Page 1

Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Arquivo Geral Neiva Pavezi

Catรกlogo seletivo de fotografias

Concretizando um ideal a cidade universitรกria da ufsm de 1960 a 1973


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 5

Catálogo seletivo de fotografias

Concretizando um ideal a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973

Neiva Pavezi Santa Maria, RS – 2010


Universidade Federal de Santa Maria

Ficha catalográfica

C357

Catálogo seletivo de fotografias : concretizando um ideal : a cidade universitária da UFSM, de 1960 a 1973 / Neiva Pavezi. – Santa Maria : UFSM, Departamento de Arquivo Geral, 2010. 112 p. : il. ; 30 cm. Acompanha dissertação (Mestrado) com o título: Arquivo fotográfico : uma faceta do patrimônio cultural da UFSM, Programa de Pós-Graduação Profissionalizante em Patrimônio Cultural, Universidade Federal de Santa Maria, RS, 2010. Orientador: Daniel Flores. 1. Fotografia 2. Catálogo 3. Universidade Federal de Santa Maria - Construção - 1960-1973 4. Arquitetura 5. Patrimônio cultural I. Universidade Federal de Santa Maria, Departamento de Arquivo Geral II. Pavezi, Neiva CDU 77:378.4

Reitor Felipe Martins Müller Vice-Reitor Dalvan José Reinert Pró-reitor de Administração André Luis Kieling Ries Diretora do Departamento de Arquivo Geral Dione Calil Gomes Projeto Gráfico Editorial Leandro Felipe Aguilar Freitas Capa e Contracapa arte de Leandro Felipe Aguilar Freitas sobre fotos de Blaya Perez

Ficha catalográfica elaborada por Maristela Eckhardt CRB-10/737 Biblioteca Central – UFSM

Direitos reservados ao Departamento de Arquivo Geral da Universidade Federal Santa Maria Prédio da Reitoria – Cidade Universitária Camobi CEP 97105 900 – Santa Maria – RS Fone/Fax: (55) 3220 8130 www.ufsm.br/dag


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 7

PREFÁCIO Ao completar cinqüenta anos de existência a Universidade Federal de Santa Maria é, hoje, uma referência como instituição de Ensino Superior. Portanto, disponibilizar este instrumento de pesquisa para todos os interessados na história de nossa instituição, por meio do registro de imagens do patrimônio arquitetônico de um determinado período sócio-cultural, é uma iniciativa que impõe um atributo de temporalidade a uma realidade empírica. A fotografia é uma fonte não verbal que provoca a lembrança de situações que ocorreram num determinado momento e, por isso, é memória com expressão e significado. Assim, constituindo-se em um documento capaz de não somente provocar lembranças, registrar acontecimentos, mas, acima de tudo, ser uma fonte de pesquisa com representação do sentido social, econômico, cultural e político de uma época.

Este instrumento de pesquisa, além de ser um presente à nossa instituição, é uma justa e sincera homenagem, em função do importante papel que a Universidade Federal de Santa Maria vem cumprindo a frente de tantas ações desencadeadas em diferentes campos do saber. É também um produto que promove a difusão de um conjunto documental do acervo arquitetônico inicial da universidade.

A relevância deste catálogo se dá pelo fato de que o mesmo disponibiliza, à nossa comunidade universitária e demais interessados, o registro das primeiras iniciativas de quem ousou dar materialidade ao sonho de interiorizar a educação superior pública. Mostra um momento de nossa história institucional, trazendo para a posteridade um pouco daquilo que foi vivido pelos pioneiros e que hoje podem recordar, bem como revelar aos que não estavam lá, as raízes do que somos hoje.

Felipe Martins Müller Reitor da UFSM Santa Maria, fevereiro de 2010

A valorização da memória gera o conhecimento do passado, cria estratégias para o desenvolvimento de pesquisas e resulta em meios facilitadores dos processos de construção de um presente sólido.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 9

AGRADECIMENTOS Agradecemos de forma especial a todos que colaboraram para tornar possível a publicação deste catálogo seletivo, por ocasião das comemorações do cinqüentenário da UFSM: Dione Calil Gomes – pelo total e irrestrito apoio ao trabalho realizado; Rosilaine Zoch Bello – pela contribuição direta; Coordenação e docentes do PPGPPC – pelo estímulo à busca do conhecimento; Daniel Flores – pela orientação na pesquisa; Carlos Blaya Perez – pela colaboração técnica e orientação na busca das fontes; Eugênia Mariano da Rocha Barichello – pela receptividade e material bibliográfico; José Vicente Monteiro Corrêa – pelas informações prestadas e o acesso ao arquivo da PROINFRA; Aos entrevistados que generosamente compartilharam suas memórias para subsidiar a pesquisa que originou esta obra - Orozimbo Ramos Penna, Léo Pinto Guerreiro, Luiz Fernando Franzen Vinadé, Antonio Chiapinotto e Francisco Moraes Genro; Equipe do PRRH – pelo acesso aos arquivos de banco de dados;


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 11

SUMÁRIO

Parte 1

07

PREFÁCIO

09

AGRADECIMENTOS

11

SUMÁRIO

13

APRESENTAÇÃO

16

AS RAÍZES DA NOVA UNIVERSIDADE

18

O IDEAL DO PROF. DR. JOSÉ MARIANO DA ROCHA FILHO

19

A CONCRETIZAÇÃO DE UM IDEAL

21

OS AUTORES DAS FOTOGRAFIAS

27

50 ANOS

29

REFERÊNCIAS

Parte 2

30

DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA DE FOTOGRAFIAS

120

ÍNDICE ALFABÉTICO

121

ÍNDICE ONOMÁSTICO


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 13

APRESENTAÇÃO Este catálogo seletivo de fotografias configura-se como uma estratégia de difusão do Arquivo Permanente do Departamento de Arquivo Geral da UFSM. É o produto final do projeto de pesquisa do Programa de Pós-graduação Profissionalizante em Patrimônio Cultural (PPGPPC) da UFSM. Foi orientador deste projeto o Prof. Dr. Daniel Flores e a supervisão técnica da sua elaboração, foi realizada pelo Prof. Dr. Carlos Blaya Perez. Devido ao seu profundo conhecimento na área de Arquivologia, Fotografia, e da trajetória da fotografia na UFSM, a contribuição do Prof. Blaya Perez foi imprescindível na concretização deste instrumento de pesquisa. A documentação arquivística custodiada pelo Departamento de Arquivo Geral, inclusive a documentação fotográfica que registra imagens do patrimônio arquitetônico da instituição, é uma faceta que integra o patrimônio cultural da UFSM. O tema da construção da Cidade Universitária foi escolhido em razão da importância desse patrimônio arquitetônico em nível local, regional, nacional e internacional e da utilização dessa documentação por pesquisadores internos e externos à instituição. O período de 1960 a 1973 corresponde à gestão do primeiro reitor, o Professor Dr. José Mariano da Rocha Filho, e à uma intensa produção de edifícios, vias e vegetação no campus da UFSM. O arquivo de fotografias da Universidade foi recolhido do antigo Setor Fotográfico, que era responsável pela produção das imagens de divulgação da instituição. As fotografias em papel estão reunidas em dossiês temáticos e as tiras de negativos estão ordenadas numericamente e por ano. Atualmente, a função de divulgação é desempenhada pela Agência de Notícias da Coordenadoria de Comunicação Social da UFSM.

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA 0004, UFSM, 1967.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 14

Periodicamente, a documentação fotográfica, produzida atualmente apenas em arquivo digital, continua sendo enviada ao Departamento de Arquivo Geral. O Dossiê Construção da Cidade Universitária é formado por, aproximadamente, 1315 fotografia em suporte papel e tiras de negativo em acetato, e abrange o período de 1958 a 2002. Desse total, foram selecionadas noventa imagens, em papel, representativas de várias etapas da obra dos prédios que foram construídos no período, e que apresentam uma imagem nítida, focada e bem contrastada. Uma pesquisa realizada pelo Departamento de Arquivo Geral, em 2001, juntamente como Curso de Arquivologia, resultou em uma política de arranjo para a instituição1 que adotou o princípio de classificação proposto pela Norma Brasileira de Descrição Arquivística (Nobrade). O arranjo do arquivo fotográfico está estruturado de acordo com a Política de Arranjo Documental da UFSM. O dossiê da Construção da Cidade Universitária pode ser representado por níveis cujo princípio, denominação e código estão relacionados aos níveis Nobrade conforme apresentado no quadro abaixo (Quadro 1). Nível Nobrade

Princípio

0 – Entidade

Nível UFSM

Código

Nome

Instituição

BR UFSM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

1 - Fundo

Estrutura

Fundo

AD

COORDENADORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

2 - Seção

Estrutura

Grupo

G1

NÚCLEO DE AGÊNCIA DE NOTÍCIAS

3 - Série

Atividade

Série

S1

DIVULGAÇÃO INSTITUCIONAL

1 CASTANHO, Denise Molon, et al. Uma política de arranjo documental para a Universidade Federal de Santa Maria. UFSM: Santa Maria, 2001.

3.5 - Subsérie

Subatividade

Subsérie

SSA

PRODUÇÃO DE FOTOGRAFIAS

4 – Processo/ Dossiê

Assunto, atividade ou transação

Dossiê

DCCU

CONSTRUÇÃO DA CIDADE UNIVERSITÁRIA

5 – Item documental

Espécie do documento

Item documental

Quadro 1 – Arranjo do dossiê Construção da Cidade Universitária em relação aos níveis Nobrade Fonte: PAVEZI, Neiva. Arquivo fotográfico: uma faceta do patrimônio cultural da UFSM. 2010. 227f. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010.

O nível item documental, para as fotografias em suporte papel, está reunido em dossiês temáticos assim estruturados (Quadro 2). O código atribuído ao item documental é formado por uma combinação de letras indicativas do título do nível, seguida se uma numeração consecutiva de quatro dígitos. De acordo com a estrutura apresentada acima podemos citar o exemplo: BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AC0001. Neste caso, sabe-se que o item descrito trata-se: · Do item 0001 do Prédio da Administração Central (AC0001); · Do Dossiê Construção da Cidade Universitária (DCCU); · Da subsérie Produção de Fotografias (SSA); · Da série Divulgação Institucional (S1); · Do grupo Núcleo de Agência de Notícias (G1); · Do fundo Coordenadoria de Comunicação Social (AD); · Da instituição denominada Universidade Federal de Santa Maria (BR UFSM).


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 15

CÓDIGO BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AC AG AL BA BC CN CR CS CT EF FZ GP GS HN HU HV IU OB PL PM PR PT TB TI UL UU VA

TÍTULO DO NÍVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COORDENADORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NÚCLEO DE AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DIVULGAÇÃO INSTITUCIONAL PRODUÇÃO DE FOTOGRAFIAS CONSTRUÇÃO DA CIDADE UNIVERSITÁRIA Prédio da Administração Central Prédio do Colégio Agrícola de Santa Maria Prédio do Centro de Artes e Letras Prédios do Centro de Estudos Básicos Prédio da Biblioteca Central Prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas Prédio do Centro de Ciências Rurais Prédio do Centro de Ciências da Saúde Prédio do Centro de Tecnologia Prédio do Centro de Educação Física e Desportos Prédios da Zootecnia e Fitotecnia Galpões Metálicos e Posto de Abastecimento Galpões Semi-circulares Prédio do Hospital de Neuropsiquiatria Prédio do Hospital Universitário de Santa Maria Prédio do Hospital de Clínicas Veterinárias Prédio da Imprensa Universitária Prédio do Escritório Técnico de Obras Prédio do Planetário Plano Diretor e Maquete da Cidade Universitária Prédios Residenciais - Casa do Estudante Universitário II Pavilhões do Centro de Tecnologia Prédio do Laboratório de Nutrição Animal e Tambo Prédio do Colégio Técnico Industrial de Santa Maria Prédio da Usina Escola de Laticínios Prédio da União Universitária Vista aérea da Cidade Universitária

Quadro 2: Classificação arquivística da documentação fotográfica do Dossiê Construção da Cidade Universitária referente às edificações

Fonte: PAVEZI, Neiva. Arquivo fotográfico: uma faceta do patrimônio cultural da UFSM. 2010. 227f. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010.

O catálogo seletivo também é produto de um processo descritivo. O instrumento de descrição utilizado é resultado de uma pesquisa que teve por objetivo propor um onjunto de metadados para a descrição de arquivos fotográficos2. O formulário para descrição de arquivos fotográficos (Quadro 3) apresenta uma estrutura onde os elementos descritivos estão reunidos sob o título Dados administrativos, Dados de proveniência, Dados técnicos do suporte e Dados da imagem.

Dados Administrativos

Código de referência, tipo do código, código(s) relacionado(s), unidades de descrição relacionadas, datas limite, dimensão, local de arquivamento, guia de recolhimento, data recolhimento, difusão (tipo e referência), autor da descrição e data da descrição.

Dados de Proveniência

Fundo, grupo, série, subsérie, dossiê, item documental, nota explicativa.

Dados Técnicos do Suporte

Fotógrafo, denominação, tradição documental, data do suporte, material, formato, técnica, dimensão do suporte, nitidez, cromia, polaridade, inscrições, conservação.

Dados da Imagem

Título, tipo do título, data, local, nome(s) personagem(ns), dimensão expressiva, termos relacionados, conteúdo.

Quadro 3 – Metadados para descrição de arquivos fotográficos Fonte: PAVEZI, Neiva. Arquivo fotográfico: uma faceta do patrimônio cultural da UFSM. 2010. 227f. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010.

2 A pesquisa foi desenvolvida no âmbito do Programa de Pós-graduação Profissionalizante em Patrimônio Cultural, nº. 23230. Disponível em: PAVEZI, Neiva. Arquivo fotográfico: uma faceta do patrimônio cultural da UFSM. 2010. 227f. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 16

Esse instrumento de pesquisa é formado por duas partes distintas: a primeira apresenta um contexto histórico importante para compreender o sentido das imagens, e a segunda parte reúne a descrição arquivística de cada item documental selecionado para compor o tema. A primeira parte do catálogo inicia com um panorama das articulações que culminaram com a assinatura da lei que criou a Universidade de Santa Maria. Em seguida, traz informações históricas a respeito das idéias e ideais do homem que foi responsável pela criação da primeira universidade fora do circuito das capitais brasileiras, e que é considerada um marco da arquitetura urbana moderna. Segue com as questões arquitetônicas que envolveram a elaboração dos planos pilotos e da paisagem da cidade universitária e inclui uma pequena biografia dos servidores que foram os autores das fotografias. Ao final, são apresentados os números da Universidade Federal de Santa Maria no limiar de seus 50 anos sempre mantendo o espírito de pioneirismo da criação o que a destaca no contexto nacional e internacional atual. A segunda parte desta publicação é formada pela descrição arquivística das imagens selecionadas, que servirá efetivametne como um instrumento de pesquisa que facilitará o acesso do usuário ao arquivo fotográfico da UFSM. As fotografias estão ordenadas pela data da imagem, e desta forma, é possível acompanhar o progresso das obras na cidade universitária da UFSM desde seu início até 1973. As datas estão no formato AAAA/MM/DD.

AS RAÍZES DA NOVA UNIVERSIDADE José mariano da Rocha Filho já articulava a criação de uma universidade no interior do estado mesmo antes de ter sido diretor eleito da Faculdade de Farmácia de Santa Maria em 24 de março de 1945. Seu ideal de construir o que chamou de uma Nova Universidade, tinha por objetivo construir um local que integrasse as atividades acadêmicas, sociais e culturais, de modo que fosse possível a convivência entre todos os membros da comunidade universitária. Também o ensino de qualidade, a valorização das pessoas e as condições de infra-estrutura e acesso deveriam interagir de forma harmônica e equilibrada. Quando passou a presidir a Associação Santamariense Pró-Ensino Superior (ASPES), em março de 1948, as suas ações voltadas para a promoção do ensino superior em Santa Maria tiveram o reforço do apoio da comunidade. Nessa época, visando combater as dificuldades financeiras da instituição, promoveu uma campanha pela anexação da Faculdade de Farmácia de Santa Maria à Universidade de Porto Alegre. Assim nasceu a Faculdade de Medicina de Santa Maria em 1956. Em 1959, com recursos financeiros da Aspes, já estava em construção o Centro Politécnico, na gleba de terra doada pelas famílias Behr e Tonetto. E já se encontrava concluída a estrutura do bloco central do Instituto de Eletrotécnica. Tratava-se de uma iniciativa local para a construção de uma universidade em Santa Maria, a partir de um projeto apresentado pela empresa carioca FOMISA S.A. Paralelamente a esse fato, a campanha em prol da interiorização do ensino superior, iniciada por Mariano da Rocha em 24 de março de 1945, quando assumiu a direção da Faculdade de Farmácia, foi consagrada pelo apoio de Tarso Dutra que,


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 17

vigilante, aguardava a oportunidade, na Câmara dos Deputados, para tornar viável a concretização do sonho de seu amigo Mariano. Foi, assim, que conseguiu emendar o Projeto de lei nº. 3.834-C, enviado ao Congresso pelo Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, que propunha a criação da Universidade de Goiás e que também criou a Universidade de Santa Maria. (ISAIA, Luiz Gonzaga. UFSM: Memórias. Santa Maria: Pallotti, 2006. p.330)

Para Barichello (2001, p.150), a criação da primeira universidade federal do interior do Brasil, assinada por Juscelino no dia 14 de dezembro de 1960, significou o reconhecimento de um esforço de quase trinta anos em prol da interiorização do ensino universitário público no Brasil. Com a sua criação, o Rio Grande do Sul passou a ser o primeiro estado da federação a contar com duas universidades federais. Em seu último ato, a 30 de janeiro de 1961, o Presidente Juscelino assinou a Lei 3.887 criando o primeiro Quadro de Pessoal da Universidade de Santa Maria e as faculdades de Agronomia e Veterinária. Ainda, conforme Barichello (op. Cit.), a USM só foi instalada em 18 de março de 1961, tendo em vista que o Presidente Jânio Quadros trancou a Lei 3.887 que só foi publicada no Diário Oficial meses depois, durante o governo de João Goulart. Inicialmente a USM reuniu as faculdades já existentes de Farmácia, Medicina, Odontologia, Politécnica, Ciências Políticas e Econômicas, Agronomia, Veterinária, Direito, Belas Artes, duas de Filosofia, Ciências e Letras e a Escola Superior de Enfermagem. Tão logo a USM foi criada, Mariano da Rocha Filho fez contato com os arquitetos Oscar Valdetaro e Roberto Nadalucci, autores do projeto do centro Politécnico da ASPES. Foram realizados cinco planos diretores para o campus da USM, até se chegar à solução considerada a mais apropriada para o caso. Para Arrussul, Os princípios de Cidade Moderna propostos na Carta de Atenas e o espírito de modernidade vigente no país refletiram-se no planejamento e no desenho da Cidade Universitária, seja em relação ao plano urbanístico, seja no projeto dos edifícios considerados de forma isolada. (ARRUSSUL, 2009)

Dentro deste pensamento moderno, o campus da USM deveria seguir preceitos como a monumentalidade, a hierarquização de vias e a criação de um tecido edificado marcado por barras e torres, setorizados em zonas verdes. Mariano da Rocha Filho defendeu o projeto junto ao Conselho Universitário dizendo que se tratava de um projeto ousado, que reunia todas as características necessárias para o desenvolvimento de uma Cidade Universitária moderna, planejada em todos os seus detalhes”. (ISAIA, Luiz Gonzaga. UFSM: Memórias. Santa Maria: Pallotti, 2006. p.250).

A Lei nº 4.759, de 20 de agosto de 1965, denominou e qualificou as universidades federais e a Universidade de Santa Maria (USM) passou a denominar-se Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Assim, a concretização do ideal do professor José Mariano da Rocha Filho está iniciada.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 18

O IDEAL DO PROF. DR. JOSÉ MARIANO DA ROCHA FILHO José Mariano da Rocha Filho teve uma vida dedicada à consolidação do ensino superior em Santa Maria. Acreditava que só através da educação a humanidade poderia alcançar o progresso. De acordo com Isaia (2006), Mariano da Rocha pensava uma universidade modelo, capaz de superar os problemas que, segundo ele, historicamente impediam o desenvolvimento de um ensino superior de qualidade, tais como: 1) a multiplicidade de cátedras afins; 2) a pluralidade de laboratórios idênticos; e a 3) falta de institutos universitários, tendo como conseqüência o desperdício financeiro derivado da má estruturação do sistema, limitando, dessa forma os recursos para as atividades de pesquisa, um dos princípios que norteadores da universidade. Afirmava Mariano da Rocha Filho (1993, pág. 33) que “... a unidade física começa a despertar uma unidade moral e pedagógica, um sentimento da convivência no qual se intensifica o intercâmbio de interesses espirituais, sociais e culturais, tanto entre os estudantes como entre estes e seus mestres”. Acreditava-se que para atingir o verdadeiro objetivo da universidade era necessária a proximidade espacial entre os diversos setores que a compõem, por isso a concentração das atividades dentro de um campus. O plano de estruturação apresentado por Mariano da Rocha Filho e aprovado pelo Conselho Universitário da USM, tem como base as seguintes unidades (ROCHA FILHO, 1993): · Faculdade: Unidade universitária responsável pela orientação do ensino, formando profissionais em diversas áreas do conhecimento. · Instituto: Organização que unifica disciplinas afins pertencentes a duas ou mais Faculdades, tendo por objetivo principal permitir melhores condições para o desenvolvimento do ensino e da pesquisa. · Departamento: Unidade que reúne disciplinas afins dentro de uma mesma Facul-

dade, pertencendo exclusivamente a esta. O Departamento fica sob a chefia de um professor, com o intuito de programar o ensino para todos os cursos da Faculdade de maneira harmônica e racional. · Cátedras isoladas: São matérias privativas de uma determinada Faculdade sem afinidades com nenhuma outra disciplina desta ou de outras Faculdades. Essa divisão das unidades universitárias tal qual como descrita acima e organizada espacialmente dentro do sistema de campus universitário, visava uma diminuição nos custos operacionais da universidade assim como a maior economia na implantação da infra-estrutura necessária. Outra questão dentro da organização funcional e espacial da USM foi o entendimento de que alunos deveriam possuir dedicação exclusiva para os estudos, e absorver o máximo de conteúdos em um mínimo de tempo, de forma a visar o maior aprendizado da profissão que escolheram seguir. Portanto, a concentração de todas as unidades universitárias dentro de um mesmo lugar viria a facilitar esse sistema, evitando maiores gastos e perda de tempo com deslocamentos. Da mesma forma, aos professores também foi instituído que deveriam permanecer no campus em tempo integral ou possuir regime de dedicação exclusiva, para o melhor funcionamento do sistema proposto. Além do mais, retomando a questão governamental que se referia ao crescimento da nação baseado em avanços técnico industriais, fazia-se necessária a aproximação da Universidade com a classe operária. Para tanto, foram instituídos cursos técnicos com a intenção de melhorar a formação desse profissional. Assim foram criados os cursos agro-técnicos e as escolas técnicas secundárias (Escola Técnica Profissional e Colégio Industrial) dentro do sistema de ensino da USM. Nelas, o ingresso estaria direcionado principalmente aos filhos de operários, os quais, uma vez formados, poderiam ingressar diretamente nas Faculdades ou, caso contrário, estariam aptos a desenvolver determinadas atividades junto ao mercado de trabalho. A estruturação prevista para a USM propunha, ainda, a criação da Granja Universitá-


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 19

ria, a qual seria operada pelos alunos das Faculdades de Agronomia e Veterinária e da Escola Agrotécnica. Esta granja, além de sua finalidade de pesquisa e ensino, também contribuiria para a construção e manutenção da Cidade Universitária. Além das unidades já mencionadas, para USM também foram previstos: Museu Educativo; Planetário e Observatório; Biblioteca; Salão de Atos; Rádio e Televisão Educativos; Centro Recreativo e Cultural; Imprensa Universitária; Centro de Educação Elementar e Média; Colégio Pré-Universitário; Centro Esportivo Universitário; Habitações para professores, alunos e funcionários; Centro Comercial e Bancário; Casa Internacional para estudantes de outras nacionalidades; Casa das Nações e Concha Acústica.

