Page 1


HASHTAG CAMBRIA HEBERT

# 05

# 01

# 02

# 03

# 04

# 06

# 6.5


#ALPHABUZZFEDD Eu era um homem que não tinha nada, mas encontrei tudo. E eu jamais vou voltar para o nada, nunca mais. Eu jurei protegê-la, e é exatamente isso que eu vou fazer. As fotos sobre as quais eu tropecei ainda me assombram. O segredo que eu carrego é pesado. Dizem que segredos colocam distância entre duas pessoas, mas a verdade é muito mais destrutiva do que reter vai ser. Nunca vou contar. Ela jamais pode saber. Quando eu olho no espelho, meu reflexo é o que eu tenho medo de me tornar, e não o homem que eu sou.Faz-me sentir como um poser, não melhor do que todos os outros que fingem ser exatamente quem não são. Como é que um homem mantém tudo junto quando tudo está prestes a desmoronar bem em suas mãos? Eu não comecei nada disso. Eu nunca pedi por isso. Mas veio batendo na minha porta. Quando segredos e ameaças batem, eu não me escondo. Eu abro a porta.

Porque a melhor maneira de derrubar um #poser é ser um.


The bromance1 (Também conhecido por Prólogo)

#Verão Tome muito sol. O outono estará chegando em breve. #BuzzBoss

B RAEDEN Eu odeio despedidas. Sim, claro, tecnicamente isso não era um adeus. Ainda que parecesse um. Ainda era uma droga. Era mais um tipo te vejo mais tarde. Mas como se diz te vejo mais tarde, quando é mais tipo te vejo em alguns meses? Especialmente quando você tem visto aquela pessoa praticamente todos os dias desde que você estava na primeira série? Eu nunca diria isso em voz alta, com o risco de alguém tirar meu cartão de homem, mas Rome e eu tínhamos uma ligação. Não éramos apenas amigos. Éramos irmãos de outra mãe. E a parte que eu nunca iria falar em voz alta? Bromance. Tínhamos um bromance, ok?

Bromance: combinação das palavras brother/irmão e romance, é uma expressão em língua inglesa utilizada para designar um relacionamento íntimo, mas não-sexual, entre dois (ou mais) homens. 1


Eu sabia que esse dia chegaria. Todo mundo sabia que estava chegando a partir do segundo em que a tinta secou em seu contrato com os Knights de Maryland. Inferno, eu sabia que isso ia acontecer desde o primeiro momento em que o vi jogar futebol. Saber de algo não torna isso mais fácil. Tantas mudanças recentemente. Eu estava lidando bem com a maioria delas; algumas pesavam sobre mim mais do que outras. Tipo um monte mais. Mas eu realmente nunca pensei que Romeo partindo para o treinamento eu sentiria tal brecha na minha vida. Mas lá estava eu. Sentindo-me todo sentimental e na merda. Era embaraçoso. Quando a conversa terminasse, eu ia ter que ir fazer algo viril tipo construir algo com minhas próprias mãos. Ou talvez eu apenas comesse alguns Sprinkles. Eu puxei para cima ao lado do Hellcat e estacionei. Eu sabia que ele estaria aqui. Se ele estivesse em sua posição, aqui é onde eu estaria também. Eu andei através dos túneis, passando pelos vestiários e para as arquibancadas. O campo estendido diante de mim como o oceano era na praia. O campo estava limpo, verde vibrante, cortado meticulosamente e ligeiramente úmido a partir do sistema de aspersão. Mesmo no período fora da temporada, a Alpha U sabia onde estavam suas prioridades. Este campo de futebol representava muito mais do que um esporte. Para mim, era família. Era vida. Era uma fuga. Rome estava em pé no parapeito, olhando através do campo no qual tínhamos jogado mais vezes do que eu podia contar. Eu não podia acreditar que tinha terminado. Nós tínhamos jogado nosso último jogo juntos e nem sequer soubemos disso na hora. Eu estava feliz, apesar de tudo. Eu queria que o último jogo fosse exatamente como


tinha sido. Nada além do esporte e a diversão. Nada além de apoiar uns aos outros e manter as nossas cabeças no jogo. Para boas lembranças. Eu parei ao lado dele no parapeito, em silêncio. Ficamos ali por um tempo. Eu sabia que seus pensamentos espelhavam os meus próprios. "Eu nunca vou desistir de você, B," Romeo disse, finalmente, uma pitada de sarcasmo em seu tom. Não era a primeira vez que ele me dizia isso. Eu balancei minha cabeça para zombar dele, mas o som nunca conseguiu sair. Suas palavras podiam ser uma piada, mas o seu significado não era. Não havia sorriso no rosto, nenhum riso em seus olhos. Ele quis dizer isso. "Eu nunca vou desistir de você também, Rome." Ele ergueu o punho do parapeito e segurou-o entre nós. Nós batemos. Bater oficializava tudo. "Parece que eu trabalhei toda a minha vida para isso. Eu esperei e pensei que talvez nunca chegasse ", disse ele, ainda olhando para fora através do campo. "Mas que droga, isso veio rápido." "Você está pensando duas vezes?" Eu olhei para ele com o canto do meu olho. Ele balançou sua cabeça. "É muito difícil ir embora, sabe?" Eu sabia. Para um cara que planejou viver toda a sua vida o momento e apenas para diversão, as coisas ficaram complicadas. As coisas ficaram reais. Era difícil viver no momento todo o tempo quando, por vezes, você se preocupa que pode não haver outro. Ou que momentos passados voltariam para destruir o que foi hoje. Sacudi o pensamento. Isto não era sobre mim. Isto era sobre o meu melhor amigo, meu irmão, e dizer adeus. "Você tem Rim agora", eu respondi. "Você tem responsabilidades para além de atirar uma bola."


Ele balançou a cabeça e olhou para suas mãos. Eu sabia que ele não queria deixá-la. Inferno, eu estaria da mesma forma, especialmente depois de tudo o que eles dois tinham passado. Apenas algumas semanas longe de Ivy quando ela foi para casa no início do Verão tinha testado a minha paciência. Eu não poderia imaginar sair por meses no momento. "Mas isso não significa que você está indo embora. Isto é para ela também. Você tem que construir uma vida, mano. E com este trabalho, esta oportunidade, isto vai dar a vocês dois um inferno de uma boa vida." "Ela disse a mesma coisa." Ele deu um meio sorriso. Não me surpreende nem um pouco. Rim sabia que o futebol estava no sangue de Rome. Ela nunca ia ficar no caminho. Eu lhe dei uma palmada nas costas. "Minha irmã sabe o que está falando." "Eu preciso que você faça algo para mim." Ele me olhou. "Não sei como você vai se sentir sobre isto." "Cara." Eu suspirei dramaticamente. "Eu te disse. Isso foi uma coisa de uma só vez. Se eu correr através do campus de cuecas de novo, eu poderia dar um ataque cardíaco nas velhas dos prédios de escritórios." Eu gesticulei para mim mesmo. "É preciso um coração forte para lidar com tudo isso." "Eu não quero ver você com seu maldito pijama." Ele deu um sorriso. "Ainda que eu pagaria para ver Ivy reagir a essa merda ". "Inferno", eu murmurei. "Eu nunca ouviria o fim de tudo." O sorriso de Romeo cresceu mais amplo em um sorriso de comedor de merda. "Rim diz que Prada tomou bastante gosto por você." “Maldito rato", eu cuspi. Mas então eu sorri. Era difícil não a amar quando ela vinha empinando até a porta com uma roupa rosa estúpida quando eu entrava. E tudo bem, sim, talvez eu a deixei dormir com a gente. "Quem está chicoteado agora?" Romeo riu. "Você beija sua mãe com essa boca?" Eu rachei. Ele riu e empurrou para fora da grade para sentar-se na fila de assentos atrás de nós. Caí ao lado dele. "O que você precisa?" Ele tinha que saber que eu faria isso. Apoiávamos uns aos outros assim.


"Eu aluguei uma casa." Um molho de chaves apareceu em sua mão, e ela girou em torno de seu dedo enquanto ele falava. "Não é muito longe do campus. Bairro legal, cercado no quintal, sistema de segurança, garagem..." "Mas você está partindo para o treinamento em tipo uma semana." Ele olhou para mim. Ah. Ele estava partindo, mas a Rim não estava. Eu ri. "Você alugou uma casa para ela? Ela está tão chateada, não está?" A careta no rosto dizia tudo. "Ela não estava muito feliz. Deu algum trabalho para conseguir que ela mudasse de opinião." Eu não precisava saber sobre o tipo de "trabalho" de que ele estava falando. "Eu pensei que ela tinha de viver no campus, você sabe, como parte de sua bolsa?" Ele encolheu os ombros. "Eu liguei para o reitor." Esse era o Rome que eu conhecia. Regras não se aplicavam a ele. Se ele queria algo, ele tinha as regras dobradas. Isso tinha o meu respeito. "Tem certeza de que ela viver sozinha é uma coisa boa, porém? Pode ser melhor no campus ou em sua casa." "Ela não vai ficar na minha casa, e não com a mãe ao lado," ele respondeu. "Eu pedi a Ivy para se mudar com ela." Meus olhos dispararam para os seus. "O quê?" Eu não tinha certeza de como eu me sentia sobre isso. "Ela nunca me disse nada." "Eu pedi-lhe que não fizesse. Disse-lhe que queria falar com você eu mesmo." Eu comecei a balançar a minha cabeça. "As duas sozinhas em uma casa?" Eu pensei sobre o que aconteceu com Ivy há não muito tempo, o que ela nem sabia. Eu pensei sobre a maneira como ela às vezes ainda gritava em seu sono. Eu não a queria sozinha. "Eu não gosto disso." Romeo assentiu como se ele já soubesse a minha reação. Claro, ele não poderia possivelmente saber o quão doente ele me fazia pensar em Ivy sozinha em uma casa, vulnerável. Ele não sabia tudo. Eu nem sequer disse a ele.


"É aí que você entra", disse ele. E então eu soube o que ele estava pedindo. Romeo queria que eu me mudasse com elas. Ele não estava apenas alugando uma casa para Rimmel. Ele estava alugando uma casa para todos nós. "Você sabe muito bem que eu não posso pagar o aluguel de uma casa de três quartos. Você provavelmente a alugou no Palisades," eu murmurei. Um sorriso brincou em seus lábios. "São quatro quartos." "Você totalmente porra fez!" Eu acusei. "Minha mãe não pode sequer pagar esse bairro, Rome." "Isto não é sobre o dinheiro." Eu ri. "Diz o cara com uma conta bancária, porra, de gorda." Seus olhos se estreitaram e o olhar por trás deles estava duro. "Você sabe que não é sobre o dinheiro. Nós não estivemos sequer sobre ele. " Eu passei a mão pelo meu rosto e amaldiçoei. "Não, não é. Eu não estou prestes a começar agora." "Eu entendo", disse ele, baixo. "Você é um homem. Você tem um monte de orgulho. Eu não estou tentando tirar isso de você. Mas você sabe muito bem, porra, se você tivesse o dinheiro para isso, você faria isso também. Isso é o melhor para elas. Ivy não pode continuar escondendo aquele rato em seu dormitório. Com o novo semestre, ela e Rim provavelmente vão ter novas companheiras de quarto. Eu não quero minha menina dividindo com alguma cadela que eu não conheço. E eu sei que você não quer Ivy fazendo isso também. As pessoas não vão esquecer muito facilmente sobre toda a merda que o #BuzzBoss disse sobre ela. Eu não ficaria surpreso se ela lembrasse isso a todos na primeira semana de volta." "Se Missy sabe o que é bom para ela, ela vai ficar bem longe de Ivy", rosnei. "Elas nunca iriam admitir, mas eles precisam de alguém olhando por elas. Eu não posso sair daqui sabendo que Rim não está sendo cuidada. Eu estou lhe pedindo para morar com ela. Eu estou pedindo para você cuidar dela." "Eu tenho algum dinheiro guardado, e eu vou trabalhar durante todo o verão, todo o caminho até o treinamento de campo." Eu cobri.


"O aluguel está pago pelo próximo ano." Eu balancei minha cabeça. É claro porra, que estava. Romeo sempre teve dinheiro; seus pais sempre se certificaram de que ele tivesse o melhor da merda. Mas ele não era o tipo de cara que sempre parecia pensar sobre isso. Simplesmente era. Ele não agia todo metido, como se ele estivesse em algum clube caro, exclusivo. Quando éramos crianças, ele pendurava na minha casa tanto quanto na dele. Ele comia o jantar em nossa mesa da cozinha, e nem mesmo uma vez eu vi um olhar de qualquer coisa além de aceitação em seus olhos. Mas isso não queria dizer que eu queria que ele pagasse o meu caminho. "É só dinheiro, B. Nós somos uma família", disse ele, quase como se ele pudesse ler meus pensamentos. Eu gemi e Romeo me deu um tapa no ombro. "Graças a Deus. Eu realmente pensei que você diria não." "Eu estou fazendo isso pelas meninas." Eu esclareci. "É por isso que eu estou fazendo isso também." Eu sabia que era. Eu estaria mentindo se eu dissesse que eu não tinha pensado sobre o que o segundo semestre ia ser para Ivy e com quem ela ia estar presa no quarto. Pelo menos assim ela poderia manter o rato, e eu sabia que teria um lugar para ir onde os olhos não estavam constantemente a seguindo. "Eu vou pagar tanto dos serviços quanto eu puder." "Rim e Ivy têm insistido em contribuir também", acrescentou. "Eu não posso acreditar que ela não me disse," eu murmurei, pensando em minha garota. "Acabei de falar com ela esta manhã. Pedi-lhe que não dissesse. " "Ela queria isso também?" Perguntei. Eu não faria isso se ela tivesse qualquer tipo de reservas. Nós não tínhamos estado juntos muito tempo, e agora íamos morar juntos. Eu precisava falar com ela. Certificar-me que isto era o que ela queria. "Honestamente, eu acho que ela ficou aliviada. Eu não acho que viver no campus era muito fácil para ela desde o final do último semestre ".


Eu sabia melhor do que ninguém, melhor ainda do que a própria Ivy, porque foi. "Eu deveria ter percebido mais cedo," eu murmurei. "Missy enganou a todos", disse Romeo. "Cadela sonsa," eu arrastei. "Você sabe que é apenas Rim que não quero deixar", disse Romeo, sua voz sincera e baixa. Olhei para ele. Romeo me manteve aterrado. A vida nem sempre foi fácil para mim, mas ele estava sempre lá. Às vezes, ele me segurava junto. Eu acho que eu entendi por que ele estava preocupado em me deixar. "Eu sou hetero, honestamente." Eu prometi. "Você falou com ele?" Ele me olhou nos olhos. Ele estava falando sobre meu pai. O homem abusivo que costumava fazer da minha e da vida da minha mãe um inferno vivo. Eu não o tinha visto desde que ele foi preso por quase matá-la quando eu tinha dez anos. Mas então ele entrou na lanchonete um domingo de manhã apenas algumas semanas atrás. Ele veio até a mesa como se ele tivesse todo o direito sobre o meu tempo. Como se eu fosse falar com ele, aceitar a sua presença como se ele não tivesse me fodido totalmente. "Não." Minha voz era definitiva. "Então você não vai?" Eu soltei um suspiro e me levantei, andando um pouco. Falar sobre ele sempre me deixava nervoso e frustrado. "Eu não sei." Eu não queria. Eu poderia viver toda a minha vida sem vê-lo nunca mais. Mas eu vivi. E ele estava morrendo. Isto mudava as coisas. Eu podia não querer falar com ele agora, mas e daqui a cinco anos? E se eu me sentisse diferente, então? Minha mãe me falou sobre encerramento, sobre como lidar com tudo isso de uma vez por todas. No fundo, eu sabia que o encerramento iria provavelmente fazer muito por mim. Mas às vezes o encerramento era difícil de aceitar. Era difícil de entender. Como você encerra algo tão feio e coloca para fora tudo limpo e arrumado? Como você perdoa alguém por não ser o homem que ele deveria ter sido? Como não sentir os anos de abuso?


Eu não tinha nem cinco anos. Eu poderia não ter sequer dois. Se eu pensasse que fosse querer encerramento do meu pai, era algo que eu tinha que agir agora, antes que ele morresse. "Se você decidir ligar para ele, se você me quiser lá, eu estarei lá." "Obrigado", eu disse, me sentindo um pouco aliviado que ele não ia empurrar o que ele achava que eu deveria fazer. Isso era algo que eu tinha que descobrir por conta própria. Ele se levantou e se aproximou de mim. Seus olhos encontraram os meus. "Quero dizer mesmo. Apenas ligue. Eu vou voltar para casa. Futebol significa muito para mim, mas a família significa muito mais. " Eu deixei suas palavras afundarem. Eu as senti por alguns segundos. Eu não acho que ele saberia o quanto isso significava para mim e eu não ia sequer tentar explicar. Eu fiz um som fungando. "Você tem um lenço, homem? Eu acho que vou chorar." Ele me empurrou e riu. "Idiota." Eu o peguei de surpresa com um abraço. Sua risada morreu em sua garganta, e ele devolveu o abraço. Nós dois nos afastamos e olhamos ao redor como se quiséssemos ter certeza de que ninguém testemunhou o nosso momento. "Vou estacionar o Hellcat na garagem", disse ele e espalmou as chaves que agora eu sabia que eram para a minha nova casa. "Não ia querer que isso ficasse empoeirado", eu rachei. "Ou você está apenas ocultando-o de Rim? Esperamos que ela não tenha nenhuma ideia sobre dirigi-lo enquanto você está em treinamento?" Romeo gemeu. "Por mais que eu me preocupe com ela rasgando a transmissão, eu ficaria quase aliviado se ela o dirigisse e não aquele maldito balde de parafusos que o pai comprou para ela. " Desde de que todo o drama desceu em Rimmel e sua família, seu pai vendeu quase tudo o que ele possuía para entrar em tratamento e satisfazer os tribunais por sua parte na morte de sua mãe e a extorsão de Romeo. E com o pouco que lhe restou, ele comprou-lhe um carro. Era um velho Honda Civic SI. Um branco de duas portas com um hatchback. Parecia uma bolha estranha na estrada.


Como eu disse, Rome não era consumido pelo dinheiro. Mas ele não gostava de sua garota dirigindo em torno com um carro que tinha bem mais de dez anos de idade. Se ele tivesse resolvido do seu jeito, ela estaria dirigindo um Mercedes ou alguma merda. Mas ela não aceitaria. Minha irmã era teimosa como o inferno quando ela queria ser. Então ela dirigia o Honda e Rome odiava. "Eu tenho estado ao longo desse carro com um pente fino. É seguro para ela dirigir." Eu assegurei a ele. Quando ela o levou para casa e nós demos um passo para fora da casa, Rome quase cagou nas calças. Eu pensei que eu ia ter que dar-lhe CPR2 para ele continuar de pé. Admito que não ligava para o carro também, mas um de nós tinha que se manter frio, e uma vez que ele estava ofegante em seus pés, tinha que ser eu. Então, eu mantive minha boca fechada sobre o assunto e fiquei sob o capô. Troquei toda a merda que precisava substituir e Rome o levou para um "test drive", e enquanto ela estava fora, ele colocou pneus novos nele. Nós não dissemos a Rim, e ela não percebeu. "Mulheres," Romeo murmurou. "Eu te entendo, mano." Eu simpatizei. Nós dois rimos e Romeo afastou-se do campo. "Vamos, eu preciso de ajuda para mudar minha academia da minha casa para a nova “. "Meu próprio ginásio privado? Da- yum," eu cantei. "Eu poderia me acostumar com isso. " "Estou planejando estar perto um monte. Cada segundo que eu tiver livre, eu vou voltar para casa. Você vai ter que compartilhar." Acontece que não importava que eu odiava despedidas. Isso não estava nem perto de um adeus. Isto era um começo totalmente novo.

2

CPR: Cardiopulmonary resuscitation, RCP, ressuscitação cardiorrespiratória.


Contar ou nao contar... (Conhecido Por Parte Um)


CAPITULO um #24 não está aqui, mas sua pequena #Nerd está. Mudouse para fora do campus, para um ninho de amor. #FavorDoReitor #EuFarejoTratamentoEspecial. #BuzzBoss

I VY O verão não foi longo o suficiente. Nunca era. Eu pensei que talvez quando ficasse mais velha, o verão seria menos atraente, mas aqui estava eu entrando no meu primeiro ano de faculdade, quase uma completa adulta, e eu ainda estava sofrendo com o fim da melancolia do verão. Pouco antes das finais no último semestre, o verão era uma promessa de felicidade. Dias longos e ensolarados, sem o estresse do trabalho escolar, sem o fardo de se levantar muito cedo de manhã e ter que ir para a cama antes que fosse tarde demais. Mas acima de tudo, o verão tinha sido a promessa de longos períodos de tempo ausente de todas as pessoas que me fizeram ter dificuldades de respirar. Não o tipo literal de respiração. Quero dizer, realmente, puxar o ar em meus pulmões era automático, com exceção, é claro, quando eu estava nos braços de Braeden. Então, eu tinha que me lembrar de respirar. Quero dizer todas as pessoas que sussurraram, as pessoas que falaram. As pessoas que foram mentirosas fazendo-se passar por amigas. Eu puni a mim mesma por semanas, inferno, meses, pelas coisas que eu havia feito, quando o tempo todo, as pessoas estavam fazendo pior, bem nas minhas costas.


Mas o verão quebrou sua promessa. Aqueles longos dias de sol passaram muito rápido. O verão não tinha me dado tempo suficiente. Eu ainda não tinha esquecido completamente tudo o que aconteceu. Estava começando a me assustar. Por que alguns lugares no fundo, dentro de mim ainda me sentia insegura? E se eu nunca superasse totalmente o que aconteceu? Mesmo quando eu pensei isso, eu balancei a cabeça. Isso não era uma opção. Eu estava sendo ridícula. Claro, as coisas no último semestre ficaram bastante pretas, mas nada de tão terrível que iria deixar marcas permanentes. Seja homem, Nancy. Isso é o que meu irmão sempre disse. Ele dizia para o meu outro irmão quando eles agiam como bebês chorões e ele dizia a seus amigos. Ele mesmo disse isso para mim, mesmo que eu fosse uma menina e me chamar de Nancy não era muito um insulto. Um pequeno sorriso curvou meus lábios só de ouvir suas palavras ecoando na minha cabeça. Isso me fez sentir mais forte. Um pouco menos assustada. Eu odiava a sensação de medo; isso me fazia fraca e vulnerável. Eu não tinha contado a ninguém ultimamente, mas eu me sentia muito assim. Assustada. Vulnerável. Fraca. Eu não conseguia entender. Eu gostaria de poder só saber porquê. Como poderiam meus próprios sentimentos serem um mistério para mim? Não era como uma regra implícita uma menina saber o que estava acontecendo dentro de sua própria mente? As coisas estavam indo tão bem. Eu estava mais feliz do que nunca. Então, o que havia de errado comigo? O sino acima da porta na frente tilintou, e eu soltei um suspiro. Enfiei meus pensamentos perturbados no fundo e mentalmente pisei neles com os saltos que eu estava usando. Deixei as caixas para trás e me movi em torno do canto para fora para dentro da loja e pintei um sorriso no meu rosto.


Parece que alguém iria entrar perto de fechar. Eu realmente não queria ficar até mais tarde esta noite, eu queria ir para casa e tomar banho, e me preparar para Braeden quando voltasse do treinamento de campo. Deus, eu sinto falta dele. Estas duas últimas semanas tinha parecido uma eternidade. Minha irritação foi de curta duração e o sorriso “profissional” nos lábios se tornou genuíno quando vi um conjunto familiar de pernas vestidas de jeans pisar em torno de uma prateleira de maxi vestidos longos. Meu coração balançou quando seus quadris giraram da maneira mais sedutora, mas foi a intensidade do seu olhar que me chamou a atenção. Fazia alguns meses desde que Braeden transformou meu dormitório em praia e fez o nosso relacionamento oficial, mas até mesmo a passagem de muitas semanas não podia embaçar o efeito que ele tinha sobre mim. Foi tão forte aqui, no centro de uma boutique de roupas, quanto tinha sido a primeira noite que pegou fogo na praia. "Você está quente como o inferno, Blondie," ele rosnou, enquanto seus olhos cor de café expresso varriam sobre mim da cabeça aos pés. Eu tremi um pouco, porque a maneira como ele olhou para mim me fez sentir deliciosa. Os dentes brancos brilharam com conhecimento de causa quando ele chegou perto de mim. Eu derreti contra ele com um suspiro longo. Enrolei um braço ao redor de sua cintura apertada, mas enfiei a outra mão entre nós, empurrando a palma da mão plana contra o seu peito. Ambos os braços fecharam em torno de mim, moldando meu corpo ainda mais contra o seu. Meus olhos se fecharam enquanto uma sensação de alívio tomou conta de mim. Alguma vez você já deixou cair um livro no centro de uma mesa empoeirada? No segundo que atinge, a poeira se espalha no ar em torno do livro. Como uma grande nuvem, que sopra para fora e depois se dispersa, desaparecendo como se nunca houvesse qualquer poeira. Isso é como Braeden me fazia sentir. Ele era o livro. Eu era a mesa. E a poeira... era o medo revestindo minhas entranhas. Ele fazia desaparecer. Era uma das coisas que eu amava tanto sobre ele. Ele me fazia sentir segura. Mais segura do que alguém já tinha me feito sentir antes. Eu pertencia a seus braços, e isso nunca iria mudar.


Não importava quão incerta alguma outra coisa se tornou; dele, eu sempre teria certeza. Braeden se afastou um pouco, o suficiente para que ele pudesse olhar para baixo e eu pudesse olhar para cima. Ele grunhiu suavemente e baixou a cabeça para capturar meus lábios. Ele me beijou com ternura, mas profundamente. Ele me persuadiu a abrir boca com a sua língua e varreu para dentro para explorar cada polegada. Isso é como sempre era quando eu beijava Braeden. Como se cada vez fosse a primeira vez, como se cada vez que seus lábios capturassem os meus, ele trabalhasse para ganhar ainda mais o acesso, como se ele não soubesse que ele iria ter automaticamente. Seus beijos não tinham nada como garantido. Sua língua nunca se apressava. Ele me possuía com cada toque, mas a posse era merecida, nunca forçada. Ele usou a ponta do polegar para suavemente acariciar a parte de baixo do meu queixo enquanto ele me beijava continuamente. Foi um ataque suave de emoção, e logo tudo desapareceu. Logo não havia nada no mundo inteiro além dele. Quando finalmente ele se afastou, me levou um momento para encontrar o meu caminho de volta à realidade e abrir meus olhos. Quando eu abri, ele estava me observando. A intensidade de Braeden era algo que eu não tinha certeza de que eu jamais me acostumaria. Eu meio que esperava não me acostumar. Eu amava a sensação ligeiramente insana que ele me dava quando ele olhava para mim como se eu fosse tudo que ele via. "Você sentiu minha falta totalmente", ele supôs arrogantemente, o canto de sua boca se curvou para cima em um sorriso sexy. Revirei os olhos, mas não me afastei. Eu não queria. "Eh, eu pensei em você de vez em quando." Seus olhos se estreitaram em fendas escuras. "Se importa de reformular sua resposta?" Fingi considerar. Braeden rosnou e me pegou pela cintura, levantando-me do chão. Eu gritei e agarrei sua camisa. Ele me jogou por cima do ombro como se eu fosse um saco de batatas irregular e eu guinchei novamente.


"O que você está fazendo?" Eu gritei e agarrei sua cintura. "Punindo você." Um braço forte apertou em torno de minhas coxas e me manteve no lugar enquanto ele batia na minha bunda com a mão livre. "Bem, isso realmente não é um castigo", sugeri. Ele riu enquanto seus dedos deslizaram por baixo da minha saia e sua palma acariciou minha bunda. Eu suspirei porque eu realmente tinha sentido falta do seu toque. E mesmo que todo o sangue estivesse drenando para a minha cabeça e fazendo-me sentir tonta, eu não reclamei. Eu me penduraria aqui por uma hora se ele ia continuar me tocando. Com um último tapinha nas minhas bochechas, ele rapidamente me puxou ao redor. Mas em vez de me colocar de pé em meus pés, ele me sentou no balcão nas proximidades e se encaixou entre as minhas coxas abertas. Suas mãos acariciaram o topo das minhas pernas e deslizaram por baixo da saia mais uma vez para que ele pudesse cobrir meus quadris. "Eu não gostei de ficar longe de você, Blondie." Meu estômago deu uma pequena cambalhota com suas palavras. Eu arrastei meus dedos através dos fios curtos de seu cabelo escuro e deixei a palma da mão deslizar por trás de sua cabeça. "Eu também não." Nossos lábios eram como ímãs que estavam sendo puxado juntos. Não havia nenhuma maneira de parar isso. A necessidade era apenas muito forte. Uma das minhas pernas enrolou em torno de sua cintura e o puxei mais perto que ela poderia conseguir, e nós fomos aos lábios um do outro como se nós nunca tívessemos nos beijado antes. Tinham sido duas longas semanas. Eu sabia que ia sentir falta dele quando ele estivesse fora no treinamento de campo, mas eu sinceramente não percebi o quanto de um vazio sua ausência deixaria na minha vida. Atrás do balcão, o telefone começou a tocar, e eu pulei para trás, assustada. Porcaria! Eu estava no trabalho! Qualquer um poderia entrar na boutique, e a primeira coisa que eles veriam seria eu no balcão de check-out, transando com o meu namorado.


Bom Deus, a minha patroa poderia ter entrado! "Eu estou no trabalho," eu assobiei. Braeden bateu em meu lábio inferior com o polegar e, em seguida, enfiou na boca para chupar. "Você tem um gosto bom, baby." Bem, maldição. Isso valia a pena ser demitida. Suspirei. Eu ficava toda boba cada vez que ele me chamava de baby. Ele riu baixinho, porque ele sabia o efeito que ele tinha sobre mim e depois se inclinou sobre o balcão para pegar o telefone tocando fora de sua base e pressioná-lo no meu ouvido. "Diga olá, baby", ele instruiu. Limpei a garganta e falei para a linha. "AU Boutique, como posso ajudá-lo?" Enquanto eu ouvia a pessoa do outro lado da linha, os dedos de Braeden começaram a explorar por baixo da minha saia novamente. Minha respiração ficou presa e eu bati na mão dele, porque isso não era bom para o meu foco. "Deixe-me apenas verificar isso para você", eu gaguejei quando o cliente terminou de falar. Puxei o telefone para baixo e dei a Braeden um olhar duro." Pare com isso." Ele balançou as sobrancelhas, uma promessa de que ele ainda não tinha nem começado. Isso me fez querer beijá-lo novamente. Desde que eu sabia que ele não ia voltar atrás, eu girei sobre o balcão e pulei no lado oposto para verificar as roupas em espera na prateleira nas proximidades. Quando eu encontrei o que eu estava procurando, eu falei de volta para a linha. "Sim, é aqui! Nós fechamos em cerca de dez minutos, mas você pode passar aqui amanhã de manhã." Depois de algumas outras trocas breves, eu desliguei. "Você já foi em casa?", perguntei, esticando-me no balcão para as chaves para bloquear a frente da porta. Eu não o esperava em casa até mais tarde.


"Vim direto para cá", ele respondeu, então bruscamente acrescentou: "Você sabe como me sinto sobre você trancar aqui sozinha à noite." Eu gemi. Oh, eu sabia. Eu não queria entrar nisso agora com ele. Eu só queria estar com ele por um tempo sem querer jogar algo em sua cabeça. Quando eu me endireitei, havia uma pequena caixa com um arco branco entre nós sobre o balcão. Olhei entre Braeden e o presente, um sorriso lento puxando sua boca. "Eu tenho uma coisa para você", ele falou arrastadamente. "Você tem um presente para mim?" "Você é tipo uma garota de presente.” Eu totalmente era. Animada, eu peguei a caixa e a abracei contra meu peito. "Eu amo isso!" Ele riu. "Você quer ver o que é em primeiro lugar?" Eu balancei a cabeça com veemência. Não importava o que era porque era dele. "Poderia estar vazia e eu ainda amaria isso." Seus olhos se suavizaram. "Venha aqui." Corri ao redor do balcão para o seu lado. Ele me levantou, então eu estava sentada no balcão na frente dele. "Abra." "É tão bonito." Eu suspirei, olhando para ele. Era da Tiffany & Co. A caixa quadrada tinha a assinatura azul da Tiffany e o laço de fita feito à mão era de cetim. Havia um pequeno envelope branco em cima, então eu o levantei e coloquei a caixa no meu colo. O cartão só dizia três palavras. Elas eram minhas três palavras favoritas de sempre. Ergui os olhos para ele. "Eu também te amo." Cuidadosamente, eu coloquei o cartão de lado e peguei a caixa. A fita cedeu facilmente, e eu levantei a tampa. Dentro havia uma bolsa de camurça azul da Tiffany com seu nome impresso ordenadamente na frente em preto. Eu afrouxei o cordão e Braeden tomou a bolsa e despejou o conteúdo na palma da minha mão.


Era um colar de prata. O pingente tinha a forma de uma estrela e tinha as palavras Eu te amo gravadas em texto na frente. Lágrimas encheram os meus olhos, tornando minha visão um pouco embaçada enquanto eu olhava para baixo para ele. "É lindo." Eu olhei para cima, piscando as lágrimas. "É demais", eu sussurrei. "Definitivamente, não é." Ele se aproximou. "Se eu soubesse que iria colocar esse olhar em seu rosto, eu teria comprado mais cedo." "Mas nós temos a casa", objetei. O aluguel estava pago, mas o resto de nós estávamos pegando os serviços e tudo mais. Mesmo assim, não foi uma objeção muito convincente. O pensamento de desistir disso era realmente doloroso. "Não foi muito, baby", ele disse e pegou o pingente deitado na palma da minha mão. "Além disso," ele disse quando ele virou, "eu não posso levála de volta. Está gravado.” Eu ri. O som ficou um pouco aguado quando vi o que ele colocou lá. Garota do B "Eu acho que Romeu não é o único que quer marcar seu território," eu brinquei, escovando um dedo sobre as palavras gravadas. "Eu sei que você não vai usar a minha camisa em todo campus. Você gosta demais de roupas. Mas..." "Isso eu nunca vou tirar." Eu terminei por ele. "Essa é a ideia." Ele o tirou da minha mão e me levantou do balcão. Fui até o grande espelho perto dos vestiários. Braeden veio atrás de mim, e eu levantei meu cabelo para que ele pudesse prendê-lo em volta do meu pescoço. Quando estava estabelecido contra a minha pele, me senti bem. Antes que eu pudesse virar e abraçá-lo, ele passou os braços em volta de mim por trás. Seu queixo se estabeleceu no meu ombro, e eu olhei para ele através do espelho. "Obrigada." Ele beijou o lado do meu pescoço. Arrepios correram em meus braços. "Você ainda quer viver comigo?", perguntou.


Eu fiz um som. "Nós temos vivido juntos? A cama tem estado terrivelmente vazia." "Ah, não seja assim, baby", ele murmurou e me girou em seus braços. "Estou de volta agora." Quando o semestre terminou no ano passado, fui para casa como sempre faço no verão. Durou apenas duas semanas. Eu senti tanta saudade de Braeden que voltei para uma visita. Como ele estava na casa da mãe, fiquei com Romeo e Rimmel, e no dia seguinte que eu cheguei aqui, Romeo anunciou que alugou uma casa e me pediu para eu me mudar. Eu disse sim, porque era a minha solução para esconder Prada em torno do campus. Era também uma forma de manter Rimmel como minha companheira de quarto. Eu tinha estado temendo com quem eu ia ficar neste ano. E sim, talvez o recurso de dormir com Braeden a cada noite era um pouco demasiado tentador para deixar passar. Depois que eu disse que ia mudar, no entanto, os nervos assumiram. Comecei a me preocupar que era cedo demais para Braeden e eu vivermos juntos. Nós só estivemos juntos alguns meses. Eu pensei que talvez ele hesitaria ou sentiria como se eu estivesse tentando empurrá-lo para alguma coisa. Eu estava bem preparada para voltar para a casa, assim Rimmel e Braeden poderiam dividir o quarto juntos, mas ele não ia aceitar isso. Na verdade, ele parecia mais do que feliz por me ter em sua cama todas as noites. Então eu fiquei e eu tenho um trabalho aqui em uma boutique de roupas, onde um monte de estudantes universitários compram. Logo depois que nos mudamos, Romeo partiu para o treinamento de campo. Assim que eu comecei a me sentir estabelecida, Braeden partiu também. Então, estávamos.

embora

nós

"vivêssemos"

juntos,

nós

realmente

não

"Eu pintei o nosso quarto de rosa," eu menti. Ele me deu um olhar que provavelmente deveria ter me assustado. "Mulher, eu te amo, mas rosa é o meu limite". "Roxo?" Eu tentei, apertando os olhos para ele.


"Oh, inferno não". Beijei-o rapidamente e me afastei. "Eu vou trancar para que possamos ir." Ele me puxou de volta contra ele. "Bom. Estou com um tesão do inferno." Como que para provar seu ponto, ele inclinou seus quadris em mim. O comprimento rígido dentro de sua calça jeans não dava para ser ignorado. Minha barriga na parte inferior afrouxou e um calor familiar me encheu. Seus olhos escureceram como se sentisse a mudança em mim. "Eu espero que você não tenha planejado dormir esta noite." Eu esfreguei superestimado."

contra

a

sua

rigidez

e

ronronei,

"O

sono

é

Ele gemeu. "Temos uma semana antes do início das aulas, Blondie. Eu pretendo tirar o máximo proveito dessa semana." Eu me apressei para ir fechar. O quadro que ele pintou era exatamente o qual eu estava esperando quase desde o minuto em que ele partiu. Eu acho que se o verão teve que acabar, se a realidade teve que voltar, passar meus últimos dias de liberdade com Braeden era definitivamente o caminho a percorrer. E todas as minhas preocupações, medos e incertezas podiam esperar.


CAPITULO dois

Eu não estou mais me reportando a Alpha U. O que isso significa? Sem mais notificações #Chatas. #TodoDramaOTempoTodo #BuzzBoss

B RAEDEN Desde que eu conseguia lembrar, verde sempre foi minha cor favorita. Mas quando eu entrei na loja esta noite, e seus olhos de safira se iluminaram quando ela me viu, e da maneira que eles pareciam… Talvez o azul fosse a minha cor favorita agora. Eu estava preparado para perder Ivy enquanto eu estava fora, mas eu sentia falta dela um inferno de muito mais do que eu pensei que iria. O treinamento de campo dos lobos não era tão longo, e, geralmente, voava. Era normalmente algo pelo qual ansiava. Mas este ano, eu ansiei que terminasse. Não me interpretem mal. Eu amava o futebol. Eu provavelmente amaria sempre. Mas Ivy estava rivalizando com a maneira que eu me sentia sobre o esporte. Ivy estava rivalizando pelo primeiro lugar na minha vida. Inferno, ela já o tinha em meu coração. Quando ela me viu esta noite, e vi seu rosto mudar, e a emoção inundar seus olhos, eu me senti como o cara. Eu sempre achei que ser querido, ser colírio para os olhos para um bando de meninas, fosse tão bom quanto tinha. Eu estava errado.


Ser o centro do universo de uma garota – da garota certa - era incomparável. Mas… Mesmo através da felicidade do momento de finalmente consegui-la de volta em meus braços, eu ainda percebi. Ela tinha olheiras sob seus olhos. E pouco antes que ela olhasse para cima e me visse, eu notei algo mais. Algo estava pesando sobre minha garota. Isso não era bom para mim. Ivy não era o tipo de garota para ficar para baixo. Ela era a luz. Ela era brilhante. Eu pensei sobre exigir saber o que estava acontecendo, mas não o fiz. Eu mantive minha boca fechada. Eu não ia deixar isso ficar no nosso caminho de finalmente estar na mesma sala juntos. Não que fosse muito difícil deixar passar. O jeito que ela parecia quando eu lhe dei o colar, o mesmo jeito que o céu brilhava quando o sol aparecia por trás de uma nuvem, expulsou todo o pensamento de todo o resto. Eu sempre achei que Ivy era casca grossa. Que ela era o tipo de garota que esgotaria um homem só por respirar. Eu era um maldito idiota. Ivy poderia parecer dessa forma. Ela poderia dar essa impressão com seus cabelos loiros de ouro-luz, lábios brilhantes, e roupas pequenas atrevidas, mas Ivy não era o que parecia. No fundo, ela era simples. Não precisava muito para fazê-la feliz. Tudo o que ela realmente queria era para ser importante para alguém, alguém para pensar que ela era especial. Eu poderia dar isso a ela quase sem nenhum esforço em tudo. Mas eu queria lhe dar mais. Ela merecia isso, e eu gostava pra caralho de ver o olhar no seu rosto quando eu fazia algo que não ela esperava. Eu também gostava de ver o olhar em seus olhos quando me movia dentro dela.


Como se ela pudesse sentir o empolgante dentro de mim, a onda de calor através das minhas pernas, seu corpo agitado à minha espera. Sua perna deslizou pela minha pele, encaixando-se entre as minhas. Sua bochecha estava contra meu peito, mas a cabeça inclinada para trás, e eu olhei em seus olhos sonolentos. "Eu caí no sono", ela murmurou. Puxei-a um pouco mais perto. "Bem, eu tenho te mantido ocupada. " Ela sorriu. " Você não dormiu? " "Por um tempo," eu sussurrei e afastei o cabelo do rosto. Deixei meus dedos percorrem o comprimento de sua coluna e, em seguida, voltarem novamente. A verdade era que eu não queria dormir. Eu queria estar aqui no momento com ela. Eu queria ouvi-la respirar profundamente e apreciar a forma como sua pele roçava contra a minha. O que eu tinha com ela, o que eu sentia com ela, era algo que eu nunca pensei que eu teria. Algo que eu nunca pensei que eu queria. Mas ela mudou tudo isso, e agora eu não poderia imaginar minha vida sem isso. Eu olhei de volta para ela. "Você dormiu bem?" "Mmm." Ela arqueou contra mim. "Melhor do que eu tenho feito em semanas." Ela ainda estava tendo pesadelos? Ela ainda estava sonhando com Zach? "Volte a dormir." Eu pressionei meus lábios em sua testa. "Eu vou ficar aqui com você." Minhas palavras foram muito mais suaves do que os meus pensamentos. Maldiçao, quando eles iriam parar? Quando o que ele fez iria parar de assombrá-la? Ela provavelmente estava tão confusa. "Estou morrendo de fome." A mão dela roçou o meu abdomen e aparentemente a distraiu de alimentos. " Você está ainda mais musculoso do que antes de sair." "Você gosta?" Eu retumbei. Senti seu sorriso contra mim. "Mm-hmm."


Meus olhos se fecharam enquanto ela acariciava minha cintura. "O treinamento foi difícil," eu murmurei. Eu me empurrei duro, mais forte do que o habitual. Não havia uma razão, havia muitas. Ela se inclinou sobre mim, seus fios sedosos cor de trigo derramando em meu peito como fitas. Os seus lábios eram quentes e sua língua era suave quando ela pressionou beijos ao longo dos cumes do meu abdome e para baixo nos músculos em meus quadris. Eu desejei empunhar minha mão em seu cabelo e dirigir a pequena boca quente exatamente onde eu queria que fosse. Mas eu reprimi o impulso. Eu refreava um monte de meus impulsos ao seu redor; nem todos eles, apenas os que eu pensava que seriam muito ásperos. "O que está fazendo aí embaixo?" Eu disse asperamente. "Beijando e tornando melhor", ela murmurou entre beijos bem colocados. Os músculos do meu estômago se contraíram, e ela lambeu ao redor do meu umbigo. Eu gemi. Eu ia perguntar o que ela estava fazendo, mas quem diabos se importava? "Seus músculos ainda estão doloridos?", ela perguntou, olhando para mim. Demorou um minuto para que a questão penetrasse em meu cérebro pulverizardo de sexo. Ela pensou que meus músculos estavam doloridos dos treinos. Eu acho que eles estavam. Inferno, eu não tinha nem notado. "Não, mas eu tenho uma coceira que só você pode coçar." Meu sorriso era preguiçoso, e eu balancei as sobrancelhas para ela. Ela riu. A ação fez com que seu peito nu esfregasse contra mim. Ivy deslizou pelo meu corpo um pouco mais longe e preparou para puxar os lençóis por cima da cabeça. Eu agarrei as extremidades e puxei-os fora. Seus olhos azuis arredondaram e olharam para cima. "Eu quero ver", eu expliquei. Um sorriso sedutor curvou sua boca cheia, e sua mão agarrou meu pau duro. Eu já a tinha tido quatro vezes desde a noite passada, mas ainda não era suficiente. Pensei por um momento sobre puxá-la e ancorá-la no meu eixo, mas o pensamento morreu no segundo em que seus lábios enrolaram em torno dele.


Ela provavelmente estava dolorida por agora de qualquer maneira... Esta menina dava um boquete como ninguém. Ela usava seus lábios, língua e dentes simultaneamente para criar algum tipo de vórtice que me sugou direto pra dentro. E quando ela olhou para mim enquanto ela se movia, cabelo loiro em volta do rosto e olhos de safira cheios de paixão, eu tive que me lembrar de não vir imediatamente. "Porra, baby", eu gemi, inclinando meu queixo para trás e fechando os olhos. Eu me rendi a ela completamente, algo que eu nunca costumava fazer. Eu não era um estranho para sexo, para mulheres e receber um boquete, mas eu sempre mantive uma parte de mim mesmo guardada. Eu sempre fiquei no controle. Mas com Ivy, as sensações que ela trazia sobre o meu corpo usando suas mãos e boca, tornou-se impossível segurar. A liberação veio muito rápido, mas não poderia ser contida. Senti-me explodir em sua boca, e eu cobri o rosto com um travesseiro para abafar o som do meu grito satisfeito. Minha irmã estava nesta casa, afinal de contas. Mesmo depois que eu esvaziei, ela ainda ficou entre as minhas pernas. Ela trabalhou meu pau agora semi-duro, massageando-o com os lábios e tendo a certeza de que ela alegou a última gota de prazer que eu tinha em mim. Joguei o travesseiro longe e soltei um suspiro, olhando para o teto sombreado. Ele estava coberto de estrelas que brilhavam no escuro. Aquelas com que enchi seu quarto do dormitório no último semestre. Elas estavam apagadas agora, mas eu ainda podia ver o seu contorno. Gentilmente, Ivy colocou minha masculinidade relaxada contra mim e bateu nela. Uma risada vibrou meu peito. "Ele não é um cão." "Mas ele é um menino muito bom." Ela caiu em cima de mim, e eu passei meus braços em torno dela. Um segundo depois, ela endureceu e olhou para cima. "Onde está Prada?" Normalmente, essa cadela tentava se esmagar entre nós toda a noite." Ela ouviu Rim se movendo ao redor para baixo na cozinha e estava


arranhando a porta. Eu a deixei fora, então ela está, provavelmente, no andar de baixo." "Eu vou tomar um banho", disse ela depois de alguns minutos. " Então vá alimentá-la." "Você tem que trabalhar hoje?" Perguntei, não querendo sair da cama. Sua cabeça balançou contra mim. "Eu tirei folga porque eu sabia que você estaria em casa." "Quer dizer que você é toda minha hoje?" Ela sorriu por cima do ombro enquanto ela saltou para fora da cama. "Sim." Eu gostei de vê-la balançar aquele traseiro nu ao redor do quarto enquanto ela foi nas gavetas e tirou algumas roupas. Quando ela terminou, ela se inclinou e se o rabo dela não era o melhor na Terra, então eu nunca tinha visto um rabo antes, e pegou minha camiseta. Caía abaixo das coxas uma vez que ela o colocou. Então ela pegou suas roupas. "Eu mencionei o quanto eu não gosto de dividir um banheiro com um monte de outras meninas?" Sorri preguiçosamente, pensando em todas as mulheres nuas juntas na mesma sala. "Não poderia ter sido tão ruim". Ela jogou suas meias para mim, e eu as peguei. "Agora, baby", eu adverti. "Você sabe que você é minha garota favorita". "É melhor eu ser sua única garota," ela rachou e estendeu a mão para a maçaneta da porta. Ela jogou o cabelo longo em seu ombro e olhou para trás. "Eu vou estar no chuveiro. Sozinha." "Isso foi um convite?" Eu chamei por ela. Ela bateu a porta contra as minhas palavras. Eu sorri. Eu amava encher o saco dela. Eu pensei que se eu pulasse e a seguisse de imediato, ela jogaria outra coisa na minha cabeça, e por mais tentador que fosse, eu decidi darlhe um pouco de tempo. Além disso, ficar deitado na cama era o inferno de


bom. No acampamento, nós acordávamos antes dos galos malditos e trabalhávamos nossas bundas até escurecer. Fazia semanas desde que eu tive a oportunidade de ficar na cama simplesmente. Não que eu fosse querer no acampamento. Aquelas camas eram duras demais. Além disso, ficar deitado teria me dado muito tempo para pensar. Foi estranho o suficiente sem Rome no acampamento. A Primeira vez que eu tinha ido para o acampamento de futebol sem ele, mas ajudou um pouco saber que ele estava no acampamento também, apenas um diferente. Mas eu ainda sentia falta da presença dele. Então eu fiquei ocupado. Tentei não notar a lacuna do tamanho de Romeo no campo e trabalhei forte para não pensar em toda merda que se acorrentou ao redor do meu pescoço no final do último semestre. Eu empurrei a mim mesmo. Eu corri forte. Eu treinei no ginásio. Toda a distração mental, com certeza, foi boa para a minha parte física. Claro, eu sabia que, eventualmente, não ia ser nada para me distrair. Ah, e por falar nisso, as paredes aqui não estavam rosas. Ou roxas. Minha garota sabia melhor do que isso. Ela só queria que eu batesse em sua bunda. Safadinha. As paredes ainda eram da mesma cor que elas eram quando eu saí, um tom neutro de luz bronze ou algo assim. Na parede do fundo, havia duas grandes janelas que davam para a calçada e a frente do quintal, cobertas com cortinas brancas. E enquanto eu estava fora, Ivy pendurou cortinas. Cortinas eram para as mulheres. Nós nunca penduramos essa merda nos dormitórios. Inferno, eu nem sequer as tinha no meu antigo quarto na casa de mamãe se ela não as tivesse pendurado. Pelo menos elas não eram de renda ou cobertas de corações ou algo igualmente de menina. Eu sabia que a minha menina gostava de rosa, mas graças a Deus ela manteve o controle aqui. As cortinas tinham amplas listras brancas e


verdes sobre elas. Era um verde feminino, meio que um tom claro. Mas não era tão ruim que eu iria reclamar. A cama era feita em sua maioria branca. Lençóis, cobertores e travesseiros brancos. Claro, havia um milhão de travesseiros com os quais nem sequer dormíamos. Ela os jogava no chão quando chegávamos na cama à noite. Que diabos era o ponto disso? Ela disse que fazia a cama bonita. Tudo o que eu precisava para torná-la bonita era sua bunda nela, mas que seja. Alguns desses travesseiros inúteis eram da mesma cor que as listras verdes nas cortinas, e em seguida havia um (eu contei para ter certeza) travesseiro rosa quente. E era peludo. Ela tentou me dizer que era para Prada. Eu sabia muito bem que ela só gostava dele. Mas eu não ia reclamar sobre isso também. Eu prefiro comer recortes de unha de um cara que nunca lavou os pés do que admitir que eu meio que gostava da sua merda feminina. Eu gostava de qualquer coisa que me lembrava dela. Eu gostava de caminhar por este quarto e vê-la em toda parte. Acima de tudo, eu gostava de saber que ela era minha. A água correndo no chuveiro no outro lado do corredor me chamou a atenção, e eu sorri. Eu joguei em um par de shorts de basquete antes de me dirigir para a porta. Eu estava momentaneamente distraído do meu destino quando uma bola de pelo veio correndo pelo corredor em minha direção. Eu grunhi e olhei para o rato. Os cabelos claros das orelhas dela estavam em todo o lugar e saindo descontroladamente, toda a sua bunda estava balançando com a força de sua cauda abanando, e seus olhos escuros estavam determinados em mim. "Ei, Gizmo," eu chamei, usando o apelido que eu tinha dado a ela, o que deixava Ivy louca. Giz colocou as duas patas dianteiras na minha perna e balançou o rabo um pouco mais. Eu ri e a peguei para coçar por trás das orelhas.


"Bom prestar atenção esta manhã", eu disse a ela enquanto eu coçava. "Dê-me algum tempo a sós com a minha garota." Ela me lambeu. "Hálito de cachorro", eu murmurei e a coloquei de volta no chão. Ela correu para o quarto, sem dúvida em direção à montanha de brinquedos que Ivy comprou para ela. Entrei no banheiro e abri a fechadura silenciosamente. Eu podia ver Ivy movendo-se por trás da cortina, e eu abri minha bermuda e a joguei no chão. O ar aqui estava levemente molhado, quase úmido, e o espelho já estava embaçando. Ela estava cantarolando para si mesma. Fui até a borda do chuveiro e deslizei a cortina apenas o suficiente para eu entrar. Ela tinha o rosto sob a ducha, e os jatos de água em cascata sobre os ombros e costas. Ela estava apenas de um jeito muito sexy para não tocar. Estendi a mão e agarrei-a pela cintura, ou seja, para rebocar as costas contra mim. Mas ela nunca fez isso. O corpo de Ivy ficou rígido tão rápido que foi quase como o seu corpo se contraísse. Um grito baixo vibrou em sua garganta, e ela caiu para a frente. "Não!" O protesto era quase um gemido, o medo, verdadeiro, em sua voz. Eu recuei imediatamente, soltando-a. Devo ter sido muito áspero. Devo tê-la machucado. Comecei a pedir desculpas, mas as palavras morreram em minha garganta, porque a força com que ela se afastou, e o fato de que ela estava ensaboada na água não foi uma boa combinação. Ivy escorregou para a frente, mergulhando em direção à parede do chuveiro e ao grande botão de prata que se projetava. "Para," engoli em seco e recuperei rapidamente o espaço entre nós. Eu a peguei pouco antes dela cair e provavelmente bater com a cabeça na torneira.


Seu corpo ficou rígido novamente, mas eu não a soltei desta vez. Desta vez, eu estava pronto para ela. Eu a puxei de volta, trazendo seu corpo contra o meu, e dei um passo, assim ficamos fora da ducha. Eu podia sentir seu tremor em meus braços e isso me assustou. "Calma agora," eu disse em seu ouvido. "Você está bem. Eu não vou te machucar." "Braeden." Ela disse meu nome em um suspiro de alívio e ficou desossada contra mim. "Bem aqui, baby", eu sussurrei. "Eu estou bem aqui." Ela se virou, apertando-se tão perto de mim quanto ela poderia conseguir, e quando eu não apertei meus braços (por medo de assustá-la novamente), ela choramingou. "Mais apertado." Enfiei-a tão perto contra mim quanto possível. Ela escondeu o rosto no meu peito e outro arrepio trabalhou seu caminho para baixo em sua coluna vertebral. Eu olhei para a água caindo sobre sua cabeça, bem em cima dela e na parede. Preocupação, alarme e raiva guerrearam dentro de mim. Eu não tinha certeza do que diabos acontecera. Mas eu tinha certeza de que todas essas distrações sobre as quais eu tinha estado pensando tinham desaparecido há tempos. Eu tinha certeza que isso não era apenas um caso dela ter se assustado. Não. Era muito, muito mais.


CAPITULO tres

#AindaÉUmSegredo Eu fui hackeado no último semestre, mas o vazamento está conectado. Minha identidade não é a única coisa secreta que eu tenho. #BuzzBoss

I VY Eu não o ouvi. Eu não pensei. Eu só reagi. As pessoas ficam com medo a cada dia. As coisas acontecem para surpreender a todos. Mas mesmo aqueles com a concentração mais focada nunca reagem dessa maneira. Violentamente. Quase como se eles estivessem sendo atacados. Havia algo de errado com essa reação. Com a minha reação. Ela me jogou, e eu fiquei ali, me pressionando tão perto de Braeden quanto eu poderia possivelmente até que o sentimento de puro pânico foi pelo ralo com a água. Afastei-me o suficiente para pedir desculpas. Ele provavelmente pensou que eu estava louca. No entanto, quando nossos olhos se encontraram, ele não estava inquieto. Ele parecia quase assustado. Não era um olhar que Braeden geralmente usava. Isso me desequilibrou ainda mais.


Ele segurou meu rosto, e sem pensar, virei meu rosto na palma da mão dele. "Eu machuquei você?" "Não", eu respondi imediatamente. Braeden era gentil quando ele me tocava, e neste momento, não tinha havido nenhuma diferença. "Eu... " Eu olhei para longe e depois de volta. "Eu não sei por que agi assim." Seus olhos castanhos me estudaram, como se estivesse tentando ver tudo o que eu não estava dizendo. Mas não havia nada para ver porque eu honestamente não conseguia entender por que eu agi dessa forma. Era como se meu corpo ficasse em modo de voo e só queria fugir. Só que não havia nada do que fugir. "Sinto muito", eu sussurrei, confusão e um pouco de desespero no meu tom. Ambas as mãos pegaram meu rosto e me seguraram firme para que ele pudesse olhar para mim atentamente. "Você não fez nada errado. Você não precisa se desculpar." Arrepios subiram pela minha pele. Ficando aqui fora do jato de água quente estava me deixando gelada. Braeden nos virou e deu um passo atrás para que ele ficasse longe o suficiente sob a água para aquecer a ambos, mas seus ombros largos mantiveram isso fora dos meus olhos. "Eu deveria ter dito que eu estava aqui," ele murmurou, quase como se estivesse repreendendo a si mesmo. Ele passou a mão em meu ombro e pelo meu braço. "Eu vou sair e deixá-la terminar." "Não", eu protestei, sentindo-me um pouco mais estável. Eu não ia deixar alguma reação anormal arruinar seu primeiro dia de volta dos treinos. "Eu preciso de alguém para lavar minhas costas." "Tem certeza?" Seus olhos procuraram os meus. Estiquei-me e o beijei. "Eu quero que você fique." Cheguei ao redor e agarrei a bucha branca que eu usava com meu sabonte de corpo e a estendi. Nos revezamos lavando um ao outro. Ele parecia um pouco mais retraído do que o habitual e isso me deixou preocupada. Mas uma vez que


era a minha vez com a bucha, o meu toque pareceu fazê-lo relaxar, por isso, tomei meu tempo e fiz com que minhas mãos fossem extra ousadas. Quando terminei, ele estava de volta ao seu auto estado normal de macho alfa. Eu envolvi minhas pernas em volta de sua cintura quando ele me pegou e empurrei minhas costas na parede do chuveiro. Antes de descer na minha boca, ele hesitou. "Isso está bem?" Meu coração se apertou com sua preocupação genuína. "Toda vez que você me toca é bom", eu sussurrei. Fizemos amor até que a água ficou fria, mas ele nunca tentou por mais. Ele parecia contente apenas em explorar o interior da minha boca com a língua e me fazer contorcer-se contra ele. Quando a água estava desligada, ele enrolou uma toalha na minha volta antes de si mesmo e esfregou meus ombros vigorosamente para me aquecer. Ele não se secou até depois que ele me tirou do chuveiro e me colocou de pé no tapete macio que eu tinha comprado para o chão. Uma vez que ele estava seco, ele puxou o calção e depois assistiu com olhos cobertos e eu sequei com ar quente o meu cabelo. Ia ter que ser uma trança ou algo tipo assim, porque eu não tinha vontade de ter todo o trabalho de endireitar ou enrolar. Uma vez que eu estava seca e eu apliquei loção para o rosto, peguei minhas roupas, mas B chegou antes de mim. A forma atenta com que ele me ajudou a me vestir feriu o meu coração de alguma forma estranha. Sua ternura era quase enervante. "Você está bem?" Perguntei. Ele fez uma pausa e olhou para cima. "Eu sou hetero." Revirei os olhos. Senhor, ele estava falando em código dos caras. "Eu sou uma menina." Seu sorriso brilhou. "Eu estou bem ciente." Para pontuar a sua sentença, ele agarrou meu seio. Ele era tão estúpido, eu sorri. "Que diabos ‘eu sou hetero' significa?" Braeden se aproximou e deslizou sua mão ao longo da minha cintura, acariciando a seda verde-escuro da blusa regata que eu usava. "Isso significa que está tudo bem."


"Me desculpe, eu me apavorei no chuveiro. Eu acho que você me assustou." Parecia uma explicação idiota, mas era a única que eu tinha. "Você ainda está tendo pesadelos, Ivy?" Seu tom era um pouco sombrio. Olhei para longe. O que isso tinha a ver com alguma coisa? "Eu não sei se eu os chamaria de pesadelos, " eu me esquivei. É claro, os sonhos eram sobre Zach e o erro horrível que eu cometi de dormir com ele, e qualquer sonho sobre Zach poderia ser considerado um pesadelo. "Ivy", ele rosnou, uma nota de advertência em seu tom. Isto era claramente algo que o incomodava, então eu confessei "Às vezes." Eu me afastei e peguei os shorts brancos que eu combinei com o meu top e os coloquei. Eles eram super fofos, feitos de material solto com tecido branco extra em torno da cintura que amarravam em um grande arco branco. Eu me concentrei mais forte em apertar aquele laço do que na forma como Braeden cruzou os braços sobre o peito e olhou atentamente. "Se você precisar conversar sobre isso, eu estou aqui", disse ele. Uma risada borbulhou para fora da minha garganta. Certo. Como se eu fosse falar com ele sobre o cara que ele odiava e que uma vez tive sexo com ele. Mas ele não seria impedido. Gentilmente, ele agarrou meu pulso e me puxou para longe do espelho. "Eu quero dizer, Ivy. Você pode falar comigo. Mesmo sobre isso." Eu balancei a cabeça. "Eu estou bem, honestamente. São apenas sonhos. Provavelmente é apenas karma certificando-se de eu conseguir o que é meu, porque eu fui tão estúpida e dormi com ele." "Você não é estúpida", disse ele, forte e andou afastado. Ele não podia ir muito longe porque o banheiro não era tão grande. Quando se voltou, a emoção queimava por trás de seus olhos. "Eu odeio que você machuque a si mesma por causa disso. " Eu não disse nada, porque eu me arrependia, e nada iria mudar isso. Ele estendeu a mão e tocou o colar em volta do meu pescoço. "Eu te amo, Blondie.”


Por que parecia que ele estava tentando dizer muito mais do que apenas essas três palavras? "Eu também te amo." O ar aqui era denso, então eu abri a porta para deixar entrar um pouco de ar fresco. "Vá se vestir. Eu estou morrendo de fome." Ouvi-o no quarto, conversando com Prada, enquanto eu arrumava meu cabelo em um coque bagunçado no topo da minha cabeça. O tempo todo, eu não conseguia parar de pensar sobre o que aconteceu no chuveiro e apenas agora, quando ele me perguntou sobre meus sonhos. Por que eu senti como se ele pensasse que os dois estavam ligados? O que eu estava perdendo?


CAPITULO quatro

Pequenos segredos crescem para se tornarem grandes mentiras. #QualOSeuSegredo #BuzzBoss

B RAEDEN O corpo dela se lembrava. Ele se lembrava exatamente o que sua mente queria esquecer. Fazia todo o sentido agora. Os sonhos, o peso que eu às vezes notei em seus ombros, e há pouco no chuveiro... Seu corpo sabia exatamente o que aconteceu. A mente e o corpo estavam conectados de maneira que nunca iríamos entender. Assim, mesmo que o cérebro de Ivy não soubesse por que ele estava reagindo, o corpo dizia de qualquer maneira. Será que eu tomei a decisão errada? Deveria ter dito a Ivy sobre as imagens que eu encontrei, sobre a prova dela sendo abusada sexualmente? Eu senti como se estivesse sendo mostrado dois caminhos a percorrer, mas nenhum deles levava para o meu destino. Eu estava condenado se eu fizesse, condenado se eu não fizesse. Talvez parecesse exagerado, porque agora eu tinha ido. Talvez todas as mudanças de seu movimento para esta casa, conseguir um emprego e eu partir eram apenas muito para lidar com tudo de uma vez. Agora que eu estava de volta, eu poderia estar mais ao redor. Eu poderia ter certeza de que ela se sentia segura. Talvez as coisas se acalmassem.


A faculdade iria começar, todos nós iríamos cair em uma rotina, e as memórias do seu corpo iriam desaparecer. A reação de lutar ou fugir certamente também o faria. Certo? Deus, eu porra esperava que sim. Eu não podia suportar ver isso. Ver seu corpo reagir e seus olhos se encherem de emoção confusa, depois culpa. Ela pensou que seu tormento era a punição por ter relações sexuais com esse saco de sujeira. Eu nunca na minha vida tinha odiado alguém tanto quanto eu odiava Zach. E isso estava dizendo alguma coisa, porque eu era um cabeça quente. Eu nem sequer odiava meu pai do jeito que eu odiava Zach. O ódio era uma emoção perigosa. Pode levar um homem a fazer coisas que ele normalmente poderia não fazer. Mas o amor era a mesma coisa. Esta foi a razão pela qual, até agora, eu mantive as mulheres em uma pequena caixa pura embrulhada em um laço só por diversão. Lá no fundo, estava este lugar, um lugar que eu sempre senti que estava lá. Eu me escondia atrás de um sorriso e sarcasmo. Eu me fazia passar por um cara que não tinha o que eu tinha dentro. Escuridão. Um lugar onde a raiva vivia, mas também o medo. Medo e raiva eram um coquetel mortal. Meu amor por Ivy era tão forte que tinha a capacidade de liberar essa escuridão. Assim era meu ódio por aquele que a machucou. Ivy ainda estava mexendo com seu cabelo e rosto quando eu terminei de jogar uma camiseta e bermudas cargo 3 cor de cobre. Por que as mulheres se preocupavam muito sobre si, eu nunca iria entender. Ivy

A bermuda cargo é um clássico do guarda-roupa masculino. Normalmente confeccionada em tecidos mais pesados, como sarja, brim ou jeans e possui vários bolsos. 3


estava a porra de linda no segundo que ela rolou para fora da minha cama de manhã. Ela não tinha necessidade de fazer tal esforço. Mas Ivy não se via da maneira que eu a via, a forma como a maioria das outras pessoas a viam. Ela pensava que ela precisava fazer tudo aquilo para fazê-la parecer melhor. Eu poderia dizer-lhe que não era necessário até que eu estivesse com o rosto azul. Ainda assim, isso não teria importância. A coisa que eu aprendi foi que ela se arrumar era algo que ela precisava fazer, se fosse só para si mesma. Maquiagem e merda eram meio que tipo o seu lugar feliz, como o futebol era o meu. Eu não ia chatear ou argumentar sobre isso. Eu a amaria, independentemente. Parei na porta do banheiro e admirei a forma como seu top verde de seda montou em cima de sua barriga, expondo um pedaço suave da pele, enquanto ela mexia com seu cabelo. "Eu juro por Deus, mulher, você demora mais tempo aqui do que levou todos os patronos fundadores para criar a declaração de Independência." Só porque eu não ia discutir sobre seu hobby, não significava que eu não iria provocá-la sobre isso. Ela estremeceu. "Ai, credo. Você viu o cabelo daqueles homens? Se eu estivesse fazendo história, eu não teria parecido daquele jeito " Eu ri e cruzei os braços sobre o peito e me inclinei na porta. " Aposto que eles eram galãs naquela época." Ela baixou os braços, a camisa caindo de volta no lugar. Então, eu admirei sua bunda ao invés. Ela fez um som rude e virou-se do espelho. "Se fossem galãs, então as mulheres de antigamente não tinham padrões." Gostei da forma como o nariz amassou com desgosto e a forma que seus olhos assumiram um tom de verde para combinar com seu top. "Você está quente," eu disse a ela. Ela revirou os olhos, mas eu sabia que ela gostou do elogio. As meninas gostam de elogios. "Muito bom com as palavras", ela refletiu.


Eu a peguei pela cintura e puxei-a para a porta comigo. Eu me inclinei para trás e espalhei minhas pernas, trazendo-a contra mim. "Eu te disse que eu não sou bom com as palavras." "O jeito que você beija compensa isso." Ela se inclinou, mas eu virei o rosto. "Isso é tudo o que sou para você?" Eu brinquei. "Um pedaço de homem doce?" Ela me lambeu. Pegou essa incômoda língua dela e deslizou até o lado do meu rosto. "Homem doce? Não. Pedaço de garoto azedo? Totalmente." Limpei meu rosto com as costas da minha mão. "Eu já disse a você que boa beijadora você é?" Eu brinquei. "A melhor." "Me disseram isso antes...", ela meditou. Corri para ela, pegando-a pela cintura e nos virando para que ela estivesse contra o batente da porta e eu estava na frente. Mudei-me rápido, levemente cavando meus dedos em seus lados, pegando todos os pontos que eu conhecia que fariam com que ela se contorcesse. "Pare!" Ela gritou e empurrou, tentando evitar as minhas cócegas. "Braeden James, pare com isso!" "Ooh, alguém está séria." Ela riu e caiu contra o batente da porta. Prada veio correndo para o corredor e começou a latir para nós. Quando Ivy continuou rindo e gritando, Prada pulou na minha perna como se ela fosse me atacar e salvar a sua menina favorita. Eu cedi e me afastei um pouco. As bochechas de Ivy estavam rosas da agitação e seu top estava ligeiramente torto. Prada mastigou no final do meu short e puxou. Ivy riu e pegou-a. "Boa menina," ela cantarolou. "Essa coisa viciosa tentou me atacar, e você diz que ela é uma boa menina?" Ivy empurrou para fora da moldura da porta, levando a cadela. "Oh, coitadinho. Você poderia ter se ferido seriamente." Ela colocou o lábio em


um beicinho, mas me deu um tapa na barriga enquanto ela se movia passando. " Seja homem, Nancy." Eu sorri e me virei para segui-la. " Se eu fosse uma mulher, o meu nome não seria Nancy. Eu preciso de algo com alguma ousadia. ” Ivy se virou e me olhou por cima do ombro enquanto ela caminhava, seus olhos divertidos. "Este é uma conversa muito interessante, mas eu preciso de café. ” Toda a sua atenção se moveu em direção a bola de pêlos em seus braços. "E esta pequena princesa precisa de um café da manhã." Todo o caminho para baixo, eu admirava a vista de seu traseiro. O que aconteceu no chuveiro foi aparentemente esquecido. Não havia nenhum vestígio disso em seus olhos agora. Mas eu devia ter adivinhado. Eu sabia que era possível esconder coisas para baixo, profundo. Eu fazia isso o tempo todo. Eu tinha a sensação de que Ivy fazia também.


CAPITULO cinco #EngulaIsso Eventualmente você fica cara a cara com alguém que você não quer ver. #BuzzBoss

I VY Meu esporte favorito era fazer compras. Mas, se alguém perguntasse, eu diria futebol. Não queria ofender Braeden e Romeo, você sabe. Sério, porém, o que era melhor do que a emoção de encontrar a roupa perfeita? Uma liquidação quente? Ir a uma loja e não ver nada, além de prateleiras de possibilidade que revestem as paredes era emocionante. As cores, os tecidos, os sapatos... a maquiagem. Yep, compras estavam onde isso estava. Eu até gostava de compras de supermercado. Mas havia um tipo de compras que eu não gostava. Era basicamente a ovelha negra do mundo de compras. Compras de livros didáticos. Eca. Tipo, quem queria entrar em uma loja antiga, abafada, que cheirava a obrigação e mofo, e classificar através de pilhas e pilhas de livros que continham o conhecimento sobre a química? Ou matemática? Agora eu não estou falando de uma pequena livraria agradável com romances de café e romance. Aqueles eram diversão. Eu gostava de uma leitura divertida na praia tanto quanto a próxima garota.


Mas livros escolares? Chatos. E porque eu não gostava tanto da tarefa, eu adiava a compra de meus livros enquanto fosse humanamente possível... por isso a livraria do campus estava fora de um dos que eu precisava ter. Isso significava que eu tinha que ir fora do campus nesta pequena livraria algumas ruas depois da boutique. Pelo menos Braeden foi comigo. Estar com ele tornou a tarefa muito menos torturante. O lugar não estava cheio, e não demorou muito para conseguir o que eu precisava. Não era como a livraria do campus. Nós tínhamos estado lá por duas horas. O local estava inundado com estudantes universitários, alguns deles claramente calouros, parecendo caras novas e franzidas ao mesmo tempo. Mas, em seguida, havia os regulares. Os estudantes que tinham estado frequentando Alpha U por tanto tempo quanto eu. Ver todos eles respondeu a uma pergunta que eu tinha desde que as aulas terminaram no ano passado. Será que tudo o que o #BuzzBoss disse sobre mim (também conhecida por Missy, também conhecida por minha amiga traiçoeira) teria passado? Ou será que o meu estado não desejado como uma #vadia ainda me assombraria? No segundo que eu entrasse, eu saberia. As pessoas não esqueciam tão facilmente quanto eu esperei. E parecia que eu estar no braço de Braeden me fazia ainda mais interessante. Eu peguei os olhares, os ocasionais olhares dúbios. Observei a maneira como alguns celulares saíram e as pessoas que lhes são inerentes começaram a digitar furiosamente. Ótimo. Apenas o que eu precisava. Todos mandando para Missy um relatório sobre cada movimento meu. Eu só podia imaginar o que iria aparecer mais tarde no Buzzfeed.


Braeden agiu como se ele não percebesse, mas eu sabia que ele havia percebido. Do jeito que ele inclinou seu corpo em direção ao meu enquanto nós pegávamos os livros, e o conjunto de seus ombros deixou bem claro. Ele viu, ele entendeu, e ele não gostou. Ele agiu como um escudo pra proteger minha vida pessoal, minha respiração. Apenas saber disso provocou duas reações dentro de mim: 1) Segurança. Eu me senti segura porque eu sabia que com ele por perto, as coisas não poderiam ficar tão ruins quanto elas estavam no último semestre. Agora que Romeo tinha ido embora, Braeden estava no controle sendo o cara mais popular no campus. Pessoas estariam com mais medo de me assediar, por medo de sua retaliação. Não só isso, mas ele me amava. É incrível o que o amor do homem certo poderia fazer para uma menina. E: 2) Medo. Sim, este era o completo oposto da primeira reação. O que eu poderia dizer? Braeden sempre teve uma forma de trazer à tona sentimentos extremos em mim. Eu gostava – não – eu amava saber que B estava aqui para mim. Eu amava saber que ele era minha âncora. Mas. Ele tinha um temperamento. Nem sempre tinha entendido o porquê, mas agora que eu entendia... bem, não era algo que eu poderia simplesmente esquecer. Eu sabia que Braeden nunca me machucaria. Ele literalmente machucaria a si mesmo em primeiro lugar, mas isso não era um bom presságio para os outros. Ele era extremamente protetor, extremamente territorial... e ele não ia apenas sentar e deixar rumores voarem. Eu estava honestamente com medo de que ele pudesse fazer algo que voltasse e o machucasse mais tarde. No entanto, trazer tudo aquilo para ele naquele momento era apenas um mau momento. Então, eu não trouxe. Eu sorri e fingi que não vi os olhares para os lados enquanto nós pegávamos os livros e o material escolar. Claro, nós mal podíamos andar dois passos sem que as pessoas se aproximassem de Braeden. A maioria deles eram jogadores de futebol, e todos eram legais. Fez-me relaxar um pouco. Talvez eu estivesse apenas exagerando. Muito ruim que o sentimento foi de curta duração.


Depois que fomos para a livraria velha, assustadora para obter o livro que a loja do campus não tinha, caminhamos até um café nas proximidades. Era um lugar total da faculdade. Muitos dos estudantes pendurados aqui, especialmente os veteranos porque todos eles tinham carros. O café ficava no topo da calçada, tanto que você tinha que andar até cerca de cinco passos para chegar ao pátio que dava para a porta da frente. No centro estava uma calçada regular, mas em ambos os lados eram pátios de laje com mesas de ferro preto forjado e cadeiras. O próprio edifício era feito de tijolos. Meio que parecia uma casa de campo, não como um café moderno, como o nome sugeria. As janelas na frente estavam arqueadas e a porta da frente era pintada de preto com um símbolo verde brilhante no centro. As palavras LOTUS: Café com Atmosfera estavam enunciadas nas letras pequenas abaixo dela. Música de funk tocava pelos alto-falantes e enchia o espaço exterior. As pessoas circulavam e falavam durante o café e comida. Eu estava tensa. Eu odiava estar tensa. Ir no campus hoje e enfrentar todos, pela primeira vez desde o último semestre totalmente desgastou meus nervos. Normalmente, eu era boa em esconder quaisquer inseguranças, mas não agora. Neste momento eu me senti como um longo pedaço de corda perfeita... Que tinha sido cortada a meio caminho com um par de tesouras maçantes. As extremidades foram se desfazendo, esfarrapadas e confusas. Eu realmente esperava que meu cabelo não parecesse da maneira como eu me sentia. Como se ele pudesse sentir a maneira esgotada que eu me sentia, Braeden colocou seu braço sobre meus ombros e me puxou para o seu lado enquanto caminhávamos na direção da porta. "B!" Gritou um cara de uma mesa à direita. "Yo!" Braeden virou, puxando-me com ele.


Em direção à parte de trás do pátio estava uma mesa redonda cheia de um bando de Wolves. Era quase engraçada a forma como seus enormes corpos tomavam muito espaço e fazia a mesa parecer insuficiente. "Traga essa menina aqui," o cara gritou. Engoli em seco e Braeden riu. "Pronta para conhecer a família?", Ele disse baixo quando começamos a andar em direção à mesa. "Eu tenho uma escolha?" "Não. Você sabe que todos eles querem dar uma olhada na menina que me trouxe para baixo." Senti meus pêlos eriçarem. Era uma sensação bem-vinda. Um sentimento familiar. Eu usava aquela coragem como uma jaqueta de couro de caimento perfeito. Olhei ao redor da mesa e meus olhos caíram sobre Trent. Ele piscou, e eu sorri. "Trent!" Eu disse e me afastei de Braeden. Ele já estava se levantando e vindo para me cumprimentar. Antes que eu pensasse melhor, atirei-me para ele, dando-lhe um abraço. Ele hesitou por um segundo, mas então retornou o abraço rápido. "Teve um bom verão?" Perguntei. “Pode apostar. Parece que o verão fez bem para você também ", disse ele, pegando no meu rosto. Para seu crédito, ele não me olhou de cima a baixo. Eu sorri. Talvez eu não parecesse tão crespa depois de tudo. "Você está de olho na minha mulher?" Braeden brincou. Ele disse isso com bom humor, mas eu ouvi um toque de aço abaixo de seu tom. Trent fez um som rude (era suposto ser um não?) e segurou o punho para Braeden, assim eles poderiam bater para fora. "Talvez", respondeu Trent quando terminaram, olhando para mim e piscando. Eu sorri, mas deslizei um olhar para B, esperando que ele soubesse que Trent estava só brincando. Braeden inclinou-se ligeiramente entre Trent e eu com um brilho em seus olhos que eu não gostei muito. Então, eu deslizei minha mão até a


parte baixa das costas e a deixei descansar lá. Meu toque funcionou. Ele não disse nada e virou-se para dirigir-se ao resto da mesa. "Vocês todos conhecem Ivy, certo?" "Oh, nós a conhecemos muito bem," um dos caras rachou. Algo em mim se acalmou e minha respiração deu uma guinada. Ele seriamente não ia dizer algo sobre aquela imagem que Missy soltou de mim e Zach, ia? Certamente ele não ousaria... Os Wolves não seriam tão insensíveis com um dos seus... Seriam? Em volta da minha cintura, o braço de Braeden ficou tenso, mas ele não disse nada. "Esta garota aqui é uma lenda no campus", o jogador continuou. "Ela é a garota que conseguiu acorrentar o cara menos namorável na Alpha U. " Alívio e diversão me fizeram cair na gargalhada. Braeden soltou minha cintura para dar o dedo a todos na mesa. "Eu não sei se “acorrentado” é a palavra certa aqui, rapazes", eu brinquei. "Eu acho que treinado é uma escolha melhor." Todo mundo uivou. Braeden se inclinou e sussurrou: "Você vai pagar por isso mais tarde, baby." Essa foi a ameaça mais deliciosa que eu jamais tinha sido servida. Eu bati os olhos para ele inocentemente. "Onde está sua placa de cão, B?" Um dos caras rio com nervuras. "Você já tomou sua vacina de raiva?" Eu ri, finalmente me sentindo à vontade, pela primeira vez hoje. Pelo menos eu estava sendo aceita pelos amigos de Braeden. Trent me chamou a atenção e sorriu. Sorri de volta, contente que ele não parecia guardar rancor que eu menosprezei suas tentativas de me namorar para estar com Braeden. Ele disse que não iria ficar no caminho de nossa amizade, mas, em seguida, a faculdade terminou e o verão começou... e ninguém ouviu falar dele de jeito nenhum.


