Issuu on Google+

ativ ações Mari Anne L. Fagá


2


Ativações do espaço urbano. Arte, Arquitetura e cidade.

Trabalho final de graduação TFG 2012 Arquitetura e Urbanismo Uniseb COC Mari Anne Leite Faga

Prof orientadora: Ana Lúcia Ferraz 3


4

Bastilles-dérives, jaune cadmium moyen, 2008 Bastilhas, Derivas, amarelo cádmio médio Acrílica sobre tela, 130 x 97 cm. Série Bastilhas & Derivas

Figura 01


Apresentação Este trabalho parte de um interesse em relacionar a ARQUITETURA e a ARTE, dentro de uma escala urbana e que consequentemente ative de maneira positiva o cotidiano dos seus usuários. “o sentido da minha vida] é inventado a cada momento, mas é claro que eu necessito da poesia, eu necessito da arte, eu necessito de estar discutindo essas coisas, de estar pensando nessas coisas que dão transcendência à vida. Eu não tenho dúvida alguma de que a arte é necessária porque a vida não é suficiente, porque senão qual era a necessidade de inventar a arte? A necessidade é essa: as pessoas necessitam dela, por mais que aconteça coisa no mundo, a arte sobrevive, como uma forma de acordo com o momento, com a época, ela é uma coisa necessária, como a ciência é necessária, como a filosofia é necessária, como a religião é necessária, como a política é necessária. “ Ferreira Gullar (Programa roda viva tv cultura)

5


6


Agradecimentos Agradeço a todas as pessoas, que se fizeram em minha vida, presentes, nestes cinco anos do curso de Arquitetura, principalmente aos amigos Danilo medeiros, com quem aprendi a ‘sair do chão’... a Lívia Viana, com quem pude contar sempre e sempre... a Mariana Ferreira sempre paciente, amiga e prestativa ... aos companheiros de sala. ...em especial, a todos professores que contribuíram para minha formação, especialmente a Ana Lúcia Ferraz, que me orientou neste trabalho, dedicada e presente, mostrou-me o melhor caminho. A Deus, por andar sempre ao meu lado... minha família, país, irmãs, primos, tios e minha Vó, que acreditaram, incentivaram e me apoiaram a todo momento...a Diego Chiodi, pelo carinho, ajuda e paciência durante todo meu percurso. 7


8


Sumário Introdução 11 1. Urbano habitado pela ARTE

13

1.1 Situacionistas 14 1.2 Land Art e Site Specific 16 1.3 Arte Cidade 20

2. Intervenções 23 2.1 Itinerante < mobilidade BMW LAB GUGGENHEIN 24 Prada Transformer 26 Box Mobile Gallery 30 2.2 in situ < mutabilidade Mutante Carpet 36 Schouwburgplein Rotterdam 42

3. Situ.ações 47

4.

3.2 Promenade I 50 Promenade II 52 3.1 Situ. 54 3.3 Partido 58 3.4 Componentes 60 3.5 Montagens 64 3.6 Instalação 66 situ. 1 68 situ. 2 70 situ. 3 72 situ. 4 74

...

79

5. Bibliografia

83

9


10


Introdução entre arquitetura .arte e cidade O trabalho a ser desenvolvido tem como questão inicial, a aproximação da arquitetura, arte e cidade, pretendendo assim, potencializar as percepções espaciais da cidade reveladas nas ações cotidianas. As ligações muito tênues entre essas três áreas: arquitetura /arte e cidade se torna o motivador dessa pesquisa. Reinventar a vida cotidiana, iluminar o ato corriqueiro, reconhecer – se na cidade, repensa-lá seria então uma maneira possível de estabelecer uma interlocução entre essas áreas e uma possibilidade de pensar maneiras de intervir em um espaço em transformação [apagamento/ revelação] contínua . O habito que ao mesmo tempo estabelece uma relação de conforto e identidade com determinados espaços e ações gera também um apagamento gradativo diante daquilo que denominamos rotina. Os passantes urbanos passam pela cidade e já não a percebem de modo afetivo. O principal sintoma deste apagamento é quando o habito

torna os movimentos automáticos. A quebra do habito é então necessária, gerada por uma sensação de estranhamento, e abrindo o caminho para um nova possibilidade de visão ou perspectiva de visão para aquele espaço, tempo ou ação. Nesse campo de crítica e apresentação de novas dúvidas e contestações entra o papel da arte. Desmecanizar o movimento, estranhar o cotidiano, vivenciar novas experiências, estabelecer novas relações de espaço e pessoas. A interação entre as ações urbanas e a arte, pode amplificar a capacidade de nos relacionarmos. A importância desta união está então na possibilidade de qualificar e requalificar situações urbanas. Essa qualificação provoca em cada pessoa diferentes sensações, capazes, de transformar aquele instante em único, com isso, o intuito é a elaboração de um projeto que traga possíveis experiências urbanas no cotidiano das pessoas que ali circulam.

Para desenvolver o trabalho foi preciso buscar referências teóricas e projetuais que envolvesse esses assuntos, para poder assim, desenvolver o projeto. No primeiro capítulo ´Urbano Habitado pela arte´, propostas importantes para o desenvolvimento da pesquisa cercam temas como as teorias do movimento situacionista, a land art, o site specific e o Arte cidade. No segundo capítulo, ´Intervenções´, leituras projetuais são categorizadas em 3 blocos o primeiro in loco, o segundo Itinerante e o terceiro In Situ , Fazendo referências a maneira de se relacionarem com as ações e os lugares. No terceiro capítulo, ´Situ.Ações´ é apresentado o projeto de possibilidades de ações urbanas na cidade de ribeirão preto, os componentes que as formam, a montagem das instalações em possíveis situações urbanas. 11


12


rte A a l e p o d a t i b a H 1. Urbano

13


>Situacionistas<Land Art&Site Specific>Arte/Cidade

1.Urbano habitado pela Arte 1.1 > Os Situacionistas

O primeiro estudo realizado se Refere a um movimento chamado internacional Situacionista. Pode ser considerado um movimento de vanguarda artístico, social e político europeu, que faziam criticas aos acontecimentos arquitetônicos, urbanísticos que ocorrera na época. O movimento envolvia personalidades de renome como, poetas, escritores, cineastas, artistas plásticos, entre outros profissionais que tinham interesse na área. É datado de 1957 a 1972, iniciado após um encontro em Coisio D’Aroscia, Itália. Seu legitimo fundador e representante foi Ernest Debord, encarregado de exaltar o movimento e divulgar os preceitos a serem articulados: A arte e suas variantes - Arte e vida/Arte e política/Arte e cidade. Uma das principais vertentes conceituais eram as criticas ao movimento moderno, principalmente pelo uso de uma racionalidade formal, na arquitetura e no planejamento urbano, pois eles eram contra as tradicionais concepção das cidades como cidade, e defendiam um urbanismo mais participativo, tentando 14

assim novas formas de desfrute do espaço urbano para tentar romper com a visão fria e racionalista dos modernos. O pensamento urbano situacionista é baseado na criação de situações (Estado das coisas ou das pessoas), assemelhase a idéia de momento, que juntos ao cenário cotidiano mais suas variantes, formam uma transformação revolucionária na vida do indivíduo. A partir de então, práticas experimentais que estimulavam a reinterpretação do espaço foram desenvolvidas por eles a fim de defender o olhar ao acaso pela cidade. Essas práticas foram definidas como a “Deriva”, que seria como uma apropriação do espaço urbano pelo pedestre através da ação do andar sem rumo. Pode ser considerada o exercício pratico da psicogeografia e nova forma de apreensão do espaço urbano.‘

A psicogeografia foi outra definição criada

Figura 02

Aparelho indicador de caminhos da deriva. Este aparelho permite o traçado automático da curva de Gauss (posição das bolas na chegada). Os problemas artísticos da deriva situam-se no nível dos trajetos relativamente imprevisíveis de cada bola


>Situacionistas<Land Art&Site Specific>Arte/Cidade pelos Situacionistas, e seria usada para descrever estudo dos efeitos do meio ambiente urbano e seu efeito emocional e afetivo nos indivíduos que ali transitam. Estuda o ambiente urbano, sobretudo espaços públicos através das derivas ou seja, a deriva e a psicogeografia se complementam. Como exemplo, a figura 03, ao lado, representa um mapa da cidade de paris feito através da memória dos percuros.

