Issuu on Google+

Editorial

Rubens Lessa

Daniel Oliveira

Igreja acolhedora Faz muitos anos, fiz uma viagem de carro

Rubens Lessa é editor da Revista Adventista. rubens.lessa@ cpb.com.br 2

ao pobre: Tu, fica ali em pé ou assenta-te a Belém do Pará. A bordo de um Fusca 72, aqui abaixo do estrado dos meus pés, não fizestes distinção entre vós mesmos e não saí com a esposa e duas filhas pequenas para vos tornastes juízes tomados de perversos enfrentar uma aventura de três mil quilômetros. pensamentos? Ouvi, meus amados irmãos. No fim do segundo dia de viagem, paramos Não escolheu Deus os que para o mundo pobres, para serem ricos em fé e hernuma cidade do norte de Goiás, hoje Tocantins. são deiros do reino que Ele prometeu aos que Hospedamo-nos num humilde hotel e, após O amam?” (Tg 2:1-5). Graças a Deus, estamos crescendo em refrescante banho, fomos ao salão da igreja amabilidade e cortesia por meio de nossos adventista. Era quarta-feira à noite e havia ali recepcionistas. Sorrisos, aperto de mãos, aproximadamente vinte pessoas. boas-vindas – tudo isso é muito bom, mas – O senhor é muito bem-vindo à nossa igreja – não é suficiente. É apenas o começo de uma atitude disse o diretor do grupo. de amor que deve se aprofundar cada vez mais. Há igrejas que tratam muito bem os visitantes. – Muito obrigado pela acolhida, irmão – respondi. – Como é seu nome? Contudo, parece que existe na cabeça de alguns – Rubens. membros a ressalva: nec plus ultra, expressão latina – Onde o senhor trabalha? que quer dizer: “Nada mais além”. Ou seja, tais pes– Trabalho na Casa Publicadora Brasileira. soas se especializam em acolher os que chegam, – Porventura, seu nome é Rubens Lessa? mas não se relacionam bem com os que já estão Eu estava cansado de uma viagem de pouco mais por mais tempo. São incapazes de conviver com as de dois mil quilômetros e queria assistir ao culto na diferenças. Ao descobrirem que esse ou aquele irmão não é perfeito, passam a olhá-lo com parciacondição de visitante. Contudo, tive que responlidade. O que lhes falta é “o amor [que] não arde der afirmativamente à pergunta daquele humilde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não servo de Deus. – Então, o púlpito é seu – ele insistiu, sem deixar se conduz inconvenientemente, não procura os nenhuma margem para negociação. seus interesses, não se exaspera, não se ressente Fomos tratados com muito amor e carinho. do mal” (1Co 13:4, 5). Quando voltamos ao hotel, estávamos exaustos, Finalmente, uma igreja é verdadeiramente acolhedora quando seus membros mais ilusAjude sua congregação a ser uma tres se misturam com os pobres. As dicomunidade fraternal ferenças sociais, econômicas e culturais não afetam os relacionamentos. A igreja se pois nossos queridos irmãos não sabiam mais o que torna uma comunidade fraternal. Todos são memfazer para nos agradar. bros da família de Deus. Trinta anos depois, é com saudade que relembro Tenho um amigo que frequenta o que podeesse agradável encontro e faço a seguinte reflexão: ríamos chamar de “igreja dos ricos”. Embora seja “Há igrejas em que todos os visitantes são bem trataculto, de bom nível social, anda no meio do povo. Sua classe de Escola Sabatina pode ser definida por dos, como naquele grupo, mas há congregações em que só pessoas importantes são vistas e ‘amadas’.” meio da palavra grega koinonia: comunhão (At 2:42). Tiago fez a seguinte advertência: “Meus irmãos, Ele suprimiu um termo da expressão nec plus ulnão tenhais a fé em nosso Senhor Jesus Cristo, Setra. Ou seja, ficou plus ultra: “mais além”. Por isso, nhor da glória, em acepção de pessoas. Se, portanto, suas atitudes vão muito além da mera cordialidade. entrar na vossa sinagoga algum homem com anéis Você deseja que sua congregação se torne um de ouro nos dedos, em trajos de luxo, e entrar tamcantinho do Céu na Terra? Então, saia do script da bém algum pobre andrajoso, e tratardes com defeformalidade e cumpra o “plus ultra” do amor crisrência o que tem os trajos de luxo e lhe disserdes: tão. Uma igreja com esse tipo de pessoas se torna Tu, assenta-te aqui em lugar de honra; e disserdes irresistível, além de acolhedora. 

Revista Adventista I abril • 2010


Erton Köhler

Ano de catástrofes ou esperança? Acabo de chegar do Chile, depois de visitar

tragédia. As sedes da Associação Sul e da Central foram condenadas e desovárias das cidades afetadas pelo terremoto e Missão cupadas. Três escolas foram bastante datsunami, na região sul do país. Voltei com a nificadas e dez igrejas, destruídas. A maior impressão de um país preparado para se refazer delas, a igreja central da cidade de Concepda crise e um grupo de membros e líderes que ción (dois milhões de habitantes), tinha lugar para 700 membros e o pouco que soperderam muita coisa, mas não a esperança. brou terá de ser demolido. Mais de setenta Pessoas que têm um sorriso no rosto, palavras igrejas tiveram sérios danos estruturais e positivas e muita confiança de que vamos sair cerca de 700 casas de adventistas também afetadas. Lamentavelmente, quatro mais fortes de toda essa crise. foram de nossos membros faleceram. Ao descrever toda essa situação, quero lhe dar a Fiquei muito impressionado ao visitar a famíoportunidade de ajudar nossos irmãos no Chile e lia da irmã Yolanda, tesoureira da igreja central de orar por eles. Quero que você veja como Deus reConstitución. Encontrei os quatro membros da fanova as forças de Seus filhos em meio à dor e ao somília no local em que estava sua casa, antes do tsunami. Hoje, resta apenas uma pequena parte e uma frimento. Além disso, quero que você tire outras montanha de entulhos. Na frente estava o carro lições importantes: da família com um grande adesivo no vidro tra1. Vale a pena ser uma família mundial. Não soseiro apresentando a imagem do Impacto Esperança mos igrejas independentes espalhadas pelo mundo. 2008, com a volta de Jesus e a mensagem “Viva com Somos uma igreja mundial. Uma organização que Esperança”. Aquelas palavras eram o que os habiavança unida e se apoia em um momento assim. Em tantes da cidade precisavam ouvir e recordar, e nepoucos dias, todas as uniões e instituições da Divisão las confiar. Ela me contou do momento, logo após Sul-Americana, além da própria Divisão, Associao terremoto, em que fugiram apenas com a roupa ção Geral e outras Divisões mundiais, enviaram redo corpo para a parte alta da cidade, e dali acompacursos para a reconstrução da igreja no país. Se você nharam o momento em que as ondas gigantes tratambém quiser ajudar, não deixe de visitar o portal garam um pedaço da cidade. adventista na internet (www.portaladventista.org). 2. Precisamos reconhecer o tempo em que estamos vivendo. Esse tem sido denoEsse é o momento oportuno para tocar minado o ano das calamidades. Precisacorações com a mensagem da salvação mos entender a agitação de nosso planeta, observar como os ventos estão sendo solEm uma pequena ilha próxima, cerca de duzentos (Ap 7) e o que o inimigo está fazendo com este tas pessoas aproveitavam o fim de semana. Depois mundo (Ap 12:12). É tempo de levantar a cabeça, do terremoto, também sabiam do risco da chegada pois a redenção está próxima (Lc 21:28). de um tsunami. Infelizmente, não conseguiram sair 3. Cada sinal é uma oportunidade. Os versos 6, para se refugiar em uma região mais alta. Ao con8 e 13 de Mateus 24 indicam que as catástrofes, inversar com a irmã Yolanda, percebi sua emoção ao cluindo os terremotos, não são sinais iminentes da contar que, do lugar alto em que estavam, podiam volta de Cristo. O próprio Cristo, no verso 14, desouvir os gritos desesperados das pessoas da ilha e taca que o fim virá com a forte pregação do evangelho. O surgimento e a intensidade dos sinais neseus sinais de luz com as lanternas, pedindo socorro, gativos deverão servir para facilitar a pregação do mas ninguém conseguia oferecer ajuda. Tão logo as ondas gigantes chegaram, o barulho e as luzes deevangelho. Eles não são o fim, mas facilitam o cumsapareceram. Foi muito difícil para todos acompaprimento do sinal iminente do fim (Mt 24:14). Daí nhar uma situação como aquela. São cenas que nos a pergunta: Quantos outros sinais ainda precisam Erton KÖhler acontecer, quantas oportunidades mais ainda precié presidente relembram diferentes momentos bíblicos e profétisamos ter para pregar o evangelho a todo o mundo, da Divisão cos que para alguns parecem impossíveis. Sul-Americana. Nossa igreja também sofreu as consequências da para que Cristo volte à Terra?  4

Revista Adventista I abril • 2010

Neuber Oliveira

Mensagem Pastoral


Abril • 2010

noticias@cpb.com.br

27 28 31 34

DSA vai oferecer treinamento a distância para diretores de comunicação das igrejas Conheça os novos pioneiros do adventismo no Nordeste e Sudeste A campanha Enditnow faz do combate à violência uma bandeira adventista Igrejas de Curitiba e Goiânia distribuem 700 mil livros Tempo de Esperança

Um jornal a serviço da igreja 

Editor: Wendel Lima

O evangelho em pauta Comunicar é uma máxima para os adventistas. E isso não é sem razão. Para um povo que se identifica com os anjos de Apocalipse 14, que rasgam o céu com uma mensagem urgente e relevante, é imperativo tornar comum o “evangelho eterno” a “cada nação, e tribo, e língua e povo”. Essa visão de que a comunicação potencializa o cumprimento da missão foi a mola propulsora do fenômeno editorial religioso provocado pelo movimento milerita, na metade do século 19. Poucos fiéis publicaram tantos periódicos e os distribuíram em tão larga escala e com tanto afinco como eles. E foi também o ímpeto de divulgar uma mensagem exclusiva e oportuna que motivou os adventistas brasileiros a investir em veículos de comunicação denominacionais – suas editoras, rádios, emissoras de TV e sites – bem como em programas evangelísticos para mídias seculares, como os pioneiros “A Voz da Profecia” no rádio e “Fé para Hoje” na TV. Porém, é agora no início do século 21 que o adventismo se desperta para uma frente da comunicação até aqui não explorada sistematicamente pela Igreja: a assessoria de imprensa. Ao contrário das iniciativas anteriores, essa é uma frente de evangelismo indireto, que tem mais a ver com a imagem pública da denominação e com seu diálogo com a sociedade. Colocar a Igreja Adventista, de forma positiva, na capa dos jornais ou no horário nobre da TV é a melhor “propaganda” sobre nossa mensagem, pois é ter a nosso favor, gratuitamente, a credibilidade e o alcance da mídia. Uma oportunidade única de apresentar ao mundo as vantagens práticas de se pensar e viver como adventista. Um convite para se mostrar a face mais risonha e positiva do adventismo, não com base em mera maquiagem ou estratégia de marketing, mas fundamentados nas ações solidárias de um povo que compartilha esperança. Sem dúvida, o que vemos hoje na comunicação adventista no Brasil é um despertamento de implicações proféticas. – Wendel Lima.  Págs. 22 a 24

