Page 1


Removendo a Máscara do Gárgula Um Amor Paranormal 5 Charlie Richards

No mundo paranormal, às vezes ceder à tentação pode levar a recompensas inesperadas. Martin Marty Beakman se vê fascinado por um desconhecido barbudo, envolto em uma loja de café, Raymond. Embora ele se sinta como um perseguidor, ele retorna novamente e novamente até que finalmente descobre um padrão. Quando Marty é confrontado por seu irmão Mateus sobre suas ações, ele admite sua atração por alguém que ele nunca sequer falou. Depois que seu irmão o encoraja a mudar isso, Marty segue Raymond em uma tentativa de fazer exatamente isso. Em vez disso, ele vê algo quase inacreditável... Raymond tira o manto, estende as asas e voa para a noite. Quando Raymond, de repente entra em contato on-line com Marty, ele vai ceder ao seu desejo de aprender mais sobre o cara? Ou, a estranha visão à noite vai impedi-lo de aproveitar a oportunidade?


Capítulo 1 Martin Beakman, Marty para seus amigos, descansava no sofá no bar café. Ele balançava a perna, batendo num ritmo suave, com o calcanhar. Não era cafeína que o deixa elétrico, mas os nervos. Marty tinha certeza de que tinha descoberto o cronograma do estranho. Por que ele se sentiu atraído para saber quando o homem entrou no café, mesmo depois de quase cinco semanas, Marty ainda não poderia dizer. Ele mesmo sentiu-se um perseguidor, mas isso não impediu sua compulsão para vir ao café todas as noites, pedir uma xícara de café descafeinado a Joe, em seguida, sentar e esperar. Até o momento, o homem estranho que tinha chamado sua atenção tinha chegado qualquer outra quinta-feira em torno de dez horas ou assim. Ele usava um casaco comprido até os tornozelos, um chapéu de abas largas, grandes óculos de sol, e ostentava uma barba espessa. Ele ainda usava luvas de couro pretas. O casaco efetivamente escondia cada centímetro do homem. Marty deveria tê-lo demitido imediatamente, mas não podia. Por alguma razão, ele queria ver os olhos do estranho. Eram


aborrecidos e cansados, depois de ter visto as muitas asperezas do mundo? Talvez, o cara escondia cicatrizes por trás desses grandes óculos e pelos faciais. A primeira vez que tinha visto o homem, ele tinha estado lá para um encontro tarde da noite com seu amigo e parceiro de negócios Logan. Depois que Marty se formou na faculdade com um grau de gestão de negócios, ele se juntou com seu melhor amigo, que tinha tido vários anos de experiência em construção, e abriu uma empresa de renovação. Logan estava explicando as alterações que um cliente havia solicitado naquela tarde, então Marty poderia descobrir como isso afetaria o seu orçamento. Quando o estranho passou e Marty pegou um cheiro de seu perfume, chocou o inferno fora dele. Ele encontrou-se atraído pelo cheiro de terra masculina do macho menor, despertado por ele, seu pau endurecendo em sua calça jeans. Tinha sido extremamente perturbador tentar formular uma estratégia para obter as alterações solicitadas concluídos dentro do orçamento. Logan, finalmente farto de ter que continuamente chamar a sua atenção para a sua discussão, resolveu ir embora.


A brisa de ar fresco à noite sobre o rosto aquecido de Marty chamou-o de seus pensamentos. Olhando para a porta, uma corrida de antecipação inundou-o. Decepção esfaqueou-o tão rapidamente quando viu seu irmão, Matthew, olhando no balcão do café. Tanta coisa para conseguir coragem suficiente para falar com o cara hoje à noite. De jeito nenhum que eu vou abordar alguém na frente de Matthew. Quando Matthew o viu, Marty ergueu o queixo. Seu irmão se jogou no sofá ao lado dele e olhou ao redor do lugar. "Então, este é o lugar onde você tem se escondido, não é?" "O que diabos você está falando?" Marty respondeu carrancudo. "Eu não estava me escondendo." Matthew deu de ombros, sem encontrar o seu olhar. "Eu não vi você em semanas, ao menos faz o mesmo trabalho. Quando você não atendia ao telefone, liguei para Logan, pensando que trabalhando horas extras." Matthew fitou-o por um segundo, em seguida, de volta para sua calça, onde o dedo esfregou sobre a costura, devido a sua inquietação. "Ele disse que você tem andado por aqui." Marty não tinha certeza de como Logan sabia onde ele estava, mas deveria saber que seu amigo iria notar sua preocupação. Como ele não tinha visto Matthew fora do trabalho em quase quatro


semanas, deveria ter sabido que seu irmão viria o procurando. Ele, Logan, Matthew, e alguns outros amigos, saíam muitas vezes por semana e tinha aceitado mais de um convite. Ele sabia que tinha de chegar a alguma explicação, mas danese se poderia explicar quando ele não entendia completamente a si mesmo. "Eu sinto muito." começou Marty. Ele fez uma pausa e franziu a testa, incerto. Droga, o que ele poderia dizer? Obviamente sentindo sua inquietação, Matthew varreu seus olhos avelã ao redor do bar café. Marty assistiu a uma miríade de emoções fluirem pelo rosto de seu irmão. Ele sabia, a partir de comentários de outros, que ambos estavam expressivos, tendo pouca capacidade de esconder seus pensamentos. Isso pareceu ser o lugar onde as semelhanças terminaram, no entanto. Enquanto Marty tinha um metro e noventa e cinco e ostentava ombros largos e muito músculo de levantar placas de gesso, madeira serrada, e empunhando ferramentas pesadas; seu irmão tinha um metro e oitenta e cinco e manteve a definição muscular mais magra depois de anos de trabalho elétrico. Para colocá-los ainda mais distantes, enquanto Marty manteve seu cabelo loiro quase curto mais fácil de limpar depois de um dia de cortar gesso ou pintura,


Mattew tendia a usar seu cabelo castanho claro pendurado em ondas desgrenhadas em torno de seu pescoço. De repente, o silvo agudo de Mattew chamou-o de seus pensamentos. Inclinando-se perto, seu irmão perguntou: "Você está encontrando uma menina aqui? Você está namorando alguém e é por isso que você se tornou tão escasso?" Ah, o inferno. É claro que seu irmão iria assumir isso. Embora ninguém adivinharia que seu irmão era gay, Matthew tinha realmente saido com quinze anos. Marty, no entanto, nunca havia admitido sua bissexualidade, tendo sempre encontro com as mulheres. "Não." respondeu Marty. "Nenhuma garota." Matthew olhou ao redor novamente. "Ok, eu posso gostar do ambiente, mas para passar a maior parte de suas noites aqui? Você desenvolveu um fetiche por café que eu deveria estar ciente?" "Não." Marty negou imediatamente. Ele ergueu a caneca. "Este é descafeinado." admitiu. Tinha aprendido maldita no início de sua participação como aspirante, para nunca pedir qualquer coisa com cafeína tarde ou ele teria problemas para dormir... o que criou problemas no trabalho no dia seguinte.


Desde que ele nunca agiu por sua atração ocasional para homens, Marty nunca se preocupou em dizer a Mattew ou qualquer pessoa, que ele achava certos homens fisicamente desejáveis. Agora, ele sabia que não tinha escolha, porque este homem, tão estranho quanto ele parecia ser, definitivamente o fez considerar dar o próximo passo. Matthew fez uma careta, seus olhos castanhos estreitamento. "Você vai me fazer continuar advinhando, mano?" Criando coragem, Marty suavemente admitiu: "É realmente um cara." "Um cara?" Matthew empalideceu, sua expressão rapidamente transformando em dor e confusão. "Você está saindo com um cara? Por que você iria esconder isso de mim?" Marty inclinou-se, em seguida, explicou ainda: "Eu realmente não tenho falado com ele." "Huh?" Sim, Marty se sentia tão confuso quanto seu irmão. Fazendo uma careta, ele respirou fundo antes de compartilhar: "Eu não consigo entender porque eu estou interessado nele. Você não pensaria..."


Mais uma vez, uma brisa fresca soprava em seu rosto. Os cabelos em seus braços se arrepiaram e ele lutou contra um arrepio que não tinha nada a ver com o frio. O objeto de sua obsessão entrou. O homem parecia fazer uma pausa na porta e varrer o seu olhar sobre o interior do café. Durante vários segundos, o seu óculos de sol cobria seu rosto e parecia olhar diretamente para ele. Incapaz de ajudar a si mesmo, Marty lambeu os lábios e sorriu para o homem. Seu coração bateu rapidamente em seu peito enquanto o estranho continuou a espreitar o seu caminho, embora fosse difícil dizer com seus traços escuros escondidos atrás dos óculos escuros e barba. Em seguida, o recém-chegado abaixou a cabeça, mas não antes de Marty pensou ter visto os lábios do homem se contorcer um pouco. Claro que sim! Ele poderia vir aqui tantas vezes apenas por causa de mim? Claro, pode ser arrogante de pensar que sim, mas Marty tinha ouvido a conversa do barista sobre o aumento da frequência das visitas de seu vagabundo residente. Por alguma razão, tendo o


homem chamado assim tinha levantado á polêmica de Marty. E tinha custado todo o seu autocontrole não dizer alguma coisa. "Puta merda!" Matthew vaiou, chamando sua atenção. Marty virou-se para o irmão. Os olhos de Matthew estavam arregalados, expressando claramente o seu choque. "Isso é o que você está, uh, interessado?" Inferno, as palavras hesitantes- murmuradas por seu irmão chocado chamou a atenção de Marty longe de... dele. Ele franziu a testa e murmurou: "Ele não é um vagabundo sem-teto, você sabe." "Não." respondeu Matthew suavemente. "Eu não sei. Ele se parece com um. Como você pode não achar?" "Ele cheira malditamente fantástico", Marty admitiu, seu olhar mais uma vez se afastando para o homem estranho. Matthew tirou sua próxima palavra, "O-Okaaaay." Marty olhou para o irmão. "Você queria saber o que me teve tão distraído ultimamente," ele calmamente retrucou. "Bem, agora você sabe. Então, se você não tem nada de produtivo a dizer, fique à vontade para seguir em frente." As sobrancelhas de Mattew arquearam quando ele levantou as mãos

no

apaziguamento,

assim

como

ele

estava.

Marty,


imediatamente, se sentiu mal. Ele sabia que tinha sido o estresse fazendo com que suas palavras fossem duras. Ele odiava lutar com seu irmão, especialmente desde que o homem era a única família que lhe restava. Bem, além de alguns primos de segundo grau que viviam em Santa Barbara, que ele não tinha visto desde que ele tinha talvez três anos. Levantando-se, Marty abriu a boca para chamar Mattew de volta, mas depois percebeu que seu irmão não estava indo em direção à porta. "Oh, merda", ele murmurou quando viu Matthew parar diretamente atrás do homem. Vendo o objeto de sua paixão ao lado de seu irmão musculoso, só acentuava a magreza do homem barbudo. Seu casaco longo não poderia esconder o quão magro o corpo era sob o tecido. Marty tinha um desejo estranho para sentar-se atrás do homem, inclinar a cabeça para trás para que ele descansasse contra o seu peito, em seguida, pegar uma navalha e fazer a barba do homem. Para sua surpresa, seu pau engrossou com a ideia de prender o homem, tocando sua pele, vendo e sentindo o homem submeter-se a seus cuidados, confiar nele. Marty deu um gemido. Balançando a cabeça, ele mudou a xícara de café sobre a virilha como um escudo enquanto discretamente ajustava-se com a outra mão. Ele se mexeu na


cadeira, tentando encontrar uma posição confortável. Sua ereção prematura confundiu a merda fora dele. Nunca tinha ficado tão duro, tão rápido a partir de apenas sua imaginação. O som macio de passos do estranho barbudo chamou a atenção de Marty. Ele viu o cara se aproximar em direção a ele, parando para ficar no balcão de pedidos. Marty realmente queria ouvir a voz do homem e rapidamente se esforçou para encontrar algo para dizer. "Ei, cara." Marty, finalmente, chamou. "Trincheira agradável. É à prova d'água?" Uma língua rosa escura, meio pontuda, varreu o lábio inferior do homem quando ele se virou para encará-lo. O pau de Marty se contraiu em sua calça. Droga, quando foi a última vez que ele queria chupar a língua de alguém? Já para não falar, nunca, nunca que ele já foi atraído por um homem magro, com uma barba... mas aqui estava ele, praticamente ofegando para o estranho. "Obrigado." respondeu o estranho. "E, sim. É à prova d'água." A voz de tenor suave do homem desmentiu seu exterior áspero... e fez uma gota de pré-sêmen escorrer do pênis de Marty. As narinas largas do estranho se abriram levemente. Ele estendeu a mão e deslizou seus óculos pelo nariz apenas o suficiente para


revelar olhos castanhos escuros. Não havia como confundir o desejo enchendo o olhar do homem. Marty encontrou-se respondendo a esse olhar. Ele começou a subir. Ideias de onde ele poderia levar o homem menor e descascar esse casaco, e explorar o corpo debaixo dele, nublou sua mente rapidamente. Como seria o gosto da boca do homem? Como a barba se sentiria contra o seu próprio queixo? "Aqui está o seu caramelo macchiato duplo, senhor." falou o barista, colocando a bebida no balcão perto do cotovelo do homem. O homem virou-se, separando seus olhares. Depois de um suave obrigado, o estranho pegou seu copo, desviou seu olhar coberto pelos óculos de sol mais uma vez para Marty, e se dirigiu à saída. Uma pontada de decepção tomou conta dele. O que diabos aconteceu? Seu irmão se acomodou ao lado dele, uma xícara de café na mão, chamando a sua atenção. "Seu nome é Raymond Patterson," ele revelou. "E você está certo. Ele pagou com um cartão American Express preto. Eu ouvi dizer você tem que ter muito dinheiro para conseguir um deles." "Então, por que diabos ele se veste assim?" Marty perguntou em voz alta.


Matthew encolheu os ombros. "Você me pegou." Batendo em seu ombro, ele sugeriu: "Por que você não vai descobrir?" "Essa é uma ótima ideia", afirmou Marty. Ele se levantou, a determinação para descobrir esta atração entre eles misturou-se com a esperança de que não era tarde demais para descobrir onde o cara foi. Seu irmão o seguiu para fora da porta. Uma vez fora, Matthew deu-lhe um tapinha encorajador nas costas. "Uma vez que você acompanhar o homem para baixo e transar com no colchão mais próximo, descanse um pouco." Ele piscou. "Você vá ver Logan e contar tudo sobre isso na parte da manhã. Eu vou estar no trabalho em Cranston para corrigir a parte elétrica." Marty sorriu e acenou com a cabeça. Ele sabia que devia a seu irmão uma explicação e amanhã estava perto o suficiente para descobrir o que lhe dizer. Neste momento, ele queria rastrear o homem que despertou o interesse dele e do seu pau. Lançando seu copo quase vazio no lixo, Marty começou a movimentar-se na direção que ele pensou que o homem-Raymond, de acordo com Matthew-se fora. Ele olhou para baixo, cada beco, enquanto passava por eles, com o olhar em busca da escuridão para a forma de um homem.


Ele, praticamente, tinha desistido quando uma figura ao longe chamou sua atenção. Ele já estava do outro lado de um campo no outro extremo do beco. Enquanto observava, ele desapareceu entre as árvores. Confuso sobre o porquê Raymond estava indo para a floresta no meio da noite, Marty hesitou alguns segundos em segui-lo. Decidindo que não queria esperar duas semanas para ter outra chance de falar com o estrangeiro, ele foi atrás do homem. O longo passo de seus um metro e noventa e cinco, diminuiu a distância. Marty apertou os olhos, espiando através da escuridão. Pensando que viu um movimento através das árvores, ele apressouse. Quando viu a aba de um manto entre as árvores, Marty sabia que ele estava no caminho certo. Chegando mais perto, Marty viu que o homem havia parado. Aliviado, ele desacelerou e respirou fundo, tentando recuperar o fôlego. Ele engoliu em seco algumas vezes, trabalhando a umidade de volta em sua garganta para que pudesse chamá-lo em uma saudação. Ele não queria assustar o homem. Para sua surpresa, assim que ele estava prestes a gritar, Raymond tirou o seu casaco. Sua mandíbula caiu em choque com o corpo negro revelado a ele. Assim como ele tinha imaginado, o corpo


do homem era musculoso magro, mostrando a grande perfeição pela tanga que... o homem... usava. A tanga? Continuando a observar, Marty acabou soltando um suspiro de choque quando Raymond abriu os braços. Pele surgiu ao longo de toda a parte inferior de seu braço esticado, em pregas volumosas ao longo dos lados de seu torso de repente esticado por... costelas? Um par de costelas na pele coberta, que se projetava ao longo do tronco do homem? As pernas do homem eram muito mais curtas do que qualquer

pessoa

dizia

ter

visto,

fazendo

Raymond

olhar

chocantemente desproporcional. Espere? É uma cauda? Marty olhou através da escuridão, tentando confirmar o que ele pensou ter visto. Com sua caneca de café apertada em uma mão enluvada e jogando o manto quase descuidadamente sobre o ombro, Raymond pulou para frente e para cima... e ele foi para cima e para cima. Seus braços se moveram, fazendo as dobras de retalho de pele pegar o ar como... asas! Marty se apoiou pesadamente contra uma árvore, enquanto observava o homem que ele tinha cobiçado-fodendo voar!- se


afastando. Ele não tinha ideia de quanto tempo ficou ali, se apoiando na árvore, olhando para onde-oh Deus, oh homem, ele não é realmente um homem, não é?-tinha desaparecido. Finalmente, o frio da noite tirou-o de seu estupor. Ele se virou e começou a voltar por entre as árvores, mas não antes de olhar mais uma vez por cima do ombro.


Capítulo 2 Raymond voou por entre as árvores, mergulhando e levantando os braços para controlar o ângulo da pele da asa entre abas. Ele manteve um pouco acima das copas das árvores, manobrando em torno de algumas das mais altas. Se ele se apressasse, estaria de volta para a mansão antes da meia-noite. Ele poderia fazer uma aparição na hora do almoço gárgula, que era cerca de uma hora da manhã e ninguém saberia que ele tinha saído. Sabia que não deveria ter visitado o bar café, mas não conseguiu resistir ao fascínio de ver seu companheiro. Ele precisava ver o ser humano, sentir o cheiro dele, assegurar-se de que ele ainda estava vivo e parecia bem. E hoje à noite, oh, deuses acima, o risco que ele tinha tomado de baixar seus óculos de sol e conhecer o olhar do homem. E se ele tivesse notado como suas íris eram ligeiramente verticais, como os olhos de um gato? Nem todas as gárgulas que tinham essa íris gostavam dela. Na verdade, era muito raro, e era apenas mais um atributo que o distinguia de seu companheiro humano.


Como se ele precisasse de mais diferenças do que ele já havia: voltando a ser pedra durante o dia, asa de peles e osso-esporas, dando-lhe a capacidade de voar, garras e garras, caninos se projetando, orelhas pontudas, e um couro preto. Tantas

diferenças.

Se

Raymond

realmente

tivesse

a

oportunidade de ter uma conversa com seu companheiro, o ser humano seria capaz de aceitá-lo? Martin Beakman. Marty. Só de pensar no nome de seu companheiro fez o seu pênis inchar sob sua tanga. Droga, afastando-se dele tem sido duro. De fato, ficou mais difícil a cada vez que ele o viu. Ele queria a chance de deslizar suas garras sobre os grandes e largos ombros do homem, peito bem definidas, e abdômen cortado. Raymond lambeu os lábios, lembrando o tempo que tinha visto seu companheiro sem um casaco. Deuses, a camiseta que ele usava como uma segunda pele. Ele não tinha imaginado a chama do desejo que viu nos belos olhos azuis de Marty esta noite. Sabia que seu homem humano também sentiu a conexão de companheiro. Deuses, eu espero que seja o suficiente para ajudá-lo a superar as minhas diferenças.


Chegando de volta na propriedade de sua embreagem gárgula, Raymond fez uma pausa para a câmera que ele tinha desativado para esconder sua viagem secreta para a cidade vizinha. Ele fixou a câmera. Depois de puxar a sua trincheira de volta, ele deslizou a barba falsa do queixo e empurrou-o em um bolso antes de ir para os jardins. Deslizando entre uma cerca viva, Raymond caminhou casualmente ao longo do trajeto do jardim, voltando para a mansão. "Ei, Raymond!" No momento em que entrou na mansão, ele ouviu o chamado de Cornélius. Virando-se, ele sorriu para o shifter rinoceronte pequeno. "Ei." Cornelius aproximou-se dele e passou o braço em volta dos ombros. Juntos, eles começaram a caminhar em direção à sala de jantar. "Você está cheirando um pouco de tesão, meu amigo", o shifter brincou, seus olhos verdes brilhando. "O que você tem feito?" Raymond apreciou seu couro preto, que efetivamente escondeu qualquer rubor que poderia manchar suas bochechas. Ele também sabia que seu amigo não quis dizer nada com sua provocação ou desconfiança. Cornelius, felizmente era acasalado com o aplicador da embreagem, Einan, ainda era um flerte insaciável... bem, com algumas pessoas. O shifter bonito conseguiu


frear seus flertes um pouco, por conta da ligação com a gárgula ciumenta. "Só dei um passeio e voei em torno um pouco", respondeu Raymond, sendo honesto e evasivo ao mesmo tempo. Cornelius bufou, um sorriso vencedor vincando seus lábios. "E isso te excita, não é?" Raymond olhou em volta, certificando-se não havia mais ninguém na sala com eles. Inclinando-se perto, ele admitiu: "Eu conheci o meu companheiro." Guinchando, Cornelius envolveu-o em um abraço apertado. "Oh, meu Deus! Isso é maravilhoso! Quem é ele? Ele é um paranormal?" "Silêncio!" Raymond retrucou, franzindo o cenho para o amigo exuberante. Cornelius soltou-o e corou levemente. "Sinto muito, muito feliz por você." Então, ele inclinou a cabeça. "Oh, eu só assumi. É uma mulher? Você sabe que eu seria feliz por você de qualquer maneira." "Não, ele é um cara", ele admitiu. "É um ser humano, então não sabe sobre nós."


Com isso, as sobrancelhas de Cornelius se juntaram. "Uh, você sabe que eu não tenho nada contra os humanos, mas..." Ele mordiscou o lábio por um segundo, em seguida, perguntou: "Quando e onde você conheceu?" Engolindo em seco, Raymond olhou ao redor novamente. Culpa inundou-o, mas ele não estava arrependido do que tinha feito. Bem, se não tivesse encontrado seu companheiro, talvez ele estaria, mas... Balançando a cabeça, ele cortou essa linha de pensamento e respondeu a seu amigo. "Sabe aquela noite que Bobby comprou café com leite para todos?" Os olhos de Cornelius estreitaram. "Você quer dizer á dois meses atrás, quando eu estava desejando tanto uma caneca de café, mas não poderia ter qualquer, porque eu estou grávido?" Ele perguntou, sua mão indo descansar sobre a colisão saliente que indicava que um ovo crescia dentro dele. O shifter rinoceronte adorava crianças e desde que gárgulas poderiam engravidar um companheiro macho- Einan não podia ter ficado mais em êxtase ao saber que ele carregava uma criança, embora, mesmo depois de dois meses, Raymond ainda pensava que o grande executor permaneceu em estado de choque por sua paternidade iminente. Ainda assim,


isso não significava que Cornelius apreciava o humor ou a dor que acompanhavam a gravidez. Raymond concordou. Bobby tinha trazido para um Cornelius frustrado e chorão, um cappuccino descafeinado, ajudando a aliviar a ânsia do shifter. "Certo. Acabei com um café com leite de caramelo duplo que surpreendeu as minhas papilas gustativas. Eu, uh, coloquei um disfarce e escapei para o bar café uma semana depois", ele admitiu. "Marty estava lá." Ele gemia baixinho com a lembrança, lambendo os lábios e engolindo a saliva em sua boca. Quando ele passou por dois seres humanos sentados à mesa e percebeu que um deles era seu companheiro, ele praticamente caiu em estado de choque. Tinha levado cada grama de autocontrole que ele tinha para realizar seu plano. Ou seja, comprar sua bebida e dar o fora de lá. Duas semanas depois, ele perdeu para o seu desejo de ver e cheirar seu companheiro novamente. Agora, ele retornava em qualquer semana. "Ah... Oh, querido," Cornelius murmurou. Ele balançou a cabeça e fez uma careta. "Estou tão feliz por você e tão preocupado, tudo ao mesmo tempo." admitiu.


"Eu também." ele sussurrou. Seu apetite desapareceu e Raymond suspirou com frustração. "Eu vou fazer alguma pesquisa sobre ele." disse. "Te vejo mais tarde." "Você, uh, você quer que eu lhe traga um pouco de comida mais tarde?" Cornelius ofereceu. Forçando um sorriso, Raymond concordou. "Sim, claro. Isso seria ótimo." Dando um abraço em seu amigo, ele acrescentou: "Obrigado." Cornelius sorriu e acenou com a cabeça, simpatia enchendo sua expressão. "Vejo você mais tarde." Raymond seguiu para o escritório. Fechando a porta atrás de si, ele varreu seu olhar sobre seus computadores e monitores. Ele sorriu. "Assim como eu te deixei." Ele odiava as pessoas brincando com seus computadores e sabia que um par de gárgulas gostava de mexer com as coisas dele só para irritá-lo. Sentando-se atrás de seu computador, ele ligou seus sistemas. Pelas próximas horas, Raymond procurou na internet informações sobre Marty. Tinha aprendido pelo menos um dos nomes de login de seu companheiro semanas antes, mas tinha hesitado em usá-lo. Exceto que, agora que sabia que o homem era


tão atraído por ele, bem, quando Marty pensou que Raymond era um ser humano de qualquer maneira, ele precisava aprender mais sobre ele. Talvez pudesse esgueirar-se para a casa de Marty e seduzi-lo. Raymond bufou com essa ideia. Certo. Como se eu soubesse alguma coisa sobre sedução. Revirando os olhos para o seu próprio ridículo, Raymond voltou para a sua pesquisa. Ele descobriu que o homem ocasionalmente gostava de jogar pôquer online. Texas Hold'em parecia ser um favorito. Do que ele podia ver, o homem não chegou a jogar por dinheiro... só para se divertir em vários sites gratuitos. Antes que pudesse decidir, o computador dele soou suavemente. Olhando para o canto do monitor de canto inferior direito, ele percebeu que tinha uma mensagem. Depois de duplo controle seus firewalls, ele abriu a janela e leu o texto. ‘Sulu87: Ei bonito. Está on?’ Raymond corou. Alguns meses antes, ele começou cibersexo com esse contato. Quando descobriu o seu companheiro, quase dois meses atrás, ele tinha parado, sentindo como se estivesse traindo. A indecisão surgiu através dele.


