Page 1

A Revista da Nยบ 107 - ANO XXII - 2009

Nยบ 107 - ANO XXII - 2009

VERISSIMO ACOMPANHE, NAS PรGINAS 14 A 17, A ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O ESCRITOR QUE TEM HUMOR DE SOBRA


FATTO STAMPA

O Banco Fiat é a parceria mais segura para você seguir sempre em frente. Ganhe tempo, encante seu cliente, amplie os resultados. Conte sempre com o Banco Fiat.

NINGUÉM FINANCIA FIAT COMO O BANCO FIAT

www.bancofiat.com.br


ABRACAF CONTÉM

PALAVRA

14

ABRACAF ENTREVISTA

MENESTREL DO

COTIDIANO E

scritor, cartunista, tradutor, roteirista de televisão, jornalista, publicitário e até músico. Luis Fernando Verissimo tem na comunicação seu oxigênio. Tornou-se bastante conhecido por suas crônicas e textos de humor, que circulam nas principais publicações brasileiras e arrancam sorrisos até dos mais carrancudos. Filho do famoso escritor Erico Verissimo, ele conversou com exclusividade com a Revista Una e falou sobre cultura, política e automóvel. Luis Fernando Verissimo escreve quase diariamente. Justamente por isso, acha que muitas vezes soa superficial. Mas não se pode negar que não lhe falta inspiração para contar em suas crônicas relatos de coisas que viveu, que ouviu ou que inventou. Em sua casa em Porto Alegre ele tem um escritório na parte dos fundos, em que consegue escrever com tranquilidade. Os telefonemas são filtrados pela esposa Lúcia, para que ele possa ter paz no processo de criação. Muitos consideram Verissimo tímido, mas a inteligência com que responde às perguntas não dá brecha para ficar pensando muito nisso. Ele se mostra, no fundo, humilde. Garante que não tem nada publicado à altura de colocá-lo na Academia Brasileira de Letras, mas seus textos circulam nos principais jornais do país, por internet ou por relatos nas mesas de bar.

ESCRITOR, JORNALISTA E MÚSICO (JAMAIS SE SEPARA DE SEU SAXOFONE), LUIS FERNANDO VERISSIMO MANTÉM COLUNAS NOS PRINCIPAIS JORNAIS. AUTOR DE VÁRIOS LIVROS, ELE TEM A MARCA DO BOM HUMOR

Q

ual deve ser o papel do humor num país como o Brasil? Não sei se o humor tem um papel específico. O humor pode ser crítico, e neste caso se parece com outras formas de crítica, só que feita de uma maneira mais atraente, ou pode ser apenas divertido, e aí tem uma função terapêutica. Depois de todo o trabalho que realizou, o senhor acha que vale a pena fazer rir, afinal? Para mim valeu a pena. Não sei se os leitores concordam.

Nascido em 26 de setembro de 1936, Luis Fernando Verissimo tem mais de 60 títulos publicados. Criou personagens que estão marcados na memória do brasileiro, como o Analista de Bagé, a Velhinha de Taubaté, As Cobras, Família Brasil, Dorinha e Ed Mort, que acabou virando filme em que o ator Paulo Betti interpretava o detetive particular trapalhão. Verissimo passou a infância e adolescência nos Estados Unidos. Como seu pai Erico era professor na Universidade de Berkeley, ele acabou estudando em San Francisco, Los Angeles e Washington. Aos 14 anos, já mostrava que levava jeito para a arte de escrever: criou com a irmã Clarissa o jornal “O Patentino”, que era pendurado no banheiro da casa e contava as notícias da família. Desde então, não parou de escrever mais. Mas seu primeiro livro, uma coletânea de textos, foi lançado apenas em 1973 e se chamava O Popular. Mas além das crônicas, Luis Fernando Verissimo também se dedicava a escrever sobre duas outras paixões: as cidades que conheceu e o futebol. Fez guias e textos sobre Porto Alegre, Rio de Janeiro, Paris, Nova York, Roma, Madri e Tóquio. Já no futebol, além da paixão pelo Internacional de Porto Alegre, seu time de coração, cobriu as Copas do Mundo de 1986 a 2002. Também se dedica à música, tocando saxofone no Jazz 6 – ele, inclusive, possui CDs lançados.

Entrevista O escritor Luis Fernando Verissimo conversa com exclusividade sobre sua carreira, carros e cultura

Jaguar te considera uma “fábrica de fazer humor”. Como funciona o seu processo de criação? Como é sua rotina como escritor? Eu não sou muito organizado no trabalho. Os prazos de entrega do material para a imprensa determinam uma certa rotina, mas muitas coisas outras influem na produção, até se você dormiu bem na noite anterior ou não ou se está bem ou mal disposto. Quer dizer, não é nada parecido com uma fábrica. As suas virtudes como um grande escritor todo mundo conhece. Se fosse um crítico de literatura, que defeito apontaria em Luis Fernando Verissimo? Se fosse um crítico de literatura, não sei se me ocuparia de Luis

REVISTA UNA - 14

EXPEDIENTE

+

Associação Brasileira dos Concessionários de Automóveis Fiat Rua Itápolis, 543 Cep: 01245-000 - São Paulo - SP Fone: 11 3661-9922 Fax: 11 36618666 - DDG: 0800 159922

REVISTA UNA - 15

22

ABRACAF INDÚSTRIA

A MAIOR DO

A maior fábrica do mundo Conheça a Fiat, em Betim, que com investimentos teve sua capacidade de produção ampliada

FÁBRICA DA FIAT EM BETIM ATINGE A CAPACIDADE DE PRODUZIR 800 MIL VEÍCULOS POR ANO

3

mil carro s por dia éa capacidad e produção atual de da fábri ca da Fiat em Betim

O

cupando uma área total equivalente a 18 vezes o tamanho do estádio do Mineirão, a fábrica da Fiat, em Betim (MG), irá se tornar a maior do mundo quando todas as obras forem concretizadas e os investimentos de R$ 5 bilhões até o próximo ano forem totalmente usados. “Temos a maior fábrica do mundo, não só da Fiat. É a mais complexa também, com 12 modelos e 57 versões”, orgulha-se C. Belini, presidente da Fiat.

S

1

MILAN BABIC/CROATIAN TOURIST BOARD

3

JURAJ KOPAC/CROATIAN TOURIST BOARD

eparada da Itália apenas pelo Mar Adriático, a Croácia já foi lar de gregos, romanos, franceses, húngaros, austríacos, bizantinos e turcos. Terra de intensa disputa por conta de sua localização estratégica entre Oriente e Ocidente, o país deixa para trás o passado de guerras e mostra um potencial turístico enorme, graças à união entre uma história rica e uma paisagem exuberante. É impossível falar da Croácia sem lembrar de suas 1.185 ilhas. A cada verão novos turistas aparecem para conferir o charme de suas praias. Em Brac, na cidade de Bol, a praia Zlatni Rat é a mais encantadora. A tradução literal de seu nome é “cabo dourado”. Tudo porque é uma espécie de ponta de areia que invade o mar, com águas cristalinas para os dois lados. É muito frequentada e famosa pela prática de esportes náuticos. 1 Korcula, que tem a tradição Outra famosa ilha é Hvar, que já milenar da dança de espadas é considerada a “nova Ibiza” da Europa. É 2 O Parque Nacional dos Lagos a que possui a melhor estrutura turística da Plitvice, um dos lugares mais belos da Croácia, que fica próximo a Zagreb Croácia e atrai pessoas de todas as partes, além de famosos como a top model brasilei3 ”Se realmente querem encontrar o paraíso na terra, é preciso ir a ra Adriana Lima e a atriz Gwyneth Paltrow. Dubrovnik”, disse o escritor George Lá está o luxuoso Adriana Hotel, de estilo Bernard Shaw, ganhador do Prêmio Nobel em 1925. Essa cidade cercada moderno. Ele possui uma vista incrível da de muros é realmente um dos marina e da parte histórica da cidade. principais cartões-postais da Croácia

2

soldados foram milhares de numa Em 1635, o Rei Luís XIII para ajudar que para Paris, m croatas eles estava batalha. Entre de várias cores cos lenços, no pescoço. usavam pitores , amarrados e tipos de tecidos termo “gravata” surgiu eo a pegou A moda ica da palavr da pronún justamente se escreve como é que “hrvat”, língua deles. “croata” na

IVO PERVAN/CROATIAN TOURIST BOARD

E HISTÓRIA RIQUÍSSIMA

JURAJ KOPAC/CROATIAN TOURIST BOARD

PRAIAS MARAVILHOSAS

C. Belini, presidente da Fiat

No alto da página, à esquerda, temos uma vista aérea da fábrica da Fiat em Betim. Acima está a Sala Virtual do Centro Estilo, o único fora da Itália. Já abaixo e ao lado estão fotos da linha de montagem da Fiat, que mostra toda tecnologia envolvida na produção de automóveis

REVISTA UNA - 23

Você sabia?