Mas isso não importava, porque ele parecia bom como sempre e não havia o menor sinal de nada além de bondade em seus olhos quando ele olhou para mim. O braço de Braeden retornou e nos girou. Eu não poderia evitar além de me perguntar se ele tinha feito isso de propósito, para quebrar o meu contato visual com Trent. "Vocês são engraçados como o inferno", disse ele sarcasticamente. "Mas nós viemos aqui para o café." "Pegue suas coisas e venha se sentar com a gente", Brady, o que me chamou de lenda, ofereceu. "Nós podemos falar de futebol, para conhecer melhor o seu treinador." Para minha surpresa, Braeden hesitou. Seus olhos deslizaram para Trent. Parecia que ele estava debatendo sobre se ele queria ou não se sentar com ele. Trent percebeu. Inferno, eu acho que a mesa inteira percebeu. Um silêncio constrangedor desceu. Limpei a garganta. "Nós adoraríamos!" Eu ofereci um grande sorriso. "Posso pegar uma recarga para alguém?" Todos balançaram a cabeça. Trent levantou-se lentamente da mesa e pegou um drink gelado meio vazio. "Na verdade, tem um lugar que eu tenho que estar. Mas obrigado pela oferta, Ivy." Ele disse meu nome, mas ainda olhou para B. "Oh, ok. Bem, foi bom vê-lo. Eu tenho certeza que vamos vê-lo por aí no campus." "Totalmente." Ele finalmente olhou para longe de Braeden e sorriu. "Até mais." Todo mundo ficou em silêncio enquanto Trent se afastou. Eu olhei para Braeden com uma pergunta nos meus olhos. "Que diabos há de errado com você?" Ele resmungou. "Vamos lá." Viramos da mesa para a calçada que levava dentro. Eu ainda estava meio surpresa com a tensão entre Braeden e Trent.


Certamente ele não estava com ciúmes que Trent e eu quase saímos no último semestre? Quer dizer, sério. Ele sabia que ele era como o começo e o fim para mim. Eu não tinha sequer beijado Trent! Eu abri minha boca para dizer a Braeden o que eu pensava sobre o seu comportamento de merda, quando alguém muito familiar saiu pela porta do café. Missy. Eu parei no meu caminho, como se alguém derramasse supercola instantânea ali mesmo na calçada. Braeden deu mais alguns passos antes de perceber que eu não estava mais ao seu lado. Ele se virou. "Blondie." Ele suspirou. "É só cara de merda." Mas suas palavras cortaram quando ele percebeu que não era sobre ele e Trent. Missy me viu e parou também. A porta para o café bateu atrás dela. O grande latte agarrado em sua mão cumprimentava sua roupa perfeitamente. Seu jeans cortado estava artisticamente rasgado acima, os caçados de camurça nude em seus pés me fez querer encontrar um par on-line, e o top frouxo branco emparelhava perfeitamente com o brim destruído. Ela estava com vários colares coloridos, um grande relógio robusto, e suas unhas estavam pintadas de ameixa preta. Apenas olhar para ela me deixava puta. Não só porque ela era uma traidora traiçoeira que literalmente me puta-vergonhou em todo o campus da Alpha U... mas porque ela cortou o cabelo. No estilo exato que eu estava pensando em fazer para o outono. Cadela. Seus cabelos escuros, brilhantes não penduravam além do peito. Ela conseguiu muitas polegadas cortadas para que eles terminassem em torno de sua clavícula. Era ligeiramente em camadas para dar-lhe um olhar brincalhão, e ela os enrolou em ondas soltas.


Era o lob4 perfeito. O corte de cabelo total “in” para o outono. Eu nunca ia admitir, mas parecia bom. Pena que ela não podia simplesmente cortar as peças de merda de sua personalidade também. Braeden pareceu surpreso ao vê-la e olhou entre nós por longos segundos como se ele não tivesse certeza do que esperar. Como talvez uma briga fosse sair e eu agarraria para fora seus olhos. Por favor. Eu era muito boa para isso. Dei-lhe um olhar fulminante, esperando que transmitisse a maneira que eu me senti, e levantei minha bolsa Marc Jacobs um pouco mais alto no meu ombro. Algo se moveu por trás de seus olhos, quase como pesar, mas eu não estava prestes a cair nisso. Missy era uma grande atriz, algo que ela provou várias vezes. Se ela queria que eu pensasse que ela se sentiu mal por toda a merda que ela puxou, não ia funcionar. Notei várias pessoas assistindo a cena tranquila entre nós, e eu puxei uma respiração. A última coisa que eu ia fazer era dar às pessoas mais para fofocar. Especialmente com o #BuzzBoss bem aqui. Braeden voltou atrás de mim e envolveu sua mão ao redor da minha. Seus dedos apertaram, oferecendo-me apoio silencioso e conforto. Olhei para ele e sorri. Quando meus olhos se voltaram para ela, eu podia jurar que a mordida amarga de ciúme estava escrita em seu rosto, mas eu não podia ter certeza com apenas um olhar rápido. Braeden se movia graciosamente, mais uma vez dobrando-se diante de mim, então eu não poderia estudar suas expressões faciais. Missy pareceu sacudir-se e começar a se mover. Mesmo com B me impedindo da vista, eu a senti seus olhos escrutinadores me encarando através dele. Nossos caminhos se aproximaram, a distância entre minha velha melhor amiga e eu se fechando a cada segundo. Eu olhei para o lado. 4

Lob = penteado comprido.


"Ivy." Olhei para cima. Ela, de alguma forma, colocou a si mesma em minha visão. Seus lábios perfeitamente brilhantes se separaram para dizer o quê, eu não sabia. Braeden fez um som e me escondeu atrás dele. Ele realmente precisava parar com toda a proteção de macho, mas, no momento, eu estava grata por isso. Eu ainda não estava pronta para enfrentá-la. No fundo, eu tinha muito a dizer para ela... eu só não tinha certeza do que era. Era como se todos os meus sentimentos ainda tivessem que ser transpostos em palavras. " Vá embora ", ele rosnou baixo. " Vá pra porra de longe agora." Os olhos cinzentos de Missy aumentaram ligeiramente. Ela olhou para mim como se eu fosse ajudá-la. Desviei o olhar novamente. Num piscar de olhos, e então ela passou, deixando para trás uma nuvem de seu perfume assinatura, Clinique Happy. Sim, eu pensei que aquilo era irônico. Braeden relaxou e pegou minha mão novamente. "Café, em seguida, para casa?" Eu balancei a cabeça, ainda me recuperando de nosso quase confronto. Engraçado como alguém que costumava me fazer sentir tão confortável e relaxada agora tinha o poder de torcer minhas entranhas e me fazer sentir mal por dentro. Enquanto estávamos na linha de ordem, eu olhei para a porta, surpresa de que ela quisesse dizer alguma coisa. A última vez que falamos quando eu descobri tudo o que ela tinha feito e a confrontei - ela não pôde se afastar rápido o suficiente. Ela não tinha nada a dizer então. O que ela poderia dizer agora?


CAPITULO seis

Olhos são inúteis se sua mente é cega. #VocêÉCegoParaOQue #BussBoss

B RAEDEN A vida é pesada. Segredos são caros. As linhas entre o certo e o errado ficam turvas. Mas a razão para isso tudo... Ainda permanecia. Tão clara como nunca. Olhei para ela na luz adiantada de silêncio da sala. O travesseiro em que ela estava deitada embalava sua cabeça delicadamente, enquanto fios cor-de-sol caíam em cascata através de seu ombro e se arrastavam sobre o lençol branco. Ela parecia mais vulnerável desse jeito. Adormecida e com a sua guarda para baixo, com o rosto limpo livre de toda a maquiagem e expressão. Os cílios grossos, suaves, de seus olhos se espalhavam sobre sua pele leitosa e beijavam o topo das maçãs do rosto. Seus lábios eram naturalmente cor de rosa, ligeiramente entreabertos enquanto ela respirava com facilidade. O corpo dela virou-se para o meu; isso sempre acontecia quando eu estava na cama. Mesmo se eu viesse tarde, no segundo que meu corpo batia no colchão, não importava como ela estava deitada. Ela se virava para mim.


Gizmo de alguma forma se contorcia entre nós. Ela jazia estendida de costas longitudinalmente contra o lado de Ivy. Suas patas estavam dobradas contra o peito e seu rosto se transformou em cobertores cobrindo Ivy. Minhas garotas. Nunca em um milhão de anos eu achei que quando eu tivesse duas garotas na minha cama, uma delas seria uma cadela que parecia um gremlin. Nunca em um milhão de anos eu achei que eu sequer me sentiria feliz. Mas eu estava. Coisas estavam tentando roubar essa felicidade. Coisas estavam me impedindo de sentir como se minha vida estivesse completamente cheia. Mesmo que eu tentasse não pensar sobre ver meu pai meses atrás, eu pensei. E… O que eu não disse a Ivy estava me comendo vivo. A escolha que fiz era a decisão correta. Pelo menos, eu pensava assim na época. Agora, mesmo enquanto eu fico aqui vigiando a razão pela qual eu tinha feito tantas coisas, as dúvidas me assombravam, como o eco da canção de um pássaro em um dia claro. Eu não poderia perdoá-lo pelo que ele tinha feito. A imagem da minha mãe, sangrando e ferida, deitada em uma cama de hospital estaria sempre lá - como um instantâneo do passado que nunca iria desaparecer. Meu pai era um abusador. Ele era violento e não tinha respeito pelas mulheres. Eu não tinha tolerância para homens como ele, que dominavam a sua força superior sobre o sexo fisicamente frágil. Percebi agora que esses sentimentos influenciaram a minha decisão de não dizer a Ivy o que realmente aconteceu naquela noite com Zach. Eu decidi levar o abuso que ela sofreu dentro de mim, dobrado ao lado do abuso que minha mãe tinha sofrido. Eu só queria protegê-la da terrível verdade.


Mas e se a minha proteção estivesse machucando-a? Com um último olhar sobre sua forma adormecida, eu deslizei de debaixo das cobertas. Peguei um par de calções de basquete no final da cama e entrei neles. Minha camiseta estava por perto, mas eu não a coloquei. Em vez disso, eu a virei do lado correto e a coloquei ao lado de Ivy para que ela tivesse algo para alcançar quando ela finalmente acordasse. Não era a camisa que ela tinha basicamente roubado na última primavera na praia. Ela vestiu aquela coisa mais do que eu jamais fiz. Mas ela ainda gostava dela. Eu a usei ontem para que cheirasse a mim. Ela gostava disso. Eu gostava que ela gostava. Gizmo rachou um olho e olhou para mim enquanto eu me movia. Eu pressionei um dedo nos lábios e o olho da cachorra fechou novamente. Eu não achei que ela realmente entendeu o que eu tinha feito, só que ela estava demasiada confortável para se mover. A casa estava em silêncio enquanto eu me movia pelas escadas até a cozinha aberta. Este lugar era espaçoso e bom. Inferno, eu pensei que eu teria trinta e cinco anos antes que eu pudesse sequer pensar em proporcionar algo como isto. Mesmo que tecnicamente eu não estava pagando o aluguel, isso ainda veio a parecer como em casa. Todos nós acampamos como dissemos e cuidamos dos serviços. Eu até mesmo cortei a grama. Era um pé no saco, mas alguém tinha que fazer. Rimmel e Ivy provavelmente se matariam tentando operar um cortador de grama. Eu trabalhei durante todo o verão servindo mesas, usando minha personalidade espirituosa para encantar as senhoras por grandes gorjetas. Eu consegui economizar um pouco, o suficiente para viver e não ter que trabalhar durante a temporada de futebol. Claro, ajudou que eu tinha uma bolsa de futebol que era paga pela escola. Havia até mesmo algum dinheiro sobrando do último semestre que eu mantive, então era como ser pago para jogar futebol. Não era nada como o que Rome estava recebendo, mas era o suficiente. Mamãe tenta me dar dinheiro o tempo todo. Eu raramente pegava. Eu não queria ser sua responsabilidade. Ela carregou o suficiente nos ombros quando eu estava crescendo. Ela era a mãe, sim, mas eu ainda me sentia


como se fosse meu trabalho cuidar dela. Às vezes, o dinheiro iria simplesmente aparecer. Ela faria a transferência bancária em minha conta e não me dizia. Eu nunca disse nada e nem ela, mas acho que ela sabia que eu estava agradecido. Olhei para os armários brancos antigos de pedra de azulejos backsplash5 antes de avançar para a bancada preta de granito e olhar para fora da janela sobre a pia para o quintal. As árvores lá fora logo estariam cheias de cor; elas estavam agora apenas começando a virar. O exterior não segurou a minha atenção por muito tempo, assim como o interior não tinha. Minha atenção mais uma vez se voltou para dentro. Eu pensei que sair da cama cedo me permitiria escapar dos meus pensamentos, mas a manhã silenciosa somente os encorajou. Em vez de pensar sobre o meu pai, ou Ivy e todas as coisas que eu não disse, eu pensei sobre o meu futuro. Aqui estava eu, um júnior na faculdade, quase me formando, mas eu não tinha ideia de onde eu estaria em dois anos. Eu não era como Romeo. Eu não tinha a intenção de ir para a NFL. Eu certamente não recusaria uma oferta, mas eu acho que uma voz no fundo da minha cabeça sempre me disse que era o sonho de Rome, o objetivo dele... Não era o meu. Isso nunca me incomodou antes quando eu não tinha certeza do que eu faria. Mas agora incomodava. Agora tudo parecia pesar dez quilos mais do que tinha sido antes. Talvez eu não pudesse ver o passado agora, porque muito foi perturbado. Eu precisava me organizar, não só por mim, mas por Ivy. Porque mesmo se eu não tivesse ideia de onde eu estaria em poucos anos, eu sabia, sem dúvida, que eu a queria bem aqui comigo. Virei-me da janela e olhei para o pote de café no balcão. Olhei sob a tampa e sorri. Rim já tinha colocado. Tudo o que eu tinha a fazer era pressionar ligar. Porra, eu amava aquela garota. Azulejo que vai na frente da pia e do fogão. A área entre o granito e o gabinete é chamada de backsplash. Splash pode ser traduzido como espirro de água. Esta parte impermeável das cozinhas americanas é aonde geralmente espera-se que espirre água, gordura, molho de tomate, etc. 5


Segundos se passaram, e então o cheiro de café passado encheu a sala. Eu respirei fundo, aproveitando isso. Eu ouvi uma chave na fechadura na frente da casa, em seguida, a abertura e fechamento de uma porta. Segundos depois, Rimmel entrou na esquina carregando uma grande caixa de donuts com um saco de papel marrom no topo. Seus passos vacilaram quando me viu ali, mas então ela sorriu. "A casa está em chamas?" "Sim, Rim. Pensei em ficar aqui meio vestido e assistir tudo queimar", retruquei. Ela bufou, a ação tornando um fio de espessura, o cabelo escuro caiu por cima dos óculos e protegeu um olho. " Eu não acho que eu já vi você se levantar tão cedo quando você não tinha que estar de pé. Eu imaginei que isso tinha que ser uma situação de emergência." Dei de ombros e empurrei para fora do balcão para levar o material para fora de suas mãos e colocá-lo nas proximidades da ilha. "Devo ter radar de donut." Eu brinquei e abri a caixa para agrrar um. Enfiei a metade dela na minha boca. Então fiz uma pausa. "Estes são para mim?" Ela balançou a cabeça e revirou os olhos. "Você tem maneiras terríveis." Eu sorri para que ela pudesse ver a massa em meus dentes. "Obrigado, mana". "Romeo me disse que rosquinhas e café era a sua tradição com ele antes do início das aulas a cada semestre." A menção de Rome e a merda que sempre fizemos tornou o donut um pouco mais difícil de engolir. Eu sentia falta dele, e isso me fez perceber que talvez a sua ausência também fosse uma das razões que eu me sentia tão conflituoso sobre tudo. Nós não falávamos merda pesada demais, mas ele ainda era a minha caixa de ressonância e eu era a dele. "Sim, nós comemos basicamente tudo após o treinamento e antes do semestre começar. Uma vez que começa, eu vou ter que realmente cortar a minha dieta para a temporada."


Rimmel encostou-se ao balcão e sorriu. "Bem, eu sei que Romeo não está aqui, mas eu vou comer rosquinhas com você." Enfiei o resto na minha boca e lambi os dedos. "Eu acho que você vai fazer." "Puxa, obrigada." Ela me cutucou no estômago. "Vem cá," eu disse e abri um braço enquanto eu peguei outro donut com o outro. Rim entrou no meu abraço e colocou os braços em volta da minha cintura. Ela me abraçou um pouco mais de tempo, talvez apenas um segundo mais do que o habitual. Joguei o alimento para baixo e puxei-a de volta, envolvendo ambos os meus braços em torno dela. "Como vai, mana?" Eu disse sobre sua cabeça. "Eu estou bem." Puxei-a para trás e segurei seus ombros. "Essa é uma resposta de merda. E você não deve mentir para o seu irmão." Atrás de nós, Murphy se materializou e pulou em cima do balcão. "Eu sou hetero", disse Rimmel, desta vez em voz baixa, o que eu acho que era para ser como eu. Eu balancei a cabeça tristemente. "Isso é simplesmente terrível." Ela me deu um tapa e se virou para pegar Murphy e abraçá-lo contra o peito. "Eu não estou mentindo. Eu realmente estou bem." "Mas..." Eu bajulei. Ela desviou o olhar enquanto ela acariciava o gato sem pensar. "Mas eu sinto falta dele." Eu balancei a cabeça. Rim manteve-se ocupada com o abrigo, preparando para a aula, e trabalhando meio período neste verão no campus no escritório, mas eu sabia que nem tudo aquilo era o suficiente para distraí-la de Romeo não estar aqui. "É simplesmente estranho." Ela continuou, colocando o gato para baixo em seus pés. " Ele se tornou apenas como o sol para o meu planeta, e enquanto eu estou tão feliz que ele está vivendo o seu sonho e eu nunca lhe pediria para voltar para casa... é só estranho aqui sem ele." "Sim." Eu concordei, entendendo perfeitamente. "Planetas precisam de seu sol." Eu também sinto falta dele.


Rimmel sorriu levemente e pegou o saco de papel. "Eu peguei alguns sanduíches para você para o café da manhã." "Inferno, sim." Eu agarrei a bolsa e coloquei meu rosto dentro para inalar o cheiro de bacon gorduroso e queijo. Agarrando o saco, eu deixei cair para baixo, pegando-a, e girando-a em um círculo. "Melhor irmã do mundo." Ela riu. No balcão, seu celular soou com uma mensagem. Sua atenção abruptamente mudou para o telefone. Eu a coloquei para baixo com uma risada. "Diga a Rome que eu disse oi." Ela pegou o telefone fora do balcão e se encostou na ilha, completamente focada na mensagem que ele enviou. Eu soube pelo sorriso que instantaneamente enfeitou seu rosto que o que ele disse a fez feliz. Pensando rápido, peguei meu celular, tirando uma foto dela em pé lá toda absorta e apaixonada com seu telefone. Eu atirei para ele em um texto com a mensagem: Ela ainda ama você. Cada vez que você manda mensagem, ela se parece com isso. Eu coloquei o meu telefone de lado e me virei para a máquina de café. "Quer um pouco?", eu gritei por cima do meu ombro. "Uh-huh." Eu servi duas canecas, servi o creme, e, em seguida, sentei-me na ilha com meu açúcar e gordura para o café da manhã. Ia realmente bem com cafeína. Rimmel olhou para cima, alguns segundos depois, seu rosto ainda todo sorridente. "Vamos." Eu dei um tapinha no banquinho ao meu lado. "Eu vou compartilhar o meu bacon com você." Rimmel tomou o café que eu lhe servi e subiu no assento ao meu lado e foi adicionar mais um pouco de creme. "Ele está bem por la?", perguntei, colocando a comida de lado. Ela assentiu com a cabeça. " Eu acho que sim. Pelo menos ele se comporta assim para mim. Como você acha que ele parece quando você fala com ele?"


"A mesma coisa." Eu concordei. "Talvez um pouco estressado sobre seu braço." Ela assentiu com a cabeça, a preocupação escurecendo seus traços. "O braço dele vai ser uma preocupação por um tempo ainda", ela disse suavemente. “Ele está jogando, apesar de tudo. Diz que seu braço é quase tão forte como era. E ele tem estado arremessando ainda melhor com a esquerda. Ele está empurrando-se muito forte." Ela fez uma pausa. "Mas ele diz que acha que vai começar a jogar esta temporada. " Ele se empurrou, mas isso não ia mudar nunca. Eu falei com ele, principalmente sobre futebol e coisas de rapazes. Eu perguntei sobre o braço uma vez, e ele disse que estava bem. Eu não tinha perguntado recentemente porque eu imaginei que se houvesse um problema, ele diria. Eu também nunca perguntei a ele sobre sua agenda. Eu imaginei que ele voltaria para casa quando pudesse. "Quando ele vai voltar para casa para visitar?", perguntei. O rosto de Rimmel se iluminou. "Ele acha que pode voltar para casa no próximo fim de semana." "Inferno, sim," eu disse e peguei um donut para dar a ela. Quando ela o pegou, eu roubei outro e o estendi. "Saúde." Nós tocamos os doces juntos e depois demos uma mordida. Minha mordida era tipo três vezes o tamanho da dela. Eu sacudi fora o que estava na minha mão e, em seguida, peguei o meu café. Rimmel ainda estava bicando seu café da manhã, a tela do seu telefone tendo ficado escura há poucos minutos. Encarei isso como um sinal de que Rome ainda não estava mandando mensagens. "Ei, então como é que Ivy estava?" Não pude evitar a tentativa de naturalidade no meu tom. Eu estava querendo perguntar desde que eu cheguei em casa do campo. Só não tinha tido a chance. Nós três estávamos geralmente juntos, ou Rim estava no trabalho quando Ivy estava. Esta foi a primeira vez que nós tínhamos estado realmente sozinhos em algumas semanas. Eu me perguntava se talvez eu fosse o único que achava que Ivy parecia um pouco nervosa. Que talvez eu me sentisse dessa forma como um produto de minhas próprias emoções e não realmente a maneira que Ivy estava se comportando.


O que aconteceu no chuveiro era tudo ela. Eu afastei o pensamento para longe e olhei para cima. Rimmel inclinou a cabeça para me estudar. "Por que você pergunta?" Maldição, ela era perspicaz. Por que não podia simplesmente responder a pergunta? Dei de ombros como se não fosse grande coisa. " Com as aulas começando, eu acho que ela tem estado um bocado nervosa. Você sabe, depois de toda a merda que caiu no último semestre. " Eu não mencionei ver Missy na Lotus ou a maneira que Ivy agiu quando se aproximou pela primeira vez da mesa repleta dos meus companheiros de equipe. Rimmel olhou para mim com os olhos, sabendo. "Você está preocupado com ela." "É o meu trabalho me preocupar com ela." "É o seu trabalho amá-la", Rimmel corrigiu, mas depois deixou, "e sim, talvez se preocupar com ela também." Eu bebi um pouco mais de café e esperei por uma resposta à pergunta inicial. "Mas eu nunca soube que você se preocupasse tanto que te mantivesse acordado. Existe algo específico que tem deixado você tão preocupado?" "O que estava naquele donut?" Eu entoei. "Você com certeza está cheia de perguntas esta manhã." "Estou naturalmente curiosa." Ela usou seu dedo para empurrar os óculos de aro preto em seu nariz e me deu um olhar severo. "E você parece estar vazio de respostas." Eu não estava prestes a dizer-lhe o que realmente estava acontecendo na minha cabeça. Inferno não. Mas eu tinha que lhe dar algo. Se não o fizesse, eu nunca ouviria o final daquilo. Bebi o café e me sentei no banco. "Ela ainda tem pesadelos sobre ele." Eu não poderia manter a dureza da minha voz. Eu odiava apenas mencionar aquela porra de ameaça para a sociedade.


Rimmel franziu a testa e olhou para seu copo, como se talvez as respostas fossem apenas flutuar bem na superfície e lhe dizer exatamente o que falar. Merda, eu desejava que fosse assim tão fácil. Eu tinha um pensamento brega do inferno e o empurrei para mais tarde... eu poderia precisar dele. "Eu percebi," Rim respondeu suavemente. "Ela está mais dócil do que o seu auto borbulhante normal. Mas eu acho que isso não é realmente tão recente. Ela tem estado assim há algum tempo." "Sim, tipo desde que Missy arrastou toda a merda por que ela passou e a pendurou lá fora para todos verem." Rimmel sacudiu a cabeça. "Não. Tem sido mais do que isso. Desde que aconteceu..." Ela limpou a garganta e seu olhar deslizou para longe. "Você sabe, com -" "Não diga isso." Eu a interrompi bruscamente. "Eu sei." O pedido de desculpas em seus olhos era real, mas eu quase não notei isso porque culpa e um pouco de autoaversão era tudo que eu tinha de espaço dentro da minha cabeça. E no meu peito. Eu não tinha estado lá. Ivy e eu ainda estávamos fazendo a música rancorosa e dança em torno de nós mesmos quando Zach se aproveitou dela. Naquela época, as únicas palavras que dissemos uns aos outros eram sarcásticas e más. Na época, eu pensava que era divertido. Mas agora… Agora, isso me fazia sentir como um idiota. Se eu estivesse disposto a realmente olhar para ela de volta, para realmente aceitar porque ela me deixava tão louco, talvez isso nunca tivesse acontecido. Ela não teria estado na festa naquela noite, sem alguém para manter um olho sobre ela. Ele não teria tido a oportunidade de drogá-la e levá-la de volta para o dormitório.


Eu o teria matado então. Ele estaria morto e o braço de Romeo nunca teria sido quebrado. Rimmel não teria sido enforcada como uma piñata6, e Missy... bem, ela nunca teria tido a chance de agir como uma cadela furiosa com um caso de rabo inflamado. Bem, maldição. Quando eu pensava em tudo assim, era ainda pior. Eu poderia ter parado tudo isso antes mesmo de começar. Dedos frios, leves deslizaram ao redor do meu antebraço e apertaram levemente. "Ei," Rim sussurrou. "Onde você foi?" "Eu deveria ter estado lá." O arrependimento caiu fora da minha boca antes que eu pudesse cortá-lo. "Braeden", Rimmel deslizou a mão pelo meu braço para vincular nossas mãos. "O que aconteceu entre eles não foi culpa de ninguém. Foi um erro. O que você teria feito, explodido em nosso quarto e feito eles pararem? Você e Ivy não estavam sequer juntos, então." Ela pensou que eu estava apenas com inveja. Ela pensou que eu só não gostava da idéia de minha menina com outra pessoa. Deus, eu gostaria que fosse assim tão fácil. Eu balancei a cabeça, como se suas palavras fossem verdadeiras e me fizessem sentir melhor. O que realmente estava acontecendo dentro de mim, o vírus que se alimenta de consciência, que era a verdade que me roubava do sono e, por vezes, a lógica, era a minha cruz pessoal para suportar. Era algo que eu escolhi para transportar, um fardo solitário que ninguém mais poderia saber. O pensamento de Ivy saber que ela foi estuprada... Eu estava aterrorizado com o que isso poderia fazer com ela. E sim, o que poderia fazer para nós. "Ela te ama tanto, Braeden. Eu acho que se Missy não a tivesse traído e colocado tudo o que aconteceu na mídia da escola, ela teria passado tudo por agora. Mas sabendo que todo mundo sabe..." "Fodam-se todos", eu disse com veemência. 6

Objeto recheado de doces, coberto por papel crepom.


Rimmel apertou minha mão. "Mas todo mundo inclui você." Eu senti como se estivesse de pé em um quarto totalmente escuro e alguém de repente se transformasse em uma lanterna. Eu lancei um olhar para a minha irmãzinha muito inteligente. Ela assentiu com conhecimento de causa. "Eu acho que ela se culpa tanto que isso a assusta porque ela se sente como se nos traísse... especialmente você." "Eu não espero uma santa", eu raciocinei. " Inferno, eu não sou nenhum menino do coro." Sua voz estava seca. " Você definitivamente não é." Eu olhei para ela, e ela riu, mas logo ficou séria. " Mas você o odeia. E ele fez coisas terríveis. E a maneira como você reagiu quando descobriu ... " "Você quer dizer que quebrar uma janela, quebrar o meu telefone, e chamá-la de vagabunda não era a melhor maneira de lidar com a situação?" Eu não poderia mesmo entregar as palavras com um toque irônico. Eu fiz uma careta e esfreguei a mão no meu rosto. Eu ainda não tinha pensado em coisas como esta antes. Eu só tinha visto na minha perspectiva, que era irritado, assassino, e fechado. E sim, Ivy poderia estar tendo dificuldade em lidar porque, no fundo, ela sabia que algo ruim aconteceu. Mas na superfície, Ivy estava com vergonha e medo que eu a visse de qualquer maneira, além da melhor luz? Lembrei-me de meses atrás, quando ela deixou cair uma bomba no meio do confronto com Missy. Eu me senti tipo, o terceiro melhor ... Se eu achasse tão baixo de mim mesmo, então o que todo mundo pensaria? Porra. Só porque eu me desculpei e enchi o seu quarto com estrelas não fazia tudo bem. Eu poderia ter mostrado a Ivy como eu me sentia sobre ela. Eu poderia ter dito a ela que a amava ..., mas eu nunca lhe disse que não me importava com a “transa” com Zach. Eu nunca disse a ela que não coloria a maneira que eu olhava para ela.


"Eu não queria fazer você se sentir pior", disse Rimmel, me puxando para trás. "Eu sei que você a ama, Braeden. Às vezes, surpreende-me o quanto. " Ela torceu os lábios em um sorriso triste. Rosnei como o golpe me irritou e joguei o braço em volta dos seus ombros e a puxei contra mim para esfregar meu punho levemente sobre a parte superior de seu cabelo. Rimmel gritou. "Você vai estragar meu cabelo!" "Por favor, mulher. Nós dois sabemos que você não tinha sequer penteado ele. "Ela riu, e eu baguncei a crina escura ainda mais. "Pare!", ela gritou. Quando eu cedi, ela se afastou. Suas bochechas estavam rosas brilhante e seu cabelo parecia que ela tinha colocado seu dedo em uma tomada. Ela alisou suas mãos sobre ele como se fosse ajudar, e eu gargalhei. "Fale com ela." Sua voz foi enfática cortando o meu momento de provocação. "Você se surpreenderia o quanto suas palavras podem suavizar as coisas ". Palavras. Essas coisas me davam um gosto ruim na boca. Rimmel estava certa, porém. Eu não poderia colocar tudo em cima da mesa para Ivy ver, mas eu poderia um pouco. Talvez um pouco fosse tudo que ela precisava para começar a cura. Pela primeira vez em muito tempo, eu pensei que talvez fosse ficar tudo bem. Peguei Rim pelos ombros e a puxei contra mim para um abraço. Ela estava praticamente no meu colo, mas ela não protestou. "Obrigado, mana," eu disse em seu cabelo. "Eu senti sua falta também, você sabe," ela murmurou. "Eu estou sempre aqui para você, Rim. Isso é para o que BBFLs existem." "Eu sei. Mas eu também sei que você tem muita coisa acontecendo agora. " Puxei-a para longe para que eu pudesse olhar para seu rosto.


"Eu sempre tenho tempo para você." Os lábios dela se suavizaram e puxei em um sorriso. Algum movimento na borda da minha visão fez minha cabeça oscilar em torno. Ivy estava pairando na porta da cozinha, Prada dobrada contra o peito. Ela estava assistindo Rim e eu. Não havia uma faísca de ciúme em seus olhos. Mas havia algo mais. Um pouco de tristeza. Isso apertou meu peito. Eu coloquei Rimmel para trás em sua cadeira e virei toda a minha atenção para Ivy. "Olá, baby." Ela piscou, limpando sua expressão. "Dia!", ela piou. Eu fiquei em pé para ir até ela quando ela se apressou para a cozinha para dar a Giz seu café da manhã. O cão estava dançando em torno de seus pés, esperando impacientemente. "Café e donuts", disse Rim, e Ivy sorriu. "Você sabe que eu sou tudo sobre essa vida." A tristeza em seus olhos se foi, substituída por sua habitual atitude feliz. Isto me deixou incrivelmente cansado. E não, não porque eu não tinha conseguido dormir muito a noite passada. Mas porque havia muito entre nós. Tantos sentimentos. Tantos segredos. Ivy colocou a pequena tigela rosa no chão, e Prada mergulhou. Liguei uma palma em volta da sua cintura e a puxei contra meu peito. " Ei," eu respirei em seu ouvido. Arrepios levantaram-se ao longo de seus braços. Ela inclinou a cabeça para trás e olhou para mim. Seus olhos estavam parecendo mais verdes do que azuis esta manhã. "Ei." "Podemos falar um minuto?" Um pouco de apreensão brilhou em seu rosto. "Certo." Bem quando eu estava prestes a levá-la para fora da cozinha, a campainha tocou.


CAPITULO sete Novo semestre. Novos rostos. Novas oportunidades para se ter. #BuzzBoss

I VY Eu escutei a risada dela todo o caminho até lá em cima. Era uma risada distinta, não porque tivesse uma qualidade de som notável, mas porque a única vez que Rimmel ria dessa forma era quando ela estava com Braeden. B e Rimmel eram próximos, muito mais próximos do que eu percebi no início. Eu sempre soube que B tinha um pequeno fraco por sua "irmãzinha", e ela foi sempre mais inclinada a defendê-lo quando eu ia dizer coisas rudes sobre ele quando vivemos no dormitório. Ainda assim, eu realmente não tinha visto o quão protetor e até mesmo atencioso ele era com ela. Eu não estava com ciúmes, mas talvez eu estivesse corada com um pouco de inveja. Não havia nada entre Rimmel e Braeden além dos sentimentos de família que um tinha pelo outro. Não é como eu suspeitasse, ou mesmo me preocupasse que algo poderia acontecer entre eles quando estivessem sozinhos. Não aconteceria. Braeden me amava. Eu via isso em seus olhos. Eu sentia em seu toque. Eu o amava. Eu o amava tanto que às vezes isso me fez doer. Às vezes eu andava com um poço na minha barriga, este lugar oco que roía


minhas entranhas, porque apenas a ideia, a ameaça, de não o ter em minha vida era demais para compreender. E eu não sei por que, mas o som dá risada de Rimmel esta manhã trouxe esse sentimento fora de mim. Quando entrei na cozinha, eu os vi sentados juntos na ilha, café da manhã e canecas colocados diante deles. Eles não estavam comendo. Ele estava abraçando-a. Seus braços estavam ao redor dela, fazendo-a parecer pequena contra seu peito. Bem, tudo bem. Seu cabelo não parecia pequeno. Eu precisava seriamente ajudá-la com isso hoje. Eu esperava que ela não tivesse assustado ninguém quando ela foi pegar donuts. Ela não parecia ansiosa para se afastar. Ela parecia confortada por ele e ele por ela. Não havia nenhuma barreira entre eles. Era como se eu tivesse entrado em um momento em que ambos estavam completamente abertos… E é onde entrava a inveja. Havia uma barreira entre Braeden e eu. Eu não sabia o que era. Eu não sabia por que estava lá. Mas eu a sentia. Não estava sempre presente. Às vezes eu podia me enganar em pensar que havia desaparecido. Mas então ela iria reaparecer e trazer com ela aquela dor oca. Eu sabia que eu era a responsável. Isso me surpreendia como uma noite, um erro poderia lançar uma nuvem sobre tudo. Eu meio que senti como se estivesse em um estado constante de ansiedade, como eu nunca poderia relaxar completamente. Claro, havia aqueles momentos em que tudo dentro de mim diminuía. A maioria desses momentos chegava quando eu estava na cama com Braeden e seu corpo estava cobrindo o meu. Não era o suficiente. Eu ansiava por aquilo que eu vi entre eles. Eu queria aquele tipo de vulnerabilidade que assustava a merda fora de mim. Eu só não sabia como chegar lá. Por que era tão difícil?


Quando Braeden pediu para falar comigo, eu me preocupei que talvez ele viu o que eu estava sentindo. Ou talvez eu tivesse feito alguma coisa para fazê-lo sair da cama tão cedo esta manhã. Quando a campainha tocou, eu estava muito ansiosa para ir atender. Era o alívio que eu precisava para compor a mim mesma. Compor-me antes do café era uma tarefa e tanto. Eu deslizei longe de B e para fora da cozinha rápida, Prada quente em meus calcanhares. Uma vez que só tínhamos estado vivendo aqui há alguns meses, muitas pessoas não tocavam a campainha. Ok, ninguém o fez. Com exceção de alguns vizinhos intrometidos que na verdade só queriam dar uma olhada no mais novo quarterback do Maryland Knights (Romeo). Obviamente, eu esperava encontrar uma outra mulher de meia-idade, do outro lado da porta quando eu a abriu. Mas não era. A surpresa me fez ofegar quando vi quem estava parado lá. Em seguida, a corrida de familiaridade me bateu. Ele notou a minha expressão chocada e riu, o som trazendo de volta muitas memórias. Seu cabelo loiro-sujo era selvagem, provavelmente porque ele sempre dirigiu com as janelas para baixo, e um par de óculos aviadores espelhados blindavam os olhos que eu sabia que eram azuis como os meus. "Surpresa!" Ele abriu os braços. As chaves do carro na sua mão pendiam de um dedo e faziam um barulho ruidoso. "Drew?" Eu gaguejei. "Em carne e osso." Ele mexeu os braços, lembrando-me para não deixá-lo pendurado. Pulei da porta e corri para ele. Seu sorriso se transformou em um sorriso de pleno direito, exibindo os dentes seriamente perfeitos. Lancei-me contra ele, e com uma energia, colidimos, seus braços fechando em torno de mim como um torno. Ele dava os abraços mais apertados que eu já conheci. Quase ao ponto de que às vezes eu pensei que eu poderia quebrar. Mas eu nunca quebrei. Ele nunca me quebraria.


"O que você está fazendo aqui?" Apesar de que eu gritei as palavras, elas eram quase inaudíveis contra seu peito. "Você realmente acha que quando cheguei em casa para te encontrar fora – mudou-se com alguma buceta idiota que nenhum de nós nunca encontrou - eu não viria? " Eu puxei para fora de seu abraço firme e olhei para cima para rolar os olhos, certificando-me de que ele viu a expressão. "Não me venha com essa merda, Ives," ele rosnou. "Você pode ter a mãe e o pai envolvido, mas com certeza do inferno, eu não." Eu estava acostumada com a sua atitude mandona de calças. Ele tinha agido como se ele fosse meu chefe quase desde o dia em que eu nasci, então seu tom duro não me ofendeu mesmo. Na verdade, eu quase não notei isso. Mas alguém notou. "Quem diabos é você?" Braeden exigiu por trás. Senti meus olhos se arregalam, mas antes que eu pudesse dizer alguma coisa, Drew disse. "Quem está perguntando?" Eu gemi. Oh, Deus. Aí vem uma competição de mijo. Braeden mudou-se com a velocidade graciosa que sempre fazia quando achava que alguma coisa precisava de sua atenção imediata. Claramente, ele achava que isso não era uma boa situação, porque ele deslizou na minha frente como uma espécie de escudo. "Eu não te devo uma explicação," B cuspiu. "Você está na minha propriedade, tocando minha campainha, e falando com a minha garota como se você quissesse levar uma patada na boca dos meus cinco dedos na forma de um punho." Como se para pontuar suas palavras, ele flexionou sua mão. Bem. Isso se intensificou rapidamente. "Braeden!" Eu avisei, pisando em torno dele. Mas sendo o completo cabeça de merda que era, ele estendeu o braço como se ele fosse meu cinto de segurança pessoal mantendo-me de bater em um para-brisa. Drew não era um para-brisa.


Ele era meu irmão. Agarrei o lado tipo granito de sua cintura, como se eu pudesse contêlo. "Você está interpretando mal a situação." Drew olhou para mim, sua sobrancelha arqueando para que eu pudesse vê-lo por trás de seus óculos, e apontou a palavras para mim. "Este é ele?" Ele enganchou o polegar em direção a B. "Sério? Eu pensei que eu te ensinei um gosto melhor." Braeden se esticou e deu um passo para a frente. Eu abaixei debaixo do braço e corri entre os caras, sentindo-me como se eu fosse a maionese em um sanduíche de macho. "Pare!" Eu empurrei no peito de B, e ele olhou para mim. Então eu me virei para trás para Drew. "Como se você fosse algo melhor ", eu cuspi. Sobre minha cabeça, os dois homens olharam um para o outro. Notei Rimmel pairando na porta, segurando uma Prada balançando. Suspirei. "Braeden, este é meu irmão, Drew. Drew, este é o meu namorado, Braeden ". "Seu irmão," Braeden disse friamente, olhando por cima de Drew novamente, desta vez com um pouco mais de interesse. "Sim. Meu irmão mais velho. Eu lhe disse sobre ele." Eu tirei minha mão do seu peito. Agora que ele sabia quem ele era, certamente ele iria sossegar. "Engraçado, eu não ouvi nada sobre você", disse Drew, olhando diretamente para Braeden. Eu gemi e girei em direção a ele. "Oh meu Deus, Drew! Cale-se! " Voltei-me para Braeden, e ele estava olhando para mim, procurando o meu rosto como se o comentário idiota do meu irmão de alguma forma ferisse seus sentimentos. Um nó se formou na minha garganta. "Ele está apenas sendo um burro", eu disse em voz alta. Então eu sosseguei a minha voz. "É claro que a minha família sabe tudo sobre você. Não tenho nada além de boas coisas a dizer sobre você. " Eu pressionei minha mão no seu peito nu. Braeden escovou a ponta de seu polegar sobre meu lábio inferior e o canto de sua boca subiu. "Eu


sei, querida." Seus lábios roçaram meu cabelo e a preocupação que eu senti, acalmou. "É preciso mais do que isso para irritar essas armas", disse ele, flexionando seu bíceps entre nós. Eu ri. Atrás de nós, Drew fez um som crepitante e eu fiquei tensa, prestes a gritar com ele novamente. "E quem é essa?" Ele voltou sua atenção para longe de nós e eu olhei quando ele começou a ir em direção a Rimmel. Rimmel saiu da porta e veio para a frente, sorrindo. "Eu sou Rimmel." "Ahh, a companheira de quarto." Drew lhe deu um sorriso encantador. "Ouvi dizer que você gosta de animais. Um monte de senhoras acha que eu sou um deles." Rimmel bufou. Braeden praticamente rosnou. "Ela está fora dos limites para você". "Apenas eu? Ou todos, menos o quarterback?" Disse Drew, piscando para Rimmel. A mandíbula de Braeden flexionou e eu apertei sua mão, em silêncio, pedindo-lhe para se acalmar. Bom Deus, por que os caras têm que ser tão territoriais? "Eu tenho certeza que você sabe a resposta para isso", disse Rimmel e Prada latiu para ele. "Prada", disse Drew e alisou as orelhas do cão. "A pequena encrenqueira." Ele olhou por cima do ombro com um sorriso triste. "Mamãe ainda sente falta deste cão." Eu ainda não podia acreditar que ele estava aqui. Eu não tinha visto meu irmão mais velho desde o último dia de ação de graças. Ele não estava na cidade quando fui para casa no início do verão. Era verdade. Drew era um pé no saco, mas eu o amava. Ele se voltou para o meu lado e jogou um braço ao redor do meu ombro. "O que é que um cara tem que fazer para conseguir um café por aqui?" "Nós acabamos de fazer um pouco." Rimmel acenou e foi a primeira a entrar.


Ela colocou Prada para baixo, que começou a pular em torno de todos os pés antes de correr de volta para a cozinha, onde a comida estava. Braeden me deu um último olhar, então fomos na frente. Drew e eu começamos a ir para a porta, quando ele se afastou e olhou para baixo. "Como vai, criança?" "Eu estou bem", eu disse, genericamente. "Ele é um verdadeiro cabeça quente, não é?" Ele apontou com o queixo na direção que Braeden foi. "Só quando ele acha que as pessoas que ama estão sendo ameaçadas", eu respondi. Então eu bati em seu estômago. "Ou quando pessoas como você o provocam." Ele levantou uma mão em sinal de rendição. "Eu estou no meu melhor comportamento." Ele fez um X sobre o coração. Isso significava que ele definitivamente não estava. "Drew," eu suspirei. Ele riu e puxou as pontas do meu cabelo. "Vamos, Ives, eu preciso de um pouco de café e eu quero ver sua casa. Tenho que relatar de volta para mamãe, você sabe." "Eu mandei fotos para mamãe," eu apontei. "E falei com ela no FaceTime." "Não é possível que um cara apenas se certifique que sua irmãzinha não está vivendo no gueto?" Eu ri. "Isso parece com o gueto para você?" Ele olhou ao redor do jardim da frente e na casa. "É uma casa muito bonita", ele concordou e nos estimulou em direção à porta enquanto ele deslizava os aviadores em sua cabeça. "Agora. Sobre aquele namorado ... " Eu fiz um som abafado e parei os meus passos. Eu estava falando sério quando fitei os olhos do meu irmão. "Seja gentil com ele, Drew. Eu não estou mais na escola. Eu amo Braeden. Tipo sério. Eu quero que vocês dois se dêem bem." "Tipo sério?" Ele zombou. Juro que ele fez a imitação perfeita de uma menina Valley.


Eu pisei no pé dele e ele uivou. Prada veio correndo para a porta de entrada e tentou atacar a sandália em seu pé. "Eu vou ficar bem." Ele ergueu as mãos. "Nossa, eu estou começando a sentir pena do cara. Vivendo com você, esta besta feroz, e sua irmã? Pobre rapaz, provavelmente precisa de algumas cervejas". Hah! Ninguém disse nada sobre Braeden pensando em Rim como sua irmã. Ele totalmente provou que eu falei sobre Braeden para minha família e ele estava apenas dizendo diferente para ser um idiota. Quando eu cruzei os braços sobre o peito para olhar para ele, ele sorriu maliciosamente. "Droga, é bom ver você, Ives." Ele me puxou de volta para mais um dos seus famosos abraços de urso. Fechei os olhos e relaxei contra ele. Este tinha sido o maior tempo que eu já tinha ficado sem vê-lo. Eu não tinha percebido até que ele estava do lado de fora o quanto eu sentia falta dele. A maioria das meninas eram meninas do papaizinho. Mas eu não. Eu sempre fui a menina de Drew. Meu irmão era uma das pessoas mais importantes da minha vida. Braeden também estava no topo dessa lista. Eu só esperava que meus dois caras favoritos se dessem bem.


CAPITULO oito

#VocêGostaDeNuggetsDeFrango Seu nível de maturidade faz você ganhar um Lanche Feliz no McDonald’s #BuzzBoss

B RAEDEN Eu não tinha necessidade de ser um especialista da arte para ver que esse cara era uma peça rara. Quando entrei na sala e ouvi um cara falando com Ivy como se ela precisasse de uma reprimenda, eu quase saí balançando. É provavelmente uma boa coisa que eu não fiz. Não gostaria de enviar o cara para casa levando na bagagem um lábio sangrando. Aquilo não ia me dar quaisquer pontos com os pais de Ivy. Eu balancei minha cabeça enquanto eu colocava um pouco de café na minha garganta. Eu nunca tinha sido o tipo de cara de se preocupar com o que os pais de uma menina poderiam pensar. Mas Ivy mudou tudo isso. Ela mudou tanto no meu mundo que era uma maravilha eu não ter uma coleira. "Você sabia que ele estava vindo?" Eu disse baixo para Rim. Ela sorriu e balançou a cabeça. "Ele parece bom, no entanto." Eu fiz um som rude. "Será que acabamos de conhecer o mesmo cara?" Ela riu.


Meu telefone soou e eu o segurei para olhar para a mensagem de texto. Era de Romeo. Ele tinha a foto que eu tinha enviado de Rimmel. “Eu amo essa cara. Voltando para casa na próxima semana.” “Bom. Posso precisar de reforço.” Romeo respondeu rápido. “E aí?” “O irmão de Ivy estava no batente da porta hoje de manhã.” “Babaca?” Eu ri para mim mesmo. Às vezes, Rome só pegava as coisas. “Possivelmente.” “Seja forte como touro.” Eu ri alto enquanto Ivy e Drew entravam na sala. “Eu vou.” Eu atirei a mensagem de volta e, em seguida, deslizei o telefone no bolso. "O que é tão engraçado?" Perguntou Ivy. "Só Rome sendo Rome", eu disse. Ela foi derramando duas xícaras de café, enquanto Drew fez-se em casa com a caixa de donut. "Quanto tempo você vai ficar?" Perguntei-lhe. "Braeden!" Ivy e Rimmel repreenderam ao mesmo tempo. "O quê?" Eu dei de ombros. "É uma questão legal." Drew terminou seu donut. "Não tenho certeza ainda. Não estou com pressa para sair. Não tenho visto minha irmã por um longo tempo." "Onde você vai ficar?" Perguntou Ivy. Drew deu de ombros e tomou o café que ela lhe ofereceu. "Não sei ainda. Não pensei nisso. Somente cheguei em casa e minha mãe disse que você ia morar junto com seus amigos e namorado. " "Eu não estou morando junto," Ivy respondeu. "Bem, como eu poderia saber isso? Mamãe e papai nem sequer o conheceram ainda. Eu não posso acreditar que eles simplesmente deixaram você morar com ele ".


Esse cara era um verdadeiro pé no saco. Eu me endireitei no balcão, mas Ivy não parecia precisar de ajuda para dizer ao irmão mais velho como era. "Eu sou uma adulta, Drew. Eu não preciso de sua permissão. Mas, mesmo assim, eles a deram. Ninguém tem um problema com meus arranjos de moradia além de você. " "Eu não disse que eu tinha um problema", ele rebateu. "Eu só queria ver por mim mesmo como você estava." "Você pode ficar aqui", Rimmel ofereceu a partir de seu assento na ilha. Eu lhe dei-lhe um olhar WTF7. "Você tem certeza que Romeo não vai se importar?" Perguntou Ivy. "Nah. Ele não vai se importar," Rimmel respondeu. "Eu me importo," eu entrei na conversa. Todo mundo me ignorou. "Impressionante. Obrigado, senhoras.” Drew pegou outro donut e deu uma mordida. "Lugar bacana", disse ele, olhando ao redor durante a mastigação. Peguei minha caneca e me encaminhei para a extremidade oposta dele na ilha. Ivy entrou no meu caminho. Tentei dar-lhe um olhar irritado, mas não cheguei a ter sucesso. Seu queixo foi desviado para trás, com o rosto ainda livre de maquiagem e seu cabelo caía como uma cascata seguindo a curva de suas costas. Obrigada, ela moveu a boca. Cheguei em torno de suas costas e deixei meus dedos brincarem nas pontas soltas de seu cabelo. Seu corpo balançava em direção ao meu apenas ligeiramente. Baixei minha boca, ignorando todos os outros na sala, e beijei-a suavemente. Não foi um beijo terrivelmente longo, mas foi satisfatório. Esperava que isso mostrasse ao seu querido irmão que eu não ia a lugar nenhum. 7

WTF, What The Fuck, que porra é essa.


Quando eu recuei, eu peguei a mão dela e levei-a ao redor de onde eu estava sentado e puxei-a para meu colo. Ela embalou o café com as duas mãos e virou-se para seu irmão. Rimmel levantou-se e colocou a xícara na pia. "Eu gostaria de poder ficar, mas eu tenho que estar no abrigo em uma hora." "Menina", Ivy disse, "vai me levar esse tanto apenas para corrigir o seu cabelo." Rimmel olhou para mim e eu sorri. "Eu vou lavá-lo. Talvez você possa apenas trançá-lo para mim antes de eu ir?" "Certo! Vou subir daqui a pouco. Eu tenho que tomar banho também." Quando Rimmel foi embora, Ivy virou-se para Drew. "Então, o que você tem feito? Como foi o estágio?" Drew sentou-se no banco e suspirou. "Foi bem. O pai está emocionado." Eu o estudei enquanto ele contava a Ivy sobre o estágio que ele tinha feito no verão em alguma grande empresa de software. O pai de Ivy era algum grande programador de computador ou algo assim e ele estava esperando que pelo menos um de seus filhos seguisse seus passos. Aparentemente, aquele filho ia ser Drew. Eu acho que ele e Ivy se pareciam um pouco. Ele tinha olhos azuis como ela (mas os dela eram melhores), seu cabelo era de um tom mais escuro de loiro e cortado curto, quase como se tivesse sido zumbido fora, mas lentamente voltou a crescer. Ele era um cara grande, não tão grande quanto eu, mas se ele quisesse, ele poderia aumentar acima. Ele era, provavelmente, menor alguns centímetros e dava a impressão de um surfista despreocupado. Mas eu devia ter adivinhado. Esse cara não era um banana. Parte de mim estava feliz por isso; a outra parte de mim não gostava. Depois que ele falou um pouco sobre o seu estágio e como seu pai estava empurrando-o a se candidatar na mesma empresa que ele


trabalhava, eu interrompi. "Então você está dizendo que não quer trabalhar com computadores?" Drew deu de ombros. "Eu gosto de tecnologia. Eu sou bom nisso. Mas, sentar atrás de uma mesa todos os dias não parece tão atraente. Tenho a sensação de que você sabe o que é isso." "O que te faz dizer isso?", perguntei. "Você não é um jogador de futebol?" "Pensei que você não tinha ouvido nada sobre mim." Ivy riu. Drew sorriu. "Touché." Eu resmunguei. "Eu jogo bola. Você joga?" Drew sacudiu a cabeça. "Não é para mim." "Qual é a sua coisa?" Ivy parecia animada para me dizer. Ela se sentou e olhou por cima do ombro. "Drew gosta de carros!" Interessante. Ele pareceu pegar a excitação de Ivy. "Você gosta de carros?" Dei de ombros com um ombro. "É um hobby." "Braeden faz todo o trabalho no meu carro, quando ele precisa." Isso me rendeu um olhar de interesse. "Ele faz?" "Eu não vou ter a minha menina dirigindo por aí um carro que não é seguro." Drew concordou pensativamente e algo pareceu mudar no ar. Eu tinha acabado de ganhar o meu primeiro parcela de respeito dele. Não que eu me importasse. "Drew conserta carros também", disse Ivy. "Você viu o seu carro na garagem? É lindo." "Os muscle cars8 não são bonitos, Ives," ele disse, exasperado. Muscle car é um termo utilizado para classificar uma série de carros de alta performance. Para ser mais específico, qualquer carro esportivo com motor desenvolvido para alto desenvolvimento e tração traseira. 8


Eu balancei minha cabeça. Eu não o tinha visto. Eu estava muito ocupado olhando para ele. "Que tipo de carro é?" "Mustang Vintage. Eu restaurei." "Levou quase todos os quatro anos de faculdade para conseguir restaurar", acrescentou Ivy. "Doce. Eu gostaria de vê-lo." Bem, se o cara poderia restaurar um Mustang e manter sua integridade, então ele poderia não ser tão ruim, afinal. "Aquele é o seu caminhonete na garagem?" "Sim." Drew assentiu. Ivy suspirou alto. "Vocês são como um par de homens das cavernas que estão em torno de bater seus peitos." Eu coloquei meu café de lado e envolvi os braços em volta dela para que suas costas estivessem firmemente contra a minha frente. "Você ama isso", eu sussurrei em seu ouvido. Sua mão cobriu ambas as minhas mãos e as suas, e ela riu. "Não, mas eu te amo." Eu beijei o lado de seu pescoço e gostei do ligeiro jeito que ela estremeceu. "Então, o que vocês planejaram hoje?", Drew perguntou. "Eu não pensei em nada. É o nosso último dia livre antes do início das aulas". "Doce", Drew disse com um bocejo. "Será que você dirigiu em frente até chegar aqui?" Perguntou Ivy. Ele assentiu. "Sim, eu poderia dormir um pouco." Essa era uma longa viagem do inferno para fazer sozinho, da Carolina do Norte até Maryland. "Eu vou aprontar o quarto extra para você." "Eu tenho um quarto?" "Claro!", disse ela.


Do andar de cima, Rimmel chamou por Ivy. Ela pulou do meu colo. "Eu tenho que ir ajudá-la com o cabelo. Já volto." Ela se debruçou ao redor e deu um beijo rápido na minha boca e sussurrou: "Seja bom", antes de sair correndo da sala, Prada perseguindo ao longo atrás dela. "Você dirigiu um longo caminho apenas para me verificar", eu disse, sem corte. "A julgar pela forma como os seus ânimos se exaltaram quando eu estava flertando com Rimmel, eu acho que você faria o mesmo por ela". "Flerte com ela de novo e eu vou chutar o seu traseiro." Eu quis dizer isso. "Não pense que eu não vou fazer o mesmo pela minha irmã." Eu profundamente queria salientar que eu tinha feito muito mais com Ivy do que flertar. Mas eu não tinha boca grande; não havia nenhuma maneira no inferno que eu iria desrespeitar Ivy assim. "Você não precisa se preocupar com Ivy. Eu vou me certificar de que ela está sendo cuidada. " Drew me estudou como se ele tivesse algo a dizer. Então eu o chamei para fora. "Basta dizer isso." "Alguma coisa está errada com a minha irmã. Ela pode não dizer isso, mas eu sei. Ela alimentou nossos pais com alguma desculpa de merda sobre estar toda estressada sobre as finais no último semestre, mas eu não enguli isso. Ivy não se estressa com estes testes. E então eu cheguei em casa para descobrir que ela se mudou e com você". "Você não a tem visto por um tempo. Talvez você compreendendo errado." Ele não estava compreendendo errado.

esteja

"Talvez você esteja mentindo na minha cara." Drew desafiou. "O fim do semestre passado foi difícil para ela. Alguém começou alguns boatos. Tornou difícil", eu disse, mantendo minhas palavras perto. "Pensei que isso era faculdade," Drew murmurou. "Você conhece as mulheres?" Eu rachei. "Eles são selvagens." "Palavra." Drew concordou. Então ele olhou para mim. " Olha, eu sei que Ivy é extrovertida e rápida para jogar uma linha sarcástica, mas isso é tudo na superfície. Ela foi protegida enquanto crescia. Ela é a única menina de três filhos. Nós tivemos cuidado com ela. Nós a protegemos. Ela não


tinha muita liberdade na Carolina do Norte porque um de nós estava sempre lá, assistindo." Eu engoli em seco. Eu sabia que ela posava como menina festeira. Ela agia da maneira que ela achava que ela deveria para se encaixar aqui. Eu sabia que ela tinha uma grande família. Eu sabia que seus pais eram rigorosos. Mas, droga, se ouvir tudo isso de seu irmão não fez tudo o que ela tinha passado ser pior. Isso também explicava um monte de como isso poderia acontecer. Como isso poderia acontecer com um monte de meninas. Elas só não pensavam nisso. Ou elas não entenderam que as pessoas pudessem ser tão calculistas e frias. Elas não tinham aproveitado antes, então elas não tinham idéia de quais eram os sinais quando isso estava para acontecer... Até que fosse tarde demais. "Olha." Minha voz estava rouca e eu limpei minha garganta. "Eu poderia não ter olhado bastante difícil quando eu a conheci, mas isso mudou desde então. Eu sei que debaixo de seus cabelos loiros, roupas bacanas e sorriso, ela tem o coração de um marshmallow. Eu farei qualquer coisa," fiz uma pausa para o efeito e o olhei no olho, "para garantir que ninguém a machuque novamente." Drew assentiu. "Eu acredito em você." Ele arruinou as palavras com um sorriso. "Mas você não vai se importar se eu ficar por um tempo? Outro par de olhos sobre ela não faria mal." A menos que ele veja as coisas que eu não quero que ninguém veja. "É legal", eu disse. "Mas estamos ocupados esta noite. Eu tenho planos." "Que tipo de planos?" "Os planos que só ela precisa estar a par." Eu poderia ter decidido que ele não era o idiota gigante que eu pensei inicialmente, mas isso não significava que ele precisava saber do meu negócio. "Jantar?" Ele negociou. Eu balancei a cabeça uma vez e me levantei. "Certo. Jantar. Mas depois disso, ela é minha para a noite."


CAPITULO nove

#MeditaçõesTardeDaNoite Se o sapato de Cinderela servia, por que caiu? #BuzzBoss

I VY Ele disse que tinha algo planejado. Uma surpresa. Braeden era bom em surpresas, em planejar coisas. Talvez esta tenha sido a maior surpresa de todas. Ele totalmente não era o tipo de cara que alguém pensaria no tipo de fazer grandes gestos. Mas eu tinha um quarto cheio de estrelas que dizia o contrário. Eu não tinha ideia do que esperar. Depois que Rimmel partiu para o abrigo, e Drew estava roncando no quarto de hóspedes, ele me beijou e disse que ia me ver mais tarde. O tempo todo que eu estava no chuveiro, eu me perguntava se talvez tinha algo a ver com o que ele queria falar comigo sobre antes de Drew aparecer. Eu esperava que o que fosse não tornasse a barreira que eu senti entre nós mais forte. A verdade era que eu precisava de Braeden. Eu precisava da conexão entre nós. Eu precisava da sensação de estar segura que eu sempre tinha quando eu estava com ele.


Depois do banho, eu levei o meu tempo em me vestir e fazer o meu cabelo. Drew estava dormindo e Prada estava atacando um brinquedo novo. Eu não tinha certeza do que B tinha em mente para esta noite, mas eu sabia que, o que quer que fosse, não seria extravagante. Braeden não era um tipo de cara extravagante. Tudo o que ele tinha planejado seria um produto de quem ele era e seria genuíno. Eu coloquei um par de jeans rasgados branco que apertava na altura dos tornozelos. No topo, eu adicionei uma camiseta regata folgada A-line9 de um material macio sedoso que flutuava em volta da minha cintura e quadris quando me movia. Era em um padrão gráfico de turquesa leopardo. Para os meus pés, eu encontrei um par de tamancos rosa-pálido e os coloquei na porta. Eu deixei meu cabelo solto, mas enrolei-o em ondas grandes, soltas. Ele tinha crescido durante o verão e agora caía além da tira do meu sutiã. Eu mantive minha maquiagem simples, um estilo glamour natural com a pele brilhante e olhos com um pouco de brilho. Em vez de perfume, passei alguma loção para o corpo com perfume de mojito10 de amora, e eu coloquei algumas pulseiras empilháveis no meu pulso. A única outra jóia que eu usava era o colar de estrela de prata que B me deu. Eu nunca tirava. O decote baixo da camiseta mostrava o presente perfeitamente. Braeden chegou em casa um pouco depois, enquanto Drew e eu estávamos sentados na sala de estar, tirando o atraso em tudo desde que tínhamos visto um ao outro na última vez. Quando Rimmel chegou em casa, pedimos algumas sobremesas (saladas grandes, frescas e algumas pizzas), e nós quatro nos sentamos comendo e brincando. Não foi até que o sol se pôs e o céu estava escuro que Braeden pegou minha mão. Eu pensei que Drew poderia estar preocupado em nos deixar em sua primeira noite aqui, mas ele não parecia se importar de jeito nenhum. Na verdade, ele bocejou alto e disse que ia para a cama. Braeden dirigiu por um tempo, virando em estradas que eu nunca tinha viajado antes. Quando nós estávamos a cerca de quarenta e cinco

9

Modelo de camiseta sem mangas, caindo bem solta e folgada para os lados. Mojito é uma bebida típica de Cuba à base de rum.

10


minutos de distância do campus, ele abrandou e virou para uma estrada que eu nunca teria visto se eu estivesse dirigindo. Era uma estrada de pista única que fazia um caminho através de um grupo de árvores. Ela subia e fazia uma curva em torno da colina, aparentemente sem fim. Eu era uma menina da Carolina do Norte. Eu cresci perto das montanhas, por isso não era nada de novo para mim. Mas era a primeira vez que eu tinha estado em algum lugar como este em Maryland. Olhei atentamente para fora da janela enquanto passávamos por clareiras e árvores, até mesmo algumas casas, até que finalmente a estrada estabilizou e se endireitou. Fora do para-brisa, uma vista deslumbrante literalmente se espalhou diante de nós. Era como se estivéssemos na beira de um precipício que dava para um vale de árvores subindo até montanhas intermináveis. Era difícil para apreciar a vista totalmente com apenas a luz dos faróis e da lua, mas o que eu podia ver era bonito, e eu sabia que à luz do dia, seria de tirar o fôlego. "Que lugar é esse?" Eu perguntei, minha voz reverente. Ele dirigia lentamente enquanto falava. "Nós costumávamos vir aqui quando adolescentes para atolar na lama ou somente sair para passear. Muita gente veio aqui para estacionar. " Seus dentes brilharam no escuro, e com o brilho do traço, eu podia ver as sobrancelhas abanarem em sugestão. Eu ri. "Você me trouxe para estacionar?" "Algo parecido." Alguns minutos mais tarde, o veículo diminuiu ainda mais e ele estacionou ao lado da estrada, na borda de uma grande clareira. "Fique aqui um segundo," ele instruiu uma vez que a caminhonete estava no parque. "Aonde você vai?" De repente, tudo o que ele tinha planejado não parecia ser uma ideia tão divertida. Braeden deslizou pelo banco e levou seu corpo até o meu. "Eu não vou para longe, baby." Sua voz era tão suave como o chocolate escuro e suave, como o algodão. "Espere aqui, ok? Eu a manterei segura. "


"Ok", eu sussurrei, levantando os dedos para escovar sobre o lado de sua mandíbula. Ele pegou minha mão e a beijou. Eu fui deixada em uma pequena bolha de calor e observei-o caminhar ao redor da cama da caminhonete. O som da porta do bagageiro sendo liberada e o choque dele saltar para a cama me fez sorrir. Braeden tinha totalmente me trazido para o estacionamento. Poucos minutos depois, a porta do lado do passageiro se abriu e sua mão apareceu na minha frente. Sem hesitar, coloquei a minha na dele e lhe permiti me guiar para fora da cabine. Estava incrivelmente escuro, mas ele parecia saber exatamente onde pisar. Com o braço em volta da minha cintura, eu fui para a parte de trás da caminhonete. O braço de B me deixou e ele pulou na parte de trás. Segundos depois, o espaço se iluminou. Mais uma vez, Braeden me surpreendeu. A cama improvisada colocada na caminhonete estava cheia de cobertores e travesseiros. Havia um edredom de camada espessa, cobertores embaixo que impressionavam, e uns que pareciam tão macios que minha mão flexionava com o desejo de atiçá-los. Tinha que haver pelo menos quinze travesseiros. Alguns eram enormes e macios, enquanto outros eram menores e redondos. Tudo era colorido, não tipo cores de circo, mas suaves, macios. Braeden sentou-se no centro, segurando uma lanterna elétrica. Isso lançava um brilho âmbar sobre tudo, criando um espaço íntimo. "Você fez tudo isso?" "Eu queria algum tempo sozinho com a minha menina." Meu estômago virou-se e dançou com borboletas. Ele colocou a lanterna para o lado, junto a uma garrafa de vinho e um par de copos de plástico. Eu sorri. Ele desceu e praticamente me levantou na cama. No segundo que eu estava lá, eu chutei meus tamancos e enterrei os meus pés nas pilhas de cobertores. "Isso é incrível, Braeden."


O ar estava fresco e frio. Tecnicamente, era verão ainda, mas aqui em cima na montanha e sem qualquer traço do sol, havia uma mordida definida de outono no ar. O tempo ia começar a esfriar rápido, mas esta noite estava perfeito. Eu respirei fundo e levantei meu queixo um pouco para deixar o ar acariciar meu rosto. Eu senti falta disso, estar a céu aberto, rodeada pela natureza. Tudo parecia muito menor quando você estava em tal espaço extenso, e estranhamente, era reconfortante. Braeden virou de volta à beira de alguns cobertores e afundou-se no centro, entortando o dedo na minha direção. Eu me afundei ao lado dele e me recostei contra as pilhas de travesseiros para olhar para o céu. "O céu está cheio de estrelas," eu sussurrei. Braeden enfiou os cobertores ao nosso redor e me puxou para o seu peito. "Elas são nossas estrelas, Blondie." Debrucei-me de volta para ele e suspirei. "Eu gosto disso." "Tudo parece mais fácil para nós quando estamos sob as estrelas. Já notou isso? " "Sim eu notei." "Você sabe por quê?" Sua voz era um mero rumor contra a minha orelha. Senti sua respiração em cada sílaba que ele falou, tipo minha canção de ninar pessoal. "Por quê?" Eu me aconcheguei mais contra ele, e seu braço apertou em volta da minha cintura. "Porque as estrelas não têm regras. Qualquer coisa vai aqui abaixo delas. Não há certo ou errado. Elas cintilam e brilham, independentemente. As estrelas vêem tudo, baby. Elas nos vêem exatamente pelo que nós somos." "E quem somos nós agora, Braeden?" Eu sussurrei. Gentilmente, ele levantou meu queixo para que seus olhos pudessem se conectar com os meus. "Somos duas pessoas à deriva, como um barco sem o seu remo. Eu não quero estar a deriva mais, Ivy. Eu quero lançar âncora. Eu quero me certificar de que você não se afaste de mim."


"Eu sinto muito." Eu tentei desviar o olhar, mas ele não me deixou. Em vez disso, ele se endireitou e girou em torno de modo que ele estava de frente para mim. "Eu sou o único que está arrependido. Você pode me perdoar, baby?" Eu senti meu nariz enrugar e minhas sobrancelhas franzirem. Afundei nos travesseiros, quase como se eles fossem uma rede que me pegou do choque de seu pedido de desculpas. "Por que diabos você pediria desculpas para mim?" Uma brisa suave flutuava durante a noite, e sem desviar o olhar no meu rosto, ele alcançou atrás dele e puxou um cobertor peludo por cima do meu colo e o colocou nas minhas pernas e braços. "Eu vi o olhar em seus olhos esta manhã. Quando você entrou e viu a mim e Rimmel na cozinha." Comecei a balançar a cabeça, para negar, negar, negar. Eu não ia ser aquela garota. Eu não ia ser do tipo que ficava chateada quando seu namorado mostrava afeição para uma outra menina, para sua família. Eu lamentava seriamente que ele tinha apanhado qualquer olhar nos meus olhos. Eu deveria ter trabalhado mais para escondê-lo. Para bloqueá-lo. Eu estava incrivelmente cansada de esconder as coisas. Por alguma razão, parecia que tanto estava escondido recentemente. Mesmo os meus próprios sentimentos pareciam se esconder de mim. Ele agarrou minha mão e deu-lhe um aperto. "Não faça isso. Não finja comigo. Eu quero saber de tudo. Lembre-se, aqui não há regras. Você pode dizer o que quiser." Eu cedi e concordei com a cabeça uma vez. "Incomoda a você me ver com a Rim?" "Não!" Eu disse rapidamente. "Eu juro que não. Eu entendo totalmente todo o vínculo irmão/irmã. Eu tenho isso com Drew." "Esse cara é uma peça rara," B murmurou. "Ele é meu irmão." Eu defendi. "Ele te ama, então ele deve ser bastante decente." Revirei os olhos.


"Então," ele começou, trazendo de volta a conversa. "O que houve esta manhã?" Suspirei e olhei para as estrelas, esperando que elas me emprestassem um pouco de força. "Eu podia sentir quão próximos vocês dois são. Como vocês são tão abertos um com o outro. Eu acho que me deixou triste. Eu quero aquilo com você." "Eu pensei que nós tínhamos isso." Ele olhou para as nossas mãos unidas. "Não é tão fácil, porém, não é?" Essa sensação de vazio que eu às vezes tinha era ameaçadora. Tentei afastá-la. Eu não iria deixar entrar. Não aqui. Não esta noite. Olhei para os cobertores, os travesseiros, o vinho. As estrelas no céu estavam brilhantes, e B estava segurando minha mão. Pode não ser fácil com Braeden (com qualquer relacionamento), mas isso não significava que o que tínhamos não era bom. As coisas com B eram boas. Melhor do que boas. Ele era tudo o que eu realmente queria. E fácil ou não, ele valia a pena o esforço. "Eu percebi uma coisa hoje, algo que eu nunca disse, mas deveria ter dito" Enquanto falava, seu polegar acariciou as costas da minha mão. "Algo que eu acho que está criando essa coisa não identificável, não dita entre nós." Ele apontou entre os nossos corpos com a mão, como se para pontuar o seu ponto. "Alguma coisa que está tornando difícil para você se mover além daquela noite. " Minha respiração ficou presa e tudo dentro de mim se acalmou. Eu não queria falar sobre Zach. Eu não queria arrastá-lo para este momento bonito. Eu comecei a balaçar a minha cabeça, empurrando para longe os pensamentos dolorosos, a culpa e a autoaversão. Braeden estendeu a mão e agarrou meus quadris, deslizando-me para que eu me sentasse e assim fechar nossos joelhos batidos. "Está tudo bem, baby. Eu sei que você está com medo de falar sobre isso e ouvir o que eu tenho a dizer, mas eu juro por cada estrela no céu esta noite, nada vai mudar o quanto eu te amo". Lágrimas ameaçaram as costas dos meus olhos. Meu peito apertou com a emoção sem nome. Eu desenhei em uma respiração funda e assenti.


"Eu nunca te disse. Eu não me importo." É uma boa coisa que ele já dissera o quanto ele me amava, ou aquela frase poderia ter danificado o meu ego. "Querido, seus grandes gestos podem fazer uma menina desmaiar, mas nós realmente precisamos trabalhar naquelas palavras," eu disse a ele com um tom paciente, enquanto vestia uma ligeira careta. Seus dentes irradiaram brilhantes contra o pano de fundo escuro da noite, quando ele sorriu. "Nós já estabelecemos que eu não sou muito bom em explicar como me sinto." Enfiei meus dedos entre os seus e liguei nossas mãos. "Contanto que tudo o que você me diz seja verdade, então eu não me importo o quão feio parece." Eu pensei que a picada poderia fazê-lo rir. Ou pelo menos resultar em um retorno rápido. O silêncio se estendeu entre nós, mais estranho do que qualquer coisa que eu poderia ouvir farfalhar nas árvores próximas. Isso me assustou. "Braeden?" Minha voz estava hesitante. "Eu nunca fiz isso antes." A tensão em suas palavras era inegável. Ele não aliviou qualquer um dos meus sentimentos perturbadores. "Eu nunca estive em um relacionamento. Eu nunca estive apaixonado". "Você é meu primeiro amor também." Ele fez um som, um cruzamento entre um gemido e um grunhido, e segurou meu rosto para olhar atentamente para mim. "Você não é o meu primeiro amor, Ivy. Você é meu único. Nunca vai haver outra você". Mordi o lábio inferior. Tanto que eu queria acreditar. Tão irrevogavelmente eu queria seu coração e seu futuro. Mas havia esta pequena voz no fundo da minha cabeça que sussurrava que eu não era boa o suficiente. "Ouça-me", ele entoou, me sacudindo suavemente. Fixei os olhos no rosto dele. "Eu não me importo que você dormiu com ele. De maneira alguma, condição ou forma de controle que eu vejo você. Foda-se, nem sequer é um fator. Eu deveria ter dito isso meses atrás. Eu deveria ter me certificado de


que você lesse em meus olhos..." Ele pegou minha mão e colocou-a contra seu peito. A batida forte sob a minha palma parecia acentuar suas palavras. "Em meu coração, você está em um nível que mais ninguém nunca vai chegar." "Braeden..." Uma lágrima rastreou meu rosto, seguida por outra. Deus sabe que eu não estava orgulhosa daquela noite. Era honestamente o maior arrependimento da minha vida. A auto aversão que eu senti sabendo que permiti Zach tocar meu corpo, corroía pedaços de mim, até que me senti como se eu poderia quebrar a qualquer momento. E sim, eu me preocupava que talvez Braeden pensasse menos de mim. Eu me preocupava que todos no campus me olhassem e vissem uma puta. Eu não ia me preocupar mais. "Não importa quem veio antes de mim, contanto que eu seja o seu último." Ele continuou, as almofadas de seus polegares enxugando minhas lágrimas. Depois fechou a distância entre nós e me beijou com ternura. O próprio Channing Tatum poderia aparecer na minha porta (ele é tão totalmente quente) e não me importaria. Braeden me possuía. E ele iria até o dia em que eu morresse.


CAPITULO dez

Relacionamentos são como pessoas gordas... A maioria deles não mal resolvidos. #BuzzBoss

B RAEDEN Contanto que tudo o que você me diz seja verdade, então eu não me importo o quão feio parece. Eram suas palavras um sinal? Um sinal de que tudo o que eu tinha feito para proteger a garota que eu amava mais do que a minha própria vida estava errado? Estava a minha proteção ficando no nosso caminho de estar tão perto como duas pessoas poderiam estar? Eu trouxe Ivy aqui fora para que pudéssemos conversar, para que pudéssemos resolver as coisas que esquecemos de falar, exceto o material que estava lá, todavia. Eu pensei que as estrelas, os cobertores, os travesseiros e ar fresco da noite tornariam mais fácil. Eu acho que, de alguma maneira, tornaram. Com certeza me comprou um monte de pontos de brownie no departamento do romance. Quando eu acendi a lanterna e vi seus olhos rodarem em tudo o que eu tinha feito, meu jogador interior gritou: Touchdown! Porque claramente, Blondie gostou do que viu. O que eu disse a ela era a verdade. Eu não ia julgá-la sobre o que aconteceu com Zach. Sim, eu estava chateado e magoado quando eu descobri, e eu experimentei um caso infeliz de diarreia na boca, mas eu


nunca pensei mal dela. Então eu descobri que não era consensual. Eu descobri que era estupro. Como é que um homem pode digerir essa merda? Saber que o ato mais vil, horrível, foi feito para a mulher que ele amava? Meu Deus, quando é que o abuso em relação às mulheres vai terminar? Parecia que cada mulher em minha vida foi vítima de um homem. Minha mãe, Rimmel, Ivy. Ver como isso as rasgou, vê-las tentar segurar junto, estava difícil pra caralho. Poderia ser a coisa mais difícil que eu já tive de testemunhar. Eu não fui capaz de ajudar minha mãe. Eu era muito jovem para intervir e parar o meu pai de bater nela. E quando ele parou, ele iria atirar palavras dolorosas para ela que parecia mais doloroso do que qualquer soco, chute, ou tapa jamais poderia ser. Eu provavelmente ouviria essas palavras na parte de trás da minha mente para sempre. Eu não fui capaz de parar a dor que Rimmel suportou a partir de sua própria família, de Zach, e das pessoas que queriam vingança contra seu pai. E ela tinha Romeo, meu melhor amigo, um homem que eu sabia que, sem dúvida, iria abrigá-la da melhor maneira possível. Mas quem Ivy tinha? Ela foi uma vítima que nem sabia que ela era. Eu poderia protegê-la. Eu poderia ter certeza de que sua dor não fosse mais profunda do que já era. E é por isso que eu escondi a verdade. É por isso que eu bati em mim mesmo em uma base diária, querendo saber se a escolha que eu fiz foi certa. "É vinho que eu vejo ali?" Perguntou Ivy, fungando um pouco. Ela chorou quando eu lhe disse que não me importava com Zach. Suas lágrimas eram apenas uma prova de que aquelas eram palavras que ela precisava ouvir. "Garota, você sabe que eu não vou de carro para o meio do nada por algum tempo privado sem uma garrafa de coisas boas ", eu disse lentamente e me recostei para que eu pudesse prender a garrafa.


Ela riu. "Então, que tipo de coisas boas são essas?" "Foda-se, sei lá." Eu dei de ombros. "Eu nunca bebo vinho. Você sabe disso. Eu consegui isso de um dos caras do time." "Deixe-me ver." Ivy estendeu a mão. Seus lábios estavam franzidos, mas eu podia vê-la tentando não rir. Eu entreguei a garrafa para que ela pudesse puxá-la em seu colo e virar o rótulo para encará-la. Sua risada explodiu quase imediatamente, e ela agarrou a garrafa contra o peito enquanto um caso grave de risadinhas abalou seu corpo. Eu fiz uma careta. "Que diabos é tão engraçado?" Ivy riu ainda mais, como se eu não saber fosse, de algum modo, a cereja no topo. "Blondie", rosnei. Ela se sentou e enxugou uma lágrima de seu olho e limpou a garganta. Diversão brilhou em seus olhos quando ela virou o rótulo ao redor para me encarar. "O quê?" Eu dei de ombros. "É um Boone”s Farm." "Isso é tipo uma marca ruim ou algo assim?" "Bem, nós estamos meio que em um milharal. É realmente totalmente apropriado. " "Total quê?" Que porra ela estava falando? Seus dentes brilharam, e ela praticamente abraçou a garrafa. "Boone’s Farm, eu acho que é tecnicamente um vinho. Eu não chamaria necessariamente de coisa boa. " "Por quê?", perguntei em dúvida. "Eu não posso acreditar que você nunca ouviu falar dessas coisas. Toda colegial bebe isso." "Eu não sou uma garota do ensino médio," eu indiquei, meio que descontente, ainda que ligeiramente divertido.