Retratos do adventismo Depois de acompanhar os desafios e conquistas dos adventistas nordestinos no mês passado, você pode ler nesta edição sobre o avanço da igreja na Região Sudeste. Um território marcado por alguns contrastes: a presença adventista em todas as cidades capixabas e as dificuldades de evangelização em Minas Gerais e na metrópole Rio de Janeiro, por exemplo. Região também conhecida por ser o berço dos nossos principais veículos de comunicação: Casa, Rádio e TV Novo Tempo. É no Sudeste também que nasceu o projeto Mutirão de Natal, que ganhou a América do Sul, e onde 158 mil adventistas usam todas as instituições e frentes missionárias para cumprir a missão. – Págs. 32 a 33 Entrelinhas

“A melhor notícia”, o pastor e jornalista Siloé de Almeida destaca algumas iniciativas adventistas de aproximação da imPág. 24 prensa secular  mais notícias Acesse: www.portaladventista.com Revista Adventista I abril • 2010

21


Especial

A igreja na capa Encontro inédito de assessores de imprensa discute comunicação estratégica e integração das mídias para colocar a Igreja Adventista em evidência na imprensa secular mais do que familiar para nós, todos os membros e simpatizantes da igreja devem ter olhado com atenção redobrada para a telinha. A reportagem, que teve duração de dois minutos, um tempo razoável para uma matéria de TV, destacou, além da grandiosidade do encontro, as atividades recreativas, o intercâmbio Parte do grupo de 50 assessores de imprensa da cultural entre os juAmérica do Sul que visitaram os estúdios da Rádio venis, as ações sociais e TV Novo Tempo e o parque gráfico da CPB. Em e o espírito de equipe pauta, a produção integrada de conteúdo para e religiosidade semas mídias adventistas pre característicos dos desbravaWendel Lima dores. Resultado: para quem não Enviado especial conhecia a agremiação, a primeira Os adventistas que se acomodaimpressão foi das melhores e, para ram no sofá da sala para assistir ao quem conhecia e participava, um Jornal Nacional de 12 de janeiro “orgulho santo” de pertencer. de 2005, tiveram uma grata surNo entanto, o que pouca gente presa. Quando a jornalista Carsabe ou se lembra é de que, para la Vilhena, apresentadora daqueque essa “propaganda gratuita” sola edição de sábado, anunciou a bre a Igreja Adventista fosse veicumatéria sobre um acampamento lada para milhões de pessoas, no com 20 mil adolescentes no oeshorário mais nobre da TV brasite do Paraná e terminou a chamaleira, foi preciso o trabalho de alda com a palavra “desbravadores”, guns profissionais: os assessores de imprensa. Nesse caso, 12 profissionais e estagiários dedicados exclusivamente a divulgar na imprensa o 3º Campori Sul-Americano. Liderados pelo pastor e jornalista Siloé de Almeida e o jornalista Amarildo Augusto, eles conseguiram mais de 40 inserções na TV, dezenas no rádio e cerca de cem reportagens na mídia impressa sobre o evento. O pastor Siloé, então diretor de comunicação da Divisão Sul-Americana, lembra O desafio da área hispana da Divisão Sulque, naquela oportunidade, Americana é transpor as barreiras culturais os comunicados enviados e geográficas. De acordo com o pastor para a imprensa (releases) traMarcos Blanco, redator-chefe da editora tavam do ineditismo e da esargentina, a instituição quer contratar jornalistas de outros países sul-americanos trutura gigantesca do evento, 22

Revista Adventista I abril • 2010

além dos serviços que seriam prestados pelos desbravadores à cidade de Santa Helena, PR. Para o pastor Siloé, que trabalha com assessoria de imprensa para a Igreja Adventista desde 1980, “é preciso saber vender a notícia. Porém, no passado, a imprensa brasileira se comportava como os pequenos jornais do interior. Bastava uma visita do pastor à redação, levando um presente, que era possível publicar quase qualquer coisa. Hoje, isso é um inconveniente, porque as redações e o jornalismo estão muito mais profissionais”, completa. Momento histórico – E se o caminho para tornar o adventismo uma pauta sempre relevante para a imprensa secular é o profissionalismo, a comunicação denominacional vive um momento singular. Nos dias 8 a 11 de março, cerca de 50 assessores de imprensa sul-americanos se reuniram em Guarulhos, SP, para buscar orientação, promover a integração e mostrar a representatividade do grupo dentro da Igreja Adventista. O encontro foi o primeiro do gênero. Para os organizadores e participantes, o evento foi mais um passo importante no desenvolvimento de estratégias de divulgação para o público não adventista, profissionalização da comunicação da Igreja e convergência das mídias de-

nominacionais. A programação incluiu palestras sobre gerenciamento de crise, relacionamento com a imprensa secular e produção de reportagens para os sites, revistas, TV e rádios adventistas. Durante o encontro, os assessores visitaram a Rede Novo Tempo, em Jacareí, e a Casa Publicadora Brasileira, em Tatuí, ambas instituições localizadas no interior paulista. Na abertura do programa, as palavras e a emoção dos organizadores, os jornalistas Felipe Lemos e Márcia Ebinger, traduziram o ineditismo do encontro e a expectativa do grupo: “Esse encontro é histórico, não apenas por ser o primeiro, mas por ter sido tão aguardado”, Felipe resumiu a importância do evento. Por sua vez, Márcia, que há quase dez anos trabalha na sede sul-americana dos adventistas, lembrou as dificuldades do passado: “Na época, nem sequer sonhávamos com a possibilidade de realizar um evento como esse. Lembro que quando terminei a faculdade de jornalismo, há 20 anos, alguns me perguntaram o que eu iria fazer com esse curso. Éramos poucos.” O discurso do pastor Erton Köhler, presidente da Divisão Sul-Americana (DSA), logo no

Segundo os organizadores, os jornalistas Márcia Ebinger e Felipe Lemos, o sonho é tornar os adventistas e suas instituições realmente conhecidos na imprensa sul-americana


na comunicação adHoldorf destaca que a partir da ventista. “Os admidécada de 1940, a Igreja Adventista começa a investir no seu relanistradores entencionamento com a imprensa sedem cada vez mais a importância da cocular. Esse momento, segundo ele, municação para o foi marcado pela resistência de secrescimento institutores da organização que viam cional e missionário com certo receio o jornalismo e da Igreja. Com isso, os jornalistas, mas também pelo emprenho e pioneirismo de pasnovos profissionais são contratados, fortores que tinham gosto pela área mando uma força-tade assessoria de imprensa. refa e consolidando a “No início, os pioneiros ticomunicação corponham de usar de temas como subterfúgios ou cunhas de enPositivo: Heron Santana mostra reportagem sobre o campori de desbravadores em Natal, RN. rativa”, avalia. É interessante notrada nas redações. As pautas Negativo: Francis Matos apresenta a nota de correção de um jornal de Goiás que, por engano, identificou os adventistas como opositores à doação de sangue. Os assessores preservam a tar que o desenvoleram geradas quase sempre sob imagem pública da igreja vimento da comua perspectiva da cultura indígese sentido, a editora adventista da início do programa, também deu nicação adventista, para alguns na, de um Brasil até então desa tônica de seriedade e relevância Argentina contratou no último conhecido, e das ações missiocom certo atraso, parece acomao encontro. Ele destacou que a mês dois jornalistas, um chileno e panhar a profissionalização do nárias nas regiões mais pobres Igreja confia aos seus assessores próprio mercado brasileiro. Esse do País, divulgando o trabalho outro peruano. A ideia é produzir de imprensa o seu bem mais premateriais que representem melhor contraste fica claro na pesquidas lanchas médicas na Amazôcioso: sua imagem (ver box “Com a diversidade cultural do território. sa feita pelo jornalista e profesnia, nos Rios São Francisco, Rio foco lá fora”). sor do curso de Jornalismo do beira e Araguaia, e nos litorais de O encontro agradou aos proOntem e hoje – Se há pouUnasp, Rúben Holdorf. Ele é o São Paulo e do Paraná”, relata o fissionais que atuam nos países co tempo, o número de jornalisorganizador do e-book (livro virprofessor. Ele destaca que alguns de fala hispana. O pastor Marcos tas que trabalhavam para a Igreja tual) História da Comunicação assuntos denominacionais, que Blanco, redator-chefe da editora Adventista no Brasil, lançado no hoje certamente não seriam puAdventista era escasso, hoje, esse adventista da Argentina, ressalgrupo é emergente. Quem compafim do ano passado numa parblicados, como batismos, ordetou que o evento foi importanra os dois momentos é o veterano ceria entre a editora Unaspress nação de pastores e até eleição jornalista Heron Santana, assese o Centro Nacional da Memóde brasileiros para a sede munte para os profissionais hispanos trocar experiências com os sor de imprensa da Igreja no Norria Adventista (www.memoriadial dos adventistas também fobrasileiros que trabalham num deste, e que há 13 anos trabalha adventista.org.br). ram notícia nesses idos tempos. contexto melhor estruturado de comunicação denominacional. que eles, convictos da visão e Numa conversa rápida com o pastor Erton Köhler depois de E desenvolvimento é sua participação no encontro, perguntamos sobre o momenmissão da organização, ajuo que os nossos vizinhos to de profissionalização e investimento na comunicação que a das sem a Igreja a avançar. adventistas estão buscan- Igreja Adventista vive e como as assessorias de imprensa poEu creio que esse momento é um renascimento estratégico, do, a começar pelo forta- derão projetar na imprensa secular nossa mensagem de maproveitoso, produtivo e focalecimento do curso de neira positiva e relevante. do da área de comunicação. comunicação da UniverPor que reunir, pela primeira vez, os assessores sidad Adventista Del Plade imprensa sul-americana? Que imagem pública a ta, na Argentina. Quem Em primeiro lugar nós queremos dar apoio a um grupo que Igreja Adventista consexplica é o Dr. Rúben nasceu e se estruturou a pouc o e que tem um grande potentruiu no Brasil? Gelhorn, coordenador cial nas mãos. Nós entendemos que comunicação é um eleÉ a imagem de uma igreja do curso de Jornalismo mento estratégico para uma organização. Por isso, a Igreja séria, por causa de nossa menda instituição: “O objeti- Adventista quer ajudar esse grupo a exercer sua plena capacisagem e do compromisso que vo do curso é atender os dade. Em segundo lugar, nós queremos integrar esse pessoal. os que nos antecederam tiveram para com ela. E sinceradistintos países da área Eles estão começando e, talvez alguns, ainda nem compremente, nós queremos manter essa imagem, não através de hispânica, contribuindo endam sua função. Eles trabalham isolados nas suas instituiuma mera maquiagem, mas mostrando real compromisso com para o aprendizado de ções, sem ter com quem interagir e sentindo-se sozinhos. Ao o que cremos. No entanto, eu entendo que precisamos crescer questões técnicas, como reuni-los, potencializamos o trabalho deles. em alguns pontos. Primeiro, sempre fomos vistos como legalocução, reportagem, ediA comunicação adventista aqui no Brasil parece listas, uma igreja que usa a Bíblia para bater nos outros. Não ção, mas também ensinar ter passado por alguns estágios: resistência, aceipodemos abrir mão de nossas doutrinas, mas temos que usar conceitos teóricos que os tação e investimento. Hoje, estamos mais próxia Bíblia para alcançar as pessoas e não para afastá-las. Segunajudem a analisar a co- mos da “maturidade”, pensando na comunicação do, construímos a imagem de uma igreja fechada, que se premunicação”. de modo estratégico? ocupa apenas consigo. E hoje queremos mostrar que não é Creio que sim. Porque a gente sempre fez comunicação com Gelhorn lembra que assim. Temos uma agência humanitária sempre presente nas calamidades, nossas igrejas são centros de apoio nas comuum dos maiores desa- pessoas que não tinham formação específica, geralmente pasnidades e as emissoras de rádio e TV adventistas têm prografios da comunicação ad- tores que tinham boa vontade e gosto pela área. E eles foram mas que não são nem religiosos, mas de utilidade pública. Se ventista na ala hispana da importantes numa época em que não tínhamos nada. Hoje, os no passado enfatizamos muito o lado denominacional, agoDivisão Sul-Americana é veículos e profissionais de comunicação são altamente capacitados e, por isso, a Igreja Adventista entendeu que era preciso ra é a hora de abrir mais as portas e, sem perder os princípios, transpor as barreiras geotrazer os profissionais para dentro da sua estrutura, a fim de mostrar para os de fora que todos são bem-vindos. gráficas e culturais. Nes-