SER DESCOBERTA PELAS

Esses investimentos no Brasil ajudarão a aumentar a produtividade da fábrica, que tem capacidade para fazer 800 mil veículos por ano. Também haverá um grande salto tecnológico em todas as etapas do processo de desenvolvimento, do design aos protótipos, além de permitir a contínua adoção de inovações na gama Fiat. “Nós estamos investindo na modernização tecnológica e apostando no Brasil”, avisa Belini.

Nós temos a maior fábrica do mundo, não apenas da Fiat. É a mais complexa também, com 12 modelos e 57 versões.

REVISTA UNA - 22

ABRACAF VIAGEM

A CROÁCIA COMEÇA A

MUNDO

36

A admirável Croácia País das ilhas paradisíacas e história riquíssima começa a ser descoberto para o turismo pelos europeus

REVISTA UNA - 36

21

Consultoria internacional - Entrevista com Adrian Moss

26

Fusões - Veja como ficará o novo mundo do automóvel

30 32 REVISTA UNA - 6

Concessionária - Conheça a Jelta, de Teresina Vip - A arte de fumar charutos

Presidente: Luiz Romero C. Farias. Vice-presidentes: Guido Benedito Viviani, Arthur Bruno O. Schwambach, Adriano Ruston Capucci, Ivan Ribeiro Costa e Ivo Luiz Roveda. Diretores: Augusto Dias Brandão, Carlos Milton Buffoni Filho, Celso Antonio Menegaz, Elton Doeler, Fernando Pontes, Hélcio Cardoso de Matos Sobrinho, Henrique B. Menezes Jr., José Carlos Dourado A. Jr., João Maurício Martins Normanha, Marcelo Pizzani, Márcio Cardoso, Marco Aurélio Leta, Mário Sérgio Moreira Franco, Maurício de Souza Queiroz e Paulo Fernando Q. Figueiredo Jr. Conselho de ex-presidentes: Edmo Mendonça Pinheiro, Rubens da Silva Carvalho, Flávio Antonio Meneghetti, José Maurício Andreta Jr. REVISTA UNA - Projeto, criação e execução: Fatto Comunicação 360º - www.fattostampa.com.br 11 5507-5590. Coordenação Geral: Márcio Cardoso. Diretor de Conteúdo: Rogério Nottoli (Jornalista responsável - MTB: 31056) - r.nottoli@ fattostampa.com.br. Editor de Arte: Renato Prado. Repórter: Paulo Favero. Copydesk: Juliana Nottoli. Fotos: George Gargiulo, Kenji Honda e Studio Cerri. Assistentes de arte: Andréa Souza e Renata Azevedo. Estagiária: Gabrielle Ribeiro. A Revista UNA não se responsabiliza pelas

DO PRESIDENTE

E la nave va!

e

POR LUIZ ROMERO FARIAS nquanto a onda de pessimismo varria o mundo, alcançando a indústria automobilística, particularmente afetando empresas americanas que são verdadeiros ícones mundiais, num gesto ousado, marcado pelo arrojo e pela visão de futuro, a Fiat assumiu o

volante da Chrysler, provocando frisson na economia globalizada. Essa inovadora ação empresarial mobilizou, inclusive, a Suprema Corte dos Estados Unidos, que, ao fim e ao cabo, manteve aceso o sinal verde para a operação, dissipando tensões e temores.

Tensões e temores naturais, pois essa iniciativa caiu como uma bomba

num dos mais pujantes mercados de veículos do mundo. Certamente perguntaram os mais tradicionalistas: “Como uma empresa italiana pode comprar a americaníssima Chrysler?”. Esqueceram-se, certamente, de que a Fiat tem a expertise na produção de carros de baixo custo e baixo consumo de combustíveis, avançando sempre em alta tecnologia da produção de motores e componentes, além do design mundialmente reconhecido através de grifes como Maserati, Ferrari, Alfa Romeo, etc. Tudo que a América precisa, neste momento, para responder a grandes problemas: poluir menos e reduzir sua impressionante conta de combustível.

Comprovando as opiniões sobre sua excepcional acuidade empresarial,

Sergio Marchionne, chairman da Fiat, conduziu com rapidez, precisão e obstinação esse estratégico movimento Milão-Detroit. Bravo! A ele e a toda sua equipe, nossos parabéns!

A Rede brasileira de concessionários Fiat é composta por 526 pontos

de vendas distribuídos por todas as regiões do País, auferindo um faturamento anual de aproximadamente R$ 25 bilhões. Somados a isso, a excelência funcional de nossos colaboradores e a experiência de mercado transformam nossa Rede em uma máquina de vendas à altura dessa nova aliança.

Até porque, em termos de arrojo e ousadia, este é o nosso campo. Não

é por acaso que somos a Rede campeã, por sete vezes, no ranking das revendas no Brasil.

opiniões emitidas nos artigos assinados.

Permitida a reprodução das matérias desde

mergulhar com entusiasmo, segurança e investimentos já realizados, confe-

que citada a fonte.

Uma onda de otimismo invade nossa praia. Nossa disposição é de nela

rindo um sabor ainda mais latinoamericano à união Fiat/Chrysler. REVISTA UNA - 7


Conheça o novo modelo da FIAT que irá trazer ainda mais resultados para o seu negócio.

O cartão Fiat Itaucard representou no ano de 2008 5% das vendas do varejo das concessionárias Fiat. Apenas com ele o cliente acumula bônus de até R$ 5.000,00 para comprar um Fiat 0 km. E sua concessionária só tem a ganhar.


ABRACAF EXPRESS velocidade

retorno

showroom

F ERRARI APR E S E NTA M ODE L O

A L FA RO M EO N A A RG EN T IN A

Equipada com um motor V12 com mais de 700 cavalos de potência, a Ferrari apresentou o superesportivo 599XX, carro baseado na versão de produção do cupê 599 GTB Fiorano. Essa máquina foi desenvolvida especialmente para as pistas de corrida e traz vários elementos usados na Fórmula 1. A Ferrari explica que fez alterações na transmissão de seis marchas para ajustar os engates e dar mais agilidade na troca de marchas. Outra novidade é a alteração no modelo aerodinâmico, que aumenta a força de sustentação negativa quando o veículo atinge altas velocidades.

No seu retorno à Argentina, a Alfa Romeo escolheu o modelo MiTo como seu cartão de visitas. O carro, eleito o mais bonito de 2008 pelo jornal italiano La Repubblica, chega ao mercado com um motor turbo 1.4 T-Jet, com 157 cavalos de potência, e caixa de transmissão de seis marchas. Quem está assumindo o comando das operações da Alfa Romeo na Argentina é o Centro Milano. Outros veículos também devem aparecer no mercado argentino em breve, como o 159 (sedã e perua), o hatch 147, os cupês GT e Brera, além do conversível Spider.

onononno

C

om a união de Fiat e Chrysler, a montadora italiana passa a ter uma gama de veículos bem mais ampla e poderá desembarcar nos Estados Unidos com um showroom de fazer inveja a qualquer marca. A Revista Una fez um exercício de futurologia e mostra o que pode ter numa concessionária norteamericana.

Mito

Fiat 500

Pequeno, simpático, com fantástico design e tecnologia de ponta. Tem tudo para se dar bem.

A menina dos olhos da Fiat. Conquistou diversos prêmios de design e “carro do ano”.

Ram Essa pickup de grande porte, com tração nas quatro rodas, tem grande aceitação no exterior.

aniversário FESTA DE 50 ANOS Apresentado pela primeira vez no Salão de Paris em 1959, a Ferrari comemora 50 anos do lançamento do 250 GT SWB, um dos esportivos mais marcantes de sua história. Ele foi o primeiro carro da montadora a ser equipado com freios a disco de série. O desenho do carro foi feito pelo conceituado estúdio Pininfarina.

REVISTA UNA - 10

SEBRING CONVERSÍVEL

recorde

A versão conversível do sedã é um luxo só. O teto retrátil se esconde no porta-malas.

O CRES C IM EN T O D A F IAT Com a saída de um Novo Palio 2010, a Fiat Automóveis alcançou a marca de 10 milhões de veículos produzidos na sua fábrica de Betim. As operações tiveram início em junho de 1976 e desde então a produção da montadora cresceu vertiginosamente. Só para se ter uma ideia, 63.756 unidades do Fiat 147 foram produzidas em 1977. Em 2008, com uma gama bem mais ampla, saíram da linha de montagem 713.248 veículos.

10

18,8

kmm /ill héõqeusad netoca orrnoosvo fo Pa ralim o fa pro z dnuazeidso tr sadpae,la Fia q uat nndooBara bsailste dceid sdoe ju conm hogdaeso1 li9 n7 a.6

Viper SRT 10 Esse belo esportivo da Dodge agora faz parte do showroom da Fiat.