"Bem, certamente você foi para festas do ensino médio. Você sabe aquelas onde as garotas agiram super embriagadas, mesmo que cheirassem a batom de cereja, mas jurou que estavam bêbadas." Eu sorri. "Sim, eu me lembro daqueles dias." Ivy me bateu. "O quê?" Eu exigi. "Você perguntou." "Isso não tem quase nenhum álcool." Ela riu. " Eu nem sabia que ainda faziam isso. Onde você o conseguiu mesmo? " Ok, então, será que trazer esta bebida totalmente divertida de menina tirou quaisquer pontos de bónus que eu já colecionava? Ou ela estava secretamente satisfeita que eu tinha aquela merda? "Eu te disse. Eu peguei de um dos caras do time. Eu disse que precisava de algo diferente de cerveja que a minha menina gostaria." Eu olhei para a garrafa. "É rosa. Você gosta de rosa. Eu pensei que era tipo aquele vinho rosa que as mulheres bebem.” "Ivy riu novamente. Ela apontou para o rótulo. "É sabor de melancia." Eu olhei para o rótulo. Dizia melancia. Eu zombei. "Não pode ser tão ruim. Me entregue." Ela o fez, e eu tirei a tampa (ainda outra pista de que talvez isso foi alguma merda barata) e derramei nos dois copos de plástico que Ivy estendia. Eu peguei um dos copos e cheirei o conteúdo. Cheirava a alguns purificadores de ar ruim que você poderia comprar no Wal-Mart, que prometia fazer o seu carro cheirar bem, quando o que ele realmente fazia era dar náuseas. "Frutado". Ivy sorriu e tomou um gole. Seus olhos brilhavam com malícia. "Tente." Oh, que inferno? Eu já tinha prescindido da minha masculinidade para beber Smurf Balls; essa merda cor-de-rosa não podia possivelmente ser pior. Eu tomei um pouco, deixando o derramamento de sabor em toda a minha língua. Puxei-o para trás e olhei para baixo. Isso era pra ser álcool ou refrigerante?


Acho que eu poderia ver porque ela foi batizada como melancia ... Ok, não, eu não podia. Não tinha sequer gosto de melancia. Tinha gosto de um Jolly Rancher gigante. "Bem?", perguntou Ivy. "Muito dessa merda pode nos dar diabetes," eu brinquei. "Quero dizer, sério. Você quer um pouco de vinho com açúcar?" "Ahhh, mas é vinho cor-de-rosa!" Eu fiz um som rude. "A merda que eu faço por você, mulher." Ivy bebeu um pouco mais. Eu fiz uma careta, mas estranhamente, eu estava pensando em tomar outro gole também. "Eu meio que gosto", ela confidenciou. "Beba." Eu estendi minha mão como se fosse um convite formal. "Você só quer me embebedar para que você possa aproveitar de mim", ela brincou. Meu corpo estremeceu. "Isso não é porra engraçado." Minha voz era dura e alta. Ivy respirou fundo e se endireitou. Todos os traços de diversão foram eliminados de suas feições. "Eu estava só brincando. Há uns três por cento de álcool nisto. Eu não ficaria bêbada mesmo se eu tivesse a garrafa toda." Jurei sob a minha respiração e esfreguei a mão no meu cabelo. "Eu sinto muito. Eu acho que apenas a sugestão de que eu sequer faria algo assim para você me deixa doente". Ela colocou a taça no colo e estendeu ambas as mãos, colocando-as em meus joelhos. "Eu sei que você não iria, B. Eu me sinto mais segura com você do que qualquer um que eu já conheci. Mesmo Drew." Eu soltei um suspiro e bebi um pouco do suco de frutas disfarçado de vinho. "Você quer dizer isso?", perguntei. Por alguma razão, essa afirmação significava muito para mim. Quase tanto quanto quando ela me disse que me amava pela primeira vez. Era como se de alguma forma validasse tudo o que eu tinha feito.


"Juro por cada estrela no céu", ela falou, repetindo minhas próprias palavras de volta para mim. "Eu sei que você nunca iria me machucar, Braeden James Walker. Estou segura com você. " "Traga esses lábios bons do caralho aqui, mulher." Eu abri um braço. Ela se inclinou, e eu a puxei para o meu colo. Ela riu, mas eu peguei o som com os meus lábios e usei a língua para reivindicar o resto. Ela era doce e sua língua era legal. Chupei-a mais longe na minha boca, aprofundando nosso beijo. O copo na minha mão tornou difícil tocá-la do jeito que eu queria, então eu o joguei para o lado da caminhonete. Caiu com um baque mal audível na grama abaixo. Minhas mãos mergulharam profundamente nos fios suaves de seu longo cabelo e se perderam, amassando mais até que as pontas dos meus dedos acariciavam seu couro cabeludo. Ela fez um som de ronronar que vibrou as nossas línguas, e eu gemi. Ela se afastou, e meus olhos se estreitaram. Eu não tinha terminado de beijar ainda. Eu segui, tentando puxá-la de volta, mas ela balançou a cabeça. "Viemos aqui para falar." "Nós conversamos." Minha voz estava tensa. "E agora o nosso corpo quer ter uma conversa." Seu sorriso era lento, e isso fez meu lombo apertar. "Meu corpo tem muito a dizer para você." Um gemido rasgou do fundo da minha garganta. Inclinei-me para ela novamente, mas ela se afastou. "Mas eu realmente tenho algo sobre o qual eu quero falar com você. E a julgar pela maneira como você quase mastigou minha cabeça um minuto atrás, é algo sobre o qual devemos falar". Eu mencionei que eu odeio palavras? Eu odeio. Tipo, sério. Ainda assim, esta foi a principal razão pela qual eu a trouxe aqui (quero dizer, sim, é claro que eu planejei um pouco de sexo; é por isso que eu trouxe tantos cobertores), assim parecia que eu deveria ouvir o que ela tinha a dizer.


"Isso era sobre o seu pai, não era?" Todo o pensamento de hora de sacanagem saiu voando para longe. "Ivy," eu avisei. Meu pai não era um assunto que eu gostava de falar. Ela se manteve firme. "Você me fez falar sobre ele quando eu não queria. E sabe de uma coisa?" "O que?" "Eu realmente me sinto melhor." "Estou feliz, querida." Minha voz suavizou. "Então agora nós vamos falar sobre isso. E então você vai se sentir melhor." Não era muito provável. "Não há nada a dizer, Blondie. Meu pai é escória. Ele abusou da minha mãe metade da minha vida até que ele quase a matou. Agora ele está morrendo, e ele acha que a morte deve, de alguma forma, ganhar-lhe um cartão de perdão." "Então você não planeja falar com ele?", perguntou ela. "Não", eu rosnei. "Eu acho que você está errado." Pisquei. "O que?" Ela cruzou os braços sobre o peito. "Você me ouviu." "Você está do lado de quem?" "Seu. Mesmo quando você está sendo um cabeça dura gigante e está errado". "Você acabou de me chamar de um cabeça dura gigante?" Ela assentiu com a cabeça. "Mm-hmm." Eu abri minha boca, mas ela levantou a mão. "Por que você está com tanto medo de falar com ele, Braeden?" "Eu não estou," eu disse entre dentes. Eu estava ficando todo misturado dentro. A escuridão e a raiva, no fundo, estavam se tornando fúria. Eu não gostava disso. De modo nenhum. "Será que é porque você está com medo que se você fizer..." Eu cortei. "Eu nunca vou perdoá-lo."


Seu rosto suavizou, embora o meu tom fosse irritado e ligeiramente ruim. "Isso não é o que eu ia dizer. Eu não acho que ele merece o seu perdão, B." "Você não acha?" Só ouvi-la dizer isso me acalmou. "Não. Eu não. Mas eu acho que você está com medo de que se você falar com ele cara a cara, que você pode ver algumas coisas nele que o lembram de si mesmo." Suas palavras bateram em cheio. Eu não precisava me sentar ao lado dele para ver essas coisas. Às vezes, quando eu olhava no espelho, ele era tudo o que via. "Você não é nada como ele", ela jurou. "Como você sabe?", perguntei, as palavras o mais próximo que eu já tinha vindo a dizer em voz alta, o meu maior medo. "Você nunca o conheceu." "Eu não preciso conhecê-lo, porque eu conheço você. Você não é capaz desse tipo de violência. Você não tem esse temperamento ruim em você." "Sim, eu sou. Eu tenho." Ela inclinou a cabeça. "Talvez", ela permitiu. Sua honestidade só me ajudou. Eu admirava que ela não tentava adoçar tudo o que ela dizia. "Mas essas partes só vêm à tona quando você sente que tem algo ou alguém para proteger. Você não usa essas qualidades contra as pessoas, Braeden. Você não as usa para rasgar as pessoas. Você as usa para proteger as pessoas que você ama." Ela me fez soar como uma personagem de quadrinhos. "Eu não sou nenhum herói, Ivy." "Não, você não é. Você bebe vinho ruim, xinga demais, e deixa muito poucas pessoas entrarem." "Um cara pega uma garrafa de vinho ruim..." eu murmurei. "E nunca vivi para baixo."


"Você é real. Você tem sentimentos reais, emoções reais, e as coisas que você faz refletem isso. Eu gostaria de ter você por um herói qualquer dia. Mesmo Homem Aranha". Eu fiz um som de escárnio. "Superman iria chutar o traseiro dele." Ela engasgou. "Vinho mal e mau gosto em super-heróis? Você está forçando a barra agora. " Eu ri. "Honestamente, às vezes me pergunto se eu vou me arrepender de não falar com ele antes de morrer. Mamãe diz que eu vou. Ela acha que eu preciso de fechamento". "Você?" "Eu não sei. Talvez." "Falar com ele não significa perdoá-lo", ressaltou. Uma afirmação tão simples, mas continha tanto poder. "Não?" Ela balançou a cabeça. "Você faz isso por você. Não por ele. Talvez apenas dizendo-lhe que você não pode aceitar o que ele fez todos esses anos atrás irá ajudá-lo a fechar a porta. " Talvez ela estivesse certa. Todo esse tempo, eu estava pensando que se eu falasse com meu pai, seria porque ele me pediu. Eu nunca pensei sobre isso ser algo que eu faria para mim. E sim, talvez isso é o que mamãe estava tentando dizer todas as vezes que ela me pediu para ligar para ele. Mas ela estava muito próxima à situação. Talvez isso fosse algo que eu precisava ouvir de outra pessoa, como Ivy. "Eu vou enfiar isso bem aqui dentro." Eu bati na minha cabeça. "Pensar um pouco nisso." Ela parecia insanamente satisfeita consigo mesma. Puxei o copo fora do seu colo e o atirei para o lado para se juntar ao meu. "Acabou a conversa." Gentilmente, eu a empurrei de volta contra os travesseiros e me inclinei para ela.


"Diga-me sim, Ivy," centĂ­metros acima dela.

eu

entoei,

"Sim", ela sussurrou. Era tudo que eu precisava ouvir.

pairando

meus

lĂĄbios

meros


CAPITULO onze

A vida é curta. Tenha um bom sexo. ...BuzzBoss

I VY Sua necessidade parecia urgente. Suas mãos não eram qualquer coisa menos. Eu fui pressionada nos travesseiros, amortecendo o meu corpo como se eles fossem feitos apenas para mim. Lentamente, ele me beijou, arrastando sua boca para o lado do meu pescoço e se agarrando a esse ponto doce, aquele que sempre me fez tremer. Eu nem sequer pensei sobre os sons que eu fiz quando ele lambeu e chupou porque eu estava muito presa na sensação de sua boca. Quando, finalmente, ele continuou descendo ao longo da minha clavícula até beliscar em meus ombros, meus dedos estavam cavando em sua carne, impacientemente exigindo mais. Ele riu e se afastou, tomando seu peso fora do meu e alcançando cada cobertor, tirando as camadas, uma por uma, com dolorosa ternura, como se ele estivesse desembrulhando um presente. Quando eu estava lá sem nada me cobrindo, ele puxou minha mão para que eu pudesse me sentar. Com facilidade, minha camiseta foi tirada do meu corpo e jogada de lado. Meu sutiã se juntou ao tecido, e o ar fresco da noite escovou contra minha pele nua. Se meus mamilos já não estivessem duros, eles teriam enrugado instantaneamente.


B me empurrou de volta para baixo e prendeu os lábios em torno de um dos meus seios. Ele não foi diretamente para o broto no centro. Em vez disso, ele chupou e amassou a carne em torno dele. Minhas costas arquearam, levantando-me e oferecendo-lhe um acesso ainda maior. Uma mão segurou a plenitude para prendê-la no lugar para que ele pudesse assaltá-la ainda mais com beijos lentos e gratificantes. Só quando eu comecei a tremer, ele chupou o mamilo profundamente em sua boca. Eu gemia alto, e ele repetiu a ação. Estendi a mão para ele. Meus dedos encontraram camisa, e não pele. Eu puxei o tecido porque ele estava no caminho. Ele deixou meu peito o tempo suficiente para rasgar a camisa sobre a cabeça e atirá-la de lado. Em seguida, ele estava de volta, esbanjando a mesma quantidade de atenção sem pressa no outro peito. Eu abri minhas pernas para que ele pudesse se estabelecer entre as minhas coxas. Nós dois ainda estávamos vestindo jeans, mas eu envolvi minhas pernas em volta dele de qualquer maneira enquanto seus lábios percorriam meu estômago e em torno do meu umbigo. O botão no meu jeans cedeu facilmente, e ele mergulhou as pontas dos dedos no cós, procurando sob as minhas calcinhas. Eu engasguei com apenas o contato pele-a-pele e olhei para o céu noturno. Logo, eu estava completamente nua, nada além do cobertor macio em minhas costas. Braeden ajoelhou-se entre as minhas pernas e olhou para mim. Eu não conseguia ver sua expressão no escuro, mas a maneira como ele me tocou dizia tudo. Eu nunca tinha tido alguém que fosse tão atento, tão suave e gentil. Eu me dei a ele totalmente, oferecendo-lhe quase tudo o que ele poderia querer. Mas ele nunca tirou vantagem de mim. Quando eu me sentei para alcançá-lo, ele se sentou e murmurou palavras incoerentes que somente me encorajaram. Ele gostou quando eu arrastei minhas unhas até o interior de sua coxa.


Ele gostou quando eu mordisquei o local logo abaixo da orelha. Ele gostou especialmente quando o levei profundamente em minha garganta e levemente belisquei seu mamilo ao mesmo tempo. Beijei e chupei até que ele praguejou e gentilmente levantou-me de lado. Estendi a mão para seu pau, querendo guiá-lo em direção a minha entrada, mas ele balançou a cabeça. "Ainda não", ele murmurou e abaixou a boca para a minha coxa. Ele lambeu acima, quase no meu lugar mais privado, mas, em seguida, ele recuou. Engoli em seco. "Está tudo bem, baby? Eu posso te tocar aqui?" "Se você não fizer isso, eu vou chorar." Ele riu, um som rouco. "Apenas me diga se você quer que eu pare." "Eu nunca vou querer que você pare." Ele usou dois dedos e deslizou para dentro da minha abertura. Meus joelhos se abriram e um suspiro assumiu meu corpo. Enquanto seus dedos trabalhavam, ele chupou suavemente no botão já inchado. Quando sua língua começou a lamber e seus dedos se moveram um pouco mais rápido, eu ofeguei e arqueei. Ele fez uma pausa, e eu o encorajei. Segundos depois que ele começou a subir novamente, eu fragmentei em mil pedaços. Era como o quatro de julho dentro do meu corpo; tudo explodiu em um final de luzes. Eu ainda estava flutuando de prazer quando ele veio em cima de mim. Senti seu comprimento insistente em minha abertura, e eu suspirei e inclinei mais perto. Com um gemido, ele deslizou dentro de mim. Nós dois gritamos. O corpo de Braeden ficou rígido. "Foda-se", ele sussurrou em meu ouvido. "Você é tão quente e escorregadia."


Em resposta, eu apertei minhas paredes em torno dele, flexionando contra seu pau. Ele fez um som de gaguejo, em seguida, deslizou para fora, apenas para mergulhar de volta. Era tão bom. Parecia tão certo. Agarrei-o contra mim e girei meus quadris. "Você se sente incrível", murmurei. Ele bombeou seus quadris novamente, seus olhos indo de largura. Ele se apoiou em suas mãos e olhou para mim. "Merda", ele moeu fora, como se falar fosse difícil. "Eu me esqueci de envolvê-lo." Isso explicava porque desta vez me senti um pouco diferente, um pouco mais crua. "Está tudo bem", eu disse quando ele puxou para fora. Eu poderia dizer que ele estava chateado. "Eu não sou louca. Estou tomando pílula." "Não está tudo bem", ele cuspiu, sentando-se e alcançando seu jeans. "Eu estava tão preso dentro de você, que eu pirei e esqueci um preservativo." Sentei-me e apertei a minha mão na parte inferior de suas costas. "Eu fiz testes. Você não tem que se preocupar com qualquer coisa." Ele riu. Na verdade, ele jogou a cabeça para trás e riu. "O quê?" Eu resmunguei. Um pouco da felicidade induzida pelo sexo que eu estava sentindo flutuou para longe. Ele voltou com um preservativo apertado em seu punho. "Eu sei que você está limpa, baby. Eu não me importo sobre mim. Eu me preocupo com você. Sobre respeitar você". "Mas eu não estou chateada." "Eu sei que você não está, e eu te amo pra caralho por isso. Mas quando fizermos em pelo, eu quero que seja algo que você concorde quando você não está sob o feitiço do meu toque." Eu abri minha boca para dizer algo sarcástico, mas ele me parou. Sua mão achatou no meu ombro e me empurrou de volta para baixo.


"Agora, baby", ele bajulou. "Eu estou tão profundamente sob seu feitiço também. É a razão pela qual eu esqueci." Ele rasgou o pacote de folha e deslizou para baixo ao longo de seu comprimento ainda rígido. "Você já fez isso com muitas meninas?", perguntei, de repente, autoconsciente. Braeden sentou-se assim que a frente de nossos corpos se tocou completamente. Ele tirou o cabelo longe do meu rosto e me beijou. "Nunca." Meus olhos se abriram. Ele assentiu. Antes que eu pudesse dizer alguma coisa, ele me beijou muito no mesmo momento em que seu comprimento deslizou em casa. Braeden era tão gentil. Ele era tão atencioso. Quase parecia que quanto mais tempo estávamos juntos, mais cuidadoso ele se tornou. Eu sempre pensei que talvez fosse o contrário. Que um cara iria ter mais cuidado no começo até que ele realmente conhecesse uma menina. O pensamento não durou muito tempo porque o prazer assumiu todo o pensamento. Só depois, quando eu estava enfiada ao seu lado, de forma segura em seus braços, que eu pensei sobre a forma como ele sempre pediu minha permissão, como ele nunca foi duro, e como ele falou sobre sempre querer me respeitar. Ele me amava. Irrevogavelmente. Mas havia algo mais?


CAPITULO doze #DeVoltaÀRotina As aulas começam em breve, mas a vida na Alpha U é tudo, menos chata. #EstudeMuito #BrinqueMaisAinda #BuzzBoss

B RAEDEN "Posso te perguntar uma coisa?" Essa pergunta era praticamente o beijo da morte para um cara. Não havia uma boa conversa que começasse com essas palavras. Mas se eu dissesse que não, todo o inferno iria quebrar solto. Se eu dissesse que sim, então eu teria que pensar muito, muito cuidadosamente sobre qualquer resposta que eu precisasse dar. Havia também outro fator aqui: o nevoeiro pós-sexo. Era uma coisa real. Oh rapaz, sempre era. Pergunte a qualquer homem e ele vai concordar. Veja, há uma janela de tempo nos minutos depois que um homem tem sexo incrível que ele está em seu estado mais vulnerável. Um tempo em que seu corpo está em um estado relaxado, feliz. Podese compará-lo a ser elevada, não apenas o tipo induzido quimicamente. O do tipo orgasmo. É durante esta janela quando um homem está tão satisfeito que ele não pensa antes de responder. Bem, isso se ele estiver muito foda de satisfeito com a mulher em seus braços.


Eu estava atualmente sofrendo de ASF11. Meu cérebro nem sequer me avisou que eu estava entrando em território perigoso. "Hmmm?" Eu respondi, arrastando meus dedos até o comprimento de sua coluna vertebral. Ivy moveu-se ligeiramente e as mechas loiras de seu cabelo fizeram cócegas no meu peito nu. "Você é sempre muito gentil comigo. " "Coisas preciosas devem ser manuseadas com cuidado." E isso é exatamente o que eu estou falando. Eu, Braeden J. Walker, não era bom com as palavras. Mas aquelas eram algumas das mais bonitas. Gostaria de obter o crédito para dizê-las; no entanto, essas palavras não eram minha cortesia. Foi o nevoeiro pós-sexo. Eu quis realmente dizer. Nenhuma palavra mais verdadeira foi falada. Mas se eu tivesse estado na minha mente direita, eu não teria sido capaz de dizer uma coisa dessas tão eloquentemente. "Isso é tudo o que é?", ela perguntou. Algo dentro de mim gritou um aviso. "Espere", eu disse, sentando-me um pouco para me encostar no paralamas. "Do que estamos falando agora?" Ivy achatou a palma da mão sobre o peito e apoiou o queixo no topo. "Nas primeiras vezes que transamos, senti um pouco diferente. " O nevoeiro foi para longe. Tipo, ele literalmente desapareceu. "Você está dizendo que você não está satisfeita... na cama?" Eu tive que praticamente coaxar fora as palavras. Era blasfêmia! Eu era uma lenda na cama. Os lindos olhos azul-celeste de Ivy se arregalaram e ela se sentou com um suspiro. "Não!" Os topos de suas bochechas de porcelana ficaram rosa brilhante, e ela puxou o cobertor em torno de sua pele nua. Enrolei um braço em volta dela, puxando-a contra meu peito. "Digame que você gosta do meu pau." Uma risada borbulhou fora do peito. "Eu não vou dizer isso."

11

ASF, After Sex Fog, nevoeiro pós-sexo.


"Por que diabos não?" Eu exigi. Ivy se esticou e beijou o canto da minha boca. "Você é o melhor que eu já tive, Braeden. Eu nem sabia que poderia ser assim entre duas pessoas." Eu a estudei. Um lento sorriso dividia seus lábios. Isso me fez querer beijá-la. Mas eu tinha que ficar firme. Rindo, ela se afastou e se sentou de pernas cruzadas ao meu lado. Seu dedo mindinho apareceu na frente do meu nariz. "Ivy." Eu zombei rindo e levei uma mão ao meu peito. "Não, eu não vou puxar seu dedo." Ela me bateu na cabeça com um travesseiro quando eu gargalhei. "Jure de mindinho!", ela exigiu uma vez que eu joguei o travesseiro de distância. O juro com mindinho para meninas era o equivalente a uma batida de punho para rapazes. Eu não poderia deixar a minha menina pendurada, então eu envolvi meu mindinho em torno do seu. Quando ela balançou nossas mãos, ela prometeu, "Meu melhor. Meu último. Meu único." Se eu fosse parar em uma ilha em algum lugar, sem comida e sem água, isso não importaria. Eu poderia viver destas palavras. Puxando os dedos unidos, ela caiu para a frente e eu a beijei. "Eu gosto disso", eu sussurrei contra os lábios dela. Ela demorou a se sentar, mas quando o fez, eu vi a pergunta em seus olhos. "Era mais áspero das primeiras vezes, mais..." Eu assisti sua busca para a palavra que ela queria. "Urgente." Então ela notou. Ela notou o antes e o depois. Eu acho que eu deveria saber que isso iria acontecer. Ivy era mais perspicaz do que as pessoas lhe davam crédito.


Acariciando o topo de sua bochecha com o polegar, eu respondi: "Era diferente, baby. Há uma diferença entre fazer sexo e fazer amor. Nossas primeiras vezes eram sexo, mas tudo depois é amor." Seus olhos se suavizaram. Eu soltei um suspiro silencioso. Eu fiz isso através das perguntas sem qualquer prejuízo. "Às vezes eu sinto como se você estivesse com medo de me tocar." Tão suavemente assim falando, ainda que tão incrivelmente em voz alta. Assim como uma verdadeira batalha. Apenas quando um homem pensa que está a salvo em casa e uma mina terrestre dispara. "Ah, baby." Eu me empurrei e a puxei para o meu colo. Eu respirava o perfume de seus cabelos, senti o peso familiar dela no meu colo. "Eu não estou com medo de tocar em você." Eu não sabia o que dizer. Este era um momento em que as palavras não poderiam me falhar. Ela precisava delas; ela precisava de tranquilidade. A única maneira que eu poderia dar isso a ela era chegar profundo. "Eu nunca estive apaixonado antes. Você agita emoções em mim que eu não sabia que estavam lá. O pensamento de te ferir de alguma forma me faz mal fisicamente. Eu morreria por você, baby. Eu mataria por você. Eu te daria o último suspiro no meu corpo só para lhe dar uma outra pulsação de vida. É claro que eu vou ser cuidadoso quando eu te tocar. Você é basicamente meu coração batendo andando fora do meu peito." O brilho de lágrimas nos olhos era inconfundível. Eu assisti com a respiração suspensa quando ela mordeu o lábio inferior. Bem, merda. Claramente, quando cheguei profundo, isso foi o que desenterrei. Merda. E agora ela estava chorando. "Não chore." Eu falei baixinho, enquanto limpava uma lágrima de fuga sobre sua bochecha. "Eu realmente amo você." As palavras saíram em um cruzamento entre um gemido e um grito. "Isso foi tão bonito."


Ela caiu contra mim, e eu sorri em seu cabelo. Eu acho que não era uma merda, afinal. Ivy fungou, e eu não poderia parar o riso escapando do meu peito. "Não ria de mim!" Ela me cutucou nas costelas. "Deixe-me te abraçar," eu a repreendi, apesar de que, isso não doeu nada. Respirando, ela se rendeu. Sua respiração ficou ainda mais profunda depois de um tempo. Eu ainda a segurei perto. Mesmo que tudo o que eu disse esta noite fosse verdade, eu não tinha admitido tudo. Eu usei uma bela verdade para esconder uma mentira feia. As mentiras não estavam ficando mais fáceis de dizer. Na verdade, elas estavam ficando mais difíceis. A verdade presa bem na minha garganta, apenas esperando para ser libertada. Eu não poderia evitar, além de perguntar quanto tempo mais que eu ia ser capaz de mantê-la trancada.


CAPITULO treze Você é tão falsa que a Barbie tem ciúmes. #BuzzBoss

I VY Passamos a noite ali mesmo na cama de sua caminhonete, enrolados debaixo dos cobertores, sob as estrelas brilhantes. Nós acordamos com o nascer do sol sobre as montanhas, manchando tudo com um tom de blush-rosa. Nós paramos para lattes no caminho de volta para o campus e nós montamos em silêncio, mas ele segurou minha mão. Foi a melhor noite que já passamos juntos, bem, exceto talvez a primeira noite que ficamos juntos durante as férias de primavera. Ou a noite que ele transformou o dormitório na praia. Braeden e eu podíamos não ser perfeitos, mas eu me senti mais perto dele do que eu tive em muito tempo. Nada poderia interromper o brilho de felicidade dentro de mim. Pelo menos eu pensava. Em seguida, o novo semestre começou. As aulas reiniciaram. Lembrei-me de que havia vida fora da boutique, meus amigos, e Braeden. Era uma parte da vida que eu tinha que levar em conta. Afinal, o verão não poderia durar para sempre.


Eu passei toda a primeira semana sem ver Missy. Na verdade, eu quase passei a segunda. Mas perto do final da segunda semana, a minha sorte acabou. Claro, eu sabia que ela estava por perto. Suas notificações BuzzFeed estúpidas atingiam meu telefone várias vezes por dia. Eu pensei sobre como eliminar o aplicativo estúpido e não segui-la absolutamente. Mas uma garota tinha que estar preparada. Eu preferia ver o seu ódio vindo em mim do que caminhar ao redor do campus e ouvir risadinhas só para perguntar se eram sobre mim. Suas notificações não eram tão frequentes durante o verão, mas com o início do semestre se aproximando, ela começou a subir novamente. Era quase como se quisesse lembrar as pessoas da #BuzzBoss, assim ela poderia ter o mesmo tipo de seguidores “cult” durante o Ano Novo que ela tinha antes. Eu só não entendia. Quanto mais o tempo passava, eu estava com medo que eu nunca entenderia. Como poderia? Como ela poderia fazer tantas coisas terríveis para as pessoas que a chamavam de amiga? Ela era o pior tipo de impostora que havia. Pelo menos com Zach, você sabia que ele era um idiota. Mas com Missy? Ela fingia gostar de você. Ela fingia ser sua amiga. Vi agora que era apenas uma manobra para fazer fofocas para o seu feed estúpido. Saí do edifício, grata que minha última aula do dia tinha terminado. Olhei para a carta que tinha sido dada a mim pelo meu professor. Era da faculdade. A pressão para declarar uma especialização era oficial. Eu precisava fazê-lo tipo agora. Assim dizia toda a equipe da Alpha U. Se eu não o fizesse, eu não iria me formar no final do próximo ano. Eu precisava de tempo para cumprir os créditos focados em meu campo de estudo. Pena que eu não tinha ideia do que ia ser. Abri a tampa da minha mochila e enfiei o papel no interior. Eu lidaria com isso mais tarde. Um grupo de garotos (provavelmente calouros) veio explodir direto por mim como se eles estivessem sendo perseguidos, e eu tive que desviar para


evitar ser derrubada. Quando olhei para cima novamente, ela estava de pé não tão longe, o olhar fixo em mim. Eu lhe dei um olhar gélido, um que eu esperava que dissesse a ela em termos inequívocos, que eu queria que ela fosse. Joguei minha cabeça para que meu cabelo virasse atrás de mim, um movimento total de menina má, mas eu não me importei. Ela merecia muito mais do que uma jogada de cabelo desagradável. Desviei meus olhos, não os deixando demorar-se. Eu queria que ela soubesse que não valia a pena o esforço. Eu passei por baixo de um relógio de ferro preto grande que ficava perto da calçada, com vários bancos em torno dele. Isto tinha um monte de caracteres, com uma forma de estilo lanterna na parte superior, um rosto branco e preto grande sobre ele que tinha amarelado ligeiramente com o tempo. A base afilada para baixo em um polo preto grosso que afundava diretamente no chão. Ainda era o início da tarde, mas eu tinha coisas que eu queria fazer antes do meu turno mais tarde na boutique, então eu estava ansiosa para sair do campus. "Ivy". A voz familiar fez meus ombros apertarem. Ugh! Ela não recebeu o recado? Eu não queria falar com ela. "Estou ocupada", eu disse e continuei me movendo. "Você não tem cinco minutos para a sua antiga melhor amiga?" Parei e girei sobre o salto da minha bota curta de couro. "Antiga," eu enfatizei. "Como em não mais amigas. Se alguma vez realmente fomos." Ela estava vestida com um par de jeans skinny escuros, sapatilhas prata, e um suéter do namorado de flanela cinza que eu vi on-line na Victoria’s Secret. Seu cabelo ainda estava parecendo bonito no estilo jogado. Hoje, ela tinha um lado preso atrás da orelha, enquanto o outro ondulava ao redor do rosto perfeitamente maquiado. "Eu honestamente pensei que você teria muito a dizer para mim. Eu não esperava que você apenas me cortasse", disse ela, quando se aproximou de mim, fechando a distância entre nós e parando bem em frente a mim. "Da última vez eu tentei falar, você bateu para fora do quarto mais rápido do que um gato que está sendo dado um banho."


"Você não estava falando comigo", disse ela, o olhar em seu rosto pisado e meio escuro. "Você estava falando com ele, alimentando-o com uma linha de touro só assim você poderia envolvê-lo ainda mais em torno de seu dedo". Oh. Meu. Deus. Ela ainda estava com ciúmes. Estava totalmente matando-a que Braeden era apaixonado por mim. No último semestre, o pensamento teria me matado. Eu teria feito qualquer coisa para não machucar Missy, mas não mais. Sim, eu machuquei Missy. Mas não foi intencional. O que ela fez para mim? Aquilo foi totalmente pensado. Eu suspirei, não me importando nem um pouco que eu soei como Rimmel. Havia um monte de pessoas piores com quem eu poderia parecer. Por exemplo, a que eu estava olhando. "Claramente, a minha versão desse dia é muito diferente da sua, Miss", eu disse, encolhendo-me um pouco quando o apelido que eu usei caiu tão facilmente da minha boca. "Não tenho palavras para você." "Nem mesmo um por quê?" Ela ergueu o queixo em desafio. Tristeza tomou conta de mim de repente. Parecia que ela se preocupava em se explicar muito mais do que eu. Ela não entendia? "Claro, eu me pergunto por que você fez isso muitas vezes. Por que você me apunhalou pelas costas. Por que você feriu Rimmel..." Missy revirou os olhos dramaticamente. "Por favor. Eu a ajudei. Eu praticamente a tornei uma celebridade no campus." Eu balancei minha cabeça. Como eu nunca senti esse lado dela eu nunca iria entender. Fez-me sentir como se talvez eu era uma amiga ruim porque eu não a conhecia tão bem quanto eu pensava. Não. Pare. Não faça isso a si mesma.


O comportamento psicótico de Missy não era minha culpa. Nem um pouco. Ela era a única responsável pela ruptura do nosso grupo. "Eu poderia ter me perguntado por que," eu comecei encontrando seus olhos e olhando para ela diretamente. "Mas no final, não há razão que você poderia dar que jamais seria suficiente para eu te perdoar. " Dor atravessou suas feições. "Você age como se você fosse a única que se machucou." "Não" eu recusei. "Eu sei que não sou." Essa conversa estava me trazendo totalmente para baixo. "Eu tenho que ir." Afastei-me. "Essa conversa ainda não acabou", ela chamou atrás de mim. Virei-me, ainda andando para trás longe dela. "Basta colocá-lo na Buzzfeed. É o que você faz de melhor." Aquilo a calou. Poderia ser? Eu pensei sarcasticamente enquanto me virei e fui em direção ao estacionamento. Poderia meu perdão não ser tão importante quanto manter a sua verdadeira identidade em segredo? Eu ri alto. Foi um som sardônico, divertido. Senti alguns olhares virarem em meu caminho. Eu não me importava. Eu estava muito ocupada estando chocada e, tudo bem, talvez um pouco magoada. Eu deveria ter sabido por agora para esperar isso de Missy. Não deveria? Afinal de contas, eu aprendi a verdade sobre quem ela era, no fundo, no último semestre. Ainda assim, esta pequena parte de mim manteve-se chocada cada vez que ela fez algo para provar isso mais uma vez. Quando eu vi pela primeira vez aquele flash de dor em seus olhos, o jeito que ela parecia querer realmente falar comigo hoje, eu pensei que talvez fosse sincero. Que talvez a garota com quem eu tinha passado tanto tempo nos últimos anos estava realmente lá dentro em algum lugar. Mas quanto mais ela falava, mais eu percebia que Missy ainda estava com raiva de mim por me envolver com Braeden. Ela era como um suporte de rancor profissional. Isso só serviu para me lembrar de que sua mágoa e raiva lhe deram motivo.


Motivo para me machucar tudo mais uma vez. Meu telefone tocou, e eu o puxei para fora e olhei para baixo. Meus passos vacilaram. Ela tomou o meu conselho e colocou uma nova notificação. Eu sabia exatamente sobre quem ela estava falando. Ela estava tentando me incitar, para obter uma reação. Não ia funcionar. Se ela acha que eu sou uma farsa, ela deve dar uma boa olhada no espelho. Eu planejava ficar o mais longe de Missy que eu pudesse conseguir.


CAPITULO quatorze #Alcateia O que você faz quando os Wolves batem tudo no campo? Festa! #BuzzBoss

B RAEDEN O futebol estava em pleno andamento. Os Wolves estavam se segurando até agora nesta temporada, e a moral estava alto entre a equipe. Eu nunca diria isso em voz alta, mas gostaria de saber como camaradagem e até mesmo o desempenho se sairia com a ausência de nosso líder Romeo. O novo quarterback não era realmente novo; ele sempre tinha estado na equipe. Ele simplesmente nunca chegou a jogar, porque Rome jogava. Ele não era um cara ruim ou um mau jogador. Ele definitivamente não era tão bom, mas ele ainda jogava bem o suficiente. Alguns dos caras observaram que talvez o novo quarterback não estaria jogando tão bem se eu não tivesse estado lá o tempo todo para parar o outro time de apressá-lo e levá-lo para baixo. Eu fui agressivo e muito mais implacável nesta temporada, ou assim eles disseram. Na minha opinião, eu sempre fui agressivo, mas talvez eu estivesse apenas um pouco mais cruel. Futebol era uma boa saída para toda a merda que eu sentia e não poderia expressar de outra forma.


Foi depois de um jogo, e todos nós estávamos suados e doloridos. Eu estava tirando o meu equipamento quando o treinador passou e me deu umtapinha no ombro. "Você tem estado jogando duro, Walker. Fica bem em você.” "Obrigado, treinador." Eu grunhi e me voltei para as minhas coisas. Ele quis dizer isso como um elogio, mas por alguma razão, não parecia um. Olhei no pequeno espelho pendurado dentro do meu armário e estudei o meu rosto. Parecia um insulto que a agressividade parecia boa em mim. Inferno, eu sabia que eu a usava, mas eu tentava escondê-la. Eu pensei que eu era o único que via meu pai quando eu me olhava no espelho. Será que todo mundo o via também? Claro, eles não têm ideia do que eles estavam vendo, como eu ainda tecnicamente parecia comigo. Nunca tinham visto meu pai antes, mas eu tinha. Seu rosto estava marcado em minha mente. Mais e mais, eu o via quando olhava para mim mesmo. Mais e mais, eu me sentia como um poser. Fingindo ser um cara bom quando quem eu realmente era, no fundo, era o cara que o treinador viu no campo. Eu era o cara que meus companheiros estavam começando a se referir como O Incrível Hulk. Depois que lavei no banho os resíduos do jogo, eu pesquei em volta da minha bolsa algumas roupas. Todos iam para Screamerz esta noite para comemorar o êxito do início da temporada. Era a primeira vez desde que o semestre começou que íamos todos sair juntos. Depois desta noite, as nossas tradicionais fogueiras fora no campo seriam uma coisa semanal. Eu não poderia dizer que eu estava especialmente ansioso por elas este ano, e não era porque Rome não estava aqui. Era por causa do que aconteceu na última que eu fui. Aquela em que Ivy quase foi estuprada. Só de pensar nisso fez a adrenalina e o ódio dispararem no meu peito. Eu não tinha visto nenhum desses caras desde aquela noite, o que me levou


a acreditar que talvez eles foram para uma faculdade diferente, mas se eu os visse, O Incrível Hulk sairia em segundos. O local da festa tinha sido sempre congestionado para mim. E então eu fiquei sério com uma menina. Minhas prioridades mudaram, e eu percebi que o local da festa que eu tanto amava era perigoso para uma menina como a minha. Foi tudo muito fácil para olhar para ela e assumir que ela estaria disposta. Eu costumava não pensar muito sobre as mulheres de moral dupla das quais os caras estavam isentos. Inferno, se eu fosse honesto, eu às vezes, gostei. Mas agora? Agora, me fazia querer esmagar rostos. Como se na deixa, um rosto que eu gostaria de esmagar deixou cair um ombro contra o armário ao lado do meu e me olhou como se ele tinha algo a dizer. Eu nunca tive um problema com Trent. Inferno, eu gostava do cara. Até que ele deixou minha menina sozinha na beira da floresta em uma festa. Até que ele foi embora sem qualquer pensamento em sua segurança. Agora, ele estava na minha lista de merda, junto com Missy, Zach, e meu pai. A lista estava aumentando... Havia algumas cadelas ruins nesta cidade. "Você tem algo a dizer?", perguntei, empurrando minha merda suja na minha sacola. Eu tinha deixado minha camisa em casa. Tudo que eu tinha para usar no clube era meu jeans. Acho que isso significava que eu precisava dar o fora daqui para que eu pudesse passar em casa e pegar uma. "Pensei que talvez você poderia", disse Trent. Eu abandonei minha bolsa e me endireitei. "Não." "Eu pensei que nós éramos amigos", disse ele.


"Acho que você pensou errado." Trent endireitou no armário, seu corpo tornando-se rígido enquanto ele esperava uma luta, mas não iria recuar. Eu tive que admitir, eu respeitava isso. E isso só serviu para me irritar mais. Um cara como ele deveria ter sabido melhor. "Isto é sobre Ivy?", ele disse, sua voz profunda. "Porque eu a convidei para sair?" Eu ri. Ele se irritou ainda mais. "É uma piada para você?" "Não, é apenas ridículo. Admito que me deixou louco como o inferno ver você farejando todo o último semestre dela, mas isso foi há muito tempo atrás. Ela está comigo. Eu sei como manter minha menina feliz. " "E daí? Você não quer que sejamos amigos? " Eu passei a mão no meu rosto. "Se Ivy quer ser sua amiga, então tudo bem comigo. Mas não pense que não vou ficar de olho em você. " Um olhar de raiva atravessou seu rosto. "Você não faz uma porra de sentido", ele rosnou. "Eu entendo que é parte do seu charme, todo sorrisos e dando high fives fora do campo, em seguida, se transformando em um monstro gigante verde no campo, mas você está me dando uma chicotada maldita". "Coloque um cinto de segurança e dê o fora do meu caminho", eu rosnei de volta. "Estive deixando pra lá sua atitude fria e mal disfarçada chateação para mim desde o treinamento de campo. Eu não reclamei. Mas eu estou cansado disso. Temos muitos jogos restantes nesta temporada. Festas e merda em cima de tudo. Os Wolves é família. Eu lhe dei o respeito de vir até você. O mínimo que você poderia fazer era me dar o mesmo em retorno. " Ele estava certo. Ele tinha sido leal mesmo quando eu lhe dei razão para não ser. Bati meu armário fechado e o olhei nos olhos. "Você apenas a deixou lá", eu disse. "Quem? Ivy?"


Isso me deixou louco, ele não tinha ideia do que tinha feito. Como alguém poderia ser tão descuidado com ela estava além de mim. Você costumava ser do mesmo jeito, uma voz dentro de mim sussurrou. Porra. "Naquela noite, na fogueira, o bota-fora para Rome?" Ele assentiu. "Eu não me lembro muito daquela noite. Eu estava morto de bêbado". "Você se lembra de falar com Ivy?" "Claro, isso foi antes de eu ficar embriagado." Então ele fez uma careta e olhou para mim rapidamente. Sim, eu sabia o que isso significava. Ele ficou embriagado assim porque ela lhe disse que me queria, não ele. "Você a deixou na beira da floresta, longe da multidão, cara", expliquei. "Sozinha." Seus olhos se arregalaram. "Aconteceu alguma coisa com ela?" Seus braços ficaram rígidos em seus lados e os punhos apertaram como se fosse algo que ele não permitiria. "Quase." Um pouco da raiva que eu sentia por Trent foi se esvaindo. Ok, tudo isso. Claramente, o cara não tinha a intenção de qualquer dano. Eu estava sendo um idiota. "Quatro caras saltaram nela na beira das árvores. Eles a rebocaram de volta para a escuridão. Eles estavam bêbados como o inferno e queriam ter uma amostra da puta do campus," eu cuspi. Trent recuou como se eu tivesse enterrado meu punho na sua cara. O olhar de horror absoluto em seus olhos varreram quaisquer sentimentos agressivos residuais que eu tinha para ele. "Oh merda." "Se eu não tivesse visto do outro lado do campo, ela teria sido estuprada. Repetidamente." "Você os parou? Ela não se machucou? " Ele estava realmente preocupado. "Eu arrebentei cada um deles."


"Quem eram eles?", perguntou ele. "Esse tipo de ralé não deve ser permitida para passear no campus. " "Ainda não os vi desde então. Estou começando a pensar que não estão aqui." "Você os vê, me liga. Seria um prazer ajudá-lo a chutar suas bundas novamente." O lado do meu lábio enrolou em um sorriso. "Vou ligar." "Eu acho que eu posso entender por que eu sempre me senti como você queria me espancar." Suspirei. "Eu poderia ter exagerado." "Entendi. Ivy vale a pena ". Senti meus olhos se estreitarem. "Você ainda tem uma coisa pela minha menina?" Ele encontrou meu olhar. "Não. Mas eu ainda a considero uma amiga." Relaxando, enfiei minha jaqueta sobre meus braços nus e peguei minha bolsa. Fiquei chocado que Ivy não estava enchendo o meu celular, perguntando onde eu estava. "Olha, eu sinto muito, eu agi como um idiota. Eu fico um pouco... protetor no que diz respeito a Ivy. " Trent sorriu. "Tudo bem. Da próxima vez talvez apenas diga algo, em vez de me fazer dormir com um olho aberto. " "Merda," eu rachei. "Você é um viado mesmo". Ele riu e estendeu a mão. "Estamos de boa?" Eu bati a minha contra a dele. "Sim, nós estamos bem." "Eu vou te ver hoje à noite no Screamerz?" "Inferno, sim." No meu caminho para a caminhonete, olhei em torno do estacionamento. O carro de Ivy não estava aqui. Normalmente, ela esperava por mim. Uma pitada de preocupação formigava na parte de trás do meu pescoço. Lembrei-me que ela era uma menina grande e provavelmente estava muito bem.


Dentro da cabine, eu encontrei o meu telefone e iluminei a tela. Eu tinha uma chamada e uma mensagem perdidas. Romeo está aqui. Indo pra casa pra pegá-lo. Encontre-me lá. Um sorriso rachou meu rosto, e eu liguei o motor. Ele deixou a cidade mais cedo às escondidas. Claro que elas não esperaram. Rimmel provavelmente ameaçou correr para casa no escuro se Ivy não a levasse lá. Eu rasguei fora do estacionamento e para baixo na estrada em direção à casa que todos nós compartilhávamos. Ia ser bom ver Rome novamente. Tinha sido um longo tempo desde que tínhamos estado todos na mesma sala. Hoje à noite ia bombar. Eu não diminuí até que eu entrei na nossa rua. A última coisa que a gente precisava era os vizinhos reclamando sobre a maneira que eu dirigia. Eu olhei para a frente, no entanto, passando os olhos na garagem, esperando ver o Hellcat já fora da garagem e pronto para rolar. Mas não foi o Cat que eu vi. Era um outro carro. Um familiar. O desgosto enrolou meu lábio, e eu esqueci tudo sobre me certificar que as cadelas arrogantes na vizinhança não tivessem algo sobre o que twitar durante o café. Meu pé bateu no acelerador e eu acelerei para a casa. As pessoas estavam do lado de fora na calçada. Elas estavam discutindo. Dei um longo olhar e minha pressão arterial foi através do telhado. Aww, infernos que não.


CAPITULO quinze

#EncontroÀNoite Você não tem um encontro hoje à noite? Arrume um! #BuzzBoss

I VY Pensei que Rimmel ia saltar direto fora de seu assento e através do telhado da minha Toyota. Quando Romeo mandou a mensagem enigmaticamente e perguntou por que seu carro estava em casa, mas ela não estava, ela quase caiu fora de sua cadeira. "Ele está aqui!", ela gritou e pulou. "O quê?" Eu perguntei, olhando ao redor das barracas para ver quem quer que ela estava gritando. Sua mão agarrou meu braço quando ela saltou e tentou me puxar para cima. Num feitio verdadeiro de Rimmel, ela caiu, mas meu irmão conseguiu impedi-la de se machucar. "Rim." Eu ri. "O que deu em você?" Seu telefone foi desligado novamente. Ela leu a tela e riu. "Eu sabia!" Drew olhou em volta dela para mim. "Devemos estar preocupados?" Eu ri. "Nah." Ela estava digitando uma resposta e disse: "Nós temos que ir!" "Ir aonde?"


"Romeo está em casa!" Ela correu atrás de mim no corredor. "Temos de ir!" "Eu achava que ele não ia chegar aqui até mais tarde?" "Ele chegou cedo!" Ela estava pulando de um pé para o outro. Ela evadiu os passos, e eu agarrei o braço de Drew e segui o exemplo. Enquanto nós corremos pelo estacionamento, eu mandei uma mensagem para Braeden rapidamente para deixá-lo saber o que estava acontecendo. O jogo ia terminar em apenas alguns minutos, então ele não estaria muito atrás de qualquer maneira. Drew tinha minhas chaves, então ele deslizou para o banco do motorista, e Rimmel praticamente mergulhou atrás. "Melhor pisar fundo", eu disse a ele, divertida. Eu esqueci o quão literal ele tomaria essas palavras. Ele dirigiu para a casa como se estivesse em uma trilha da NASCAR e ele estava em primeiro lugar. Segurei a maçaneta da porta como se minha vida dependesse disso e lhe disse para bater fora, mas a geralmente tímida e cautelosa Rimmel apenas riu. Quando ele deslizou na entrada, a porta da frente se abriu e a ossatura grande de Romeo saiu. Rimmel caiu para fora do carro. Tipo literalmente esqueceu como trabalhar seus pés e bateu no chão. Antes que qualquer um de nós pudesse fazer qualquer coisa, ela foi para cima e moveu-se novamente, indo direto para Romeo. Eu podia ouvir a risada dele flutuar através da porta do carro que ela deixou aberta, e ele plantou os pés, apoiando-se para ela lançar-se sobre ele. O que ela fez. Ele a pegou e suas pernas envolveram de sua cintura. "Aí está a minha menina", disse ele. Eles não disseram mais nada, porque eles começaram a se beijar ali mesmo na grama. Drew olhou para mim e levantou uma sobrancelha. "Totalmente normal para eles," eu disse e abri a minha porta. "Vamos lá. Vou apresentá-lo a Romeo".


"Ele não espera que eu salte em seus braços, não é?" Eu ri quando eu vim ao redor do capô. A dupla ainda não tinha vindo à tona para respirar. Eu sabia por experiência que eles provavelmente estariam na cama metade do fim de semana. Lembrei-me de quão bom tinha sido estar de volta nos braços de B quando ele chegou em casa do acampamento. E tinham sido apenas algumas semanas. Fazia quase um mês desde que Rim tinha visto Romeo. "Talvez devêssemos dar-lhes um pouco de espaço", murmurei e peguei o braço de Drew para guiá-lo ao redor deles e para dentro de casa. Só então Romeo levantou a cabeça. "Nah, tudo bem", ele gritou, com a voz rouca. Outro minuto se passou quando ele olhou para Rimmel e deslizou o polegar sobre o lábio inferior. Ela sorriu e enterrou o rosto em seu ombro. Romeo mudou todo o seu peso em um braço e estendeu o punho para Drew. "Irmão de Ivy?" "Drew." Ele confirmou e bateu o punho contra o de Romeo. "Obrigado por me deixar ficar aqui enquanto eu visitar minha irmã." "Ouvi dizer que você tem jogado algum dinheiro nas contas", comentou Romeo, respeito em seu tom. Isso me fez relaxar. Eu tive que admitir que eu temia que Drew e Romeo pudessem sair para um começo difícil como B e ele tiveram. "Eu pago o meu caminho", Drew respondeu. Romeo assentiu e virou sua atenção para mim. Seus olhos azuis enrugaram nos cantos e os dentes brilharam. "Blondie", disse ele, usando o apelido de Braeden para mim. Eu sorri. Ele deu um passo para a frente e me deu um abraço de um braço, me puxando para seu lado. "Como está indo?" Voltei seu abraço e respondi, mas minha resposta foi abafada contra ele. Eu gostava de Romeo. Ele era um cara muito bom, e eu tive que admitir que eu estava feliz que ele gostava de mim também. "B ainda está no campo?", perguntou. Rimmel levantou a cabeça. "Sim, mas eu tenho certeza que ele estará aqui assim que puder. Ivy mandou uma mensagem para ele."


"Bom." Eu não tinha certeza se era só eu, mas ele parecia maior. Mais alto. Mais forte. Talvez fosse apenas porque eu tinha esquecido o quão grande a sua presença realmente era, ou talvez ele realmente estivesse apenas maior. Afinal de contas, a formação este ano tinha colocado algum volume em Braeden. Talvez fosse o mesmo para ele. "Eu vou pegar um pouco de tempo a sós com minha menina antes dele aparecer e ficar todo carente por mim." Romeo brincou e piscou para mim. Ele se virou e levou Rim para dentro da casa, seu riso flutuando atrás deles enquanto andavam. Drew começou a ir em direção à casa, mas eu peguei o braço dele. "Vamos dar-lhes um pouco de espaço." Eu sabia o quão importante era um tempo sozinhos. Minhas bochechas aqueceram e o desejo enrolou baixo na minha barriga apenas em pensar sobre o último pedaço do verdadeiro tempo sozinho que B e eu tivemos juntos. A noite na cama de sua caminhonete era algo que eu nunca iria esquecer. Alguns minutos mais tarde, eu considerei seguro, provavelmente, entrar na cozinha sem ver nada que não queria, e fizemos o nosso caminho para dentro. No meio do caminho até os passos para a porta da frente, um carro puxou para cima. Meu coração pulou, esperando ser Braeden lá quando eu me virei. Vendo Rimmel e Romeo juntos me deixou ainda mais ansiosa para vê-lo esta noite. Toda a antecipação foi drenada do meu peito, substituída com aborrecimento quando vi que não era Braeden de modo algum. Era Missy. Que diabos ela estava fazendo aqui? "Meu encontro está aqui", disse Drew por trás e deu a volta para correr para baixo os passos. "O quê!" Engoli em seco.


Ele me jogou um sorriso encabulado por cima do ombro, mas, em seguida, sua atenção foi direto de volta para o seu “encontro”. Eu assisti com desprezo aberto quando ela jogou uma longa perna para fora de seu carro de duas portas e, em seguida, a outra. Ela estava enfatizando totalmente o fato de que ela estava usando botas marrons de cano alto e uma saia curta jeans. "Quando diabos você teve tempo para conseguir um encontro para esta noite?" Eu exigi. "Quando eu estava pegando bebida para nós." Ele não podia tirar os olhos dela. Isso me fez querer derramar água sanitária em mim mesma. "Engraçado," Missy disse enquanto se aproximava. "Alguém totalmente checou meu corpo quando eu estava andando no estande de concessão no jogo. Se Drew não estivesse lá, eu teria ficado plantada direto lá, no chão duro, pegajoso ". Em algum lugar no inferno havia um Globo de Ouro com seu nome nele. Maior Manipuladora De Sempre. Seu top era apertado, acentuando sua forma tipo modelo, e seu cabelo flutuava ao redor do rosto, juntamente com grandes argolas de ouro nas orelhas. Olhei para Drew. Ele estava olhando para ela como se ele pudesse ser seu próximo cavaleiro de armadura brilhante. Eu estava extremamente decepcionada com ele. Eu pensei que ele tinha um medidor de besteira melhor do que isso. Eu bati-lhe nas costelas. "Ow," ele se queixou e olhou para mim. "Porque você fez isso?" "Você sabe por que," eu entoei. Ele olhou para Missy. "Eu realmente não sei." O tom perplexo em sua voz tinha me sufocando uma risada. Missy acenou com a cabeça enfaticamente. Meus dentes agarraram juntos. Drew podia não saber o que ela fez de errado, mas Missy sabia totalmente o que ela estava fazendo. Ela tinha visto fotos dele antes. Inferno, ela provavelmente nos viu estar com ele durante o jogo.


Missy sabia que esse era meu irmão. Para o que diabos ela estava farejando em torno dele? "Como diabos você sequer sabe onde vivemos?", perguntei, dando um passo para baixo fora dos degraus e de volta para a calçada. "Eu sei um monte de coisas." Ela sorriu secretamente. Lembrar-me sobre seu alter ego, o #BuzzBoss, não era uma boa maneira de começar essa conversa. "Eu mandei uma mensagem para ela com o seu endereço", disse Drew, como se ele não tivesse acabado de ouvi-la ser toda sombra. "Bem, você pode ir embora." "Fui convidada", disse Missy, seu tom virando gelado. Aí vêm as garras. Eu sorri. Drew olhou entre nós. "Vocês duas se conhecem?" "O nome de Missy não lhe parece familiar?", perguntei com uma expressão duh total, em meu tom. Seus olhos azuis arregalaram. "Você é aquela Missy?" Ele olhou entre nós novamente. "A melhor amiga de Ivy, Missy?" "Nós não somos melhores amigas," eu bati. "Ela não vai falar comigo", Missy disse a ele pateticamente. Então esse é o jeito que ela estava indo para jogar isto, hein? Modo vítima total. Eu sabia que era para o benefício do meu irmão. Era para me fazer parecer a fria, insensível, e ela a bela pobre, mal compreendida. "Que diabos você quer?" Eu explodi. "Por que você está aqui?" Minha explosão finalmente pareceu penetrar na cabeça dura de Drew. "Uau." "Fui convidada," Missy ronronou e aproximou-se de Drew. Oh não, ela não fez. "Nem sequer pense em colocar suas garras sujas no meu irmão." Eu rosnei. "Ou o quê?" Ela desafiou, sua voz adocicada.


"Garota", eu avisei. "Eu vou chutar você na perseguida." Drew parecia chocado (que havia com ele hoje à noite? Ele estava sendo um idiota total) e girou para me encarar. No mesmo momento, a caminhonete de Braeden derrapou até parar no final da calçada. Sua porta abriu-se antes que o motor fosse ainda totalmente desligado. De um salto, ele estava no chão e correndo para a frente. Se Missy não parecia nervosa antes, ela parecia agora.


CAPITULO dezesseis #Poser No final, a pessoa que você realmente é, vem à tona. #NemTodoMundoÉEnganadoPorVocê #BuzzBoss

B RAEDEN Eu não sabia exatamente o que estava acontecendo aqui. Mas o olhar de raiva no rosto de Ivy me disse tudo o que eu precisava saber. Eu intensamente queria gritar. Tipo minha garganta estava coçando pra porra para jogar fora palavras hostis a uma velocidade alarmante. É por isso que eu engoli a necessidade. A escuridão dentro de mim estava muito perto. Muito, muito perto. Em vez disso, eu puxei o lado de Ivy contra o meu peito e me inclinei para falar em seu ouvido. "Deixo você sozinha por cinco minutos, Blondie ". Seu corpo estava apertado, como uma haste de tensão que tinha sido dado forma muito peso. Eu poderia dizer pelo conjunto de sua mandíbula e do olhar em seus olhos que ela não queria Missy aqui. Que a cadela apenas apareceu. Provavelmente armou uma cilada para ela. Eu não estava bem com isso. Este lugar, a nossa casa, era suposto ser uma zona segura. Foi a razão de Romeo ter alugado. Foi a razão que eu me mudei. Queríamos que Ivy e Rim se sentissem como se houvesse um lugar onde o drama não iria bater em sua porta.


Seus olhos azuis, que pareciam mais verdes do que azuis esta noite, encontraram os meus. Ela cheirava bem. Uma combinação de chocolate e baunilha. Como uma sobremesa que eu queria provar. Ela não disse nada, a raiva ainda prevalente no rosto. Mas eu a senti ceder. A ligeira mudança de seu peso para mim, como se eu fosse exatamente o que ela queria. Eu era exatamente o que ela precisava. Esse sentimento era como uma droga. Ele me manteve voltando para mais, só mais uma correção. Eu nunca conseguiria o suficiente de ser o único que fazia Ivy se sentir inteira. Rasguei a minha atenção para longe e olhei para Missy, meu olhar endurecendo. "Eu disse para você ficar a porra longe dela. " "Estou sentindo muita tensão aqui", disse Drew. Foi uma tentativa de merda de uma piada. "Você não tem direito de me dizer quem eu posso ou não namorar." Missy fungou. Minha mão se contraiu em torno da cintura de Ivy. Ela olhou para mim com o canto do olho. "Meu irmão parece estar sofrendo da doença grave de idiotice esta noite, " ela rachou. "Missy aqui bateu os olhos para ele no jogo, e ele a convidou para sair." "De que lado você está?" Perguntei-lhe. Ele endureceu. "Eu não sabia que havia um lado." "Deixe-me dar-lhe alguns conselhos. Esta garota aqui? Caso total de cabeça. Você não quer o que ela está oferecendo." "Você não parecia importar-se com o que eu estava oferecendo no último semestre", comentou Missy, manhosa. Ivy empurrou no meu abraço, e eu senti o músculo do meu queixo saltar. Dei um passo para a frente, dobrando-me em frente de Ivy. Ela não precisava ouvir esse tipo de merda. "Um dos maiores erros que eu fiz foi dormir com você", eu disse, frio. Normalmente, eu não tentava ferir os sentimentos das mulheres. Mas essa garota fez vir à tona.


Era ela ou Ivy. Não havia porra de competição. "Você dormiu com a melhor amiga da minha irmã?" Drew moeu para fora. Ivy tentou dar um passo à frente. Eu a segurei gentilmente de volta. "Eu sei que você está atrasado para a festa, homem, então deixe-me resumir isso para você: Ivy ou ela" Missy fez um som como se eu estava sendo ridículo e jogou o cabelo. "Por favor, isso é...." Eu dei a Drew um aceno sutil, deixando-o saber que isso era fazer ou morrer para Ivy. Sem hesitar, ele cruzou os braços sobre o peito e deu um passo para o meu lado. Nós criamos uma parede entre ela e Ivy. Missy estalou. "Você só pode estar brincando comigo." "Você é quente e tudo", disse Drew. "Mas a família sempre vence." Ivy tentou obter em torno de mim, e eu a bloqueei novamente. "Ele não é a sua família." Missy olhou para mim. Ivy suspirou e tentou empurrar em torno de mim. "Pelo amor de Deus, Braeden. Ela não é uma bala, e você não é um colete à prova de balas." Ela tropeçou por mim, e eu a peguei pela cintura. "Sim, bem, os danos que ela inflige poderia coincidir com uma bala," eu demorei. Um olhar mau atravessou o rosto de Missy. Ela derrotou Ivy com um olhar cinza. "Você está tão convencido de que eu sou a má. Alguma vez você já se perguntou quem mais por aqui manteve segredos e disse mentiras?" "O quê?", disse Ivy, a confusão em seu tom. "Eu me pergunto se você seria tão rápida para condená-los como você fez comigo." Eu nunca na minha vida inteira quis bater numa mulher. Eu odiava homens que abusaram de mulheres. Mas, quando eu ouvi as palavras sugestivas vazando para fora da boca e vi o olhar frio, calculista em seus olhos, eu queria.


Porra. Eu queria. Isto me sacudiu todo o caminho para o meu núcleo. "Caia fora desta propriedade e não volte nunca mais", eu avisei. "Esta é a última advertência que você vai ter de mim, Missy. A próxima vez, todo mundo vai saber exatamente quem você é." Eu vi o medo em seu rosto, mas então ela encolheu os ombros como se eu não a preocupasse de modo algum. "Basta lembrar que se eu cair, eu vou levar você comigo." Eu me lancei para a frente, pegando todos de surpresa. Missy se encolheu para trás, mas a minha mão disparou e fechou em torno de seu braço. "Vamos", rosnei e forçosamente a dirigi em direção a seu carro. "Você está me machucando!", ela gritou, a cadela dramática na sua vinda para fora. "Leva muito mais do que uma escolta para machucar alguém tão duro como você," eu bati. Mesmo assim, tenho a certeza que minha mão não estava muito apertada em torno de seu braço. "Me solta!", ela gritou novamente. Deus. Todas as pequenas jararacas na vizinhança iam ter uma semana de fofoca depois desta noite. Eu praticamente podia senti-las todas olhando pelas janelas. Eu a deixei de lado, mas não recuei. "Que diabos está acontecendo aqui?" Uma voz nova e familiar cortou a noite atrás de nós. Eu estava muito chateado para estar feliz. "Romeo", disse Missy, a surpresa em sua voz. "Você não é bem-vinda aqui." Sua voz era suave, mas continha aquela nota de aço que todos sabiam que estava no seu núcleo. Ele estava tão controlado. Era muito mais eficaz do que a minha raiva quente, selvagem. A boca de Missy abriu e depois fechou. Romeo parou ao meu lado, e por um segundo, parecia que tudo estava como deveria ser novamente.


Rome e eu éramos fortes separados. Poderíamos cada um cuidar de si próprio. Mas juntos... Juntos, éramos malditos perto de imbatíveis. Como se tivéssemos algum tipo de conexão psíquica estranha, nós dois cruzamos os braços sobre o peito exatamente no mesmo momento. Missy virou as costas e correu para seu carro. "Não se preocupe," Drew gritou atrás dela. "Eu não vou ligar!" Romeo olhou para mim e sorriu. Atrás de nós, Ivy murmurou algo sobre homens e imbecis. Nós assistimos seu carro em silenciosa parceria até que as luzes traseiras de Missy desapareceram na esquina. Só então eu me voltei para o meu melhor amigo. "Cara. Como você sobrevive sem mim?", ele rachou. O sorriso de comedor de merda que ele sempre usava apareceu. Eu dei uma gargalhada. "Eu só estava me perguntando a mesma merda sobre você." Nós rimos e batemos os punhos juntos, mas se transformou em um abraço. "Senti sua falta, mano," Romeo sussurrou. "Duas vezes", eu respondi. Percebendo que tínhamos uma audiência, recuamos. Todo mundo estava olhando para nós com expressões divertidas. Rimmel veio correndo para fora da casa. "O que está acontecendo?" Suas palavras eram apressadas e preocupadas. Ela estava claramente atrasada para a festa. E sua blusa estava para trás. "Cara." Eu gemi. "Ninguém quer ver isso." Romeo riu. Rimmel derrapou até parar e piscou para nós. "O que?"


Ivy limpou a garganta e fez um gesto em sua camisa. Rimmel olhou para baixo e mesmo no escuro, todos puderam ver a cor flor de cerejeira em seu rosto. "Oh." "Está tudo bem, Smalls," Romeo disse a ela e foi para o lado dela. "B estava apenas tirando o lixo." Ela torceu o nariz. "Eu pensei que você ia para Screamerz?" "Festa?", disse Romeo, o interesse em seu rosto. "Todos os Wolves vão estar lá", eu respondi. "Inferno, sim!", ele gritou e pegou Rim e a jogou por cima do ombro. "Vamos ajeitar sua camisa, baby. Nós vamos sair hoje à noite. " Drew virou-se para Ivy. "Eu sabia que algo estava acontecendo com você. Eu estou supondo que a menina tem um inferno de muito a ver com isso?" "Preciso de um minuto com a minha menina." Eu cortei. "Eu tenho apenas uma pergunta", disse ele, sério. "Pergunte", disse Ivy. "Que diabos é uma perseguida?" Ivy começou a rir. Olhei para ela com uma sobrancelha levantada. Eu sabia exatamente o que uma perseguida era. Eu apertei a mão no meu peito como se estivesse ofendido. "Ivy." Engoli em seco. "Ameaçou a perseguida da menina? " "Talvez", respondeu ela calmamente. "Bem maldição. desesperada.

Me

desculpe,

eu

perdi."

Minha

voz

estava

"Vocês são tão estranhos", disse Drew e depois foi para a casa. Fechei a curta distância entre Ivy e eu. "O pensamento de você e ela me faz sentir doente por dentro." A confissão correu para fora e sua voz rachou. Quando olhei para baixo, vi o brilho de lágrimas em seus olhos.


Foi como um soco no estômago. Eu nunca pensei que meus caminhos de festas do passado jamais iriam se tornar um arrependimento. Viva e Deixe Viver. YOLO12 e toda essa merda. Mas vendo a maneira que isso claramente a machucava me fez desejar que eu poderia ter de volta algumas coisas. Eu não podia. Eu procurava as palavras, por palavras bonitas para dizer que iriam apagar totalmente o efeito que Missy tinha sobre ela esta noite. Não havia nenhuma, mas a emoção em mim inchou como o oceano em uma tempestade. Queimou apenas debaixo da minha caixa torácica, um sentimento quase desagradável. Era como se meu cérebro não tivesse ideia do que fazer, mas o meu coração… Meu coração sabia exatamente. Lentamente, eu estendi a mão e segurei sua cintura. Eu queria que ela soubesse que eu estava vindo. Eu queria que ela antecipasse o meu toque. Eu sabia que ela desejava, porque eu desejava também. Dei um passo para perto, tão perto que nossos dedos do pé colidiram em conjunto e eu podia sentir a respiração deixando os lábios. Eu me senti como uma nuvem envolta em torno de nós, enquanto nós entramos em um lugar de nossa própria fabricação, um lugar que ninguém mais poderia tocar ou ver. Baixei os lábios para pressionar suavemente na linha dos cabelos, em seguida a sua testa. Sua cabeça inclinou para trás e seus olhos deslizaram fechados. Eu dei um beijo em uma pálpebra e depois na outra. Quando ela suspirou, eu pressionei um em seu nariz. Minhas mãos deixaram sua cintura para chegar a suas mãos, embalando-as nas minhas. Eu dei um beijo no centro de uma palma da mão e apertei-a debaixo de minha jaqueta no meu peito, bem sobre o lugar onde meu coração batia. Eu estava meio que feliz que eu não estava usando uma camisa naquele momento. Isso nos deixou pele com pele. Segurei-a lá e permiti meus lábios tocarem levemente nos seus. 12

YOLO, You Only Live Once, Só se vive uma vez.


"Você é a única que já esteve aqui. Você é a única que já teve a parte mais importante de mim. Você é a única que transformou um homem que jurou nunca amar em quem ama completamente." "Como você faz isso?", ela sussurrou, não puxando o rosto do meu. "Fazer o quê?" Eu acariciava as costas dos meus dedos em sua bochecha. "Puxar-me de volta no segundo que eu começo a me afastar?" Eu sorri. "Eu disse que eu estava lançando a âncora." "Nunca me deixe ir, Braeden." "Oh, baby." Jurei, "Nunca". Ainda segurando a palma da mão contra o meu peito, eu tomei sua boca com a minha. Mesmo que fosse um beijo cheio de ternura, o impacto foi como um terremoto de 10,0. Eu não tinha que beijá-la duro e rápido, ou profundo e longo. Não importava que nossos corpos não eram moldados em conjunto em todos os lugares. O que importava era que eu a amava tanto que transformou o simples beijo em algo muito mais. Mas eu era um cara. Eu gostava de estar próximo também. Então, depois de um longo beijo, macio, fui buscá-la e ela enrolou as pernas em volta da minha cintura. "Braeden", ela murmurou contra os meus lábios. Eu grunhi e espalmei a exuberância redonda que era seu traseiro. "Por que não está vestindo uma camisa?" Eu sorri e ela beijou meu queixo. "Esqueci." "Eu quero ir para a cozinha." Ela bateu no meu ombro como se eu fosse seu táxi pessoal. Claro, eu a carregaria para qualquer lugar. "Baby, você sabe que temos colegas de quarto. Não podemos estar fazendo isso logo ali na frente de todos eles." Sua risada encheu o céu escuro. "Tão interessante como você, eu, o balcão da cozinha, e uma lata de chantilly seria, não é isso que eu estava falando".


Eu me afastei, totalmente intrigado. "É isso aí. Nós estamos conseguindo o nosso próprio lugar." "Promessas, promessas", ela cantou, me provocando. Seu cabelo era longo e hoje à noite caía em linha reta. Ele flutuou em torno de meus ombros enquanto eu andava para a casa. Pouco antes de eu entrar, ela se afastou e olhou nos meus olhos. "Eu te amo tanto, B." "Duas vezes, baby", eu murmurei. "Duas vezes." Ela suspirou e descansou o queixo no meu ombro enquanto eu a levava o resto do caminho para a casa. Parecia que tudo que Missy disse a ela tinha sido esquecido no momento. Eu não era tolo o suficiente para pensar que ela não iria se lembrar, que aquelas palavras provocadoras que Missy usou para implicar alguém em torno de Ivy estava mantendo algo dela que ficaria esquecido por muito tempo. E agora eu estava diante de um dilema impossível: contar ou não contar. Devia dizer-lhe antes que alguém o fizesse com ódio? Ou… Deveria manter minha boca fechada e orar a Deus que minha mentira não levasse embora a única mulher por quem meu coração sempre bateria?


CAPITULO dezessete

#SábiasPalavras Tenha cuidado em quem você confia Traição é uma cadela #BuzzBoss

I VY Eu ouvi tudo o que Missy disse. Tudo o que ela implicou. A energia em torno dele eletrificou no segundo que ela falou. Não de uma boa maneira. Oh Deus, Braeden, o que você fez? Por favor, não deixe que isso nos modifique para sempre.


CAPITULO dezoito

#ÚltimasNotícias Nosso destemido Alpha está de volta à cidade. Dizem que ele está indo para Screamerz hoje à noite para sair com o time. #EstejaLá #BuzzBoss

B RAEDEN Ela me fez brownies. E não apenas quaisquer brownies. Aqueles com granulados. Ninguém nunca me fez brownies, exceto minha mãe. Isso explicava por que ela cheirava a chocolate e o que ela tinha feito com seu tempo antes do jogo. Ela era tão danada de bonita sobre isso também. No segundo que eu a coloquei no chão na cozinha (tal como solicitado), ela timidamente pegou um prato de vidro com uma tampa e o estendeu. Ivy nunca fazia nada com timidez, então eu sabia que isso era uma grande coisa para ela. Tomei o recipiente e arranquei a tampa. "Baby, você cozinhou." "Eu nunca cozinhei antes. Eu nem sequer sei se eles vão estar bons. Mas eu adicionei granulados extras!" O entusiasmo em sua voz me fez sorrir. Eu nunca teria dito a ela sobre o meu amor por granulados. Quero dizer, vamos lá. Isso era tipo o mínimo de comida de macho que um cara poderia amar.


Minha mãe disse a ela. Eu tinha estado bastante irritado. Agora eu era uma espécie de gratidão. "Melhor brownies que eu já comi", eu anunciei. "Você, na verdade, não os comeu", ressaltou. "Então?" Eu brinquei. "Eu tenho radar brownie. Eu conheço os bons quando eu os vejo". Seus dentes afundaram em seu lábio inferior cheio, e eu estava distraído no generoso granulado na minha mão. "Você quer experimentar um?", ela perguntou, sua voz hesitante. "Será que uma vaca tem tetas?" "Isso é nojento." Ela fez uma careta. "Dê-me um garfo, mulher!" "Você vai comê-los direto do recipiente?" “Inferno, sim. Eu não vou compartilhar. " Ela estava nervosa quando ela estendeu o garfo. Cavei-o para a direita no centro, notando a camada extra grossa de granulado. Ela provavelmente despejou um recipiente inteiro aqui. Isso me fez amá-la ainda mais. Eu empurrei uma enorme mordida na minha boca e mastiguei. Eles não eram tão bons como os da minha mãe, mas eles estavam muito perto. Considerando que esta foi sua primeira tentativa em fazer alguma coisa, eu estava muito orgulhoso dela. Quando eu não disse nada de imediato, seu rosto caiu. Eu fiz um som e empurrei outra mordida enorme na minha boca. "Melhor que nunca", eu disse enquanto mastigava. Seus olhos arredondaram e ela olhou para cima. "Eles não estão terríveis?" "Eles são a bomba." Eu dei-lhe um sorriso cheio de dentes que eu sabia que estavam cheios de chocolate. Seu rosto se iluminou, e meu peito aqueceu.


Rome entrou na cozinha atrás de nós. "Oooh." Ele olhou por cima do ombro. "Brownies." Sua mão disparou, e eu o apunhalei com o garfo. "Tire as mãos da mercadoria!" "Depravado!" Ele se afastou. Enfiei outra mordida enorme na minha cara. Os granulados tinham a quantidade perfeita de crocante e derretido. "Eu vou me trocar, assim podemos ir", disse ela, o riso em sua voz. "Eu vou lhe trazer uma camisa, Ok?" "Obrigado, querida", disse eu em torno de outro bocado. Romeo assistiu a nossa exibição de felicidade doméstica com diversão. Prada estava dançando ao redor dos meus pés, implorando por uma mordida. "Sem chocolate," eu disse a ela. Ela continuou a pedir, então eu puxei o saco de guloseimas para cães e lhe dei um. "Dominado", Rome zombou. "Onde está o seu gato?", retruquei. Ele me deu o dedo. Depois de mais uma mordida, eu coloquei a tampa no recipiente e deslizei de volta para o balcão. Eu iria comer o resto mais tarde. "Está tudo bem por aqui?" "Para a maior parte." Dei de ombros. Drew entrou na sala, e nossa conversa foi interrompida. Nós três jogamos conversa fora enquanto nós esperamos que as meninas aparecessem. Quando o fizeram, Rome e Rim foram no Cat e eu, Ivy e Drew seguimos no caminhonete. Screamerz estava lotada. Era o local de ponto de encontro privilegiado para todos no campus. Claro, o Buzz que saiu quase logo após Missy acelerar do nosso lugar provavelmente adicionou à multidão.


Eu esperava que ela não estivesse aqui, mas eu não era estúpido o suficiente para pensar que ela ficaria em casa. Ela estava à espreita em algum lugar, recolhendo fofocas e segredos para expor em seu feed. No segundo em que o nosso grupo entrou, as pessoas se concentraram em Rome como se fosse algum tipo de dispositivo de rastreamento que havia sido perdido, mas foi agora encontrado. As pessoas começaram a cantar o seu número, e os Wolves começaram a uivar. Ele apenas riu e balançou a cabeça. Nós não tivemos que esperar por uma mesa, porque nós tínhamos um lugar com a equipe. Enquanto Rome dava a volta e conversava com todos, eu guiei Ivy em direção aos nossos assentos e peguei uma cerveja. Eu precisava de uma. O dia de hoje foi o inferno de longo. Eu estava ansioso por algum tempo descontraído com meu melhor amigo e talvez um pouco de ação depois do expediente com minha menina. Ivy estava parecendo um onze em um gráfico de um-para-dez. Parecia que sua roupa (ou atitude) tinha um pouco de ousadia extra nela esta noite. Os jeans que ela usava eram skinny bem apertado e tão escuro que quase pareciam pretos. Ela estava usando uma blusa regata laranja brilhante com uma outra camisa mais solta sobre ela. Era branca, cortada e de mangas compridas, mas tinha grandes recortes nos ombros, expondo sua pele. O decote era decorado com algum tipo de design colorido e tinha duas cordas penduradas com bordas laranja nas extremidades. Seu cabelo estava reto e caía sobre os ombros. Era o meu favorito sobre ela. As formas como os fios de seda captavam a luz me fazia querer tocá-los. Trent estava sentado em frente a nós, e ela deu-lhe um pequeno aceno. Ele sorriu para ela e me saudou com sua cerveja. Romeo e Rim finalmente fizeram o seu caminho, e ele se estabeleceu bem ao meu lado, puxando Rim em seu colo. "Droga, é bom estar em casa", Rome gritou, e uma cerveja apareceu na frente dele. Nós brindamos o copo juntos e continuamos firme. Rimmel torceu o nariz. Ivy inclinou-se em torno de mim, e eu passei um braço sobre seus ombros.


"Onde está seu irmão?", perguntei. Ela apontou na pista de dança. Ele já estava lá fora e rodeado por mulheres. Ele nos viu e virou seu sorriso acima de um corte. Ou dez. "Ele tem algum jogo." Eu admirava isso. "Ele é incorrigível", disse Ivy com carinho e fez sinal para que ele se juntasse a nós na mesa. Ele desengatou-se das senhoras com um pouco de experiência (claramente, ele não era novo para o rodeio) e fez o seu caminho até nós. O assento ao lado de Trent estava livre, e ele puxou para fora. "Trent, este é meu irmão, Drew." Ivy fez a introdução. "Ele dirige um Mustang também." Drew estabeleceu-se na cadeira e deu a Trent um olhar interessado. "Um companheiro de cabeça de engrenagem?" Trent levantou as mãos em sinal de rendição. "Só quando eu tenho algum tempo livre. Que não é frequente." "Futebol?" Drew adivinhou. Trent sorriu. "Isso e uma fraternidade." "Que barato. Você sabe o suficiente sobre carros para manter uma conversa, não é? ", Drew perguntou. Eu quase engasguei com a minha cerveja. Porra, eu poderia falar sobre carros durante todo o dia maldito. Mas desde que eu não dirigia um Mustang, não era considerado digno. "Será que um touro tem bolas?" Trent respondeu. Eu ri, mas Ivy gemeu. Drew lhe deu um tapa nas costas. "Eu gosto desse cara, Ivy." "Claro que sim", eu murmurei sombriamente. Drew olhou para mim, em seguida, Trent. "Você e minha irmã?" Meus olhos se estreitaram em Trent, esperando para ver o que ele diria.