Figura 03

Figura 04

Levantamento de todos os trajetos efetuados durante um ano por uma estudante que mora no XVIème arrodissement de Paris. Publicado por Chombart de Lauwe em Paris et l´agglomération parisienne.

‘Todo espaço é temporário, nada é reconhecível, tudo é descoberta. Constant, Ode à l’Odeon,1969. Haags Gemeentemuseum [Andreotti, Libero e Xavier Costa, (ed.). Situationistes; art, política, urbanisme. Barcelo]’

15


>Situacionistas<Land Art&Site Specific>Arte/Cidade

1.Urbano habitado pela Arte 1.2 > Land Art

No mesmo período dos Situacionistas, vários artistas americanos e europeus começaram a se expressar com um novo tipo de arte, que foi uma forma de expressão que acabara rompendo com galerias e museus, pois usam a natureza como paisagem de suas obras, tornando-a uma composição pela outra.

rochosa e da vida ao lugar antes abandonado. Ele explica a importância desta ação: é importante para que a cidade não esqueça suas origens, e muito interessante ter uma Visão como esta em um lugar totalmente edificado. figura 06 e 07.

Uma escultura muito conhecida é a O movimento queria despertar a Spiral Jetty, de Robert Smithson, que é consciência ecológica, saindo da rotina um espiral de pedras basálticas e terra, nostálgica das grandes cidades, por uma localizada nos EUA em 1970, pode ser existência mais natural e simplificada. visto por todos ate hoje.figura 08 e 09. Questionavam o local convencional instituído para exibir as obras de arte: cubo branco, se referindo aos museus e galerias de arte, por isso desenvolveram seus projetos em meio livre. Um exemplo de trabalho que rompe com a idéia de objeto artístico acabado é o Site markers, de dennis oppenheim/1967, que foi a ação de fincar estacas no solo de vários lugares dos eua, a fim de designar sites (sítios). figura 05 Outro artista, alan sonfist, cria a time landscape, em NY. Planta em terrenos baldios, plantas nativas, recria formação 16

Figura 05

Em uma vertente diferente, Christo e Jeanne - Claude, apesar de não gostarem de ser denominados Artistas da Land Art, a dupla realiza intervenções que interferem na paisagem e são voltadas ao publico, como mostram as fotos abaixo, o casal interage tanto com a natureza quanto com o urbano, suas obras atingem escalas inimagináveis e mudam a rotina de qualquer pessoa que de longe avista estas maravilhas. figuras 10 a 15.

Figura 06


>Situacionistas<Land Art&Site Specific>Arte/Cidade

Gates. (1979-2005) Central Park, Nova York Umbrelas (1984-1971) Asheville Art Museum Calif贸rnia Yellow Umbrellas

Figura 07

Figura 13

Figura 10

Wrapped Trees, Fondation Beyeler and Berower Park, Riehen, Switzerland, 1997-98

Figura 11 Figura 08

Figura 09

Figura 14 The Pont Neuf Wrapped, Paris, 1975-85 - A ponte Neuf em Paris, embrulhada Parlamento Ingles Empacotado em tecido.

Figura 12

Figura 15

17


>Situacionistas<Land Art&Site Specific>Arte/Cidade

1.Urbano habitado pela Arte 1.2 > Site Specific

Faz menção a obras criadas de acordo com o ambiente e espaço determinado, em geral, são trabalhos planejados em que, elementos esculturais dialogam com o meio circundante, o entorno. Neste sentido traz a idéia de arte ambiente, uma tendência contemporânea da arte se voltar para o espaço, incorporando-o a obra consequentemente transformando o meio que foi inserido, seja pequeno, grande, aberto, fechado.

Figura 16

Relaciona-se muito com a Land Art, que envolve a arte a paisagem, fazendo com que as duas se interajam,sendo também, de grande escala na maioria.

Trata-se de uma muralha de aço alta, e faz com que o individuo que anda a pé, redescubra novas deste local, com isso, afirma o artista “A obra foi elaborada para um lugar especifico em relação a um contexto especifico e financiada pelo contexto”.

As instalações artísticas de Site Specific remetem a noção de arte pblica, que é realizada fora dos espaço tradicionalmente destinados a elas: museus e galerias fechadas na maioria.

Porém a escultura teve que ser retiradadolocalapósmanifestações contrarias a obra por habitantes locais, pois consideravam a escultura agressiva e sem lógica.

A arte é apresentada de forma que seja fisicamente acessível, tem a preocupação de modificar a paisagem onde foi inserida, e é de caráter permanente ou temporário. Um exemplo é Richard Serra, 1939, com a obra Tilted arc (1981), instalada na praça federal Plaza /NY. Figura 18

18

Figura 17

Para sua elaboração, o lugar é examinado em todas as dimensões: desenho da praça, arquitetura, entorno, fluxo diário entre outros.


Figura 19

19


>Situacionistas<Land Art&Site Specific>Arte/Cidade

1.Urbano habitado pela Arte 1.3 > Arte/Cidade

O projeto Arte/Cidade vem sendo realizado em São Paulo desde 1994, por diversos artistas como arquitetos, poetas, artistas musicais, artistas plasticos escultores, filósofos entre outros. Foi dividido em três fases distintas sendo A cidade sem janelas, cidades de seus fluxos e a cidade e suas histórias, que tem como organizador e idealizador, Nelson Brissac, no qual juntou as fases e a nominou como Arte/ cidade. Esse conjunto de intervenções apresentam uma mesma proposta: realizar intervenções urbanas de grande escala em uma metrópole contemporânea, enquanto a arquitetura e urbanismo se transformam no espaço complexo e dinâmico. Acima de tudo, trata-se do questionamento do estatuto e do procedimentos aplicados a Arte, Arquitetura e urbanismo, estabelecidos na nova era tecnológica e globalizada. “Toda intervenção na cidade é necessariamente plural”. Essa definição do Arte/cidade, faz refletir sobre a somatória dos elementos condicionantes para intervenção: o urbanismo, a arquitetura, a política, a cultura e a 20

arte, apazes de juntos transformarem o Assim a uma troca, o incentivo de ir até imponderável em situação urbana capaz o ultimo andar ver a exposição e fazer de estabelecer um novo lugar . com que não perca a visão da rua no mesmo. Dentro do arte/cidade, algumas intervenções em destaque em A cidade Já na fase cidade e suas histórias, o e seus fluxos, destacam-se o projeto projeto de Regina Meyer, chamado de Rubens Mano, chamado de Detetor Farol, construído junto a linha do trem, de ausência, no qual usa dois grandes é para ser visto de longe, pois serve projetores de 12 000 watts de potência, de referencia para quem passa pelas instalados em torres de 13m de altura, avenidas do entorno, trazendo assim sobre o viaduto do chá, em São Paulo. notoriedade ao local abandonado. O Devido a altura, os feixes de 1,5m de Farol é estruturado por três pilares diâmetro, atingem a passarela na altura metálicos de secção I de 10’, com 26m da calçada, atingindo o fluxo de pedestre de altura, dando uma forma triangular, que ao passar tem sua silueta recortada, e para o travamento, perfis C e barras fazendo com que ... diagonais para contravento. A iluminação foi feita por um refletor com lâmpada de Também é interessante observar 1000W em cima da torre. O intuito maior o projeto de Guto Lacaz, chamado do projeto é mesmo a reintegração do de Periscópio, que se trata de um lugar abandonado com a cidade e os dispositivo óptico construído na fachada habitantes. do prédio da Eletropaulo. O projeto utiliza de, estrutura tubular ( 2.40m x 2.40m x 28m), atingindo 28m de altura, e espelhos de 2.40 m a 45°. O propósito é fazer com que o visitante do ultimo andar observe o movimento térreo, e quem esteja no térreo, pela rua possa observar a exposição no ultimo andar.