A CONCRETIZAÇÃO DE UM IDEAL Os estudos para planejar a cidade universitária de Santa Maria inspiraram-se nas soluções desenvolvidas para a Cidade Universitária do Rio de Janeiro, projeto de Jorge Machado Moreira, e nos estudos de Le Corbusier e Lúcio Costa para a Cidade Universitária do Brasil (SCHLEE, 2001; ALBERTO, 2007; OLIVEIRA, 2007, apud GRIGOLETTI, 2009). Os estudos compreendiam edifícios, sistema viário, praças, jardins e infra-estrutura de apoio. Em todas as propostas, o espírito de modernidade vigente no país refletiuse no planejamento e desenho da Cidade Universitária, seja em nível de implantação urbana, seja no projeto dos edifícios considerados isoladamente. As cidades universitárias implantadas no Brasil em meados do século XX foram campos de experimentação das diretrizes urbanas da Carta de Atenas, principal documento do urbanismo modernista. No que diz respeito à área destinada à implantação da Cidade Universitária da USM, esta abrangia o terreno onde já estava sendo edificado o Centro Politécnico, com cerca de 40 hectares (terreno da ASPES) e mais os terrenos adjacentes. Estes tinham como limite, do ponto mais a oeste até o extremo sul, a estrada de Santa Maria – Arroio do Só, e, em seguida, a estrada que vai para Camobi, partindo daquela já mencionada estrada do sul até o limite mais a leste do terreno. O limite norte do terreno do Centro Politécnico prolongava-se em direção ao sul, quase em linha reta até a estrada Santa Maria – Arroio do Só. A área total tinha aproximadamente 578 hectares, possuindo uma topografia ondulada e formando na sua área central um vale de escoamento natural. O terreno ainda possuía um açude formado por pequenos cursos d’água perenes. O Centro Politécnico já estava em construção quando da solicitação do plano diretor para a Cidade Universitária. E se tornou, portanto, um grande condicionante das propostas de planejamento, pois sua via principal já havia sido aberta. Dessa forma,


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 20

acabou tornando-se referência para a localização do setor de ensino nas suas proximidades. Por fim, a intenção de se ter uma Granja Universitária dentro do campus, voltada para o ensino e pesquisa, e também para a produção, foi outra importante premissa a ser levada em consideração na elaboração do plano diretor. Essa granja demandava uma grande área para que fosse possível se obter uma produção razoável e a observação de questões relativas ao escoamento da sua produção.

vantagens e racionalidade para a execução do plano de obras. Ainda, nestes referidos planos, a diferença existente entre eles deve-se a mudança da localização relativa dos edifícios do Setor Cívico, Administrativo e Cultural. Fator comum em todas as propostas foi a sugestão da criação de um lago artificial resultante da canalização das águas do açude existente na parte oeste do terreno. O que muda em relação aos diferentes planos são as dimensões do referido lago.

De acordo com o estudo de Arrussul (2009), a primeira proposta de plano diretor para a Cidade Universitária da USM foi elaborada quando os arquitetos ainda não dispunham de todos os dados necessários para realizar o projeto. Por exemplo, Valdetaro e Nadalutti ainda não sabiam qual iria ser a capacidade de lotação da Universidade e nem tinham conhecimento da intenção em se implantar uma Granja Universitária. Contudo, a organização do projeto atendeu os requisitos funcionais e orgânicos de uma cidade universitária, dispondo logicamente os setores e suas inter-relações.

O Plano Diretor Nº. 5 para a Cidade Universitária da UFSM foi criado buscando uma solução que tinha como característica a concentração de edifícios dentro da área do terreno disponível. Assim como nos outros planos criados anteriormente, subdividese em setores para uma melhor organização, facilitando sua implantação e construção. A diferença em relação aos planos anteriores é a subdivisão do setor residencial em dois, situando uma das partes desse setor em área livre de empecilhos judiciais. A Avenida Central, que configura o eixo estruturador norte-sul, permite a visualização das repetidas edificações de mesma tipologia onde se concentram os diferentes setores da UFSM. Após o arco, à direita, localiza-se o Colégio Industrial e Técnico e os edifícios do Centro Politécnico. Na seqüência, ainda no lado direito, o conjunto de Institutos que se caracterizam por ter uma tipologia linear e geométrica constituindo-se por blocos de três pavimentos sobre pilotis interligados por anfiteatros e áreas livres de circulação. À esquerda da Avenida Central, estão localizados os Institutos Básicos, o Centro Médico – onde se concentra o Hospital de Clínicas, o Hospital de Neurologia e Psiquiatria, e as faculdades de Medicina, Enfermagem, Odontologia e de Farmácia. Após esse conjunto, sucede-se a presença do lago artificial e posteriormente dois prédios idênticos dando início as faculdades Isoladas e as os edifícios residenciais. A Avenida Central bifurca-se no sentido leste-oeste e delimita um grande parque retangular, onde se situa a Praça Cívica. No sentido leste encontra-se o Centro de esportes e no oeste o Planetário. Ao sul uma seqüência de edificações singulares em seu caráter formal: Casa das Nações, Imprensa Universitária, Teatro/Cinema, Reitoria, Prefeitura e Museu.

Essa primeira proposta faz uma forte referência aos projetos de Lúcio Costa e Le Corbusier realizados para a Cidade Universitária do Brasil. O partido adotado em Santa Maria organizava-se ao longo de uma via principal, garantido acesso a todos os edifícios. Estes edifícios propostos eram plasticamente expressivos e encontravam-se isolados uns dos outros permeados por zonas verdes. Os planos diretores 2, 3 e 4 “tem muito em comum, são muito semelhantes, com algumas diferenças na disposição dos diferentes setores” (VALDETARO, NADALUTTI, 1962). ������������������������������������������������������������������������������� Nas três propostas o Centro Politécnico e os Setores Esportivos, o Cívico e Administrativo, assim como os setores de Manutenção e Produção permanecem na mesma situação, mudando apenas a localização dos demais setores. No plano nº. 2, o Setor Residencial localiza-se próximo ao Centro Politécnico, ocupando uma parte do terreno da ASPES. Apresentava a desvantagem de estar o Centro Médico situado fora deste terreno. Este seria uma das primeiras obras a serem iniciadas, e estando fora do núcleo principal de implantação da Universidade, iria gerar maiores despesas iniciais de urbanização. Já nos planos nº. 3 e 4 a situação é inversa ao do plano nº. 2, oferecendo maiores

A materialização do Plano Piloto estava organizada em três etapas a serem cumpridas em um período de cinco anos. A primeira fase compreendia o período entre 1961 e


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 21

1962, a segunda de 1962 a 1963 e a terceira fase entre 1964 a 1965. No entanto, devido a circunstâncias políticas, administrativas e financeiras, as obras da Universidade foram seguindo um ritmo diferente do previsto inicialmente. Algumas edificações não foram implantadas, outras foram construídas em áreas diferentes da prevista pelo Plano e, ainda, há aquelas que não haviam sido planejadas, mas que devido às novas demandas da instituição foram edificadas. Portanto, essas alterações na organização espacial prevista originalmente acabaram por transformar a paisagem idealizada para a Cidade Universitária. Um estudo conduzido por Grigoletti (2009) concluiu que grande parte da paisagem existente hoje no campus da UFSM foi constituída nas décadas de 1960 e 1970, com o maior número de edifícios, vias e vegetação sendo construídos durante esse período. Em relação aos edifícios, apenas alguns receberam um maior apuro estético, coincidentemente os primeiros a serem construídos, como o que abrigava o Centro Politécnico (atual Centro de Tecnologia), o Hospital das Clínicas (atual Hospital Universitário), o primeiro edifício construído do Conjunto dos Institutos (atual Centro de Ciências Naturais e Exatas), a Biblioteca Central, o Clube Universitário e Restaurante Universitário (atual União Universitária), o Planetário e o edifício da Reitoria. Esses edifícios fazem uso profuso de brises, pavimentos térreos em pilotis ou com transparências, grandes saguões marcando os acessos, estruturas aparentes, fenestração em cortina perpassando vários pavimentos ou janelas em fita, tratamento apurado para os pilares, murais, cobogós, coroamentos, planta livre e consequente flexibilidade de ambientes internos, entre outros recursos típicos do modernismo brasileiro. Já outros conjuntos não receberam o mesmo apuro estético, como é o caso dos demais blocos dos Institutos, e os atuais Centro de Ciências Rurais, Centro de Artes e Letras e Casa do Estudante Universitário. Tais edifícios seguem a mesma volumetria, sendo resolvidos em barras paralelas, como previsto no Plano Piloto, no entanto, são mais simples em sua concepção estética e o resultado é visivelmente inferior àquele apresentado pelos edifícios citados inicialmente.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 22

OS AUTORES DAS FOTOGRAFIAS A função de fotografar fazia parte do cotidiano na UFSM. O reitor Mariano sempre estimulava o registro fotográfico das atividades e acontecimentos acadêmicos, científicos, culturais, políticos e sociais da universidade. O cargo de fotógrafo é descrito, no Plano de Cargos e Salários – Nível intermediário, como “fotografar e revelar todo o material necessário à documentação científica, paisagens, pessoas, objetos e outros temas, bem como preparar material visual para aulas, arquivos e publicações científicas”. Por trás das lentes, várias foram as pessoas que cumpriram com muito esmero a função de fotógrafos. Dentre tantos nomes que fizeram parte dessa história, apresentamos a trajetória institucional de alguns dos autores das fotografias no período de 1960 a 1973, de acordo com a data de ingresso no quadro de pessoal da UFSM. Mesmo conhecendo a identidade dos fotógrafos da instituição, muitas fotografias não trazem a identificação da sua autoria, fato que deixa uma lacuna nesse momento da história da universidade.

Bortolo Achutti Nasceu a 28 de outubro de 1898, em Santa Maria/RS, onde sempre viveu até o dia 19 de novembro de 1997. Em 1953, quand a atual UFSM era, ainda, USM vinculada à UFRGS, Achutti ocupou o cargo de técnico de laboratório da UFSM no período de 20/02/1953 a 19/11/1977. Estava lotado no CCS, no Departamento de Farmácia Industrial (FID). Exerceu suas atividades na UFSM como fotógrafo, registrando as comemorações e festividades, e também auxiliou na elaboração de material didático como diapositivos, além de colaborar em trabalhos científicos com ilustrações (micrografias e fotografias). Foi Membro da Comissão de Publicidade, Fotógrafo-chefe do Departamento de Fotografia e Chefe do Departamento Cultural. Recebeu a medalha de Mérito Universitário, outorgada a professores e técnicos administrativos pela colaboração com a obra do 12º aniversário da UFSM.

João Walter Billa Nasceu no dia 15/07/1926, na cidade de Rio Grande/RS. Foi operador de televisor da INET, na UFSM, que era vinculada à UFRGS. Foi reconduzido ao cargo nos anos de 1959 e 1960. De acordo com a lei 3780, dec. 51337 de 26/10/1961, passou a ocupar o cargo de técnico de telecomunicações. Em virtude da criação da UFSM, em 15/06/1962 foi transferido da UFRGS para a UFSM, onde permaneceu até aposentar-se, em 03/07/1981. Faleceu em 20/07/1988.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 23

Armando Bondarenko Natural de Santa Maria/RS, nasceu em 23/08/1937. Foi admitido na UFSM no cargo de técnico em cinematografia em 02/01/1962. No período de 01/03/1973 a 08/05/1975, foi chefe do Serviço Fotográfico da Divisão de Serviços Auxiliares do DEMASA. A 01/11/1974, passou a exercer o cargo de agente de cinefotografia e microfilmagem. Em 01/04/1987 o cargo que ocupava foi alterado para técnico em cinematografia. Bondarenko foi reconhecido pela sua eficiência na atividade como fotógrafo e também pela atenção e maneira prestativa e espontânea com que tratava os colegas. Aposentou-se em 12/04/1988 e faleceu em 30/01/1994.

Olivar Braunstein Nascido em Santa Maria/RS, a 12/06/1928, ingressou na UFSM no cargo de fotógrafo em 01/03/1963. A partir do dia 01/11/1974 o cargo foi alterado para agente de cinefotografia e microfilmagem. Estava lotado na Reitoria e foi removido para a Biblioteca Central em 26/01/1976. Em 01/09/1979, foi lotado na Pró-Reitoria de Administração e, em 23/04/1984, foi transferido para o Departamento de Divulgação. A partir de 01/04/1987, esteve lotado no cargo de técnico em microfilmagem. Braunstein, além de fotografar a UFSM, também trabalhou com o processamento de slides, tendo recebido muitos elogios dos colegas em virtude da sua habilidade técnica nesta atividade. Esses slides eram solicitados e muito utilizados pelos professores em sala de aula, pois era a tecnologia mais utilizada na época. Aposentou-se em 03/10/1984.

José Feijó Caneda Nasceu no dia 24/01/1925, na cidade de Rio Grande/RS. Foi contratado para exercer o cargo de fotógrafo, lotado na Reitoria da UFSM a partir de 15/08/1963. Esse contrato foi prorrogado anualmente até ser reconduzido em 01/01/1966. Esta situação perdurou até a nomeação dos habilitados no concurso para provimento do cargo de fotógrafo, quando, em 1967, assumiu o cargo, tomou posse e entrou e exercício. Seu contrato foi retificado para exercer a função de cine técnico até ser rescindido a 08/02/1967. Faleceu em 2004.

Rubens Plácido Gadêa Nasceu no dia 12/04/1929, em Santa Maria/RS. Ingressou na UFSM como auxiliar de bibliotecário em 01/03/1964. Passou a ocupar o cargo de fotógrafo em 31/12/1965. Nessa época participou do grupo do projeto para montar o laboratório fotográfico central. Em 01/01/1973 foi transferido para o departamento fotográfico do DEMASA e em 01/11/1974 passou a exercer funções do cargo de agente de cinefotografia e microfilmagem. Foi chefe da Seção de Fotografia da Divisão de Serviços Auxiliares do Departamento de Administração (DISA/DA). Em 01/08/1979 esteve lotado no Departamento de Divulgação, vinculado à Reitoria, e, em 11/07/1983, passou para a administração do CCR. Seu cargo foi atualizado para técnico de audiovisual em 01/04/1987 até a sua aposentadoria em 18/05/1989. Faleceu em 14/08/1999.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 24

José Ramos Penna Natural de Santa Maria/RS nasceu em 28/03/1936. Foi proprietário de um estúdio fotográfico na cidade de Santa Maria. Era conhecido por todos como “Juca Penna”. Foi contratado “ad-referendum” para o cargo de fotógrafo no Departamento de Administração Central da Reitoria da UFSM a partir de 01/10/1965. Foi reconduzido no cargo até a data da nomeação dos habilitados no concurso para provimento do cargo de fotógrafo. Tendo sido nomeado para esse cargo, tomou posse e exercício em 09/09/1966 até ser exonerado a pedido em 01/03/1967. Faleceu em 2002.

João Rodrigues de Lima Nasceu em Santa Maria em 26/03/1931. Ingressou na UFSM com contrato de fotógrafo em 20/03/1967. Por ocasião do décimo aniversário de criação da UFSM, foi elogiado pela eficiência e desempenho na promoção artística do evento. Aposentou-se em 09/03/1979 e faleceu em 27/04/1998.

Orozimbo Ramos Penna Jornalista formado pela UFSM em 1978, nasceu em Santa Maria/RS, a 06/03/1938. Foi convidado por Armando Bondarenko para fotografar os eventos da UFSM, onde ingressou com contrato de trabalho para o cargo de fotógrafo. Em 06/10/1973 ocupava o cargo de agente de cinefotografia e microfilmagem e estava lotado no DEMAPA. Participou da comissão de divulgação do VII Festival Hípico da UFSM em 1976. Em 01/08/1979 foi transferido do DEMAPA para o Departamento de Divulgação da UFSM e em 01/04/1987 foi enquadrado no emprego de técnico em cinematografia e também passou a ser o diretor de fotografia. Logo em seguida, a 10/06/1987 foi lotado no Gabinete do Reitor. A 20/12/1993 foi transferido da Pró-Reitoria de Extensão para o Departamento de Engenharia Rural do Centro de Ciências Rurais. Aposentou-se em 29/05/2006.

Leo Pinto Guerreiro Nascido em 1929, em Porto Alegre/RS. Em 1953, foi contratado pela Revista e Jornal Hoje. Entre 1956 e 1969, atuou como assistente técnico da Secretaria de Educação e Cultura, de onde saiu para lecionar na UFSM. No Centro de Artes criou, e ministrou para vários cursos, a disciplina de fotografia. Foi professor contratado por “notório saber”. Fotografou a universidade em várias oportunidades e grande parte das imagens de vistas aéreas é de sua autoria. Participou da fundação da Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos (ARFOC/RS), em 1956. Atualmente participa dos conselhos fiscal e deliberativo da Associação Riograndense de Imprensa (ARI), e, além de fotografar, trabalha com restauração de fotos.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitรกria da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 26


27

50 ANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA No dia 14 de dezembro de 2010, a Universidade Federal de Santa Maria comple­ta 50 anos da sua criação. Desde a sua fundação, a UFSM definiu a sua vocação como uma universidade comprometida com a realidade social da qual faz parte, propondo-se a manter, cultivar e renovar os conhecimentos e proporcionar educação formativa e per­manente à população, pesquisar as causas e levar soluções para os problemas sócio-econômicos e, assim, promover e participar do desenvolvimento. Du­rante a sua trajetória, a instituição tem procurado cumprir sua missão de capaci­tar o homem, dando-lhe a possibilidade de gerar o seu próprio desenvolvimento e de provocar as mudanças necessárias em seu contexto social. A universidade sempre inovou em suas propostas, foi a primeira a adotar a te­levisão de circuito fechado como elemento auxiliar do ensino. A tese da não du­plicação de meios para os mesmos fins era utilizada em Santa Maria desde 1954, quando foi criado o curso de Medicina. O mesmo princípio foi imposto – pela reforma universitária de 1968 – às demais universidades brasileiras. A ci­dade universitária e a estrutura de funcionamento da UFSM serviram de modelo para inúmeras universidades brasileiras e latino-americanas, sendo o campus da UFSM o primeiro a ser totalmente planejado no Brasil, dentro do princípio de racionalizar os recursos, sempre escassos num país em desenvolvimento. O campus da UFSM, denominado Cidade Universitária Prof. José Mariano da Rocha Filho, está localizado na Avenida Roraima n.1000, no Bairro Camobi, na cidade de Santa Maria, no centro geográfico do estado, distante 290 Km da capital gaúcha. Ali é realizada a maior parte das atividades acadêmicas e administrativas. No centro do município de Santa Maria funcionam, ainda, outras unidades acadêmicas e de atendimento à comunidade.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 28

Os dados oficiais divulgados em novembro/20093 indicam que · A área territorial total é de 1.933,57 hectares; · A área construída no campus atingiu 273.150,92m² em dezembro de 2008, além de 22.259,41m² em edificações no centro do município; · As edificações nos municípios de Frederico Westphalen, Pameira das Missões e Jaguari contam com 26.906,91m²; · A área total da UFSM, construída até dezembro de 2008, é de 322.317,24m². A atual estrutura administrativa, determinada pelo Estatuto da Universidade, aprovado pela Portaria Ministerial n. 801, de 27 de abril de 2001, e publicado no Diário Oficial da União em 30 de abril do mesmo ano, estabelece a constituição de oito Unidades Universitárias: Centro de Ciências Naturais e Exatas, Centro de Ciências Rurais, Centro de Ciências da Saúde, Centro de Educação, Centro de Ciências Sociais e Humanas, Centro de Tecnologia, Centro de Artes e Letras e Centro de Educação Física e Desportos. Essa estrutura ampliou-se com a criação do Centro de Educação Superior NorteRS/UFSM (CESNORS), unidades de Frederico Westphalen e Palmeira das Missões pela aprovação do Conselho Universitário em 20 de julho de 2005; e a Unidade Descentralizada de Educação Superior da UFSM, em Silveira Martins (UDESSM), cuja criação foi aprovada pelo Parecer Nº 167/08 do Conselho Universitário da UFSM. A instituição mantém, de acordo com os dados oficiais de novembro/2009: · 66 cursos de graduação presencial; · 10 cursos de EaD; · 72 cursos de pós-graduação permanente (17 de doutorado, 41 de mestrado e 14 de especialização); · 01 curso de pós-doutorado; · 05 cursos de especialização EaD; · 03 escolas de ensino médio e tecnológico; · 1.151 servidores docentes do ensino superior; · 91 servidores docentes do ensino médio; · 2.642 servidores técnicos administrativos; 3

UFSM. Pró-reitoria de Planejamento. UFSM em números. 2009.