‘Sulu87: U. Eu fiz algo errado?’ Droga. Raymond percebeu que deveria ter dado a Sulu87 alguma explicação. Suspirando, seus dedos pairavam sobre as teclas enquanto tentava descobrir como responder. ‘Eu estou aqui.’ Segundos depois, o ícone do lápis se movendo indicava que Sulu87 estava escrevendo uma resposta. ‘Sulu87: Ocupado / trabalho?’ ‘Sim e não.’ ‘Sulu87: O que você veste?’ Raymond suspirou. Sim, foi por isso que ele gostava desse contato. Ele tinha uma mente cheia de sexo, não tendo conversa fiada, apenas querendo gozar. ‘Sinto muito. Estou saindo com alguém. E não me sinto bem fazendo isso com você.’ Apesar de não ser tecnicamente verdade, mas, de alguma forma era. Ele não se sentia bem sair com mais ninguém, agora que ele tinha encontrado seu companheiro. Mesmo que fosse sexo anônimo on-line. ‘Sulu87: Ah. Estou feliz 4 U. =)’


Aliviado, Raymond sorriu. ‘Obrigado.’ Depois de um segundo, ele acrescentou, ‘Você está a procura de alguém especial?’ ‘Sulu87: Pensei que o tinha encontrado. Ele não aceitou ainda. Trabalhando em cima disso.’ Raymond soltou um suspiro aliviado. Pelo menos ele não tinha realmente ferido os sentimentos da pessoa. Isso foi bom. ‘Desejo-lhe tudo de melhor com isso.’ ‘Sulu87 : Obrigado. < 3’ Balançando a cabeça, Raymond fechou a janela e desconectou o site de bate-papo. Em seguida, ele mudou suas configurações de inicialização para ter certeza de que não estaria mais conectado automaticamente. Raymond sabia que não deveria ter começado tal correspondência regular com Sulu87 em primeiro lugar, mas ele tinha sido tão solitário e Sulu87 sempre parecia feliz em conversar com ele. Isso o fez se sentir tão só. Uma batida na porta o fez minimizar as janelas que estava usando em sua busca para obter informações sobre o seu companheiro, antes de dizer: “Entre.” Cornelius enfiou a cabeça pela abertura. "Oi, como vai?"


A porta abriu mais, revelando Bobby, o companheiro humano de seu líder de embreagem, a gárgula Maelgwn. Dando-lhe um olhar preocupado, Bobby entrou no quarto. "Você não está bem, ou algo assim?" O par de homens entrou, e Cornélius deu a Raymond um olhar de desculpas. Raymond sorriu de volta. Ele gostava de Bobby, mas porque era o companheiro de seu chefe, ele se preocupava se podia confiar nele para não contar sobre suas atividades noturnas potencialmente perigosas. Pensando bem, talvez o conselho de Maelgwn era exatamente o que ele precisava. Afinal de contas, Bobby era humano. Ele não sabia sobre paranormais até Maelgwn descobrir que eram companheiros. Espere, Bobby provavelmente poderia lhe dar bons conselhos também. "Entre e feche a porta." ele ordenou, acenando com a mão preta com garras. Entre os dois homens, eles espalharam quatro pratos e várias vidros e canecas gelados. Quando pegou a caneca entregue a ele, ela cheirava a cerveja, então levantou uma sobrancelha quando viu Cornelius tomar um gole de sua própria bebida. O shifter


rinoceronte revirou os olhos. "Eu não estou bebendo cerveja. Relaxe." Bobby riu e Raymond também. O estômago de Raymond resmungou, lembrando-lhe que ele não tinha comido desde cedo, após acordar do poleiro. Após dez minutos comendo em silêncio, Bobby engoliu o pedaço de salada de frango e perguntou: "Então, o que há com você? Normalmente você se junta a nós para o almoço, menos atualmente," ressaltou. Raymond concordou. Decidindo não fazer rodeios, ele desabafou: "Eu encontrei o meu companheiro. Ele é humano e eu queria ver o que poderia descobrir sobre ele on-line." Bobby gritou animadamente, um bocado como Cornelius tinha antes. Sim, encontrar um companheiro foi um grande negócio para um paranormal. Desde que uma gárgula vivia tanto tempo, às vezes até mil anos, o Destino concedia a cada um deles uma alma gêmea. Embora pudessem se relacionar qualquer um, só a vida de um companheiro predestinado se estenderia para coincidir com a deles, permitindo-lhes viver tanto tempo quanto a gárgula, o que significava que não teriam que ver o seu amante envelhecer e morrer.


"Acalme-se." Raymond pediu, ainda que aceitasse o abraço de Bobby. Liberando-o, Bobby se recostou na cadeira e sorriu. "Então, quem é ele?" "Seu nome é Martin. Seu amigo chamou-o Marty." Raymond suspirou enquanto pensava sobre o grande homem loiro de olhos azuis. Suspirando novamente, desta vez com tristeza, ele disse a Bobby, "Mas ele é humano e não sabe nada sobre paranormais." Ele olhou esperançosamente para seu amigo humano. "Você não sabia sobre os seres humanos e aceitou Maelgwn. Foi..." Ele fez uma pausa e deu de ombros. "O que posso fazer para torná-lo mais fácil para ele?" Bobby levantou a cabeça e fez uma careta, obviamente, imerso em pensamentos. Raymond deixou-o pensar e se sentiu grato que Cornélius, normalmente falante, fez o mesmo. Finalmente, Bobby lhe deu um sorriso hesitante. "Eu acho que a coisa mais importante é que eu tinha amigos, pessoas que eu confiava e que me ajudaram a falar com ele," admitiu. "Quero dizer, Maelgwn salvou a minha vida de dois assaltantes, então tivemos esse encontro estranho onde eu realmente não o vi, mas ele teve tempo para descobrir minhas comidas favoritas." Um lado de seu lábio enrolou em ironia. "Sabendo que eu poderia ir para os meus amigos para obter


informações sobre o meu misterioso salvador ajudou muito. Você sabe se alguns dos amigos de Marty estão cientes do mundo paranormal?" Raymond fez uma careta. “Não que eu saiba. Quero dizer, talvez, mas... como é que eu vou saber?" "Bem, então." Cornelius saltou. "Nós precisamos descobrir isso." "Como?" Raymond olhou entre os dois homens. Bobby assentiu enfaticamente. "Você pode rastrear seus registros de cartão de crédito? Onde é que ele come normalmente durante a semana?" Sorrindo, Bobby anunciou: "Cornelius e eu vamos encontrar uma maneira de encontrá-lo." Ao olhar duvidoso de Raymond, os olhos de Cornelius se iluminaram. "Absolutamente. Mesmo que só sabemos dele por alguns dias ou semanas, é melhor do que não conhecer ninguém, certo?" "S-Sim." Raymond gaguejou, sem saber o que realmente pensar do plano de seu amigo. "E, enquanto isso." Bobby disse: "Você deve descobrir o seu endereço de e-mail e entrar em contato com ele. Se ele esteve no bar café cada vez que você apareceu, ele deve sentir o puxão-


companheiro também. Fale com ele on-line. Diga-lhe que você está recluso ou é tímido, ou o que você achar que é perto o suficiente da verdade para não se sentir culpado por isso mais tarde." "Você acha que é sábio?" perguntou Raymond. Ele brincou com a ideia mais vezes do que poderia contar, mas nunca tinha encontrado o nervo. "Absolutamente." confirmou Cornelius. Bobby assentiu uma vez. "Faça isso." Uma hora depois, quase cinco horas da manhã, Raymond olhou para o cursor do computador. Lentamente, hesitantemente, ele começou a construir uma mensagem simples.


Capítulo 3 Pela manhã, Marty tinha convencido a si mesmo de que tinha imaginado a coisa toda. Tudo tinha sido uma alucinação causada por excesso de estresse, fadiga e tesão excessivo... sim, foi isso. Merda! Você viu que o homem tinha asas e uma cauda e voou porra longe! Sim, e é por isso que eu tive segundos, terceiros e quartos pensamentos esta manhã, também, ele resmungou baixinho enquanto puxava sua camiseta. “Maldição". Esfregou os olhos, em seguida, passou a mão no queixo. Com um aceno de cabeça, Marty pegou sua jaqueta e saiu pela porta. Tempo para o trabalho. A viagem de quinze minutos deixou-o no local de trabalho. Ele se sentou no carro por alguns minutos e olhou para os dois caminhões estacionados nas proximidades. Gemendo, bateu a palma de sua mão no topo de seu volante, em seguida, saiu do seu caminhão. "Ei, bom dia, Marty!" Logan McByrne chamou a partir da varanda. "Ainda bem que você poderia se juntar a nós!" Ele sorriu e piscou. "Boa noite?"


Balançando a cabeça, Marty caminhou pela calçada em direção ao seu melhor amigo. "Não." ele rosnou. "Não que isso seja da sua conta." As sobrancelhas de Logan dispararam. O movimento reforçou a cicatriz no rosto de seu amigo. Normalmente, Marty mal notou a cicatriz quase em forma de T esticada através bochecha direita de seu amigo, da orelha ao olho, até o canto de sua mandíbula. No entanto, a forma como as sobrancelhas de Logan subiram, em seguida abaixaram, de modo que rapidamente, seu amigo varreu seu olhar para baixo sobre Marty chamou sua atenção para a cicagtriz. Marty também sabia que o seu melhor amigo viu: olheiras nos olhos azuis e linhas de fadiga em torno de sua boca. Ele só foi capaz de cochilar por alguns minutos a uma hora antes de sonhar com homens barbudos e criaturas aladas empurrando um velório. Esse fato o deixou duro como prego e levemente perturbado. A mão do amigo em seu ombro chamou Marty de seus pensamentos. Erguendo o olhar, Marty viu a expressão em causa do seu amigo. "Então, o que aconteceu, cara?" Questionou. "Matt disse..." Logan se interrompeu por um segundo, um olhar de confusão cruzando seu rosto. Ele rapidamente apagou-o. A mão de Logan apertou seu ombro mais uma vez. "Se isso é porque você estava com um cara, você sabe que eu não me importo com essa


merda. "Ele deu de ombros e acrescentou em um tom suave, mas duro: "Não é como se você não soubesse que eu fiz a mesma coisa uma vez ou duas." Com um suspiro, Marty encontrou o olhar de seu amigo de frente. "Não é isso, Logan. Eu realmente só tive uma noite sem dormir." Ele fez uma careta, então mentiu por entre os dentes, dizendo: "Depois de deixar o bar café com Mattew, ele foi para um lado e eu tentei encontrar Raymond, mas não consegui." Logan fez uma careta. "Raymond? Quem é esse? O cara com quem você foi se encontrar?" "Bem, eu realmente não fui me encontrar com ele, tanto quanto eu estive perseguindo-o," Marty admitiu. "Eu descobri o seu horário de café." Ele encolheu os ombros. "Estive esperando por ele todas as noites desde que nós tivemos essa reunião uma vez." "Essa reunião..." Logan inclinou a cabeça. "Espere, o que estava lá quase dez horas, cerca de dois meses atrás?" Marty assentiu. "Será que eu o vi?" Encolhendo-se,

Marty

admitiu,

"Possivelmente.

Provavelmente." No olhar interrogativo do seu amigo, Marty


elaborou. "Se você o viu, se lembra dele. Ele era o magro, barbudo, com casaco preto." Logan pousou as mãos nos quadris, levantou o olhar para o telhado da varanda, e estreitou os olhos. Marty sabia que seu amigo estava realmente olhando para o nada enquanto lutava para dar um rosto para Raymond. Quando sua mandíbula caiu aberta e seus olhos se arregalaram, Marty sabia que Logan tinha lembrado. Suas suspeitas foram confirmadas quando o ruivo perguntou incrédulo, "Casaco e uma espessa barba preta? Óculos de sol?" "Sim, isso seria ele", afirmou Marty, encolhendo os ombros. Com o cenho franzido, Logan murmurou: "Olha, eu não sou ninguém para julgar, tão..." Ele levantou a mão, então a soltou. "Você não esteve em um relacionamento há muito tempo, homem, por isso, se esse cara te faz feliz, eu digo para ir em frente." "Obrigado", Marty respondeu. Ele se perguntou se seu amigo diria a mesma coisa se tivesse visto o que Marty viu naquela pequena clareira na floresta. "Ok." Logan bateu-lhe no ombro. "Vamos começar a trabalhar." Isso soou como uma ideia fantástica para Marty.


Marty aceitou um convite para jantar com Logan. Matthew se juntou a eles e tiveram bifes, beberam cerveja, e assistiram a um jogo de futebol na TV. Eles gemeram quando seu time fez jogadas ruins, vaiaram o árbitro em chamadas ruins, e gritavam descontroladamente quando as coisas seguiram seu caminho. Ele se divertiu e pelo tempo em que chegou em casa, se sentiu mais relaxado do que a muito tempo. Decidindo que um pouco de pôquer e umas cervejas estava em ordem, ele agarrou um par da geladeira e se sentou no sofá com seu laptop. Como o computador ligado, ele abriu a primeira cerveja e tomou um gole rápido. Vendo que tinha alguns novos e-mails fechados, ele clicou no link. A maioria era spam. Um deles era um contrato assinado a partir de um cliente. Dois eram lances de subcontratantes. O último e-mail fez Marty dar uma pausa. Ele não reconheceu o endereçoGRay397-gmail com um título de Amigo Coffee Bar. A mandíbula de Marty caiu aberta. Sua respiração acelerou. Seu dedo pairou sobre o mouse enquanto ele debateu se deveria abri-lo ou não. Poderia ser realmente de Raymond? Como tinha o... homem... conseguido seu endereço de e-mail?


Decidindo que só havia uma maneira de descobrir, Marty puxou sua coragem e clicou no link. Ele rapidamente digitalizou o e-mail. Foram apenas algumas linhas, mas elas ainda fizeram o seu coração bater mais rápido em seu peito.

Oi, Marty, Eu espero que você não se importe que eu te chame de Marty. Nós realmente não nos falamos, mas nos vimos várias vezes ao longo dos últimos dois meses. Se você quiser mudar isso, faça login no chat do Yahoo e aceite o meu pedido de amizade. Eu enviei alguns segundos antes deste e-mail. Espero notícias suas. Raymond P.S. Eu gostei do calor em seus olhos na noite passada.

Marty engoliu em seco. Será que ele se atreveria? Não podia negar que ele encontrou-se, extremamente, atraído por Raymond. Exceto, e sobre o que ele viu na noite passada? Não tinha ninguém para perguntar sobre isso. O que poderia significar? Talvez


conversando com o cara, ele poderia sutilmente encontrar uma maneira de abordar o assunto de defeitos de nascimento? Na ideia de algum tipo de comunicação com o outro homem, seu pênis latejava em sua calça jeans. Ok, então o pau dele não dava a mínima para o que Raymond parecia. Marty era homem o suficiente para perceber que ele queria o delgado... masculino. Conversando com o cara e começando a conhecê-lo, ele teria que mudar? Por alguma razão, Marty com certeza não esperava. Só havia uma maneira de descobrir. Marty conectou no bate-papo do Yahoo. A plataforma não era a que ele usava, então ele quis saber como o cara sabia que ele tinha um ID. Quando viu o pedido de amizade de GRay397, ele decidiu descobrir. Gray. Ray. Eu gosto disso. Ele aceitou o pedido de amizade. Após cerca de quinze segundos, onde seu computador processou o pedido e atualizou seu lista de contatos, Marty viu GRay397 aparecer na categoria disponível. Depois de alguns segundos de indecisão, Marty clicado no nome, abrindo uma nova janela de bate-papo. Depois de apertar os dedos uma vez, duas vezes, ele digitou: ‘Como sabia o meu ID?’ Marty engasgou quando, quase imediatamente, a pequena mensagem dizendo que GRay397 estava digitando uma mensagem


apareceu acima da caixa de mensagem. Ray estava esperando por ele? Segundos depois, uma mensagem apareceu na tela. GRay397: ‘Eu sou um hacker solitário. Não gosto muito de sair.’ Bufando, Marty, realmente, teve de admitir que fizesse sentido. Sorrindo, ele digitou de volta: ‘Mas você ama café com leite e caramelo duplo?’ GRay397: ‘Meu amigo, Bobby, me viciou neles. Não consigo obter o mesmo sabor em casa. =) Tenho que ter a minha dose de alguma forma!’ Marty não se conteve. Ele soltou uma gargalhada com isso: ‘Você bebe a sua dose de cafeína ás dez, onze horas da noite?’ Quando não viu uma resposta de imediato, ele pensou que tinha ofendido o outro homem. Seus dedos se contraíram. Abaixando a mão para seu pau duro, ele acariciou-se distraidamente através de sua calça jeans, em busca de um pouco de alívio, enquanto se perguntou o que poderia dizer para corrigir... o que ele parecia ter dito de errado. Felizmente, depois de alguns minutos, uma nova mensagem apareceu.


GRay397: ‘Eu sou uma coruja de noite. Durmo durante o dia e fico acordado à noite. Sempre foi assim.’ Ok, Marty poderia entender isso. Levantando as mãos de volta ao teclado, ele digitou: ‘Ah, então quando eu vejo você às dez da noite, você está apenas começando o seu dia?’ GRay397: ‘Sim. ;-)’ Sabendo que não podia simplesmente perguntar o que ele queria saber, ou seja: eu pensei que vi você com asas e voando para longe ontem à noite, ele decidiu ir com algo um pouco mais cauteloso. ‘Você é um grande jogador? Todos os hackers gostam de jogos on-line?’ GRay397: ‘LOL! Mito Total. Eu poderia dissipar uma tonelada de mitos para você. Tenho um PhD em mitologia.’ Oh, era uma abertura perfeita! ‘É mesmo? Quais tipos de mitos? Nós estamos falando do grego antigo? Romano? Ou você quer dizer os lobisomens e vampiros, esse tipo de mitos?’ Ei, depois de ver o que pensou ter visto ontem à noite, ele não tinha certeza de que mito Ray poderia estar falando.


GRay397: ‘Eu não sei o quanto deveria dizer. Não quero assustá-lo no nosso primeiro encontro... ;-) Talvez devêssemos falar sobre o quanto eu gostaria de ter a confiança necessária para ficar ontem à noite.’ Suspirando, Marty descansou a cabeça contra a parte traseira de seu sofá e soltou um suspiro lento. Talvez Ray estivesse certo. Certamente não seria apropriado perguntar sobre as asas e uma cauda em seu primeiro... encontro. Ele sorriu com a ideia de um encontro cibernético. Nunca tinha estado em um antes. Mais uma vez, a dor em seu pênis chamou sua atenção. Seu pau com certeza não dava a mínima para o que Ray poderia ou não se parecer. Apenas a lembrança do homem, juntamente com seu olhar, apenas caramba! GRay397: ‘Você ainda está aí?’ Esperando um segundo, Marty pegou sua cerveja e tomou grande gole, recebendo a umidade de volta em sua boca subitamente seca. Ele engoliu, lambeu os lábios e engoliu em seco novamente. O que dizer? ‘Só bebendo uma cerveja. Você pode estar certo. Não quero ser muito profundo em um primeiro momento, não é? = )’ GRay397: ‘Você tem esse direito. ;-)’


Se passaram apenas alguns segundos antes da próxima mensagem, mostrando a habilidade de Ray com o teclado. GRay397: ‘Vamos falar de outra coisa... como talvez, quão sexy eu o achei. Os ombros largos. Os peitorais e abdominais definidos. Tão fácil de ver nessa camiseta verde que usava algumas semanas atrás. Tão sexy. Gostaria de poder ver e tocar de verdade... Oh! Oh, maldito. Lambendo os lábios, os dedos de Marty pairavam sobre suas teclas. Deus, era bom ter a confirmação de que a atração não era unilateral. O que ele deveria dizer sobre isso? Depois de engolir uma vez, Marty digitou: ‘Eu deixaria, você sabe. Tocar-me. Quando você baixou seus óculos de sol e vi o desejo em seus olhos. Apenas... caramba! Tão quente! E sua voz suave de tenor sexy? O meu pau esta tão duro.’ Ok, talvez o sexo não tivesse no plano imediato, mas com seu pau já doendo em sua calça jeans, ele não conseguia pensar com qualquer outra coisa. GRay397: ‘E se eu quiser tirá-lo e chupar seu pau? Gostaria disso? Eu vou morder seu saco, pressionar os dedos contra esse ponto fraco, sensível por trás de suas bolas, e lamber o meu caminho até a parte inferior de seu eixo.’ GRay397: ‘Você consegue imaginar isso?’


Puta que pariu! Gemendo, Marty se mexeu na cadeira. Seu pênis pressionou insistentemente contra a braguilha. Só de imaginar Ray ajoelhado entre suas coxas, seus olhos escuros ardentes, seu rosto barbudo esfregando contra suas bolas, sua língua rosa passando rapidamente para fora, deslizando para cima de seu eixo... Merda! Ele sentiu uma gota de pré-sêmen vazar de seu pau latejante. ‘Deus, sim. Estou tão duro!’ GRay397: ‘Tire o seu pênis para fora, Marty. Deixe-me vê-lo.’ É. Mesmo sabendo que o outro homem não podia realmente vêlo, ele puxou a calça jeans, abrindo o mais rápido possível. A cabeça de seu pênis pegou no elástico de sua cueca boxer enquanto ele lutava para empurrá-la para baixo. Seu pau dobrou em um ângulo estranho, e ele assobiou quando uma faísca de dor atravessou-o. Mesmo isso não lhe suavizou nem um pouco. Quando, finalmente, libertou seu pênis, o ar frio em sua carne quente fez suas bolas apertarem. Dolorido, ele cedeu à sua necessidade de pressão e passou os dedos em torno de seu pênis e levantou-o lentamente. Ele sussurrou baixinho ao sentir seus calos sobre a pele suave de sua ereção.


GRay397: ‘Você está acariciando a si mesmo? Você imagina que é a minha mão no seu pau?’ O ping do computador chamou sua atenção para longe de suas bolas apertadas e pau chorando. Ele esfregou as pontas dos dedos, enquanto olhava para a tela do computador. Por fim, escreveu: ‘eu luto com o que dizer. Nunca fiz isso antes.’ Durante vários segundos, ele aguardava uma resposta. Finalmente, veio. GRay397: ‘Nós não temos que fazer isso se você não quiser. Eu apenas pensei que...’ Ray deixou o pensamento inacabado. Marty suspirou. Ele olhou para seu pau. Foda-se. ‘Está tão duro como eu? Eu sou um cara muito grande, quase vinte e cinco centímetros. Agradável e grosso. Minhas bolas estão duras, bem apertadas ao meu corpo. Aposto que se você lamber o pré-sêmen da minha cabeça sensível, eu vou explodir. Eu pintarria sua barba com creme. Gostaria disso? Eu fiquei duro apenas pensando em você quando encontrei seus olhos. Sua voz. Quero explorar esse corpo magro. Eu sei que você deve estar se escondendo sob seu manto. Você pode fazer isso para mim? Vai me fazer gozar? Vai gozar comigo?’


Marty esperou, lentamente, acariciando-se, tentando controlar o aumento da necessidade de seu corpo para gozar, enquanto observava uma resposta. GRay397: ‘Oh Deuses! Você parece tão quente! Se eu estivesse aí, estaria de joelhos para você. Eu chuparia seu pau com tanta força que você veria estrelas. Eu massagearia suas bolas. Eles estão puxando apertadas? As minhas são.’ Gemendo, Marty estendeu a mão livre e segurou os testículos, apertando levemente. Seu peito arfava enquanto o formigamento se instalava na base de sua espinha. Ele sentiu suas bolas rolar em seu aperto, aproximando-se de seu corpo. Arrancando sua mão longe, ele conseguiu escrever: ‘Foda, sim! Vou gozar!’ Marty agarrou seu eixo e levantou-o duramente. Com a outra mão ele massageava a costura sensível da pele por trás de suas bolas. GRay397: ‘Sim, faça isso! Goze para mim, Marty!’ Essas últimas palavras derrubaram Marty sobre a borda. Ele gritou de prazer quando ele gozou duro, pintando sua camiseta e os dedos com esperma. Uma vertente ainda conseguiu acertar seu queixo. Ofegante, e sorrindo como um mergulhão, ele descansou a cabeça contra o encosto do sofá e olhou para o teto.


Depois de alguns minutos, ele se recompôs e soltou uma respiração lenta. Droga que era bom. Não me lembro de quando gozei tão forte. Ele

franziu

a

testa,

percebendo

que

era

verdade

e

extremamente estranho ao mesmo tempo. Por que diabos é isso? Então, percebeu o quão insensível ele soou. ‘Merda, você gozou? Ainda precisa de mim para ajudá-lo?’ Demorou quase um minuto para obter uma resposta, e Marty preocupou-se de que tivesse ofendido o homem. Finalmente, a resposta chegou e ele soltou um suspiro de alívio, mesmo quando sorriu mais uma vez. GRay397: ‘Sim. Eu gozei. ;-) Obrigado.’ Marty assentiu, embora soubesse Ray não poderia vê-lo. Ele estava prestes a colocar seus dedos sobre o teclado novamente, mas fez uma pausa, sem saber o que dizer agora. Felizmente, parecia que Ray não tinha esse problema. GRay397: ‘Então, agora que nós dois estamos relaxados, me fale sobre você. Que tipo de música você gosta? = )’


Bufando, Marty descobriu que nĂŁo tinha qualquer dificuldade em responder. Pelas as prĂłximas horas, ele e Ray conversaram sobre... coisas.


Capítulo 4 "Bem, alguém teve uma boa noite", Matthew brincou. Marty retornou o sorriso de seu irmão com um encolher de ombros quando ele caiu sobre o assento em frente a ele. "Sim, desta vez eu fiz." Matthew apoiou os braços sobre a mesa e se inclinou em direção a ele. "Então, o que aconteceu? Você foi para o bar ontem à noite e pegou uma garota ou algo assim?" "Não", Marty fez uma careta, sentindo-se ofendido. Estranho, já que ele nunca tinha tido um problema em admitir encontros ocasionais no passado. As sobrancelhas de seu irmão dispararam. "Uau, cara. Você está bem?" Percebendo que ele fez uma careta para seu menu, Marty piscou e aliviou a expressão. "Sim, apenas... não sei por que fiquei chateado, na verdade", admitiu. Socando-o no braço, Matthew sorriu, "Bem, você estava de bom humor quando entrou, então por que não me diz o que o deixou tão feliz num sábado à tarde?"