Com o foco lá fora

Revista Adventista I abril • 2010

23


Entrelinhas

A melhor notícia

Jornais das décadas de 1960 e 1970, que destacavam o trabalho assistencial dos adventistas com os índios karajás, com as lanchas na Amazônia e os tratamentos contra o “fogo selvagem” no Hospital Adventista do Pênfigo. Em algumas matérias inusitadas até temas denominacionais como batismo e ordenação de pastores foram publicados

Certamente, hoje, os caminhos para colocar a Igreja Adventista em evidência na mídia são outros. Talvez seja por isso, que há dez anos, os adventistas entenderam que era necessário formar comunicadores em nossas instituições de ensino. E os frutos desse investimento em educação a comunicação adventista já começa a colher. A presença de ex-alunos do Unasp pode ser quantificada nas redações das mídias denominacionais e, sobretudo, nas assessorias de imprensa dos escritórios administrativos. Cerca de 40% dos participantes do encontro em Guarulhos foram formados no internato paulista. Essa mão de obra foi preparada para um momento muito oportuno, em que a TV, rádios e sites adventistas vivem um momento de expansão e consolidação e, a editora, já centenária no Brasil, produz e distribui livros como nunca, aos milhões. “A comunicação

adventista tem amadurecido de uma maneira extraordinária”, é o balanço do diretor de comunicação da DSA, pastor Edson Rosa.

O amanhã – Diante das conquistas até aqui alcançadas e dos desafios que nossa sociedade dinâmica, exigente e secularizada impõe à pregação do evangelho, o consenso do encontro foi de que precisamos avançar com a urgência com que pretendemos cumprir nossa missão. Para tanto, o editor da ANN (agência de notícias da Igreja Adventista mundial), Ansel Oliver, acredita que nossa estrutura de comunicação deve ser voltada mais para o público externo: “O trabalho dos nossos assessores deve atender o público interno, atualizando, por exemplo, nossos sites institucionais, mas não podemos nos esquecer de intermediar a relação entre a Igreja Adventista, a comunidade e a imprensa.” E, segundo um dos organizadores do evento, Felipe Lemos, esse é o sonho da Igreja na América do Sul “ter uma comunicação cada vez mais eficaz para adventistas e não adventistas; mais profissional e técnica, a fim de que cumpra com a missão de salvar pessoas; e que torne os adventistas e suas instituições realmente conhecidos”. – Com fotografias de LisanTendência mundial: Para Ansel Oliver, da agência de notícias internacional da Igreja, dro Staut, Caroline Carnieos adventistas estão mais preocupados em to e Ansel Oliver.  falar para o público externo 24

Revista Adventista I abril • 2010

A Igreja Adventista tem a missão de noticiar o maior evento da história: A volta de Jesus. Mas como fazê-lo num mundo dominado pela comunicação de massa, cuja linha editorial rejeita ou, no mínimo, olha com desconfiança para tudo que se pareça com uma intervenção divina? A solução é apresentar um vislumbre desse reino celestial por meio das ações daqueles que desejam um dia morar nele. E há muitas realizações da Igreja e serviços que prestamos à comunidade que poderiam ser manchete na mídia secular, anunciando que um tempo melhor está para vir. Para que isso aconteça, o primeiro passo é mudar o modo como olhamos a divulgação de nossas ações. A Bíblia diz: “... Se fazes essas coisas, manifesta-te ao mundo” (João 7:4). Apesar de o contexto desse verso ser outro, a lição é que quando comunicamos, o impacto positivo de nossos atos é potencializado. Se o primeiro desafio é anunciar, o segundo é colocar as notícias numa linguagem que alcance a todos os públicos. E o profissional que pode fazer bem esse trabalho é o assessor de imprensa que, como o nome já diz, é aquele que se encarrega de colocar uma organização em evidência na mídia. Como? Apresentando a instituição que ele representa como uma boa fonte de informação para os jornalistas. E como você sabe, há décadas temos nos empenhado para colocar o adventismo em destaque na mídia de massa. Nos anos de 1980, ainda com esforços individuais, o trabalho contou com um toque mais profissional. Resultado? Os grandes veículos de comunicação passaram a divulgar notícias da Igreja que estavam relacionadas às áreas de saúde, assistência social e comportamento dos jovens. As assessorias de imprensa do Hospital Adventista de São Paulo e da Associação Paulistana, por exemplo, tornaram-se “fontes” para vários veículos impressos, de rádio e TV. Anos depois, essa visibilidade foi conquistada pelo Hospital Adventista Silvestre, no Rio de Janeiro. Em 1995, outro passo importante foi a criação da Agência Adventista Sul-Americana de Notícias (ASN), canal de informação inicialmente voltado para a distribuição de notícias para os veículos externos. Quase paralelamente ao advento da ASN, foi realizada a implantação da rádio e da TV Novo Tempo e, alguns anos depois, surgiram os primeiros sites e portais adventistas na internet. Hoje, o suprassumo deles é o nosso endereço evangelístico: www. esperanca.com.br. Porém, a mais recente, mas não menos importante empreitada adventista na área de comunicação, tem-se intensificado nos últimos dez anos: a contratação de jornalistas para as assessorias de imprensa das Associações e Uniões. Em 2005, eles já eram mais de 30 profissionais no Brasil. E essa abertura veio em boa hora. No momento em que a Igreja tem alguns de seus veículos internos consolidados e outros nesse caminho, nosso desafio continua a ser entrar nas grandes redações, a fim de tornar a mensagem adventista o mais visível possível. O público externo precisa entender que a Igreja é uma bênção, e as notícias podem dar esse recado. Por isso, quando imagino aquele “anjo voando pelo meio do céu”, vejo todos os adventistas anunciando as boas-novas de salvação, assessorados pelas equipes de comunicação. E a maravilhosa notícia é que esse é o retrato dos nossos dias. Siloé de Almeida é o diretor de comunicação da Associação Paulista Central, em Campinas, SP.


Chile

Tremor ao lado ADRA atende vítimas do terremoto que destruiu igrejas e danificou instituições adventistas no Chile

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, acompanhada do presidente chileno, Sebastián Piñera, elogiou as ações dos adventistas. Hillary disse conhecer o trabalho da ADRA nos Estados Unidos Da redação

Quando o mundo ainda se recuperava da tragédia no Haiti, outro terremoto chacoalhava o extremo sul do continente americano. Na madrugada do dia 27 de fevereiro um tremor de 8,8 graus na escala Richter abalou a capital Santiago e a região centrosul do Chile. Apesar de o país sulamericano ser melhor preparado do que o Haiti para essas situações, os estragos e as mortes foram inevitáveis. Calcula-se que 2 milhões de pessoas foram diretamente atingidas e que mais de 400 morreram. Na comunidade adventista o impacto do tremor também foi significativo. Felizmente, os maiores danos foram patrimoniais e não em relação aos seus membros. No Chile vivem quase 120 mil adventistas distribuídos em cerca de 860 congregações. Destes, até agora, foram confirmadas as mortes de quatro adultos e de uma criança de 9 anos, mas centenas de fiéis estão desabrigados. Em Constitución, ao sul, por exemplo, oito casas de adventistas foram varridas pelo maremoto. E em Cobquecura, que fica a 60 quilômetros do epicentro do terremoto, 95% das casas foram des-

truídas e a comunidade adventista tem se abrigado na casa de um membro da igreja. Quanto as instituições, o prejuízo foi maior, em torno de 10 milhões de dólares. No entanto, cerca de 1 milhão de dólares já foi doado pelas sedes e instituições adventistas sul-americanas. O prédio da Missão Central do Chile, em Talca, o templo da Igreja Central, em Los Ángeles, foram destruídos e a escola de Talcahuano foi invadida pelo mar e precisa ser reconstruída. Ao todo serão demolidas dez igrejas. Outros 39 edifícios ficaram seriamente danificados, como o Colégio Adventista de Santiago Norte, na Capital, os colégios de Quirao, Concepción e Temuco, onde os ginásios de esportes vieram ao chão, e a clínica de saúde, Clinala, cujos alguns setores correm risco de desabar. Com danos menos graves ficou a Universidade Adventista do Chile, que sofreu avarias apenas em seus reservatórios de água e, no caso da filial chilena da Aces, editora adventista para os países hispânicos, nenhuma perda foi registrada. Ações – A resposta da Divisão Sul-Americana e da Agência Ad-

americano aprovou um projeto de 1 milhão de dólares para ADRA Chile. A doação será destinada para a construção de mil abrigos temporários na modalidade de autogestão, em que os próprios beneficiados ajudam na construção dos abrigos de 18m2. Assim como no Haiti, a ADRA, em parceria com a organização Global Medic, importou 13 purificadores de água, que trabalham a uma velocidade de 4 litros por minuto. No início de março, as ações da ADRA chamaram a atenção dos governantes. O presidente chileno Sebastián Piñera, por ocasião da visita da secretária de estado americano ao país, Hillary Clinton, foi conhecer melhor o trabalho da ADRA na tragédia. Os 80 jovens adventistas voluntários que ajudavam na distribuição das doações que chegavam ao aeroporto em Santiago conversaram com o presidente e Hillary. A secretária elogiou as ações adventistas e disse conhecer o trabalho da ADRA nos Estados Unidos. No fim do mês passado, o pastor Erton Köhler visitou o Chile, orou com as vítimas e analisou alguns projetos de reconstrução das instituições adventistas, entre elas o da Escola de Talcahuano. A Igreja Central de Concepción, a sede da Associação Sul do Chile e parte da Clinica Adventista de Los Angeles estão sendo avaliadas para receber a autorização de reconstrução. – Com reportagem de Karen Cordovez. 

ventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) foi imediata. Logo no sábado pela manhã, poucas horas após o terremoto, em Brasília, os administradores já se reuniram para estabelecer um plano de ação. A Agência Sul-Americana de Noticias (ASN) realizou um plantão especial com as primeiras informações que chegavam do Chile para informar parentes e conhecidos que estavam no Brasil. A equipe de jornalismo da TV Novo Tempo, também em caráter voluntário e extraordinário, produziu vários boletins ao longo do dia informando sobre a situação no país sul-americano. E no Chile, a rádio adventista serviu de fonte de informação para os membros e a comunidade. No dia seguinte ao abalo, os pastores Magdiel Perez, secretário da DSA e Günther Wallauer, diretor da ADRA sul-americana, foram enviados para coordenar as ações da Igreja e a ajuda ao povo chileno. Inicialmente, a ADRA doou 105 mil dólares ao país, destinados a compra de 2 mil cobertores, 400 colchões, 200 tendas e cestas básicas para 1.480 famílias das regiões mais afetadas. Em Vila Alemana, perto de ValpaPara doar: raiso, os adventistas providenciaAcesse www.adra.cl ram um albergue para os desabrigados. Em Constitución, os desbravadores, em apoio à Defesa Civil chilena, ajudaram no resgate das vítimas do maremoto. No fim de março, a Missão Norte do Chile arrecadou 27 toneladas de alimentos, envolvendo alunos, professores e membros das igrejas na campanha “Estenda No aeroporto de Santiago, cerca de 80 voluntários tua mão”. E na últi- da ADRA Chile ajudaram na distribuição das doações. ma semana do mês A ADRA sul-americana já doou 105 mil dólares. No passado, o governo entanto, o prejuízo da Igreja chega a US$10 milhões Revista Adventista I abril • 2010

25


Brasil

Sonho possível

Há dez anos, projeto da colportagem estudantil tem ajudado milhares de jovens a entrar na universidade Da redação

Para Luana Tavares Cardoso, de 18 anos, da cidade de Parobé, RS, o sonho de estudar medicina se tornou realidade. A caloura da Universidade Adventista Del Plata, na Argentina, pôde iniciar sua graduação graças a um projeto que tem transformado estudantes secundaristas em universitários: o Sonhando Alto. Assim como Luana, mais 14 jovens que colportaram (venda de livros sobre saúde, família e religião) na região sul do Estado, vão estudar esse ano em alguma instituição adventista no Brasil ou no exterior. Sem condições financeiras para frequentar uma universidade particular, assim que concluiu o Ensino Médio no Instituto Adventista Cruzeiro do Sul (IACS), em Taquara, RS, Luana decidiu dedicar um ano no trabalho da colportagem. Por causa do seu esforço, ela conseguiu os recursos para estudar e terminou o projeto como a campeã de vendas da equipe. “Eu estou muito feliz e realizada. Só tenho que agradecer a Deus e às pessoas que me ajudaram a chegar aqui”, comemora a universitária que desafia outros jovens que ainda não concluíram seus estudos: “Não desistam de seus sonhos, porque todos podem entrar nesse projeto. Abracem essa oportunidade com ânimo, força e oração.” Se a colportagem para Luana foi

a porta de entrada para o curso de Medicina, para Jorge Trinta, de 19 anos, foi a porta de saída. Em junho do ano passado, Jorge deixou a faculdade de Medicina, que cursava na Universidade Federal do Maranhão, em São Luís, para responder à vocação de pastor. E para realizar o novo sonho, ele não poderia contar com o apoio moral e financeiro dos seus pais, que professam outra fé. Mesmo sendo muito tímido, viu na colportagem uma oportunidade de levantar recursos para estudar Teologia. Terminadas as férias de julho, ainda que criticado por sua família, ele decidiu continuar a vender livros até o fim do semestre. Resultado: conseguiu dinheiro mais do que suficiente para ingressar na primeira turma de Teologia da Faculdade Adventista da Amazônia, próximo a Belém, PA. Jorge passou em primeiro lugar no vestibular e é o líder do grêmio estudantil. “A Medicina era uma vontade e a Teologia eu sei que é uma vocação divina. Não tenho dúvidas de que a colportagem nasceu no coração de Deus, pois superei meus limites de timidez e alcancei a vitória. Sou grato a Ele por me dar condições de ser Seu servo”, garante.

O projeto – Há décadas, os estudantes dos internatos adventistas têm encontrado na colportagem crescimento pessoal, uma experiência real com Deus e a manutenção dos seus estudos. Porém, em 2000, o pastor Adilson Rodrigues, diretor de colportagem da Região Centro-Oeste e que, na época, trabalhava em Curitiba, procurou desenvolver um modelo de trabalho que atendesse aos adventistas formandos no Ensino Médio, que nunca haviam colportado e que gostariam de estudar nos nossos colégios. A ideia deu certo e no ano seJorge Trinta, de 19 anos, deixou o curso guinte o projeto já estava sende Medicina em uma universidade pública do implementado em toda a para estudar Teologia na Faama e viver América do Sul. da colportagem 26

Revista Adventista I abril • 2010

Hoje, os pré-universitários que participam do projeto, trabalham de cinco a seis meses e, caso con- Luana Cardoso, de apenas 18 anos, conseguiu os sigam o valor equiva- recursos para cursar Medicina trabalhando um ano lente de uma semes- na colportagem estudantil. Agora, ela é caloura da tralidade, ganham Universidade Adventista Del Plata, na Argentina uma bonificação de 35%. Em alguEvangelismo – Na Região Cenmas regiões administrativas, como tro-Oeste, a preocupação com a do sul do Paraná, a Igreja ofereque os jovens tivessem uma experiência espiritual durante a colce um curso pré-vestibular de dez portagem, levou os responsáveis a dias e a aplicação de simulados ministrados pelos professores da rede desenvolver um projeto que imprimisse no coração dos particieducacional adventista. A iniciatipantes a paixão pelo evangelisva tem dado resultados. Na última mo: “Colportagem ao extremo”. equipe de estudantes, dos 46 inteA solução foi estimular os jovens grantes, 34 foram aprovados nos a tornar o contato com os clienprocessos seletivos. No ano passates uma oportunidade mais efedo, em todo o Brasil, cerca de 6.400 jovens participaram de projetos de tiva de conduzi-los a Cristo, concolportagem estudantil. vidando a estudar a Bíblia os que mostrassem interesse. Somente Para alguns a colportagem signiem 2009 foram batizadas 79 pesficou o caminho da formatura e de outras realizações, como no caso soas como resultado da iniciativa do recém-formado pastor Marcos e 710 estudantes trabalharam na Martins Ferreira: “Comecei micolportagem na Região. Em resumo, a proposta é intenha graduação graças a colportagrar o trabalho do colportor ao gem e minha primeira atividade programa evangelístico da igreja como pastor formado também foi como colportor-evangelista. Não local. Os estudantes formam duplas missionárias com os membros podia ser melhor. Em sete anos, toda congregação, realizam inscridos meus recursos financeiros vieções para cursos bíblicos, pregam ram da colportagem, até para casar!” O novo ministro formado pelo em semanas de “colheita” e repasUnasp não teve nem como termisam os contatos dos interessados para um instrutor bíblico, depois nar o período de colportagem nas de terminadas as férias. – Com reúltimas férias de verão, pois já teve portagem de Caroline Carnieto, Lique assumir seu novo ministério: cene Renck, Alínic Carmo, Tatiane a capelania do Colégio Adventista Lopes e Marcos Daniel Peres. de Campinas, no interior paulista.

Rápidas Vinte e seis profissionais das instituições médicas da Igreja Adventista concluíram em fevereiro a especialização em Gestão em Saúde, no Unasp São Paulo. O curso teve o patrocínio da sede sul-americana dos adventistas, que tem mostrado boa vontade em investir na profissionalização desse segmento da organização. Das 2.073 congregações formadas pelos mais de 165 mil membros da União Norte-Brasileira, 65% possuem antenas para captar o canal executivo da TV Novo Tempo. E para fazer bom uso dessa tecnologia, no dia 20 de fevereiro, os adventistas dos Estados do Amapá, Maranhão e Pará puderam ficar à par dos projetos missionários do ano na região através de um grande treinamento via satélite. Estima-se que cem mil pessoas acompanharam o sermão do pastor Erton Kölher, presidente da Divisão Sul-Americana, na parte da manhã, e as palestras, na parte da tarde.


América do Sul

Telecurso adventista DSA vai oferecer treinamento a distância para diretores de comunicação das igrejas sul-americanas

O Unasp coordena a produção das aulas em forma de mini documentários para o Brasil. O curso de extensão universitária terá certificado reconhecido pela instituição brasileira e pelas universidades adventistas da Argentina e do Peru

Felipe Lemos

Colaborador

Desde o início desse mês, já estão abertas as inscrições para o Programa Adventista de Capacitação em Comunicação (PAC.Com), telecurso que vai dar suporte teórico e prático para os voluntários e funcionários das igrejas e organizações adventistas que atuam na área de comunicação e não têm formação específica, bem como para aqueles que já são profissionais, mas desejam complementar seus estudos. Para tanto, o curso será oferecido do nível básico ao avançado e contemplará as seguintes áreas: noções de jornalismo, relações com a mídia, relações institucionais, comunicação na web, rede sociais e produção de mídia. A boa notícia é que as aulas – preparadas em vídeo pelos professores dos cursos de comunicação social do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), Stanley Botti, da Igreja do Marco, em Belém: A criação do curso aponta para uma profissionalização da comunicação na igreja local

Sem sair de casa O que é: Um curso teórico-prático sobre os princípios e técnicas da comunicação social Público-alvo: Diretores de comunicação das igrejas, pastores e profissionais da área Início: Junho de 2010 Duração: Três anos Inscrições: Pelo site www.portaladventista.org Conteúdo: (1) noções de jornalismo, (2) relações com a mídia, (3) relações institucionais, (4) comunicação na web e rede sociais e (5) produção de mídia Corpo docente: Professores das universidades adventistas do Brasil (Unasp), Argentina (UAP) e Peru (UPU) Reconhecimento: Certificado de extensão universitária reconhecido nos três países