"Nah, cara. Tem sido sempre B para ela". Eu relaxei. Ivy me cutucou nas costelas, e eu beijei seu ombro nu. Drew e Trent mergulharam a cabeça primeiro em uma conversa sobre Mustangs e autopeças. Sobre minha cabeça, uma bandeja de copos com doses cheias de líquido azul bateu na mesa. "Smurf balls!", exclamou Ivy. Rimmel riu. "O que é com vocês duas e estas malditas bebidas azuis?" Eu entoei. Ao meu lado, Romeo gemeu. Ivy pegou um deles e atirou-o para baixo em sua garganta. Rimmel não foi tão rápida para obter o dela para baixo, mas ela estava trabalhando nele. Ivy enfiou a língua para fora, e ela já estava manchada de azul. Uma música pop atual começou a tocar alto quanto o inferno, e Ivy levantou-se e agarrou a mão de Rimmel. "Vamos." Rimmel gemeu, mas ela seguiu, e logo o par estava fora na pista de dança, movendo-se na batida. Rim ainda era uma dançarina terrível. "Como está o time?", perguntei a Romeo. "Está bom. Não é o mesmo sem você." Eu balancei a cabeça. Eu sabia o que ele queria dizer. Mesmo na metade da temporada, eu ainda não estava acostumado a jogar no campo sem ele. "Como está o braço? Você está conseguindo um tempo de jogo?" Eu sabia que ele ainda tinha que iniciar um jogo, razão pela qual eu não tinha ido a um ainda. Rimmel viajou para alguns de seus primeiros jogos, onde, basicamente, sentou-se no banco. Eu teria ido também, mas com os meus próprios treinos de futebol, a programação tinha sido apertada. Mas o primeiro jogo que ele estivesse no campo por mais de alguns jogos, eu estava lá. Os Wolves que se danem. Romeo flexionou sua mão direita e fez um punho. " O braço está bom. Os terapeutas e treinadores deles são de alta qualidade. Eu não posso reclamar."


"Tempo de jogo?" Eu pressionei. Ele encolheu os ombros. "Não tanto quanto eu estou acostumado." Ele me deu um sorriso triste. " Eu sou um peixe pequeno em uma grande lagoa ali." "As pessoas estão lhe causando problemas?", perguntei, meus olhos se estreitando. "Não, todo mundo é legal. Eu só tenho que provar a mim mesmo. Você sabe como é." Eu sabia. Eu também sabia que, em breve, Rome estaria dominando a posição de liderança de quarterback na equipe. "Você está recebendo muita imprensa." Seu nome era praticamente um esteio nos jornais e no estado. O título de "Comeback Quarterback" grudou seriamente. Ron Gamble, dono dos Knights, estava, provavelmente, rindo à toa. Ele mostrou os dentes. "A imprensa não está machucando." Eu ri. Rome era o menino de ouro do futebol neste estado. "E quanto a você?", perguntou. "Como estão indo os Wolves nesta temporada?" "Detonando e pegando nomes," eu disse. Os caras ao nosso redor uivaram. "Como poderíamos não estar, com o Incrível Hulk intimidando a todas as outras equipes?" Rachou o cara bem ao lado de Trent. Rome ergueu a sobrancelha. "Merda", eu murmurei. Esse nome era ridículo. "É você?", perguntou Rome. Trent levantou os olhos da sessão de ligação em profundidade, com Drew e assentiu. "Ele é como um maldito Bouncer lá fora. Todo agressivo e merda". Veja, essa é a coisa. Todos os outros caras podem ter pensado que era legal. Eles admiravam a maneira que isso ajudava a equipe. Romeo sabia melhor.


Ele sabia que o meu status de "Incrível Hulk" era provavelmente o produto de merda acontecendo dentro de mim. "Devemos conversar", disse ele para que só eu pudesse ouvir. "Nós devemos beber outra cerveja!" Eu gritei. Todos concordaram. Depois que todos os nossos copos estavam cheios, todos voltaram a suas próprias conversas. Romeo virou-se para mim. "Você falou com ele? Você o viu?" "Não. Não se trata disso." "Então o que?" Eu balancei a cabeça uma vez. Nem mesmo Romeo conhecia o segredo que eu carregava. Eu nunca disse a ele sobre Ivy e Zach. Eu pensei sobre isso, mas eu não podia. Só de pensar que era forte o suficiente. E eu não podia fazer isso com Ivy. Eu era leal a Rome, mas eu estava em Ivy também. Além disso... e se quando eu contasse, ele dissesse que eu fiz a coisa errada? Eu não achava que eu poderia lidar com o meu melhor amigo me dizendo o quão errado eu tinha sido. "Eu decidi ligar para ele." Eu realmente não tinha a intenção de dizer isso. Eu só queria mudar a conversa longe dele chegar muito perto. Inferno, eu nem tinha percebido que eu decidi falar com meu pai. Mal tive tempo para pensar nisso. Mas eu acho que as coisas que Ivy me disse naquela noite sob as estrelas, sobre falar com ele por mim, realmente ressoou em mim. Eu provavelmente tomei a decisão naquela noite, só não queria dizer isso. Romeo me deu um tapinha no ombro. "Eu acho que está bom." "Sim?", perguntei. Até este ponto, ele manteve a sua opinião pessoal de fora. Como se soubesse que ele iria me influenciar e não queria isso. "Inferno, sim. Resolva isso, cara. De uma vez por todas." Agora que eu declarei minha intenção, parecia certo, e, pela primeira vez, me senti pronto para enfrentá-lo.


Eu esperava como o inferno que não era a cerveja e quando eu acordasse amanhã, eu sentiria o mesmo. Algumas damas vieram até a mesa, com o olhar para Drew. Eram algumas das meninas com quem ele tinha estado dançando mais cedo. "Nós precisamos de um pouco de companhia", disse uma delas. Ela tinha cabelos longos, quase pretos. "As damas querem o que querem." Drew suspirou e se levantou. "Senhoras, vocês conhecem o meu mano Trent?" "Claro." Elas sorriram, e ele foi puxado para o chão com elas. Isso costumava ser Rome e eu. Antes de nós nos apaixonarmos. Engraçado, eu não sentia falta daqueles dias de jeito algum. Fora na pista de dança, Ivy e Rimmel estavam rindo e se divertindo. Era bom vê-la sorrindo e apenas vivendo o momento. Vi alguns caras dançando nas proximidades. Eu vi a forma como eles a assistiam, e eu sabia que eles queriam deslizar para a direita por trás delas para uma dança. Até agora, eles tinham mantido distância. Eles permaneceriam onde estavam se soubessem o que era bom para eles. Até agora no semestre, todos sabiam que ela foi agarrada e eles sabiam por quem. Drew e Trent atravessaram a multidão e apareceram ao lado delas. Ivy abraçou seu irmão rápido, em seguida, voltou para dançar. "Qual é o negócio dele?" Romeo engatou o queixo na direção de Drew. “Não se preocupe. Eu ameacei sua vida se ele sequer olhar para Rim." O corpo de Romeo endureceu. "Ele paquerou Rimmel?" "Inferno, não. Eu teria chutado seu traseiro fora. Mas eu com certeza fiz com que ele soubesse que era melhor não." Romeo relaxou um pouco, mas eu notei a maneira como ele os assistiu todos na pista um pouco mais perto. "O que é que ele está fazendo aqui?" "Veio para me conferir. Chegou em casa do seu estágio de verão para descobrir que a sua irmã mais nova se mudou com um cara."


"A aprovação da mãe dela não foi suficiente para ele?" Romeo deu um estampido de cerveja. Eu fiz um som rude. "Acho que não. Fez sua calcinha torcida que seus pais não me conhecem, somente através do FaceTime." Romeo riu. "Cara. Você falou no FaceTime com os pais dela?" "Foda-se." Eu sorri. "Eu precisei, cara. Ela me pediu." Romeo assentiu solenemente, então explodimos em gargalhadas. "De qualquer forma, ele apareceu, disse que sentia falta dela. Mas quando ela saiu do quarto, ele deixou claro que ele estava aqui para conferir a nós todos, certificar-se de que somos bons o suficiente para sua irmãzinha." "O que você não está dizendo, B?" Virei meus olhos nele. "O que faz você pensar que eu não estou dizendo alguma coisa?" O olhar em seu rosto era de um cara que cheirava o pior peido sempre. Uma vez que não estava fedendo aqui, eu sabia que ele estava chamando besteira. Eu bebi o resto da minha cerveja, basicamente, ganhando tempo, tentando pensar em algum comentário espertinho que iria mudar de assunto. Ou esperando que um de seus muitos fãs viriam aqui e tomar o calor fora de mim. Uma distração. Qualquer tipo de distração seria boa agora. Exceto para a que eu recebi. "Não!" Gritou uma mulher. O som era tão alto e em pânico que levou sobre a música e no meio da multidão. Eu conhecia aquele som. Eu empurrei em pé e olhei para Ivy. Um cara veio por trás dela, agarrou-a, e teve os braços fechados em torno de sua cintura. "Não me toque!", ela gritou. Eu vi o pânico em seu rosto, a forma como seu corpo trancou. Está acontecendo de novo. Assim como no chuveiro.


Deixei escapar uma série de maldições e deixei cair o copo vazio. A multidão em torno da nossa mesa era enorme, e eu não estava prestes a fazer o meu caminho de volta. Até o momento em que chegasse a ela, ela estaria em pânico total. Eu pulei em cima da mesa, os meus pés derrubando algumas cervejas e cestas de amendoim. Eu não parei. Eu continuei e saltei para fora da mesa e no chão do outro lado. A essa altura, Drew tinha arrancado o bastardo sujo fora, mas estava lidando com a situação totalmente errado. Inferno. Ele estava lidando com isso como qualquer irmão faria, mas não da maneira que Ivy precisava. Não era sobre esse cara, o filho da puta; tratavase de Ivy. O corpo dela estava tendo um flashback. Drew tinha o cara pela camisa, e enquanto eu empurrava as pessoas para fora do meu caminho, ele parou o punho na mandíbula do cara, fazendo-o voar para trás. Direto em Ivy. Os dois caíram no chão em um montão, Ivy na parte inferior. Presa ao chão, debaixo de um completo estranho. Ela começou a gritar.


CAPITULO dezenove Bancar a vítima não é engraçado. Supere isso. #DramaNãoFicaBemEmVocê #BuzzBoss

I VY As mãos surgiram do nada. O corpo forçou a si mesmo bem contra o meu. Havia algo sujo e indesejável sobre o jeito que me senti. Num segundo, estava tudo bem. Eu estava me divertindo e rindo. E então não estava. No espaço de dois segundos, a minha frequência cardíaca triplicou, uma sensação de mal-estar, tonturas, tomaram conta de mim, e eu senti o suor brotar na testa. "Não!" O protesto literalmente agarrou fora do meu peito e queimou minha garganta em seu caminho para fora. Eu tenho que ficar longe dele. Eu não quero isso. "Não me toque!" Eu senti o corpo rasgado fora. Nós giramos com a força do mesmo. Eu ainda estava me recuperando, ainda tentando puxar-me de volta a partir da ansiedade que tinha tomado completamente. Pisquei o suficiente para limpar a minha visão e ver Drew batendo o punho no rosto do homem que me agarrou.


Eu não tive tempo para pensar ou me mover. O estranho bateu em mim, nós dois amassando até o chão. O cheiro de álcool atingiu minhas narinas, e eu sufoquei. O cara estava tão bêbado que não conseguia nem controle de seu próprio corpo. Ele estava deitado em cima de mim, seu peso tão pesado, sua pele tão pegajosa. Oh, meu Deus. Não. Tornou-se excessivamente difícil respirar. Os pontos pretos nadaram diante de meus olhos. Eu o queria fora de mim. Eu queria que ele... Ele gemeu e tentou se levantar. Tudo o que fez foi empurrar seu corpo mais perto para o meu. Eu comecei a gritar. Segundos depois, todo o peso se foi e o som de uma voz familiar, ainda que irritada, flutuou acima de mim. "Não a toque." "Ela é minha irmã," outra voz argumentou. Eu comecei a tremer. A adrenalina no meu sistema foi demais para suportar tão rápido. "Ivy," Braeden disse. "Baby, eu vou tocar em você." Suas mãos suaves me levantaram do chão. Eu mal registrei a multidão ao nosso redor ou a música tocando no clube. "Você está bem", ele prometeu, sua voz suave e perto do meu ouvido. Um soluço arrancou do meu peito, e eu empurrei o meu rosto em seu ombro. Ele me pegou e me segurou contra ele. Gostei da maneira como ele se sentia. Seus braços não pareciam como pânico. Eles me deixavam segura. Nós começamos a nos mover através do lugar. Um minuto depois, o ar fresco da noite roçou minha pele e levantou meu cabelo. "Vamos para casa", disse Braeden, e ouvi o som de cascalho triturando debaixo dos pés. Ele logo foi acompanhado pelos outros atrás de nós. "O que diabos aconteceu lá atrás?" Drew gritou.


Braeden parou, o corpo tenso. Eu me concentrei na respiração. "Vamos para casa", disse ele, apertado. "Eu quero uma porra de uma explicação para o que aconteceu!", ele gritou. "Eu estou bem", eu disse, minha voz fraca e minha garganta inflamada. Braeden me segurou apertado. "Silêncio." "Agora não é o momento." Romeo interrompeu, sua voz a única razoável. "Essa é a minha irmã," Drew rosnou. "Entendi. Ela é como uma para mim também," Romeo respondeu. "É por isso que você precisa deixar B lidar com essa merda e levá-la para casa. De pé em um estacionamento e discutindo não é bom para ela. " Braeden começou a andar novamente. Na caminhonete, minha cabeça começou a clarear um pouco. Eu era capaz de ouvir meus próprios pensamentos. "Braeden", eu sussurrei. "Você não precisa dizer nada, baby." Ele me enfiou mais perto ao seu lado. "O que está acontecendo comigo?" Minha voz se quebrou. Ele não disse nada, mas eu sabia que ele também viu. Algo estava errado comigo. Eu estava assustada.


CAPITULO vinte

Algo mudou no ar hoje à noite. #VocêSentiu? #BuzzBoss

B RAEDEN Logo antes de eu levá-la para fora do clube, a multidão se afastou. Ela estava de pé ali na borda, olhando. Nossos olhos fechados. As ameaças que ela fez para me levar para baixo tinham sido apenas isso, ameaças. Palavras com as quais ela nunca pretendeu falar. Como é que eu sei? O medo inflexível, desenfreado, em seus olhos. Missy sabia que eu estava no meu ponto de ruptura. Ela sabia que a trégua tácita entre nós de não dizer merda estava desmoronando. Esta foi a minha última gota. Alguém tinha que ceder. Eu não iria assistir Ivy sofrer desta maneira. Era hora de eu dizer a verdade a ela. Entretanto...


Na ala mental... (Mais Conhecido Como Parte Dois)


CAPITULO vinte e um

Será que o #13 e sua Barbie estão se consumindo em chamas? Casal feliz ou só fingimento? #VocêDecide #BuzzBoss

Z ACH Dopar-me. É tudo o que eles queriam fazer para mim aqui. Eles queriam enfiar pílulas na minha garganta para me "consertar" porque era mais fácil do que tentar mudar quem eu era, quem eu sempre seria no núcleo. Eles não precisavam saber disso, porém. Todas essas pessoas em seus casacos brancos com sorrisos compreensivos, felizes e perspectivas positivas poderiam continuar a viver no seu mundo de fantasia. Eu jogaria junto. Isso me irritava mais do que ninguém jamais iria entender, mais do que nunca iriam ver. Eu era bom em esconder o que realmente estava dentro de mim. O melhor, na verdade. Eu andava por estas salas em meus chinelos de design e pijamas. Francamente, isso me fazia sentir como Hugh Hefner, como se eu estivesse em algum spa, e muitas vezes eu me perguntava se essas pessoas realmente acreditavam que elas eram nada melhor do que os prisioneiros aqui (prisioneiros = pacientes). Éramos todos mentirosos. Eu era apenas mais honesto sobre quem eu era do que o resto. Minha honestidade ficou bloqueada aqui, neste


centro de tratamento confortável onde eles poderiam me corrigir e dizer aos tribunais que eu não era mais louco. Que eu era um membro operante, contributivo para a sociedade. Muito embora, eu sempre fui isso. Eu só não era o que todo mundo considerava adequado. Eu só não me comportei do modo que todo mundo achava que eu deveria. Dane-se isso e danem-se eles. Mas eu poderia jogar o jogo deles. Eu poderia fingir ser exatamente quem eles queriam. Eu poderia sentar nas minhas sessões de terapia através da minha terapeuta grosseiramente inadequada que se preocupava mais sobre sua testa cheia de botox do que qualquer coisa que saía da minha boca. Eu dizia o que ela queria ouvir, e ela fazia os ruídos apropriados e me perguntava como eu me sentia. A verdade é que eu sentia vontade de rir. Às vezes, o riso borbulhava dentro de mim, levantando-se como uma onda no centro de uma tempestade violenta. Ameaçaria explodir, escapar para o quarto, e transformar a partir de um único riso em um riso em curso, estridente que me fazia soar como uma hiena. Algumas vezes, eu realmente me engasguei tentando forçar a reação de volta para baixo. Usei-o para minha vantagem também. Eu o transformei em um soluço e fui "tomado pela emoção." Remorso pelo que eu tinha feito. A culpa para a dor que causei e a agonia dos efeitos da minha infância. A médica comprava isso o tempo todo. Completamente. Às vezes, ela até me entregava tecidos e olhava para mim com pena em seus olhos. Talvez quando eu saísse daqui eu levaria a interpretação. Deus sabe que eu era bom em fingir. Na realidade, eu não sentia nenhuma dessas emoções. Nenhum remorso. Nenhuma culpa. Nenhuma agonia. Eu não sentia raiva retumbante e satisfação. Eu realmente nunca me propus a fazer as coisas que fiz. Mas eu não me arrependo também. Aquelas pessoas mereciam o que receberam, e eu merecia ser o único a lhes dar.


Às vezes a vida não era justa, então você tinha que nivelar o campo de jogo. Você tinha que garantir que as pessoas soubessem que não estavam comprando o que eles estavam vendendo. Fui longe demais? Só no que diz respeito que eu fui pego. Eu faria isso de novo, mas desta vez eu seria muito mais silencioso sobre o assunto. Desta vez eu ia ser inteligente. Eu ia fingir ser o homem que todo mundo queria que eu fosse. Impostores vão representar afinal. Palhaços vão contar piadas. Desta vez, a piada seria sobre eles.


CAPITULO vinte e dois Algumas pessoas podem me chamar de #Poser. Estas pessoas só não gostam da verdade que eu conto. #Posers vão posar #BuzzBoss

Z ACH Meses. Isso é o quanto eu tenho estado trancado aqui. Claro, eles preferiram chamá-lo de "visitando". É apenas uma visita, se você optar por vir aqui e, em seguida, sair sempre que você sentir vontade. Eu não escolhi esse lugar. Eu fui encomendado aqui por um tribunal de direito. Mesmo meu pai advogado não podia me manter fora. Mas isso não foi culpa dele. Ele tinha feito o melhor que podia. Ele conseguiu me enviar aqui em vez de uma cela de prisão. Eu estava ficando cansado deste lugar, dos médicos e do pessoal. Eu me sentia como um brinquedo caro empurrado em uma caixa com um monte de refugos quebrados. Eu os assisti dia após dia, arrastando em torno deste centro com os olhos vidrados e bocas frouxas. No minuto em que eu começava a ver alguns sinais reais de vida por trás de seus olhares vagos, um enfermeiro viria com um copo de plástico cheio de remédios. É como se eles tivessem desistido. Como se eles preferissem estar aqui do que o mundo exterior. Eu tinha muita ambição dentro de mim para isso, para esta vida. Eu jamais ficaria aqui um ano inteiro. Eu desabaria. A última vez que eu desabei, acabei aqui. Na próxima vez…?


Eles me mandariam para um lugar pior. Eu precisava sair. Eu precisava de algum tipo de contato com o mundo exterior. Eu precisava de um plano de saída. O que um cara faz quando ele quer chegar ao lado de fora? Faz amizade com um cara no interior. Eu poderia ter ido a rota de pagar um ordenado, mas isso teria sido muito óbvio. Eu não confiava nas pessoas que trabalhavam aqui. Eles aceitariam o meu dinheiro, me diriam alguma coisa, e a próxima coisa que eu sabia, eu estaria trancado ainda mais. Isso não iria acontecer. O caminho a percorrer aqui era fazer amizade com outro preso. Outro paciente. Eu o estava observando desde o dia em que entrei. Quando eu não estava participando de atividades de grupo, enganando meus terapeutas e fingindo ler os livros que eles ofereciam aqui na biblioteca, eu estava avaliando todos. Como eu disse, muitos dos pacientes aqui estavam basicamente apenas preenchendo o espaço, indo com os movimentos. Mas nem todos nós. Demorou um pouco para pegá-los para fora, para saber os que estavam tão lúcidos quanto eu, mas eu fiz. Tudo o que eu tinha que fazer era observar, esperar. Isso me fez pensar por que nenhum dos enfermeiros sempre nos escolheu. Era porque eles simplesmente não se importavam, desde que ninguém causasse problemas? Ou será que eles honestamente só não viram o que eu fiz? Talvez tipo reconhecido como. Talvez eu tenha visto porque era familiar. Todas as noites antes de dormir, os pacientes recebiam uma hora de tempo livre. Tempo livre significava guiar-nos todos em um quarto grande e nos permitir jogar jogos de tabuleiro, participar na aula de arte ou ler. Era totalmente chato. Eu ansiava por uma cerveja, uma comprida, gelada. Eu queria sentar em uma festa da fraternidade, cercado por caras que eu governava. Voltar a estar no comando. Esta hora de tempo "livre" só servia como um lembrete de por que diabos eu queria tanto sair. Eu iria estar no topo novamente um dia. Estaria no comando. Caras como eu não eram seguidores. Nós não éramos minions. Eu era um rei. Eu estava destinado a governar.


Como todos os meus outros sentimentos verdadeiros, eu os enchi para baixo, profundo e agia como se esta hora de tempo livre fosse o meu tempo para refletir e mostrar como eu poderia funcionar normalmente em uma sala cheia de pessoas. Shane estava sentado em uma mesa sozinho quando eu entrei. Havia um tabuleiro de xadrez em sua frente e ele se concentrava em colocar as peças vermelhas e pretas na placa onde elas pertenciam. O assento à sua frente estava vago. Era como se ele soubesse. Como se ele soubesse que eu estava pronto para me aproximar dele. Até este ponto, nós só tínhamos trocado um olhar ou dois. Ser muito simpático muito rápido era como agitar uma bandeira vermelha na frente de um touro. Eu estava aqui para trabalhar sobre mim mesmo, não fazer amigos. Meus chinelos eram silenciosos, enquanto acolchoavam em todo o piso de madeira e tomei o assento em frente a ele. Sem dizer nada, ele fez o primeiro movimento no xadrez. Fiz um após ele. Isso continuou por algumas voltas, apenas dois pacientes a jogar um jogo amigável de damas. "Há quanto tempo está aqui?", perguntei depois que movi a minha peça preta novamente. "Dois anos." Meus dedos se detiveram sobre a mesa. Tanto tempo? Devo tê-lo julgado mal. Eu não fazia isso muito frequentemente. Estar aqui estava me fazendo perder a borda. Essa conversa tinha acabado. Ele era o cara errado para mim. Eu comecei a me levantar. "Você quer sair?", disse, ignorando o fato de que eu estava saindo e fazendo um movimento para contrariar o meu. "O que você sabe sobre isso?" Ele encolheu os ombros. "Bastante". Eu me acomodei de volta. "Se você soubesse tanto, você não estaria ainda aqui depois de dois anos." "Para alguns, este lugar é preferível."


Eu não sei por que ele preferiria estar aqui do que lá fora e eu não me importava. Tudo o que importava era informação. "Por quanto tempo está aqui?", perguntou. "Um ano." Ele balançou a cabeça como se fosse normal. "Você tem família?" "Sim." "Concentre-se na Dra. Becks. Ela tem uma coisa para o apoio da família e merda. Ela tem sido conhecida por libertar pessoas para visitas domiciliares." Bingo. "O Dia do Visitante está chegando. Você já entrou?" Os visitantes eram autorizados a visitar uma vez por mês. Cada visitante tinha que se registrar e ser aprovado pela equipe antes que eles fossem autorizados a ver os pacientes. Até agora, eu não tinha tido visitantes. Os primeiros meses de tratamento foram focados apenas em mim, mas bons rapazes são recompensados. Eu tinha sido um menino muito bom e agora eu estava autorizado a ter um visitante. "Sim. Meu pai vai estar aqui." "O advogado, certo?" Eu não estava surpreso que ele sabia disso. "Sim." Eu mudei a minha peça no tabuleiro e saltei uma das suas. Ele revidou, saltando duas das minhas. "Pode ser um bom momento para dizer-lhe como você quer passar as férias com ele. Coloque o seu fundo persuasivo para trabalhar". Eu fiz um som e mantive o jogo. "Claro, você provavelmente vai ter que voltar", disse Shane. Eu não me importava com isso. Eu só queria uma maneira de sair, causar um pouco de dificuldade e depois voltar antes que alguém pudesse sequer suspeitar que era eu. Tudo o que eu precisava era tempo suficiente para deixar o menino debochado dentro de mim fora de sua rédea por um tempo antes de eu deixar o menino cantor em mim brilhar novamente.


Um pouco de equilĂ­brio. Isso ĂŠ tudo que um cara poderia pedir. Eu alcancei para o outro lado do tabuleiro e deslizei minha pedra preta no lugar. "Cheque mate", eu disse. Shane olhou para cima e sorriu. Eu sorri de volta.


CAPITULO vinte e tres #AlgoFede Senso comum é como desodorante. As pessoas que precisam dele, a maioria não usa. #BuzzBoss

Z ACH A Dra. Becks era uma idiota. Mas ela era uma idiota educada de modo que a fazia perigosa. Ela também era uma das pessoas que estava entre a porta e eu. Eu não tinha dúvida de que eu seria capaz de trazê-la de perto para o que eu queria. Eu apenas tinha que fazer parecer como se fosse a sua ideia. Eu poderia fazer isso, mas não ia ser fácil. Médicos como ela foram treinados para ler nas entrelinhas. Eles foram treinados para ver o que outras pessoas não viam. Assim… Para contornar a sua educação e treinar para o coração da imbecil, eu ia ter que trazer isso. Inserir a parte não tão fácil. Você vê, a melhor maneira de fazer as pessoas fazerem o que quero é lhes dar algo que elas querem. E Becks queria um avanço. Ela queria pensar que todo o tempo que ela passou nas salas de aula, usando aquele casaco branco estúpido e andando pelos corredores desta prisão fantasia valeu a pena. Ela queria um golpe para seu ego. Ela queria o direito de se gabar em torno do refrigerador de água.


Eu daria a ela. Eu não queria, mas era a única maneira. Após minha conversa com Shane, comecei a preparar o terreno. Dando dicas, contribuindo vagas omissões que eu sabia que iria levá-la a pensar que toda a sua tagarelice estava finalmente começando a construir novamente tudo o que foi quebrado dentro de mim. Eu não podia simplesmente entrar em seu escritório um dia e derramar minhas tripas. Especialmente não tão cedo depois de ter sido visto com Shane. Talvez ninguém percebeu, mas eu não estava disposto a arriscar tudo em talvez. Eu sabia que estava no caminho certo quando a Dra. Becks acrescentou uma segunda sessão para nossas reuniões semanais. Ela estava ficando mais ansiosa pelo avanço que ela pensou que estava tirando de mim. Como eu disse, ela era uma idiota. Quanto mais o tempo passava, mais ansioso (ok, desesperado) eu ficava para sair daqui. Falcões não foram feitos para serem enjaulados. Leões não foram feitos para serem presos. Reis foram feitos para reinar. Eu entrei em seu escritório e ajustei a farda que eu usava. Eu ansiava por uma polo e um par de jeans escuros. Eu queria me sentir humano novamente, não como alguns pacientes que só eram confiáveis para sempre vestir pijamas ou fardas padrão. E sapatos. Eu gostaria de um par de sapatos malditos. O tipo real, com cadarços. Ainda não me fora permitido esse luxo (o que era ridículo), então eu ainda usava chinelos. Francamente, parecia uma dificuldade que eu não poderia vestir a parte do homem que eu estava tentando retratar. Aparência era tudo, afinal. Se eu quisesse que a Dra. Becks me visse como menos de um paciente, então eu tinha que parecer e agir como um. Caminhar ao redor de um manto como se eu estava pronto para rastejar na cama e dormir fora o resto da minha vida não era o tipo de atitude que iria me tirar daqui. Eu precisava parecer preparado e confiante, mas não muito confiante. Eu ainda precisava de vulnerabilidade. Então, sim, talvez a farda iria me ajudar com isso.


Mulheres amavam vulnerabilidade, até mesmo os médicos que foram treinados para vê-lo como uma fraqueza. Às vezes a natureza superava o treinamento e a natureza criou mulheres (bem, a maioria das mulheres) para suavizar quando vissem alguém que apareceu ferido ou para baixo em sua sorte. Eu deixei meu rosto com barba por fazer, isto não foi por escolha. Eles não me deixavam ter uma navalha também. Assim entre meu cabelo sem gel, barba por fazer e chinelos, eu percebi que eu ainda parecia vulnerável mesmo com a aparência de tentar puxá-lo juntos. Nós podemos apenas ter um minuto para nos deleitarmos sobre o gênio que é minha mente?

### Certo, estamos de volta. "Bem na hora, Zachary," Dra. Becks disse quando eu pisei em direção à cadeira que eu estava para sentar. Incomodava o inferno fora de mim quando ela me chamava assim. Quer dizer, sério. Eu disse a ela eu não sei quantas vezes que era apenas Zach. Ela não deu ouvidos. Eu não sei por que ela esperava que eu me concentrasse em qualquer coisa idiota que saía de sua boca quando ela não poderia sequer compreender a forma como eu pedi para ser tratado. Apenas uma outra pessoa sempre me chamava assim. Eu a odiava também. Meus dedos se enroscaram na minha mão e apertaram. Senti as longas unhas cortarem minha pele e dar-me uma relaxada. Eu gostava daquela pequena picada de dor. A satisfação doente. Ela não conseguia me controlar. Ela poderia me chamar de qualquer coisa que ela queria, mas isso não importava. No final, eu sempre fazia o que eu queria. "A pontualidade é um sinal de respeito", disse eu, relutantemente, fechando o meu punho. Não seria bom ela ver a minha exibição de raiva controlada.


A médica indicou para a cadeira e me sentei. Eu me senti agitado. O que eu sabia que tinha que fazer, o que eu pensei que ia ser fácil, claramente não era tão simples como eu pensava. Eu odiava este lugar. Eu odiava a Dra. Becks. Eu a odiava. Meu joelho começou saltando para cima e para baixo enquanto a energia me enchia e eu não conseguia mantê-la dentro. Eu senti o olhar arrebatador da mulher do outro lado de mim e eu queria rosnar para ela por seu olhar crítico. Mas não o fiz. Segurei o que eu podia. "Você parece ansioso hoje", observou ela. "Gostaria de me dizer por quê?" Porra, não, eu não iria. Quando eu não respondi, ela colocou a caneta para baixo e focou exclusivamente em mim. "Eu pensei que você estava pronto para sessões mais frequentes. Talvez seja muito agora." A visão mental de barras batendo na minha cara me tirou disso. "Não", eu disse rapidamente. Então eu caí para a frente um pouco e sorri internamente. Isso não era como eu imaginava esta sessão, mas eu podia rolar com isso. Na verdade, seria melhor assim. "Eu estou apenas, bem..." Fiz uma pausa para o efeito. "Eu só tenho pensado muito ultimamente." Ela concordou que eu deveria ir em frente. "Eu não gosto quando você me chama de Zachary," eu admiti. "Por que isso?" "Isso me faz lembrar dela." "Ela?" O tom da Dra. Beck mudou levemente. A nota subjacente de interesse era difícil de perder. Quem mais eu poderia dizer? Certamente não a mulher que todos pensavam que era a minha mãe, a mulher que meu pai mudou para dentro


de nossa casa como se ela nos faria normal novamente, como se esta substituição consertaria tudo o que ela tinha quebrado. Eu balancei a cabeça e desviei o olhar em todos os seus diplomas que revestiam as paredes. Ela era claramente uma egomaníaca. "Você ainda tem que falar sobre ela durante a sua estadia." "Eu não gosto de falar sobre ela." A corrida familiar de raiva corou minhas veias. Eu provavelmente não deveria permitir tanta verdade em minha voz quando falei com ela, mas isso só serviria para ser mais convincente. "Talvez falando sobre ela possa ajudar", a médica sugeriu. "É perfeitamente possível que um monte de raiva e ressentimento que você tem derive de tudo o que você mantém dentro. Talvez seja uma força motriz por trás de seu comportamento." "Você quer dizer que a razão pela qual eu prendi aquela menina em um poste e, em seguida, corri atrás do namorado dela com um cortador de grama?" Eu disse prosaico e com uma cara séria. Eu ainda consegui infundir um pouco de pesar no meu tom. Por dentro, eu estava high-fiving para o meu próprio épico. Corri até o próprio Sr. Quarterback com um cortador de grama. Ha! "Essa foi provavelmente a coisa mais terrível que você fez", disse Becks sem qualquer indício de julgamento. Sua atuação era quase tão boa quanto a minha. "Mas certamente não foi a única coisa que você fez para colocar a si mesmo aqui." Sim, sim. Pobre nerd e pobre Sr. Popularidade. Eu somente os tinha torturado. Blá blá blá. Eu me pergunto o que ela diria se eu dissesse a ela sobre as coisas que fiz que ninguém sabia. Ela limpou a garganta e esperou por mim para discordar de sua afirmação. Eu não disse uma palavra. "Por que você não me conta sobre sua mãe?" "Ela é exatamente o pilar da sociedade." Eu comecei. "Ela é muito ativa em instituições de caridade. Ela sempre se veste com sucesso e ela


está sempre pronta sob pressão. As qualidades perfeitas para uma mulher de advogado. Você concordaria?" "Eu não estou perguntando sobre sua madrasta. Eu acho que você sabe disso. Embora, nós podemos falar sobre ela, se você gosta?" Falar sobre aquela falsa era quase tão desagradável quanto falar de minha mãe real. Exceto que falar sobre a madrastazinha não iria ganharme uma saída livre da cadeia. "Estou surpreso que você não tem tudo o que há para saber sobre ela nesse arquivo." Fiz um gesto para a pasta que se encontrava na frente dela. "Os fatos escritos em uma página são uma coisa. Como eles fazem você se sentir é completamente diferente. Eu estou mais interessada em saber como ela faz você se sentir, Zachary". Deus! Será que ela me chamava assim de propósito? Será que ela queria que minha cabeça explodisse? Eu puxei uma respiração profunda. Longos segundos passavam, cheios de silêncio. Ela se abaixou e abriu a pasta, revelando uma pilha de papéis e cartas dentro. Mas havia algo mais preso à aba frontal. Fotografias. A Dra. Becks deslizou a de cima para fora abaixo de um clipe de papel e ergueu-a para que eu pudesse vê-la. "Esta é ela? Sua mãe?" Eu lutei para manter meu lábio superior de enrolar em desgosto. Mas mesmo tão desagradável quanto a imagem era, eu ainda olhei para ela. Eu não conseguia desviar o olhar. Minha mãe, Jennifer Anne Marshall-Bettinger era um pedaço de boafé de trabalho. Meu pai deveria tê-la despejado de volta onde ele a encontrou quando ela decidiu hifenizar seu último nome em vez de apenas usar o seu. Ela era uma mulher pequena com uma estrutura delicada e não muito de qualquer coisa em seus ossos. Dava-lhe a aparência de ser fraca, de parecer como se ela precisasse ser protegida. Eu odiava as mulheres que pareciam frágeis.


Seu cabelo era uma máscara profunda de marrom, muito longo e grosso. Estava perfeitamente arrumado na imagem diante de mim, mas eu sabia que tinha a capacidade de ser indisciplinado. Sua pele estava pálida, o que fazia com que seus grandes olhos escuros se destacarem por trás dos óculos que ela usava. Jennifer era boa em aparentar inocente. Ela definitivamente não era. "É ela." Eu assenti. A Dra. Becks baixou a foto, colocando-a sobre a mesa e fora da vista. No entanto, eu ainda vi seu rosto. O ódio que ela me fazia sentir ainda pulsava logo abaixo da minha pele. "Por que você não me conta sobre ela? Toda emoção reprimida deve ser difícil de gerir". Suas palavras gentis me cutucaram. E então eu contei.


CAPITULO vinte e quatro #OBuzzNoCampoÉ #13 tem um novo apelido. O Incrível Hulk não é um bom nome para o nosso residente mais quente. #AsIndicaçõesEstãoAbertas #BuzzBoss

Z ACH Eles estavam brigando de novo. Mas não era o tipo de briga que alguém pudesse ouvir. Ou mesmo o tipo que você pudesse ver. Ainda assim, eu sentia. Penetrava a casa, o ar que eu respirava. Com cada tique-taque do relógio, com cada som de luz que a empregada fazia, eu ouvia. Às vezes as batalhas silenciosas eram piores do que as quedas e os confrontos explosivos. Era como o silêncio antes de uma tempestade, o cinza com raiva de um céu pesado de chuva. A antecipação que pairava na atmosfera era pior do que qualquer jogo de gritos jamais poderia ser. Eu queria que eles só gritassem. Eu desejei que iriam atirar coisas. Eu gostaria de poder ouvi-la chorar. Alguma coisa. Qualquer coisa. O silêncio era sufocante, como eu imaginava que um sarcófago seria. Enterrado vivo, ofegante, esperando a morte reivindicá-lo. É isso que o casamento parecia?


Na TV, sempre parecia tão feliz, tão divertido. Os casais na tela sorriam um para o outro e davam as mãos. Eles olhavam com amor nos olhos um do outro. Eles teriam uma conversa animada em torno da mesa da sala de jantar todas as noites com seus filhos perfeitos. Eu tentei ser perfeito. Eu sempre usava roupas combinando e mesmo que eu nunca quis, eu tomava banho todos os dias. Eu arrumava meu cabelo exatamente como os meninos na TV e eu trabalhei duro na escola. Perfeição não era suficiente. Eu estava começando a pensar que a perfeição era uma mentira, uma promessa feia que ninguém nunca poderia alcançar. Os nossos jantares eram preenchidos com o silêncio, exceto quando eu raspei meu garfo ao longo do prato. Minha mãe iria me dizer para não arranhar a porcelana, e meu pai fingiria que não tinha falado de jeito nenhum. Meus pais eram cordiais um com o outro. Tão cordiais que pareciam dois estranhos em uma estação de trem. Não havia nenhuma familiaridade entre eles, nenhum calor. Tentei me lembrar de uma época em que era diferente, quando eles eram diferentes. Eu procurei em todos os cantos da minha mente por um fragmento do que costumava ser assim, mas a forma como era agora foi tudo o que eu já encontrei. Então, uma noite, durante o silêncio pesado ainda que educado no jantar, eu fiz uma pergunta. Essa questão acabou por ser um catalisador. O jogo que começou o fogo. As palavras que mudaram tudo. "Eu sou adotado?" O silêncio foi quebrado pelo barulho agudo de um garfo sendo lançado em um prato. O suspiro da minha mãe não cobriu o som; parecia realçá-lo. O garfo do meu pai congelou a meio caminho de sua boca. A mordida de bife no fim ficou pronto para ser devorado.


Eles se sentavam em cada extremidade da mesa, os dois pontos o mais distante possível. Sentava-me entre eles, como o enchimento de um sanduíche. Todo mundo sabia que a coisa que segurava o sanduíche junto era o recheio. Uma toalha branca estendida sobre a mesa de madeira e os cantos passavam raspando no chão. As cadeiras de espaldar alto de madeira onde todos nós sentamos eram formais e duras. Minha mãe, que estava sempre pronta, pareceu deixar escapar a compostura, quando essas três palavras chocaram o inferno fora dela. Vi quando ela ergueu os olhos escuros para o meu pai e olhou diretamente para ele por trás dos óculos que ela usava. Em sua expressão estava mais animação do que eu tinha visto entre eles provavelmente nunca. Isso me deu esperança. Meu pai largou o garfo, abandonando o bife. "Zach, por que iria perguntar uma coisa dessas?" Dei de ombros. "Porque eu quero saber." "É claro que não é adotado, Zachary." Minha mãe falou. "Então vocês devem ter gostado um do outro uma vez... se vocês me fizeram." Eu tinha aprendido sobre fazer bebês na aula de saúde. Foi nojento. Meus amigos e eu rimos sobre isso o resto do dia. Mas, mesmo enquanto fazia piadas, na parte de trás da minha mente, eu percebi que para duas pessoas fazer coisas que fariam um bebê, elas devem realmente ter que gostar uma da outra. A mão de mamãe foi até o pescoço. "Claro que gostamos um do outro." "Então como é que vocês nunca sorriem?" Olhei para o outro lado da mesa para o meu o pai. Ele parecia desconfortável e pego desprevenido. Mãe empalideceu. "Nós sorrimos." Eu balancei minha cabeça. "Pensei que talvez vocês lamentassem que me adotaram ou que vocês pensaram que escolheram o garoto errado.”


Um som estrangulado cortou o silêncio e mamãe empurrou para fora do seu assento e caiu sobre seus joelhos ao lado de minha cadeira. Eu me virei para ela e ela pegou meu rosto em suas mãos. "Zachary, meu filho querido. Eu nunca poderia lamentar que você é nosso. Nunca poderia haver um filho mais perfeito." "Eu tento ser perfeito para você, mãe. Talvez um dia isso vai fazer você sorrir." Seus olhos brilhavam com lágrimas não derramada, e eu percebi que a animação que vi neles momentos atrás não era o tipo de emoção que eu provavelmente queria ver. Ela estava cheia de tristeza. A tristeza escoava de seus poros. Seus braços graciosos me envolveram e dobrou-me perto. Eu respirei profundamente o cheiro de lilás que sempre parecia agarrar-se a sua pele. "Vou trabalhar naquele sorriso", ela sussurrou em meu ouvido. Afastei-me e dei-lhe um dos meus. Mais lágrimas empurraram seus olhos e ela limpou a garganta e se levantou. "Acabei de me lembrar de um telefonema que eu preciso fazer. Se vocês me derem licença." Ela olhou para a mesa de jantar. "Vão em frente e terminem sem mim. Eu não gostaria que a refeição ficasse fria." Ela saiu da sala rapidamente e não olhou para trás. Eu comi o resto da refeição apenas com o meu pai. Mãe nunca voltou para a mesa. Naquela noite, o silêncio foi interrompido. Pela primeira vez, ouvi-a chorar quando eu deveria estar dormindo. Ela disse que não era eu. Ela me disse que eu era o filho perfeito. Era sua culpa. Meu pai era a razão que mamãe nunca sorria. Ele era a razão que ela estava chorando agora. Eu o odiava.


UM ANO DEPOIS … Que diferença um ano fazia. Trezentos e sessenta e cinco dias, cada um deles uma nova chance de fazê-lo pagar. Eu era bom nisso, melhor do que eu pensei que seria. Parece que eu tinha isso bem dentro de mim que era preenchido com a raiva desenfreada e ressentimento. Isso nunca secou, não importa o quanto problema eu parecia causar. Eu era bom em problemas. Eu era perfeito para ele. Estava tudo na aparência, na verdade. Eu mantive a aparência externa de reprodução impecável. Eu ainda arrumava meu cabelo perfeito. Eu ainda me vestia como um boneco Ken da vida real. Eu tinha boas notas na escola, porque não se esperava menos de nenhum membro de tal família influente, próspera. Essa era a chave. A chave para colocar o meu pai em um inferno silencioso. Eu representava o filho perfeito, o tempo todo fazendo todos os tipos de estragos, que ele ia calado atrás de mim e limpava. Eu daria pontos ao cara. Ele parecia representar, bem como eu. A pequena família perfeita. A imagem de felicidade doméstica. Depois daquela noite no jantar, eu comecei pequeno. Eu "esquecia" de lhe dar mensagens quando alguém ligava. Eu mudava as chaves do carro em lugares aleatórios e então o via correr em torno da manhã seguinte, procurando. Era especialmente divertido quando o fazia atrasado para o trabalho. Eu chegava em casa tarde da escola, mastigava bem alto no jantar e depois respondia com insolência quando ele me dizia para parar. Ele tentou falar comigo sobre isso uma vez. Ele entrou no meu quarto e sentou-se. No segundo que ele trouxe mamãe, eu lhe disse para ir para o inferno. Naquela noite, eu escapei em seu escritório quando todos estavam na cama. Escrevi em todo o depoimento que ele estava fazendo com marcador preto em rabiscos aleatórios e palavras. As seções que ele tinha destacado, certifiquei-me de marcar por cima para que elas não fossem legíveis.


Algumas noites depois, ouvi meus pais discutindo no quarto. Ouvi de fora com presunçosa satisfação. Meu pai queria me mandar para um internato. Ele pensou que seria um ambiente melhor do que o que eu estava sendo criado agora. Claro, minha mãe ia aceitar. Pela primeira vez, eu a ouvi levantar-se para ele. "Ele é a razão de eu ficar aqui. Você sabe disso! ", ela gritou. "Bem, se ele se for, então você não terá mais que ficar aqui", meu pai murmurou. Alguma coisa dentro de mim meio que parou. Ele parecia tão cansado, quase batido para baixo. Não foi como eu esperava que ele parecesse. Ele era muito frio para isso. Muito calculista e autocentrado. "Eu já aguentei muito ao longo dos anos, Jennifer. Eu fiz tudo que podia para ter certeza de que você tivesse tudo o que precisa." "O dinheiro não pode comprar a felicidade", disse ela. Ele suspirou. "Não. Eu não posso." Ele nunca disse nada sobre os papéis que arruinei e ele nunca trouxe o internato novamente. Mas ele começou a ir em mais viagens de negócios. Ele passou mais e mais tempo longe. Minha mãe começou a sorrir. A vida começou a voltar em seus olhos. Eu sabia que era porque eu o tinha feito pagar por sua infelicidade. Eu sabia que era porque eu tinha empurrado papai embora e ele não estava tanto ao redor. Nós não precisávamos dele de qualquer maneira. Eu poderia ser o homem da casa. Eu poderia ter certeza que mãe sorrisse. Às vezes, ela mandava a empregada para casa e nós pedíamos pizza e sentávamos na cozinha para comer. Outras vezes nós pulávamos em seu Roadster e íamos às compras. Ela nunca tinha sido muito uma cliente, e eu agora sabia que era porque o pai não a deixou ir.


Mas ela tirou o atraso agora. No momento em que terminamos, o carro estava tão cheio de malas e pacotes que ela teve que ter algumas entregues em casa ou nós dois não caberíamos nos assentos. Nós éramos felizes. Eu estava fazendo-a feliz. Então eu percebi que a felicidade era muito parecida com perfeição. Uma mentira. O pai foi mais uma vez em uma viagem de negócios, e minha mãe se esqueceu de me pegar na escola. Eu tinha um motorista responsável por levar-me em todos os lugares que eu precisava estar, até que a mãe o deixou ir apenas algumas semanas antes. Ela me disse que não precisava dele, que ela seria a única a me levar. Isso me fez feliz. Bem, até que ela se esqueceu de mim. Eu peguei uma carona com um amigo, fazendo-o me deixar para baixo no portão no final da garagem. Eu andei ao longo da pedra perfeitamente afiada, os meus passos rápidos, porque eu estava preocupado que talvez mamãe estivesse doente ou algo assim. Se ela estivesse, eu ia ter que chamar o pai. Eu gostava quando ele não estava em casa, mas se algo dava errado, ele o corrigia. Meus passos vacilaram quando vi um carro desconhecido estacionado perto da casa. Algo chamativo e desportivo. Eu sabia que não era o meu pai. Ele nunca ia dirigir algo tão... barulhento. Era amarelo brilhante e tinha um spoiler na parte de trás. As bordas eram antigas e prata. O motor estava ligado e as janelas estavam roladas para baixo. Medo deslizou pela minha espinha, porque isto deve ter sido por isso que ela nunca veio. Ela deve ter tido problemas. Mas, bem quando eu pensei as palavras, a porta da frente abriu-se ampla e minha mãe veio correndo para fora. Eu pisquei e olhei novamente apenas para se certificar que era ela. Ela estava usando um par de jeans com os joelhos rasgados. Sua camiseta preta era um pouco desleixada, e ela tinha sapatilhas nos pés.


Eu teria negado que poderia ser minha mãe, uma mulher que eu nunca tinha visto usar nada mal ajustadas ou com furos. Mas não havia como negar sua identidade. Seu longo cabelo escuro flutuava atrás dela enquanto ela corria, e os óculos de armação preta inconfundíveis estavam empoleirados em seu nariz. Deus, ela parecia tão jovem assim. Mãe pulou no banco do passageiro do carro amarelo esperando, e eu ouvi uma mulher rir. Minha mãe nunca riu. Segundos depois, o carro esporte se afastou da casa e em minha direção. Eu pensei em me esconder atrás de alguma paisagem nas proximidades, mas eu estava enraizado no lugar em choque. Eles passaram direto por mim. Mãe nem sequer pareceu notar que eu estava lá. Ela não olhou para o meu lado nenhuma vez. Mas o homem dirigindo, olhou. Ele sorriu. Ele tinha dentes brancos perfeitos, olhos azuis e cabelo muito loiro, confuso.


CAPITULO vinte e cinco

Tempos de desespero pedem medidas desesperadas. #BuzzBoss

Z ACH "Então, sua mãe estava tendo um caso?" A voz da Dra. Becks invadiu as memórias que pareciam derramar de dentro de mim. Eu bati de volta à realidade. Eu não gostava de quão fácil aquilo tudo foi de recordar. Sentimentos familiares de traição e raiva ressurgiram. "Bem, ela não estava tendo chá e biscoitos com o cara." "Deve ter sido uma coisa difícil de ver. Ela com ele." "Ele estava se aproveitando dela", eu respondi. "De que maneira?" Sua pergunta intrometida me irritou. "Usando sua inocência para conseguir o que queria. Ela estava sozinha e triste. Usou-o contra ela. " "Alguma vez você considerou o fato de que talvez ele a fazia feliz?" "Se ela estava feliz, ela não estaria morta." Becks não reagiu à minha declaração dura. Ela permaneceu calma. Ela teve que tomar algumas das drogas que eles passaram aqui como doces. "Você o culpa, o outro cara, por sua morte."


"Caras como ele pensam que têm o direito de qualquer coisa que eles querem. Eles são arrogantes e vaidosos. Eles são os usuários." "Essa é uma afirmação genérica, você não acha? Você está punindo todos os homens que você percebe que são como o homem com quem sua mãe fugiu porque você assume que eles vão ser como ele." Ela estava tentando trazer esta conversa em torno de Romeo, tentando fazer a conexão de porque eu o odiava tanto. Eu não queria falar sobre Romeo. "Ela não fugiu," eu disse entre dentes. "Não no sentido literal. Mas ela deixou o seu pai, mudou-se com o novo cara, correto?" Ela sabia que estava correto. Estava tudo no meu arquivo. Mas eu joguei junto. Eu disse a ela muito. Eu poderia muito bem darlhe o resto. Deixá-la pensar que eu estava realmente me abrindo e derramando o meu tormento mais profundo. Essa conversa era apenas um meio para um fim. Além disso, já era hora de eu dizer a alguém como eu cheguei aqui. Inferno, ela provavelmente recomendaria uma libertação antecipada no momento em que terminasse. Tudo o que fiz foi justificável. "Ele começou a aparecer mais ao redor... Brett." Eu rosnei. "O cara com o automóvel esportivo. Eu odiava meu pai, mas minha mãe trazer um outro cara em sua casa não era legal. Algumas linhas simplesmente não devem ser cruzadas, sabe?" Ela fez um ruído evasivo e eu a ignorei e me levantei e caminhei até a janela com vista para o estacionamento. "Eu pensei que eu era o único a fazer a mãe feliz. Eu pensei que era a razão que ela estava sorrindo. Mas era ele. Ela o tinha visto por um tempo. Ninguém sabia. Mas quanto mais tempo o pai passou afastado, menos secreta ela se tornou. Era como se ela simplesmente parasse de se importar com quem sabia, como se ela não valorizasse mais a percepção dos outros. Do que seu próprio filho pensava." "Isto não era sobre você, Zach." Dr. Becks cortou. Tomei o fato de que ela não usou o meu nome completo como um bom sinal de que todo o meu derramamento estava funcionando. "Isto era os demônios de sua mãe. O


que ela estava sentindo. O comportamento maníaco, muitas vezes, borra a linha do comportamento apropriado." Eu a ignorei. "Eu cansei disso. De Brett. " Dizer o nome dele deixou um gosto amargo na minha boca. "Seu mundo inteiro girava em torno dele. Todos os anos de jantares silenciosos, conversas tensas e ser o filho perfeito... foi tudo por nada. A única coisa que parecia fazê-la feliz era ele." Eu me virei e olhei para a Dra. Becks. "Eu fiquei doente dele, então quando meu pai chegou em casa, eu disse a ele. Eu disse a ele sobre tudo o que estava acontecendo ali mesmo em sua própria casa." Dra. Becks assentiu. "Não era sua responsabilidade manter esse segredo." Minha mãe nunca me pediu para manter seu relacionamento em segredo, mesmo que eu não disse nada por um tempo. Eu pensei que ela iria ver que eu ainda era o filho perfeito, sem dizer nada. Mas quando ele aparecia, ela sequer me via. "Papai nem parecia surpreso. Ele agiu como se ele já soubesse. O ódio que eu tinha por ele foi embora naquele dia. Eu percebi o quão equivocado eu tinha estado. Ele e eu éramos muito parecidos. Eu simplesmente nunca percebi isso. Ambos queríamos seu amor. Todos os caminhos que ele tentou fazêla feliz falharam, assim como eu tinha falhado." "Você deve ter ficado muito confuso," Dra. Becks interrompeu. Eu balancei a cabeça, perdido em pensamentos. Eu fiquei. Tudo o que eu achava que sabia sobre meus pais estava errado. Eu puni meu pai durante anos por erros que eu pensava que ele fizera. Mas ele permaneceu leal à minha mãe. Ele tinha limpado minha bagunça e manteve o problema que eu tenho na escola fora do registro, assim eu teria um novo começo na nova escola para a qual eu fui. Ele recebeu a raiva que eu dirigi a ele sem reclamar. E aquela vez que eu o ouvi falando de me mandar embora?


Percebi muito mais tarde que ele queria fazer isso porque ele pensou que eu estaria melhor longe dela. Longe da minha própria mãe. "Então, o que aconteceu uma vez que você disse ao seu pai?" Dra. Becks cutucou. Senti meu lábio superior enrolar. Eu estava cansado de falar sobre isso. Eu não gostava de pensar sobre a minha mãe. "Ele confrontou minha mãe, eles lutaram e ela o deixou," eu resumi. "Sua mãe pediu o divórcio?" Eu balancei minha cabeça. Ela nunca pediu. E meu pai nunca pediu também. Ele disse que era melhor ela manter o seu nome. Eu aprendi mais tarde que se ele se divorciasse dela, ela teria perdido todos os seguros. Ela não teria sido capaz de suportar a medicação que ela usava. Não aquela que ela estava tomando. Ele cuidou dela. Mesmo depois que ela foi morar com outro homem, ele tentou cuidar dela. Eu acho que ele pensou que era apenas uma fase, que ela acordaria uma manhã e voltaria para quem ela realmente era. Ela voltaria em seus remédios. "É por isso que ela nunca sorriu," eu disse a mim mesmo. "O que foi isso?", perguntou Becks. "A medicação que ela tomava a fez dormente. Ela nunca sorriu. Ela estava vaga por dentro". "Então você entende que não tinha nada a ver com você?" Olhei para a médica. "Claro." Em seguida, para o efeito, acrescentei: "É claro que, saber disso não o torna mais fácil." "Claro que não. Mas reconhecer a maneira que você sente irá percorrer um longo caminho." Sentei-me na minha cadeira. Terminou. Entreguei a Becks meus pensamentos e minha dor mais profunda. Minha mãe bipolar, minha infância solitária e meu relacionamento difícil com meu pai. "Eu sei." Eu concordei com ela porque é isso que ela queria. "E algo de bom saiu de tudo isso."


"O que é isso?" "Eu, ligado com o meu pai. Nós temos uma relação muito próxima agora. Através de tudo, ele sempre esteve lá." Ela sorriu. "Você tem muita sorte de tê-lo como parte de seu sistema de apoio. Bem como a sua madrasta." Eu forcei para baixo o desejo de enrolar meu lábio superior em desgosto. Minha madrasta Anna não queria nada comigo. Acho que meu pai pensou que poderia substituir a minha mãe com uma versão melhor, uma mulher que agiria como uma verdadeira mãe deveria: amorosa e gentil. Ela poderia ser assim para com o meu pai, mas para Anna, eu era apenas alguém para tolerar, um lembrete visível de que ela não era a primeira escolha do meu pai. Eu não me importava muito, porque o sentimento era mútuo. Eu não gostava dela também. Mas meu pai gostava e imaginei que depois de tudo o que ele aturou durante tantos anos, se Anna o fazia feliz, então eu toleraria sua presença. Pelo menos ela não era loira. Foi a sua graça salvadora. "Eu só queria..." comecei, então sumiu. "Você deseja o quê?" Becks incentivou, assim como eu sabia que ela faria. "Esta será as minhas primeiras férias sem ele." Eu olhei para o meu colo e foquei em parecer desamparado. "Desde que minha mãe ..." Fiz uma pausa para o efeito novamente. "Nós sempre nos certificamos de que estivéssemos juntos para o os feriados." "Mas este ano você vai estar aqui", ela forneceu. Eu balancei a cabeça. "Por que você não me conta sobre como você chegou aqui?" "Eu apenas cheguei." Deus, essa mulher não parava nunca? Eu poderia muito bem tirar meu maldito cérebro e entregá-lo para ela em uma bandeja para que ela pudesse dissecá-lo. "Não necessariamente. Você me contou sobre como você cresceu, o que definiu você como o homem que você é hoje. Embora, sim, o que você


me disse lançou alguma luz sobre os acontecimentos recentes, você tem que me dizer sobre o catalisador." "O catalisador para quê?" "Para a maneira como você tratou suas vítimas, Romeo Anderson e Rimmel Hudson." Eu suspirei dramaticamente. "Você não vê? Romeo é como Brett. Acha que ele é um presente de Deus para as mulheres. Ataca as que estão muito inocentes para se proteger. Ele não se preocupa com ninguém, além dele mesmo e em ser o melhor." "E Rimmel faz você lembrar de sua mãe?" "Eu acho que minha mãe era provavelmente muito parecida com ela antes dela conhecer meu pai. Inocente, pequena, tipo frágil. Meu pai viu essas coisas nela. Ele queria protegê-la. Ele a amava e era leal a ela. Então Brett veio e a levou embora. Eu tentei avisá-la. Eu não sei quantas vezes. Fora de sua classe um dia. Na casa assombrada. Ela não quis ouvir. Ela estava tão cega por ele. " Eu me senti crescendo agitado. Basta imaginar a maneira que os dois caminharam em torno do campus como se fossem os donos do lugar. Isso me fez querer... "Então você os castigou, porque não podia punir sua mãe e Brett." Dra. Becks cortou meus pensamentos. Pescando. Ela estava sempre pescando para o que ela queria. "Sim, eu os puni. Estava errado. Eu vejo isso agora. Eu deixei meu passado e minha raiva escurecer meu conhecimento do certo e do errado". "Você acha que a sua medicação tem ajudado a manter os impulsos sob controle?" "Claro." Eu menti. Eu nunca tomei essa merda. Eu havia me tornado um especialista em esconder isso na minha boca esperando até que ninguém estava olhando para me livrar dele. Como eu já tinha me deixado ficar vago e vazio como minha mãe costumava ser. Não havia nada de errado comigo. Eu só não era o que todo mundo queria que eu fosse. "E a névoa que você falou sobre sua mãe experimentando, a forma como a medicação a fez não sorrir." Ela olhou para mim, avaliando. "Você se sente assim?"


"Não." Essa era a verdade, pelo menos. Não era possível ficar nebuloso a partir de algo que você nunca engoliu. "Bem, você está em uma marca e dosagem diferentes", disse a médica, quase para si mesma, quando ela olhou no meu gráfico. Olhei para o relógio. Essa merda estava quase terminada? Eu poderia rastejar para fora da minha pele se eu tivesse que sentar aqui com ela por mais tempo. "Dra. Becks ", eu disse impulsivamente. Estúpido! Eu gritei para mim mesmo. Agora não era o momento para trazer isso. Mas eu já tinha falado. Eu tinha acabado de pisar levemente. Ela olhou para cima. "O pensamento de meu pai estar sozinho para as férias é muito doloroso para mim." "Como assim?" "Sinto imensa culpa que minhas ações egoístas vão fazer com que um homem que tem estado lá para mim toda a minha vida, um homem que perdeu tanto, não ter ninguém com quem compartilhar a temporada". "Você está esquecendo Anna? Ele não estará sozinho." Deus! Ela era insuportável! "Mas eu sou o que os torna uma família. Meu pai..." Eu parei, porque eu estava perdendo o foco. Eu só queria terminar. Suspirei. "Talvez seja eu que não quero estar sozinho." Sua resposta? "Tenho certeza que ele vai vir aqui para o dia de visitante." Eu olhei para o copo de lápis em sua mesa. Um deles estava recémafiado e pontiagudo. Eu pensei sobre esfaqueá-la direto na mão com ele. Eu não apenas desenterraria todas estas memórias pessoais e pensamentos de não conseguir o que queria. Deixe-me sair daqui! Forcei um sorriso. "Vai ser bom vê-lo." "Como você acha que suas vítimas se sentiriam se elas vissem você?" Ela virou o jogo.


"Tenho certeza de que estão contentes que eu estou preso aqui." "Como você se sentiria se você os visse?" Eu não poderia mentir sobre isso. Ela veria através disso. "Eu nunca vou gostar de Romeo ou Rimmel. Eles vão sempre representar algo doloroso que eu nunca vou esquecer." "É mais do que apenas sua mãe partindo, no entanto, não é? É mais do que ela ter um caso. Há muito mais na história, não é, Zachary? Não é assim que tudo terminou." Olhei para ela sem piscar por um longo tempo. Ela não parecia se importar com a maneira que eu a estudava. Eu podia ler nas entrelinhas. Eu sabia exatamente o que queria. Ela queria tudo. Toda a história. Era a única coisa que me daria uma chance de sair daqui por algumas semanas. Ela queria saber o fim da minha infância. A parte que eu nunca tinha falado em voz alta. Ela queria saber o que finalmente me empurrou sobre a borda. O catalisador. O catalisador que me quebrou.

### Traído. É assim que eu me sentia. Tudo que eu acreditava era errado. Papai não era o inimigo. Mãe não era uma vítima. Bem, sim, ela era, apenas uma vítima de alguém que não o meu pai. Mãe mudou-se para fora, embalou suas coisas e saiu em disparada no carro amarelo brilhante. Perguntei-lhe apenas uma vez se eu poderia ir com ela.


"Eu pensei que você disse que a razão que você ficou aqui foi por minha causa. Agora você está me deixando para trás ", eu disse a ela enquanto ela jogava as coisas em uma bolsa. "Eu não estou te deixando para trás", disse ela. "Você pode vir me visitar sempre que quiser." Se não fosse por ele, o mulherengo de olhos azuis loiro, isso não estaria acontecendo. Ela veria. Ela nos deixaria aqui e sentiria nossa falta, minha falta, então ela iria vê-lo pelo que ele realmente era. Meses se passaram. Ela não viu. Ao contrário, ela parecia ficar cada vez mais longe. Meu pai parou de tentar ligar para ela. Ele parou de tentar argumentar com ela. Era como se ele tivesse desistido. Eu não estava pronto para desistir, e assim eu continuei indo visitá-la. Ela e Brett estavam vivendo do outro lado da cidade, em uma casa no lago. Eu não tinha certeza de quem estava pagando por tudo isso. Obviamente Brett tinha algum dinheiro, porque ele pagou o carro e todas as suas roupas. Mas minha mãe tinha dinheiro também. Papai nunca a cortou. Ele ainda a sustentava; ela ainda tinha acesso a contas e cartões de crédito. Eu sabia porque quando eu a visitava, ela me levava em compras e usava o cartão preto do meu pai. Eu não conseguia entender por que ele iria pagar para ela viver uma outra vida, uma vida sem nós. Com ele. Brett não gostava muito de mim. Eu não me importava, porque o sentimento era mútuo. Ele parecia chateado quando eu vinha ao redor, como se ter um filho fosse um aborrecimento. Eu fingia que ele não estava lá. Bem, exceto quando ninguém estava olhando. Eu não poderia agir para fora em direção ao meu pai mais, mas essa parte de mim ainda estava viva e bem. Então eu direcionei tudo para Brett. Eu derramei vinagre no leite que ele utilizava para o café e vi quando ele cuspiu um bocado por toda a mesa. Eu perfurei um buraco na canoa que


ele usava para a pesca e o assisti chegar ao centro do lago antes de perceber que o barco estava recebendo água. Nenhuma das brincadeiras estúpidas o fez querer sair, apesar de tudo. Eu tinha que chutá-lo até um grau. Então eu coloquei uma calcinha de renda em sua caixa de luva e paguei uma menina na escola para chamar minha mãe e dizer que ela estava dormindo com Brett. Mamãe, claro, não acreditou nela, então ela lhe disse para ir ver a prova no carro. Deitei na cama naquela noite e ouvi os fogos de artifício. Na segundafeira de manhã, a mãe viria para casa. Eu não sabia então que a mãe era severamente bipolar. Eu não sabia que ela tinha altos e baixos maníacos. Eu não sabia que meu pai estava falando com especialistas na Suíça para levá-la para uma sala exclusiva com instalações de primeira. Eu não sabia que minhas ações iriam estragar tudo. Eu era apenas um adolescente, um fodido. Nenhum grito nunca chegou naquela noite. Nenhum grito. Nenhuma acusação. Ela não veio para o meu quarto para me contar que estávamos indo para casa. Ela não veio no meu quarto. Mas Brett veio. Ele abriu a porta e caminhou direto para dentro. Eu ainda me lembro do som da tranca na porta, uma vez que fechou atrás dele. Ele ficou em pé sobre a minha cama e olhou para mim. Tentei me arrastar, mas ele me empurrou para recuar. "Você acha que eu não sei que você está fazendo toda essa merda?", Perguntou. Eu não respondi. "Você está tentando se livrar de mim?" "Eu não gosto de você." Os dentes brancos brilharam no escuro. Algo torceu no meu estômago.


"O negócio é o seguinte, garoto. Sua mãe e eu temos uma coisa boa acontecendo. Eu não vou a lugar nenhum. Você, por outro lado…" "Eu não vou a lugar algum também." "Então eu acho que você me deve um pedido de desculpas." "Eu não te devo nada." Ele me agarrou pela frente da minha camisa e me levantou parcialmente para fora da cama. "Se você não me quer envenenando a mente de sua mãe contra você, então eu acho que você deve." Ele não podia fazer isso! Podia? Ele riu e me deixou ir. Eu caí para trás no colchão. "Eu posso e eu vou." Senti meus ombros caírem um pouco. Eu acreditei nele. Minha mãe provavelmente tomaria qualquer desculpa para ficar livre de mim. "Desculpe," eu murmurei. "O que é que foi isso?" Eu disse de novo, mais alto. "Se você acha que é um pedido de desculpas, então você tem algo a aprender." Eu olhei para cima. "O que você quer?" "Eu quero ter certeza que eu não vou ter nenhum problema com você de novo." "Eu já disse que eu iria parar", rosnei. "Sim, mas eu não confio em você." Ele bateu o botão na calça e estendeu a mão para a braguilha. Senti meus olhos ao redor e eu rastejei para trás no colchão. "O que você está fazendo?" "Mostrando-lhe quem é o chefe por aqui." Ele empurrou o jeans para baixo então ele estava ali com eles em volta dos joelhos e apenas um par de cuecas vermelhas que o cobriam.


Subi para a beira da cama. Esse cara era uma porra de aberração! Eu não tinha ideia do que diabos ele estava fazendo, mas eu não ia ficar para ver. Ele pegou meu ombro e me empurrou de volta. Eu caí, mas rapidamente me sentei. Ele esfregou a frente de sua cueca, bem onde seu lixo estava, e meu estômago revirou. "Eu sempre me perguntei como seria ter um outro cara chupando meu pau. Então, eu vou te dizer. Você faz isso agora, e eu vou esquecer toda a merda que você puxou ultimamente e não vou dizer nada para sua mãe ". "Porra, não," eu praguejei e tentei sair da cama novamente. Mais uma vez, ele me parou e me empurrou para trás. Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, ele tirou seu pau livre da cueca, empurrando o tecido para baixo apenas o suficiente para revelar o seu eixo e bolas. "Faça isso para mim", ele exigiu, baixo. "Ou eu vou ter certeza de que você nunca vai vê-la novamente." Esse cara estava seriamente doente e pervertido. Eu comecei a gritar, a gritar por ajuda. Ele pegou em volta do meu pescoço com uma mão e bateu a outra sobre a minha boca. "Nem pense nisso, seu desgraçado. Esta é uma lição que você precisa aprender". Ele se endireitou e me puxou com ele, posicionando meu rosto bem na frente de seu ainda inchado membro. Bile subiu na parte de trás da minha garganta. "Eu vou soltar a sua boca, mas se você tentar gritar de novo, vai ficar muito feio. Entende?" Fiquei tão chocado que eu mal podia pensar. Isso estava sério acontecendo? Coisas como esta aconteciam, de verdade, na vida real? Será que ele realmente achava que eu ia chupá-lo como uma desculpa para o que eu tinha feito? Que de alguma forma me ensinaria uma lição para não cruzar com ele novamente? Deus, ele estava tão torcido. Que diabos minha mãe via nele? "Responda-me!", ele exigiu e empurrou a ponta de sua cabeça contra a mão que ainda estava rebocada contra a minha boca. Eu balancei a cabeça uma vez.


Ele deixou uma mão na parte de trás da minha cabeça, mas lentamente descascado a outra fora da minha boca. No segundo que sua mão estava livre, ele apertou sua carne contra os meus lábios. Engasguei. Ele se aproveitou da minha boca aberta e deslizou a ponta entre meus lábios. A adrenalina subiu pelo meu corpo, juntamente com a resposta de luta ou fuga. Eu nem sequer pensei. Eu só reagi. Eu mordi a carne esponjosa se intrometendo nos meus lábios. O gosto metálico de tiro de sangue em toda a minha língua, e Brett uivou. Ele se afastou e se curvou, e eu dei um grito alto e saltei para fora da cama. "Você me mordeu, seu pequeno filho da puta!" Brett gritou, mas soou mais como um gemido. Eu ouvi um barulho fora da porta do quarto e, em seguida, ela se abriu. Eu estava recolhendo a minha mochila contra a parede e pegando meus sapatos. "Zachary?", disse a mãe. Luz do corredor derramava para dentro do quarto e caía como um holofote sobre Brett e sua forma de corcunda. "Brett? O que aconteceu?" "Esse monstro me atacou!", ele gritou. Mamãe suspirou e olhou para mim. De olhos arregalados, eu balancei a cabeça. "Ele empurrou seu pau na minha cara, então eu o mordi." Seu rosto empalideceu, totalmente branco em segundos. "O que?" "Ele é um pervertido, mãe." Brett gritou e se levantou. Eu segui o olhar de mãe para baixo para sua virilha, onde seu pau amolecido estava manchado de sangue. "Oh meu Deus", ela sussurrou. "Você deixou a mim e papai por isso!" Eu gritei. "Vem aqui, seu filho da puta!" Brett tropeçou na minha direção, e eu tirei.


No corredor, eu ouvi um barulho alto, e mesmo que eu estava com medo da minha mente e enojado além da crença, eu parei. Virei-me para trás. Tão mal quanto eu queria sair daqui eu não queria que a mãe tomasse o peso para o que eu tinha feito. Ela não estava. Brett tinha se enrolado em suas calças puxadas para baixo e caiu. Ele estava deitado em uma pilha no chão. Quando ele me viu olhando em volta da porta, ele começou a xingar e prometendo todos os tipos de danos corporais. Quando ele conseguiu chegar até os joelhos, mãe agarrou meu braço. "Corra, Zachary. Corra e não olhe para trás." "Vem comigo", eu disse . Seus olhos estavam tristes quando ela bateu no meu rosto. "Meu menino perfeito." Brett estava de volta em seus pés e se lançou para o corredor. "Corre! Eu estarei bem atrás de você! " Corri o mais rápido que pude. Corri para a noite e para baixo da rua. Foi só quando eu olhei por cima do ombro para me certificar de que ela estava seguindo que eu notei que meus passos eram os únicos. Eu voltei para a casa, refletindo. Voltar para lá era a última coisa que eu jamais queria fazer. O som distinto de um tiro encheu a noite. Foi seguido segundos depois por um outro. Meu lábio inferior tremeu na calada da noite. Fiquei ali no centro da rua escura totalmente sozinho. Não veio outro som. Eu sabia. Eu sabia que minha mãe estava morta.


CAPITULO vinte e seis Finais, já? Este semestre está voando. #FofocaDaFaculddadeMeMantémOcupado #BuzzBoss

Z ACH Ela atirou em Brett e então ela atirou em si mesma. Foi considerado um homicídio-suicídio, que é o que era. Mas, para mim, não poderia ser resumido em duas palavras. Esse incidente pareceu virar uma chave dentro de mim. Isso mudou uma parte de mim que eu não sabia que estava lá. Eu a mantinha escondida na maior parte. Eu nunca a deixei sair do controle. Meu pai sabia o que realmente aconteceu naquela noite. Ele me disse que as marcas de mordida no pau de Brett não eram consistentes com o queixo da minha mãe. Ele me perguntou uma vez. Ele me perguntou se tinha sido eu, se Brett tentou algo e eu defendi a mim mesmo. Eu só assenti. Nós nunca falamos disso novamente. Presumi que ele disse a polícia, aqueles que questionaram as marcas de mordida. Eu nunca fui interrogado. Isto nunca foi notícia. Meu pai fez tudo ir embora.


Exceto para os danos que ele não podia ver dentro de mim. Para seu crédito, ele me enviou à terapia. Limitei-me a sentar na cadeira até que a minha hora terminou e, em seguida, saí. Nunca falei sobre aquela noite. Eu não faria isso. Algumas coisas não poderiam ser explicadas em palavras, especialmente não a um estranho sentado atrás de uma mesa. Os efeitos do suicídio de minha mãe e o incidente com Brett foram empurrados para baixo profundo... direto no canto mais escuro da minha mente. E então eu conheci Romeo. Alpha U estrela. O próprio Sr. Perfeito. Ele queria correr minha fraternidade. Fechei essa merda. Ele era tudo o que eu odiava sobre o homem que foi a queda da minha mãe. Ele achava que era intocável. Ele pensava que era um deus entre os homens. Ele e aquele seu carro esportivo poderiam ir para o inferno. Eu o mantive fora da fraternidade. Eu mantive o meu ódio por ele em segredo. E então Rimmel apareceu. Cabelo escuro. Óculos. Frágil. Ela me fez lembrar de minha mãe. Não era uma memória que eu estava preparado para ver todos os dias. Eu a vi olhando para Romeo um dia. Eu conhecia aquele olhar. Eu sabia que ela era fraca e cairia por ele também. Essa parte de mim que eu mantive enterrada? Eu a descobri. Vê-los andando por aí era demasiado tentador. Ver a forma como eles olhavam um para o outro. Por respeito a minha mãe, eu avisei. Eu pensei que talvez Rimmel quisesse ouvir, que talvez de uma maneira doente, minha mãe poderia ter outra chance. Mas ela era estúpida também. Então, eu tentei arruinar a reputação de Romeo. Isso iria mostrar a ela que ela precisava ficar longe dele. A pequena cadela era muito leal e muito longe sob seu feitiço. Então, eu tentei expulsá-la. Eu a mandaria embora e meus problemas estariam resolvidos. Ela partiria e Romeo estaria longe da minha


fraternidade. Eu poderia enterrar esses sentimentos mais uma vez e seguir em frente. Mas não deu certo assim. Eles se amavam. Eles tinham muitos amigos. Parecia que tudo no universo trabalhava para mantê-los juntos... E isso me fez desmoronar. Mas não importa. Fiz um grande avanço aqui hoje. Na enfermaria mental, com a Dra. Becks. Falei do indizível. Admiti todos os sentimentos dentro de mim. Becks estava tão impressionada que ela disse que eu estava no meu caminho para a cura total. O que quer que isso significava. Felizmente, isso significava que eu ia saltar mais cedo ou mais tarde. Na verdade, ela estava tão feliz que ela parecia me "consertar", que ela não percebeu as coisas que eu não disse. O novo indizível. Eu diria qualquer coisa para sair daqui. O tempo gasto trancado tinha me permitido me reconstruir. Para perceber que se eu queria levar alguém para baixo, eu tinha que fazê-lo indiretamente. Eu tinha que fazê-lo em silêncio. Eu também percebi que não tinha que odiar Romeo e Rimmel porque me faziam lembrar de pessoas no meu passado. Eu poderia odiá-los, sem qualquer desculpa absolutamente.


CAPITULO vinte e sete Querido Karma, você não está trabalhando rápido o suficiente. #BuzzBoss

Z ACH Eu estava começando a pensar que ele não viria. Eu sentei lá na visitação, observando pacientes recebidos por família ou quem quer que fosse que deu a mínima o suficiente para vir vê-los. No mês passado foi a primeira vez que foi permitido um visitante. Meu pai veio e foi bom vê-lo. Meu pai era um monte de coisas. Um advogado bem-sucedido, temido. Um pilar da sociedade de Maryland. Um filho. Um pai. Um viúvo. Um marido. Eu passei muito tempo nos meus primeiros anos a odiá-lo. Mas à medida que a criança cresce, quando um menino se torna um homem, ele vê uma imagem mais clara das pessoas que o criaram. Ele não está muito cego pela identidade de mãe e pai e aprende a ver as pessoas por trás desses títulos. Meu pai não era um homem perfeito; ele fez um monte de erros. Ele se casou com minha mãe por amor, mas ele não foi capaz de segurá-lo. Seu amor, sua relação tornou-se sobre co-dependência. Minha mãe precisava do meu pai como um rebento precisava de água. Em vez de dar a ela a ajuda que ela realmente precisava antes que fosse tarde demais, ele permitiu a ela. Eu acho que ele gostava de ser necessário a ela.


Ele deixou que ela se tornasse viciada em medicação, uma mera casca da mulher com quem ele se casou, e eles se estabeleceram em alguma existência de plástico. Ele nunca se preocupou em olhar ao redor e ver como isso me afetou. Ele não era carinhoso e ele não dava elogios muitas vezes. Francamente, foi provavelmente bom que só tiveram um filho. Ele fez o que achava certo. Eu o culpei por isso por um longo tempo. Mas eu não podia segurá-lo na culpa, porque ele sempre esteve lá para mim. Mesmo quando eu não achava que ele estava. Mesmo quando eu não entendia. Mesmo agora. Minha mãe tomou o caminho mais fácil e se matou. Meu pai ficou e pegou os pedaços. Então, onde ele estava? Por que ele não estava aqui? Bem quando eu comecei a ficar irritado, uma porta ao lado se abriu. Ela levava para a ala administrativa onde os médicos mantinham seus escritórios e salas de terapia. Meu pai entrou pela porta e se virou para dizer algo sobre seu ombro. Quando ele se virou para trás, a porta se abriu um pouco mais e eu peguei o perfil da Dra. Becks. Bem, isso era interessante. Meu pai teve um encontro com ela? Seus olhos percorreram a sala, até que pousaram em mim. Mudou-se com facilidade quando ele fez o seu caminho. Ele estava vestido impecavelmente em um terno de três peças cinza-escuro e gravata. Seu cabelo curto e grisalho estava penteado ordenadamente e seu rosto estava barbeado. Ele estava começando a meia idade, com linhas finas ao redor dos olhos e uma mais profunda na testa. Ele sempre parecia um pouco cansado, embora ele tentasse não parecer. Aproximando-se da mesa, ele disse, "Filho". "Pai," eu disse quando ele se sentou. Eu não me incomodei em me levantar. Nós nunca nos abraçávamos. "Eu não achava que você viria." "Você sabe que eu não iria perder uma visitação."