· 13.322 alunos de graduação presencial; · 2.261 alunos do ensino de pós-graduação presencial; · 2.096 alunos do ensino Médio e Tecnológico; · 1.358 alunos, no 1º sem./2009, nos cursos de graduação EaD/UAB; · 1.667 alunos, no 1º sem./2009, em cursos de pós-graduação EaD/UAB. São pró-reitorias · Pró-Reitoria de Administração; · Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis; · Pró-Reitoria de Extensão; · Pró-Reitoria de Graduação; · Pró-Reitoria de Infraestrutura; · Pró-Reitoria de Planejamento; · Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, e Comitê de Ética; · Pró-Reitoria de Recursos Humanos. São órgãos executivos · Comissão Permanente de Pessoal Docente; · Comissão Permanente de Pessoal Técnico-Administrativo; · Comissão Permanente de Vestibular; · Comissão Permanente de Sindicância e Inquérito Administrativo; · Departamento de Contabilidade e Finanças; · Departamento de Material e Patrimônio; · Departamento de Registro e Controle Acadêmico; · Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia; · Procuradoria Jurídica. São órgãos suplementares centrais · Biblioteca Central; · Centro de Processamento de Dados; · Coordenadoria de Comunicação Social;


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 29

· Departamento de Arquivo Geral; · Editora da UFSM; · Hospital Universitário; · Imprensa Universitária; · Museu Educativo Gama d’Eça; · Orquestra Sinfônica;

REFERÊNCIAS ARRUSSUL, Luciano Godoy. Plano piloto para o campus da universidade federal de Santa Maria. [Mensagem pessoal]. Mensagem recebida por <neivapavezi@yahoo.com.br> em 15 set. 2009. BARICHELLO, Eugenia Mariano da Rocha. Comunicação e comunidade do saber. Palotti: Santa Maria, 2001. CASTANHO, Denise Molon, et al. Uma política de arranjo documental para a Universidade Federal de Santa Maria. UFSM: Santa Maria, 2001. GRIGOLETTI, Giane de Campos, et al. Análise da paisagem urbana original do campus da universidade federal de Santa Maria e suas transformações ao longo do tempo. [Mensagem pessoal]. Mensagem recebida por <neivapavezi@yahoo.com.br> em 15 set. 2009. ISAIA. Luiz Gonzaga. UFSM: Memórias. Santa Maria: Pallotti, 2006. PAVEZI, Neiva. Arquivo fotográfico: uma faceta do patrimônio cultural da UFSM. 2010. 227f. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010. ROCHA FILHO, José Mariano da. USM a nova universidade. Porto Alegre: ASPES/GLOBO, 1962. ___ . A terra, o homem e a educação: universidade para o desenvolvimento. Santa Maria: Pallotti, 1993. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. 35 anos da nova universidade. Eugenia Mariano da Rocha Barichello (Org.). Santa Maria: Pallotti, 1995. ___. Histórico e fundador. Disponível em <http://www.ufsm.br>. Acessado em 16/09/2009. ___. Memorial Reitor Mariano. Disponível em <http://www.ufsm.br/memorialreitormariano/ index.html. Acessado em 16/09/2009>. ___. Pró-reitoria de Planejamento. UFSM em números. Catálogo 2009.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 30

Prédio do Centro de Tecnologia

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT0009

Data da imagem 1961 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 91x63mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: CT06; 021 Conservação Dobrada no canto superior direito Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Tecnologia Nota explicativa Prédio 07. Faculdade Politécnica, integrante do Centro Politécnico, anterior à USM. Em dezembro de 1960, quando foi assinada a lei que criou a USM, a estrutura de concreto do bloco já estava concluída. O prédio é constituído por uma estrutura em concreto armado, em três pavimentos. No pavimento térreo situa-se o grande hall de entrada, secretarias, sala de diretor e professores, cantina, restaurante e demais dependências administrativas. Nos dois pavimentos superiores estão localizadas as salas de aula, laboratórios e demais dependências para ensino e pesquisa. Na cobertura existe um grande terraço, no qual podem ser feitas observações astronômicas e outras atividades específicas. Os primeiros cursos a funcionar nesse prédio foram Engenharia Civil e Engenharia Elétrica. Em março de 1964, iniciou o funcionamento do curso de Engenharia Mecânica. O prédio da Faculdade Politécnica acolheu, nos dois primeiros anos, as secretarias, direção e alunos da Engenharia, Agronomia, Veterinária e do Colégio Agrícola da USM. Nesse prédio funcionaram, temporariamente, os cursos de Geografia, Ciências Contábeis e Administração. De acordo com o Diário Oficial da União, em 12.02.1970, a Faculdade Politécnica passou a denominar-se Centro de Tecnologia. Estrutura iniciada em 1961, de acordo com o Relatório 1969, p.109. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 07. Também conhecido como Faculdade Politécnica. Fase inical da construção com três pavimentos estruturados. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista lateral em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 31

Prédio do Centro de Tecnologia

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT0012

Data da imagem 1963/09/26 Códigos relacionados 14/1963 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 229x149mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso Não consta Conservação Marcas de dobras Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Tecnologia Nota explicativa Prédio 07. Faculdade Politécnica, integrante do Centro Politécnico, anterior à USM. Em dezembro de 1960, quando foi assinada a lei que criou a USM, a estrutura de concreto do bloco já estava concluída. O prédio é constituído por uma estrutura em concreto armado, em três pavimentos. No pavimento térreo situa-se o grande hall de entrada, secretarias, sala de diretor e professores, cantina, restaurante e demais dependências administrativas. Nos dois pavimentos superiores estão localizadas as salas de aula, laboratórios e demais dependências para ensino e pesquisa. Na cobertura existe um grande terraço, no qual podem ser feitas observações astronômicas e outras atividades específicas. Os primeiros cursos a funcionar nesse prédio foram Engenharia Civil e Engenharia Elétrica. Em março de 1964, iniciou o funcionamento do curso de Engenharia Mecânica. O prédio da Faculdade Politécnica acolheu, nos dois primeiros anos, as secretarias, direção e alunos da Engenharia, Agronomia, Veterinária e do Colégio Agrícola da USM. Nesse prédio funcionaram, temporariamente, os cursos de Geografia, Ciências Contábeis e Administração. De acordo com o Diário Oficial da União, em 12.02.1970, a Faculdade Politécnica passou a denominar-se Centro de Tecnologia. Estrutura iniciada em 1961, de acordo com o Relatório 1969, p.109. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 07. Também conhecido como Faculdade Politécnica. Com três pavimentos concluídos e em utilização. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 32

Plano Diretor e Maquete

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM0008

Data da imagem 1963? Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 241x180mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco

Polaridade Positivo Inscrições Verso: Não consta Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Plano Diretor e Maquete Nota explicativa O Plano Diretor e Urbanização da Cidade Universitária, elaborado pelos arquitetos Oscar Valdetaro e Roberto Nadalutti, da empresa FOMISA S/A, da cidade do Rio de Janeiro/RJ, e aprovado pelo Conselho Universitário, não foi concretizado integralmente. Foram componentes previstos no projeto originalmente aprovado, os seguintes conjuntos de edificações: Serviços Gerais, Colégio Industrial e Técnico, Centro Politécnico, Centro Médico, Conjunto de Institutos, Faculdade de Filosofia, Faculdade de Direito, Faculdade de Ciências Econômicas, Faculdade de Belas Artes, Faculdade de Veterinária, Faculdade de Agronomia, Centro residencial para alunos, Centro de Esportes, Casa das Nações, Imprensa Universitária - Rádio - Televisão da USM, Teatro - Cinema, Reitoria, Prefeitura da Cidade Universitária, Museu, Planetarium e Observatório, Residência para professores e funcionários, Igreja, Centro comercial, Praça cívica com Concha acústica, Lago e Centro Agrotécnico. As imagens foram capturadas a partir da maquete atualmente em exposição no Museu Gama D’Eça, no centro da cidade de Santa Maria/RS e dos desenhos do plano diretor que estão arquivadaos em uma sala da Pró-reitoria de Infra-estrutura, no prédio da Reitoria. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Maquete do projeto final aprovado. A maquete está exposta no Museu Gama D’Eça, no centro da cidade de Santa Maria. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, plano diretor, maquete, planta, desenho, educação, universidade Dimensão expressiva Interior, luz artificial, de cima.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 33

Plano Diretor e Maquete

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM0012

Data da imagem 1963? Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 170x189mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: 135 Conservação Gelatina descascada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Plano Diretor e Maquete Nota explicativa O Plano Diretor e Urbanização da Cidade Universitária, elaborado pelos arquitetos Oscar Valdetaro e Roberto Nadalutti, da empresa FOMISA S/A, da cidade do Rio de Janeiro/RJ, e aprovado pelo Conselho Universitário, não foi concretizado integralmente. Foram componentes previstos no projeto originalmente aprovado, os seguintes conjuntos de edificações: Serviços Gerais, Colégio Industrial e Técnico, Centro Politécnico, Centro Médico, Conjunto de Institutos, Faculdade de Filosofia, Faculdade de Direito, Faculdade de Ciências Econômicas, Faculdade de Belas Artes, Faculdade de Veterinária, Faculdade de Agronomia, Centro residencial para alunos, Centro de Esportes, Casa das Nações, Imprensa Universitária - Rádio - Televisão da USM, Teatro - Cinema, Reitoria, Prefeitura da Cidade Universitária, Museu, Planetarium e Observatório, Residência para professores e funcionários, Igreja, Centro comercial, Praça cívica com Concha acústica, Lago e Centro Agrotécnico. As imagens foram capturadas a partir da maquete atualmente em exposição no Museu Gama D’Eça, no centro da cidade de Santa Maria/RS e dos desenhos do plano diretor que estão arquivadaos em uma sala da Pró-reitoria de Infra-estrutura, no prédio da Reitoria. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Ante-projeto de urbanização - Plano diretor n. 1, de 10 de julho de 1961. Uma cópia desse plano encontra-se arquivada na Prefeitura da Cidade Universitária. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, plano diretor, maquete, planta, desenho, educação, universidade Dimensão expressiva Interior, luz artificial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 34

Plano Diretor e Maquete

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM0007

Data da imagem 1963? Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 241x180mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco

Polaridade Positivo Inscrições Verso: Não consta Conservação Cantos amassados Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Plano Diretor e Maquete Nota explicativa O Plano Diretor e Urbanização da Cidade Universitária, elaborado pelos arquitetos Oscar Valdetaro e Roberto Nadalutti, da empresa FOMISA S/A, da cidade do Rio de Janeiro/RJ, e aprovado pelo Conselho Universitário, não foi concretizado integralmente. Foram componentes previstos no projeto originalmente aprovado, os seguintes conjuntos de edificações: Serviços Gerais, Colégio Industrial e Técnico, Centro Politécnico, Centro Médico, Conjunto de Institutos, Faculdade de Filosofia, Faculdade de Direito, Faculdade de Ciências Econômicas, Faculdade de Belas Artes, Faculdade de Veterinária, Faculdade de Agronomia, Centro residencial para alunos, Centro de Esportes, Casa das Nações, Imprensa Universitária - Rádio - Televisão da USM, Teatro - Cinema, Reitoria, Prefeitura da Cidade Universitária, Museu, Planetarium e Observatório, Residência para professores e funcionários, Igreja, Centro comercial, Praça cívica com Concha acústica, Lago e Centro Agrotécnico. As imagens foram capturadas a partir da maquete atualmente em exposição no Museu Gama D’Eça, no centro da cidade de Santa Maria/RS e dos desenhos do plano diretor que estão arquivadaos em uma sala da Pró-reitoria de Infra-estrutura, no prédio da Reitoria. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Maquete do projeto final aprovado. A maquete está exposta no Museu Gama D’Eça, no centro da cidade de Santa Maria. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, plano diretor, maquete, planta, desenho, educação, universidade Dimensão expressiva Interior, luz artificial, de cima


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 35

Plano Diretor e Maquete

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM0001 Data da imagem 1964/03/03 Código de referência BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM0001 Códigos relacionados 1964/03/03 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 171x110mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: 137 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Plano Diretor e Maquete Nota explicativa O Plano Diretor e Urbanização da Cidade Universitária, elaborado pelos arquitetos Oscar Valdetaro e Roberto Nadalutti, da empresa FOMISA S/A, da cidade do Rio de Janeiro/RJ, e aprovado pelo Conselho Universitário, não foi concretizado integralmente. Foram componentes previstos no projeto originalmente aprovado, os seguintes conjuntos de edificações: Serviços Gerais, Colégio Industrial e Técnico, Centro Politécnico, Centro Médico, Conjunto de Institutos, Faculdade de Filosofia, Faculdade de Direito, Faculdade de Ciências Econômicas, Faculdade de Belas Artes, Faculdade de Veterinária, Faculdade de Agronomia, Centro residencial para alunos, Centro de Esportes, Casa das Nações, Imprensa Universitária - Rádio -Televisão da USM, Teatro - Cinema, Reitoria, Prefeitura da Cidade Universitária, Museu, Planetarium e Observatório, Residência para professores e funcionários, Igreja, Centro comercial, Praça cívica com Concha acústica, Lago e Centro Agrotécnico. As imagens foram capturadas a partir da maquete atualmente em exposição no Museu Gama D’Eça, no centro da cidade de Santa Maria/RS e dos desenhos do plano diretor que estão arquivadaos em uma sala da Pró-reitoria de Infra-estrutura, no prédio da Reitoria. Título Plano Diretor e Maquetes Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Maquete do projeto final aprovado. 1- SERVIÇOS GERAIS; 2- COLÉGIO INDUSTRIAL E TÉCNICO; 3- CENTRO POLITÉCNICO; 4- CENTRO MÉDICO, a-Hospital das Clínicas, b- Hospital de Neurologia e Psiquiatria, c- Faculdade de Medicina, d- Escola de Enfermagem, e- Faculdade de Odontologia, f- Faculdade de Farmácia; 5- CONJUNTO DE INSTITUTOS, 6- FACULDADE DE FILOSOFIA; 7- FACULDADE DE DIREITO; 8- FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS; 9- FACULDADE DE BELAS-ARTES; 10- FACULDADE


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 36

DE VETERINÁRIA; 11- FACULDADE DE AGRONOMIA; 12- CENTRO RESIDENCIAL PARA ALUNOS E ALUNAS, A- Clube Universitário, b- Restaurante Universitário; 13- CENTRO DE ESPORTES, a- Esportes Náuticos, b- Ginásio e Escola Superior de Educação Física; 14- CASA DAS NAÇÕES; 15- IMPRENSA UNIVERSITÁRIA - RÁDIO - TELEVISÃO DA U.S.M.; 16- TEATRO - CINEMA; 17- REITORIA; 18- PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITÁRIA; 19- MUSEU; 20- PLANETARIUM E OBSERVATÓRIO; 21- RESIDÊNCIA PARA PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS; 22- IGREJA; 23- CENTRO COMERCIAL; 24- PRAÇA CÍVICA COM CONCHA ACÚSTICA; 25- LAGO; 26 - CENTRO AGROTÉCNICO. A maquete está exposta no Museu Gama D’Eça, no centro da cidade de Santa Maria. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, plano diretor, maquete, planta, desenho, educação, universidade Dimensão expressiva Interior, luz artificial, de cima.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 37

Prédio do Escritório Técnico de Obras

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU OB0001 Data da imagem 1964/10/05 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCUAC; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCUPM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 230x174mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: 290; Ajardinamento da avenida principal; três carimbos. Conservação Manchada; furo de grampos e amassado nos cantos. Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias

Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Escritório Técnico de Obras Nota explicativa Até o início de 1964 ainda não havia no canteiro de obras da futura Cidade Universitária, nenhum local adequado onde fosse possível receber visitantes, abrir as enormes plantas de obras e acolher, quase que diariamente, o Reitor que a cada dia mais se entusiasmava com o surgimento e desenvolvimento das obras no vasto espaço reservado ao futuro campus. A decisão de construir uma pequena sala, com um mínimo de conforto, para receber o Reitor, acolher visitantes e discutir assuntos pertinentes ao desenvolvimento das obras partiu do Sr. Luiz Gonzaga Isaia e foi concretizada pelo Sr. Adalberto dos Santos Ferraz em agosto de 1964. Assim nasceu a primeira Reitoria que, além de acolher o Reitor e Visitantes servia também como Escritório de Obras. A casa possui cobertura de telhas de cimento-aminato e um só vão em seu interior ligado a pequeno sanitário. As colunas de caibro inclinado servem para apoiar a cobertura que se projeta em aba no contorno da obra. As paredes de tábua são pregadas horizontalmente. “A pequena obra - a primeira Reitoria -, a despeito de não ter sido planejada, resistiu a muitos embates. Quase foi demolida, mas integrada, então, como obra Histórica da Cidade Universitária, permaneceu incólume. Um destino feliz foi dado à casinha: sediar os Correios e Telégrafos, depois o Serviço de Vigilância da Cidade Universitária. Feita para servir num determinado momento da construção do campus, ganhou utilidade perene.” (ISAIA, 2006, p.291-293). Fotógrafo A. Bondarenko Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do CT. Canteiro à direita da Avenida Roraima, em frente ao futuro prédio do CCNE (Faculdade Interamericanas). À direita a casa de madeira considerada Obra Histórica da Cidade Universitária. Foi planejada e executada à parte do projeto original. Iluminação pública, rede elétrica, pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica parcial, de cima.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 38

Prédio do Centro de Ciências Rurais

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR0006 Data da imagem 1964/10/14 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCUCT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CPM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x172mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CCR12; 300; Negativo n.65 Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social

Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências Rurais Nota explicativa Prédio 42 - Agronomia e Prédio 44 - Veterinária . As faculdades de Agronomia e Veterinária da USM, foram instaladas, temporariamente, no primeiro andar do prédio da Faculdade Politécnica. Em 1962 a Faculdade de Agronomia teve seu primeiro pavilhão construído do lado leste da avenida de acesso ao futuro campus, totalmente metálico. Serviu para a abrigar os primeiros equipamentos da Escola: tratores, máquinas e implementos agrícolas, assim como serviu de depósito de materiais para uso em plantios diversos. Para atender às disciplinas da escola de Veterinária foi montado um laboratório de Anatomia. O prédio sede das Faculdades de Agronomia e Veterinária, foi construído no lado sul da área doada à ASPES. O prédio da Faculdade de Agronomia tem quatro pavimentos com uma área de 8.048m². Possui um amplo anfiteatro com uma área de 500m² e com capacidade para 435 lugares. Está localizado dentro do perímetro urbano da Cidade Universitária, porém, já mais próximo da zona de atividade rural do Campus Universitário. Está sendo ocupado pelos setores administrativos de ensino e de pesquisa das faculdades de Agronomia e Farmácia, bem como dos atuais Institutos de Solos e Cultura, Instituto de Bromatologia e Instituto de Anatomia (Animal). Essa obra teve início em maio de 1964. Até julho de 1999, o Centro de Educação tinha o seu funcionamento no prédio 44 e no prédio de Apoio Comunitário (antigo Hospital Universitário), localizado na Rua Floriano Peixoto no centro de Santa Maria. Fotógrafo A. Bondarenko Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 42, também conhecido como prédio da Agronomia. Detalhe das vigas de sustentação no início da construção do prédio. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 39

Prédios Residenciais - Casa do Estudante Universitário II

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PR0004 Data da imagem 1965 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 231x174mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: Não consta Conservação Manchada

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédios Residenciais - Casa do Estudante Universitário II Nota explicativa Atualmente o complexo da Casa do Estudante do Campus Camobi é formado pelos Prédios 32 e 33 - Alojamentos; 34, 35 e 36 - Apartamentos. Havia interesse em construir um prédio simples, no campus, com apartamentos para acolher professores visitantes, buscando atender a constante presença de mestres, na Universidade, vindos em decorrência de convênios com instituições nacionais e/ou estrangeiras.Também seriam alojados na Universidade técnicos para colaborar em projetos de incremento do ensino, pesquisa e extensão. “ A universidade oferecia apenas alojamento. Refeições eram servidas nos bares e minirrestaurantes do campus.” (ISAIA, 2006, p. 329). Em uma das quadras residenciais previstas na Cidade Universitária, foram construídos os prédios destinados à moradia de alunos, professores e funcionários, com uma área, por prédio, de 5.400m². Esse conjunto é formado por cinco edifícios de estrutura mista de 100x19m, com blocos padrão de 20m de comprimento, com 3 pavimentos. Cada edifício é formado por cinco blocos, totalizando uma capacidade de 480 alunos ou de 60 apartamentos com 2 quartos e demais dependências. A execução destas obras a partir dos blocos padrões, permite a sua utilização parcial ou a ampliação, pela simples repetição dos projetos padrões. A área total dessa quadra residencial é de 27.000m². As datas de início das obras: prédios 32 e 33 - maio/1966, prédios 34 e 35 - jan-fev/1966, prédio 36 - setembro/1965. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 32, provavelmente. Fase final da construção. Automóvel Kombi-VW. Material de construção. Pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 40

Prédio do Centro de Ciências Rurais

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR0009 Data da imagem 1965 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 164x109mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CCR20; 241 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social

Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências Rurais Nota explicativa Prédio 42 - Agronomia e Prédio 44 - Veterinária . As faculdades de Agronomia e Veterinária da USM, foram instaladas, temporariamente, no primeiro andar do prédio da Faculdade Politécnica. Em 1962 a Faculdade de Agronomia teve seu primeiro pavilhão construído do lado leste da avenida de acesso ao futuro campus, totalmente metálico. Serviu para a abrigar os primeiros equipamentos da Escola: tratores, máquinas e implementos agrícolas, assim como serviu de depósito de materiais para uso em plantios diversos. Para atender às disciplinas da escola de Veterinária foi montado um laboratório de Anatomia. O prédio sede das Faculdades de Agronomia e Veterinária, foi construído no lado sul da área doada à ASPES. O prédio da Faculdade de Agronomia tem quatro pavimentos com uma área de 8.048m². Possui um amplo anfiteatro com uma área de 500m² e com capacidade para 435 lugares. Está localizado dentro do perímetro urbano da Cidade Universitária, porém, já mais próximo da zona de atividade rural do Campus Universitário. Está sendo ocupado pelos setores administrativos de ensino e de pesquisa das faculdades de Agronomia e Farmácia, bem como dos atuais Institutos de Solos e Cultura, Instituto de Bromatologia e Instituto de Anatomia (Animal). Essa obra teve início em maio de 1964. Até julho de 1999, o Centro de Educação tinha o seu funcionamento no prédio 44 e no prédio de Apoio Comunitário (antigo Hospital Universitário), localizado na Rua Floriano Peixoto no centro de Santa Maria. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 42. Agronomia, com três pavimentos já erguidos e com paredes externas de tijolos. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 41

Prédio do Centro de Tecnologia

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT0018

Data da imagem 1965/02/17 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 231x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CT36; 231; ATO Conservação Manchada

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Tecnologia Nota explicativa Prédio 07. Faculdade Politécnica, integrante do Centro Politécnico, anterior à USM. Em dezembro de 1960, quando foi assinada a lei que criou a USM, a estrutura de concreto do bloco já estava concluída. O prédio é constituído por uma estrutura em concreto armado, em três pavimentos. No pavimento térreo situa-se o grande hall de entrada, secretarias, sala de diretor e professores, cantina, restaurante e demais dependências administrativas. Nos dois pavimentos superiores estão localizadas as salas de aula, laboratórios e demais dependências para ensino e pesquisa. Na cobertura existe um grande terraço, no qual podem ser feitas observações astronômicas e outras atividades específicas. Os primeiros cursos a funcionar nesse prédio foram Engenharia Civil e Engenharia Elétrica. Em março de 1964, iniciou o funcionamento do curso de Engenharia Mecânica. O prédio da Faculdade Politécnica acolheu, nos dois primeiros anos, as secretarias, direção e alunos da Engenharia, Agronomia, Veterinária e do Colégio Agrícola da USM. Nesse prédio funcionaram, temporariamente, os cursos de Geografia, Ciências Contábeis e Administração. De acordo com o Diário Oficial da União, em 12.02.1970, a Faculdade Politécnica passou a denominarse Centro de Tecnologia. Estrutura iniciada em 1961, de acordo com o Relatório 1969, p.109. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 07. Também conhecido como Faculdade Politécnica. Fase intermediária da construção com três pavimentos estruturados. Pessoas e máquinas. Ajardinamento. Mudas de árvores no Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 42

Prédios do Centro de Estudos Básicos

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU BA0003 Data da imagem 1965/02/18 Códigos relacionados 31/1966 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CN; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CS; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 234x175mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: PB05; 217; Negativo n. 8-11 Conservação Boa

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédios do Centro de Estudos Básicos Nota explicativa A denominação Centro de Estudos Básicos deve-se ao fato desse complexo de cinco prédios concentrar todas as disciplinas que são básicas para os vários cursos das Ciências da Saúde ofertados pela universidade. É formado pelos Prédios 17 - Química, Biologia e Geociências (CCNE); 18 - Química (CCNE); 19 - Morfologia (CCS); 20 - Patologia (CCS); 21 - Fisiologia (CCS). No plano original foi denominado “Conjunto de Institutos”. Localizados na parte central da zona urbana do Campus Universitário, cada um destes prédios possui 6.091 m²², com 3 pavimentos e mais 2 amplos anfiteatros. Em meados de 1968, a área destinada ao Departamento de Química foi reestudada por técnicos alemães que deram uma nova feição ao projeto, alterando substancialmente suas características. As novas exigências levam em conta o ataque de ácidos em revestimentos e esgotos, sistemas de exaustão, de gás, laboratórios especiais para isótopos, câmaras frias. Por outro lado, a modificação do lay-out acarretou a necessidade de construção de um depósito anexo para drogas, com 320m², e com as características acima descritas. A área total a ser construída para todos os prédios passou a ser de 30.775m². O prédio para Química possui 2 elevadores para drogas e o de Anatomia um elevador para cadáveres. De acordo com o relatório de 1970 as as obras tiveram início em 1964 (17), outubro/1965 (18), novembro 1965 (19, 20, 21). Fotógrafo O. Braunstein Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédios 17, 18, 19, 20, 21. Início das obras de construção dos cinco prédios que compõem o conjunto de Institutos Básicos. Preparação do terreno, fundações concluídas. Pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 43