>Situacionistas<Land Art&Site Specific>Arte/Cidade

Rubens Mano detetor de ausências, 1994 viaduto do chá

Guto Lacaz Periscópio Eletropaulo

Figura 20

Regina Meyer Farol, 1994 linha de trem - matarazzo

Figura 21

Figura 23 Figura 22

Corte esquemático

21


22


2. Intervenções

23


Intervenções>Itinerante Bow Wow New York, EUA 2010

2.Intervenções

2.1 > BMW Guggenheim Lab Denominado como Museu Laboratório Itinerante, Esse novo tipo de proposta quer debater sobre a urbanidade num espaço vazios da cidade de New York e outras. O projeto consiste na idéia de montar um centro comunitário, em um espaço ocioso na cidade, com o objetivo de levantar questões sobre as formas de se viver em megacidades. O projeto é uma versão simplificada de um equipamento que atenda as necessidades da vida contemporânea dos cidadão das grandes cidades lhe proporcionando Arte, Entretenimento, informação, serviços gratuitamente. O projeto de new york foi montado em um terreno em forma de T, com entrada por duas ruas, ou seja um interstício urbano, com dois mil m², entre as ruas houston e a east first. O lugar estava sujo, cheio de entulho e foi totalmente transformado pelo projeto.

24

A estrutura se encaixa entre dois prédios residenciais, como uma caixa acoplada e elevada do solo, dando a impresão de estar suspensa; ela é toda envolta por uma armação de fibra de carbono preta, como uma tela.

W E N

Y

K R O Figura 25 Figura 26

Espaços Públicos

Equipamentos Performances

Figura 27

Discussões Eventos Figura 24

Figura 28


Intervenções>Itinerante Bow Wow New York, EUA 2010

POSSIBILIDADES Figura 29

Figura 30

Figura 31

Figura 32

Por atravessar o quarteirão, não possui entrada principal e A peculiaridade do projeto não esta apenas em proporcionar fundos. Dispõem de duas abertura com telas de TV que passam diferente eventos a população de uma cidade, New York é a informação dos eventos que estão e irão acontecer. O espaço primeira escolhida de três. formado é simples e acomoda ate 300 pessoas. Denominado itinerante, o laboratório foi projetado de modo a Mais o diferencial fica guardado na parte suspensa, onde ser desmontado e levado a outro lugar, cidade, pais, e atender encontra-se todo material e equipamento necessário para o a outro tipo de população, cultura e costumes. funcionamento do espaço. Containeres de metal guardam as cadeiras dobráveis, uma arquibancada de madeira, canhões Seus idealizadores, David Van Der Leer e Maria Nicanor, não de iluminação, tudo isso presos a fios de aço que são erguidos planejam que os projetos sejam perfeitamente refinados ou referencia estética, mais sim idealizam a construção de um e abaixados facilmente através de mecanismos. ambiente urbano que proporcione diversão, entretenimento, Para compor o espaço e transformá-lo em cenários de diferentes que traga arte, cultura, sempre gratuitos e que atenda a âmbitos, cartazes ou cortinas fixadas em trilhos na estrutura qualquer indivíduo. suspensa são responsáveis pela transformação do local. Figura 33

Figura 35

Figura 34

25


Intervenções>Itinerante Rem Koolhaas Seul, Coréia 2010

2.Intervenções 2.1 > Prada Transformer

O projeto não é classificado como museu e nem como uma de Seul, na Coréia do Sul. loja, como subentende, devido ao seu nome. Rem Koolhaas Sua forma é composta por 4 figuras geométricas diferentes, criou um espaço que se transforma e considera-se itinerante. formando quase um tetraedro, uma face temos um hexágono, Pode ser cinema, galeria de arte, teatro a ate passarela de em outra uma cruz, em outra um retângulo e por fim um moda, para isso é só rotacionar e escolher a função. circulo. O propósito é exatamente este, proporcionar vários espaços Encaixados de maneira que os pavimentos possam se de usos diferentes em um só lugar, o projeto permite a transformar em paredes e teto, alternadamente, pois os transformação da forma, do uso e do lugar. planos são rotacionados por uma grua, colocando no solo a parte que seria usada. O lugar escolhido para a implantação desta ideia, foi a cidade

Figura 36

26

Figura 37


Intervenções>Itinerante Rem Koolhaas Seul, Coréia 2010

Figura 39

A estrutura é feita em aço, com longos seguimentos de metal, formando as figuras geométricas, que são cobertas por uma membrana branca, elástica, feita especialmente para esse projeto. A estrutura costuma ser girada em tempos, conforme a programação, e é aberta para todo tipo de publico emergente do local. Figura 41

Figura 42

Figura 38

Figura 40

27


Intervenções>Itinerante Rem Koolhaas Seul, Coréia 2010

Figura 45

Figura 43 Figura 44

28

Figura 46


Figura 47

29


Intervenções>Itinerante Wise Seul, Coréia do Sul 2011

2.Intervenções 2.1 > Box Mobile Gallery

Trata-se de um projeto itinerante, que expõe diversos temas que sugere e possibilita diversas maneiras de composição, relacionados a arte, mídia, entretenimento entre outros. de acordo com as condições do local, cada painel tem uma obra fixada em seu interior. Composta por 12 painéis móveis (articulados) com dobradiças

Figura 48

Figura 49

Figura 50

30


Intervenções>Itinerante Wise Seul, Coréia do Sul 2011 Cada módulo pode ser considerado uma célula para exposições, podendo ser individual, um Box apresenta os trabalhos para exposição ou vários que podem se complementar, formando assim, muitas vezes um espaço de arte alternativo. O Box no estado dobrado, fechado, transforma-se em uma Caixa arte, que pode ser levado para qualquer lugar, mesmo com as obras colocados em suas faces. A montagem demora cerca de 1 dia para ficar pronto, podendo ficar dias no local.