Eu balancei a cabeça. "Então, como vai?", ele perguntou, olhando-me. Eu sabia que parecia bem. Eu tinha certeza disso. "Estou bem." Ele balançou a cabeça lentamente. "Você teve uma reunião com a Dra. Becks?", perguntei, não querendo esperar. "Sim, eu tive. Ela parece bastante impressionada com o progresso que você está fazendo. Disse que você realmente se abriu recentemente. " Eu balancei a cabeça sabiamente. "Eu me sinto muito melhor, mais no controle." "Ela mencionou que você está tendo alguma ansiedade sobre eu estar sozinho para os feriados." "Estamos juntos todas as férias desde que mamãe..." Ele balançou a cabeça rapidamente. "Eu vou ficar bem, filho." Meu peito esvaziou um pouco e meu humor mergulhou numa espiral descendente. Isso não soava como eu estava ficando fora daqui. "Ela me perguntou sobre o que eu pensava em você fazendo uma breve visita em casa durante as férias." Olhei para cima e sorri. "E você disse?" Ele sorriu levemente. "Eu disse que pode ser bom para você." "Obrigado, pai!" Eu tentei manter o entusiasmo abaixo de um entalhe, mas era tão difícil. O pensamento de sair daqui foi o suficiente para me fazer salivar. "Não tão rápido. Não é um negócio feito. Depende das próximas semanas, o que o juiz disser com base no relatório da Dra. Becks e arranjos para seu atendimento ambulatorial". "Que tipo de cuidados?" "Você ainda está em tratamento, Zach. Sessões de terapia, monitoramento de medicamentos, etc. Tudo isso vai ser necessário ser feito em casa." Eu não me importava. Eu só queria sair daqui.


"Fala-se de você usar uma tornozeleira." Bem, isso não faria. Eu tentei esconder a minha raiva e aborrecimento. "Não é como se eu matei ninguém. Nossa ". "É preciso lembrar o que você fez?" Papai assumiu um tom severo. "Eu vi aquela menina no hospital, Zachary." Eu resisti à vontade de zombar. Como ele ousava me julgar! Rimmel mereceu tudo o que ela recebeu. "Simplesmente não há desculpa para o que você fez com ela." Eu queria gritar e discutir. Eu certamente não queria sentar aqui e ser contrito. Não com o meu próprio pai. Era ruim o suficiente que eu tinha que jogar esse jogo durante todo o dia. Ainda assim, era uma droga. "Eu sei e tenho vergonha do que eu fiz. Estou na medicação agora. Isso me mantém no nível ". Seus ombros deflacionaram e ele acariciou minha mão. Era tão perto de um abraço quanto eu ia receber dele. "Eu sei, filho. É claro que você tem trabalhado duro. Eu vou ter certeza de obter toda a ajuda que você precisa. Se eu tivesse feito isso para sua mãe..." "Eu não sou nada como ela," eu insisti, minha voz dura. "Claro que não." Ele olhou em volta para ver se alguém notou minha angústia. "Eu só quero ter certeza de que você está se sentindo melhor. " Eu queria rir com a rapidez com que ele fez parecer que eu estava em um spa. Pai limpou a garganta e olhou para o relógio na parede. "Bem, eu sei que eu não fiquei o tempo da última vez, mas Dra. Becks queria falar comigo." "Está bem. Agradeço por vir." "Eu sempre estarei aqui para você, filho. E Anna envia seu amor." Isso era uma mentira. Ele se levantou, e eu fiz o mesmo. "Você vai manter contato com a Dra. Becks sobre as férias?"


"Claro. Esperemos que desta vez, no próximo mês, estaremos assistindo futebol e comendo peru". Futebol. Ugh. "Parece ótimo!" Eu menti. Depois que ele saiu, eu sentei na minha mesa vazia e vi algumas das outras pessoas mais alguns minutos antes de voltar para a minha cela, quero dizer, quarto. Quando me levantei para sair, um dos atendentes fez sinal para eu me sentar. Enquanto eu estava sentado, ele veio. "Você tem outro visitante." "Eu?" Eu perguntei, confuso. Não havia ninguém que viria aqui além de meu pai. "Sim. O tempo está quase terminado. Seja breve. " Eu olhei para a entrada, para onde os visitantes foram levados. Alguns segundos depois, a porta zumbiu e abriu. Alguém familiar entrou na sala. Bem, bem, bem… Isto ia ser interessante.


CAPITULO vinte e oito #VerdadeiroOuFalso Mantenha seus amigos perto, mas seus inimigos mais perto ainda. #BuzzBoss

Z ACH Eu assisti suas pernas longas e finas quando ela se aproximou de mim. Eles não fizeram sua marca neste lugar. Afinal, nenhuma mulher que parecia assim gastaria um segundo aqui. Mesmo que de alguma forma alguém como ela foi enviada, ela não iria sair pela mesma. Então eu levei um tempo para apreciar o colírio para os olhos se dirigindo até mim sem pensar muito sobre o que isso podia significar. Eu sabia que ia ser bom o que quer que fosse, mas, primeiro, eu ia apreciar a vista. Ela estava usando uma saia curta e saltos. Eu não notei a cor, tudo que eu vi foi a pele. Seu top não estava muito apertado, mas eu ainda olhei para as mamas dela. Eles não eram grandes, mas elas eram aprumadas. Definitivamente melhor do que qualquer coisa aqui. Ela parou na mesa, e eu me recostei na cadeira e lentamente olhei para cima. Eu queria dar-lhe uma olhada oficial. Eu queria sorrir e dizer algo impróprio. Mas eu não podia. As pessoas estavam assistindo.


Os médicos estavam assistindo. Aqueles que assinariam os papéis que me deixariam sair daqui. Em vez disso, eu estabeleci um sorriso educado e cruzei os braços sobre o peito. "Como você entrou aqui?" "Eu tenho os meus meios", respondeu ela e se sentou na cadeira em frente a mim. "Não diga." Eu me inclinei com interesse. Ela encolheu um ombro magro. "Não há regras contra uma menina verificando sobre seu pobre ex-colega de classe, doente." Olhei para ela mais um minuto. Ela era quente, o melhor olhar para fora do bando desorganizado que pendia no seu círculo social. Seu cabelo escuro estava elegante em volta dos ombros, seu rosto emoldurado para cima e olhos cinzentos observadores. Engraçado, eu nunca realmente percebi o quanto aqueles olhos realmente viram. Havia algo perspicaz, profundo neles, como se ela não perdesse nada. "Você está aqui para me dizer o quão terrível eu sou, Missy?", perguntei. "Eu tenho certeza que você não precisa de alguém para lhe dizer. Especialmente aqui." Ela olhou ao redor com desgosto. Divertia-me. Na verdade, toda essa conversa era divertida. Foi mais entretenimento que eu tinha tido desde que eu andei pelas portas desta prisão. "Então por que você está aqui?" Ela se abaixou ao lado dela e puxou uma cesta. "Pensei que você gostaria de algumas coisas para fazer a sua estadia aqui mais confortável." Ela deslizou por cima da mesa. Olhei para baixo. Estava cheio de sabonetes de designer e loções. De muito melhor qualidade do que o que eles forneciam aqui. Havia também alguns sacos de doces, alguns negócios e revistas masculinas. "O que, sem revistas de moda?", perguntei como se estivesse impressionado.


"Oh, você quer ler seu horóscopo?", ela zombou. "Aqui, deixe-me resumir para você. Você está indo para o inferno." Os lábios brilhantes de Missy puxaram em um sorriso doce ainda que irônico. Eu sorri e soltei um riso cheio disfarçado como uma risada. "Eu estou aqui para lhe dar informações", disse ela, seu sorriso desaparecendo e um tom mais empresarial assumindo sua voz. "Quer dizer que não foi para me dar este cesto totalmente adorável que você veio até aqui?" Eu golpeei meus olhos e tentei falar sua língua nativa. Ok, eu só queria zombar dela. Ela revirou os olhos e me deu um olhar de desgosto. "Caia na real. Mas você de todas as pessoas sabe como isso funciona. Tenho que fazer o papel." Ah, sim, eu a conhecia muito bem. Eu estava surpreso que ela parecia saber. "Quais são as informações que você poderia ter que eu iria querer?", perguntei, meu interesse crescendo. "Eu sei sobre o que você fez para Ivy." Bem agora. Sentei-me e estreitei os olhos. "Eu não sei o que você está falando." Ela riu como se eu tivesse dito algo engraçado e sorriu como se esta fosse a melhor visita de todas. Eu iria entregá-lo a ela. Ela era boa no papel. "Eu acho que sim", disse ela em um tom muito mais baixo, sério depois de sua exibição de simpatia. Na verdade, eu sabia exatamente o que ela estava falando. A noite que eu dopei Ivy e tive o meu caminho com ela.

### Eu fiz isso como um meio para um fim. Uma maneira de obter acesso ao quarto da Rimmel.


Mas eu acho que se eu estivesse sendo totalmente honesto comigo mesmo, eu iria admitir que talvez houvesse mais do que isso. Eu queria levar uma beldade de cabelo loiro, de olhos azuis para um passeio. Eu queria saber de todo o alarido sobre o seu tipo. Ela era basicamente a versão feminina de Romeo. A versão feminina do tipo por quem minha mãe deixou a mim e meu pai. O tipo que foi a queda final dela. O que havia sobre essa bomba loira procurando por diversão, notícias bombásticas que deixavam todo mundo tão louco de qualquer maneira? Eles não tinham substância. Era tudo sobre o status com eles. Tudo sobre um bom tempo. Não podiam culpar um cara por querer uma amostra do estoque. Eu não tinha a intenção de drogá-la. Eu pensei que ela ia cair direto na minha cama. Todo mundo sabia que ela era fácil. Todo mundo sabia que ela ficava ao redor. Na festa naquela noite, Ivy estava linda e se divertindo. Bebendo muito e rindo alto. Ela estava constantemente cercada por pessoas, fazendo da vida uma festa. Os caras a verificavam de todos os ângulos, e ela parecia gostar. Então, eu a assisti naquela noite. Eu esperei até que ela estava muito bêbada, trabalhei meu caminho no meio da multidão ao redor dela, e rachei algumas piadas para fazer a idiota bêbada rir. Então eu fiz uma jogada sobre ela. A cadela estúpida agiu como se eu tivesse algum tipo de doença. Ela não queria ter nada a ver comigo, como se eu fosse de alguma forma menor do que qualquer outro cara na casa. Romeo pensava que eu era escória, de modo que isso devia significar que eu era totalmente. Isso me irritou. Como ela ousava agir como o resto deles! Como se ela fosse boa demais para mim. Será que as loiras não gostavam da atenção que tinham? Quando ela estava na fila para o banheiro, eu me aproximei dela. Eu coloquei-a contra a parede e beijei. Ela me deu um tapa no rosto. Pessoas próximas riram de mim.


Joguei-o e ri também Brinquei e ri também. Fiz um comentário sobre como eu gostava áspero. No interior, eu estava furioso, mas eu me mantive contido. Quando ela se trancou no banheiro, eu fui e encontrei a droga. Essa merda era tão fácil de encontrar no campus; eles poderiam muito bem criar uma estação para ela na praça de alimentação. Peguei uma pílula, ela caiu em uma cerveja e deixei dissolver. Quando ela estava de volta no meio da multidão, rodeada por seus seguidores, eu me aproximei dela. Ela revirou os olhos e me disse para dar o fora. Eu engoli o meu retorno desagradável e pedi desculpas por tentar beijála. A idiota bêbada, burra ignorante pensou que eu era sincero. Ofereci-lhe a cerveja como um pedido de desculpas. Ela olhou para mim tanto tempo que eu pensei que ela suspeitava. Eu comecei a surtar um pouco, pensando que ela de alguma forma sabia o que eu estava fazendo. Mas então ela deu de ombros e pegou o copo. Ivy desceu a cerveja como a menina má que ela era. Ela estava tão perdida, não demorou muito tempo de modo algum. Eu a levei de volta para seu quarto, usei o seu cartão-chave e entramos. A primeira coisa que fiz foi deixá-la na cama. Ela não tinha ideia do que estava acontecendo. Ela realmente me agradeceu por trazê-la de volta para casa assim ela poderia dormir para fora a bebida. Eu aceitei seu agradecimento, é claro. Eu era um cavalheiro, afinal. Enquanto ela estava lá fora de sua mente, corri para encontrar o laptop de Rimmel. Fiz tudo o que precisava fazer e deixei a trilha atrás em seu disco rígido para que eu pudesse entrar mais tarde. Quando eu terminei, eu quase saí. Ok, eu não quase saí. Eu pensei sobre isso por uma fração de segundo. E então eu ri. No início, eu pensei que ela estava desmaiada. As drogas fizeram Ivy praticamente desossada. Mas quando eu estava sobre ela e olhei para baixo, seus olhos se abriram e mal focaram em mim. "O que está fazendo?", ela arrastou.


Eu sorri e tirei minha camisa. "Dando-lhe exatamente o que você quer." Abaixei-me e agarrei seu seio. Ela tinha bons seios cheios. "Não!" Ela tentou dar um tapa minha mão, mas não tinha controle suficiente. Eu arranquei sua camisa e sutiã, deixando seu corpo seminu de volta na cama. Seus olhos azuis se arregalaram e eu vi medo em suas profundezas. Fez-me sentir alto, me deu uma corrida. "Não me toque!", ela gemeu. Eu agarrei o rosto com a mão e apertei. "Você acha que é boa demais para mim?" Eu cuspi. "Você não é. Eu sou muito bom para você. Você deve pensar nisso como um presente". Enfiei o rosto e apertei seu mamilo. Ela choramingou. Estendi a mão para o meu jeans e desabotoei o topo. Uma memória clara de anos atrás, quando Brett tinha feito a mesma coisa passou pela minha mente. Ele estava tentando me mostrar que ele tinha o poder e ele era o único no controle. Não deu certo, porém, porque no final, eu ganhei. Eu sempre ganhei. Eu sou o único que lhe ensinou uma lição, assim como Ivy ia receber uma agora. Mas eu não era como Brett. Na verdade, não. Ele era um pervertido doente. Ivy queria isso. Ela só não queria admitir. E, pelo menos, ela era uma menina. Tentando provar domínio sobre outro homem através do sexo era apenas desagradável, mas o domínio no quarto com uma mulher ...? Isso era diferente. Romeo pensava que ninguém poderia tocá-lo. Ele pensou que estava acima de todos nós. Bem, ele ia descobrir o quão errado ele estava. Eu ia penetrar seu círculo íntimo. Eu ia tirar tudo o que ele amava. Mas, primeiro, eu começaria com penetrar essa loira. A versão feminina dele.


"Não, por favor", ela implorou quando minhas roupas tinham desaparecido e eu subi na cama. "Apenas fique aí e se divirta. É o melhor que você nunca vai ter," eu disse a ela. "É uma pena que você não vai se lembrar disso amanhã." Eu suspirei com pesar. Inclinei-me perto, e ela tentou se virar. Não importava. Eu sabia que ela podia ouvir minhas palavras sussurradas. "No fundo," eu disse, empurrando minha mão para baixo na calcinha, e tocando seu sexo, "lá no fundo, você sabe..." Depois que tive meu caminho com ela, eu tirei algumas fotos. A esta altura, Ivy estava praticamente desmaiada, por isso, ela nem sequer protestou. Estas imagens seriam apenas mais uma maneira de mostrar a Romeo que eu poderia tomar o que eu queria, que sua existência perfeita não era tão perfeita, afinal. Eu sabia exatamente o que eu faria com elas também. Eu as enviaria para o cão das fofocas no campus, o próprio #BuzzBoss. Ele ia postá-las para todos verem. Então, todo mundo saberia realmente quem era o verdadeiro alfa do Alpha U.

### "Você realmente vai só sentar aí e fingir que não sabe o que eu quero dizer?" A voz dela me tirou da memória, e eu olhei para cima. "O que?" Ela fez um som bufando. "Eu vi as fotos." Eu me endireitei na cadeira e a olhei. Ela olhou de volta sem pestanejar. "Como? ” Eu disse lentamente, tentando entender. "Eu tenho os meus meios." Ela sorriu. "Será que o #BuzzBoss as publicou recentemente?", perguntei, o pânico fazendo minha perna saltar debaixo da mesa. Tentei manter a


calma, para aparecer sereno. Estava difícil pra porra. Essas fotos não podiam sair. Agora, não. Nunca. "Uma", ela respondeu. "Uma muito safada de vocês dois na cama. Todo o campus tagarelou sobre a visão do peito nu de Ivy ". Espere um minuto. Havia algo mais nisso. Missy era como a sombra de Ivy, as duas iam a todos os lugares juntas. Demorou um tempo para chegar a Ivy sozinha na festa naquela noite apenas para que eu pudesse levá-la de volta para seu quarto do dormitório. E se Missy sabia o que eu tinha feito para Ivy, então ela não estaria sentada lá, toda calma e serena. Não estaria ela indignada? Não estaria ela apontando um dedo e gritando, "Estupro", para todos ouvirem? Será que Missy achava que o que Ivy e eu fizemos foi consensual? É isso o que todos pensavam? Isso era bom. Isso poderia funcionar a meu favor. Eu tinha estado alto naquela noite. Eu não estava pensando em linha reta. Eu fui bombeado de retirar invadindo o quarto de Rimmel e começando o meu próximo plano para derrubar Romeo. Eu também estava bastante tenso sobre o sexo quente que eu tinha acabado de ter. Então eu fiz algo estúpido. Enviei as fotos que tirei durante toda a noite (com a ajuda de alguns de meus companheiros) para o #BuzzBoss. Na época, eu pensei nessas imagens como troféus. Da prova de quão bom eu era. Mas eu não as vias dessa forma agora. Agora elas eram provas. Elas eram pregos em meu caixão. Se a palavra saísse, a prova de que eu agredi uma menina depois de escorregarlhe a droga do estupro, minha cela confortável aqui poderia ser trocada por algo um pouco menos acolhedor. Se eu pensei que este lugar era ruim, eu nunca iria sobreviver à prisão.


Há provavelmente caras como Brett lá. Homens que esperam para afirmar seu domínio sobre caras como eu. Mas Missy disse que sabia o que eu fiz. Não é o que nós fizemos. Isso implicou que ela sabia que Ivy não estava exatamente querendo o que eu dei a ela. E… Ela disse que viu as fotos, plural. Se o #BuzzBoss só postou uma, então como é que ela sabia que havia mais? Olhei para ela bruscamente. Seus lábios brilhantes, pintados, esticaram em um sorriso lento. Era o tipo de sorriso que às vezes eu via no espelho (menos o brilho, é claro). "Você é o #BuzzBoss?", perguntei em partes iguais de espanto e choque. "Em pessoa." "Bem, eu vou ser amaldiçoado", eu cantei e estendi a mão. "Eu preciso apertar sua mão. Você é um maldito gênio." Ela olhou para o meu braço estendido, depois de volta para mim. "Eu não vou tocar em você." Ela cheirou. Eu não estava ofendido. Eu ainda estava muito admirado por seu fodido brilho. "Então todo esse tempo, você só tem fingido ser amiga daqueles anormais de status?", perguntei, aquecendo para esta conversa. Eu finalmente senti como se estivesse entre iguais. Que eu finalmente tinha encontrado alguém que estava no meu nível. Droga, senti-me bem. Ela meio que deu de ombros. "Eu não diria isso." Apertei os lábios e a estudei. Missy não pareceu desencorajada por meu olhar. Na verdade, acho que eu meio que gostou. Ela provavelmente se sentiu aliviada que ela estava finalmente em torno de alguém tão semelhante ao seu nível de gênio.


"Então," eu supus, "se você não tinha planejado levá-los todos para baixo desde o início, então o que, ou eu deveria dizer quem, fez você romper?" Por baixo de seu top branco, seus ombros ficaram tensos. Isso me disse que eu estava no caminho certo. "Eu não vim aqui para falar sobre meus sentimentos pessoais", ela rosnou. "Eu acho que você veio." Eu discordei. "Eu acho que você precisava falar com alguém que entende como é ser uma vítima deles. " Seu nariz amassou. "Você não é uma vítima." "Só porque eu não me deixaria ser. Assim como você. Então me diga, Missy. Por que você postou aquela foto de Ivy e eu depois de meses e meses sentada sobre ela?" "Ela dormiu com Braeden." As palavras correram. "Ahh," eu cantei e me sentei. Ela se encolheu em seu assento. "Então a loira mergulhou e tirou o que você queria." Tínhamos tanto em comum. Ela não tinha ideia. "Ela sabia que eu o queria," Missy agarrou. "Então você postou uma foto que arruinaria totalmente a reputação dela e faria Braeden se arrepender de cair na cama com ela." Eu esfreguei minhas mãos juntas. "Bravo". Oh, as coisas que eu perdi enquanto trancado aqui. Seus olhos cinzentos deslocaram-se como se estivesse envergonhada e os braços em volta de sua cintura. Ela não parecia ser exatamente uma mulher reivindicada. E se ela tivesse recebido de volta tudo o que ela queria, ela não estaria sentada aqui comigo. "Então o que aconteceu?", perguntei. "Será que sua grande revelação não funcionou? Será que a sua escolha de carne se mudou para pastos melhores, em vez de voltar como você planejou?" O olhar em seu rosto pareceu uma reminiscência de chupar um limão inteiro. Azedo, amargo, e um pouco chateado.


Meus olhos se arregalaram, e as palavras borbulharam dentro de mim quase com alegria. "Não me diga. Ela bateu aqueles grandes olhos azuis dela e ele ficou." Missy fez um som de asfixia. "Ele diz que a ama", ela murmurou. "O cara que nunca quis se estabelecer." "Mais uma vez, o poder da loira vence." Missy olhou para mim como se eu tivesse perdido a cabeça. "O que?" "Esqueça." Eu coloquei de lado as palavras e apoiei os cotovelos sobre a mesa. "Por mais que eu tenha gostado desta pequena visita, tenho que perguntar. O que isso tem a ver comigo?" "Eu não sou a única que sabe sobre Ivy. Ele viu todas as imagens também. Ele sabe o que você fez." "Quem?" "Braeden." Bati minha mão em cima da mesa. "Como você pôde deixar isso acontecer!" Ela pulou um pouco no meu movimento brusco. "Eu não deixei isso acontecer", ela assobiou. "Ele arrombou meu laptop e passou por todos os meus arquivos. Ele me encontrou." "E quanto a Ivy?", perguntei. "O que ela diz?" Só então, um servente se aproximou da mesa. "Cinco minutos." Missy olhou para ele e sorriu deliciosamente. "Obrigado, senhor. Vou apenas me despedir." O enfermeiro também foi levado com sua beleza exótica e pernas intermináveis. Ele limpou a garganta e se afastou. Missy se aproximou. "Ela não sabe." "Você quer dizer que o cara que professa amá-la não lhe disse?" Isto estava ficando melhor e melhor. "Não. Ele não quer machucá-la." Eu vi o flash de arrependimento em seus olhos, e eu sabia agora por que o #BuzzBoss nunca publicou as imagens quando as mandei primeiro. Ela não queria ferir Ivy também. Até que a loira ficou no caminho do que ela queria.


Missy era uma mulher segundo o seu próprio coração, a pequena desonesta descarada. "Isso é sério." Ela estalou os dedos na minha cara. "Ele está mais do que chateado. Braeden tem um mau temperamento." Dei de ombros. "Que me importa? Ele não pode chegar a mim, e ele não vai dizer nada, porque se ele disser, ele vai ter que admitir que ele está mentindo." "Ele está enrolando." Ela parecia muito menos convencida de que o nosso segredo estava a salvo. "Eu acho que ele vai dizer a ela." "O que te faz pensar isso?" "Porque eu o vi. Isso está comendo-o vivo." A emoção em sua voz quando ela falou sobre sua velha chama me deixou com raiva. Fazia parecer que ela ainda tinha sentimentos por ele. Comecei a empurrar para longe da mesa. Essa conversa tinha acabado. Eu tinha a minha própria agenda. Eu não podia ser incomodado com a dela. "Espere," ela disse e estendeu a mão sobre a mesa para pegar minha mão. Olhei para onde ela me tocou. Sua pele em tons de verde-oliva parecia acolhedora e convidativa ao lado da minha, que não tinha visto o sol em muito tempo. Baixei de volta para o meu lugar. "Eu tenho certeza que seria ruim para você se o que você fez, escapar. Eles podem trancá-lo por mais tempo." Ela não tirou a mão dela enquanto ela falava. Ela ainda me tocava, ainda envolvia seus dedos ao redor dos meus. Eu não conseguia me lembrar da última vez que alguém voluntariamente me tocou. "Eu estou ficando melhor", eu disse. "Eles acham que eu vou sair em breve. Eu vou até passar as férias em casa com meu pai ". Missy deu um aperto de leve. "Então, você definitivamente não quer que isso escape."


Não, eu realmente não queria. Mas eu não disse isso. "Eu acho que se ele disser tudo, seria muito ruim para você também. Você se tornou a pária do campus muito rápido. Você estaria condenada ao ostracismo como eu. " Nas profundezas de seus olhos cinzas tempestuosos, vi algo que eu não tinha visto desde que ela se sentou. Medo. "Provavelmente até mesmo expulsa do Alpha U", acrescentei só porque eu queria ver mais desse olhar em seu olho. Eu gostava de vê-la assustada. Era como se ela olhasse para mim para torná-lo melhor. Sua mão sacudiu com as minhas palavras. Virei a minha mão para que elas ficassem palma com palma. "O que você quer, Missy?", perguntei em voz baixa. "Eu não sei o que fazer. Como impedi-lo de dizer a Ivy. Porque uma vez que ela souber, eles vão dizer ao mundo inteiro." Talvez ela não fosse. Talvez ser violada daquela maneira seria a última coisa que ela iria querer que alguém soubesse. Eu tinha experiência em primeira mão com algo parecido com isso. Mas eu não disse aquilo a Missy. Mas então, é claro, havia Braeden. Ele era muito parecido com Romeo. Ele não ia apenas deixar passar. Ele gostaria de me ver punido. Talvez até mesmo ver Missy punida. "Você quer que eu a ajude, não é?", perguntei. Ela assentiu com a cabeça. "Seria ruim para nós dois se o que você fez escapar." Na verdade, seria. Os visitantes começaram a levantar-se para sair da sala. Olhei para as nossas mãos unidas. "Tudo bem, Missy. Vou te ajudar. Verei o que posso fazer." Ela soltou um suspiro de alívio e recolheu sua bolsa. Relutantemente, eu soltei a mão dela. "Obrigada, Zach. "


Enrolei minha mĂŁo em torno do punho da cesta que ela trouxe e observei-a se afastar. Coisas fascinantes estavam acontecendo do lado de fora. TĂŁo fascinante que agora, mais do que nunca, eu tinha que sair daqui.


Isto e sobre ir abaixo na cidade alpha... (Também Conhecido Como Parte Três)


CAPITULO vinte e nove A verdade te libertará. Mas, primeiro, vai te chatear totalmente. #OsFogosDeArtifícioEstãoChegando #BuzzBoss

I VY Eu não queria pensar que estava perdendo lentamente. Eu queria negar que eu suspeitava que poderia haver algo de errado comigo. Após o incidente na Screamerz um par de semanas atrás, eu fiz tudo que podia para fechar tudo para baixo. Falar sobre isso envergonhava. Não era a primeira vez que eu tinha sido agarrada por trás na pista de dança por alguém querendo dançar. Não era grande coisa, mas a forma como eu reagi, você pensaria que eu estava sendo atacada. Eu me assustei tanto que Drew deu um soco na cara bem no rosto. Claro, só tornou as coisas piores. Quando eu caí no chão, é como se toda a razão e lógica fugiu do meu cérebro. Meu corpo totalmente assumiu e um ataque de pânico tomou o controle. Eu não era uma pessoa propensa a ataques de pânico e ansiedade. Eu era geralmente descontraída e uma garota do tipo de ir com a maré. Eu mudei, porém. Ultimamente, eu estava muito menos descontraída e muito mais agitada.


Braeden me levou para casa naquela noite. Ele me segurou através do tremor que arruinou o meu quadro, e ele não me deixou pedir desculpas. Nem mesmo uma vez. Na verdade, quando eu estava caindo feliz no sono, eu o ouvi me dizer que estava arrependido. Do que ele poderia estar arrependido? Ele não tinha feito nada além de estar lá para me ajudar a superar. Na manhã seguinte, meu corpo estava cansado e dolorido, como se eu tivesse corrido uma maratona. Eu bebi café na cama, me escondendo de toda a casa, com medo de sair, com medo de enfrentar as perguntas e os olhares. Eu disse a B que ouvi seu pedido de desculpas. Eu nunca perguntei por que ele sentiu que deveria se arrepender. Ele nunca me pediu uma explicação. Ele não perguntou por que eu virei para fora dessa maneira. Continuei pensando nisso naquela manhã no chuveiro e como eu, basicamente, reagi da mesma forma, apenas não tão extremo. Ele não tinha me empurrado também. Lembro-me de pensar no momento que era como se ele meio que compreendeu. Mas como ele poderia quando eu não o fiz? Eu tinha medo de perguntar isso também. Quando ele me disse que queria falar, eu o derrubei. Eu não estava pronta para falar. Eu não estava pronta para descobrir as dúvidas em minha cabeça ou no meu coração. Eu o amava tanto que doía. E eu estava apavorada que eu ia perdê-lo. Braeden não me empurrou. Ele não deu nenhuma razão para eu achar que nosso relacionamento estava em perigo. O coração não precisa de razão. O coração tinha uma mente própria. O espaço entre nós que eu achei que recuperei na noite sob as estrelas estava de volta, mais amplo do que nunca.


Eu nunca entendi muito bem como o medo paralisante e que tudo consome poderia ser. Como te transformava numa versão alternativa de si mesma. Tornei-me alguém que eu nem sequer gostava. Eu queria a minha antiga eu de volta. A fashionista, amante de maquiagem, a menina feliz que não tinha medo de sua própria sombra. Braeden provavelmente me queria de volta também. Ele não me parece o tipo de cara que queria namorar um caso cabeça. Eu fiz o meu melhor para esconder a escuridão dentro de mim. Eu tentei não deixar ninguém ver. Ninguém, exceto Drew me perguntou sobre aquela noite. Eu ri e lhe disse que tinha bebido muito. Ele disse que acreditava em mim, mas no fundo, eu sabia que ele não o fez. Eu estava começando a me perguntar se talvez ele sentia que havia algo errado comigo o tempo todo e foi por isso que ele estava realmente aqui. Todo mundo se ocupou rápido, o que também fez viver em negação muito mais fácil. A temporada de futebol estava esquentando. Braeden tinha treinamento e prática antes e depois das aulas. Peguei alguns turnos extras na boutique, e todos nós começamos a estudar para as finais. O feriado de Ação de Graças estava quase aqui, e uma vez que estava por cima, estaríamos numa descida até o fim do primeiro semestre. A declaração de uma grande carta estava aberta sobre a cômoda no quarto. Olhava para ela quase todos os dias. Braeden tinha uma também, bem ao lado da minha. Às vezes nós rimos sobre nossas pobres habilidades de tomada de decisão. Outras vezes, preocupava-me como seria segurar a decisão do outro se não poderia decidir em qualquer outra coisa. Estava frio lá fora agora, a mordida fresca do outono passado e a promessa de frio do inverno em seu lugar. Eu estava na boutique, desembalando algumas transferências de mais roupas de inverno para estoque no chão. Quando eu atravessei às caixas, eu retirei algumas combinações bonitas extra para que eu pudesse denominar os manequins em torno da loja.


Essa era provavelmente a minha parte favorita desse trabalho, misturar e combinar peças para fazer o conjunto completo. A proprietária do lugar me deixava correr com a minha criatividade. Ela dizia que eu era melhor com isso do que ela. Enfiei a mão na caixa e minha mão fechou em torno de uma pilha de camisas ainda por desembalar. Puxei-as e arranquei uma do topo e a estendi. "Oooh," eu disse a mim mesma. Era um material macio, delicado, muito mais fino do que a maioria das camisas de inverno deveria ser, mas é para isso que existem os casacos. E ficar por dentro. A frente era completamente branca com uma bainha arredondada, mas as longas mangas eram de um cinza puro com bolinhas amarelas. Virei a parte superior para olhar para a parte de trás. "Oh, meu Deeeeeeus", eu gritei para ninguém além de mim (a loja estava vazia). "Eu preciso disso." As costas eram no mesmo estilo como as mangas e havia uma grande abertura em forma de V até a volta. Ficaria totalmente adorável com uma camiseta combinando por baixo dela e um par de calças de brim rasgados. Eu encontrei o meu tamanho na pilha e o coloquei sob o registo. Eu estava totalmente usando meu desconto para comprá-la. O que? Sim, eu tinha mudado, mas algumas coisas nunca o fariam. E, além disso, isso só provou à minha antiga eu – o eu real - ainda estava lá, em algum lugar. O sino acima da porta soou, e eu olhei para cima a partir das caixas quando Rimmel veio à tona. "Ei, menina!" Eu chamei. "Você voltou!" Ela sorriu, o rosto vermelho do frio lá fora. "Acabei de voltar na cidade", respondeu ela, uma grande bolsa de roupa estendida sobre seu braço. "Eu pensei em trazer isso de volta antes que, desajeitada, eu perca, ou derrame algo sobre ele".


Eu ri. "Você sabe que você está autorizada a manter tudo. A proprietária disse que sim. É o mínimo que ela pode fazer por toda a promo grátis que você está dando à loja." "Eu gosto de meus suéteres." Ela colocou a bolsa sobre o balcão, e eu a abri para revelar a pilha de roupas dentro. Romeo era matéria prima de jornal em Maryland atualmente, então é claro, sua namorada estava recebendo tempo da imprensa também. Ela odiava a atenção, mas porque isso fazia Ron Gamble feliz que, por sua vez, refletia positivamente em Romeo, ela jogou junto e sentou-se na arquibancada, bem à mostra, em todos os jogos dos Knights que ela pudesse assistir. Após suas duas primeiras aparições, havia menção em uma das revistas (um pano total de fofocas) que ela era muito deselegante para o Comeback Quarterback, e algumas das outras manchetes começaram a seguir a maneira que ela parecia. Até agora, ela teve sorte e eles só a fotografaram quando ela estava em jogos de Romeu ou algo que tinha a ver com a equipe. Os repórteres pegaram ela e Romeo fora num encontro uma vez quando ela foi visitá-lo, mas isso nunca aconteceu novamente. Romeo era ferozmente protetor de sua privacidade e ele odiava o que a mídia começou a dizer. Mas, claro, havia uma solução. Se a imprensa queria falar sobre Rimmel, então nós os deixaríamos conversar. Ela só precisava dar uma interpretação positiva sobre ele. Então, eu intervim e a ajudei. Agora, antes que ela fosse visitar Romeo, ela vinha na boutique. Eu iria escolher roupas e arrumá-la. Combinei tudo e coloquei em conjunto, incluindo acessórios. Agora, quando ela se sentava na arquibancada, os jornais se perguntavam quem ela estava vestindo. Eles haviam começado a ligar para o escritório do pai de Romeo para solicitar uma declaração sobre a "primeira-dama" da moda do futebol. E onde ela estava obtendo suas roupas era sempre mencionado. O negócio funcionou e logo que Rim saiu em uma roupa arrumada por mim e


bateu no papel, os alunos entrariam e comprariam as peças até que estavam esgotadas. Enfiei a mão na bolsa e tirei uma jaqueta de motocicleta roxa de couro falso. “Será que você já usou esta?" Ela balançou a cabeça. Eu sempre colocava extra na mala porque não sabia se eles iam sair na cidade. Entreguei-a de volta a ela. "Mantenha-a, então. Nós não temos nenhuma sobrando do seu tamanho, e uma vez que é a cor primária dos Knights, é bom você ter." Ela estendeu a mão para ela. "Além disso, é uma grande cor em você." "Ok, eu vou embalá-lo para a próxima semana", disse Rim. Eu levantei uma sobrancelha. "Você vai voltar na próxima semana? Isso é rápido." Normalmente, ela ia apenas uma vez por mês. Por trás de seus óculos, seus olhos se iluminaram. "Romeo está começando em um jogo!" "Aimeudeus," eu corri para fora. "Já era hora! Braeden vai pirar!" Rimmel assentiu vigorosamente. "Eu conversei com Ron. Eu tenho assentos extras. Eu estava esperando que vocês viessem também? Apoiar Romeo?" "É claro que vamos estar lá!" Eu exclamei. "Eu tenho roupas para escolher!" Rimmel riu. "Eu vou ficar lá com ele durante o feriado de Ação de Graças. Os pais dele vão estar lá também." "Oh cara", eu murmurei. "Tempo com a Mamãe Querida". Rimmel não parecia tão emocionada. "Sim. Mas ela está bem. Ela está fazendo um esforço para se dar bem. " "Você quer dizer beijar sua bunda e compensar toda a merda que ela fez com você?" "Isso também." Rimmel riu. "Você vai para casa na Ação de Graças?" Eu fiz uma careta. "Eu não tenho certeza." Eu ainda não tinha pensado nisso. Eu tinha estado muito ocupada apenas tentando ser normal e me manter à tona.


"O que B vai fazer?" "Eu não sei também", eu admiti. "Tudo bem com vocês dois?" Rimmel perguntou delicadamente. Dei-lhe um sorriso brilhante e esperava que ela não visse através dele. "Está ótimo! Nós apenas não falamos sobre o feriado." Ou sobre qualquer outra coisa importante. "Bem, eu tenho certeza que se você quiser ficar e ter as férias com a gente, haverá muito peru." Ela ofereceu. "Obrigada, eu vou te avisar." Voltei para puxar o novo inventário fora das caixas. "Então, como foram as coisas enquanto estive fora?", ela perguntou, inclinando os cotovelos no balcão e colocando o queixo na mão. Ela parecia pequena atrás do balcão alto. Eu só podia ver a partir de seus ombros para cima. Ela estava vestindo o agasalho de Romeo da Alpha U. Eu juro que era como uma parte permanente de seu corpo. Sem pensar, eu estendi a mão e toquei o colar de estrela que B me deu. Eu acho que eu poderia dizer o mesmo sobre esse colar. "Bem! Foi um fim de semana muito tranquilo. Houve um jogo sexta-feira à noite. Drew foi comigo. Então B teve futebol todos os dias. Trabalhei muito e Drew saiu com Trent." Rimmel sorriu. "Aqueles dois se deram bem." Eu gemi. "Se eu tiver que suportar mais uma conversa sobre o tamanho do motor e das peças do carro que eu não conheço nada, eu vou correr fora na noite, gritando". Ela riu, e então eu mostrei-lhe a camiseta que eu ia comprar antes de sair. Ela ficou lá por um tempo, me ajudando a passar a roupa e apenas conversando sobre coisas de mulher. Foi muito divertido. Um pouco como quando nós compartilhamos um dormitório. Rim e eu ainda víamos uma a outra todos os dias e nós ainda íamos para jogos de futebol, almoçávamos juntas, e saíamos quando podíamos, mas era ainda bom ter esse tempo com ela. Parecia normal.


Alguns clientes chegaram, fizeram compras e saíram. Eu ajeitei um novo display para joias. Rimmel olhou para o relógio e gemeu. " É melhor eu ir. Eu tenho que ter certeza que tenho tudo terminado para as aulas amanhã, e eu quero ver Murph. Além disso, se eu não ligar para Romeo e deixá-lo saber que cheguei em casa, ele vai enviar um grupo de busca." Dei-lhe um abraço rápido. "Obrigada por ficar comigo. Eu gosto de tempo de garota." "Eu também." Ela empurrou os óculos no nariz. "Você vai estar aqui na quinta-feira à tarde?" Eu fui e verifiquei o horário. "Sim!" "Ok, eu tenho uma tarde livre. Vou entrar antes de ir para o abrigo e você pode me arrumar para o feriado." Ela mostrou a língua. "Deus me livre dos paparazzi me verem com a mesma roupa duas vezes!" "Como se você se importasse," eu provoquei, assimilando seu coque caído e calça de moletom. "Eu não, mas eu não vou ter a minha natureza fora de moda refletindo mal em Romeo ou nos Knights. Ron Gamble tem sido realmente bom para ele." "Fique comigo, menina. Eu nunca conduzirei você por um caminho de moda ruim." Estava escuro lá fora quando eu andei até a porta. Seu pequeno hatchback branco que todos os caras odiavam estava estacionado no meiofio algumas lojas para baixo. A calçada estava iluminada, mas eu ainda pisei fora enquanto ela caminhou até o carro. Deixá-la sozinha lá fora no escuro agitou uma sensação de náusea no meu estômago. Uma vez que ela puxou para a estrada e acenou, me virei para voltar para dentro. Quando me virei, algo me chamou a atenção na rua. A loja ao nosso lado estava fechada, de modo que as janelas estavam escuras, mas a do outro lado ainda estava aberta. Luz derramava a partir das janelas em toda a calçada. Eu pensei que eu vi alguém ali, apenas no interior da seção escura, mesmo em frente da luz.


Eu pisquei e olhei novamente. Devo ter me enganado; não havia nada. Totalmente perdendo a cabeça. O tilintar da campainha me assustou. Eu pulei, pressionando a mão para o meu coração batendo, em seguida, rindo da minha bobagem. Corri de volta para a loja para cumprimentar o cliente. "Ei! Como posso ajudá-lo?" Ninguém estava lá. A boutique estava vazia, exatamente como eu deixei. Eu não tinha acabado de ouvir o sino? Ninguém estava saindo quando me virei. Isso deve ter significado que eles estavam indo. Talvez eles foram no banheiro. Ou os vestiários. Eu passei pelo balcão e abri a porta do banheiro pequeno de duas peças. A luz estava apagada e ninguém estava lá. Eu acendi a luz e olhei atrás do vaso sanitário. Uma menina louca nunca poderia ser muito cuidadosa. Voltando para fora do banheiro, fui para os vestiários próximos e puxei as pesadas cortinas para olhar para dentro. Ninguém estava lá. Eu estava no meio das prateleiras de roupas, confusa. Talvez eu estivesse ouvindo coisas. Talvez eu não tivesse ouvido mesmo o sino. O vento! Eu pensei. Foi provavelmente o vento que atingiu a porta e fez a campainha soar. Isso era totalmente possível. Sentindo-me dez vezes menos como uma cadela louca, peguei uma pilha de camisas que eu já colocara em cabides e as levei a uma nova prateleira perto da frente da loja. Um borrão de movimento apressou em torno do canto da janela e fora da vista. A raiva eclipsou meu alarme, e eu deixei cair as roupas e corri para a calçada.


O ar parecia muito mais frio do que tinha apenas um minuto atrás. "Quem quer que seja, não volte! " Eu gritei ao virar da esquina para o escuro. Eu juro, algumas pessoas não tinham vidas. Elas tinham um chute de fora rondando e assustando as pessoas. Deixei escapar um grunhido de frustração e ignorei o tremor das minhas mãos. Com força, eu girei para trás ao redor para ir para dentro. Meu corpo bateu em algo duro, e eu soltei um grito.


CAPITULO trinta

#PSI13 Minha mordida é tão grande quanto o meu latido. #DentesAfiados #EuMordo #BuzzBoss

B RAEDEN "Pare!" Eu disse, pegando Ivy pelos ombros quando ela bateu em mim. "Você está tentando me levar fora?" "Braeden!", ela engasgou. "Você me assustou!" Eu fiz uma careta e suavizei meus dedos em seus ombros. "Você está bem?" "Sim", ela suspirou. "Um garoto estava fazendo uma brincadeira. Fazendo o sino na porta soar". Olhei para a extremidade do edifício. "Quer que eu o encontre?" Que tipo de idiota fazia brincadeiras com as mulheres no escuro? "Não", ela disse firme e pôs a mão no meu peito, suavizando sua voz. "Mas oi." Ambas as mãos deslizaram para cima e enrolaram ao redor do meu pescoço. Ela levantou-se na ponta dos pés e apertou seus lábios nos meus. Ela tinha gosto de café, doce e quente. Eu lambi sua boca com um suspiro e a beijei profundamente.

13

PSI, para sua informação. FYI, For Your Information no original.


"Ei," eu retumbei depois que eu puxei para trás. "Como está a minha menina?" "Feliz em te ver." Examinei seu rosto, procurando sinais de que talvez ela estivesse com mais medo do que ela demonstrou ou que ela estava se sentindo ansiosa. Eu deveria ter estado aqui antes. Antes de escurecer. Eu a odiava trabalhando fechando estes turnos. A ideia dela sozinha nesta loja tão tarde fazia minha pele arrepiar. Mas a prática demorou e eu não cheguei aqui tão cedo quanto eu queria. Eu fiz uma nota para pedir a Drew para começar a vir e ficar com ela até o fechamento. Apenas o pensamento me fazia querer moer meus dentes, mas gostaria de fazê-lo. Ele estava suspeitando demais de mim desde aquela noite na Screamerz. Ele tentou me interrogar mais de uma vez. Ele se irritou que eu nunca disse nada. Não era da sua maldita conta. Eu não estava dizendo nada a ele. Eu não tinha sequer contado a Ivy, mesmo que eu tivesse decidido. Ela não queria saber. Ela não tinha dito essas palavras exatas, mas ela poderia muito bem ter feito. Eu sabia que ela estava assustada. Eu sabia que ela estava chateada e confusa. Às vezes, as palavras estavam bem na ponta da minha língua, à beira de derramar para fora no aberto. Mas como é que você acaba de dizer a alguém que tinha sido violada? Isso a faria se sentir pior? Ela poderia lidar com isso? Meu Deus, ela parecia tão frágil, às vezes. Como se um vento leve pudesse parti-la pela metade. E depois havia outras vezes, como agora, quando ela era a Blondie que eu sempre conheci. Forte, incrível e estável. "Rimmel estava aqui!" Ela continuou, pegando a minha mão e me levando para a loja. O lugar cheirava a Ivy, então, naturalmente, eu gostei. Estava tudo brilhante e colorido. Roupas alinhadas em cada parede e joias penduradas em cada mesa. Havia um enorme tapete peludo no hall de entrada e um enorme espelho autônomo perto dos camarins.


"Ela está de volta na cidade?" "Sim, acabou de voltar. Ela trouxe algumas roupas com que eu a produzi.” Eu ri. Ivy iria produzir o maldito gato se ele deixasse. Inferno, ela já produziu o cão. Pobre Gizmo. Cheguei em casa ontem à noite e ela estava vestindo uma jaqueta de couro com pequenas botas. "Ela me disse que Romeo vai começar no próximo fim de semana." "Infernos, sim!", eu disse, o orgulho inchando meu peito. "Já estava na porra do tempo." "Ela pegou assentos do jogo para nós. Eu disse a ela que nós vamos." Eu balancei a cabeça. Claro que iria. Eu ia dizer ao treinador que eu ia perder alguns treinos. Ele provavelmente ficaria chateado, mas que seja. Os Wolves não iam estar no campeonato este ano de qualquer maneira. Isto não era fazer ou morrer. Tivemos uma maldita boa temporada, mas não tão boa como no ano passado. Inferno, se eu tivesse sorte, ele cancelaria todas as práticas na semana de pausa e, em seguida, eu não teria que me preocupar com ele de jeito nenhum. Eu olhei para Ivy, que tinha uma enorme pilha de roupas na mão enquanto ela passava. Avancei e tomei isso dela. Seu sorriso era agradecido, e ela me levou para a prateleira onde ela começou a pendurá-los. Ela ficou em silêncio um minuto enquanto ela trabalhava, mas, em seguida, ela parou e olhou para mim. "Rimmel me perguntou sobre a ação de graças." "Ela vai aguentar a mãe dele?", perguntei. Pobre Rome, ter que bancar o mediador entre a mãe e Rim. Tive sorte. Minha mãe adorava Ivy. E Ivy a amava. Ivy balançou a cabeça e acrescentou o resto da roupa em meus braços à prateleira. "Ela queria saber o que nós estávamos fazendo." Por que ela parecia hesitante para trazer isso? "Eu disse a ela que não tinha realmente falado sobre isso..." Ahh. Ela pensou que eu não queria passar com ela. "Traga aqueles B controla aqui", eu disse e peguei-a pela cintura.


"B controla?", ela repetiu, com uma expressão perplexa no rosto bonito. Eu espalmei o local onde sua cintura mergulhava em cada lado. Minhas mãos se encaixavam lá perfeitamente. "Estes aqui ", expliquei, dando-lhes um pequeno aperto. "Eles foram construídos para as minhas mãos. Isso os torna B controla." "Você acha que minha cintura foi construída apenas para você, hein?" Ela sorriu. Eu poderia dizer que agradou a merda fora dela. Deveria. Ninguém mais foi construído para mim. "Claro." "Isso significa que eu posso chamar algo de seu um Ivy controla?" Sua voz era assustada e profunda. Um lento sorriso se espalhou em meus lábios. "Baby, você sabe exatamente onde é." A leveza em seus olhos esmaeceu um pouco. Ela manteve o tom fácil e a provocação, mas eu já tinha sentido a mudança. "Eu não sei. Há algum tempo." Bem, merda. Eu só estava acumulando erros esta noite. Ter uma namorada era um monte de trabalho do caralho. E ser um cavalheiro estava me levando a lugar nenhum. Mas ela valia a pena. Eu tinha recuado no sexo. Não totalmente. Quero dizer, caramba, ela era sexy como o inferno e quando eu a tocava, ela nunca se afastava. Mas ainda assim, eu não estava com ela todas as noites, várias vezes por noite, como eu era normalmente. Eu não podia. Minha consciência não me deixaria. Eu sentia como se estivesse me aproveitando dela. Na verdade, não com o sexo, porque eu a amava. Eu a amava pra caramba, e fazer amor com ela era apenas outra maneira de mostrar isso. Mas uma parte de mim se perguntou se ela iria me querer se soubesse o que aconteceu com ela.


Pensei que talvez recuar as coisas físicas daria a seu corpo e mente a oportunidade de trabalhar um pouco de si mesma para fora. Talvez todo o sexo que tínhamos manteve o que aconteceu com ela de realmente desaparecer. Claramente, isso estava apenas fazendo-a sentir como se estivesse se afastando. E o fato de que eu só presumi que estávamos passando a Ação de Graças juntos, ao invés de pedir, tornou pior. Foi um caso clássico de eu não usar palavras quando eu deveria ter. "Espere apenas um segundo, Blondie." Fui buscá-la, e ela enrolou as pernas em volta da minha cintura. Eu a carreguei até a porta da loja e virei a placa de fechado e virei a fechadura. Eu fiz o meu caminho para o balcão e me sentei com ela, inserindo-me entre suas coxas abertas e pegando em concha seu rosto em minhas mãos. "Eu não gosto das coisas que eu estou ouvindo fora desta maldita boca adorável." Eu me inclinei e a beijei uma vez. Duas vezes. Ela começou a dizer alguma coisa, e eu a beijei novamente. "Eu estava tentando ser um bom rapaz. Você tem estado sob um monte de estresse com o trabalho, com as finais." Fiz uma pausa. "Outra merda." Seus olhos escureceram um pouco, mas eu empurrei. "Eu não quero colocar qualquer pressão sobre você, Blondie. Eu não quero oprimila. Se você quiser mais de tudo isso..." Fiz um gesto para mim mesmo, e ela riu. "Basta dizer isso." "Eu pensei que talvez você sentisse falta de sua antiga vida", ela confessou. Seus olhos olhavam para todos os lugares, menos para mim. "Minha vida antiga," eu repeti. "Você quer dizer aquela onde eu estava infeliz e rabugento sem você?" "Bem, você estava ranzinza." Rosnei como se eu fosse louco, mesmo que eu não era. "Você é a vida que eu quero." "Mesmo se eu agir como louca?"


Eu poderia ter feito uma piada aqui, mas isso não era fodidamente engraçado. Esta merda aqui era por isso que eu precisava ser homem e deixar escapar a verdade, mesmo que ela não quisesse ouvi-la. Peguei seu rosto e falei ferozmente. "Você não é louca. Coisas aconteceram. Muitas. Você está lidando com elas." Eu respirei e depois murmurei: "E eu não estou fodidamente ajudando em nada." Eu comecei a me afastar, mas ela apertou as mãos em torno de meus pulsos e me segurou no lugar. "Você é a única coisa que está ajudando." Olhei em seus olhos e vi a abertura. Vi vontade de falar. Socorro derramado em mim. "Estou, realmente?" "Deus, sim. Estou apavorada que eu vou te perder, que um dia vamos estar a milhas de distância." "Isso não vai acontecer." Eu sou a sua âncora. Você é a minha. "Mas vai. Já está." "Não", eu protestei e pressionei minha testa contra a dela. "Eu acho que devemos falar, baby. Tipo realmente sentar e apenas deitar tudo para fora." "Estou com medo." "Acredite em mim, o inferno que eu estou também." Depois de um minuto, ela balançou a cabeça. "OK. Mas não esta noite. Hoje à noite eu só quero ficar com você. De todas as formas." Eu gemi. "Graças a Deus. Eu te quero tanto que isso está me matando. Joguei como merda no treino de hoje à noite. O treinador montou na minha bunda." "Eu quero ir para casa", ela sussurrou. "Faça amor comigo." Enrolei um braço em volta da cintura dela e a puxei totalmente contra mim. Nossas línguas trançaram em ritmo perfeito, e eu podia praticamente ouvir o crepitar de eletricidade entre nós. Meu pau estava tão duro que latejava, e as mãos de Ivy estavam impacientes explorando minhas costas debaixo de minha jaqueta, já puxando minha camiseta. Quando rasguei minha boca longe, estremeci com a necessidade. "Nós precisamos ir." Ela assentiu com a cabeça, os olhos arregalados.


"Dê-me as chaves. Eu vou puxar o carro bem à frente e ligar o aquecedor. " Ela inclinou-se em torno da caixa registadora. O jeito que ela envolveu seu corpo através do balcão para fazer isso me fez morder meu lábio. Então ela me jogou as chaves. "Feche tudo. Eu já volto," eu pedi, pensamentos sobre ela na cama, literalmente, era tudo o que podia ver na minha cabeça. Beijei-a de novo, ter que me separar dela à força antes de correr para fora da porta. Nós ainda não tínhamos falado sobre a Ação de Graças. Mas eu tinha certeza que nós iríamos. Depois. Eu andei até o carro para baixo do bloco. Era perto de onde eu estacionei a caminhonete. Quando me aproximei, eu notei alguém parado no capô. A irritação foi como uma picada de abelha através do meu corpo quando eu percebi quem era. Fui até a parte de trás do carro de Ivy e falei gritando: "O que diabos você quer?" Missy encrespou-se e deu um passo para a frente. Ela estava segurando um copo de sorvete na mão, um com o logotipo do lugar à direita nas proximidades, e eu não pude evitar, mas me perguntei se ela estava apenas usando isso como uma desculpa para observar eu e Ivy. "Você contou a ela?", perguntou. Pelo menos ela não perdeu meu tempo com conversa estúpida. "Eu pensei que você não se importava," eu bati. "Eu pensei que você disse que se eu contasse, você apenas se certificaria de que eu fui para baixo com você." "Contou ou não?", ela perguntou. "Acho que você percebeu o quanto você teve que perder, hein, Boss?" Ela fez um som rude. "Obviamente você não fez. Se você tivesse, ela não iria deixá-lo em qualquer lugar perto dela." Um choque de pânico me bateu porque muitas vezes eu pensei a mesma coisa. Mas eu não queria deixá-la ver isso. "Não esteja tão certa ", eu disse.


"Então ela vai perdoá-lo, mas não a mim?" "Uau. Você quase parece machucada." Eu brinquei. "Você finalmente percebeu o que perdeu quando totalmente destruiu sua amizade? " Seus olhos se afastaram. Ela totalmente lamentava o que ela fez. Uma camada rachou através de mim como um relâmpago. Eu sabia que era cortesia da escuridão enrolando nas profundezas da minha alma. Mas eu não me sentia mal por ela. Nem um pouco, então eu disse o que eu queria dizer. "Há uma diferença entre o que você e eu fizemos, Miss." Seus olhos agarraram. "O que estou fazendo é por amor. Eu estou tentando impedi-la de se machucar mais do que ela já se magoou. Mas você? Tudo o que fez foi feri-la e humilhá-la. Merda, você estava lá naquela noite. Você poderia tê-lo impedido. Por que diabos não o fez " Ela recuou como se uma cobra a mordesse. Era uma pergunta que eu me fiz uma e outra vez. Por que Missy não percebeu que Ivy estava sendo aproveitada? Por que ela não fez nada quando viu Zach puxando-a para fora dessa festa? Às vezes, nos meus momentos mais sombrios, eu perguntei se ela sabia o tempo todo e apenas deixou que acontecesse. "Não é minha culpa o que ele fez com ela." Sua voz tremeu. "Não, você não lhe deu a droga, mas os amigos cuidam dos outros. Você e Ivy nunca foram amigas, não é? A única coisa que você já se preocupou é o seu status, e você tinha um monte disso, quando era amiga de Ivy, porque ela veio com Rimmel e Romeo." "Você é um filho da puta." "Não, eu sou apenas um imbecil. Mas você? Você é muito pior do que eu nunca vou ser." Ela correu uma mão pelo seu olho. Ela estava chorando? Eu não sabia. Eu não me importava. "Eu não lhe disse. Ainda não. Mas eu vou, porque ela merece a verdade. Eu não vou mentir para você, Missy. Então você pode querer começar a pensar sobre o que você vai fazer quando todos souberem bem que tipo de pessoa que você realmente é."


Afastei-me, mas, em seguida, olhei para trás. "Pelo menos eu estou lhe dando um aviso, para saber o que esperar. Ivy não conseguiu essa cortesia quando você a explodiu em todo o Buzzfeed e a marcou como vagabunda." "Lamento muito!", ela gritou quando eu estava entrando no Toyota. "É um pouco tarde." Eu bati a porta, virei o motor e dirigi a curta distância para estacionar na frente da loja. Quando eu saí do carro, vi Ivy de pé no balcão, recolhendo suas coisas. Olhei para trás na rua. Missy tinha ido embora.


CAPITULO trinta e um

Para desconto de 15% na próxima dose de cafeína na Lotus, use o código #BUZZEDONCAFÉ #SejaBemVindo #BuzzBoss

I VY Com a Black Friday chegando, a boutique estava se preparando para uma grande venda. Muitas de nós meninas estavam trabalhando hoje, ajudando a preparar. Eu estava na parte de trás, colocando etiquetas nas caixas de exposição a serem colocadas nas prateleiras na manhã do dia, quando o telefone tocou. Eu sabia que a menina lá fora na frente estava ocupada. Eu podia ouvi-la falar com um cliente. Então eu deixei cair a etiqueta com a qual eu estava trabalhando e corri para atender o telefone. Era uma das meninas que tinham estado aqui ontem que ajudei a arrumar uma roupa. A notícia tinha se espalhado em torno de que os sucessos de moda da Rimmel foram porque eu estava pegando suas roupas. Ocasionalmente, alguém iria entrar e me pedir para pegar coisas para elas também. Era divertido, então eu fiz isso. De qualquer forma, eu coloquei uma saia de lantejoulas totalmente adorável com meias pretas e um top de seda porque ela queria algo para vestir em algum jantar chique que seus pais estavam tendo no feriado. Ela adorou, mas não tinha dinheiro suficiente. Então, eu prometi que ia segurar por um dia para que ela pudesse conseguir o que ela precisava e voltar.


"Ivy está aí?", perguntou ela depois da minha habitual saudação. "Sou eu!" "Aqui é Sarah. Eu fui aí ontem", disse ela. "Ei, menina, você vem de volta para a roupa? Ela está esperando aqui." Olhei por cima do meu ombro e vi que estava pendurada atrás do balcão. "Eu não posso", ela praticamente lamentou. "Minha carona totalmente me deu o bolo, e está muito, muito frio demais para eu andar até aí. Você pode segurá-la até amanhã? " Eu fiz um barulho. "Eu sinto muito. De acordo com nossa política, só podemos manter as coisas durante vinte e quatro horas". Ela agiu como se sua vida tivesse acabado. Eu tive de reprimir uma risada. "Certo", eu disse depois que eu me recompus. "Que tal eu levá-la para o dormitório? Como um serviço de entrega. Você tem o dinheiro para a roupa?" Eu li seu total apenas para ter certeza. "Sim! Eu tenho aqui." "Certo, qual o dormitório?" "Cypress Hall. Segundo andar, sala 202." Rimmel e eu costumávamos viver no segundo andar, e isso me fez sorrir. "Eu conheço o lugar. Eu estarei aí daqui a pouco!" Depois que desliguei, eu disse às outras duas meninas onde eu estava indo e me ofereci para fazer uma parada para o café enquanto eu estava fora. Estava frio hoje, perto de zero grau. Eu me embrulhei no meu casaco xadrez cor de ervilha e corri para o meu carro, grata que eu estava usando botas hoje. Levou apenas alguns minutos para chegar em Cypress Hall, e no segundo que entrei, lembrei-me de toda a diversão que estávamos habituados a ter aqui. Missy tinha sido parte de quase tudo. Afastando o pensamento, peguei a bolsa de roupas com o logotipo da boutique sobre ele e corri para a porta. Uma das moradoras estava saindo, e ela me deixou entrar, então eu não tive que ficar lá e esperar por Sarah.


Eu vi algumas meninas que eu conhecia, então parei para dizer oi (não parar seria rude) e depois passei por umas poucas que só queriam olhar para mim e sussurrar. Você acharia que as pessoas já teriam esquecido tudo isso a essa altura. Xi!! Será que a Alpha U não tinha uma nova vagabunda no campus ainda? Ugh. Ser chamada de vagabunda tinha sido quase pior do que dormir com Zach. Inferno, pelo menos eu não podia me lembrar um pouco disso. Quando eu passei por todas as pequenas Senhoritas Fofocas no andar, dei-lhes um sorriso brilhante e um aceno. Elas só olharam de volta. Corri até as escadas como se eu tinha feito milhares de vezes antes e empurrei a porta para o segundo andar. No segundo que eu estava dentro do corredor, eu parei. Missy estava lá. Seu quarto era um dos mais próximos para a escada. Bem, eu achava que era o quarto dela, porque ela estava de pé na porta semiaberta, olhando para alguma coisa. Seu cabelo estava em um rabo superculto (e eu, a contragosto, admito, bonito) rabo de cavalo, e ela estava usando calças de yoga e uma camiseta de manga comprida. Eu hesitei, porque ela ainda não tinha me visto, e eu realmente não queria que ela me visse. Eu não estava com vontade de lidar com Missy hoje. Na verdade, nenhum dia. Especialmente aqui, onde ela fingia ser minha amiga. Vi quando ela se abaixou para pegar o que ela estava olhando. Era uma única rosa vermelha. Ela a colocou no nariz e inalou, um pequeno sorriso brincando em seus lábios. Em seguida, ela puxou-a para trás e olhou para a etiqueta simples pendurada em seu caule. O que quer que ela leu lá a fez sorrir um pouco. Então ela a cheirou novamente.


Deus, ela tinha um namorado? Eu totalmente me senti mal por ele. Alguém deveria avisá-lo. Pobre rapaz ia acabar sendo o assunto do Buzzfeed. Mas espere? Missy tinha um namorado? Não parecia certo. Aquele dia no campus quando trocamos frases hostis, ela ainda parecia com ciúmes de Braeden e eu. Uma menina que estava feliz e no amor não iria ter ciúmes do relacionamento de alguém. Teria? Será que ela tinha um admirador secreto? Devo ter ficado ali olhando muito tempo porque ela se virou na minha direção e nossos olhos bloquearam. A surpresa dançou em seu rosto, e ela abaixou a rosa um pouco, então ficou contra o peito. Limpei a garganta e comecei a me mover. Que azar o meu, o quarto que eu ia entregar era a apenas duas portas do dela. Esta ia ser a última vez que eu me ofereceria para fazer uma boa ação e entregar uma roupa. Eu andei passando por ela, sem uma palavra, e ela me olhou descaradamente. Bati na porta e em dois segundos, ela se abriu e Sarah estava lá com um sorriso enorme no rosto. "Obrigada, obrigada, obrigada!", exclamou e lançou os braços em minha volta para um grande abraço. Eu ri. "De nada." Ela se recuperou e levou a bolsa de roupa para a cama. "Deixe-me pegar o dinheiro", ela cantou. Ciente de Missy ainda olhando, dei um passo um pouco mais dentro do quarto. Sarah me entregou a quantidade exata que devia, e eu lhe entreguei um recibo. Ela prometeu voltar após o feriado para pegar mais algumas roupas, e ela prometeu que desta vez ela teria mais dinheiro. Depois que nós conversamos por alguns minutos sobre quais sapatos dela ficariam melhor com a saia, eu dei adeus e voltei atrás para fora do quarto, fechando a porta atrás de mim.


Havia algumas meninas mais no corredor agora. Senti-me observada, e isso me fez assim incrivelmente feliz que eu não morava mais aqui. Missy ainda estava de pé na soleira da porta, como se estivesse esperando por mim. Dei uma olhada nela e, em seguida, comecei a andar. "Oi," ela disse como se eu fosse sua amiga e ela estava feliz em me ver. "Oi," eu repeti num tom bem menos entusiasmado. "Você tem um minuto para conversar?" Eu parei no meu caminho, consciente de que algumas pessoas estavam nos observando. Percebi, então, as pessoas provavelmente se perguntavam por que nós não saíamos mais. Eu me perguntava como ela explicou isso por aqui. Eu me perguntava se o #BuzzBoss sempre teve alguma dúvida sobre isso, já que ele era tão "em cima" e "por dentro " da fofoca. "Não posso", eu disse bruscamente. "Eu estou atrasada." "Você trabalha lá?" "Sim", eu respondi. Como se ela não soubesse. Eu empurrei a porta e fui para a escada. Por alguma razão, eu senti falta de ar, e eu me encostei na parede e chupei um pouco de ar. A escada era sempre mais fria do que o piso neste lugar. Provavelmente porque havia muitas aberturas de calor aqui e este antigo edifício tinha má circulação. A iluminação aqui era uma espécie de porcaria também, algo que todo mundo sempre se queixou, mas ninguém nunca consertou. Mas o frio fez bem contra minhas bochechas aquecidas. Incomodavame que me incomodou falar com Missy. Talvez eu devesse confrontá-la. Dizer a ela a cadela que eu pensava que ela era e quão terrível sua traição tinha sido. Talvez evitar esta situação só foi tornando mais difícil de superar. Eu tinha dito a Braeden falar com seu pai. Não porque ele pediu, mas porque seria bom para ele.


Não era esse o mesmo tipo de conceito aqui? O meu conselho não se aplicava em minha própria situação? Às vezes, só me surpreendia como a vida linear, por vezes, poderia ser. Todos tinham suas batalhas. Muitas vezes, elas não eram tão diferentes como todos as outras. Assim como um presente de Natal. A maioria das pessoas os recebia, mas elas raramente pareciam os mesmos. Claro, todo mundo gostava de presentes. Ninguém gostava de uma pessoa terrível. Eu bufei e me lembrei de novo de Rimmel. Eu ri e o som flutuou para a escada, ecoando um pouco. Você sabe o que? Dane-se isso. Ela que se dane. "Só confrontá-la", eu disse em voz alta, um impulso sonoro para me virar. Eu parei a meio caminho descendo as escadas e me virei. Havia dois lances de escada entre cada andar, e eu estava no topo de um fundo. Com efeito, eu caminhei de volta, batendo um pouco, porque isso me fazia sentir tipo selvagem. (Você sabe que faz.) Eu estava quase à porta, estendendo a mão para a maçaneta, quando ouvi um som. Fraco. Evasivo. Assustador. Fiz uma pausa, mas não me virei. Ouvi, pensando que tinha sido apenas a minha imaginação. Acima de mim, havia uma leve briga. Como se alguém estivesse em cima da aterragem seguinte. Era provavelmente alguém descendo as escadas, provavelmente, um cara que não deveria estar aqui e estava rastejando ao redor para que não fosse pego. Revirei os olhos com o pensamento e comecei a avançar novamente. "Ivy…"


Mas. Que. Inferno? Será que alguém apenas sussurrou o meu nome? Eu estava ouvindo coisas? Virei-me tão rápido que meu cabelo virou antes de mim e me bateu na cara. Ele ficou preso no meu gloss, e eu cuspi um pouco e usei a minha mão para puxar tudo para fora do meu rosto e limpar a minha visão. Ele estava de pé no patamar da escada. Seu corpo estava apenas um pouco na sombra, mas seu rosto, muito mais pálido do que o resto do corpo, era inconfundível. Engoli em seco, o som saltando fora das paredes e pressionando em mim. Era um rosto que eu conhecia bem. Um que eu pensei que nunca teria que ver novamente. "Zach," eu resmunguei, minha mão indo até o pescoço. Ele sorriu. Isso é tudo o que ele fez. Ele ficou ali, nas sombras, parecendo um fantasma, e sorriu. Ele tinha esse olhar em seus olhos, o tipo que os assassinos sempre usavam nos filmes. Eu pisquei, pensando que era apenas minha imaginação. Que minha mente estava jogando algum tipo de piada cruel comigo. Mas ele ainda estava lá. "Eu senti sua falta", disse ele. Sua voz era tão baixa que tive que me esforçar para ouvir. Minha pele se arrepiou e um suor frio brotou na minha testa. Completamente horrorizada, corri através da porta e invadi o corredor do segundo andar. Missy estava lá conversando com algumas outras meninas. Eu tropecei e me encostei na parede, tentando recuperar o fôlego e tentando limpar o som de sua voz rouca da minha cabeça. Eu ainda posso ouvi-lo respirar. Era um som horrível. Por que estou ouvindo isso? Ele não tinha respirado assim agora. Eu estou ficando louca.


Não. Eu estou ficando louca oficialmente. "Ivy?", disse Missy bem ao meu lado, a voz baixa e totalmente preocupada. "Você está bem?" "Ele está lá dentro." Engoli em seco. "Quem?" Seus olhos foram para a porta. "Ele." Ela parecia apavorada, e antes de eu perceber com quem exatamente eu estava falando e que não éramos mais BFFs, ela empurrou a porta e entrou na escada. Corri atrás dela, a palavra não se formando em meus lábios, mas sem realmente sair. Eu derrapei até parar atrás dela. Seus olhos encontraram os meus por cima do ombro. "Havia alguém aqui?" Confusa, eu olhei para onde Zach estava parado. As sombras eram apenas isso, o espaço escuro, vazio, sem o cara louco escondido. Alívio absoluto surgiu através de mim, mas também constrangimento. Eu me endireitei e me certifiquei de olhá-la nos olhos. "Apenas algum cara de foda correndo para baixo, tentando não ser pego." Seus olhos se estreitaram como se ela não acreditasse em mim. "Um cara de foda te assustou?" "Seu lixo estava batendo no vento. Ele precisava de algum ar. E um pouco de creme de espinha." Eu fiz uma careta. Isto não era mesmo difícil. Era um pensamento desagradável. Missy fez uma careta também. Se isso tivesse acontecido no semestre passado, nós teríamos rido tanto. Mas não aconteceu. "Talvez você devesse colocar um aviso. Dar algumas dicas de aparência e higiene masculina," eu disse sarcasticamente.


Seus olhos endureceram como se ela também lembrasse que não éramos amigas. Desci as escadas e para a calçada. Eu não relaxei até que eu estava no meu carro com as portas trancadas. Eu procurei todas as pessoas caminhando, os arbustos, e até mesmo os carros estacionados. Ninguém sequer remotamente parecia Zach. Além disso, era impossível que ele estivesse aqui. Ele estava preso. Condenado e preso no hospício pelo que ele fez para Romeu e Rimmel. Ninguém iria deixá-lo sair. Especialmente um médico treinado. Eu me inclinei para trás e deixei o meu corpo relaxar. Minha mente estava pregando peças em mim. Provavelmente porque eu estava de volta ao dormitório, no andar onde eu tinha feito o erro enorme de dormir com ele. Gostaria apenas de nunca mais voltar aqui novamente. Problema resolvido. Eu liguei o carro e o apontei na direção do café perto da boutique. Não haveria qualquer café para mim esta noite. Eu não precisava da cafeína. Eu pegaria um chá verde e espero que como o inferno as ervas calmantes me convencessem de tudo o que eu apenas disse a mim mesma.


CAPITULO trinta e dois Relatos de duas amigas anteriormente chegadas, agora não em condições de se falarem, flagradas tendo uma conversa tensa nos dormitórios. #SeráQueO13FicouEntreElas #PiranhasSobreIrmãos #BuzzBoss

B RAEDEN Eu não era muito de um procrastinador. Exceto, talvez, quando era sobre dever de casa. Mas mesmo assim, quando a merda precisava ser feita, era feita. Eu tinha tentado adiar isso desde o final do último semestre. Eu usei cada desculpa sob o sol para evitá-lo. O tempo estava passando. Minha mãe me lembrava quase cada vez que conversamos. As palavras que Ivy falou na noite na caminhonete me assombravam. Eu sabia o que tinha que fazer. Era a coisa certa. Às vezes a coisa certa era uma droga. Peguei o telefone e disquei o número que mais ninguém sabia que eu tinha memorizado. Talvez eu tenha procrastinado em ligar para meu pai, mas eu pensei muito sobre isso. Tanto é assim que o número estava queimado em meu cérebro e provavelmente seria para sempre. Ele tocou tanto tempo que eu comecei a pensar que ele não ia responder. Bem quando eu puxei o telefone longe para terminar a chamada, ouvi uma voz que vinha do outro lado.


"Braeden?" Eu hesitei, em seguida, coloquei-o de volta para o meu ouvido. "Como você sabia que era eu?" "Você é a única pessoa que tem esse número." Eu deveria me sentir honrado? Tudo o que eu sentia era tristeza e vergonha. Tristeza, que ele não tinha mais ninguém a quem dar o número, e vergonha, porque eu pensei que talvez ele merecesse. "Eu pensei sobre o que você disse." Eu fui direto ao ponto. "Se você ainda quiser conversar, eu estou pronto." "Eu estive esperando por você para ligar. Esperando que você ligaria. Eu estou no hospital. Já estive aqui por um tempo agora." Eu não deveria sentir algum tipo de emoção quando eu soube que meu pai estava provavelmente no hospital e estaria lá até que ele morresse? Eu não senti. Tudo o que eu sentia era o vazio. "Em que andar?", eu perguntei, minha voz baixa. Ele me disse, e então eu desliguei sem dizer adeus. Eu não liguei o rádio no meu caminho para o hospital. Eu dirigi em silêncio. Eu pensei sobre quando ele morava com a gente. Tentei lembrar apenas uma feliz memória que tive com ele. Um jogo de beisebol. Uma piada pateta. Um momento em que ele me deu um abraço de boa noite. Eu procurei e procurei na minha memória. Tudo o que eu poderia encontrar era dor e medo. Ele estava morrendo e não havia um único momento com ele que me faria lamentar. Os corredores cheiravam a produtos de limpeza e aos moribundos. Lembrei-me do cheiro bem de quando eu costumava me sentar ao lado da minha mãe quando eu tinha apenas 10 anos de idade. Hospitais sempre trouxeram de volta aquelas memórias para mim; elas eram um lembrete constante do momento mais aterrorizante da minha vida. Se o pai de Romeo não entrasse em cena com os tribunais, eu poderia ter sido perdido para o sistema para sempre, apenas um número em um pedaço de papel, uma alma esquecida em um mundo quebrado.


Graças a Deus por Anthony. Ele foi quem projetou o negócio que se minha mãe desse queixa contra o meu pai e o trancasse longe, eu poderia voltar para casa. Eu cheguei ao seu quarto. A porta estava aberta e os sons baixos da televisão flutuavam para o corredor. Enfermeiros se movimentavam ao redor, entrando e saindo dos quartos dos pacientes, carrinhos silenciosamente com suprimentos médicos. Eu pairei na porta, olhando para a cama de solteiro no quarto. Ele estava deitado no centro, uma colisão nos cobertores, parecendo muito menor do que eu jamais lembrava dele estar. Ele virou a cabeça e olhou para mim. Olhamos um para o outro por um longo tempo. "Você vai entrar?", perguntou. Sua voz levemente áspera como uma lixa, não alta e áspera como antes. Entrei no quarto e caminhei para a cama, mantendo as costas um par de pés. Eu não tinha vontade de chegar muito perto dele. Ele pareceu frágil e fino. Fraco. Seus olhos estavam afundados e anéis escuros alinhavam seu perímetro. Seu cabelo uma vez escurão estava quase completamente desaparecido, apenas alguns tufos de penugem agarrados ao seu couro cabeludo em um valente esforço para se segurar. Sua pele parecia de papel fino e seco. Eu podia ver as veias azuis por baixo, dando à superfície um elenco insalubre cinza. Seus ombros ainda estavam bastante amplos contra o colchão, mas eles pareciam fora de proporção com o resto de sua estrutura óssea. Os cobertores foram puxados para cima passando seu peito, e o que eu podia ver estava coberto de um vestido do hospital azul e branco genérico. Eu sabia que o câncer era uma doença detestável. Eu sabia que silenciosamente, lentamente matava suas vítimas. E meu pai estava definitivamente morrendo. Parecia que para ele era quase difícil de viver. Eu não gostava de meu pai, mas eu sequer desejaria o que ele estava sofrendo. "Obrigado por ter vindo", disse ele quando eu apenas estava lá e olhei. "Eu não fiz isso por você", eu respondi. "Eu fiz isso por mim."


"E isso é bom." Ele acenou com a cabeça uma vez. " Isso me dá a chance de dizer o que eu quero dizer. E aí você pode dizer o que você veio aqui para dizer". "Eu não acho que você vai gostar do que eu vim para dizer." Eu não poderia mesmo lançar as palavras da maneira sinistra que eu as entendia. Por muitos anos, eu odiei meu pai. Eu carreguei uma tocha de raiva onde quer que eu fui. Mas agora, aqui de pé e olhando para baixo sobre um homem morrendo, tudo o que eu podia sentir era tristeza. "Como é saber que você está morrendo e você afastou cada pessoa que poderia me importar?" Eu perguntei quase sem pensar sobre isso. Não era uma coisa muito agradável para dizer, mas eu não estava aqui para fazer minhas palavras todas bonitas. "O maior arrependimento de toda a minha vida é que eu alienei você. Que eu não fui o pai que eu deveria ter sido." "E quanto a mamãe?", perguntei, meus punhos cerrados em meus lados. "E quanto ao marido que você deveria ter sido para ela?" "Sua mãe não merecia qualquer coisa que eu fiz para ela." Eu fiz um som de escárnio. "Você sabe, é tão fácil deitar aí no seu leito de morte e se desculpar por toda a merda que você fez. Você me chama, me implora para vir. Você quer o meu perdão. Você quer morrer em paz. Bem, por que diabos você deve conseguir isso? E quanto a nós? E sobre as pessoas que ficaram para trás? Nós temos que viver com o que fez. Todo dia." "Eu não espero que você me perdoe, filho." "Não me chame assim," eu mordi fora. "Eu só queria te ver. Eu queria que você soubesse que você merecia algo melhor do que aquilo que eu te dei. Eu não posso compensar todos esses anos, mas posso lhe dar este momento para deixar sair todo o ódio que você tem por mim. Talvez isso vá fazer o resto de sua vida um pouco mais pacífica". Eu esfreguei a mão no meu rosto e me sentei em uma cadeira próxima. "Eu pensava que eu te odiava. Durante anos e anos, apenas o pensamento em você me fez louco. Mas eu não odeio você. Eu não tenho espaço para isso como eu costumava ter. Eu sinto muito por você. Sinto


muito que você perdeu a sua vida no fundo de uma garrafa, tirando quaisquer demônios que você tinha em uma mulher inocente e criança". "Você é muito mais forte do que eu. Melhor." Eu ri. Era um som áspero. "Sabe quanto tempo eu vivia com medo de que eu ficasse igual a você? Quando eu olho no espelho, alguns dias foi você que eu vi." "Por isto eu sinto muito." Eu bufei. "Eu não posso perdoá-lo. Eu não vou. Você levou minha infância. Você a transformou em um pesadelo. Eu não tenho ninguém, nem mesmo uma pitada de uma boa memória com você nela. Eu costumava deitar na cama à noite e desejar que você mudasse. Eu costumava assistir Romeo com seu pai e me perguntar por que o meu não me amava assim. Eu pensei que era minha culpa que você me odiava". "Eu não odeio você, Braeden." Eu pensei que eu vi lágrimas em seus olhos, mas eu ignorei. Eu não estava dizendo essas coisas para feri-lo. Se ele ficou ferido, foi porque ele sabia que o que eu disse era verdade. "Talvez não. Mas você com certeza não me ama. Você provavelmente nunca o fez." "Eu costumava deitar na cama à noite e desejar que eu fosse muito melhor. Eu sou uma pessoa fraca. Uma triste desculpa para um homem. Eu vivia pela garrafa, e, no final, eu vou morrer por ela." Eu fui para a janela do outro lado da sala e olhei para fora através do estacionamento frio cheio de carros. Era bom dizer estas coisas, os pensamentos que retornaram ao redor dentro de mim por tantos anos. Mas era também difícil porque ele só martelava que ele nunca seria o homem que eu queria que ele fosse. Nunca. "Eu estou orgulhoso de você, Braeden." Eu endureci com as suas palavras e não me virei. "Você é mais de um homem em seu dedo mindinho do que jamais fui. Você teve sucesso na vida, apesar de como eu te tratei. Você está na faculdade. Eu vi você jogar bola. Você é bom, filho. Você é tão bom."