"Raymond é um hacker. Ele entrou em contato comigo ontem à noite," Marty desabafou. Desta vez, foi Matthew que fez uma careta. "Uh, é mesmo? Como ele fez isso?" "Ele enviou-me um email e pediu para conversar. Só..." Ele deu de ombros. "Nós conversamos. Por horas." "Sobre o quê?" Marty não tinha vontade de admitir a primeira parte da sua... discurssão, apesar de seu orgasmo quase entorpecente foi o que primeiro me veio à mente. Na verdade, seu pênis ainda se animou, endurecendo em sua calça jeans com a lembrança. Sentia-se grato que a garçonete chegou em seguida para anotar os pedidos. Uma vez que ela tinha tomado seus pedidos e saiu, tomou um gole de água para comprar mais alguns segundos. Finalmente, ele respondeu: "Coisas em geral. Interesses. Música. Interesses da TV. Hobbies. Encontro de foda." "Você tinha um, uh, um encontro-cibernético?" perguntou Matthew hesitante. Marty assentiu.


"Huh, deve ter sido um bom encontro." Matthew sorriu, olhando-o com conhecimento de causa. Recusando-se

a

admitir

qualquer

coisa,

embora

não

conseguisse parar de sorrir, em vez disso, ele perguntou: "Então, a parte elétrica será feita na segunda-feira, então?" Matthew bufou, sabendo exatamente o que Marty estava fazendo. Ainda assim, ele deixou-o fugir do assunto e respondeu a pergunta. Sua comida chegou e eles permaneceram em silêncio por alguns minutos, mastigando. Durante aqueles poucos momentos, Marty tornou-se ciente de um par de homens sentados na cabine atrás de seu irmão... um com cabelo preto e um loiro. Ambos foram obviamente fora e muito orgulhosos, levando em conta suas roupas, maquiagem leve nos olhos, e até mesmo a maneira como eles se inclinaram juntos e conversaram, as mãos do loiro voando a mil por hora enquanto falava. Marty, de repente levantou a mão para parar o fluxo de palavras de seu irmão. As sobrancelhas de Matthew subiram de surpresa, mas ele obedeceu. As palavras do loiro chegaram até eles. "Não, Raymond não me disse," o homem disse, parecendo surpreso.


“O nosso amigo barbudo encontrou alguém que lhe chamou a atenção?" "Sim." o homem de cabelos negros respondeu. "Ele disse que conversou ontem à noite, mas você sabe como ele é tímido quando não está no computador." O cara balançou a cabeça. "Espero que ele não faça esse cara, Marty, esperar muito tempo para realmente conhece-lo, sabe? Pelo que disse, ele parece muito bom." Seus olhos arregalaram, o olhar de Marty encontrou o olhar de seu irmão. Matthew parecia tão chocado quanto ele. Quais eram as chances de que havia dois homens barbudos chamados Raymond que conversou com um Marty ontem à noite? Sim, nenhuma. Decidindo que não podia deixar passar a oportunidade de aprender mais sobre o homem que consumiu os seus pensamentos, Marty inclinou a cabeça para o outro estande. Matthew deu de ombros e começou a se mover, deslizando para fora da cabine. Marty também se moveu, e abriu o caminho para a próxima cabine. O loiro fez uma pausa no meio da frase e os dois homens olharam para eles. A testa do homem de cabelos negros levantou, questionando em silêncio. Depois de seu choque inicial aparente, o loiro cruzou os braços sobre o peito e disse: "Se você tentar nos bater, nossos namorados irão chutar seus traseiros totalmente."


Incapaz de se conter, Marty soltou uma gargalhada e bateu os ombros com seu irmão. "O quê?" Os olhos verdes do homem de cabelos escuros brilharam com indignação óbvia. "Não acham que eles podem? Você está tão errado." "Peço desculpas." afirmou Marty, encontrando sua língua. "Eu não pude deixar de ouvir sua conversa." Ele estendeu a mão para o estrangeiro de cabelos escuros. "Sou Martin Beakman. Marty. E estou querendo saber se posso falar com você sobre o porquê de Raymond ser tão solitário." Por um segundo, o homem apenas olhou para ele. Em seguida, seus lábios se curvaram em um sorriso que iluminou seus olhos verdes. Ele agarrou a mão de Marty e segurou, varrendo seu olhar sobre ele, enquanto sorria dizendo: "Você é Marty? Mmm, gostoso. Ray-Ray vai ser sortudo-uh, cara." Ele puxou a mão que segurava, enquanto dizia: "Eu sou Bobby. Esse é Cornelius. Venha sentar-se conosco. Conte-nos tudo sobre si mesmo." Enquanto se sentou ao lado de Bobby, Marty acenou para seu irmão, que estava recuperando sua alimentação. "Esse é o meu irmão, Matthew. Obrigado por me deixar interromper seu almoço e falar comigo."


"É claro." afirmou Cornelius. O homem deslizou, permitindo que Matthew se juntasse a eles, também. "Ele é um grande cara. Super-inteligente com um computador." Ele encolheu os ombros. Marty assentiu, rindo. "Eu peguei isso, quando ele me mandou um email do nada ontem. Eu nem sabia que ele sabia o meu nome." Bobby e Cornelius trocaram um olhar antes de Bobby afirmar suavemente, "Bem, ele lutou um pouco com o ser social, de modo que ele é ótimo para encontrar as pessoas. Ele pega informações que os outros seriam mais provável perder." Balançando a cabeça de novo, desta vez mais lentamente, Marty comprou algum tempo, mordendo um pedaço de seu hambúrguer. Uma vez que engoliu, ele perguntou: "É por isso que ele usa a barba?" "Ah." a testa de Bobby se juntou e ele pegou seu... parecia quiche, algo que Marty sabia que era uma opção vegetariana no menu. Interessante. Cornelius declarou: "A barba é realmente uma adição recente. Eu duvido que ele vá mantê-la." Antes que pudesse fazer mais perguntas, os olhos de Bobby se arregalaram. "Oh, merda."


Cornelius virou a cabeça e olhou por cima de seu ombro. Na verdade, ele empalideceu, o que parecia difícil, considerando sua pele já clara. Após os olhares dos homens, Marty viu dois grandes homens, dois muito grandes e carrancudos homens, caminhando em direção à sua cabine. O maior dos dois, um afro-americano de pele clara, com cabelo preto e longo, caminhou em direção a eles, seguido de perto pelo caucasiano bronzeado e de cabelos negros. Marty olhou entre seus dois companheiros de almoço novamente e poderia descrever suas expressões em uma palavra: culpados. Realização bateu nele. "Droga. Esses são os seus namorados?" Matthew se virou para olhar e riu quando imediatamente ele ficou... bem a tempo de estar ombro a peito com o maciço caucasiano. Seguindo o exemplo de seu irmão, Marty fez o mesmo. Ele ergueu as mãos em apaziguamento. "Eu realmente sinto muito, caras. Esses são seus homens?" "Sim." o mais alto dos dois declarou bruscamente, seus olhos escuros se estreitando. O afro-americano cruzou os braços sobre o peito. "Sou Maelgwn." Decidindo que a melhor maneira de não chegar a merda batida fora dele era provar que não estava tentando roubar o namorado do


homem enorme, porque sim, Cornelius tinha falado a verdade mais cedo: estes homens totalmente poderiam chutar suas bundas, Marty estendeu a mão. "Sou Marty Beakman. Este é meu irmão, Matthew. Nós estávamos discutindo um amigo em comum com Bobby e Cornelius. Conhece Raymond, também?" À menção do nome de Ray, Marty notou que os olhos do homem alargaram um pouco, e ele não sabia se o cara ia apertar sua mão. Finalmente, Maelgwn descruzou os braços e agarrou sua mão de um jeito que parecia como um aperto de mão muito cuidadoso. "Eu conheço Raymond," Maelgwn retumbou. Quando ele soltou a mão de Marty seu olhar deslizou para o outro grande homem que estava muito mais perto dos um metro e noventa de Marty. Voltando seu foco para ele, perguntou: "Onde você conheceu Raymond?" Uma coisinha de desconforto escorreu pela espinha de Marty. Empurrando-a para baixo, ele respondeu: "No bar café bar em Salz Street." "Huh," Maelgwn resmungou. Ele olhou para seu companheiro novamente. "Você já esteve lá, Einan?" O homem chamado Einan balançou a cabeça. "Não posso dizer que eu tenho."


Cornelius escorregou da cabine e colocou seu braço ao redor de Einan. O grande homem nem hesitou, apenas passou o braço em torno de Cornelius, e espalmou a surpreendentemente mão grande na barriga do companheiro delgado. Se Marty tivesse visto uma barriga daquelas em uma mulher, ele teria dito que seria um bebê. Muito estranho. Na verdade, quase tudo sobre esses caras parecia um pouco... estranhos. Bobby deslizou da cabine também e passou os braços em torno de Maelgwn. Seu namorado baixou a cabeça e capturou a boca de Bobby em um beijo de propriedade, tornando óbvio a quem o homem pertencia. Bobby afundou no abraço de seu namorado, conquistando um número de olhares divertidos e até mesmo algumas carrancas e comentários sarcásticos. Matthew realmente riu. "Agora, vocês dois são um item quente. Algum de vocês tem um irmão que poderia me apresentar?" Ele piscou. Surpreendentemente, uma risada retumbou de Einan. Parecia, agora que o par de grandes homens tinha seus namorados em seus braços, eles eram muito mais fáceis. Maelgwn, finalmente, trouxe o beijo ao fim. Ele sorriu para Matthew. "Desculpe, não."


"A história da minha vida." brincou Matthew, suspirando dramaticamente. "Bem, eu peço desculpas pelo mal-entendido." afirmou Marty. "Foi bom conhecer todos vocês." Bobby sorriu para ele. "Nosso prazer, e eu tenho certeza que estaremos nos vendo bastante." ele acrescentou, sorrindo. Marty assentiu. "Vocês gostam de churrasco?" "Sim." Einan declarou, falando como se não estivesse completamente certo. Decidindo correr o risco de qualquer maneira, Marty declarou: "Meus amigos e eu fazemos isso muitas vezes. Você gosta de bifes?" Maelgwn assentiu uma vez. "Sim." "Maelgwn ama, não é garotão?" Bobby brincou, batendo no estômago dele. Ele acenou com a mão, descuidadamente, em Einan. "O seu lema é: Nunca conheci um bife que eu não gostasse, não é?" Einan sorriu, zombando. "Sim." Sorrindo, Marty ofereceu: "Tudo bem. Eu tenho um freezer cheio de bifes de alces da última temporada de caça. Ficaria feliz em jogar algum extra para você e seus amigos, se você trouxer Raymond com você." Ele viu o olhar trocado entre o grupo, então nivelou seu


olhar sobre Bobby. "Eu gostaria de ter a chance de falar com ele cara a cara por mais que trinta segundos." Bobby agarrou o pescoço do homem e puxou sua cabeça para baixo para que pudesse sussurrar em seu ouvido. O fato de que ele não tinha nenhum problema em fazer isso com o cara enorme, falou de quão perto eles estavam. Seja o que for que Bobby disse ao homem, Maelgwn arregalou os olhos, estreitou-os e, então, aumentou novamente. Endireitandose, ele olhou de Marty para Einan, então limpou a garganta. "Eu vou ter que verificar o meu horário. Quando você estava pensando?" Marty encolheu os ombros. "Deixe-me dar-lhe o meu número. Dê-me uma chamada. Nós vamos dar um jeito." Maelgwn assentiu. "Razoável o suficiente." Enquanto trocavam números, uma faísca acendeu em sua barriga. A queimadura lenta ele reconheceu como antecipação. Depois de agitar as mãos dos homens, dirigiu-se para fora com Matthew. "Foi bom Maelgwn pagar nossa conta", comentou Matthew, mesmo quando lançou um olhar interrogativo sobre o ombro para a porta do restaurante que tinha acabado de sair. "Sim."


Parando ao lado de Marty, Matthew cruzou os braços e fez uma careta. "Homens que se destacam como esses? Você não acha que já os teria visto em torno da cidade antes, sabe?" Inclinando-se contra seu caminhão, as sobrancelhas de Marty se uniram no pensamento. "Sabe, agora que você mencionou, sim. De onde você acha que eles são?" Matthew encolheu os ombros. "Não tenho certeza." Ele ergueu a mão e esfregou a parte de trás do pescoço. "Olha, eu sei que você é um homem adulto, mas é meu irmão. Você é a única família que tenho. Eu não quero que nada aconteça com você." Emocionado,

Marty

sorriu.

"Mostrando

o

seu

lado

sentimental?" ele brincou, embora não apreciasse. Carrancudo, Matthew agarrou seu ombro. "Nós não sabemos nada sobre esses caras. Talvez devêssemos descobrir onde eles vivem, o que fazem, coisas assim, sabe? Quero dizer, se eles são amigos de seu hacker de computador, eles podem saber tudo sobre você", ressaltou. Marty sabia que seu irmão nunca tinha sido um homem paranóico, e porque ele tinha saído anos antes, teve um melhor senso de auto-preservação. Acenando o seu acordo, ele envolveu Matthew em um breve abraço.


"Eu entendo o que você está dizendo, cara", ele murmurou, recuando. "Obrigado." Além disso, ele ainda queria saber o que diabos poderia dar a um homem asas e uma cauda. Talvez ele tivesse necessidade de fazer uma pequena pesquisa. "Eu vou para casa e relaxar... fazer alguma pesquisa na internet. Talvez ver o que posso cavar, hein?" "Você quer ajuda?" Marty hesitou por uma fração de segundo, então percebeu que, se não podia confiar em sua família, em que ele confiaria? Ele acenou com a cabeça uma vez. Uma hora depois, uma cerveja pendurada entre seus dedos, Matthew ficou boquiaberto. "Você está brincando comigo?" Balançando a cabeça, Marty fez uma careta. "Temo que não." "Então, você está dizendo que foi atrás de Raymond, ele se despiu do casaco e mostrou um par de asas ímpares, uma cauda, e voou para longe?" Suspirando, Marty passou a mão sobre o rosto. Ele ergueu a mão, então deixou cair, sem se preocupar em responder.


"E você ainda conversou alegremente com ele na noite seguinte?" "Talvez eu estivesse errado sobre o que vi?" Marty ofereceu suavemente. Matthew pôs-se de pé e começou a andar. Uma vez que ele fez duas cruzes sobre o chão, ele girou e apontou o dedo para Marty. "De jeito nenhum que você imaginaria algo assim. Eu conheço você, irmão." Marty recostou na cadeira e franziu a testa para Matthew. "Bem? O que você acha que Raymond é então?" Deus, ele não podia acreditar que realmente tinha manifestado o pensamento em voz alta. Matthew pegou o laptop, se jogou no sofá e começou a digitar furiosamente. Marty deixou-o porque seu irmão sempre foi melhor em pesquisa na Internet do que ele. Provavelmente porque ele entendia de elétrica e Marty não. Não que ele se considerava um atleta idiota ou qualquer coisa, porque levou muita inteligência para obter seu diploma de gestão de negócios e administrar uma empresa de reconstrução. As únicas coisas que ele e Logan não poderiam fazer eram elétrica e hidráulica, por isso ele contratou seu irmão


para um e outro amigo, Paco, para o outro. Sua empresa ainda tinha quatro empregados em tempo integral. "Você diria Raymond que parecia como este?" Marty fez uma careta para a tela e se inclinou mais perto. A foto mostrava uma criatura voando através de uma lua cheia. Os braços foram estendidos e o que parecia ser asas ligadas ao fundo deles e para baixo em seu torso até um pouco abaixo da cintura. As pernas eram curtas e terminavam em garras. As mãos estavam realmente garras. No canto inferior esquerdo era uma imagem expandida da cabeça da criatura, muito semelhante a um orangotango, e mandíbula estendida com caninos proeminentes. Embora

algumas

das

características

da

criatura

definitivamente o lembraram do que ele achava que tinha visto na outra noite, não era a mesma coisa. Curioso, Marty perguntou: "O que é isso?" Surpreso ao descobrir que sua voz saiu num sussurro. Matthew levantou a cabeça e encontrou seu olhar. "A gárgula." "A g-gárgula?" Matthew encolheu os ombros. "A coisa mais próxima que eu posso encontrar para o que você descreveu." Marty sentou e balançou a cabeça. "Gárgulas não são reais. Elas são mitos."


De repente, as palavras que Ray tinha escrito ontem à noite voltaram como que para assombrá-lo. ‘Eu sou um especialista em mitos’. Não, isso era muito ridículo. "Olha, o que eu vi, não era isso," Marty declarou com firmeza. "Essas coisas não existem." Matthew sorriu e deu de ombros. "Bem, ei, olhe para o lado positivo", brincou. "Gárgulas foram originalmente conhecidas como protetores para a igreja. Você teria o seu próprio guarda pessoal." Os lábios de Marty torceram em divertimento irônico. "Ha, ha." Num minuto ele estava dormindo, no próximo, acordado. Deitado na cama, Marty tentou descobrir o que o acordou. Ele ouviu os ruídos ao redor, ruídos que ele reconheceu como o assentamento da casa e o sistema de aquecimento trabalhando. De repente, ele ouviu outra vez... um arranhão tranquilo, como um gato afiando suas garras na madeira. Marty sentou-se na cama. Ele pegou o bastão que manteve ao lado de sua cama em sua mão esquerda e saiu em direção à porta. Ao ouvir um rangido choroso, Marty congelou. Ele reconheceu-o como o piso estridente no corredor.


Enquanto observava, a porta do quarto se abriu lentamente. Uma silhueta maciça encheu a porta. Chocado, Marty deixou cair o bastão e tropeçou para trás. Se Raymond era uma gárgula, então essa criatura deve ser um demônio. Ele ficou pelo menos dois metros e dez de altura, com chifres curvos saindo de sua cabeça e grandes asas ondulando em torno dele. "Puta merda." Ele não pôde evitar o barulho em sua voz. "Ah, bom. Você está acordado", uma voz profunda e estrondosa veio da criatura. "Maelgwn quer vê-lo." "Maelgwn?" Ele suspirou. Essa foi a última coisa que se lembrava, antes de seus olhos se fecharem e ele cair no chão do quarto.


Capítulo 5 Raymond levantou a cabeça com o bater da porta de seu escritório contra a parede. Ele observou Bobby entrar com pressa para a sala, torcendo as mãos. Ao ver o companheiro do chefe tão chateado, ele ficou de pé. "Bobby! O que há de errado?" Ele agarrou os ombros de seu amigo e descobriu lágrimas nos olhos verdes do homem. "Eu sinto muito, Raymond. Nós estragamos tudo!" Confuso, Raymond inclinou a cabeça. "Ei, relaxe", ele tentou acalmar o amigo. "Seja o que for, tenho certeza que pode ser corrigido." Ele forçou um sorriso. "Diga ao seu amigo Ray-Ray tudo sobre isso." "Maelgwn enviou Vane para sequestrar o seu companheiro." Por um segundo, Raymond sabia que deveria ter se enganado no que ouviu. "O que você disse?" "Cornelius e eu fomos ao Diner, assim como nós falamos. Exceto que, não fomos tão furtivos quanto pensávamos quando


saímos da mansão." Bobby fez uma careta. "Nós apenas começamos a conversar com Marty quando Maelgwn e Einan apareceram. Marty começou a falar sobre você e..." Gemendo, Bobby passou os braços ao redor da cintura. "Eu sinto muito. Quando Marty disse que te conheceu no bar café, e você tinha falado com ele, Maelgwn deve ter pensado que o homem era um risco. Eu tive que dizer a ele que vocês eram companheiros, mas..." Bobby realmente choramingou, e não em um bom caminho. Ele terminou em um sussurro. "Eu acho que piorou a situação." Tristes olhos verdes encontraram os seus. "Ele enviou Vane para tirá-lo esta noite." "Oh merda," Raymond assobiou. "A culpa é minha. Eu deveria ter dito ao meu chefe sobre o meu companheiro." Ele tropeçou um passo para trás, caiu em sua cadeira, e apoiou a cabeça na mão. "O que eu vou fazer? Depois de ter sido sequestrado por Vane, ele vai pensar que somos monstros!" Raymond não tinha ilusões. Ele sabia como Vane parecia para os seres humanos, e a enorme gárgula vermelha-sangue não tinha compulsão para diminuir o medo que a sua presença poderia causar. Claro, Raymond gostava da outra gárgula, bem, na sua maior parte, uma vez que Vane tendia a ser tão solitário como Raymond muitas vezes era, mas o cara era como um touro numa loja de porcelana... sem finesse nenhuma.


"Droga, Ray-Ray!" Bobby quase gritou em seu ouvido. "Você vai lutar por seu companheiro maldito! Vou levá-lo para onde ele está sendo mantido e distrair o guarda", afirmou, com as mãos nos quadris. "Você entra, e espero que a conexão do seu companheiro e seu charme vá fazer o resto." Bufando, Raymond revirou os olhos. "Certo. Meu encanto? Que diabos o faz pensar que tenho algum?" A mandíbula de Bobby caiu aberta. Seus olhos se arregalaram em óbvia surpresa. "Mas que diabos? Você só vai desistir de seu companheiro?" Ele gritou. Bobby bateu-lhe na parte de trás de sua cabeça... duro. Erguendo a mão na cabeça, ele esfregou seu couro cabeludo ofendido. "Porra, cara? Mas que diabos?" "E então?" Bobby agarrou. "Você está desistindo de seu companheiro?" O medo apertou no peito de Raymond. Desistir de seu companheiro? Nunca! "Não." ele rosnou. "Claro que não." "Então vamos lá, caramba!" Pulando de pé, Raymond concordou. "Sim. Tudo bem."


"Assim é melhor." Bobby murmurou. "Apenas um de nós está autorizado a entrar em pânico." Com isso, o companheiro do chefe saiu de seu escritório. Mesmo que isso significasse deixar os seus deveres para trás, Raymond correu atrás dele. Nada era mais importante do que ajudar seu companheiro. Enquanto seguia Bobby no primeiro corredor, depois outro, Raymond percebeu que estavam na parte mais antiga da mansão. Enquanto a maioria da mansão tinha sido redecorada, esta foi a última área a ser renovada. Esta área não tinha sido utilizada em tempos... o que significava que seria um lugar perfeito para esconder um ser humano rebelde. Droga! "Ok, se esconda aqui." Bobby ordenou, apontando para a porta à sua esquerda. Quando Raymond deslizou para dentro, ele percebeu que era um quarto dirfarçado nas paredes, onde uma cama deve ter sido, bem como uma mesa de cabeceira e cômoda. Fechando os olhos, ele ouviu a conversa do alfa-companheiro com quem o inferno estava do lado de fora do que deve seria o quarto de Marty. Ele pressionou o ponto em que Marty era


companheiro de uma gárgula e disse que a gárgula só precisava de algum tempo para ficar a sós com o ser humano e explicar a situação. A partir das respostas estrondosas e profundas, Raymond adivinhou que o guarda era Sapian, uma gárgula já acasalada que provavelmente poderia simpatizar com ele. "Eu vou estar no corredor." Sapian, finalmente, declarou. "Diga a Raymond para gritar, se ele precisar de mim." Ouvindo o tranco da gárgula no corredor, Raymond quase pulou fora de sua pele quando a porta se abriu. Ele se escondeu atrás e Sapian enfiou a cabeça dentro rindo. A gárgula muito mais velha balançou a cabeça. "Eu entendo a conexão de companheiros e entendo as razões de nosso chefe. Explique as coisas para o seu companheiro. Ele vai melhor do que o esperado." Suspirando, Raymond engoliu em seco e assentiu com a cabeça uma vez. "Eu espero que você esteja certo." Sapian encolheu os ombros enormes. "Pelo que ouvi, você tem lutado por quase um mês. Acalme seu companheiro. O vínculo vai cuidar do resto " Ele sorriu e piscou. O outro homem enxotou-o para fora da sala, com um aceno de sua mão com garras. Raymond assentiu e obedeceu. Ele encontrou Bobby de pé na frente de uma porta e segurando uma chave.


Raymond tomou-a, o peso da chave de bronze de estilo antigo na sua mão sentia-se meio simbólico: com uma volta desta chave, sua vida iria mudar, para melhor ou pior. Bobby deu-lhe um abraço, oferecendo: "Boa sorte." Com um sorriso travesso, seu amigo entregou-lhe, de todas as coisas, um tubo de lubrificante. A respiração de Raymond engatou como ele cuidadosamente segurou o frasco. Ele acenou com a cabeça. "Obrigado." Recuando, Bobby sorriu para ele. "Tudo bem. Vá pegá-lo, tigre." "Certo." Voltando-se para a porta, Raymond parou de perder tempo e inseriu a chave. Seu companheiro precisava dele e era hora de acelerar. Depois de entrar, ele trancou a porta, em seguida, varreu seu olhar sobre a sala. Uma vez que esta seção ainda não tinha sido remodelada, este quarto parecia mais como uma suíte de hotel, com a parte da frente fomado como uma área de estar, com uma cama grande na parte de trás, junto com uma mesa e uma cadeira. Ele sabia que a porta do lado esquerdo seria um banheiro em anexo. As portas para a varanda foram barradas.


O olhar de Raymond voltou para a cama e viu a grande forma de seu humano esparramado sobre ela. Depois de colocar a chave em cima da mesa, ele se aproximou. Marty estava deitado de lado, de costas para ele. Desenrolando os dedos do lubrificante, e ele não iria admitir que agarrou o objeto como uma tábua de salvação, ele colocou sobre a mesa de cabeceira, e caminhou até a cama. Marty fez uma careta quando viu que as mãos de seu companheiro estavam unidas e uma venda cobria seus olhos. Balançando a cabeça, sabendo que Vane deve ter exagersado com um ser humano indigno de confiança, Raymond contornou a cama novamente, buscando marcas em seu companheiro. Alívio inundou-o quando ele não conseguiu encontrar nada visível e o homem parecia estar dormindo facilmente. Pelo menos, não parecia que Vane o havia ferido. Rastejando sobre a cama atrás de Marty, ele sentou-se sobre os joelhos e estendeu a mão em direção a seu companheiro. Com os dedos pairando sobre o ombro de seu humano, ele fez uma pausa. Raymond convocou sua coragem e terminou o movimento. Quando seus dedos com garras deslizaram sobre a camiseta do homem, ele lutou contra um arrepio. Finalmente, depois de semanas de ver, ele estava tocando seu companheiro.