sionalismo desse departamento”, opinou Stanley Botti, diretor de comunicação da Igreja do Marco, em Belém, PA. Por sua vez, Tânia Paschalis, da Igreja Central de Artur Nogueira, SP, considera excelente a iniciativa e afirma que os resultados de um projeto como esse só podem ser positivos. “Mais informação sempre é conveniente para o aperfeiçoamento pessoal em qualquer área. De modo geral, as igrejas locais têm sofrido pela falta de orientação à respeito de alguns minisA diretora de térios. E o ideal numa comunicação da igreja integrada é que Igreja Central de todos os ministérios Artur Nogueira, participem”, comenta. SP, Tânia Paschalis, O pastor Edson Rosa, acredita que a falta de orientação tem diretor de comunicação Para o pastor Edson Rosa, o PAC.Com tem limitado a atuação de duplo objetivo: capacitar os voluntários das da Divisão Sul-Amerialguns ministérios da igrejas e funcionários das organizações cana, explica os objetiigreja. E, segundo ela, adventistas e oferecer uma complementação vos da iniciativa: “Noso curso a distância aos estudos dos profissionais pode atender essa sa intenção é manter necessidade Universidad Adventista Del Plaos profissionais de comunicata (UAP) e Universidad Peruana ção atualizados quanto às tenUnión (UPU) – poderão ser acesdências do mercado, promover crescimento profissional para Com esse iniciativa, a Igreja sadas de qualquer parte do mundo pelo site do programa. A opção os especialistas e capacitar volunAdventista mostra estar atenta a dos organizadores pela metodolouma tendência nacional: o ensitários da igreja e funcionários das gia a distância visa facilitar a partiorganizações.” Ele esclarece tamno a distância. Somente em 2007, cipação dos líderes de comunicabém que os inscritos receberão segundo o Anuário Brasileiro Esção das igrejas, que terão apenas uma senha para acessar os contatístico de Educação Aberta e a os estágios e alguns seminários no teúdos exclusivos do site e que os Distância, mais de 2,5 milhões de modelo presencial. A carga horáseminários presenciais serão ofebrasileiros estudaram pelo sisteria ainda prevê a entrega de relatórecidos nas instituições mais próma não presencial. É a tecnologia rios de leitura e realização de avaximas dos alunos. O curso tem duunindo uma igreja que vive num liações. Os que cumprirem com ração de três anos e o custo será País de proporções continentais todos os requisitos receberão um bem acessível para a maioria dos e que deseja comunicar cada vez interessados. certificado válido como curso de melhor sua mensagem.  extensão universitária. Alguns diretores de comunicação, mesmo sem conhecer detalhadamente a proposta A ideia foi ousada, mas os recursos bem simples: um notebook e conexão de internet. O pastor Areli Barbosa, líder dos jovens da Região Sul, do PAC.Com, vibram queria apenas oferecer algo útil para a juventude fazer na sexta à noite, com a ideia de particimas foi além: ofereceu uma oportunidade da moçada fazer evangelispar de um treinamenmo virtual. No congresso online Esperança Web os jovens que se conecto sem precisar sair da taram, sozinhos ou em grupo, em cerca de 350 computadores diferenfrente de um computates, distribuíram folhetos eletrônicos, filiaram-se às comunidades cristãs dor. “Quando me falaem redes sociais, mandaram scraps missionários e acessaram vídeos, siram desse projeto, pertes e blogs com conteúdo adequado. Estima-se que mais de 50 mil pescebi a maneira como a soas receberam algum material evangelístico. Por causa do sucesso da Igreja está crescendo iniciativa o site vai continuar no ar até o dia 7 de maio, quando haverá ouna área de comunicatra mobilização, agora com mais divulgação. Para participar é só acessar: www.esperancaweb.org.br. ção. Isso mostra a organização e o profis-

Jovens do Sul realizam o 1º Congresso Web

Revista Adventista I abril • 2010

27


Nordeste e sudeste

Êxodo missionário Conheça alguns adventistas que deixaram tudo para estabelecer igrejas no Nordeste e Sudeste

o êxodo missionário. Essa mobilização, como você já deve saber, faz parte do projeto Terra de Esperança, que pretende evangelizar nos próximos seis anos 650 cidades da região sem presença adventista. Porém, o mais inspirador é conhecer o que motivou esses pioneiros voluntários e o que terão de desafios pela frente. Alguns já estão morando no seu novo endereço, como Geraldino Fernandes da Silva, 48 anos, e JaGeraldino e Janice: Comerciantes nice Pereira Nascimento de Salvador, que agora moram em Silva, 43, um casal de comercianCarmópolis, SE. Eles já se reúnem em tes de Salvador que desde o fim casa com cerca de 20 interessados, novos amigos que conheceram numa de dezembro está em Carmópoacademia de ginástica lis, SE, cidade com mais de 12 mil habitantes. “Foi uma experiência Vivian Vergílio e Heron Santana difícil. As pessoas comemoravam Colaboradores o Ano Novo soltando fogos de artifício e nós estávamos ali, num O Nordeste ficou conhecido como a terra do êxodo rural, dilugar desconhecido, presos em áspora das camadas mais vulnecasa e sem saber o que fazer”, reráveis que, nas décadas do auge da lata Janice. industrialização no Brasil atraiu E o que os levou para lá? Algo muita gente da Região para as inusitado. Inspirados a recomeçar a vida e dedicar mais tempo para oportunidades de emprego nos grandes centros urbanos do Suas aspirações evangelísticas, eles deste. Mas, o que se vê agora no tentaram morar em Aracaju, SE, Nordeste são polos desenvolvimas não conseguiram uma residos e a geração de muita riqueza. dência. Um dia, um amigo conversou com o pastor da igreja cenNo entanto, a partir deste ano, tral da cidade sobre a adversidade outro tipo de migração vai caracde Geraldino. Foi então que o miterizar o adventismo nordestino: nistro lançou o desafio de eles migrarem para um dos municípios sem presença adventista no interior do Estado. Geraldino nem pestanejou na decisão. Deixou quatro dos cinco filhos em Salvador, onde a família tem uma loja de produtos de informática e se mudou para Carmópolis. Junto com Janice, matriculou-se em uma academia de ginástica. Foi a João e Ester: Vão deixar a estabilidade oportunidade para se refinanceira de Garanhuns, PE, onde moram, lacionar com as pessoas. para realizar um trabalho pioneiro no paradisíaco balneário de Jericoacoara, CE As reuniões sociais foram 28

Revista Adventista I abril • 2010

sendo ampliadas e o círculo de amizade cresceu. Hoje, existem cerca de 20 pessoas estudando a Bíblia com o casal nessa cidade. Novos pioneiros – A experiência de Geraldino é inspiradora para os novos missionários em via de migração. É o caso da vendedora de livros denominacionais Poliane Souza Pereira, 23 anos, e a babá Maria Joselita Santos, de 30 anos. Ambas mudaram no dia 12 de março, logo após o treinamento de missionários da campanha Terra de Esperança, realizado em Belém de Maria, PE, para os primeiros cem voluntários. O destino foi a cidade de Beneditinos, PI, com população de 9,8 mil pessoas. Poliane e Joselita se conheceram num ministério de apoio da Igreja Adventista no Nordeste, chamado “Escola de Profetas”, que prepara voluntários para a evangelização. E foi nessa circunstância que elas decidiram se alistar no novo exército de pioneiros. Beneditinos é uma típica cidade piauiense: poucos moradores, pouco acesso a bens e informação e extremo obscurantismo religioso. “Sei que essas pessoas precisam ouvir sobre a Palavra de Deus, por isso, deixei para trás até propostas de emprego para levar Jesus para elas”, afirmou Poliane. Quem também participou do

Poliane e Joselita: A dupla que se conheceu no agreste de Pernambuco, evangelizará a cidade de Beneditinos, PI, município com 10 mil habitantes, pouco acesso à informação e marcada pelo obscurantismo religioso. Uma típica cidade piauiense

primeiro treinamento da campanha foi o casal João Batista Leite, 38 anos, e Ester Martins Leite, de 30. Eles vão deixar a cidade em que vivem, Garanhuns, PE, para evangelizar o município de Jijoca de Jericoacoara, CE, um balneário com mais de 16 mil habitantes, eleito em 1987 pelo jornal The Washington Post como uma das dez praias mais bonitas do mundo. Para tanto, ficarão mais de mil quilômetros longe de seu antigo lar. João vai deixar a sociedade que possuía em uma ótica, um negócio que lhe garantia estabilidade financeira, mas que não o realizava. “Sentia um vazio, uma vontade de fazer algo que trouxesse esperança para outras pessoas”, contou. A esposa compartilhou da disposição do marido em se dedicar ao projeto missionário. Deixaram a parte que lhes cabia

Pioneirismo no interior do PR A rotina de Antenor Selmer Filho, 45 anos, poderia ser parecida com a de qualquer colportor-evangelista a não ser por um detalhe: ele foi enviado para estabelecer a primeira igreja adventista da cidade de Verê, PR. Além de vender a literatura cristã, sua missão no município será de atrair interessados para o estudo da Bíblia. Formado em Teologia, pelo Unasp e pai de dois filhos, o colportor-evangelista agora faz parte de um projeto intenso de Missão Global. O plano da Associação Sul-Paranaense é alcançar a cada ano, cinco cidades sem presença adventista. Em Verê, 35 pessoas já estão estudando as Escrituras. “Sou apaixonado pelo evangelismo e quando fui convidado para esse projeto, nem pensei para aceitar. Ter a oportunidade de pregar para um povo que não conhece a mensagem adventista é emocionante e me deixa motivado a cada dia”, relata.


tista não está presente. Desses municípios, 453 estão em Minas Gerais e em 390 deles não vive um único adventista. É por isso, que o aposentado Luiz Carlos Campos, de 64 anos, viaja semanalmente os 60 quilômetros que separam sua casa de Marmelópolis, MG. A maior parte do trajeto não é asfaltada. Aumir Uhlig, de 56 anos, prega nas comunidades alemãs do Espírito Santo, E quando falta ônibus, onde só se fala alemão e pomerano ele pega carona nem que seja num na sociedade, fecharam a casa em carro de leiteiro. Em Marmelópoque moravam e levaram os mólis, ele se hospeda no sítio do Eliveis para a garagem de um amisandro, apicultor que conheceu go. Fizeram três meses de curso Luiz Carlos e a igreja adventista evangelístico na “Escola de Profedepois de alugar sua propriedade tas”. E, agora, estão de malas pronpara que os jovens da Igreja de Itatas para a mudança. “As pessoas jubá acampassem num Carnaval. não conseguem entender como Neste mês, Elisandro e seus deixamos tudo para cumprir essa dois filhos vão ser batizados e se missão. Tudo isso é porque queretornarão os primeiros adventistas mos ver Jesus voltando rápido, e da cidade. E é na casa deles que a vamos fazer o que for preciso”, exigreja local está começando. Lá, plicou Ester. Ela vai acompanhar em breve, a sala vai ficar apertada, pessoalmente a educação do filho, porque cerca de 40 pessoas já parJoão Lucas, de 5 anos, durante o ticiparam do curso antitabagista e período em que irão se aventudesejam estudar a Bíblia. Agora, o plano do missionário voluntário é rar na maior jornada missionária já empreendida no Nordeste organizar um clube de desbravado Brasil. dores na comunidade. Luiz Carlos ajudou a fundar Sudeste – Na Região vizinha três igrejas em Itajubá, onde reside. Ali, ele é líder de um pequedos nordestinos, o Sudeste, os no grupo, do qual participam vádesafios também não são poucos. Nos Estados do Espírito Sanrios traficantes interessados na to, Minas Gerais e Rio de Janeimensagem que é pregada e viviro existem cerca de 470 cidades da pelo anfitrião. Devido ao núe vilas nas quais a Igreja Advenmero de visitantes, Luiz Carlos

teve que mudar as reuniões a garagem da sua casa para um salão alugado. O local, que estava perfurado por balas e que precisava ser pintado, foi arrumado pelos ex-traficantes que trocaram suas armas por pincéis, ferramentas e Bíblias. Onze deles já foram batizados e vários outros já mudaram o ponto de tráfico em respeito à igreja. “Gosto muito do que faço. Isso me mantém vivo. É duro, difícil e a gente sofre. Somente quem vê e conhece é quem sabe, mas é preciso continuar, porque temos pouco tempo para fazer isso. E há pessoas que estão ansiosas para conhecer nossa mensagem”, concluiu Luiz Carlos.

gá-la nas colônias alemãs do Espírito Santo, onde se fala alemão e pomerano. “Todos são chamados para trabalhar, mas nem todos estão capacitados para realizar a tarefa. Queremos treinar, preparar e capacitar as pessoas para realizar a missão que Deus confiou a elas”, explica o diretor de Missão Global para o Sudeste, pastor Valmor Ricardi. Cada pioneiro que participa dos projetos faz seu plano de trabalho. Sozinhos, em duplas ou equipes, eles pretendem chegar a 143 lugares e batizar mais de três mil pessoas ainda neste ano. Com a participação de aposentados, profissionais liberais e dos “calebes” nas férias essa força-tarefa missionária deverá ser reforçada. Somente no leste mineiro, onde 83 cidades precisam ser alcançadas, espera-se construir igrejas em 23 municípios até o início do próximo ano. 

