Page 1


3500 MA Origem da vida na terra 4600 MA Origem do Sistema Solar

13700 MA Origem do universo BIG BANG

A viagem começa aqui... Imagine que cada degrau equivale a 1000 milhões de anos (MA). Neles se registam alguns dos momentos chave da história do Universo.


2,5 MA Primeiros homo

Quanto mais recuarmos no tempo

SUBIU TODOS OS DEGRAUS. CHEGOU À TERRA. UM PLANETA DO SISTEMA SOLAR É aqui, na Terra, no friso da nossa história, que vai descobrir o que estas personagens têm para lhe contar.

NO FRISO DA NOSSA HISTÓRIA... UMA LEITURA DO SAGRADO EM CORUCHE

mais perto estamos da nossa origem

ALGUMA VEZ SE QUESTIONOU SOBRE O QUE É O SAGRADO? Que resposta encontrou? ........................................................................................................... Ao longo dos tempos o ser humano foi mudando a sua forma de pensar o sagrado. Podemos dizer que o sagrado se constrói? Ele existe para além de nós, seres humanos? EXPLORE Foi, é e será sempre igual? O Igual em todas as épocas, para todos SISTEMA SOLAR. os povos e civilizações?

AVANCE, ENTRE NA SALA E DESCUBRA...


ESPAÇOS DE VIDA Na Pré-História sagrada era a terra, Deusa-Mãe, que a todos dava o alimento e a todos acolhia no seu ventre, em construções megalíticas orientadas pelo Sol e pela Lua. OS PRIMEIROS CAMPONESES CHEGAM A CASAS NOVAS HÁ 5500 ANOS a.C. Estamos no Neolítico. Recordamos o aparecimento das primeiras cerâmicas e dos primeiros instrumentos de pedra polida associados a novas técnicas e ao cultivo da terra. Identifique os objetos de pedra polida. Todos os outros são de pedra lascada e remontam às sociedades recoletoras.

1

2

3

4

5

EM 2500 a.C. UMA COMUNIDADE DE ARQUEOMETALURGISTAS DO COBRE VIVEU NO CABEÇO DO PÉ DA ERRA, À ÉPOCA RODEADO POR DOIS CURSOS DE ÁGUA Aí existiu uma quinta, com algumas cabanas e um fosso de proteção, onde os seus habitantes faziam um pouco de tudo. Eles eram... e usavam... ARTESÃOS

PASTORES

INFORMÁTICOS

PESOS DE TEAR CERÂMICAS DE COZINHA

QUEIJEIRAS

COMPUTADOR

ENFERMEIROS

CAÇADORES

AGULHAS

PONTAS DE SETA

AGRICULTORES

BANQUEIROS

MÓS

MOEDAS

PRIMEIROS METALURGISTAS ELEMENTOS DE COBRE

DESCUBRA ONDE ESTÁ O ARTESÃO DAS PLACAS DE XISTO Imagine o resto da placa de xisto Soluções: 1, 2|ARTESÃOS, CAÇADORES, AGRICULTORES, METALURGISTAS|c, e, g


ESPAÇOS DA MORTE TERRAS DE PASTORES E CONSTRUTORES DE ANTAS Descubra a sepultura do Mouchão das Azinheiras. É mais antiga que a Anta de Vale Beiró. Quais os objetos que não se encontravam nas sepulturas mais antigas?

a

b

c

d

e

f

g

O MAPA serve de orientação

Anta de Vale Beiró (Anta 1 da Herdade da Água Doce)

6.º milénio a.C.

5.º milénio a.C.

4.º milénio a.C.

O FRISO AJUDA A SITUAR-SE NO TEMPO

BARRANCO DO FARINHEIRO

MONTE DA BARCA

CABEÇO DO PÉ DA ERRA

VALE BEIRÓ

CASAS NOVAS

MOUCHÃO DAS AZINHEIRAS 2

NO SÍTIO DO MONTE DA BARCA, NA MARGEM SUL DO RIO SORRAIA, VAI ENCONTRAR MUITOS ARTEFACTOS E PLACAS GRAVADAS Quem as gravou? O artesão do Cabeço do Pé da Erra? Talvez... As placas foram produzidas para acompanhar e proteger os mortos. Representariam uma divindade feminina colocada no peito do morto. Placa de xisto gravada. Tudo leva a crer que acreditavam numa outra vida. Monte da Barca (Coruche)

3.º milénio a.C.