REVISTA UNA - 11


ABRACAF EXPRESS curiosidade

PAPA USA FI AT NA I TÁLI A

AS CO RES PR E FE R I DAS DOS B RA S IL EIRO S A escolha da cor de um automóvel leva meses de pesquisa e testes para se chegar à tonalidade ideal. E isso também se reflete na escolha do cliente. Em 2008, a cor preferida para os carros de passageiros foi o prata, com 36,32% das vendas. Em seguida ficou o preto (28,37%) e o cinza (22,39%). Entre os comerciais leves, prata e preto também dominaram, mas a terceira colocação ficou com o branco, com 27,59%. Os dados são da Jato do Brasil. Agora, se levar em conta todos os veículos, contando também caminhões e motos, o preto dominou, com 33,19%. Já a cor mais rejeitada foi o rosa, com apenas 0,000212% das escolhas dos clientes.

visita ESTREITANDO LAÇOS A Abracaf recebeu representantes da Abrac (Associação Brasileira de Concessionárias Chevrolet). A foto abaixo mostra os participantes. Da esquerda para direita estão W. Gil de Oliveira Filho (Assessor de Pós-Venda e coordenador da Interbrac), Márcio Cardoso, Flávio Meneghetti, Armando Boscardin (Presidente), Júlio César Lopes (Assessor econômico) e Olga Stow (Gerente administrativa e financeira). Os presentes estreitaram laços e conversaram sobre estrutura interna e relacionamento com a montadora.

O Papa Bento XVI, em visita na Itália, utilizou um Fiat Ducato especial, que foi cedido pela montadora italiana para a Defesa Civil do país. Pintado de branco, o carro tem o logotipo da Defesa Civil e bancos acolchoados em couro. Tem capacidade para sete pessoas e possui avançados sistemas de segurança.

novidade FIAT APRESENTA NOVO SEDICI A Fiat lançou na Itália o novo Sedici, com mudanças no estilo e na motorização do veículo. O veículo possui uma forte personalidade estética e é um SUV que se dá bem em terrenos off-road e também na cidade, por ser compacto e resistente. Na parte mecânica, a novidade fica por conta dos motores homologados Euro 5 (gasolina 1.6 16V de 120 cv e diesel 2.0 16V Multijet de 135 cv), que respeitam os limites estabelecidos para emissões de CO2. “Com esse novo veículo, a gama de produtos Fiat adquire consistência e atualidade, graças ao design coerente e afinado com o mundo off-road”, diz Roberto Giolito, Diretor de Estilo da Fiat & Abarth.

De 12 a 14 de setembro será realizado em Brasília o XIX Congresso Fenabrave, principal evento do setor de distribuição do Brasil. “O evento está evoluindo a cada ano. Nesta edição esperamos reunir 3 mil distribuidores de veículos, que poderão se informar sobre as últimas tendências do setor e criar novas oportunidades de negócios”, explica Sérgio Reze, presidente da Fenabrave. As inscrições para participar do evento já estão abertas e informações podem ser obtidas no site http://www.congressofenabrave.com.br/.

solidariedade 500 NO FESTI VA L DE CA N N E S

7 mi

foi o valo r (em US $) arrecad ado em 2 0 0 8 para aju dar nas pesquisa s sobre a Aids

REVISTA UNA - 12

evento

parceria

Numa colaboração entre a Fiat e o estilista italiano Renzo Rosso, a montadora italiana lançou o exclusivo 500 C a diesel, equipado com um potente motor 1.4 de 100 cv. O avant-première do veículo ocorreu na 62ª edição do Festival de Cinema de Cannes. A intenção era ajudar a campanha beneficente da AmFAR (Associação Americana de Pesquisa para a Aids), que conta com padrinhos ilustres, como Bill Clinton e Sharon Stone. Neste evento de gala, a presença do Fiat 500 ajudou a arrecadar ainda mais contribuições, que em 2008 foi de US$ 7 milhões. A cor do 500 C a diesel, o verde, foi escolhida para reforçar a preocupação ambiental.

REVISTA UNA - 13


ABRACAF ENTREVISTA

menestrel do

cotidiano E

scritor, cartunista, tradutor, roteirista de televisão, jornalista, publicitário e até músico. Luis Fernando Verissimo tem na comunicação seu oxigênio. Tornou-se bastante conhecido por suas crônicas e textos de humor, que circulam nas principais publicações brasileiras e arrancam sorrisos até dos mais carrancudos. Filho do famoso escritor Erico Verissimo, ele conversou com exclusividade com a Revista Una e falou sobre cultura, política e automóvel. Luis Fernando Verissimo escreve quase diariamente. Justamente por isso, acha que muitas vezes soa superficial. Mas não se pode negar que não lhe falta inspiração para contar em suas crônicas relatos de coisas que viveu, que ouviu ou que inventou. Em sua casa em Porto Alegre ele tem um escritório na parte dos fundos, em que consegue escrever com tranquilidade. Os telefonemas são filtrados pela esposa Lúcia, para que ele possa ter paz no processo de criação. Muitos consideram Verissimo tímido, mas a inteligência com que responde às perguntas não dá brecha para ficar pensando muito nisso. Ele se mostra, no fundo, humilde. Garante que não tem nada publicado à altura de colocá-lo na Academia Brasileira de Letras, mas seus textos circulam nos principais jornais do país, por internet ou por relatos nas mesas de bar.

REVISTA UNA - 14

Escritor, jornalista e músico (jamais se separa de seu saxofone), Luis Fernando Verissimo mantém colunas nos principais jornais. Autor de vários livros, ele tem a marca do bom humor

Nascido em 26 de setembro de 1936, Luis Fernando Verissimo tem mais de 60 títulos publicados. Criou personagens que estão marcados na memória do brasileiro, como o Analista de Bagé, a Velhinha de Taubaté, As Cobras, Família Brasil, Dorinha e Ed Mort, que acabou virando filme em que o ator Paulo Betti interpretava o detetive particular trapalhão. Verissimo passou a infância e adolescência nos Estados Unidos. Como seu pai Erico era professor na Universidade de Berkeley, ele acabou estudando em São Francisco, Los Angeles e Washington. Aos 14 anos, já mostrava que levava jeito para a arte de escrever: criou com a irmã Clarissa o jornal “O Patentino”, que era pendurado no banheiro da casa e contava as notícias da família. Desde então, não parou de escrever mais. Mas seu primeiro livro, uma coletânea de textos, foi lançado apenas em 1973 e se chamava O Popular. Além das crônicas, Luis Fernando Verissimo também se dedicava a escrever sobre duas outras paixões: as cidades que conheceu e o futebol. Fez guias e textos sobre Porto Alegre, Rio de Janeiro, Paris, Nova York, Roma, Madri e Tóquio. Já no futebol, além da paixão pelo Internacional de Porto Alegre, seu time de coração, cobriu as Copas do Mundo de 1986 a 2002. Também se dedica à música, tocando saxofone no Jazz 6 – ele, inclusive, possui CDs lançados.

Q

ual deve ser o papel do humor num país como o Brasil? Não sei se o humor tem um papel específico. O humor pode ser crítico, e neste caso se parece com outras formas de crítica, só que feita de uma maneira mais atraente, ou pode ser apenas divertido, e aí tem uma função terapêutica. Depois de todo o trabalho que realizou, o senhor acha que vale a pena fazer rir, afinal? Para mim valeu a pena. Não sei se os leitores concordam. Jaguar te considera uma “fábrica de fazer humor”. Como funciona o seu processo de criação? Como é sua rotina como escritor? Eu não sou muito organizado no trabalho. Os prazos de entrega do material para a imprensa determinam uma certa rotina, mas muitas coisas outras influem na produção, até se você dormiu bem na noite anterior ou não ou se está bem ou mal disposto. Quer dizer, não é nada parecido com uma fábrica. As suas virtudes como um grande escritor todo mundo conhece. Se fosse um crítico de literatura, que defeito apontaria em Luis Fernando Verissimo? Se fosse um crítico de literatura, não sei se me ocuparia de Luis

+

REVISTA UNA - 15


ABRACAF ENTREVISTA

biblioteca Sexo na Cabeça Ed. Objetiva 2002 4ª Edição

Fernando Verissimo. Acho que me consideram mais no ramo do entretenimento. Quais autores o senhor gosta de ler? Tem algum livro de cabeceira? Infelizmente, tenho lido pouco por prazer. A gente acaba perdendo muito tempo com jornais e revistas e leituras sobre política, história, etc. e não acompanha a ficção. No passado li muito Graham Greene, Saul Bellow, John dos Passos, Nabokov, Scott Fitzgerald, Evelyn Waugh, os cronistas brasileiros, Clarice Lispector, Erico Verissimo. Atualmente, quando dá, leio Rubem Fonseca, Moacyr Scliar e John Le Carré. Mas tenho pilhas de livros na cabeceira. Que livro de outro escritor o senhor daria tudo para ter escrito?

REVISTA UNA - 16

Acho que “O grande Gatsby”, do Scott Fitzgerald.

dependerá de saber distribuir essa riqueza.

Como o senhor se relaciona com as novas tecnologias? Mais ou menos. Uso o computador como uma máquina de escrever com memória, uso o e-mail e o Google, e só. Não frequento muito a Internet.

Qual foi o seu primeiro carro? Tem boas lembranças dele? Foi um Fusca. Viajamos muito nele e não tenho queixas.