Eu não precisava de seu orgulho. Eu não queria isso. Mas ainda assim, ouvi-lo dizer essas palavras... isso significava alguma coisa. Atrás de mim, uma enfermeira entrou no quarto. "Hora do seu medicamento", disse ela. Sua voz falhou quando viu que não estava sozinho. Virei-me da janela. "Oh, você tem um visitante." A surpresa em sua voz não foi perdida por mim. "Este é meu filho", disse ele, e os olhos da enfermeira se arregalaram. "Eu não sabia que você tinha família." "Ele não tem", eu disse. A enfermeira ficou desconfortável e se apressou em dar-lhe suas pílulas. Olhei para as máquinas ligadas a ele, no IV gravado na parte traseira de sua mão, enquanto verificava algumas coisas e, em seguida, sem olhar para trás em mim, saiu da sala. "Não vai demorar muito agora", disse ele. Uma tosse sacudiu seus pulmões. Eu andei para o lado da cama e olhei para ele. "Eu espero que você tenha um pouco de paz na morte, porque você com certeza não teve nenhuma em vida." "Eu acho que talvez eu finalmente vou", disse ele. Seus olhos se fecharam por longos minutos. Meu peito apertou. Isto era difícil. Um inferno de muito mais difícil do que eu esperava mesmo que fosse. Eu não queria sentir a tristeza que ele estava morrendo. Eu não queria sentir nada. Eu queria aquela sensação de vazio de volta. Eu não queria sentir compaixão. "Eu tenho que ir", eu disse. Ele balançou a cabeça como se ele sabia que estava chegando. "Obrigado por ter vindo. Por me dar a chance de ao menos dizer o quanto estou triste." O músculo do lado da minha mandíbula saltou.


"Eu sei que você vai fazer grandes coisas, filho." Ele tossiu novamente. "Não graças a mim". Eu iria, e apenas porque eu ia lutar como o inferno para não terminar como ele. "Adeus, pai," eu disse. Ele sorriu melancolicamente. "Adeus, meu filho." Olhei para ele por mais um momento, e depois eu saí. No corredor, eu respirei fundo. Meu peito doía, meu estômago estava apertado. Foi bom que eu tive que dizer as coisas que eu queria. Foi bom que eu tive a chance de dizer adeus. Eu só desejava que não doesse ruim pra caralho.


CAPITULO trinta e tres #Eca Dicas de aparência para homens: Se você quer continuar recebendo #BootyCalls, higiene é uma obrigação. #EuRecomendoUmAr #OuUmBarbeador #NinguémQuerVerAquiloTudo #BuzzBoss

I VY O #BuzzBoss estava aí novamente. Eu deveria ter sabido que o meu encontro com Missy anteriormente iria acabar no Buzzfeed. Duas vezes. A primeira era realmente de se esperar. Afinal, como eu fiquei ali falando com ela no corredor, eu me perguntei quantas pessoas se perguntaram por que a nossa amizade, basicamente, foi extinta. Eu estava apostando que muito. Se eu fosse uma mulher de apostas, eu apostaria que cada menina que testemunhou a nossa troca tinha enviado algum tipo de informação ao #BuzzBoss. Isso forçou a mão de Missy. O que, francamente, eu achava que era poético. Ela foi obrigada a fazer um buzz sobre ela mesma. Especulando sobre o nosso relacionamento, ou a falta do mesmo. Mas não foi essa notificação que chegou a mim. Era de se esperar. Foi o que veio depois.


A recontagem da conversa que tivemos na escada. Colocou-se um zumbido sarcástico sobre os homens e sua higiene. Assim como eu sarcasticamente sugeri. O que isso significava? Era sua maneira de me mostrar que podia fazer o que queria, uma espécie de tapa na cara? Ou… Era sua maneira de tentar recapturar o segundo que esquecemos que não éramos amigas? Nestas horas, eu desejei que eu ainda tivesse cinco anos e minha maior preocupação era o que meus irmãos iam se esconder na minha cama. Felizmente, eu não tinha muito tempo para pensar nisso porque tínhamos estado ocupados. Estava finalmente chegando a hora de fechar, e eu me ofereci para ser a única a fechar, assim todo mundo podia ir. Ir para casa e repetir o momento em que eu pensei que eu vi Zach não era exatamente o ponto alto na minha lista de coisas a fazer. Depois que eu mandei uma mensagem a B para dizer a ele que eu estava fechando, eu andava para endireitar todas as joias. Eu encontrei uma peça que seria perfeito para uma das roupas que eu escolhi para Rimmel, então eu carreguei atrás do balcão e escavei em torno de uma bolsa de joias de malha para colocá-la. A campainha da porta tocou, e meus ombros caíram. Eu estava pronta para ir. Quando eu vi quem era, eu não me incomodei em esconder meu aborrecimento. "Por que você está aqui?" "Você me conhece. Eu amo comprar", disse Missy. Ela ainda estava usando as calças de yoga e a camiseta de antes. "Na verdade, eu não sei", eu refutei. "Eu fecho em dez minutos, então compre rápido." Surpreendentemente, ela não disse mais nada. Ela apareceu em volta e começou a encher os braços com roupas. "Talvez você devesse voltar amanhã, quando você tem mais tempo. E eu não vou estar aqui."


Ela nem sequer olhou para cima. "Mas estou aqui agora." Algumas pessoas só precisavam ser atingidas na cabeça com uma cadeira. Poucos minutos depois (e exatamente três minutos até a hora de fechar), ela entrou no vestiário e puxou a cortina pesada e fechou. Suspirei. Alto. Ela estava fazendo isso totalmente de propósito. "Eu queria que você soubesse", disse ela, falando através da cortina, "Eu precisei colocar aquela notificação. Aquela sobre nós". "Sim, você só precisou," eu disse, sarcástica. "Eu não espero que você entenda. Mas ser o #BuzzBoss é importante para mim." A cortina se abriu e ela saiu em uma das roupas. Ela caminhou até o grande espelho para olhar para si mesma. "Você está gorda", eu disse, sem graça. Ela me deu um olhar fulminante. "Isso foi infantil." "Oh? Talvez eu devesse te envergonhar como vagabunda na frente de todo o campus ao invés disso." Ela marchou de volta para o vestiário e puxou a cortina fechada. Eu sorri, pensando que ela sairia. Poucos minutos depois, ela saiu vestindo outra roupa. Era um vestido preto com um decote baixo, bainha alta e mangas Glamour. Missy definitivamente tinha o corpo para ele. Suas pernas ficaram por milhas e ela não tinha muito peito para parecer ofensiva. Se eu fosse boa, eu diria que parecia ótimo e recomendaria um colar para ir com ele. Eu não estava me sentindo muito agradável. "Eu não vim aqui para experimentar as roupas", disse Missy. Eu só olhei para ela. Eu estava cansada e queria ir para casa. "Era a única maneira que eu sabia que você ia falar comigo. Você me fechou completamente para fora em todas as tentativas". Eu fiz uma careta. "Você honestamente pensou que eu iria esquecer tudo o que você fez?"


"Não, mas eu achei que você ia me deixar pedir desculpas." "Isso é a coisa mais estúpida que eu já ouvi." Em uma voz zombeteira, eu continuei. "Ei, deixe-me totalmente humilhar Ivy, chamá-la de vagabunda, transformá-la em uma piada, e depois pedir desculpas. Ela é tão burra que ela vai rir e dizer que está tudo bem". "Não foi assim", ela exigiu. "Não? Então o que foi?" Sua voz caiu e mágoa nublou suas palavras. "Eu vi você." "Você me viu o que?" Eu não ia cair no seu triste ato. "Lembra daquela noite quando você ficou na casa de Romeo com Rimmel? Ele estava fora da cidade e eu tive que ir praticar? Era para eu chegar tarde para que pudéssemos todos sair, ter uma noite de menina". "Você nunca apareceu." Eu apontei. "Sim, eu apareci." Ouvi atentamente. "Eu estava muito atrasada, mas fui assim mesmo. Quando cheguei lá, eu olhei pela janela e vi você, com Braeden". Isso deve tê-la machucado. Deve ter sido difícil de ver. "Então você decidiu postar fotos minhas seminua no Buzzfeed da faculdade? Me chamar de vagabunda?" "Eu estava tão louca, Ivy. Eu estava tão ciumenta que eu não podia ver direito". "Bem, você viu bem o suficiente para escrever." "Lamento o que eu fiz para você. Nunca tive a intenção que isso acontecesse. Nunca planejei deixar isso sair." Eu fiz uma careta. "Deixar o que sair?" Ela endureceu e se voltou para o espelho. "Quão irritada e com ciúmes que eu estava. Eu não podia acreditar que você iria dormir com ele. Você sabia que eu estava apaixonada por ele." Ela era apaixonada por ele.


O pensamento me fez mal ao meu estômago. Não porque eu tinha "ficado" no caminho do relacionamento dela, mas porque eu o amava. Ele era meu. "Eu nunca quis te machucar. Eu me angustiei sobre aquela noite na praia durante semanas. Eu bati em mim mesma diariamente. Jurei que não iria nunca fazer isso novamente ", disse eu, finalmente, chegando para dizer todas as coisas que eu nunca disse. "Eu tentei dizer-lhe tantas vezes, Missy. Tentei ficar longe dele. Eu não podia. Foi como se uma noite tivesse desencadeado um oceano inteiro de sentimentos dentro de mim. Naquela noite, você nos viu? Essa foi a segunda vez. Não foi planejado, e quando eu acordei na manhã seguinte, eu te disse que ia te contar." "Mas você nunca contou. Você apenas riu atrás das minhas costas". "Eu nunca ri. E eu nunca disse nada porque você começou a colocar todas aquelas notificações. Eu tive que me esconder no meu quarto graças a você. Os olhares ridículos, maliciosos e comentários sugestivos que eu recebi foram inacreditáveis." Ela apenas olhou para mim como se ela estivesse tentando decidir se eu estava mentindo. Eu balancei a cabeça tristemente. "Eu honestamente gostava de você. Você era minha melhor amiga. Eu dormi com Braeden, mas eu nunca, nem em um milhão de anos, teria feito o que fez. " Missy voltou para o vestiário e se escondeu atrás da cortina. Talvez isso significasse que ela tinha terminado de falar. Mas eu não tinha. "E quanto a Rimmel? Todas essas coisas que você disse sobre ela. Você a chamou de #nerd. Esse nome colou, você sabe." "Por favor", ela cuspiu. "Ser um #nerd não é um insulto. Isso a fez legal." "E quanto às notificações quando você disse que as pessoas devem manter seu círculo, quando você insinuou que Rimmel não era boa o suficiente? Gah! Então você veio ao nosso quarto e sorriu para ela e agiu como sua amiga. Quando a acusou de plágio em frente de toda a escola? Ela poderia ter perdido sua bolsa de estudos." Ela não disse nada.


"E quanto a Romeo? Você praticamente o fez a estrela do Buzzfeed. Você deu a Zach mais munição para ir atrás dele. Deus, é como se você estivesse obcecada com todos nós!" "Isso não é verdade!", ela explodiu. A cortina não abafou o som de seu grito. Devo ter atingido um nervo. Ela saiu da sala, seu rabo de cavalo, em parte, caindo para fora. Ela estava vestida com suas próprias roupas e segurando o vestido preto. Olhei para suas bochechas vermelhas por um minuto e depois engasguei. Ela me olhou bruscamente. "Era Romeo quem você realmente queria, não era?" Eu cutuquei. "Desde o início do ano de calouro. Você criou todo o persona #BuzzBoss, assim você teria uma razão legítima para assistir a todos os seus movimentos. Então, nós nos conhecemos. Pensei que nos déssemos bem, mas você só saiu comigo, porque eu sempre fui convidada para as mesmas festas que ele". Seu rosto ficou mais vermelho enquanto eu falava. "Então Rimmel apareceu e você não gostou dela. Eu sempre suspeitei, quando eu comecei convidando-a a sentar-se com a gente, que você não gostava dela. Mas, em seguida, Romeo começou a chegar mais ao redor. Gostou dela e isso te deixou louca. É por isso que você postou todas essas coisas sobre ela. Mas saiu pela culatra. Ele caiu de amor por ela de qualquer maneira." "Você está louca", ela protestou. Mas eu não estava. Pela primeira vez em muito tempo, eu sabia que o que eu achava era exatamente correto. "Uma vez que ele se apaixonou, você não tinha escolha a não ser aceitar Rimmel porque agora você estava “na multidão”, 'parte do círculo interno. Meu Deus, você tinha acesso a toda a informação e nós nunca suspeitamos de você!" Eu balancei a cabeça. Ela tinha jogado com todos nós perfeitamente. "E quanto a Braeden?" Eu pressionei. "Ele era o seu prêmio de consolação?"


"Eu me apaixonei por ele," ela sussurrou. "Ele é tão bonito e charmoso. Ele sempre me fez rir, e a maneira como ele me beijou..." Eu fiz um som. Eu não queria ouvir sobre como ela se sentia beijando meu namorado. Eu não me importava que ele foi dela em primeiro lugar. Eu não ia mais me sentir mal. Eu não tinha que sentir alguma coisa sobre ela. Um peso de cem libras foi tirado dos meus ombros. Seu nome era Missy. "Nós machucamos uma a outra. Você levou as coisas longe demais. Sinceramente estou triste como lidei com as coisas com Braeden, mas eu terminei me desculpando com você. Nós não somos amigas. Nós nunca seremos novamente." Seus olhos estavam avermelhados quando eles encontraram os meus. "Ele não é tão perfeito como você pensa." Eu ri. " Você está de brincadeira? É claro que ele não é., mas nem eu sou. Nós somos uma bagunça total, mas juntos, vamos fazer sentido." "Eu me pergunto se você ainda se sentiria assim depois...", ela entoou. Lembrei-me de todas as coisas que ela deu a entender naquela noite em nossa casa. Eu pensei sobre todas as coisas que eu sabia que precisava ser dito entre B e eu. Isso me assustou. Se o que ele tinha a dizer tinha alguma coisa a ver com ela, ia ser ruim. Muito ruim. "Eu acho que é hora de você sair", eu disse. "Eu preciso trancar." "Eu quero comprar este vestido." Ela levantou o tecido preto. "Desculpa. Já fechei o registro. Parece que você vai ter que voltar." "O que você acha que sua chefe diria se soubesse que você estava desistindo de uma venda?" "O nome dela é Monica. Ela estará aqui amanhã às dez. Por que não pergunta a ela quando você voltar para comprar esse vestido?" A boca de Missy abriu e fechou.


Eu andei ao redor do balcão e levei-o para fora de suas mãos. "Espero que ele ainda esteja aqui quando você voltar. Este é o último. Eu mesma o estava admirando mais cedo." Era uma mentira total. Meus peitos estariam caindo em todo o lugar naquela coisa. Se Missy fosse uma verdadeira amiga, ela saberia disso. Em vez disso, ela bufou. "Cadela." Eu sorri docemente. "Só uma cadela pra conhecer outra." Eu fui para a porta e a mantive aberta. "Bem, adeus agora." Ela pisou fora para a calçada e se virou. Eu vi a raia média em seus olhos e sabia que ela estava prestes a dizer algo totalmente prejudicial. Bati a porta na cara dela e a tranquei. Virei as costas e me afastei, colocando o vestido atrás do balcão. Eu estava tentada a levá-lo para casa apenas para que ela não pudesse comprá-lo amanhã. Minha própria desonestidade me impressionou, e vi quando o carro acelerou pela rua fora da vista. O confronto não tinha sido tão duro quanto eu esperava, e acabou que eu tinha muito mais a dizer a ela do que eu pensava. Fui para a parte de trás e empilhei ordenadamente as placas que eu tinha feito e, em seguida, mudei algumas caixas de inventário para o outro lado da sala. Eu estava puxando meu casaco quando ouvi um som fraco na frente. Eu congelei. Eu realmente precisava parar de ouvir e ver coisas. Este não era um filme de Stephen King. Eu não era uma virgem e a primeira a morrer. Eu não ia me esconder como uma donzela em perigo, então eu peguei minha bolsa e segurei-a diante de mim como uma arma. Ei, era pesada. Eu poderia perfeitamente acertar alguém se eu precisasse. "Yo, Ives!" Drew gritou. "Onde você está?"


Eu afrouxei o aperto na minha bolsa e caí um pouco. Eu estava totalmente contente que era meu irmão. "Oi!" Eu chamei e saí para a sala principal. "O que você está fazendo aqui?" "Braeden me pediu para te encontrar, assim você não estaria sozinha para trancar." Claro que ele pediu. Eu não poderia sequer ficar com raiva porque era totalmente doce que ele pensou em mim o suficiente para pedir para Drew estar aqui. "Onde está B?", eu perguntei. "Não sei. Disse que tinha um lugar para estar e que ligaria para você em breve". Fechei meu braço em torno do meu irmão e o virei em direção à porta. "Vamos, vamos." Demos dois passos quando eu parei. "Espere." Ele olhou para mim. "Como você entrou aqui?" Ele olhou para mim como se eu tivesse três cabeças. "Uh, a porta da frente." "Eu tranquei." Ele franziu a testa. "Estava aberta quando cheguei aqui." "Não. Eu tranquei." Vendo que eu estava cem por cento positiva, ele libertou seu braço e foi até a porta, abriu-a, e testou o bloqueio várias vezes. "Bem, isso não parece estar quebrado. Tem certeza de que trancou? Talvez você apenas pensou que você fez." "Talvez," eu repeti. Eu estava cansada, e eu estava ansiosa para ficar longe de Missy. Isso me fez lembrar do vestido. Eu estava levando-o totalmente para casa. Eu não me importava se era pequeno demais para mim ou não. Coube bem nela. "Eu esqueci alguma coisa", eu disse e corri ao redor do balcão para onde eu deixei o vestido. Ele tinha desaparecido.


CAPITULO trinta e quatro Espelho, Espelho meu Quem é o melhor #BuzzBoss do que eu? #BuzzBoss

B RAEDEN Já era tarde quando eu finalmente entrei em casa. Gizmo veio correndo até mim, saltando sobre suas pernas traseiras e descansando as patas dianteiras na minha perna. Eu sorri, pela primeira vez desde que eu tinha ido para o hospital, e me curvei para pegá-la. "Ei, Giz". Ela lambeu meu rosto umas cem vezes. Sua pele era macia e sedosa, sua cauda abanando cerca de uma milha por minuto. Hoje, ela estava usando uma camiseta branca com enfeites rosa e um colar de strass rosa para combinar. Depois que eu alisei atrás das orelhas por alguns minutos, eu a coloquei para baixo e ela correu fazendo círculos em volta dos meus pés. Eu ri e tentei não pisar nela enquanto eu ia para a cozinha, onde eu vi um brilho suave de luz em cima da pia. Ivy estava sentada sozinha na ilha, uma tigela de sorvete na frente dela, O cabelo empilhado em cima de sua cabeça, e meu nome e número escrito nas costas. Apenas a visão dela aliviou tudo dentro de mim.


"Que tá fazendo'?", perguntei, aproximando-me inclinando-me para descansar meu queixo em seu ombro.

atrás

dela

e

"Afogando minhas mágoas em gordura e calorias." "Uh-oh." Eu a levantei e deslizei debaixo dela, encaixando-a direto em meu colo. Olhei na bacia de sorvete de baunilha. "Isso precisa de granulado". "Você comeu todos eles." Incapaz de resistir, eu beijei o lado de seu pescoço. "Qual é o problema, baby?" "Eu tive um encontro com Missy." Sua voz era azeda. "Você deu-lhe o inferno?" Eu a abracei perto. Ela fez um som e colocou a colher na sua boca, puxando-a lentamente. Foi uma distração terrível da nossa conversa. "Onde você estava?", ela perguntou, olhando por cima do ombro. "Eu fui vê-lo." A colher caiu ruidosamente na tigela, e ela a abandonou completamente. Ivy girou em meu colo, para que ficássemos face a face e as pernas estavam ao meu redor. Ela se inclinou um pouco para trás, repousando sobre a borda do balcão, e eu aumentei um pouco meu aperto em sua cintura. "Conte-me", ela exigiu. Eu dei um meio sorriso. "Foi uma droga." Ela assentiu com tristeza em seus olhos. "Eu teria ido com você." Eu balancei minha cabeça. "Era algo que eu precisava fazer sozinho." Além disso, eu não a queria em volta dele. Eu não queria que sua escuridão a tocasse. "Ele pediu desculpas?", perguntou ela. "Eu lhe disse que não poderia perdoá-lo." "O que ele disse?" "Ele me disse que estava orgulhoso de mim." Eu encontrei os olhos dela. "Foi bom ouvir isso."


Ela segurou meu rosto com as mãos e fez um som. "Claro que foi. Você é apenas humano, B. Tudo bem para não gostar dele, mas ao mesmo tempo querer a sua aprovação." Eu não queria isso. Mas talvez, no fundo, eu quisesse. Porra, eu estava confuso. Ivy soltou meu rosto e alcançou atrás dela para a tigela. Ela pegou uma colher de sorvete e a estendeu. Abri meus lábios e o sabor doce, frio deslizou na minha garganta. Ela me alimentou o resto da taça. Nenhum de nós disse uma palavra. Olhei em seus olhos azuis, e, ocasionalmente, ela iria me beijar entre mordidas. Eu a amava. Eu a amava mais que a própria vida. Voltar para casa para ela depois de vê-lo era exatamente o que eu precisava. "Você está feliz que você foi?", ela perguntou, quando a tigela estava vazia e empurrou para o lado. Eu pensei por longos minutos e depois acenei com a cabeça uma vez. "Sim." Foi bom para fechar a porta a essa parte da minha vida. Foi bom saber que eu disse tudo o que eu queria dizer. "Quer ir fazer sexo?", ela sussurrou. Meu sorriso foi rápido. "Achei que você nunca iria perguntar." Deixamos a tigela no balcão, e eu a levei até as escadas. Seu riso era exatamente o que eu precisava. Seu toque era o que eu queria. Enquanto eu tivesse Ivy, todo o resto era apenas detalhes.


CAPITULO trinta e cinco

#DuraVerdade Algumas Garotas usam maquiagem por diversão. Outras a usam para esconder sua feiura. #BuzzBoss

I VY Eu não contei a Braeden sobre o vestido. Sobre os barulhos que eu continuava a ouvir e a noite que eu pensei que eu vi Zach. Ele já tinha o suficiente acontecendo, e eu não estava cem por cento certa de que eu não estava imaginando coisas.


CAPITULO trinta e seis

#AleatórioMasVerdadeiro São necessárias 600 vacas para fazer valer uma temporada inteira na NFL de Futebol. #BuzzBoss

B RAEDEN O travesseiro embaixo da minha cabeça foi arrancado, e meus olhos se abriram quando a minha cabeça bateu no colchão. "Que porra é essa?", eu gritei, minha voz meio adormecida. "Você está se transformando em uma mulher," Romeo insultou acima de mim. "Deitado na cama no meio da manhã." Eu gemi e olhei para o relógio ao lado da cama. "É seis horas, filho da puta." "Nós temos algumas merdas pra fazer." Ao meu lado, Ivy gemeu. "Faça o homem mau ir embora." "Você é uma má influência," Romeo disse a ela com carinho. "Diga-me outra vez porque nós pegamos quartos conjugados neste hotel?", eu murmurei. "Rimmel!" Ivy gritou. "Pare," Romeo saiu correndo. "Não se acorda a besta." Eu ri.


"Eu vou para o campo. Quero fazer alguns lançamentos, aquecer meu braço antes do jogo mais tarde hoje." Seu primeiro jogo de partida de sua carreira NFL. Estávamos todos na cidade apenas para vê-lo jogar. Ele estava provavelmente animado pra burro. E talvez nervoso. Meus olhos se abriram. "Você quer que eu vá?" "Será que gato gosta de leite?" Ivy gemeu de novo e puxou um travesseiro sobre sua cabeça. Enfiei minha cara abaixo dela e beijei sua bochecha. "Eu vou estar no campo com Rome". "Tchau," ela murmurou. Saltei da cama e agarrei algumas calças de moletom e um capuz. Provavelmente estaria mais frio do que uma teta de bruxa lá fora, mas eu não me importava. Eu tinha que jogar alguns passes com meu melhor amigo, e eu tinha que fazê-lo em um campo onde os Knights jogavam. "Você tem certeza que está tudo bem que estamos fazendo isso?", perguntei a Rome no caminho para o campo. Ele assentiu. "Eu não quero exagerar antes do jogo, mas eu preciso para descomprimir um pouco, você sabe?" Eu sabia. Ele tinha muito em jogo hoje. Se ele não jogasse bem nesta temporada e mostrasse a Ron Gamble que ele poderia ser um trunfo no campo, seu contrato não seria renovado no próximo ano. "Os treinadores vão nos encontrar lá?", perguntei. "Inferno, não. Eu queria algum tempo para jogar, não ser instruído." "Só eu e você, então?" Eu esfreguei minhas mãos juntas. Tinha sido um longo tempo desde que eu e Rome tínhamos nos aquecido no campo. Ele ofereceu o punho e bateu para fora. O campo onde os Knights praticavam era muito parecido com o da Alpha U. Eu não era um estranho para um campo de futebol, nem mesmo aquele que tinha dinheiro para mantê-lo agradável. Mas havia algo majestoso para mim sobre um campo de NFL. Mesmo que fosse o lugar apenas para praticar. Eu amei este lugar no início da manhã. Ele era tranquilo e aberto, repleto de possibilidades e oportunidades.


O ar estava frio, e eu levantei minhas mãos para explodir um pouco de hálito quente sobre elas enquanto eu olhava para fora sobre o verde. Tudo aqui era roxo e laranja em vez de azul e ouro. Uma bola de futebol apareceu na mão de Rome, e ele me deu uma cotovelada. Olhamos um para o outro e depois voltamos para fora no campo. Parecia que estávamos de volta na escola de novo, duas crianças com grandes esperanças, quando nós rimos e correram para o centro. Nós brincamos por um longo tempo, soprando fora o vapor e jogando passes loucos para ver quem poderia pegá-los. Corri um pouco a bola. Era bom para esticar as pernas. Mesmo quando ficamos de bobeira, estávamos em sincronia. Romeo e eu éramos sempre assim no campo. Nós jogamos longe um do outro, como se estivéssemos conectados. Talvez fosse porque fora do campo, estávamos. Eventualmente, a diversão se tornou um pouco mais séria, e me mudei para que ele pudesse me jogar um pouco em espirais. Ele estava com boa aparência; seu braço tinha percorrido um longo caminho. "Ok, cara", ele gritou para baixo do campo. "Vamos mudar. Eu vou jogar com a minha esquerda agora." Dei-lhe o sinal e ele se mudou para um pouco mais, pensando que seu braço esquerdo estava ainda um pouco mais fraco do que seu direito. Seu lance foi forte e reto. Ele bateu-me bem no peito quando eu peguei a bola. "Muito bem!" Eu assobiei. "Você ainda está praticando jogando com o braço esquerdo?" "Inferno, sim", ele chamou. "Eu poderia ser destro, mas eu nunca vou estar na posição de não ser capaz de usar minha esquerda nunca mais". Eu admirava sua atitude. Quando ele quebrou o braço direito, muitas pessoas pensaram que sua carreira tinha acabado antes mesmo de começar. Quão diabos bom era um quarterback se ele não pudesse jogar a bola?


Mas Romeo não desistiu tão facilmente. Ele se tornou um quarterback ambidestro e aprendeu a jogar como um canhoto. Eu pensei que talvez agora que seu braço direito estava se curando muito bem, ele teria se concentrado mais sobre ele. Eu estava errado. Eu deveria ter sabido que ele iria ter certeza que ele nunca perderia a habilidade de canhoto. Nós jogamos por mais algum tempo, e depois mudamos para mais perto, então ficamos conversando em vez de gritar à distância. "Você ligou para ele?", disse ele, como se soubesse. "Como você sabe?" "Você parece mais leve." "Eu fui vê-lo. Ele está no hospital." Romeo fez uma pausa. "Ele está mal?" Eu balancei a cabeça. Romeo lançou a bola, e eu a peguei. "Eu lhe disse que não iria perdoá-lo." "Ele não merece isso." "Eu sei." Eu joguei a bola de volta. "Você está bem, cara?", perguntou ele, desistindo de jogar e andando na minha direção. "Sim", eu disse, enxugando o suor da minha testa. "Sim, estou." Ele assentiu. Ele estava vestindo um moletom com capuz roxo dos Knights e um par de calças pretas de treino Nike. O cabelo estava sujo e úmido ao redor das orelhas, mas ele não parecia cansado. "O roxo é uma cor boa em você," eu provoquei. "Não parece feminino de jeito nenhum." Ele riu. Nós olhamos através do campo na lateral, onde Ivy e Rimmel se sentaram. Elas apareceram há não muito tempo, carregando grandes cafés e ainda parecendo meio adormecidas.


Nós tínhamos estado aqui por algumas horas, então não era como se ainda fosse o alvo raiar do dia. Ivy viu-nos olhar e acenou. Eu acenei de volta. "Como estão as coisas em casa?", perguntou Romeo. Eu balancei minha cabeça. "Você sabe, cara. É difícil." Seu rosto ficou sério e seu corpo mudou para o meu. "Eu tenho essa mancha em minha camisa favorita e não importa o que eu tente, eu não posso tirá-la." Romeo me empurrou. "Ser um adulto é difícil!" Eu gargalhei. "Se eu não tivesse que jogar hoje, eu resolveria o seu espertinho agora." Ele riu. Eu fiquei sério. "Você está nervoso?" Ele balançou a cabeça como se estivesse confidenciando um segredo. "Você consegue, Rome. Você está pronto. Vai ser foda demais." "Obrigado por estar aqui." "Merda", eu disse lentamente. "Você realmente achou que eu perderia a sua estreia na NFL?" Romeo começou a dizer algo, então parou. Ele olhou para as meninas e fez um som. Eu segui seu olhar e vi Ron Gamble de pé lá sorrindo e falando com Ivy e Rim. "O que ele está fazendo aqui?", perguntei. Romeo deu de ombros. "Ele é dono do lugar." "Ele vai ficar puto que eu estou aqui fora jogando em seu território?" "Nah." Romeo me deu um tapa no ombro. "Vamos. Vou apresentá-lo." Nós corremos até onde o grupo estava. "Sr. Gamble," Romeo começou e estendeu a mão para uma agitação. "Aguardando ansiosamente para começar no jogo de hoje. " Gamble sorriu. "Eu gosto de um homem que se levanta cedo e fica preparado."


"Só quero ter certeza que estou pronto para jogar", Romeo respondeu. "Você está pronto," Rimmel interrompeu. "Ele vai ser incrível." "Eu gosto de sua confiança, mocinha", disse Gamble para Rimmel, carinho em seu tom. Claramente, o cara gostava dela. Então seus olhos se voltaram para mim. "Você é um bom jogador, você mesmo." Levantei-me um pouco mais reto. " Obrigado, senhor. Nós estávamos apenas brincando. Eu estava ajudando Rome a se aquecer." "Vocês dois jogam bem juntos. Como uma máquina bem oleada." "Bem, nós temos feito isso por um longo tempo", eu respondi. Gamble assentiu. "Você joga para os Wolves, não é?" "Sim, senhor." "Ele é um agente livre," Romeo intercedeu. "Ele está detonando em campo nesta temporada." "Totalmente." Ivy concordou. Gamble riu. "Uma bela torcida você tem aqui." Dei de ombros. "Eles são da família." "A família é importante," ele meditou. "Romeo, boa sorte hoje. Vou ficar de olho da minha caixa". Ele começou a se virar, mas, em seguida, olhou para trás e me ofereceu sua mão. "Bom te conhecer, número treze. Talvez vamos nos encontrar novamente." Ele sabe o meu número? "Tenho certeza de que vou", eu disse. "Estou pensando em estar aqui tanto quanto eu puder para apoiar Rome." "A lealdade é uma boa qualidade," Gamble disse, e então ele se afastou. Quando ele se foi, Rome olhou para mim, a especulação em seus olhos. Eu apenas balancei a cabeça. "Vamos," eu disse a todos. "Estou faminto. Vamos comer."


Depois que comemos, Romeo saiu para se preparar para o jogo, e eu saí com Rim e Ivy. Principalmente, eu apenas assisti TV. Ivy estava ocupada agitada sobre o que Rimmel estava usando e depois o que ela ia vestir. Era um jogo de futebol, não um desfile de moda. Mas eu não lhes disse o contrário. Antes de começar, nos apresentamos nos assentos que Rimmel nos levou, e eu assisti as arquibancadas preencher a capacidade. Eu sabia que havia um monte de imprensa lá. Eu sabia que esse jogo estava recebendo muita cobertura da mídia, mas eu não me importava. Eu estava aqui para o jogo e para assistir o meu melhor amigo jogar. E jogar, ele fodidamente jogou. Ele arrasou no futebol, e a multidão enlouqueceu. Ele jogou toda a primeira metade do jogo, jogando uma merda de tonelada de passes completados e quatro touchdowns. Eles o tiraram no intervalo, e eu sabia que era porque eles estavam com medo de forçar o braço. Mas foi legal. Ele teve o seu momento ao sol, e ele provou a todos que mereceu seu status de Comeback Quarterback. Eu poderia dizer pelo ofuscante sorriso brilhante em seu rosto quando ele olhou para cima no ponto e acenou que ele também sabia. Foi-se a preocupação de que o seu contrato não seria renovado. Foi um dia muito legal no futebol. Era um maldito bom começo para o feriado de Ação de Graças. Eu não podia esperar para ver o que mais as férias iriam trazer.


CAPITULO trinta e sete Se você acha que 7 anos de azar é ruim por quebrar um espelho... tente romper um preservativo. #FiqueSeguro #BuzzBoss

I VY O jogo dos Knights tinha sido o primeiro jogo da NFL que eu já estive. Honestamente, além de ter um estádio maior, era muito parecido com ir a um jogo dos Wolves. Mas não para B. Ele estava em seu elemento, e tinha sido incrível de ver. Tivemos um tempo tão bom com Romeo e Rimmel que eu quase esqueci todo o resto. No segundo em que chegamos em casa, Braeden beijou-me rápido e foi para a academia. Ele foi encontrar alguns dos outros Wolves para treinar. Eu poderia dizer que ele estava animado para chegar lá e treinar, para dizer a todos sobre o grande jogo de Romeo. Eu fiz um pouco de chá para mim mesma e, em seguida, subi para o quarto. Prada estava dançando ao redor dos meus pés, tendo sentido nossa falta enquanto estávamos fora. Ela ficou com a mãe de Braeden, e eu sabia que ela adorou, mas eu era sua pessoa favorita. Enquanto eu bebia meu chá, eu brinquei com ela e lhe dei um pouco de atenção extra. Ela me fez sorrir, e quando eu fui tomar banho, eu estava completamente relaxada. O que havia sobre o chuveiro que sempre fazia uma pessoa pensar?


Estar em pé sob o jato suave de água morna não deveria ser ainda mais relaxante e entorpecer a mente? Talvez por isso meus pensamentos vagassem onde eu não queria que eles fossem. Eu estava muito relaxada, minha guarda muito baixa, e dei a oportunidade perfeita para minha mente evocar-se de todos os pensamentos que eu tinha sido bem-sucedida em afastar. Como o vestido desaparecido. Meus confrontos com Missy. Imaginar que vi Zach na escada. Eu não queria pensar que estava perdendo isso lentamente. Eu queria negar e empurrar afastado que eu suspeitava que podia haver algo de errado comigo. Mas sério, quanto tempo poderia uma menina fingir que nada estava errado? Quanto tempo ela poderia representar que tudo estava bem? Dormir com Zach foi sem dúvida a pior coisa que eu já tinha feito. E era algo que eu fiz para mim mesma. Sim, machucou Rimmel e Romeo, mas eu era a maior vítima da minha escolha por dormir com ele. Eu lancei um gemido e dei um passo para a frente, inclinando a cabeça contra a parede do chuveiro. Eu fiquei em pé, então minha cabeça estava além da ducha, mas batia em meus ombros e em cascata pelas minhas costas. Por que eu não poderia deixar isso ir? Ninguém mais estava me punindo por isso. Inferno, ninguém sequer tocou no assunto. Mas isso ainda estava lá, como uma corrente no oceano. Você não podia vê-lo, mas uma vez na água, você pode sentir isso. É como se meu cérebro não me deixasse esquecer. Tanto que agora eu estava começando a ver as coisas. Pessoas. Ele. Eu ouvi coisas e senti coisas. Eu havia me tornado paranoica e desconfiada. Quero dizer, puxa, o sino sobre a porta da boutique não podia nem tocar sem eu ficar tensa.


Eu sabia que deveria falar com Braeden e dizer-lhe sobre a guerra dentro de mim. Eu vi a preocupação em seus olhos, o interesse. Nunca falamos sobre isso, mas estava lá. A distância entre nós me machucava. Ele era a única pessoa que eu queria estar mais próxima. Eu queria lhe dar tudo de mim, mesmo as partes que eu não gostava. Ele tinha feito isso comigo. Ele merecia o mesmo. Eu queria que fosse como se fosse ontem, quando tudo o que fizemos foi rir e nos divertir. Estendi a mão e toquei o colar que estava pendurado no meu pescoço. Eu tinha usado isso todos os dias desde que ele prendeu em volta do meu pescoço. Não importava que eu soubesse que B me amava. Não importava que eu visse nos olhos dele. Eu estava apavorada, e não ia desaparecer até que eu dissesse a ele sobre a turbulência dentro de mim, sobre os pensamentos instáveis, loucos, que simplesmente não me deixavam em paz. Afinal, se o que estava acontecendo dentro de mim era o suficiente para me fazer duvidar de mim mesma, então como poderia ele não duvidar de mim também? De repente, as gotas geladas da água em toda a minha pele estavam muito mais frias. Eu empurrei de volta a partir da ducha e ajustei o calor. Ele aqueceu ligeiramente, mas não muito. Dentes batendo, eu lavei meu cabelo uma última vez, em seguida, fechei a torneira. Eu estava grata que a minha toalha era tão fofa e grande. Eu rapidamente sequei o cabelo e corpo, em seguida, me enrolei na suavidade. Eu estava tão ansiosa para um chuveiro, quando eu entrei, que eu não tinha tido tempo para reunir as minhas roupas e trazê-las para o banheiro. Não que isso importasse. Eu era a única em casa. Bem, além de Prada, é claro. O pente deslizou facilmente através de meu cabelo comprido, e meu hidratante aqueceu como seda contra a minha pele. Eu passei por minha rotina no piloto automático, não realmente pensando sobre isso de forma alguma. De repente eu estava tão incrivelmente esgotada.


Exausta de lutar. Exausta de sentir. Segurando a toalha em torno de mim com força, eu desliguei a ventilação do banheiro e abri a porta. O som abafado dos latidos de Prada imediatamente encheu o ar. Eu fiz uma careta e olhei através do corredor na porta do nosso quarto. "Prada?" Quando eu tinha entrado no chuveiro, ela estava em nosso quarto, arrastando todos os brinquedos que lhe demos. Ela não estava no quarto agora. Seu latido estava vindo pelo corredor. Atrás de uma porta fechada. Um sentimento assustador se arrastou até a minha espinha e arrepios eclodiram ao longo dos meus braços nus. A porta para o ginásio no final do corredor estava fechada. Nós nunca fechamos a porta. Como teria de alguma forma Prada a fechado? Não era sequer possível. Era? E seu latido... eu conhecia aquele latido. Era seu latido de advertência, o som que ela emitia quando se sentia ameaçada ou era abordada por alguém que ela não conhecia. Terror deslizou pelo meu pescoço em pequenas picadas que pareciam golpes de uma dúzia de pequenas facas enquanto eu andava de leve lentamente pelo corredor. Meus dedos doíam das garras intensas que eu tinha na minha toalha. Este era mais um daqueles momentos quando eu poderia discutir comigo sobre ser louca. Sobre inventar coisas ou exagerar as coisas dentro da minha cabeça. Eu não ia fazer isso. Eu não estava imaginando isso. Eu estava sozinha em casa, e de alguma forma minha cadela foi fechada em um quarto atrás de uma porta que ninguém nunca fechava. "Prada?" Eu falei, minha voz trêmula e um pouco fraca. Seu latido fez uma pausa e ela raspou na porta.


Eu agarrei a alça, respirei fundo e abri a porta. Prada veio correndo para fora e dançou em volta dos meus pés. Ela me cheirou enquanto os meus olhos procuraram o ginásio. Tudo parecia normal. Nada parecia fora do lugar. Sem pensar, eu olhei pelo corredor, varrendo cada sombra e canto. Eu ri do meu próprio ridículo, era plena luz do dia, afinal de contas, se eu pudesse parar as batidas do meu coração. Prada pulou na minha perna, e eu estendi a mão para acariciá-la. Ela lambeu minha mão e depois foi trotando pelo corredor, cheirando enquanto ia. Eu a vi passar pela porta do nosso quarto e parar no topo da escada. Suas orelhas se animaram e ela pareceu ficar ali escutando. O que ela estava esperando ouvir, eu não sabia. Meu estômago se virou e apertou com os nervos. Alguém estava nesta casa? Eu não estava realmente sozinha? Não poderia ser. Eu tinha o conjunto de alarme. Ninguém podia entrar sem o código. Para provar meu pensamento, Prada desistiu de escutar e correu para o quarto. Um segundo depois, ouvi o ranger de seu brinquedo favorito. Bizarro. Com as pernas bambas, eu fui me vestir, ignorando a forma como as pontas do meu cabelo úmido escorriam nas minhas costas. Virei a esquina e sorri, Prada estava atacando seu brinquedo com vigor grave e arrastandoo através do tapete. "Sua menina louca," eu disse a ela e entrei no quarto. Algo na beira da cama me parou nos meus passos. Enraizada no lugar, eu olhava, confusão e terror guerreando por dentro. Após uma quantidade indeterminada de tempo, eu dei um passo para a frente. E outro. E outro.


Fiquei olhando para o item vermelho no edredom. Parecia sangue contra o branco puro da cama. Poderia muito bem ser sangue. A memória que isso evocou parecia como uma ferida de faca, profunda e irregular direto em meu peito. E o que estava ao lado dele era ainda mais assustador. De repente, fui bombardeada com um flash de memória. E mais um. Meu estômago embrulhou. Eu me senti mal, tão insanamente doente. Cegamente, eu estendi a mão e agarrei o que definitivamente não estava lá quando eu fui tomar banho. Algo que alguém tinha colocado lá. Algo que alguém tinha esse tempo todo. Alguém que eu pensei que tinha visto. Eu não podia negar o que estava na minha mão, o horror repetindo na minha mente. Eu tropecei no quarto, um soluço querendo rasgar do meu peito, mas nunca fazendo isso. Eu deslizei pela parede até que eu estava dobrada no canto da sala, meus joelhos contra o peito. Eu não chorei ou gritei. Eu não fiz absolutamente nada.


CAPITULO trinta e oito Silêncio: O som de uma mente ocupada Ou O som de alguém capaz de nada bom. #BuzzBoss

B RAEDEN Algo estava errado. Eu não sabia o que ou por quê. Eu só sabia como tudo parecia fora do lugar no segundo que eu entrei nesta casa. A cadela não estava ao lado da porta. Ela não correu para baixo nos degraus para me cumprimentar, como sempre fazia. O silêncio aqui era sufocante, quase doloroso. Meu pulso cravou, antecipação ou adrenalina em minhas veias. Talvez uma combinação de ambos. Eu queria chamar o nome dela. Eu queria correr nos degraus em nosso quarto. Algo me segurou atrás. Eu pisei quase com hesitação, com uma espécie de medo pegajoso. O terror formado na boca do estômago, tão pesado que se eu estivesse na água, eu teria afundado sem esperança de encontrar meu caminho para a superfície. Meu pé parou no meio do caminho até as escadas quando Prada apareceu no topo. Eu compartilhei um olhar silencioso com a cadela, e, em seguida, ela virou de volta para o quarto.


Rompi em ação, correndo o resto do caminho para o topo, e quase voei para o quarto, pronto para alguma visão terrível. Eu nunca deveria ter ido para o ginásio. Eu nunca deveria ter deixado ela vir sozinha para casa... Mas tudo parecia bem. Ivy não estava sequer aqui. Eu esfreguei uma mão sobre minha cabeça e soltei um suspiro. Eu abri minha boca para gritar para minha menina, quando Gizmo veio ao redor do lado da cama e olhou para mim com expectativa. Cruzei com ela, inclinando-me para pegá-la. Mas ela contornou fora do meu caminho e plantou-se no tapete na frente de alguma coisa. Alguém. Ivy estava encolhida no canto do quarto, braços em volta dos joelhos. Seu cabelo estava molhado, seu rosto estava pálido. Ela usava apenas uma toalha, e, olhar vago perdido em seus olhos era a coisa mais assustadora que eu já tinha visto. "Ivy." O nome dela rasgou da minha garganta. Se ela ouviu, ela não deu nenhuma indicação. Eu caí de joelhos ao lado dela, varrendo-a de lesões, procurando uma razão para encontrá-la dessa maneira. Talvez se eu pudesse ver uma razão, eu não estaria tão mal por dentro. Eu estava apenas protelando. Atravessando os movimentos de tentar dar sentido a isso. No fundo, eu sabia o que aconteceu. Eu sabia por que ela estava basicamente sentada aqui, traumatizada. Ela soube. Talvez ela não soubesse tudo. Mas ela soube o suficiente. Eu não sabia como. Eu não sabia o porquê. Mas eu sabia. Cautelosamente, com ternura, estendi a mão para ela. A palma da minha mão pairou sobre seu ombro nu antes de eu permitir tocá-la suavemente.


Quando ela não recuou longe, eu contei isso como uma vitória. "Baby", eu sussurrei. "Ivy. O que aconteceu?" Ela não disse nada, mas eu senti a maneira como seu corpo tremia. Sua pele estava fria ao toque. Lentamente, eu empurrei o cabelo molhado de lado e arrastei meus dedos levemente na parte superior das costas. Uma carícia suave para esperançosamente trazê-la de volta de onde quer que estivesse. Um lembrete delicado de que não estava sozinha. Mudei, então eu estava sentado e avancei um pouco mais perto. "Ivy, por favor, diga alguma coisa", sussurrei. Seus olhos azuis deslocaram para mim. Depois de um momento, eles se concentraram, e pela primeira vez desde que entrei no quarto, eu senti que ela me viu. "Eu pensei que estava enlouquecendo", ela sussurrou. "Todas as coisas que foram acontecendo." Um alarme sob minhas costelas. Que coisas? Eu queria perguntar, mas não o fiz. "Eu não contei a ninguém. Nem mesmo a você. " Ela continuou. "Oh, baby." Eu disse isso como um juramento. "Você pode me dizer qualquer coisa." "Alguém estava aqui, Braeden. Nesta casa. Nesse quarto." Meus olhos afiaram e senti meus ânimos subirem. "O que você quer dizer?" Eu disse, áspero, todo pensamento de ser gentil esquecido. Eu estremeci e rapidamente olhei para ela, mas meu tom não pareceu assustá-la. Ao contrário, pareceu sacudi-la para fora do estado em que estava. "Alguém me deixou algo na nossa cama." Ela olhou para baixo. Notei o menor pedaço de algo vermelho fora de seu punho cerrado. "O que é isso?" Eu me inclinei, desesperado por respostas. Ivy puxou seu braço em torno de seus joelhos e estendeu a mão com a palma para cima. Um por um, ela abriu os dedos, revelando uma pilha de laços vermelhos.


CAPITULO trinta e nove Economize água. Beba cerveja. #ConservaçãoDaÁguaÉImportante #BuzzBoss

I VY Minha calcinha da sorte. Perdida. Desaparecida. Para nunca mais ser vista novamente. Até que apareceu no final da minha cama. A cama que eu dividia com Braeden. Eu amava estas calcinhas com pequenos laços vermelhos. Elas tinham um trevo de quatro folhas no quadril direito em ouro glitter. Daí a razão pela qual eu as chamava da sorte. A última vez que as vi foi na noite antes do jogo de futebol do grande campeonato dos Wolves. A noite que eu dormi com Zach. Eu tinha acordado na manhã seguinte, de ressaca e parcialmente desorientada. Eu fiquei desidratada por dias. A minha vergonha ainda maior. Depois que eu tinha tomado banho e me limpado, peguei as roupas espalhadas pelo quarto. Eu nunca encontrei minha calcinha. Eu estava muito envergonhada de perguntar a Rimmel se ela tinha visto. Pensei que ia aparecer quando nos mudamos para fora do dormitório.


Eu não a encontrei. Eu achava que eu tinha perdido no caminho de volta para o dormitório, num momento de embriaguez da paixão. Estremeci. Ao meu lado, Braeden ficou tenso. Oh Deus, Braeden. Ele estava sentado aqui ao meu lado, tão doce e preocupado. Eu sabia que a maneira oca, quase vaga que estava agindo provavelmente estava comendo-o vivo. Por mais que eu o quisesse agora, um pedaço de mim desejava que ele não estivesse aqui. Eu não queria que ele me visse assim. Eu não tinha perdido estas calcinhas que certamente não tiveram a sorte naquela noite. Não tinha havido momentos bêbados de paixão. Não tinha havido sequer consentimento. "Ivy," disse Braeden, em um cruzamento entre medo e preocupação. "Você está me assustando, querida. Por favor, diga alguma coisa." Como eu ia falar quando a memória não iria parar de me perseguir? Agarrei-me à esperança de que talvez não fosse uma memória depois de tudo, mas apenas um sonho terrível. Mais evidências de que eu certamente tinha perdido meu juízo.

### Confuso. Tudo ao meu redor estava tão incrivelmente confuso. Mesmo os meus próprios pensamentos não eram claros. O que estava acontecendo? Eu sabia que não era bom porque o poço de medo e o sentimento forte de horror agarraram-se a mim. Presos aos meus pensamentos, assim como o nevoeiro que tornou difícil pensar. A sensação familiar de meus lençóis contra a minha volta, mas eu não lembro de voltar para casa. Eu pensei que eu estava com Missy em uma festa. Como é que eu cheguei em casa?


Senti o colchão afundar e inclinar; o corpo deslocado com a mudança de peso. Mas eu não era a única em movimento. Meus membros pareciam chumbo, pesados demais para se moverem. Mas eu sabia que queria me mover. A imagem desfocada de alguém se levantou acima de mim. Ele tinha cabelo escuro, e a princípio, eu queria sorrir. Braeden tinha cabelo escuro. O som do homem falando surpreendeu apenas uma pequena quantidade das nuvens enchendo minha mente. Apenas o suficiente para eu perceber que não era Braeden. Este não era alguém digno do meu sorriso. Que diabos Zach estava fazendo aqui? Eu não tinha lhe dito para desaparecer? Eu era um monte de coisas, mas eu não era o tipo de garota que iria voltar para o meu quarto com alguém tão vil como ele. Espere. Zach estava no meu quarto. Pânico, forte e seguro, agarrou na parte de trás da minha garganta. Eu arranquei meus olhos abertos, tentei segurá-los tão abertos quanto eu poderia. Por que eu estava tão cansada? O que estava acontecendo comigo? Eu vi seus lábios se moverem. Eu o vi sorrir. Algo estava errado. Por que ele não estava usando uma camisa? Por que eu não estava? Eu não queria isso. Eu não queria estar aqui com ele. Eu não queria estar seminua. Eu não queria dormir com ele. Meu corpo estremeceu, e eu olhei através dos olhos nebulosos para ele. Ele jogou algumas roupas, minhas roupas, de lado e, em seguida, olhou para mim. "Eu bem sabia que você ia ter algo de sacanagem por baixo dessas roupas", disse ele. "Por favor, não", eu implorei. Parecia que talvez eu já tinha dito isso. Eu senti um toque ao longo do meu quadril e dedos ásperos sondaram abaixo da faixa de minha calcinha. "Não." Zach não agia como se ele me ouvisse. Será que eu tinha sequer falado em voz alta?


A próxima coisa que eu sabia, minhas calcinhas vermelhas da sorte pendiam sobre o meu rosto. Essas coisas não eram da sorte. "Você se importa se eu as guardar? Um pequeno lembrete da noite que eu te possuí?" Tentei empurrar-me para cima, para fugir. Meu corpo não obedecia. Tentei gritar, berrar. Minha voz ficou em silêncio. Era como se meu corpo já não fosse o meu próprio para controlar. Era como se eu fosse um terceiro, de pé nesta sala, assistindo algo horrível que estava para acontecer. Eu não podia parar. Mãos ásperas enfiaram na minha entrada, e eu apertei meus olhos fechados. Talvez estar desconectado não seria tão ruim, afinal ... Eu não adormeci, mas eu realmente não fiquei acordada. A afirmação "de fora" nunca tinha possuído mais verdade. Eu senti a violação do meu corpo. Senti os gritos e gritos ecoando dentro de mim. Mas mesmo quando eu comecei a chorar, eu de alguma forma escapei de novo... No nada. O nada era preferível a isso.

### Eu sacudi de volta, batendo contra a parede, e as tiras de couro caíram como um peso no tapete ao meu lado. Braeden soltou uma maldição áspera e estendeu a mão para mim.


Eu estava fora do chão em segundos, embalada contra seu peito. Ele estava quente. Eu não sabia que eu estava tão fria. "Diga alguma coisa agora, Ivy, ou eu vou te levar para o maldito hospital", ele pediu. Encolhi-me contra ele, empurrei meu rosto em seu ombro, e então eu disse três palavras que uma mulher jamais queria dizer. "Eu fui estuprada."


CAPITULO quarenta Algumas pessoas dizem que as marcas de nascença estão onde você foi morto em sua vida anterior. #VocêAcredita? #BuzzBoss

B RAEDEN As palavras me cortaram aberto e deixaram minhas entranhas para derramar. Como é que uma função com tudo o que ele precisava no interior de repente arrancou? Eu sabia. Essas três palavras, eu já as conhecia. Eu não tinha apenas acabado de ficar lá e suspeitado que Ivy finalmente tinha se dado conta? Não importava. O choque foi inigualável. Claro, em algum nível, eu entendi que minha menina sabia, mas ouvi-la dizer essas palavras, ouvir em voz alta um pesadelo que até agora só sacudiu dentro de mim... Foi como descobrir tudo de novo. As imagens que eu encontrei no computador de Missy passaram pela minha cabeça como uma apresentação de slides. A violação que Ivy experimentou era algo que eu sabia que um homem provavelmente não poderia compreender plenamente.


Eu honestamente não achei que ela chegaria a uma realização tão clara. Eu pensei que talvez suas dúvidas e perguntas aos poucos revelassem uma imagem maior. Teria sido mais gentil dessa forma. Não é que havia uma coisa muito gentil com nada disto, mas ao menos Ivy não fora vencida pela verdade. Fiquei ali no centro do nosso quarto. O quarto onde eu a segurava em meus braços todas as noites e ouvia seus suspiros quando eu beijava sua pele. Este lugar era suposto ser o nosso santuário. Mas aquele bastardo o invadiu. Ele infiltrou seu cu pervertido, doente, aqui. Fiquei olhando para as tiras do laço vermelho. Elas ainda estavam exatamente onde Ivy as deixou cair. Seriam elas as culpadas? Vê-las acionou o gatilho para isso? Santas malditas bolas, ela se lembrou daquela noite? Por favor, Deus. Eu esperava que não. Eu não queria ela tendo que reviver aquele inferno por um único segundo, solitário. Mas se ela se lembrou, o tormento seria interminável. Assim como o meu tinha sido.


CAPITULO quarenta e um #LicençaParaBuzz Se você não pode dizer nada agradável, não diga absolutamente nada. #DeixaComigo #SemFiltro #BuzzBoss

I VY "Ponha-me no chão", eu disse, minha voz soando estranha para meus ouvidos. O silêncio na sala era desconfortável, quase tenso. Os braços de Braeden não me confortavam. Eles pareciam como um torno me segurando no lugar. Eu não queria estar no lugar certo agora. Eu acho que eu queria quebrar. Seria assim de agora em diante? Tudo pareceria mudado? Ele não fez automaticamente como eu pedi. Em vez disso, seu olhar de chocolate escuro deslocou-se para mim e piscou com desolação e dor. Isso ia ser difícil para ele também. Eu não era a única que ia ser irrevogavelmente alterada por estupro. Mas eu não conseguia pensar em Braeden agora. Eu mal podia pensar. Eu estava violada demais, chocada demais, suja demais. Como isso pôde acontecer? Por que eu não sabia até agora?


Meu Deus, eu tinha vivido meses e meses dentro de um corpo que tinha sido invadido, violado vivo e usado. Ele me usou. Ele enfiou o... seu ... eu balancei minha cabeça. Ele empurrou-se dentro do meu corpo. Eu não queria Zach. Ele era o último homem na Terra que eu jamais tocaria. Eu sabia disso, não é? Eu disse muito para mim um milhão de vezes. Fiquei tão chocada que eu iria descer tão baixo a ponto de deixá-lo me tocar. Eu não deixei, de forma alguma. Eu disse não. "Ponha-me. No. Chão." Minha voz raspou fora da minha garganta, crua e doente. O que quer que ele ouviu, o fez finalmente escutar. No segundo que meus pés tocaram o tapete, eu corri. As pontas da toalha em volta de mim se abriram, e eu corri para fora do quarto. Eu caí de joelhos no banheiro, batendo no azulejo frio, implacável. A dor sacudiu meu joelho, mas eu a ignorei. Nada era pior do que a dor interior. Flashes mentais dele rasgando as minhas roupas, forçando as mãos para baixo em minha calcinha, me agrediram. Eles não iriam parar. E nem tampouco o som da minha mente gritando, não, não, não! Debrucei-me sobre o banheiro e vomitei violentamente. Uma e outra vez, eu arfei e sufoquei. Minhas costas doíam tanto e meu peito queimava a partir da força de vomitar. Quando eu esvaziei até a última gota no meu estômago, minhas mãos agarraram a porcelana branca. Eu estava fria e suave, mas meus dedos doíam segurando tão apertado. Minha garganta queimava a partir do ácido espirrando no meu esôfago. Eu fui estuprada.


"Ivy," Braeden disse em algum lugar por perto. As lágrimas nublaram minha visão e arrepios quebravam meu corpo. "Vá," eu me engasguei. "Apenas vá." "Eu não vou deixar você", disse ele. "Eu não quero você aqui!" Eu gritei e comecei a soluçar. Empurrei fora do vaso sanitário e caí de costas contra a parede. A toalha tinha caído de cima de mim, e eu estava sentada lá, completamente exposta. Enquanto eu chorava, eu puxei a toalha no meu colo, usando-a, simultaneamente, como uma capa e um tecido. Apesar de eu ter gritado, ele não saiu. Eu queria que ele saísse. Eu não queria que ninguém me visse desta forma. Eu não queria que ninguém soubesse o que Zach tinha feito para mim. Eu preferia ser uma puta do que uma vítima. Mas eu não tive uma escolha. Meu não foi ignorado. Por quê? Por que eu não tinha lutado com ele? Por que eu não tinha gritado até que alguém viesse correndo? Perto dali, ouvi a tampa do vaso sanitário perto e o som dele sendo liberado. A água da torneira na pia correu. Parecia tão distante, como se estivesse em outro universo. Ao meu lado, Braeden caiu de joelhos. Olhei para as coxas vestidas de jeans, apenas olhando para o tecido azul desbotado sem realmente ver. "Vamos lá", disse ele suavemente. "Vamos limpar você." Fez-me lembrar da primeira vez que tínhamos tido relações sexuais. Ele me trouxe um pano e colocou-a entre minhas pernas. Ele sempre foi tão atencioso comigo. Tão cuidadoso. Zach tinha sido áspero. Zach tinha sido nocivo. Eu comecei a chorar novamente. Choro aberto e sons ininteligíveis encheram o pequeno banheiro.


Senti as mãos de Braeden quando ele limpou meu rosto e pescoço. Ele usou cuidado e prudência, e de vez em quando, através dos meus próprios soluços, eu o ouvia sussurrar que tudo estaria bem. Mas como poderia ser? O pano desapareceu, mas ele permaneceu. Ele usou a ponta da toalha que eu não estava segurando para tocar as pontas do meu cabelo ainda molhado. Então ele passou por tudo isso, persuadindo tudo de volta longe do meu rosto. O movimento repetitivo da escova pelo meu cabelo me acalmou. Meus soluços se transformaram em suspiros pesados e as lágrimas desaceleraram. Quando ele terminou, suas mãos grandes, quentes, me levantaram do chão. Eu agarrei a toalha contra mim, e ele não tentou tirá-la. Em vez disso, ele estendeu a camiseta velha dos Wolves, a que eu tinha reivindicado naquela manhã na praia. "Você está congelando", disse ele. "Põe isto." Fiquei ali a tremer, e ele puxou-a sobre a minha cabeça. Eu deixei cair a toalha e empurrei meus braços através dela. A sensação familiar do tecido macio me deu um pouco mais de um controlo sólido. Braeden ajoelhou-se aos meus pés e segurou um par de calças de moletom pronto para eu entrar. Eu fiz, e o calor infiltrou em minha pele, uma vez que foram puxadas no lugar. Minha cabeça parecia grossa e meus olhos estavam inchados quando ele pegou minha mão e me levou para fora do banheiro de volta para o quarto. Quando a lâmpada ao lado da cama foi acesa, meus olhos concentraram a atenção na calcinha. Eu fiquei lá e olhei para ela, estremecendo com a barragem de memórias ligadas a ela. "Eu vou jogar isso fora", ele meio que rosnou e a pegou do chão. Quando o fez, a nota que tinha estado ao lado dela esvoaçou sobre o tapete. Ele o pegou, desamassou o papel, e olhou para as palavras rabiscadas grosseiramente. NÃO CONTE


"Isto estava também?" Sua voz era baixa e dura. A raiva irradiava à sua volta e me fez esgueirar de volta. Eu não estava com medo dele. Eu nunca estaria. Mas havia tanta emoção crua já dentro de mim; eu não poderia lidar com nada mais. "Aquela puta nojenta." Minha cabeça se levantou. Eu poderia ter estado em estado de choque, confusa e doente por dentro, mas eu ainda podia ouvir. Por que ele disse a puta? Zach era um monte de coisas, mas uma puta não era uma delas. Na verdade, por que Braeden não estava me perguntando, não, exigindo saber mais sobre o meu estupro. Porque ele parecia entender que não tinha sido hoje à noite? Por que ele parecia saber que foi no passado? Olhei para ele enquanto pergunta após pergunta levou mordida após mordida fora o que restava do meu interior. Ele deve ter me sentido olhando. Ele deve ter sentido o meu olhar. Ele se virou. Seus olhos profundos presos nos meus. Desculpas sombrias eram tudo que eu podia ver. A nota em sua mão escorregou de seus dedos e vibrou em direção ao chão. "Não", eu protestei. "Não." A culpa em seu rosto se transformou em medo. Engoli em seco. " Oh meu Deus, Braeden ", eu sussurrei. "Ivy..." Ele deu um passo em minha direção. Eu estendi minha mão, parando seus passos. "Fique aí!" Ele me assistiu, impotente, mais perguntas incharam dentro de mim. A imagem na Buzzfeed. Ela não saiu até muito tempo depois que Zach estava trancado. Ele não podia ter feito isso. Isso tinha sido feito pela #BuzzBoss . Pela chamada minha melhor amiga.


Você está tão convencida de que eu sou a má. Alguma vez você já se perguntou quem mais por aqui manteve segredos e disse mentiras? As palavras de Missy repetiram na minha cabeça. Eu sabia que ela estava falando de Braeden. Eu sabia que ele estava provavelmente escondendo algo de mim. Mas isso? Nunca em mil anos eu teria esperado por isso. As lágrimas nublaram minha visão mais uma vez, e eu cruzei os braços em toda a minha cintura. Eu me senti como querendo vomitar novamente, mas não havia mais nada dentro de mim para purgar. Exceto por duas pequenas palavras. Palavras que parecia uma granada e explodiram meu mundo inteiro. "Você sabia."


CAPITULO quarenta e dois #LiçãoDeVida Algumas coisas, nem mesmo o amor pode superar. #BuzzBoss

B RAEDEN E lá estava ela. A verdade. O segredo que eu queria dizer, mas nunca conseguia. Seu rosto estava manchado, os olhos inchados e vermelhos. O som de seus soluços no banheiro iria provavelmente assombrar minha alma por muito tempo depois que eu estivesse morto. Eu era a causa disso, ou esta era a razão pela qual eu nunca quis dizer? Tudo estava borrado junto, momentos, pensamentos, sentimentos. Eu não podia sequer imaginar como ela devia se sentir, o que ela estava vendo em sua mente. Eu só esperava que ela não se lembrasse dos detalhes. Eu só esperava que ela fosse capaz de encontrar algum tipo de paz. Ela nunca vai me perdoar por isso. "Você sabia!", ela gritou, como se eu não a tivesse ouvido pela primeira vez. Fiquei ali sob a força de sua ira e acenei com a cabeça uma vez. "Sim, eu sabia."


Um soluço atormentou seus ombros e ela se debruçou em si mesma um pouco. Dei um passo para a frente para ir até ela, mas no segundo que eu me mudei, ela endireitou-se e deu um passo atrás. "Como?", ela perguntou. "Como você sabia que eu fui estuprada antes de mim?" Eu vacilei. Eu odiava essa palavra maldita. Eu odiava isso mais do que qualquer coisa. Era feia, era violenta, e o fato de que agora estava associada à mulher em pé na minha frente me fez querer matar. "Talvez você devesse sentar-se," eu disse, calmo. Eu não senti nada, mas Ivy já estava o suficiente dentro de uma tempestade. Ela precisava de equilíbrio. "Eu não vou!", ela gritou. Prada passou debaixo da cama. "Eu mereço saber!" Ela furiosamente afastou para longe as lágrimas com as costas da mão. Ela parecia tão pequena e frágil naquele momento, ali com minha roupa pendurada fora de seu corpo magro. Suas curvas estavam escondidas em demasiado tecido, e seu cabelo estava escovado severamente em volta de seu rosto. "Eu vou te contar tudo," eu jurei. "Eu queria por um longo tempo." Ela soluçou. "Muito tempo? Há quanto tempo você sabe?" "Desde o final do último semestre." Ela engasgou. "Seis meses?" Ela disse isso como se fosse um longo tempo, mas para mim, ele tinha sido como uma eternidade. "Por que diabos você não me contou?" Ela exigiu. "Porque eu sabia que ele iria fazer isso com você", eu admiti, cansado e cheio de derrota. Ela olhou para mim, com raiva. "Como eu poderia?" Minha voz falhou. "Como é que você diz a alguém que já foi abusado da maneira mais doente possível?" Ela se encolheu. "Ivy, baby." Eu dei um passo para a frente.


Ela deu um passo para trás. "Não! Não me chame assim! Apenas me diga". Eu esfreguei a palma da mão sobre meu rosto e comecei a falar. "Eu estava tão chateado quando aquele Buzz de você saiu e ele passou por toda a escola e depois todos começaram a ridicularizar você. Eu mal podia ver diretamente ou pensar direito." "Você me chamou de vagabunda", ela brincou. "Sim, eu fiz. Eu vou me arrepender até o dia que eu morrer." Ela ficou em silêncio, e o olhar irritado em seu rosto acalmou um pouco. "De qualquer forma, você e eu ainda estávamos tentando nos descobrir. Eu estava tão apaixonado por você mesmo assim. Eu estava assustado como o inferno para estar apaixonado, e aqui estava você, a que eu queria, acima de todas, sendo torturada pelo #BuzzBoss." Ela começou a dizer algo, mas eu levantei a minha mão. "Então depois da noite em seu dormitório e o Buzz com a imagem de você e eu surgiu, eu decidi colocar um fim nisso. Eu não teria alguém te machucando assim. Então eu comecei a pensar, comecei reunindo coisas que ninguém nunca viu antes. Fui para o quarto do dormitório de Missy. Eu encantei sua companheira de quarto e entrei. Ela estava bêbada e não prestou atenção ao que eu estava fazendo, então eu fui através do laptop de Missy." "E você descobriu quem ela realmente era", disse Ivy, soando mais como ela mesma. Eu disse um agradecimento silencioso, rápido, a Deus, porque vê-la desmoronar no banheiro me assustou. "Seu computador estava preenchido com arquivos. Arquivos e arquivos cheios de informações, imagens e textos. Ela tinha uma conta de e-mail configurada com centenas de e-mails cheios de fofoca e especulação. Ela tinha o material suficiente sobre esse computador para levá-la através de um ano inteiro de notificações." Eu ainda me admirava de quão dissimulada ela tinha sido, e quão bem ela tinha enganado todos nós. Inferno, eu provavelmente nunca teria percebido isso se ela não tivesse compartilhado aquela foto que ela tirou do


meu telefone. Quando percebi que ela tinha sido a única deixada sozinha com isso, eu sabia que tinha que ser ela. "O que isso tem a ver comigo e ser estuprada por Zach?" Ela colocou os braços firmemente em torno de si mesma mais uma vez. Eu ainda podia vê-la tremer, e eu sabia que ela estava em perigo de entrar em choque. Inferno, eu estava doente de preocupado que ela ia cair. Tendo uma chance, eu roubei um cobertor fora da extremidade da cama e fui até ela lentamente. Ela assistiu-me com atenção, mas não disse uma palavra. Eu cobri o tecido em volta dos seus ombros e puxei-o em todo o seu peito. Suas mãos deslizaram para fixar os lados juntos. "Obrigada." "Por favor, sente-se, baby." Ela franziu a testa quando eu a chamei assim, mas desta vez ela não gritou. "Continue falando", ela ordenou, e eu teria sorrido com seu rabo fofo, exigente, mas não havia nada bonito sobre este momento. Nada mesmo. Eu balancei a cabeça e me apoiei para me sentar na beira da cama, mantendo meus pés plantados no chão. "Missy tinha todo um arquivo de imagens a partir desta noite, Ivy. Zach mandou à #BuzzBoss, não sabendo que era ela. Eu passei por elas. Elas tornavam incrivelmente claro o que aconteceu com você". Ivy deixou-se cair na cadeira perto da porta, a surpresa drenando a cor de seu rosto. "Missy sabia?" "Oh, ela sabia. Ela sabia quase logo depois que aconteceu. O arquivo tinha data do outono". Ela levou a mão à boca e se inclinou para frente, então eu não podia ver seu rosto. Seus ombros sacudiram imperceptivelmente, e eu sabia que ela estava chorando novamente. Ela tinha o direito de chorar, e eu não lhe diria para não fazer. "Continue," ela disse, com voz rouca, e ela não olhou para cima.


"Eu não podia acreditar no que estava vendo. Eu não queria acreditar em um primeiro momento. Fez-me doente, portanto, tão fodidamente doente. Eu deveria ter estado lá naquela noite. Eu deveria ter te protegido." O tormento que eu senti rasgou direto fora do meu peito. Eu ainda conseguia me lembrar daquela noite, a maneira como parecia como se alguém tivesse me dado um soco com um par de soqueiras quando eu percebi o que eu estava vendo. Ivy estava me observando de novo, os olhos arregalados. Sacudi o que eu estava sentindo e pressionei. "Eu apaguei o arquivo. Limpei-o fora de seu disco rígido e removi qualquer vestígio que estava lá. Eu não queria que ela ficasse irritada novamente e usasse as imagens no feed". "Você simplesmente os apagou? São evidências, provas contra ele!" "Eu enviei o arquivo para mim antes que eu apagasse." "Você tem as fotos?" Eu sabia o que ela estava pensando. Eu balancei a cabeça com firmeza. "Você não vai olhar para eles. Eu não vou porra permitir isso. " "Não é sua escolha." "A porra que não é!" Eu gritei. Pela primeira vez, o meu temperamento levou a melhor sobre mim. "Olhe para você! Você acha que vou lhe dar ainda mais merda para ficar doente de novo? É por isso que eu não disse porra nenhuma para começar!" A força das minhas palavras e a emoção por trás delas estimulou-me para fora da cama, e eu andei a passos largos através do quarto para as janelas. "Não foi sua decisão de fazer." "Talvez não," eu disse, meu nível de voz elevado. "Mas foi a minha escolha. Talvez tenha sido a pessoa errada, mas eu fiz o que fiz porque eu te amo.” Era como se ela não tivesse ouvido as minhas palavras, porque ela as ignorou completamente. "O que estava nas fotos?" Virei-me da janela. "O que você lembra?"


"Não muito", admitiu ela, com a voz desesperada. "Principalmente apenas flashes, as memórias de como eu me sentia e como eu não podia fazer nada." Ela fez uma pausa, e eu engoli. "Lembro-me de dizer não, Braeden. Eu não o queria." Sua voz começou a subir novamente. "Eu sei que você não fez, Ivy. Eu acredito em você." Isso pareceu acalmá-la. "Ele era áspero e meio que malvado. Lembrome do som dele respirando... a maneira áspera dele... seus grunhidos." Ela apertou os olhos juntos, e eu me virei. Olhei para as cortinas, mas vendo apenas o vermelho, eu lutei com o desejo de colocar meu punho através da parede. "Ele zombou de mim", ela sussurrou. "Lembro-me de suas palavras. Ele parecia saber que eu não iria me lembrar, mas ele me disse..." Um momento de silêncio passou, depois a voz dela desapareceu. "Ele disse o que?" Eu rangi. "Ele me disse que, no fundo, eu sempre saberia o que aconteceu." Um grito forçou seu caminho para fora de mim, e eu investi contra a cômoda, varrendo os braços sobre ela e batendo tudo no chão. Fez um som batendo alto, e eu tinha certeza que pelo menos uma coisa quebrou, mas eu estava muito ocupado arremessando para sequer ver. Aquele filho da puta. Não foi o suficiente que ele a estuprou? Ele tinha que insultá-la também? O filho da puta era provavelmente a razão pela qual ela entrou em pânico quando alguém tocou-lhe de repente. Nenhum espanto que seu corpo vivia no conhecimento do que ela sofreu; ele a tinha praticamente condicionado a isso. Eu. Ia. Matar. Ele. "Eu não entendo por que eu não conseguia lembrar, por que eu ainda não consigo", ela disse, mais uma vez como se a minha explosão ainda não tivesse registrado. "Se eu não tivesse visto aquela calcinha, eu poderia nunca ter lembrado."


Eu não queria perguntar. Mas eu tinha que fazer. "Você estava vestindo essa calcinha naquela noite?" "Sim. Eu pensei que eu a tinha perdido." Um troféu. Ele levou um troféu para se lembrar do que tinha feito para ela. Eu respirei fundo e disse a mim mesmo para relaxar. Eu precisava para passar o resto da conversa sem destruir nossa casa. Obriguei-me a ir para a cama me sentar. "Ele te drogou. As imagens o mostram colocando um roofie em uma cerveja. Você bebeu. Ele a levou de volta ao seu dormitório, e então ele... E depois, ele invadiu o laptop de Rimmel." "Por que ele faria isso para mim, Braeden?", perguntou ela. A questão partiu meu coração. Fui até ela, ajoelhei-me na frente de sua cadeira. "Eu não tenho uma resposta para isso, baby. Eu não sei como alguém poderia machucar alguém tão perfeita como você". "Você fez também." Foi dito sem calor, sem acusação. Foi uma declaração. Um fato. Uma lança para o meu peito. Eu a machuquei. Gostaria de saber se, em seus olhos, isso significava que Zach e eu éramos iguais. "Sinto muito", eu sussurrei. As palavras não eram suficientes, mas era tudo que eu tinha. "Estou cansada. Eu quero ir para a cama. Sozinha." Eu balancei a cabeça e me afastei dela. Eu sabia que ela queria ficar sozinha. Era de se esperar. Eu lhe daria espaço. Eu lhe daria tudo que ela precisava. Saí da sala. Quando me virei para trás, ela estava atrás de mim, a maçaneta da porta na palma da mão. Sem outra palavra, ela a fechou, silenciosamente, bem na minha cara.


Eu soltei um suspiro e me encostei à parede. Eviscerado, isso é exatamente como eu me sentia. Eu não achava que eu poderia me sentir pior. Até que ela começou a chorar novamente. Ela tentou escondê-lo no travesseiro, mas eu ainda ouvi. Ouvi cada gemido e suspiro. Era difícil não ir para ela; era difícil não a puxar em meus braços. Mas ela não me queria. Eu não tinha certeza de que jamais o faria novamente. E assim, enquanto minutos transformaram-se em horas, eu fiquei ali na sala e ouvi a mulher que eu amava chorar até que ela estava tão exausta que ela não tinha mais nada.


CAPITULO quarenta e tres #FelizDiaDeAçãoDeGraças Se você não pode encontrar algo pelo qual se sentir agradecido, respire profundamente e agradeça por isso. #EstarVivoÉUmPresente. #BuzzBoss

I VY Recusei-me a ir para a mãe de Braeden no dia de Ação de Graças. Eu não podia fingir daquela forma. Eu não podia ir sentar, e sorrir, e fingir enquanto eu comia peru e torta, e assistia balões gigantes passarem na TV. Terminei com representação. Terminei com tudo isso. Eu só queria ficar sozinha. Eu queria chorar pelo que foi tirado de mim. Minha escolha. Meu conhecimento. Minha decisão sobre como eu iria lidar com isso. Ele disse a ela que eu estava doente, que eu devia ter algum tipo de vírus da gripe. Minha temperatura não baixava e eu não queria correr o risco de fazer todos os outros doentes. Admito que meio que sorri quando o ouvi argumentando com ela no telefone, porque ela queria vir e me verificar. Ela era uma enfermeira no final das contas. "Eu sei que você a ama, mãe", Braeden murmurou no corredor. "Mas ela está descansando. Ela tomou remédios para resfriados e está dormindo.


Se ela não estiver melhor em alguns dias, eu vou buscá-la para cá eu mesmo". Algumas batidas de silêncio. "Mãe," ele gemeu. Um pouco mais. "Mamãe!" Eu esperava que ela o fritasse todo o jantar e o deixasse desconfortável e o fizesse dizer ainda mais mentiras para que ele pudesse encobrir o que tinha feito. Eu estava tão zangada com ele. Tão magoada e confusa. Não só Zach tinha me violado, bem como a minha melhor amiga e o meu namorado. Foi uma tripla ameaça de traição. Enquanto eu me escondi no meu quarto por dias, mal saindo, eu raciocinei o que Missy tinha feito. E porque ela tinha feito isso. Meu palpite era que ela nunca planejou em mostrar essas fotos para qualquer pessoa. Ela nunca planejou deixar ninguém (inclusive eu) saber sobre o que realmente aconteceu naquela noite. Ela provavelmente tinha o mesmo motivo que Braeden; ela queria me impedir de me machucar. Mas então ela mudou de idéia. Ela ficou chateada quando eu dormi com B, então ela atacou e postou essa imagem. Ela provavelmente não tinha ideia que levaria Braeden a descobri-la. Pessoas com raiva cometem erros, e ela tinha ficado com raiva. Não admira que ela manteve pendurado em volta, continuou tentando encontrar um caminho de volta para o nosso círculo. Ela queria saber se eu sabia. Ela queria saber se eu ia denunciá-la pelas coisas de merda que ela tinha feito. Talvez eu o fizesse. Mas, realmente, eu provavelmente não iria. Denunciá-la só iria tornar mais difícil para mim. Eu estava tão incrivelmente exausta. Eu dormi por quase três dias e depois me escondi nas cobertas com Prada e meus pensamentos.


Eu aleguei doença para o trabalho, sabendo que eu poderia ser demitida por não aparecer na Black Friday. Mas no segundo que falei na linha, minha voz arranhada, rouca, abafada, totalmente convenceu Monica de que eu não estava fingindo. Braeden ia e vinha. Ele manteve a distância apenas como eu pedi, mas ele ainda estava lá. Ele me trouxe comida, que eu mal comi. Ele me trouxe café (eu bebi isso) e fez com que Prada saísse e fosse alimentada. Ele nunca tentou me tocar. Ele nunca pediu para dormir aqui, e ele nunca pegou coisas de nosso armário ou gavetas. Eu estava machucada demais para pensar sobre como ele estava se sentindo. Eu estava zangada demais para me importar. Mas à medida que os dias passavam, eu encontrei meus olhos demorando mais sobre ele quando ele iria aparecer, antes que eu recuasse de volta para o pequeno mundo no qual eu existia. Principalmente, eu me perguntava a mesma pergunta uma e outra vez. Não era porquê. Eu sabia o porquê. O porquê podia não fazer sentido para mim, mas realmente, não era preciso. Eu sabia que, no fundo, ser estuprada não foi minha culpa. O porquê não era sobre mim. O porquê era sobre Zach e qualquer que seja o inferno que estava errado com ele. Uma única pergunta me assombrou mais. Era melhor saber a verdade ou teria sido mais fácil pensar que tinha sido um caso de uma noite do inferno? Alguns dias eu tinha certeza de que saber a verdade ultrapassava longe todo o resto. Mas, então, às vezes, geralmente quando eu ficava acordada no escuro e olhava para as estrelas brilhantes que B e eu colocamos no teto, eu me perguntava... Não iria doer menos se eu não soubesse? Eu estava dividida.