2.º milénio a. C.


DEUSES E HOMENS O mundo romano caracterizou-se por uma simbiose entre o sagrado e o profano, entre os deuses e os homens, presente em todos os atos do quotidiano. DESCUBRA ONDE ESTÁ A DAMA ROMANA No seu indicador direito tem um anel. Veja com atenção a gema gravada. Parece a figura de um guerreiro. No entanto, a gravura representa a deusa M............................................., símbolo do conhecimento e da sabedoria. Está armada para lutar contra os incultos, os b................................... , e impor a civilização romana.

Objeto do quotidiano, a pedra de anel testemunha a religião e a cultura da civilização romana. Um mundo pagão, onde imperam muitos deuses. MUITO PRÓXIMO ENCONTRE OUTRA REPRESENTAÇÃO DE MINERVA Está sentada à direita de Júpiter e do lado oposto a J...................................... (Tríade Capitolina). Todos eles deuses, todos eles imortais, cada qual com os seus atributos.

1.º milénio a.C.

Séculos I a.C. a V d.C.

ENTRE NO CORREDOR DO TEMPO E AVANCE ATÉ À ROMANIZAÇÃO EM CORUCHE

ROMANIZAÇÃO

VITORINA PRESTA CULTO AOS DEUSES MANES, PROTETORES DOS MORTOS A quem Vitorina dedicou este monumento funerário? ..................................................

1.º milénio d.C.

NO ALTO DO MONTE JUNTO À VILA DE CORUCHE EXISTIU UM TEMPLO. Dele faziam parte o capitel c............................... e a base á..........................


TAMBÉM O IMPERADOR FOI DIVINIZADO IDENTIFIQUE ALGUNS IMPERADORES NAS CUNHAGENS DAS MOEDAS que circulavam pelo vasto Império Romano, de que o território de Coruche fazia parte e onde o rio foi fundamental no contacto com outras regiões. EU SOU O IMPERADOR ......................................................... E LEVANTO COM A MÃO DIREITA UMA FIGURA FEMININA QUE SIMBOLIZA O MEU IMPÉRIO.

DESCUBRA NO SORRAIA O NAVIO MERCANTE DENOMINADO DE CORBITA e procure provas da navegabilidade... De onde provêm as peças aqui encontradas? PROVÍNCIAS DE ORIGEM

1. BÉTICA, atual Andaluzia 2. GÁLIA, sud-gálica 3. ITÁLIA 4. LUSITÂNIA, estuário do Tejo e do Sado

.. ..

.. ..

PEÇAS

a. ÂNFORA LUSITANA 3 b. ÂNFORA DRESSEL 20 c. PRATO DE TERRA SIGILLATA d. BORDO DE TAÇA DE TERRA SIGILLATA HC

SAIBA MAIS SOBRE A ROMANIZAÇÃO TOCANDO NO ECRÃ

HOUVE UMA OCUPAÇÃO RURAL INTENSA NO VALE DO SORRAIA Descubra alguns dos utensílios usados no sítio da Quinta Grande

..........................

.....................

......................

JOGO DO MOINHO

Encontre na gaveta as peças do jogo...

Soluções: MINERVA, BÁRBAROS, JUNO, MENELAU, CORÍNTIO, ÁTICA|VALENTIANO II | 1-b, 2-d, 3-c, 4-a| MACHADO, ENXÓ, FOICE

Os Romanos inventaram formas de lazer muito idênticas às nossas. O Jogo do Moinho tem semelhanças com o nosso jogo do galo. Quando não havia tabuleiro gravava-se o seu desenho numa pedra, num tijolo ou no chão, como o que se encontra aqui na sala.

NÚMERO DE JOGADORES: 2 NÚMERO DE PEÇAS: 6 PEÇAS POR JOGADOR 1. Começa-se com o tabuleiro vazio 2. Um a um, cada jogador coloca uma peça num ponto vazio 3. Quando todas as peças estiverem colocadas, os jogadores podem movê-las para uma posição vazia que seja próxima e esteja unida por uma linha 4. Cada vez que, ao longo da partida, um jogador forma um moinho (três peças próprias em linha), retira do tabuleiro uma peça do adversário à escolha 5. Ganha aquele que deixar o adversário com apenas duas peças


FRONTEIRAS E CRISTANDADE Com a queda do Império Romano este território ficou sob o domínio Visigodo.

