de requinte que as Harley-Davidson são capazes

A Harley-Davidson é praticamente uma instituição dentro do mundo das motocicletas. É uma mistura de anos de história, de muito marketing e de construção de motos de características bem fortes, que transformaram a imagem da marca em uma espécie de lenda. E para a fazer jus a essa fama, a fabricante norte-americana aposta no estilo que seus modelos inspiram. É o caso, por exemplo, do modelo topo de linha vendido no Brasil. A Ultra Classic Electra Glide é, em sua essência, uma motocicleta para ser usada em viagens a dois. Uma autêntica Touring, mas que não perde o apelo visual rebuscado que os modelos da marca possuem. É principalmente a história da Harley que faz a Electra Glide ter uma vendagem interessante. No acumulado de janeiro a dezembro, 173 unidades foram emplacadas - bastante significativo para uma moto que custa R$ 64.200. As concorrentes Honda Goldwing e BMW R 1200 RT - mais caras, por R$ 92 mil e R$ 90.900 respectivamente - tiveram 36 e 43 motos comercializadas no ano. Uma olhada de perto revela que a moto é um colosso sobre duas rodas. Não é como as que costumam encher as ruas e passar no meio do trânsito das grandes cidades brasileiras. O estilo é clássico. A dianteira tem a imponente carenagem mais larga nas extremidades e com um grande para-brisa na parte superior. Tanto os faróis principais e auxiliares como os piscas são redondos. A Electra Glide conta com um grande tanque de combustível no estilo gota que se encontram nos grandes e confortáveis bancos. O do carona é em um nível superior e ainda conta com encosto. Além do bom espaço para os dois ocupantes, a moto se destaca pela boa capacidade de carga. São três bolsas com espaço necessário para levar com tranquilidade a bagagem de duas pessoas.


6

Sábado, 1º de outubro de 2011

| www.ojornal-a

Em busca da liderança, a renova linha de caminhõe

A implantação do Proconve 7, a partir de janeiro de 2012, obriga os fabricantes de veículos comerciais no Brasil a reduzirem as emissões a níveis idênticos aos aplicados pela legislação europeia Euro 5. E para "dourar a pílula", que impõe custos de 6 a 10% maiores, todas as marcas apresentam novidades também em outros quesitos. No caso da Mercedes-Benz, a linha de caminhões 2012 inclui renovações visuais, novas opções de interior e carroceria, além da adequação da gama de motores. Os novos modelos serão apresentados oficialmente na 18º edição do Salão Internacional do Transporte - Fenatran -, entre 24 e 28 de outubro, em São Paulo. Além de atualizar os motores com a tecnologia batizada de BlueTec, a Mercedes acrescentou novos modelos à linha - que agora totaliza 30 versões, entre leves, semipesados e pesados. "Apesar do custo maior, a médio e longo prazo, o menor consumo de combustível vai compensar", garante Jürgen Ziegler, presidente da marca alemã no Brasil. A tecnologia BlueTec - adotada na Europa desde 2004 - acompanha a redução de 80% do nível de emissões de material particulado e 60% do nível de óxido de nitrogênio, em relação aos níveis vigentes no Brasil até 31 de dezembro desse ano. A Mercedes optou pelo sistema de pós-tratamento dos gases de escape por redução catalítica seletiva (SCR), que adiciona a utilização do fluido Arla 32 no escapamento do veículo. O produto é uma solução de 32% de ureia em água desmineralizada e reage com os gases antes da catalisação.


O JORNA L JORNAL

al.com.br | e-mail: igor93279039@hotmail.com

7

Mercedes-Benz es Mas a grande novidade da marca é a linha Atron, que engloba modelos médios, semipesados e pesados e substitui a linha L, mais antiga. Os modelos têm a clássica configuração de cabine semiavançada, conhecida popularmente como "caminhão bicudo". O carro-chefe da nova linha é o semipesado Atron 2324 6X2, substituto do L 1620 - um dos modelos mais vendidos na marca no Brasil. A linhagem Atron inclui ainda o médio 1319 4X2, sucessor do L 1318, o pesado 2729 6X4, que ocupa o lugar do 2726, e também o pesado 1635 4x2 cavalo mecânico, que aposenta o LS 1634. Outra aposta da marca é a nova linha de caminhões leves Accelo, com grade frontal e conjunto ótico atualizados, acompanhando o padrão estético que também foi estendido aos demais modelos. Com o novo Accelo 815, a Mercedes se mantém no segmento de veículos leves - os representantes da fabricante alemã são popularmente conhecidos como "Mercedinhos", presentes no mercado brasileiro desde 1972. Em 40 anos na categoria, a Mercedes estima já ter comercializado cerca de 185 mil caminhões leves. Além do design e do interior renovados, a novidade do Accelo 815 fica por conta da capacidade de carga. O modelo oferece 8.300 kg de peso bruto total - 1.600 kg a mais que o antecessor 710. A gama de motores que passa a servir ao Atron e aos renovados Accelo, Atego, Axor e Actros conta