Raymond

balançou

suavemente

o

ombro

de

Marty,

empurrando-o. Marty grunhiu, em seguida, começou a se mover sem descanso. A corda em volta de seus pulsos estendeu suas mãos com força. Isso despertou Marty bem rápido. Com um grito, ele começou a lutar. "Espere, Marty", gritou Raymond. Ele inclinou-se e agarrou os ombros de seu humano. "Por favor, pare!" Para choque e alívio de Raymond, Marty obedeceu. Sua boca abriu e fechou por alguns segundos. Suas sobrancelhas foram para baixo até que Raymond não poderia vê-las sob os olhos vendados. Lentamente, Marty levantou as mãos atadas para o pano cobrindo seu rosto. Raymond soltou os ombros de Marty e agarrou seus pulsos, parando o movimento. "Espere, Marty", ele disse de novo. "R-Raymond?" Marty sussurrou. "Sim." Ele não pôde deixar de sorrir, sabendo que seu companheiro reconheceu sua voz, mesmo que ele só tinha falado algumas palavras. "Sou eu." Marty não lutou contra seu agarre, mas Raymond podia sentir a tensão nos antebraços grossos que ele segurava. Em vez disso,


Marty perguntou: "O que está acontecendo, Raymond? Por que estou amarrado?" "Eu vou desamarrar você", Raymond prometeu. "Mas você vai deixar a venda nos olhos, por favor? Tenho algumas coisas para lhe dizer." "Seus amigos disseram que você era tímido", Marty comentou distraidamente. Ele balançou a cabeça, em seguida, perguntou: "Será que eu realmente fui raptado por um demônio?" Raymond fez uma careta. "Uh, não exatamente", afirmou ao deslizar uma garra através da corda amarrando as mãos de seu companheiro. Uma vez que a corda caiu, Marty esfregou os pulsos. Raymond soltou-o e sentou-se. Marty apoiou as costas contra a cabeceira da cama, em seguida, estendeu a mão com a palma para cima. Por alguns segundos, Raymond apenas olhou. Marty entortou os dedos. Confuso, Raymond perguntou: "O quê?" "Sua mão, Ray", Marty solicitou. "Eu não posso vê-lo. Pelo menos, deixe-me te tocar, então eu sei onde você está." "Eu não sou como você", advertiu Raymond, assim como o fato de que seu companheiro queria tocá-lo emocionou-o.


"Eu meio que percebi isso", Marty murmurou. Sua boca se contorceu em um sorriso irônico e ele estendeu a mão novamente. "Eu segui-o na noite de quinta. Eu, uh, eu pensei que vi você voar", admitiu. "Eu estava errado?" Raymond engasgou. "Você... eu... não." Ele fechou a boca, inseguro e preocupado. Sua boca ficou boquiaberta enquanto ouvia Marty rir baixo enquanto balançava os dedos novamente. "Vamos lá, Ray. Pegue minha mão e me fale sobre você. A verdade desta vez." Talvez Sapian estivesse certo. Talvez a conexão companheiro realmente faria o resto. Estendendo a mão, Raymond deslizou os dedos ao longo da palma de Marty. Ele estremeceu com a sensação de mão áspera do homem, maravilhado com a forma como os dedos calejados deslizaram sobre a palma da mão, querendo senti-los movendo-se sobre outras partes da sua pele curtida. Marty colocou a outra mão sobre o dorso da mão de Raymond, sentindo sua pele, então, hesitante traçando suas garras. Mesmo como seu pau engrossando sob a tanga pelas carícias de seu companheiro, ele temia que seu humano fosse fugir com a sensação dele.


Em vez disso, Marty segurou a mão de Raymond entre as suas, segurando-o vagamente, e estabeleceu as mãos unidas no colo. Ele descansou a cabeça contra a cabeceira e suspirou. "Ok, Ray. Conteme sobre você. O que você é? E onde eu estou?" Depois de um segundo, ele acrescentou, "Eu estou em perigo?" Embora o homem parecesse relaxado, Raymond ainda podia sentir o cheiro de tensão em Marty. Tentando acalmar o outro homem, ele descansou a segunda mão no topo das outras mãos e esfregou. "Você não está em perigo", Raymond assegurou. "Você foi trazido aqui por Vane, que fica um pouco, um... excesso de zelo", ele decidiu terminar assim. “Zeloso demais? É por isso que eu estava amarrado e com os olhos vendados?" "Uh, sim. Maelgwn provavelmente não pediu essas coisas." "Espere, Maelgwn? O grande afro-americano?" Raymond balançou a cabeça, em seguida, percebeu que seu humano não poderia realmente vê-lo. "Certo. Ele não é realmente um afro-americano. Isso é exatamente o que ele se parece em forma humana." "Eu sinto muito?"


Descobrindo que a abordagem ‘arrancar o Band-Aid’ seria melhor, Raymond suavemente declarou: "Somos gárgulas. Eu, Vane, Maelgwn e Einan. Há mais de nós aqui, mas esses são os que você... viu. Maelgwn é nosso líder e supervisiona a nossa segurança. Ele o trouxe aqui por causa de seu contato comigo." Ele fez uma pausa e, em seguida, explicou: "Nós somos o que chamam de paranormais. Há shifters e vampiros, também, mas a maioria dos mitos sobre nós não são verdadeiros." Quanto mais Raymond falava, mais as mãos de Marty se apertaram ao redor dele, traindo sua tensão. Continuando a massagear a mão de Marty, ele continuou falando. "Como um paranormal, vivemos muito mais tempo do que os humanos. Séculos. Para compensar a possibilidade de viver uma longa e solitária existência, o destino concede a cada paranormal um companheiro... um companheiro de alma," explicou. "A razão por que você está tão atraído por mim, é porque você é meu companheiro." "Seu companheiro?" perguntou Marty, hesitante. Seu peito subia quando ele respirou fundo, os músculos largos expandiram e em seguida contraíram sob sua camiseta.


A respiração de Raymond engatou, seu pau empurrou, com o quão sexy Marty parecia. Ele realmente, realmente queria ver e tocálo. "S-Sim", ele respondeu quase distraidamente. Como se estivesse lendo sua mente, as mãos de Marty apertaram um pouco antes de liberá-lo. "Eu posso usar minha imaginação sobre o que é ser um companheiro. Não acho que preciso de mais explicações sobre isso agora. Eu tenho algumas perguntas sobre você e gárgulas especificamente, no entanto." "Eu vou te dizer tudo." Ele percebeu que queria realmente dizer, também. Não importa o que, queria compartilhar tudo com seu companheiro. "Com certeza parecia que Maelgwn e Einan eram muito carinhosos com os seus, uh, namorados. Posso beijar-te assim? Tocar em você?" Seus lábios se apertaram um pouco e sua mandíbula trabalhou, como se ele se esforçasse para obter suas próximas palavras. "Eu nunca tinha sido tentado a fazer alguma coisa com um homem, embora tenha sido atraído por alguns ao longo dos anos. Sentado aqui com você, sentindo seu cheiro, você está me dizendo alguma merda importante, mas tudo o que posso pensar é puxá-lo para perto e..." Ele fez uma pausa, sua mandíbula apertada por um segundo. Então, Marty deixou escapar: "E você é um, uh, uma gárgula, então eu não sei o que é apropriado."


A barriga de Raymond apertou, vibrando em antecipação. Ele empurrou-se de joelhos e arrastou para frente, cuidado com suas garras para que não rasgasse os lençóis. Gentilmente, ele puxou as mãos livres do aperto de Marty. Excitação percorria por ele, fazendo com que suas palavras mal saíssem em um gemido. "Posso sentar no seu colo? Então, você pode me tocar como quiser." "Ok." Marty respondeu, lambendo os lábios. Exaltação inundou Raymond quando ouviu a qualidade ofegante do seu humano, o homem que esperava que em breve fosse seu amante. Cuidadosamente, Raymond passou as pernas sobre as coxas grossas de Marty. Com suas pernas curtas, ele teve que abri-las mais para se acomodar, e só sabia que suas bolas estariam perfeitamente no vale formado pelas pernas de seu humano. Ele esperava que pudesse controlar-se em face da estimulação. Raymond colocou as mãos de Marty em direção a ele e lhe disse: "Eu não sei se você quer começar com a venda nos olhos ou retirá-la agora. Não me pareço em nada com você", ele não poderia deixar de avisar. "Eu não me sinto como você, também."


"Hmm", Marty retumbou, apoiando os dedos levemente contra a pele de Raymond. "Vamos começar assim e ir de lá." Raymond podia ver um sorriso brincando nos cantos dos lábios de Marty, quase escondido pela borda da venda. "Só para você saber, eu pretendo ver o seu rosto quando beijá-lo." Seu coração disparou em seu peito, batendo tão alto, ele não sabia como Marty não o ouviu. Deuses, ele queria muito isso. "S-Só, por favor, não surte," ele quase implorou. Marty assentiu uma vez quando lentamente começou a esfregar as mãos sobre o peito de Raymond. "Eu vou fazer o meu melhor," assegurou. Sabendo que seu companheiro não poderia oferecer nada mais, Raymond se perdeu na sensação, enquanto Marty explorou lentamente sua pele curtida.


Capítulo 6 Marty realmente não sabia o que esperar quando Ray lhe disse que ele não sentia o mesmo. Ele já sabia sobre não ter a mesma aparência, mas se sentindo? Bem, ele deveria ter percebido isso quando tinha visto o homem-gárgula bater as asas e voar. Droga. Isso é algo para envolver minha mente... mas mais tarde, muito mais tarde. Quando ele não tivesse o macho com cheiro incrivelmente sexy em seu colo, pairando, oh tão perto de seu pênis dolorido, ele se preocuparia com a logística de se envolver com alguma coisa... outra coisa. Quando Marty acordou e sentiu os laços em torno de seus pulsos, a criatura enorme que havia aparecido em seu quarto passou pela sua mente. Então, ele não tinha sido capaz de ver e começou a lutar. Finalmente, os doces tons de Ray chegaram aos seus ouvidos, tirando-o de seu pânico. Depois de ouvir a explicação de Ray, Marty ainda não entendeu totalmente, mas estava disposto a dar a Ray alguma chance. Afinal de contas, não foi ele que o sequestrou, e ele tinha lhe assegurado que estava seguro.


Marty decidiu que tudo poderia esperar. Ele tinha o homem por quem tinha sido obcecado entre seus braços... bem, não tecnicamente neles, mas ele corrigiria isso em breve. Agora, ele bateu suavemente as pontas dos dedos sobre o peito do homem. Merda, Ray é uma porra de uma gárgula, não um homem. Marty imaginou que ele ia surtar em breve. Mais uma vez, empurrando esse pensamento para segundo plano, ele varreu suas mãos lentamente para cima e para baixo, explorando a carne firme dos bíceps de Ray, até os cumes de seu abdômen. O couro duro sob seus dedos sentia-se tão diferente do que a sua própria carne, quase acidentado, como ele imaginou um elefante ou um rinoceronte, talvez. Ainda assim, era quente e parecia ondular sob seu toque. A respiração de Ray entrecortada, com o peito arfando sob o toque de Marty. Porra,

essa resposta o fez sentir-se incrível, inchado com

orgulho de saber que alguém era tão afetado por seu toque. Marty sentiu as mãos magras demais em seus ombros, massageando os tendões através de sua camiseta. Ele não queria que... queria sentir as mãos de Ray nele também. "Espere," ele resmungou.


Baixando as mãos para a bainha de sua camiseta, Marty puxou o tecido sobre sua cabeça. Junto com sua camisa, veio a venda. Ele piscou em surpresa quando seus olhos se aclimataram com a semiescuridão, devido à baixa iluminação emitida pela lâmpada ao lado da cama. Uma vez que sua visão clareou, Marty engasgou em sua primeira vista da... criatura... sentada em seu colo. Seu coração batia em seu peito e ele só sabia que ficou de boca aberta como um peixe. A pele de Ray rodou entre tons de profundidade, cinza escuro e preto, o que tornava difícil identificar qual a cor que ele realmente era. Ele usava uma tanga de couro marrom-escuro em torno dos quadris esbeltos. Acima disso, o abdômen sulcado que ele tocou, parecia ser um pacote de doze... só porque o torso magro do homem parecia desproporcional, desde que levou até peitos firmes. O levantar de ombros de Ray e o deslocamento do seu peso no colo de Marty, agarrou-o de seu estupor chocado. "Espere. Pare," ele retrucou, quase severamente. Ele agarrou os braços da gárgula, logo abaixo dos ombros e segurou-o no lugar. O olhar de Marty varreu o rosto da criatura, notando o queixo limpo e quadrado do macho e os caninos superiores salientes. Mesmo que algum alívio acertou-o que o rosto da gárgula parecia muito mais humanóide do que o do orangotango que ele comparou


mentalmente com a imagem que seu irmão tinha encontrado, Marty estendeu a mão e traçou linha da mandíbula da gárgula. A pele curtida deslizou suavemente sob seus dedos e ele segurou a mandíbula firme. Ela se encaixava perfeitamente na sua mão grande. Segurando a cabeça do macho com seu aperto, ele levantou a outra mão e corajosamente explorou, deslizando o dedo ao longo do primeiro canino, depois outro, até que traçou um lado do lábio superior fino. Em seguida, ele subiu ao nariz largo e ao longo de um cume ósseo espesso onde a sobrancelha de um ser humano teria sido. Finalmente, Marty chegou à orelha de Ray, roçando sobre o ponto de varredura do apêndice. Ray começou a ofegar, abrindo sua mandíbula um pouco. O movimento chamou Marty fora de sua exploração descarada e para os olhos escuros meio fechados de Ray, e cheio de excitação. "É uma sensação boa quando você me toca," Ray quase sussurrou a admissão. Marty baixou o olhar para a boca de Ray e lambeu seus próprios lábios. "Você não tem uma barba," comentou em voz baixa, mesmo quando roçou os dedos indicadores sobre a pele sem pêlos de Ray. "Sem cabelo em tudo."


Lentamente, como se estivesse em transe, Ray balançou a cabeça. Incapaz de conter a si mesmo, Marty olhou para tanga cobrindo a virilha de Ray, imaginando o que ele iria encontrar debaixo daquele pedaço de tecido. Ray era sem pelos em toda parte? "M-Marty?" O gemido ofegante de Ray atravessou Marty, direto para o seu pau. Seu pênis flexionou em cueca

boxer. Se ele não estava

enganado, enquanto observava, pensou ter visto um movimento sob a tanga do outro macho. Voltando o olhar para o rosto de Ray, Marty admitiu: "Eu quero te beijar. Nunca beijei um cara antes. Gárgulas beijam?" Ele fechou a boca, forçando para trás todas as palavras inúteis. "Por favor, me beije," Ray implorou. Não precisou falar duas vezes. Usando seu poder sobre o queixo do outro homem, ele inclinou a cabeça de Ray um pouco para trás. Inclinando-se para frente, ele deu um beijo suave no canto da mandíbula do macho. Ele roçou os lábios contra Ray, encontrandoos suaves e quentes, abrindo e dando a sua exploração lenta, seguindo suavemente para o outro canto da boca de Ray. Marty


ainda lambeu em torno de caninos da gárgula, gostando do silvo agudo que escapou da criatura. O fato de que ele beijava algo não humano tentou empurrar em sua mente, mas ele venceu-o de volta. Ajudou que nesse tempo, Ray deslizou seus braços ao redor do pescoço de Marty e massageou as omoplatas. Fortes pontos enviaram tentáculos de sensações através de seu sistema. Arrepios irromperam sobre sua pele. Marty suspirou e ergueu a cabeça quando percebeu que aquelas não eram apenas unhas que sentia. As unhas pontudas que sentira enquanto os olhos estavam vendados eram garras... e, caramba, sentia-se bom ser tocado por elas, amassando seus músculos. Marty olhou nas íris um pouco verticais nubladas de luxúria de Ray... sexy e estranhas, tudo ao mesmo tempo. Olhando nos olhos do macho, ele observou algo mais. Levou um segundo para descobrir que era medo e quando o fez, a necessidade de banir aquele olhar inundou-o duro e rápido. Inclinando-se para frente de novo, Marty lambeu entre os lábios de Ray e na sua boca. Mesmo consciente dos caninos do macho, ele ainda enfiou a língua profundamente. Quanto mais ele


tinha o gosto escuro dos sabores masculinos de Ray, como o melhor rum, mais ele queria. Ele rosnou baixo,Marty usou seu poder sobre o outro homem para inclinar sua cabeça para trás e aprofundar o beijo, mesmo quando passou o outro braço em torno do tronco de Ray e o puxou para perto. A ereção duramente pressionada contra a sua própria, a sensação estranha e emocionante, tudo ao mesmo tempo. Faíscas acenderam dentro dele, o prazer de descobrir o outro homem tão excitado quanto ele. Gemendo, Marty apertou seus braços e balançou contra essa pressão inebriante. Ele enfiou a língua profundamente, e gemeu quando Ray envolveu sua língua ao redor da sua, acariciando e deslizando seus apêndices juntos. As bolas de Marty rolaram em seu saco quando Ray conheceu impulso por impulso. Ele resistiu com mais força, um formigamento se estabelecendo em suas bolas e ele perseguiu a deliciosa sensação. O atrito, a estimulação, fez com que o formigamento, que dizia que seu orgasmo estava próximo, se estabelecesse na base de sua espinha. Arrancando a boca longe, Marty bateu a cabeça contra a cabeceira da cama atrás dele. Ele gemeu e congelou, conseguindo segurar seu orgasmo na baía. Mexendo com o cós de sua cueca,


empurrando-os para baixo um pouco para libertar a cabeça de seu pau e parte de seu pênis. Ofegante, Marty assistiu a uma mão delgada alcançar com ponta de garra o seu pau exposto. Seus olhos se arregalaram enquanto observava uma garra preta curta tocar suavemente sua glande vermelha, inchada de sangue. Sua respiração acelerou na exploração de sua carne sensível pelo apêndice letal. Seu pênis se sacudiu, escorrendo, mostrando o quanto ele gostava de ver e sentir o arranhão leve sobre a carne. "F-Foda-se, Ray. Deus, isso é..." Cortando-se fora, Marty rangeu os dentes. Suas bolas se apertaram mais e ele lutou contra o desejo de agarrar a si mesmo, dar-se o atrito que seu pau tão desesperadamente ansiava. "Ray!" "Como isso, não é?" Ray cantarolou. Seus olhos escuros quase pareciam brilhar com satisfação selvagem. "Só precisa de um pouco mais?" Ofegante, os dedos de Marty apertaram onde segurava a cintura de Ray. Quando se estabeleceu lá, ele não estava certo, mas não conseguia soltá-los fora do outro homem para nada. Ray sorriu, mostrando os dentes afiados que deveriam tê-lo assustado, mas por algum motivo o fez querer oferecer seu pescoço e


exortar a gárgula para tomar uma mordida. Marty seguiu a linha de visão de Ray enquanto baixava o olhar para seu pênis. Ele observou como Ray rodou dois dedos com pontas de garras ao redor de sua cabeça inchada. A raspagem leve o levou a cerrar os dentes. Suas bolas doíam, mais duras e mais inchadas do que ele poderia se lembrar de sentir. Ray cantarolava e mergulhou uma garra em sua fenda. A mordida afiada de dor enviou uma faísca em seus testículos. Gritando em choque, Marty se perdeu. Seu abdômen se contraiu, seu corpo ondulou quando um orgasmo diferente de tudo o que havia sentido antes rolou por seu corpo, fazendo-o convulsionar, o prazer quase doloroso com sua intensidade. Marty bateu a testa contra o ombro de Ray, enquanto olhava jatos de sêmen passar pela garra que ainda funcionava suavemente em sua fenda. Fogo diferente de tudo que ele já tinha experimentado antes corria em suas veias, enquanto suas bolas descarregavam de novo e de novo, forçando mais sêmen fora do seu corpo. Ele sorriu quase bêbado, enquanto observava uma mancha molhada aparecer na tanga ainda cobrindo a virilha de Ray. Incapaz de se conter, ele soltou uma mão trêmula do quadril de seu novo amante e chegou entre eles para executar um polegar sobre esse


tecido úmido. Mesmo enquanto esfregava, Ray gemeu em seu ouvido e o local cresceu. "Quero ver você na próxima vez," ele murmurou, quase balbuciando as palavras. Santo inferno, quando foi á última vez que gozei tão forte? Orgasmos com Ray ficava ainda melhor. Qual seria a sensação de fodê-lo? Ray suspirou, quase cedendo contra ele. "Uau." Marty sorriu e deslizou suas mãos ao redor do corpo do outro homem. Gentilmente, ele acariciou as mãos sobre as fortes linhas das costas de Ray, gostando da pele firme, ligeiramente acidentada sob as pontas dos dedos. À medida que sua respiração se normalizou, o desejo de explorar esta criatura em seus braços cresceu. Deslizando as mãos para cima, Marty sentiu um estranho cume em cerca de dois terços das costas de Ray. Traçando-o, ele percebeu que unia em torno de seu torso, um bocado como uma costela faria, exceto mais proeminente. Segundos depois, ele encontrou um segundo cume alguns centímetros mais alto. "O que é isso?" Marty não podia conter sua curiosidade.


Suspirando, Ray aninhou seu pescoço um pouco antes de responder, lambendo e mordendo suavemente. Finalmente, ele levantou a cabeça e murmurou, "pele da asa e osso-esporas." Isso chamou a atenção de Marty. Levantando a cabeça um pouco, ele olhou para baixo para o outro macho. Foi quando ele notou que Ray tinha as pernas mais curtas que o normal. Seguindo as linhas negras de uma perna, ele notou a forma como ela terminava em garras tão afiadas que mais se assemelhavam a garras. Seu aperto aumentou involuntariamente com a visão. Depois de várias respirações profundas, Marty percebeu uma vibração estranha passando por ele, acompanhado por um tremor suave vindo de Ray. A tensão de Marty aliviou. Mesmo quando ele abraçou o outro homem mais perto, querendo sentir e ouvir mais do barulho estranho, suas sobrancelhas se abaixaram em confusão em sua resposta. "Relaxe," Ray cantarolou, acariciando seus braços, laterais e ombros. "Está tudo bem. Está tudo bem." Cantarolando baixinho enquanto sua tensão diminuía, Marty, mais uma vez começou a acariciar as costas de Ray. "Ok, me diga o que no inferno era isso, e por que eu gosto tanto," ele murmurou.


"É chamado de trinado," Ray disse suavemente. "É uma vibração que gárgulas podem criar e usar para acalmar as pessoas que cuidam." Apertando um beijo suave no pescoço de Marty, ele acrescentou: "É especialmente útil para acalmar um companheiro em pânico." Zombando, Marty assentiu contra o ombro do outro homem. "Eu vou dizer." Eles permaneceram em silêncio por alguns minutos, apenas desfrutando do toque e companhia um do outro. Finalmente, Marty suspirou e se afastou novamente. Ele agarrou os ombros de Ray e tirou-o de seu colo. Ray apareceu confuso e quase magoado, até que Marty sorriu encorajador. Ele achou meio que sexy como Ray lhe permitiu maltratá-lo, até que ele se deitou sobre a cama. Engolindo em seco, Marty admirou a criatura aberta diante dele. Ele não poderia colocar o dedo sobre o porquê ele achava Ray tão sexy e por que ele queria tocá-lo e explorá-lo em toda parte. Evidentemente, Ray adivinhou sua confusão, pois assim que Marty estendeu a mão e traçou várias pontas dos dedos sobre a pele da coxa dele, seu amante aproximadamente explicou: "Você está atraído por mim por causa do vínculo de companheiros."


Franzindo a testa para isso, uma ideia lhe deu uma pausa. "Eu não seria atraído por você de outra forma?" Ele não tinha certeza de como se sentia em ter sua atração por alguém manipulada por uma força além dele. "Sim, mas você poderia não agir sobre ela de outra forma," explicou Ray. "A atração fornecida por você ser meu companheiro lhe dá um impulso extra para ir atrás do que você quer, mesmo que você não entenda isso." "Ah," Marty murmurou. Isso soou melhor. Assim como tinha sido atraído por outros homens no passado, ele não tinha feito nada sobre isso, sempre achando mais fácil sair com mulheres, se ele tivesse permitido que seu próprio medo nublasse seu julgamento, ele nunca teria experimentado a breve felicidade incrível. Um evento que ele realmente queria sentir novamente. Só de pensar, fez o seu pênis começar a endurecer de novo. Marty decidiu que ele iria apreciar a criatura diante dele agora e se preocupar com todo o resto mais tarde. Foi seu pau fazendo o pensamento? Provavelmente, mas, por enquanto, ele não dava a mínima. Ele não conseguia se lembrar da última amante regulare que tinha tido, e planejava aproveitar completamente as sensações que Ray criava nele... por quanto tempo a gárgula lhe daria.


Ele se preocuparia com todo o resto mais tarde... muito mais tarde. Observando o macho esparramado diante dele, Marty lambeu os lábios e estendeu a mão para os laços da tanga suja. "Eu quero ver você. Explorar você. Tirar isso."