ENTRE AGORA PELAS PORTAS DO CASTELO E DESCUBRA “CORUCHE” DO SÉCULO VIII AO SÉCULO XII A partir do ano 711 a Península ficou sob o domínio mouro. O castelo de Coruche, uma pequena atalaia de defesa, teve importância estratégica no longo processo da Reconquista cristã. Situado entre as cidades de Santarém, Lisboa e Évora, permitia o domínio visual de um extenso território para sul.

ESTÁ NO CASTELO DE CORUCHE. A SUL AVISTA-SE A CHEGADA DOS CAVALEIROS MOUROS ARME-SE CAVALEIRO! VISTA A PELE DE UM MOURO OU DE UM CRISTÃO E LUTE PELA POSSE DO TERRITÓRIO

Cena de reconstrução do castelo de Coruche após incursão almôada

Ofensiva moura

Cena da entrega do foral afonsino (recriação)

Soluções: 1157, 1210, MILITARES DE ÉVORA - ORDEM DE AVIS, 1182 | TRINDADE, AFONSO, D. SANCHO, CORUCHE, ÉVORA


CRISTÃOS E MOUROS LUTAVAM PELA POSSE DO TERRITÓRIO

HC

FRONTEIRA ENTRE CRISTÃOS E MOUROS NO ANO DE FRONTEIRA ENTRE CRISTÃOS E MOUROS NO ANO DE NO ANO DE 1176 A DEFESA DO CASTELO FOI ENTREGUE AOS FREIRES ..............................................................................

HC

D. AFONSO HENRIQUES CONQUISTOU O CASTELO DE CORUCHE AOS MOUROS E CONCEDEU AOS SEUS HABITANTES, EM , A PRIMEIRA CARTA DE FORAL

AJUDE A ESCREVER A CARTA DE FORAL DESCOBRINDO AS PALAVRAS EM FALTA Coruche Em nome da santíssima , una e indivisível, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ámen. Eu, el-rei D. , filho do conde D. Henrique e da rainha D. Teresa, juntamente com os meus filhos, el-rei , rainha Dona Urraca e rainha D. Teresa, queremos restaurar e povoar , que tomámos aos Sarracenos. Damo-vos, a vós, presentes e futuros, o foro e costume de . Texto do foral afonsino de Coruche (excerto)


O QUOTIDIANO E O SAGRADO Deixámos o monte do castelo Descemos à vila

Silo / cripta-ossário

Estamos no século XIII, junto à Igreja de São Pedro. A influência da Paróquia estendia-se à zona rural, uma área fértil e propiciadora de riqueza. É provável que as covas ou silos aqui identificados servissem para guardar cereais, usados como pagamento de rendas eclesiásticas.

Aquando da reorganização do espaço, um dos silos foi reutilizado, dando origem a uma galeria subterrânea usada como ossário. Junto dos ossos as moedas recordam o culto a C............................ O sino, que outrora estaria no campanário da igreja, também aqui foi depositado por se encontrar inutilizado. Simbolicamente encerrou a cripta-ossário, encaminhando a alma de muitos que em vida havia servido. PROCURE O SINO E ESCREVA A DATA DA SUA FUNDIÇÃO M

X

(numeração romana)

FAÇA A CORRESPONDÊNCIA ENTRE OS CALENDÁRIOS. NA ERA CRISTÃ O SINO É DE

Soluções: CARONTE; MCCCXXV; 1287


O SINO DE SÃO PEDRO | Peça de teatro Frei Francisco aguarda que frei Miguel traga, finalmente, do interior da Igreja de São Pedro o sino para o enterrarem na cripta. Frei Francisco – Trazei o sino, Irmão Miguel, que já tarda para as Vésperas. Frei Miguel (numa mão transporta o sino e na outra a candeia) – Tende calma… Escasseava uma candeia que nos alumiasse nas profundezas do mundo! Frei Francisco (já impaciente) – Por Deus, quereis vós trazer tudo sozinho (avança para frei Miguel e segura na candeia). Dai-me cá essa candeia e trazei de uma vez o bendito sino. Com a passagem entre mãos das peças, frei Francisco deixa cair o sino, ficando fraturado no topo. Frei Miguel – Está partido o nosso sino… e agora Irmão Francisco, o que dirá o Prior?