Quem é o personagem mais caricaturável da política brasileira? O Lula, claro. Como é, afinal, o Brasil dos seus sonhos? É o Brasil mais justo que todos os políticos prometem, mas ainda não saiu do discurso. Quando o Brasil vai ser um país rico e feliz? Rico ele já é. A felicidade

O automóvel é um instrumento de liberdade? O automóvel é o que a gente faz dele. A peça mais importante de qualquer carro é o motorista. De que político brasileiro você não compraria um carro usado? Difícil é escolher um de quem se compraria o carro. Se o senhor tivesse que escrever uma crônica sobre o automóvel qual seria o título? Vruuuum!

As Mentiras que os Homens Contam Ed. Objetiva 2000 25ª Edição

Banquete com os deuses Ed. Objetiva 2002

Todas as Histórias do Analista de Bagé L&PM 1997

Ed Mort e outras histórias L&PM 1979

bom humor Certas cidades não conseguem se livrar da reputação injusta que, por alguma razão, possuem. Algumas das pessoas mais sensíveis e menos grossas que eu conheço vêm de Bagé, assim como algumas das menos afetadas são de Pelotas. Mas não adianta. Estas histórias do psicanalista de Bagé são provavelmente apócrifas (como diria o próprio analista de Bagé, história apócrifa é mentira bem-educada), mas, pensando bem, ele não poderia vir de outro lugar. Pues, diz que o divã no consultório do analista de Bagé é forrado com um pelego. Ele recebe os pacientes de bombacha e pé no chão. - Buenas. Vá entrando e se abanque, índio velho. - O senhor quer que eu deite logo no divã? - Bom, se o amigo quiser dançar uma marca, antes, esteja a gosto. Mas eu prefiro ver o vivente estendido e charlando que nem china da fronteira, pra não perder tempo nem dinheiro. - Certo, certo. Eu... - Aceita um mate? - Um quê? Ah, não. Obrigado. - Pos desembucha. - Antes, eu queria saber. O senhor é freudiano? - Sou e sustento. Mais ortodoxo que reclame de xarope. - Certo. Bem. Acho que o meu problema é com a minha mãe. - Outro... - Outro? - Complexo de Édipo. Dá mais que pereba em moleque. - E o senhor acha... - Eu acho uma pôca vergonha... - Mas... - Vai te metê na zona e deixa a velha em paz, tchê! Texto do livro O analista de Bagé

REVISTA UNA - 17


CLUBE ABRACAF

A força da Rede

Lélio Ramos, Luiz Romero e C. Belini

o

2º Prêmio Qualitas Concessionárias reuniu representantes de toda a Rede Fiat, com presença do presidente da Fiat na América Latina, C. Belini, do diretor comercial, Lélio Ramos, e do presidente da Abracaf, Luiz Romero. O evento foi realizado no Parque de Exposições da Gameleira, em Belo Horizonte. Crise foi uma palavra proibida no evento realizado pela Fiat para homenagear as 24 melhores concessionárias da Rede em qualidade no atendimento, três de cada uma das oito regionais no País. E havia muitos motivos para que a festa fosse alegre: os números de vendas do primeiro trimestre confirmaram que a Fiat manteve a liderança absoluta em vendas.

REVISTA UNA - 18

“Isso mostra que nossas concessionárias estão cumprindo sua missão de manter a boa qualidade no atendimento e fidelizando seus clientes. É por isso que temos a melhor Rede de Concessionárias do Brasil”, destacou Lélio Ramos, ao dar as boas vindas aos quase 800 participantes. E acrescentou: “Estamos entre as três melhores marcas em atendimento no Brasil. Nossa meta é ser a primeira”. O presidente da Abracaf, Luiz Romero, era um dos mais entusiastas da noite. E não era para menos. A festa era dos concessionários, premiando os que mais se destacaram no ano passado. “Estamos iniciando, do nosso lado, um novo capítulo na toada da Abracaf. Temos, como base sólida, a experiência acumulada pela entidade nas gestões passadas. Estou absolutamente certo de que esta parceria, entre fábrica e Rede, é a melhor estrada para continuarmos sendo reconhecidos como a melhor Rede de Concessionárias do País”. O presidente Bellini encerrou a cerimônia, reafirmando o compromisso da Fiat em trabalhar para manter a liderança. “A sensação que estamos sentindo é a de um piloto de Fórmula 1 na chuva, que não sabe qual curva vai encontrar pela frente. Nosso planejamento é feito semanalmente e estamos preparados para qualquer alteração”, destacou.

Premiação por Regional Belo Horizonte: Automax, Venture e Curvel São Paulo Capital: Itavema (ABC), Sinal (Rudge Ramos) e Paulimar (São Caetano) São Paulo Interior: Maggi, Viviani e Luiza Rio de Janeiro: Podium, Portovel e MVC (São Mateus) Porto Alegre: Ritmo, Unita e Cordial Recife: Saman, Cambuí e Cavepe Brasília: Cevel, Viale e Ravel Curitiba: Fipal (Cascavel), Grandourados e Maxicar Guido Viviani recebeu o prêmio das mãos de Edison Mazzucatto, da Fiat (à esquerda)

REVISTA UNA - 19


CLUBE ABRACAF

Recofiat gaúcha

o

s concessionários do Rio Grande do Sul se reuniram em Porto Alegre para participar da 96ª Recofiat da região. Além da maioria dos concessionários do estado, estiveram presentes também Virgílio Araújo A. da Silva (Gerente de Peças e Acessórios e Marketing de Pós-vendas da Fiat), Fabio Meira e Edivaldo Reche (Regional Fiat), Marcos Martins e Marcelo

A

maioria dos executivos da Fiat participou da formatura dos alunos da Academia Abracaf. Eles foram homenageados na sede da montadora, em Betim. “O prestígio que a Fiat nos deu, com toda diretoria presente, mostra que estamos no caminho certo”, comen-

REVISTA UNA - 20

G. Silva (Banco Itaú), Fabiane Wigner (Isvor Fiat) e Paulo Almeida (Abracaf), entre outros. “Foi uma reunião muito boa. Tivemos a participação em massa dos concessionários e discutimos muitos assuntos interessantes. Eu acho que essa Recofiat reforça a união dos dealers do Rio Grande do Sul e fortalece a Rede”, comentou o presidente da Recofiat, Emerson Soca da Silva,

da Via Porto, de Porto Alegre. Ele explicou que a palestra com Virgílio Araújo Silva foi muito boa e deu subsídios para os presentes. “Também debatemos sobre a questão do CSI, sobre peças e tivemos uma ótima conversa com o Fabio Meira, que nos perguntou o que estávamos precisando”, disse. A próxima Recofiat foi marcada para 6 de agosto, novamente em Porto Alegre.

Aula Final

tou Celso Menegaz, diretor da Abracaf e grande incentivador do programa. Do lado da Fiat estavam presentes o presidente Belini, o diretor comercial Lélio Ramos, além de Edison Mazzucatto, Hilário Soldatelli, Francelino Schiling Neto, Antonio Sérgio, João Cia-

co, Marco Antonio Lage, Cristiane Paixão e Virgílio Araújo da Silva. “É um programa extremamente importante, pois estamos formando o futuro da Rede, preparando os sucessores de forma abrangente, e olhando as perspectivas de futuro, que serão bem diferentes”, afirmou Belini.

Consultoria

internacional

O INGLÊS ADRIAN MOSS ESTEVE NO BRASIL A PEDIDO DA ABRACAF, VISITOU AS CONCESSIONÁRIAS FIORI E CRESAUTO E AGORA IRÁ FAZER UM RELATÓRIO SOBRE OS SISTEMAS USADOS PELA REDE. CONFIRA A ENTREVISTA EXCLUSIVA.

Como foi sua visita ao Brasil? Eu gostei bastante. Estive muito ocupado com a Abracaf e encontrei pessoas interessantes. Também fiquei impressionado com as concessionárias que visitei e com os sistemas que elas usam. O Fernando Rolim me deu uma apresentação detalhada sobre o mercado automobilístico brasileiro. Foi muito informativa e deu os subsídios que eu precisava. As apresentações do Dealer.net foram igualmente boas, fornecendo um alto nível de informação para compreender as características e os benefícios do sistema. Qual foi sua impressão da Abracaf? Está claro que a Abracaf e a Rede de Concessionárias Fiat são extremamente organizadas e conseguem maximizar suas oportunidades de negócio. Nossas visitas às concessionárias demonstraram como elas são eficazes nas vendas de seguros para carros Fiat, maximizando o trabalho nas oficinas e providenciando peças para o mercado. As visitas aos dealers e a discussão com os representantes automotivos demonstraram que o setor automobilístico no Brasil está em mãos seguras e continuará a florescer. O que mais te chamou atenção? O mercado brasileiro é original e continuará a se desenvolver na direção da economia local e da melhor prática no negócio. Um dos aspectos originais do mercado é o domínio de quatro montadoras principais (Fiat, VW, GM/Chevrolet e Ford) e a ênfase específica em carros pequenos. É igualmente provável que, com o mercado se desenvolvendo e a economia mundial se recuperando, existirá um aumento na demanda para valores mais elevados, como veículos luxuosos maiores.