Unidos pela missão – Se o desprendimento desse adventista de Minas Gerais é inspirador, imagine conhecer a história de outros como ele? Nos dias 25 a 28 de fevereiro, cerca de duzentos desses pioneiros do adventismo se reuniram na 2ª Escola de Pioneiros de Missão Global, organizada pela União Este Brasileira, a fim de aprender técnicas de evangelismo. Aumir Uhlig, de 56 anos e adventista há sete anos é um deles. Ex-pastor de uma igreja luterana, em Afonso Claudio, ES, conheceu a mensagem adventista por meio Luiz Carlos Campos já fundou três igrejas do hinário e de livros da em Itajubá, MG, onde mora. Agora, ele Casa. Desde que abraçou viaja semanalmente 60 quilômetros para a nova fé, dedica-se a pre- evangelizar a cidade de Marmelópolis

Projeto Nova Semente inaugura auditório no coração de São Paulo Estabelecer uma igreja adventista há uma quadra da Avenida Paulista, que alcance a classe média alta de São Paulo. O que parecia impossível se tornou realidade no dia 27 de fevereiro. Cerca de 560 pessoas lotaram o novo auditório para acompanhar o culto de gratidão que teve transmissão ao vivo pela TV Novo Tempo. Na cerimônia, representantes de todos os níveis administrativos da Igreja, da Associação Paulistana à sede mundial dos adventistas – o pastor Gary Krause, diretor de Missão Global e o Dr. Ganoune Diop, diretor do Centro de Estudos em Missão Global – testemunharam as bênçãos divinas sobre a comunidade que, com o lema de ter “uma experiência real com Deus”, vem alcançado os pós-modernos paulistanos. “Eu realmente acredito que se nós não entendermos a mentalidade do mundo, nós não poderemos falar de uma forma relevante para ele”, refletiu o Dr. Ganoune Diop, que falou sobre o desafio de a Igreja Adventista não se conformar com a “pesca a beira-mar”, mas a arriscar-se em “águas profundas”. Com as novas instalações, mais amplas e melhor localizadas, o pastor local, Kleber Gonçalves, espera voltar a receber semanalmente cerca de cem interessados. Do início modesto com dez famílias, hoje a igreja conta com 220 membros. Assim como os demais projetos de evangelismo segmentado direcionados para grupos específicos como os judeus, árabes ou japoneses, o projeto Nova Semente é uma igreja adventista do sétimo dia que difere das congregações adventistas convencionais apenas no formato do culto e na abordagem evangelística. Para quem deseja ver as fotos das programações semanais ou ouvir as pregações, é só acessar o site www.novasemente.org.

Errata Na pagina 33 da edição de março, o último sobrenome do desbravador Neizon Higino Gomes é Souza e não Silva, como publicado. Além disso, o clube de desbravadores que ele frequenta, Reino Marinho, não é de Aracaju, mas de Lagarto, SE.

Revista Adventista I abril • 2010

29


São Paulo e Rio Grande do Sul

Vozes contra o silêncio Com sua participação na campanha mundial Enditnow, a Igreja Adventista faz do combate à violência doméstica uma de suas bandeiras sociais

Vila Margarida, na Capital, os membros homenagearam a comunidade dando um frasco de sabonete líquido para as vizinhas e pedindo que as mesmas assinassem a manifestação. Em São Vicente, na Baixa Santista, numa feira livre, 150 pessoas aderiram à RS: As principais mobilizações foram organizadas iniciativa. nas igrejas, colégios e feiras, como na Expo Saúde em Gravataí e no Colégio Adventista de Porto Alegre. Porém, foi num Mais de 10 mil gaúchos assinaram o documento evento em homenagem às paulistanas, que a camSuellen Timm e Licene Renck panha teve sua ação de maior desColaboradoras taque. Os membros aproveitaram No mês em que se comemoa feira sobre o Dia Internacional da rou o Dia Internacional da MuMulher, nos dias 10 a 12 de março, lher, a Igreja Adventista na Amépara montar um stand sobre o projeto. Cada visitante recebeu um lárica do Sul aderiu à campanha da sede mundial de combate à viopis com uma flor na ponta como lência contra a mulher, Enditbrinde para assinar o documento. Now (Acabe agora com isso!), em Além disso, as mulheres que por ali passaram ganharam um exemplar uma tradução livre. Até o fechamento dessa edição, no Estado de da revista Quebrando o Silêncio e São Paulo foram coletadas mais Nosso Amiguinho e uma massagem de 15,5 mil assinaturas e no Rio oferecida por uma fisioterapeuta Grande do Sul mais de 10 mil. voluntária da ADRA. Segundo as organizadoras Maria Tereza AraúEm todo o Brasil, o apoio foi incentivado de diversas maneiras. jo, Nadma Forti e Sônia Rigoli, dos Nas igrejas, reuniões administrati5 mil visitantes da exposição, pelo vas, feiras, eventos públicos ou, por menos mil apoiaram a campanha. meio do site (www.editnow.org.br), muitos foram estimulados a partiO projeto – A iniciativa, lançada cipar do abaixo-assinado. Entre os em outubro do ano passado, pregaúchos, as ações se concentraram tende coletar um milhão de assimais nas escolas, igrejas e feiras púnaturas nos mais de 200 países em blicas, como a Expo Saúde, realizaque os adventistas estão presentes. da no dia 7 de março, em Gravataí, O objetivo é, em nome da Agência RS. No Colégio Adventista de PorAdventista de Desenvolvimento e to Alegre, por sua vez, a campanha Recursos Assistenciais (ADRA), foi lançada no Dia Internacional da entregar o abaixo-assinado à Mulher, 8 de março. ONU, demonstrando assim que a No Estado de São Paulo foram Igreja Adventista não está indiferealizadas várias mobilizações. Nos rente aos diversos abusos sofridos três campi do Unasp e nos escritópelas mulheres ao redor do mundo e que a denominação solicita rios administrativos, alunos e funcionários assinaram o documento. novas políticas públicas em relaAté mesmo os colportores, vendeção à questão. No Brasil, o projeto é coordenado pelo pastor Günther dores de literatura religiosa, pediram que seus clientes registrassem Wallauer, diretor da ADRA sulo apoio à campanha. Na Igreja de americana, e por Wiliane Marroni,

líder das mulheres adventistas do continente sul-americano. Reconhecimento – No dia 23 de fevereiro, o portal de notícias IG, um dos mais acessados na internet pelos brasileiros, destacou o projeto Enditnow como uma ação dos adventistas em favor de todos, independentemente da confissão religiosa. E o reconhecimento do esforço da Igreja contra a violência doméstica não ficou restrito à mídia. Em São Paulo, no dia 5 de março, a professora Sônia Rigoli, coordenadora do projeto Quebrando o Silêncio, no Estado, recebeu o Prêmio Ruth Cardoso, entregue à pessoas e organizações que promovem a justiça social. Rigoli se mostrou surpresa, pois pela primeira vez uma igreja é homenageada com a medalha. O premiado precisa ser indicado para o governador por quatro membros do Conselho Estadual da Condição Feminina. Na ocasião, as organizadoras do evento receberam uma Bíblia da Mulher e a revista do projeto. O problema – O impacto dos números da violência ganha força no pedido de socorro das vítimas, como a juvenil P., que atualmente vive em um abrigo para menores na capital gaúcha. Para a garota, essa campanha significa esperan-

São Paulo: Durante a feira do Dia Internacional da Mulher, a participação da Turma do Nosso Amiguinho, a distribuição de revistas e o oferecimento de massagens gratuitas chamaram a atenção para a campanha. Foram recolhidas mais de mil assinaturas

ça: “Eu vi muita gente apanhando, fui machucada e violentada. Sofri demais e por medo não pude fazer nada. Ao assinar este abaixoassinado é como se fosse minha voz pedindo socorro para ajudar outras pessoas.” De acordo com a assistente social Aldair Scotto, os tipos de violência mais comum contra as mulheres e meninas brasileiras são a agressão física e emocional e o abuso sexual. No entanto, completa Aldair, em outras regiões do mundo a realidade pode ser ainda mais cruel: “Na África, por exemplo, o grande problema é a mutilação genital feminina, e na Ásia e no Oriente Médio, estima-se que o casamento forçado e o casamento infantil já tenham desrespeitado mais de 60 milhões de mulheres.” – Com reportagem de Felipe Lemos.  Para assinar e divulgar: www.editnow.org.br

Rádio NT de Vitória visita o maior presídio feminino do Brasil O Presídio Feminino de Tucum, ES, recebeu no dia 10 de março uma visita, em forma de culto, da equipe de rádio Novo Tempo de Vitória. A programação foi uma homenagem da emissora às detentas pelo Dia Internacional da Mulher. Além disso, a visita serviu também para divulgar o projeto de ressocialização do governo do Estado, que permite, por exemplo, que algumas presidiárias trabalhem na cidade durante o dia e voltem para dormir na detenção à noite, e também oferece oficinas de costura e artesanato para as interessadas. Na oportunidade, o pastor auxiliar da Igreja Central de Vitória, Thiarlles Boeker, pregou e foram entregues brindes como garrafas, CDs, Bíblias e os livros missionários Tempo de Esperança e Esperança para Viver. Revista Adventista I abril • 2010

31


SUdeste

ismo série – Retratos do Advent

Vivian Vergílio

Colaboradora

De olho no alvo pela influência deles, dois anos mais tarde, os cariocas ganharam sua primeira igreja: no bairro do Méier. No mesmo ano, 1896, na cidade capixaba de Santa Maria do Jetibá, 23 pessoas foram batizadas pelo pastor Huldreich Graf. E, em 1897, foram batizados os primeiros 19 mineiros, em Teófilo Oto- Fadminas (foto), nove ni, por Frederick escolas e 2.793 alunos em e escolas Spies, pastor re- MG; Edessa,oscinco 2.320 alun no ES; Ipae, 14 ao gado -che cém escolas e 5.497 alunos no Brasil. Cerca de RJ. São os números da rede 20 anos depois, adventista de educação da internato em 1919 seria or- UEB, que tem um o Estad cada em ganizada a então Missão União de JaNorte-Brasileira que, com sede no Rio natório terri do e part r maio a neiro, atendia o Estae Sul ão Regi da ção exce com al, cion do de São Paulo.