Figura 51 Figura 52

O desafio do projeto é fazer com que as pessoas encontrem o inesperado na rua, perto de casa, trabalho ou percurso, criando uma relação urbana agradável e inesperada muitas vezes, transformadora da cidade, do lugar. Figura 53

31


Intervenções>Itinerante Wise Seul, Coréia do Sul 2011

Figura 54

32


Intervenções>Itinerante Wise Seul, Coréia do Sul 2011 Figura 55

Figura 56

33


Intervenções>In Situ Márcio Kogan LOS ANGELES, USA 2002

2.Intervenções 2.2 > Mutante Carpet

‘MÁRCIO KOGAN E EQUIPE INOVAM A CONCEPÇÃO DE PARQUES NESTA PROPOSTA EM QUE OS EQUIPAMENTOS LITERALMENTE BROTAM DO CHÃO. O PROJETO PARTICIPA DE UM CONCURSO PROMOVIDO PELA PREFEITURA DA CIDADE PARA A REVITALIZAÇÃO DE UM ESPAÇO EM LOS ANGELES, NA CALIFÓRNIA.’ Por Vânia Silva

Figura 57

Figura 58

34


Intervenções>In Situ Márcio Kogan LOS ANGELES, USA 2002

Figura 59

Marcio Kogan Projetou um parque que foge dos padrões normais de Praça pública, pois sua ideia foi a implantação de equipamentos e serviços que saem do chão. O Terreno possui uma área de 14.700m².

35


Intervenções>In Situ Márcio Kogan LOS ANGELES, USA 2002 Figura 60

Utiliza também um espaço de 5700m² no Sub solo, onde ficam os Boxes dos equipamentos. Neste local, kogan sugere atividades mais restritas como eventos noturnos como exposições, festas, lançamentos, encontros entre outros. Neste espaço que ficam os equipamentos sanitárias e a área técnica. 36

No sub solo é possível ver os equipamento envoltos por uma caixa de vidro, para proteção como um box.


Intervenções>In Situ Márcio Kogan LOS ANGELES, USA 2002

Plantas e Situações

Figura 61

As plantas abaixo mostram as diferentes configurações que o parque pode assumirde acordo com os equipamentos em utilização.

37


Intervenções>In Situ Márcio Kogan LOS ANGELES, USA 2002

Figura 62

Figura 63

38

Figura 64


Intervenções>In Situ Márcio Kogan LOS ANGELES, USA 2002

Figura 65 Figura 66

Figura 67

Figura 68

39


Intervenções>In situ West 8 Rotterdam, Holanda 1991-96

2.Intervenções

2.2 > SCHOUWBURGPLEIN O projeto pertence ao escritório de arquitetura chamado West 8 arquitetura, design e paisagem urbana. A praça esta 40 cm elevada do solo, e é delimitada por bordas brilhantes, possui 12250m² e esta localizada no coração de Rotterdam. Possui um mobiliário irreverente que acaba por atrair o público; trata-se de um banco de madeira longo, com as bordas arredondadas e continuas, e quatro postes de iluminação móveis, chamado willian bridg vermelha.

Figura 69

Figura 70

40


Intervençþes>In situ West 8 Rotterdam, Holanda 1991-96 Figura 72

Figura 73

Figura 74

Figura 71

Figura 75

41


Intervençþes>In situ West 8 Rotterdam, Holanda 1991-96

Figura 76

42


Intervenções>In situ West 8 Rotterdam, Holanda 1991-96 Figura 77

Figura 78

Figura 79

Figura 80

Devido a sua altura, eles ampliam a escala da praça e acompanham as alturas dos edifícios do entorno. Há três torres de ventilação dos estacionamentos do subterrâneo, que ficam atrás dos postes. A idéia do projeto da praça e seus elementos marcantes foram possíveis através da referência ao porto de Rotterdam, que por anos foi o mais importante do norte europeu. Como exemplo, os materiais usados para construção dos dutos de ventilação e das torres de iluminação, e até parte do piso são restos de navios, cargas, e que acabam por remeter o porto e trazem uma identidade para a praça.

Figura 81

Figura 82

O piso da praça também se torna um diferencial, pois com eles, seus diferentes materiais, texturas, cores, fica possível formar alguns ambientes encontramos revestimentos de pedra, alumínio, madeira, chapas de aço perfurada, distribuídos graficamente combinados. A praça, além de ser um lugar agradável e atrativo, possibilita uma flexibilidade de usos, que pode vir a atrair diferentes tipos de público e eventos diversos.

Figura 83

Outro lado positivo é que a praça foi inserida de maneira estratégica, pois em seu entorno esta um dos principais teatros e cinema da cidade, alem do salão de musica, área residencial e comercial como restaurantes. A praça também é chamada de praça teatro, devido as diversos usos e espetáculos ali ministrados.

43


44


3. Situ.ações

45


Cidade > Urbano > lugar > Ativações

Ribeirão Preto 46

Os pontos situ 1.2.3.4 são referentes a localização do Objeto proposto, em meio a cidade, locados hipotéticamente.

situ2

situ4


O lugar a ser explorado é a cidade de Ribeirão Preto (aproximadamente 600 mil habitantes), no interior de São Paulo. A proposta é inserir objetos que percorram seu território, a fim de explorar e trazer novas situações as pessoas que ali circulam.

situ3

situ.ações

(Estado das coisas ou pessoas)

situ1

N

“ Se a poesia está extinta nos livros, agora existe na forma das cidades, está estampada nos rostos. E não se deve buscá-la apenas onde está: é necessário construir a beleza das cidades, dos rostos: a nova beleza será de situação”. (Jappe, Anselm) 47


3.1>Promenade I

>>situações inspiradoras... as quais tomei como referências para elaboração do projeto.

Figura 84

Figura 85

48

Figura 86

Figura 87


2.5 > Pavilh達o Humanidades Figura 88

Figura 89

Figura 90

49


3.2>Promenade II > Luzinterruptus Figura 91

Ninho urbano - Madri-Espanha

Figura 92

Figura 93

“UMA NUVEM DE SACOS DE VISITAS Leitura Melbourne DO PRADO”

> Grupo Poro Figura 94

50

Azulejos

Figura 95

Jardim

Figura 96

Enxurrada de letras


> Hélio Oiticica Figura 97

Quasi-cinemas

Intervenções/Instalações Urbanas Figura 98

Magic-square

Figura 99

“Museu é o mundo” - Penetraveis

> Raul Mourão Figura 100

Figura 101

Esculturas cinéticas de Raul Mourão instaladas na Praça Tiradentes (RJ). Raul Mourão relaciona os elementos presentes no espaço urbano, refletindo em seu trabalho suas inquietações e especulações sobre a cidade.

51


52


53


54


55


Partido

A idéia inicial é a elaboração de um projeto que instigue [como a arte] possíveis experiências urbanas no cotidiano das pessoas que ali circulam, descongelando certas rotinas, e por vezes causando “incomodo”, com a finalidade de ativação do meio urbano por uma estrutura efêmera, motivadora de novas situações urbanas.

Para isso a proposta constitui-se de duas estruturas vazadas retangulares, constituídas com tubos metálicos, do tipo andaime tubular, capazes de se justapor em outras formas, sendo montados e desmontados no lugar a ser instalado, possibilitando assim, fáceis maneiras de transcorrer pela cidade.

A inspiração conceitual do trabalho foi adquirida através de um olhar sobre a cidade e, suas percepções e vivências. A vivência do cotidiano urbano, seus apagamentos, geram espaços vazios de significado. Não me refiro ao vazio como falta de corpo material, e sim, a um vazio como falta de substância afetiva com os espaços, minimizando as trocas, entre os espaços e os indivíduos.

Observando a cidade, é notória as rápidas transformações, a velocidade das mudanças, e de suas paisagens. Envolver no projeto estruturas tubulares metálicas, um material comum neste cenário, presente nas fachadas na cidade e o transformando em algo imprevisível com uma função inesperada, acaba por proporcionar novas experimentações e perspectivas capazes de atrair olhares e iluminar a rotina.

Então foi adotado como pré requisito a tentativa de preencher esses vazios através da inserção cotidiana de um objeto que estimulassem trocas sensoriais, estimulantes e imersivas, independente de repertório e cultura, reinventando o cotidiano e sua relação com o espaço urbano de Ribeirão Preto.