Prédio do Hospital Universitário de Santa Maria

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HU0006 Data da imagem 1965/02/18 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CS; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HN; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x169mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: HUSM33; 229 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional

Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Hospital Universitário de Santa Maria Nota explicativa Prédio 22. Atualmente, fazem parte do complexo de serviços do HUSM os Prédios 23 - Setor Psiquiátrico (antigo Hospital de Neuropsiquiatria); 24 - Pavilhão Mecânico; 25 - Cobaltoterapia. O Hospital Universitário (Março de 1964), está situado no Centro Médico, junto à avenida principal, sendo constituído por uma estrutura de concreto armado, com lajes duplas, sendo uma de ferro moldado no local e outra de piso, com lajotas pré-moldadas. Possui 7 pavimentos, abrangendo uma área de 25.300m². Próximo a ele situa-se o Pavilhão Mecânico (Julho de 1966), com 535m, onde se situam as centrais térmicas, gás, oxigênio, oficinas e demais serviços acessórios. A configuração original da distribuição das salas e serviços era assim: no pavimento inferior : bloco cirúrgico, pronto-socorro, centro de material, esterilização, farmácia, banco de sangue, cozinha, lavanderia, refeitórios, necrotério, vestiários, central de ar-condicionado e bubestações. No pavimento térreo: setor de Raios-X, terapia, fisioterapia, laboratórios clínicos, consultórios, arquivo médico, administração e um auditório para 300 pessoas. No segundo pavimento: a maternidade, salas de parto, berçários, quartos e enfermarias. Nos terceiro, quarto e quinto pavimentos, ficavam os quartos e enfermarias, sendo que o sexto pavimento era destinado à clausura ds irmãs, quartos para médicos residentes e internos, central telefônica e de água gelada. Na parte posterior do hospital, situa-se o prédio da bomba de cobalto (Novembro de 1968), constituído de secretaria, exames, salas de médicos, arquivo, vestiários, e a sala da Bomba de Cobalto, constituída de paredes e teto de concreto armado maciço, com espessura média de 1,20m. Este prédio possui uma área de 408m². Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 22 - HUSM. Prédio 24 - Pavilhão de Manutenção do HUSM. Fase inicial da construção com pilares de sustentação visíveis. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 44

Galpões Semi-circulares

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GS0002

Data da imagem 1965/12 Códigos relacionados 99/1965 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU IU; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 240x180mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: reg. nº 99/65 Conservação Manchada, colada em folhacpm sinais de acidificaçã Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Galpões Semi-circulares Nota explicativa Prédios 08 - 09 - 10. A aula Inaugural de 1966 foi proferida pelo Presidente Humberto de Alencar Castelo Branco, no pavilhão em arco, do lado oeste do campus. Posteriormente, neste local, foi instalada a Marcenaria da ASPES, que passou a produzir aberturas de madeira, móveis e inúmeras peças para atender as instalações dos prédios da Cidade Universitária. Em outro pavilhão, igual ao da Marcenaria, foi instalada a Serralheria da ASPES, que produziu inúmeras aberturas para as obras. Em 1966 a ASPES importou da Alemanha as primeiras máquinas para a gráfica. A instalação da gráfica ocorreu no primeiro pavilhão, com cobertura em semi-arco, construída do lado oeste da Cidade Universitária. Posteriormente, todos os equipamentos e instalações da ASPES foram doados à UFSM. (ISAIA, 2006, p. 308). Atualmente, o Almoxarifado Central ocupa esses galpões que estão localizados próximos aos galpões ocupados por alguns setores da Prefeitura da Cidade Universitária. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Galpões semi-circulares localizados após os prédios dos Institutos Básicos. As árvores que aparecem atrás dos galpões ficam entre estes e o prédio do Centro de Educação. Obra concluída e em utilização. Rede elétrica, pátio de acesso, pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 45

Prédio do Colégio Técnico Industrial de Santa Maria

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TI0002

Data da imagem 1965/12/16 Códigos relacionados 99/1965 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 163x111mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: CTI02; 253 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Colégio Técnico Industrial de Santa Maria Nota explicativa Prédio 05. Esta obra teve início em agosto de 1965. “O Ministério da Educação e Cultura, por meio da Resolução 001/67, criou o Colégio Técnico Industrial da UFSM, que foi instalado em abril de 1967. Pela Portaria 60/79, do MEC, o colégio obteve o reconhecimento, o que permitiu a expedição de certificados aos egressos do curso. Por proposta do Reitor Mariano, o Colégio passou a denominar-se Senador Daniel Krieger, justa homenagem ao promotor deste relevante centro de ensino profissionalizante, de nível pós-médio, da UFSM. Em 04/04/1967 tiveram início as aulas do Colégio Técnico Industrial de Santa Maria.” (ISAIA, 2006, p.213-215). Originalmente é constituído por um conjunto de três blocos de um pavimento único, abrangendo uma área de 1.600m². No bloco leste estão situadas as salas de aula e laboratórios, no central, situa-se a parte administrativa com biblioteca, secretaria, sala de diretor e professores. Ligando estes dois blocos acham-se os sanitários masculinos e femininos. Na parte posterior a oeste, estão o pavilhão industrial com oficinas e a cantina. Entre os pavilhões existem duas áreas internas ajardinadas e na fachada sul encontra-se uma caixa dágua elevada com 18m de altura, com capacidade para 30.000litros. Este conjunto situa-se na entrada da Cidade Universitária, à direita da Avenida Principal. Fotógrafo J. Caneda Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 05. Fase inicial da construção. Pode-se ver material de construção empilhado no terreno em frente à obra. Rede elétrica, mato, pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 46

Prédio do Instituto de Zootecnia e Departamento de Fitotecnia

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ0002 Data da imagem 1965/12/16 Códigos relacionados 88/1965 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: FZ10; 252 Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias

Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Instituto de Zootecnia e Departamento de Fitotecnia Nota explicativa Atualmente, pertencem ao complexo da Zootecnia os Prédios 63 - Pastagens; 78 - Laboratórios; 96 - Tambo. O Departamento de Zootecnia é responsável pela utilização de grande parte da área do campus com atividades e experimentos rurais. Estava instalado em um pequeno prédio de 944m² e mais barracões de madeira rústica que são ocupados para aviários, pocilga, estábulos e forrageiras. É utilizado por todos os alunos de grau médio e superior do ramo das ciências rurais e dá também assistência e orientação a toda a região inclusive aos colégios agrícolas distantes de Santa Maria. Foram duplicadas as instalações do laboratório com a construção de mais um prédio de 800m² junto aos tanques de experimentos de peixes a jusante do açude existente aproveitando a água deste. Esse edifício tem laboratórios especiais para manipulação de ovários de peixes e criação em tanques com água com características e detalhes especiais. Os pavilhões rurais foram construídos com instalações apropriadas. Atualmente pertencem ao complexo da Fitotecnia os Prédios 61 - Fitotecnia; 77 - Laboratórios; 90 - Culturas. O prédio da Fitotecnia possui secretaria, salas de aula, laboratório e outros espaços para atender o incremento do ensinoaprendizagem da Faculdade de Agronomia.” As lavouras de arroz, cana, milho e outras ocuparam boa parte das terras do lado oeste e noroeste do campus. Também foram instaladas pastagens de gramíneas em diversos espaços do lado sul da área da futura Cidade Universitária.” (ISAIA, 206, p.192). Fotógrafo J.Penna Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 78. Zootecnia. Pertence ao complexo de prédios do CCR. Instalações do Departamento e laboratórios. Rua de acesso e placa indicativa da obra: Centro de Ciências Rurais: Instituto de Zootecnia. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea, luz diurna, vista parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 47

Galpões Metálicos e Posto de Abastecimento

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP0002

Data da imagem 1966 Códigos relacionados 31/1966 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HV; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 233x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: Não consta

Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Galpões Metálicos e Posto de Abastecimento Nota explicativa Prédio 02. “Em meados de 1961 passou a funcionar o setor de transporte e oficina da USM. A oficina foi organizada para manutenção do setor de transporte. O primeiro responsável pelo setor foi Eduardo Augusto Soares Filho. Um posto de serviço foi instalado na entrada da UFSM, lado esquerdo, para abastecer os veículos com combustível, fazer trocas de óleo, limpezas, etc.” (ISAIA, 2006, p.251-252). Os Galpões Metálicos, utilizados como oficina e garagem, foram adaptados para funcionar temporariamente o Hospital Veterinário e a cadeira de Mecânica Agrícola da Faculdade de Agronomia. Atualmente, esses galpões não existem mais. Nesse espaço foram construídos novos prédios que atualmente abrigam o Centro de Vivência (constituído pelo Posto de Abastecimento, Correios, Livraria, Grife, Ponto de vendas dos produtos UNI, Associação dos Transportadores Urbanso de Passageiros de Santa Maria (ATU) e Farmácia), e a Incubadora de Empresas de Base Tecnológica - CT. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Galpões metálicos construídos na entrada do campus para servir de oficina e depósito de materiais. Uma parte foi adaptada para funcionar temporariamente o Hospital Veterinário e a cadeira de Mecânica Agrícola da Faculdade de Agronomia. Avenida Roraima, rede elétrica, postes de iluminação pública. Esses galpões estavam situados onde hoje está localizado o Centro de Vivência e o prédio da Incubadora Tecnológica. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 48

Prédio do Colégio Agrícola de Santa Maria

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AG0004

Data da imagem 1965/12/16 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 163x110mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco

Polaridade Positivo Inscrições Verso: CASM06; 258 Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Colégio Agrícola de Santa Maria Nota explicativa Prédio 70. Segundo Isaia (2006), a Escola Agrotécnica passou para o MEC após a aprovação da emenda à Lei nº 3864-a, de 24.01.1961, proposta por Tarso Dutra. Um convênio realizado entre a USM e a Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário (SEAV), órgão do Ministério da Agricultura, permitiu o início das atividades da primeira escola de segundo grau em um campus universitário a funcionar no País, em março de 1963. A Portaria nº 6.068/68, do Ministério da Educação e Cultura, criou a Seção de Ensino Médio Integrado (SEMI) para coordenar a estrutura do ensino de 2º grau na USM. Logo em seguida, o Colégio obteve o reconhecimento do MEC para fins de expedição de diplomas aos alunos egressos de seus cursos. A Escola Agrotécnica de Santa Maria passou a denominar-se Colégio Agrícola de Santa Maria pelo Decreto nº 62.178. Inicialmente, o Colégio Agrícola funcionava no campus em pavilhões provisórios metálicos e num pequeno prédio de alvenaria. De acordo com o relatório de 1971, essa obra teve início em 1965. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 70. Primeiro prédio do Colégio Agrícola concluído. Para o Colégio Agrícola de Santa Maria, foi programada a construção de um prédio com 3.000m² em um único pavimento destinados aos laboratórios agrícolas e salas de aula especiais. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista em perspectiva lado esquerdo. Data da imagem 1966 Data da imagem 1966


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 49

Prédio do Escritório Técnico de Obras

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU OB0002 Data da imagem 1966/06/08 Códigos relacionados 31/1966 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AC; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 235x175mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: 237; dois carimbos; orreio. Conservação Cantos amassados; verso manchado Fundo Coordenadoria de Comunicação Social

Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Escritório Técnico de Obras Nota explicativa Até o início de 1964 ainda não havia no canteiro de obras da futura Cidade Universitária, nenhum local adequado onde fosse possível receber visitantes, abrir as enormes plantas de obras e acolher, quase que diariamente, o Reitor que a cada dia mais se entusiasmava com o surgimento e desenvolvimento das obras no vasto espaço reservado ao futuro campus. A decisão de construir uma pequena sala, com um mínimo de conforto, para receber o Reitor, acolher visitantes e discutir assuntos pertinentes ao desenvolvimento das obras partiu do Sr. Luiz Gonzaga Isaia e foi concretizada pelo Sr. Adalberto dos Santos Ferraz em agosto de 1964. Assim nasceu a primeira Reitoria que, além de acolher o Reitor e Visitantes servia também como Escritório de Obras. A casa possui cobertura de telhas de cimento-aminato e um só vão em seu interior ligado a pequeno sanitário. As colunas de caibro inclinado servem para apoiar a cobertura que se projeta em aba no contorno da obra. As paredes de tábua são pregadas horizontalmente. “A pequena obra - a primeira Reitoria -, a despeito de não ter sido planejada, resistiu a muitos embates. Quase foi demolida, mas integrada, então, como obra Histórica da Cidade Universitária, permaneceu incólume. Um destino feliz foi dado à casinha: sediar os Correios e Telégrafos, depois o Serviço de Vigilância da Cidade Universitária. Feita para servir num determinado momento da construção do campus, ganhou utilidade perene.” (ISAIA, 2006, p.291-293). Fotógrafo J. Caneda Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Casa de madeira considerada Obra Histórica da Cidade Universitária. Foi planejada e executada à parte do projeto original. Obra concluída e em utilização. Ajardinamento. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 50

Prédio do Colégio Agrícola de Santa Maria

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AG0006 Data da imagem 1967 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 230x173mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco

Polaridade Positivo Inscrições Verso: CASM12;2219; Serviço de planejamento e Obras Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Colégio Agrícola de Santa Maria Nota explicativa Prédio 70. Segundo Isaia (2006), a Escola Agrotécnica passou para o MEC após a aprovação da emenda à Lei nº 3864-a, de 24.01.1961, proposta por Tarso Dutra. Um convênio realizado entre a USM e a Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário (SEAV), órgão do Ministério da Agricultura, permitiu o início das atividades da primeira escola de segundo grau em um campus universitário a funcionar no País, em março de 1963. A Portaria nº 6.068/68, do Ministério da Educação e Cultura, criou a Seção de Ensino Médio Integrado (SEMI) para coordenar a estrutura do ensino de 2º grau na USM. Logo em seguida, o Colégio obteve o reconhecimento do MEC para fins de expedição de diplomas aos alunos egressos de seus cursos. A Escola Agrotécnica de Santa Maria passou a denominar-se Colégio Agrícola de Santa Maria pelo Decreto nº 62.178. Inicialmente, o Colégio Agrícola funcionava no campus em pavilhões provisórios metálicos e num pequeno prédio de alvenaria. De acordo com o relatório de 1971, essa obra teve início em 1965. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 70. Segundo prédio do Colégio Agrícola concluído. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal perspectiva lado direito.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 51

Prédio da Biblioteca Central

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU BC0002

Data da imagem 1967 Códigos relacionados 81/1967 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 230x164mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: Não consta Conservação Manchado, canto rasgado Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Biblioteca Central Nota explicativa Prédio 30. Denominado Biblioteca Central Manoel Marques de Souza - Conde de Porto Alegre, tem 8.237m² e foi construído durante os anos de 1969 a 1972. A inauguração realizou-se no dia 03 de dezembro de 1972, em ato que contou com a presença de autoridades civis, militares, eclesiásticas, professores e representantes do Diretório Acadêmico da UFSM. Está situado junto a Avenida Principal, entre o Hospital Universitário e o lago, possuindo uma estrutura em concreto armado com 3 pavimentos, com uma área total de 7.080m². No subsolo está situado o depósito de livros, fotografia, microfilmes, reparação, restauração e encadernação, embalagem e desembalagem e sanitários. No pavimento térreo encontram-se o hall de entrada, locais de exposição, catálogos, catalogação e preparação, sala do diretor, secretaria e periódicos. O segundo pavimento tem amplos salões de leitura, existindo ainda um mezanino neste pavimento.Possui sistema de ar-condicionado para uma área de 4.900m², ou seja: depósito de livros, catalogação e preparação, catálogos, área administrativa e parte dos salões de leitura. Possui, ainda, 2 elevadores e seis monta-cargas. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 30. Quatro pavimentos da Biblioteca Central com paredes externas em fase final de construção. Material de construção depositado na frente do prédio. Placa indicativa da obra. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal emperspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 52

Galpões Metálicos e Posto de Abastecimento

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP0003

Data da imagem 1967/01/04 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HV; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 170x113mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: PO02; 2201 Conservação Manchada

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Galpões Metálicos e Posto de Abastecimento Nota explicativa Prédio 02. “Em meados de 1961 passou a funcionar o setor de transporte e oficina da USM. A oficina foi organizada para manutenção do setor de transporte. O primeiro responsável pelo setor foi Eduardo Augusto Soares Filho. Um posto de serviço foi instalado na entrada da UFSM, lado esquerdo, para abastecer os veículos com combustível, fazer trocas de óleo, limpezas, etc.” (ISAIA, 2006, p.251-252). Os Galpões Metálicos, utilizados como oficina e garagem, foram adaptados para funcionar temporariamente o Hospital Veterinário e a cadeira de Mecânica Agrícola da Faculdade de Agronomia. Atualmente, esses galpões não existem mais. Nesse espaço foram construídos novos prédios que atualmente abrigam o Centro de Vivência (constituído pelo Posto de Abastecimento, Correios, Livraria, Grife, Ponto de vendas dos produtos UNI, Associação dos Transportadores Urbanso de Passageiros de Santa Maria (ATU) e Farmácia), e a Incubadora de Empresas de Base Tecnológica - CT. Fotógrafo R. Gadêa Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Entrada do campus. Ao centro galpões metálicos construídos na entrada do campus, para servir de oficina e depósito de materiais. Uma parte foi adaptada para funcionar temporariamente o Hospital Veterinário e a cadeira de Mecânica Agrícola da Faculdade de Agronomia. À direita o Posto de Abastecimento que existe ainda hoje. Avenida Roraima, rede elétrica, postes de iluminação pública. Automóveis, pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica parcial provavelmente de cima do Prédio 7 - Centro de Tecnologia.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 53

Prédio do Colégio Técnico Industrial de Santa Maria

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TI0004

Data da imagem 1967/01/04 Códigos relacionados 81/1967 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 231x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CTI05; 2197 Conservação Boa

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Colégio Técnico Industrial de Santa Maria Nota explicativa Prédio 05. Esta obra teve início em agosto de 1965. “O Ministério da Educação e Cultura, por meio da Resolução 001/67, criou o Colégio Técnico Industrial da UFSM, que foi instalado em abril de 1967. Pela Portaria 60/79, do MEC, o colégio obteve o reconhecimento, o que permitiu a expedição de certificados aos egressos do curso. Por proposta do Reitor Mariano, o Colégio passou a denominar-se Senador Daniel Krieger, justa homenagem ao promotor deste relevante centro de ensino profissionalizante, de nível pós-médio, da UFSM. Em 04/04/1967 tiveram início as aulas do Colégio Técnico Industrial de Santa Maria.” (ISAIA, 2006, p.213-215). Originalmente é constituído por um conjunto de três blocos de um pavimento único, abrangendo uma área de 1.600m². No bloco leste estão situadas as salas de aula e laboratórios, no central, situa-se a parte administrativa com biblioteca, secretaria, sala de diretor e professores. Ligando estes dois blocos acham-se os sanitários masculinos e femininos. Na parte posterior a oeste, estão o pavilhão industrial com oficinas e a cantina. Entre os pavilhões existem duas áreas internas ajardinadas e na fachada sul encontra-se uma caixa dágua elevada com 18m de altura, com capacidade para 30.000litros. Este conjunto situa-se na entrada da Cidade Universitária, à direita da Avenida Principal. Fotógrafo R. Gadêa Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 05. Fase final da obra, já em utilização. À esquerda a caixa d’água. Àrea de acesso com automóveis. Iluminção pública, pessoas.”Em dezembro de 1966 estava em fase final de acabamento para utilização imediata.” (ISAIA, 2006, p.344). Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 54

Prédio do Colégio Agrícola de Santa Maria

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AG0001 Data da imagem 1967/01/04 Códigos relacionados 35/1968 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 175x118mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: CASM 8; 2210; dois carimbos. Conservação Marcada pela força da caneta no verso Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Colégio Agrícola de Santa Maria Nota explicativa Prédio 70. Segundo Isaia (2006), a Escola Agrotécnica passou para o MEC após a aprovação da emenda à Lei nº 3864-a, de 24.01.1961, proposta por Tarso Dutra. Um convênio realizado entre a UFSM e a Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário (SEAV), órgão do Ministério da Agricultura, permitiu o início das atividades da primeira escola de segundo grau em um campus universitário a funcionar no País, em março de 1963. A Portaria nº 6.068/68, do Ministério da Educação e Cultura, criou a Seção de Ensino Médio Integrado (SEMI) para coordenar a estrutura do ensino de 2º grau na USM. Logo em seguida, o Colégio obteve o reconhecimento do MEC para fins de expedição de diplomas aos alunos egressos de seus cursos. A Escola Agrotécnica de Santa Maria passou a denominar-se Colégio Agrícola de Santa Maria pelo Decreto nº 62.178. Inicialmente, o Colégio Agrícola funcionava no campus em pavilhões provisórios metálicos e num pequeno prédio de alvenaria. De acordo com o relatório de 1971, essa obra teve início em 1965. Fotógrafo R. Gadêa Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 70. Prédio para salas de aula e galpões concluídos. Rede elétrica, rua de acesso, canteiro central Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 55

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0004

Data da imagem 1967/10 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 230x164mm

Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: 2217 Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do lado esquerdo do acesso ao campus. Rua de acesso marginal Avenida Roraima. No centro da foto o complexo de prédios do Hospital Universitário de Santa Maria e ao fundo a área rural pertencente à Universidade. No erceiro quadrante o complexo de prédios que abrigava a Divisão de Obras e Almoxarifado de obras. Olaria da Aspes? Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 56

Prédio da Administração Central

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AC0001

Data da imagem 1968 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU OB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 173x109mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: Não consta Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Administração Central Nota explicativa Prédio 47. De acordo com Isaia (2006), “em julho de 1961 a USM recebeu o valor de 370 milhões de cruzeiros do Governo Federal para aplicação em Projetos Especiais. Assim, não foi difícil elaborar os projetos para instalação da Reitoria e tudo o mais urgente para dar condições de funcionamento do primeiro ano de vida da nossa Universidade.” A Administração Central foi instalada em um único prédio, liberando as áreas que ocupava em vários prédios de ensino e está localizado junto ao setor administrativo, em frente à praça. A sua estrutura é toda em concreto armado, possuindo dez pavimentos e uma área construída de 10.780m². Em seus diversos pavimentos está localizada toda a administração da Universidade Federal de Santa Maria. Conforme o relatório de 1973, essa obra iniciou em 1968. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 47. Início da construção do prédio da Administração Central. Fundações. Pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 57

Prédio do Centro de Tecnologia

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT0021

Data da imagem 1968 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 229x173mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CT45; 2165 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional

Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Tecnologia Nota explicativa Prédio 07. Faculdade Politécnica, integrante do Centro Politécnico, anterior à USM. Em dezembro de 1960, quando foi assinada a lei que criou a USM, a estrutura de concreto do bloco já estava concluída. O prédio é constituído por uma estrutura em concreto armado, em três pavimentos. No pavimento térreo situa-se o grande hall de entrada, secretarias, sala de diretor e professores, cantina, restaurante e demais dependências administrativas. Nos dois pavimentos superiores estão localizadas as salas de aula, laboratórios e demais dependências para ensino e pesquisa. Na cobertura existe um grande terraço, no qual podem ser feitas observações astronômicas e outras atividades específicas. Os primeiros cursos a funcionar nesse prédio foram Engenharia Civil e Engenharia Elétrica. Em março de 1964, iniciou o funcionamento do curso de Engenharia Mecânica. O prédio da Faculdade Politécnica acolheu, nos dois primeiros anos, as secretarias, direção e alunos da Engenharia, Agronomia, Veterinária e do Colégio Agrícola da UFSM. Nesse prédio funcionaram, temporariamente, os cursos de Geografia, Ciências Contábeis e Administração. De acordo com o Diário Oficial da União, em 12.02.1970, a Faculdade Politécnica passou a denominarse Centro de Tecnologia. Estrutura iniciada em 1961, de acordo com o Relatório 1969, p.109. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 07. Também conhecido como Faculdade Politécnica. Obra concluída e em utilização. Avenida Roraima arborizada, paradas de ônibus. Bem à direita o Colégio Técnico Industrial. Andaime com trabalhadores. Pessoas. Atomóveis. Árvores. Em dezembro de 1966, três blocos já estavam sendo utilizados. Prosseguiam os acabamentos do hall, corredores, pinturas, fachadas e instalação da subestação rebaixadora de energia elétrica. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica, provavelmente capturada de cima do Prédio 30, da BC.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 58

Prédio do Hospital de Clínicas Veterinárias

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HV0001

Data da imagem 1968/02 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 234x172mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: HV01; 2176 Conservação Boa

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Hospital de Clínicas Veterinárias Nota explicativa Prédio 97 - Hospital de Clínicas Veterinárias e Prédio 98 - Biotério Central. Em dezembro de 1964, foi aprovado o projeto para a construção do Hospital Veterinário, elaborado pelos arquitetos Oscar Valdetaro e Roberto Nadalutti. As obras tiveram início em 1965. Em 1967 o Hospital já contava com o seu primeiro bloco, com uma sala para aulas, que servia também para cirurgias, e boxes construídos em alvenaria e ferro para acolher pequenos e grandes animais. Não tardou para que o laboratório da Faculdade de Veterinária, que funcionava no prédio do Centro Politécnico, passasse para o prédio do Hospital. O conjunto de blocos que formam o Hospital de Veterinária está localizado fora da zona urbana da Cidade Universitária. É composto de vários blocos independentes, em um único pavimento, com estruturas mistas de concreto e alvenaria. Os blocos são: técnica cirúrgica; administração (Boco 1, iniciado em 1969); pequenos animais (bloco 2, iniciado em dezembro de 1969); bovinos (bloco 3, iniciado em 1970), suínos e equinos (bloco 4, iniciado em dezembro de 1969); necropsia (bloco 6, iniciado em junho de 1979), isolamento, ferraria, garagem, e outras instalações complementares, tais como forro crematório, troncos de contenção, pistas de treinamento, etc. Faz parte também deste conjunto o biotério central (prédio 98, obra iniciada em janeiro de 1969). A área total de edificações é de 6.615m². Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 97. Preparação do terreno onde será erguido um ???? Ao fundo as instalações do ???? Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 59

Galpões Semi-circulares

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GS0001

Data da imagem 1968/06/17 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU IU; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 240x180mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco

Polaridade Positivo Inscrições Verso: PE 2; 2181; dois carimbos Conservação Manchada, cantos descascados e com adesivos Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Galpões Semi-circulares Nota explicativa Prédios 08 - 09 - 10. A aula Inaugural de 1966 foi proferida pelo Presidente Humberto de Alencar Castelo Branco, no pavilhão em arco, do lado oeste do campus. Posteriormente, neste local, foi instalada a Marcenaria da ASPES, que passou a produzir aberturas de madeira, móveis e inúmeras peças para atender as instalações dos prédios da Cidade Universitária. Em outro pavilhão, igual ao da Marcenaria, foi instalada a Serralheria da ASPES, que produziu inúmeras aberturas para as obras. Em 1966 a ASPES importou da Alemanha as primeiras máquinas para a gráfica. A instalação da gráfica ocorreu no primeiro pavilhão, com cobertura em semi-arco, construída do lado oeste da Cidade Universitária. Posteriormente, todos os equipamentos e instalações da ASPES foram doados à UFSM. (ISAIA, 2006, p. 308). Atualmente, o Almoxarifado Central ocupa esses galpões que estão localizados próximos aos galpões ocupados por alguns setores da Prefeitura da Cidade Universitária. Fotógrafo R. Gadêa Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Galpões semi-circulares localizados após os prédios dos Institutos Básicos. As árvores que aparecem atrás dos galpões fica entre estes e o prédio do Centro de Educação. Em dezembro de 1966 estavam concluídos os dois pavilhões em arco, com 600 metros quadrados cada um. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea, luz diurna, vista panorâmica parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 60

Prédios Residenciais - Casa do Estudante Universitário II

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PR0010

Data da imagem 1968/06/17 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 230x172mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: 2180

Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédios Residenciais - Casa do Estudante Universitário II Nota explicativa Atualmente o complexo da Casa do Estudante do Campus Camobi é formado pelos Prédios 32 e 33 - Alojamentos; 34, 35 e 36 - Apartamentos. Havia interesse em construir um prédio simples, no campus, com apartamentos para acolher professores visitantes, buscando atender a constante presença de mestres, na Universidade, vindos em decorrência de convênios com instituições nacionais e/ou estrangeiras.Também seriam alojados na Universidade técnicos para colaborar em projetos de incremento do ensino, pesquisa e extensão. “ A universidade oferecia apenas alojamento. Refeições eram servidas nos bares e minirrestaurantes do campus.” (ISAIA, 2006, p. 329). Em uma das quadras residenciais previstas na Cidade Universitária, foram construídos os prédios destinados à moradia de alunos, professores e funcionários, com uma área, por prédio, de 5.400m². Esse conjunto é formado por cinco edifícios de estrutura mista de 100x19m, com blocos padrão de 20m de comprimento, com 3 pavimentos. Cada edifício é formado por cinco blocos, totalizando uma capacidade de 480 alunos ou de 60 apartamentos com 2 quartos e demais dependências. A execução destas obras a partir dos blocos padrões, permite a sua utilização parcial ou a ampliação, pela simples repetição dos projetos padrões. A área total dessa quadra residencial é de 27.000m². As datas de início das obras: prédios 32 e 33 - maio/1966, prédios 34 e 35 - jan-fev/1966, prédio 36 - setembro/1965. Fotógrafo R. Gadêa Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédios 32, 33, 34, 35, 36. Rua lateral de acesso ao CEFD. Essa rua contorna o Parque das Nações. Terra molhada. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 61

Prédio do Centro de Artes e Letras

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AL0002

Data da imagem 1968/10/09 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel

Dimensão do suporte 232x153mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CAL002; 2133 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Artes e Letras Nota explicativa Prédio 40. Conforme Isaia (2006), os primeiros alunos da Escola de Belas Artes da USM iniciaram o curso em 1963. Em 1971 a escola instalou-se no campus universitário de Camobi e passou a ser denominada Centro de Artes e Letras. O prédio está situado no setor das faculdades, junto a Avenida Principal, com 8.048m². O projeto inicial previa quatro pavimentos e um anfiteatro com capacidade para 400 espectadores. Nas salas de música e canto, previa o tratamento acústico e condicionamento de ar, a fim de garantir eficiência na prática instrumental e conservação destes. O anfiteatro deveria ter características especiais quanto ao som e temperatura. De acordo com o relatório de 1970, essa obra teve início em julho de 1967. Fotógrafo R. Gadêa Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 40. Estrutura dos quatro pavimentos erguida. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal em perspectiva para a esquerda.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 62

Prédio da União Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU UU0001 Data da imagem 1968/10/10 Códigos relacionados 35/1968 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel

Dimensão do suporte 232x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: UU2; 2196; ATO Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da União Universitária Nota explicativa Prédio 31. Em dezembro de 1966 ocorreu a preparação do terreno para as fundações e a construção teve início em janeiro de 1967. Este prédio está localizado junto a Avenida Principal, próximo à quadra residencial “I”, à beira do futuro lago. Possui uma área construída de 5.380m², com 2 pavimentos em estrutura de concreto armado. No primeiro pavimento encontram-se o restaurante universitário, cozinha central, central térmica, área de refrigeração e demais dependências auxiliares. No segundo pavimento deveria existir, de acordo como projeto original, outro restaurante, bar, salão de chá, sala de conferências e outras dependências. Este prédio destina-se a atividades recreativas e sociais, para os estudantes, além de servir para restaurante universitário. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 31. Fase intermediária da obra. Estrutura principal concluída. Material de construção acumulado no chão. Pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 63

Prédio da União Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU UU0002 Data da imagem 1968/10/10 Códigos relacionados 35/1968 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x170mm

Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: Não consta Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da União Universitária Nota explicativa Prédio 31. Em dezembro de 1966 ocorreu a preparação do terreno para as fundações e a construção teve início em janeiro de 1967. Este prédio está localizado junto a Avenida Principal, próximo à quadra residencial “I”, à beira do futuro lago. Possui uma área construída de 5.380m², com 2 pavimentos em estrutura de concreto armado. No primeiro pavimento encontram-se o restaurante universitário, cozinha central, central térmica, área de refrigeração e demais dependências auxiliares. No segundo pavimento deveria existir, de acordo como projeto original, outro restaurante, bar, salão de chá, sala de conferências e outras dependências. Este prédio destina-se a atividades recreativas e sociais, para os estudantes, além de servir para restaurante universitário. Fotógrafo R. Gadêa Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 31. Fase intermediária da obra. Estrutura principal concluída. Material de construção acumulado no chão. Rua de acesso lateral. Material de construção caçamba, rede elétrica, árvore, pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista de trás


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 64

Prédio do Instituto de Zootecnia e Departamento de Fitotecnia

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ0005

Data da imagem 1968/12/07 Códigos relacionados 106/1968 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: FZ19; 2131 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias

Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Instituto de Zootecnia e Departamento de Fitotecnia Nota explicativa Atualmente, pertencem ao complexo da Zootecnia os Prédios 63 - Pastagens; 78 - Laboratórios; 96 - Tambo. O Departamento de Zootecnia é responsável pela utilização de grande parte da área do campus com atividades e experimentos rurais. Estava instalado em um pequeno prédio de 944m² e mais barracões de madeira rústica que são ocupados para aviários, pocilga, estábulos e forrageiras. É utilizado por todos os alunos de grau médio e superior do ramo das ciências rurais e dá também assistência e orientação a toda a região inclusive aos colégios agrícolas distantes de Santa Maria. Foram duplicadas as instalações do laboratório com a construção de mais um prédio de 800m² junto aos tanques de experimentos de peixes a jusante do açude existente aproveitando a água deste. Esse edifício tem laboratórios especiais para manipulação de ovários de peixes e criação em tanques com água com características e detalhes especiais. Os pavilhões rurais foram construídos com instalações apropriadas. Atualmente pertencem ao complexo da Fitotecnia os Prédios 61 - Fitotecnia; 77 - Laboratórios; 90 - Culturas. O prédio da Fitotecnia possui secretaria, salas de aula, laboratório e outros espaços para atender o incremento do ensinoaprendizagem da Faculdade de Agronomia.” As lavouras de arroz, cana, milho e outras ocuparam boa parte das terras do lado oeste e noroeste do campus. Também foram instaladas pastagens de gramíneas em diversos espaços do lado sul da área da futura Cidade Universitária.” (ISAIA, 206, p.192). Fotógrafo R. Gadêa Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 77. Departamento de Fitotecnia. Àrea de acesso com rua, árvore e placa indicativa do Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea, luz diurna, vista frontal parcial. Data da imagem 1968/12/07


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 65

Prédio do Instituto de Zootecnia e Departamento de Fitotecnia

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ0004

Códigos relacionados 106/1968 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: Não consta Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias

Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Instituto de Zootecnia e Departamento de Fitotecnia Nota explicativa Atualmente, pertencem ao complexo da Zootecnia os Prédios 63 - Pastagens; 78 - Laboratórios; 96 - Tambo. O Departamento de Zootecnia é responsável pela utilização de grande parte da área do campus com atividades e experimentos rurais. Estava instalado em um pequeno prédio de 944m² e mais barracões de madeira rústica que são ocupados para aviários, pocilga, estábulos e forrageiras. É utilizado por todos os alunos de grau médio e superior do ramo das ciências rurais e dá também assistência e orientação a toda a região inclusive aos colégios agrícolas distantes de Santa Maria. Foram duplicadas as instalações do laboratório com a construção de mais um prédio de 800m² junto aos tanques de experimentos de peixes a jusante do açude existente aproveitando a água deste. Esse edifício tem laboratórios especiais para manipulação de ovários de peixes e criação em tanques com água com características e detalhes especiais. Os pavilhões rurais foram construídos com instalações apropriadas. Atualmente pertencem ao complexo da Fitotecnia os Prédios 61 - Fitotecnia; 77 - Laboratórios; 90 - Culturas. O prédio da Fitotecnia possui secretaria, salas de aula, laboratório e outros espaços para atender o incremento do ensinoaprendizagem da Faculdade de Agronomia.” As lavouras de arroz, cana, milho e outras ocuparam boa parte das terras do lado oeste e noroeste do campus. Também foram instaladas pastagens de gramíneas em diversos espaços do lado sul da área da futura Cidade Universitária.” (ISAIA, 206, p.192). Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 77 - Fitotecnia. Prédio 78 - Zootecnia. Na metade esquerda é possível visual o conjunto predial ocupado pelo laboratórios e Departamento de Fitotecnia. À direita o conjunto predial ocupado pelos laboratórios e Departamento de Zootecnia. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea, luz diurna, vista aérea parcial.

Data da imagem 1969/04


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 66

Prédio da Administração Central

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AC0006

Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU OB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 229x171mm Nitidez Boa

Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: ADM06; 2149 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Administração Central Nota explicativa Prédio 47. De acordo com Isaia (2006), “em julho de 1961 a USM recebeu o valor de 370 milhões de cruzeiros do Governo Federal para aplicação em Projetos Especiais. Assim, não foi difícil elaborar os projetos para instalação da Reitoria e tudo o mais urgente para dar condições de funcionamento do primeiro ano de vida da nossa Universidade.” A Administração Central foi instalada em um único prédio, liberando as áreas que ocupava em vários prédios de ensino e está localizado junto ao setor administrativo, em frente à praça. A sua estrutura é toda em concreto armado, possuindo dez pavimentos e uma área construída de 10.780m². Em seus diversos pavimentos está localizada toda a administração da Universidade Federal de Santa Maria. Conforme o relatório de 1973, essa obra iniciou em 1968. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 47. Vigas da estrutura do primeiro pavimento do prédio da Administração Central. Pessoas. Esta obra acha-se com as fundações prontas e parte da estrutura em concreto armado em andamento. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista lateral direita.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 67

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0008 Data da imagem 1969/04/18 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 174x110mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco

Polaridade Positivo Inscrições Verso: 2152 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do lado sul do campus. Avenida Roraima à esquerda. Na base da imagem os prédios da União Universitária e o CEU II. No centro a Biblioteca Central e as instalações prediais do Hospital Universitário. Bem acima, à esquerda o Centro de Tecnologia. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 68

Prédio do Hospital Universitário de Santa Maria

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HU0011

Data da imagem 1969/04/18 Códigos relacionados 62/1969 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CS; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HN; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x169mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: HUSM45; 202; ATO Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária

Item documental Prédio do Hospital Universitário de Santa Maria Nota explicativa Prédio 22. Atualmente, fazem parte do complexo de serviços do HUSM os Prédios 23 - Setor Psiquiátrico (antigo Hospital de Neuropsiquiatria); 24 - Pavilhão Mecânico; 25 - Cobaltoterapia. O Hospital Universitário (Março de 1964), está situado no Centro Médico, junto à avenida principal, sendo constituído por uma estrutura de concreto armado, com lajes duplas, sendo uma de ferro moldado no local e outra de piso, com lajotas pré-moldadas. Possui 7 pavimentos, abrangendo uma área de 25.300m². Próximo a ele situa-se o Pavilhão Mecânico (Julho de 1966), com 535m, onde se situam as centrais térmicas, gás, oxigênio, oficinas e demais serviços acessórios. A configuração original da distribuição das salas e serviços era assim: no pavimento inferior : bloco cirúrgico, pronto-socorro, centro de material, esterilização, farmácia, banco de sangue, cozinha, lavanderia, refeitórios, necrotério, vestiários, central de ar-condicionado e bubestações. No pavimento térreo: setor de Raios-X, terapia, fisioterapia, laboratórios clínicos, consultórios, arquivo médico, administração e um auditório para 300 pessoas. No segundo pavimento: a maternidade, salas de parto, berçários, quartos e enfermarias. Nos terceiro, quarto e quinto pavimentos, ficavam os quartos e enfermarias, sendo que o sexto pavimento era destinado à clausura ds irmãs, quartos para médicos residentes e internos, central telefônica e de água gelada. Na parte posterior do hospital, situa-se o prédio da bomba de cobalto (Novembro de 1968), constituído de secretaria, exames, salas de médicos, arquivo, vestiários, e a sala da Bomba de Cobalto, constituída de paredes e teto de concreto armado maciço, com espessura média de 1,20m. Este prédio possui uma área de 408m². Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 22. Atrás desse prédio, à esquerda, pode-se visualizar o último pavimento do Prédio 23. Avenida Roraima, árvores, automóveis, ônibus, placa indicativa da obra. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica parcial, provavelmente obtida de cima do Prédio 7 - Centro de Tecnologia.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 69

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0007

Data da imagem 1969/04/18 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 229x171mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: 2155 Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do lado direito do acesso ao campus. No inferior o complexo predial pertencente atualmente ao Almoxarifado Central e Prefeitura da Cidade Universitária. No centro, os três pavilhões semi-circulares e os cinco prédios pertencentes ao Institutos Básicos. Seguindo em linha reta, acima os prédios residenciais e depois o CEFD. Mais à direita, acima, a área do Parque de Exposições da UFSM. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 70

Prédio da Biblioteca Central

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU BC0003

Data da imagem 1969/04/18 Códigos relacionados 62/1969 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 172x109mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: BC04; 2161 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Biblioteca Central Nota explicativa Prédio 30. Denominado Biblioteca Central Manoel Marques de Souza - Conde de Porto Alegre, tem 8.237m² e foi construído durante os anos de 1969 a 1972. A inauguração realizou-se no dia 03 de dezembro de 1972, em ato que contou com a presença de autoridades civis, militares, eclesiásticas, professores e representantes do Diretório Acadêmico da UFSM. Está situado junto a Avenida Principal, entre o Hospital Universitário e o lago, possuindo uma estrutura em concreto armado com 3 pavimentos, com uma área total de 7.080m². No subsolo está situado o depósito de livros, fotografia, microfilmes, reparação, restauração e encadernação, embalagem e desembalagem e sanitários. No pavimento térreo encontram-se o hall de entrada, locais de exposição, catálogos, catalogação e preparação, sala do diretor, secretaria e periódicos. O segundo pavimento tem amplos salões de leitura, existindo ainda um mezanino neste pavimento. Possui sistema de ar-condicionado para uma área de 4.900m², ou seja: depósito de livros, catalogação e preparação, catálogos, área administrativa e parte dos salões de leitura. Possui, ainda, 2 elevadores e seis monta-cargas. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 30. Obra em estágio avançado de construção, com paredes externas sem acabamento. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista dos fundos e do lado direito em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 71

Prédio da Usina de Laticínios

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU UL0001 Data da imagem 1970 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 169x111mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: Não consta Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias

Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Usina de Laticínios Nota explicativa Prédio 95. “Santa Maria foi um dos últimos municípios de porte médio do RS a implantar uma usina de pasteurização de leite. Logo após a criação da Universidade, o IEPE (Instituto de Estudos e Pesquisas Econômicas integrada à USM em 1960), passou a gestionar a possibilidade de implantação da primeira Usina de Laticínios de Santa Maria.(...). Decorrido algum tempo, o Prof. Cyro Schimitz apresentou projeto à USM para que esta iniciasse a pasteurização do leite, por meio de uma unidade-escola, a ser instalada no campus. Passaram-se alguns anos para que a Universidade pudesse completar a compra de equipamentos para a pasteurização e para produção de derivados do produto.” (ISAIA, 2006, p.295-296). A área de construção para a Usina de Beneficiamento de Leite, é de 1.530,96m². O prédio mais importante tem três pavimentos, sendo o pavimento inferior ocupado pelos compressores de amônia, tanque de água gelada e túnel para a canalização. No pavimento térreo estão os laboratórios, salas de recepção de leite, câmaras, pasteurização, empacotamento, manteigaria, etc. No pavimento superior estão os tanques térmicos e preparo de iogurte. Devido ao ataque de ácido láctico o piso é de material resistente à ácido, a rede elétrica é protegida da umidade e as características gerais do prédio permitem o desenvolvimento das atividades didáticas e de pesquisa sem prejuízo da assepsia. Em um pequeno prédio anexo foi instalada a casa de caldeiras e as dependências administrativas. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 95. Pertence à estrutura do CCR. Rua de acesso, placa indicativa do local: Departamento de Tecnologia Alimentar - Setor de Laticínios. rede elétrica, ao fundo a obra em fase final. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 72

Prédio do Centro de Educação Física e Desportos

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU EF0006 Data da imagem 1970/02 Códigos relacionados 81/1970 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x158mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CEFD03; 2106; ATO Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Educação Física e Desportos Nota explicativa Prédio 51 - CEFD e Estádio, inclui os prédios 52 - Ginásio Coberto, 53

- Piscina Olímpica, 54 - Piscina Térmica, 55 - Quadras de esporte, 56 - Pavilhão de Ginática, 57 - Pavilhão de Esportes. A obra do prédio 51 teve início em março de 1964. O Estádio da Universidade Federal de Santa Maria, deveria ter acomodações para 35.000 espectadores sentados. Além do campo para prática de futebol, o estádio tem pistas para atletismo e uma área construída de 35.000m², que abriga o Curso Superior de Educação Física, alojamentos, vestiários, departamento médico e de esporte. Junto ao Estádio estão localizados o Ginásio Coberto para prática de basquete, volibol e outros esportes, bem como um conjunto de piscinas, sendo uma olímpica, uma social, uma infantil, e uma para saltos ornamentais. Deveria compor esse conjunto uma arquibancada e uma piscina térmica coberta. Deveriam fazer parte deste conjunto do Centro de Educação Física, diversas quadras de tênis e de bola ao cesto, ao ar livre. Este projeto, quando concluído, deveria ser responsável não só pelo preparo físico de toda a população Universitária, como servir, também, de zona de recreação. Esse estádio foi denominado Estádio de Esportes Tarso Dutra. O Decreto Lei nº 66.191 de 06/02/1971, que aprovou o plano de reestruturação da Universidade criou o Centro de Educação Física e Desportos. (ISAIA, 2006, p.220-222). Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 51. Estrutura da arquibancada concluída. Vigas de sustentação aparentes para iniciar a cobertura. Visão da lateral, abaixo da arquibancada, com a porta de acesso às futuras salas de aula. Do conjunto total deste Centro, estão sendo executadas as obras do Estádio. As estacas de fundação de todo ele se encontram realizadas, faltando apenas o estaqueamento das rampas. A estrutura está iniciada e dos 17 blocos que compõem o conjunto, 4 se encontram estruturados nos seus três pavimentos, faltando apenas a execução das marquizes. O quinto bloco se encontra com as cintas de concreto prontas. Nos quatro blocos que já estão com a estrutura pronta, estão sendo realizadas as paredes de alvenaria de tijolos e os demais acabamentos internos, com a finalidade de abrigar as instalações do Curso Superior de Educação Física. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 73