No quarto dia, em algum lugar na casa uma porta bateu. Rimmel não era esperada de volta do dia de Ação de Graças com Romeo até tarde no dia seguinte, então eu sabia que não era ela. Era totalmente possível que tinha sido Braeden, mas ele não tinha batido qualquer coisa desde aquela noite que ele empurrou tudo fora de nosso armário. Tudo ainda estava quebrado e disperso. Eu ouvi algumas vozes levantadas e me sentei um pouco mais reta, perguntando o que estava acontecendo. Passos pisaram subindo as escadas, e a voz irritada de Braeden ficou mais alta. "Eu disse que ela está doente! Deixe- a em paz!" "Se ela está muito doente para me ver, então ela pode me dizer ela mesma!" Drew gritou de volta. Meu irmão! O que no mundo ele estava fazendo aqui? A porta se abriu e Drew entrou. Seus passos gaguejaram quase imediatamente. Ele assimilou o quarto escuro, a cama bagunçada, e provavelmente o meu cabelo zumbi e o rosto em choque completo. Ele realmente não tinha acreditado em Braeden quando ele disse que eu estava doente. Ele pensou que eu estava amarrada aqui? "Ivy", disse ele. Braeden pairou no corredor, olhando do meu irmão para mim. Eu não conseguia tirar os olhos dele. Ele parecia terrível. Era como se eu não tivesse percebido até agora há pouco. Meu coração se sentiu ferido, tanto assim que eu pressionei uma mão no meu peito e esfreguei. O que estava acontecendo com a gente? Irritada, eu não respondi. Drew perseguiu até a porta e a bateu direito na cara de Braeden. "Vista-se. Você vai para o hospital." "O quê!" Eu gritei. "Não."


"Não discuta comigo, moça", ele disse, soando mais como meu pai do que meu irmão mais velho. "Eu não acreditei que você estava doente demais para ligar e falar com a mãe em Ação de Graças." A culpa perfurou meu coração. Braeden ligou e disse tudo o que ele disse à sua mãe. "E eu não acreditei que você ainda estava muito doente para ligar agora, então eu voltei." Ele disse isso como se provasse alguma coisa. "E?" Eu perguntei com expectativa. "E você parece uma merda. Eu nunca vi o seu cabelo parecer tão ruim. Sua pele está tão branca que você parece um fantasma, e esta sala cheira..." Ele torceu o nariz. "E isso não cheira bem." "Grosso," eu bati. Eu tinha o direito de estar malcheirosa. "Se você está tão doente, então eu estou fazendo o que o cabeça-dura não fez." Ele engatou um polegar na porta, levando-me a crer que o cabeçadura era Braeden. "Vou levá-la para o hospital." "Não." Eu cruzei os braços sobre o peito. "Não?", Ele respondeu como se fosse um desafio. Olhei-o para baixo. Ele atravessou a sala como se ele fosse me puxar direto das cobertas. Eu me preparei para chutá-lo. Seu pé triturou sobre algum vidro quebrado e ele parou. Olhou para baixo. Seus olhos arredondaram na confusão por todo o chão. "O que diabos aconteceu aqui?" "Nada." Eu funguei. Os olhos de Drew se estreitaram e uma calma mortal assumiu seu corpo. "Ele fez isso?", ele rosnou. "Ele bateu em você?" Fiquei de boca aberta. O fato de que ele acusaria Braeden de todas as pessoas de bater numa mulher era simplesmente ridículo. "Não!" "Não se atreva a mentir por ele." Drew chicoteou as palavras para mim. "Você tem contusões? Há quanto tempo isso vem acontecendo?"


Enquanto ele disparava perguntas, ele andou pelo quarto, seus sapatos esmagando sobre ainda mais vidro. "Eu vou matá-lo." Ele invadiu em direção à porta. "Espere!" Eu gritei. Ele olhou por cima do ombro. Meu corpo caiu. "Braeden nunca faria isso." "Então o que aconteceu?" A única resposta que me restava era a verdade. Eu não ia mentir. Eu odiava mentiras. Além disso, meu irmão via através delas em três exatos segundos. "Você provavelmente deve se sentar," eu disse e me preparei para dizer em voz alta o que Zach tinha feito comigo.


CAPITULO quarenta e quatro Estressado é sobremesa soletrado de trás para frente14. #IssoExplicaTanto #AlguémQuerBolo? #BuzzBoss

B RAEDEN Ele estava no andar de cima muito tempo. O silêncio ressoando pela casa me deixou nervoso. Eu não tinha estado preparado para ele vir invadir aqui, exigindo ver Ivy. Claro, olhando para trás, é exatamente o que eu teria feito se fosse Rimmel. Eu não ouvi na porta mesmo que eu pensei sobre isso. Espionar a minha namorada não era algo que eu sequer planejei fazer. Eu não tinha certeza se ela ainda era minha namorada. Quatro dias de nada. Quatro dias e ela se escondendo dentro de seu quarto, apenas saindo quando precisava. Eu tentei falar com ela algumas vezes, mas ela estava completamente fechada, completamente perdida. Ainda assim, eu não iria deixá-la.

14

stressed, estressado / dessert, sobremesa


Isso trouxe um monte de más recordações de quando a minha mãe fora espancada e muito ferida para sair da cama. A casa ficou tranquila. Eu andei na ponta dos pés ao redor, com medo de ser notado por ele. Eu não queria viver assim. Mas eu não sabia mais o que fazer. Eu disse mim mesmo que em mais alguns dias, ela perceberia que ela não podia se esconder para sempre. É verdade, ela poderia me odiar para sempre, mas ela não conseguia esconder. Eu preferia lutar com ela do que não ter absolutamente nada. Eu estava basicamente esperando até que Rimmel voltasse para casa. Minha irmã saberia o que dizer a ela. Ela saberia o que fazer. Mas então Drew apareceu. E agora estava em silêncio. E se ela foi para casa com ele? Será que ela apenas se arrumou e saiu assim? O que eu faria se ela o fez? Será que eu a deixaria ir? Não. Eu não estou deixando que ela vá sem uma luta. De repente, o silêncio foi interrompido pelo som de passos pesados na escada. Drew gritou meu nome, e eu soube que ela disse a ele. Eu não tive tempo para ser surpreendido, porque ele veio para mim como um trem de carga maldita. "Seu filho da puta!", ele gritou e jogou para fora seu punho. Deixei que ele me batesse. Inferno, eu o saudei. Eu merecia. Minha cabeça se voltou e eu senti meu lábio dividido. O limo quente do sangue acumulou no canto da minha boca e eu o enxuguei com as costas da minha mão. "Minha irmã foi estuprada e você não fez nada sobre isso!", ele grunhiu e puxou o punho de volta. Eu me movi pouco antes dele armar o punho e ele girou. "Cuidado", rosnei. Um golpe livre era tudo que eu permitia.


E como diabos ele ousa dizer que não fiz nada? Eu estava me matando por meses, tentando ajudá-la a curar sem torná-lo pior. "Eu sabia que algo estava errado. Eu até lhe perguntei. Você não disse nada! " Ele jogou fora o punho de novo, pastando minha mandíbula. Eu o empurrei de volta. Ele bateu em um dos bancos na ilha e o derrubou. Fez um grande estrondo quando atingiu o chão. "Não me bata de novo." O idiota me apressou. Claramente, ele não sabia que não devia fazer isso com um jogador de futebol. Eu afundei em uma poltrona e inverti a sua corrida. Eu peguei ele pela cintura, girei em torno dele e o coloquei sobre as costas dele. Ele me pegou ao redor do tornozelo e eu dobrei na cintura, entregando um soco rápido direto em sua mandíbula. Drew rolou, batendo minhas pernas debaixo de mim e caiu no chão, trocando golpes como se estivéssemos no ringue. Eu era maior do que ele. E fisicamente em melhor forma. Ele ficou sem fôlego, mas eu estava apenas começando. Eu o coloquei no chão. Suas lutas de me sacudir para fora eram inúteis. "Que tipo de homem não protege a sua menina!" Drew gritou. Vi preto. Não vermelho. Preto. Imaginei o rosto de Zach. Eu ouvi os gritos do meu pai e o choro de minha mãe. Senti Ivy deitada na cama à noite, tremendo nos meus braços de pesadelos que ela nem se lembrava na manhã seguinte. Ela não tinha ideia que eu surgia em nosso quarto à noite. Ela não tinha ideia de que ela se arrastava direto para meus braços. Era apenas mais merda que eu não lhe disse. Eu dirigi o meu punho no rosto de Drew. Senti sua separação da pele e vi o sangue correr. No processo da nossa luta, nós tínhamos derrubado todas as banquetas e sacudido duas fotos penduradas nas paredes. Recuei meu punho para bater nele de novo, não mais no controle, não mais importando o dano que eu infligia. "Braeden!" Ivy gritou, apavorada.


Meu punho congelou no ar e eu olhei por cima do meu ombro. "Pare!" Ela correu para dentro da sala, horror em seu rosto. Drew se aproveitou da minha distração e rolou, prendendo-me debaixo dele. Seu punho enterrou em meu lado, e eu grunhi, mas depois travei meus braços em torno dele para jogá-lo fora. "Não o machuque!", ela implorou, lágrimas em sua voz. Deixei escapar uma maldição e rolei. Drew caiu de costas, com o peito arfando. Eu pulei para cima e enxuguei meu lábio ainda sangrando. "Oh meu Deus!" Ela correu para a frente. "Você está sangrando!" "Estou bem." "Oh, seu rosto", ela sussurrou e levantou a mão para o local formigando perto do meu olho. Prendi a respiração. Ela ia realmente me tocar? Era preocupação em seus olhos? Drew gemeu do chão. "Eu estou sangrando muito!", ele lamentou. Ivy largou a mão e foi para o seu lado. "Você é um idiota. O que diabos você pensou que estava fazendo vindo até aqui para ele desse jeito? " "Mereceu", ele murmurou, o lábio já o dobro do seu tamanho normal. "Eu lhe disse que não era culpa dele." "Você disse a ele?" Eu perguntei, ainda enxugando meu lábio. Ela olhou para cima. "Sim." Eu balancei a cabeça. Eu estava bem com isso. Ela poderia dizer a quem ela queria. Mas eu não diria. Essa era a sua chamada. Drew gemeu como um amor perfeito, caramba, e eu revirei os olhos. Eu fui para o freezer e peguei um saco de ervilhas. Eles deviam estar lá para fins de bloco de gelo, porque ninguém nesta casa comia ervilhas. Eu os joguei para Drew e bateu-lhe no estômago. Ivy me deu um olhar duro, e eu olhei para trás, mantendo o meu rosto de pedra. "Vá se sentar", ela disse a seu irmão, a desaprovação em seu tom. Observei-a caminhar para o congelador e retirar um bloco de gelo real.


Era azul e flexível. Ela enrolou uma toalha de cozinha em torno dele e, em seguida, cruzou para mim. "Dói?", perguntou ela, pressionando-o na minha bochecha. "Não." "Mentiroso!" Drew gritou. Eu sorri. "Eu estou acostumado a tomar pancadas. Ao contrário de algumas pessoas. " Ivy revirou os olhos, mas era gentil quando ela levantou o gelo e olhou para a área. "Segure isto aqui." "E se eu quiser que você o faça?" Eu disse tão baixo que só ela podia ouvir. "Às vezes nós não conseguimos o que queremos", disse ela igualmente tranquila. Peguei o gelo e o segurei no meu rosto. Ela pegou outra toalha, molhou-a, e depois começou enxugando meu lábio. Queimou como o inferno. "Sinto muito que ele levou isso em você." Dei de ombros. "Eu dou conta disso." Ela puxou a toalha para trás e olhou para mim. Seus olhos estavam vermelhos e não quase tão vívidos quanto o habitual. "Você parece uma merda." Sua voz foi contundente. "Você também." "Como é que ele recebe um bloco de gelo real e eu recebo ervilhas?" Drew lamentou. "Você prefere cenouras?" Eu brinquei. "Você é um idiota. Minha irmã poderia fazer muito melhor do que você." Doeu. Provavelmente porque era verdade. Ivy engasgou e se afastou de mim. "Andrew Wayne Forrester!"


Eu sorri para ele atrás das costas. O nome do meio do cara era Wayne. "Você foi um cowboy em outra vida?" Ele empurrou-se da mesa, a cadeira fazendo barulho no chão atrás dele. Ivy saltou e eu reagi, a deslizando sem esforço por trás de mim. "É como se você quer que eu vá com você de novo," Drew rosnou. Eu estendi meus braços em convite. "Cale-se agora mesmo!" Ivy gritou. "Ou eu vou socar vocês dois!" "Droga, mana. Por que você tem que ser tão violenta?" Drew perguntou. Foi meio engraçado e meus lábios tremeram. Ivy suspirou como se toda a sua paciência tivesse ido embora, e por um breve segundo Drew e eu compartilhamos um olhar. Um segundo de trégua. Mas então acabou. "Por que eu não dou a vocês algum tempo?" Eu disse, puxando o gelo longe do meu rosto e soltando-o sobre a mesa na frente dele. "Então você pode falar mal de mim um pouco mais na privacidade da minha casa." Saí da cozinha e entrei na sala de estar. Ivy correu atrás de mim. Isso meio que me irritou. Agora ela queria falar? Agora ela queria ter certeza de que eu estava bem? "Braeden, você não tem que sair." "Tá tranquilo", eu disse, como se não fosse grande coisa. "Eu poderia usar uma pausa de qualquer maneira." Ela não disse mais nada. Ela só ficou enraizada no lugar. Saí sem olhar para trás. Eu podia ter agido como se não fosse grande coisa, mas por dentro... Por dentro era uma história diferente.


CAPITULO quarenta e cinco Se idiotas pudessem voar, este campus seria um aeroporto. #SeuVooEstáEmbarcando #BuzzBoss

I VY Ele saiu e nem sequer olhou para trás. Eu gritei com ele. Eu o culpei. Meu irmão lhe deu um soco, o fez sangrar. Ele o insultou. Braeden levou tudo. Ele não disse uma palavra. Ele estava fazendo tudo isso para mim, enquanto eu me escondia no meu quarto. Eu estava sendo egoísta. Não mais.


CAPITULO quarenta e seis #Flagra Uma pick-up vermelha cruzando as ruas da alpha U. Sozinha. #BarbieNãoPodeSegurarKen #BuzzBoss

B RAEDEN Mandei um texto. Eu preciso de você. Horas depois que eu pisei fora de casa, eu voltei. Os bancos da cozinha foram limpos, tudo estava no lugar. Nenhuma evidência de uma partida de perfuração entre Drew e eu permaneceu. Subi e tomei um banho, meus músculos doloridos do jeito que eu os tinha quebrado para baixo na academia. Mesmo assim, era bom trabalhar tão duro. Eu precisava disso. Eu me senti muito menos volátil do que eu tinha sentido horas antes. Desde que todas as minhas roupas estavam no quarto e as que eu estava vestindo estavam longe de adequadas para colocar de volta, eu enrolei uma toalha em volta da minha cintura e silenciosamente abri a porta do quarto. Prada estava enrolada em seu lado contra Ivy, que fez um ligeiro solavanco no centro da cama. Ela estava dormindo, então eu me movimentei no armário tão tranquilo quanto eu poderia até que eu encontrei um par de calções de basquete e uma camiseta.


De volta para fora do quarto, olhei para trás, Ivy, arrastando-se um pouco mais perto da cama. Prada rolou de costas e me mostrou sua barriga. Eu sorri e alisei seu estômago por alguns minutos. A bagunça que eu fiz na noite que Ivy descobriu foi limpa. Todas as coisas que eu tinha empurrado para o chão estavam de volta na cômoda, menos um par de molduras e um relógio que tinha tudo quebrado com o impacto. Havia uma vela acesa no meu lado da cama, fazendo o quarto ficar com cheiro de baunilha e canela. Eu não pude deixar de notar que ela tinha tomado um banho e secado seu cabelo. Ela estava usando algo diferente que a mesma coisa que ela tinha vivido nos últimos quatro dias. Eu acho que os insultos de Drew bateram em casa. Fiquei imaginando o que eles conversaram sobre depois que eu saí. Ele provavelmente tentou convencê-la a ir para casa com ele. Talvez isso fosse bom para ela, especialmente se ela decidiu que não poderia me perdoar. Eu estava feliz que ela tinha alguém, pelo menos ela não estaria sozinha. Eu fechei a porta silenciosamente atrás de mim e desci as escadas. Olhei para a cerveja por um longo tempo, mas em seguida, peguei uma garrafa de água e a bebi em seu lugar. Folheei os canais de TV sem muito interesse e, em seguida, olhei para o relógio. Era tarde e eu estava cansado. Em vez de me deitar no sofá e desmaiar, eu fui lá em cima. Sentei-me do lado de fora da porta do quarto de Ivy e me encostei na parede. Tornou-se uma rotina. Pelas últimas quatro noites, aqui foi onde passei meu tempo. Teria sido muito mais confortável no sofá ou, inferno, antes de Drew chegar aqui, o quarto de hóspedes. Mas esses lugares estavam muito longe. Ivy estava tendo pesadelos. Eu precisava estar por perto. Eu expirei lentamente, descansei a cabeça contra o batente da porta, e fechei os olhos. O treino me drenou, e eu adormeci facilmente pela primeira vez em muito tempo.


Eu não sei o que me fez acordar. Talvez eu ouvi o código de alarme sendo digitado. Ou talvez foi o fato de que ele estava olhando para mim em meu sono. Eu empurrei para fora da parede quando alguém soprou uma buzina de ar no meu ouvido. Romeo estava de pé em cima de mim, olhando para baixo com um olhar preocupado no rosto. Ele parecia cansado. Como um cara que estava dirigindo várias horas sem parar. "Por que diabos você está dormindo no corredor?" "Você veio", eu disse, minha voz ainda espessa com o sono. "Você mandou uma mensagem." Tão simples, mas significava muito. "Rim ficou chateada?" "Claro que não!", ela disse, aparecendo no topo da escada quase do nada. Romeo sorriu. "Não achou que ela ia me deixar voltar para casa sem ela, não é?" "Meu BBFL precisava de mim." Seus olhos me encontraram no chão e preocupação os escureceu. "Ele me mandou uma mensagem, Smalls." Romeo lembrou. "Ele provavelmente tem os números de telefone confusos", Rimmel murmurou. "Ou talvez ele só quisesse alguns conselhos viris, em vez de se sentir como ele estava sendo entrevistado por Doctor Phil ", ele brincou. "Roman Anderson, se todos não estivessem dormindo nesta casa, eu te chutaria tão forte que você ia gritar!" "Agora, baby, isso é maldade." Cara, eu tinha sentido falta dele. E eles também me fizeram perceber o quanto eu sentia falta de Ivy. Eu sentia falta dela lançando insultos e levando-os de volta. Rimmel bufou e me prendeu com um olhar. "Por que você está dormindo no corredor?" "Ivy me expulsou do quarto."


"Vê? É assunto de homem, querida. Leve sua bunda bonita para a cama. Eu estarei lá mais tarde," Romeo disse a ela. Levantei-me e puxei-a para um abraço. Ela realmente me abraçou de volta. Eu gostei. "Obrigado por estar aqui, mana," eu sussurrei em seu ouvido. "Eu te amo", ela sussurrou de volta. Depois que ela desapareceu em seu quarto, Romeo fez sinal para eu segui-lo lá em baixo. "Temos um sofá, você sabe", disse ele, deixando-se cair sobre ele e apoiando os pés sobre a mesa de café. Rimmel e Ivy passou um fim de semana inteiro pintando-a e duas mesas laterais brancas. Eu tinha certeza se qualquer uma delas visse seus pés e sapatos sobre ela, iam lhe dar um sermão. Naturalmente, sentei-me e coloquei meus pés nela também. "Ela tem pesadelos, cara. Eu preciso estar perto." "Não é possível dizer que fiquei surpreso quando recebi seu texto. Merda está acontecendo com você por um tempo." "Não é realmente meu problema para dizer." "Posso ter me enganado." Ele estava certo. Eu podia não ter sido o único a ser estuprado, mas eu ainda estava lidando com as consequências. Eu precisava de alguém para conversar. Eu simplesmente não podia continuar em silêncio. E eu mandei uma mensagem para ele. Ele veio. Levou horas para chegar aqui, o que significava que ele partiu logo depois que eu mandei uma mensagem. Eu não tinha idéia que tipo de inconveniência causou a ele, mas ele nem sequer a mencionou. Eu não ia me recusar a dizer-lhe agora. Ele apareceu. Eu tinha que aguentar. Romeo esperou, enquanto eu lutava internamente, cruzando os braços sobre o peito, inclinando a cabeça para trás e fechando os olhos. "Zach estuprou Ivy."


O corpo inteiro de Romeo estava morto ainda. Um olho abriu. Em seguida, o outro. Ele virou a cabeça e olhou para mim. "Que porra você acabou de dizer?" Eu balancei a cabeça, sombrio. "Na noite em que ele invadiu o laptop de Rim. Ivy não dormiu com ele porque ela estava bêbada. Ele a drogou e depois ele a estuprou." Ele se exasperou e seus pés tocaram o chão. O conjunto forte de sua mandíbula e o brilho puto em seu olho não eram desconhecidos. Eu sabia que é exatamente como eu estava quando eu descobri sobre isso também. "Ela está levando isso em torno todo esse tempo", ele murmurou. "Ela não disse..." "Ela não sabia." Eu o interrompi. Antes que ele pudesse pedir uma explicação, eu disse a ele sobre as imagens, como eu descobri e nunca disse a ninguém. Ele passou a mão sobre a parte de trás de sua cabeça e, em seguida, pelo seu rosto. "Você sabia por seis meses?", ele repetiu, totalmente chocado com tudo isso. "Eu esperava que eu nunca teria que contar a ninguém." Ele soltou uma série de palavrões. "Eu não fazia ideia. Sinto muito, cara. Eu deveria ter estado aqui. Você tem resolvido sozinho." "Ivy acabou de descobrir." Eu rapidamente expliquei sobre como ela teve um flashback e eu admiti tudo. Eu deixei fora a parte sobre a calcinha, porque isso abriria muitas outras perguntas. "Se ele não estivesse preso," Romeo praguejou. "Eu já o teria matado." Eu terminei, calmo e sério. Ele olhou para mim. Olhei para trás. Ele assentiu. "Então o que eu posso fazer?" Sua voz ainda tinha um tom de choque. "Eu não acho que há qualquer coisa que alguém pode fazer. Eu só estou ficando louco, sabe? Tem sido quatro dias de silêncio, silêncio e de escutá-la chorar. Ela está com raiva de mim. Não tenho a certeza que ela vai ser capaz de me perdoar." Ele acenou com as minhas palavras. "Você fez a coisa certa."


Eu não sei por que, mas suas palavras me surpreenderam quase tanto como aprender o que realmente aconteceu. "Você acha?" "Inferno, sim. Se eu estivesse no seu lugar, eu teria feito a mesma coisa. Nós temos que protegê-las." Deixei escapar uma respiração irregular. Todo esse tempo, eu pensei que ele iria me dizer o idiota que eu era. Eu sinceramente pensei que Romeo não teria feito o mesmo. Eu me senti de alguma forma validado. Um peso parcial foi tirado de mim, e eu me acomodei no sofá, sentindo-me ligeiramente mais leve que antes. Minha nova paz foi muito curta. O grito de Ivy cortou pela casa. Eu pulei para fora do sofá e corri até as escadas.


CAPITULO quarenta e sete #FatoEngraçado 70% dos nossos sonhos contém mensagens secretas. #ReflexãoDaSuaVida #BuzzBoss

I VY Eu pensei ter ouvido vozes, o tipo familiar das pessoas que eu tinha aprendido a amar. Mas quando me virei mais e ouvi, eu não os ouvi de forma alguma. Deve ter sido um sonho. Talvez fosse um sonho sobre dias melhores, quando todos nós não nos sentíamos tão separados. Quando estávamos todos aqui nesta casa como uma família feliz. Fechei os olhos e me aconcheguei de volta para os cobertores, determinada a voltar a dormir. Amanhã, eu ia falar com Braeden. Eu ia começar a viver minha vida novamente. Eu precisava de descanso para fazê-lo; a tarefa não ia ser tão fácil. Eu cochilei, finalmente, deslizando numa felicidade calma, longe de meus pensamentos de corrida.

###


O som de música alta, batendo, me fez mexer novamente. Era tão alto que vibrava meu peito e feito para que todos tivessem que gritar sobre o baixo. Havia um monte de gente aqui. A festa estava no auge, a casa tão cheia que se os bombeiros passassem no local, teríamos batido por violação do código –corpos demais em um espaço pequeno demais. Mas ninguém nunca pensou sobre isso. A cerveja estava fluindo e a noite era uma criança. Tomei um gole da bebida na minha mão, fresca do barril na cozinha. Eu gostei da maneira como ele deslizou para baixo na minha garganta e bateu na minha barriga, espalhando-se como um cobertor quente. "Esta é a melhor festa durante todo o semestre!" Missy gritou no meu ouvido. "Eu sei, verdade!" Minha voz soou engraçada para os meus próprios ouvidos. Estava um pouco alta demais, um pouco brilhante. Nós começamos a dançar ali onde estávamos. Pessoas ao nosso redor começaram a dançar também, e em breve tivemos nossa própria pequena festa de dança acontecendo ali mesmo no centro da fraternidade. Enquanto eu balançava meus quadris, eu olhei para o canto da sala. Havia um casal sentado em uma cadeira que parecia um trono. A menina estava no colo do cara; ela estava montada nele, praticamente transando seco, ali para todo mundo ver. Tudo que eu podia ver dele eram suas grandes mãos segurando-a de volta e ajudando seu movimento contra ele. Seu longo cabelo escuro virou ao redor e eles deram uns amassos, e por alguma razão, isso me fez sentir doente. Por que eles estavam apenas fazendo ali mesmo, onde todos podiam ver? "Alguém precisa obter um quarto", disse uma voz seca ao meu lado. Girei tão rápido que um pouco da cerveja espirrou para fora do copo e sobre a minha mão, absorvendo minha pele no líquido espesso. "Cuidado agora", disse ele. " Não quero perder nada disso. Ele tem um pouco de algo extra aí apenas para você."


O terror era como uma garra afiada que rapidamente rasgou minha pele. O que Zach estava fazendo aqui? Eu pensei que ele estava trancado, colocado em algum lugar que ele não poderia machucar ninguém. Ele sorriu como um tubarão que comeu apenas um selo de quarenta libras. Eu o vi chegar com um único dedo e empurrar a taça em direção a minha boca. Eu não lutei com ele. Era como se eu estivesse hipnotizada. Como se eu fosse impotente para lutar. A cerveja quente, fermentada derramou sobre a minha língua. Desta vez, não tinha gosto fresco. Tinha um gosto estranho. Havia alguma coisa lá dentro... Olhei para baixo. Dezenas de comprimidos brancos flutuavam no líquido pálido. Eu cuspi para fora o que estava na minha boca. Voou em todos os lugares, mas de alguma forma evitou Zach. Ele me observava, divertido, um olhar maníaco brilhando em seus olhos. "É tarde demais para isso, Ivy", entoou, e minha visão começou a se confundir. Meus olhos ficaram pesados e de repente eu estava tão cansada. "Você é minha agora," ele sussurrou. "Para fazer o que eu quiser." "Não", eu arrastei. Ele riu e espalmou meu ombro. Os dedos dele na minha pele. "Não há ninguém aqui para salvar você ", ele zombou e então me virei. Todas as pessoas que lotaram este quarto momentos antes tinham desaparecido. Os únicos que permaneciam eram o casal na cadeira. A menina não estava vestindo uma camisa, e ela estava fazendo barulhos nojentos enquanto ela montava o colo do cara. "Vê?" Zach ronronou. "Ele já seguiu em frente." Como se na sugestão, a menina virou-se e olhou para mim. Seus olhos estavam cheios de despeito. Era Missy. E o homem em cujo colo ela estava sentada... era Braeden.


A próxima coisa que eu sabia, eu estava enjoada e presa a uma cama. Eu não tinha ideia de onde estava ou como eu cheguei lá. Mas eu não estava sozinha. Zach estava aqui. Ele estava rasgando as minhas roupas e dizendo as coisas mais vis para mim. Eu tentei empurrá-lo longe. Tentei gritar e gritar. "Eu gosto quando você luta", ele grunhiu e esfregou o pau ereto contra o meu corpo. Ele projetava através de suas calças, e eu estava amordaçada. "Me deixa bem duro." Ele empurrou o seu rosto apenas polegadas do meu e gritou: "Agora cale a boca e aguente!"

### "NÃO!" Eu gritei e sacudiu-me na cama. Minhas roupas estavam úmidas e aderindo a mim, e meu corpo tremia tanto que eu podia ouvir meus dentes baterem. Foi apenas um sonho. Apenas um sonho, eu disse-me mais e mais. Mas eu não conseguia parar de tremer. Eu não conseguia parar de ouvi-lo gritar comigo. Eu empurrei para fora da cama. Meu pé se enroscou e eu caí. Meu joelho bateu no chão primeiro, e eu gritei. Empurrando para cima, eu olhava para a porta fechada. Eu queria Braeden. Eu queria me sentir segura novamente. Eu nem sequer sabia se ele estava aqui e, em caso afirmativo, se ele iria falar comigo. Se ele estiver em casa, sua caminhonete estaria na garagem. Fui até a janela e levantei a cortina. As persianas estavam fechadas, então eu escorreguei um par de dedos entre ela e abri apenas uma das lâminas. Eu pressionei de perto e olhei para a noite, esperando ver a grande caminhonete vermelha.


Meus olhos pousaram em outra coisa. Alguém mais. Eu sacudi as cortinas ruidosamente contra o vidro. Fazendo uma dupla tomada, disse a mim mesma que eu ainda estava apenas apavorada do sonho. Mas ele ainda estava lá. Zach estava ali de pé no centro da calçada, olhando para a casa. Olhando para mim. Vestido completamente de negro, seu corpo desapareceu com a noite. Assim como antes na escadaria.

praticamente

Eu tinha imaginado isso. Não tinha? Seu cabelo estava perfeitamente organizado, assim como ele sempre foi. Eu odiei isso. Eu odiava tudo sobre ele. Seu rosto estava pálido e parecia como um corvo em um milharal. A maneira como ele só ficou lá, imóvel, sem piscar, olhando diretamente para mim... Estremeci. Minha boca se abriu, pronta para gritar. Ele viu. Ele sabia. Com um movimento cuidadoso, deliberado, um único dedo levantado aos lábios, pressionado no centro, e ele balançou a cabeça lentamente. Shhhhh. Comecei a gritar, e uma vez que eu comecei, eu não conseguia parar. Eu caí longe da janela, praticamente rasgando a cortina direto fora da parede, e caí de volta na cama. Um cobertor enrolou em volta de mim e a sensação de ser colocada para baixo veio sobre mim. Eu lutei contra o cobertor, gritando ainda mais. Ele está aqui. Ele está vindo para mim. Ele vai me estuprar novamente. Eu não serei capaz de detê-lo. Mal registrei o som da porta voando aberta e batendo contra a parede. A lâmpada na mesa de cabeceira sacudiu com a força de passos batendo.


Braeden chamou meu nome, mas mesmo que eu sabia que era ele, eu não podia parar. Ele apareceu sobre mim, o rosto apavorado. Ele estendeu a mão para mim, mas, em seguida, seus braços ficaram aquém. Ele virou-se. "Seus olhos estão abertos. Eu acho que ela pode estar acordada. Eu não acho que ela me quer." A tortura em sua voz não podia ser negada, e mesmo que eu quisesse dizer a ele que não era verdade e eu o queria, eu não podia parar de gritar. Nem mesmo um segundo passou e alguém estava lá. A cama afundou sob seu peso, e eu fui arrastada para cima do colchão, para fora do cobertor tentando me sufocar e contra um peito duro de pedra. Parecia semelhante ao de Braeden, mas não era o mesmo. "Está tudo bem agora", disse Romeo, empurrando o meu rosto em seu peito e segurando-o lá. "Apenas outro sonho." Outro sonho? O pensamento era tão fugaz que estava lá e, em seguida, desapareceu. Meus dedos se agarraram a sua camisa, segurando tão apertado. Meus gritos se transformaram em soluços contra ele, e seus braços apertaram. Ele xingou em voz baixa. "Eu sinto tanto, Ivy." Senti-me balançando suavemente, e honestamente, se eu tivesse estado em qualquer outro estado de espírito, eu ficaria envergonhada como o inferno. Mas eu não poderia encontrar esses sentimentos em mim porque eu estava muito ocupada tentando esquecer o que eu tinha acabado de ver. Engoli em seco e empurrei na vertical. Romeo me segurou mais apertado para me impedir de cair da cama. "Ele está aqui! " Eu gritei. "Quem!" Braeden exigiu. Meus olhos o procuraram no escuro. Ele estava andando nas proximidades, sua mandíbula apertada e os ombros tensos. Drew irrompeu na sala. "Que porra é essa!", ele gritou. "Eu acho que ela estava tendo um pesadelo", Rimmel disse calmamente.


Engoli em seco, nem mesmo percebendo que ela estava na sala, e espiei Romeo. Ela estava em pé apenas dentro da porta, seu cabelo selvagem e sem óculos no rosto. Funguei e fiquei rígida ao mesmo tempo. A realidade lentamente veio pulsando de volta. Eu olhei para cima. O rosto de Romeo estava tão perto do meu que, mesmo apenas à luz das velas, eu podia ver como seus olhos azuis estavam. Ele me procurou, uma carranca dura definida para sua boca. "Eu - eu - sim – to muit - to", gaguejei. Meus dentes ainda batiam ligeiramente. "Eu..." Tentei me afastar dele. Foi totalmente errado. Eu estava praticamente em seu colo. Ele me puxou de volta. "Está bem. Acalme-se um segundo." "Ivy," Drew disse, correndo para a cama. "Você está bem? O que diabos aconteceu?" O rosto de Zach e a forma como ele parecia brilhar na garagem escura passou diante de mim novamente. "Ele está lá fora! " Eu explodi, a agitação trabalhando o seu caminho através de mim novamente. "Eu acabei de vê-lo na garagem." "Quem?", perguntou Drew, confuso. "Zach." Eu solucei e caí contra Romeo novamente, esquecendo que eu não deveria chorar em cima dele, agarrando seu peito. Braeden arrancou do quarto. Ele foi embora antes que eu pudesse chamá-lo de volta. "Não!" Eu gritei. A porta da frente bateu e eu sabia que ele estava lá fora. "Não", eu chorei e tentei embaralhar depois dele. " Ele vai se machucar. Zach vai machucá-lo também." Romeo se levantou rapidamente, trazendo-me com ele. Ele me colocou nos braços de Drew e depois escovou meu cabelo do meu rosto molhado. "Ivy", disse ele, firme, a autoridade em sua voz inconfundível.


Um soluço ficou preso na minha garganta. Olhei para ele com os olhos arregalados. "Acalme-se. Vou pegar B." Eu balancei a cabeça. Romeo saiu correndo da sala, e eu praticamente saltei dos braços de Drew e fui para a janela. Quando minha mão fechou em torno da cortina, eu respirei fundo. Eu queria tanto olhar para fora, mas eu também estava aterrorizada com o que eu veria. Segundos depois, a porta no andar de baixo abriu e fechou novamente. Segurei a cortina, antecipando Romeo gritando por ajuda ou os sons de algo indicando mais problemas. Tudo o que eu ouvi foram passos na escada. Braeden foi o primeiro a vir ao virar da esquina. Um som arrancou do meu peito, e eu corri para o outro lado do quarto, direto para seus braços. Familiar. Seguro. Certo. "Eu estou bem", ele sussurrou. "Zach?" Minha voz tremeu. "Ninguém está lá fora, baby. Era apenas o seu sonho. Foi tudo um sonho." "Eu não estava sonhando", eu insisti. "Eu estava sonhando, mas então eu não estava." "Está tudo bem", ele murmurou, me segurando apertado. "Você tem sonhado muito." "É por isso que quando me levantei para mijar antes, você estava dormindo no corredor?", perguntou Drew. Braeden ficou tenso, mas não respondeu. Olhei para cima. "Você foi dormir no corredor?"


"Não se preocupe com isso", ele murmurou e puxou minha cabeça para trás para baixo. Romeo deu um passo atrás no quarto. Braeden deslocou-nos para o seu melhor amigo. "Você se importaria de ficar sentado com ela até ela cair no sono?" "Eu vou fazer isso", disse Drew atrás de nós. "Eu acho que eu prefiro que seja alguém que não gostaria de me dar um soco na cara." O suspiro de Rimmel encheu a sala. "É isso o que aconteceu com seu rosto?", ela perguntou. "Não, menina tutora," Braeden brincou levemente. "Eu tenho naturalmente esta boa aparência." "Agora veja aqui, Sr. Eu Dirijo Rápido Demais," Rimmel disse, assumindo um tom sério. Eu dei uma espiada da camisa de Braeden para ver seu passo mais na frente do meu irmão como se ela fosse algum tipo de durona. Mesmo que eu ainda estava tremendo e com medo, eu dei um meio sorriso. A visão era ridícula. Meu irmão a superava por pelo menos quarenta quilos e ele era tipo um pé mais alto do que ela. "Eu não sei como você é com seus irmãos em sua casa, mas nesta casa, irmãos não perfuram a cara um do outro!" "Sim, eles fazem," Romeu e Braeden disseram exatamente ao mesmo tempo. Drew reprimiu um sorriso, e Rimmel engasgou. "É melhor vocês dois não socarem a cara um do outro!", ela bateu. "Ele não é meu irmão", Drew argumentou. Romeo avançou ligeiramente, e meu olhar deslizou para ele. Drew não tinha dito a ela com qualquer tipo de calor, mas apenas o fato de que ele estava discutindo com ela era o suficiente para colocar Romeo em alerta. Rimmel apontou o dedo para ele e acenou ao redor. " Oh, sim, ele é! E se você não puder aceitar isso, então é melhor você ir arrumar suas malas." "Sim, senhora." Drew respondeu, contrito. Eu não pude evitar. Eu sorri.


Fiquei triste que eu não tinha estado presente o suficiente ultimamente para estabelecer as mesmas regras. Deus, eu estava uma bagunça. Romeo avançou e pegou Rimmel em torno da cintura, levantando-a do chão e rebocando-a de volta. "Relaxa, tigresa." "Eu vou ficar com ela", disse Drew. Braeden ficou tenso novamente. "Não." Eu dei um passo para trás para fora de seus braços e resisti ao impulso de correr de volta. "Eu estou bem. Vá para a cama." Ele abriu a boca para argumentar, e eu dei-lhe um olhar de morte. "Nossa. As mulheres desta casa precisam tomar uma pílula", ele resmungou. Em seu caminho passado, ele me beijou na testa. "Se você quiser dormir comigo como você fazia quando você tinha três anos e havia tempestades, eu vou deixar a porta aberta. " "Obrigada." Eu o abracei rapidamente. A memória de todas as noites que ele costumava inventar histórias sobre o que causava o som do trovão me aqueceu dentro. Quando ele se foi, Rimmel bocejou. "Vamos conversar amanhã?" Eu balancei a cabeça. "Desculpe ter acordado você." Romeo deu um tapinha no seu bumbum no caminho e então era só eu, ele e Braeden. "Eu olhei do lado de fora. Não há ninguém lá. O alarme está ligado," Braeden me disse, com a voz moderada. "Obrigada." Senti Romeo nos observando, e eu me perguntava o que ele sabia. Virei-me para ele. "Ele disse a você?" "Só esta noite", Braeden respondeu em seu lugar. "Eu só precisava de alguém..." "Para falar." Eu terminei. O fato de que B ainda não tinha dito a Romeo até hoje à noite, bem, dizia muito. Ele dizia tudo a Romeo. "Está tudo bem", eu sussurrei, assim como eu me senti um pouco autoconsciente sobre Romeo saber. Será que ele me via diferente agora?


Segundos depois, Romeo estava bem na minha frente. Ele puxou-me em seus braços e me abraçou perto. Meus olhos se fecharam e eu descansei minha bochecha contra seu peito. "Eu sinto muito, eu o trouxe para a sua vida." Sua voz era tão sincera e tinha uma nota de dor. Eu percebi que Romeo compreendia como era ser uma vítima de Zach. Uma vítima de um tipo diferente, mas uma vítima do mesmo jeito. "Eu não culpo você", eu disse a ele. "Eu não culpo ninguém." Eu não tinha espaço dentro de mim para a culpa. Machucava demais. Braeden deslocou e limpou a garganta. "Obrigado por estar aqui, Rome. Eu vou estar lá embaixo no sofá." Eu puxei para fora do abraço de Romeu. "Espere." Braeden olhou para trás. "Você ficará?" "Tem certeza?" Eu balancei a cabeça. Ele andou de volta para o quarto, e eu me senti um pouco melhor. Romeo me abraçou novamente. "A gente se vê de manhã, Blondie." "Não a chame assim," Braeden rosnou. Romeo suspirou alto. "Drew já a chama de mana. Você a chama de Blondie. Do que diabos eu deveria chamá-la? " "Eu tenho um nome," eu apontei. Romeo fez uma careta. "Irmãos não chamam suas irmãs pelo nome." Ele estava certo. Eles não o faziam. Meus dois irmãos chamavam-me de tudo, exceto meu nome. "Irmão?" Eu questionei, como se eu só percebi o que ele disse e que ele estava falando de mim. Ele assentiu. "Eu sei que você já tem dois, mas eu não tenho uma irmã." Um sorriso genuíno iluminou meu rosto. "Eu sou boa em irmãos de tratamento."


"Doce". Mudou-se para a porta enquanto falava. "Eu provavelmente preciso de alguma prática em ter uma irmã, mas eu acho que você vai ser uma das boas. Nós temos muito mais em comum do que eu acho que você e eu sequer percebemos. " Eu balancei a cabeça, pensando que ele estava certo. Braeden gemeu alto. "Merda. Estou saindo com a sua versão de menina". Romeo riu. "O que posso dizer? Você tem bom gosto." Eu assisti ele e Braeden baterem para fora, e então ele se foi. B foi para a cama e começou a endireitar todos os cobertores. Eu me senti pegajosa e desconfortável, então eu fui no armário e rapidamente me troquei em um novo par de pijamas de shorts de cetim e top. Quando eu saí, eu não poderia deixar de bloquear os olhos na janela, ainda abalada com o que eu tinha visto. "Foi apenas um sonho, baby", disse Braeden. Virei-me, surpreso ao vê-lo sentado na cadeira e não a cama. "Você os tem tido durante toda a semana." "O quê?" Engoli em seco, totalmente distraída. Ele passou a mão sobre o rosto. Ele parecia tão exausto. Eu sabia que a vela bruxuleante não estava apenas criando as sombras no rosto. Elas estavam lá porque ele tinha estado dormindo no corredor. Do lado de fora da minha porta. E agora eu sabia o porquê. "Você começa a chorar durante o sono. Eu entro e deito com você..." Olhei para ele de boca aberta. Eu acho que ele tomou isso como um sinal de que eu estava com raiva. "Eu não toquei em você", ele me assegurou. "Bem, às vezes eu esfregava suas costas. Sobre sua roupa ", ele apressou-se a acrescentar. "Você fez?" "Isso te acalmou." "Você vai se deitar comigo agora?" Eu perguntei a ele. "Se é o que você quer."


"Eu quero." Eu escorreguei entre os lençóis e ele fez o mesmo. "Obrigada por estar aqui por mim, Braeden", eu sussurrei. Obrigada por me respeitar. Por me dar meu espaço, mas nunca ir longe demais. Eu deslizei um pouco mais perto dele. Ele estendeu o braço e, sem hesitar, eu escorreguei contra o seu lado e coloquei minha bochecha em seu peito. Não havia nenhum lugar como o lar. "Você ainda está com medo?", ele sussurrou. "Um pouco", eu admiti. "Está tudo bem para dormir, Ivy. Juro por Deus, ninguém vai machucar você esta noite". Eu acreditei nele. Não havia lugar mais seguro do que em seus braços. Eu ainda não podia deixar de pensar sobre o que eu vi pela janela. Todo mundo parecia convencido de que era parte do meu sonho. Eu sabia melhor. Eu tinha estado totalmente acordada quando eu olhei pela janela esta noite.


CAPITULO quarenta e oito #AlertaDeEstoqueDeCafeína Espero que você tenha trazido um pouco de café extra. Amanhã é volta às aulas. #PorFavorAguardeEnquantoInstalaOJava #BuzzBoss

B RAEDEN Quando abri os olhos, ela estava olhando para mim. A maneira tranquila que seus olhos assimilaram no meu rosto fez o meu peito apertar. Eu não disse nada; ela também não. Nós apenas ficamos lá e assistimos um ao outro, nem uma única palavra falada. Ela estava deitada de costas, com o rosto voltado em minha direção. O cabelo cor de champanhe derramado entre os travesseiros e o cheiro dela se misturava nas folhas. Deus, eu tinha sentido falta do cheiro dela. Eu tinha sentido falta desta cama. Eu tinha sentido falta dela. Eu queria me aproximar. Eu queria tocá-la, mas não me mexi. Eu estava com medo que eu quebraria o que quer que este momento estava girando em torno de nós. Enquanto meus olhos devoraram seu belo rosto, notei uma lágrima, completa e brilhante, formar no canto do olho. Ela ficou pendurada, agarrando-se a seus cílios escuros, como se estivesse tentando não cair.


No final, ela perdeu a batalha. A lágrima deslizou lentamente ao longo de sua pele, deixando uma trilha molhada por trás dela. Sem pensar, eu estendi a mão e a acariciei. Eu não quero ver Ivy chorar. Eu não quero ser o motivo. "Se você pudesse voltar para o momento em que você descobriu, você faria as coisas diferentes? Você iria me dizer?", ela sussurrou. "Eu não sei", eu respondi honestamente. Mesmo sabendo como as coisas acabariam, como tudo resultou, eu ainda não tinha certeza se eu teria dito a ela. Às vezes fazemos as coisas sabendo que está errado, mas o motivo por trás deles é puro. "Eu não quero ficar com raiva de você." Eu senti como se houvesse um torno apertado em volta do meu coração e alguém foi pôr em marcha o punho, apertando, apertando até quase machucar. Mas, apesar de doer, esta não era o tipo ruim de dor. Isto era exatamente o que eu queria. Uma chance para falar com ela. A chance de deixar que ela me odiasse. A chance de deixá-la se curar. "Você tem todo o direito de estar." Nossas vozes eram tão quietas, meio que roucas de estar sem uso enquanto dormíamos. O momento que eu temia seria quebrado quando um de nós falasse ou se movesse era o oposto. Isto fechava em torno de nós, estreitando até que fosse só ela, eu, e a cama. "Você não é o único que me machuca, porém. Você só tentou me proteger." "Eu estava errado." Eu queria intensamente ceder a suas palavras, para permitir que ela me deixasse fora do gancho. Seria tão fácil. Eu não queria fácil. Eu queria real. Naquele momento, eu percebi uma coisa. Eu não era ele. Todas essas vezes que eu olhei no espelho e vi o meu pai... Eu não sou ele.


Se eu fosse, eu nunca estaria deitado aqui, abertamente, descaradamente admitindo que eu estava errado. Eu nunca teria colocado o meu coração e alma na linha para evitar Ivy de ser ferida. Se eu fosse o meu pai, eu não me importaria de jeito nenhum. "Mesmo se você ainda está com raiva de mim..." Minha voz estava rouca. "Tudo bem. Eu vou esperar por você." "Você dormiu fora da minha porta." "Eu prometi que eu nunca te deixaria ir." "Você é minha âncora", ela sussurrou. "Sempre." "Eu odeio o que me aconteceu." Algo dentro de mim rachou. Eu sentia tão profundamente que eu me perguntei se ela ouviu o som. "Eu sei, baby. Eu odeio isso também. " Aquele lugar escuro no meu centro levantou-se como se estivesse pronto para a batalha. Juro por Deus, se eu sequer visse Zach, eu o mataria pelo que ele tinha feito para ela. "E mesmo que eu não goste do que você fez, eu entendo." Só assim, a escuridão recuou. Como se um vento forte viesse e a soprasse imediatamente. "Você entendeu?" eu repeti, certificando-me de que a ouvi direito. Ela assentiu com a cabeça uma vez e virou-se, movendo-se para o lado dela, enfiando a mão sob sua bochecha, e batendo-me com ambos os olhos. Eles estavam tão azuis esta manhã. Mais azuis que eu já tinha visto antes. Azul era definitivamente a minha nova cor favorita. "Eu mantive segredos também. Eu entendo a luta interior que vem com não dizer algo que você sabe que deve, mas não querendo ferir ninguém." Ela estava falando sobre como ela dormiu comigo, sabendo que Missy me queria.


"Lembro-me de pensar para mim mesma que eu não tinha idéia se o que eu estava fazendo era..." Eu terminei a frase. "Era a coisa certa." Ela sorriu suavemente. "Sim." Ela entendeu. Querido Deus, eu não tenho nenhuma ideia o que eu fiz para merecer essa mulher. Mas obrigado, e eu juro que nunca vou tomá-la por certo. "Braeden?" A maneira hesitante que ela disse meu nome me parou nos meus passos. "Sim?" "Sinto-me meio que aliviada." Ela olhou para longe, fechando seu olhar de olhos azuis. "Como se eu pudesse finalmente entender por que tudo dentro de mim pareceu tão confuso.” "Oh, baby." Eu coçava para estender a mão e tocá-la, puxá-la contra meu peito. Eu não tinha certeza de que ela queria que eu fizesse isso, então eu mantive meus braços onde eles estavam. "Isso faz de mim uma pessoa má? Que tipo de garota sente alívio quando ela descobre que ela foi violada?" Sua voz falhou na última palavra, e meu coração gaguejou um pouco. "Uma torturada," eu jurei. "Uma menina que está lutando muito tempo, mesmo sem saber o porquê." Eu poderia ter evitado isso. “Eu entendo tanto agora. A distância que eu às vezes sentia entre nós, a maneira cuidadosa que você me tocava, porque você sempre se colocou na minha frente como um escudo." "Oh não, eu vou fazer isso para sempre." Seus lábios chutaram para cima em um meio sorriso. "Está bem. Você tem um belo bumbum por um escudo." "Eu treino," Eu me gabei. Ela riu. Estava tudo leve e quente. O melhor som de merda que eu já ouvi.


"É por isso que você se afastou de mim fisicamente depois daquela noite em Screamerz." "Eu pensei que o sexo comigo só ia fazer você pior," eu admiti. "Qualquer coisa que me traz mais perto de você nunca pode ser uma coisa ruim." Ela estendeu a mão e tocou meu rosto, puxou os dedos para o lado do meu rosto. "Eu te amo." Fechei os olhos. Era tão bom ouvir essas palavras. "Eu também te amo." "Eu quero que você me toque, Braeden." Abri os olhos e olhei profundamente nos dela, à procura de certeza absoluta. Estava lá. Estendi a mão para ela, mas ela recuou. Minha mão parou no ar. "Eu não quero nada entre nós. Eu quero tudo para fora no aberto. Não há mais segredos. Não há mais barreiras." "Não mais", murmurei e estendi a mão para ela novamente. Ela pegou minha mão e segurou-a. "Nada", ela entoou. Compreensão chegou. "Você ainda me quer dessa forma, Braeden, depois de saber que posso não ser a única a dar a parte do eu a você em primeiro lugar?" Ela queria fazer amor sem preservativo. E ela estava com medo que eu não iria querer, porque Zach a tinha violado sem um. Eu desembaracei a mão dela e a envolvi em torno de sua cintura, arrastando-a até contra a minha frente. Eu sabia que ela podia sentir minha ereção. Estava tão duro que não havia nenhuma maneira que ela poderia perder isso. "Você vai ser a única a me dar essa parte de si mesma em primeiro lugar, querida", eu disse suavemente. "Porque você nunca deu essa parte de si mesma. Ela foi tirada." "Você não se importa?" A dúvida ainda estava em sua voz. "Oh, eu me preocupo com muita merda, mas nenhuma é sobre isso," eu murmurei. "Quero você em cada maneira que você vai dar-se a mim. Ele


não é nem mesmo um fator. Ele não é nem mesmo um pensamento. As únicas pessoas neste quarto agora somos eu e você". Eu senti a doação em seu corpo, o relaxamento dos músculos. Todo o seu peso pressionou em mim, e eu aceitei com facilidade. Ivy baixou o rosto para o meu peito, e eu pressionei meus lábios para o topo da sua cabeça. Deixei meus dedos trabalharem com os fios de seu cabelo e explorei o comprimento de sua coluna com a ponta dos meus dedos. O corpo dela era todo curvas e pele de cetim. Eu poderia passar metade da minha vida tocando-a e eu ainda encontraria novas coisas sobre ela que eu admirava. Eventualmente, minhas mãos se moviam para baixo na sua bunda, que inclinava para cima quando eu alisei minha palma acima dela. Foi afirmado anteriormente que sou um homem de bunda. E sendo como tal, eu tinha plena autoridade para declarar o traseiro de Ivy o melhor ao redor. Eu massageei a firmeza redonda com ambas as mãos, e ela ronronou. Lentamente, eu massageei mais longe, na região de suas coxas, e deixei meus dedos mergulharem para baixo na abertura lisa entre eles. Ela já estava molhada para mim. Eu flertei com sua abertura até que ela começou a se mover sem descanso. Cuidadosamente, eu me mudei, colocando-a para fora no centro da cama. Eu levei um momento para olhar para cada polegada, comprometendo para a memória e maravilhado com o quão sortudo eu era. Levei-o lento, permitindo que a minha língua e os lábios ficassem em todas as partes dela. Eu era egoísta assim. Eu queria cada polegada, especialmente quando eu tinha tido tanto medo que eu nunca a teria novamente. Eu beijei o interior dos joelhos, deslizei minha língua para baixo de suas pernas e os lados de sua cintura. Eu não deixei uma única polegada intocada. Ela estava tremendo quando eu espalhei suas coxas e lambi seu centro. Ela gemeu meu nome, e eu entrei. Eu comecei com um dedo, deslizando-o facilmente em seu centro encharcado. Ela estava quente, apertada, e disposta então eu deslizei outro dedo e comecei a bombeá-los


lentamente. Seus quadris abalaram em movimento com os dedos, e eu sorri, baixei a boca para o clitóris inchado em seu centro, e puxei-o em minha boca. Seu corpo arqueou-se para fora da cama. Suas mãos deixaram em meu cabelo e empunharam os lençóis em seus lados. Continuei nela, movendo os dedos e a boca de modo que o orgasmo iria continuar e continuar. Depois de vários minutos, ela estremeceu e caiu contra a cama. Meus dedos abrandaram, mas eu continuei a lambê-la. Seu corpo ainda tremia e ela ainda gemia. Uma mão encontrou o seu caminho ao longo e molemente descansou na minha cabeça. "Eu não aguento mais", ela murmurou. Ergui a cabeça e olhei para todo o caminho até o seu corpo, o olhar em seus olhos era desfocado e macio. Eu sorri. "Você quer que eu pare?" "Não", ela gemeu. "Eu quero mais…" Eu cobri o corpo dela com o meu, segurei seu rosto em minhas mãos, e reivindiquei sua boca. Fiquei imaginando se ela poderia provar-se na minha língua, esperava que ela pudesse. Eu queria que ela soubesse o quão plenamente ela era parte de mim. Eu queria que ela soubesse o quão delicioso que provei. "Eu quero dar tudo de volta para você", ela sussurrou quando eu beijei o pescoço dela. "Mas eu não posso me mover ", ela lamentou. "Você me fez totalmente inútil." Divertido, eu mordi o pescoço dela e ri. "Eu não preciso de nada de você, a não ser exatamente o que você está fazendo." Eu sabia que ela ia tentar falar um pouco mais. Eu tinha terminado com palavras. Beijei-a profundamente, penetrando sua boca com minha língua, e balancei os quadris contra ela, permitindo o comprimento duro do meu pau bater contra seu ventre. "Tem certeza?", perguntei, equilibrado em sua entrada, totalmente nu, minhas emoções despojadas cruas. "Ah sim."


Com uma explosão, nossos corpos se uniram, e eu esqueci de respirar. Por uma fração de segundo, meu coração parou. Tudo parou. As sensações ondulando através do meu corpo eram incomparáveis. De todas as vezez que eu fiz amor com Ivy, da primeira vez para exatamente agora, foi o melhor que eu já tive. Mas este foi um nível diferente. Foi porque nós, de alguma forma, conseguimos administrar tudo isso e ainda estávamos juntos aqui. Não havia mais nada que ainda existisse entre nós que poderia potencialmente nos rasgar. "Você pode sentir isso?", eu perguntei a ela. "Mais do que nunca." Eu comecei a me mover. Seus dentes afundaram em seu lábio inferior. Nós nos mudamos juntos, lento no início, e tudo que eu podia pensar era o que se sentia ser pele a pele. Mas, eventualmente, esses pensamentos foram substituídos por necessidade. Quente, martelando necessidade. Meus quadris subiram mais difícil para ela, impaciente para a liberação. Ela gemeu, e eu percebi o que eu estava fazendo e diminuí. Seus olhos se abriram. "Eu machuquei você?", perguntei, mentalmente me chutando por ser tão áspero. "Eu não sou tão frágil, Braeden", ela respondeu. "Eu gosto assim. Eu gosto de sentir que você está perdendo o controle." Tinha sido tanto tempo desde que eu perdi o controle com ela. "Eu não quero te assustar." "Você não me assustou naquela primeira noite. Você não vai me assustar agora." Eu hesitei, e ela se abaixou e puxou minha bunda no que eu estava enterrada. Um gemido rasgou da minha garganta. Minha testa caiu para seu ombro e meu corpo estremeceu.


"Mais forte," ela sussurrou em meu ouvido. "Mais profundo." Cedi. Preparando-me em minhas mãos acima dela, eu bati nela como se eu não tivesse muito tempo. Sua boca abriu, mas nenhum som saiu. As pernas dela se abriram; ela pareceu desossada no colchão. Eu me preocupei se eu levei isso longe demais, mas, em seguida, as unhas se cravaram em minhas costas e ela exigiu. "Mais." Eu fui para ela como um tubarão atrás de sua presa, segurando a minha própria libertação até que minhas bolas pareciam como se fossem explodir. Suas unhas nas minhas costas, e meus dentes roçaram a clavícula. Quando meus braços estavam fracos e trêmulos, quando eu não conseguia segurar por mais tempo, eu cedi. Eu explodi dentro dela, minha semente quente bombeamento profundamente em seu corpo receptivo. Ivy agarrou minha bunda e me puxou para dentro, balançando, assim eu estava mais profundo do que eu já tinha estado. Juro por Deus, outro orgasmo rasgou através de mim. Eu rebolava contra o peito como um touro em um rodeio e lancei um grito no travesseiro ao lado de sua cabeça. "Sim", eu acho que ela murmurou, balançando em pequenos movimentos contra mim. Suas mãos e braços tremiam. O rugido em minha cabeça deu força suficiente para que eu a ouvisse choramingando satisfeita. Eu estava tão perdido em meus orgasmos. Dois. Eu acabei de ter dois fodidos orgasmos. Eu não tinha percebido que ela estava tendo um também. Incapaz de manter o meu corpo, eu caí em cima dela. Eu sabia que deveria me mover, que eu era além de pesado demais para ela, mas eu não podia. Eu estava completamente drenado. Seus braços graciosos em volta de mim e suas mãos esfregaram os músculos nas minhas costas. Estremeci sob seu toque delicado.


Eu era um caso perdido. Até agora sob o seu feitiço, ficaria assim mesmo depois que eu estava morto. Ela poderia ter me pedido qualquer coisa, e eu quero dizer qualquer coisa, naquele momento e eu teria concordado. A névoa após o sexo tinha sido levada para um nível totalmente novo. Infernos sim. "B?", disse Ivy depois de um longo tempo. Eu grunhi, ainda em cima dela. "Você, hum... você foi duas vezes?" O travesseiro abafou meu riso. "Você já…?" Encontrando a força, eu rolei de cima dela e olhei para o teto. "Não, nunca antes. Este foi o melhor sexo que já tive em toda minha vida". Ela riu. Em seguida, ela riu um pouco mais. "Você está satisfeita consigo mesma," eu disse lentamente, rolando no meu lado para olhar para ela. Coloquei um pouco de cabelo atrás da orelha. "Você deveria estar. Você é boa para mim, baby." "Você é bom para mim também." "Eu sei." Ela revirou os olhos. "Não há espaço suficiente nesta cama para mim, você e seu ego." Maldição, era bom tê-la de volta. "Diga-me que você gosta do meu pau," eu provoquei. "Não!", ela gritou, suprimindo uma risada. "Você é tão nojento." "Isso não é o que você estava dizendo há um minuto." "Braeden James Walker, não tire sarro de mim!" "Ooh, retirando todos os três nomes."


Ela passou a mão no meu cabelo. Ele tinha crescido mais porque eu tinha estado muito preguiçoso para cortar, então agora podia enrolar em torno de seus dedos e ela tinha algo para agarrar. "Seu cabelo está bagunçado." Ela puxou os fios acima da minha testa. "Você gosta disso?" "Eu gosto realmente." Beijei-a rapidamente. "Quer me ajudar a lavá-lo?" "Será que uma girafa tem um pescoço longo?", ela brincou. "Aww, baby. Isso foi terrível." Ela jogou um travesseiro em minha cabeça. "Foi bom!" Saltei da cama e agarrei seu tornozelo. Ela gritou quando eu a reboquei para a borda do colchão. Em seguida, fui buscá-la, lençol e tudo, e me dirigi ao banheiro. "Braeden!" Ela engasgou. "Eu estou nua!" "Eu já vi tudo isso antes," eu disse, seco. "Nós não podemos ir para o corredor assim! E se Rimmel vir! Meu irmão!" "Fechem os olhos!" Eu gritei. Ela gritou e bateu nas minhas costas. Continuei andando, mas fiz com que o lençol a cobrisse completamente. Eu abri a porta do quarto e saí em direção ao banheiro. Romeo estava vindo pelo corredor, um par de jeans pendurado em seus quadris. Ele carregava duas canecas de café, então eu percebi que ele estava levando para Rim. "Eu estou supondo que as coisas estão melhores?", ele demorou. Ivy começou a gritar e puxar o lençol. Eu ri. "Cara, é melhor você não olhar para as partes pudicas da minha mulher." "Braeden James! " Ivy gritou.


Eu gargalhei e nos fechei no banheiro. A risada de Romeo flutuou pelo corredor. Eu sabia que ela ainda iria precisar de muito tempo para curar. Inferno, talvez até mesmo alguma ajuda profissional. Eu sabia que ainda teria problemas para trabalhar, mas eu não pensei sobre essas coisas naquele momento. Tudo o que eu podia pensar e tudo que eu podia sentir era... Maldição. É bom estar de volta ao normal.


CAPITULO quarenta e nove #BuzzBossDiz Panquecas como tradição? #Chato #DonutsSãoMelhores #BuzzBoss

I VY Meu cabelo ainda estava pingando do chuveiro quando Rimmel bateu na porta do banheiro e anunciou que era o domingo da panqueca. Esta seria a primeira vez que estávamos todos juntos para a nossa panqueca tradicional aos domingos desde que Romeo partiu para a NFL. Só a menção da lanchonete fez meu estômago roncar alto. Levou-me um pouco de surpresa porque eu não tinha pensado absolutamente em comida por um longo tempo. "Alguém está com fome", disse Braeden, vindo atrás de mim e envolvendo seus braços nus no meu corpo revestido de toalha. "Eu poderia comer", murmurei, apreciando a sensação dele tão perto. Fiquei maravilhada com o fato de que, mesmo depois de tudo, ainda não perdeu a maneira que eu me senti com ele. Ao contrário, eu me senti mais perto. Eu me senti mais segura. "Você precisa. Meus instrumentos B estão encolhendo." Ele beijou o lado do meu pescoço, em seguida, mudou-se de costas. Eu fiz um som. Sim, certo, essas curvas estavam aqui para ficar. "Você se sente confortável em sair?", ele perguntou, passando a toalha sobre seu cabelo úmido. Quando ele se afastou, os fios escuros, literalmente, estenderam-se por todo o lugar.


"Sim. Vai ser bom sair. Como nos velhos tempos." "Não são os velhos tempos", ele corrigiu. "São tempos atuais. Nada vai mudar com isso." "Que diabos é panqueca de domingo?" Drew gritou do fundo do corredor. Braeden fez um som. Abri a porta do banheiro de uma rachadura e gritei. "Comida!" "Conte comigo!", ele gritou de volta. "Ele está, tipo, se mudando?" Braeden resmungou. Eu me contemplei no espelho. Eu estava pálida, os olhos estavam meio que inchados, e os meus lábios estavam secos. Eu tinha um monte de trabalho a fazer apenas para não me fazer parecer a morte requentada. "B?", perguntei. "Sim, querida." Eu ainda estava pensando em meu reflexo quando falei. "Eu sinto muito." Ele ficou em silêncio, como se estivesse surpreso que eu iria pedir desculpas. Virei-me e inclinei-me contra a pia para vê-lo com um olhar honesto. "Desculpe, eu desliguei. Eu fui tão egoísta. Eu nem sequer pensei sobre o quão difícil deve ter sido para você. Todos esses meses ... você não teve ninguém para conversar". "Isto não era sobre mim. Nunca foi. Tem sido sempre sobre você ". Eu balancei minha cabeça. "É sobre nós." "Eu adoro quando você diz nós." "Eu ainda me sinto muito... crua por dentro, sabe?" Seu rosto ficou solene e ele concordou. "Como se todas as crostas sobre uma ferida descamaram fora e deixaram a pele desprotegida, exposta." "Isso é meio nojento, baby."


Eu ri levemente. "Sim, mas isso é exatamente como parece, e meio que nojento é parte disso." "Eu serei o seu Band-Aid realmente bonito." Corri a mão sobre o peito. " Eu não quero que você seja meu BandAid. Você não pode corrigir isso, não importa o quão forte você tentou. Assim como qualquer ferida, vai levar tempo para curar. Mas eu não quero que você seja cuidadoso comigo como você tem sido. Eu quero que seja como nesta manhã na cama, quando era apenas você e eu, e nada mais". Vi a forma de dúvida em seus olhos, e eu pressionei. “Você não me lembra ele, Braeden. Não há nada sobre você que me assusta. Exceto talvez o pensamento de perder você." "Isso não vai acontecer." Ele tinha tanta certeza. Isso me fez sentir certeza também. "Eu tenho lidado com isto, com o que aconteceu, por um longo tempo. Sim, alguns dos fatos e peças são novas, mas no fundo...”, pressionei uma mão no meu peito, “eu tenho lidado com isso há muito tempo." "Apenas me diga o que você quer, Blondie. Você vai ter", ele prometeu suavemente, me puxando para perto. "Eu quero tudo. Não se segure. Alguns dias eu poderia precisar de um pouco de paciência." "Mulher, você sempre precisou de paciência", ele demorou. Belisquei seu mamilo levemente. "Isso deveria ser um castigo?" O desejo nublou seus olhos. Eu gemi. Ele era absolutamente incorrigível. Ele pegou minha mão e levou-a para beijar os nós dos dedos. "Continue. Diga-me o que mais você precisa." "Acho que o que estou tentando dizer é que eu não sei para onde ir a partir daqui. Agora eu me sinto mais forte. Eu sinto como se eu quisesse voltar à vida. Eu quero comer panquecas, ir trabalhar, estar com você." "Mas...", ele incentivou. "Mas às vezes o que aconteceu parece como uma nuvem de tempestade em um dia ensolarado de outra maneira."


Eu não conseguia exprimir o que eu estava sentindo. Eu não conseguia colocar em palavras. "Você ainda está se curando. Você ainda está lidando. Deixa comigo." Bem, caramba. Ele fazia tudo parecer tão simples. "Eu te amo." Esse sentimento era tão fácil de transmitir. Ele me beijou. "Eu te amo", disse ele contra os meus lábios. Eu me afastei. "Prometa que você nunca vai esconder nada de mim novamente, Braeden. Mesmo se você pensa que seria melhor para mim. " "Eu prometo." Corri meus dedos pelo cabelo selvagem, tentando domar os fios. "Nós estamos bem?", perguntou. "Estamos." "Eu vou alimentar Giz, enquanto você se veste." Depois de um beijo na ponta do meu nariz, ele me deixou para tentar corrigir a bagunça que eu tinha feito do meu rosto nos últimos cinco dias. Graças a Deus por creme para os olhos, máscaras e batons. E para iluminador, corretivo, blush, rímel... Basicamente, eu gostaria de agradecer a todos os produtos do meu arsenal de beleza, porque eu tinha que sacar até o último deles esta manhã. Boa coisa que eu tinha um monte de prática e era capaz de puxá-lo juntos antes que Braeden ameaçou comer uma mula ou algo igualmente nojento. Até o momento que eu desci as escadas (eu fui a última lá, é claro. Eu juro, mais ninguém se preocupou com a forma como eles pareciam?), eu tive meu rosto parecendo fresco e desperto, meus lábios secos estavam macios, e meu cabelo estava brilhante e elegante ao redor dos meus ombros. Eu escolhi uma roupa casual (era panqueca de domingo, afinal de contas) de leggings verde-escuro, botas UGG altas marrons e um cardigã de malha de grandes dimensões robusto em creme macio.


O restaurante não estava cheio, provavelmente porque estávamos lá um pouco mais tarde do que normalmente estávamos, mas não estava vazio. Fiquei surpreendida quando nós puxamos para cima para ver Trent esperando no estacionamento, mas quase tão rápido, eu estava feliz que ele estava lá. "Você chamou Trent?", perguntei a Braeden. "Isso seria eu", Drew disse, envergonhado. "Isto é tipo ... uma coisa de família?" "A família de Trent", disse B. Fiquei contente de ver que qualquer tipo de tensão que ele sentia em relação a Trent tinha ido embora. Eu tenho que lembrar de perguntar a ele sobre isso. Tivemos que esperar pela equipe reunir duas mesas para nós, mas uma vez que eles fizeram, tivemos café, suco e nossos pedidos feitos em tempo recorde. Eu estava sentada entre Braeden e meu irmão. Romeo, Rimmel, e Trent se sentaram na nossa frente. Enquanto eu bebia o meu café, eu pensei brevemente em Missy, senti uma pontada de tristeza que ela não estava aqui. Mas a parte de Missy na minha vida tinha acabado. Era hora de deixar ir também. Descobrir o que ela sabia sobre Zach e usou contra mim foi o último prego no caixão da amizade que uma vez compartilhamos. Ela não podia me machucar mais. Ela já tinha feito o seu pior. Sob a mesa, B entrelaçou seus dedos com os meus. Deixei meus pensamentos para trás e sorri para ele. A garçonete trouxe pratos com panquecas e outras comidas empilhadas e os colocou na frente de todos os caras. Em seguida, ela entregou a Rimmel e eu porções muito mais sensatas. "Então," Romeo disse, em torno de uma enorme mordida de ovos, "qual é o seu negócio, Drew? Pensei que você fosse ficar na Carolina do Norte, depois do Dia de Ação de Graças". "Eu acho que o que ele quis dizer," Rimmel corrigiu ", era que você é bem-vindo ao quarto de hóspedes."


Romeo não se preocupou em concordar, mas ele sorriu e piscou quando me viu olhando para ele. "Por que você voltou, Drew?", perguntei, pegando o meu café e embalando a caneca quente em minhas mãos. “Porque eu sabia que você precisava de mim." "E eu te amo por isso, mas eu acho que é mais do que isso", eu disse. "É a “atração masculina 15 ” que ele tem sobre Trent," Braeden anunciou ao empurrar panquecas na boca. Trent se engasgou com o café que estava bebendo, e todos riram. "Atração masculina," Drew entoou. "Bromance?" Eu tentei e olhei entre ele e Trent. "B saberia tudo sobre bromance", Trent rachou. Romeo e B ambos lhe deram o dedo. Drew gargalhou. "Eu admito que é legal sair com alguém que gosta de carros, tanto quanto eu." Mesmo que fosse superdivertido provocá-lo sobre sua rápida amizade, eu tive um sentimento que eu sabia o verdadeiro motivo que Drew ficou conosco por tanto tempo. "Você e o pai brigaram no dia de Ação de Graças?", perguntei. Meus pais eram ótimos. Eu os amava e minha família estava super perto. Minha infância foi nada além de incrível, mas eu não era a filha mais velha. Eu não era esperada para engolir minhas próprias paixões para que eu pudesse seguir os passos do meu pai e tornar-me um gênio do computador. Drew largou o garfo. " Nós nunca chegamos a isso. Você sabe disso. Mas ele certamente não foi sutil sobre quão decepcionado ele estava que eu não tinha escolhido uma empresa para começar a trabalhar pra caramba". Ele estava escondido na nossa casa e me usando como uma desculpa. Eu não tinha sido uma boa irmã como antes.

15

Atração masculina, man crush. Crush: paixonite por alguém.


Ao meu lado, B falou. "Eu sei algo sobre ter um pai que você sente como se você tem que ver quando você olha no espelho." Todos olharam para ele, francamente surpresos que ele estava falando abertamente sobre isso. "Vá por mim, cara. Esconderijo não vai resolver o problema. Pelo que eu sei, seu pai é um bom homem. Ele sempre foi bom para vocês. Basta dizer-lhe que você não quer sentar-se atrás de um computador. Contar-lhe que você quer dirigir, não apenas como um hobby." "Como você sabe que eu quero dirigir?" A surpresa fez a voz de Drew alta. "Eu escuto quando você fala, cara. Apenas não parece que faço." Eu dei ao meu irmão um sorriso radiante. Braeden não era tão ruim quanto ele pensava. A paixão de Drew era e sempre seria carros. Ele estava correndo como um amador desde que chegou sua licença. Nosso pai não achou que fosse uma carreira suficientemente lucrativa, e minha mãe estava, naturalmente, com medo que ele ia se matar. Eu me preocupava com isso também, mas eu nunca disse isso. Eu não podia. Ele sempre parecia mais em paz quando ele estava atrás do volante. "Ele é bom", Trent falou. "Arrasou no meu Mustang." "Vocês dois estiveram correndo?", perguntei, meus olhos esbugalhados. Eu não tinha ideia de que Trent estava tão interessado em carros. Eu sempre o vi como um jogador de futebol e um garoto de fraternidade. Trent deu de ombros. "Apenas brincando." "Maryland tem um time", disse Romeo. "Ron Gamble possui." "Quem é Ron Gamble?", perguntou Drew. Todos os caras na mesa gemeram. "Ele é o homem mais rico de todo o estado. Ele é dono dos Knights. Ele é dono de tudo", eu disse. "E vocês todos o conhecem?"


"Rome é o seu menino de ouro", disse Braeden. Romeo não discordou, ele apenas balançou a cabeça. Então ele disse: "Eu poderia descobrir se há quaisquer pontos abertos." "Você está me zoando?", disse Drew, abandonando completamente sua comida. Eu sorri e pequenas borboletas levantaram voo no meu estômago. Eu realmente nunca pensei sobre ter Drew aqui em Maryland em tempo integral. Eu amei o pensamento. Nossa família estava crescendo. "Não estou prometendo merda alguma," Romeo avisou. "Eu não sou tão com Ron como B pensa." "Mentiroso", Braeden disse em torno de uma tosse. Romeo ignorou. "E você tem que provar a si mesmo, mas talvez eu pudesse fazer uma chamada." Naquele momento, um par de meninas veio até a mesa com papéis na sua mão. Eles olharam para Romeo com as estrelas em seus olhos e um rubor nas faces. "Podemos ter o seu autógrafo?" Romeo jogou o garfo e se inclinou para trás. Deu-lhes um sorriso de milhões de dólares e voltou seus olhos azuis sobre elas. "Claro." Eu tinha certeza que uma delas desmaiou. Rimmel mal olhou para cima, como se estivesse acostumada com isso. Como se as pessoas se aproximarem dele fosse uma ocorrência regular. Depois que ele assinou os papéis e posou para uma selfie rápida, as meninas voltaram para a mesa. Debrucei-me toda em direção a Rimmel. "Muito em breve você vai precisar de uma estilista em tempo integral." Ela gemeu. Romeo ouviu e passou um braço sobre seu ombro. "Inferno, não, não vai. Ela não precisa mudar porque as pessoas sabem quem eu sou. Eu não dou a mínima para o que as pessoas pensam. Minha menina é quente".


Rimmel sorriu para ele, mas, em seguida, olhou para mim. Eu sabia o que isso significava. Isso significava que embora todos nesta mesa gostassem do jeito que ela parecia, ela ainda podia ter que começar a vestirse um pouco melhor. Nós podemos não gostar dele, mas como o #BuzzBoss regularmente apontou, o status queria dizer alguma coisa. E eu conhecia Rimmel. Ela nunca faria qualquer coisa para derrubar a imagem de Romeo. "Talvez eu pudesse ficar por aqui," Drew disse cautelosamente. Eu aplaudi e me inclinei para abraçá-lo. "Eu posso encontrar um lugar, talvez conseguir um emprego..." "Você já tem um lugar", disse Braeden. Ele olhou para Romeo, que assentiu e disse, "o aluguel é muito barato." Drew olhou para Braeden bruscamente. "Você quer que eu me mude, mesmo depois que eu acertei a sua cara?" Braeden resmungou. "Eu acertei de volta." Drew sentiu sua mandíbula, onde ainda havia uma grande mancha roxa. "Eu acho que você não está tão ruim, afinal. Minha irmã podia fazer pior." "Andrew", eu avisei. Isso não era um elogio. Nossa. "Tudo bem, baby. Desde que ele aceite que não está indo a lugar nenhum." Drew se inclinou e cochichou no meu ouvido. "Nenhuma esperança para você e este?" Ele apontou para Trent. Eu olhei para ele. Ele riu. "Estou brincando. B tá legal". Eu ainda não tinha parado de fitar. "Sem mais comentários de idiota como esse. E você tem que falar com o pai," eu lhe disse. "Você não pode me usar como desculpa." Depois de um momento, ele acenou com a cabeça. "Eu vou." "Bom", disse Romeo. "Está acertado. Conversamos depois." Drew assentiu.


O café foi leve o resto da manhã. Nos penduramos na mesa por muito tempo após os pratos serem retirados. Eu gostava de sair com esses caras. Eu sentia como se isto fosse onde eu pertencia; essas pessoas eram minha família. Depois de um tempo, Romeo suspirou. "Leve-me para o aeroporto, baby?" Rimmel fez uma careta, mas depois assentiu. "Você está indo embora?", perguntei. "De volta à rotina." Ele suspirou. "Mas eu tenho bilhetes para todos para alguns próximos jogos em casa, e eu vou estar de volta para o Natal." Braeden ficou de pé. "Você se coloca para fora para vir aqui, mano. Obrigado." "Não é uma dificuldade estar em casa." "Mesmo assim. Você dirigiu ontem e agora tem que voar de volta ". Ele fez uma careta. "Dirigir naquela máquina da morte..." "Ei!" Rimmel se opôs. Romeo fez uma careta e disse: "Quero dizer, bom carro. Não foi muito divertido, mas é um voo rápido de volta. Eu vou dirigir o Hellcat de volta depois do Natal. Sinto falta do meu carro." "Quer que eu te leve para o aeroporto?", perguntou Braeden. "Nah, me dá um tempo extra com a Rim. Mas hey, ligue para o meu pai. Tem algo que ele quer falar com você." "Não me diga?", disse Braeden, animado. Romeo sorriu tão aberto que eu vi todos os seus dentes. "Não é um contrato, mas é conversa definitiva. Eu acho que fica pronto nesta primavera. Continue jogando duro, Hulk." "Espere, o quê?" Eu disse, levantando-me. O que ele quis dizer? Romeo virou-se para mim. "Poderia ter de partilhar o seu menino aqui com os Knights na próxima temporada." Minha boca abriu e lançou um grito. Metade do jantar olhou para mim. "Você está falando sério?"