Quais são os desafios? O desafio para os dealers no Brasil é similar àquele encontrado em todos os países desenvolvidos: continuar a vender carros num momento em que a economia internacional está enfrentando muitos desafios. A dedução fiscal a curto prazo permitiu a venda de carros em um momento em que o mercado enfrenta dificuldades. Outros mercados na América do Norte e Europa tiveram um declínio nas vendas desde setembro 2008. O que se pode fazer? É provável que no futuro os dealers precisarão dar ênfase cada vez maior no Pós-Venda para assegurar de que possam continuar a atrair um número grande de clientes. Na minha opinião, um desafio importante será a necessidade de garantir que as vendas dos carros continuem aos níveis atuais. Em outros países, as vendas não foram tão fortes e isso coloca uma pressão considerável na Rede de Concessionárias. Acho que os dealers precisarão aperfeiçoar seu Pós-Venda e Setor de Peças para contribuir com a rentabilidade do negócio e se proteger contra uma possível queda nas vendas de veículos. Quais serão seus próximos passos? Terminamos um relatório detalhado da viagem e enviamos para a Abracaf. Como parte do conteúdo do relatório nós empreendemos uma pesquisa adicional com detalhes fornecidos durante essa viagem. O objetivo é assegurar de que nós compreendemos o mercado tanto quanto possível. O relatório esboça nossas recomendações para a Abracaf em seu DMS futuro e estratégia da Tecnologia da Informação para seus dealers. REVISTA UNA - 21


ABRACAF INDÚSTRIA

A MAIOR DO FÁBRICA DA FIAT EM BETIM ATINGE A CAPACIDADE DE PRODUZIR 800 MIL VEÍCULOS POR ANO REVISTA UNA - 22

O

cupando uma área total equivalente a 18 vezes o tamanho do estádio do Mineirão, a fábrica da Fiat, em Betim (MG), irá se tornar a maior do mundo quando todas as obras forem concretizadas e os investimentos de R$ 5 bilhões até o próximo ano forem totalmente usados. “Temos a maior fábrica do mundo, não só da Fiat. É a mais complexa também, com 12 modelos e 57 versões”, orgulha-se C. Belini, presidente da Fiat.

MUNDO 3

mil carro s por dia éa capacid ade atua l de produçã o da fáb ri ca da Fiat e m Betim Esses investimentos no Brasil ajudarão a aumentar a produtividade da fábrica, que tem capacidade para fazer 800 mil veículos por ano. Também haverá um grande salto tecnológico em todas as etapas do processo de desenvolvimento, do design aos protótipos, além de permitir a contínua adoção de inovações na gama Fiat. “Nós estamos investindo na modernização tecnológica e apostando no Brasil”, avisa Belini.

Nós temos a maior fábrica do mundo, não apenas da Fiat. É a mais complexa também, com 12 modelos e 57 versões.

C. Belini, presidente da Fiat

No alto da página, à esquerda, temos uma vista aérea da fábrica da Fiat em Betim. Acima está a Sala Virtual do Centro Estilo, o único fora da Itália. Já abaixo e ao lado estão fotos da linha de montagem da Fiat, que mostra toda tecnologia envolvida na produção de automóveis

REVISTA UNA - 23


FATTO STAMPA

ABRACAF INDÚSTRIA O mercado brasileiro tem potencial para crescer ainda mais A liderança da Fiat no Brasil nos últimos sete anos não ocorreu por acaso. Tudo foi meticulosamente pensado para que a montadora crescesse junto com a venda de veículos no país. A montadora italiana apostou no Brasil e agora colhe os frutos. “Em 2008, a Fiat alcançou o maior resultado de sua história no Brasil. Nossa capacidade de produção foi expandida para 800 mil carros por ano em Betim”, explica Belini, presidente da Fiat. Esse sucesso fez com que, no ano passado, a Fiat vendesse mais carros no Brasil do que na própria Itália. “É vista com bons olhos a potência do nosso mercado. O time da Fiasa é considerado de primeira linha, principalmente por conta de nossa capacidade de reação e inovação”, diz. Um dos exemplos que é sempre citado é o nosso índice de automóvel per capita. No Brasil, o valor é baixo, cerca de 1 carro para cada 8 habitantes, quando na Europa Ocidental a proporção é 1,5 e nos Estados Unidos é 1,2. “A Itália vê o Brasil com um potencial muito grande. Para atingirmos o índice da Europa, precisamos ter um crescimento substancial. Precisaríamos chegar a 100 milhões de automóveis, quando temos atualmente 25 milhões de carros nas ruas”, lembra Belini. Percorrendo a fábrica de Betim percebe-se que o lema “estamos em obra” faz sentido. A ampliação da fábrica implica em maior produtividade e em novos lançamentos. “Em 2009 teremos 20 lançamentos no total. Queremos conquistar a liderança em resultados e ser o primeiro lugar do Brasil no atendimento em Vendas e Pós-Vendas”, conclui Lélio Ramos, Diretor Comercial da Fiat.

Fábio D’Amico é o diretor industrial da Fiat Automóveis e um dos principais responsáveis pelo significativo salto da produção de veículos na fábrica, que é hoje a gigante de Betim.

A Abracom e o Itaú acreditam que o diferente faz a diferença na hora de vender. Aproveite e saia na frente com o Plano 30. O melhor do Plano 30 são as condições diferenciadas que ele proporciona aos seus clientes: a parcela e o prazo na medida certa. Por isso o Plano 30 foi feito para você e seus clientes!

Números de fazer inveja 14 mil funcionários diretos 7 mil funcionários indiretos 3.000 carros por dia 2.250.000 m2 de área 1 carro a cada 20 segundos 178 fábricas no mundo do Grupo Fiat 16 fábricas e 8 centros de pesquisa e desenvolvimento no Brasil do Grupo Fiat

REVISTA UNA - 24

UMA EMPRESA DOS CONCESSIONÁRIOS FIAT

REVISTA UNA - 25


ABRACAF NEGÓCIOS

Embarque no novo mundo do

automóvel

o

mundo do automóvel nunca mais será o mesmo. A atual crise mundial está mudando o mapa da produção de automóveis. E o principal motivo dessa grande mudança é a impressionante derrocada de duas gigantes de Detroit, a General Motors e a Chrysler – ambas em concordata e estendendo o chapéu para o governo de Washington. A primeira peça movida nesse tabuleiro foi a rápida investida da Fiat, que em um lance de pura visão empresarial associou-se à Chrysler, demonstrando o quanto vale a força de sua tecnologia. Assim, a gigante montadora americana passou a ser gerida por um conselho de nove diretores, sob o comando de Sergio Marchionne – o líder italiano dessa importante mudança no planeta automóvel. Entretanto, esse primeiro movimento não muda o mapa mundial da produção de veículos. É certo que o jogo de forças passa a ser liderado por países que sempre foram periferia no mapa global das montadoras. Ou seja: marcas poderosas, que dominaram o mercado por mais de um século, começam a ceder lugar para novos players. O Japão, atual líder de produção, desbancou os Estados Unidos e já sabe que ficará na frente por pouco tempo. A temível China tomará o posto ainda este ano. Assim, a capital do automóvel passará a ser Xangai e não mais Detroit.

No meio dessa dança de cadeiras, as marcas disputam cada centímetro de um mercado mundial que vem encolhendo (de 70 para cerca de 55 milhões) nos últimos anos. A Fiat, que detém a oitava posição do ranking e está em destaque na mídia mundial por sua incrível estratégia “contra a corrente”, fica com 20% do capital da Chrysler, com possibilidade de ampliar a participação para 35%. A Chrysler vai se beneficiar dos conhecimentos da Fiat em

A CHRYSLER TERÁ ACESSO À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA FIAT NA AMÉRICA LATINA gestão empresarial para reverter o negócio e ter acesso à rede de distribuição internacional da Fiat com foco especial na América Latina e Rússia. “Temos a intenção de construir novos veículos baseados na cultura de inovação da Chrysler e na tecnologia da Fiat. Nosso conhecimento vai expandir o portfólio de nossos produtos tanto para a América do Norte como para o exterior”, disse Marchionne. A Fiat não pagará nenhum centavo pela participação na Chrysler, que já recebeu um crédito de emergência de US$ 4 bilhões do governo dos Estados Unidos. Em troca, a montadora italiana dará acesso a plataformas de veículos eficientes

em combustível, caixa de câmbio e componentes que serão produzidos nas fábricas da Chrysler. A Fiat retirou-se da concorrência de compra da Opel alemã, unidade europeia da GM. As negociações foram interrompidas depois que negociadores norteamericanos teriam pedido cerca de US$ 500 milhões a mais. O presidente da Fiat, Sergio Marchionne, comentou não estar pronto para expor sua empresa a um risco excessivamente alto. “Dada a natureza do próprio processo, a Fiat não foi capaz de ter acesso pleno aos registros financeiros da Opel para determinar a condição financeira dela com precisão e então fazer uma proposta de fusão apropriada”, observou. Mas o inquieto e arrojado executivo da Fiat com certeza vai continuar sua busca por outros parceiros. Marchionne tem o firme propósito de elevar a produção do Grupo Fiat, entendendo que é preciso superar o volume de 5 milhões de unidades por ano para ser competitivo. Enquanto trata de redesenhar a nova organização da Chrysler, o executivo da Fiat arma seus próximos lances para consolidar outras alianças. Com a Chrysler, a Fiat avança para a produção de 4 milhões de unidades por ano. Outro milhão deverá buscar na Europa. Será que a PSA Peugeot Citroën estaria na alça de mira de Sergio Marchionne?