Frei Francisco (segura o sino e apressa-se para dentro da cripta) – O Prior nada dirá… porque nada saberá. Despachai-vos Irmão Miguel, depositemos o sino junto das ossadas, como se estivesse inteiriço… vamos, despachai-vos, despachai-vos! Frei Miguel – E se o Prior descobrir, o que fazemos Irmão Francisco? Frei Francisco – Não vos apoquentais, o dito já não estava ao serviço por se encontrar impróprio para as funções. Frei Miguel – Tendes a certeza? – diz muito receoso. Frei Francisco – Absoluta… este sino ficará perpetuamente aqui enterrado e nunca pessoa alguma o trará de novo à luz do dia… conduzirá eternamente estas almas aqui depositadas!! Frei Miguel – Assim queira Deus que seja… Lá vem o Prior, lá vem o Prior!

TOQUE NO ECRÃ PARA OUVIR O SINO

HC


O TRABALHO E A FESTA EM CICLO REPETIDO, TUDO COMEÇA NUMA FESTA E ACABA NOUTRA No seu percurso anual à volta do Sol, as estações do ano regulam o calendário agrícola. É tempo de... fazer a correspondência:

outono . inverno . primavera . verão .

. esperar que as plantas germinem . colher o fruto amadurecido . preparar a terra | semear . proteger as plantas germinadas

A FESTA É UM MOMENTO DE PAUSA NOS TRABALHOS DO CAMPO

r

ege

Prot

Todos os dias festivos que celebram uma entidade superior são, na sua essência, dias que celebram a Natureza.

FESTAS MÓVEIS, determinadas pela Lua: O Carnaval, a

152 000 000 km

e a Quinta-Feira

da Ascensão.

Solstício de verão (JUNHO)

FESTAS FIXAS, determinadas pelo Sol: Santa Luzia, outrora festejada próximo do solstício de , invocando o retorno da luz

Colh

er

e dos dias que crescem. Santos Populares, próximos do solstício de , onde as fogueiras reproduzem o Sol e o seu poder criador.

Equinócio de outono (SETEMBRO)


DESCUBRA OS OBJETOS REPRESENTADOS NAS PEÇAS DO PUZZLE. CADA UM ESTÁ RELACIONADO COM UMA ESTAÇÃO DO ANO VEJA OS TRABALHOS DO CAMPO, EM CORUCHE, NOS FILMES DA DÉCADA DE 40 DO SÉCULO XX Equinócio da primavera (MARÇO)

Em agosto são as Festas em Honra de ................... ..................... do ........................... É na presença da Padroeira, cujo manto a todos protege, que se realiza a cerimónia da bênção dos campos junto à ermida, no alto do monte. O sacerdote, segurando a custódia, abençoa a vila, agradece e celebra a fertilidade e a abundância das terras.

Espe

rar

147 000 000 km

Solstício de inverno (DEZEMBRO)

SELECIONE O LADO PROFANO DAS FESTAS: BÊNÇÃO DO GADO

rra a te r a ar r Prep Semea

CORTEJO ETNOGRÁFICO TOURADAS BÊNÇÃO DOS CAMPOS

PIQUENIQUES

PROCISSÃO Soluções: OUTONO/PREPARAR, INVERNO/ESPERAR, PRIMAVERA/PROTEGER, VERÃO/COLHER|PÁSCOA, INVERNO, VERÃO|NOSSA SENHORA DO CASTELO|CORTEJO ETNOGRÁFICO, PIQUENIQUES, TOURADAS


E CULTURA ENTROU NA FLORESTA… O ser humano faz parte da Natureza, da sua biodiversidade. No entanto, contrariamente aos outros seres vivos, foi-se libertando dela. Ou assim o pensou. Criou uma relação de domínio. Impôs-lhe o ritmo da tecnologia. Como será assim o futuro da nossa história? Vamos olhar o sistema do montado. Homem e floresta equilibram-se, vivem em harmonia, ainda que crescendo a ritmos diferentes. Quem planta um sobreiro não pensa em si, preocupa-se com os seus netos. O respeito é possível. O desenvolvimento sustentável também.