Além de ser comum no cenário urbano, por ser muito usada em construções, traz consigo a idéia de provisório, presente ali naquele instante e se desloca com a mesma rapidez a outros lugares.

Esse objeto em si, estabelece já na sua nomenclatura uma dúvida. Chamá-lo de objeto é uma escolha aqui pois denominá-lo simplesmente de equipamento não satisfaria sua real função, pois parece dar rigidez a ele, e o deixar ainda no nível de soluções do universo prático das ações urbanas, por isso chamo-o de objeto, para o elevar a significados mais abstratos e potentes de agregar outros valores. A idéia inicial é a elaboração de um objeto que possa se espalhar pela cidade a fim de reinventar os espaços urbanos. 56

Essa estrutura ainda se justifica pela facilidade da montagem, desmontagem, transporte e concepção do objeto, seus módulos variam de tamanho e permitem variada gamas de articulações, possibilitando assim, ajustes nas montagens propostas.


Ação projetual Proponho objetos, que possam ser montados pela cidade, em diversos locais, a fim de trazer novas situações e oferecer experimentações que fazem com que o percurso cotidiano ganhe novas estimulações. Por isso, a partir da modulação de duas estruturas vazadas retangulares, de diferentes tamanhos (6,00 x 2,50 x 2,50m e 4,00 x 2,30 x 2,50 m), foi possível compor diferentes possibilidades de encaixe. Como proposta de algumas experimentações são apresentados 4 possíveis situ.ações.

gramíneas e mirante. Preenchem o vazio sendo compostos de materiais acoplados, leves e de fácil fixação. A montagem fundamenta-se em estruturas montadas a partir da composição de tubos braçadeira. Duas estruturas (maior e menor) retangulares são justapostas conforme a situação pré determinada. Essa composição estabelece espaços de sombra e estar. algumas recebem aparatos na composição como placas de policarbonato.

As instalações acontecem na cidade de ribeirão preto, a preferência é a escolha de lugares densos, com fluxo de pessoas, automóveis, comércio, conjuntos Habitacionais, onde possam acontecer trocas. choques. fluxos. confluências. Durante o dia, através das situações momentâneas que ele acaba por oferecer, o objeto é permeado pela luz do sol e traça A partir disso, a ação projetual é pensada em 3 etapas: no chão novos desenhos, e armazena nas placas fotovoltaicas descriminação dos componentes estruturais e equipamentos, a energia para a manutenção de gerir sua própria luz. Durante métodos de montagem e instalações do objeto em locais na a noite, a luz que emana dele ilumina transformando em um outro corpo naquele instante. cidade. Cada situ.ação é pensada de modo a interagir com passante, chamando a sua atenção afim de obter uma troca de experiência e propiciar um instante único, em meio a sua rotina cotidiana. Para que isso aconteça, foi proposto para cada tipo de situ. ação componentes que ativam sua estrutura.

Como componentes são apresentados elementos que fazem o objeto tomar forma. São compostos de escada de parada, alguns penduráveis como: balanço, bolas infláveis, bolhas descanso, redes descanso, e suspensos como plataforma de

57


Componentes >> materiais

>>>uso de materiais leves, de fácil montagem/desmontagem/transporte, para rápida transformação do cenário urbano.

Estrutura andaime Tubular

Figura 102

Tubo em Aço Galvanizado ø 50mm (diâmetro) Uso de barras de 2,50 a 6,00 m Pintado por imersão com esmalte sintético preto.

Figura 104

Figura 105

Niveladores sapata ajustável e rodízio.

Figura 103

Prancha metálica aço galvanizado perfurado Tamanhos podem variar de 6.00 x 2.50 m 4.00 x 2.50 m 58

Figura 106

Braçadeira articulável Possibilidade de angulações

Figura 107


Fechamentos

Figura 108

Figura 109

Placa de policarbonato

Placa de policarbonato ondulada

Conectores

Iluminação

Figura 110

Lampada led 30w

Figura 111

Spot de luz articulável

Figura 112

Braçadeira plástica preta

Figura 113

Figura 114

Placa solar + bateria

Piso

Figura 115

Figura 116

Placa de aluminio ante derrapante perfurada

Figura 117

Rolo de linoléo

Figura 118

Placa grama 59


Componentes >> equipamentos Balanรงo

>>>...ativar entรฃo pode ser estimular, reapropriar, iluminar... foram escolhidos elementos que fazem o objeto tomar forma.

chapa metรกlica

redes de descanso trama de cordas

bolhas de acrilico

bolas inflรกveis Material pvc

60


Plataforma Gramíneas placa metálica coberta de grama

Escada Parada

Placas metálicas perfuradas

Rede descanso Trama de cordas

61


Barras conectoras Obs: as dimensoes podem variar dependendo da articulaçao

Braçadeiras articulaveis Obs: podem ser duplas e triplas dependendo do numero de barras

Se encaixa através de ganchos que se fixam nos tubos. São pintadas com esmalte sintético na cor preta.

Niveladores possuem encaixe nos tubos e são necessários para sentar a estrutura em pisos irregulares

62 Prancha metálica

Montagem >> peças >>>Foram adotados peças que fazem parte da estrutura de andaime tubular, o objeto formado apesar de usar peças que fazem parte da montagem das estruturas de andaime, ganham outra forma, outro uso...uma reflexão.


M贸dulo maior

M贸dulo menor

63


Montagem

64

>> descrição técnica


65


Instalação Situ.1ações

>>>Foram criadas quatro situações a partir do contexto apresentado. cada uma apresenta possibilidades de modificação do contexto do espaço a serem inseridas.

A situ.1ação é formada pela sobreposição das duas estruturas metálicas, sendo que a maior sobrepõe a menor, ficando apoiada a ela, inclinada do chão. Para o efeito de ativação, foram propostos escada com parada/ 66

descanso e um balanço. A escada é acoplada a estrutura maior e estabelece uma descomunicação com o solo , o balanço é pendurado na estrutura inferior, acima do piso metálico, e estabelece movimento.


Fotos maquete fĂ­sica/ projeto preliminar

67


>> Situ1

68


>> Situ1

69


>> Situ1

70


>> Situ1

71


>> Situ1

72


>> Situ1

73


Situ.2ações

>>> a idéia é circular pela cidade, com uma temporalidade de semanas, e possibilitar a este lugar novas experimentações.

A situ.2ação é formada pela interseção das duas estruturas como parada/descaço, para momentos de prazer próprio. a metálicas, mantendo as duas, inclinadas do chão. De modo estrutura menor oferece um vazio que poderá ser preenchido ativa-lá, uma rampa de chapa metálica, revestida com placas com ação do público. de grama preenche o vazio centra,. ele é pensando também, 74


Fotos maquete fĂ­sica/ projeto preliminar

75


>> Situ2

76


>> Situ2

77


>> Situ2

78


>> Situ2

79


>> Situ2

80


Situ.3ações

>>>o alvo é atingir todo tipo de publico, independente de seu repertório cultural, e dar oportunidade de reflexão sobre os acontecimentos que ocorrem em sua volta, diariamente, e que acabam por serem apagados.

a situ.3açao é composta pela conectividade das duas estruturas metálicas. através de dobradiça fixada em duas arestas, e nivelador rodízio de rodinhas emborrachadas e travamento, tem-se a possibilidade de afastar e aproximar

os objetos, que acaba por formar outros espaços ativos no entorno. No objeto maior, foi sugerido três balanços, e no menor, poltronas de acrílico e bolas de pvc infladas e elevadas do chão, todos fixados por cabos de aço. 81


82

Fotos maquete fĂ­sica/ projeto preliminar


>> Situ3

83


>> Situ3

84


•Elevação •• • • • • • • • • • • • • •

2.50

Escala 1:50

Det. 01

Det. 02

2.50

Corte AA

85


>> Situ3

86


>> Situ3

87


Situ.4ações

A situ.4ação é formada pela intersecção das duas estruturas corda trançada, fixadas por gancho mosquetão no objeto metálicas, de modo que o menor possua mobilidade menor, e o maior, rede de proteção do tipo circo será com seus niveladores tipo rodízio, podendo mudar sua amarrada a estrutura. disposição. Para sua ativação, foram propostos redes de 88


Fotos maquete fĂ­sica/ projeto preliminar

89


>> Situ4

90


>> Situ4

91


• •• • • • • • • • • • • • • •

2.50

>> Situ4

Det. 02

Elevação

Escala 1:50

Corte AA Det. 01

92


>> Situ4

93


>> Situ4

94


95


96


Ativações 97


98


99


100


101


102


103


104


105


106


4.