com duas opções de 4 cilindros - OM 651 LA e OM 924 LA - e três propulsores de 6 cilindros - OM 926 LA, OM 457 LA e OM 501 LA -, com níveis de potência e torque aumentados - 36% nos quatro cilindros e 26% nos seis cilindros. Os modelos que chegam às 200 concessionárias da fabricante alemã em todo o Brasil a partir do próximo ano também têm outro objetivo. "Cada detalhe da nossa linha 2012 foi pensado para retomarmos a liderança no Brasil", admite o presidente Jürgen Ziegler, citando o primeiro lugar perdido para o grupo MAN/Volkswagen há nove anos. O plano movimentou R$ 1,5 bilhão, investidos na ampliação da capacidade de produção das unidades no Brasil. Deste montante, R$ 400 milhões foram destinados à conversão da unidade industrial da cidade mineira de Juiz de Fora, originalmente destinada ao monovolume de passeio Classe A, para a fabricação de caminhões. "O próximo ano deve ser de transição, principalmente nos primeiros meses. Portanto, a Mercedes vislumbra retomar o primeiro lugar só em 2013", avalia Joachim Maier, vice-presidente de vendas da marca. Outra meta da Mercedes é nacionalizar 60% do portfólio oferecido até 2014. As primeiras unidades do topo de linha Actros virão da Alemanha - o que acarretará a cobrança do IPI, aumentado em 30% pelo governo este mês. Mas o modelo pesado deve ser produzido na fábrica mineira logo em seguida.


O JORNA L JORNAL Sábado, 1º de outubro de 2011

| www.ojornal-al.com.br | e-mail: igor93279039@hotmail.com

9

Estrangeiros podem comprar um carro nos Estados Unidos sem um histórico de crédito Para um estrangeiro que planeja se mudar para os Estados Unidos, comprar um carro pode ser extremamente difícil. Os estrangeiros que se mudam para os EUA normalmente não dispõem de um histórico de crédito no país, o que dificulta o leasing ou o financiamento de um veículo para atender suas necessidades de transporte no país. Através de um programa único, projetado especialmente para estrangeiros, a International AutoSource ajuda as pessoas que se mudam para os EUA a obter um veículo novo. A International AutoSource é uma distribuidora autorizada de fábrica, que oferece um programa de compra ou leasing direto da fábrica a estrangeiros sem um histórico de crédito nos EUA e, mais do que isso, não requer avalistas. A International AutoSource é diferente de um "intermediário", porque oferece um programa único de transação direta com a fábrica, enquanto um intermediário simplesmente oferece referências de revendas locais de carros, o que resulta em preços mais altos e taxas para o consumi-

dor. Ao ter a possibilidade de comprar diretamente da fábrica através da International AutoSource, os estrangeiros podem economizar milhares de dólares, na compra ou leasing de um veículo novo. A International AutoSource torna fácil o processo de compra ou leasing de um carro. O estrangeiro, que tem planos de se transferir para os Estados Unidos, deve contatar um consultor treinado da International AutoSource, que pode fornecer cotações detalhadas de preços, com todas as informações necessárias para determinar a melhor opção de veículo. Eles também vão fornecer orientação passo a passo ao consumidor, para fazer com que o processo de pedido de crédito seja simples e não dê trabalho. O consumidor pode determinar uma data e um local convenientes para a entrega dos veículos em qualquer parte continental dos Estados Unidos. O consumidor será instruído sobre o processo de compra do veículo do começo ao fim, para lhe garantir uma experiência agradável e tranquila.