DESCUBRA OS SEGREDOS DESTA FLORESTA ABRA A PORTA E AS JANELAS. UTILIZANDO TODOS OS SEUS SENTIDOS, ENCONTRE O QUE DE MAIS SAGRADO EXISTE NO MONTADO

A terra, de onde tudo nasce, é também o chão que nos permite correr ou partir em direção ao céu e aos astros…


A exposição ajuda As antas são construções pré-históricas, com milhares de anos. É possível encontrar antas nas terras do montado de Coruche? Sim B Não Os continentes que produzem mais cortiça são: A Europa e Ásia B Ásia e África C Europa e África O que distingue o montado de sobro dos outros sistemas de produção florestal? A Ser um sistema de produção agro-silvo-pastoril B A produção intensiva de monocultura de sobreiros C Ser um sistema de produção única e exclusivamente de cortiça

Quando se diz que o montado apresenta uma grande biodiversidade, quer dizer-se que: A Não permite a existência de diversas formas de vida B Permite muitas formas de vida, desde mamíferos, aves, insetos, anfíbios, répteis e múltiplas variedades de espécies vegetais O primeiro descortiçamento (ato de retirar a cortiça à árvore) deve ser feito tendo o sobreiro que idade? A 2 a 3 anos B 10 a 12 anos C 25 a 30 anos De quanto em quanto tempo se retira a casca do sobreiro, a cortiça? A Uma vez por ano B De nove em nove anos C De vinte em vinte anos

A SINGULARIDADE DE UMA ARELAÇÃO COMPLEXA cortiça é um material: As florestas de sobreiro têm uma grande capacidade de retenção do dióxido de carbono. Esta sua capacidade é boa para o ambiente? A Não B Sim Qual o nome científico do sobreiro? A Pinus pinea B Quercus ilex C Quercus suber L. Qual é o fruto do sobreiro? A Bolota B Figo C Morango

A 100% artificial B 50% natural e 50% artificial C 100% natural Qual é o principal uso que se dá à cortiça? A Fabrico de vestuário B Fabrico de sapatos C Fabrico de rolhas A cortiça já foi utilizada na exploração do espaço? A Sim, como isolamento térmico B Não, mas está para breve a sua utilização


Esta carta de Portugal privilegia o mar. A costa ocidental está voltada para o ..................... da folha. ESTAMOS NO SÉCULO ........................., tempo da expansão marítima.

A vila de Coruche tinha uma ponte de madeira construída sobre a ribeira da ........................... ( R Daera). Ainda hoje há uma localidade que se chama “Vila Nova da Erra”. NA CAPA IDENTIFIQUE: CORUCHE, A RIBEIRA E A PONTE

E

N

S W Carta de Portugal de Fernando Álvaro Seco (1561)

MAIS A SUL DESCUBRA O RIO SORRAIA FORMADO PELA JUNÇÃO DAS RIBEIRAS DE SOR E RAIA Identifica-lhe alguma ponte? ............... Sabemos que no sítio Monte da Barca, ainda hoje assim designado, havia um porto de passagem do rio – o porto de Évora –, servido pela barca do comendador da ordem de Avis. Soluções: CIMO; XVI; ERRA; NÃO

Ficha técnica COORDENAÇÃO Cristina Calais

APOIO TÉCNICO Ana Correia Dulce Patarra

TEXTOS Ana Correia (peça de teatro) Cristina Calais

REVISÃO DE TEXTOS Ana Paiva

ILUSTRAÇÕES Helena Claro [HC] Ricardo Drumond FOTOGRAFIAS João Almeida (acervo MNA) Museu Municipal de Coruche Victor S. Gonçalves DESENHOS ARQUEOLÓGICOS André Pereira, Fátima Dias Pereira, Fernanda Sousa, Marco Andrade

DESIGN GRÁFICO Helena Claro EDIÇÃO Câmara Municipal de Coruche Museu Municipal de Coruche, 2017 CAPA Adaptação da imagem gráfica da exposição desenvolvida pela Yellow Note - Design e Comunicação

CRÉDITOS Fotografia capa: Starry Night at la Silla, ESO/H.Dahle Mapa capa: Fernando Álvaro Seco, Portugalliae que olim Lusitania, novissima exacctissima descriptio. Roma, 1560 [i.é. 1561] (Biblioteca Nacional de Portugal, cota cc-379-v) Imagem página 1: NASA / CXC / M.Weiss

Profile for Museu Municipal de Coruche

Vamos explorar "Coruche: o Céu, a Terra e os Homens"  

Guia do visitante

Vamos explorar "Coruche: o Céu, a Terra e os Homens"  

Guia do visitante

Advertisement