... 107


108


...

O trabalho estabelece o pressuposto de como a arte e a arquitetura são capazes de transformar pequenas situações em oportunidades de iluminar as ações cotidianas através da quebra da rotina.

Esse processo ressalta a necessidade de uma procura contínua de alternativas nas ações artísticas com a finalidade de preencher os vazios urbanos capazes de proporcionar aos locais, diferentes maneiras de vivenciá-lo. No limiar entre as linguagens existe um universo. Olhar a arquitetura através da arte, olhar a arte através da arquitetura, olhar a cidade através da arte, pode ser uma fonte imensa de novas possibilidades e experiências reveladoras. Foi a partir da percepção espacial de onde vivo, que me levei a passear por esse tema. Ao andar pela cidade, durante meus percursos cotidianos sempre me deparei com uma questão: por que temos tão poucas interferências artísticas em meio a cidade? E de que forma isso mudaria o hábito das pessoas ao simples fato de passarem por elas? Assim, procurei aprofundar meus questionamentos a fim de propor um projeto que interferisse na cidade e pudesse reinventar a vida cotidiana, e a minha.

109


110


5.Bibliografia

111


Bibliografia

“Figura01”http://atelliefotografia.com.br/desabafo/o-que-rola-na-cabecado-outro/ acessada em maio de 2012

AAAAAAAADKY/fiTFJOjmadk/s400/Parlamento+Empacotado+2.jpg acessado em 09/05/12

“Figura02”http://vitruvius.es/media/images/magazines/grid_9/5957_17602.jpg acessado em 07/04/12

“Figura16”http://2.bp.blogspot.com/Bepj81XkIao/Ts_iB_nfVHI/ AAAAAAAADKY/fiTFJOjmadk/s400/Parlamento+Empacotado+2.jpg acessado em 09/05/12

“Figura03”http://vitruvius.es/media/images/magazines/grid_9/5957_17601.jpg acessado em 04/04/12 “Figura04”http://www.vitruvius.com.br/media/images/magazines/ grid_9/5b01_027-02-01.jpg acessado em 04/04/12 ”Figura 05” http://www.dennis-oppenheim.com/web/artwork/content/ images/img_4.jpg acessado em 02/04/12

”Figura18”http://2.bp.blogspot.com/Bepj81XkIao/Ts_iB_nfVHI/ AAAAAAAADKY/fiTFJOjmadk/s400/Parlamento+Empacotado+2.jpg acessado em 09/05/12

”Figura06”http://www.alansonfist.com/projects/project.html?timelandscape acessado em 02/04/12

”Figura 19” http://minimalissimo.com/wordpress/wp-content/ uploads/2010/10/Richard-Serra-Tilted-Arc-4.jpg acessado em 09/05/12

”Figura07”http://newyorkdailyphoto.com/nydppress/wp-content/ uploads/2006/04/TimeLandscape1.jpg acessado em 02/04/12

”Figura 20” http://www.galeriamillan.com.br/pt-BR/ver-obra/detetor-deausencias acessado em 19/10/12

”Figura08” http://www.mediabistro.com/unbeige/files/original/SPIRALJ. GIF acessado em 04/05/12

”Figura 21” http://www.pucsp.br/artecidade/site97_99/ac3/artist/regina_ meyer.html acessado em 19/10/12

”Figura09”http://www.robertsmithson.com/earthworks/spiral_jetty_big.jpg acessado em 04/05/12

”Figura22”http://www.gutolacaz.com.br/artes/fotos/instalacoes/ periscopio/periscopio7.html acessado em 19/10/12

”Figura10”http://www.fotoclubef508.com/wpcontent/uploads/the-gatesart-project.jpg acessado em 09/05/12

”Figura23”http://www.gutolacaz.com.br/artes/fotos/instalacoes/periscoio/ peris_006.jpgacessado em 19/10/12

”Figura11”http://ucsbvrc.files.wordpress.com/2009/11/jeanne-claudeand-christo-the-gates-new-york-city-february-2005-central-park.jpg acessado em 09/05/12

”Figura 24” http://www.youtube.com/watch?v=KLge3maZPHI acessado em 19/05/12

“Figura12”http://bronzeartes.blogspot.com.br/2011/11/monumentos-dechristo-e-jeanne-claude.html acessado em 09/05/12 ”Figura13” http://arteseanp.blogspot.com.br/2010/04/christo-e-jeanneclaude.html acessado em 09/0512 “Figura14”http://catracalivre.folha.uol.com.br/wpcontent/ uploads/2010/07/apage_ce_christo_and_jeanne_ claude_11_1005271531_id_360103.jpg acessado em 09/05/12

112

”Figura17”http://2.bp.blogspot.com/Bepj81XkIao/Ts_iB_nfVHI/ AAAAAAAADKY/fiTFJOjmadk/s400/Parlamento+Empacotado+2.jpg acessado em 09/05/12

“Figura15”http://2.bp.blogspot.com/Bepj81XkIao/Ts_iB_nfVHI/

“Figura25”http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&tab=wl acessado em 19/03/2012 ”Figura26”http://www.wallpaper.com/gallery/architecture/the-bmwguggenheim-lab-new-york/17052587#48879 acessado em 19/03/2012 ”Figura 27” http://api.ning.com/files/6msjPrywKDODKROXY6NAxh10A7 mbE8g42EgTIJZuWaSOL3A*WTZD5LtG-3GHjjrdaoTTNPhQtT7UQIGH L87CFPN5O8*pLYnV/acontece1.jpg acessado em 19/05/12 ”Figura28”

http://www.bmwguggenheimlab.org/where-is-the-lab


acessado em 19/03/2012 ”Figura29”http://www.allartnews.com/wp-content/uploads/2011/11/BMWGuggenheim-Lab.-New-York-City.jpg acessado em 30/05/12

”Figura44”http://2.bp.blogspot.com/_Zm2JdY5_04E/SeyHIlitXDI/ AAAAAAAACfM/rbuONjybvWQ/s400/Prada_transforme acessado em 08 / 0 6 / 1 2 ”Figura 45”

”Figura30” http://assets.inhabitat.com/wp-content/blogs.dir/2/ files/2011/08/bmw-guggenheim-lab-interior-05-537x357.jpg acessado em 30/05/12

”Figura46”http://2.bp.blogspot.com/_Zm2JdY5_04E/SeyHIlitXDI/ AAAAAAAACfM/rbuONjybvWQ/s400/Prada_transforme acessado em 08/06/12