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0010

Data da imagem 1970/03 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 231x172mm Nitidez Boa

Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: 2113; ATO Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do pórtico de acesso ao campus. A Avenida Roraima bem ao centro culminando com o prédio da Administração Central.. Do lado esquerdo, de baixo para cima: o HUSM, BC, UU, CEU II e área do Parque de Exposições. Do lado direito, de baixo para cima: CT, CCNE, Institutos Básicos, CAL, Agronomia e Veterinária. Bem à direita, acima, a àrea rural ocupada Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 74

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0011 Data da imagem 1970/05 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 231x171mm Nitidez Boa

Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: 2117; ATO Conservação Canto rasgado Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do lado esquerdo do acesso prinicpal ao campus. Lado direto inferior o complexo HUSM e BC. Acima, à direita CAL, Agronomia e Veterinária. Lado direito, inferior o CT, acima deste, no centro da foto o CCNE e os prédios dos Institutos Básicos. No canto superior direito o complexo do CCR, na área rural do campus. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 75

Prédio do Centro de Ciências Rurais

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR0011

Data da imagem 1970/09 Códigos relacionados 227/1970 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x172mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CCR22; 2072 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional

Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências Rurais Nota explicativa Prédio 42 - Agronomia e Prédio 44 - Veterinária . As faculdades de Agronomia e Veterinária da USM, foram instaladas, temporariamente, no primeiro andar do prédio da Faculdade Politécnica. Em 1962 a Faculdade de Agronomia teve seu primeiro pavilhão construído do lado leste da avenida de acesso ao futuro campus, totalmente metálico. Serviu para a abrigar os primeiros equipamentos da Escola: tratores, máquinas e implementos agrícolas, assim como serviu de depósito de materiais para uso em plantios diversos. Para atender às disciplinas da escola de Veterinária foi montado um laboratório de Anatomia. O prédio sede das Faculdades de Agronomia e Veterinária, foi construído no lado sul da área doada à ASPES. O prédio da Faculdade de Agronomia tem quatro pavimentos com uma área de 8.048m². Possui um amplo anfiteatro com uma área de 500m² e com capacidade para 435 lugares. Está localizado dentro do perímetro urbano da Cidade Universitária, porém, já mais próximo da zona de atividade rural do Campus Universitário. Está sendo ocupado pelos setores administrativos de ensino e de pesquisa das faculdades de Agronomia e Farmácia, bem como dos atuais Institutos de Solos e Cultura, Instituto de Bromatologia e Instituto de Anatomia (Animal). Essa obra teve início em maio de 1964. Até julho de 1999, o Centro de Educação tinha o seu funcionamento no prédio 44 e no prédio de Apoio Comunitário (antigo Hospital Universitário), localizado na Rua Floriano Peixoto no centro de Santa Maria. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 42. Conhecido como Prédio da Agronomia já em utilização, anfiteatro em anexo em frente à entrada principal. Postes de iluminação pública. Bem à esquerda uma parte do prédio da Veterinária. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 76

Prédio do Centro de Ciências Rurais

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR0001

Data da imagem 1970/09 Códigos relacionados 227/1970 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 228x171mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CE03; 2052 Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias

Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências Rurais Nota explicativa Prédio 42 - Agronomia e Prédio 44 - Veterinária . As faculdades de Agronomia e Veterinária da UFSM, foram instaladas, temporariamente, no primeiro andar do prédio da Faculdade Politécnica. Em 1962 a Faculdade de Agronomia teve seu primeiro pavilhão construído do lado leste da avenida de acesso ao futuro campus, totalmente metálico. Serviu para a abrigar os primeiros equipamentos da Escola: tratores, máquinas e implementos agrícolas, assim como serviu de depósito de materiais para uso em plantios diversos. Para atender às disciplinas da escola de Veterinária foi montado um laboratório de Anatomia. O prédio sede das Faculdades de Agronomia e Veterinária, foi construído no lado sul da área doada à ASPES. O prédio da Faculdade de Agronomia tem quatro pavimentos com uma área de 8.048m². Possui um amplo anfiteatro com uma área de 500m² e com capacidade para 435 lugares. Está localizado dentro do perímetro urbano da Cidade Universitária, porém, já mais próximo da zona de atividade rural do Campus Universitário. Está sendo ocupado pelos setores administrativos de ensino e de pesquisa das faculdades de Agronomia e Farmácia, bem como dos atuais Institutos de Solos e Cultura, Instituto de Bromatologia e Instituto de Anatomia (Animal). Essa obra teve início em maio de 1964. Até julho de 1999, o Centro de Educação tinha o seu funcionamento no prédio 44 e no prédio de Apoio Comunitário (antigo Hospital Universitário), localizado na Rua Floriano Peixoto no centro de Santa Maria. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 44. Os quatro andares do prédio da Veterinária já estão estruturados, construção em fase adiantada. Postes de iluminação pública, rede elétrica. Ao fundo área rural pertencnete ao CCR com aviários e apiários dentre outras estruturas. Também abrigou o Centro de Educação. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 77

Prédio do Planetário

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PL0002

Data da imagem 1970/09/10 Códigos relacionados 229/1970 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 230x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco PolaridadePositivo Inscrições Verso: 2175; ATO Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social

Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Planetário Nota explicativa Prédio 45. “O arquiteto Oscar Niemayer fez um singelo esboço da parte externa da obra. No Rio de Janeiro, o Reitor entregou o esboço ao Arquiteto Oscar Valdetaro, que elaborou a planta arquitetônica que daria origem ao Planetário da UFSM. O cálculo estrutural foi realizado por engenheiros da UFSM que atuavam nas obras do campus.” (ISAIA, 2006, p.364-365). A estrutura teve início em dezembro de 1969, com uma área construída de 1.550m² e está situado junto à praça e zona administrativa da Cidade Universitária. É constituído por uma estrutura especial em concreto armado, em duas partes bem distintas. Uma interna, de forma circular, com diâmetro de 28m, formando dois pavimentos. Cobrindo esta estrutura, existe uma cúpula em concreto, formato parabolóide, com diâmetro de 36m e flecha de 10m. No primeiro pavimeto estão: a sala de projeção, com forma circular de 12,60m de diâmetro; hall principal, administração, sala de aparelhagem, sala para ar condicionado, bar e sanitários. O segundo pavimento, em forma de anel, será ocupado por uma galeria de exposição escura. SDCCU a cúpula externa de concreto, existe uma cúpula especial em formato esférico, para projetar os filmes demonstrativos dos despaços celestes. Devido à grande sensibilidade dos aparelhos e visando também o confoto dos espectadores, a sala de projeção, das parelhagens e galerias de exposição, são providos de ar-condicionado. A inauguração do Planetário ocorreu em 14 de dezembro de 1971. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 45. Fase inicial da construção, coma estrutura de madeira sendo montada. Material de construção. Pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 78

Prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CN0002 Data da imagem 1970/09/10 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 173x114mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CCNE 03; 2063; 10/9/70; carimbo.

Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas Nota explicativa Prédio 13. Na segunda quadra destinada a estudos básicos, na Cidade Universitária, deveriam ser construídos três prédios com três pavimentos, com 6.554m² cada um. Possuindo, na face posterior um conjunto de amplas salas de aula e anfiteatros, ligados ao corpo do prédio por duas rampas. Nestes prédios deveriam ser instalados os estudos de Física, de Matemática e de Ciências Naturais, de Administração, de Pesquisas Econômicas, da Universidade. O segundo prédio teve as estacas de fundação executadas e no local do quarto predio foi realizada a terraplenagem do terreno. Esse conjunto de prédios foi denominado no projeto inicial, como “Institutos Culturais” e somente o primeiro prédio foi construído. Neste prédio, foram instalados, em caráter provisório, o Centro de Ciências Pedagógicas, o Museu Educativo e, no início de março de 1968, passou a sediar a Faculdade Interamericana de Educação. De acordo com o relatório de 1970, essa obra teve início em abril de 1969. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 13. Fase final da construção do primeiro bloco, com très pavimentos erguidos e com paredes externas. Cerca de proteção na frente da obra, árvores, material de construção. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista em perspectiva do lado direito e da frente.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 79

Prédio da Administração Central

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AC0011

Data da imagem 1970/09/10 Códigos relacionados 22/1970 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU OB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel

Dimensão do suporte 235x174mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: ADM 08; 2108 ATO; Edif. Administração Central e Escola de educação Física; 10 SET Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Administração Central Nota explicativa Prédio 47. De acordo com Isaia (2006), “em julho de 1961 a USM recebeu o valor de 370 milhões de cruzeiros do Governo Federal para aplicação em Projetos Especiais. Assim, não foi difícil elaborar os projetos para instalação da Reitoria e tudo o mais urgente para dar condições de funcionamento do primeiro ano de vida da nossa Universidade.” A Administração Central foi instalada em um único prédio, liberando as áreas que ocupava em vários prédios de ensino e está localizado junto ao setor administrativo, em frente à praça. A sua estrutura é toda em concreto armado, possuindo dez pavimentos e uma área construída de 10.780m². Em seus diversos pavimentos está localizada toda a administração da Universidade Federal de Santa Maria. Conforme o relatório de 1973, essa obra iniciou em 1968. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 47. Estrutura com nove pavimentos em execução. Os quatro pavimentos inferiores com a parede da frente erguida. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista em perspectiva lado esquerdo.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 80

Prédio do Centro de Ciências da Saúde

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CS0002

Data da imagem 1970/09/10 Códigos relacionados 11/1971 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HU; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HN; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 171x109mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CCS02; 2056 Conservação Boa

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências da Saúde Nota explicativa Prédio 26. Também fazem parte do atual complexo do Centro de Ciências da Saúde os Prédios 19 - Morfologia, 20 - Patologia, 21 - Fisiologia e 26B - Farmácia (curso, laboratório) e Anfiteatro. Na época, o complexo predial do Centro de Ciências Médicas previa a construção do prédio 26 para abrigar a Faculdade de Enfermagem. A obra teve início em dezembro de 1969 e está situado na parte posterior do Hospital de Neuropsiquiatria, junto ao Centro de Ciências Médicas. Ocupa uma área de 7.765m², e tem capacidade para alojar 315 estudantes, em 105 quartos e três alunos por quarto. Foi construída uma estrutura de concreto armado em dois blocos. O bloco oeste é de um pavimento com dimensões de 92,60x13,00m e abriga salas de aula, auditório, biblioteca, refeitório e cozinha. O bloco leste com dimensões de 87,60x18,00m tem no pavimento térreo um grande hall de entrada, na fachada norte, dependências para diretório acadêmico, secretaria, sala de estar, almoxarifado, apartamento para diretor, vestuários e salas anexas. Nos pavimentos superiores situam-se os quartos para alojamento de estudantes sendo 35 por pavimento, lavanderias, sanitários, copa e sala de estar. Este prédio tem um elevador social para servir o bloco leste de quatro pavimentos. Em anexo ao bloco oeste, se situa a Central Térmica e Central de Combustíveis, a fim de atender de vapor e água quente a cozinha e os quartos. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 26. Fase inicial da obra com pilares de sustentação e laje.Materiais de construção acumulados no chão. Pessoas. Rede elétrica. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 81

Prédio do Hospital de Clínicas Veterinárias

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HV0002

Data da imagem 1970/09/10 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 229x176mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: HCV02; 2073 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Hospital de Clínicas Veterinárias Nota explicativa Prédio 97 - Hospital de Clínicas Veterinárias e Prédio 98 - Biotério Central. Em dezembro de 1964, foi aprovado o projeto para a construção do Hospital Veterinário, elaborado pelos arquitetos Oscar Valdetaro e Roberto Nadalutti. As obras tiveram início em 1965. Em 1967 o Hospital já contava com o seu primeiro bloco, com uma sala para aulas, que servia também para cirurgias, e boxes construídos em alvenaria e ferro para acolher pequenos e grandes animais. Não tardou para que o laboratório da Faculdade de Veterinária, que funcionava no prédio do Centro Politécnico, passasse para o prédio do Hospital. O conjunto de blocos que formam o Hospital de Veterinária está localizado fora da zona urbana da Cidade Universitária. É composto de vários blocos independentes, em um único pavimento, com estruturas mistas de concreto e alvenaria. Os blocos são: técnica cirúrgica; administração (Boco 1, iniciado em 1969); pequenos animais (bloco 2, iniciado em dezembro de 1969); bovinos (bloco 3, iniciado em 1970), suínos e equinos (bloco 4, iniciado em dezembro de 1969); necropsia (bloco 6, iniciado em junho de 1979), isolamento, ferraria, garagem, e outras instalações complementares, tais como forro crematório, troncos de contenção, pistas de treinamento, etc. Faz parte também deste conjunto o biotério central (prédio 98, obra iniciada em janeiro de 1969). A área total de edificações é de 6.615m². Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 97. Rua de acesso, maquinário, pessoas, rede elétrica, material de construção. Ao fundo... Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 82

Prédio do Planetário

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PL0001

Data da imagem 1970/09/10 Códigos relacionados 229/1970 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x174mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: 2095; ATO

Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Planetário Nota explicativa Prédio 45. “O arquiteto Oscar Niemayer fez um singelo esboço da parte externa da obra. No Rio de Janeiro, o Reitor entregou o esboço ao Arquiteto Oscar Valdetaro, que elaborou a planta arquitetônica que daria origem ao Planetário da UFSM. O cálculo estrutural foi realizado por engenheiros da UFSM que atuavam nas obras do campus.” (ISAIA, 2006, p.364-365). A estrutura teve início em dezembro de 1969, com uma área construída de 1.550m² e está situado junto à praça e zona administrativa da Cidade Universitária. É constituído por uma estrutura especial em concreto armado, em duas partes bem distintas. Uma interna, de forma circular, com diâmetro de 28m, formando dois pavimentos. Cobrindo esta estrutura, existe uma cúpula em concreto, formato parabolóide, com diâmetro de 36m e flecha de 10m. No primeiro pavimeto estão: a sala de projeção, com forma circular de 12,60m de diâmetro; hall principal, administração, sala de aparelhagem, sala para ar condicionado, bar e sanitários. O segundo pavimento, em forma de anel, será ocupado por uma galeria de exposição escura. SDCCU a cúpula externa de concreto, existe uma cúpula especial em formato esférico, para projetar os filmes demonstrativos dos despaços celestes. Devido à grande sensibilidade dos aparelhos e visando também o confoto dos espectadores, a sala de projeção, das parelhagens e galerias de exposição, são providos de ar-condicionado. A inauguração do Planetário ocorreu em 14 de dezembro de 1971. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 45. Fase inicial da construção onde aparece a estrutura do prédio. Madeiras ao chão, bosque de pinheiros ao fundo. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 83

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0013

Data da imagem 1970/11 Códigos relacionados 320/1970 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 231x173mm Nitidez Boa

Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: 2111; ATO Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do CEFD. Abaixo o Estádio e demais instalações pertencentes a esse centro. Logo acima a área do Parque de Exposições e o bosque de pinheiros. Bem ao lado direito o prédio da Administração Central e acima, a área rural da UFSM. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 84

Prédios do Centro de Estudos Básicos

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU BA0006

Data da imagem 1970? Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CN; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CS; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 230x172mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: Não consta

Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédios do Centro de Estudos Básicos Nota explicativa A denominação Centro de Estudos Básicos deve-se ao fato desse complexo de cinco prédios concentrar todas as disciplinas que são básicas para os vários cursos das Ciências da Saúde ofertados pela universidade. É formado pelos Prédios 17 - Química, Biologia e Geociências (CCNE); 18 - Química (CCNE); 19 - Morfologia (CCS); 20 - Patologia (CCS); 21 - Fisiologia (CCS). No plano original foi denominado “Conjunto de Institutos”. Localizados na parte central da zona urbana do Campus Universitário, cada um destes prédios possui 6.091 m² com 3 pavimentos e mais 2 amplos anfiteatros. Em meados de 1968, a área destinada ao Departamento de Química foi reestudada por técnicos alemães que deram uma nova feição ao projeto, alterando substancialmente suas características. As novas exigências levam em conta o ataque de ácidos em revestimentos e esgotos, sistemas de exaustão, de gás, laboratórios especiais para isótopos, câmaras frias. Por outro lado, a modificação do lay-out acarretou a necessidade de construção de um depósito anexo para drogas, com 320m², e com as características acima descritas. A área total a ser construída para todos os prédios passou a ser de 30.775m². O prédio para Química possui 2 elevadores para drogas e o de Anatomia um elevador para cadáveres. De acordo com o relatório de 1970 as as obras tiveram início em 1964 (17), outubro/1965 (18), novembro 1965 (19, 20, 21). Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédios 17, 18, 19, 20, 21. Vista parcial do conjunto de cinco prédios, já na fase final da construção. Rua de acesso, postes de iluminação pública, vidros instalados nas janelas. Pessoas trabalhando no último piso do segundo prédio. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial em perspectiva lado direito.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 85

Prédio do Centro de Educação Física e Desportos

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU EF0008 Data da imagem 1971/01 Códigos relacionados 11/1971 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 169x110mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: Não consta Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Educação Física e Desportos Nota explicativa Prédio 51 - CEFD e Estádio, inclui os prédios 52 - Ginásio Coberto, 53 - Piscina Olímpica, 54 - Piscina Térmica, 55 - Quadras de esporte, 56 - Pavilhão de

Ginática, 57 - Pavilhão de Esportes. A obra do prédio 51 teve início em março de 1964. O Estádio da Universidade Federal de Santa Maria, deveria ter acomodações para 35.000 espectadores sentados. Além do campo para prática de futebol, o estádio tem pistas para atletismo e uma área construída de 35.000m², que abriga o Curso Superior de Educação Física, alojamentos, vestiários, departamento médico e de esporte. Junto ao Estádio estão localizados o Ginásio Coberto para prática de basquete, volibol e outros esportes, bem como um conjunto de piscinas, sendo uma olímpica, uma social, uma infantil, e uma para saltos ornamentais. Deveria compor esse conjunto uma arquibancada e uma piscina térmica coberta. Deveriam fazer parte deste conjunto do Centro de Educação Física, diversas quadras de tênis e de bola ao cesto, ao ar livre. Este projeto, quando concluído, deveria ser responsável não só pelo preparo físico de toda a população Universitária, como servir, também, de zona de recreação. Esse estádio foi denominado Estádio de Esportes Tarso Dutra. O Decreto Lei nº 66.191 de 06/02/1971, que aprovou o plano de reestruturação da Universidade criou o Centro de Educação Física e Desportos. (ISAIA, 2006, p.220-222). Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 51. Frente do prédio, com visão da entrada e área de acesso com arbustos. Placa indicativa: Estádio Ministro Tarso Dutra.Do conjunto total deste Centro, estão sendo executadas as obras do Estádio. As estacas de fundação de todo ele se encontram realizadas, faltando apenas o estaqueamento das rampas. A estrutura está iniciada e dos 17 blocos que compõem o conjunto, 4 se encontram estruturados nos seus três pavimentos, faltando apenas a execução das marquizes. O quinto bloco se encontra com as cintas de concreto prontas. Nos quatro blocos que já estão com a estrutura pronta, estão sendo realizadas as paredes de alvenaria de tijolos e os demais acabamentos internos, com a finalidade de abrigar as instalações do Curso Superior de Educação Física. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 86

Prédio da Imprensa Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU IU0002 Data da imagem 1971/01 Códigos relacionados 11/1971 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GS; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia

Material Papel Dimensão do suporte 228x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: carimbo Conservação Boa, verso descascado, cola Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Imprensa Universitária Nota explicativa Prédio 06. Em 1966 a ASPES importou da Alemanha as primeiras máquinas para a gráfica. A instalação da gráfica ocorreu no primeiro pavilhão, com cobertura em semi-arco, construída do lado oeste da Cidade Universitária Prédio 08). Posteriormente, todos os equipamentos e instalações da ASPES foram doados à UFSM. Em 1971 a Gráfica passou a denominar-se Imprensa Universitária. Essa obra teve início em julho de 1970. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 06. Obra concluída, em utilização. Rua de acesso, árvore, pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 87

Prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CN0004

Data da imagem 1971/01 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionada BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 169x110mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: Não consta Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas Nota explicativa Prédio 13. Na segunda quadra destinada a estudos básicos, na Cidade Universitária, deveriam ser construídos três prédios com três pavimentos, com 6.554m² cada um. Possuindo, na face posterior um conjunto de amplas salas de aula e anfiteatros, ligados ao corpo do prédio por duas rampas. Nestes prédios deveriam ser instalados os estudos de Física, de Matemática e de Ciências Naturais, de Administração, de Pesquisas Econômicas, da Universidade. O segundo prédio teve as estacas de fundação executadas e no local do quarto predio foi realizada a terraplenagem do terreno. Esse conjunto de prédios foi denominado no projeto inicial, como “Institutos Culturais” e somente o primeiro prédio foi construído. Neste prédio, foram instalados, em caráter provisório, o Centro de Ciências Pedagógicas, o Museu Educativo e, no início de março de 1968, passou a sediar a Faculdade Interamericana de Educação. De acordo com o relatório de 1970, essa obra teve início em abril de 1969. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 13. Primeiro bloco já estruturado, com paredes externas de tijolos. Segundo bloco em fase inicial, com pilares principais do pavimento térreo. Esse prédio também abrigou e ficou conhecido como Faculdades Interamericanas. O primeiro prédio deste conjunto, destinado ao Departamento de Física e Matemática encontra-se com a estrutura de concreto em execução, somando 1.124m², executados. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 88

Pavilhões do Centro de Tecnologia

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PT0002

Data da imagem 1971/01 Códigos relacionados 011/1971 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 175x115mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: carimbo Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias

Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Pavilhões do Centro de Tecnologia Nota explicativa Prédio 10. Atrás do prédio da Faculdade Politécnica deveriam ser erguidos “pavilhões, com uma área de 8.000m², destinado à instalação dos laboratórios de tecnologia dos materiais que envolvem aparelhos pequenos até os de grande porte, servirá para concentrar o ensino e a pesquias tecnológica dos materiais de construção em geral. Será formado por pavilhões tipo industrial de características simples... E destina-se a abrigar as máquinas operatrizes do curso de Mecânica, bem como as instalações do Instituto Tecnológico. Será constituído por blocos (módulos) com estrutura modulada, a fim de propiciar a ampliação do prédio de acordo com as necessidades. Internamente, as divisões obedecerão o mesmo critério a fim de propiciar a adaptação das instalações a qualquer finalidade desejada. Cada módulo será 2.315m², medindo 46,30x50,00m, e será constituído por dois tipos de estrutura. Uma, mais elevada, com 5m de pé direito, terá cobertura tipo shed, para propiciar o máximo de iluminação zenital e será destinado a instalação do maquinário industrial de grande e médio porte. Ligado a este pavilhão industrial, haverá um bloco mais baixo, com 3,00m de pé direito, que será destinado para salas de aula, administração, secretaria, sala de professores, almoxarifado, laboratórios, sanitátios e vestiários.” (Relatório de 1970). A obra teve início em fevereiro de 1970. Foi construído apenas um pavilhão, o qual não aparece na maquete de 1964. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 10. Pavilhão de mecânica so centro de Tecnologia.Obra concluída. Rua de acesso, rede elétrica, material de construção depositado no chão. Aqui estão as máquinas e aparelhos eletrônicosimportados pelo MEC, através do convênio com a Alemanha Oriental. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista de trás.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 89