Capítulo 7 Raymond estremeceu com a luxúria feral inundando os olhos de seu companheiro. Ele não podia acreditar que seu humano queria vê-lo, tocá-lo, explorá-lo. Ele sabia que tinha um inferno de um lote para explicar, como a ligação e como a vida de Marty seria estendida e mudaria e... A mão de Marty acariciando seu pau meio duro interrompeu sua linha de pensamento. Deuses, quando Marty tinha tirado sua tanga? Raymond abriu mais as pernas, olhando para a mão áspera levemente bronzeada rastreando lentamente sobre o seu pênis, tornando-se inchado com a excitação total. Marty envolveu a mão ao redor de seu pênis, meio que o masturbando. Raymond engasgou quando o movimento puxou o prepúcio para frente e para trás, a grande fenda piscando para ele. Quando um montão de pré-sêmen espesso escorria dele, Marty fez um barulho como um rosnado baixo. Ele mergulhou a ponta do seu dedo no meio do caminho sob o prepúcio de Raymond, pegou-o,


em seguida, espalhou o líquido translúcido abaixo da veia pulsando na parte inferior de seu pau. Raymond gemeu e agarrou o edredom, apenas mantendo o controle suficiente para não rasgar o tecido. Sua cauda contraiu onde ele a tinha enrolada na sua perna. Ele lutou para controlar o apêndice, quando tudo o que queria fazer era permitir que ele se contorcesse em seu prazer. Evidentemente, Raymond não tinha sido completamente bem sucedido, pois Marty estendeu as mãos sobre suas coxas, sorrindo enquanto acariciava lentamente seu caminho até a carne firme, até que chegou ao local onde a cauda estava enrolada na perna, logo abaixo do joelho. Em vez de mover e continuar para baixo em sua perna, Marty roçou os dedos levemente ao longo do apêndice. Raymond estremeceu duro, sibilando entre dentes. Outra gota de pré-sêmen escorria de seu pau. Mesmo o osso-esporas de sua asa começou a estender-se desde suas costas. Marty olhou para cima. Seus olhos brilhavam quando percebeu as mudanças. "Você gosta disso, não é mesmo, querido?" Raymond virou um aceno de cabeça, incapaz de encontrar a sua língua, porque, naquele momento, Marty agarrou suavemente


sua cauda e puxou-a livre de sua perna, apenas para deslizar a mão para cima e para baixo no apêndice de couro. "Oh, foda," Raymond gemeu como choque de sensações passaram do rabo para o centro em sua virilha, espalhou-se sobre o peito, como a dança do fogo em sua pele, fazendo seus mamilos endurecerem e sua respiração vir em ofegos duros. "Meu Deus, Ray," Marty murmurou. "Você está deslumbrante. Será que eu poderia fazê-lo gozar apenas assim?" ele perguntou, tocando com mão o pênis saliente de Raymond e levantado sua cauda ao mesmo tempo com seus golpes. As bolas de Raymond se apertaram tão rápido que lhe tirou o fôlego. Incapaz de responder, ele contrariou impotente nos braços de seu companheiro. Lamentações incoerentes e gemidos escaparam dele. Segundos depois, as bolas dele levantaram e ele jorrou, pintando seu peito e abdômen, quando o segundo orgasmo da noite rolou através dele duro e rápido. Rugindo seu prazer, seus caninos doíam com o desejo de afundá-los no ombro de seu companheiro. Foi uma coisa boa que Marty não estava perto o suficiente para ele tocar, porque não achava que seria capaz de resistir ao desejo uma segunda vez.


Enquanto lentamente descia ao largo da alta de endorfina natural, um arrepio trabalhou por ele. Abrindo suas pálpebras, ele observou Marty traçar seus dedos ao longo das dobras extras de pele. Depois, ele acariciou ao longo dos ossos-esporas de suas asas, onde estavam estendidos a meio caminho de suas costas, esticando a pele que agrupava em torno deles. Arrepios estouraram sobre sua pele, fazendo com que sua respiração engatasse quando arrepios trabalharam por ele. E se o meu companheiro decide que sou muito diferente? "Você é tão fascinante," Marty murmurou, continuando a esfregar ao longo de seus ossos-esporas, em seguida, varrendo as dobras da pele que compunham suas asas quando estavam totalmente estendidas. Raymond não podia deixar de ofegar ao toque de seu companheiro. Mesmo seu pau havia retornado ao duro e latejante. Suas asas sempre foram sensíveis ao toque, não ao seu próprio... mas este era o seu companheiro tocando-o. Só esse conhecimento parecia amplificar cada carícia em dez vezes. Olhando para cima e capturando o olhar de Raymond, os lábios de Marty se curvaram em um sexy sorriso satisfeito. "Oh, você me responde como um sonho. Nunca conheci ninguém que amasse


tanto o meu toque." Ele continuou a acariciar os agora totalmente estendidos ossos-esporas de Raymond e acariciando as dobras anexas das asas, agora quase esticadas. "Vá em frente e agarre a cabeceira da cama, querido," Marty retumbou, satisfação inundando seu tom. "Eu quero ver você todo aberto." Choramingando, Raymond não poderia deixar de obedecer à ordem de seu companheiro. Ele levantou os braços sobre a cabeça e colocou as mãos entre a cabeceira da cama e colchão, segurando a madeira. O movimento mostrou efetivamente toda a extensão de suas asas. Marty cantarolava sua aprovação. Ele acariciou a carne sensível de Raymond, então arrastou seus dedos sobre sua caixa torácica, por seu abdômen, e ao longo das ranhuras de sua virilha. Raymond gemeu, seu pau saliente em espasmos. Marty sorriu presunçosamente. Ele deslizou as mãos entre as pernas de Raymond e encorajou-o para cima e aberta, revelando cada centímetro de sua virilha. "Tão sexy," Marty murmurou. Ele baixou a mão e usou a ponta do polegar para acariciar o buraco de Raymond. O olhar de Marty parecia imerso em seu pequeno buraco enquanto ele gentilmente massageava a abertura. "Nunca estive com um cara, mas vi muita pornografia." Marty ergueu o olhar para Raymond. Engolindo em


seco, ele admitiu, "Sei que preciso de lubrificante. Você tem algum?" De repente, Marty corou, o sangue inundando seu rosto e pescoço. "Merda, devo perguntar se estou autorizado a te foder?" Ele fez uma careta, admitindo: "Eu não sei se há regras para esse tipo de coisa." Percebendo que o seu companheiro estava confuso sobre isso e não sobre trepar com ele, Raymond sorriu encorajador e apontou para o criado-mudo, onde tinha colocado o lubrificante. "Não," Raymond instruíu. "Use muito." Marty inclinou-se e pegou o tubo descansando ao lado da lâmpada. Segurando-o, ele abriu e derramou uma quantidade generosa para seus dedos. Ele rodou em torno a pequena porção. Marty olhou para a virilha de Raymond, em seguida, encontrou seu olhar. Sentindo o tremor de seu companheiro, Raymond cerrou o abdômen e balançou as pernas para cima. "Vamos lá, Marty. Preciso de você. Encha-me." Os olhos de Marty se arregalaram quando olhou para ele em choque. O cheiro de excitação de seu companheiro engrossava o ar. "Ray?" Raymond lentamente curvou seus lábios em um sorriso. "Vamos, cara sexy. Mostre-me o que você tem."


Durante vários segundos Marty só olhava para ele. Raymond se perguntou o que o assalto foi... até que viu a incerteza nos olhos de seu amante. Ah, certo, nunca esteve com um homem. Merda, ele estava empurrando? Baixando as pernas, Raymond sorriu encorajador. "Nós não temos que fazer qualquer coisa que você não está confortável. Eu poderia simplesmente chupá-lo, se você quiser," ele ofereceu. "Apenas me diga o que fazer," retrucou Marty, uma carranca vincando sua testa. Raymond estendeu a mão e tocou o antebraço de Marty, em seguida, abriu as pernas tão vasta quanto podia. "Use bastante lubrificante. Você já viu o alongamento nos pornôs que assistiu?" Marty corou, mas ainda acenou com a cabeça. "Ótimo. Basta fazer o que eles fizeram,” incentivou. Marty lhe deu um olhar engraçado, então, sem preâmbulo, deslizou um dedo lubrificado em seu buraco, tão profundo como iria. Raymond engasgou, então gemeu quando Marty esfregou sobre sua próstata ao retirar o dedo. Grunhindo, Raymond retorceu-se, perseguindo esse dedo e a plenitude que representava. Uma grande palma segurou a barriga de Raymond, apenas quando aquele dedo grosso deslizou de volta em seu reto. O dígito


acalmou e o polegar em sua barriga esfregou a pele de sua virilha, tocando levemente e esfregando apenas a base do seu pênis. Raymond chiou com a sensação dupla. "Fácil, Ray," Marty cantarolou. "Está tudo bem. Eu tenho você." Forçando-se a tomar duas longas respirações lentas e profundas, Raymond pegou a si mesmo. Ainda assim, ele queria, precisava de mais, e com o dedo de seu companheiro em sua bunda e sua outra mão em sua barriga, brincando com seu pau, ele não se sentia tímido demais para dizer. "Dê-me outro dedo, companheiro. Precisa de outro agora." Marty assentiu. Sem hesitar, ele deslizou outro dedo. Raymond suspirou e balançou a cabeça. "Sim, isso é o que eu preciso." Ele revirou os quadris, aceitando os dígitos de seu amante. Gemendo com a sensação de estar sendo lentamente esticado, ele suspirou, "Mais. Foda-se, coloque outro em mim." "Tem certeza?" Mesmo com Marty parecendo preocupado, Raymond pouco podia fazer para garantir a seu amante, exceto acenar com a cabeça vigorosamente. Ele precisava muito. A visão do pau grosso de seu companheiro, pulsando pendurado logo abaixo de sua abertura, fez a


sua boca ficar seca com antecipação. Se não podia chupar o pau do seu humano, ele queria o pau longo e gordo em sua bunda. Um

terceiro

dedo

espetou-o.

Mesmo

penteado

com

lubrificante, os dedos de seu companheiro eram grossos. Deuses, o que eles disseram sobre grandes mãos significava grandes paus era verdade, pelo menos no caso de seu companheiro. A queimadura escorregadia, o empurrar e puxar, se sentia melhor do que qualquer coisa em sua vida. O cheiro de seu companheiro o cercava, empurrando mais seu desejo e excitação. "Agora, oh foda, agora," Raymond não poderia deixar de pleitear. "Faça-o agora." Marty assentiu rapidamente, seus olhos azuis em chamas com a luxúria. "S-Sim, está bem." Tomando uma chance, Raymond soltou a cabeceira da cama para que pudesse chegar e suavemente segurar o rosto de seu amante. "Você não vai me machucar. Eu quero senti-lo. Por favor, deixe-me sentir você." Um sorriso largo curvou as características profundamente bronzeadas de Marty. "Sim," ele rugiu, sua voz caindo baixa e profunda. "Eu posso fazer isso."


Os dedos de Marty escorregaram de seu reto, e levou tudo em Raymond para não gemer em frustração. Apenas o olhar de concentração total no rosto de seu companheiro quando ele agarrou seu pênis e apertou a cabeça contra seu buraco o deteve. De repente, as sobrancelhas de Marty dobraram. Ele piscou, como se saindo de um nevoeiro cheio de luxúria. Franzindo a testa ele murmurou, "Camisinha. Não deveríamos estar usando uma camisinha?" Merda, nada como um tapa na cabeça por ser um paranormal no pior momento. Raymond deslizou sua mão ao redor da cabeça de seu companheiro, e baixou levemente seus dedos até a volta de seu pescoço, sentindo seu cabelo loiro pouco cortado. Quando Marty olhou para ele com as sobrancelhas vincadas e uma expressão confusa no rosto, Raymond fez o seu melhor para procurar o entendimento. "Eu não sou humano, Marty," Raymond sussurrou, tentando sua melhor tentativa de acalmá-lo. "Mesmo se você tiver algo que não conheça, não posso pegá-lo." Com um sorriso nos lábios, ele deu um leve encolher de ombros. "Não precisa de camisinha comigo."


Marty piscou uma vez, duas vezes, como se processando essas palavras. Em seguida, um grande sorriso iluminou seu rosto e ele empurrou duro, invadindo o anel guardião do músculo de Raymond. Raymond engasgou, então empurrou para fora, ajudando seu humano sexy a deslizar profundamente dentro dele. O pênis grosso de Marty pressionava contra ele. Gemendo, ele regressou sua aderência à cabeceira da cama, e se balançou na sensação de seu amante enchendo-o. Envolvendo as pernas ao redor da cintura de seu companheiro, sempre atento a suas garras, ele viu o corpo de Marty estremecer, brilhando de suor. Então, o homem começou a puxar lentamente para fora, os vincos em volta dos olhos expressando sua luta para permanecer no controle. Decidindo que precisava para provar a Marty que ele não precisava desse controle com ele, que o seu humano poderia tomar qualquer coisa que ele precisava, Raymond apertou os músculos ao redor do pênis de seu amante. Ele queria sentir o seu homem, sentir o pênis do ser humano sexy o penetrando mais e mais. Marty pareceu congelar acima dele. Raymond observou a mandíbula apertada, mostrando sua tensão. A necessidade de dirigir seu amante fora de sua mente, dando uma razão para nunca questionar sua decisão de estar com ele, para compartilhar seu corpo com ele, encheu Raymond. Ele começou a balançar os quadris,


forçando seu companheiro a afundar apenas um pouquinho mais profundo nele. Como ele lançou seu abdômen e afundou no colchão, ele apertou seu reto. Demorou quatro repetições, mas, finalmente, com um grito rouco, Marty pareceu perder-se. Deixando escapar um rugido feroz baixo, ele caiu para os cotovelos e começou batendo os quadris. Marty levou para Raymond novamente e novamente. Ele resmungou acima dele com cada impulso, o som distintamente masculino. Raymond fez o seu melhor para encontrar seu companheiro em cada impulso. O desejo de mergulhar seus caninos no pescoço de seu homem inundou-o. Quando seu amante estremeceu e afundou seu pau em seu canal mais uma vez, sêmen enchendo-o com o calor quente, Raymond perdeu todo o comando sobre o seu corpo. Ele rugiu seu orgasmo, seu pau jorrando jato após jato de sêmen entre seus corpos. Com o lançamento quente de Marty embebendo seu canal, Raymond só conseguia pensar em uma coisa. Um desejo que tinha adormecido por quase dois séculos rugiu forte, tornando-se inegável. Raymond

afundou

seus

caninos

no

ombro

de

seu

companheiro. Sangue derramou sobre sua língua, metálico e delicioso. Ele cantarolava enquanto bebia a essência vivificante de


seu companheiro, dando início ao processo de colagem, sugando de leve na ferida para ganhar mais um gole inebriante. Em algum lugar no periférico de sua mente, Raymond ouviu seu amante, seu companheiro gritar de prazer. Envolvido nos primórdios de uma paz e contentamento que ele nunca soube ser possível, tudo o que podia fazer era sorrir enquanto se agarrava a Marty.


Capítulo 8 Marty apertou os olhos, odiando como o sol parecia sempre conseguir lançar esse fluxo perfeito de luz através das cortinas e direto em seus olhos. Ele nunca deixou de irritá-lo. Debatendo-se, Marty lançou um braço sobre os olhos. Ele sabia que não era uma pessoa da manhã. Nunca foi. Nunca seria. O movimento enviou uma pontada através de seu ombro. Suas sobrancelhas se franziram ainda mais. Hum, ow! Flashes da noite anterior apareceram através de sua memória, lembrando-o dos eventos inesperados. Primeiro seqüestrado. Acordar na escuridão. Em pânico. A doce voz sensual de Raymond. Depois explorar o corpo da gárgula sexy. Com o braço ainda sobre os olhos, Marty sorriu. Meu Deus, que noite. Então, muito prazer. Quando seu pequeno amante lhe tinha mordido, tinha sido um choque. O que tinha sido ainda mais surpreendente foi o orgasmo induzindo-o à bem-aventurança que tinha completamente ofuscado-o. Enquanto Raymond chupou a


ferida, a sensação tinha transferido direto para seu pênis, fazendo-o explodir e encher seu amante mais uma vez. Caramba, eu não posso esperar para fazer isso de novo! Ele arrastou os dedos de sua mão livre sobre os lençóis. Encontrando-os vazios e frios, ele fez uma careta. Preocupação inundou-o quando um acorde de fora reverberou através dele. Quando desmaiou logo após limpá-los, Ray tinha sido enfiado em seus braços. Okay. Então, onde diabos está o meu gárgula? Rolando mais uma vez, Marty colocou as pernas para o lado e varreu seu olhar sobre a área. Ele viu um pedaço de... alguma coisa... mais perto da janela. Ele se levantou da cama e dirigiu-se dessa forma. Caindo de joelhos ao lado da forma de pedra, ele passou a mão sobre ela, tentando descobrir o que diabos ele estava olhando. "Assim como nos mitos, gárgulas se transformam em pedra durante o dia." Marty gelou na voz masculina. Perdendo o equilíbrio, ele caiu duro em sua bunda. Empurrando ao redor, ele fez uma careta quando ele viu o grande homem bronzeado, sentado em uma poltrona do outro lado da sala.


"Que diabos isso quer dizer?" Ele olhou por cima do ombro para a pedra negra que parecia muito com seu amante, enrolado em uma bola e dormindo. Ele correu os dedos sobre o que deveria ter sido a careca de Ray. "Como isso é possível?" "Venha aqui e eu vou explicar," disse o homem, chamando-o. Depois de um olhar mais confuso, e cedendo à tentação de inclinar-se e escovar os lábios sobre o rosto de pedra quente, Marty levantou-se e dirigiu cautelosamente em direção ao desconhecido. Ele viu o moleton na cadeira que o cara apontou para ele, e de repente percebeu que ele estava nu. Lutando uma batalha perdida contra um rubor de vergonha, Marty agarrou o moleton e puxou-o. Uma vez que, pelo menos, metade vestido, ele se instalou na cadeira e olhou para o outro homem com os olhos apertados. Marty observou o companheiro em frente a ele. Obviamente alto, corpulento, com muito músculo, o homem tinha cabelos castanhos claros e pele bronzeada. Ele descansou um tornozelo nu sobre um joelho igualmente nu. Foi quando Marty percebeu o estranho também usava uma tanga. O que havia com esses caras e tangas? Isso significava que este homem era algo diferente do humano, também?


Bem, poderia muito bem perguntar. "Então, você está outra coisa que não humano, também?" Sorrindo amplamente, mostrando dentes brancos, o homem inclinou-se e estendeu a mão. "Sou Sapian. Eu também sou uma gárgula. É um prazer conhecer o companheiro de Raymond." Confusão inundou Marty, mas ele tomou a mão do homem e apertou-a em reflexo. Ele olhou para o seu, uh, amante e depois para Sapian. "Espere, se você é uma gárgula, e estamos na luz do dia, por que não está de pedra, também?" Suas sobrancelhas foram para baixo como outro pensamento o atingiu. "Pensando sobre isso, eu conheci Maelgwn e Einan durante o dia, mas Ray diz que são gárgulas, também? O que diabos está acontecendo? Onde está Ray?" Sapian riu baixo, o que confundiu Marty tanto quanto o irritou. "Que porra é essa?" Ele estalou. Levantando uma mão em pacificação, Sapian continuou sorrindo enquanto ele disse, "Eu não estou surpreso que Raymond não tenha lhe explicado muito. Depois de esperar o contato direto com você por tanto tempo, tenho certeza que nenhum de vocês tinha muito mais em sua mente do que, uh..." Ele limpou a garganta, seu olhar deslizando para o ombro de Marty. "Do que ter alívio."


Isso tinha Marty corando novamente, mas ele forjou novamente de qualquer maneira. "Então... explique?" "Eu e as outras gárgulas que você mencionou estamos ligadas," Sapian afirmou. "O que é isso?" "Na manhã depois que uma gárgula completa o vínculo com seu companheiro, ele passa por uma mudança," explicou Sapian. Ele ergueu a mão e continuou a falar antes que Marty precisasse perguntar. "Diferentemente da maioria dos paranormais, que podem passar como seres humanos, gárgulas não podem até estarem ligados. A muda é bastante dolorosa, mas felizmente o processo é breve. Uma vez concluída, temos a capacidade de assumir a forma humana." Ele abriu os braços. "Como você pode ver aqui." "Então, o que você se parece com a sua, uh, como uma gárgula?" Marty não podia deixar de perguntar. Sapian sorriu. "Tem certeza que está pronto para isso?" Marty fez uma careta. "Por que não?" Dando de ombros, Sapian lhe disse: "Porque você desmaiou quando Vane apareceu em seu lugar."


Revirando os olhos, Marty zombou. "Ele veio no meio da noite e invadiu a minha casa. Eu não estava pronto." Apertando os lábios em uma linha firme, ele afirmou: "Agora eu sou." Sapian assentiu. "É justo. Você precisa se acostumar de qualquer maneira." "Eu faço?" "Claro. Você é o companheiro de Raymond. Você vai morar aqui com a gente, eventualmente," disse Sapian, como se já era um negócio feito. Antes de Marty chegar a uma resposta a isso, Sapian começou a... mudança. Seu corpo bronzeado parecia engrossar, mesmo sua estrutura óssea se alargou. Asas brancas apareceram, espalhando-se atrás dele. Couro meio malhado substituiu a pele bronzeada. Sua mandíbula foi alongada e caninos espiaram por entre os lábios. A boca de Marty caiu aberta e seu coração disparou em seu peito. Suas mãos apertaram os braços da cadeira. Engolindo em seco, ele observou a enorme gárgula descansando na cadeira diante dele. A criatura teve a audácia de piscar. "Sapian, pare de tentar assustar o pobre homem," uma voz feminina chamou da porta.


Incapaz de desviar o olhar da gárgula, Marty não viu quem era até que uma pequena morena ligeiramente acima do peso apareceu em sua visão. Sapian olhou para a mulher e estendeu uma mão branca de garras. "Ah, Missy, querida, eu não estou tentando assustar Marty fora. Ele me pediu para mudar para ele." Revirando os olhos, a morena se inclinou e deu um beijo suave ao canto da boca de Sapian. A gárgula passou o braço em torno de Missy e puxou-a em seu colo. A mulher deu uma risadinha. "Pare com isso. Você vai me fazer derramar o café da manhã." O fato de que Missy carregava uma bandeja carregada com pratos cobertos, canecas de cabeça para baixo, e um par de jarros, finalmente foi registrado para Marty. Sapian deu um beijo no lado do pescoço de Missy. "Eu tenho uma mão sobre ela, querida. Não vou deixá-lo derramar." Sapian olhou para Marty, em seguida, a bandeja. "Por que você não leva o seu café da manhã para a mesa?" sugeriu. "Dessa forma eu posso cumprimentar minha companheira corretamente." "E-Ela é sua companheira?" Marty não podia deixar de sussurrar, mesmo quando começou a se mover. Seu estômago roncou, lembrando-lhe que tinha sido um tempo desde que tinha comido.


"Sim," respondeu Sapian feliz. "Esta é Melissa." Uma vez que Marty pegou a bandeja, ela estendeu a mão. "Todo mundo me chama de Missy." Equilibrando a bandeja, Marty apertou a mão de Missy. "Uh, Marty." "Bem-vindo à família," Missy afirmou, sorrindo. "Obrigado," murmurou Marty. Não certo de que outra forma responder a isso, ele se dirigiu para a pequena mesa redonda situada do outro lado da sala. Ignorando os risos suaves e burburinhos masculinos soando atrás dele, ele tirou a tampa das várias bandejas. Ele descobriu ovos mexidos, batatas fritas de queijo, bacon, salsicha, e torradas. Depois de um rápido farejar, ele descobriu que o pó marrom era canela. Interessante. Puxando um prato vazio em direção a ele, Marty colocou colheradas de ovos em seu prato, cobriu-os com uma quantidade generosa de batatas fritas, então várias salsichas. Ele jogou em cima das camadas uma boa dose de ketchup, em seguida, misturou tudo. Depois de colocar uma garfada do empilhamento em sua boca, Marty cantarolava em apreço. Delicioso. Dentro de instantes, ele limpou o prato e tomou uma pequena quantidade do restante.


Enquanto comia lentamente, Missy e Sapian se juntaram a ele na pequena mesa. Sapian pegou uma fatia de bacon e deu uma mordida. Uma vez que tinha engolido, ele declarou: "Eu sei que você vai ter perguntas, então atire quando estiver pronto. Eu vou te dizer o que você quer saber." Marty assentiu e engoliu o seu próprio pedaço de comida. "Como é que uma gárgula faz um vínculo?" Missy levantou a mão à boca, rindo. Ela olhou para Sapian, depois pegou um pedaço de pão e comeu, provavelmente apenas para ter algo para fazer. Sapian pigarreou e passou a mão agarrada pelo cabelo castanho espesso. "Uh, fodendo, mordendo, e bebendo o sangue," afirmou sem rodeios. "Desculpe, querida," ele acrescentou, olhando para sua companheira. Ela apenas deu de ombros. "É o que é." Sapian inclinou-se e levantou uma mão. Marty congelou, mal conseguindo manter-se de se afastar quando a gárgula tocou seu ombro, logo abaixo da ferida da mordida que Ray tinha deixado. Suspirando, Sapian murmurou, "Raymond deveria ter explicado antes de iniciar o processo." Ele baixou a mão, uma expressão preocupada vincando as sobrancelhas. "O que você está falando?" Cautela inundou Marty.


"Ele já começou o processo," Sapian disse a ele. "Ele mordeu você, alegando você," ele disse, tocando a articulação do ombro em Missy. Ela inclinou a cabeça, mostrando a cicatriz que deveria ter sido a mordida de reivindicação de Sapian. Sapian deu um beijo para a marca, ganhando um sorriso de sua mulher. "Você vai nos dar uns minutos, amor?" Missy sorriu. "É claro." Ela pegou sua xícara de café e se levantou. "Foi um prazer te conhecer, Marty," disse ela. Marty distraidamente respondeu na mesma moeda, em seguida, ela foi embora, deixando-o sozinho com seu companheiro. Sapian se inclinou para frente, apoiando os cotovelos em cima da mesa e apertando as mãos. "Eu posso dizer pelo seu perfume que Raymond não te fodeu. Se tivesse, a primeira metade do vínculo seria completa, mudando o seu perfume." As sobrancelhas de Marty dispararam. "Uh..." "Não diga nada," Sapian interrompeu, erguendo a mão. "Ele precisa derramar seu sêmen dentro de você e mordê-lo, alegando-o por dentro e por fora. Essa é a primeira metade da ligação. Para completar a segunda, você muda." Seu tom manteve-se estável e firme. "Você precisa transar com ele, supondo que você não tenha feito isso."


Mesmo condenado por sua pele clara, Marty apertou sua mandíbula, recusando-se a comentar. Sapian finalmente riu, um sorriso curvando sua boca ampla, mostrando mais de seus caninos. "Sim, isso é o que eu pensava." Tão rapidamente, ele ficou sério. "Você não bebeu o seu sangue?" Os olhos de Marty se arregalaram com esse comentário. Ele rapidamente sacudiu a cabeça. "Não." Segurando sua mão, Sapian acenou com a mão em garra entre eles, parecendo ignorar o crescente desconforto de Marty. "Você vai precisar. Normalmente para um ser humano, uma gárgula iria cortar seu pulso um pouco para que você possa beber um pouco de seu sangue." Ele encolheu os ombros. "É isso. Como eu disse: Sangue, porra, e morder." Marty baixou os olhos, concentrando-se em seu prato quase vazio enquanto processava as palavras de Sapian. Sua bunda apertou com a ideia de permitir Ray transar com ele. Claro, ele tinha amado foder Ray, e o macho parecia gostar, mas ele iria? Então ele percebeu que não deveria esperar Ray para ser o fundo o tempo todo. Será que eles não precisavam ser iguais em uma parceria? Droga, parceria? Como eu poderia pensar na gárgula como meu parceiro já?