O JORNA L JORNAL 10

Sábado, 1º de outubro de 2011

| www.ojornal-al.com.br | e-mail: igor93279039@hotmail.com

Eqmax lança rack de teto exclusivo para Honda City A Eqmax, maior fabricante de racks e porta-bikes do País, acaba de lançar no mercado um modelo exclusivo de rack de teto da linha New Wave para o Honda City. Desenvolvido com tecnologia de ponta e projetado para seguir e se harmonizar com o desenho do carro, o novo rack de teto da Eqmax para o Honda City é fabricado em alumínio e pode ser encontrado nas cores preto e prata. O novo rack de teto da Eqmax traz fixadores e barras de carga resistentes e de fácil utilização. De acordo com Romualdo Bacci Jr., diretor comercial da Eqmax, o novo acessório da empresa foi desenvolvido após solicitações de nossos clientes. ?"Testamos o equipamento por meio de provas de durabilidade e segurança e colocamos no mercado um produto confiável e 100% brasileiro"?, diz Bacci. O equipamento chega com preço sugerido de R$ 355,00 e pode ser adquirido em lojas especializadas.


O JORNA L JORNAL Sábado, 1º de outubro de 2011

| www.ojornal-al.com.br | e-mail: igor93279039@hotmail.com

11

RECORDE NAS VENDAS AQUECE INDÚSTRIA BRASILEIRA DE

MOTOCICLETAS

Indústria de motos reúne-se na 11ª edição do Salão Duas Rodas e comemora recorde de vendas em toda a sua história, com 202.851 unidades vendidas em agosto

C

ada vez mais os brasileiros estão aderindo às motocicletas em busca de mobilidade e agilidade no trânsito. Durante a 11ª edição do Salão Duas Rodas (Feira Internacional de Motocicletas, Bicicletas, Peças, Equipamentos e Acessórios), profissionais e apaixonados por veículos duas rodas poderão conferir os principais lançamentos de motocicletas, equipamentos e acessórios. Promovido pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, o evento acontecerá de 4 a 9 de outubro, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo. A indústria está celebrando os últimos índices do mercado. Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), as vendas da indústria brasileira de motocicletas alcançou o maior recorde de sua história em agosto, com 202.851 unidades vendidas no atacado (do fabricante à revenda), 25,8% a mais que o mês anterior. A Honda é a empresa que detém o maior share desse mercado no Brasil com 78,10%, seguida res-

pectivamente da Yamaha (12,17%), Dafra (2,30%), Suzuki (2,07%), Kasinski (1,99%) e outros (3,36%), conforme dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Por conta desse ritmo do mercado, os fabricantes estão de olho nas tendências e estudam as necessidades dos consumidores para sair na frente com novidades. Aliado a esse cenário, surge a conscientização do público por opções de acessibilidade urbana sustentáveis. Os fabricantes têm papel importante nesse sentido e mostram que estão dispostos a contribuir com a redução de emissão de poluentes por motos. Grande exemplo disso é a atenção em desenvolver modelos com “motores verdes”, que utilizem combustíveis alternativos, mais limpos e economicamente viáveis. No Brasil, a primeira motocicleta flex produzida em série no mundo foi lançada pela Honda em 2009. Além das motos bicombustíveis, diversas empresas também apostam em motos elétricas ou a gás, novidades que poderão ser conferidas no Salão

Duas Rodas, que espera receber mais de 250 mil visitantes este ano. "A trajetória do SALÃO DUAS RODAS faz um retrato perfeito do setor. Nestes 20 anos que o evento é realizado, tivemos várias mudanças nos transportes do cidadão e, sem dúvida, a motocicleta foi o grande destaque. O veículo hoje é usado amplamente para locomoção individual e também para transporte de carga. A cada edição o SALÃO DUAS RODAS traz novidades que buscam incrementar o dia a dia dos usuários desses veículos" explica Ivani Andreotti, Show manager do evento.

SALÃO DUAS RODAS Data: 4 a 9 de outubro de 2011 Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi, Parque Anhembi - Av. Olavo Fontoura, 1.209, Santana - São Paulo – SP www.salaoduasrodas.com.br


O JORNA L JORNAL 12

Sรกbado, 1ยบ de outubro de 2011|

www.ojornal-al.com.br | e-mail: igor93279039@hotmail.com


AUTOJORNAL 01/10/2011