Prédio do Instituto de Zootecnia e Departamento de Fitotecnia

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ0006

Data da imagem 1971/01 Códigos relacionados 11/1971 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: FZ16; 2099 Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social

Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Instituto de Zootecnia e Departamento de Fitotecnia da UFSM Nota explicativa Atualmente, pertencem ao complexo da Zootecnia os Prédios 63 - Pastagens; 78 - Laboratórios; 96 - Tambo. O Departamento de Zootecnia é responsável pela utilização de grande parte da área do campus com atividades e experimentos rurais. Estava instalado em um pequeno prédio de 944m² e mais barracões de madeira rústica que são ocupados para aviários, pocilga, estábulos e forrageiras. É utilizado por todos os alunos de grau médio e superior do ramo das ciências rurais e dá também assistência e orientação a toda a região inclusive aos colégios agrícolas distantes de Santa Maria. Foram duplicadas as instalações do laboratório com a construção de mais um prédio de 800m² junto aos tanques de experimentos de peixes a jusante do açude existente aproveitando a água deste. Esse edifício tem laboratórios especiais para manipulação de ovários de peixes e criação em tanques com água com características e detalhes especiais. Os pavilhões rurais foram construídos com instalações apropriadas. Atualmente pertencem ao complexo da Fitotecnia os Prédios 61 - Fitotecnia; 77 - Laboratórios; 90 - Culturas. O prédio da Fitotecnia possui secretaria, salas de aula, laboratório e outros espaços para atender o incremento do ensinoaprendizagem da Faculdade de Agronomia.” As lavouras de arroz, cana, milho e outras ocuparam boa parte das terras do lado oeste e noroeste do campus. Também foram instaladas pastagens de gramíneas em diversos espaços do lado sul da área da futura Cidade Universitária.” (ISAIA, 206, p.192). Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 78. Zootecnia. Àrea de acesso comrua, canteiro e placa indicativa do local: Instituto de Zootecnia. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea, luz diurna, vista frontal parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 90

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0015

Data da imagem 1971/03 Códigos relacionados 25/1971 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 172x111mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: 2037 Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do pórtico de acesso. Ao lado esquerdo da Avenida Roraima, abaixo, a área civil pertencente ao Bairro Camobi. Na metade superior da imagem, a partir do extremo esquerdo: CEFD, CEU II, Administração Central, e área rural ao fundo. Na metade direita, de cima para baixo: CAL, Agronomia e Veterinária, Institutos Básicos, CCNE, CT e galpões do CT e CTISM. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 91

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0016 Data da imagem 1971/06 Códigos relacionados 154/1971 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 230x171mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco

Polaridade Positivo Inscrições Verso: 2041 Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do Prédio da Administração Central. Avenida Roraima corta a imagem ao meio. À esquerda Prédio da Agronomia e CAL. Acima os Institutos Centrais e aseguir o CCNE e CT. À direita da Avenida Roraima, ao centro os três primeiros prédios residenciais. Acima a BC, e no canto superior direito o HUSM eo CCS. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 92

Pavilhões do Centro de Tecnologia

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PT0001

Data da imagem 1971/10 Códigos relacionados 313/1971 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 235x178mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: reg. nº 313/71; out/1971. Conservação Marca de carombo na base; cantos amassados Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional

Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Pavilhões do Centro de Tecnologia Nota explicativa Prédio 10. Atrás do prédio da Faculdade Politécnica deveriam ser erguidos “pavilhões, com uma área de 8.000m², destinado à instalação dos laboratórios de tecnologia dos materiais que envolvem aparelhos pequenos até os de grande porte, servirá para concentrar o ensino e a pesquias tecnológica dos materiais de construção em geral. Será formado por pavilhões tipo industrial de características simples... E destina-se a abrigar as máquinas operatrizes do curso de Mecânica, bem como as instalações do Instituto Tecnológico. Será constituído por blocos (módulos) com estrutura modulada, a fim de propiciar a ampliação do prédio de acordo com as necessidades. Internamente, as divisões obedecerão o mesmo critério a fim de propiciar a adaptação das instalações a qualquer finalidade desejada. Cada módulo será 2.315m², medindo 6,30x50,00m, e será constituído por dois tipos de estrutura. Uma, mais elevada, com 5m de pé direito, terá cobertura tipo shed, para propiciar o máximo de iluminação zenital e será destinado a instalação do maquinário industrial de grande e médio porte. Ligado a este pavilhão industrial, haverá um bloco mais baixo, com 3,00m de pé direito, que será destinado para salas de aula, administração, secretaria, sala de professores, almoxarifado, laboratórios, sanitátios e vestiários.” (Relatório de 1970). A obra teve início em fevereiro de 1970. Foi construído apenas um pavilhão, o qual não aparece na maquete de 1964. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 10. Obra concluída, placa indicativa na parede: Centro de Tecnologia - Pavilhões. Detalhe da cobertura tipo shed, que permite um melhor aproveitamento da luz solar. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 93

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0017

Data da imagem 1971/12/14 Códigos relacionados 384/1971 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 231x169mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: 2033

Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir da área rural da UFSM. Em primeiro plano o Planetário e, em frente, o canteiro com as iniciais UFSM. A intenção era que cada visitante do exterior planasse um pé de ipê amarelo para arborizar o Parque das Nações, à direita da imagem. Na linha central da foto os prédios da Vetrinária, Agronomia e CAL, este, quase totalmente escondido pelas árvores. Na sequencia os prédios residenciais. Na metade superior os prédios dos Institutos Básicos e a BC ao centro, junto com o prédio do HUSM. Ao fundo a área civil pertencente ao Baisrro Camobi. Dia da Inauguração do Planetário. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 94

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0019 Data da imagem 1972 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 230x168mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco

Polaridade Positivo Inscrições Verso: Não consta Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do lado norte do campus. Àrea rural da UFSM. No primeiro quadrante o complexo do Hospital de Clínicas Veterinárias, no segundo, a Usina Escola de Laticínios. No terceiro quadrante, ao centro os prédios 77 - Fitotecnia e 78 - Zootecnia. À direita a cabanha de ovinos e a pocilga. Na parte inferior, a área dos apiários, aviários e experimentos agrícolas. No quarto quadrante o Colégio Agrícola de Santa Maria, atualmente denomina-se Colégio Politécnico. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 95

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0018

Data da imagem 1972 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 241x183mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco

Polaridade Positivo Inscrições Verso: 515; ATO Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do Parque de Exposições da UFSM. Na base o prédio da Administração Central e a Avenida Roraima cortando a imagem em dois hemisférios. Bem à esquerda o Planetário e o Parque das Nações. Acima: Vetrinària, Agronomia e CAL. Institutos Básicos logo acima, seguidos pelos prédios CCNE, CT e galpões do CT. À direita, no centro, os prédios residenciais e acima a BC, seguida pelos prédios do HUSM e CCS. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 96

Prédio do Centro de Artes e Letras

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AL0003

Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados 116/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 169x110mm Nitidez Boa

Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CAL11; 611; CA1 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Artes e Letras Nota explicativa Prédio 40. Conforme Isaia (2006), os primeiros alunos da Escola de Belas Artes da USM iniciaram o curso em 1963. Em 1971 a escola instalou-se no campus universitário de Camobi e passou a ser denominada Centro de Artes e Letras. O prédio está situado no setor das faculdades, junto a Avenida Principal, com 8.048m². O projeto inicial previa quatro pavimentos e um anfiteatro com capacidade para 400 espectadores. Nas salas de música e canto, previa o tratamento acústico e condicionamento de ar, a fim de garantir eficiência na prática instrumental e conservação destes. O anfiteatro deveria ter características especiais quanto ao som e temperatura. De acordo com o relatório de 1970, essa obra teve início em julho de 1967. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 40. Toda a estrutura em concreto armado e paredes de alvenaria executadas bem como todas as esquadrias externas de ferro. Acha-se em acabamento um dos três blocos que compõem o prédio, estando realizados os revestimentos, pavimentações e instalações hidráulicas e elétricas das salas. Dos 8.048m² desta obra, 4.595m² estão em acabamento, dos quais 2.200m² já em utilização. À esquerda um aparelho de ar-condicionado já instalado.Pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 97

Prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CN0008 Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 235x170mm Nitidez Boa

Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CCNE09; 560 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas Nota explicativa Prédio 13. Na segunda quadra destinada a estudos básicos, na Cidade Universitária, deveriam ser construídos três prédios com três pavimentos, com 6.554m² cada um. Possuindo, na face posterior um conjunto de amplas salas de aula e anfiteatros, ligados ao corpo do prédio por duas rampas. Nestes prédios deveriam ser instalados os estudos de Física, de Matemática e de Ciências Naturais, de Administração, de Pesquisas Econômicas, da Universidade. O segundo prédio teve as estacas de fundação executadas e no local do quarto predio foi realizada a terraplenagem do terreno. Esse conjunto de prédios foi denominado no projeto inicial, como “Institutos Culturais” e somente o primeiro prédio foi construído. Neste prédio, foram instalados, em caráter provisório, o Centro de Ciências Pedagógicas, o Museu Educativo e, no início de março de 1968, passou a sediar a Faculdade Interamericana de Educação. De acordo com o relatório de 1970, essa obra teve início em abril de 1969. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 13. Em destaque a entrada bem ao lado esquerdo do prédio. Obra concluída, em utilização. Automóveis. Esse prédio também abrigou e ficou conhecido como Faculdades Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 98

Prédio da Usina de Laticínios

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU UL0002 Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados 116/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 234x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: UL3; 571 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social

Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Usina de Laticínios Nota explicativa Prédio 95. “Santa Maria foi um dos últimos municípios de porte médio do RS a implantar uma usina de pasteurização de leite. Logo após a criação da Universidade, o IEPE (Instituto de Estudos e Pesquisas Econômicas integrada à USM em 1960), passou a gestionar a possibilidade de implantação da primeira Usina de Laticínios de Santa Maria.(...). Decorrido algum tempo, o Prof. Cyro Schimitz apresentou projeto à USM para que esta iniciasse a pasteurização do leite, por meio de uma unidade-escola, a ser instalada no campus. Passaram-se alguns anos para que a Universidade pudesse completar a compra de equipamentos para a pasteurização e para produção de derivados do produto.” (ISAIA, 2006, p.295-296). A área de construção para a Usina de Beneficiamento de Leite, é de 1.530,96m². O prédio mais importante tem três pavimentos, sendo o pavimento inferior ocupado pelos compressores de amônia, tanque de água gelada e túnel para a canalização. No pavimento térreo estão os laboratórios, salas de recepção de leite, câmaras, pasteurização, empacotamento, manteigaria, etc. No pavimento superior estão os tanques térmicos e preparo de iogurte. Devido ao ataque de ácido láctico o piso é de material resistente à ácido, a rede elétrica é protegida da umidade e as características gerais do prédio permitem o desenvolvimento das atividades didáticas e de pesquisa sem prejuízo da assepsia. Em um pequeno prédio anexo foi instalada a casa de caldeiras e as dependências administrativas. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 95. Pertence à estrutura do CCR. Fase final da construção. Material de construção em frente à obra. Pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 99

Prédios do Centro de Estudos Básicos

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU BA0020

Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados 116/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CN; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CS; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 234x175mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: PB17; 600 Conservação Boa

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédios do Centro de Estudos Básicos Nota explicativa A denominação Centro de Estudos Básicos deve-se ao fato desse complexo de cinco prédios concentrar todas as disciplinas que são básicas para os vários cursos das Ciências da Saúde ofertados pela universidade. É formado pelos Prédios 17 - Química, Biologia e Geociências (CCNE); 18 - Química (CCNE); 19 - Morfologia (CCS); 20 - Patologia (CCS); 21 - Fisiologia (CCS). No plano original foi denominado “Conjunto de Institutos”. Localizados na parte central da zona urbana do Campus Universitário, cada um destes prédios possui 6.091 m²², com 3 pavimentos e mais 2 amplos anfiteatros. Em meados de 1968, a área destinada ao Departamento de Química foi reestudada por técnicos alemães que deram uma nova feição ao projeto, alterando substancialmente suas características. As novas exigências levam em conta o ataque de ácidos em revestimentos e esgotos, sistemas de exaustão, de gás, laboratórios especiais para isótopos, câmaras frias. Por outro lado, a modificação do lay-out acarretou a necessidade de construção de um depósito anexo para drogas, com 320m², e com as características acima descritas. A área total a ser construída para todos os prédios passou a ser de 30.775m². O prédio para Química possui 2 elevadores para drogas e o de Anatomia um elevador para cadáveres. De acordo com o relatório de 1970 as as obras tiveram início em 1964 (17), outubro/1965 (18), novembro 1965 (19, 20, 21). Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédios 17, 18, 19, 20, 21. Um dos prédios do conjunto do Institutos Básicos já concluído, em utilização. Automóveis e pessoas. Placa indicativa da obra. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 100

Prédio da Biblioteca Central

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU BC0010

Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados 116/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 169x113mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: BC19; 767

Conservação Marca de grampo no canto Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédia do Biblioteca Central Nota explicativa Prédio 30. Denominado Biblioteca Central Manoel Marques de Souza - Conde de Porto Alegre, tem 8.237m² e foi construído durante os anos de 1969 a 1972. A inauguração realizou-se no dia 03 de dezembro de 1972, em ato que contou com a presença de autoridades civis, militares, eclesiásticas, professores e representantes do Diretório Acadêmico da UFSM. Está situado junto a Avenida Principal, entre o Hospital Universitário e o lago, possuindo uma estrutura em concreto armado com 3 pavimentos, com uma área total de 7.080m². No subsolo está situado o depósito de livros, fotografia, microfilmes, reparação, restauração e encadernação, embalagem e desembalagem e sanitários. No pavimento térreo encontram-se o hall de entrada, locais de exposição, catálogos, catalogação e preparação, sala do diretor, secretaria e periódicos. O segundo pavimento tem amplos salões de leitura, existindo ainda um mezanino neste pavimento. Possui sistema de ar-condicionado para uma área de 4.900m², ou seja: depósito de livros, catalogação e preparação, catálogos, área administrativa e parte dos salões de leitura. Possui, ainda, 2 elevadores e seis monta-cargas. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 30. Frente do prédio da Biblioteca Central. Obra já concluída. Ao fundo, lado direito detalhe do prédio da União Universitária e dos prédios residenciais. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica, provavelmente capturada de cima da caixa d’água.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 101

Prédio do Hospital de Clínicas Veterinárias

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HV0007

Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados 116/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 233x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: HCV10; 558

Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Hospital de Clínicas Veterinárias Nota explicativa Prédio 97 - Hospital de Clínicas Veterinárias e Prédio 98 - Biotério Central. Em dezembro de 1964, foi aprovado o projeto para a construção do Hospital Veterinário, elaborado pelos arquitetos Oscar Valdetaro e Roberto Nadalutti. As obras tiveram início em 1965. Em 1967 o Hospital já contava com o seu primeiro bloco, com uma sala para aulas, que servia também para cirurgias, e boxes construídos em alvenaria e ferro para acolher pequenos e grandes animais. Não tardou para que o laboratório da Faculdade de Veterinária, que funcionava no prédio do Centro Politécnico, passasse para o prédio do Hospital. O conjunto de blocos que formam o Hospital de Veterinária está localizado fora da zona urbana da Cidade Universitária. É composto de vários blocos independentes, em um único pavimento, com estruturas mistas de concreto e alvenaria. Os blocos são: técnica cirúrgica; administração (Boco 1, iniciado em 1969); pequenos animais (bloco 2, iniciado em dezembro de 1969); bovinos (bloco 3, iniciado em 1970), suínos e equinos (bloco 4, iniciado em dezembro de 1969); necropsia (bloco 6, iniciado em junho de 1979), isolamento, ferraria, garagem, e outras instalações complementares, tais como forro crematório, troncos de contenção, pistas de treinamento, etc. Faz parte também deste conjunto o biotério central (prédio 98, obra iniciada em janeiro de 1969). A área total de edificações é de 6.615m². Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 97. Instalações em fase final de construção. Ao fundo aparecem três entradas de baia para cavalos. Na frente... Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial, de cima.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 102

Prédio do Hospital de Clínicas Veterinárias

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HV0003 Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados 116/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 233x173mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: HCV09; 557 Conservação Boa

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Hospital de Clínicas Veterinárias Nota explicativa Prédio 97 - Hospital de Clínicas Veterinárias e Prédio 98 - Biotério Central. Em dezembro de 1964, foi aprovado o projeto para a construção do Hospital Veterinário, elaborado pelos arquitetos Oscar Valdetaro e Roberto Nadalutti. As obras tiveram início em 1965. Em 1967 o Hospital já contava com o seu primeiro bloco, com uma sala para aulas, que servia também para cirurgias, e boxes construídos em alvenaria e ferro para acolher pequenos e grandes animais. Não tardou para que o laboratório da Faculdade de Veterinária, que funcionava no prédio do Centro Politécnico, passasse para o prédio do Hospital. O conjunto de blocos que formam o Hospital de Veterinária está localizado fora da zona urbana da Cidade Universitária. É composto de vários blocos independentes, em um único pavimento, com estruturas mistas de concreto e alvenaria. Os blocos são: técnica cirúrgica; administração (Boco 1, iniciado em 1969); pequenos animais (bloco 2, iniciado em dezembro de 1969); bovinos (bloco 3, iniciado em 1970), suínos e equinos (bloco 4, iniciado em dezembro de 1969); necropsia (bloco 6, iniciado em junho de 1979), isolamento, ferraria, garagem, e outras instalações complementares, tais como forro crematório, troncos de contenção, pistas de treinamento, etc. Faz parte também deste conjunto o biotério central (prédio 98, obra iniciada em janeiro de 1969). A área total de edificações é de 6.615m². Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 97. instalações em fase final de construção. Terra com poças de água. Pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 103

Prédio da União Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU UU0004

Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x170mm Nitidez Boa

Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: UU6; 715; ATO Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da União Universitária Nota explicativa Prédio 31. Em dezembro de 1966 ocorreu a preparação do terreno para as fundações e a construção teve início em janeiro de 1967. Este prédio está localizado junto a Avenida Principal, próximo à quadra residencial “I”, à beira do futuro lago. Possui uma área construída de 5.380m², com 2 pavimentos em estrutura de concreto armado. No primeiro pavimento encontram-se o restaurante universitário, cozinha central, central térmica, área de refrigeração e demais dependências auxiliares. No segundo pavimento deveria existir, de acordo como projeto original, outro restaurante, bar, salão de chá, sala de conferências e outras dependências. Este prédio destina-se a atividades recreativas e sociais, para os estudantes, além de servir para restaurante universitário. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 31. Fase final da obra. Estrutura principal concluída. Rua de acesso e árvore. Foi iniciado o acabamento interno do prédio no bloco frontal já sendo ocupado provisoriamente como Restaurante Universitário, para atender os estudantes que estudam e moram na Cidade Universitária. (Relatório de 1970). Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 104

Prédio da União Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU UU0003

Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados 116/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel

Dimensão do suporte 232x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: UU18; 548 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da União Universitária Nota explicativa Prédio 31. Em dezembro de 1966 ocorreu a preparação do terreno para as fundações e a construção teve início em janeiro de 1967. Este prédio está localizado junto a Avenida Principal, próximo à quadra residencial “I”, à beira do futuro lago. Possui uma área construída de 5.380m², com 2 pavimentos em estrutura de concreto armado. No primeiro pavimento encontram-se o restaurante universitário, cozinha central, central térmica, área de refrigeração e demais dependências auxiliares. No segundo pavimento deveria existir, de acordo como projeto original, outro restaurante, bar, salão de chá, sala de conferências e outras dependências. Este prédio destina-se a atividades recreativas e sociais, para os estudantes, além de servir para restaurante universitário. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 31. Fase final da obra. Estrutura principal concluída. Material de construção acumulado no chão. Detalhes das máquinas de aquecimento. Pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, detalhe


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 105

Prédio do Centro de Ciências Rurais

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR0015

Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados 116/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 232x172mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CCR23; 565 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social

Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências Rurais Nota explicativa Prédio 42 - Agronomia e Prédio 44 - Veterinária . As faculdades de Agronomia e Veterinária da UFSM, foram instaladas, temporariamente, no primeiro andar do prédio da Faculdade Politécnica. Em 1962 a Faculdade de Agronomia teve seu primeiro pavilhão construído do lado leste da avenida de acesso ao futuro campus, totalmente metálico. Serviu para a abrigar os primeiros equipamentos da Escola: tratores, máquinas e implementos agrícolas, assim como serviu de depósito de materiais para uso em plantios diversos. Para atender às disciplinas da escola de Veterinária foi montado um laboratório de Anatomia. O prédio sede das Faculdades de Agronomia e Veterinária, foi construído no lado sul da área doada à ASPES. O prédio da Faculdade de Agronomia tem quatro pavimentos com uma área de 8.048m². Possui um amplo anfiteatro com uma área de 500m² e com capacidade para 435 lugares. Está localizado dentro do perímetro urbano da Cidade Universitária, porém, já mais próximo da zona de atividade rural do Campus Universitário. Está sendo ocupado pelos setores administrativos de ensino e de pesquisa das faculdades de Agronomia e Farmácia, bem como dos atuais Institutos de Solos e Cultura, Instituto de Bromatologia e Instituto de Anatomia (Animal). Essa obra teve início em maio de 1964. Até julho de 1999, o Centro de Educação tinha o seu funcionamento no prédio 44 e no prédio de Apoio Comunitário (antigo Hospital Universitário), localizado na Rua Floriano Peixoto no centro de Santa Maria. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 42, também conhecido como prédio da agronomia, com obra semiacabada, já em utilização. Automóveis. Pessoas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial da frente.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 106

Prédio do Laboratório de Nutrição Animal e Tambo

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB0002

Data da imagem 1972/05 Códigos relacionados 116/1972

UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 228x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: Tambo 1; 572; 15; maio 72; dois carimbos. Conservação Cantos amassados Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Laboratório de Nutrição Animal e Tambo Nota explicativa Prédio 96. Conjunto arquitetônico pertencente ao complexo da Zootecnia, integrante do Centro de Ciências Rurais da UFSM. Atualmente, pertencem ao complexo da Zootecnia os Prédios 63 - Pastagens; 78 - Laboratórios; 96 - Tambo. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 96. Laboratório, caixa d’água, rede élétrica, rua de acesso, campo e demais instalações. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 107

Prédio da Imprensa Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU IU0001

Data da imagem 1972/11 Códigos relacionados 363/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GS; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia

Material Papel Dimensão do suporte 228x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: GR 01; 664 ATO; 11/72 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Imprensa Universitária Nota explicativa Prédio 06. Em 1966 a ASPES importou da Alemanha as primeiras máquinas para a gráfica. A instalação da gráfica ocorreu no primeiro pavilhão, com cobertura em semi-arco, construída do lado oeste da Cidade Universitária Prédio 08). Posteriormente, todos os equipamentos e instalações da ASPES foram doados à UFSM. Em 1971 a Gráfica passou a denominar-se Imprensa Universitária. Essa obra teve início em julho de 1970. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 06. Obra concluída, em utilização. Rua de acesso, árvore, rede elétrica Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 108