Mudan ça no mapa: Xanga i será a nova capital do automó vel

Nós agora pretendemos estabelecer um novo paradigma sobre como as companhias automotivas podem operar lucrativamente daqui para frente. Sergio Marchionne, presidente da Fiat

OS MAIORES PRODUTORES DE VEÍCULOS LEVES 1998

2008

1º EUA - 11.634.570

1º Japão - 10.661.608

2º Japão - 9.322.269

2º EUA - 8.498.154

3 º Alemanha - 4.811.116

3º China - 7.320.685

4 º França - 2.914.215

4º Alemanha - 5.427.833

5º Espanha - 2.734.093

5º Coreia do Sul - 3.739.313

6º Canadá - 2.521.754

6º Brasil - 2.856.654

7º Reino Unido - 1.941.825

7º Espanha - 2.486.241

8º Coreia do Sul - 1.902.972

8º França - 2.483.084

9º Itália - 1.656.026

9º México - 2.104.327

10º México - 1.397.256

10º Índia - 2.055.105

11º Brasil - 1.375.897

11º Canadá - 2.038.941

Fonte: CSM South America

REVISTA UNA - 26

REVISTA UNA - 27


ABRACAF NEGÓCIOS

re O cor de

primeiro quadrimestre de 2009 foi o melhor da história das vendas no mercado interno de automóveis e comerciais leves, com 866,9 mil unidades. No mesmo período de 2008 foram emplacadas 866,2 mil unidades (639,7 mil em 2007 e 520,8 mil em 2006). Há quem atribua o bom resultado recente das vendas não apenas à redução do IPI concedida pelo governo, mas também aos descontos que as montadoras ofereceram nas promoções e ao esforço da rede de distribuição.

A renúncia fiscal foi um dos fatores que conteve a crise. Ao antecipar as vendas, a indústria automobilística vendeu muito, chegando ao recorde do primeiro quadrimestre. Mas, como a renda está crescendo mais devagar que o crédito, o limite de endividamento é o grande risco do futuro crescimento.

As medidas do governo, aliadas às ações ousadas e competitivas da nossa indústria, trouxeram o mercado de volta a uma curva ascendente. Hoje, nosso país e a China são os únicos do mundo com forte crescimento da sua indústria automobilística e isso aponta para o alcance de mais um recorde de vendas em 2009. Luiz Romero, presidente da Abracaf

Joel Leite, diretor da Agência AutoInforme

O recorde de crescimento das vendas no primeiro quadrimestre do ano foi resultado das medidas rápidas e bem focadas do governo Lula. A redução do IPI e a entrada firme do Banco do Brasil colocando dinheiro no mercado foram os principais motivos que abafaram a crise no setor automobilístico brasileiro. S. Stéfani, diretor e editor da AutoData.

Celso Ming, analista econômico do jornal O Estado de S. Paulo

Os resultados podem ser considerados positivos se comparados aos últimos meses de 2008 e início de 2009. Ainda que o setor não cresça nada neste ano, o resultado já terá sido positivo. Sérgio Reze, presidente da Fenabrave

“O crédito voltando aos patamares précrise e a redução do IPI contribuíram para a elevação das vendas de veículos. Daqui em diante, o impacto da redução do imposto será menor”. Letícia Costa, presidente da Booz & Company, durante seminário AutoData

REVISTA UNA - 28

“Apesar do esforço de parte da imprensa e da opinião pública – que por maldade ou incompetência tentou empurrar o Brasil para o fundo do poço –, o mercado reagiu, o governo interveio e o consumidor não foi fulminado pela crise do medo made in USA. Aviso aos pessimistas de plantão: ‘Que nunca mais duvidem da capacidade de reação e da confiança do consumidor brasileiro’”.

“O IPI teve um papel importante no estímulo à indústria, especialmente na virada do ano, quando os estoques estavam em patamar muito elevado”.

“Nós soubemos aproveitar com alguma habilidade as oportunidades surgidas”. Delfim Netto

Jackson Schneider, presidente da Anfavea

REVISTA UNA - 29


GALERIA ABRACAF - JESUS TAJRA Jesus Tajra é o dealer do grupo Jelta, que possui concessionárias em Teresina e Parnaíba, no Piauí, e Caxias, no Maranhão. Acabou de lançar o livro “Até Parece que foi Ontem”, sobre a Constituinte. Ao lado do filho José Elias Tajra Sobrinho, ele foi o responsável pela seção de fotos nesta edição.

Temos nossos showrooms bem localizados e estamos há 13 anos na liderança do mercado aqui na região

REVISTA UNA - 30

REVISTA UNA - 31


ABRACAF VIP

ÍCONE DE ESTILO

P

ara o inesquecível escritor Victor Hugo, o prazer de fumar um bom charuto tinha o poder de transformar pensamentos em sonhos. Marca registrada da elite intelectual e de personalidades como, Winston Churchill, Mário de Andrade, Tom Jobim, Michael Schumacher e Demi Moore, o prazer das baforadas é um verdadeiro ritual. Atualmente, o consumo global é de 15 bilhões de unidades/ ano. Para acompanhar o precioso hábito, a Revista Una preparou algumas dicas especiais para você.

OBJETO DE DESEJO

“Escolha um Corona de determinado tamanho, de preferência não muito grande. Adquira três unidades de diferentes procedências, Cuba, República Dominicana e Brasil e defina qual lhe agradou mais”, sugere Beto Ranieri, da Tabacaria Ranieri, uma das mais conceituadas do ramo. Acender um ‘puro’ (Havana) é uma operação que não permite a participação de terceiros. É algo pessoal entre o seu charuto e você. O ideal é fumar nos clubes. Se apagar, não se preocupe.

O charuto Vegas Robaina

Atualmente fala-se muito na ca-

Deve-se manter um intervalo de,

Don Alejandro e o vinho do

chaça como acompanhamento.

pelo menos, 30 segundos entre

Porto Tawny 20 anos foram

Cachaças mais doces com cha-

uma baforada e outra. Um ritmo

feitos um para o outro. E o

rutos mais apimentados, cacha-

rápido faz com que a fumaça

charuto Cohiba Esplendidos

ças envelhecidas com os ‘puros’

chegue quente demais, tornando

é o parceiro ideal para o sa-

mais encorpados e cachaças pu-

o charuto amargo.

boroso cognac Hennessy.

ras com charutos mais suaves.

A

tenção caçadores de emoções: aqui é permitido sonhar acordado! A Wraith B120, da Confederate Motors, foi inspirada nas motos dos anos 30, construída em fibras de carbono, alumínio e titânio. Seu motor ultrapassa os 260 km/h. Gostou? Então corra, pois a supermáquina é para poucos e rápidos. O modelo é uma edição superlimitada, vendida a US$ 80 mil apenas nos Estados Unidos.

250 é o núm ero de unid ades que se rão vendid as

FICHA TÉCNICA Motor - V2 de 4 fases Câmbio - 6 marchas Potência - 125 cavalos Peso - 177 kg Preço - US$ 80 mil

Montecristo é

A Romeo y Julieta possui grande variedade: são mais de

Um dos charutos mais disputados do momento é

50. O problema em relação a essa grande diversidade é

o Cohiba Gran Reserva Cosecha 2003, já que

que nem todos têm a mesma qualidade. O mais consumido

apenas 5 mil caixas foram produzidas para o

é o Churchill.

mundo. Tem cinco anos de envelhecimento.

das exportações

Não existe (quase) nada tão fascinante como degustar um charu-

A origem dos charutos é incerta. Mas sabe-se

cubanas de

to ouvindo a boa música cubana. A Revista Una indica Buena

que o plantio da Nicotiana tabacum começou

charutos.

Vista Social Club, com Ibrahim Ferrer e Rubén González.

com os Maias.

uma das marcas mais vendidas. O tamanho 4 representa 1/5

REVISTA UNA - 32

Batizada de moto esqueleto, a B120 alia traços primitivos à alta tecnologia. Resultado: leveza e bom desempenho.