”Figura 31” http://www.youtube.com/watch?v=KLge3maZPHI

”Figura47”http://2.bp.blogspot.com/-N-WV3yXx2ak/UFd3IuBqZII/ AAAAAAAAAns/ERX_z4PIFIc/s1600/Prada+Transformer-01.jpg acessado em 08/06/12

”Figura32” http://assets.inhabitat.com/wp-content/blogs.dir/2/ files/2011/08/bmw-guggenheim-lab-interior-01-537x357.jpg acessado em 30/05/12 ”Figura33” http://www.wallpaper.com/images/211_bmw_guggenheim_ lab_tl090811_f.jpg acessado em 30/05/12 ”Figura34” http://cdn.guggenheim.org/BMW/press/2011/thumb_ ExteriorFromFirst_b.jpg acessado em 30/05/12 ”Figura35” http://www.nussli.us/typo3temp/fl_realurl_image/bmwguggenheim-lab-new-york-fd.jpg acessado em 06/06/12 ”Figura36”http://architectureforguerillas.blogspot.com.br/2009/04/pradatransformer.html acessado em 08/04/12 ”Figura37”http://4.bp.blogspot.com/_s8LQxpbK6Uk/SwqVBvHdwyI/ AAAAAAAABW0/OHmJj3erHYk/s1600/prada-transformer-02.jpg acessado em 08/06/12 ”Figura38”http://4.bp.blogspot.com/_ZqSiUYOW1rY/Sfplg451wI/ AAAAAAAAD1w/K-asB1Uio5U/s400/Prada+Transformer_OMA_3.jpg acessado em 08/06/12 “Figura39”http://zakklauck.com/blog/wp-content/uploads/2009/03/PradaTransformer5.jpg acessado em 08/06/12 ”Figura 40” http://www.asuntodigital.com/modusistema/wp-content/ uploads/2011/10/Prada3.jpg acessado em 08/06/12 ”Figura41”http://www.jetsetsocialite.com/wp-content/uploads/2009/04/ the-prada-tranformer-in-seoul1.jpg Acessado em 08/06/12 ”Figura42”http://4.bp.blogspot.com/_csUZUsPFZoo/SchZzST4CEI/ AAAAAAAAAR8/lzv_KZh3ZrE/s400/prada012.jpg Acessado em 8/06/12 ”Figura43”http://2.bp.blogspot.com/_Zm2JdY5_04E/SeyHIlitXDI/ AAAAAAAACfM/rbuONjybvWQ/s400/Prada_transforme acessado em 08/06/12

”Figura48”http://www.archdaily.com/136681/box-mobile-gallery-wisearchitecture/box-mobile-gallery-press-pdf-10/ acessado em 04/05/12 acessado em 08/06/12 ”Figura49”http://www.archdaily.com/136681/box-mobile-gallery-wisearchitecture/box-mobile-gallery-press-pdf-10/ acessado em 04/05/12 acessado em 08/06/12 ”Figura50”http://www.archdaily.com/136681/box-mobile-gallery-wisearchitecture/box-mobile-gallery-press-pdf-4/ acessado em 04/05/12 acessado em 08/06/12 ”Figura51”http://www.archdaily.com/136681/box-mobile-gallery-wisearchitecture/box-mobile-gallery-press-pdf-2/ Acessado em 05/05/12 ”Figura52”http://www.archdaily.com/136681/box-mobile-gallery-wisearchitecture/box-mobile-gallery-press-pdf-13/ acessado em 04/05/12 “Figura53”http://www.archdaily.com/136681/box-mobile-gallery-wisearchitecture/box-mobile-gallery-press-pdf-9/ acessado em 04/05/12 ”Figura54”http://www.archdaily.com/136681/box-mobile-gallery-wisearchitecture/box-mobile-gallery-press-pdf/ acessado em 04/05/12 ”Figura55”http://www.archdaily.com/136681/box-mobile-gallery-wisearchitecture/box-mobile-gallery-press-pdf-6/ Acessado em 04/05/12 ”Figura56”http://www.archdaily.com/136681/box-mobile-gallery-wisearchitecture/box-mobile-gallery-press-pdf-7/ Acessado em 04/05/12 ”Figura57”http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12 ”Figura58”http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12 ”Figura59”http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/

113


artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12 ”Figura60”http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12 ”Figura61”http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12 ”Figura62”http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp ”Figura 63” http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12 ”Figura 64” http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12 ”Figura 65” http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12 ”Figura 66” http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12

”Figura 76” ://www.castonline.nl/Tentoonstellingen/heuvel/images/ rotterdam_2.jpg acessada em 20/05/12 ”Figura77”http://2.bp.blogspot.com/_ESLyGuJRJqU/TUKgMyMSxMI/ AAAAAAAABwA/chwkucVV1FQ/s1600/casestudy%2BSCHOUW-01.jpg acessada em 30/06/12 ”Figura 78” http://www.youtube.com/watch?v=vUaTbeni-lc acessada em 30/06/12 ”Figura 79” http://www.betrokkenbijrotterdam.nl/PZR/Images/ Schouwburgplein.jpg?hid=img; acessada em 30/06/12 ”Figura 80” http://www.west8.nl/projects/schouwburgplein/ acessada em 30/05/12 ”Figura 81” http://www.castonline.nl/Tentoonstellingen/heuvel/images/ rotterdam_3.jpg acessada em 30/05/12

”Figura 67” http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12

”Figura 82” http://www.rotterdam.nl/OBR/Images/Vastgoed/ Architectuur/477-Marc-Heeman.jpg?hid=img;rm=9;w=571;h=440;q=90; acessada em 30/05/12

”Figura 68” http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/108/ artigo23507-1.asp Acessado em 15/05/12

”Figura 83” http://www.youtube.com/watch?v=vUaTbeni-lc acessada em 30/05/12

”Figura 69” http://www.west8.nl/projects/schouwburgplein/ acessada em 20/05/12

”Figura 84” <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/ projetos/12.138-139/4403>. acessada em 30/08/12

”Figura 70” http://1.bp.blogspot.com/_ESLyGuJRJqU/TUKgNs_WZDI/ AAAAAAAABwY/c7jAMEvaWW0/s160 acessada em 20/05/12

”Figura 85” http://extra.globo.com/incoming/5210054-2fc-e1b/w448/ rio_20_humanidade_2.jpg acessada em 30/08/12

”Figura71” http://courses.umass.edu/latour/2010/schouwburgplien/ Images/Schouwburgplein%20Design%20Plan-452.jpg acessada em 20/05/12

”Figura86”http://www.arcoweb.com.br/arquitetura/carla-juacabapavilhao-rio-janeiro-10-10-2012.html acessada em 15/11/12

”Figura 72” http://www.castonline.nl/Tentoonstellingen/heuvel/images/ rotterdam_4.jpg acessada em 20/05/12 ”Figura73”http://2.bp.blogspot.com/_ESLyGuJRJqU/TUKgMyMSxMI/ AAAAAAAABwA/chwkucVV1FQ/s1600/casestudy%2BSCHOUW-01.jpg acessada em 20/05/12 Figura74”http://2.bp.blogspot.com/_ESLyGuJRJqU/TUKgNMDFgoI/ AAAAAAAABwI/7Ydd63H1Tfo/s1600/casestudy%2BSCHOUW-02.jpg acessada em 20/05/12

114

”Figura 75” http://img245.imageshack.us/img245/2175/20090509schouw burgplein.jpg acessada em 20/05/12

