Issuu on Google+

Que futuro para a educação de infância em Portugal? Modelos A a E apresentados pelos partidos políticos portugueses para alterar a lei de bases do sistema educativo. 0 F

1 F

2 F

3 F

4 F

5 F

MODELO A: rede própria, frequência facultativa dos 0 aos 6 anos

0

1

2

3 F

4 F

5 F

MODELO B: rede própria, frequência facultativa dos 3 aos 6 anos

0

1

2

3 F

4 F

Poster apresentado por Carlos Meireles-Coelho e Ana Bela Ferreira 2004 Universidade de Aveiro no Congreso Internacional: Los curriculums en educación infantil en la Europa Comunitaria / Congresso Internacional: Os currículos de educação de infância na Europa Comunitária. 5, 6 y 7 de diciembre de 2004. Mérida: AMEI-WAECE (Asociación Mundial de Educadores Infantiles / World Association of Early Childhood Educators)

5 O

MODELO C: rede própria, frequência facultativa dos 3 aos 5 e obrigatória aos 5 anos

0

1

2

3 F

4 O

5 O

MODELO D: rede própria, frequência facultativa aos 3 e obrigatória aos 4 e 5 anos

0 F

1 F

2 F

3 F

4 O

5 O

MODELO E: rede própria, frequência facultativa até aos 4 e obrigatória aos 4 e 5 anos

MODELO F: educação de infância como primeira etapa da educação básica na perspectiva da educação permanente 0 F

1 F

2 F

3 F

4 FO

5 FO

6 O

7 O

8 O

9 O

10 O

11 O

• rede própria de creches até aos 3/4 anos e • rede de educação básica dos 3/4 anos aos 11/12 anos • na mesma escola básica • com o mesmo pessoal • com a mesma formação


Que futuro para a educação de infância em Portugal?