REVISTA UNA - 33


ABRACAF VIP

A INCRÍVEL VOLTA AO MUNDO

i

magine você dar a volta ao mundo a bordo de um avião de luxo. Agora imagine conhecer as pirâmides de Gizé, no Egito; o Taj Mahal, na Índia; a noite high tech de Hong Kong; fazer safáris fotográficos no Quênia e na Tanzânia; além de outros ‘points’ paradisíacos. Apenas oito passageiros embarcam num jato Gulfstream 4, na Califórnia, e partem para essa incrível e exclusivíssima viagem de luxo. O pacote de 21 dias custa US$ 144,5 mil por pessoa e o próximo grupo já embarca dia 15 de outubro. No ar os passageiros terão à disposição carta de vinhos, menu exclusivo, kit amenities e so-

fás para relaxar ou assistir filmes. Em terra, todas as hospedagens serão realizadas nos melhores hotéis, evidentemente. Guiado por Ken Jillsom, presidente e fundador do Safari Air, todos os detalhes são cuidadosamente planejados. Cada trecho de voo ocorre durante o dia e em curto espaço de tempo, para diminuir o desconforto de longas viagens. Cada assento possui sua própria janela e a viagem toda funciona no sistema all-inclusive. Da Califórnia o avião parte para Quebec, depois Edimburgo, Cairo, Monte Kilimanjaro, Quênia e Tanzânia, Índia, Hong Kong, Guam, Havaí e finalmente a chegada na Califórnia.

VEM AÍ A ‘FERRARILAND’

C

om inauguração prevista para o próximo ano, o Ferrari World Abu Dhabi será o maior parque temático indoor do mundo. Ele ficará debaixo de uma gigantesca cobertura no formato de um carro de Fórmula 1 da Ferrari (que só pode ser observado pelo alto, graças às suas grandes dimensões) e contará com mais de 20 atrações, sendo que a principal delas é a montanha-russa mais rápida do mundo, perfeita para os amantes da velocidade. O Ferrari World está sendo construído em um espaço de 2.500 hectares na ilha de Yas, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Serão 80 mil metros quadrados, que contarão ainda com cinemas, lojas, teatros e restaurantes.

Foto ao lado mostra como está o andamento das obras do Ferrari World Abu Dhabi. Acima, imagem computadorizada traz detalhes de como ficará o projeto final

O MENOR COMPUTADOR

I

REVISTA UNA - 34

ncrível como a tecnologia é capaz de diminuir o tamanho dos aparelhos eletrônicos. O mais novo lançamento da CompuLab, o Fit-PC2 (veja foto ao lado), é o menor computador do mundo. Medindo impressionantes 115×101x27 mm e pesando cerca de 370 gramas (ou menor que um CD), o dispositivo é feito de alumínio que ajuda a diminuir o calor, já que não usa ventoinha, o que também reduz drasticamente a emissão de ruídos. Embora seja compacta, a máquina possui configuração bastante interessante. Além de tudo, o Fit-PC2 também permite acesso via controle remoto e possui baixo consumo de energia, aproximadamente 6W, quando está trabalhando com o Windows XP ou o Linux. Nos Estados Unidos, essa novidade está sendo vendida por US$ 360.

REVISTA UNA - 35


?

a Você sabi

A CROÁCIA COMEÇA A SER DESCOBERTA PELAS E HISTÓRIA RIQUÍSSIMA

S

1

MILAN BABIC/CROATIAN TOURIST BOARD

3

REVISTA UNA - 36

JURAJ KOPAC/CROATIAN TOURIST BOARD

eparada da Itália apenas pelo Mar Adriático, a Croácia já foi lar de gregos, romanos, franceses, húngaros, austríacos, bizantinos e turcos. Terra de intensa disputa por conta de sua localização estratégica entre Oriente e Ocidente, o país deixa para trás o passado de guerras e mostra um potencial turístico enorme, graças à união entre uma história rica e uma paisagem exuberante. É impossível falar da Croácia sem lembrar de suas 1.185 ilhas. A cada verão novos turistas aparecem para conferir o charme de suas praias. Em Brac, na cidade de Bol, a praia Zlatni Rat é a mais encantadora. A tradução literal de seu nome é “cabo dourado”. Tudo porque é uma espécie de ponta de areia que invade o mar, com águas cristalinas para os dois lados. É muito frequentada e famosa pela prática de esportes náuticos. 1 Korcula, que tem a tradição Outra famosa ilha é Hvar, que já milenar da dança de espadas é considerada a “nova Ibiza” da Europa. É 2 O Parque Nacional dos Lagos a que possui a melhor estrutura turística da Plitvice, um dos lugares mais belos da Croácia, que fica próximo a Zagreb Croácia e atrai pessoas de todas as partes, além de famosos como a top model brasilei3 ”Se realmente querem encontrar o paraíso na terra, é preciso ir a ra Adriana Lima e a atriz Gwyneth Paltrow. Dubrovnik”, disse o escritor George Lá está o luxuoso Adriana Hotel, de estilo Bernard Shaw, ganhador do Prêmio Nobel em 1925. Essa cidade cercada moderno. Ele possui uma vista incrível da de muros é realmente um dos marina e da parte histórica da cidade. principais cartões-postais da Croácia

JURAJ KOPAC/CROATIAN TOURIST BOARD

PRAIAS MARAVILHOSAS

2

s foram de soldado s re a ilh m , numa Em 1635 Rei Luís XIII o r a d ju a para atas que para Paris, stavam cro e s le e e tr n as cores batalha. E os, de vári ç n le s o sc . ore no pescoço usavam pit marrados a s, o id iu c te rg e tipos de gravata” su e o termo “ u o g e p a palavra A mod núncia da ro p a d te n justame escreve e é como se “hrvat”, qu les. a língua de “croata” n

IVO PERVAN/CROATIAN TOURIST BOARD

ABRACAF VIAGEM


ABRACAF ALMANAQUE

DINHEIRO NA MÃO Muitas pessoas não têm o costume de lavar as mãos para se alimentar depois de segurar dinheiro. Pesquisas recentes apontam que a quantidade de micróbios em uma nota de R$ 1 é cerca de 247,25 por centímetro quadrado. Deste número alarmante, 42% são do tipo estafilococo, que pode causar inflamações nos ouvidos e intoxicação alimentar. Especialistas recomendam que o ideal antes de qualquer refeição é esfregar as mãos com sabão durante um minuto e em alguns casos, lavar as mãos com álcool durante três minutos. Além disso, prefira notas plásticas, evite que o dinheiro caia no chão e aumente a frequência de substituição do dinheiro circulado.

MUNDO DA VELOCIDADE

DICA DE LEITURA admiFã de Guimarães Rosa e ritor esc o , rado por José Saramago de ba moçambicano Mia Couto aca ”, obra lançar “O fio das missangas as inndo que reúne 29 contos uni abrigar finitas vidas que podem se um texto em cada ser humano. Com condende intensidade ficcional e ratura sação formal raras na lite uma nta ese contemporânea, ele apr r. ula carga poética bastante sing

Wilson Fittipaldi Jr. foi o primeiro piloto brasileiro a liderar um Grande Prêmio do Brasil de F-1. Isso aconteceu em 1972, quando Tigrão, como era apelidado, liderou as primeiras voltas da corrida daquele ano. Mas, infelizmente, ela não era válida para o campeonato. Outra curiosidade do mundo da velocidade ocorreu um ano depois. Em 1973, a Ford contratou Emerson Fittipaldi e Jackie Stewart, os melhores pilotos do mundo daquela época, para fazer uma dupla em uma prova de turismo. Pilotando o Ford Capri nos 1.000 km de Nurburgring, eles não foram bem e acabaram abandonando a corrida. Para piorar, a BMW levou o campeonato.

R VIAGEM AO FUNDO DO MA

submadesenvolveu nos Estados Unidos um O Instituto Oceanográfico Woods Hole nos, o chegar à área mais profunda dos ocea rino-robô. A embarcação conseguiu do na ntra mil metros de profundidade e é enco Challenger Deep, que tem mais de 11 ajuda de submarino Nereus é operado com a Fossa das Marianas, no Pacífico. O de ter o por pilotos a bordo de um navio, além cabos de fibra óptica e à distância explonte o este, nós agora podemos virtualme modo automático. “Com um robô com Andy Bowen, diretor do projeto. rar qualquer parte do oceano”, disse

REVISTA UNA - 38


INFORME PUBLICITÁRIO

O BRASIL TEM O CONFIANÇA E OTIMISMO

P

assados seis meses, olhamos o ano de 2009 com otimismo para a economia brasileira, para o mercado de automóveis. É muito bom olhar para esse primeiro semestre e ver com que competência o Brasil levou sua economia à frente. O Brasil – que teve a importante sensibilidade de fomentar a cadeia produtiva de veículos, devido ao seu importante papel para a economia de uma nação – e a China foram os únicos países que registraram crescimento na venda de automóveis novos comparado às vendas do mesmo período anterior. Com a forte atuação do Governo Brasileiro, adotando medidas para incentivar o crédito no País, com a redução do IPI, o fato memorável da redução da taxa de juros para um patamar menor que 2 dígitos (os menores juros reais dos últimos 30 anos), estamos superando os efeitos provocados pela crise mundial. A economia brasileira já aponta para um cenário de evolução positiva para este segundo semestre. O Brasil não é mais um País do futuro – é um País do presente, uma grande nação, um grande mercado. Nós, do Banco Fiat, acreditamos na força desse País. Estamos juntos nesse caminho de promover o crédito para os brasileiros – a exemplo disso, retomamos, recentemente, os planos de financiamento com 72 meses, com parcelas menores e ainda mais atrativas para os consumidores. E estamos sempre juntos da Fiat Automóveis e da Rede de Concessionários, com a grande missão de criarmos e oferecermos alternativas inovadoras em financiamento de veículos. Neste contexto, o Banco Fiat se posiciona de forma a reconhecer as oportunidades, com o forte propósito de manter o pioneirismo em serviços de financiamento que confere aos parceiros da Rede de Concessionários Fiat condições de destaque perante a concorrência. Bons negócios. Marco Bonomi Diretor Presidente do Banco Fiat