liHospitais, escolas, projetos assistenciais, net. inter a e rádio e TV de s sora emis , teraturas , do Pontes que ligaram o coração do Gilcimar ntisadve mil 158 e quas os outr Walter e de bustas da Região Sudeste ao de pessoas que cam esperança. os. Os olhos dele ainda estavam marejad seu dar de ara Gilcimar Martins Cristo acab Emotestemunho para centenas de pessoas. . Nas bém tam ar chor fez e – ou chor ado, cion dezicida uma ou visit últimas férias, o jovem os amig s novo de o grup seu e ele nha em que dez Por as. ntist “calebes” eram os únicos adve condias, Gilcimar conheceu outras histórias, o poder m ecia onh desc que oas pess por s tada . do Deus que um dia mudou a vida dele prar com o: sonh um tem imar Agora, Gilc voltar três mil livros Tempo de Esperança, is a àquela cidade no interior de Minas Gera uipouq um es ador mor seus aos dar fim de ção. cora no a sobr nho daquilo que ele tem de éa Perguntei a ele o porquê dessa meta. “Essa ouvi de em”, hom ao ou confi s Deu que ão miss lágrima sua voz embargada. Num momento, a ou em sform tran se rosto seu por rreu que esco “Sei isso: prom palavras que traduzem seu com esse r faze para ricos eufó o que os anjos estã a mim.” serviço, mas Deus confiou essa tarefa imar, Gilc de peito no A esperança que arde xacapi de ares milh de no e ES, , de Cariacica terao ou cheg bas, mineiros e fluminenses, .O ritório da União Este Brasileira em 1893 mespelo ido mov ffer, Stau rt Albe r orto colp sagem mo desejo de compartilhar uma men s no ioso relig s livro lhou espa as, de boas-nov do ano Estado do Espírito Santo. Em agosto ence seguinte, os missionários William e Flor que, e iro Jane de Rio ao aram cheg Thurston

Leonidas Guedes

No Sudeste, 158 mil adventistas utilizam todas as frentes da Igreja para evangelizar uma das regiões mais resistentes ao evangelho

do fluA esperança se espalha – O Esta nadve ação unic com da o minense foi o berç em osa”, avilh mar de “cida Na a. ileir bras tista Publi1900, nasceu nossa editora, atua l Casa No SP. í, Tatu em ada sedi a, ileir cadora Bras ArauRio de Janeiro foi formado o quarteto smistos do Rei, realizadas as primeiras tran no ráecia, Prof da Voz A as ram prog dos sões adas as dio, e Está Escrito, na televisão, e inici po. Tem o Nov TV atividades da ), 104 Em toda a União Este Brasileira (UEB pesde ões milh que item retransmissoras perm soas assistam a Novo Tempo em canal aberto e outras milhares recebam o sinal através de quase quatro mil antenas parabólicas. No início de março deste ano, mais uma antena foi inaugurada, agora em Juiz de Fora, MG, onde mais de 500 mil pessoas vão poder assistir ao canal da esperança. A Região Sudeste também foi a pioneira no rádio. No Estado do Espírito Santo, onde a Rádio Novo Tempo nasceu em 1989, cem por cento das cidades têm presença da Igreja Adventista. Um dos motivos? “A maior em iros mine 19 eiros parte disso se deve à influência da RáEm 1897, foram batizados os prim cem anos, o Estado Teófilo Otoni, MG. Depois de mais de o ntism adve o para fio desa um é a aind 32

Revista Adventista I abril • 2010

hoje é a dio Novo Tempo, que se expandiu, e o secrefica justi do”, Esta no líder de audiência des. Gue idas Leon or past , UEB da tário cheNo interior do Rio, as ondas da rádio o com a mad nfor inco que, mãe garam até uma dro, rock ica envolvimento do filho com mús “Ismagas e demonologia, um dia o abordou: Esco? bíbli o curs um faz não você que el, por ite conv o ou aceit tão oferecendo na rádio.” Ele npree que e, onlin co bíbli do e pediu um estu Ismael dia, Um . hora uma de os men em cheu meio encontrou uma Igreja Adventista e por . vida a para ido dela o sent am – Mãos que curam, ajudam e salv Advenpital Hos do icos méd ros cent dois Nos oas são tista Silvestre (HAS), cerca de 600 pess e cem quas elas, e entr nte, iame diar atendidas mento, pacientes de baixa renda recebem trata etidos fazem exames laboratoriais e são subm diaten o s, esse Para . ente uitam grat rgia a ciru mais ca bíbli m sage mento filantrópico é a men Recencontundente que gostarão de conhecer. de Saútemente, o HAS, que criou o Garantia il, mais de, o primeiro plano de saúde do Bras ou o lanç e ado merc ao u cipo ante se uma vez e. idad ira terce a primeiro plano exclusivo para em ar entr vai ta entis Adv a Igrej a Dessa forma, nte. contato com um público até então dista


E quando o evangelho não é pregado através dos serv iços médicos, suas boas-novas são traduzidas em forma de uma ajuda que sempre chega na hora certa. A campan ha Mutirão de Nata l, que a partir do exemplo da Igreja do Bota fogo ganhou a adesão dos adventistas em toda a América do Sul, busca aliviar o sofrimento dos que têm a vida marcada pela escassez. Em 2009, somente pelo trabalho da igreja onde tudo começou, foram arrecadadas cerca de 70 toneladas de alimentos, além de roupas e brinquedos. a Em parceria com o Cora l Jovem do Rio, o a Rocom ades unid com nça alca a panh cam ltados. cinha e viabiliza projetos que dão resu e nos aqui as avilh mar feito tem “O Mutirão moraajuda muito”, diz Simone Albuquerque, ção. dora do bairro, que participa da mobiliza edutêm e o dand estu estão ças crian as “Agora cestas cação. Também gostamos muito das dece agra s”, dela os isam prec ue básicas, porq nha. Ilídia Mesquita, outra moradora da Roci Sudeste, Ensinar valores – O desafio, no alunos 00 10.6 de é “educar para a vida” mais gios e colé las, esco nas dos icula que estão matr , Edesinas Fadm ão: Regi da s nato inter três nos ação sa e Ipae. Para o professor Marcos, a educ s nota ores melh tirar isa prec a aind a adventist seus de ação no conteúdo pedagógico, na aplic profisprincípios, no desenvolvimento de seus tura. estru infra em ento stim inve no e ais sion ensimos cura “Pro : E para quê? Ele responde zes capa tes isten cons res valo e s nar princípio enos e de moldar o caráter e gerar nos pequ e.” grandes um comportamento bom e nobr

nha alguns Todos os sábados Walter Menezes cami “campo seu quilômetros até chegar à Vila Vintém, orção de missionário”. Ele deseja diminuir a prop 360 habitantes por adventista no Rio

2010 O alvo de matrículas estabelecido para cos, Mar Para las. foi superado por várias esco bêndas ltado resu o são eros esses bons núm em çãos de Deus e do investimento da rede das ção cipa ante na e rias campanhas publicitá ada ao matrículas. E a inter venção divina som atrai que e idad esforço humano, resulta na qual esNa . iosas relig s ssõe confi as pessoas de outr das vem to imen nhec reco o RJ, rói, Nite de cola tem inmães de alunos. “A Escola Adventista parade está Ela . filho meu o muit centivado que têm ças béns”, diz Cátia Regina. “As crian s Deu que r sabe ção, cora no s crescer com Deu . Silva da e Elian enta com pre”, sem ama nos

os é Porém, na UEB um dos maiores sonh taesen repr mais a tornar a presença adventist nadve um de é o orçã prop a , tiva no Rio. Hoje ados mod Inco es. tant habi 360 cada para tista a de com esses números, os membros da Igrej reuel, Mig e Padr de ito distr no ca, Água Bran iantar Volu a”. solveram “andar a segunda milh da as ntist adve ns algu dos, mente, todos os sába ade unid com a para cam deslo se ção rega cong ezes é da Vila Vintém. Walter da Cunha Men iomiss po “cam seu ao ar cheg Até um deles. menário”, ele precisa caminhar alguns quilô literatros. No percurso, ele vai distribuindo a. ranç espe e ços abra isos, sorr tura, às “Entro na comunidade todos os sábados noida onze s, veze às lá, de saio e três da tarde ro que te. Faço isso porque amo a Deus. Espe s por Deu de r amo o am as pessoas reconheç o bam pede tos Mui o. preç tem não elas. Isso temhá , disse e”, tismo, e isso emociona a gent ria histó da nte resta O o. chor o po segurando isou prec não Ele . mas lágri suas por ado cont foi tiam, dizer mais nada, mas todos os que o assis Deus de voz a r ouvi ram pude , dele no silêncio  ão. miss a os convocando para cumprir

o das Arregaçar as mangas – É a integraçã unicaações nas áreas de educação, saúde, com enção e filantropia que potencializa e complem ntisadve mil 158 de rio ioná miss ço ta o esfor ores. tas da Região, liderados por quase 400 past vaesses es, cidad mil de mais em Distribuídos fincar a para m enha emp se ados sold os loros a não bandeira do adventismo em lugares aind pree ir mos deve que diz a Bíbli “A s. alcançado os ndem ente E do. gar o evangelho a todo mun Esdo dos Esta os são do’ mun que o nosso ‘todo iro. Tepírito Santo, Minas Gerais e Rio de Jane e vilas, rejos luga os, icípi mos cerca de 400 mun geevan e a, ntist adve ença pres há em que não o noss em alvo o lizar essas localidades é o noss a, Lim rício Mau or past o território”, comenta presidente da UEB. E quando se pensa em desafios, duas , cidades estão no topo da lista: Uberaba MG, e Rio de Janeiro, RJ. Berço do espi400 mil ritismo no Brasil, Uberaba tem quase “Temos as. ntist adve 350 as apen e es habitant do ação à do devi um tremendo desafio aqui os gélic evan os grup e o licism espiritismo, cato pelas que são coligados na crença da salvação o pasobras”, explica Delcio Duarte Corrêa, o traçã pene de de ulda dific a ele, Para l. tor loca exiais, icion trad evangelística pelos métodos il, o rias Pioneiro nos planos de saúde no Bras aca dest se ém ge que sejam usadas abordagens missioná tamb stre Silve a ntist Hospital Adve investio e ais soci s cerca açõe nte, as o ame com Diari as cas. nativ trópi alter por suas ações filan atendidas de cem pessoas de baixa renda são mento em escolas adventistas. gratuitamente nas duas unidades

Avanço no Sudeste

158.049 mil membros 237 adventistas por habitantes 2.009 igrejas e grupos 363 pastores 5.327 pequenos grupos 9 sedes administrativas 27 funcionários no escritório da UEB 218 funcionários na área religiosa 1.013 funcionários na área de saúde al 1.351 funcionários na área educacion al acion educ rede 10.610 alunos na

Horizonte, MG) AMC – Associação Mineira Central (Belo ares, MG) AML – Associação Mineira Leste (Gov. Valad MG) Fora, AMS – Associação Mineira Sul (Juiz de de Janeiro, RJ) ARJS – Associação Rio de Janeiro Sul (Rio Janeiro, RJ) de (Rio ro Janei de Rio iação Assoc – ARJ raí, RJ) ARF – Associação Rio Fluminense (Itabo ia, ES) AES – Associação Espírito-Santense (Vitór (Cariacica, ES) Ases – Associação Sul-Espírito-Santense Revista Adventista I abril • 2010