"De qualquer forma, uma vez que a ligação é completa, Raymond será capaz de passar pela muda, como eu mencionei. No entanto, haverá algumas mudanças que você vai notar em si mesmo," acrescentou Sapian. Espere, o quê? Ele realmente precisava se concentrar. "O que muda?" Sapian baixou a voz para um tom quase gentil quando ele perguntou: "Raymond mencionou que gárgulas vivem por séculos?" "Sim." "Bem, já que você seria a única pessoa com quem ele poderia estar sexualmente," afirmou, "sua vida se estenderia para coincidir com a dele." Puta merda! Marty ficou em silêncio por alguns minutos, absorvendo essa informação. Uma batida suave na porta chamou-o de seu estado quase chocado. "Venha, bebê," Sapian chamou. Missy voltou para o quarto, segurando uma garrafa de café. Ela sorriu quando se mudou para o lado de seu companheiro. "Eu trouxe um pouco mais de café."


Depois que ela encheu suas canecas, Sapian puxou-a para o seu colo. Pelo o próximo minuto, Marty manteve sua boca fechada e ouviu enquanto o par lentamente explicou as coisas. Como a embreagem trabalhava com Maelgwn como o chefe, uma gárgula chamada Tobias como o segundo no comando, juntamente com vários aplicadores, Sapian sendo um deles e Einan outro. Ele aprendeu que sua própria saúde seria afetada, tendo maior imunidade e raramente ficando doente, então não havia necessidade de preservativos. Como o segredo era importante, desde que os humanos tendem a temer, odiar e perseguir aquilo que não entendem ou que era diferente. Então, Missy apontou para o brinde de canela que ele não tinha tocado, insistindo que comesse. Quando Marty perguntou por que, ela deixou cair outra bomba. Gárgulas poderiam fazer os seus parceiros masculinos grávidos. A mandíbula de Marty caiu aberta em estado de choque. "Que porra é essa?" Sapian riu e deu de ombros. "E nessa nota, eu acho que vou te levar para casa. Você teve bastante informação despejado em você até agora, não é?"


"S-Sim," Marty murmurou. Seu estômago revirou, e agora ele desejava que não tivesse comido tanto. Ele não tinha certeza de que ia ser capaz de manter tudo. "Eu acho que preciso, uh, preciso de um ou dois dias para assimilar tudo isso." Missy alcançou-o através da mesa pequena, encostou a mão em seu braço e apertou suavemente. "É uma responsabilidade muito grande. Sapian vai levá-lo para casa." Ela olhou para onde Ray estava enrolado no canto. "Devo dizer a Raymond que você estará de volta hoje à noite?" Marty seguiu seu olhar. Deus, por que eu quero deitar e enrolar ao redor da gárgula... vê-lo dormir até que ele acorde de novo? Em seguida, começar a porra tudo de novo? Seu pau endureceu um pouco com essa ideia. Mesmo com toda a informação, e sabendo que precisava de tempo para envolver sua mente em torno, Marty percebeu que não seria capaz de ficar longe. "Sim," ele garantiu. "Eu vou estar de volta." Ele podia ver o alívio nos olhos de Sapian. "Ótimo. Raymond vai apreciar esse conhecimento, quando ele acordar do poleiro." "Poleiro?" Deus, tantos novos termos para aprender.


Sapian assentiu. "Poleiro é o que fazemos quando nos voltamos para a pedra. É essencialmente o nosso ciclo de sono," explicou. "Mesmo depois de completar a mudaça ainda temos que dormir várias vezes por semana. Se formos muito tempo, nosso corpo vai forçar a questão, o que pode ser perigoso se vamos acabar virando pedra no lugar errado ou na hora errada." Marty assentiu distraidamente. Que ele podia acreditar. Horas mais tarde, lendo as mudanças que precisava para confirmar para o trabalho, Marty foi interrompido por uma batida na porta. Suspirando, ele largou a caneta e observou a porta dos fundos abrir e seu irmão entrar. Ele sorriu para o homem um pouco menor, mais fino. Marty não tomou qualquer avanço de qualquer maneira, sua mente ocupada demais virando e revirando todas as informações que Sapian e Missy haviam despejado sobre ele. "Ei, cara," Marty cumprimentou. "O que está acontecendo?" Matthew encolheu os ombros. Ele foi até a geladeira de Marty e tirou duas cervejas. Marty levou uma enquanto observava seu irmão cair pesadamente em uma cadeira da sala de jantar. Após estalar a tampa, Matthew tomou um gole.


Levantando uma sobrancelha, Marty deu a seu irmão um olhar questionador. "Matthew?" "Eu vim aqui ontem à noite, cerca de dez horas," Matthew admitiu, surpreendendo-o. "Ah, é? Por quê?" Encolhendo novamente, Matthew admitiu: "Eu queria falar com você sobre esses caras que conhecemos na lanchonete. Fiz algumas escavações e descobri que eles possuem esta propriedade enorme 30 milhas ao norte da cidade." Marty já sabia, desde que ele passou a noite lá. Não que ele poderia dizer a seu irmão. Em vez disso, ele assentiu. "Sim?" Matthew acenou de volta. "Pelo que pude perceber, há umas boas duas dúzias e meia de pessoas lá. Alguns deles trabalham aqui na cidade, mas é por diversão." Com isso, as sobrancelhas de Marty subiram e ele não podia ajudar, mas sorrir. "Eu sinto muito. Diversão?" "Sim." Matthew tomou outro gole. "O imóvel é de propriedade de uma empresa chamada Noite Alas, Inc." Ele arremessou a garrafa agora vazia sobre a mesa. "Você quer saber quem é o presidente da empresa?"


Marty levantou uma sobrancelha e assentiu com a cabeça uma vez. Mateus cruzou os braços sobre o peito. "Maelgwn D'Montron. Isso é quem é." Esfregando o queixo, seu irmão pareceu pensativo. "Eu dirigi até lá ontem e eles têm segurança enorme. Eu me pergunto o que eles estão escondendo lá dentro." "Como diabos você encontrou toda essa merda?" perguntou Marty. Ele sabia por experiência que uma vez que seu irmão ficou curioso sobre algo, ele era como um cão com um osso. Pelo amor de Matthew, ele precisava descobrir como fazê-lo recuar. "E o que é que isso importa, afinal? Você está querendo solicitar um emprego para eles?" Ele brincou. Bufando, Matthew revirou os olhos. "Vamos lá, cara. Você estava pensando em tê-los para um churrasco. Aposto que é onde o seu namorado recluso se esconde." Ele deu um soco no braço de Marty. "Alguém tem que olhar para fora por você." Marty passou a mão sobre o queixo, tentando encontrar algo, qualquer coisa para dizer. Com um suspiro, ele sorriu para Matthew. "Obrigado, cara. Eu também te amo," ele brincou, socando o braço do irmão.


Matthew bufou, seu olhar caindo para o laptop aberto na frente dele. Suas sobrancelhas enrugaram, enquanto olhava para a tela, a alegria desaparecendo de seus olhos. "Ei, o que é isso?" "O que é o quê?" Perguntou Marty, dando a volta por trás de seu irmão. Ele havia deixado a tela aberta em seu e-mail. "Quem mandou isso?" Matthew apontou. Marty fez uma careta para a tela, lendo o título de um e-mail. Fique longe de GRay397. Não reconhecendo o endereço de retorno, Chekov87, Marty murmurou, "Não faço a menor ideia." Clicando-o aberto, ele viu que o corpo da mensagem consistia em uma linha. Raymond é meu. "Bem, maldição." Matthew olhou para ele. "O que diabos está acontecendo, irmão?" "Eu não tenho certeza," Marty sacudiu a cabeça. "Talvez o meu novo interesse tenha um ex. ciumento. Eu vou perguntar na próxima vez que conversar com ele." Marty nunca teve a chance. O vidro da porta de correr foi quebrado. Dor cravou através de seu torso. Ele sentiu-se caindo,


ouviu seu irmão gritar, mas não conseguia forçar-se a responder. Custou cada grama de energia que ele tinha apenas para forçar o ar em seus pulmões sobre a dor correndo por ele. O rosto de Matthew apareceu acima dele. Marty tentou sorrir. Em seguida, um novo pico de dor avançou pelo meio e ele gritou em dor até que a escuridão desceu sobre ele.


Capítulo 9 Raymond desenrolou-se da bola que tinha enrolado em antes de afundar no poleiro. Ele tinha estado tão confortável nos braços de seu companheiro que esperou até o último minuto possível. Não querendo seu novo amante a despertar para um pedaço de pedra, ele escorregou para fora da cama e se enrolou no canto, em seu lugar. Pensando em Marty, uma sensação estranhamente enjoada encheu seu estômago... que só se intensificou quando ele olhou para cima e viu que o quarto estava vazio. Raymond levantou-se e se dirigiu para a porta, tentando não inalar muito profundamente. O quarto ainda cheirava a Marty e sexo, com um pouco de Sapian e Missy juntos. Os aromas foram causando estragos em seu pênis, e uma vez que a experiência provou que andando por aí com um tesão era um tanto desconfortável e embaraçoso, ele preferiu não. Deixando a sala e parando no corredor, Raymond respirou profundamente por alguns segundos. Ele pensou sobre linhas de código até que conseguiu seu pau sob controle. Raymond suspirou e foi em direção ao refeitório, mais do que pronto para algum bife e ovos.


Raymond entrou na grande sala e foi direto para o bufê. Depois de colocar o seu prato de comida, ele olhou ao redor. Quando avistou Sapian, dirigiu-se dessa forma. Colocando o prato sobre a mesa que o casal sentava-se, ele acenou com a cabeça para a outra gárgula. "Obrigado por cuidar de Marty para mim," ele ofereceu. Sapian sorriu. "Não tem problema, Raymond. Ele disse que estaria de volta esta noite." Alívio preencheu Raymond, embora não dissipou muito a sensação estranha no estômago. Ele comeu rapidamente, em seguida, empurrou para o escritório dele, querendo ficar on-line para que ele pudesse ver se Marty deixou uma mensagem dizendo que estaria perto. Assim que ele ligou seus computadores, Raymond apertou o botão do intercomunicador. "Ei, Cooper. Estou aqui." Ele chamou, sabendo que a gárgula que dividia a segurança no turno do dia, seria mais do que feliz em voltar para seu companheiro. "Parece bom. Grite quando você precisar de uma pausa para o almoço," Cooper chamou de volta, em seguida, com uma risadinha, ele acrescentou: "Ou quando o seu companheiro aparecer. Eu e


alguns outros caras vamos rendê-lo para os próximos dias, enquanto você começa a conhecê-lo." Os cumes da testa de Raymond subiram para a oferta inesperada. "Obrigado." "Ei, eu sei como o vínculo-companheiro pode ser uma distração. Falo com você mais tarde." Cooper desconectou e Raymond começou a nevegar em seus emails. Ele excluiu uma meia dúzia antes que viu isso. Franzindo a testa para o título-Você vai ser meu de novo em breve, ele hesitou em abrir a mensagem. Olhando para o endereço de e-mail, Raymond tinha certeza de que tinha visto isso antes... ou, pelo menos, algo parecido. Scotty87? Por que ele sentia como se deveria saber isso? Curioso, Raymond clicou na mensagem. As palavras fizeram seu sangue gelar. ‘Não se preocupe. Eu cuidei de Martin. Agora, você é meu novamente.’ Agarrando o telefone, Raymond chamou telefone de Marty. "Vamos lá, atenda," ele assobiou. Quando a linha clicou, ele deu um suspiro e, sem esperar que o homem respondesse, ele gritou: "Marty, graças aos deuses. Eu tenho essa mensagem e, porra, sei que foi estúpido, mas eu fiquei tão preocupado."


"Você deveria estar preocupado, idiota," rosnou uma voz masculina que ele não reconheceu. "Meu irmão está no hospital por causa de algo que você está metido! Você fique bem longe dele!" "O quê?" Raymond chiou, mas ele não conseguiu uma resposta. A linha foi desligada. Raymond discou o número de Marty novamente, rezando que o estranho-que ele adivinhou deveria ter sido Matthew, a julgar pela referência de irmão-iria pegar e dizer-lhe o que diabos estava acontecendo. Ele foi para a caixa postal. Ele tentou de novo, mas teve o mesmo resultado. "Foda-se!" Ficando de pé, ele deu um passo para longe de seu computador antes do bom senso prevalecer. Ele não poderia simplesmente sair correndo para a noite e para o hospital. Ele nem sequer sabia em qual Marty estava. Caindo para trás na cadeira, ele pegou o telefone e discou novamente para seu chefe. Esperando a gárgula atender, ele colocou o telefone entre o ombro e a orelha e começou a digitar. Ele só conseguiu descobrir que hospital era o mais próximo à residência de Marty quando Maelgwn atendeu. "O que há, Raymond? Marty está aqui? Precisa de uma pausa?" "Meu companheiro está no hospital. Preciso de ajuda." Raymond desabafou.


"O quê? Como você descobriu isso?" Maelgwn estalou. Distraído por tentar invadir os registros do hospital, Raymond tinha acabado de abrir a boca para responder quando seu chefe o interrompeu. "Esqueça isso. Eu estarei lá com alguns outros." Mais uma vez, a sua linha ficou muda. Desta vez, Raymond não se importava. Ele nem se incomodou de devolver o aparelho ao suporte, apenas levantou a cabeça e permitiu que ele caísse... em qualquer lugar. Digitando rapidamente, ele olhou para a tela de seu computador, desejando que ele lhe desse a informação mínima que precisava. "Onde diabos está você, Marty?" Ele sussurrou asperamente. Ele não conseguia encontrar qualquer vestígio de seu homem no primeiro hospital, ou o segundo. Por esse tempo, Maelgwn, Tobias, Sapian e Einan haviam chegado a seu escritório. Ele tentou não deixar que isso o distraísse, levantando um dedo com garra para indicar o seu pedido de silêncio, depois voltou seu foco para o seu teclado e monitores. "Peguei," Raymond assobiou. "Ele está no Lindle Memorial em Juniper Street." Parecia que seu coração gaguejou enquanto lia o prognóstico. "Oh, Deus, ele foi baleado. Ele está em estado crítico."


"Relaxe, Raymond. Você o afirmou. Você começou o processo de colagem," Sapian imediatamente apontou. "Ele pode se curar de um ferimento á bala." Então Maelgwn declarou: "Nós vamos tirá-lo e trazê-lo aqui. Nós podemos ajudá-lo." Tobias se voltou para Einan. "Notifique Perseus que estaremos trazendo um ser humano gravemente ferido, em seguida, encontre alguém para assumir por Raymond." Einan rapidamente saiu enquanto Maelgwn contornou a mesa e agarrou o ombro de Raymond. "O que aconteceu?" Raymond balançou a cabeça lentamente. "Eu não tenho ideia. Vi este e-mail," disse ele, apontando. "Preocupado, liguei para o telefone de Marty, mas seu irmão pegou. Ele..." ele fez uma pausa, sua voz engatando quando frustração, estresse e angústia inundaram-no. "Ele me disse que Marty estava no hospital por causa de mim. Disse-me para ficar longe dele." Maelgwn apertou seu ombro novamente. "Relaxe. Vamos tirálo." seu chefe assegurou. "Isso não é culpa sua. Vamos descobrir quem fez isso." Suspirando, Raymond inclinou a cabeça, expondo seu pescoço, e inclinou-se para o toque de seu chefe. Ele ainda se sentia nervoso e


seu estômago revirou, fazendo-o lamentar o bife e ovos que tinha comido apenas pouco tempo atrás. "Eu sei que você não quer ser deixado para trás, mas confie em seus companheiros gárgulas, Raymond," Maelgwn retumbou. "Nós vamos trazer Marty aqui com segurança, então vamos usar o seu sangue para estabilizar sua condição." "Mas isso vai começar a finalizar o processo de colagem," Raymond murmurou. Ele soube neste momento, que mesmo alegando Marty, ele não iria parar o ser humano de se afastar dele, se fosse o que ele realmente queria. Raymond ainda queria dar-lhe essa chance, mas se ele fez isso, compartilhou seu sangue, que levaria a escolha longe de seu companheiro. Raymond voltou seu olhar preocupado em seu primeiro chefe, então em Sapian. "Você falou com ele. E se ele realmente não me querer?" Sapian riu. "Oh, o jovem humano quer você, Raymond. Não se preocupe com isso." Ele deu um sorriso encorajador para Raymond. "Finalizando o processo de colagem sem confirmação pode não ser a melhor escolha, mas, dadas as circunstâncias, eu acho que o seu companheiro vai entender." "Deuses, eu espero que sim," Raymond sussurrou.


"Vá

para

a

enfermaria,"

Maelgwn

ordenou

enquanto

caminhava em direção à porta. "Eu vou achar alguns caras a encontrá-lo lá." Assim que seu chefe saiu, fazendo sinal para Sapian segui-lo, Tobias se aproximou e passou um braço ao redor de seus ombros. "Vamos, amigo," ele insistiu, mostrando mais ternura do que Raymond jamais poderia lembrar de Tobias ter expressado antes. "Vamos levá-lo para a enfermaria." Raymond assentiu quase distraidamente enquanto permitiu que o segundo em comando de sua embreagem para levá-lo a partir do quarto. Andando na pequena sala da frente do conjunto usado como ala hospitalar, Raymond tentou manter a calma. Em vez disso, tudo o que ele conseguia pensar era o fato de que três gárgulas que Marty provavelmente não sabia quem eram, mesmo assim, marchavam para um hospital para seqüestrá-lo... de novo. Será que o seu companheiro iria lhe perdoar algum dia? De repente, ele viu-se envolto nos braços de várias pessoas. Olhando ao redor, ele notou Missy à sua esquerda, Bobby à sua direita, e pelo cheiro, Cornelius estava atrás dele. Raymond afundou


no abraço de seus amigos, deixando suas amáveis palavras e mãos acariciando-o para acalmá-lo.

O sinal sonoro cortou através da névoa envolvendo a mente de Marty, inundando-o com dor. Puta que pariu, o que aconteceu? De repente, ele sentiu como se estivesse sufocando. Marty lutava para respirar, mas não havia uma obstrução na sua garganta. O bip à esquerda de sua cabeça foi à loucura quando ele tentou levantar as mãos ao rosto. Apenas o braço direito respondeu, enquanto a dor esfaqueou por ele e tentar mover o braço esquerdo provou ser inútil. "Calma, Martin," uma voz feminina disse com firmeza, chamando sua atenção. Ele abriu as pálpebras para ver um homem bonito... de pé sobre ele. "Apenas se concentre em respirar pelo nariz para mim, ok?" As sobrancelhas de Marty dispararam, mas ele se concentrou nas palavras do enfermeiro masculino extremamente feminino.


Obrigou-se a inalar pelo nariz e expirar da mesma maneira. Depois de fazer isso duas vezes, seus pulmões já não queimavam e seu pânico começou a diminuir. "Lá vai você, uva," o enfermeiro cantarolou. O homem de cabelos louro-escuro sorriu encorajador, acenando o tempo todo. "Ótimo. É isso aí. Agora é só relaxar e eu estou indo para remover o tubo na garganta. Apenas relaxe." Olhos castanhos olhavam para ele com carinho. "Você está pronto?" Piscando

uma

vez,

Marty

esperava

transmitir

a

sua

concordância. Não era como se ele pudesse falar com o tubo maldito garganta abaixo. "Tudo

bem."

O

homem

continuou

falando

enquanto

trabalhava. "Eu sou o enfermeiro Leroy Wilde. Você apenas continue respirando para mim, cara durão. Isso vai se sentir um pouco estranho," afirmou, quando ele começou a puxar... alguma coisa... de sua garganta. Estranho era um eufemismo. Marty tentou manter a respiração, ele realmente tentou, mas pelo tempo que o final do tubo foi puxado para fora, seu reflexo de


vômito estava trabalhando horas extras e a vontade de vomitar cancelou quase todas as outras sensações. Mãos finas agarraram o ombro de Marty e um braço enganosamente forte deslizou sob ele, rolando-o para a direita. "Deixe sair," o sussurro suave de Leroy pediu, enquanto deslizava uma bacia na cama, perto da boca de Marty. Então, Marty fez. Ele levantou, esvaziando o ácido do estômago misturado com um pouco extra. Fechando os olhos, ele focou na respiração através de seu nariz de novo e engoliu em seco. "Foda-se," ele resmungou. "Oh, não no primeiro encontro, querido," Leroy ronronou em seu ouvido. "E até que você escove os dentes, não quero beijá-lo. Não importa como você é sexy.” Marty bufou na provocação do homem. Ele virou a cabeça um pouco e murmurou com voz rouca: "Desculpe, gracinha. Eu sou comprometido." Enfermeiro Leroy suspirou dramaticamente quando ele colocou Marty de volta encostado aos travesseiros. "A história da minha

vida.

Todos

os

grandes

homens

sensuais

comprometidos." Ele piscou. "Ela deve ser bastante uma dama."

são


Um sorriso puxou os cantos de seus lábios enquanto ele pensou em sua pessoa especial. "Raymond. Seu nome é Raymond. E, sim," ele murmurou com voz rouca. "Ele é tudo isso." Leroy afetou outro suspiro dramático, com as mãos sobre o coração. "Acalme-se, meu coração. Grande, sexy, gay, e preso.” Suspirando e inclinando-se perto, ele usou uma caneta de luz para inspecionar a visão de Marty, em seguida, ele checou seus outros órgãos vitais. "Se acontecer alguma coisa entre você e o doce Raymond, você vai me procurar, não é?" Leroy acrescentou com uma piscadela. Marty não podia deixar de sorrir para o flerte insaciável. "Eu vou fazer isso," ele murmurou. Fadiga inundou-o quando ele deitouse de volta contra o travesseiro. "Porra, o que aconteceu comigo?" "Você não se lembra?" O enfermeiro inclinou a cabeça. "Seu irmão ainda está à espera de notícias. Coitado, foi alternando entre andar e descansar a cabeça em suas mãos durante as últimas oito horas." "Droga." Marty se sentiu mal, ele não tinha nem pensado de seu irmão, seus pensamentos consumidos com seu sexy amante. Espere, oito horas? "Merda, que horas são?"


Levantando seu relógio, Leroy mostrou-lhe o tempo, mesmo quando ele disse: "Quase duas da manhã. O horário de visitação passou a tempo, por isso, enviei seu irmão para casa," Leroy explicou o mal-entendido. "Não se preocupe. Eu vou chamar o médico aqui para verificá-lo, então você deve tentar obter um pouco mais de horas de sono. Vamos chamá-lo de manhã." Leroy assegurou, esfregando o braço encorajador. "É preciso chamar Raymond." Merda, o que isso diz sobre ele, que queria chamar seu novo amante antes de seu irmão? Ele se sentia mal, a não ser, ele foi baleado. De repente, ele se lembrou disso. Raymond estava em perigo, também? Leroy deu-lhe um olhar preocupado, mas balançou a cabeça lentamente. "Se você me der seu número, eu vou chamá-lo para você." "Não há necessidade de chamá-lo," afirmou uma voz profunda. Os olhos de Marty arregalaram ao ver o enorme afroamericano entrar em seu quarto. "Maelgwn?" A gárgula enorme na pele humana varreu seu olhar sobre Marty. "Porra, Raymond vai sair de sua mente com a preocupação, Marty. Vamos levá-lo para o seu companheiro, hein?"


"Quem são vocês?" Perguntou o enfermeiro Leroy indignado. O pequeno enfermeiro colocou uma mão em seu quadril e apontou a outra em direção à porta. "Vocês três precisam sair daqui." Einan olhou o enfermeiro de cima para baixo. "Pequeno cabeça quente, não é?" Afirmou com um sorriso. Ele olhou para Maelgwn e sorriu. "Podemos levá-lo conosco? Cornelius o amará." O terceiro rapaz, um esbelto e magro ruivo que Marty não reconheceu, bufou. "Einan, ele é um ser humano, não um animal de estimação. Você não pode simplesmente adotá-lo." Com isso, a boca de Leroy se abriu, apenas para se fechar novamente. "É isso. Vou chamar a segurança." O enfermeiro tentou empurrar passando o enorme... gárgula? Humano? Marty não tinha ideia. "Ei, ei, não, doce," Einan chamou, envolvendo os braços ao redor do enfermeiro, antes que ele pudesse sair da porta. Ao mesmo tempo, o estranho fechou a porta do quarto. Quando Leroy tentou gritar-de raiva ou indignação, a cabeça de Marty estava começando a ficar realmente confusa e ele não podia dizer-o grande ruivo pegou o enfermeiro e colocou a mão sobre sua boca, puxando-o para perto.


O homem sorriu para Einan, dizendo: "Não deixe que Cornelius ouça você dizer isso. Ele está grávido e vai chutar o seu traseiro totalmente por cumprimentar um homem não grávido." O cara realmente piscou, então acrescentou: "Confie em mim. Eu sei. Você nunca lidou com hormônios da gravidez até que você tenha visto Stacey com raiva de mim." Einan sorriu. "E, no entanto, Greg, você está lá." Greg bufou e encolheu os ombros. Depois, o ruivo se inclinou e murmurou ao ouvido de Leroy, "Você é o enfermeiro de Marty, certo? Então, você vai nos ajudar a tirá-lo daqui, mantendo-o fora do caminho do mal. Não vai?" Leroy realmente teve a audácia de encará-lo e rosnar baixo em sua garganta. Enquanto Einan ainda parecia estar lutando contra o riso, Maelgwn balançou a cabeça e revirou os olhos. Depois de um segundo, Maelgwn abaixou a cabeça alguns centímetros e franziu a testa para Leroy. "Nós podemos fazer um trabalho melhor do que esta cura em lata do hospital. Você vai nos ajudar." Quando Leroy ainda parecia amotinado, Marty levantou a mão direita apenas um pouco para chamar a atenção de todos. Ele virou os olhos suplicantes em Leroy. "Por favor," ele suspirou. "Por favor,


ajude-os. Eu fui baleado por alguém. Não sei quem. E confio nesses caras. Eles vão me manter a salvo." Mesmo quando ele disse as palavras e observou o elevar de sobrancelhas em surpresa de ambos, Maelgwn e Einan, ele forçou seu corpo a assentir. "P-Por favor." Deus, sua cabeça doía tanto. Sua visão nadou, mas ele ainda poderia ver a carranca de Leroy, ouvi-lo xingar em frustração quando retrucou: "Tudo bem. Marty não pode ser retirado do IV, ainda. Ele precisa de fluidos." Ele mordeu o lábio, olhando um pouco hesitante antes de acrescentar: "Se você quer movê-lo, precisa de uma ambulância." Maelgwn olhou Leroy por alguns segundos, em seguida, puxou um aceno de cabeça em Greg. "Segure uma ambulância. Encontrenos no beco em vinte minutos." Greg balançou a cabeça, em seguida, saiu do quarto. Essa foi a última coisa que Marty se lembrou antes do sono inundá-lo novamente.