REVISTA UNA - 40

ITAÚ UNIBANCO ACREDITA NO CRESCIMENTO DO PAÍS

O

Itaú Unibanco deu mais uma prova de confiança no Brasil. O banco foi a primeira instituição a restabelecer sua linha de crédito em até 72 meses para a compra de automóveis zero quilômetro, com apenas 20% de entrada. Isso mostra que acredita na economia brasileira, na política adotada pelo Governo Federal e em suas ações de incentivo ao crédito. “A redução das taxas de juros, aliada aos positivos sinais que temos visto na economia, permitem a retomada do alongamento dos prazos e consequente redução do valor das prestações. Acreditamos que podemos fazer mais para aumentar as vendas, que já estão próximas dos níveis de 2008”, afirma Marco Bonomi, diretor presidente do Banco Fiat e vice-presidente executivo do Itaú Unibanco. Não faltam motivos para que o banco

GANHA MAIOR CRÉDITO PRÊMIO DE PARA R$ 1CRESCER MILHÃO seja o principal financiador de automóveis do País. O Itaú Unibanco sabe que confiar no Brasil é fazer mais pelo País e pelos brasileiros. O prazo ficou maior, a prestação menor e isso deixa o cliente mais perto de realizar o sonho do carro novo. Bom para os clientes e bom para os concessionários. “As medidas tomadas pelo Governo em meio à crise surtiram o efeito desejado, contribuindo para esta retomada, e confirmam que os fundamentos da economia são sólidos e nos permitem confiar no futuro”, diz Bonomi.

Crédito ágil e com qualidade O processo de aprovação de crédito na operação de veículos está baseado em modelos de pontuação que permitem rápida aprovação das propostas de crédito dos clientes, em ambiente de Internet, com segurança e eficiência. “A previsão é que a nossa carteira cresça em torno de 15% neste ano. Podemos até obter um resultado melhor em função desse anúncio, que deverá refletir positivamente no incremento dos negócios”, conclui Marco Bonomi.

A ampliação do crédito é mais uma prova de que o mercado está reagindo no Brasil. E a volta desse plano de 72 meses possibilita ao cliente parcelas menores para pagar, facilitando o fechamento do negócio.

Isso veio em boa hora, pois os clientes estavam usando recursos próprios e agora voltarão a financiar em 72 meses. Foi ótimo e nos ajuda a fazer com que o cliente fique menos cético sobre os rumos da economia.

O Banco Fiat sai de novo na frente, mostrando agilidade com esse plano, que é uma opção a mais para buscar o cliente com menor poder de compra. Ele pode parcelar em 72 meses e isso não compromete tanto a sua renda.

Adriano Capucci, da Dijave

Celso Menegaz, da Guaracar

Hélcio C. de Matos Sobrinho, da Cavepe


INFORME PUBLICITÁRIO

Procura-se:

empresas e profissionais inovadores Carlos Arruda - Professor e Coordenador do Núcleo de Inovação da Fundação Dom Cabral

A

s empresas mais sintonizadas com o futuro e as novas perspectivas de mercado estão, constantemente, incorporando novos conceitos, valores e estratégias em suas gestões, o que não só as coloca à frente nos seus segmentos de mercado como amplia seus horizontes de negócios. Assim, entre as perspectivas futuras das organizações, cresce, cada vez mais, a preocupação com a inovação e a sua capacidade de inovar, ao lado de outras estratégias como o desenvolvimento de lideranças ou a inserção de conceitos como sustentabilidade e responsabilidade social ao negócio. Nesse contexto, os executivos têm feito diversas indagações: como inovar? Em que inovar além da introdução de novos processos, produtos e tecnologias? Como preservar a capacidade de inovação das empresas? Como tornar inovação um processo sustentável? Como combinar o resultado de curto prazo com investimentos em inovações que prometem – mas não garantem – resultados futuros? Inovar é um esforço coletivo de transformar ideias, oportunidades e problemas em algo diferenciado. Isto é o que Schumpeter chamou de “combinações novas”. Ou seja, devemos nos perguntar, todos os dias, o que deveríamos fazer que nós não sabemos que devemos fazer. É preciso travar uma busca constante pelo novo e, para isso, muitas vezes, é necessário repensar a forma de se conceber o próprio negócio, desconstruindo os velhos conceitos para que se possa perceber as novas perspectivas. Porém, inovar não é tão simples quanto possa pa-

REVISTA UNA - 42

recer. Apesar de se ter consciência da sua importância, são poucas as empresas que têm inovação como uma estratégia ou como um processo em seu dia-a-dia. Dessa forma, essa questão representa hoje um dos maiores desafios das organizações, pois a maioria delas foi concebida para gerar resultados de curto prazo buscando, sempre que possível, mais eficiência e evitando incertezas e riscos. Já a busca pela inovação acontece no sentido contrário, pois se trata de um desafio de longo prazo que, geralmente, pressupõe lidar com o desconhecido e envolve investimentos que podem não gerar retornos imediatos. Nesse sentido, as empresas precisam implementar uma cultura pró-inovação, devendo inclusive ser concebida como um dos objetivos estratégicos da organização. Em outras palavras, as lideranças precisam criar ambientes propícios à criação de ideias, nos quais se reduzam ao máximo restrições que possam impedir ou inibir a criatividade individual. Tais ambientes devem fazer com que os funcionários se sintam instigados e livres para gerar novos conhecimentos, sempre em busca de inovações e sem medo de punições ou repreensões. Outro passo importante é fazer com que o processo de inovação torne-se organizacional. Ele deve fazer parte da gestão da empresa como um todo e não ser apenas uma iniciativa individual que se concentra na mão de um ou mais indivíduos “iluminados” ou “criativos”. Esta é a fórmula para o fracasso. Inovação requer diversidade, aprendizado e muito trabalho em equipe.

O

confiança E crescimento

Banco Fiat acredita na economia brasileira e nas ações do Governo para combater a crise. Medidas foram tomadas com sabedoria pelo Governo e o mercado vem reagindo. O crédito aos poucos está voltando, os juros estão baixando. Os sinais são de um crescimento para o próximo semestre. Esse crescimento é demonstrado pela confiança do consumidor brasileiro, que continua comprando – as famílias consumiram 0,7% mais no primeiro trimestre deste ano do que no quarto trimestre de 2008. Outro sinal significativo da retomada da economia é a melhora nos índices de inadimplência. Os indicadores eram

preocupantes até o início deste ano, mas o Banco Fiat tomou uma série de medidas e já percebemos uma inflexão nessa curva. E tem mais. O Banco Fiat assume seu compromisso com a Fiat Automóveis, a Rede de Concessionários, os clientes financiados e o País. Nossa instituição foi a primeira a restabelecer, recentemente, sua linha de crédito em até 72 meses para a compra de automóveis 0Km. Isso demonstra mais uma vez a confiança que temos na economia brasileira e nas medidas tomadas pelo Governo Federal para incentivo ao crédito. Acredito que no terceiro trimestre haverá um aumento do volume de crédito no País.

A missão do Banco Fiat sempre foi e continua sendo oferecer a solução adequada a cada cliente, para que ele tenha a melhor oportunidade de satisfazer o seu desejo de levar um Fiat para casa. Temos o importante compromisso de criar os melhores produtos e serviços em financiamentos, proporcionando meios para o concessionário ampliar seu relacionamento com o cliente e rentabilizar ainda mais os seus negócios. Sustentabilidade é o nome desse negócio. Luís Otávio Matias Diretor Executivo Banco Fiat

CANAIS DE ATENDIMENTO CENTRAIS TELEFÔNICAS

ATENDIMENTO ATENDIMENTO AO DEALER AO CLIENTE

INTERNET

Banco Fiat (Financiamento e leasing)

Consórcio Fiat

Serviços On-line

(11) 3670-5999

(11) 3677-1919

Disponíveis no sistema Credline

4004-4224* (capitais e regiões metropolitanas) 0800 723-4224* (demais localidades)

www.bancofiat.com.br www.fiatconsorcio.com.br

Das 7h30 às 22h, em dias úteis, e aos sábados, das 7h30 às 15h. Aos domingos, atendimento eletrônico.

REVISTA UNA - 43


Fomos vencedores pela 5a vez consecutiva do Prêmio Qualitas Awards, como melhor fornecedor na categoria Químico do Grupo Fiat. Dedicamos essa conquista aos que são movidos pela nossa qualidade.

Edição 107  

Edição 107

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you