33


Curitiba – PR e Goiânia – GO

Igrejas distribuem 700 mil livros em Curitiba e Goiânia sável por sua vizinhança. Cerca de 80 desbravadores e jovens invadiram o Além de distribuir as revistranquilo Setor Jaó, na tas missionárias no Impacto região norte de Goiânia, Esperança e dar livros para para entregar 1,2 mil os convidados que visitaexemplares rão nossas casas, adotamos írem as ruas para distodo o entorno da igreja tribuir 300 mil exemcomo nossa responsabiliplares do livro Tempo dade missionária”, explicou de Esperança. A maior a lógica da mobilização, o capital da Região Centro-Oespastor Rodrigo Bertotti, cote, que há um bom tempo já perordenador do projeto. A expectativa dos memdeu os ares de cidade interiorana, bros em relação à campatem imposto aos seus 1,3 milhão de habitantes um estilo de vida nha fez com que muitas frenético. E por essa razão, os 11 igrejas superassem as meEm Curitiba, cada grupo das igrejas ficou tas propostas de compra mil membros das igrejas de Goiresponsável por distribuir e atender uma área de livro. A Igreja do Jardim ânia acreditam que a mensagem geográfica da vizinhança das Américas, em Curitiba, por sobre um dia de descanso, contida no livro missionário deste ano, exemplo, distribuiu 12 mil exemFabiana Bertotti e Francis Matos Como parte da mobilização, pode ter chegado em boa hora nas plares, enquanto as demais igrejas Colaboradoras os aventureiros entregaram mãos de muitos. do distrito, doaram 34 mil livros. um exemplar do livro Tempo de Esperança para o vice-prefeito O culto começou mais cedo no O objetivo principal foi aproxi“Quando um livro é entregue a de Goiânia, Paulo Garcia alguém, automaticamente nós ensábado, 13 de março, nas igrejas mar a igreja da comunidade e inadventistas do sul do Paraná. Decomendamos essa pessoa à ação tegrar a distribuição dos livros ao do Espírito Santo”, salientou o pasprograma da Semana Santa. Em pois do momento de adoração, as ção dele prova que o projeto proinformações foram dadas de mator Almir Marroni, diretor de pucada livro embrulhado foi colocurou mobilizar a todos. neira precisa pelo líder missionário No setor Jaó, na região norte da cado uma carta-convite para o blicações para a América do Sul, de cada congregação, enquanto os que acompanhou a distribuição cidade, oitenta ciclistas invadiram programa da Páscoa. “A igreja se membros conferiam o número de feita pelas Igrejas Central e do Seas ruas arborizadas e tranquilas envolveu tanto que se tivéssemos do bairro. De casa em casa e em mais 100 mil livros também telivros em papel de presente. O clitor Sul dos 50 mil exemplares. “Eu não sei quando Jesus volduplas, eles entregaram 1,2 mil liriam acabado. Foi bonito de ver a ma especial lembrou o que os adventistas experimentaram no dia ta, mas eu sei que é logo, e quevros na tarde de sábado. Eram os igreja motivada e saber de pessoas 6 de setembro de 2008. Depois ro estar preparado”, disse com “ciclistas da esperança”, desbraque caminharam até 30 quilômede conferidos os nomes das ruas segurança o garoto João Vitor, de vadores e membros do Clube de tros, no interior, para entregar o que compõem as proximidades da 9 anos, ao sair com seus amigos Jovens Alabastro. E a cada livro livro para desconhecidos. Esse é igreja, os fiéis saíram para a mobiliaventureiros para ser um “mensaentregue, um convite para partium trabalho de antecipação ao zação que foi chamada de Impacto geiro da esperança”. A participacipar da Semana Santa. da Divisão Sul-Americana com ASP (de Associação Sul-Paranaenuma distribuição mais massificase). E, em pouco tempo, a maioria da”, justifica o pastor Luis Mário dos 400 mil livros Tempo de EspePinto, presidente da ASP. O cuidado em não deixar nerança estavam distribuídos. “Nós não só antecipamos, mas nhuma família de lado fez com ampliamos a atuação, fazendo com que os líderes mapeassem as Nos dias 8 a 11 de março, em Guarulhos, SP, pela primeira vez os evangeque cada igreja se tornasse responruas ao redor da igreja e contaslistas de todas as sedes regionais (Uniões) da Igreja Adventista na Amérisem, pela internet, usanca do Sul se reuniram para trocar experiências, integrar o grupo e planedo recursos do site Google jar como fazer para que cada igreja no continente tenha um evangelista Maps, o número de casas, voluntário. O encontro, que foi coordenado pelo pastor Luís Gonçalves, a fim de certificar-se de evangelista da Divisão Sul-Americana, também contou com a participaque ninguém ficaria sem ção do presidente da sede, o pastor Erton Köhler. As principais resolua publicação. “É um trações do encontro foram: balho de certa forma si1. Estabelecer uma escola para evangelistas, pastores e membros lencioso, mas que fará um e lançar um manual sobre o tema; grande barulho ao seu 2. T er um evangelista voluntário em cada congregação; tempo. É profético e esta3. Desenvolver novas abordagens e materiais para alcançar todos mos vivendo a profecia”, os segmentos; prevê o pastor Bertotti.

Encontro em SP define diretrizes para o evangelismo na América do Sul

Em cada livro embrulhado, um convite para a Semana Santa 34

Revista Adventista I abril • 2010

Goiânia – Uma semana depois de Curitiba receber 400 mil livros, foi a vez dos adventistas de Goiânia sa-

4. Fechar uma agenda de evangelismo para os próximos cinco anos; 5. Crescer em qualidade e quantidade; 6. Realizar o projeto para 2011: “Amigos da Esperança”; 7. O  rganizar campanhas que tenham duração de um ano.


Nordeste e Rio Grande do Sul

Solidariedade na veia Mutirão voluntário na periferia e campanha de doação de medula no shopping mobilizaram os jovens do Nordeste e RS

ga, em uma semana, de cinco banheiros para famílias que não possuem recursos financeiros para instalá-los, . As famílias contempladas no bairro Vila Cristalândia possuem de três a cinco membros e renda mensal per capita entre 90 e 112 reUniversitários gaúchos cadastram, em apenas um ais, sendo que a maior dia, quase 2 mil candidatos a doadores de medula parte desses rendióssea, num shopping em Canoas, RS. Em sete meses, mentos é oriunda de a Galera da Medula já registrou 4.629 pessoas na programas governacampanha mentais como o Bolsa Família. Lá, a maioria dos lares é sustentada Da redação por mulheres, como a Maria ConO escritório nordestino da ceição, quebradeira de coco e venADRA (Agência Adventista de dedora de carvão. Em sua casa, ter Desenvolvimento e Recursos Asum banheiro era um sonho. A sosistenciais) está avaliando a “Avenlução sanitária até então foi improtura Solidária”, uma das mais revisar buracos na propriedade. Mescentes campanhas assistenciais mo assim, os vizinhos já estavam sentindo-se incomodados. “Receplanejadas pela instituição. A ber esse banheiro foi um presente ação consiste em mobilizar esde Deus e agradeço muito a esses tudantes, em período de férias, para atuar como voluntários da jovens”, disse. ADRA em comunidades socialAlém dos banheiros, os volunmente vulneráveis. tários realizaram passeata contra A primeira ação foi realizaas drogas, com distribuição de lida na região do Delta do Parnateratura. Em Paulino Neves, MA, íba, nos Estados do Piauí e Maraos aventureiros realizaram dois nhão. Na zona norte de Teresina, mutirões de limpeza em pontos PI, os voluntários fizeram a entreturísticos e doaram tonéis para acondicionar o lixo da cidade. E, ao retornar para Teresina, os participantes realizaram o plantio de 1.200 mudas de árvores às margens do Rio Poti. A ação chamou a atenção da cidade e da mídia, uma vez que o desmatamento está comprometendo a vida do rio. “Queremos ampliar essa iniciativa, para mostrar o quanto a juventude adventista está preocupada em melhorar a qualidade de vida da população”, garantiu o pastor Landerson Santana, diretor executivo da ADRA Nordeste.

Orientados pela ADRA, estudantes atenderam comunidades carentes do MA e PI, construindo banheiros e plantando árvores

Rio Grande do Sul – Gerson Colombo, portador de leucemia, passeava com a esposa por um shopping na cidade de Canoas, RS, num sábado pela manhã, quando

Duas mil pessoas e uma missão Esse foi o recado dado pela 3ª Vigília Jovem de Goiás, realizada na noite do dia 13 para o dia 14 de março, em Goiânia. A programação, transmitida ao vivo pelo canal executivo da TV Novo Tempo, teve a participação dos pastores Guilherme Chateaubriand, Nelson Milanelli e José Venefrides, líderes de jovens em várias regiões do Brasil, e do grupo Novo Tom e dos Corais Jovem do Instituto Adventista Brasil Central e de Goiânia. A tônica das mensagens foi de reconsagração e obediência aos mandamentos de Deus. Testemunhos como o do pastor nordestino Edimir Tavares, que chegou a questionar a bondade de Deus quando enfrentou um problema de saúde na família, com seu filho, emocionou a todos.

se deparou com uma situação incomum: um grupo de jovens fazendo o cadastro de candidatos à doação de medula óssea. Ele reagiu solidariamente, contatando outros familiares, que vieram prestigiar a ação social. “Eu me sinto satisfeito por já ter encontrado um doador compatível dentro da minha família, embora ainda não tenha precisado fazer uso do transplante. Mas, eu conheço de perto a dor e o drama de pessoas que não encontraram ainda um doador. Por isso, convidei toda a família para vir até aqui apoiar a campanha e doar vida”, explicou. A ação social promovida pela Galera da Medula, grupo de voluntários da Associação Gaúcha de Universitários Adventistas, resultou no cadastro, em apenas um dia, de 1.984 doadores em potencial. Em sete meses de campanha, o grupo já cadastrou 4.629 pessoas. A nobre causa despertou o interesse até mesmo de quem não é adventista, como a técnica em radiologia e coletora de sangue Carolina Martinez, que decidiu ajudar na mobilização depois de ter visto um cartaz sobre o evento num ônibus de linha. É a primeira vez que um shopping é utiliza-

do para a campanha, e pelo retorno, não será a última. A ação teve cobertura da TV RBS, a maior do Sul do Brasil, e contou com a presença da vice-prefeita de Canoas. E como prova de que a solidariedade corre nas veias dos gaúchos, a outra sede administrativa da Igreja Adventista em Porto Alegre também já sinalizou apoio à campanha. Durante esse mês, as 14 escolas adventistas da região estarão engajadas no cadastro de candidatos e num mutirão de doação de sangue. No calendário de boas ações, estão previstas a participação das unidades em outros projetos, como Campanha do Agasalho, Quebrando o Silêncio e o Mutirão de Natal. – Com reportagem de Heron Santana, Francis Matos, Carolyn Ramos, Javier Caceda, Márcio Tonetti e Licene Renck. 

Missão Calebe invade o Peru

O projeto que os jovens brasileiros viram nascer e se consolidar agora ganha força entre os adventistas hispanos. No norte do Peru, que realiza a campanha pela segunda vez, 5.493 “calebes” levaram 3.142 pessoas ao batismo, pregando em 103 cidades até então sem presença adventista. O número de participantes em 2010 foi três vezes maior do que no ano passado. E dessa vez a mobilização foi acompanhada de perto pelos líderes dos jovens na América do Sul e no mundo, respectivamente, os pastores Otimar Gonçalves e Baraka Muganda. No sul do Peru, os resultados também foram animadores. A primeira turma de “calebes” da região foi composta por 1.180 jovens, que atenderam 3.123 pessoas, trabalharam em 31 cidades sem presença adventista e levaram 655 pessoas ao batismo. Alguns voluntários chegaram a viajar até cinco dias de barco pela floresta amazônica para chegar aos lugares de pregação. Outros evangelizaram comunidades alemãs e austro-húngaras na região dos Andes. E, num vilarejo na região de Tacna, a 3.800 metros de altitude, oito pessoas foram batizadas e um templo foi erguido. Revista Adventista I abril • 2010

35


Revista Adventista