”Figura 87” http://posto12.blogspot.com.br/2012_05_01_archive.html acessada em 30/05/12 ”Figura88”http://www.arcoweb.com.br/arquitetura/carla-juacabapavilhao-rio-janeiro-10-10-2012.html acessada em 15/11/12 ”Figura89” http://www.arcoweb.com.br/arquitetura/carla-juacabapavilhao-rio-janeiro-10-10-2012.htmlacessada em 15/11/12 ”Figura 90” http://extra.globo.com/incoming/5210054-2fc-e1b/w448/ rio_20_humanidade_2.jpgacessada em 15/11/12


”Figura 91” http://www.greendiary.com/urban-nest-iridescent-art-installation-by-luzinterruptus.htmlacessada em 15/11/12 ”Figura 92” http://mocoloco.com/art/upload/2009/03/luzinterruptus_prado3.jpgacessada em 15/11/12 ”Figura93”http://lounge.obviousmag.org/apaixonadamente_curiosa/2012/10/15/Luzinterruptus.10/Luzinterruptus.10.jpgacessada em 15/11/12 ”Figura94”http://bp3.blogger.com/__FSXbtt4Jv4/SDwB-tM3tLI/AAAAAAAABQg/48kfJInin3c/s320/enxurrada05.jpgacessada em 15/11/12 ”Figura95”http://2.bp.blogspot.com/_v_A4mgyS338/SiQuqQGep1I/AAAAAAAAAD0/j-Nc3fzj7qw/s400/poro-azulejos-de-papel08.jpgacessada 15/11/12

em

”Figura96”http://3.bp.blogspot.com/_eaNchht36HM/SMErvlUpRxI/AAAAAAAAACc/HIAOx2R7J68/s320/jardim04.jpgacessada em 15/11/12 ”Figura97”http://www.inhotim.org.br/uploads/Obras/2c6cbcb0122850e0557c1bc5a326ce55_media.jpgacessada em 15/11/12 ”Figura 98” http://www.julianaburlamaqui.com.br/blog/wp-content/uploads/2012/09/8.jpg acessada em 15/11/12 ”Figura 99” http://www.ezine.jor.br/reportagens/jrn7b/inhotim/Foto%20de%20Inhotim_2.jpg acessada em 15/11/12 ”Figura 100” http://blogdoiav.wordpress.com/2012/09/10/studio-x-global-network-initiative/ acessada em 15/11/12 ”Figura 101” http://www.raulmourao.com acessada em 15/11/12 ”Figura 102” Andaime acoplation, disponível em: http://www.acoplation.com.br/pdfs/Acoplation_catalogo.pdf . acessado em 01/10/12 ”Figura 103” Andaime acoplation, disponível em: http://www.acoplation.com.br/pdfs/Acoplation_catalogo.pdf . acessado em 01/10/12 ”Figura 104” http://www.pilosio.com/por/products/view/1-andaimes/6-andaime_mp acessado em 01/10/12 ”Figura 105” http://www.pilosio.com/por/products/view/1-andaimes/6-andaime_mp acessado em 01/10/12 ”Figura 106” http://www.pilosio.com/por/products/view/1-andaimes/6-andaime_mp acessado em 01/10/12 ”Figura 107” http://www.pilosio.com/por/products/view/1-andaimes/6-andaime_mp acessado em 01/10/12 ”Figura 108” http://www.polysolution.com.br/policarbonato-multi-painel-coberturas-e-toldos/ acessado em 01/10/12 ”Figura 109” http://www.chapasdepolicarbonato.com.br/telhas_policarbonato.htm acessado em 01/10/12 ”Figura 110” http://www.neosolar.com.br/media/catalog/product/cache/1/image/500x500/9df78eab33525d08d6e5fb8d27136e95/l/a/lampada_led_ bulbo_lb04_e27_foto01_1.jpg acessado em 01/10/12 ”Figura 111” http://chandelierlux.files.wordpress.com/2010/01/trilho_spot-thor_altena.jpg?w=604 acessado em 01/10/12 ”Figura 112” http://img2.mlstatic.com/s_MLB_v_S_f_218623401_8582.jpg acessado em 01/10/12 ”Figura 113” http://img.alibaba.com/photo/111573744/Small_Solar_Panel.jpg acessado em 01/10/12 ”Figura 114” http://minhacasasolar.lojavirtualfc.com.br/lojas/00014743/prod/img_MF36_500.jpg acessado em 01/10/12 ”Figura 115” http://www.metalica.com.br/images/stories/noticias/noticias-imagem/id2652_telhas%20de%20policarbonato_belmetal.jpgacessado em

115


01/10/12 ”Figura 116” http://www.metalica.com.br/images/stories/noticias/noticias-imagem/id2652_telhas%20de%20policarbonato_belmetal.jpg acessado em 01/10/12 ”Figura 117” http://www.geradordeprecos.info/imagenes2/rss_coloca_linoleo_400_300_6C1696.jpg acessado em 01/10/1 ”Figura 118” http://www.lojadopaisagismo.com.br/media/catalog/product/cache/1/image/650x650/9df78eab33525d08d6e5fb8d27136e95/g/r/grama. jpg acessado em 01/10/12 As imagens não citadas são de acervo do autor. Referências Projetuais Ferreira gular - http://www.youtube.com/watch?v=YvjojB4PVd0, programa roda viva, tv cultura 28 de Fevereiro de 2011. acessado em 16/05/12 Certeau, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994 BRISSAC, Nelson. Arte/cidade - um balanço. São Paulo: Senac, 2006 JACQUES, Paola Berenstein. Breve histórico da Internacional Situacionista – IS. Arquitextos, São Paulo, 03.035, Vitruvius, abr 2003 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/03.035/696>. acessado em março de 2012 http://www.arquitetonico.ufsc.br/land-art acessado em acessado em 01/04/12 Wikipédia, land art, disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Land_Art, acessado em 06/04/12 http://www.arte-coa.pt acessado em 15/04/12 Wikipédia, Site Specific, Disponivel em: http://en.wikipedia.org/wiki/Site-specific_art acessado em 09/05/12 Os espaços em trânsito da Arte: In-situ e site-specific, algumas questões para discussão ,Tiago Giora http://www.panoramacritico. com/006/docs/TiagoGioria_EspacosemTransito_artigo_panoramacritico06.pdf acessado em 15/10/12 http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=termos_texto&cd_verbete=5419 05/06/12

acessado

em

http://www4.pucsp.br/artecidade/indexp.htm acessado em 01/03/12 http://www.bmwguggenheimlab.org/ acessado em 06/03/12 http://www.prada-transformer.com/ acessado em 01/03/12 Henry , Christopher . “Box Mobile Gallery / WISE Architecture” 20 May 2011. ArchDaily. Accessed 04 Mai 2012. <http://www.archdaily. com/136681> SEGRE, Roberto. Pavilhão Humanidade 2012. Uma arquitetura frágil e sustentável no evento Rio+20. Projetos, São Paulo, 12.138-139, Vitruvius, jun 2012 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/12.138-139/4403>.

116


http://www.luzinterruptus.com/ acessado em 01/11/12 http://www.raulmourao.com acessado em 01/11/12 http://www.heliooiticica.org.br/home/home.php acessado em 01/11/12 http://poro.redezero.org/ acessado em 01/11/12 Andaime acoplation, disponível em: http://www.acoplation.com.br/pdfs/Acoplation_catalogo.pdf . acessado em 01/10/12 VELLOSO, Rita de Cássia Lucena. Cotidiano selvagem. Arquitetura na Internationale Situationniste. Arquitextos, São Paulo, 03.027, Vitruvius, ago 2002 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/03.027/758>. acessado em 20/11/12

117


118


ativações urbanas