Capítulo 10 A audição sensível de Raymond pegou o som de um veículo pesado chegando até a calçada. Seus batimentos cardíacos aceleraram, e algum sexto sentido lhe disse que seu companheiro se aproximava. Freios chiaram. Incapaz de esperar mais um segundo, Raymond pôs-se de pé, afastou-se do abraço reconfortante de seu amigo, e se dirigiu para a porta. Tobias agarrou seu braço, impedindo-o. "Espere, Raymond. Eles estarão aqui em um segundo." Incapaz de se conter, Raymond assobiou para a gárgula maior e tentou se afastar. Apertando sua mão, Tobias rosnou baixo. Raymond acalmou ao som, lutando contra seu desejo, sua necessidade, para ir a seu companheiro. Especialmente diante do desagrado do segundo em comando. "Eu sei que você não está tentando me desafiar," Tobias roncou suavemente. "Basta ter paciência. Maelgwn está trazendo o seu companheiro."


Um arrepio trabalhou por sua espinha ao lembrar-se do motivo pelo qual seu chefe precisou recuperar o seu companheiro de um hospital no meio da noite. "Estou muito preocupado," ele sussurrou. "Eu-eu só preciso vê-lo. Tranquilizar-me." Ele engoliu um soluço, incapaz de continuar a falar sem se quebrar. Mais uma vez, seus amigos se juntaram em torno dele. Desta vez, mesmo Tobias passou um braço em torno dele. A geralmente retraída gárgula ofereceu-lhe apoio. Maelgwn era relaxado e firme em sua crença de que, onde liderou, seu povo viria a seguir. Ele guiou com uma mão tipo ainda firme. Tobias, por outro lado, manteve uma atitude legal e indiferente, e seguia as ordens de seu cacique com precisão rigorosa e rápida. Aqueles que resistiram ou se recusaram, acabaram com uma gárgula muito agressivo em sua face. Um olhar de raiva, os olhos apertados de Tobias, ou ouvir seu grunhido de advertência rapidamente trouxe alguém de joelhos. Raymond aproveitou a oferta incaracterística de conforto de Tobias, e afundou-se no abraço do segundo. Tobias suavemente esfregou suas costas, até mesmo trinando por alguns segundos antes de aliviar o aperto. Afastando-se, Raymond ofereceu a seus amigos um sorriso forçado.


Os sons de portas se abrindo e vozes se aproximando os alcançaram. Endurecendo novamente, Raymond apertou as mãos e girou a olhar as portas duplas. Sua respiração pegou e ele abriu a boca para perfumar o ar melhor onde fluiu através dos sensores extras em sua língua. Meu companheiro está chegando. Quando um sinal sonoro agudo começou no lado oposto da porta, Raymond ouviu uma voz que não reconhecia estalar: "Filho da puta! Onde diabos é o seu hospital neste lugar?" "Por aqui," Maelgwn gritou por cima do barulho. "Depressa, Greg." "Maldição. Vamos, Martin." o estranho confessou. "Fique comigo." Nos sons, o médico de sua embreagem, Perseus, uma gárgula verde-pálido de dois metros de altura, apressou-se através de um arco que ia do outro lado da sala para as portas agora balançando. "Relatório," Perseus gritou, suas mãos negras com garras de ponta, chegando em direção ao seu paciente mesmo quando Sapian segurou as portas se abrindo e Maelgwn e Greg viraram a maca pela sala. Um ser humano esbelto que Raymond não reconheceu,


empurrou ao lado, a inserção de um fluido no êmbolo da IV inserida no braço de Marty. O humano olhou para cima para encontrar o olhar de Perseu, a boca aberta, provavelmente para responder, então seus olhos se arregalaram e ele gritou. Sapian prendeu o homem antes que ele pudesse tombar para trás. Raymond ignorou os gritos do cara e correu para o lado de Marty. Seu companheiro parecia pálido, mesmo cinza. Chamava-se pálido-cinzento, certo? Seus olhos estavam fechados. Bandagens cobriam seu torso... e ele parecia estar lutando para respirar. "Oh, Marty," Raymond cantarolou. "Eu sinto muito." "Controle-se, homem." Perseus rugiu." E me dê um relatório maldito em nosso paciente!" Isso, finalmente, pareceu acordar do medo o que deve ter sido um enfermeiro ou médico do hospital humano, a julgar por suas roupas, e ele começou a jorrar fora uma seqüência de palavras que Raymond não tinha ideia de como decifrar. Então, ele não o fez. Em vez disso, Raymond agiu por instinto-o que lhe disse para auxiliar seu companheiro da única maneira que sabia e cortar aberto


seu pulso. Mesmo quando se mudou junto com a maca, ele pegou uma grande dose de seu sangue e pintou os lábios de seu homem. "Vamos lá, Marty," ele insistiu. "Engula para mim." Raymond pegou mais algumas gotas e, desta vez, deslizou dois dedos revestidos de sangue na boca de Marty. Esfregou as gengivas, então sua língua. Para seu alívio, Marty engoliu em seco. "Sim, aí está você," Raymond sussurrou quando sentiu os tentáculos de seu vínculo de acasalamento fortalecer. "Não me odeie por ter feito isso sem permissão." "Ei! O que você está fazendo?" O homem, cujo nome ele ainda não sabia, o chamou. Ignorando-o, Raymond baixou a boca para o pescoço do Marty e cravou os dentes apenas o suficiente para quebrar a pele. Ele sabia que sua saliva ajudaria. Mesmo se ele não pudesse lamber as feridas reais de seu humano, misturando-o na corrente sangüínea, ele ainda iria trabalhar no processo de cura. Além disso, sendo o seu companheiro, que iria liberar muita endorfina. O corpo de Marty sacudiu um pouco e um gemido escapou de seus lábios. Raymond sugou levemente a ferida, bebendo um bocado de sangue de seu homem enquanto lambia em torno das marcas. Marty


estremeceu e resmungou. O cheiro de sêmen inundou o quarto. O cheiro de sangue inflamou Raymond, e era tudo o que ele podia fazer para não seguir o seu amante no orgasmo. Empurrando sua própria necessidade para o lado, Raymond aliviou os dentes fora do pescoço do humano, então lambeu a marca fechando, enviando-o bem no seu caminho para a cura. Uma mão caiu sobre seu ombro. Raymond virou-se e encontrou Perseus dando-lhe um sorriso de compreensão. "Ok, você fez o que pôde Raymond, agora me deixe fazer o resto, hein?" Embora relutante em colocar qualquer distância entre ele e seu companheiro ferido, Raymond sabia da necessidade. Ele acenou com a cabeça e depois de pressionar um beijo suave para os lábios de Marty, ele recuou. Ele cruzou os braços, abraçando o tronco, e assistiu Perseus abrir a boca de seu companheiro e deslizar um tubo em sua garganta. O enfermeiro, ou médico humano ou o que diabos fosse, estava ajudando-o, embora o homem continuasse a lançar olhares desconfiados entre Perseus e Raymond. Pelo menos, ele continuou a ajudar. Perseus pediria a ele perguntas curtas, e o enfermeiro Leroy-ouviu o seu médico chamá-lo-respondeu, assim como ele obedeceu às instruções do médico gárgula.


Maelgwn colocou uma mão no ombro de Raymond, ganhando a atenção dele. "Mandei Sapian e Tobias para a casa de Marty, para ver se eles podem descobrir onde o atirador estava e onde ele foi. Esperemos que eles sejam capazes de rastrear quem está atrás de seu companheiro." "Deuses, eu espero que sim," Raymond murmurou. Apenas a ideia de que a ligação de Marty com ele o colocou no caminho do perigo, fez mal a seu estômago. "Nesse meio tempo, tente descobrir quem lhe enviou essa mensagem," Maelgwn ordenou. Merda, por que não pensei nisso antes? Mesmo quando a questão surgiu em sua cabeça, Raymond sabia a resposta. Ele tinha estado muito ocupado surtando sobre seu companheiro. "Certo, certo," ele murmurou, balançando a cabeça, distraído quando ideias para descobrir a origem e identificação do remetente estalaram dentro e fora de sua mente. "Raymond." Voltando-se para a chamada de Perseus, o sangue de Raymond gelou na expressão sombria da outra gárgula. "Marty vai ficar bem, certo?"


Perseu passou a mão sobre o rosto verde pálido uma vez, em seguida, declarou: "Eu estou otimista, Raymond, e você deve estar também." Ele olhou de volta para a cama, onde Greg estava falando com Leroy, obviamente, tentando explicar alguma coisa, bem, gárgulas provavelmente. Voltando sua atenção de volta para Raymond, Perseus declarou: "A adição de sangue e saliva, juntamente com a ligação que você já fez, vai ajudar a estabilizá-lo mais rápido, o que significa uma melhor chance de uma recuperação completa." "Recuperação completa? O que significa isso?" Raymond não poderia deixar de perguntar. Suspirando, Perseu colocou as mãos na cintura e disse: "Essencialmente, a bala atravessou suas costas, pegou um pulmão, e se alojou em sua costela, quebrando-a. Seu pulmão entrou em colapso no caminho para o hospital. A cirurgia retirou a bala e reparou o pulmão. Eles inseriram um tubo de respiração até que ele pudesse respirar por conta própria novamente." Ele estreitou os olhos e fez uma careta para Maelgwn. "O tubo tinha acabado de ser removido quando o mandão aqui decidiu invadir e movê-lo." Mesmo quando Maelgwn resmungou baixinho, Perseus balançou a cabeça e continuou: "Ele não deveria ter sido movido por umas boas vinte e quatro horas. Se fosse comigo, eu o teria mantido


sedado por pelo menos esse tempo para dar tempo ao humano para curar. Desde que não aconteceu, na viagem o seu pulmão fraco desabou novamente." "Oh, Deus," Raymond murmurou. Perseus descansou a mão em seu ombro e apertou, oferecendo conforto. "Se ele não tivesse tido a bênção da ligação com você, então ele não teria sido movido, e ele teria finalmente se recuperado, embora a cicatriz teria limitado sua mobilidade um pouco." Ele sorriu tranqüilizador. "Como é, tão logo ele possa respirar sozinho de novo, eu quero dar-lhe mais do seu sangue. Ele vai ajudá-lo a curar mais rapidamente e aumentar suas chances de nenhum dano a longo prazo." "Sim, sim," Raymond rapidamente concordou. "Qualquer coisa para ajudar Marty." Batendo-lhe nas costas, o médico assentiu. "Eu sabia que você iria se sentir assim." "É claro." Ele deu de ombros, mesmo quando cruzou para o lado de Marty. "Ele é meu companheiro.” Alívio encheu-o quando ele pegou na melhoria da cor de seu homem. Ele ergueu a mão e gentilmente traçou a testa o grande humano. Embora Raymond sentisse como Marty poderia não estar


recebendo o melhor negócio com ele, ele sabia que estava recluso, tinha dificuldade para interagir com os outros, e, geralmente, gostava de seus computadores mais do que a maioria das pessoas, Raymond sabia que não iria dar o seu companheiro para qualquer coisa. Ele só queria dizer que trabalharia para ser um homem melhor para seu companheiro. "Ele está dormindo agora. Eu vou mantê-lo dormindo nas próximas horas," Perseus disse a ele. "Se há alguma mudança, eu vou contatá-lo." Raymond reconheceu uma ordem quando ouviu uma. Ele não gostou, mas sabia que tinha outros deveres. Inclinando-se, beijouMarty mais uma vez, em seguida, virou-se e saiu da sala. Parando

fora,

ele

tomou

uma

respiração

profunda,

fortalecendo-se. Seu companheiro estava em boas mãos. Agora, ele precisava descobrir o que diabos estava atrás dele. Retornando ao escritório, ele ligou seu computador e reviu seus e-mails. Ele reabriu o e-mail de seu perseguidor e olhou para ele. Raiva diferente de tudo que já havia sentido varreu-o, fazendo-o quase vibrar. Sem parar para pensar nas consequências, Raymond apertou o botão de resposta e digitou algumas palavras: ‘Você errou, filho da


puta.’ e clicou em enviar. Então, ele começou a rever todos os contatos salvos em cada sala de chat que já tinha visitado. Nada combinava, mas ele notou um padrão, um tema, que não podia ignorar. Abrindo uma gaveta ele tirou uma caixa de metal trancada. Girando, ele abriu outra gaveta, então pressionou suavemente contra uma seção de madeira macia sob o lábio. A parede de trás da gaveta chegou para á frente, revelando um compartimento escondido muito estreito... e uma chave. Raymond usou a chave para abrir a caixa de metal, revelando fileiras de dispositivos flashes drives. Deslizando o dedo sobre eles, ele verificou os rótulos. Quando encontrou a data que queria, ele puxou para fora e empurrou-o em seu laptop. Lentamente, metodicamente, ele digitalizou através de todas as conversas que teve com cada ID de usuário que foi remotamente perto de um tema Jornada nas Estrelas. Três horas mais tarde, sua boca se abriu, mesmo quando a culpa inundou-o. Não podia ser. Ele nunca tinha encontrado o homem. Infelizmente, seu ocasional amigo de foda online era o único da lista. Ele não tinha sequer chegado perto de compartilhamento de informações pessoais com ninguém. Somente com Sulu87 Raymond tinha compartilhado


como ele se sentia, como ele passou a maior parte de seu tempo online porque entendia os computadores melhor do que as pessoas. E só Sulu87 sabia o quanto ele ansiava por um relacionamento real. Desde que Raymond tinha apreciado o anonimato de correspondência on-line, ele não tinha olhado para o que o contato na verdade poderia ser. Agora, ele percebeu que deveria ter. Maelgwn sempre avisava sobre o que poderia acontecer se a pessoa errada descobriu sobre eles. Exceto, se Sulu87 descobriu sobre gárgulas, não faria mais sentido vir atrás dele, em vez de Marty? Balançando a cabeça, Raymond pegou o telefone e ligou para o seu chefe. Maelgwn não se incomodou com uma saudação. "Você tem alguma coisa?" "Talvez, eu..." Ele fez uma pausa e mordeu o lábio. Deuses, admitir isso era assim porra embaraçoso. "Raymond?" "Você vai vir aqui, por favor?" Ele finalmente sussurrou. "Estarei aí." Com um suspiro, Raymond apoiou os cotovelos sobre a mesa e a testa em suas palmas. Ele ouviu a porta abrir, mas não se


incomodou em olhar para cima. Seu sentido do olfato lhe disse que Sapian e Greg acompanhavam seu chefe. "O que você achou?" Perguntou Maelgwn, seu tom de voz suave e relaxante. Esfregando o rosto com a palma da mão, Raymond levantou a cabeça para espiar as gárgulas agora sentadas em frente a ele. "Será que Einan lhe disse que eu tinha ido a alguns encontros cibernéticos anônimos?" Maelgwn balançou a cabeça, um sorriso curvando um canto de sua boca. "Ele mencionou. Disse que era por isso que você foi banido de salas de chat por duas semanas e por que estava de plantão cozinha por uma semana." "Bem, eu tinha ido a diversos encontros," ele levantou as mãos e fez aspas. "Isso passou a ser apenas o tempo que interferiu com o meu trabalho," ele admitiu. "Nós não compartilhamos os nossos nomes reais ou qualquer coisa, mas eu disse a ele o quanto apreciei ficar para conversar com ele, como eu sentia que ele me entendia melhor do que..." Ele fez uma pausa e corou, incapaz de atender a qualquer dos olhares dos homens. Ele deu de ombros. "Bem, embora nós nunca discutimos um encontro real, agora que eu reli nossas conversas, ele começou insinuando-se para isso." Finalmente,


Raymond obrigou-se a encontrar o olhar de seu chefe. "Eu não percebi isso, e eu cheirei Marty no café, assim, eu cortei o contato." Suas bochechas aqueceram. "Ele me mandou uma mensagem alguns dias atrás, e eu lhe disse que estava saindo com alguém e não podia continuar a nossa relação..." Raymond deu de ombros, imaginando que estava perto o suficiente. Culpa o inundou. Se ele tivesse se lembrado de cancelar o login antes disso... ou se ele tivesse encontrado uma maneira com mais tato para terminar. Se somente... "Isso é o suficiente, Raymond," Sapian declarou rispidamente. "Você não sabia que o cara iria persegui-lo. Pare de se culpar." "Como você está certo de que este é o nosso cara?" perguntou Einan. Raymond virou o laptop em volta e apontou para o retrato de um homem de cabelos escuros, magro, com óculos. "Conheçam Simon Lowell. Até um mês atrás, ele morava em San Diego, Califórnia. Adivinha onde ele vive agora?" Sapian

balançou

a

cabeça.

"Durango,

Colorado,"

ele

murmurou. "Bem, parece que temos uma vantagem", comentou Maelgwn.


Raymond levantou um cume, confuso com o sorriso selvagem curvando os lábios de seu cacique. Maelgwn recostou-se na cadeira, as mãos repousando sobre as coxas. Ele sorriu, mostrando seus dentes afiados. "Temos Marty aqui. Se ele pretende dar outro tiro no nosso menino, ele vai ter que vir até nós."


Capítulo 11 Marty amordaçou e tentou arrancar o queixo para cima, qualquer coisa para fugir do fluido metálico que alguém derramou em sua boca. Quando ele sentiu a mão sob sua nuca, ele queria virar a cabeça e cuspi-lo. Infelizmente, a mão segurou-o apertado, não permitindo que ele se movesse. Ele engasgou, cuspindo um pouco sobre seu queixo. Dedos suaves acariciaram seu pescoço, massageando os músculos. "Por favor, Marty. Por favor, engula. Você precisa disso para ficar bem." Reconhecendo a voz de seu amante, Marty tentou obedecer. Sua doce gárgula não iria lhe dar algo errado. Algum instinto arraigado assegurou-lhe isso. Ele lutou contra a resposta do seu corpo a rejeitar o líquido. De alguma forma, ele conseguiu sufocá-la, cuspindo e ofegando quando finalmente conseguiu. "Lá vamos nós," Ray cantarolou. "Esse é o caminho. Vou darlhe um pouco mais." Marty queria protestar, mas abrindo a boca só lhe rendeu outro pequeno bocado de... seja lá o que seu amante estava


alimentando-o. Tinha um gosto suspeito como sangue, mas por que diabos Ray teria lhe dado sangue para beber? Mesmo quando ele engoliu em seco, a memória de várias conversas sobre a ligação flutuava vagamente em sua mente. Suas sobrancelhas se uniram enquanto ele lutava para ter uma ideia sobre onde estava e por que ele se machucou. Então se lembrou de que tinha acordado no hospital, foi atendido por um enfermeiro bonito, em seguida, as gárgulas tinham chegado. Então, onde ele estava agora? "Ray?" Marty chamou. "Eu estou aqui," Ray murmurou. "Abra novamente. Eu tenho algo que terá melhor sabor." Marty sentiu uma colher cutucar seus lábios. Ele abriu, aceitando-a, e um par de pequenos pedaços de gelo deslizou por sua língua. Suspirando de apreciação, ele rolou os pequenos blocos de água congelada em torno de sua língua. Eles derreteram rapidamente, retirando algum do gosto metálico cobrindo sua língua. Erguendo uma pálpebra, Marty olhou com olhos turvos ao redor da sala. Ele piscou e piscou novamente, as coisas trabalhando em foco. Parecia um hospital... mais ou menos. Em vez do branco


estéril padrão, as coisas foram decoradas em tons quentes da terra, verdes e marrons. Até mesmo a pintura na parede mostrava uma floresta no meio do outono, com folhas coloridas, algumas ainda nas árvores e outras cobrindo metade da cobertura vermelha de uma ponte escura. "Onde estou?" Marty murmurou enquanto lutava para virar a cabeça. Dedos meio ásperos seguraram sua bochecha, ajudando-o a virar a cabeça. Mesmo antes de Marty ver o rosto preto de Ray, ele sabia que o toque pertencia a seu amante. "Ei," ele conseguiu dizer, incapaz de parar o sorriso que curvou seus lábios. Ray sorriu e gentilmente esfregou o polegar sobre o lábio inferior de Marty. "Ei aí. Você sabe como preocupar um cara." "Não de propósito," Marty disse asperamente. "Garganta ferida." "Você tinha um tubo de respiração lá até meia hora atrás," explicou Ray. Em seguida, ele fez uma careta. "E não foi a primeira vez, também." Marty assentiu levemente. "Eu me lembro." Ele forçou outro sorriso, mesmo quando sentiu as pálpebras inclinarem, enquanto


uma onda de fadiga rolou sobre ele. Seu olhar varreu a sala enquanto acomodava a cabeça no travesseiro. "Alguém fodido atirou em mim," ele arrastou. Engolindo em seco, ele perguntou: "Quem diabos...?" Evidentemente, Ray não precisava dele para terminar o pensamento. Seu amante se inclinou para frente, então ele estava mais uma vez na linha de visão de Marty, e respondeu: "Eu tenho medo que é em parte culpa minha." As sobrancelhas de Marty se ergueram. Queria perguntar como diabos Ray percebeu isso, mas entre a sua fadiga e garganta seca, ele não conseguia trabalhar a energia para falar. Ray-Deus o abençoe-continuou falando. "Parece que eu não sabia que tinha um ex-namorado ciumento." Balançando a cabeça, Ray traçou um par de dedos sobre a testa de Marty. "Ele tomou uma exceção por eu deixar nossa comunicação online. Eu nem sabia que ele se sentia assim. Tudo o que tínhamos feito era..." Ray corou. "Bem, foi um pouco mais do que falar, mas nunca trocamos nomes." Uma onda de ciúme esfaqueou Marty. Franzindo a testa, ele encontrou sua voz: "Você é meu." Ele ainda conseguiu mover a mão o suficiente para agarrar o pulso de seu amante que descansava na cama ao lado de seu quadril.


A mão em seu rosto suavemente massageou sua testa. "Sim, eu sou. Todo seu” Ray assegurou. O aperto de Marty soltou e suas pálpebras escorregaram meio fechadas. "Sim," ele sussurrou. Deus, eu estou cansado. "O que há de errado comigo? Quanto tempo eu tenho estado na cama?" "Estou feliz que você esteja coerente o suficiente para perguntar," disse uma voz profunda, o som cada vez mais perto a cada palavra falada. Marty apenas reprimiu um suspiro como o orador veio à tona. Se as orelhas pontudas, caninos protuberantes e cumes grossos da testa não dissessem que o homem era uma gárgula, a pele manchada verde pálida teria feito isso. Então, seriam as garras pretas saindo dos dedos verdes. "Apenas relaxe," a gárgula cantarolou. "Meu nome é Perseu. Eu sou o médico da embreagem. Leroy me preencheu com os seus ferimentos." Leroy? Ah, certo. "O enfermeiro. Ele está bem? Espero que ele não entre em apuros por me deixar sair do hospital," ele murmurou distraidamente. Sua mente começou a ir à deriva. Perseus riu levemente. "Nós vamos ter certeza de que Leroy é bem cuidado," assegurou. "Quanto a você, o tiro foi mau. Você


acabou na cirurgia para reparar o pulmão e uma costela quebrada. Vai demorar um pouco, mas com a ajuda do sangue de Raymond, você vai ter uma recuperação completa, no tempo." "S-Sangue?" Ok, que puxou Marty fora de seu estupor. Suas sobrancelhas subiram e ele fixou o olhar em seu amante. "V-Você me alimentou de sangue?" O sorriso de Ray pareceu tenso... e talvez um pouco triste e preocupado. Certamente não alcançou seus olhos. "Eu sinto muito. Sei que nós não falamos sobre a ligação, mas era necessário para ajudá-lo a se curar. Eu sei que fiz isso sem permissão. Espero que, com o tempo, você vai ser capaz de me perdoar por isso." Ele começou a chegar em direção ao rosto de Marty novamente, então pareceu pensar melhor sobre isso, permitindo que seus dedos apertassem em um punho que ele descansou ao lado da cama. "Eu vou fazer valer a pena," disse ele, quase implorando. "Faço qualquer coisa para te fazer feliz." Marty piscou, tentando envolver sua mente em torno do que acabou de aprender. Ele sabia que tinha sido mordido, que Ray tomou seu sangue, e agora, parecia que ele bebeu o sangue de seu amante também. Essencialmente, Ray os tinha ligado sem o consentimento do Marty. Do jeito nervoso que os olhos de Ray correram dele, então ao redor da sala, a Perseu, e de costas para ele,


Marty sabia que seu amante estava preocupado que ele ficaria chateado. Exceto que, Marty não estava chateado. Ele não estava chateado em tudo. Ele estava lisonjeado, animado, e a ideia de foder sua gárgula doce durante séculos o excitava. Havia tantas coisas que queria tentar, de fazer, de compartilhar com sua bonito amante gárgula. Se não estivesse com muita dor, ele só sabia que seu pênis seria levantando o lençol embaraçosamente. "Desculpe-me." As palavras guinchadas de Ray fez o cérebro de Marty iniciar novamente. Apertando os dentes contra a dor, mais uma vez ele agarrou seu amante, desta vez a mão de Ray em vez de seu pulso. O suor escorria na sua testa enquanto ele enfiou os dedos juntos. "Pare," ele murmurou. "Não se desculpe." Ele apertou a mão de Ray, na esperança de mantê-lo quieto enquanto reunia seus pensamentos. Os cumes da testa de Ray puxaram um pouco para baixo, mas ele esperou pacientemente. "Teria..." Marty fez uma pausa e pigarreou. "Teria dito sim. Quero estar com você."