Braeden se virou para mim, a emoção no rosto. "O que você acha, Blondie? Acha que você pode lidar com namorar um jogador de futebol profissional?" Atirei-me para ele. Tipo ataque de corpo inteiro. Nem sequer bati o vento fora dele. "Estou tão feliz por você ", eu sussurrei em seu ouvido. "Eu estou tão orgulhosa de você." Ele riu. "É só conversa agora. Veremos." Olhei para Romeo cima do ombro de B, e ele piscou. Eu sabia que ia acontecer. Braeden e Romeo estariam de volta juntos no campo. Era perfeito. Depois que eu larguei Braeden, eu fui para Romeo e o abracei com força, sem hesitação. Ele e eu tínhamos nos aproximado durante o ano passado desde que ele e Rimmel tinham começado o namoro. Nosso relacionamento não tinha sido o tipo fácil como B e Rimmel sabiam. Mas não era menos real. Parecia que a parede deixada entre nós se desmoronou ontem à noite, quando ele estava lá para me confortar. Talvez eu tenha sido intimidada todo esse tempo por ele ser quem era, um representante ilustre do futebol. Por seu status alfa. Mas Braeden era um alfa tanto quanto Romeo. E como Romeo apontou, ele e eu éramos muito mais semelhantes do que qualquer um de nós percebeu. "Obrigada, Romeo," eu sussurrei. Ele beijou minha testa e depois saiu com Rimmel. Quando os três rapazes e eu estávamos fora no estacionamento, Braeden virou-se para Trent. "Você se importaria de entregá-los em casa? Há algum lugar que eu tenho que estar." Foi a primeira vez que ouvi sobre isso. "Eu vou com você", eu disse a ele. "Esse assunto é chato, querida. Vou falar com o pai de Rome. Você não tem que trabalhar em breve? " Ele perguntou.


"É apenas o inventário," eu murmurei, triste que eu disse que iria. A boutique fechou mais cedo esta noite, porque era domingo, o que fazia disso um momento perfeito para inventário e escolher roupas novas para a próxima temporada. Eu geralmente não ajudava com isso, mas desde que eu tinha ligado doente muito ultimamente, eu me ofereci para ajudar, assim Monica não iria me demitir. "Vou tentar chegar em casa antes de você ir. Se eu não fizer isso, eu vou estar lá hoje à noite para levá-la ao seu carro." Sobre minha cabeça, ele olhou para Drew. Uma conversa silenciosa pareceu acontecer em tempo rápido. "Eu vou estar lá." Drew prometeu. Ugh. Eles estavam organizando para eu não estar em casa sozinha. Como uma equipe de baby sister. Mesmo que minha cabeça rejeitasse a ideia, meu intestino sussurrou que era o melhor. Eu ainda não estava pronta para ficar sozinha. Não depois da noite passada. Não depois de que eu tinha certeza que eu vi Zach.


CAPITULO cinquenta #Boato Eu estou ouvindo um #Buzz que o MD Knights está interessado em outro membro da alcateia. ...BuzzBoss

B RAEDEN Ir ver Anthony foi apenas uma desculpa. Uma desculpa para onde eu realmente estava indo. Mas eu não era nenhum mentiroso. Então eu fiz minha parada na casa de infância de Rome e falei com seu pai. Os Knights realmente estavam interessados. Eu acho que me ver jogar bola com Rome tinha despertado o interesse de Ron Gamble. Ele olhou para as minhas estatísticas. As desta temporada foram mais impressionantes porque eu estava jogando com um chip no meu ombro e um machado para moer. Quando Gamble pediu a Romeo sobre objetivos de carreira e se eu poderia estar interessado em uma vaga na equipe, dirigiu-o para Robert, sabendo que seu pai gostaria de lidar com todos os meus contratos. Rome tinha um bom contrato. Anthony realmente cuidava dele. E mesmo que eu não fosse filho de sangue de Anthony, eu sabia que eu era como uma família para ele e ele iria cuidar da minha carreira melhor do que qualquer agente poderia. No momento, ele estava apenas dando conta dos interesses, e do que eu aprendi, Tony também estava levando Gamble no papo com muita


astúcia. Como ele estava se certificando de que a equipe ficou interessada e manteve as linhas de comunicação aberta. Não havia qualquer oferta sobre a mesa; não era mesmo o momento certo do ano para isso. Anthony parecia achar que era tudo em seu devido tempo, então ele me fez assinar alguma porcaria com base no registro afirmando que ele estava dentro dos direitos para ajudar a negociar qualquer tipo de negócio que pudesse surgir. E desde que ele se familiarizou com os Knights e todo o seu clube, ele me disse exatamente o que eu precisava fazer para mantê-los impressionados, começando com aparecendo em outros tantos jogos dos Knights que pudesse e sentando-me com a Rim. Ele queria que eu fosse visto com Romeo no território dos Knights. Basicamente, ele queria que eu começasse um rumor. Parecia que a mídia era a melhor amiga dessa família e quanto mais apoio público e popularidade nós adquiríssemos, mais poder de barganha Anthony teria. Era tudo tão político e não tinha nada realmente a ver com o jogo. Mas eu tinha que jogar para entrar em campo. E cara, eu realmente queria jogar com Romeo novamente. Não só isso, mas este era o meu futuro do que estávamos falando. O futuro que, até este ponto, tinha sido bastante desconhecido. Eu sempre acreditei que Romeo chegaria à NFL, mas eu nunca pensei que eu faria. Não que eu não quisesse. Eu queria. Eu realmente queria pra porra. Eu nunca quis me deixar sonhar demasiado grande. A decepção seria muito grande. Eu não estava com o ego cheio o suficiente para que eu pensasse que a única razão pela qual eles estavam interessados era baseada exclusivamente no meu jogo. Eu era um muito bom jogador e eu sabia que ia ser capaz de trazê-lo em um nível NFL, mas o interesse começou com Romeo. Eu nem sequer me surpreenderia se Romeo não tivesse colocado um pouco de pressão sobre Gamble, uma vez que ele perguntou sobre mim. Eu não estava louco sobre isso. Rome tinha o meu pé na porta; cabia a mim fazer o resto. Este era um emprego dos sonhos, e ele me daria a chance de fazer o que eu amava e fazer uma tonelada de merda de dinheiro enquanto eu


fizesse isso. Eu poderia comprar para minha mãe uma nova casa. Algum lugar sofisticado que ela nunca pensou que teria. Eu poderia cuidar de Ivy, certificar-me de que ela nunca tivesse que se preocupar com dinheiro nunca mais. Eu sabia que ela não se preocupava com isso, não realmente. Afinal, se ela fizesse, ela nunca teria começado a namorar comigo, para começar. Mas em um nível puramente intrínseco, saber que eu poderia cuidar dela financeiramente me satisfazia. Sim, eu estava indo para isso. Eu estava me deixando querer. Acontece que querer coisas para si mesmo e ter a coragem de realmente chegar para essa merda tornava a vida muito mais emocionante do que apenas relaxando e "se divertindo". Depois que saí da antiga casa de Rome, eu não fui direto para casa. Inferno, não. Foi um milagre maldito que Ivy me perdoou. Quando olhei em seus olhos, esta manhã, eu realmente vi o perdão também. Agradeci a cada estrela que eu já vi no céu da meia-noite por isso também. Eu sabia que as coisas entre ela e eu iam ficar bem. Eu sabia que íamos sair do outro lado ainda mais fortes e mais próximos do que antes. Mas. (Há sempre um mas, não é?) Mesmo ao lado do amor e perdão em seus belos olhos, vi outra coisa. Dor. Escuridão. Medo. E por isso, eu ainda estava chateado. Chateado que alguém tão bonita e brilhante como ela seria forçada a suportar tal merda. Que ela agora teria uma cicatriz permanente em seu interior das atrocidades que Zach a fez passar. E aquela calcinha. A maldita calcinha vermelha que simplesmente apareceu no nosso quarto. Alguém colocou essa filha da puta lá. Alguém entrou em nossa casa, no seu lugar seguro e totalmente sacudiu sua existência, forçando-a a se lembrar.


Eu nunca iria perdoar a pessoa que fez isso com ela. Nunca. Eu também sabia quem era. Missy. Também conhecida por #BuzzBoss. Também conhecida pela cadela que eu desejava nunca ter conhecido. Eu dirigi direto para Cypress Hall a partir do bairro de Romeo. Eu não sabia em que quarto ela estava, mas eu descobriria em dois segundos. Eu não poderia usá-lo muito mais, mas o charme que costumava fazer calcinhas caírem ainda estava por baixo do meu exterior. Eu estacionei a caminhonete na parte de trás do estacionamento e, lentamente, caminhei até a calçada. As meninas estavam ao redor, falando, mandando mensagens e rindo. Sorri para todas elas. Flertei com algumas. Eu conhecia um monte de rostos e compreendi que o meu não era tão desconhecido também. Quando cheguei até a porta, um grupo de meninas estava saindo, e eu coloquei o meu melhor sorriso maroto. "Senhoras," eu chamei. "Braeden," a do centro do grupo disse. "Surpresa de ver você aqui." "Você sabe que eu amo as senhoras." Se Ivy me ouvisse agora, ela chutaria totalmente minha bunda. "Pensei que você estava tomado?", ela ronronou, chegando um pouco mais perto. Tentei segurar seu olhar enquanto ainda me certificava de que a porta não se fechasse atrás delas. Uma de suas minions ainda estava na porta. "Ou todas as especulações sobre o Buzzfeed são verdade? " Ela fez beicinho. "Você está solteiro novamente?" Ah, sim. Eu tinha visto as notificações. Missy estava ocupada tentando fazer com que todos pensassem que Ivy e eu éramos um par feito no inferno. Eu abri meus braços e sorri. "Você me conhece. Nada além de um mistério."


"Isso não é realmente uma resposta," uma das outras meninas respondeu. "Vou te contar," eu disse lentamente, deixando cair a minha voz e pisando até a menina que me perguntou a questão. Ela estava bem, com cabelo castanhos mel e olhos castanhos. Ela definitivamente não era Ivy. "No segundo que eu estiver de volta ao mercado, você vai ser a única que eu vou procurar." Seus lábios rosas brilhantes puxaram para cima em um sorriso felino. Essas meninas eram cadelas. Me fez pensar como que no inferno qualquer uma delas sobreviveu ao ensino médio. "Eu gostaria disso." Ela arrastou um dedo para baixo do centro do meu peito. Eu literalmente tive que me esforçar para não voltar atrás. Meu, como os tempos haviam mudado. "Até mais tarde, treze", ela disse em uma voz estúpida, ofegante. "Senhoras." Eu assisti todas elas começarem a andar para longe antes que eu corresse para a porta, uma vez que estava quase completamente fechada e a abri. Dentro do prédio, vi algumas garotas andando pelo corredor. Com um rápido sorriso e uma única pergunta, eu sabia onde Missy estava. Corri até as escadas e bati na porta. Segundos depois, seu rosto apareceu. Seus olhos cinzentos arregalaram quando ela viu que era eu. Ela mudou-se para bater à porta diretamente no meu rosto, mas eu era mais rápido, batendo a palma da mão sobre a madeira e pressionando para trás aberta. "O que você quer?", ela olhou. "Nós precisamos conversar."


CAPITULO cinquenta e um #LoiraBurra Duas loiras viajaram para a Disneylândia. Ela viram uma placa que dizia Disneylândia à esquerda, então elas começaram a chorar e viajaram de volta para casa. #BuzzBoss

I VY Eu amo roupas. Eu detesto contá-las. Quer dizer, sério, não pode nunca haver excesso de tops, jeans, saias... porque? Mas quando você trabalha em uma boutique, fazer o inventário é uma necessidade. E desde que estava tão perto do Natal e do Ano Novo, isso significava limpar o velho e se preparar para o novo. Eu, por exemplo, estava pronta para um novo ano. Eu não poderia dizer que este ano tinha sido ruim, porque me trouxe Braeden. Eu odiava o estupro e desejava fervorosamente que nunca tivesse acontecido, mas eu não lamento as coisas que tinha passado como um casal, porque elas nos fizeram mais fortes, tão fortes que eu estava muito confiante de que seríamos capazes de passar por qualquer coisa mais que a vida jogasse no nosso caminho. Mas alguma distância das coisas desagradáveis seria bom. Olhei para a mudança do ano civil como uma espécie de desprendimento da pele velha e acolher as novas.


Ooh, talvez eu devesse obter um novo guarda-roupa. E um corte de cabelo. Quem se importava se Missy tem o repicado em primeiro lugar? Eu não tinha que deixá-la ditar o que eu fazia e não fazia. Eu tinha um grande desconto aqui e meu pai vinha me perguntando o que eu queria para o Natal... Eu ia prestar mais atenção aos catálogos quando chegássemos para fora para que eu pudesse pegar algumas coisas totalmente bonitas que eu sabia que eu iria querer comprar. Eu mudei de roupa antes de vir para o trabalho esta tarde. Eu coloquei uma camisa de manga comprida com mangas de bolinha e costas que usei na semana passada. Eu emparelhei com um par de jeans rasgados e um par de botas creme de salto alto. Estava congelando; o ar meio que cheirava a neve. Você sabe aquele aroma fresco que permeava o ar sempre que ele ficava super frio e as nuvens penduravam baixas. Estava escuro; ficava escuro tipo por cinco e meia agora. De vez em quando, enquanto trabalhávamos, eu olhava para fora da grande janela da frente, esperando para ver os flocos brancos caindo contra o fundo negro da noite. Até agora, ainda não estava nevando. Gostaria de saber se Trent e Drew finalmente desistiram de trabalhar em seus motores na garagem. Quando eu saí, eles tinham holofotes fora como se nem mesmo o sol baixando não ia impedi-los. Drew parecia mais relaxado agora que ele estava resolvido que ia ficar. Ele tinha estado tão tenso antes; isto me fez lamentar que não tinha falado com ele antes sobre a pressão que sentia do pai. Talvez eu falasse com ele quando fosse para casa para o Natal. Talvez se eu fizesse, ele iria dar uma pausa a Drew. Ou talvez eu traria B para casa comigo. Isso daria ao pai muito para focar e ele não iria se preocupar tanto sobre o que Drew estava fazendo. Era um plano pouco tortuoso. Eu gostei. Sorri só de pensar em Braeden. Ele foi notável e tão incrivelmente altruísta. Às vezes, quando eu olhava para ele, me surpreendia que ele era


meu. Prometi a mim mesma encontrar maneiras de mostrar-lhe apenas o quanto eu o amava de todas as maneiras que eu podia. Ele merecia. Depois de várias horas de trabalho, tivemos o andar da boutique totalmente inventariado e o estoque de joias nas gavetas de exibição contabilizados também. Uma das meninas mediu o tempo. Ela tinha estado lá desde o meio-dia e era sua hora de ir. Monica foi preencher a papelada, e eu comecei a marcação das páginas em catálogos de coisas que eu pensava que iriam vender bem com a multidão da faculdade. Nem tudo o que eu marcada seria ordenado, já que eu não tinha a palavra final. Era o trabalho de Monica, mas eu esperava que ela escolhesse algumas das coisas que eu escolhi. Eu sentia como se tivesse um olho muito bom. Na verdade, nestes últimos meses que trabalhando aqui me ensinou muito sobre mim mesma. Sobre a minha paixão e o que eu amava. Eu sempre soube que eu amava fazer compras, roupas e maquiagem, mas eu realmente nunca pensei sobre virar meu hobby em uma carreira até que comecei a produzir Rimmel. Eu simplesmente amava escolher roupas, misturando e combinando peças, e ajudar as pessoas a parecerem incríveis, mas ainda gostarem de si mesmas. Eu gostava de estar nesta boutique, rodeada pelas coisas que eu gostava. Quando as garotas vinham para fazer compras, eu adorava falar de tendências com elas e ouvir o que elas pensavam sobre os novos estilos. Era algo que eu poderia totalmente me ver fazendo por um longo tempo. Talvez eu abrisse uma boutique minha própria. Ou talvez eu tivesse acabado de me tornar uma personal stylist. Inferno, eu poderia fazer as duas coisas. Encontre o seu estilo com Ivy, eu meditei. Eu gostei. Um novo ano. Um novo sonho? Talvez um novo e grande? Eu poderia levar algum tempo para pensar sobre isso um pouco mais, mas eu sabia no meu coração que eu estava pronta para mergulhar. Eu poderia fazer alguns cursos de negócios e marketing, talvez alguns cursos de design. Se eu os adicionasse aos que eu já tinha concluído, eu


provavelmente poderia me formar no próximo ano com um grau de Liberal Arts. E depois ir para a moda. Talvez eu fosse iniciar um canal de moda no YouTube e estilo de conversação e mostrar às pessoas como vestir o seu melhor. Sim. Sim. Sim. Eu poderia perfeitamente fazer isso. E eu seria feliz. Animada, eu gritei por baixo da minha respiração e fui ao escritório de Monica na parte de trás para perguntar-lhe o que ela achava. Eu não podia esperar para falar com Braeden e Rimmel. Eu já estava recebendo ideias e planos em minha cabeça. "Eu estava vindo para vê-la", Monica disse quando eu entrei. "Sim?" "Eu acabei de receber um telefonema. Meu filho está doente e eu preciso ir buscá-lo na casa da babá. Nós vamos ter que terminar a noite. Podemos ver os pedidos da semana em algum momento." "Ah não! Espero que o rapazinho se sinta melhor ". Ela fez uma careta. Ela era uma mulher bonita, em seus vinte e tantos anos com cabelo vermelho longo. "É um vírus de estômago. Se eu ligar doente amanhã, você sabe que eu peguei." "Bem, se você precisar de mim para pegar turnos extras, você tem a minha agenda", eu ofereci. "Obrigada." Ela pegou sua bolsa e já tinha as chaves na mão. "Você se importaria de fechar quando for sair? Eu preciso ir. Ele estava chorando quando a babá ligou ". "Claro!" Ela pegou minha mão no caminho. "Eu realmente aprecio isso, Ivy. Sinto muito por fazer você fazer isso no seu primeiro dia de volta depois de estar doente." "Não há problema", eu disse, e levei-a até a porta da frente, abri e deixei-a para fora, dando-lhe um aceno. Eu tranquei a porta dos fundos e fui em direção ao balcão.


Eu tinha acabado de empilhar esses catálogos e desligar todas as luzes. Então eu sairia daqui. Esperançosamente, Braeden estaria em casa quando eu chegasse lá e eu poderia surpreendê-lo chegando mais cedo. Eu estava ansiosa para passar mais uma noite em seus braços. Fui para a parte de trás e desliguei a luz no escritório de Monica, puxando a porta em torno quando saí. O relógio de tempo ficava na parede oposta ao lado de um pequeno frigorífico e uma cafeteira que ninguém nunca utilizava. Eu localizei o meu cartão de ponto e puxei-o para fora, deslizando-o na máquina e ouvindo marcar mecanicamente a minha hora de saída. Quando eu estava colocando-o de volta onde ele pertencia, a luz do teto piscou. Fiz uma pausa e olhei para cima. A luz voltou como antes. Eu terminei de colocar o cartão e depois fui para a prateleira perto da porta dos fundos para pegar minha bolsa e casaco. As luzes piscaram novamente. E de novo. A sensação de que eu não estava sozinha causou um suor frio na minha testa. Estremeci e respirei fundo. Controle-se, Ivy. Agora não é o momento para um ataque de pânico. É apenas eletricidade. Está tudo bem. As luzes piscando pararam e o nó no estômago se abriu. Sentindo-me orgulhosa que consegui manter um ataque de ansiedade longe, eu caminhei para a frente da loja, meus saltos clicando na telha. Antes que eu fizesse isso, as luzes deram um estalo final e tudo na boutique ficou completamente escuro. Muita coisa para se controlar. Meu coração começou a galopar no meu peito e minha respiração veio em suspiros curtos. O contador estava a apenas poucos passos de distância, assim eu fui nesse sentido, mantendo o meu pisar cauteloso, porque estava muito escuro.


Quando saí para o que eu sabia que era a sala principal, com o contador direto à minha frente, segui ao redor do topo, procurando meu telefone. Eu poderia iluminar com o aplicativo da lanterna para ver o suficiente para dar o fora daqui. Eu não podia encontrar meu telefone. Minha mão começou a procurar, frenética, meus movimentos muito mais erráticos. O pânico estava vindo rápido agora. Meu telefone tinha estado aqui apenas um minuto atrás. Ele estava colocado ao meu lado enquanto eu verificava as revistas, em caso de Braeden chamar. Espere um minuto. Estava escuro aqui. Tão escuro que eu não podia nem ver minha mão na frente do meu rosto. Por quê? Havia um poste do lado de fora e que teria lançado luz suficiente para, pelo menos, tornar possível enxergar. Olhei para cima acentuadamente na direção da janela. O poste estava apagado também. Na verdade, tudo do lado de fora estava tão escuro como estava aqui. "Onde ele está?" Eu me preocupei, retornando para a busca de meu telefone. "Procurando por isso?" A voz profunda cortou o escuro e estava tão incrivelmente perto que eu gritei e pulei para trás. "Quem está aí?", perguntei, embora eu estivesse com muito medo de descobrir. "Vou te dar três palpites," o homem entoou. Eu não precisava de três palpites. Eu reconheci sua voz. No fundo... seu corpo vai se lembrar... Suas palavras assombrosas bateram em torno do interior do meu cérebro, apagando todo o pensamento lógico e substituindo-o por terror entorpecente.


Em seguida, no escuro, uma pequena luz iluminou-se apenas na minha frente. Era o meu telefone. O protetor de tela era de uma imagem de B e eu após um de seus jogos de futebol. Ele estava de uniforme, sujo e suado, seu rosto bonito sorrindo para a câmera, enquanto eu estava ao seu lado, parecendo arrumada como sempre com uma trança no meu cabelo e um sorriso igualmente feliz no meu rosto. Nossos rostos iluminados, sorridentes forneceram iluminação para outra noite. O brilho da tela do telefone lançou um brilho sinistro, obscuro para cima, muito parecido com uma lanterna em uma noite na floresta. Eu gritei. O rosto estranhamente iluminado de Zach eclodiu em um sorriso. Era mau, sádico até. "Ivy", ele falou. Só de ouvir meu nome cruzar seus lábios, fez minha pele arrepiar. "Nós nos encontramos de novo."


CAPITULO cinquenta e dois Tempos desesperados chamaram. Eles querem suas medidas desesperadas de volta. #ErrosTêmSidoFeitos #BuzzBoss

B RAEDEN Eu me convidei para entrar. Se eu esperasse por ela para fazê-lo, eu provavelmente envelheceria e morreria antes que ela chegasse ao redor dele. Eu escovei bem por ela e entrei mais para dentro do quarto. Ela suspirou como se minha visita fosse uma tão grande imposição, e eu ri. "Não está feliz em me ver." "Não é muito provável." "Bom quarto você tem aqui", eu disse, olhando em volta para o dormitório de base. Era basicamente a mesma merda que ela tinha no ano passado, apenas em um espaço diferente. Isso me fez meio doente quão familiar eu estava com sua merda. Especialmente a roupa de cama cinza e branca com detalhes amarelos. Eu seriamente lamentei sequer ter me envolvido com ela. "Eu me sinto meio mal pela sua companheira de quarto, porém. Pobre menina nem sabe que ela dorme ao lado de Satanás". "Se você veio para me insultar, você pode simplesmente sair."


"Eu vou sair quando eu ficar bem e fodidamente pronto", eu disse, o tom de conversa na minha voz desaparecendo. Ela respirou com as minhas palavras duras e apenas ficou lá como se eu a deixasse nervosa. Bom. Eu confiava em mim mesmo mais agora do que já fiz antes. Eu nunca iria machucá-la fisicamente. Mesmo se eu tivesse o desejo de tocar seu pescoço, eu não faria. Eu sabia agora que eu não fui construído dessa forma. Mas eu não me importava que ela não tivesse certeza. "Por que você está aqui?" "Pensei que você pode querer saber que o seu pequeno truque funcionou. Ivy lembrou. Ela passou os últimos quatro dias chorando. Mas ao contrário do que você esperava, ela se recuperou. Minha menina é muito mais forte do que você acha que ela é. E assim é o nosso relacionamento." Enquanto eu falava, eu avaliei a reação dela. Primeiros seus olhos se arregalaram, então eles ficaram tristes, e agora eles só acenderam a ira. "Eu não sei o que você está falando." "Corte essa besteira, Missy. Eu sei que foi você. " "O que fui eu?" "Por que você fez isso, hein?" Eu exigi. "Eu pensei que você não queria que ela se lembrasse. Eu pensei que você queria manter a sua pequena parte suja do que aconteceu com ela um segredo." "Eu não fui responsável por Zach estuprá-la", ela rosnou. Ah, será que eu finalmente progredi em sua armadura? Estava me sugerindo que ela estava mesmo em tudo associada com o crime vil cometido contra Ivy demais para a sua consciência? "Talvez não." Eu permiti. "Mas você usou isso contra ela, que é ruim igual." "Eu sinto muito por isso." Seus ombros caíram. Eu quase acreditei que ela quis dizer isso. "Então por que? Por que você não pode apenas deixa-la paz? Por que você teve que entrar em nossa casa e torturá-la? Foi uma última coisa que você poderia fazer para rasgar seu mundo à parte?"


"Pela última vez", disse Missy, "Eu não sei o que diabos você está falando." Eu enumerei razões que eu sabia que ela estava mentindo em meus dedos enquanto eu falava. "Um, você sabe onde nós moramos. Dois, você poderia ter jogado uma conversa bonita em Drew para algum tipo de acesso à casa. Três, você tinha motivo. Quatro, você estava em entra e sai de seu dormitório no último semestre, o que lhe deu a oportunidade perfeita para tirar a calcinha. Cinco..." "Calcinha?" Ela me interrompeu. Seu nariz amassou e ela realmente parecia confusa. "Vamos só dizer por causa do argumento que eu realmente não fiz isso. Que diabos você está falando?" Uma pequena nota de algo subiu até a volta do meu pescoço. "Sua calcinha vermelha. Aquela com um trevo de quatro folhas sobre eles". "Sua calcinha da sorte?" Eu balancei a cabeça. "Ela estava vestindo a calcinha naquela noite. Ela a perdeu. Ela apareceu em nosso quarto, em nossa cama, no outro dia. Bem desse jeito. Trouxe tudo de volta. Agora ela tem de viver com essas imagens na cabeça dela. Para sempre." Missy ficou pensativa, como se ela realmente estivesse apenas ouvindo sobre isso pela primeira vez. "Para de mentir, Missy," Eu bati. "Eu sei que foi você. Você deixou um bilhete." "O que ele dizia?", ela perguntou, girando em torno de olhar para mim. Por que ela estava jogando este jogo? E se ela realmente não fez isso? "Ele dizia: 'Não conte". "Porque eu faria isso?" Eu dei-lhe um olhar. Missy sacudiu a cabeça. "Talvez você devesse se perguntar quem mais você irritou. Quem mais pode querer machucar Ivy?", ela disse irritada e caminhou até a porta como se ela fosse me expulsar. "Ninguém mais soube do que aconteceu com ela. Ninguém."


"Exceto Zach," ela sussurrou. "Ele está trancado, lembra? Ele não deve sair até o próximo verão." "Você precisa ir embora", disse ela. Por que diabos ela estava agindo de modo estranho, toda cautelosa e merda? "Não até você admitir que você fez e me dizer o porquê." "Eu não fiz isso!", ela gritou. Ela apertou os lábios e um olhar estranho veio em seu rosto. "O que? Eu disse. "O que foi?" "Nada." "Missy", Rosnei. Ela agarrou a maçaneta da porta e abriu a porta. "Saia agora ou eu vou começar a gritar." Andei até a porta, puto. Quando cheguei lá, notei algo pendurado na frente da porta. Ele não estava lá quando eu cheguei aqui. Era um vestido preto. Parecia que havia uma nota fixada na frente. Olhei para Missy. Seu rosto tinha ficado branco. "Eu concordo. Preto não é sua cor. "Mudei-me para o corredor. Eu ouvi o enrugamento de papel atrás de mim quando comecei a me afastar. Seu baixo suspiro foi audível. "Braeden?", ela disse, com a voz baixa e assustada. "O quê?" Eu bati. Deus, ela era irritante. "Eu cometi um erro horrível." O olhar em seu rosto. O som de sua voz. Ele me colocou em alerta vermelho. Eu voltei para o lado dela e rasguei a nota da mão dela. Vista isto amanhã à noite. Quando celebraremos a remoção do nosso problema mútuo. -Z


A nota dobrou em minha mão quando se apertou em um punho. Ivy me disse que ela o tinha visto. Eu disse a ela que era apenas um sonho. E se não fosse? E se ele estivesse de alguma forma aqui? E se ele estivesse à espreita, esperando o momento perfeito para calá-la? "Que porra é essa que você fez?" Eu rugi. Missy começou a chorar. Eu não tinha tempo para lágrimas. Agarreia pelo braço e puxei-a de volta para o quarto, deixando o vestido na porta. "Diga-me agora, Missy, ou que Deus me ajude..." Um soluço rasgou de sua garganta. Ela me contou sobre ir ver Zach. Sobre a conversa. Sobre como ela pediu a ele por sua ajuda. O tempo todo que ela falou, manchas pretas literalmente nadaram diante de meus olhos. Meus músculos simplesmente continuaram crescendo mais e mais, e meu estômago ficou pesado com gelo. "Mas ele ainda está lá, certo?" Ela apenas olhou para mim. "Certo!", eu gritei. "Eles o deixaram voltar para casa para o feriado. Assim, ele poderia estar com seu pai." "Você porra foi lá, deixou-o todo irritado, e, em seguida, os bastardos o soltaram?" Eu exclamei. Eu estava gritando tão alto que eu sabia que as pessoas nos quartos ao lado podiam me ouvir. Inferno, todo o salão provavelmente já me ouviu falar. "Eu estava chateada e com raiva. Eu não queria que ninguém descobrisse. Eu não queria ser expulsa da escola, " Ela lamentou. " Me desculpe." "Desculpe!" Eu gritei. "Você porra visitou um estuprador, um que é foda doente da cabeça, e você basicamente, colocou-o em seu rastro!"


"Eu acho que ele pode estar obcecado por mim", ela disse fracamente. Eu ri. E então eu ri um pouco mais. "Chamada de despertar, cadela. Nem tudo é sobre você". Ela balançou a cabeça. "Isso não é o que estou dizendo!" Eu estava ficando louco. Meus músculos tremiam enquanto eu andava pelo quarto minúsculo como um leão enjaulado. "Ouça-me!", ela implorou. "Diga isso rápido", Rosnei. "Quando eu fui lá, ele parecia solitário. Eu agarrei sua mão. Ele agiu como se não tivesse sido tocado em anos." Meu Deus. Ela é uma louca. Ela não é melhor do que ele. "Algumas semanas atrás, eu comecei a receber presentes anônimos. Um livro de peças clássicas que eu amo, folhas originais de música de um musical de Nova Iorque. Flores, uma única rosa..." "Daí?" "Eu pensei que no começo eu tinha um admirador secreto. Talvez um cara de minhas aulas de teatro. Mas, então, o vestido." Ela apontou para a porta. "Esse vestido veio da boutique. Aquela em que Ivy trabalha. Ela recusou vendê-lo para mim no outro dia." "Vá direto ao ponto, Missy," eu bati, ainda andando. "Você viu a nota. É um Z. De Zach. Ele tem me observado. Ele tem me enviado presentes. Ele deve ter me visto na boutique com ela. Ele deve ter visto ela se recusar a me vender o vestido." "Ela teria me dito se ele entrou lá para comprar um maldito vestido!" "Talvez ele tenha roubado," ela sussurrou. "Talvez ele não queira que ninguém saiba que ele está por perto." "Exceto você." Eu apontei. "Ele disse que ia me ajudar. Ele não quer que ninguém descubra também, porque então sua cela acolchoada se tornaria um lar permanente. Ele disse que ia nos ajudar, a ambos, certificando-se de que Ivy ou você nunca dissesse a ninguém."


Meu sangue gelou. Eu literalmente senti como se houvesse água gelada correndo em minhas veias. Alguém estava tocando a campainha na porta na boutique. Ela disse que o viu. O medo nos olhos dela era tudo muito real. Zach estava atrás de Ivy. Ele queria calá-la. Permanentemente. Corri em toda a sala e peguei Missy pelos ombros. Ela engasgou quando eu a puxei perto. "Se ele a machucar, eu prometo a você, não haverá nenhum lugar em todo o planeta que você possa se esconder. " Eu a soltei. Ela caiu de joelhos e começou a soluçar. Deixei o bilhete amassado ao lado dela e corri para fora da porta.


CAPITULO cinquenta e tres

#Sabedoria Seu melhor professor é o seu último erro. #AprendaComIsso #PeçaDesculpas #BuzzBoss

I VY Estava frio lá fora. O calor não estava terrivelmente alto dentro, mas eu senti um riacho de suor deslizar para baixo nas minhas costas, entre as minhas omoplatas e sob o meu sutiã. O olhar ameaçador para a sua aparência normalmente boy-band não estava ajudando em nada. Ele parecia que pertencia a algum filme feito para TV onde um grupo de adolescentes de boa aparência passa por uma matança. Pare de pensar sobre isso! Eu quase ri porque isso não vai acontecer. Zach era meu filme de terror andante vindo à vida. Ele era o meu pior pesadelo (literalmente) e a única pessoa que tinha a capacidade de reduzirme em um cordeiro indefeso. Quando eu não disse nada e só fiquei ali olhando, ele sorriu. Seus dentes apareceram podres nas sombras da luz do meu telefone. "Você não está feliz em me ver, Ivy?" Pare de dizer o meu nome! "Eu pensei que você estava trancado," eu consegui colocar pra fora, minha voz soando oca para os meus ouvidos. "Recebi algum tempo fora por bom comportamento", ele respondeu.


"Não há nenhuma maneira", eu disse, meu cérebro finalmente mudando para modo de sobrevivência. Que diabos levou tanto tempo? Encontrar uma arma. Escapar atrás de um balcão. Desaparecer no escuro. Você conhece este lugar. Ele não. Use isso em sua vantagem. Eu mal podia ouvir meus pensamentos, porque o meu coração estava batendo tão alto. Tomei uma respiração profunda e tentei relaxar as batidas. Eu precisava me acalmar. Eu precisava sair daqui. "Oh sim, os médicos na clínica parecem pensar que eu estou muito melhor. Devo concordar. Eu quase não penso mais em Romeu e Rimmel. " Eu não disse nada. Eu comecei a me mover ligeiramente para o balcão, onde havia um copo cheio de lápis, canetas e um par de tesouras. "Você sabe por que eu não tenho pensado mais sobre eles?", perguntou. "Eu realmente não me importo." "Sim!", ele gritou. "Você faz!" Oh meu Deus, ele era totalmente maluco. Como no inferno poderia qualquer médico achar que ele era estável o suficiente para andar na sociedade sem qualquer tipo de supervisão? "Você está certo", eu disse, mudando a marcha. "Eu me importo. Diga-me o porquê." A tela do telefone ficou escura, momentaneamente nos mergulhando de volta na obscuridade. Mudei-me rápido, investindo para o balcão, rogando que meus saltos não fizessem um som. Minha mão colidiu com a taça de lápis e canetas e ela caiu. Eu ouvi tudo isso se espalhar e alguns deles caírem no chão. Eu queria chorar. "O que você está fazendo!" Zach gritou. Num impulso, eu agarrei o grampeador, porque era a única coisa em meu alcance, e segurei-o atrás das minhas costas. "Nada", eu menti. A tela do meu telefone iluminou-se novamente, seu rosto ficou à vista.


"Eu penso em você, Ivy. Eu penso em você o tempo todo." Bílis subiu até na parte de trás da minha garganta. "Você alguma vez pensa de mim?" Ele estava falando sério? Eu ia dormir à noite e orava para nunca pensar nele novamente. Eu estava com medo de fechar os olhos, porque eu tinha medo que eu iria ver o seu rosto. É claro que eu nunca pensei sobre ele. Eu o odiava. "Não." "Mentirosa!" Ele riu. "Eu acho que você pensa em mim o tempo todo. Todos os dias." Ele deu um passo mais perto, e eu agarrei o grampeador. "Você se lembra daquela noite, não é?" Ele provocou. "Na noite em que tive você." "Não há muito dela", eu gaguejei, mesmo quando as lembranças daquela noite repetiam na minha cabeça como um slideshow. Meus joelhos estavam começando a tremer; sentia como se meu corpo tivesse sido executado e meus membros estavam apenas exaustos. "Isso é muito ruim." Ele falou como se ele realmente estivesse arrependido. “Foi uma bela noite. Uma pena que você não pode lembrar de tudo." "Você me drogou," eu disse, a raiva substituindo um pouco do medo. Como ele ousava ficar lá e tentar me assustar com as memórias do estupro que ele cometeu? "Um meio para um fim." "Será que você cortou a energia aqui também?" Enquanto eu falava, eu silenciosamente virei mais o grampeador em minhas mãos e o senti em torno do botão redondo na parte inferior. "A rua inteira", ele disse com orgulho. "Não pode ter ninguém me vendo quando eu a arrastar para fora daqui." Tudo dentro de mim estabilizou-se por longos segundos. Então, como se eu tivesse sido trazida de volta à vida, eu engasguei, o ar fazendo o seu caminho de volta para meus pulmões e meu coração batendo novamente. "Eu não vou a lugar nenhum com você." Minha voz tinha mais bravata do que eu sentia. "Ah, mas você vai."


Eu encontrei o botão e apertei-o. A parte inferior do grampeador afrouxou e tornou-se uma longa arma na minha mão. Virei-o ao redor e agarrei com tanta força que meus dedos doíam. "Braeden estará aqui a qualquer segundo. Ele sempre vem à noite quando eu vou fechar. " "Eu sei," Zach respondeu. "Eu estive observando você." "Por quanto tempo?" "Um tempo." "Você estava na garagem na noite passada", eu disse. "E na escada no dormitório. E aqui na noite que uma criança estava tocando a campainha na porta. Eu até deixei aquela lembrança, a calcinha vermelha da nossa noite juntos. Eu estava esperando que ela iria trazer de volta algumas recordações. Eu fiquei tão feliz quando eu percebi que ela trouxe." Lágrimas queimaram as costas dos meus olhos. Ele era um perseguidor. Ele estava me seguindo por semanas e eu nem tinha percebido isso. "Mas por quê?", perguntei. Um carro passou na rua, e eu olhei para cima, orando que eu reconhecesse a forma dos faróis. Mas não era Braeden. Era apenas um estranho ao acaso, e ele já tinha passado. "Não há mais perguntas", disse Zach. "Nós precisamos ir." "Ir!" Entrei em pânico. "Ir aonde?" Você não acha que eu iria matá-la aqui, não é? Isso criaria uma bagunça. Eu prefiro fazer você desaparecer. As pessoas vão pensar que você simplesmente fugiu." Me matar? Oh, infernos não. Ele deixou a tela ficar escura e puxou-a para baixo de seu rosto. Eu vi sua mudança de forma na escuridão. Ele se adiantou e estendeu a mão como se fosse me pegar.


Eu fiz a minha jogada. Eu sacudi para a frente com braços abertos e o empurrei para o balcão. Ele não esperava que eu o atacasse, então eu o peguei desprevenido e ele caiu na metade da parede. Seu braço saiu e me agarrou. Gritei na força com que a mão fechou em volta do meu braço. Ele apertou tão forte que eu pensei que os ossos podiam quebrar. Eu empurrei a dor e trouxe o grampeador. Eu não tinha certeza de onde eu estava apontando. Eu não me importava, desde que isso o machucasse. Eu o trouxe contra o seu corpo, eu acho que foi seu peito, e empurrei dentro, dando-lhe todo o peso que eu podia. Ele gritou quando o grampo atirou em seu peito. Eu rasguei meu braço livre e corri, derrubando um balcão de roupas quando eu corri apressada. Eu caí, mas me levantei e comecei a gritar por socorro. "Socorro!" Eu gritei. "Ajude-me!" "Sua vadiazinha!", ele gritou e correu atrás de mim. Eu corri para a porta, rezando a Deus que eu pudesse sair antes que ele me alcançasse. Eu o ouvi tropeçar e bater em algumas coisas. Meu corpo entrou em contato com vidro. Estava tão frio a partir do ar exterior. Eu dei um grito de alívio e alcancei a maçaneta para abri-la. Não havia uma. Merda! Eu estou muito longe. Eu estou parada em frente à janela, não à porta! Enfiei fora do vidro e corri em direção à porta, tropeçando, mas recuperando enquanto eu ia. Atirei-me na entrada, fechando a mão em torno do punho. Ela balançou fora e o ar frio atingiu minha pele. Eu gritei novamente. Uma mão fechou em torno da parte de trás da minha camisa e me puxou de volta com tanta força que eu ouvi as costuras rasgarem. Eu chutei meu pé, e ele agarrou meu tornozelo, deslizando o meu sapato no processo.


"Me solta!" Eu gritei, ainda pairando sobre a maçaneta da porta com tudo o que eu tinha. Eu me senti como uma corda em um cabo-de-guerra. Infelizmente, era um jogo que eu não era muito boa. Ele agarrou meu outro pé e tirou a bota, em seguida, tomou conta de ambos os meus tornozelos e me puxou tão rapidamente que perdi meu aperto e bati no chão. Se eu não tivesse me pegado em minhas mãos, eu teria batido meu rosto. Zach me soltou e pulou em cima de mim. Eu tive um flashback da noite que ele me estuprou, e meu corpo congelou. Tudo abrandou enquanto eu lutava pelo controle do meu corpo e pensamentos. Meus olhos estavam ajustados suficientes no escuro agora para que eu pudesse ver seu rosto. Ele estava torcido em uma careta estranha, feliz, como se estar em cima de mim lhe desse prazer doentio. "Eu ia apenas matá-la ", disse ele. "Mas agora, tendo você debaixo de mim, talvez eu vou ter um pouco de diversão antes de eu fazer. Ninguém vai saber de qualquer maneira. Você não vai estar por perto para dizer." Como um balde de água gelada, a clareza derramou sobre mim. Engoli em seco e, sentindo-o perto das pontas dos meus dedos, agarrei o grampeador, puxando-o de volta para a minha mão. Usando a raiva e medo dentro de mim, trouxe-o ao redor e bati em Zach no lado da cabeça. O metal picou na mão quando ele se chocou contra ele, e eu o soltei ao mesmo tempo, ele caiu ao lado. Eu subi e empurrei para fora da porta, praticamente caindo para a calçada. "I-vy!", ele gritou por trás. Comecei a correr.


CAPITULO cinquenta e quatro #PiadaClássicaDeSuaMãe Sua mãe está tão gorda, que quando ela sentou num arcoíris, Skittles16 estouraram para fora. #TesteOArco-íris #BuzzBoss

B RAEDEN Eu deveria ter acreditado nela. Eu deveria ter olhado em torno fora naquela noite um pouco mais difícil. Eu nunca pensei em um milhão de anos que Zach iria ser solto por bom comportamento. Quem diabos autorizou, deveria ser demitido. Meus pneus cantaram enquanto eu acelerava para fora do estacionamento atrás de Cypress Hill e apontei a caminhonete na direção de nossa casa. Eu não tinha certeza para onde ir. Minha cabeça estava girando. Eu tinha que saber se ela estava bem. Eu tinha de avisá-la de que ele podia realmente estar à espreita. Eu bati meu celular e apertei o número dela. "Merda!" Eu gritei quando ele apenas tocou e tocou. Quando seu correio de voz pegou, meu intestino apertou com o som de sua voz melódica. Cortei a conexão e pensei. Talvez eu devesse chamar a casa de Zach, perguntar ao pai se Zach ainda estava na cidade. Talvez Missy estivesse mentindo. 16

Skittles, balas coloridas.


Talvez isso tudo fosse uma farsa elaborada para que eu não a culpasse pelo truque da calcinha vermelha. Eu liguei para Ivy novamente. Ela não respondeu novamente. Olhei para o relógio. Ela ainda deveria estar no trabalho. Eu liguei para o telefone fixo da boutique. Um operador entrou na linha, dizendo que o telefone fora desligado. Eu pisei no freio e fiz uma inversão de marcha ilegal ali mesmo no meio da rua. Meu pé estava deitado sobre o acelerador, empurrando meu caminhonete tão rápido quanto ele podia em direção a loja. Um som estranho veio sob o capô e da caminhonete começou a diminuir, apesar de meus esforços de outra forma. Ele fez um som de tosse estranha e parou. Bem ali, no meio da estrada. "Não!" Eu gritei e bati meu punho no volante. A buzina soou sob a força do meu sucesso, e eu praguejei. Tentei três vezes virar o motor e ligá-lo novamente. Isso não estava acontecendo. Que porra estava errado com essa coisa e por que estava acontecendo agora? Eu mantinha toda a manutenção em dia, fazia tudo sozinho. Eu sabia que esta caminhonete estava em ótimo estado. Não devia estar deixando-me na mão. Especialmente quando Ivy precisa de mim. Minhas pernas sacudiram quando eu pulei para fora da cabine e abri o capô. Estava escuro e eu tive que usar meu celular para ver, mas tudo parecia bem. Eu não vi qualquer razão, a caminhonete não deveria estar dando problemas. A menos que alguém mexeu com ele, onde você não pode ver. Agindo por puro instinto, eu bati o capô e caminhei ao redor dele, à procura de alguma coisa, qualquer coisa que possa me dizer o que diabos estava acontecendo. Meus olhos se concentraram no tanque de gasolina, e eu pulei para a frente e abri a porta pequena que levava ao tanque.


Eu lancei no meu celular novamente e iluminei na tampa da gasolina. Havia uma substância branca arenosa na pequena bem logo atrás da porta. Que. Porra. É. Essa? Eu agarrei a tampa e virei. O som de algo raspando encheu meus ouvidos. Uma vez que a tampa foi puxada livre, grânulos mais brancos derramaram. "Filho da puta", eu sussurrei, enxugando um dedo neles. Eu não tinha mais necessidade de ligar para o pai de Zach. Eu não precisava de qualquer outra prova para saber que ele estava na cidade. Esta era a única prova que eu precisava. O filho da puta colocou açúcar em meu tanque de gasolina. Provavelmente fez um ciclo com a linha de combustível e estava entupindo tudo, fazendo a minha caminhonete afogar. Eu chutei com raiva. Esta caminhonete estava completamente inútil agora. Completamente não dirigível até que eu limpasse todas as malditas linhas. Ele fez isso de propósito. Ele queria ter certeza de que eu não seria capaz de chegar até ela. Colocando a caminhonete em ponto morto, eu o empurrei para o lado da estrada e o deixei lá. Minha casa era só alguns quilômetros de distância. Eu poderia chegar lá mais rápido a pé do que seria necessário que eu chamasse alguém e esperasse que eles viessem. Então eu corri. Empurrei-me tão forte quanto eu poderia. Meus pés comiam os quilômetros até que nossa rua ficou à vista. Uma vez que a casa ficou à vista e eu confirmei que o carro de Ivy não estava estacionado na garagem, eu corri ainda mais duro. Quando cheguei lá, Trent e Drew estavam na garagem, peças de seus motores em todo o lugar.


"Você falou com Ivy?" Eu exigi, batendo até a unidade. Suor embebia minha roupa e pingava do meu queixo. Drew empurrou ao redor e praguejou. "De onde diabos você vem, cara?" "Eu corri. Você já falou com Ivy? " Eu tentei não ofegar as palavras enquanto eu chupava o ar em meus pulmões. Percebendo que algo estava errado, Trent levantou-se. "Qual é o problema?" Olhei para seus carros, também completamente sem condições de dirigir. Máquinas de velocidade perfeitas sentadas bem ali me provocando. Olhei para a bolha de Rimmel e quase ri. Eu precisava chegar a Ivy, e eu precisava chegar lá rápido. O Hellcat. "Rimmel está aí dentro?", perguntei. "Sim", disse Drew. "Eu preciso que você fique aqui. Não a deixe fora de sua vista". "Que diabos está acontecendo?", perguntou Trent. "Zach saiu." Ele respirou fundo. "Eu preciso de você para olhar Rim. Não a deixe sozinha. Nem mesmo por um segundo." Ele concordou, e eu saí correndo em direção à garagem. "E quanto a Ivy?" Drew gritou atrás de mim. "Eu vou cuidar de Ivy," eu gritei de volta. Na garagem, eu peguei o conjunto extra de chaves fora de uma prateleira nas proximidades e apertei o botão para abrir a porta. O Hellcat rugiu no segundo que eu virei a chave, e o som suave do motor me deu esperança. Saí do local de estacionamento e naveguei em torno de peças do carro de Drew e Trent e depois rasguei na rua. Eu não tinha idéia se Rome ficaria chateado sobre eu rasgar a estrada em seu carro.


Eu não tinha tempo para perguntar. Eu realmente não me importava. Eu acelerei para a butique e empurrei bem em frente ao prédio. Havia um caminhão de força bem ali na rua. Grandes holofotes forneciam luz para eles trabalharem em algo. Pela aparência da rua escura como breu, eu acho que eles estavam tentando restaurar a energia. Um sentimento retorcido trabalhou seu caminho até a parte de trás do meu pescoço, e a intuição me disse que a força não tinha acabado de sair porque estava frio lá fora. Quando cheguei à porta da boutique, eu empurrei e abri. Estava tão escuro que eu não podia ver uma coisa, então eu puxei o meu aplicativo de lanterna e iluminei a sala. "Ivy!" Eu gritei. O lugar estava uma bagunça. Prateleiras de derrubadas; uma exposição de joias estava do seu lado.

roupas

foram

Havia um grampeador deitado ao lado da porta e lápis por todo o chão. Eu iluminei a luz para baixo no chão enquanto eu caminhava, à procura de qualquer coisa, uma pista... um sinal. A luz brilhou sobre algo brilhante, e o terror rasgou-me aberto. Eu peguei o colar de Ivy do chão. O que ela nunca tirava. Este era o sinal que eu estava procurando. Eu sabia que ela estava em apuros. Eu sabia que ele tinha vindo aqui e de alguma forma a forçou para fora e estava levando-a para algum lugar com intenções que eu nem sequer queria pensar. Percebi que eu estava saltando para o pior cenário possível. Eu sabia que eu podia estar totalmente soprando coisas fora de proporção. Orei que eu estivesse errado. Mas se eu estivesse certo... Enquanto eu corria para o carro, eu empurrei seu colar no meu bolso e mergulhei atrás do volante. Eu liguei o motor, fazendo com que os homens descendo a rua, virassem e olhassem. Eu sentei lá por um minuto, não tendo certeza para onde ir ou o que fazer. Onde iria levá-la?


Uma única ideia se formou no fundo da minha mente. Era a melhor e única ideia que tive. Num impulso, eu rasguei pela rua e me virei na direção que eu queria ir. Eu não tinha idéia se o que eu estava pensando estava sequer perto da verdade, mas eu não tinha o luxo do tempo. Era uma aposta, uma aposta que tinha realmente chances de merda. Uma aposta que eu ia fazer. Eu precisava. Eu só rezava a Deus que eu segurava a mão vencedora.


CAPITULO cinquenta e cinco Meu exercício favorito é fofocar. #FofocarQueimaCalorias #BuzzBoss

I VY Ele me pegou. Era hora de aumentar o meu cardio. E eu definitivamente precisava aprender um pouco de autodefesa. Eu fui para o canto da boutique, e assim quando eu estava prestes a desaparecer no beco escuro, ele me agarrou por trás. Ele cheirava como uma combinação de suor e sangue quando ele colocou seu braço em volta da minha cintura e me rebocou para trás. Sua outra mão deu um tapa na minha boca, me impedindo de gritar mais. Não que isso importasse. Meus gritos não foram ouvidos. Os meus pedidos de ajuda ficaram sem resposta. Ninguém estava vindo para me ajudar esta noite. Era exatamente como na noite em que ele me estuprou. Exceto que esta noite você não está drogada. Esta noite você vai lutar.


Mordi a parte carnuda da mão e recuei quando eu provei o sabor metálico do sangue. Zach gritou, mas não a soltou. Em vez disso, a mão me segurando em torno da cintura agarrou meu lado e torceu. Meus joelhos se dobraram e eu gritei. Era um som abafado, mas meu Deus doeu. Novas lágrimas caíram pelo meu rosto e o local picava, mesmo depois dele soltar. "Faça isso novamente e eu vou te matar aqui mesmo", ele rosnou bem no meu ouvido. Por que ele estava tentando me matar? Por que de repente ele me queria morta? Eu não conseguia entender. Ele não tinha me machucado o suficiente? O que foi que eu fiz para ele? Eu não queria morrer, e isso significava que eu tinha que parar de lutar, pelo menos por um minuto para ganhar algum tempo. Eu precisava pensar. Eu precisava de um plano. Em algum lugar muito próximo, meu celular tocou. Era o toque que eu usava para Braeden. Eu sabia disso bem como eu sabia meu nome. Quando Zach me rebocou para trás rapidamente, ele grunhiu e ignorou completamente o meu telefone. Deve estar no bolso. Se apenas eu pudesse alcançá-lo. O toque cortou. Senti meu corpo cair. Zach riu. "Ivy não está aqui agora, mas deixe uma mensagem após o sinal. Beeep!" Nós estávamos na frente da porta da boutique agora. Eu percebi que ele estava me arrastando para dentro. "Meu carro está fora, atrás do beco ", explicou. Ótimo. Fui correndo na direção do carro com o qual ele planejava me raptar de qualquer maneira. Bom movimento, Ivy. Meu telefone começou a tocar novamente. Braeden. Meu coração pulou. Ele sabia que algo estava errado. Ele sabia e ele estava vindo. Eu só precisava ganhar algum tempo.


Eu tive um sentimento muito ruim de que meu tempo estava acabando. O telefone cortou novamente, e um soluço escapou de minha garganta. Zach riu. Eu comecei a lutar novamente, e no meio de minhas tentativas, eu estendi a mão e puxei o colar que B tinha me dado a direita fora do meu pescoço. Doeu para removê-lo. Eu não queria, mas não havia outra escolha. Eu o deixei cair de meus dedos, deixando-a ali no meio da boutique. Ele viria aqui. Ele iria vê-lo e saber que eu não tinha saído por minha própria vontade. Porque Zach estava praticamente me arrastando pelo lugar, ele não foi capaz de manter o meu telefone aceso. No segundo que chegamos na frente do balcão, ele tropeçou e caiu. Eu rolei rapidamente, pegando o esboço de minha bolsa, que eu tinha deixado cair quando ele apareceu pela primeira vez. Qualquer um que tenha dito que a bolsa de uma menina não era uma de suas maiores armas, não era claramente uma menina. Eu deslizei para longe, mas mais uma vez, ele foi mais rápido. Ele me pegou pelo tornozelo e puxou. Eu caí no chão e rolei, chutando para fora com meu pé livre. Pegou direto nas bolas. Seu rosto congelou por um segundo e a dor apertou suas feições. E então ele gritou, puxou para trás o punho, e bateu-me na cara. Eu devo ter desmaiado, porque quando eu abri meus olhos, eu estava sentada no banco do passageiro do que tinha que ser seu carro. Havia um emblema BMW no volante e no interior era de couro preto. Cheirava a envelhecido aqui, como se tivesse estado sentado em uma garagem por um longo tempo. Sim, tipo o tempo todo em que ele esteve trancado. O lado do meu rosto doía. Estava em chamas, e eu passei os dedos suavemente, puxando uma respiração quando eu toquei a carne inchada. "Eu gosto mais de você quando você está drogada." Ele parecia sem fôlego.


"Eu gostava mais quando você estava trancado." Eu só parecia irritada. Eu nem estava mais com medo. Eu estava com raiva e confusa. Eu não ia deixar que ele me estuprasse novamente. Ele teria que me matar primeiro. "Assim como Romeo", ele murmurou. "Sempre pensando que você é melhor do que todos os outros." "O que?" "Você sabe", disse ele, como se ele estivesse completamente irritado. "O que há com loiras? Elas pensam que podem ter o que elas querem. Tomar quem quiserem. Elas acham que as regras não se aplicam a elas." Suas palavras estavam vindo rápido. Ele não fazia sentido, e quando eu olhei para o painel de instrumentos, notei que ele estava conduzindo a centro e trinta quilômetros por hora. Peguei meu cinto de segurança e cliquei no lugar. Ele nem percebeu. Ele estava muito ocupado falando sem parar sobre loiras e porque ele as odiava tanto. Zach estava completamente maluco. Como se houvesse algo realmente errado em seu cérebro. Ele era insano, e aquilo o deixou ainda mais perigoso. Eu não acho que eu poderia argumentar com ele, mas eu poderia pelo menos tentar. "Por que você está fazendo isso?" "Eu acabei de lhe dizer!", ele gritou e bateu no volante. "Porque eu sou loira?" "Porque você vai abrir a boca grande e gorda e dizer a todos o que eu fiz para você. Então eu vou ser trancado para sempre. Você sabe o que fazem para rapazes bonitos como eu na cadeia?" Desculpe. Esta era uma situação muito assustadora, grave. Mas eu não conseguia superar o fato de que Zach pensava que ele era bonito... Ai, credo. "Eu não vou contar a ninguém." Eu menti. "Isso é o que eu disse a ela." "Disse a quem?" Eu repeti.


"Missy". Ele olhou para mim com um sorriso de satisfação. Eu queria gritar para ele manter os olhos na estrada. Eu não tinha certeza de onde estávamos indo, mas eu sabia que estávamos indo para lá rápido. "Ela veio me visitar, você sabe. Ela me trouxe uma cesta cheia de coisas". Missy foi visitá-lo no hospital psiquiátrico? Ela era a única que o colocou nisso? Apenas quando eu pensei que ela não poderia ficar mais nojenta, ela vai e faz algo assim... "Por que ela faria isso?", perguntei a mim mesma. "Porque ela percebe o quão perfeitos somos um para o outro. Ela me entende. Ela sabe o que é ser uma vítima de uma loira. Posto de lado por alguém novo." Eu não falava louco, então eu decidi que dizer o menos possível seria provavelmente a minha melhor opção. "Eu não posso deixar você dizer às pessoas o que eu fiz. Vai me arruinar. Vai arruiná-la. Eu não vou deixar você ficar no meu caminho." "Eu não sou a única que sabe o que você fez", eu disse. "Seu namorado é o próximo." Meu sangue gelou. O pouco de calma que eu estava ganhando voou para fora da janela. "Não!" "Eu pensei em matá-lo primeiro. Mas eu quero que ele sofra quando eu lhe disser tudo o que eu fiz para você. Isso vai fazer sua morte muito mais terrível ". "Por quê?" Eu soluçava. "Por que você iria machucá-lo dessa maneira?" "Por causa do que ele fez com Missy!", Ele gritou. "Ele a traiu, como minha mãe me traiu!" "O quê?", perguntei, confusa. Ele acabou de dizer a sua mãe? Eu pensei que nós estávamos falando sobre Braeden. De repente, um conjunto de faróis nos cegou nos espelhos retrovisores. Eles se aproximaram rápido, tão rápido que mal tive tempo para registrar que eles estavam lá até que eu estava apertando os olhos contra o brilho. "Não!" Zach gritou. "Como ele nos encontrou?"


Piscando contra a luz repentina, eu virei no meu lugar para olhar pela janela traseira. Eu podia ouvir o bom ronronar de um motor e então eu vi um flash de verde neon. Aquele era o carro de Romeo! Zach pressionou no acelerador e o carro disparou para a frente. Meus olhos ficaram colados no Hellcat, e eu quase gritei “Amém” no topo dos meus pulmões quando o carro aumentou sua velocidade facilmente para se recuperar. "Maldito!", ele gritou. "Eu pensei que ele estava fora da cidade." Olhei para ele e dei de ombros. Eu queria que ele pensasse que era Romeo. O cara era claramente o gatilho de Zach. Talvez se ele achasse que Romeo estava nos caçando, ele iria cometer um erro. Romeo estava fora da cidade. Ele tinha chegado em um avião esta tarde. Isso poderia ser o carro de Romeo, mas Romeo não era a pessoa por trás do volante. Eu sabia exatamente quem era. Ele estava vindo para mim.


CAPITULO cinquenta e seis

Você não sabe por que está vivo, até você saber pelo que você morreria. #AutorDesconhecido #BuzzBoss

B RAEDEN "Sim!" Eu gritei e bati no volante no segundo que as luzes traseiras da BMW entraram em exibição. Se eu estivesse errado sobre onde ele estava indo com ela, isso provavelmente teria custado a Ivy sua vida. Mas eu não estava errado. As estrelas estavam do nosso lado esta noite. Ele estava levando-a para o lugar que eu tinha trazido Ivy no início do semestre. O lugar que passamos a noite na cama da caminhonete. Era um dos pontos mais próximos, ainda que dos mais isolados na cidade. Zach não tinha ido para a escola com Romeo e eu. Ele foi para alguma escola privada arrogante. Mesmo assim, todas as crianças sabiam sobre esse lugar. Todos penduravam lá, então eu sabia que ele ia saber sobre isso também. Eu sabia que ele me viu quando seu BMW subiu a estrada. Foda-se, ele já estava voando. Isso assustou fora de mim. Perguntei-me se Ivy estava bem. Se ela estava consciente. Minhas mãos seguraram o volante e eu pressionei o acelerador.


O Hellcat disparou para a frente com apenas um som. Este carro era uma máquina do caralho. Romeo abriu isso algumas vezes em uma estrada aberta, mas nada como isto. Eu estava indo mais de cento e cinquenta quilômetros por hora, no escuro, me aproximando de uma estrada de pista única. Era perigoso pra caralho. Mas eu não me importava. Tudo o que importava era chegar a Ivy antes que Zach pudesse machucá-la mais. Eu só tinha que esperar ele sair, não perder a sua fuga, e quando ele puxasse fora, o que ele tinha de fazer em algum ponto, eu ia recuperá-la. E então eu o mataria. Matar não era algo que eu pensei que eu jamais faria. Mas ele não estava andando longe disto. Oh, infernos não. Impaciente e querendo apenas um vislumbre de Ivy, eu aumentei a velocidade ainda mais e puxei ao lado de seu pequeno carro esportivo. Eu tinha que tentar vê-la agora, porque em apenas alguns quilômetros, esta estrada se transformaria em uma estrada de pista única e eu seria forçado a ficar para trás. Zach olhou para mim da janela do lado do motorista. Eu sabia que ele não podia ver dentro porque as janelas nesta coisa foram matizadas. Eu me inclinei para a frente, tentando ver ao redor de sua cara de bravo. Eu peguei o contorno de uma pessoa sentada no banco do passageiro, mas eu não podia ver se ela estava bem. Eu rolei a janela do lado do passageiro para baixo, na esperança de obter uma melhor aparência. O rosto de Zach registrou surpresa quando viu que era eu ao volante. Ele provavelmente apenas assumiu que era Romeo. Eu vi o movimento de sua boca, mas eu não podia ouvir o que ele estava gritando. De repente, Ivy empurrou para a frente e olhou em volta.


Nossos olhos fecharam juntos. Ela estava bem. Bem, talvez não bem, mas ela estava viva. Ela murmurou as palavras eu te amo, e eu levantei dois dedos. Duas vezes. Zach percebeu que estávamos nos comunicando, e ele olhou entre nós. Então, ele levantou a mão e bateu nela. Seu rosto ficou afastado com o impacto, e deixei escapar um grito. "Seu filho da puta!", gritei. Ele riu. Eu tive a súbita vontade de tirá-lo para fora da estrada, apenas forçar o Cat em seu carro e levá-lo para fora. Mas eu não podia porque Ivy estava naquele carro. Olhei para trás em frente e observei a estrada começando a fundir em uma pista. Zach viu também. Tentei obter um outro olhar para Ivy antes que eu tivesse que diminuir. Eu me inclinei para a frente e Zach se inclinou baixo. Que porra ele estava fazendo? Ivy estava encostada no banco do passageiro, olhando na minha direção. Eu podia ver o brilho de lágrimas nas suas bochechas. Zach sentou-se, cortando minha visão. Seu rosto encheu a minha linha de visão e ele sorriu, um olhar feio, presunçoso. Em seguida, ele levantou um objeto brilhante. As luzes do painel brilharam fora do metal. Era uma arma.


CAPITULO cinquenta e sete #Verdade Pedir perdão nem sempre significa que você vai ser perdoado. #BuzzBoss

I VY No segundo que ele puxou a arma, eu sabia que era agora ou nunca. Era isso. O único momento em que eu teria que salvar minha própria vida. Braeden estava aqui. Ele estava tentando chegar até mim, mas B não poderia me salvar. Somente eu poderia fazer isso. Zach riu quando o Hellcat caiu atrás dele e a pista se estreitou. Árvores alinhavam as estradas, e à frente esticavam campos espaçosos com macieiras que pontilhavam a distância. "Desculpe, cadela", disse ele, e apontou a arma para mim. "A chegada de seu namorado significa que nosso tempo foi cortado. É uma boa notícia para você. Uma bala na cabeça e tudo vai estar terminado. Nem perto de tão divertido quanto o que eu tinha planejado, mas às vezes temos de improvisar. " Bastardo doente. "O que você vai fazer?", perguntei.


No segundo que o seu corpo sair voando, o lover boy vai parar para tentar te salvar. Então eu vou parar, e quando ele estiver chorando sobre o seu corpo sem vida, sangrando, eu vou matá-lo também. Eu estarei no México antes que alguém sequer suspeite que fui eu ". "É um bom plano", eu disse a ele, embora fosse uma droga. "Há apenas um problema que você não pensou." Ele franziu a testa. "Eu pensei em tudo." Eu balancei minha cabeça. "Você esqueceu de mim." Num impulso, eu peguei o cano da arma e empurrei-o no ar. Ele puxou o gatilho, e o tiro alto e o som que fez quando rasgou o telhado me fez gritar. Nós brigamos pela arma, o carro desviou descontroladamente na estrada. Mas eu não parei. Eu continuei lutando. Eu sabia que eu ia morrer, mas pelo menos desta forma eu poderia levar Zach comigo. Pelo menos desta maneira, Braeden ainda estaria vivo. "Não!" Zach gritou e torceu a mão livre da minha. Ele trouxe a arma para baixo e apontou para mim mais uma vez. Estendi a mão e agarrei o volante, dando-lhe um puxão e virando o carro à direita da estrada.


CAPITULO cinquenta e oito

#ÚltimasNotícias Relatos de um bem conhecido Hellcat correndo pela cidade e um carro explodindo está mandando ondas de choque através da Alpha U. #BuzzBoss

5 MINUTOS DEPOIS...

#FontesDizem Alguém morreu hoje à noite. Nenhuma palavra ainda sobre quem. #Rezem #BuzzBoss

B RAEDEN O momento em que eu me senti mais impotente em toda a minha vida foi quando eu estava sentado ao lado de minha mãe na cama de hospital, assistindo sua luta para viver através dos ferimentos que sofrera por causa do temperamento vicioso do meu pai. Até agora. Nada, e quero dizer nada neste mundo, poderia se comparar com a visão de ver o carro com toda a minha vida nele desviando de forma irregular por toda a estrada, ouvir um tiro, e depois assistir o carro virar bruscamente para o lado, atingir um grande toco, e virar.


Três. Vezes. Minha vida passou diante de mim como se eu fosse o único a morrer, e cada única imagem que vi foi dela. Ivy em cima de mim. Ivy com o desejo em seus olhos. Ivy rindo. Ivy vestindo a maldita cadela em um tutu cor de rosa. Ela era isso. Ela era tudo o que vi. Parecia que demorou muito para o carro parar de rolar e, finalmente, ficar parado. Mesmo depois que ele pousou, ele ainda balançava para frente e para trás um pouco, como se o impulso que tinha ganhado a partir da velocidade em que Zach estava conduzindo teria catapultado mais longe. Isto é, se a árvore que ele atingiu não tivesse chegado em seu caminho. Eu pisei nos freios e fui para fora do carro em segundos exatamente. Correndo através do feixe de luz, do outro lado do campo, e finalmente em algumas árvores, eu gritei o nome dela. Por favor, Deus, não deixe que ela esteja morta. Por favor. Deus. Se ela estiver morta, apenas me leve também. Quando cheguei ao carro, eu derrapei até parar. O lado do motorista estava de frente para mim. Eu podia ver Zach dentro, seguro pelo cinto de segurança. Seu rosto estava coberto de sangue, e eu não poderia dizer se ele estava vivo. Eu não me importava. Eu mexi em torno do carro para o lado do passageiro. Todas as janelas estavam explodidas, vidro e detritos em todos os lugares. "Ivy," eu gritei. "Ivy, me responda!" Eu caí no meu estômago e me arrastei até a janela, ignorando o ardor dos cortes de vidro enquanto fui. Ela não respondeu. Ela não chamou o meu nome.


Um soluço rasgou da minha garganta. "Não!" Eu gritei e enfiei o braço dentro da janela. Eu não podia vê-la, mas eu sabia que ela tinha que estar lá dentro. "Não!" Eu rugi novamente, levantando meu rosto e gritando para o céu. Milhões de estrelas piscaram para mim, iluminando o céu noturno. As lágrimas nublaram a minha visão quando eu caí ao redor e deslizei para mais perto. Algo encontrou a minha mão e agarrou. "Ivy!" Minha voz se quebrou. A mão dela era tão pequena, mas quando eu disse o nome dela, ela apertou meus dedos. "Eu estou chegando, baby. Espere! Não morra! " O cheiro de gasolina atingiu meu nariz. Era pungente e indesejável. O tanque de gasolina foi perfurado e estava provavelmente expelindo gasolina para fora por todo o campo ao redor este carro. Enfiei a cabeça dentro e vi. O cinto de segurança manteve-a dentro, mas ela fora gravemente espancada e seu rosto estava coberto de sangue. Somente vê-la assim assustou a merda fora de mim. Seu corpo estava mole e torcido. Eu sabia que no segundo que eu destravasse o cinto de segurança, ela amassaria para o telhado. Eu não caberia através da janela e dentro do carro destruído. Eu não poderia ir lá e usar o meu corpo como um escudo para o dela. "Ivy você pode me ouvir?", perguntei. Ela fez um som, e eu ri, mas era desesperado. "Melhor som que eu já ouvi," eu disse a ela. "Ouça-me, baby. Temos que tirá-la daí. Vou soltar o cinto de segurança e você vai cair um pouco. Provavelmente vai doer, e eu sinto muito de verdade sobre isso." Ela fez outro som. Eu queria acreditar que era sua maneira de me dizer para fazê-lo. O cheiro de gasolina foi ficando mais forte, e eu estava com muito medo que eu estivesse trabalhando em um relógio limitado. Levei um


minuto para chegar à trava do cinto de segurança, mas no segundo que eu fiz, eu a apertei. O carro inteiro gemeu quando ela caiu. O som de seu corpo caindo me deixou doente. Eu pressionei para a frente, dançando todo o meu tronco dentro da janela e passando os braços ao redor de seus quadris. Eu não poderia chegar mais longe, e forçou-me a arrastar a metade dela para fora. Foi um processo trabalhoso, porque ela se sentia como um peso morto e eu tive que ir para trás através de uma janela quebrada com restos de lixo na grama. Quando cheguei longe o suficiente, eu a deixei deitada lá e pulei para os meus pés. Abaixei-me e levantei-lhe o resto do caminho e a ergui em meus braços. "Ivy!", eu disse, tentando não parecer que eu estava completamente em pânico. "Você está fora agora. Te peguei. Tudo vai ficar bem." Ela não fez um som e as pálpebras não vibraram. Eu estava com muito medo que o processo de a tirar do carro tinha sido demais. Eu me movi para trás dos destroços e, no meu caminho, dei um passo na crescente poça de gasolina. Estava pulverizada em todos os lugares, todo o chão e o carro. Eu fugi da confusão, embalando-a tão perto quanto eu poderia. Ela estava tão quieta. Tão sangrenta. Quando eu pensei que estava longe o suficiente, eu caí de joelhos e coloquei-a no chão. Eu puxei minha camisa sobre a minha cabeça e a usei para pressionar contra um corte ainda sangrando na cabeça. Enquanto eu pressionava, eu procurei por ferimentos de bala, com medo que ela tivesse levado um tiro. Tudo o que vi foram lesões do acidente, sem buracos de bala. "Brae..." Ela tentou dizer meu nome, mas não podia. Meu peito arfou de apenas ouvi-la dizer qualquer coisa. "Eu estou aqui, baby. Graças a Deus você está viva. Tudo está bem agora. Vou chamar uma ambulância. Fique comigo, tudo bem ". "Sempre," ela sussurrou.


Puxei meu telefone e liguei para o 911. Quando a resposta veio na linha, eu disse a ela onde eu estava exatamente e pedi-lhes que se apressarem. Ela pediu mais detalhes, e eu comecei a dar a ela quando o som do grito de Zach me chamou a atenção. Ivy choramingou. Ela deve ter ouvido também. "Shh, shh," eu disse, inclinando-me sobre ela e tentando abraçá-la sem mover tanto. "Por favor, depressa", eu disse na linha. "Precisamos de uma ambulância. E talvez um caminhão de bombeiros. O carro está vazando gasolina. Receio que vai explodir." Zach gritou novamente. "Socorro!" Eu coloquei o telefone ao lado de Ivy e beijei-a na testa. "Eu vou estar de volta, querida." "Não", ela choramingou. "Fique seguro." "Eu prometo." Corri de volta para o carro, onde Zach estava lutando para se libertar. O cinto de segurança deve ter ficado enrolado ou encravado. Quando ele me viu, seus olhos ficaram desesperados. "Braeden, me ajude. Eu não posso sair." Eu só fiquei lá e olhei. Eu o vi lutar por alguns minutos. Aquele lugar escuro com o qual eu sempre lutei? Eu o deixei me consumir. Zach parou e olhou para mim. "Você não vai me ajudar, não é?" "Não." "Isso é assassinato." "Assassinato. Carma. Corrigir um erro." Dei de ombros. "Chame do que você quiser. Seja o que for, é exatamente o que você merece." Ele começou a lutar novamente. O pânico substituindo toda a presunção em seu rosto. Uma pequena chama acendeu a partir da parte traseira do carro. Olhei para ela enquanto ela crescia.


Zach olhou para fora da janela e começou a implorar. "Por favor, me ajude. Por favor, não me deixe morrer." "Espero que você goste do inferno, seu filho da puta." Eu me virei e fui embora. Ele continuou a pedir, mas caíram em ouvidos surdos. Poucos passos depois, a pequena chama acendeu em um grande incêndio com um único whoosh. Eu peguei o meu ritmo e corri para Ivy. Assim que eu caí e cobri o corpo dela com o meu, o carro explodiu. O calor das chamas explodiu em nossa direção. Ouvi detritos baterem no chão e o gemido do metal. Na distância, eu ouvi várias sirenes. Eu sabia que eles estavam vindo para nós. Eu bati FIM no telefone e recuei apenas o suficiente para olhar para o rosto maltratado de Ivy. Seus olhos estavam abertos. "Ele está morto, não é?", ela perguntou. "Sim." Ela assentiu com a cabeça. "Estou feliz." "Eu também." Ela não perguntou se eu tinha tido uma oportunidade para tirá-lo, embora eu tinha certeza que ela provavelmente sabia. Se ela alguma vez perguntasse, eu diria a ela. Eu o deixei morrer. Talvez isso me fez um assassino. Mas eu nunca disse que não iria matar para proteger o que era meu. O homem mais perigoso do mundo é aquele que não tinha nada, mas encontrou tudo. Era eu. E no final, eu não tive que passar por ninguém além de mim. Porque no final, eu era exatamente quem eu deveria ser. Uma ambulância rolou até parar ao lado da estrada. Um carro da polícia e um carro de bombeiros seguiram direto atrás. "Você ainda está comigo, baby?" Eu disse, recuando para acenar para os homens. Ela gemeu.


Olhei para as estrelas e lhes agradeci.


Felizes para sempre (Também conhecido por Epílogo)

#OsResultadosEstãoAí Eles não estavam apenas fingindo. Acontece que o <3 deles é real. #Braeden&Ivy AlgumasVezesOAmorSuperaTudo

I VY Passei três dias no hospital. Um para cada vez que o carro capotou. Eu tive uma concussão grave, um pulso quebrado, a maçã do rosto dividida, pontos em minha cabeça e meu ombro, algumas costelas quebradas e um corpo preto e azul para combinar. Mas nada disso doía. Não há muito de qualquer maneira. Porque eu ainda estava viva. Porque Braeden me puxou para fora do carro. Eu sabia que nunca teria sido capaz de sair por conta própria. Se ele não estivesse lá, eu teria morrido no instante em que o carro explodiu. Ele salvou minha vida. Em mais de um sentido. Ele não só andou na ambulância comigo para o hospital, mas ele literalmente nunca deixou minha cabeceira. As enfermeiras provavelmente


teriam reclamado se ele não tivesse encantado a todas para amá-lo também. Eu não estava lúcida no primeiro dia; os analgésicos me mantiveram grogue. Mas às vezes eu acordava para ver todos sentados ao redor da cama e, por vezes, seria apenas Braeden. Eu podia jurar em um ponto que ouvi Braeden dizendo a Romeo que estava arrependido, ele deixou o seu carro no lado da estrada, e eu gostaria de ter sido capaz de ficar acordada o tempo suficiente para ouvir o que ele tinha a dizer sobre isso. A mãe de Braeden até me verificou. Às vezes ela estava em seu uniforme, porque ela trabalhava em outro andar. Meus pais estavam aqui também. Eles estavam hospedados em um hotel, na mesma rua. À noite, B subia na cama comigo depois que eu implorava para ele, e eu me aconchegava ao seu lado (o melhor que pude) até que as enfermeiras entravam e o espantavam para fora e para trás na cadeira. Eu tinha estado totalmente pronta para morrer naquela noite. Eu não queria, mas eu teria me sacrificado para me certificar de que B estava seguro. Eu nunca tinha dito a ele, porque eu apenas teria um sermão, mas no fundo, eu acho que ele sabia porque eu forcei o carro fora da estrada. Ele nunca perguntou e eu nunca disse. Assim como quando eu o ouvi dizer à polícia que ele não teve tempo suficiente para me tirar do carro e em seguida, voltar para Zach antes que explodisse. Correndo o risco de soar totalmente hediondo, eu não estava arrependida que ele estava morto. Pelo menos agora, todos nós poderíamos viver nossas vidas sem se perguntar se ele estava lá fora, assistindo e esperando. Missy veio para o hospital. Braeden não iria deixá-la entrar. Ela voltou no dia seguinte, mas ele já notificara a equipe e eles não iriam deixála descer o corredor. Eu sei que ela provavelmente queria dizer que sentia muito. Às vezes, infelizmente não era bom o suficiente.


Às vezes, nada era. Missy não era nada para mim agora. Apenas alguém que eu conhecia. Quando o médico finalmente assinou os papéis de liberação e a cadeira de rodas foi levada, eu estava tão feliz por ir para casa que eu realmente chorei. Isso me fez sentir como o pior tipo de Nancy, mas ninguém parecia pensar assim, exceto eu. Eu mesma peguei B limpando a garganta algumas vezes. Felizmente, foi só eu e ele na saída. Todo mundo estava em nossa casa esperando por nós. Eu estava ansiosa para ver todos, mas eu realmente só queria um tempo sozinha com meu homem. A enfermeira deixou Braeden empurrar minha cadeira de rodas, e no caminho pelo corredor, ele abrandou e quase parou na frente de uma sala. Dentro havia um homem deitado em uma cama. Eu ouvi algum tipo de esporte jogando na TV. Braeden olhou apenas um segundo e, em seguida, começou a me empurrar novamente. Cheguei ao redor e cobri sua mão com a minha. "Eu vou esperar, se você quiser ir dizer oi." Ele se inclinou e me beijou suavemente. "Nah. Ele é apenas alguém que eu costumava conhecer." Eu sabia que era seu pai. E eu também sabia que ele tinha fechado a porta à sua vida. Ele não temia que ele fosse como aquele homem; ele não estava mais com medo que ele iria revelar-se o mesmo. Braeden tinha seus demônios assim como o resto de nós, mas ao contrário de seu pai, no fundo, Braeden era um bom rapaz. "Você é a minha pessoa favorita de sempre", eu disse a ele no elevador. "Bem, isso é um alívio." Ele se agachou ao lado da cadeira por isso ficamos cara a cara. "Eu odiaria pensar que você ia passar o resto de sua vida com alguém que você realmente não gosta." Atrás de nós, a enfermeira riu.


Ele enfiou a mão no bolso e tirou um colar de prata muito familiar. "Eu estive segurando este para você. Acho que você pode querer colocá-lo novamente?" "Você o encontrou," eu sussurrei, olhando para ele descansar na palma da mão. "As estrelas são nossas, Blondie." Braeden se levantou e o prendeu em volta do meu pescoço. Em seguida, ele se mudou atrás da cadeira para me empurrar para o saguão. "Ela é minha garota", disse à enfermeira. Eu resisti à vontade de dizer-lhe que ela provavelmente já sabia disso. Em vez disso, sorri e acenei com a cabeça. "Sim, eu sou a garota dele."

#TheEnd #BuzzBoss.

Quer ficar por dentro dos lançamentos? Siga nosso blog e curta nossa Fanpage no Facebook!

Cambria hebert hashtag 05 poser (1)  

5 livro da serie # Hasteg

Cambria hebert hashtag 05 poser (1)  

5 livro da serie # Hasteg

Advertisement