Prédio do Centro de Ciências da Saúde

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CS0003

Data da imagem 1972/11 Códigos relacionados 363/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HU; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU HN; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 171x109mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CCS04; 746 Conservação Boa

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências da Saúde Nota explicativa Prédio 26. Também fazem parte do atual complexo do Centro de Ciências da Saúde os Prédios 19 - Morfologia, 20 - Patologia, 21 - Fisiologia e 26B - Farmácia (curso, laboratório) e Anfiteatro. Na época, o complexo predial do Centro de Ciências Médicas previa a construção do prédio 26 para abrigar a Faculdade de Enfermagem. A obra teve início em dezembro de 1969 e está situado na parte posterior do Hospital de Neuropsiquiatria, junto ao Centro de Ciências Médicas. Ocupa uma área de 7.765m² e tem capacidade para alojar 315 estudantes, em 105 quartos e três alunos por quarto. Foi construída uma estrutura de concreto armado em dois blocos. O bloco oeste é de um pavimento com dimensões de 92,60x13,00m e abriga salas de aula, auditório, biblioteca, refeitório e cozinha. O bloco leste com dimensões de 87,60x18,00m tem no pavimento térreo um grande hall de entrada, na fachada norte, dependências para diretório acadêmico, secretaria, sala de estar, almoxarifado, apartamento para diretor, vestuários e salas anexas. Nos pavimentos superiores situam-se os quartos para alojamento de estudantes sendo 35 por pavimento, lavanderias, sanitários, copa e sala de estar. Este prédio tem um elevador social para servir o bloco leste de quatro pavimentos. Em anexo ao bloco oeste, se situa a Central Térmica e Central de Combustíveis, a fim de atender de vapor e água quente a cozinha e os quartos. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 26. Fase inicial da construção. Os trés primeiros pavimentos já estruturados e com paredes. Placa indicativa da obra. Centro de Ciências Biomédicas Rnfermagem. Rua de acesso Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal parcial em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 109

Prédio da Usina de Laticínios

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU UL0003

Data da imagem 1972/11/17 Códigos relacionados 293/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 234x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: UL5; 690 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social

Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Usina de Laticínios Nota explicativa Prédio 95. “Santa Maria foi um dos últimos municípios de porte médio do RS a implantar uma usina de pasteurização de leite. Logo após a criação da Universidade, o IEPE (Instituto de Estudos e Pesquisas Econômicas integrada à USM em 1960), passou a gestionar a possibilidade de implantação da primeira Usina de Laticínios de Santa Maria.(...). Decorrido algum tempo, o Prof. Cyro Schimitz apresentou projeto à USM para que esta iniciasse a pasteurização do leite, por meio de uma unidade-escola, a ser instalada no campus. Passaram-se alguns anos para que a Universidade pudesse completar a compra de equipamentos para a pasteurização e para produção de derivados do produto.” (ISAIA, 2006, p.295-296). A área de construção para a Usina de Beneficiamento de Leite, é de 1.530,96m². O prédio mais importante tem três pavimentos, sendo o pavimento inferior ocupado pelos compressores de amônia, tanque de água gelada e túnel para a canalização. No pavimento térreo estão os laboratórios, salas de recepção de leite, câmaras, pasteurização, empacotamento, manteigaria, etc. No pavimento superior estão os tanques térmicos e preparo de iogurte. Devido ao ataque de ácido láctico o piso é de material resistente à ácido, a rede elétrica é protegida da umidade e as características gerais do prédio permitem o desenvolvimento das atividades didáticas e de pesquisa sem prejuízo da assepsia. Em um pequeno prédio anexo foi instalada a casa de caldeiras e as dependências administrativas. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 95. Pertence à estrutura do CCR. Vários prédios ao fundo em fase final de construção. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 110

Prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CN0005

Data da imagem 1972/11/17 Códigos relacionados 293/1972 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 169x113mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: CCNE 10; 676 ATO; 11/72. Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas Nota explicativa Prédio 13. Na segunda quadra destinada a estudos básicos, na Cidade Universitária, deveriam ser construídos três prédios com três pavimentos, com 6.554m² cada um. Possuindo, na face posterior um conjunto de amplas salas de aula e anfiteatros, ligados ao corpo do prédio por duas rampas. Nestes prédios deveriam ser instalados os estudos de Física, de Matemática e de Ciências Naturais, de Administração, de Pesquisas Econômicas, da Universidade. O segundo prédio teve as estacas de fundação executadas e no local do quarto predio foi realizada a terraplenagem do terreno. Esse conjunto de prédios foi denominado no projeto inicial, como “Institutos Culturais” e somente o primeiro prédio foi construído. Neste prédio, foram instalados, em caráter provisório, o Centro de Ciências Pedagógicas, o Museu Educativo e, no início de março de 1968, passou a sediar a Faculdade Interamericana de Educação. De acordo com o relatório de 1970, essa obra teve início em abril de 1969. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 13. Frente do prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas. Automóveis e árvores. Esse prédio também abrigou e ficou conhecido como Faculdades Interamericanas. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista frontal em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 111

Vista aérea da Cidade Universitária

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU VA0022

Data da imagem 1973 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 228x170mm

Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: 2240; ATO Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Vista aérea da Cidade Universitária Nota explicativa Conjunto de imagens da cidade universitária. Vistas aéreas parciais da aérea total do campus e também de áreas específicas que permitem a visualização das várias etapas de construção e também das obras concluídas. É possível perceber as modificações ambientais ocorridas na região onde está inserido em decorrência do avanço das obras prediais e de urbanização e paisagismo. Pode-se observar que o projeto representado pela maquete não foi integralmente concretizado, pois, “Baseado no critério de prioridades, tendo em vista os recursos financeiros disponíveis, bem como as necessidades de cada setor ou mesmo da inexistência de instalações adequadas, foram selecionadas as obras em desenvolvimento, abrangendo, especialmente, os Centros de Ciências Básicas, Rurais e de Tecnologia”. (Conclusão das Obras da Cidade Universitária, 1970, p. 48) Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Vista a partir do lado sul do campus. Acima, à esquerda, área rural da UFSM. Abaixo, à esquerda, avenida principal com visão do pórtico de acesso. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Vista aérea parcial, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 112

Prédio da Biblioteca Central

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU BC0013 Data da imagem 1973/03/28 Códigos relacionados 55/1973 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 170x108mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: BC20; 863 Conservação Boa

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Biblioteca Central Nota explicativa Prédio 30. Denominado Biblioteca Central Manoel Marques de Souza - Conde de Porto Alegre, tem 8.237m² e foi construído durante os anos de 1969 a 1972. A inauguração realizou-se no dia 03 de dezembro de 1972, em ato que contou com a presença de autoridades civis, militares, eclesiásticas, professores e representantes do Diretório Acadêmico da UFSM. Está situado junto a Avenida Principal, entre o Hospital Universitário e o lago, possuindo uma estrutura em concreto armado com 3 pavimentos, com uma área total de 7.080m². No subsolo está situado o depósito de livros, fotografia, microfilmes, reparação, restauração e encadernação, embalagem e desembalagem e sanitários. No pavimento térreo encontramse o hall de entrada, locais de exposição, catálogos, catalogação e preparação, sala do diretor, secretaria e periódicos. O segundo pavimento tem amplos salões de leitura, existindo ainda um mezanino neste pavimento. Possui sistema de ar-condicionado para uma área de 4.900m², ou seja: depósito de livros, catalogação e preparação, catálogos, área administrativa e parte dos salões de leitura. Possui, ainda, 2 elevadores e seis monta-cargas. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 30. Prédio da Biblioteca Central Manoel Marques de Souza, o Conde de Porto Alegre, visto da ponte. Obra concluída. Ao fundo HUSM em construção. Atualmente também abriga a instituição bancária Caixa. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica em perspectiva da frente e do lado direito.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 113

Prédio do Colégio Agrícola de Santa Maria

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AG0008

Data da imagem 1973/05 Códigos relacionados Negativo não localizado UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 170x114mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco

Polaridade Positivo Inscrições Verso: CASM 13; 832 ATO; 5/T3; Agrícola. Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Colégio Agrícola de Santa Maria Nota explicativa Prédio 70. Segundo Isaia (2006), a Escola Agrotécnica passou para o MEC após a aprovação da emenda à Lei nº 3864-a, de 24.01.1961, proposta por Tarso Dutra. Um convênio realizado entre a UFSM e a Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário (SEAV), órgão do Ministério da Agricultura, permitiu o início das atividades da primeira escola de segundo grau em um campus universitário a funcionar no País, em março de 1963. A Portaria nº 6.068/68, do Ministério da Educação e Cultura, criou a Seção de Ensino Médio Integrado (SEMI) para coordenar a estrutura do ensino de 2º grau na USM. Logo em seguida, o Colégio obteve o reconhecimento do MEC para fins de expedição de diplomas aos alunos egressos de seus cursos. A Escola Agrotécnica de Santa Maria passou a denominar-se Colégio Agrícola de Santa Maria pelo Decreto nº 62.178. Inicialmente, o Colégio Agrícola funcionava no campus em pavilhões provisórios metálicos e num pequeno prédio de alvenaria. De acordo com o relatório de 1971, essa obra teve início em 1965. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 70. Obra concluída. Árvores e sombra de árvore. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista parcial


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 114

Prédios do Centro de Estudos Básicos

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU BA0024 Data da imagem 1973/05 Códigos relacionados 113/1973 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CN; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CS; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 172x109mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: PB31; 818; ATO Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social

Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédios do Centro de Estudos Básicos Nota explicativa A denominação Centro de Estudos Básicos deve-se ao fato desse complexo de cinco prédios concentrar todas as disciplinas que são básicas para os vários cursos das Ciências da Saúde ofertados pela universidade. É formado pelos Prédios 17 - Química, Biologia e Geociências (CCNE); 18 - Química (CCNE); 19 - Morfologia (CCS); 20 - Patologia (CCS); 21 - Fisiologia (CCS). No plano original foi denominado “Conjunto de Institutos”. Localizados na parte central da zona urbana do Campus Universitário, cada um destes prédios possui 6.091 m², com 3 pavimentos e mais 2 amplos anfiteatros. Em meados de 1968, a área destinada ao Departamento de Química foi reestudada por técnicos alemães que deram uma nova feição ao projeto, alterando substancialmente suas características. As novas exigências levam em conta o ataque de ácidos em revestimentos e esgotos, sistemas de exaustão, de gás, laboratórios especiais para isótopos, câmaras frias. Por outro lado, a modificação do layout acarretou a necessidade de construção de um depósito anexo para drogas, com 320m², e com as características acima descritas. A área total a ser construída para todos os prédios passou a ser de 30.775m². O prédio para Química possui 2 elevadores para drogas e o de Anatomia um elevador para cadáveres. De acordo com o relatório de 1970 as as obras tiveram início em 1964 (17), outubro/1965 (18), novembro 1965 (19, 20, 21). Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédios 17, 18, 19, 20, 21. Vista parcial do conjunto de cinco prédios, já na fase final da construção, vistos de trás. Postes de iluminação pública, vidros instalados nas janelas. Bem à direita a ponte da Avenida Roraima. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista em perspectiva dos fundos do prédio


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 115

Prédio do Laboratório de Nutrição Animal e Tambo

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB0001

Data da imagem 1973/06/20 Códigos relacionados 113/1973

UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 228x170mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso:Tambo 8; 891; 5/73; carimbo Conservação Manchada Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Laboratório de Nutrição Animal e Tambo Nota explicativa Prédio 96. Conjunto arquitetônico pertencente ao complexo da Zootecnia, integrante do Centro de Ciências Rurais da UFSM. Atualmente, pertencem ao complexo da Zootecnia os Prédios 63 - Pastagens; 78 - Laboratórios; 96 - Tambo. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 96. Laboratório, caixa d’água, rede élétrica, rua de acesso. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 116

Prédio da Usina de Laticínios

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU UL0004

Data da imagem 1973/06/20 Códigos relacionados 113/1973 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 172x110mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: UL8; 845; ATO Conservação Boa

Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Usina de Laticínios Nota explicativa Prédio 95. “Santa Maria foi um dos últimos municípios de porte médio do RS a implantar uma usina de pasteurização de leite. Logo após a criação da Universidade, o IEPE (Instituto de Estudos e Pesquisas Econômicas integrada à USM em 1960), passou a gestionar a possibilidade de implantação da primeira Usina de Laticínios de Santa Maria.(...). Decorrido algum tempo, o Prof. Cyro Schimitz apresentou projeto à USM para que esta iniciasse a pasteurização do leite, por meio de uma unidade-escola, a ser instalada no campus. Passaram-se alguns anos para que a Universidade pudesse completar a compra de equipamentos para a pasteurização e para produção de derivados do produto.” (ISAIA, 2006, p.295-296). A área de construção para a Usina de Beneficiamento de Leite, é de 1.530,96m². O prédio mais importante tem três pavimentos, sendo o pavimento inferior ocupado pelos compressores de amônia, tanque de água gelada e túnel para a canalização. No pavimento térreo estão os laboratórios, salas de recepção de leite, câmaras, pasteurização, empacotamento, manteigaria, etc. No pavimento superior estão os tanques térmicos e preparo de iogurte. Devido ao ataque de ácido láctico o piso é de material resistente à ácido, a rede elétrica é protegida da umidade e as características gerais do prédio permitem o desenvolvimento das atividades didáticas e de pesquisa sem prejuízo da assepsia. Em um pequeno prédio anexo foi instalada a casa de caldeiras e as dependências administrativas. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 95. Pertence à estrutura do CCR. Complexo de prédios que formam a Usina Escola de Laticínios. Àrea livre com galhos de árvore em primeiro plano. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista panorâmica parcial.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 117

Prédio do Centro de Ciências Rurais

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CR0005

Data da imagem 1973/06/20 Códigos relacionados 113/1973 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU CT; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU GP; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU TB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU FZ; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 175x109mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo Inscrições Verso: CE16; 915 Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social

Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio do Centro de Ciências Rurais Nota explicativa Prédio 42 - Agronomia e Prédio 44 - Veterinária . As faculdades de Agronomia e Veterinária da UFSM, foram instaladas, temporariamente, no primeiro andar do prédio da Faculdade Politécnica. Em 1962 a Faculdade de Agronomia teve seu primeiro pavilhão construído do lado leste da avenida de acesso ao futuro campus, totalmente metálico. Serviu para a abrigar os primeiros equipamentos da Escola: tratores, máquinas e implementos agrícolas, assim como serviu de depósito de materiais para uso em plantios diversos. Para atender às disciplinas da escola de Veterinária foi montado um laboratório de Anatomia. O prédio sede das Faculdades de Agronomia e Veterinária, foi construído no lado sul da área doada à ASPES. O prédio da Faculdade de Agronomia tem quatro pavimentos com uma área de 8.048m². Possui um amplo anfiteatro com uma área de 500m² e com capacidade para 435 lugares. Está localizado dentro do perímetro urbano da Cidade Universitária, porém, já mais próximo da zona de atividade rural do Campus Universitário. Está sendo ocupado pelos setores administrativos de ensino e de pesquisa das faculdades de Agronomia e Farmácia, bem como dos atuais Institutos de Solos e Cultura, Instituto de Bromatologia e Instituto de Anatomia (Animal). Essa obra teve início em maio de 1964. Até julho de 1999, o Centro de Educação tinha o seu funcionamento no prédio 44 e no prédio de Apoio Comunitário (antigo Hospital Universitário), localizado na Rua Floriano Peixoto no centro de Santa Maria. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 44. Conhecido como Prédio da Veterinária. Também abrigou o Centro de Educação. Rua de trás do prédio 44. Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista dos fundos em perspectiva.


Neiva Pavezi | concretizando um ideal: a cidade universitária da UFSM de 1960 a 1973 | Departamento de Arquivo Geral 118

Prédio da Administração Central

BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU AC0018

Data da imagem 1973/06/20 Códigos relacionados 113/1973 UD relacionadas BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU OB; BR UFSM AD G1 S1 SSA DCCU PM Denominação Fotografia Material Papel Dimensão do suporte 169x110mm Nitidez Boa Cromia Preto e branco Polaridade Positivo

Inscrições Verso: ADM20; 833; ATO Conservação Boa Fundo Coordenadoria de Comunicação Social Grupo Núcleo de Agência de Notícias Série Divulgação Institucional Subsérie Produção de Fotografias Dossiê Construção da Cidade Universitária Item documental Prédio da Administração Central Nota explicativa Prédio 47. De acordo com Isaia (2006), “em julho de 1961 a USM recebeu o valor de 370 milhões de cruzeiros do Governo Federal para aplicação em Projetos Especiais. Assim, não foi difícil elaborar os projetos para instalação da Reitoria e tudo o mais urgente para dar condições de funcionamento do primeiro ano de vida da nossa Universidade.” A Administração Central foi instalada em um único prédio, liberando as áreas que ocupava em vários prédios de ensino e está localizado junto ao setor administrativo, em frente à praça. A sua estrutura é toda em concreto armado, possuindo dez pavimentos e uma área construída de 10.780m². Em seus diversos pavimentos está localizada toda a administração da Universidade Federal de Santa Maria. Conforme o relatório de 1973, essa obra iniciou em 1968. Fotógrafo Não identificado Local Cidade Universitária - Camobi - Santa Maria/RS Conteúdo Prédio 47. Estrutura com nove pavimentos em execução. Os cinco pavimentos inferiores com a parede da frente erguida. A face lateral direita concluída e o último pavimento já coberto.Dos dez pavimentos que comporão este prédio, cinco encontram-se estruturados, perfazendo uma área de 4.026m².” (Relatório de acompanhamento orçamentário, 1971, p.17).” Termos relacionados Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo, construção, patrimônio cultural edificado, ocupação territorial, educação, universidade Dimensão expressiva Paisagem, luz diurna, vista em perspectiva lado direito.


ÍNDICE ALFABÉTICO Páginas

A

Páginas Centro de Tecnologia

Administração Central

VT Pavilhões do Centro de Tecnologia

32, 33, 34, 35, 37, 49, 56, 66, 79, 118

Agronomia

Cidade Universitária

ver Centro de Ciências Rurais Arquitetura e Urbanismo

32, 33, 34, 35

30, 31, 32, 33, 34, 35, 41, 57, 88

32, 33, 34, 35, 55, 67, 69, 73, 74, 83, 90, 91, 93, 94, 95, 111

Clube Náutico ver Centro de Educação Física e Desportos

B Biblioteca Central

32, 33, 34, 35, 51, 70, 100, 112

C

Colégio Agrícola de Santa Maria

32, 33, 34, 35, 48, 50, 54, 113

Colégio Técnico Industrial de Santa Maria

32, 33, 34, 35, 45, 53

Concha Acústica

32, 33, 34, 35

Conjunto Hospitalar

Casa das Nações

32, 33, 34, 35

Casa de Madeira – Obra Histórica

37, 49

ver Hospital Universitário de Santa Maria

E

Casa do Estudante Universitário ver Prédios Residenciais

Escola Agrotécnica de Santa Maria

Centro de Artes e Letras

32, 33, 34, 35, 61, 96

Centro de Ciências da Saúde

32, 33, 34, 35, 80, 108

Escritório Técnico de Obras

Centro de Ciências Naturais e Exatas

32, 33, 34, 35, 78, 87, 97, 110

Estádio de Esportes Tarso Dutra

Centro de Ciências Rurais

32, 33, 34, 35, 38, 40, 75, 76, 105, 117

Centro de Educação Física e Desportos

32, 33, 34, 35, 72, 85

Centro de Estudos Básicos

35, 42, 84, 99, 114

VT Centro de Ciências da Saúde Centro de Ciências Naturais e Exatas

ver Colégio Agrícola de Santa Maria

ver Centro de Educação Física e Desportos

F Faculdade Interamericana de Educação ver Centro de Ciências Naturais e Exatas

35, 37, 49


Páginas Fitotecnia

35, 46, 64, 65, 89

Páginas Imprensa Universitária

32, 33, 34, 35, 86, 107

VT Galpões Semicirculares

G Galpões Metálicos

47, 52

VT Centro de Ciências Rurais

L Laboratório de Nutrição Animal

Hospital Veterinário Galpões Semicirculares

106, 115

VT Centro de Ciências Rurais Zootecnia

44, 59

VT Imprensa Universitária

M

Ginásio de Esportes Tarso Dutra ver Centro de Educação Física e Desportos

Museu Educativo

Gráfica

32, 33, 34, 35

VT Centro de Ciências Naturais e Exatas

ver Imprensa Universitária

O H

Observatório Astronômico

32, 33, 34, 35

Hospital de Neuropsiquiatria

P

ver Hospital Universitário de Santa Maria Hospital Universitário de Santa Maria

32, 33, 34, 35, 43, 68

Parque de Exposições

32, 33, 34, 35

Hospital de Clínicas Veterinárias

35, 52, 58, 81, 101, 102

Pavilhões do Centro de Tecnologia

35, 92

VT Centro de Tecnologia

I Igreja

Piscina 32, 33, 34, 35

ver Centro de Educação Física e desportos Planetário

32, 33, 34, 35, 77, 82


Páginas

Páginas

Plano Diretor e Maquete

32, 33, 34, 35

V

Posto de Abastecimento

47, 52

Veterinária

Prédios Residenciais

32, 33, 34, 35, 39, 60

32, 33, 34, 35, 71, 98, 109, 116

ver Centro de Ciências Rurais

UP Casa do Estudante Universitário

Z R

Zootecnia

Rádio e TV Educativa

32, 33, 34, 35

Reitoria ver Administração Central Restaurante Universitário

32, 33, 34, 35

T Tambo

106, 115

VT Centro de Ciências Rurais Zootecnia

U União Universitária

32, 33, 34, 35, 62, 63, 103, 104

Usina de Laticínios

32, 33, 34, 35, 71, 98, 109, 116

VT Centro de Ciências Rurais

32, 33, 34, 35, 46, 64, 65, 89


ÍNDICE ONOMÁSTICO

Páginas Adalberto dos Santos Ferraz

37, 49

Le Corbusier

Páginas 19

Armando Bondarenko

22, 37, 38,

Léo Pinto Guerreiro

24

Bortolo Achutti

21

Lúcio Costa

19

Cyro Schimitz

71, 98, 109, 116

Luiz Gonzaga Isaia

37, 49

Daniel Krieger

45, 53

Manoel Marques de Souza

51, 70, 100, 112

Humberto de Alencar Castelo Branco

44, 59

Olivar Braunstein

22, 42,

Jânio Quadros

17

Orozimbo Ramos Penna

23

João Goulart

17

Oscar Niemayer

77, 82

João Rodrigues de Lima

23

Oscar Valdetaro

17, 19, 32, 33, 34, 35, 58,77, 81, 82, 101, 102

João Walter Billa

22

Roberto Nadalutti

17, 19, 32, 33, 34, 35, 58, 81, 101, 102

Jorge Machado Moreira

19

Rubens Plácido Gadêa

23, 52, 53, 54, 59, 60, 61, 63, 64,

José Feijó Caneda

22, 45, 49,

Tarso Dutra

16, 32, 34, 35, 48, 50, 54, 72, 85, 113

José Ramos Penna

23, 46,

Juscelino Kubitschek de Oliveira

17


Catalogo 50 Anos UFSM  

Catalogo 50 Anos UFSM

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you