O sorriso de Ray dividiu seu rosto, irradiando seu alívio e prazer. Inclinando-se para baixo, Ray pousou os lábios sobre Marty, escovar de lado a lado em uma suave carícia. Marty suspirou sua satisfação com a sensação, passando rapidamente a língua para fora para deslizar sobre a costura da boca de Ray. Mesmo que ele sabia que era o melhor, Marty ainda se sentia decepcionado quando seu amante se afastou. "Eu tenho que ir," disse-lhe em voz baixa. "É tempo para o meu poleiro." Suspirando, Marty sentiu uma pontada de decepção. "O que precisamos fazer para levá-lo a passar pela mudança?" Ele sabia o que tinha sido dito, mas seu cérebro nebuloso só não se lembrava. Os olhos de Ray arregalaram um pouco, ele obviamente ficou surpreso com a pergunta. Pelo menos, ele foi rápido para responder. "Nós temos que completar o processo de colagem," afirmou. "Nós já compartilhamos sangue, portanto, tudo o que resta é derramar meu sêmen em você. Eu, uh..., eu teria que estar em cima de você." "Topo," Marty murmurou. "Certo." Sim, isso tinha sido mencionado. Marty tinha que permitir Ray para concluir sua afirmação desde que ele, evidentemente, já afirmou a gárgula. Ele podia sentir sua mente desligar, a atração do


sono desenhando sobre ele. Porque por todos os seus dias, Marty colocaria a culpa de suas próximas palavras sobre os medicamentos que circulavam através de seu sistema. Fixando o seu olhar sobre Perseu, ele sorriu e perguntou: "Bem, doutor? Quando vou ser bem o suficiente para o sexo?" Enquanto Perseus soltou uma gargalhada, mostrando a abundância de dentes que provavelmente deveria ter assustado Marty, pelo canto do olho, ele viu a boca de seu amante aberta. Perseus acariciou seu braço levemente. "Descanse um pouco mais, Casanova. Vai ser no mínimo algumas semanas. Você tem tempo de sobra para trabalhar até lá, hein?" acrescentou com uma piscadela. Sem esperar por uma resposta, Perseus desviou o olhar para Ray. "Vamos sair daqui, Raymond. Ele está em boas mãos com Stacey. Além disso, tenho certeza que Leroy será em torno, também." Mais uma vez, ele se virou para Marty. "Stacey trabalha como médico da embreagem durante o dia. Ela está acoplada a Greg, a gárgula que ajudou a trazer você aqui." A recordação do evento era vaga, mas Marty balançou a cabeça de qualquer maneira. Sabendo que não seria capaz de ficar acordado por muito tempo, ele olhou para seu amante novamente. "Beije-me, mais uma vez," ele exigiu. "Estou prestes a desmaiar."


Ray sorriu e obedeceu, abaixando-se e selando seus lábios. Quase antes que o beijo terminasse, Marty deslizou de volta para dormir. Talvez tenha sido a ausência do sinal sonoro constante, tantas vezes ouvido em um hospital que, finalmente, puxou-o do sono. Mais provavelmente, era o som de várias pessoas falando baixinho que o despertou. Marty manteve sua respiração estável enquanto a nebulosidade diminuiu de sua mente. Surpresa inundou-o quando ele reconheceu duas das vozes. Forçando os olhos a se abrirem, Marty viu Matthew e Logan. A mulher que falava calmamente com eles provavelmente era Stacey. "Eu sei que é pouco ortodoxo," Stacey estava dizendo sinceramente, "mas realmente foi a melhor opção." "Ele deveria estar sob proteção policial," Matthew insistiu. Logan bufou, cruzando os braços musculosos pesadamente sobre o peito. "Você realmente acha que a porra da polícia pode lhe dar mais proteção do que a merda que vimos configurada lá fora?" Resmungando, Logan balançou a cabeça. "Não é um acaso de maldição." Na medida de tamanho, Logan era tão grande quanto Marty, exceto que seu amigo gostava de um monte de musculação e isso se


mostrava na maneira como seus bíceps protuberantes esticavam a camiseta. Sua academia em casa era o calmante favorito de Logan. Foi uma opção muito melhor do que a estrada para baixo que ele tinha sido dirigindo em um ponto em sua vida. Quando o pai de Logan se afastou dele e de sua mãe com a idade de dezessete anos, o adolescente passou os próximos dois anos atuando fora. Um período de seis meses na prisão do condado, junto com lotes de amor de Marty, Matthew, e ambos as suas mães, e ele tinha se recuperado. Marty não podia deixar de sorrir, pensando que talvez realmente tenha sido as ameaças dele e de seu irmão para bater algum sentido para Logan e, em seguida, levar a cabo as ameaças em mais de uma ocasião, que realmente colocou-o de volta no caminho reto e estreito, claro que eles nunca compartilharam esses pequenos incidentes com seus pais. "Ei," Marty chamou bruscamente, com a voz ainda um pouco rouca dos tubos que tinha sido forçado goela abaixo. "Eu pedi para estar aqui." Matthew girou, já que suas costas tinham sido voltadas para Marty. Suas sobrancelhas foram elaboradas em choque. Logan sorriu e levantou uma sobrancelha. "Bem-vindo de volta ao mundo dos vivos, Marty," Logan retumbou.


Antes ainda que o cérebro sonolento de Marty pudesse chegar a um nível aceitável, Matthew caminhou em direção a ele e retrucou: "Por que diabos você veio aqui em vez de ficar no hospital?" Parando ao lado da cama, ele aproximou-se. "É por causa desses caras que você foi ferido!" "É por causa de um idiota com uma arma que eu acabei ferido," Marty rosnou. De jeito nenhum ele iria permitir que alguém falasse mal de Ray, nem mesmo seu irmão. Stacey nivelou um olhar fresco em Matthew enquanto se aproximou de Marty do outro lado. "Eu não vou deixar você perturbar o meu paciente," afirmou com calma e dignidade. "Se você não pode se manter de uma maneira civilizada, então vou precisar pedir a você para sair." Os olhos de Matthew se estreitaram, e Marty apenas sabia que seu irmão estava se preparando para dizer outra coisa... incivilizada. "Matthew," Marty levantou a mão boa e enredou os dedos na camisa de flanela aberta de seu irmão. "Por favor, meu irmão." Seu irmão olhou para ele, suas sobrancelhas franzida em preocupação. "Deixe isso pra lá." Uma expressão de dor cruzou o rosto de Matthew, mas a maneira como ele abaixou a cabeça, disse a Marty que seu irmão


escutou-o. "Você é a única família que eu tenho, M." A dor encheu os olhos castanhos de Matthew, transformando-os quase em marrom. Ele gentilmente desembaraçou os dedos de Marty de sua camisa e entrelaçou-os com os seus próprios. "Você tem alguma ideia de como foi ver o seu sangue fluindo de seu corpo e saber que eu não tinha nenhuma maneira de ajudar?" "Ah, mas você ajudou," Marty assegurou. "Você ligou para a ambulância, não é?" Engolindo em seco, Matthew deu um aceno de cabeça. O brilho dos olhos de seu irmão disse a Marty mais do que a forma como os seus lábios franziram nos cantos, que seu irmão estava preso naqueles poucos momentos. Marty apertou a mão dele. "Você me salvou, irmãozinho. Eu nunca poderei agradecer o suficiente." Um soluço duro soou de Matthew, e ele abaixou a cabeça para descansar a testa em suas mãos unidas, escondendo seu rosto. "Você não tem permissão para me deixar em paz, Marty," ele suspirou. Marty sorriu. Pensando em seu amante gárgula, de como sua vida iria agora ser estendida, de sua maior capacidade de cura e não mais ter que se preocupar sobre ficar doente, ele sabia que era uma promessa que poderia certamente fazer ao seu irmão. Outro presente de Ray, ele percebeu.


Claro, isso queria dizer que ele iria sobreviver a seu irmão por séculos, mas ele se debruçaria sobre isso mais tarde. "Matt," Marty murmurou, apertando a mão de seu irmão mais duro. Quando seu irmão finalmente levantou a cabeça para encontrar seu olhar, Marty não fez comentários sobre as faixas brilhantes que marcavam onde as lágrimas caíram. Em vez disso, ele sussurrou, "Você não vai me perder. Posso assegurar isso." Ele apertou novamente e sorriu. "Confie em mim." Matthew respirou duro, depois assentiu uma vez. "Sim." Ele balançou a cabeça novamente e conseguiu dar um sorriso. "Sim." Logan se aproximou e lhe deu um tapinha de leve na perna coberta de lençóis. "Bem, tudo bem, Marty. Agradáveis escavações," ele brincou com uma piscadela. "Você vai nos dizer sobre este seu novo e rico namorado?" Marty sorriu largamente para isso, apreciando a capacidade de Logan para interpor leviandade à situação. "Sim." Pelas próximas horas, ele disse a seu irmão e melhor amigo sobre Ray... bem, tudo, exceto que Ray era uma gárgula. Por fim, a fadiga o levou de volta para baixo e Marty adormeceu novamente. "Nós o pegamos! Nós o pegamos!"


O grito animado de Ray despertou Marty de um sono profundo. Suas pálpebras se abriram e ele esticou o pescoço para ver seu amante sorridente correndo em sua direção. Marty sorriu e abriu a boca para perguntar sobre isso, só que, em seguida, seu irmão gritou, Logan suspirou, e Ray congelou, sua mandíbula aberta e os olhos arregalados.


Capítulo 12 Oh, merda! Oh, merda! Oh, merda! O refrão ecoou continuamente pela mente de Raymond quando ele tropeçou um passo para trás e varreu um olhar de pânico nos seres humanos estranhos no quarto de seu companheiro. Quem eram essas pessoas? "Ray, bebê. Acalme-se e venha aqui," o sussurro suave de Marty rompeu o pânico de Raymond. "Concentre-se em mim, querido." Raymond virou lentamente a cabeça e, finalmente arrancou o olhar dos humanos assustados e olhou para seu companheiro. Marty tinha de alguma forma se apoiado sobre um cotovelo e mexeu os dedos para Raymond. "Por favor, bebê. Por favor, venha aqui." Nunca capaz de resistir a seu companheiro, Raymond moveuse rapidamente para frente. Ele se encolheu ante os olhares chocados e descrentes dos estranhos na sala. Finalmente, ele chegou ao lado de Marty e agarrou seus dedos em uma das mãos. Sua outra


mão ele descansou no ombro do homem e apertou um pouco, querendo fazê-lo voltar a deitar-se, não o machucando. Felizmente, Marty suspirou e de bom grado deixou Raymond deitá-lo de volta para o colchão. "Ei, bebê," Marty silenciosamente cumprimentou, as suas pálpebras deslizando fechadas por alguns segundos. Então, elas abriram novamente e seu companheiro sorriu para ele. "Ei você aí, sexy. O que você estava gritando?" Lembrando porque ele veio correndo até a ala hospitalar e no quarto de seu companheiro, Raymond, mais uma vez sorriu. "Nós o pegamos. Simon. O cara que atirou em você. Ele tentou entrar logo depois do pôr do sol e Vane o pegou." Lembrando a cena no monitor de segurança, Raymond estremeceu. Droga, ele esperava que nunca tivesse que ver a gárgula enorme pressionando o pescoço de outro ser humano. A memória da expressão completamente em branco no rosto da gárgula, como se tirar a vida do homem significava absolutamente nada para ele, causou arrepios na espinha de Raymond. Deuses, eu espero nunca ver nada como isso de novo. Lembrando a pergunta de seu humano, Raymond sorriu. "Você está seguro, bonito. Vane parou Simon." Ele sentiu suas bochechas


corarem quando se lembrou da imagem mental de novo. "Você está seguro," acrescentou sem convicção. Alívio brilhou de seus olhos azuis expressivos quando Marty sorriu calorosamente para ele. "Fico feliz em ouvir isso." Marty piscou. "Agora eu só tenho que falar em você me fodendo através do colchão em breve." Sua voz baixou um pouco, transformando-se em gutural. "Estou certo de que podemos chegar a alguma forma que não iria colocar pressão sobre as minhas feridas." Raymond conteve um gemido. Ele passou a olhar por cima do amante, se lembrando do que seus ferimentos eram. Mesmo antes que seu cérebro poderia começar a trabalhar, ele começou assentindo. "O que diabos está acontecendo?" As palavras não eram altas. Na verdade, a voz profunda não fez muito mais do que assobiá-las. Ainda assim, elas cortaram a sala silenciosa como uma faca na manteiga. Raymond não pôde deixar de estremecer. Isto é, até que Marty colocou seu braço direito em torno de sua cintura e gentilmente traçou para cima e para baixo sua coluna vertebral. Ao fazer isso, seu doce humano olhou para os humanos claramente chocados e sorriu. Inferno, eles devem ter sido completamente atordoado para


permanecer em silêncio por tanto tempo. "Matthew, Logan, eu gostaria de apresentá-lo o meu amante e parceiro, Raymond." O coração de Raymond bateu na introdução como parceiro? Puta merda! Mas Marty não tinha terminado. "Ray, amor, o grande e sexy companheiro com cicatrizes é Logan. Se você precisar de ajuda em uma briga de bar, ele é o seu homem. O companheiro menor é meu irmão Mattew." Embora Raymond, realmente, não gostasse de ouvir o seu companheiro chamando outro homem de sexy, ele sabia que Marty não quis dizer nada com isso. Sabendo o que se esperava dele, Raymond forçou um pequeno sorriso e murmurou: "É bom conhecêlos." "Espere um minuto." Matthew murmurou. Sua boca se abriu um pouco e uma língua rosa varreu o lábio inferior. "Você é Raymond Patterson?" Ele bufou, mesmo quando balançou a cabeça lentamente. "Toda a segurança faz sentido agora. Maldito homem e seus preconceitos." O choque de Raymond não poderia ser mais profundo. "O-o que?" "Eu estou meio que imaginando a mesma coisa, na verdade." Logan retumbou, embora seu olhar inescrutável não dissesse nada.


Logan deslizou o olhar de Raymond para Marty. "Você vai me explicar?" "Não, ele não vai." afirmou Perseus, passeando na sala. O médico gárgula sorriu para os dois homens, ambos olhando em choque atordoado para ele. Dois metros, com uma ampla estrutura muscular, ele não era muito maior do que Logan ou Marty. Na verdade, ele foi realmente um pouco mais magro do que o musculoso e tatuado Logan. Ainda assim, com sua coloração verde e cauda, Perseus foi facilmente perceptível como não humano. "Eu quero um momento com o meu paciente." afirmou Perseus. Ele piscou para eles, então apontou para Maelgwn e Sapian, que haviam seguido o médico na sala. Ambos os homens estavam em forma humana. "Esses cavalheiros vão explicar tudo o que vocês precisam saber." Então, seu sorriso ampliou e ele varreu seu olhar para cima e para baixo em Logan, em óbvia apreciação. "Embora, se você tiver quaisquer perguntas de acompanhamento, fique à vontade para voltar e perguntar." Oh! Houve alguma medida de atração lá? De olhar para Logan, Raymond não poderia dizer se era mútuo. O ser humano não deu nenhuma emoção. "Vá em frente e vá com eles, Matt." Marty pediu.


Foi quando Raymond percebeu que o irmão de Marty olhou para seu amante para orientação. Matthew suspirou e balançou a cabeça. "Você vai ficar bem?" Perguntou ele, apertando a perna de seu irmão através do lençol. Marty assentiu. "Sim. Tudo vai ficar bem. Dê-me algumas semanas e eu vou estar de volta para chutar o seu traseiro, irmãozinho." Bufando, Matthew sorriu e balançou a cabeça. Virou-se para Raymond e estendeu a mão. "Cuide bem do meu irmão. Eu vou passar por aqui mais tarde." Seu sorriso se alargou. "Tenho que ter certeza de que você é bom o suficiente para ele, afinal. Prerrogativa de irmão e tudo isso." Depois de um segundo de hesitação, Raymond pegou a mão de Matthew. Enquanto eles apertavam as mãos, ele não podia deixar de olhar furtivamente para Marty. Seu amante sorriu, parecendo tão feliz como alguém que tinha estado perto de portas da morte no dia anterior poderia ser. Agora, sua cor parecia melhor e quando Perseus acabou de verifica-lo, o médico gárgula sorriu, acenou com a cabeça, e olhou satisfeito com tudo o que estava vendo.


"Desculpe, eu gritei ao telefone, homem,” disse Matthew. Ele soltou a mão de Raymond e esfregou a parte de trás do seu pescoço. "Eu estava, uh... fui um pouco..." "Não se preocupe com isso," Raymond apressadamente assegurou. "Eu provavelmente teria feito o mesmo em seu lugar." "Muito bem, senhores," Sapian chamou, ganhando a atenção. "Tenho certeza que vocês tem várias perguntas. Venham comigo. Vamos tomar um café, e eu vou explicar o que diabos está realmente acontecendo no nosso mundo." Logan bateu o quadril de Matthew, em seguida, passou um braço forte ao redor dos ombros do humano menor. "Vamos lá, menino Matty. Eu tenho uma sensação engraçada de que isso vai ser muito, muito interessante." Matthew foi junto prontamente. Uma vez que tinham saído com Maelgwn e Sapian, Perseu chamou a atenção de Raymond, dizendo: "Tudo bem, rapazes. Eu sei que a força para completar a sua ligação está, provavelmente, deixando vocês loucos, mas realmente seria melhor se vocês esperassem alguns dias." Raymond fez uma careta, feliz por sua pele negra não mostrar cor, mesmo que ele pudesse sentir o calor em seu rosto. No entanto,


ele não poderia fazer nada com todo um inferno de um lote sobre o cheiro que ele sabia que seu corpo exalava. Toda vez que chegou perto de seu companheiro-inferno, a qualquer momento que ele mesmo pensou sobre seu companheiro-seu corpo cresceu duro e pronto, ansioso para acasalar. "Esta cama é grande o suficiente para nós dois," Marty apontou. "Posso pelo menos sentir seus braços em volta de mim?" Seus cumes da testa dispararam na admissão do seu humano. Marty sorriu, "O quê? Você não acha que eu vou admitir o que eu quero?" Sem sequer esperar Perseus concordar, Marty começou a se mexer sobre a cama. "Venha aqui," insistiu ele, ainda em movimento. "Quero sentir o seu calor ao meu lado." Raymond descansou as mãos na cama. Seu corpo vibrava com a necessidade, querendo estar perto de seu amante. Perseu ergueu as mãos e balançou a cabeça. "Basta ter cuidado," ele murmurou. "Rasgando os pontos dentro de seu estômago seria... sua vida em risco," ele rosnou quando saiu da sala. Isso fez Raymond dar uma pausa. Ele olhou para seu amante, realmente olhou para ele, e seu coração se apertando em seu peito. Marty ainda tinha uma IV ligada ao seu braço esquerdo. Sua pele parecia pálida, especialmente, porque, normalmente, Marty usava


um bom bronzeado, e suas bochechas estavam vermelhas por causa do esforço de mover-se de lado na cama. "Talvez você devesse descansar um pouco." Raymond sugeriu suavemente. Quando Marty parecia que ia protestar, ele pegou a mão de seu amado na sua. "Eu não quero te machucar, Marty. Se eu fizesse isso, mesmo por acidente, me mataria." As pálpebras de Marty se fecharam enquanto ele dava um suspiro. "Eu realmente só quero que você me abrace, querido," disse ele. "Claro, eu adoraria ter você transando comigo através do colchão. Eu adoraria sentir você se movendo dentro de mim, derramar seu sêmen, marcando-me por dentro e por fora, mas ao mesmo tempo tem o espírito voluntário, a carne..." Ele sorriu assim como fadiga encheu seus olhos. "Deixe-me dormir em seus braços por algumas horas, querido." Raymond não ia fazer seu amante pedir uma terceira vez. Ele conseguiria segurar seu homem e manter o controle de si mesmo. Com esse plano em mente, ele deitou-se na cama, fazendo o seu melhor para evitar empurrar muito. Finalmente, acomodou-se a seu lado e aninhou-se ao seu humano. Com o braço esquerdo sob a cabeça como um travesseiro, a sua frente pressionada para o lado bom de Marty, Raymond respirou o perfume de seu companheiro. Ele soltou um suspiro.


"Você estava certo," ele sussurrou. "Isto era apenas o que eu precisava, também." Marty virou a cabeça e se inclinou para frente, mordendo o lábio inferior de Raymond. "Eu tenho algo mais que você precisa, querido." "O quê?" De acordo com o lençol, a mão de Marty se moveu. O laço da tanga de Raymond foi solto. Antes que ele pudesse protestar, uma grande mão calejada estava em volta de seu pau dolorido e apertou uma vez, duas vezes. Raymond engasgou. "Maldição," ele rosnou. "Você disse que tinha acabado de ficar quieto aqui," ele acusou, assim como balançou os quadris um pouco, indefeso contra o ataque de prazer se espalhando do seu pênis para suas bolas, fazendo com que toda a sua área de virilha saísse em arrepios. "Eu só estou aqui deitado, bebê sexy," Marty retumbou, desta vez seu sorriso iluminou seus olhos azuis. "E você vai estar aí e ter o prazer que eu te dou. Basta relaxar e desfrutar." Sem saber como ele poderia fazer qualquer outra coisa, Raymond obedeceu. Os cursos de Marty eram lentos e firmes, desenhando seu prazer sempre tão lentamente a uma fervura.


Apertando a testa para o braço de seu companheiro, ele plantou sua perna superior sobre o colchão, abrindo-se mais amplo para seu amante. Marty retumbou seu prazer e pegou velocidade. Ele começou a mover o pulso e sacudir a glande de Raymond cada vez que ele chegou ao topo de sua haste. Gemendo, Marty ofegava entre os dentes enquanto faíscas disparavam através dele. Um formigamento se instalou na base de sua espinha. Suas bolas se apertaram ao seu corpo. "Oh, oh, Deus." ele murmurou. "Olhe para mim." Marty ordenou, bruscamente, dando sua própria necessidade. As pálpebras de Raymond se abriram. Ele viu o carinho, a luxúria, e talvez até mesmo o começo de amor, ardendo nos olhos azuis de seu humano bonito. "Você vai gozar para mim, gárgula doce?" Não podendo fazer a sua língua para trabalhar, Raymond apenas segurou seu olhar e assentiu. "Faça

isso."

Marty

pediu,

pontuando

mergulhando o polegar na fenda de Raymond.

suas

palavras,


Gemendo,

Raymond

fez

exatamente

isso.

Suas

bolas

contraíram. Seu pênis inchou. Sêmen jorrou do seu pau, encharcando o lençol e a mão de seu amante com um córrego de esperma. Seu corpo tremia enquanto flutuava em ondas de felicidade. Seu companheiro continuou a masturbá-lo, retardando seus movimentos, prolongando seu orgasmo. "Hmm, eu amo os sons que você faz." Marty murmurou. Raymond cantarolava, finalmente, tornando-se consciente dos gemidos e gemidos escapando dele. Ele ia ficar sem graça, com exceção que a julgar pelo sorriso de seu amante-Marty disse a verdade. Ele adorava ouvi-lo. Raymond sorriu, fazendo um ponto de nunca se esconder novamente. Enquanto sua neblina pós-orgasmo diminuía, Raymond também percebeu a excitação de seu companheiro levantando o lençol. Contorcendo-se na cama, Raymond tomou o lençol com ele, até que estava inclinado sobre o pau saliente de Marty. Ele lambeu os lábios, em seguida, lavou a cabeça roxa, escura e brilhante com sua longa língua. O sabor almiscarado de seu companheiro estourou através de suas papilas gustativas. O pau de Marty empurrou diante de seus olhos, fazendo-o sorrir.


Raymond deu a ele um sorriso lascivo. "Agora, agora, Marty," ele fingiu ralhar. "Apenas deite-se e relaxe." Ouvindo o rosnado de seu amante, Raymond sugou seu pau . Ele envolveu sua longa língua ao redor da base, então arrastou até o pênis, sugando fortemente. Ele fez cócegas nas dobras enrugadas sensíveis sob a cabeça, em seguida, massageou sua glande com a língua. Perscrutando-se em seu amante, Raymond viu a expressão de prazer-sofrimento no rosto do homem, a forma como ele se esforçou para manter sua respiração, e como ele apertou os lençóis com a mão boa. Não querendo tirá-lo por muito tempo por medo de machucar seu companheiro, Raymond engoliu o pênis de seu humano à raiz e apresentou a cabeça ampla em sua garganta. Ele engoliu em seco uma vez, duas vezes. O engate na respiração de Marty, seguido pelo gemido ofegante de seu amante era o aviso que ele tinha. O sêmen de Marty explodiu na garganta de Raymond, enchendo sua boca. Ele se afastou apenas um pouco, permitindo que o próximo jato do homem batesse sua língua. Sabor estourou através de suas papilas gustativas, levemente salgado e picante. Ele engoliu


em seco novamente e mais uma vez, não querendo permitir que até mesmo um pouco do sêmen de seu companheiro escapasse. Quando o pênis de seu humano começou a amolecer, e Marty mudou seus quadris inquieto, dizendo de seu desconforto, Raymond permitiu a carne muito sensível de seu homem para escapar de sua boca. Rastejando de volta até a cabeceira da cama, ele mais uma vez retomou a sua posição anterior. Apesar de que, desta vez, ele não conseguia parar o sorriso do gato que comeu o canário de dividir seus lábios. "Ah, Ray." Marty murmurou, satisfeito e sorridente. "Vou dormir como um bebê, agora, amor." Raymond não podia parar seu assobio de surpresa. "Amor?" Ele chiou. "Mmm, hmm." Marty respondeu sem perder uma batida. Ele suspirou, olhando tão contente e relaxado. "Acho que eu me apaixonei por você há semanas. Não foi possível tirar você da minha cabeça e eu com certeza não quero tirar você do meu coração." Marty segurou o queixo de Raymond com a mão boa e traçou seus lábios. "Você é incrível, perfeito, quero compartilhar tudo com você." Ele roçou seus lábios levemente, antes de sussurrar: "Se isso não é amor, eu não sei o que é."


Raymond sorriu contra os lábios firmes de seu humano. "Eu também te amo, Marty." ele ronronou, seu coração cheio de emoção. "Quase fiquei louco de tentar encontrar uma maneira de ter você em minha vida." "Você me tem agora." Marty cantarolou. "Não vou a lugar nenhum." Seu próximo beijo foi lento e suave, compartilhando o amor que sentia entre eles. Quando se separaram, Raymond não poderia conter a melancolia em sua voz quando ele disse: "Uma vez que eu poder me transformar em humano, nós vamos realmente ser capazes de fazer as coisas juntos." "Ah, Ray." Marty murmurou. "Eu admito que adoraria dar um passeio no sol com você, talvez explorar esse jardim traseiro, ver quantos cantos e recantos que podemos encontrar para foder e jogar, eu sei que vou amar o rosto que você terá como um ser humano, porque eu sei que é você." Marty sorriu de novo, e não havia dúvida do amor em sua expressão neste momento. "Meu Raymond. Você é perfeito do jeito que você é." "Todo seu." "Sim."


Depois de mais um beijo lento, onde Marty levou o seu tempo a explorar a boca de Raymond, lambendo os caninos, e mordiscando os lábios, seu companheiro suspirou e aconchegou-se perto. Momentos depois, as pálpebras de Marty se fecharam e sua respiração igualou. Enquanto Raymond segurava seu humano, ele sorriu e observou-o dormir, satisfeito no conhecimento de que não importava a máscara que ele usava, seu companheiro iria amá-lo através de todas elas.

Fim

Profile for Livros & Chocolate

Charlie Richards Um amor paranormal 05 removendo a máscara do gárgula  

( homo )

Charlie Richards Um amor paranormal 05 removendo a máscara do gárgula  

( homo )

Advertisement